Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10176


This item is only available as the following downloads:


Full Text

ir
'



AMO XXXIX HUMERO 196.
Per tres mezes ndianlados 5$ 000
Pr tres mezes vencidos .

SEXTA FEIRA 28 DE ACOST DE 1863.
Por anno adiantado..... i'9$000
Porte franeo para o subscriptor.

DIARIO DE PERNAMBUCO.
ENCAHBEGADOS DA SUBSCHIPgO NO NORTE
Parahvba. o Sr. Antonio Alexandrino de Lima'
Natal, o'Sr. Antonio Marque da Silva; Araeaty. o
Sr. A. de Lejnos Braga; Cear. o Sr. J. Jos de
Oliveira; HJaranho, o Sr. Joaquim Marques Bo-
drignes; Para, os Srs. Manoel Pinhriro & C; A-
ntazonas, o Sr. Jerenxmo da Costa.
ENCARREGADOS DA SCBSCRIPCAO' NO SUL
Alagas. o Sr. "Claudino Falro Dias: Baha, o
Sr. Jos Martins Alves; Bio dv Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins v Gaaaaiino.
PABTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Govaina e Parahvba as segundas e
sexlas-feiras.
Santo Anto. Gravat, Bezerros, Bonito, Caruaru,
Altinho e Garanhuns as ternas feiras.
Pao d'Albo. Nazareth. Limociro. ^Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Plores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrob,
Boa Viste. Ouricury e Exu' Utas quartas feiras.
Sennhcm. Rio Form'oso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feirtts.
Ilha de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partera ao i/- dia.__________
EPHEMEIUDES DO MEZ DE JULHO.
6 Quarto ming. as 6 h., 40 m. e 14 s. da ni.
14 Loa nova as 10 h 37 m. e 44 s. da ni.
22 Quarto rese, as 2 h., 64 m. e 32 s. da ni.
28 La cheia as 5 h., 19 m. e 56 s. da t.
PREAMAB DE HOJE.
Primeira as 1 horas e 54 minutos da tarde.
Segunda as :t horas e 18 minutos da manha.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
1 Para o sul at Alagas a 5 e 2o; para o norte at
A Granja 7 e 22 de rada mez: para Fernando nos
dias 14 dos mezes dejan, mare.. maio, jul, sel. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipueos as 6>/*. 7, 7 '/. 8 e
B V2 da m.; de Olinda as 8 da m. e da tarde; de
iaboato s 6 Vi da m.; do Caxang e Varzea s 7
da in.: de Bemlica s 8 da m.
Do Recife : para o Apipueos s 3 '/j, 4, 4 /< 4 /,
8, 51/4, 5 /i e 6 da tarde; para Olinda s 7da
manha e 4'/, da tarde; para Jaboatiu. s 4 da tar-
de ; para Caehang e Varzea s 4 '/da tarde; para
Betica s 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TRIBl*NAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relarao: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda : quinta s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 hora*.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do eivel: tercas c sextas ao nieio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DIAS DA SEMANA.
24. Segunda. S. Bartholomeo ap.: S. Prototoavo
25. Terca. S. Luiz re de Franca; S. Patricia .
2fi. Quarta. S. Zeferino p. m.: S. t*on*tanria m
27. Quinta. S. Jos de I alazn.- f. das ^nta- (m
28. Sexta. S. Agostmho b. e Dr. da enreja.
29. Sabbad*. S. Adolph b.; S. Salina v. m
30. Domingo. S. Rosa deLina v. americana.
ASSIGNA-SE
no Recife, em a. linaria da praca da lneYpeMfcr..
ns. 6 e 8. dos proprietarios Manoel Figurina *
I Faria & Filho.
PARTE QFFICIAL.
MINISTERIO VA FAZENDA.
Rrlatorio il minislerio da rateada, qnf drvia ser
aprrsrnlado assrmblea geral legislativa pelo
respectivo ministro Ktm. Sr. niarqnrz de
branles.
(Conclumo.)
Nova casa da mouda. Pelo relatorio que o an-
no passado vos apresentou o Ilustrado ministro,
que nessa poca diriga os negocios da fazenda, ti-
vestes pleno conhecimertto da varias occuironcias
que algum tanto demoraram o progrosso desta im-
portante cdilicaoao. No anno decorrido de ento
.it hoje factos com a mesina origem daquelles se
deraaa, tendendo a resultado semelliante. e por is-
so obrigando o governo a mostrar-se dora em
diante menos condescendente.
Como sabis, a origem dessas oceurrencias foi a
serie de duvidas e questdes suscitadas pelos em-
presarios das obras a respeito da inteligencia de
diversas clausulas do contrato de 3 de julho d^
1838. A solueao de muitas dessas duyidas foi adia-
da para tempo opportuno, afim de nao embarazar-
se a continuacao das obras, e, depois de .asignado
o contrato supplementar de 10 de juuho de 1861,
leve a edifleacao regular andamento.
Em 31 de julho do anno passado o engenheiro
fiscal do governo ohTciou a este n\inisterio que era
chegada a occasio de resolver todas as duvidas
^presentadas pelos emprezarios, visto como trata-
va-se de entrar em ajustes com elles acerca do re-
c "liimento das oficinas, para proceder-se ao assen-
tamenlo das machinas que all tem de lunceionar.
A 28 de noventn* assignaram os emprezarios
termo da entrega das offleinas e casa das caldei-
ras, licando salvos todos os dircitos da fazenda pu-
blica, por ter sido a entrega considerada parcial.
Bem depressa, porm, se arrependeram os em-
prezarios de ter dado esse passo, e prelenderam
que o governo considerasse as oficinas como aca-
badas, contando-se o prazo de sua conservarn, co-
mo se a entrega fosse definitiva. Recusndose o
governo a isso, nao quizeram os emprezarios per-
mittir a entrada do engenheiro encarregado do as-
sentamento das machinas as offio.iuas, de que an-
da estavam de posse, sob o pretexto de conterem
ellas objectos da oinprcza.
Tendo o dito engenheiro representado a este res-
peito em offlcio de 12 de marco ultimo, mandei por
despacho de 30 do mesmo me/, intimar aos empre-
zarios a entrega de todas as oficinas na forma por
que se obrigaram, sob pena de resciso do contra-
to e indemnisacao das perdas e damnos, que da
demoia podessem vir fazenda publica.
Na mesma occasio tambem representau aqucl-
le engenheiro a respeito do lageamento e forro das
uit-iiias e do deposito d agua para alimentarlo das
caldeiras e outros flus designados no contrato.
Allegaram os emprezarios. para nao fazerem o
mencionado lageamento e forro, que sendo o con-
trato muito explcitos respeito de pequeas cousas,
cortamente nao deixaria do tratar do lageamento e
forro das oficinas, se desde o principio fossem el-
les obrigados a fazer laes obras. Compre, porm,
observar que essas pequeas cousas nao estavam
descriptas as cspecilicacoes em que se baseou o
contrato primitivo,, no entanto que o lageamento e
forro aehavam-se bem detallados, sendo designa-
das as oficinas quu os deviam ter. Nem podiam os
emprezarios dei\ar de contar com essas verbas de
despeza (piando lizeram a sua propoeta, sendo cor-
to que o actual suli-enipreiViro Luiz Hosxe. que
tambem foi concorrente. declarou em sua proposta
A obra restante do edificio, de que se trata, foi
oreada em 1860, segundo informa o inspector, na
ounlia de 211:699*620. e a despea realisada por
qessa conta at o ftm do exercicio prximo nd
montou a 129:333*799. A difTerenca da quantia
oreada para a despendida ter de ser augmentada
na opiniodn mesmo inspector, com urna impor-
tancia quando muito superior a 20:000*000, pela
necessidade de obras com o aquartelamento para a
companhia dos guardas, e tripolacao dos csca-
leres.
Como em offlcio de 20 de abril docorrente anno
o inspector da thesoura-
guas. foi autorisado o i" tenenle da tnarinlia (lar-
los Braconot a fazer o competente assentamento
dessas machinas, para cujo fin j por ordem deste
ministerio Ihe foram entregues pelos emprezarios
as respectivas offlcnas.
Alfandega da corte. Obras internas. Foram
asentados os trunos, aberlas as nocessarias portas,
feitos outros prepares no pavimento terreo do
novo armazem de ferro, afim de torna-lo proprio
para deposito de gneros da estiva.
0 sinistro occorrido em fevereiro ultimo que,
pela violenta depressao exercida as carnadas de !
vasa do fundo do mar, poderia ter produzido gran- communicou aojthesouro
de abalo as carnadas adjacentes, onde assenta 6 ra de fazenda dessa provincia foi entregue no da
caes que serve de baso ao edificio, destruio apenas il do mesmo mez a ponte de ierro da alandega,
parte do mollie. por sua pasicao pouco distante e slidamente construida nos termos do contrato, se-
paralella s novas construrcf.es i e nem por isso gundo o parecer do respectivo fiscal, ocapitaode
ha indicio algum que possa incutir o menor receio engenheiros Jacome Martins Baggi, depws das ex-
acerca da conlianca. que inspira a seguranza da penencias, c provas do toque de wagons successi-
oora i vos sobre os trilitos, e examc dos guindastes, dc-
A fafliada de podra de cantara, tao dispendiosa, signados no respectivo contrato, e na ordem do
e que constitua o mais forte e oneroso obstculo thesouro de 19 do Janeiro de 1861.
a continuacao das paredes do edificio, est deliniti- Alfandega de Pernambuco.-Sendo insufflciente
vamentc ultimada, assim como concluidas as pare- para a conclasao da obra do assentamento dos til-
des de atronada mixta do armazem de ferro com
28.733 palmos cbicos. Assentaram-se 2.072 pal-
mos quadrados de lagedo. Construiram-se dous pi-
lares com o voliune de 1.830 palmos cbicos.
Na nova ferrara se fabricaraiu diversas obras
que consumirara :
83 qq e 2 (S) de ferro.
Ditoao mesmo.Constando de aviso do ministe-
rio do imperio datado de 4 do corronte, que fra
approvado o crdito de 5:000*000 que mandei
o ptTiniitaiii as forras do thesouro, tratar-se-ha do
rcalisar os melhormentos de que elle carece.
Alfandega de Uruguayana.Acaba de ser remet-
tida ao thesouro a planta de urna nova casa para
esta repartirn: sendo oreada a sua editica^o na
quantia de 74:000*000. A em que funeciona ac-
tualmente esta alfandega por deraais reina, e es- cimento.
ti prxima a desabar. O actual inspector diverge Dito ao inspector da thesouraria provincial.A
do seu antecessor acerca do ponto em que devera Dorindo da Cunha Lima, ou a pessoa por elle auto-
ser construida a nova alfandega em relaeo s con- i risada mande V. S.* pagar se nao huover inconve-
veniencias do commercio e da fazenda. 0 gover-! niente a quantia de 37*200 despendida com o sus-
Ditos de contratos e arremata-
c5es........................
. Ditos de aforamontos de temMa
abrir sob minha responsabildade para occorrer de marnha..................
as despezas de soccorros pblicos no actual exer- Ditos de transferencias de apoiires
cicio, assim o cominunico a V. S. para seu conhe-; da divida publica interna fun-
dada ........................
Paroreres......................
Guias.........................
Copias........................
Certdoes.
II
I
412
24
10
0
7!
912
290
no prestar a este negocio a attencao necessaria, e [ tent dos presos pobres da cadeia th> termo do Bui-
resolver como mais acertado entender, logo que que, durante o mez de marco ultimo, como se v
mclhore o nosso estado financeiro. da inclusa conta que me foi'remfettida pela repart-
Alfandega da ParahybaA casa em que traba- cao da policiacon*o.offlcio de hontemsob n. 1276.
Iha esta reparticao nao tem as proporcoes neces- Ditoao mesmo-Mande V. & pagar a Emilio
saras, alm de achar-se inconvenientemente sita-! Getulio de Oliveira, conforme soJicitou a reparti-
da pela distancia em que tica do rio. j cao da polica em offlcio de hontem sob n. 1274, a
A construeco de urna casa sobre a margem do quantia de 175*200 res, despendida com o susten- de Pernambuco, 24 de agosto de 1X6.1
mesmo rio com armazem e mais accessorios ob- to dos presos pobres da cadeia de Tacaratu desde O procarador fiscal e dos feilos.Fermtmo Ai
jecto da mais imperiosa e urgente necessidade. O 11 de abril ate 31 de julho deste anno, como se v fonrn de MHIu.
inspector entende que essa obra se far com a das inclusas cantas urna vez que nao baja inconve-
Tveram andamento I pi ocessow..
Pagamentos effectuados..........
Cobranca....... 17:13:t*063
Seccao do contencioso da thesouraria ib- azt-ml
6
li
18
1
2
1
3
1
A
8 de chumlK).
de cobre,
de lineo.
de sida,
executaram-se
obras
has de ferro, destinados a facilitar o transporte das
nicrcadorias da ponte de descarga para os arma-
xens dessa reparticao o crdito aberto pela ordem
do thesouro de 18 de Janeiro de 1862, na quantia
de 8:169*811, requisicao do respectivo inspector,
foi elevada essa consignacao inqiortancia de
9:000*000 pela ordem de 23 de feverein. do cor-
rente anno.
Foi emprcitada, e est adiantada talvez mais de
duas tercas partes, a obra do calcamento do largo
da Alfandega pelo systemade parallelipipedos a...
itf*XHM) a braca quadrada; segundo informa o res-
pectivo inspector alguma sobra haver da consig-
nado de 13:614*000, destinada para essa obra.
Tendo descoberto ruina no madeiramento de
um dos torreoes da frente dessa reparticao, foi
aulorsado o reparo uecessario na quantia de
600*000 pela ordem de 6 de dezembro do anno pas-
sado.
Mostrando a experiencia a necessidade de dc-
palmos cbicos de alvenaria de tijollo para o com- fondor as janellas do armazem n. 1 que deitam
plemento das paredes; e dentro de 8 mezes, na' para a rua da Madre de Dos, re^iiiscao do res-
opmio do respectivo engenheiro. se realisar a pectivo inspector, e informacao do da thesouraria
de fazenda, autorisei a collocacio as mesnias ja-
nellas de onze grades de ferro batido na importan-
e
c22
e 26
e23
e
Nos diversos armazens
miudaseui 400 palmos cbicos, una ram|>ade pe-
dia com 18 palmos quadrados, e alguns reparos!
menores.
No trapiche da ilha das Cobras foi necessario re-
parar-so os armazens ns. 2. 4 e 5. lendo-se renova-!
do todo o madeiramento dos armazens 4 e 5. I
Os Irabalhos que restan a fazer-se sao 112.314
cobertura das duas secones laleraes, que compre-
hende una rea de 19.341 palmos quadrados, e to-
da a cochia fronteira doca com 11.128 palmos
quadrados. trabalho que Picar ptompto em quatro
cia de 7565800.
Em officios de 23 e 28 de marco ultimo, assim
quantia de 12:000*000, e sobre isso resolver-se-ha
opportunamentc. I
Alfandega de Albuquerque. Com os reparos l-
timamente feitos no edificio em que funeciona esta
reparticao, e que Ihe podem garantir alguma dura-
ciio, mlhorou muito o seu servico. Entretanto,
nao olferecendo ella as proporcoes e accommoda-
co{'< convenientes, teve o governo de, guardando a
necessaria consideraQo s reclamacoes e interes-
ses da fazenda, autor'isar, por ordem de 6 de outu-
bro do anno passado, a construeco de um novo
edilicio na povoacao de Corumb, oreada na quan-
tia de 49:580*OO.
Alfandega de Paranagu Esta alfandega fune-
ciona em parle do proprio nacional outr'ora per-
tenceute a companhia dos Jesutas. Sem ccom-
modacoes, e em mo estado, esse lanco do anligo
convento nao se presta s nccessldades do servico.
A parte mais bem conservada a cm que traba-
Iham os empregados do expediente, sem que todava
tenha espaco para collocacio das mesas e transi-
to das pessoas que agencia'm negocios na repart-
cao.
Alfandega de Santa Catharina.Em um salao
em extremo acanhado e sem a necessaria seguran-
Sa, e que ao mesmo tempo serve de armazem para
oposito das mercadorias, est collocada esta re-
particao.
Por ordem de 20 de maio de 1861 se mandou
niente.
Dito ao mesmo.Receb com o offlcio que V. S.
me dirigi hontem sob n. 41&, urna copia do con-
trato celebrado com Jos de Vasconcellos para a
impressao dos trabalhos das rcpartic.oes provn-
ciaes no e-xeccicio de I8C3 i 1864.
Dito ao mesmo. -Pode V. S. conforme indica em
sua informacao de hontem, sob n. 418 mandar en-
tregar aothesoureiro da irmandade do Senhor Bom
Jess das Dores da igreja de S. Goncalo nesta ca
PERNAMBUCO.
REVISTA MlRIt.
N> semestre lindo, emjunho prximo pa>-^*>
a secefio do contencioso da llx'souraria oV fazenda
desta' provincia em seu movimento expedo NK
pital, mediante fianca idnea c quando o permitti-1 offlcios e 275 mand;i rem as forgas dos cofres provinciaes o 1:000*000 termos de llancas, 3 ditos de contratos e arremata
res, volado pelo 5." do artigo 13 da le do orea-' coes, 13 ditos de- aforamontos de terrenos oV man
ment vingente para as obras d'aquella igreja. nha, c 1 dito de transferencia de apolices da divid.
Dito ao mesmo. Em vista do que V. S. expoz publica interna fundada : proferio 412 parvr^rp
mezes depois de concluidas as paredes; 30.000 0 nSpector dessa reparticao. conib o da thesoura- proceder ao orcamento dos concertos mdispensa-
palinos cbicos de cimalha na extensao de 800 pal- ra e faZonda mostram a necessidade da substi-! veis casa da -alfandega, e ao de um novo arma-
mos ; o soalho dos tres pavimentos perfazendo a tuicao da ponte de madeira, destinada a descarga, zem. Em 4 de dezembro foi satisfeitaesa determi-
superficie quadrada de 238.824 palmos ; as portas, 1 r,or uma outra de ferro, estando assim de inteiro nacao, c o governo procurar deliberar convemen-
porlaes de ferro, grades, janellas. oseadas contras accordo coma commissonomeada para dar pare-] teniente.
poquenas obras, em cuia execu^o convem que se cer a esse respeito, em cujo conceito a reconstruc- Alfandega do Espirito Santo.O estado desta rc-
empregue toda a brevidado possvel para que nao' yl0 pCi0 mesmo sj slema, alm de dispendiosa, nao particao satisfactorio. O edilicio em que ella fune-
custem mais caras. I pode offerecer a'mesma seguranca e duracao, a ciona proprio nacional.
A quantia de 373:000*000, oreada o anno pas- ,iUe n0 interesse da fazenda se presta uma ponte lSI'OSKjOES LE(1ISLATI\ AS.
sado, carece ser augmentada de 10 /., como enteu-1 e ferro. Pel arl- 23 da lei n. 1,177 de 9 de setembro do
de o engenheiro, porque, tendo sido pelo thesouro | a mesma commissao orea essa obra em....... anno passado, fot autorisado o governo para alterar
luiwrln a importancia 4o 900:000* por eonU do .Ti4,90ft*774. :is dposiy-oes vigentes acerca da navegacao de ca-
orcamento, despenderam-se cerca de 30:000* com | o governo traa de, examinar ess materia e a j Uotagaiu, permitUndo mlrcacoes eslrangeiras
o madeiramento em dous armazens do trapiche, da resolver, segundo as forcas do thesouro, pela ma-: fazer o servico de transporte costeuo entre os por-
ilha das Cobras, e ratilicaco tic quasi todo o telha-; ncira que ihe |iareccr ma'is vautajosa aos inters- j los do imperio, em pe houver alfandegas, e pro-
em sua informacao de hontem sob n. 419, dada
acerca do requerimento em que Joaquim Jos da
Costa, arrematante dos pedagios das estradas do
Manguinho c Capunga, |)ede para dar outros fia-
dores em lugar do Dr. Jos Raymundo da Costa
Menezes e Manoel de Siqucira Cavalcanti, que se
recusaran) a assignar as respoiiivas lettras e ter
WOB 24 guias ; o exlrahio 50 copias e cert-
does.
Alm disto, den andamento no me>m/> espnco .<
912 pmeweo ; e nesse termo efftrtuaranvse 20tt
pagamentos, andando a cobranca por 17 I53J0CK
Foi hontem submettida a julgamento no jur\
a re Felismina Mara da Cnnceicao, pmniinriada
mo de contrato ; o autoriso a aceitar os novos fia- s nenas do arl. 201 do cod. rrii.. pelo- snhdMr-
dores olTerecidos pelo supplicante. Jos Joaquim gado da freguezia do Poco da Panella. por h*x*r
Antunes e Jos Mara Freir Gameiro, cuja idonei- dado vanas sipoadas na pessoa do sndito franca
dade deve serprovada conforme V. S. indica em (Sustavc Josepli.
sua citada informacao. O advogado da defeza, Dr. Americo Seno V
Dito ao commandute do corpo de polica.Pode Mendonca, apresentou exreprao oV incunyien-
V. S. mandar engajar para o servico da seceo da cia ao proceder oflicial. j por nao se venerar a
companhia urbana do corpo sob seu commando, o prisao em flagrante e j por nao se pronr a r**
paisano Francisco Pedro da Cruz, a quem se refe- dicao miseravel do oftVndido.
re o offlcio de V. S. n. 344, desta data. Proposta ao jury a malcra da exreprao. to* fa
Dito ao Dr. chefe de polica.Pelo seu offlcio do julgada provada. o por ronsegninte pepinpi a ar
24 do corrente, n. 1,277, fijuei inteirado de se ter cusago e suspenso o julgament.^
ultimado pacficamente a elec,o de eleitores da; Damos hoje, como promeMemos. o rt-nlix*
freguezia de Garanhuns. i da elei^ao que se proceden no Gnhft'fm-t-
Dito ao director das obras militares.Mande V. gutz de Uitma, para a administraran .pie all ler.
S. executar a obra de acressimo do muro de quo de funecionar at 30 de junho do anno prximo
trata o seu offlcio de 21 do corrente, n. 133, corto Conselho deliberativo,
de que para esse fim tica approvado ornamento Presidente.Joo Fornandes Prenle ^
pai(
do, alm de grandes reparos urgentes no armazem ses da fa7.(.nda.
n. 2, e outros da alfandga' Por isso s se destina-1 Alfandega do Para.Estilo terminadas as obras
rain 170:000* construeco do armazem de ferro | j0 edificio desta reparticao, tendo sido concluidos
restando autorisar por aquelle ornamento 203:0003,; nos ltimos dias do semestre findo os portoes de
ao qual adilicionando-se os 10" "A, se elevar a forro que fecham os armazens della.
quantia a 242:000, que deve ser autorisada para \s accomnidagoes existentes ja satisfazem sem
as despezas do exercicio vindouro : e se nao for I confusao a guarda, e movimento das mercadorias
distrahida para outros fins bastar para, dentro de I actualmente importadas ; mas para que o edilicio ras de fazenda por ordem circular de 11 de sc-
12 mezes. concluir-se o dito armazem. I sc torne regular, seguro, e se possa prestar com tembro do anno passado. At aqui responderam
Alguns dos antigos armazens, em razo da eleva-' largueza s necessidades crescentes do movimento nicamente as ihesouraras do Para, Maralo,
ao do nivel das obras externas, desde a dca at ; commercial r.o valle do Amazonas, convm nao s Cear, Babia c S. Pedro do Bio Grande do Sul.
rogando por mais tempo os favores anteriormente
concedidos.
Depcndendo as medidas que em virlude de tao
nqiortantc autorisa^ao ti nha o governo por uiais
convenientes, de cicumstanciadas nformaoocs e
minuciosos esclarecimenlos das differentes provin-
cias do imperio, foram elles exigidos das thesoura-
l'raia dos Mineiros, esto em estado deploravel e qUe Seja completado do lado oriental, como princi- j O governo tem este objecto na mais seria eonsj
JZX^Ti <'.v,.7ne-!o' (uTnto^ 7onfon.'nndo-se amea^aui ruina, se niio organisar-se um plano em : plmente que quanlo antes se remova o arsenal deracao; e, logo que cheguem as infonnaeoes exi-
?, lei^m^nte r^aViWific^^^nMnto ordem a acudir-so de pro.npto. e reconstrui-la de-; de gUerra da parte por elle oceupada, aliento o pe- gulas, procurara resolver, como mais conveniente
i .Lilamente com as especincacoes uo on.amuiio |(.,Ko de um svslema (.ompolf.n,p para qne se nao' rS .pie correm as mercadorias de|wsitadas no, Ihe parecer aos mteresses do commercio, e da fa-
-' zenda nacional.
do governo.
Pretendiam assim os emprezarios fazer acreditar
que de forma alguma a sua proposta se refera-
aquellas prescripcf.es, mas, anda neste caso, a
condcao 16* do V#ntrato. obligando os empieza-
ros a'entregar ao governo o edificio inteiramonte
concluido, e a condcao 10\ eslalielecendu que na
construeco devcrm enipregar-se os niethodos
mais aperfeicoados, provam que. pelo menos, de-
ven as oficinas ser lageadas. Repugna ao bom
sonso considerar as oficinas de urna casa de moe-
da, que foi contratada por grande somma. comple-
tamente acabada, segundo os proeessos mais aper-
feicoados, quando o pavimento de torra solta ou
Jgiramente aleada.
Nao pararam anda aqui as preteneoes dos-em-
prezarios.
A condcao "' do contrato primitivo dispoe o se-
guinte :
. Os arremetantes obrigam-se a collocar nos
pontriti do edificio, que Ihe forem designados, reser-
vatorios d'agua derivada do encanamento geral da
cidade, com os apprelbos approprados para ser
rpidamente laucada as covas de deposito de com-
bustveis e dos cidos o em todos os lugares cx-
postos aos perigos de incendio.
Tendo, entreta'nlo. sido indicados os pontos e a
natureza dos reservatorios, negaram-se os empre-
zarios a construi-los, prete\.lando que esses pontos
deviam estar comprebendidos dentro dos comparti-
mentos, e os reservatorios nao deviam ser de alve-
naria e cantara, romo lhes fra recommendado pe-
lo engenheiro fiscal.
A condcao 4J do contracto supplemenlar deter-
mina cxprssamenle (pie os forros de estuque se-
iam inteiramente independentes dos vigamentos :
os emprezarios. porm, declararam que. nao ob-
stante a advertencia do engenheiro fiscal e da com-
missao fiscalsadora das obras, continuaram a con-
struir os ditos forros ligados ao vgamento do soa-
lho do sobrado. .
Anda mais ; conforme inormou o engenheiro
fiscal, recusam os emprezarios dar cumprimento
condcao 1' do contrato supplementar, segundo a
tabeado
tente para que se nao' rg que correm as mercadorias depositadas no
faeam obras provisorias. mesmo edificio cm que funecionam offlcnas que
Obras externas. A extreniidade meridional da I txabalham com plvora, c outras materias inllani-
bacia, na exlensao de 194 palmos, j cstava em uso maveis.
ceira a face oriental do armazem que Picar inais conveniente Ihe pareja.
itilisada durante a edificaran desta parte, por Alfandega do Maranhao.N
antes da informagao prestada pelo engenheiro Char-
lea Vate o anno paseada O lado occidental, divi-
dido em tres secres. comprehende a primeira de-
fronte do armazem de ferro 500 palmos, e tem-se
acabado a esravacao que restara em frente della ;
I segunda parte do caes corr'S|>ondo. face do ar-
maxem do norte, que j se presta descargas; a
torc
i mi
causa de sua construeco a boira do caes.
Da 21 seccao tem-se feio as obras superiores ao
nivel das aguas em uma extensao de 500 palmos,
dasquaes 190 j se prestam s descargaste o res-
to ser concluido dentro de um anno.
Na 3* seccao, formada pelo lado da entrada da
baca, e ligado por uma ponte ao ladcroriental, nao
se deu ainda principio obra : entretanto foi de-
molida a pont* provisoria que servia de auxiliar ao
consulado, reconstruindo-se do lado do largo do
Paco o tclhero que, por em quanto, servir para a
descarga de gneros de estiva.
O molhe eslava quasi concluido, restando apenas
a 6* parte, se nao lora o aoonteeimento que se deu
em fevereiro deste anno, pelo abatimeoto do terre-
no sobre que parte delle eslava assentado, vindo a
ficar completamente inutlisada essa parte, corres-
jiondenle a '/; de sua extensao, e tornando-se por
isso necessaria a sua reconstniccao.
A commissao nomeada para" estudar as causas
de semelhante fracasso, e propor os mcios de o re-
mediar, se oceupa desse trabalho, e o engenheiro
Nenie tem encetado as obras prelimi nares para a
reconstruccao da murallia.
O mesmo" engenheiro presume que, trabajndo-
se sem interrupcao. e com sufllciencia de meios.
poder a obra concluir-se dentro de tres annos, a
contar do exercicio de 18621863.
Alfandega da Bahia. A obra do novo edificio
da alfandega desta cidade estara acabada, como
informa*o respectivo inspector, se Ihe noobstassc
a realisacao da desapropriago dos predios do co-
Lembra o inspector a acquisieo do predio que o
barao de Jaguarahv se prope vender no largo de
Santo Antonio, traiisferndo-se para elle o corpo de
polica, e constiluindo-se no quartel o referido ar-
senal.
O governo procurar proceder a este respeito s i
informaces necessarias, afim de resolver como
i.Nos anteriores relato-
Rio de Janeiro. 8 de maio de 1863.
Mrquez de branles.
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente do dia i-> de agosto de 1863.
Offlcio ao brigadeiro commandante das armas.
Respondo ao offlcio que V. Exc. me dirigi, sob n.
1423 e data de 5 do corrente, reniettendo-lhe por
nos tendes sido informados da i.npropr.edade e p ja a infrmaca0 do inspector da resouraria de
incanaridade do edificio em que funeciona esta re-, f..,nnH. da a ,,-. moI a-OP(.. <\n aiu.,amnnio
fazenda de!
acerca do adiantamento
da baxa-mar da ponte de descarga. turja
i) estado actual do thesouro nao pode comportar D".jo aQ mesmo _Sirva.se y. Esc. de infurmar
a despeza que acarretara essa obra, a qual so po- b re(nierimt;n,0
dora ser resolvida em tempo opporluno.
Alfandega do Cear.-
gra^a que
:'71Z''.;,',"T r..nn Henrqueta Amalia de Brito Burla-naque viuva do
-O edificio em_que_func- .rnn', Tl.aiann <_. |.,iri:imarillp '
coronel Trajano Cesar Burlamaque.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Recommendo V. S. que nao havendo inconve-
niente, mande pagar a Francisco Antonio Bastos,
conforme solicitou o capitao do porto, em offlcio
de hontem, sob n. 119, a quantia de 135000 pro-
veniente de encadornacoes de leis e ordens do go-
verno, existentes naquella capitana, segundo cons-
ta da conta junta em duplicata.
Ditoao mesmo.Annuindo ao que solicitou o
r.or, em mn predio particular, prximo ao embar- jujr d(J drejt0 da comarca do Boni, em omcio de
que e desembarque, mas carecido da proporcoes \6 (,0 corr(,nle recomm,n(i0 a y.S. que em vista
c ucomodaroos inherentes a urna alfajidega. Pa- dos dous JncluSOS recibos em duplicata e nao ha-
recendo excessivo o orcamento apresentado para a vendo nconvenente, mande pagar a Jos Joaquim
nova casa de alfandega, o governo mandara bre- pjn,|0 de MrIldona a (|uantia ,,e 2I500o despen-
vemente proceder a um outro: o resolver sobre d(1 com aiuueris de cavaMos ,,ue conduziram da
os reparse conrerlos de que carece o proprio na- pslarao d, prela ala(|Ue|la vi||aa ambulan-
aonal, em que funeciona essa reparticao. | cia -e baeteepara 0 tratamento dos indigentes ac-
ciona esta reparticao. proprio nacional. O pre-
sidente da provincia j ordenou que levantasse o
orcamento das pequeas obras de que necessita no
tocto, e de um commodo especial para o chefe da
reparticao. O thesouro se prestara a essa despeza,
quando*possam comporta-la, como de presumir,
as suas forcas.
Alfandega da Parahvba.Esta repartirn conti-
na a funecionar, como se disse no relatorio ante-
Primeiro secretario.Francisco lirna '
Souxa.
Segundo dito.Domingos Jos de Amorn.
Conselheiros Antonio Goncalvwde Aiev-.l.
Joaquim Antonio
Antonio Augusto dos
Marcelino J.s (onralrr* F<-<
Jo> 'Joaquim da Silva.
Manoel J-^ da Cimba Porto.
Jos Fernando Lima
Manoel Son res Pinheiro.
Joaquim Francisco da Silva.
Joo de Siqucira Ferrao.
Jos Azev.ilc. li A mirado.
Francisco Ignacio Ferreira
Jos*'1 Joaquim do Lima Rairo.
Joaquim Ferreira Valenle.
Snyplentes. loan Carlos Cnelho da Silva
Man Jos Dias da Silva lininwrV-
Domingos Jos1 da l"osta Arnnrim
Jos Alves l.ima.
Manoel Jos Machado.
Antonio Jos1 dos R-'i~
Joaquim CardiK.. de Almrid
Manoel Azevedo dV- .ndra*V.
Jos' Francisco ib* AmlraoV Jmhm
Domingo !!; n.ndino da Cnnha.
Bernardo da (.. rqueira Cstro -
leiro.
loar. Franciseo Pnrede P>r'
Manoel Ferreira Pinto.
Commissao de examc de ronia-
Francisco Joode Barros.
Joo da Silva Regadas.
Thomaz Soares de Almeida Sarzeda*
Direc loria.
Director.Josa da Silva Lam
Vico director.Joo Cario Co-lhoda Sdvj
Primeiro secretario.Joaquim in-rardo b* H
que acompanhou o citado olticin.
Dito ao director do arsenal de guerra.Pode V.
S. comprar o oceulo de alcance que sc faz neces-
sario para satisfazer o pedido-do commandante da
fortaleza do Brum. a que allude o seu offlcio n. 70 J
de 24 do corrente, devendo a respectiva importan-
cia ser paga com os dinheiros destinados para des-
pezas inidas desse arsenal.Communicou-se ao
brigadeiro commandante das armas.
Dito ao commandante do presidio de Fernando.
Remella V. S. para osla capital na primeira oppor-
tunidade o preso Jos Pereira Cardse, que tem de
ser sugeito novo julgamento em virtude de acor-
do do tribunal da relacao como declarou o juiz
municipal da primeira "vara em offlcio de 24 do '
corrente.
Dito an-juil municipal do termo do Buique.Em '
soluco ao seu offlcio de 7 do corrente, tenho a
dizer que deve Vine, reunir o conselho municipal
de recurso embora nao tenha havido reclamaeocs
as freguezias desse termo, em vista do que deca-
ram os avisos ns. 64 de 6 de abril de 1847. | 7 e '
338 de agosto de 29 de 1860.
Dito ao conselho administrativo. -Recommendo
ao conselho administrativo que compre para o ser-
vico do arsenal de guerra 20 livros para guias de
remessa o rocebnnenlo de materia prima em rela-
cao ao almoxarifado do mesmo arsenal.
Dito ao conselho de compras navaes.Promova
o conselho de compras navaes nos termos do seu '
regulamento a acquislcao dosobtectos de material'
da armada de que trata o seu olcio de 21 do cor |
rente, visto seren necessarios para fornecimento |
d9 almoxarifado de marinha, como declarou-sc em '
dito offlcio.
Dito ao director da colonia militar de Pimentei-'
ras.Para ser levada em conta a essa directora a
despeza constante do seu offlcio incluso, faz-sc ne-
cessario que Vmc. aprsente como exige o inspec-
tor da thesouraria de fazenda, procuraco com qu
pagou a Felippe Antonio de Moraes os 105 que per-; Segundo dito.Bemardino Duprat.
tenciam a Silvestre Francisco da Silva : oque Ihe Thesoureiro.Jos Alvos I.mia ireeteito-
declaro para seu conhecimento e execucao. I Substitutos.
Portara.O presidente da provincia resol ve con-' Do vice-directorAmonio Bap'ista N-vueiu.
ceder ao professor publico de instrueco elementar Do segundo-secretario -Antonio bw-mro T
de Tacaratu Antonio Estanislao de' Carvalho. 3 ra Marques.
mezes de cenla com vencimentos. paratratar de Do IhesonreiroManoel Antonio de Carvalho
sua saude. Hontem peta man ha a Ihhivc m |waMt in-
cendio em Santo Amaro, sem riseqonrias.
Yol ton hontem de rrusar o rapor de gwiia
inglez Slromldi.
lnforinain-nos que n'um desses das r** fc-r
lugar o baile offerecido rfBi'iahoaOV do vq-.
inglez Stroniboli, n'uma casa de Santo Amaro.
Brpaftic; ko da roucu :
Extracto da parte do dia 27 do coma.
Foram recolhidos rasa de detonro wtmV>
do corrente:
Despachos do dia 2o de agosto de 1863.
Requerimentus.
Padre Francisco \*irissimo Bandeira.Informe o
Sr. director geral da instrueco publica.
Fielden Brothers.Informe" o Sr. inspector da
thesouraria de fazenda.
Irmandade do Sr. Bom-Jesus das Dores da igreja
de S. Goncalo desta cidade*A thesouraria provin-
cial tem ordem para entregar a quantia de que se
oual s paos, taboados e ripas, quaesquer que se-------. -, -
*nm as suas dimensfH's. nao devero conter branco ronel Antonio Pedrnso de Albuquerque, e daor-
abriim e todo o madfiramento grosso ou delgado dem Terceira dos Franciscanos : porque o esgoto
algum, e todo
dos toctos e estuque, depois.de secco, sera coberto
de urna carnada dealralro arsenicado, sendo tam-
bem alcatroada a parle inferior dos soaluos.
Expondo-vos minuciosamente todas estos desa-
gradaveis oceurrencias, quiz tornar patente a al
: porqu
le levar
das cavas do edificio se nao pode levar a cffeito, e
nem impedirse o filtramento nellas das aguas Du-
viaes som a ronclusao do aterro das marinhas por
um e outro lado. Effectuada que seja essa desapro-
priacao, considera o mesmo inspector medida ne-
Air.miuui iie Alio.Visf) nredio eu me serve l"' c "**.'." r'"'"-""-" """ b'. v- A ordem do delegado da capital. Jos- FHix .
esrenart commttidos do cholera-morbus e bom assim o c- ("^; f. Exnd0^ ordem rnhe. Antonio Pereira Real branco. Lmnv
esta reparticao, continua cm eswuo meirameme rur_a0 [javenere e medicamenlos destinados ao' Joaquim Jos da bosta. t.xpeuio-se oruem a pPreira dos Santos Manoel A
incouveninti'. e as mesmas condigoes indicadas me^Q flm nog distrcloS de Ca|>ooras e Verde. thesouraria provincial no sentido que requer o sup- '
Dito ao mesmo.Transmiti por copia ao termo I plicante. ...,_.._ -___
de contracto pelo qual Carlos Felippe Rabello de I
no relatorio anterior. Alm de sobremaneira ar-
ruinado, resenle-se da falta de uma ponte de carga
o descarga. O estado do thesouro tem sido o nico d obr^ou.s^ a servir como 'p'harmaceulico mandante superior da guarda nacional do mun.c-
obslaculo a realisacao das obras de que carece es- na harmacia Kdo ho ilal militar dcpsta provinca.: pi de Nazareth.
se predio. ;_J., ,. iio ao mesmo.-Para os convenientes exames Rodolpl.r J. Erukembcrg.-Informe o Si. ins-
?r"n"itivaeniaue pelo procedimento irregular dos cessaria a annullacao das conccss5es_ de aora-
emnrezarios achou-se o governo de suspender o ment das marinhas contiguas, que nao tivercm
ta-uiientodaspreslaces por vencer, at que os acabado o respectivo aterro, afim de que se dirija
momos emprezarios cumpram as ol.riga?oes, que o transito publico jla nova rua ate o portao da en-
contrahiramP ou rescindir o con.rato, _m.nd.ndo. ^^J^^n^-wttma^
Dito ao mesmoPara os convenientes exames : Bodolphr J. ErukcnilM-rg
transmiti V. S. as inclusas copias das actas do pector da thesouraria de fazenda.
conselho administrativo do arsenal de guerra da-'
tadas de 14 e 17 do corrente.
Dito ao mesmo.Reslituindo a V. S. o incluso
requerimento documentado a que sc refere a sua
informacao de hontem sob n. 642, e no qual Clau-
dio Dubeux, como procurador de Alexandre Maria Extracto do movimento da secrao do contencioso
A necessidade reconhecida de um novo armazem Barboza da Silva, pede o pagamento da quantia de da thesouraria de fazenda de Pernambuco no se-
motivou a abertura de um rredito para essa obra 60O00 reis, proveniente do aluguel vencido nos mestredejaneiro a junho ultimo.
Alfandega de Santos.Necesitando o edificio ;
desta reparticao de alguns reparos, principalmente
no telhado, conlratou-os a thesouraria, e de espe-
rar que em breve sejam concluidos. i
Alfandega do Rio Grande do Sul.O edificio des-
ta alfandega necessitava de concertos, sendo o mais
urgente um novo retelhamento.
Tertuliano Jos Rodrigues.Indeferido.
Juizo dos feitos da fazenda.
Pelo art. 7" g 20 da lei n. de^de setombro ~^gfig^tt; f^ Z^to&SWo deste auno, da casa que Corres.-onde^cia coma directora
para aquella des- i se a de 1:4004000. No dia 28 de junho do anno na villa de Pao d'Alho, servio de quartel aoctesja- geral do contencioso.
' o proximamen-1 prximo passado foi elle entregue
d- | te seguinte rejam as lsposices da mesma lei pro- contendo 44 % palmos de largura e 53 de fundo, alli existente, tenho a d.zer que mande
tratopnm.iLvod.;3dejulhoodelI 58J ^. ^^ ^^ al ,io'necessaria medida de com que muito se atienden ao bom acondiciona- awe pagamento Integralmentefisto eata
foram um modo compativel com as forjas do thes
duvidas addiadas por despacho
mn^irios obrigados a fazer as obras, que foram um modo compativel com as forcas do thesoura
S?di? Sdaraddiadas por despacho de H Com as obras do novo edificio -dessa reparticao
*?ZZLa i fin i teindo na ntelligencia de que se despenden no corrente exercicio ate fevereiro ess
So s^Ihe J ria f pres.aCao ?K r5X ultime? a quantia de ijWMBj com a ponte de de
rado defacto1? de direito rescindindo o contrato, ferro em conslruco 106:166fib6j^aleni de peque- mi
se no praso de oito dias nao declarassem offlcial-
mente ao thesouro, qne se compromettiam a enec-
tuar as obras referidas.
Convindo,^iuanto antes, remover da antiga para
a ora rasaba moeda as machinas que all func- *gZ;E? ^hM^^d^cbo^ I ^i^tttmwltliaCH*Ad*to que pagamento da forra que sob o seu commando mar-
ermam, rollix-ando em nsro permanente de .ncen- pregados IZ! I vos deu noticia o relatorio anterior; mas, logo que chou para o centro da provincia.
dio as repartices do thesouro qne Ihe ficam conti- peio lauo uo uunc.
i alfandega, camento de primeira linha e da guarda nacional .Dita com a presidencia da provin-
etfectuar cia..........................
estar a guar- Dita com a thesouraria de fazen-
mento e seguranca das fazendas e outros gneros, da nacional aquartelada n'aquella villa auxilian- da.................
A requisicao do novo inspector nomeado para do a torea de primeira linha e nao em servico po- Dita com as procuradonas lis-
cssa repartiao, tive de autorisar pela ordem de 28 licial. .caes***;.........'"VV!
de mareo a despeza precisa, assim com o retelha- Dito ao mesmo.Com a inclusa copia do offlcio Dita com diversas autoridades....
meuto da casa da alfandega e armazens, como com que em 13 do corrente, me dirigi o juiz municipal Dita cora as collectonas..........
24 Ofllcios.
20
12
4
102
166
Mandados e precatorias remedidos
para dentro e lora da pro vi u- *
cia.........................
Termos de lianzas..............
27.-.
7
Bastos da Silva, pardos, todos para arengue ra-
en me de roiibo.
A ordem do subdelegado do Herir. J. t, Wrbrr
llollandez. re|uisico do respertiro ronjnt
ordem do de Santo Antonio. Domingo-. \b
cano, oseravo de Francisco MameoV d Almeida, par
disturbios a espancamento.
virdem do de S. Jos, os pardos, ignarin Fran
cisco das ('bagas, por briga, Hellarmiiia Rran *-
Lima, Joo de Dous da Silva Pessoa. monto, anata
por desobediencia.
ordem do do Peres. Joaquim. rrnnlo. esrravo
de Luiz Jeronvroo de Albuquerque. por f
Orhefr da *>
J G. V
Movimento da casa de detonen du 2* *
agosto de 1863.
Exisliam ....
A saber
Hnirarain. ..
Sahiram.....
Existo......
Nackmaea ...
Estrangeiros.
Malbores. .-
Estranfrir.
Esnfarn.....
iras ...
404
li-
li
i
T
9
3
7.1
5
prev-
Alimentados rustodoscoiTspoHirfc- ... **


Diario de Pernamhnro hextn felra 9H de Agosto de I 3.
Movimenlo d!i enfermarla"*> 'lia 7 do alisto de
Tiveraw baix
Jeronynio Ferrara d'Alhuqu*rt|ue. colite. .
Manoel Francisco Ferreira, idem.
JeSo Ferreira da Silva Pinto, cepholalepa.
Teve alta :
Uosme los da Cruz.
OlllTI'tKIO DO DA 27 DE AGOSTO NO CKMITEKIO
n tuco:
Manuel, Pernambuco, 3 aaaos, 8. Jos febre ma-
ligna.
Marcelina, escrava, II annos, solteira, Boa-Vista;
plemnonia.
Mara da Penha, l'ernanibuco, 60 anuos, viuva, 8.
Jos -. encephalite.
Faustino llaptista dt) Santa Rosa, Pernambuco, II
amos, solteiro, S. Jos; diarrha.
Thereza. eserava, Pernambuco, 35 aunos, ssUeira,
Sanio Antonio; cholera.
Jos Mai ia Ruten-e, Pernanibtteo, 60 annos, viavo,
Recife; molestia do coraco.
Bernardo da Silva Cardozo, Portugal, 18 annos,
casad, S. Jos.'; chotera.
Manoel. escravn. Pernambuco. 22 aunos, Boa-Vis-
ta; marasmo.
Maria Francisca do N'ascimento, Pernambuco, 30
annos, S. Jos ; cholera.
Antonio Firmo da Silveira, Pernambuco, Vi an-
nos, casado. Boa-Vista; hvpetropha no cora-
cao.
UM POUCO DETOO.
1)0 Jornal do Harte traduzimos o seguinte que
c-lhe noticiado de Lyoii:
De una lalioca ruchada
Era a voz adoccada,
Com que terna me fallou ;
E ao rir-so mosoume uns denlos,
De aroma fio roscendentes,
Que nausea me provocou.
Uue requebros era mu anjo,
Por ellaqualquer marmanjo
Sentira vivo ardor ;
Se dava un ai ou gemido,
Era estridente zumbido,
Ou ronca voz de tambor.
P'ra mira se chega chorosa,
E sentida, e desgo*tos*
J qur a pobre morrer I.,.
Faiuina tal carantn!,
Grita com voz lao inodonba,
Que eu trato j de correr.
E qual furia ella me seguir...
. Peste, ingrato! assim prosegue :
Pois zombas de urna infeliz f
E dos olhinlios, coitada!
Comeca em grande enchorrada
A correr-lhe um ehafariz.
Tremo c veloz como um raio,
Me esgueiro, nao era paio
ftt ouvi-la, (ue salanaz !
Nao, nao quero seramante,
Mulher idosa purgante,
Vade nafro, lique em paz.
O Jury ue senlenca lo eomposio los s-iiuorvs iiopwrtaii'.e.
A Nacao publica o que segu :
Entre os descobriinentos que ltimamente se
'. tem feito em Pompet a ha una casa que perteuceu ;
lia dous das, que no quarleirao Teireaux mu- am duvi(I;ia ^^ ri(.a p^c ue graDde
to prtoecupa os espiritos a morte singular de urna ruUlJU a mo|,i|ia l|lie nel|a se achou intacta.
A casa de jantar, sobretudo, summamente!
| segundes :
Rudolpho Joiio Barata do Ahneid.t.
Jovino Epiphanio da Cunha.
Ulisses Pernambucano de Mello.
Firmmo Herculano Baptista Bibeiro.
Antonio Cardoso de Queiroz Fonseca.
Miguel Alfonso Ferreira.
Jos Pedro das Neves.
Dr. Manoel Jos omingues Codieeira.
Manoel Jos de Azevedo Santos.
Goncalo Jos Alfonso.
Pelippe .niitonioTeiieini de Albuquerque.
Francisco Jos Alves da Albuquerque.
E prestaran! o juramento dos Sanios Evaitgelbes.
Fot a r interrrogada e procedeu-sea leiturado
processo.
O Sr. Dr. promotor publico pedio a condemna-
codar na grao medio do art. 201 do cdigo
criminal.
O Sr. advogado deduzindo a defeza, pedio a pc-
rempeo da aceito.
Findos os debatos e prcene.hidas as solemnidades
da lei o Sr. Dr. juiz de direito propoz ao jury os
respectivos quesitos.
Rocolhido o jury de sentonca sala secreta das
conferencias, a urna hora da tarde, voltou a urna
e meia com suas respostas que foram lldas pe-
lo Sr. Dr. Manoel Jos Dominguos Codieeira, pre-
sidente do conselho, o Sr. Dr. juiz de direito putili-
cou sua senlenca, jnlgando perempta a aecusacao,
e condomnando a muihclpalidado itas cusas.
, Levantou a sessao, addiando-a para o dia -c-
gulnte as 10 horas da manlia.
Dotado de talento superior, elle goza taes abusos, quawlo tai elle eJeitosobre sua infla-
eucia c recommendac*
I de umftbi.'iu ni.'ivciila reputacao.jcomo advga-
1 do,j como professor da Facudade de Direito do
fente, onde serve ha 20 annos, j como orador que
, do que sobajas pro vas tem dado na cmara dos
diputados. Entretanto o Sr. Vilella Tavares tem
sido victimada calumnia, a mais atrflz das injus-
Heas as mais flagrantes, c consta que anda agora
mesmo se pretende praticar para coiu elle a mais
negra das traicoes! A Providencia porta nao
consentir que "surta effeito o plano de meia ditzia
de horneas, que sera razo Ihe sao dosafeicoados,
ou que se tem tornado seus iaimigos gratuitos j
nio consentir que se pratique urna ingratidio re-
voltale, un facto ignominioso, sendo repelldo
das urnas de i" circulo o liberal de 1848, mu dos
martvres da patria, um dos caracteres mais dis-
tinctos da nossa sociedade.
Honra pois a todos aquelles que se interessarem
pela aWwn ik> Sr. Dr. VBeHa Tavares, honra a to-
dos aquelles que apatroeinarem a causa do homem
justo, que s tem por si um nome e tradicoes glo-
riosas, o concurso de aera amigos e nao a influen-
cia offlcial.
Um BoHitauii'.
os, urna vez que o meu incommodo de sade nao 'litOS
me permiti eserever urna carta especial a todos Jos Joaquim d'Oliviiira me fez a |H-tiro d>>
os eleitores, de que se compoe o Io districto clei- tlieor seguinte :
IIbi. Sr. Dr. juiz municipal la priiarira
.-ehora da ra de S. Marcello. As circumstancias
que pi-ovocaram esse desfecho fatal, merecen! por
mais de um titulo a atlencao da seiencia.
A Sra. H... tinha um lobinho de um volume con-
sideravel na reglao posterior do pescoco.
A dilalaeiio continua deste temor urga por una
operario, e os mdicos decidiram pi'la respectiva
ahlaco.
Quarta-fcira, s 8 '/< horas da manliSa, fol ador-
mecida a paciente por meio do chloroformio ; e a
operaeao drurgica correa ptimamente. Mas a
iusensibilidade da senhora prolongou se alcm do
natural, inspirando serios recelos', com ludo, ao
l'nii de una meia hora, um espasmo nervoso agi-
tou-lbe os meuibros, o que fui considerado petos
assistentes como sigual de voltar a si em pooco.
Xo entreunto nao foi assiia ; esse espasmo nao
era outra consa seno a derradeira convulsao da
afona
X ra. H...
I i n ha morrido.
CORRESPONDENCIAS.
Sra. redactorei.Tendo lido no Libeval n. 6"i de
21 do corrente, os nomes de alguns dos nossos dig-
nos comprovincianos para a lisia triplico de um se-
nador pela nossa amada provincia, nao vi entre
elles o do Sr. commendador Antonio Joaquim de
Mello, que a provincia i tem apresentado quatro
vezes escolha da coroa para urna cadeira no se-
nado. Mas se a provincia nao errou eaaas tanUs
' vezes passadas, elegendo o Sr. commendador Mello;
Convcm brear publicas as condicocs, mediante : e se este nao tem desmerecido sua patria natal, c
H'mvj ao vosso juizo a
resposta da minha pergunta.
J vou tornndome oro pouco extenso, e por isso
para nao abasar da vossa indulgencia com as se-
guinttjs palavras devo concluir.
Sejaraos amigos do governo, mais ainda da ver-
dade e da justica. Se fr por vs eleito, o meu
faconlieciinenlo nao ser equivoco.
Acceitai aprsente como dirigida a cada um de
EDIT1ES.
O Dr. Hermogenes Rorrales Tavares de Vas-
cooceHos jure municipal da I* vara dVsto
cidade do Recife d.: Pernambin-o e s.-u
termo |wr S. M. I. e C. et,-.
Fa?o saher aos que a presn^.. ,-arta A*
vreme dell noticia liverem como.
t>ral.
Son com a mais distiucta consideraiao
Vnsso patricio e criado.
Jeroni/mo Salgado (le Castro Accioly.
Recife. IB de agosto de 186:1.
Agua florida te Murray k Linman.
Pde-se (juasi por em duvida se as mil e
urna llores com seus mtiltiferos matizes,
que derramam sobre o leito de Edn a sua
perfumada folhagem difundirao pela atraos-
phera urna fragrancia mais delicada e pura
do que aquella que se derrama e enclie o
vara. O c/nmoenilador Jos Joaquim d'tMi-
veira devemio-ihe Jos Gomes U \\b*-&ru
a quantia de tnv.rutos nl n'-is importairu
de renda de um sitio na Estrada Slova, a
contardo i" do marco do .mu. passados.ni-
do que para seguranza d'essadttkfa pffefez
embargo era todos os U>i qn,> |h- foram m-
coutrados, |>or este juizo es<'rvo %AU.
Sendo feito dito embargo no nrndorto
dos mi sinos bens por oc asiau di: s'n-m ven-
didos em leiliio no juizo tomimrm a re-
querimento de Josi- Lniz das Neves, .|ii.t fa-
zer rilar o mesmo devedor pan fallar *h
COMMNICADOS.
A GaSftM il Hivmbera escreve o que segu, que
delta Iradiuimos:
(i governo russo havia promet ido nma recom-
pensa de tres mil rublos de prata a quem, em um
certo prazo, indicasse a localidade da imprensado fl
goveruo ikhioiwI.
Toda a polkia jioe-se em campo, mas tudo em
vio.
rilimamcnle, porai, apreseula->e ao chele um
impressor, que adava-se ao servieo do governo
nacional, utlenicendo-so para l'ornecer as indica-
coes que se preteudiam. Renovam-lbe a seguran-
za de st;r-lbe dada a recompensa promeUida, bem
como que o eaviariaui para o interior da Russia,
onde leria um rpido adiantamcnlo.
O impresso indica a ra e a casa, em que se
ada va a impiensa u'um lerceiro andar : a qual
mi) recia a appareiicia de urna ollicina de sapatdro.
Todas asnoites, de pois das ouze lunas, imprimiam
;ihi as prodainacoes do governo secreto.
A polica nao pordeu tem|X>.
Nes.-a inesiiia noile, s oiue horas, peneuwu no
local, ondi' eflectivamente encontrn tudo confor-
me lora indicado : algumas proclamacoes fresca-
mente mpressas, seceavam sobre, as mesas ; mas
os impressores tiiibam desapparecido,bemqueno
devessem ler fgido ha muito, pois as peeM iin-
pressas IMIHTM" ainda hmidas.
.Na espi.-ranca de segura-Ios, loi varejado o lo-
cal ; e ii" canto de una seguidla cmara, um
agente a&BOfare, debaixo de um inonto de bolas,
um anuario deilado no chao, abie-o, e o que v t
o cadver do delator, tendo no peito o julganiento
do governo nacional, que o condemnava norte
por traliieao.
elegante ; o pavimento um immenso mosaico, as quaes o directorio do partido liguciro conferir de residencia, por desservicos, que Ihe fossem
representando ao nalmal grande quantidadodas aos Illms. Srs. conselheiro Paos Barreto, e Dr. Fei- damnosos, nem ainda mesmo" remotamente a al-
iguarias que enio se coiniam. toza pleno poder para dcsignarem difinitivamente g^uem em particular; e se pelo contrario ainda o
Alm eisio, nesta casa de jantar, ou para mdhor os.candidatos deputaejio gral. Sr. Mello continua tao utilmente a servir nossa
dizer tneKnmm, ai-haram-se nos tres assentos cor-1 Ei-las. ; trra ; eu (sem contestar os mritos de ninguem
ridos que rodeiam a mesa, sobre a qual se viam I Prlmeira : que nos districtos, em que houvessc j o apresento para ser um dos que copiponham a
aindja una multido de cousas petrilicadas, os dif- probabilidade ou receio da opiniao vermelha fazer lista triplico, de que se trata ; ou o lembro aos co-
ferehies esqueletos das pessoas, que estavatn co- deputado seus, cscolhessem d'entrc os candidatos f raedes justos, c gratos aos que ainanj,
mendo quando os sorprendeu a chu>a de cinzas
quede repente os aphixiouu todos.
As aifaias que estavamfjnnto dos esqueletos de- eleger.
nolam que era gente muito abastada, eo laxo> da Segunda : que em iguaes circumstancias dessem
casa "
MI fi.
Os assentos, onde os sorprendeu a niorte, sao de questoes no parlamento. que ro apresentado aescolba, nunca paraaobter se
bronze com embutidos de ouro e prata. Terccira : que nos dislrictos, em que nao hou-' dirigi a nenhum ministro, a nenhum personagem,
No meio da mesa, e como para servir de divin- vesse o menor receio dos adversarios elegerem ou palaciano ; e nunca se mostrou qucixoso, ou of-
datle protectora, eslava nina formosa estatua de' algum deputado scu, dcixassem aos candidatos | rendido, por se ver preferido por outros Pernam-
Bacho, toda de prata, com collar e braceletes de progressistas o campo livre para cada um d'clles bncanos. Isto em lempo de ambicoes, e servili-
pedras preciosas. procurar ser eleito segundo seus proprios re>' dades, de algum brilho e valor. Se a provincia
Parece, |iois, segundo os descobriinentos eitos, I cursos. | por tanto deve ser austeramente cohereiUc no gao
que Pompeya era una cidade de muito commer- Se isto e nao o qne se t.vn feito, c se pretende j urna vez emprehendeu cora seiencia, e competen-
cio | e as suas casas se tem tambem encontrado eonsunimar, cada um que resolvn por si em pre-; cia, cuido que bem me escuda a razao na presente.
gabinete de vestir ou o Boudoir aonde urna
garrafinha desta mimosa e odorfera agua tcrmos de umlibello civil em .pie Hfe prr-
foi aberta. Se a comparamos com esse t,'",,, pedir dita qu.mtia, requrr p-hs a V.
transiente e voltil cheiro de essencias or-f: se.digne deo mandar ciar para a I a^
diaras, o seu aroma pde-se cliamar in.les- ,,"1',"'ia ro,n I"'"1 ''" ***** Bfan*11'" '"'-
troctivel, em nuanto que por oinro lado, i?'1'; Para to,los os t,;rn)s ,,a 'aw> diu "
o nico artigo em seu genero, o qual vivi- flna' teciirao p damente nos trz mente o delicioso per- ('va,li"l a ,',,';"l ">' salMiMl.) pan
fume de aromticas flores anda frescas. '\m hx%*v:E nf^.fmmmm}e v-s-"*
O volume do rico e delicado aroma
que..
de advertir a ju^ilkacao d-ssa aus<-ni-ia
incerteza do lugar para Hfet'tuar-s*
o requerida por edicto
um'meio para alviar ve'rtigens e dores je''ineiito.-E. R. \I.--Knns.va.
se espalha ao derramar-se algumas gotas no mce*wza "" ,uKar l,';,ra '"'mar-se ou-
Icnco deliciosamente maravilloso. Como ^':' r'l'erida r>or edictos. -P. a V. % d>fe-
a propna
E mais se ufio oniiha em dita petio .i
lia dei o ifes-
progressistas s que no districto tivcsscm mais af-1 a idependencia'de carcter, o amorTxtre'mo dapa- jpessoa, e finalmente quMMK) ttsada no ba- .'' '.^ ,.
reitoes, amigos e recursos proprios para se tazer! tria, os conhecimentospraticos, o espirito ilustra- nno ou como um cosmtico. n5o tem ella m """." '"^n'Hia jusn-
do, e firme de justica, a dedicaijao aos uteis dosgua| por entre todo esse sem numero d'a-1 "/l"*'3 au^>n,,|a- -'', de agonlo ife
em seus conterrneos, pcssoalmentc considerados, o bro i ... 0lrr-tf*m* nn pvlrnctn* nnpifinos nun I h..lavares de VasrnnrHIos.
fos- poltico, c em lira o constante desinteresse : e has- 8 ">"'eras ou extractos snnei linos que f,Hilinhi .-in .dt
a.J.__'____.i:.., .....c .o. m .,........ 'constan emente, sfinmnnr am. Acha-se as! ^ '"'"* ,hV) <"iuinru i m til
inculca que seu dono era pessoa de alta im- prererencia aos candidatos progressistas, que rimnnrfii
neia. sem oradores, e aptos para discutirem grandes ta em prova dislo^ que o Sr. Mello era tantas vezes, '"
urna quantidade prodigiosa de ohjectos de ouro e
CI1R0MC4 .11 mciutu.
TltlBIML DO OtlnllUIO.
SESMO ADMINISTRATIVA EU 27 DE AGOSTO
DE 1863.
PnESIDKNCI.V DO EXM. SR. DESEMBARGADOn
SOIZA.
As 10 horas da manhaa, reunidos os Srs. deputa-
dos Kego, Lemos, liosa e supplente Alcoforado, o Sr.
prsidents dectaroa abena a sesso, sendo lida e
approvada a acta da ultima. ^
EXPBMRNTE.
l'm offlcio da presidencia da provincia, de 22 do
corrente, transmittindo um exemplar impresso do
decreto n. 3069 de 17 de abril ultimo, regulando o
registro dos casamentas, nascimentos e bitos de
pendas que professara religiao difforente da do es-
tado. Accuse-se a receperw e archive-se.
Outro da mesma. de 26 do corrente, acompanlia-
do de um otllcioda capitana sobre a talla de vis-
toria da galera nacional Mindello.Bespondeu-sc a
S. E\c. com a copia da vistona.
Foi presente a cotaciio offlcial dos precos cor-
reles da praca da semana linda.Archive-se.
DESPACHOS.
l'm ivquerinieulo de Manoel Theotonio da Silva,
tifticiado pelo Sr. desemhargador liscal, pedindo
malriciila de i oiiimcrciante.Ajunte attestado de
conimerciaiiles residentes nesta cidade.
I'edem-nos a publicaco do seguinte :
mwM I !
Poetas, o que eu vosdizia f
Inda nao endes do adagio f
\ de, pois, a luz diaria
O |wta do contagio !
i: grande nasearapuca-...
Pois as talha sem medida,
Para si e p.ira os uiais,
i i mi presteza destiroida.
Admircm, que o poeta
Se aprsenla sob'anonvmo I...
\dinirein o lal prodigio.
Do nosso seculo o phenomeno!
Dia ler collega un larimbas.
i feos, tabernas e rtbeiras,
Km lojas e academias,
\ic mesma as eoebeirasl
Rereis que entre collejas
Seja lido por amigo,
Mas leve seu boui succe.sso, '
Sem haver menor perigo !
(Jin-r di.-liii-iiir-se dos bonicos.
Concordo : muito legal...
Mas cont com a postura
Da cmara municipal.
Poeta genio, contagio,
/ni lo, ol! Ilor de inainao! "
Nao maldigas tua raca,
Pede a Deusa >alvaeao....
Qual iuinadallalilornia,
Descobrste o niel de pao ;
K justo que le saudemos
i!oin mu-ic.i de tn'iimb"
Toque o sapo,
Dame a i:ia.
Coaxe a la,
Km tal folia.
K o contagio
Va guitarra.
Sem que imite
X esgarra-..
Que a Deus rogamos
ibie o preserva,
De que a Ierra
l.lie seja leve!
O quadro comparativo da receila e despeza da
nossa estada de feno da o soguiftle resullado :
Apnoi iteceita Doepoia
I8S8 a 39 ||K:.-;70830 ll'i:oi'JKMi
IK.VJ a 60 l.xl.O.-)OSH77 i67:1.'24997
1860 a I1 16!l:5tWi 180:119468
1861 a 62 :1.:I0K861 216:96640
1862 a B3 Mi.ti^'m 3il:U|l5i
Como se v-V I de anuo em anno-sensivel pro-
greatie na receila, e se bem que a^-ompanhe tam-
bem a da despeza, todava esta menos rpida.
Pedimos venia as nossas leitH'as menos muras
pela iotereao da seguinte poesa, a qual nos so-
licitada por alguem que, vivindo sob a iiiiluencia
ilo recode inleccao |>oetica, nao pode escapar ao
cunUfe '.
\ VELMA DAtpm,
Kllat->lawuia jaiidla.
Tao linda que era e t.io bella.
Que eaievava o eoracJo;
I inlia os ulhinhos de galo,
Bocea murcha, ps de pato,
De orlhas grande porco.
Seus cabello.- duvidosos
Va cor, de banha silbosos
Snmiam-se em caracol;
Um nariz bem retorcido,
Andar todo sacudido,
Era bella como o sol!
Por sob o tifo \ estillo
i intu o corpinho mettido
V'um brmidavel bal
Kra moca, e mocetoaa.,.
Do JituJo'- "ohw AmaMi);-
Commnml.iv.-; HnTfjjfeihiio.
seii(;a dos tactos. lembranca, que peco vena paraencarainhar qiu-lles
O que, porm, nao dever passar dcsapercebdo' a quem, por diversos principios toca pr-lhe os
que aquellas condicocs nao teriam apparecido, se olhos, e reflectir. Muito me poderia estender a
os pensamentos n'ellas comidos, nio resplandeces- respejfo, mas para o raen intento parece me que
sem como interessantes, e nicos verdadeiros para basta. .Nao duvidarei totlavia tornar a este mesmo
a causa da liberdade e do progresso. I assumpto, se assm me parecer conveniente.
Nos governos livres o paz governado pela opi-: Muito obrigado Ibes serei, senhores redactores,
niao cima dequaesquer vontades : ella a torea pela publicaco destas buhas,
intelligente e suprema da sociedade, expresso da L'm elettor.
soberana nacional. m^mmmmmpjfj|^im^
Para isso mster, que os eleitores votem livre j -j--- -- -sp- Bpnnm
e conscicnciosamentc. Anprovar o que se tem fUJLluAUUliu A rliDUJU.
como mo c funesto, c nao aceitar o que se ci | .-----------------------_________________________
liom e til a sociedade continuar a levar a desor-' ... ^ ,
dem na gestan dos negocios pblicos c a ruina no lores do segnndo dislnelo eleiteral.
paz. | No momento em que devia dirigir-mc pessoal-
Essas considerares contem verdades, que nao mente a cada um de vos, a solicitar o vosso voto a
admitiera contestacao ; e no entanto nao offendem um dos lugares de dputados a assembla geral
a pessoa alguma. pelo Sf* distrirtoaeleitoral, quando una enrermida-
E nem ha quem tanto hija de offensas pessoacs de senao mortal, ao menos grave me tem opprimi-
como eu. A verdade e o raciocinio tem sido at do, de l'rma tal que nem ra tenho podido sa-
hoje minhas nicas armas de discussSo. hir desde osprimeiros das de jullio at o presente.
Dr. F. P. Baptista. Em semelhantc estado j vedes a razao que teabo
______ para pedir-vos dessa falta involuntaria, que espero
seja pVir VOS attendido.
A candidatura do fir. lar. Feilp- Rsartl agora a ouira cousa.
UC I.oim*is \ello. Knire os candidatos, (ue se apresentam ileitean-
cha-se has 1 ^ mais ,m ^"in'ina em dito despailMi
boticas e lojas de perfumaras do Brasil. (!,!l>ois (l" ff8 st' replira m*
tbeor seguinte : i) supiilicante %'omodiHhr.
-----------'-" agora ter j justificado a ausencia do .va i*e-
Caixa Filial irsU .iiiadc to Lmmi ^fy.^"'* *}*""&;i"eflertnu
l> n ... .. 'perante este mesmo juizo unde fot pilga!
II azi Han Itailk l.lilllleil ) |)lir s,t,jncao dito aresto, reijuer a V. v
Inslru.Xes regulamenlares que o conse- dime de mandar passar logo ->s editis
Iho director do London A Brasilian Bank
(Limited), estahelecido em Londres o ap-
provado pelo governo brasileiro por decre-
to n.2,'J79 de 2 de wjtubro de I86, trans-
miti aos agentes do mesmo Bank no im-
perio do Brasil; as quaes tambem devem
vigorar para a dita caxa filial estabelecida
nesta cidade em virtude da aulorisaco do
governo imperial por decreto n. l.lO de
8 de maio do enrente anno, e foi manda-
da declarar constituida pelo Hxm Sr. pre-
sidente da provincia por oflicio de 2 de
jullio prximo panado, enderezado ao Faih.
Sr. presidente do meritissimo tribunal do
commercio, tudo como se evidencia do edi-
tal abaixo transcripto ; sendo que, depois
de preenchidas todas as formalidades da lei
foram publicados os respectivos estatuios, a
carta da sua approvaco, e a predi ta anto-
risaeaoe o mencionado ollicio no Diaria de
Pernambuco de 16 de junbo n. 136, non,
472 do Jornal do Beii/e de 30 do passado.
SES6AQ IUDIOABU KM 27 I)K AGOSTO DK L8B3
rio>ioi.M:i\ BOHUL su. dksf.mbarcvuob
SOIZA.
$ea-etaro, Julio Gumarjto*.
A meia hora da larde, o Sr. presidente abri a
ses>ao, estando reunidos os Sis. desembargadores
Villares, Guerra e Silva Guimaraes. eos Srs. depula-
dos Beg, Linios. Rosa e Kasemiro Alcoforado.
Lida, foi approvada a acta da sessao antece-
dente.
JII-OAMKNTOS.
Appellaules, Joaquim Juvencio da Silva, Rosa
Mara de Lima o outros, como totamenleiro e her-
(leuus de Anlonio Francisco Perelra e o Dr. procu-
rador liscal da fazenda provincial; appcllado, Fre-
dertoo Lopes Guimaraes.
Presenten Sr. desembargado!' procurador da co-
roa, Eazenda e soberaoia nacional.
Relatado o feito pelo Sr. desembargado! Vil-
lares.
Foi confirmada a sentenca appellada.
Appcllantc, Eustaquio Antonio Gomes apiwlla-
do, Manoel de llano.- Gavalcantc.
Jurando suspeicao o Sr. Casomiro Alcoforado,
da mu toado o Sr. Lomos.
llelatado o feito lelo Sr. desemliargador Vil-
lares.
Cnnrmou-sc a senlenca appellada, ir outro
fundamenta
Appellanle. Jos Baptista da Fon>eca Jnior :
appellado, los Duarle Nones.
Sorteados os Srs. dputados l.emos e liiserairo
Alcoforado.
Relatado o feito [h-Io Sr. de-eiobaigador Vil-
lares.
Adiado a |iedido do Sr. Casemiro Aleol'oiado.
Appellaulis. Guimaraes & Oli\eira : appellado,
o visconde de Suassuna.
Adiado pedido do Sr. l-'inos.
PASSAKNS.
Ap|iellante. Abvamli inu Martina Correa de Ral-
los : appellado, Francisco de llanos Velloso da Sil-
veira.
Do Sr. dsembargador Silva Guimaraes ao Si1
desiMiibargador Villares.
O Sr. desembargado!'Silva Guimaraes, pela SOS-
peicao do Sr. desembargador Villares, apresentou
em mesa solicitando o andamento legal para ojal-
gaineuio da anpeNacao entre paites :
A|ipellanl.'. Fianciscu da Guiilia Machado Pedro-
sa ; appellados. Ferreira & Araujo e MonteiroLe-
pes A-
EoSr. presidente oflleioa ueste sentido ao Sr.
conselheim presidente da relaeao.
MsramnpScs.
Ap|iellanles. C.hristiani & Irmao : ap|;llados, os
curadores liscaes da niassa fallida de Joaquim da
Coita Mala, os damissa de Jos Luiz Pereira e
Manoel Sebastiao da Rocha Lins.
Ao Sr. desemliargador Villares.
Apnellantc, Guliernic Jos da Molla; appellado,
Joao Baptista da Silva.
A/)Sr. desenibargadnr Silva Guimaiaes.
Appellantes, os curadores liscaes de Roslron
Itooker A ('.. appellado, R. M. Haslan de Boston
(Manchesiei) por sen proenrador.
Ao Sr. desemliargador Villares.
Appellanle. D. Mara Amelia Constancia de Frei-
tas ; appellado, o cnsul portugiuv.
Ao Sr. desembargador \ llares.
Appellanle, Manoel da Silva Lopes ; ap|K'llailo,
Joiio do Couto Alves da Silva.
Ao Sr. desemliargador Silva Giiiuiaiaes.
Nafta mais liouve e eneei rou-se a sessao 3/. ho-
ras da tarde.
i do a eleicao por esse districto, eu sou o nico que 'e em ultima data nos lis. 175 e 176 de 3 e
Grande celeunia eausou a publicaco desta can- confiado em mim mesmo e na vossa benevolencia! % o corrente no mesmo Jornal bem como
didatura, e todava ieuhuina ha mais justa do que e nd-|iendencia, nao conta com a recoinmendaeao piwinn n rmokirn .U lo,.. An*nm*n**
ella, e nenhum motivo ha para lainanho alvo.ijio. dogowno. Mas ser isso razao para ternero re- Se elleclou o regs ro e taes documentos
como passamos a mostrar. sultadoda emtireza, a que rae propuz NTio ccr- no meritissimo tribunal do commercio a fo-
A ninguem ooceulto odescontentamcnlo do cor- lamente. F. vou dar-vos a razao. Illas 11 do 7" tomo do livro de registros
po eleitoral do 2 circulo pelo facto de ter sido o deputado eleito por influencia do governo nao pubCOS, em dala de 9 de illlllO
aquinhoado com tres candidatos conservadores, pode satisfacer conscienciosamente os seus deveres.
dcsconientatnenlo, que, tem o seu fundamento e a porque ou hade approvar todas as medidas props-
sna razao cardeal em ser eeaa cr-ui.>, ean^oaed las peto goveroquer Uteis, Qjoer prejudiciaes a fe-
tal sua quasi totalidad.-, de eleitores lilieraes. Esta licidade publica, ou hade oppor-se aellas,
lazao tanto mais artiiava no espirito dos eleitores, \0 primeiro caso procede sem conseiencia/eom-
quanto maior era o contraste, que apresentava o proinette os sens deveres ; no segundo, dei xa de
2o crculo, comparado com os oulros dislrictos elei- ser grato ao seu protector, cuja falla o torna re-
toraes da pi'ovincia. prehensive|,porque a ingratidao o maior de todos
A'vpassc que em todos os outros circuios conta- os vicios.
vain-se a par de candidatos conservadores alguns Estar porm no mesmo caso o eleito pelos seus
bornes, o 2 circulo constitua urna exepc&o dessa proprios recursos e pela lienevolencia dos eleitores,
regra geral, que se ohservava nos domis circuios, que o acoliten ?
E esse contraste anda mais sensivel se tornava Nao. por que o denotado Horneado sobre taes
paraocorpo eleitoral do 2" circulo, por compre- auspicios, nenhum compromisso tem comogover-
hender este o importante collegio de Guianua. ese* no. e assim pode sem despeito ao governo appro-
terra classica da lherdade. esse abedcoado torrfio, varqaalquej proposta, una vez reconhecida sua
liereo do lienemerilo Joaquim Nanos Machado neeesMade, e bter-lh opn<)sicao,qnando o entra-
l'oi tanto nada mais justo, nada mais natural do rio emenda. Eis |>ortaiito a vantagein da eleicao
que a apresentaeo de um candidato liberal, que considerada sob a segunda hypothese por mira II-
viesse preencher aquella laticna e acabar com se- gnrada.
iiielhanie contraste, na destrbuieao dos candida- Possuido de certo penaamonto a respailo de cer-
tos: e nenhum uome mais proprio, mais adoqaado la- lel'ormas e medidas, de que temos necessidade,
paiie.-se liiu do que o do Sr. Dr. Felippe Lopes eu aproveito a occasiao para trazer ao vosso co-
Notto, nome suminamente apreciado por lodos os nhecimonto esse meu pensamento, com relaco a
hberaes, nao s pelo son talento, conhecido na pro- essas necessidades de qoe vos tallo,
viiicia, e na curte, como tambem* pelo seu aferr as Precisamos, senhores, de ver abolida da nossa
ideas liberaos por elle sempre pitjfessadas, esegui- legislaeao criminal a pena de morte, por duas ra-
das com firmeza tal, que nem os mais duros sof- zoes : A primeira, porque a pena de morte nao
frimenlos dellas o poderain diinover. corresponde ao seu verdadeiro tira, que sendo cor-
Todas esta consideracoes foram parte para que rigir e exemplitlcar, cora a morte do individuo se
oSr. Dr. Notto, ainado por alguna amigas, ten- torna ppossivel salisfazei1 esse lm, que o de to-
tasse urna canddalura, que a ser feliz, como para da e qpakjaer pena : A segunda, porque a pena
desojar, vira dr algum modo a minorar a grande de mone nao deve existir em um paiz civilisado e
disiiroporcao que se nota entre os dputados con- catholico, que deve detestar urna |ena inmoral,
sorvadorese lilieraes, que conslituein a chapa do que nenhuma vanlagem offereee sociedade.
partido progressista. \ Precisamos ainda de una lei de ucompatihilida-
Tudo, entre nos, parece eucaniinhar-se Dar o des absoluta e nio relativa,
grandioso fim daconsolidacaoda liga, da uniaoin. Precisamos mais de que se garanta a magislra-
liina. da estrella aproxiinacao sulre os conserva- lua desse estado de dependencia, eu que vive para
dores moderados eos liberaos, adversarios ouli 'ora, com o governo; porm ini|iondo-se-lhe ao mesmo
e boje abracados, constiluinlo. na mais perfeila lempo, una responsabilidade effeetiva e nao nomi-
dentidade de ideas e de seniinienlos, o partido nal. quando por ventura o magistrado se desviar
progressisla. na sua nebro missao de julgar das regras da jus-
Enutretanto ningueui pode prever o futuro ; e tica,
bem pode acontecer que essa uinao intima, que se Precisamos anda de que se acabe com lanos
observa entre os dous lados polticos, eque tantos tributos, qoe pesam sobre a classe pobre da Sude-.
bens prometi a esta provincia, venha um dia a daile. V^ X o r'n
desfazer-se, e eulo nao ser conveniente que na Precisamos ver extracto o patronato, foiVcNjla^ .. somJKn (.manager). Kor W illia
previso desse aconteciotento, os liberaes do segn- imnioralidade o corrujMjo dos costumes.
do circulo lomera desde j medidas de prevencao Proelsaaioa linalmente sobre ludo de justica^nue
contra una dessraca alias possivel I Ora, suppo- devendo ser o movel dos actos do governo,sem olla
naamos que osla inste eventualidad se converta nao (eremos garantas sociaes.
em urna funesla realidadc d'aqui a dous ou tres Queris agora, senhores, saber quaes os efTejtos
' M-.i, .n-n,. .. .1.. #\.i... .i :...t__ V... .___Jl^i
I Klltt \ VI. DO .11 H V.
Ql'ARTA SESSAO.
W* 27 DE ACOST DE 1803.
Presidencia do r. Munoel Jos da Silva Nena, juiz
iie direito ia 2a nira (rime.
Promotor publico o Sr. Dr. Francisco l^opoldino
de Gttsmao lljo.
Escrivo Joaquim Francisco de Paula Estoves
Cirneme.
Advogado o Sr. Dr. Americo Netto de Mcndonca.
..s 10 boias da manhaa, feita a chamada aeha-
ram-se presentes 46 senhores jurados.
Foram multado* em 205000 cada um dos senho-
res multados noadias anteriores.
Entra em julgamento a r Fehsmin.i Maria da
toneelro, acensada por erime de o|en?as phisi-
ca na pessoa do Fracez i;ufavo Jas1.
anuos, por essa medida de prudencia nao ficam os do patronato da talla de justica Eu vos direi.
os iuteresses liberaes e os utenssos conservadores l'ergunlai ao cidadao que j foi eleito deputado,
moderados teriam dous dputados para resguarda- *" seu merecimento foi q_uem o fez eleger ? Elte
rem os seus direitos, e os lilieraes leriam apenas vos responder.Aproteccao e recommendaco do
um deputado, o que seria assim mesmo melhordo governo, por que sem ella ninguem por mais dig-
que se nenhum tivesseiu. no que seja, ser nunca nomeado.
Nao descoiihecemos que a candidatura do Sr. Perguntai agora ao alto funecionario publico.
Dr. Netto se oppoe de certo modo a chapa, apre- s6*? !ieu merecimento foi quem o collocott na boa
sentada pelo directorio; porm aovemos tambera posicao em que se acha ? Elle vos responder.
poiidejar que o directorio est longe de impr so- Nao foram as riquezas, porque se as tivesse, nao
bre a voniade dos eleitores elle nao faz mais do precisava de empenhos ; porm na falta dellas,
quo aconselba-los para que faeam una boa eseo- certa influencia, que sendo gnuide, pelos mesmos
lha,e por sso que indiea-lhs cortos nomes sera matos, que eu sou hoje, tendo empenhos em meu
coagir a nenhum eleitor. A liberdade deste seu laW me apresentou ;to governo c de minhas qua-
direito inaufeiivcl. lidades falln em sentido lolisongeiro, que fui no-
E jiois raremos sinceros votos pelo trumpho de meado para o bom lugar, que me vedes oceupar.
tuna candidatura tao justa quanto sympathca ao
partido liberal ou progressista. Os amigos since-
ros da liga nao jiodera recusar-lhe ura voto de ad-
hesao.
O Liffueiro.
A dita cai.xa filial so aoha eotabetosMi
ncsia cidade, no largo do Corpo Santo n.
15, e dever comecar as suas operames no
dia I de selembro proHuno futuro.
A gerencia das operacoes esl confiada aos
abaixo assignados, ou a seus substitutos,
obrando na conformidado de mandatarios da
directora do referido Bank em Londres,
por esta devdamento autoi isados.
Todos os actos, documentos e ttulos ema-
nados da gerencia scro sempre autentica-
dos com as assigoaloras dos abaixo assgna-
dos, ou dos seus substitutos.
As operacoes da caxa filial do London dt
Brasilian Bank (Limited) consisten)
I." Movimento de fundos com as pravas
estrangeiras.
i. Oescontos de le ras de cambio e da
trra, cujo pmo nao exceda de quatro mu-
zos.
3." Recebimenlo de dnbero a pra/.o fixo
e em confa corrente, mediante o juro que
fr convenconado.
4. Euipirstmos o crditos especiaos em
Pernambuco e em Londres sobre caucao
idnea.
V EohbsSo de crditos circulares sobre
as principaes praca* 'i-i Europa.
<>)' Compra e venda de especies meta-
lice. #
7." Compra e ronda pac conta ..llteia de
fundos pblicos e outros ttulos de valores :
aceite e cobranca do letras, recebimenlo e
pagamento de juros e dividendos, e remessa
dassommas rea usadas a condcoes rasoa-
veis.
Pernambuco, 1 de agosto de 1863. P.
M
J. Ilaijno llames.
(Accoutant), T. J. TemeM.
cebera mcrc.Fonseca.
E mais se uo conlinlia em dita i'-pliii:
Bella dei proprio Wparho ilo UVor s>giiial>:
Passe editaos n>r triuta dias. Ririfi>. :>
de agosto de l8f>3.-=Tavares de Vascmn'i'l-
los.E mais se nao conlinlia era dito ilt^ia-
cbo, petico erepca aqui tinto eofNia.ai
virtude de quaes despacho o esi-rivao ipn-
esta subscreveu mandn passar a preaenfc*
carta de editaes por 30 dias pelos quaes cUt
seu tbeor de decena sitio e lugar rilado
siipplii'.ido ausente losi: I i..mes Alhergaria
para todo lim dedando na petidio acini'i
ti-aiisiripta sob pena de revelia pelo qu bula
e ipialquer pessoa amigos ihi cousiliatlos ib>
SUpplicado o podarlo fazer do que cima lira
exposlo. Oporleiro do juizo publicar a-
poiar no lugar dociistume e ser ihiMW :
pela iinpreusa.
Dado e passado tiesta cidade d>> Rerife de
Pernambuco aos 7 de agosto ik anno nas-
cmento de HoaaN Imw tmm Utristn d-
I8U3. Eu Manoel Jos.- da Molla Mrru >
stiliscrevi.
HermOemm S. Tarares Ir YancnurHkm.
O Dr. Ti isiao de Atmeaff Araripe. oSViai la i>-
perial ordem da Rota e juiz de direitu ufirinl
do commercio nesta cidade do Kecire del'i
nainbttco por S. M. I. ele.
Kaco Ur aos que o firmante rfrtal rfrwil
delta nutici.i Iiv.t.iii a no dia 31 W acost n
corrente anno. se ha de arrematar por venda a
quem mais er prai;a publica ileste juiae. mi
sala dos auditorios o -e(uinie : | sobrad de m. t
no lucio ilo Noroitha freguezia de S Fi i I' i
(oncalves, tendo i andares, meia-agua, **a lojas diviilas em dous quarios. urna eom porta
jauella e ouira c.iio una porta, tendo rada imu
ama peojaena saliuha um quariinhn e <> prim ir
andar cora quatro janellas na Irenle. urna la.
dous quartos e um peipieno qiurlo que cosinlia, e o segundo aiulai t.-m :t janellas. i,
ala na trente, i ojoarios cosinha na sala tra/., a visla de tao aaMo avahado em *:'
mais duas tercas parle* de um sobrado de i aorta-
res na ra da Sfoeda n. "i na mesma fnuMK-zia.
leudo :t nulas na frente, sendo duas que vrve il.
entrada da luja, urna que serve j.i. andares. Iraft
o primeiro andar janellas na frente, varaaaia d>
ferro, duas salas e 'i quartos e cosinha lora.
segundo andar lean ana* ataa lapaaaaa, m taJu
fra, vaiaiula de ferro najan-dl^ jauella euicaila lado, e um sotao eaaa Ijaneltas pa-
ra os oiloes, dividido o sotao em pequen* qsiur-
linhos, e una pequea sala no meio. .i\i*la do -n
estado em 1:000,5.. tendo sida avaha. o l<*il W>
mesmo predio de i'.iiooi. h aBBM foram i-nii ?
rados por exeeoru de iadnadoda Silv;
contra Jacimbo de Abren Ribetro.
Silva Kcrntia.
COMMERCIO.
%ll':il<*S;:i
Readteiento do da I a 20. .
dem do-da i7.......
Volimies
Voluntes
Hovlmeuo d:i ilfandf g.-i.
E nao havendo lancador que cubra a pr*^ **
avaliacao a arrenialaci sera (-la peto prf da
adjidicacao na forma da le a pasa que chegne a
coulni-imiiito de Pidos raandei |a>sar o posean ;
que sci publicado pela imprensa a audo w~
lugares do costume.
Recite9 de agostle 1883. Ru Adolph l.ihena
Pereira de Oliveira, escrivo interino o >ul.. i
Tris(:Io de Vlem-ar Ararip.
t) Dr. Trslo de Alencar Araripe. oflfcnl
da imperial ordem da Rosa, e juiz ib* di-
reito especial do commercio, nesta enfa-
do do Recife de Pernambuco. por S. M.
I. e C o Sonlior I). Pedrr) II, que Deu*
guarde, ele.
Faco saber aos que o presente edita! vi-
ren), que no dia id de agosto prximo fu-
turo lera lugar a reuiuao dos credores ila
DMsaa fallida de Anoriaaj, Fragozo, Sani<
I A- C, arim de serem cumpridas as disp-
l sires dos artigos 8d e seguintos ilo eli-
' j go commercial, sendo que nenhum credor
ser admittido por proenrador, se este n*
1!|f A-,'\sW71livor Poderes espetiaes para o .vio, e que a
' procuraco no poder mm dada peapow
'i<6:S8K-5lfil que seja devedoraaos fallidos, nem um n* -
-------mo procurador apresenlar por d>us diver-
ntrados cora farendas
com gneros
sabidos

cora fazendas
com gneros
Oescarregam no dia 28 de agosto
109
74
17*
2li
:m
i:i
A i'hihIi'jiIiii' do Sr. Dr. Jeronvm* Vi-
Perguntai linalmente ao erapregado publico da
mais baixa cathpgoria, foi o vosso n)orecimeoloIE8^*0 ?waj^nej--^flooiiar-Hnerfiadoria.
nuevos dett o pao (juotidiano ? Elle vos respon- *
llera. Precisando de um lugar como o queexerco,
para viyer, requer ao governo, esse lugar, e jun-
ti.i a minha peticao documentos comprobatorios da
rcgularidade da minha couducta, dos ineus servi-
cos atii era crses arriscadas, do peso de um gran-
lel'a ile rastro Tavares pe'o X" ilis-1de familia: ,,ias mtU equerimomo seguio o seu
i rielo lt.il..i >! i destino sent recommendaco de ninguem. Depois
iiniiii.iemti.il. I d'alguns meaies de demora, tive por despacho o sc-
0 silencio que o Sr. Dr. Vilella Tavares tem guiato : Prejudicado -.
guardado acerca de sua candidatura leputacao! Chegaudo ao meu coubecimeuto tal noticia.
Barca portuguesaBcM Fijueirensedem.
fteectMMlorta de rendas Interna
geraes de Pernambuco.
Rendiincnto do dia I a 26. :|i).lOo8t:i
dem do dia 27......... 2:003827
32:ilOG40
geral pelo i* districto eleitoral desta provincia,' queixei-me da minlia pouca sorb, c veodo-ine nes- i laami i|<) da 27
quando todo o paiz sabe de suas hablltacoes. de sd estado djj desespero, ura meu igual disse-me :
seus conhecimentos, e do inuilo merecimento que Homem louco e insensato encamiuiai de novo vos-
tem para continuar a ler ura assento na cmara so requerluiento do mesmo loor o forma, porm
temporaria, 6 nma prova de saa honesldade e da acorapanhado de una cartiulta da potesdeda ter-
dignidade cora que espera a senlenca do corpo elei- ra, que se vos servir, estaris servido. Assim pro-
toral do 4-circulo. ced, e tendo a folicidade de ser attendido |iela mes-
Poltico desde os priraeiros airaos em que sua ma influencia fui em poucos das nomeado para o
inteitigencia principiou a desenvolver-se, puguau- lugar, l'ie me vedes oceupar.
Ah sdiilures, o que siguilica tudo isso 1 Fal-
de justica c patronato da parte do governo.
paiz um papel. E (todera o deputado do governo censura-la por
iiHoiifgcncia principiou a ueseuvoiver-se, pugnan- iuji
.do sempre com o maior desinteresse, pelo trumpho. -
dos principios liberaos, firme era suas crencas, o "ta
Sr, Dr. Vilella Tavares tem feito no paiz um papel, E
< oiimiI.mIo provlnelail.
Hendiniento do dia I a 2d. 29:707*iKI2
...... l.tfloAiO!
U:lKi2*ltl
M8VIMENT0 DO PORTO.
.\aiio sakUlo no dia 27.
Lisboagalera brasileira MeadeHo, capitn
Luiz Maedo CavaleanO, em lastro.
>'ai houveram entradas.
Jos
sos credores ; ouirosim, se pelos indicado-*
fallidos fr apresentado prnjeclo de concor-
data, eriio considerados omo adlierenles
mesma os votos d'aquell
comparecer.
V. para que o prelente ebegue ao conie-
ciniento de todos, ser publicado pela im-
prensac allixado na forma doestvllo.
Cidade do Recie, i'.) de abril de I8fi3.
Eu, Adolpho Lilwrato Pereira de Otvetra
escrevenle juramentado o esrrevi.
En, Manoel Maria Rodrigues ilo Maati-
mcnlo, escrivo o subs:reri.
Tiisttn le Alencar Ararip*.,
O Dr. Ernesto de Aquino Konseca eavalH**
ordem de rjiriiio. juiz de orphaos e mmmutt*
da cidade do Recite e sea lera cjpitil m bjb>
vincia de Pernambuco por S. at "
que Uns Kuarde ^c.
raoo saanar aos que o
delle liverem noticia qoe
juizo as diligencias da tai
peelivo processo jaleado a
ministrar sua pessoa e bens
Goaveia, hranco, casado, morador
dando-lhe curador provisorio i
nhado Juse de Paiva Ferreira J
la mesma cidade, cujo carga arra o
acha investido, e com qneai d"ora eaa i
y
I


i
.




I
I

_.
Piii no tic
MMlflsii *fc
ti
PfrnaiabBfo Vti fclra tft de Amovi de 1*3.
'itielas pessoas que ti- pela secretaria da cmara municipal
devero entendn
verem negocio r
trmroflfiupnuffie'K^iu^ll^qweSi *>ss3u ordinaria da raesma cmara no pre>
quer cunti'4^^ que como mesan maniaco posara sent auno principia no da 31 do crtente,
ser celebrad r>, uiaudei pausar n prevate que ser e nos que se segu m.
maniaco. E para que Je3|a ctdado se faz publico iW tercena
poasa pesa alguna validamente cm olle con-
a titeado no tusar publico do costante, depois que
tiver pastado |H" i>nderiHH|ietc o publicado jiela
iajMttasa.
Dado e pasando uesta cidade do Hecife de Per-
' nambuco aos 21 de agoslo de 186.'. 42" da inde-
pendencia e do iiu|ttrio do Brasil. Ku Joao Fa-
cundo da Silva (uimares, escrivao o snbscrevi.
Ernesto de Aqnino Fonseca.
Faga de dircitos de clianeellaria 251) rs. Reeife
24 d% agosto de 186X Guimaraes.Numero 22a
Ris 250 rs.Pagou 250 rs. dos direitos de chan-
eettoria. Recle 24 de aposto de 186.1.Chaves.
Kibeiro Numero 86 (ostavam, as armas itupi-
ria.-s) 400 rs. Pagou 400 rs. Recite 24 de agosto
de 1863.Chaves.Franca.Dom Francisco Bal-
thazar da Silveira. presidente. Transilou pela
chancellan;. Hecife 23 de agosto de 1863.Fran-
cisco dos Heis 3unes Lampello Jnior.Laucado a
toldas 6 srso do competente livro n. 13. Kecife
25 de agesto de 1863.Campelto Juuior.
- A cmara municipal desla cidade faz pubb-
co paraconliecimeuto de seus municipes, e espe-
rialmente do corpo oleitoral. haver o Exm. presi-
dente da proriucia Ihe communicado por offleio
de 18 do correle, que em virtude do f. art 24
da l.-i de 12 de agjsto de 1834, convocara por por-
tara de igual data a nova assembla legislativa
provincial para a prxima legislatura que temde
funecionar nos aunos de 186j e 186o, designando
o da 15 di' uovuiiiliio vindouro para nelle se pro-
ceder a eleico dos membros da mesma assem-
bla ; desendo o I." districto dar nove membros
da assembla legislativa provincial, c.onforme dis-
poe o arL 2." do decreto n. 2633 do 1. de setem-
bro de 1860.
Paro da cmara municipal do Hecife em sessao
t]vi de agosto de 1863.Rodolpho Joao Barata
de Almeid;. pro-presidente. Francisco Canuto
da Doaviageiu, secretario.
Peranle a cmara municipal desta cidadi^ es-
tao em praca nos das 31 do corrente. 3 e 5 de
setembro prximo vindouro. atiin de seren arre-
matadas I seguintes rendas'municipaes ;
Impost de affiricues................ 15.2315
dem de 80 rs. |K>r carga de lai inlia... 2:0014
Aluguel da casa da ra da Florentina. __ 3035
Os pretendentes atis arromataroes nao pode-
ria nellas licitar sen que aprsente! fiadores ha-
bilitados na forma da lei.
Vmo da cmara uiunieipal do Hecife em sessao
de 24'de agosto de 1863. Rodolpho Joao Barata
de Almeid;. pro-presidente.-Francisco Canuto da
H'.avia'jen. secretario.
DECLABACOES.
4 tasellio admiulstrailvo.
0 conseltio administrativo, para furnecimento do
arsenal de guerra, tern de comprar os objectos se-
rointe*.:
Para o quarto batalhao de artimaa.
115 baaota para inferiores e soldados.
27 ditos para msicos.
-Mil encliergocs.
450 inanias.
31 pares de palatinas para mosteo.
2 pares le ditas para sargentos ajudaulf e quar-
lel-inestrc.
:74 pares de ditas para inferiores e soldados.
16 pares de ditas para tambores.
30 bandas de laa.
1,318 pires de sapatos.
1330 envadosde pana., azul.
150 ditos de dito lino.
1,500 (ovados de hollanda de forro
4,648 -aras de briol branro.
:t,M0 ditas algodoznho.
201 varas de aniafeHk
40 1/2 varas de galio de prata de meia polleg-
da de largura.
5,23(5 botos grandes de metal com bomba.
2*618 ditos pequeos de metal com bomba.
578 ditos -raudos de metal pratiados.
162 datos paqueaos da metal pratiados.
101 pues de eoUetcs.
Para a companhia de artfices.
108 binis para inferiores e sedados.
105 palatinas para ditos.
NM in.oii.i- de lia.
7 eochevgCes.
;>"; covados de panno aant.
M ditos de casiniia encamada.
393 rotados de hoHaoda de forr
52 1/1 varas de aniagem.
062 1/2 varas de brim hranco.
377 dita* de al?odSnzinlio.
i ',;{, botoes grandes de metal rom bomba.
733 ditos pequeos com dita.
IOS pares .le cadetes pretos.
Companhia de- cavallana.
18 pares de botms.
109 uaehergoes.
128 pares de lavas.
60 mantas de laa. .
122 covados de pnno aaw.
15 covados de hollanda de torro.
7-25 i varas de brim branro.
338 ditas de algodaoxinho.
Presidio de Fernando
loo pares de formas enafdadas.
2 arrobas de taas de encestar
1 dita de ditasfcompridas de levantar.
1 dita de prcguinbo- fraucezes para levantar
'a*j rolclmes e travesseiros de linbo com 4 pal-
io os de largo e JO de romprido ehems de laa.
40 amibollasdc brim de linlio
J cobertores de lia. .
i,o eneoesde linho com 2 pannos de largo o 10
de comprimento.
35 -,ares de chinellas razas de couro.
40 gnardanapos de linho.
24 fallieres de lacas, garfas e colneres.
jOcanecosd folnadcSa 12 oseas de liquido e
com asas do lado.
2 i1,-ditos raiose24 ditos fundos.
20 tijellas de louca azul de 8 a 12 oncas.
lo escarradetras de metal.
1 toalhas d(- linbo para rOSlO eom vara e meia
Para o Porto
Ale oliui do mez ircli'iide seguir
Secretaria da cauaaia uititiic-ipal do Reci-
te, 2't de agosto de Wfcl
O secretario
Francisco Canuto da Boa-viagem,
Crrelo geral
Pela administracao do correio desta cidade se
faz publico para is convenientes, que em virtude
do disposto do artigo 138 do regiilainento geral
dos crrelos de 2i de deembro de 1844 e artigo
9 do decreto u. 783 de 15 de maio de 1881. se pro-
ceder o consumo das cartas existentes nesta ad-
minislracao, pertcnceoles ao mez de agosto de
1862, no dia 3 de setembro, as 11 horas da ma-
nliaa. na porta do memio correio, e a respectiva
lista se acha desde j exixisla aos interessados.
Administracao do correio de Pernambuco 21 de
agosto de 1863.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Crrelo.
Pela administracao do correio desta cidade se
faz publico que em virtude da convencSo postal,
celebrada pelos governos brasileiro e francec se-
rao expedidas malas para a Europa no dia 30 do
corrente mez. de conformidade com os annuncios
deste correio. As cartas serao recebidas at duas
horas antes da que for marcada para a sahiaa do
vapor, e os jomaos at 4 horas antes.
Administracao do correio de Pernambuco 21 de
agosto de 18630 administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Perantc o Sr. Dr. juiz de orphaos desta cida-
de se hao de arrematar por venda, no dia 4 de se-
tembro, por ser a ultima proeja, a requerimento do
respectivo inventariante. urna casa terrea e o do-
minio directo de diversos terrenos sitos na ra
Imperial desta cidade.
No da 1" de setembro prximo futuro linda
a audiencia do Illin. Sr. Dr. juiz dt orphaos desta
cidade tem de ser arrematado por venda o sitio
denominado rela Branca, as Curcuranas perlo
da povoacao da Venda Grande, com boa casa de
vivenda, estribara de pedra e cal, porcao de co-
queiros, dando fruetoe grande terreno de planta-
cao principalmente para melancias. os pretenden-
tes comparecam no referido dia para dito fin.
De oriem do lllm. Sr. juiz de paz do l." dis-
tricto da freguezia de Santo Antonio, o capitao Jos
bem conheerdo brigue purtuguez Vello i;
parte de sen eanvgainnto promiito : p.tl
que lli falla, tra'a-se cfln os sen- coiisignatriu-
Antoio Luiz de Uliveia AzeveduA ('.. no si-u es
cnptnri'i roa da Cruz u. .
am Lisboa
? toni abcrlo o sen r
seleiroe ,(.;r'U de advocada i.; cidade da Victoria, onde rs-
b prompto a ouvir a todos, e receber as cansas de
todos, que se ign irem procurar os seos servia
i-e nlvugailo, i'ne:u-reg.i-iei tatnlieiu re defe-ascri-
mmaes peante o jurv para w- ditferenles pontos
desta peovii:
,_______ Franeisco CoiTela de Quriro* Marros.
Aluga-so um mulato cozinheiro e proprio p
, a* ti VV -- c w-^ muan- i < w.illi ni I \J r HI Wtf I
vai sabir brevemente o brigue porluguez Dtilati- ra tod0 servico : na ra do Queimado n 10
mteiretur por ter a maior parte da carga eugajada : .. _,. -----------------^-r ,
para o resto que Ihe falta' e passageiros, para os fffg/ZJn. "S?* vicos, eco-
COMPTABILIDADE COMMERCML
PKI.ti
DR. WITBTjTIO PINTO BANDEIBA
l'r.ifrssnr ta segaada eadrira do Cursa (umaterrul PmuMbwj
quaes tem exceltentes commodos, trata-se com o
vemledeira de pao-de-l, a qiiem der
quae.-tem excenemes couimouos, iraia-se nu 4*iiomia,.B.u,-----------' ->;
consignatario E. R. HabeHo, ra da Cadeia n. 53. J* n ,r^*Pt. iiiikj que se convenc.onar.
---------------------------------'.------;------------------- "canoo o uluguel pelos juros da referida qnantia
lar n l'rtihi.i
0 palbabote Ganbaldi tem parte da carga, para o
resto trata-se com Tasso I raos.______________
Para o Haranho e Para
pretende seguir nestes oito dias o veleiro e bem
conhecido brigue escuna Jo-en Aillnir, tem a
sou bordo parte de sen carregamento ; para o res-
to que Ihe falta, tratase com os seus consignata-
etnprestad : a tratar na ra de Aguas-Verdes nu-
mero 5.
Na ra da bnneralriz n. 63, loja de ourives,
roznha-se para fi a com perfeicao: os pretenden-
tes ahi encontrarao com quem tratar.
Alugarse una casa terrea na ra daeleda-
de n. 32, eom 2 salas, 4 i|uarlos, cozinha fra, qi
to para escravos. e estribara, com graude imi
uar-
graude quintal
torios Antonio Luiz de Oliveiro Azevedo & C.. no t"do murado, boa cacimba, e eom dilferentes arvo-
seu escriptorio ra da Cruz n. 1.
Henrique Ericli retira-se
do Cear.
Para o Rio de Janeiro vai eairegar. sem
grande demora, o brigue brasiloiro lmi"itului. ca-
pitao Jos Rodrigues Pratis, recebe carga a fele.
para a que trata-se no escriptorio de Amorim li-
maos, ra da Cruz n. 3._________
Veiide-se. a esciwi ameiicaim
Memiie, de 127 tnelailas e de piimci- do Apollo n 2Q.
ra classe; os pretende ules dit ijam-se
na do Trapiche d. 8.
redos : quem a pretender, anteada mi com Jos
entunes tiaimaraes: a procurar as chaves na ra
do Crespo h. 2o, loja do Sr. Ramos.
MU HELLOS VOU'HIS i* 8. FR WC47
ia).\ieitKHKNUt:xiK'
O prlmelro Preleeee theorieo-pralleaM de r%rrlpli
raeo ntereamtll.
O segundo oee* de arihaueliea oma-
uaerelal. adauiados prallea da oferafO> tm-
merelaes e eleaueato do aylei
metrieo eom sisas applleaee
ao i'oiiimerelo.
PHECO DE CADA VOMMK ."i*.
para a provincia
< anall d .\ognelra
Sacarn sobre Lisboa e Porto : na na
LEILOES.
Est para alugar-se o segnndo andar do
sobrado n. 41, em a ra da Aurora : quem
o pretender dirija-se a essa inesnia ra
casa n. 10 que achara com quem tratar.
LEI ,\0
OJf.
as 11 horas da man lia a.
O agente Simos levar de novo a leilao no seu
escriptorio ra do Vigario n. 17, primeiro andar,
i a mandado do lllm. Sr. Dr. juiz especial do com-
Luiz Pereira, faco saber a quem ^>V*f* \ mercio. asdividas da nussa fallida de Sanoel Jos
ante este ju.zo so se devora ^P"^^8 de Faria, na importancia de 26:1:183760 re., ser-
concl.ator.os, por outre.u. eom prociraeao bastan- vn(Jo de base O'|anoe j b(ido a ri,|arSo d' ,a(.s
te passada por t a bel bao. e .piando toi^pela propr a dividas acha.se em pod(!r do IIK.smo .,;., |iara 0
iii fi*ni*> pan
parle seja reconhecida a son firma nao se adm.tte de ^'p.-etender.
apudactas0 escrivao. Silva Reg |--------------!----------L------------
Arrenia A praca annunciada pata a venda dos seis es-
cravos petante o juizo municipal da 2.a vara, por
execufiio de Balthar & Ohveira contra a heranca
do finado Jos Fernando da Cruz, para a quat es- jjmn -,,.,, ierren eil fhnsnni
lava designado o dia de bontem 26 do corrente. ti- ^*a <"JMl IZII Ul tm HUIOS fu O
con transferida para sabbado 29 do mesmo mez, n>0S Sl Tlff 1'Ull (il(S t'l-
sendo que os escravos se acbam no deposito geral,
sao pecasxescolhidas. avahados cada um por 600. [ VlUMJPAraS H V
Ojiarla-frlra 2 de sclenibru vindmira a inri dia.
' O agente Olympio acha-se autorisado a vender
em leilao a casa lerrea em chaos proprios sita na
ra das Larangeiras n. 9, tendo a mesma 2 salas.
0 ltOGII BISTM
Pde ser urocurdo dat> s 10 horas da
v~madfi5a ra% 1 di tarda m diaalf n
10 Ra dt Quemado IV. 10
lias lit ila inanMit'te'l Ha urea
X. I Ku a da Cruz X. tHf-
Cura radical e em poucos dias as mo- plj
lesnas svphirtticas e as do apparelho ge- w
oito urinario.
Um honiein portuguez, casado eom punca fa-
milia, offerece"-se para ser caiveiro ou administra-
dor de algum engentio, sendo perto da praca : a
pessoa que annuncia sabe liem ler e escrevrr, e
muito condecido nesta cidade. onde reside lia 2.1
annos : quem precisar annuncie.______________
Precisa-se de um menino de 10 a 12 annos
fara caixeiro. no de|osito da padaria da ra do
otovello n. 31, alada que ojo leona praJtca : a
tratar na mesma.
THEATRO
DK
3 quartos e quiutal e rende mensa I mente 165.
EfflPREZI
A. J. D-.4RTECOI1BK4
Recua livre da assignatnra.
Sabbado, 2!) tic agosto de IMl.
Prinieirarepresentaco da magnifica comedia em
tres actos,
AVISOS DIVERSOS,
PORTA FALSA.
Seguir-se-ba a repre.-cnlaeao da applaudida co-
media em dous actos.
-MOTM tiMIti.
Precisa-se de ot)05 a juros de 2 0/0 ao mez
sobre hjiiotbeca em una escrava crioula de 16
annos, aqual engomma bem e earinhosa para me-
ninos : a tratar com Frederieo Chaves, na ra da
Imperatriz n. 19, onde est i dita escrava. e auto-
risado para fazer dita hvpothcca.
itoga-se a nessoa que leve a l>o-
datli' aiinuiieiai' no Diario de 7 dejiilho
pe \iuiti uassail o leile da ;mmi e de
Ulnrurconlra as mo'esas de pelles,
lenli.-i a bondade de iectartr l ltiji>r
dr sua inorada e onde h pli encon-
trar dita arvoie.
Precisa-se coiu urgencia da quantia de 3005 _
pelo tempode seis mezes, dando-so por segnrancal
ra da Imperatriz D. 'ii, loja do Sr. Ponen- nmmoleqoe: a quem convier. annuncie por esta
tol. na Direita n. 3. botica doSr. Cbagas. f^,____________ 1
Figueiredo. seus fi-
LOTERA.
Quinta-ivir .'I do setembro prwxuao se
extraliir a st-\ta parla da teivcira lotera do
Gvmnasio Pernambiicanii (X.* txmresaSo).
Os bilbetes e meios bilhetes acbam-se A
venda na respectiva tbesouraria. na do
Crespo n. 15. e as casas cominissiooailas
Esta obra. a|wzar de elementar, veni preeneber una lacinia, joe i ra -iilida eolr- <>*
onde fallecem escriptos de certas especialidades com accessi a toda a- in|f||igen-i> : -
sun o edilor pcna fazer um servico dando-lhe publicidade. tanto oais ipian!.. bi^r. qiw a-
transaceoes commerciaes e iudusiriaes vao entre nr- tomando nolavrl daniBiinliiailay derr
entrar na educacao daqnelles que se querem appbcar a n> ramos da \da 0 ri.nb<-rniK>nio
dos principios da comptabilidade administraliva a commercial.
Com este intuito, gofa urna forma esencialmente cla-sica. leiiuiu o Sr. Ir. Wifrnvi.. h*
principios da comptabilidade commercial no que tem elle-de niais elenuntai > n.**
os de modo a facilitar o mais possivel o sen esludo s |n-ssoas que se destinan) -. pr.*-->
Commerciaes, sendo taes a concisao e a clareza postas no(lc>en\olviuienlo respectiva i^w p>-
de-Se aprender a materia, ebegando-se a escriptuiar os livros fn>r partidas dl>ra car o calculo s operacoes do commercio, sem carecer da Intervenco ib- um iiK-lr-
0 primeiro votme, formulado sobre a obra de Bertrand, ocrona-se n.ai- i imi'HiImib*
da escripturaeao mereantil |Hir partidas doblada-, rojos principios san dnenvulndD* em bar-
inoiiia com a legislaeao brasileiro, contend) alriu disto um mpMtanlis!>M aafaaflai mam
as sociedades commerciaes em todos os seus moviinentos. quer ||.. lado da i'-rriptiirarii.
quer pelo da formaeao. existencia e extinceao de||,.s em faje da lei. .Ne-te ap|-mh.
ea.! ""'ote rccommeiulavel por sua originalidade p |ielo ciinbo de e>pti-ialisnMi. tem maa-
Dierrianle tuna guia para sua direccao. qualquer que seja a forma da >(m ieiLub que <-i>nrraB-
.Completa este volme o speciint ou resumo de una escripturaeao. ficticia \riiboV. u.a '
tudo seinelhaiite ;i de umxasa de commercio ordinario, tt-ni-endo urna -eiie de i.|
successi\-anienie mais (fafiTceis, daeas-'m inicia irradiialiiiento a mane de 'TriaM
nos difntrentes livros de urna casa de commerriifc
O ep-:ipfl(v eaualmcnte formulad -<>hn a I
da arithmctica commercial or metvi^xn liai
da reara ronjunrta. acerca de todas as opPrai
clculos de cambios ib- praca praca e |K>r pi .- iutpr
com arbitragens de cambios, alm do il.senvi oh.
com o commercio. illustrado por meto de tabellas de eonversJo.
O editor nada mais accrescentar estas breves palavra-. que .esi> denHi>-Oaiii a
nertancia real desta obra, devida a intolligencia e a applicacio an orada il.....t> anta
que ella de ulilidade geral. e que a nenhuin eommercianU^ i..........a honv-m alvun. d.-
tra- lieito deixar de |Kissui-la em sua estanti': poi-o coinmercio em siui- ni arda lafc
coes. enlende actualmente com ludo que se liga a vida.
A assignatura toina-se as livrarias dos Sis. (iiiimarae- ^ Miveira. Xnfniewa de Sea.
SR za, Julin i Pereira e Gnraldo H. de Mira, sendo realisada sin impoi tancia [da ipn>ta ib- rada
9$R volunie ao sahir oVi pelo, para 0 qual ora entra o primeiro.
>& Ol.lHI.*
oft t j -v ay ... ,.-,..
IXTERNATO
IK

e ruada Cadeia n. 15, loja do Sr. Porto.
Os premios de 5:000/ at 10,~> serao pa-
gos urna bora depois da extraccao at as i
Dar fnu ao espectculo cun a omito cjpiriluo- horas da tarde, e OS utios no (lia sr-glfuite.
M scena cmica,' original do Sr. Viiii.nio de Souza
Pinto: e representada peto Sr. Guimaraes
UM BARBEIRO POLTICO.
Principiara s 8 horas.
flepois da (leetrBiiwrSo cks Kstas.
O Ihesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Sonza.
o Ihesoureiro das teterias desta pt'oviiil
I). Joaquina Emilia d
Ihos e genros, convidam a todos os seus p-
renles e amigos para ouvirem una niissa que
pretenden) mandar celebrar na matriz da
Boa-Vista.pelas l horas da nianha do dia 2m
rtr> ro-rente por .Ttma de BCU tinado irmao e
tio Antonio Ilrrcnlano de Fiaueiredo.
--* i iiinniiTw
Pas-aiiieitlt di* (Vsla |ioi' |ioiao
AVISOS MARTIMOS.
IIIII el 10.
lias, e aluga-se por pooco diobeiro: quem preci
I- o imprmente.
Para o arsenal de guerra.
20 livros de-talo impressos segundo o inodel o
que existe en) poder do escrivao das oflicinas do
mesnio arsenal, temi cada um 100 folnas.
W n quizer vende, taes objec.os aprsente as
em carta I'-cl.ada na secretaria do
hora- da inanha do dia 2 do
uas proposta
cons'liio. s 10
*Sila dasswaoos do consemo adm nistrativo. para
rornecim.mto do arsenal de guerra. 27 de agosto de
1 Kt'!
Antonio Pdro d> W {i ri''t"-
Coronel presidente.
SrtiuMiao Antunio do Hr.ni B'ins,
Vogal secretario.
Arrenaalaco.
No dia 211 do corrent. mez. lida a audiencia do
Sr. Dr. juiz municipal da 2/ vara, escrivao Athay-
dc ser vendido era basta publica, a quem mais
dr, nm sobrado de um andar e sotao na ra Di-
reita, freguezia de Santo Antonio, n. 13, com 2 ja-
ueltos de frente. 1> 1/2 palmado vao e o2 de
eompjimento, sendo o sotao lavado, cozmna oen-
tro. com quintal. #m chao propno, avahado em
2:.)00J, e vai praca a re/|uerimento de Guilher-
,nd Augusto RodrigueSette. cmo administrador
dos bens de seu casal.
'onsellio ailaiiaiiitralivo.
O conselho administrativo para foniecinunto do
arsenal de, guerra, tem de contratar o fornecimen-
10 para o rancho da companhia dos menores do
arsenal de guerra nos mezes de setembro e outu-
bro prximos vindouros.
Pao de 4 oncas, bolacha, cafe em grao, cha
h\*son. assucar refinado de i.' serte, manteiga
iroaeaa, carne verde, carne seeca, toucmho de
Lisboa, baealho, feijao preto ou mulat.nho, al-
queire farinha de mandioca da torra, arre* do
Maranhao, azeite doce de Lisboa, garrafa, vinagre
de Lisboa, garrafa.
Quem quizer contratar o dito rancho aprsente
as suas propoetas oo dia 31 do corrente, as 10 lio-
ras da inanhaa. na secretaria do mesmo conselho.
Sala dassessoesdo conselho administrativo, iara
fornecimenio do arsenal de acierra. 2i de agosto
de 1863.
Antonio Pedro dt S Barreto,
Coronel presidente. .
fybfitiao Antonio do Reno Barros,
Vogal secretario.
tOxIIPlHIil
DAS
e com menores intervallos, offerece a vanta-
gem de dous por cento quem comprar
para negocio, na quantia de ittfaj para cima:
assim como se prqpSe a aslabelecer corres-
pondencias para qualquer localidad- da pro-
o da 30 do corrente espera-se vincia, remettendo bilbetes. meios e lisia-.
dos porto do sui o vapor francez sob fianca idnea; devendo o pagamento
Bttrmadure, commandante So- delles ser feilo logo que sejam ivcbidas as
11 lisias e novos bilhetes remettidos. 0 llie-
sonreirocerto da convenieneiad
MESSASERIES IMPERIALES.
sar. approveite em qoanto tempo ; a tratar na
ra do Vigario n. 8 com Cosme Jos dos Santos
Callado.
sse negocio.
da demora do
cosame segair para Itordeaux
tocando em S. Vicente e Lisboa.
Km S. Vicente ha nm vapor em corresp .ndenria convida aos Srs. eommercianles da Victoria.
com Gore. j Goianna. Rio Formse. Nazaretli. Sei iilnViu
A companhia encarrega-se de segurar as mor
cadorias embarcadas a bordo dos vapores, assim
como tambein recebe dinheiro e objectos de valor
enm destino a Londres em transito por Bordeaos
e Itoulognc.
Para as condicSes, fretos e passagen's trata-se na
agencia ra do Trapiche n. 9.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
i)V.
.A'avegaro e:>^1 eir a vapor.
I'.iraliili i. Natal. Main. Ararat). Cear, Varani
e Granja.
(1 vapor Jiujmtrilie. coininandaiit.-
Lobato segu para os ni rtoa re-
feridos no dia 7 de setembro pr-
ximo. A caiga somente ser re-
cebida ate o dia ', enoommen-
dinheiro a fete at o dia da sa-
escriptorio no Porte do Mallos
emais localidades populosas da provincia, e
mesmo os desta capital, que o quizm-m. a
enteiiilcrem-se com elle, na tbesouraria das
loteras, roa do Crespn. 15j advertindo!
que reoaberi em pagamento e sem deeconlo. I
os bilbetes premiados de todas agiotaras'
da provincia recolbidos tbesouiaria da fa-
zciida provincial.
Thesouraria das Loteras. 20 dejttnbo de'
1863.
o tfaesoureiro,
das passagoinw
hida as 2 lloras :
n. i.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos |K>rlos do sul e esperado ale
o dia 30 do correle o vapor Ib-
cantn, commandante o primeiro
tenentc Pedro llypolito Duarte. o
qual depois da demora do co.-tu-
me seguir para os-porlos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
Antonio Jos Hodrigues de Souza.
LOTERA
GA84 l)\ FOinilW
0 abaixo assignado venden em seu- eliaea bi-
Iheles garantido as duas sortes de .'i:0005 e d(^
l:000em meios bilhetes. e outras muilas de 1005,
iOfie SOfida loti'iia qne se acaliou de extrabir a
benelicio da igieja de Nossa Senhora da Seves
de Olinda. e convida aos possojdoros de ditos bi-
lhetes a vircm receber seus respectivos premios
por inteiro sem descont algn em seu estabele-
cimento Casada Fortuna ra do Crespo n. 23.
Assim como tem exposto a venda os novos e fe-
lir.es bilhetes da sexta parte da terceira lotera do
Gvmnasio Pernambucano que se extrahir a 3 de
setemliro prximo em sua dita Casa da Fortuna
Aluga-se urna escrava limpa. perleiiissima
engommadeira. cozinheira. cose, tem babilidade
para vestir una senhora : na ra do Hospicio n.
40. da- 7 as 10 b uas do dia. achara com quem
Ira tai
~ LIQ 0 E S
PARTIDAS DOBRIOAS
ARITMTICA
TRES V EZES POR SEMANA
I ERIJAS QIINTAS f. S\I!I!\IHS
das 7 s !> nonas i>\ Narro
l'rct'o 10,000 rs. iiicnsac pa|us ailiauladns.
Manuel Fondera le Medeiros.
contina a dar lindes das referidas materias no
primeiro andar do sobrado da ra Nova, que (ai
da ra Nova.
esquina para a Camboa do Carino, onde traballia o
Sr. K. Gadanlt. As pessoas a uera o presumo do
| aununcianle pudor aproveiUiidignein-sepiocura-lo
ahi sinenle nos dias e horas cima designadas.
- Alnga-se urna boa casa terrea com bonscnoi-
| modos para aade familia, sita na ra do l'oeoda
! Panella. perto do hanho : a tratar com Frederieo
'baves. na ra da Imperatriz n. 1!'.
ESTABELECIDO NA CIDADE DO RECITE
Oirerlor 0 baeharrl em nalbciuaiira-
BERNARDO PEREIRA. DO CARMO JNIOR.
( director do intrnalo de S. Bernardo, aecedendo aos aidMac te -arios --
respectivos colle-iaes, e de oulra- pessoas desla capital, removeo o seu e-tabek-inieat
da Capunga para esta cidade.
Nao tendo evitadoesforeos nem sacrificios para |*ojiorrionar a-.- o- aluna*
una perfeita edatamo physicai moral, inieiieeiuai e religiosa, Afcnaaladan nana ha-
bitaran com bstanles eondifoesde salubridad!'. haU'i- pn>fi">sores que san -
prepara-tos oonveoientomente au lim qu*s se destinaiu. medico praiien qu- Ib-
rr'.mpreliender os prereitos da hygtene e llies cure da- dm'iica-. e tinabifiile um ~Jttrr-
doto illusirado e honesto que Ihs expliipie os principioM da religiao rlaiana, e^rraa>-
assini constituido nao deixar o son estabelcrimento de merec'! do- Sr-. p.i- .|.
lias o auvilio e conlianca com queja algn- o tem honrado: r lie- riia li-ioi.-ui
todas as pessoas interessadas. i|iie se dign-'m ib'\ isitar o mesmo seo e-tatn luaniW".
onde sempro encontrarlo franco ngresso.
Ocollegio tem a sua sede no espacoso edificio n. 32 i ra la Ano.ra. roativu .
jlo collegio dos orphao.-.
Nos c.-tatulos do collegio. que estau disposirao de quem o- ipn/.-i |. i
consignadas as condicSes de entradaematrirnla as diversa arda* dnartanatari-
ento.
NOVO ESTABELEGIMENTO SE MEDICINA HOMEOPATFI
IUi MOl'A Km 431.

nn'H.
. '-
horas: agencia ra da Cruz n. I, escriptorio de i 806 uma .'** qopo^oa^cxtracfao.
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo iSi C
Preeos.
Bilhetes intuiros..... OfiOOO
Meios bilhetes...... 35000
Para as pessoas que compraren!
de 1004 para cima.
Ililbetes........ iAo.H)
Meios......... 9700
Manoel Murtins Fiuza.
COMPANHIA BRASILEIRA
DK
PAQUETES A VAPOR.
l)os nortos do norte esperado
at o dia 4 de setembro o vapor'
Princeza dt Joinvillt, comman-1 O padre Flix Brrelo de Vasccncellos abre
dante o capitao tenentc Santa impreterivelmente a sua aula de latim e francez
Barbara, o qual depois da demo- no dia 1." do prximo vindouro mez. em a ra da
ra do costume seguir para os portos do sul. Boda n. i.*>.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a ~ \ "
carga que o vapor poder conduzir. a qual dever Precisa-se alugar annuahnente ou por festa
ser emtiarcada no dia de sua chegada: encom- 'im s'l' desde a Ponte de l eha ate o Poco da
mondas e dinheiro a frete at o di da sabida as 2 Panella.com algunos accommodacoes e que seja
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de perto de no corrate : a tratar com Antonio Jos
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C. ; Rodrigues de Souza, na ra do Crespo n. lo.
It;,. i-iiido do Voit.1 Alexandre de Pinho Borges e Joao Carlc-
lloiiidiitH 110 votti Lumack previnem ao lllm. Sr. Ihesoureiro das lo-
0 patacho inglez Aikiny, capitao u. Watter, car- ,erias fa provincia que thes pertci.ee o raeio billa -
regado com 1,196 caixas de batatas, 50 barr* de ,0 n j ISs da g parte da 3. )oteria a beneficio das
chooricas, 11 caixas de tigos, 50 ditas de sebolas, 0Dras ,j0 f.vmnacio Provincial, que corre em 3 do
30 pipas de vmagree 2I3 3|5 moios desal, de Lis prximo setembro, estando assignado no verso
boa para o B10 de Janeiro, naufragado no arrecife por i,umack. Este bilhete desappareeeu do poder
de Pirangi, para amanhecer o da 22 do corrente dos annuncantes ; assim previne-se a quera o
mez do agosto. O capitao desembarcou e eonsignou arhoni qilP tenha a bondade de o restituir a quem
o navio e carga a casa nnnnercial do Sr. Domn- je direo pertence.
nos Henriques de Oliven a, desta praca, e imrne- -------__--------------
diataraeote voltou para o navio com m agente da
mesma casa, e os ocr^rros precisos para o sal-
vamento.
OnVrecc-se uma ama para o servido interno
de casa de homem sotteiro ou pottea familia : na
ruado Aguas-Verdes n. 14.
Ouem piecisar de um Portuguez para aom-
nraa e recados, e mais gerrtcos, at I0, dirija-se
ao arco da Conceicao 11. 4._________________
Luiz Itibeiro Trovan faz scienle ao publico
e muito especialmente ao corpo do cominercio. que
comprou a taberna sita na roa Imperial n. 139 ao
Sr. l-anrindo Pereira Simdes ; e por isso toda e
ualquer pessoa que se adiar credora do dito ten-
edor, devisa apreseular sua eonta no praso de
tres dias. lindos os ooaes se nao responsabilisa
por conta alguma que se Ihe apresentar.
Alugam-se o segundo e
casa sita na ra Nova u. 'M :
andar da casa 11. lS,de junto.
terceira andares da
a tratar 110 secundo
Aluga-se )iara casa de punca familia uma
miilber parda para ama aqua! rosinha bem : para
tratar na 1 ua por detraz da ra Nova n. 36.
O abaixo assignado previne a quem convier,
e para que a todo o tempo nao ge possa chamar a
ignorancia, que o Sr. Jos Jacintho Pavao, mora-
dor na cidade de Olinda, nao pode alienar seus
bens comotera annunciado. ainda nao penhorados
pelo mesmo abaixo assignado, em virtude da exe-
cucao (pie contra elle promove pela quantia de
dous contos e tanto; e porque conste que o dito
Jos Jacintho Pavao procura fazer contratos simu-
lados sobre alguns dos taes bens, e a predita exe-
cucao dever entao encaminhar-se contra ootros
quaesquer que livres estojara, ou de mclhor e mais
prompta solucao : isto (tost, o abaixo assignado.
desde j protesta proceder pelos meios competen-
tes, e para salvar sou direto contra quem, a des-
peno deste aviso, effeetuar qualquer contrato a
respeite- de taes bens. Hecife 27 de agosto de 1863.
Manoel Tavaresde Aquino.
tingue!.
Aluga-se a casa terrea n. 22 uarua Velha
tratar na ra do Sebo n. 21.
O abaixo assignado ignora completamente
qual seja o negocio de inteiv-se que o Sr. Joaqiii.n
Luiz Viraos Me (toseja fallar ; portan* pede enca-
recidamente que llie declare a naturoza do negocio.
Jos Soares Pinto Corroa Jnior.
0 Dr. Sabino 0. L. Pinho mudoa o sea CONSULTORIO para a b-ja
ra Novan. 13, onde ronlinua a dar coradlas lodos os dtas ateai dtanVa
i horas.
Os i'iil'cnn'is. (|no o proctirarem logo na invasau da un>b-iia -
mado qualquer remedio, nem allopatliini. nem ncuMpanniro, pajaran uv\
estipulados. Esta cooGesaSo Ion por lim facilitar a cura de molostias. qn.- j- n, l
se cx>mpUcadas pelos emprego intempestivo da Uterapeulira e ari mi-sin" t-rti( < '
para a bomeopathia maior numero de adeptos pela batea da en
Km atti'ticao as pessoas pobres, (pie uo podflnl salm ib-ib,,. li hai
veo dar (lttss consultas por semanas as leras e sexlas-feiras ila- s'i> -b i .
noite.
Os chamados para visitos e coofereocias devemaei' dirjgido per
sultorio desde 8 horas do dia at 8 da norte, na certaa ib' ojae -'"'" altoanlnV w
de sua procedencia, salva a circumsiancia de emineote perfo.
ai>vi:ki i:\cia.
O ii"\(i consultorio est prvido dos melliores iiieiliiam.'iit(. iW^lt- a prn
at a Irigaaou dynaminjsacao.
E (-orno os mdicos hespanhes e allcmaes nao eeewaai e oartnVa a nnpi .
cacia das ultissimas dynaminisacoes do tratameulo das molestias rhn>nira>. o ln s il
oceupa agora de elevar os seus medicamentos s potencias mais alta* paf Sil Stf i> |
alim de, verificar por si mesmo a forra d.Miamica. que se Ib* attribae.
Os mdicos, que quizerem experimentar tai-s d_Miaiuini-;v u puibriu lirag aa
consultorio suas recetas, que serio aviadas gratuitajasnls pava os pajasa.
Ro mesmo consultorio se vende a npvissima edico do litasaas hm ou Vademcum do homeopalha. obra ndispensavel a dos que quen'm u>ai da Im^u^-
palhia.
Tudo o que diz respailo nova medicina se aclia aluindanMuenb- o^t.- im*i elali^-
aeciraento.
MMMfi
w.
DE
J. YIGNES.
X. 5&. HIA Ot> IHPEH.IDOR
f%. **.
Os pianos desta antiga fabrica sao boje assai conbecidos. para que .-eja nei-essri!> insistir
sua superioridade, vanttgens e garantas qm- offereceni aos compradores, ipialidaoV- esta inn
veis qu cjelles tem deliitivamnte conquistado sobre todos o que tem apparecidi> awia arara : p*
suindo um teclado o machinismo que obedocem todas as vontade-e capnfto^daapaaawSaf.srai
nunca 'albar, por seren fabricados de proposito, e ter-se feilo ltimamente nielnoraanenSaa
tiasimos para o clima deste paiz quanto s vozes sao melodiosas e Bantada e por i">*> 1
veis aos ou\ idos dos apreciadores. ^^
razeni-sr conforme as encommondas, tanto nesta fabrica caneo aaaoSr. inaaaH. a>
corrosiRindenle de J. Vignes,tn cuja capital foram sorapre piaadoii em toda aa w
Ko mft-mo estabelecimento se nena sempre iirn esplendido e variado hdrtnaraM
melhores composi'ores da Europa,a^sim como narmonicos o pianos barmMco- s.nna*> *>
por procos muito nana vate.
,
.
i 11 rr:r\/ri 1


Diarlo de Persmhnco Sexta letra 9H de Agosto de IWK3.
sse
PROTEGCiO
Msicas para piano e cante,
de todas as torcas e
vende-se baralissina para
acabar.
O NOTO
PROTEGCO
Msicas para piano e canlo,
de todas as torcas e
vende-se baratissina para
acabar.
ETABELECim:nTO
DE
Jos (eme* Villar na roa do ('.vespo u. 17, erando o mais beiu soni-
do possivel espera merecer a proteceo do publico em geral.
Cortes de Ida muito bellos
delieadissimes corles de lia rnm barras a melhor uu (em viudo a esto provincia
jorgamlis de padroes delicados e milito Unos a 100. a 210 e a 280 rs. a rotado.
Las de quadros muito chiques a 320 rs, eovado.
Paranoivas, temos.
0 rico vestido de blonde rom sua manta bonita e. su yriualda le milito josto, te-
mos a cambraia de linlio para camisas, temos as saias bordadas, temos o espartilho, te-
mos o balo muito redondo e muito chique, temos os ricos cortes de cambraia ricamente
bordados, temos o bramaute belga para lencoes, temos a bretanha para camisas, temos
a selecia ou o esquino para slabvrintbos, temos as rapas pidas a Luiz XIV, temos a cha-
(telina a Mara Fia com o seu veo muito chique, leuuis os ntremelos largos ricamente bor-
dados romo ninguem tem, preprios para eufeites de reupas brancas. Assira coiiw temos as
fazendas cima mencionadas e muilas unirs, que seria enfadonho menrionai-.
Nao se esquecam fregueses, at logo.
AURORA
DA
0
LARGO
BRILHANTE.
fL U
SANTA CRCZ.
.\ grande armazem denominado A i'HORA BRUJANTE o respeitavel publico encon-
trar sempre varacao de gneros por grjBOM e sempre das melhores c mais novas qualida-
des 1711c venhan ao mercado e or pre^o 0 inais barato que em oulra parte :
iarm. a-ail-Venladeira ilo; "Scrid a. 280 Dita francesa, embarris a 340 o. oCO
NOnCIA NOTICIA NOTICIA.
Carios de visita
(Marides de visita
Carmes de visita
Carlees de visita
CartSes de visita
Candes de visita
Carines de visita
Cartoes de visita
Carmes de visita
CartSes de visita
84000 a duzia
84000 a duzia
85000 a duzia
84000 a duzia
84000 a.duzia
. 84000 a duzia
84000 a duzia
84000 a duzia
85000 a duzia
84000 a duzia
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador
-------------------
BAMCO l lio
ESTABELECIDO NACIDADE DO PORTO
Agentes em Peraanibueo
Antonio Luiz de Oliveira
Aze vedo k C.
Sacam por todos os paqueles sobre o
mesmo banco prazo ou vista, sobre a
caixa filial em Lisboa, c agencias em Fi-
gueira, Coimbra, Avoirrf, Vizeu, Villa-
Real, Regoa, Vianna de Castello, Guima-
raes, Rarcellos, Lamego, Covilhaa, Rraga,
Penaflel, Braganca, Amarante, Angra,
llha da Terceira, Ilha de Faias, Ilha da
Madeira, Villa do Conde, Valenca, Rastos,
Oliveira de Azemeis, Chaves e Fafe, a
lito dias vista ou ao prazo que se conven-
conar, no seu escriptorio cua da Cruz
n. 1.
Aluga-se urna casa terrea no Porto da Ma-
deira, em Beberibe, com 2 quarlos grandes, cozi-
nha fra, quintal, na beira do rio, ptima para
quem precisar de ir tomar banhos, aluga-se tam-
bera um pequeo sitio no mesmo lugar na estrada
que segu para Olinda adiante do riacho Lava-tri-
pas : a tratar na ra Direita n. 69, padaria.
Na Ponte Velha n. 10 cose-se mais barato
que em outra qualquer parte.
Jos Thomaz da Silva, portuguez, rctira-se
para o Rio de Janeiro. ,
Alugam-se 3 quartos e ama saleta no bairro
da Roa-Vista, com commodos para pessoas solici-
tas, tem agua e quintal, ludo por muito commodo I
preco : a tratar na ra dos Pires n. 54.
Toucinho de Lisboa arroba 94 e libra. 320
l.inguioas e presuntos novos libra. 500
fc) Presuntos nglezes para fiambre a. 800
Queijos do soiio libra a .600
Ditos do Reino a 14800. 24 e coberlos 25400
Cha hysson a 24400 e 25000
Dito miudinbo muilo superior % 2580(1
Dito preto a.....25000
Dito pretoem macos a. 14800
Dito do Rio em latas a 45000,15800 o 25000
Aiu oretas com azeitonas novas a 15200
a garrafa e libia. :)20
Gomma do Aracaty muilo alva a libra 100
Tapioca ou farinha do Maranhao a libra 140
Gomma mais baixa arroba 14800 e
libra......60
Saceos com farinha igual a da trra. 64000
Ditos com millio 24 cuias a 54500
Ditos com farclloa .... -44300
Ditos com arroz de casca. 14000
Amendoas novas de casca mole a libra 280
Copos lapidados para agua duzia a
65500 e para vi nho. .35800
Ditos lisos duzia 15800 e 14*00
Mauteig ingleza flor a 800 e 900
Dita mais ahaixo a 720 c. 640
Marmelada nova a libra. 640
Latas com peixe de escabeche 14000
Ditas com savel, salmiio, salmonete e
outros......14000
Dilas de una e meia de ameixas fran-
cezas.......14200
Ditas com massa de tomates a libra 640
Ditas com figos de comadre 4 libras a 14500
Ditas com ostras para frigideiras 800 0
Ditas com fructas portuguezas em'calda 500
Duzia de latas de grata 14200 *
Frascos com musanla franceza. 480 5
Ditas com genebra aromtica. 14000
Ditas com genebra verdadeira de Hoi-
landaa640e .... 880
Charutos ainda ha pechincha a caixa
de 300 a.....1,5 00
Ditos finos geno furo de 35500, 24500 e 25000
Vinhos do Porto caada 55 e 64 e gar-
rafa 640 e.....800
Dito da Figuoira fino caada 44800 e
garrafa.....640
Dito mais ahaixo a 44 e 560
Dito de Lisboa a 35800 e .480
Dito branco de Lisboa carcavelos
e outros.....640
Precisa-se fallar ao Sr. Jos Flix R'r
beiro de Carvalho, que mora no pateo do
Paraizo, nesla lypographia.
8f^ >jfef >S ysn >st y^f>m/.y
&KSK S?8 38? SIS S88 SlxStes
ALVI9ARAS A NOVIDADE.
Sao chegados loja das columnas
na ra do Crespo n. 13 de Antonio
Correa de Vasconsellos 4 C. riquis-
simos cortes de 13a muito fina com
barras estampadas e matisdas Im-
peratriz Eugenia, cores as mais deli-
cadas como sejam: cor de ganga, de
lyrio, cinza etc., fazenda fnteiramen-.
te nova e nunca vista em Pernam-*
buco.
Alm dos gneros annunciados ha muitosque dcixam de se annunciar ludo -da melhor
qual idade.
Maques sobre Portugal.
Oabaixo assignado, agente do banco
mercantil Portuense nesta c-idade, saca ef-
fectivamente por lodos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
qualquer somma, vista e a prazo, >o-
dendo logo os saques a prazo serem des-
contados no mesmo banco, na raziio de 4
por cento ao anno aos portadores que as-
sim Ihe convier : as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro
mmmm mmm s
Ao 11. 29.
Noca loja dos bartenos, ra do Quemado.
Laas de ultimo gosto, eovado a 440 rs.; organ-
dis de padroes lindissimos, varas a 800 rs.; ba-
ldes de arcos o melhor possivel, a 34300, 44 e 5 ;
alpaca de linho para vestidos, eovado a 240 rs.;
cambraias de cores para vestido, eovado a 280 rs.;
cambraieta muito fina, peca de 12 jardas a 74 ;
eassa lisa pello de ovo, peca de 12 jardas a 74500.
Aon. 29.
Noca loja dos barateiros, ra du Queimudo.
Paletots de merino setim, fazenda de costo de
. '.:' 'J~~'''4S8iMi "^ Pr 105 dilos (,c a|Paca pretoa352O0; brim
&k&x&%R^I^asKMximsig Alugam-se a loja do sobrado n. 193, c arma- ea, eovado a 480 rs.; camisas com pellos de fuslao,
iem 171 da ra Imperial ; o armazem n. 4 da ra 15600; chapeos de sol de alpaca, a 35500.
do Apollo, e a casa n. 27 da ra do Burgos: na
ua da Aurora n. 36.
RA DO IMPERADOR
N. 22.
Grande armazem de tintas.
Este armazem conten tudo quanto
preciso para queaindusU'iade pintura, tic
qualuer genero que seja, desempcohe
seu fim, isto embcllezar, conservar e
1 vproduzir.
Montado em grande escala e supprido
directamente |ior grandes fabricas de Pa-
rs, Londres e Hainburgo, pode ollenccr ,
productos de eonlianca, e satisfazer qual- }J
quer encomuienda grosso trato e a re- [
talho.
Os Sis. artistas pintores, e os donos de
obras poderao escollier vontade, |n>s
que tudo estar vista, as dilTerentcs co-
res de que tiverein neeessidade.
Ha tintas em massa e em p impalpa-
vel, e como as obras a envernizar s se
deve empregar tintas muidas, e nao me-
recendocuntiancaasquevem de fra para
comniercio, |xir vcllias. lalvez falsifica-
das, neste armazem se as moer vis-
ta do consumidor, iiue s assim ter tin-
tas frescas e verdadeiras.
Ha tainbem ouro verdadeiro, verde em
p eemfolha, prata em follia, p debrou-
zear de varias cores, diamantes para cor-
tar vidros, burnidores, ncar superfina en-
carnada, aniarella c verde, tiutas vege-
tacs, azul, roxa, verde e amarella, inoflen-
sivas, nicas que se devem empregar as
ciwifcitarias. eollecces de pinceis para
fingir madeira, conpropriedade, e outros
de varias qualidadcs, vernizes, copal,
graixa, branco ou escuro para o interior
e exterior, para etiquetas e quadros, tin-
tas finas em lubns, em crayes uu pastel.
tollas para qoadros, caixas de tintas linas
e pa|iel para desenlio.
Essencias aromticas verdadeiras, fras-
cos e vidros para vidraca de todos os ta-
manhos, e niuitos ootros olijectos, cuja
utilidadc e einprego s com a visla pOQ6-
rao ser mostrados.
Joao Pedro das Heves,
(rente.
M AKAR4
Glande ovposiro de fazendas de lodos
as qaalidades; ^ido par lwral>-
sinio preco, na loja e araniea da
Arara ra da lojperatriz i. 545 de
Lourcuro Pereira Meoden Giojo-
res.
*AA r 3 k 4ilLT* a
Vi inlem-se chitas cores fw*, enm penui>.
no loque de mofo a 200 rs. o nva*IPi, lea-
eos blancos .- rom barras 200 rs., 'mam
para hnmem 120 rs. o par. ditas para mr-
nios, 100 rs. upar: na roa la Imperalriz*
11. .')<), Arara.
Arara vende as rassas a 200 rs. rutad*.
Vendein-sc cassas linas para vestidns a
200 rs. o eovado, orf/andys lm*Kiiara *eo- .
tiilos a 240, 280e .'120 rs. o OaajC] &; n..
arma/.cm da Arara, ra da ImpiTatriz n. 36.
Cortes de chita da Arara a 2400 rs.
Veinlriii-si' ci'utis n> chita rom pvqaean
toipu de mofo 1 2v ditas limpas a 2j,
5*vciid'por eoto piveo por Wr grm\e porr>>.
ditas (raneen! a 2oo o coto m n da
Impciatiiz, loja da Arara n. :*',.
Arara vende grosdcnaitlcs prrtoa 1000 rs.
Yrniirm oo|iiiIhm|iIi piLiu 11.. 1 v^m
e 2#o royado, dito de i palmos h- larni;a
a 2-)000 o invado, ci'rtes i'.i- i-.is.mira |.reta
para calca a ifriOQ i>, litas .! rtjres a
:{;).*>00i; U; na loja da Arara, ruaibha-
peraltiz nf36 I! Mendes (iuaaaraVs.
Cortos de lia da Arara a 3:000 n.
Vendcin-se .rtes de laazinhas [ara Ha-
tillos 1 31000, oh!
i
pie peihimlia. I.i.izinha--
o rona-
i-nvad.
para vestidos, linas a AOt>> 300 rs
do, ditas le anaMahoa a H20 r~ 1
na rua ila hnperatriz. layo Mondes Gnaorha,
Oh que prchiarha alio r^
oh ila larcas.
Veiuleiti-se chitas fmmv/jis ,.,ni p''|neai>
toque de mofo a 210 rs. o otaaoV lilas
linpas, linas a 320, :MK) a MI n. 1 mm*
Vinho puro. iriscado lianciz a 280 rs. oamdo; na rea
No escriptorio de Euzcbio Haphael Rabel lo, na da Imperatriz n. '<' Arara ile M.-n.|.s r,m-
rua da Cadeia n. 53, vendem-se ancoretas com ex- maraes.
Vendc-se oapermuta-se pralgameseravo S
meia idade para servico de campo, mu cabriotel
com coberta e jougo, de patente, muito seguro e
macio, arreiadn, com cavallo ou sem elle : o pre-
| tendente dirija-se a praea do capin, atraz da rua
Nova, cocheira do Thomaz, onde se acna.
cellentc e puro vinho tinto de Lisboa, smente des-
tinado para gasto de casas particulares por ser re-
mettido pelo proprio fazendeiro ou lavrador.
Mu la utienvao
Plaas
Vos scnhsrcs 1 ;i|iites de rainpo. >%& PILI'LIS
Desde p da 7 do andante mezque se ach rag- v?ffeo-il la a preta l.uiza, crioula, de meia idade. e que ls*
tem corlado o braco direito. Esta preta foi escra-
va do tinado Jos Claudino Leite, e consta que se
intitula por forra, e achar-se acoulada para as
bandas do Rosarinho, ou Belem : quem a pegar,
leve-a ao Manguind, terceiro sitio depois da ca-
li lia. qoesera recompensado, ou na secretariado
iiibiinal docominerciii, a fallar com Innocencio
Antiincs de Parias Torres, senhor da referida es-
clava.
Est para alagar-seoprimeiro andar do so-
brado da rua das Aunas-Verdes, e o pequeo so-
liradoda rua Direito n. 88, e a loja do mesmo com operara em todos os casos
armaeo para taberna ou deposito : quem prcten-1
der falle na roa das Crozes, sobrado n. lado'
direito i|uem val da roa do Queimado pura s.
Pranciseo.
A PEDIDO D ALtil'XS C.UKDOREa DA COM-
MANDITA.
^octedtiilc Bancaria.
lutria, Fragoso, Sanios & ('.iiipaiilia
Sao convidados os senhores socios a receberem o
ijuarto dividendo relativo o semestre lido. Trans-
cripto do Diario i Penumbuco de 2 de maio de
1803.
e raizes medicinaes
brasileiras
DO DGSCOBHIDOR
Carlos Pedro Etcliecoin.
Estas pillas paulislanas, J to conheci-
imperio pelas maravilhosas curas ohlidas
com seu uso, silo as provas evidentes e in-
conleslaveis de sua aci;5o e influencia ijue
de enl'ermidades. r
As ditas plalas sio as melhores que at a-j
gora se descobriram, pelo motivo que ellas
sao nicamente compostas de puros vege- M
taes, recolhidos nos campos c rn provincia de S. Paulo, e ellas sao sem du-
vida de urna elcacia incontestavel. Trala-
mentos completos de morfa, hydropesia,
erysipella branija, etc., ele, rua do Parlo
n. 119, no llio de Janeiro, c em Pernam-
buco na pharmacia do Sr. Jos Alexandre i
Ribeiro. ruado Queimado n. IS.
Appareceu hoje 2(5 do crtente, na rua do
Imperador n. 43, terceiro andar, um eseraVb que
Coinpanhia fldedade seguros martimos e ter-
restres estabelecida no
llio de laneiro.
AiiE.NTES EM PEl'XAMBLCO
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo k C,
competentenienle autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Pidelida-
de, tomam seguros de navios, mercade-
predios no seu escriptorio rua da
n. I.
ZAMORA.
DRAMA HISTRICO PELO OR. THEBERGE, NO
QUaL NlO INTERVEN PERSONAGEM
FEIEIIM.
Na rua Nova n. 11 vendo-sea l#ooo o
\ cxemplar.
Ao n. 29.
Nova loja dos barateiros, rua do Queimado.
Para aeabar.
Ricos preto de liuho, vara a 120, 160, 240 e -'120; agricultura, destruir radicalmente o cupn e con-
rs.; ricas franjas e trancas prctas e de cores, vara servar as madeiras isentas daquclle terrivel ver-
Arara ende 1 nudaflM imni rs.
Wndem-se pocas il> madapolofnn*zfi-
no, enfestado a 4/ > W>(Hi. Jilas int'lez.-
com 4 jardas, linos a 7>. ~fciM). *>$, dj ,-.
Aos senhores martimos e agricultores. Muita 10i5 a peca, fregiiezes a 'l^s atitt-s qov *.
vez passam por nossa idea de dios excellentes e de modicissimo preco, com o I,np,TatrZ ;; ,|(. M,.,|^ flilili
emprego dos quaes se evitara grandes prejuizos .' "'""^
e nao [lequenos damnos; neste caso est o alca- -r!,ra eaiue 0% corles Oe ea*e-
j trao ou verniz do gaz, o qual alm das multplices nalra a applicacoesque temna marinda, eflicascissimo Vendem-se cortes le cnsemira iil.-|a.la
ls .foriniga?.' ^ lc.rrivel fl.aell da de cores para caka a U, lamU>m < v*.thV
en covailos para calca. palHot e .-. .1
a 120,160 e 200 rs.; trancas e galoes de laa e de I me, c dar urna duraeao inlinita s ferragens em 15 O covadn enli>laii.i.
"ffl
algodao, pecas de 10 c. 15 varas, a 200 e 4(X) rs.;' que fr convenientemente applicado: em latas d
froco fino e grosso, peca a 160 rs.; veslidindos de mais de tres caadas a I300 cada urna, e em bar-
ra com cerca de seis caadas a 2o(X) cada um :
no armazem da bola amarella, no oitao da sccre-
cambraia bordados, parabaptismo, a 2,3.
DENTISTA f PaISI
Nova -19
cirargiao dentista.
19Rua
Prederco Gautier,
faz todas as operacoes de sita arte, e col-
loca denles artificiaos, tudo com superio-
ridade e perfeicao, que as pessoas enten-
didas Ihe reconhecem.
Tem agua e pos denuncio.
taria de polica.
FARINHA SUPERIOR.
Vende-se a bordo do patacho Soria! e do hiate
Cursor, ancorados no trapiche do Barao do Livra-
menlo, farinha de mandioca, lano de Santa (anda-
rina como de Porto Alegre, a meldor do mercado,
por preco commodo
Campa a Man padem aos senhores seai|
credores rae anda nao apreseotaram suas letras
para receberem a importancia devida, .pie se dig-. diz'duuoar-se Francisco, pediodo para o comprar,
ik'iii de o (azrate o'dia : de setembro, sendo que pertencente boje a Manoel Jacintbo Pereira, e ou-
qoe dei- tr'ora pertenecu a Joao Jos da Penda, morador:
apresen-' no engeudo Burralho, e como declarasse estar fu-
________I gido, e que nao ia mais para o poder de seu dito
irmandade > s,!nl'01' Jacintbo Pereira, nao se deixou mais sabir.
11 qual est a disposico do mesmo senhor, nao se
ficando responsavel por morte ou fuga, 011 outra
qualquer eousa que llio possa acontecer.
no lia segninle recolherio ao deposito o
varem de satisfazer por falto deaelta
acan.
Por orden) da mesa regedora da
le S. r.liiispin u S. iilirispiniauoconvi>co a todos os
irmaos para o dia M) do corrente, pelas 9 horas do
di;! eompareeerem em nosso consistorio, aflm de
iratar-se de negocios perteneentesa mesma innaii-
lade.Francisco Jos de .\lnieida. eseiivao.
. .\l.iga-s'um eseravo moco, fiel e muitodili-
-ni.' para lodo servieo na rua dos Pires n. ."i.
TINTO AIUA.
Tinge-se com perfeioo para qualquer
cor, e o mais barato possivel: na rua do
n. 38, segundo andar.
la nge I
Ahlga-se .1 casa lenca da rua Imperial
06 : os pr,tendentes dirijam-se ;i iJaixa Filial.
11.
I'reeisa-sc de um caiyeiro que
nlemh de |litrmaeia: na botica ta
roa do Cabula n. \\.
vi
;:i
O ahaixo assignado faz sciente ao respeita-
\e| publico que o Sr. I.uiz llaptista da Silva J-
nior deivoii de ir seu eaixeiro.
Joaquim Maridillo da Cruz Correa.
A ahaixo assiguada, viuva de Jos Apolina-
rio da Cunda, vendo publicado no Diario de Per-
nniidiuco um edilal lo juizo especial do coinmer
eio desta cidade jiara ser arrematada no dia 14 de
setembro futuro a casa na rua da Gloria 11. 26, pe-
nliorada por exeeticao do curador fiscal da massa
fallida de Guilhernie, Carvalho iv C. contra Joao
Duarte Maginano, escriviio Nascimento. apressa-
se em declarar ao publico que dita casa de sua
propriedade ha muilos annos, comprada por seu
finado marido, e por elle reedificada, onde sempre
morot, c ainda hoje mora a ahaixo assignada. e,
nunca perlenecu a Joao Duarte Maginario, e nem dos Coelhos n. 10, onde moraran) os padres lasa-
est sujeitaao pagamento de suas dividas. Reeife rilas.
26 de agosto de 1863.
Joaquina Mara dos Prazeres.
CASA DE SAUDE
Em Santo Amaro
Do Dr. Silva Kaiuos.
l'nico eslabelecimento desta natnreza
que existe entre nos, montado do modo
que pinle com todo o commodo e ielo tra-
tar qualquer doente, que nella seja reco-
Ihido.
O edificio magestoso e conserva-se
em perfeito estado de limpeza e conve-
l ienteinente mobiliado.
Os doentes sao separados, segundo os
sexos, natureza das molestias e condi<;oes
sociaes.
Ha quartos fortificados para os aliena-
dos, c urna enfermara para as partoj
rientes.
O proprietario encarrega-se de pial-
quer operaco.
O estabelecimento franqueado qual-
quer pessoa que o queira visitar.
Primeira classe :f5000diarios.
Segunda dita.... 25300
Terceira dita.... 25000
Para que qualquer doente sejaali rece-
hido. basta que se mande o nomo do doen-
te e da pessoa que o remette, com a de-
ca racao da morada.
O proprieiario aceita contratos annuaes
com qualquer que queira ter un ou mais
leitos sua disposico.
c^i it-i';--"u?=
COMPRAS.
Cobre, lato
bola amarella,
rador.
Compra-se
e chumbo velho, no armazem da
no oitao da gaz da rua do Impe-
Comprase effectivamente ouro e prata em
j obras velbas : na juaca da Independencia n. 22 lo-
ja de bildetes.
I tMO
-na bija la
b \tV-niH
VENDAS.
urna calca e sae muito banrto:
Arara, rua ila lmpTaliiz n.
Gnimrfes.
Colv:ii da trara avellaiJaa1aa a
Vendem-se ricas roigas aveitilal.i- | .11
cama a 8d. lilas.le fustn decnoa *#,
ditas le chita a i-5: na rua .la hu|T..tn/
n. 56, Arara.
Arara vende a eanafcrala.
Vendem-se .-'ules le cambraias la lomi
l ~1-S. vende-se cambraias lisas \<
a iv'iOO, 3/, 3->."i(K).' 4/ a p-a. linas. \ni-
di'-se cuites de cambraia dan. as -m iami<
nspu nos na ma uirita n. 1 /..,,.. m nK1 ,u lra,M.r:n/ ,|;, m Krw;,
Neste estabelecimento, sortido de todos os espi- .. ;:,- 1 v|.,..,i,.s ,;..: ...,,.,
ritos que a ella dizem respeito, faz lembrar aos \ ZZ J ^ uiiimi ....>.
seus numerosos freguezes que contina a vende-' y H"c Sri"<* peehla)rha.
los por menos preco <|ue em outra qualquer parle. Yoinloiii-se pecas de licus risca*!*^ fran-
conio sejam, licores de todas as qualidadcs, de or-1 ce/es .un I \ covados liara vestido a ^>i r-
danos a linos, genebra superior, lauto em cana- ,. ,..,. a,., ..-.,-,,.1, ,...., ,: 1 .,/w.
da como em botija, agurdente do reino, aniz. dito 'mad.0' "?' ,h1n> I''11'' "**** > *'.*.
de caima, alcool de grao o mais subido, o sem r)Vab>, .lialiin para volido a iio r>.
ebeiro, proprio para composico, o pie ludo se 'covadn. la para vn'sliilns a OO rs. cnva!".
proiiietle-e aliauca o bom acondicioriaineiito para culiertas de laiiias.'i> para canil a > ni
onuetorexportado. ,., ll;| i,,,,,,,,,,,,.^ g Krm ,,,.
Guimaries.
Vende-se una das melhores lojas de ferra-
gens dcsla cidade, e mais bom iocalisada. e com
pequeo fundo : quem pretender, annuncie por
este Diario.
Ceblas superiores em resteas. a cinco
mil ris o milheiro no Caes da alfandega o.
I, armazem le Tasso & tangos.
Ainda est para alugar-se o sobrado na rua
Joao da Silva Bamos, medico pela l'ni-
ver.-idade de Ccimbra. d consultas em
sua ana, na rua Nova n. oO, das 8 s 10
bacas ta niandaa, e das i s 6 da tarde, e
recebe igualmente convites para dentro
ou fra da cidade, com o tlm de se encar-
ivgar de qualquer orvie-o de sua prods-
da
Os chamados deverao var por escripto.
11 capitn Antonio Gomes Coimbra mtidou o
seu nome desde 2 do corrente mez de agosto, sen-
do que desde aquello dia 2 se assignar Antonio
ornes de Campos Piuco, por assim ser mais co-
ndecido.
Aluga-se a loja do sobrado n. 19 da rua No-
va, propria para qualquer estabelecimento : a tra-
lar na rua da Cadeia n. 62, segundo andar.
Precisa-se alugar annualmente um sitio per-
to da praca, com boas aecommodaefies, e que te-
nlia bastantes arvores de fructo, e baixa de capim
para 3 ou 4 cavallos, prefenndo-sc com banho de
agua orrente : trata-se em Cruz do Almas, sitio
le pm lio de ferro encarnado.
Alugam-se por preco muito commodo os se-
gondos e tereciros andares da casa 11. 2o na rua
la Cruz do Itecife : a tratar na mesma rua, boca
iranieza n. 22.
Joao Caetano de Abreu, solicitador dos au-
ditorios desta cidadft, faz sciente ao publico, com
'specialidade aos seus clientes e amigos que mu-
dou sua residencia paja a ;-ua da Praia de Santa
Rita Nova n. i9, onde mrou 3 Sr. Dr. Buarque,
engenheiro da estrada de ferro, onde sempre acha-
ran, das 6 s 9 da m.inha, o das A da (arde em
diaato,
l.s 1 ipdnico mercanlil
Precisase de una pessoa pratica de correspon-
dencia mercantil c scripturacao de partidas do-
bladas para ser empregado n'utn escriptorio com-
inercial. E tambern se necessita de pessoa habi-
litada para compra c venda de mercadorias. prin-
eipabnento de estiva. A |uem convier, dando abo-
naco idnea e as explica;oes precisas, queira di- i
rigir-se loja n. 0 da praca da Independencia em
arla fechada com as iniciaos F. & M.
Carros fiinebres.
Quinteiro & Agr teem preparado um carro f-
nebre para adulto, todo forrado de preto, annuin-
do por esta forma a<5 pedido de muitas pessoas pie
gostam da decencia, cujo carro servir com o pan-
no que mandamos vir da Eurooa, julgamos que
satisfar a expectativa publica, por ser de velludo
de exceUente qualidade e todo bordado em alto re-
levo. Assim como, est se concluindo um outro
carro de maior apparato para ainda melhor satis-
fazermos as obrgac.5es que contrahimos com o [
publico e os nossos amigos, de quem nos confes-
sanws eternamente gratos, pelas provas de sympa-
thia que lhes temos merecido, e que esperamos
continuar a merecer._____________
No dia 26 do corrente o abaixo assiguado
perdeu um recibo de quatro mil tijolos de alvena-
ria firmado pelo Sr. Vicente Jos de Brito, desde a
rua larga do Rosario at o fim da rua da Concor-
dia, e nao obstante ter sido pago na aceito de se
avisar ao mesmo Sr. Brito, comludo vsa-se a
quem o tivor adiado o dito recibo o mande ontre-
gar na padaria da rua larga do Rosario n. 18, que
se gratilii-ar com generosldade a quem o apre-
sentar.
Manoel Antonio de Jess.
Cal de Lisboa e pofassa da
MlQMHlla
-------------_.__________________I Vende-se na rua da Cadeia do Reeife n. 26. pan
A 2'i0 h. a libl'il. onde se mudou o antigo e acreditado deposito da
Na padaria da rua da Matriz da Boa-Vista ven- !nos,m:l n,a "" 12' f"*08 generos, "?* de-se fotia de bolo ovado, excellenle para cha. pelo teUn,08.e s,! vendeni .1 preco mais barato do que
diminuto preco cima.
outra quahpicr parte.
(EaMnHinS
Vendem-se superiores cbarutus suspiros a 15200 67, a OO l
cada meia caixa, ditos de diversas marcas, caixas a Tj^tiOO aarroba.
do 100 charutos, a 15200, ditos de dilas, meias cai-
xas, a 600 rs. : na rua Nova n. 58.
PARA HMKM.
Chapeos a Pinout, ultimo gosto, a 7 e 85 : na
esquina do boceo da Congregaco n. W, rua do
Queimado.
Assucar do Monteiro
Rua do Imperad.ir n. 8 e caes de Apullo n.
a libra, e de 8 libras para cima
Vende-se urna casa torrea na rua do Jasmim
n. 9 : a tratar na rua do Crespo, loja de miudezas.
se dir piem vende.
- Vende-se um eseravo emulo, de 28 a 30
annos de idade, bom olllcial de serrador, sem vi-
cios : a ver e tratar, na rua da Matriz da Boa-Vis-
ta n. 7.
3 -RIA ESTREITA DO ltOSARIO-3
Francisco Pinto Ozorio contina a col-
locar dentes artificiaes tanto por meio de
molas como pela presso do ar, nao re-
cete paga alguma sem que as obras nao
fiquem a vontade de seus dons, tem pos
e outras preparacoes as mais acreditadas
para conservaco da bocea.
Na toja de funileiro da esquina da rua da
Aurora n. % vendem-se candieiros de gaz de to-
das as qualidades, os mais lindos que tem vindo
ao mercado, por preco commodo : tamben) se ven-
den) latas com gaz, e as garrafas a 160 rs.
ramilla de mandioca
em saceos grandes, e de superior qualida*
de ; no armazem de Tasso Irmos, rua do
Amorim, n. 35.
rara enyenli
Vende-se urna meia moenda de ferro nova con)
rodetes de Ierro, parafusos, bronzes e todos os
portences para nioagem de caima, assim como i
laixas de ferro coado de 5, 6 e 7 palmos de bocea
por menos preco que em primeira mo a tratar
com Antonio (tomes da Cunha e Silva na rua da
Cadeia do Recite n. 50.
Potassa da lluvia.
Vende-se em casa de N. O. Bieber & C,
suocssores, roa da Cruz n. 4.
Cola da Baha
Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo, no seu escriptorio, rua da Cruz n. 1
Vendcm-se superiores cadeiras
americanas de balancn, c m ausento e
encost de palliinba :' no armazem de
.Motleos Anstiu k C, rua da Senzala
Velha 11. 11 Mi.
FARELO
Rua do morijn n. 43.*
Vendc-se farelo de Lislioa em saceos grandes,
com 90 libras, pelo barato preco de 1-3.
CtL E>l I IMKM
Vende-se cal nova de Li*hoa : no largo do Cor-
no Santo, escriptorio de Manoel Ignacio de Olivei-
ra & Filho n. 19.
AfTOIi
Aluga-se a casa terrea n. 101 da rua Impe-
rial, coro commodos para familia, cozinha fra,, )he devem afim de evitar despezas judclaes
quintal c cacimba: 3 ratar na rua eslreita do Ro-1 clfe 10 de agosto de 1863.
sario n. 16. ______^^ | _______Luiz Antonio de Soma Ribeiro.
1 aiaiso assignado tendo-sc rehabilitado, e
arhando-se de posse de sua massa faz disto stiente
a seus devedores, tanto desta praea como do mato,
afim de que quanto antes Ihe mandeni pagar o qu
Re-
D-se a quantia o> 20J pelo aluguel de urna I Deseja-se fallar com o Sr. Bcnto Jos Hamos
escrava que cozinhe e faca a oompras para urna' de Olivara 3 negocio que nao ipora: na rua No-
casa com ouca familia.' va n. 47.
o uviio do poro.
Segunda edico mais correcta, ornada com
27 estampas, c augmentada com 48 paginas
de texto, contendo: a vida de Nosso Senhor
Jess Christo, fbulas, o vigario, o bom ho-
mem Ricardo, quadrupedes uteis, o proles-
sor primario, moral pratica, Simao de Nan-
tua, mximas e sentencas, hygiene, receitas
necessarias, o Brasil: vende-se na livraria de
Manoel Figueira de Faria 4 Filho, praca da
Independencia ns. 6 e 8, a 600 rs. o exem-
plar em brochura, ca carbonado.
RELOGIOS,
Vende-se em casa de Johnston Pater i
C, roa do Vigario, n. 3. um bello sorti-
mento de relogios de ouro patente iu-
glez, de um dos mais afamados fabricantes
de Liverpool, e tambern urna variedado de
bonitos trancllins para os mesmos.
Cal de Lisboa
Cal virgen) ebegada hontem em ancoretas mui-
to bem acondicionadas e por preco commodo: no
amigo deposito da rua do Trapiche n. 13, arma-
zem de Manoel Teixeira Basto.
Potassa da Itussia.
Acaba de chegar pelo brigue hamburguez
Olio, muito nova e superior; vende-se so-
mente no antigo e acreditado deposito na rua
da Cadeia do Reeife, n. 12; onde tambern se
vende cal de Lisboa muito nova e precos
commodos.
Chegnena a peehlneha.
Chapeos de seda finos para senhora por 55 cada
um, enfeita-se a cabeea de urna senhora por o :
na raa do Queimado 43, esquina que volta para
a Congregaco.______
Potassa da Russia.
Acaba de chegar no navio Queen of the Fleet, a
mais. superior potassa da Russia, e vende-se a
preco commodo : no largo do Corpo Santo, escrip-.
torio de Manoel tinado de Oliveira & Filho, n. 19 'ouro patente nijlez.
trara rudr os bal>s.
Vendt'in-se >> mais bem fcib*. moder-
nos baii's anerranoode 10, S. Se O
aivns a :t>:00, i >. i-i."k)0 o. '>. iuic.il, ni
di'ixai de andar sem bafin ihm1 i prrri
convida; na uta da haperatriz loja -la Arara
n. .*>< de Monde Guiai lea*
Itoiipa feita r rhapros.
Vendem-se unitonn.-s citiupU-ios il-.**.>-
ini.i ingh'zas le b.is.ivs.i iUr>. \,i;.;
palitots d' brim a S390, lii. Ini i M,
de meia casemira aSoTif. ratraadoario
Msi'iuira esi'iira a 2-5. litas mais linas a
semillas <)o linlm le bramanle .1 IM'AM <
I-S800, lamisas llanezas a IJMI l/KH.
ditas linas a 2-> e ViOO. litas IidIhi n.iu
pregas largas muito modernas a :(>. rhap
de maesas de crese pivt..s a \ytimt. I^HOO.
2> e 2-5."oo. loto niiii- ane iaelojdbi: as
loja earnin/.iiii la Atara, rua da lm|H-ralriz
n. .* de Metido (iuimaifus.
Tarla Vendem-se larlalaua Je roraj para v, t-
dos a 400 rs. a vara. lili. Jo linli.. .!, ,.>>
para mosqueoh a Mt n. o cisada, aafco-
les para rabera de senhora a 10, M >*'%*,
osinais mmlenios que t.-in fhaajia, ta|Hes
para salas por :iS ala um. talnas b> linh
para roctoa lO rs., Iita> pafariaja l. >
meibor que ha em toalhas : na luja b \-
ra. rua da lm|'raiii/. n. :<. dr aaaVs#M>
niaiacs.
Vende-se um negro de ntcia idaOr. hrm m-
basto, proprio paraqnalquer .tvim. -abe n^inlur
o bario d'unia casa, e lambcrn sabe botar cama
na travessa do Pocinho n. 6 Sobrada
Cal de LlaaWa
a mais nova do moioado na na do Vicario a.
19, primeiro andar.
AGENCIA^
FNDICO DE L0W-M00R.
Rua da Seualla Ma a. 12.
Neste cstabele;imenbi t-onna a haver
um completo sortiment de moepdas e aadno
moendas para engenho, machina de vapor
c lachas de ferro batido e coado. de lodos os
tamanhos para ditos.
- Arados americanos e machinas posa
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston C,
rua da Scnzalla Nova n. 42.
Rna daSenzallai 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston AC,
sellins c silhoes inglezes, candieiros e eastt-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vb.
chicotes para carros e montara, arreos para
carros de um e dous cavallos, c reiogioo do
1
I

I
*



i

i


Diarlo de PeraanilMieo ~ %e\* fclra 9* de lg* tHS.
\
I
i

NOVA EXPSITO
na loja do Pavo, de fazendas bara-
ssimas.
Neste estalelecimento acha-se constante-
mente um grande sortimento de fazendas
de, gosto e de primeira necessidade, sendo
tanto proprias para a praca, como para o
mato ; de todas as fazendas do-se livros de
amostras, deixando ficar penhor, ou nian-
dam-se levar em casa das familias pelos ca-
xeiros daloja do Pavao.
l-Sas com 8 palmos de largura,
0 na loja do Pavo.
Vendem-se laazinha enfestada propria para
vestidos, com 8 palmos de largura, sendo
# fazenda mais moderna que tem vindo ao
mercado pe baratissimo proco de 14600 o
ovado: s fia ra da Imperatriz n. 60, loja
do Pavo.
Cassas a t oo rs. o covado.
Vendcm-se cassas francezas de padrees
miudinhos e cores fixas pelo barato proco de
200 rs. o covado; ditas finas a 340 e 320
rs. o covado : s na ra da Imperatriz n. 60,
loja do Pavo.
Organdy, a iO rs. o covado,
na loja do Pavo.
Vendem-se organdy de cores matisado, fa-
zenda que val muito mais dinheiro, pelo ba-
rato prego de 240 rs. o covado ou 400 rs. a
vara: s na ra da Imperatriz n. 60, loja
do Pavao.
O Pavo vende os modernos ves-
tidos balo,
-:om barras Maria Pia, sendo os mais
modernos que que tem viudo ao mercado,
com a saia de um s panno, tendo bastante
fazenda para o corpo, c vende-se pelo barato
preco de 3 $300 cada um: esta pochincha
s existe na ra da Imperatriz n. (50, loja e
armazem do Pavo.
\ova peehincha de las entesta-
das a loo rs. o covado.
So o Pavo.
Vendem-se lazinhas (infestadas transparentes
rom delidados padrees sendo de urna so cor rom
listras e quadrinhos e vendem-se a 400 rs. o cova-
do : na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60 de
I (Jama & Silva.
Cortes de cambraia, a 9#500.
na loja do Pavo.
Vendem-se cortes de cambraia broncos com
' babados, a 23500; ditos, a 4?$; ditos com
barras e babados de seda, a 3#, 3(5500 e 4;
s na ra da Imperatriz n. 60, loja e arma-
zem do Pavo.
Cortes de cambraia chlncza, a
i S. na loja do Pavo.
Vendem-se ricos cortos di! cambraia chine*
za, os mais modernos que tem chegado, son-
do brancas -comlindissimos padroes, polo lia-
rato proco de 4$ cada corte, tendo bastante
fazenda para um vestido: isto s na ra da
Imperatriz n. 60, loja e armazem do Pavo.
Baldes a 3500, s o Pavo.
Vendem-se balos americanos que sao os
memores, tendo 20 arcos, a 35500; ditos
le 30, a 44500: ditos de 40, a W; ditos
de bramante, a .-t>'>ooo ;5; ditos para me-
ninas, a 25 e a 33: s na na da tapora
ti iz n. 60, loja e armazem do Pavo.
Cortes de chita, a tf.ioo. na
loja do Pavo.
Veadem-ae cortes de chita com 12 l|2 eo-
vados cada um, a 2*500; ditos com 10 wa-
dos, a2,->: cortes de cassa miudinha de co-
res fixas com 10 corados, a 25; ditos do
v organdy mathisado com 10 covado, a
24400: snarua da Imperatriz n. 60. loja
do Pavo.
As casemlras do Pavo peehin-
cha a .#.
Vendem-se cortes de casimira franceza para
.calca, fezendanatofina,padroes claros e
escaros, ;i M o corto: s na loja do Pavo,
roa da Imperatriz n. 60.
S na roa da Imperatriz n. 60, loja do Pa\o.
rusti do Pava.
Vendeui-se fustao eom lavo* miudiuho
para roupa de meninos, a 320 rs. o covado ;
brim delinho de quadrinhos para rotipa de
meninos, a 500 rs. o covado; gauguolim
il urna s cor, a 320 rs. o covado; popelina
de la, de quadrinhos encarnados o pretos,
para vestidos de senhoras e roupa de meni-
nos, a 15 o covado: s na rita da Impera-
triz n. 60, loja c armazem do Pavo.
Os palclols do Pavo, assobrecasacado a 12:000 rs.
Vendem-sepaletots de panno, sobrecasacas
de panno preto muito bom e muito bem
Litas, a 12.5: sobrocasacos de dito, a Ii5;
paletots sacos de dito, a 7;>; calcas de cache-
mira da Escossia, a 35 ; ditas de casemira
preta, a 5>; ditas de casemira de cor, muito
fina, a 75 e a 55500 : coletes de casemira de
cor c preta; paletot de casemira de cor,
a 75;tudoisto para apurar dinheiro: s
oa ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
Cartel de -arbemira da Escocia, a 2:000, na
luja do Pavo.
Vendem-se esta nova fazenda muito encor-
nada imitaco de casemira, tendo padroes
oscuros e alegres, afiancando-seque nao des-
mota, a 25 o corte para calca, ou 580 rs. o co-
vado para paletot, coleto etc.: s na loja do
pavo, ra da Imperatriz n. 60.
Fazendas brancas, na loja do
Pavo.
Vendem-se pecas de madapolo enfestado,
francez, com 20 varas, a 85; ditas com 42
jardas, a 45; dito nglez muito fino, a 70,
75500 e85; ditos muito superior, a 105;
ditos de 40 jardas muito fino, a 45800 e a
."5600; algodozinho muito encorpado, a
45800, 55500 e 65; bretanha com 4 pal-
mos de largura, muito fina, a 15 a vara;
pecas de cassa de cordao para babados, com
6 varas, a 35500; ditas com 12 varas, a 75:
peehincha. a SO ovado.
so o Pavo.
Vendem-se as mais modernas lazinhas
enfestadas, transparente, tendo 4 palmos de
largura, e sendo lizas edt quadrinhos, de
urna s cor, propria para vestidos e capas,
a 500 rs. o covado: s na loja do Pavo,
ra da Imperatriz n, 66. de Gama Silva.
CASEMIRASINGLEZAS
a 1,700 rs, o corte.
Yendem-se cortes de easemiras escuras para
calca, pelo barato proco de 15700. tambem se ven-
II Vi
(W&fiQO
SE.U SEGlJIDOt
QUliNQUlLHARIAS.
dem das mesmas a 480 rs. o covado, proprias para R Oueimado, ns. 49 e 55, lojas de
r .1______!..:.._ .nn.,r./.:n uni tnnaa mi nnrnn
GRANDE PECHA

que abaixo annuncio, pois todas eu garanto
1 que sao muito novas e baratissimas.
1 Pe cas de trancas de algodo de to-
Vende o pavo, organdys a 360 r*v das as cores a....... 80
Vende-se flnissimo organdys matizado com os Duzas de Unhas Cm 200 jardas, A-
mais delicados padroes miudinhos com assenlos |ftVan(irft a .
braucos, sendo ueste artigo o mais moderno que I ">*
existe no mercado, sendo fazenda que sempre se Carntel de qualquer mmeiu ,
vendeu a 15200 a vara, e presentemente vonde-sc 1 Varas de aspas para balo ....
a 360 rs. o covado: s na ra da Imperatriz n. 60, j Caxas com superior obreias a .
loja do pavo, de Gama & Silva.
CHITAS ESCURAS
a 2,200 e 2,640 rs., s o pavo.
Vendem-se cortes de chitas com padroes escu-
ro*, tendo 10 1/2 eovados a 25*00, e com 12 1/2
eovados a 25640, peohinrha e vende-se por este
preco em razo dos cortes serem em mais de um
pedaco : s na loja do pavo, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & ilva.
Lazinhas a 9 rs. o covado.
Na luja do Pavao.
Vende-se lazinhas de cordozinho de urna s
cor, sendo azul claro, azul escuro, ferrete, cor de
caf claro e escuro, alvadio, roxinhas proprias pa-
ra luto, sendo fazenda que val muito mais dinhei-
ro vende-se pelo diminuto preco de 200 rs. : s na
loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Os man cu i (os e gollnhas do
Pavo.
pechinrha, a 320 e a 100 rs.
Vendem-se golinhas de fil, bordadas, a
400 rs.; ditas de cambraia, a 320 rs.; cal-
cinhas para meninas, a 500 rs.; manguitos,
a 500 rs.; manguitos com golinha, a 800
res ; manguitos de cambraia, a 320 rs.: s
na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
O Pavo vende'a 349 e :i.>0
cortes de la, a 35 e 35500; ditos com 22
eovados, a 55: s na ra da Imperatriz n.
60, loja e armazem do Pavo.
NO UHUai DE KAZEXDAS BARATAS
DE
* wrow C'OELll
Ra do Qiicimado n. 19.
Vende-se o seguinte :
Cohertas
de chita da India, a 2:ooo rs.
Lenres de panno
de linho, a 2:ooo rs.
Lences de hraiii.iui<>
de linho, de um panno s, a 2:8oo rs.
Toalhas alcorhoadas
para mo, pelo baratissimo preco de 5:000
rs. a duzia.
Ricos veslidinhos
de seda para meninas, pelo baratissimo pre-
co de 4:ooo rs.
Lrnros de seda
pelo barato preco de 1:090 rs.
Saias de fnsto
pelo baratissimo preco de 5:5oo rs.
Lencos de cambraia
brancos finos, proprios para algibeira, duzia
a 1:800 c 2:ooo rs.
Lencos de cassa
finteamos, proprios para algibeira, pelo ba-
ratissimo preco de 2:4oo rs. a duzia.
Cortes de calca
de ganga amarella, de listas e de quadros,
fazeinta superior, palo baratsimo prego do
l:2oo rs. 0 corte.
Pecas de madapolo
largo superior, pelo baratissimo preco de
8:000 rs.
Pecas de hretanha
de rolo com lo vara?, pelo barato preco de
3:2oo rs.
Pecas i canduaia
de salpicos, lina, com S I 2 varas, pelo ba-
rato preco de l:ooo rs.
15100
100
80
40
40
120
1)280;
15600'
O BALIZA.
301
20 1
60
120
Ditas de colla
Pares de botoes de punho a .
Pares de sapatos de tranca .
Ditos muito superiores, a .
Caixas e pacotes de papel amisade de
cores a. ....... 600 j
Duzia de meias muito finas para se-
nhora a........355001
1 Du/.ia de ditas cruas para homem a 2*400
j Daralhos muito finos para voltarete a 300
Carriteis de linha com 100 jardas a m
Cartes de linha branca e de cores a
Novellos de linha com 400 jardas a
Ditos mito grandes com 800 jar-
das a .......
Cattes de linha com 200 jardas (esl
se acabando |a...... 60
Vara de fita preta com colxetes para
vestido, e lera um resto parda a 100
NK.H SEUUNDO.
Objeetos de 1 indica e msica. I
Na ra do Queimado, ns. 49 e 55, esl
quoimando ludo pelos procos abaixo deca- j
rados, c prestem toda a altenco para ver 1
o que bom e barato.
Duzia de facas e garfos muito finos a 25500
Dita dita dita de cabo preto muito
finasa.........35200
Dita dita dita de bataneo, melhor, a 55500
Tesouras para costura, muito fi-
nasa .........400
Ditas ditas para unhas, muflo finas a 400
Cartas de alinetes de fetroa 80
Ditas ditos de lalo muito finos a 40
Ditas de dito grandes..... 120
Caixas de pliophoros de pao 10
Grosa de ditos do gaz a .25200!
Duzia de dito dito a 200
Massos de palitos para denles a 160
Livros para meninos todos clieios de
calungas a.......3201
Abotoaduras para coletes a 100!
Escovas para roupa.muito finas a 400,
500 e.........800
\ttcnco!
Posto que domine no cora-
co do BALIZA a mais bem en-
tendida ambicao de tirar de
seu negocio as melhores van-
Lagcns, com tudoelle nao pro-
cura lazer fortuna vendendo
galo por lebre;
(litando nao se negocia aca-
nbadamente, est bem ao alcan-
ce de. todos 1 facilidade de fa-
zer-se boas compras, para ven-
der-se barato.
I A'i a ni lodos.
I
Ao armazem do BALIZA \nt-
dem ser devolvidos qMmpMr
generes ime pn ventura rM
sejan dor.intriito M s.'hho-
rea compradores. Mo la
ivs-Mitimentoal^um -
cr por outro, ou restinfr-M
o dinheiro recebido,
Manter a todo o rusto o s.u
crdito, c agradar ai migos e fii'gnezcs. todu 1
desejo do proprietario dMa
ostabelecimento,

LEDEi LEDE LEDEl
Mempre a frente do progresso.
Constante marcha o IB\1A'\.
Tem por norte o hem commiim.
A verdade por divisa.
O lt A II K
n
PV EIiDhR. Qu ADkEOSi EIjM
KM Mi2-LT3~DO.
PECHLNCHA.
Perfumara de superior qualidade.
0 rival sem segundo, ra do Queimado,
I ns. 49 e 53, esl disposto a vender mais ba- i
rato que nunca vendeu, para o que queiram I
ver :
Duzia de sabonetas linos a 720
Sabonele ingles, o melhor, a 160
Frascos com agua de Colonia muito
fina a.........400 i
Ditos de dita grande a .... iOO!
Ditos de Lavande ambreado, o me-
lhor, a........500
Ditos de macar oleo muito boma 100
Ditospcrola muito superior^ 200
Ditos de oleo de babosa a 210, 320.
400 e .......500
Ditos de bantia branca a 320
Dito de ebeiro muito bonitos a 500
Ditos de banda, pequeo, muito fina
..........
I^argo do iJvramcnto ns. 3H c 38 A
DefroHle ta grado da groja
AO RESPEITAYEL PUBLICO
Scnkores c seitoras
0 incansavel proprietario do grande armazem do Baliza loma a liberdatk dfl mandar
declarar do alto da imprensa pernamburana, que elle perfeitamente liberal em offlereeer aos mi
benvolos freguezes as melhores qualidades dos mais bem escomidos gneros, nao s do mil tmm H
estrangeiro a preeos de contentar e satisfazer a todos.
Fazendo to publico e espontaneo manifest, o referido BALIZA julga de sen rigoroao tem
declarar mui seria e pusith'amente nesta oportunidade, que tambem o mais firme e dedicado comer*
ador de sua numerosa freguezia.
Da boa qualidade e barateza dos gneros offerecidos aos seus freguezes, junta ao pequeo m-
uho que tira para si, tem sabido fazer o BALIZA a mais perfeita liga de interesses reciproeos, ejae 110-
d;is as consciencias deAe por fotTa e necessariamente agrarlar.
Tendo por conveniente tambera a publicaco do seguinte aviso, o BALIZA faz saber mmammi
aquellas pessoas que sempre esto promptas a comprarem ludo, com tanto que se Ihee permita Mfn>
rem logo, que elle
NAO VENDE FIADO.
uau.i.'iilo
Os arrgoi ila ooonoinia, aquellos que s compran) os objeclos de que cameiii. o qtii-
a Ue empregar bem o seu dinheiro venham a este estabelecimento.
gomm ii-
LE
TOllOS.
Do preot de qualquer genero annunciado a venda em outros estabelecimciitos, podea Qt nrnho
res freguezes diminuir cinco por rento, e vir compra-lo ao Baliza, que sendo, como lodos ubem, o l>-
mem 4o nioriniento prefere ganhar muito pou.o, com tanto que seja por umitas vezes repetido.
Atiulhadi's de linho
com 8 palmos de largura proprio para toa- Ditos de opiata a 2<'0 rs., e boa
Iba de meza, a 2:Soo rs. a vara. Ditos de bauha japoneza a .
Toalhas Ditos de banlia transparente a
de linho para meza, a 3:000 rs.
Barcge
de lindos gustos, pelo bacilo preco de to
rs. o covado.
Cstoia da India
propria para forro de sala, de 3 e > pal-
mos de largura.
200:
UOO:
800:
720
mm$$m
45--RUA DiEEiTA-45
O gallo canta quando recebe.
O gallo canta, principalmente quando re-
cebe as sitas novas encommendas para sa-
tisfazer aos seus bons frejue/es.
GravaUmas.
E' cliegado um bonito sortimento destas
gravatinhas, tanto para homem como para
senhora que se vende pelo baratissimo pre-
co de 300, 800 e 1,000 rs.; s no Vigilante,
na do Crespo, n. 7.
Ptrotteh,
Tambem chegou um grande sortimento
de pirolteiz on conservadores para cabellos,
tamo-prgtos como de lindas cores pelo ba-
ratissimo preco de ,000 rs. cada um.
Capella para noica.
Tambem chegou um rico sortimento de
capellas brancas, cousa muito chique para
noivas, pelo baratissimo preco de 5,000 rs.,
6,000 rs., 7,000 rs. e 8,000 rs. ; s no
Vigilante, ra do Crespo, n. 7.
Fila de velludo n de seda.
Tambem cnegou um completo sortimento
de filas de velludo de n. 6 a n. 200; assim
como um rico sortimenio de filas de seda,
lavradas e lisas de todas as larguras e qua-
lidades por precos que admiram : s no
Vigilante. ra do Crespo, n. 7.
Bico de seila e linho.
Tambem chegou um bonito sortimento
de bicos, tanlo de seda como de linho, as-
sim como rendas finas e de labyrinto, que
seus precos faro admirar aos meus fre-
guezes ; s no Vigilante, ra do Crespo,
n. 7.
Franjas pretas e de cores.
Tambem ha as riquissimas franjas pre-
tas largas, proprias para as lindas capas ou
manteletes; assim como brancase decores,
que seus precos tambem os pretenden les
se adtniraro, por que sempre nesta loja se
vender por precos muito rasoaveis; s no
Vigilante, ra do Crespo, o. 7.___________
AOS SUS. COtySllMIOORES DE CAL
Nos armazens do Caes do Ramos n. 18 e
na ra do Trapiche Novo (no Recife) n. 8, se
vende gaz liquido-americano primeira quali-
dade a retamo a 103 a lata de o galoes, as-
sim como latas de 10 e de Vi garrafas e sendo
em porco mais barato que em outra qual-
quer parte.
Ditos de oleo iloconne a 800
RIVAL
SEM SEGUNDO.
Objecin diversos.
Ra do Queimado, ns 49 e 55, vende os
objeetos abaixo declarados, pois para aca-
bar; estes precos nao sao para continuar,
mas as nesessidades assim o permitte.
Paros de luvas de algodo finas a .
Caivetes de aparar penas, de 1 fo-
llia a ,........
Ditos de 2 ditasa......
Caixas de colxetes francezes a. .
Duzia de dito francez a .
Massos com grampos lisos e de cara-
col a .........
Duzia de dedaes de metal em caixi-
nha de vidro.......
Tinteiro de vidro com tinta superior
a..........
Ditos de barro que serve para tin-
teiro a........
Grosasde botes de louca plateado a
Pecas de tranca lisa encarnada a ,
Varas de bicos e rendas, para aca-
bar a.........
Varas de labyrinto de 3 dedos de
largura a........100
Caixas de folha com phosphorosa 40
Ditas de pos para dentesa 100
Pentes de tartaruga a 80000a .
0 Pfrfim da lata
80
80
1(0
40
380
40
320
160
100
10O
20
00
PAPEL
de cores para listas de eleltores
A aguia branca suppoe que nao fa mal em offe-
recer aos athletas uns pacotes com o4 folhas de
papel de coros, que pode servir ptimamente para
listas de eleitores, e tanto melhor por custar cada
pacote o diminuto pre^o de 100, c ser cadaum
de urna s cor, o que difficil de encontrar a nao
ser na ra do Queimado, loja d'aguia branca n. 8.
Na mesma loja tambem ha de outras qualidades,
branco e azul, assim como anvclopes.
Parn o bom t Chegaram loja das columnas da ra do Cres-
po n. 13, de Antonio Correa de Vasconccllos A C,
novos cortes de vestidos de laa a polaca cora bar-
ra estampada de matiz, gostos. integramente mo-
dernos c cores as mais lindas que se pode desojar
bem como : cor de laranja, ganga, violeta, solferi-
no, cinza, magenta etc., etc.; para designar o mo-
delo do vestido a cada corte acompanha seu flgu-
rino. Na mesma loja acaba-de chegar pelo ultimo
paquete francez riqusimos cortos de vestido de
seda de coros com ramas matisadas solas e ou-
tros de moreantique adamascado, fazendas muito
encorpadas o do ultimo gosto para bailes, casa-
montos etc.
Eia, rapasiada, coragem! parece queja
entregastes os vossos jometes aos duros sei-
xos do pessimo caJeamento da nossa cidade!
!S se observa em vossos ps botinas acalca-
nliadas e gastas at ultima sola; sapates
rasgados e qnasi sem saltos nem tanto I
a quebradeira nao lleve chegaj' at este pon-
to i Vinde rita Direita munir-vdl de excel-
, lente calcado com 40 e at 00 por cento
menos do sen valor attendei:
i Rorzeguins, Nantes, bezerro e va-
queta 2 e meia solas .... 8#500
Rorzeguins, Nantes, bezerro, va-
queta e lustre 2 solas. 8#000
Rorzeguins, francez ehamburguez,
bezerro, lustre e couro de por-
co 70 e........W000
Sapates, Nantes, bezerro e vaque-
ta 2 c meia solas.....3*300
Sapates, Nantes, vaqueta, lustre c
bezerro 2 solas......5J000
Sapates, Nantes, sola e vira. i0M
Ditos para menina, comlaco. 35300
Ditos de ditas, de cores. 2#800
Sapatos para senhora o homem,
tpete.......... 800
Sapatos de borracha para senhora. 1#400
dem idem para meninas. 1000
Sapatos de lustre para senhora.'. I#000
dem de lustre s avessas 300
AGUA FLORIDA
De Mumiv & Lanmaii.
ROUPA
W*}
Na ra do Queimado n. 43, esquina que
volla para a Congregaco ; peehincha.
Paletots de casemira a S, 6, 7, 8, 12 c 115000,
ditos de panno preto e azul a 9, 10, 12, 16 e 185,
ditos sobre-casacos de panno omito fino por 24 e
28. ditos de alpaca preta e de cordao a i, o, 6 e
75, calcas de casemiras de cores a 5, 6, 7 e 85,
ditas pretas a 65300, 8.9 e 105, paletots de fustao
e ganga a 25, 25800, U e 45, calcas c rolletes de
todas as qualidades epor preco muito barato, len-
ces'dc puro linho a proco de 25800 e 35, cuber-
as do chita a 252W, collarinhos de linho puro a
600 rs. cada um, e outros muitos objeclos que s
vista ; e para isso so pode a attenco dos fre-
guezes.
CEBLAS
Ra do Amorlm u. 43.
Vendem-se ceblas novas c grandos,dest;mbarca-
das bontem, pelo barato preco de 500 rs. o cen-
to ; a ollas, que estao se quoimando, mesino a tro-
co de cobre.
J
Este raro qnSo delicado perfume
qnasi que inextinguivel c to obelo de
mimosa fragrancia e fresenra como >
delicado cheiro das propriaa verdeeon-
tee flores. Durante ua menea calren-
te* do vero o seu uzo torna-so, imineu-
teniente aprazivel o desejavel em con-
equencia da influencia refrigiane o
suave que ella produz sobre a pello:
em quanto que tizada no lianlio ella
imparte ao corpo lnguido e caneado
uuia certa clasticidade de vigor c torca.
Ella imparte tramjxn\ncia <>. feiooe^
6 remove pannos, sardas 1 Imioyas di
sobre ajM'lir.
0 TOMlfl ORIENTAL DE K&ff
PARA 08 CABELLOS,
una prcparaeo adtniravel ]>ara liin-
par, aformosear, couservar e re-tabele-
cer os cabellos.
A venda as boticas.de Caors 4 Barboza,
na da Cruz, e Jo5o da C. Bravo 4 C, ra
da Madre de Dos.
FAZENDAS BARATAS
27---Rn;i de Qiifimailo27
XA
\m a loja ile-C'iilodio. CW(!Lo
& C'ompanliia.
Fustao framr/.
para vestidos de senhara emcnhu, f.
lo lina e polo barato proco 'i.' tlil 1
I Finas rambnias orpadys a 3M 1 &
llalfs
de arcos, de iodos os i.'imanii"- .
3*800.
CaUriM ,
bordadas panmeains,pelo karalu 'J..
. cada ti tu par.
I,;1a/iuh:is
1 BlfrwdM lin.is para fMMo a WO 1
'.birlas
de chita a 250110.
Lantai
do panno do linho a 25.
Toalhas
de basti, pelo barato proco >! Voo
I amisiiihas
de ca obra ia para senhora a 2->
U'.'liiilias
de linho para senhora a nnai 15
Sortimento
de pjejaa para meninos I iiionin,.-
I .'u/illllil
iprera para vr.iid.i a Jflra
tariaMpaa
. adamascados a 2-5 a duzia.

veade-ae
I no armazem do Manool Marqncs d.- Xi
< ra da Mocda n. 9, agurdenlo | ris o moias pipas o pipas, eal p, azoitc do earrapato aai harria aaaadaaj
em barris em pequea- oa grand. g pwydes.
Yendo-so urna lab<:ma na (Ji|i i ne-
neros ou sem estos, a voniade do n>mnrador: pa
ver o tratar, dirijam-se podara n. 31."
GUARDA V%-
(IOVI
>'a ra Direita n. 53, ha um uniforme completo
para guarda nacional de cavallaria, composto de
fardao rico, calca, barritina, etc., e pequeo uni-
forme com espada, etc., sellira nglez, etc., ludo
novo, e que se cede por commodo prec,o. Tam-
bem na mesma casa existe urna acmacao de loja,
propria para qualquer estabelecimento.
LAGEDO
Vndese urna porc.io do lanada 4a l.i-ooa, fbe
gado houtein no brigo BrUti njpMarww : al
no escrnitorio do E. R. Rabollo. roa da Cad*iai*
mero *>i.
Bom negocio
Vendo -.-o nina taberna com poucos fundos Bfn
atresnetada na fregnetia do s. Jos, o motivo d
vendase dir ao comprador, tamfcrm ihanata-
de a praso: miera a pretender dirija- ao i
do Terco n. 12 que dir.______________
Quera quizer comprar mu rasa'.!; esera 1
crioulos, proles, inai e lilho. dirij*-ix) a na. do 5.
Francisco, sobrado n. 8, que .<> dir qoeos isla.
A preta tem habilidades, e s Toaue para fr
d torra.
Rna da SeiKilla f a
Neslc estabelecimento vendem-se: U has *
ferro coado libra a HO rs., dem de Low
Vfoor libra a 120 rs.
i


-
chirlo dte lei- GRANDE E COMPLETO SORTIMENTO DE
<*>
<2 C5
fLvl 1
-*v "V
|-*^ O
<2) s*
=> 'o
i"?2
( ,2
V- '^!
O
$5>
E3
(LU i
i^i 1
r-5? C*
^
l3Q
1 1 5 O
*- g
8* g .*
*- 8 a.
-O 0 V. O o e
H, c
%> *~
5> 4 k
O o
SO t3 a.
" S
g o
-ss t
o ** R ce, o cu si O a t s i
O d
r> fc. * ~
^> o t a.
-C V rf t
s o P>
ft. o t
O
) ^ 03 w
5j %J ^
a -o o O"
>** 3 4 t o o
V- o
o w O o-
e o,, <9 c
o "t
42 4 O -t i
re 3 "t g t
*^. 60 **
V o ~ O
* s o o a. a 0
*. a. 3 "t o
o
% v %_ ** "t
. o ** a
g t
Vinhos em pipa: Porto Figueira*e Lisboa, a
4oo, 44o, awe 56* rs. f .garrafa, e em
caada a i\JJ6o, 2,8oo, 2,bo, 3,5oo c
4,ooo rs. do melhor.
dem lacrimas do Douro, esfJetfal vinho do
Porto mandado vir de conta propria a
1 o,(K)o rs. a duzia e i.ooo rs. a garrafa.
Ider do Alto Douro viudo do Porto engar-
rafado, das scgnintes marcas : Duque do
Porto, Feitoria, Nctar, Velho Secco, Cha-
ratas, Madeira superior a 9,ooo fs. a cai-
xa e l.ooo a garrafa.
dem Bordeaux das melhores marcas: St.
Julien, Medoc, S. Esteph c otltros a 7oo
rs. a garrafa, e 8,ooo rs. a caixa com urna
duzia.
dem muscatel de Setubal verdadeiro a 2.ooo
rs. a garrafa e 22,ooo rs. a caixa.
Garrafes com 5 garrafas de vinlio do Por
to do Alto douro a 2,2oo rs. com o gar-
ramo.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira
muito proprio para a nossa estacao, por
ser mais fresco a 2,4oo rs.
Vinhos velho chamisso em barril muito pro-
pio para sobremesa por ser muito claro
e macio a 6oo rs. a garrafa e 4,5oo rs. a
caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero a oo rs. a garrafa c 3,8oo
rs. a caada.
Garrafes com 5 garrafas de vinagre de Lis-
boa a i,2oo rs.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo rs. a garrafa
e I, loo rs. a caada.
Velas de spermacet a 6oo, 64o e 68o rs. o
masso.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de encommenda especial a 8oo rs.
a libra,
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
54o rs. e em barril a 5oo rs.
dem em potes de 4 i 6 libras muito fina e
propria para doente a 8oo rs. a libra e o
pote separado.
Banha de rs. a libra, e ei bar-
ril se far batimento.
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
de !,6oo, i,8oo, 2,ooo e 2,5oo rs. cada
um
dem londrinos os mais frescos que" se po-
dem desejar a 8oo rs. a libra.
Caf do Rio de Ia e 2a qualidade de 8,ooo a
8,5oo rs. a arroba, e 28o a 3oo rs. a li-
bra.
Arroz caroHuo e do Maranhlo a 3,ooo rs. a
arroba e loo rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra c
em porcao tera abatimento.
Caixinhas de ameixas francezas de 1 i/2, 2.
e 3 libras, elegantemente enfeitadas com
diversas estampas no exterior da caixa a
l,3oo, 4,5oo, 2,ooo, e 3,ooo rs.
Fructas em caldas das segointes qualidades:
ameixa, rainha Claudia, enrejas, pero,
ginja, pec^po e alpech a 5oo rs. a lata.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 6oo rs. a libra, e em la-
tas de i V e -2 libras.
Ameixas francezas era Irascos de i 1/2 e 3
libras de l,4oo a 3,ooo rs.; tambem ha em
latas de l,ooo e 3,ooo cada urna,
Cha huxiin miudinho mandado vir de en-
commenda especial a 2,8oo rs. a libra,
garante-se a boa qualidade.
dem hysson o mais superior a 2,6oo rs. a
libra, afianca-se ser igual ao que regular-
mente se vende a 3,ooo e 3,2oo rs.
dem preto omito fino a i,9oo rs. a libra.
dem mais baixo. e miudo proprio para ne-
gocio a l,6oo rs. a libra.
Presunto inglez-para fiambre o mais fresco
que se pode desejar a 8oo rs. a libra.
Genebra de laranja a 9oo rs., a frasco.
Chouricas e paios, os mais frescos que se
pode desejar, a Soo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa
e lo.5oo a caixa.
Marrasquino de Zara em frascos grandes
8oo rs. o frasco.
1
LMres francezes das segnintes marcas: A-
nrzete de Hordeaflx. Plaisir des damos, e
outros a !,ooo rs. a gacrfa e lo.ooo a
carxa.
Passas muito novas a fr^)oo- rs. a caixa e
36o rs. a libra, ha caixa, meias e quartos.
Bolachinha ingleza a*mais nova que se pode
desejar a 2,5oo rs. a barrica, e 24o rs.
a libra.
Azeite francez clarificado a 76o rs. a garrafa
e 9,ooo a duzia.
Consenas inglezas dos melhores fabricantes
Mixed e Pickles, ceblas simples, e outras
a 8oo rs. o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes milito
nova a 4oo rs. o pote.
Mlhos inglezes de todas as qualidades e das
melhores marcas a Soo rs. cada urna gar-
ra fm ha.
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 libras/muito
proprios para deposito de doce, manteiga
ou outro qualquer liquido de 1 ,ooo a 3,ooo
rs. cada um.
f Palitos do gaz, a 2o rs. acaixinha e 2,3oors.
w a grosa.
Milho alpista a 160 rs. a libra.
Mdlio painco a 140 rs. a libra.
Gommapara engommar muito fina e aba a
80 rs. a libra a 2,300 rs. a arroba.
Sago muito novo a 240 rs. a libra.
Sabo verdadeiro hespanhol que raras vezes
vem ao nosso mercado a 300 rs. a libra,
e em caixa ter abatemento.
Sabo massa de 180, 200, 220 240, rs. a
libra do melhor.
Graixas em latas muito nova a 120 rs. a lata
e 1,300 rs. a duzia.
Peixe cm latas muito novo : savel, pescada,
curvin, salrao e outras qualidades prepa-
rados de escabexe, segundo a arte de cozi-
nha de 1,400 a 2,ooo rs. a lata.
Genebra dcHollanda em botijas de conta a
440 rs. cada urna.
Papel greve paulado e liso a 3,500 rs. a res-
ma.
LHADOS
Amte dore de Lisboa muito fino em UrrH a
640 rs. a garata, e em poican i.T ati-
niento.
Champagne das mais acreditadas mana a
I .ooo rs. a garrafa e o,ooo rs. o gign
com urna duzia.
Doce da casca da goiaba a 4oo, Soo, o...
7oo, 8oo, e i,ooo rs., o caixogrande.
Chocolate portuguez, liesoanhol, raneex. r
suisso, das melhores qualidades a 9oo rs.
a libra.
Velas de carnaulia e composifao a 32o, 36o.
e 4oo rs., a libra, edelo.oooa llooors.4
a arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa a l,ooi
. rs. a ancoreta, e l,5oo a de Lisboa, esta
ultimas raras vezes vem ao nosso mercado
,pela sna boa qualidade.
Massas para sopa macarrao talharim e aletria
inuita nova a 48o rs. a libra.
Charutos dos mais acreditados fabricantes la
Babia a 4.ooo, 3,5oo, 3,ooo e2,5eors. a
caixa.
Serveja das melhores marcas a 5, 7,ooo rs. a duzia.
Biscoitos inglezes (Jas seguint.s marcas:
Craknel. Soda, Ceede, Captain, TraveBies
Lunch, Cobin, eoutras a I,Soo rs. a lato.
Bolachinha de soda especial encommenda i
1,8oo rs. a lata,
lem Craknel em latas de 5, 7 e 15 libras a
4,ooo, 5.5oo, e H,ooo rs. a lata.
Massa de tomate em latas de 6oo a 7oo H.
cada urna.
Sardinha de Nantes a 36o rs. a lata.
Toucinho de Lisl>oa a 320 rs. a libra.
Tijollo de limpar facas a 16o rs. rada um.
Ceblas a 9oo rs., o mollio.
Farinha de Maranho muito alva e clieimza
a 14o rs. a libra.
Pimenta a 36o rs. a libra.
Cominho, cravo, era doce, enxofie. palii..>
de dentes em caixinhas que ludo vena-
mos por baratissimo preco.

I


A AGUIA BRANCA
Reccbeu pelo uUlmo vapor o
seguate:
Bonitas puiseiras de cabello, coral, e cora-
lina.
Fortes e bonitas ligas de seda para senhoras.
Outras estrellas para meninas, ou manguitos.
Carleiras com agu.lias.
Agullietas para enfiar, e agulhas canlfas.
Iranctlins e lilas de borracha.
Carriteis com torcal de todas as cores.
Massos e lios de coral.
Esponjas linas para rosto.
Pentes de tartaruga virados, com laco e
balo.
Enfeites de rede para conservar os cabellos
bem atados.
Aspase coz para baiAo.
Fitas com colxetes para vestidos.
Trancelins chatos de laa para enfeitar vestidos.
Papel e folhas para rosas.
Lamparinas francezas.
Trancelins grossos para relogios.
Escovas cabo d'osso, mar/im e madreperola
para dentes. urdas, limpar pentes ejoias.
Outras linas para roupa. chapeo, cabello etc.
Outras de velludo para chapeos.
Pastas para papis.
Raspadeiras c facas de mar/im para dkaa.
Yisporas e dminos.
Raralsslnias bandeljas.
A agnia branca por militas vezes tem da-
je-
o a conhe.cor que quandoacha alguma
cliincha, nao qsS somente com ella encher
o papo, ao contrario deseja que toda sua boa
freguezia e o publico em geral prvem da
Bsala, o que agora mesmo acontece com
essas; baratissimas bandeijas, cuja limitacao
iie procos admira, cm rclaco aostamanhose
fbaldades: avista do que convm todos a-
Broveitarem-se dessa opportuna occasio e
>verem-se d'um traste semprc necessario,
e que Ihes custar quasi'metade do justo va-
lor. Assim, pois. dirigirem-se com dinhei-
ro S alegre e espacosa loja d'aguia branca
ra do Quemado n. 8.
O:* afanudoa copo eom banha. e
baies com Inseripcdrs.
Ghegaram novamenle para a aguia branca
asses afamados e estimados copos com banha
asa; assim corno osl>onitos boiijes de por-
eeltana dourada tambem com banha, e novas
pces iaa\iosas e jocoserias, mui ade-
cuado para presentes resta porem que os apre-
ciadores concorram, munidos de dinheiro,
alegre e espacosa loja d'aguia branca ra do
Oueimado n. 8.
tfcte.is giiurnlrcN de pentew c
flvell:ii par clnlos.
A aguia branca iivebea novase ricas
incoes de pentes dourados, e com pe-
, das; assim como outras bordadas a froco e
con) bolas pendentes, novidade essa que s
:- ada em dita loja, e que na verdade se
tornara mui alegras e Ixmitas; e bem assim
recebeu lindas livellas com pedras, e ditas
'aco com aoves e engracadns moldes, cintos
domados e de marroquim; c muitos outros
tos de gosto para senhoras sero encon-
rrados na* alegre e espacosa loja d'aguia
Uanca ra do Queimado n. 8.
Grasa econmica.
A aguia branca acaba de roceber essa acredita- j
*i gxaxa econmica, cuja superinridade est ge-!
atinante reconhema ; essa boa graxa se torna
ecomiifendatla, lano porque o calcado lastrado
om ella deixa perfeitaniontf lustroso ao menos j
res dias sem neeessidade de novo unto, como i
esa porque sua preparacSo t> appropriads para]
macUi e conservar ocooro ; ella vem em caixi-
nlias c barrizintos, e achn-se venda na ra do
yueimado n. 8. loja d'aguia branca, aos rezumidos
!ttos de 400. SOO c 640 r<.
Penaras de neo inglezas caljgra-
phic .s. a balo e outras.
A aguia branca receben un bello sortimento de
periores pi unas de ac inglezas, catvmpMcas,
* lialao e entras diversas aUdades, cojos praca
:im e:n propor^ao da bondade os preteodea-
^ que se dirigircm com dinheiro toja d'aguia
Iwanca, ra do Queimado n. 8, nao tiraran deseen-
antes. Na nwsiiia loja acha--e tambem um varia-
do sortimcnl i de can la ibresahindo efttre ella?
mas de nova nvenco. qm por -i mesmo deitam
a peana fr;u|tumdo as 'ira.
TERCOS
o
e cerdas de cornalina.
A aguia branca pensando constantemente em
bem servir a toda a sua freguezia, notou qno ainda
nao ha va feito algum agrado a aquel les que pru-
dente e acertadamente rosando, cumprem dever de
bom christao, e quando reparou essa sua falta,
mandou vir e acaba de receber delicados tercos e
coras de cornalina com cruz de prata, os qnaes
deixa disposicao dos tieis que estiverem dispostos
a gastar lS00,25e 3& para possuirem um bonito
terco ou cora, com os quaes podem mesmo pedir a
Deas pela prosperidade d'aguia branca, em seu ale-
gre e espacoso ninho da ra do Queimado n. 8.
Motos e bonitos
pentinbos travessos dourados e com pedras para
meninas: vendem-se na ra do Qneimado. loja
d'aguia branca n. 8.
llahiizinhos com perfumarlas e
sem ellas.
i A agnia branca vende bonitos babuzinhos com 6
trasquinhos de rheiros por 13300 c vasios por 800
rs.. serviado estes para meninas, e mesmo para
j joias, ete., etc. : na ra do Queimado, toja d'aguia
I branra n. 8.
I a.icli.is maclas e lustrosas pura
bordar
vendem-se na loja d'aguia branca ra do
i Queimado n. 8.
jWovissimos e bonitos enfeites
para caberas.
Quando o bello sexo senta a falla de bons
enfeites para cabeca, eis que a aguia branca
retebe urna sua encommenda de bonitos e
delicados enfeites, e de modernissima moda,
muito servindo isso para sanar aquella falta,
e fazer com que as Exmas. apreciadoras da
bella empreza Goimbra possam melhor real-
sar e mostrarem o apurado gosto que as
guia. Esses enfeites sao dura tecido bas-
tante fino com continhas d'aco, e mui bem
enfeitados com flores, fitas, bicos, plumas
etc., entretanto que sendo obra de muito
gosto custam 5-5, 6,- e 7$ dinheiro vista;
na espacosa e alegre loja d'aguia branca ra
do Queimado n. 8.
s: .nbadinhos estreitos e bordados
Vendem-se na ra do Queimado n. 8. loja d'aguia
branca.
Capachos comprldos e redondos
Vendem-se na ra do Qneimado. loja d'aguia
branca n. 8.
I,n vas de camurca.
Vendem-se mui finas luvas de carmuca
branca e amarella; na ra do Queimado n.*8
loja d'aguia branca.
Delicadas tesoiirlohas d'aco para
bordados e labyrinthos.
A pedido de algumas senhoras suas predicletas
fregaesas, a aguia brama mandou vir dessas de-
licadas tesourinhas d'aeo polltas agudas, proprias
para bordados e.labvriilios. cuma vez chegadas
como de facto chegaram. a aguia branca convida
as de mais senhoras suas boas freguezas para
aproveitarero-se da occasio e bem empregarem
seus em cada una dessas finissimas tesouri-
nlias. na certeza de que perder por chegar tarde;
quem se demorar em as mandar comprar no ale-
gre e espacoso ninho d'aguia branca, ra do Quei-
mado n. 8, onde tambem ha outra-s curvas e direi-
tas para unhas.
GRA1DE
: 'TIT? i DI
ROtPA FEITA
NO
ABMlEH
di:
KJETREXRO VERDE.
Neste eslabelecimenfo ha sempre um sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concur-
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades. para senhoras,
homens c meninos.
yaOT@#
Casacas de panno preto, 33# e
Sobrecasacas idem, 30f> e .
Paletos idem c de cores, 25,
*W. 155 e......
Ditos de casemira. 206, t i>A.
30000 Golletes de fusto e brim bran-
.'i-SOOO co. 3^500, 3^ e .
'Seroulas de brim de linho.
JD-SOOO 2d40O e......
' Ditas de algodao. 10000 e.
123, 103 e 73000 Camisas de peitos de linho.
2#0OO
-2r>0OO
1*100
Ditos de alpaca, 5| e.
Ditos ditos pretos, 93, 73.
53 e........3-viOO
Ditos de brim e ganga de co-
res, 43"iO0, 43, 33500 e. .
Ditos branco de linho, 63.53 e
Ditos de merino preto de cor-
dao, 103. 73 e.....
Calcas de casemira preta. 123.
103, 83 e.......
Ditas de cores, 9=>. 83 e. .
Ditas de meia casemira de co-
res, 53500 e.....
Ditas de princesa e merino pre-
to de cordio, 53. 43500 o
Ditas de brim branco e de co-
res, 53. 43500. 43 e .
Ditas de ganga de cotes.
33500, 33 e.....
Golletes de velludo pelo e de
cores, 03 e......
Ditos de casemira preta. 53 e
Ditosde'ditas de cores 5
43 e........
Ditos de selim preto. .
Ditos de ditos e sedabranen.
63 e ...... .
Ditos de gorgurto de soda
pretOS e de cores, (ij. .')> e
33500; 53, 43, 33 e.....23500
Ditas de madapolo, 33.
33000
43000
53000
7SO00
73000
M000
43000
23500
I 600
23500. 23 c
Chapos de massa, pretos fran-
cezes. 103. '.)> o. .
Ditos defeltro, 53, 43,33500 e
Ditos de sol, de seda. 12 V
113, 73 e......43500
Collarinhos de linho fino., ulti-
ma moda.......
Sortimento completo de grava-
tas.
Toalhas parroslo, duzia. I V
93 c........
Atoalhado adamascado de li-
nho vara......
Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos 6 decores.....
235011 LeocBs de tinao..... 33000*.
Cobertas de chita chineza.. 20000 *'
73000 Pennas d'aco, as mais superio-
43000 res, a grosa......
Relogios de out'o orizontaes,
33500 903.803 e......
530OO Ditos de prata, galvanizado.
patentes e orisontaes. 403 e
5.3000 Obras de ouro, adercos. meios
aderecos, pulceiras, roxetas,
43000 aneis e cruzes.
,ss:;oo i
2^000
640
(Si)(MI ;
13280 M
m
43000 ^
RA DO QUEIMADO N. 46
1)1 8jjB?I1!K)YID
FAZi:\llAS E ROIPAS I I IT 1S.
Sortimento completo de sobrecasacos de panno a 253. 283. 3o* e X*. eam. *<
muito bem fetas a 253. 283, 303 e 353. paletots acasacados de panno wrto tk- m av
2o3, ditos de casemira de cor a 153, 183 e 203, paletols saceos de panno r rav
mira de 83 ate 143. ditos saceos de alpaca, merino e la de 43 at 63. 4m* d*- alpaca r
mermo de 73 ate 103, calcas pretas de casemira de 83 at I i >. dato t car de 73 aV
103, roupas para menino de todos os tamanhos, gratule sortimento de romas t aran
como sejamcalcas, paletots c cohetes, sortimento de cohetes pretos de uv-tim. raseaair.
e velludo de 43 a 93, ditos para basamento a 53 e 63, paletots branros de bramante a i*
e o$, calcas brancas muito linas a 50, e um grande sortimento de fazendas finas e aaidu
as, completo sortimento de casemiras inglezas para homem. menino e senessa, maSi
de linho e algodo, chapeos de sol de seda, luvas de se.ki 1 de Jnaaa pata b>tnen t se-
nhora. Temos urna grande fabrica de alfaiate, onde re.vU'm.s enromn**!-. crawa-
obras, que para uso esta sondo administrada por um hbil mostr W- scim-hian.- MU t SS>
pessoa de mais de emeoenta obreiros cscolhidos, por tanto exerulamos iinabiaer f*ra rnm
promptidao e mais barata do que em ontra qoalqaer eam
-
FUMDIpA< A AIRORA.
Nesla grande e bem montada fabrica de machinismo, a mais ar.tin m imbe,
tinua-sea ejecutar coma maior prestezae perfeico enc^nriH-ndas de i^bTwW!
ae machinas usadas no paiz, tendo sempre prompto o segumte :
Grande sortimento de moendas de canna de tmlns os svslnw
Machinas de vapor de diversas qualidades.
Taixas fundidas e batidas.
Crivos e boceas para tomainas.
Bronzes e agnilhes.
Rodas, rodetas e rodas (Tagua.
Guindastes fixos e portateis.
Machinas de cylindros para nadara.
Serras de aro para serrara.
Fatechas para barcos, etc. etc.. ludo per preeo ajae Ih-iu saaai
600
7O3O0O
:<0-4000
3
Hoa do Qiiriaiada n. 2.^, loja de Anto-
nio lerreir. da Silva Maia
\*eudem-se cambraias de cores a 200 rs. o co-
vado rfra acabar, e laazinlias finas a 500 rs. o
covado!
i:sph ito de vinho.
Na ra do Cotovello n. i vende-se espirito de
vinho de 38 graos a 240 rs. a garrafa, e em cana-
da a 1^600.
Scllius iaylezfs
chegados casa de Izidoro, Nelto 4 C, ra da
Crm n. 2.
\EA>E-SE
una tasa lerrea, edificada eat chaos
propri s, na pa da iogo da Bola n.
25,fnm 'Mas, 2partas,tostaba fra
e quintal araml', co leni as freites
d* pedia a cal e s oitfs de taina : a
tratar na iravessa do Veras n. ib.
POR MENOS DEZ POR CENTO
NOS
AKJflAZEIVS
ni:
KS. 21 E 23-LARC0D0 KR|;0-NS. 21 E 23.
Kecebem por conta propria a maior parte dos gneros existeoie* no seus rma-
teos e por isso dehberou-se seu proprietario a vende-los por menos 10 % do que em
outra qualquer parte, garantiddo a superior qualidade.
I.olain lodos.
Manteiga ingleza especialmente escomida a 72o e 800 rs. a libra;
dem franceza de primeira qualidade a 56o rs. a libra, e em barril a 54o rs. a libra.
Arroz pilado o melhor do mercado a loo rs. a libra e 3,ooo rs. a arroba ou sacco,
Caf do Rio e do Cear o melhor neste genero a 28o e 32o rs. a libra.
Batatas novas a 5o rs. a libra, em arroba a l,4oo rs. e gmcaixas de quatro arrobas por
4,800 rs.
Bolachinhas americanas, as mais novasneste genero, a 2oo rs. a libra e 3,ooo rs. a barrica.
Palitos do gaz. vindos por conta particular, a 2,300 rs. a groza.
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor, a l,8oo e 2,ooo rs.
Vinho do Porto em garrafa de superior qualidade a 9oo rs. a garrafa.
dem em pipa Figuek-a e Lisboa a 4oo rs. a garrafa, e a 3,oo0 a caada.
I Milho alpista o mais limpo que ha no mercado a 16o rs. a libra, a arrroba a "..ooo rs.
Velas de spermacet, composicao e Aracaty. a 4oo, 36o e 64o rs. a libra.
Toucinho de Lisboa novo e grosso de primeira qualidade a 32o rs. a libra, e O.ooors. a
arroba.
Alm deslos gneros ha outros muito baratissimos, assim como cha do melhor,
j azeite doce, vinagre, cebollas, alhos, pimenta, cominhos, erva-doce. charutos de tenias as
qualidades. chouricas, sabo verdadeiro de 16o a 24o rs. a libra, genebra de todas as
1 qualidades. qne ludo se vende barato e quem dnvidar venha ver.
1NJECCAO E CAPSULAS
GRIMAULT E C'.A PHARMACEUTICOS EM PARS
,..;i.lr-
Roto trntamento preparado rom M foNja .Ir Vullco. ur.oro a Prra.pan arara rapMarli
ta Conorrliea sem roccio aU'um da contraccio do r.mil m di inRainmacio don iatr*tiiM
doiitor nirord, de Pars, ter renunciado, didf sua apparrea. ao cmprB do gao!aun i
nmprega-se M inj.-rrao no i-oniri;o do fluxo. as capsulas cm lodos os casos ruronicas
rcsislirao as prepararles do copaliu, cubeta e ii ir.jccces coin base rm-tallica.
nj-poslto geral: em Pars, em casa de MM. d-lnmult e C, phaniiareutiro. roa *> lo F
em .i >a, Joc- Vg,i|ho dit CoHla-Cnrtitlho JanUr; no Porto, Micarl jMr r %m
rer; cm o Hto-de-Janeiro, Grala, 10!, ra S. Pedro: em Baha, tt-CmrUu, rrrrrh
helra; em RiO-Grand-, J.a,uln dr G,d,-; em JTaranAdo, Frrrrlr. O; fm Ptr-mml
shoun. c c, na da Crin. 21; 8onm, c as principar* pharmacia do Braxil.
--^.
Deposito geral em Pernambuit ra da Cruz n. 22 em casa de Qbjh Barnoza

^%
4 ki V-
*v
DE
TODAS AS Ol \ B I P> \ III S
DE
ANTONIO MAIA DE BBITO
CONHECIDA POR FABRRA DA Vil \ A

N. 21 Antiga rua dos Coartis de puli.ia-N.^l
Constando ao annunciaute, que alguns especuladores de m f. vemto u
que gosam os meus cigarros, e para poderem dar consumo aos seus andam %erNleiMh*
na praca como pelo mato, illudindo os meus freguezes, dizeodo que sao m*us : eaaaV
dos os meus cigarros sao vendidos na minha fabrica, e nio mando pessoa alguma \m
por minha conta fra della. faco o presente annuncio para evitar que cwmpreai aaau
tebre ; e para seguranca dos senhores consumidores deste genero i \mnuZ,
freguezes. aviso que todos os massos de cigarros que fbreni vendidos na minaa ams
majeados com ura distractivo que declara o meu nome. o nome da rea e o
mesma casa.
Aproveito a occasiio para scientificar aos mesmos senhores, oa .
encontrarao um completo sortimento de cigarros de diversas qualidades. e da i
escolhido, por sua boa qualidade ja bem conhecida.
Vinho do Porto superior.
Vende-se em eaixas de nina duzia : tp escriuto-
rio de Antonio Luiz Otiveira Aievedo fc C
Cal de isboa
chepada ha pooco. e de boa qnalidade : vend se fff liara*
nos armasen* da rua de Apollo ns. **e 3a junto ao Na loja dv Arantes rra^raiir
Hu'afra I eour. *c IrrMre pan hxflm *#
roa
\indc-sc sujierior p****do Rio t
mais nova que ha no mercado, a prero
modo; no largo a Corpa SaMo,
Manoel h/naci d<- Otiveira A Palio, a 19

III FfilVFI 1


"f
riitolitoMiliti H9M* trtr* 4* HH Ir .

I

ii'


?
GRANDE ARMAZEM
AE
DE
GRANDE ARMAZEM DE MOLHADOS
DE
X W. RA BM CMM-*. W
BO 4
balrro de Manto Antonio.
0 proprietario do muito acreditado armaiera denominado Progretmta lendo
sempre em vista fazer tudo o que for possivel para bem servir aos seus freguezes, tena
deliberado vender os seas ja bem conhecidos gneros de primeira qualidade pelos precos
ibaiso mencionados, e amanea as pessoas que mandarem comprar por seus criados ou
escravos, serem 13o bem servidas como vindopessoalmente; encarrega-se de aviar qualquer
encommenda, nimia mesmo contendo (Afectos nao proprios deste cstabelecimento. O
mesm pede aos senhores que mandarem comprar neste armazem o favor de mandarem
devolver qualquer objecto que nSo agradar, devendo os mesmos senhores ter toda atten-
&mmmmmiimmaLte.
<
=


TODOS
os
VAPORBS
se recebem gneros de conta
propria e dos melhores esta-
beleciment06 da Europa, ga-
rante-se todo e qualquer ge-
nero comprado neste
O
p
1
COMPLETO
SHIi IIMKVK DE MOLHMMIS
vende-se em porco e a rvta-
lho, aprompt-se com toda a
presteza e exactidao qualquer
encommenda dirigida a este
ESTWELECIMM'n.

Eduardo Marques de Oliveira C.
a 2
os i -s;
i ii
&h - =8
Ii
o rH '3
> o a O
a 1 I
es s |
(ti
I
a.
3"
3'
o
_
53
mmmmm,
Vmendoas a 320 rs. a libra.*
Os proprietarios do muito acreditado armazem Paaoreaso fazem seieuie ao respeta- ^ve,?cs a 2o ,s- a ,flra.
ca* com os seus portadores, fazendo-lhes ver que so no armazem Progressista da ra das Vel publico e com cspecialidade aos seus amigos o freguezes que tem resolvido resumir os Ditas em frasco por 2^800.
<;,V*s n* 36, que se vondem os melhores gneros por mais barato preco, porque estes [ precos dos seus acreditados gneros, como abaixo vero nao obstante os presos menciona- Arroz pilado da India loo rs. a libra e 3#ooo
muitas vezes < dvidam-se e *40 nutra parte onde os servem de maneira a desagradar este, dos a vista da qualidade dos gneros que se prova quanto se desoja ser\ ir satisfatona- Dito dito do Maranho 120 rs. a libra e 3S>500
cstabelecimento. mente aos nossos freguezes, advertindo-lhes que mandem seus portadores, que
Mfmteigai ngleza de I.4 qualidade. a 800 rs. j
a libra.
Vestes novos e grandes estabelecimenlos de molhados, encontrar o respaila*!
publico d'esta cidade, bem como seus numerosos freguezes do centro, aspostoa \vnlk
todas as qualidades de gneros por menos preco que em quaesquer outro jam-
tos d'esta ordem, pois para bem servir os seus freguezes existe na Europa um dos -
ces para seren viudos de conta propria diversos genero, e denle j;'i encontrar o res-
peitavel publico sempre os melhores gneros do nosso mercado, c por preaoa tarafe
mos como abaixo verao, a saber :
Massa de tomates a 010 rs. a libra.
de superior qualidade a cada
xinha-
dem de 2.1 qualidade, a 700 rs. a libra M rf parada em potxs muit0 nova a
eliegada ltimamente, a 000 \ *',.a.__
dem francesa,
rs. a libra.
Batatas em gigo de arroba a IfSoo rs.
uueijos do reino, chegados pelo ultimo vapor,
de U 300.
400 rs. cada um.
Milho-alpista a 180 rs. a libra.
Gomma para engommar muito fina e alva a
80 rs. a libra e 20300 a arroba.
le* pialo, bagado neste ultimo vapor, 0 Sag muito novo a 240 rs. a libra.
mata fivsco que se pode desojar a 700 rs.: s^o verdadeiro hespanhol, que raras vezan
libra.
dem londrino, mandados vir de encommen-
da especial, a 900 rs. a libra.
dem suisso, muito fresco, a 800 rs. a libra,
af do Rio de 1.a e 2.a qualidade a 8#300
e 8,5800 a arroba, e 280 e 300 rs a libra.
Arroz da India e Maranho a 120 rs. a libra
e 342OO a arroba.
Vwlas asmis novas neste genero a 240
rs. a libra.
Presuntos do Dorto muito novos a 5W) rs. a
libra.
vem ao nosso mercado, a 300 rs. a libra e
em caixa ter abatimento.
dem massa de superior qualidade de 160,
180, 200, 220 e 240 rs. a libra.
Graixa em latas muito nova a 120 rs. a lata
o l,?3O0 a duzia.
Peixe em lates muito novo: svel, pescada,
rnrvina, salmao e nutras qualidades, pre-
parado de escabexe segundo a arte de
cozinha a 40400.
Papel grve pautado e liso a 3#800 a resma.
Genehra de Hollanda em botijas de conta a
460 rs. cada urna.
Legumes francezes para sopa, como seja,
lulienne, melange d'quipage, Choux e
outras qualidades, a 400 c 500 o masso.
\100ndoas de casia mole a 320 rs. a libra, e i
em porcSo ter abatimento.
'arralos com o garrafas de vinbo do Porto | Vinho velho Chamico em barril, multo proprio
Vinhos em pipa: Lisboa cFigueira das melho-
res marcas a 3,?2O0 e 4:?000 a caada do
melnor e 500 rs. a gnala, em poroso ter
abatimento.
/
do Alto Douro a 20400 com o garrafao ;
aflanca-se que nosse genero o molhor
que veto aj mercado,
dem com ') Barrate de vinlw Figueira muito
sujierior e mais proprio para a nossa esta-
co por sor mais fresco a 20400.
11.. hvsson o mais superior a 2*W0 a libra,
aliaiwa-se ser egual ao que regularmente
vendemos a 30200.
Idam huxim miudinlio, o mais superior que
vem ao nosso mercado a 20700 a libra.
dem preto muito fino, a 20000 a libra.
Chocolate para 000, 1,000 e l,2oo rs. a li-
bra.
1.arralos com 5 garrafas de superior vmhm
de Lisboa a 2*100 cada um.
dem com garrafas uo v I 111 (K) com o iarralao.
dem com 5 garrafas de vinagre hanibur-
goez a 800 rs. cada um.
a
\ ii-tios generosos viudos do Porto ongarra-
' fados das soguintos marcas: Genuino,
Porto fino, Nctar, Duque do Porto, Fu-
tona. Velho secco. Chamico, Madeira su-'
perior e outtos a 900 rs. a garrafa c 90
a duzia.
Vinbo Bordeaux das melhores marcas: St
Julion, Med*K c S. Estephe e outros a
640 rs. a ifarrata e 70500 a caixa com
unta duzia. a
i.houricas o paies, o mais novo que se pode
desojar, a 250 o 000 rs. a libra.
.giiao verdadeiro inglez dos molhoros Pa-
liiic.mles 1 900 rs. a garrafa e 100500 a
caixa com urna duzia.
para sobremesa,
50000 a caada.
a 040 rs. a garrafa o
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero a 560 rs. a garrafa e a 40000
a caada.
Vinagre puro de Lisboa a 00 rs. a garrafa
e i#MX) a canalla.
A/.-'ite doce de Lisboa muito fino, em barril
a 040 rs. a garrafa, e em porfo ter
abatimento.
das mais acreditadas marcas, a
garrafa, e 100000 o gigo com
Champagne
10000 a
nina duzia.
Dita estrellinba para sopa a 500 1 s. a fo.
Massa estrellinba para s Macal rao, aletria o Udharim a 48o rs. a fc-
bra.
I Marrasquino de Zara iMn.4 fraaao
Passas a ion rs. a libra.
Palitos para denles a 180 rs. o masso.
Pbosphoros do gaz a 20500 a grosa.
Paios novos a 640 rs. a libra.
no ultimo vapor a 800 rs. a libra.
dem de 2.a qualidade a 76ors. a libra.
dem de 3,a dita .a 64o rs. a libra.
dem para tempero a 32o e 4oo rs, a libra.
Mantciga francesa a mais nova que ha no mor-
cado a 58o rs. a libra, e em barril ter aba-
timento.
Banba de porco refinada a 520 rs. a libra.
Vinho em pipa Porto Figueira e Lisboa a 4oo,
48o, 800, 56o rs. a garrafa, em caada
28oo 3,ooo 3,5oo e 4,000 rs.
dem em barril o mais superior que tem vin-
ao mercado a 600 rs. a garrafa.
lagrimas do Douro especial vinho do Porto a
1,00o a garrafa e a 10,000 a caixa, o preco
nao indica a qualidade d'este precioso vi-
nho, porm venhamao Progresso que a vis-
ta faz f, a este genero constantemente man-
damos vir de cunta propria e por isso po-
demos vender- por menos que outro qual-
quer annunciante.
Vinho do Alto Douro das marcas mais acre-
ditadas e especialmente escolhido por um
de nossos socios, comosejam:Camf)es, Du-
que, do Porto, D.Luiz, Careavellos, Cha-
misso & Filho, Madeira secco, e Feitoria a!
20500.
Dito de prato a 720 1 s. a libra.
serotV a.arToba.
Azeite doce francez 800 rs. a garrafa,
bem sonidos como "se viessem pessoalmente, isto so no Progresso. Dito de Lisboa 680 rs. a garrafa.
Manteiga ingleza peritamente flor chegada Farinha de Maranh3o muito alva e eheiroza! ^'^ Canna'de rabeca a 24 e 3a0 Queijos ',0 r-B0 uUimn '
a 16o rs. a libra. ,r?;a gana'\ 0
j Azeitonas a 320 rs. a garrafa e 1,3oo a an-
Touc.i olio de Lisboa a 32o rs. a libra e a 9.000 corete,
rs. arroba. (Batatas inglezas a 60 rs. a libra e 1,800 a
Sardinhas de Nantes a 36o rs. a lata. | a[ro*a- ...
1 Banba de porco a o5ors. a libra.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. agarrafa e a Bolachinha de soda a 40400 a lata.
4,800 rs. a caada. Bolachinha ingleza a 200 rs. a libra, e a bar-
Vinagre de .Lisboa-a 2oo rs. a garrafa eal rica a 30000.
I,2oo rs. a caada. Cha hvsson a 20200 a libra.
Garruloes com 5 garrafas de vinagre de Lis-- Dito dito fino a 20000 a libra.
boa a I,loo rs. i Dito miudinho a 2#800 a libra.
Cuampanhe das marcas mais acreditadas a Dito do Bio a 10800 a libra.
8 e a 10,000 rs, o gigo, e a800 rs. ea Dito preto a 10900a libra.
1,000 rs. agarrafa. Charutos de diversas qualidades a 10200.
Serveja preta marca T e XXX a 6,5oo e' ^800 e 30 a caixa.
7,ooo rs. a duzia, e a 600 rs. a garrafa, Champagne a 10 e 10500 a garrafa.
tambem temos das mesmas marcas para 4, (
e 4,5oo rs. a duzia, o a 4oo rs. a garrafa. Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
Cafea grao a 300 e 320 rs. a libra, a 90 e
dem branca T e cobrinlia a5,5oo c 6,000 rs, 90200 a arroba,
a duzia e 5oo rs. a garrafa, tambem ha Ditomoido a 360 rs. a libra,
para 4,000 rs. a duzia. Doce de goiaba a 560 rs. o oaixo.
Graxa em latas grandes a l,3oo rs. a duzia ^1"W de vinho de 38graos, a 280rs. a
e 12o re a lata garraia.
Karinha do Maranhio a 460 rs. a libra.
Vassoura do Porto arqueadas de ferro obra Dita flor de laranja a 10 o frasco,
de muita duracao a 4oo rs. cada urna. Feijo branco muito novo a 440 re. a cuia.
Figos a 32o rs. a libra,
(ienebra de Hollanda em botijas a leo rs.
Dita liamburgueza a 44o rs. a botija.
Palitos
o 28o rs.
de dentes massos grandes a 2oo rs.
temi 5garrafas a 2,000 rs.
dem com 5 garrafas
gueira a2,4oo rs.
9oo rs. a garrafa o 9,ooo rs. a caixa com Paltos do gaz a 20 rs. a caixinha e 2,3oo re. Gomma d'araruta a 100 rs. a libra, e 20600
12 garrafas. a ira. a arroba.
terrafoe com especial vinho do Porto con- Gela de A| ^ d da nQ |t Graixa em latas a 120, e 10300 a duzia.
latas de 2 Ernas a too rs. pechincha^ ] Gcg^m gaml8e8 ga"'afaS Pr
Oonabfy 4e Moltnu.lu ^arraroos cora i gar, Licor lino a 800 rs. a garrafa,
rafas por i^oo rs. Dito cm garrafas grandes de superior quali-
Idem com 5 garrafas de vinho Lisboa a ,,im ,.,,.,,,... ,. ,. dado a 10500.
2,100 re. ldememfwajaeirasa>3oors.e6,8op 1?^,;^^ ,cza flor m 900 e, ? a ,ibra
>bo re. o frasco affianca-se ser verdadoira. 1 u,ntaS, t,L,n;, ft*n re
di' superior vinho Fi-
Gharotes dos mais acreditados fabricantes da
Babia a 30500 a caixa, tambem temos
para 20OO, 20500, 30000 e 30200 a
caixa.
Vollas de spermaeete superiores a 600. 640,
o. 080 rs. o masso.
dem do carnauba e composieo a 320, 360,
o 400 rs. a libra c de 100 a 110500 a
arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa, a 10000
a ancorte do Poito e 10500 a de Lisboa
Massas para sopa: ostrellinha, rodinha o, pe-
vide a 400 rs. a libra e 20000 axa com
8 libras liquido.
Massas para sopa muito novas: talharim, ma-
carrSo e aletria a 400 e 480 rs. a libra.
Chocolate partuguez, hespanhol, francez e
suisso das melhores qualidades a 900 rs.
a libra.
Doce da casca da goiaba a 800 rs. o calxo.
de Zara em fiascos arari* a fcjflt,das melhores marcas de S500 a
Marrasquino
\ 800 rs. cada um.
Licores francezes, muito finos, das segundes
marcas: \i> zetta de Bordea.n. Plaiserdos
.lames, Crme de Noyau, Eau Dantzic,
* tivmc de Menthe, ilude de Venus etc. etc.
60OO duzia e 540 rs. a garrafa
Bisrontos inlezes de diversas qualidades a
10300 a lata.
Bolachinha de soda, especial encommenda,
muito nova (m latas grandes a 20000 cada
urna.
Vinho branco de Lisboa proprio para missa
rinda a engarrafado de Lisboa a 04o re.
a garrafa.
dem em barril muito superior a 3oo rs. a
garrafa e a 1,000 e 3,8oo a caada.
Amenas francezas em caixinhas de 1 '/*, 2
e 3 libras elegantemente enfeitadas com ri-
cas estampas na caixa exterior a l,3oo
l,6oo 2,000 e 2,5oors.
dem em lates de, 1 'i e 3 libras a 1.4oo e
2,6 Manteiga franceza a 600 e 64o rs. a libra.
Dita hohandeza a 72o 800 rs. a libra.
Mosterda a 640 rs. o frasco.
Cenejas de marcas supriores a 500, 5fa.
600 e 640 re. a garrafa, e 50500, C
60500 a duzia.
Dita em barril por 40, o 240 rs. a garrafa
Cevada a 240 rs. a libra.
Sardinha de Nantes a MI e 400 rs. fa-
nha.
Sag a 240 rs. a libia.
Sabao massa a 200. 240 e 2801 s. 1 iitax
Sevadinha a SO r. l libra.
Touoinho de Lisb Tijolo para limpar lucas a 160 rs.
Vcllas de s|>ennacle 1)0 gaz a l.oo n. av
libra.
Ditas do gaz muito li-as.
Ditas dito 0111 caixa* de 6 libras por 4fH,
Ditas de carnauba a 400 rs. a libra.
Ditas de composieo a 300 e MI rs. 3 \Am^-
Vinbo do Porto, caada a 50500, garrafa a
720 rs.
Dito Lisboa, caada a 40 e a gamfo a 5JH
re.
Dito Figueira, ranada a 30840 o a garrafa
480 rs.
Dito dita superior, ranada a 40 e a garrafc
a 500 re.
Dito Estreito. caada a 30200 e a garrafa*
400 re.
Dito Bordeaux a 720 o 800 rs. a ?arrafti
Vinagre de Lisboa em garrafoes de 5 garra-
fas por 10400.
Dito em caada a 20. e a 260 re. a ^>mte
Vinho do Porto em garrafoes de garrafa*
por 20500.
Dito dito engarrafado a 10 o 10200.
Dito lagrimas do Domo a 13400 a garrafa.
Vinho branco de Lisboa a 720 rs. agarrafa.
e 30 a caada.
Dito do estreito a 000 re. a garrafa, e
a caada.
Previnc-se ao respeitevel publico que todos os gneros cima sao de boa
dade, e para desengao venham ver; assim como ontros que deixam iW ser aununciaoV
Figos de comadre em bauzinhos de blha
limito proprios para mimo a l,6oo.
dem em caixinhas a l,4oo re.
dem em caixinhas ermeticamonte lacradas
e muito bem enfeitadas a 1,80o rs.
Idoma 2oors. a libra.
dem de botija om barricas com quatro du-
yiasa 44o rs. cada botija.
dem de laranja em frascos grandes veeda-
doira italiana a 1,00o rs. o frasco.
Marrasquino de zara a 72o re.
Licor franco* 'do todas as qualidades em FlIMUICAO IM) ROWMAIW-Ill'A DO
garrafas de vidro brancos a 72o e 800 rs. j l"R,WTlf fT IV 1H
Vinho Bordeaux das aaalhoros qualidades j Este muito acreditado estebelecimento est prvido de um completo s. >rtimento *r
que tem vindo ao mercado a 72o e 800 machinismos proprios do fabrico de assucar, a saber :
re., eem caixa a 7,5oo, 8, e 8,2oo re. Machinas de vapores as mais modernas e mais acreditadas.
. A T, Bodas d'agua de ferro com seus pertences.
l^fSa^ ?rS? ] Moent,as e meias moendas de Jm os tamanhos.
-nwrafa. Bodas dentadas, angulares e de espora.
(Conservas inglezas sortidas e de una 9 qua- i Taixas de ferro batido e coado.
lidade a 8no rs. o frasco. Boceas de fornalha pelo novo systema Wctson.
,,. ... Alambiques de ferro fundido.
Aramia verdadeira a 32o rs. a libra. Fornos 'para mier farinna.
Gomma de engommar muito alva a 80 rs.^oinhos Para moer mandioca.
Passas de carnadas as mais novas que ha no '. a ''m'a e 2,2oo rs. a arroba.
mercado a 4oe rs. a libra e a 6,000 re. a Sagu milito nnv0 a tn r_ a |i()ra<
caixa.
Sevadinha de Franca a 16o re. a libra.
Salmao em latas .-emticamente lacradas a
800 iv. Sevada muito nova a 12o rs. a libra o 3,2oo
ss. a arroba.
Arados americanos, etc. etc.
Lagostim om lates grandes a l,4oo.
Savel, corvina, chorno, vezugo, peixe espada,
Macarro a 32o re. a libra.
Mssas muito nmas o eamada <^TOwja M;issa lnmatcs ,atas 70Q
libra e 60500 a caixa com urna ai roba, ha ^
caixas, meias e quarlos.
1 ii,a,ii Sardinhas de Nantes. do fabricante Basset, a
\meixas franc /.as em frascos do I I | e .{ Ii-1 360 h^
bras de 104'X) a 20800, tambem ha latas
de 6 libras Toucinho de Lisboa novo a 320 rs. a libra.
Tijolo de limpar facas a 180 re. cada um.
Marmelada imperial, dos melhores conser- oDOnas 0 mlho a 900 rs.
veiros de Lisboa, a OOOrs. a libra, cm la-
tas Lacrad* hermticamente. hrva-doro, muito nova a 400 rs. a libra.
Frustas em caldas de Mas as qualidades om Cominhos idom dem a 640 rs, a libra,
latas muito liem enfeitadas, a 500 rs ca- Garrafoes vasios a 500 rs. cada um.
la urna.
Holachinha ingleza, a mais nova que se pode
desojar, a 3'*I000 a barric a c 240 rs. a
libra. /
Ditos com 3 garrafas de genebra a 20400,
garante-s ser verdadeira do Hollanda.
Karinha do Maranlio muito aba e cheirosa Canella a mais nova
a 160 re. a libra. 10000 a libra.
Cebollas a granel a 640 re. o cento.
do nosso mercado a
proparados pola primeira arte do cozinha a ,j ,. u
:> i n Z 1 blem e talharim o mais novo que ha no mer-
a,"500rs- cado a 48o re. a libra.
Queijos flamengos chegados no ultimo va-' Aletria a 5oo re. a libra.
\zeite 4ancez c'arilicado a 800 re. a garrafa
e 94000 a caixa com urna duzia.
Conservas inglezas dos molhoros fabricantes phosphoros de seguranca individual a 20 rs.
Alfazema o que pode haver de melnor neste
artigo a 280 rs. a libra.
Mixed Pu-iOes, obolas simples, c outros
a 760 rs. o frwo.
Kaiiuha \erdade-iia de, araruta a 500 rs. a
libra, garanto-so a superior qualidade.
Palitos para dentes em calimbas douradas
Breu, a 320 a libra e 80 a arroba.
caixinha.
Papel de embrulho muito superior a 10120
i resma.
Vinho da Figueira.
40000 a caada.
o que lia de melhor a
Copos finos para ag*ua a 60000 a duzia.
por a 2,4oo re.
dem do vapor passado a 2,2oo 2,ooo e
1,80o, rs.
dem prato do ultimo vapor a 64o re. alifara.
Doce da casca da goiaba caixos grandes a
600 e9oo rs.
Chouricas as mais novas que ha no mercado
a 48o rs. a libra.
Chouricas momas encommenda especial nos-
sa a 5oo rs. a libra.
Prezunto verdadeiro de laraego em calda
de azeite 5oo rs. a libra
Bolaxinha ingleza a mais novas que ha no
mercado a 2,ooo re. a barriquinha com
I arroba, e a 24o rs. a libra.
dem de soda de diversas qualidades a 1.400
reis.
dem em lates grandes, proprias para hincho,
com 5 a 6 libras por 2,4oo rs.
Marmelada imperial do fabricante Abren .e
outros cohserveiros de Lisboa a 600 rs. a
libra.
Frutes em calda de todas as qualidades a
3oo rs.
Ervilhas francezas a 5oo rs. a lata,
dem portuguesas a 64o re. a lata.
Massa de tomate a 64o re. a libra.
Amendoas confeitedas a 7oo re. a libra,
dem d casca mole a 28o rs. a libra.
Avetoro? a 2oors. a libra.
Arroz carolino a loo re. a libra o a 2,8oo re.
a arroba.
ESCRAVOS FGIDOS.
Xo dia 24 do corrente fugio da casa do abai-
xo assignado o seu cscravo pardo por nomo Aleixo,
offlcial de alfaiate, o bem conhecido por ter traba-
Ihado as casas dos Srs. Felrt, Jor*e. e ultimamen-
te na dos Srs. Bastos & Rogo, cujo cscravo tnm os
signacs seguimos : eslatura regular, Itastante ma-
gro, pouca baria e calvo, e anda calcado : queui o
apprehender leve ra do Vigario n. 10, 011 110
aterro da Boa-Vista n. 16, que ser recompensado.
Domingos Alves Matheus.
dem do Maranhao
3,000 a arroba.
a 12o re. a libra, e a
ATTENCAO
Dcsappareceu no dia 2o do corrente.do arma-
zem do sal na Boa-Vista, ra da Conceicfw, um ca-
Caf do BJo o mais superior que se pode de-1 ^ -J llto "J mS
sejar a 32o rs. a libra. aperlados, que quando ollia por bao, nariz pe-
Idem a 28o e 3oo rs. a libra e a 8,2oo, 8,4oo iraeoo, rosto redondo, tem liigode, e no qaeixeum
e 8,7oo rs.
Volas de carnauba retinada a 32o re. a libra,
e a 10,000 re. a arfoba.
dem de spermaeete a 64o re, a libra.
I Chocolate hespanhol e francez a 9oo o l,ooo
rs. a libra.
Csti'i'llinha o peVnle muito nova a 4oo re. a
libra, e a 2,ooo re. a caixinha com oito
libras.
Cha perola muito especial chegado neste ul-
liocadlnho de barba. p<''s grandes, levou calca bran-
ca de brim e um camisao de estopa e chapeo de
cooro : roga-sea pessoa que o pegar, dirija-se
ra estreita do Rosario n. 18 C, Ion de miudezas,
on villa do Limoeiro ao seu dono Ignacio Jos de
Oliveira, que ser bem recompensado.
Fugio do engenlio taarcuj, 11a noite do dia
24 para 2o do corrente um cscravo de nome Mala-
cliias com os signaes seguintes: cor preta. bas-
tante Inrbado, tem um dente de menos ha frente,
pernas arquiadas, urna cicatriz no pesclo e outra
nos lomos, com 40 annos de dade, levou urna
camisa de algodao azat e outra d:tmada|>o1ao, nma
Fugio
no dia 17 do corrente a escrava Dominga?!, 4a
cana, de (dade de -"> ann**, balanl<' nnn,
baixa, cor fula, toado o eotowNo d
alcijado, lendo |ior osbIobm oaaViarar-M
a pegar le ve-a a ra nova de Sania lita,
de Paulo lote l'.i'iii'- '' Meh'iros.
cotnpfnsado.
\ 11 KM ,0.
Fugio no dia 20, da ea-a fo abaixo assigau'
escravo Sebastian, pertenrenfe ao Sr. Dr. Agofaai
com os signaes seguintes : baixo. rorao trfrTa,
um pouco enreundo, barba ingieza, a rara
marcas de bexigas, coro falta de denlas, reprev
;i ter 40 annos de i dade, levon camisa de r '"a
aznl, calca de algodaozinho. chapeo le bata: c. !
o |>egar feve rna la Aurora, casa do sen srnlaak
oU nu Velha n. 5-. que aer ftfneammmtK id*-
tilicado. ,
Adelino Theodur Altes.
ATTE^iO.
nossa a 2,8oo re. a libra,
dem huxim multo superior a 2,7oo re. a
libra,
htem hvsson a 266o re. a libra.
dem hysson a 2,ooo e 2,2oo re. a libra.
dem preto homeopathico e muito superior a
2,ooo re. a libra.
: dem narional a 1,600 re. a libra.
Batatas muito novas a 80 re. a Hbra.
No dia 8 do corrente fugio o cscravo Joaqwa^
Aliicano, idade de .*iO annos, com os signaos aj
gumles : estatura regular, carcumlo, tem u bebde no olho esquerdo. coslunia tra.-er itaa|
rapada, e quando falla txm arrogancia, ]-. *
vestido camisa e cal^a de estoupa. chaao de c*
ro; este escravo foi pertencenle ao Sr Antojuj
de Aranio e Albuquenpie, morador em Barra 1*
va, dislnclo de Buique, e comprado nesta cilla
. ao fallecido coronel Conven. snpfMV-se ter Hle ^
Manoel, mufat, de 23 annos de idade, o qlial tem ({lli(j0 para es,c |ufarj M ae|iar.!M5 esejadido a*
timo vanor do encommenda nariicular l<'ta encarnada, e chapeo de palha novo: presu-
umo \apor oe tnummienua parucuwr pHe-so tr-r seguido para o Pajeil em companhia de
o labio superior mais saliente, o nariz grande c a
falla caneada, sem barba alguma; promette-se ge-
nerosa recotrifjensa a qtiem apprehender o referi-
do escravo, feo levar ao engenno do abaixo assig-
nailo, ou no Recite a Manoel Jos Fernandes Bar-
ros, na ra do Queimado n. 30, segundo andar.
Francisco de Barros Velloso da Slltelra
lugar da Capunga : |uem apprehenJe-lo
ra nova de Santa Rita, serrara d>* Paaloi
Comes de Medeiros, qne ser n-compensado
KN No dia 7 de agesto corrente fugio o escravo
lie nome Lino, crioulo, de idade que representa 48
amos, poaeo mais ou menos, barbado, desdentadb
e feio, posa um pouco pelo quarto direito quando
Charutos doS melhores fabricantes lia Baha ^^ levou camisa de algodao liso, porm lino,; testa grande, rosto oval, com urna
e de todas as marcas, como sejam: SUS-' com punli imitando o de jaquefa, cal^a de algd- osquerda, macaas salientes, deann
piros, havaneiros, messecipes, regala im- dao de lista, ehago de palha preta, tem offleode dos, bocea r^ra^a,^ra*r''et
.!. nnr,ili.gc ...^mArMa t.Av serrador : quem o pegar ou tiver noticia 4He, pequeo?, eostuma\ a andar iraflo,_ e intita
periai. or das mattas, pi imores a 4,ooo, ,eye a rua da j^^ d |anta Rita $ovi ^ eaSa ^\nP. ail(.m 0 apprehender dirija
3,300. 3,?oO, 3,000, e ,SOC, 2,50o, ,mde mora 0 Sr. JoSo Caetano de Abren, que ser Cadeia do fteclfe n..11. Luiz: Antonio S
2,000 e 1,60o rs. a caixa. gratificado. que entregara a refendi graliflpacif-
1005 de jraliir-rJa
Continua fgido desde Janeiro o mtalo d
Raymundo, nalnral do Ic. i>sta*tra regatar,
de 18 annos, cabera chata, cabellos ratf
li.-Uila r,
BaaadOi
roa


/

1II FfiVFI


I
Piarlo de Permhntf ... Hexta frtra 1W de> Agotio de ItaA.
LITERATORA.
Citam-nns tambera como prora da existencia de
un duodvnamismo 110 homem as lutas e duelos de
que falla S. Paulo, que se do entre o nosso espi-
rito e a nossa carne, entre os membros e a intelli-
gencia. Mas essas" lutas e duelos, como observou
a Revista medica reputando a Lordat. s se deram
entre a razao e a rarne ? Por ventura, tambem
nao serao manifestas entieo entendimento e a
o que nao sera certamente ao mesrao tempo que a nao teres esposo; tens at hoje tido cinco, e o que
alma, nem esta ao mesrao tempo que o espirito, presentemente tens nao teu esposo: Bene dixis-
mas ser todava em tem opporluno, quando soar ti: Quia nonkabeo virum. Quinqu tiros habuisli;
a trombeta.
el mine, uem habes, non est leus tir.'
Eis aqui o famoso texto do Santo Agostnho, tal Ouvindo a Samaritana estas palavras, que Ihe
qual se acha no hiero ie onro, texto este que os traziam leqjhraoea todas as suas faltas passadas
0 vitalismo, julgadit pela uajlosopliia ehristia, ou
refutar da iloutrini medir de Montpellier,
4 -'.,1 P. J. Ventura de Raulira. Traduxido con u
Jos Soriano vontade ? E dir-se-ba por isto que o entendimento duales do nortee sul repelen sera cessar, cantara ( e presentes, fienn confundida, humilbada e abat-
e a vontade sao dous espiritos, duas almas 1 Acaso em todos os tons.e de commnm aecrdo pr/iela-! '< reconhecep,. e confesson que Jesu-Chrsto
as referidas 1 utas nh> seVio evidentes mesmo en- mam como urna autoridade peremptoria etrium- era Senhor e-propheta: Domine, rideo quia no
tni tal e gual orgo E taremos por Hfdualida- f da orthodoxia do dito.lv namismo.
des sem fin nesta creatura decada, ondoludo esta -.
em guerra, se Deus nao nao vem restnfaelecer a Basta entretanto 1er atlenlamonte o citado texto,
paz ? | explicando Santo Agostnho, por Santo Agostinho,
Finalmente, segundo o modo de fallar de todos para flrar-se convencido de que longe de favorecer
os padres da egreja. de todos os theologos, de jo- a|ucl|a heresa 0 dito texto a excine, condemnan-
dos os moralistas, de lodos os ascticos e esenpto- rm,iinnnlo
res ecclesiasticos (excepto alguns herticos) essas a-a lermaimeme..
guerras intestinas s se dao entre o homem espi- E'verdadequc o grande dootor diz, que tres
ritual e o homem animal, entre o que elles cha- coimas compoem o homem : o espirito, a alma e o
4 .lo que duendo S. Paulo : Desejo que cus' n!am a V*1' superior, e parte inferior da mesma corpo mag Uinbem ^ diz positivamente, que o! agora veremos,
v.)-. santiftque em tudo, per omita do modo que ^ 5"1*2L2L2!!2?.ffl" ^Snl espirito nao senao a parte inteUigente desta mes-1 Os cincopritnei
ser, e nao entre duas intelligencias, dous seros, I verdade aue o eswr
dous principios independentes no mosmo hornem. opiniao dp ^< AK0Stm'no e de 8.
Oppoem-se-nos esta outra passagem de 8. Agos- Cimente. mas ^ %*
1 \- u ti o ti a l0 dinercm como dooa esm
. Nao ha duvida que S. Paulo faz mencao de Undicflee as qnaes rHide^earCr T
" e nao como duas substancia., don.. ataa, dorn pria>
tima iiitrodttrrafl e notas pelo lr.
A S xa.
(coxcusau)
O'ii'mrxnk'am vfcitper animain.
(8. Thomaz.)
CAPTULO XIII.
Verdadeira sentido de rata
I assagein de S. Paulo em que os
dualistas pretenden batear a
orthodoria da heresia do duoyp-
nanismo.
nm outro espirito no homem inteiramente distincto!
de sua intelligencia, quando elle diz : Sienm ora-1 ^pio, vi''Ps7x'stnt^'o ra,
tero lingua, spiritus meus oral, mens autem mea '
infructuosa est. (I Corinth. IV, 14 ). Nos porm
por agora nao fallamos desse espirito distincto da
intelligencia (a mente distindus), por ser elle ob-
pheta es la. jecto de. urna qufstao diferente, c mui ditlicil. >
rmn .j, i.' j n u Ora, nao e evidente, continuam nossos ad-
Como todas as palavras do Evangellio, as que j VPrsarios> ^ por estas pa|aVTas S. Agostinho,
acabamos de citar: Vae chamar ten marido, e baseado naautoridade de S. Paulo admitte, que o
um ser realmente distincto da intelligen-
volta aqui, independente do sentido litteral que
acabamos de indicar, conten ellas um sentido tro-
pologico. Qnal seja este sentido, tSo importante
como profundo, o qual conheceu S. Agostinho, e
depois delle os interpretes do Evangclho, o que
a mesma alma emquanto allumiada pela ra-. '"'*'
las nao entre espiritos ou almas differentes.! ma alm
'', soni,*0aTepressaoUdos ? "fs,p senti(l0 Quc se deve entender o que diz pars qa>dam ejusdem rationahs spiritus
ireza dos costumes nao -.} au'- .. ., ui. i tur ana carent bestia' ?
tan, a .mreza dos costu-! ^lo que nos diz resneito,. temos_ a s.nipl.cidade cn u-^'am
B Jalmas .sbrntos:
rfic/-
corpo lembra o mesmp S. Paulo aos Deis, que a
f ronssao da verdadeira f -
anr.es deaejoS) e sem a pur
1 I?VS ta SS"SgFJ?S: de^rem'iar;^os'p^'d'egeja:os'h= | Pr aqui se v,,
^..epeifeita.^oi/niKclu. na reuniSo prati- s.ast.cos conhecen. mais a natureza humana, as saRem, que nVf
ntaece o mais explcitamente possivcl na citada pas- Joan,
siasticos conhecem mais a natureza humana, as sagem, que nVtiomem o espirito
pnmeiros esposos de que falla o Senhor,
diz S. Agostinho, sao os cinco sentidos) corporaes
aos quacs est unida a alma, como nina mulher
a diversos maridos : Quinqu priores riros anima',
possmnus accipere quinqu corporis senu'(lQ
Mas esses cinco maridos sao Ilegtimos e
nao urna subs- adlteros para a alma se esta os segu, e a elles
que a alma que s vive com os
espirito e
cia, a mente dtttnctus, reconhecendo assim no ho-
mem a existencia de dous principios, de dous mo-
tores?
Antes de attribuir semelhante loucura a tao
grande doulor, responde-Ibes o sabio theologo o
abbade Buix (2) por que nao vao esses senhores
ler a passagem em que Santo Agostinho tratou
dessn queslao differente f Ah viriam elles o que
o citado doulor enteiide por csse espirito distincto
da intelligencia, mencionada no texto de S. Paulo.
Eis aqui a referida passagem que os nossos an-
tagonistas deveriam ler consultado se queriam ser
liis na citacao do pensamento de Santo Agostinho,
passagem gue tiveram cuidado de nao consultar
por Ihes nao convir.
nos captulos 7, e 8, do livro XII do Genese se
elles corrompe-se e degrada-se, nao'
. qnndo a Ultra que Santo Agostinho tratan dessn
a Tilo nos segnintes
i mo Salvador appareceu a todos "os homens, en-
adnando-nos que devenios : i" renegar a impedade;
P renunciar aos desejos do sceulo ; 3' viver nes-
t; mundo sobria, justa e pamente, aguardando a
csjicranca bemaventnrada e a vnda gloriosa do
gran.ie Deus e Salvador nosso Jesus-Christo : Ap-
paruit gratia Salratmis nostn Dei mnibus homi-
nibvs, erudiens nos, nt abnegates impietatem et sa-
CUtari* desideria, sobrie et just et pie vivamus in
t i-culo, expectantes bealam spem, et adventum
f'nrir magni >ei. et Salraloris nostrt Jesu-Christi.
Tt c. 1. v. H, 12 c 13.)
V-so, pois, que sempre a mesma instruccao
acerca S necessidadede santificar-nos petesujei-
trj do nosso entendimento em obsequio a f, pela
fjureza de nossos sentimentos e pela severidade do
. roso procejimento.
portanlo eridente, que espirito, alinae corpo da
assagein ora qnestao nao sao, noconceitode S.
anl, tres substancias, tres seres distinctos, mais
de urna alma com um corno no homem, ou o ho-
KOm trplice; mas sim sao tres faculdades, tres
i ..miras differentes de obrar da mesma substan-
cia, iuror|iorada, o homem, substancialmente m
en "-;a natureza, o trplice em suas operacoes.
Tal a mancha por que os padres, os doutores
I atorantes teui sem sempre e por toda a par-
t entendido a citada passagem de S. Paulo, como
aa ?.cfa ver em Cornelio da Podra (in hunc locum).
Tos referidos padres e doutores s a dous citare-
tno?, e elles por s sos valem por todos osou-
fc-os
SanlS Agostinho disse : t Tem-se chamado es-
l iio. nao a urna alma inteira, senoa urna parte
tetta, conforme o que diz o apostlo : Para que o
osso espirito, alma e corpo se conservera nte-
gros: Quamris proprie deicatar spiritus, non ani-
e > vnircrs'i, selaliqyid ipsius*-: sicut Apostolusdi-
c' 17 integer spiritus resler el anima et cor pus
urtutmr, etc. (Edic. Migne, tit. 20, p.I, pag.534)-.
E assim v-se, que a palavra nteiro integer da
i sagem de S. Paulo, nao significa na opiniao de
Sanio Agostinho urna inlelligencia completa, dis-
' a :ta da alma, mas alguraa cousa, isto urna fa-
eaddade, urna imtencia da mesma e nica alma :
-" nfiftd ipsius anima'; de modo que o espirito
"de lio falln S. I*aulo, nao para Santo Agostinho
O unjo derahido de Vintras, nem (ao pouco o prin-
tpio vital de Lordat.
8. Thomaz anda mais 'explcita (xjmmen-
dQndo a referida passagem do a|)ostoloelle disse :
Estas palavras lem dado occasiao a aflirmarein
atgons que o espirito e a afmflsio cousas differen-
C havendo deste modo no homem duas almas,
. a quo anima, vivifica e aporfeieoa o corpo, e ou-
tro dotada de entendhnetto pelo qual comprehen-
Bcmos; isto porm um erro reprovado no livro
Cas dogmas ecclesiasticos. (1)
fkimpre portante admittir, que em nos o espi-
. rito ea alma nao sao duas cousas dislinctas por
etsencta, mu duas potencias diOerenle da meama
COUsa : Dinint atiqui quod in niis almd est spi
outra questo diffuil suscitada pelas palavras de
pura, a vida legitima do espirito. O | S.Paulo. No mencionado lugar, depois de haver
entendimento, e s este o legiti-! distinguido tres especies de maie a saber : a vi-
mo marido, o verdadeiro e casto esposo d'alma: In- sa0- cm'Pra'>a "I"** "telleclual
telleclus est tir anima'.
tinho se exprime do seguinte modo
t A palavra espirito toraa-sc em diversos senti-
dos ; Io o apostlo chama espiritual o corpo que
f APITUI/) XIV
Passaaem de Santo Aaostinho E com elTcit0' a ParU' de unia cousa '""" com
allegada pelos dualistas fm apoio a mesma cousa, e porque o espirito e a alma sao E com e""eiio repudiando os sentidos, negan-
de sua doutrina.-l)emonstra-Sf urna s c mesma cousa, que Santo Agostinho ou-; d-se suas criminosas exigencias, e seguindo as ^J"S^Sl Tar Wseu" \\\
Z^Z^dt, So serva ao mesmo tempo' ^e a ahna 1mnbm u cha- \ ins"ira<6es d0 entendimento e da recta razo, que SS^ ZL pahu!'ra servepan des!gnar a
conTorw oTogliff meattrihum. Ima espirito, resumindo-se em duas as tres partes a alma coordena licm todas as suas .icqoos, voltan-1 lmaassim dos brutos, como do homem. segundo
tfiotii/ca interpretara.) (toda pelo do homem, por quanto chama-se simplesmente ho-dose.e elevando-se para Deus: Cum enim ordinata estas palavras da Escriptura : Quis scit spiritus
mesmo doulor a tima obscura mera ao composto d'alma ecorpo. 'pueril rita, tntellectus animanregit. Dizendo pois filwnnn Imm.num, si ascenderit pse sursum el
passagem daEscriptura.-BcUo Accrescenta S. Agostinho, que o espirito se chama \a Samaritna : .Eu nao te posso dar da agua viva ^m?''/icL,' III,' Zl).ul'Z\X o nome de
rKinv'fn.
Cumpre anda notar, que a passafe do mm-
tolo. cuja explicaoao acata de nos dar Sai* Amm-
tinho, urna das mais obscuras das Fj-H hydr
citado apostlo, nao estando os interpreta de ar
cordo sobro a significacaodas pal.ivra- limjmi. r%-
pirito e intelligencia (mens) eanprevaJa-n.i
cionada passagem.
doulrina do entendimento no sen-
tros 'iextoVdo 'a**1 intelligencia (mens), e que a ella alinde S. 11ue Peaes' sena0 cuamares a teu esposo, e em sua i espirito intelligencia racional como sendo olho
Mspo de Hiponia em favor da Paulo quando diz: ET por minha intelligencia e meu 'companha aqu vieres,- o Deus Salvador quiz a~a
unicidade d'alma humana.Qual esmrilo que me acho ligado le de Deus, e pormi-
seja o verdadeiro pensamento dos nha carne Ui do peccado. Pelo que dizemos v-se
yadres citados contra essa these. 0 .. ". ,, ,
-Os dualistas modernos estdo a'da aue Pra s- Agostinho, assim coma S. Paulo,
evidentemente em falso, e na ques- o espirito e a intelligencia, o espinto e a alma do
dizer, conforme S. Agostnho:
Para que comprehendas bem a revelacao que te
fez dizer ao apostlo : Rennramini spiritn ments
vestriF. Finalmente attribue-se esle mesmo nome
a Deus conforme a seguinte palavra do Kvaugelho:
vou fazer, e recebas a graca que te vou conceder, 8^d30Ko'seBtido
pois ao sentido mais oceulto em que S.
cumpre que renuncies aos gosos carnacs, e que | paulo emiiresou aquella mesma palavra distinguin-
taoquese discute nao leem dtrtt- homem sao a mesma cousa, o mesmo ser, a mesma livran(lo.te ^ senlidos ,ua alma voI|e a unica ^ I do 0 esu\.utdu nieiUacncia Santo Agostinho con-
t a paiaaa. |alma, a mesma entidade, a mesma substancia, que ceda)je permittida. ao nico casamento legitimo, a 'inua nos segnintes termos :
Os nossos adversarios, posto que interpretando pela parte superior conhece e acceita a lei de Deus, I saDer: a sua uniao com o entendimento, c que S ',N6s n5 ePf*lmos Ilam esfnt" "
' i nenhum dos sentidos supracitados. quando nos ser-
tomes os conselbos deste; visto que so seguindo as ; vimos della para designara segonda especie de
as palavras da Biblia como verdadeiros protestan- e pela parte inferior parece repelhr a mesma le, e
les, segundo as tenebrosas luzes da razao particu- sympatlusar com o peccado.
lar, nao poderam entretanto subtrahir-se inteira- j Diz anda S. Agostinho na passagem de que tr-
mente aos seus mstinctos catholicos, recusando tamos, cque a alma recobra a sua natureza primi-
preslar iomenagem aquelle grande principio da tiva) sua perfeicao, quando se submette ao seu
verdadeira sciencia da f, a saber: Que o nico e'spirito, e o segu seguindo a Deus, ou as impul-
interprete legitimo dos sagrados textos a tradi?ao, ^ de neus; que por esta submissao d'alma ao
cujas testemunhas sao os padres, e o juiz a egreja. seu espirito, e ao seu Deus ella se purifica, e reco-
Havendo, pois, citado a Biblia, em apoio da dou- bra a firmeza de sua primitiva natureza; que esta te verdadeiro e legitimo esposo: Non habeo virum.
trina do principio vital c dapluralidade das almas, restauracao d'alma um penhor para que o ho- fteste mesmo instante em que te fallo j o tens;
logo apressaram-se em citar os padres para justifi- mempossa esperar tamben a restauracao, a inimor-; acabo de dar-te esse esposo que te na o engaa, que'
carem pela autoridade da tradicao as interpreta- lalidade de seu corpo. que o seu primeiro desti-' tP na0 urahe, o entendimento : JVfcnr, quem habrs,
5ocs impas oh ridiculas que derain mesma Bi- no; que esta restauracao do corpo nao precede a ^ tuus vir.
bla. I d'alma, nem a restaurado desta a do espirito, mas
oppor-
deS. Paulo, devenios captivar em obsequio f
Cupliritantes iiitelleclun in obscqniu.ni fidei.
De todas as passagens dos padres que elles reu- que ter lugar infallivelmente em tempo
niram para aquelle fim, s com urna nos oceupa- eMM
remos, que a de Santo Agostinho. E assim o fa-' Ora, tudo isto nada mais evidentemente, que
remos, em primeiro lugar, porque a mencionada ""i bello commentario do que S. Paulo disse em
passagem a que parece mais favorecer ao erro ,res Plavras ^erca da necessidade de nos santifi-
que combalemos, passagem esta com que os dua- carraos completamente (per omnia), quanto ao en-
listas teem feito grande barulho; e em segundo tendimenlo (espirito) pela femDeus; quanto a
lugar, porque as o.ttras chaces versan, .odas so- vontade ( alma, pelo araor de Deus e quanto ao | ^ l!ntendimeal0 suf)mss0 e do.
bre o mesmo sopliisma, e nellas fallaiara os seus corpo pela pureza e morlificacao do Hof*m-Deus; c[ d a intelligencia das cousas divinas, e que o
autores no mesmo sentido sem difl'erenca do dou- (*) a fim de sermos inteiros e perfeitos, e poder- pr0phcta pedia sem cessar a Deus para bem cotu-
tor africano Destruindo poi* o referido sophis- m"* nos apresentar sem temor de nenhuma re- prehender a lei de Deus : Da m'ihi intellertnm et
ma em urna s pasaacea, o leremos destruido as prehenso fsine querea) no tribunal de Deus.
outras ; dando a verdadeira explicaoao da passa-
gem do Santo Agostnho, teremos tambem explica-
que elle deve dominar
inspiraeoes e ordens do teu entendimento peders viso, de que agora temos de tratar. Mas tomamos
comprehender a minha doulrina, gosar da minha a. mencionada palavra espirito nicamente no sen-
, 1 tido que ella tem na Epstola aos I.01 inthios. onde o
agua viva da graca, e regular o procedimento de espirit evidentemente distinelo da intelligencia,
tua vida: Vaca virum luum ; id est prsenla in-. visto que S. Paulo diz: S/ enim oravero lingu.
tellerlum luum: ad hilie intellectum luum: virum spiritus meus arat: meus autem mea infructuosa
qui me intelligat, per quem docearis et regaris. I 's'-
E era digas que nao tens esse sexto esposo es-; 0ra> l>e,a Palav,:v ''"'""- contina S. Agosti-
nho, emende S. Paule na dita passagem os sym-
bohw obscuros c mysleriosos. Nao se tendo a in-
lelligencia desses symbolos, o seu enunciado nao
edificar, por nao seren coinprelicndldos ; e |r
isto S. Paulo accrescenta : Qui enim loquitnr lin-
gu, non homimbus liH/uilur. sed Deo, nemo ennn
audil ; spiritus autem loquitur mysleria. Pelo que
v-se bem, que pela palavra lingua entende o ci-
tado apostlo nesla passagem o enunciado de cm-
-Vi opiniao de alguns acuelle nosso |>ina> m*
ora.i/iirifiu meus orat, no senao o FNpirim I<>. In qual diz o apostillo em outra .parte, vr HaV
pedeem n* dando gemido* indiziren
oulros intcrpri'ics a significaco outra.
que nenhum anda disse foi que Hle mn prrf-
distincto da alma do boniem.
O proprio Sanio Agoslinlm l,,i nulnn-mr ewaau
esta ultima inteqireUco, lemlo dit lilti rahmiai
que na explicacaodo texto de que v iraia, elle i**
empreijou a patarra espirito em nennm M sent-
dos que se dao a esta palnrra ;
sentido mvsterioso. asctico e ei
nesse lugar Ihe d S. Paulo: M-ndo qbe
Santo Agostinho coinplelanienle de arenrrfo
lodos os inlerpreles. (A 1-apiile in epist. A Paal,
Quanto palavra mens que os msos adversa
1 ios Iraduziram por intelligencia, alinlniindo fc
a significaco de indicar imii ser inteligente, na
opiniao dos interpretes rilados por ontrtp da
I'edra {ibi'Umt. o na de Santo Ag "tinho WU i-
significa nesle lugar o enleinliinenti qin rnmpf -
lleude, mas sim a causa ciHiiprehendida. <* a amv
neira di-comprehiiide-la. Tal a s'izmhrjrmtmr
a mencionada palavra tem na* seguint- rspivs
ses da lingua latina, e al uii-^mo na CT'ira %
Aperire menlem show, jmxtm re amtrm metlem to-
qui, efe. onde a palavra mens nao signitVa 0 e-
lendiinenlo, inas a^)|>iui o sentido que O entendimento firma iV urna roas
Affirmando pois. que na passagem de qoe aran
mos, Santo Agostinho dislinguii o rsptrilo da m
U'llig'-ncia. fazendo delle> dow priiwipio -ulnta*
ciaes do homem, 1 senhores duali-ia< na s ara
taram a queslao romo um romance. ma> ale o-
traram grande ignorancia da lingna d< 1
santos e do proprio laliui do 1 Stmjuten
os obrigou a IratareindeseiiiHlianlo inaleria-
' S. Agostinho disse em outro lugar O homem
como ningnom duvida. (Mapaala ds urna alma
de um corpo Homo, quotl n'm_ nmbmp, emu0>
e.rnniiin et mrptw iSerm. V". '. ~r p. K*t: e mu-.
pouco mais adiante. diz aimta Nm ha n*rfa '
homem que pertewa sua eafeaUBVll e satnrm
alm d'alma e do cor|to : Sibil est h-nwe. m*d
ad ejns substnntiain earCanaf '<'-;' WnmWmB, pr-r
ler cinpus el ammam. Poderiamos rifa aimta
muilas outras pa>-ain- do rafcefta dwotor, aa.
qnaes elle fallou do homem nos mesmos irmos.
Por aqu se v, que no sentido phihsophico. se-
gundo Santo Agostinho, o espirito nao senao a Wema ou imagens das exMwa, emblemas que para
intelligencia, mens nao e senao a parle d'alma bu- ] S(.rem comprehendidos mstor que a intelligen-
mana que conhece e raciocina ; e no sentido mo- cia tenha delles percepcao.
ral nao senao o entendimenuesposo, guia e Emquanto os referidos symbolos nao sao com-
regulador d'alma, o qual, conforme aexhortaco prehendidos, csto segundos. Paulo no espirito, c
nao na intelligencia, oque elle explica anda com
I do Espirito Santo, e que Deus concede aos que por
nfvJ el alind anima : ponentes sic duas animas
i~ witw : MMOM scilicet qnir animal, perficit el
virificat corpas : aliam vero habentem intellectum.
to mteMmmus. Scdhav sunt reprbala in libro
f ir.lrsiastiris dogmatibus. Und, sciendum quod
i -r non diffcrnnt serundum essentiam, sed se-
xr.rlvm potentiam (In. cap. V. epist. I, adThessa-
I lie.)
Nos chamamos a attencao dos dualistas catholi-
cc? de boa f para as precedentes linhas to ad-
r.iraveis pela sua simplicidade, clareza e torca.
Kellas encontramos nao s o verdadeiro sentido
das palavras de S. Paulo, das quacs tao escandalo-
aami ate abusaram os mestres dualistas, ma* tain-
* p.i a doulrina do doudynamismo formulada nos
mesnmt termos emque professada em Montpellier,
n tigroatbada como um grave erro, ha seis s-
celes.
^Precedentemente ritamos toda a passagem
do vro do* dogmas mhsiasticos ao qual allude
aqui S. Thomaz.' Por isto agora somentc faremos
Observar que, dando como devidanicnte reprovado
Ccondemnado o qne o citado livro reprova e con-
aVmna, S. Thomaz Ihe attribue a autoridade de um
t malario def, considerado como tal na egreja,
FOLHETIM.
CAIililRHOll:
POR
MUHICIOSAMI.
ftegunda parte.
(Continuaro do n." 19o.)
do devidamente as dos outros padres.
t Tres consas, diz Agostinho, compoem o hornera:
o espirito, a alma c o corpo, as qnaes se resumem
em duas. porque muitas vezes a alma nomcada
ao mesmo tempo que o espirito, visto que a sua
parte inteUigente, de que sao privados os brutos,
mais clareza'pelas seguimos palavras : Si bene
dixent sprilu, qui supplcl locum idiotie. quo modo
dicit amen super tuam benedirtionem, quando qui-
dein nesct quid dicas ? E como os movimentos da
lingua na bocea sao os signaos das cousas, c nao
as proprias cousas, S. Paulo chama lingua meta-
pliorieamente a todo enunciado symbolieo. antes
q'ue se tenha intelligencia do que elle significa.
Finalmente o mesmo citado doutor insiste sobre sua humildade descem at a simplicidade da crian-1 Parece, |>ois, conclue Santo Agostinho, que o
o oensaraento aue o ewirito o m-ineipal e o chefe Sa : M'"**** dal parcuti*. Aquello que Deus j nome de espirito empregado em um sentido es-
0 pensamenio, que o ispit o e o pnnapai eo cnefe ^ w^ & |jU(j pro||,fltteu c^^r aos que j (({/ significar urna certa virtudeda alma.
no homem, e que elle deve dominar o liomeni, p^o pedirem com vontade e coraeo. Aquelle inferior a intelligencia, e na qual se produzem as
fem Jesu-Ckrist o chefe do espirito, e deve do- que indica o caininho que se deve seguir durante imagens das cousas corporaes : Modo quodam pro-
esla vida, e que chama sol) re nos as vistas e com- ,prio 1 oca tur spiritus vi* anima qvwilam, mente in-
['l.u ni. i.i- de l>cits ntettectu titlt ri-tOu ra iim- frtim nbi corpoi alium rrrum tiHti/pHti* wprtmiin
(mam te invi kC qua grmliers ; firmaba snperte tur. (T. 3* P- I, col. 189, edic. Migne. )
ocolos meus. Aquelle que o mesmo prophela nos j Pelo que lica dito v-se pois, o espirito que S.
recommenda que conservemos com cuidado, te- Paulo da maneira a mais erkente distingui da
mendo perde-lo, e tornar-nos semelliantos aos bru- intelligencia, c cuja distinecao real foi reronheci-
E' desle iihMo que m- exprime San!
todas M MBM Bjaa tralou das parte* !) homrm e
sencial e physicainenlo diVrniii--. >kn pimrift-
substancias constitutivas da materia humana, o
homem urna alma inlellertiva unida a on
E." o que diz, |iensae er nao li a igreja.
da luiuanidade.
minar a este.' E com effeito, nada, mais lgico,
nem mais justo, visio que, como acabamos do-obser-
var, a parte sentimental, a alma, pela qual ama-
mos; cea razao,
tos que o nao tem : Nolite per i sicut equus el ma-
esl intellertus ; finalmente
Santo Irineu. Suato Hilario, s. Caaatif)
cioe oulros escriplores ei*le>ia!lieu. rilado atar
lo o a direim pela escola dualista em apoto da sap-
|iosta orthodoxia ? sua doulrina. penaam da* aars
mo modo que Sanio Agosiiulio. IN rilado* aBeare-
f.illaram lambemdo liomein romo de nm compAsto
de urna alma racional unida a um aaeyax !*>
que a distinecao que z'-rairi entre o espiriavon >
razo e a alna na* passagens que nos ohjsrla*.
nao se referen i. como a de Sanio Agosiinl, ssain
dversidade de forras, de virtudes, de patear
de faculdades ou <> qmzermos d.- |>ar|.stb mmssa
alma inlellertiva; mas nao a phraJnlaikiW torma-
oude principios suhstanciaes dinVrenles naaeRi
homem.
Isto [ios I o. ou. a razo nao lem autoridad*
ma, e a demonslraro nao .1-iiHinslra. u eridrn-
h'. parece-nos pelo que ale aqu temo lia, qne t
doulrina catholica, a saber Que loda aliar forma
nica do seu ioi|mi. e que a alma iiitrlleeliv r
firiuripinritiU, a unir f'-rea rftnaimra. a 01 i
lruiiv Mitatancial lo cot|>o humano nma don
trinaverdade, fundada na auioridadr de Inda-
as especies de razo. na razo de todas as
cies de autoridade : e que pelo ronlrari* a duutn
na do um duplo ser inteilr.-iivo. ou da um dnodx
esclarecida pela verdade de
chamase espirito. Este em nos o principal, vem Deus, quem deve regular os affectos do homem
depois a vida pela qual amamos, e somos unidos tste mesmo pensamento desenvolveu o grande tus quibns non est intellectus ; finalmente esse | para esses dous grandes genios do mundo chris
um con, a esta se chama alma, e finalmente, o' doutor african0 em outra parte. E a fim de methor entendimento aquelle ao 1 ^ i., i, r o i i -T. _T. a nuncia. senao porque nao quer ser encommodado taculdade da alma, forca, virtude e faculdade m- c,.s ,|(. soptiisma. e o sopliisma ik
corpo, nossa parte nsirel. oceupa o terceiro lu- fazer comprehender a S. Agostinho pelo mesmo S. pela sua luz, que Ihe ensina a dever, nem pertiir- fcrior a intelligencia- Est vis anima- '/'"*"' cies de falsa auloridad.
gar. \ Agostinho, seja-nos permittido tambem citar um bado petas suas reprehenses que araarguram as! mente inferior.
O espirito chama-se tambem intelligencia {mens) outro texto do mesmo padre, com o qual elle expl- devassides de sua vida : Kohwunt intelligere nt' Ha opiniao de Santo Agostinho e de S. Paulo o
a nual allude o apostlo quando disse : E' pelo con urna das mais obscuras passagens do Evan- '"*'' 9trent. I espirito nao senao a alma, nao tendo a Ungua
a quai auuue u posiuiu i-" i~ ," id Eis aqu os pensamentos sublimes e preciosas i dos mqsterws ou o conhecunento dos emhlemas.
meu espirito que cstou ligado lei de Deus, estn- gclho. | jnstrucces, que^anto Agostinho, interpretando S. dos signaes que dao a intelligencia dos mismos
da e adinittida por Santo Agostinho, nada maise namisrao no homem. urna doulrtoSs -erro.
doutrina-heresia, una d<4itrina->-stravsganria
temi por si seno a autoridade dj ibda- <
twlas aa
do pela minha carne preso lei do peccado. AJ Quando o Salvador divino disse a Samaritana : Paulo, reunid na passagem que se acaba de ver,
alma tem a sua perfeicao, ou recobra a sua natu- Vae chamar teu esposo, e volla aqui: Vade, voca passagem que se tem amcsquinliad, oalterado e
... r '. ____;.. ...,., i m Lr itr,~,n iv-i im7 nrvar-lhe depreciado fazendo-a servir de apoio a estpidos
reza primitiva quando e subm.ssa ao seu espirito, e virumtnum, et vem huc (Joao \.. quiz prevar ihe e h ^^ erros ^ amSSl-lj o verda-
o segu seguindo a Deus. Todava a alma nao so primeramente que elle era Deus, a cujos olhos deir ^mido simples, luitural. lgico e conforme
submette primeiro ao espirito para bem obrar, do nada oceulto, por quanto respondendo a mulher : iradieco da egreja e s crencas universaes. dos
que este a Deus pela verdadeira f, por urna boa e .Eu nao tenho esposo: Non habeo rimm o Senhor textos de S. Paulo e de Santo" Agostinho que nos
efficaz vontade. Mas como ella depois purificada, lhercplicou: Mulher nao s sincera affirmando objectam.
_.w,i...n.i/i firmo Ho en> nrimpira nitiirera' -------------------------------------------- A distinecao que como um fim eminentemenle
recobrando a firmeza de i prime.ra nati^reza & ^^ ^ ^ ^^ par|e ^^ ^^ mo^ v ^ ^^ ^ ^^ q
pelo dominio do espirito, que cu >..., ^ deolb
sus Christo o deste, nao convm desesperar de lclt
que o corpo seja restituido ao seu primeiro destino- veslro.
nem Jesu in corpore vestro circumferen- espirito e a alma, uina distinecao mothaphisica
Glorifcate, et prtate Deum in corpore entre duas potencias, duas faculdades. duas partos
da mesma natureza, da mesma alma e do mesmo
Mar
nado lela cobra. Eis que de repente vejo o seu 22 de setembro. \ desti neta mente, e por duas vezesMctrcos '.
neito de pedra suspender-se como o de urna pessa A' noute passada acordei sobresaltado parecen- eos '. .
que toma repiracao, e ouco em seguida um gran- do-me ouvir alguem andar no meu quarto : appli-; Hisquei una duaia de phosphoros para accender
de usoiro sim senhor, rn suspiro como de al- quei os ouvidos, como que ouvi com effeito respi- a vela ; dei una busca minuciosa ao quarto, c de-
suera que recebe urna noticia m, e que suspira rar-se. pois na bibliotheca : Ninguem A estatua adia-
do nezar I O aue Ihe digo, Sr. Marcos, a pura O coraeo batia-me com violencia, cobria-me o | va-se lu.movH no seu lugar, e a porta que da para
verdade : nao foi sonmvporque eu eslava acorda- corpo um suor fri, e Uve mdo...nao sei de que o sali fechada por dentro.
do, e era dia claro. Entretanto nao havia ali pessoa alguma : oi tal-
I-embrei-me dos suspiros que eu tambem ouvi-. vez nm Pe^delo.
ra. Ou fosse sonho. ou realidade, vcio-me ao pen-! Abr a janella : faz.a fro. A massa MCtmdas
samento atemorisar Dolin, c Ihe declarei que a es- frondosas arvores do parquo se desenhava n um
ta ua tinha a faculdade de ver o de ouvir. cu brilhante de estrellas. S.rius scintilbya co-
isto accrescentei com mo '"" diamante : os mochos deixavam ouvir seus
eatrli! m.s raa vez que voce nielancho^osi pios e ^^^SUST^ i ^oas^e^aJltoR^toSai,
l que saiba tudo...Ella urna fa- menor sopro do ar no cimo do torreao. | ^ golas nacarada\. que sciutillavam como
lor muito feliz em nao telo petri-' Essa neute calma, esse silencio da natureza, sobre seu aiv0 co||0
Seria alguma brincadeira. ou nova allucinaco
dos meus ouvidos ? Nao hora deixar-me aboW
por taesphenomenos nervosos; vcsti-nie, e abri as
jnellas da bibliotheca.
Veiu o dia : a estalua era verdaderamente en-
cantadora aos primeiros raios do sol ; brilhava
como nunca a tinha visto brilhar assim ; pareca,
coberta
perolas
signaes que
mvslerios, e que por consequoncia |Hde ella con-
versar vagamente com Deus, mas nao com fructo
para si e para os outros. E a intelligencia nao
seno a mesma alma possuindo o sentido dosmys-
lerios, e podendo pelo enunciado test sentido edi-
ficar a si e aos outros.
(2) Vede a curta, mas substancial c solida repu-
taco dos delirios de Miguel Vintras eseripla pelo
abbade Buix. Nao lendo mo a grande obra de
LabDe, do referido trabalho de Buix tiremos as ci-
tacSes dos concilios que precedentemente licain
relatadas.
K urna feliridade para os senbure> duasi la
tai viverem emuin seclo em qm- aignoranria. >>
orgulho e oopirito iWrro lem brem-a para ib|hi
nenenle hlasphemar e delirar. Em 'Uro b-mp
sua arrogancia leria siirrnmbiil ao ruliriili.
se vivessem, por exemplo. no s^rulo rm ff
se nao |>erdoav.i ao agrinil' traa mr
mavaem orador, ex mato ie oratm f-irt**. nin
guem hesilaria em chasque ir inesni" de :>m iodo
brutal, de nossos [wbre hacnase df i aro. mi
de nossos doulor em irH'divnia Iran-formadu r
theologos e philosophos. e nem v Un il-ixjria V
laucar ao rosto e-duro dilado Sapa'
des' palavra em materia de si pal"
tra crepidam.
- Pude ser, Sr. Marcos, pode ser, proseguiu
4. lin. O caso que" depois ijue a estatua est no
castalio passam-se cousas que nunca vi! J agora
fligo-lhe tudo. Outro dia fui a Issoudun, como
de costme, levar alguns recados, e comprar as
djrovteSas da semana. A' proposito, laz-se agora
m gasto Beata casa ...Verdade que cresceram
* b cinco (essas : a Sra. d'Astafort, madamoi-
alle sua lidia, a sua criada, Vine, c o Orabe,
.;;.... mular todos esses senhores que vao c vem, e
jus nao se contentan) s com um copo d'agua pu-
i Kncontrei-me ali com o Sr. Pillepuce, aquello,
a quem a estatua lancou um sortilegio que Ihe pa-
- Paralvsou ?
- Sim, senhor; porque depois desse dia mal
f ie servir-se della. Pois bem! Apenas o ho-
an?m avislou-me de longe, chamou-me, pediu no-
ftlas de todos d'aqui, c poz-se a fallar. Oh que
ti'.imcm [i'ra fallar! Falla, falla que a gente nao
COmprehende o que elle diz I Finalmente, mudan-
flo de assumplo, pergunlou-me se cu podia conse-
grtir-lhc um iiedaeo da estatua, nm dedo, por
ejemplo : c oltereceu-me dez francos por um de-
do Recose! dizendo que nao sabia como conse-
guir isto.
* Es muito asno, tornou elle : com o cabo do
epanador, na occasiao de sacudir a poeira, pode-.
so quebrar a ponta do nariz ou um dedo, como ser q_-
quem nao qur a cousa, e ganhar deste modo j' ciocinio e da memoria Quando f<
n"io digo dez, porm vinte francos : ainda mais nheeer as mesmas /acuidades nos
qnafenta francos costara urna tal inadvertencia.
c Ti ve vontade de responder logo.-Pode ser,
Sr. Pillepuce-mas nao ousava, e fiquei duvidoso :
Quera occullar-lhe
lom solemne e theatra
descobriu, bom
da I E conte-se por _
ficado no mesmo lugar. Aconselho-o que nao pro- que dormita, convidaram-me a scismar; e o cur- ( Cora effeito a estatua estava coberta de urna hu-
cure tocar nessa estalua, nem consinta inesmo que so dos meus |>ensamentos se inclinou naturalmen- mdadc> que pareca provr do calor que ali faza ;!
alguem so aproxime della. Se accontecer-lhe al- le para Margarida. dir-se-ia que fra molhada .. Approximei-mc .
gum desastre, fique certo de que ser isso a mor- chava-me encostado a janella, os olhos vaga- para enchuga-la, e senti o marmore lepido nos lu-1
to e a ruina de todos desta casa, principiando por vam na escuridao da noute som fixar objeclo al- gares emque loca va cora a mo. Hei de prevenir
voc. I gum- a Dolin, para que nao faca tanto fogo neste apo-,
Oh t Agora sim, Vmc, falla com acert. J Sbito pareceu-me sentir alguem por detraz de senlo, pois o calor mu ale para a caneca.
eu tinha desconfiado que era urna fada | mm ; tinha os ervos irritados nesse momento, o Foi esta provavelmente a causa dos meus so-
Dei-lhe os cincoenia francos promeltidos pelo que me tornava medroso; nao ousei faser o menor iihos.
Sr. Pillepuce, o qne me produziu mil agradeci- movimento I Mas, ouvindo o rocar de um vestido
.V mli'r -i
lExpUctt fMtrmli
mentos da sua liarte. Esse bregeiro muito am- no chao, voltei-me precipitadamente. Ninguem Recebi hoje urna carta do Sr. Lormond, que me
bicioso; prometli-lhe maiores gratificacoes, se el- Talvez algumas folhas seccas que o vento agitara recommenda anda lodo o segredo sobre a desco-
le tomasse sentido na estatua. I por baixo da minha janella. berta do testamento, assegurando-me ao mesmo
Oh Nada receie Vmc.: quem se atrever a Procurei dormir ; porm tudo o que me iin- lempo que esse documento valido e incontes-
tocar-lhe I Goslo muito de dmheiro, mas deem-me pressonra durante o dia, reproduziu-se em so- tavel.
cem francos qne nem assim porei a mao ainda nhos afanosos. Ora, via mademoiselle Fanny, ves- Tomei, porm, sobre mira a responsabilidade de
mesmo no seu pedestal. S tendo milito imperio tida moda antiga, tomar a attitude da estatua. O confiar o segredo Margarida. Nao podia ver
sobre ella poderia Vmc. t-la lirado da sua cva Sr. Pillepuce quebrava-lhe os dedos um por um, e a sua inquietaeo, estando em minhas raaos tran-
sem morree Fraudy, que a carregou na padila, ella mostrava suas maos mutiladas a Mauvezin, qulisa-la.
ficou no dia seguinte muito doente; e o seu Orabe que rja.se COmo um louco. D'ahi a pouco, nao Minha prima ficou muito alegre com essa noti-
ficara tambem estropiado, se nao fosse da raca do era mais Fanny, porm a mesma estatua, cujo ca ; e aconselhou-me que por ora nada dissesse
demonio. vulto so anima va, e que dotada fie movimento vi- seu pae, que poderia irnlar-sc contra mira, e
Fsse Sr Pillenuee decididamente um mono-' nha pedir-me vinganca. Ora, va o cao de pae apressar a execucao dos seus eompromissos para
maniaco bem perigoso : mas o imbcil Dolin, com Carnal es/orcando-se porarrestar ma cousa pe- com o Sr. de Mauvezin.
ihes o nome de instincto.
Conccdc-se urna alma
fado a reeo
nimaesda-
ao habitante do Valais,
dacos no assoalho, e o seu tronco assim mutilado
descia do pedestal de veludo, e se cncaminhava ao
meu leto.
Nesse interim acordei, mas a visao contnuou I
Tinha deixado aborta a porta do meu qnarto, e
que vive como um bruto, sem lembranea de cou-
e recusa-se nma ouvi alguem andar na biDtiotneca. no.
alguma das mocas, Fauny por
hrn'rnmo nm ^elamna^o *e exlin-
deeiido a ganhar o seu dinheiro. Ande mais de poder de errar sobre a trra na qualidade de es; sou-me pelo cerebro como u go, e
cito dias ao redor da eslatua sera ter mesmo ani- pintos. Elle dir fallando de um; espectro :: fc go-se ioo.
rio de olhar para ella : cmflm no dia em que Vmc. urna alma que est penando ; c fallando de um '^nMTe L^n^raam mico ramrer o ssoa- i
li almocar com o Sr. Boc, estando o sa& e a bi- animal fantstico dir: E' a alma ie ^VlmSioK NaMivta maTSvl^S- Fanny pelo contrario terna urnas vezes, outras
ootl.ee? desertes, revest.-me de coragem, o mar- morlo, lm .que na vida Ihe negu esaa alma | ^to b^iolheca. Nao mm ma s duv.da a. > P lltimamente tem-se mos
ebei para a estatua: mas dei com os seus olhos, e Em tudo isto se v urna sublileza de methaphv guem wta\a ati.
esbarrei no mesmo lugar como o passarinho fasci- sica bem singular'. pronunriou
Submetto-me a tudo : a esperanca atenta Nao
desfrocto completa serenidade ; mas, comparando
a minha situadlo actual do.tem"em que aqui
cheguei, nao "me nosso lastimar : depois ha occa-
sies em que propendo para o fatalismo, e quas
acredito que sou predestinado para grandes ale-
gras, assira como para grandes infortunios !
Querida Margarida I Quanto differente daquel-
les que a coreara Ttulos, riquezas, prazeres, na-
atlencao ao da sao para ella : s pensa em mlm, s vive para
U. mao una voz suave e Humus ion-uto .v.!.............. ....
meu nome muito baixo, mas mui trado muito agasiada comigo : nem quero saber
do motivo. Agora ja nao a receto mas qual
ser o seu fim T Veremos.
2:t desetembro.
O Dr. Thibaut. o Sr. Viseara e Boc jantaram
comnosco. A Sra. d'Astafort convidou-os para ju-
gar ; porm Margarida propoz que deixassem as
cartas, e cuidassemos em variar um pouco os nos-
sos diverlimentos. Gosta ella muilo de representar
proverbios e vaudevilles apteaaamo US* t.Mlos em
lazi-v i lie a vontade.
Dividimo-noa cm dous grupos ; a bibliotheca loi
designada para caraarinv dos actores a toda a
roupa que havia era casa postn -na disposico.
.Nem mesmo foi respeitado o guarda vestido da
Sra. d'Astafort : oDr. Thibaut, tendo de desempe-
nharo papel de urna sultana gorda, enliou-so n'um
penteador de ramagens da vellia matrona. Ven-
do-o apparecer esla (juiz arrancar-lhe os seus des-
pojos, c t-lo-hia feito, se nao receiasse rasgar o
penleader ; mas nao deixou a improvisada sultana
proferir urna s palavra. O doutor para vingar-
se, restitue-lhe os adornos, c Ihe cede o seu papel,
que a matrona rcpresenlou do modo o mais ridi-
culo.
Afora disto nada mais hure de burlesco na
nossa representaco. Fanny, querendo imitar urna
deusa do Olympo, inventou urna vestimenta anti-
ga, que nao ponencia poca era paiz algum,
mas que pelo seu gosto e originalidad dava-lhe
urna lielleza severa e locante. Envolvida assim em
longas roupagens brancas, fez-me lembrar do meu
ultimo sonho, em que ella se confunda com a es-
tatua.
Margarida, em outro genero, nao obteve menor
successo que a sua amiga ; representara urna
pastora das charnetas. Com admiravel semelhan-
ea c raro talento imitou a hnguagcm, as manciras
at mesmo o modo de cantar das nossas pasto-
ras : o que x-aleu-lhe o seguinte gracejo da parle
de Fanny-Juno :
Representas ao vivo o papel de guardadora
de ovelhas: bem se v que de raca.
Dolin que se entrometi em tudo, e que ficra
parado porta com a bandeja do cha na mo, ap-
proximou-sc de sua joven ama, e disse-lhc fami-
liarmente na forma do seu costume :
Seria capaz de jurar que Vine, era a peque-
a de Marlot I tal e qual at na maneira de fal-
lar.
Obrigada, Dolin: a rapariga mais boni-
ta do paiz, e eu desejaria bem parecer-rae com
ella.
Oh I Nanniche melhor; sempre mais
gorda.
A nossa representaco durou al niela noute;
depois desta hora improvisamos um pequeo lan-
che no salo, a que ja nao assistirera meu to c o
doutor Thibaut.
Margarida, a quem refer a situaco precaria de
Boc descobriu o meio engenhoso de prestar-lhe um
auxilio, sem que o orgulho (Jo poeta se revoltasse.
Durante o lanche fallamos de masas
de moedas antigs.
A proposito, disse minha prima liraado msm, U4
sa da algibeira do sou roupao. es* o qne foi artu
do hoje era, urna |arde vellia. Sao us nannMa
Lu izes do secuto passado. que meu pae tmtmm pa-
ra a minha colleceo de aiiliguitlades : e rv*mqik-
no me inUTossa.
Oh tem muito valor exrlamon a MSsr<
d'Astafort. PnoY-se trocar per oam wom*, e da
com que coui|irar IhmiIo:. vesiidu* e naa aataa bra-
celete.
Pois eu nao tenho o que fazer dntas asorda-
e por isio que desoja va formar com estas sama r-
peete dr lotera... ou enlao...
iogiiemos. replicn a .-enturad odafori.
Ora, ja se. tem jogado muilo, acwbu Faaar;
quem confiamos o segredo. Proponho antes qsr -.
eslalK.deca um premio...
Justamente. at.iUiou Margarida: masnawan
premio de virtude. pois m*m hutos |"leriam cw
correr a elle. Seja um premio de puesta a
ra dos jogos florees, e o verso deve ser
visado. Eu presidirei ao acto, e aqni esla aa Wr
res.
E dizendo isto dospejou n'um pralo os tatas* se-
ibos que illa desenterr nao sei en qsss caatsdi
cofre de seu pae, suhstnindo-o peto paadtaatoda-
suas econoraias.
A lula foi aceita.. A senhora d .\staairt. naesti
vieco de que sua Fanny sahna iriumphaalr
se pleito, approvou com enlhnstasas a alaa V
Margarida: porm Fanny favoreca
da sua companheira. i Jtmerou r"* '
recitar urna poesa muilo^ bem frita para asa im-
proviso: chegando ao meio paron. dando esa
desculpa que Ihe falta vam as ideas, eejae se astas
va fatigada.
Ral de Vineenx jurn que nanea na sa seda
lizera mais do que dou> versos: e acston
fra-Ihe preciso encaixar a palavra
reinar com opinin.
En to I loe arnuiessou-sc c\,ijunn>S> a mu
como quem est seguro de si, e ohiiqussa mu rm>
urna correra no fim da qnal o sen PrgaawcaimsaV
3Mire ps. A sna qnda postira s*sa per ta
eixou de ser coberta de apptaosos, e a ajassnias-
derna Clemencia Isaura o prorhassn #smadar
Em seguida desprendeu da cabera, a coread ta*-
ras, que lecra para arepiuiasacanyena^isirnm
ella a fronte do jioeu, apruimaSBi'
tempo o prelo cem as ei%taadeLasi X>.
Boc nao podia recasar: sreeituo, e aeaa fjnr
muilo rommovido leve a eiielfcatai leaabraacs dV
nao tesiemunhar a sna gratidao sena* esas si-
lencio.
Continuamos a rir e a conversar ate dtaas here-
da madrugada.
(Comtmmtw-r-**./
PKRNAMWQO.- TTP. fF. M F F fUD
III FfiVFI 1

f


i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E8LE99NFW_AUCADJ INGEST_TIME 2013-08-28T02:22:48Z PACKAGE AA00011611_10176
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES