Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10174


This item is only available as the following downloads:


Full Text

i

ir
a
AMO XXXIX KOKEBO 194.
i
Por tres nezes adia triados 5S000
Por tres mezes vencidos 6JO00
OUARTA FEIRA 26 DE AGOSTO DE 1863.
Por anuo adiantadt..... 19&0OO
Porte franco para o -subscriptor.
DIARIO DE PERNAMBUCO.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima"'
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Araratv. o
Sr. A. de Lomos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; MaTanhao. o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRJPCAO NO SUL
AlagSas, o Sr. Claudino Falcao Dias; Bal, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins fr Gasparino. _______________
PABTTDA DOS ESTAFETAS.
Olinda. Cabo e Eseada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna c Parahyba na segundas e
sextas-Cairas.
Santo Anto, Grvala, Bezerros. Bono. Cantara',
Altinho e Garanhuns as trras feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira.
Ingazcira, Flores, Villa Bella. Tacaratu', Cabrob,
Boa Vista. Ouricury c Exu" as quartas feiras.
Sennhaem, Rio Form'oso, Tamandar, Una, Barrei-
ros. Agua Prela e Piiucnteira$Bps quintas feiras.
Ilha de Fernando todas as vezes que para ali sabir
navio.
Todos os estafetas partem ao il- dia.____________
EPHEMERIDES DO MEZ DE JULHO.
6 Quarto ming. as 6 b., 40 m. e 14 s. da ni.
14 La nova as 10 h.. 37 m. e 44 s. da ni.
22 Quarto cresc. as 2 h., 54 m. e 32 s. da m.
28 La cheia as 5 h., 19 m. e 56 s. da t.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 1 horas e 18 minutos da tarde.
Segunda as 1 horas e 42 minutos da manhaa.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagas a 5 e 25; para o norte at
Granja 7 e 22 de cada mez; para Peinando us
tas 14 dos mezes dejan, man*., maio, jul, set. eaov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recito : do Apipucos as 6 /.1, 'h- 8 e
8 V2 da m.; de Olinda as 8 da m. e 6 da larde; de
Jaboatao s6'/z da ni.; do Caxang e Varzra as 7
da m.; de Bonifica s 8 da m.
Do Recife : para o Apipucos s 3Vi, 4. 4 '/i, 4 Vz.
B 5 Vi, S Vz e 6 da tarde; liara Olinda s 7 da
manliaa e 4'/, da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
de ; para Cachang e Varzea s 4 Va da tarde; para
Bemtiea s 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quinfas.
Relaeao: tercas esabbados s 10 horas.
Fazcnda : quintas s 10 horas.
Juizo do-commercio: segundas s 11 hura-.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira rara do civel : tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: qaartts e sabbados a 1 hora
da tarde.
DIAS DA SEMANA.
24. Segunda. S. Bartbotomroaf i >. *r<*<>km*<-'
25. Terca. S. Luiz rei de Pnara > Tvcnria \.
2(i. Quaila. S. Zeferino |>. ni: S. O a tafia n
27. Quinta. S. Jea e Camama f. da ernsa- *
28. Sexta. S. Agostinho I., e lh-. da rwrrja-
29. Sabbad. S. AjMpfca !-. S. Satina t. m.
30. Domingo. SMtasa de Lima v. ameras.
ASSRiNASE
no Recite, em a livrara da praca da indi ararn 1
ns. 6 e 8. ios prop u-tarios Maaeel Fineina ;
Paria & Filho.
PARTE QFFICIAL
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 22 de agosto de 4863.
Offlcio ao brigadeiro commandante das armas.
Sirva-se V. Exc. de expedir suas ordens para
que um medico militar siga quanto antes para a
povoacao do Abrcu de Una onde o cholera esl
reinando com alguma intensidade, secundo me
communica o respectivo subdelegado de policia,
aflm de prestar seus serviros mdicos aos desvali-
dos accommettidos do mal.
Dito ao mesmo.Pode V. Exc. mandar passar
escusa ao cabo de esquadra do 2o batalho de in-
famara Felippe Pereira Nery, aceitando em seu
lugar o paisano Francisco Peres de Alhayde que
foi considerado apto para isso, segundo V. Exc.
declarouem sen offlcio n. 1,551 de 21 do corrente,
Dito ao mesmo,Sirva-se V. Exc. de informar
rom o que Ihe occorrer, em vista do que expoe o
inspector da thesouraria de fazenda no incluso of-
ficio.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. Exc. de informar
sobre o que requesita o director do arsenal de
guerra no incluso offlcio.
Dito ao conselheiro presidente da relaeao.
Transmuto a V. S., para sen conheciment, um
exemplar mpresso do decreto n. 3,069 do- 17 de
abril ultimo, que regula o registro dos casamentes,
nascimentos e bitos de pessoas que professarem
n-ligio differente da do estado. -Neste sentido of-
fieiou-se ao tribunal do commercio e soberana.
Dito ao desembargador provedor da Santa Casa
de Misericordia do Recife. Em vista de sua in-
formacao de 21 do corrente, concedo a licenca que
pede no incluso requerimento Theotonio Jos de
Souza, para casar com a educanda do collegio das
orphas Candida Maria Rusa do Reg : oque com
munico a V. S. para seu conhecimento, e aflm de
que mande entregar o enxoval que compete a re-
ferida orphaa.
Dito ao Inspector da thesouraria de fazenda.
Autorisando nesta data o conselho administrativo
a comprar os objectos indicados na relaco por
copia inclusa, os que nao poderem ser fornecidos
pelo arsenal de guerra com destino ao presidio de
Fernando : assim o communico a V. S. para seu
conhecimento.
Dito ao mesmo.Annuindo ao que solicita o 2o
cirurgiao reformado da armada Francisco Marcia-
no de Araujo Lima no incluso requerimento do-
cumentado, recommendo a V. S. que nao havendo
inconveniente, mande pagar-lhe a gratieacao de
20* diarios a contar de 27 de maio at 19 de
agosto deste anno, tempo em que estove incumbi-
do por este governo do tratamento do* indigentes
accommettidos do cholera-morbus na comarca de
Flore*, a bem assim ajnf:r.J>M> ffinlilf WliO .pode
no final do mesmo requerimento, sobre o adianta-
rnento que se fez de 200S.
Dito ao mesmo.Nao havendo inconveniente,
mande V. S. pagar a Joaquim Ferreira dos Santos
Coimbra, procurador de Manoel Jos Perreira Ma-
rinho, a quantia de 733^500, como pede no incluso
requerimento documentado, proveniente de frete
e passagens dadas por ronta do governo no hiato
nacional Tyno, na viagem que fez ao presidio de
Fernanda
Dtto ao inspector da thesouraria provincial.-
Em vista do que ponderou-me o director gcral da
instrueco publica, no offlcio incluso por copia, da-
tado de 20 do corrente, sob n. 144, resolv conce-
der-lhe a autorisaeo que soheitou para serem im-
pressos em pergaminhos os ttulos de habilitaco
dos alumnos do Curso Commercial Pernambuca-
no : o que communico V. S. para se conheci-
i.ionto. Commuucou-se ao respectivo director
geni.
Dito ao mesmo.Em vista do que expoz o en-
genheiro fiscal, por parte do governo. da illumi-
acao a gaz desta capital, em ollicio de 17 do cor-
rente, acalio de autorisa-lo a mandar acender os
onze lampeos que j se acham collocados na Es-
trada da Magdalena, urna vez que o gerente da-
quclla companhia faca sem dispendio algum para
os cofres provinciacs a canalisaeo necessaria para
os lampeos, que segundo a tabella junta por co-
pia e que nesta data approvei, tem de ser postos
as ras da Ksperanea e Joo Fernandos Vieira, os
quaes esto fra do perimetro traoado no contrac
to celebrado com a mesma companhia, segundo
consta do citado offlcio : o que declaro a V. S.
pan sen conhociniento e diiwcao.("ommunicou-
so ao engenheiro fiscal do governo,
Dito ao director das obras militares.Mande
V. S. executar com urgencia os concertos do que
necessita o telhado do quartcl da companhia de
cavallaria, e para isso lita approvado o orcamento
de que trata o seu offlcio n. 155 de 21 do corrente.
Dito ao director do arsenal de guerra.De con-
furmidade com o offlcio do brigadeiro comman-
dante das armas, datado de 21 do corrente. recom-
mendo a V. S. que mando salisfazor com urgencia
a requisico do director do hospital militar, cons-
tante do offlcio por copia inclusa. Communicou-
se ao brigadeiro commandante das armas.
Circulara todos osjuizes municipaes da provin-
eia.Transmiti a Vmc. para seu conhecimento e
execucao na parte que lhe toca, um exemplar im-
presso do decreto n. 3,069 de 17 de abril ultimo,
regulando o registro dos casa montos, nascimentos
e bitos das pessoas que professarem religio dif-
erente da do estado.
Circular a todas as cmaras municipaes da pro-
vinaia.Tendo-se do proceder por esta provincia
a elcicao para um sonador, aflm de ser preenchida
a vaga que se deu no senado com o fallecimento
do visconde de Albuquerque, recommendo a c-
mara municipal de.... em cumprimento do que me
foi determinado por aviso expedido pela reparticao
do imperio, que expeca as ordens e providencias
precisas para que no'dia 1 de noveinbro prximo
vndouro se proceda embodas as freguezias de seu
*~. l!n?A A, nl.iii.'it'.it/ nmnriPinilik /ma ac
tabellio do lugar, devem os collegios eleitoraes,
alm das que sao destinadas a esta j* evidencia e
ao ministerio do imperio, rctneMor sem jierda de
tempo a cmara desta capital, para ter lugar a
apuraran geral dos votos, nos tormos do'art. 86 da
lei, a copia authontica da referida acta, de confor-
midade com o disposto no jj 3 do art. 12 das ins-
trucedes de 23 de agosto de 1856 e artigo 79 da lei
citada.
Para que a organisaco da mesa do collegio elei-
toral e os respectivos trabalhos sejam Teitos regu-
larmente, cumpre que essa cmara chame a atten-
co dos referidos collegios para as disposiees da
fei e decisoes do governo que lh sao relativas, e
que foram remet idas a essa cmara e aos presi-
dentes das mesas parochiaes nos diarios officiaes
que acompanharam a supradita circular, que Ihes
dirig em 30 de maio.
Expedindo estas ordens reitero a cmara meni-
servou esta a sociedade na altura e consideraoao,
que sempre mereceu da nossa populaoao, c lti-
mamente, mo grado a deficiencia de meios para
occorrer ao costeio do estabelecimento, e anda
assm festejou ella condignamente o anniversario
da installaclo, e nao deixa encargos onerosos
futura administracao.
Anda nao publicamos o resultado da eleicao da
nova administracao, aguardando faz-lo, logo que
nos seia participada a accetac/io dos cargos para
que foram eleitos diversos socios ; c se assim pro-
cedemos para darmos urna informacao completa
e nos servir a lista respectiva para a incluirme* no
nosso ahnanak. que costumamos publicar annual-
mente.
Pelipresidenca da provincia foi designada a
matriz de Santo Antonio para a reunio do collegio
eleitoral do primeiro districto.
Acfl-so designado o dia 31 do corrente. para
mise entrado de Lisboa :Lourenco Justiuiau&de
Souza Lobo.
Passageiros do vapor nacional Persinuuga, j
cipal de. ., as recommendagoes que lhe fiz na- j o comecoi da terceira sessao ordinaria da cmara
quella circular no sentido de ser garantida a mais
plena liberdade do voto, sem alteracao da ordom
publica e sem violencia a seguraea individual
dos cidadaos, o que so se peder conseguir por
meio da fiel observancia das leis, cuja necessidade
essa cmara far sentir como espero, a todos os
seus municipes.
Dito ao engenheiro fiscal da estrada de forro.
Pelo offlcio de Vmc. de 21 do corrente, flquei intei-
rado nao s de se haver desencarrilhado o trem de
passageiros da estrada de ferro ao passar porto do
engonho Harmona, resultando d'ah leves ferimen-1
tos, mas tambem de ter partido immediatumente
das offleinas de Barbalhos urna locomotiva para o
lugar do accidente ; c aguardo as infonnacScs
acerca das particularidades desse acontecimento.
Portara. O presidente da provincia conforman-
do-se com o que ponderou o Dr. delegado encarre-
gado do expediente da reparticao da policia em of-
flcio n. 1246, de 17 do corrente, resol ve corrigr a
portara de 20 de julho ltimamente udo, decla-
rando que o nome do subdelegado nomeado para o Joaquim Pereira Pinto,
districto de Bebedor, 2 da fregueza do Altinho, no Gulherme Marques de S.
termo de Caruar Antonio Bezerra de Andradc *
e nao Antonio Bezerra da Silva, como por equivo-
co all se escreveu e manda que neste sentido se
expeca novo titulo.Communicou-se ao Dr. chefe
de policia.
Dita.O presidente da provincia attendendo ao
que requereu Henrique Jos Vieira da Silva, mos-
tr e dono do hiate nacional Sergipano, resolve con-
ceder-lhe licenca para ir ao presidio de Fernando
no referido hiate, ficando obrigado a transportar
gratuitamente at 3 passageiros designados pelo
governo, e bem assim os objectos e gneros do es-
lado que nao excederem ao peso de una tonelada,
o que ser verificado pelo director do arsenal de
guerra outro sim, flear igualmente obrigado nao
s a mandar conduzir no mesmo hiate para aquello
presidio os empregados, pracas, sentenciados mili-
tares e de justica, mediante indemnisago de con-
lorinidade com a tabella de 27 de ouiKfcw de afino
passado, mas tamboril nao consentir que se trans-
porto sem permissao da presidencia, quaesquer ou-
tros objectos pertencentes a particulares, nao po-
dendo eflectuar o desembarque do carregamento Luiz Francisco Sonto.
que levar sem que por parte do commandante do Manoel Souto de Araujo.
mesmo presidio se proceda ao exame aflm de se
verificar se ha agurdente ou outra qualquer bebi-
da espirituosa.
Dita.-O presidente da provincia attendendo ao
que requereu Henrique Jos Vieira da Silva, re-
solve conceder-lhe licenca para transportar ao pre-
sidio de Fernando no hiate nacional Sergipano, os
gneros constantes da relaco junta assignada pelo
secretario do governo, nao |x>dendo effectuar o
desembarque dos ditos gneros sem que por parte
municipal do Recife, no presenta anno.
Foram presos pelo delegado de Goianna :
Manoel Jos Soares, por haver dado um tiro de
emboscada em Jos Xavier Monteiro da Costa, em
1860 ; e Antonio Flix, por haver assassinado, ha
seis annos, a Vicente Mximo.
Tendo-se ultimado o processo eleitoral as
seguintes parochias, damos o respectivo resultado :
rYeguezia de Tiuarotn'.
Eletores.
Antonio Estanislao de Carvalho.
David Barbosa de Souza Ferraz.
Francisco Baptista Correa.
Francisco Aiexandre Gomes de S.
Joaquim Flix de Araujo.
Luiz de Souza Passos.
Jos Matheus Rodrigues Larangeira.
Francisco Antonio Correa de Sa.
Saturnino Lucio Correa de S.
Manoel Rufino de Araujo.
Innocencio Gomes de Lima.
Francisco Antonio dos Santos.
Manoel Jos Gomes do Espirito Santo.
Francisco Jos de Mello.
Capitao Pedro Gomes de S.
Renjamin Francisco Souto.
Francisco Jos da Rosa.
Jos Bedar de Araujo.
Domingos Gomes de Souza Rocha.
Supplentes.
Jos da SilvaXeal.
Gabriel Rodrigues Lima.
Jos Francisco Souto.
Juvenal Gomes de Souza Rocha.
Joo Baptista de Souza.
Cyrillo Gomes de S.
Joaquim Barbosa de Souza.
Flix Alves Brandan.
Guilherme Gomes de Araujo.
Jos Manoel de Araujo.
Agostinho Gomes de S.
Francisco 1-ourcnco de Araujo.
Theotonio Fernandes Sampaio.
cedo, Francisco Cantidio Carneiro, David Barboza
da Silva Reg, Azarias Marques Correa.
Obtcabio do da 23 de agosto, no cemitebio
VI BUCO.
Cyrilla Maria Isabel do Espirito Santo, Pernambu-
co. 40 annos, solteira, Boa-Vista ; gastro interite.
Braz, frica, 40 annos, solteiroi Boa-Vista ; tnber-
eulos pulmonares.
Antonio Raymundo Alves Maehado. Pernanibuco,
24 annos, solteiro, Boa-Vista; tubrculos pulmo-
nares.
Thomaz de Aquino, Pernambuco, 50 annes, sol-
teiro, Boa-Vista; anemia
L 24
I Jos Flix de Vasconcellos, Pernambuco, 84 an-
nos, viuvo, Boa-Vista ; desinteria.
Francisca Bernarda Carneiro, Pernambuco, 60 an-
i nos, solteira, S. Jos; ervsipela.
Joaquim Gonoalves Bastos, Pernambuco, 86^ anuos.
I viuvo, Boa-Vista: diarrha.
Um prvulo encontrado no adro da igreja do Car-
ino, Santo Antonio.
Maria Francisca de Souza, Pernambuco, 27 anuos,
solteira, Boa-Vista; anasarca.
Mathias, Pernambuco, 30 annos, solteiro, escravo,
Santo Antonio ; tubrculos pulmonares.
Manoel, Pernambuco, 2 mezes, Santo Antonio;
convulsoes.
Josephina, Pernambuco, 2 mezes, Recife ; cholera.
Joao Jos, Pernambuco, 56 annos, solteiro, Roa-
Vista ; cholera.
Vozes. porm. dissonante?
L lenta nm outro limar,
E tal balburdia aliuhava.
Que faz rira escangalhar.
1 tinos poetas as lojas.
Xas vendas, cae o ribeiras
Temo-Ios pelas tarlnibas,
E mesmo at as cocheiras
Contagio fatal, horrivel!
J passou-se academia,
E com tal gana, que surge
l'm poeta cada dia....
J tenho modo do v-los.
Que faz medo um tal euxamc.
Deus queira que o foto do esli"
Ao contacto na" se inflamme.
A bem do prximo a cmara
Os devia separar,
Que |iodeni 1111111 bollo dia
Toda a cidade aprasar.
Senlior Dous, compadecoi-vi>-
De nos ejn tal collisao.
Fulminae sobre essa raea
Vossa eterna maldieaa
ApiM-llanlo
da o Silva.
0 jui/i. : appolbdu Mau-- Alu
Francisco Xavier da Silva Nunes.
Manoel Francisco Correa de S.
Francisco Gomes de S.
Jos Cavalcante da Silva.
Tito dos Passos Almcida Rosa.
Francisco Antonio de Araujo.
Freguezia de Ingazeim.
Eleitores.
Joaquim Jos de Mello.
Manoel Themoteo da Silva.
Joao Francisco da Luz.
Laurino Angelo de Almeida Silva.
do commandante do mesmo presidio se proceda a Antonio Correa de Almeida Silva.
exame, ahm de se verificar se ha agurdente ou
outra qualquer bebida espirituosa, sendo alm dis-
to obrigado a a presentar ao predito commandante a 0^ "j^ves MoratoT
factura dos referidos gneros, attostada quanto aos Vicente Ferreira Linv
procos polo presidente da junta do correctores. Joaquim Raphael da Silva Cruz
ita.-OSr. gerente da companhia Pernambuca- Gonealo Jos.- do Nascimonto Lei
na mande dar transporte para o Rio Grande do, Mi>, dos Anjos Souza_
norte, em lugar de r destinado a passageiros de jos pejro c Souza.
estado, no vapor que tem de sabir boje, a Luiz An-
tonio Ferreira Souto.
Dita.O Sr. gerente da companhia Pernambu-
cana mande dar urna passagem at o Rio Gran-
de do norte 110 vapor Mamanguupe, em lugar de
Manoel Alves da Rocha.
Manoel Ferreira Neves.
Jos Franklin da Silva.
Luiz Ferreira da Silva.
Joao Ferreira Liberal.
re, destinado a passageiro de estado ao inspector j pe|x Ferreira da Silva.
da thesouraria de fazenda daquella provincia Ber-
nardino de Sena da Silva Guimaraes.
Dita.O Sr. gerente da companhia Pernambu-
cana mande dar transporto em lugar do proa, des-
tinado a passageiro de estado, at Macci, no vapor
Peniminga, a Manoel Fernando de Lima, que
consta ser desvalido.
Despachos do dia 22 de agoslo de 1863.
Requerimcntos.
Cora Perpetua Colonia Cesar.Remettido ao Sr.
inspector da thesouraria de fazenda para mandar
liquidar como divida de exercicios tindos a sup-
phcante a quantia de 3005, que arbitro como in- Extracto daWe do dia 25 do torrente,
doionisaoao dos servicos de seu finado .mando Foram recolhidos casa de detencao no dia 24
no tratamento dos indigentes accommettidos do oi-reme:
cholera. ,,.,., n c A ordem do Dr. delegado do 1- districto, Joo
Commendador Jos Candido de Barros. -I11I01- !Ba|sla de Gouveia, branco, viudo, do termo do
me o Sr. inspector da thesouraria provincial. ^Ho, como desertor da armada.
Sabino Lacerda Siqueira.
Olegario Pereira de Moraes.
Joo de Deus de Siqueira.
Manoel do Nascimento Fernando- lloara.
Jeronymo Ferreira Colho.
Joo da Silva Quaresma.
Marcolino Antonio Xavier.
Agostinho Nery da Costa Morato.
Marcolino Orudino Xavier de Siqueira.
Vicente Jansen de Castro Albuquerqu.
Joaquim Ferreira Chaves.
Laurentino de Vasconcellos Calaca Brito.
Reparticao da polica
Jos Domingnes Codeceira. Como requer, pagos
os direitos nacionaes.
Manoel Jos da Silva Leile.-Requeira ao gover-
no imperial.
Domingo ultimo, na ra Direita, foram atropel-
ladas por urna carroca, cujo animal largou a cor- i
rer, duas pobres mulheres estrangeiras, que an-'
dam a tocar c cantar pelas ras desta cidade, co-
municinio a eleicao de eleitores, cumprindo que os 1 mo meio de vida.
juizes de paz qu'e tem fle presidir as mesas paro- Urna dolas ficou horrivelmente
> ue paz que icm ao |iresiun as mesas miu-i im uvuoo iwn iiuiiiroiumon pisada, infor-
chiaes, convoquem com a antecedencia de um mez' mando-se-nos at que partir urna perna. Ambas
prescripta no art. 41 da lei de 19 de agosto de 1846, | foram medicadas na botica do Sr. Paranlios, e
e nos termos dos arts. 4, 5 e 6 da mesma lei, as d'ahi ronduzidas para o hospital,
pessoas que devem concorrer para organisaco das
referidas mesas, isto os eleitores que elegeram '
os deputados da cmara ltimamente dissolvida. e
na sua falta de oito cidadaos que forom inmedia-
tos em votos aos referidos juizes de paz, de con-
formidade com o aviso de 11 de agosto de 1848
3 e outros muitos.
Devo observar a essa cmara, que o processo
desta eleicao em ludo idntico ao da oleicao de
eleitores que tem de eleger os deputados geraes,
Este triste evento, segundo informagoes, o re-
sultado do cosame de deixarem-sc carrocas e car-
ros pelas ras sem boleciros c carroceiros ; no en-
tretanto foi preso o que conduzia a de que tra-
tamos.
N"esse mesmo dia, no lugar dos Torrees, fo-
ram casualmente feridas de leve tres possoas por
urna carregaco de chumbo de passarinhar. Os
taes passarinhadores, apezar da ausencia de inten-
edes criminosas, entendern! que deviara por-sc ao
ordem do subdelegado do Recife, Vicente Fer-
reira da Silva, Indio, por embriaguez; Joaquim,
Africano, Romana, crioula, Ireneo, crioulo, escra-
vo, o primeiro e secundo de Francisco Borges Ma-
chado Jnior, o ultimo de Christovo Jos Macha-
do, .todos por fgidos.
A ordam do de Santo Antonio, Joo Francisco
de Jess, branco, c Izidoro, crioulo, escravo do Dr.
Silvino Cavalcanti de Albuquerque, ambos por dis-
turbios.
.v ordem do subdelegado do Recife, Bernardo,
crioulo, escravo de Tristao Jacome de Araujo, tam-
bem por disturbios.
/l ordem do da Boa-vista, Francisco Honorato
Cedrim, pardo, para correceo.
A ordem do do Poco, Rodolpho Lourenco, blan-
co, Paulo, crioulo, escravo de Bartholomeu Fran-
cisco de Souza, ambos sem declaracao do motivo.
0 chefe da 2a seccao.
/. G. de desquita.
Movimento da casa de detencao no dia 24 de
agosto de 1863.
Existiam........ 403 presos
Entraran),..... II >
Sahiram....... 14
Existen*.......... 400
A saber:
sendo por conseguinte applicaveis a ella todas as fresco ; e assim o flzeram, sem que deixassem ves-
disposicoes de leis c decisoes do governo, j recom- tigios de quera cram, segundo as informae,5es que
mendadas a essa cmara na circular de 30 de maio nos forneceram a respeito.
ultimo expedida para a eleicao de 9 do corrente. I Chamamos a attencao dos nossos leitores pa-
Depis de fcita a eleicao de eleitores, devem os ra o relatorio da administracao do GabinetePoitu-
collegios eleitoraes reunirem-se no dia 6 de de- guez de Leitura, que hoje publicamos no devido
zembro prximo futuro, aflm de proceder-se lugar, pelo qual se v que, apezar das grandes dif-1
eleicao para senador, votando cada eleitor por urna Acuidades com que todos nos temos lutado, atravs 1863,
lista de tres nomes, na qual declararlo a idade, da espantosa crisc que ha dous annos nos flagella,'
omprego ou oecupaeao de cada um dos votados, aquella instituicao, de tanta vantagem e provena
uos termos do artigo 81 da supradita Ici. Pra a nossa mocidade estudiosa, caminhoo regu,
Terminada esta ultima eleicao, e assignada a lamiente ; c se nao progredio na medida dosdese-
a<*ta que ser transcripta no Hvro d*s olas do jos que a digna directora nutria e nwnifestoa, con-
Nacionaes ... ... 283
Estrangeiros. .... 29
Mulheres. .. .... 9
Estrangeiras. ... 3

Escravas ... .... 6
400
Alimentados custa dos cofres publico- ... 169
Movimento da enfermara no dia 25 do agoslo de
Tiveram baixa :
Manoel Vicente de Oliveira, hemoptise.
Cosme Jos da Cruz, chagas.
Salvador (escravo) cephalagia.
Passageiro do brigue portuguez BtUa Figuei-
UM POUCO DETUOO.
Do Progresso tradmimos o que segu :
Sabo-se que o remedio mais precioso pan com-
baer os efleitos mortaes do virus rabioso a ap-
plicaco de um ferro em braza sobre a mordedu-
ra, nas este remedio tao doloroso que tudo se de-
ve fazer para conseguir una medicacao menos
cruel.
E pois, importa mencionar um meio mais bran-
da reconimendado polo medico veterinario alle-
mo, Mr. Hildebrand, de Magdobourg.
O virus rabioso, diz elle, que se communica pelas
mordeduras dos caes damuados, decompoe-se ao
contacto da agua quenie.
Incumbido no meu cantao de examinar todo o
cao que morde alguem, son um dos primeiros
sabedores destes accidentes ; e logo mando lavar
f banhar a mordedura com agua queme, at que
rhejcue o medico.
fcoespaoo de vinte e cinco annos. Tinte o tantas
pessoas ten sido mordidas no cantao de Magde-
lourg por caes hulrophobos, e nenliuma tem sido
'cada da terrivel docnoa.
Sir. Hildebrand attnbe este feliz resultado ao
emprego da agua queulo, e julga que a applicaoao
do ferro em braza nao necessaria quando a cura
comeeada a tempo. [icio meio que indica, acres-
centando que neste caso basta lavar a frula, por
meio de um pincel, com urna solucao um pouco
carregada de iiotassa e unta-la com banha de anti-
monio.
para desojar, no interesse da Iiumanidade,
que a sciencia verifique a efflcacia deste meio de
medicaoo.
Da XarCio extrahimos as seguimos noticias:
Um novo espectculo est chamando em Paris a
attencao do publico.
A scena passa-se no Hippodromo, precedendo os
exercicios do celebro domador Mr. Hormann. No
meio do circo assenta-se um homem e os especta-
dores que querem, descem arena o atam-no. 011-
volvem-no com cordas perfeitamonte ligado, de
modo que nao possa mover-se.
Feito isto, lanca-sc sobre elle um vo espesso: c
sem se saber o que succedo debaixo do veo, cer-
to que dentro em pouco apparece o homem com-
pletamente livro o com todas as cordas desatadas
aos ps.
Na discussao promovida no parlamento inglez
por Mr, Fewutek, para averiguar a raza o da dimi-
nuicao da iiesca nos rk s e na costa, e dar-sc re-
medio a esso mal, acham-se pormenores curiosos
sobre a importancia da pesca em Inglaterra, e so-
bre a parte principal que o peixe oceupa na ali-
mentago dos inglozes.
Os barcos, as redes, e mais materias empregadas
pelos pescadores representam um capital de mil
milhoes de reales prximamente, e as tiipulaees
andam por uns 240,000 liomens.
A quantidade d peixe que pescara prodi-
giosa.
Em Manehester consoniom-se 20.000 toneladas
por anno.
Por tres caminhos de ferro, o de Xorth-Eastern,
o de South-Eastern, e o de Great-Eastern, foram
transportadas em 1862 sessenta mil toneladas para
consumo das provincias.
Em Londres consome-se urna quantidade in-
mensa.
Dos registros de inspeccao do mercado de Bil-
lings-gate, onde se vende o peixe por grosso, re-
sulta que entraram no dito morcado em 1862 mais
do 500,000 trufas, 100 milhoes de linguados, 50
milhoes de duzias de ostras o mais de 235 milhoes
de outros dilferentes peixes.
Acaba de se experimentar era llespanba uraa
peca de ferro fundido do peso do 230 quintaes. Foi
projectada cora outras de dilferentes calibres, pelo
tcnente-coronel do estado maior de artilharia de
marinha D. Candido Barrios, e mandada fundir
em maio do anno passado, mas o estabelecimento
nao pode oceupar-se mais cedo deste importante
trabalho.
A experiencia que se fez com toda a felicidade.
consisti em varios tiros entre os quaes houvc 10
rom 42 libras de plvora c 3 balas, cada una do
peso de 163 libras; quer isto dizer, que o peso total
de cada tiro exceda a 5 quintaes.
Preparam-se na mesma fabrica novas experien-
cias com outras pocas, egualmente devidas quelle
offlcia). cujo systema de artilharia se reconhece
rom condi^oes muito vantajosas para sor applica-
do aos navios de couraca que brevemente bao de
formar parte da esquadra bespanhola. assim como
aos outros de alto bordo.
Um anonymo nos offerece a seguinte poesa, que
Mi'iMiettemos a appreciacao do publico.
Contagio!'. I
Dentro em pouco a poesa
Dar mil socos na prosa,
E serao nossas ideas
Expressas em rimaou glosa.
do .nial tamaita a forra
E j va i tao adiante.....
Que at de poeta o nome
Quer opelintra, o pedante.
Um faz linhas e mais linha-.
Mede-as a olho ou a dedo,
E diz inchado das musas
Ter descoberto o segredo.
I)o Jornal do CoMUH-rcio de Lisboa, tomamos os
seguintes dados relativos aos diamantes da cora
nortugueza, que foram vendidos em lello :
Atotalidade dos diamantes ora do 12:060 quila-
tes em bruto c da 1:847, lapidados, todos no valor
de 260:896*100.
As arrematacoes foram as seguintes :
Os Srs. J. Bernard & C, lapidarios imponaos,
arremataran! diamantes brutos, os seguintes lotos \
2 lotes de 3:000 quilates cada um, avallados em
161800 o quilate por 17400. na importancia do
104:400*000, 1 loto do 5:000 quilates avahados .-m jurs.
16*800 por 1:5500. 52:5004000, I lote de 3:0601
quilates avahados em 16*800 rts, por 17*450. i
53:397*000.
Os mosmos Srs. J. Bernard Jt C. arienialaram 1
.iH-II.Mt Fraarwn
q.(H-! :..!.
A" novo jorv.
AniN'llanie, Joo Bezerra U Pon
a justica.
Nuil-i o pwetsaifc
ApiM'llanfo. o prinivtur; apt--lbli>. Imiti
labiita.
litafromitin .
Amellante, o jnizo : app^llaaV, Atona h-
de Souza.
A' novo |in v.
Apfteaaaalr, o m/"
que.
A' novo jur\.
Ap|Hllanlr. o i'ii/
Jesu Balo.
Inqiroetil'iih .
Appelbnto. 1, )iiu ; apoolUlo. Jos
de Araujo.
A' novo jiu \.
AWK'llante. Joio Flix da CuMa :
ju-lioa.
Iu|iuz-se a |iena no grao iutili<>.
ApiH'lianle. laurentino lavalraaHaV tBfii -
que : ap|*llado >jn/o
A' novo jur\.
Appollanto. o juizo : upi-lbala A-.i t-
Araujo.
A" iMivojun.
Appollanto. o juizo
de laula.
A' novo jun.
Apianante, o juizo: an-!UI..
Komeira
A' novo jui >.
Ap|H-llaiilo. o jiii/o : a|>pHlaaV>. Frx. tita**.
Jo.'M|uina Maria de Jess.
laafrmdeaH quauto aoem-nxo. eestaan'
ap|-il.i.|i. am* ftam
um lote de 314 quilates lapidados, avahados em
:18*400 o quilate, por 38*450, 12:073*300.
O Sr. R. N. C. Barrie arromaloii o loto de 384
quilates lapidados, avahados em 24*000 por 2"*m
na importancia do 11:136*000.
O Sr. M. J. Posmo, arroinatoii um lote de Mil
quilates lapidados, avahados em 2U* por 26*75u.
110 valor de 8:212*250, 1 loto de 81 '/, quilates la-
pidados, avahados em 165000 por 16*600 no va-
lor de 1:348*750.
O Sr. A. M. Tarares airomatou um loto do H6
quilates lapidados, avahados em 12* por 15*. 110
< aM
AnjN-llanlos. Joao Jnar Salca.li. aV
que \ apfieHado, eanaH him lt,i ir-;i ,t,
RocelK'iara osi'inlan.'o- .! >li--|ararn.
H.^fcwfc. fmm
Appel la utos. l^ni|M)> 4 Lima :
ctseoGoaajatvw daikiata.
l>ospn,iraiii-s.- os .-mloi...
MOMUfifl w: M\
dia para julgamcirto Am epa^-
fcsjMaVM
MlOI :
ApjNll.llll.'
Anoiao.
Apprlhh'ij** rrimo.
o juizo : a|i|ll;iil
4a M>
valor de 1:590*, 1 lote de 80 quilates avahados em jushca.
6*. 9*100, no valor de 273*.
Os diamantes vendidos ostavam avahados era
232:770*400, e foram vendidos por 244:930*:MMt
havendo um excesso sobre o proco das avaliacdei
de 12:139*900.
Alm dos estrangeiros que licilaram. veio mais
o Sr. Taback, de Amsterdam. por quera os diaman-
tes estiraran* patentes mais um dia, mas aquello
senhor nao licitou.
A venda considora-se vantajosa. e mais que as
offectuadas 0111 Londres.
Na primeira venda, realisada em Londres, veit-
deram-se por 534:195*262 rs., 37:341 '', qilates
tendo havido un excesso sobre o proco das avalia-
coes do 13:248*862 rs.
As desjiezas de commissoos. corre'lagens.
AnpeBanto. o|nnooior; .iilblo Jratl
das Km
Ap|M'llanto. I.'ii u id l..r)>. (|- Silva :
\|>|h llaiil.'. Jom Thomaz d>- Mirawfa : aafHI-
da, a juslioa.
A|i|irllaole. Jofio Dias de V.isroarrttne:
do. ManiH'l Tin.01.17 do Villano>
Apsellante 1 croumlor; af^aaM*. Jw
do Araujo.
A|>jiellaiito. Jo'- it.uiH.N Pinlf
justica.
Ap|N-llant'- o proiiHilof : ..|.j'l'ajrt.
lippo Moro.iu.
Appellanto, o promotor .11^ li Jo 1v.
uizio de Salb-s 1 iKitro-.
Apprfliti',.
Ap|>ellani'-. Joao Vetara Saavn:
fazenda.
AppellaiHO. a faz.rtd.i : ,q.|
affHMa
ArMmo F
ele.,
foram de 32:043*415 rs. isto de 6 por cenlo apio Moon Baba.
ximadamenlo, assim classilicadas : A|t|'ll.iiif.- SeverinoJiairc Abatafi Lra
Corretagens, coniraiss5es e outras aos agentes pMhioa, JowGearalrai da Crn/
do banco, em Londres 18:157*160 rs. >" vamm.
Gasto cora as romessas dodinheiro para Lisboa, Sr. tk-^enibargadnr CaHaaV tarifaf
1:500*187 rs. ao Sr. dostnibaiad"! Gitiraiia
Ao banco, por diversos encargos da oporac' hm *'
6:735*153 re. Appelhnlr. ajama; j\<\h-\Im*' maaam
O Sr. d.-M-iidiam.id.'i GMi M 1 -
embargadut LooreBra Snatiayu
.4< HpfrH
AnpeManto. o solk*italor doro>alut- :
os adminisliadoii'.- 1I0- .11 \.-n>
o Gloria, do Olinda o Iguaravii.
Apprllanle Jos Venooo Sraw affi
taaruam.
Apl'olliiitis. I. Mara da l'.-nlia d.. i:.-*-.
ap|H liada. I). hi.iii-i-.i da Qnca? Al
K'lf'
i
Conimissoes aos empregados que aconipanharam "ola.
os diamantes, c outras desperas, 720*.
A segunda venda realisada em Londres foi do
3:690 quilates avahados em 59:040*000 rs.. os
quaes foram vendidos ior 52:128-3562 rs.. haven-
do portan to urna differenea para menos sobre o pro-
co da avaliaco de 0:911*438.
As despezs importaran! em 2:830*314. ou 5
por cento.
.tls despezs com a venda effeetuada agora no
banco de Portugal, calcula-se que nao excederoa UM ;
1 '/por cento. moiiia.
Anda restara para vender os 625 quilates lapi-, Appellaiilo. > jmzn .1. aus*io lla.lo. B.
dados, avahados em 45*000 o quilate, como hon- mundo de Aranjo Lima
tem dissemos. o s depois destes vendidos, se pode AppeBanle, Franciseo Alvea Ca ilttaM 1 a^^-i
verificar com exactido a conta da despera, mas Inda, l>. Maria Joaquina de Saniiajo.
espera-se que nao passe da porcentagcni ipn'mon- Ap|x-llanle. o juizo: appettMam pK
cionamos. i dos Santos oulro.
J se v, pois. que a venda em LisbiVa (oide OSr. desembaraadur torntrnto amaaap \
muito maior vantagem do que as realisadas em aoSr. desembarfaaTaaSaai
Londres. A* upprllnrt>e* u,mr*
E'preciso que nos acostumemos a tratar nanos- ApneBnnle. o |tromot*r : apprllado J .%
O com- ta Silva.
sa pracaos negocios ; o maior economa.
mercio sabe o camiulio de Lisboa.
Por isso. acertado foi o conselho que doraos ca
tempo ao Sr. ministro da fazenda, o qual proeedeu
com milita prudencia e bem senso, convocando os Araiijo Lima,
industriaes o commen*iantos estrangeiros a Lisboa. r. O Sr. b>soinl.argad Molla
Os resaltados abonara o seu procedimento. o as
nossas previsoes.
ApiN-llanlo. o juizo : :ip|-IUh>- I'" 'Jar?*'
goCavaleaata Waaderle).
Appellante. o juizo anll."l-- aaaaaai
a*Sr. V
I IHOMI.v JtDICURU.
THIIHVII, I V RELAMI.
SESSO EM 25 DE AGOSTO DE 1803.
praraa
tmJaaagatdt Poroto
A (11;" lid' i......'
AppeBanle, I. Matear Caaaata CoraVir^'
Carvalho ; ap|>c-llado. > pardo Virgini-t. p* -i
curador.
O Sr. desembasfador PereNi |--oii 10S *
ombargador Acioli
.-*j apprltiii;r< 1 -me*.
Api>ollanlo. FranriM" GadBi fiaBne a\
PRESIDEN'CIA DO EXM. SR. C0.XSELHKI1I0 SII.V KIHA. j billa. 3 justica.
As 10 horas da manhaa, acliando-se presen-; Api^llan:,-. Francisco Je Paula Conlu-. ape-
tes os Srs. desembargadores Caetano Santiago, aua- *?
Gitrana, Lourenco Santiago, Motta, I^rctti. Ac- Appellante Manoel uuw. dos >umo | appel
cioli, Ucha Cavalcanti, Assis, e Doria, abrio-se a: Bw, justiea.
sessao. Xofpetlunio cirei.
Sr. desembargador Guerra, procurador da co-. Ajipolianles. Sawtis & Hoiin : appeilaaax *V--
roa, nao compareceu. | Moretea Lopes. ___
Passados os feitos e entregues os distribuidos,' AoSr. di*sratfnr;i.l.ir l fW LavaAras*
deram-se os seguintes AppeUar*,, cari.
jilcamextos. i Ap|K-llanlo. Akiv Jos.; da Uu : appoitiaV A*
Recursos crimen. *"" Antouki.da Silva Barros.
Recrreme, o juizo ; recorrido, Guilherme Nu-, <> Sr. deswularga.lor Aeewk nas-*-i ao at. .
nes da Costa. embargado* l chda Cavakanli
Relator o Sr. desemliargador Accioli. A appetaeao enrt.
Sorteados os senhoros desembargadores Uchoa [ Appellante, Andr Pires Verneirn dr
que ; appcllado. Jos Felippe Brama V
O Sr. aesembarptdor Doria pas-^m
Cavalcanti, Gitirana e Lourenco Santiago.
Improcedente.
Recorrente, o juizo recorrido, bachare Lou-
renco Bezerra Cavalcante da Cimba.
Relator oSr. desembargador Ucha Cavalcanti,
Sorteados os genitores desembargadores Assis,
Accioli c Pcretti.
Mandou-se distribuir como appettacao.
Recursos commerciaes.
Recorrente, o juizo'; recorrido, Luiz Jos da Sil-
va Cavalcante.
Relator, o Sr. deseratarfador Caetano Santiago.
Sorteados os senhoros desembargadoros Doria.
AccioHB4 Assis,,
Reformar^m a senten?a, c absorveram o appel-
lado.
Appellacoes crines.
Appellante, o juiro : anpellado. Manoel Francis-
I co Trtgueiro.
1 Improeedont'-.
a 8r. *
sembargador Caetano Santiago
A appcllucfin rrm.
Appellante. fjooitngos Martins d<> OttTeira : ap
pellada, a JosBea.
D1I.IGKM IAS.
Com vjsla ao Sr. do^embargador f*ossjsear d
justica
As appeQare* crime*.
Appellante. o jnizo ; apjiellada, HemBra aaaTia
da Conceico.
Appellante. o juizo appellalo. BaBBaaB
do Silva.
Appellante. Manoel Vicente Ferreira;
o juizo.
Appellante, o promotor 5 appellado. Jos Carta..
de Oliveira.
Appellanto. o juizo ; appelladn. Tito Ale^aBft
Corroa Passos.
aa
iiai 11
.


-*T-
\
/
,__
**_;----------1
Xpp-dlaute, Sinuodc 3jqii<-ira Brandiio ; apjw
\ppellantc Mana da^^^B*>O Nasnineiito
j incendios dos movis e livros do Gabinete ; oj;il Aiiwitisai-os
ella rcasou na rotnpannu fdelidado. il
representada u'eali cidade |telos Srs. Domingos I
appe'iiada. a Justina. Rodrigues de Audrade e FoliciaBO Jos Goi'nes, | Passivo.
liante, Jos de Rarf* Itaptisfa ; appeljada,' pelo tempo de um anno, a contar do i" de julho de Herdeiros da antiga casa. .
a justiea. 1*03 a 1 de julho de 186%, no valor de 26:812^013 Antonio Mara Pereira .
AppeHante. o promotor; appellado, Jos* do Car- res, seguudo o balaneode 1862, ao premio de 3 Alphonse Lemale .
ino Jnior. oltavos; cuja apolicc foi manuscriptapara ser subs-1 Joaquim Ferreira Valentc
tetarlo de Pernambuco (marta leira de Agosto de I Sea.
:t:14uEIKK>
'5064
Appellante, Jos Francisco dos Santos -, appel-
lada. a Justina.
A 2 horas da tarde cncerrou-se a
uABINETE PORTCUZ DE LEITIK1.
Relatorio presentado pela directora do (ialtinele
titnida por urna das impressas que cstao a chegar
de Lisltoa ; chamando a attonijao da directora ma
nos succeder |ara esta suhslituicao.
Para assistir aos festejos anniversarios das di-
014534
358*040
1344171
.... 7505000
Fundo social.........33:0025296
34:3365064
Entraram na bibliotheca, desde junho de 1862 a
5,426
3,22o
3.010
5,029
3,046
2,843
versas associacocs que "nos lionraram com seus junho de 1863, 380 obras com 563 volumes, sen-
convites, nomeamos eommlssVs de tres membros do 559 Volumes escriptos cm portuguez e 4 en
para i rm expresamente s sociedades Onze ie francez.
Agosto, Hospital Porluguet de Beneficencia, Athc- j lovimento ie Litros.
neu Pernamlmrano, Archeologica ; bem como urna Entradas. Sabidas. Totalid.
Porlinjuez de l.eitura em Pernanihiuo, em sessas commissao para a confeccao do regulamento nter- Maio 23 30 de setem-
da assembla jera!, no da 2 de agosta de no, de que j vos scientificamos ; e outras para os | bro de 1862 ....
|AH, bairros do ecirs Santo Antonio, S. Jos e Boa Outubro 1. a 31 de de-
____ Vista, para promovorem a cftranca das mensali- zembro de 1862. .
as.iT^tefsn s 5f6i2S *s a Sw Xb$ at w de junho
da asamblea geral prestar contas de sua gerencia dar Pn.^'P aos seus trabalhos.-h para sentir de I
no anno lindo,"para prier desonerar-sc do honroso ^e eja necessar.o recorrer a seuie liantes meros
1 ulilidade, e que tantos saerilicios tem distado para Outubro 1. a 30 de de-
ser elevado altura em que se acha. Este padrao j zembro de 1862. .
de gloria, que tanto nos honra, mereca de todos Janeiro l. a 31 de mareo
os socios em geral mais attencao : cabe por tanto de 1863. .
. aqu extranhar o indilleivniisiiio que reina ein seus. Abril 1." a 30 de junho .
'turantes, e a directora sent profunda magoa de
ter o'ccasiao de laucar censuras quelles a oueni 1 Totalidade.
autonsaas pelos dilferentes artigos dos estatutos
que refOtfl esta sociedade.
A commissao, convencida de que a directora fez
em favor da sociedade o que mais se poderia fa-
zer, cm urna quadra excepcional como a que est
passando, propde que vos Ihe deis um voto de
agradec memo.
Gabinete Portuguez ie Leitura, 31 de julho de
1863.
Jos,' Jraquim da Silva Gomes.
Domingos Jos Ferreira Guimaraes.
PUBLICARES 1 PEDIDO.
3,576
15,237
Movimento ie leitores.
Socios. Subsc. Visit.
3,486
14,404
Antes, senhores, de cntrarmos ncsla deseripcao,
cabe aqu directora o prazer de manifestar o seu
poro reconherimento, pela inleira prava de eon-
iianea que nella depositastes para dirigir o lome
iesta mil e importante instituicaotitteraria.
ImpoWlda esta directora i>or nm ardente desejo
le cumprr satisfactoriamente o seu dever, fez tudo
quanto t'i humanamente possivel, em relacao aos
seos tenues recursos, jara bem desempenhar sua
missao. e se nao foram cordados os seus estotros,!
foi em par.' devido a sua impericia, c nao a falta |
de /..-lo o boa vontade; todava ella nutre a mais
lisongeira esperanea de que a nova administradlo,
que se Ihe succeder, fani o resto, guiada per una
boa estreHa ao horisonte da l'elcidadc.
Este rclatorio, senhores, ja vos devia ter sido
apresentado em 12 do mez prximo passado, se
gund
constancia;
ped
ve
nosso prime i ro secretario, seto previo aviso, c
pooca assiduidade
1,640
980
934
1,056
240
36o
450
547
4,610 1602
Senhores.Dedicando-mo poesa e littoratu-
i ra, hava comprado, com a proteccao de meus ami-
10,45 ( gos, a typograpliia do fallecido Luiz Ignacio Bbei-
ro Roma, e pouco faltava para concluir o paga-
6,271 ment, quaudo diversas epidemias assaltaram os
i habitantes da cidade do Recfe e das comarcas, o
5,853 que deu causa ao incremeuto de minha divida, re-
I lativa aos alugueis da casa onde hava collocado a
7.06t- typographia, mais de 1,300 livros, numerosas bro-
z,64i churas e peridicos nacionaes e cstrangeiros.
Tendo pago 1554 ao racu credor, particpe-lhe,
que s poderia concluir o resto, recorrendo aos
meus patentes e amigos, senhores de engenhos, e
rctirei-me para o centro ; e quando julgava inuito
prxima a realisacao de mmhas esperancas, eis
3* que recebi carta de aviso, na nual se me diz o no-
i nie de um lachare! e de seus i raaos, que tudo cu-
ro vidaram para concluir a compra desses alugueis,
quasi por metade de seu valor, realisavel de-
- pois de cavilosa arrematadlo por carta de edictos
lad de tres das figurando um tercero uesse simula-
a quem
deslava tecer louvores no cumprimento de seus I Por este mappa veris, senhores, que regulou o do contratoo solicitador das causas desse lacha-
deveres. movimento mensal de livros termo medio, 24/0 re com o intuito de arremataren! todos os meus
Foi mu limitada a awjuisicao de socios este an-1 volnmes, e de leitores 330, havendo una pequea. bens cima referidos, alm de minhas poesas, ti-
no, pelas razies cima expendidas, e com pezar. differenea cm rclaeao ao anno passado. tulos das propriedades usurpadas heranea de
vos diremos que n'csta conquista apenas obtive- Effectiiou-soa assignatura a Gazeta de Portugal, meuavoJos de Barros Falcao de Lacerda Caval-
illos 31. para lamentar tanta indifferenca para por ser de utilidade, deixando-sc de assignar. U canti, c as obras mathematicas de meu virtuoso pai
inua .ii. a |uia irtinuiiuii i.uu.i iiiuiucuin_. |..ii .i r--- "- ;ja .r-----------------, i i< -<") v as vinas iiiaiiiuinaiicas uu UlUU viriuoso pai
urna assocaeao onde se colhem tantas vantagens rott, Gazette des lrit>onnauj;e Jounuu des Ju o tenente-coroncl Ignacio Antonio de Barros Falcao
naiterfeieaodaiiitellgenciaenorecreio do espi- nonmtas, por serem muito dispendiosos. de Lacerda.
rito ; porem, infelizmente, s a sexta parte talvez Cumpre observar que o fundo social tena aug- Senhores, sangra-me o eeracao ao referft est
dos Portuguezes residentes em Pernambuco, com mentado regularmeno este anno, se nao fosse tao perfidia; historia-la, como desejava, era ulcerara
c as quantias chaga, que me repassa ot seos d'alma, ao meditar
proveniente das quanto pode a insensatez e immoraldade de seme
foram levadas "a
por conseguin-
mis alguma rea-
-|i|U4r.u. ..reioSr.D. luiz I, lelictando-o pelo auspicioso dade, c em seguida demonstramos o valor das
uv segundo, tottecaiiuo-na'. na, consori.io COntr.ihido com a excelsa prineeza de! amortisacoes c das mensalidades que etecederam.
emergencia de reclamannos do Ilustre cousellio
_ prineeza a.
MaUn, rrimeiro secretario Sa,,0>a a fc' D- Maria Pia' P"* vcn,ura te naao; 10 *poUfeS amorti1?adas a 20*"
oeimhito a nomi acao ai, um priim iro s ruano, p0,.fU(,UCZtS Zu ,.sla meiisagcm Excesso das mcnsalidades.......
visto nao haverem supplcntes, sendo nomeado o Sr. uc lvut*.os TO1 luouttb st",lu fia. "'*"-**''"
apresentada no paco por urna commissao composta'
Silva Mendos Leal
2:2004000
1:1795000
Vntonio Raptista .Virueira, que se .._,.,,, desemponliaao satisiae.orianLte o seu ^ Exins^rs.^da ^IvaNl^s
A directora julga do seu dever ser o seu pr-
iiieiro trabalho annunear-vos a m;vgnifica accpiisi-
<;a<> que fez do retrato do iminorlal fundador da
ossa liibliotheca o finado Joo Vicente Martins,
mandado tirar a oleo no Rio de Janeiro, pelo in-
-jiio retratista da casa imperial Jos Ruqu, em
un panno de cinco palmos e duas |>ollcgadas de al-
tura e quatro palmos de largo, cuja obra esteve cx-
posta por quinze dias na gallera do mesmo artista,
mereeendo os louvores do publico apreciador.
Foi urna divida paga memoria do Ilustre tina-
do, e atisfeito o desejo pronunciado da nossa socie-
corrate, dcimo-segundo aauversario deste Ga-
binete.
Anda este anuo Meamos privados do retrato a
olci) do nosso
eons
Jnior,
sto Rebollo da
, Silva.
Possue boje o Gabinete Portugucz dez estantes
grandes e duas menores, de b morado gosto, acommodando cm suas espacosas
prateleiras toda a livraria, c cm seus armarios
grandes colleceOes de jornaes, desde a fundacao
(Testa sociedade, sendo de urgencia que se mande
fazer mais ma estante igual s que existen), para
receber os livros que sobrain, e outra propria para
awmmodar os jornaes (pao se conservam nos ar-
marios das estantes, cansando esta permanencia
' grande daino livraria por ser o germen da traca.
: Esta directora nutri grandes desejos de realisar
| estes melhoramentos, mas faltaram-lheas forcas
, necessarias para isso.
A bibliotheca foi augmentada com varias obras
; remettidas pelo nosso correspondente de Lisboa, o
Antonio Maria Pereira, algumas compradas
do nosso joven monarclia 1). tote /, porque,; af|ui e 0lltras on(M.,a(1as |ior dvcrssas pessoas, para
ando-nos que a junta administrativa do Hos- ouem 0 Gabinete Poituguez de Leitura ttio urna
p.tal Portuguez turna feto encommenda de um vSa chimcra mas sim0lima realidade de grande
para Lisboa, aguardavamos com nter
da delle, para nos servir de norma ao
eoin algunas modilicacaes se *****"' '--^.'- ,reeendo |tor tanto os olTerontes um voto de agr
visto que ja em tempo O Gabinete neou mal serv- d(,f imenl0 e (|UC neslc rdatorio se consignen! com
do com o retrato que d al. niandou v.r, do nosso !ouvoi. S(!IIS noincg .,ara serem devdamente a|tre-
.dolalrado reo tinado U. Pedro \, pelo mal del- ciado : foram elles os Illms. Srs. Joaquim Xavier
ueado segando a op.mao dos entendidos; nao de- VlL>i,.., Ijig0! ,)rs. jiaiiaim dos Remedios Montero,
irectona que nos succeder esqueoer esta VueBK de Aojo Lima, Jos Joaqun! de Moraes
,.,.,. | vaa e'umcra, mas sim urna realidade de grande
itcressc a ehega- ^|Cance, que ha sempre de merecer das geraeoes
ao nosso |tedido, |)resontc e fmuras amor, respeito c veneraeao
f^cessario osseni. mereeendo itor tanto os olTerentes um voto de gra-
por
nhain inandiido reimprimir a cargo do nos>o actual
i o ies|ioiidente o Sr. Alphonse Lemale, sahindo
parimos, cm bom papel e Im-IIo i y no, e por preeo
muit mais eommodo do que se fossein reimpres-
sos'aqui. Tem sido distribuidos, com regulai ida-
de, um exeinplar a cada socJo, por ineio de um re-
gistro especial para este liiii: adiando justo esla
directora que, quando por qualquer motivo os so-
cios exijain duplicatas. paguem 25000 por cada
um entapiar mais, applicados ara renda do esta-
bideciiiieiito, como pratiea o Gabinete Portuguez do
Rio de Janeiro.
Cabe directora, neste lugar, consignar um vo-
to de gratidao ao Sr. Joaquim Gerardo de Bastos,
pelo bom deseiupenho na eoordenacao e cla.ssliea-
eao das obras, assim como pela revsao dos estatu-
ios.
Noniez denovembro prximo passado sahiram
do prelo os novos estatutos, os quaes esta directo-
ra mandn logo distribuir e vigorar, seguindo-se
na distribuicao a mesnia ordem da dos catlogos,
leudo havido em sua approvacao da parte do go-
verno un equivoco, que muito nos entorpeca a
marcha administrativa, reelamou-se attenciosa-
mente ao Exm. Sr. presidente da provincia Manoo!
Francisco CorreJa, o qnal, dopois de madura refio-
\ao, resolveu modiflear a formula da approvacio
convenientemente, nao nos sentando todava do
pagar o sello eos direitos de chancellara em du-
plcala, apezar, das deiligeneias enefo que para
esae iim se empregaram.
Acha-se nouieada urna commissao composta dos
Illms. Srs. Miguel Jos Arres, Joao Garlos Coelho
ila Silva e Joaquim Gerardo de Rastos, para a COO-
ieei;ao de um regulamento interno em harmona
com os novos estatutos, os quaes se dignaram ac-
i-eitar: eeonta a directora com um trabalho per-
Vito. |iela souinia de conhecimentos de que dispoe
cada mii dos membros da referida commissao.
Em viriiide das leis do pato, que rcgnlam as so-
< edades emgeral, foi mistei substituir as acedes
por novos diplomas, que esta directora mandou
Joaquim
da Silva Mello, Rol|ey Jnior, Joao Frankln da
Silveira Tavora, Jernimo Pinto de Souza, Guima-
ries & Oliveira, Manuel de Azevedo Pontes, Au-
gusto Cesar de Abreu, Jos Fiel de Jess Le te,
Francisco Maria Duprat, Joaquim Ferreira Valon-
ie. Jos Aires Lima, Eiras. Joaquim Pinto de Cam-
pos, e presidentes das provincias de Pernambuco
e Parahiba.
O numero actualmente existente de socios cffec-
livos no nosso Gabinete, o seguinte :
Accionistas. ... 506
Subscriptores.. 257
Total.
763
Tunos, poV tanto, de vos anmmciar que houve
nos prmeiros una diminuicao para com os trans-
acta adiiunstracao de 70, c nos segundos igual-
mente una diminuicao de 11 : devida aquella
elevada cifra das amrtisacoes, que nos vimos for-
gados a'fazer, para nao representar no quadro so-
cial nm numero de mera phantasa : em cojo pro-
cesso nos regulamos pelas deelaracoes dos pro-
prios associados, de nao quercrem continuar apezar
das diligencias empregadas para sua peruianen-
cia. Nao tomos interamehte rigorosos n"esta par-
te, por que anda deixamos lgnns que de fado es-
tao amoriisados segundo o espirito da lei, mas de
dreito nao os consideramos anda este anno, por
ecabecermos que uns desejam continuar, c as suas
actuaos circnmstanelas nao permittem serem |ton-
luaes, e muros, por que eslao lien no caso de con-
tinuaiein. mas por um motivo que se nao explica,
recusam-se ao pagamento das mensalidades, pelo
que deliberamos noncar duas commssoes para
despertar cm seus coraeocs arrefeeidos o amor da
patria e da sciencia; c'pedir-lhes a eontinuacao
iogremki d'esta sociedade, e estamos convencidos
que algara resultado se obter. A directora jul-
gou mais proficuo ao Gabinete proceder assim;
mas se nisso errou, pede desculpa, e conta com a
Despezas extraordinarias feitas
ministraco.
Importe de 3000 catlogos c 800 sup-
plementos vindos do Havre, e des-
pezas...........................
Alugner da antiga casa, que licou por
pagar do anno passado .......
1500 diplomas Ivthographados naoflici-
na do F. H. Carlos................
Aluguel desta casa, que licou por pa-
gar em maio do anuo passado......
3000 estatutos impressos na typogra-
phia de Mira..............."......
Retrato a oleo do fundador Joao Vicen-
te Martina, tirado no Rio de Janeiro.
Sello e direitos da approvacao dos esta-
tutos, pagos em duplcala..........
Seguro coutra o ogo, na companhia /"<-
delidatte..........................
6000 recibos (ara cobranca das mensa-
lidades dos socios................
2 tivros em (branco para o movimento
dos socios, a Frenas & Irmo.....
10,000 recibos para o expediente dos
livros para leitura................
Remcssa a Antouio Mara Pereira, sal-
do da passada admiuistracao.......
Aluguel de candieiro a Carneiro Viau-
na, da admiuistracao transada.....
20 ttulos htliographados para socios
effectvos......................
Diversas contas mralas que ficaram
por pagar do auno anterior........
lylographar na offleina do Sr. F. II. Caris, e os quaes vossa continuada indulgencia, pois s tere ein vis-
la, com o decurso do tempo, rehabilitar a uns, e
trazer a reflexo a outros.
j se acbam promptos cm devida ordem para se
proceder substituieao, dignando-se todos os Srs.
- ios eSectivos mandarem recolher os seus ttulos
ao gabinete, como ja foi annunciado, alim de Mea-
ren devdainente archivados.
A mesma directora deliberen que, na entrega
dos diplomas, se. solidtasse de cada socio a peque- Capital em 22 de maio 1862.......
Amortisamos entretanto 110 aceces, no valor de
2:2(lOAOOO res.
Fundo social.
na quantia de 14000, eui cuninensarao do seu cus-
i e das despezas felas extraordinariamente este
anno, como adianto demoastrai-eraos ; sendo, po-
rm, este acto voluntario, efazendo-se um registro
comosnomes dos eontribniBtas para ter consig-
nado ao rolatoio da adniiuintrarao que nos succe-
der.
Estes diplomas realcam peto seu bello desenlio
eum as cores nscioiiaes. leudo ein cimas corita
portiigiie/.a. no centro a efligie do fundador, em
bailo os emblemas de lt'eratara, e em seguida
Apblices emittidas -19...........
Movis, sendo retrato e quadros.....
Djfferentes obras offertadas, a que su
dea o valor de..................
34:8054271
.1804000
2004000
1054900
35:4914171
Ctii.va.
Peta segnnte demonstradlo do movimento da
caixa, veris o valor das quantias arrecadadas du-
rante a nossa gerencia, assim como igualmente as
urna primorosa epigraphe allusiira ao undaW e des|iendidas, ficando em caixa, ein 30 de janho pr-
ximo passado, nm saldo de res-575,5082.
Receita.
Saldo em 1 de junho de 1862........
Mensalidades de accionistas.........
Quotaa.de subscriptores............
Emissao de 12 apolices novas.......
Emissaode 12 apolices que cstavam
auiortisadas.....................
seus successores, do abalisado poeta Antonio Fer-
reira :
E aqin'Ucs i/ue iewtt ''. nos cierein vejam
tj'tautu se tnibidkou por seu respeito ;
Porque elles para os onlros assim. tejam.
Bem como, em cima o em baizo, a data da nstal-
laeiio 8 abertura do Gabinete, aos ladM as mimo-
sas figuras da infancia dedicada as lemas, e em
bellos craeteres d'agua o nome do Gamnete Por-1 Joaf|oira Ferreira \ alent...
tuguez de Leitura; sendo (ralo de bom gosto, e de- Despezas geraes..
ido ao pensamenlo e execucao do artista.
Tomando esta directora ei consideraco o ele-
vado ju'eco do alugei da casa em que funecona
este Gabinete, (tropriedade do Exm. liaran do l.i-
vramento, resolveu solicitar deste senhor urnare-
duceo do mesmo aluguel, apezar de liaver urna
i iptura publica de arrendamento por nove an-
uos ; e com o auxilio do nosso mu digno socio be-
nemrito o Sr. Jos da Silva Loyo, obteve-so do
referido propriotario um abato de 3004000 reis por
anno, a contar do Io de abril d'este anno em dian-
te, por una declaracao passada nb proprio recibo
1:1254968
6:404,5000
1:2124000
38O4000
2405000
7504000
24340
10:1144308
Despeza.
Livros e eucardernacOes............
Jornaes......... .
Movis............
H.nnessa para Lisboa a Antonio Maria
Pereira.........
dem para o Havre a Alphonso Le-
male ...........
Herdeiros da antiga casa.
1784180
2944395
2234000
6264400
9294707
377A764
1014545
Despezas geraes........6.8084035
pelo dito proprietarlo, com data de 17 de julho I Companhia Fidelidade de Lisboa
prximo passado. Os desejos desta directora eram
reduzir para. 1:0054000 o aluguel que d'antes era
1:5004000; todava conseguiose reduzi-lo para
1:2004000 annuaes, o que ja foi um servieo pies- Saldo J> caixa
lado ao Gabinete : cumprindo aqu consignar um
voto de louvor e agradecimento ao Sr. Jos da
Silva Loyo, pelo mmtoque trabalhou em prol desta
sociedade, e pela grande dedicaco com que sem- j Extracto
pre tem pugnado em favor do Gabinete, quando' saber :
os seus servicos sao reclamados : igualmente um I
.voto de agredecimento ao Exm. Sr. Baro do Li- Movis .
vran^n'o. pelo acto de generosiilado que nraticou. Caixa .
A direcvria, em cumprimento do g 7 do art. 68! Accionistas
9:5394226
5754082
10:1144308
do activo e passivo da .ocioTade) a
Actico.
;......8:6534297
....... 5754082
2:4624000
Somata...
lhante hachare! !
Agora o que fazer, para conseguir o pagameuto
da quantia de 6294580, constante da certido jun-
ta ? Recorrer proteccao das almas generosas,
que destioguem a honra da cavilacao, altivez do
genio da villeza despresvel 1
Subscrevei, senhores, e azei que vossos amigos
tambem subscreram, e ser este rasgo de piulan-
3:3794000 tropia mais um exemplo de vossa innata bondade,
, s-*-------! digna de meu eteruo reconliecimento e acrisolada
Apezar da inconstancia do tempo, accompanha-' gratidao.
da de tantas vicisstades dessenvolvdas pela crise Recfe 18 de agosto de 1863.
de junho do anno passado, que aflfectou quas todas o baclarel Joao de Barros Falcao de Albuquerque
as classes da sociedado em geral, anda assim te- Maranhao
nios o prazer de vos aununciar que a nossa co-! o baclarel Joao de Barros Falcao de Albuquer-
branca foi regular, e muito superior a do anno que Maranhao precisa que o escrivao Santos, em
passado, devido a grande actividade que para esse c0 rartorio existe a execucao que moveu ao sap-
tim se emprogou ; e mister assim era, porque as p|,.ante Francisco Jos de Campos Pamplona, por
despezas extraordinarias que tiremos foram avul- alugueis de casa. Ihe certifique avista da conta que
tadas, como passamos a demonstrar; e se o esta- procedeu o contador do juizo, quanto resta ainda o
do do gabinete nao demasiadamente lisongciro,
por nao ter um saldo crescido em caixa, todava
nada deve fra desta praca, e aqu apenas a um
credor, por emprestimo 7o04, aluger de um quar-
tel vencido em 30 de juuho 3004, a.um herdeiro
da antiga casa 91455, c ama remcssa feita agora
por saldo para Lisboa a A. M. Pereira 3584040.
Satisfeitas estas verbas, o que nao di fue i l em
breve tem|to, lica o gabinete collocado em um bom
p,e desta forma regularmente prvido; e com ama
administracao econmica, pode marchar livre-! resto a quantia de 6294580. O referido verdade.
! Recfe, 12 de agosto de 1863. Escrevi e assigne
I cm fe de verdade, o escrivao, Joaquim Jos Pereira
dos Santos.
supplicantc; e assim pede ao lllm. Sr. )r. juiz mu-
nicipal da Ia vara do civel Ihe mande passar a cer-
tido requerida, c receber merc.
Sim.Recfe, 12 de agosto de 1863.Tavares de
Vasconcellos.
Certifico avista dos autos de penhora e desjicjo
que moveu Francisco Jos de Campos Pamplona,
contra o supplicantc o Dr. Joao de Barros Falcao
do Albuquerque Maranhao, que da conta feita pelo
contador do juizo, consta que o supplicante deve de
Eslava a seguinte verba do sello.N. 49.200
, res. Pagou 200 ris. Recfe, 13 de agosto de
1:0764110 1863.Chaves.Franca.
.._-...,., I E mais se nao contraa em dita peticao, despa-
i /4/O ,.n0 e tertidao, que fica aqui fielmente copiado em
mi inm PUD''ca forma do proprio original, qnc me foi pre-
WU40U0 Sente, ao nual me reporto, e vai na verdade sem
cousa que uuvida faca, conferida e coacertada, por
3124500 j num subscripta e assignada nesta cidade do Recife
nno (,e PBzawnbnco, aos 13 dias do mez de agosto de
-004009, jgg^^ suijscrcvo c assigno, em testemunho de ver
.,..ft.! dade. o tabelliao publico Francisco Baptista de
190*000 AimeMa.
160*000'
WSV&
A
al
3:11444311
Se nao fosse essa quantia tao avultada, nsteria-
nios feito outras acquisicocs necessarias, c teria-
11 ios um saldo lisongciro"
enearregadodaescripturacaoo acteal bibliothe-
cario Antouio Silvestre Xavier de Souza, c acha-se
regularmente feita, com limpeza e lucidez, segura-
do em tudo a mesma ordem das transadas adm-
mstraces ; cumprindo s futuras prestar attencao
ao 2" de art. 2 dos estatutos, para ser feita em
harmona, quando os rendimentos augmentem, se-;
rom applicados segundos os artigos 8 e 9 dos mes-!
mes estatutos.'
Cumprindo a esta directora commemorar o an-1
niversario do passanicnto de S. M. El-rei o Sr. D.
Pedro V, mandou esta directora, em nome do ga-
binete, celebrar una missa por sua alma, no da
11 de novembro do anno passado, na igreja do con-
vento de S. Francisco, assistindo a ella os membros
da directora, emprogados e algnns socios.
Anda so conservan os mesmos empregados,
que ja exstiam na transacta administrac-ao, sen-
do o bibliothecaro Antonio Silvestre Xavier de Sou-
za, o ajudante Antonio de Souza Pinto, e o cobra-
dqr Thoniaz Pereira de Mattos Estima, c todos tem
cumplido regularmente as suas obrigaciies, mere-
eendo especial menco o cobrador Estima, que
mais se tem distinguido pela sua actividade, zlo e
dedicacao.
Esta directora fuuccionon com a possivel regu-
laridadc soflroudo todava algumas interrupews cm
suas sessoes, por fallas de seus secretarios efecti-
vos -. porui eir procurou, o mellior que Ihe foi
liossivel, conciliar o til com o agradavel; remo-
vendo as dilliculdades e maniendo a melhor or-
dem, reinando sempre harmona entre seus raeiur
bros, e accordes em un s principio lizcram quan-
to foi possivel no cumprimeuto de seus devores.
Alguns melhoramentos carece ainda o gabinete,
como seja urna divisao propria para as sessoes da
directora e do conselbo, a fin de funecionarem,
como conveni, mais segregadas do movimento dos
concorrentes ; divisao ijue deve ser feita de manei-
ra que nao tire a belleza dos sales.
-Nesta tosca e rudo exposicao iulgamos ter tocado
era todos os pontos mais dignos de prender a vossa
attencao ; e antes de concluirmos temos a pedir-
vos desculpa por quaesiiuer faltas que involunta-
mente tenhamos commettido. e desde ja contamos
com a vossa costumada indulgencia.
Estamos convoncidos de que todos nossos actos
administrativos foram pautados pela lei e dictados
pela conscieucia; e se nao ti vemos a fortuna de
acertar e salsfazer a vossa expectativa, seja-nos
ao menos fpormittido dizer quo esse pouco, que
por ventura fizemos, foi pelo amor que consagra-
mos ao Gabinete Portuguez de Leitura.
Pernambuco, 2 de agosto de 1863.
/0SfMH Ferreira Valentc,
Director.
Antonio Prieto.
Vicc-di rector.
Antonio Baptista ogueira,
! secretara
Jos Mees Lima,
Thesoureiro.
<*i*au^as lluit-ll;tlas por
fee^oes vermlmossis,
300000 Sio promptamente aliviadas raetlianle urna
704000 s ^ose ^as pastilhas vermfugas de Kemp,
! cujo aspecto to tentador e seu sabor tao
244000 \ gustoso qoe as enancas nunca chegam a re-
ir>A982icusa''as P.or ma's *.ue ^orem offerecidas.
I Estas admira veis pasii litas sao grandemente
3040.")! procuradas por quatro razes;
nao conten mineral algura ;
nao exigem os depois de aperientes:
produzem o objecto desejado sera cau-
sar a mnima dor ou encommodo;
as criancas geralmente se acham incli-
nadas a tomar mais do que aquello numero
indicado.
Nenluima mi que d'ellas tenlia feito uso
urna s vez nao admittira" nenhum outro
vermfugo em sua casa.
A' venda cm todas as boticas e lojas de
drogas do Brasil.
204000
964630
IVIIMI! I'lllil (.1 17 I I
LEITI'Ri.
Devendo talvez hoje ter lugar a eleicao da nova
directora, lembramos aos Ilustres membros do
conselho deliberativo os seguintes conselheiros,
que pela sua competencia e provado amor ao esta-
belecimento, estao muito no caso de exercer os car-
gos para que os indicamos :
Director o Sr. Jos da Silva Loyo.
Vce-director o Sr. Antonio Baptista ogueira.
1." secretario o Sr. Joaqun Gerardo Bastos.
2. dito o Sr. Bernardno Duprat.
Thesoureiro o Sr. Jos Alves Lima,
Substitutos de que trata a ultima parte do s
nico do art. 58 dos estatutos :
De vice-director o Sr. Joao Carlos Coelho da
Silva.
De 2. secretario o Sr. Antonio Lourenco Teixe-
ra Marques.
De thesoureiro Domingos Jos Ferreira Guima-
res.
Alguns conselheiros.
Parecer da commissao de exame de contas.
A commissao por vos cleita para proceder ao
exame das contas da directora que flndou em 30
de junho, vem hoje dar conta de seus trabalhos da
seguinte forma.
Prqcedendo a um exame minucioso na escrip-
turacao e mais documentos que Ihe foram anre-
sentados, folga dizer-vos qoe achou tudo na maflior
^Jos estatuto, delilierou effeetnar o seguro contra Livros............ J9:50W68o ordem e aceio, sendo todas as verbas de despezas
Ao pnulico.
Foreado a abandonar a lucta eleitoral, a que as
tao expressvas circulares do governo imperial ani-
mavam o partido conservador; mediante as mais
reiteradas promessas de plenas garantas em rela-
cao liberdade do voto, venho o mais resumida-
mente que me fr possivel patentear ao publico
quaes os motivos que me compellirain a inim caos
meus amigos a nao disputarmos a eleeao, como
pretendamos, e ostavamos preparados. O que vou
dizer nao (todera ser contestado por ninguem, nao
s porque a verdade se nao destre, como porque
todos os que me conhecem saben que prezo a dig-
nidade e a honra cima de tudo quanto humana-
mente se pode presar.
Apenas divulgou-se nesta comarca a noticia da
dissolucao da cmara, eu, e os meus amigos vaci-
lamos se deviamos tomar parte na elei^o. Va-
mos de posse da polica do termo horaens, sem ou-
tros predicados que a insolencia, o desenvoltura
de proceder, j de sobjo amostrados em todas as
artes do crime, e como taes capacissimos de toda
a sorte de desatinos e loucuras. (Juando, porm,
estas reflcxoes nos salteavam o espirito, recebemos
cartas das nossos amigos, cujas kizes, e direccao
eestumamos seguir, convidando-nos a disputar nos-
sos direitos polticos junto a urna, o para tranquil-
lsar o nosso animo a respeito da liberdade com
que seriam feitas as eleicoes, remetteram-nos di-
versos nmeros da Gazeta Offictl onde vinha a
circular do Exm. Sr. presidente do conselho, re-
conimendando c ordenando aos presidentes de pro-
vincia toda a abstenco das autoridades no pleito
eleitoral.
Com elTeito, a leitura de .tao autorisado documen-
to, em que se va empenhada a patarra do gover-
no do monarcha, tere para mim, eos meus amigos
a mais alta sigiulicae.ao politiea ; mas quo pouco
durou a nossa illusao!
A proporgao que se aproximava o dia da eleicao
comegamos a ver o acoaamento com que se com-
pletava a rasoura em todo o funccionalismo da co-
marca, comegando desde o juiz de direito, o mais
prudente dos homens, at o ultimo agente do cor-
reio I Pouco depois entraram a subir torgas c mais
forcas para o centro. O delegado do termo, o sub-
delegado, o vigano da freguezia, e os seas poneos
adeptos comegaram a desenvolver a mais activa
crusada contra mim, e os meus amigos, cspalhan-
do por entre o povo as ideas mais Dengosas, c fal-
sas acerca da intervenco do governo as eleiges.
Um impresso incendiario, cm ar de proclamagao,
mandado da capital dizem que pelo Dr. Ilrando,
concitava a popalagao a unirse ao seu vigario, pa-
ra com elle debellar-se o partido conservador. -Na-
da disto me intimida va.
Tinha consccncia da robustez das forcas polti-
cas do meu partido, e da insignificancia do lado
opposto.
Nao procurava mesmo contraminar a sua obra;
sabia por larga experiencia que este bom povo,
Juc governei por tantos annes, sem dexar nunca
a puni-lo quando errava, nem de penhora-lo com
actos de justica, nao era fcil em se deixar sedu-
zir por gente, que Ihe nao inspira va a menor con-
Oanea.
Assim marchavam ascousas, quando constou por
aqui que o novo juiz de dreito oa comarca c o ma-
jor Barros Falcao ala vnliam a frente de grandes
forcas. Nao nos assustamos; at hegamos a acre-:
ditar que o governo, saliendo do modo desabrido
porque iara procedendo as autoridadeslocaes, man-:
dava a toda a pressa o juiz de direito e o majar :
Barros para cont-las em seus excessos, c forga-las
a cumprr risca a circular do Sr. presidente do
conselho. Ainda nisto houve cruel llaso de nos-
sa parte; por quanto, com a chegada destes dous
' funecionarios e que o negocio mudou inteiraraanta
I de figura.
Apenas chegaram, fizeram saber que as eleicoes
eram do governo, e que este hava de vence-las a
todo o rusto. Dias de|iois, constando ao Sr. juiz
de dreito que o cidado Manuel Borges, supplente
do juiz de paz e presidente da qiialilicagao, audava
leudo aos povos a circular citada, e por tal modo
iustruiudo os nimos sobre as verdadeiras nten-!
enes do governo imperial, inmediatamente foi o
dito juiz de paz mandado vir debaixo de prisao '
presence do Sr. juiz de direito, Sabendo disto fui
a casa em qae se elle achava : procure inlormar-
bm do motivo da prisao de um homein honesto, e
3ue lia tantos annos servia ao governo com a maior i
edicagao ? Bespondcu-me o Sr. juiz de direito,'
que fra preso para averiguacoes policiacs, pois
no constava andar involvendo o nome do impe-
rador na leitura de nm papel incendiario! O pa-
pel incendiario a circular do Sr. marqnez de
Oinda I
Este facto desaniniou-me. Bccouheci que a lula
a ser muito desigual. Se o Sr. juiz de direito por
seu lado invidava de modo escandaloso lodos os
meios de a t torrar a populacao, o Sr. major Barros
exceda a toda a especlacao nos desatinos de sua
lnguagein contra os conservadores, quem desde
logo comecou a qualificar de rebeldes Em saben-
do que hava alguem de nosso lado trabalhando
com esforco, era logo chamado, e aineacado de ser
preso por se oppor elego do governo! Estes
repetidos actos de espionagem, e da mais atroz
perseguico exacerbavam a ans, e intimdavam a
outros. Os homens mais cobertos de criraes cons-
tituiam o quartel general do Sr. major Barros, que
to depressa esquecra que ainda ha bem pouco
lempo, mediante o nosso leal apoio, persegua com
a espada da lei estes mesmos com ouem hoje se
ligava contra os seuscompanhciros d armas I
O subdelegado Izidoro Mascarenhas, constando-
llie que a populacao da Baixa-verde se mostrava
firmissima ein seu posto de honra, resistindo, e
repellindo todas as suggestes do subdelegado res-
pectivo Joao Vieira da Silva, parte desta villa com
49cavalleiros, e l se apresenta n'um dia de fei-
ra, em que o povo se reuna pacificamente para
comprar e vender suas mercadorias, resaltando
desta sbita, e estrepitosa apparicao o maior sobre-
salto no espirito publico. Iguacs correras eram
feitas cm todas as dirceces por todos os agentes
do Sr. major Barros Falcao, cujos desmandos, e ir-
racional proceder nao pdem ser acreditados fra
d'aqui, pelo qae ha de extraordinario, e deshones-
to em seu comportamento, sendo qoe levava o sea
displante ao ponto de gritar que hava de vemer
a eleicao custasse o que custasse, porque eram es-
tas as<-ordena quo Ihe dra o E\m. presidente da
provincia !
O certo quo vista Uo aspecto medonho 'l
os negocios tomaram depois de sua chegada, eu, e
os meus amigos reconhecemos que a nossa supc-
roridade numrica nao seria baslante para nos
assegurar o trumpuo, e que no desencadeiamento
em que se achavam os agentes do governo, seria
mui fcil una provocago de conflictos, de que
resultsssem terriveis consequencas para a paz
publica.
Estas consideragoes reforcadas pelas continuas
recommendacoes de meu imao o Sr. Pinto de
Campos, to injustamente calumniado, e de outros
amigos da capital, que nao cessavam de instar
pela nossa abstenco, no caso de probabilidad!1 de
tumultos, e desordens, assentei, de aecrdo com
os meus amigos d'aqui, e de Villa-Bella, nao acei-
tar a luva qae nos atiravam os nossos adversarios,
nao porque contassem com a victoria legal, mas
porque appcllavam para as provocacoes premedi-
tadas !
Nao Ibes dei a satsfagao de se banquctearein
sobre o meu cadver, e o de meus amigos. Oual
seja a nossa forga na comarca o demonstra clara-
mente a compresso que se tem exercdo sobro
nos; e, segundo os syinptonias e indicios, vamos
passar por duras provages.
A roda dos processos monstros vai correr. As
prses arbitrarias continan. Ainda antes de
I ion tem foi preso um ourives que aqu ha, para
ser interrogado pelo delegado, se nos os conserva-
dores haviamos mandado fundir balas por elle :
(mo podendo extorquir nada do ourives, o consol -
vou preso ncommuncavcl por dous dias! Nao se
faz mesmo mystero dos planos de perseguico
contra mim, e os membros de niinha lanuia.
Nunca rorametti Crimea, nem tenho torpezas em
minha vida. Desafio aos meus mais encarnicados
adversarias a que meconfundam : por tanto, que
se medite bem no que se quer fazer.
E porque nao foram presos os verdadeiras cri-
minosos de morte Joaquim Nazario, Joao Nazario,
Paciente, e Flix de tal, todos assassinos do padre
Veras, e que no da da eleicao cruzavam as ras
desta villa ao lado do subdelegado Izidoro Masca-
renhas 1 Que horror I Que escndalo assim
que se quer moralisar o paiz !
Basla, por hoje. Omiti miutos outros incidentes
que rao sendo levados ao conheeimenro do pu-
blico.
Villa do Flores, 10 de agosto de 1863.O te-
neiite-coronel Pedro Pessoa de Siqueira Campos.
da"o c de la, i ditas.panno para coixao
ditasbezerros engraxados, peJIes eco*...
de lustro, 1 ditas botes do madreperoto. I
ditas cartas, iCO barricas, 801 fraque iras, e
500 garrafoes com genebra, 10 caitas pa-
pel dt> impressao, i barr tinta de dalo i
volumes amostras; a Raba lisa mu | c.
2 caixas chapeos de seda, e de Wlro a
Christiani Irmios.
2 caixas panno ; i E A. Borle A c
1 dita saceos de viagem, 30 barricas e jo
frasqueiras genebra ; i Izidoro Netto A r..
4 caixas vidros, 1 dita drogas, I dita -
Ihas de prata, I barrica azul ; B. Fran-
cisco de Souza.'
i caixa conservas, 2 presuntos e 2 paca*
de carne fumada; ao consol C. R. f. ioacst.
60 garrafoes saga, ditos cerada, 2o to-
los e 10 frascos ervilhas verdes, 3 caitas
chales de crep ; ordem,
5 caixes sabao e perfurnariaf; i Alaes
Hamburger A C.
I caixa agollias, -i ditas pelles de bezerro
Vaz & Leal.
I caixa luvas e meias de algodo ; a P-
rente Vianna A C.
I *i caixas e \ fardos fazendas de Oa, le
algodo e mixtas, 5 volumes amostras, 7S
caixas velas stearinas ;i Schafbeitlim A C.
7 barricas legunies, I eaibrulbo paite
secco ; a M. Luz.
i caixas chales de 1.1a. 3 dilas fazenWi-
da meia de algodo; Joo Keiler A C
I embrulho livro*, 2 fardos barbante, i
caixas vidros, 8 ditas couros, I dita fitas de
seda e algodo ; Kalkmann dr Iraeos.
\ caixa candieiros, I dita Tidms. 3 dit**
miudezas, I dita obras de flaoella ; i Tbi-
maz T. Bastos.
Galeota dinamarqueza Mamut, viuda -le
Antuerpia, manifeslou o seguinte :
50 caixas vidros para vidracas ; a Bate
Schramettau & C.
1130 ditas ditos para dita, 5 ditas kan*,
200 ditas velas, 1 dita cartas de jogar,
ditas amostras ; Linden Wild A C
100 caixas vidros para vidracas, 50 diUs
velas, I dita amostras ; Saunders BrefJwn
& C.
5 caixas tecidos de linho e de elsticos de
seda e algodo, 1 embrulho amostras ; a
Schapheidira A C.
6) caixas papel de impressao, e 7 bar-
ris tinta de dito ; M. F de P. F.
i caixas al.'inetes, 2 ditas lio de lalo i
N. O. Bieber A successores.
55 barris pregos, .*0 orisJM velas e 23
dilas tecidos de algodo ; Montein L
AC.
I caixa livros impressos ; a Montero da
Silva Santos.
150 caixas velas, 2 ditas brim. 31 duas
papel para imprimir, 50 barris tintas, 72
ditos pregos, i embrulho t.vpos, 2 caixihas
amostras ordem d* diversos.
137 barris pregos: Colesworth A
Powell.
II caixas e i barricas agu has, espoletas,
e ferragem, 79 caixas papel de escrever,
50 barris pregos, 5 caixas marnmre pod--.
53 caixas espingardas e espoletas. 100 fras-
queiras genebra ; Brander a Brandis.
Rio Grande do Sul, brigue nacional I
rumba, consignado a viuva de Manoel Gon-
calves, manifeslou o seguinte :
8018 arrobas charque, 102 ditas grata,
65 couros seceos : ao consignatario.
ReeehclorI de reautaft latersura
geraes de l'rrnanhur*.
Bendimento do dia 1 a 21. S7:eof>lV
Moni do dia 23......... 1.6SW-I
MkHtttm
Consulado provlarial.
Ri'ndimento do dia 1
i dem do dia 23. .
a 2i.
-new4
Me
VIMLNTO
DO P01T0.
A'nno entrado no 4m 25.
Lisboa 38dias.Bricue porbunicz BHIa Fi-jx--
iruse, ib- i'i't toiielaibs, capilao Jow liorr !
Carvalho Sobrinho, equipapeiu l.t. carga iia*^
azeite e outros Sjasassi | a ^ozebio Kaiitud H<-
beiro.
Snhiilos no mesutu /.
Maceii 1' porlos iulcrnii-dios, vapor nacional Prr~t-
nanga, CDiiiinandanlc Kalis.
EDITAES.
COMMERCIO.
Alfandega
Reudimento do dia 1 a 2V. 153:848*030
dem do da 23........20:947*376
374:4935626
.Hovlmento da alfandega.
Volumes entrados com fazendas 13b
com gneros li7
Volumes salados
com fazendas
cora gneros
-----283
82
-------170
Descarregam no dia 36 de agosto
Escana dinamarqnezaSpicamercadorias.
Barca inglezalmogene=\cm.
Lugre inglezEdith carvao.
Patacho dinamarquezJohannamere adoras.
Escuna americanalfenn=diversos gneros.
ImportaeSo.
Escuna dinamarqneza Spica, vinda de
Hamburgo, consignada a Kalkmann IrmSos
j A C, manifestou 26 caixas fazerulas de al-
I godo, de la, de linho e raixtas,2 ditas miu-
dezes, 20 ditas cognac, 12 ditas bitler, 3
ditas agurdente de gengibre, 40 ditas li-
,cor, 5 ditas vioagre, id ditas retrato de
Punoch, 3 ditas agua de Colonia, 2 volumes
amostras ; a Linden Wild A C,
3 caixas couros; Manoel Joaquim R. e
Silva A Genro.
i ditas flanella branca e de cores, I dita
coberlas de la, 14 ditas fazendas de algo-
Dr. Ernesto de Aquno Fuara ravalheiro
ordem de C.hristo, juiz de orphaos e an#Bi- <
da cidade do Hecifee seu U>rmo rapiul da f 1
vincia de Pernambuco por S. M o hnprad-1
que Dos guarde etc.
Paco saber aos que o presente ediial ,nre a
delle tiverem noticia que pruredendo-s por osle
juizo as diligencias da le foi por mim esn res-
pn tivo oroawao julgado maniacoe iacaaai e ad-
ministrar sua pessoa c bens Antonio Csmmtnc
lioiiveia, branco, casado, morador Besta ciaaV,
dando-llie carador provisorio na p.-ssoa de *
nhado Jos de l'alva hVrrrira Junior morador -
ta mesma cida.le, cujo cargo aceitn e delle -
.acha investido, e com quem d'ora n diaat.-
dfverao entender (olas aquellas pras Yiivm negocio cora o dito maniaco. E para ajse
1 possa pessoa alguma validamene com # na-
tratar e Bquem nullos e de nenhnm rffcn
qaer contratos que run o mesmo manii
I ser celebrados, inanovi |ssar o prejeon w
alUvado no lugar publico do slame, dmm pie
tiver passado por onde compele o pnliirs* mb
iuiorensa.
Dado e passado nesta cidade do Rerfe de far-
nambuco aos 24 de agosto de IHS:t. Vf da inde-
pendencia e do imperio do Brasil. Eu Joao Fa-
cundo da Silva liuimaries, escrivao o inaofii n
Ernesto de Aquino Konsi>ca.
Paga de direitos de chancellara r rs. Hara*
24 de agosto de ""' '--------- f nmrra TT
Itis 230 rs.Pagou 230 rs. dos dirwm do erm-
cellaria. Becife 24 de agosro le INS3 -
llibeiio.Numero 86 esuvam as an__
riaes) kK) rs. Pagou 400 rs? Kecife 24 de
de 1863.Chaves.Franca.Dom Fraarrac**
tbazar da Silveira. presidente. Tnini
ehaiicellaria. Hecife 23 de agosto de IM3.-
cisco dos liis Nunes laropelo Joaior.__Laaeadoa
folhas 6 verso do competenle lino a. 13 hui'
23 de agosto de 1863.Oaiapello Juator.
A cmara municipal desta cidade foa
publico para conhecimento do corpo eleito-
ral deste municipio, que o Exm.
da provincia, por oflkio de 18 do <
Ihe communicara haver designado a
matriz da freguezia de Santo Antonio,",
nella se reunir no dia 8 de setenaban pr-
ximo vindouro, ocollegio eleitoral, a isa aV
proceder a eleicao dos depotados
que tem de dar o districto, a qoe 1
tence.
Paco da cmara municipal do
sessao de 24 de agosto de 1863.
Rodolpho Joao Barata de
Pr-presideala.
Francisco Cama m
Secretario.
par-
I


*V^p^^L
?-v.
m


llaHo d> P e marab eo Qwafia fclra te de %eo*<> de HM.

%
A oamar.'i municipal desta cidade f.i7 publi-
co para conhaehaento de-seuj municpes. o espe-
cialmente docorpo eleitoral, ka ver o Eim. presi-
dente da iirorincia llie commnnicado por offlcio
de 18 (lo correte, que ni virlude do S [. arl. 21
da lei de 13 de apto de 1834, convocara por por- ttri",K Antonio Luiz do Oliveira Azevedo C,
tarlade igual tola a ora asscmbta teftstativx seu escriptorio rua da Cruz n. 1.
firormml para a prox.iu.i legislatura que tem de | --------3----:------
iraccionar nos anaos de |8i e 186;>, designando] .Para o Rio fle Janeiro, yai carregar,
o da 15 de novembro vindouro
. para nelte se pro-
ceder a eleicio dos membros da mesma assem-
bla; devendo o 1. districto dar nove membros
da assembla legislativa provincial, conforme dis-
poe o art Io do decreto n. 1633 do 1." de setem-
bro de 1860.
Paco da cmara municipal do Recife em sessao
de 2i de agosto de 1863.Rodolpho Joao Rarata
de Almeida, pro-prtsidenie. Francisco Canuto
^ia Boaviagem, secretario.
Perantc a cmara municipal desta cidade es-
tao em prara nos dias 31 do corrente, 3 e 3 de
setembro prximo vindouro. aim de serem arre-
matadas as seguintes rendas raunieipaes :
Impost de altiricoes................ 13:2315
dem de 80 s. po'r carga de farinha... 2:0015
Alugnel da casa da ra da Florentina. 503J>
Os pretendenles a taes arremalacoes nao pode-
rlo nellas licitar sem que apresealm fiadores ha-
bilitados na forma da le.
Paco da cmara municipal do Recife cm sesso
de 24 de agosto de 1863. Rodolpho Joao Barata
de Almeida, pro-presidente. -Francisco Canuto da
Boaviagem, secretario.
Pela inspectora da alfandega se faz publico
que cm virtude de nao lerem apparecido licitantes
ao leilo dos seis barris com verniz de alcatrao an-
nunciado para boje, lira o mesmo transferido para
o dia 27 do corrente, depois do meio dia porta da
mesma reparteao, sendo o peso liquido dos barris
1:736 libras no valor de 280*124..
Alfandega de Pernambuco 24 de agosto de 1863.
O 4 eseriptnrario,
Joao Antonio da Silva Pereira
Para tiaranho c Para
lito das o veleiro c bein
eonhecido brlgite escuna Jo sen bordo parte de seu carregamento ; para o res-
to que Ihe falta, frata-se com os sens consignate-
no
Crnz n. 1.______________
~! Para o Ro-He Janeiro vai carregar. sem
grande demora, o briue brasileiro Imperailor, ca-
pito Jos Rodrigues Pralis, recebe carga a frete,
para o que trata-so no escriptorio de Amorim li-
maos, ra da Croa a. 3.
7- 0 abaixo assignado tem ;,
alicrlo
MJ" M. MMM/M-A.9 torio de advocacia a cklade da Victoria, oudei
0 thesoureiro Has lotorkia desta provinl prompto a ouvir a todos, e receber as cansas de
Para o Porto
At o fim do mez pretende seguir o veleiro o
bem eonhecido brigue portuguez Mello I; tem
parte de sen carregamento prompto : para o resto
que Ihe falla, trata-se com o seus consignatarios
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo 4 C, no seu es-
criptorio ra da Cruz n. 1.
LEILOES.
LEILAO
DECLAHACOES.
Pela secretaria da cmara municipal
desta cidade se faz publico que a terceira
sess5o ordinaria da mesma cmara no pre-
sente anno principia no dia 31 do corrente,
e nos que se seguem.
Secretaria da cmara municipal do Reci-
fe, 2 i de agosto de 1863.
O secretario
Francisco Canuto da Boa-viagem,
Hoje linda a audiencia do lllm. Sr. I)r. juiz
municipal da 2.* vara teem de ser arrematado* 4
e-ciavos e 2 escravas penhorados ior execucao
de Balthar & Oliveira contra a herdeira do falleci-
do Jos Fernandos da Cruz.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra, tem de contratar o fornecimen-
to para o rancho da companhia dos menores do
arsenal de guerra nos metes de setembro e outu-
bro prximos vindouros.
I\u> de i oagas, Machas, caf em grao, cha
hysson, assncar retinado de 2." serte, manteiga
franceza. carne verde, carne secca. toucinho de
Lisboa, bacalho. feijao preto ou mulatinho, al-
queire. farinha de mandioca da Ierra, arroz do
Maraahao, azeite doce de Lisboa, garrafa, vinagre
de l.islioa, garrafa.
Qnem quizer contratar o dito rancho aprsente
as suas propostas 110 dia 31 do corrente. as 10 I10-
1- da inanha. na secretaria do niesmo conselho.
Sala daaaeaaSos 1I11 conseibo administrativo, para
fornecimento do arsenal de guerra. 24 de agosto
de 1863.
atonto Pedro de S Biirrelu.
Coronel presidente.
Sebastin Antonio do linju Bams,
Vogal secrelari o.
Crrelo geral
Pela administrarlo do correio desta cidade se
faz publico para lins convenientes, qne em virtude
do dispoeto do artigo 138 do regulamento geral
dos correios de 21 de dezembro de 18H e artigo
9 do decreto n. 783 de lo de maio de 1831, se pro-
1 edera o consumo das cartas existentes nesta ad-
ministracao, icrtencentes ao mez de aposto de
tHH. no lii.i :| uha. na porta do mesmo correio. e a respectiva
ii~ia -cacha desde j exporta aos interessados.
Administradlo do correio de Pernambuco 21 de
d'' ISt';i. 0 idministrador.
Domingos dos Passos Miranda.
C'orrclo.
Pela admirastracao do correio desta cidade se
DE
lelte
crias.
% arcas de lelte com
HOJE.
O agente Almeida vender em leilao por coma
de queui pertencer cinco vaccas muito boas lei-
teiras e filhas do pasto, assim como un cavallo
carregador baixo.
O leilo tera logar na ra da Imperatriz ao voi-
tar para ra da Aurora as 11 horas.___________
LE1L\0
DE
UM PREDIO.
HOJE.
O agente Simos legalmente antorisado far
leilo no dia cima indicado s 11 horas, na porta
da associacao commercial, de um sobrado de dous
andares e soto em solo proprio, situado ra do
Burgos n. 11: os pretendentes queiram examna-
lo ou informarcm-se do referido agente ra do
Vigario n. 17, primeiro rndar, cujo predio vnde-
se para liquidaco de contas nesta praca.
DE
Fazendas, em continuar
HOJB
Linden Wild & C, continuaro boje por inter-
vencao do agente Pinto o suu leilao de fazendas.
visto nao ter sido possivel expor bontem todo o sor-
timento por falta de tempo, e para que fiaalise ho-
je espera a concurrencia de seus freguezes as 10
horas em ponto.
fia, desejando extrahi-las em
e com menores intervallus, offe
gem de dous por rento qnem Comprar desta provincia.
para negocio, na quantia de 11)0 para f una;'
assim como se prope a estal>elucer coirds-
pondenciaspaia qualquer localidade da pro-
yincia, remetiendo bilhetes, meios e listas,
sob flanea idnea; devendo o pagamento
delles ser fejto logo que sejam recebidas as
listas e novos bilhetes remettidos. O the-
soureiro certo da conveniencia desse negocio,
convida aos Srs. eommerciantes da Victoria,
Goianna, Rio Formoso, Nazareth, Serinhem
e mais localidades populosas da provincia, e
mesmo os desta capital, que o quizerem, a
entenderem-se com elle, na thesouraria das
loteras, ra do Crespo n. lo: advertindo
que receber em pagamento e sem descont,
os bilhetes premiados de todas as loteras
da provincia recolhidos thesouraria da fa-
zenda provincial.
Thesouraria das loteras, 20 delimito de
1863.
O thesoureiro,
maior capita- *' 'I'"' M prem procurar os seus scrvicos
..,. de advogado, encarrega-se tambem de defesas cri-
ittt a >.uiw- Binaes parante o jury para os dilfereutes pontos
DE
PREDIOS
i.oja de cera e objeetos de
prata e ouro.
Quinta-feira TI do corrente.
0 agente Pestaa far leilao a requerimentn do
lesiaineiiteiro e inventarame do fallecido Fortuna-
to Cardoso de Gouveia epor despacho do lllm. Sr.
juz municiparda segunda vara, da armaco da
loja de cera e a cera em velas e grume. fio "de al-
godo e mais pertences da fabrica e perlences da
loja do mesmo finado da ra da Cruz do bairfo do
Recife n. 60, assim como castieaes de prata. sal-
vas, palbiteiro. colheres para sopa e cha. relogios
de ouro com corrente. oratorio, brincos, altotua-
duras, livelas e mais
1 sobrado mei-agua de 3 andares na ra da Cruz
n. 59;
1 dito mei-agua de 3 andares contigo aquello
no becco do Abren n. 6:
4J parte do sobrado de 3 andares na ra da
Sensata Velha 11. 70; i
Melado do valor do sobrado del andaros na
ra da Grasa. 00;
1 casa terrea na ra Nova de Sania Rila 11. 50 :
1 casa tama em Olinda na ladeira da bica de
S. Pedro a primeira em cima da bica n. 1.
1 casa junto aquella n. 2:
1 casa terrea na ra de Bonifica em 01 inda n-
faz publico que em" virlude da eonvcucao postal,; mero 24;
celebrada pelos governos brasileiro e francez se-; 2 tercas partes na casa terrea na ladeira do Va-
;.,n expedidas malas para a luropa no dia 31 do : radouro n. 30.
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
LOTKRII
C4SA D4 FORTUNA
O abaixo assignado vendeu em seus felizes bi-
lhetes garantidos as duas sertes de 5:0005 e de
i :000|S em meios bilhetes, e ootras militas de 100.5.
40fi e 205 da lotera qne se acabou de extrahir
beneficio da igreja de Nossa Senhora das Nevos
de Olinda, e convida aos possuidores de ditos bi-
lhetes a vircm receber seos respectivos premios
por inteiro sem descont algum em seu estahcle-
cimento Casa da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Assim como tem exposto a venda os novos e fe-
lizes bilhetes da sexta parte da terceira lotera do
Gymnasio Pernambucano que se exlraliir a 3 de
setembro prximo em sua dita Casa da Fortuna
ra do Crespo n. 23, e as outras do costme, cu-
jas surtes que elles obtiverem serio pela forma pa-
gos urna hora depois da extraeco.
Preeoa.'
Bilhetes inteiros..... 64000
Meios bilhetes...... 3*000
Para as pessoas que compraran
de 1005 para cima.
Bilhetes........ 54300
Meios......... 24750
Manoel Mnrtins Fiaza.
Lenidas Tito Loureiro, Brasileiro. retira-se
para fra da provincia.
FURTO.
Francisco Corroa de Queiroz Barros.
Aluga-se um mulato cozinheiro e proprio pa-
ra lodo servico : na ra do Quemado n. 10.
, Aluga-se nma preta escrava sem vicios, co-
zinbeira e vendedeira de po-de-l. a quem der
4603 emprestados pelo tempo que se convencionar, |
ficando o alugueT pelos juros da referida quantia
emprestada : a tratar na ra de Aguas-Verdes nu-
mero 5.
COMPTABILIDADE COMMERCIAL
PULO
DE. W1TKUVIO PINTO BANDEIEA
Profanar aa segunda cadfira do Corso Cnnmerrial PrnwnilmraH*
M08 BELLOS IIIMI EX 8." RANCB
COMPnEIIKMKMKi
-7 Xa ra da Imperatriz n. 63, loja de ourives.
cozinha-se para fra com perfeicao: os pretenden-
tes ahi encontrarao cora quem tratar.
, Aluga-se urna casa torrea na ra da Soleda-
de n. 32, com 2 salas, 4quartos, cozinha fra, guar-
i para escravos, e estribara, com grande quintal
todo murado, boa cacimba, c com differentes arvo-
redos : quem a pretender, entenda-se em Jos
rtiiiunes Gu i maraes : a procurar as chaves na ra
do Crespo n. 25, loja do Sr. Ramos.
Henrique Ercli retira-se
do Ceara.
para a provincia
Carvalho *1 Xogueira
Sacam sobre Lisboa c Porto: na ra
do Apollo n 20.
Est para alugar-se o segundo andar do
sobrado n. 44, em a ra da Aurora : quem
o pretender diriia-se a cssa mesma ra
casa n. 10 que achara com quem tratar.
o m. IOCHtBtSTUS
Pode ser procurado das 7 as 10 horas da
inanhiia e das 1 da tarde em diante no
N.10 Ruado Queimado IV. 10
Das 10 da manhia z i da larde
Vi* itni da Cruz vinJ
Cura radical e em pouros dias as mo- l
lesnas syphililicas e as do apparelho ge- {
- urinario.
O primeiroPrelecccs theorico-pratica de eterlpin-
raco mercantil.
O segundo Xoede de arlthaaetlea cona-
merelal. adaptadas prattea das operarles eoaa-
merelaes e elementos do systema
mtrico com suas appllcaeoes
ao eommerelo.
PREgO DE CADA VOLUME ;4.
CURA RADICAL
Dr e Inflammaco no olho dl-
reito.
Sr. redactor. Eu tive urna dr e nflammacao
violenta causada de urna pancada recebda soire
o olho direito no exercicio de mmha occu'pa.c.ao
(marcneiro), e com medo de perder a vista, p-
pflqnei urna chapa medicinal do Sr. Ricardo Kirk,
escriptorio na ra do Parto n. 119. e depois desta
No dia 21 do corrente. tendo apparecido appliracao a dr c nflammacao desappareceram.
Emilio de tal, na loja de ferrapens do Sr. Manoel Agora, "por volitado de Dos, 'estou pe feitamente
liento de Oliveira Braga, sita na roa Bireita n. 53, restal'lecido, e j trabalhando por meo officio. na
donde caixeiro o abaixo assignado, passra a fabrica do"Sr. Leger, ra da Ajuda. becco do Pro-'
noite na mesma loja, alim de effectuar a compra I psito n. 13.Ernest Coranda.
que pretenda fazer no dia segrate, porm ao ---------------------------------------------------------
amaiiheccr sahira com o pretexto de comprar al-i M? I 4ktl>iarl^ -a
guns charutose nao voltra. Desconfiando o abai- W '** 5 ? I .-
xo assignado da boa f do dito Emilio, fra vero Maria Joaquina de SanfAnna participa a todos
seu relogio que eslava sobre urna mesa e o nao os seus freguezes de llares a bolos que muijou-se
achou. O relogio de ouro, patente suisso. e co- da ra das Flores para a Iravessa dos Expostos,
borlo, e o correntao com o peso de liloiiavas e '-'>"i primeiro andar do sobrado n. 16, onde contina a
de ouro de lei, e o sinete de ouro falso com duas j ter grande sortimelo de flores para enfeite de.
pedraencarnadas, contendo em cada pedra urna igrejas. e flores finas de (odas as (nulidades, tudo
carranca j sem massa : a quem for olferecido ou \ mais barato do que em outra qualquer parle as-
Esta obra, apezar de elementar, vem preeuclier urna iacuna. que era sentida entre d&*
onde fallecem eseriptos de certas especialidades com accesso a todas as intelligencias ; e a*-
sim o editor pensa fazer um servico dando-lhe publicidade, tanto mais quant lic^e. qne a*
transaecoes commi'rciaes e indusriaes vao entre nos tomando notavrl desenvolvlmt-nto. aVve
entrar na cducae.ao daquelles que se querein apphcar a taes ramos da vida o coiiheriovnto
dos principios da complabilidade adrainislrativa e commercial.
Com este intuito, sob una forma essencialinente classca, reuniu o Sr. Dr. Wtrnvio i*
principios da comptabilidade commercial no que tem elles de mais elementar, e coonleanii-
os de modo a facilitar o mais possivel o seu estado as pnsooai que se destinara s pn
commerciaes, sendo taes a conciso e a clareza postas no desenvolvimeato respectivo, ijue
de-se aprender a materia, chegando-se a eserlptorar os livros por partidas dobradas e appti-
car o calculo s operaces do conimerrio, sera carecer da intervenco de um mestre.
O primeiro volme, formulado sobre a obra de Bertrand, occjia-se mais < ^N-nalraente
da escriptiiracao mercantil por partidas dobradas, cujos principios sao rb-senvolvidos era bar
monia com a legislaco brasileira, contendo alm disto um importantissiino appendice ion
as sociedades commerciaes em todos os seus movimentos, quer pelo lado da i scripiuracao.
quer pelo da formacao. existencia e extinceo dellas em face da lei. Neste app>-ndice. dupli-
cadainente recomraendavel jior sua orignalidade e pelo enano de esa^claVana, lera a r>m-
mercianle urna guia para sua direceao, qualquer que seja a forma da soriedaa que rontraia.
Completa este volunie o spccineno resumo de nma escripturacao. ficticia 6 verdade, mas em
tudo semelhante de una casa de commereio ordinario, offerecendo una serie de ojM-racoes
snecessivamente mais difflccis, que assim inicia gradualmente a maneira d......riptura-las
nos differentes livros de urna casa de commercio.
O segundo, egualmcnte, formulado soljre a obra de Kottingrr, nrrnpar p.iin ubi mente
da arithmctica Commercial com exercicios e problemas |ielo meio mais simples, fcil e breve
da reara conjuncta, acerca de todas as operaces praticas nsoaes no commerrio, 'iivolvendo
clculos de cambios de praca praca e por pracas intermedias. Un como negocio, de bancos
cora arbitragens de cambios, alm do desenvolvmento do systema mtrico em suas retacees
com o commercio, Ilustrado por meio de tabellas de convefsao.
O editor nada mais accrescenlar estas breves palavras, que asss demonstran a im-
portancia real desta obra, devida a intelligencia e a applicacao aci lirada do s-ii autor. >eio
que ella de utilidade geral. e que a nenhum coinmeicianle e me tras licito deixar de possui-la em sua estante |k>s o commercio em suas variadas evota-
^Ses. entende actualmente edm tudo que se liga a vida.
A assignatura toma-se as livianas dos Srs. Cuiraaraes i\ Oliveira. Nogueira dr Soo-
za, Jnliao & Pereira e Geraldo II. de Mira, sendo realisada sua importancia pela fBSta d<- cada
volume ao sahir do pelo, para o qual ora enlra o primeiro.
t KOlToR.

SfSIf 1
sim como aprompta bandeijas de bolos pelo ba-
rato preco de 12, 14, 20 c 304, sendo estas de ri-
cas armcoes e enfeiladas com trauquets de cra-
vos. rosas" e alfinim.
L'm homem portuguez, casado com pituca fa-
[milia, offerece-se para ser caixeiro ou adminlstra-
idorde algum engtnlio. sendo perlo da praca : a
i pessoa que annuiicia sabe bemlre escrevr, e
: iuuito conhecido nesla nidada onde resid- lia 28
i annos : quem precisar annuncie.
carente mez, de conformidade com os annuncios
deste correio. As carias serio recebidas at duas
horas antes da que for mareada para a sahaa do
rapor, e osjornaes al i horas antes.
Adminslraco do correio de-Pernanibuco 21 de
agosto de 1863.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
De ordem do lllm. Sr. juiz de paz do i." dis-
tricto da fregueza de Santo Antonio, o capitio .los
Luiz Pereira. fa;o saber a quera convier, que, pe-
rantje este juizo s se devera comparecer aos meios
conciliatorios, por onlrein. cora procuracaobstan-
le nassada por labelKo, e iiaando forpela propria
parte soja reconbecida a sua tirina, nao se admlie
alindadas.O escrivao. Silva llego.
____AVISOS MARTIMOS.
COMPAMIIIA
MESSAGERIESIMPERIALES.
No da :n> do corrente espera-si-
dos porto- do sul o vapor francez
Ettremadure, coinmandante So-
mer.oqual depois da demora do
costme seguir para Bordeaux
tocando em S. Vicente e Lisboa,
Em S. Vicente ha um vapor era correspondencia
com Gore.
A companhia encarrega-se de segurar as mer-
cadorias embarcadas a bordo dos vapores, assim
como tambem recebe dinheiro e objectos de valor
com destino a Londres em transito por Bordeaux
Roulognc.
Para as condices. fretes e passageas trata-sc na
teia ra du Trapiche n. 9. _______
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR-
Dos portos do sul esperado at
o dia 30 do corrente o vapor To-
eantu, commandante o primeiro
lente Pedro H>poliio Dnarte, e
qual depois da demora do costu-
me seguir para os partos do norte.
Desde j recebem-so |iassageiros e engaja-se a
ara me o vapor poder conduzir. a qual dever
ser embarcada no dia d#aaa clirgada, encom-
mendas e dinheiro a frete al o da da saluda as 2
horas: agencia ra da flfuz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
Todos em chaos propros.
S cm duvidaade n. 50. todos os mais esclarc-
cimentos podero encontrar cm mao do agente os
predios podem desde j serem examinados a qual-
quer hora e o leilo ser folio quinta-feira 27 do
corrente pelas 10 horas da manha na mesma loja
de cera ra da Cruz n. 60.
N0V08 PREDIOS.
m seguida irao a leilao por conla de quem per-
tencer um sitio na ra da Fundicao em Santo Ama-
ro, em chaos proprios, murado por tres lados con-
tendo dentro 1 casas terreas todas com portan para
o largo projeclado para a capella e duas roelas
aguas e um alicerec com 32 palmos de frente e 90
de fundo proprio para nelle se levantar sobrado, o
referido siiio alm de muito arvoredo tem um ex-
celieute viveiro o lem sahida com portos para as
mas da Fundicao e estrada do cemterio.
Urna grande "casa lerrea com cocheira, estriba-
ra banlieirode pedra e cal com mais outra casa
a beira da estrada, parle murado e cm chaos fo-
reiros no lugar Parnanioiriul, o sitio Iodo plantado
de arvoredos e grande baixa de capim.
t'm grande sobrado no principio da estrada de
Joao de Barros, em terreuo com 400 palmos de
frente e 2100 no maior fondo, em chaos prop-ios.
com cocheira. estribara, quarto para banho. quar-
loa para i liados, agua encanada para a estribara,
banlieiro ccosinha,o sobrado todo forrado de pa-
pel e pintado a branco e o quintal murado, alm
do sobrado que lica descriptoha maisterreno a po
der ser dividido para differentes edificacSes poden-
do ser vendido em lotes de diflercntes palmos o
que nielhor se poder verificar em vista da planta
em mo do referido agente, que est prompto a
dar as explicaces necessarias bem como a mos-
trar os ttulos da legitima posse.
Urna escrava mulata Iranita figura, boa cosnbei-
ra, engommadera etc., 1 molequc de 12 annos de
idade, 1 dito de 13 annos bonita figura, 1 negra
,moca sem achaques, e 1 casa assobradada em
j Olinda na ra dos Quatro Cantos, citaos proprios
I com frente para a ladeira da Misericordia cuja casa
foi do Sr. Jos Xunes: para quinta-feira 27 do
corrente pelas 10 horas da raanhaa na loja de aira
j cima indicada.
delle tiver noticia, commtmique ao abaixo assigna
do que ser bemrecompensado.
Lenidas Tito Loureiro.
LIGpES
PARTIDAS DOBRADAS
UCfTJIKTIC'A
IBES VEZES POR SEMANA
TERCAS, QUINTAS E SABBABOS
DAS 7 S 9 IIOIUS li.V NolTE
Praga 10,000 rs. mensaes pagos adianlailas.
Manuel Fonseca de Medeiros.
contina a dar liccs das referidas materias no
primeiro andar d sobrado da roa Nova, que faz Ihe tera feto adquirir. Sciontifica mais.
esquina para aCamboa do Carino, onde trabnma o 'on'lade do lllm. Sr. delegado litterario d;
Sr. E. Gadaull. As pessoas a quem o presiono do
aiinunciante puder aprovetar dignein-se procora-lo
ah somonte nos dias c horas cima designada-.
Aluga-se urna boa casa terrea fom lx>ns com- Precisa-se de um menino de 10 a 12 annos
modos para grande familia, sita na ra do Poco da Paja caixeiro. no deposito da padaria da ra do
Panella, periodo banho :' a tratar com Frederico l'olovello n. 31. anda que nao lenha pralca : a
Chaves, na ra da Imperatriz n. 19.

INTERNATO
DE
lusino primario.
l'ma pessoa Iiabilitada no ensiuo primario, e
contando mais de 2."> annos de exercicia. tencio-
aa estabeleeer-se de novo na freguezia do Reci-
fe. e por isso scientilica aos s.nhores pas de fami-
lia- que desejaiii o augmento de seus filhos, ad-
vertindo que encontrarao os seus alumnos aquel-
les desvellos merecidos, qne a pralica i< a Iheoria
nue por
(lita fre-
guezia. podem os interessados drigir-se a casa de
sua resideiira. ra da Cadeia n. 68. a tratar com
o mesmo Sr. delegado litterario.
*
ESTABELECIDO XA CIDADE DO RECIFE
DirectorU bacuarrl em uiatheiualicas
BERNARDO PEREIRA DO CARMO JNIOR.
O director do intrnalo de 8. Darnardo, aoaedaado aos aedidoi de varios paes dt-
respectivos collegiaes. e de outras pessoas desta capital, icinoveu o seu estabelecimeuUi
da Cajtunfra para esta cidade.
Nao leudo evitado cslorcos neni sacrificio., para proporcionar aos s>-u^ alumno-
uma perfeita edncacSo pbysiea, moral, batellectual e religiosa, oflerecendo-lhes unta lw-
iiiacao com bastantes eondto5esde saJnbridade, habis prowores que sao sotirito> em
prep'aia-Ios convenientemente ao lira que se destinara, medico pratico que lhe> faca
comprehender os preceilos da hygene e Ibes cure das doencas. e filialmente mu sacer-
dote illustrado c honesto que Ihes explique os principios da religo christa. sopan pa
assim constituido nao deixar o seu estaltelecraento de merecer dos Srs. paes de fami-
lias o auxilio e conlianca cora que j algims o tera honrado: e Ibes roga. Iiu como a
toda-as pessoas interessadas, qne se dignem de visitar o mesmo sen estalKiaenanti
onde sempre encontrarao franco ingresso.
O collegio tem a sua sede no espacoso edificio n. 32 ra da Aurora contiguo
do collegio dos orphSos.
Nos estatutos do eoliegio, qne asto disposicio de (juera os qni/er ler. se acliam
consignadas as condices de entrada e matricula as diversal aula- do e-tal-|.i i-
mento.
it.
W^JS^f^iiPi M i
otaorr'i>s>- ^> ufen-i '^rvSEVS 5S3>:
i MU
I tratar na mesma.
D. Josepha Francisca Pinto Rigueira Ra-
mos e lillios rogara a lodosos seus prenles
e amigos de seu sempre chorado esposo e
pai Joao Rufino da Silva Hamos, para assis-
lirera a mssa que pelo repoivso eterno de
sua alma mandara dizer no da 27 do corren-
te na matriz da Boa-Vista s 8 hora- da ma-
nha.
ESCRAVO FUC-10
AVISOS DIVERSOS.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte esperado
at o dia i de setembro o vapor
Princeza de Jomville, comman-
dante O capito U-nente Santa
Barbara, o quai depois da demo-
ra do costume seguir paraos portas do sul.
Desde j recebem-se passageiros c engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua ehegada: encom-
mendas e dinheiro a frete at o dia da sahida as 2
horas agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio do
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo A C.
Rln de Janeiro.
O patacho Capuam capitio Kosa. anda pode re-
ceber alguraacarga: traase com Marques Bar-
ros 4 C, Largo do Corpo Santo n. 6. __
Para a Baha.
O palhabote Ganbaldi tem parte da carga, para o
resto trata-se com Tasso Irmaos.
LOTERA.
Quinta-feira 3 do setembro prximo se
extraliir a sexta parte da terceira lotera do
Gymnasio Pernambucano (3.a concesao).
Os bilhetes e meios bilhetes acham-se
venda na respectiva thesouraria, ra do
Crespo n. i5, e as casas commissionadas
ra da Imperatriz n. 44, loja do Sr. Pimen-
tel, ra Direita n. 3, botica doSr. Chagas,
e ra da Cadeia n. 45, loja do Sr. Porto.
Os premios de 5:000/ at 40i> sero pa-
gos urna hora depois da extraeco at as 4
horas da tarde, e os outros no dia seguinte,
depois da destribuicao das listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Ensiuo de fraiicpz.
l'ma pessoa com i precisa habilitacao nesta ci-
dade. priipoi--.se a ciisinar particularmente a pr-
senle nagua, e de una maneira conveniente : o
pretndeme dirigir carta fechada hpograhia
deste jornal com as iniciaos O. S. O., e a ndlcaeao
de sua morada. O ensino aera feilo s horas que
se convencionar. Fra desta cidade, em algnma
faaanda, o annuncante se obliga juntamente a
platicar o ensino de pruneiras letras, e gramma-
tica da ligua nacional.
Casa de campo.
Est para se alagar a casa de Campo na Soleda-
de junio ao palacio do Sr. hispo, a frente para a
estrada de Joao de Barros, cora gradeainenlo e
jardim
arv
NOVO ESTABELECIMENTO DE MEDICINA H0ME0P1THIC1
RA MOTA 4.
O Dr. Sabino 0. L. Pinho mmlou o seu CONSULTORIO para a I..ja
-'t. onde continua a dar consultas todos os dias otis desde
n.
de maimora
meio '< 100S df grattteajia.
Contina fgido desde Janeiro o mualo de nomi-
na) mundo, natural do leo, estatura regular, idade
de 18 annos, cabeca chata, cabellos carapinbos, .
testa grande, rosto oval, com nma fstula na face com gabinete ao lado, grande, terraco. toda llumi
esquerda, maca salientes, dimes limados pontu-' nada a gaz. com casa de banho, de escravos, co-
dos, bocea regular e principile buco, ps e raaos! chcra e estribarla, muito boa agua dentro, o lugar
pequeos, costumava andar calcado, e intitulava- i magnfico e muito perlo da praca : a tratar no
se livre : quem o apprehender dirija-se ra da armazn: da aurora (Mimante.
rua Nova
> horas.
Os enfermos, .que o procuraran logo na invado da molestia, sem <|ii>' Iwjam to-
mado qualquer remedio, oem allopathico, nem bonwonnuieo, pagarlo nwlan iaa prona
estipulados. Esta concessao tem por lim facilitar a cura de molestias, que pm|mu i
se complicadas pelos emprego intempestivo da tberapeutica e ao mesmo tempn aiUpiirir
dim na frente, o sitio todo murado cora inultos p;i|..,., |HI,a,.(,|ia||iia maior numero de adeptos pela bate da cora.
SJSLtwS tSo'SSS ^ atten0o as pessoas pobres, que nao podem saliir ded-,0
Dr. Salan* ie>o!-
e sexlas-fi'ias ilas seis ;i> s.-l.- Ihi.is ra
Cadeia do Recife n. 21, a Luiz Antonio Siqueira,
que entregar a referida gralificaco.
Alngam-se por pre^o muito commodo os se-
gundos e terceiros andares da casa n. i' na rua
da Cruz do Recife : a tratar na mesma rua. botica
franceza n. 22.
Aluga-se una escrava limpa. perfeitissima
engonimadeira, cozinheira. e cose, tem lialiilidade
para vestir urna senhora: na rua do Hospicio n.
40, das 7 as 10 horas do dia. adiar com quera
tratar.
U"
modos.
fresca e sadia por ser toda circulada de janellas, ven dar dUSS consultas por semanas as tercas
noite.
Os chamados para visitos e conferencias deven ser dirigidos por esoripi
sultoi'io desde 8 horas do dia at 8 da noite. na certeza de que serio atteadidos
de sua pnroiencia, salva a circumslancia de eminente perigo.
>Q-
H 'rilem
Precisa-se de um pequeo para caixeiro de
taberna : na rua da Senzalla-Velha n. li.
Precisa-se de nma
rua da Aurora n. 74.
ama de meia idade : na
Precisa-se da quantia de 4005 por tempo de
-os masas, dando so por garanta nma casa ou
urna escrava : a aassoa que iniizer fazer este ne-
gocio, dirija-se as Cinco Ponas n. 82. em carta
lidiada com as iniciacs A. J. S. _________
= Aluga-se una mulata escrava que lava, co-
zinha e enroan : os pretendentes dirjani-se a
rua de Apollo n. 3, terceiro andar.
Manoel de Souza,
se para a Bahia.
subdito portuguez, rctira-
No da 8 do corrente rugi o escravo Joaquun.. p,.ecisa-se de 3005 a juros de 2 0/0 ao mez
Africano, idade de .K) annos. com os signaos se-' sobw i1Vnotlioca cm urna escrava crioula de 16
pintes : estatura rcgtilar, carcundo, tem urna annos qua| Cugonima bem e carinbosa para me-
bcl.de no olho esquerdo, costama trazer a barba ninos a tratar com Frederico Chaves, na rua da
rapada, e (mando falla e com arrogancia levou Iniperatriz n. 19. onde est a dita escrava, e auto-,
vestido camisa o cal?a de estoupa, chapeo de con-1 'io para fazer dila hvpotheca.
ro ; este escravo foi pertencente ao Sr. Antonio ________________________________
de Araujo e Albnquerque. morador em Barra Xo- _____________,________.,..,.
va,districto de Buique, e comprado nesta cidade' GABI\TE PORTUCLEZ DE LEITLRA.
ao fallecido coronel Gouveia, suppoc-se ter elle se- ] De ordem do lllm. Sr. presidente do conselho
guido para este lugar, ou achar-se escondido no deliberativo sao convidados os membros do conse-
lugar da Capunga : quem apprehende-lo leve-o Iho frado, e os ltimamente eleitos. a reunir-se na j
rua nova de Santa Rita, serrara de Paulo Jos sala das respectivas sess5es, para a posse do novo!
i conselho ( quarta feira 26 do corrente as 6 horas
1 da larde.
Secretaria do conselho delilierativo do Gabinete
Portuguez de Leitura em Pernambuco 24 de agosto
de 1863.
A. A: dos Santos Porto,
! secretario.
advi:ikti::\< 11.
0 novo consultorio est prvido dos melhores medicamento-. Iwfc I pn
ate a trigsima dynaminjsacao.
E como os mdicos hespanhes e allenies nao cessam de certilkar a nwj cacia das ultissimas dynaminisaces do tiatamento das molestias ebronicas. o Ih. SIhih- -*
oceupa agora de elevar os seus medicamentos s potencias mais alias i por an at 20ii ..
alim de verificar por si mesmo a forra dynamica, que se Ihe allribuc
Os mdicos, que quizerem experimentar taes dynaminisaces pod.iSo dirigir ao
consultorio suas receitas, que sero aviadas gratuitamente para os pobres.
No mesmo consultorio se vende a novissima edicao do Thetoitro htmwomithn
ou Vademcum do homeopatha, obra indispcnsavel a dos que queivm osar da hor"-
pathia.
Tudo o que diz respeito nova mefficina se acha abundantemente ueste nwo estah--
aecimento.
DE
Gomes de Medeiros, que ser recompensado.
1
EmiTrd
edo, seus fi-
Joaquina Emilia dePigueiredo, seus
Ihos e genros, convidara a todos os seus pa-
rentes e amigos para ouvirem nma mssa que
prelendem mandar celebrar na matriz da
Boa-Vista, pelas horas da manhaa do dia 28
do corrente por alma de seu finado irmo e
lio Antonio Hercnlano deFigueiredo._______
Quem precisar de urna ama livre para cozi-
nhar em casa de homem soltoiro; dirija-se a tra-
! vessa das Cruzes n. 4, loja do calcado:________
l'asMiinenti) de Testa por pomo
dinheiro.
Aluga-se o cxcellente sobrado da entrada do |
Monteiro, com grandes commodos para duas fami-
lias, e aluga-se por pouco dinheiro : quem preci-
sar, approveite em quanto tempo : a tratar na
rea do Vigario n. 8 com Cosme Jos dos Santos
Callado.
Achado
Quem perdeu umaearteira eom div^i-sos papis
Ktga-se a pessoa que te>e a Uan-
ilirtle aniiieiar ao Diario de 7 de julho
bontem 25 do corrente, pode proenra-la na rua da' pp -\ma passad t O loite da arvor d
n^f^iS' ^ dan w fisnaes 'ertos 1 un* contra ts alalias de pelles,
- Precisase com urgencia da quantia de 300* tettha I bOftdade de declarar 0 lu^sr
pelo tempe de seis mezes. dando-se por seguranca J,. S||g DlOI'ada e Oude >C UIMC OUCOn-
mn moleque : a quem convier. annuncie por esta ,, i- ___
foiha. trardita aore.
j. VIGNES.
K. 55. RIJA DO IHPKH.IDOR X. *.
Os piaa desta antiga fabrica sao boje assaz conhecdos. para que seja necessario asisUr soU- a
sua superioridade, vantagens e garantas qw offerecefh aos compradon>s qualidade ** imemmm-
veis qu e jelles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem aparto* aMa prara : --
Minuto uaj teclado e maehinismo que obedecem ti nas as vontades e caprichos das anafetas >'
nunca falhar, jkt serem fabricados de proposito, e ter-se feto ltimamente melhoiiaaraa taaaor
tissimos para o clima deste paiz ; quanjo s vozes sao melodiosas e flautadas, e por i o m
veis aos ouvidos dos apreciadores.
I'azem-se conJbrme as enoommendas. tanto nesta fabrica como na do &. Btoade4. de Paria.
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em tedas as e\poairo>9.
No mesmo eslabelecimento se acha sempre nm esplendido e variado sortimelo de aiawras d>w
melhores compoMiores da Europa, assim romo harmnicos e pianos harmnicos, sendo Naio ven l.
por preeos-miiito raioavels.
.
.



\
Diario de Peruamtflic* qmrto IHra t Msicas para piano e fanto, ^^^M^ 3fIS9H'A} Musicas Para l'ano e ('au,'
de (odas as torcas e ^^MMW WhL de ,odas as foras p
vende-se baralissina par ^ V vende-se baratissima para
acabar. -^rararaararara"-" a^bar.
O \ovo e*t\iii:i.i: DE
Jos Gomes Villar na roa do Crespo n. 17, estando o mais bem sorii-
do possivel espera merecer a proteceo do publico em geral.
Cortes de Ida muito bellos
delieadissiuios corles de la rom barras o melhor une tem viudo a esta provinria
Jorgandis de padres delicadas e limito linos a 100, a 2i0 e a 280 rs. o covado.
Lias de quadros muito chiques a 320 rs, o covado.
Para miivas, temos.
O rico vestido de bloude rom sua manta bonita e sua griualda de muito goslo, te-
mos a rambraia de linho para camisas, temos as saias bordadas, temos o espartiluo, te-
mos o balo muito redondo e muito cbique, temos os ricos cortes de cambraia ricamente
bordados, temos o bramante belga paisa lencoes, temos a bretanha para camisas, temos
a selecia ou o /sguiio para os labvrintbos, temos as capas pretas a Luii XIV, temos a clia-
pelina a Mara Pia com % seu veo muito cbique, temos os entremeios largos ricamente bor-
dados como ninguem tem, proprios para enfeites de roiipas brancas. Assim como temos as
faiendas cima mencionadas e militas outras, que seria enfadonho mencionar.
\o se esquecam fregueses, at logo.
MK-S "-
AURORA
Lfil
LARGO DA
BRILHANTE.
81 U
SANTA GRIZ.
No grande arniazeni denominado AURORA BRUJANTE o rcspeitavel publico encon-
trar sempre variacao de gneros por procos c sempre das melhores c mais novas qual ida-
des que venham ao" mercado epor preco o mais barato que em outra parte :
Carne do sol verdadeira do Serido a." 280 Dita franceza em barr* a 510 e. 560
Toucinho de Lisboa arroba 9# o libra- :i0
Linguioas e presuntos novos libra. .'iOO
Presunos inglezes para fiambre a. 800
Queijos do sertao libra a 600
Ditos do Reino a 1,5800. i& e eobertos 25400
Cha hysson a 25400 e 25600
Dito niiudinbo muito superior a 2iK)
Ditopreto a.....25000
Dito preto em macos a. 15800
Dito do Rio em latas a 15600,15800 c 25000
Aurrelas comazeitonasnovasa 15200
a garrafa e libra. H20
Gomma do Aracaty muito alva a libra 1001
Tapioca ou farinba do Maranhao a libra 1401
Gomma mais baixa arroba 1#800 e
libra........ 60
Saceos eom farinha igual a da Ierra. 65000
"3itos com milho 24 cuias a 3.5300
itos com farello a 45500
Ditos com arroz de casca. 45000
Amendoas novas de casca mole a libra 280
Copos lapidados para agua dnzia a
65500 e para vinho. ^.
Ditos lisos dnzia 15800 e .
Manteiga ingleza llor a 800 e .
Dita mais abaixo a 720 c .
Marmelada nova a libra. 640
Latas com peixe de escabeche -15000
Ditas com savel, salmao, salmonete e
outros. .
Ditas de urna e tneia de ameixas fran-
cezas......
Ditas com massa de tomates a libra
Ditas com figos de comadre 4 libras 1
Ditas com ostras para frigideiras
Ditas com fruclas portuguezas em calda
Duzia de latas de graxa .
Frascos com mustarda franceza.
Ditas com genebraaronraca. .
Ditas rom genebra vcrflHeira de Hol-
landa a 640 e
Charutos anda ha pechincha a caixa
de 000 a .
Ditos finos sem furo de 35500, 25500 e 25000
Vinhos do Porto caada 55 e 65 e gar-
rafa 640 c.....
15000
15200
640
15500
800
500
15200
480
I5OOO
880
'roo
800
Dito da Figueira lino caada 45800 e
garrafa.....640
:5800 Dito mais abaixo a 45 e 560
1520I Dito de Lisboa a 35800 c 480
900 Dito branco de Lisboa caraselos
640, e outros.....640
Aim dos gneros aiuiunciados lia muitos que deixam de se annunciar tudo da melhor
qnalidadc.
APPROYA^IO E AUTORITARIO.
DA
fcCiflgf l lfSL II MEDICINA
E
JUNTA CENTRAL DE HYGIENE PUBLICA
NOTICIA NOTICIA NOTICIA.
CartSes de visita
Cartdes de visita
Carios de visita
Cartees de vista
Carmes de visita
Cartoes de visita
Cart5es de visita
Cartdes de visita
Cartdes de visita
CartSes de visita
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador
AO (MUERMO.
Os abaixo assignados fazem sciente ao publico
que desde o dia 31 de julho prximo passado, se
acha dissolvida amigavelmente a sociedade que gi-
rava sob a razao de Villaca Irmao & Andrade;
ficando a cargo dos socios, Manoel dos Santos Vil-
laca e Jos dos Santos Villaca, que continan! no
msmo genero de negocio, sobre a firma social de
Villaca Irmao & C, o activo e passivo da mesma
sociedade, e completamente exonerado o socio Joa-
quim Jos dos Santos Andrade, de qualquer res-
ponsabilidadc pelas transaccocs at aquella data
effectuadas.
Recife 7 de agosto de 1863.
Manoel dos Santos Villaca.
Jos dos Santos Villaca.'
Joaquim Jos dos Santos Andrad
A\tO l \Ilo
ESTABELECTOO NACIDADE DO PORTO
Agentes emPcrnambino
Antonio Liiiz de Ollveira
Azevedo.v < .
Sacam por todos os paquetes sobre o
mesmo banco prazo ou vista, sobre a
caixa filial em Lisboa, e Hffihn em Fi-
gueira, Coimbra, Aveiro, Vizeu, Villa-
Real, Regoa, Vianna de Castello, Goima-
res, Barcellos, Lamogo, Covilhaa, Braga,
Penafiel, Braganca, Amarante, Angra,
Ilha da Terceira, Ilha de Faias, Ilha da
Madeira, Villa do Conde, Valonea, Bastos,
Oliveira de Azemeis, Chaves e Fafe, a
oito dias vista ou ao prazo que se conven-
conar, no seu eseriptorio ra da Cruz
n. 1.
DENTISTA DE PARS
19Ra Nova-19
Frederieo Gautier, cirurgiao dentista,
faz todas as opcracqcs de sua arle, e ol-
loca dentcs artificiaes, tudo com soperio
rhlade e nerfeicao, qne as potasas enten-
didas lhe reconheccni.
Tem agua c pos denuncio.
Aluga-se para servico interno especialmente,
urna boa escrava: na ra do Imperador n. 30, ter-
ceiro andar.
KLKCTRO--MAGNETICAS EHSPASTICAS
UE
\ RICARDO KIRK .
Para H'j'oin apaleadas \s partes affeetadas. sem resguardo
ncn lueiuiiiodo
Muito c^nhecidas nesta corte e em todas as pro-
vincias d/su* imperio, pelos seos InlalUveis resal-
lados en/todos os rosos de inflammacao. seiam ex-
ternas atrinternas (un cantofo e folia de retpi-
ranio) (cnnio do estomago, ligado. ltl^Jiofes, rins,
ulero, peito,' palpitacao de coracao/^^rgantas,
iilhoSj erpipollas, rhenmatismos, paral)sia, e todas
as aflcefies nervosas, ole, ele.
^Igualmente para qnafesqner inchaedes, ftidas.
iimores intesonaes e venreos, scropbaJas, lohi-
nhL papos, etc, etc., seiam qual tor o seu lama-
uho e\|irofmidi7.a. |Hn mero da suponcao serao ra-
ilicalnnpte extirpados.
(Estas chafa naopodeni azer mal de forma al-
guma, ellas t. ni sido appUcadas aosolhoscomo
luelhor successo. vejam-seos attestados de cazas
.....roletas que j foram publicados pelos ornaos.)
O usodellas aeonselhadoe recetado por habis
distinctos facultativos, sua efflcacia incontestavel, e
as innmeras curas completamente obtidas as di-
versas m/leslias em que foram applicadas, e fazem
merecer e conservar a conflanca do UlustradopQ-
blico, qne ja tive a honra de merecer doli 33 an-
uos de existencia e de pratica.
X. 1$. Nesta corte e de todos os pontos dest
imperio recehein-se participaedes sausfaetorias e
respeito das ditas etapas meaicinaes.
As encommendas das provincias devem ser di-
rigidas por eseriptO, eom lodo o cuidado de fazer
as neeessarias explicacoes, se as chapas sao para
homeni. sentara, menino ou enanca, declarando a
molestia e em que parle do corpo existe.
Para inchaedes, feridas, lohinhos, papos, etc.; o
moldo justo de sen lamanbo em un pedaco de pa-
pel, a declaracao onde existe, a fin de qne a chapa
seja da forma da parte aflectada, e para qne possa
ser bem applicada em sen lugar.
Precisa-se fallar ao Sr. Jos Flix Ri-
beiro de Carvalho, que mora no pateo do
Paraizo, nesta typographia.
ALVICARAS A NOVIDADE.
Sao chegados loja das columnas
na ra do Crespo n. 13 de Antonio
Correa de Vasconsellos & C. riquis-
simos cortes de la muito fina com
barras estampadas c matisadas Im-
peratriz Eugenia, cores as mais deli-
cadas como sejam: cor de ganga, de
Iyrio, cinza etc., fazenda fnteiramen-
te nova e nunca vista em Pernam-
buco.
Alugam-se a loja do sobrado n. 193, e arma
zem 171 da 111a Imperial ; o armazem n. 4 da rita
do Apollo, e a casa n. 27 da ra do Rurgos: na
ruada Auroran. 36.
C'ompanhta fldelidade d
seguro martimos e ter-
restres esiabelecida 110
lio de faneiro.
AOENTKS KM l'KI'NAMDI.'CH
Antonio Liiiz de Oliveira Azevedo k C,
compelenteniente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidclida-
de, tomain seguros de navios, mercado-
rias e prodios no seu eseriptorio ra da
< .ruz
Aloga-se [nir 205 a casa da ra do Corredor
do Rispo n. 18 C. com 2 salas, 3 quartos, quintal
murado : a tratar na ra larga do Rosario, taber-
na defronte da botica do Sr. liartholomeu.
Appareceu cm 4 do correnle mez, no sitio
junto ao ceniiterio publico, un cavallo com canga-
lla : quem for o dono, dando os signaos do mesmo
lhe ser entregue, pagando as despezas.
Na ra do Vigario n. 21, primeiro andar,
deseja-se fallar ao Sr. Andr Alves da Fonseea J-
nior a negocio que nao ignora.
Aluga-se urna casa terrea no Porto da Ma-
deira, em Beberibe, com 2 quartos grandes, cozi-
nha tura, quintal, na beira do rio, ptima para
quem precisar de ir tomar banhos, aluga-sc tam-
bem um pequeo sitio no mesmo lugar na estrada
que segu para Olinda adianto do riacho Lava-tri-
pas : a tratar na ra Direita n. 69, padaria.
Xa Ponte Velha n. 10 cose-se mais barato
que cm outra qualquer parte.'
Aluga-sc a loja do sobrado 11. 19 da ra No-
va, propria para qualquer estabelecimenlo : a tra-
tar na ra da Cadeia 11. 62, segundo andar.
Precisa-se alugar annualmente um sitio per-
to da praja, com boas accommodacoes, e que to-
nha bastantes arvores de fructo, e baixa de capim
para 3 ou 4 cavallos, preferindo-se com banho de
agua correte : trata-se em Cruz de Almas, sitio
de porto de ferro encarnado.
Aluga-se a casa terrea da ra Imperial n.
66 : os pretendentes diram-se Caixa Filial.
Jao da Silva Ramos, medico pela Oni-
versidade de Coimbra, da consultas em
sua casa, na ra Nova n. 30, das 8 s 10
horas da manhaa, e das 4 s 6da tarde, e
recebe egualmente convites para dentro
ou fra da eidade, com o fin de se encar-
regar de qualquer servico de sua profls-
sao.
Os chamados deverao vir por escripjo.
ZAMORA.
DRAMA HISTRICO PELO DR. THEBERGE,
QUAL NAO INTERVEN PERSONAGEM
FEMENINA.
Na ra Nova
exemplar.
m aun
Grande eipuk* de fazenda* it
as Mualdadrsisfjrft ^r lam^
miiio preco, natja e araaze da
Arara roa da lateratrz 5f de
Louienco Pereira leidts m-
IMKIO,
Vciulom-se chitas cores li\as, n^a rtmr
no toque le mofo a 200 rs. o rmatk, len-
cos brancos e com barras tM) rs.. mam
!para homem 120 rs. o par, rutas pareas-
1 nios, IOO rs. o par; na ra la hupumu
11. .*), Arara.
j Arara vende as caua a rs. ermad.
Vendem-se cassas tinas para v>-stiM a
^200 rs. n covado, oraaaivi nm pare fiw-
prata e ''los a 240, 280e .!20 i. o cmaili,: s *>
COMPRAS.
Compra-se
Cobre, iatao e chumbo velho, no armazem da
bola amarella, no oitao da gaz da ra do Impe-
rador.
Compra-se effectivamente ouro e prata em
obras yelhas : na praca da Independencia n. 22 lo- armazem da Arara, ra la lmp'ratriz n. 3*.
ja de bilhetes.
VENDAS.
1 240 rs. a libra.
Na padaria da rna da Matriz da Boa-Vista w 11-
de-se falia de bolo sovado, excellente para cha. p-slo
diminuto preco cima.
rt
fil
Corles de. chita ia Arara a 2:1
Vendera-se curtes dilnt.i m
toque de mofo a 2->. ditas limpas a 24,
, vende por este prei;o |or tvr pmtt porra..
ditas franrezas a 200 o n'irtv: na na b
Imperatriz, loja da Arara n. 35.
Arara vende srasdeiapOs ire a I :* ra.
Vi'iidem-*friisdeiw|ib-s pr.lua 14, IJsfaj
>' 2->o covado, dito ib' 4 paliaos le hrfKa
;i 2->000 o rnvado, r>rt.~ .! rasr-mire pirfa
para calca a :;>ioo .- '>>. ditas le ota* a
endem-se superiores charutos suspiros a 15200 '3f?).c f*L^ )' '*?*' "
la meia caixa, ditos de diversas marcas, calas l)Clatl u ,(',,e Mendos loiinai*>.
V
cada
de 100 etaratos,'a 14300, ditos de dita
las, a 600 rs. na ra Nova n. 08.
, lucias c,ii-
uimaret.
C.'.rlrs .Ir lia da Arara a 3:CI n.
Vendem-so cirt^ le lazinhas
que
Chegtiem a pechincha. tidos a 3G00, ob! pn- |wcbin<
Chapeos de seda finos para sentara por 35 cada para vestidos, linas a 400 300 1
um, enfeita-se a cabera de urna senhora por :>5 !,lo, ditas de (iiiadrinbos 3 MO r- <> 1
a^SreS5o!niad0 """^ *" ** **** n,;l '''.''"|'.T..tn/. hta da Arare n.
\-~
l'ARA HOMEM.
Chapeos a Pinoiit. ultimo gosto. a 7 e 85 : na
esquina do boceo da Congregacao n. 43, ra do
Queimado.
CARRO AMERICANO
r>.--iin;i da Imperatriz55
Vcnde-se um carro americano de 4 rodas ROTO
e para duas pessoas, dcscoberto, com arrojos 011
sem elles, tambcn se vende um cabriolet forrado
c pintado de novo, com arreios. tudo se vende por
preco razoavel.
Vcnde-se urna escrava robusta e sadia, sem
defeilo algum, com idade de quarenta e lanos an-
Wk\e
Mondes dnimaros.
Oh! que pechlarha a lr*_
ehllaui larga.
Voinlom-so .hitas frano'zas ..1 po|W
toque i' wtMo a 240 n. < wimm *
linpas, linas a 30. M I Mtfl aA.
racado fcaatai a 280 rs. naaaaflK oan
da Imperatriz 11. M Arara di Wmmm fita-
BMrtea.
Arara vende audadO a 1:999 r*.
Vendem-se pe;as lo matbpoHi fraaeei fi-
no, onfestado a 4/ o 4*300. ditas ir I. --
......i:.^' Acaba de chegar no navio tjueennf thc Fl-t, a nAta saleta no ha rro mis suporior potassa da Russia. c vendc.S(. a em irados para a. a pleMec
pessoas soltei- commo n. 11 vende-SC a lf$000 O; nos.Dor piecodc 4005. porn s serve para sitio 'j''"1 "'' J31*1'3/- lin"^ :| v "J^- M, I
ou engenta : quem a pretender dirija-se a ra da i ,u a P'.'a- Iroguozos a o\u-> ant-> ipK
------------------------------------------ i t.ruz n. 47, terceiro andar._______________________ acabo : na loja o armazem >l.i Ararat ra *
Alllga-se ) Vende-se farinha de mandioca em acca. Imperatriz n. 'M't d- Mend.-s (.niinai
o segundo andar da casa n. 51 da ra da Cadeia | vinda do Pcnedo, a 'io'hhi a sacca, muito boa para Arara vende rmrtm le ra+r
do Recife, contendo 5 portas de frente, 2 salas, 21 escravos por ser de muito crescimenlo : na roa mlm 9 S
gabinetes, 6 (|uartos e cosmha fra : a fallar com Direita, padaria n. 69.
Jos Maria Seve, na ilha dos Ratos, ra do Seve :-------------_ .___,=r--------
casa n. 16. Potassa la 11 iissla.
Alugam-sc 3 quartos e urna sal
da Boa-Vista, com commodos para .
ras, tem agua e quintal, tudo por muito comniodo
preco : a tratar na ra dos Pires n. 54.
'|I
iasjpe4a afcrc i^tiiaigil.
O abaixo assignado, agente do banco
mercantil Porluensc nesta eidade, saca ef-
fectivamente por todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto Lisboa, por
qualquer sonima, vista c a prazo, po-
dendo logos saques a prazo seren des-
contados no mesmo banco, na razao de 4
porcentoaoanno .ios portadores que as-
sim lhe convier : as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador 11. 31.
J lamtim da Silva Castro.
preco commodo : no largo do Corpo Santo, eserip-
torio de Manoel Ignacio de Oliveira & Filho. n. 10.
Vende-se uina ptima varea parida : na en-
cruzilhada de Relleni, taberna do Andr.
Vende-se ou perorata-s por algum escroto de
meia idade para servico de campo, un cabriolet
com coberta e jougo. "de patento, muito seguro c
maCio, arreado, com cavallo ou sem elle : o pre-
tndeme dirija-se a praca do capim, atraz da ma
Nova, cocheira do Thonaz, onde se acha.
\ liiln puro.
No eseriptorio deEozemo Rapbael Rabello, 111
ra da Cadeia n. .'i-'' vendem-se aneoretas com ex-
cellente e puro vinho linio de Lisboa, sniente des-
tinado para gasto de casas particulares por ser re-
niettido pelo proprio fazendeiro ou lavrador.
Mu la otenco
Aos sentares martimos e agricultores. Muita
Ao 11. 29.
Noca loia dos barteteos, ra do Queimado.
Lias de ultimo gosto, covado a 440 rs. 5 organ- vez passain por nossa idea dosapercebidos, reme- n. tu de .Vendes <1i11m.11
Vondem-se c'rtes lo ensoara eafaataa
do coros para caira a 2->. tamU-m .# *mlo
la/--
itma calca e sae muito Iwrati.: na i>>ta >lj
\rara. na da Imperatriz 11. 3i !? M.i..t -
(iiimai;ics.
C o I xas da Arara avcllaslaslj* a
Vendem-se ricas rohai avMafai pa'fl
cama a H>. ditas de fustu do i'rps a
ditas de chita 1 21: na na .la Imperetr/
n. M, Arara.
Arara vende as eaHhraias.
Venlem-se 1 mies de camlnaia^ 1
a 23. vende-so cambraias lisas :
a25500, 3/, 3#900e 4/ a pera, u> m,
de-so curtes do cmbrala loix-as com amn
sullas, inm I vara de largura |.r :'. v"h"
corte: na na da huppfufr kta la '
dis de padres liinlis>iinos, varas a 800 rs.; ba-
ldos de arcos o melhor possivel, a 35300, 45 e 5 ;
dios cxcellenlcs e de niodicissimo proco, com
eiiijirego dos (pues se evitara grandes prejoisos
Oh! que sr.mde perhinrha.
alpaca" de Urttapra" vestidos^ covado 240"rs". ?*> pequeos da.11.10s; ueste caso osla o/alca- ^"?? n'Tn^.J^.ry^^a^^'r"
cambraias de -ores para vestido, covado a 280 rs.;, trao;_ou verrtiz do gaz. o qual ale.n das multplices l0/. moiii liio\aI> [.iri v.
cambraieta muflo fina, peca de 12 jardas a 75 ; applieacoescrae temna marraba, efflcascissimo covado, orpandys para vo-|hIik
0 i'uvailii, ilialim para voIhIik a 44o rs.
. Rogase ao Sr. Joaquim Luiz dos Santos tuei-
ra ir a rua lo Vigario n. 21 a negocio que nao ig-
nora.
PDE-SK MANDAR VIR DE QUALQUER POMO DO IMPERIO
. DO BRASIL
As chapas serio acompanhadas stasuascom-| Consulta s pessoas que se dignarem honra-lo
idti nte- expticacces, b tambem de lodos os acres- eom a sua conlianca, todos os dias. sem exeopeo,
lorios 11- essaries para aus applicacdes das 9 horas da mahhaa s 2 da tardo.
ESCRIPT0R10
\. 119 RUA 0 PARTO Y. 119
E EM PERNAMBUCO
Pan) s encommendas ou informacoes dirijam-se pharmacia de Jos Alejandre Ribeiro,
rua do Queimado n. lo.
Fugiouodia 27 de julho prximo passado o
-eravo Manoel Piolo, crioulo, estatura regular,
chelo do rorpo, cabellos carapinbos c alguns lM-an-
los, um pouco calvo, rapa a barba ; este eseravo
representa ter 30 annos de idade, pouco mais ou
menos, levou vestido camisa e ceroula de algodao,
chapeo de couro, e em um sacco levou una cami-
sa usada, de madapolao, c caiga de brim, nato -
ral dos sertes da Parahiba, e provavel que para
l.i tenha seguido; por isso ])ede-se s autoridades
,mihciaes e capitacs de campo a prisao do dito es-
uvoemandar levar ao engenho Mussumbd, na
comarca de Goianinha, ou no Recife, a Leal & Ir*
mao, que serao bem recompensados ; oulro sim o
eseravo levou uns rtulos de um cavallo que fur-
tarara, concedido ne6tes termos:
FURTO
Ao aniaahecer da quarta-feira, 22 de julho fur-
taram entre Iguarass e Tabatinga um cavallo com
"i signaes seguintes: quarto, castafflo, grande,
novo, e inteiro, tem tambem urna malha branca na
lesta, tres ps calcados de branco, e na perna di-
i cita a letras A, J. F. formando um s ferro : por
isso pede-; a quem for offerecido de o tomar e
mandar levar no engenho Mussumbu em Goianna,
ou no Reciife a Leal fi Irmao, que pagaro todas as
despezas com generosidade; e igual favor pedimos
as autoridades policiaes.
TINTURARA.
Tinge-se com perfeifSo para qualquer
cor, e o mais barato possivel; na rua do
Raogel n. 38, segundo andar.
-- Deseja-ie fallar com o Sr. Bento Jos Hamos
de Oliveira a negocio que n5o ignora : na rua No-
0 Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na rua da Cruz n. 53,
Io e 2o andar, onde pode ser procu-
rodo para o ejercicio de sua prois-
so medica," e com espeeialidade
.sobre o segunte
1* molestias de olhos;
2o de peito:
3o. dos orgaos geniti
urinarios.
Em seu eseriptorio os doentes se-
rSOj examinados na orden de suas
entradas comecando o Irabailiu pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias das
6 as 10 da manba, menos nos do*
mingos.
Platicar toda e qualquer opera-
cao que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
Joao Caetano de Abreu, solicitador jIos au-
ditorios desta eidade, faz sciente ao publico, com
espeeialidade aos seus clientes e amigos que mu-
dou sua residencia para a rua da Praia de Santa
Rita Nova n. 49, onde morou o Sr. Dr. Buarque,
enenheiro da estrada de ferro, onde sempre adia-
rlo, d?1 6 s 9 da manhaa, e das .4 da tarde em
dianf.
CASA DE SATJDE
Em San! Amaro
Do Dr. silva Ramos.
Tilico estabelecimenlo desta natureza
que existe entre nos, montado do modo
que pode com todo o commodo e zelo tra-
tar qualquer detento, que nella seja reco-
lhido.
0 edificio magestoso e conserva-so
em perfeito estado de limpeza e conve-
nientemente, mobiliado.
Os doentes sao separados, segundo os
sexos, natureza das molestias c condignos
sociaes.
Ha quartos fortificados para os aliena-
dos, e jama enfermara para as partu-
rientes.
O proprietario encarrega-se de qual-
quer operacao.
O estabefecimento franqueado qual-
quer pessoa que o quoira visitar.
Primeira classe 35000 diarios.
Segunda dita.... 25300
Terceira dita.... 25000
Para que qualquer doente sejaali rece-
bido, basta que se mande onome do doen-
te c da pessoa que o remette, cm a de-
claracao da morada.
O proprietario aceita contratos annuaes
com qualquer que queira ler um ou mais
leilos sua disposicao.
Ainda est para alugar-se sobrado na rua
dos Coelbos n. 10, onde moraram os padres lasa-
ritas.
O abaixo assignado lendo-se rehabilitado, e
achando-se de posse de sua massa faz disto sciente
a seus devedores, tanto desta pra^a como do malo,
afina de que auanto antes lhe mandem pagar o qne
lhe devem afim de evitar despezas judiciaes. Re-
rife 10 de agosto de 1863.
Luiz Antonio de Souza Ribeiro.
cassa lisa pello de ovo. peca de 12 jardas a "300. P;,ril inalai' as formigas, esse terrivel llagello da
X a *?Q sgricultiiia. destruir radicalmente o mpiii e con-
. ""-' ^ servar as madeiras sontas daquelle terrivel ver-
Nora loja dos barateiros, rua do Queifnado.
Paletots de merino setim, fazenda de costo de
me. edar una duraco infinita s ferragens em
que fr convenientemente applieado : em latas de
i'
covado, 13a para vestbis a 2i> r-. tm*H*.
cobertas de damasco pan
?9* P?1".10"3 : rillos ^^lp?c? pr,el0 ? 35200.'_l)n.l1 imais e tres caadas a 15300"cada una, e em bai -
caadas a 25300 cada mu
amarella. no oitao da seere-
r_ ------- .-------, ----- iiimo ucura uoimuu
branco lona, vara a biO; brim de cores (tara cal- rs com cerra (Ii; seis cana(ias a 25300 cada mu
ca, covado a W rs. camisas com peitos de fustao,' no armazem da bola
laria de polica.
a 13000; chapeos de sol de alpaca, a 35300.
Ao n. 29.
NoC loja dos barateiros, rua do Queimado.
Para acabar.
Ricos preto de linjio, vara a 120, ICO, 210 e 320' Cursor, ancorados 110 trapiche do Barao do I.ivia
FARINHA SUPERIOR.
Vende-se a lxlrdo do patacho Social e do blata
Cursor, ancorados 110 trapiche do Bario do I.via-
rs.; ricas franjas e trancas pretas c de cores, vara memo, farinha de mandioca, tanto de Santa Calta-
a 120,160 e 200 rs.; trancas e galocs de laa e de '111a como de Porto Alegre, a melhor do mercado,
algodao, pecas de 10 e 13 varas, a 200 e 400 rs.; por proco commodo__________________________
froco fino e groisso, peca a 130 rs.; vestidinhos de
cambraia bordados, para baptismo, a 25-
O o
xova i>i:c IIK II \.
Na travessa da rua dasCruzes. na taberna pinta-
da de amarello n. 6, vendem-se barriquinhas com
holaxinha americana a I-200, deixando a barr-
quinta o comprador; s levar a holaxinha es-
tando em bom estado degraea por menos de
' elade do preco que se vend a da trra.
rua da hnperatrii o 34 irn
Guimaries.

t!.
Arara vende os Hale%.
\ cndt'in-sp >s niai> Immii i > -
nos lialoos ainoijraii'i- di O. ., X i*
. arcos a :i>ii(0. l-vion,-.v ;.,._,,
lS^J!^^^tJSS^?^*^J^'SMk -lo andar -.111 bal*.|......nm
111
Aluga-se o priiueiro andar ear-
mazeui do sobrado de tres andares da
roa do Vigario n. 5, ou toda a casa in-
clusive nm ar?azetn no fondo, qoe
deita para o caes, a p?-Moa qne a quizer
alugar dirjase a roa da5owiia Velha
n. 100, do primeiro sutdar, fl*S8 |0 ho-
ras da manhaa as 3 da tarde.
3-Rl.l ESTREITA DO ROSARIO-3
Francisco Pinto Ozorio contina a col-
locar denles artificiaes tanto por meio de
molas como pela pressao do ar, nao re-
cebe paga alguma sem ue as obras nao
fiqueni a vontade de seus donos, lem pos
c outras preparacoes as mais acreditadas
para conserva;a da bocea.
ITTKV( O.
No fim do seculo passado ou principio deste, pro-
vavelmcnte no tempo das guerras da repblica ou
do imperio francez, Antonio Pereira, filho de Fran-
cisco Pereira, natural da ilha da Madeira, que di-
zem ter sido negociante cm Lisboa, de sociedade
com Wanzeler, mandou construir em Bayonne de
Franca um barco, no qual embarcou na primeira
viagen para os Acores com seus dous irmos Joa-
quim Pereira c Jos Pereira, mas na chegada a
ilha de S. Miguel, querendo salvar o porto pegou-
lhe fogo no paiol da plvora e voou tudo pelos
ares, morrendo muita gente, e entre elles o dono
do mesmo barco Antonio Pereira, salvando-se po-
rem os dous irmaos Joaquim e Jos: passados an-
nos, Joaquim Pereira foi ilha da Madeira, onde
contava esta calastrophe, e dizia que tanto elle
como o irmao anda va viajando por diversos paizes.
Depois disto para c nunca mais se soube dos dous.
e nunca mais escreveram, mas dizia-sc que um ti-
nha casado na ilha de S. Miguel, e que o outro re-
zidia na provincia de Pernambuco, onde se suppoe
que niorreu. Ha grande interesse em se saber no-
ticia destes dous irmaos, e qual dellcs morreu em
Pernambuco, e onde morreu, e quem, vista das
informaeoes supra que supponho exactas, poder e
quizer communicar, annuncie por esta folha para
ser procurado, e retribuido, no caso de completa
satisfacao do pedido.
Cal de Lisboa e polassa da
Rnssia.
Vende-se na rua da Cadeia do Recife n. 20, para
onde se miidou o amigo e acreditado deposito da
mesma rifa n. 12, ambos os gneros sao novos e
legtimos, e se vendcni a preco mais barato do que
outra qualquer parle. *
Vende-se um grande terreno com cercado, e
ptimo para fazer-se um excellente sitio em Jaboa-
lao a margen) da estrada da Victoria e contiguo a
povoaco de Sauto Amaro, contendo igualmente
terreno pan plantaeao : quera a pretender para
tratar, dirija-se nesta eidade o terceiro andar da
| casa n. 16 da rna do Imperador. _______^^
Assucar do Monteiro
Rua do Imperador n. 28 e caes de Apollo n.
67, a 200 rs. a libra, c de 8 libras para cima
, a 5I600 aarroba.
Para engenh*
Vende-se urna meia nioenda do ferro nova com
rodetes de ferro, parafusos, bromes e lodos os
pe teneos para nioagem de canna," assim como 4
taixas de ferro coado de o, 6 c 7 palmos de bocea
por menos preco que em primeira miio : a tratar
com Antonio (ornes da Cunha e Silva na rua da
Cadeia do Recife n. 30._____________^_^_^^
Potassa da Kussia.
Vende-se em casa de N. 0. Bieber 4 C,
snecessores, rua la Cruz n. 4.
Cola da Babia
Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo, no seu eseriptorio, rua da Cruz n. 1
I A!5I I O
liua do morim n. 43.
Vende-se farelo de Lisboa em saceos grandes,
cora 'JO libras, pelo barato preco de 15.
%L ni IIsno %
^ ende-se cal nova de Lisboa : no largo do Cor-
po Santo, eseriptorio de Manoel Ignacio de Olivei-
ra & Filho n. 19.
Cal de Lisboa
Cal virgein chegada hontem em aneoretas mui-
to bem acondicionadas c por preco commodo: no
amigo deposito da rua do Trapiche n. 13, arma-
zem de Manoel Teixeira Basio.
convida: na rua dajamratrii bija n. .*( de tiendes Gomaries
Roupa felfa e chape*.
\ oinloia-so uniformo no,,,
mira inglezas de bas -Vt-s a ItK \
paliluts de brim a 245W, *k n- >
do meia casemira a:; s:umi
caaemira escura a 2->, lita
soidiilas do ImliM ilo liraiuaiil-' a I 'itin
loisoo. camisa 600 > \t-
ditas linas a 2-> o 2->.*00. ditas .1
predas largas muito mNl>nu> a 3>.
demassas do cri.-si- prob-sa I->JU. I4M07
ii e -'S-'iOd. alo v mais pie \
loja c armazem da Arara, uta da lim
ii. "ili do Mondo-, (iiimarfis.
Tarlatana da Arara a J*Mr*.
VendeaMo tailaiai.a do cura para v.-sti
d06 I iOOrs. a vara. lil.. linlc i re
para mosqtieteiro a l99n.oemmm\mmi-
(os pata cabera do rabn a I >.''.> v
)smaismxlern para salas por 'i-5 cada um, balha> do \,
pata rosto a 640 rs.. .Iita> peliH-iatr^lT
melliur ipio lia oni luallios : na loja la Ara-
ra, rua da Imperatriz ti. :*>. k-MimnI>>s .
maraes.
Vcnde-se um negro de m>-ia Mb, l-m ro-
busto, proprio para qualquer servico. sabe tmm
o diario d'uma rasa, e tambem sabe Iwtv obm
na travessa do Poeinbo n. i6 MjhnAn.
Cal a mais nova do mercado : na roa o Tifario n.
19, primeiro andar.
Seibas iaflesfs
chegados casa de IzidJro. .Xetio A C, roa ia
Cruz n. i.
Kua da Senzalla >au n. 41
Neste estabelecimenlo vendem-se: tadtaJe
ferro coado libra a 110 rs.. dradeL>>
Moor libra a 120 rs.__________________
Cavalk.
Ha para se vender na eortn*ira do Sr.
Bourgeois um cavallo o mais amito psuitL
lo bem ensinado e muito lindo : a tratar a
do Sr. Germano, rdojueiro, n. tL________
AUTEXVi**
Vendem-se na roa das Lasa|ssri a^S, pn
nieiro andar, excellenles parellias Je ravasto.
aos arti*tas tornearos
raa
Vende-se um torno para
de Fianca, com todos os ras.
pretender compiar, dirija-se a m da
numero 53.
I


- -------


-






'>



llaHo <1 nVi-ttatobiioO tataria telra de .U>K le jftfl3.
CASEMIRASINGLEZAS
a 1,700 rx.oerfl.
Wndem-.se corles do casemras escunas para
pelo barato proco de 14700, tambein se veu-
dem das raesmas a 480 rs. o covado, proprias para
GRANDE PEGHinCHA
Vende o pavao, organdys a 30U rs.
NOVA EXPSpO
na loja do Pavo, de fazendas liara-
tissiaas. -
Nesle eslabelecimento aeha-se constante- SS^S^^VJ^J^*^
mente um grande sortimento de fazendas da,mPe,al
de gosto e de primeira necessidade, sendo
tanto proprias para a praca, como para o
mato ; de todas as tondas dao-se livros de
amostras, deixando ficar penhor, ou man-
dam-se levar em casa das familias pelos ca-
xeiros da loja do Pavao.
I.aas com 8 palmos de largura,
* na loja do PavSo.
Vendem-se laazinha entestada propria para
vestidos, com 8 palmos de largura, sendo
fazenda mais moderna que tem vindo ao
mercado pejo baratissimo preco de 1#600 o
covado: s na ra da Imperatriz n. 00, loja
do PavSo.
ra
SEitl SEGIJWIMK
QUINQUILHAHIAS.
Roa do Queimado, ns: 49 e 55, lojas de
45--RA JJLtEITA-45
UMa
toe^b Asuma
Ea, rapasiada, coragem I __ parece queja
M Bgonho,:,ae,aa,* as tato .E5^Sff-1f
que abaixo annuncio, pois todas eu gatanh) o .* _. ,,*n,n .,, nACCn PllaitP .
que abaixo annuncio, pois
que sao muito novas e baratissimas.
| Pe cas de trancas de aigodao de to-
das as cores a
80
Vende-se finissimo organdys matizado com os Duzas de linhas com 200 jardas, A-
mais delicados padroes miudmlios com assentos iftVAndrp a .
brancos, sendo neste artigo o mais moderno que I r,',,,', 'f' ', nmern
existe no mercado, sendo fazenda que sempre se Car niel de qualquer numero ,
venden a 1*200 a vara, e presentemente vende-so Varas de aspas para balSo *
a 360 rs. o covado: s na ra da Imperatriz n. 60, Caxas com superior obreias a .
loja do pavao, de Gama* Silva. Ditas de colla ........
Pares de botoes'de punho a .
, Pares de sapatos de tranca .
a 2,200 e 2,640 rs., s o pavao. Ditos mml0 superiores, a .
Vendem-se cortes de chitas com padroes escu- .-.,:_-., n91.AiPe fiP nanpl amisade de
ros, tendo 10 Ifl .vados a 200, c com 12 1/2 W** e Pacoles ue PaPei amisaue ue
covados a 2-5640, pechincha e vende-se por este COres a. ........
preco em razio dos cortes scrcm em mais de un Duzia de meias multo un3S para se-
i xos do pessimo cairamente da nossa cidade !
'So se observa en voseos ps botinas aalca-
nhadas e gastas at ultima sola; sapates
rasgados e quasi sem saltos nem tanto !
15100 a quebradeira nao deve chegar at este pon-
100 l0 ^'ndc ra Direita munir-vos de excel-
gQ lente calcado com 40 e at 60 por cento
q menos do seu valor..".. attendei:
'^q Borzeguins, Nantes, bezerro e va-
cun mni:sci:ris
120
1*280
10600
600
queta 2 e meia solas.... 8S500
Borzeguins, Nantes, bezerro, va-
queta e lustre 2 solas. 8f*000
Borzeguins, francez e liamburguez,
bezerro, lustre e couro de por-
co 7)91 e.........60000
Cansas a r. o covado.
Vendem-se cassas francezas de padroes
miudinbose cores fixaspelo barato preco de
200 rs. o -covado; ditas finas a 340 e 320
rs. o covado : s na ra da Imperatriz n. 60,
loja do Pavao.
Organdy, a 8IOrs. o covado,
na loja do Pavo.
Vendem-se organdy de cores matisado, fa-
zenda que val muito mais dinheiro, pelo ba-
rato preco de 240 rs. o covado ou 400 rs. a
vara: s na ra da Imperatriz n. 60, loja J
do Pavao. t
O Pavo vende os modernos ves-
tidos a balo.
com barras Maria Pia, sendo os mais
modernos que que tem vindo ao mercado,
com a saia de um s panno, tendo bastante
fazenda para o corpo, e vende-se pelo barato
preco de 3??500 cada um: esta pecbincha
s existe na ra da Imperatriz n. 60, loja e
armazem do Pavao.
\ova pechincha de ISas entesta-
das a 400 rs. o covado.
S o Pavo.
Vendem-se laazinhas enfestadas transparentes
cora delidados padroes sendo de una s cor com
listras e quadrinhos e-vendem-sc a 400 rs. o cova-
do : na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60 de
Gama & Silva.

Cortes de cambraia, a 8&00.
na loja do Pavo.
Vendem-se cortes de cambraia brancos com
babados, a 2r?500; ditos, a 4#; ditos com
barras e babados de seda, a 30, 3/5500 e 40;
s na ra da Imperatriz n. 60, loja e arma-
zem do Pavo.
Cortes de cambraia cbineza, a
l #. na loja do Pavo.
Vendem-se ricos cortes de cambraia cbine-
za, os mais modernos que tem chegado, sen-
do brancas com lindissimos padroes, pelo ba-
rato preco de 43 cada corte, tendo bastante
fazenda para um vestido: isto s na ra da
Imperatriz n. 60, loja e armazem do Pavo.
Baldes a 3500, s o Pavo.
Vendem-se baloes americanos que sao os
melhores, temi 20 arcos, a 30500; ditos
de 30, a 40500: ditos de 40, a 50 ; ditos
de bramante, a 30500 e t#; ditos para me-
ninas, a 20 e a 30: s na ra rta Impera-
triz n. 60, loja e armazem do Pavo.
Cortes de chita, a 3500, na
loja do Pavo.
Vendem-se cortes de* chita com 12 1|2 co-
vados cada um, a 20500; ditos com 10 cova-
dos, a 20; cortes de cassa miudinlia de co-
res fixas com 10 covados, a 20: ditos de
organdy mathisado cora 10 covados, a
2 5400 : lona ra da Imperatriz n. 60, loja
do Pavao.
As caseuilras do Pavo pechin-
cha a ."#.
Vendem-se cortes decasimira franceza para
cal?a, fazendn muito fina, padroes claros e
eseuros, a 55 11 cflrte :.s na loja do Pavao,
ra da Imperatriz n. 60.
s na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
Fustao do Pa\o.
em em mais ue um uuia ue lucida uiunu uu "^ <;inatnY> Nanln* rwwrm o vannp
ra da Imperatriz nnora a........30500 aPatoCs. Nantes, bezetipeuque
pedaco : s na loja do pavao,
n. 60, de Gama & lva.
Laazinhas a OO rs. o covado. Baralhos muilo Gnos para voltarete a
Xa loja do Pavo. jCarriteis de -linha com 100 jardas a
,T .. .'. ... : mn cA Caribes de linha branca e de cores a
Vende-se laazinhas de cordaozmho de urna so ^"*"^ ,,. H .
cor, sendo azul claro, azul escuro, ferrete, cor de Novellos de liaba com 400 jardas a
caf claro e escuro, alvadio, roxinhas proprias pa- Ditos multo grandes com 800 jar-
ra luto, sendo fazenda que val muito mais dinhei-1 jgg a '.......
ro vende-se pelo diminuto proco do 200 rs. : so na Carloes de |nna com 200 jardas (est
!S1SaP*s%TS^Uea,,ustfee
3q I bezerro 2 solas......
20' Sapates, Nantes, sola e vira. .
00 Ditos para menina, comalo. .
! Ditos de ditas, de cores. .
hornera,
50000
40000
30500
2$800
i.)A!Sapatos para senhora c
tapete.
loja do Pavao ra da Imperatriz n.
Silva.
60
Os manguitos e golinhas do
Pavo.
3 k Ti, J V fio' Sapatos de borracha para senhora.
se acabndola ...... w\uUu\mrm\L<
i Vara de fita preta com colxetes para
vestido, e tem um resto parda a
dem idem para meninas.
100 Sapatos de lustre para senhora.
pecliiuclia, a 320 e a 100 rs.
Vendem-se golinhas de fil, bordadas, a
400 rs.; ditas de cambraia, a 320 rs.; cal-
cinhas para meninas, a 500 rs.; manguitos, i
a 500 rs.; manguitos com golinha, a 800
reis ; manguitos de cambraia, a 320 rs.: sj
na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
O Pavo vende a :$# c 3$500
EII HVMl \IIO.
Objectos de tintura e msica.
Na ra do Queimado, ns. 49 e 55, est
queimando ludo pelos presos abaixo decla-
rados, e prestem toda a atiendo para vr
o que bom e barato.
dem de lustre s avessas
800
10400
10000
10000
500
Um confeito e especifico para
expellir os Vermes.
cortes de fea, a 30 e 30500; ditos com 22 Duza e facas e garfos rauilo finos a 20500
covados, a 50: s na ra da Imperatriz n
60, loja e armazem do Pavo.
NO ARMAZEM DE FAZENDAS BARATAS
DE
*%vro* (Oi.'.iio
Ra do Queimado n. 19.
Vende-se o seguinte :
Cobertas
de chita da India, a 2:ooo rs.
Lentes de panno
de linho, a 2:ooo rs.
Lenees de bramante
de linho, de um panno s, a 2:8oo rs.
Toallias alcorhoadas
para mao, pelo baratissimo preco de 5:ooo
rs. a duzia.
Rii-os veslidinbos
de seda para meninas, pelo baratissimo pre-
g de 4:ooo rs.
Lencos de seda
pelo barato preco de l:ooo rs.
Saias de fiisto
pelo baratissimo preco de 5:5oo rs.
Lencos de ranibraia
brancos finos, proprios para algibeira, duzia
a 1:8oo e 2:ooo rs.
Lencos de cassa
finissimos, proprios para algibeira, pelo ba- \ ver :
ratissimo proco de 2:4oo rs. a duzia. Duzia de sabonelcs finos a .
Corles de calca Sabonete inglez, o melhor, a .
de ganga amnrella, de listas e de quadros. Frascos com agua de Colonia muito
fazenda superior, pelo baratissimo prego de! fina a......., .
400
400
80
40
Dita dita dita de cabo preto muito
finasa.........30200
Dita dita dita de balando, melhor, a 50500
Tesouras para costura, muito fi-
nasa .........
Ditas ditas para unhas, muito finas a
Carlas de allineles de /erro a .
Ditas ditos de lalao muito finos a .
Ditas de dilo grandes.....120
Caixas de phophoros de pao 10
Grosa de ditos do gaz a 20200 j
Duzia de dilo dilo a 200
Massos de palitos para denles a 160
Livrospara meninos todos cheios de
calungas a.......320
Abotoaduras para coletes a 160
Escovas para roupa.muito finas a 400,
500 e.........800
!IJkI
1:2oo rs. o corte.
Pecas de madapolo
largo superior, pelo baratissimo preco de
8:ooo rs.
Pecas de bretanha
de rolo com lo varas, pelo barato preco de
3:2oo rs. ;
Pecas de cambraia
dcsalpicos, fina, com 8 1/2 varas, pelo ba-
rato preco. de 4:ooo rs.
m
SEM M2fl 131IIO.
PECHINCHA.
Perfumara de superior gualidade.
0 rival sera segundo, ra do Queimado,
ns. 49 e 55, esl disposto a vender mais ba-
| rato que nunca vendeu, para o quo queiram
720
160
400
)0
Ditos de dita grande a .
Di los de Lavande ambreado, o me-
lhor, a........
Ditos de macaca oleo muito bom a .
Dilosperola muito superior a .
Ditos de oleo de babosa a 210, :20.
400 o.........
Ditos de banlia branca a .
Dito de cheiro muilo bonitos a .
Ditos de banha, pequeo, muito fina
500
100
200
500
320
500
Pastillas Vermfugas
DE KEMP.
Os meninos s padem gritos, porque
ellas sao de clieiro, sabor e cor agrada-
veis. A elegancia, a segundado de ac-
g3o,-0 inorl'ensivo das
Pastilhas Vermfugas de Kemp
A PAR DA SVA
Composi^o exclusivamente Vegeta!,
sao estas pois as sitas tnelliores e mais
completas de todas as recomniendaces
que se possa fluer o com justa razfio as
cclloco na categora d'nm favorito uni-
versal.
nrperioridade das
Pastilhas de Kemp
sobre todas as preparajfjes destinadas
para o mesmo lira ^evido sita sim-
ples com\iosico o B60 aroma agrada-
vel e :i rapidez e infallibilidade com
que alcanea a destruiV-o total das
LOMBRIGAS.
venda as boticas de Caors A Barboza,
ra da Cruz, e Joo da C. Bravo 4C, ra
da Madre de Dos.
GUARDA WA-
CIO^Ali
rs. o covado; popelina
de 13a, de quadrinhos encarnados e pretos,
para vestidos de senhoras e roupa de meni-
nos, a 15 o covado : s na ra da Impera-
triz n. 60, loja e armazem do Pavo.
Os palette do Pavo, assobrecasafado a 12:000 rs.
.Itoalhados de liuho
com 8 palmos de largura proprio para toa- Ditos de opiata a 2 rs., e boa a
lha de meza, a 2:5oo rs. a vara. ; Ditos de banha japoneza a .
Toalhas Ditos de banha transparente a
de linho para meza, a 3:ooo rss Ditos de oleo filoconne a .
Barege .
de lindos gosto, pelo bando preco de 48o II VA
SEM SEGUNDO.
Objectos diversos.
Ba do Queimado, ns 49 e 55, vende os
O gallo caiila filando recebe. objectos abaixo declarados, pois para aca-
0 gallo cania, principalmente quando re-1 bar; esles pregos nao sao para continuar,
Na ra Direita n. 53, ha um uniforme completo
para guarda nacional de cavallaria, composto de
........200 fardao rico, calca, barritina, etc., e pequeo uni-
900 forme com espada, etc., sellim inglez, etc., ludo
gOQ novo, c que se cede por commodo preco. Tam-
__j bem na-mesma casa existe urna armacao de loja,
-' -"; propria para qualquer estabelecimento.'
oO
rs. o covado.
r.stcira da ludia
propria para forro de sala, de 4, 5
mos de largura.
e 6 pal-
a .
1 fo-
Vendem-se fustao com lavr miudinho
para roupa de meninos, a 320 rs. o covado ;
brim de linho de quadrinhos para roupa de | cene-as suas novas encommendas para sai masas nesessidadesassimopermitte.
meninos, a 360 rs. o covado; ganguelim lisfazcr aos seus |)0ns freguezes. Pares de luvas dealgodao finas
de urna s cor, a 320 rs. o covado; popelina Graoutiaha. Caivetes de aparar penas, de
E'chegado um bonito sortimento deslasj lha a .......
gravatinhas, tanto para homem como para'Ditos de 2 ditasa......
senhora que se vende pelo baratissimo prc- Caixas de colxeies francezes a. .
Co de 500, 800 e 1,000 rs.; s no Vigilante. Duzia de dito francez a .
ra do Crespo, n. 7. j Massos com grampos lisos e^e cara-
Pirolleiz, col a.........
Tanibem ebegou um grande sortimento | Duzia de dedaes de metal em cixi-
de pirotteiz on conservadores para cabellos,' nha de vidro.......320
Vendem-se paletots de panno, sobrecasacas
le panno preto muito bom e muito bem Uo
feitas, a 12-J: sobrecasacos de dito, a u; ^^ pret0scomo de lindas cores pelo ba- Tinteiro de vidro com tinta superior
paletots sacos de dito,,a 1$.;; cairas de cacne- ratssimo preco de ,000 rs .cada um. a..........
Capellapara noiva. Ditos de barro que serve para tin-
Tambem chegou um rico- sortimento de j teiro a........
capellas brancas, cousa muito chique para Grosas de botoes de louca prateado a
noivas, pelo baralissimo prego de 5,000 rs., Pegas de tranca lisa encarnada a ,
80
80
ICO
40
3C0
40
mira da Escossia, a 3$ ; ditas de casemira
preta, a 55; ditas de casemira de cor, muito
fina, a 75 e a 5fl500 ; coletes de casemira de
cor e preta; paletot de casemira de cor,
,i 7-?; tudo isto para apurar dinheiro: s
na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavao.
Corles de cachemira da Escocia, a 2:000, na
loja do Pavo.
Vendem-se esta nova fazenda muito encor-
pada imitaco de caemira, tendo padroes
eseuros e alegres, afiancando-seque nao des-
bota, a 25 o corte para calca, ou 580 rs. o co-
vado para paletot, edete etc.: s na loja do
Pav5q, ra da Imperatriz n. 60.
Fazendas brancas, na loja do
PavSo.
Vendem-se pecas de madapolo entestado,
francez, com 20 varas, a 85; ditas com 12
jardas, a 4#; dito inglez muito fino, a 75,
75500 e85; ditos muito superior, a 105;
ditos de 40 jardas muito fino, a*45800 e a
55600; algodozinho muito encorpado, a
i5800, 55500 e 65; bretanha com 4 pal-
mos d largura, muito fina, a 15 avara;
pecas de cassa de cordo para babados, com
' 6 varas, a 35500; ditas com 12 varas, a 75:
Pechincha, a 500 rs. o covado.
s Pavo.
Vendem-se as mais modernas laazinhas
enfestadas, transparente, tendo 4 palmos de
largura, e sendo lizas e de quadrinhos, de
urna s cor, propria para vestidos e capas,
a 500 rs. o covado: s na loja do Pavio,
ra da Imperatriz n. 66. de Gama c* Silva.
6,000 rs., 7,000 rs. e 8,000 rs. ; so no
Vigilante, ra do Crespo, n. 7.
Filas de velludo e de seda.
Tambera, cnegou um completo sortimento
de fitas de velludo de n. 6 a n. 200; assim
como um rico sortimento de fitas de seda,
e rendas, para aca-
de 3 dedos de
Varas de bicos
bar a -.
Varas de labyrinto
largura a ."......
Caixas de folha com phosphorosa
Ditas de pos para denlesa
lavradas c isas de todas as larguras e qua-1 Pentes de tartaruga a 3i$000 e
dades por pregos que admiram; s Vigilante, ra do Crespo, n. 7.
Bico de seda e linho.
Tambem chegou um bonito sortimento
de bicos, tatito de seda como de linho, as-
sim como rendas finas e de labyrinto, que
seus pregos farao admirar aos meus fre-
guezes ; s no Vigilante, ra do Crespo,
n. 7.
Franjas pretas e de cures.
Tambem ha as riquissimas franjas pre-
Us largas, proorias para as lindas capas ou
manteletes; assim como brancas e de cores,
que seus pregos tambem os pretendentes
se admiraro, por que sempre nesta loja se
vender por pregos muito rasoaveis; s no
Vigilante, roa do Crespo, n. 7.
160
100
160
20
60
100
40
100
35500
Vendem-se ou arrendam-seporDensoes mul-
to mdicas os engenhos Braco e Cmara, porto da
cidade da Victoria, ambos d grande produc^ao, e
aquelle quasi prompto a moer com agua. Admit-
tcm-sc moradores para o eogenho Conceicao junto
a mesma cidade, dando-se-lhes toda a garanta de
estabilidade. Trata-se no engenho Collegio, onde
se precisa de um homem que se incumba das co-
brancas dos fro4 do Conceicao, etc., dando-se
casa para morar c torras para trabalhar de graca.
PAPEL
de cores para listas de elekores
A aguia branca suppde que nao faz mal em offe-
reccr aos athletas ujis pacotes com 254 follias de
papel de cores, que pode servir ptimamente para
listas de eleitores, e tanto melhor por custar cada
pacote o diminuto preco de 15500, e ser cada um
de urna s edr, o que' difficil de encontrar a nao
ser na ra do Queimado, loja d'aguia branca n. 8.
Na mesma loja tambem ha de muras qualidades,
branco e azul, assim como anvelopes.
Para o bom Um.
Chegaram loja das columnas da rna do Cres-
po n. 13, de Antonio Correa de Vasconcellos & C,
novos cortes de vestidos de laa a polaca com bar-
ra estampada de matiz, gostos inteiramente mo-
dernos e Cores as mais lindas que se pode desejar
bem como : cor de laranja, ganga, violeta, solferi-
no, cinza, magenta etc., etc.; para designar o mo-
delo do vestido a cada corte acompanha seu igu-
rino. Na mesma loja acaba de chegar pelo ultimo
paquete francez riquissiraos cortes de vestido de
seda de cores com ramas matisadas solas e ou-
tros de moreantique adamascado, fazendas muito
encorpadas e do ultimo gosto para'bailes, easa-
mentos etc.
FAZENDAS BARATAS
27Ra do Queimado27
XA
Aova loja de Custodio, C'arvalho
Companhla.
Fusto francez
para vestidos de senhora e meninas, fazenda mili-
to lina e pelo barato preco de 2<50 rs. o covado.
Finas cambraias organdys a 340 rs. o covado.
Da loes
de arcos, de todos os taannos, pelo preco de
36O0.
Calcinitas
bordadas para meninas, pelo barato preco de 2520O
cada um par.
Laazinhas
matizadas finas para vestido a 140 rs. o covado.
Cobertas
de chita a 250O0.
Lenccs
de panno de liuho a 2-3.
Toalhas
de fustao, pelo barato preco de 400 rs. cada urna.
Camisinhas
de cambraia para senhora a 25-
Golinhas
de linho para senhora c meninas a G40, 800 e 15.
Sortiuieiilo
de meias para meninos e meninas.
Laaziulia
preta para vestido a aOO rs.
Guardanapos
adamascados a 25 a duzia.__________________
ROUPA
.Va ra do Queimado n. i3, esquina que
voltfrpara a Omgregaco ; pechincha.
Paletots de casemira a 8, 6, 7, 8, 12 c 145000,
ditos de panno preto e azul a U, 10, 12, 16 e 185,
ditos sobre-casacos de panno muito fino por 24 e
28, ditos de alpaca preta e de cordao a 4, 5, 6 e
75, calcas do casemiras de cores a a, 6, 7 e 85,
ditas pretas a 65300, 8,9 e 105. paletots de fustao
e ganga a 25, 25800, 3 e 45, calcas e cohetes de
todas as qualidades e por preco muito barato, len-
ces de puro linho a preco de 25800 e. 35, cober-
tas de chita a 25240, collrinhos de linho puro a
600 rs. cada um, e outros muitos objectos que s
vista ; e para isso se pede a altencao dos fre-
guezes.
ARMAZEM DE MULHADOS
&
n
'JI

i
(9fk W w
C9

tu
te.
* *
W,
9 1 1 C9
0 > f &
9 M C=>
% "*
s m -
0 m * 9R &*
m
! ^ PD
=
$
dieiRAH mn.
Tendo o BAUZA dado o seu bataneo no ultimo flecho passado, e (W^-jana
novar o magnifico sortimento Je seu lRANDE ARMAZEM. .lumia \>,;.
attenco do respeitavel publico para os precos. dos gneros aii.ii\o raen, k.i
verdade sao os mais razoaveis que se pkm adiar, atienta a swa boa qualida#k.
Soldado voluntario do batsMo progrsista, o BALIZA o li<>m. :.t
ment. Elle pede, pois, aos seus bons cantaradas, que sao iodos nsinim,
favor de nao Ibe darera um minuto de descanco obrigando-o a vend i i
Desta sorteo BALIZA vivir contente econtentar tambem awtHiicpi
do-lhes sempre generosamente, etalvezque anda por preros mais ranaven.
Ameixas em frascos de vidro, a I^SOt.
Ditas em caixinbas com lindas figuras, a
1/200 e 25400.
Ditas em latinlias, a liO0.
Araendoas de casca mole a 320 rs. a libra.
anu-
titft, i
> *a.
oOO, 800 e I > o frasco.
Marmelada excellenle a 640 r. i :-,i
Ostras americanas fexceHenle i >
rs. a lata.
Passas a 400 rs. .i libra, no i m a 8#.
Arroz (Carolina), primeira qualidade, a 120 Presuntos de Lamego, a :>tH i
rs. a libra.
20 rs. a libra.
dem ingle/.para (ianibie vialo a ircata
da, a 800 rs. a libia.
Dito do Maranlio, Jki2<
Azeitonas novas WSsboa e Porto, a !> c, W^m americano, a -'oo rs. a lil
l/200aancoreta.
Azeite doce refinado, a 800 rs. a garrofa.
Dito em barril, a 640 rs. a garrafa.
Dito de carrapato, a 360 rs. a garrafa.
Pene de Lisboa Inglaterra e Anvr d. pre-
parado conforme a arte rie c
tas de 2 a 3 astas, de 11300 If Mf>
1 Pbospboros do ga/. i 30 a gr
Arroz com casca, a 3$ a saca, com 30 cuias Queijos londrinos rhegadus ri" ult
c a 240 rs. a cuia. a 800 rs. a libia.
Ancoretas americanas de 6 e 12 garrafas,{dem dem ebegados no rH-nultiui- v.,jr,
muito bem fabricadas, a 1$ cada urna. 640 rs. a Hora.
Araruta muito futa, a 480 rs. a libra. dem flamengos n ik>ts
* 400
Batatas emgigos a 1^380 e de 30 a 40 rs. a ,lli;m il|(,n ,.,.,,,,, ^^ .
CEBLAS
Ra do Anaorlna n. 43.
Vendem-se ceblas novas c grandes,dcsembarca-
das hontem, pelo barato preqo de JHX) rs. o cen-
to ; a ellas, que estao se queimando, mesmo a tro-
co de cobre.
Ceblas superiores em resteas, a cinco
mil ris o milheiro no Caes da alfandega n.
1, armazem de Tasso A IrmSos.
libra.
Bolacbinbas americanas, a 3 a barrica e
240 rs. a libra.
Biscoutinbos inglezcs, em laliubas. a 1 >300.
Biscouto lunch e soda, em latas de 4 a '> li-
bras, a 2 a lata.
Banha de porco, a 560 rs. a libra.
Balaios hamburguezes muito lindos, de di-
versos taannos c por preco razoav.l.
Caf do Rio, a 280 e 300 rs. a libra, im
araba, a S^OO, 8*i00 o o/.
Ceblas, a 800 rs. o cento e 1$ o mllio.
Cha perola, a 3$ a libra.
dem bisson, superior, a 2?$800 a libra.
dem chumbo, a 2600 a libra.
dem hysson, soflrivel, a 244O0 a libra.
dem hysson, menos soffrivel, a 2 a libra.
dem preto, magnifico, a 2^ a libra.
dem preto, menos superior, a l.-jSOQ rs. a
libra.
dem preto, soffrivel, a I 600 rs. a libra.
dem nacional, a 1/800 a fibra (era utas).
dem nacional, a 1#600, a libra.
dem nacional, ordinario, a 1# a libra.
Champagne, marca aguia, de superior qua-
lidade, a 640 rs. a garrafa e 7.) o
com 12 garrafas. Quera deixar de be-
ber champagne por tal preco?
Charutos de militas marcas e, a pregos bara-
tissimos, sendo que ha de 800 rs.
4# o cento, vindos do Rio, Babia e de
Hespanha.
Chocolate suisso de Lisboa e francez, a 800
rs. el.-5..
Chouricas e salpice, a 640 rs. a libra.
Conservas inglezas, a 800 rs. o frasco.
Ditas fracezas, a 500 rs. o frasco.
Cognac inglez, a 600, rs. a garrafa e en
caada, a 45-
dem engarrafados, a 800 rs.a garrafa.
Doces, em lindos vazos de vidro, das fruc-
tas mais esquisitas da Europa, a Ijo
frasco.
Dito de Lisboa, em latas, a 500 rs. a lata.
Dito de goiaba, a 640 e 800 rs. o caixo.
Dito em latas muito proprio para prsenle,
garante-se sua durado innalteravcl po
mais de anno.
Farinba de .Maranho, a 160 rs. a libra.
Dita de trigo, a 140 e 160 rs. a libra.
Fructas francezas de diversas qualidades, en
frascos de vidro, preparadas em alcool,
proprio para podim etc., a 10. o frasco.
Gorama do Aracaty, a 100 rs. a libra.
Dita do Aracaty, a 40 rs. a libra.
Grata em latas, a 120 rs. e a duzia, 1/300.
Genebra laranja-, em grandes frascos, a I $.
Genebra ingleza, marca gato, a I 200 o
frasco ou garrafa com rolha de vidro.
Garrafoes vazios, de 640 a 1200 cada ura.
Kirsck-wasser, bebida esta de um valor inex-
timavel, em vasos esquisitos, a l-s.'iuo.
Licores inglezes e francezes dos melhores I^P08 laPu,atlns l)a,a *g a 6 a diua.
fabricantes, a 500 e 800 rs\ a garrafa. Chumbo de todas M grossuras a 6^ a arro-
Linguas americanas de grande tamanho (em' h.a- ., ,.. .
calda), a 1/. [Cafe muido de superior qnalul*lea i)n.
Massas para sopa, emuixinhas com 8 libras. I,,. a Jib'.a-, ,
contendo 5 quaHdades, por 30500 a caixa. ,Fl lmho J"*0 P^pno par amanar, a
Ditas para sopa, estrelinha e pevide, a 560' ^ rs,- a !lbra- .
rs a )Dra .Fannha de trigo era barricas e meias, de fcv
Dita de tomate, a 640 rs. a libra. das as marcas < qualidade-..
Manteiga ingleza em potes de 10 a IBIibras tGenebr? de ,i0I."!f em f** (,m *
a 800 rs a libra. caadas, por 6t500 com o garrafo.
dem dita flor a l'a libra. IaVm id,"m era *Wf"**i C" 12 frasee.
dem de 2a qualidade a 800 rs. a libra. I,. Pr. 8'*?: J ,
dem de 3a qualidade a 640 rs. a libra. ; Manteiga finissima era latas contendo i h-
dem para tempeiro a 400 rs. a libra. |. br.as bB(W,do' Por **} a tote-
dem franceza a 640 rs. a bra, e em bar- i Que,J0S "aniengos a I#600.
2000.
Sal refinado em vazos de \dr<
dem idera era vazos de louca. a MjOrs
Ceneja das mHhores muras rp.i tem ar
mercado, a ' 6/500 a ihi/.i.i.
Sardinhas de Lisboa preparaaaa de
a 640 rs. a lata de grande
dem de Nantes. a 380 rs. a lat]
Sabio mam de 120. 140. 160. 1*. J*tt
240 rs. a libra.
Tinta preta n.nBanal 6 maleza. .1 >4# rs. a
garrafa, e 240 rs. o bono.
TOBCinho de Lisboa, de rfl.11> d. 1
por 320 rs. a lil
hiera de gantOf, a MI rs. 1 lil
dem aaerkano, 1 2 dem inglrz secco i;o t'iun.-ii... m.i'
todosos presuntos, .1 M r.
Vassonras americanas nanan anda aniav
a 640 re. cada nina.
Vellas de Buenos-AMes mi B 1*
libras, por (i/.
dem de carnauba aanpoeirfo,
rs. a libra,
dem do Aracatj. a &00 1 s. 1 al
dem Btearinas, a 600 t 640 rs. 1
dem spermacete, a l| a aara.
Vinho Lagrimas do Domo. ae*l
melhor qualidade que lioje \.
meraado em gai rafas br n .0 mmb
do autor era alto revelo ao pru| k> ndm,
prerine- preciadori :-
ero ha boje grand.' i'.iImI.;,
dem engarrafados, virnlo pa le
pria couta de diversas inaivi-
inores adegas do Pi rto e IJSt
eas: Madeira, Caiius. 1 Mtb.-
sia, Carcavellos. Dnejan la -
Iros, e espera-se lodos os da-
dades, a 800, 1 e IfO 1
Idera do Porto Balisa, a 640 1 1 ta.
dem deLisboa e F^ii. ira \ind. em f-ras,
a 26/ de 8 a 0 caadas,
dem co Porto em garianVi de I
garrafas, por 2)500.
bem da Figueira em uiralbes de I
garrafas, por 26400.
dem de Lisboa e Figueira de 3i0. ki. :*Q
e 560 rs. a garrafa, e em ca i.tn
abatimento.
dem Bordeaux engaiTafado, a 6i0 -a
garrafa, em duzia a 75500.
Vinho do Porto muito fino em caixas >-om 12
gairafas, a 8^, lOtf, iHU4 t&-
Ihores marcas ana vem no nossti nvr'.vV..
Vinagre de Lisboa em garrafoes de \ lia
5 garrafas, a 1*200 com o garra r
AvelSas a 200 rs. a libra.
Arroz da India a 100 rs. a libra.
Biscoutos de Lisboa em latas, proprios para
doentes, a I (J5O0 e 35 a lat 1.
Batatas a 80 rs. a libra.
Rap princezado Rio: grosso. meio gicaa*
efino.
ril por menos.
Marrasquino de Zara a 800 rs. o frasco.
Mortasda ingleza em frascos grandes a 800 Tambas das Alagas a I2 o ceojo, e IM
rs. I rs. cada urna,
dem franceza em frascos grandes a 300 es., 'Vinho branco de Bordeaux (Santeras) a |
Mlhos inglezes dos melhores fabricantes a' e 104 a duzia, e 800 a 19 a



lil


t

DlftHo de Perambof Qaaartn fetrn f de Agio de I86S.
GRANDE E COMPLETO S0RT1MENT0 DE MOLHADOS


C5
a
o X
T8
*< 0*
-O
u w.
%J
* 0
> -2
" 3
-
s o
o o

I
a
'
-2
o
* *
"S
o
*-^
- ~~
*5 ,H
8* I
B
C o

S
-S

ex
H
a
o
-
1 i
|
si
9
C5
o
Q
53
O,
o
i ES
t
"t
t
1
2
o
8 s
5-
2
o-.
a
O
"t
4C
O
si
S

O
Si.

i.
a |
* -2
o ,
"t i
c
s:
Vinhos em pipa: Porto Figueira e Lisboa, a
4oo, 4o, 5oo c 56o rs. a garrafa, e em
caada a 2,56o, 2,8oo, 3,ooo, 3,5oo e
4,ooo rs. do raelbor.
dem lagrimas do Douro, especial vinho o
Porto mandado vir de conta propria a
10,000 rs. a dazia e i,ooo rs. a garrafa.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado, das seguintes marcas: Duque do
Porto, Feitoria, Nctar, Velho Secco, Cha-
misso, Madeira superior a 9,ooo rs. a cai-
xa ei,ooo agarrafa.
dem Bordeax das melhores marcas: St.
Julien, Medoc, S. Esteph e outros a 7oo
rs. a garrafa, e 8,ooo rs. a caixa com urna
duzia.
Ulem muscatel de Setubal verdadeiro a 2,ooo
rs. a garrafa e 22,ooo rs. a caixa.
Garrafes com 5 garrafas de vinho do Por-
to do Alto douro a 2,2oo rs. com o gar-
rafo.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira
muito proprio para a nossa estacao, por
ser mais fresco a 2,4oo rs.
Vinhos velho chamisso em barril muito pro-
prio para sobremesa por ser muito claro
e macio a Goo rs. a garrafa e 4,5oo rs. a
caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero a 5oo rs. a garrafa e 3,8oo
rs. a caada.
Garrafes com 5 garrafas de vinagre de Lis-
boa al,2oo rs.
Vinagre puro de Lisboa a 2oo rs. a garrafa
e l,ioo rs. a caada.
Velas de spermacet a 600, 64o e 680 rs. o
masso.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de encommenda especial a 800 rs.
a libra,
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
Sto rs. e em barril a 5oo rs.
dem em potes de 4 16 libras muito fina e
propria para doentc a 800 rs. a libra e o
pote separado.
Banha de porco a 84o rs. a libra, e em bar-
ril se far abatimento.
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
de l,6bo, l,8oo, 2,000 e 2,5oo rs. cada
um
dem londrinos os mais frescos que se po-
dem desejar a 800 rs. a libra.
Caf do Rio de Ia e 2a qualidade de 8,000 a
8,5oo rs. a arroba, e 28o a 3oo rs. a li-
bra.
Arroz caroliuo e do Maranhao a 3,ooo rs. a
arroba e loo rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra e
em porcao ter abatimento.
Caixinhas de amcixas francezas do 1 1/2, 2
e 3 libras, elegantemente enfeitadas com
diversas estampas no exterior da caixa a
l,3oo, l,5oo, 2,000. e 3,ooo rs.
Fructas em caldas das seguintes qualidades:
ameixa, rainha Claudia, cerejas, pero,
ginja, pecego e alpech a 5oo rs. a lata.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 600 rs. a libra, e em la-
tas de 1 */i e 2 libras.
Ameixas francezas em frascos de 1 1/2 e 3
libras de l,4oo a 3,ooo rs.; tambem ha em
latas de l.ooo e 3,ooo cada urna,
Cha huxim miudinho mandado" vir de en-
commenda especial a 2,8oo rs. a libra,
garante-se a boa qualidade.
dem hysson o mais superior a 2,6oo rs. a
libra, afianca-se ser igual ao que regular-
mente se vende a 3.000 e 3,2oo rs.
dem preto muito fino a l,Ooors. a libra.
dem mais baixe, e miudo proprio para ne-
gocio a l,6oo rs. a libra.
Presunto inglez para fiambre o mais fresco
que se pode desejar a 800 rs. a libra.
Genebra de laranja a 9oo rs., a frasco.
Chouricas e paios. os mais frescos que se
pode desejar, a 5oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a Ooo rs. a garrafa
e lo,5oo a caixa.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
800 rs. o frasco.
Licores franceses das seguintes marcas: A-
nizete de Bordeax, Paisir desdames, o
outros a l,ooo rs. a garrafa e 10,000 a
caixa.
Passas muito novas a 6,000 rs. a caixa e
36o rs. a libra, ha caixas, meias e quartos.
Bolachinha ingleza a mais nova que se pode
desejar a 2,5oo rs. a barrica, e 24o rs.
a libra.
Azeite francez clarificado a 76o rs. a garrafa
e 9,ooo a duzia.
Conservas inglezas dos melhores fabricantes
Mixed e Pickles, ceblas simples, e outras
a 800 rs. o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes muito
nova a 4oo rs. o pote.
Mlhos inglezes de todas as qualidades e das
melhores marcas a 5oo rs. cada urna gar-
rafinha.
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de doce, manteiga
ou outro qualquer liquido de l,ooo a 3,ooo
rs. cada um.
Palitos do gaz, a 2o rs. a caixinha e 2,3oo rs.
a grosa.
Milho alpista a 160 rs. a libra.
Afdho painco a 140 rs. a libra.
Gomma para engommar muito fina e alva a
80 rs. a libra a 2,300 rs. a arroba.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Sabo verdadeiro hespanliol que raras vezes
vem ao nosso mercado a 300 rs. a libra,
e em caixa ter abatemento.
Sabo massa de 180, 200, 220 240, rs. a
Jibra do melhor.
Graixas em latas muito nova a 120 rs. a lata
e 1,300 rs. a duzia.
Peixe em latas muito novo : savel, pescada,
corvin, salmio e outras qualidades prepa-
rados de escabexe, segundo a arte de cozi-
nha de 1,400 a 2,000 rs. a lata.
Genebra deHollanda em botijas de conta a
440 rs. cada urna.
Papel greve pautado cliso a 3,500rs. a res-
ma.
Azeite doce de Lisboa muito fino em barril a
640 rs. a garafo, e era porcao ter abati-
mento.
Champagne das mais acreditadas marcas a
l,ooors. agarrafa e 10,000 rs. o gigo
com urna duzia.
Doce da casca da goiaba a 4oo, 5oo, 600,
"00, 800, e l,ooo rs., o caixao grande.
Chocolate portuguez, hespanliol, francez, e
subco, das melhores qualidades a Ooo rs.
a libra.
Velas de carnauba e composiro a 32o, 3Co.
e 4oors., a libra, ede lo.oooa ll.ooors.
a arroba.
Azehonas novas do Porto e Lisboa a l.oon
rs. a ancoreta, e l,5oo a de Lisboa, estas
ultimas raras vezes vem ao nosso mercado
pela sua boa qualidade.
Massas para sopa macarro talhariin e aletria
umita nova a 48o rs. a libra.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Babia a 4.000, 3,5oo, 3,ooo e 2,5oo rs. a
caixa.
Serveja das melhores marcas a 5,000 rs. a
7,ooo rs. a duzia.
Biscoitos inglezes das tpabjaj marca:
Craknel, Soda, Ceede, Ciptain, Travellies
Lunch, Cobin, eoutras a l,2oo rs. a lata.
Bolachinha de soda especial encommenda 3
l,8oo rs. a lata.
Iem Craknel em latas de 5, 7 c 15 libras a
4,000, 5.5oo, e ll.ooo rs. a lata.
Massa de tomate em latas de 600 a 7oo rs.
cada urna.
Sardinha de Nantes a 36o rs. a lata.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijollo de limpar facas a 16o rs. cada um.
Ceblas a 9oo rs., o mol lio.
Farinha de Maranhao muito alva e cheiroza
a 14o rs. a libra.
Pimenta a 36o rs. a libra.
Cominho, cravo, erva doce, enxofre, palitos
de dentes em caixinhas que ludo vende-
mos por baratissimo preco.
A AGUIA BRAICA
Receben pelo ultimo vapor o
seguale:
amias pulseiras de cabello, coral, e cora-
lina.
Fortes e bonitas ligas de seda para senhoras.
Outras estreitas para meninas, ou manguitos.
Carteiras com agulhas.
Aglbetu para eniar. e agulhas cantofas.
TraBcelins e litas de borracha.
Carrileis com torcal de todas as cores.
Massosefios de coral.
Esponjas finas para rosto.
ratea de tartaruga virados, com laco e
baiao.
Eiifeites de rede para conservar os cabellos
bera atados.
Aspas e coz para balar..
Fitas rom coetes para vestidos.
TraoMins chatos de lia pan enfeitar vestidos.
7*apol e fochas para rosas.
Lamparillas francesas.
Trancelins graesos para relegios.
Escovas cabo d'osso, marfim e madreperola
para denles, unhas. limpar pentes ejoias.
Outras finas para roupa. chapeo, cabello etc.
Outras de velludo para chapeos.
Pastas para papis.
Raspaduras e facas de marino para ditas.
poras e dminos.
Baratissinias bandeljas.
A aguia branca por umitas vezes lem da-
do a conhecer quequandoaehaalgumape-
chmcha. nao quer somente com ella cncher
n papo, ao contrario desoja que toda sua boa
frejjnezia e o publico em geral prvem da
mesma. o que agora mesmo acontece com
..-.; bai atissimas bandt ijas, cuja limitaco
de precos admira, em relncjo aoslamanhose
qualidades: avista do que convm todos a-
proveitarem-se dessa opportuna occasio e
pioverem-se d'um traste sempre nocessario.
e que Ihes costar quasi motade do justo va-
Assim, pois, dirigirem-se com dinhei-
e espacosa toja d'aguia branca
ra d Queimado n. 8.
Oh afamados copos rom banha. e
boies eom inseripeoes.
Chegaram novamenle para aaguia branca
esses afamados c estimados copos com banha
fina. assim como os bonitos boies de por-
1 lana dourada tambem com banha, e novas
inscripces maviosas c jocoserias, mui ade-
qoade para presentes resta porem que os aprc-
ires cofieorram, munidos de dinheiro.
alegre e espacosa loja d'aguia branca ra do
Queimado n. 8.
Ricas giiaruices de pentes e
flvellas para cintos.
N agoja brama 1 cebeu novas e ricas
guanucoes de pentes dourados, e com pe-
Iras; assim como outras bordadas froto e
mm bolas pendentes, novidade essa que so
se acha em dita loja, c que na verdade se
uirnam mui alegres c bonitas; e bem assim
rucebeu lindas fivellas com pedras, e ditas
tfoco com novos e engracados mohles, cintos
dourados e de marroquim; e muitos outros
ohjectis de gosto para senhoras sero encon-
trados na alegre e espacosa loja d'aguia
branca ra do Queimado n. 8.
Ciraxa econmica.
A aguia braaca acaba de reeeber essa acredia-
to graxa econmica, cuja superioridade est fe-
raimante reconhecida ; essa boa graxa se torna
rty^unmendada, tanto torquo o calcado lustrado
muidla deixa perfeitamente lustroso aoaMaos
res diis sem nncessidade de novo uni, como
hmmih porque sua prepararo apprnpriada para
amaciar e conservar o conro"; ella vem em cafad-
nha e barrizinhos, e aclia-se venda na ra do
Uneinudo n. 8, toja d'aguia branca, aos rezumidos
l*eoos de \00, 500 e 640 rs.
"ennas de ac inglezas ealygra-
phicas. a balo e outras.
A i^uia branca receben um bello sortimento de
perfores peonas de ac ingle/^s, calygraphicas.
3 balo e outras diversas qualidades, cujos procos
ai-jam em propirgao da bondade,. os pretendn-
es que se dirigire'm com dinheiro a loja d'aguia
ranea, ra do Queimado n. 8, nao carao descon-
Hs. Na mesma loja acha-se tambem um varia-
* sortimento de canelas, sobresahindo entre ellas
mas de Do\>a invenga, que por si mesmo deilam
Botina ra qHando assim se queira.
TERCOS
e coreas de cornalina.
A agna branca pensando constintemente em
; bem servir a toda a sua freguezia, notou que ainda
I nao havia feito algunKagrado a aquelles que ]>ru-
dente e acertadamente resando, cumprem dever de
j bom christao. e quando reparn essa sua falta,
I mandou vir e acaba de reeeber delicados tercos e
i coras de cornalina com cruz de prata, os quaes
deixa i disposicao dos tieis que estiverem dispostos
a gastar 15300,25 e 35 para posnrem um bonito
I terco ou corda, com os quaes podem mesmo pedir a
I Deus pola prosperidade d'aguia branca, em seu ale-
gre e espacoso ninho da ra do Queimado n. 8.
\ovos e bonitos
pentinnos travessos dourados e com pedras para
meninas : vendem-se na ra do Queimado, loja
aguianra -
d'
[inca n. 8.
ROtPA 5 i;s I 1
NO
ARH1ZEH
DE
Haliiizinhos eom perfumarlas e
sem ellas.
A aguia branca vende bonito* baliuzinbos com 6
. frasfpiinhos de cheiros por 1,5500 e vasios por 800
rs.. servindo estes para meninas, e mesmo para
jolas, etc.. etc. : na ra do Queimado. loja d'aguia
i branca n. 8.
I.inh;is maclas e lustrosas para <
bordar
I vendem-se na loja d'aguia branca ra do
I Queimado n. 8.
jLETEJRO VERDE.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concor-
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de'todas as qualidades. para senhoras,
homens e meninos.
RA DO QUEIMADO N. 46
U8?I2)?(D
DK
Casacas de panno preto, 35| e
Sobrecasacas itlem, 30 e .
Paletos idem c de cores, StS|,
20^, m e .
DitOS (le r.-|>i"inii-:i. ~2-.. I.".>.
.tii^OOO Cohetes de fusto e brim bran-
V>$(M co, ^bO, ty e .
Seroulas de brim de linho.
10,)000 2^400 c......
Hitas de algotlao, 1(5600 e.
12$, 10A e...... 7-">oOO Camisas de peitos de linho,
!\'ovissimos e
para
bonitos eafeites
cabeeas.
Quando o bello sexo senta a falta de bons^
enfeites para cabeca, eis que a aguia branca'
recebe urna sua encommenda de bonitos e
delicados enfeites, e de modernissima moda,
muito servindo isso para sanar aquella falta,
c fazer com que as Exilias, apreciadoras da
bella empresa Coimbra possam melhor real-
sar o moslrarem o apurado gosto que as
guin. Esses enfeites sao d'um tecido bas-
tante fino com continhas d'aco, e mui bem
enfeitados com flores, fitas, bicos, plumas
etc., entretanto que sendo obra de muito
gosto custam Sjjt, 6;? e 7?? dinheiro a vista;
na espacosa e alegre loja d'aguia branca ra
do Queimado n. 8.
Ilabadinhos estreitos ebordados
Vendent-se na ra do.Queimado n. 8, loja d'aguia
brama.
Capachos comprldos e redondos
Vendem-se na ra do Queimado.' loja d'aguia
branca n. 8.
I.ii vas de camurca.
Vendem-se mui finas luvas de carmuca
branca e amarella; na ra do Queimado n. 8
loja d'aguia branca.
Delicadas tesourinhas d'aco para
bordados e tabyrlnt bos.
A pedido de algunas senboras suas predicletas
freguezas, a aguia branca mandn vir dessas de-
licadas tesourinhas d'aco ponas agudas, proprias
para bordados e labyrinthos, e urna vez chegadas
como de facto chegaram, a aguia branca convida
as de mais senhoras suas boas fregnezas para
apr.iveitarem-se da occasio e bem empregaran i
seus 2 em cada una dessas finissimas tesouri-
nhas. na certeza de que perder por chegar tarde ; i
qcm se demorar em as mandar comprar no ale-:
gro e espacoso ninho d'aguia branca, ra do Quei-
mado n. 8, onde tambem ha outras curvas e direi-
tas para unhas.________
7-S.
Ditos de alpaca, 5j9 e.
Ditos ditos pretos, 9,
55 c........
Ditos de brim e ganga de i-
res, 4500, 4$, 3??500e. .
Ditos branco do linho, 60, i> e
Ditos de merino preto de cor-
dao, 10^, 70 e.....
Calcas de casemira prcta, 42A.
100, 80 e......
Ditas de cores, 90, 80 c. .
Ditas de meia casemira de co-
res, 55500 e.....
Ditas de princeza e merino pre-
to de confie, 50,40500 e
Ditas de brim branco e de co-
res, 5\ S500, 40 e .
Ditas de ganga de cores.
3-voo. Cohetes de velludo preto e de
cores, 90 e.......
| Ditos de casemira preta, 50 e
Ditos de ditas de cores 5>
40 o........
Ditos de selm preto. .
Ditos de dilos c seda branco.
60 e.......
Ditos de gorguro de seda
pretos e de cores, 60, 50 c
20500
25000
1)1400
25500
50080
75000
4-5000
44000
2->500
20500
7(9100
14000
30500
50000
3-VOO 55, 45, 30 e.
Ditas de madapoln. 3|,
30500 j 25500, 25 e.....10600
i Chapeos de massa. pretos fran-
35000: cezes, 100. 90 e. h 80500
4 M)00 Ditos de fltro, 50, 40,30500 e 20000
Ditos de sol, de seda. 120.
110, 70 e......40500
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda....... 640
70000 Sortimento completo de grava-
tas. #
Toalhas para rosto, duzia, 11 $,
90 e........ 60000
Atoalhado adamascado de li-
nho vara......10280
Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....40000
Lences de linho.....30000
Cobertas de chita chineza.. 25000
Pennas d'aco, as mais superio-
res, a grosa...... GOO
Rclogios de ouro orizontaes.
900, 800 e......700000
Ditos de prata, galvanizado,
patentes c orisontaes, 400 e 300000
50000 Obrasdeouro,aderemos,meios
adereces, pulceiras, rozetas,
45(100 aneis e cruzes. 0
lA/IMMS fi KOI IMS 3 I IT \S.
Sortimento completo de sobrecasacos de panno a 250, 280, 300 e 350. casara
muito bem fettas a 250, 280, 300 e 350, paletots acasacados de panno preto de I I *
250, ditos de casemira de cor a 150, 180 e 200, paletots saceos de panno e cas*
mira de 80 ate 140, ditos saceos de alpaca, merino e 13a de 40 at 60, sobre de aimea *
mermo de 70 at 100, calcas pretas de casemira de 80 at 140, ditas de cor de 7* *
lo?), roupas para menino de todos os lmannos, grande sortimento de roopas de brim
como sejamcalcas, paletots c colletes, sortimento de cohetes pretos de metim. nsemir..
e velludo de 40 a 90, ditos para casamento a 50 e 60. paletots bramos de limante a II
e 50, calcas brancas muito finas a 50, e um grande sortimento de fazendas linas e moda -
as completo sortimento de casemiras inglezas para homem. menino e sentara, .eroarfa
de linho e algodao, chapeos de sol de seda, luvas de seda c de Jouvin para bomem e -
nhora. Temos urna grande fabrica de alfaiate, onde recebemos eocommentia! de grand--
oliras. que para uso est sendo administrada uor um liabil mestie .\.> s.-m*-llante arte e m
pessoal de mais de cincoenta obreiros escolbidos, por tanto exeeuLimos nuaiqner ohra cw.
promptidao e mais barata do que em outra qualquer casa.
I I \l>l{ AO DA AURORA.
JS'csta grande e bem montada fabrica de machinismo, a mais antiga no irnpen.. ,-.
tmua-sea executar com a maior presteza e perfeirao encommendas de Una a quaMa*-
de machinas usadas no paiz, tendo sempre prompto o seguinte :
Grande sortimento de moendas de canna de todos os svstemas e tamanli
Macbnas de vapor de diversas qualidades.
Taixas fundidas e batidas. ,
Crivos e boceas para fornalhas.
Bronzes e aguilhoes.
Rodas, rodelas e rodas d'agua.
Guindastes fixos e portateis.
Machinas de cylindros para padaria.
Serras de ac para serrara. *
Fatechas para barcos, etc. etc., tudo por preco que bem convida.
POR MENOS DEZ POR CENTO
NOS
GQN&ERVtlVQ I CQNSlRVDOR
DE
9 3)1)2 3i*J>5S-
Mi 21 E 23-LARGOfDO TER^O-iNS. 21 E 23.
Mama
Vendem-se na ra da Cadeia do Recite n. >,
caixasjieJ80 a 200 a 155. e meias caixas de 95 a
100 a 7,8300, e tambem tem a retalho.
Vende-se manteiga ingleza fina a 900 e
rs., franceza a 360, toucinho a 300 rs., arroz a
rs.. chouricas novas a 500 rs., queijos novos a
13*00, velas de spermaceto a 600 rs., ditas de
carnauba a 400 rs., vinho da Figueira e Lisboa a
400 e 500 rs.. azeite doce a 640. bolachinha de so-
da a 13300 : na ra das Cruzes n. 94, esquina da
travessa do Ouvidor.
Recebem por conta propria a maior parte dos gneros existentes nos seus arma-
zens e por isso dehberou-se seu proprietario a vende-los por menos 10 % do que em
Kua do Queimado n. 23, loja de Auto- outra qal1lM'r parte, garantiddo a snpeijjpr quadade.
nio Fcrreira da Silva laia i.plam todos.
\ endem-se cambraias de cores a 200 rs. o co-.., t
vado para acabar, o liazinhas finas a 500 rs. o Manteiga ingleza especialmente escolhida a 72o e 8oo rs. a libra.
I dem franceza de primeira qualidade a 56n rs. a libra, e em barril a 54o rs. a libra.
Arroz pilado o melhor do mercado a loo rs. a libra e 3,ooo rs. a arroba ou sacco,
Caf do Rio e do Cear o melhor neste genero a 28o e 32o rs. a libra.
Batatas novas a 5o rs. a libra, em arroba a l,4oo rs. e em caixas de qualro arrobas por
4,5oo rs,
Bolachinhas americanas, as mais novasneste genero, a 2oors. a libra e3,ooo rs. a barrica.
**| i Palitos do gaz, vindos por conta particular, a 2,3oo rs. a groa.
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor, a l,8oo e 2,ooo rs.
Vinho do Porto em garrafa de superior qualidade a Ooo rs. a garrafa,
dem em pipa Figueira e Lislioa a 4oo rs. a garrafa, e a 3,ooo a caada.
Milho alpista o mais Hmpo que ha no mercado a 16o rs. a libra, e a arrroba a 5,ooo rs.
Velas de spermacet, composicao e Aracaty, a 4oo, 36o e 64o rs. a fibra.
Toucinho de Lisboa novo e grosso de primeira qualidade a 32o rs. a libra, e O.ooors. a
arroba.
Alm destes gneros ha outros muito baratissimos, assim como cha do melhor,
azeite doce, vinagre, cebollas, albos, pimenta, cominhos, erva-doce, charutos de todas as
qualidades. chouricas, sabab verdadeiro de 16o a 24o rs. a libra, genebra de todas as
qualidades. que tudo se vende barato e quem duvidar venha ver.
\AI)Ai,OI.E()i,i,F[(, \I)(), II \(. \|JI \0
XAROPE DE RABAINIO IODADO
Segundo os attestados dos mdicos dos hospltaes de Parii, consignadM no Pniwrm e
dVri' u *.adem,cos< este Xarope emprega-se com o maior successo, em lugar do OLEO DE 1*1600 K
BALALHAO, ao qual elle realmente superior. Cura as molestia de pelto, u escrfula?, t
pollidoz e molleza das carnes, as perdas d' appetite, e regenera a constituirlo porifleando'
summa o mais poderoso depurativo conhecido. Elle nunca canea o ntAmago oa o* ii
oduro de potassium e o iodure de ferro; e admlnistra-se com a maior efllcacidade aos i
aos humores ou ao cntupimentodas glndulas. O Doninr cururr, do hospital de San'Late e
o recommenda d'um modo inteiramente particular as molestias da plle, coniunctamente eoaa
que teem seu nome.
Depsito geral i cm Pars, en casa de MM. Grimault e C", pharmaceuticos. 7, roa de la Pi
em i.is.ioa, en casa de nodrla;* da Coata Can alta no Porto, en casa de Mlaael imm *m
Perrelra em o Rto-de-Janeiro, vlava Pelsata e Dala, roa do Sabio, 11; em Bakim
jn.r-r.nnno Frrrclra-Eaplnhelra; em Bio-Grande, en cata de Jasaala ale Gadav
Mo, en casa de FerrelraeC em Pernotnbuco, Staona* e C, ra da Cru. 2? rtaaaa cm
pharmacias do Braiil. -
*
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22 em casa de Can A Barboza
m ^^V^^%
DE
KspMtm de vinho.
Na ra do Cotovello n. 1 vende-se espirito de
vinho de 38 graos a 340 rs. a garrafa, p em cana-
da a 15600.
Tabeas de amarrllo.
Y adm-se na ruaDireita u. 91,
tod..s a.s o 11.11> t ii:s
DE
ANTONIO MAIA DE BRITO
CONHECIDA POR FABRICADA VIUVA
N- 21Antiga ra dos Quarteis de policaN. 21.
Constando ao annunciante, que alguns especuladores de m le, vendo o rredi
que gosam os meus cigarros, e para poderem dar consumo aos seus andam vendendo tanf>
na praca como pelo mato, illudindo os meus freguezes, dizendo que sao me ; e amo u>-
dos os meus cigarros sao vendidos na minha fabrica, e nao mando pessoa algoma
por minha conta fura delta, faco o presente annuncio para witar que compren m.
jebre ; e para seguranca dos senhores consumidores desto genero e especiamieote ot
freguezes, aviso que todos os massos de cigarros que forem tendidos na minha i
marcados com um distinctivo que- declara o meu nome, o nome da roa e o i
mesma casa.
Aproveito a occasio para scientificar aos meamos senhores, que ci
encontraro um completo sortimento de cigarros de diversas quididades, e doi
escomido, por sua boa qualidade j bem conhecida.
Vinho do Porto superior.
Vende-se em caixas de urna duzia : no escripto-
rio de Antonio Luiz Oliveira Azevedo & C.
Cal de Lisboa
chegada ha pwco. c de boa qualidade : vende-se
nos arniazens da ra de Apollo ns. 28 e 30 innto ao
thcatro.
Potas*
. Vende-se superior potassa do Ri de Janero, 4a
mais nova que ha no merrado. a pree |
modo; no largo d Carpo Sumo, esn
Manoel Ignacio de Oiireira & Filho. o. ItT
Vendem-se ddas casas terreas aa>
sitos na roa de Santa Thereza dearoaje di
do mesmo nome, na ridade de Otinda a _
ao Rectte na ra da Cadeia n. 57. segada.


T


'u n1
""
Uiarlo de Pernauabiu* Cuarto fetra 4c A*f de a HAS.

t
n
*
i
GRANDE ARMAZEM
AE
EE
N. 36, RUA DAS CRWBS N. 36
DO
balrro de santo Antonio.
0 froprietario do muilo acreditado armazem denominado Progressista tendo
sempre em vista fazer tudo o que for possiyel para bem servir aos seus freguezes, tem
.leliberado vender os seus j bem eonhecidos gneros de primeira qualidade pelos precos
abaixo mencionados, e affianca s pessoas que mandarem comprar por seus criados ou
osemos, serem t3o bem servidas como vindopessoalmente; encarrega-se de aviar qualquer
ncommenda, ainda mesmo conlendo objectos nSo proprios deste estabeleeimento. O
mesmo pede aos senhores que mandarem comprar neste armazem o favor de mandarem
levolver qualquer objecto que nao agradar, devendo os mesmos senhores ter toda atten-
(5o com os seus portadores, fazendo-lhes ver que s no armazem Progressista da ra das
Cruzes n- 3<*, que ^ vendem os melhores gneros por mais barato preco, porque estes
inuitas vezes blvidam-se e vao outra parte onde os servem de maneira a desagradar este
estabeleeimento.
GRANDE ARMAZEM DE MOLHADOS
DI
&MmMm%3Mwmmtm%K
TODOS
os
IMPORTO
COMPLETO
SORTIMEXTO DE MOLHADOS.
Eduardo Marques de Olireira C.
Ti
O
>
o
z
es
c
o
6

f
-; m en
* a
3 CT3 -
i.
n ** ^
=. < .
L * r. -*" S *
=-
l
-, p
1 ^ ^
f-
de superior qualidade a cada
xinha.
Manteigai ngleza de 1.a qualidade, a 800 rs.
a libra.
400-rs. cada um.
Milho-alpista a 180 rs. a libra.
Queijos do reino, chegadospetoultimo vapor, Gomma para engommar muito fina e alva a
rs. a libra.
Batatas em gigo de arroba a l,5oo rs.
de 25 2#>00.
dem prato, chegado neste nltimo vapor, o
mais fresco que se pode desejar a 700 rs.
a libra.
dem londrino, mandados vir de encommen-
da especial, a 900 rs. a libra.
dem suisso, muito fresco, a 800 rs. a libra.
<:af do Rio dc 1. e 2.' qnalidade a 85500
e 85800 a arroba, e 280 e 300 rs a libra.
Arroz da India e Maranbao a 120 rs. a libra
e 30200 a arroba.
A veteas as mais novas neste genero a 240
rs. a libra.
Presuntos do Porto muito novos a 560 rs. a
libra.
Legumes francezes para sopa, como seja,
Julienne, mlange d'quipage, Choux e
outras qualidades, a 400 e 500 o masso.
Amendoas de casca mole a 320 rs. a libra, e
em porc3o tera abatimento.
arrafoes com 5 garrafas de vinho do Porto
do Alto Douro a 25400 com o garrafao ;
afianca-se que nesse genero o melifi-
que veio ao mercado.
1 ilem com 5 garrafas de vinho Figueira muito
superior e mais proprio para a nossa csta-
co por ser mais fresco a 25400.
t .ha hysson o mais superior a 4,>100 a libra,
afianca-se ser egual ao que regularmente
vendemos a 35200.
dem huxim miudinho, o mais superior que
vena ao nosso mercado a 25700 a libra.
dem preto muito fino, a 25000 a libra.
Chocolate para 9oo, l,ooo e l,2oo rs. a li-
lua.
arrafoes com 5 garrafas de superior vinho
de Lisboa a 25100 cada.um.
dem com 5 garrafas (te -ina^re de Lisboa
a 15100 com o garrafao.
dem com 5 garrafas de vinagre hambnr-
guez a 800 rs. cada um.
Vinhos generosos Mindos do Porto engarra-
fados das seguintes marcas: Genuino,
Porto fino, Nctar, Duque do Porto, Fei-
toria, Velho secco, Chamico, Madeira su-
perior e outros a 900 rs. a garrafa e 95
a duzia. .
Vinho Bordeaux das melhores marcas: St
Julien, Medoc e S. Estephe e outros a
640 rs. a garrafa e 75500 a caixa com
urna duzia.
(;houricas e paios, o mais novo que se pode
desejar, a 250 e 600 rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez dos melhores fa-
bricantes a 900 rs. a garrafa e 105500 a
caixa com urna duzia.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
800 rs. cada um.
Licores francezes, muito finos, das seguintes
marcas: Anizetta de Bordeaux, Plaiserdes
dames, Crme de Noyau, Eau Dantzic,
Crme de Menthe, Hude de Venus etc. etc.
80 rs. a libra e 25300 a arroba.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Sabao verdadeiro hespanhol, que raras vezes
vem ao nosso mercado, a 300 rs. a libra e
em caixa ter abatimento.
dem massa de superior qualidade de 160,
180, 200, 220 e 240 rs. a libra.
Graixa em latas muito nova a 120 rs. a lata
e 15300 a duzia.
Pcixe em latas muito novo: svel, pescada,
curvina, salmao e outras qualidades, pre-
parado de escabexe segundo a arte de
cozinha a 15400.
Papel grve pautado e liso a 35800 a resma.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
460 rs. cada urna.
Vinhos em pipa: Lisboa c Figueira das melho-
res marcas a 35200 e 45000 a caada do
melhor e 500 rs. a garrafa, em porcao ter
abatimento.
Vinho velho Chamico em barril, muito proprio
para sobremesa, a 640 rs. a garrafa e
55000 a caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero a 560 rs. a garrafa e a 45000
a caada.
Vinagre puro de Lisboa a 200 rs. a garrafo
e i5*00 a caada.
Azeite doce de Lisboa muito fino, em barril
a 640 rs. a garrafa, e em porcao ter
abatimento.
Champagne das mais acreditadas marcas, a
15000 a garrafa, e 105000 o gigo com
urna duzia.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Bahia a 35500 a caixa, tambem temos
para 25000, 25500, 35000 e 35200 a
. caixa.
Vellas de spermaecte superiores a 600, 640,
e 680 rs. masso.
dem de carnauba e composico a 320, 360,
e 400 rs. a libra c de 105 a 115500 a
arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa, a 15000
a ancoreta do Porto e 15500 a de Lisboa
Massas para sopa: estrellinha, rodinha e pe-
vide a 400 rs. a libra e 25000 a caixa com
8 libras liquido.
Massas para sopa muito novas: talharim, ma-
carro e aletria a 400 e 480 rs. a libra.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso das melhores qualidades a 900 rs.
a libra.
Doce da casca da goiaba a 800 rs. o caixao.
Ceneja das melhores marcas de 55500 a
65000 a duzia e 540 rs. a garrafa
Biscoutos inglezes de diversas qualidades a
15300 a lata.
Bolachinha de soda, especial encommenda,
muito nova em latas grandes a 25000 cada
urna.
^3 ^H se recebem gneros de conta ^^ vende-se em porcao e a reta-
Q propria e dos melhores esta- ^ lho, aprompta-se com toda a
fcg belecimentos da Europa, ga- ^ presteza e exactido qualquer
O rante-se todo e qualquer ge- ^, encommenda dirigida a este
^5 ero comprado neste ^
P S ESTaBELECIHEaTO.
< ESTABELECIMENTO, 3 g
3 3 >
Os proprietarios do muito acreditado armazem Progresso fazem sciente ao respeita-
vel publico e com especialidade aos seus amigos c 'freguezes que tem resolvido resumir os
precos dos seus acreditados gneros, como abaixo vero nao obstante os precos menciona-
dos a vista da qualidade dos gneros que se prdva quanto se deseja servir satisfatoria-
mentc aos nossos freguezes, advertindo-lhes que mandem seus portadores, que serao to
bem servidos como se viessem pessoalmente, isto s no Progresso.
Manteiga ingleza perfeitamente flor chegada Farinha de Maranho muito alva e cheiroza
no ultimo vapor a 8oo rs. a libra.
dem de 2.a qualidade a 76o rs. a libra.
dem de 3,a dita a 6io rs. a libra.
dem para tempero a 32o e 4oo rs, a libra.
Manteiga franceza a mais nova que ha no mer-
cado a 58o rs. a libra, e em barril ter aba-
timento.
Banha de porco refinada a 520 rs. a libra.
Vinho em pipa Porto Figueira e Lisboa a 4oo,
48o, .'oo, 56o rs. a garrafa, em caada
2,8oo 3,ooo 3,5oo e 4,ooo rs.
dem em barril o mais superior que tem vin-
ao mercado a 6oo rs. a garrafa.
Lagrimas do Douro especial vinho do Porto a
l,ooo agarrafa e a lo.ooo a caixa, o preco
nao indica a qualidade d'este precioso vi-
nho, porm venhamao Progresso que a vis-
ta faz f, a este genero constantemente man-
damos vir de conta propria e por isso po-
demos vender por menos que outro qual-
quer annunciante.
Vinho do Alto Douro das marcas mais acre-
ditadas e especialmente escolhido por um
de nossos socios, como sejam: Cames, Du-
que, do Porto, D.Luiz, Carcavellos, Cha-
misso & Filho, Madeira secco, e Feitoria a
9oo rs. a garrafa e 9,ooo rs. a caixa com
12 garrafas.
Garraoes com especial vinho do Porto co;i-
tendo 5 garrafas a 2.5oo rs.
dem com 5 garrafas de superior vinho Fi-
gueira a 2, loo rs.
N'estes novos e grandes cstabelecimentos de molkaaos, encontrar c .
publico d'esta cidade, bem como seus numerosos freguezes do < entro, expostoa \nwfc
todas as qualidades de gneros por menos preco que em ijtaesqaer outro estatal ami-
tos d'esta ordem, pois para bem servir os seus freguezes ble na Europa um cios para serem vindos d conta propria diversos genero?. desde j encontrar r**-
peitavel publico sempre os melhores gneros do nosso mer lo, e por prcfM !%
mos como abaixo vero, a saber
a 16o rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 32o rs. a libra e a9,ooo
rs. arroba.
Sardinhas de Nantes a 36o re. a lata.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. agarrafa e a
i.Ni mi rs. a caada.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e a
l,2oors. a caada.r
Garraoes com 5 garrafas de vinagre de Lis-
boa al,loo rs.
Champanhe das marcas mais acreditadas a
8 e a lo.ooo rs, o gigo, e a 8oo rs. e a
l,ooo re. agarrafa.
Serveja preta marca T e XXX a 6,5oo e
7,ooo rs. a duzia, e a 6oo re. a garrafa,
tambem temos das mesmas marcas para 4,
e 4,5oo rs.* a duzia, e a 4oo rs. a garrafa.
dem branca Te cohrinha a5,5oo e 6,ooo rs,'
a duzia e 5oo rs. a gnala, tambem ha
para 4,ooo rs. a duzia.
Graxa em latas grandes 1,3oo rs. a duzia,
e I2ors. a lata.
Vassounw do Porto arqueadas de ferro obra
de mita durado a loo re. cada urna.
Palitos de dentes massos grandes a 2oo rs.;
e 28o rs.
Paltos do gaz a 20 rs. a caixinha e 2,3oo rs.
a groa.
Gela de Alperche chegada no ultimo vapor
latns de libras a 8oo a. peoliiucha.
Genebra do Hollanda garrafoe* oom 16 gar-
rafas por 6..loo rs.
klem com 5 garrafas de -vinho Lisboa a IM
l00rs. 6 Ideml'mliasqueirasa6,3oore.e6,5oore.ea
56o rs. o froseo affianca-se ser verdadeira.!
Vinho branco de Lisboa proprio para missa ..___a .
vindo j engarrafado de Lisboa a 6',. re. Wp dc ^1* em barricas com quatro du-
a garrafa.
ziasa 44o rs. cada botija.
dem de laranja em frascos grandes verda-
deira italiana a l.ooo rs. o frasco.
Massa de tomates em latas de 600 a 700 rs.
cada urna.
Sardinhas de Nantes, do fabricante Basset, a
360 rs. a lata.
I'lisas muito novas e de carnada a 400 rs. a
libra e 65500 a caixa com urna arroba, ha
caixas, meias e quartos.
\meixas franeczas em frascos de 11|2 c 3 li-
bras de 15400 a 25800, tambem ha latas
de 6 libras. Toucinho de Lisboa novo a 320 rs. a libra.
., .. Tijolo de limpar facas a 180 rs. cada um.
Marmelada imperial, dos melhores conser- Ceboi[as o mlho a 900 rs.
veiros de Lisboa, a,600rs. a libra, em la-1
las lacradas hermticamente. Erva-doce muito nova a 400 rs. a libra.
l'ructasem caldas de*todas as qualidades cm^ominhos dem idem a 640 rs. a libra,
latas muito bem enfeitadas, a 500 rs ca- Garraf5es vastos a 500 rs. cada um.
da urna.
Bolachinha ingleza, a mais nova que se pode
desejar, a 35000 a barric a e 240 re. a
libra.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
a 460 rs. a libra.
Azeite francez clarificado a 800 rs. a garrafe
e 95000 a caixa com urna duzia.
Conservas iinfleEas dos melhores fabricantes
Mixed Rckles, ceblas simples, e outros
a 760 rs. o frasco.
Farinha verdadeira de araruta a 500 rs. a
libra, garante-se a superior qualidade.
Palitos para dentes em caixinhas douradas
Breu, a 320 a libra e 85 a arroba.
Ditos com 5 garrafas de genebra a 25400,
garante-se ser verdadeira de Hollanda.
Cebollas a granel a 640 re. o cento.
Canella a mais nova do nosso mercado a
15000 a libra.
Alfazema o que pode haver de melhor neste
artigo a 280 rs. a libra.
Phosphoros de seguranca individual a 20 rs.
a caixinha.
Papel de embrulho muito superior a 15120
a resma.
Vinho da Figueira, o que ha de melhor a
45000 a canu.
Copos finos para agua a 65000 a duzia.
dem em barril muito superior a 5oo rs. a
garrafa e a 4,ooo e 3,8oo a cariada.
Ameixas francezas em caixinhas de 1 'i. 2 Marrasquino de zara a 72o rs.
c 3 libras elegantemente enfeitadas com ri- Licor francez de todas as qualidades em
cas estampas na caixa exterior a I.3ooI gaiTafas de vidro brancos a 72o e 8oo re.
l,6oo 2,ooo e 2,ooors.
\inho Bordeaux das melhores qualidades
Amendoas a 320 rs. a libra.
Avetees a 2oo rs. a libra.
Ameixas a 15 a libra.
Ditas em frasco por 25800.
Arroz pilado da India loo re. a libra e 35ooo j
a arroba.
Dito dito do Maranho 120 rs. a libra e 35500
a arroba.
Azeite doce francez 800 rs. a garrafa.
Dito de Lisboa 680 rs. a garrafa.
Agurdente de canna de cabeca a 240 e 320
rs. a garrafa.
Azeitonas a 320 rs. a garrafa e 1,3oo a an-
coreta.
Batatas inglezas a 6o rs. a libra e 1,8oo a
arroba.
Banha de porco a 55o rs. a libra.
Bolachinha de soda a 15400 a lata.
Bolachinha ingleza a 200 re. a libra, e a bar-
rica a 35000.
Cha hysson a 25200 a libra..
Dito dito fino a 25600 a libra.
Dito miudinho a 25800 a libra.
Dito doBio a 15800 a libra.
Dito preto a 15900 a libra.
Charutos de diversas qualidades a 15200.
15500 c 35 a caixa.
Champagne a 15 e 15500 a garrafa.
Chouricas a 560 e 600 re. a libra.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
Caf em grao a 300 e 320 rs. a libra, e 95 e
95200 a arroba.
Dito moido a 360 rs. a libra.
Doce de goiaba a 560 rs. o caixao.
Espirito de vinho de 38 graos, a 280 rs. a
garrafa.
Farinha do Maranho a 160 rs. a libra.
Dita flor de laranja a 15 o frasco.
Feijo branco muito novo a 440 rs. a cuta.
Figos a 32o rs. a libra.
Genebra de Hollanda em botijas aSoo rs.
Dita Mamburgueza a 44o rs. a botija.
Gomma d'araruta a 100 rs. a libra, e 25600
a arroba.
Graixa ein latas a 120, e 15300 a duzia.
Genebra em garrafoes de 11 garrafas por
45600.
Licor fino a 800 rs. a garrafa.
Dito era garrafas grandes de superior quali-
dade a 15500.
Manteiga ingleza flor a 800, 900 e 15 a libra.
Manteiga franceza a 6oo e 64o rs. a libra.
Dita hollandeza a 72o 8oo rs. a libra.'
Mostarda a 640 rs. o frasco.
-
Massa de tonales a 640 rs. atihra.
Dita estrellinha pan sopa a 560 rs. r, Massa estnffinia para sopa alta re. a 'fwa.
Macarro, aletria o talharim a 48o r -
bra.
I Marrasquino de Zea a 800 re. ofra* .
Passas a loo re. a libra.
Palitos para denles a 180 rs. o aaaaai
Phosphoros do gaz a 25500 a gr-
Paios novos a 640 rs. a libra.
Queijos do reino :1o ultimo vapw
25500.
Dito de prato ;i 72C re. a libra.
Cenejas de mai as superiores a :a* **
600 e O rs. a garrafa, e 3*5r>. rt#
65500 a duzia.
Dita em barril por I S. a 240 re. a r-i *-
Cevada a 240 r>. libra.
Sardinha de > : 'es I 360 C 400 n 4 M
nha.
Sag a 210 re. I
Sabo massa a 200, 240 e 280 re. a Ham
Sevadinha a 280 rs. a libra.
Toucinho de Lfefr a 320 re. a libra.
Tijolo para limpar Gaeaa a loo rs.
Vellas de speraacete ilo gaz i !,*
libra.
Ditas do gaz DorK l>oas.
Ditas dito en c i tas i "> libias |.
Ditas de carnauba i oo re. a awa
Bitas de eeanposi > a MU a .ts<> n
Vinho do Poil aada a 5->->0. -,
720 rs.
Dito Lisboa, cana la I M a a garrafa a t
re.
Dito Figueira. c td I 35840 e a .
480 re.
Dito dita supe'.. i.inwla a S W
a ."KX) rs.
Dito Estreiiu. ca ida a 3520o 4te
400 re.
Dito Bordeaos a 720 e 800 re. a ta
Vinagre de L i-I.... m garran""- '
fas por 14100
Dito em caiiali S. e | 260 .
* a
Axz.
Vinho do Por', .r: garraoes '' '
por 25500.
Ditoditoengariii toa IdeIJSOO.
Dito lagrimas do Douro a t$400a garran.
Vinho branco d L sboa a 720 re. a aafe
e 55 a caad.'.
Dito do estreito a OO re. a garrafa. .. M'
a caada.
Previne-se ao rcspeitavel publico que todos os gei: .os cima sao da tkj >
dade, c para desengao venham ver; assim como outros que d \am de ser annon
dem em latas de, 1 '/* e 3 libras a l,4oo e
2,6oo rs, cada urna.
Figos de comadre em bauzinhos de. folha
muito proprios para mimo a l.floo.
dem em caixinhas a l,4oo rs.
dem em caixinhas ermeticamente lacradas
e muito bem enfeitadas a l,8oo re.
dem a 2oo rs. a libra.
Passas de carnadas as mais novas que ha no
mercado a 4oo rs. a libra a a 6,ooo rs. a
caixa.
Salmao em latas ermeticamente lacradas a
8oo re.
Lagostim em latas grandes a ,4oo.
Savel, corvina, chernc, vezugo, peixe espada,
preparados pela primeira arte de cozinha a
a I,3oo rs.
Queijos flamengos chegdos no ultimo va-
por a 2,4oo rs.
dem do vapor passado a 2,2oo 2,ooo e
l,8oo, rs.
dem prato do ultimo vapor a 64o re. alibra.
Doce da casca da goiaba caixes grandes a
6oo e9oo rs.
Chouricas as mais novas que ha no mercado
a 48o rs. a libra.
Chouricas mouras encommenda especial nos-
sa a 3oo re. a libra.
Prezurito verdadeiro de lamego em calda
de azeite 5oo rs. a libra
Bolaxinha ingleza a mais novas que ha no
mercado a 2,ooo rs. a barriquinha com
1 arroba, e a 24o rs. a libra.
dem de soda de diversas qualidades a 1,400
rete.
dem em latas grandes, proprias para hinche,
com 5 a 6 libras por 2,4oo rs.
Marmelada imperial do fabricante Abreu e
outros conserveiros de Lisboa a 6oo rs. a
libra.
Frutas em calda de todas as qualidades a
5oo re.
Ervilhas francezas a 5oo rs. a lata,
dem portuguezas a 64o rs. a lata.
Massa de tomate a 64o rs. a libra.
Amendoas confeitadas a 7oo re. a libra,
dem de casca mole a 28o rs. a libra,
Avelans a 2oo rs. a libra.
que tem vindo ao mercado a 72o e 8oo
re., e em caixa a 7,5oo, 8, e 8,2oo re.
Azeite doce refinado do fabricante Pelanol o
outros i 8oo rs. a garrafa.
Conservas inglezas sortidas e de urna s qua-
lidade a Son rs. o frasco.
Araruta verdadeira a 32o re. a libra.
Gomma de engommar muito alva a 8o rs-.
a libra e 2,2oo re. a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca a 16o rs. a libra. .
Sevada muito nova a 12o rs. a libra e 3,2oo
ss. a arroba.
Macarro a 32o rs. a libra.
dem e talharim o mais novo que lia no mer-
cado a 48o rs. a fibra.
Aletria a 5oo rs. a libra.
Arroz carolino a loo re. a libra c a 2,8oo rs.
a arroba.
dem do Maranho a 12o rs. alibra, e a
3,000 a arroba.
Caf do Rio o mais superior que se pode de-
sejar a 32o rs. a libra.
dem a 28o e 3oo rs. a libra e a 8,2oo, 8,4oo
e 8,7oo re.
Velas de carnauba refinada a 32o rs. a libra,
e a Io,ooo rs. a arroba.
dem de spemcete a 64o rs, a libra.
Chocolate hespanhol e francez a 9oo e l.ooo
rs. a libra.
Estrellinha e pevide muito nova a 4oo rs. a
libra, e a 2,ooo rs. a caixinha com oito
libras.
Cha perola muito especial chegado neste ul-
timo vapor de encommenda particular
nossa a 2,8oo rs. a libra.
dem huxim muito superior a2,7oo re. a
libra-.
dem hysson a 2,56o re. a libra.
dem hysson a 2,ooo e 2,2oo re. a libra.
dem preto homeopathico e muito superior a
2,000 re. a libra.
. dem nacional a 1,6oo re. a libra.
Batatas muito novas a 8o re. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
e de todas as marcas, como sejam: sus-
piros, havaneiros, meesecipes, regala im-
perial, flor das martas, primores a 4,ooo,
3,5oo, 3,2oo, 3,ooo, e 2,8oo, 2,5oo,
2,ooo e l,6oo rs. a caba.
Fl''%UBi;AO IIO BOUJflA^-Rli IM>
BRITUI 3f. 38.
Este muito acreditado estabeleeimento est prvido de uu completo sortinv-..!- *
machinismos proprios do fabrico de assucar, a saber:
Machinas de vapores as mais modernas e mais acreditadas.
Rodas d'agua de ferro com seus pertences.
Moendas e meias moendas de todos os tannos.
Rodas dentadas, angulares e de espora.
Taixas de ferro batido e coado.
Boceas de fornalha pelo novo systema Wetsofl.
Alambiques de ferro fundido.
Fornos para cozer farinha.
Moinhos para moer mandioca.
Arados americanos, etc. etc.
AGENCIA-
DA
FNDICAO DE LOW-MOOR.
lina da Senzalla nova n. 12.
Neste estabeleeimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamaitos para ditos.
fttttej da Iiis>ia.
Acaba de chegar pelo brigiie l.nniAi.Ktn
Olio, muito im\i superior: vil
mente no antig<> redilado drw r. ra nw
daCadeia do Re n. 12: onde Un
vende cal de I. .*., muito nova i
commodos.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston & C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
AOS SKS. HH DE uAZ.
Nos armazens do Caes do Ramos n. 18 e
na ra do Trapiche Novo (no Recife) n. 8, se
vende gaz liquido americano primeira quali-
dade a retalho a 105 a lata de 5 galoes, as-
sim como latas de 10 e de 5 garrafas e sendo
era porcao mais barato que em outra qual-
quer parte.
DE
Espiritos na ra Dirita n. 17.
Neste estabeleeimento, sonido de todos os espi-
ritos que a ella dizenr respeito, faz lembrar aos
seus numerosos freguezes que contina a vnde-
los por menos preco que em outra qualquer parte,
como sejam, licores de todas as qualidades, de or-
dinarios a linos, genobra superior, tanto em cana-
da como em botija, agurdente do reino, ail, dita
de canna, alcool de grao o mais subido, e sein
cheiro, proprio para composigao, o que tudo se
promette o afianca o bom acondicionamento para
o que tor exportado. ___
Ra da Senalla 41
Vende-se, em casa de S. P. Johnston & C,
sellins e silhdes ingleses, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavallos, e relogios d
ouro patente inglez.
pfi-hinria.
Xa luja le Aranl- winb-m-se mxi>
conrode hutre para L mea a">
VENDE-SE
una casa terrea, edificada en
proprios, na ra do Jaga da Bala a.
2i>, com 2 sala-. 2 qaartas, casiaaa f*~*
c quintal grande, floteada as freMen
de pedra e cal eos itaes de taia a
tratar na trau-a da Veras a. V).
POTAS9A.
Vende-sa pota.-a inui superior gnaac *
pre^o rommodo : n iargo do Corpo Sanie. *t#-
torio de Manoel Ignacio de Otiteira & FiHv i -
ESCRAVOS FGIDOS.
Fagio
no dia 17 do cerrent. a escraTa I>oomb.'j-
cana, dc idade de 2o annoa, basuntc aafra, r.
baixa, cor fula, lendo ^rotorpllo do braet i
aleijado, tendo |K'r ostume omhnapr-si: ;
a pegar leve-a rna nova de Santa Rit:
de Panlo Jos Gonie? de Medriros. qns sr
compensado. _________
No dia 7 de j.;;n rorrete tofio o
de nome Lino, criouio. dc idade que rrfreymata
annos, ponco mais ou menos, narrado, wadrann
e feio, puxanm pouco pekqnano diralaquaaa
auda, levou camisa dc algodio liso. Wfa 0*t
com punho imitando o de jaqoeta. caira t 3^
dao de Ksta, chapeo de palha preto, iem^imewm
serrador : qnem o pegar on nveT nom mm,
leve roa da Praia de Santa fOtf IW* W1, ^"
onde mora o Sr. Joac Caetano dc Afcrro. >e
pratifi<:ado.


i II FfiVFI


*-.
Piarlo de Pernatobnefl sitiara telra te de Agosto de Hi.
LITTERATURA.
PAILO.
III
(lioicliiso.i
*<*".....anidar a visi-
o leilor adaviulia que Arate ,,,-o.L^ ,anramJo.,no lll0Ihar de suprema ternura, ora
lava o despiezo era que o marido a deixava Tinha orgulho e vaidadefoi preciso punir esses
agora comecava a sentir as torturas de um amo r dous grandes vicios. Hoje soffrendo menospresos,
que era prohibido alimentar O baile! o baile
que recordaeao nao veiu elle desportar-lhe que
impivssoes toi ali sentir I
Quando se deitou,nao pode pregar olho.- A ca-
bera ardia-lhe; as lagrimas sallavam-lhe dos olhos-
Paulo apnarecia-lhe como urna visan grandiosa,
melf< l o convite
i i i ronecoo a apparecer nohoii-
baile eslava concorrido a animaco
que ia fugindo.
bs pi imeiros arrebes da madruga-
da "r perguntou Caries a Frederico observando no
soltando dos labios impiecaeoes de desespero. E
de qnalquer modoou sereno e bello como ador-
mecido nos bracos della. ou inquieto, furioso como
Bjue mordido pelos zelos. de qnalquer modo lhc pa-
reca grande, admirare!!
Como ciilao Ibe recordavam as doces convorsa-
ma anella os cirOes avermclhados que roes, ebeias de poesa c affecto, que ambos haviam
* Cl'" tido outr'ora Aquellos momentos eni que, possui-
|do elle de exaltacao intima, airascbilidade, o arre-
vida nao rompen urna s, bata ment daquetle carcter, apparecia em phrases
e viesse achar-me tao feliz como hoje. amarguradas. cheias de azedunie, onde at s ve-
is o
Anda na minlia
zes soltara a blasphemia!
Mas ella queria-o assim arrebatado, irascivel;
vnWvo dos labios, era osorriso amoroso, seriam os
beijo frvidos, sofregos ; em vez do hornera altivo,
Se pod ver no meu corarlo !... J lnaoexs-
ic inferno: agora...
IVns o cu e o aojos, nao assim V.
- Mais do que isso '
Entao... oque !
A felicidade !
E O cu nao seria a felicidade ? !...
- O cu a gloria, e a gloria nem sempre isso-
felicidade, Frederico, raro sesete mas se
Miste, um segundo que seja. nao a trw -riamos en- indomavel. ieava a crenca dcil, meiga, cari-
co nem i>elo cu '.... nhosa.
- A orebestA susorrava ao longe una pbanta- Oh! como elle era sempre bello aos olhos de
adi Wuher. As mulheres jazuu recostadas nos Luiza, depois daquella noute do baile* Senao
aopbs A-luzes comceavam a perder o brilho h>m umerro dizia ella ama-lo-hia. e seria-
cora os rentaos neiinaes. O chao eslava janeado n-,.. ambos Mizcs... mas nao posso! era o adulte-
r)e flores n urdas c desMhadas siguas ramalhe-' rio e o adulterio um grande crinie!...
te- qo anda existan as miios daquella* formo- i.an|0 ncns01I qne dova apresentar.se quantoan.
auras exhaustas pela fadiga, estavam faados com te, em casa do conde, para que esto se nao esque-
leraao dados noprepassar doudejante ,,0,., de lhe haveI. foi(0 0 ofrerecimenlo do baile.
' s*8, I Dons das depois eslava a porta do palacio, e mi-
C a poesa do baile esla no acabar, quando a' num ^.^ en(rava no g;||)ine|e da condessa.
, goda, ei-gnendo-se no cu. vem encontrar os i Lui7a tnna 0 scmb|anle um poUC0 mudado. Es-
to paUidos os olhos lnguidos ; as flores des. lav,m paMdas M faces os beirS sefXOf os 010s
e achando-me na edade em que a mullier tem a
intclligencia esclarecida, e oeorarao formado para
sentir grandes affeifSesvivo delagrimas, que sao
a minha unir consolarao nesla vida de isolamen-
to. I'asso no mundo rodeiada de galas exteriores.
Esses homens que galanteiam por offJoio cerram-
me, e eu acho todos inspidos. O corceo sent
necessidades que elles nao sabem, nem pc-dem sa-
tisfazer. De dia, de noute. a qnalquer hora, existe
na miaba alma travada urna grande lulaentre o
eoracao ardeule, elieio de vida, sequioso de im-
pressoes que me falla de amor e prazere a ra-
zo fria, glacial, que me recorda os deveres. Sou
mulhermas sou esposa. E ao mundo que im-
porta que en seja menospresada, abandonada de
meu marido ? Se errar, cae o erro todo sobre mim.
Poucos sao os homcos de eoracao que se atrevem a
lastimar, a defender a pobre mulher que cahiu
por que a empurraram mos que deviam escora-la !
Poucos se atrevem a proteg-la, por que o mundo,
porque lamben, se o chuna o nao mordesse, se o ino.sou c>'nismo crucl- aponta-os e diz que as suas
despreso o nao atormentasse. nao baria eoracao ld'as os,ra8ara a "> Boa moral; a que para
ais tnno. mais extremoso, mais dedicado! Enta0; sustentar-se de tantas victimas carece l-, pois,
em vez do furor que lhc faiscava nos olhos a ter- i forCso conformar-me. Soffror, soffrer sempre ;
mu a os languocia; era vez do estremecimento con- ma c le, gastar a vida com as successivas vigi
!is!
Amor! procerest~! porque nao deseis eolio
ai' Depois do baile... as caricias, os lieijos.....
IV
~ .iTiii.-forinaeai.i!diz o leilor jadicioso
i re o fim do antecedente capituloque
tran n a^ao no carcter de Luiza?
C oeordo, E eu que a transforme! foi porque
i ci a necessidade de ser fiel i chrouica.
C .sanenlo para a maior parte das mulhen s
calados de escuro, como que demonstrando largas
in-omnias. Mas era assim mesmo formosa. Os
i al' 'los puchados atraz descohriama fronte recor-
tada e pura. Vesta um roupao de seda azul claro,
preso na cintura por um cordao, cujas liorlas lhe
el egavam quasi aos ns.
A condessa la scutada n'uma grande rollane.
Quando Paulo cntrou jmjz o livro sobre os joellios,
e convidou-o a sentar-se ao lado della.
I>-me prazer em v-loaquidisse ella.
E eu vim... para v-la. Sen marido convi-
i lias, queiraar as faces com lagrimas, quebrar a ca-
i beca contra as paredes e nao soltar um ai!.., At
o direito de nos queixarmos nos tiram.
Pobre moral, rcpto-lhe, a que se alimenta com
as lagrimas e dores dos infelizes!Nao nos per-
raittido pedir amor ao corac/Lo.Querem os ho-
mens, com as mais insensatas theorias, que nos'
mulheres, cuja vida amar, sejamos ndifferentes
sempre. Indifferenca! Quando a indifTerenca exis.
te em peito de mulher, que ella nao possue. nc-
nhum dos dotes que sao o thesouro do seu sexoa
ternura, a meguice, o affeicoar-se! Mas sejam
essas affeicoes para teu marido exclusivamente t
dizem elles. Agradecamos-lhes o conselho, nos,
que soffremos o abandono. Amor a quem nos
abandona! Amor a quem foge delle Meguice
a quem nao as quer! Carinhos a quem os repel-
le I peior isso, muito peiorpor que se tenta-
mos e coramos da repulsao, as lagrimas salfam en-
tilo ardentes, e toda a organisacao moral da mu-
lher se rerolta. O marido perdeu ludo no espirito
della... ateo direito de lhe pedir que seja honra-
um Para Luiza foi-0 certamente c as li- dou-me a visila-lo; aprovoitei o mais cedo que pu-
pS que se aprenden na escola da experiencia, ]('0 Acba que fiz bem ?^y
umiificam, iransformam! Quanlas uwtanorpboEes! Fez muito bem. Acredite que nao sou ingra-
n ioffi 0 maso carcter no perodo da vida ? ta 's0 nunca !....
i za nana mais a escola da f nfelieidade. Esia-
v la havia perto de dous annos, c en lodo
e-. mpo. confessava ella, nao t vera um da como
epeira Luiza (ora adiar no conde o que
m Se ssperar de um bomem que a nao amava. A
sua paixSo dominante era a caca, e os candios.
E que sonhara o consorcio um paraizo, em que
omar:do, sempre amante, extremoso sempre, lhe
ifi ?se todos os cuidados cncontrava o conde.
- rredio. mullo longe della, passeando a ca-
v.ilb. com os amigos, ou correndo pelo- campos
las I bfn ? li ella so em Lisboa, solada no
pas
Cautela, meu (dalgo! pertgoso deixar a mu-
Ingrata Ingrata porque ?
Ingrata sim; se me esquecesse de que lhe
elevo muita aflecao.
Seja franca de que modo recompensa, pois'
este anecio qne lhe voto?...
Eslinando-o... mullo !...
Luiza eslava um tanto perturbada. Nao quera
r. novar a scena do baile porque assim lhe segre-
dava o dever, mas o eoracao impellia-a para isso.
Estimando-me... disse Paulo isso tao va-
go !... E porque nfioquer dizer... amndome?
E' impossivel redarguu Luiza inquieta.
Ama-lo, v impossivel : faeo quanlo posso offerecen-
do-llie a minha maior estima : dzendo-lhe que o
te 10 mancebo ergueu-se pallido, transtornado,
e foi cabir de joelhos ai. ps da condessa, apertando
e beijando-lhe as mSos.
Luiza!Luiza !~murmurava elle.
Cboravam ambos. J2ra um espectculo de com-
moter, observar aquelles dons seres na flor da
mocidade, ambos bellos, ambos cheios de vida, na
edade das venturas, chorando assim a nfelieidade
que sobre ambos pesava. E quera foi lancar na-
quellas almas o veneno dos soffrimentos ?A mao
impiedosa do mundo quando escreveu no cdigo
social por cima da santa palavra consorcio, a ex-
pressao de Satanazcontrato!
Contrato, sim, conveniencias, interessesf O
mundo levanta sobre um pedestal estas imagens
da corrupcao, incensa-as, e sacrinca-lhes victimas
innocentes. que a sociedade entendeu l na sua
satnica sabedoria, que o vicio vestido de ouro, co-
berto de joias, ataviado de galas, flca eclipsado e
escondido debaixo de tantas pompas !!
Para que chora, Luiza ? perguntou emflm
Paulo. Se soubesse quauto soffro em vplhe essas
lagrimas I ?
Obrgada,Paulo. Pergunta-meporque choro?
Porque sou infeliz, e porque o fiz infeliz. Fui o seu
man ahjo, nao fui ?
Nao, Luiza, nao. O passado l vae. Sci esque-
ce-lo. Agora tenho a sua..... amizade, nao
assim ?
Luiza nada respondeu.
Deu-m"a j outr'ora, coutinuou elle, mas era
menos sincera do que hoje, se o eoracao me nao
ilude.
Diga-mc, Luiza. nao poda essa> amizade con-
vertef-se anda em amor ?
Luiza sorrlu, c respondeu muito baixo .
Poderia ser...
Oxal que assim fosse tornou Paulo com o
regosijo pintado no semblante.
Oh! Luiza o amor, o amor Como seria
bom Amar-me! arnar-me muito tanto quanto
eu a amo juntarmos para sempre nossos cora-
oes, nossas almas, nossas existencias !... Nao se-
ria a felicidade ?
Talvez murmurou ella com o mesmo ang-
lico sorriso.
O leilor comprchende que estava andada urna
grande parte do eaminho. No fin da entrevista
ambos se tinhara. maravillosamente entendido, e
danao lh'o concedera se quizesse faz-lo valer, se a leilora podesse espreita-los na occasio de se
Olhe, Paulo, se casar nunca abandone essa mulher! despedirem, teria inveja da ternura con que se
que chamou a si, e que, por consegrante, tem di- separaram.
abandono, porqne se, ha eonsa que as Dra I preso mais do que a meu pae. Que mais desoja ?...
o eoracao oserem menospresadas!oaban' Tem razao! J concede muito! observou
ta:: o abandono para as mulheres o mais im- Pa>ilo com amarga irona.
p liMvel dos crimes ; c se as deixaes. as aboudo- j E- 0 ^ |K)SS0 con(.cd(.r.
E" o i|iie quer concider.
Naobradou ella estendendo a mao para
o i1-. ouvedei$-mf quasi o direito de procurarem
quera indhor as estime. E' lamben una qoesfSo
deorgulho-desejam mostrar que valern anda
i ; >, se un m nao quer, outro as aprecia.'
i. uza estava ueste caso. Mnitas vezes conten-
pl ao espeiho, e rendo-se linda, nmrmnrave
co taiva e azedume :
Pois nao sou formosa ? Nao me dizem os ho-
* qne sou bella, muito bella? liso elle medes-
j pela caca e pelos cavallos!! lsto insup-
reito de lhe exigir amor e extremos, para que fe-
nha tainbcm o de lhe exigir a conservacao da sua
honra !... Ahi est a minha vida, o estado a que
me acho reduzida. Nao me estranha ? Nao reco-
nhecc no meu rosto as angustias que infloram esta I
existencia de luxo e grandeza ?! Debaixo dos bri- i
Ihautes, dos ornatos, de todo este apparato estupi-
do com que apparecemos na scena do mundo, quau- i
tas vezes urna mao de ferro nos est esmagando o
eoracao quantas vezes estamos reprimindo as la-
grimas que querem sallar violentas !Quem ade-
vinha a noute que vae pela aliada mulher, quan-
do ella passa entre os claroes das (estas ? Um sor-
riso que lhc salla nos labios, o doudejar da dansa,
a conversacao animada, parece que a mostrara um.
ser feliz e alegree s vezes a danca procura-se
porque atordo-a ; o sorriso una eonvenco que
se fez com a sociedade, e a que nao pode faltar-se:
a conversacao animada por urna exaltacao nervo-
sa !E quem diz entao que a mulher martyr?
Raros adevinham esta triste verdadeainda,. mais
raros a crm !...
Creio-a eu, Luiza. E preciso que no mcio
dessa tormenta do espirito e do eoracao, a mulher
Estou que as grandes afleicoes tem afloal a sua
recompensa.
Paulo prncipiava a consegui-la. Amara muito,
soffrra immensOj c hojevmha encontrar no eoraeao
de Luiza o premio da antiga dedieaco. Era pos-
svel ipie em frente de tanto amor Lua nao sen-
tisse que deva tambem ama-lo ?
Paulo esquecou entao todo o passado. Nem j
se lembravadas lagrimas que outr'ora verter.
Tiuha inteirainent olvidado a udifTerencas de
Luiza... Se elle hoje era feliz !
Quantas vezes, quando o conde andava cacando
l pelas quintas, os dous amantes passavan da
juntos, inventando cuidados, olhando-se modos e
silenciosos.
feta noute, quando a la passava melanclica-
mente no cu, eseondendo-sc nos caramanches
dos jardins, faziaa ambos juramentos e pro-
messas !
Depois que ntimos gozos succediam I Como
Paulo se senta feliz brincando com os formosos ca-
bellos de Luiza. correndo-lhe a mao pela fronte, e
sellando cada caricia com um sculo!
O' mocidade assim que t vives O amor
seja miraculosamente virtuosa para ter a coragem a seva que te nutre, que te d frescor, graca, ale-
de a arrestar.. .nao assim ?...
gria Envclheeos prematuramente se te condem-
eu querer-mc-ia sempre feliz, c de Bom grado re-
signaria a vohtptuosiade da dr ; porque achar
prazer em sentir a desgraca, nao oulra cousa.
Eu, que preso excessivamente todas as voluptuosi-
dades, ainda n5o pude conceller como no soffri-
menlopossa ella existir.
Nao se confunda todava a dr com a melanco-
la, ou mesmo com a tristeza, nao ; iso outra
cousa. A mais doce felicidade a- melancola e
a melancola immensamente voluptuosa. Ao lado
da mullier que amamos, sem alegras ruidosas, n3o
nos sentimos com ludo felizes ? Naquelle estado
de vaga melancola que nos torna silenciosos, ab-
sortos na mutua contemplacao, quando as mos se
apertam, os labios se juntara, e as lagrimas vem
as palpebras, nao nisso, pergunto, que existe a
mais doce, a mais terna voluptuosdade ? Essa...
quero-a sempre, sempre ; nem carero dos contras-
tes para saber apreciar I
Devia, pois, acontecer que o conde princpiasse
a desconfiar de sua mulher. Ilouve quem lhe fal-
lasse das frequentes visitas de Paulo durante a
sua ausencia ; e o conde, que at ento andar na
boa f de homem que nao era muito atilado, co-
mecou a mudar dciystema de vida. Pouco a pou-
co foi se tornando impertinente, e varias vezes
usou de estratagemas para descobrir provas que o
eertificassem.
Despedia-se de Luiza dizendo que nao voltava
antes de tres das, e no da seguinte entrava silen-
cioso em casa sem se mandar annunciar con-
dessa. Nunca, porin, lhe foi possivel apanha-la
em delicto. Conhecendo as desconfianzas do conde,
procuravam, ella e Paulo, com sacrificio da propria
ventura, verera-se o menos possivel, c s muito
oceultas.
O pobre conde soffra com tudo urna grande tor-
tura moral." Nao socegava um instante, andava
sempre reccioso, sempre desconfiado, e Luiza sof-
freu-lhe muitas vezes os mus humores. Que que-
ras, meu (dalgo ? Quando deixasle a mulher ao
abandono, esquecendo at que existia esse ente a
quem.estavas ligado, para correres em busca de
prazeres contrarios felicidade domestica, para
ires dar a outras mulheres o amor que devias dar
a tua, nao te lembravas, que poda ella esque-
cer-te ?
O conde imaginou um meio de destruir as rela-
foes intimas, que tinha a conviego exislrem, en-
tre sua mulher e Paulo de Mendonca. Foi o de
servir-se das suas influencias para fazer sabir Pau-
lo de Lisboa com o navio que commandava. Teve
porm, mdo, mnitojuedo de-ridiculo. Ir pedir a
ausencia do capito-tenente, era confessar-se ao
mundo marido engaado, e justificar os boatos que
a tal respeito corriam. O ndfeulo cair no gran-
de ridiculo de se confessar trahido por sna mu-
lher Trema o-conde diante desta terrive! idea.
O ridiculo mete mdo a todos... e eu sou o primei-
ro a ler-me grande respeito. Nada conheco que
mais rcvolte, que mais afflija, do que cair no ridi-
culo. Talvez eu- tenha cabido era muitos : mas
peco- a Deus qae me nao faca cair... em mais
um !
O conde teve, pois, o bom senso, de nao optar
por esta idea. Era boa de mais, ao que parece.
Fado que a nao aproveitou, e preferiu sabir elle
de Lisboa. Proven que tinha mais espiritoso que
eu pensava. Empregando infhenciasconsegniu ser
noraeado secretario da nossa legacao em Vienna.
-\o dia da nomeacao foi qnando elle deu parte a
condessa de qne iam partir para a Austria. Luiza
nao pode receber a noticia sem empaliidecer. O
conde percebeu oque tal pallr signllcava, e sahiu
bruscamente sem lhe dizer palavra.
Imagine-se fcilmente como Luiza devia flear,
Toda a felicidade eslava era terra !
Que entrevista Foram lagrimas, km
testos, foram exasperes '. Paulo parela
no delirio da desesperacao propnnha a Lema a H
ga Mas a condessa resista s propostas do al
lucinado mancebo.
Dez dias depois Luiza oVvia partir pora V*
Na \espera noule foi determinada a
final. Se houve Iransportes de dor na co
cafo da m nova, agora foi um delirio, baye-
tamente abracados, face a face, rhoravam M M^
um do outro > e I*aulo. no calor do di idwfui m-
vocava at Salanaz c os abismos Pareca que pe-
tencia alguma da Ierra seria capaz ir
aquelles dous entes, unidos pelo amor p.-lo
cao, e pela alma I Hroes de sentin*uio,
tambem ser hroes do dever, e hroes nomartyrf.
Mas foi forzoso aparlarem-se. Depon airara
rem-se oulra vez. beijaram-sc com a sorregurt -
do desvario, e tornarain a -clarar-se.
Adeus Exckmou
sahir.
Adeus !murmurou Luiza.
. E cahiu desamparadamente. DesLIh-ria dr
baixo do peso da dr e da conunocao. Paal re
trocedeu, c delou-se de joemos. ergnendo-a sotr.
um braco, e beijando-a nos cabello-, aa Irome -
nos olhos !
Mara sempre amiga, sempre confidente i
lirs desgracados amores, apparecen.
a condessa n'um sota, c vendo que ella ia reroye
rando os sentidos, fugiu como espavorido. Ifereia
va que Luiza lhe fallasse, poripie cnlo
forcas jiara deixa-la. O infeliz levava ora i
no eoracao '.
a? 1
aolo -orreai par-
le
iitavj
nam ausencia dcllc. O amor, os prazeres sao a I Os momentos venturosos que passara ao lado de
Paulo, Que" outro allerlo pono dar-lhe ? a mulher, K assni),-, E u ni feliz a que pode fsiStir! m nocessidade iadisponsavel, porque- tens fogo Paulo, acabavam, talvez para sempre. Longe, tao
casada que outra estima pode ofTerecer Jibe, I Mas antes morrer que adormecer nos bracos docri- ^ vejas vidano corac5o exallaelles no cerebro, | longe de Lisboa, o n^um paiz onde quasi nunca
Paulo : quero boje ser franca, inicuamente franca., mC: e accordar em lula com o remorso I
Desde multo que reconheco quanto vale o seu co- fallara05 ns cn> ^^^
racao : live muito teinpo pan o avahar. Mas en- ^ ^^ ^ ^ ^ a ^,
tre nos existia una grande ditlerenca naque-lia
poca. Meu pae presava estas convencocs parff m triste sorriso deslisou nos paludos beicos da
e sonhos na imaginacao
ciliares que a nobreza tinha establecido para con- condessa.
por.atf1 pesprezada aos vmleecinwaimeo.e;^^ wJa8Muait n0 scu gromio-j v que Mu.a vida ?-dsse ella-Para si talvez; para
.s .lamento do eoracao ^ ^ ^ |)ur,eneer.lno. Sc 0 ,ivesse amado> m,n sera n,.|is cur,;i do quc ^^ N5o passam
- :. niio inniios outros que me adulara 1". se
de que vala isso? Ha.ua de casar-me forcosamen- debalde pela alma da mulher estas violentas tem
le. quando e com quem meu pae determinasse. Ef-
fi ctivamentc casei-me. Feliz, nunca esperei s-lo
poique nem amava o homem que me destnaram
Al die amar, c eu o amar tamlieni ? Se me dr os
,ne ni me, nao d-. conde .'!... Mas nem i
rqne isso era... um cT'uiie !
! .i pobre Luiza atirava eoiiisigo sobre una ca-1
rtorava, cborava, ,;i,- met. d. i 'a'"10- *****" ,|,,all,lad,:s ''^^
^osdnspassivamsempro assim loroeoJosos, PBrJBttr: ""****. Z
i mallo andaluz, o a sua-espingarda ingleza, do que
a mulher que um contrato lhc deu por esposa. V
: -liados.
Quando Luiza volt
no- .'llio?. n soffrimentos no
baile (razia lagrimas
roracao. At ahi la-
FOLHETIffl.
ALlilKHO:
POS
U11IUU0SA.ND.
*:.-uii.-i marte.
i a vida de abandono que passarei. Foi
nina lieao por que a Deus aprouve fazer-me passar.
pesiados. Deixam l laes vestigios qne a vida phy-
sica quasi sempre destruida.
Nao falle assim. Luiza, que me faz soffrer.
Crque cada urna dessa s palavras me rasga o eo-
racao ?
Luiza olhou para Paulo como que contemplan-
do-o em xtasi. AS lagrimas com&aram a car-
llie lentas pelas faces... depois vieram em torren-
V
O leitor comprehende como Paulo cLuiza viviam
contentes. O conde era pouco impertinente dei-
xava a mulher s em Lisboa, emquanto l pelo
campo so diverta com os amigos em cagadas e
cavalgadas. Nao fagamos todava urna triste apre-
ciarlo do conde. Era a boa f que o fazia assim.
Acreditava na felicidade de Luiza. Sc de tal arto
nao fra, nao se dariam os aeonteciraentos que Luiza j nao vivera para ti senao en lembrancas !
Quero, preciso-muito fallar-te, dcsafogar. rece-
ber as tuas consolacoes.Da infelizLn,zu.
navios de guerra portuguezes aportara, o que por
consegu nte, lhc tirava toda a esperoncade poder
ali ver Paulo !
Escreveu logo ao mancebo o seguinte bilhete :
raulo. Um grande desgosto acaba de ma-
tar-rae moralmente. Nao ouso communicar-t'o ago-
ra -dir-t'o-hci verbalmente. Vem hoje vr-me
noute.- urgente que fallemos, e muito tal-
vez para o ultimo adeus. Daqui a poucos dias
Contnuafo da .
I 5r. Miguel andava ao redor
191. j
da estatua, mlra-
> com atteneao, bata com o cabo do seu pu-
n I iias dobras do paiiimn que produziam o soui
ia pedeneira.
Ser amare, dizia eUe, ou algum calcario
edr de rosa ? Mas...a vestimenta parece de jaspe,
um aspe amarello desnaiado. E'extraordinario!
f acontecer que nada disto seja 1
com as suas observacfx's causava-me serios
i i ios tema que arrannasse a estatua com a
I ila do punhal; porm foi peior ainda quando o
> puchar pelo seu maldito frasquinbo para verili-
car se as partes descobeilas erara com effeilo cal-
cas io. Oppuz-iiw formalmente a esse intento, pos-
to que me asseverasse elle que em nada prejudi-
cai a a perfeico da obre.
A presenca" do Sr. de Mauvezin me tornara im-
fieclinente e cioso: nao quera deixar ficarogeo-
ogc sosinho junto da estatua, e atorraentava-me
sino lempo a idea de achar-sc o meu rival ao
ade de Margarida. O Sr. Miguel aproveitou-se de
un.i nomento^m que me ausentei para realisar a
vperencia. Quando voltei, disse-me elle mui-
to :-atisfeito: .
A vestimenta de slice, urna especie de jas-
i inda nao determinada; mas o braco easou-
i partes descoiertas borbiilhain ao contacto do
como clcanos. A es'latua por couseguin-
i meo ver. formada de duas substancias diffe-
i es, calcario e slice, e se acbam taoperfeita-
% :-;iialados, ciue torna-se im|ossivcl distin-
guir as lnlias de demarcacao.
Vi duas manchas rucas as dobras do palbum,
out. a na tnica, e outra no braco rolicn e delicado
da preciosa antiguidade. Reprehend o gelogo
un pouco speramente, confesso, pela sem cere-
4 ia do seu procedimento. Elle poz-se a rir, e
na occasio de subir ao carro para retirar-se, dis-
sa-mC em ar de zombaria que havia de voltar
quando eu j aqu nao estivesse.
O senhor nao ha de levar a estatua comsigo,
a-erescentou elle ; se fosse urna moca, ainda po-
da sari
Guppuz que elle tivesse descoberto alguma cou-
sa entre mira e Margarida, que fazia allusao pa-
ra vingar-se do meu agasiamento.
O diabe o "arrogue, disse-lhc en, se que
eiie mesmo n5o o a^hc incapaz!
Margarida oensurou com o oihar a minha pos-
seria : e quanto hoje me arrependo della Pare-
ce-ine que aquella minha praga causou a dosgrara
disse pobre homem.
Elle viera a p com o tabelliao c como a noute
estivesse sombra e chnvosa, meu to convidou-os
a dqrmirem no astello. O Sr. Chassepain alie,
con que no da seguinte logo pela manha tinha
m gocios a tratar em Ardentes. e pois o Sr. Desor-
mes mandn DOt o scu carro, que foi conduzdo
pelo desastrado Dolin.
Parlindo s onze horas da noute s no dia in-
mediato |)ela manha voltou Dolin sem carro e
sem cavallos. dcixou (car tudo n'uma laga a
tres ou quatro leguas distante do castello.
Eis aqu o scu depoiraento ao mesmo tempo co
passo a narrar.
Toda a felicidade tem um termo, e quasi nunca
esse termo se deixava esperar. Vem quando menos
se cuida, apparece, levant-se como ura. phantas-
ma na maior efferveeencia dos gozos.
Dizem alguns que nisto est a poesa da vida
isto na belleza dos contrastes. V. possivel, mas
Paulo estava a bordo quando recebeu a carta.
Piutiu logo para ierra, e a noute estava no lugar
do costume ; isto n'um quarto particular do pa-
lacio do conde, junto aos aposentos de Mara, onde
Luiza poda ir livremente encoutrar-se com elle.
EHLOMi
No dia seguinte, eram dez hora da
vantava ferro o navio que ronduzia o Sr.
Villa-Velha, secretario de k-garo. ea
sua esposa.
O rapito-tenenle. Paulo de Xendoora.
bordo da corveta que rommandava.*
com o oculo as manobras do navio qw sabia. Ver
lhe o rosto mettia destava horrvetarafe ees-
figurado, romo se hornera OVsado o Mft> ie i
longa doenra.
As tempestades qnando passaan na ansa h I
sempre ruina ; e o envohirro de barre soflre-a a
bem 10 corpo que frgil < queforadien,
ria inclume por ende a atma. K>rtreeirnHi.V e-
torce em agonas de naufragio f
A embarcaeo onde ia ronde pas m a aoa-
bordo da corveta. *
Na tolda ia Luiza olhaodo para o npaioweo
le que j ao longe enxergara no lombatkr
O conde com o semblante risonho passeava a>-
longo do convvz com asmaos nos bofa*. PMoar
um pouco insolente. reconh<.'cia-s<* qnr wbmi
victoria, e como que fazendo negaras ao
Entre Paulo e l.uiza houve anda urna
daoolliar foi a interprete drtla.
A embareaerHi desapparecen emfim
sc-na linha dos hnrisonte?. tjuando Paulo a
poda ja alcanear com o oenk.. desrea iiniifodi
mente a escotilha. la cahindo: talkTa i r ilidr I
allucinaro I
Oque se segu depois foi rpido e irap
Na cmara escreveu um bilhrte qne obres
pata a condessa em Vienna, ootro qw>
aberto a mesa com estas palavra :
Urna lancha, ja a terra x levar esto casto ac
correo.
Era a ultima ordem qne dar.
Foi ao camarote. Jirou da gaveta
carrogada. e......................
Os marmheiros sentiram uat tiro do lonea
niara. Correram a loixo e encontraran o con
mandanle morto. < crneo vnara-lhe ea pidiiui
a morte fra rpida, instantnea, m bala aaraaas-
sara-lhe certeira o cerebro.
Em cumprimento das suas ultimas eadeas mi
carta levada lago ao rnrreio. Luisa aaaadn a re
ceben encontrn dentro estas Nemas :
i Adeus. Luiza. A existencia sen ti o su-
plicio, o inferno. Adeusa terra sanara aur,
cu nos juntar.Pimio.
Consta que a condes-.i eMHan grauntan er
ferina com urna congestao cerebral, mas aan caa-
seguira rurar-se.
Frederico, apezar do sea imh< imtift-reate e M-
gaso, nao poda ronsolar-s da morte lo si>a aau
go, e dava graras a Deus por nao trv aaatato ro-
mntico c sentimental cuno Paulo, rvroa-a L.
a elle, na sua sincera apreciaco das manas, qi.
Paulo era um eoraro e-tragado eana inaga
cao de louco. Estou quasi msaostoaacrrnto* an-
Frederico tinha razao.
Reconheco entretanto-que parase ser coav- Pao
lo preciso ter-se urna organisai-..o distineu. F
se elle e Luiza ararretaram sobre -i a aamnaa-
de e per ven tura a censura da gen* de non e si-
juizo, mais ao niumk que a '-lies a culpa dn-
attribuida. Infeliziin-nle estn drantas >ao ai
vulgares do (|ue deveram mr. Fuem
escndalo porque en geral os hroes della*. i
do a lr e a meditar o rrinun ikt
mo Castilho chanaxi a admiravel t. (oethe, ao Weriher. Querem affroator a serieda
de. e a sociedade desoja sobre elle rtnn lar-
ga todas as censiu a-, ladeo ea .inalltrata. todas a
injurias, que ncni sei como podenean U> -
Vale-nos, po-u-ni. que .lena do ansia e do-
sens jalaos, est a pliilosoplfr, unk pitaas a
brilha tara o tamem intelligentc depois de
gio.
A. aa O. Piar-.
1 Da RetoiufiHi 4* SflnaKe.)

phosphoros que estavam molhados. Ouvi o Sr.
Chassepain dizer-me ;
Safa-te d'ahi romo poderes, imbcil, desas-
trado Antes quero ir a pe.
Picando s ali, o mdo apoderou-so de mim,
e ois-me a correr toa, mettendo-mo cada vez
mais nos lamacaes. Dizia r rommigo que aquil-
lo nao poda deixar de ser cffeto de algum sortile-
gio Quando o da eomecou a apontar reronheri
que rae achava apenas distanto de charco uns
quinhentos passos, nao obstante ter andado muito
ele noute. Vi o carrinho deltado de lado, e a bar-
riga do pobre animalejo afogado : ninguem mais
havia por ali.
Por acaso passaram tres trabajadores que
iam seu eaminho. chamei-os e contei-lhcs o facto.
O engenheiro
pode sahir do carro, el
ava o seu cachimbo na mao,
Miguel,
nqiiirito:
Eslava tao escuro que nada se
era mesmo urna confuso. Accend as lanteruas | e ja n5o me adll1rci entao de que elle nao tivesse
antes de parlirmos, mas o vento apagou-as em ca-, fa||ado na occasio da catastrophe.
minho, c nao ioi mais possivel accende-las. Quan-1 f Fo j^^ qe tudo aConteceu, c estou promp-
to mais adiantavamos mais escuro fazia, e mais ,0 a assgnar> e assigno a presente declararo.
forte era o vento. Tome um atalho para chegar Transportamo-nos immediatamcnte ao lugar, em
mais depressa a Ardentes : mas o Sr. Chassepain uc sc A(,n esse acontecimento : era um lugar
grita-mc de repente que me havia perdido^ c^quo cseri0) urna legua distante de S. Joao. Um vento
fro soprava nessas immensas planicies, o dia esia-
involuntario, que quasi vira-nos por duas vezes
conduzindo-nos Ardentes casa do Sr. Chasse-
pain. A pedido de meu to Kadour tomou as re-
deas, e muito bem desempenhou o seu papel de
cocheiro.
Encontramos o tabelliao de cama c com mmta
febre. Quando soube a morte do seu companbero
de viagem. a quem elle abandonara sb o pretexto
de que um homem daquella estatura c torca de-
vra sahir-se bem do perigo sem auxilio de ou-
trem, exclamou suspirando :
O que ha de ser de ns Tambem eu sinto
que me acho s ponas de urna grave molestia I... .
. E seguiu-se um diluvio de quoixas e recrimina-
coes contra Dolin, de quem assoverava i|uc havia
de robrar os prejuizos occasionados pela sua mo-
lestia. Contra a minha vontade regosijei-me com
essa molestia do tabelliao, ao ouvir elle dizer a
meu lio em voz baixa
demais a
I vae ser retardado rom este rontratempo

devia tomar esquerda Nao sabia onde estava, e
por isso respond:
,_Pr\de ser, Sr. Chassepain, pode ser.
E dei de redea para o lado que elle indcava ;
mas tanto andei para a esquerda, tanto andei, que
perd de todo o eaminho, c eis-nos a correr no
meio dos tojaes durante mais de duas horas. De
repenlc o cavallo estacou diante de um muro : era
urna herdade. O Sr-Chassepain raandou-me apear
para perguntar pelo eaminho, porm haviam tan-
tos caes a ladrarem que me teriam devorado se eu
entrassse no pateo. A' forca de muito chamar c
gritar um homem abriu urna pequea trapeira, e
ouvi o estalido de urna espingarda que se arma.
Disse ao homem que eu era Dolin, que me ha-
via perdido, e que nao tivesse medo algum : elle
nao quiz acreditar e chamava-nos ladroei, malva-
dos. Afinal depois de tranquillisar-se un pouco
nos disse que estavamos as Pequenas-Charne-
eas!...E' isto duas leguas daqui, e dolado o
noslo Ardentes. Seriam cerca de duas horas
da i
madrugada. O Sr. engenheiro quiz (car ali at marcou a estatua
va sombro. L encontramos dous soldados de po;
licia, o guarda campestre, e alguns camponezes
bera do charco. O corpb do Sr. Miguel, rom as
vestes dilaceradas, o rosto coberto de Iddo, acha-
va-se estendido de costas os olhos abortos e em-
baciados pareciam procurar as profundezas da
morte o eaminho que seguir a sua alma.
O Dr. Thibaut, que foi chamado para certificar
a qualidade da morte, depois de examina-lo bem,
disse :
Foi o resultado de urna asphixia : nao vejo
leso alguma. Ha smente urna mancha no braco
que sc asscmelha urna queimadura recente ;
mas essa mancha, e duas mais na calca saca, foram prodinidas pelo cido azotico, que elle
costumava trazer n'um frasquinbo que quebrou-se
naturalmente na queda. Nada mais encontr de
gravidade.
Pobre Miguel! exclamou meu tio. Ei-lo
justamente marcado nos mesmos lugares em que
fumar eom Ral de Vincenx, quando Boc entrou,
e tomando urna attitude theatral, disse :
Sr. Valcry, venho agradecer-llie o que fez
por mim, e nao tenho vergonha de dizc-loeni pre-
senca do Sr. de Viaceux. Como nao viese mais
os nieus rredores amofinarcnwne, informei-me do
Sr. Chassepain a este respeito, e soube entao que
todo o meu negocio era d'ahi por dianto com o se-
nhor. que se constituir meu nica oredor. Sr.
Valery, desconfiara sc me vsse em outras miios ;
mas comprebendo bem a sua ntenrao. O senhor
quiz prestar-me um servido, dando-me tempo para
saldar as minhas contas. Saita, senhor, que nao
sou daquelles para quem o agradecimento ura.
(ardo pesado; c crea que desejo ter occasio de
provar-llte o quanto lhe sou dedrado
Alalhei os agradeeimentos de Boc mas quiz
por forra que fossemos no dia seguinte, eu o Sr.
Vincenx", almocar na sua hermida : assim que
mais o nosso negocio Mauvezin chama a casa m que mora. Ral, que lera medo
om este contratemno' (,os vcrsos de Boc- Pre1"'011 um negocio urgente.
Egosmo de amor Fiz votos para que o tabel- \ K aceitei para nao affligi-lo, com tanto que ficas-
liaoVio se reslahelecesse tao cedo I M amioro para depois d amanhaa.
nao nao se restaoeiecesse tao ceao Ma da ^u a meu ljo a permissao de cs-
Na volta a S. Joao meu to estava colrico, o- ,ender os ^jjg ^^^ a cavallo al mais longe,
prehendeu speramente kadour, porque este nao afim de n5o ^^ por novj(.a m atle da cqu,a.
evitouum trilho profundo, como se o pobre spaln j0i cneado 0 da da cacada "era projerio. Meu tio
fosse perito bolieira Kadour olhou para elle Hxa- consentu e eu acompanfiei-a na qualidade de seu
mente, nao responden urna so palavra, e passou a mestre
Nao tinhames andado cera passos, qnando ma
Dolin as redeas e o chicote, dizendo simplesmente:
Toma, governa t.
Depois accendeu um cigarro, cruzou as pernas,
c nao abriu mais a bocea.
A colera de meu to recahu sobre Dolin, que
repeta sempre como um somnmbulo
A culpa
dra !
araanhecer, e teria feito muito bem : mas o casei-
ro nao consentio em abrir-nos a porta.
Continuamos pois o nosso eaminho : atrs
sei o tejal para
Chateauroux. Es que
carrinho se atunda e vira de lado I Gaimos n um
charco d'agua e de lodo que dava at a barriga.
A agua estava fria como gelo. Ganhei mmediata-
mente a margen, e chainei pelo Sr. Chassepain
- vi um tabel-
A
damoisclle Fanny d'Astaforl veiu a todo o galope
juntar-sc a ns. Nao pude deixar de dirigir-lhe
urna praga interiormente.
Entao, acham que muito bonito partir sem
,raim ? disse ella omparolhando o seu cavallo com
do cao prcto, e da mulher de pe- 0s nossos.
E t acbas quu eu preciso de quem rae ande
Chegando ao castello foi elle deitar-se, e Nann- vigiando para nao me deixares um s momento ?
che serviu-nos o alraoeo. redarguiu Margarida despeitana.
Margarida mostrou-se angustiada noticia da Est bom! tornou Fanny. Temos ataque de
trgica morte do engenheiro, e tudo quanto lhe dis- ervos !
sernos a este respeito a impressionou vivamente. I ja passee bastante, meu primo, volteraos.
Pois tambem Margarida nao sahiu da bibliotheca Quando deixar em casa esla bella capricho-
para o salo, pallida c trmula, dizendo que a es-' sa, me disse mademoiselle Fanny, tenha a bondade
tata a linha encarado com olhar severo ti Ver- do acompanbar-me ate Dressais, onde vou dar al-
dade que esses olhos de esmalte sao realmente guias ordens. Voltaremos logo,
sorprehendentes I f Se tens preciso de um criado, vae chamar
Tivemos hoje occasio de estar a sos por uns Dolin, replicou Margarida seccamente.
dez minutos : disse-lhe a demora provavel que ha- Madamoselle d'Astafort sorriu-se com ii
.___:. n-n:..>nn ,1. i-n,. non !.. Inill.niui'-in lln
Em quanto o" Sr. Desormes na qualidade de mai-
re da communa, dava andamento ao processo ver-
bal recebendo os diversos depomentos, os campo-
nezes attribuiam morte do Sr. Miguel mu
anhar ^'^X^sap^ece'o I olhoda, ao sortilegio de ura.ente imag
VSL. I bem que todos elles conheciam o engenheiro mais
ou menos, nem um s pronunciou urna palavra de
compaxao na presenta de seu cadver f
Felizmente era celibatario I proferiu um dos
soldados em tom de gravidade.
Foi toda a oraro fnebre do pobre engenheiro!
Dolin estava to aturdido pelo medo qne tinha
da justioa, e ds consequencias desee homicidio
vera nos projectos de seu pae pela indisposicao do
Sr. Chassepain.
16 de setembr.
Meutio deu hoje nm jantar. Alguns caradores
nada mais respondeu. Ao atravessar o portao do
muro do recinto, o cavallo de Margarida passou
encostado ao roupao de Fanny, e esta applirou-lhe
na anca urna chicotada, tao vigorosa, que o animal
que se zangava e praguejava; nunca vi um tai
Uo praguejar tanto I O engenheiro nada dizia.
eseuridao era tamanha que eu nao enchergava
cousa alguma. e nao ha\ia meios de acceuder os
do paiz, entre outros o meu rival, fallaram das partiu a galope levando comsigo Margarida, ainda
suas emprezas de montara, e contaram mil proe- pouco exerctada Corr ao seu encalco, e conse-
zas. Tanto enthusiasmaram as nossas jovens, que gra felizmente det-lo-
foi logo organisada urna cacada para a semana
.indoura. Fanny, que tem orgulho de montar bem
Fanny acompanbava-nos, e dizia rindo-se:
para te fazer mais forte, Margardinha!
A guerra estava declarada, ni duas jovens nao
a cavallo, estimar bem ter essa occasiio de raos
trar-se : Margarida e su talvez possamos conver- trocaram mais urna palavra durante o da A nou-
sar livreme&ie no meio da condssao inevitavel da to Margarida, que se achava a bordar, chamou-me
cav-Vigada" Paf* Jnnto de si, e pediu-me qne lsse um tratado
Depoi do jantar achava-me eu no meu quarto a de hipbiatrica. Era singular a leirara para urna
reunio da familia : mas emnra a ialearo em
riba prima era contrariar manmmiaaSr Faaav.
Veja meu primo se encentra anee Lita al
guma passagem que cnsine oque de ve a pato fa-
zer. quando urna amiga de eoracao nenie r in
proviso o cavallo da sna antoja sen se imperta
que esta quebr o- pescoc?-.
Fanny cmpallidcceu. Apertei vivanaaar ara
co de Margarida Kra nprodcacia peaaatar aant-'
la joven, que respondeu-lbe aernaeato.
Margarida quiz levar o caso en ar de irracnr
Nao acabaran! vosss de l pn m' ara
dou a Sra. d'Aslafoil, que se eaanaaaa a'aan par
tida com meu la Nao pode a acato arastor ai
tenr-o ao jogo! Esta minha Man, q deveria ar
mais juizo, e mais rranra da ana a satoa
Margarida tomou o livro apartonto-aw a to
furtivamente; e foi sentar-se ao aiaaa. TOraa -
canlou divinamente durante urna hora Metra; v
pois levantou-se, foi abracar Fanay can toan
franqueza. rctribniniV>-lnc e-la con n briju dnfc
rom a poota dos labios.
Bem niadamoiselle Fannv caiii no veedaieir<
reeeios I
Passando pela estalua ri ao sea ctHo de na
more urna gola d'agua brilhairte eaan ana kan
ma Esse maldito Dolin borrifa toan asenta
os livros sob o pretexto de abaixar a parir
19 iU utrmbro.
Regisiremos o dia de hoaton can loan a ru*l.
do. .Nao estou ainda en mim da sonaranane-1
fri, e s renes parece-me que soaan.
Honiem na torna da minha prensan fas atoa
car casa de Boc Encontr- eanmntoena
sua porta, e decidido, tifia elle, a ir bastar ni
meu leito. se eu faltaste f
No fundo de una |
alas, e rematando iruna estar
pequea casa de Boc con o aM
verdes geologas ao meio dos aanaanwei
rubecidas pelo oiitonino.
O almco estova pronpto, e o paa ama. tonpe
rado com as lagrimas do poeto, aneen anaasaatoi
as honras de costelleas. de on Iraaaa asnto, e 6
urna trata da India, tudo acoamaaaaaa de ana
Sarrafa do velho vinho d'lssoadoa, fan ama cria
a cortez, e redondinha drsaejava
pos. A julgar-se por todo isto poau
bem conveocer-se de que os aa
polo amor qne tinha a Fanny a Asa
as suas odes.
Tive a desgraca de chmalo
sia arriscando una lunannfajen
dinha e a mulher de Dresto Ce^enaei
te que se vingava dos drtoswos da
rom a risoolia Hebe. >
E a este proposito Ioi renjetber naapatun *
papis em que nfuravam em lados w saatotos wt
sos emendados, c quasi inleiliertoto.
t


fCoafnwr m aaj
PER>AMBUCO.- TTP. DEtfMi f*M>.
III
1
I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E8TX55NGA_JBZUL0 INGEST_TIME 2013-08-28T01:20:56Z PACKAGE AA00011611_10174
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES