<%BANNER%>

Diario de Pernambuco ( Tuesday, August 18, 1863 )

Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/10167

Material Information

Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Tuesday, August 18, 1863

Subjects

Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:10167

Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/10167

Material Information

Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Tuesday, August 18, 1863

Subjects

Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:10167

Full Text
mmm.
t

1 >
!
AMO XXXIX HDBEBO 187.
Por tres mezes adianfados . 5$000
Per tres mezes vencidos . 6$O00
TERCA FEIRA 18 DE AGOSTO DE 1863.
Por anno a (lian todo . . 1>$00O
Porte franco para-o sbscriftor.
DIARIO DE PERNAMBUCO.
ENCARREGADOS DA SIUSCRIPCO NO NORTE
Parahyba. o Sr. Antonio Alexandrino do Lima'-
Natal, Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty. o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos do
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaqun Marqnes Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinlieiro & C; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa. .
ENCARREGADOS DA SIDSCRIPTAO NO SIL
Alagas, o Sr. Claudino Falrao Dias; Baha, O
Sr. Jos Marlins Alves; Rio de Janeiro, os Sis. Pe-
reira Martins v Gasparino.__________________
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
O inda, Cabo e Estada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas c
sextas-fira
Santo Anlao, Gravat, Rezerros. Bonito. Caruaru,
Altinho c Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Allio. Nazareth. Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrob,
boa Vista, Ourieury e Exu' as quartas feiras.
Sermhaem, Rio Fonnoso, Tamandar. Una, Barre-
ros. Agua Preta e Phnenteuas as quintas feiras.
liba de Fernando todas as vezes que para ali sabir
navio.
Todos os estafetas partem ao '/? da.
EPHEMERIDES DO MEZ DE JULHO.
6 Quarto ming. as 6 h., 40 m. e 14 s. da m.
14 La nova as H) h., 37 m. e 44 s. da m.
22 Quarto crese. as 2 h., 54 m. e 32 s. da m.
28 La chela as 5 ta., 19 m. e 56 s, da t.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 6 horas e 54 minutos da raaaha.
Segunda as 7 horas e 18 minntos da tarde.
PARTIDA DOS- VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagas a 5 e 25; para o norte at
a Granja 7 e 22 de cada mez; para Fernando nos
dias 14 dos mezes de jan. mare., niaio.jul, set. cnov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipucos s 6 '/, 7, 7 >/i, & e
8 Vi da m.: de Olinda s 8 da m. e da tarde; de
Jaboatao As i i/2 da m.; do Caxaug e Varzea as 7
da m.5 de Bemfica s 8 da m.
Do Recife : para o Apipucos s 3 '/* 4 V> Vi,
5, 5'/, o /a e 6 da tarde; para Olinda s 7 da
manhaa e 4 '/2 da tarde; para Jaboatao s 4 da lar-
de; paraCachange Varzea s4'/2datarde; paraf
Bemfica s 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relacao: tercas c sabbados 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Juizo do eonuiiercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civet: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
.da tarde.______________________________
DIAS DA SEMANA.
17. Segunda. Ss. Mamede e Euliehiano mm
18. Terca. S. Jacintho: Ss. lauro e Floro mm.
10. Quarta. S. Luiz f. b.: S. Tecla ui.
20. Quinta. S. Bernardo ab. dout.; S. Samuel.
21. Sexta. Ss. Ceridio. (.amarinoe Paterno m.
22. Sabbado. Ss. Fabriciano e Anthuza mm.
23. Domingo. 0 Sagrado Coraro de Mara.
ASSIGNA-SE
no- Recife, em a livraria da praca da inde-iend* nr .
ns. 6 e 8. dos propietarios Manoel Figj iroa d.
Paria Filho.
PARTE OFFICIAL.
(.OYKRM) DA PR0VI\(IV
Expediente do dia 13 de agosto de 1863.
Officio ao brigadeiro commandantedas armas.
rrva-sc V. Kxc. de informar, ouvindo o delegado
do cirurgiao-mr do exercito, acerca do que pede
no incluso requerimenlo o cirurgiiio do corno de
sade. Dr. Alcebiades Jos de Azevedo Pedra.
Dito ao inspector da tbesouraria de fazenda.
liestituo V. S. as relacoes e prets juntos em du-
plicata. atlm de que, nao havendo inconveniente,
mande pagar a Domingos Jos Ferreira Guimares,
conforme solhcitou o commandante superior da co-
marca do Bonito, cm officio de 15 de junho ultimo
e 4 do corrente, os veneimentos relajivos aos me-
zes de marco, abril e inaio deste anno, do destaca-
mento de guardas nacionaes dacidade de Caruari.
risto ja achar-se preenebidas as formalidades indi-
cadas no parecer da contadora dessa thesouraria,
a que se refere a informacao de V." S. de 27 do ci-
tado mez de junho. sob n." 470.
Dito ao inesmo.Pode V. S., conforme indica em
sua informacao de hontein, sob n. 609, mandar pa-
gar ao tenente Jos Francisco de Moraes, a quan-
lia de 72JMSOO, sendo 355000 provenieute do alu-
guel de cinco mezes vencidos no ultimo de junho
prximo lindo da casa que serve de quartel ao des-
tacamento do termo de Flores e a de 375600 des-
cendida com o fornecimento de. luz para o quartel
(lomesmo destacamento, durante o semestre de
Janeiro a junho deste anno, como se v dos docu-
mentos que devolvo coberlos com oflieio do chefe
de polica, datado de 24 de jullo ltimamente lindo,
nodnalda freguezia de S. Lou-'carregado por elle de informar oa torea do que
nSirSaSS^SkS eom urgencia a por aqui oecorrcu de mais notovel durante o pe-
SSSSSE? "^Joio "*, k srwawaSSt
Dito aoimzd "i a/ residente da mesa eleitoral' pois que esta carta apenas urna serie de noticias,
da eguez a dfo nda -^ Remello incluso Vine, narradas simplesmente e despidas dos; commento-
a representaca^Te me dirigiram tres membros rios com que com tanto saber o iHusirado corres-
da mesfeleloral 'dessa parodia, para que infor- pondente sabe revestu-as -^ as.
me com urgencia sobre o que abi se allega ; dan- No da 13 reumo-se a assemblea geral dos
do Vmc. o conveniente destino chave d"e que se accionistas da co-npaahia ^"^'J^r
trata na mesma representacao, a qual lite sera capa Gaz no ed.Gcio da Bolsa, para ounrleio
entregue pelo portador deste officio. relajo da direccao no curto prazo da sua ge-
Dito ao delegado de polica da capital. O juiz de rcncia. pQPrAra
paz. presidente c maisnembros da mesa paochial A reuniap foi presidida pelo Sr. Justino Ferreira
cinco vezes maior que o peso de uin comhoyo or- qoanto beta quisto e estimado dos porlueuses. S.
dinario emuito superior ao que se estipula as con- Exc. foi esperado pelos membros do conselho de
dicoes instas pelo governo, resolveu fazer no sab- districto, autoridades administrativas, emprega-
1 -.1" (ITHfi _au___ ____11*___ -________' 1 .. .1 1!tV.MIi\ntn ill\c ,1 <-v
e impedidos ut
tivostrabalhos, e na mesma ndicaram-me como Souza Flores, ed.ztanelle^J^S^
razao disso urna serie de factos de carcter asss tomado posse do cargo de director, conjtnctamen-
graves, e tendo Vmc. assislido constantemente a te com os seos collegas^em 8 dejunho, o Sr.^Joa-
el.-ieao d aquella parochia. e tendo-me declarado quina Antonio de Miranda, e no da immediato pc-
sem'pre o rcWido juiz de paz de|)ositar cm Vmc. dido a' sua exoneras, torajamado o pnineno
*a, cumnre pie me informe com to- substituto o Sr Justino fcerreira Pinto Basto, o
e sob n. 1153.
Dito ao mesmo.Devolvo V. S., coberlo eom
oflieio do brigadeiro commandante das armas, de
29 de julho ultimo, c sob n. 1378, os documentos
comprobatorios, do pagamento que pede Francisco
Antonio de Paula, na importancia de 565840, pro-
veniente de sanguesugas que forneceu e appltcn
aos doentes do hospital militar, durante o mez de
junho ultimo, aflm de que, conforme indica a con-
tadura dessa thesouraria no parecer a que se refe-
re a sua informacao n. 611 datada de hontein, mau-
lle pagar somente ao supplicante, a quantia de....
' 'i-ViO, devendo o restante ser salisfeito pelo ca-
p fao da guarda nacional. Joaquim Antonio Se ve,
em quem foram applicadas 44 de taes sangue-
sugas.
Dito ao mesntn.Restituo V. S. o requerimen-
lo que se refere a sua informacao de hontein,
sob n. 613, afun de que, conforme ndica a conta-
doria dessa thesouraria. mande pagar ao juiz muni-
cipal do termo de Cabrob, bacharel Agnello Jos
(lonzaga. a quantia de 95678, que foi descontada
DOS seos veneimentos do mez de maio ultimo, con-
siderando assim justificadas as fallas que por doen-
(leu o mencionado bacharel nos das 7 c li da-
((iielle mez.
Dito ao mesmo.Se nao ltouvr in<*>-mi<
mande V. S. pagar a Jos de Alcntara Pereira do
. conforme solicitou o director das obras militares
cm officio de hontem sob n. 146, a quanlia de-----
i 835560 rs. proveniente dos concerlos Mtot Das
dobradieas c ferrolbos das portas e janellas da casa
da guarda do palacio do governo, na g
cabidos e as fechadurasdos dous porl
do quartel da conipanbia de cavallaria.
ras do lamine que d agua pan o qu
{.lindo batalho de infanterae linalnieutc
ileiras do fogo do hospital militar, como se v das
inclusas comas em duplcala.
Dito ao inspector da tbesouraria provincial. -
Com o officio. que V. S. me dirigi hontem sol, mesma eleicao prosiga na igreja, onde leve ella
n. 392, reeeb urna copia do termo de arrcmataro principio, conven que ass.m se Taca
do imposto de 25500 rs. por cabeca de gado va.- Jico inle.rado de que a paz publica nessa villa
.-im. impostes cargo da respectiva collectoria nao tem sido alterada e por
toda a conlianca,
daaurgenciaeverdaueoquchade exacto uestes qual nao podendo virooeupar o seu lugar fura
factos, que resumire aqui de memoria, visto como substituido pelo Sr. Francisco Pinto de Mu anda,
a mesma representacao que em palacio foi lida O relatono conclua com o pedido da nomeacao
peante Vmc.. o lenle coronel commandante do de urna commissao revisora po.s que a pozanda
cprpo de polica, aquelle juiz de paz, e o mesarlo direccao dever funccionar ate 30 de junho de 1864.
Gouveia foi a pedido deste retirada para fazer cor- os incommodos physicos de um dos directores e
reccoes e at esta data nao m'a devolveu. <* muilos alTazercs deoutro, os obngavam a de-
0*s factos allegados na sobredita representacao por o mandato as maos da assemblea.
eram pouco mais ou menos os seguintes : Em um discurso extenso e bem elaborado, o br.
Que a polica local c seus inspectores, armados Parada Lettao mostrou o estado da fabrica e cana-
estes de lachas e tercados obrigavam os votantes a lisacao, a conveniencia de algumas obras a fazer e
receberem chapas e" cabalavam porta da igreja as medidas que se deviam adoptar. _
e suas immediacoes, am(^acando-os com prisio e re- Foi ouvido eom rcspeitosa attencao, e a assem-
crutainento. que j tinha ewneeado a reali- blea deu mostras de que desejava que oSr.Para-
sar-se. da teitao contmuasse a exercer o cargo de di-
Quc um grande numero de novo com consouti-, rector. ......
ment da mesma polica, esteva all armado de ca- .Procedeu-se cm*seguidaa eleicao da mesa da as-
cetes e punimos, aterrndoseos amigos, dos quaes semblea geral, sendo eleito os Srs :
dous havia.n sido j espancados da parte de tora da Jnstmo Ferreira Pinto Basto presidente,
dita igreja Visconde de Pereira Machado, vice-presidente.
Que a mesma polica e seus agentes haviam col-' Francisco de Paula Silva Pereira e Alfredo Al-
locado um piquete na travessa dos Remedios para lcn, secretarios,
naodexar vir para a igreja os votantes d'aquelle
lado.
Que um assassino temara assassinar o cidadao
hado urna prova publica, convidando differentes
pessoas para que a presenceassem.
As 11 horas damanha sahiode Estarreja nm
comboyo com dous carros de primeira classe, um
de kreeira e um fourgon.
- Neste comboyo iam o Sr. Lafon, engenheiros
c empregados da empieza, e os convidados que fo-
ram desta cidade, c entre os quaes se coutaram
alguns jornalistas.
As 11 e meia ebegou o comboyo junto r-onte
de Esgueira, onde parou.
Achavam-se all os represemantes da impren-
sa de Aveiro, e umitas senhoras e cavalheiros da
dita cidade, que cntraram para os carros.
O eomboyo passou a |iontc a pequea veloci-
dade, sendo a sua passagem. saudada com enthu-
siasticos vivas e muitos foguetes, e seguio para o
Panno, onde chegou ao meio dia.
Na estaciio de Aveiro esteva postada muita gen-
te daquella cidade, que all foi para ver passar o
comboyo.
No aterro das Agras de Aveiro era curioso o
quadro de mais de 1,200 pessoas de todas as idades
e dos dous sexos, que all Irabalham, e que por ser
cerca do meio dia se agruparan junto de nnme-
rosas flleiras de pucaros do barro preto, nos quaes
tinhaiii o seu parco jantar.
Fignrava aquillo o acampamento de urna gran-
de tribu nmada, e se nao era um quadro lindo,
era curioso para quem pela primeira vez o obser-
vava.
Junto da ponte de- Panno parou o comboyo,
tendo as pessoas que foram do Porto agradavel-
mente percorrido setenta kilmetros de caminho
de ferro.
Em um'pinhal que Oca junto c ao E. da pon-
te do Panno, estavam preparadas as mesas em que
o Sr. Lafon olfereccu um profuso lunch, c as quaes
toinaram lugar 41 pessoas, que eram os Srs. La-
fon, H. Cb. Wilson, engenheiro em chefe das pon-
tes de ferro, os engenheiros cheles de seceo do
Porto e Aveiro, M. M.. Jaubert e Mazade, os enge-
nheiros ao servico da empreza os Srs. Rebollo, Ga-
vand e Azevedo, os directores das obras publicas
Foram eieitos para a commissao revisra os do Porto e Aveiro os Srs. Lecocq e Silverio, o cn-
Srs. -. | Ijenheiro Mr. Ernest Havet, os pares do reino os
(ionselhcro Antonio Manoel da Fonseca. Alfredo Srs. barao de Almelinha e Cassimiro Barrcto, o
dos do governo civil, diversas deputecocs e umitas
mais pessoas.
De passagem para villa Real, estove aqui al-
guns dias o Ilustre deputado o Sr. Guilhermino de
Barros, que partir para aquella villa no dia 23.
Ao apparecer de novo entre os seus amigos,
que os tem sabido grangear pelo zlo c dedicacao
com que tem sempre procurado angariar melbo-
ramentos para o districto que representa va to dig-
namente, consta-me que S. Exc. recebera prova
zer. No meu entender todos andaram bem... mnit'
bem.
O espectculo cucst&u das coiAodiasA cna. fiu>uliade Cesar d-t Laeenbl eI 'm marido k
lima das mudos.
Nos intervallos o joven Hernar.t da Fonceca, V
7 annos, tocou nt> (ano niniivu. sobre as opera-
lluijaofles c Mmllta, e recitou urna poesa allosHM
festa. Foi applandido como o mcreria. ExecuMi
magistralmente, para a sua edade, as duas prr*
de msica, e recitoa como jKJde mular uioa crian
r:\ A 7 anno?.
Na escollia da primeira comedia que foran in
inequvoca dos sentimentos que ammam os hab- ffhzes os nobres artistas. E, deisem-me a4m m
tantos de villa Real, pois a sua espera immensa zor. de nenhum elToito scenico para a maior par.
reumrao deu demonstracoes solemnes de subido a- da gele que frecuenta o theatrx DespiU ie lan
preeo. es que nms ou menos prendan a attencio com
E o Sr. Guilhermino de Barros e eredor de to- ue-resse, c pobre de scenas animadoras, em que .
das estas provas de sxmpatluaque llie tnbutam os ,,aiavra do actor eneontra eco no onvido do,,*p-
seus amigos e homens imparciaes. Como homem lajor) nem con.move. nem fai rir. e, diga-se V
c como deputado tem feilo quanto humanamente e passagem, as plateas do theatro do Poilo :^o^
iwssivel fazer-se para que ao districto que lhe tim disla Que a comedia de merocimonto hit.
conliou o seu destino se preste a consideracao que rai.io ,-. isso nquestionavel; me a accao ben,
merece. _,... ^ conduzida, tainbem o nao neg; mas qne nao esta
E Villa Real ja lhe deve muito. A construccao no ,,oslo dc njuia c,;nte. entrando eu nesse nu
de tres importantes estradas, a junecao n um so nicr0) c que iiS|an,e ma'ssadm-, taaibem um.,
estabelecimenlo das disciplinas que se ensmavam verdade muto visivel e palpavel. u na comed,
em difTerentos casos; o estabeleci ment do tele- que nao sende bem fallada iHUMrtMri.
grapbo elctrico, todos, finalmente, quantos melho-1 n ^^ do theatro tocas;' 1 banda de musiea d.
ramentosalU se notam sao de iniciativa sua. nfantaiia 18. com que o S-. general Kerreira qu/
Vai haver um segundo leilao de prenda.-. n. fa7eI. U|na ,-Jlt;za ab ilusn-es mancc'.- err.penha
jardim de S. Lzaro, em favor do monumento (pie dos om soccorrer os seus illustrcs irmaos n* lide-
os artistas portaenses esto levantando no largo da afanosas" do trabalho.
Batalha memoria do sempre chorado rei o Sr.
D. PedroV.
A nauguracao do monumento est mareada
para o da 15 de setembro. Prciiarain-se grandes
festejos, para os quaes foi nomeada urna commissao,
composta dos Srs. Jos de Azevedo David, Daniel
Pinto da Croi,Manoel Jos de Souza, Joaquim Rodri-
Parabens, pois, aos artistas que cout lata illu-
traco mostraram ser dignos dc perleueer a niara
vilhosa deieoberta de Gultomberg. que * jram co-
roados os seus esforc/sdo nulo mai- glorioso
digno do pcnsaniento nalire que ti eram e qne Ira
duziram na pratica.
Um jornal d'aqui conla con .muii- espirito
go Pinto, Jos Alvos de Magalhaes, Candido tranco romance sgC|0 c ti-is-t*- que em seguida tran>
e Jos Ferreira Guimaraes^-e devem vestir-se nes- ( crev0 -
se dia tantos pobres quanfos os annos que tinha o rje-de a primeira mulher, que 'j pela deso-
fallecido monarcha. bedlemia caprichos;' causa d<>- y-iTrin-rntos da bu
As obras estao tostante adiantadas eo inonu- mand-,,},.. at bella Helena, que foi.causa dade^
mente deve ser concluido em breve. truicao de Troia ; e desde ento at *> noss<* dia-
deputado o Sr. Manoel Frmino, alguns cavalhei
ros do Porto, Aveiro, Estarreja e Ovar, e alguns
membros do jornalismo das duas cidades indica-
das.
Houve brindes especiaes e geraes allusivos ao
Francisco Carnoiro Machado Rios Jnior, atirando- Alien e Antonio Joaquim Borgos de Lastro.
lhe urna facada que rasgon-lhe o chapeo. i Em nova reuniao da assemblea geral ha do esta
Em summa que n'i baria garantas liara seus*apresentar o seu parecer, que me parece nao sera
amigos que estavam da parte de tora da igreja. dcsfavoravel para a direccao que resignou o seu
Declare-me Vmc. mais se estando no dia 11 do cargo,
corrente em palacio das 9 para 10
quando aquello juiz dc paz a meu
mandante contcstaram, deelarou ou nao que eslava seu parecer, no qiml propunha um dividendo de" progiesso destepaiz.
inteirainentc satisfeilo pela promptido com que 105000 rs. por accao, c
votava louvor ao zlo da
se que o es-
que rami-
melhoru8 circuinstancia.
eu baria dado todas as providencias por elle pedi- direccao no desempenhodo seu encargo.
das, e mais anda do que elle esporava. o acres- Do relalono da dirorcao il. preliende-S
dentando que eslava prompto al a declara-lo por tado da companhia e mais favoravel, c i
umu4u wt -Mmim o^e preciso. tHBeioa-se noste nha rpidamente para melhoruS Circu
s,n,r ao tenente corone, commandante do corpo ^^fg^ ^Z^!TT. ".^
.lo ao delegado de polica do Pao dAlho.-lles- gMWL rs. As perdas pagas montaram a...
pondendo ao officio de hontem datado em que \ me. 87:.U75b-rs.
S o recebimento do que ll.e inderecei en, AX^Jfi.<^^^lg5
As duas e meia regressou o comboyo, e s tres
repasson, a grande velocidade, a ponte ou viaducto
de Esgueira, sendo novamente victoriad a sua pas-
sagem ra Ttvas c foguetes.
u convidados uue da estaca &i* Davoaas sa-
liiiam s 8 horas e 20 minutos, estavam da volta
s "> da tarde, tendo percorrido 140 kilmetros por
ida e rinda ou 28 leguas.
Daremos agora conta do que se observa as
pontos de Esgueira e do Panno.
A ponte tubular ou viaducto de Esgueira tem
pila> dc tubos de ferro com solidos encon-
do sen ministerio, podendo por conseguinte sen. o nm aa renniao era a o,ueae.,o ua ,
inconveniente algum continuar na primeira da- semblea geral e da nova'din-nao quo
qneilas rejas, a eleicao. que ah se procede ; rir no inp econmico de 186.1 a [64.
cabete dlzer-lhe qne tendo ja decidido (pie a sentacao do parecer da commissao o.
vo-lbe as minhas reiteradas
essa oecasmo reno-
recommendacoes no
6 tubos teem l,m83 de dimetro.
Os encontros foram conlruidos as condicoes
direccao quo tem de ge-1 de poder all asseutar-se urna segunda via.
4. c a apre- Os tubos esto enterrados na profundidade dc
de exame de' 25 metros, dos 40 que medem de altura. S 5 d'es-
tes tubos apresentaram urna obliquidade de 20 a
27 centmetros, o que segundo os peritos e enge-
nheiros nao altera em nada as condicoes de solidez
do apoio.
A ponte tem oito tramos de trinta e um me-
tros de extensao, sete pilas edous massissoscheios
de betn.
A sua construccao elegante e vistosa.
As experiencias nao lhe produziram o menor
comas.
O parecer foi approvado jior unanimidade. e o
resultado da eleicao foi o seguinte :
Para a mesa da assemblea geral os Srs. :
Barao de Massarellos, presidente.
Visconde de Castro Silva, rice-presidente.
Antonio Alves da Silveira o Antonio Domingos,
de Silveira Gama, secretarios.
Para directores os Srs.
e de 20 por cento do consumo da agurdenle, tudo
, municipio de Cimbres. senUdo de ser ella sempre garanlida bem como a
Dito ao mesmo. Annuindo ao que solicitou o! seguranca individual de todos os cidadaos
director das obras publicas em officio de hontem, I Tnlo ao subdelegado de Tejucupapa-n.lorme
sob n. 158, recommendo V. S. que. em vista do Vmc. con, urgencia f ^SttC lJa '" ""}. P. Ma"0eTose Monterro Braga, Francisco Jos V- abalo.
rmpeteme certificado, e ..5o havendo inconvc- 'junto^^LfrX^Tw-^S^ reir Kn o e Manoel Gualberio Soares. A ponte do Panno nao tubular, mas s.m as-
mente, mande pagar a Juan Wren/.er. arremalanle guezm Joao^ibeum SfW^ff^SISiiuaoo Para substitutos os Srs. : sent sobre dous estribos de pedra con, un. vio de
, e Silva. Joao Auto- 30 metros.
rsconde de Castro A sua construccao mostra todas as apparen-
| cias de solidez.
A commissao credora dos encomios pblicos,
pois tem sido incansavel para que a obra corres-
ponda ao alto lim que destinada e seja digna
da cidade invicta.
A praia vai ser embellczada e calcada a mosai-
cos, e o monumento ser gradeado de bronze e
circulado de otto candieiros de gaz de elegante
construccao.
Na gafera Cidade de Belm, propriedade dos
commerciantcs deste praca os Srs. Pinto e Bocha,
deve ir para a India omaexpedicao de 400 e tan-
tas pracas de pret, urna batera ite artilhera c al-
guns petrechos de guerra.
Foram lidas nos cornos daguamcao desta cida-
de circulares convidando os soldados que quizo
rcm fazer parto da expedicao. para a qual apenas
faiiam duremos nomens, pois no deposito de l.js-
boa ja existem duzeutos e lanto.
Os amigos do alheo niio se cancam em
nos inconunodar. Cada dia novas pronas para
enumerar as mullas que por aqui teem pratioado!
E a polica, diga-se de passagem, conserva-se no
mesmo marasmo e hade custar a sahir delle !
Nao possivel poder dizer aos leilores quantos
roubos se leen, feito ltimamente, anda que pe-
quenos, pois que o de maior vulto foi o-de urnas
100 libras, turmgtada ao Sr. Francisco Jos de
Andradc Bololhi) |r uin criado do liotel da Es-
trella, onde este cavaiheiro pernoitou na uoile de
8 para 9.
Julgo al desnecossario esse babaibo. Diier pie
se roubou um fulano de tal. em tal parle, que O
roubo se descobrio e o larapio foi preso, sao non*
eias que s pdeui nteressar nalocalidade onda
gao passadas.
Que importa aos leilores se .e rcabaran. e w'
logio ou o ivrl-wnaie ? Nada, por certo, porque
nem elles me conhecem, iviii essa noticia, lhes
causa admiraco, porque eslou bem corla quo
este contagio se tem estendido at elles.
Con. a partida da companhiado Gimnasio
para Lisboa liea o Porto reduzitlo. no que loca
diverlimentos, exposLco. de figuras de cera, no
Ibeatro Baquet.e ao cyclorama eslabelecido na p.a-
ii de Carlos Alberto, que o mesmo querer dizet
que ficou Bem passate-mpos recreativos, pois que
a Os estribos ou encontros de pedra sao tambem de pequea duraeao o.cntretenimento, apezar de
construid js com as dimensoes e condicoes para
urna segunda via.
Entre as Devezas o Coimbra s falta assen-
tamenlo de carris na extensao de um kilmetro.
vamente love lugar, dando o escrutinio o seguate Assim progride o grande melhorameute- que
resultado prximamente deve unir entre si pela snppressao
iscondode Pereira Machado.
Jos Carlos Lei^s.
Secretarios.Domingos Manoel Barlioza Bran-
proxii
da distancia inlermcdia as tres primeiras cidades
do reino.
A convite do6 Srs. Malinas Fenciiieerd Jnior
t C. leve lugar no sabbado 18 urna reuniao de
varios capitalistas d'esta cidade. O lim da reunio
i l'inlu'iro. qne mudou sua residencia para o dc
Ipojuca, e acerca
de 16 de julho ultimo.
gula de que trate
12 de mareo de 1853.
Ditoao commandante superior de Santo Antn, der-lhe dous mezes de hcenca com vencimenK* na --- ano Faustino de And. ade.
-Expeca V. S. suas^ordensVia que 08 comman- toriim a le. para ,r a provincia da Parahyba con- *^^*^%j^__
lames dos batalhoes ns 24 c %> de man- duzr sua lamiiia niminoK attendendo ao os prjimos de 17:412^425 rs., entrandonestasom- era a cria.-o de urna companh.a para o estabele-
tarla do municipio da Escada, rcmettem ao Wttj- Opres^nte f^^ ^^Slo^ ma 13:438*531 rs. de sinistros de annos amerio-! cimento de urna fabrica de carbonato de soda em
tenentc-coronel commandante. do quinto batalho V^J^Sg^JJ^SS^S^SSSa res que foram liquidados o pagos este anno, O sal- Aveiro.
de reserva domesmo municipio, como este solicita do termo *j^* J? ^'dia'a do a favor foi porlanlo de M025017 rs., sujeito E creou-se, com effeilo, sendoJelc.la urna mesa
pana conveniente organisaca o, relacoes nominaos Jieri de Amoiin,, resolv pioro.j o - ai,s ' deiW7as de admins,raco e escriplorio. para dar seguimento aos Irabalhos, a qual fleouas-
dos guardas nacionaes de reserva daquelle mu...- .cenca com venc.mentes ,m- por filara de 11 de "JJJ^iBlBrS!K quelicou com- sim cuminsia :
cipiocom as deolaraetas para isso necessarias e junho ultimo lhe foi concedida. ."oTsre \e Jos de Carvalho Vieira. Presidente. O Sr. visconde de Pereira Ma,
relativas a cada individuo ; e remeta V. S. a esta i Fernandes da Costa Guimares e Antonio! chado.
presidencia ummappa da forta de_ resena exis- Desparhos do da 13 deaipislo de 1863. Jos Soares Jimior que en, nova reunao, na se- Secretario. Os Srs. Joao Antonio de Miranda
SSe "o 7^&ot!tZ^^TZ Recentas. aunda-fei, 7, apresentara o seu parecer. Guimares e Hermano Lourenco Fenerbeerd.
Iho n. 5 de reserva da guarda nacional da "
cada.
Hilo ao director do arsenal de guerra.Commu-
i-ieo V. S. que em aviso de 6 do corrente docla-
i-i.-u-me o Exrn. Sr. ministro da guerra ler manda
do foinecer a esse arsenal pelo de guerra da cor
,.';:l".m,CJ^.di?.,*";l garroteada !Jara MW^> o^^^^^^T ''" ""Vassociacao Commercial dc Benoflcencia pos-! ""'nal proEriedade dos Srs. Mathias Fener-
sereni muito para se verem.
A quadra calmosa, e as primeiras horas da
noite s;io as mais agradaveis para passeio enksitios
amenos, o jardim de S. Lazan o lugar proferido
pelas familias que sahem a gozar as auras frescas
da noite, nao porque seja o lugar mais aprazivei.
uwis porqne o que offerece mais commodidades.
Ora o Sr. general Ferreira, rccoiihecendo a nc-
cessidade de um passatempo para os (.ortuc-nses,
ja pie o nico qne possuam tinha ido mar 690
tora, ordenouque todas as quartas-feiras, das 8 as
lOdanoile.tocassc no jacdimdcS. Lzaro urna das
tres lmndas regimentaes.
Foi boa a leinbranea, que est dando excedentes
resultados, nao SO para aqnelles quo sao remedia-
dos da fortuna, mas al pan os desgraeados. A
troco de 40 rs. ha entrada livro no jardim e com-
modas cadeiras de palha para descanco das peinas.
Este beneficio reverte em favor do asylo de mendi-
cidade, que delle se torna eredor.
do almoxarifado.
Dito ao director das obras militares.Mande V. | ^
S. collocar com urgencia, como se lhe ordenou em
Padre Flix Barrete de Vasconcellos. Remetli-
suia em
31 de dezembro do anno passado quaren- beerd Jnior & C., que acedem emboza median-
olfico de 9jde julho ultimo, urna nova fechadurano ,liacSo de ^
postigo do porlo do quaitel das Cinco Pontas. 5Q Jq^ ]
Dito ao Dr. juiz de direito do Rk>.Formoso.-- ipnci
do corrente, sob n. 142.
Henriques."Passe portera
.juiz.de direito uo h**^ do a licenea pedida.
S.rva-se Vmc. de infortar-me com toda a u Julia Candida de Souza Marlins.Nao tem
do ao Sr. director geral da Instrucrao publica para la arC(>s do banco Unio. quinze do banco Mer- te urna compensacao.
sttender ao supplicante nos termos de sua infor- cann]( ^s do banco Commercial, e tres inscrip-; Aveiro o al
Em Aveiro o sal muito mais barato que em
conceden- Coe7do governo no valor nomina, de dous caitos ^S^VmSl^^^'StSSi
ca acerca dos factos comidos nasduas ropi-escii-, y. ^ nforrnaso do Sr. director geral da ins- apn.'sentou,-comprou mais quati
oes inclusas, que me foramfingidas urnaj* a 5o blc{L _. I co Commercial e cinco inscripto
guras de cera, era o nico que se- lhes disponha
para prcm em pratica o nobre |'nsamento, bem
digno dos lilhos distinctos de GuWemberg.
O theatro das Variedades ost j de ha muito
torada moda. Depois que oBaquet foi eonstrui-
uuantidade, conjunctamente do. aquolle s serve para um caso extremo, como
o e cobre. Ora dando-se o foi este que agora se deu. Apezar do hcar mui-
cstabelccimento' ser fun- to desamao. a sua estructura c dc tal forma aca-
dado'no local ein que existe amina de pyrites e imada, que o torna iwuro decente para asegunda
co Commercial e cinco 1nscnp500s.de fcw crn0 no ^"l0 das salinas, devenios antever excollentes re-! capital do reino. E estes motivos foram, natural-
de res.
, No semestre findo em julho,-que o prin.eiro W g^e q.. n.
Iu^>' deste e ao qual nertence o relatorio qoe_a d reccao ^"^E^to
ap.-escntou,-coinproumasquatro accoes do han- ^^ ^tln n^k
materia e outr pela minora da mesa parochia la ,r"-c^;
Ireguezia de l"na.
Dito ao Dr. juiz de direito dc Nwaretb.--Sirva-' ^enda paiTattendrrsuppHcante nos termos do quh o rts,"" ~ ,d0 ",^n,
Be Vmc. de informar-ine com toda a urgencia acer- f isca, A dirc a0 reccbeu ^ doSr. Custodio ^^
Sizinando Hilario Ramos.-Nao tem lugar, viso Jos de Azevedo Machado, um voto de louvor da "A*?",'!"1^^T.?Hp
- D.Maria Francisca de Moura Olivcira Peixolo. valor nomina| du cinco contos de rls.
iRemettido ao Sr. inspector da thesouraria de o fundo existente sobe somma dc porto de *ui",,^'*
EXTERIOR.
ca do qne, no officio junte por copia, me coinmu-
iica o juiz de paz presidente da mesa parochia da
{'rcgu*7ia dessa cidade, ministrando-me Vmc. todos
v,s esclarecimentos e dados que entender necessa-
rios e que possam habilitar-me a resolver sobre a
questaocom perfeito conhecimento da verdade.
Ditoao conselho administrativo. Rocommeiido
ao conselho administrativo que contrat aencader-
nacao de 50 exemplares das caderntas que nos
termos do rogulamento de 3 de Janeiro de 1842 se
devem dar aos mancebos que passarem da compa-,
uhia de aprendizes do arsenal de guerra para os
cornos do exerciio.
Dito mesa parochia de Santo Antao.Informe
eern urgencia a mesa parochia da freguez.a de
^o^t^Z^tX^SSl tardesexte-feira 24, veio de almodoafroctar c
de Albuqucrque S.-Offlciou no mesmo sentido pirlodotelradowres^^^^^^
ao delegado de polica da mesma freguezia e ao ta cidade, que priva boje os leilores da sua bem ela
Dr. jui; de direite da comarca, | horada e circumstanc.ada correspondencia
poneos sao os aconjecimentcs nota.vi- ern-suena--
apparecc una mulher como SMH voluntaria ou
involuntaria. .
> Lucrecia causn a queda dos Tarquiwos, Qw
patea causou a guerra entre os triumvros, Octavio
e Marco Antonio e suicidio de su-
Sera uin nunca acabar se wntasseutos dar m
gar aos grandes acontecirmsnlo*. do mundo em qp-
a muiher representa o pnncip.J papel
O famoso. Qiif'' <;* Ma "*, do celebre sar;nc'
Qucvedo (se a memoria nos r jo fall*,-. . por ante
una granda verdade.
A expltcaeo de qua;i todos os ractos n .(
da vida est na resposte que cor.re*pond'. a asi
pergunta.
- Aindi no penltimo domina. v- dcv.na ir-
guezia de Burgaes. do o-Miselho de Santo Tbyrx
um nova exemplocomprofarivo oh-ssa verdide.
Foi assim o caso :
Na dita Ireguezia vvia coi^ MM a\ *. porqu
era orpho de pai e mai. um rapaz de bou, par
cer, dc nomo Bcuno.
Este moco enamorou-se de urna rapariga i
mesma fregur.ia. c consagrava sita conveis")
o amor ceg a febril dos seos 18 ann- s.
No dia litio enmate barre m cm> darj
pariga, que (razia renlido ik- anwns p k -
11- moco, una romiao, a bretexto de urna ti.
n reunio tfansfonoou-se en bal
uso as a'.deas. fuado npBMS 1 apanga- M pr
tan. nos dias saoios.
As violas cnamavam a tneiro >- ila
e o moco Bruno, que no meio de t-xbs as nM
s linda ollic.s para ver a su'-.nauktrad Mari
dou-a para sta parceia na daw| 1
A rapariga, por ainuo o j-or um canrirn
com que a-s namoiada- rastanMB orftr
sea amadores, recusou oc-nvite e dan- ou ci n
Iro !
O aaante di-sprezado ficou romo .-c IIkt jf-e
tasSOB) J coraco com uuia tenaz em brasa '
O remoquiar dos amigos ague*u-lbe a Mr,
tanlo que para logo lhe e.voaeou M ap0l <
sanenlo sinistro:
Kelirou-s; para casa entrefat a im ir-
pacao, e mais de ptuto subi o seu Josesperj
quando, por se rec lliei larde fui re;.rebedt*'
por seus arito.
Foientoqiie 1.-vail.eln Jelotlo. MI
i-abo da vida !
t Logo que os avs, depobi da ceu. se deilai
0 infeliz Bruno pegn n'unu espinjanl ico
sabio para a eir. e. >enUiidc na !-'
com o dedo.do p desfechou a arma, cuja N*"
rollara na Mata'
a Na manhaa seguinte appari id-
ilio local em que se suicidara '
Falla-se mnilo na ida ;i Braga di I '-'
o Sr. D. Luiz I. para assistir abertura da
exposicaoagrcola, que all d-eve i-i lugar, equ
iniciativa do Sr. governadoi civd daqif-lle di-n >
o Sr. Junuario Correa d'Auneida.
Na> s,. se se verifcala, porque nao m- >>
que baja roiisn-trigumaoflteial a tal res|>eilo
- As noticias de .Miranda do Iteuro sa1 jjerra
joras. Do-BOS conta duina trox-oadn-ppaB tm
ve. eque redurio miseria centonare- d-
remediadas ? N'uma carta d'alli tem
guinles j-riodos. em qne o nconleciiiieni' -:
cripto com tintas bem ragubre
Odia 20 de junho de 1863 ficou frurtm *
levelmpnle na nossa memoria, e nao |-rmiita I'-
que um oulro swnelbante quelle nos venha ap;.
gar a son tembranca. Ilavia alguns dias
hqra da larde, e depois de urna manhaa calnn-
excesso, o rugido do trovao e o cintillar do r-
lampago nos annuneiava que a tempestado M
sobre as nossas caberas, cea n.o da Providencia,
porm, destinava-nds maior llagelte. e paetto
temporal principiado era levad" pelo sopanovinv
lo .outras paragens. e as cousas entravam *
curso regular e normal: era a ameaca .|ne prw
de o castigo iroso. >"aquelle dia. porm. a aggJQ-
mcraeao de nuvens carregadas de forte catga-
ek-etficas principiou Ko de|iois do mete da.
s duas horas da tarde urna extensa nuvem.
densa e escura que opasi nos fez acreditar n P*n-
xiindadoda noute. se apresentou sobre o bonwn-
na direccao stihoeste. Desde ente o trepi-
e s*m de-sconli
nao estar vaga a cadeira que pretende o suppli- assembla pela dedicacao e exforoos que ten. em- X iCinvrni''
ZS&j^*** dt ,a ">,an,rt,Pl,', raNa .t^aCnTio'eb
O capital da companl.ia, que de cen contos de
legeu-se urna commisvTio,
Maria da Costa
CORRESPOWDE^XIA f*0 DIA-
RIO IE PERX.-VIWBfJCO.
PORTO*.
2fi de julho ilr 1S6;.
Um acontecmento doloroso que leve lugar na
En-
avam devolutos, e na platea aconteceu o mesmo. i to do trovo tornou-se constante
- nuar um so momento; aquella nussa n,S[* **
guindo a direccSo norte a ste pasean saa a-
nossas cabegas, e nesse momento parecen qn -
acabava de urna vez esta machina terrestre 11
Daquellcs estavam os bilhetes todos tomados, mas
ha gente que prefero pagar c nao gozar dos d.vcr-
tinieutos que nao estao sua vontade.
Y-se, por isto, que a receita em favor dos infc-
hzes fabricantes seria muito maior se o espectcu-
lo tivesse lugar em algum dos dous primetros
theatrose a influencia mais animadora.
Porfo a circumstanciada noticia com que
tclligent noticiariste brindou os assignantes.
Ei-la: ., ,
t 0 acontecimento leve lugar revestido de todos
os predicados de urna grande festa, completamen-
te justificada no felicissimo resultado da expe-
n.n OSr Adrianno Lafon, engenheiro em chefe te a sua ausencia,* ?conflado ao Sr. Manoel
na divisao do caminho de ferro do Portea Coira-; Adcno*. Figueirdo, secretario geral.
bra, depois de bem experimentada a ponte com' >o Ta do seu regresso. a este cidade ley o >i.
urna carga estadica de urnas mil toneladas, isto , 1 &li|Tol do Canto mais urna vez occasiao de wi <
Ainda assim, os jovens artistas que toinaram dos e anniquiiiou tuno o que era
parte na representacao foram galardoados como valida. Granizio do tamaito de.
. ereciam Os applausos e as chamadas ram queno excedendo o tamanho de
clima de pedra como nao na memoria de^n
tra. cahindo por espaco de alguns minutos.^J""
os vidros da maior parte das asas, destrwo
dos e anniquillou tudo o que era vogt1*,,yy
" uvo.eonatape-
' d>i
temporal k
r--dra-
era para admirar se mostrarem mais senhores de grammas 1 .
si. "Todava, nao ha a fazer especialidade dea Sras baten sobre a parte W**^^
gum, perqu seria offender os outros. Nao se jal- logo o sanjue com bstanle >v*mm
gue, porm. por isto, que entendo que ? devia fa-1 que dizer ?
m
1
111 ifcf\/ri 1


-mmj"*--

TTem-sc apadhado porcao extraordinaria de aves
ile todos os tamaitos, frulas ou mortas pela vio-
lencia do choque do granillo ; e nao acabaramos
se narrassemos pelo miudo quantos successos se-
mentantes se deram por aquella occasio. Masprou
vera a Deus que so os elTeitos desta nAturez o li-
mitados a rea da cidade se tivesse redolido todo
o mal causado por tao devastador plienomeno !
Infelizmente a mxima parle das povoacoes
leste conrelho, todas aquellas que fleavam dehai-
xo da corda percorrida pelo temporal, flcaram re-
dundas mais completa miseria.
Lavradores que "iam eolher trrtentos e mais
alqueires de pao caram n'um momento seni um
muco grao, porque a podra depois de ter quebra-
do e laneado por trra a espiga ja secca e madura,
tendo-se depois fundido, arrastou em torreles aos
ribeiros e riachos que trasbordaran! o grito e resi-
duos assim derrubados A vinha acontecen idn-
tico mal, e nao s o tenro cacho fot destrocado,
mas at a vara c a cepa flcou, pela maior parte,
inutilisada I
Vimos hurlas e terrenos semeadas cagriculta-
das, em que nao ficou um nico vestigio de vege-
laco I A propria batata, fructo que, por estar
subterrado, parece que devia ler escapado razia
geral, foi arrancada e levada na corrente como tudo
o mais. Nao ennegrecemos de modo algum, antes
alliviamps, as cores do quadro que acabamos de
tracar. incahHilaveloprcjuizoqueaquisc soffreu,
e muitos dos lavradores destes arredores, que an-
da ha ponen se julgavam remediados, ficam agora
i uduzidos candado publica, para sustentarem
a sua vida e a de suas familias.
Por cartas de villa nova de Famalico chegou
a noticia de um aconteimento terrivel, em que um
infeliz foi victima da sua dedcaeo t
Ainda nao estao de todo extinctos os sentimen-
tos sublimes e nobres, mas hoje rarissimo encon-
trar quem saiba comprehender os deveres que a
amisade impe. Nao com palavras ou com brin-
des que elles se manifestam, mas sim em occasioes
como aquella que fez victima um infeliz pal de
tres innocentes criancinhas. ja orphos do amor
materno!
O caso foi passado assitti :
Na manha de 14, Jorquim da Cunha desccu a
unt poco a examinar o eleito da exptoso deum
(iro na vespera dado, com o fim de quebrar una
rocha que existe no fundo do mesmo.
Os que de cima observavam, viram-n'o estrebu-
char, (piando descia os ltimos degros da escada,
egritaram porsocborro.
Entre muitas pessoas que acudiram appareceu
Joaquim Antonio da Silva, fabricante, visinho e
amigo dedicado de Joaquim da Cunha. Aterrado
pelo perigo que este corra, desccu precipitada-
mente a escada e atou-lhc o corpo com una corda,
de que ia precavido. Mas apenas tinha feito isto
oirtbou tambem.
Os gritos afflctivos dos que da borda do peco
presenciavam esta secna atterradora, recome-
caram.
Pucharam para cima o corpo de Joaquim da
Cunha, pois que urna das extremidades da corda
ticara presa em cima:
Era, comtudo, preciso salvar o infeliz fabricante,
para o que desccu um terreiro, atado com urna
corda e munido de outra para o atar, o que conse-
guio fazer, retorcedendo logo, mas anda nao tinha
subido metade da escada quaudo perdeu os sen-
tidos!
Foi puchado para cima e seguidamente o infeliz
fabricante, que, para maior infelicidade ainda, era
j cadver!
Joaquim da Cunha est em perigo de vida, mas
ha esperanzas de o salvar.
O que motivou este terrivel aconteimento foi o
fumo da plvora e de outras materias combusti-
ves que desde a vespera se achavam no poco.
A nossa eminente actriz Emilia das Neves es-
t colhendo em Lamego mais flores para addicio-
nar sua cora derainha da scena portugueza.
A nossa Ristoi i conta os triumphos pelas noutes
que apparece no palco. 0 enthusiasmo deliran-
te ; e e espontaneo emeada um, porque aquello ge-
nio inflamma a todos com a mesma forca!
Tem levado scena a Joanna Donda em que
desempenha o papel de Joanna, a rainha infeliz ;
a Dii naturalidade admiravel o typo escollado por Ale-,
xandro Dumas para protagonista da sua obra ; a
Mora Stuart e as Proezas de Bichetien.
Ah tican narradas com a singeleza de esty-
lo apropriada para taes eseriptos, e com as cores'
iue me parece a minha apoucada inteligencia, as
noticias mais {importantes por aqui occorridas
desde 12 do corrente, e algumas mais das provin-
cias circuinvisinhas.
Desculpem-me os leilores a mcsquinhez do Ira-
halho e seia condescendenle romgo a esclarecida
redaceo oeste jornal. Inhbil para semclliames
irabalhos, s a amisade que me liga ao Ilustrado
correspondente deste jornal me poda iinpor o de-
ver de condescender com elle a tomar sobre miiu
a ardua tarefa de escrever um vez para a impren-
sa. Sou digno de alguma desculpa pelas minhas
inhabilitacoes. Dem-m'a os que me lerem e fica-
rei satisfeito de ter cumprido um dever que a mi-
nha conscienca me impunha.
Ao illnstrado correspondente envo mais una
vez, c deste lugar, os meus sinceros pezares pelo
aconteimento doloroso que se deu e que lhe veio
toldar de nuvens negras o horisonte, se nao feliz,
ao menos mais que agora, do.scuexistir. Are-
signaco o nico balsamo para as feridas que go-
tfjam saudades c dores; tenha-a o meu lwm ami-
go, porque o desespero em taes circunstancias
urna fraqueza, Deve de soffrer muto. porque nao
' para menos semelhantes crcumstancias-, toda-
va o golpe era esperado, e todos nos hemos de
sentl-lo.
. .

Mart c Ffrmambuco ... Tcr<* elr 18 d< AgoiC de 1MS.
bou
PERRAMBDGO
REVISTA DIARIA.
Acabam de receber de Lisboa os Sis. Agr &
ijuinteiros um panno de fretro de notavel riqueza
de luxuosa mo d'obra ; o qual monta .'LOGuNJ
decusto edireitos.
de finssimo velludo pelo, bordado ouro em
alto relevo, medindo oito palmos de largura c doze
de eomprimento. A bordaduraacompanha em qua-
dro o galo e franjas que o guarnecem, pendeiido-
llie das quatro pontas borlas tambem de ouro.
A cruz que oceupa o centro, do damasco, e
acompanha-llie paralleFamentente os lados externos
um bordado de ouro, tambem em alto relevo.
Nesse genero, o melhor que ora existe aqui,
segundo o dizem os entendidos na arte.
O nosso collaborador remette-nos a sua carta,
que segu:
Compadre.Amigamente os Israolitas, resolvidos
a obdecerom aos precetos de Dcos, fizeram tantos
donativos para aconstruccao dos tabernculos, que
as mesmas mulheres offer'taram todas as suas pre-
ciosidades at os brincos e braceletes.
Quarenta pranchas de cedro cobertas de ouro
purissimo, candelabros do mesmo melalcapilcis
de prata linissima, ricos veos de precioso estofo e
indo quanlo era magniicencia em honra do culto
I i vino all se achava com profuso.
Hoje temos templos, verdade, mas bem poucb
nag condieocs de se prestarem ao seu fim sem
grande falta de reverencia Divina Magestade.
Alguns ainda possuem vasos sagrados de precioso
metal, donativos piedosos dos nossos velhos, assim
como estofos de melhor qualklade liavidos com a
renda dos patrimonios legados por elles; afora
esses, compadre, causa d o estado das igrejas!
A matriz de Santo Antonio sem contradieco
um dos primeiros templos desta capital. Esta bem
conservado, e tem algum asseio, mas ainda estou
para saber a razao, porque a lampada de prata,
que pendiam de grossas correntes por todo o tem-
plo, foram substituidas por candelabros de vidro
inferiores ao do theatro.
Na poca actual em que o ouro signal ac-
lamento, considerado e resjieito, nao acho conve-
niente a suhstituigao da prata pelo vdro, que pode
influir pessnnamonteno animo daquefles, que leen
o talento a belleza e as virtudes para cousa de
pouca valia, se elles nao se revestem de luvas dou-
radas.
Estou convencido que aquellas preciosidades ho
de estar bem guardadas, mas eu c enteudo que
melhor fora estarem onde de.vcm estar
Nao sei, compadre, para que serve urna capclli-
nha, que aqu ha denominada Conceico dos Co-
queiros.
Na Boa-Vista onde ella se acha, e onde existe
urna bella matriz, e mais quatro ou cinco igrejas
era desnecessaria a sua conservacao, pos alm de
nao ter forma nern decencia, nao lembra ao menos
urna accao ou facto, que se prenda nossa histo-
ria, em virtude do qual podesse ser reconstruida 1
Coirvin muito qne se wbaese para eila '"para
que esli prximas4a iiiimundfcie. E vergo-
nha que em um paiz cataolicu hajam igrejas infe-
riores em decencia a aaalquercasa de pobre I
Mas qual ?
Amigamente fazia-se patrimonio em bem do
culto, hoje engole-se patrimonio em bem do esto-
mago, que por aqui os ha capazes de degirir en-
genhos, bois, escravos e trras de santos, sem o
menor leve indicio de indigesto.
De Pao d'Alho nos escrevem, 13 do cor-
rente :
Oa conservadores conseguiram mesa sua, acezar
dos estoicos dos outros. Segunda feira, (piando se
comee* va o recebimentodas cdulas e mesmo fra
de proposito porque ainda nao havla motivo para
tantas queixas da mesa, appareceu um imprudente
que quiz quebrar a urna, a qual felizmente nao
foi desvirginada.
< Por essa oeeaaiie liouve grande niotini na
igreja, empurroes^*l3eiras quebradas, dous ou
quatro ferimentos, carreiras e talvez daquellesque
aconselhassem tao reprovado proceder; muitos
erderam chapeos c sapatos, finalmente tudo aca-
u em paz.
O que lhe posso afirmar que o nosso vigario
declarou a igreia interdicta e a pobre vestal, a
urna, anda de deo em deu e nao sei onde acabar
os ossos. ,
Foi levada para o Livramento e j me direm
que volta outra vez para a matriz.
A eleicao foi adiada, dizem que por conselho
\ do juiz de dreito, que tambem, dizem, pedir ao
presidento a vinda do chefe de polica, e se a cou-
sa assim, julgo que o negocio nao anda bom, vis-
to que o delegado s nao d conta da obra.
< A gente que nao conta' com a mesa diz qu
1 ella ha de obrar bem, seno, seno; se mentira
v para o sacco, e Vmc. sabe que nao me importo
com estas cousas, dou-lhe os tactos como me os
referiram : os jornaes polticos que os contem
com os scus commentaris. isto , com os accres-
cimos e dimiuicoes, que lies Dzer conta.
Consta-metainbemqncoadiamento da eleicao
agradou a ambos os partidos, mesmo aquelles que
! d entre elles estao dispostos dar, certament por-
que sabem do rifao que quem vai dar leva sacco.
D cholera nao se faifa mais, tudo hoje se ab-
sorve na eleicao, e eu s faco votos para que ella
1 se acabe em paz, o que duvido, segundo o qne
' corre.
De Garant uns nos escrevem, 9- do cor-
rente :
Por aqui nada ha de novo, tendo-se de proce-
der hoje s elei^es, que nenhum interesse offe
rece por nao aprsenlar-se a opposicao.
Em S. Bento ha desgostos, e dizem que plei-
I team duas parcialidades, ambas em favor da liga,
visto que urna parte desta unu-se ao chefe da op-
I posieao all, para trabalharem no sentido de da-
1 rem-se os votos candidatos daquclle credo po-
litico.
Tambem corre que em Buique pleiteia a op-
! posieao.
Em Papacaca e Pancma supp5e-se que chega-
ram um acconlo; nesses lugares s ha urna po-
ltica, a dominante ; mas ha questao de pessoas. >
Pelo delegado de Goianna foi preso Belarmi-1
; no Jos da Costa, por tentar introduzir na circula- ^
cao urna ola de 505, de estampa encarnada.
Na cadeia dessa cidade falleceram os crimi-!
nusos Joao Flix de Oliveira e Antonio Joaquim dos j
Santos, de varilas.
Por falla de numero legal de juies de facto;
deixou hontem de installar-se a i* sessao do jury
desla cidade, procedendo o Sr. Dr. juiz de direito
o sorteio para preencher esse numero.
Tendo havido urna sensivel falla na noticia
que hontem demos do anniversario celebrado no
O ubi Hete Portuguez de Leitura, reparamo-la hoje,
commuiiicando aos nossos leitores que, alin do es-
tabelecmento estar franqueado a concurreucia pu-
blica desde s 10 horas da manha, as 10 da noite,
houve ao meio dia urna sessao de inauguracao do
retrato do fundador do mesmo Gobmete, o finado
Joo Vicente Martins; principiando essa sessao pelo
discurso de abertura, todo anlogo ao assumpto,
proferido pelo Sr. director Joaquim Ferreira Valen-
te ; sendo em seguida recitada urna primorosa ora-
cao pelo Sr. Dr. Sabino Olegario Ludgero Pinho,
na qual o orador depois de reuder fcflevida homo-
nagem s virtudes do seu incansavel e caridoso
collega, divagou sobre diversos conhecimentos hu-
manos, c hisloriou as glorias da nacao portugueza,
c o quanlo ainda lioje sao apreciados os seus h-
roes em todos os paizes do mundo.
Foi um discurso importante e cheio de lisongeiras
express3es para os nossos hospedes, M ti bem
sabetn pagar a hospedagem (jue aqui recebem, com
a deferencia e cavalheirismo com que tratara os,
nossos patricios que viajam pela sua -patria.
A falta da sessao magna, que todos os anftos se
celebrava naquelle Galiinete, e em que os nossos
oradores ostenlavam os dotes da sua inteltigencia,
tirou parte do brilho com que aquella solemnidade j
era feita ; desciando nos milito, bem eomo a maio-
ra dos socios daquclle importante estabelecimento
itterario, que a sessao magna tenha lugar nos fu-
turos annos.
Tendo-se ultimado o processo eleitoral das
parochias seguinfes, damo-lo a sciencia do pu-
blico.
Fregvezia de S. Jos.
Eleitores.
Juvino Epiphanio da Cunha.
Jeronymo Emiliano de M. Castro,
Braz Antonio da Cunha Albuquerque.
Julio da Silveira Lobo.
Juvencio Aureliano da Cunha Cesar.
Pedro Rodrigues de Souza.
Padre Albino de Carvalho Lessa.
Aprigio Jos da Silva.
Emilio Americano do Rogo Casumb.
Francisco Antonio das Chagas.
Francisco Ferreira dos Sanios.
Francisco de Paula c Silva Lins.
Dr. Galdino Ferreira Gomes.
Joo Jos de Albuquerque.
Leojwldino Ferreira da Silva.
Joo Cancio Gomes da Silva.
Manoel Antonio Ribeiro.
Maximiano Henriques da Silva Santiago.
Jos Francisco de Menezes Aniorim.
Manoel Joaquim de Souza Viegas.
Augusto Coelho Lcite.
Joo Pacheco Al ves.
Cleto da Costa Campello.
Custodio Manoel Thcodoro.
Joo Antonio de Mello.
Jos Francisco de Souza Lima.
Jos Antonio Serfico de Assis Carvalho.
Joo Tavares da Cruz Fonseca. #
Joo Joaquim de Figueiredo.
Joo das Virgens Motla.
Modesto Francisco das Chagas Canaharro.
Prxedes da Silva Gusmao.
Supplentes.
Romaneo Luiz de Freilas.
Pergcnlino Netto de Azeredo Coutinho.
Tiburcio Valeriano Raptista.
Pedro Tertuliano da Cunha.
Jos Anselmo Gonzaga de Oliveira.
Antonio Joaquim de Oliveira Baduem.
Adallierto Belarmino da Silva.
Antonio (ioncalves Pereira Lima.
Antonio Emilio Ribeiro.
Francisco da silva Reg.
Francisco Pacifico do Auural.
Manoel Joaquim Raptista.
Manoel Eleuterio do Rogo Barros.
Antonio Rodrigues de Albuquerque.
Belmiro Pessoa Esteves.
Olympio de Souza Galvo.
Amaro Jos dos Prazeres.
Francisco de Paula Meira Lima.
Ignacio Jos de Paula.
Joao Francisco Monteiro.
Jos Francisco de Salles Raviora.
Leodegario Antonio de Oliveira.
Enco Ferreira da Luz.
Sebastio Amonio da Luz.
Francisco dos Res Nunes Campello Jnior.
Antonio Jos Pinto.
Anselmo Jos Duarte Cedrira.
Candido Jos da Fonseca.
Francisco de Paula Carneiro Loao Jnior.
Francisco Mximo Ferreira.
Jos Xavier Faustino Ramos Jnior.
Bernardino de Sena Ferreira Lene.
Freguez'ia da Boa-Vista.
Eleitores.
Decio de Aquino Fonseca.
Dr. Silvio Tarquinio Villas-Boas.
Joaquim Francisco Franco.
Dr. Jlo Maria Seve.
Jos Francisco Lavra.
Manoel dos Santos Nunes de Oliveira.
Clorindo Ferreira Cato.
D. Francisco Balthasar da Silveira.
Francisco Accioli Gouva Lins.
para JooBarlholoineuGonRilvcsda Silva.
Joo Pacheco de Queiroga.
Joaquim Augusto Ferreira Jacobina.
Manoel do Nascimento da Costa Monteiro.
Bernardo Jos Martins Pereira.
Jos Hygino de Miranda.
Jos Joaquim Hamos e Silva.
Dr.'Lourenco Trigo de Loureiro.
Tbomaz GarretL
Francisco Rufino Correa de Mello.
Flavio Ferreira Catao.
Gustavo Jos.- do Reg.
Vicente de Paula de Oliveira Vill3s-Boas.
Dr. Aprigio Justiniano da Silva Guimares.
Dr. Jos Mamede Alves Ferreira.
Feliciano Joaquim dos Santos.
Joaquim Claudio Monteiro Jnior.
Dr. Joo Honorio Bezerra de Menezes.
Joaquim Jorge de Mello.
Dr. Joaquim de Oliveira e Souza.
Manoel Porfirio de Castro Arauio.
Symphronio Olympio de Queiroga.
Thomaz de Carvalho Soares Brando.
Antonio Carlos de Pinho Borges.
Antonio Jos da Costa c Silva.
Dr. Demosthenes da Silveira Lobo.
Antonio Carneiro da Cunha.
Francisco Antonio da Silva Cavalcanti.
Joaquim Goncalves Ferreira.
Jeronymo Jos Ferreira.
Jos da Costa Brando Cordeiro.
Manoel Antonio Tixeira de Albuquerque.
Manoel Joaquim Fernandes de Azcvedo.
Manoel Francisco Honorato.
Francisco Mendes Martins.
Dr. Henriquc do Reg Barros.
Dr. Luiz de Carvalho Paes de Andrade.
Antonio Jos de Castro.
Francelino Xavier da Fonseca.
Manoel Jos da Silva Guimares.
Pedro Alejandrino de Barros Cavalcanti.
Luiz da Costa Portocarreiro.
Luiz Jos da Silva Guimares.^
Dr. Eduardo de Barros Falcao de Lacerda Caval-
canti de Albuquerque.
Joo Athanasio Botelho.
Dr. Nabor Carneiro Bezerra Cavalcanti.
Supplentes.
Dr. Caetano Xavier Pereira de Brito.
Dr. Manoel Joaquim da Silveira.
Leopoldino Ferreira Martins Ribeiro.
Manoel Theodoro Rodrigues Pinto.
Dr. Manoel Antonio da Silva Ros.
Antonio da Silva Ferreira Jnior.
Antonio da Silva Guimares.
Dr. Antonio Ferreira Martins Ribeiro,
Antonio Carlos de Lemos Duarte.
Augusto Claudio Monteiro Catao.
Antonio Elyseu Antunes Ferreira.
Antonio Candido Guimares e Silva.
Andr Alves Rios.
Antonio Joaquim de Barros Lima.
Bento Francisco da Cunha.
Antonio da Silva Azcvedo.
Dr. Jos dos Santos Nunes de Oliveira.
Manoel Luiz da Veiga.
Caetano Aureliano de Carvalho Couto.
Manoel Firmino Monteiro.
Carlos Augusto Lins de Souza.
Domingos da Silva Guimares.
Elpidio de Araujo Ferreira Jacobina,
Eduardo Firmino da Silva.
Jos Antonio Pinto de Medeiros.
Thomaz Thymes.
Tertuliano Scipio da Fonseca.
Manoel Lourencp de Mattos.
Pedro do Alcntara e Silva.
Florencio Rodrigues de Miranda Franca
Francisco Joaquim Ramos e Silva.
Francisco Jos da Silva Guimares.
Francisco Alfonso Ferreira.
Dr. Joo Goncalves da Silva Montarroyos.
Francisco Antonio de Menezes.
Dr. Joaquim da Costa Dourado.
Joaquim Mendes de Souza Ferreira.
Jos Manoel dos Santos Vital.
Hilario Urbano da Silva.
Joo de Dos Quintilla.
Jos Clemente Pereira dos Santos.
Jos Thomaz de Aginar.
Joo Tiburcio da Silva Guimares.
Jos Maria Giraldcs.
Joaquim Galeno t^olho.
Joo Octavi Vieira.
Joo Antonio dos Res.
Luiz Melanio Franco.
Luiz Jos Antunes.
Manoel Antonio Slnioes do Amaral Jnior.
Frederico Velloso Koope.
Manoel Domlngtres t 8/R-n Jnior.
Manoel Colho da Silva.
Manoel Jos de Lemos Barros.
Manoel de Mello e Albuquerque.
Frfgnezm aos Afogados.
Eleitores-
Dr. Jos Roberto de Moraes e Silva.
Manoel de Carvallio Paes de Andrade.
Alexandrino Martins Correa Barros.
Jos Marcelino AlVes da Fonseca.
Jos Pedro Velloso da Silveira Jnior.
Joo Carneiro Rodrigues Campello.
Jos Antonio da Silva Grillo.
Manoel Pereira Camello Pessoa.
Gamillo Lins Chaves.
Luiz da Conccico Albuquerque.
Dr. Antonio Justino de Souza.
Jos Bernardino Pereira de Brito.
Manoel Thomaz Chrysostmo de Lima.
Baro do Livramento.
Paulino Rodrigues de Oliveira.
Francisco Casado da Fonseca.
Joo Luiz da Silva Leira.
Jos Tenorio de Mello Albuquerque.
Joo do Prado Cmara Santiago.
Joo Mauricio de Sena.
Salvador Barbalho Ucha Cavalcanti.
Libanio Candido Ribeiro.
Francisco Antonio de Souza Ayres.
Supplentes.
Vigario Antonio Francisco Goncalves Guimares.
Epiphanio Jos de Souza.
Ricardo Paulaleo da Cmara Santiago.
Antonio Caetano Tavares.
Joaquim Quintilho Rodrigues de Moraes.
Paulo Baptista (Carneiro.
Antonio da Cunha Soares Nobre.
Antonio Rodrigues de Moraes.
Jos Joaquim Umbelino de Miranda.
Maximiano das Chagas e Silva.
Francisco de Pinho Borges.
Antonio Caldas da Silva.
Flix de Araujo Albuquerque.
Francisco Manoel dos Passos Colho.
Joaquim Theodoro da Silva Caneca.
Ignacio da Cunha Mascarenhas.
Joo Moreira de Carvalho.
Joo de Carvalho Paes de Andrade.
Diogenes de I'aula Malagueta.
Salvador Curato de Miranda.
Antonio Jos da Costa Guiniares.
Alexandre Jos Gomes.
Francisco Gomes Simoes do Amaral.
Frehuezia da Varzea.
Eleitores.
Jos Antonio de Brito Bastos.
Ignacio Alves Monteiro.
Baro de Muribeca.
Francisco Xavier Carneiro Lins.
Jos Carneiro Rodrigues Campello.
Francisco Xavier Carneiro da Cunha Miranda.
Joaquim da Assumpcjio Queiroz.
Manoel Anselmo Correa de Figueiredo.
Antonio Joaquim da Gama.
Vigario Feliciano Pereira de Lyra.
Dr. Francisco Pinto Pessoa.
Manoel Soares Mendes.
Francisco de P. Correa de Araujo.
Manoel Bezerra Cavalcanti de Albuquerque.
Ignacio do Nascimento Goncalves da Luz.
Antonio de Hollanda Cavalcanti de Albuquerque.
Padre Joaquim Jos de Faria.
Supplentes.
Francisco Sotter de F. Castro. _
Jos Jacques da Costa Guimares.
Manoel Francisco de Carvalho Paes de Andrade.
Manoel Joaquim Antunes Correa.
Roque Antunes Correa.
Pedro Das de Assis.
Ignacio Xavier de Paula Rocha.
Joaquim Francisco Ribeiro.
Egidio Carneiro Rodrigues Campello.
Antonio Pedro Cavalcanti de'Albuquerque.
Jos Mendes Vieira.
Joo Cavalcanti de Albuquerque Lins.
Antonio Alves Monteiro.
Antonio Alves de OKveira e Silva.
Henrique da Fonseca Coutinho.
Manoel da Cruz CodTho.
Miguel Jos da Rocha.
KKPAMtfCO DMl POLICA :
Extracto das partes dos dias 15, 16 e 17 do cor-
rente.
Foram recolhidos casa de detenco no dia 14 do
corrente :
a ordem do subdelegado de Santo Antonio Ma-
noel Telxeira do Santos Torres, pardo, por offen-
sas pTfysIeas leves.
A ordem do da Capunga, Antonio Procopio, par-
do, para averiguaces polidmM; Faustino Das,
africano, sem declafaco do motivo.
- 15-
A ordem do subdelegado da Boa-Vista, Hercula-
no Temotheo da Fonseca, pardo, Poaelana Maria
da Conceico, parda, por briga.
16 .
A' ordem do subdelegado do Recife, Adriana,
crioula, escrava de Joo Jos Ribeiro GuimarSes,
por insultos.
A' ordem do de S. Jos, Benedicto, crioulo, es-
cravo de Jos Colho, por suspeito de estartugido.
A' ordem do da Boa-Vista, Antonio, crioulo, es-
cravo de Antonio Goncalves, por fgido.
O chefe da 2* seceo,
J. G. de Mefquita.
Movimento da casa de detenco no dia 14 de
agosto de 1863.
Existiam........ 408 presos
Entraram....... 3 >
Sahiram........ 7
Existem......... 401
A saber :
Naeionaes...... 28i >
Estrangeiros..... 30
Mulheres....... 10
Efjtrangeiras..... 3
Escravos....... 7i
Eseravas........ 5
401
Alimentados acusta dos cofres pblicos. 164
Movimento da enfermara no dia 15 de agosto de
1863.
Teve baixa :
Manoel Joaquim do Naseimento; panarieo.
Teve alta:
Paulo, esqravo do Dr. Villas-Boas.
Movimento da casa de detenco no dia 15 de
agosto de 1863.
Existiam.........W1 presos
Entraram...... i ...
, Saniram....... b
Fafleeeu....... 1
Existem.......... 398 *
A saber:
Macienaes....... Wi
Estrangeiros..... 38
Mulheres....... 9
Estrangeiras. ... 3 >
Escravos.... *.. 71 *
Bcravas ....... 5
398
Alimentados custa dos cofres pblicos ... 165
Movimento da enfermara no da 16 de agosto de
1863.
Teve baixa :
Hilario Themotheoda Fonseca; contusoes.
Fallecen:
Manoel Jacintho.
OBITUARIO DO H 15 DE AGOSTO, NO CEMITB-
RIO PUBLICO :
Padre Joaquim Nunes de Oliveira, Pernambuco, 35
annos. solteiro, S. Jos; hepatite.
- 16
Manoel Jacintho, Pernambuco, 45 annos, solteiro,
Santo Antonio; hydroposia. *
Luiz, Pernambuco, 4 mezee, Boa-Vista; espasmo.
17
Amelia, Pernambuco, 10 dias, S. Jde ; ttano.
Manoel, Pernambuco, 17 dias, Santo Antonio; con-
vulsSes.
Joanna, frica, 80 annos, solteira, Santo Antonio;
marasmo.
Maria, Pernambuco, 44 annos, solteira, escrava,
Boa-Vista; cholera.
Antonio Alves Ferreira Muribeca, Pernambuco, 38
annos, casado, Boa-Vista; phthysica.
Gertrudes Maria do Sacramento, Pernambneo, 50
annos, viuva, Boa-Vista; apoplexia.
Antonio Joaquim Guedes Alcoforado, Pernambuco
50 annos, solteiro, S. Jos ; diarrhea.
Aniceto dos Santos Grillo, Pernambuco. 77 annos,
viijvu. Boa-Vista; astbma.
Deodato, Pernambuco, 15 annos, solteiro, Recife!
bronchite.
Adelaide, Pernambuco, 18 meies, Boa-Vista; es-
pasmo.
Jos, Pernambuco, 6 annos, Boa-Vista : ttano.
UM POUCO DE TUDO.
Da Illustracao ( tranceza) traduzimos o| se
guintc :
Eram alguns das antes da eleioao de deputados.
Um eleitor andava pelo centro cabalando pelo
seu candidato; e vendo um velho que observa va o
trigo brotar, dirige-se a elle e diz-lhe :
Ento, amigo, os trigos estao a ponto de
amarellecer ?
verdade, sonhor meu.
E as eleicoes se aproximan).
Pouco me importa.
Como ento ? nao vota ?
Sim, vota
Por X ?
Por Z... ha doze annos que elle o nosso de-
putado.
Razo de mais para votar por X.
O Sr. X um homem honrado, nao digo o
contraro; mas isto nao idiantar nada. Votare-
mos sempre pelo outro.
E por que ?
Ah Ora esta, ouvi pois. Desde que nos o
temos escolhido, tenho notado que os nossos trigos
nao tem sido mais destruidos pela saraiva.
Do Memorial Diplomatique traduzimos o que se-
gu :
Sabe-se que o imperador dos franeczes, na qua-
lidade de primognito da igreja, simultneamen-
te tonego da baslica patriarchal de S. Joo de La-
Iro, em Roma.
Querendo pois S. M., por esta circumstancia,
dar um testemunho de sua alta benevolencia seus
veneraveis collegas, dignou-se de conceder ao ca-
bido da insigne baslica um donativo annual de
vinte e quatro mil francos, divisivel por todos os ti-
tulares.
Os conegos penetrados de gratido por este acto
de soberana munificencia, apressaram-se a dirigir
sm imperial collega urna carta em latitn, na qual
lhe manifestavara em tormos nui expressivos o seu
profundo reconhecimento.
Do Pan lista transerevemos o que segu :
QUER TOMAR UMA PITADA ?
Deste nem sempre se encontra,
Hoje mesmo foi torrado;
do fumo do quilombo,
De bom ponto preparado:
Tome l, qne do fresquinho,
Vizinho.
O que se diz por ah
Sobre a festa da capclla ?
Sobre modas e vestidos,
E a respeito deile e delta ?
Venha dlsso em sustenidos;
Vamos fallar nmpbuquhiho,
Vizinho.
Tem sido um rio de gastos,
Em cache-nez e baloes :
l p'ra c, l p'ra la,
E dinheiro aos borbotos ;
Quem tem hoje urna slnh,
Tem em casa um demoninho,
Vizinho.
Nos ltimos oito dias,
Vlraram todos a bola,
Vendeu-se dous mil baldes,
Sem fallar nos de gaiola,
Em clcheles e botoes !
Venha de l do fresquinho,
Vizinho.
E em sodas e organdys ?
Carros, casa, e traquinada
Mantimentos e et celera,
E da mudanca a massada I
Tome do meu esturrinho,
Vizinho.
nm rio de dinheiro'
A festa do Tiememb I
Mas so para quem
A tal festa de espavento
Voss nao vai, vizinho ?
-Nao
Eu llco c eom vossd
P'ra fazermos o orcamento.
Tome ento urna pitada
Saboreie que fresquinho,
Vizinho.
Falla-se muito, em Pars, de um adereco elc-
trico destinado imperatriz e cujo brilho exceder
do o que at aqu prodnzla a arte de joalheiro.
urna coroa formada de glbulos de vidro, Ilu-
minados por umattMdjrtrlea, por meio de um con-
ductor que cerca a Caneca.
Os diamantes, os rubis e as esmeraldas reflec-
Wm, por este engenhoso processo, luzeiro de to po-
deroso effeito, que bastam para esclarecer o sallo
mais obscuro. a luz do da no seu mais radian-
H brilho.
O correspondente, em Londres, do Memorial Di-
plomatique em sua carta de 3 de julho escreve es-
tas palavras, que traduzimos :
Das quatro grandes questSes, que cstavam ainda
pendentes do parlamento no (im da semana passa-
da, urna, o conflicto brasileiro, acha-se qttasi ter-
minada, em consequencia da decisao do re dos
belgas, que concluio nao haver o Brasil tido inten-
cao de offender a Inglaterra.
Todavia, o governo brasileiro ha de ter reconhe-
cido o quanto custa ter supposto, que as autorida-
des britannicas podessem em tempo algum se en-
gaar.
A indemnisaco, paga previamente por scu re-
presentante em Londres, pelos destroeps da barca
naufragada Principe de Galles, nao ser restituida
por certo; e nem (he ser dada a menor satisfaco
pelas represalias pouco fundadas, de eme foram
victimas differentes de seus subditos.
Esse governo saber d'agora por diante o que val
a f... pnica.
As relaeocs de amizade vo pois se reatar entre
os dous paizes.
Como vedes, com pessimo jogo de mao, nao se
pode dlzer que lord John Russell tenha completa-
mente perdido a partida.
Traduzimos do Jornal do Havre o que segu :
Urna folha da Allemanha pretende que os seis
pontos, que prodttziriam mas effeito na Russia, se-
riara os seguintes :
V


SaM< Um
Jt m,- i
Urna pilha de obuzes I
MROMU .11 INCURIA.
TKIHI \AI. DA RE.\\ \.
SESSAO EM 14 DE AGOSTO DE 1863.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO SILVEIRA.
As 10 horas da manha, achando-sc presen-
tes os Srs. desembargadores Caetano Santiago, Gi-
t i rana, Lourenco Santiago, Motta, Peretti, Accioli,
Ucha Cavalcanti, Assis, e Doria, abrio-se a ses-
sao.
O Sr. desembargador Guerra, procurador da
cora, nao comparecen.
Passados os fetos e entregues os distribuidos,
deram-se os seguintes
JU.LGAMENTOS.
Appellaro crime.
Appellantc, Martinho oe Oliveira Borges ; apel-
lada, jusiiea.
Reformou-se a sentenca, e absolveu-se o appcl-
lante.
Habeas-corpus
Conccdeu-se a soltura que pedio em habeas-
corpus o paciente Joo Florentino de Gocs Caval-
canti.
DILIGENCIAS.
Com vista ao Sr. desembargador promotor da
justica
As appellacoes crimes.
Appellantc, o juizo; appellado, Manoel Telles
de Menezes e outro.
Appellante, o juizo ; appellado, Manoel Joaquim
de Santa Anna.
Appellante, o promotor ; appellado, Antonio Ray-
mundo Ferreira.
Appellante, Manoel Joaquim da Silva e ontro ;
appelada, a justica.
Appellante, Francisco Colho Galucho ; appella-
da, a justica.
DESKWACAO DE DIA.
Assignou-sc da para julgamento dos seguintes
feilos :
Appellacws nimes.
Appellante, Raymundo Soares de Mello ; appel-
lada, a justica.
Appellante, o juizo s appellado, Flix, escravo.
Apiiellante, Jos Feniandes Lima ; appellado,
Saturnino Gomes Duarte,
Appellacoes ciceis.
Appellantes, Campos & Lima ; appellado, Fran-
cisco Goncalves da Costa.
Appellante, Pedro Juca; appellados, Sacavem,
Barbosa & C.
Appellante, a fazenda ; appellado, Paulo Jos
Gomes.
Appellante, Vicente Dias de Carvalho ; appella-
do, Reinaldo Francisco Filis.
PASSAGENS.
0 Sr. desembargador Gitirana passou ao S. des-
embargador Lourenco Santiago
A appellacao crime.
Appellantc, o juizo ; appellado, Pedro Chrysoto-
go Cavalcanti Albuquerque.
0 Sr. desembargador Lourenco Santiago passou
ao Sr. desembargador Motta
As appellacoes crimes.
Appellante, o juizo ;' appellado, Amonio Jos
Raymundo.
Appellante, Manoel Tixeira de Araujo ; appcl-
pellado, o juizo.
Appellante, o juizo ; appellado, Francisco Anto-
nio de Carvalho.
Appellante, Antonio Manoel de Santa Rosa; ap-
pellada, a justica.
Appellante, o juizo ; appellado, Raymundo Jos
de Santa Anna.
A appella^So civel.
Appellante, Jos Velloso Soares; appellada, a
fazenda.
O Sr. desembargador Motta passou ao Sr. des-
embargador Peretti
As appellaroes crimes.
Appellante, o juizo; appellado, Eloy, escravo.
Appellante, Pedro Alexandre Nunes ; appellada,
a justica.
Appellantc, o juizo ; appellado, Joo Francisco
Xavier de Carvalho.
Appellante, Manoel Romao dos Santos appella-
da, a justica.
Appellantc, Francisco Pereira Ferragem ; ap-
pellada, a justica.
As appellaroes cireis.
Appellante, Manoel Jos de Amorim ; appellada.
a parda Margarida.
Appellantes, os libertos Florinda e Thereza ; ap-
pellado, Manoel Salustiano de Medeiros.
Appellante, a parda i '.unila, por seu curador
appellado, Jos Vicente Ferreira de Freilas.
Ao Sr. desembargador Accioli
A appellacao cirel.
Appellante, a fazenda . appellado, Jos Joaquim
da Silva Maia.
O Sr. desembargador Peretti passou ao Sr. des
embargador Accioli
As appellacoes crimes.
W Appellante, o juizo ; appellada, Sibilina Maria
da Conceico.
Appellante, Candido Jos Cardoso ; appellado, o
juizo.
Appellante, Agostinho Lourenco da Silva; ap-
pellada, a justica.
Appellante, o iuizo ; appellado, Pedro Jos dos
Santos.
O Sr. desembargador Accioli passou ao Sr. des-
embargador Ucha Cavalcanti
A appellarao cirel.
Appellante, a fazenda; appellado, Antonio de
Moura Rolln.
As appelUuoet crime*.
Appellante, o Juizo ; appellado, Joao Soares de
Limx
O Sr. desembargador Assis passou ao Sr. desem-
embargadbr Gitirana
A appellacao civel.
Appellante, a fazenda ; appellada, D. Lauriana
Rosa Candida Rigueira.
O Sr. desembargador Doria pasou ao Sr. des-
embargador Caetano Santiago
As appellacoes crimes.
Appellante, o juizo ; 'appellado, Bernardo Jos
Nogueira.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Guimares
de Araujo.
, AppeMante, Manoel rfenrique de ^^^. ^i
lada, a justica. ^^m *W-
A i hora da tarde eneernm-se awsrio.
niBUIf AL** CMmmCM.
SESSAO "MLWM11JA EM 17 DE AGOCTO
PRM1DENCIA M EXM.
SOCIA.
As 10 horas da manha, n
dos Rugo, Lemos, Malveira e
fe- ilerlarou aberta a seaai%
a acta da ultima.
EXPEimnm.
Um offlcio do secretario do
co da corto, enviando a Mato m necora
matriculados nos roezes de am en||Tf
rente anno.-Accuse-se a nnfHm t
Outro do mesmo, irrnwndi pu.
lisia dos negociantes wste mitrinlmaw, -.
de Janeiro a abril deste anno.Arehire-se.
Outro do mesmo, enviando a lista dos nt-,
tes matriculados no mez de julho mmeMe tri
Accuse-se a rece|>co e archive--*.
Um requer monto de Antonio V__
Barroca, pedindo saber por crrtitim, _,
inemfjros da firma social de Muniz Irmaos f e
igualmente os da firma de Croa CPm.
Outro de Jos da Silva Lovo, visto pefc. gr *-
embargador fiscal, pedindo matricular-*-.H*r<
cuie-se, declarando a naturalidade e o geiio !
commercio por grosso ou a retalhn.
' Mi iro de Augusto Frederico dos
pedindo o registro de ama esc
que aprsenla. Regstre-se.
Outro de Joaquim Jo> dos Santns Andndr. pe-
dindo o registro do distrato social de Vilbra. tnOn
A Andrade.Hegistre-se.
Outro de John Gatis, corrector, Matando o
despacho de 13 do corrente. pedindo prorogac de
licenca.Passe portara.
< Hilro de Joo Piolo de Lemos Jonwr, mmo
registro de una escriptura de hiioitim
tre-se.
Outro de Jos Joaquim Da* Fermmm
liedindo o registro da gatera Mm
o termo de juramento; registre-w.
Outro de Albino da Sila Leal e Joao tarira
Monteiro. pedindo o rejristro de unaesrriMara de
bywneea qne juniou.Reginre-se.
Outro de Manoel Tbeotonio da Silva,
inatricular-se.Haja vista ao Sr.
fiscal.
SESSAO JIDIOARIA EM 17 DE AGOSTO DE 1*3
phksidkkcia do ex, sr. DcsanABr.vm
SOTfA.
Secretario. Jnlk, Gutmtiriet.
Ajncia hora da tarde, o Sr. prrsnim. atrio a
sessao. estando reunidos os Srs. rl- nMgiiii
Villares, Lourenco Santiago e Silva Gnmae- r
os Srs. deputados Reg, Lemos, Malv.>ira <* Rnn.'
Lda, foi approvada a arta da srxiin 11
denle.
Foram asoignados os acrordos proferidn na
ultima sessao, entre partee :
Recorrentes, o Dr. Caries Frrdrriro Tavhr *
seu irmao -. recorrido, Vicente o> Si torio.
AppellaMe, o embargante terreiro HnmH Aaav
mo da Silva Moreira afpnMn Ferreira *
Araujo.
II LCAMETTOS.
Appellantes. Alm.-ida & Cai . ipr rilan, Joa-
quim Antonio da Sirva.
Designado o dia dr hiije.
Jnizes cenosos Srs.
Relatado o feio pelo Sr.
lares.
Adiado pedido do Sr. Rosa.
Appellante. Jos* Hvgino o> Miranda
D. Carolina Josepna de Almeida.
Relatado o feito pelo Sr. d^jiuargadui Srra
Guimarai's,
Desprezaram-se os embargos com vntonSr.
presidente.
Ap|iellante. liento Jos da Cosa ; apr*-*
adminislra.lores da massi fallida de Andrade *
Leal.
Relatado o feito pelo Sr. dr-mtKtrgadnr *ri'~
Guimares.
Desprezaram-se os embargos.
PASSATS.
Appellante. Gaspar (^avalranii de Alb^pierue
l'ch.-i ; apellado. Joao Pinto de Lemos Junar
Do Sr. o\>sembargador Villares ao Sr. mmmtmr-
eador- Silva (itrimaraVs.
DISTRIBI'ICoKS.
ApprUinte. Amonto Ciooralves da Sirra : a>-1
lados, Mello i,obo tt C.
Ao Sr. deseinhnrgador Villares.
Ap|icllante, Manoel Alves Ferreira : ai
Francisco Santiago Ramos.
AoSr. desembargador Silva Guimares
Recrreme, liuilherme Berg : rerorrMa.
panhia de seguros Segnridade.
Ao Sr. desembargador Silva Gnimarae*.
Appellante, Domingos Francisco de Son
appellado. Bento Jos da Costa.
O Sr. (lesemhargador Villares averbon nspeiro
epor isso distribuio-se de novoaoSr. drsrmtkir
gador Silva Guimares.
Appellanfe. Francisco Antonio te tria : appel-
lado, David WiHiam Rowman.
Ao Sr. desembargador Villar
AMBMnji
Aggravantc, Bernardo da Silva lardoso; no-
vados, Mniia & Ribeiro.
O Sr. presidente den pmvimento.
Aggravante, Antonio Goncalves da Silva : ag-
grav.idos. MeHo Lobo 4 C.
Dense provimento.
Aggrav-antes, os administradores da mana nu-
da de ('.amargo & Sirva agfraTado, Jonnn *
Albuquerquee Mello.
Dense provimento.
Aggravantes. os adininisiradores da anna Mi-
da de Cuimares & Irmo; aggravad. o tortor 1
Joo Francisco Tixeira.
Dense |irovimento.
Nada nwis houve e enrerron-se a seMo a i>t au-
ras da tarde.
a nj
Lea-
COMMUNICiDOS.
delejade M prhnrir* distrirta n Sr.
ro juiz de paz das
Poderia responder s accnntn ni
hoje no sen -Monifrito ao puMtmi o Sr-
coronel Manoel Joaipiiin do Ren>
pela criminosa parrialidade ron que
eleicao de Afogados, appeHando para a nana
conscienca, o meu cavalneirHao, e pata a pe--
soas iniparciaes de A logados tanto qninm 1 ii
prio Sr. primeiro juiz de pn o fm na
sacoes -, mas nao |ierderai m
ja respond ao Exm. Sr. prenlaMe da
sobre as aecusares do Sr. jn te paz, e
porque seria imnossivei en
ao Sr. tenente-coronel ManI jom
Albuquerque da sua sem razio.
Nao posso, porm. deixar am
tes lolavras do ultimo trecho awmnifiiH.
hei de admirar-me se elles atetr
e que tenho exposto,
como o tenente-coronel I-npea Ganraris e tr.
delegado, nao hesifaram em anaarar a Sr. pnw-
dente, em imnlia presenn. que eae itoaen w
ums individuo armado de caceta e*r.>
Nao afliancei ao Exm. Sr. presainas da
cir, em preaenea do Sr. jen te pez. en
nao ter visto nm s individae
e menos o fez o Sr. tceeee*ereaet Lepes
raes. Invoco o testemunho do Exn. Sr.
le sobre este incidente acontecido em na peana
ca. Pelo contrario eu e o Sr.
te. *
dissemos que a pedido do Sr. jom de pn ta
no dia 11, lomado in li linrfimrer Miki ei
liengalas e cipos que foram
versas pessoas do povo, que j
mesmo mandado execular por di
alguns individuos.
Avista disto decida o publico do valer
tras aecusacoes fcitas pelo Sr. jaa de pn
horrores commetlidos na eleiceaa de
pela polica a meu cargo.
Recife, 17 de agosto de
B.e Souaa


PUBLIClfES 1
Expedido da ]
desordeiros que
tan
anti
e;*


*
_


w-*
Mario me Penaamfenco Terca leir 13 de Agosto 4e 1#4M.

r uniratu nesta no da 14 do corrente. senao debai-,
xoda direeeo, pelo menos cun o consent ment mandante da forra de polica, que
do Sr. Dr. chefe de polica, e para cxecucao de pa- j freguezia, invadir a igreja, a toque de ayancada,
no de ante-mio trabado, por qiicui mais do que tu
do, desejava ter os votos arfe eJeitores desta fregu
zia, au |iosso prescindir de trazer ao conheeimen-
to do publico este e outros fados que se deram du-
ranleos trabajaos elcitoraes sob a miaba presi-
denca.
Couipetiudo-nw pela lei essa presidencia, como
juiz de paz mais votado do Io districto, nr tasitei
um momento jissurair o meu posto, e nelte eonser-
vei-me por cinco das consecutivos, nos quaes ape
Aproveitaudo-se dessa occurrencia fez ocom- mente agradareis ao paladar e impede que
a as mesmas se dissolvain. Sao as nicas pi-
tillas que se achara acondicionadas dentro de
frasquintios de crystal
A' venda em todas as lujas de drogas e
pela roesma forca, sem nenliuma requisico mi-
nha.
lnstei com o subdelegado, disposifao de
quem se acha dita- forca, para que a nzes'se ret- .boticas do Biliario do Ikas.
rar ; poiscuvia que feralmente os nimos esta-
vain tranquillos, excepcosle poucos, e uodia-se
continuar a proceder a chamada dos votantes :
porm nada consegu, poajae o commandante da
forca em vez de obedecrw^ue me pareceu or-
denar-lhe o subdelegado, gritouem altas vozes :
Comarca de 1'ao u'Alho-
IUm. Sr.Tendo sido preso or ordem da sub-
deiegacia desta villa Luciano Marques Gomes a
pretexto de desobediente por nao ter querido levar
as se conseguio effeituar asegunda chamada dos que all se adiara para garantir a liberdade do voto,
votantes. Tantas eram as duvidas suscitadas pelos cmandouaos soldados,.de >ayoiieUs .^as.ex- ^ offid ue )he esen|ra 0 in-Spector Joa-
partidarios do governo com o flm de provocare) a pelhrem os votantes da igreja nao obstante as nu- N d Valle para a povoacao da Gloria,
desorden e a perturbacao do processo ele.toral! | nhas reiteradas ordons em| contrario .orden, to- ^ h mJmQ Lw^nQ - ou .
As consecuencias desse procedimento foram: a damentadas no art. 4/dale n. 387de 19 de agos- (-- mdor ,a, offlcj wnaihs(!
prisao de Manoel Deodatda S,lva noacto de ser, to.de 18U. ramatAa ltf> rtfB.ai em ofeeervancia as recommendacoes que tenho do
Suezh ^'ndo coiSa^dtaS q inha $&& ^presidente da provincia para durante a j s6im S(mdo arremiltan{c obrgado aferir os
5^J!!! SSSSSSrLS*i22Sr J'.'LeTrio..JiloU-eleieaoquefoi suspensa e vai continuar nao se pesos e medidas pertencentes mesma cmara
W. Francisco Domnput-s da Silva
negociante Firmno Francisco de Brito
dem Albino do Reg Machado E para que chegue ao eonhoeimento de- todos
mandei fazer o presente na forma da lei, estylo
e uso.
Kecife 17 de agosto de 1863.
Eu, Joaquim da Silva Rogo, escrivao que o cs-
crevi.
Antonio Epaminondas de Mello.
Perante a cmara municipal desta cidade
estao em praca nos dias 20, 27 do crreme mez,
e 3 de setembro prximo vindouro, para serem ar-
rematados por quem mais der, por tempo de um
anno, os impostos seguintes, que fazem parte do
patrimonio e cernas da mesma cmara : .
O arrendamento da casa no pateo do Corpo San-
to na cidade do Recit, onde se acha a Associacao
Commercial, por 8054000 ; dizirao do capim de
planta, 3055000 ; coquoiros, 600*000; afericao,
chamado para volar, sendo impedido de fcue-to a
do, corno prove, coma cert.dao que vai trausenp-1 que fff^^^^ffSSStn-' W e compres^ ao contraria a uberdade do d KSrlSlS ^^^S^i-
us ik= o igio votocim mantitenran S. Kxc. seriamente retom- Jnnn,_.ienftn. ..,... ,1 .nnmia I4JUCAA
ta ab'aixo i o espancamento de Antonio Francisco De facto, foram expellidos <
dos Prazeres, de Joao Francisco da Silva, de Anto-
nio CarneirB, e outros, inclusive a
cleto Francisco de Azevedo, por
uado este em sua casa, onde o procuraram, sem
duvida com sinistras intcncocs; e muilas afrontas
feitas a diversas cidadios dentro e fra da igre'
nao escapando mesmo alguns membros da mesa
Os offundidos eram serapre os meus alliados po
sessoes da cmara nos referidos dias munidos de
se^ Kffl^'sr-'Kxisft'S- samrjRksss&BFr. arar"'8*,a,no- *! di,ove-
.' S. d de sua disposicao sciencia a seus subalter- Os pretendentes podem comparecer no paco das
S cessoem excesso, proclamando, dctermiuou aos ?s e Ihes^iS&SrST'^tiZ
i | soldados que umlauem os cerras ia opposirao, a ^^SS!mSS'SZ imperial o
po- menor ofTensa que lhe fosse feta. ' " du ,nT. n.^TL PiLllftS a% mSindro-
iiticos, todos inermes e disnos.os a evitar confiic- .0 ^^S^lV^^Z s^^TeS^^^StJni^Z
tos, c entre os offeusores via-sc at soldados E os dtatomente preso e recolludo por ter querido votar, ^ ^ yr ^^^^ perMgaites. .
chefes dos soldados e as autoridades, a quem es|Mj- senao quamicaao Luciano (oi oito auenas mandei oassar em seu
cialmeute es.ava incumbida a garanta da ordem e A' vista de taes violencias^ convcio unamme- a$^w g,id ^ oS^d? tabeas cor-
da liberdade do voto, assistiam impassiveis a este mente a mesa em que se suspendessem te traba- *w d. d iulKuei conveniente fazer
espcciacuJo. Com razao se acreditou que a polica lhos por hoje, para conUnua-los amantaa, as horas P ^JJIXS . v^ XL re-
cstava a testa do moviiuento.
Nao aeredi le nunca na sinceridade com que se
disse que a ordem e a liberdade do voto seriam ga-1 """""ya .^b"'"" vu> r^V^Tl'J intes
ranldas, mas nuuca me persuad tambem que a retirando J. Exc. desu freguem a forca que:nella D ^ a v_ s po d'Alho 12 deagoslo
falto dessa sinceridade seria comprovada por fac- | taje so acha, far-se-ha a etac*o regular e paci- d "j^?^ % D^ Ju* Mar.iu.s Sanlia-
toscscand.alusos pra.ieados escancaradamonU., os came^,^ que o seu commandante so tem em ^^^ptu^SV^Za^-O
quaes fazem descre- deludo, ate da morahdade ,Msta perturba- la .,__. aY Fx nue juiz de direitoTMpA'o Augusto Cawlcanti de
dauuelles que a devem ter, senao por suas pessoas, | Jmgo conveniente assegurar a \. mc, que j > r J
ao iuenos pelas funecoes publicas de que se acham apezar de todas estas occurrencias. e das que, Mouquerqne. ____
investidos I Pr ventura, se lhe succederem, conscrvar-me-nei. ^m^^mm^m^mmmmmmmmmmms^mm
Era ludo isso eu via bem a intencao de pertur- em meu posto com toda a prudencia e energa.. |
tar-se os tratalhos cleitoraes, com o lim de serem! IUm. e Exm. Sr.\. Exc deve eslar mteirado
elles abandonados ir mira, pois que era este o das occurrencias que tiveram lugar hoje nesla fre%
piano; nao recuei, porm, e fm dando cunta ao guezia, porque o . commandante do corpo de po-
IjBIIAO
Paia o Wo de Janeiro vai carregar. feni
grande demora, o brignr brasleiro Imperador, ta-
pitfl>Js Rodrigues Pratw, recebd carga a fnif.
para o que irala-se no1 escrij>two de Ainmim Ir-
maos, na da Gru a. 9. ______J_______
Para Pwro
At o fnn do mez pretenda seguir o veleiro o
bem contiendo brigue portoguez Mello I; tem
parte de seu carregamento promptr.: para o resto lera emperfeito estado rom
ie lhe falta, trata-se com os seus consignatarios na bolea e os competentes arre*
ntonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu es- desde i podero examina 11 enl>ndenk>-s<
I a eale^a c+m ms rmmpttrnte*
rreloa;
Quiata-rira de rtrnmv.
O Ifente Olympiona porta do sen arnaaeai aa
nu do imperador a. 16,veadm em teilao im* ea-
4 asMMoa dealr 11
prete
o
criptorio ra da Cruz n. 1.
referido agente.
LEILAO
DE
veis, crystaeft. mi
raval
Para Lisboa sahe em poucos dias com a car-
ga que tiver, a galera brasileira MindeUo, de mui-
to Ima construocao, e acabada de fabricar, tem'
bous commodos para passagekos : ma quizer carregar a commodo fete, ou ir de pas-
sagem, Irata-secom os couipatari.x Palmeira & lOH- **'*- abrile
Beltrao, largo do Corpo n. 4, primero andar. craroa.
--------------!----------------------Z------------------------- Qwata-feira 20 de carrate fe \\
l'ill'il il llillli. agente Olvmpio em seu armaaew a ma !
, a V. S. as consideracoes que vem exposUs, re
. \3rTsei nue neso dar V Exc esta mmua melter-lhe o citado aviso para qae V. S. previna
conuunicSar portado eu entreSto, S* ? -luam pris, por motivos seme-
;c.
r-si _
o seu couunandanle s tem em
O palhatate Ganbaldi tem parte da carga, para o
resto trata-se com Tasso Irmaos.
Para o Rio de Janeiro segu com mui-
ta brevidade o patacho nacional Cardia, o
qual recebe alguma carga mitida e escravos
a fete: a tratar com Amorim Irmaos, na
fiador.-, habilitados na forma da lei para poderem rua da Cruz, n. 3, 0U com o capitao na pra-
lancar, sem o que nao poderao ser admttdos a fa- -. Q Commercio.
z-lo. _____________I-----------------------------------
Paco da cmara municipal da cidade de Olinda, Para a Baha vai sabir com inuita brevidade |
13 de agosto de 1863.
Christoi-ao Pereira Pinto,
lmiM-rador n. Ifi^ender em leilao os ol^ec"-
. cima os quaes se torna enfadonho mencionar.
DO
Grande sitio denominado Manoubeira, gnode so-
brodo com tres salas, 7 quarlos. cosinha fra, <-
lojas com repartimentos.em frente ao jardim Imian
meo, na rua do Bom Successo eu Ohmb. rom ca-
cimba, coebeira estribara, grande sitio com iniui
Presidente.
Marcolino Dias de Araujo,
Secretario.
OTeleiro hiato Tuno, tem parte da carga prompta : arvoredos, e grande baixa para rapim.
para o resto que lhe (alta, tratase com os consg- Snta-ffira i\ de rrcalf.
natarios Palmeira Beltrao, largo do Corpo San- O agente Pinto levar a leilao as 10 horas do ma
to n. 4, primeiro andar. \ cima dito todo sobrado e sitio supra mencMaado
.---------------------------------------------------------: sendo tres partes a requerimentodo depeaari da
Para Lisboa
massa fallida de Jos Antonio Alves de Mi
COMMERCIO.
Jo: 2035172
- 21:3385-561
226:5415733
Movimiento da alfaudega.
147
124
.mraendasse mesa que procedesse com pruden- damos que na igreja s entrasse aqoelle vounte que
ia, moderaco e respailo aos dreitos dos cdados fosse chamado a entregar a sua cdula.
i.-sa Depois de terem cinco ou seis votantes entre-! Volumes entrados oom fazendas
nao gado suas cdulas, foi chamado Joao Francisco de \ com gneros
Paula, homem branco, estabelecido com casa de.
negocio defronte da Cruz do corredor do Cachan- Volumes sabidos com fazendas
g. em lugar deste apresentou-se um pardo escuro, | com gneros
desconhecido de todos os mesarios, a mesa unan i j
meinente decidi nao ser este o votante qualifleado,' Descarregam no da 18 de, agosto
mas os grupos que estavam fra nao consentiram Barca ingleza/?no;en=mercadorias.
ae elle sahisse. c gritaram que elle havia de vo- Escuna ingleza Sea Bwd=idem.
Pa?: Barca inglezaLrighton farinha de trigo.
c
ca, moderaco e respeito
|ialilicados para evitar disturbios, como se a mesa |
tivesse procedido dffereuteuieiile, e disto
devesse estar S. Exc. convencido, ja pelas in-
formacoes dos seus agentes, c ja pelos meus offl-
cios, que vio transcriptos abaxo. E S. Exc. sabe
que eu nao falto verdade, c jamis devia cou-
a v.
fuiulir-me com aquelies que se tem arvorado em
coiueltairosda adminstratao da provincia.
Nao se havia, .nlietanto, ousadoat entao direc- que elle sahisse. e gritaram que
ta e violentamente inipor-me o abandono do tar, no meio de algazarra e de fora o juiz d
-----271
172
MU
-----397
meu |)osU), e por isto eu nao o havia abandonado.
Mas, desde que a autordade provou com a. sua ac-
quiesceneia a toda sorte de dosniandos, que eu li-
caria entregue aos meus propros recursos, e conti-
go os que pugnavam pela mesma causa que eu, se
por ventura insistissemos no exerciio do nossodi-
reito; desde que conbeci que nao poda continuar a
exercer o cargo de que me auhava investido, sem
fazer sacnlicio de miuta pessoa, ou sem reagir com
forca contra o governo, nao estando dis|K>sto a islo,
porque antes de tudo sei respetar a autordade.
fizeram entrar o" inspector de quarteirao Joao Si-
moes e esic asseverou que o homem era morador
na povoacao; entretanto que nenhum dos mesarios,
pessoas do lugar o conheciam, e o homem nao sa-
ino mais de junto da urna.
< Quizemos proseguir na chamada dos votantes,
mas. de fura nos gritavam que ninguem entrara
mais na igreja em quanto aquello nao vousse.
A' vista do que, resolvemos de accordo com o
Sr. tenente coronel commandante do corpo de po-
lica suspender os trabalhos at o da de amanhaa.
Barca ingleza Imperador=iversos gneros.
Barca portuguezaLaura=charque.
Barca hamburguezaPa/ma -dem.
Lugre inglezEdith carvao.
Recebedorla de renda Internas
geraes de Pernainbneo.
Rendimento do dia 1 a 14. 17:9675810
dem do dia 17.......... 2:7645476
DECLARARES.
Por ordem da directora do banco do Brasil sao
convidados os senhores accionistas locaiisados na
caixa filial de Pernambueo, a recolherem ahi at
o dia 15 de setembro prximo, a importancia de
10 0[0 ou 205 por accao na conformidade dos ar-
tigos 8 e 9 dos estatuios do banco do Brasil, e ar-
tigo 45 dos estatutos da caxa filial.
Sala das sessoes da directora da caxa filial do
banco do Brasil em Pernambueo 14 de agosto de
1863.0 secretario,
Jos Mamede Al ves Ferreira.
r iSSrcS^^Aai.S^r
ter a maior parte da carga comprada : para o res-
_ to e passageiros, a quem offerece bons commodos.
trata-se com o consignatario Thomaz de Aquino
Fonseca, na rua do Vigario n. 19, primeiro andar.
* ou com o capitao o Sr. Francisco Antonio Me-
relles.
quem de direito perlence.
Os pretendentes |iodero desde ja
mesmo sobrado e sitio, e obtwao do i __
quer informarao. em seu eseriptorio na rua da Ca
deia u. 24 onde se eflecluara o leilao.
Para o Maranho e Para
pretende seguir nestes oito dias o veleiro e bem
conhecido brigue escuna Joven Arthur, tem a
seu bordo parte de seu carregamento ; para o res-
to que lhe falta, trata-se com os seus consignata-
tarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no
seu eseriptorio rua da Cruz n. 1.
AVISOS DIVERSOS.
O hospital militar desta gnarnicao contrata
por um trimestre, o fornermento dos gneros de-
clarados na relacao que a esta se segu : os pre-
tendentes comparceam no dia 24 do corrente.
pelas 11 horas da manhiia, com suas propostas em
carta fechada, na qual se declare o menor preco,
e a quahdade da medida ou pesos de cada genero.
Hospital militar de Pernambueo 17 de agosto de
1863.-O escrivao,
Jos Marcelino Al ves da Fonseca.
Retardo a que sr refere o prsenle annuneio,
Para as dietas e rages,
Assucar refinado lino, aletria arroz pilado,
azeite doce, bolacha, talachinha ingleza, dita de
araruta, biscoito, bananas, carne varde, dita de
poico, dita salgada, chocolate, caf moido c em
caroco, cha hysson, cognac inglez, carvao, doce de
LEILOES.
DI
Escravos, tur, prata
HOJE.
Terca-frira 18 du frrenle as 12 horas
em ponto.
instituto .treheologiro e
graphiro Pernambneamo.
llavera sessao ordinaria qiiiiila-feira. 20 do rm
rente, s 11 horas da inantaa.
Secretariado In-tituto. 17 deaiostodr IM3.
J. Soarn de Azrtrde,
Secretario perpHua
LOTRIa.
Sabbaddii do iii.ii'iilc se exlrabira ..
piimeira parte da primeira lotera da itrr/ja
ft7.cn.das de N. s. das Noves do cantalo de S. Fran-
Ofico de Olinda.
Os bilhetes e meios billietes acham-se
venda na respi-cliva lliesmiiaria. roa &<
Crespo n. 15, e as rasas rommissiouaoV
em leilao por conta de quem perteneer
fazendas em iH'quenos lotes para acabar, pontee
goaba, dito de banana, farinla de mandioca, dita de alar cabello, leones, charutos de manilha, estei-
O agente Pestaa legalmenteaulorisado vender | ma ^ Impi.r;,triz . 4ii |0ja
sem aitender as |).^ssoas que a exercem, nao du- Ao sahirmos da igreja dous mesarios, Manoel
videi abandonar a presidencia da mesa, e aconse-
lhar aos meus amigos que nao lutassem mais.
Esse passo dei por occasiao da seguinte occur-
rencia :
J)irgnd-mc no dia 14 para a matriz com um
amigo, e sendo acompanhado de um criado ajienas,
no cutrar na povoacao. grande numero de desor-
deiros. vindos de ditierenles freguezias. e armados
Romao Correa de Araujo e Manoel Joaquim An-
toaos Correa que vinliam commigo ao lado do Rendimento do dia
commandante foram empurrados e maltratados, dem do da 17
pelos desordeiros que de fra da freguezia aqu t-
nham chegado em grupos.
Nestes grupos figuraran) Joao de Qarvalho ______
Paes de Andrade, Aristides Duarte Carneiro da
Cunha, Nicolao de tal. morador no Monteiro e Jos
' 20:732^316
Consulado provincial.
1 a 14. 17:020*342
...... 2:3164919
19:3474261
de cace:.-, accommetteranvme de frente aos gritos Tenorio de Albuquerquc, os quaes^ Proclamavam.
de fra. nu entra o juiz de paz.
A estas vozes, vendo eu que nao apparecia o Sr.
Dr. chefe de polica, o qual se achava a 200 passos,
se lauto, em casa do vigario da freguezia, onde tam-
bera se achava o Sr. lenente-coronel Sebastiao Lopes
(i ui maraes, a cuja disposieo esta vara all mais de 60
pracas, o queassm se realisan o plano de aneja
se me tavfa dado sciencia, e que era. impedir-se
M8VIMENT0 DO PORTO.
que o governo nao perdera a cleicao, e que para
vene-u all estavam elles : que haviam de que-,
brar a urna se nao rotassem as pessoas (|uc
elles qiiizesseiu.
flomens desses meamos grupos ao aproximar-
se a matriz o volante Manoel Rodrigues dos Pas-
sos ni i Im ..lai-.iiii-ii.. com pancadas u u dtoigMMB a
retirar-se.
Nu -i >-. i,iw..ii\uv;\ |> Vario saludo no dia 17.
Cruzar.Vapor americano de guerra Mnhirun.
commandante Glisson.
Nao houvoram entradas.
EDITAES.
declarando-lhe que nao iria proseguir nos traba-
lhos cleitoraes sem as precisas gaiantias ; elle pro-
curon-me disendoque rae dava aquellas garantas
acompanliando-me deraoiistre-llie que s.ni fazer
dispersar os desordeiros, os quaes devian s-lo t
:d mesmo por que erara de oulras freguejas, _e (
Como taes nao podiam lomar parle na eleicao, nao
poda elle garantir-me, visto que se nao evitava
urna pedrada ou um tiro, sem se saber quem ota-
ria dado, e o Sr. chefe de polica retouhecendo
=to, nao se animou todava a dizer-me que disper-
sara os desordeiros '
adiar acertado.
Deus guarde V. Exc Freguezia da Vanea,
13 de agosto de 1863.
IUm. c Exm. Sr. Dr. Joao Silvcira de Souza
Presidente da provincia.
Barao de Mnribeca.
Juiz de paz presidente da mesa parochial.
Honra ao mrito.
Summaniente impressionado pelo aeontecimento
O Dr. Antonio Epaminondas de Mello, ofllrial da
imperial ordem da Rosa, e juiz de paz mais vo-
tado do primeiro districto da freguezia do San-
tissmo Socramento do bairro de Santo Antonio
da cidade do Recite, provincia de Pernambueo.
em virlude da lei, ote.
Faco saber a todos os cidadios da freguezia, e e
quem mais interessar possa, que na eleicao que se
acaba de proceder na matriz da referida freguezia.
obtiveram votos para eleores os cdados abaxo
declarados na ordem em que rao inscriptos, e de-
pois de procedido o sorteio que manda a lei, sendo
38 para cleitores, e 38 para supplentes.
O que em virtude do disposto ao>art. 109 da lei
de 19 de agosto de 1846, mando que pelo presente
publique na portada igreja e pela imprensa.
Eletores.
Nem'admra isto; guando, interrogado o mes.no Qe acaba de dar-se no seto de ^g^S M
c n_ ..u,,,-., a,, noipii nnrmiA nan iirndb os che- cora a maior rcrdade expoz aoconliecunenio uo
fi < liSo^Km S-^l no n. 185 deste l)iario o co.nmunican.e Dr. Deodoro lpiano (^elho Catanlio
, ,!'^ talm^ Sfatc-K sotana W se assignou R., eu venho do alto da imprensa, Dr. Joaquim de Aqumo Fonseca
n^XsTvVnS dirigir um roto de profundo reconhecmen.o e Dr. Francisco de Araujo Barros
^^ik^S^^SSS^SX- sinc^r;' adliesr'- ao "lui, hab" e dislinct0 medico Negociante Antonio Augusto da Fonseca
2ZL: naa o u mKwSim'i .' Tvffa '"' Sr. Dr. Caroliuo Francisco de Lima Santos. Id^ Francisco de Paula e Silva
utom z 1 e irarae 1,1 Tn" da' ctave da pela gloriosa palma, que veio d conseguir, c de Major Manoel Antonio Viegas
SmSltSe t)l satisfei a eve afanar, oois ir como que augraenlar Negociante Jos Francisco Caraeiro
as mutas que j tem colindo na sua laboriosa, po- Solicitador Francisco Xavier Pereira de Brito
rm honrosa, e quasi divina prolissao. Major Luiz Jos Pereira Simos
de trigo, dita de araruta, feij.io preto, frango, g_a-
lulias, lelc, laranjas. lenlia em acbas, maearrlo,
manteiga ingleza, dita de |>orco, marmelada, ovos,
paes de 2. i e 6 oncas. rap, sabio branco e ama-
relio, sag, sal, toucinho. tapioca do Maranho,
vassoura de piassaba, vinagre de Lisboa, rinho de
Lisboa, dito branco, dito do Porto, dito de dito ge-
neroso, vela de spermacete, dita de carnauba, dita
de cera branca de meia libra.
Para o expediente.
I-apis era duzia. peanas de ac era raixinha, pa-
ras para janell, ditas bordadas para cama, cha
pelinas de seda para sentara, muitos objectos de
necessidade para casa de familia e que lado se
achara patente ao exatne dos Jicitanles, e assiin
mais bandeijas de prata para copos, relogios de al-
gibeira de ouro, e tambera 5 escravos a saber : 1
negro de 36 annos pouco mais ou menos, i dito de
30 annos. lava, engomma alguma cousa e cosinha
o diario, 1 mulatinho d dade 9 annos, 1 negro de t
idade de oO annos pouco menos, trabalhador de
campo, 1 pardo crioulo, idade 28 a 30 annos.
pcl aimaro pautado em resmas.'dito de Hollanda. nta figura para um excellente pagem, milito boas
marca grande, emfolhas, obreas, paes. qualidades e fiel por isso pode tambem servir p
Por aluguel. ra um confidente criado.
Sanguexogas. Tudoetiiesse acharao patentes ao examedos
Hospital militar de Pernambueo 17 de agosto corapradoresterca-feira 18 do corrente s 11 horas
de 1863.O escrivao, em ponto na rua'da Cadeia n. 51, onde o agente
Jos Marcelino Alvos da Fonseca. conta cora a assistencia de seus numerosos arai-
Viiizo dos feitos da fazenda na- gosefregueiescertosdeque todos os que com-
elonal. I prarem bao de fazer pecbincha.
Na quinta-feira 20 do corrente. na sala das au- ---------'-
diencias, perante o Illm. Dr. juiz do taima da fa-!
zonda, s 10 horas da maiilia, se vender em pra-,
ti nubliea. urna casa terrea siu ama de Joao
rani'iseo da freguezia da Boa-Vista n. 15, avalia-
tcl, praca da lndependenria n.S, b.jadoSi
Soares Pinbeiro.ruaDMtiUn.J.bolirj do Si
Chagas, e rua da Caileia u. H, luja do S
Porto.
Os premios de .V.OOO/at 105 swopa-
gos urna hora depois la atrcelo al as *
limas da tarde, e os outros no dia cgauri>.
depois da destribuicao das lisias.
O thesoureiro.
Antonio Jos Rodrigues t Socza
LE10
da por 1:2005, penhorada a Casemiro dos Res
Gomes e Silva, para pagamento do que o mesmo
deve a fazenda nacional.
Recite 17 de agosto de 1863.O solicitador.
F. X. P. de Brito.
ORHEIO IIEKA',
Rftlace das Carlas Seguras existentes compradores quede pouco precisaren! : terca-fen
na* adninistraco d.. orrcio desta "S^JZ^^1^*"*1*
urna, e com es
to : c que assnn eslava sera duvida conseguido o
'"'x'i'^'inmm'e---------^ nos trabalhos da lieTxode historiar o parto a que quasi sucruiube Eupregado publico Caetano Pinto de Veras
elm^oteete^e fSS^^^L^S^SJSi a minha presada irraaa D. llelmra Virgilina de .Nogocan.e Adriano Xavier Pereira de Brito
imperial, como em satisfadu,,
menores foi garanlida a liberdade do voto. tavel publico repet.eoes, que perdendo poi isso Artista Manoel Antonio Pereira
Lastimo em verdade o estada do meu paiz eu- mes10 ^ o mleresse, se tornanam por deraais Dr. Jos Joaquim de Moraes Sarment
enfadonhas. O meu lim e. como disse, agradecer Dr. Abilio Jos Tavares da Sil
Barros
trege s pessoas qne actualmente o dirgera. las- en adonhas. O meu lim , como disse, agradecer |)r. Ab.lio Jos Tavares da Silva
timo o descrdito do svstema rcpresenlativo. sx s- publicamente ao medico que cheio de human.dade, updao Silv.no Gu.lherine de Ba
tema polo qual tantos breos militas pessoas ce- nao se aleve a consideracoes mes|u.nhas esoi se Dr. Antonio Jos Al ves Ferreira
mhra sinrermenle lem feito nara nue sei.i man- preoecupando do louvavel desejo de arranca das Negociante Sevenano Jos de Moura
Efe SSSenmSda garrasdamortc duas vidas, para .nimbem preciosas, I Capitio Francisco de Souza Reg Monteiro
o une acabamos de ver na presente nuadra dei- mostrou compreliendcr perfeitamente sua niissao .Negociante Jos Goncalves Malveira
toral demonstra que era excusado COUSUlUr-se sublime, que equivale um verdadero sacerdocio. dem Flix Antonio Alves Mascarenhas
naciosetee a sua voutade : melhor sera que o E o procedimeulo do Sr. Dr. Carol.no Francisco dem Jos 1 rancisco de I
governo livi
mar cladas
em sacnfhdo
1 raaa ness transe aflictivo, sem se sentir commo- Proprietario Joao da Cunha Soares Guimaraes 352
450
431
412
406
403
402
401
401
398
397
896
394
390
383
382
383
379
375
37.1
368
366
363
363
362
358
355
355
354
354
salvou-se serapre a dignidade dos meus alliados po-1 examinado abandonou-a uo Icito da dr a
liticos desta freguezia, cuja dedicaco, firmeza e sia, relirando-se mmediatameute sob o pr
lealdade despeito de todos os compromettimentos. Xo meto de todas essas miserias sobre que as-
senlam os iriumnbM cleitoraes desta actualidade. vidu pelo seu estado critico, sem te-la ao menos
ctexto ue
ncopalha.
que a eslava medicando, elle deviamos recorrer!
Prosiga o Sr. Dr. Carolno na sonda at hoje se-
guida c vori seu nomo cercado da mais brilhante
aureola, reccbendodaquelles.a quem com tanto zelo,
com tanto carinbo, com tanto desnteresse, salrar
das garras da morte como salrou a minha irma c
a seu innocente fllhinho, as taaos puras da reli-
giao e do rerdadeiro reconhecimento. Sendo cer-
to, que o pensamento de Horacioa saberque s
se podo chegar ao lim de qualquer carreira hon-
rosa a custo de fadigas. de esforcos. de suores e
desgostos. ser sempre urna verdade em todos os
lempos.
I>esculpe-nie o Illm. Sr. Dr. Carolno Francisco
de Lima Santos se coi., estas tintas oliendo sua mo-
destia.
Recite; 17 de agosto do 1863.
fenloMinenino da Silra.
speito de todos os compromeWimenlos
folgo de re ..nliecer com sincero agradecraento,
qualquer que seja o resultado da incumbencia hoje
dada pelo governo aos cdados que foram chama-
dos a concluir os trahaltas da eleicao.
Kngenho S. Cosme na freguezia da Varzea. 17
de agosto de 1863.
Barao de Muribera.
O barao de Muribeca precisa porcertido se Ma-
noel Deodato da Silva esta qualicado votante na
freguezia da Varzea. t em que quarteirao, assim
pela revisan feta no corrente anno, como na que
foi feta o anno pastado. Pede ao secretario da
cmara municipal assim o certifique.E R. M.
Emrirtude da petko supra, certifico que re-
vendo o livro da qualifi'eacao dos rotantes da fre-
gnezia da Varzea. ndle aehei qualiticado rotante
la mesma freguezia nos annos de 1862. e no cor-
rente de 1863, no stimo quarteirao do primeiro
districto, Manoel Deodato da Silva, idade 28 annos,
preto, casado, agricultor. O referido verdade, e
consta do respectivo livro que me reporto.
Secretaria da cmara municipal do Recite, 17
de agosto de 1863.O secretario, Franrisco Cami-
lo da Boaciagtm.
t illm. c Exm. E' de meu dever commuracar
a V. Exe. o occorrido hoje pelas 3 horas da Urde.
Procedia-se ao recebiraento das cdulas com re-
guiaridade. quando ao chamar-se o votante Manoel
Deodato da Silva, o-approximar-se cltoinesa gri-
taram atgnmas pessoas nao vota, mera no Re-
cife. ,
Releva oTjservar V. Exc. que este homem e
morador nesta freguezia em trras do engenho
Cordeiro.
e Eu ouia que elle se appi oximasst i>ara que a
mesa podesse verificar a denudado de pessoa, nes-
laoccasiaoo inspector do quarteirao de Cachang,
. Manoel da Cruz Coelho e outros, arrastaram-no
para fra da igreja. antes que a mesa lomassc de-
liberadlo alguma.
Negocianto Jos Francisco do Reg
dem Caetano Silverio da Silva
Artista Luiz de Franca Souto
dem Miguel Candido de Medeiros Pinto
Solicitador Manoel Raymundo Penna-forte
Artista Joaquim Miltao A!ve- Lima
Dr. Antonio Epaminondas de Mello
Tenentc-coronel Justino Pereira de Ferias
Supplentes.
Dr. Joao Francisco Teixeira
Capitao Luiz Cesario do Reg
Dr. Angelo Henriques da Silva
Dr. Antonio Jos da Costa Ribeiro
Tenentc-coronel Manoel Camello Pessoa
Negociante Francisco Antonio de Brito
dem Francisco Antonio Pereira de Brito
Artista Jos Mara de Alencar
dem Luiz Clementino Carneiro de Lira
dem Joaquim Gregorio dos Beis
Negociante Ladislao Jos Ferreira
dem Ircnco Januario de Oliveira
dem Manoel Antonio de Alcntara
Artista Joao Raptistada Silva Prxedes
dem Manoel Thomaz de Farias
\ puna* vegelaes assnearadas dem Manoel Joaquim de Souza Vianna
de * cmi I dem Casemiro dos Res Comes e Silva
, ,... dem Joao Luiz de Carvamo
nunca debilitan) o svstema, conforme acn- Negociante Joaquim ointo Bastos
tece com esses otltfos purgantes drsticos dem Rernardino de Sena Barros
mineraes. Funccionam como um alterativo' Artistajiorenco Baptjsta de Oliveira
brando eefflcaz. purificando todas as mate- J^^^'M^
rias acres e regularisando OS OrgSOS desar- Negociante Antonio Alvaro Ferreira da Silva
ranjados sem causar a menor dr ou iacom- Dr. Jos da Cunha Teixeira _
modo.
352
391
349
346
344
343
343
332
161
157
154
132
130
148
147
145
cid de para os senhores abaixo de-
clarados
Auna Francisca de Paula (Afugados).
Augusto Jos Ferreira & C.
Antonio Jos de Castro (2).
Antonio Luiz Vieira (2i.
Barao de Guararapes.
Custodio Jos Alvos t C.
Dr. Domingos de Souza Leao.
Dr. Francisco Amintas de Carvamo Moura.
Commendador Francisco Accoly de Gouveia Lins.
Francisco Moreira da Costa.
Joaquim Cavalcanti de Albuquerquc (Jaboatao).
Dr. Joaquim Jos de Campos.
Padre Joaquim Mauricio Wanderlex.
Padre Joao Baptista Soares.
JoaoMilito Henriques de Sou/.a.
Joao Jos de Carvamo Moraes.
Jos Joaquim Alves de Almida (2i.
os Mara da Costa Pinto.
D. Marcolina Andrea de Jess (Muribeca).
Dr Miguel Joaquim de Castro Mascarenl.as.
Miguel da Silva Pereira.
Manoel Joaquim Seve & Filho.
Manoel da Silva Mendonca Vianna.
Viuva de Ventura Pereira Peuna.
DE
50 saecos com caf do Rio.
iio.ii:.
Por conta c risco de quem perteneer o agente
Pestaa vender em leilao cerca de 50 saceos com
caf do Ro de superior qualidade o qual ser ven-
dido em um ou mais lotes para proporcionar aos
' a
ia
no armazem do Annes.
1 Um terreno em chaos proprios,
IIOJE
Tcrfa-feira 18 da corrente s II horas
da nianha.
, 0 agente Oh rapio far leilao a mandado do
I Illm. Sr. Dr. juiz especial do commercio de um
terreno na rua Imperial com 90 palmos de frente
| e 1160 de fundo cujo terreno pertence a massa
! fallida de Joaquim Lucio Monteiro da Franca.
Ter comeeo as horas cima no armazem do re-
ferido agente" rua do Imperador n. 16.
LEI 10
AVISOS MARTIMOS.
Rio de Janeiro.
0 patacho Capuam capitao Rosa, ainda pode re-
cetar alguma carga : trata-se com Marques Bar-
ros & C, Largo do Corpo Sanio n. 6.___________
OUl'AMU "PHNAMBIXANA
Xavegaco costelra vapor.
Slaivi e escalas
O vapor Persinunga, comman-
dante liaiis. segu para os por-
tos cima indicados no dia 25 do
corrente s 5 taras da tarde.
Recebe carga at o dia 24 ao
meio dia, eneomraendas, passageiros e dinheiro a
O agente Almida far leilao requer.nwnto do
curador fiscal da massa fallida de Antonio Fran-
cisco de Souza Magall.es Jnior e mandado do
i Illm. Sr. I)r. juiz especial do commercio de 6 ca-
deiras de Jacaranda em mo estado, 1 dita de ba-
la neo. 1 sof de oleo pintado, 2 consolos em mo
estado, 1 piano. 1 commoda de amarcllo com es-
tante de ferro. 1 mesa de janlar, 4 cadeiras ame-
ricanas. 6 bancos para mareineiros. 2 serras hra-
nes 1 banco para tornciro com ferramenta, 1
serra de mo. 1 dita de volta, 1 pedra de moer e
i dita para amolar tudo nertencente a mesma
massa.
Qaarla-feira 19 du rorrenlr.
Nn sobrado da rua de Borlas n. 102. ao meio
'da.
'/AHORA.
DRAMA HISTRICO PELO DR. THEBER6E. 10
QUlL NAO INTERVEN PERSONASEN
FEMENINA.
Na fua.Nova n. II vcaiaaRi IVo<> a
osemplar.
LOTERA
CAS4 0.4 F0RTUY4.
O abaxo assgnado faz sciente ao re-qx-itavet
publico que se acha estalielecido pM BM lja >-
iiillietes das loteras da provincia, na rua do Cres-
po n. 23. onde tem expostos venda os seu- miu
liies bilhetes e meos bilhetes garantid-.- l I
parle da L* lotera em beneficio da igreja de Y S
das Neves do convento de S. Francisco de Olinda,
cuja draccao sera a 22 do coi renle mez. ubri
p;and(i-se M paLaniento de todas M MTlea, que nel
les sahireui. aem os demaama ibis 12 fm reate
do impoetO geral e dos 4 |r cenlo du provincial.
o qual ser proinptainente efieeluado ma Itora d-
|. i- .la exlracco e |or diante.
Os bilhetes meios bilheles do abaiv. aignadu
sao por elle assgnados de chancella a artam
tambem venda as legUMieeeawi : Braca da
i|e]n ndencia tojas u. 22 e 30; rua Breita bamra
n. .'I. rua da Cadeia luja n. 45, rua da Imperad i/
n. 44 e rua estrella du Rosario n. 12.
reeo.
Bilhetes inleiros..... (i*'
Meios bilhetes...... 3*JO>
Para as peaM que lomuiaiem
de 100A para cima.
Bilhetes........ 3m>
Meios......... 117*
Manoel Marti* Finta.
ijiiwn
meio aia, eneommeiiuas, passiigeuus e uiuubuu og
t^lfto^SomViT** ttrtto: es-FazeodaSfi'anc,ezasue al?onaoeseda
cnpton
GOMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Aavcgaeo costelra a vapor.
142
141
141
140
139
132
117
116
112
bram com especialidade sobre 0' Emnregado publico Claudino Benicio Machado 107
. r P.anitSn Jns I.iiit Pereira 106
105
105
105
Qnarta-feira 19 do corrente.
Cals Irmaos farao leilao por intervencao do agen-
' to Pestaa de um completo e variado sorti ment de
fazendas de la c seda, chapdara etc., todas as
mais proprias deste mercado como sejam cassas.
145 parahvba, Natal, Marao, Aracaty, Cear c Aearaeu. organdYs sedas, luvas de pelica ede seda, chapeos
O vapor Mamanguape comman- 0 ^^ para homem e senhora, de castor e de laa,
dante Moura, seguir para os casemiras. pentes de tartaruga ede bfalo, marro-
portos cima indicados no da 22 qUns. chapeos de sol de seda e de algodo para
homem e urna infinidade de artigos a sabir do al-
fandega c que serao expostos aos seus nmeros >.
freguezes e amigos quarta-feira 19 do corrente
pelas 10 hora da manhiia em seu armazem na
da Cruz n.M. onde espera a concurrencia dos
mesmos.
do corrente as 5 horas da tarde. A
carga ser recebida at o dia 21
commendas. passageiros e dinheiro
143 a frete at dia da saluda as 3 horas: eseriptorio
no Forte do Mattos n. 1.
ligado', porm nao violentamente : o tem-' S^S^cIndm^de Souza Castro
tavel effeilo producido e um ftuxo natural nr. Ernesto de Amiino Fonseca
de um estado saudavel e perfeito de bilis. Negociante Jacintho Antonio de- Mello
Como remedio caseiro Sao ellas iqeslima- Coronel Oomingos Alfonso Nery Ferreira
. M ,- . , n5 Cap tao Miguel Jos de Almida Pernambueo
vewen todos os climas e peae paiz nao Dr ^^ WnS Machado PorteUa
prudente o eslar-se sem ellas. A capa nr. Manoel Jos da Silva Neiva
de assucar que as cobre as tornam sarama | Pr. Ignacio Nery da Fonseca
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte esperado
al o dia 20 do corrente o vapor
\Apa, commandante Alcanforado
IiEIliAO
DE
sul.
a" ia a loja de ferragena.
O agente Almida far leilao requerimento do
? Ita^ois dTTlemora-oToT eurador fiscal da massa fallida de Antonio Fran-
tume seguir, para os portos do co de Souza Magalhaes Jnior e mandado do
^ Illm. Sr. Dr. juiz especial do commercio. da arma-
bem-se passa?eiros e engaja-sc a ?a.ferragens (ipertences istentes na loja da
103 .caifl tmao vapor oder eondnzir. a qual dever rui do Queimado. n. 69, pertencente a mesma
103 ser embarcada no da daaaa ehecada, encom-; '" --^
103 mendas e ihheiro frete an o dia da sahda s 2 Quarta-Wra 1 do corrate.
102 horas: agencia rua da Cruz n. 1. eseriptorio de O leilao ter lugar na mesma toja s 10 honNf
102; Antonio Luiz de Oliveira Azevedo 4 C. | do dia.
PROTESTO.
A abaxo assignada, protesta, como de protestado tem. contra os depositarios da ma>sa tal-
uda de meu marido Jos Antonio Alve> de Miran.!
Guimares.os Srs. Felippe t Irmaos.pelo an-
nuneio que fazem no Diario de Pernambueo. de l'i
do corrente, da venda em leilao para o dia 20 du
mesmo, de tres quarlas partes ,|u ~iii<, da Manga
beira. era Olinda. defronte do Jardn Bouamee
Tenlio a declarar que o dito sitio da Mangal-eia i
propriedade minha, comprada poriaaa, e aad
nclle meu marido, e menos os sew ereerea, pel-
I meu contracto de casamento em IH.'i:(- poreecrip
tura de .irritasfeita as nula- fotabetlo Salle-
cuja e.-ei-iptura me aoterisa a possuir h-n- di
sem que estes commumquem com os lien- .1.
marido: assiin com nao se podem vender, nr
hypothecar, apenas teremosnso-frnctoe m
nada tenho com os negocios de meu marido:a
minha eseriplura de napeiaa i feila em IH.'>! -e o
estabelecimento de meo marido, tere principio ein
8 de dezembro de IStil:quera e. Mia, que igaora
ser acuelle sitio propradade minhadecUrami.
da forma acarada ?Protesto contra os mesim.
Srs. Felippe & Irmaos. e mais contra quera diivn..
tiver |tor |>ercas e dainos que me |x e assim ractilico o protesto feito j peranle odig.
inii de direito eopscial do cominercin no acto de
leilao de meus escravos, de cujo foi intimado ..
leiloeiro c curador fiscal Jos Duarte da V\v-
pelo competente official de ioUgeariaa, cujo proteo
to se acha em jui/".Declarando mais. ijue qual-
quer bem a muu pertencente o reivindiearei log>>
que nao estiver coacta.
Becife. 1" de agosto de 1863.
Hrnrituda Elizia finkt de Miraml.
I'ergunta-sea cmara municipal ilo R->cfe est derogado o artigo 10 do titulo 9 das respe-
tivas posturas, ou se os almocreves que rommzem
cavaltos carregados de saceos de carvao, d
ser considerados cora excep^o a esse artigo ?
Se nao cs derogado, e os_almocreves a que n<>-
refenmo&alo fazem excepeo, rogamos arespe'
tiva (nmaMf^ie se digiic de ordenar aos seos fiV
caes que cumpram o disposto no artigo citado, h Is-
to que nao tem sido cumprdo at hoje.
limMra^can 2tiQ$IIOO
1 A qualquer pessoa que possnir oo tirer rom
prado os objectos seguintes: urna cruz de oarope-
quena. umanel era vado de diamante de modelo
antigo. um par de brincos de Magran ; poder ef-
fectuar-se a entrega na roa do Imperador n. "I
sem a menor respon-abilidade. sicundo aaai
em casa do Illm. Sr. Jo* Joaquim Das dos Pra
zeros. ^^^^^ ^___
m
PreoNtae de tiran ama para cocinta: na na
h Imperatriz. sobrado n. 47, segundo aodir.






.----7-
-w
*
! SBK
PROTECCO
Msicas para piano e canto,
de todas as forjas e
veude-se baralissima f ara
acabar.
PROTEGCAO
Msicas para piano e canto,
de todas as torcas e
vende-se baralissima para
acabar.
Piarlo de Pernamhnco Terca clra 18 de Agosto deyUMm.
o \ovo i:*'i tui:i.i:< inimito
DE
Jos Gomes Villar na roa do Crespo u. 17, e>tamlo o mais bem sopli-
do possivel espera merecer a prolecco do publico eai geral.
c^y Garantindo-se
vender por preces-touimedos a diuheiro a vistosysleuiaha penco descoberlo nesta
provincia.
* c>* Nao duvidem!
Pois vendent-se cassas e organdvsa 210 rs. o eovado! parece mentira, porm
nio.
J.aas de -quadros muilo chiques a 320 rs, o rovado.
Para noivas, lemos nos.
D rico vestido de bloude com sna manta bonita e sua grnalda de nuito gosio, te-
mos a eanikaia de linho para camisas, temos as saias bordadas, temos o espartbo, te-
mos halan amito redondo e muito cbkjne, temos os ricos corles de cainbraia ricamente
bordados, temos o bramante belga para Jencoes, temos a bretaulia jara camisas, temos
a selecia on o esguio para os labvrinthos, temos as capas pretas a Luir XIV, temos a cha-
pelina a Mara Pia oom o seu veo muito chique, temos os ntremelos largos ricamente bor-
dados como uinguem tem, proprios para enfeites de ruiipas brancas. Assini como temos as
fazendas cima mencionadas e umitas mitras, proprias para todas as cuberas que nao
sio uorvas.
%o se esquecan freguezes. at logo.
*<_**;

AURORA
LARGO
No grande o abastado armazem denominado AURORA RILHA.XTE lia seare un
grande sortimento de gneros sempre aovos e [ior preeos os mais commodos posslveis, como
abaixo expomos:
Oueijos de manteiga muilo frescaes a i Dito liysson verde a................ 2A8(X)
libra............................ 6i0| Dito grado mais muito boni a 2400 2-5360
Dilo do Reino nevos a i e eobeitos -a 2,">00: Dito preto em macos*.............. i600
Dito de pralo a libra .............. 720| Dito do Rio em latas a 15330,1,5600 c
NOTICIA NOTICIA NOTICIA.
Cartdes de visita
Cartoes de visita
Cartes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartdes de visita
Cartes de visita
Cartes de visita
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Calcado franeez, na loja de vapor, ra
.Nova n. 7.
digno de attenco os novos sorti-
mentos de calcado' franeez, chegado
dita laja, e mu especialmente as mo-
dernas boliuas com dilTerentes e novos
enfeites para seuhoras e meninas.
Attenc&o!... aUeneSo
Na villa do Paco.
Na villa do Paco.
De Camaragibe!...
De Camaragibe!....
O abaixo assignado, morador na villa'd Paco de
Camaragibe, vende as suas tres barcacas aisaber :
Abysmo do Paco, de lote de 550 saceos de assucar,
Flor do Paro, de 430, e Paquete do Pato de 380,
promptas c navegando , sio as que carrgam toda
a safra desta ribeira, e muito acreditadas. Assim
como vende o seu trapiche, o mais bem montado
nesta provincia e na de Pernambuco, de pedra,
cal e lijlo, tem capacidade para mais de dez mil
saceos, guindaste de ferro, eollocado no primeiro
lugar desta villa, que recebe todo o assucar que
transnorta esta ribeira, tem casa de vjvenda na
frente da ra de Commcrcio com os fundos para
o trapiche, tudo murado, cobras principiadas de
lijlo, dentro multas tructeiras e 4orreno pan plan-
tacao de hortalizas. O abaixo est resolvido a fa-
zer todo negocio a praso ou a dinheiro, como con-
vier ao.pretendente, est bom para quem esl abor-
recido de viver na praca : para informacocs sobre
o trapiche, queiram dirigir-sc ao Sr. Antonio Lou-
renro Teixeica Marques, ou com os Srs. Marques
ft "Silva, ra da Cadeia n. i, e com o Sr. Manoel
Tavarcs Cordciro, travessa da Madre de Dos n.
18 A. E respeito s barcadas com Thomaz Fer-
; nandes da Cunha^ na ra da Cadeia n. 44. Para
tratar da conclusa da venda com o proprielario
na referida villa.
___ Joaquim de. Souza Silva Cunha
Farinha
de superior qualidade, amelhor do mercado, a bor-
do do brigue Imperador : a tratar com Manoel
Barbosa Ribeiro, ra da Madre de Dos n. 12.
r. Vellozo, medico, contina a resi- fifi
dir na ra Bella n. 37, primeiro andar, g
aonde poder ser procurado para objecto
de sna profissao.
Trata especialmente das molestias dos
orgaos respiratorios e das vias genito ou-
rinarias.
D consultas em sua casa, gratis aos
pobres.
ME
Procisa-se de nina ama para todo o servico in-
terno'de pouca familia : na ra da Couceicao nu-
mero 42.
Arnold Meyer, Suisso, retira-se para Europa.
Aluga-se urna casa terrea na ra do Forte,
com 3 quartos, cozinlm fra, o com quintal: na
ra de norias, sobrado n. 48.
D-se 3005 a premio
mero 27.
na ra da Matriz nu-
Precisa-se de um homem paja fetor de uro
pequeo sitio nos Arrombados : a tratar em Fra
de Portas, ra do Pilar n. 13.
Ainda est por alugar-se o sobradinho da
ra Direila n. 85 com a loja que tem armacao,
ou sem ella : quem pretender, falle na ra das
Cruzes n. 9, penltimo sobrado do lado direito,
quem vai da rua do Qneimado para S. Francisco.
= Aluga-sc o segundo andar da can n. 51 da
na da Cadeia do Recife, coutendo 5 portas de
frente, 2 salas, 2 gabinetes, 6 quartos e cozinha
fra : a fallar com Jos Maria Scvc, na ilha dos
Ralos, rua do Seve, casa n. 16.
100 r
core* i
a O <
Aluga-se urna pequea mei-agua por detraz
da Ponte-Velha da freguezia da Boa-Vista : quem
a pretender dirija-so ao mesmo lugar, ou a rua da
Gloria n. 106, que achara com quem tratar.
Quem quizer dar a juros por seis meces a
quantia de 3505 com seguranca em urna mulata
que cose c engomma soffrivelniente, e tambem co-
zinha alguina eouea, muito moca e de bom com-l
portamento : annuncie para ser procurado.
Precisa-se de urna ama para o servico de
pouca familia : a tratar na rua da Cadeia do Reci-
te ii. 18, segundo andar.
Precisa-se de pretas ou moleqncs, para, as
tardes, vender azeite, paga-se bem : para tratar,
na rua das Trmcheiras n. 48, primeiro andar. *
Precisa-se de um caixeiro para taberna :
rua Direita n. 25.
na
n
o 3
* K
32
3 >
> M
53
O
COMPRAS.
Aluga-se o primeiro andar da rua estrella
do Rosario n. 22 : quem pretender dirija-se rua
da Penha n. 5.
29.
Saceos grandes com farinha com .24
cuias igual a de mandioca........65000
Djlas mais grossa a........'.........55500
Ditas com 100 libras de farello de Lis-
boa a 45300 e..................55000
Ditos com 25 cuias de arroz de casca
muito grado a................. 45000
Ditos cora iiiilho a 55500 e..........05000
Caixas com charutos linos com aiguin
furo a 500 e..................... 15000
Ditas com dito fino-sera furo a 25 e.. 3j800
Manteiga inglcza verdadeira flor a
720 e.................,........ 800
Dita mais abaixo a................ 640
Dita franceza nova em barris se far
abatimento a................... 580
Dita hollandeza (o melhor neste gene-
ro a.......................... 640
Cha perola o meltior que vem ao mer-
cado a libra.................... 35200
Dito hysAn miudnho que raras vetea
vem ao mercado a.............. :;-5iMi
Dito uxini muito superior a......... 85880
Os Srs. donos ie taberna de fora aeharo no armazem da Aurora
nKnlo propno para seus estahelccimentos por preeos commodos.
Massas para sopa, alelria, talharim,
inacarro, estrelinha e pevide a..-.
Passas novas era quartos de caixas a
libra a.........................
Sag e sevadinha a libra............
Caf do Rio muito kim arroba 85800
65500 e libra 280 e..............
Dito do Cear saceos pequeos arroba
95500 e libra.................... 320
Doces em caldas, seco, fructas em cal-
da e secas para diversos piceos----
Aloisia arroba 45800 e libra.."......
Caixas com 2 arrobas de batatas novas
a 25 e libra a...................
Sabio maesa a 120,160,200 e.......
Farinha de tapioca a libra 140 e.....
Gamma muito alva c nova arroba
25500 e libra....................
Dita propria para grudes e bolos arro-
ba 15800 e libra.....*............
Arroz da India muito graudo arroba a 35200
Molhos de selwlas novas a.......... 800
Carne do sol verdadeira do Scrid a. 320
Brilhante um sorli-
Ainda est para alugar-sc o sobrado na rua
dos Coelhos n. 10, onde moraram os padres
ritas.
M ISiiiliillil iHifiS W
Precisa-se de urna ama de leit'e,
mas que tenha, quando muilo at 6
mezes decorridos na criaco de que
se ache encarregada: na rua trata
do Rosario n. 31, 3o andar, por cima
do armazem de trastes do Sr. Mo-
reira.
Aluga-se a casa terrea da rua Imperial
os pretendentes dirijam-se Caixa Filial.
Ao n.
Nora loja dos barateiros, ma do Quemado.
Las de ultimo gosto, eovado a 440 rs.; organ-
dis de padroes lindissimos, varas a 800 rs.; ba-
loes de arcos o melhor possivel, a 35500, 45 e 5 ;
laa" alpaca de linho para vestidos, eovado a 240 rs.;
cambraias de cores para vestido, eovado a 280 rs.;'
cambraiela muito fina, peca de 12 jardas a 75 ;
cassa lisa pelle de ovo. pe?a de 12 jardas a 75500.
Aon.29.
Nova loja dot barateiros, rua do Qneimado.
Paletots de merino selim, fazenda de eusto de
205 por 105 ditos de alpaca preto a 35200; brim
brinco lona, vara a 640; brim de cores para cal-1
ea, eovado a 480 rs.; camisas com peitos de fustio,
a 15600; chapeos de sol de alpaca, a 35500.
Ao n. 29.
Noca loja dos barateiros, rua do Queimado.
Para acabar.
Escravos.
Compram-se dous moloques, sendo estes bonitos
e de 13 a 16 annos na praca do Corpo Santo n.
6, loja.
Precisa-se comprar quatro ou seis vaccas de
leite de boa qualidade e paridas de prximo : no
Arraial sitio de Elias Baptista.
Cobre, lato
lila ainarella,
rador.
Compra-se
e chumbo velho,
no oitao
da gaz da rua
no armazem da
do Impe-
(ompra-sc effeetivamentc miro e prata em
obras velhas: na praca da Independencia n. 22 lo-
ja de bilhetes.
VENDAS.
Corado a l ftOO.
Casemira ingleza de cores muito superior, pro-
pria para forrar carro de passeio, pelo diminuto
" preco de 15500 o eovado, pecas de cambraia lisa a
Bicos preto de linho, vara a 120, 160, 240 e 320 ^\{3t% (|e rassa |jsa a 55 : na rua do Queimado
rinac rrnni'K a Ironnac nrnlne a ra t.r.wac trnrq I________ we\
Joo da Silva fiamos, medico pelaUni-
versidade de Coimbra, d consultas em
sua casa, na rua Nova n. 50. das 8 s 10
horas da manha, e das 4 s 6 da tarde, e
recebe egualmentc convites para dentro
ou fra da eidade, com o fim de se encar-
regar de qualquer servico de sua profis-
sao.
chamados \TTE\C\0.
Un aadgo.4to Exm. Sr.desembafgadot An-
ionio Joaijuir. da Silva Gomes, pede aos de
mais amigos delle a Daeca de oavtaem alpu-
mas missas, que por alnia da Exm.* Sr.s mai
d'aquelle distin^to magistrado, se celebra-
ro na igreja. d-- Nossa Senhora do Carme,
a 1S do eorrente niez. das 8 para as 9 horas
da maphaa em porto, nonagsimo da do fal-
lecinv alo Helia. Beeife, 16 de agosto de 1863.
A abaixo assignada, casada com o Sr. Manoel
... Romao de Carvalho, tendo feito publicar nos lins
Amda se acba por alagar as duas lojas da rua de Hortas contendo a da esquina urna boa ar-; annuncio em que prevena o publico a respeito do
mac&O para mbejrna, bem colloeada, qite o pretcn- mnn- porq,,,, 0 ,io SPU marido pretenda espolia-la
deuco j 4c.ni Ju cunar coin o zenero. urna casa j- .~_ i_ 1------j______ 1 ,. *____1,
; na rua doKagundes n. II.
mais outia na traves-
sa da Trempepara o Hondegoa 9, com bastantes
commodos e muito Fresca : os pretendentes dirja-
se a roa doJmperador n. 44. lerceiro andar.
par, lingindo dividas, e provocando execocSes, para
rlit'M.ir :it> llm a *fiia au |>i-u|.r.... :..:*!..' .1.. v.'t no
Jornal do Beeife, de 8 do eorrente um edita! do juizo
do eoininereio, |Kinik> em praca a casa de sobrado
de mu andar n. 131, sita a rua Direila (nico
bem que resta ao mesmo seu casal) por exeeucao
de Mello & limaos, e porque tem justos motivos
paracontestar a divida, que serve de motivo essa
exeeucao, appressa-se a protestar, como protesta,
- O abaixo assignado julga conveniente fazer contra' ella e contra a mesma exeeucao, para re:
rs.; ricas franjas e trancas pretas e de cores, vara
a 120,160 c 200 rs.; trancas c galoes de laa e de
algodao, pocas de 10 e 15 varas, a 200 e 400 rs.;
froco fino e grosso, peca a 160 rs.; vestidinhos de
cambraia bordados, para baptismo, a 25.
ALViqARAS NOyiDADE/
Sao chegados loja das columnas
na rua do Crespo n. 13 de Antonio
Correa de Vasconsellos & C. riquis-
simos cortes de la muito fina com
barras estampadas e matisadas Im-
peratriz Eugenia, cores as mais deli-
cadas como sejam: cor deganga.de
lyrio, cinza etc., fazenda fnteiramen-
te nova e nunca vista em Pernam-
buco.
numero 40.
mm
Vcnde-se urna taberna das melhores na fregue-
zia de S. Jos, com poueos fundos, e commodos
para familia, que vende de 20 a 255 diarios; ven-
de-se a dinheiro ou com indemnisacao praca : a
tratar na rua de Santa Rita 11.64, 011 troca-se por
outra nos arrabaldes da eidade, e se liver sitio an-
nexo melhor._____________________________
Vende-se una preta que faz todo o servico,
menos engommar e eozinliar : na travessa dc'S.
Jos.' 11. ii. _____________________________
Vende-se 11111 sobrado de tres andares, bem
construido, sito na rua do Pilar n. 72 : quem pre-
tender dirija-se a rua da Cruz n. 36, que achara
1 com uueiii Halar.
-!?..
mil
a ttenedo.
Da-se bolos sovados de vendageiii. e paga-se 130
r. em pataca : a tratar na padaria das Cinco Pon-
tas 11. 146, defronle da estacao.
Maria Francisca de Mello retira-se para o
publico que nada deve a pessoa algoma, tanto nes-1 salvar o seu direito contra os taeqnentes, e qual
ta provincia como fra della, quer seja por letra ou
conta de livro, vAcida ou por vencer, ou por ti-
tulo de qualquer natureza, e se por ventura al-
guem se julgar seu credor, apresentc-se em seu
armazem na travessa do Carioca n. 2, que ser
iiniiK'ditami'iite pago : ootro sim declara desde
j ser fabo todo e qualquer titulo ou letra que por
quer licitante, que por ventura baja de arrematar
aquello sobrado.
E faz publicar o presente, para que em nenlium
lempo alleguem ignorancia.
Recife. II de agosto de 1863.
Bernardina llosa de Olicrira Lhna.
Geosraphla e geometra.
Heraclio Vesp.isiano Fiock Romano competen-
temente autorisado pela directora da inslruccao
publica, tem alx no um curso particular de geo-
graphia e geometra: OS Srs. estudanles que se
quizerem matricular as referidas materias podc-
ro dirigir-se rua do Cabug n. 3, primeiro an-
dar, das 9 as H horas da manha e das 3 as 6 da
tarde.
Vende-se a armaej) o l'.iz. da taberna da roa
da Llngoeta n. 5 : a traiar na rua da Cruz n. 3o.
loo de Janeiro, levando em sua eompanhia seus li- ^"H"aappare-a com sua firma visto que se
Terrenos para edificar, entre a |ionte pequea
; c a grande da Magdalena, urna frente de quinlien-
Itioe, Prudencio Alves de Brito, Donoro Francisco ar'i;'1,i"1 '"-S tanto nes ta_ praca coiik fora della. Re-; tos palmos, clhando para o nascente, c outra
l.Mello e Eneriosa Francisca Mello. ule 12 de agosto de 1803. frente de duxer
------------------------------=------------------ Jos agosto de Aranic.
AT'niJXt, AO.
O rtjjaixo assignado, emreposta aoanuuneio in-
serto no Diario de 14 do eorrente, sdb a responsa-
l.iliilade de sua /ilha Evarinla Rosa Ferreira, em
que esta previne ao publico, ojie m'nguem contra-
te com o abaixo assignado e sen lilho Francisco
IgnaciorBcrreira, acerca dos bens quelhc tocaram
por morte de seu mando, e des quatro aeangnes
que lle pu'tenceni.. na rua do Rangel, declara
Jos Antonio Braga da Silva retira-se para a
Babia.______________^^
fl abaixo assignado tendo-se
arbaivio-se de |K>sse de sua massa
O abaixo assignado faz publico que venden a
seu irmao o Sr. Manoel Alves da Costa a sua taber-
na sita na rua da Aurora n. 54 com todos os fun-
dos nella existentes, comprehendidas as dividas ac-
tivas, e por isso o mesmo senhor o nico compe-
tente para gerir dito estahelecimento de boje em
diante como seu proprio. Recife 12 de agosto de
1863.Custodio Alves Rodrigues Costa.
No dia 7 de agosto eorrente fugio o escravo
de nomc Lino, crioulo, de idade que representa 45
annos, pouco mais ou menos, barbado, desdentado
e feio, puxa um jwueo pelo quarto direito quando
anda, levou camisa de algodao liso, porm fino,
com punho imitando o de aqueta, caiga de algo-
dao de lista, chapeo de palha preta, tem officio de
serrador : quem o pegar ou tiver noticia delle,
rehabilitado, e acba dissolvida amigavejmente'a sociedad.; quegi- '^'J'""" da Praia.dc Santa Bita Nova n. 49, casa
faz disto sciente rava sob a razao de Villaca Irmo & Andrade; ^.mo2 Sr'Joao Cac,ano (,c Abrcu> 'iue sera
uxenlos de nascente a poente na estra-
da geral, e tambem so arrenda esse mesmo sitio :
rua do Imperador n. 14.
40 COHMEKCIO.
Os abaixo assignados fazcm sciente ao publico
que desde odia 31 de jullio prximo passado, si-
jando aos ps atencoes .e deveres mu sagrados,
pretenden anlodar-ine asxes, eassejnra mes-
raa Sra., qut ueiu elle, nem seu irmao Francisco
jamis avena o reprqvado intento de utilisar-se
de propriedade alh.'ia ; bem como que. com quan-
gredido ci sna honra de um modo por de-
mais aleivoso e descommunal. suppliea ao Todo
i'oderoso que illamiBe o espirito da fillui ingrata
eprecipitada, que esejrra na face de seu pal.; cs-
quece-se da propria tkaidade, para entregar-se
aos caprichos de cousellviros prfidos, que o me-
nos que aspirara e\iarquir-lhe o ]>equeno ca-
beda que Ihedeixou seu .finado e digno marido.
Recite, 15 de agosto deiS63.
Smplkio Foslunato Ferreira.
ATTE^iO.
Pede-se a um to alfrez da guarda nacional
que haja de em quanto autes dar urna deeisao
d'aquelias duas eartas que receben, relativamente
a exigencia de um selim que muito justamente faz
o seu dono, c cujo vergonhoso negocio tende a ?,?u sua residencia para a rua da Pnua de Sania
J.niz Antonio de Souza Ribeiro.
AMA DE LEITE,
Aluga-se urna prela cscrava com abundancia de
leite e com bastante pratica de Iralamenlo de cri-
ancas : na rua do Cres|, loja n. 20 A.
Manoel Mendos da Cimba Azevedo de-
preeente que por existirem outros de
passivo a mesma 'ouai ome, d'ora era dianlese assiguar JooCar-
'\ sociedade, e completamenle exonerado o socio Joa-1 los Mondes da Cunha Azevedo._______________
qiiiiu Jas dos Santos Andrade, de qualquer res- TR VT VMKNTO I)V BF\I('\
?2a!aiS*?da |,elas ransa(''5es ^ fuella aujmAS p^cSs ,ADUgTAIIAS Vmeto df.pir.vtivas.
A qin-iii convier
Mude-me da rua da Impcratriz n. 42 para a do
Apollo 11. 34, primeiro andar, aonde posso ser pro-
curado.Ladislao de Scnna Santiago.
Alaga-as um moteaue de 14 annos, muito es-
perto e |)roprio para servico de casa interno e ex-
terno : quem quizer dirija-se a rua dos Pires, casa
terrea n. 54.^_________________________ I
do obrado da rua
a fallar na rua da Pe- i
effeetuadas.
Recife? de agosto de 1863.
Manoel dos Sanios Villara.
Jos dos Santos Villara.'
Joaquim Jos dos Santos Andrad
Aluga-se o primeuo anda
esteeita do Rosario
1/ ha n. 5.
iineiro ;
Jp5o Caetano de Abreu, solicitador dos au-
ditorios desta eidade, faz sciente ao publico, com
xigencia"de um seinTque muito jiistament7az pecialidade aos seus clientes e amigos que nau-
comprometter um tereeiro que o afiani;ou persua-
dido de suas grandes bravatas de honradez etc.,
etc. Soltaremos a explicar ao publico todo esse
negocio ranscrevendo neste jornal urna carta re-
cebida da eidade de Goianna, onde muito clara-
mente se ver que o prejudieado deixando-se le-
var por diversos engaos pretextados pelo dito
Sr. alferes, no est mais para soffre-Io e promette
ile o chamar juizo para pagar-lhe a importancia
do dito selim etc., etc. E esse 01050 que tem por
costme ferir aos seus sememantes e bemfeitores
com injuriosas patarras do que tambem se pro-
inetirt responder peante os tribunaes rompe-
lentes. r
Rita Nova n. 49, onde morou o Sr. Dr. Buarque,
engenhelro da estrada de ferro, onde emprc aeha-
ro, das 6 s -9 da manha, c das 4 da larde em
diante.
A pessoa que annuneiou para comprar una
fia tanca grande e alguns laxos para reflnaro, di-
1 ija-se a rua da Guia n. 42.
Pede-se ao Sr. Jos Gomes Pessoa de Al-
buquerque, dono do engenho TabatinM^ o
favor de vir ou mandar rua Nova, n. 32
tratar de negocio que n3o ignora.
Aluga.-se o tereeiro andar da rua da Impe-
ratnz n. 34, com commodos para numerosa fami-
lia: a tratar na taberna do mesmo.
Precisa-se de um amassador na nadara em
Santo Amaro atraz da fondjco do Sr. Star"
r- Nao me sendo possivel permane-
cer em rasi lodo o dia para satisfazer
s cnusiilias medicas daqaellesqoe me
prornr.im, por quanto tenho (lenlos
de minha clnica, a qucn devo iih-iis
cuidados, sou forrado a declarar nova-
mente qoc so me e permUlido dar con-
sultas das6s 9 lunas da rnaaba, e, em
casos nrgentes, das 3 s 5 da tarde.
. Dr. Jaaqnim d'Aqoino Fonsera.
Maque sobre Portugal.
O abaixo assignado, agente do banco
mercantil Portucnse nesta eidade, sacae-
fectivamente por todos os paquetes sobre
o mesmo Ijanco para o Porto e Lisboa, por
Jualquer somma, vista e a prazo, po-
endo logo os saques a prazo serem des-
contados no mesmo banco, na razo de &
porcentoaoanno aos portadores que as-
sim the convier : as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da .Silva Castro.
Tomando 6 pilulas da caixa n. 2 de noite, igual-
mente 6 ditas n. 1 de manha. Continuando 6 das
seguidos com a mesma receila a cura infallivel.
ATTESTADO.
Com o tratamento aeima, atiesto que no mez de
setembro prximo passado curei um escravo da
Sra. D. Francisca, moradora no Rio Grande. Cami-
nho de Santos, que estava com as bexigas bem de-
claradas ; em menos de 18 das sarou completa-
mente. E por ser verdade faco esta publicarlo
para serem conhecidos de todo o publico os infal-
liveis remedios do autor C. P. Etchecom, de S.
Paulo. -D. Francisca
Rio Grande, Caminho de Santos, em 31 de se-
tembro de 1859.
Agencia principal, rua do Parto n. 110, no Rio
de Janeiro.
Em Pernambuco, na pharmacia do Sr. Jos Alc-
xandre Ribeiro, rua do Qneimado n. 15.
FARINHA SUPERIOR.
Vende-se a bordo do patacho Social c do hiato
Cursor, ancorados no trapiche do Rarao do Livra-
mento, farinha de mandioca, tanto de Santa Cama
ria como de Porto Alegre, a melhor do mercado,
por preco coinmodo -
CASEMIRASINGLEZAS
a 1,700 rs, o airte.
Vendem-so cortes de caserairas escuras para
calca, pelo barato preco de 15"'M), tambem se ven-
ilem das mesmas a 480 rs. o eovado. proprias para
paletots e colletes, etc.: s na loja dopavo, rua
da Iin|ierairiz n. 60, de Gama & Silva.
GRANDE PECHINCHA
Vende opavao, organdys n 3G0 rs.
Vende-se llnissimo organdys matizado com os
mais delicados padroes miudinlios com assentos
brancos, sendo ueste artigo o mais moderno que
existe no mercado, sendo fazenda que sempre se
venden a 13200 a vara, c presentemente vende-se
a 360 rs. o eovado: s na rua da Impcratriz n. 60,
loja do pavao, de Gama &. Silva.
CHITAS ESCURAS
fl 2,200 e 2,640 rs., s o pavao.
Vendem-se cortes de chitas com padroes osea-
ros, tendo 10 1/2 covados a 2200, e com 12 1/2
corados a 2640, pechincha e rende-se por este
preco em razo dos cortes serem em mais de um
pedaco : s na loja do pavao, rua da Impcratriz
n. 60, de Gama & lva.
Vela de carnauba
Vendem-se velas de carnauba sem eo posicao,
lodo o preco : na rua do Trapiche n. 40.
Vende-se urna niulatinha de bonita figura, de
12 para 13 annos de idade, a qual tem muitas ha-
bilidades : para ver e traiar, na rua Imperial n.
87, sobrado.
NOVO " VAL
LOJA DE M1DEZAS
Ruado Que>ma/o n i6.
Massinhos com 27 grampas surtidas a n.
Fitas e conloes para espartillio a 00 rs.
Pecas de tranca lisa encarnada preta a i )
e 40 rs. r
80D0fl60TadabraOCaSa^**-a
Ditas de tranca branca de caracol a80.-
Ditas de tranca de caracol preta e th-
00 rs.
Ditas de tranca de caracol mescladas
100 rs.
Ditas com lOvaras de tranca de la nara *-
brum a 1.5400 rs.
Pecas com 15 varas de franja de borlla par
cortinado a 24800.
Pecas com 20 varas de labyrintho lino a i4u.
Pecas de 10 e 20 varas de bico branco e prc 1
a 1*200 e 2*400.
Pecas de 10 c 20 varas de rendas linas a l**iO
e 2*400.
Pecas do 10 varas de franja Jk- la de cor-
Pecas de 10 varas de franja de M.-da tle em**
a 2*4003
Pecas de 20 varas ib; galo branco larvado a
1*600.
Pecas de 10 varas de lilajde velludo BMi I -
vradoaGOOrs.
P.'ias de 15 varas de fita de M <: pnia <]
cores" a 200 rs.
Pe^as de fita de sida de cores a 320 e 1001
Caixinhas com 18 pares de cdcMcs a jn
40 rs.
1 aitoee com 14 pares dr ditos a 40 rv
Ditos com 25 pares de ditos a O, 80 e 100 r-
Pentes de atar caln-llo a 40. 160 e 240 1-.
Ditos finos em caixinhas a 640 e 800 r*.
Ditos dourados a Maria Pia a 3*.
Atacadores pretos e de cornalina (>ara pa*i ^
a 320 rs. *
Grozas debotSes de porcelana pinta Grozas debotoes pretos dednejM a.TJOr.
Duzias de Iwt'.'s prateadoi dourados |>ara a-
lete a 320 rs.
Clvalas de seda modernas a 240 e 500 rs.
Sintures clsticos |iara homem a 3O rs.
Suspensorios sem e com elstico a 120 -1001 -
Joguiuhos d<- porcelana para alumeo de criaara
a 1*800.
Trena le cosiuha para crianca a I*.
Calcadeiras de chifre a 120 rs.
Caixinhas de lamparillas para seis iw-z a 80 fs.
Duzia de caivas de pluisplinros a 100 rs.
Pares de lavas de montara a fiOO > I JUDO
Ditos de dita- de seda para senhora a 600 e t*
Ditos de ditas de Escocia liara senhora a *
400 rs.
Olla va de retroz preto de cores a 160 1 -.
Duzias de facas e garios brancos e polos a 3*
Mesma de papel almaco liso a 2*51)0 e :i*.
Dita de papel de |eso* pautado a 3*4 Caixinhacom Manveiepes 1 HVn a I*.
Diti.de pennas de lanea e calvgraphicas a 80>
1*200.
Dita de obrejas de massa c de cola a 80-
120 rs.
Boiies com tinta ingleza a 120 r-.
Frastpiinhoscoin tinta azul e encarnada 1 V) r-
Lapis azues e encarnados a 120 rs.
Duzia de lapis de pao a 80 e 120 r-.
Lapis e caetas linas a 20,40.60. Ht> e I) r-.
Eseovas para denles a 160 e 400 r-
Ditas para cabello a 700 rs.
Duzia de lanudmhos de puada do K in"
280 rs.
abasos de palitos trades *upi'riore< a sao.
Frasco de macassar perola a 160 e 240.
Dito de superior Palcholy a 5UO a M
Dito com lecitimo ol.o de Kalmsa a 64 r-.
Ditos com superior banlia franreza a .300 c i*
Oitos com superior agua de colonia a 500 e
81X1 rs.
Ditos com superiores extracto- 1 M 80" 1
E muitissimos outros objectos tmk loralissim-
na rua do Queimado n. 16.
Vende-se manteiga ingleza lina a 1M> e .>*
rs., franceza a 560. toucinho a 300 rs.. arroz a MU
rs.. ehourieas novas a 500 rs.. queijft> novos a
1*800. velas de spermacete a iHX rs.. Mi
carnauba a 400 rs.. vinbo da Fitru.na e Uafeaa *
100 o "iOO i., .izeile don- a *- bulaaftBka df 90-
da a 1-5300 : na rua das tlruzes n. 24. s.pjifu da
liaves-a do OoSdOT.
Na taberna da ra do Padre Florianno n. 41
vndese gomma a SO r<. a libra, e outro- _
mais baratos do que em outra parle.
Vendem-se teijos hons a i*oo fu
3*800 a saci'.i : no armaz-Mii da estrella, largn '
Paraiao n. 14.
CLDELISBO%
Vende-se cal nova de Lisboa : no largo d> i
po Santo, escriptorio de Manoel Ignacio i\> 'Hi\
ra & Filho n. li>._________________________
Farinha de mandioca
em saccas grandes, c tic superior qualida-
de : no armazem
Amorim n. V-i.
deTasso Irmao*. ruado
Cal de Lisboa a 1*000
numero 9.
na rua do Trapiche
Aluga-se um moleque
das Aguas Verde n. 92.
Joo Antonio de Paiva da Fonseca faz sciente
ao corpo do commercio que lendo-se retirado para I
dej 16 annos: na rua | fra da provincia, deixou por seu bastante procu
XOVA PEC lili II i.
Na travessa da rua das Cruzes, na taberna pinta-
da de amarello n. 6, vendem-se barriquinbas com
bolaxinha americana a 1*200, deixando a bar i-
11tinba o comprador; s levar a bolaxinha es-
tando em bom estado; de graca por menos de
melade do preco que se vende a da Ierra.
MACIS
Vendem-se era caixas de 200 a 15-5.
lera a retalho : na rua da Cadeia do Recife - i5.
Vende-se podra propria para astria, liotn-
breira- e cachorros de portas por commodn pi
bem como cluunbo em larra a 80 rs. a libra : no
armazem da bola amarella. no oilo do armaren
do gaz da rua do linperad'ir.
Vende-se a melhor lanera* da m.t .le s.
Jos n. 2, bem afreguezada tauto para a I
como para o mato, para quem Bjnaier acg lar.
por seu dono estar muilo doente. e prenso
lar de sua saiide :' a tratar na mesma.
Cal de Lisboa
Cal virgen chegada honlem em ancor
lo bem acondicionadas e por preco corarado bo
anligo deposito da rua do Trapiche n. 13. arma-
zem de Manoel Teixeira Basto.
chegados casa
Cruz n. 2.
Sfllins iijlczes
de Isidoro, Netto k C, roa
da
Precisa-se de um cosinhelro ou cosinhelra
forra ou captiva para cosinhar em casa de fami-
lia : quem quizer dirija.se rua Direita n. 32,
segundo andar.
Precisa-se alugar urna preta eserava que co-
2!!ie, engomme e compre para urna familia, com-
posta de duas pessoas: a tratar no armazem da
rua do Imperador n. 16.
^^^
^*
%liiiicl de easa.
Alusa-se o segundo andar e sotao do sobrado
n. 25 da ruaestreita do Rosario, com grandes com-
modos para familia; a tratar no caes do Ramos
n. 2.______________________________
Domingos Alves subdito hespanhol, vai aEu
ropa a tratar de sua saude e leva sua senhora
Precisa-se de 2:500* hypothecando-se urna
propriedade l\Te e desembaracada que val preco
baixo 8:000*, a pessoa que queira dirija-se a ser-
rara do Sr. Jos Ignacio Avila, que l se dir o
pretndeme.
Acha-se tratada a compra da taberna sita nos
quatro cantos da eidade de Olinda n. 2 como Sr.
Francisco Jos de Amorim: quem se achar com
direito a mesma, dirija-se ao Recife na rua da Sen-
zala Nova n. 26, ou em Olinda na mesma taberna
nestes oito dias.___________________
precisa-se da urna
OPUSClXO DE MORA!, RELIGIOSA, OOr A Reildu,
. para leitura as escolas primarias; folheto de 71
rador o seu socio Jos Moreira da Silva para tratar paginas, a 320 em brochura, e a 400 encadernado.
de todos os seus negocios particulares, e tendentes as livrarias da praca da Independencia n. 6 e 8, e
' esquina da rua do Imperador.______________
a firma que gyra nesta praca sob a razo de Fon-
seca Farias & C.__________________________
No dia 15 do eorrente a tarde, ao 6ahir da
igreja da Gloria, perdeu-se um lenco de cambraia
de linho todo de labyrintho com bico estreito :
quem o achou, querendo restitui-lo, o poder fa-
zer ao saehristao da mesma, em sua casa n. 3, no
pateo da Sania Cruz, que se Ihe gratificar.
No largo do Carmo. n. 1
mulher para cozinhar.
Aluga-e o armazem do sobrado n. 47 na rua
de Apollo, aluga-^e mais a casa terrea da rua da
Senzala Velha n. 74, com 3 quartos, cozinha frae
pequeo quintal: quem.7U*e,;lupr> entenda-se
com Jos Antunes Guimarei, u falle no deposito
AMA.
Urna moca chegada .ha pouco das Ilhas, offere-
ce-se para todo o servico interno de casa de fami-
lia, sabe costurar, engommar, tratar de ancas,
etc., menos cozinhar e lavar para informa?6es,
na loja da rua do Queimado fl. 1&____________
PINTURA.
Tinta branca de massa muito nova, em la-
tas de 28 libras para casas, para navios, para
a eompanhia do gaz, a 2oo rs. a libra: rua
larga do Rosario n. 34.
Farinha de mandioca
*m saceos grandes a preco muito em conta :
trapiche do Cunha no Forte do Mattos.
lio
POTASSA-
Vende-se polassa de inui superior qualidade e a
i preco conunodo : no largo do Corpo Santo, escrip-
torio de Manoel Ignacio de Oliveira & Filho a 10.
CEBLAS
Rua do liuorisn n. 43.
Vendem-se ceblas novas e grandes.desembarca-
das hontem,- pelo barato preco de 500 rs. o era
lo; a ellas, que estao se quetm'ando. mesmo a tro-
co de cobre.
W 1W w> ^ wl" ^ '"lunes ijuimaraes, v n*"p Precisase de urna ama para urna casa de )x>uca do Sr. Casco, na rua da Senzaf Yelba n, 48, que
familia: na pra?a do Corpo Santo n-17. I *! estao as chaves.
Atieaoo
Arrenda-se um sitio na poroacao do Mofleiro,
estrada que vai ter ao Arraial, denominada BecCO
dos Quiabos, que fica em frente da casa do Sr.
major Baixa, com bastantes arvoredos, casa com
commodos sufflcientes para urna familia, muito
fresco e sadio, etc.: tratar na rua do Pilar nu-
mero 17.
Boa da Senzalla Rova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a UO rs., idera de Lw
Moor libra a 120 rs.
Ha urna ama de leite com muito bom leite,
chegada do mato : quem precisar annuncie.
Polassa da Itussia.
Acaba de chegar pelo brigue hamburguez
Ott, muito nova e superior; vende-se so-
mente no antgo e acreditado deposito na rua
da Cadeia do Beeife, n. 12; onde tambem se
vende cal de L.'^bOB rauitp nova e preeos I Independencia ns. 6 e 8, a 600 rs. o eianv
commodos. iplar em brochura, e a l#cartonado.
Para engenho
Vende-se um meia moenda de ferro nova eam
rodetes de ferro, parafusos, bronzes e lodo
pertences para moagem de canna, assim coseo 4
taisas de ferro coado de 5, 6 e 7 palmos de bocea
por menos preco que em primeira mi : a tratar
com Antonio Gomes da Cunha e Silva na raa da
Cadeia do Recife n. 50. ^^^^^^^
o livro no rovo.
Segunda edico mais correcta, ornada com
27 estampas, e augmentada com W paginas
de texto, contendo: a vida de Nosso Senhor
Jess Christo, fbulas, o vigario, o boa ho-
mem Ricardo, quadrupedes uteis, o proles-
sor primario, moral pratica, Simio de Nao-
tua, mximas e sentencas, hygiene, recente
necessarias, o Brasil: vende-se na livraria de
Manoel Figueirda de Faria dt Filho, praca da




i
i-*.
_J_
*L


Mk.


Diario d l*ern*ittnnco ,- Terea felra 18 de Agosto Je 13.
<
i

NOVA EP0SIC10
na loja do Pavo, de fazendas bara-
lissimas
Neste estabelecimento acha-se constante-
mente um grande sortimento de fazendas
de gosto e de primeira necessidadg, sendo
tanto proprias para a piara, como para o
mato ; de todas as fazendas' dao-se liwos de
amostras, deixando ficar penhor, on man-
dam-se levar em casa das familias pelos ca-
xeiros da loja do PavSo.
Las com 8 palmos de largura,
na loja do Pavo.
Vendem-se laazinha enfestada propria para
vestidos,, com 8 palmos de largura, sendo
fazenda mais moderna que tem vindo ao
mercado pelo baratissimo preco de 1*600 o
covado: s na ra da Imperatriz n. 60, loja
do Pavao.
Cassas a OOrso covado.
Vendera-se cassas francezas de padroes
miudinhos e cores fixas pelo barato preco de
200 rs. o covado; ditas finas a 340 c 320
rs. o covado : s ta ra da Imperatriz n. 60,
loja do Pavao.
Organdy. a i 1 rs. o r o va do.
na loja do Pavo.
Vendem-se organdy de cores matisado,fa-
zenda que val muito mais dinheire, pelo ba*
rato preco de 240 rs. o covado ou 400 rs. a
vara: s na ra da Imperatriz n. -60, leja
do Pavao.
O lavao vciwie os Modernos ves-
tidos halo.
com barras Mara Pia, sendo os mais
modernos que que tem vindo ao mercado,
com a saia deum s panno, tendo bastante
fazenda para o corpo, e vende-se pelo barato
preco de 3*500 cada um: esta aechineaa
s existe na Tua da Imperatriz n. 60, loja c
armazem do Pavo.
Nova peehlncha de las enfesta-
dasa 400 rs. o covado.
S Pavo.
Vendem-se laazinhas entestadas transparentes
<*om delidados padroes *cndo de wn.-i s cor com
lislras c qnadrinhos e vcndem-se a 400 rs. o cova-
do : na loja do Pavao ma da Imperatriz n. 60 de
Gama & SHva.
Cortes de eaanbraia, a 3#oo.
na loja do Pavo.
Veadera-se cortes de cambraia brancoscom
babados, a 2*506; ditos, a 4$; ditos com
barras e babados-de seda, a 30, 3*500 e 4*;
s na ra da Imperatriz n. -60, loja c arma-
zem do Pavao.
a
Alpaklut ou gorgurao de liulio.
aW rs., so ao Pavo.
Vendcra-se alpakim ou gorgurao de linho
j proprio para vestidos e coupas de erianca,
'pelo barato prego de240rs. o covado: s
| na ra da Imperatriz n. 60, luja do Pavo.
Os manguitos e gollnhas do
Pavo.
pechiucha, a 320 e 400 rs.
Vendem*se golinhas de fil, bordadas, a
400 rs.; ditas de cambraia, a 320 rs.; cal-
ntremelos da arara.
Vendem-se pecas de entremeios transparen-
tes a 1*, tiras bordadas de largura de 3 a 4
di 'dos a 1*280 c 1*000 a peca, cortes de 13a
Mara Pia a 4$, ditas de 15a chineza com
22 covados a 8*, ditos de organdys com fS
46-EUA DIBEITA-5
rapasiada, coragem! parece que j
ti covados a 8*, .ditos de organdys com ro E r ad coragem| parece queja
varas a 8*, ditos com 9 varas a 6*500; na ra entregastes os vossos joanetes 5os duros sei-
da Imperatriz n. 06, arara de Mendes Gui- xos do ^ calcament0 da nossa cidade,
naraes.
Baldes da arara de SO o
. Vendem-se os
cinhas para meninas, a 500 rs.; manguitos, \ vindo americanos de 20, 23, 30, 35 e
a 500 rs.; manguitos com golinba, a 800.40 arcos, a 4(5, 4500 e 5*, ditos de ma-
dapolo bem feitos a 3*500 c 4*, ditos de
brilhantina a 4*500, balees saias de cordo
que faz a vez de balo a2?$; na ra da Impera-
reis ; manguitos de cambraia, a 320 rs.: s
na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
Lazfnhas a Si O rs. o covado.
Na luja do Pavo.
Vendc-sc laazinhas do cordaozinho de urna s
cor, sendo aiul claro, azul escuro, ferrete, cor de
caf claro e escuro, alvadio, roxinhas proprias pa-
ra luto, sendo fazenda que val multo mais dinhei-
ro vende-se pelo diminuto proco de 200 rs. : s na
loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Com S 1/2 varas, a 2:300 rs. vende o Pavao.
Pecas de cambraia transparente com pal-
minhas bordadas de cor, tendo 8 lf2 varas
cela peca, a 2*500; ditas mais finas, a
3*500; pecas de cambraia de salpico bran-
co com 8 1|2 varas, a 4*: s na ra da
Imperatriz n. 60, loja e armazem do Pavo.
Novas casemiras a 2600 o corle na
loja do Pavao,
Acaba de chegar um grande sortimento de ca"
nutra enfestada senda propria para paleto!, cal'
cas c Golletes, capas para senhora e roupa para
meninos sendo de tedas as cores claras, caras,
lisas c mescladas : vendc-sc a 25600 o certe para
calca ou a lfioOO o novado por haver grande por-
cao, isto s na ra da Imperatriz n. 60 loja e armv
em do Pavao.
O Pavo vende a 3 e 3#500
cortes de iaa, a 3?$ e 3*500; ditos com 22
covados, a 5$; s na ra da imperatriz n.
60, loja c armazem do Pavo.
triz arara n. 56.
S se observa em vossos ps botinas acalca-
nhadas e gastas at ultima sola; sapatoes
arcos. rasgados e quasi sem saltos nem tanto !
memores bales que tem a qbradera nao deve chegar at este pon-
Af 20 9 .t lente calcado com 40 e at 60 por cento
menos do seu valor___attendei:
Borzeguins, Nantes, bezerro e va-
queta 2 e meia solas.... 8*500
Borzeguins, Nantes, bezerro, va-
queta e lustre 2 solas. 8*000
Borzeguins, francez e hamburguez,
bezerro, lustre e couro de por-
co 7*e........6*000
Sapatoes, Nantes, bezerro e vaque-
ta 2 e meia solas.....5*500
Sapatoes, Nantes, vaqueta, lustre e
bezerro 2 solas......5*000
Cortes de eambrata chineza,
-!, na loja do Pavo.
Vendcra-se ricos cortes de cambraia chine-
za, os mais modernos que tem chegado, sen-
do brancas com Iulissimos padroes, pelo ba-
rato preee de 4# cada corte, tendo bastante
fazenda para um vestido: isto s na ra da mol
Imperatriz n. 60, loja e armazem do Pavao.
Bales a 3*5. o Pavo.
GRANDE LIQUIDACaO
de fazendas para apurar dinhiro, por
haralissinu preco na loja e arma-
zem da Arara ruada Iniporalriz n.
56 de Usrenco Pereira Mendes
fimnai'es.
ALERMJBEGIEZBS, 200'RBS.
Vendem-selaazinhas com pequeo toque de
mofo para vestido a 200-rs. o covado, meias
para meninos a 100 rs. -o par, dits para ho-
rneas aiOr*., lencos-brancos finos a 200
rs. cada um; na loja da arara ra da Impe-
ratriz n. 56.
Vendem-se balSes americanos que 10 os
melhores, tondo 20 arcos, a 35500; ditos
de 30, a 108OO; tutos te O, a o^ ; .ditos
de bramante, a 3300 e 4#; ditos para me-
. linas, a 2^ e a 3h s na ma da impera-
triz n. 60, loja e armazem do Pavn.
ores de loja do Pavo.
Veudem-se corles de chita com 12 1)2 co-
vados-cada um, a2;>500; ditos com 10 cova-
dos, a 2-S; cortes de cassa miudinha de co-
res fixas com 10 covados, a 24; ditos de
organdy mathisado com 10 covados, a
2;$400: s na ra da imperatriz n. 60, loja
do Pavo.
As casemiras do Pavo pechin-
cha a .
Vendem-se cortes de casimirafrancea para
caifa, fazenda milito fina, padroes claros e
eseuros, a 5$ o corte: s na Jeja do PavSo,
ra da Imperatriz b. 60.
b na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
Fnslo do Pavao.
Vendem-se fusto com lavr miudinho
pararoupa de .meninos, a 320 rs. o covado ;
luim de linho de quadrinbos para roupa de!
meninos, a 560 rs. o covado; ganginm
de nina s cor, a 320 rs. o covado; popelina]
de lia, de quadrinbos encarnados e pretos,
para vestidos de senhoras e roupa de meni-
nos, a 1 o covado : s na rua ja Impera-
triz n. 60, loja e armazem do Pavo.
0$ paletots do Pavo, assobreeasarado a 12:000 rs.
Arara vende vestido de < hila a
3 Vendem-se cortes de chitas escuras com to-
que de mofo
a %%
FAZENDAS BARATAS
27Roa do Queimado27
NA
\o\ a loja de C ustodio. < arvallio
& Contpanhla.
Fuslo frantt'z*
para vestidos de senhora e meninas, fazenda mili-
to fina e pelo barato preco de 260 rs. o covado.
Finas cambraias organdys a 340 rs. o covado.
Italws
de arcos, de todos os tamanhos, pelo preco de
3^00.
Calcinlias
bordadas para meninas, pelo barato preco de 2#00
cada um par.
Laazinhas
matizadas finas para vestido a 440 rs. o covado.
Cobertas
dtrliitaa2$000.
Lciirs
de panno de inlio a 25.
Toalhas
de fustao, pelo barato preco de 100 rs. cada urna.
Camisiiibas
de cambraia para senhora a 24.
Geliohas
de lmlio para senhora e meaints a 6U), 800 e l.
Sortimento
de meias para meninos c meninas.
I.fia/inlia
preta ira vestido a 300 rs.
(iuardanapos
adamascadus a B a duzia.
I .
MI AI1MA/.KU DE FAZENDAS BARATAS
DE
SANTOS COELHO
Una do Queimado n, 19.
Vende-se o segulnte :
Cobertas
de chita da India, a 2:ooo rs.
Lenres de panno
de linho, a 2:ooo rs.
Lences de bramante
de linho, de um panno s, a 2:8oo rs.
Toalhas alcorhoadas
para mo, pelo baratissimo preco de 5:ooo
rs. a duzia.
(Uros veslidiHkos
de seda para meninas, pelo baratissimo pre-
co ^Je 4:ooo rs.
Lencos de seda
ARMAZEM DE MOLHADOS
6t
O.
Sapatoes, Nantes, sola e vira. 4*5000
Ditos para menina, comlaco. 3*5500
Ditos de ditas, de cores."... -5800
Sapatos para senhora e homcm,
tapete......... 800
Sapatos de borracha para senhora. I -5100
dem idem para meninas. ... I -5000
Sapatos de lustre para senhora. I#000
dem de lustre as avessas 500
A GRANDE CURA
PAttA TODAS AS MOLESTIAS DO
rara o n i as uiak
^
-at
4
*x *
ce
s a
--^ *
Q
(t
(& U2
C3
te
K
(9
H
*

A


H
2
O

w
O
9
w
3
o T
M
9
>
fi 1

> H
rr
Ir
M
9
-
M W'
BU
=1
i novar o
Tendo o BALIZA dado o seu balanco no ultimo dejiinli
magnifico sortimento de seu GRANDE ARMAZEM,
o pas>ado, ' >lr i |andj re-
. liama |H'lo presen i
attenco do respeitavel publico para os preco dos gneros abauo ineiKionados,
verdadesao os mais razoaveis que se pdemachar, a tienta a sua I..;, mnlidade.
Soldado voluntario do batalhao progressista, o IIALIZA eohomem do
ment. Elle pede, pois, aosseus bons camaradas, que*tot9m otmmif
favor de nao lhe darem um minuto de dascaoco ohrigando-o a vender tod
Desta sorteo BALIZA vivir contente e contentara tambem sos seas fregoeae,
do-lhes sempre generosamente, e talvez que ainda por precos mais razoav.-i.-.
I Ameixs em frascos de vidro. a I #900. 500, 800 e I ,-S o frasco.
Ditas em caixinhas com lindas figuras, a Marmelada excellenle a
1/200 e 20400.
AS
nofe a 2,5000, ditas lnpas sem "T. 9fla
-5500 e 3,5000, cortes de cassa de l"'" barat0 prec.(le }:(100 Kl
cores de barras a 2,5000, ditas de cassa pin- LIa fc ,. baIas de S.
tadas a 2,5000; na rua da Imperatrkn 5( Mendes Guimaraes. ienfs de caiiArai
Organdys da Arara a S40.
Vendem-se orcandjs Baos para vestidos a
240 rs. o covado, cassas finas a 210 rs. o
covado, popelina dos a 280 rs. o covado; na rua da Imperatriz
arara n. 5G de Mendes Guimaraes.
Arara vende as laazinhas dos
vestidos.
Vendem-se laazinhas muil finas e lindos
dezenhos a 400. /,0, 500 e G40 rs. o cova-
do, chaly muito fino a 500 rs. o covado: na
rua da Imperatriz n. 56 arara de Mendes' de rolo com
Guimaraes. 3:oo rs.
Saias de fnslo
:5oo
anNi
braacos finos, .proprios para algibeira, duzia
1:8oo e 2:ooo rs.
Lencos de, easa
lnissimos, proprios para algibeira, pelo ba-
ratissimo precn de 'um> rs. a duzia. _
Crles de ralea
de ganga amarella, de listas e de quadrcf,
fazenda superior, pelo baratissimo preco de
i:2oo rs. o corte.
Pecas de madapolo
lai'go f-uperior, pelo baratissimo preco de
8:ooo rs.
Pecas de bretauha
lo vares, pelo barato proco de
Plalas Vegetaes Assiita nulas
De Kcmp
Corapostas dos dois novos resinoidos chama-
dos Todophiuna 5 Leptandrin \, c inteira-
raenti livres de Mercurio ou outros venenos
mincraes ou metalcos, sao daide nos,paizcslklo8 em casos-de
aWEPHA, ENCHAQECA,
Constipagao ou Prizao do Vemre,
PADECIMENTOS DO PICADO,
AffecqOes Biliosas,
HEMORRMDAS, CLICA
Ictericia,
USBE GASTRO-HEPATICA,
E oulras enfermidudes anloga?.
fulas vao rapidaiiiente substitnin.lo o< nuf.go
/ porgantes drsticos.
venda as boticas de Caors Barboza.
na da Cruz, e Joo da C. Bravo i C, ruar
da Madre de Dos.
Ditas em latinhas, a I $400.
Amendoas de casca mole a 320 rs. a
libra.
Ostras americanas (excedente petsco wx<
rs. a lata.
Passas a 400 re. a libia. tm ca
Arroz (Carolina), primeira qualidade, a 120 Presuntos de Lanu-<;u. a :('> rs. a
rs. a libra.
Dito do Maranbo, a 120 rs. a libra.
Azeitonas novas de Lisboa e Porto, a 1 .> e
l/200aancoreta.
Azeite doce refinado, a 800 rs. a garrafa.
Dito em barril, a G40 rs. a garrafa.
Dito de carrapato, a 3(50 rs. a garrafa.
Arroz com casca, a 3# a saca, com 20 cuias
e a 240 rs. a cuia.
Ancoretas americanas de Ge 12 garrafas,
muito bem fabricadas, a 15 cada urna.
Araruta muito fiua, a 480 rs. a libra.
dem inglezpara fiambre vindo de en*<
da, a 800 rs. a libra.
dem amcriano, a 500 re. a lilnrar.
I'iixr de Lisboa Inglaterra a iBOTCa, pre-
parado conforme a arte d
tas de 2 a 3 libres, de IWOO i I
Pbosplioros do gaz. a -53IK) i prosa.
Queijos londrinos llegados no ultira
a 800 rs. a libra.
dem demebegados no peiiullini" i.
640 rs. a libra.
dem flamengos ebegados no ultimo
Batatas emgigos a -S380 ede 30 a 40 rs. a |llm (1(.m ,|l0gados no penuilimo
libra.
Bolachinbas americanas,
240 rs. a libra.
a 34 a barrica e
23000.
Sal refinado em vazos de \u\\. ifl
dem idem, em vazos de loma, i BOOre.
Biscoutinnbsingle7.es, emlatinlias, a 1*300. Ceneja das mf"'fJ|^a%Jg
Biscouto lunch e soda, em latas de i a 5 li- macado a i/, 4>..(H). .,->. :*J. r.-?,
hr-is i 2-S 1 ''i0 a ll,1/i;l-
Banha de porco.^a 500rs. a libra. 'Sardinhas de Lisboa preparada, .I
Balaios hamburgaezes muito lindos, de di- a bit rs. a lata de g. ande tam;
dem de Nantes, a 380 rs. a latml a.
Sabao massadel20. 140, HM. IW i
240 re. a libra.
Tlnia preta nacional e ingk za, .
garrafa, e 240 rs. o boo.
varsos tamanhos e por proeo razoavel.
Caf do Rio, a 280 e 300 rs. a libra, em
arroba, a 8,3200. 8.-5300 e 9/.
Ceblas, a 800 rs. o cont e 14 o mllio.
yCbperola, a 3* a libra
1 dem IiUmiii iinprAr
Roupa felia da arara.
Pecas Af, cambraia
i de salpicos, na, com 8 12 varas, pelo ba-
Vende-secostiimescompletosd'uaiafazenda rato preco de 4:ooo r?.
cbineza por 12.) o i'oslume, paletots de brim Aoalados de linho
a 2*500 e ;L>000, di ios de meia casemira com 8 palmos de largura proprio para loa-
escura a e 4-?:00, palelots finos a (ii.'iOO Iha de meza, a 2:5oo rs. a vara,
e 8*000, calcas de meia castmira a 3fJO0O, Toalhas
ditas linas 5*300 e (*000, ditas de brim a de lmlio para meza, a 3:ooo re.
2*500 e 3*000, ditas de brim branco a !. Barege
casemiras francezas a 1*600 e 2*000, ditas de lindos g.ostos. pilo barato prego de 48o
finas a 2*500, (fitas de linfio a 3*000. ce- rs. o covado.
roulas francezas a 4*G00, camisas de meia a Esleir da India
00 e 1*000: na loja da arara rua da Inape- pwpria para forro de sala, de 4, 5 e G pal-
ratnz n. 56 de Mendos Guimaraes. mos de largura.
KNPEITES PARA SENHORAS
CHEGADOS PELO VAPOR
S para o Vigilante rua do f,ies|H) n. .7.
Sao ebegados os novissimos e riquissimos en
dem bisson, superior, a 2*800 a libra.
I dem chumbo, a 2*600 a libra,
dem hysson, soffrivel, a 2*400 a libra.
dem hysson, menos soffrivel, a 2* a libra.
dem preto, magnifico, a 2* a libra.
Iillem preto, menos superior, a 1*800 rs. a
libra.
Toucinbode Lisboa, de mais u
por 320 re. a libra,
dem ile Sanios, a 280 rs. a Kfen
dem americano, a 200 rs. a li!>
Idem ingle/, sirco no fumen i ih<
lodosos presantes, i tM re. i M
Vassouras americanas muito linda:
a640 rs. cada urna.
feites pai-a cabeca, pojs com a vista nao ha-dem preto, sofl'rivel, a 1*600 rs. a libra, v.-ias de Buenos-\vres em
ver senhora que deixe de comprar um bo- dem nacional, a 1/800 a libra (em latas). isi-J ',... / '
nito enfeiu: s no Vigilante rua do Crespo dem- nacional a 1*000, a libra. ,(ll,n Se'caraauba e con i *
" ' i dem nacional, ordinario, a 14 a libra. .., ., i....
!.,. A. -. I ,^i____....____.-------------------:. .- _______ IS. .1 lllll.l.

Lavas
Tambem chegaram
completo sortimento de luvas de jouvin
brancas e de todas as cores; tanto para bo-
de palea. Cham wtgne, marca aguia. ile superior qua-
neste mesmo vapor um] Udacte, a 640 rs. a garrafa e 7* o
com
ber c
Oh.'-que pccbiiteha a HOr.s.
Vendem-se chitas francezas escuras com pe-
queo toque de mofo a 240 rs. o covado,
ditas inglezas com pequeo toque de mofo
a 200 rs.
com
cas de ditas inglezas escuras cores fixas cm
pequeo toque do mofo eom 38 covados a
rua do Crespo n. 7.
Vendem-se paletoAs de panno, sobrecasacas
de panno preto muito bom e muito bem J bem; na loja da arara rua da Imperalriz n.
leitas, a 12*: sobrearcos de dito, a 14#;i56 de Mendes Guimaraes.
paletots sacos de dto,.3'7*; calcas de cache-
mira da Escossia, a 3** ; ditas de casemira
MTJDANCA.
Ji2 ?Td! mudou o seu estabe-
neaueno tonue de mofo i 84000 no l6l'ment0 do n. 5o para o n. 49 da mesma
fSL^J^^^X'J^l^^.^^ a vender em todas hias Iojas
as miudezas abaixo declaradas e queiram
7*500, ellas freguezes antes que se a ca- S!nSi hpm- na nia m r,m rna .i, imn^ri, Jabonetes inglezes muito finos a
preta, a 5*: ditas de casemira de cor, muito
lina, a 7* e a 5*500^-coletos de casemira de
cor e preta; paletot de casemira de cor,
a 7*; tudo isto para apurar dinheiro: s
na rua da Imperatriz n. 60, loja do PavSo.
Corlee de cachemira da Escocia, a 2:000, na
loja do Pavo.
Vendem-se esta nova fazenda muito encor-
pada imitacao de casemira, tendo padrees
eseuros e alegres, afiancando-seque nao des-
bota, a 2* o corte para calca, ou 580 rs. o co-
vado para paletot, colete etc.: s na loja do
Pavo, rna da Imperatriz n. 60.
Fazendas brancas, na loja do
Pari.
Vendem-se pecas de madapolSo enfestado,
francez, com 20 varas, a 8*; ditas com 12
jardas, a 4^; dito inglez muito fino,- a 7*,
7*500 e 8*; ditos muito superior, a 10*;
ditos de 40 jardas muito fino, a 4*800 e a
5*600; algodozinho muito encorpado, a
4*800, 54500 e 6*; bretanha com 4 pal-
mos de largura, muito fina, al* avara;
pecas de cassa de cordSo para babados, com
6 varas, a 34500'; ditas com 12 varas, a 7*:
Pechlneha, a 500 rs. o ovado.
* Pavo.
Vendem-se as mais modernas laazinhas
enfestadas, transparente, tendo 4 palmos de
largara, e sealo lizas e de quadrinlios, de
urna s cor, pripria para vestidos e capas,
a 500 rs. o co/vado: s na loja do PavSo,
rua da Imperafcriz n- 66, de Gama & Silva,
Madapolo francez enfestado a
40OOO.
Vendem-se pecas de madapoln francez fi-
no enfestado com 12 jardas a 4* e 4*500,
dito inglezes fino de 24 jardas a 7*, 8*, 9*,
e 10*000, pecas de algodSo encorpado a i*
4*500, 5* e 6*; na rua da Imperatriz n. 56.
Chitas da arara.
Vendem-se chitas francezas finas a 320,300
e 400 rs. o covado, riscado francez a 280,'
rs. o covado, aberturas para camisas a 240
rs., ditas de linho brancas a 800 rs. o cova-
do, tarlatana de cores a 400 rs. a vara; na rua
da Imperatriz n. 56.
Cortes de easemira da arara.
Vendem-se cortes de casemira enfestada,
^scura a 2& cortes de brim para calcas a i Caixas de colxetes francezes e car-
1 e I *220; na rua da Imperatriz loja da arara I fes
n. 56 de Mendes Guimaraes.
160 e......
Frasco d'agua de colonia peque-
no muito fino .......
Dito dito grande muito superior. .
Frascos de macassar perola a. .
Ditos de macaca oleo a. .
Frascos de oleo Barbosa a 240,
320 e.........
Dito dito muito superior a 500 e .
Dito de banha muito fino a 400 e .
Frascos de Lavande muito superior.
Garrafas d'agua celeste muito su-
perior a.........
Frascos de cheiro muito finos
500 e.........
Ditos de banha pequeos mui to fina.
Dito de opiata pequeos. .
Thesouras muito finas para unhas.
Gravatas de seda de cores . .
Luvas brancas de algodo . .
Caivetes de 2 folhas muito finos.
400
400
500
200
100
420
640
500
500
1*000
800
200
200
400
500
100
320
Perftunes.
Tambem chegou um completo sortimento de
perfumaras dos fabricaules mais afamados
sendo de Luvin, Cudr e Piver: sendo
12 garrafas.
bampagne por tal preco?
Idem do Aracalv.a M0re.aH
QtmdtartdeT!^9^^.*60.6^
mena como para ambaras: sd no Vigilante Charutos de mafias marcas e a precos bara-,
tissinflls', sendo que ha de
800 rs.
Babia o
ate
4* o cen t viudos do Rio,
Heapanha.
Chocla^ sois. w ,le Lisl'a c francez. a 800
rs. el*,
extractos essencios de tod as qualidades, I ?,0urcas Bj0?' "TmfS M ^'
pomadas, banhas, .bonetes, agua de c ^ S^ l^> ^ ZJL*"" '"
lonia, vinagre virginal da sociedadehygieni-?"as fra?ez,s' a o0n ., t
ca, agua florida, agua balsmica pan den- Cognac1 in,e?; a m>- ga" afo m
b?s, frasquinhos com superiores nda para", ,ntanaa' l , M a n --.*,
denles, caixinhas com i frasco ilagua, iIdem engar,'afados'a 80c r-saga,,af<'-
pos e todos os prearos para lmpardei! Doces, em lindos vazos de
tes, olos de todas as qualidades para ca-
bellos, e outras mui tas cousas mais: s no
Vigilante rua do Crespo n. 7.
tas mais esquisitas da El. T0Pa' - I* o
. frasco.
Dito de Lisboa, em latas, a 500 n ' a lala-
Tesouras e caivetes. S?to de 8oiaba' G4 c 80 rs- Ca,x3'<
Tambem cliegaram um completo sortimento D,t0 ^^^ muito proprio para P-'^W
de tesouras dos mais afamados fabricantes I ^anfse sua *(*) WBW. P"
tanto para unhas como para costuras, ra P ma,,s a0-,
padeiras para papel, caivetes de maqui- pnnba de Maranbo, a 1,60 rs. a lib."!l'
na, facas de um e dous botes, tudo do t,ng0, a *40 fi ,6 rs. a libra.
or que se pode encontrar: s i T ra"CMas1 de diversas qualidades, em
frascos de vidro. preparadas em alcoo '
proprio para podim etc., a I*, o frasco
Gomma do Araeaty, a 100 rs. a libra
facas
mais superior
no Vigilante rua'do Crespo n. 7.
Tambem chegou um grande sortimento de
papel de fantasa branco, bordado e
Plel de fantasa.
Dita do Araeaty, aVa[7la!
e Graixa em latas, a 120 rs. e a duzia, 1/300
JSlSSStefi ^grandes frascos, a S
de peso e almaco, assim como muilos ou
douradinho, de lindas eoi'es, ass
s ou- ,ebra "W'eza, marca gato,
tros objectos de muito- gosto que se torna-
riam enfadonho annunciar, que seus pro-
cos ser5o' por menos do que em outra
. ,, a I*OO o
frasco ou garrafa com rolha de vidro.
Garrafoes vazios.de 040 a 1*200 cada um.
Kirsck-wasser, bebida esta de um valor inex-
qualquer parte: s no Vigilante Tralo Liclfef fn^?Sf fes(uisitos' a "^00.
mglezes e francezes dos melhores
Arara 'vende as col xas.
Vendem-se ricas colxas aveludadas para
cama a 8*000, ditas de fusto a 5*000, ditas
de chita a 2*000, brim de linho e algodo
branca 800 rs. a vara, dito de linho puro
a 1*, 1*120, 1*280 e 1*600 a vara; na loja
da arara rua da Imperatriz n. 56 de Mendes
Guimaraes.
Arara vende manguitos a
0OOO.
Vendem-se manguitos e golinhas de linho a
2* o par, golinhas para meninas a 400 rs.,
ditas para senhoras a 400 rs.; na rua da Impe-
ratriz r. 56.
Grampos de caracol e lisos.- .
Caixas de vidro com 12 dedaesde
metal.........
Masso de palitos lxadosparadentes.
Grosas de botes de ac para calca.
Caixas com 6 frascos de cheiro. .
Escovas para cabello muito finas .
Carteiras de marroquimmuitofinas.
Pecas de tranca lisa encarnada. .
Tinteiros com tinta muito superior.
Ditos de vidro com tinta mais in-
ferior.........
Cartas de alfinetes francezes .
Cornetas de chifre para meninos .
40
40
320
160
320
lOOO
640
640
20
160
100
40
80
Tatas de aniarello.
Vendem-se na rua Direita u. 91.
Crespo n. 7.
Veanles e terinas.
Receben grande sortimento de volantes, teri-
nas, rendas douradas e prateadas, bicos es-
. peguelha e gales de todas as larguras,
vendendo-se tudo por precos baratissimos
principalmente sendo em pecas: s no Vi-
gilante rua do Crespo n. 7,
Kelroz e linlia.
Tambem chegou um grande sortimento de
retroz do Porto do melhor fabricante; sen-
do, preto, azul ferrete e cores sortidas, a
14,000 rs. a libra, linha de miada de Roriz
e cabeea encarnada, que seus precos serio
baratissimos: s no Vigilante rua do Cres-
pon. 7.
Espirito de vlnho.
. ?* H14 J Cotovello n. 1 veno-se espirito de
fabricantes, a 500 e 800 rs. a 'airan
caTda3)?!/031138 dG mne tamanh0 ('era
Massas para sopa, em caixinhas com 8 libras
contendo 5 qualidades, por 3*500 a caixa.'
Ditas para sopa, estrelinha e pevide a 500
rs. a libra.
Dita de tomate, a640rs. a libra.
Manteiga ingleza em potes de 10 a 16 libras
a 800 rs. a libra.
dem dita flor a 1* a libra.
dem de 2a qualidade a 800 rs. a libra,
dem de 34 qualidade a 640 rs. a libra
dem para tempeiro a 400 rs. a libra.
dem spermacete, a l* i ufa ,
Vinho Lagrimas do Dooro, nesi.....;
meibor qualidade que hoje wm .,.
mercado em gairafas brarM as .,., ,
do autor el alio revelo n i |M ,,
previne-se aos apreciadores que n
"''" ha boje grande rabifira^ki
Idem eiigarrarados, vindo parte (ielli
i'iia conta de diversas mar
Inores adegaa do Porto el.,-,
cas: Madeira. Camoes, Cl......i-... Muha-
>ia. Carcavefios, Dnfu do r. li-
tros, e espora-se lodos 08 dial Di i
l.daik's, a 800. I*,- |-w,s,
vidro, das fruc-',tl'"1 ,|" Porto Bausa, a 640r
dem da Lisboa e Figueira vmdoeai ao
a 26/ de 8 a 9 caadas.
dem do Porto en garraffea da I
garrafas, por 2*500.
dem da Figueira em carrafiesde i I J
garrafas, por 2*400.
Mein de Lisboa e Figueira de 3js, mm :**
e 560 rs. a garrafa, e em amada
abatimento.
dem Bordeaox engarrafado. ., m
garrafa, em duzia a 7|00f.
''* do Porto miin finoem
'as, a 8*, 10*. Wem -reas que vem nj losja m,-r, &
'oa em garnrfoes de s \
Vinagre de Li^. "200 ora o ga.rafa,.
garrafas, a \ hra
!AM'l.lasa200rs. ai.. a|,|,
Arroz da India a 100 rs. -.M ^
Biscoutos de Lisboa em lata*.. P '
doentes, a 1*500 e 3* a lata.
Batatas a 80 rs. a libra.
Copos lapidados para agua a 6* a daa
Chumbo de todas as grossaraa a 6| a arro--
ba.
Caf muido de superior qualidade a 40tt r
a libra.

Vini..
garra,
Inores m.
Idem franceza'a 640 rs. a libra, e em bar-
ril por menos.
Marrasquino de Zara a 800 rs. o frasco.
Mortasda ingleza em frascos grandes a 800
rs.
Fio de linho muito proprio para amarrar, a
480 rs. a libra.
Farinha de trigo era barricas c nvia* di u-
das as marcas e qualidades
Genebra de HoUanda em garrafas com 2
caadas, por 6*500 com o parran,
dem dem em frasqueii as rm 12 tn^c;
por 6/500.
Manteiga finissima em latas contena 3
bras liquido, por ld8M a lata.
Queijos flamengos a 1*600.
Rap princezado Rio: grosao, meii* grosas
e fino.
Tainhas das Alagas a 121 o cento, e 141
rs. cada urna.
j***. .M n. a M o ~jteta m ^^U^mrS.,Y^o_^:^am(il,^,f,,H
a^

1ILEGVEL
1
I
'.os ngtezes dos m^s,^^irrmTZ^m7;fT^



"**
ta* - *.* t


PUrt Je pginnUw TWf letra 1 ieAg^to e t.
-*r
GRANDE ARMAZEM DE MOLHADOS
BE
TODA ATTENCiO
NOS
*-
es
TODOS
os
TAPORD g
COMPLETO
SORTIMENTO DE XOLIIADOS.
se recebem gneros de conta ^- vende-se em porcio e a reta-
propria e dos melliores esta- * lho, aprompta-se com toda a
belecimentos da Europa, ga- ^ presteza e exactido qualquer
rante-se todo e qualquer ge- ^ encommenda dirigida a este
ero comprado neste ^
n,.-m t ESTABELECIMENTO.
ESTABELECIMENTO. ^
Os proprietarios do muito acreditado armazem Progresso fazem sciente ao respeita-
vo puWico c com cspecialidade aos seus amigos e fregtezes qae tem resolvido resumir os
juegos dos seus acreditados gneros, como abaixo vero nao obstante os precos menciona-
dos a vista da qualidade dos gneros que se prova quanto se deseja servir satisfatoria-
meato aos nossos freguezes, advertindo-lhes que mandem seus portadores, que serSo tao
bem servidos como se viessem pessoalmente, isto s no Progresso.
Xanteiga ingleza perfectamente flor chegada Farinha de Maranho muito alva e cheiroza
no ultimo vapor a 9o rs. a libra.
|de.m de 2.a qualidade a 8oo rs. a libra.
ld.-m de 3,' dita a 64o rs. a libra.
dem para tempero a 32o e 4oo rs, a libra.
M;?nleiga franceza a mais nova qae ha no mer-
cado a 6oo rs. a libra, e em barril ter aba-
timento.
Banha de porco refinada a 540 rs. a libra.
Vinho em pipa Porto Figueira e Lisboa a 4oo,
48o, foo, 56o rs. a garrafa, em caada
2,8oo 3,ooo 3,5oo e 4,ooo rs.
dem em barril o mais superior que tem vin-
i" aereado a 6oo rs. a garrafa.
Lagrimas do Douro especial vinho do Porto a
l.ooo agarrafa'e a io,ooo a caixa, o preco
nao indica a qualidade deste precioso vi-
nho, porm venhamao Progresso que a vis-
ta faz f, a este genero constantemente man-
damos vir de conta propria e por isso po-
demos vender por menos queoutro qual-
quer annunciaiite.
Vinho do Alto Douro das marcas mais aere-
a 16o rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 32o rs. a libra e a 9,ooo
rs. arroba.
Sardinhas de Nantes a 36o rs. a lata.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. agarrafa e a
4,8oo rs. a caada.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa ea
l,2oo rs. a caada.
Garrafoes com 5 garrafas de vinagre de Lis-
boa a l,loo rs.
Champanhe das marcas mais acreditadas a
8 e a lo.ooo rs, o gigo, e a8oo rs. e a
l,ooo rs. agarrafa.
Serveja preta marca T e XXX a 6,5oo e
7,ooo rs. a duzia, e a 6oo rs. a garrafa,
tambem temos das mesraas marcas para 4,
e 4.5oo rs. a duzia, e a 4oo rs. a garrafa.
dem branca Te cobrinha a5,5oo e 6,ooo rs,
a duzia e 5oo rs. a garrafa, tambem ha
para 4,ooo rs. a duzia.
Graxa em latas grandes a l,3oo rs. a duzia
e 12o rs. a lata.
Vassouras do Porto arqueadas de ferro obra
de muda duraco a 4oo rs. cada urna.
\I5M\*I \S
DE
JD^iaiI 8 1DD8 8D55,
NS. 21 E 23 LARGO DO Tllt;0-NS. H | 23.
O proprietario destes dons estabelecimentos de molhados, vende os seus g-
neros por menos do que em outra qualquer parte, por isso garante a superior bua-
lidade de qualquer genero sahido dos seus armazens ; pode vender por menos por com-
prar dinheiro, e por isso faz vantagem a os compradores.
Batatas as mais novas do mercado, a 60 rs. a libra e 1,6oo rs. aarroab ou ca vi.
Toucinho de Lisboa da i.' qualdade, a 3oo rs. a libra e 9,ooo rs. a arroba.
Caf do Rio da 1 .a e 2.a sorte, a 28o e 32o rs. a libra.
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor, a l,8oo c 2,ooo rs.
Velas de spermacet, carnauba do Aracaty, as memores deste genero, a 63o e 4oo rs. a libra.
Vinho verdadeiro Figueira das melhores marcas, a 5oo eioors., em caada se faz aba-
timento, ha porcSo para escolher.
Bolachinlias americanas, as mais novas neste genero, a 2oors. a libra e3,ooors. abanica.
Palitos do gaz, vindos por conta particular, a 2o rs. a caixinha e 2,4oo rs. a grosa.
Manteiga ingleza da 1.* e 2.a qualidade, a 8oo e 76o rs. a libra,
dem franceza, especialmente escollada, a 64o e 6oo rs. a libra.
Cha, o melhor neste genero, a 2,88o rs., tambem ha para mais barato.
Milho alpista, limpo, muito superior, a 16o rs. a libra, a arrroba 5,ooo rs.
Alm destes gneros ha ontros muito baratsimos, assim como cerveja das me-
lhores marcas, genebra de Hollanda e de laranja, passas, doce de goiaba, azeite doce, vi-
nagre, canella, pimenta, cominhos, erva-doce, cebollas, alhos,chouricas, banha de porco e
outros amitos gneros que enfadonho mencionar; dinheiro contado.
RA DO QUEIMADO N. 46
TffllTO
DE
F4ZK\UAS E ItOl IA S FEITA*.
Sortimento completo de sobrecasacos de panno a 25#, 88#, 301 e 35*. caaos
muito bem feitas a 259, 28)5, 30/1 e 35A, paletots acasacados de patao pret dt MI as
25, ditos de casemira de cor a 15, 185 e 20, paletots saceos de panno case-
mira de 85 at 145, ditos saceos de alpaca, merino e laa de 40 at W, sonre de alpaca e
merino de 75 at 105. calcas pretas de casemira de 85 at 145, ditas de cor de 7<| at
155, roupas para menino de todos os tamanhos, grande sortimento de roows de brm
como sejamcalcas, paletots e cohetes, sortimento de cohetes pretos de BMlaa, caasava
e velludo de 45 a 95, ditos para casamento a 55 e 65, paletots brancos de Hraasast a *d>
e 55, calcas brancas muito finas a 55, e ura grande sortimento de fnradn aas e i
as, completo sortimento de casemiras inglezas para homem, menino e senhora,
de linlio e algodo, chapeos de sol de seda, luvas de seda e de Jouvin para bwsi i
nhora. Temos urna grande fabrica de alfaiate, onde recebemos encommendas de i
obras, que para uso est sendo administrada por um hbil mestre de semeihanle arte e i
pessoal de mais de cincoenta obreiros escolhidos, por tanto executamps quaJqaa- otra i
promptido e mais barata do que em outra qualquer casa.
FITMDI^JLO DO BOWllIAI-RiA
IIItl H \. 3*.
Potassa da Russia.
Vende-se em casa de N. 0. Bieber & C,
successores, ra da Cruz n. 4.
TERCOS
o
e tordas de cornalina.
A agoia branca pensando constantemente em
Ceblas superiores em resteas, a Cinco bem servir a toda a sua reguezia, notou que ainda
mil ris 0 milheiro no Caes da alfandega n. nao havia feito algum agrado a aquelles que pr,
1, armazem de Tasso & Irmos.
A AttlTIA BKA\(A
Retoben pelo ultimo vapor o
pelo ultimo
seguate:
Bonitas pulseiras de
lina.
> dente e acertadamente resando, cumprem dever
bom christao, e quando reparou essa sua
mandou vir e acaba de receber delicados tercos e
coroas de cornalina com cruz de prata, os quaes
; deixa disposicao dos fiis que estiverem dispostos
a gastar 15aO0,2#e 35 para possuirem um bonito
i terco ou cora, cora os quaes podem niesmo pedir a
I Deus pela prosperidade d'aguia branca, em seuale-
tgre e espa^oso ninho da ra do Queimado n. 8.
cabello, coral, e cora-
\ o vos e bonitos
Fortes e bonitas ligas de seda para senhoras.; penaos ,ravessos dUrados e coni ^^ para
Outras estreitas para meninas, ou manguitos, meninas: vendem-se na ra do Queimado. loja
Carteiras com agulhas.
Agulhetas para enfiar, e agulhas cantfas.
Trancelins e fitas de borracha.
Carriteis com torcal de todas as cores.
Massos e fios de coral.
Esponjas finas para rosto.
Pentes de tartaruga virados, com lace e
balo.
Enfeites de rede para conservar os cabellos
bem atados.
Aspas e coz para balo.
Fitas com colxetes para vestidos.
iiilaila> e especialmente escomido por um
^ossossocibs,co^sjam:CamBes,Du- Palitos de dentes inassos grandes a 2oo rs
que. do Porto, D.Luiz, CarcaveUos, Cha- e 28o rs.
misso A- Filho, Madeira secco, e Feitoria a I
9oo rs. a garrafal e ),ooo rs. a caixa com Paltus do gaz a 20 rs. a caixinha e 2,3oo rs.
l garrafas.
Garrafoes com especial vinho do Porto con-
| t'-nild 5 garrafas a ,5oo rs.
a groza,
Gela de Alperche chegada no ultimo vapor
latas de t libras a 8oo rs. pechincha.
com S garrafas de superior vinho Fi- Genebra de Hollanda garrafr.es com 10 gar-
gueira a 2,4oo rs. rafas pQr c.5oo rs.
dem^com 5 garrafas de vinho Lisboa a I(iCmemfrasqueirasa6,3oors.e6,5oors.ea
56o rs. o frosco adianca-se ser verdadeira.
Vinho branco de Lisboa proprio para missa .m ,. ,,- m K ,
vindo j engarrafado de Lisboa' 64o rs. w> tle gR em **\n com .. .....;,-.. i ziasa 4io rs. cada boina.
a nrrala.
ldm em barrU muito superior a Boo rs. a ldf** de.,lalVanJa T frascos ^randes verda"
Trancelins chatos dela para enfeitar vestidos.! Queimado n. 8.
Papel e folhas para rosas.
Lamparinas francezas.
Trancelins grossos para relogjos.
Escovas cabo d'osso, marfim e madreperola
| d'aguia branca n. 8.
Bahuzinhos com perfumarlas e
.seni ellas.
A aguia branca vende bonitos bahuzinhos com 6
frasquinhos de cheiros |wr 15500 e vasios por 800
' rs., servindo estes para meniuas, e mesmo para
jbias, etc., etc. : na ra do Queimado, loja d'aguia
branca n. 8.
i.nlias maclas e lustrosas para
bordar
vendem-se na loja d'aguia branca ra do
Este muito acreditado estabelecimento est prvido de um completo
machinismos proprios do fabrico de assucar, a saber:
Machinas de vapores as mais modernas e mais acreditadas.
Rodas d'agua de ferro com seus pertences.
Moendas e meias moendas de todos os tamanhos.
Rodas dentadas, angulares e de espora.
Taixas de ferro batido e coado.
Boceas de fornalha pelo novo systema Wetson.
Alambiques.de ferro fundido.
Fornos para cozer farinha.
Momlios para moer mandioca.
Arados americanos, etc. etc.
sortimeta d
^w^m m 3&*ftftflM
DE
TOBAS AS QUALIDADES
DE
ANTONIO Mili DE BRITO
CONHECIDA POR FABRICADA VUJVA.
N. 21Antiga ra dosQuarteis de pohcia-N. 21.
Constando ao annunciante, que alguns especuladores de m . vendo
que gosam os raeus cigarros, e para poderem dar consumo aos seus andam vend
na praca como pelo mato, illudindo os meus freguezes, dizendo qiie sio meas ; e ce
dos os meus cigarros sao vendidos na minha fabrica, e nao mando pessoa alguna
por minha conta fra della, faco o presente annuncio jiara evitar que compresa gas por
lebre ; e para seguranca dos senhores consumidores deste genero o especialnvnt.
freguezes, aviso que todos os massos de cigarros que forem vendidos na minha rica si
marcados com um distinctivo que declara o meu nome, o nome da ra e o aasavo
mesma casa.
Aproveito a occasio para scientificar aos mesmos senhores. que ronstantemi'rit'-
encontrarao um completo sortimento de cigarros de diversas qualidades, e do melhor fas
escolhido, por sua boa qualidade j bem conhecida.
para dentes, unhas, limpar pentes ejoias.
Xovissluios e bonitos enfeites
para cabecas.
Quando o bello sexo sentia a falta de bons
enfeites para cabeca, eis que a aguia branca
recebe urna sua encommenda de bonitos e
Outras finas para roupa, chapeo, cabello etc. delicados enfeites, e de modernissima moda,
Outras de velludo para chapeos.
Pastas para papis.
Raspadeiras e facas do marfim'para ditas.
Visporas o domin.
Baratlssimas bandeijas.
ROUPA .VKIT 1
garrafa e a 4,ooo e 3,8oo a caada.
deira italiana a l,ooo rs. o frasco.
Ameaas francezas em caixinhas de 1 % 2 Marrasquino de zara a 72o rs.
e 3 libras elegantemente entenadas comt- Licor francez de todas as qualidades em
. as estampas na caixa extenor a l,3oo I garrafas de vidro brancos a 72o e 8oo rs.
\ .600 2,000 e 2,5oo rs.
dem em latas de, 1 -> e 3 libras a l,4oo e
2.600 rs, cada urna.
! de enmadre em bauzinlios de folha
muito proprios para mimo a l,6oo.
I 1 'ni caixinhas a I.loo rs.
id m em caixinhas ermetcamente lacradas
e muitg bem enfeitadas a 1,800 rs.
Mema oors. 1 libra.
Vinho Bordeanx das melhores qualidades
que tem vindo ao mercado a "lo e 800
rs., eemcaixaa 7,5oo, 8, e 8,2oo rs.
Azeite doce refinado do fabricante Pelanol e
outros a 800 rs. a garrafa.
Conservas inglezas sortijas e de urna s qua-
lidade a 800 rs. o frasco.
Aramia verdadeira a 32o rs. a libra.
Gomma de engommar muito alva a 800 rs.
a libra e 2,2oo rs. a arroba.
is de carnadas as mais novas que ha do
mercado a 4oo rs. a libra o a 6,000 rs. a sag muito n,
( SahnJki em latas ermeticamente lacradas a
800 rs.
Lagostim em latas grandes a.l,4oo.
1. corvina, cherne, vezugo, peixe espada,
preparados pela prmeira arte de cozinha a
a l,3oors.
Queijos flamean ,s chflRados no ultimo va-
por a 2,4oo rs.
dem do vapor passado a 2,2oo 2,ooo e
1.8oo. rs.
Mein prato do ultimo vapor a 6io rs. alibra.
Doce da rasca da goiaba caixoes grandes a
800 e 9oo rs.
Chooricas as mais novas que ha no mercado
a 56ors. alibra.
G lricas mouras encommenda especial nos-
1 600 rs. a libra.
J' /oiilo verdadeiro de lamego era calda
de azeite 56o rs. a libra
Bolaxinba ingleza a mais novas que ha no
mercado a 2,5oo rs. a barriquinha com
l arroba, e a 2io rs. a libra.
dem de soda de diversas qualidades a 1.400
reis.
dem em latas grandes, proprias para luuche,
com 5 a 6 libras por 2,4oo rs.
Marmelada imperial do fabricante Abreu e
outros eouserveiros de Lisboa a 600 rs. a
libra.
Frutas em calda de (odas as qualidades a
oo rs.
Krvilhas francezas a {loo rs. a lata.
dem portoguezas a Ci rs. a lata.
Massa de tomata a 61o rs. a libra.
Amendoas conl'eiuidas a 7oo rs. a libra.
dem de casca mole a 28o ti. a libia.
Avlans a 2oo rs. a libra.
Sevadinha de Franca a 16o rs. a libra.
Sevada muito nova a 12o rs. a libra e 5,2oo
ss. a arroba.
Estrellinha e pevide muito nova a 56o rs. a
libra.
Maclrrao a 32o rs. a libra.
dem e talliarini o mais novo que ha no mer-
cado a 48o rs. a libra.
.Vidria a 5oo rs. a libra.
Arroz carolino a loo rs. a libra e a 2,8oo rs.
a arroba.
dem do Maranho a 12o rs. alibra, e a
3,ooo a arroba.
Caf do Rio o mais superior que se pode de-
sejar a 32o rs. a libra,
dem a 28o e 3oo rs. a libra e a 8,2oo, 8,4oo
e 8,7oo rs.
Velas de carnauba refinada a 32o rs. a libra,
e a 10,000 rs. a arroba.
dem de spermacete a 64o rs, a libra.
Chocolate hespanhol c francez a 9oo e i ,00o
rs. a libra.
Cha perola muito especial chegado neste ul-
timo vapor de encommenda propria muito
novo a 3,ooo e 2,8oo rs. a libra.
dem liuxim muito superior a 2,7oo rs. a
libra.
dem hysson a 2,56o rs. a bra.
dem hysson a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
dem preto homeopathico e muito superior a
2,ooo rs. a libra.
dem nacional a I,6qo rs. a libra.
Batatas muito novas a80 rs. alibra.
Charutos dos melhores fabricantes da Balda
e de todas as marcas, como sejam: sus-
piros, havaneiros, messecipes, regala im-
perial, flor das mattas, primores a 4,000,
3,800, 3,2oo, 3,ooo, e 2.8oo, 2,5oo,
2.000 e l,6oo rs. a caixa.
muito servindo isso para sanar aquella falta,
e fazer com que as bxmas. apreciadoras da
I bella empreza Coimbra possam melhor real-
; sar o moslrarcm o apurado gosto que as
guia. Esses enfeites sao d'um tecido bas-
tante fino com continhas d'ago, e mui bem
A aguia branca por multas vezes tem da- eofeitados com flores, litas, bicos plumas
do aconhecer que quando acha alguma pe-' ^:LmJ^\K^Si ^ de. m.uto
chincha, nao quer smente com ella encher ^ f ft 65 7 dinheiro a vista;
o papo, ao contrario deseja que toda sua boa "a efPacosa c alegre loja d aguia branca ra
(repoda e o publico em geral prvem da,0 Queimado n. 8.
mesma, o que agora mesmo acontece com Delicadas tesourinlias d'acn para
essas; baratissimas bandeijas, cuja limitaco; bordados e labyrlnthos.
de precos admira, em relacao aos tamanhos e' ... .
.1 j j T _ i, A pedido do a pumas senhoras suas predic ftas
qualidades: avista do que convem a todos a- tngwua, a aguia branca mandn vir d ,ie-
proveitarem-se dessa opportuna occasio e liradas tesourinhas d'aro pontas agudas, proprias
proverem-se d'um traste sempre necessario, para bordados e labyrithos. c urna vez ebegadas
e que lhes costar quasi metade do justo va-' "y de tacto chegaram. a aguia branca convida
lo?. Assim, pois, 6 dirigirem-se com dinhei-^^
ro alegre e espacosa loja d agina branca seus 25 em cada urna dessas Hnfesimas lesoorb i
ra do Queimado n. 8. ] "has, na certeza de que perder por chegar tarde
quem se demorar em as mandar comprar no ale-!
Os afamados copos COm banlia. e gre c espacoso ninho d'aguia branca, ra do Quci-'
boldes com inscrlpres. ma(1 n- 8> on(le tambem ha outras curvas e direi-
rT I tas para unhas.
Chegaram novamente para a aguia branca
esses afamados o estimados copos com banha, E-nvas le ramurca.
fina; assim como os bonitos boiOes de por-: Vendem-se mui finas luvas de
NO
iKmxi:ii
DE
%wm %i ^^^\^%
IJETREIRO VERDE
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo .k- roupa feta de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade A coaror-
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como t.imU,, p-na
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para sitara
homens e meninos.
Casacas de panno preto. 35.) e 30^000 Colletes de fusto e brim bran-
Sobrecasacas idem, 30 e. 25,^000 c<>,3$500, 3e
Paletos idem e de cores, 25#, Seroulas de brim de linln.
2041, 15^ e.....: iO$O0O 2^400 e......
Ditos de casemira, 20$, 15,$, j Ditas de algodo, 1*600 e. .
carmuca
cellana dourada tambem com banlia, e novas branca e amarella: na ra do Queimado n. 8'
inscripces maviosas e jocoserias, mui ade- loja d'aguia branca.
>
quado para presentes resta porem que os apre-
ciadores concorrara, munidos do dinheiro, :
alegre e espacosa loja d'aguia branca ra do
Queimado n. 8.
nicas giiarnlcdes de pentes e
flvellas para cintos.
A aguia branca recebeu novas e ricas
SEM SEGUNDO.
Ra do Queimado n. So. loja de miudezas de
Jos de Azevedo Maia e Silva, esl vendendo todas
I as suas miudezas iior precos que todos admiram.
guarnieres de pentes dourados, e com pe- como sejam
dras; assim como outras bordadas froco e Varas de aspas para fazer bafes. 120
com bolas pendentes, novidade essa que s {-"xas com snperiores obreias. ... 40
se acha em' dita loja, e que na verdide se; Zlt 2 ^o^Sn^niuito unos 10
tornam mu alegres e bonitas; e bem assim a i&'M e.......... i800 ;
recebeu lindas livellas com pedras, c ditas' Pecas de fkas de velludo recortadas com 1
d'aco com novos e engracados moldes, cintos' varas a . i#*00i
dourados e de marroquim; e muitos outros; * ^l "^ *# amiza; m \
objectos de goslo para senhoras sero encon- Massos com superiores grante a. 40 j
trados na alegr e espacosa loja d'aguia 'Caivetes de aparai penas a..... 80
Agulhciros com agulhas a..... 80
Duzia de meias mancas para homem.
muito finas a......... lGOO
Duzia de. meias para senhora, fazenda
125, 10r5 e...... 7000
Ditos de alpaca, 55 e. 35500
Ditos ditos pretos, 05, 75.
55 e........ 35500
Ditos de brim e ganga de co-
res. 45500, 45, 35500 e. 35000
Ditos branco de linho, 65, 55 e 45000
Ditos de merino preto de cor-
dao, 105, 75 e . . . 55 Calcas de casemira preta. 125,
105, He......75000
Ditas de cores, 95, 85 e. 75000
Ditas de meia casemira de co-
res, 55500 e.....45000
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordao, 55. 45500 e 45000
Ditas de brim branco c de co-
res, 55, 455O0, 45 e .
Ditas de ganga de cores,
Camisas de peilos de linlio.
55, 45, 35 e.....
Ditas de madapolo. 3->.
20300, 25e.....
Chapeos de massa, pretos fran-
cezes. IOS. H e . .
Ditos de fltro, 55, 15.3*500
Ditos de sol. de seda. l-s.
11v 7S e......
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda.......
Soi 1 ment completo de grava-
tas.
Toalhas parroslo, duzia, II*.
95 e........
Atoalhado adamascado de li-
9tOO A
1* mu ^
i*mt
'-v40
m
branca ra do Queimado n. 8.
Babadlnhos estreltose bordados
Vendem-se na ra do Queimado n. 8, loja d'aguia
branca.
Tina a.
Cornetas de ehifre para moni nos a .
, Escovas para limpar dentes multo Jias .
Capachos eomprldos e redondos Barlhos de cartas para voltarete mulo
, finas a
Vendem-se na ra do Queimado, [loja d'aguia
branca n. 8.
ra&a econmica.
Ditas portuguezas a 160 e.....
frascos de agua de Colonia muito boa a
400 e............
Ditos de oleo babosa a 240 e.....
DHos com superior oleo de macaca a .
Ditos com superior macaca perol a
Ditos com superior banha transparente a
Ditos com superior cheiro a.....
Ditos com superior agua celeste para
cheiro
A aguia branca acaba de receber essa acredita-
da grava econmica, cuja superioridade est ge-
ralmente reconhecida ; essa boa graxa se torna
recommendada. tanto porque o calcado lustrado
com ella deixa perfeitamente lustroso ao menos
tres das sem necessidade e novo unto, come.-
mesmo porque sua preparaco i appropriadapara ^^comKiwoKde^3ta
anudar e conservar o couro ; ella vem em osi- JffiL^ S^a^tZS^A
nlias e barrizinlios, e acha-se a venda na ra do
Queimado n. 8, loja d'aguia branca, aos rezumidos
precos de 400, 500 e 640 rs.
Pennas de ac Inglezas calygra-
phlcas, a balo c outras.
A aguia branca recebeu um bello sortimento de
suporores pennas de ac inglezas, calygraphioas,
a balo c outras diversas qualidades, cujos precos
variam em proporcao da bondade os pretenden-
tes que se airigirem com dinheiro loja d'aguia Facas e garfos cabo branco era vado a
branca, ra do Queimado n. 8, nao ficarao descon-: Dilas de cabo branco erarado a. . .
tentes. Na ine-ma loja acha-se tambem um varia- Ditas de ha laen muilo Anas a . .
do sortimento de eaafltas. sobresabindo eatre ellas Tesouras para cortar, pequeas e finas
urnas de nova invenca, que por si mesnio deitam i a 200 e..........
a penna fra quando assim se queira I Tesouras para corlar unlias muito final a
Uolsinhas muito bonitas para guardar di-
nheiro a...........
Grvalas de seda de diversos gostos a .
Tiiiteirns de vidro com superior tinta a .
Pares de luvas brancas de algodo a .
Carriteis de linha com 100 jardas, bran-
ca a ............
Fitas e cordoes para enfiar espartilhos a
Carias com clcheles francezes superio-
res a............
Cartoes de clcheles francezes a 40, 60 e
31000
80
200
320
500
500
500
100
200
800
500
10500
80
80
500
500
160
100
30
80
400
80
31900
35500
6*000
320
500
nho vara......
2-55001 Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....
30500, 3$ e.....2?>500|Lenc6es de linho. .. .
Colletes de velludo preto e de Cobertas de chita eluneza.. .
cores, 9.-> e...... 76000 Pennas d'aco. as mais superio-
Ditos de casemira preta, 56 e 4000 res. a grosa......
Ditos de ditas de cores 56 Relogios de ouro
i6 e........3,6500
Ditos de setim preto. 5*000
Ditos de ditos e seda branco,
6 e.......5*000
:t-*)t> *f
iMmM
MOJ
Ditos de gorguro de seda
pretos e de cores, 6. "> > e
orizontae!
90&, 80* e......lOMm) 5
Ditos de prata. galvanizad.
patentes e orisontaes, 40# e
Obras de ouro, aderemos, maee
smtot
46000
aderecos, pulceiras, rozetas,
aneis e cruzes.
StMtaTSftS
XAROPE TNICO REGENERADOR
DE QUINA E DE FERRO
Preparado por niMACJIVT C, pharmaccaticos de S. A. I. o Prncipe NapoleSo,
da Escola de pharmacia de Pars, na de la Fenillade, 7.
Esta nova comblnacSo rene debaixo de um pequeo volume una forma
Ha multo que os mdicos desejavo nrdentemenle a reunlo destes dou* m
dos malores esforcos, nem a sciencia medica, nem os qumicos os mais M
at aqui; piaras porm pergeveranca humana achao-se hoje ninrliM i
i-ias. a nina, o tnico, restaurador por excellencia, o (rrr, a kaaa da
mente o reparador dos torcas e da saude alterada ou perdida.
As molestias contra as quaes o Xarope tnico regenerador se tem aaaatratfe aallu
nnrrlieias, faltas de menstruacSo, dores d'estomago, tastlo, digerttas
menstruaedes dilllfeii, o Ijmphatismo, o empobreclmento da sangue, ai
pelos molestias sj philitias.
Ha apenas um anno que o Xarope de quina e de farra fot aapUaado naa
hoje o medicamento mais em wga, substltaitno, por assim dizer, os medicamentos _
0 prosiecto encerra numerosos ecrllicadot de anillos membros da Academia da
da lacnldade que attoslao que este precioso medioamenio o conservador da a
e o rcconstltuinte da economa animal, IndltpensaTel as ananai aja* kaasHa aV
preservativo das epidemias.
Acha-sc h venda no deposito geral, em Parit, na pharmacia firtaaW c,ra da laT
em Ltsboa, em caza do Sur batirla;* *m c**ta-carv*la, auwrai o na Par*a, M
Mir HI|iH>wMr c Sansa Perrclra; no /Ito-df-Janeiro, em eaaa da farra frlaaa
Sabfio, ti; na Baha, em casa do Sr in l l II i na iln laalaliili a; un jji
Silr Joaqun r Gadoy; no Maranho, em casa dos Sin farreara o
do Sr luriMMnrn-rmuri.n e smmi em caaa doa SBrs
cipaee pharmacias de Bnott e de Portugal.
* o, e
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. ti em casa oVCaro*



-.



"vw-v-n*., -un
&
Mario de Peros nubfteo fw^fa IS de AgosttTdd !?.

1
GRANDE ARMAZEM
AE
BE
PROGRESSIVO.
LARGO DO CARMO-9.
DE
mW fc ^
l
N. 36, Rl'A DAS C1CKS Y 36
m
balrro de Santo Antonio.
0 pioprietario do muito acreditado armazem denominado Progressista tendo
sempre em vista fazer tudo o que for possivel para bem servir aos seus freguezes, tem
deliberad vender os seas j bem conhecidos gneros de primeira quaudade pelos presos
abaixo mencionados, e affianca s pessoas que mandarem comprar por seus criados ou
oscravos, serem to bem servidas como vindopessoalmente; encarrega-se de aviar qualquer
encommenda, ainda mesmo contendo objectos n5o proprios deste estaljelecimento. O
mesmo pede aos senhores que mandarem comprar neste armazem o favor de mandaran iodos os generos'sahfdos do" seu muito acreditado
AzeHe francez clarificado a 76o re. a garrafa
e ,5oo re. a caixa com duzia.
S NO
propietarios deste cspacoso e bem sortido armazem de molhados partici-
para aos seus freguezes que acabam de rcceber de diversos portos da Europa o mais bel-
lo sortimento de molhados, todos primorosamente escomidos, os quaes vendem-se por
I.
DE
Eduardo Marques de Oliveira G.
o
2
a
o
o
'A
devolver qualquer objecto que nao agradar, devendo os mesmos senhores ter toda alten- ""Jij. '^^^^^f^t
cao cora os seus portadores, fazendo-lhes ver que s no armazem Progressista da ra das
Cruzes n. 36, que se vendem os melhores gneros por mais barato preco, porque estes
muitas vezes olvidam-se e vSo outra parte onde os servem de maneira a desagradar este
cstabelecimento.
Manteigai ngleza de ! qualidade, a 900 rs.
a libra.
de superior qualidade a
xiaha.
a libra,
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
62o rs. a libra.
dem em potes de 4 16 libras muito ina e
propria para doente a 8oo rs. a bra e o
pote separado.
320 is. t a c.Idem de porco, refinada e muito alvaa5oo
rs. a libra, em barril ter abatimento.
de***mmiti\*m*n.m1in. Jg^j, preparada em potes muito nova a dem inglezaem latas de 2 1/i libras a 2,ooo
dem franceza, chegada ltimamente, a 640 E3L.C2.___ oaitanma mmntiuu.. hn> mitii^ik.
400 rs. cada um.
rs. a nbra.
Batatas milito novas, a 24 o gigo de arroba' Milho-alpista a 180 rs. a libra.
e 80 rs. a libra.
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor,
de U 24500.
dem prato, chegado neste ultimo vapor, o
mais fresco que se pode desojar a 700 rs.
a libra.
Mem londrino, mandados vir de encommen-
da especial, a 900 rs. a libra.
dem suisso, muito fresco, a 800 rs. a libra.
Caf do Rio de 1.a e 2.a qualidade a &JMft
e 85800 a arroba, e 280 e 300 rs a Ufan.
Arroz da India e Maranho a 120 rs. a libra
e 3^200 a arroba.
AvcKas as mais novas neste genero a 240
rs. a libra.
Presuntos do Porto muito noves a 860 rs. a
libra.
I.egumes francezes para sopa, como seja,
Julienne, mlange d'quipage, Choux e
outras qualidades, a 400 e 500 o masso.
Amendoas de casca mole a 320 rs. a libra, c
em porco ter abatimento.
Garrafes com 5 garrafas de vinho do Porto
do Alto Douro a 24400 com o garrafo ;
afianca-se que nesse genero o melhor
que veio ao mercado.
Mem com 5 garrafas de vinho Figueira muito
superior e mais prnprio para a nossa esta-
$io por ser mais fresco a 20*00.
Cha hysson o mais superior a 2#600 a libra,
afianca-se ser egual ao que regularmente
vendemos a 34200.
dem huxim miudinho, o mais superior que
vem ao nosso mercado a 24700 a libra.
dem preto muito fino, a 24000 a libra.
Garrafes com 5 garrafas de superior vinho
de Lisboa a 24100 cada um.
dem com 5 garrafas e V.nagre de Lisboa
a 14100 com o garrafo.
dem com 5 garrafas de vinagre hambur-
guez a 800 rs. cada um.
Vinhos generosos vindos do Porto engarra-
fados das seguintes marcas: Genuino,
Porto fino, Nctar, Duque do Porto, Fei-
toria, Velho secco, Chamico, Madeira su-
perior e outros a 900 rs. a garrafa e 94
a duzia.
Vinho Bordeaux das melhores marcas: St
Julien, Medoc e S. Estephe e outros a
640 rs. a garrafa e 74500 a caixa com
urna duzia.
Chouricas e paios, o mais novo que se pode
desejar, a 250 e 600 rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez dos melhores fa-
bricantes a 900 rs. a garrafa e 104300 a
caixa com urna duzia.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
800 rs. cada um.
Licores francezes, muito finos, das seguintes
marcas: Anizetta de Bordeaux, Plaiser des
i lames, Crme de Noyau, Eau Dantzic,
Grane de Menthe, Hudede Venus etc. etc.
Passas muito novas e de carnada a 400 rs. a
libra e 64500 a caixa com urna arroba, ha
caixas, meias e quartos.
\meixas francezas em frascos de 11|2 e 3 li-
bras de 14400 a 24800, tambem ha latas
de 6 libras.
Marmelada imperial, dos melhores conser-
varos de Lisboa, a 600 rs. a libra, em la-
tas lacradas hermticamente.
Gomma para engommar muito fina e al va a
80 rs. a libra e 24300 a arroba.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Sabo verdadeiro-hespanhol, que raras vezes
vem ao nosso mercado, a 300 rs. a libra e
em caixa ter abatimento.
dem massa de superior qualidade de 160,
180, 200, 220 e 240 rs. a libra.
raixa em latas muito nova a 120 rs. a lata
e 14300 a duzia.
Teixe em latas muito novo: svel, pescada,
canina, salmo e outras qualidades, pre-
parado de sbese segundo a arte de
cozinha a 14400.
Papel grve pautado e liso a 34800 a resma.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
460 rs. cada urna.
Vinhos em pipa: Lisboa e Figueira das melho-
res marcas a 34200 e 44000 a caada do
melhor e 500 rs. a garrafa, em porco ter
abatimento.
cada urna, garante-se a boa qualidade.
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
de l,6oo, l,8oo, 2,ooo e 2,5oo rs.
dem prato chegados neste ultimo vapor, o
mais fresco que se pode desejar a 66o rs.
a libra.
dem londrmo mandados vir de encommen-
da especial a 56o rs. a libra.
Caf do Rio de Ia e 2* qualidade de 8,5oo e
8,8oo rs. a arroba, e 28o a 3oo rs. a li
bra. .
Arroz da India e MaranhSo a loo rs. a libra
e 3,ooo rs. a arroba.
Caixinhas de ame isas francezas de 1 1/2, 2
e 3 libras, elegantemente enfeitadas com
diversas estampas no exterior da caixa a
l,3oo, l,6oo, 2,ooo, 2,5oo e 3,ooo rs.
Conservas inglezas dos melhores fabricantes
Mi&ed e Pickles, ceblas simples, e outras
a 8oe re. o frasc.0.
Mostarda ingleza preparada em potes omito
nova a 4oo rs. cada um.
Mollios inglezes de todas as qualidades edas
melhores marcas a 5oo rs. cada urna gar
rafinha.
Sal refinado em frascos de vidro de diversos
modellos a 4oo rs. cada um, s o frasco
vale o dinheiro, tambem ha solt para 8o
rs. a libra.
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 libras, muito
N'estes novos e grandes estabelecimentos de molhadws, encontrar o re*peita*el
publico d'esta cidade, bem como seus numerosos freguezes do centro, apam i inda
todas as qualidades de gneros por menos preco que em quaesquer outro cstabriecimr-
tos d'esta ordem, pois para bem servir os seus freguezes existe na Europa um dos to-
cios para serem vindos de conta propria diversos gneros, e desde j encontrar > rrs-
e por precos baratw*-
Araendoas a 320 rs. a libra.
AvelSes a 2oo rs\ a libra.
Ameixas a 14 a libra.
Ditas em frasee por 25800.
Arroz pilado da India loo rs. a libra e 34ooo
a arroba.
Dito dito do Maranho 120 rs. a libra e 34500
a arroba.
Azeite doce francez 800 rs. a garrafa.
Dito de Lisboa 680 rs. a garrafa.
Agurdente de canna de caneca a 240 e 320
rs. a garrafa.
Azeitonas a 320 rs. a garrafa e l,3oo a an-
coreta.
Batatas inglezas a 6o rs. a bra e l,8oo a
muito menos do que outro qualquer annunciante, obrigando-se os proprietarios a garantir patavel publico sempre os melhores gneros do nosso mercado,
tminQ 0nArn8 uhiifns do sP.n muito acreditado armazem. mos c00 abarco verao, a saber : .
Massa de tomates a 640 rs. a libra.
Dita estrellinba para sopa a 560 rs. a libra.
Massa estrcllinha para sopa a 5oo rs. a M*a.
Macarro, aletria e talharim a i8o rs. a li-
bra.
Marrasquino de Zara a 800 rs. o frase.
Passas a 4oo rs. a libra.
Palitos para denles a 480 rs. o masso.
Phosphoros do gaz a 24800 a grosa.
Paios novos a 640 rs. a libra.
Queijos do reino do ultimo vapor a 2# e
24500.
Dito de prato a 720 rs. a libra.
Cenejas de marcas superiores a 500, S*0.
600 e 640 rs. a garrafa, e 54500. 64
64500 a duzia.
Dita em barril por 44, e 240 rs. a garrafa.
Gevada a 240 rs. a libra.
Sardinha de Nantes a 3G0 e 400 i>. tov
nha.
Sag a 240 rs. a libra.
Sabao massa a 200, 240 e 280 rs. a bra.
Sevadinha a 280 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a MI rs.
Vellas de spermacete to gaz a 1,2oo rs. a
libra.
Ditas do gaz muito boas.
Ditas dito em caixas de 6 libras por 44006
Ditas de carnauba a 400 rs. a libra.
Ditas de composico a 360 e 380 rs. a libra
Vinho do Porto, caada a 54500, garrafa a
720 rs.
>~
cosinha de l,4oo e 2,ooo rs. a lata.
Amendoas confeitadas de diversas cores
arroba,
proprios para deposito de doce, manteiga Banha de porco a 55o rs. a libra.
" Bolachinha de soda a 14400 a lata.
Bolachinha ingleza a 200 rs. a libra, e a bar-
rica a 34000.
Cha hysson a 24200 a libra.
Dito dito fino a 25600 a libra.
Dito miudinho a 25800 a libra.
Dito do Rio a 14800 a libra.
Dito preto a 14900 a libra.
Charutos de diversas qualidades a
14500 e 35 a caixa.
Champagne a 15 e 15500 a garrafa.
ou outro qualqnej? liquido de l,oooa3,ooo
cada un.
Painco a 14o rs. a libra.
Millio alpista a 16o rs. a libra.
Gomma para engommar muito fina e alva a
80 rs. a libra, e 2,3oo rs. a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Sab5o verdadeiro hespanhol que raras vezes
vem ao nosso mercado a 3oo rs. a libra e
em caixa ter abatimento.
15200,
I
Vinho velho Chamico em barril, muito proprio
para sobremesa, a 640 rs. a garrafa e
54000 a caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero a 560 rs. a garrafa e a 45000
a caada.
Vioaare poro de Lisboa a 200 rs. a garrafa
e 15400 a caada.
Azeite doce de Lisboa muito fino, em bail
a 640 rs. a garrafa, e em porco ter
abatimento.
Champagne das mais acreditadas marcas, a
14000 a garrafa, e 105000 o gigo com
urna duzia.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Baha a 35500 a caixa, tambem temos
para 25000, 25500, 3.5000 e 35200 a
caixa.
Vellas de spermacete superiores a 600, 640,
e 680 rs. o masso.
dem de carnauba e composico a 320, 360,
e 400 rs. a libra e de 105 a 115500 a
arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa, a 15000
a ancoreta do Porto e 15500 a de Lisboa.
Massas para sopa: estrcllinha, rodinha e pe-
vide a 400 rs. a libra e 25000 a caixa com
8 libras liquido.
Massas para sopa muito novas: talharim, ma-
carro e aletria a 400 e 480 rs. a libra.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso das melhores qualidades a 900 rs.
a libra.
Doce da casca da goiaba a 800 rs. o caixo.
Cerveja das melhores marcas de 54500 a
65000 a duzia o 540 rs. a garrafa
Biscoutos inglezes de diversas qualidades a
14300 a lata.
Bolachinha de soda, especial encommenda,
muito nova em latas grandes a 25000 cada
urna.
Massa de tomates em latas de 600 a 700 rs.
cada una.
Sardinhas de Nantes, do fabricante Basset, a
360 rs. a lata.
Toucinho de Lisboa novo a 320 rs. a libra.
Tijolo de limpar facas a 180 rs. cada um.
Cebollas o mlho a 900 rs.
Erva-doce muito nova a 400 rs. a libra.
Banha de porco 5 64o*rs. a libra.
Amendoas confeitadas a 5oo rs. a libra.
Vidros de diversos tajnanhos de confeitoe,
muito proprios para mimos, de l,ooo a
2,5oo rs. cada um.
Batatas a 256oo a caixa com 2 arrobas e a
60 rs. a libra.
Amendoas de casa mole a 28o rs. a libra e
em porco ter abatimento.
Garrafes com 5 garrafas de vinho do Porto
do Alto Douro a 2,24o rs. com o garrafo,
afianca-se que neste genero o melhor
que veio ao mercado.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira mui-
to superior e mais proprio para a nossa
estaco por ser mais fresco a 2,4oo rs.
Cha hysson o mais superior a 2,6oo rs. a
libra, afianca-se ser egual ao que regular-
mente vemlemoe S,ooo o 3,doo rs.
dem huxim miudinho o mais superior que
vem ao nosso mercado a 27oo rs. a libra.
dem preto muito fino a 2,ooo rs. a libra.
dem muito mais baixo, muito proprio para
negocio a 1,600 rs. a libra.
Presunto inglez para fiambre o mais fresco
que se pode desejar a 800 rs. a libra.
Garrafes com 5 garrafas de superior vinho
de Lisboa a 2,2oo rs. cada um.
dem com 5 garrafas de vinagre de Lisboa
a l,2oo rs. com o garrafo.
dem com 5 garrafas de vinagre hamburgnez
a 9oo rs. cada um.
Genebra de laranja a 9oo rs., a melhor que
se pode desejar.
Cha perola o melhor neste genero a 3,2oo
rs. a libra.
dem massa de superior qualidade dd 2oo
22o e 24o re. a fibra. 1 chouricas a 560 e 600 rs. a libra.
Graixa em latas muito nova a 12o rs. a lata ^5^39 ing|ezas a 800 rs. o frasco.
e 1,3oo rs. a duzia. Gaf em grao a 300 e 320 rs. a libia, e 94 e
Peixe em latas muito novo: svel, pescada, g#200 a arroba
curvina, salmo e outras qualidades, pre- Dito raoido a 360 rs. a libra.
parados de escabexe, segundo a arte de ^ de goiaba a 560 rs 0 caix5o
600 rs. a libra.
Papel grve pautado e liso a 3,8eo rs.
resma.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
46o rs. cada urna.
Vinhos em pipa: Lisboa, Porto e Figueira das
melhores marcas a 2,5oo, 2,8oo, 3,ooo e
4,000 rs. a caada do mais superior e de
32o e 36o rs. a garrafa.
Idom velho Chamico em barril, muito proprio
para sobremesa, por ser muito claro g
macio a 64o rs. a garrafa, e 5,ooo rs. a
caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero, a 56o rs. a garrafa e a
3,8oo rs. a caada.
Vinagre puro de Lisboa, a 2oo rs. a garrafa
e l,4oo rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa muito fino, em barril,
a 64o rs. a garrafa, em porco ter abati-
mento.
Champagne das mais acreditadas marcas, a
l,2oo rs. a garrafa, e 12,ooo rs. o gigo,
com 1 duzia.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Bahia a 3,5oo rs. a caixa, tambem temos
para 2,ooo, 2,5oo, 3,000 e 3,2oo rs. a
caixa.
Velas de spermacet superiores, a 600 64o,
680 e 7oo rs. o masso.
Espirito de vinho de 38 graos, a 280 rs. a
garrafa.
Fai'inha do Maranho a 460 rs. a libra.
Dita flor de laranja a 15 o frasco.
Feijo branco muito novo a 440 rs. a cuia.
Figos a 32o rs. a libra.
Genebra de Hollanda em botijas a 5oo rs.
Dita Hamburgueza a 44o rs. a botija.
Gomma d'araruta a 100 rs. a libra, e 25600
a arroba.
Graixa em latas a 120, e 15300 a duzia.
Genebra em garrafes de 14 garrafas por
44600.
Licor fino a 800 rs. a garrafa.
Dito em garrafas grandes de superior quali-
dade a 14500.
Manteiga ingleza flor a 800,900 e 15 a libra.
Manteiga franceza a 600 e 64o rs. a libra.
Dita hollandeza a 72o 800 rs. a libra.
Mostarda a 640 rs. o frasco.
Dito Lisboa, caada a M e a garrafa a M
rs.
Dito Figueira, caada a 34840 e a garrafa
480 rs.
Dito dita superior, ranada a 44 e a garrafa
a500rs.
Dito Estreito, caada a 3420011 garrafa a
400 rs.
Dito Bordeaux a 720 e 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa em garrafes ile 5 garra-
fas por 14400.
Dito em caada a 25, e a 260 rs. a garrafa.
Vinho do Porto em garrafos i 3 pan .das
por 25500.
Dito dito engarrafado a I-5 o l.->200.
Dito lagrimas do Douro a IfMDa janato.
Vinho branco de Lisboa a 720 rs. a gar. ato.
e 55 a caada.
Dito do estreito a 600 rs. a garrafa, e a 4*300
a caada.
Vinhos generosos vindos do Porto engarra-
fados das seguintes marcas: Genuino, Wem de Mrnaub a^^ a 32o, 36o
Porto fino, Nctar, Duque do Porto, Fe-, e 4oo rs a ,b {,e\ ^ il)5oors.
tona, Velho secco, Chamico, Madeira su-1 a arr0Da
perior e outros a l.ooo rs. a garrafa, e Azeitonas novas do Porto e Lisboa> {(m
rs. a ancoreta do Porto, e 1,5oo rs. a de
Lisboa, estas ultimas raras vezes vem ao
Previne-se ao respeitavel publico que todos os gneros cima sao de boa qu-
dade, e para desengao venham ver; assim como outros que deixam de ser annuncia.1- *.
r l AIII i AO DA AURORA.
Nesta grande e bem montada fabrica de machinismo, a mais antiga no imperio. 00-
tinua-sea executar coma maior presteza e perfeico encommendas de toda a qualiMl
de machinas usadas no paiz, tendo sempre prompto o seguinte :
Grande sortimento de moendas de canna de todos os systeinas e tamaito?.
Machinas de vapor de diversas qualidades.
Taixas fundidas e batidas.
Crivos e boceas para fornalhas.
Bronzes e aguilhes.
Bodas, rodetas e rodas d'agua.
Guindastes fixos e portateis.
Machinas de cylindros para padaria.
Serras de ac para serrara.
Fatechas para barcos, etc., etc., tudo por preco que bem cowi.
9,ooo rs. a duzia.
Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto
a l,2oo rs. a garrafa, e lo.ooo rs. a caixa.
li ucta.em caldas doitodas as qualidades em! Cominhos idera idem a 640 rs. a libra.
latas muito bem enfeitadas, a 500 rs ca- Garrafes vasios a 500 rs. cada um.
da urna.
Bolachinha ingleza, a mais nova que se pode
desejar, a 35000 a barric a e. 240 rs. a
libra.
Ditos com 5 garrafas de genebra a 24400,
garaote-se ser verdadeira de Hollanda.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
a 160 rs. a libra.
Azeite francez clarificado a 800 rs. a garrafa
e 94000 a caixa com urna duzia.
tlonservas inglezas dos melhores fabricantes' phosphoros de seguranca individual a 20 rs.
Cebollas a granel a 640 rs. o cento.
Canclla a mais nova do nosso mercado a
15000 a libra.
Alfazema o que pode haver de melhor neste
artigo a 280 rs. a libra.
I
Mixed Pickles, ceblas simples, e outros
a 760 r$.o asco.
Farinha verdadeira de araruta a 500 rs. a
libra, garante-se a superior qualidade.
Palitos para dentes em caUinbas douradas
Brea, a 320.1 libra e 84 a arroba.
a carxinha.
Papel de embrulho muito superior a 14120
a resma.
Vinho da Figueira, o que ha de melhor a
44000 a caada.
Copos finos para agua a 64000 a duzia.
Vinho Bordeaux das melhores marcas: St.
Julien, Medoc, S. Estephe e outros a 7oo
rs. a garrafa, e 8,000 rs. a caixa com urna
duzia.
Chouricas e paios, o mais novo que se pode
desejar, a 56o rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez dos melhores fa-
bricantes a 9oo rs. a garrafa, e lo,5oo rs.
a caixa cora urna duzia.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
800 rs. cada um.
Licores francezes muito finos das seguintes
marcas: Anizete de Bordeaux, Plaisirdes
Damos, Crme de Noyau, Eau de veede
danUr c, Creme de menthe, Huile de Ve-
nus, Parfait araour, Eau d'ora l,ooo rs.
a garrafa e lo.ooo a caixa com duzia"
>
Passas muito novas e do carnada a 3oo rs-
a libra e 6,000 rs. a caixa com 1 arroba,
ha caixas, meias e quartos.
Ameixas francezas em frascos de 1 1/2 e 3
libras de l,4oo a 2,8oo rs.; tambera ha em
latas de duTerentes precios.
Marmelada imperial dos melhores conservei
ros de Lisboa a 600 rs. a bra, em latas
de differentes tamanhos e lacradas herm-
ticamente.
Fructas em caldas de todas as qualidades em
latas muito bem enfeitadas a 000 rs. cada
urna.
Bolachinha ingleza a mais nova que se pode
desejar a 2,5oo rs. a barrica, e 24o rs. a
libra.
AGENCIA
DA
nosso mercado, pela sua boa qualidade.
Massas para sopa: estrellinha, rodinha e pe-
vide a 32o rs. a libra, e l,6oo rs. a caka
com 8 libras liquino; s no Progressive
Massas para sopa muito novas: talharim, ma-
carro e aletria, a 4oo e 48o rs. a libra.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso, das melhores qualidades a 9oo rs.
a libra.
Doce da casca da goiaba a 4oo, 5oo, 600,800
e 1,000 rs. o caixo.
Cerveja das melhores marcas, a 5,5oo e
7,4oo rs. a duzia e 54o rs. a garrafa.
Biscoutos inglezes de diversas qualidades a
l,2oors. a lata.
Bolachinha de soda especial, encommenda
muit nova, em latas grandes a 2,ooo rs.
cada urna.
dem craknel em latas de 5, 7 e 15 libras a
4,000, 5,5oo e 11,000 rs. a lata.
Palitos do gaz, a 2o rs. a caixinha e 2,3oors.
a grosa.
Massa de tomates em latas de 600 a 7oo rs.
cada urna.
Sardinhas de Nantes do fabricante Basset, a
38o rs. a lata.
Toucinho de Lisboa novo, a 32o rs. a fibra.
Tijollo de limpar facas, a 18o rs. cada um.
Cebollas, o mlho a Ooo rs.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa,
a 14o rs. a libra.
Alm dos gneros cima mencionados, existe um completo sortimento de al-
fazemas, cominhos, pimenta, erva-doce, palitos de dente em magos e caixinhas, enxo-
fre e outros muito gneros, os quaes vendemos pelos precos mais baratos possiveis.
FUNDICAO DE LOW-MOOR.
Rii da Senzalla nova 11. 12.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa do S. P. Johnston d C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
Kua da Senzalla n 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston & C,
sellins e silhes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavados, e relogios de
ouro patente inglez.
AOS SRS.iONSlMIORES DE (.12.
^qs armazens do Gm do Ramos n. !8 e
na rtai do Trapiche Novo (no Redi)) n. I
vende gaz liquido americano primeira <\, .i'-
dade a retamo a 10) a lata de :> gaies. >-
sim como latas de 10 e de 5 garrafas 1 s--ndo
em porco mais liarato que em outra ';.?-
quer parte.
PAPEL
Cola da Baha
Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo, no seu escriptorio, ra da Cruz n. 1.
vIndo d Porto superior.
Vende-se em eaixas de urna duzia : no escripto-
rio de Antonio Luiz Oliveira Azevedo & C.
Cal de Lisboa e potassa da
Rnssla.
Vende-se na ra daCadeia do Rocife n. 26, para
onde se mudou o antigo e acreditado deposito da
mesma ra n. 12, ambos os gneros sao novos e
legtimos, e se vendem a preco mais barato do que
outra qualquer parte.
Vende-se nm grande terreno com cercado, e
ptimo para fazer-se um excellente sitio em Jaboa-
tao a margem da estrada da Victoria e contiguo a
povoa$ap de Santo Amaro, contendo igualmente
terreno
tratar,
casa n. 46 da ra do Imperador.
no para plantacao : ijucm a pretender para
r, diria-se nesta cidade ao terceiro andar da
Asmcar do Monteiro
Ra do Imperador n. 28 e caes de Apollo o-
67, a 200 rs. a libra,, e de 8 libras para cima
a 50600 aarroba.
de eores para listas de eleltmres
A aguia branca su|i|i recer aos athlelas uns ftmtm MU 254 Mm* r
papel de cores, que pode servir ptimamente par
usas de eleitorcv, e tanto melhor por m>rar ..da
Sacte o diminuto preco de it%*i >r cada un
e urna s cor, o que diflkil de encontrar a ao
ser na na do Queimado, loja d'aguia branca n. S.
Na mesma loja taiuhcm ha de mitras quan&des,
branco e azu, assim como anvelopes.
Cal de Lisboa
a mais nova do mercado : na roa do Vigai a.
19, primeiro andar.
ESCRITOS FGIDOS.
Fugio no amanhecer do da 13 do rorrea,
do engenbo Pereira, (reguezia de Jabnlau. o itut-
lato Manoel, claro, cabello carapinho, alio, fcuia.
descansada, de idade de vicie e lanos aaaos. roate
descarnado, levou cha|>o de fetiro. caira e anata,
consta ter vindo para esta cidade : quetn o ippti
hender e levar ao mesmo engenho cima, ou ana-
ta praca ao Sr. Joao Pereira Moutinho ser Nmi
recompensado.
Attenco.
No dia 12 do crrante itrumMiiiiiii da rata, de
seu sealior a escra va de nomo mnedkia, de anean.
idade de trinta e tantos anuos, esttiora bafea,
po regular, falta de dentes na fren, um nana ati-
na mais grossa proveniente de erysipella, antUntt
regrisia, e anda apressada, balame esperta, tai
do Sr. Sebasao Luiz Ferreira, leroa venido i
roupo de riscadinbo encarnado desbotona :
a apprehender e levar roa estreita do ftt
loja de atartineifo n. 43 ser gnaeranateni
compensado, assim como se proceder <
quer pes>oa que a tenba occultodo
I



na.



Mario t ReriaMio Ter? l>lra 13 d* Agosto de 1 #8

LITTERATRA
Desejos vios.
*.; vezo? eu quizera ser a liia
Ouo solitaria pelo cu desmaia
Pendera a janella do ten quarto
S por beijar-ta>o leilo di- cambraia.
As veces en quizera ser a brisa
Qno mansamente pelo ar oudula.
tria me euredar nos teus tabella--.
Que da tardinha a viracao oscula.
s vezes eu quizera ser a nota
Uue no sino da egreja diz:malinas !
Ku ira perder-me na tua alma,
T.dvcz ouvir-te as oracoes divinas.
s veres en quizera ser o pobre
Que esmola tua porta a raridad.- ;
Num olhar de piedad* dos teus olhos,
Tcriao meuquinho de flicidade.
s vezes eu quizera... e nada alcanzo !
Barco perdido as mares do mundo.
U vento esbofeteia a vela rota
Que a morte facinou do abysino fundo.
s vezes... e que lagrimas que choro !
Maldigo a escuridao desse deserto
Uue atravesso, se qur sem o lampejo
D'um relmpago azul do bnlho ineerto.
Ar. vezes... sao meus dias de tristeza :
Sialo na face glacial bafejo,
1'.'.uso que a inorte, vou sorrir-lhe... engao !
T a morte nao passa de um desojo.
T a inorte. essa ultima esperanfa
Que resiste ao bulcao do desengao.
Ante os olhos do triste que a procura
Bem tarde descortina o negro arcano.
j vezes... porque eu hei de recordar-me
Da minha .-na. du mvsleriode boje ?
Se corro vida topo n um sepulcro,
Se roe sent sobre elle a morte foge.
Ouc maldito lutar de passo em passo
Ku cio e me levanto a cahir logo,
Uual ave que dasazas desaojadas
As tontas corre por um chao de fogo.
s vezes... sao mvsteros que nao digo.
Sagredos de minha alma que eu respeito.
Nao acho para ouvi-los alma nobre,
N*m p'ra senti-loscardoso peito.
Meus desejos de agora, ultimas flores
Abertas no crepsculo da vida,
Sao sorrsos em labios de um cadver,
Pr-ntasiasde urna alma endoudecida.
t Ora, financas! Arranja. menino, arranja di-
nlieiro. Se til quizares vamos.
Nao sci onde hei de ir bater. ineu amor!
Salvo se vender tuna propriedade.
Pois vende; la por ama propriedade do me-
nos tamhem nao Acarnos pobres.
VeHdeu-sc a propriedade, e forara ouvir o Mon
' temeiii.
! Ouvir o grande cantor era desejo innocente o
j louvavelmente artstico; porm. vender um peda-
co da casa, em holocausto s erlhas, foi desatino i
; mas, emlim, passe, que a arte e cultivo dos ouvi-
I dos um despostismo perdoavel. O que de todo o
ponto se nao perda, que a Sra. D. Perpetua ap.
plicasso urna orlha a Montemerli, e a outra a um
sujeilo que a visitara no camarote, na sala e as
casas que ella visitava.
Gastao descenfiou, e sentiu dentro da alma po-
dre uns rebates da al vorada do dia expiatorio. Pro-
cedeu avisadamente : callou-se, e foi com sua se-
nhora para Pinhatel.
Era no coraco do invern. A aldeia fez-se pa-
vorosa. A carranca do cu s podia egualar-se a
carranca de D. Perpetua.
Piompcu a desorden). Gladiaram-se de lingua
at se retirarem de punhos cerrados cada um para
seu quarto. Nao se viram oito dias; e para se v-
rem foi mister que o vigario interviessena reconci-
liacao com o Evangelho em punho, posto que para
o caso sujeito tanto valesse o Evangelho, como o
Alcorao. E tanto isto verdade, que, quinze dias
passados, assanharam-se de novo, e o padre voltou
com o Evangelho e saiu corrido do que ouviu a
respeito da religiao. que D. Perpetua, no acu-
me do seu odio aldeia, negava Deus; e Gastao, se
i j nao fosse atheu, nem houvessc atheus, inventa-
i va-se atheu por ter havido um Deus que.fez seme-
; lhanie mulher!
Perdida religiao e vergonha, bateram-se mutua-
mente s punbadas, Perpetua cscreveu seas ir-
maos.
Os irmaos requercram o deposito judicial da
mana, para accao de divorcio.
Gastao oppoz-se. As lcis eram por elle ; mas os
juizes foram por ella. Sentenciada a separae,o,
exeeutou-se o estipuladona escripiura dotal. O mor-
gado, que de vinculo apenas tinuham a torre e uns
montados, fieou reduzido a bens que valeriam 30
mil cruzados escassos.
D. Perpetua, senhora das propriedades exceden-
tes ao triplo daquella quantia, recolheu-se fami-
lia, e deu-se a vi ver regaladamente, prestando nao
ja nm s, senao ambos os ouvidos aquelle sugeito
que outr'ora compartir da honrara de Monte-
merli.
A ponto estamos de appareccr em Esposende
um forasteiro que nao dizia d'onde era, nem o que
fazia ali.
Chegou o hoinem um dia, e parou defronte da
casa da mae de Balbina. A nova inquilina. cui-
dando que o viandante procurava a antiga taver-
neira para ahi jantar, disse-lhe :
Olhe que j nao venda aqui. A taverneira
morreu ha dous annos. Ainda que eu seja confia-
I da. o senhor brasileiro ?
O morgado de Pinhatel era homem de quarenta
ar.r.os, vicioso, dissipador, e esc alavrado pela liber-1 O sugeito resmungou urna resposta inintelligivel,
tinagem. Balbina tinha dezesseis annos, costumes, e perguntou :
ir-eprehenslveis, muita sade, e muila alegra. Pa- E a taverneira.. que morreu, nao deixou nln-
i , que a nalureza os dcsligava; mas o demonio, guein ?
que urna segunda natureza na condicao lenta-'. Dexou uma fiInaj senUor. a Balbina Rosa?
dica de cada qual, ligou-os '
Quando eslava rico e velho, morreu-lbe a mu-
jher, e, no breve termo de um anno, seos tres 11-
lhos. Lanbrou-se onto de Esposende e da irmaa.
Eslava s, amargurado, contemplador melanclico
de sua intil riqueza.
Veiu, ento, para Portugal em busca da familia,
" i e envergonhado de, s hora do desamparo, pro-
curar sua irmaa.
Sabem-o mais. Parou defronte da casa onde
b~e Isso lavra mais fino c, meu amiguinho.
Eu vou l serra, e ir comigo um dos meus fl-
lhos.
Pois, sira, convenho: isso prova de que
Ym. um amo honrado, e zelador de suas ser-
vas.
Podra nao! Eu sei c se Vmc. a leYa fur.
tada!...
Quando tem desbaratado algtius milhares de
cruzados, principia a sentir um vago desojo do
ir com a vida alm dos dous anuos aprasados. A
santa casa da misericordia convida-o a ganhar
quarenta contos com uma sorte de quinze mil
ris.
Gastao corresponde ao immoral convite da
santa casa, e compra nao um, mas doze bilhetes.
nascra; e. como visse uma mulher representando lne I00 furto. Aeha Vmc. que um velho destes
Se a levasse furtada, nao vinha aqui dlzer- Sao doze probabilidades baratas que elle compra de
annos anda pela serra do Laboren o a furtar pas-
toras?
Em flm, nos l vamos, e tcnlia paciencia.
Isto c lavra mais tino.
O lavrador pegou da falce incavada, o fllho poz um dos vinte e qualro bilhetes com o mesmo di
ao hombro uma cacadeira, e sahiram. caminho do nheiro.
oiteiio. em que Balbina, aquella hora, eslava Que zorabaria! Enfuria-se o jogador, c
orando.
que tu queres ir com elle. Queros ou nao ?
Sim, senhor, respondeu a moca.
E" leu prente ou admite f
E' meu tio.
Tio Iexelamon o Jos Torto.
Balbina Idisse Joao Moreiraquiz onvir
essas palavras do teu coraco. Foi tua mae que
Agosto de 1861.
Victoriano Palham.
Tramlas destavlda.
Pessoa fidedigna me conloa a seguinte historia
acontecida, ha 15 annos; na villa de Esposende e
em outras parles :
Um tal Gastao de Mendonea, morgado de Pinna-
le, requestou uma Balbina, natural de Esposende.
Gastao era de linhagem tao antiga, que se apagava
nis trevas da muhologia. Balbina era filha de
u:.a viuva, que vivia de sua habilidade de fazer
. e da sua industria de taverneira, emdias san-
til i .dos o romarias circumvisinhas.
quarenta annos, pensou comsigo que nao podia ser
aquella. Morreu, cortamente I > disse Joao Mo-
reira entre si, com dr, com um desapego mortal
da vida e arrependimento de se ter alongado dos
ossos de seus (llhos, que ao menos conhecia, para
se avizinhar das cinzas dcslembradas e desconheci-
das de seus paes e irmaa.
Nisto scismava o brasileiro, quando a inquilina
u proprietaria da casa paterna Ihe disse que a ta-
verneira tinha morrido.
Agora vamos em cata del le ao Alto Minho. Vae
o letor pasmar-se daquellas bemaventuradas mar-
gens do Lima. Entra comigo em Vianna, na lou-
caa namorada do Ocano, naquella esquiva formosa
que vacilla entre deixar-se amar das ondas, que
Ihe beijam os ps, ou dos arvoredos que lhe enra-
mam a fronte. Agora, vamos neste barquinho rio fM ^ Sr lavrador! ^,50 esclarecidas as da
cima at Ponte do Lima. Nao so me fique arro- v(las p^ep^ r ?
bado neste ondear de esmeralda qae a viraeao ba-, _"Ainda nao-respondeu o lavrador-vamos
lan?a, que receio me deixo ir sozirmo em procura f3er con^as u tenho c as
do brasileiro. Aquillo sao bosques, que escondan dossa ranarjrra
montas arrelvadas, e meandros de onfes, e amo-. I Applique as aos pobres da sua aWcia. Adeira,
res de damas castellaas, que por ali se esconden am ^.^ 0 brasieiro.-Se nos nao tornar-
mais renhecidas das estrellas que nossas, e mais mos a vf. al ao dia do juz0
conhecidas ainda dos faunos illuttfrados do sitio que 0 fllho ^ montanhez- sentou-se, atravessou a
das estrellas. | espinante sobre as nemas, e baixou a cabera a
Aqui estamos na velh3 Ponte. Iremos por trra ehorar-
a Valenca, que um ir sempre ao debaixo de boa- j Jo5o Morei,a reparou; o- velho tarofeem, e
badas de verdura. Ca esta a fortaleza, fazendo'j-
carranca a Tuy, decrepita Galliza, que o rio II- i ____ ,. ,nh, airn_ jp
. ", - 1 __O ranaz cliora porque Ihe tinna amor ai
nho separa de nos, como cordao de Impeza entre, v "'''. m ^^^. fiP nao
dentro. Quena casar com a moca; e, se nao 1 {
marido della, foi porque a moca nao quiz, saber '
Vmc.
ennquecer-se.
Espauta-se de lhe sahirem brancos de um assen-
lada os doze bilhetes, e na prxima lotera com-
pra vinte e quatro. A fortuna por elle desta
feita. concedendo-lhe a graca de ihe peemiar
redo-
bra as paradas. Ei-lo ahi est antes de umonno
a ponto de matar-se na suspirada obscuridade!
Chegaram beira della.
Francisca, disse o velho, este homem diz Ali o est convidando a pistola, e a miseria. Ven-
de o jogo das pistolas, vende o fado escusado,
indevida-se com pessoas que o viam gastar a
froixo, c o consideram ainda abastado na sua
trra.
A final, dcscobre-se a indigencia do morgado
mintilo: cerram-no os credores e as injurias;
a fome sulea-lhe o rosto; e elle foge de Lis-
boa, e rae ao Minho pedir as sopas de alguns p-
renles.
Os prenles lancam-no de si, como velipondio
loAuta (Us **s Mendonras, e" Gastao agasalhado na pobre
s casa dos seus antigos caseires.
Jos Torto avisa disto Joao Moreira que entao
viaja em Franca e biglaterra eom sua sobrinha.
Saira elle, o, como for^a, fcvra Balbina, por
preccito dos mdicos, que a suppunham gravemen-
te enferma de tristeza, e carecefera de accao.
Entre gssar os recreios do Porte e ir viajar, Bal-
bina escolheu, bem que obrigada, o ir onde a nao
conhecessem, e acabar por l; que, em verdade, a
vida pesa va- Ibe; a lembranca de sua mae ainda
lhe atormentava os sonbos. "Organisacao dbil, ou
falta de luzes'.
Nos que racional e glacialmente lhe 1
Morre de dr, e desesperada de
nao ha para ti, mulher perdida f A
Divina nao assim ampara, Ilude,
perancas, insidia, ao coraeio chagado I
palliativos, e assim vae sosiesto os
que o lempo os transverta, ou a norli
te os aclha. *
Disse-lhe o lio que o man homem rasan; e
para logo, l muito no amago de .seaseio. qm>brwi
o fio qat delir das lagrimas nao romper.
Dopols, velo assim-, aquelle qne devras asaara
e, abandonada, esperara, as rochas do sanni^
v-lo assim roto, defecado, mendiga aqaaesai an
sol as escamadas mos, dormindo na ttriss da
de
seus lacaios, pagando lo duramente os
edado e da abundancia, desamparado da
que o roubou, de prenles que lhe fruan
perdidos, de amigos que se banqueteavaa esnssp
casa !...
A penitente senltora perdooo-lhe, n dem M ; e
no sonhar febril daquella noule. itgmua m fct
que descia eir, e turna va aos taMos a m mf-
glida daquelle desgracado, e Ih'a sqtteeia cesa
torrentes de lagrimas quentes ainda de fago
coraco!
E, por isso, a doenca lhe anojava o andar de m
1 a em Ierra, sem vontadV. sem espiril para adm
rar, estranha a indo inte a rodeava, ladiRereiite a-
decanladas magnrficenrias do engenho himns e da
magcstsa nalureza; sempre a suspirar pala sm>
tacao de um cubculo em algn em, onie, a orai
e a trabaiar, se lhe fossem gasSjaV os dias apa-
gados de toda a alegra e fenecidos para ssssyre a >
reverdejar de alguma flor.
Sondou-lhe o tio o animo, e, ao Isa de seis mt-
zes, voltaram para Portugal.
Dctiveram-se em Lisboa- algnns dias.
No (juarlo do hotel, contiguo ao de Balbiaa, hss-
peava-se alguem que tora va piano l
Inesperadamente para Balbina, sen tio, ao rece-
ber em Londres carlas'do feitor, pressa- a-partida, I e as melodas eram pausadas e
a orla do ridentc Portugal e a testada dos nossos i
sujos visinhos, sujos, como gallegos que sao. Su-
jos! e ladres l na sua cafrria?'Isso entao
coasa para tamanho espanto que s nao ha de es-
pantar-se do que sao l quem souber com elles
se ladros ca.
Aqui vamos na piugada de Joao- Moreira; que
procura o 25 da quarta eompanhia, Jes Tortde
Esposende.'
Declara-Jos Torto qne, indo a escoltar uns pre-
sos da villa dos Arcos para ontro ponto, vira una
pastora no caminho, a tornar manada uma ca-
bra que se desgarrara, e cuidara ver Balbina ;
mas, tendo ouvido dizeri|n#ella se doitra ao ro^j
Cavado, nao acreditara os seus olhos, Ajunton:
que se persuadir ser elfe vendo-a vcJtar o rosto,
e apertar o p a fugir por ura outeirahb> abaixo ;
e dle entao a chamara peib>seu nome, e ella mais
eorria.
me
Aeerescentou qne dea quatro pinchos no
declive da serra, e a pilhra, obrigandb-a a con
Era ottlro o sea destino dksc o brasileiro,
e voltando-se sobrinlia perguntou-:
Amavas este moco, Balbina?
Balbina abaixou os olhos, e disse :
Mi, senhor: era amiga delle, porque
tratava bem.
Era outro o seu destino...repetiu o tio.
Vamos, que o sol aperta... Acharei n'alguma'
destas povoacoes quem me venda uma cavalga-1
dura ?
_ Eu nao vendo disse o lavrador; mas,
ahi est- uma mua, sendo necessaria. Vao Vmcs.
deseend at estrada, que eu l lh'a mando sahir
. bonca da tia Andreza. A rapariga sabe on-
de .
Obligado, bom velho. Eu me fare lembrado
pelo seu favor.eoncluiu o brasileiro.
E apartaram-se.
O asjciaoonlregou a guarda do rebanlioao filho,
chorar. Bernardo
na condicao lenta-
A gente pasma; a
que appareceu aqui ha tempos, depois de lhe ter-
mos resado por alma. Coi tada 1... castigo assim !
fessar que era; Balbina, e nao rivera tempo de IKe ]
ouvir mais nada, por que o cabo da escolta o cha-1 .
mar, ameacandoo, por cuidar que elh perseguii j "'** ef- a M a
a moca desolistinadamente^ 'rm homem um homem
Ouvida a narrativa, Jna Morera procoron o empin0U-Se na so d'nma ceilina. e vi
eommaudaate dr> regimcntOj conversn idrgamcn-1 ,
tecom elle, e oblevoqueo 23 da quarta o aeom- *JWer ^ ^ j ^ dc ^
panhasse a serra do Labaretroi
Chegaram ao romper d& manha do segundo dia
de jomada aos montados: de Entrime-, e do pinca
os
verdade, porm, i esta, que se baldea, de um poco
dc !ania" O supposto brasileiro sentou-se no banco de pe-
'ma noute, a filha nica da mulher laboriosa fu-; dra da tesla(la> e escutou a historia da fgida de
glU de casa, e enlrou no solar de Gastao. A mae gabina, e da niorlc da tia Serafina da tenda. A.
iorou ate morrer. e poucas semanas chorou. Bal-' nformadora, mais ou menos inventiva, remato te-
bina, desde que vesta luto por ella, senta traspas-1 gim a nncia .
wr-ilie carne, ossos ecoracao urnas dores lancinan-
U, as mil agnlbu do remorso, que a nao dcjxavam
. mae senlava-se ao lado della a mesa, seguia-
H, os pasaos a egreja, detow-ae com ella, eassim
que o somnolha tirava das mos, pcsava-lhe no
em >onhos hrridos.
speeie de remorso ha uma torca que Hie
, Mptabos o amor do homem a quem
3 Riba saerifieou a honra ou a vida de seus
Amor mando esse ; mas, por magia infer-
nal que tem, 6 cerlo que prevalece ao remorso.
No entanto, Balbina, ainda que quizesse escudar
phanttsma de sua mae, com a audacia e des-
p.io que da a salisfacao do crime. nao podia. que,
i ten em qae svellia expiron, j nao era
amada.
na. depois dc desamada, passou aborrecida, por
que ehorava sempre ; e se lia veneno que roa u
ultimo liame de coraco enfastiado de um mo
i if, sao as lagrimas da mulher enfadonha.
Gasl. de Mendonea poz a mira a outro lito.
Deixoo-a bracos com o phantasma, e foi-se em de-
manda dc realidades.
\11dou por l uns dous mezo?, era no Por to, ora
un Foz, amando em toda a parte, comapplauso dc
sua vaidade, inveja dos rapazes, e beneplcito de
ilustres damas, monos mal comportadas.na.mpoc-
cavel opinio publica.
Voltou a casa para vender urnas proprhidades,
e tomar a Foz, onde perder, jogando o dinheiro de
outras que tota vendido.
ouando chegou a casa, c nao vln Balbina, per-
guntou por olla. Os criados disseram que se ha-
via ido embora um mez, antes a p. mal enrou-'
p ida e sem dinheiro nem cousa que o valesse.
Mandou o morgado a Esposende averiguar se
eila por l eslava, com a tencao dc lhe dar algu-
mas nioedas para restabelecer a taberna. Bom ho-
mem !
Nlngasai deu novas della todos a suppunham
em Pinhatel. Do si para si, Gastao entendeu que
a moca se havia atirado ao Cavado. Teve pena de
Balbina, e um cerlo horror de si mesmo; todava,
como esse horror o incommodasse, apressou a ven-1
da dos henr, e foi distrahir-se.
Aconteceu ver elle uma dama deslumbrante, de
familia genealgica, maior de vinte coito annos,
nalhofoira, fascinadora, amostrada e esperta, cus-
idlos logros da poesa; prosa, emfim, mas bells-
ima prosa. Amou-a; foi acolhido, e logo repelh-
do; d'alii a pouco amado, e outra vez aborrecido;
m dia, requestado, e no seguinte, desfeileado. A
,-,ilu d'isso foi casarem-sc, com cscripturas cavi-
0-menle vanUjosas para a noiva, que j sabia
com quem se havia de ter. Fez-se dotar com o
iiaximo da casa de seu marido, estipuladas as con-
dicSes de modo que, em caso dc. divorcio, ella se
lovantasse com o dote.
Elles ahi vo como dous pombos, arrulhaudo fi-
nezas por aquellos bosques do Minho.
Ao oitavo dia de delicias conjgaos. D. Perpe-
tua abre a sua bocea engracada, espreguica-se, c
diz:
Eston farto d'aldeia, Gastao! Vmosnos para
o Porto? Est cantando o Montemerli, que um
assombro.
Muilo me cnsta nao te fazer a vontade, minha
adorada Perpetua; mas sinceramente te digo que
de (manca; est isto mal.
Ninguom sabia de Balbina, nem j fallava
nella, quando um moco c da torra, que soldado,
a topou na serra do Laboreiro a guardar oabras-
Ella pegou a fugir assim que elle a chamou polo
nome; mas o moco j a nao deixou sem ficar bem
certa Pelos modos, meu senhor, a rapariga pare-
ce desenterrada. Olhe Vmc. onde ella foi parar I
A' serra do Laboreiro que d'aqui oito leguas A
tia Serafina bebia os ventos por ella. A Balbina
tinha as mos to mimosas que eram mesmo dedos
de fidalga. Nao trabalhava senao em cousas finas ;
at sabia fazer crochete. O senhor ha de saber o
que crochete?... Pois verdade I l'ma menina,
assim creada, andar agora l pelos montes a guar-
dar cabras! Aperta-se-inc o coraco, quando pens
nisto. Tudo por amor daquelle diabo do homem,
Deus me perdc, que, se verdade o que se diz,
nao tardar que elle ande s esmolas Ainda eu o
veja a cahir a pedacos, e tantas pragas o cubram
como de lagrimas elle fez chorar pobre velha,
que era uma santa !... Entao Vmc, ainda que eu
seja confiada, conhecia a tia Serafina ?
O brasileiro, se era brasileiro, como vae conjec-
turar-se do capitulo seguinte, respondeu cousa mal
porcebida, e levantou-se, cortejando a sensivol mu-
lher, que eslava euchugando as lagrimas.
dado tao dotorosa ? Que lagrimas se seccaram na-
j'jmellas peoedtas broncas! O desventurado tan-
. I rAii-se or trra, e escoerteu a face as urzes. As
ro mais lc-vantado descoetinaram env deredor os ; ?ou se por lena, t- o
escondidas mas lagrimas, e transpassada da alma, poda ve-m
I o cu, que eram puras '
Elles l vo.
Ningnem mais (ltese de ti, pebre solitario.das
montanhas'
Vae chorar imrgom dosses iwgalos I As Ba-
res silvestres te drao que as lagrimas do Balbin
as flzccam revirar em suas mistes ressequidas-
Afaga esse cao que lhe lamba as maos. AIm tcns
delta. I
rebanhos que iam subindo das povoas
as gargantas da.sorra. Foram falla com o pri-
meiro. pastor, que avlstaratn, c descobrirara que
havia em Castro Laborcico nina rapariga ao servi-
co dc tun lavrador, viuda do longo, e chamada
Francisca. Os signaos, teste Francisca exacla-
mente randmam enra. ex fin K^lhina Oevia <
ella. D'ali baixaram ao outeiro onde o soldado a
topara, e, ir felicidade de todos, ao dobrarem.o
cotovelfo de um
barroca; entreviram, aotravoz'.a rez que se animjava no rogaco 6
daramagem do uns carvalhos, a pastora, sentada1 lempo choraras, amante ehristao
borda de um regalo, que feria ser um braco da ca te ha de 1
ribetea das Varna, a qual por ali ^ infiltra na
Ella, porm, despeitada do laconismo do sugeito,
ficou dizendo de si para si: Parece- atolambado
o homem! Vae-se assim embora. som dizer isto
nem aquillo!
D'ali a pouco, voltou o'mal encarado pergunta.
dor, e disse :
Faz-me o favor de me dizer como hei de cu
encontrar o soldado que encontrou Balbina !
Eu sei l, senhor! S se a familia delle sou-
ber onde para o regiment.
Indague-mo o que poder saber tornou o
sugeito, lanzando ao regaco da mulher alguns cru-
zados botos. Ahi tem pelo seu trabalho, e outro
tanto lhe darei pelo seu segredo. Nao diga que
fallou comigo nem as perguntas que lhe fiz.
Articulou a mulher urnas palavras de assombro
e alegra, e sahiu a executar discretamente o en-
cargo.
Deteve-se pouco, e voltou afirmando que o Jos
Torto estava em Valenca, na 3' eompanhia do re-
giment.
O generoso remunerador da noticia despediu-se,
prometiendo redobrar-lhe a paga do segredo.
A mulher, assim que o homem sahiu, poz as mos
diante de uma imagem do Senhor de Mattosinhos,
e disse: O' meu pae do cu, fazoi que ou nao di-
ga nada do que se passou I
A sincera creatura entenda que, s ajudada por
Deus, poderia calar-se! E fez-se o milagro I
II
Este homem, que assim se empenua em descu-
brir Balbina, quer o leitor saber quem , d'onde
vem, e que tem elle que ver com a pastora da ser-
ra do Laboreiro.
Chama-so este homem Joao Moreira, e vem do
Brasil, para onde foi menino. E' natural de Espo-
sende, e irmo da defunta Serafina da Tenda, tio,
portanto, de Balbina Rosa.
Havia sabido da trra natal cincuenta annos an-
tes. Escreveu aos paes alguns annos. Depois,
morreram os paes, elle casou, trabalhou, enrique-
ceu para os fllhos, e esqueceu-se da patria e da ir-
maa, que deixra. Serafina julgava-o morlo, eos
seu patricios esqueceram-no.
aridez d'aquellos algares.
E' olla mesma !disse o Jos Torio.
Fique voss aquiocdenou o brasileire.
Joao Moreira accercou-se do Balbina, que, ao
v-lo. se erguera surprokendida e timorata,
Bons dias, meninadisse o irmis de Sera-
fina.
Deas lhe d os mesmosbalbueiou a pao-
tora.
Venho husca-ta.
Buseav-nie ?! exelamou apavorada a moca,
relanceando os olhos como quem procurava soc-
corro.
Parece, tornou Joao Moreira, que a minha
velhice 6 bastante para que a moca me nao tema.
Se qur quem lhe aecuda, est ali o nosso patri-
cio Jos Torto. Nao o v acola ?
Balbina reparou, e disse :
O Sr. de Esposende !
Sou.
Nunca o vi: elle sei quo ; mas o Sr...
Sou de Esposende, sou irmao de Serafina,
sou tio de Balbina.
A rapariga deixou cahir o fiizo da mao, c abriu
a bocea, tingindo-se de um escarate procursor da
perda dos sentidos.
O brasileiro proseguiu:
E' teu tio que te procura. Nao tenhas pejo
de mim, nem remorso da tua desgraca. Tua me
j deve ter-le perdoado. Beija a mo de teu tio.
c o suicidio nun-
facho civihsador
nunca te mostrar o boqueirao da caverna onde se
ahysmam os covardes !
Ella la vae '.... .Se alguma vez a vires, liras
comtigo :
Pareca-so com esta fidalga urna pastorinha
que eu amei, e ainda agora amo, as minhas sorras
do Laboreiro!
ni
Joe Moreira, comprou SSM no Porto, e esrabo-
leceti aqui sua residencia.
D. Balbina Bo*i Moreira tinha criadas, qpe mal
a eonheciam, carruagem em que nunca sata, e ri-
cos vestidos que nem soquei examinava.
O tio passava em conversaco com ella o maior
numero das horas, bem que a historia da sua des-
graca qu ouv-la uma s vez.
Tira-la da solido do seu quarto, fazc-la erguer
mao da costura, leva-la a theatros o rccreac;es
que nunca vingra. Balbina com a branda defeza
das lagrimas, alm de vencer, acareava mais o
amor do velho.
Joao Moreira, passado o primeiro moz de con-
vivencia com a sobrinha, sahio do Porto a Vianna,
c por l se deteve alguns dias. Regressou casa,
e novamente digressou ao Minho.
Estas sorlidas entendem com o nosso cont.
sem esclarecer a>gobrinha.
Balbina tica no Porto, e Moreira vae a Pirfhatd.
Ali v' Gastao, que se est aquecendo a orna
restea deso na eir de um lavrador. O infeliz
veste nm capote desbolado de baeto, caira nns
sapatos fendidos e desolados; e ampara entre as
rilaos o posto cadaveroso quasr escondida as- bar-
bas e cabellos brancos, entonsos-, e esqualidos.
Beconhece o brasileiro, levanta-se, e diz
J me nao conbeco Sr. Moneira?
Confiero : ji Sr. Gastao.
Cheguei a esta desgraca : vivo de esmela.
Pois, quando ti ver fome, va la ao feitor qae
lhe d de eemer.
Bem bata.
E um quarto onde dormir.
Seja por alma de seas obrigaeoes, Sr. Morara.
Sua malber, que feto della *
Nao ser, senhor.
J se v que lhe nao faz be nenhum....
Escrcvi-lhe, nunca me respondeu Disse-
ram-mc que estava quasi to desgracada como
m. Os irmaos gaslaram-lhe tudo.- A doacae-, qH&
eu lhe fiz, est vendida Tudo va cono vem. Deus
para todos. Eu cstou a penar os meus- peeca-
dos : ella lia do penar os dola.
Entae^ o senhor tom grandes peecadosT'
Pois, je os nao tivesse, eu ehegava a istoT.r
Ainda.bem que aconsciensiadocrimolhe-da
(orea liara a exniaco. Adcus. Ja.lhe disse: quan-
do quizer, v la para a casa. Ter que comer, e
uma cama.
Joao Moreira retiroit a imV>, que o mengo lhe
quera henar, e voltea ao Porte.-
Dias depois. disse sobrinha que haviam, de ir
ao Minho ver uma quinta comprada paro o passa-
dio do vero.
Sahiram a horas calculada por caminaos trans-
versos para entrama de noufe em Pinhatel:
Balbina, reconhecondo o looal. exelamou
Onde estamos- nos, ineu tio ?!
Na quinta que comproi;
Oh meu Deu*! esla quinta........
Bem sei o que queres dizer, minha,sobri-
nha....... Na te alvoroees....... Estas em
casa de leu tio. O anlipo obrador dosla isa so
por esmola podtr entes; nella.
E Balbina. com justo assombro Jo lio, rompou
em pranto dcaeilo.
Joao Moreira disse entre si: E imposstvet quo
olla ainda tenha alma capaz de cempaixac. de ta-
manho infame!
Gastao de Mendonea.dorma num quarto ordi-
nario da casa, junt das cvallaricas. quando o
Irasileiro esmolor ontrn.
Balbina, vista da saleta, onde fora o seu quar-
to. expoditi um grito, o dosfallcceu. O to conlioii
da criada o. levar sua sobrinha cama, e passou
urna mielissima noute. A presumpeo de que
ella ainda o auiava, horiorisava-o, e embraye-
cia-o. *
Que indigna mulher!' murmurava elle.
Ao romper da manha, a criada rhamoa Joao
Moreira, e disse-lhe andadamente que a menina o
esnerava na sala.
Foi o velho onde a sobrinha o esperava de
joelhos.
Tkre-me ja d'aqui. meu tio. senik morro
clamou ella, abracando-llie os joelhos.
Morros ?!... de qu ?... de vergonha ?.. .
disse elle um tanto severo.
De vergonlia c de remorsos!.....replicn
ella, erguendo-se e refugindo para a sua alcava.
Horas depois, Joao Moreira rhaiuou a sobnSta, e
disse-lhe braudaraente:
Vamos embora noute. Giba.
Balbina oseulou-lhe a fronte com expansiva
alegra. ..
Mas.....tornou elle-nao estejas mottida
no teu quarto. Vom un jxuquinho janella que
osla toara a cra.
Balbiaa foi.
Abriu o tio a janella, o eslendeudo o braco fora,
disse-lhe :
Olha, Balbina.
Que ! -disse ella, encarando em Gastao
os nymnos sagrados.
Um dia, o piopnetaro do hotei pt igiisSssi *
brasileiro se elle qncrera comprar um rieo pasr-
ingles do uma senHera. sua hrispeda, qae se reti-
ra va.
Joao Moreira disse que nao preeisava. e Balfa
na indagou se a kespeda ora a sjae ftsava *>
noute.
A' alnuat i va resposta ajuntMi o soiliesBsisr a
venda do piano que a senhora, % seo ver. ara ka-
feliz ; per quanto viera ter sua rasa, dous sasaes
antes, etu compauhta do marido, ou qne tal dbam
ser ; e qv depois o sujeilo desapparrera. e Ib
cra sem dinheiro, vendondo ziganas jasas s>
pouco valor; c agora, para se ir para a prc* rucia
sa desfazia do piano.
D'eade c ella m<|uiriu iisirabHtujante'
brasileiso.
Acho que do lorio, ou ikssos sitios. Vis*
que V. S-J nao quer, vou ver ?e algum asmases?
me fica ooea elle ao desbarato.
Meu tio dissfc Balbina cmu assrviosidfedr
Queres que en compre o piano ?...
Quera... Se ella assim infeliz.
Pois bem : quanto quer ella *
Vou saber, disse o estalajadetro.
Volvsu o hornera, pedindo- rinroenU. libras. 1
afflrmando que a vendedora perda s,.sses>ia.
Coilada I mormurou Baftina.
Venba V. S. examina-I^ rtmiimieu o agra*
Vamos l, disse o brasiioirc. ven* Su tasases
Balbina. Tan 10 calendes Jet romo eu te pianos
mas levar o dinlieim iniilter. V indo o srnte-
q^ie lavamos, aetesronlou kn Moreira. n-aV*
Estas sorlidas cntcnacm com o no^eo,,w ^-^ q^/sentado ^ banCo de podra.
Planeou o velho uma traca de vinganca ineru- ,omava 0 ^ H
cnta sobre o descaroado deshonrador de sua so
brinha.
Na urdidiua da trama que elle anda.
Informou-se, e soube que o morgado de Pinhatel
est hypothecando as suas propriedades, restantes
Serafina alguraas vezes te fallara do irmo ingra-. da oaejo, que a consorte divorciada judicialmente
to ou morlo. Veiu hora que a Providencia divi-! ievantou.
na ordenou. Venho buscar-te, Balbina. D'aqui | Vac pr0priamente Joao Moreira a casa do
irei a teu amo; elle mandar novo pastor So seu morgado, e propoe-lhe a venda de seu casal
rebanho, e tu nao voltars a casa delle. | por um quinto superior louvacao. Por outra
Balbina ouvia; mas, querendo fallar, senta a pane, obrigando-se ao pagamento das dividas, ns-
lingua soldada ao cu da bocea. liga os credores particulares e as irmandades a
Entao, minha sobrinha, responde : quem demandarem-n'o. Gastao de Mendonea, deliberado
teu amo ?volvou o brasileiro. a sahir da patria, e ir longo acabar em obscura
A moca disse o nome do dono do rebanho, e miseria, assigna a total alienacao dos bens, e em-1
perroaneeou no spasmo. bolea uns doze mil crusados, pagas as dividas pelo
Ensina-me o caminho mais pertoinstou o comprador,
to.
Ali tens o seductor. Ests vingada! E
aquelle velho mendigo, que ceiou o dormiu no
piarlo onde se deitava o seu lacaio. Ali tens
Gastao de Mendonea! .
Balbina levou ambas as maos ao rosto, desaba-
fou um como grito de quem o oxpode da garganta
com a alma, e eahiu no sobrado em todo o peso e
desamparo,
IV
Nao cifrava nisto a intencional vinganca de Joao
Moreira. Aguarentou-lh'a a sensibilidade da so-
brinha, o, por ventura, a invisivel mo do anjo da
caridado.
Dcsenhava o velho levar Balbina diante do indi-
gente, apontar-lh'a como senhora daquella casa, e
obriga-lo a agradecer-lhc a ella a esmola do pao c
I da enxerga. Seria isto ptimo relancp de drama-
A pastora deu alguns passos at assomar ao al-
to d'um teso, d'onde se avistava o logarejo, e dis-
se :
Aqui por este fojo abaixo vae mais depres-
sa.
Diz adeus as tuas cabrinhas, que eu volto em
j, filhaE, acenando ao guia, desceran) aldeia, Ap pn
guindose pelo trilho dos rebanhos.
Corrou assim grande parte do dialogo entre o
brasileiro e o lavrador :
Ha quanto tempo sua creada a moca que
Vmc. diz chamar-se Francisca ?
Ha quatro annos o tres mezes.
Tem sido boa serva ?
Como nao lia outra em todo o Laboreiro; mas
eu nao sei d'onde ella .
Nem eu l'ho pergunto, amigo. A sua creada
deixou de o ser. Vae retirar-se comigo. Mande
Vmc. tomar eonta do seu gado.
Pois ella vae ?! E Vmc. quem ?
-Sou o legitimo dono d'aquella rapariga.
Dono? e ella qur Ir? 1...E' o que vamos sa-
Salie Joao Moreira que Mendonea intenta sahir
do Portugal. Dolorosa contrariedado que lhe
frustra o plano Mal sabe elle que a Provi-
dencia collabora tambem na vinganca exemplar
e justa!
Gastao vae para Lisboa, J e Joao Moreira
a Jos Torto a eitorsaco do seu casal
de Pinhatel, obtida a baixa. Balbina Bosa tudo
ignora.
0 chamado ainda morgado est em Lisboa pen-
sando no destino mais conducente ao seu Gm, que
morrer ignorado, e raciocina cabalmente que
Lisboa excellentc sitio para morrer ignorado
quem morre pobre. Rosolve, pois, ficar, c con-
soldoramente planea t-uicidar-se, exhaurido o pe-
culio.
Doze mil crusados abrern-lhe a porta a mui-
tos praeres bons para aturdir-se, bestificar-se, e
morrer insensitivamente. Calcula viver assim dous
annos, e deixar apenas a pistola com que abrir
negro, meto-drama chamado entre nos, onde se
falla muito o grego. Dizem os adversarios desta
feicao theatral que o nielo-drama est fura da ver-
dade e da natureza : asserto falso. Pois aquello
Joao Moreira, sugeito sobremodo Iliterato, avisa-
do inimigo da leitura, que era senao genuina e pu-
ra natureza ? Se o melo-drama fosse uma arte de
paixoes suppositicias, o brasileiro nao pensava tao
de espaco e framente um desenlace, que devia ser
assas espectaculoso.
Na noute daquelle dia, Moreira e a sobrinha vol-
taram ao Porto; o, d'ahi a breve tempo. recome-
caram a viajar na Europa.
Balbina, a pezar do velho, estava sempre reco-
lhida em apathica introversao, sahindo raro de si
para simular prazer com a satisfcelo do lio. O
viajar ora-lhe j penade corpo e alma. A pallidez
macerada, com que descera do agro Laboreiro as
molles delicias d'um palacete, era ainda a mesma,
senao aggravada por maiores tristezas initimas.
Emquanto pastora, ignorava o casamento de Gastao
. de Mendon;a. Que esperava ella dc Gastao sol-
na cabeca uma brecha oportuna alma, cuja exis-
tencia lhe , de foro parto, a raats iroceitavel das teiro ? Deus sabe o que esperava a candida alma
existencias. Ida pobrezinha.
tinde.
E disse sobradla :
U piano nao nos serve de uaate. mnitima. &
o rorarao te clrtser que a mulher digna de lasti-
ma, offereee-lh'o, o deixa-lhe o piano, dupni^qvo
der cineoeoia libras.
Balbina. do contonto, baleu as palmas, e as ca-
limas deu-as na face do velho. mistura com un
leijo.
Sahiram 1 corredor commtim para ornte icsk
oquarlo da vendedora do puno. Pediu ferrara
brasileiro, e viu a senhora. qur - ergttesa a rear
b-lo.
Joao Moreira filou-a rom eslembo oiaar, scjsmi
na entrada, e. como qu*in vae por vistear
cnlrou,
D. Balbina cor kjjoh a dama, sean reparas a sssa-
blante demudado do lio.
Aqui esto piano qne se vende, disse ao-
pedeiro, que ia direito ao amago dos negocias.
J sei, responden o brasileiro. pode o sesaV
sahir que cu ca fleo para contratar.
E, na ausencia do dono da casa. JS M>->
rontinuou :
A senhora do l'ori... esasasm
Sou do Porto. V. S. coaaeet>->- *
Pens que sim. E' irm-ia dos Srs. L-iiev Mas
carenhas.
Juslanwnle. Eu lambem rrw. que j;, j ga>
senhora no Porto....
E possivol. Ouvi dizer (|ue V. F..
com seu marido para Lisboa-.. Sr bem
a senhora. ha cinco anno. que se divwrcissj de sen
marido. Congrararam-se isfcss *
Nao, sonhot. Eu esssa anda riarada
meu marido.
Ah s;m Onde est elle, -abe ?
Creio (|iH' est em sna rasa. Oaitefe-o *
So oqne ou eaaatra, >< marido aa Sss>
casa nenhuma. minha seiiiora. ^
E' que a dissqiourospcodi'U a dssas,
Di/, bem, minha svasairs -. dis!iona-a. f. V
Exc. que fim deu doaco I ItescaSpe a atsav
monto da pcrgunla.
Gastaram-in'a meo irmaos.
esta pobre, portanto. con s^o marido
Estou mais desgracada que rile persa* saa
mullier....
Est. poi*.claronuea sua vaaria alisa**..
A minha viuda a Lisboa o rraaaaj das mm
infortunios.... mas quer V. S. rumorar-iar o siaa>
sim ?... o resto sao desgraeas, qne nao nstetnaa
a ninguom.
Eo tanto assim: miaba sooraaaa casM
padecida, e pocter ser-lhe mil
E, voltando-se para Balbina, di.-aV
Queres acuilii i desgracada ifsJii da e-
posa dc Gastao de Mendoora 7 Aqai a teas
Balbina levantou-se im|>etnosasaRate. r rrSror.
deu para o corredor, s-m consciessria d sa*>
ment que fazia.
D. Perpetua, des|ierrebida do toare,
tupefacta o sorriso do brasileiro. r '
nossyltabos interrogatorios. Joao
notavel serenidade. rontava rian
depoz sobre o teclado do piano, di
Aquella menina d o alimento r m a sen
marido, minha senhora *te Hto boa para a a>
mem nue a sedoziu e alandonoa, nsesasr deva su
para V. Exc. que nenhnnf mal lhe tea. Ganada a-
cincenla libras c o piano.
Joao Moreira foi encontrar a sobrinha rasa a ca-
beca entre os trave-seirinhos do teo para
os gritos. Achegon do ueilo a face daba,
lhe o rosto lavado de lagrimas, e aoja
aneias com silenciosas caricias.
D'ahi a momentos. 1. Perpeasa
mente no quarto do brasileiro, e cas
de afflicco, exelamou : _____
En nao tenho culpa da saa di ag aya,
senhora. Emquanto
se elle amou alguem
nao me constouque
outra senhora. Soube que elle Uvera
rapariga do pove, qae se toaeoaa
crime est tranquilto a nwaaaj
vete lhe reprovei a acta*J*)-*5
airdelu;porm,Gs*ldaata, 1
deitasse estar em ff*j.5 '_ s
ella. ABis^sfraeaaaaajar-
Aquelle homem Mnha cniHb,:
pagando.-..
-
viv com asea saariaa, ssasr.
eslivesM obrifaaa a ataanaa
PERNAMBUCO.-TTP. DE H F. f. 4