Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10175


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ra"

e
AMO XXXIX HUMERO 195.
Por tres niizes itdianMos 5S000
Pr tres mezes vencidos 6$0
QfflTA FEfflA 27 DE AGOSTO DE 1S63.

Por anuo adantado .- 19)000
Porte fraileo- para o subscriptor.

DIARIO DE PERNAMBUCO.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima'
Natal, o Si-. Antonio Marques da Silva; Ararat). O
Sr. A. de hemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Mfiranhan, o Sr. Joaqnitn Marques Ro-
drigues j Para, os Srs. Manoel Pinlieiro & C: A-
mazonas, o Sr. Jeronyino da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SIL
Alagas. o Sr. Claudino Faleao Dias; Bahia. o
Sr. Jos Martina Al ves; Rio de Janeiro. O Srs. Pe-
reira Martina _______
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Kscada todos os dias.
Iguar.-issn', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-leiras.
Santo Anio. Grvala, Reznos. Bonito, Caniaru",
Allinho e Garanhuns as toreas feiras.
Pao d'Alho. Nazareth. Limociro". Brejo. Pcsqurira.
lngazeira. Flores. Villa Bella. laearatu, Cabrob,
Bo;t Vista, Ouricury e Exu as linarias feiras.
Serinhcm. Rio Pormoso, Tamandar. Una, Barrei-
ros. Agua Pela o Pineuteiras DAS quintas feiras.
Illia de Fernando ludas as vetea que para ali sabir
navio.
Todos os estafetas partero ao '/? dia.__________
EPHEMERIDES DO MEZ DE JULHO.
6 Quarto ming. as 6 li., 40 m. e 11 s. da ni.
i i La nova as 10 h.. 37 m. e 44 s. da m.
22 Quarto rresr. as 2 h., 54 m. e 32 s. da m.
28 La chcia as 5 li., W m. c 56 8. da t.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 2 horas a 6- minutos da tarde.
Segunda as 2 horas e .'10 minutos da manha.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagas a S e 25; para o norte at
a Granja .7 e'22 de eada mez; para Fernando nos
dias 14 dos mezes de jan. man*., maio, jul, sel. euov.
PARTIDA DOS MNIBCS.
Para o Rerife : do Api pucos s G '/a 7, 7 '/* 8 c
8 'A da m.^c Olinda s 8 da m. e (i da tarde; de
Jaboato aso Vi da m.; do Caxang e Varzea s 7
da m.: de Beaillca s 8 da m.
DoRccife : para o Apipuro? s 3 'A, 4. \.'/h 4 '/z,
5, f'/i. > Vi e 6 da larde; para Olinda s 7da
manbaa e 4 >/z da larde; para Jaboato s 4 da lar-
de para Cachang e Varzea s 4 '/i da tarde; para
Bemlira s 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TI'.IBl'NAES DA CAPITAL.
Tribunal doeommereio: segundas c quintas.
Relacao : ten-as e sabbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Juizo do eommercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos : breas c BOOM s 10 horas.
Primeira vara do civcl ; tercas e sextas ao Meto
dia.
Segunda varado Civel; quartas o. sabbados a 1 hora
da tarde.
DIAS DA SEMANA.
24. Segunda. S. liarlliolnm. .p >. hmtolai
2o. Tena. S. I.u./. rei de Franca; S. Patricia \.
2G. Quarla. S. Xr ferino p. ni.: S. Ij usuaria ai.
27. Quinta. 8. Jos de Catoxaoi a*> i-srolaai--
28. Sexta. S. Afsetaba b. e Dr. da emjBJJB.
2!t. Sahhadtt. S. 'dolpho h. S. S ibina v. .
30. Domingo. S. Rosa d Lima v. auerraaa.
ASSK.NASI-.
no Re ib-. cin a livraria d.. m i m Indi eram w
lis. 6 eS, dos proprictarios M.nod Figurina *
Faria & Filho.
PARTE OFFICIAL.
TII\BM i;HIO lA FAZI.MKV.
Relatorio do ministerio da fazrnda, que de>ia ser
apresentado assrnililra neral legislativa pelo
respectiva mjiiislro o L'\m. Sr. marquez de
branles.
(ConttHitaco.)
. BENS DA NACAO.
Proprios naeionaes.Os quadros ns. 103 e 104
uwstram os proprios naeionaes existentes, sua si-
tuarn, applieaco ou destino, e a renda que produ-
zirain no exercieio ultimo.
Por despacho de 26 de fevereiro do anuo passa-
do julgou O meu digno antecessor perloucenle ao
dominio naeional o predio quo outr'ora servio de
reeolhimento, contiguo igreja de Nossa Senhora
do Parto, sito na ra dos Ourives, mandando por
aviso de 27 do mesmo mez proceder respectiva
incorporarn, c tirando portento sem elTeito o con-
trato de arrendamento do mesmo predio, celebrado
entre a mitra e o ministerio da agrienltur.-i. eom-
mercio e obras publicas, ein data de 15 de abril de
1861.
A mitra, que desde miiilos anuos desfruetava o
pavimento terreo desse edificio, reclamou contra
essa deliberaeo. Subinetlida a questao no conse-
1ho de estado pela seero dos negocios do imperio,
foi esta de parecer que o Ihesouro leve funda-
mento para as ordens ex'tcdidas sobre a incorpora-
cao do referido predio aos proprios naeionaes:
sendo por imperial resolueo de 17 de setemhro de
1862, mandados remoller s respectivos papis ao
ministerio da fazenda. Em eonsequencia esped-
ram-se ordens tecehedoria para cobrar os com-
peteetes alugueis dos subloratarios das lojn alga-
mas das quaes estn por ora dosoocupadas.
Tendo-se resolvido, em virtude da autorisac >
conferida pato lei n. 1,114 de 27 le setembro'de
1860 art. 11 Jj 6, a vendados predios ns. |0J o 104
la ra das Violas desta corte, que fosen parte do
patrimonio do collcgio de Pedro II. e perlencentes
ao dominio da nacao, obtiveram em pra;a un pro-
co to diminuto, 8:50\5000, que teve o Ihesouro
por mais acertada e conveniente a conservaco
delles.
O morro de Santo Antonio, desocoupado desde
muito, tem soffrido differentes invasoes. O go-
vemo trata, em quanlo se Ihe nao pode dar o des-
lino, que motivou a sua acquisican, de arrenda-lo
integralmente, ou dividi-io para toso em lotes -, o
que trar talvcz a vantagem de creseida concur-
rencia.
O forte do Gragoal em S. Domingos de Nicthe-
roy, que eslava em arreiidainento. foi posto dis-
Iiosieao do ministerio da guerra, alim de. ser con-
venientemente armado, segundn aviso do dito mi-
nisterio de 17 de Janeiro ultimo.
Di'lieii'te anda rfe Inlbt'-nrartVs rta'ihcsouraria de
fazenda da previaeta le Min-^ a venda la* laart-
eas de. chuinlMi, e de ferro do Pilar, ha muito ex-
11 netas.
A assembla provincial do Rio Grande do Sul.
tendo creado urna freguezia no passo do Rosario,
l>or lei de 4 de dezembro de 1860, iran-feiio a sua
sede para o paco de Saican, cujo rineao fot parle
dos proprios naeionaes. A tbesouiara do fazenda.
i-sim como a cmara muniripal de Algrete re-
Desapropriar a lllma. eainara uiuuieipal o domi- aterrar o mar, oude aroraineiitu de terrenos acres
nio directo dos terrenos da laga de Rodrigo de cidos tem sido fete pela referida cmara.
Freitas, indemnisando-a da importancia dos foros
vencidos desde a poca em que o estado entrou na
posse do dominio mil desses terrenos;
Na hypolhese de nao ser possivel realisar por
meio de um accordo amigavel a acquisicao tk> refe-
rido dominio directo, intenlar-se o processo de dcs-
apropriagao por utilidade publica, observando-se
para esse flm. na parte appliravtl. a lei n. 353 de
12dejulhode 1845;
Adquiridos os terrenos, quer por compra amiga-
vel, quer |>or desapropriacao judicial, alienar delles
os que nao fossem necessarios ao jardiiu botnico,
afTrontande-se primeiramente os actuaes arrenda-
tarios pelo preco da aratlaeSo feita administrativa-
mente, e vender em hasta publica |ielo maior lanco
sobre essa avaliaco tanto os que ficarem |)or arren-
dar, romo aquellos que alguns dos respecl^vos ar-
rendatarios por ventura recusarem comprar, salvo
sempre o direito indemnisacao das bemfei-
torias;
Pagar em apolices da divida publica injerna. as
quaes farao parle do patrimonio da lllma. cmara
municipal, conforme o determinado no art. 49 da
lei n. 628 de 17 de setembrn de 1851, valor da
compra amigavel ou da desapropriacao do dominio
directo da referida cmara, sendo dduzido do pro-
ducto das alienaioes que. se fizerom, nao s esse
pagamento, como o da im|K>rlancia dos foros ven-
ddos e o de quaesquer indemnisaedes, a que tive-
rem direilo os actuaes arrendatarios jiclas bemfei-
lorias dos respectivos prazos, que forem vendidos a
oulros, ou annexades ao jardim botnico ;
Finalmente, empregar o rcmanecentc do produc-
to das alienaces em apolices da divida publica e
os juros deslas ns melhoramenlos do jardim bot-
nico, ereacao c manutencao de urna escola normal
de agricultura, conforme" foi determinado na lei n.
7I de 28 de setemhro de 18X1, arl. 11 2" parte
final.
Por aviso de 16 de jnlho de 1862 foi incumbido
o Dr. procurador fiscal interino do Ihesouro de en-
tender-se com pessoa autorisada pela illnstrissima
ranura muniripal a respeito da compra amigavel,
e, nao sendo esta possivel, |de mandar intentar o
processo de desapropriacao, na forma j mencio-
nada.
Em data de 23 do mesmo mez de julbo a cmara
municipal communicou a este ministerio que no-
mera, para ajustar com aquello funecionario as
bases da compra amigavel, o vereador Dr. Clau-
dino JosViegas, que nao teve lempo de desempe-
nhar a sua eommissao, por lor logo de ceder o lu-
gar ao vereador elTeetivo.
Deixando o Dr. Vicgas o exercicio de vereador,
foi commissionado pela illustrissima cmara, para
o mesmo fim que aqnelle, o vereador Dr. Robeilo
Jorge Haddock Lobo, que, tendo conferenciado
com o representante da fazenda publica, commu-
nicou cmara em seteno de U de fevereiro desle
anuo que conseguir como indenmisac.ii ao va-
lor do (liiniinin (lirertrt dos referidos ierreno- a
(nantia de S0:0004000 em apolices da divida pu-
blica.
A discussao sobre esle parecer fu-ou adiada
nessa sesso e at hojuainda nao teve lugar.
Conhece-se j quaes os terrenos que contra) an-
neur ao jardim botnico e. por eonseguinlc, quaes
os que podam ser alienados. Da alienaco dos
terrenos da Lagoa deve resultar para essa parte
i da cidade o maior di
Vinculo de Jagura.O governo, por decreto de
4 de junho'de 1787, aceilou os bens offerecidos
por Antonio de Abreu Guimaraes e approvon a
ereacao e fundacao do vinculo de Jagura na, ou-
tr'ora, comarca de Sabara.
O al vara de 23 de novembro do mesmo anno,
alterado depois em parle_pelo de 5 de fevereiro de
1810, deu regiment e forma de adminislracao ao
mesmo vinculo.
Veio depois a le de 6 de oulubro de 1835 que
extingui os vnculos.
O presidente da provincia de Minas Geraos, no
seu relatorio de abertura da respectiva, assembla
provincial no anno de 1837, assim se exprimi a
respeilo do vinculo de Jagura :
Releva que cu chame a vossa atlenco, e im-
pugne a efflcacia de vossas medidas sobre os es-
tahelecimentos pios, (pie teve em vista fundar
na comarca do Rio das Velbas o instituidor do
vinculo de Jagura.
Com parte dos rendimenlos deete vinculo de-
terminou elle crear e dotou |terpetuamentc um
' seminario para inslmcco de meninos pobres ;
oulrowtara educacao de donzcllns necessitadas, e
< um rmspial para a cura do mal de S. Lzaro;
dispondo, alm disto, de um subsidio para cura-
ti so das enfermidades que nao fossem conta-
giosas..
Gusta a crer que de todos estes monumentos,
que deviam erigir-se piedade, philantropia, e
que tao proficuos e vantajosos deviam ser pro
< vincia, exisla apenas, com o titulo de hospital,
urna casa na villa de Sabara destinada para a
cura das enfermidades nao contagiosas, e este
mesmo nao recebe regularmente a quantia an-
imal de 80fJ000, que Ihe foi consignada como
subsidio, por que aunos ha em que a receita lo
vinculo nao cobre as suas despezas.
l'm objecto de lana importancia nao podia
deixar de merecer a seria attencao do cxtinc.lo
conselho geral desla provincia, que delle se oc-
durante as sas sessocs : mas, nao tendo
e o maior desenvnlvimento. que este pro-
preantoran conlra essa Iranaferneto; m s. como longado litigio nao tem perniltido, e para a fazen-
a |>resideiieia alfeeUisse e.-ta oceurrencia ao gover-: da publica una renda consideravel.
DO, nspiii leii-e-llie. por avisi.de I! de marco ul-i Terrenos arliliciaes e acrescidos. -Em cuinpri-
limo, que su^peinles.-e os cOVilOS desse acto presi-: meato da ordem expedida em 30 de Janeiro do anno
dencial, al que pela assembla geral legislativa passado directora geral do contencioso e das
seja coni-eilida 8 necessaria Perinissao. a exeinplo
reguezia de
faz objecto
rendas publicas, o engonheiro Charles Neale, di
accordo com o da illustrusiraa cmara municipal
da corte Dr. Pedro Moreira da Costa Lima, lizeram
na planta do novo caes da Gloria e Lapa, por
aquello levantada, a ilescrimiiiaco do terreno per-
(encent aos particulares do que acreseen ao este-
do pelas obras do contrato de 23 de dezembro de
1867, a que se refere o decreto n. 2062 da mesma
data.
Pan substituir o eiigenheiro Charles Neale que
pedio escusa desta coimnisso, allegando achar-se
oceupado com outros encargos do gverno, c nao
possuir d dados necessarios para conhecer |)or cx-
perieneia o valor daquelles lerrenos, foi nomeado o
Di. Jos Carlos itoGarramo.
Procedendo medicio, ilemarcai-ao e avaliaco
diias
creveram
, n modo seguinte :
ias ciriiiuislaniias. da caralbada do exercilo, pela a primeira portte conlem de lenle para a ra
;n.jxiiiiii!ade.emqueaiii.>mapropriedade se acha. ,|o novo caes da Gloria 557 e meio palmos, e de
fundo 10 bracas ( termo medio. ) limitando pelo
do que se pl em pratic i a respeito da
S. Joao, na provincia do Paohy, e que
do I 21 do arl. II da mesma lei.
Dando vw ronhrriuiento do laclo, deixo vossa
apreciarn e sabedoria a conveniencia de conceder
ou negar o terrona, de que precisa a nova Iregne-
zia,nao S para malgjz, como para ba!.itaco dos
freguezes. desenibaracanilo-o assim do ripcao de
Sairan./^^
Essa propriedade que orriipa urna superficie de
dez leguas quadradas, tem estado desde muito tem-
jio arrendada jiela diminuta quantia de 2:101*5000
annuaes.
Devo informar-vos de |ue o fallecido barao de
Cu apa va. piando presidenle daquella provincia,
consuferava todispensavel a posse e mnntencao do dwararam aqueHes peritos tor'em nconirdo"
ilominio, |ior parle do otado, da referida propric- porcoes de lerrenos acrescidos. pie descreve
dade, para roatabelecimeiito e conservaeao. em cer-
do Rio Santa Maiia.
Estas e outras considTacos de conveniencia
publica deternnaram a exnedico do aviso de 29
de jnlho de 184H. mandando suspender a arrema-
tarlo do sobredit oclo, arromateeao, qne todava
leve logar posteriormente.
Paiendas e escravos da nacao.Nos mappas ns.
105 e 106 acharis a relac.ao das fa/.eudas naeio-
naes e dos o.-cravos em errtco ncllas, e em outros
estalielecimentos pblicos.
Quanto s la/einlas nada tenho a accroscentar
a>. que fe/ objeclo do ultimo relatorio.
A respeito, porm. dos escravos, alm da solucao
alli piidida s qoestues proposlas pelo mcu illus-
|ado#do leste com a nova ra e caes, e pelo do
oeste com lerrenos de niarinlia. de que este de
posee o convento de'Santa Therezapor lindo de
aforamento expedido pela illustrissima cmara
municipal pelo lado do mi| rom a travessa que
commiinica com a ra dvaatigo caes bein conio
dp novo, a pelo do norte com o prolongamento do
beeco ie Santa Thereza.
A segunda percSo conlem de frente para a ra
do novo caes da Gloria 248 o meio palmos, e de
rundo 10 bracas ( termo medio,) limitando pelo
lado do leste com a ra do novo caes e pelo do or
oeste com lerrenos de mal
nicipal, e pelo lado do sul com
do becco de Santa Thereza.
p prolongamento
te e oeste com terrenos de marinha. de que esta de
irado antecessor para o caso da venda das razn- psse0 convento de Santa Therezapor titulo de
das, que os possuem, eonvina quo dehberasseis a a(oranieolo exiiedido pela illustrissima cmara mu-
respeitp da raanomissao gratuita dos .pie por sua
idade avancada. ou enfermidades chronicas se
acham em reconhei-ida impossibilnlad, da presta-
^iio de qnaesqner servfeos s fazendas ou reparti-
I esam estar addidos.
Nao se considerandu o governo autoiisado para
concede-la, setlo mediante o recolhimonlo aos co-
fres pblicos do preco em que o escravo tenha de
ser lompetentemenle avahado, reconhecereis que
na impossibilidade de adquiri-loo escravo nasron-
dicoes mencionadas, muito se emix-iora a sua sorte,
Foi avahada em 405000 a braca desses acresci-
dos, o que d 1-5'100 annnaes por braca para o ar-
bitramento do foro, cuja texa de dos e meio |wr
cont sobre o proco das avahacoes, na forma das
inslruccoes de 14 de novembro do 1832 art. II,
ordem de 26 de selembrn de 1833, circular do 20
de agosto de 1835 e ordem de 20 de maio de 1836.
Declararan! os mencionados engeuheiros que
vencer i o de que em um futuro nao iiiiu longiuquo
cheganam a. completo depereciment.
A quantia de 388:7475338 apurada na arrema-
tado da os juros de 6 % ao anno, os juaes sero
applicados indemnisaijo da fazenda nacional por
quantias adiantodas para o andamento do processo
de arremataeao e ao*pagamenio le dividas do mes-
mo vinculo.
Pela Ihesouraria de Minas-Geraes, onde se acham
recolhidos os livros o papis do vinculo, procede-so
hquidaco do seu activo e passivo.
Uma das clausulas da resolueo n. 306 de 14 de
oulubro du 1843 que a importancia da venda dos
bens, depois de pagas as dividas com que se achc
oneradoo vinculo, seja convertida em apolices da
divjda publica o dividida em cinco partes, das quaes
urna pertencer aos nerdeiros do instituidor, outra
ser applicada fundacao do um hospital de laza-
ros na cidade de Sabara, oulra exlucac-o de cerlo
numero de meninas pobres no recohimenlo de
Marahubas, e as duas Ultimas mantcnca do hos-
pital j exislcnle na mesma cklade.
Tendo, porm, sido vendidos a prazo os mencio-
nados bens, conforme o permiltio a lei de 6 de se-
temhro de 1860. s depois de 10 annos se peder
fazor elfeciiva semolhanle conversan e parlilha.
Depende de vossa resolueo a pretcncao da rc-
gente e mais convertidas do reeolhimento de N. S.
do Rosario do Silio de Rogo, extra-muros da cidade
de Lisboa, que fundam seu direilo quinte parte
do producto de taes bens na carta de lei de 2 de
abril de 1788 e alvardt-5 de fevereiro de 1810,
que insiituirain e confirmram o vinculo.
t/'Conf I.OHKMI DA PROYNCU.
Kvpediente do dia 2 i dr agosto de UM'i.
Officio ao Exm. presidente da Bahia.Providen-
ciando sobre a reclamaco do alferes do 10" bata
I bao de inlanlaria llerclano de Li.ma Pires, cons-
cupou _
sido approvada a resolueo que elle propuzera tente do requermienlo que V. Exc. me enviou com
em 16 de fevereiro de 1832, observa-te com raa- o seu offlcio de 21 de marco uliuii". a que respon-
goa que o vinculo caminha aprossadamente para ] do, autonse nesla dala o inspector da Ihesouraria
sua total ruina. A providencia capitel leste re-! de fazenda a restringir a 515200 a carga que se
solucao consiste em transferir a adminislracao;fez a" predito alferes, visto que ludmdamente se
do vinculo para a cmara municipal. ,ncIui nella quanlia de 230J400 rs. em que m-
t Por este motivo, lendo-se extinguido os luga- portaram as passagens concedidas a familia desse
res de juizes de fura, a quem compela a presi- ofllcial a qual linha direilo a ellas na forma da
dencia da junta administrativa do vinculo. con-lrcular do minisleno da guerra de 14 dejanciro
formo a provisJo de 19 de oulubro de 1820, o de I8;>6. Officiou-se neste sentido ao inspector da
governo instou o conseguio que ella 'passasse masouraria de lazenda.
para o juiz de orphaos do termo, querendo assim l)l10 au brigadeiro commandaiile das armas.
introducir um fiscal que nao participasse to im- Com a inclusa copia da informaco
mediatamente do espirito de eorporaeao, que.se "nal de guerra n. 67 desta dala,
do director do
respondo ao
officio n. 1,554 de 21 do corrente, com que V. Exc.
apresentou-me nmhnm por copia o do director do
i-pital militar iiedindo providencias sobre o for-
ergua nos membros da jimia.
Entretanto, pouco pode osperar-se de urna
providencia solada o mesmo que a mudanca in-
tegral da adminislracao paisa prndu/.ir os resnl-
lados que se lesi-jam, uma vez que a cmara
municipal, estando por diversas lei* sobrecarre-
a gada de immensas obrigacoes, nao me parece ser
muito propria para encarregar-se da administra-
. cao deum vinculo que, sendo fundado em predios, nesla provincia ficara mleirado d;
< em trras mnenos, em fazendas de cultura e de qc der:"" ;,;- "toridade pohciaes
tM-iiie nio de objeclos |ra o mesmo hospital.
Dito ao cnsul le Inglaterra. Pela leilura das
iniui macoe.-. por copia inelo-as. sob uta .'I mi-
nistradas pela reparli;o de polica em 13 d'sle
mez o Sr. G. S. Lenon lltint cnsul do Inglaterra
das providencias
respectivas nao
so para appiehensao do roubo de que trato a sua
coniinunicaco de 4 do corrente felo pelo africano
Antonio dos Santos ao subdito inglez Robert S. Ea-
ton, mas tambom para puneaodo delinqueiite.
Renov ao mesmo Sr. cnsul os meus protestos
de estima ocoiisider.ioo.
Dilo ao inspector da Ihesouraria de fazenda.
para terem depois as applicacocs que fossem IVspondendo ao olllcioqtie, V. S. me dirigi em 22
mais conformes vonlade do instituidor, claro do corrente, sob n. 638. tenho a Atoar que visto
fuje. alm do beneficio geral do allodiamento de n;'" haver rdito para pagamento da ajuda de cus-
taes boas resultara a poesibitidade de crear-se l'- M',1,"1,lai "P"rtencia de SOOf e por meu officio
uma administracao mais fcil, menos dispendiosa.
eriaco, ludo isto a grandes distancias, por si
s capaz de absorver cmara todo o lempo pie
ella deve empregar nos negocios pblicos.
A cmara municipal de Sabara tem por vezes
impugnado a medida deabohr-se o vinculo, mas.
se isto se fizesse, e se vendendo-se os bens, o seu
producto fosse convertido em fundos pblicos
que fosse susceplvel de algum exame e fiseali-
saco, que eu considero quasi impraticaveis no
estado em que as cousas se acham actualmente.
Comtudo, se osla medida nao parecer conve-
niente ou opportuna. ou me inclino a acreditar que
necessarfo ensaiar-se a resolueo a que me re-
tiro, cuja expefiencia poder defins illuiiiiiiar-vos
ni escolha de outro qualquer arbitrio.
Nesse mesmo anno teve iniciativa na assembla
de 21 desle mez foi arbitrada ao juiz de direito no-
meado para a cuna rea do Brejo na provincia do
Maranhobacliaiel Joaquim (onealves Lima, pode
V. S. mandar ell'ecluar esse pagamento sob ininha
responsabilidade nos termos do decreto n. 2,884
do Io de fevereiro do anno prximo nassado.
Dilo ao mesmo.Nao havendo inconveniente,
mande X. S. pagar a Francisco de Souza Guerra,
como pede no incluso requerimento documentado
a importaaeia lo aluguel da rasa que servio de
provincial de Minas-Geraes, para a exlincco do quartel ao destacamento da Villa Bella, a contar
vnculo e apphcaco dos seus bens aos fins do ins- l' J8061" a !) m"V> e de 26 de abril a 6
tiUiidor, um projcto de lei. Mais tarde passou no d ain ,lHl" deste a""-
corpo k'gislalivo a resolueo n. 306 de 14 de ontli-
bro de 1843, para cuja exeruco expedio o ministe-
rio do imperio um regulamelo, que baixou com
lecrelo n. 528 de 22 de agosto de 1847.
Prescrevia a rilada resolueo de 1843 que os
eoiideninando-o a um captiveiro porp, luo, sem que nao podiam dar eumprimento
Ihe aproveitcm nem osongns servicos anieriores. 30 de Janeiro na parle em que manda avahar os
nem a lealdade, zelo o dedicarao. rom que os pres- atorros feilos em lerrenos particulares por conta
lou. Em tees circumltoarias a humanidade pedi- do estado, e de que os resjuclhos proprieterios de-
do que dispz acerca dos da
Dito ao mesmo.Tondo-meconimunicado o Exm.
Sr. ministro da agricultura, eommercio e obras
publicas em olllco de 30 de julho ultimo, sob n.
32, que no-sa data solicitara do da fazenda as pre-
cisas ordens, para que nessa lliesourai a se eoiili-
bens do vinculo rossem vendidos em hasta publica 2 a P:T?r ao escripturario Jos Francisco de
fiAc/ro vista, o nn triduo. Sal,es Bavicra, a gralificacM mensal de 305000, em
Semclhante clausula era um obstculo insupera- I"-""110 estiver encarregado do exame das coalas
vel, ante o qual recuavain os pretendentes acqui- "a estrada de ferro desla provincia, assim o declaro
sicao dos rererWos bens pela difficuldade de adiar a s- Paia s,'u conhecimenlo.
de prompto capitaes snfflcienies para solver o pre- lMo.ao mesmo.Represenlaado-me o juu de di-
co da arremtala". |'0"0 da comarca de Flores, que o destacamenlo de
Villa-Bella est |ior ser pago de seus vencimentos
A lei n. 1,114 de 27 de setembru de I8b0 remo- do mez de j'unho prximo lindo, nao obstante a coi-
veo no arl. 12 esse emharaeo, aulonsando a venda feotorii daquelle lugar ler para isso dinheiro, que
a prazos, por meio de letras e mediante Manga ido- para alli conduzio o lente Joaquim Antonio de
nea, naopodendoo prazo das letras exceder, ao de Moraes, mas que por ordem dessa Ihesouraria nao
10 anuos lixado na le n. 8b de b de seiemuro de podia satisfaie-los, recommendo V. S. providen-
1850, art. 4 : e determinando tambem que os bens, cas, para que solara pagos aquellos venemeiitos e
a que nao so achasse arremtente, fossem arreuda- os que se forem ocoorren.lo, e como iguaes reda-
dos ou aforados, como melhor conviesse. maces me tem sido dirigidas acerca de destara-
Entao baixou com o decreto n. 2,941 de 27 de ju- montos de outras localidades, convm que V. S
nlio do anno passado um novo regulamento, que expeca ordem "as colleclorias competentes, para
modilicou o de 22 de agosto de 1847. qU(, continuem em taes pagamentos, urna vez que
Consistem os bens do exondo vinculo de Jagua- (hes sejam aprcsenladas em termos as respectivas
ra em cinco fazendas, quo sao Jagura, Mocambo, cuntes; e se houver nisto algum inconveniente,
Bebida, Riacho e Mello com a respectiva oscrava- nesle caso communique-mo V. S. para providenciar,
tura. Esses bens foram inventariados e avahados alim de que nao fique a tropa destacada no interior
em 411:4605718 pelo juizo dos fonos da fazenda -da provincia, Imposibilitada de receber em tempo
de Minas-Geraes em maio de 1861: o su sold.
Por dtspacho de 23 de fevereiro desle anno o Dito ao inspector da Ihesouraria provincial.A'
Ihesouro approvon a arremataeao dos ditos bens, vista da conta e nota de que trata o officio do re-
le ta em 4 de dezembro do auno passado, peante Keilor interino do gvmnasio datado de 26 de junho
sob ji. 31, recoiniuendo Vine, que quanlo antes
sejam feitos os reparos de que carece o'viaducto
n. 9 da segunda seeco da estrada de ferro que, j
segundo consta do seu relatorio dirigido Muelle '
ministerio por mal construido se arruina de dia em '
da evilando-se assim asna tolal reconstrueco.
Dilo ao subdelegado de Gameleira.Recommen-1
do Vino, que (anille ao Dr. Alcibiades Jos de
Azevedo Podra, netos de condueco para diri-!
gir-se desse |>ovoado para o de Ainu de Dna, onde
vai tratar dos desvalido- ucommettidos do cholera
morbos.
IVirtaria.O presidenle da provincia, atlendendo
ao que rei|uereu o alferes de primeira linha refor-
mado Manoel Saturnino dos Sanios Nnnes, rosolve
conceder-lhe licenca para transixirlar para o presi-
do de Fernando, os gneros constantes da relaeo
junte assignada pelo secretario do governo. na
pudendo olTectuar o desembarque dos Utos gne-
ros, sem qu" por parle do coinmandanie do mesmo
presidio se proceda a exame a din de verificar se
ha agurdenle ou ontra qualquer bebida espiri-
tuosa.
Dita.O presidenle da provincia, atlendendo ao
que requereu Jesuino Machado Malheiros Braga,
pcoprielario do hiato nacional Camarafibe, resolve
conceder-lhe licenca para fazer seguir o referido
uvate ao presidio de Fernando, licando porm
obrigado a mandar transportar gratuitamente at
3 passageiros designados felo governo, c bem
assim os objeclos e gneros do oslado, quo nao
excodercm ao peso de uma tonelada o que sera
verificado pelo director do arsenal de guerra.
Outro sim licar igualmente obrigado nao s a
mandar transportar no mesme hiale para aquclle
presidio os empreados, praeas. sentenciados mili-
tares e de juslica mediante indemnisacao de con-
fornudade com 'a mbella de 27 de oulubro do anno
passado, mas tainbeui nao consentir que para alli
se transprtelo sem permisso da presidencia g-
neros e quaesquer oulros objeclos pertencentes a
particulares, nao podendo effecluar o desembarque
do carregamenlo que levar, sem que por parle do
oommandante do mesmo presidio se proceda a
exame a fim de so verificar se ha agurdenle ou
oulra qualquer bebida espirituosa.
Expediente do secretario do governo.
Oflieio ao Sr. Raymundo da Silva Maia.Pela
secretaria do governo so communica ao Sr. Ray-
mundo da Silva Maia lliesoureiro da reparlieo das
obras publicas, que segundo conslou de aviso do
ministerio do imperio datado do 1" de corrente, o
governo imperial acceda a agradece o offerecimen-
to que S. S. fez de 5 por cont dos seus yencimon-
tos para auxilio das urgencias do estado.
Dilo ao Sr. Dr. Flix Moreno Itrando. Pela
secretoria do governo se participa, ao Illm. Sr. Dr.
Flix Moreno Brandan, que segundo conslou de
aviso do ministerio do imperio datado de 6 do
corrente, o governo imperial agradece os serviros
pie S. S. ltimamente presin aos indigentes
arommetlidos do cholera morbus na cidade de
Olinda.
Despachos do dia 21 de ajtsto de -1863.
Berna imrntos.
I). Benedicta Meclia IVreira Rocha e outro.
Informe o Sr. inspector da Ihesouraria de fazenda.
Francisco Pereira da Costa. -Passo portara eon-
cedendo a licenca ludida.
Francisco Antonio da Silva Cavalcauli.Informe
t Sr. inspector da Ihesouraria provincial.
Padre Francisco VirissimV Bandeira.Informe
o Sr. director geral da inslrucco publica.
Fr. Jorge de Sanl'Anua LocioInforme o Sr.
Dr. juiz ie capellas.
Jos Francisco do Higo Barros.Informe com
urgencia o Sr. inspector da ihesouraria provincial.
Profiri de Albuqueique Magalhes. Informe o
Sr. inspector da Ihesouraria provincial.
Vicente Aires sforeira, -Dirija-se aoSr. director
lo arsenal de [guerra.
citada ordem de. o juizo dos feitos de Minas-Geraes, com exclusao da ultimo, constante la copia inclusa, considere V. S.
fazenda de Mello, apurando-se na arremataeao das Icgalmente despendida a quantia de 4005000 que
quatro fazendas importancia de 388:7475338. se abonou ao padre Joaquim Raphael da Silva,
Atlendendo a que a fazenda de Millo era a maior (mando regedor daquelle estehelecimento, sendo
vam indemnisaeScs, |ior nao existirn tees atorros i en exlensao, abrangendo urna circumferencia de 2005000 para constru.-cao de um telheiro du que
quasi cinco leguas, sem bemfeitorias nem escra- neeessitava o respectivo edificio, e o restante para
vos, e constando apenas de torras oceupadas i>or 0 professor Luiz Jacques Brunet occorrer as despe-
perto do 2.000 aggregados que, parte intrusos, par- zas de conducho de objeclos destinados ao musu
te na qnalidade de arrendatarios, alli so acham re-, do referido estabelecimento.
sidndo ha mais de 50 annos, resolv, de confu mi- Dito ad director do arsenal do guerra.Autorso
dado com a citada lei do orcamento de 1860, que y. s. a mandar admiltir na companhia de aprendi-
fossem as Ierras da dita fazenda divididas edemar- zes desse arsenal, o menor orpho Caetano, a quo
lia que. a exemplo do que dis|)z
oxtincta adminislracao diamantina do Tijttro o art. visto que a linha do preamur tocava as testadas de
'i- da lei Tle 25 do oulubro de 18:12, resolvesseis cada urna das paredes particulares, e sendo os
Mibrc a manumisso gratuita dos escravosdanaijao, aterios feitos desla linha para o lado do mar,
qtiando, ou por tocaren! a urna toado avancada. claro que nonhuma bemfeitoria ou acroscimo se
ou pos enfermidades chronicas de natureza grave, fez em terreno particular.
venham a impossibilitar-se para o servico da Concluidas assim as diligencias ordenadas pela
^cao. directora geral do contencioso ao procurador da
Dispondoo art. 11 do acto addicir.i.al consti- lazenda, foram todo:
liiico do opartoa que nina lei geral marcar o que questao remettidos
sao lieos provineiaes, cabe aqu chamar a vossa at- ceder, nos termos da
ii-nco e solicilude sobre a neressidulo de um acto gor relativas aos terrinos de marinha, ao afora- Assim leon concillado o comprimen! da lei com de lox.
legislativo que regule essa disposico constilu- ment do> acrescidos pertencenles ao oslado, que os interesses dos 2,000 habtenles daquella fazenda, Dito ao commandanle superior do Rio-Formoso.
cionai nao forem nocowartoa servido publica. | que pede a equidade sejam conservados na longa o Deferindo o requerimento do alferes Luiz de
Terrenos da lagiia de Rodrigo de Freitas. A Para Verificar quaes as licencas que a cmara liuturna ikisso pacifica daquellas torras, me sao o Mendonca Vasconcollos, que pr portera de 3 do
questao, me desde longo lempo pende a respeito municipal da corlo tem dado para aterrar o mar, I seu nico recurso, os quaes nao a* abandonariam corrente foi desligado do baialhao n. 45 de infante-
Oestes terrenos acha-se em termos de ter breve- e quaes os lerrenos arliliciaes que ha concedido por sem viva reluctancia, que talvcz acarralara pertur- na da guarda nacional do municipio de Serudutem,
menlo solnco definitiva. aforamento, a titulo de marinhas, exigi o thesouro baco da ordem e seguranca publica naquella lo- autorso V. S. a mandar passar-lhe a guia de que
Estando iVonhocido o senhorio da amara mu- que aquella eorporaeao Ihe remeltosse o lomba- caidade. trate o art. 45 do decreto n. 1,130 de 14de marco
nicipal da corte sobre os referidos torreaos e resol- menlo foito pelo vereador Dr. Haddock Lobo, em Assim terminou essa qqestSo j tao procraslina de 1833, visto que transferio elle a siu residencia
vido o governo a usar das antortoacoes, que Ihe que consta se acham benj discriminados os torre- dado vinculo de Jagura.
ns os papis relativos a este eadas pm lo,es'c deP's arrematadas, ou aforadas, alinde a sua informaco deste date, uma vez que o
das rondas publicas, para pro-: 'ando-se preferencia nos leos ou offertas aos di- respectivo tutor Vicente Alvos Monleiro, satisfar
as instruceocs e ordens em vi- tos moradores ou aggregados. 0 disposto no regulamento n. H3 de 3 de Janeiro
\
conferiram as leis n. 719 de 28 de setemhro de
1853 no ,-irt. II 8 3o e n. 1,114 de 27 le setemhro
de 1860 no art. 11 8 13, foi expedido em date de 7
de julho do anno passado o dwr.-Ui
para os seguintes fins ;
E urgia resolv-la, porquanto a progressiva de-
terioraco o docroscimen'o dos respi-rtivos bens,
nonhuma renda preduziam em eonsequencia da fai-
no n. 2,948 doncias expedidas pela ordem de 27 de Janeiro do ta de zelo, seno do negligencia culposa dos que por copia expedido peto: ministerio- da agricultura,
anno passado nenhnma eoncesso do licenca para, tem estado testa de sua administracao, me con- eommercio e obras publicas em.30 de julho ultime
nos de marinha dos arliliciaes e acrescidos.
Esta requisico al agora nao foi satisfeila.
certo, porm, gue depois das salutarcs provi-
para o municipio de Barreiros, segundo V. S. de-
clarou em sua informaco de 2t do corrente.
Dito ao engenheko fiscal da estrada de ferro.
Dando comprmanlo "ao dtoposto np aviso incluso
DIARIO DE PERNAMBUCO
Hontem larde chegou nosso porto o vapor
costeiro Janitaribe, trazendo dalas do Cear at I!',
do Rio-Grande at 22da Parahyba at 2"
Eis o que colhenios:
Cear.Do Pedro II oxlrahiinos o que segu a
respeito de eleioSes:
f Santa Cruz.Venceu o partido conservadora
eleico; o partido liberal depois datoreeira cha-
mada, foi inou urna mesa Ilegal eesi azendo nina
duplcala.
Parazinho.Vencen o partido liberal.
Sobral. -Consto que o partido liberal est a-
zendo urna duplcate.
Italuril!Os partidos chegaran a um accor-
do, dando o partido conservador :>!' eleMores eo
partido liberal 20.
Ip.Consta que a eloicSo at o lia 10 corra
regular, londoo partido conservador maior numero
de listes na urna
Cachooira.Diz-se por parle do partido libe-
ral que liouve parlilha; ignora-Si o numero.
Mara Pereira.Diz-se por parle do partido li-
beral que houve parlilha, ignora-se o numero.
Quixeramohim.Desta cidade sao as noticias
at 11 respeilo a Caeliocira, o Mara Pereira, de
suppor que vencesse o partido liberal, visto que o
partido conservador nao se presentou.
Araeaty.Veuceu o partido liberal, "o partido'
conservador nao se presentou.
RussasVenceu o partido conservador.
Fehcilaco.Conste que o partido liberal pelo
orgo do seu directorio se dirigir a palacio a 16
do corrente ao meio dia agradecer ao Exm. presi-
denle da provincia os serviros que lito prestara pa-
ra o vencimento oleitoral do 1' ciruelo, e o mesino
lizera ao Dr. cuele de iiolicia.
Rio-GrandeA seguinte carta do nosso cor-
respondente conten quanto occorreu :
o dia desle im-z, como havia sido marcado
pelo governo imperial, profedeii-se eleico para
eleitores la parochia uijsta capital na igreja de
Sanio rtiitonio, por oslar em colicortos o interior
da da matriz. Eram mais de 11 horas da manhaa
quando o juiz de paz mais votado, o major Joao
Ignacio de Lovolla Barros deu principio aos traba-
lhos.
Lidos os artigos rocommendados, que ja eslo
to stdi(,-os como aquellos com que os jiiiast de di-
reilo massam os onvidos dos pobres jurados a r.s-
peito das recusacoos o impedimentos, tratou-se de
organisara mesa paioehial.
t Depois da chamada dos eleitores e supplentes
que constevam do cilit.il affixado portada ma-
triz, appareceu o Dr. Oclviano reclamandopor
nao ter sido chamado como oloitor que era. o juiz
de paz Ihe fez ver que o motivo de o nao ter con-
templado na liste dos convocados ora por ter .elle
mudado de residencia para a freguezia de S. Con-
calo, de quo linha em seu poder um documento
authentico. --Vesja respecto, levanlou-seum gran-
de tumulto que duroii meto hora seguramente, ou-
vindo-se em altas votesvoto, nao voto, ha de vo-
tar, nao ha do volar ponjuo est mudado,e por
mais tempo durara se nao apiarecesse o Dr. cho-
I.'de polica S!vcrinn, pie entrando na ocrasio
es que o juiz de paz. ja se achava porja prinei
pal para sabir. iui|-l!ido |H.r aLnn- nvlivirtni.-
ez reslabollocer a ordem. o relonur i -na rufeu..
o referido juiz de \mz. O Dr. Sevenno portua--
dessa occasio com a maior iH-udencia e inw>.
lidado.
< Findo esx- prinieiro hi-H, qai i-naia tm>
rotura na casaca do juiz topaj M -nUni-iiab ^
questao ao corpo eteitural, o qual decidi qnr <
doutor nao eslava mudado. Admilti(l-> iiji-
eloilor. pi cou da parle do p:u inb -ubta, a qiK-ui Ih^o ea>
ligada urna parle do|ailulo donort<- raptlamadn
pelo lmenlo:coronel MSMBCto.
Nasajaao ato, eram H batas s r.irubai.-
havia roiuparecido o juiz paz : (^ mointx
inesa p.u ticiparam essa lulia ao pr. itaa, a
vincia, e ao mesmo !ciu|m officim o juiz de par
participando haver adiado a eMrio : nao M-atf >
altnanafti as mai rai.V? por falta jnriMbrr*.
vtoto como ja e>lando a mesa organisada -oiHb
compela o adiamcnlp. coiiki dizem ca o- homm
da lei, vollou o juiz. o qual ruui |mhm*o inai> irii
ron-se de novo |>or nu consenlirem que se osaai
vase na acia urna rea declarar
A vista disto reearan a osen cunvMtoi par^
presidir os tr.ibalhos o segundo juiz de paz. aar
nem ao m-nosquiziecel-r e eaWa, ato^awja-
se nao corresponda rom uma ro i i rio, qne pM>
julgava illogaluienlo constituida; o toreare Ir*
tambem convidado a atoas o mesmo. ato ajar-
sondo o piano, hesilou : par t-i receaato um nto
rio do primeiro, declarando Ihe pie baria aiaatt-
a eleico. o se achava no pleno -x.-ineioeV saa-
roaccoes mas, aliual, rraaraaj lomar parte at-
trabalhos. terminando a ch-icfto no fia 10 rum >
trium[iho dos taes hgueiros.
c Consta que o Joo Ignacio i primeiro juiz aV
Ka) requerra a Jn-liria contra Drs. tm
rando, Gomes Jnior, contri n eBaaregaios d
laesourara de (aseada Aleixo Bar 'i ir
mao Anselmo liar hoza, o contra iunbem nm i:.i
Den, que snpponho ser volante, |h-I.s insulh* aa>-
por ellos foram dirigidos a sua auioidaib
do elle diz. Pdem o quaixawew quoixados rea-
tar tenio com a toanea do Dr easto quanlo contaran! com a imparta lidado di-rorai
monto doSr. Dr. (Hvntho durante o processo ebi
toral.
c .Na pequea freguezia de Auz. mal liati.
assenlado a mesa o juiz do paz, iatoajaa, que arta-
vacoactoe adiou a etoVa para 19. C.>ns:(
que o presidente nao deu ajaje plausiveis a^
zoes do adiamento. mas julgando competencia arl
le para o acto, rccouuneiidou-lh que no dia in-va
mente designado se pcaemtoaH a elcicao iiHprrtr
rivelmento. Chegou seas lia, S nao c'ompar.
do o juiz de paz, assiunio a pre^id*ncia o .gand,
volado, que nao encontrando o livro das artas, -
nem a lisia da qualilkaoo, paato bbbjMbbjIbj r-
governo, que expedio as oratoi bn aaa
gaas esees peen aatatamMa. Oeaaa^eeax
toda essa hurundonijii, quem len pag as raMa
osem|iregados da secretaria ilo governo. >po na-
sain jejuns de pao e agua.
Ainda se nao sabe do resultado da- eki
de toda a provincia ; apenas o .W*V<
para quem se remelle os tortores, da o algaan*
froguezias. Felizmente nao tem ;>pparerido aa er
dom publica as aller.ieo. que se .Tiperavarii
que tal vez seja develo s providencias do pi
dente, que amwekegado. ha pouco, ain.l
extreme do paixes aBeic individua*^.
Neste momento ebega a noticia le h.
tragado na praiado Pirangi. di
desla cidade, um navio ingle/, ato rarreganva"
se ignora; o juiz do commcreio ja parti roa nm
eiiipregado da alfandega, alim d<- niaadar guird.
os salvados, o telar os interesan ite fazeada.
ParakjOti. As elciei"*-.- coniinuarant a caar
calmas em toda a provtorla, aanef drmalga-
mas froguezias lerein ipparecid e f
quenns disturbio-.
FERMAMBUCO
REVISTA DIARIA.
Foi honteui julgaiki o absolvido pelo j
luguoz do 19 anuos do idade Antonio Mnatt-u
reir, que fura pronunciado as |>ena- to art. IS
do cdigo criminal, pi-i haver dao -
lie .Miguel do Almeida Cona-s. ipiamjB rmo rai
xeiro da pbarmaria de J, :..
C., applicoii etiquetas MI MM >|Ue contrntoo-
iHetlicameiilos rcceilailos pelo lii. M.o..-i Kra
co Teixoira para uso interno e ex ei
O uiinislerio publico p>-diia cottira i- arrasad >
|MMia de 20 anuos de priso com Ir.n
advogado Dr. Joo Praariico r tv-in .. -m jfc.'
vicia
O interesse iptr o espirito |Hiidt>
causa levoii ao liibunal grande nuil.-1-- -le rtfn
ladorea.
Iloitlein .o al i,nal a U-ld
Imogencs unta alvarenga, que se ilirt-ia a tk-rar
ga da mesma barca, foi esmagado um mnrintinr
delta, tpie saltara ia rail ni bote rom ean >r'
o oniliale da ;rivarenga rom a referida birra
que nao pikle evitar pela fon-a la rotremV en-
aguas, ampliada pelo vento que entin. si|ira\a ria
Inforinam-nos que adu-sc r lili Irrato aa
crrelo particular entro a cidade de
e a la Parahylia. parlimlo dalli todw* as
e conduzind tambem a urrespouiiacto
cial para esta cidade du Itei He.
dencia seguir para Mainangiiai' peta rom-i par
neniar entre a i'arahyba e todas as Halas-ferra-
pela manbaa e paniudo no mesmo dia as \ aara~
ila tardo.
Assim puis |hhI. ni lodos os m-goriaaa e mm-
pessoas, que liverem relari'x-s mu Maeaaajjnaar
eserever para alli, levando as cartas sHtoto
agencia do crrelo particular la Paraava, raa V
Vigario n. Xt, venda ibs Srs. Uiges a
de|ue, se as caites nao kMvm para;
brar-se-h em Mamangtia|ie 2t ri At i
Damos ahaix o resollado chial do Tiacuuhaem :
atotonaa
Ignacio Mavier Carneiro b^ Albuqueraar
Padre Antonio onralves la Silva
Jos Ta vai es l'cssoa de Araujn
Francisco Xavier da Ikmlu Cmliuli-
Jos Ignacio Pereira Torro
Manoel Pereira tb Moraes HiU-in-
Anionio Virginio Pereira de lama
toe Martiniano de Souza
Christovo de Hoilauda Bezerra CtvafeaMti
Domingos RaiiHis le Anillado Lima
l.ourenoo Dezerra Cavalcaati
Joio Francisco CaVatoaati de Vasrowlkc
Francisco Uomes de Araujn IVreira toeor
Jos Luiz Pereira
Antonio Barbosa de Araujo Pereira
Francisco Xavier Nini ^
Vigario Basilio Concalv.-s da Luz
Francisco Xavier Cantora ib- Albuqner
Antonio da Molla Silvoira r.avakaati
auaquim (onealves Guerra
Antonio de Barros Lima
J>s Alvos B.7.f i ti


_.
'**<
ejto*U ^>



piarlo de Pernawbno Qiiiula felra t i de Agosto de 1*3.

Lanr. <:m\ia Poroira ftltrao
-, Guerra
do Amlradc Lima
Jos Felicio Pereira de Ly'ra
Luiz Scpao_de Albuqucrquc Maranhao
Manoel llanoso de mates
Francisco lavaros Pessoa di- Araujo
Joao da Canha Ferreira
Joaqaim Dias Horba
Pereira Ja Malta Cosa j
Joao da Cosa ltibero de Soma
Francisco Gomes do Aranjo Vasconcellos
loao ll\ potito Pereira de Moraes
Jos Antonio Gaiao
Joaquim Dias Ribciro Borba
Manuel Jos de Oliv.-ra Mello
Hcrculaim Pereira da Silva
Suplientes.
Luiz Francisco Xavier Gaio
Tbom Corra de Arante
Joo Cavalcanti Mauricio \\ anderley
Dr. Jos Mara Mostoso da Veiga Pessoa
Loureneo Bezerra Marinho Falciio
Jos Pedro do Oliveira Mello
Francisco Rufino Correa de Castro
'hristov.o de Hollanda Cavalcanti
Antonio Aureliano Inopes Coutinho
Genuino Antonio de Allniquerque Mello
Jos Vii ente de Lvra
Jos Barliosa de ijuciroz
Amonio lavares de Araujo Junioi
\ntonio Tavares de Araujo Snior
Ignacio Francisco Cavalcanti Wanderlev
Francisco Saturuiio Mauricio Wanderlcv
Fraurisco Jos de Mello Cavalcanti
Joaquim Bezerra de M 'nozes
Antonio Mareollno Bandeira de Mello
Antonio Diniz de Albuqik'rque Mello
Antonio Jos Colho
Vrci'lino lavares de Mello
\ntonio Bezerra de Medeiros
Jos Mara de SanfAnna
.laiio.'l Becerra de Medeiros
Po Pierrc Varella Barca
Vicente de Hollanda Cavalcanti de Albuquerque
Jos de Barros Camello
Jos de Oliveira Mello Jnior
Antonio Luiz Ferreira da Cuuha
Manoel Tavarcs de Mello .
Joaquim los de Luna Freir
Luiz de Oliveira Cavalcanti
Joao de Albuquerque Barros
Francisco Cadena de Albuguerque Mein
Feliciano Rjbeiro de Amorim
Matuias F'errcr de Mello
Manoel Bezerra Cavalcanti
Joaquim J"s Moreira
O agente oivmpm. fara lealo boj, en .euar-
niazem rea do imperador n. it>, de movis, car-
ros, cava los, vaccas comeras ejoias de piala.
otiro, brilhautes e de escotos.
llKI'AMiCXO DA l'ol.lCIV '.
Extracto da parte do da 2G do corrate.
Foraiu reeolhidos casa de detencao no da 2.
crrente:
A' ordem do subdelegado do Beeife. Manoel Das
Itorgen, braneo. por briga; Luiz Henri(|ues da Sil-
va, senii-braueo. por embriajuei : Cosme Jos da
Cruz, pardo, e Manoel Cvpriano dos Res, tambem
-emi-branco, ambos |r suspeitos.
A orden do de Santo Antonio, Olympio Botelho.
branca, por disturbios; e Maueel Ignacio ou Ma-
noel Quintal. |Hr embriaguez.
A'ordem do da Boa-Vista, os pardos Joao de
heos F.iiphrasio, Antonia Maria da Conceicao, para
coricceao e Ainancia Maria da Conceicao. as crou-
las Felipa* Iguacia da Silva eCxpriana Maria do
Kosario. todas por briga.
A' orden do, de S. Jos, Delpbino Marlins de
\raujo, braneo, Francisco, pardo, escravo do ba-
riodo Livrameuto, Jacob, crioulo, escravo de Ca-
millo Pires Falco, todos por briga; Joaquim de
vqiiino. africano, por baver commettido os crines
previsto nos arts. 206 e 209 do cdigo criminal.
O cliele da t' seeeao.
J. G. de Mesqntu.
Movimenoda casa de detencao no dia IB de
agosto ile i8b'o\
presos
\ saber:
que .mi leve, pois, tua Alna para met pa^n >: te-
mi linno em quanliuade, e el I tito s
Kxistiam....... 100
Knlraiam..... 13
Saliiram...... . 11
Existen....... . VA
Naciomes..... . 282
F.slrangei.os... :il
Mueres..... 12
Estraageiras. i
Kscravos...... 71
Escrvas ...... .>
m
Alimentados a casia dos cofres pblicos 167
- Passageiros viudos do Acarac e pollos in-
lernedns, no vapor nacional Jaguartbe i
Francisco de Paula Dias Fernandes, Manoel Vi-
cente Dial Fernandes e :? escravos, Frederfco Ro-
drigues Pinentel, Pirmino Goncaives Ferreira, An-
ilmio Goncaives de Carvalh... Manoel Pereira de
Carvaiho. Manoel Antonio de Hollanda, Luiz Ribel-
io Cuiiiaia.s. Dr. Antonio Jacintbo de Sampaio,
Joao Victorino Pereira, Manoel Benedicto de Hon-
ra, Antonio de Oveiri Borges Jnior, Clcmentino
Ferreira Goiues, Jos Paulino do Castro Medeiros,
i 3 Joaijiiim de Castro Barroca, Joaqun) Manoel
de Souza. Bstevao de (Hivcira Pinto, Antonio C de
\ a.-coneellos, Joseplia Maria Bandeira de Mello,
KelKGoncs de Araripe, Manoel Jos Cjcdoso,
l'iancisco Duarte de Freitas, Jos Joa.piiin de
Vrauio, Jos.' Ttioinazde MagalhacsPonlouia, Faus-
lino Jos Leitc Joao Freir de Arnorim. Br dar-
colino d Andrade Mello, Vicente Jos.' Borges de
Castro, Manoel aues Boueao, Joaqun Igna.-io
Pereira Jnior. Manoel Francisco do Salad, Dr.
\delino Antonio de Luna Freir, sua senhora e I
lilhos menores e aniavos, .loao los do Luna
Freir. Clara Dtymnia de lama Freir. Auna Can-
dida de Luna Freir, Julia Augusta de Luna Freir,
I ianeiscaAle\andrina del.\ra. Marcelino de Sou-
/.a Franco, Jos Bolim. sua libia menor e Y-l escra-
vos a entregar.
UBITl AlllO lio |1!A .'i B \..o>lo NO CSMITWUO
ii bud :
i.uiz, Pemanbuco, i scravo, Kecife; ttano.
.anuario das Dores. I'.'rnainbiico, 30 anuos,
ro, BoaVista; pbtliysica.
dalia Joanna da Aimuueiacao, Maranhao. Si au-
no-. Milteira. Boa-Tista phtbysiea.
Antonio Teixcira, l'.rnambnco. 40 anuos, casado,
S. los tubrculos pulmonares.
Antonio Jos de Sampaio, Portugal. 3i anuo>. >o|-
leiro. Hecile: iiieniugite.
lnilia Correa de Ainoi iin. Pernanbueo, SS anuos.
solteira, Pooo da PaaeUa; motestia iuloor.
Vuna, Pernaiiibiico. anuos, Jaboalao ; congestao
pulmonar.
Tliereza, frica, 18 anuos, solteira, eacrava, S. Jo-
s j cholera.
i/aria da Gloria G.uic/akcs da Porciumula Xavier
Carnero, Pernanbueo, 36 amos, casada, Sanio
Antonio: (astro euterite.
Isabel Maria'da (tuceicao. Pernambuco, X) .minos.
viuva, S. Jos -. repeotinarncwle.
- 26-
i.laJina, Pernambuco. aunos, Boa-Vista: vermes.
Maria, Pernambuco, H lias, Boa-Vista espasmo.
\ngelo, Pernambuco, 10 metes, Boa-\ isla diar-
rha. *
Janes Raynoldo, Franca, 20 annos, solteiro, Beei-
fe : de una pancada
Florentina, Pernambuco, !l mezes, Bccife ; bnxigas.
Jos Joaquim de Sal'Anua, Pernambuco. \H an-
uos, solteiro, Boa-Vista; tulicrculos pulmonares.
Ihereza, Pernambuco, 3 mezes, Sanio Amonio:
eanvulcocs.
urea, Pernambuco, ''. dias, S. Jos; hemorrliagia
I iorindu da Coneeieo, Pernambuco, W annos.
soltura, Boa-Vista ; pliiliv sica pulmonar.
soltei-.
qiizer.
A rnai i-onsentiu uisso dti todo o coraeao, o a rai-
nha condazio coinsigo a moca
Quando chegaram ao palacio, a rainha raoslrou-
lhe tres quarlos cheios de cima abaixo do mais
bello linho.
Fia-me este liuho todo, lbe disse ella; e,
i (liando olio acabar-se, tu desposars o meu pri-
mognito. Nao te inquietes com a tua pobreza ;
porque o leu zelo pelo trabalho ja un dote suf-
licieote.
A moga nada disse, mas eslava interiormente
atenorisada, porque, anda que trabalhasse du-
rante tres scalos sem descargar, desde a manhaa
at a noite, nao Andara estes enormes inontocs de
estopa.
luando ella vio-se snzinha, principiou a chorar,
e assim passou tres dias sem trabalhar.
No terceiro dia a rainha veto visita-la, e admi-
rm-se muilo, notando que ella nada tivesse feilo ;
porm a mo<;a desculpou-se allegando a tristeza
de haver-se'apartado de sua inai. A rainha Ungi
conlentar-se com esla razao, porm ao sahir dis-
M'-lhe :
Vamos, amanhaa deves principiar a tra
balhar.
Quando a moca licou s, e sem saber o que fa-
za, poz-se janella muito perturbada. Euto vio
approximarem-se tres mulheres, das quaes a pri-
meira tmha um enorme p chato; a segunda o
heieo inferior tao grande e tao cabido, que cobria
e exceda o queixo, e a terceira um grande dedo
pollegar eomiii ido e achatado : pararan em fren-
te da janella, e olbando para o quarto. pergun-
laram a moca o que pretenda. Ora, esla cofitou-
lliesas suasalfliccries. e ellas se olerecerini para
ajuda-la.
So tu proniettes, disseran ellas, convidar-nos
para leu casamento, chamarnos tuas primas sem
teres vergonha de nos, e mandar-nos assentar
tua mesa, vamos liar o liuho o elle aeabar-se-ha
le repente.
De todo o meu coraeao, responden ella ; en-
trai c comecai logo.
A moca fez entrar as tres personagens singula-
res : desarrumou um lugar no primero quarto pa-
ra cstabelece-Ias e ellas eomecaraiu o trabalho.
A primeira fiava a estopa e voltava a roda ; a
segunda molhav o lio, e a terceira torcia-o c sus-
teutava-o sobre a mesa com o dedo pollegar, o a
cada torcidella que dava tinha por trra urna mea-
da do mais fino linho. Todas as vezes que a rai-
nha entrava, a moca esconda as suas. liadeiras e
mostiava-lhe o trabalho feito, e a rainha voltava
admirada. Quando o primeiro quarto esvasiou-se
passou-se ao segundo e depois ao terceiro, que
tambem terminou-se logo, tntao as tres mulheres
retiraram-sc e disserain moca :
Nao te esqnecas de tua proniessa : porque
n.lla encontraras o bem.
Assim que a moca mostrou a rainha os qnartos
vasios e o linho fiado, lixou-se o dia do casamen-
to. O principe eslava arrebatado por ter urna
eompanheira tao hbil c tao activa; e ama va-a
com ardor.
En tenho tres primas, disse ella, a quem
devo muitos favores, e eu nao as desoja desprezar
em minha felicidade ; permitta-me qneuas con-
vide para meu casamento o mande-as assentar
nossa mesa.
A rainha e o principe nao aeharaui inconvenien-
te algum. No dia da testa, as tres mulheres chega-
ram com um magnifico acompanhamento, e a rai-
nha disse-lhes:
Amadas primas, bem viudas sejam !
Ab disse-lhes o principe, tu tens parentas
muito feias.
Depois dirigndo-se a que tinha o p chato, per-
gnntou-lhe :
Qual a cansa deste grande p f
De voluir a roda, responden ella, de voltar
a roda.
A" segunda:
Qae beico cnido este ?
De ter iolhado o lio, de ter moldado o fio.
De|xns a terceira ?
E este compridopolegar ?
De ter torcido o fio, de ter torcido o lo.
O principe, admirado com esta perspectiva, ic-
clarou que nunca mais a sua bella espesa tocara
em urna roda; e ella assim licou livre desta odiosa
oceupacao.
11 Si. P. Jnior remette-nos a MguinM poesa :
FATAL1DADK.
J cansado de hitar
o conimercio dos amores,
Vousein pojo reblar
Aos meus amavels nitores
A dr dos meus desengaos.
Quando cansado me deito.
Sinto palpitar meu pcto,
Sempre a suspirar aleito,
Na flor dos meus rinte minos
E porque > ?.... i nwsegndo
D'uma noite mar
Na entrada d'um rochado,
Onde amor quiz acampar
Ardor.... delirios insanos.....
Triste amor eambeeeu
Fulgida chanuua aeendeu,
E descreme cnvcllieceu
Na fiordos mevAitajat miwM '
Julgais, nitores, gracejas
Da minba sorte cruel J
N ninas noites sorvo beijos,
N'outras noites sorvo o fel,
Revolvendo os meus arcanos.
Do reliando de Cupido
As jovens nic teui excluido,
En pastor deseonbeeido.
Na Bar dos meus ointe atuua'
Sea eslacao invrnosn.
Passo a noite caprichosa.
Sem que alma caridosa,
Calque aos pesas oieus engaos :
Quero dizer, que solteiro.
Vivo qual aventureiro,
Aqnecendo-se ao fumeiro,
Na fiordos meus htt$ tamo* '
Que negra fatalidade....
Que cruel realidade !
Sou digno de piedade,
De vos, leitores humanos !
Leitoras, Bie sen-iveis,
Minhas razoes sao cabiveis;
Pois nao son dos invisiveis
Na flor dos meus tinte aiwtiwi '
Meus tormentos, pois, julgai,
E a noite consiilUti.
Leiloras. interrogai
A cansa oestes meus damnos.
Q'eu vivo com anciedade
os lycios da castidad.';
. Sea ser fatalidad.'
Na flor dos meus tinte anuos '..
Da tteri*[ ue: s m K depois que assim o fizeres. pro-
Dous passeadores paran na ra do Cano, cauto eurai-o, o di/ei-lhe, eu fui eleitor pelo 4a circulo
da dos Latoeiros, em frente a urnas casas em cons- que votei em Smc. para deputado geral, e vers se
elle vos descondecer e so vos adandonar
e so vos abandonara em
vossas nrelences e mesmo em vossos trabaldos.
truccao.
Porque pegunta um delles, qne as vergas
das portas do lado da ra do Cano sao em arco e
as da ra dos Latoeiros sao horisontacs, isto n'um
mesmo edificio
E' que os vereadores da illustrissiraa cmara de. O sermao nao encomnendado, dispensan-
municipal, responde o oulro, sao tambem altos e do-se por isto qualquer paga, o sim um einpendo
baixos, magros e gordos, instruidos e nao instru- de dar a Cesar oque Je Cesar e lteos oque
dos, e a cara deve dizer com a careta. de Dos.
M.J.S.P.
Dons sujoitos conversan sobre o ofleito das d- j -----------
ses homeopathicas.
Eu, diz um delles, nao acredito que urna raudidalura do Sr. Dr. l'elippe Lepes N'etto.
golta de tal ou tal tintura possa estender-se a todo pei0 nia,:n ./ nprnn.mtMt.n a* iin;- ,M
S corpo humano, a ponto de cura-lo da molestia' h/,'" mai' ae ntVHUmo O\mni aca-
queo domina ha de apresenr-se o Sr. Dr. Felippe Lo-
E um phospboro, perguata o outro, niio pes Nelto como candidato a deputacSo ge-
capaz de incendiar toda a cidade do Rio de Ja- rai pelo segundo districto eleitoral desta
neil tt provincia; e sem duvida esse acto tetn
As senhoras, diz urna moca a una sua ami- grande alcance poltico,
ga. ja vo para a platea dos thetros, a assistir os, O Sr. Dr. Felippe Lopes Netto. natural
espectculos. ,jesla provincia tendo militado as fileiras
ta-lhca Com a eompanhia dos acrbatas americanos servteos, havendo sido por successivas legis-
de Spalding and Rogcrs, responde a primeira. (aturas deputado a assemblca geral, em urna
- Logo vi, accreseenta a segunda, que esses pa|avra tendo sido uma das victimas da re-
para a platea eram ".ven.-ao o|ui.ri0 de ,848> que mais ^^ ^^ M
scus revezes, com justo direito pretende
conquistar uma cadeira na representado
saltos de camarotes
de arlequins.
(iiKdMcv JimiiUUi.
I KIIII xa i. no JIK1.
Ol'ARTA SESSAO.
o venlrc corrnt, que eonsegtiiri tomando
urna ou duas pilulas purgativas do mesmo
veame.
Todos quantos succambem desta moles-
tia se diz : falleceu de erysipella reco-
Tudo nao fara elle porque ludo nao pode o homem, ihirla no contrario ilanns f>xnnoiinro<
mas ao menos, vos ficar o prazer de, alen do ",l,a a0 conyari alguna expositores,
nao seres desconhecido, azer elle aquillo que po- presumem ser o desenvolvimeuto da putre-
faeco no sangue, tanto que o lugar inllam-
mado que, cnto a sua edr era encarnada,
se troca em lvida ou oegra, e termina em
gangrena, e ^ por essa razao' que conve-
niente o xarope alcoolico de veame na in-1
fus3o de flor de sabugo, para se conseguir i
resolver a inflammaco, ou pelo menos ter-!
minar pela supuraco, impedindo assim a
gangrena.
Oseffeitos do xarope alcoolico de veame
applicado na flor de sabugo ao doenle, nao
s de vantagem por sua qualidade diafo-
rtica, como pela anti-septica, para impe-
dir a pulrefacejo as molestias.
Na erysipella nao deve o enfermo nespri-
meirostres das usar de comidas e bebidas
que possam esqoentar e inflammar o san-
gue.
A comida durante esse lempo devo ser
do reino vegetal, como sag', farinha do
Maranhao, pao torrado, bolacha, etc.
Ainda nao vi expositor de medicina que
nacional pela sua trra natal, boje que ha aconselliasse que nos primeiros tres dias de
vencido, e tnumphado gloriosamente as|acc0mmeii.imenlo do mal, nao se usasse do
ideas Itberaes, as quaes sempre esposara, e medicamentos; o que ellos repellem sao os
com todo o exforco sustenlra. | ungentos, unturas e ouiplasiros, por se-
Pnt^mcMoSr.mmoet.otXsamNtM,juiz\ partido liberal puro acquiescendo, e I rem de natureza gordurosas que obslruetn
de itreito dn i' mra nime. empenliando-se em prl de tao legitima pre-1 mais e repellem do que promovem a eva-
Promotor publico o Sr. Dr. Francisco Leopoldino tenc3o do Sr. Dr. Felippe Lopes Netto nao cuacao da parte ; o que conven tratar o
f civlo lomi^i PrmcteH.' Piula Esleves faz mais d 1"e preS.tar pre,.t0 a ,M,dado' e i lugar atacado e bem agazalhado para Mudar
Em vio Joaqun, hjmusco de Paula fcsteves | deuic<1cri0 comprovada por longos annos, c \ a transpiracao e delender do ar.
Advogado o Sr. Dr. Joaquim les de Miranda, por incessanles servidos desse seu prest-
As 10 horas da manhaa, feita a chamada acha- moso correligionario, e ao mesmo tempo
7 ipas.' bairis vinlw. : -"*itiinra, leu
ceblas i a Manoel Joaquim R. e Silva Gcar
2 caixot e t fardo drogas mkliriMes b ,
de ouro, i ca xas mana, :l ditas brorlas I "
saponaria. :t ditos maet-lla, :; .(ios K>r de1
t c.ixa cera amarella. I barrica din fcrae.
Caors & Uiilio/a.
SO saceos farelo ; a Ptenlo Jo^i i^mes.
I caixao bracos de balanza : a V. R. pigp* r>i-
maraes.
SOeaixas ccMaa, "*) ditas hantas, Mtas ara-
leijos, I dita planis|iberio : a Manuel Isiacin M
odveira A Fildo.
1 barril vinho braneo; a Luiz Jos Pteoa
Costa.
i caixao chales de toquilo e linos mpresM : a
Antonio de Az vedo \ 11 la i meo.
23 larris alpitla, SO ditos fovada, -TO carta b-
talas, 2o barris efcoarieaa: a Jos.'- Joaejmen Li-
ma llairao.
ti barricas gema < utmm, i Us er, i iki.-H
oclne, 2 ditas n.xo-lera, I ,|ia jjj branro, I Na
podra lome, I dita dita |iomp, i du jal-amarg
dita fezes de ouro, i caitotes tincas mpdirin.i
ditogia.s de |iedra, 1 fardo nur.-lla, I dito rull i
de pellica, I caivoie vne, I Joaquim Ignacio ItiU-u..
V) barricas alpista. "iO barris i>xtcinli>>. 9 mu
comiuto, (i ditos ervardsrc I A. L de Otrveira
Azeveilo & C.
:() caixas dtalas, 10 ditas rebotas : a E-i
da Coala iedafena.
SO barris chouricas; :U) ditos t.MKiaho : a I
reir & Malhciv
1 ca va espirito d>- allaz.-uu, I dita etos 4e sr-
mentes do |tapoutas,S ditas drogas mardiciaae. -
ringas de .-taiiln. pipas de narfim etc., I caa
agua imjten, I Uta pape!, r.-uilhos V ppfKra, .
pas.drogas e livros hmareni : ao Dr. Joi rVJro
Maduro da Fonseca.
Reccbedorla Ir remdam \mlern*%
gerae dr Pcrnanbare.
Rendim.-nio .lo da I a -". S9:-1MVK.>
dem do da ii......... I COSJAW'-
ram-se prsenles W sehores jurados.
Foi dispensado da sessao o Sr. r. Joao Honorio
Bezerra de Menezes.
Foram multados em 808000 cada nm dos seho-
res multados nos dias anteriores.
Entra em julgamento o reo Marcolino de Dos
Thenorio, acensado por crime de ferimenlos gra-
ves feitos na pessoa de Jos Francisco dos Santos.
procurar destinguir o merecmento real.
que n'elle indubitavelmente concorre>
O segundo districto eleitoral essencial-
mente liberal, e patria do benemrito e
sempre chorado Simes Machado, e oulros
hroes, que se sacrificaran! por amor da
O verdadeiro xarope de veame vende-se
na botica da ruaDireita, n. 88, dejse da
Rocha Paranhos.
Coasii lacto |ro\
R.'iidim. uto do dia 1 a i-< .
dem do dia M.......
at Vtt*|:
n tan.
O jury de s.Mit.nca foi composto dos sehores hberdade, nao deve deixar de prestar os
IH POUCO DE TODO.
Traduzjdo o s'eguinte cont phantastico |ielo Sr.
Alves da Fousoci, oirerecemo-lo leitiu a publica :
llavia uma nivea que niio gostava de fiar, c a
mai por mais qu se encolerisasse, uada poilia
dia conseguir deila ueste sentido, de modo iuw un
perdendo a paciencia, chegou a dai-lhc patica-
las : a moca cnto comc^ou a clnrar alto.
Por este tempo passava" a rainha, e onvindo o
pranto, mandn parar o carro ; e, euu ando na ca-
sa, perguntou mai porque castigava tao r>ram-
uamente a sua filha, e cujos giios ouvian-se na
roa. A nmlhiT leve vergonha de revellar a pro-
saica da lillia, e disse-roe :
Assim proced, serlhora ; porque ella nao
I iiseaum pouco de descanco dcixando o fuso ;
quer sempre ojucessanteniete liar, e alen disto
sendo eu pobre, nao Ihe posso fornecer lindo,
A rainha respond U
XaO ha nada mais agradavel para inim do
que a roca, s a bulla da roda me encama.1 Debca
Do CeswwrcM do Porto extractamos o segninie :
Velo-nos i nao um documento, que seriamente
nos admirou, porque indica.) consumo depinienla
que se faz na Europa, que nao menos de dous
milhoes de kilogrammas.
Oemprego dos condimentos empregados pela
arte coflinaria na Europa varia de um modo sin-
gular, e o capricho da moda apparcceu insto como
em lodas as mitras phaulasias.
Em Inglaterra, por exemplo. consumia-sc no s-
calo XVI urna tal quaudade decravo da India,
que em um so anno chegaram do Oriente ao Ta-
misa 103 navios carregados desta especiara.
Hoje todo o que se consom em todos os tres
reinos unidos nao carregaria mais que nm daquel-
les navios. *
Acontece quasi o mesmo com a noz-nmscada, de
que em 1618 se vendiam 1,1*>0 libras, ao passo
que o consamo hoje em toda a Europa nao Onega
a 100,000 libras.
A pimenta destiironou exclusivamente estes
dous rivaes, pois que o seu consuno c actualmen-
te avallado em 3,000,000 de kilogrammas.
Quando o navegador portuguiv. Magalhacs des-
cobro as ilhas das especiaras, isto as Moluca-,
foi tal a paixao que se desenvolveu na Europa
pelos 'armalos de gosto vivo e perfumes violentos,
que nao se empregavam em tudo, segundo a ex-
pressao de Ralean, mas attribuiam-se-lhe virtudes
raedicinaes, heroicas e infalliveis.
l'm certo Mathous ganhou em sote, annos urna
fortuna de 100,000 escudos, sonma enorme para
.aquello lempo, a fabricar con cravo, noz-mtiscada
^HUbre, um elixir que bapt ^^HF da
segantes
Jeronvmo de Hollanda Cavalcanti de Albuquerqne.
Hyonomn Casemo Vasconcelos de Albuquer.|ue
Maranhao.
Manoel Jos de Azevedo Sanios.
Christovao Santiago de Oliveira.
Jos Elias de Oliveira.
Ulisses Pernainbucano de Mello.
Theodoro Machado Freir Pereira da Silva.
Jos Jerouv mo de Souza I.iin.n.'iro.
Dr. Vicente Pereira do Reg.
Manoel Antonio Viegas Jnior.
Francisco Jos Alves de Albuquerqne.
Dr. Caldillo Ferreira Gomes.
E prestaran o juramento dos Sanios Evangelhos.
Foi o reo intorrrogado e procedeu-se a letura do
processo.
O Sr. Dr. promotor publico pedio a condenna-
cao do reo no grao mximo do art. S05 do cdigo
criminal.
O Sr. advocado deduzindo a densa, pedio a ab-
solvicao do reo.
Findos os debates e preenchidas as solemnidades
da le o Sr. Dr. juiz de direito propoz ao jury os
respectivos quesitos.
Recolhido o jury de seutenca sala secreta das
conferencias, as 9 horas da tarde, voltou as 6 'A
com suas resnostas que foram lidas pelo Sr. Dr.
Vicente Pereira do Reg, presidente do conselho, o
Sr. Dr. juizde direito publicou sua sentenca, con-
deinnandoo reo a |>enna de seis mezes e meio de
prisio e multa correspondente a metade do tempo,
e as cusas.
Levanten a sessao, addiando-a para o da se-
gulnte s 10horas da manhaa.
Ql'ARTA SESSAO.
HA S6 f. aoosto H 1863.
Presidencia do Sr. Ih Manoel Jo.s da -S'/co .VcciA
jaz direito lia i' vesn erne.
Promolor publico a Sr. Dr. Krnn.-iw-., LeapaMinfo
de Uusmao Lobo.
Escrivao Joaipiim Francisco de l*anla Esleves
Clemente.
Advogado o Sr. Dr. Joao Francisco Teivira.
.vs 10 horas da manhaa leita a chamada acha-
ram-se presentes \'i sehores jurados.
I'oram multados em SOFODO cada nm dos Sr-.
multados nos dias anteriores, e os pie faltaram
boje. .
Entra em julgamento o reo Antonio Monleiro
Pereira, acensado por crime de homicidio perpe-
trado napeesoade Miguel de Ataida Comes.
OSr. Dr. juiz de direito nomeouo Sr. Dr. Teixci-
ra para servir de curador do reo, por ser este in.-
"or- i
0 jury de sentenca foi composto dos sennores
segnntee:
Fimino Ilerrulano Bautista Ribeiro.
Vntonio de Hollanda Cavalcanti de AUjoquerqne.
Caldillo Thonia/. Pereira Dudra.
Jos Pedro das Seres.
Jos Antonio Vieira de Souza.
Jos Raptista da Fonseca Jnior,
ileioeuiano loa.puin de Miranda.
Hvppolilo Casiano Va^'oncello- Albuquerque
Maranhao.
Amonio Jos Leal Res.
Manoel Antonio Viegas Jnior.
Francisco Marindo de Albuquerqne Mello.
Jos Elias de. Oliveira.
E prestaran! o juramento dos Santos Evangelhos.
Foi o rao interrogado e procedeo-se o leitura do
processo.
O Sr. Dr. promotor pedio a condemnacao do reo
no grao mnimo do art. Illa do cid. ci ini.
O Sr. Dr. advogado deduzindo a deleza, pedio a
absolvicao do reo. .
Finds os dedales e preenchidas as solemnida-
des da le, o Sr. Dr. juiz de direito propoz ao jury
do sentenca os respectivos onesitos.
Recolhido o tan de sentenca i sala secreta das
conferencias s S )i horas, voltou s oito com
Mas respostas quo foram lidas pelo Sr. Francisco
Marinho de Albuqucrquc, presidente do conselho,
o Sr. Dr. juiz de direito publicou sua sentenca, ab-
solviendo oi'-o econdemnaado a municipalidad.'
as costas.
LovantoU a sessao, addiando-a para o da se-
einte s 10 horas da manhaa.
Praos el e i lores d i" circulo.
Entre os nomes respeif-iveis das pessoas que se
apresentam candidatos a depatacao geral pelo V
circulo ilesta provincia, figura o do lllm. Sr. Di.
Antonio paminondas de Mello. Nao tenho em
mente fazer arredar do [ileito a aquello que se co-
nhecer habilitado, e com direito e sim dizer una
verdade que sinto, e que nao desejo fique abafada.
Conheeo, assim como inuitos conhecem as pes-
soas que por aquelle crculo se apresentun can-
didatos, e a todas ligo respeilo econsideraco, mas
werdade seja que nem uoia excede em direito a
essa pretencao ao Dr. paminondas de Mello. A
pratica de viver com os homens e entre os ho-
nens, me leva a conjieeer que, neeeas occasiocs
de suas preteneoee, apresenlam muitos Ihaneza e
boadade que depois esquecem, e oulros como eu
devem disto recenlir-se : nao quero com sto dizer
que tenha eete habito os sehores que por all sao
candidatos, mas o teem niulos outros, e tamo as-
sim e que nao passa desaperreliido qne .tenho
ouvido por um tal motivo muitos a se queixarem,
oa deste, ou d'aqnelle.
Mas aquelle que conhecer e que eommnnicar ao
Dr. paminondas ver nelle o contrario tena
pratica.
Em todo lempo, mesmo no de torturas para o
homem pobro, o Dr. paminondas nao escasso
em preslar-Jhe os seas servicos, e nem nunca ehe-
ga a dcsconheccr, e a deixar de tratar bem, e
muito bem a aquelle que na sociedade.ou nao teve
a gloria Ihe baver tocado um nomc grado, ou que
a sorte Ihe tenha sido menos favoravel do que a
ontros. Eassim dignissimos e independenles edi-
tores do 4o circulo, escolhel d'entro os outro* o Dr.
paminondas para vosao representante, e nao vo<
seus suffragios para um lugar de honra na
representarao nacional ao Sr. Dr. Felippe
Lopes Netto, fiel companheiro do infortu-
nio, e trabalbos d'aquellos distinctos libe-
raes.
Pela circular do Sr. Dr. Netto transcrip-
ta no citado Marte se evidencia, que, ten-
do sido elle sempre liberal decidido, niio
busca apoio extranho. s anhela e sollicila
sulragios dos seus anligos correligionarios,
os quaes por isso mesmo, e por sua propri.i
dignidade e braso nao deixro de o aco-
Iher e preferir.
Por essa mesma circular do Sr. Dr. Nel-
to se observa, que elle pleiteia a sua can-
didatura, sem offender interesses alheios,
ou promover a exoluso designada de qual-
quer dos oulros pretendentes.
Se os suffragios que forern prestados ao
Sr. Dr. Ntto prejudicarem a alguem, nao
ter este direito de queixar-se da sua apre-
sentaco, por que elle nao se prevalece dos
raeios ignobeis, s recorre aos seus anligos
amigos e correligionarios. Esses altados
sendo de fresca (lata, niio se podem consi-
derar offendidos ou preteridos en seu mo-
A S,\LSA PAUHILHA DE BHISTOL.
Poucos remedios ha que tenham produ-
zido tantos beneficios no mundo como este.
E' a nica prepara-no que ataca invariavel-
mente no sangue a origem dasenfermidades
ulcerosas e erupliveis e extingue ao mesmo
tempo a causa e o effeilo. Podemos pois
contadamente a tancar que com sua puri-
fieadora influencia a corrupcfio se transfor-
ma em incorruptihidade. As chagas es-
crofulosas e todas as molestias externas glan-
dulares e cutneas, communs nos paiz.es tr-
picos, cedem promptamente a sua poderosa
agencia. Seus effeitos curativos as affeceocs
dofigado e nos rbeumalismos nao sao menos
sor prndenles.
Acha-se venda em todas as droguitas e
bolicas do imperio do Brasil.
Sil TiMja
M0YIMENTO DO PORTO.
MONI entriUo m> din $5.
Acarac e portos iiu.rmedi.rt7 dias 4 k>Mu
porto ti horas, tapnr nacional J,v*,tr*r. 4* \M
toneladas, eommaiidanle Manoel J.>j.|iura L.i.>-
to, eauingen ::i.
Nao lioaverain cutidas.
EDITES.
COMMERCIO.
NOVO BANCO
DE
IUKKO
EM 23 DE AGOSTO DE 1883.
O Banco desconta na presente semana a dez por
rento ao anuo at o praso de quatro mezes, e a
doze por cont at o de seis mezes.
tlfandcga
PBLICACQES A PEDIDO.'
Erysinella.
V.iUioii's
Novhiciio dm lfandra;a.
entrados NB fazen.las
eom gneros
tierna direito.
Eleitores liheraes do segundo districto, (mS8?10 i-0 ** l A
correi s urnas com a constante indepen-J uein .....
dencia. que sempre tendes comprovado em
ondas |Kic:.s, e em iguaes circunstancias:
dai um publico testemunbo de que sabis
reivindicar os legtimos foro do vosso mag-
nnimo partido, e a despeito de quaes quer
snggesloes em contrario, elegei o vosso dis-
tincto concidadao, e verdadeiro correligio-
nario o Sr. Dr. Felippe Lopes Netto, que
por seus recommendaveis precedentes e glo-
rioso passado necessariamcnle hade corres-
ponder a vossa contanca, e honrar os vos-
sos suffragios.
O liberal'genuino.
:V7Y.493|M6
15:837,1138
390:3331081
Volumes sabidos
eom Eawadaa
com eneros
H
83
------- 141
138
l..
:m
Desearregam no dia 27 de airosto
Barca ingtoza imajimii fcrru e podras.
Bacana dinimtrajiMi rwm mnrradnriin
Barca |iortuguezaB''//. faueirem teneros de
estiva.
I ni portado.
Brijiie portuguez Helia ffwerente, vindodo Lis-
boa consignado: a E. B. Rabello, manifestou o se-
gninie :
O pipas c 80 barris Vinho, 60 ditosazeite de Oli-
veira. W ditos toueinbo. 65 barricas alpista. i Gal-
lotes cognac. 2:1 caixas cera, 50 ditas e 600 mo-
IIios ceblas, e 1:460 pedras de lagedo : ao con-
! signatario.
O medicamento que com mais influencia barris azeite de Oliveira. K ditos, 9 pipas o
e energa tetn combatido essa terrivel en- 9 metes vinho, i caixas boteemt, i ditos e ."7 an-
fermidade, tcm sido o xarope alcoolico de coretas massade i.....ates, i caixabracos de batea-
velamc -l: ('',as btelas; a T. de A. Foneeea Jnior.
., .. r, I volume peneiras. 1 caixa mercurio doce: a
a cscrava da mado Sr.Francisco | TheBMl FerSdsda Cimaa.
3 caixas sapatos; a Antonio Bodriuues ?into.
cscrava
Firniino Monleiro, pessa bem conhecida
ueste cidade, achando-se de cama, e cora (
as pernas bastante indiadas, e cheia de tu-!
mores, tomando o xarope de veame, adia-
se hoje ba, prestando serviros.
A mana do Sr. Jos Francisco Pinto, mo-
rador na ra Direita n. 51, tendo sido ac-
cotnmellida do mesmo mal, acha-sc tambem
boa.
A Sra, D. Senhorinha Umbelina dos San-
tos,
achanuo
com quatro tumores bastante volumosos, no
estado indolente, que a privava de pr-se
:io barris azeite : a A. V. da Silva Barroca.
12o barris toncinbo, s dos cera em gramo, 10
ditos azeite de Oliveira a T. de Aquiuo Foneee...
300 saceos (arele; a A. de Almeida Gemee.
:(caixas ebineUas de orello; a Joaiiuim 1'.
Arantes.
1 caixa ditos dito : a Satyro Serafim da Silva.
13 barris azeile de Oliveira: a Jos Marcelino
da Bosa.
1 caixa livrosimpiessos a Aranaga livjo \ C.
I barrica liuhaca, S dteu azan o, 1 dita accido
moradora na ra das Calcadas n. 38. EES* llt,SE?-i22fc?^25
, ii aiiiomaco. 1 lila vldros e drogas; a Joamiun M.
iuo-se atacada de erysipella as coxas, ,iu (>uz (;on-,;a.
1 fardo macolla, I dito grama, I dito malvas, 1
dalia agua ingleza. t dla oteo de amendoa. 2di-
i i : tos drogas e caixas para pilotea, 1 barrica mostar-
uso uo xaro d dila -a, Ult)Chii a Joai,uim j(. Almeid;
i ourcativas i.m
pe alcoolico de veame e pilulas p.b
do mesmo, acha-so restabelecida, e no uso
dos medicamentos os tumores terminaram
pela supuraco.
A Sra. D. Rila, moradora na ra Direita
n. 6, segundo andar, soffrendo do mesmo
mal ha muitos annos, pois que a erysipella
atacava amiudadamente, depois que tem
tomado esse remedio nunca mais Ihe deu.
0 Sr. Antonio do Espirito Santo Senna, sabugo, i catete graee~3barricas resina a Joao da
morador no pateo do Terco n. 437, sendo Silva Faria.
, ___ ,,__' .. ,,,! j o:mii 8 saceos grao de bi.-o. n, ancorlas
frequentemenle atacado de
testculos) nao mais Ihe '(leu
i
Pinto.
1 catele livros, l barri<|uinha farinha de cen-
teio; a Manoel lavares Cordeiro.
:iO barricas eevada, 20 barris azeite de Oliveira ;
a Luiz Jos da Costa Amortan.
8 ententes mama de lmales; a Jos da Cosa L
Jnior.
"i barris vinho: a Francisco Gomas de Oli-
veira.
1 calite um fogao; a Antonio de Souza Bego.
I dito e 1 fardo drogas medicinaes, 1 dito flor de
0 Dr. Krnesto de A.juino Fonera raval
ordem de Cbrislo, juiz de urpaos c
da cidade do K.cilee seu termo raotttl 4 pro-
vincia de Pernambuco por S. M o Ib^iiiI i
'pie Peen guarde ele.
Fac saber aos <|ue o prsenle edital %itrm -.
delle tiverem noticia que procedeudo-se por ^4e
jiiizo as diligenci.'- da W foi por mim en o
peclivo processo julgado maniaeo e inrapaa V M-
mimstrar sua pessoa e beos Anl.mio "iiiimi i
Oouveia, braneo, casad, morador mu ri.iw
daudo-lhe curador provisorio na aesMa de -wa m-
nliado Jos de Paiva Ferreira Jnior moradnr rie-
la moma cidade, cujo cargo areiton e >Hk -
acha investido, e romqufm dora rm diarntr m
leverao entender tenias a.pieihis pesMtus >jne U-
verem negocio com o dito maniaca K para **
possa |>essoa algiuna valkianmk rom eta rna-
tratar e liqueni millos e de n.-nluim <-Rntn ajaaa*-
quer contratos que como m.'-ni" maniaro po
ser celebrados, inandei passar o presena* fm stn
atlixado no lugar publico do c.iMume. drts **
tiver passa.to prir onde compete e poMirdo aHa
impiensa.
Dado e iiassado ue-ia cidade .lo Reeife de fer
nambuco aos i de agosto de IN&I. H m me-
|H'iideueia e d imp.rio do Kra>il. Fji JWte Fa-
cundo da Silva (uimarae>, e..riv;Hi o ftarwvi.
'-- Krne-i.i de jtanfcw Fonstca.
Baga il.r .lireil. rliancllaria Vft rs. P>-||
2V de agosto de 186.1.r.nimaraes. .\nwer t
liis 2.KI rs- Pigou i50r<. dos din-itoa .I.- -i
ceiiaria. Keeafe aa da afate de imt.cikw*.
liilieiro.--Numero Xi) esiavam a> arman iaapr-
rtoes) iOOrs. P.igou iuo r<. Kerile tt t itmmm
de 186:1. Chaves.Fr.un;a. I>.nii Franrro Bal
loatar da Silveira. presiden!-'. Transiloo fra
ctemaaimrte. Beeiia JA ammm d> !*>'!. Fra*-
cisco dos ateta Sama CaaajMm rnni r i un m\i j
foibas t> verso dicimpetenle bvro n. M flerit--
! 2"i de agoato da MS3. 4teaa*iate Jnmor.
j A canina municipal doia cidade faz pubb-
1 co para coiilieciiueiiio i|e cus mt.niripo. e tafr-
[ciafmeato do corpo elefloral. aernav e hteaa peta-
denle da proriii'i.i llie coinin.inic.ulo v>r >>nV:
de IH do correnie. que em virtis >l" \." art 2\
da le de 12 de :'-..-lo de IH34, mavocra p*>rpir-
tarte de igual date a nova aaaaaMi fi ji itaai i
provincial para a prxima legislatura pie ten eV
liinceionar nos ai.....- da l*M l*i."> ilesirmmto
o da 1"> de novembro vimlonri^ para mate pr.-
ceder a eleieao do- mrmbros da n>-sma a*eiii-
bla: deven.io o I. ilisirieto dar anta memexrw
da piBirnilils laojMlaliva priviin-ial. c..nf pi'ie o art. 2. do d.rreto n. itr.5 do I." de sefcio
bro de 18I0.
Paco da cmara municipal do Rrrifr ero -en
de a de agosto de isn:!. -l!.lolpao Ao fltn*-
de Almeida, pro-piesilent^. F^aaateaa i!aant
da noaviagem. laraateite.
Peante a cmara municipal desta .-idaV os-
lara., em praca nos dias :l| do convele, t ". :
setembro prximo \iml.Miro. atlm > seresa T>--
matadas as seguintes renda- mnnicipaea :
Impost le amnrdes................ l->:
1 dem de KO rs. por carga de larinha i;HH4
Alugucl da casa da roa da Florentina.
Os pretendentos a t:c< arr-matacVs nSn pnfc-
i i.i lidias licitar sem qne api -senlein hdarv.' hs-
bilitados na forma da lei
Paco da cmara municipal do Recife em v*s
de Hdc agosto de IHti.l. Ibidolptio J de Ata ida, |>i-.i-pre-nlenie. -Francisco r.mi'fc ll
Uoaviageni, secretario.
DECLARACOES.
erysipella nos
at esta data ;
oulros muitos fados desta ordem dei.xo de
mencionar aqu para nao me tornar prolixo
e enfadonho.
Sendo a erysipella uma molestia que sem
duvida efieito de materia gerada no corpo
cevadas 25
caixas cenlas,2,'i ditas batatas: a Antonio Feman-
des D. de Almeida.
3 quartollas, e 88 barris azeite de Oliveira, 1 di-
to vinho: a Marques ix Silva.
1 caixa palitos \ a Joaquim Ferreira Diniz J-
nior.
1 dita mercurio doce ; a Yaz A Leal.
2 barris mostarda,.'! caixas plantas medicinaes.
como expem alguns escriptores de medi-! peaeiras de cabello e de seda a Denker A Bar-
cina, e em consequencia da febre lancad?
na pelle, onde produz inflammaco, e qne
muilas pessoas, por n5o se terem conve-
nientemente tratado," suecumbem com o
pernicioso uso de que, nos tres dias nao de-
vem usar tle remedio algum, o que faz se
estender o mal por nao se ter a principio
combatido ; por isso, pois, conveniente
que, logo que alguem se sentir atacado de
tal mal, deve provocar a transpirado loman-
do -ao principio uma colherinha de cha do
de veame dissolvdo
roso.
2' pipas vinho : a Palmcira & Beltrao.
I caixa mercurio, 1 dla rendas de linho; a Fran-
cisco Gonealves Netto.
1 lardo drogas medicinaes, 2 caixotes agua in-
gleza ; a B. F. de Souza.
50 barris toucinho, 50 caixas batatas. SO ditas
robla ; a Candido A. Sodr da Molla.
I caixa livros inpressos; a Jos Nogueira de
Souza.
l'i barricas alpista, lOancoretas eevada, 10 ca-
xlnhas azeite doce. 50 caixas batatas, 25 ditas ce-
bolas ; a Francisco Fernandes Daarte.
1 |K>nta de lcorne, 1 caixa capellas para tmulo,
5embrnlhos dinheiroem prata, 6 gaioilas coxixos
canarios. I dita guieos, 1 dita gatos ; a or-
xarope alcoolico de veame dissolvido em
uma obran de infus3o de flor de sabnguei- i jj^"1
ro quente, adocando-a cora mais assucar, j ^ barricas c 44 ancoreas eevada
continuando nos tres dias nesse tratamento, de Soasa Agniar.
no fim dos quaes usar do xarope de Tela-1. ^ bars touciaj,, i
me na forma proscripta no receiiuario,
tendo todo o cuidado de se abafar. atlm de
suar convenientemente, alm de conservar
tousflho ;iliMHtiratl.
d conselho adminioiaiiv.i |iara form liiitaa *>
arsenal de guerra, tem de cmlralar o tnra^cieai'ii-
to para o rancho da eompanhia dos laeaoret *>
arsenal de guerra nos mezes .le -s'ieinbro e oatu-
luo prximos vindooroa
Pao de oncas. bolachas, caf em ario, rki
lixsson, assiu:ar retinado de 2. -vrle, namatea
, franceza. carne verde, carne -.ca, amtente d'
1 Lisboa, baca ISao. feijao preto ou aateaftetet, al-
| .pieire. larinha de mandioca da Ierra, arrnr. *
Maranhao. azeite doce de Lisboa, garrate, a#r
de Lisboa, garrafa.
Quem quizer conu atar o dito ranche aansaate
,1- suas proposlas no dia 31 t corrento. isNte
1 a.- da mauhaa, na secretaria du mesatu ceamW
Sala .las sessiVs do con-sdlailmaawaraliT. |
lornecimeiito do arsenal de guerra, 1% aV .
de 1863.
AMfomo Pedro de S Brrelo.
Coronel pre-iileale.
Srha*tk\n In/.xmo do rp ter*,
Vopal iiiiafJil a
De ordem do lllm. Sr. juiz de pez do I.* dis-
tricto da Ireguezia de Santo Antonia canate Aw
l.niz Pereira. fa.o naher a qnein cenvier, ,-
rantc esle juizo s se devera comparecer an mr**-
conciliatorios, por outrem. com pmcnraeiehaalaa-
' le paspada por labelliao. e quando fnr petep
; parte seja reconheeida a sua firma, imo se;
' apunarlas.O cscriviio. Silva Bega,
limaos.
'I volumes
Monleiro.
H caixas mercurio
a Antonio A.
Tasso
camas do ferro; a Bernardino Jos
; a Prente Vianna & C
A praca aimuneiada para a v
cravos jieranle o juizo municipal da !. vara, pw
cxecHc.o de Balthar A Ohveira contra a keraara
do finado Jos Penando da Cniz, paraaejaal es-
lava desiguado o diade bontem 28 deenrreaa. -
con transferida para sabbado 19 da mama ama.
sendo que os escravos se acfcam nedepaatte mmd.

.
sjo pecas escolhidas, avahados rada
y



I
I

llHurlo de Pernamitmfo Qnln** fclra t* de Ag Tela secretaria fia (.amara municipal
desla cidade ; io* a le: i
"m ordinaria di mesma camnra no pr-
senle anno principia \u> tlia" 31 do corren!*,
e nos que se iegue.ni.
Secretoria da cunara municipal do Rcci-
(V. 2 de a^uslu de 18)'.;!.
O secretario
Francisco Canillo da Boa-ikigem,
Crrele gernl
l'ela administrarlo do correio dcsta cidade se
faz publico para fin convenientes, que em viriude
do disposto do artigo 138 d" regulamento geral
dos crrelos de 21 di- dezemuro de 1844 e artigo
9 do decreto n. "K.'i do V de inaio de 1851. se pro-
ceder o consumo das carias existentes nesta ad-
mnisirarao, pertearentes ao mex de -agosto de
18*2. ao dia a $ .-''lemliro. as U horas da ma-
nhaa. na porta do asesino crrelo, e a respectiva
lista se acna desde j expasta aos inierr>sados.
Administraran do correio de Peniamburo 21 de
agosto de 1863.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
t orrein.
Pela administrarao do correio desla cidade se
faz publico que ein viriude da convencao poslal,
celebrada paos gocemos brasileiro c francez se-
rla espedidas malas para a Europa no dia 31 do
corrale mez, de confonnidade com os anuncios
destfl correio. As cartas serao receladas at loas
bocas antes da que (r marcada para a sahiaa do
vapor, e os jurnaes al 4 horas antes.
Administraran do correio de Pernambueo 21 de
agosto de 1863.() administrador.
Domingos dos Paseos Miranda.
AVISOS MARTIMOS.
COHPHIA
MESSAGEBIES IMPERIALES.
No da :t do correnie espera-se
dos portos do sol o vapor francez
Ketremaure, eommandante So-
mor. oqual depois da demora do
cosiume seguir para Baldean
tocando em S. Vicente e Usbda.
Em S. Vicente ha um vapor em correspondencia
com Gore.
A enmpanhia encanv cadorias embarcadas a bordo dos vapores, assim
BOOM lamben) recebe dinheiio e objectos de valor
com destino a Londres em transito por Bordeara,
o Boulogne.
Para as eondroe.-. freas e passagens trata-se na
agencia ra do Trapiche n. !.
~CMPANHIA BKASmEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
[ ^j^ Dos norias do sul esperado ate*
o dia '10 do rorrele o vapor To-
eemtku, eonuuandante o primeiro
lente Pedro Hypolito Duarte, o
qnal depois da demora do costu-
nie seguir para os portas do norte.
Desde j recebem-se passaceiros e engaja-sea
carga que o por poder condnzir, a anal deveri
ser embarcada no dia de sna cnecada, enaom-
mendas e dinheiro a fele at o dia da sabida s 2
horas: agencia ra da Cruz n. 1, eseriplorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & ('..
IW
1 sobrado mei-aprua de3 and?re n; roa da Crin
1 dito inena^ua de 3 andares contigo a aquello
no lierco.do Abren n. t..
4' liarte do sobrado de 3 andares na ra da
Seuzala Velba u. 70;
Metade do valor do sobrado de 2 andares na
ruad Cruzo. CO;
1 casa tarreana ra Nova de Santa Rila u. 50:
1 casa terrea em linda na ladeira da bica de
S. Pedro a primeira em cima da bica n. 1. .
1 casa junto aquella n. 2;
1 casa terrea na ra de Bemflca em Ghnda nu-
mero 24;
2 tercas partes na casa terreara ladeira do Va-
radouro n. 30.
Todos em chaos proprios.
So em duvida a de n. 50, todos os mais esclare-
cimentos podurao encontrar em mito do agente ; os
predios podem desde j sereui examinados a qual-
quer hora 0 o leiliio ser feto quinta-feira 27 d
correnie pelas 10 horas da mannita na mesma loja
de cera ra da Cruz n. 60..
N0V08 PREDIOS.
Km seguida iro a leilao por conla de (|uem pi-r-
teucer um sitio na roa da Fundicao em Sanio Ama-
ro, em chaos proprios, murado por tres lados con-
tendo dentro casas terreas todas com portao para
o largo projectado para a capella e duas meias
aguas e um alicoree cOni 32 palmos de frente e 90
de fundo proprio para nelle se levantar sobrad, o
referido sitio alm de muito arvoredo tem um ex-
cellente viveiro e tem saluda com portoes para as
ras da Fundicao e estrada do cemiterio.
l'ma grande "casa terrea com cocheira, estriba-
ra, baulieiro de pedra o cal com mais outra casa
a heira da estrada, parte murado e em chaos fo-
reiros no lugar Paruameirinij o sitio todo plaulado
de arvoredos e grande bai.va de capim.
Ira grande sobrado no principio da estrada de
Joao de Barros, em terreuo com 400 palmos de
frente c 2100 no inaior fundo, em chitos proprios,
com cocheira, estribara, quarto liara banho, quar-
tos para criados, agua encanada para a estribara,
banheiro ecosinha,o sobrado todo forrado de pa-
pel e pintado a brauco e o quintal murado, alm
do sobrado que lica descriploba mais terreno apo
der ser dividido para dille-rentes edilicacoes poden-
do ser vendido em loles de diflerentes palmos o
que melhorse poder aarafiear em vista da planta
em mao do referido agente, que est prompto a
dar as explkacoes necessaria beni como a mos-
Irar os ttulos a legtima posse.
l'ma escrava muala bonita figura, boa cosinhei-
ra. engommadeira ele, 1 moleque de 12 annos de
idade, 1 dito de 13 annos bonita figura, 1 negra
moca sem achaques, e 1 casa assobradada em
Olida na ra dos Quatro (lautos, chaos proprios
com frente para a ladeira da Misericordia cuja casa
foi do Sr. Jos Nuncs: para quinta-feira 27 do
correnie pelas 10 horas da manhaa na loja de cera
j cima indicada.
No da 2i do crrente ftigT
i nba-i-
\o assigaadoe i nome Aluivo,
olTIcial do alfaia conheoiao por ter treba-
Ihatto as casas dos Srs. Kilis Jnr->e. e ijltimaiiion-
te na dos Srs. Bastos & Beso, cujo i
signaos srgintes : 1.-1.1I., .,, lu.-ianlt ma-
gro, poura barba e calvo, e anda calcado : qoent o
apprehcnder leve na do "ngario o. 10, ou i*'
aterro da Boa i____________Domingos AI ves Malbeus.
O padre Flix Brrelo de Yasconceilos abre
iuipi'eteriveliiiente a sua aula de latim c fraaeez
np dia 1. do prximo vindouro mez. em a ra da
Roda n. 25.______________________________
4TTBNG\0i
Fugio no dia 20, da casa Jo abaixo assignado. o
escravo Sebasli, pertencenle ao Sr. Dr. Aguiar.
com os signaes seguiutes; |>aixo. corjio regular,
mu poueo corcuudo. barba ingleza, a cara com
marcas debexigas, com falta de denles, represen-
ta ter 40 annos de idade, levou camisa de bata
azul, calca de algodoziuho, chapeo de bata: quem
o pegar leve ra da Aurora, casa do seti svnhor.
ou ra Velba n. 55. que ser generosamente gre*
tilicado. i
______________Adelino Tlieodoro Alves. '
Precisa-se alugar aumialmente ou por festa i
um sitio desde a Ponte de Ucha at o Poco da ;
Panel.i. com algumas accommodacoes, e que seja
K.Tlo de rio correnie : a tratar com Antonio Jos
odrigues de Sonza, na ra do Crespo n. 15.
O abaixo assignado ignora completamente j
qual seja o uegocio de interesse que o Sr. Joaquim
Luiz Vires lhe deseja fallar ; portanlo pede enea-:
reculamente quelite declare analureza do negocio.
__________Jos Suates Pinto Corrcia Juuior.
ATTENCJO
Desappareceu no dia 25 do correnie, do arina-
zem do sal na Boa-Vista, ra da Conceicao, mu ca-
bra de nome Vicente, idade de 20 a 22 annos, alto,
grosso do corpo, cabello meio crespo, olhos nieio
aperlados, que quando olha por baixo. nariz pe-
queo, rosto redondo, tem bigode, e no queixo um
boeadinho de barba, pt;s grandes, levoH calca bran-
ca de brim e um camisao de estopa e chapeo de
couro : roga-se a pessoa que o pegar, dirija-se
ra estreia do Rosario n. 18 C, loja de miudezasi
ou -villa do Limoeiro ao seu dono Ignacio Jos de
Oliveira, que ser bem recom|)ensado.__________!
Alexandre de Pinho Borges e Joao Carlos
Lumack |irevinem ao lllm. Sr. thesoureii o das lo-
teras da provincia que lhes pertaufle o meio billic-
te n. 1188 da 6." parte da 3.* lotera a beneficio das
obras do Gyinnacio Provincial, que corre em 3 do
prximo setembro. estando assignado no verso
por Lumack. Este bilhete desappareceu do poder
dos anuuucianles -, assim previne-se a quem o
achou, que tenha a bondade de o restituir a ijiiem
de direto pertence.
O abis.o asignado tem aborto o m--->. oseriji- \
m
lorio de advcacia na cidade da Victoria, onde ^\mWW^^-W9^W^^P!%1V
la prompto a onvir a tutos, e receber as causa
tilos que s_dignareiaprocurar os seus servteo
Ivogado, enearrega-se teuibem do defesascri^
miuaei perairte o ftirt pm o diflerentes ponto
desta provinci-.
Francisco Corroij _> QutMroz Barros.
mmmmm*
Aluga-se um mulato co/.iiWieiro e proprio pa-
ra todo servieo : na rua do Qneirnado n. 10.
_ Aluga-se urna preta osera va sea vicios, co-
ztnbeira e vendedeira de pao-dc-4*, a quem de%
40_ empreaudos peto tompo que se couveacionar,
ficando o alugnel [lelOF juros da referida quantia
emprestada : a tratar na rua de Aguas-Verdes nu-
mero 5.
Xa rua da lmperalriz n. 'i. loja de ourivea,
enzinha-se para fura com perfeco : os pretenden-
tes ali encontraro com quem tratar.
Aluga-se urna casa terrea na rua da Soleda-
de n. 32, com 2 salas, 4quartos, coziuha fra, quar-
to para escravos. e estribara, com grande quintal
todo murado, boa cacimba, e cora amerantes arvo-
redos : quem a pretender, enttinda-sc com Jos
entunes Guimares a procurar as chaves na rua
do Crespo n. 25. loja do Sr. Ramos.
Henrique Erich retira-se para a provincia
do Cear.
C'arvallto -V .tiogiieira
Sacan sobre Lishia c Porto: M na
do Apollo d 2||.
COMPTABILIDADE COMMERCML
PELO
DR, WITEUVIO PINTO BANDEIRA
Fratasar da senuada cadeira da r.ar.t l.nuuirrrial Pfrn*mh*ru
U01S IIF.I.I.0S.V0I.I MI> ;U s. nm
COMrilKHEMHMiO
O prlmelro Preler^r throriro-pratfIrM dr rarrlpa-
r:fo mrrranlil.
O segundo -Xo^e <1 arllhjprllra ron-
uertial. adawiada prailca da oprrarr* r*ai-
merriars r elenirnio do *\ >*ir
mrtrleo con na* applleaem
ao roKiniorrlo.
PREGO DE CADA VM.l VIK ;iA.
Est para alugar-se o segundo andar do
sobrado n. 44. em a rua da Aurora ; quem
faSM pretender dirija-se a essa mesma rua
iaisKcasa n. 10 que achara com quem tratar.
0 I)iUU) Pode ser procurada das 7 s 10 horas da
maiihaaedas i da lardo em ilianlc no
A. Hi Ruado Queiuiado I\. 10
Ras 10 da man lia a z i da larde
i\.iS Kua da C'rHz
Cura radical e em poneos das as mo-
lestias svphililicas e as do apparelho ge-
Dito "urinario.
E-la obra, apear de eh-menlar. ven preeucber urna lacuna. que era -nuda enftv>
onde lallecein escriptos de certas especialidades com arressoa loda* a- im-lligem-i_.: e.
sim o editor pensa azeu um servieo dando-lhe ptiblicidade. lauto mais quaiitu Ude, que a
Iransaccoes commerciaes e indnsiMS vo entre dos tomando notavcl desenvorrioMMo. 4r\r
entrar a educaeo daquelles que se qnereu ap|ilnar a taes ramo- da vida o rt4h^inirnn i
dos principios da complabilidade administrativa e comiiiercial.
Com este intuito, sob urna forma essencialmente riamra, renniu o Sr. Dr. Wit
principios da complabilidade coiniiiercial no que tem elle- de matJ ftenimlar, rmnfm-
os de modo a facilitar o mais possivel o sen esludo s pessoas que se destinara pm.>-
commerciaes. sendo laes a coneisao e a clareza postas no d< -en volv ment lupriMilv de-se aprender a materia, ebegando-se a escriptorar os Irrros |k>i pnrti dirf.iad^. c apli-
car o calculo s operacoos do comiiu-rcio. sem eareccr da intervenean de um in.--n.-.
O primeiro voliuie. formulado sobre a obra de Itertrand. orrnpa-se mai- e-p.vialnmMe
da escripluracao mercantil por partidas dobladas, cujos principios -ao d---'ii\o|\i.to nu har-
mona com a'legislacao brasileira. coaleado alen disto um importanli>simo ap|-miire 4ire
as sociedades coininerciae- em todos o.- seus movimentos, quer |h-Io Indo da c-, ilpiiox-ai,
quer pelo da forniacao. existencia e exlinccao dcllas era face da lei. Note ap|'iMlicc dupli-
cadamente raoonmndavel por sua originaJidade e |ieki cunln de es|"-ialfeni"i Mr raa>
mercante una guia para sua dreccao. (pialipier ipie seja a forma da torwiadn pe- .....ir.iia. j
Completa este volante O s|ccimeno resumo de una exi ipturaco. Driiria vi-rd.idr. ma-eni
tudo semelhanlc de una casa de commerco ordinario, ofciei endo ama i ie de apctaffai
siiccessivamenle mais difflceis. que as-im inicia gradualmente a mancha il >w riptnra-fap
nos dilJ'crcntes livros de urna casa de cwnmercio.
0 segundo, egnalmente formnlae sobre i obra de Knttinger. nrcapa-sc parlina
h da aritliini'tca comiiiercial com exercicos e araUenm pelo aieio anb >iiopl.-- brila b
\MJ da regra conjnncta, acerca de tolas as operacSas pratiras usuae- n coiunn-n ; m 4ti
^ clculos de cambios de praea praca e por piaras intermedias, bem cuno eqtnrM (! Im
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos porioa do norte esperado
at 0 dia 'i de setembro o vapor
trmcesB de JoimciUe, comman-
dante o capitn leante Sania
Barbara, o qual depois da deino-
r.i do costme seguir paraos portas do su!.
Desde j.-i ivivbriH-.- pas-sciros r engaia-se a
earga ana a vapor peder condnzir. a qnal severa
sei embarcada no da de sua rhegaa: eneom-
dinheiro a rete al o dia da sabida as 2
hora-, agencia rn^ da Orna re. I. eseriplorio de
Antonio l.uiz e Ottvoha Az.-vido *, "..
ira LisWa
vj sabir bruvomeiile o brigne portuguez BtUa -V-
gnehreme poi ter a raaior parte da carga engajada:
para o resta qne lhe falta e passageiros. para os
quaes tem excedentes esaunodtis, trata-se com o
lianatario E. R. Rabello, rua da Cadeia n. 53.
Cara i Kahi-t
Opalhaboie(j./>/i/i//tem parte da carga, para o
resto trata-se rom Tasso temaos.
Para o Muranho e Para
pretende seguir nestes oiaodias o veleiro e bem
conbocido brigue escuna J6>ni Arlhw, tem a
-.i! bordo par'.' de sen carrciraineuto ; para 0 res-
to qiv lhe lilii. trata-se com os SCUS ronsi.un ,'a-
tartos Anbmio Luiz de Oliveira Azevedo & C., no
sen escriptorki rua da Cruz n. 1.
Para o lti<> de Janeiro vai crregar, sem
grande demora, ortigue brasileiro imperador, ca-
pilSo Jos- Rodrigues Pratis, recebe carga a frete,
ita-se do escriptorio de Amorim Ir-
ma s. rnadaCruz n. :t.
Para o Porto
Al o lim do mez prel n le igo i o veleiro e
Irmh coaheciik) brigne pettuguia Mello I: tem
imeiitu proni.ilo : para o resto
que lbe falta, pata- rom os sen- consignatarios
Antonio Luiz le Oliveira VzevedoA >',.. no seu es-
criptorio rua da Cruz n. 1.
Urna cusa terrea em chaos pro -
prios sita na rua das La-
ranyeiras n y
Quarla-fflra 2 de seteniliro \inilonro M mi'io dia.
Oagenle OI\ rapio acha-se autorisado a vender
em leilao a casa terrea em chaos proprios sita na
rua das l.aiangeia- n. *. leudo a mesma 2 salas,
:i quai los a quintal e rende mcnsalmeule 165,
AYISOS DIVERSOS.
LOTERA.
Quiula-feita 3 do solembrn prximo se
Gxtrahir a sexta parle da leiceia lotera do
("iviunasi Pernambucaoo (3.1 conccsaSo).
Os bQbotes emeius buhles acliam-se
vend na respectiva thesooraria, rua do
Crespo u. i o, e nas casas commissionadas
rua da bnperatriz n. |4, loja do Sr. Pimen-
tel, rua Direita n. 3, Indica doSr. Gbagas,
e ruada Cadeia n. 4.ri. loja do Sr. Piulo.
Os premios de 5:000/ at io,S serao pa-
gos unta liora depois da extraerlo at as \
horas da lardo, e os oiitros no dia seguinle,
depois da destrfeuieSo das listas. #
O tlicsottreii'o,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
O abaixo assignado previne a quera conviei,
e para' que a todo o tcuipo uiio se possa chamar a
iguorancia, que o Sr. Jos Jaeintho Pavao, mora-
dor na cidade de Olinda. nao pode alienar seus
bens como lera annuncado. anda nao penhorados
pelo tnesrao abaixo assignado. em viriude da e\e-
i cucao que contra elle promove pela quautia de
dos contos e tanto ; e |>orque conste que o dito
j Jos Jaeintho Pavio procura fazer contra los gioM-
' lados:sobre alguns dos taes bens, e a predila exe-
cucao dever entao encaminliar-se contra antros
quaesquer que livres estejam, onde inellior amis
pronipla solucao :_sto posto, o abaixo assignado,
desde j protesta pioceder pidos nieios competen-
tes, e para salvar seu drelo contra quem, a des-
peilo deslo aviso, effectuar qualquer contrato a
respeilo de taes bens. Bache 27 de agosto de 18i">:!.
Manocl lavares de Aquino.
Fugio do engenho Marcuj, na noite do da
24 para 25 do corrente um escravo de nome Man-
drias com os signaes seguiutes: cor pret, bas-
tante barbado, tem um dente de menos na frente,
peinas arqiliadas, urna cicatriz no Descoco e outra
noslombos.com 40 annos de idade. levan luna
camisa de algodoazul contra demadapolao. una
' bata encarnada, e chapeo de pauta novo -. presu-
j me-se ter seguido para o Paje em conipanhia de
! Manocl, mulato, de 2"> anuos d i idade o qual lem
o labio superior mais saliente, o nariz grande c a
I falla caneada, sem barba alguna; prometteee gi -
nansa recompensa a quem apprebender o referi-
do escravo e.o levar ao engenho fln ahaheo assig-
j nado, on no Recite a M.inoe.l Jos'- h'.-i u:oi.l.-- Hui-
ros, na ruado Qoeiinadon. 30. segundo andar.
Francisco de ltarro> \,\\ ,~, da Silveii
.ilugurl.
Aluga-se a casa terrea n. 1S na rua Yclha : a
tratar na roa do Sebo n. 2'i.
CUHA RADICAL
lr c iuLiiniii;t.;.so no ollio dl-
relto.
Sr. redactor. Eu tive una dor e inllaininacao
violenta causada de una pancada receida sobre
o olho direito no exercico de nimba oceupacao
(marcinciro), e eon medo de perder a vista, ap-
pliquei urna chapa medicinal do Sr. Ricardo Kirk.
eseriplorio na ruado Paito n. 119. a depois dcsta
applcacao a dor e nflnmmacao desappareceram. I
Agora, por ventada de Dos, estou perfettamonte t
reslabelecido, e j trabalhaudo por meuofficio, na'
fabrica do Sr. Leger. rua da Ajnda. becco do Pro-;
psito n. 13.Ernest Coranda. I
aria Joaquina de Sanl Anua participa a lodos
os seus fregueze de llores e lilos que mudoo-se
da rua das Flores para a travessi dos Bxpostos,
primeiro andar do sobrado n. 10. onde continua a
ter grande sortimeqto de llores para enfeite de
igrejas, e llores tinas de todas as qualidades, tudo
mais barato do que em outra qualipier parte : as-
sim como aprompta liandeas de bolos pelo ba-
| ralo preco de 12. 14. 20 e :)(5. sendo estas de ri-
ca- arinaeoes e eiifeitadas com bouquets d.' cla-
ves, rosas e allinim.
; l*m boinem portnguez, casado com pouca fa-
milia, ofcrere-se para ser caixeiro ou administra-
dor de algum engenho, sendo perto da praea : i
pessoa que anuuncia sabe bem ler e escrever, e
muito conbeiido nesta cidade, onde reside ha 2o
annos: quem precisar annuncie._____ _
Precisa-se de nm menino do 10 a annos
jara caixeiro, no deposito da podara da rua do
i oIom-iiii o. :i|. aOe.ta IfUC OO lenba pra'ica : a
Matar na mestna.
com arbragens de canuios, alm do desenvolvimento do >sjeraa mtrico em suas r>-tan~e
cora o coinmercio. Ilustrado por meio de tabellas de eoarversao.
O editor nada mais accrescenlar estas breve. palavras. que iss iliioon-iioi. ..
portancia real desta obra, devida a intelligeneiaeaappliracoar<-nrada d.....u aoiot -.-nao
que ella de utilidade geral, e qne a nenliiun eonuuercianle < rae-mo a homem altura r lat-
irs licito dexar de |iossu-la em sua estanle : aria coiniuercio em -na- variada--vd
roes, entene actualmente com ludo que se liga i vida.
A assignatura toma-se nas livrarias dos 8rs. Guimaries^ fHiveira. Nogara ii-uu-
za, Juliao Pereira e Geraldo II. de Mira, sendo reali-ada sna importancia |la quita iW- rada
volunte ao sabir-do prelo, para o qual ora entra o piflnafra
I EMTua

i :*;+; mmMm .*:- :?: ****&
INTEBNATO
ni:
lv'2>o
3jC7

LEILOES.
a\
Cn
n-.
fc>
III
Faadas, m ranuancia
OJ
Linden Wil I & C. coiilinuaro boje por i nier-
iducao do agctaUi Piulo y sen leilao de fazendas,
visto naotersido possivelexpoi bontem lodoosor-
menlo por lalia detem|io, e para gue nualise bo-
lacurrencia de seus fregueses as lo
ni jBinio.
LOTnEUIA.
o ibesoureiro das loteras desta provinl
ca, deseyando extrahi-las em maior capita-
ic com nii'ii'iirs intervaUos, offereceavanta-
igem de dous por eento quem comprar
para negocio, oa qaantiade lOO^para cima;
assim como se propoea estabelecercorres-
pondencias para rjukpier locaUdade da pro-
vincia, remetiendo bilhetes, raeios e lisias.
[sob llanca idnea: devendo o pagamento
[deUesser feto logo que sejam recebidas as
lisias,e dovos billu'les remetdos. Otbe-
soui'firocello da (iiiiwiiii'iii'iadesscUOgOCO,
convida aos Sis. eoninieirianli'S da Victoria,
Goianna, Rio Formoso, Nazareth, SerinbSem
ulitis localidades populosas da provnola, e
mesmoos desta capital, que o quizerem, a
enlenderem-se eom rile na. thesouraria das
loteras, rua do Crespn. 15: adverando
quereceber em pagamento e semdesconto,
os bilbetes premiados de lodas as loteras
da provincia recomidos thesonraria da fa-
zenda provincial.
Thesonraria das loteras. 20 dejuiiho de
I8(s:i.
tkeaoureiro,
Antonio los Rodrigues de Souza.
LEI. 10
liF
Moc:s Garras, carillos, ruc-
eas com crias, en lega, pia
nos c meraros,joias de ouro
prata e brUUantes e outros
muitos objectos.
Htm lluiie.
Hoje 27 do coi rente s 11 iioi-as.
O agente (iLinpio far leilao em seu arniazem
rua do Imper.'.dor n. W, de diversos objectos, sera
limite, para fechar contas de venda.
PR EBIOS
Lnja de prata e onro.
IIOJK.
O agente Pestaa far lotlfio a vqiierimitlo do
leslamenieiio inv.nlariante do fallecido Fortuna-
ta Cardoso de Goaveia epor despacho do lllm. Sr.
juiz municipal da segunda vara, da armacao da
de-aera e acera am vela- grume, lio de al-
to e maja pertenecs Aa fabrica e pertenecs da
loja do meano finado da rua da Cruz do barrodo
Recifen. (0, (.ssim como itastieaes de prala. sal-
vas, palhiteiro, colheres para soya p cha, relogios
*de ourocom imrreni". oratorio, brincos.
duras, Afalasc mais
C4S\ 1)4 F0IITU\A
O abaixo assignado venden em seus felizes bi-
I Ibetes garantidos as duas sortes de .":0i05 e de
1:000 em meios bilhetes, e outras militas de 1003,
j40e 205 da lotera que se acabou de extrahir a
' beneficio da greja de .Nossa Senhora das Naves
de Olinda. e convida aos (lossiiidores de ditos bi-
lhetes a virem recabar seu.- respectivos premios
por infeirosem descomo algn em seu estabele-
cimentoCasada Fortuna rua do Crespo n. 23.
Assim como tem arpalo a venda os novos e fe-
lizes bilhetes da sexta parle da lerceira loleria do
Gymnasio IV-rnambucano que se extrahir a \l de
sclembro prximo em sua dita Casa da Fortuna
rua do Graspo n. 23. e nas outras do rostume, cu-
jas sortes que elles obliverem serio pela forma pa-
gos lina hora depois da extrarcao.
re^o.
Bilhetes inleiros..... 64000
Meios bilhetes. ..... 3*000
Paia as pessoas que romprarem
de iOOfi para cima.
Blhet.'S........ MWtt
Meios.....v 730
Manocl Marlins finia.
DOS
4ftTiSi 4S HEGHArXICeS E LIREK4ES
PENAMBUCO
Oe ordem do lllm. Sr. dircrlor da sociedade dos
Artistas Merhanicos e Libera es. cstabelecida no
consistorio da igreja de S. Jo>, sao onvidados
todos os senbores sor a sessao ordinaria
que hoje se tem de eonvoc
Secretaria da sociedade dos Artistas Mchameos
e Liberaes de PeruaniJjoeo S7 de agosto de 1W:.
Sirreira. 1. sefretaiio.
li g oes
PARTIDAS DOBRADAS
AKIQ?IJh:TIC 1
THKS VKZF.S POK SEM \ N A
KliLls! QUINTAS K SAIHHHOS
DAS 7 s 0 DORAS DA \olir.
Pirre 10,000 rs. iiieiisacs |iai|iis ailiaulados.
Naisuel Fosmcca il MedeiruM.
contina a dar lieSes das referidas materias do
primeiro andar do sobrado da rua Nova, que faz
esquina para aCamlioa do ('anuo, onde tramilla o
Sr. E. Gadault. As pessoas a quem o preslimo do
anuunciante pnder aproveitar dignem-se proc'ura-lo
ah smente nos das c horas cima designadas*.
Aluga-se urna boa casa terrea com bons
modos pan grande Camilla, sita na roa do Pcoda
l'anella. pello do banho : a tratar com Fredeiico
Chaves, na rua da Iinneralriz n. 19.
I. Josepha Francisca l'nlo Hifiieira Ha-
mos a iHkis ragaoi a lodosos sen.- paroateg
e amigos de seo sompre chocado esposo e
pai Joao Rufino da Silva llamos, para assis-
tircm a missa que pelo reponso cierno de
sua alma mandara dizer no dia 27 do corren-
ie na matriz da Boa-Vista s 8 horas da
nhaa.
na-
usino l'ma pessoa com precisa habilitacao nesta ci-
dade. propoc-scaensmar parncnlarmente apr-
senle [ingna, e da urna maneinl conveniente o
pretendente dirigir caria fechada lypograbia
oeste jornal eom as iniciis 0. S. 0 e a indcaro
de sua mirada. O ensino ser feilos horas que
se convencional-. Fra desta cidade, em algmna
fazenda. o annandante se obliga juntamente a
platicar o ensino de primeiras lenas, e gramma-
tica da I ingna nacional.
Casa de campo.
Est para se alugar a casa de c.anii.....a Boteda-
de junio ao palacio o Sr. hispo, a frente para a
estrada de Joao de Barros, com gradeamanlo e
jardim na frente, o sitio iodo murado, com muitos
arvoredos do frneto a casa tem excellcntes com-
modos, laido no andar lenco como em cima, muito
fresca e -aiiia po ser toda circulada de janellas,
com gabinete ao lado, grande lerraeo. toda illumi-
nada a gaz, com casa de banho, de escravos, co-
cheira e estribara, muito boa agua dentro, o lugar
magnifico o muito perto da pra^a i a iratai nu
arroazcm da aurora brilhante.
Precis tma ama de meia idade : na
rua da Aurora n. 71.
um;; mu ita BSCrava que lava, co-
zinba c engomma : os pretndanles dirijam-se a
rua de Apollo n. 33, lerceiro andar.
Manoel de Souza. subdito port'ugnei, retira-
-c para a Babia. ____________________
Precisa-sc de 500f a juros de i O/O ao mez
sobre Itypotbeca em urna escrava crioula de Hi
annos, a qnal engomma bem erarinlisaparame-
: nios : a tratar com Pradexieo Chaves, na rua da
1' lmperalriz n. 19. onde est i dita escrava! e auto-
risado para fver dita hjpotbeea.
Quem precisar de nina ama tvre para cozi-
nhar em casa de linmom solteiro. dirija-se a Ira-
ve--,! . f
'i
ESTABELECIDO NA CIDADE DO RECITE
Dircrliir 8 barbarel W iiialhemaliras
BERNARDO PEREIRA DO tARMO JNIOR.
O director do intrnalo ,|r s. Bernardo, accedendo aos |H-dito- de ite-
re-peciivos eellegiaes, e de outra- pessoa; desta capital, removeu o m-u estabekrmni.i
da l'.aponga para esta cidade.
Nao tendo evitado estarces nem sacrificios |ua ijrofiorritHiai >-
nina perfeita educacau physica, moral, intellerlnal religiosa. ulteii-ceiHto-ll*
bitacao com bastantes codiroesde salubridade. habis pioiv-...... que i
prepara-los convenientemente ao flm i qneaadealtnam, Bwdfea pnanao que tamlan
comprehender os preceitos da bygiene e lbe-cure das doangas. c ftaalmeste um
dote illuslradJD e honesto que lhes explique os principios da religiao rhri*l
assim constitnido nao deixar o sep cslabelociniento de marecei dos Srs. p.....a> ianaV
lias o auxilio e confianea com qiie j algonsotera honrao; elhe>roga. bnacaaav
todas as pessoas iuteressadas, que se dignonjle visllw o mesura seu ia>.
onde sempre encontraro franco ingresso.
(i collegio tem i sna sdc no esparoso edeio n. 32 i rua da Antn. c-Mitige*a
do collegio dos orpnaos.
So- estatutos do Collejjio. que eslo a dS|M>sieo de quem ..- qui/n |,-i -.
consignadas as condfcSes de entrada c matricula na- diversa* aula- '" anata
ment.
Aluga-se para casa de pouca familia una
mulher parda jiara ama a qiial coslnha bem : para
tratar na rua por detraz iw rua Nova n. 36.
Alugam-se por pcece muito cominoJo os se-
gundos e lerceiros andares da casa n. 2.' na rua
da Cruz do Recife : a tratar na mesma rua. botica
franceza n. 22.____________________________
Quem precisar de um PortugOez para com-
pras e recados, e mais servcos. at I0*>. dirija-se
ao arco da Conceic/io n. 4.______________
Luiz Bbero Trovo faz scienlc no publico
e limito especialmente ao corpo do cominercio, que
comprou alaberna sita na rua Imperial n. 139 ao
Sr. Lauindo Pereira Siinocs ; c por sso toda c
qualquer pessoa que se adiar oradora do dito ven-
dedor, dever apresentar sua conla no piase de
tres das, fmdos os quaes se nao responsabilsa
por conla alguiua que se lhe apresentar.
Alugatn-se o segundo e lerceiro andares da
casa sita na rua .Nova n. 21 : a tratar no segundo
audar da casa n. 19,dc junto._________________
frccisn-sc de uin cai*ciro que
entend de pbariuacia: na botica da
rua do Caitug n. 11.
O abaixo assignado laz scieirte ao respeita-
vel publico que o Sr. Lu/. Baatlota da Silva J-
nior deixou de ser seu caixeiro.
Jdaquim Martinho da Cruz Correa.
Jos Thomaz da Silva, portujucz, relira-se
liara o Rio de Janeiro._____________________
Ocaplo Antonio Gomes Coimbra mudou o
seu nome desde 2 do corrente mez de agosto, sen-
do que desde aquello dia 2 se assiguara Antonio
Gomes de Campos Pitico, por assim ser mais co-
nlucido.
Hoga-se a jiessoa |e le\r a bou-
dade aniitindar no Diario de 7 pi'ABi passAtl f leile da no e de
llurui' roitlra as aio'esas de pelles,
Iftilia a boudade de declarar o ligar
de sua morada e ondi; setdeifM-
hardta aore.
A cha do
Quejn perdeu umacarlera com diverso.- papis
bontem 2."> do correnie, pode procura-la na rua da
Cadoia \elhan. 22. quedando os signaes certos
lhe ser restituida._______________________|
Precisa-se cora urgencia da quautia de 3004
pelo tempode seis mena, dando-e por sognranca
um moleque : a quem convicr. aiimmcie por esta
folha. ______________
NOVO ESTABELSCIMENTO DE MEDICINA HOMEOPATWCn
O Dr. Sabino O. L. Ptuho mudou o sen CONSULTOfUO para aluja e nnni
rua Nuva". 43, onde continua a dar consultas todos us das nieta t! *deu nrk>dM a'.-4
horas.
Os enfermos, que o procurarem logo na tnvasSo da molesln. tem mw lujam !>-
mado qualquer remedio, nem allopathico. nem homeopatliieo. |i:ijnTn' m -i
estipulados. Esta concesso tem por lim facilitar a cura dr molestias, rpie |> Uni :
se complicadas pelos emprego mtempestiwda Iberapeutica e ao mean nape .Mbanrir
para ;i homeopathia maior numero de adeptos pela bateza di cura.
Em atiendo as pessoas pobres, que nao podem sabir de dia. o llr. Saimi r^<
veu dar dussconsultas por semanas nas tercas e sextas-feinu dan seii MMk Iht* 4
noite.
Oscliamadosparavisitose conferencias devemser {Hriglus por i'M-npln ;..
sultorki desde horas do dn at s da noite, na certeza de i|"'' m %o tttfwM
de sua rjrecedeocia, salva a drcmnalancia lo ennente perajo.
1D1 UBITUXCI A.
o u.\o consultorio e prxnido doe melborcs lu.-iiicaiu.-ui...-. *.-.I i ;
;ii a trigsima dynaminjsacjk).
E como os mdicos liespanlioes e allemes nao cessamde cerlificat a lann -
caria das ultissimas dviianiiiiisacuos do Iratainciilo das molestias chrimica. IV. Mfei
oceupa agora de elevar os seus medicamentos s potencias mais altas i por ora m i'. .
alini de verificar por si mesmo a forra dynamka, que se lbe attiibue.
Os mdicos, que quizerem experimentar taes dynamiuisaroes uodeio dirign
consultorio suas receitas, que serio aviadas gratuitamente para es pobres.
No mesmo consultorio se vendo a novissima edicio do Thcseuro htm*vi*itk>e*
on fademeemn do homeopalha, obra ndispensau'l a dos que qnerem mar da Im
pathia.
Tudo o que di/, rospeito nova medicina se acha ahundanlenv-nle neste mm t-J
ucimento.
^^^^
DE
iv Joaquina Emilia de Figueirodo, seus -
Ihos genros. convidara a lodos os seus p-
renles e amibos paraouvirem urna missaque
preleudein mandar celebrar na matriz da
ltoa-Vista.pelas 6 horas da manhaa do dia 28
do corrente por alma de seu linado imito a
lio Antonio Herculano deFigoejredo.
DE
Aluga-se a loja do sobrado n. 19 da rua No-
va, propria para qualquer eslabeleciniento : a"lra-
lar na rua da Cadera n. 62, segundo andar."
Precisa-se ahignr annualmenle nm sitio per-
to da praca, cora boas accominodacoes, e que le-
uda bastantes arvores de fructo, e bal xa de capim
para 3 ou 4 cavallos, irefermlo-se com banl de
agna correte : trata-se em Otra de Alinas, sitio
de portao de ferro encarnado.
Pasamento de festa por poueo
einheirn.
Aluga-se o cxcellente sobrado da entrada do
Montehv com grandes commoilos para duas fami-
lias, e aluga-se por poueo dhtheiro : quem preci-
sar, approveite em quanto tempo : a tratar na
lira do Vigario n.8 eom Cosme Jos dos Saptos
Callado._________________________________
Aluga-se uiiut escrava limita, pcrl'eitssiiua
engommadeira. eozinheira, ecose. tem hahilidade
para vestir nina senhora: na rua do Hospicio n.
40, da- 7 as io lioras do dia, achara com quem
tratar.
J. YIGNE8.
M. *. Kt % 1MI IIPERABOH V **.
Os piauos desla antiga fabrica sao boje assaz conliecidos, para que s-ja neee>san ini.-tir ?a>rr *
tissimos para o clima desle paiz; quanto \< indodiosas e flautada- e por ish limito i
veis aos ouvidos dos apreciadores. bi^j j -u --
Kaiem-se conforme as encomaiendas. tonto nesta bbrica como na no m. hhmmn. e rar*>. sari-'
coi respndeme de J. Vigncs, em cuja capital hrm sempre premiados em todas a- expoaiilw.
No inocuo estabelecmento se aeha sepre uin expli>ndido e vanado -otmenlo e> "***'
roelhores compositores da Europa, assim como lianeni1""- piano" hnnnouiro. eno ton ve*-f i
por precos muito razoaveis
\
_J


V- A
i
Mu* de Vruamhueo aiUnta fctra "97 de Agost43te 18*8.
10
Mutas [.'.::.i de lo vende-sc baratsima para
acabar.
O YOVO
PROTECCO
Mmicas para piano e rauto,
de lodas as torcas e
vende-se baralissima para
acallar.
i:ktari:m:(ini;hto
DE
Jos (idmes Villar na na to d posshel espera merecer a proleccao do publico em geral.
Corte* de Ida invito bellos
delicadsimos fortes de lia rain barras o melbor trae tem viudo a esta produca
ogands de padrees delicados milito finos a 100, 210 e a 280 rs. o covado.
lias de quadros mu lo ctgltes a 320 rs, o covado.
Para noivas, temos.
O rico vestido de blinde eom sua manta bonita e soa yriualda de muito gosto, te-
mos a caubraia de linbo para camisas, temos as saias bordadas, temos o esparlilho, te-
mos o balo muito redondo e muito chique, temos os ricos cortes de rambraia ricamente
bordados, temos o bramante belga para leiicoes, temos a bretanba para camisas, temos
a seleria ou o esguiao para Oslabjrinthos, temos as capas pelas a Luiz XIV, temos a clia-
pelina a Hara l'ia cora o seu >o muito chique, temos os enlremeios largos ricamente bor-
dados como ninguem tem, proprios para enfeitesde ronpas brancas- Assim como temos-as
faxendas cima mencionadas e mu las .miras, que seria enfadnuho mencionar.
Vio se enqneeam fregnezes. at logo.
AURORA
L U
LARGO DA
''WEHHGUHr1
BRILHANTE.
SAMA CRUZ.
No grande armazem denominado AURORA RRILHAXTE o respcitavel publico encon-
<; trata sempre variacao de gneros jior piceos e seniprc das melliores e mais novas qualida-
oes que veiiham ao mercado epor preeo o mais barato que em outra parle :
(larnc do sol verdadeira do Serid a. 2KO Dita franceza embarris a "40 e.
Touoinbo de Lisboa arroba !'3e titira. 120
Linguicas e presuntos novas libra. 300
Presamos ingiezes para flamhre a. 800
Oueijos do sertao libra a 600
Ditos do Reino a 14800. 24 e eobertos 23400
.Cha h>sson a 2*400 e .24000
Dito iniudinlio milito superior a 24800
Dito preto a .... 24000
360
640
14000
Dito prelo em maros a.
Dito lio Rioem Iotas a 13000, 14800
Marmctada nova a libra.
tatas coni peixe de escabeche .
Ditas eom savel, salmao, salmouete
nutras......I4OOO
Ditas de una e nieia de ameixas trn-
celas. "... 14200
Ditas coui massa de tomates a libra 640
Ditas cen figos de comadre 4 libras a 14300
Aataretas eom azeitonas novas a 14900
a garrafa c libra. ".
_. Goinma do Ararat] muito alva a libia
^ Tapioca 011 farinha do Maranlifio a libra
jgg (ionima mais baixa arroba 14800 e
*. libra......
*< Saceos eom farinha igual a da Ierra.
n Ditos eom milito 24 euias a .
* Ditos eom farello a .
' Hilos eom arroz de casca.
.fp^ Ameodoas novas do casca mole a libra
W> C^P08 lapidados para agua dozfa a
i4300e paraviidio. .
f Ditos lisos dnzia 14800 e .
Manlciga inglesa BoT a 800 e .
. Dita mais abaixo a 720 e
14800! Ditas oom ostras para frigideiras 800
240OO Ditas rom frucias poituguezas em cabla 300
Dnzia de latas de graxa 14200
320 Frascos oom musanla fraueeza. *80 gg
100 Ditas eom gene lira aromtica. 14000
140 Ditas eom genebra verdadeira de Hol-
landa a 640 c .880
60 Charutos anda lia pechincha a caixa
640001 de 500 a.....14 00
34500] Ditos Unos sem. furo do 34*00, 24300 o 24000
44300 Yinhos do Porto caada 34 c 64 e gar-
13000 rafa 640 e.....800
280 Dito da Figueira lino ranada 14800 e
garrafa.....640
:4800Hito mais abaixoa 44 e .360
14200; Dilo de Lisboa a 34800 e 480
900' Dito braneo ii Lisboa carcavelos
6401 e oulros.....640
NOTICIA NOTICIA NOTICIA.
Carios de visita
Cartes de visita '
Cartoes de visita
Cartees de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartees de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
84000 a duzia
84000 a duzia
84000 a duzia
84000 a duzia
84000 a duzia
S4000 a duzia
84000 a duzia
84000 a duzia
84000 a duzia
84000 a duzia
' '.> -a americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador
l'recisa-se fallar ao Sr. Jos Flix Ri-
beijo de Carvalbo, que mora no pateo do,
Paraizo, nesta typugrapliia.
KJOJI.
ALVipARAS A NOVEDADE.
Sao chegados loja das columnas
na na do Crespo n. 13 de Antonio
Correa de Vasconsellos C. riquis-
simos cortes de la muito fina eom
barras estampadas e matisadas Im-
peratriz Eugenia, cores as mais deli-
radas como sejam: cor de ganga, de
lyrio, cinza ele, fazenda fnteiramen-
te nova e punca vista em Pernam-
boco.
Altigam-se a loja do sobrado n. 193, e arina-
zem 171 da ra Imperial ;o armazem 11. 4 dama
do Apollo, e a casa n. 27 da ra do Burgos: na
ua da Aurora n. 36.
BAXCO l \ %0
ESTA8ELECID0 NAJDADE DO PORTO
Agentes em Peroambueo
AtUouio Luiz de Oliveira
% z o vedo k < .
Sacam por todos-os paqoetes sobre o
niesnio banco prazoou vista, sobre a
caixa filial em Lisboa, e agencias em Fi-
gueira, Coimbra, Aveiro, Viten, Villa-
Real, Rcgoa. Vianna de Castalio, Omina-*
raes, Barcelos, Lamego, Covilhia, Braga,
Penafiel, Braganca, Amarante, Angra,
liba da Terceira, Ilha de Faias, Ilha da
Madeira, Villa do Gande. Ya lenca, Bastos,
Oliveira de Azemeis, Chaves *e Fafe, a
oito das vista on ao prazo que se conven-
nonar.no seu esenptorio ra da Cruz
n. 1.
Na ra do Vigario n. 21, primeiro andar,
deseja-se fallar ao Sr. Andr Alves da Fonseca Ju-
nior a negocio^ que nao ignora._______
Aluga-se\una casa terrea no Porto da Ma-
deira, em Beberjoe, rom 2 quartos glandes, cozi-
nlia fra, quinoiI, na beira do rio, ptima para
quem precisar de ir tomar banhos, aluga-se tam-
ben) um pequeo sitio no inesmo lugar na estrada
que segu para)Olinda adianto do riacho Lava-tri-
pas : a tratar/na ra Direita n. 69, padaria.
Ponte
. Na
que em outra
Velha n. 10 csese
alqucr parte.
mais barato
Joao da Silva Ramos, medico pela l'ni-
versidade de Coimbra, d consultas em
sua casa, na ra Nova n. 30, das 8 s 10
horas da manha, e das 4 s 6 da tarde, e
recebe egualmcnle convites para dentro
ou fra da ridade, eom ofim de se encar-
regar de qualquer servieo de sua profls-
sao.
Os chamados deverao vir por escripto.
- Alugain-se 3 quartos e una saleta 110 balero
da Boa-Vista, coui commodos para pessoas solti'i-
ths, tem agua e quintal, ludo por muito commodo
preeo : a tratar na ra dos Pires n. 54.
RUADO IMPERADOR
N. 22. -
Grande armazem de tintas.
Este armazem conten ludo qmuMo fi
preciso para quea industria de pintura, de
qual uer genero que seja, desempenhe
seu flm, isto erabellezar, conservar e
reproduzir.
Montado em grande escala e suppiiao
directamente por grandes fabricas de Pa-
rs. Londres e Hamburgo, pode offer-rrr
productos de conlianea, e sati
quer enconnnenda grosso
talho.
Os Sis. artistas pintores, e os donos de
obras podenio escolher vontade, pois
que tudo estar vista, as difTcrcntes co-
res de que tiverem necessidade.
Ha tintas em massa e em p impalpa-
vel, e como as obras a envernizar 10 se
de ve empregar tintas muidas, e nao me-
recendo conlianea as que veni de fra para
commercio, porveihas, e talvez fahilira-
das, ueste armazem se as moer i vis-
ta do consumidor, que s assim ter tin-
tas frescas e verdadeiras.
Ha tambem otiro^erdadeiro, verde em
p eemfolha, prata em folha, p debron-
zear de varias cores, diamantes para cor- I
lar vidros, burnidores, ncar superfina en- m
carnada, amarelbi e verde, tintas vegi-
taes, azul, roxa, verde e amarella, inoflen-
sivas, nicas que se devem empregar nas
confeilarias. colleecoes de pinceis para
lingir inaili'ir.'f. coni propriedade, e uniros
de varas qualidades, veniizcs. copal,
graixa, braneo 00 escaro para o interior 1
e exterior, para etiquetas e quadros. tin-
las linas em tubos, em erayes ou pastel,
tellas para quadros, caixas de tintas linas
e papel para desenlio.
Essencas aromticas verdadeiras, nras-
M eos e vidros para vidrara de lodos os la-
K manhos, e muitos oulros objertos, cuja
utildade e emprego s eom a vista jmhJc-
rao ser mostrados. '
Jb&0 Pedro das Ncv.s.
("rente.
Alm dssgneros annuncados lia muitos que deixain de se annunciar tudo da melbor ^K
inalidade.
^i&xm

v v v v !
>'\ **.\ '\ ? il!
a "S v &' -:' ; ** -:>' *' v ':""-* '-; =i
PPKOVH'AO B llTOKINVAOs
DA
ACADEMIA mmm II iOlCIA
K
JUH1& CENTB&L DE HYGIEHE PUBLICA
SSS&9&8 MMmnmmAi
^3
ELECTRO-MAGNTICAS EI'ISI'ASTICAS
C'ompanliia fldelfdade d
segnros inaril linos e ter-
restres estabeleeida no
lio de Janeiro.
Amurres km kpnuibdco
tnlonio Luiz de Oliveira Azevedo & C,
comprlenteniente autorisailos pela dree-
loria da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
ras e predios no seu escriptoro ra da
Cruz 11. 1.
ZAMORA.
DRAMA HISTRICO PtiO DR. THEBERGE,
QUAL NAO INTERVEN PERSONAGEM
FEMENINA.
Na roa Nova n. II vende-se a Ijjiooo
exemplar.
Naques sobre Portnga!.
Oabaxo assignado, agente do banco
mercantil Portuense nesta cidade, saca ef-
fectivamente por todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
aualqtier sonuna, vista e a prazo, po-
endo logo os saques a prazo seren des-
contados no mesmo banco, na razao de i
por cento ao anuo aos portadores que as-
sim Ihe convicr : nas ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
Ao n. 29.
.Yora loja dos barnteirus, rea ia Quetudo.
lita de ultimo gosto, covado a itO'rs.; organ-
d de padres lindisMinos, varas a 800 rs.; ba-
ldes de arcos o melhor possivel, a 35-"i00, i& e o ;
alpaca de linbo para vestidos, covado a 240 rs.;
cambraias de cores para vestido, covado a 180 rs. 5
eambraieta muito lina, peca de 12 jardas a 75 ;
eassa lisa pelle de ovo, pee de 12 jardas a 7500.
*!. W.
Noca loja dos baratr/ros, rita 4 Queimado.
Palctols de merino setini, fazenda de ruslo de
. KA \hAKt
Grande o\no8it' de faitua<4t
as qualidadVs; send pr kiralrs-
> 11110 proro, na loja e anuiea da
Arara ra da inperatrix b. 56 de
Loureuco Pereira Kendrs ij
raes.
'sfazer i|iiaf- ;j Vcndeni-se chitas "'mcsixas, om\w
(rato c a re- ] I no toque .b- mofo a 00 rs. | wm*. |
eos brancos e eom barras Of) rs.. mam
para bomora l0 rs. o par. ilitas ^ra .-
nios, 100 rs. o par: na roa la ltnp*ralriz
n. .)(*!. A rara.
Arara vende as cassas a 209 rs. > tafe
Vendem-so cassas linas pai,i.\fstiifc a
2t)0 rs. o rovailo, iiraiiilvs lii.. -,,
lulos a 240, SO i; :0 rs. o rovatl; *, ^
armazem da Arara, ra la Imperatriz n. W.
Ilrtes de rbiU da Irara a 2410 rs.
Vendem-se ''res de eWi r.>m i^pteiw,
loque de mofo a -5. -lilas limpas ,i |
vende por este precu por i.t grantk por.:...
ditas franeesH a iyOO o eortf: na roa A
Impeatriz, loja da Arara n. 5B.
Irara MBM grosdesaples prctaal.000 r*.
Venilem-si'^rosilenaplt'spretoa |.>, I^COO
e 2f$ocvailo, ilito ile i palmos 0> brru.a
a a\f000 o rovailo. ortes da -asprnini prrta
para ra!r;i a 8|I0 | i-., .litas .le r.Ves a
34800e >: na loja da Arara, na >Vt km-
peratriz n. otiile Wemles Gtiima'^.
lurtes de laa da Arara a 3400 rs.
Veiulein-M' rrto .le biazinlias para sttv
i.Iik a 34600, oh! que paeMoxha, lfi:r/inlns
paiVCatid, linas a imi.. :ki>.u .-va-
llo, dias de qaadrMm a :i0 rs. .-ovadi;
na ra .la Imperali iz. |||a .la Arara n. ."*, t>
Mondes (iiiniaia.s.
Oh! que peetiiaeha aNIO r~
rlilia.% larca*..
Venlem-.-e .hitas francezas coni |'NHpiew>
toque de mofo a W) rs. o rovalo. .btas
linpas, finas a :i0, 300 100 rs. o .:..vad.
rtscado franeei a SO i, oconal; nanat
da Imperatiiz n. :Hi Arara .le A*i>.l.< Ga-
maraes.
Arara vende s nudap#l a i.WMi rs.
na oii-
Vende-se una ptima varea parida
cruzilhada de Betleni, taberna do Andr.
- Vende-se ou permtita-se por algum eseravo de
meta idade para servieo de campo, um cabriol.t
eom coberta e jougo, de palenle. milito seguro e'
inacio, arralado, eom cavallo ou sem elle : o prc-!
tendente dirija-se a praca do capim, atraz da ra
Nova, cocheira doTlionaz, onde se acto.
Vinho puro.
No escriptorio de Euzebo Raphael Rabello, na |
ra da Cadcia n. 55, vendem-se ancoretas eom ex- Vendem-sO peras de mailapoln tnnrn fi-
cellenle e puro vinho tinto de Lisboa, sniente des- lio, enfestado a i/ e i-viOO, dita- iny|eza>
7-VHHI. H-v. i-s .
peca, hvguezes a ell.-s antes qw -.
lii/ifft ii ti VIH'110 acaba; na loja e anona da Arara, nn .t
Imporalriz n. 'iti de Mend.s inimares.
trara vende > rorie* le
tinado para gasto de casas particulares por serr- cm i jardas, finja a 71
mettidopelo proprio lazcndeiro ou lavrador. 10jj ., f,,,l|ezes ;1 ,.|
Aos senbores maritimos e agricultores. Muita
vez passain por nossa dea de dios excellentes e de modicissmo pre^o, eom o
emprego dos quaes se evitara grandes prejuizos
enao pequeos damnos; nestecaso est o alea-
trio ou verniz do gaz. o qual alm das mulliplii es
applicaresque tem na inarinha, ellirasrissimo
para matar as formgas; esse terrivel flagello da
agricultura, destruir radicalmente o ciipini e con-
servar as madeiras sontas daquelle terrivel ver-
205 por 105; ditos de alpaca preto a 35200; brim me, e dar una duracao infinita as forragens sm
braneo lona, vara a 610; brim de cores para cal- que fr convenientemente applicado: em latas de
ca. covado a 480 rs.; camisas coni peitos de fustao, mais de tres caadas a 15500 cada urna, e em bar
NO
15000; chapeos de sol de alpaca, a 35300.
Ao n. 2.
.ViU'i loja dos baratfiros. na do Qwimttdo.
Para acabar.
Bicos preto de linho, vara a 120, 160, 2W e 320
rs.; ricas franjas e trancas pretas e de cores, vara
; a 120,160 e 200 rs.; trancas e Raides de lia c de
1 algodao, pecas de 10 e la varas, a 200 e_iO0 rs.;
i froco fino e grosso, peca a 160 rs.; vestidiuhos de
[cambraja bordados, para baptismo, a 25.
Wtt
t-?iSi!ig^}i
DB
RICARDO KIRK
-.^^ 1 DENTISTA DE PARS
^^^l~l 19fin \..va-l!)
CASA DE SAUDE
i*a*a Mfc-iti appftcadaN s partes affcc(ala\. sem resguardo
ncm iucoiiimodo
Muito ronhecidas nesta corte e era todas as pro-
vincias deste imperio, pelos s?us infalliveis resul-
lados "in lodosos casos de intlanunacao, sejam ex-
lernas ou internas (eom enmaro e nltn de retpi-
eaeaol coiro do cslojnago, ligado, baejo, bofes, rins,
ulero, |m ito. patpitaQao de coraoao, gargantas,
olhos. erysipellas, rheuinatlsmos, paralysia, o lodas
.'- atlecooei nervosas, etc., etc.
Igualmeute para quaesquer incha^oes, feridas,
tumores ictestinaes e venreos, scrophulas, lobi-
nnos, papos, etc., ate., sejam qual for o son tama-
nbo e proi'i ud.7.1. normefo da supuraeao serio ra-
dicahnente estirpaoos.
(Estas dapa nao poden Czer mal de (arma al-
ia, ejtaslem sido-appiieadas aosonseomo
melbor -11.-.-i 1 j. vejam-se os attestadoa de coras
r mpletas qos j forara nublirados pelos jurna. ~. 1
o uso deltas aconselhaon e 1 eceilado por habis e
distinelos laenllativos, -ua efOcaeia ineontestavel, e
as Innmeras coras completamente obtidas nas di-
versas molestias emque bram applicadas, a tazem
merecer e conservar a conlianea do Ilustrado pu-
lilieo. que ja live a honra de merecer delle 2" an-
nos de ex stenctae deprattaa.
N. 11. Nesta rric e de indos .k pontos dest
imperio recebein-se partioipacSes saiisfoctortas e
respeito das ditas chapas modicinaes.
As eneemmendas das provincias devem ar di-
rigidas por escripto, rom iodo o cuidado de tazer
as necessarias explicandes, seas chapas sao para
homem, senhora, menino ou enanca, declarando a
molestia e em que pane do eorpo existe.
Para nrhneoos. ferid:' -, hlnnhos, papos, ele.; o
molde usi.i de sen lanianlio em um pedaeo de pa-
pel, a do.laraoao onde existe, afirn deque a chapa
soja da forma da parte aJfoctada, e para que possa
ser bijii applieada om seo lugar.
POD-SI! MANDAR MR DE QUALQUER PONTO l) IMPERIO
1)0 BRASIL
ls etapas serie acampan badas dassoaseom- ConstdlJ as pessoas que se dignarem honra-lo
iNientea e\pii. .1..,. latbem de iodos os acees- rom a sua conlianea. iodos os das, sem pteepeao,:
,). os neeessarios para nasanpUcaoSes. las y limas da manfaia as 2 da tarde.
ESCHIPTOHIO
,\. 119 RUI DO PARTO %. 119
E EM PERNAMBUCO
I'.o ;..- .-ir--niiiicnda OH nfonnaeoes drjam-se a |Jarmacia de Jos Al. \audre Rineiro,
ra do Qnetoado n. 15.
I ni Sanio Aiiiarii
Do Dr. Kilva llamo.
Vinco .eslabelecimeiilo desta naliireza
que existe entre mis. montado do modo
que pode eom todo o commodo e zelo ira-
lar qualquer doenle, que nella seja reco-
mido.
O edificio magesloso e eonsrva-se
em peri'eto estado de limpeza e conve-
nient.'inenie mobiliado.
Os (lenles s.'io separados, segundo os
sexos, naliireza das molestias e condices
sociaes.
Ha quartos forllirados para os aliena-
dos, e urna enfermara para as partu-
rientes.
O proprietario encarrega-se de qual-
quer oper.ieao.
o estabeiehnento franqueado iqoal-
quer pessoa que o queira visitar.
Primeira elasse 35000diarios.
Segunda dita.... 25-'i00
Terceira dita.... 25(hhi
Para que qualquer doente sejaali rece-
ido, basta que se mande onome do doen-
te e da pessoa que o remelle, rom 1 de-
clavacao da monda.
O proprietario aceita contratos annuaes
eom qualquer que queira ter um 00 mata
leitos sua disposcao.
Anda est para alugar-se o obrado na roa
dosGonbos a. 10, ondemoraram os padres lasa-
ritas.
TINTURARA.
iifige-se eom perfeico para foalqoerj
.r, e o mais liarato possivel: na ra do
Ranflc! n. 38, segundo andar.
Aloga-se a casa terrea da ra Imperial
iG: os pretendentes dirijam-se Caixa Filial.
JlTTE^AO.
>'o lim do secut-) passado c*nn*ncittio deste, w-
vaveliHeute no tempo das guerras da repblica ou
lo imperio Iraqccz, AntonitiJereira. ilbbdeFran-
clseo Pereira. natural da Iba o^NtaoWa, que di-
zem ter sido negoriamv em Lisboa^ jle sociedade
eom Wanzeter. mandn construir em Bayonne de
Franoa um huso, no qual embareou na primeira
viagem para os Acores coia .s.us dous irmos Joa-
quim Pereira o Jos Pereira, mas na chegada a
ilha de S. Miguel, querendo salvar o porto pegou-
Ihe togo no paiol da plvora e vikiu tudo pelos
nes. uioiiendo muita gente, e entre elles o dono
do mesmo barco Antonio Peivii a, alvando-se po-
r.'iii osdous irados Joauum e Jos : asesados an-
uos, Joaquim Pereira foi a ilha da Madeira, onde
-onttva esta calastropho, e dizia que tanto elle
eomoo rm.io anda va viajando por diversos paizes.
Depois disto para c nunca mais se soube dos doa*.
nunca mais escreveram, mas dzia-se que um ti-
nha casado na ilha de S. Miguel, c qae o ootro re-
zidia na provincia de Pernambuco, onde sesuppoe
que morreu. Ha grande interesse em se saber no-
ticia desies dous rmaos, e qual delles morreu em
Pernambuco, e onde morrea, e quem, vista das
nformaces supra que supponho exactas, podr e
quizer communicar, annuncie por osla folha para
ser procurado, e rettijjnido. no eao de completa
iatisfacao dn p.vjido.
^0 Dr.,Cosme de S Pereira cont-
nna aicsiijir na roa da Cruz n. 53,
I" e andar, onde pode sor procu-
rado para o exercicio de sua orofis-
3o medica, e eom especiidiilade
sobre o segbate
Io molestias de olhos :
de peito:
3o dos orgaos genit
urinarios.
Em seo escriptorio os doentes se-
riio examinados na ordem de suas
enadas annecando o trabalhopelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os da das
(las 10da manlia, meaos nos do-
mingos,
Praticar toda e qualquer opera-
co que juigar conveniente para o
prompto ivsial>eleeimento dos seus
doentes.
3-RIA ESTREITA
Francisco Pinto Ozono continua a col-
loear denles artificiaos tanto por nieio de
molas como pela presso do ar, nao re-
cebe paga .lignina sem que as obras nao
liqueni a vontade de seus donos, tem pos
e unirs preparaedes as mais acreditadas
pam conserva rao da bocea.
ATTliCA
Frederico Gaotter, cirorgiio .bulista.
faz todas as operacoes de soa arte, e col-
ora .lentes artificiaos, lodo eom soperio-
ridade e perfeieio, pie as pessoas enten-
idas Ihe reeonnecem.
Tem agua e pos dentificio.
Altiva si-o |niinero andar er-
iiitzem iiosoltijulo de h-cs indares da
na do Vicario n. >, mi luda a casa h-
elisive um arinazem nfl fiado, que
ot'ila ajara raes, a pessoa que a quizer
nlaaar dirija-se a ra da gstala lellta
ti. HMI, no |irinieiM a dar, das 11) hu-
tas ta manlia as 3 da larde.
ris eom cerca do seis caadas a 25.M) cada um :
no armazem da bola amarella, no oitio da secre-
taria de polica.
FARINHA SUPERIOR.
Vende-se a liordo do patacho Social e do nial i
Cursor, ancorados no trapiche do Barao do Livra-
mento. farinha de mandioca, lanto de Santa Catha-
rina como de Porto Alegre, a melbor do mercado
por preeo commodo
.MMl Pll -na M *.
Xa traviasa da.riM das Crazas, na labema piula-
da de aniarello n. 6, vendem-se barrquiutias coin crt<
bolaxinba americana a 13200, deJxande a barri-1
qninha o comprador; s levar a boiaxiatui es-
tando embom estado: de graca por menos de
metadc^Bo preeo que se vend a da Ierra.
Cal de Lisboa e potassa la
Itnssia.
Vende-se na ra daCadea do Rerife n. id, para
onde se niiidou o antigo e acreditado deposito da1
mesiiia ra u. 12. ambos os gneros sao novosel
legtimos, < se vendem a preeo mais baralo do que
outra qualquer parle.
A asnear do Mon tetro
Ra do Imperador n. -28 e raes de Apollo n.
67. a OO rs. a libra, e de 8 libras para una
a oritiOO aairoba.
lira a
Vendem-se cutes de rasemira enfesOaam
de rr.-s para ralea a i-\ lamrM'm s- v.-n*fc>
en covados para ralea, i.-il.-i.,! .-idlrte a
Ido covado < fiil'.'sLida. rom I 3i ta-ae.
nina raba e >;.. muito larat..: na U>p Arara, raadatanfenar n. un (iuitnaraes.
< ol\:i da trara avrllvadadaa a
Veml.m-s.' ricas rolxas avelmladOI para
rama a K-S. ditas de fuslo Je ..Vrt a W.
ditas de chila a S: na na la ImiTtri/
n. i, Arara.
%rara vende a ramahrala.
Vendeill-si' ..'iil.s de iiiiIh ai.i- .! l..o
a 3. vende-se ramliraias lisas [.ara v.^iid.i-
i s.iOO. :t/. :t>.*WM)e / a xra. mv*. n-
il.'-si' dim .1.' caaatBaia luacaemmpaOjaa*
sullas, eom I vara b- largura \*>\ :: >.'.mi
na na -la Imperalri/ bqa da \rarat
n. "ti .!.' Mendos t.iiimara.s
Oh! que fraude prrhiarlaa.
Vendetn-s.1 |nras ii..>s ris*-ads fraa-
ceaee eom l rovados para
.i envado. nrgandys para \.->|i.|.., :;Ot.
o invado, i lialini para iMlsWa lio i
covado, la para vrstMus a MOrs. n
coberlas de damasni para rama a 14: na
na ila Imp.'iaii 1/ ii. M \r.ir;i
(uimares. .
ara engenh
raojM janLi ii i im i' a
COMPRAS.
Cobro, lati
bola amarella,
rador.
Ttimpra-se
. chombo volho, no armazem da
no oitio da gaz da ra do Inipe-
Vende-se una meia nioen.la de ferro nova eom
i rodetes de ferro, parafusos, mobws e lodos os
jierlenccs para nioagem de .auna, assim romo l
; laixas de ferro coado de 5, 'i e 7 palmos de bocea
' por menos prcoqoeem primeira mao : a tratar
, coni Anioiiio Tinies da ''unha e Silva na roa da
Cadcia do ltecil'e n. ."0.
I'ohissa da Kussia.
Vende-se em
Compra-sc eflectivameiite ouro
obras velhas : na praca da Independencia n. 22 lo-.
ja de bilhetes.
rasa de N. 0. Haber &
e praia em surressores, ra da Cruz n. 4.
c.
VENDAS.
Cola da it ii i
Tem para vender Antonio Lniz de Oliveira
vedo, no seu escriptorio, ra da Cruz n. 1
\/e-
Vende-se urna das melliores Iotas de Ierra-
gens desta cidade, e mais bem loealisada, e eom
pequeo fundo : quem pretender, annuncie por
esle Diario.
A 2f0*s. al lira.
Xa padaria da ra da Matriz da Boa-Vista ven-
de-se lata de lelo aovado, excellenle para cha, pelo
diminuto, preeo cima.
IAKELO
Una lio movim n. 43.
Vende-se farelo de Lisboa em saceos grande-,
COm 1)0 libras, pelo barato prero de .
L III I>ISII4I%
Vende-se cal nova de Lisboa : no largo do Cor-
lo Santo, escriptorio de Manoel Ignacio'de olivei-
ra & Filho n. 19.
Vendem-se superiores charutos suspiros 13200
cada meia caixa, ditos de diversas marcas, caixas
de 100 charutos, a 13200, ditos de ditas, metas cai-
xas, a 600 rs. : na ra Nova n. 38.
Chegueiu a peehlneha.
Chapeos de seda finos para senhora por 33 cada
um, enleila-se a cabeea de urna senhora por 33 :
na ra doQueimado V3, esquina que volta para
a Congregacao.
Cal de Lisboa
Cal virgem chegada hoiUem em ancoretas mui-
to bem acondicionadas o por preeo commodo : no
antigo deposito da ra do Trapiche n. 13, arma-
zem de Mamx'l Teixeira Rosto.
trara icudc m balr*.
Wndem-se os mais Un leiaae OM
nos Inln anioii-aii. di i. 2->. '>'> *
arcos a :!>-oo. i l^OOeS^, imgmem
ileixar de andar sem Lal.. .pie > i
iniivi.bi: na roa da linp.-ruYri/
n. "ifi de Meiiib's (uimares.
liou|>;i frita r rhu|r<..
\ oii.Io.ii->,. niiifiHin.-s cmplch de
iiiii.i in-li'/.as ile boas cores a UM. \.
palilots de brim a v'iOO. dil.is Iin.-
tle meia ias.>niira a 3*50a, rilrw dV
easeinir.1 i-nra a -!>. ditas mais liiKM I
simulas de linho de bramante a 1*600
15800, camisas francezas a 1-5600. \i*>
litas linas a i-> e -viOO. .lilas .lo linho
pregas largas muil.i modernas a :i- .la]
de massa- de rotv>o prel.K a l-jtiao. I;**>.
t& e HUBO, tato mais .|ii.- |>.-.bin.-|ia: na
loja earmazem da Arara, na da
n. .'(i de Momios Guimaies.
Tarlataaa da trara a 499r%.
Vendem-se tai latan.i do -Vires para vesti-
dos a oo rs. a ara, til. da lata ate ->-
para mosqueteim a 100 rs. eavada, enan-
tes para rabera de x nlioia a lv ''. \
os mais andenios .po t.m rh.-gailo. tpeles
para salas por Si rada un. toalhas ile linno
para rosto a 6i0 rs.. ditas pelnria i I
melbor me lia em b>ilbas na l-qa da Ara-
ra, ra da Imperan i/, n. 56, .b1 Mt-mles i'.m-
maiaes.
PAItA HOMEM.
Chapeos a Pinout, ultimo gosio. a 7 e 83 : na
esquina do becco da tlongregaeao n. 13, rna do
tm mado._______________
. CABRO AMERICANO
33-Rua da liier;ili-lz.".
Vende-se um- carro americano de i rodas novo
e para duas pessoa*, descoberto, eom arreios ou
sem elies. tambem se vende um eabriolel forrado
e pintado de novo, eom arreios, tudo se vende por
preeo razoavcl.
Potassa da Kassia.
Araba de chegar pelo briguc hamburguez
Olio, muito nova e superior; vende-se so-
mente no antigo e acreditado deposito na ra
daCadeia do Rerife, n. 12; onde tambem se
vende cal de Lisboa muito nova e precos
commodos.
Joo Caetano de Abreu. solicitador dos au-
ditorios desta cidade, faz sciente ao publico, eom
specialidade aos seus clientes e amigos que mu-
dou ua residencia para a ra da Praa de Santa, c,fe i0 d8 aB0S ***;. n.. .
Rita Nova n. W. onde morou o Sr. Dr. BuarqueJ___________toz Antonio de Sotua R.bciro.
O .ibaixo assignado tendo-se rehabilitado, e.
M ban.lo-se de posse de sua massa faz disto sciente
a seus devedores, tanto desta praca como do malo,
alini de que quanto antes Ibo mandeni pagar o que
Ihe devem afim de evitar despezas judiciaes. Re-
engenheiro da tetrada de ierro, onde sempre acba-1 Oeseja-se falla- eom o Sr. Bento Jos Ramos
rao, das 6 s 9 M njanha, e das i da tarde em de'Oliveira a negocio dante, i van. 47. *
- Vende-se urna escrava robusta e sadia, sem
deleito algum, eom idade de quarenta e tantos an-
nos, or preeo de W03, p>)im s serve para sitio
ou engenho : quem a pretender dirija-se a ra da
Cruz n. 47, terceiro andar.
Vende-se farinha de mandioca em sacca,
viuda do Penedo, a 43300 a sacca, muito boa para
escravos por ser de muo eresclmento : na ra
Direita, padaria n.-69.
pntasa do Riissla.
Acaba de chegar no navio Queen of Ihe Fle(,
O 1.1% I* O DO POVO..
Segunda edicio mais correcta, ornada eom
27 estampas, e augmentada eom 48 paginas
de texto, contendo: vida de Nosso Sentar
Jess Cbristo, fbulas, o vigario, o bom ho-
mem Ricardo, quatlntpedes atis, o proles-
sor primario, moral pratica, Simio de Nan-
tua, mximas o senlencos, hygiene, receilas
necessarias, o Brasil: vende-se na liviana de
Manoel Figueira de Faria A Flio, piara da
Independencia ts. 6 e 8, a 600 rs. o exem-
plar em broeliura, e a I cartonado.
INJECCAO BROW.
- Vende-so um negro de i
busto, proprio paraquabmeri
o diario .1 una casa, e lainlieni sti basar <
na travessa do P.x-iBho n. % odiraPa,'
Cal e~
a mais*nova do mercado :
lfl. priinciio andar.
I.UhoMi
na roa do Tifar .
Sellins injIns
chegados a casa de 1/Lloro. McM) k ".,
Cruz n. 2.
rna
Rna da Seizallo iVofa a. 42.
NY s e cstabelecimento venleaa-ae: bebaada
ferro nudo libra a 110 rs., dem de Low
Vloor libra a 120 rs.
Remedio inallivel contra as gnorrheas
tnssia, e vende-se' a, a.nt'ga,S e 1"*ent6S' T *** aM Im)"
preco commodo: no targo do G)rpo Santo, escrip- M'Ca 5lceza, roa da (.ruz n. ti, pre-
torio do Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, n. 19. | co 30.
CavaHa.
Ha |iara-c vender na etaWn ta Sr.
Rourgcois un cavallo o mais bnoilo poMirei
lol.eiu eusinado e muito lindo : a tralar
doSr. Germano, retaioeiro, m. I.
%TTTK^a,'.it>.
Vendem-se na ra das IjtiasassrM a. 3, nri-
ineir. andar, exceHol-* paremas cavaOs.
fe
aos art tas tornearos
Vende-se um torno para torneaf
do Franca, coin todos os seas __
pretender compjar. dirija-se a faa
numero 55.

i
-I


'







J
>


!

Diarlo 4c Pcrjaftiadmco <|nluU fclra > de agosto le IHttS.
i
NOVA EXPOSigftQ
na loja do Pavo, de fazendas bara-
ssimas.
Neste estabelecimeato acha-se instante-
mente uin grande sortimento de fazendas
de* gosto c de primeira necessidade, sendo
unto proprias para a piara, como para o
mato ; de todas as fazendas dio-se livros de
amostras, deixando Ticar penhor, ou man-
Jara-se levar em casa das familias pelos ca-
xeiros da loja do PaviSo.
I.iias eom 8 palmos de largara,
na loja do Pavo.
Vendem-se lazinha entestada propria para
tidos, com 8 palmos de largura, sendo
fazenda mai* moderna que tem vindo ao
mercado peto-baratsimo preco de 1^600 o
covado: s na ra da imperatriz n. 00, loja
do Pavao.
Cassas a *OO rs. o covado.
Vendem-se cassas francezas de padres
miudinhos e cores fixaspek) barato privo de
200 rs. o covado; ditas linas a 340 e 348
rs. o covado : so na ra da Imperatriz n. 60,
loja do Pavo.
Organdy. a IO rs. o covado.
na loja do Pavo.
Vendem-se organdy de cores malisado, fa-
zenda rato preco de 240 rs. o covado ou 400 rs. a
vara: s na ra da Imperatriz n. 00, loja
do Pavao.
O Pavo vende os modernos ves-
tidos a balao.
com barras Maria Pia, sondo os mais
modernos que que tem vindo ao mercado,
cora a saia de uin s panno, tendo bastante
fazenda para o corpo, e vende-se pelo barato
preco de 3-$500 cada um: osla pechincha
s existe na ra da Imperatriz n. (0, loja o
armazem do Pav5o.
\o\ a pechincha de las enfesta-
das a 400 rs. o covado.
S Pavo. _
Vendem-se lazinhas entestadas transparentes
com deliciados padres sondo de urna s cor rom
listras e quadrinhos e vendem-se a iOO rs. o cova-
do : na loja do Pavao na da Imperatriz n. 60 de
(aina & Silva.
Cortes de cainbraia. a SJtOO.
na loja do Pavo.
Vendem-se ediles de cambraia brancos com
Iwbados, a 2#500; ditos, a 4??: ditos com
barras e babados de seda, a %$, 3?ioOO e Id;
s na ra da Imperatriz n. 60, loja e arma-
zem do Pavo.
Cortes de cambrala chineza. a
l $. na loja do Pavo.
Vendem-se ricos cortes de cambraia chine-
za, os mais modernos que tem ahogado, son-
do brancas com lindissimos padrees, pelo ba-
rato preco de 4$ cada corte, tendo bstanle
fazenda para um vestido: isto s na ra da
Imperatriz n. 60, loja c armazem doJPavSo.
# Baldes a 3#500. s o Pavo.
Vendem-se balos americanos que sao os
melhores, tendo 20 arcos, a 34(500; ditos
de 30, a 4>OU; ditos de 10, a 5;>; illlos
de bramante, a 3^500 c i >: ditos para mc-i
ninas, a 2fJ e a 35: s na ra da Impera-
triz n. 60, loja e armazem de Pavo.
Cortes de chita, a 9#.>00. na
loja do Pavo.
Vendem-se cortos de chita com 12 I|2 co-
vados cada mu. a 2500: ditos com 10 cova-
dos, a 2-s: corles de cassa miudinba de co-
res (has com 10 covados, a2; ditos de
organdy matliisado com lo covados, a
23400: siiarna da Imperatriz n. 00, loja
do Pavao.
.tscasemlras do Pavo pcvhin-
cha a #.
Veadem-se cortes de casimirafranceza para
calca, (azoada muity lin.. padrees claros e
oscuros, a5ocorte: sona loja do Pavao,
i na da Dnoeratriz n. 60.
< na ru da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
I'nslo do Pioiio.
Vendem-se fusto com lavr miudinbo
para roma de meninos, a 320 rs. o covado;
hrim de linho de qoadrinhos para roupa de
meninos, a 500 rs. o covado; ganguem
de urna RCr, a 30 rs. o covado: popelina
para vestidos de gimoras o roupa de meni-
nos, a l-J o covado : s na na da Impera-
triz n. 60, loja e armazem do Pavo.
Os paletots do Pavao, assolirecasacailo a 12:000 re.
Vendem-se paletois de panno, sdbrecasacas
W pauso proto muito l>om o muito bem
fetas, a 12): sobrecasacos de dito, alW;
paletots sacos de dito, a 7*; calcas de cache-
mira da Escossia, a 3# ; ditas de casemira
preta, a 51; ditas de casemira de cor, muito
lina, a 7r$ e a 33500 : colotes de casemira de
cor e preta; palelol de casemira de cor,
a 73: ludo isto para apurar dinbeiro: s
na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
.orles de cachemira 4a Escaria, a 2:000, na
loja d .Pavo.
Vendem-se esta nova fazenda muito eoeor-
pada imitaco de casemira, leudo padres
oscuros e alegres, afiancamhMseqac nao des-
bota, a 23 o corte para,calca, ou580rs. o co-
vado para paletot, colete etc.: s na loja do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60.
Fazendas brancas, na loja do
Pavo.
Vendem-se7pecas de madapolo entestado,
francez, com 20 varas, a 83; ditas com 12
jardas, a 43 ; dito ingfez muito lino, a 73,
73500 e83; ditos muito superior, a 103:
ditos de 40 jardas muito fino, a 43800 e a
53000; algodoziuno muito encorpado, a
4/1800, 33500 e 63; bretanha com 4 pal-
mos de largura, muito fina, a 13 a \ara ;
pecas de assa de cordo para babados, com
6 varas, a 33500; ditas com 12 varas, a 73:
Pechincha. a 500 rs. o covado.
so Pavo.
Vendem-se as mais modernas lazinhas
enfestadas, transparente, tendo 4 palmos de
largura, e sendo lizas e de quadrinhos, de
urna s cor, propria para vestidos e capas,
a 500rs. o covado: s na loja do Pavo,
ra da Imperatriz n. 6*0. de Gama V Silva.
CASEMIRASINGLEZAS
<> rs, o corle.
Je rasemiras escuras para
ri'i o de t700, tambera se ven-
Yen
ralea, I1
(ler das raesmas a 480 rs. o covado, proprias para j
paletots e rolletes, ele.: s na loja do pavo, ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
EHMEGiIDO.
'yUINQUILHARIAS.
Ra do Queimado, ns. 49 e 55, lojas de
Jos Bigodinho, queiram ver ver as fazendas
(queabaixo annuncio, pois todas eu garanto
! que sao muito novas e baraltssmas.
Pegas de trancas de a'godo de to-
das as cores a
GRANDE PECHINCHA
I ende o primo, organttys a 360 rs.
Vende-se linissimo organdys matizado com os! Dtizias delinlias com 200 jardas, A-
mais delicados padres miudmhos com assentos | |pvaiu|..ft
brancos, sendo ueste artigo o mais moderno que > 'exdlulfi a .... -
existe no mercado, sendo fazenda que seinprc so CaiTllel de qtialquer numero ,
vendeua l00 a vara, e presentemente vende-se. Varas de aspas para balao ,
a 360 rs. o covado: s na rita da Imperatriz n. 60, (\,xas am SUnert0r obreias a .'
loja do pavao, de Gama & bilva. Ditas de colla ;.......
dT,llrarA fit ? fiar117 O % #** Pares de botos de punho a'. .
*-** A jy ^^lJ,"its! Pares de sapalosde tranca .
o 2,200 c 2,640 rsto o pavao. Ditos mudo superiores, "a .
\eiidem-se cor es de chitas com padres escu-! .,-, _.-fl ,i ,\ni Mi^ ,i
ros, tendo 10 l/J ovados a 400, o com ti 1/2 Caix.as e Pacolesdc papel ami^ade de
covados a 260, pechincha o vende-se por este I cores a. ........
preco em razan dos cortes serem em mais de um > Duzia de meia muilO finas para e-
)edaco : s na loja do pavao, na da Imperatriz nliora a
80
i
1*101
IOO,
80
40
40
120
l>280
13600
l
600


BA.Li.I5K
so na
| n. 60", de Gama & lva.
l Xa luja do Pavao.
Vende-se laaiinhaa de cordaozinlio de uina s
cor, sr;mlo azul claro, azul escuro, ferrete, cor de
cale claro e c-curo, alvadio, roxinhas proprias pa-
ra luto, sendo fazenda que val muito mais dinbei-
ro vende-se^ pelo diminuto preco de 200 rs. : s na
loja do Pavao rua da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Os manguitos e golluhas do
Pavo.
i pechincha, a 320 f, a IOO rs.
i Vendein-se golinlias do lil, bordadas, a
400 rs.; ditas de cambraia, a 320 rs.; cal-
cinlias para meninas, a uOO rs.; manguitos,
I a 500 rs.; manguitos com golinha, a 800
j reis ; manguitos de cambraia, a 320 rs.: s
I na rua da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
| O Pavo vende a itf c 3$500
! cortes de l.i.i. a 33 e 33500; ditos com 22
'covados, a "i3: s na rua da Imperatriz n.
60, luja e armazem do Pavao.
\0 ARMAZEM UE HONDAS BARATAS
DE
"i % VI O* < Ol no
Rua do Queimado n. II.
Vende-se o segulnte :
Cohertas
de chita da [odia, a 2:000 rs.
Lficcs ile panno
de linho, a 2:ooo rs.
Lences de bramante
| de linho, de um panno s, a 2:8oo rs.
fnallias alcochoadas
para mao, pelo baratissimo preco de 5:ooo
rs. a duzia.
Ricos vcstiilinhos
de seda para meninas, pelo baratissimo pre-
co de 4:ooo rs.
Lencos de seda
pelo barato preco de I:ooo rs.
Saias de fusto
pelo baratissimo preco de 5:5oo rs.
Lencos de rainhraia
brancos finos, proprios para algibeira, duzia
a 1:8oo c 8:ooo rs.
Lenfos de rassa
finissimos, proprios para algibeira, pelo ba-
ratissimo preco de 2:4oo rs. a duzia.
Cortes de i-nlcn
l'de ganga amaretta, do listas n de quadros,
I fazenda superior, pelo baratissimo preco fip
: l:2oo rs. o corle.
Pecas de madapolo
largo superior, pelo baratissimo pret d
8:ooo rs.
Pecas de hretfanha
'. de rolo com lo
i 3:2oo rs.
Pecas de rainliraia
Le salpicos, fina, com 8 I i van-, pelo lia-
rato prego de 4:ooo rs.
Atnalhados de linho
com 8 palmos de Largura proprio para toa-
Iha de meza, a 2:5oo rs. a vara.
Toa I lias
33300
Duzia de ditas cruas para homeina 2*400;
Daralhos muito finos para voltarete a 3001
Carrileis de linha com IOO jardas a 30,
Ca loes de linha branca e de cores a 201
Novcllos Je linha com 400 jardas a 60!
Ditos muito grandes com 800 jar-
das a .......I20
Ca toes de linha.com 200 jardas (est
se acabando |a...... 60'
Vara de fita preta com colxetes para
vestido, e tem um resto parda a IOO
>HK.H NKUl%BiO.
OI>jec(os de tintura e musica.
Na rua do Queimado, ns. 49 e 35, est '
queimando ludo pelos procos abalso deca-
rados, e prestem toda a attenco para ver
o que bom e barato.
Duzia de facas e garfosmuito Tinosa 23500!
Dita dila dita de cabo prelo muito
finas a.........33201
- Dita dita dita de bataneo, melhor.a 33300
Tesouras para costura, muito fi-
nas a ......... 400
Ditas ditas para onlias, muito finas a 400
Cartas de allineles de ierro a 80
Ditas ditos de laliio muito linos a 40
Ditas de dito grandes..... 120:
Caixasde phophoros de pao ... 10 i
Grosa de ditos do gaz a .... -23200
Duzia de dito dito a 200
Massos de palitos para dentes a 160
Livros para meninos todos cheios de
Vttcneo!
Posto que domine no cora-
cao do BALIZA a mais bem en-
tendida ambicio de tirar de
seu negocio as melhores van-
tap'iis, com ludo elle nao pro-
cura fazer fortuna vendendo
gata por labre;
Quando nao se negocia ac-
ubadamente, est bem ao alcan-
ce do todos a facilidade de ta-
zer-se boas compras, para ven-
der-se barato.
LEDEl LEDE!
l.ciaiu iolo>.
\o armazem o BALIZA po-
gneros que ihii ventura i*i
sejam docontiiilii dos St'iiho-
n's compradores. Nao i. i
rcsi-iilimentu al/un ni H kTV>
car por wtro, ou restituo
o dinbeiro receMdo,
\lanl('r a todo o cus'., g m
cM'diin. e agradar aos seus a-
niigos e fregiiezes. i; todo n
desejo do proprielario aVata
stalvlecimento.
LEDE?
Mempre a freute do progresto.
Constante marcha o BVI.l/V.
''em por norte o bem communi.
A verdade por divisa.
U K A V 11 K
N
E MOLHMNKS
DE
PlEVD.RiiOLlDt.EJ
m
ns. 3H e 3H %
catangas a
Abotoaduras para colotes a .
Escovas para roupa.muilo tinas a 400,
500 c.........
320
160
800>
greja
I^argo do l^lvramenlo
Defroiile da ,ihIi da
AO HESPEITAVEL PLBIJCO
Senhores e senhoras
smm s:.i MM>.
pechincha.
Perfumara de superior gualidade.
0 rival sem segundo, rua do Queimado, i
- ns. 49 e 53, est disposto a vender mais ha- i
rato que nunca venden, para o que queiram
ver :
Duzia de abneles finos a" 720
Saboneta ingle/, o niclhor, a I6<
Caseos com agua de Colonia muito
lina a ......, 400i
Ditos do dita grande a ...'.' 300
Ditos de Lavando ambreado, ome-
Ihor, a.......
Ditos de macaca oleo muito bom a
ImTiIj.I' ne mandar
i'ITei.rer nos seus
pan romo ilo
\ Ditos peroia muito superior a .
varas, pelo bando preco de Ditos de "leo de babosa a 210, 320.
400c .........
Ditos de balda branca a .
Dito de cheinrtnolo bonitos a .
Ditos de banlia, pequeo, muito fina
a..........
Dilosde opiala a 2"0 rs., e boa a .
Dilosdebanha japoneza a .
Ditos de banha transparente a' .
500
ItX)
200
^) incansavel proprielario do grande armazem do Haliza toma a
declarar do alto da imprensa pemambwana. que elle pe feitamente libeial em
^ benvolos fieguezes as metoores qualktades dos mais bem esooihidos Bjemroa, nao s do
"* strangeipo a precos de contentar e satisfazer a todos.
Fazendo to publico e esjxmtaneo manifest, o referido BALIZA julga de sen rigoroso dtam
declarar mui seria e pusitivamente nesta oportunidade, que tambem o mais lirme e iledicailn
vailor de sua numerosa freguezia.
Da boa qualidade e barateza dos gneros ollero idos aos seus Bregeles, junta ao peque
nbo que tira para si, tem sabido fazer o PALIZA a mais perfeita liga de ntereasea reciavoroa, ana 11 -
das as consciencias deve por torca e necessariamente agradar.
Tendo por conveniente tambem a publicacio do seguinte aviso,
. indias pessoasque sempre esto promptas a comprarem Indo, com
vem logo, que elle
NAO VENDE FIADO.
Os amigos da economa, aquellos que. s compiam os ol^aotosda (fuo >.ii.im. .pi,> fanam l.
amuieiii (Jo empfegar bem o seu dinbeiro venham a este estabelecimenio.
litGIAM TOIIO^.
Do preflt de ipialquer genero annunciado a venda emoutros stabeleciminios. podett
" BALIZA faz naber nnkamm
lauto ipie se Ibes pi rinif;! paga-
res freguezes diminuir cinco por cento, e \ ir comprado ao Haliza. que sendo, como todos sabein,
nan do nuwaMafa prefere ganbar muito pouco. com tanto que seja por nanitas vezes renetnlo.
ns -.nbo-
o ht-
de linho para meza, a 3:000 rs.
Bares;e
de lindos gostos, pelo barato preco di
rs. o covado.
l'.Nli'ira ili ludia
48o
'i. i
propria para forro de sala, de
mos de largura.
6 pal-
Ditos de oleo filoconne a ....
RIVAL
SEM SEGUNDO.
Ohjeetos diversos.
H&I^flA
O sallo canta filando recebe.
(i gallo cania, principalmente quando re-1 bar: estes precos nao
; cebe as suas novas encommendas para sa-
[ lisfazer aos seus bous freguezes.
Graoatinfuu.
E' chegado um bonito sortimenlo deslas
gravatinbas, lauto para homem como para
seubora que se vende pelo baratissimo pre-("Caixasde colxetes francezes a.
Uua 'lo Queimado, ns 49 e 55, vende os
ubjettos alwixo declarados, pois e para aca-
so para continuar,
mas as nesessidades assim o permitte-
Pares do luvas de algodo finas a .
Caivetes de aparar penas, de l fo-
Iha a ........
Ditos de 2 ditas a
80,
(jo de 500, 800 e 1,000 rs.; s no Vigilante.
Duzia de dito francez a .
Massos com grampos lisos e de cara-
col a .........
Duzia de dedaes de metal em caixi-
nha de vidro
rua do Crespo, n. 7.
Pirotieiz,
Tambem chegou um gftmde sortimenlo
', de pirolteiz on conservadores para cabellos,
tanto preoscomo de lindas cores pelo ba-; Tinlciro de vidro com tinta superior
ralissiino preco de,000 rs. cada um. a...... .
Capella para iioiva. : Ditos de barro que serve para tin-
Tambem chegou um rico sortimenlo de teiro a........
capellas brancas, cousa muito chique para Grosasde botoes de louca prateado a
noivas, pelo baratissimo preco de 5,000 rs., Pecas de tranca lisa encarnada a ,
6,000 rs, 7,000 rs. e 8,000rs. : s no Varas de bicos e rendas, para aca-
Vigilanle, rua do Crespo, n, 7.
FitOi de reliado e (le seda.
Tambem ciiegou um completo sortimenlo
de fitas de velludo de n. 6 a n. 200: assim
como.um rico sorluneldo de fitas de seda,
lavradas e lisas de todas as larguras e qua-
lidades por precos que admiran); s no
Vigilante, rua do Crespo, n. 7.
Rico de seda e linho.
Tambem chegou um bonito sortimenlo
de bicos. tanlo de seda como de linho, as-
sim como rendas finas e de labyrinlo, que
seus precos faro admirar aos meus fre-
guezes ; s no Vigilante, rua do Crespo,
n. 7.
Franjas pelas c de ires.
Tambem ha as riquissimas franjas pre-
toS largas, proprias para as lindas capas ou
manteletes; assim como brancas o do cores,
que seus precos tambem os pretendentes
se admiraro, por que sempre nesta loja se
vender por precos muito rasoaveis: s no
Vigilante, rua do Crespo, n. 7
labyrmto de 3 dedos de
bar a
Varas de
largura a.......
Caixas de folha com phos"phorbsa
Ditas de pos para dentesa .
Penles de tartaruga a 3.#000 e .
500'
:i2<>
500
200
000;
800
720
800
7Yft,*32 &UVM31
Eia, rapasiada. corageml parece queja
entregasteis os vossos joanetesaos duros sei-;
xos (lo pessimo calcamento da nossa cidade I'
S se observa em vossos ps botinas acalca-;
libadas e gastas at ultima sola; sapatoes
rasgados e qua&i sem saltos nem tanto !
a quebradeira nao .leve cliegar at este pon-
to t Vinde rua Diivita munir-vos de excel-
| lente calcado com 40 e at 60 por cento
80 menos do seu valor___attendfti:
j,;o Borzeguins, Nanles, bezerro e va-
40 queta 2 e meia solas ....
360 Borzeguins, Nantes, bezerro, va-
queta e lustre 2 solas. .
Borzeguins, francez e hamburguez,
bezerro, lustre e eouro de por-
co 7# e........
Sapatoes, Nanles, bezerro e vaque-
ta 2 e meia solas.....
Sapatoes, Nantes, vaqueta, lustre e
bezerro 2 solas......
.00 Sapatoes, Nantes, sola o vira. .
20, Ditos para menina, comlaco. .
| Ditos de (litas, de cores. .
(OSapatos para senhora o homem,
tapete.........
100, Sapatos de borracha para senhora.
40 dem idem para meninas. .
100 'Sapatos de lustre para senhora. .
dem de lustre as avessas .' .
SALSAPARRILHA
10
320
160
100
8SO0
8,5000
0000
5|S00
5(J000
4-5000
:i.-)50()
2-5800
33500
Vendein-sc ou arrendam-*; uor pensoes mui-
to mdicas os engentaos Braco e Cmara, pe lo da
cidade da Victoria, ambos de grande produeco, o
judie quasi prompto a moer com agua. A'dmit-
tem-se moradores para o engenho Cooceicao junio
a mesma cidade, daiido-se-lhes toda a garanta de
esUbilidade. Tratase no ensenho Coilegio, onde
se precisa de um homem que se iucumba das cd-
brancas dos foros do Conceicao, etc., dando-se
caa para morar e trras para tranalhar PAPEL
de cores para listas de eleitores
A aguia blanca suppoe que nao faz mal em offe-
recer aos athletas uns pacotes com oi folhas de
papel de cores, que pode servir ptimamente para
listas de eleitores, e tanto melhor por custar cada
pacote o diminuto preco de IJtfOtV e ser cada um
de urna s flor, o que' diflcil de encontrar a nao
ser na rua do Queimado, loja d'apuia branca n. a
Na mesma loja tambem ha de outras qualidades.
branco e azul, assim como anvelopes.
f'art o bom V m.
Cliegaram loja das columnas da rua do Cres-
po n. 13, de Antonio Correa de Yaseoncellos & C,
novos cortes de vestidos de la a polaca com bar-
ra estampada de matiz, goStos mluiramcnte mo-
dernos e cores as mais indas que se pode tosejar
bem como : cor de laranja,' ganga, violeta, solferi-
no, cinza, magenta pac. .'te.; para designar o mo-
delo do vestido a cada corle ncoinpanha seu tlgn-
rino. Xa mesma loja acaba de cliegar pelo ultimo
pagete francez riquissimos cortes de vestido de
seda de cores com ramas roatisadas soltas e ou-
tros de moreanlique adamascado, fazendas muito
encorpadas o do ultimo gosto para Vados, casa-
mentes ele.
800
1,5100
15000
I-5000
500
ROUPA
DE BRISTOL. .
As coiw milagrosa! de
S:.SCiiOFVF..lS.
t'HIGAS .%.\TI#4S,
EHFERUDADES SYPKLITiCAS,
Erysipelas. Rheumatis-mo,
Nevralgias, Escorbuto,
efe, ce, *\p..
grancreado <- dado o ;)!'.
'jiie tem
nome
e
Salsapjarrilha de Bristol
FAZENDAS BAllAi
27lina Jo Ojirinaih11
\ova loja de C usfodl. i le Coni|>:inhIa.
Imito*
para vestitlos il
.to linae pelo ki r i
Pinas eambraias nrcawd
' reos, de m Mawi
MM
CaMakaa
bordadM para io.i, utas, p-lo har;-w i
cada um par.
l.a/.iahaM
lOTtinai Bitt i' i- i vaaMt
Cata
ieebJn i vaB
LaaBjai
de |Wimo de linli.i | 2.
! laattai
ii fastio, pela bama ptan -i' -
iamisinfca>
de cambraiapar.i -nlior^.i t}.
Mmkm
de linho (tara leniMn -1 0HBti !
Sorlhvtlt
de meiiis para mnrimm niem
liaziaia
pivia para vestido a Mn
iaarOaaafal
adamascados a 2 a dada.

por todas partes do
8niente devidas
un t verso, sao t8
Ka rua do Queimado n. 43, esquina que
colla para o Congreyacao ; pechinclia.
Paletots de casemira a S, 6, 7, 8, 12 e 14,5000,
ditos de panno pretoe azul a 9, 10, 12, 16 e I8,
ditos sobrera sacos de panno muito fino por 21 e
284, ditos de alpaca pela e de cordao a 4, 5, 6 e
1$, calcas de casemiras de cores a 5, 6, 7 e $$,
dilas prta> a oVJoOO, 8. 0 104, paletots de ustao
e ganga a 2, 2-5800. :j e 4<8, calcas o rolletes de
todas asqiwli'lades epor preco muito barato, Icn-
f.es de puro linho a proco de 24*00 e :i<4, cober-
Uis dechilaa 2240. eollarinlios de linho puro a
600 rs. cada um. e outros muitos objectos que s
vista ;e para sso se pede a atterf^o dos fre-
guezes.
~~~~ CEBOUS
II na do % mor i ni ii. 43.
Vendem-se ceblas novas a grandes,desembarca-
das honrem, pelo barato preco de 300 rs. o cen-
to a ellas, que wti"
co He cobre.
mando, mesmoatro-
nica Legitima a Origina!
SALSAPARRILHA DE BRISTOL
PREPA8AUA E.XCI.I -l\ AMKNTB COli
wmkM & nv n it?i vork.
Mediante a veceiiado D,\ O. O. B/-nt A venda as boticas de Caors & Barbosa,
Tua da Cruz, e Joo da C. Bravo 4C, rua
da Madre de Dos.
GUARDA .1A-
(IOVVL
Na rua Direila n. 53, ha um uniforme cooiptofo
para guarda nacional de cavallaiia, composto de
l'ardao rico, calca, barrilina. etc.. e pequeo ju-
fonne com espada, etc., sellim inglez, el.-, tudo
novo, e que se cede por commodo proco. Tam-
bero na mesma casa existe urna armacao da loja,
propria para qualquer estabelecimenio."
Ceblas superiores em resteas, a cinco
mil ris o milheiro no Caes da alfand-^a n.
I, aimazeni de Tasso A IrmSio?.
Veaide-sc
no armazem de alaI Jlirqws dr &.,..*% da
io. da afona n. !. amntente de r
ris ; ni'-ias pipa* e pipas, cal de List". *
p'), azeite de rarrapaio em larris a rar^ l
em h.irrisem pequeas -m graaidcK aorgoo.
Vendes.' urna l.ib>>rna na Capaar
eros ou sem ellcs. a vontade do con,, ; .
v.i e iratar, dirijani-se nadara a M
-
VaBdd-Sfl una porcao de laavdo de li*
gado hoiitein im> Im i .ie Htiln ftgatwrme .'.' i^l
no escriptorio da I.. K. Hab-llo, na 4a '.vltia m
mero5.;>.
Ven>-s a esc a na a.
Veniif, it ill loaehdas r ir y.***-
raclassc;as prole dralrs rfirijaavaa
roa do Trapiche i. 8.
Hom negocio
\ endose urna laberua con pon--* lu:
alreguezada na fregupzia !; S. Jos--, a aMaVN da
venda se dir ao comprador, tiaMiri *.
de a praso : que n i pretender dirija--
do Terco n. 12 que se dir.______________
Quom quiT comprar um casal da m
crioulos. prctos. niii e Wbo, d m
Francisco, wtirada n. 8, rue se dir4
A ureiat';ni hanilidadei
da tara.

-m-mm
! II FfiVFI 1


torio 4e
iXmAirtr* ti a> Agorto aV i.
-
BANDE E COMPLETO SORTIffENTO DE MOLHADOS
Ci
O
(a
]

rSsS
fu
ftS
o
-o
i
i
"5
es
o
es
s
55-
*
O
o
*
-~
o
3
?i-
Si
e
*


*
o
es

5
i-
V)
O
SU
se
O
t
t
K
I
o
9
-O
a
a.
o
v.
s
3
O
a.
o
s
o
C
g
.es
c-
c
O
"te

s
i.
ara
c
a
^-
c
te
O
60 b.

o
g '2 "te
8 S ~
Vinltos em pipa: Porto Figueirae Lisboa, a
4oo, 'ki, 5o o ?>(*>o rs. a garrafa, c em
caada a 2,86o, 2,8oo, 3,ooo, 3,5oo e
4,ooo rs. 4o mebnr.
dem lagrimas do Donro, especial vinho do
Porto mandado vir de conta propria a
lo.ooo rs. a duzia e i.ooo rs. a garrafa.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado, das scguintP marcas: Duque do
Porto, Feitoria, Nctar, Velho Secco, Cha-
miuo, Madeira superior a 9,ooe rs. a cai-
xa e l,ooo a garrafa.
dem Bordeaux das melhores marcas: St.
Julien, Medoc, S. Esteph e outros a 7oo
rs. a garrafa, e 8,ooo rs. a caixa com urna
duzia.
Itlemmuscatel de Setubal verdadeiro a 2,ooo
rs. a garrafa e 22,ooo rs. a caixa.
Garrafes com 5 garrafas de vinho do Por-
to do Alto douro a 2,2oo rs. com o gar-
rafao.
dem com o garrafas de vinho Figueira
muito proprio para a nossa estacao, por
ser mais fresco a 2.4oo rs.
Vinhos velho chamisso em barril muito pro-
prio para sobremesa por ser muite claro
e inacio a 6oo rs. a garrafa e 4,5oo re. a
caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero a 5oo rs. a garrafa e 3,8oo
rs. a caada.
arrafes com garrafas de vinagre de Lis-
boa al,2oo rs.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo rs. a garrafa
c l,4oo rs. a caada.
Velas de spermacet a Goo, 64o e 68o rs. o
masso.
Manteiga ingleza perfeitamenle flor, mandada
vir de encommenda especial a 8oo rs.
a libra,
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
54o rs. e em barril a 5oo rs.
dem em potes de 4 16 libras muito fina e
propria para doente a 8oo rs. a libra e o
pote separado.
Banha de poi.
ril se far
em har-
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
de l,6oo, l,8oo, 2,ooo e 2,5oo rs. cada
nin
dem londrinos os mais frescos que se po-
dem desejar a 8oo rs." a libra.
Caf do Rio de Ia e 2a qualidade de 8,ooo a
8,5oo rs. a arroba, e 28o a 3oo rs. a li-
bra.
Arroz caroliuo i do MaranbJo a l.ooo rs. a
arroba e loo rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra e
em porco ter abatimento.
Caixinhas de ameixas francezas de 1 1/2, 2
e 3 libras, elegantemente enfeitadas com
diversas estampas no exterior da caixa a
l,3oo, l,5oo, 2,ooo, e 3,ooo rs.
Fructas em caldas das seguintes qualidades :
ameixa, rainha Claudia, cerejas, pero,
guija, pecegn c alpech a 5oo rs. a lata.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 6oo rs. a libra, e em la-
tas de 1 V* e libras.
Ameixas francezas em frascos de 1 1 '2 c 3
libras de l,4oo a 3,ooo rs.; tambem ha em
latas de l,ooo e 3,ooo cada urna,
Cha huxim miudinho mandado vir de en-
commenda especial a 2,8oo rs. a libra,
garante-se a boa qualidade.
dem hysson o mais superior a. 2,6oo rs. a
libra, aflanra-se sor igual ao que regular-
mente se vende a 3,ooo e 3,2oo rs.
dem pretomuito ino a l.Doors. a libra.
dem mais baixe, e miudo proprio para ne-
gocio a l,6oo rs. a libra.
Presunto inglez para fiambre o mais fresco
que se pode desejar a 8oo rs. a libra.
Genebra de laranja a 9oo rs.. a frasco.
Chouricas e paios. os mais frescos que se
pode desujar, a 5oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a )oo rs. a garrafa
e lo,5o a caixa.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
8oo rs. o frasco.
Licores fraucezes das seguintes marcas: A-
nir.etc de Bordean*, Plaisir des dames. i
outros a l.ooo rs. a garrafa e lo.ooo a
caixa.
Passas muito novas a 6,ooo rs. a caixa e
36o rs. a libra, ha caixas, meias e quartos.
Bolachinha ingleza a mais nova que se pode
desejar a 2,5oo rs. a barrica, e 24o rs.
a libra.
Azeite francez clarificado a 76o rs. a garrafa
B !>,ooo a duzia.
Conservas inglezas dos melliores fabricantes
Mixed e Pickles, ceblas simples, e outras
a 8oo rs. o frasco.
Mostarda ingleza preparada em riles muito
nova a 4oo rs. o pote.
Molhos inglezes de todas as qualidades e das
melhores marcas a 5oo rs. cada urna gar-
ra finha.
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de doce, manteiga
ou outro qualquer liquido de l.ooo a 3,ooo
rs. cada um.
Palitos do gaz, a 2o rs. a caixiuha e 2,3oors.
'a grosa.
Milho alpista a 160 rs. a libra.
Milho painro a 140 rs. a libra.
Ciomma para engominar muito fina e alva i
SO rs. a libra a 2,300 rs. a arroba.
Sugi'i muito novo a 240 rs. a libra.
Sabo verdadeiro hespanhol que raras vezes
ven ao nosso mercado a 300 rs. a libra,
e era caixa ter abatemento.
Salmo massa de 180. 200. 220 240, rs. a
libra do melhor.
Graixas em latas mnilo nova a 120 rs. a lata
e 1,300 rs. a duzia.
Peixe em latas muito novo : savel, pescada,
nirvin, salmo c outras qualidades prepa-
rados de escabexe, segundo a arte de a i/i-
nha de 1,400 a 2.ooo rs. a lata.
'.enebra deHollanda em botijas deconlaa
4 U ^. cada urna.
Papel greve paulado c liso a 3,500 rs. a res-
i ma.
Azeite doce de Lisboa muito fino em barril a
640 rs. a gSTlfil, e em p meuto.
Champagne das mais acreditadas marra- a
l,ooo rs. agarrafe e lo.ooo rs. o figo
com urna duzia.
Doce da casca da goiaba a ioo, 5oo, 6oo.
7oo, 8oo, e l,ooo rs., o caixo grande.
Chocolate portugttez. hespanhol, francez.
suisso, das melhores qualidades a Ooo rs.
a libra.
Vel de carnauba e coiuposicao a 32o, 36o. #
e 4oors., a libra, ede lo.ooo a H,uooi>.
a arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa a l,ooo
rs. a ancoreta. e l,5oo a de Lisboa, estas
ultimas raras vezes vent ao nosso mercado
pela sua IxJa qualidade.
Massas para sopa macarro lalharim e aletria
muita nova a 48o rs. a libra.
Charutos dos mais acreditados fabieanles la
Bahia a 4.ooo, 3,5oo, 3,ooo e 2,5wt rs. a
caixa.
Serveja das melhores marcas a 5,ooo rs. a
7,ooo re. a duzia.
Biscoitos inglezes das seguintes marcas:
Craknel, Soda, Ceede, Giptain, TraveMirs
Lunch, Cohin, coutras a l,2oo rs. a tota
Bolachiidia de soda especial encommenda a
l,8oo rs. a lata,
lem Craknel em latas de 5, 7 c 15 liliras a
4,oo 5.5oo, e U,ooo rs. a lata.
Massa de lmale en latas de 6oo a 7oo rs.
cada urna.
Sardinha de Nantes a 36o rs. a lata.
Toucinho de Lisl)oa a 320 rs. a libra.
Tijollo de limpar facas a 16o rs. cada um.
Ceblas a Ooo rs., o molho.
Farinha de Maranho muito alva e Hieiroaa
a 14o re. a libra.
Pinenla a 36o rs. a libra.
Cominho, cravo, erva doce, enxofre, palit.
de denles em caixinbas que ludo vende-
mos por baratissimo pmo.
A AGUIA BRANCA
Keoeben pelo iiKimo vapor o
segnlnte:
Bonitas palseiras de cabello, coral, e cora-
lina.
Kortes e bonitas ligas de seda para senhoras.
Outras estrellas para meninas, ou manguitos.
Carleiras com aguaos
Agulhetas para efiar, e agulhas cantns.
Trancelins e lilas de borracha.
Carriteis comtoiral de '"das as cores.
Massose os de coral.
Esponjas finas para rosto.
Pmtes de tartaruga virados, com laco e
"balao.
Bnfe.ftes de rede para conservar os cabellos
bem atados.
Aspase coz para bal*).
Pitas com colxetes pare vestidos.
Trance.ns chatos de 13apare enfeitarvestidos.
Papel e fblhas para rosas.
lamparillas francezas.
Trabcelins c;r<>s*ns para relogios.
Kscovas cabo d'osso, marlim e madreperola
para (lentes, unhas, limpar penles ejoias.
Outras finas para roupa, i'Siapo, cabello etc.
Outras de velludo [tara chapeos.
Pastas para papis.
Kaspadeiras e lacas de. niarlim para ditas.
Visporas o dminos.
55:Ti-;ii>.siiii;5: handeijas.
A aguia branca por mudas vezes tem da-
do a conhecer que guando acha alguma pe-
chincha,- nao quer somonte com ella encher
o papo, ao contrario doseja que toda sua boa
freguzia e o publico em geral prvem da
misma, o q,n agora mesmo acontece com
essas; baratissi tas bandeijas, cuja limitaco
i- procos admi a, em relacio aoslamanliose
qualidades: avista do pie convm todos a-
B)-oveitarem-se dessa opportana occasiiio e
oroverem-se d'um irast> sempre necessario.
aetade do justo va-
te*, Assim, poif, dirigirem-se com diuhei-
ro alegre e dspamsajoja d aguia branca
ra do Queimado n. S.
Q<* afi&mdos copos com banha. e
bofc com iaftcripccs.
legaram aovaj&entepaia a aguia branca
i. afamados e estimados copos com banha
rioa; assim como os bonitos boioes de por-
oa dourada tambem com banha, c novas
ripeos maviosas e jocoserias mui ade-
j.iado para prsenles resta porem que os apre-
ires.concorr.im, munidos de dinheiro,
alegre e espacosa toja d'aguia branca ra do
Qaeimado n. 8.
K.8c; g;:s'.'iii( tes Svclla paca cluioK.
A aguia branca roc^heu novase ricas
guarnidles d irados, e com pe-
' assim como outras bordadas a l'roco e
enm bolas pendentes, novidade essa que so
88 acha em dita toja, e que na verdade se
tornara mui alegres e bonitas; e bem assim
raaebaa lindas livellas com pedras, e ditas
rtaco.com no vos e engranados moldes, cintos
acurados e de marroquin; e muitos outros.
otos de gosto para senhoras serao encon-
'j^aijos na alegre e espacosa luja d'aguia
branca ra do Queimado n. 8.
tirava econmica.
l aguia branca acai>.i d receber essa acredita-
da graxa econmica, cuja ropcfiorisdo est go-
rlineiilc rceoiilieeida ; elRa boa graxa se torna
reeoromemlatla. lauto parque o calcado lustrado
res dias sein nmunidadc da novo unto, como
"no porque sua preparaclo appropriada para
aaraciar c conservar o conro': ella vem em caixi-
ths e barrizinhos, c acluvse a venda na ra do
Oueimado n. 8. loja d atnia branca, ao6 rezuinidos
!,!(** de 400, JilXI e 10 r<.
"ranas de ac Ingleza calygra-
phicaw. a balo e ontraH.
A aguia branca recefecu un bello sorlimonlo de
wenores pennas de aro inpfiau,1 mlygraphkvis.
iali>eouiras(lis lidades, ciijoh procos
vamm cm prr;ni\;o da bondarte os prelendn-
MaejM *c dirigircm rom dinheiro loja d'aguia
araara, ra do Que!
feotes. Na mesan toja aclia-M1 lanibem um varia-
dojortmentorif cr.^ Iiresahindoenlre ellas
mas de nova invenoao que |)-ir ~i Dtesmo deitam
aaaoa fra qaando "a^'-iin quoira.
TERCOS
e coras de cornalina.
A agnia branca pensando constantemente em
bam i vir a toda a sua freguezia, notouque anda
nao havin fcilo algum agrado a aquelles que pru-
dente e acertadamente resando, cumprcm dever de
bom rhristao, e quando reparou essa sua falta,
mandou vir e acaba de receber delicados tercos e
coras de cornalina com cruz de prala, os qoaes
deixa dis|>osicao dos fiois que estiverem disbslos
a gastar 1300,2e 35 para possuirem um bonito
terco ou cora, com os quaes podem mesmo pedir a
Deas pela prosperidade d'aguia branca, em sen ale-
gre e espacoso ninho da ra do Queimado n. 8.
Notos c bonitos
peatiubog Iravanos dourados e com pedras para
maninas : vendem-se na ra do Queimado. loja
d'agota branca n. 8.
Rahiizinhos com perfumaras e
se ni ellas.
\ aguia branca vende bonitos babuzinhos com 6
frsqallihos decheiros por i&'iOO e vasios por 800
rs.. servindo estes para meninas, e mesmo para
joias, etc.. etc. : na ra do Queimado, leja d'aguia
branca n.8
Julias macla e Ihm rosa |ara
bordar
\endem-se na loja d'aguia branca ra do
Queimado n. 8.
Xovissintos e bonitos enfeites
para cabecas.
Quando o bello sexo senta a falla de bons
eiieites para caneca, eis que a aguia branca
recebo urna sua encommenda de bonitos e
delicados enflates, e de modernissima moda,
muito servindo isso para sanar aquella falta,
e fazor com que as Exmas. apreciadoras da
bella emnreza Goimbra possam melhor real-
sar e mostrarem o apurado goslo que as
guia. Esses enfeitos san d'um tecido bs-
tanle lino com contiiiias daco, c mui bem
enfeitadas com floras, litas, bicos, plumas
etc.. entretanto que sendo obra de muito
gosto custam $$, 6$ o 7^ dinheiro .vista;
na espacosa e alegre loja d'aguia branca rita
do Queimado n. 8. t
ISabadiubos estreiios e bordados
v*endem-se na ra do Queimado n. 8, loja d'aguia
branca.

Capachos compridos e redondos
\ endem-se na roa do Qaeimado, Joja d'aguia
branca n. 8.
JLuvas de cainurca.
Vendem-se mui linas luvas de carmuca
branca e amarella; na ra do Queimado n. 8
luja d'aguia branca.
laellcadas tesourlnhas daco para
bordados e labyrintbos.
A pedido dealgnmas senborassuaspredieleUu
freguesas, a aguia branca mandn vft|dessas de-
licadas tc.-ourinhas d'aeo puntas agudas, proprias
para bordados e lab\riitlios, e una vez chegadas:
romo de laclo rbegaram, a aguia branca convida :
aa de mais scnlioras sua boas freguezas para,
aproveitareni-se da occasiau e bem empregarcm
seu> t& em cada una dessas linissimas tesouri-
Dhas, na cerleza de que perder por cliegar tarde ;
quem se demorar em as mandar comprar no ale-
gre e espaeoso ninho d'aguia branca, ra do Quei-
mado n. 8. onde tambem ha outras curvas c direi-
las para unhas.
ROUPA FEIT1
NO
\ 11 u v z i: vi
DE
X-ETREIRO VE1SOE. "^
Nesle eslabelecimenlo ha sempre um sortimenlo completo de roupa feita de fg
todas as ipialidades, lambem se manda fazer^or medida, vontade dos concor- "
rentes, para o que tem um dos melhores professores. assim como tambem temum |fe
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades. para senhoras, _
homens e meninos.
Casacis de panno pelo, 35^ *' 30,^000 Golletes de fustSO e brim Bran-
RA DO QUEIMADO N. 46
Sobrecasacas ideni, 30$ e .
Patatos ideiu e ilo cores. 2.%^.
90*91, 15;) o......
Ditos de casemira. 20 >. l-'^.
I2;>. 105 e......
Ditos de alpaca. o7> e. .
Ditos ditos pretos, {>. 'J|.
U e........
Dilos de brim e ganga de eo-
res, 44300, 4\ 3r>5O0e.
Ditos branco de lafao, -S. :i:. i
Ditos de merino preto de cor-
mk 10$. Ifie.....
Calcas de casemira preta, L.
10>. 8^ e......
Ditas de cores. 94, 8,5 e. .
Ditas de meia casemira de co-
res. ."iViito e.....WOOO
Ditas de princeza e merinpre-
to de cordSo, 5|, V5U0 o
Ditas de brim branco e de co-
res, 5j5, SjjROO, 'i5 e .
Ditas de ganga de cores.
:!->:oo. 34 e.....
Cofletes de velludo preto e de
cores, i? c......
Ditos de casemira preta. S5 i
Hilos de ditas de cores 5$
V5e.........
hilos de si'iini pretflr. .
Dilos de ditos e seda branco.
(i-, e ...... .
Dilos de gorgncao de seda
pretos e de cores, ti-s, .'i> e
96^000 co, 35oOO, 3?> e
i Seroulas do brim da
iu;>ooo 2^400 < .
linho.
:->imki
7SO00
74000
5000
sriito
Ditas de algodao. I;>GO0o. .
75000 Camisas de poilos de linho.
35JOO 5-, tf, 3jjf e.....
IDitasde madapolo. 35.
3-viOO 2?>300. 25 e.....
[Chapeos de massa. pretosfran-
35000 cezes, 10*?, !l-c. .
V5000 Ditos de lltro, 35, 4, 35300 e
Ditos de sol, de seda. 12*5.
11)5, 74 e......
Collarinhos de linho lino, ulti-
ma moda.......
Soiiiineiilo completo de grva-
las.
Toalhas parroslo, duzia. 1 Ijf.
U e........
Atoalhado adamascado de li-
nho vara......
Chapos deso, de alpaca. | ne-
tos e de cores.....
2-'->30o jLnces de linho.....
jCobertas de chita caneza.. .
74000 Pennasd'aeo, as maissoperio-
55000 res, a grosa......
Relogios de ouro orizontaes.
34500 905,804 e......
:>50(M) Ditos de pjata, galvanizado.
paleles e orisonlaes, 05 e
54K)0 Obras d ouro, adercos.. meios
adereces, pdeeiras, rozetas,
Mk)00 aneis e cruzes.
24500
2->000
1,1400 B
2 -iOO I
14000^
2SOOO *
45300
VAZEWDAS E ItOllMM FUTAS.
Sortimento completo de sobrecasacos de panno a 25, 284. 30 e 36*. a**
muito bem feitas a 235, 284, 305 e 354, paletots acasacados de panno prdo dr l41
254, ditos de casemira de cor a 155. 185 e 20,4. paletots saceos de panno e ca
mira de 85 at 145, ditos saceos de alpaca, merino e la de 4| at 05. sohrr-tk: alpaca
merino de "4 at 105. palcas prelas de casemira de 84 at 14*. ditas .k- .or .U- 7* a<
154, roupas para menino de todos os tamanhos, grande sortimento .!e roupas a> bri
como sejamcalcas, paletots e cohetes, sortimenlo^le rolletes preloa le melim. nermif
e velludo de 44 a 95, ditos para casamento a 55 e 04. paletots hranros d> hramaiile a W
e 55, calcas brancas muito linas a 54, e um grande sortimento de fazendaa Iras bmmW
j as. completo sortimento de casemiras malezas para homem, menino e senhoni. rcramb
de linho e algodo, chapeos de sol de seda, linas de soda o de Joro ia para bonn-ai.
Mora. Temos urna grande lubrica de alfaiale. onde recebemos rnromnxnMlas !* 1.11 -
obras, que para uso est sendo administrada por um hbil mostr de semelb
pessoal de mais de (-incenla obreiros escolhidos, por tanto execntan
promptido c mais barata do que em entra qualquer casa.

POR MENOS DEZ POR CENTO
11AIHVAOl.t Al ItOKA.
Resta grandec bem montada fabrica de inachiiusmo. 1 ntai- ardida bo nn-.
ua-se a executar com a maior presteza e perfeir2o encommenda> d, 1, 1 ;
machinas usadas no paiz, lendo sempre promplo o Mptoa :
Grande sortimento de moendas de caima de iodos os sistemas lama; 1
Machinas de va]or de diversas qualidad 5.
Tanas fundidas e batidas.
Crivos e boceas para fornallia-.
Bronzes e aguilhes. |
Bodas, rodetas e rodas dagira.
Guindastes fixos e portateis.
Machinas de cyhndros para-padaria.
Sorras de ac paca serrara. #
- Pal echas para barcos, etc., etc.. Indo por prego que bem caava.
NOS

or.
(aiiiui;
B. 21 l 23-LAR(lf||0 ERgO-.NS. 21 f. 2)1
Kua do Queimado n. 23, leja de Anto-
nio Ferrer- da Silva aia
Veadcm-se eambraias d<' cores a 200 rs. o co-
vailo para acabar, e laazinhas finas a 500 rs. o
((vado.
i:M>lrit de vinho.
Na ra do Cotovello n. 1 vende-se espirito de
vinho de 38 graos a 240 rs. a garrafa, e em cana-
da a 1^600.
Taboas df aaiarelie.
Vendem-se na na Direita u. 91.
VENDE-SE
urna casa terrea, eiiificada em tlies
pafriat, ia roa de Joge da Bola n.
2J. euai 2 salas, 2 qnartus, cnsinha fra
a quintal grande, t teMo as frentes
de podra e cal eos oitoes de laipa: a
tratar na Ira\ essa i% Veros n. 1U.
Becebcm por conta propria a maior parte dos gneros existentes nos seus rma-
meos e por isso deliberou-se seu proprictario a vende-Ios por menos 10 o do que em
i c-utra qualquer parte, garantiddo a superior qualidade.
I l.el.un tdlfl.
Manteiga ingleza especialmente escolhida a 72o e Hoo rs. a libia.
dem franceza de primeira qualidade a 56o rs. a libra, e em barril a 54o rs. a libra.
Arroz pilado o melhor do mercado a loo rs. a libra c 3,ooo rs. a arroba ou sacco,
| Caf do Bio e do Cear o melhor oeste genero a 28o e 32o rs. a libra.
Btalas novas a 5o rs. a libra, em arroba a l,4oo rs. e em caixas de quatro arrobas por
4,5oo rs.
: Bolachinhas americanas, as mais novas neste genero, a 2oo rs. a libra e 3,ooo rs. a barrica.
Palitos do gaz. viudos por conta particular, a 2,3oo rs. a groza.
i Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor, a l,8oo c 2,ooo rs.
; Vinho do Porto em garrafa de superior qualidade a 9oo rs. a*garrafa.
dem em pipa Figueira e Lisboa a 4oo rs. a garrafa, e a 3,ooo a caada.
Milho alpista o mais limpo que ha no mercado a 16o rs. a libra, e a arrroba a u.ooe rs.
Velas de spermacet, composicao e Aracaty, a 4oo, 36o e 64o rs. a libra.
Toucinho de Lisboa novo e grosso de primeira qualidade a 32o rs. a libra* e P.ooo rs. a
arroba.
Alui destes gneros ba outros muito baratissimos, assim como chA do melhor,
azeite doce, vinagre, cebollas, alhos, pimenta, continuos, erva-doce, charutos de todas as
qualidades. chouricas, sabao verdaileiro de 16o a 24o rs. a libra, genebra de todas as
qualidades. que ludo se vende barato e quem duvidar venha ver.
PHOSPHATO de FERRO
DE LERAS, DODTO!\ EM SCIEKCIAS, INSPECTOR DA ACADEMIA DE PARIZ. ttc.. te.
l'stc novo rerrugino.-o, approvao por todas a* Academias da Medicina do niun uHcir,
compoficio dos ossos e do sangur, e. contem o ferro era estado liquido. Setnndo a*oUm*c*r5
hospitaesdePaii e consignadas no Piospedo : elle e taperioi ia i I1lnn rrmijt,i.
df ferro, ao ferro rcilnrtdo pele lijtlioscn. o ao rllrato ilp Ierra, HltaU* e \m
ioduro de ferro : elle cura rpidamente a ictericia branca, coi paluda, drc- d'etlnia^e.avriHwMa-
sas, affecces nervosa?, esciopliula?, nlngoa de sangue, perda de or^a e appctite, irrananaaa*
(alias menslruaes, c flores liramas. K o melhor adjuvante do olea de Bgada de bacalaa.
De[silo gcral : em Pars, en casa do MM. Grlaiaalt e C, pharmaceutlco, _, roa de to Feaflaar,
em EitMa, en casa de n.di iK, da Caata-Carvalhat do Porto, en casa de MitI Jaa i
Ferrelra; em o Rio-rfe-Joneiro, iluva relala e Mata, na do Sabio, II; en aViatt,
Ja-r.nciaiv Ferrelra-F.nplnbrlra; em Rio Grande, en casa de Jaaajaila *e Cidiy, i
ho, en casa de Ferrelra e C*; em Pernambuco, skn e o, ra da r.rui, 22 aaaa>, aa
pharmacias do Braiil.
Deposito geral em Penumbora ma da Cruz. n. 22 ein casa ilet^rosA Barbeci
I)K
TOI.%M .SOI \!JIHI)IS
M
ANTONIO MAIA DE BBITO
CONHRCIDA POR FARRH:\ >\ VIL VA .
N. 21 Antiga ra dos Quarteis de polica -N. 1
Constando ao annunciante. que alguns especuladores de m Rl aaaa anti-
que gosam os meus cigarros, e para poderem dar consumo aos seta andaiu vewlrHilu rarf-
na praca como pelo malo, illudindo os meus freguezes, dizendo que sao *rm : e cara >-
dos os meus cigarros s3o vendidos na minha fabrica, e nao mando pessoa
(>or minha conta fra della, faro o presente annoncio para evitar que coraprera
ebre ; e para seguranca dos sonhores consumidores deste genero e espe
freguezes, aviso que todos os raassos de cigarros que forein vendidos na \
marcados com um distinctivo qne declara o meu nome, o nome da na e i i
mesma casa.
Aproveito a oecasio para scientificar aos mesmos senhores, que
encontrado um completo sortimento de cigarros de diversas qualidades. e do i
escomido, por sua boa qualidade jA bem conhocida.
f
% inho da Porto superior.
Vende-se em caixas de uina duzia : no estr|ilo-
rio do Antonio Luiz Oliveira Azevtdo A (..
Cal de isboa
chepada ba pouco, c de boa qualidade ; rnmtri if
nos armarens da ra de Apollo n?. 28 e Wjnuto ao
theatro. >
r- Potasas _
Vende-se superior potaba do Rio e Jaanra. d
nois nova que ba ao awrraaa, a prrf i
modo; bo largo do Corpo San. $m
Manoet Ifiuario de Oliv.-ira f, FtBw. a. If7
fechiarba.
Na loja de Arantes veaaVm-e l*.rr*fm%- e
ronro de lustre para baen a ."4
III FfirVFM
i



.


I


*
I
I
WktU Ae PermemlHif encinta) frir I 4e Ag-t Je i 6.
j) fli

T_
GRANDE ARMAZEM
n rirn
i

.*
DE
/
EE
0 N. 3fi, RA DAS CRUJS R, 36
DO
balrro de Sainto Auioulo.
0 proprietorio do muito acreditado armazem denominado Progressista tendo
sempre em vista fazer tudo o que for possivel para bem servir aos seus freguezes, tem
deUberado vender os seus ja bem onhecidos gneros de primeira qualidade pelos presos
abaixo mencionados, e affianca s pessoas que mandarem comprar por seus criados o
eseravos, serem Ufo bem servidas como vindo pessoalmente; encarrega-sc de aviar qualquer
encommenda. anda mesmo contendo ohjecfos nao proprios desto estabelecimento. 0
menino pede aos scnhores que mandarem comprar neste armazem o favor de mandarem
devolver qualquer objecto que n5o agradar, devendo os meamos scnhores ter toda alten-
GRANDE ARMAZEM DE MOLHADOS
TODOS
=
t-
-
o
os
COMPLETO
SOKTIMENTO DE JfOLHAROS.
APOR g
se recebem gneros de conta ,^ vende-se em porcao e a reta-
propria e dos memores esta-
belecimentos da Europa, g-
rante-se todo c qualquer ge-
nero comprado nste
ESTIBELECIMEMO.
O
a
0
Iho, aprompta-se com toda a
presteza o cxactido qualquer
encommenda dirigida a este
ESTABELECIftEiSTO.
o
Eduardo Marques de Olive-ira C.
'A
O
>
o
2
o
c
9
2
5
:
NV'stes novos e grandes eslabelecimentos de molhados, encontrara o resptttai^
M 'publico d'esta cidade, bem como seus numerosos freguezes do centro, t\po*tos* .ene.
m ; todas as qualidades de gneros por menos prego que em quaesquer outro eaUbtiaciiw
S.tos d'esta ordem, pois para bem servir os seus freguezes existe i,a Europa luados*
^',cios para serem vindos de conta propria diversos gneros, e desde j.i .iieontrar tm%
_ peitavel publico sempre os melhores general do nosso mercado, e por preejos
^* mos como abaixo verlo, a saber
! Amendoas a 320 rs. a libra.
Os proprietarios do muito acreditado armazem Progresso fazem siente ao respeita- !T^es,a 2.$ r%u llbia"
Ameixas a 1J a'libra.
...ao com os seus portadores, fazendo-lhes ver que s no armazem Progressista da ra das vei pu|jiice e com especialidade aos seus amigos e freguezes que tem resotvido resumir os Ditas em frasco por 2^800.
Cnpee n. 36, que se vendem os melhores gneros por mais barato preco, porque estes (ppecos dos seus acreditados gneros, como abaixo verle nao obstante os procos mencioua- f Arroz pilado da India loo rs. a libra e 3#eO0
muitas vezes olviam-sc e vao outra parte onde os servem de maneira a desagradar este' dos a vista da qualidade dos gneros que se prova quanto se deseja servir satisfatoria- Dito dito doMaranho 120 re. a libra e 3*500
stabelecimento. x mente aos nossos freguezes, advertindo-lhes que maudem seus portadores, que wrto a ^'So'cl'francezSOOrs i arrafa
n servidos como se viessem pessoalmentc, isto s no Progresso. Dito de Lisboa 680 rs. a garrafa.
Mnnteiga ingleza peritamente flor drogada j Farinha de Maranho muito alva e cheiroza ^f^^ decabeca a *W C m
de superior qualidade. a cada
xmha-
Manteiga ngleza de I.* qualidade, a 800 rs.
a libra.
":; t^Stti 3\ eco **-* g' p* ~
Milho-alpista a 180 rs. a libra.
Gomma para engommar muito fina e alva a
80 rs. a libra e 20300 a arroba.
Llera pialo, chegado neste ultimo vapor, o Sag muito novo a 240 rs. a libra.
1,1
rs. a libra,
liatatas em gigo de arroba a 1,5oo rs.
Oueijos do reino,chegadospeloultimo vapor,
de 2f 2#500.
mais fresco que se pode desojar a 700 rs.
a libra.
I'teui londrino, mandados vir de encommen-
(ia especial, a 900 rs. a libra.
Idean, suisso, muito fresco, a 800 rs. a libra.
Caf do Rio de 1.a e 2.a qualidade a 8900
e 8^800 a arroba, e 280 e 300 rs a libra.
\i roz da India e Maranho a 120 rs. a libra
e 3)5200 a arroba.
\vel5as asmis novas neste genero a 240
rs. a libra.
Presuntos do Porto muito novos a ">60 rs. a
libra.
I.^gumes franeczes para sopa, como seja,
Julionne, mlange doquipage, Choux e
nutras qualidades, a 400 o ">00 o masso.
kmendbas de casca mole a 320 rs. a libra, c
em pnate tei abatimento.
;arrafoes com u garrafas de \inho do Porto
do Alto Douro a 20400 com o garralao ;
afianca-se que nesse genero o melhor
que veio ao mercado.
dem com o garrafas de vinho Figueira muito
superior e mais proprio para a nossa tat*
cao por ser mais fresco a 20400.
cha hysson o mais superior a 2^000 a libra,
afianca-sc s^r egual ao que regularmente
wiidmos a 30200.
dem huxiin miudinho, o mais superior que
vea n nosso mercado a 20700 a libra.
dem preto muito fino, a 2;)000 a libra.
Chocolate para 9oo, t,ooo e l,2oo rs. a li-
bra.
airafes com 5 garrafas de superior vinho
le Lisboa a 2MO0 cada^um.
Iden eam > garrete ae itnejre de Lisboa
a 10100 com o garrafo.
Iilem com garrafas de vinagre hambur-
guez a 800 rs. cada um.
\ mlios generosos \ndos do Porto engarra-
fados das segrales marcas: Genuino,
Porto fino, Nctar, Duque do Porto, Fei-
toria, Velho secco, Chamico, Madeii'a su-
perior e outros a KX) rs. a garrafa e 90
a duzia.
Vinho Bordeara das melhores marcas: St
Julien. Medoc e S. Estephe e outros a
(>'() rs. a garrafa e 70500 a caixa com
urna duzia.
t.houriras e pelea, o mais novo que se pode
desojar, a 130 e iOO rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez dos melhores fa-
bricantes a 900 rs. a garrafa c 100500 a
cea com urna duzia.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
800 re. eada um.
!...-ores francezes, muito finos, das scgumtcs
marcas: Ani/rtta ileBordeaux, Plaiserdes
llames, Carme ile Noyau, EaU Dantzic,
CrAne de Menthe, Hude de Venus etc. etc.
Sabo verdadeiro hespanhol, que raras vezes
vem ao nosso mercado, a 300 rs. a libra e
em caixa ter abatimento.
dem massa de superior qualidade de 160,
180, 200, 220 c 240 rs. a libra.
Graixa em latas muito nova a 120 re. a lata
o 10300 a duzia.
Peixe em Mas muito novo: svel, pescada,
mryina, salmao e outras qualidades, pre-
parado de escabexe segundo a arte de
cozinhaa 10400.
Papel grve pautado e liso a 30800 a resma.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
460 rs. cada urna.
Vinhos empipa: Lisboa e Figueira das melho-
res marcas a 30200 e 40000 a caada do
melhor e 500 rs. a garrafa, em porcao ter
abatimento.
Vinho velho Chamico em barril, muito proprio
para sobremesa, a 640 rs. a garrafa c
50000 a caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero a 560 rs. a garrafa e a 40000
a caada.
no ultimo vapor a 8oo rs. a libra.
dem de 2.a qualidade a 76o rs. a libra.
dem de 3.a dita a 64o rs. a libra.
dem para tempero a 32o e 4oo rs, a libra.
Manteiga franceza a mais nova que ha no mer-
cado a 58o rs. a libra, e em barril ter aba-
timento.
Banha de porco refinada a 520 rs. a libra.
Vinho em pipa Porto Figueira e Lisboa a 4oo,
48o, 5oo, 56o rs. a garrafa, em caada
2,8oo 3,ooo 3,5oo e 4,ooo rs.
dem em barril o mais superior que tem vin-
ao mercado a 6oo rs. a garrafa.
Lagrimas do Douro especial vinho do Porto a
l,ooo a garrafa e a lo.ooo a caixa, o preco
nao indica a qualidade (Teste precioso vi-
nho, porm venhamao Progresso que a vis-
ta faz/, a este genero constantemente man-
damos vir de conta propria o por isso po-
demos vender por menos que outro qual-
quer annunciante.
Vinho do Alto Douro das marcas mais acre-
ditadas e especialmente escolhido por um
de nossos socios, comosejain:Camft<. Du-
que, do Porto, D.Luiz. Carcavellos, Cha-
inisso & Filho, Madeira secco, e Feitoria a
a 16o rs. a libra.
Toucinlio de Lisboa a 32o rs. a libra ca9,ooo
re. arroba.
Sardinlias de Nantes a 36o re. a lata.
Azeitouas a 320 rs. a garrafa e l,3oo a au-
coreta.
Batatas inglezas a 6o rs. a libra e 1,8oo a
arroba.
Banha de porco a 55o rs. a libra.
Azeite doce de Lisboa a 64o re. agarrafa e a Bolacbinha de soda a 10400 a lata.
4,8oo rs. a caada. Bolacbinha ingleza a 200 rs. a libra, e a bar-
rica a 30000.
Cha hysson a 20200 a libra.
VnTU," '' 5**" ^ n "' ^T* Id^2Tn fLd-** ''" s,,l""io'' vi"''" ''- Ocuejpi* Hollanda garntfecs com 10 gar, Licor lino a 800 rs. a garrafa.
i*WO a caada. guara a 2,4oo l* ^ ^ ^ m | m m ^^ srJks de g
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa ea
I,2oo rs. a caada.
Garrafes com 5 garrafas de vinagre de Lis- j Dito dito fino a 20600 a libra.
boa a l,loo re. j Dito miudinho a 20800 a libra.
Champanhe das marcas mais acreditadas a Dito doBio a 10800 a libra.
Sea 1 o,ooo re, o gigo, e a 8oo rs. e a Dito preto a 10900 a libra.
l,ooore. agarrafa. |Charutos de diversas qualidades a 10200,
Serveja preta marca T e XXX a 6,5oo e' 1l*800e 3.aBca3?;
7,ooo rs. a duzia, e a6oo re. a garrafa, Champagne a 10 e 10oOO a garrafa.
tambera temos das mesmas marcas para 4, Chouncas a u60 e 600 rs. a libra.
e 4,5oors. a duzia, e a 4oo rs. a garrafa. Conservas inglezas;a 800 rs. o frasco.
Calo em grao a 300 o 320 rs. a libra, e 90 e
dem branca Te cobriiiha a5,5oo e 6,ooo rs, 90200 a arroba.
a duzia e 5oo rs. a garrafa, tambem ha Dito moido a 360 rs. a libra.
paia 4,ooo rs. a duzia. Doce de goiaba a 560 rs. o caixo.
duzia Esl)il'it0 de vmho ,lc 38 Sraos' a -H0 "*
i garrafa.
Farinha do Maranho a 160 rs. a libra.
Vassouras do Porto arqueadas de ferro obra Dita flor de laranja a 10 o frasco,
de muita duraro a 4oo re. cada urna. Keijo branco muito novo a 440 rs. a cuia.
Palitos; decentes massos glandes a 2oo re. aSSMbftStm botijas a5oo rs.
e Dita Hamburgueza a 44o rs. a botija.
9oo rs. a garrafa e 9,ooo re. a caixa com Paltos do gaz 20 rs. a caixinha e 2,3oo rs. Gomma d'araruta a 100 rs. a libra, e 20600
12 garrafas. ;( gioza. a arroba.
Garrafes com especial vinho do Porto enn- g,,1l,( ,1o a, hQ c|l da no ^ Graixa em latas a 120 el 0300 a duzia.
tendo 5 garrafas a 2,5oo re. |lte de J libras a fa rs. echincha I <*** em ^nM(ts de '4 an afas >)or
Graxa em latas grandes a l.3oo re. a
e 12o rs. a lata.
40600.
A/iite doce de Lisboa muito fino, em Iwrril
a 640 rs. a garrafa, e em porcao ter
abatimento.
Champagne das mais acreditadas marcas, a
10000 a garrafa, e 100000 o gigo com
urna duzia.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Baha a 30500 a caixa, tambera temos
para 20000, 20500, 30000 e 30200 a
caixa.
Vellas de spermacete superiores a 600. 640,
e 680 rs. o masso.
dem de carnauba e composigo a 320, 360,
e 400 rs. a libra e de 100 a 110500 a
arroba.
A ze i tonas novas do Porto e Lisboa, a 10000
a ancorla do Porto e 10500 a de Lisboa
Maesas para sp: estrellinha, rodnha e pe-
vile a"400 rs. a libra e 20000 a caixa cora
8 libras liquido.
Massas para sopa muito novas: talharim, raa-
carrao c aletria a 400 e 480 rs. a libra.
Chocolate portuguez, hespanhol, franeez e
suisso das melhores qualidades a 900 rs.
a libra.
Doce da casca da goiaba a 800 rs. o caixo.
Ceneja das melhores marcas de 50500 a
(0000 a duzia e 540 rs. a garrafa
Oiscoutos inglezes de diversas qualidades a
I s:00 a lata.
Bolachinha de soda, especial encnmmenda,
muito nova em latas grandes a 20000 cada
urna.
operior iraali-
Idem com 5 garrafas de vinho Lisboa a ,,,,__.*.__ .. 0 ,. dadea!05OO.
2.1oo rs. ^S^K?nuLr8'8! ?** Manteiga ingleza flor a 800,900 e 10a libra.
>. o frosco aflianca-se ser verdadeira. > fr=nceza a Ooo ft G4o rs- a ,ib,.a
mu quatro du- Dita hollandeza a 72o 8oo rs. a libra.
Mostarda a 640 rs. o frasco.
Vinho branco de Lisboa proprio para missa IAmb ,, ... .
vindo j engarrafado de Lisla a 6io rs. Id*m ,e f,'a,,>m \
agarrafa. | ^iasa 44o rs. cada Iwtija.
tm. em barril muito superior a 5oo re, a Jfi T frascos g;andcs v,M,la-
dena italiana a I,ooo rs. o frasco.
Massa de tomates a 640 rs. a ubra.
Dita estrellinha para sopa a 500 rs. a falto.
Massa estrellinha pare sopa e9oo re. a l>bc
Macarro, aletria e talharim a 4ft> i% a I*-
bra.
I Marrasquino dfl Zara a 800 re. o fraern
Passas a 4oo rs. a libra.
Palitos para denles a 180 re. o mas
Phosphoros do gaz a 2J600 a grosa
Paios novos a 40 re. a libra.
Queijos i!: reino do ultimo vapor a ti
20500.
Dito de prato a "O rs. a libra.
Cenejas de manas superiores a 500, 3tL
600 e 040 rs. a garrafa, e -H, #
60500 a duzia.
Dita em bail por 4A, e 240.s. a gamb.
Cevada a240rs. a lil>ra.
Sardinha de Nantes a 360 e MB r* ., t*^
nha. B
Sag a 240 re. a libra.
Sabo massa a 200, 240 e 280 s s ufera.
Sevadinha a 280 re. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. i %
Tijolo para limp^i facas a 160 rs.
Vellas de epernecele dn gaz a ',,%*- *. a
libra.
Ditas do gaz mu!" noas.
Ditas dito em caixas de 6 libias pee '.^l#.'
DiUis de earneuba a 40 rs. a libra
Ditas de COBposicSo a 360 e 3S0 re. a faira.
Vinho do Porto. aada a 50500. garrab"a
720 rs.
Dito Lisboa, cande a 40 e a garrafa a ana-
re.
Dito Figuvira. ranada a 3A840 e a gam*
. 480 re.
Dito dita euperior. caada a 4A i- a R-'-rra
a :>00 rs.
Dito BttreilO, caada a 30200 I a garrafca
400 rs.
Dito Bordeaux a 7O e 800 rs. a garrafa
Vinagre de Lisboa em garrafiVs de 5 garra-
fas por I04UO.
Dito em caada a 20, e a 260 rs. a ajarrae.

Vinho do Porto em garraflfes de 8 garrata.
por 20500. .
Ditoilitoenganateloa IS e 1^200.
Dito lagrimas doDunroa 10400 a garra!-*
Vinho branco de Lisboa a 720 rs. a garrafa.
e 50 a caada.
Dito do estretto a 600 rs. a garrafa, ca4W
a caada.
Previne-se ao respeitavel publico que todos os gneros cima sao de ooa eaaev
dade, e para desengao venham ver: assm como outros que deixam de ser annunciati
garrafa e a 4,ooo e 3,8oo a caada.
Vmixas francezas em caixinhas de 1 '... Marias|i.iiM de zara a 72o rs. | *-
3 libras elegantemente enfeitadas com ri- Licor franeez de todas as qualidades em jeFUMM^AO 1IO BOWfIAS"RlA 1IO
cas estampas na caixa exterior a I,3o0'
l,6oo 2,ooo o 2,5oors.
dem em latas de, 1 'j e 3 libras a l.ioo e
2,6oo rs, cada urna.
garrafas de vidro brancos a 72o e 8oo rs. llJjtlj ]f \r *i H
Vinho Bordeaux das melhores qualidades' Este muito acreditado estabelecimento est prvido de urn completo sortuni.-iuo
que tem vindo ao mercado a 72o e 8oo machinismos proprios do fabrico de assucar, a saber:
rs.. e en caixa a 7.5oo, 8, e 8,2oo rs. Machinas de vapores as mais modernas e mais acreditadas
Figos de comadre em bauzinhos de f-.ll.a y^te doce viinado do briau* ivianni ?.odas, d'agua deferr0 c.om ?eus P"*80"58- ,
o uo Montante lanol e Moemlas c meias raoendas de todos os lmannos.
outros a Seo rs. a garrafa.
Bodas dentadas, angulares e de espora.
nmito proprios para mimo a l,6oo.
Mera em caixinhas a 1,4oo rs. conservas inglezas surtidas e de urna s qua- Taixas de ferro batido e coado.
dem era caixinhas enticamente lacradas lidade a ^ re- frasc0- IBoccas de fornalha Pel novo s>'stema Wto, ;
! Alambiques de ferro fundido.
Acanita verdadei a 32o rs. e libra. Fornos para cozer farmna.
e muito bem enfeitadas a 1,8oo rs.
IdBD l 2oo rs. a libia. j Gomma de engaiBMr milil0 alva a 8ll,.. I Monhos para moer mandioca.
Passas le carnadas as mais novas que ha no a libra c 2,2oo rs. a arroba. Arados americanos, etc. etc.
mercado a 4oe rs. a libra o a Meo rs. a Sagl-, muit0 novo a 2lo rs. a ]ura.
Sevadinha de Franca a 16o re. a libra.
caixa.
Salmao em latas ermeticami-nte lacradas a
Passas muito novas e de carnada a 400 re. a
libra e 6)^500 a caixa com urna arroba, ha: >" tomaiu. era unas OS WJU a 7UU re.
.aixas, meias e .[uartos. cada u,na-
m f, iniilJnoi i Saratanas de Nantes, do fabricante Basset, a
\ meixas francezas em frascos de 11 \i e 3 h-. qftft .
ras de i WOO a SWBOO, tambem ha latas \ ,J0's- a lala- -
de 6 libras. ; Toucinho de Lisboa novo a 320 rs. a libra.
. .. I Tijolo de limpar facas aM80 rs. cada um.
Marin.lada imperial, dos melhores conser- Cebolias 0 mlho a 90o rs.
Mires de Lisboa, a 600 rs. a libra, em la-
las lacradas hermeficaraente. Erva- I ii, tasem caldas d* todas as qualidades em Comnhos dem idem a 640 rs. a libra.
latas muito bem enfeitadas, a 500 rs ca- Garrames vasios a 500 rs. cada um.
da urna.
Ditos cora 5 garrafas de genebra a 20400,
garante-se ser verdadeira de Hollanda.
Cebollas a granel a 640 fs. o cento.
Canella a mais nova do nosso mercado a
1)9000 a libra.
Alfazema o que pode haver de melhor neste
artigo a 280 rs. a libra.
lenas inglezas dos melhores fabricantes phosphoros de seguranca individual a 20 rs.
Mixcd Pickles, ceblas simples, e outros ., ,^ixinha.
a 760 rs. frasco.
Papel de embrulho muito superior a 10120
r.irinha verd;ideiia de araruta a 500 rs. a a resma,
libra, garanfe-se a supertor quabdade. vinfao ^ Fguera Q qm ^ ^ m[[m a
('ditos para denles era caixinhas douradas; 40000 a caada.
nlachinlia m0ea, a mais nove que se pode
desejar, a 30000 a barric a c 240 rs. a
libra.
I arinba do Maranho muito alva e cheirosa
a 160 re. a libra.
Vzeite franeez clarificado a 800 rs. a garrafa
)0OOO a laixa com urna duzia.
Breo, a 320 s libra e 80 a arroba.
Copos finos para agua a 60000 a duzia.
8oo rs.
Lagoslim em latas grandes a l,4oo.
Savel, corvina, cherne, vezugo, peixe espada.
Spvada muito nova a 12ors. a liiua e 3,900
ss. a arroba.
Macarro a 32o rs. a libra.
preparados pela primeira arte de cozinha a ,, m .
f j qqq na hiera e talharim o mais novo que ha no mer-
cado a 48o rs. a libra.
Queijos flamengos por a 2,4oo rs.
liliiii do vapor passado a 2,2oo 2,xto c
l.8oo, rs.
[dem prato do ultimo vapor a 64o rs. alibra.
Doce da casca da goiaba caixcs grandes a
600 c9oo rs.
Chouricas as mais noves que ha no mercado
a 48o rs. a libra.
Chouricas mouras encommenda especial nos-
sa a 5oo re. a libra.
Prezunto verdadeiro de lamego em calda
de azite 5oo re. alibra
Bolaxinha ingleza a mais novas que ha no
mercado a 2,ooo rs. a barriqunha com
1 arroba, e a 24o rs. a libra.
dem de soda de diversas qualidades a 1,400
res.
Arroz carolino a loo rs. a libra e a 2,8oo rs.
a arroba.
AGENCIA
DA
FUNDICAO DE LOW-MQGR.
Ra da Sen/alia iiova n. 12.
Neste estabelecimento contina a hawr
um completo Sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de Jerro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston & C,
i dem do Maranho a 12o rs. a libra, e a ra da Senzalla Nova n. 42.
3,oo a arroba.
Caf do Bio o mais superior que se pode de-
sejar a 32o rs. a libra.
dem a 28o e 3oo rs. a libra e a 8,2oo, 8,4oo
e 8,7.00 rs.
Velas de carnauba refinada a 32o re. a libra,
c a lo.ooo rs. a arroba.
dem de spermacete a 64o rs, a libra.
Chocolate hespanhol o franeez a 9oo c i,000
rs. a libra.
dem era latas grandes, proprias para hinche,
com 5 a 6 libras por 2,4oo rs.
VOS SRS. ClttSlMMlbOttfcS DE hAZ.
Nos armazens do Caes do Bamos n. 18 e
na ra do Trapiche Novo (no Becife) n. 8, se
vende gaz liquido americano primeira quali-
dade a retamo a 100 a lata de 5 galoes, as-
sim como latos de 10 e de 5 garrafas e sendo
em porcao mais barato que em outra qual-
quer parte.
DE
tg
ESCRAVOS FGIDOS.
\n

Fuifl
no (lia 17 do eorre.nl *mva Don
cana, de dade dv :' anaos, basianii
baixa, cor fula, k'udo ocoiovello braca **
akijado. tfiido por ortmwu wafimjii m
a pegar leve-a n roa nova de Santa Rita, *man*
de Paulo Jos.'- Goniea de Medeiro*. que r>
compensada________________
No da 7 de agosto remato ho o esrraW
de noinc Lino, ci ioulo, dfl idade que represrnM ~m
annos, pouco mais ou menos, barbado, dmtoaBj
e feio, puxa um piuco pelo quarf-i <'
anda, levou camisa de algodao \m<. porai
conipunho iiiiilando o de jaquela. ilej d-
dao de lista, chapeo de palha prei.i. '... oaTcial
serrador: quem o pegar on tiv.r ':.!"iad^t
leve ra da Praia de Santa Rita Nova a. 4, rtm
onde inora o Sr. J0S0 Caetano de AIt r, qw. ec
graticado. ______'___
ATTENCiO.

nossa a 2,8oo re. a libra.
dem huxim muito superior a 2,7oo re. a
libra.
dem bvsson a 2,56o re. a libra.
Marmelada .mper.al do fabricante Abreu e; ldem hvsson a 2 ^ c 22oo rs. a ,ibra.
outros consrvenos de Lisboa a 60a re. a 1
libra. j dem preto homeopathico e muito superior a
,, .... 2,ooo re. a libra.
Fruto m calda de todas as qualidades ^Mmwoml, 4,6oors. alibra.
Batatas muito novas a 80 rs. a libra.
Cliarutos dos melhores fabricantes da Babia
EstreJliuha e pe\ide muito nova a 4oo rs. a
libra, e a 2,ooo rs. a caixinha com oito
cp'Laai! c^ial chegado o.* ^^t^l^I^Ll
limo vai>or do encommenda particular
000 rs.
Ervilhas francezas a 5oo rs. a lato.
dem portiiguezas a 64o re. a lata.
Massa de tomate a 64o rs. a libra.
Amendoas conleitadas a 7oo re. a libra,
dem de casca mole a 28o rs. a libra.
Avelans a 2oo rs. a libra.
Neste estabelecimento, sortido de todos os espi
ritos que a ella dizem respeito, faz lemurar aos
seus numerosos freguezes que coniimia a vendo-
Ios por menos preco que em outra qualnuer parle,
comosejam, licores de todas' as qualidades, de or-
dinarios a linos, genebra superior, tanto em cana-
da como em botija, agurdente do reino, aniz, dita
de canna, alcool de grao o mais subido, e sem
ebeiro, proprio para composigo, o quo tudo se
promette e aflanca o bom acondicionamento para
o qne tor exportado.
No da 8 do crtente fug o escrav, ioniwa^
Africano, idade de .'JO annos rom tx fn
guintes : estatura regular, carciMd, -em om
blido n"" olhoesquerdo, costuma trs:'.r z f'-.raa
rapada, e quando falla com arrogancia, '. f
vestido camisa c calca de estoopa. chapeo de *?
ro ; este escravo fc-i pertoncente ao sr. An:-vii#
de Aranio e Alboquc-rqoe, morador era - va. distncto de Bnique, e comprado **ta -inait
Ra da Senzalla n 42.
Vende-se, era casa de S. P. Johnston A C,
c de todas asmarcas, como sejam: sus- seluns e silhoes inglezes, candieiros e cast-
ao fallecido coronel Gouveia, snpp guido para este Ingar, ou achar-se >n
lugar da C-ipunga quem apprehende-lo
ra nova de Santa Rita, serrara do Panl)
Gomos de Medeiros, qne ser reeompea^ai
Reo fc>
l Mi
piros, havaneiros, messecipes, regriia im-! caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
perial, flor das mattas, primores a 4,ooo, chicotes para carros e montara, arreios para
3,ioo, 3,2oo, 3,ooo,- e 2,8oo, 2,5oo,
2,000 e l,6oo rs. a caixa.
carros de um e dous cavallos, e relogios de
ouro patente inglez.
IMKiVO FlCilOO
100$ de grafratM
(ijoniia fgido desde Janeiro aartato* 1
Havmundo, natural do ko, stoaara re|
de 18 anmw, cabeca chata,
testa grande, rosto nJ, "
esouerda, macas sajieotos,
do",bocearegqtoreP*wP:jj>f{> r**J
pequeos, costoinava totoad
selvre : qoeai oappwaeaier
ldela do Recite n. 11, a um
que entregar a refenda grtu*rr*v
a


1II m\/iri


9
Piarlo de rernttiaW- ijaaa<* Mr *a le tg0(0 I *. SdlENCIASE ARTES.
1 considr.raeii cere da ha
f trtani'ia dos navios e forlalnzas
C-; OJiarailos.
norme massa fluctuar grossoiramente so-
bre as aguas violentamente apiladas por sna
Alguns dia depois dachogada desta esquadrilha
1 no*porfo de Scvs!o|iol deu-se o celebre cmbate
de Kiubiirn. rujo effeito fei concludente e pcrfelta-
' mente satisfactorio.
teu choque os flancos dos navios inimigus. Eran
construidas de tal maneira. que durante o comba-
se nao apresentavan ao ioimigo senab urna peque-
a superficie exposta aos seus protaetJs
Este ultimo resultado era obtido por comparti-
mentos lateraes, cheios detonis va ios, que du-
rante a marcha da jangada auxilia*)
I r.ca aintelligcucia limuana conhcceti paradei-
marco onde ficasse estacionaria; e nunca
:i refrios rao elevadas e descoritaou tao am-
i-ontes como no secnlo XIX. So. porm,
'~foiive-oV lempo, ella |K)i' un momento diini-
ua'nle provada esta aecussdade com o crdito de
30,000 wintos votados pek governo inglez para o
encouraeamonto de suas principaes fortalezas.
Antes de eatrarmos na apreciac,ao deste systema.
examinemos as mudancas que se deve inlroduzir
a arte de guerra militar, ein virtade do novo sys-
tema de construocio naval, eqoal as modfiearVs
fortifi-
spectatira foi exeididaajodos os juntos de gao, e que na occasio de ataque poUam ser em me se podero estabelr, fferenles
T's,a' ; parle chelas d'agua. fazendo subnierglr o navio de cacoes militares.
CedoCMnimlgos re.,,uheeeram que estes rote- ul sorle,quenio ofleraesse Jiais-superMe do! Cumprc-nos entretanto fazer simples rellenos
*>.> de guerra, eran nionslros infernaes, que nao que a de urna jangada. sobre o estado actual de nossas fortllleaedes o mos-
s desmantelaran! as suas muralhas, como as ba- A Inglaterra nao poz em pratica o systema de Irarmos a grande differenea e a pesvantagem que
. >., para depois ergue-lo eleva-loa bs' diri8i,,:is so,"v ell(,> ricocbetavam sobre o cas- Coles, porm. mais tarde, os Americanos, fazendo ha entre a dofesa de nossas fortalezas e dos navios
i ilas: como o vulco que redo- ro iv/;viry> de ferro, e nem se quer faziara urna simples modificado, apresenlaraui o Monitor encouracados. As nossas fortalezas piucas sao as
tn-!i::!:aassuas lavas emeLullican no amago de suas "l0ssa- e o Me.rimac, enj'-..'.as.atr quo tima ernpcao as lance em seus ^ataque de Kinburn que dnrou .1 horas, as marinha, restando apenas a Inglaterra a gloria da dendo apenas apresentarmos duas neste caso ao
r--"; H- este porm anca te lavas obre seus tin" k,"(',ii,s' mie se haram a 250 metros da invengan, apezar do abandono de sea proprio go- porto do Rio de Janeiro. Outr'ora com semclhan-
9S, ,^ra no sen .esfi amento adobar o Ierre- pra(-'a- sofrr'u foe dp aiHll,am de calibrc 24 vern0' quo dev,a ,er a lempo es-. te arttlbaria as fortalezas tinham graade vanta^em
i ferlilisa-io : da mesma sorte aquella na erup- e 31 ,a imp0I',an, descorra. | sobre os navios de madeira, anda mesmo que a
l invento vae tambera enrequecer as artes F(" ,'sf,autoso e sorprendente o resultado deste Depois da applicacao da cornaca aos navios de artilharia destes fosse superior ; porm na actua-
r sci ..cas, combate : o Tonnante receben na sua cooraca 66 guerra a Franca, a Inglaterra e os Estados-luidos, lidade em quo o systema de encouragamenlo leva
t |*r isso que as Mathematicas puras e appli- ,i:'la?.'' IU' ?> soldados feridos por 2 balas sao asnages que mais se tem desenvolvido no en- grande prerioridade as velhas muralhas, preciso,
cada*. tMrtto neste seculo grande desenvolvimen- ('ue PCielraram pelas eanhoneiras. A Devastation <"Oura(;amentode seus navios, e as que Ihe tem da
to. .r-i-'nicomo as scicnciacs naloraes tem exced- toi locat,a fi* V*>. 'icando 13 homens fra de do a mais alta Importancia.
do 9 !lj es|)fctativa; por exemplo a Botnica e a r(,inl';,u"- I,or 3 bambas que alcancaram as port'- i Eis quadro de scus navios :
f *-'"->-\ ten festo grandes descobrimentos e am- nll0,as- A Lavc apenas teve um s homem ferido-. Pronta.
fila 'o o numero de suas familias. A. Miaeralogia e foi vaco a,canCada I'a caboada inimiga. 4 Fragatas a vapor de 000 cavallos montando
eaCoilogia tem caminhado progressivamente'de A destruido prompta e efflcaz, causada polas cadau'na 40 pecas.
deso, rtasemdesooliei tas sum parar umsmo- ein Materias fluetnantes as muralhas de Kin-!
W" \ tornando-se digno de admiracao o vAo alta- bB*"* *rnu a'v'Te e de despertador, nao s a'
Iro osta ultima nos progressos, que tem feilo na Prom"ia VmW co^o a Inglaterra, que sendo teste-1
i lulaa da venlade acerca da formacao dacrosta numlia &cc,,lar ds prodigios dessa nova alavanca'
t .-; :e, c dos periodAs de >ua existencia, Indo de guerra, tratara de |wr em execiu-ao tres bateras,'
10 Fragatas de 1,000 cavallos com 38 pecas.
6 Corvetas de 150 cavallos esm li pecas.
5 Baleras fluctuamos de 130 cavallos e 18 pegas.
1 Batera armada de espore-com 60 peras pro-
de ?:;..nona com a Biblia sagrada. A chmca e Mctron- Glllll<>'>, o Tmstij, que foram destina- I)ria Para proteger os desembarques,
a -pbysica tem sido o auxiliar a todos os en ventos dos a guerra da Crimea. Alm destas batlerias a
os: esta ultima, porm, tem dado nome a ,n,alerra 'nandoii constmir cincoenta bombardas
Be cenlo; osenlo do vapor e da electrcida- c con, l" quan,n,a eanhoneiras a vapor armadas e
de. Na verdade, quea negar as grandes deseo- ***"&&* destinadas a ir para o Bltico, o que
| que a clu'mica e a pbysica tem feito neste nac teve ll,Rar cm virtude da i* assignada pelo
ulo t O vapor applicado, como forca mo- cza.r em "^ de margo de 1856.
<:;-.. foi um grandioso invento para a industria e ^ ^duvida incontestavel Franca e a Luz
mm mechanicas foi urna fonte de riqueza, que lNaP,eao a prioridade da invengao e da construc- j
Mk Jitatar os meios de loromoco, e como prova, 3 das ba,erias fluctuantes encouragadas.
Inglaterra,
i .Navios de 1,250 cavallos com 42 pegas.
4 Naos de 1,350 cavallos com SOpecas.
5 Corvetas de 600 cavallos e 22 pegas.
2 Bateras de 3 pegas.
4 Navios do systema de Radeau Coles e
do Monitor com torres A xas.
Estadot-Vaidvs.
pelo
A batera Sferns, de 420 ps de cosmri ment
ah 6o patentes as machinas vapor applicadas A Fran5a n5 ,icou estacionaria n'a tctica na- C0{& ~ pecas de grosso calibre,
r;a vjgago terrestre e martima, e a industria em val' em P1"880^ de semelhantes prodigios, porque Esla batera semelhante ao Monitor e pode sub-
goral. A electrirdade (em se prestado a mutas so" imPeradr f progredir nos estaleiros a cens- mergir-sc completamente durante o combate : cus-
appltcieJSea uteis e engenhosas, taes como a luz ,rucfo de novos navios encouragados com as rao- tou lara mais de 2,300 eontos.
l*ec' :-a, etelegraphos elctricos, que transmittem dificaeoes reclamadas pela experiencia. O Nangatuck construido de man eir a girar so-
r amento cora mais rapidez que o raio. Na An,es> Pren^ dedar-se execuc.o a to impor- bre s mesmo cm dous minutos, pode tambera sub-
c medicina tambera se tem feilo uteisap- antes trabalhos, que exgiam serios exaraes, (o mergir-secompletamente em dzoito minutos: suas
fp rts c obtido excellentes resultados.
biaanwHD applicado a clecli icidade como
'., c (Mido resultados.poucos satisfatorios,
4 : ha toda esperanga e probabilidade de ella *> grSSa ar"'"a,'ia-
fcititalr em pouco lempo o vapor, visto ja se ter
.coa.^uido montar machinas de forca de dous
Tera-se non,eada uma corairassao de cpgenheiros, afin de horabas o levantara cm oto minutos, sera que urna
forca subnu',,er-se experiencia a espessiira, que se de- gota d'agua penetre no sea interior. Tem apenas
arios Vl'nadar a co,,raa, de maneira a resistir o cho- uma pega, mas de calibre cera.
O resultado do exarne
que procedeu essa commissao, foi assaz satisfac-
torio, e em virtude d*sso o governo ordenou a
eavaU a ~ construegao da Trata encouracada a loire, que
* 10 posto, este seculo nao s o da electricidade foi pos,a noes,aleiro, em Toulon, sob a drecgao o
ao ...por, que tantos progressos tem feito as artes plano ^ Mr DuPer>' de Lome.
- .-ias; elle tambem odo ferro naosnelo ^"as experiencias a que se procedeu para sede-
Tanto papel e importancia que este mea. tem repre ? P da ^ *>*, 7ZZTrSTaSX""iS2i;
Alm destes os Estados-l'nidos possue o ulfna,
o Ironsides com dezoito pecas, o Roanoke, o Pun-
tan, o Onodoga e o celebre Monitor. Possue mais
tres bateras e cinco grandes navios que ignora-
mos o nome e a forca.
Os estados do sul possueui um frota quasi toda
composta de pequeos navios proprios a navegar
B & lictriridade, como na sua applicago no en-
coui:>;.imento dos navios de marinha naval.
I." (Vapplicaoaoda blindagera meUilicanos navios,
j[i- i Mirgido uma verdadera reeolucao na
rtee (morra martima, como foi exuberantemen-
provafie r,o combate em frente das muralhas de
tfi .:; n no dia 18 de nutnbro de 18.'3. pelas cinco
ia fluciuantes Omgreve, Devastation, Fou-
&. jxA, Lave eToanaale; e no celebre combate do
-. .nac t itra o Monitor, porto d'Hampton-Road
.(Si C .'.e marco de 1861 i
rados.
sta no dominio da historia a revolueao que tem i
mesmo de grande ulilidade que se opere nina
completa raodificaeao no systema de dofesa, elevan- '
do as fortalezas" a um pt'> de" guerra era lodosos'
pontos de vistas, aflm deque estas mesmas fortifl- !
caeoes reassumara a sua amiga superiordade.
A importancia de defesa nos portos tal. .que '
ella deve estar em relago da marinha naval ;'
se esta, porm, passa por um melhoramento tao
hnjiortante como o actual, aquella deve acorapa-
nhar esse movimento, sob pena de nao prestar o
auxilio para que foi construida : aim, pois. a
vista do progresso naval, tambem alvitre nosso o
encouracamento das fortalezas que melhor se pres-
tem a defesa dos iwrtos. Ainda nao flca ah o nos-'
so alvitre ; a par deste melhoramento' rumpre que '
as fortalezas sejam armadas com pecas de alto cali-'
bre, 1aes como as de W'ithworth, apropriadas a
attravessar a chapa dos uavios enconracado.
Na verdade digna de teda a consMeracio a re-
volugao que tem feito os navios enmangados na
marinha naval ; porque nao ha praea ou fortale-
za, at entao rtiptitada inexpugnavel. que nao seja
vulnerare! e nao-ceda eanhoada inimiga.
As inacas de Cabraltar, Crenslad e Malta, ontr'
ora tao temidas, perdem a son alta importancia
em presenca das daterias eneonragadas, que ar-
restando sua artilharia. poden em pouco terapo,
serem arruinadas completamente. Ora se as pro-
cas fortes e incxpnfnaveis perdem toda a sua in-
rulnerabilidade em presenca destes navios, quaJ a
razab porque se nao ha de elevar mesma impor-
tancique ellas tinham antes da applicago da hito
dagem- dos navios ?
Esta, qnesto simples c de fcil elueidacao.
Antes do encouragnmento dos navios de guerra,
um navio ou mesmo urna esquadra munida de boa
artIharra,nao se arriscara dar um combate a uma
fortaleza bem guarnecida, purqne, cerfamente, o-
seu resultado seria sompre duvidoso quando nac-
fosse uma derrota completa. Ifestt combate desi-
gual a cucha da batanea pendera, sem contesta-'
gao alguma, para o lado das fortificacoes militares,
viole motros de distancia, resultando que a chapa
nao soffreu alterago alguma, depois de submettida
a experieuca. jfeJO no nmno nava) 0 svstpni, ((e nvos'cncon-! Pl1ue <* ft3ncos *"-*H criara verdadeiros
Debaixo de tao bellos auspicios o governo fran- raados> c PT isso 6 eonveniento e at iogeo me ans- ^e attrahriaa os projeetis dirigidos das
eez fez desenvolver este novo svstema com toda a nosso 0VWM> 0,l,e ^m toda a aftengao para o fort.ficacws; ao pas..o m com o novo systema
actividadequelhe peculiar, sendo de prestmir progresso qnc se vae diariamente desenvolvendo ^navios oncouraradns, houve orna-nerfeita mu-
a Europa e nos Estados-t'nMos, sob pena de-ver ,ac;K> de ^nas, um novo bonsonh^ se deseortinou
um dia aincacado o destino do Brasil. j a "** naval- e aet^ieba da balanca agora pen-
Nao sao de v.as chimera* que estamos p**sui- de v*rii novo s>s,ena-
que em poucos annos toda a marinlu frauceza seja
substituida pela eucouragada, atim de que a Fran-
ca posaa marchar na vanguarda de outras naeous.
Depois da construegao da fragata franceza a
dos, por ver o progresso real de (tras nacocs nes-1
- te noro systema de construceao : um exemptetem duvidosas, porque, a u. hK como exemp o a des
T.dvezni'.f mu ta "ente nennriivi lis. qm aeniciamados u ; frisante em nossos das asse a os nossos reewos, trnicao das mura tas de Kinbinn
Dirijamos agora as nossas vistas para a impor-
e prompta* a entra rcnfcaceiio. E qual foi o. resul- t ansia que teriam as torta le/as diw iiortos, ses
lo (teste cmbalo lesin.>l Fui ir a piqne-a rtjag- applicassem o systouia de encouracamento. A*
pracas e fortalezas assim protegidas,twnar-se-hiam
.v'sencou;acadosper.e.ncaaosAraericanos,eomo horr.velmen.e assustado pela preponderancia de faI|odocombato do fern^c mura seis fr^aU.s, terfc^ flucUian.es.
, ncosanienle meule, Ericsson, entretanto esta J o no armamento dos navios encouraga- ^ mHnj(Jas de M ^
., inbrarca partiu de I.uiz Napolco III, quan- dos>a Ponto da "'una do parlamento retiir em
fio -;!,ra a sua iniciativa mandn construir cinco' declamagoes invejosas e furiosas entra a Prama.
? ias fluctuantes todiis encouragadas. Cada l'' d*0" a 'dea de uma invasao atacoude su- lica"fragata''ow,hnn','ji' pprecendo n-etad- de
ia tinha de eomprimento 53 metros e com o bi popnlagiio ingleza, e em seguida organisa- SHa ltIIO|agao.
4 .'.e ,500 toneladas. Sua artilharia se rom- f**- <*V* de Plantarios. Estando as cousas a fragata o Con^m- pata escapar a mesma sor-
#u de 16 pecas de 50 libras, podendo lancar neste estado o almirantado John Pakington, orde- te arrou handeira, porm de nada Ihe lea, por-
I leas e oucas. A eqaipagem era de 300 nou aconstruegao de una fragata encouragada, des- qu0 0s confederaba ineondiarara. depois de apre-
I na e m mtava urna machina de forga de350 "da a ser opposta a a Clone. Se elle orde- sionarem a oftleialidade e eqnipagem. Igual sorte
g "..s. Estas batlerias furam construidas para nou a construegao da fragata IForrior, e logo de-
j, .i: M esquadra do Mar-Negro e appropriadas a ; Pis a de mais cinco' a'nl*ni encouracadas, k-i
f .'.: aa grandes muralhas de Sevastopol. Aqui l"'la pressao da opinio publica, que ataeou a ve-
a ...... nina succinta descripgao destas batteras, llia routina, rival dos novos systemas.
: -.. idas de Figuier, a lira d'e que oleitor iraagi- j DePois desta poca a Iugiatcrra seguio prtW-jxw-
r a impr'ssao que ellas fi/.erara as aguas in- *" movimento da Franca, razando construir em
*- .Quando estas massaa sombras e silencio-! Puco ttn,l'0 ,llui,as fraSa,;,s corvetas, que mais
As vantagens resuluntes deste afetelM nao sao
9Moq
pelas cinco ba
a ni a sua baixa e nica ehamin, sua esnessa
ahaixo daremos a relacao.
esperavam as OBtraa fragatas genio osse ter so-
braviado a noute, appareeendo logo no dia segaiii-
I te o Monitor, que as protegen, travando combate
com o Mil ii'mw, o qual duinn cinco horas sem
rantagem dguma de ambos os lados.
portaato sob a pressao de dados tao rmthenti-
cos. que chamamos a atlence- ifc) governo. sobre o
progresso naval; porque elle-bem comprehende a
c
vordadeiros baluartes inexpugnaveis; os projecteis
inimigos nao atravessariam a sua rouracn; em
quanto que ellas reforgdas com foiinidaveis.ca-
nlioes de calibre cento e emioenta, teriam grande
vantagem sob os navios do mesmo sysleuw. ja
porque estes nao componnriatn uma semelhante
artilharia, j porque a sua blindagem nao resisieria
tambera a um calibre poderoso.
, perianto, concludente que o encouracamento
das fortalezas seja uma obra importante, reclama-
da pela necessidade palpitante da poca actual; se
acaso o governo qnizer que ellas presten o-auxilio
para que foram destinadas.
N'acv podemos cencordar com Figuier quando re-
conhteendo por um lado a importancia destas for-
'...... sna artilharia amparante a poupa e a proa, |*g* do effeito maravlhoso e sorprendente das granU(,jnportancia de defesa de nossas costas
apparaearam pola primeira vez as aguas mimi- .batteras eneooreeadas, o eaptio Covper (iolcs da ll(,r|ns. ja ^m, raHamosda defesa das costas e por-
gas, ellas offerecerani um espectculo singular e marinha britannica propia ao almirantado uao t0s, cumpre-nos lembrar ao governo o eneouraga-
diflen Ble faqoelle (|ue os navios de guerra modelo de jungadas a vapor destinadas a servir no menl0 as nossas fortalezas, principalmente aquel- ,a,t,ias' por 0U,TO as ^llga desnece-sacias, smente
li'.'.: m .-.presentado at cnlao. Estes negjos bloea' mar Negro c Bltico. ias ,H,C serve para (Mesa dos nossos portog. Es-, ,te|iden*> a enorme desneza. Eis corno elle se
c: : .: o ngavaaa sem vellas i nem rodas, e sem Estas jangadas tinham uma cpula armada do te alvitre j foi dado (se nao me falba a memoria);exonme
qi. um s hornera apparecoMe sobre a rober-! grossa artilharia, a qual gvrava sobre s^u ei\o, poi um nosso amigo e collega o Sr. Dr. Miguel Nao duvkloso que fortalezas revestidas de
'las pareciam navegar pela sua propria ira-', afim de poder mudar instantneamente a direcco Vieira Ferreira 2- tenente do eorpo de engenhei- ferro e. munidas de uma poderosa artilharia nao
f COTOO um monstro marrano de tima nova do tiro : era alm disto, munida de um formidavel ros, o qual foi posto em esquecimenlo, passando sejam innilneraveis; ms, chira outro lado,, sna
f;,. eome am destes grandes cetceos, do qual esporio enllocado nafixintce destinado a abrir por alvez por uma utopia ; mas hoje est 'exuberante- construegao exigira desnezas taes que os proprios
i^^^i ^BiBm
. smmmmmmmmmmmKmmmmmmmmmammm
FOLHETIffl.
eAIililFlMofr"
coi;
lAlRIfJOSANil.
Segunda parte.
(Cohlinuaco do .a I9ij
i \oc revolvea mil papis, leu-mealgumas redon-
t:" < prometa-iue ir lendo algunsoutros tra-
s poticos, producto de suas tongas lucubra
B
... *
Custou mmto a reconhecer-mc. Neste caso sao sessenta mil francos que lite
Como! exclamou elle cruzando as raaos no entrara. Vejamos,
sen largo abdomen ; pois devras o |iequeno -e- deixo tambem a Jacqnes I.enillet. raen cria-
Marcos Creia que nao o reconheceria. Como a do, uma renda vitalicia de mil e duzenlos fran-
9 de seterobro de-1839 : ora, se foi ossa realmente
a sua ultima vontade, est claro que met pac foi
Iludido eprejudicado pelo Sr. Desormes.
Via nesse testamento, por um dos mais singula-
res acasos esrapado ao togo da rolga Hebe, o meio gente muda! Tambem ha qnatorze annos que nao eos.
deobter a mao de Margarlda, e nada mais. Nao ovejo Reparando agora bem, descubro-lhe alH Este foi logo
reumr-se a seu amo
era um excei- Itvrevinte e quatro rail francos.
beneficio
era intencao minha despojar meu tio dos seus puma semelhanga com seu pac
bens mas" poda obrica-lo ao cumplimento dos 'ente coracao. mas pessima cabega. Oh I Ja fot Y' F's,e 'eslamento olographo foi feilo para ser
meas desoos condecorado Dou-lhe os meus parabens ... depositado as raaos do Sr. Lormond, tabelhao ora
Sr." Boc, perguntei eu. de onde Ihe veiueste 1 foi feito do senhor ha tanto teinpo 1 Mas l-iguteres, ao qual pego o favor de aeccitar o car-
papel ? guarde isto para contar-me logo mais : ha de jan- go de meu testamenteim.
Que papel tornou elle crner admirado, tar hoje comigo, nao faca ceremonia. Por em Annnlo e revogo todos os testamentos e nutras
A minha criada i procurou tildo e nada de en- quanto tenha a bondade de" dizer-me a que motivo disposigoes testamentarias, que tenha feito ate lio-
contrar a balata Estou desesperado I.. Ah devo o prazer de v-lo ? je, prevalecendo nicamente as dis|osigoes, que
mulheres, mulheres Entes encantadores, mas Mostrei-lhe.o testamento, e ped-lhe que me dis- precedem. ....
milos nem um bocadinho Sero os versos sesse com toda a franqueza a sua opiniao a res- O presente testamento foi escripto pelo meu
que procuro, Uso que o senhor ah tem ? j I'o- O Sr. Lormond tornou o papel, e olliou logo proprio piinho,, e feito em I.ignieres a 7 de setem-
Nao ; um testamento de meu bisard. | para a dala. .......Dro de itwt.
--Ainda outro! Minha me disse-mc que elle Em primeiro lugar, me disse elle, e preciso Joao Irbano Valerv.
diverta cm fazer testamento todos os annos, que me responda se sabe a data do testamento fei-1 Nao ha dnvida exclamou o 8
c".:.. presenca .. has de ter disto lembranga .. \ bao : apenas este soltou o oltmo suspiro, cabiu Muito buin. neste caso leamos. Contei-lbe o meu al mogo em casa de Boc, a bus-
4 !8:)'.i : era um dos meus prmeros ensaios ella como fulminada por um-ataque de paralysia. | E poz-se a ler o segrale : ca (iuc este deu para encontrar un poema, e que
. mo romntico. I D'ahi avante foi sempre dellnhando, e sua memo-1 f Este e o meu testamento e a minha ultima fora causa a minha dcscoberta.
-Ah Jsei.... Pode ser que estoja no meio ra turnou-se milito confusa. Diversos papis, quo vontade.Hoje 7 de setembro de 1839, eu, Lrbano jst0 piova tornou 0 ubelliao, que Rosala
ft.;usll papelada de sua defunta raae : fiz uma ella julgava sem valor, foram amontoados n'um Valerv, cora toda a hberdade, e saude de espirito Boc nao tinha a cabega no seu lugar quando per-
< xa de ludo para accender o fogo. Se nao foi bahu velho, e confesso que nunca Uve a lembranga e de corno, deixo a meu neto Joao Valery a minha deu beu ve||l0 amo ^mhen, ena nunca re<-ulou
C- ir.iado ainda o papel, que procura, deve estar. de examinados. Ho de estar ainda ah, se a mi- casa de Lignieres cora os seus jardinse dependen- ia niuito bem, e parece quo seu ilho padece do
al'i nha criada nao teve j a idea de tra-los para en- cas, os meus dominios do Montet, belouze,-Bran- mesmo m^, pois vive smente a fazer versos!
K a criada poz-;na desatar, e despejou no meio cher o bal de roupa branca ... Por ventura in- des, Chatoule e Lassout rom todo que faz parle Como uer que seja, vae ser o senhor legtimo
- arrendamentos, edificios, tenas larra- pOSSUd'or de cerca d
da sila um saec cheio de, papis escrevinhados,
i .aes velhos, notas, recibos, pergaminhos ante-
diluvianos, e nao se mais o que '. Era procurar
m grao de arela no ocano.
Ser uma grande desgraga, se se perdeu !
d: Boc soltando um sentido suspiro, e jogando
ao .!' os papis de que nao precisava.
teressa-lhe esse papel ?
delles em
E tanto, que tomo a Hberdade de pedir-lh'o. das, maltas,
Esta boa Est s sas ordens : posso at immoveis, s
prados, vmhas e tanques, movis e Jfjncos
de mu railho e tresentos rail
sem excepgao nem reserva : avahado
I lis! Oh I
mesmo serrar todos aquelles que dizem respeito tudoem um milhao eduzentos mil francos. QUanj0 sonber
Hoje. ralo muito mais, observou o tabelhao, _.,' ^..s arnmi
Bonita fortuna para um tenente de spa-
O Sr. Desormes que carantonha nao fa-
,...j sonber de tudo isto I Porra nao. tem
sua familia. Tal vez que assim encontr os meus, Hoje vale muito mais, observou o labelhao, gftit0 iCr^0 accomniodar-se, e bem que seja uma
versos que prosegua na leitura. brecha nao pequea fela sua fortuna de tres
Sr. Boc, disse-lher eu pondo sabr a mesa os Deixo a minha fdha Thereza Valery, por ap- mi|n0l!S) lodav|a na0 ha dP merrer...A propriedade
Va delles, emmarellecido pelo teuipo, dobrado recilms que rae constituiam seu nico cn-dor ; um pellido Desormes, o dominio de Boiscontent e o do de jo3o quo sua pessoaimentc, rale bem um
ce. ,jatro |iartes, e conservando ainda nm pedago presente merece outro : o Sr. nao pode doixar de Yonannets, ambos avahados em duzenlos e trmta min;0 e dzentos mil francos. No meu entender
SWr na mesa que me achara sentado. Desdo- cumentos. jw heranga adiantada as bordados de ront-Roy e etm fm a sua ima_
# machinalmente, e, roconheeendo a lettra de O poeta nao os quiz receber, e eu rasguci-os. de Cirrenne, arahadas em quinhentos e setenta % .
*ucu bisav Crbano Valery, percorri con. os olhos Despcdi-me delle, e relrei-me sem explicar-lhe o mil francos, monta tudo a o.tocentos mil francos, C"5Xidlnh*lM < o tol., do Sr De
, quintes phrases : immenso servigo que me prestara. legitima cora que espero ficara satisreita. | Que duvida! o dinheiro c o dolo do bi. Uc
Este o meu testamento ... Hoje 7 de se-i Excellente poeta Contera assassnar-me com Sondo j morte a Sra. Desormes, disse o ta- "twei aA aaii i nrnmctiid
cr..bro de 1839, eu, Urbano Vale?, deixo a Joao os seus versos, e deti-me a vida e a felicidade belhao, herda sua iba, pelo que vem a ser possui- Mas a mao de Margal uta na ja promcttut.i
k ry, meu neto, a minha casa os meus domi- \ Quiz saber ao corto o valor que tinha esse pa- dora de oitocentos mil Trancos. Com uma somma ao mrmia de pyveBn.
?.A.. etc.. pe: nao me poda confiar no Sr. Chasscpaln, por destaa pode uma moga casarse ao seu gosto. Tudo O que diz ? A esse arru. vado sem lortuna f
ho coiuiauei : posto quo fosse pouco entendido ser tambera encarregado dos negocios do Sr. Mau- vae bem : prosigamos. Estou P*"**"^*'- S3KZ na Jto em
acsses negocios, comprehendi desde logo que vezin ; e de mais a mais achava-se doente. Mon- Deixo a Rosaba Boc, minha criada grave, uma mitte o* seus poderes, arranjai ei este negocio em
| Confiei-lhe os meus interesses" de dinheiro e de
Inglezes liesitam em usar em grande escala este
moio de defeza. O numero destaa cowlruc<5es u-
xas ser em todo caso, sempre limitado pela e*len-
sao da costa, em quanto que uma frota encouraga-
da multiplica os pontos de ataque em se deslocan-
do a sua vontade, tornando assim imitis as defe-
cas de trra. Se as bateras fixas nao sao de uma
efflcacidadc perfeta para a protergao das costas,
j para que ellas nao resistirn] por si mesmas ao
fogo dos navios encouraados, ja porque seu tiro
combinado nao abracarla completamente o espago
que as sepan urnas das outras, podern ser de uma
mu grande utilldade, combinando com seus fogos
as beterias fluctuantes encouracadas, servindo de
ponto de reuniao, e permttindo obrar contra o ioi-
migo em um momento dado.
Figuier analisando as rantagens da applicacao
do encouracamenlo s fortQcarovs, repelle esta
idea, apezar dj reconhecer a %ua iwii grande uli-
lidade era cobrir coui seus fogos s bateras fluc-
tuantes, poripie imagina as fortalezas diseminadas
pelas costes, e nao defeudendo c guardando os por-
tes; elle diz mais que <-stas construeces seriio sem-
pre limitadas em ivlago"as costas, cm quanto que
a frot* se deslocando a sua vontade, pode prestar
memores serviros. Se Figuier encarasse aques-
ta por outro lado, viria que resultados nao oble-
riam as fortalezas cm frente dos portos, oppondo
uma forte resistencia aos navios que tenlassem pe-
netrar no seu interior; vera mesmo que uma for-
taleza guarnecida de pecas de alto calibre, repri-
l.ria aipialquer navio encouracado que quizess
invadir o ancouradouro: ao passoque os navios
do mesmo systema nenhuma opposi^o poderiam
fazer, e pouca vantagem teriam n'uiua lucta em
que sao eguaes as suas torgas.
Basta, no estado actual em que se aeham as tor-
tificagoes de nessos portos, ulna s fragata encou-
ragada para bombardea-las completamente, sem
mesmo fazer excepgao Jas forlificages do porto do
Rio de Janeiiv. E que opposigo fariaui as suas
fortalezas a ura navio as proporges do Monitor,
armadas como ellas sao com pecas, cojo- calibre
telvez algumas nao excedan) a oitenta ? E- quaes
os navios de guerra que Iho fariam resistencia,
alira de que ella nao bombardeasse a capital f E
por ventura estos mesmos navios nao receiariain
ter a mesma sorte das fragatas federacs leComjre*-
see Cumhciluii'l no porto de Hamppon-Iload?
Esta verdade eiiega bem a evidencia e para me-
lhor exemplifica-la, podemos adrailtir a hvpotbese
seguinle, que passa mes a desenvolr-la. Presente-
mente muito lisongero o estado- de nossas rela-
ejSes cora os risinlios republicanos do sul; porm
se cora|>ararmos a. actnalidade com certas pocas
anteriores, podones, sem medo uV errar, raetiei-
nar ou mesmo asseverar que a barmona, qus rei-
na presentemente com as repblicas do sul, nao
ser duradoura. como apparentemente se julga.
Entretanto cabe ao governo ganhaar terreno duran-
te este interregno de paz, premaaindo-se e pondo
om aclividade tod* os etementoe- que pode dispr,
sabendn tirar partido j dos navios encouracados,
ji'd encouracaraeno das foitateaas. sera esque-
cer a completa reforma na artilharia que guarnc-
i-cra as forlificages, afim de que-o Brasil possa re-
sistir as affrontas do estrangein, sem quebra de
sua dignidade.
Encaremos perdura inomeoto uio caso lodo hy-
polbelico, suscfpttvel de dar se em nossos dias.
Supponhamos qtie ha graves desintelligenciao-com
o Paraguay, e que para reparaco da offensa. que
elle julga ter snflrtdo. exige do Bra-il, (como fez
uttiraamentr a Inglaterra) Hija soturna elevada.
Ora o BrasS: julgando na sua alta sabederia a
questo, e comprehendeudo- que tal offensa nao
e\i !. resolv nio devor-M>tinr rr .rniclNimia exi
gencia : porqpe atem de snbfrahir-Uie Cftru eapi-
tal, acarreta-lhe o deseredto. A vista, pois, de
semelhante resolugao o Paraguay cr-se insultado
em seus direilos, e rondado na tenacidade da cou-
raca t\o nico navio que possue (tambera hypo-
these) envia um plenijioteneiario ao Rw de Janei-
ro, e ex'gc nao s o-dinheiro, como uma ptena sa-
tisfcelo. Nesla emergencia o Brasil sera ter os
meios ('* defeza para repellir semelhante insulto,
ou paga a quantia pedida, ou v bnnibardeada a
capital e desmoronadas as suas fortalezas.
Eis portento, o Brasil solfrendo um insulto de
uma pequea repblica, s porque, os elementos
de defeza de que dispc sao mu inferiores aos da
actualidad''. O caso contrario deveria aronlevr.
se o Brasil vesse bem guarnetdas as suas forta-
lezas com uma artilharia, que zombasse do encou-
ragamento dos narios de guerra.
Esta simples divagaco vem apenas coi roborar
as nossas serias apprehensocs acerca do futuro do
BrasiL Nao intencao nossa fazer censuras ao
governo, porm conveniente recordar factos que
estao ao alcance de todos os Brasileiros, e que pas-
sa jior urna mania bordada de nossos avs.
fe nossos estadistas s romprrneadem a i
I lamia de (jat o exercto e a manaba m \
vestidos, quando o estad* w v
estrangero, c sob a prosrac de ni inutii: r
i sas emergencias de momento *k se owa pan r*
bravos da patria e se lastima ame o exerria e
marinha nao tenham um nuwrial de
portante para repellir o cstrangrirn.
S*) por cerlo. notes moneMna a
em que a dignidade da afio se v ag(rr.-iJja, >,
o governo devo olhar para o pesaoal e nmlLU di
exercito e marinha -. durante a paz qu- la- iU-%-
pr em aclividade lodos estes ctemenl. parav
>:>> urgentes pr>si bz< r buai m r
applicacao do- m, gg Je defeza duque pode dtanr.
se quizer que o Brasil conserve a somaMp a
ponderancia entre r repobliras 4> Vwerira *
Sul.
E' porauMo at a waadb .te ii\poH->c nm..
mencionada, que reclamamos ntai qjua tc/v ns
tas do governo. nao s para o navas es
dos, como tambera para as fortalezas so]
ra. Se, porm, o goverrw acha mm
mesmo nao pode suppurlar a despeaa da i
camento das^ torlalezas, ao imnos redate a
Iharia em pecas de calibre I.TO ou mais. afta que |Missa ter o nome de meioj V defao,
que as fortalezas com a artilharia.
actualmente, sero verdadeim ftnaivit, i
caducaram cm relago ao progres-o aavai. aja*
presentemente oceupa a atn-nraroa majareteare
estadistas europeus.
Jo*: Tib h LITTERAT8A
Tf*
0 lilalisma juluaaa arla abilmipba
refutara da teatrma medir *>
pela P. J. Ventara de Ibaiica.
ama iolrodnrraa r aataa arla 9r
Altaba
t'.l[iil*,*0Mltl .. ritil ptt l*0
(S. Thoaaajt.
CAPITl'L XIII.
Veidariro mw*<- r opte
p/tsMgem e S. Paulo em nr
Hiwliuto* prrtmtirm aaamr -
ortkooj-in H.i Itere** 4 mrnaV
aamtaaa
Os textos que acabamos de explicar ana m>
nunciadfs-cm praga publica pi.-ios adepti da s. K-
dualista, lommmi em ccnm*inaeao e apota da daa-
Irina ila ptnralidadc de almas ao bomem. aar-
rpianto e bases da mesma doutrina r..ram eftV-
busca-las, a rreram araa-ias aa sefamte |
da Primri.n Epitoli dt & Pimo m
cenes. E o mesum Deas de pa-
ludo : para-que todo o oes espirito, alraa'e >
po so coiiservem sem rearebemmn para a aaim
Nosso Senhor Jesus-C.hristo Ifte mtem Brm
c< santi/irr'ro* per omma,- nt m>yr i ,
ter, et anima el corpas, un* fmrdh. m i
Ih-iniui *i<*tnJrfmChristo$*rrtlmi: (C i. v. )
Armados nm este te\m o* itaalistas ra-man vir
loria em Montpellier. en. Y%t. aim Irma m
Tilly. e reofnram (l> aadam, Maaaa.aa aa*..
i-ereja por tervm se rarrad<> tani i|raoraaae> c in-
justos. rondamaaado ,-r*>rnneaa diMiarma da
iUstiHiain inMkmcaf rWrciv -spirit e maa n
lunario. doii:rina esla >in '-.-uimIo dtaeiB) o I
ridos dnaataa se acia lormabda de
tao claro, momlesto e pt vis., as citada* aaaavra*
ila Ihbla' >
Nao ha. i^.ihiii. nada iIp mais rxtravamar m tai
-o do ipii- a rnaarpratacM qne do os daataatma
aquillelMd|o|w>nsaiTM'ntcuV % Pak<.
\a citada passatem. pot*n qne o rraade Aaaaa
! lo distinga umritt, a ntmae riva. adara kh-
i deixa de datgir-se ao tamea, damlo nm 'mo a ea-
I tender que tem no coracao o mares^ fte >mm
e que eonsera o meiiMi hornera
' dividuo.uma s pesan um ai snppesai
< como senhar de sua iMetftarara, de -aa vu
e de seu cerpu.
Com efkilo. nos da va u> aa auretem
i mencionaite taxto, o ror>nii> A|atoti da Exaau
I nae ludo, e abracar 4ut>- i> boro ; ^an ln *
' toda apparencia do mal o>ni f,mkmU,ftm aa-
l mtw et reUnete. Xottuneh to* abwmm *prc*mi-
, l.ongc. pris. de hart-restibelerHl'
i lo. que o eaairfai di Irxnem ,
i em TilK, rana substancia distinrU daJma, i
I jo ilecaiido : ou qo.- a alma, entra sa
Mout|K'Uier em I aris. una nbiiaa
e iadapaadeata do aiparlm, s. Paato exrlma
estes neaaaifaa a arajamm an
Sophisniaiu os dualistas no i patera i
intero. iolegcr i|U<- S. Paul" aaaaMaa ateta a ai
na e ao eorpo. i.:i>,, a,, e-puto. E'. pi^ettv evi
denle |ier todo e contexto, que naqnelta |
S. i*aitlo nao fatlmi como p^iliwoph".
giamie morali.-ia chrj>to ; al (altea te nnp-'
dmti de iliif'M'i t'-s aadaveaM, mas da i
de apera;Bu aaaVnaaaa, d<- ifotitete"
fei entes da aiesma natrmav detida a
snppondo naa ueste tuda dapeade de am i
principio, de um aaaMM atmie. aa a i
gencia. a vontade < os ntalos naa si* iraan U
.-ulilaiies de um mesmo ser, parir- JpnmamV
ossencial e substanciaUitcnleaMaM.
E em vanada, aa jainm de vfc4a moral,
de que se trata, a intrgnnr te /aa te a
da verdadeira f. pets romo tema K. .\fnsaaaa a
veidadeira U i a aadjdj ib- aateJbl raba rf >
WM ments, A ilegriilailr ifnlmn ( -xm*: de
Dense a alinegae'i. V si poiprio: e a ma^rtete
do aarpa a pure.ia dos eiaaMi'
I
aiie'.le paiw! era do grande importencia para tei, pois, a cavallo, c, seguido de Kadour, part renda vitalicia de tres mu trancos...
todo trote para Ligniere?. Apee-me porta do Rosalia Boc anda vive T
l.?robrei-mr e que o vaHrc l'rl'aun morrra a Sr. Lormond, amigo tabelliao de meu bisav.
- Nao.
amor.
Irei Ardemos amanhaa, me disse elle, en-
tender-me com o Sr. Chassepain, notario do Sr.
Desormes. Previno-Uie porm que nao exigrei os
rditos, de que tem logrado o seu cliente ha qua-
torze annos, poifisso quo nao sendo o. testamento
extraviado de proposito, elle ester de ba f, e
Ihe pertencem esses rditos. Por ora nada diga :
eu rae encarregarei de tudo; parlicipar-lhe-hei o
que houver, o brevemente nos toraareiuos a ver. j
l'assamos depois sala do tentar : o Sr. Lor-
inond apresentou-me sua senhora, e s suas fi- '
Ibas, duas irmas genieas tao parecidas que cu
nao distinguira una da ontra. se as vis.se separa-
damente. Esta circunstancia faz-rae pensar n'a-
quolles que negara as reapparices das raesinas
almas sob formas semelhautes s que tinham as i
precedentes existencias. Entretanto eis ah dous'
typos creados espontneamente pela natureza, que
sao repetico um do outro.
O Sr. Lormond e a sua esposa sao excellentes
pessoas, muito agradaveis, e sem ceremonias.
Era tarde quando chegue a S. Joao : todos dor-
mam. Esse dia ile movimento, e de eoramoges |
agitou-me por tal forma que passei mal a noute.
Tinha aproa. adormecido quando ouvi ura sus-'
piro ao pe de mim. Abr os olhos c desportei lo-!
go : coinegava j a persuadir-nie de que eslava so-
nhando, os que segundo suspiro, mais distncto,'
mais sentido ainda que o primeiro, tirou-mo toda!
a duvda. Pareca partir da biblotheca.
N'aquelle momento o relogio do salo dava tres
horas.
Levantel-me para examinar se por acaso (Icaria'
algum cao fechado no aposento visinho : mas na-
da encontrei.
Talvez fosse aquillo produzido por qualquer ef-
feito acstico, alguma fenda na parede por onde
se transrajttisse qualquer ruido da parte de fura,
ou mesmo o ronco de alguem que dormsso ali por
perto.
20 de setembro.
Nada disse ainda a Margarida do que me acon-
tecen, e nada mesmo Ihe direi antes da autorisa-
cao do tabello Lormond: assim lli'o prometti.
Alm disto Margarida tera torgas para oceulter a
sua alegra, e as suas esporangas? Dcus salte
quanto me custa occulter-lhe as minhas -
Tenho-nie tornado amabilissimo para com Fan-
ny; o corago trashorda-me de prazer : j nao a
temo!
Meu tio retirar a sua palavra ada a Mau ve
zin ? Assim forcoso...Meu Dous! Quante felici-
dade, se que nao estou sonhando acordado I
21 de setembro.
Dolin procurou-me no meu aposento com um ar
triste e fra do seu costume.
Desculpe-me, Sr. Marcos, me disse elle, se
venho incommoda-!o: porm nao posso deixar de
'."X1
fallar-lbe niiraa ronsa >Hk- me ah-r
que sabio, e que lera viajad, jate me a
desta lacera /a. <> Ir. .narros \ reparo braaja
olhos da estatua ?
Ainda nao. O que mw elle h .i '
O que elle t.Vm Kinaram matap'ragfa
te, e van...van accqiiilaadr ns meaai ata* aar
se faz em todos os ranha di. quario K tal
o retraso do Sr. Desunma. que cala
nao tira o oIIm. de cima de man em
a espanar os ir.itr. e parece mamar enzer
dado eomtigo, se diaaa mar afeaaa amara
movis! |n isto que quamb vrfc mea
zangado, digo c coaago : sa (- oaaa da re
trato L.Mas os da esuiua...eta atan tal
vo !...E sean mica Vine. : aa aaabda do
que morreu o pulir engr-oheirn. arhe ti
esaa moca de pedra que j*n-me a amar
com prazer. Os seus otaos paree am
allraluam a tal aabaaM nelles rrave
vi a minha pessua como n*um espem.
pcpienina; vi tambem o qtiara, a jaariba. m. b
vros. em summa tildo que ali eslava. R depi
forca de encarar muito \j ny- entai aa rbaaia.
conduzindo o carrinho rom dons Uituea teafrr.
un grande charco, e o cao preto do aar Cana
que cavava o chao olbando para mim v reparou nesse cao '
Nao; contine.
Pois saiba nue nao imiiu r
E' uma caJella ?
Qual. nao senhor'. E mesma raa, aa* a-
um rao. Vmr. nao sabe qm- es
morrem, roltem ainda I Eu me t
uma rez a me de Fraudy onvm aa cabra.
o enterrada pela manhaa. berrar parta da
ral, onde eslavam as sua aaajpw raaaradas
berraram tambem pira reaaaadar-ar: a
Fraudy levantou-sc, c sabio, mas aada vtat:
tretanto reconheccu perfeitameate aa era ai
bra murta, que tinha voltada-Nio rta-et aa
tas musas, Sr. Marcos...Ha
turna a apparecer ao
Mortc un cao preto : urna sale a |
levon-o ate sua casa, e traarou-o i
Ao romper do dia quando w kvaaa vta aja i
o cao do pae Camal, que I a
fra at desparecer...Coa
porta da estribara, se aao ataba <
- Men pobre Dola, tefe
creia que nao ha fejik'ara^ira ataa a> m
mundo, nem dialto w cTira>.
PERNAMBCCO- TYP. DE I f f. t
ao mata
Hl* l^l-
aorira aa
i aaa aa"
FLEGVEL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EMH4SLMS0_PPQ8EV INGEST_TIME 2013-08-28T00:59:00Z PACKAGE AA00011611_10175
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES