Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10161


This item is only available as the following downloads:


Full Text
'" f'T't '
~^r


rjr
"!.



URO XXXIX HIEBO 181.
-^i
Por tres mezes adiantados 5S000
Por I rea meies vencidos'... 6
SECORDA FEIRA 10 DE AGOSTO DE 1863.
Por anno adiantado-. ... 19$00
Porte franco para o aetecriptoi*.
1
DIARIO DE PERNAMBUCO.
EN'CARREGADOS DA SrBSCRIPCO NO NORTE
' Parahyba, o Sr. "Antonio Alexandrino de Lima
Natal, Sr. Antomb Marques da Silva; Aneare, o
Sr. A. de Lenios Braga: Cear, o Sr. J. Jos de
Olivara; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pmheiro & C; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SIBSCRIPCAO NO SUL
Alagas. o Sr. Claudno Falrao Dias; Baha, o
Sr. Jos Martins Alvos- Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins V Gaspario.
PARTIDA DOS. ESTAFETAS.
Olinda, Cabe e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyaana e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruaru',
AJtinho e Garanhuns as tercas reiras.
Pao d'Alho, Nazare*. LimocHo'. Brejo, Pesqucra,
Ingazeira, Flores; Villa Bella, Tacaratu'. Ca/rob,
Boa \ ista, Ouricury e Exu' as quartas miras.
Scrmhaem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta "Pimenteiras as quintas feiras.
Una de Femando Codas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao >/ da.____________
EPHEMER1DES DO MEZ DE JVLHO.
6 Quarto ming. as 6 h., 40 m. e 14 s. da m.
14 La nova as 10 h., 37 m. e 44 s. da m.
22 Quarto cresc. as 2 h., 54 m. e 3 s. da m.
28 La cheia as 5 h., 19 m. e 56 s. da t.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 0 horas e 30 minutos da tarde.
Segunda as 0 horas e 54 minutos da manhaa.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEMOS.
n., S11,.at!- Alagas a 5 e Sf para o norte at
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
0 Vt da m.; de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao as 6V* da ni.; do Caxang e Varzea s 7
da m.; de Henifica s 8 da ra.
Do Recife : para o Apipucos s 3 .5, o 74. 5 J/2 e 6 da tarde; para Olinda u 7 da
manhaa e 4 1/2 da larde; para Jaboatao s 4 da tar-
de i para Cachang e Varzea s 4/ da tarde; para
emboa as 4 da tarde.
PARTE OFFICIAL.
MINISTERIO DA l\/IMU.
Rflatorie de aristerie da blenda, que deva ser
presentada i assembla geral legislativa pela
respectivo ministro o Eim. Sr. laaronez ir
Airantes.
(Continuacaoj
RENDAS PUBLICAS-
O quadro n. 86 demonstra o progresso annual
?Ure?u fo^ arr,>ca(,adas nos exercicios de
184748 a 186162, l>em como a comparaeao
successiva de uns coin outros exercicios; ode'n.
87 mostra a importancia das arrecadadas pelas pro-
vincias no quinquennio de 1857-58 a 186162; c
o de n. 88 aprsente o resultado das eomparacoes
dos tres quinquenios que comprehende aquelle pe-
ridodo, e finalmente o da arrecadaco elTectuada
no semestre de 186263.
O resultado numrico das eomparacoes das ren-
das arrecadadas nos periodos citados o seguintc :
Do Io com o 2 quinquennio.
7.572:5585787
7.572:5585787
1.518:2285959
384:4035238
292:2555241
Suecia e Noruega.
Chile .
Dinamarca. .
Bolla mi a .
Russia ....
232:1145
175:7925
114:1765
53:1435
22:0355
Outras procedencias
488:8635
Juizodo commercio: segundas s 11 hora.
Dito^e orphos: tercas e se\tas s 10 horas.
Primeira vara do cvel : tercas e sextas ao meie
dia.
Segunda" vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
i 10.008; 2785
Comparada esta importar com a do anno de
186061, verifica-se o seguinte esultado:
! Importaco .
Exportacao. .
S&.*
nicipio ....
Extraordinario. .
Diminuio no despacho mari-
timo.........
Accrescimo resultante. .
10.335:3105253
323:8235217
10.211:4875036
Do 2 com o 3o quinquennio.
Importaco. 3.889:1215529
Augmento
Despacho marti-
mo......
Exportacao. .
Interior ....
Peculiares do mu-
nicipio. .
Extraordinaria .
Augmento total
46:8555517
2.039:3065433
2.728:6915308
60&3S55937
275:57:15919
9.584:9045843
V-se, pois, que o crscimento medio das ren-
das ordinarias e extraordinarias no 2 .sobre o 1-
quinquennio foi 32.99 /, ou termo medio annual
de 8.24 %.
O progresso das mesmas rendas verificado da
comparaeao do 3o com 2" quinquennio foi de
24,6 / que equivale a um augmento annual na
razao;de 6,15/:
Procedendo-se comparaeao numrica das ren-
das arrecadadas no 1* semestre -de 18611864
com as do Io semestre de 18641863 se obtem o
resultado seguinte, para menos :
lmportacao 2.422:9205679
D e s p a e ho
martimo 4:0205056
Interior 261:8585662
P e c u liares
do municip. 53:7775802
Extraordin 19:1945466
Gra-Bretanha e possessoes......
Franca e possessoes............
Estados-Unidos................
Portugal e possessoes...........
Bio d Prata..................
Cidades Hanseaticas............
Blgica.........".............
Hespanha e possessoes..."...."...
Pobos nao especificados ........
Estados austracos...............
Estados sardos ................
Porios do imperio................
Suecia e Noruega.................
Chile.............................
Dinamarca......................
Hollanda..........................
Russia..........................
1860-1861
61,019
20,783
11,591:
7,149:
6,889
5,857
2,203
1,931
1,634
849
558
529
304
126
72
56
18
0035
3805
1965
5945
:8255
:4165
:7085
3775
:3275
:0665
09(5
9065
5515
:9265
:8655
7285
7775
--
1861-181
57,054:6395
17,890:8435
7,162:8585
6,328:9465
8,143:7165
6,076:1095
1,781:7805
2,372:4675
488:8635
630:1625
723:8955
756:7405
232:1145
175:7925
114:1765
53:14:15
22:0355
_.ACAO DE 1861 A 62
COM 1860 A 1861.
MAIS.
1,253:8645
218:69:15
441:0905
165:8045
226:8345
''48:8665
41:3115
,'' '3:2585
121,591:7655 110,008:2785 2,399:7205 13,983:2075
MENOS.
3,964:3645
2,892:5375
4131:3405
830:6485
423:0285
1,145:4645
218:9045
72:4375
3:5865
superior em otllcio de 4 do cor-
mniandate
rente.
Dito ao mesmo.Tomando em consderacao o
que expoz o brigadeiro commandante das armas
em offlcio de 6 de julho ultimo, sob n. 1196, re-
eoinmendo V. S. que mande pagar nos devidos
tempos e sob minha responsabilidade nos termos
do decreto n. 2884 do i' de fevereiro do anno pr-
ximo passado, as prestacoes de engajamento e vo-
luntario as 'iracas dos corpos e companhias de
primeira linha existentes nesta provincia at ulte-
rior deliberacao do governo imperial, a quem offl-
coa este respeito, visto nao-se ter votado crdito!
para este fim noexereeio corrente.Coinmuni-
cou-se-ao brigadeiro commandante das armas.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Com o oftlcio que V. S. me dirigi hontem. sob n.
3/4. recebi copias dos termos de arrematado do
imposto de 25500 res, norcabeca de gado vaceum
consumido, impostos a cargo das collectorias, e 20
por cento sobre a agurdente tambem consumida
as comarcas da Boa-Vista, Tacaratd e Cabrob.
Dito ao mesmo.Mande V. S. pagar a Manoel
Jos de Oliveira, conforme soliciton o Dr. chefe de
polica em oftlcio de hontem, sob n. 1203, a quan-
tia de 725000 despendida nos mezes de junno e
julho ltimos, com o sustento dos presos |x>bres da
cadeia da Escada como se v das duas contas jun-
tas euma vez que nao haja inconveniente.Com-
municou-se ao Dr. chefe de polica.
Wto ao mesmo.Becebi os oficios de hontem,
DLAS DA SEMANA.
'*! Segunda. S-. Lwi renco liac. nt
11. Tejiw SsvTibHrciuSuzana mm.
"t. Guara. S. tiara v. f.; S. Animo m.
13. Quinta. Ss. Ihpolitoo Cissianoniui
I*.: Sexta. S.-Kuzebi". presli.; S. Demrtn-
1* Sabbdo. ^{3 Assumpcao de Y Sentara.
16.- Domingo. S. Joaquim' |ac de N. Senlior;*
ASSIiNA-SE
no-Recife. em a livraria da praca d-t Inlryci 1
n& 6 e 8. dos pniprietarids Mam el Figunroo *
Faria & Fflho.
reguezia (le Pau d'Allio,-Sendu.a fiel observancia
das lomudas e disjiosicoes da le pelas mesas pa-
rochiaes e no modo de sua organisaco urna das
mais sohda^garantias da fiberdade do voto, C da
ordem publica, por isso que as suas infraceOcs cou-
tra a mesraa le dao em resultado o falseamento
completo da eleicao e provocara de ordinario con-
flictos desagradaveis e perigosos, entend conve-
niente, no empenho em que estou de empregar
todos os meioslegaes de conseguir-sc a mawr cal-
ma e regulandade na eleicao desse colleglo, re-
metter a Vincs. os dous nmeros juntos do Jornal
do Recife) onde se acham. publicados varios offleios
que ltimamente dirig ao juizde paz mais' votado
dessa freguezia c ao Dr. jiiiz de direito da comar-
ca, para que Vmcs. tendo conhecimento das recom-
mendaeoes por mim ah feitas. e que sao as da le.
procure pautar por ellas oseu procedimento em re'-
lacao aos eleitores que devam tomar parte na or-
ganisiicao da refer Chamo toda a rellexao- de Vmcs. |>ara este as- i
sumpto. que da maior importancia, e no qual
qualquer abuso ou violencia pode ter consequen-
* cas deplora veis, mie-a-Vmes. cumprc acautehir
corao cidados prudentes, amantes da ordem, e
que devem comprehender a necessidade de cutn-
prir dignamente a missao que Ihes foi confiada
pelos suffragios de- seus concidadaos.
E' sera duvda da competencia de Vmcs. resol-
verem quaes daquoiles eleitores dessa parrhia
devem ou nao s*t admittidos aos trabalhos da re-
Dividida pelas provincias a
cao v-se que
Ao Rio de Janeiro tocou..
A Baha...............
A Pernambuco.........
Ao Maranhao...........
Ao Para...............
Ao Rio Grande do Sul...
AS. Paulo.....,......
Ao Paran............
A Parahyba...........
. Ao Cear..............
A Santa Catharina......
A Alagas.............
A Sergipe.............
Ao Espirito Santo......
Ao Bio Grande' do Norte.
Ao Piauhy.............
A Mato-Grosso.........
mencionada importa-
.. 58,222:8345
., 17,383:0005
.. 17,340:8435
3,619:3935
3,263:4705
. 6,416:7615
1.777:2045
84:0205
37:0065
.. 1,016:6745
213:2415
77:3015
47:6125
1:9895
34:5045
257:0255
213:4015
Augmentou na exportacao .
Decrescimento iota I
2.761:7715665
88:3715039
2.673:4005626
O lisongeiro progresso das rendas publicas, que
se deduz das eomparacoes anteriores, parece ter
tocado a seu termo, porquanto da comparaeao do
ultimo semestre resulta o decrescimento acima'de-
monslrado, o qual igual a tuna dimnueao de rc-
reita na razao de 11,1 "/
Esta diminui(ao das rendas tem causas apreca-
veis, ainda que latentes, as quaes parerem tempo-
rarias, liem comauue ja produziram os seus mxi-
mos efleilos, pelo que bem de prever que as ren-
das nacionaes entrera outra vez as vas do ante-
rior progresso.
Das demonstracGes que alaiv se seguem v-se
que as nossas relaeoes commerciaes exteriores
lein-se em muito relrahido, porquanto, obseivan-
do-se o quadro n. 89, se reconhece que, tendo ido
era progrssivo augmento os valores importados
desde 185615.37 at 18601861. haixarain muito
no exercico de 1861 -1862.
Coraprando-se os valores medios das Importa-
eoes e Exporta<;cs-dos tres quioqueonios com-
prehendidos nos exercicios de 18461861, se che-
ga ao resultado seguinte :
One no 2o quinquennio houve um augmento ot-
, dio de importaco sobre o 1 de 30.63:0605000,
ou de 52,7 % ; e na exportacao tambem se reali-
sou um accrescimo de valores de 21554:5765 ou
.de 38,9 7- .
Que no > quinquennio houve m medio pro.
gresso de valores na importaco sobre o 2o de -
34.727:8675 ou de 39.1 /; e em relacao aos va-
lores de exportacao observa-se o accrescimo de ..
30.303:0075 ou de 37.6%.
Apresentam,. pois, asImportacoes e =Expor-
tacoes medias do 3a quinquennio, comparadas
oom as do 1". un progresso medio na razao de
112,4 / para a importaco- ; e na do 91,3 %
para a exportacao.
Comparando, prm, o valor da importarlo me-
dia do 3* quinquennio com a do exercicio de 1861
- 1862, se reconhece urna diminuico de valores
de 13.521:8465 ou de 10,9 /; e augmento nos va-
lores dos productos exportados de 10.049:9335. ou
de 9,07-A-
Os resumos das respectivas tabellas que se se-
guem demonstram melhor que as palavras as con-
clusdes, que acabo de apresentar-vos, restando-nie
apenas accrescentar qi a diminuico de nossas
transaccoes parece 1er por principal origem a per-
plexidade era que se conservam os diversos merca-
dos de Europa, devida s commococs que os tm
abalado, e influencia que a conflagracao dos Es-
tados-'.* nidos Norte-Americanos exerec sobre nos.
Importaco. 0 valor das transaccoes.do com-
mercio de impoita^o foi no "anno de 18611862,
segundo os dados oflieiaes existentes no thesouro,
de 110, 008:2785. inferior ao de 1860-1861
11.583:4875, ou de 9,32 / e menor que o do ter-
mo medio dos annos de 1836 57 a 1860 1861.
,3.521:846, eu 10,94/..
Esta importaco procedeu, as proporcoes abai-
Rio da Prata....... 8,143:7165
Estados-Unidos...... 7 162:8585
Portugal e possessoes..... 6,328:9465
Cidades Hanseaticas ..... 6.076:1095
Hespanha e possessoes 2 372:4675
lielgira...... L78L7805
Portos do imperio. 7567405
Estados sardos..... J238955
Estados austraco*. 6301624
110,008:2785
Exportacao.O movimento de exportacao dos g-
neros de produccao e manufactura nacional foi no
anno de 186162 de 120.804:6645000. menor que
o de 186061, 2,366:4995000 ou 1,92 o/0. Feita
igual comparaeao com o do termo medio dos cinco
annos anteriores, foi o augmento de 10.049:9355,
ou 9.07 o/0 (quadro n. 91).
Cada urna provincia concorreu para esta expor-
tacao na seguinte proporcao (quadro n. 92) :
Rio de Janeiro.. 57,845:0115
Baha........... 16,791:1015
Pernambuco..... 12,339:8595
Maranhao....... 2,757:9125
Para............ 4,604:1375
S.Pedro do Sul.. 7,529:4155
S. Paulo........ 8.549:3695
la villa, demorn o-Dr. Gu-i ivo. para qw este -
coN-csse os accomluettid*, de semdtunte Aagello
Pelo delegado de Buique foi prr> Joanritu
Jos.'-Ferreirr-condecido pur PrndS. que se n
dir do poder de um culta que C9wKizia-o yzn, .,
eadea de 6aranbiHK>
Na enfermar"*da casa de detenro rallereo 1
escravo Manoeh doitMpriedadede Afoaio liov
tihaves Ferrena Pmo-de Pi> d'A.'tey ai prmoarH
entativa de mortV.
No termo de Goiaaaa foi eap.ura*>, pHo re-
pectvo delegado, Praacisco Marinho dr* Saa*~
por ter ha. pomo teiapo assasstaado- sua proari
nulher- *
Hontem .eoiatcou o prcessr, eleiloral aas Ji
versas li-eguezia-da capital, ca);, nteas ftV.-,
assiin compostas: *
Suato Antn/'.
Presidente.Dr. A. Kpaminomlas.de MeOo.
Mesarios.Francisco Xavier P-,reira rMto
Jos Praacisco ("ame;.
Dr. Fraacisco de Araujo Barro*
Dr. Angelo Menriqrc*da Sit% .
SL Joxr.
Presidente.Jc* Antonio Pito.
Mesara.-.Juoda Silveira I^sbo.
Enbo A. do Reg Caznn*a
Joaqnim I, dos S*alos Bcbt. a
JoaoS. daFoncccu Vello-i.
Boa-lita.
OOliu
Dito ao director do arsenal de guerra.Porcon-
ta do fardamento do corrente anno, mande V. S.
fornecer aos batalhes 4 de artilharia ap, 2 e 9
de infantarae companhias a vulsasde cavaHaria e
artfices, como solicitou o brigadeiro commandante
dasarmas.emofflciode3 do corrente. qsartigos
mencionados nos inclushs pedidos, sendo o do 9o
batalho de infamara, urna segunda va do que
Paran.........
Parahyba.......
Cear...........
Santa Catharina..
Alagas.........
Sergipe .........
Rio Grande do N..
Piauhy..........
Mato-Grosso.....
1,052:0195
2.969:7415
2,032:1245
83:0385
3,011:4545
788:6885
197:3355
201:8395
51:6225
apresentou o respectivo commandante, em 16 de ] tor da thesouraria provincial
^,"l!!,T;~(*nim,,n'C0^"seabriga(,eil'0,,om' Juaill,a Francisca Seve Navarra-Satisfaga a,
exigencia da thesouraria de fazenda. constante da
toes \ei que o arbitrio que naquelle sentido a mes- Mesarios.-Luiz A. Goaaives Paoaa.
ma le Ibes attnbne tem nella propina regras e 4i-, Dr. Joaquim Jo*:- de tamou-
mites que a \ mes. nao e licito menospreiar, e cuja Manoel da S MeadracT Yum
inobservencia alera danullidade da eleicao pOde Antonio FreoiascTdw Saato* Lii,
trazor graves compromettranratos. Afauos ^^
Despachos do dia 6 de agosto de 1863. I Presidente. Tencnic:coroocl Joaquim do Htpv .
Reqwrimentos. Albuquerque.
Antonio Egydio da Silva.Informe o Sr, inspec- Mesarios. Professor Seraian Pereira da Silv .
Monteiro.
t"jpitao Manoel Gouveia de imut.
120.804:6645
.nXmiiarad0 esle rcsullado com o do anno de
18(0bl v-se o seguinte :
inforraaco por copia inclusa.
Luiz Ferreira Maciel Pinheiro.Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Manoel Jos da Silva Leite.Prove o suppcan-
te a identdade de pessoa do recruta que diz ser
seu escravo.
Virgilio Veira da Costa Pinto.Passe portara
Rio de Janeiro...............
Babia.......................
Pernambuco................
Maranhao...................
Para.......................
S. Pedro do Sul..............
S. Paulo....................
Paran .....................
Parahyba.........:.........
Cear.".....;................
Santa Catharina..............
Alagas.....................
Sergipe.....................
Bio Grande do Norte.........
Piauhv.....................
Mato Grosso............
18601861
79.083:7865
8.422:9865
7,444:5845
2,049:4845
5,341:3045
7,582:8835
6.486:0275
1,202:9835
2.030:7605
1.234:9845
142:3745
1,317:9695
222:0075
328:0745
198:8935
72:1135
123.171:1635
1861-1862
37.843:0115
16,791:1015
12.339:8595
2,757:9125
4.604:1375
7.519:4155
8.549:3695
1,052:0195
2,969:7415
2,032:1245
83:0385
3,011:4545
788:6885
197:3335
201:8395
31:6225
120.804:6045
DbVFERENCAS.
PARAMIS
8.368:1155
4.893:3235
708:4285
2,063:3425
'938:9815
777:9815
1,3:4855
366:6815
i
:9445
PARA MENOS
mandante das armas.
Dito ao presidente e membros do conselho mu-
nicipal de recurso de Ipojuca".Tenho presente o
oficio, que Vmcs. dirigiram-me, em lo de julho
prximo Ando, communirando que. na qualificagao
deste anno dos votantes d'aquella freguezia nao fo-
ram observadas as disposicoes do decreto n. 2865
de 21 dedezembro de 1861, que deu instruccoes
Sira a boa exoc-ucao do disposto nos artigos 26 e concedendo a licenca requerida.
/ da le regulamentar das eleicocs ; e era resposla __!_._
l^rnrl'^v lhS q-e 25 'al,a ? omissao a W.e' ^ seccao.-Palacio do governo de Pernambuco,
se referem \racs. nao pode invalidar uma qualiti-1 i dc ag0sl0 de jgKl.Iflm. Sr.Em resposta ao
Capota leit, por quanto facilitando aquellas ins- j 0fHeio que V. S. me dirRio em data de W do >r-
trueeoes os meios de defeza aos cidados, due fo- rente, cobrmdo copia de outro de 12do mesmo.
rem prejudicados em seus direiios, n:to os inhit* Cmque o commandante dobalalho da uarda na-
ife aprovcilarenvee dos competentes recursos qu*cjoaa^#*,-da-iWr>r^^
paroste mu a le tem cMabMeudo, quando pM*| Antonio rte Barras e Silva oim-ti-w #lo ,i. j...r
Major Jos Castao de Medevie.
Tenctitt Jesumo da Costa .ftaqn-i
u#e, Mello.
A 1 ni 1 anda de acaderjiea de Nossa S..naora *
Bom Conselho precedeu iumtem j eWtb do- r>
vos funccionarioo,4)aca e-annode 1864' 3 qnalrfr--
em resultado:
iaiz.
Dr. Joao Jos nerreira le Aginar.
Sceretario.
Joaquim torr-ia de Araujo Jnior,
Thesoure i.
Dr. A. Menruin.>>J
l'rocuradjfg^-
contemplados, indivduosque o nao nodiam V.K^rsto^tofZSTi
Kffl SBE La. !ci' cpia juKqne^r^,
737:1675
5;:4685-
150:9645
39:3365
130:7395
10:4915
'E*~ rtoriano Josie Mirawb
queixa-se do delegado 3. Livjao.de Macvdo Uaat.
Antonio Pires Ferreir J"r
de armamento per- o." Mauoetde Lomos Sor M.
seu conhe- Adjant.)-.
Dito ao juiz de paz da henala' aM d'Alho. I ^7m .'?*!' uo,t"e a,", respeito infor- Augusto dc Anuido Santos.
no ma o mesmo delegado, e da qual, claramente se v Joaqun; Ponlesle. Miranda
autoridade
em uma ta-
relorido coronel
r qualquer in-
1 Hlfl'L 3 m*ll O"lf"t.l*f**!* "
u> 18-i7"^biSo 22SL^iJ,a m d7'bT DeM P,,aru,' V" S-Mo SUetrale Souza.- Prancfeco Martins das Chagas. pardo. mdA>
!lL!^':a;b,,;i|,!o.,[nlJ>0rta um. efht,i0 dc Prc" i 8r. commandante superior da marda nacional de OUqda inca averkuacoe, pSie*
V onlwu do subdeUvdo do ib vie. Jiio Jw-ey*'
j 00 Peib^t Jotaak, blanco. jer dHMaa\ Maalata
'inihaaa da Hoclia I las, Inane os portoKanr-
Henrk|uc Mamede Lin de A
Altieo.Rodrigues Pntenla.
Repahti^o d\ polio i
Extracto da parte do dia vue jjt*,
Forom ammioi casa Je dte*
I .
V. ordeuido I Km. Sr. Da. enefe depurw. Pfed
20,014:4415 22,:i80:9405
Os paizes que consumiram os nossos productos
na importancia mencionada, foram :
Gr-Bretanha e possessoes. 57.672:6455470
Franca e possessoes....... 16,478:1695882
Estados-Unidos........... 15,052:3515267
Portugal e possessoes...... 6,486:2865472
Cidades Hanseaticas....... 5,837:1445535
Bio da Prata.............. 4,371:0955261
Dinamarca c possessoes----- 3,841:1595635
Hespanha e possessoes.... 2,736:3475450
Suecia e Norwega......... 2,747:1525721
Blgica.................. 1,345:8055818
Russia..................-. 747:1675650
Estados Sardos............ 653:7235816
Chile..................... 567:2165720
Costa d'Africa.............. 566:1305884
Austria.................. 334:1615400
Outros paizes............. 1.343:0935767
120.804:0645754
O quadro n. 93 mostra os precos medios, valores
c quantidades da exportacao no quiniiuennio de
1837-1862.
Totalidade da importaco e exportacao.O com-
mercio geral do imperio com os paizes estrangei-
ros comprehendendo as importacoes e exportaces
representados em valores offlciaes, foi de ris
230,812:9425000, menor que os do.anno anterior
(186061) 13,949:9865000 ou 5,7 ,', e ainda me-
nor que os do termo medio dos annos de 183661,
3,471:9115000, ou 1,48 o/^quadro n. 94).
Rcexportaco e baldeado.O movimento com-
mercial. desta natureza no anno de 186102 de
1,488:9985000. Comparado com o de 186061
aprsenla uma differenca para menos de 104:7095,
ou 6,57 %e com o terno medio dos annos de 1856
61 a de 957:3375000 para menos, ou 39,13 /o
(qnadro n. 96).
.Despachos com cartas de guia.Deu-se neste
ramo de commercio em 1861-62, cujo valor foi do
25,811:2715000, o augmento de 1.388:04350000 ou
5,68 % comparativamente com o dc 186001, e
0 de 85:0565000 011 0,33 % feita a mesma compa-
raeao com o valor do termo medio dos annos de
185661 (quadro n. 97).
Importaco nacional sujeita a V2 %O valor
dos gneros de produccao nacional transportados
de uns para outros posto's do imperio sujeitos a este
direilo de expediente foi no anno de 186162 de
17,809:8635000. Comparado o valor deste anno
com o de 186061. apparece um augmento de rs.
310:9305000, ou 1,77 %, c com o do termo medio
dos annos de 185661 o de 5,270:2925000, ou
42,03 /o (quadro n. 98).
Commercio do Rio da Prata.
ImportacoSegundo se v no quadro n. 99
nossas transaccoes com os estados da Prata aug-
mentarara ainda no anno de 186162, subindo a
8,144:7145, mais 984:1205000, ou 13,74 % que as
do anno de 186061, e mais ainda que as do ter-
mo medio de 185661 2,941:6525 ou 56,54%-
Exportacao.A exportacao no anno de 186162
foi de 4,371:0955000. Comparada com a do anno
de 186061, deu-se um augmento de 78:6925000
ou i ,83*%, e com o termo medio do annos de
185661 apparece uma diminuico de 1.211:8895'
ou 21,71 % __
Beexporlacao e baldeaeaaFoi o seu valor de
341:8105000 no anno de" 18612, menos que a
do anno de 186061 111:2265000 ou 24,72 %, e
que o termo medio dos anuos de 185661 res !
683:2285000 ou 38,28 %
(Conlinuar-se-ha.)
GOVERNO DA PROVINCIA.
Coolionaro do expediente do dia 3 de agoste
de 1863.
Otuco aos Srs. Charles Mario Colsoul e Thee-
phele LafluerO governo imperial a quera foi
submettida a materia da petcao que Vv. Ss. me
enviaram com a sua carta de" 30 de abril ultimo,
relativamente a obra que desejara publicar em por-
tuguez com o titulo de Guia do Engonheiro con-
tratador de machinas a vapor e para cuja im-
presso solicitam o auxilio do mesmo governo, aca-
ba de declarar-me era aviso expedido pelo minis-
terio da marinha. em 4 de julho prximo findo
que, com quanto a referida obra possa ser de uti-
lidade a repartigo da marinha, se for escripia com
clareza e precisao, e bem executado o plano sobre
, que est ella concebida, mxime na parle que
I comprehende a nomenclatura das diversas pecas
I que compoe as machinas a vapor, todava nao po-
; de por ora o governo tomar a si o encargo de so-
melhante despeza, que nao duvidar autorisar
quando os cofres pblicos estiverem mais desem-
barazados dos que sobre ellos pesara actualmente
e tenham sido satisfetas aquellas condiedes essen-
ciaes, que cima licam Indicadas, o que smentc a
vista da obra se poder reconhecer.
O que declaro Vv. Ss.. em resposta a sua cita-
da carta, e em cumprimento a supplica a ella an-
nexa .
Portara.O presidente da provincia attendendo
ao que requereu o juiz municipal e de orphaos do
1 termo do Ourycurv bacharel Pedro de Alcntara
. Peixoto de Miranda Veras, resolve conceder-lhe 3
I mezes de licenca com vencimentos na forma da
(le para tratar de sua sade fra daquello termo.
Oficio ao inspector da tliesouraria do fazenda.'.
Annuindo ao que solicitou o brigadeiro comman-
dante das armas, em oficio de hontem, sob n."
1422, recommendo V. S. que -se nao houver in-
conveniente mande pagar em vista da conta junta
cm duplcala a Antonio Martins de Lima, a quan-
tia de 4050000 por este desjiendida cm o enterro
do alferes dt> 8 batalho de infantera addido ao
9o da mesma arma Jos Francisco Alves de Lima,;
que fallecen nesta provincia seni deixar espolio.
Communicou-se ao brigadeiro commandante das!
armas.
Dito ao mesmo.Transmiti V. S. a folha e
pret juntos afim de que mande pagar os vencimen-
tos relativos ao mez de julho ultimo, dos offlciaes
de primeira liidia, tambores, cornetes e clarins em.
pregados nos corpos da guarda nacional deste mu-1
nicipio, visto assim o ha ver solicitado o respectivo
Com a.pnssivel brevitlade serao
postas eoncursi ns iarreJAS vaga
Faz-&e o prsenle aviao (n r ordem
de S. Kc Rvrma.
'lacio episcopal da
rancia e nao pode preceder a esta, eumpre que o Santo Antao
referido estrio seja restituido ao. exercicio de!
seu emprego, proeedendo-se contra elle se para
isso houver fundamento lega I : oque hoi. por muito
recommendadd Vine, em deferimento" da sobre-
dita representacao.
Dito ao juiz de paz mais votado da freguezia de
Santo Amaro de Jalioato.Em resposta ao oficio
sem data, hoje recebido. ora que Vine, rae consulta I (
se deve incluir na lista supplementar do livro da 1 ."!? L ,M*8Pan>e Jos
iiualiticaco dessa parochia, os nomos de diversos | _^mm99.mm* Lessa, seria-
eidadps, que apezar de nao tercm apresentado ru-
elamacao alguma perante a jfluta, mandou entre-
tanto o conselho municipal de recurso que lossem
(|iialilicados : tenho a dizer-Ihe, que nao deve'
Vme. insrrever e.-ses nemes na lista a que se refe-,
re, mas nicamente os daquclles que tendo recia-!
nudo, foram pela sobredita unta desatteudidos. e
depois em recurso omenipldos 1 telo raesmo con-:
s'ho, pois que a vista da expressa e terminante '.
rio Mirtieul r de *, Kxe. Hviua
PERWAMBDCO
REVISTA DlAKIi
Seraplam Borges de Olivara, Jese ij+t'rtm
todos, por briga.
X ordem do de S,j,to AiHum. k pan! M..i
Isiitero do Xascimenlo, Viceatc- Ferrein da i-i.-i
Soledm^le,' '.pritoeiit por ferniMitos levos, e o -mmt" 1
disturbios e suspeito d-- m-i desertor.
A ordem do ikS-.Jos.-. > .ikmki Joo Frai
, dos Santo*, por ariga, e o pardo Antonio oV Pc-aii-
jiara ser processado \#x kalativa de morle.
A' ordem do da Boa-Vista. Paulo, crionlf
vo do Dr. Silvio Tarqubio Villa-Boa* 11
ment deste.
O chefe da 2a stada
J. G. ie Mm*
disposicao do artigo 33 da li regulamentar das
eleicocs, e de varias decisoes" do governo. raani-
festamente Ilegal a pulla a deliberacao tlaquelle
conselho, em relaec. aos primeiros"; e porque,
com quanto o aviso n. 143 de 5 de outubio.de 1847
declare que os juizes de paz presidentes, da junta,
nao tem competencia para conhecer da legalidad*
dos julgados dos ditos conselbos, comtudo claro,
Succumbio no dia 3 do corrente uma Buxo
catarral o Sr. eapitao Francisco, das (hagas Caval-
caati de Albuquerque cora cerca de noventa annos
de idade.
Agricultor laborioso, cidadio prestmoso, rico do
boas anualidades civis e moraes, nao desmerecen de
seus maores, ao passo que em sua vida deixa lices
aos seus filhos, que Ihes devem servir de norma de
Mo\ i-u-mo da 1-,. agosto de 1863. Existiani..... Futrara! 11... Sahii-im..... Existem...... de (kleiK-o a ... Wl pr- 10 6 ... 405
A sajbi t Xaxionaes ... Ksiiangciio-. Mulheres. .. ... 281 .... 30 .... m
Estrangeia-Escravos..... Bserava*..... ; ... 70 ... 5
403
que por julgados destes s se |ide entender as suas conducta, para a acquisico de. um bom nomo na
decisoes dadas nos casos e condicoes que a loi es- sortedade, que elle hunroii com suas virtudes,
tabclece- para a sua competencia,"e nao quaesquer: "ustre finado era eapitao das antigs milicias,
actos seus evidentemente abusivos, exorbitantes! as qaes prestrou rele-vanies servieos ; o entre os
de suas attribuicoes. e cuja acceitacao importara! seus comparochianos deixa ma vacuo o urna ie-
atTectar-se sciento e previamente d nullklade in-; cordaco sempre viva.
sanavcl as eleeoes das respectivas parocliias com! se.u passamento. deu-se no engenho Agua Fria
a volacodc individuos realmente nao (uialificados. de Ipojut-a, que por elle fra levantado c elevado
. 1 I as proporcoes actuaos, logrando assim se reunir
Cumpre, pois, que Vine, na inscripcao. dos no-! na ultima hora aos seus pas, que descancom na
mes dos cidados comidos as tres relacoes que capella do referido.engenlio ; o qual ora proprie-
llie enviou o presidente do conselho de recurso des- dade de um seu cunhadtv.
te municipio, elimine os daquoiles que nao reela- Hoje (lujas 9- Ij2 horas da manhaa dever
marara nem foram desattendidos perante a junta, partir da estaco das Unco Ponas para a villa do 1 Manoel. escravo de AntuQ Vicente
contemplndoos mais qae uestes cireuinstancias Cali, um trciu especial cora o fim de conduzir os'
estejara, e quo me remella com toda a brevidade concurrentes ao leilo de movis que se efTeckiara
por intervengo do agente Pinto.
Foi endo o preto Fidelix, escravo doSr. tc-
nenle-coroncl Justino Pereira de Farias, por uma
pedrada contra elle jogada por um individuo, que
trabajhava de servente em uma obra, da ra do
Imperador.
O ferimenlo deu-sc na regiao correspondente ao
pmulo do lado esquerdo, sendo a, ferida irregular,
no sentido longitudinal, desde o ngulo externo do
r
\Iiiwiilado- a cu.-ta dos cofres publti-- ... |..-
Movimento da enfermaria ao dia 8 de jw-i.. 0-
186L '
Teve baixa :
Paulo, escravo do Dr. Villas-Boas : alirr>
Teve alta :
Vicente, escravo do Sr. Sioneira.
Falleceu
os necessarios documentos relativos a esse proce-
dimento do mencionado conselho, para lhe.ser im-
poste a multa e a responsabilidade em que por elle
incorrer segundo a le.
Dito ao juiz de paz mais votado da freguezia de
Santo Antao.Tendo-rae representado o eleitor
dessa parochia, Tiburtino Pinto de Almeida Jnior,
3ue foram convocados para a organisaco da mesa
a assembla parochia! os eleitores Antonio Brasi-
leiro de Hollanda Cavaleanti, Felppe- Bodrgues j olho at uma pollegadai para baixo.
Campello e Antonio de Hollanda Sa Cavaleanti, os
quaes se acham mudados, em vista dos documentos
que apresentou-me. declaro a Vme. que a le e va-
rios avisos do governo dispoe mui terminantemente
que o eleitor mudado da parochia nao pode con-
correr nem intervir na orgnisacao da mesa pa-
rochial.
Portento, recommendo-lhe que a semelhanle res-
peito cumpra o que determina a loi, evitando por
si e por parte dos eleitores que tem de concorrer
para a organisaco da dita mesa, abusos e violen-
cias, que nao pdem deixar de acarrelar conflictos
desagradaveis com grave prejuizo da paz publica e
da seguranca individual.
Bemettendo-lhc as inclusas copias dos oficios
que sobre idntico assumpto dirig ao juiz de paz
mais votado da freguezia de Pao d'Alho, chamo a
sua altenco para as recommendacoes e providen-
cias que nelles se contm, as quaes' Vme, reeeber
como se lhe fossem feitas cm tudo o que lhe forem
applioaveis,.
tMto ao juiz de paz mais votado e eleitore? da
O (racamento foi feito pelo Sr,. Dr. Sabino em sua
botica, assislindo aaaew o Sr.eirurgio Andr Fer-
reira de Almeida.
S. Exc. Brava., resolvu por concurso as
egrejas que se achara vagas neste bispado.
Ainda nao est marcado o prazo para isto, mas
selo-ha em breve.
Heali.-ou-se no sabbado.. na ra.da Palma, a
prisao da individuo, que no dia anterior assassinra
a um africano livr no Zumb, cm consecuencia
de alguma desavenca entre elles.
A diligencia foi efectuada pelo Sr. subdelegado
desta freguezia, reunido ao do districCo do debelo,
sondo igualmente presente o eapitao Borges Leal.
F.screvem-nos de Garanhuns, 5 do corrente:
< Quando nos julgav'araos livres do citolera, que
por mais de um anno. nos tem perseguido, eis que
nos conste, por noticias vindas hontem, que em Ca-
ehoeirinha do termo e S, Bento ost elle passan-
do, j tendo fe/ Sf>|0 victimas: foi nesse ranr que
niorreu o m\oT Livramento. Em virttate disso, o
Dr.ji'i7de direito da comarca, que OaiTi-vnio do dia. 7 de agosto so cokit
publico :
Jos, escravo, 22"aaaos, solteiro. Boa- Vi>ta. a>-
plcxia.
Auna Mara do Espirito Sanio. tOO ann
S. Jos, ve I hice.
(Xaraiao. escravo, V mezes, Santo Antonio, esrr-
buco.
Juanna, Pernambuco, 9 annos. Sanio Amot
rilas.
Anglica, pernambuco, a annos. Vanea, estfo
nencia. .
Theodora Pereira de Azevedo, Pernambuc. i'
nos, solteira. B<-beribe, parlo.
Jovino Joao Francisco, Pernambuco, 14 annos. s. -i
Ceire, Recife. phthysico.
Bel miro Soares, Pernambuco, 36 aaao*. soMnr
Recife, cholera.
8
Joao,* Pernambuco, 2 annos, Boa-Varta ; roavul
coes.
Manoel, Pernambuco. 17 dias, S. Jos; Mtaaa.
Manoel, escravo, 23 annos, solteiro. Sanio Ar"-
>\ piule.- inveterada. .
Joaquim, Pernambuco, 1 mezes, "? isla
corbuto.
Manoel Goncalves da Silva, frica, 30 annos. rj-.
do, Boa-Vista ; desastreamento.
Joao Pacheco Vieira, Pernambuco, 63 annos, ras.
do, Boa-Vista; dyarrha rhrantca.
Adriano, Pcrnambueo, 6 dias, S. Jo eaJMam




Piarlo de Pernamhiico segunda ffclra tO de Agosto de IWG3.
Ul POfltO DE TUOO.
"Relator o Sr. desembargado!- Lourenco Santiago.
Sorteados as senhores Sesemliargaaores Asas,
Sob rubrica de recordacoes judkhtrias da no- '' ** fl aatrravo.
licia-corm*ional, publica oPetit*mwU o*gm Jj^Jg ^e?
te, que delk traduzmos: [_JiSS* *,lvnAn ;.
'Certo dia passeavam dous agentes de polica por mulhtr ; aggravado, oju
referir-vos os fados mais importantes, liavidos no
correr do anno ultimo.
i Sei-nos-hia grato cumplir seme loante dever, se
: um acontecimento inesperado nao viesse enlutar a
Barrete e sua noss praca.
Queremos fallar-vos do falleeimew
imi lado da cidade, onde viram passar pela calca-
da urna cara, que teve a infelicidade de Ibes nao
ser desconhecida.
Ole, disse umpara oootro. Repara um pou-
co nesse cavalleiro de chapeo pardo surrado.
Bofe! disse o camarada. Um chapeo pardo
nao proprio da estacan.
Nao isto. Kepara um pouqainlio para a ca-
ra, que se tou'ca com esse feKro velho.
Diabo lieos rada
Nio assim T
elle. ,
Bofe. elle memo.
Pcrrelot...
Km propria pessoa.
A quem temos mais de urna vez levado po-
lica correccional como vagabuudo.
E mesmo como mais alguina mu*.
- E estar capitalista para passeir assnn com
as maos as algibeiras .'
Oh f mas, Deus me perde, mais que isto.
Parece que o tratante cavalleiro da legiao de
honra.
Por Deus! Tens razad. Julgo que traz a li-
ta encarnada na casa da casaca velba que traja.
Espera. Vou exigir-lite que me aprsente o
titulo de sua nomeacaoi
Com effeito, os dous'agentes aproximaram-se de
Perrelot, saudaram-n'o com urna cortezia estudada,
e rogaram-lbe que os aconipanhasse a residencia
do commissario prximo.
Perrelot iudignou-se, lrmando-se em sua digni-
dade, em sua honra, em scu direito de eidadao.
O commissario remetteu-o prefeitura.
D*esta polica correccional so ha um passo; e
este passo Perrelot, o dea
Ei-lo, no banco dos aecusados, com ar ito digni-
dade e offendido Tcndo urna das maos mettida no
rollete esburacdo, e tomando emfim a atttude e
a expressaoj da physionoinica de una nobre vic-
tima.
Vos sois aecusado, diz-lhe o presidente, por
haver usado illegalmcnte da decoracao da legiao
de honra
Fui victima, responde Perrelot, de um adelo.
Como ?
I (esta maueira. Os nieus recursos nao me
periiiiltem que seja eu o primeiro a vestir a roupa
que trago; e assim cmitento-me de ser o|ultimo.
Explicai-vos mais claramente.
Quero dizer que me muo de roupa de occa-
sSo; que o meu alfaiato percorre as mas; c que
comprci esta casaca a um desses artistas ambulan-
tes. .Visto nao lia crime.
Que relacao ha entre esta historia e a mate-
ria da aecusaco f
Esta. Comprei esta casaca noite. Parece
que ella perlcnceu a algum condecorado, que es-
quecra-se de tirar-lhe a tita. Ora, eu nao a vi...
e no dia segulnte os agentes de polica prendendo-
nie, que me lizeram apcrcebe-la.
E julgaes que o tribunal possa adniittir una
semelhante fbula .'
Nao ha fbula m'sto. Para que poria eu esta
lita, dizei-m'o '
Para inspirar sem duvida urna confianca, que
nao merecis... e Iludir.
lludir... eu?
Nao vos revistaes desses arre de liomcm hon-
rado. Vossos antecedentes nos sao couheciilos, e
esto longe de ser-vos voraveis.
esta revelaco, Perrelot enumideeeu, lodo con-
fuso ; e ouvio sm murmurar a sua condemnacao
em quatro metes de prisao.
fallecimento "do
Relator o "Sr. desembargador Motta. I sempre lembrado consocio, o honrado commenda-
Sorteados os senhoreadesembargadores Lourenco dor Manoel Goncalves da Silva, que dignamente
co.,.ion Accioli. i presidia esta associaeao.
Necou-se nrovimento. Possuda de profunda magua, esta associaeao
Recursos commeraes. den todas as provas do apret e faunceno, de que dez das
Recrreme, ojnizo ; reeorrtdo, Manoel Jos de #
S Araujo.
appellado, Manoel Jos do
appellado, Jos Poreira de
appellado, Candido Freir
ap-
Do Brasil traduzimos os seguintes pensamentos
de um exquisitao:
Tenhu sempre considerado o fogo de amor como
11111 fgo de artificio, do qual o casamento a gi-
rndola
Acaba de ser admitlido uin magnifico macaco ao
Jardim das Plantas.
Nao ha mudanca alguma em Franca; apenas lia
um macaco de inis.
Mola. Este pensameiito nao tein pretencoes ser, justica
liolitico.
| juizo
prefei ivel que un artista antes caa no caque-
cimento, o que em um poco ]>rofundo.
Relator o Sr. desembargador Assis.
Sorteados os senhores esenibargadorcs Accioli,
Motta e Peretti.
Improcedente.
Rocorrente, o juito j recorrido, Francisco (jo-
mes Castellao.
Relator o Sr. desembargador Dona.
Sorteados os senlwres desembargadores Assis,
Accioli e Lourenco Santiago.
Improcedente.
Hubeas-corpus
Indeferio-se a peticao do bacharel Thom Fer-
nandes de Castro Madeira, pedindo ordem de ha-
beas-corpus, wr julgar-se coacto em sua bber-
dade.
DESIGNA?AO DE DIA.
Assignou-sc dia para julgamento dos seguintes
feitos :
Appellaives crimes.
Appellante, o juizo ; appellados, Antonio Jos de
Souzae outro.
Ap|iellante. o juizo;
Nascimento.
Appellante, o juizo ;
Mattos.
Appellante, o juizo ;
Coutiuho.
Appellante, Tertuliano Narciso da Rocha;
pellada, a justica. .
Appellante, o juizo; appellados, Jos beralim
Moreno e outro. ,.. ,. |
Appellante. o juizo ; apellado, Juliao Coolho da
Silva Netto.
Appellante, o promotor; appellado, o cabra Joao,
Appeilante, o juizo ; apellado, Trajano Lopes
Silvano. ...
Appellante, Francisco Jos BaptisU ; appellada,
a justica. ., .
Appllaate, o juizo; appellado, Pedro-Manoel
Carioca. ., .
Appellante, Pedro Pereira da silva; appellado,
Romao Pereira de Carvalho.
Appellante, o juizo; apellado, Vicente Antonio
Lopes da Silva.
Appellante, Manoel Martins Alboim; appellado,
Eusiaquio Gorno.
Appellante, o juizo; appellado, o pretoRene-
dicto. _,
Appe&anle, o curador do cabra Gaspar ; appel-
lada, "a Justina.
DILIGENCIAS.
Com vista ao Sr. desembargador promotor da
justica
As appellat;oesaunes.
Appellante, o juizo ; appellado, Juvcnal Antonio
Telles Vieira. ,
- Appellante, Jos Joao da Silva ; appellada, a
justica.
PASSAGE.NS.
O Sr. desembargador Caetano Santiago (tassou
ao Sr. desembargador Gitirana
As appelhtroes crimes.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Lourenco
de Araujo. .
Appellante, Antonio Jos de Araujo ; appellado,
U JAppllante, Joao Felippe da Costa ; appellada, a
nslir'i
Appellante, o juizo : appellado, Jos Gregorio de
Jess Brito. .....
Appellante, Laurentirto Cavalcanti de Albuquer-
que ; appellado, Antonio Jos'! da Silva.
Appellante, o promotor; appellado, LuizAntonio
AppeDante, o juizo; appellado, Pedro Bufino
Bomeiro. ... ,, ,
Appellante, Joaquim Jos Bibeiro ; appellada, a
do em Cachang, S. Lourenco e Pao d'Alho. Nosso
parecer (bi favoravel, e fazemos votos para que se
leve a effeito urna eiupreza de tanto alcance e pro-
veito para esta provincia.
LIMA TELEGBAPH1CA.
Acba-se disposlcao do publico a linlia tclegra-
phica, que acompanha a via frrea s margens do
Plrangy, a partir da praca do Corpo Santo. As
vantagaa a colber-se com melhoramentos desta
ordem, a ^palpitantes ; pois, como sabis, a rapi-
lunicacoes una condiciio de utilida-
sociedade.
ANHIA PERN.\MBUCANA
la Pernambucana de vapores costei-
a prestar bons servicos ao commercio
era eredor esse distincto cavalleiro, enjo* pa
to deixou entre nos um vacuo bem difilcil de pre-
encher-se. A casa em que Ibnccionamos, con-
senrou-se fechada no dia de enterro desse Itonrado ros.
commerciante; e de nosso seio, urna commisso e < agrlsflfcira.
assistio aos actos fnebres, e cumprio o peos Consta Mandara contratar a factura de mais
dever de dar os pezames sua exceuentissima fa- dous vapores, com os quaes ficar a companhia
nula melhormente habilitada aprestaros beneficiosa
Devendo ser precnchida a vaga de presidente que se destina. .
desta associaeao, a 10 de outubroteve Jugara elei- PONTE DO RECIFE
cao que deu'eni resultado ser elcito o nosso con- Tendo sempre em considera^ao os melhoramen-
soco o Sr. Joao Matheus. tos materiaes que defiendem dos poderes pblicos e
' Nao temos motivos para regosijar-nos com urna intercessao do commercio, esta associaeao fez chc-
mlhor situacao, diversa da que vos foi descripta gar ao governo imperial urna represenlaco, na
no relatorio anterior; iis actuam sobre nossa qual raziamos sentir a necesidade e urgencia da
praca as mesmas causas, que ho entorpecido a.^sonstruccao de urna ponte, que ligasse os bairros
marcha regular das importantes transaccoes do to Recire e Santo Antonio, em suBstituicao que
commercio Relcmbrar-vos, senhores, essas can- existia, e foi demolida; e bem assim, sobre o esta-
sas fora desconfiar de vosso zlo, mostrando que do de ruina de outras. De ordem do ministerio de
cstaes'esquecidos do cstremecimento, que tem ella obras publicas tei-nosenviado por copia, pelo Exm.
solfrido por motivos especiaos, e por essa lula gi- presidente da provincia, o aviso do mesmo minis-
trante" que enrraquece as torcas productivas de torio de 6 de novembro de 1862, de cuja integra
urna nacao amiga, cujas rclacoes com diversas constara haver sido ordenado o contrato em Lon-
pracas dste imperio, se tem resentido desse estado dres, da ponte de Ierro que deve substituir a qne
de futa em que infelizmente se acham os estados foi demolida i e consta-nos fora j reabsado esse
contrato.
ASYLO DE MENDICIDADE
Desejando esta direccao concluir a liquidacao
das cantas relativas a subscripcao, agenciada para
Norte-Americanos.
Fazemos votos para que, quanto antes, cesse es-
se estado to inconveniente e prejudicial aos in-
teresses da humanidade e do commercio.
Tendo de rerar-se desta provincia para a corte, o asylo de mendicidade, nomeou urna commisso
onde ia exercer o lugar de ajudante do inspector para entender-se com os thesoureiros das diversas
d'alfandega, o Sr. commendador Bento Jos Fer- commissoas da arrecadacao do producto das quan-
nandes Barros, inspector d'alfandega desta provn- tias subscriptas : entretanto, somos toreados a de-
ca, foi-llie por parte dessa associaeao dirigido um clarar-vos que ainda nao se obteve resultado defi-
otlicio, no qual se lhe agradeca os servicos feitos nitivo.
ao commercio; e nos congratulavamos pela subida A junta administrativa da Santa Casa de Mise-
prova de confianca, que acabara de receberdo go- ricordia foi entregue a quantia de 4:6005, mipor-
Vcnio imperial, que assim gatardoou o merec- tancia dos juros do capital existente na caixa filial
ment e Itonradez desse distincto funecionario. do banco do Brasil; assim como tambem receben
Com o actual inspector interino, o Illm. Sr. Dr. a quautia de 50IV5, producto dos 29 e 30 dividen-
Luz de Carvalho Paos de Andrade, tem esta asso- dos das t accoes da companlna de Beberibe, que
ciacao mantido as mejliores relacoes, e recebido esta assoeiac.io possue ; cujos dividendos^ ofli-rta-
desse distincto cavalleiro as maores provas de dif- mos ao mesmo asylo, conforme a resoluc/ao toma-
ferencia. da em assembla geral. _
Nao devendo esta associaeao ser ndiflerente aos I CON(Xl*SAO.
males que ha trazido ao commercio o procdimen- Foram durante o anno admittidos 20 socios ; e
tos dos agentes fiscaes as fallencias, quando a eliminados pedido e por outros motivos 27.
fazenda nacional credra, urna representaco por I Da conta corrente apresentada pelo nosso tlie-
nossa parte foi dirigida ao governo imperial, da soureiro veris existir eincaixa b:lW*oi* rs.,scn-
qual, infelizmente, decisao alguma chegou ao nosso do, recolbidos a caixa filial do banco do Brasil
conhecimento. 4:3005127 e em mao do mesmo tbesoureiro. .
Beprescntou-se nspecloria d'alfandega acerca'1:609#387. ..... i
das vantagens que eolheria o commercio, se fral A relacao junta vos dar scieucia do numero uo
permittido aos navios atracaran ao caes no acto socios eTectivos e honorarios ; e o Kvro das ac-
da carga e da descarga, no que tomos attendidos. tas vos pora par de tudo o mais qne occorreu
Tendo a inspectora d'alfandega solicitado nesse \ durante o anno.
parecer sobre a conveniencia da mudanca da ins- Ao concluimos o presente relatorio temos a si-
peccao do algodao, foi a questo submeltida ao pa- nlllcar-vos o vosso recon^yunento pela prova de
recr de una commisso, que se declarou favoravel connanca com que vos dignastes honrar-nos.
a essa mudanca, dados certos melhoramentos no Temos consciencia do ter empregado nossos es-
novo local designado. toreos para bem desempenhar o vosso mandato ; e
Logo que tomou posse da admiiistraco desta' se nao correspondemos vossa expecuaiva, des-
provincia o Exm. Sr. Dr. Joao Silveira de Souza,' cuipai-nos, pois que nao foi issode nossa vontade
esta direccao, conliecedora das eminentes qualda- porm talvez a falla de capacidade para exercer-
des do mesmo Exm. senhor, expedio-lhe diploma ms tao honrosos logares: cumpnndo nosso regu-
liuda no mea terreno ; depois segu na
direccao do mesmo cano urna grande leva-
da at a camoda das barreiras; tendo a par-
te do cano comprehendido no meo terreno
70 palmos de extencao, e 4 Je largura, des-
coberto, e em mo estado.
Esse cano nao passa pelos fundos da mi-
nha olaria, como disserara os Srs morado-
res das casas por tras da caixa d'agua ; e
sim passa juntamente com a levada por todo
cemprimento de mea terreno, onde tenho
algumas casas; assim como passa pela fren-
te da casa de minlia morada: nos fundos
de meu terreno, qne passa a dita camba
das barreiras.
Com as endientes das mares n3o fica lim-
po ; e por causa das mesmas enchentes mui-
to tem alargado a levada, e arruinado o
terreno e por isso ficam as mmundices
depositadas : talvez que esse maldito cano
tenba sido a causa da perda de alguns de
raeus escravos, e das molestias'que outros
tem soffrido.
N5o o posso tapar, verdade, por que
existe desde o tempo do general portuguez
Luiz do Reg; mas tenho direito para que
seja beneficiado, visto ser urna serventa
publica em meu terreno ; e se o tapasse
talvez me saliisse bem, pois j ha exemplo,
ao menos podia atterrar a levada ; porm
respeito muito as leis de meu paiz.
Tenho requerido para que seja beneficia-
do o tal cano, com o prolongamenlo do
mesmo, coberto at referida camba das
barreiras, mas natia tenho obtido, mesmo
declarando que mandara fazer o atierro.
Resta-me ainda dizer, que admira ter-se
edificado em am pantano sem estar aliena-
do ; que esses Srs. escreveram para a sua
Revista sem terem verdadeira sciencia des-
se cano, do contrario nao diriam, qne est
entulhado, que exceltente, largo, e passa
arroba
ranada ijme
arrota ijm
**!

libra 12
am I
arrota 2M
3W
l 4*.
uaa 3JH9
,.rr.4- tjwl
lima *
libra 90*
. Mil
\i**>
re*> mm
nm I.-4W
CMM va*w
libra m
m
pelos fundos de minha olaria; e estimarei, que seus reclamos sejam alten-
didos, eque outro tanto possa eu obter.
Rogo-lhes, Srs. redactores, a publ cacao
destas mal tracadas linlias. ,
Recife, 7 de agosto de 1863. y
Marcellino Jos Lopes.
PUBLICACOES A PEDIDO.
/
Antes quero os caracteres de la Brayre do que
aquelluque me d o meu iinprcssor
l.c-se no Commercio to Porto :
A proposito da noticia telegraphica de uiiiare-
- volucao em Madagasca, na (jual foi morto o re,
nao ser desagiadavel aos leitores recordar que
a i I ha de Madagascar, antes conhecida ielo no-
me de S. Lourenco, esta situada no mar das In-
dias e loi descobeha em l."Oi por Joao Gomes de
Abrcu, capitao de urna das naos da frota por-
- lugueza que nesse anno parti de Lisboa para a
India, couiinandada por Tiislao da Cunta.
O noine da Iba de S. Ixiuren^o foi-lhe, prova-
vilniente, posto em memoria do dia em que foi
d"'scotierta (10 de agosto.)
A Una de Madagascar tem mil e setecentoski-
lometros de extenso e quinhentos e oitenta de
largo coin cinco milhoes de habitantes, negros,
mas de IVices regulares.
Tarancoa, que a capital, tem .->0:000 habi-
tanles.
" O rei Iladama II, que se diz foi assassinado,
tinha estado em Franca, e foi por influencia, fran-
ceta proclamado, quando, ha cousa. de um au-
no, fallecen a rainha Kanavalo, que j em 1828
assumia o governo. fazendo assassinar scu mari-
do Iladama I.
Os partidarios de Radama II assassinarain, na
occasfM cni que foi proclamado, o outro preten-
dente, que era um lilho que a ranilla leve depois
de viuva e muito hostil ios europeas.
Segando diz a noticia telegraphica, tambem
agora foi proclamada a viuva do rei assassina-
do. .
Da Justica extrabimos o seguate :'
D. Lucia Rosa da Trindade, casou na idade de
dezeseis annos coin o hespanhol Mathias da Moya
cojo individuo alleceu ha vinte anuos ein Hes-
i panlta, o que se prova com cartas viudas do mes-
mo reino.
1). Lucia llosa irmaa de D. Hara do Nasci-
'< ment Trindade e cuuhada de Antonio Coutiuho
de FreBas.
- A mae eirniaodestassenhorasfalleceram naoj
i ha muito lempo. Tiveram por tanto de habilitar-
, se lieranca que de direito lhe pertencia, a qual,
receberam napresenca dojoiz de paz da frogae-
zia da S, dividindo- amigavehnenie.
sur.i. .
Apix'llante. Jos Franciscs de Paula ; appellado.
Ai^llante, Francisco Jos Miguel; appellada, a
justica.
A appellariio cnel.
Appellante. D. Mara LmlieUna Cordero de Car-
valho ; appellado, o bacharel Manoel Jos Pereira
de Mello. 0 M
O Sr. desembargador Gitirana passou ao f>. des-
embargador Lourenco Santiago
A meUagBo cm /.
ApiHillafite, Jos Velloso Soares; ajqwilada, a
"o'sr.' desembargador Lourenco StOtiafO passou
ao Sr. desembargador Motta
As appellacoes rnmes.
Appellante. ojnizo; appellado, Bernardmo Xa-
Appeltoatq, Jos Fernandos Lima j appeUado,
Saturnino Comes Duarte. .
*. Al appellacoes cireis. .
ApiMllant.'. a fazenda ; apellado, Paulo J..se
Comes. ... ., .
A|ipellante, Antonio Alves \ launa ; appellado,
Geo. Bewnorth & C._________...
Appellante. Manoel Ribeiro da Cunta Obveira ;
appellado. Joao Evangelista Bello.
AoSr. desembargador Cchoa 1-avalcanli
A appellacao cieel.
Appellante, 1>. Mara Hellena Pcssa de Mello ;
ai.pellada, D. Joaquina Benedicta \ eira da SU\a.
O Sr. desembargador Motta passou ao Sr. des-
einbargador Peretti
As appellacoes crimes.
Appellante, Joao Dias de Vascoucellos i appella-
do. Manoel Thomaz de Yllanova. __
Appellante. o juizo : appoj ado, Manoel Theodoro
do Nascimento i outros.
Appellante, o juizo ; appellado, Miguel de souza
Barros. .
Appellante. Antoio Joaquim de Souza ; appel-
lada, a justica.
(Vppeuante, ojnizo-, appellado, Antonio o. -
Appellanle. Antonio Joaquim de Andrade Lima ;
appellado, Manoel da Assuinpcao Santiago.
Appellaeao civel.
Appellante, a fazenda ; appellado, Antonio de
Moma Rolin.' ,
O Sr. desembargador Peretti passou ao Sr. des-
embargador Accioli
As appetlaeorx crimen.
Appellante. o juizo ; appellado, Thcotonk
\*ii"ir'i
Appellante, ojnizo; appellado, Francisco Bal-
de nosso socio honorario, sendo-lbe grato confes
sar que de S. Exc. tem recebido as mais significa-
tivas provas de consideracao.
QUESTAO INGLEZA.
Os Tactos occorridos na corte do Bio de Janeiro
entre o governo imperial e a legacao britamiica,
levaram-nos, em conrrmidade com vossa resolu-
cao de 24 de Janeiro prximo passado, a razer che-
gar ao throno de S. 'M. o Imperador o nosso voto
de adheso, pelo modo honroso por que havia pro-
cedido o governo imperial : sendo que a commis-
so nonieada, que, com salisfacao nossa, encarre-
;ou'se da apresentacio desse nosso voto, o da qual
izceam paito os Iilms. Srs. commerciantcs Jos
Antonio de Figueiredo Jnior, barao de Mau e Mi-
litan Mximo de Souza. communicou-nos haver
S. M. o Imperador respondido em termos por de-
mais lisongeiros a esta Associaeao.
.amento tendea de hornear nova direccao : esco-
lhei quem, mais feliz- do que nos, possa elevar
esta Associaeao ao grao de prosperidade a que ella
tem direito. _
Sala das sessoes da Associaeao Commorcial Be-
neficente de Pernambuco, 7 de agosto de 1863. <
Joo Matheus,
Presidente.
Domingos Alves Matheus.
Secretario.
COMMNICABOS.
COKREIO GERAL
O digno administrador dessa reparticao. nomeio
do seu acrisolado zelo na administracao da repar-
ticao a seu cargo, tem merecido as sympathias dq
corpo nooiinercial. Em attencto s exigencias los
THEATRO DE S. ISABEL.
O empresario ao publ Ico de Per-
nambuco.
Apesar de j estar sciente o publico de Pernam-
buco da retirada dos artistas, Srs. Furtado Coelho
Lisboa e as Sras. D. Eugenia Cmara e
D. Joan-
commandantes dos paquetes "franoeio?, que recia-1 na" ae0m>aiiliia dramtica de que son empresa-
mam sempre que aqui aportam as malas muitas rio. ()evo lHna sasfac-io, principalmente aos Srs.
horas antes de sua paqtida para Europa, leve o asS|gnantcg-
mesnio Sr. administrador de annunciar que ellas Estos artsta tnhain nao pequeas vantagens,
se encerrariatn, logo que os paquetes dessem sig-1 particularmente oSr. Furtado Coelho, e achavam-
nal de terem fundeado. Como era natural, seme- ^ contralados sob palavra. de modo que deposita-
Ihante medida nao podia ser bem acolhida jieto! va nc|(es a nias plena confianca. Terminado po
nosso commercio.
lai;oi's com as
correspondenc
ressa p*a a que tem de fazer a ultima ora. Por j despedido), que desde entao se consideravam desh-
ilo esta direccfio levou presenca do Exm. I _ados da cotiipunhia.
Kleltores do partido conserva-
dor da freguezla de Kanto An-
tonio.
Conego vigario Venancio Henrique de Resendc.
Coronel Domingos Alfonso Nery Ferreira.
Major Claudino Benicio Machado.
Capitao Miguel Jos de Almeida Pernambuco.
Capitao Jos Luiz Pereira.
Dr. Francisco Domingues da Silva.
Dr. Uermogenes Scrates Tavares de Vasconcellos.
Dr. Manoel Jos da Silva Neiva.
Dr. Angelo Hcnriqucs da Silva.
Tencnte Francisco Mamede de Almeida.
Altores Joaquim Francisco de Torres Gallindo.
Artista Jos Luciano Cabral.
Altores Caetano Jos Mendes.
Major Antonio Bernardo Quinteiro.
Capitao Joao da Silveira Borges Tavora.
Commerciante Albino do Reg Machado.
Commerciante Jos Candido de Souza Castro.
Commerciante Luiz Goncalves Agr Jnior.
Homeopata Augusto Xavier de Souza Fonseca.
Tencnte Manoel Antonio de Jess Jnior.
Dr. Miguel Jos de Almeida Pernambuco.
Dr. Joaquim Pires Machado Portlla.
Dr. Ignacio Nery da Fonseca.
Dr. Ernesto de Aquino Fonseca.
Altores H\ polito Jos Roberto.
.Artista Joao Luiz de Carvalho.
Areles Vicente Nones da Sena.
Commerciante Firniino Francisco de Brito.
Commerciante Pedro de Alcntara Monte-Lima.
Commerciante Bernardmo de Sena Marros.
Despachante Virgilio Jos da Mota.
Capitao Firmino Jos de Olivera.
Aleres Marcolino dos Santos Pinbero.
Fiscal Manoel Joaquim da Silva Ribeiro.
Commerciante Vicente Licinio da Costa Campello.
Cominercianfe Joao Mauoel de Siqueira.
Artista Urculino Clinio de Torres Gallindo.
Escrivo Joaquim da Silva Bego.
dem alcool ou espirito de agua-
ardente..... .
Alfefir/emcarooo. '. .
dem em rama ou em laa. .
Arroz com casca......
dem descascado ou pilado .
Assncar mascara*).....
dem branco........
dem refinado. ......
Azeite de amendoim on men*-
bim.........
dem de coco.......
dem de mamona......
Batatas alimenticias.....
Bolacha ordinaria, propria para
embarque.......
dem fina........
(il lx>m........
dem escolha ou restolho .'
dem torrado.......
Caibros .........
Cal...........
dem branca.......
Carne secca fxarque) ....
Carnciros........
Carvo vegetal......
Caverna* de sicupira ....
Cera de carnauba em bruto. .
dem idem em vela-.....
Cha..........
Charutos........
dvados (porros).....
Cocos (seceos).......
Colla..........
Couros de boi. salads .
dem idem seceos espichados. .
dem idem verdes.....
dem idem cabra cortidos. .
dem idem de onca.....
Doces seceos.......
dem em gela ou massa. ,
Idem em calda......
Espanadores grandes.....
dem pequeos......
Esleirs para torro on estiva"
de navio........ rento
E.-topa nacional......arroba
Farinha de mandioca.....afcnew!
dem de ararnta..... arroba
Feijao de qualquer qudlidad'
Frechaes.......
Fumo em folha, bom .
dem ordinario ou restoftV .
dem em roto Iwni.....
dem ordinario ou restolho .
Gal buhas.......
Gomma........
Ipeeacuanha (raiz).....
Lenlia em ahas.....
Toros........
Urina I esletos.....
Mel ou melaco.....
Milho........
Papagaios.......
Pao Brasil......
dem de jangada. .
Pedras de amolar .
dem de filtrar '.
dem de rebolo ....
Piassava.......
Ponas, ou chifles de varea ou
novilhos........celHo
Pranchoes de amarello de dous
costados........,tm
dem de touro.
Rap.......
Bati..........
Sal........ J*P*
ttJK
u
nm
um
IC
ilfM
< IV.
Um .tfrt)
arroba ItiWO
i |. ..>..!
7J)!
. mjnjpj
nm M
arroba 2*W
mmji
censo 1*M)
t ll*nno
un XjtlNO
rana-la 2110
urr"fc' IJNtM
na !*.'
qnint i .*>
i .V1WJ
urna 8M
t \itm
* U2CO
m<>lho 120
essa razao i
Sr. presidente da provincia una respeitosa repi e-
scntaerio, solicitando de S. Exc. as providencias
(jue jlgasse proprias. Entretanto vio nossa praca
com satisfaco, que as malas que couduzio o pa-
quete france'z Natarre, que tocn neste porto no
dia :10 do passado, nao s se nao fecharan a liora
que o Sr. adminstrador havia indicado, como que
sahiram do corrcio mais tarde do qile nunca j dan-
do assim o preciso lempo para que se realisasseni
as transaccoes do dia. Essa mudanca deve-se attn-
buir ao ojlcio que o Sr. administrador dirigi aos
Srs. agentes da companlna des Messageries Impe-
gados da compa....
Allcgaram como motivo de sua retirada, o mao
acolhimento do publico e que demais tinham-lhes
sido proporcionadas maiores vantagens. Era um
motivo frivolo, principalmente na primeira parte,
visto como os applausos dirigidos jielo publico a
Sra. D. Camilla, nao podiam ser tomados como um
acinte.
Una vez (pie esses artistas nao tinham. contratos
escriptos, era-nic de todo impossivel impedir-lhes
que se retirassem e demais j me nao convinha.
A'\ista do que acabo de expor, acha-se actual-
mente a niinlia conipanhia reduzida pequea tor-
riales, que eertamcnle o tomarain em considera-1 cas. Espero todava preoneber dentro empouco tem
Porem antes de a roceber mandaram publicar I bino de Mello.
Appeflante, o nuao appellado, me Peieua am
annuncios no Diario do Governo e mais jornaes
d'esta cidade, aliin de ver se apparecia o marido
de D. Lucia; ora como elle eslivesse alistado no
grande exercito nao podia apparecer.
Masis que o homeni surge do tmulo mela-
inorphoseado em outro hespanhol fazendo um
arsto em tudo o que pertencia Sra. D. Lucia,
ilizendo.
O marido de V. Exc. nao morreu.
Qual rabaca! lhe diz ella.
E o
i sou eu!!
A senliora D. Lucia tomou o caso por ehalaca
e nao den cavaco algum.
que e lhe digo : r> marido de V. Exc.
Mas o caso muito serio, pois que o hespa- justica.
Appellante, Jos Soares da Silva ; appellada, a
Amellante, o juizo; appellada. Joanna Maria
da Conceieo. *
O Sr. desembargador Accioli passou ao f>r. aes-
embargador Uchoa Cavalcanti
As appellarSes frimes.
Appellante, o juizo; appellado, Francisco da t.os-
ta Olivera.
Appellante, Jos Vicente Barbosa
jnizo.
Apjiellante, Manoel Jos Fragoso;
nhol quer i>or forja ser marido da referida se-
nliora, para retener a parle que lhe pertence co-
mo tal
Appellante, Valerio Jos da Costa;
appellado, o
appellada, a
appellado. o
cao, e conseguiram do respectivo commandante. a
ltentela que se notou nesse servieo.
IXSPEC?0 DO ALiOD.XO.
A extincco da iiispecgao do algodao, que no
parecer de lguns socios era urna garanta para o
commercio, deu lugar a que tesse convocada ex-
traordinariamente a assembla geral, a reiiuen-
mentode diversos socios, para tratar-se da conve-
niencia que haveria em civar-se nina novainspec-
cao por parte do commercio, para a venficacao dd
peso o qualidades desse iinjiortante produelo; sen-
do que foi a 18 de maio que teve lugar a reumao
extraordinaria, na qual nao foi possivel tomar-sc
urna resolucao delinitiva; ticando por isso adiado
o negocio para una outra reunio, que se nao effec-
tuou no dia designado por tolta de numero, e pela
divergencia que appareceu contra seinelhante me-
dida ; motivando assim que as priucipaes casas ex-
portadoras desse artigo dirigissem direccao un
protesto contraessa creacao.
BOLSA.
Os nossos ceroteas para a construccao do edifi-
cio que serveria d Bolsa, e dos quaes j estaos in-
teirados pela leitura do relatorio anterior, nenhum
resultado trouxeram ; entretanto nutrimos a aape-
ranga de que essa necessidade ser satisfeita, se
naoem tempo muito prximo, ao menos nao tao re-
moto que nos nao raca partilhar das vantagens que
esse edificio poder proporcionar ao commercio.
AGRICULTURA.
Ainda pesain sobre a agricultura desta provin-
cia, sua principal industria, as causas mais entor-
pecedoras, que sao por todos conhecidas e sen-
tidas.
E' fastidioso referir-vos o que todos nao igno-
ram ; -entretanto chamaremos a vossa attencao pa-
ra o mappa annexo, do qual veris que o valor da
importacao do anno (inanceiro de 1862 1863 foi
2M*)
mjmj
i>
i*
MU
arroba
fio essas faltas, para que sejam cabalmente cum-
pridos os compromissos que contrahi iara com os
Srs. assignantes.
Todava aquelles que nao desejarem continuar e
esperar (pie venbam do Rio de Janeiro artistas ca-
pazes de exccular o repertorio que se achava an-
nunciado, pode rao procurar o importe do restante
de suas assignaturas no escriptorio do theatro.
Durante esta curta interrupeo darei alguns es-
pectculos as toi-cas da compnbia, que aqui fica,
at que eu v ou mande buscar os outros artistas.
Espero, pois, do publico de Pernambuco, e par-
ticularmente dos meus asignantes, que nao me
abandonen! ito momento em que mais preciso de
sua coadjuvacao.
De duas corporacoes, a acadmica e a commcr-
cial, espero muito osta conjectura, e ellas nao me
desmentio. Apozar de tudo a minha companlna
no estado em que se acha constituida, possue artis-
tas ainda de mrito, que bem contra a -nimba von-
tade, procurava-se deprimir. > .
Espero pois que se me far justica em vista das
razoes que acabo de expender c que continuare a
merecer a mesma estima e ser lulo na mesma eoli-
to por um publico, do qual j fenho recebido tan-
tos favores.
Os meus contratados actuaes nada terao a quei-
xar-se de mim, visto como contino a cumprir a
minha palavra respeito de suas vantagens, com
loda a dignidade de empresario e de homem.
Recfc, 8 de agosto de 1863.
A. J. Duarte Coimbra.
appellado, Antonio Jos de
IHR0MC\ JlMCIUtlt.
I Itlltl \ \l I V Itl i \ SESSAO EM 8 DE AGOSTO DE lf3.
I'RKSIDENCU DO UUSl SR. CONSEUIEIIIO SILVEIRA.
. As 10 horas da manliaa, achando-sc presen-
tesos Srs. dcM'niliargadores Caetano Santiago, Gi-
tirana, Louronco Santiago, Motto, Peretti, Accioli,
Asgis, Doria, e Guerra, procurador dacora, fal-
tando sem cansa participada o Sr. 3esembargador
Uchoa Cavalcanti, abrio-ee a sesSao.
Passadqs os feitos e entregues osdistiibuidos,
eram-se os seguintes
JI 1.0 AMENTOS.
Aygrato de petiqo.
Aggravante, Luiz Moreira da Silva ; aggravado,
o juizo.
Relator o Sr. desembargador Gitirana.
Sorteados os senhores desembargadores Accioli,
e Assis.
Nao se tomou conlietimento.
Aggravantos, Basilio Alvares de Miranda Vare-
jo e sua mulher; aggravado, o juizo.
juizo.
Appellante, o juizo
Amellante, o juizo; appellado,. Joaqnm AImiso.
de Mello. .'
Apjiellante, o juizo ; appellado, Antonio Jos* 1 e-
reira Silvano. ...
Appellante, Joao da Matta Virgem appellada,
aJAppelaifte, Severino Luiz da Bocha | appellada,
o iictipfl
o Sf. desembargador Assis passou ao Sr. desem-
bargador Doria
.1 iippellacao crime.
Appellante, o juizo ; appellado. Antonio Espi-
nla.
A 1 hora da tardo encerron-se a sessao.
de'ris.
c do de 186!
1862 foi de
13:867.8766W.'i
17:340.8404111
O que pode a salsa parrllha de
Brlstol fazer?
Fazei esla pergunta esse ulmo frag-
menlo de humanidade James Wyckoff, o
qual foi salvado em vida ; que digo, resli-
luido sade quando j se achava meio car-
comido pelas escrfulas- Joo West, de
Rainsville, Indiana, o qual se achava mor-
rendo aos poueos, proveniente deuma ty-
sica escrofulosa Erastus Cross, dcDarien
Centre, Nova York, o qual soffreu pelo es-
paco de i annos de um cancro nasal se-
nliora D- Hannah Eddy, de Esst Hamburgh,
Nova York, desfigurada por rheumatismo
chronic i senliora D. Van Deoser, de
ranby, Oswego C, Nova York a qual ti-
nha 13 chagas aberlas sobre o joellto di-
reilo senliora D Wliilhey, cuja senhora
chegou ser reduzida um mero esqueleto
vvente, proveniente de molestia extrnseca.
Todas estas pessoas esto prora ptas res-
ponder que depois do eminentes mdicos te-
rem pronunciado as suas respectivas sen-
tencas de morte, a salsaparrilha de Brislol
nao s Ihes conceden um respiro de vida ;
mas tambem os reslituio e os reslabeleceu
sua primitiva inleireza, dando-lhes vida e
sade. Em qualquer urna das cidades, vil-
las ou aldeias dos Eslados-Unidos, poder-
se-ha encontrar homens, mulhctes e crian-
cas, os quaes promptos se acham em dar
esta mesma resposta.
. A mesma acha-se venda as principaes
lojas e estabelecimentos de drogas,
COMMERCIO.
Salsa parrilha.....
Sebo em rama.....
dem em vela-.....
Sola em vaqueta. .
Taboas de amarello. .
dem diversas.....
i
Tapiocas.......
Tatajuba.......
i Travs.......
(tahas l< l".....
Vassouras de pias-ava. .
dem de timb.....
plcni de carnauba .
Vnagn.......
Alfandega de Pernambuco. H de agnsl + M^<
(Assignados):
l) l.- eonferento. Domingos M SHra GimmA".
O 2." conferente. Jos Thomaz ./- .i>t*i*r Hr'i
Ferreira.
Appmvi. Alfandega de Peraanibmw, r a-
osto de IMS.Omml Rei*.
ConformeO 4. escripturarto. Jn>"> ** m-
Pnto,
itecebedorla de rendas int
geraes de Pernamr
Bendimento do da I a 7 .
dem do dia 8.........
arroba
quintal
mu
Cent.
.iu*la
%*&tnW
mjnj
I Hi-V
npnj
mjn
t3l
*.>)
|iCyl
M*fMI
-1
CORRESPONDENCIAS.
con-
9:471963*646
Relatorio apresentado pelo pre-
sidente da associaeao Com-
merclal BeneOeente em 1 de
ngnoto de I8B3.
Senhores. .
Em cumprimento do dever que nos imposto
pelo reglamento que nos rege, vem esta direccao
havendo assim a diHerenca
tra o primeiro de ris.
A exportacao em 1862 1863
foi de ris t......12:471,784*760
De 1861 1862 foi de 12:339,859400.1
Diflcrcnra a favor do primeiro 131,923*763
O bom nreco que tem continuado a obter o algo-
dao, deviuo a causas que nos nao sao estranhas, ha
compensado em parte a baixa do assncar, dando
em resoltado a differenca que fica notada no aug-
mento do valor da exportacao.
ESTBADA DE FEBBO.
Bealisou-se a abertura da 4 scelo torminal as
margens do Pirangy, da va torrea ao Bio de S.
Francisco, segundo se vos havia communicado an-
teriormente ; achando-sc assim satisreitos os votos
dos que comprehendem e senteni as vantagens que
se colbem As tao importante melhoramento.
Esta associaeao foi ouvida acerca de umapre-
teneo do Exm. Sr. visconde de Camaragibe e ou-
tros', que solicitam do governo imperial o privile-
gio para a construccao de urna estrada de ferro, que
partindo desta capital v a villa do Limoero, tocan-
*:'.vri*;-'.'.
75:1*1.-
:7gmW
Consulado provincial.
Rendimento do dia la/------- lir.
dem lo dia 8......... .___!
7-
PRApA DO RECITE
N BE AGOSTO BE
s 3 bras da
Revista se
tarde.
Alfandega
Rendimento do dia 1 a 7 .
dem do da 8.......
lovlmento da alfandega
Volumes entrados com fazendas
' com gneros
Volumes sahidos
rom fazendas
com gneros
Srs. redactares. Lendo em um de suas
Revistas, correspondencia dos moradores
das casas edificadas por tras da caixa d'agua,
reclamando em nome da hygiene publica,
que pode ser desecado, ou removido d'a-
quelles lugares, e immedjaces um grande
pantano, que se demora at o vero ; e to-
mam a liberdade de lembrar, que serve de
grande auxilio para o exgoto de todos .esses
terrenos um largo e excellente cano exis-
tente na ra doGotovello, entre o muro do
sitio do Sr. Lourenco Cavalcante, e os fun-
dos de minha olaria n. 13, o qual j a mui-
to se acha entulhado.
Cumpre-me dizer alguma cousa res-
peito.
No dito sitio existe ama levada, que re-
cebia. on que ainda recebe as aguas da ra
do Sebo, depois seguem por um cano de
fijlos de alvenaria, o que tem principio no Abanos.......
muro desse sitio; atravessa a ra, nao do Agurdente de cana. .
Cotovello, e sim Mondego ; recebe as aguas dem restilada on do reino
dessas duas ruasj o seguem pelo dito cano, dem canea.....
qve vai ao quintal da casa do Sr. Nunos, e dem geiiebra.....
109-.JW25926
7:835*2.*>3
117:708*17!!
147
283
-----430
96
274
-----370
Cambios.
Algodao.
Descarregam no dia 10 de agosto
Barca inglczaCnfre=carvo.
Patacho inglezBamhu mercadorias.
Barca portuguezaLni,a=charque.
Bngue portuguezSt>6,no=mercadorias.
ALFANDEGA DE PERNAMBUCO.
PACTA DOS PRECO DOS GNEROS SUJE1T0S A DIREITO DI
EXTORTAQAO. SEMANA BE 10 A 13 DO MEZ DI
AGOSTO DE 1863.
iiv saques da semana r.-guJai i
ln riO.OOO sendo de *7"e J7 <
d. por 1*000. sobre l>wdiv
fr. sobre Pars, e df 96 a pr
cento de premio are Liiisn.
() desta provincia, veniem-m e
iill0 a 21**H> p.* mk a
ultima venda do de Maerto r -'
a bordo, loi de intMM. cain-
do-se o da Parahiba .b- 22*i
I 22**.
\ssucar........O branco vendi-a je de 340t a
3*800 por arroba, o sommm\ *
1*600 a tima, o aytva.to
purando ib- 1*WH> a i**.
mil niba.~i
Agurdente..... Vendeu-se de 6ft*0l ai
apipa.
Couros.........0 seceos salgados
a 130 rs. a libra.
O pilado da India veadev-
00 e o .b> Marankao a :t*
Eir arroba,
de Lisboa itnem-te a 2J*>
o galio eo do Estrato a**>>
B.ialhoii-s.' de 11*010a Hjmi
Armz.

Azeite diVe.
mdhte.
por barrica, tirando
4.000 barricas.
Batatas.........VendVram-sede 8fl9a
arroba.
Bolachinha...... dem a 2*000 l
Caf........
Cha...........
Carne secca
Mercadorias.
I
Unidades. Valores.
cento
caada
1*400
300
:oo
32
300
Grve^a.-
VenVo-sedrHWOOal
arroba.
dem a 2*208 por Ara
A do Rio-Graade da M
Ihou-se de 2J06O a
arroba, e de IJMBaS
Rio da Prata; tcaado en i
to 77,408
12,000 da
Variando a
vartou de .
zia de garran.
*
m
%&




^WSgf^'


v
Piarlo e Wrnutmhnco segunda felra lo de Agosto de 1863.

1 de 13*Hra75
15*00* 16*000, a de Genova,
de l af 15000 a di flcan-
oni deposito 1.90 barricas
da Mfinu'ira; zoo da .ruunda.
200 da tercena e 2.800 da
miarla.
Dita de mandioca Vendeu-se de 5*000 V 6*000 a
saeca.
Feyao........... dem fe 55000 a 6*000 a saeca.
Genebra......... dem de 280 a 310 rs. a botija.
Louca..........dem a 300 porcento de pregik),
sobre a factura da inglcza ordi-
naria.
Mantciga....... A franceza vendou-se de 430 a
Hua de Sao Bom Jesu das Crioulas. i
N. 61 particular e 8 publico caa terrea. 1315000
Ra da Cruz.
S'. 68 particular e lo publico 3 andares. 1:2005000
Hua da Cadeia do Recife.
N. 72 pailicM* o 30 publico 3 andar-. 700*000
Boceo da Lama.
N. 75 particular e 30 publico casa ter-
rea............... 01*000
Travessa do Carcereiro.
N. 83 particular e 11 publico casa ter-
rea.............. 1005000
Patrimonio de orpuaos.
Ra da Madre de Dos.
N. 24 particular e 26 publico dous an-
dares........ ........ 901*000
Bccco das Boias.
AVISOS MARTIMOS.
C09IPAMHIA
MESSAGERIESIWEIIALES.
Ate o dia M do trente espe-
ra-se da Europa o vapor francez
Estrenadme. comouBiante de
S'iiiht,o i|iial.depoi8 da demora
docoatume seguir para o Rio
de Janeiro tocando na Babia, para pasagens etc.,
trata-se na agencia ra do Trapieb a. 9.
300*000
460 rs. por libra, c ainglezade N. 39 particular e 18publico dous an-
640 a 630rs.; Picando eiudepo- dares................
sito 3,000 barris. Ra da Moeda.
Hastias......... Venderam-se a 55200 a caixa. >'. 44 tartieular e 21 publico casa ler-
deo de linha^a.. dem a *S00 o galao. \ rea........ ........ 251*000
Pastas.......... dem de 55000 a 6*00G a caixa. p.ua do Amorim.
l'ivMintos....... dem de 135 a 145000 por ar- y. 34 particular e 24 publico 3 andares. 300*000
roba. IN. 56 particular e 26 publico casa ter-
Queijos........ Os flamencos venderam-se de rea................
1*500 a 1*600 cada um. I Ra do Burgos.
Sabao..........O amarello reguloude 120 a 140 f. 69 particular e 21 publico casa ter
rs. a libra, c do Mediterrneo a
240 rs.
COMPANHIA* PERNAMBUCANA
DE
Navegaeo costelra vapor.
Macei e escalas
O vapor PtrtiiiHttfti, comman-
dante Itatis. segu para os por-
tos cima indicados no dia 25 do
corrente s 3 lioras da tarde.
Recebe carga at o dia 24 ao
7250OO me0 dia. encommendas, passageiros e dinheirea
frote at o dia da sabida s 3 horas da. tarde: cs-
Toucinlio.......O de Lisboa vendeu-se a.8*000
por arroba.
Vinagre........O de Portugal vendeu-se de 1005
a 1155000 a pipa.
Mnhos.........Os de Lisboa venderam-se de
1905 a 2005 a pipa, e os de 011-
tros paizes de 1605000 a 2005.
Velas.......... As de.rompoeicao venderam-se
a 540 is. por pacote de 6 velas.
"es. ontos....... Os rebates de lettras regulou de
8 a 12 por centoao anno.
roelas......... Nao liouveran transacfSos esta
semana.
MOVIMENTO DO POSTO.
FnriD.* entrarlos no dia 8.
Manaban 32 das, palhabote nacional aribatdi.
de 109 toneladas, capitao Custodio Jos Vianna,
ei|ui|)agem 8, carga arroz ; a Tasso & Irma...
Lisboa 38 dias, brigue portuguez Soberano, de
168 toneladas, capitao Antonio Agostinho deAl-
meida, equipagem II, carga farello, vinho e ou-
tros gneros a Thomaz de Aquino Fonsera J-
nior. "
Navio saltillo nn memo dia
Rio de JaneiroBrigue naoional Beluario, capitao
.Manuel Marciano Fcrreira, carga dilerenles g-
neros.
Nmioi entrado no dia 9.
Baha 4 ibas, brigue liespanhol Ventura, de 330
toneladas, capitao J. Alcina, equipagem 13, car-'
ga 9000 arrobas de carne ; Amorim limaos.
Liverpool12 dias. lugre igtol Edith. de 341 to-
neladas, capitn Walter C.outb. equipagem 13,
carga carvao de pedia.
Liverpool56 dia*, escuna ingleza Sea Bird, de 1
170 toneladas, capitao M. Gallechan, equipagem
7. carga plvora, fazeudas,e ouiros gneros ;
Paln Nash & C. .
Kario sabido no MMHO dia.
Maroim galiota bollandeza Pieterdina Murchiena
capitao J. Klein, em lastro.
-,,, eriptorio no Forte do Mallos n. 1.
rea......... ......72*000.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-'
cife 7 do agosto de 1863.
EDITAES.
O Dr. Triado de Alenear Araripe. ollieial da im-
perial ordem da Rosa e juiz de direito especial
do commercio nesta cidade do Recife, capital da
provincia de rernambuco e seu termo por Sua
agestada Imperial e Constitucional o Sr. D.
Paira II. a quem Dos guarde etc.
Faeo UMr aos que" o presente ediial virein e
dlle noticia liverem que no dia 31 de agosto do
crreme auno, se ha de arrematar por venda a
qiiem mais der. em praca publica deste juizo,.na
sala das auditorios osegtnte : urna parle da casa
terrea e silio no lugar de Bcmca 11. 78. sendo dila
nojneio do sitio, com a frente para o rio Ca-
pibanbe, eo fundo para o meemo lugar de Band-
ea, (endu na trente orna grane de ferro, seis Janel-
las c urna porta no mel, sala na frenfe com gabi-
nete do lado, quartos, sala atraz, eoainhii tora, quar-
tos. senzalla. estribara para seis cavallos. cacimba
com anque e bomba, easiulia pequea para Bom-
bos, jiidiin e muios arveredos de fruoto e grande
terreno ao lado: avahada em 8:0865360 rs.. leudo
sido a avaliacio total do inesmo predio lz:0i)0.!>. a
anal tora penborada por exeencao do Dr. Joaquim
Amonio Carneiroda Cimba .Miranda, eontaa load
Pinto de Lanos Jnior.
nao havendo laneador que cubra o preeo da
nvaliacao a arremataao sera frita pelo preeo da
adjudicado na forma da lei.
K para que cheguc ao conhcciuicnto de todos,
mandei passar .editaos que serlo publicados pela
imprensa e anisados nos-lugares docostume.
Recife, de Jumo de M*3.
Iva Adolph.i Libralo l'ereira de Uliveira. r-rri-
van interino o subscrevi.
Ti istao de Alenrar Araripe.
DECLARACOES.
Manta Casa da Misericordia do
Reelfe.
A Illm.* junta administrativa da Sania Casada
\ii rioordu do Recife manda faier publico que no
dia 13 do corrente pelas 4 horas da tarde na sala
de sii.is sessdes contina a .praca das rendas das
casas abaixo declaradas por lempo de um a tres
anuos.
Os pretendente9 devem eompacecer aeompanha*
leseus dadores ou munidos de cartasdestes.
Eslahrlrriiueiilus de cariiladr.
Ra Direita.
\*. 4 particular e-33 publico um andar. -5655000
N. 82 particular e 5 publico tres an-
dares ..... ... '......1:0105000
N. 83 particular e 7 publico tres an-
dares.............. 9205000
Ruado PadrePMriao.
i\*. 6 pal brillar e 47 publico casa lacrea. 1865000
IS'. 7 particular e 45 publico casa terrea. 126*000
N. 6particular e 63 publico casa ter-
rea .......... ...... 1405000
N. 90 particular e 13 publico, casa ter-
rea.............. ... 1815000
' Bccco da Carvalha.
S. 10 particular e 8 publico casa terrea. 1495000
Ra dos Pescadores.
N. 16 particular c 11 publico casa ter-
rea............... 2355000
lina da ('.aleada.
?f 17 particular'e30 publico aasa ler-
rea............... 1745000
IL 19particular e 34 publico casa ter-
rea,'............... 1495O00
N. 21 particular e 38 publico casa ter-
rea................. 1365000
Ra Ai Viracao.
K. 27 particular e 19 publico casa ter-
rea.;................ 2835000
Rna de Santa Tbereza.
N 31 particular e 7 publico asa terrea- 1965000
N. 32 particular e 5 publico casa terrea, 804*000
Ra de Hurta*.
rf. 29 particular e 41 publico dous anda-
' res............. .. .. 553*000
Ra da Roda.
N. 35 particular e 3 pulrfieo casa terrea. 108*000
N. 36 particular e *> publico casa terrea. 89*000
N. 37 particular e 7 pnblico casa terrea. 112*000
N. 99 particular e f pnblico casa terrea. 120*000
Rna da Imperatriz.
? 47 narticnlar e 68 publico casa ter-
rea. \T .............. 306*000
Rna da Gloria.
N. 5t particular e 65 puWirr casa ter-
/ea......... ......
Ra do Eneanla ineii l".
N. K2Barticulw e 3 publico 3 andares.
Ra do Azeite de Peixe.
N. S3 parlicnlar 4 publk-o 2 andares.
Ra do Amorim.
N. 54 particular e 31 publico um andar.
Ruada Lapa.
N'. 56 particular e 8 publleo um ndar..
N. 73 particular o 6 publico um andar. *
Ra do Pilar.
N. 39 particular e 73 publico casa ter-
rea.................
O escrivio,
F. A. Caralcanti'Cousseiro
Directora das obras itfotM.
A directora das obras militares, tendo de man-
dar proceder a concertoiem diversas portas e por-
tadas, e azer outras novas, e portadas tambem no-
vas, convida as pessoas.que se qaiserem encarre-
gar destas obras e concertos a apresentarem suas
propostas nos dias 14, 17 e 18 do corrente moz.
Directora das oras miliures de Peruambuco
8 de agosto de 1863.Luit Francisco de Paula de
Albuquerque Maranhao, serviudo de amanuense.
Arreniatarao.
No da 12 do corrente agosto, depos da audien-
cia do juiz dc'paz do 1. districto da Boa-Vista se
nao de arrematar os trastes seguintes : 12 cadei-
ras, 1 sof, 4 bancas, ludo de madera Jacaranda,
e 1 piano, todos estes objectos em bom estado, por
exeeneao de Jos da Cruz Santos contra D. Vicen-
cia Fcrreira de Albuquerque Xascimento.
Secretaria de polica de Peruambuco
i de agosto de 18(53.
Por esla secretaria se faz publico para
conslar, a quem interossar possa, que pela
delegacia do termo do Cabo, foi preso como
fgido e remedido para a casa de detencao,
onde se acha desde 46 de Janeiro ultimo,
um pido fulo, de nome Francisco, que diz
ser escravo de Marcolino de tal, residente
n'esta cidade.
O secretario,
Eduardo de lanos Falcao de La-cerda.
Tribunal do eonimercio.
Pela secretaria do tribunal do commer-
io de Pernambuco se faz publico que nesta
ata lica registrada a escriptura de dissolu-
cao da sociedade que no Aracaty linham
Melquades da Costa Barros e Antunes d-
IttmJo, sob a firmaMelquades da Costa
Barros d- C, ficando~em virtude da mesma
escriptura extincta a referida sociedade ; o
ex;-socio Barros desonerado. e pago dos Ju-
cros que te ve f e Antunes & Irmao, de
posse dos papis, ttulos,
ele,, e um escravo, ludo no valor de
6:1444602.
.Secretaria, 7 de agosto de 1863.
Julio Gitimaraes,
Official maior
Pela mesma secretaria se faz igual-
mente publico que nesla data fica regis-
trado o papel de prorogacao da sociedade
de (i ti i maraes d liveira, (desta praca) es-
tablecida por contrato do Io de agosto de
18'J7, e ratificado pelo de 30 de junho de
180a, que findou, devendo a mesma socie-
dade durar 9 annos, com o capital de
15.-000.-s, fornecdo pelo socio Guimares,
e sb as b.ises d'aquelle contrato, com a
nica alteracao de serem- os lucros disidi-
das em partes iguaes
Conselho adniiuiMtratho.
O.conselho administrativo, para fornecimenio
ilo arsenal de guerra, tem de comprar os objectos
seguintes:
Para o deposito de artigas bellicos da provincia da
Parahiba.
208 bonets.
Para o 4 batalhao de artilharia.
C resmas de papel almasso. 6 caixas de peanas
de ac, 100 dias d'ave, 2 caivetes de aparar nen-
ias, o garrafas *de tima prela. (i duaias de lapis de
pao. 6 libras de areia preta, 36 eolleceoes de cartas
para principiantes, 12 grammaticas portogaezas
por Monte verde.
Quem quixer vender taes objectos aprsente as
mas propostas em caria fechada na secretaria do
conselno, s 10 horas da manhaa do dia 10 do cor-
rente mes.
Sala das s.ssoes do conselho administrativo para
lornecinienio do :nnal de guerra, > de agosto de
1863.
Antonio Pedro de S Brrelo,
Cbronel presidente.
Sebattlo Antonio do Hego Barros,
Vogal secretario.
COMPANRIA PERNAMBUCANA
DE
Xavegaco costelra a vapor.
Parahyba, Natal, Maeaa, Araraty, Cear e Acaraci.
O v&por Shmanguape comman-
dante Mura, seguir para os
portos cima indicados no dia SR
do corrente as 5 horas da tarde. A
carga ser recebida at o dia 21
ao mero dia, encommendas, passageiros e dinheiro
-feira 1.1 dr aytwlo.
O agente Pinto far leilo a requerimento do
dopositario gcral e por mandado do film. 6r. Dr. !
juiz especial do commercio de difidentes pecas de
niarcineiria usadas, pertencentes a Mariann San-
che Debitad, e existente-; no deposito geral, casa
em frente a secretaria de polica, ra do Impera-
dor, onde se effectuarh o leilao devendo romeear
as 11 horas em ponto.
lOO palmos de tundo, pelo que faz frente para a
ra da Antizade, estrada para a Capungm. a vista
de taes proporcoes sendo perto da praca; os Srs.
pretendeniesqeiram tor a bondade d ir exami-
nar com attoneo para aproveitar .a occasiao.
AYISOS DIYERSOS.
COMPTABILIDaDE commercial
\'YAXi
DR. WITRUVIO PIiTO BANDEIRA
Prefessor da segunda raileira do Curso Commercial IVrnamawaiw.
IWIS BELLOS VOLtMES K3I 8." FRISCD
comi'Uihkm>i:m>-i
LOTERA.
O prlmeiroFreleeees theorieo-pratiefi de eeri|4w-
. raeo mercantil.
O segundoXoeoes de arithmetiea em-
merelal. adaptadas pratlea da operaee* m-
merelaes e elemento do sysin
metrieo eom suas applleafe
ao commercio.
PHEQO DE CADA VOLUME 5#.
Sabbado' do corrente se extrahir a
pnmeira parte da primeira lotera da igreja
do N. S. das Neves do convento de kS. Fran-
cisco de Olinda.
Os- bilbetes e meios bilbetes acbam-se
venda na respectiva thesctiiraria. ra do
Crespo n. 15, e as casas commissionadas
ra'da Imperatriz n. 44, loia do Sr. Pimen-
XrStomtS na'i'da 8S 3 h"S: eSCr,P'0n0 H P* da Independencia n. 22, toja ,1o Sr.
rniffPAifnTA Mticnm Soar,S Kmiieiro-.rua Direita n. 3,botica do Sr. '
Cliagas, ruada Cadeia n. 45, loja do Sr. Porto
e em Apipucos estabelecimento do Sr. Fran-
cisco M. S. Mendes.
Os premios de 5:000/ at i0 scro pa-
gos urna hora depois da extraccao at as
horas da tarde, e os outros no da segtnte,
depois da destribuifo das listas.
O tliesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Si uiza.
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte esperado
at o (ha 20 do corrente o vapor
Apa, commandante Alcanforado
o qual de|K)is da demora do eos-
turne seguir para os portos do
sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga^jue o vapor poder cohduzir. a qual devei
ser embarcada no dia de sua rhegada, eneom-
mendas e dinheiro frete at o da da sabida s 2
horas: agencia na da Cruz n. 1. escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo J C.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do sul esperado
at o da 14 do corrente o vapor
Princesa de Joinrille, comman.
dante o capitao tenente Santa
Barbara, o qual depois da demo-
ra do rostume seguir para os portas do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vajior poder conduzir. a qual flever
ser embarcada no dia de sua chegada : encom-
mendas e dinheiro a frete at q dia da sabida as 2
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Ljiide Oliveira Azevedo & C.
Para Lislioa sane em poneos dias eom a car-
ga que liver. a galera brasileira Mimlello. de mili-
to boa construeco, e acabada de fabricar, tem
bous commodos para passageiros : quem na-mes-
letras c contas ma (lu'Zt'r carregar a commodo frete, ou ir de pas-
' sagrm, trata-se rom os consignatarios Paimeira &
Bel trun, largo do Corno n. i. primeiro andar.
"ara Lisboa
sgue em poneos dias o lugre portoguai Julio por
ter a maior parle da carga comprada : para o res-
to e passageiros.a quem offerece bons eommodos.
trata-se com o consignatario Thomaz de Aquino
Fonseca. na ra do Vigario n. 19, primeiro andar,
oueom o capitao o Sr. Francisco Antonio M.-i-
I* relies.
Para o Rio de Janeiro segu com mili-
ta brevidade o patacho nacional Cardia, o
qual recebe alguma carga miiida e escrares
a-fete: a tratar com Amorim limaos; na
ra da Cruz, n. 3, ou com o capUao na pn-
ce, do Commercio.
Para a Babia vai sabir com milita brevidade
oveleiro haie Tyn, tem parte da carga prompla :
para o resto que liir f.nta. trata-se com os consig-
natarios Paimeira A Beltrao, largo do Corpo San
to n. 4, primeiro andar.
IiOTJBRIA.
0 thesourciro das loteras desla provinl
cia, desojando exlrabi-las em maior capita-1
e com menores intervallos, offerece a vanta-.
gem de dous por r*nto quem comprar
para negocio, na quantiade 1005 para cima:
assim como se propoe a eslabelecer corres-
pondencias para i|ualquer localidade da pro-'
vincia. remeltendo bilhetes, meios e listas,
sob flanea idnea; devendo o pagamento
delles ser feito logo que sejam recebidas as
listas e novas bilhetes remettidos. Othe-I
souiT'ocerto da conveniencia desse negocio,
convida aos Srs. eommerciantes da Victoria,'
Goianna, Rio Formoso. Nazareth, Serinliaem
emais tocaUdados poeolosB da provincia, c,
mesmoos desta capital, jque o quizereni, a1
eotenderem-se com elle, na thesouraria das
loteras, ra do Crespn. .15 : .advertlndo,
que recebera em pagamento e senv descont,
os bilbetes premiados de todas as loteras
da provincia recomidos thesouraria da la-,
zonda provincial.
Thesouraria das loteras, 20 dejunlio de
1863.
O thesourciro,
Antonio Jos Rodrigues de Suuza.'
Esta obra, apezar de eleftientar, vem preeucher urna lacuna, que era sentida entre n*s
onde fallecem escriptos de certas especialidades com acces* a todas a- iiit sim o editor pensa fazer um servico dando-lhe publicdade. tanto mais qnanlo hojr. que a
transaccoes commerciaes e industrlacs vao entre nos tomando notavel des-nvolrimento. *-v.-
entrar na educacao daquelles que se querem appbcar a taes ramos, da vida o ohiIbtihv ;
dos princpiotjda comptabilidade administrativa e commercial.
Com este intuito, sob urna forma esencialmente classica. reuriiu o Sr. Dr. Wiinivi.. <
principios da comptabilidade commercial no que tem elles de mais elementar, e coordeano- .
os de modo a facilitar o mais possivel o seu estudo s pessoas que so destinan) s pfo>Ww
commerciaes, sendo taes a concisao e a clareza postas no desenvolvimcnto resix-clirrt. frv p*. i
de-se aprender a materia, ebegando-se a escripturnr os livros por |>artida itohradas p appll-
car o calculo s operacoes do commercio. sem carecer da terveneao de um nwstre.
O primeiro volume. formulado sobre a obra de Bertrand, occipa-se mais r^m-iaintpnlr
da escrjpturacao mercantil por Ktrtidas dobladas, cujos principios sao desenvrdvidoa en bar-
monia com a legislacao brasileira, contendo alm disto um imp/trlantissimo appi'ndire sobre
as sociedades commerciaes em todos os seus moviinentos. qner pHo lado da e-a-riptorarm
quer pelo da lormacao, existencia e extineco dellas em face da IH. KeaM appeamte, du'[>li-
cadainente recommendaveHtor sua originalidad.' e pelo cnnho de c-iHiialisnK. t.-m omna-
merciante nina guia para sua direceo, qualqner que seja a forma da sociedade qne contraa,
(kimpleta este volume o spciinenou resumo de urna esariptnracao. liciicia verdade. ma^ea
Indo semelbante de urna casa ile commercio ordinario. ofVrecciMk man stp o|-r;wor>
successivamenle mais difflccis, qne assim inicia gradualmente I maneira ti.- rriptora-las
nos dfferentes livros de urna casa de comnien-o.
O segundes egualmente formulado sobre a obra de Koltinger. ocrupa-se paiiindarioente
da aritbnietiea commercial com exercicios e problemas |h-Io meio mais siinnd'-. f i\ U
da regra eonjuncta, acerca de todas as operacoes pralii as iisoaes no o.nuiM-n i evratMaa]
clculos de cambios de praca praca e por praca- intermedias,Mr como ngtprmn com arbitragens de cambios, alm do des. nvolvimenlo do sxstema mtrico em sua- rH.-M-Ses
com o commercio. Ilustrado por meio de tabellas de conversan
O editor nada mais accrescentar estas breves palavra-, Ojne asnf eataasMa a im-
|) DOrtancia real desta obra, devida a nlelligencia e a applicaeao aci unida do ki autor, -eni
" qne ella de utilidade geral. e que a nenhuin commereianl e mesan a Ronm atan '! let-
tras licito deixar de possui-Ia em sua*estante : pote o eouNMKtu en nai variada- evoh-
coes.. entende actualmente com todo que se liga a vida.
A assignatura toma-se as livrarias dos Srs. (luimaiae- \ Oliveira. ognein d.-Soo-
za. Julin A Pereira e fieraldo 11. de Mira, sendo i eali-ada sii io|kh lamia |m>I.i qiita d- rada
volume ao sabir do prelo, par.uj quaLora entra o pranare.
O EMToR.
^^wwwmww
INTERNATO
5),
^0
&3
1>E
ZAMORA.
NO
Para o Maranhao e Para
pretende seguir uestes oito dias o veleiro e bem
conhecido brigue escuna Jo seu bordo parte de sen carregamento : para o res-
t que lhe falta, trata-se com os seus consgnata-
tarios Antonio Luiz de Oliveira Azejvedo & C, no
seu^scriptoro ra da Cruz n. 1.
DRAMA HISTRICO PELO DR. THEBERGE,
QUAL N0 INTERVEN! PERLONAGEM
FEMENINA.
Aa rna Nova n. II vi-nde-se a Ifjtoqp o
fomnjnnt
Esnavs para ahi!|ai-se
.Na estrada do M.iiigiiiulio. primeiro silio defron-
le do boceo das Crioulas. o entrada da Caponga,
ha seisescravos lories e robu-ios para todo serw-
coparaalugar-se, ase contrai ongajamento para
os meamos pelo lempo que se qniec-
Precsa-se de um menino para eaxeiro 3e
urna loja de calcado : na ru.i do l.ivramento nu-
mero 13.
LEILOES.
LEI \0
DE
MOVE
8
THEATRO
DE
<:tii>itt:z\
DE
A. J.D14RTEC0IIBRA.
Recita llvre da assignatura.
Teroa-feira, 11 de agosto de iSfiS.
ANNtVKIISAIllo M INsTALI.AgAO DOS CCRSOS JLR1D1COS
00 IMPERIO.
Hepresentar-se-ha o mnito applaudido drama em
tres ael'-.
UM MYSTERIft
DE
Original brasileiro do acadmico J. F. da Silveira
Tavora.
Terminar o espectculo com a representacao
da lida e chistosa comedia em dous actos,
0 DOITOK GK iMMi
Principiar s 8 horas.
Tendo-se alguns sonhores acadmicos dirigido
mim fazendl^me ver que deveria levar um espec-
tculo ne-se da, acced de boa vontade, notando-
Ibes immediatamente as diBculdades com que ira
lutar para executar o seu pedido. Allnal resolv
ser o espectculo cima annunciailo. o mate pro-
prio para com minhas torcas actuaos offerecerao
respertavel corpo acadentfto no dia annhersario
do sua existencia.
O drama de um acadmico, j bem conhecido
entre seus eollegas e qne cortamente ufanar-se-hio
14'iA000 de assstir representacao de um de seos irmaos.
ilOilOOO Ao corpo acadmico parabens pela lembranga e
,' como sempre um voto de agraUecimento pela coad-
juvacao. que sabee saber sempre prestar-me.
183*000 A. J. D. Cojvbra.
1444000
48040D0
600*000
}
Xa rasa grande etn frente a Mttjii la estrada de
ferro na villa do Cabe.
(Com lunch.)
IIOJE.
Segunda feira lude agosto, s9 e
meialioras do di .
PAnTIDA DE TREM ESPECIAL.
Willian P. Hughes, tendo de relirar-se para a
Europa eom sua familia, far leilao por nterven-
cao do agente Pinto, de todos os movis de sua ca-
sa de residencia na villa do Cabo, como sejam :
l'm piano, mobilia de Jacaranda, ricos qnadros
com finas gravuras. tapetes, candeiros. mesa cls-
tica, apuntadores, um apparelbo de louca para
jantar. um dito pan almoco. garrafas para vinho,
linos crystaes, garfos. bocas e colheres. um sellim
inglez. um silho. cabeeadase muilos outros objec-
tos que eslaroao exane dos preUmilentes.
Os concurrentes ao referido leilao encontrarao
na estacan de Cinco Ponas um trem especial qne
partir as 0 e meia horas da manhaa. aos que com-
prarem mais de 50* abater-se-ha a importancia da
passagem. e o transporte dos movis ser gratis pa-
ra todos os compradores, devendo receb-los na es-
taco de Cinco Pontas no dia immediato ao leilao.
Principiar s 10 e pieia horas em ponto.
-i
Onerece-se a na m dher de DiciaJdade para
ama de bomeiiisi|t,-iro : a ti alar na rna do sebo
numero 13.
alnga-se a loja do sobrado n. 1 do pateo do
Terco: a fallar na roa Direita. casa n. 6.
A casa n. 61 da ra da Concordia, freguetia
de S. Jos, pertencente ao Sr. Xorberto. Muniz Tei-
xeira Guimaraes me est hypothecada por duas
eseriptiiras- celebradas na noia do Sr. tabellio in-
terino Pedro Alexandrino : una ja Vencida a 7 de
iunbe, e ouira que se lia de vencer a 10 de setom-
bro prximo futuro do corrente anno.
- Marcelino los Lopes.
IvM-rava futida.

ESTABELECIDO NA CIDADE DO RECIFE
Director0 barbare! era oathematira^
BERNARDO PEREIRA DO CARMO JNIOR.
O director do internara de 5. Bernardo, aecedendo aos |iedidos de varios pac- V>
respectivos eoUegiaee, e de mitras pessoas desta capital, removeu.....u e-tai.e|.Tn-iii.i
da Capunga para esta cidade.
Nao tendo evitado asforfos nen sacrificios para proiioi-cumni- arx -en- ibH
una perfeita educacao pbysica, moral, intellectual e religiosa, ollerecendi na ha-
bitacaqgcom bastantes condicoesde salubridade. habis proessores que um *Aie( ~
prepara-los convenh'iHomoBlo Sm :. rfiw se il.-i/n.-uo. mdico i>iaiiea_
comprchcndcr -. preceitos da li\"iene llie- eme .la- doeii'-a-, e finahrny
dote Ulnstrado e honesto que Ibes explique os principios da religiao cbrSfa
assim constituido nao deixar o seu eslalx'lecimenlo de merecer dos Si p;
lias o auxilio e conflanca com que j alguns o tem honrad..: ih.-- r<>
lodas as jiessoas inleressadas. qne se dignein de visitar o ine-nio -.-o -Uinni.
onde sempre encentrarn franco ingresso.
Ocollegio tem sua sede noespacos.....liii.-i.. n. M a na da Aur.'ia. -..nri-ji. .
do collegio dos orpbaos.
R08 e-lallllo- dO colle-io. que e8tO a d0POSfO V qileill ..- qiliz.l |.| aehan
consignadas-as condieoe- de entrada e mairicula bm diversas antes do esta
ment.
IiOTRIA
C4Si D\ FORTUNA
AO COMMERCIO.
No dia .11 do prximo paseado fngio a eserava
l.e.'indra. idade de 50 l 00 aun i.-, pnxa por uma
perna, esta eserava foi pertencente a Joao da Cu-
nha Iteis. e arrematada em praea pelo .abaixo as-
signado : quem a penu leve ao raes do Ramos n.
6. que ser gratificada
.loaoCorilciroiloHfgo Ponte-,
t) abaixo a-signado az sciente ao respeitavel
publico que -' acha estabeleeido com sua lote de
billietesda- loteras da provincia, na ra do Gres-
' po n. 13, onde tem exponte venda os gem inui
felizes bilbetes e meios bilbetes garantidos da 1.-
parte da 1.a lotera em beneeio da igreja de K. 8.
das Neves do (olvenlo de S. Francisco de Olinda. m]||1 j,,,,. (|(1. Santo- \ndrad.
cuja extracclo ser a _M do corrente mez, obn- |,IOnsabli.lade petes liao-a.-cV
_.. -----------,__ ------------- -------- iiuN-, eando-se ao pagamento de todas as surtes, que nel-' pertu;,,!;^.
o- abaivi aignad..- faz.-m -c"i.-nl.- a-. .....h
qne desde o da :M de jumo prximo p -- i
acha dissolvida amigvehnenle a wriedad ii
rava sob .: razo de Vi I laca Irmo A \n-i
licamlo a careo .lo- socios. Manocl dos 9an>- ,
laca e Jos dos Sanio- Villaea. que ronliu.i.
Ilie-lll'. Ji'lCI i de ll>
Villaea luna.. c ('... .. aeiivn pnatn da a
| sociedade, e completamente exeanan .. nri
i.- anahnrr re-
ate aquella
les direm. sem os desconlos dos l por cent..
do imposto geral e dos 4 por cento do provincial.
[0 qual ser piomplamente elfectuado una hora de-
I pois da exlrareo e por diante.
; Os i.illieie- e meios bilbetes do abaixo assgnado
Aluga-.se um silio na eslrada de Belem, com ,;, ,.||,. assignados de chancella e acbam-.
boa ea-a e bastantes arvoredos : quem pretender, nmbem i venda as seguintes casas : Praca daln-
dirija-se ao sitio em Santo Amaro junto ao cern- ^pendencia lojas u. .e :19; ra Direita botan,
terio pnblico : a tratar com Francisco Antunes n. ;j. rua da Cadeia loja n. 45, ra da Imperatriz
Fcrreira. ou na Caixa Filial. | 44 t. rua estreita do Rosario n. l.
Prc^o*.
Bilhetes inteiros...... 6*000
M.-io- bilbetes...... :t*0txt
Paca as pessoas que compnrem
de 1005 para cima.
Bilhetes........ 3*500
Meios.......... *730
Manoel MnitinsFinza.______,
Alugam-sc dous pretos propriqs para todo o
servico, g'arante-se a conducta : a tratar ua rua do
Imperador n. 16. annoem.
Beeife 7 d.- agosto de IM3.
Manm I '!'< > (
/ tanto* Vi Vaca.
1 'i- I,' do ftnw
,.;
MKli
Aluga-se para Iguma casi estnngeira nina boa
eserava qne cose e engomma perfeitam"nto. e co-
zinba alguma cnisa: podendo conliar-se della o
governn interno de una casa, para oque pode dar -
Banca : a fallar na rua larga do Rosario 11. 26.
loja de louca.
Um terreno em chaos proprios,
Terra-feira IS da corrale s 11 hora>
da manba.
O agenfe Olympio fara leilo a mandado do
Illm. Sr. Dr. jz espoeial do commercio de un
terreno na rua Imperial com 90 palmos de frente
ell60 de fundo culo terreno pertence a massa
fallida*ac Joaquim Lucio Monteiro da Franca.
Ter comeco as horas cima no armazem do re-
ferido agente rua do Imperador n. 16.
i. 1 .. .....-------------__
Alugiirl.
Aluca-se o primeiro andar do sobrado da 111a
Velha n. 30 : a tratar na rua do Sebe 11. 24.
Precisa-se de uma ama para una casa de
pouca familia : na rua do Queimadn. loja do beija-
flor n. 63.___________________________
. Precisa-se de um 1 ama para aju.lar a andar
com crianeas : na rua Nova, loja n. 7.
Os lii|m"da!arins da massa dr Jsr lnIonio
Basle i-iiinilini nscredores da mesma a apresen-
tarem atftt liiiil.is al 20 do crrente as rasas
rna do Trapiche 11. 31, para se proceder a respec-
tiva Terijiiaro. Recife S de aguato de i863.
Quer se urna boa ama de
leite: na rita da Cruz n 2'i
Aluga-se um escravo ptimo padeiro ;
na rua do Livratnonlo, n.'22. terceiro
andar.
0 Dr. Vellozo. medico, continua a resi-
dir na rua Bella 11. 37, primeiro andar.
aonde poner ser procurado para objecto
de sua p*ofiss"ao. a
Trata especialmente das molestias dos
orgos respiratorios e das vias nentto ou-
rinarias.
D consultas em sua casa, gratis aos
pobres.
Sao convidados os credores do fallecido A.
E. Barrillier para receberem a terceira prestafo
do debito, de ronformidaile rom a deliberaran por
lles lomada, e pede-se aos mesmos que tragam os
respectivos lilulos para seren resgalados: aa rua
do Imperador n. aO, primeiro andar, das 40 limas
da manhaa at as 3 da tarde.
LEIO
Qnarta-ft'ira 12 d comit i 1 horas-
Na rua da fiadeiai. 53.
De um Millo eho pronrio no
prlnrlplon rslrada do llan-
gnlnho, esqnlna qne faz a en-
trada da rua da Amlzade para
a Capunga.
Pelo agente Euzebio se vender uma excelente
propriedade que um sitio com casa de vivenda,
3 anellas, 4 qaartos. 2 salas, cosiuha tora, esiri-
baria, cocljeira. quartos, cacimba de boa agua, di-
versos arvoredos. terreno frtil, tendo 172 palmos
de frente para a estrada do Mangijitmo e mais de
*Aluga-se toda a casa sita na rua do
Queimado. n. 7, muilo propria para loja
- Nesta lata eiu que entre mim
e o artista Furtad > Ctelln> ff i se-
parada a socieaade que iinli>m.s
de fazendas oti Otilio qualqner estabeleci- naenivin dramttea do tbeatm
ment: a tratar na rua da Cadeia, loja 'fe Santa Isabel,fleoq oSp. Furtnd
n. 32 Ciielho iire de qualqner encara;..
'da mesma emprex.t, i.r issi que
; snlil u ett* S de agosta de !**, \fv
ii< Jos Duurte Coabr*
i'recisa-se'de 450A a juros, dando-se
por seguranza uma boa eserava com um
cria, a qual tem muito bom leite, cosinha
muito bem, lava, engomma e faz todo ser-
vico de cesa : qnem qnxer anntmcie.
Aluga-se o sogundo andar do sabrade n. 37
da rua do Imperador ; a tratar na mesma rua. ar- Becker & j^^^ com rasa de a|(aai^ ^ ^
naaom n.41.________^________ Nova n. 60, adve tem aos seus devedores que tra-
Aloga-se um rtioleque ifr-jlf-tnn^'; n rua tem qoanto.antes de solverem seus dbitos ateo
das Aguas Verde n. 9. | di 20 do corrente. para assim evitar executa-los.
i Maques sobre lt*r-fngal.
O abaixo assignado. agen'
inercantil rortuense nena .-i.ladr. tmnfl- *
fectiviinente pin-lo.l.i- -s itn I
o UUUW banco para o Pbrne Unan. pr
qiiabpier soninia. a nM I I pa;
deudo loajo os smii- a pran >m ma-
eonla.l.is no mcsino baen u i -
|>or cenlo aoaim.. a.. portad.^i <\\\t nt-
siin lhe conviei : nm da <>*?
8ou do Imperador n. .*>l
Jnaiiiiiin da Silva Cjutm.
mmMmmmmmmm
Offerece-se um rapaz de 1* a iOannr.- ,...
criado : qnen precisar dirija-e ao \f.^
largo da Paz. casa junio a aneja.
Precisa-se de urna ama de I-M-- -em ItPim .
na rna Direita n. 4. segundo andar.
Attenco
Madame Ferro, italiana, qiif parle i i
almocos e jamares a penen decenie. por prn^*-
commodos, nmonta da rna da Crau m. 9 para
n. ii ila rua do Jrap"di iiiuuia a srrvir '
liem e limpamente. como sempre. Km
tem-ptimos quartos e salas que atujan.
comida ou sem ella.
Attenco.
Eu abaixo assignado aviso ao sentar me tm
minha casa, na Magilab-na. no dia l3drjnno>
anno passado para fazer nina areoinmednie cm
uma divida que me devedor. e levan en ,>...
companhia o Sr. Rcrnardino, o sen ratina* e n-
t>> numero um seu irmao no carro de abanel "
Sr. Antonio Ferreira de Oliveira Retinad.-r. e as-
sim queira at o fim do corrente mez narnir .
negocio, senao procurarei o meu direiio.
Joaqnim Joa da Silva fto htaitn.
Alugam-se duas mei-a^uas no Caneo .VerA-.
rua da Atrnicao n. 2 : a tratar na rna do lai
numero 7,
' rannia it dmaira.
Desapparece um do telbeiru do trafica k-
Ramos, lia dia. o qual tem rerra de M auna n-
comprimcnwe 2 de largnra: quem o tner an-
do c quizer restituir, dirija-se a Balur A Onrrira
rna da Caricia do Rarfe n. 24. qar eer
sado.



-HILEGIVEL


-U p


Diaijo de PenMMMbuco Segunda felra 16 de Agosto de ISO.
PROTECCAO
PROTEGI
PROTEJAM FREGUEZES
'to %0\<9 i:NIABi:i.i:CHir.MT -: I- A/I'* 1*
. Ni RA SO CRESPO N. 17.
DE
JH i-oni:s villar*
Vende-se baralissimo
Faz en das de phantasla.
Vestidos de hlonfle cem capclla e manto,
para rasamente.
Vestidos de camhraia branca bordados.
Manteletes pretos bordados flomprides
Cassas pretas a- Lniz XIV.
Chapelinas de palha a Maria Pa.
Saias bordadas de i pannos.
Cambraias lisas.de todas as qnalidade.-.
Saias a bailo de arcos e de panno.
Chitas franeczas finissimas.
Laas de todas as qualidades para vestidos
de senhoras.
Meias para senhora, vindas de Inglaterra.
Cassas de cores liados padroes a 280 rs. o
-novado.
a diuheiro avista.
Fazendas braneas.
Madapoloos francezes finos.
Madapoloe's de jarda finos e entestados pro-
prios para camisas c saias de senhoras.
MadapolSes de 75, 8*, 9, O*, 110 e 1*5
I peca.
Bramantes de linho belga e desnutras mili-
tas qualidades, sendo de 10 palmos de
largura c outros.de 4-palmos.
Esguides, selocias, bretanhas.
Toalhas de linho para mesas ae .28 palmos
de comprimento.
Toalhas para rosto, alpodoes de todas as
. qualidades.
3--RIA ESTREITA DO ROSARIO-3
Francisco Pinto Ozorio contina a col-
locar dentes artificiaes tanto por meio de
molas como pela pressae do -ar, nao re-
cebe paga alguma sem que as obras nao
fiquem a vontade de seus donos, tem "pos
e outras preparaoSes as mais acreditadas
para conservacio da bocea.
f-^SHI-i^i!
Calcado francez, na leja do vapor,
Nova n. 7.
na
E outras muhas fazendas baratas
Un grande sortlniento
de-nrosicas para piano e canto sendo de todas as torcas, vendein-se baratis**
**
AURORA
H, U
LARCO D A
. tsatik
BRILHAJVTE. i
SIMACRIZ.
So grande armazem da aurora brilbantc o respcitavel publico encontrar sempre un
grande sortimento dos mclbores e mais novos gneros que tem viudo ao mercado e por pre-
sos senipre eommodos, tanto eni grandes porcoes como a retalho.
' ___________?_______________ ..__.-.I __I /"* f.". .1\ I *ii*i> o 11
Latas cun peixe era |>ostas savel, sal-
man, seluwncte, congro, goraz, par-
go e outras muitas qualidades limi-
to bem preparado a 15000
Ditas coni amaina francezas a libra a 15000
Ditas com biseoutos inglczes d*c va-
rios ttulos muito novos a ... 14300
Ditas cem figos, prs, pecegos, gin-
gas, alpcrxe e outras a 600
Ditas com ervilhas novas a 640
Ditas com marmelada a 640/960 e '14180
Ditas com massa de tomates 640 e 15240
Cha uxira o nieluor .neste genero a
25800 c.....34*0
Dito hvssen muilo superior a 2*800 e 350IMI
Dito dito a 25, 25400 e 25600
Dito preto de aza branca a 25000
Dito do Kio em latas a 15300, i #00 e 15800
Doce de goiaba cauaoa 500,640, 00c 13000
Linguicas do serto e carne a libra 320
Choricas e paios. de Lisboa e presun-
to d Lamege a libra a oOO
Presuntos ingleses pan fiambre a li-
bra a ......800
Queijos do reino muito novos (cubar-
los) a......2*800
Massas para sepa, talliaiim. macar-
rao, aletria, pevide e estrelinha, ar-
roz de massa, rodinha a lilira 300
Anoz da India a arroba 35200 e do
Caf do Cear a libra 320 e do Rio a
280 e .- 320
Dito dito a arrolia a 94500,95400 e 85o00
Vinhos ha novo stipprimcnlo.
Vinho da Figueira da propria uva a
Dito dito a 400 e
Dito de Lisboa de ^oas marcas a 400 e
Dito branco proprio para missa a 480,
360 c......
Dito tinto do Porto, ipenezes* chamico
duque c outrosein pipa a 640, 720e
Ditos genuinos engarrafados com os
nomes gravados dos autores as
garrafas a 15200,15300 e .
Sarvejas, cbanipanhe, licores, cognac e
Bordean/ e oulros lquidos que se
vendem baratissimos
Bolachinha ingleza a 25 a barriquinba
e libra......
Dita de araruta doce e agoada biscou-
tos etc. a :
Caixas com 2 arrobas de batatas novas
a arroba a
Genebra de Hollanda frascos grandes e
pequeos a 640 e ...
Dita de Urania aromtica a
Manli'iga ingleza flor a 720 e
Dita mais abaixo a 600 c
Dita franceza nova em barris e meios
a 600 rs. a libra e .
Dita em barris de 22 libras a
360
500
480
640
800
2-5000
200
. 15280
900
15000
800
640
digno de atteneao os novos sorti- ;
mentos de calcado' francez, chegado -
dita loja, c mui especialmente as mo> *
dems bolina; com differentes e> novos
enfeites para senhoras c meninas.
ni
BAICO UMlftO
ESTABELEaDO NA CIDADE DO PORTO
Agentes em Pernambaeo
Antonio i.uiz de Oliveira
Azevedo & C.
Sanan por todos os paquetes sobre o
mesmo banco prazo ou vista, sobre a
caixa filial cm Lisboa, e agencias .em Fi-
gueira, Coimbra, Aveiro, Vizcu, Vlla-
Rcal, Regoa, Vianna de Castello, Guima-
riies, Rarcellos, Lamego, Covilhaa, Braga,
Penaflel, Braganca, Amarante, Angra,
liba da Terccira, Iltia de Faias, libada f
Madeira, Villa do Conde, Valenca, Bastos,
Olivera de Atentis, Chaves c Fafe, a
oitodias vista ou ao prazo que se c.onven-
cionar,no sen efcoriptorio ra da Cruz
n. 1.
leude-se
Picfce no armazem da bola amarella da ra do
Imperador.
Assucar do Monteiro
Ra do Imperador n. 28 e caes de Apollo n.
67, a 200 rs. a libra, e de 8 libras para cima
a 50000 aarroba. ____
NOTICIA NOTICIA NOTICIA.
Cartoes de visita
Candes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Candes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cattdcs de visita
Cartoes de visita
. 85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Ra do Imperador
Ra do moerador
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Aula de instriiceo elementar.
Vende-se urna boa preta com idade de 30
annos, pouco'mais ou menos, cozinha e engomma
perfcumcnte, e d-sc para esperimenlar, a figura
nao boa, porm urna boa escrava para o servi-
co de qualquer casa : na ra ^ do Queimado, loja
de miudezas da boa fama n. 33.
ATTENCiO.
Vendem-se ttulos de divida de i,o37,307 rs..
sendo o principal do debito de Manoel Jos Leite,
legisla, que teve eslabeleeitnenlo na ra do Quei-
mado eom a casa de James Crabtree k C, em li-
qudaro, sendo para fechar rontas e logo se an-
nunciar mais oulras dividas: na ra do Trapiche
n. 9.
Espirito de vinho.
Na ra do (lotovello n. 1 vende-se espirito de
vinho de 38 gos a 240 rs. a garrafa, e em cana-
da a 15600.
rara ungen fot
Vende-se urna meia moenda de ferro nova com
rodetes de ferro, parafusos, bronzes e lodos os
pertcnces para moagem de canna, assim como 4
laixas de ferro coado de 5, 6 e 7 palmos de bocea
por menos preco que em primeira mo : a tratar
com Antonio Gomes da Cunha e Silva na ra da
Cadeia do Recife n. 30.
hii-iiilia de maoilioca
em porcao e a retalho : a bordo do palhabote D,
Luiz I, ancorado" junto ao caes do trapiche Barito
do Livramcnto, no Forte do Mallos.
Francisco Xavier Carnciro da Cunha deixando
a regencia da aula primaria do collegio Bom Con-
selho, contina na profisso de ensino em sua casa
de residencia na ra da Aurora n. 46, e promette
empregar todos os sforcos e recursos de-sua ton-
ga pratica, de maneira a conseguir, no mais curto
esiaco de'tempo, o adiantamento de scus discipu-
1 los. Neste sentido, pois; o annunciante ollerece
' seus seus servieos a todas as pessoas desta cida-
; de e do campo que tverem lilhos a educar ; e
aceita meninos internos por precos mui razoaveis
'' em relacao do actual estado do naiz, compromel-
itendo-se a trata-Ios com disvellos e a dirigi-los j ^ Tm/l im/i
cuidadosamente de modo que satisfaca as condi- @|^ 31LJ1U BAltAlU
, coes essenciaes de urna educacao regular e con- '
veniente l.3juventude.
Familia d> mandinca
em saceos grandes a preeo. muilo em contaj: no
trapiche do Cunha no Forte do Mattos.
Vende-se nm mulato de idado de 22 annos,
excellente copeiro, muito fiel e sem vicios, pro-
prio para pagem de algum estrangeiro ou ouiro
qualquer que pretenda : a tratar na ra Augusta
numero 29.
Anda est para alugar-sc o sobrado na ra
dos Codhos n. 10, onde moraram os padres lasa-
rtas.
TINTURARA.
Tinge-se com perleigao para qualquer
crj e o mais barato possivel: na ra do
Rangel n. 38, segundo andar.______________
Ao D. 29.
Noca loja dos bartenos, ra do Queimado.
Laas de ultimo goslo, covado a 440 rs.; organ-
dis de padroes lindissimos. varas a 800 rs.; ba-
loes de arcos o melhor possivel, a 35300, 45 c 3 ; n. 32.
alpaca de linho para vestidos, covado a 240 rs.;
cambraias de cores para vestido, covado a 280 rs.;
eambraieta muito lina, peca de 12 jardas a 75 ;
O abaixo assignado pede, ao St. Themoleo
Braz Jos do Reis tenha a bondade de ir ra do
Senhor Bom Jess n. 37 a negocio de seu interes-
se, isto no praso de tres dias, do contrario ser pu-
blicado por esta folha qual o negocio [telo qual
foi chamado.Justino Gomes Villar.
Pede-se ao Sb. Manoel Jos da Silva Marques
o obsequio de procurar o abaixo assignado, afim
de restituir-lhe as letras que de mais receben em
troca do saldo de urna outra.______ .
- Aluga-se o andar terreo da casa de
dous andares, sita na ra da Assumpco,
n. 4i : a tratar na ra da Cadeia, loja.
Na ra do Queimado n. 10 loja de Fer-
ro & Maia vende-se lia matisada a 200
rs. o covado, chales de touquim a 6, 7 e
85, ditos de laa e seda a 15800.
Scllins inglezes
chegados casa de Izidoro, Netto & C, ra da
Cruz n. 2.__________________________________
MUDANCA.
O rival sem segundo mudou o seu cstabe-
lcimento do n. 55 para o n. 40 da mesma
ra e contina a vender em todas duas lojas' 40 rs.
as miudezas abaixo declaradas e queirara Cartoes com
NO ARI.UE1 DE riZE.XDAS lilATik
?
DE
* % vrott (Oii.ii*
Rna deQneianiai.lt.
Vende-se o setjnintn:
Cobertan
de cliita da India, a 2:ooo rs.
Lenrnes de nana
de linho, a 2:ooo rs.
I.eneoes de iiranaamf e
de linho, de tira pamw t, a 2*oo rs.
Taalkas atcarlwadas .
para mo, pelo baraussiiuo preco de 5:ooo
rs. a duzia.
Ricas ffAlMiahns
de seda para meninas, pelo barat!..simo pre-
go de 4:ooo rs.
Lentas a> seda
pelo barato prec de Irooo rs.
Saias > fasta*
pelo baratissimo preco de fcftn r*.
Lenr*H de raaabraia
brncos finos, propros para algiUira, doza
a 1:80o e 2:ooo rs.
Lenras de rassa
finissimos, proprios para algibma. |do ta-
ratissimo preco de 2:ioo rs. a thizii.
Cartea de calen
de ganga amarella, le listas e de quariri",
fazenda superior, pelo liaratissimo prero de
i:2oo rs. o corle.
Pecas de naadapolo
largo superior, p.-lo baratissimo preco !
8:000 rs.
Peeas de bretanha
de rolo com lo varas, peta baraki preco de
3:2oo rs.
Peras deraanraia
de salpicos, fina, com 812 na, pk> ba-
rato preco de i:ooo rs.
.ttoalbadas de liaba
com 8 palmos de largura proprio para bo-
ina de meza, a 2:5oo rs. a vara.
Toalhas
de linho para meza, a 3:ooo rs.
Barege
de lindos gostos, pelo barato preco de tfle
rs. o covado.
Esleir da India
propria para farro desala, de 4, 5 e 6 pal-
mos de largura.
NOVO HI VAL
LOJA DE MIUDEZAS
Htm do Queimado n 16.
Mussinhos com 27 grampas sortidas a 30 rs.
Ciixinhas rom ditas a fiO M r-.
Pecas de lianca de laa li-a ncarnada a 20r..
Imitas de dita de caracol de-laa ih* cores *) r-
IMtas de dita de caracol branca a 80 rs.
Ditas de dita de caracol mezclada a loo i -
Ditas"de lila lraneada para debrum a 80, 120-
100 rs. ^
Filas ecordes liara enliar espartilbo a 60. 80 >'.
120 rs. ^^
Caranhns com 18 pares de eoichetes a 20 e
Hontem as 7 horas da manha, apre-
nendeu-se no caes do Ramos, um cavallo,que Pastar toda attencao: -
cassa lisa peile de ovo, peca de 12 jardas a 75500. era conduzido por dous homens. suspeitos, ^bonetes inglezes muito linos a
Ao II. 29. que o abandonavam logo que se quiz reco- ,60 c- ','' '
Nora luja dos bratei'ros, na do Queimado. nhecer, o cavallo ruco pedrez ; quem fr jtrasco (la8uil e
Paletots de merino setim, fazenda de rusto de Seu dono, dirija-se ao canoeiro Silvano Jos '
Maranhao 35p>00 e a libra 120
Neste estali:ecimenlo ha sempre taceos com farinha. milho, feijio, farello o arroz
casen, ludo da mellior qualidade e por menos do que em outra.qualquer parte.
i *& %% >9A 'fi30ifi3XF9XF9&i3&&*i
Aluca-M- mu sillo na esiiada dos AllliciDs de- Joao Caetano de .Abreu. solicitador dos au-
fronte (lo neceo do Espfnbein eom Jwa casa ten- ditorios desta cidade. fas scientc ao publico, com
ilo esta i grandes salas, 1 ptimo gabinete. 2 gran-
especialidade aos seus clientes e amigos que mu-
dou sua residencia para a ra da Praia de Sania
Rita Novan. 40, onde Tnorou o Sr. Dr. Duarque,
engenneir da estrada de ferro, onde sempre acha-
rao, das G jft 9 da manhaa, e das i da tarde em
(liante.
I\ao me sendo possivel permane-
cer eiu rasa todo o da para satisfazer
des quaru-. djspensa e grande cosinba, e ao ladi-
coxeira e estribaria para 2 ou -i cavaHos, cacimba
com excnHente agua de leber e bastantes arvore-
doa de (relos de boas qualidades que dao abun-
dantemente a tratar na ra larga do tiosario n.
IX. primejre andar.__________________________
Precisarse alagar nma esccava que cosinhe
e laca a> compras uara moa easade pcpn na fa-
iniH: quem tiyer dirija-se ao eaes do Aptiio n. s consultas medicas daquelles que me
T.seanndoandar. __________________ irtfcWa*, Mr quanlo tenho doentes
Luiz de Pumo Tavares. leudo de retirarse*! i m:nl,a cliiiica a une ni ilevn mplK
serto a tiatar de sua. saada, tem justo e "e 1- clll,lca> ,Iue!'1 uevo n|PUs
contratado eom or. Joao Luiz dos Santos a venda f Hilados, SflU Toreado I declarar ?-
d- Ma taberna siu.na.ua do CodornJ n. 3. | mcn,equcso mc permitlid* dar COII-
"?JE" i sullas das 6 as 9 htrn da manha, e, em
Ao n. 29.
loja dos Imraleiros, rua do Queimado.
Para acabar.
BlCOS preto de linho, vara a lo, ico, i\o c 33N)
r*. i ricas franjas e trancas pretas e de cores, vara
a 110, 100 e 200 rs. 5 trancas e galoes de lia c de
algndad, pecas de 10 e 1S varas, a 200 o too rs.
froca fino e'grosso, peca a 160 rs.; vestidinlios de i
cambraia liordados, para baptismo, a 25-
COMPRAS.
Compra-s um mulato de idade de 16 .20
annos, proprio para ])agem, e nina negra que cosi-
nhe e engomme bem, na rua da f.ruz n. I.
'ioe
'.110
.iOO
200
100
Aluga-se a casa terrea da rua Imperial
66 : OS ineleiidentes dirijain-se a C.aixa Filial.
Cobre, latao
lila amarella.
rador.
Compra-se
e chumbo velho. no rmazem da
no oitao da gaz da rua do Impe-
da Cadeia, caes do Apollo. Boa-Vista, rua
ruad) Sebo a]'' a Tamarineira : quema ti ver aclia-
do equizer restituir Jeve-a loja de Aodrade &
i;, go na rua do Crespa ao vollar para S. Rrancisco
i|i.....<; gratitteado.
Offence-se nma anui para casa de bomem
no ou pouca familia : na rua do Solio o. -I.>.
Aluga-se o primeiro andar da rua estreita
ib) Rosario n. 22 : quem pretender dirja-se ao
segundo andar do mesmo. ^______ _
Oieroce-sc um rapaz nrasileiro de boa oon-
inia para-aaixeiro de trapiche de molhados^ne
alende perfeitamentedosmesj ios : quem preten-
der, animiicie.jKir este jornal para ser procurado.
Precisase de um feitor para um engenbo
lisiante desta penca oilo legoas : na rua da Imne-
ratrk n. 32.
Heraclio Ve.-|iasianno Fiock 4toinano,coin|)e-
lentemente antoriaado pela directoria da instruc-
ijao pubKca,tcm anete nm cono particular de geo-
metra e geographia os senlioies eslndaniei que
-e qnizerem matricniac as reiaridas materias,
podm dirigirse-a roa do Cabng n. 3, primeiro
andar, das s ll liegas da manaii. i das 3 as
6 da laidi.
Precisa-se ile una ama de leite,
mas que tenha, quando muito at 6
meses decorridos na criacSo de que
seacheencairegada: na rua estreita
do Bogarlo n. 3, 3 andar, por cima
do armazem de trastes do Sr. Ho-
reira.
casos argentes, das 3 as o da larde.
I)r. Jnaquim d'Aqnino Fonsera.
Altiga-se-em Olinda o sobrado n. 3 na rna
ilrS. lenlo rom a sua cfmpctentc lujja e quintal.
t.in iiasianies coramodoB para familia e aloga-se
muilo em cunta, principalmente" se a pessoa que
\ alugar quizer fazer algnnsnoanenos coneertes que
preeissm fazer-se, deseontando-se a respectiva
despez,-1 nos alugueis: para tratar no Kecife com
Claudio Dubeiix. rtia do Imperador n. 43.
----Ariciida-se o *>>? i;li>> S < ,je-
fuio silti na comarca rio Cabo, tem
.sta proprtedadA excellentes tr-
ras para plaiiiai/oiv de canoas, ro-
cas, etc moid por gua e dista
da rsiack'i da va frrea apenas
me I* 1 k< ; quem o preieniter di-
nja-se rasa d<> fallecidocoionien-
da4or Luiz Gomes I'crrcira ao illon-
dego.
Aluga-se a loja da rua das Crnma n. 11, pro-
pria para qualquer eslabelecimento ou artista por
ter na sala dedetra/. coinmodo para pequea fami-
lia : na rua >'ova de Santa Hila n. 19. armazem
de leemos.___________________________________
Precisa-se de 5005 a juros de 2 0|0 por tem-
po de seis meses, pagando-se os juros menaalmen-
le, sobre bypoilieea de mua escrava crioula e sa-
, dia. de idade 16 anuos : a quem eonvior. inte
! coc Freilerico Chaves, que est com os poderes
precisos para dita bvpotlieea.
A adminisirac.au interina da veneravel or-
dem lerceira do Ca-mo do Recite avisa a todas as
pessoas que estao devendo foros a mesma ordein,
queiram vir pagados ao seu procurador Joao An-
tonio CoelUo, na rua estreita do Rosario n. 17,
dentro do praso de oitodias, e nao o fazendo no
nwnejonado praso serio cobrados judicialmente
com as penas a lei do commisfo.
320 c.........
Dito dito muito superior a 500 e .
Dito de nanita muito fino a 400 o. .
Frascos de Lavando muito superior.
Garrafas dagua celeste muito su-
perior a. ". *. .
Frascos de cheiro muito finos
500o...... .
Ditos de banha pequeos muilo lina.
Dito de opiata pequeos. .
I Comprase efectivamente orno a praia em 'Thesouras muilo linas para unhas.
obras yeitos : na praca da Independencia-n. 22 lo- Gravatas (le seda de cores .
ja de bilhetcs. .____. .
Luvas brancas de algodao .
Caivetes de 2 folhas muito finos .
Caixasde colxetes francezes e car-
toes .......m. ,
Grampos d caracol e lisos. .
Caixas de vidro com 12 dedaes de
metal..........
Massode palitos lixadosparadeiites.
Grosas de botoes de ac para calca. *
Caixas com *' frascos de cheiro.
II pare- ilc diins a Vi rs.
Ditos com 2^i nana ia m .1 fio. 80 c ion r*.
Pares de luvas de montara iara bomem a t*
e 150OO.
Ditos de ditas de seda para senhora a 600 e 14.
Dilos de ditas de Escocia para senhora a 200
400 rs.
Pecas com l.' varas de franja para cortinadn a
280.
Vara de franja de seda preta e de cores a WO.
600 e 800 rs.
Dita de tranca grega de seda em caracol a 20>,
400 e 600 rs. "
Dita de WCOS e renda.- blancos c pretos a |Ort,
420
640 iwVe'ioffr's.'
VENDAS.
sertao propria
na rua do Vi-
Vende-se superior carne do
para a boa feijoada e frigideira :
gario n. 13.
Milho. arroz e farinha.
Vendem-se saccascom milho, ditas com familia
de mandioca, ditas de arroz com casca, a bordo da
baroacai Segunda Olinda. chegada do Penedo e fun-1 scovas para cabello muito linas ."
deada no caes do Hamos : a tratar a bordo, ou na ,-__,_t/j_________:_____:.___
rua Direita n. 09, padaria de Antonio Aires de Mi-
randa Gnimaraes.
DENTISTA DE PARS
\ftva I!
cirnrgiao dentista.
19It na
Frederieo Gantter,
fas todas as onecaedes iie sia arte, e col-
loca denles artiflejaes, indo eom superio-
ridade e perfeicao, que as petsoas enten-
didas Ibe recunheemn.
Tem agua c pos denfkto.

SS-firi
.llugam-sealojadoiobrado n. 193 e armazem
n. 171 da rua Imperial, o armazem n. 4 da rua do
Apollo, e a casa n. 27 da rua do Burgos: na rua
"da Aurora n. 36.
Granimatica latina.
0 padre J. M. Maciel, professor publico
de philosophia no seminario de Olinda. e par-
ticular de latira no Recife, lera a.berto um
curso desta lingua na rua Nova, n, 19, ter-
ceiro andar : as pessoas, que quizerem uti*
sar:se do seu limitado prestimo, ahi sabe-
ro as condiccoes do ensino.
AfSJatfa flcral das jirovincias no Rio de Janeiro.
Antonio Francisco Handeira, estabelecido lia lon-
gos annos no Itio de Janeiro, encarrega-se por si
e por pessoas que para isso tem habilitadas, de
procurar o andamento e rcalisacao de lodos e
qnaesquer negocios commerciaes, civis, eeolesias-
ticos e administrativos. O annnnciante ofTerefcn-
do ao rcspeilaueljiublico desta provincia os seus
bous oflicios, garante-lbe zejo, actividade e dis-
cripcao : qualquer pessoa que queira utilisar-se
dos servicos do annunciante. pode dirigir-se-lhe
directamente por carta. Rio de Janeiro 22 de ju-
tho de 1863.
Pede-se ao Sr. Jos Gomes Pessoa de Al-
buquerque, dono do engenho Tabatioga, o
favor de vir ou mandar rua Nova, n. 32,
tratar de negocio que nao ignora.
ATTENCAO'.
l'ara salvar a rainba reputacao, declaro ao
Sr. Claudio Dubeux, que se por acaso acon-
tecer algum damno a seus animaes que con-
duzem. mnibus de Jaboatao, em cousa al-
guma serei eu o causador, visto nao ter a
menor queixa do Sr. Claudio Du6eux, a
quem sou muilo grato. Obriga-me a fa-
zer este annuncio, visto a intriga e perse-
guido que a mim me faz o Sr. Jos Fran-
cisco Pereira da Silva Filho.
PARDAS DE CHAVES.
Perdeu-se hontem (16) urna porfo do
chaves pequeas, prosas todas em urna ar-
gola de metal; desconlia-so que foi da va-
nada 4o sobrado. Janeada a rua por um
menino de mui tenra idade; quem asachou,
prje leva-las rua do Imperador, n. 50,
Io andar, que ser recompensado.
A o commercio
Joaquim Jos dos Santos Andrade faz scientc ao
publico que desd/o dia 31 de julho prximo pa&
sado deixou de ser socio gerente da casa commor-
cial que gyrava sob a razao social de Villca, Ir-
mao & Andrade; ficando ao cargo d'aquclle e so*-
bre sua inmediata rcsponsabHidadc o activo c
passivo da mesma firma social. Recife 7 de agos-
to de 1863.
(achanga.
Vendem-se tres casas e um sitio com baixa para
captan, leudo boa cacimba de podra e cal. alguna
arvoredos, ou b\ potheca-sc sobre a quantia de
1:000 : quem pretender, dirija-se ao Cachang
para tratar como seu proprietaiio Francisco Jos
F''rreira-___________________________! Mais barato nao pode ser.
| Vende-se urna preta de 22 annos de Lindas cassas francezas de cores mindinhas. de
idade, sabe engommar, cozinjiar, lavare iperipr qnaUdade a MO rs. o covado: na loja
cozer; quem a Dretender v rua doA-teg^'SscSo" ^ "' '
Joao da Silva Ramos, medico pea i m-
versidadv de Coimbra, d consulta.- em
sua casa, na rua Nova n. 50, das 8 as iO
hora- da inanliaa, e das i s (ida larde, e
recebe egualmcnte convites para dentro
ou fura da cidade, com olim de'se encar-
regar de quaiquer nervino de sua profis-
so.
Os chamados deverao vir por escriplo.
Farinha
de superior qnalidade, a melhor do mercado, a bor-
do do brigne Imperador : a tratar com Manot,'!
Bar liosa Ribeiro, rua da Madre de Dos n. 12.
Carteiras de marroquiramuito linas.
Pecas de tranca lisa encarnada. .
Tinteiros com tinta muito-superior.
Dilos de vidro com tinta mais in-
ferior.........
Cartas de alunlos francezes .
Cornetas da chifre para meninos .
r;oo
">0O
l:)000
800
200
200
400
300
100
3560
10
O
.120
100
320
I sooo
(i 10
010
20
ICO
100
O
80
; quem
morim, n. 50,
lar.
a pretender v n
que achara com quem tea-
cellos & C.
RELOGIOS,
Vende-se em casa de-Johnslon Pater &'
C, rua do Vigario, n. 3, um bello sorTi-
menlo de relogios de ouro patente n-
glez, de um dos mais afamados fabricantes
d Liverpool, e lambem urna variedade de
bonitos trancellins para os mesmos.
Vende-se urna mulata de idade de 24 anuos
Cal de Lisboa
a mais nova do mercado : na rua do
19, primeiro andar. ______
Dita de gakfies branco- lavrado- a I i o Dio
Oitava de relroz piel.....le cure- a IWI i
Kscovas para denle- a 160 e HW rs.
Grvalas de seda modernas a iO e "K) r-.
Lindas capellas para meninas e noivas a |#.'ii
e 35000.
Duzia de caixas de pkosphaiaa a 16o r-
Pnatos de mar bello a 4o. no mt -
Caixinhasde lamparina- para -e- nn'ze-a -mi ,..
Resma de panel almaco 11* a i->ioo e
Dia de papa de peso pautada t 3fM)
Caixinhs eom 10 auvelopM i m i
Dila de lacre a Ufe Mtn.
Dita de obreias de Rttsaa e Je da a at>e
l-ii rs. "
Din de pennas de lanca > caivgranbira- <
IJ300.
Frasqiiinhos com tinta azul e encana
Lapis azues e.em arnailo- a lio i>.
Duzia de lapis de |. i 80 e M r-
Dia de taca- e garfos hrancos \n>
Massosde palitos lixados superiiwe-a So.
Tcsouras diversa a BOt m, Mfe t.
D'ta- grandes de Gnimaraes para alfaiai- -'
t i.
Atacadores de cornalina para paletci a 3n
Hn/.ia de canudiK de pomada do l'orl-i a *Ht
Frasco de macassar perofai a MOe HA
Dito de Patcnol; a 900 r*.
Dilos grandes com ayua 't colonia a "iOO e *
rts.
Dito-com estrados lino-a |-*,
Ditos com banha franceza a :>00e 15.
Calcadeiras de chifre a l e mnitos cuino- etijanteii min ananta,
Vcmlcm-sc cai\oes vaziti' r-
prios para balmlciros a I$280, na ra
das Ou/.es n 44.
Vigario n.
GAZ.
No armazem de louca da porta larga, rua larga
do Rosario n. 26, vendem-se latas com o galoes de
gaz a 125. assim como latas de 5 garrafas, eem
garrafas muito em conla ; garanle-se a qnalidade.
- Vende-se na rua dos Guararapes n. 28." um
pouco mais ou menos, tendo as habilidades seguin- bom escravo proprio para o servico de armazem
tes : salie bem engommar e cosinba o diario de ou de sitio, 4 cairos de carregar gneros, em bom
urna casa, lava muito bem, fiel, nao tem vicios
nem achaques e vende-se por pre?o commodo pro-
ferindo-se vender para fora da provincia ou mes-
mo para algum engenho qu6 nao seja perto da ci-
dade; o motivo desta venda se dir ao comprador :
em Olinda no Varadouro taberna de Antonio Ledo
O abaixo assignado, testamenteiro do falleci-
do Fortunato Cardoso de Gouveia,tendo chamado j je dir"
por este jornal as pessoas que Ihe eram devedoras, '------^:
e tendo muito poucas apparecido, faz o presente, "ende-se um grande terreno com cercado, le
afim de evitar de seren chamadas por seus nomes, Plimo Para fazer-se um excellente sitio em Jaboa-
o que o abaixo assignado est resolvido : os que i a a margem da estrada da Victoria e contiguo a |
nao quizerem passar por csse dissabor, diriiain-se |PovoaCa? de Sant0 Amar. contendo igualmente,
rua da Cruz n. 60. terreno para plantacao : quem 3 pretender para,
Joaquim Lopes de Almeida.
No campo da matriz de Maranguape appa-
reccu um cavallo castanlio, o qual foi recolludo
por Antonio Luiz Bezerra : quem for seu dono,
dando os signaes Ihe ser entregue.
Jos Martins Torres, subdito portuguez, re-
tira-se para o Rio de Janeiro. *'
- Precisa-se de urna ama de leite sem
filho, para biabar de criar um menino : a
j rereira aa a-iiva iiho. tratar na rua do Imperador, n. ii, Iryra-
rmetxc de Paula. Souza Leao Jnior, ra.
Precisa-se de 2005, dando-se um escravo pa-
ra garanta, i>or tres mezes : na rua das Cruzes n.
33, segundo andar.
uso, um terreno com-102 palmos de frente e 300
de fundo, com porto de embarque, situado na rua
do Brunu
Vende-se a taber-
na sia na travessa dos

Expostos n 18.a tra-
tar meme.
PAPEL
de cores para listas de eleltfore*
A aguia branca r-uppoe que nao faz mal em ode-
recer aos aibleas un- paeotes eom MI Mha- de
papel de cores, que pode -.n-vir ptimamente para
listas de eleitores, e tanto mellior |>or cu-tai i
pacote o diminuto pico de loi>0. e -.r <-adanan
de urna so cor, o que difTicil de enci.oirar a nao
ser na rua do Queimado. loja d'aguia branca n. K
Xa mesma loja lambem lia de outras ipulMadatv
branco e azul, assim como aavdonss.
Tiraram do bolso de um paletot, no trapiche
da alfaudega, um retrato de duas pollegadas de
dimetro, com guarnicao de ouro, e laco de dia-
mantes assentado em prata, com a'firma I. S. S.
reunidos: quem o* ti ver comprado, queira resti-
tuir, que ser grtificado no mesmo trapiche, ou na
rua da Aurora, sobrado n. 4.
Lente de grammatiea.
O padre Antonio Augusto de Andrade e Silva,
lente jubilado de grammatiea da lingua nacional,]
nropoe-se a lecclonar em collegio e casas particu-
lares, reside rua do caes do Capibaribe n. 3,
tratar, dirija-se nesta cidade ao terceiro"andar da j
casa n. 46 da rua do Imperador.
. PINTURA.
Tinta branca de massa muito nova, em la-
tas de 28 libras para casas, para navios, para
a companbia do gaz, a 2oo rs. a libra: rua
larga do Rosario n. 34. _____________
.Cal de Lisboa e potassa da
Rassla.
Vende-se na rua da Cadeia do Recife n. 26, para
onde se mudou o amigo e acreditado deposito da
mesma rua n. 12, ambos os gneros sao novos e
legtimos, e se vendem a preco mais barato do que
outra qualquer parte.
Farinha de mandioca
em saccas grandes, e de superior qual ida-
de : no armazem de Tasso Irmos,* rua do
Amorim n. 35..
Cola da Baha
Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo, no seu cscriptorio, rua da Cruz n. 1.
Vinho do Porto superior.
Vende-se em caixas de urna duzia : no esefipto-
rio de Antonio Luiz Oliveira Azevedo & C.
Vende-se um carro de 4 rodas e com arreios
forrado de novo, muito forte, e sem defeito, pro-
prio para passeio ; na rua do Queimado, loja nu-
mero 14. _______
AOS SRS. CONSl'.HUMORES DE GAZ.
Nos armazens do Caes do Ramos n. 18 e
na rua do Trapiche Novo (no Recife) n. 8, se
vende gaz liquido americano primeira quali-
dade a retalho a 120 a lata de o galoes, as-
sim como latas de 10 e de 5 garrafas e sendo
em porreo mais barato que em outra qual-
quer parte.
LIQUIDACO
de azcinlas baralissintas. na Rea-Vista, rna da
Imperatrii a. 30.
Cambraias adamascadas mu 20 raras a St-'
Ditas com 8 ditas a 2.
Ditas lisas com 8 ditas a $.
Fil liso muito lino a 800 rs. a vara.
Chales de merino estampados a 4JL
Madapolo entre lino com 20 varas a 84.
Cascmiras linas de urna so cor a 14600 o eo-
vado.
Algodao monstro, superior fazenda para
e lences a 800 rs. a vara.
Bramante de 10 palmos de largura a U
Grvalas de seda a 320 rs.
Oleados de diversas larguras e de ricos
para mesas de jamar a o covado.
Flanella branca muito lina a 640 rs. o nwafa
Riscadinhos de linho muilo finos para manria
de eriancas a 400 rs. o covado.
Chitas escuras e claras, padroes inlnnuaeato
novos e muito finas a 400 rs. o covado.
Lazinbas cliinezas muito superiores a 9H n.
covado, e outras muitas qualidades de i
Sirejos muito eommodos, afim > apurar i
lando-se de tudo as competentes amostras.
Admiren as las baratas.
Superiores las de cores de quadrinfcog e
lisas, tingindo sedinhas de duas largara,
pelo baratissimo preco de 50t rs. o osa-
do : na loja das columnas roa do Crespo n.
13, de Antonio Correa Vasconcellos & C.
)

i
L
__



PUHo de Peysa^bfc -. fteumln fciam IQ 4 A&Mo t ifrUfl.
>
I
NOVA EXPOSIQKO
na lija da Pavo, de fazendas bara-
Ussjnms.
-
Neste cstabelecimento acha-se constante-
mente um'grande sortimento de fazendas
de gosto e de primeira necessidade, sendo
tanto proprias para a praca, como para o
mato ; de todas as fazendas do-se "livros de
amostras, deixando fiar penhor, ou man-
dam-se levar *em casa das familias pelos ca-
xeiros da loja do Pavao.
Lias eom 8 palmo* tle largura,
a loja Vendem-se laziaha enfestada propria para
vestidos, com 8 palmos de largura, sendo
fazenda mas moderna que tcm vindo ao
mercado pelo baratissimo proco de 15600 o
covado: j> na ra da Imperatriz n. 60, loja
do Pavao.
Cassas a O rs. o covado..
Vendem-se cassas francezas de padres
miudinlws e cores fixaspelo barato preco de
200 rs. o covado; ditas finas a 340 e 320
ts. o covado : s na ra da Imperatriz n. 60,
loja do Pavao.
Organdy, a 2 JO rs. o covado,
na loja do Pavo.
Vendem-se organdy de cores matisado, fa-
zenda que val muito mais dinhiro, pelo ba-
rato preco de 240 rs. o covado ou 400 rs. a
vara: s na "ra da Imperatriz n. 60, loja
do Pavo.
O Pavo vende os modernos ves-
tidos i balo,
com barras Mara Ka, sendo os mais
Alpaklw ou gorguro de llulio,
a rs., so no Pavo.
Vendcm-se alpakim ou gorgurito Je linho
proprio para vestidos e roupas de enanca,
pelo barato preco de240rs. o corado: s
na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
. Os manguitos e gollnhas do
Pavo.
pe-bincha, a 320 e a WO rs.
Vendem-se golinhas de fil, bordadas, a
400 rs.; ditas de cambraia, a 320 rs.; cal-
cinhas para meninas, a 500 rs.; manguitos,
a 500 rs.; manguitos com golinha, a 800
reis ; manguitos de cambraia, a 320 rs.: s
na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
Lazinhas a 600 rs. o covado.
Xa loja do Pavao.
Vende-se lazinhas de cordaoiinho de urna s
cor, sendo azul claro, azul escuro, ferrete, cor de
cale claro e escuro, alvadio, roxinhas proprias pa-
ra luto, sondo fazenda que val muito mais dinhi-
ro vende-sc pelo diminuto proco de 200 re. : s na
loja do Pavao roa" da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva. '
Cqjn 8 1/2 varas, a 2:300 rs. vende Pavao.
Pecas de cambraia transparente com par*
minlias bordadas de cor, tendo 8 lj2 varas
cada peca, a 20300; ditas mais finas, a
3500; pecas de cambraia de salpico bran-
co com 8.1(2 varas, a 4$: sft na ra da
Imperatriz n. 60, loja e armazcm do Pavo.
Novas casemiras a 2$600 o corte na
loja do Pava,
Acaba de chegar um grande sedimente de ca-
semira enfestada sendo propria para paletot, cal-
cas c colletes, capas para senhora e roupa para
meninos sendo de todas as cores claras, escaras,
lisas c mescladas : vende-se a 5600 o coito para
caifa ou a 1,5300 o covado por liaver grande por-
modernos que que tem vindo ao marcado, I W i*to s na ra da Imperatriz n. 60 loj.i e arma-
com a saia de ura s panno, tendo bastante 7-
fazenda para o corpo, e vende-se pelo barato
preco de 30300 cada um: esta pechincha
s existe na ra da Imperatriz n. 60, toja c
armazcm do Pavo.
Xova pechincha de las enfesta-
das a 400 rs. o covado.
> Patio.
Veadem-se laazinlias enfestadas transparentes
c.mi delidados padrees, sendo de urna s cor com
listras e quadrinhos e vendem-se a 400 rs. o cova-
do : na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60 de
Gama & Silva.
Cortes de < uulnmi. a 9dOO,
na loja do Pavo.
Vendem-se cortes de cambraia brancos com
babados, a 20300; ditos, a 45: ditos com
barras e babados de seda, a 30, 35500 e 4:?;
s na ra da. Imperatriz n. 60, loja e arma-
zem do Pavo.
Corles de camhraia ch tarca, a
l #. na loja do Pavo.
Vendem-se ricos cortes de cambraia chine*
za, os mais modernos que tem chegado, sen-
do brancas com lindissimos padres, peloba-
O Pavo vende a 3 e 3f.>00
cortes de la, a 3$ e 30300; ditos com 22
covados, a 55: s na ra da Imperatriz n.
60, loja c armazem do Pavo.
GRANDE LIQUIDADO
de fazendas para apurar dinhiro, por
baratissimo preco na loja c arma-
zem da Arara ra da Imperatriz u.
56 de Lourenco Pereira tiendes
Guimares.
ALERTA RMDBH) 200 RES.
i; aremelos da arara. .
Vendem-se peras de cntremeios transparen-!
tes a 15, tiras bordadas. largura de 3 a 4
dedos a 15280 e 15600 a peca, cortes de la
Mara Pia a 45, ditas do 13a ehineza com
22 covados a 85, ditos de organdys com 13
45--RUA DIKEITA--4&
7A3=8'JS WMI
Eia, rapasiada, coragem! parece queja
varas a85, ditos com 9 varas.a 65500; na na enlregaste1s os vossos joanete8 aos dur08 scj.
Ai ImnnratriT n KP nrnrn i i' uemlPS (.111 .n.i.i
da Jjnperatriz n. 56, arara de Mendes Gui-
mares.
xos do pessimoealcamento da nossa cidade I
S se observa cm vossos ps botinas acalea-
nhadas e gastas at ultima sola; sapates
rasgados e quasi sem saltos nem tanto
Balees da arara de 6 1
arcos.
Vendem-se os melbores baloes que .tem,? f^adeira nc>deye chegar ata est
vindo americanos de 20, 25, 30, 35 e 0 \inde a ma L^re.ta mun.r-vosde
40 arcos, a 45, 45500 e 55, ditos de ma- '
dapolo bem feitos a 35300 e 45, ditos de
brilhantina a 45300, baloes saias de cordo
que faz a vez de balo a 25; na ra da Impera-
triz arara n. 56.
ARMAZEM DE MOLIIADOS
DE
ENFEITES PARA SENHORAS
CHEGADOS PELO VAPOR
Sii para o Vigilante ra do Crespo n. 7.
Sao chegados os novissimos e riquissimos en-
feites para cabeca, pois com a vista nao ha-
ver senhora que deixe de comprar um bo-
nito enfeite: s no Vigilante ra do Crespo
n. 7.
linas da pelica.
Tambem ebegaram neste mesmo vapor um
completo sortimento de luvas dejouvin
brancas e de todas as cores; tanto para ho-
rneas como para senhoras: s no Vigilante
roa do Crespo m 7.
Perfumes.
Tambem chegou um completo sortimento 'de
perfumarias dos fabricantes mais afamados
sendo de Luvin, Cudr-e Piver; sendo
extractos essencios de todas as qualidades,
pomadas, banhas, sabonetes, agua de Co-
lonia, vinagre virginal da sociedade bygieni-
ca, agua florida, agua balsmica para den-1
tes, frasquinhos eom superiores pos para
denles, caixinhas com um frasco (Tagua,'
pos e todos os preparos para limpar den-
tes, olos de todas as qualidades para ca- i
bellos, e outras muitas cousas mais: s no
Vigilante ra do Crespo n. 7.
Tesouras e caivetes.
!
este pon-
exeel-
lente calcado com 40 e at 60 por cont
menos do seu valor.... attendei:
Borzeguins, Nantes, bezerro e va-
queta 2 e meia solas '... 85300
Borzeguins,- Nantes, bezerro, va-
queta e lustre 2 solas. 85000
Borzeguins, francez e hamburgus*
bezerro, lustre" e eouro de por-
co 75 e. -.......65000
Sapates, Nantes, bezerro e vaque-
ta 2 e meia solas. .- 55500
Sapates, Nantes, vaqueta, lustre e
bezerro 2 solas. ... 55000
Sapates, Nantes, sola e vira.'. 45000
Ditos para menina, com laco. 35300
Ditos de ditas, de cores. 25800
Sapatos para senhora e homem,
| tapete......... 800
Sapatos de borracha para senhora. 15 400
dem idem para meninas. 15000
Sapatos de lustre para senhora. I #000
dem de lustre s avessas > "00
s
rtnoet
erlo
c/e
'&0.
o
SEL
Vendem-se lazinhas com pequeo toque de
mofo para vestido a 200 rs. o covado, meias
para meninos a 100 rs. o par, ditas para ho-
mens a 120 rs.," lencos blancos linos a 200
rs. .cada um ; na loja da arara ra da Impe-
ratriz n. 36.
Arara vende vestido de chita a
30OOO.
Vendem-se cortes de chitas oscuras com to-
rato preco de 45 cada corte, tendo bastante que de mofo, a 25000, ditas limpas sera
fazenda para um vestido: isto s na ra da I mofo a 25500 e 35000, cortes'de cassa de
Imperatriz u. 60, loja e armazem do Pavo. I ores de barras a 2.5000, ditas de cassa pin-
m i- .*,-.. ^ s tadas a 25000; na ra da Imperatrizn.3 Baloes a :.S.00. so o Pavao. Men(les Guimaies.
Vendem-se bales americanos que sao os ]
tii'iihores, tendo 20 arcos, a 35500; ditos
de 30, a 45500: ditos de 40, a 55 ; ditos |
Organdys da Arara a S4.
Vondom-se organdys linos para vestidos a
240 rs.\o covado, cassas finas a 240 rs. o
de bramante, a 35500e 4-5; ditos para rae-1**" ""<>< a n.
amas, a 25 a35: smYrVia da Impera-!^0- Wlma de q.iadnnhos para vesb-
triz n. 60, loja e armazem do Pavo. ,,os m}P: '^* ^ ,mPeralnz
' i arara n. 06 de Mendes Guimares.
Cortes de chita, a '#500.
loja do Pavo.
na
Arara vende as lazinhas dos
vestidos.
Vendem-se crtesele chita com i 2 112 co-1 vendem-se lazinhas muito finas e lindos
vadoi cada um, a^BOO; ditos com110 cova-, .jezenhos a 400, 440. 300 e 640 rs. o cova-
dos. a -2;); cortes de cassa miudmlia de CO-U^ vU:y mu, gno a :m ,.s 0 cmailo: na
res liviscom lOeovados, fUi ditos de;rua da Imperalriz n. 56 arara de Mendes
organdy .raathisado com 10 covados. a. Guimares.
25400: na ra da Imperatriz n. 60, loja i
do Pavo. Itonpa felta da arara.
Vende-se costnmescompletosdvumafazenda
ehineza por 125 o costme, paletots de brim
a 25300 e 3A(KX). ditos de meia casemira
Veadem-scrtesdecasimirafranceza para eseura a M e 45500, paletots linos a B5500
calca, fazenda muito fina, padrees claros e e 85000, calcas de nfeia casemira a 35000,
\s caxemlras do Pavo c pechin-
cha a ..
Tambem ebegaram um completo sorlimento
de tesouras dos mais afamados fabricantes,
tanto para unhas como para costuras, ras-
padeiras. para papel, caniwtes.de maqui-
na, facas *de um e dous botos, tudo do
mais superior que se pode encontrar: s
no Vigilante ra do Crespo n. 7.
Papel de fantasa.
Tambera diegou un grande sorlimento de
papel-de fantasa branco, bordado e lios
douradinlio, de lindas cores, assim como
de peso c almaeo, assim como muitos ou-
Iros objectos de muito gosto que se torna-
liam enfadonho annunciar, que seus pro-
cos sero por menos do que em'outra
qualquer pai-te: s no Vigilante ra /lo
Crespo n. 7.
Volantes e terinas.
Reeebeu grande sortimento de volantes, tiri-
nas, rendas douradas e prateadas, bieos es-
pegoelha e galSes ilc lodaa aa latearas,
veiulendo-sc. tudo por precos baratissimos
priwipalmoni; sondo i>m papar- s no Vi-
gilante ra do Crespo n. 7,
Retroz e liulia.'
Tambem chegou um grande sortimento de
retroz do Porlo do melhor fabricante; son-
do, preto, azul ferrete o cores sortidas, a
i4,ooo rs. a libra, linha de miada de Roriz
e cabeca encarnada, que seus precos sero
baralissinio-
po n. 7.
s no Vigilante ra do Cri -
SE1I SEGXDO.
escuros, a 35 o corle: s na loja do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60.
so na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavao.
; fuslo do Pa\n.
Vendem-se fuslo com lavr miudinlio
para roupa de meninos, a 320 rs. o covado ;
brim de linho de quadrinhos para roupa de
meninos, a 360 rs.#o covado: ganguelim
de urna scr, a 320*rs. o covado; popelina
le la, de" quadrinhos encarnados e pretos,
liara vestidos de senhoras e roupa de moni-[ditas inglezas com pequeo toque de mofo
nos, a 15 o covado : s na ra ila Impera-! a 200 rs. o covado, peas de ditas francezas
com pequeo toque 11.1 mofo a 85000, pe-
cas de ditas inglezas escuras cores fixas com
pequeo toque de mofo com 38 covados a
lilas linas 55300 e 65000, .idas de brim a
-_-s:;oo e 35000, .litas de brim branco a '. >.
casemiras francezas a l#000 e 2-simio, ditas
linas a 25300, ditas de linho a 3S000, ce-.
r.mlas francezas a 15600, camisas de meia a
800 e 15000; na loja da arara ra da Impe-
ralriz n. 56 de Mendes Guimares.
Oh! qne pechincha a 340rs.
Vendem-se chitas francezas escuras com pe-
queo toque de mofo a 240 rs. o covado,
triz n. 60, loja c armazem do Pavo.
lis pauten do Pa\5o, assubretasacado a 12:000 rs.
Vendem-se paletots de panno, sobrecasaeas
de panno preto muito bom e muito bem
lilas, a I2>: sobrecasacos de dito, a 145;
paletots sacos de dito, a 75 calcas de cache-
mira da Escossia, a 35 ; ditas de casemira
pfela, a 35; ditas de casemira de cor, muito
lina, a 75 e a 35300; coletos-de casemira de
cor e pela: paletot de casemira de cor,
a 7>; tuda isto para apurar dinhiro: s
na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
Cortes de cachemira da Escocia, a 2:000, na
loja do Pavio.
Vendem-se esta nova fazenda muito encor-
75500, ellas freguezes antes que se a ca-
bem; na loja da arara ra (Ja Imperatriz n.
36 de Mendes Guimares.
Hadapolo francez enfestado a
40OOO.
Vendem-se pecas de madapolo francez fi-
no enfestado com 12 jardas a 45 e 45300,
dito inglezes fino de 24 jardas a 75, 85, 95, Sils
e 105000, pecas de algodo encorpado a i .->
4 >.j00, 35 e 65 ;.na ra da Imperatriz n. 36.
Chitas, da arara.
Vendem-se chitas francezas finas a 320,300
Una .lo Qoeimado n. .'.'i. loja de- miudezas il
los de Azevedo Haia e Bitva, ost vendendo todas
as -m;is iiiiiuli7.as (Xirpivcos que lodos adniiraiii.
como si'jain :
Varas de aspas para fazer baldes. .
Calvas com superiores obrejas ".
Pares de botdes de puntaos a ....
Pares ov sapatos de (ranea muio Unos
a lHOe...........
Pecas de Otas de velludo recortadas eom
I-') varas a..........
Caixas com muito superior papel amiza-
de e otros a.........
IBssos com superiores grampos a. .
Canivates de aparar penas a.....
Afrullieiros com agulhas a.....
Dnzia de meia brancas para hornera,
muito finas a.........
Dnzia de meias para senhora, fazenda
lina a............
("rnelas de oliifre para meninos a .
Escoras para limpar denles muito finas .
Baralhos de carias para"Voltarele muito
finas a..........
Ditas poiluguezas a ICO e.....
Frascos de agua, de Colonia muito lx>a a
400 e.............
Ditos de oleo babosa a 210 e.....
Ditos com superior oleo de macaca a .
Ditos com superior macaca perol a .
Ditos com superior banha'transparente a
Ditos com superior cheiro a. .
com superior agua celeste para
190
Mi
ICO
IJ800
i Vino
l
700
W
so
80
JG00
80
aoo
320
300
600
;oo
100
200
800
300
Os Casos
OS MAIS AGRAVANTKS
E
D'wtia pertinaz mi ruca
DE
ESCRFULAS,
OU ERPCOES ESCROFULOSAS,
Ulceras de tl i especie,
SYPHILIS. O MAL VENREO,
TCMORES,
EbMlli^oe*.
BERTOEJAS,
OPHTHALffiA,
Hydropisia,
Empigens,
HERPES,
ttftifros.
ERYSIPELiS
ESCORBUTO,
Tiiiha,
fiHAGS ANTIGS,
Rheurrtatsrrio Chronico,
DEBLMDE 6ERAL,
Ncrvosiddo. Ncvi-alsias.
FILTi DE 1PPETITE. F1STI0,
SUPPRESSO DASREGRAS, ou
AMENORRHEA,
liffllIiJllEKB,
Kctoiicao tas triiifts,
EMAC3IACAO,
Oh etnmagrecimentogemido.....f>o,prove-
INFUMMCOES CHfiMICAS,
AfFec9es Chronicas do Figado,
A-<1M COMO TODAS .- MAIfl MMII.IIAMT.S MO-
LBSTLA8, PiUKOIPAl.SieRTE QUAKDO SAO
CAUSADAS, O l'RODCKIDAfi PELO HCI
UVKR CBO DO MkROLBIO OT
IJl INI.VO,
*siin i-oiiin iniiiliiin prlo fi'.iiiciiic uso rio Alt-
FNICO e oiiii-nH pmiiMN .Wiiirvacti
Todas estas Eiifrndades prompta e effioaz-
neute cedem A benfica, poderosa e
purificantes qualidades da mui
justamente afamada
S1LS1P1RR11IH 8E HINQL
A venda as boticas de Clora & Barboza,
ra da Cruz, e Joao da C. Bravo & C, ra
da Madre de Dos.

&
te
*
m
S
se
(9
H
<
a
w
O
<
K
O
<

Pfc
1
W
I e
r rr-
H ^
m
9
tr^. m
P tr^
3^
1
4(1 II II \n LER.
Tendo o BALIZA dado o seu balanro no ultimo dejtmhopa&ado, e desqM re-
novar o magnifico sorti'.nento de s'eu GRANDE M\MA/.K.\I. chama polo prvseaU a
attenco do respeitavel publico para os piceos dos gneros abnonearJenadn* fu tm
verdade, sao os mais r?.zoavtis (pie se pdem adiar, atienta a sua boa quali.la.l.-.
Soldado voluntario do batalhio progressista, o BALIZA o lioin.in
ment. Elle pede, pois,*osseos bous .amaradas, quetioioo$ osmimifme lM,
favor Desta sorle o BALIZA vivir contente e contntala tambem aos s.-us fregm/.>. *u4m
do-Mies sempre generosamente, e talvez que anda por precos mais NOOffvev
Ameixas em -frascos de Vidro, a 1^600.
Dias em .caixinhas com lindas figuras, a
1/200 e 25400.
Ditas em latinhas, a l#i00.
Amendoas de casca mole a .'120 rs. a libra.
Arroz (Carolina), primeira qualidade, a
rs. a libra.
j Dito do Maranhao, a 120 rs. a libra.
jAzeitonas novas de Lisboa ePorto? a I-} e
1/200 a ancorla.
Azeite doce refinado, a 800 rs. a garrafa.
Dito em barril, a OO rs. a garrafa.
Dito de earrapato, a .100 rs. a garrafa.
Arroz com casca, a 3$ a saca, com 20 caas
e a 240 rs. a cuia.
Ancoretas americanas de 6 e 12 garrafas,
muito bem fabricadas, a l& cada una.
Ararula muito lina, a 480 rs. a libra.
Batatas emgigos a 10380 e de 30 a 40 rs.
libra.
a 3 a barrica e
i
pada imitaco de casemira, tendo padres (e 400 rs. o covado; riscado francez a 280
escuros e alegres, afiancando-se que nao des-
bota, a 2# o corte para calca, ou580rs. o co-
vado para paletot, colete etc.: s na loja do
Pavao, ra da Imperatriz n. 60.
Fazenda brancas, na loja alo
Pavio.
Vendem-se pecas de madapolo enfestado,
francez, com 20 varas, a 8# ; ditas com 12
lardas, a 4# ; dito inglez muito fino, a 7#,
700 c80; ditos muito superior, a 10$;
ditos de 40 jardas muito fino, a 4?>800 e a
i-)t)00; algodozinho muito encorpado, a
4*800, '33500 e 6j5: bretanha com 4 paj-
inos de largura, muito fina, a 10 a vari;
pecas de cassa de cordo para babados, com
.6 varas, a 3500; ditas com 12 varas, a 70:
Peehiacha, a 500 rs. o covado.
* RavSo.
Vendem-se as mais modernas lazinhas
enfestadas, transparente, .tendo 4 palmos de
largura, e sendo lizas e de quadrinhos, de
urna s cor, propria para vestidos e capas,
a 500 rs. o covado: s na loja do Pavo,
ra -da Imperatriz n. 60, de Gama <& Silva.
cheiro
Trancas de algodo brancas e de cores a
Caixas com superiores obrcias de colla .
Bolsinhas muito bonitas para guardar di-
nhiro a............
C.ravalas de seda de diversos gostos a .
Tinteiros de vidro com superior tinta a .
Pares de luvas brancas de algodo a. .
Carriteis de linha com 100 jardas, bran-
ca a ............
Fitas c eordoes para enfiar espartilhos a
Caixas com eolrhetes francezes superio-
res a............
Cartees de colchetes francezes a 40, 60 e
Facas e garfos cal branco cravado a .
Ditas de cabo branco cravado a. .. .
Ditas de bataneo muito finas a ."
Tesouras para" cortar, pequeas e finas
a 200 e. :.......
Tesouras para cortar unhas muito final a
1*800
80
80
00
500
160
100
30
80
400
80
33200
.14300
64000
320
500
rs. o covado, aberturas para camisas a 240
rs., ditas de linho brancas a 800 rs. o cova-
do, tarlatana de cores a400rs.avara;narua
da Imperatriz n. 56.
Cortes de easemira da arara..
Vendem-se cortes de casemira enfestada
escura a 20, cortes de brim para calcas a
10 e 10220; na ra da Imperatriz loja da arara
n. 56 de Mendes Guimares.
Arara vende as eolxas.
Vendem-se ricas colxas aveludadas para
cama a 80000, ditas de fuslo a 50000, ditas
de chita a 20000, brim Me linho e algodo
branco a 800 rs. a vara, dito de linho puro
a 10,10120, 10280 6*10600 3 vara; na loja
da arara ra da Imperatriz n. 56 de Mendes
Guimares.
- Arara vende manguitos a
1 t0OOO.
Vendem-se manguitos e golinhas de linho a
20 0 par, golinhas para meninas a 400 rs., ~ Vcflde-se urna preta de 22 annos de dade,
ditas para senhorasa 400rs.;naruadalmp- P^Tv^ m^SA
ratnz n. w. orne quem tratar.
No. armazem de fazen-
das baratas de Santos
Coelho ra do Quei-
mado n. 19
V.'iuli'-s.' pcrliiiielu.
CAMBRAIA LISA.
Peca de cambraia lisa fina para com 812 varas
pelo baratissimo preco de 4J>.
FAZENDAS BARATAS
NA
Xova loja de Cnstodlo, Carvailio
A Compnhia.
27Ra do Qntimado27
Para vestido a 260 rs.
Fusto lino francez para vestido de senhora e
meninas a 200 rs. cada covado.
Cambraia.
Cambraia organdys muito lina a 2i0 rs. o co-
vado.
Calcihas
Sra senhora c meninas, pelo barato proco de
200.
CoberUs
de chita ehineza a 24000.
Golinhas
de linho para senhora 600, 800 e 14.
Lentes
Lcnces de panno de linho finos a 24.
Cainisinlias
para senhora, sendo de cambraia a 24.
Pannos
Pannos adamascados para mesa a 14300.
Lia.
Lazinhas matizadas muito finas para vestido a
440 rs. o covado.
Vestuarios.
Vtetuarfos para meninas, muito lindes, a 34300.
< Cambraia
de linho fina a 34 a vara.
Para lato.
Laprete fina, propria para lulo, a 300 rs. o co-
vado.
Madapolo
Madapolo fino enfestado, peca a *84, lendo 20
varas.
Bolachiuhas americanas,
240 rs. a libra.
Biscoutinhos inglezes, em latinhas. a I #100.
Biscouto luiich e suda, em latas de a '> li-
bras, a 20 a lata.
Banha de porco, a 560 rs. a libra.
Balaios hamburguezes muito lindos, de ili-
versos tamaitos eporprec/j razoavel.
Caf do Rio, a 280 e 300 rs. a libra, em
arroba, a 80200, 80800 e )/.
Ceblas, a 800 rs. o cont e 10 o mlho.
IChperola, a 30 a libra.
I dem hisson, superior, a 20800 a libra.
dem chumbo, a 20600 a libra,
dem livssoii, soffrivel, a 24400 a libra,
dem liy.-son, menos soffrivel, a 20 a libra,
dem preto, magnifico, a i-j a libra.
dem preto, menos superior, a 10800 rs. a
libra,
dem preto, solTriwl. a 10600 rs. a libra.
dem nacional, a 1/800 a libra (em latas),
dem nacional, a 10600, a libra,
'dem nacional, ordinario, a I > a libra.
Champagne, marca aguia, de superioroua-
lidade, a (o rs. a carrafa e 7-> n gfgo,
com 12 garrafal Quem deLxara de be-
ber champagne por lal pie..' '
Charutos de muitas marcas e a'preeos har-]
tissiinos. sendo qne ha de KOo i>. at
40 o'cento, viudos do Rio, Babia ,!.
Hespanha.
Chocolate suisso de Lisboa e francez, a 800
rs. c 10.
Chouricas e salgice, a OO rs. a libra.
Conservas inglezas, a 8(W rs. o frasco.
Ditas fracezas, a 500 rs. o fraseo:
Cognac inglez. a T00, rs. a garrafa e em
caada, a 40.
dem engarrafados, a 800 rs.a garrafa.
Doces, em lindo#vazos de vidro. das fruc
tas mais esquisitas da Europa, a 10 o
frasco.
Dito de Lisboa, em latas, a 500 rs. a lata.
Dito, de Rotaba, a 640 e 800 rs. o caixao.
Ditoem latas muito proprio para prsenle.
garante-se sua dura.;... imnlteravel \v
mais de anuo.
Farinha de Maranhao, a 160 rs. a libra,
Dita de trigo, a 140 e 160 rs. a libra.
Fructas francezas de diversas qualidades. em
frascos de vidro, preparadas em alcool,
proprio para podim ele, a 10. o fraseo.
Gomma do Aracaty, a 100 rs. a libra.
Dita" do Aracaty, a*40rs. a libra.
Graixa em latas, a 120 rs. e a duzia, 1/300.
Genebra laranja, em grandes fraseos, a 10.
Genebra ingle/a, marca gato, a lr>200 o
frasco ou garrafa com rolda de vidro.
Garrafcs vazlos, de 640 a 10200 cada um.
Kirsck-wasser, bebida esta de um valor inex-
timavel, em vasos esquisitos, a 1.0300.
Licores inglezes 6 francezes dos, melbores
fabricantes, a 300 e 800 rs. a garrafa".
Linguas americanas de grande tamanho (em
calda), al/.
Massas para sopa, em caixinhas com 8 libras,
..contendo 3 qualidades, por 30300 a caixa.i
Ditas para sopa, estrelinha e pevide, a 360
rs. a libra.
Dita de tomata, a 640 rs. a libra.
Manteiga ingleza era potas de 10 a 16 libras
a 800 rs. a libra.
dem dita flor a 10 a libra,
hlem de 2a qualidade a 800 rs. a libra.
dem de 3a qualidade a 640 rs. a libra.
Wem para tempeiro a 40O.rs. a libra,
dem franceza a 640 rs. a libra, e em bar-
ril por menos.
Marrasquino de Zara a 800 rs. o fras
Mortasda ingleza em frascos grandes *a 800
rs.
dem franceza, em frascos grandes a 300 rs.,
Mlhos inglezes dos melhores fabricantes a
300, 800 v 10 o fraseo.
Marmelaila endiente a 646 rs. a le
Ostras americanas (encllente petise ... h*
rs. a lata.
Passas a 400 rs, a libra, m otan & 6I>
1201 Presuntos-de Lanefo, a 566 rs. i
dem inglez para fiambre vindo .1. ,
da, a 800 rs. a libra.
dem americano, a 300 rs. a libra.
Peixe de Lisboa liii>lat.rra I Ain.n. >. pre-
parado conforme a arte de rosinha.
tas-de 2 a 3 libras, de 11960 I l|M>
Phosphoros do gaz, a 20300 a gra
Queijos londjinos chesrados no ultim
a 800 rs. a libra,
dem dem chegados no penltimo \ i. a
640 rs. a libra,
dem flamengos chegados B0*bWhI v.-,r..r
20400.
dem idem chegados no peanHin a
20000.
Sal refinado em vasos de vidro. a 660 i-
Idem idem em vazos de Luir, a 160
Ceneja das melhores marc is qu
mercado, a 4/, 4^500, 50, 5|5M,
6/060 a duzia.
Sardinhas de Cisboa preparadas t i
a 040 rs. a lata rte grande laman!
dem de Nantes, a 360 rs. a lanfat.
Sabo massa de 120, 140, 16). 180, f*
240 rs. a libra.
Unja pivia nacional e ingtaa, i 644 -. a
garrafa, e 240 re. o boa.
Toii.inlio de Lisboa, de mais de nvio
.por :i2() rs. a libra.
Idem de Sanios, a 20 rs. a libra.
Idem americano, a 906 re. l Wb
Idem inglez secco do fui leiro. me
lodosos presontos, a 646 re. i H
Vassouras americanas muito aoaa
a 040 rs. cada urna.
Vellas de Buenos-Arres em ai >
libras, por o/.
l.lem de carnaubaecompoeiejlova >H
rs. a libra.
l.lem do Aracaty, a tOOrs. alibi.
Idem sle.u in.H. a OO ii'.|) r. n n.
Idem spermacete, a 10 a lil>i a.
Vinbo Lagrimas do Dooro, neste nenei
inellior (|ualidade .|u.' Iioje ren M --.
mercado em garrafas bran
do autor em aito revelo no propri
previne-se aos aprerialores que n -
nero lia boje gra ule falsilicar
Idem engarrafados, vindo par.' i
pria cenia de diversas narri
Ihores adegas do Porto > Lwl
cas: Madeira, CamOes, Chaii
. sia, Carcaveilos, Duque do Pe k
tros, c espera-se todos os dias nom
Jidades, a 800, I e IfttO a
dem do Porto Bausa a 640 rs.a :
l.lem de Lisboa e Figueira vmdo m .
I 26/ de S a !) ..madas.
dem do Porto em g V ; | .
garrafas, por.2|S00.
1.1. ni da.Fifmeir.i are arrafiesde i 1 2 ;.
garrafas, por 20400.
l.lem .le Lisboa Pifloe a t 366, 166. 36J
e 360 rs. a garrafa, e em ra
abatnenlo.
dem Bordeaux. engarrafado. ,i i;h
garrafa, em duzia a 7fl.*00.
Vinho do Porto muito lino em :;
garrafas, a 80, 100. J20 e 13-3 das iof-
Ihores mareas que vem ao 11..--0 mercaj.
Vinagre tle Lisboa em garrales de 4 12a
3 garrafas,-a 10200 com o a il
Avelas a 200 rs. a libia.
Arroz da India a 100 rs. a libra.
Biscoutos de Lisboa em latas, proptai pan
doentes, a 10300 e 30 a lata.
Batatas a 80 rs. a libra.
Copos lapidados para agua a 60 a duzia.
Chumbo de todas as grossuras a is a arre-
ba.
Caf muido de superior qualidade a 160 rs.
a libra.
Fio de linho muito proprio para .murar, a
480 rs. a libra.
Farinha de trigo em barricas e meias. de le-
das as marcas e qualidades.
Genebra de llollanda em garraioe* rom i
caadas, por 60300 com o garrafa.
dem idem em frasqueiras com 12 frase*.
por 6/300.
.Manteiga fmissima em latas ttttm 2 li-
bras liquido, por 10840 a lata.
Queijos flamengos a 14600.
Rap princeza do Rio: grosso. meii> grostt
e fino.
Tainhas das Alagoas a 120 o cenlo. e I4f
rs. cada urna.
Vinho branco de Borfleaux fSamVm>) a 6|
e 100 a duzia, e 800 a 10 a garrafa
re.


'

<

s.





Jwirto a> M ailiwo -.. aguada tesrsi A d< Agosto de 1368.
V
SORTIMENTO DE MOLHADOS.


.


- i 1 5
8*2 = a h v ^ es ^ i
9 i w o 11 l i a.
e ss o 1 1 a o 1 5, fl fc S a
a. g t M a es t S S g -
- i = : s | -ca
< Q 1 o S I S r f- ? i 111
* ti a
< s i g fs 111 1
| i a ? 1
Vinlio -empipa: Porto, Figueira e Lisboa, a 400,
480 e 560 rs. agarrafa, em caada a 2*800, 3J e
3#500 rs., afianca-se este genero conservar-se
perfeito seis oito mezes, o que raro ser oulro
qualquer aflancar.
Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto, a 14
a garrafa e 104 a caixa, o preco nao indica a
qualidade deste-nrecioso vinho, porm tambem
nao com imposicdcs de preco que se prova ao
respeitavel publico a superior qualidade, este
genero de commum se manda vir de conta pro-
pria, e por jsso podemos vendet por menos do
que outro qualquer annunciaate.
Vinho do Alto Douro, das marca nus acreditadas
e especialmente escolhidas porpcssoas entendi-
das deste genero, como sejam Qunoes, Duque do
Porto, D. Luiz, CarcaveUos, Cnamisso & Filho,
Madeira secca, Feitoria, a 900 rs. a garrafa e 9J>
a caixa com 12 garrafas.
Garrames com vinho do Porto, contendo 5 garrafas
por 2*500.
Vinho branco de Lisboa, propriopara nssa, viudo
j engarrafado de Lisboa, a 640 rs. a garrafa,
dito de barril muito superior, a 500 rs. a garrafa
e 34200 a caada.
Ameixas francezas em caixinhas de 1 e meia, 2 e 3
libras, elegantemente enfeitadas eom diversas es-
tampas na caixa exterior, a 14400,14800, 24300
e34>
Figos .de comadre em bauzinhos de folha, muito
proprios para mimo, a 14600.
dem em caixinhas forradas de papel de differentes
molduras, a 14400.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia e 3 libras
por 14400 c 24600.
Passas de carnadas as mais novas que ha no merca-
do, caixas de 1 arroba a 64, e a retalho a 400 rs.
a libra. ,
Massasparaso|a muito novas: pevideeestrellinha,
a 560 rs. a libra.
dem a mais nova.que ha no mercado; talharim *c
aletria, a 560 rs. a libra.
i Macarrao, a 320 rs. a libra. .
! dem o mais novo que ha no mercado: talharim e
aletria, a 560 rs. a libra.
: Figos de comadre em caixa de 8 libras muito novos
a 14800 e a retalho a 180 rs. a libra.
i Salado em latas e em postas hermticamente lacra-
1 das,a800rs.
Lagostinhas em latas grandes, a 14400.
Savel, corvina, cherne, congro, linguado, vetugo,
gors, pescada, peixe espada, preparad pela pri-
meva arte de cozinlia, a 14300 a lata.
Queijos flamengos do ultimo vapor, a 24*09.
dem do vapor passado, a *24200.
dem prato, o mais superior qae tem vindo ao mer-
cado, a 740 rs. a libra.
Doce da casca d goiaba, caixao grande, a 640 e
800 rs. eadaum.
Chouricas do reino a mais aova do mercado a 640
rs. a libra.
Paios de lombo, vindos do Porto de casa particular,
a 800 rs. a libra.
, Bolachinhas inglezas a mais nova do mercado a
240 rs. a libra e 34000 a barrica com urna ar-
roba.
dem de soda'de diversas qnalidades, a 14400, di-
tas grandes proprias para lanch com 5 a 6 li-
bras por 24400.
Marmelada imperial do fabricante Abreu ou de ou-
tros muitos consentiros de Lisboa, em lata* de
1 e meia e 2 libras, a 600 rs. a libra.
Ervilhas francezas, a 500 rs. a lata.
dem portuguezas, a 640 rs. a dita.
Maga de tomates, a 600 rs. a libra.
Manteiga inglesa perfeitamente flor", a 800 e 14 a
libra, neste genero existe-sempre aberto dispo-
sicao dos freguezes dous a tres barris de man-
teiga flor, salvo quando por infelicidade aconteca
a faetnra vir composta de segunda e terceira
qualidade, que para melhor satisfazer aos fre-
guezes torna-se. necessario ter mais do que esta
porcao de barris abertos, pori-rn antes nos lhc
damos a devida applieacao para tempero, que
venderemos a 320 rs. a libra.
dem franceza a mais nova do mercado, a 680 rs. e
em barril se faz abatimento.
Amendoas confeitadas, a 800 rs. a libra.
Chouricos. mouros vindo de casa particular, a 640
rs. a libra.
Farinha do Maranhao muito alva e cheirosa. a 160
rs. a libra.
Avclaas muito novas, a 220 rs. a libra.
Amendoas de casca mole muito novas a 280 rs. a
libra.
TonohAo do reiio a 360 ra. e 104500 rs. a ar-
roba.
Sardinhas de'Nantes, a 360 rs. a lata.
Azeite doce de Lisboa, a 640 rs. a garrafa e 44800
a caada.
Vinagre de Lisboa, a 200 rs. a garrafa e 1J200 a
caada.
Campagnc das marcas mais acreditadas a 84000
e 104000 o gigo, e 800 rs. c 1*000 a garrafa.
Cervejapreta da marcaTenent ou XXX, a 4J e
445OO a duzia, e a 400 rs. a garrafa.
dem branca da marca cobrinha ou Tenent, a 44
e 44300 rs. a duzia, e em porcao se faz abati-
mento.
Genebra de He-llanda em garrafSes com 16 garra-
fas, por 64500 rs., aanca-se ser verdadeira.
dem em frasqueira, a 64500 e a B60 rs. o frasco,
dem de botija em barricas com 4 duzias a 430 rs.
cada urna.
dem de laranja em frascos grandes, a 14200, ga-
rante-se ser verdadeira da Italia.
Marrasquinho de Zara, a 720 rs. o frasco.
Licor francez de todas as qnalidades de fabricantes,
em garrafas brancas de vidro, a 720 e 800 rs. a
garrafa.
Vinho Bordeaux as mellores qualidades que tem
vindo ao mercado, a 720 e 800 rs. a garrafa, e
em caixa a 74500, 84000 e 8*200 rs..
Azeite doce refinado do fabricante Pelanol, a 800 rs.
a garrafa.
Consenas ingleza sortidas ou de urna s qualida-'
de e da verdadeira, a 800 rs. o frasco.
Araruta verdadeira, a 320 rs. a libra.
Gomma de engommar muito alva, a 800 rs. a li-
bra.
Palitos do gaz, a 2*300 rs. a groza e 20 ris a
caixa.
Toucinho de Lislwa, a 320 rs. a libra e 94500 rs.
a arroba.
Sag muito novo, a 200 rs. a libra.
Ccvadinha de Franca, a 160 rs. a libra.-
Cevada nova a 120 rs. a libra, e 34500 rs. a ar-
roba.
Macarrao e talharim, a 320 rs. a libia
Aletria muito ina, a 400 rs. a libra.
Arroz Carolino, muito alvo e grado, a 120 rs. a
libra e a 34200 rs. a arroba.
Caf do Rio o mais superior que se pode desejar
neste genero, a 320 rs. a libra.
dem idem de segunda e tereeira qualidade, a 280
e, 300 rs, a libra, e em arroba ou sacco a 84200
e 84400.
Velas de carnauba refinada, a 320 rs. a libra e
IO4OOO a arroba/
dem de spermacet, a 640 rs. a libra.
Chocolate hespanhol a 1*, a libra,
dem francez, a 900 e 14 rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado por ser
vindo de encommenda propria a 2*880 rs.
Cha hyson, melhor que se pode desejar neste ge-
nero, a 2*500 rs. a libra.
dem nacional em latas de 1, 2 e 3 libras a 1*400
ris.
dem huxim, a 2*200 rs. a libra. "
Cha preto homcepathico o mais expeliente que tem
vindo ao mercado, a 2* a libra.
Graixa em latas grandes, a |g300 a duzia, o 120
rs. cada urna.
Presunto verdadeiro de Lamego em calda de azei-
te, a 560 rs. a libra.
Vassouras do Porto arqueadas de ferro, obra de
muita duracao e utilidadc, a 400 rs.
Charutos de S. Flix do fabricante Furtado de Li-
ma ou de outros muitos fabricantes da Baha, a
2*000, 2*500, 3*000, 3*200, 3*500 e 4*000 rs.
a caixa, ou em meias por metade do preco.
dem Mississipes imperiacs, a 3*000 rs.
dem Ypiranga ou Flor do Rio, a 3*200 rs.
dem Guanabaras ou Havaneiros, a 2*800 rs.
dem Flor da Matta ou Regala imperial, a 2*500
ris.
dem flor do Norte ou Londres imprtaos, a 4*000
ris.
dem superiores em quanlidade e de todos os fa-'
bricantes, a 3*000. 3*500 e 4*000 rs. a caixa. i


Potassa da Russia.
Vende-se em casa de N. 0. Bieber de C,
successores, ra da Cruz n. 4.
Itoa da s'iizalht .\o\111. 42.
TERCOS
e eoroas de cornalina.
A agua branca pensando constantemente em
beni servir a toda a sua freguezia, notou que anda
nao havia feito algum agrado a aquelles que pru-
Muor libra a lOrs.
.,..,,. f "<> "'i imu ujuim agrauu a aquenes que pru-
Neste eslabi'lecimento vendem-se: tachas de dente e acertadamente rasando, cumprem dever de
ferro coado libra a liO'rs.. idem de Low ho jinandou vr e acaba de receber delicados tercos e
coras de cornalina com cruz de prata, os quaes
deixa disaosieio dos fiis que estverem dispostos
a gastar 1*500,2* e :)* para possuirem um bonito
terco ou cora, com os quaes podem mesmo pedir a
Deus pela prosperidade d'aguia branca, em seu ale-
gre e espaoso ninho da ra do Quoimado n. 8.
Cebla* superiores em rsteos, a oco
mil ris o milheiro no Caes da alfandega n.
i, armazem de Tasso A- Irmaos.
A AUViA BRAM %
Receben pelo ultimo vapor o
segninte:
BoDitas pulseiras de cahjfillo, coral, e cora-
lina.
Fortes e bonitas ligas de seda para senlioras.
Ostras etstreitas para ettaa, ou manguitos.
Carteiras rom agulbas.
Agullielas pata enfiar, e agtdhas cnnts.
Trancelins e fitas de borracha.
(/mais eom torea! de todas as cores,
ftlassose (ios de-coral.
Esponjas linas parroslo.
Xovos e bonitos
DCBIinbos travessus dourados e com podras para
: vendem-se na ra do Qtieimado, loja
dagaia I nanea n. 8.
Baluizinhos com perfumarlas e
sem ellas.
A agua branca vendo bonitos bahuznhos com 6
fiasijuiniips derbefros por i*.>oo e vastos por 800
rs., servindo estos para meninas, e mesmo para
joias, etc.. etc. : na ra do Quoimado. loja d'ftgaia
branca n. 8.
Linltas maclas e lustrosas para
bordar
. vendem-so na loja daguia branca ra do
Pentes de tartraga virados, com la;o e Queimado n.8.
Oalal).
Enfeites de rede para conservar .os cabellos Xovlsslmos e bonitos enfeites
bem aladus. | para cabecas.
Aspasu coa para balo. | Quando o bello sexo sentia a falta de bons
Ellas com .ulxetes para vestidos. enfeites para cabeca, eis que a aguia branca
Trancelins chatos de la para enfeitar vestidos.
Papel e folha* para rosas.
Lamparillas franco/as.
Trancelins grossos para relogios.
Escovas cali d'osso, marfim e madroporola
ROUPA FEITA
NO
ARflAZKn
DE
li"ilia idd (paanmiDD^a)
XJETREXStO VERDE.
Tm<
RA DO QUEIMADO N. 46 '
IBTI1XHT
DE
FAZEKDAS E lUHI'lS FEITAS.
Sortimento completo de sobrecasacos de panno a 2'5. 28*, 30* e 35, rmmv
B muito bem feitas a 25*, 28j5. 30fi e 33*. paletots acasacados de panno preto *e 16* at
m 2*, dit&s de casemira de cor a 15*, 18 e 20d. paletots sacros de pai
paniK e
Neste e*tabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de m mir^ d.e *? ,act | W.d|tus saceos de alpaca, merino e 15a de 4* at U. sobre de
todas as qualidades, tambem semanda fazer por medida, vontade dos concor-
rentes, para o que tem um dos mellores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de lodas as qualidades, para senlioras,
homens e meninos.
recebe urna sua encommenda de bonitos e
delicados enfeites. e de modernissima moda,
milito servindo isso para sanar aquella falla,
e fazer com que as Kxmas. apreciadoras da
bella empresa Ceimbra possam melhor real-
dentes, Dubas, limpar pentes e joias. sar e moslrarem o apurado gosto que as
Outras Qnas para roupa, chapeo, cabello etc. guia. Esses enfeites sao d'um tecido bas-
Oulras de velludo pan chapeos. (ante lino com continhas daco, e mui bem
Pastas pafa papis. t enfeilados com flores, filas, bicos,'plumas
aspadeiras e lacas de marfim para ditas. etc.. entretanto que sendo obra de muito
Visporas e dranos.
Baratissimas bandeijas.
A aguia branca por maltas vtes tem da-
do a (mohecer que quando acha alguma pe-
gaste custam 5, 6* e 7* dinheiro vista;
na espacosa e alegre loja d'aguia branca ra
do Queimado n. 8.
nelicadas tesourinbas daco para
bordados e lahjrrlnthos.
A pedido de algumas senlioras suas predicletas
froguezas. a agina branca mandn vir dessas de-
licadas tesourinhas d"aco pontas agudas, proprias
1 para bordados e labvrinthos, %uma voz chocadas
essas, baratissimas bandea, Cuja hmitacSo ,.,m do fado chegram, a aguia branca convida
(le. precos admira, em relaco aos tamaitos C as de mais senhoras suas boas freguezas para
chincha, nao qoer somente com ella eneher
o papo, ao contraro deseja que toda sua boaj
freguezia e o publico em geral prvem da
mesma, o que agora mesmo acontece com
Casacas de panno preto, .'{.*>> e
Sobrecasacos idem, 304 e .
Paletos idem e de cores, 234.
20*, 15* e......
Ditos de casemira, 20$, 15*.
*2*, 10;5 e.....
Ditos de alpaca. 55 e. .
Ditos dilos prctos, D?>, 7*.
5* e........
Ditos de brim e ganga de co-
res, 40500, 4,i, 3^500e. .
Dilos branco de linho, 6, 5 e
Dilos de merino preto de cor-
dito, 10, 7*e. .
Calcas de casemira preta. tr>,
s. 85e......
Ditas de cores, 9-*, 85 e. .
Ditas de meia casemira de co-
res, 55500 e. .
Dilas de prinoeza e merino pre-
to de ci.nlao, 55, 45500 e
Ditas de"brim branco e de co-
res, 5*, 4*690, 4* e .
Ditas de ganga de cores,
35500, 35 e .. .
Colletes de velludo" preto e de
cores, 9* e......
Ditos de casemira preta, SS e
Ditos de ditas de cores. 55
4* e........ .
Ditos de setim preto. .
Ditos de ditos c seda branco.
05
Ditos
2*500
2*000 \'
1*400
350(K)
55000
75000
75000
45000
2*500
25500
2-vKM) m
i*6oo m
8551K) S,r
5000
30*000 Colleles de fnslao e brim Inan-
iMMUt co, S03OO, e .. .
Seroulas de brim de linho.
10,5000 25400 e ..... .
! Ditas de algodo, 1*G00 e. .
7*000 Camisas de pcitos de linho.
3*500 5& M, 3* e.....
i Ditas de madapoln, :{">.
35500 2*500, 25 e.....
Chapeos ile niassa. prelos fran-
cezes. 10). 05 e. .
45000 Ditos de fltro, 55, 45,35500 e
Ditos de sol, de seda, 125.
11*, 75 e......
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda.......
Sortimento completo de grava-
las.
Toalhas parroste duzia. 11$,
95 e........
45000 Atoalhado adamascado de li-
nho vara......
Chapeos deso, de alpaca, pie-
tos e de cores.....
Lences de linho..... 35000 |p
Cuberas de chita chineza. 25000
7*000 Penriasd'aco, as mais superio-
.45000 res, agrosa.....' GOO t-
merino de 75 at 105, calcas pretas de casemira de 85 at 145. ditas de cor de 7* at-
15*, roupas para meniuo de todos os tamanhos, grande sortimento de ronpas fr brim
como sejamcalcas, paletots e colletes, sortimento de colletes preto de metra, cramira
e velludo de 4,5 a 95, ditos para casamento a '5* e 6*, paleMs branco de h irailr a I*
e 5*, calcas brancas milito finas a 5#, o um grande sortimento e liizendas tinas aanrter-
nas, completo sortimento de casemiras inglezas.para homem, menino e senhora. revra*H
de linho e algodao, chapeos de sol de seda, luvas de seda e de Jomin para hnmrm e -
nhora. Temos urna grande fabrica dealfaiale. onde recebemos eiH'ommemlai rararai
obras, que para uso est sendo administrada por um hbil mostr de seminante arle e mr
pessoal de mais de cincoenta obreiros escolhidos, por tanto Qxecutimos qna1
promptido o mais barata do que em oulra qualquer casa.
BRII Mo 38
Este muito acreditado estabelecimento est prvido de um MMMi
machinismos proprios do fabrico de assucar, a saber:
? Machinas de vapores as mais modernas e mus acreditadas.
4? Rodas d agua de ferro com seus pertences.
40 m Mocnuas e mcias moendas de todos os tamanhos.
"m Rodas dentadas, angulares e de espora.
j Taixas de ferro batido e coado.
Boceas de fornalha pelo novo syslema Wetson.
Alambiques de ferro fundido.
Fornos para coser farinha..
Moinhos'para moer mandioca.
Arados americanos, etc. etc
*-rtinrara> *
4rJ000 ffi
^%%%\%\ ^% ^%^^.^%%
DE
Relogios de ouro orizontaes.
3*500 905,80* e.......
5500U Ditos de prata, galvanizado,
' patentes e orisonlaes, 40,5 e
e.......55000 Obrasdeouro. adei ecos, meioi
de gorguro de seda aderecos., pulceiras, rozetas,
m
70;)000 I
305000
TODAS AS Ol A1 ll> \DES
DE
pretos e de cores, 65, 5* e
tes custara .quasi metade do justo va- gre o espacoso nnho d'aguia branca, ra do Quoi-
lor. Assim. pois, ilirigirem-se com dinhei- maJo n- 8- onde tambem ha outras curvas e direi-
i 1 1 alegre e espacosa foja d'aguia branca iLa""''-' j
ra do Rimado n. 8. Ille?s ^f uarnl^ocg de peale e
Rleas
li\ ill.is para olmos.
A aguia branca recebeu novas e ricas
guarnicoes de pentes dourados, e com pe-
I,' neos I raa eos eoui barras de
cores para meninos.
.A loja d'aguia branca recebeu um novo dras; assim como outras bordadas froc e
sortimento de lenco* brancos com barras de com bolas pendentes, novidade essa que s
para meninos, e com quanto esses se acha em dita loja, e que na verdadese
vu.ssem mellores, maiores e prfeifamente tornam mui alegres bonitas; e bem assim
q'.tadra'dos, com ludo continam a ser ven- recebeu lindas livellas com pedras, e ditas
didos pelo antigo preco de 1* a duzia; n. daco com novos e engrapados moldes, cintos
ra do (jueimado na alegre e espacosa loja dourados e de marroquim; e muitos outros
d'agaia branca n. 9. ] objectos de gosto para senhoras serao encon-
w trados na alegre e espacosa loja d'aguia
Lia flna para bordar. branca rua 0 Queimado n 8.
A aguia branca acaba de receber um com- Babadlnlios estrello e bordados
pleto sortimento de la fina para bordar, cu-
ja variedade de acratlaveis cores foram es- Venlem-so na rua do Queimado n. 8, loja d'aguia
comidas d'um grande livro d'amostras que o
fabricante offjsreoeu a aguia branca, vindo Capachos eomprldos e redondos
entre ellas alguma mesclada; assim pois onde; ,. rt .. .
os pretndenos melhor se podem sortir des- JSf^ na rua do <**>>M*.**m
TODA ATTENQUO
NOS
AISVIAXivVS
se genero, na alegre e espacosa loja d'a-
guia branca rua do Queimado n. 8.
Os afamados ropos-rom banha. e
boles com Inseripee.
Chegram novamente para a aguia branca
esses afamados e estimados copos com banha
fina; assim como os bonitos boroes de por-
K.nvas de caranr^a.
Vendem-se mui finas lavas de carmuca
branca e amarella; na rua do Queimado n. 8
loja daguia branca.
CaNSfiATIVff I CNSfRVADOR
DE
ANTONIO Mili SE BRITO
CONIIECIDA POR FABRICADA VIUVA.
* N. SI Antiga rua dos Quarteis de polica-.N. I
Constando ao annunciante, que alguns especuladores de m fe. ven.1., ., credn-
que gosam os meas cigarros, e para poderem dar consumo aos sensamlam vendeado tara-
a praca como pelo mato, illudindo os meus freguezes. dmato que sao meas : e cea lo-
dos os meus cigarros s3o vendidos na minha fahrica. e ro mando pessoa alguma vendsr
por minha conta tora della, faco o presente*annuneio pan evitar qae compren) gato por
lebre : e para seguranca dos senhores consumidores deste genero e psrMYiahn*>fe os y
freguezes, aviso que todos os massos de cigarros que forem vendidos na minha fahrira san
marcados com um distincth'o que declara o meu norhe, o nome da rua e o ninaara da
msma casa.
Aproveito a occasi para scientiflear aos mesmos senhores, que -*~mf tasart
enconh-'arao um completo sortimento de cigarros de diversas qnalidad.s. e do melbor fian
escolhido, por sua boa qualidade j bem conhecida.
Potassa da Russia.
cellana domada tamhtm com banha,** novas Acaba de chegar pelo briguefhamburguez
inscripees maviosas e jocoserias, rai ade- Otto, muito nova e superior;; vende-se" so-
quadu para presentes resta porem que os apre- mente no antigo e acreditado deposito na rua
ciadorcs concorram, mmiidos de dinheiro, da Cadera* do Recife, n. 12; onde tambem se
alegre e espacosa loja d'aguia branca rua do( vende cal de Lisboa muito nova e precos
Queimado n, 8. ; commodoa
JT(D\(btIIiit 8 IDD8J -AlUND3*
NS. 21 E 23 LARGO DO TERIJO-NS. E 23.
O proprielario destes dous estabelecimentos de molbados, vende os seus g-
neros por menos do qoe em outra qualquer paite, por. isso garante a superior boa-
lklade de qualquer genero sahido dos seus armazens ; pode vender por menos por com-
prar dinheiro, e por isso faz vantagem a os compradores.
Batatas .as mais novas do mercado, a 60 rs. a libra e 1.6oo rs. aarroab ou caixa
Toucinho de Lisboa da 1.a qualdade, a 3oo rs. a libra e 9,ooo rs. a arroba
Caf do Rio da 1. e 2.a sorte, a 28o e 32o rs. a libra.
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor, "a *,8oo e 2,ooo'rs.
Velas de spermacet, carnauba do Aracatr. as memores deste genero, a 03o e 4oo rs. a libra
Vinho veFdadeiro Figueira das mellores marcas, a oe e loo rs.. em caada se faz aba-
timento, ha porcao para^scollier.
BoLubinhas americanas, as mais novas neste genero, a2oors. a libra e3,ooors'. a barrica 1
Palitos do gaz, vindos por conta particular, a 2o rs. a caixinha e 2,4ot> rs. a grosa.
Manteiga inglaza da *. e 2.a qualidade, a 800 e 76o rs. a libra,
dem francesa, especialmente escomida, a 64o e 600 rs. a libra. !4 :"" \
Cha, o melhor neste genero, a 2,88o rs., tambem ha parabais barato.
Milho alpisla, limpo, muito auperior, a 16o rs. a libra, a arrroba 5,ooo rs.
Alm destes gneros ha outros muito baratissimos, assim como cerveja das. me-
mores marcas, genebra de Hollanda e de laranja, passas, doce de goiaba, azeite doce, vi-
nagre, canella, pimenta, cofltinhos, erva-doce, cebollas, alhos, chburicas, banha de porco e
outros muitos'gneros que nfadonho mencionar; i dinheiro contado.
XAROPE TNICO REGENERADOR
DE QUINA E DE FERRO
Preparado por CMBAUI/r e C, pharmaceuticos de S. A. I. o Principe Napoleio,
da Escola de phannaeia de Paris, rn de la Feuillade, 7.
EsU ora coaiblnajo renne debalxo de w* pequeo Totume nina forma i
P multo qoe os mdicos desejavSo ardentemenle a reuntfto drstes dous
dos maiores esforcos, nem a sciencla medica, nem os-quimlcos os mtk
al aqui grabas porm perfeveranca humana acho-se hole assocladas
cas a mIm, tpico restaurador por tcellencia, o s>rr, a bi de
menie o reparador dos forc,as e da saude alterada ou perdida
As nolestias contra as quaes o Xarope tnico wgenerador se tem mostrado mrt
norrhelas, faltas de menstruaco, dores destomago, teUe. dteesuSioMsW ?tarfa
rn.-Dstra.coes dMleeta, o fymphatismo, o anpobrecTmealo do' SS^aS!^S^!Sl
pelas molestias aypMlitiras. ""i"wm, os^ina^p
Ha apeuns um ano ^ue o Xarope de quina a de ferro fot rmltMiWt m. -.....x...,. *
hojeo medicsmemo malVm voga, substitulndo poIsinTdlm.t52^XSllS^
i
Es^&ssr* an'^l,'lnd,8penMT H e c, rua de la I
Rio-de-icmciro, em casa 4a pmi
SI^J,"'". *!e **-Ti "* Mannkd^.n'etm ds*Sia nmln e-:'
1 V."plh'o"'o-f'rncliieo 4e Soasa i em asa dos
clpaee pharmidaa d Brasil e de Portugal.
1 Sftrs satMsa c, kem

Deposito geral em Pernambuco rua da Q-uz n. 22 em casa de Can>s A Barboza.
..


.
.



I
Piarlo d PernamlHig Segunda fctra l O de Agosta de |S*
?Pf GRANDE ARMAZEM
AE
EE
PROfcRESSIVflL
90 NO
9-M.ARGO DO CARM0--9.
DE
H 36, Hl DAS CMSH N. 36.
00
feairro de Manto Antonio.
0 proprietario do muito acreditado armazcm denominado Progressista tendo
sanpre em vita fazer tudo e que for possivel para bem servir aos seus freguezes, lem
deliberado vender os seas ja bem conhecidos gneros de primeira qualidade pelos precos
abaixo mencionados, e amanea s pessoas que mandarem comprar por seus criados ou
escravos, serem tao bem servidas como vindopessoalmente; encarrega-se de aviar qualquer pam aos seus
, n'lo sortimenlo
encommenda, ainda mesmo contendo objectos nao proprios deste estabelecimento. O muit0 menos L
mesmo pede aos senhores que mandarem comprar neste armazem o favor de mandarem' todos os gneros adiidos -do* seu" muito acredi
* W _-__ 1 __ -_ i" -1__>_ __ l 11 >vinn jin/IOi 1
DE
WMft*. % ^
Eduardo Margues de Oliveira C.
o
99
a
!
.2
s
E
3
es
2
I
5
m
fl ; ? c/j
1 av i*
a. M -
i 23 p-
>
-; M 3*

e 9 ^2
o
C/<
publico
Neste novo 'e grande estabelecimento de molhados, encontrar.! o respeitavel
d'esta cidade, bem como seus numerosos freguezes do centro, exposti i
solver qualquer objecto qu nao agraOar, uevendo os mesmos senhores ler toda fTfTfi'SSSSffSSff'WSS!!
cao com os seus portadores, fazendo-lhes ver que s no armazem Progressista da ra das a libra.
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
62o rs. a libra,
dem em potes de 4 16 libras muito fina e
Crozes n. 36, que se vendem os melhores gneros por mais barato preco, porque estes
muitas vezes ohidam-se e vo a ontra parte, onde os servem de maneira a desagradar este
estabelecimento.
1.a qualidade, a 900 rs.' de superior qualidade a 320 i s. ; (r
de superior qualidade a
xilina.
Manteigai ngleza de
a libra.
StnirSdaT^SewiMos^a preparada em po.es muito nova a
rs. a libra. 4UU re- caaa um'
Batatas muito novas, a 20 o gigo de arroba Milbo-alpista a 180 rs. a libra.
e 80 rs. a libra. I .. ,
(Gomma para engommar muito fina traba a
Oueijos do reino, chegados pelo ultimo vapor, i 80 rs. a libra e 2?300 a arroba.
de U 2,5500.
Sag mato novo a 240 rs. a libra.
dem prato, chegado neste ultimo vapor, o Sab3o Terdadeiro hespanhol, que raras vezes
mais fresco que se pode desejar a 700 rs.
a libra.
dem londrino, mandados vir de encommen-
da especial, a 900 rs. a libra.
dem suisso, muito fresco, a 800 rs. a libra.
Caf do Rio de 1. e 2.1 qualidade a 8wO0
e 83800 a arroba, e 280 e 300 rs a libra.
Arroz da India e Maranho a 120 rs. a libra
e 3*200 a arroba.
Aveiaas as mais novas neste genero a 240
rs. a libra.
Presuntos do Porto muito hovos a 560 rs. a
libra.
Legumes francezes para sopa, como seja,
Julienne, mlange dquipage, Choux e
outras qualidades, a 400 e 500 o masso.
Amendoas de casca mole a 320 rs. a libra, e
em porco ter abatimento.
Garrafoes com 5 garrafas de vinho do Porto
do Alto Douro a 2.5400 com o garrafao :
afianca-se que nesse genero o melhor
que veio ao mercado.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira muito
superior e mais proprio para a nossa esta-
co por ser mais fresco a 2#400.
Cha hvsson o mais stiperior a 2#600 lihra,
aflanca-se ser egual ao que regularmente
vendemos a 3*200.
*
dem huxira miudinho, o mais superior que
vem ao nosso mercado a 2#700 a libra.
dem preto muito fino, a 2#000 a libra.
Garrafes com 5 garrafas de superior vinho
de Lisboa a 26100 cada um.
dem com 5 garrafas e -vinagre de Lisboa
a 13100 com o garrafao.
dem com 5 garrafas de vinagre hambur-
guez a 800 rs. cada um.
Vinhos generosos vindos do Porto engarra-
fados das seguintes marcas: Genuino,
Porto fino, Nctar, Duque do Porto, Fei-
toria, Velho secco, Chamico, Madeira su-
perior e outros a 900 rs. a garrafa e 9$
a duzia.
Vinho Bordean* das melhores marcas: St
Julien, Medoc e S. Estephc e outros a
640 rs. a garrafa e 7*500 a caixa com
urna duzia.
Chouricas e paios, o mais novo que se pode
desejar, a .*iO e 600 rs. a libra. .
Cognac rerdadeiro inglez dos melhores fa-
bricantcs a 900 rs. a garrafa e 10*500 a
caixa com urna duzia.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
800 rs. cada um.
Licores francezes, muito finos, das seguintes
marcas: Anizetta de Bordeara, Plaiserdes
dames, Cerme (fe Novan, Eaq Dantzic,
Crme de Mentlie, Ilude de Venus etc. etc.
Passas muito novas e de carnada a 400 rs. a
libra e 6*500 a caixa com urna arroba, ha
caixas, meias c quartos.
Ameixas francezas em frascos de 11(2 e 3 li-
bras de 1&400 a 2?800, tambem ha latas
de 6 libras.
vem ao nosso mercado, a 300 rs. a libra e
em caixa ter abatimento.
dem massa de superior qualidade de 160,
180, 200, 220 e 240 rs. a libra. .
Graixa em latas muito nova a 120 rs. a lata
e 1*300 a duzia.
Peixe em latas muito novo: svel, pescada,
curvina, salmao e outras qualidades, pre-
parado de escabexe segundo a arte de
cozinha a 1*400.
Papel grve pautado e liso a 3*800 a resma.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
460 rs. cada urna.
Azeite francez clarificado a 76o rs. a garrafa
e 9,5oo rs. a caixa com 1 duzia.
Conservas inglezas dos melhores fabricantes
Amendoas a 320 rs. a libra.
Aveles a 2oo rs. a libra.
Ameixas a 1* a libra.
Vinhos em pipa: Lisboa e Figueira das melho-
res marcas a 3*200 e 4*000 a caada do
melhor e 500 rs. a garrafa, em porco ter
abatimento.
Vinho velho Chamico em barril, muito proprio
para sobremesa, a 640 rs. a garrafa e
5*000 a caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero a 560 rs. a garrafa e a 4*000
a caada.
Vinagre puro de Lisboa a 200 rs. a garrafa
e 1*400 a caada.
Azeite doce de Lisboa muito fino, em barril
a W) rs. agarrafa, e em porra o lera
abatimento.
Champagne das mais acreditadas marcas, a
1*000 a garrafa, e 10*000 o gigo com
urna duzia.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Babia a 3*500 a caixa, tambem temos
para 2*000, 2*500, 3*000 e 3*200 a
caixa.
Vellas de spermacete superiores a 600, 640,
e 680 rs. o masso.
dem de carnauba e composico a 320, 360,
e 400 rs. a libra c de 10* a 11*500 a
arroba.
propria para doente a 8oo rs. a libra e o
pote separado,
dem de porco, refinada e muito alva*a 5oo
rs. a libra, em barril ter abatimento.
dem ingiera em latas de 2 1/2 libras a 2,ooo
cada urna, garante-se a boa qualidade.
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
de l,6oo, l,8oo, 2,ooo e 2,5oo rs.
dem prato chegados neste ultimo vapor, o
mais fresco que se pode desejar a 660 rs.
a lihra.
dem londrino mandados vir de encommen-
da especial a 56o rs. a libra.
Caf do Rio de Ia e 2a qualidade de 8,5oo e
8,800 rs. a arroba, e 28o a 3oo rs. a li-
bra.
Arroz da India e Maranho a loo rs. a libra
e 3,ooo rs. a arroba.
Caixinhas de ameixas francezas de 1 1/2, 2
e 3 libras, elegantemente enfeitadas com
diversas estampas no exterior da caixa a
1,300, l,6oo, 2,ooo, 2,5oo e 3,ooo rs.
Banha de porco 64o"rs. a libra.
Amendoas confetadas a 5oo rs. a fibra.
Vidj'os de diversos tamanhos de confeitos,
muito proprios 4>ara mimos, de l.rioo a
2,5oo rs. cada um.
Batatas a 2*6oo a caixa com 2 arrobas e a
60 rs. a libra.
Amendoas de casa mole a 28o rs. a libra e
em porco ter abatimento.
Garrafoes com 5 garrafas de vinho do Porto
do Alto Douro a 2,24o rs. com o garrafao,
afianca-se que neste genero o melhor
que veio ao mercado.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira mui-
to superior e mais proprio para a nossa
estaco por ser mais fresco a 2,4oo rs.
Cha hvsson o mais superior a 2,600 m. a
libra, afianca-se ser egual ao que regular-
mente vendemos a 3,ooo e 3.2oo rs.
dem huxim miudinho o mais superior que
vem ao nosso mercado a 2,7oo rs. a libra.
dem preto muito fino a 2,ooo rs. a libra.
dem muito mais baixo, muito proprio para
negocio a l,6oo rs. a libra.
Presunto inglez para fiambre o mais fresco
que se pode desejar a 800 rs. a libra.
Garrafoes com 5 garrafas de superior vinho
de Lisboa a 2,2oo rs. cada um.
dem com 5 garrafas de vinagre de Lisboa
a l,2oo rs. com o garrafao.
dem com 5 garrafas de vinagre hamburguez
a 9oo rs. cada um.
a melhor que
Mixed e Pickles, ceblas simples, e outras Ditas em frasco por 2*,800.
a 800 rs. o frasco. Arroz pilado da India loo rs. a libra e 3*ooo
Mostarda ingleza preparada em potes muito a arroba.
nova a 4oo rs. cada um. Dito dito do Maranho 120 rs. a libra e 3*500
Mlhos inglezes de todas as qualidades e das a arroba.
rafinha.
Sal refinado em frascos de vidro de diversos
melhores marcas a 5oo rs. cada urna gar- Azeite doce francez 800 rs. a garrafa.
Dito de. Lisboa 680 rs. a garrafa.
Agurdente de canna de cabera a 240 e 320
rs. a garrafa.
. 4oo rs. cada um, s o frasco Azetonas a m rs a garrjfa, e 1*300 a an-
core ta.
Bolachinha de soda a 1*400 a lata.
Banha de porco a 600 rs. a libra.
vale o dinheiro, tambem ha solt para 80
rs. a libra.
Vasos inglezes vasws de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de doce, manteiga I
ou outro qualquer liquido de 1,00o a 3,ooo
cada um.
Painco a 14ors. a libra.
Milho alpista a 16o rs. a libra.
Gomma para engommar muito fina e alva a
80 rs. a libra, e 2,30o rs. a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Saba verdadeiro hespanhol que raras vezes
vem ao nosso mercado a 3oo rs. a libra e!
Bolachinha ingleza a 200 rs: a libra, e a bar-
rica a 3*000.
Cha hysson a 2*200 a libra.
Dito dito fino a 2*600 libra.
Dito miudinho a 2*800 a libra.
Dito do Rio a 1*800 a libra.
Dito preto a 1*900 a libra.
Carne do serto a 36o rs., e em porco se
vende por menos.
Charutos de'diversas qualidades a 1*200,
1*500 e 3* a caixa.
Champagne a 1* e 1*500 a garrafa,
a 12o rs a lata Chourigas a 560 e 600 rs. a libra.
i Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
Caf em grao a 300 e 320 rs. a libra, e 9* e
9*200 a arroba.
em caixa ter abatimento.
dem massa de superior qualidade dd 2oo,
22o e 24o rs. a libra.
Graixa em latas muito nova
e l,3oors. a duzia.
Peixe em latas muito novo: svel, pescada,
curvina, salmo e outras qualidades, pro-,
parados de escabexe, segundo a arte de Dito mo.do a 360 rs a libra.
cosinha de I,4oo e 2,ooo rs. a lata.
Amendoas confeitadas de diversas cores
600 rs. a libra.
Papel grve pautado e liso
resma.
a 3,8oo rs. a
Genebra de Hollanda em botijas de conta
46o rs. cada urna.
Doce-de goiaba a 560 rs. o caixo.
Espirito de vinho de 38 graos, a 280 rs. a
garrafa.
Figos a 400 rs. a libra, e em latas de 4 libras
por 1*500.
Farinha do Maranho a 160 rs. a libra.
Genebra de Hollanda a 640 e 720 rs. o frasco,
e 7* a frasqueira com 12 frascos.
i Dita hamburgueza a 560 rs. o frasco, e 6*500
Vinhos em pipa: Lisboa, Porto e Figueira das | a frasqueira com 12 frascos,
melhores marcas a 2,ooo, 2,8oo, 3,ooo e Dita flor de laranja a 1* o frasco.
4,000 rs. a caada do mais superior e de
32o e 36o rs. a garrafa.
dem yelho Chamico em barril, muito proprio
pam sobremesa, por ser muito claro e
mano a 0*0 rs. a garrafa, e 5,ooo rs. a
caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
nste genero, a 56o rs. a garrafa e a-
3,8oo rsr a caada.
Vinagre puro de Lisboa, a 2oo rs. a garrafa
e l,4oo rs. a caada.
Azeite doce, de Lisboa muito fino, em barril,
a 64ors. agarrafa, em porco ter abatM
ment.
Gomma dararuta a 100 rs. a libra, e 2*600
a arroba.
Graixa em latas a 120, e 1*300 a duzia.
Genebra em garrafoes de 14 garrafas por
4*600.
Batatas inglezas libra a 80 rs., ca 2*500 em
arroba.
Licor fino a 800 rs. a garrafa.
Dito em garrafas grandes de superior quali-
dade a 1*500.
Manteiga ingleza flor a 800,900 e I* a libra.
Manteiga franceza a 680 e 720 rs. a libra.
Dita hollaiuleza a 72o 800 rs. a libra.
Mostarda a 640 rs. o frasco.
Massa de tomates a 640 rs. a libra.
Dita estrellinha para sopa a .'60 rs. a Iihn.
Marrasquino de Zara a 800 rs. o frasco.
Passas a 4oo e 560 rs. a libra, e 8* a eato.
Palitos para dentes a 180 rs. o masso.
Phosphoros do gaz a 2*500 a grosa.
Paios novos a 640 rs. a libra.
Queijos do reino do ultimo vapor a i* e
2*500.
Dito de prato a 720 rs. alibra.
Dito do serto a 560 rs. a libra.
Cervejas de marras superiores a 500, 500.
600 e 640 rs. a garrafa, e 5*500, 6* e
6*500 a duzia.
Dita em barril por 4*, e 240 rs. 1 gai rata.
Cevada a240rs. alibra.
Sardinha de Nantes a 360 e 400 r. a tati-
nha.
Sag a 240 rs. a libra.
Sabo massa a 200, 240 e 280 rs. a ubra.
Sevadinha a 280 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolo paralimpar facas a 160 rs.
Vellas de spermacete a 640 e*680 rs a libra.
Ditas do gaz muito boas.
Ditas dito em caixas de 6 libras por 4*000.
Ditas de carnauba a 400 rs. a libra.
Bitas de composico a 360 e 380 rs. a hbra.
Vinho do Porto, ranada a 5*500, garraft a
720 rs. '
Dito Lisboa, caada a 4* e a garraa a 500
rs.
Dito Figueira, caada a 3*840 I a garrafa a
480 rs.
Dito dita superior, ranada a 4* e a garran
o n(X) rs.
Dito Estreito, caada a 3*200 e a garraa a
400 rs.
Dito Bordeara a 720 e 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa em garrafoes de 5 garra-
fas por 1*400.
Dito em caada a 2*, e a 260 rs. a garra.
Vinho do Porto em garraes n paralas
por 2*500.
Dito dito engarrafado a I* e 1*200.
Dito lagrimas do Douro a 1*4410a garrafa.
Vinho branco de Lisboa a 720 n, i garrafa.
e 5* a caada.
Dito do estreito a 6001 s. a garraa. 114*500
a caada.
Previner-se ao respeitavel publico que todos os gneros cima alo drfcan quali-
dade, c para desengao venham ver-; assim como outros que deixam de ser annu
F1\ III AO 11A AURORA.
Champagne
l,2oo rs. a garrafa,
com 1 duzia.
das mais acreditadas marcas, a'
o 12,000 rs. o
Marmelada imperial, dos melhores conser-
veiros de Lisboa, a 600 rs. a libra, em la-
tas lacradas hermeficamente.
Fructas-em caldas df todas as qualidades'em Cominhos dem dem a 640 rs. a libra.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa, a 1*000
a ancoreta do Porto e 1*500 a de Lisboa.

Massas para sopa: estrellinha, rodinha e pe-
vide a 400 rs. a libra e 2*000 a.caixa com
8 libras liquido.
Massas para sopa muito novas: talharim, ma-
carro e aletria a 400 e 480 rs. a libra.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso das melhores qualidades a 900 rs.
a libra.
Doce da casca da goiaba a 800 rs. o caixo.
Cerveja das melhores marcas de 5*500 a
6*000 a duzia e 540 xs. a garrafa
Biscoutos inglezes de diversas qualidades a
1*300 a lata.
Bolachinha de soda, especial encommenda,
muito nova em latas grandes a 2*000 cada
urna.
Massa de tomates em latas de 600 a 700 rs.
cada urna.
Sardinhas de Nantes, do fabricante Basset, a
360 rs. a lata.
Toucinho de Lisboa novo a 320 rs. a libra.
Tijolo de limpar facas a 180 rs. cada um.
Cebollas o mlho a 900 rs.
Erva-docc muito nova a 400 rs. a libra.
latas muito bem enfeitadas, a 500 rs ca-
da urna.
Bolachinha ingleza, a mais nova que se pode
desejar, a 3*000 a barric a e 240 rs. a
- libra.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
a 160 rs. a libra.
Azeite fraocez clarificado a 800 rs. a garrafa
e 9*000 a caixa com urna duzia.
Conservas inglezas dos melhores fabricantes
Mixed Pickles, ceblas simples, e-outros
a 760 rs. o frasco.
Farinha verdadeira de raruta a 500 rs. a
libra, garante-se a superior qualidade.
Palitos para dentes em caixinhas douradas
Breu, a 320 a libra e 8* a arroba.
Garrafoes vasos a 500 rs. cada um.
Ditos rom 5 garrafas de genebra a 2*400,
garante-se ser verdadeira de Hollanda.
Cebollas a granel a 640 rs. o cento.
Canda a mais nova do nosso mercado a
1*000 a libra.
Alfazema o que pode haver de melhor neste
artigo a 280 rs. a libra.
Phosphoros de seguranca individual a 20 rs.
a caixinha.
Papel de embrulho muito superior a 1*120
a resma.
Vinho da Figueira, o que ha de melhor a
4*000 a caada.
Copos finos para agua a 6*000 a duzia.
Genebra de laranja a 9oo rs.,
se pode_ desejar.
Cha pe'rola o melhor neste genero a 3,2oo
rs. a libra.
Vinhos generosos vindos do Porto engarra-
fados (las seguintes marcas: Genuino,
PoVto finor Nctar, Duque do Porto, Fei-
toria, Velho secco, Chamico, Madeira su-
perior e outros a 1,00o rs. a garrafa, e
9,ooo rs. a duzia.
Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto
a I,2oo rs. a garrafa, e lo.ooo rs. a caixa.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Bahia a 3,3oo rs. a caixa, tambem temos
para 2,ooo, 2,5oo, 3,ooo e 3,2oo rs. a
caixa.
Velas de spermacet superiores, Woo 64o, |
680 e 7oo rs. o masso.
dem de carnauba e composico, a 32o, 36o
'e 4oo rs. a libra,, de lo.ooo a 1 l,5oors.
a arroba.
Nesta grande c bem montada, fabrica de machinismo, a mais antiga no imperio, coo-
j tinua-se a executar com a maior presteza e perfeiclo encommendas de toda a qualidad.
' de machinas usadas no paiz, tendo sempre prompto o seguinte :
Grande sortimentode moendas de canna de todos os systemas e tamanhos.
Machinas de vapor de diversas qualidades.
Taixas fundidas e batidas.
Crivos e boceas para fornalhas.
Bronzes e aguilhoes.
Rodas, rodelas e rodas d'agua.
Guindastes ixos e portateis.
Macliinas de cylindios para padarfa.
Serras de ac para senaria.
Fatechas para barcos, etc., etc., tudo_4)or proco que bem convida.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa, a l,ooo
rs. a ancoreta do Porto, e 1,5oo rs. a de
Lisboa, estas ultimas raras vezes vem ao
nosso mercado, pela sua boa qualidade.
Vinho Bordeara das melhores marcas: St.
Julien, Medoc, S. Estephe e outros a 7oo Massas para sopa: estrellinha, rodinha e pe-
lonor
rs. a garrafa, e 8,000 rs. a caixa com urna
duzia.
Chouricas e paios, o mais novo que se pode
desejar, a 56o rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez dos melhores fa-
bricantes a 9oo rs. a garrafa, e lo,5oo rs.
a caixa com urna duzia.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
800 rs. cada um.
Licores francezes muito finos das seguintes
marcas: Anizete de Bordeara, Plaisrdes
Damcs, Crme de Noyau, Eau de veede
dant- c, Creme de menthe, Huile de Ve-
nus, Parfait amour, Eau d'or l.ooo r#
a garrafa e 10,000 a caixa com 1 duzia'
>
Passas muito novas e de carnada a 3oo rs-
a libra e 6,000 rs. a caixa com 1 arroba,
ha caixas, meias e quartos.
Ameixas francezas em frascos de 1 1/2 e 3
libras de l,4oo a 2,8oo rs.r tambem ha em
latas de differentes precos.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 600 rs. a libra, em latas
de differentes tamanhos e lacradas herm-
ticamente.
Fructas qm caldas de todas as qualidades em
latas muito bem enfeitadas a 5oo rs. cada
urna.
Bolachinha ingleza a mais nova que se pode
desejar a 2,5oo rs. a barrica, e 24o rs. a
libra.
vide a 32o rs. a fibra, e l,6oo rs. a caixa
com 8 libras liquino; s no Progressivo.
Massas para s&pa muito novas: talharim, ma-
carrao e aletria, a 4oo e 48o rs. a libra.
Chocolate poriuguez, hespanhol, francez e
suisso, das melhores qualidades a 9oo rs.
a libra.
Doce da casca da goiaba a 64o rs. o caixo.
Cerveja das melhores marcas, a 5,5oo e
7,4oo rs. a duzia e 54o rs. a garrafa.
Biscoutos inglezes de diversas qualidades a
l,2oors. a lata.
Bolachinha de soda especial,- encommenda
muito nova, em latas grandes a 2,ooo rs.
cada urna.
dem craknd em latas de 5, 7 e 15 libras a
4,000, 5,5oo e 11,000 rs. a lata.
Palitos do gaz, a 2o rs. a caixinha e 2,3oo rs.
a grosa.
Massa de tomates em latas de 600 a 7oo rs.
cada urna.
Sardinhas de Nantes do fabricante Basset, a
38o rs. a lata.
Toucinfio de Lisboa novo, a 32o rs. a libra.
Tijollo de limpar .facas, a 18o rs. ca^a um.
Cebollas, omlhoa'9oo rs.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa,
a 14o rs. alibra.
FUNDICAO DE LOW-MOOR.
Ra da Scuzalla nova 11. 12.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sorlimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa; em casa de S. P. Johnston A C,
juada Senzalla Nova n. 42.
AGENCIA
D.V
l!ii;i da Senzalla n 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston & C,
sellins e silhOes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lanas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros deum e dous cavallos, e relogios de
ouro patente inglez.
ESCRAVOS FUEIDOS.
- i
Esciavas Infidas.
Fugiram no dia 2 de julho do corrent -anuo as
escravas Candida e Lucinda,' mai e filha : a Dri-
meira reprsenla ter 34 annos. pouco maiso u me-
nos, estatura e feicws regulares, denlos alvos,
dhos aperlados e bem fallante ; a segundarepre-
senta ter 15 annos, poaco mais ou menos, muala
clara, bom cabello, estatura regular, bons denles,
olhos aperlados que parece ser myope, lem tres
cicatrizes frescas de ferida de fogo na p direita e
nos dOHS bracos : roga-se as autoridades noliciaes
e mais pessoas a captura dolase entrega-las a seu
senhor Domingos aos Passos Miranda, na roa do
Hospicio n. 31, que gratificar generosamente, pro-
lestando-se igualmente contra qacm as tiveroc-
cultado.
Kat fgido.
No dia 30 de julho de 186>'J tafia do ongawho o
abaixo as-signado o escravo J<>- \
bem negro, crioulo, idade de "i | ira Oi aflato*.
boa altura, bom corno, l-ein hito, talla inania, aV
vellido, toca viola, flaula. lea a risada
garosa, um denle ou d<>u> de ni.
suppoe-se andar por esta iraca flVrnanibu i
condecido de imillas pessoas. rouio bem 4o St
las Hapsta Itibeiro de Faria. do
meu compadre Eugenio, dcFranei-
norio, etc., etc., iniiiiila-se por forro e est awat-
do de urna caria de alforria. mas esta declara jbk
s gozar da lilierdade depois de ininba larft! ;
mas cu que estou viro, e nao tenbo vontae t
morrer j, tenbo de chama-lo a ordern <* aim
G'io ajuslica policial, ou mesmoipiem enronrra-
, que o prenda e remella para dilo engeal>o, ou
nessa praca ao Sr. Julia Leocadio de Lima, a
Boa-Vista, estrada dos AtUictos. que -.t entlra-
do.l'rbano Barros da Silva Yaseoocel!
Haerava fgida.
sr
Pugio a 2 do corrate a escrava Joanna, com
os seguintes tignaes: cor preta, olhos papudos,
ps e rnaos grossos, tem unta uuha radiada em
um dos dedos da mo, levou vestido de chita esen-
dos eneros ^^f^^^^^^^^^ ?S^^J?^%?,
fazemas, cominhos, "pimenta, erv-doce, palitos de dente em macos e caixinhas, enxp- uem a apprehender eleva-la a ruado Hospicio n.
fre e outros muito gneros, Os guaes vendemos pelos precos mais baratos possives. 162, ser bem recompensado.
Da travessa de S. Jjp<1 n. ti, fngio a eci ..
Mara,-natural do Gongo, idade 40 anaos, a jaal
tem signaes muito visiveis de h-tigas, ao
arrasta bastante os ps, levou vestulo le el
chale encarnado milito velho. SoppiV-se achar-'e
ella acontada em Apipuros, illinda ou (toi : ro-
ga-se pois as autoridades policiaes, eaaitts *
campo ou qualquer pessna que a appreheoriim
c levem-na a casa cima que sera gcnernsaataaa
reromiMMisado.
. Fogio no dia 26 do mez findo, um
negro crioulo de nome Cyriaco. representa
ter 28 3o annos, bem preto, pouca barba.
olhos pequeos, pelle liza, ps comprdos
seceos com marcas de travos, proveniotMes
de boubas, com falta de um dente preste o
queixo superior ,e algnns podres nosqueiiaes.
levou calca de estoupa e patito ta sean
fazenda, serrindo de camisa ; anda munido
de urna carta de apadrinhamento para hitx
crerqoe nao est ftigdo. Consta andar
pelo feeife e Affogados; bem conhecido,
por ter andado com urna carroca vaader
lenha; quem o pegar condaaa-a ao sitio
Agua-Fria, na estrada de Beberibe.


1-
8
Diarte
LITTERATRA
v essallna.
Amores, llores da perdida vida,
:-r, nao podes respirar jamis; '
irilho. filho da descreda immensa
'> Bastera, nao fulgura mais.
O i. ndo inmundoscu-desproso em |>o.-<
Sobjc. teu nomo recaliir j fez...
ca fijara, que da festa resta
So.c abandono que cercar-te vJ...
Teu peito a'ffeito ao sen&mento.tolo
Do amor impuro que praser le deu,
rgiaramas agora implora
i' me rf,;,.- lomeiu...coffipaixio do ou '
Ir ;.rde tarde a iaiiareda leda
V: fogo santo me" te qnr remir !
T' tima a palma de celeste veste
mas na trra poder eingir!
.'-'e-errante, perjuraste, andaste .
' : deudo"affectos-.sem pudor, sem fe...
0 ptanto tantu que a vivace face-
Te orvalha agoras remorso !
e fra, despresando o mando
D2 verdadeira e virtual moral.
Seguiste o triste e desregrado fado
De vi! mundanaque nao tem fanal!
"V infestes prestes a tapeta bella
Que outc'ora a fronte virginal teornou.
t'.-.jura. impura, nessa humilde lide
Pe iida a raigasem amor ficou!
Kaidicta. afflicta,gemedora agora,
Eis-te pedindo compaixao e d !...
E mundo,immundoi>or amonta aponta
A Mr crestada as orgias s ?!...
1 ra chora teu passado amado
De vis prazeres. que nao voltam mais!
Gomosos gosos da perdida vida
Foravse todos, s te restam ais f
Feiuieiiu Navas.
''Do Futuro.)
que precise antepor-se as
cnU'tatoo direito de dissolver as associacoes
perigosas.
Fonjos unnimes pafa manter o decreto de 22
de agosto.
Julgamos que a lei das associagoes deve ser
nao s a sanecao do direito do estado, mas a garan-
ta do direito dos cidadaos. Um direito que nao
est regatado, nunca'* bem esfabeleeido Mas es-
la lei ni i' to urgente
leis de finaneas.
Censuram-nos de deixar o parlamento usurpar
o direito executivo. Em theoria estou de accordo
eom (i preopinante; mas comprehendendo bem em
1 que temos (\eixado usurpar o |>odcr executivo ?
lito s acontecen urna voz; quando se permitiu ao
parlamento que siibstituisse por outro um convenio
importante de caminbo de ierro. Isto nosuccedeu
na nossa administracao. Comprehendo que a cmara
regeite um contrato, mas dSo que ella mesma o re-
funda n'or.tro. Foi o que deelarei a proposito do
crdito rural, e espero que a cmara ha de vota-lo
mas sem o antepr as leis mais importantes, espe-
cialmente a lei commuual c provincial.
Tratarei do systema regional; estive comple-
tamente de accordo com o meu collega de interior;
fui efectivamente partidario do systema regional;
pego cmara que se record da poca em que eu
apresentei. um systema completo de leis adminis-
trativas ; talvez fosse inelhor apresenta-las em de-
talhe 1 mas. apresentando-as, deelarei francamente
que a primeira era a base do meu systema. Ae-
crescenlei que podia haver vantagem na associa-
gao das provincias mas apresentei o systema re-
gional como um systema de transiccao e de en-
saio.
Mas a provincia era urna base verdadeira.
Nao mudei de opiniao, e seria que o systema re-
gional adoptado como transiccao, teria evitado mui-
tos erros e difflculdades.
< Hoje este systema j nao tem raza de ser,
porque a novidade, est feita, e s temos que dar
a provincia quanta vida podermos. Julgo-que
necessario dar s provincias o direito de s* asso-
ciarem ellas formaro entre si as regfes, de-que
tanto se tem fallado, fra de proposito.
1 Deveis comprehender a importancia que da-
mos lei communal c provincial. Esta l;i .--
sencial debaixo do ponto de vista iuanceiro, porque
a s ella pode permittir-nos realisar serias ecoao-
O que rae pelo mundo. mas.
I .unos em seguida as sessoes de. 18-e 19 de ju. I ( ^ comprchendo as censurasque lpe drigem
n ,0Par' 'sobre as (naneas. Podem-me censurar ha tres
mezes de nfio ter executado um plano para o qual
rnambneo Segunda feira IO de Agfcta de tfc9.

pessoal. e que nao aecuse pes- offlcial, e podem produzir mu effeito. o orador pe-
t Sessao de 18.
Mr. Muilfit;. continuando o seu discurso.
t Para explicar a situacao da questao romana.
disse o ministro, devo fallar de dous episodios que
l e un entre si, a questao da handeira e a convencao
pedi quatro annos t Mas nos j vemos qu* os ttu-
los de crditos italianos sustentam um valor mais
xl (irme, e nada ha que melhor desminta o melhora-
"oTfl^M
soa alguma
Mr. Ratoszi. Mas fago observar que para me
defender, devo demonstrar... (Oh nao. Rumores
prolongados, interrupcoes.) Scnhores, o ministerio
actual e os seus amigos prevaloceram-se fes anti-
patluas naesetinham manifestado contra sos em
consequencla do doloroso acontecimento feAspro-
montc, para tirar partido a seu favor: fottmelle-
e nao nos que subiram ao poder apoiadus nos escu-
dos da esquerda. (Rumores.) Senhores. vientos
cmara para tomar parte nest discussiin, e para
dar tambem un voto condicional de conanga ao
gabinete, no caso delle declarar a intencao que tem
de modificar, pelo menos em parte a sua poltica.
Mas agora que o governo declaren que ha de pre-
servar no mesmo systema, j nao podemos absolu-
tamente segui-lo. (Rumor.)
c O orador tratou de demonstrar que nao teria
podido encetar negociagftes com o governo francez
noque diz res|eito a Roma, tomando por base a
carta do imperador datada fe Janeiro fe 1861 nen*
nota Durando, que nao tinla* ontro ftm mais- do
que exprimir um voto j formulado pelo parlamen-
to, e com o qual os nossos agentes ^0 estrangeiro
deveriam conformar o seu procomento. O nico
campoem que se pode tratar com a Franca, rclati-
mente a Roma, a nao iatervencac. A accosacao
de havermos cerrado o caminho a negociacSes-ulte-
riores, nao tem pois fundamento; e a nota Duran-
do foi, neste mesmo scntdo percebidt no estran-
geiro. Em todo ocaso a peior politiea a da a*s*
tencao absoluta, qoe ter porcosequeneia fechar-;
bos para sempre as portas d eidad eterna:
rodeios.
t Mr. Catueci, tomou a palavra para desenvolver
a sua ordem do dia, mas retirou-a e associou-se
de Mr. Chrispi.
de a Mr. Minghetti que as rectifique.
Ir. Minghetti, respondeu que nunca tivera
tencao de offender pessoa alguma, mas que susten-
ta va completamente as suas palavras.
Mr. Hattazei declarou que sustentara tambem
completamente as suas, deixando o paiz joiz entre
elle e o ministro.
1 O Presidente disse que este incidente nao po-
dia ter seguimento, e.concedeu de novo a jialavraa
Mr. Bert.ani. tratou directamente das medidas
de polica vexatorias e arbitrarias, em opiwsicao
coin.0 estatuto e com a liberdade d cousciencia,
npr assm dizer. nico meo de governar emprega-
do por Mr;. Peruzzi, desde que est no ministerio.
O orador citou um grande numero de feetos em
apoio desta assereo. c fundou-se pferficnlarnwuie na direccao polilica do ministerio, passa
as medidas arbitrarias de qu elle propro foi vii- do,dia.
presidente fe conselho, para pedtr a cmara que i lugar Uffla ^gen] do dllhyran^,
d ao ministerio um voto sem incerteza em seus CM2(tia ^^ ( ^^ enHo a^pjJJ^, .
a semelbante respeilo.
Para nos, diz ela, dos Mlaies deteles
acadmicos resolta urna ultima imprexo.
S uma doulrina rellm rnrna a wii e
N
ordeindo dia.
Mr. Bitoncompayni, substituiu a sua pela
guinte :
Cmara manifestando a confianca que tem
ordem
luna.
Mr. Baoncompagni, acereseenta algumas pa
Dissc que os oradorel que fallaram costra; el- avras para justificar a sua mudanca*. As racoes
le, foram os proprios que reconheceram o direito resumem-se a .urna nica, que estar cmara sa-
de associaeao poltica, direito natural e consagrado tisfeita das declaraco> feitas pelo gabinete, duran-
pelo estatuto. De que serve entao eomprmi-l' ao te a discussao:
ponto de o tornar Ilusorio f Se do direito de aso-
ciacao devesse resultar uor perigo real para o go-
verno, ooradwcomprehenua at untcerto ponto
os estorvos queop]>em ao-exercico desse direito-
t MMr. lafarina e Alfieri, retiram as suas pro-
postas.
. Mr. Bito Votarei |>ela ordem do dia Buon-
compagni em attencao ao governo, e nao ao minis-
Mas longe de offerocer o menor perigo para ter0. O seu prograrama poltico nao me satisfaz
uitemenle noque diz respito quetao romana.
O orador insistiu na necessidade de pensar
seriamente na solucao desta questao.
< A sessao levantou-se s 5 horas e 50" mi"
utos.
um governo constitucional, direito de associaeao
pode' antes prcstar-lhe grandes- servicos informan-
do-osobre as tendencias da epiniao publwa; e es-
clarecendo-o sobre a linha de-conducta qne deve
seguir.
Mt. Bertani insisti" com snergia na Vplora-
vel raqaesa do ministerio tanto ne paiz cerno no
estrangeiro.
Mr. Bertani, depeis de deseancar pela segnrt-
Mr. Mingiwtti, presidente do conselHo. Pedi a da vez, proseguiu no-seu discurso, que conthinou
patarra para repelr o que disse o honra* Ratazzf
a respito da rainha entrada na sua administracio.
e terminou no mesmo sentido, pedindo com- emer-
ga que*o ministero-re(icrte o> direito de associa-
Declarei a Mr. Rattaszi que faria parte della se :?ao-
algons dos nseus amigos polticos entrassem comi'
go para o poer, e se Mr. Rattazz mudassealguns
pontos csseneraes do Seu programma. (Bem !> Quan-
to >aihiso f-ita por Mr. Rattazzi, a circunstancia
de en na ver feito parte dos conseihts do-Santo Pa-
dre; declaro qne verdafe que servi o Santo Pa-
dre, mas servi-o quandb elle era- umversalmente
considerado- come Ilustre iniciado da liberdade &
dandependenoiada Italia.' (Bem, apptausos.) Mas,
senheres, quasdo Pro IX, promulgou a-sua-fomosa
enryeliea de- (9 de abril; que abri mu tao fundo
abysrao entre-elle e a Italia, oh I entao, scnhores,
de* inmediatamente a nnha dereissa,- e refugie-i
me-junto d'eV-rei CarlssAlberto... (Explosao de ap-
plausos.) Befugiei-me sombra da bandeira da casa
de Saboya, na qual se resuma- toda a f c toda a
esQoranea-. da Italia. (Applaosos.) Felizes' sao
aquelles que tiveram a fortuna de-ter sempre reis
.
ment do nosso credita Fizemos questao de ga- leaes, e que. para ajudar o comprimento dos dasii-
1 '',r- I bnete das nossas leis 8nanceiras. Nao podemos
1 A Franca em Roma apphca-sc, as nao tem ra^ j^ camara n5o perdeu oseutempa A
encto em cousa algnma no governo interno. | ^ do or).ament0 n5o f tempo ^^^ Vde
*e>iste-se aos seus conselhos mesmo quando sao; ag ou|ras m^ e V|}(je quanf0 temj)0 UiCS tem.
dados no nteresse geral. Eu nao posso compre-1 sdo nPcessar0 |)ara entrareni na regularidade fr-
t. -r. ler as censuras que se nos drigem. E noces- Lanceira que nos ,emos aiCancado. Iw tres" a
sario que os dous governos se entendam para impe-1 w_.
dii as invasoes dos bandos de guerrilhas, e jnlgo ,. ivtr il|IK vezes nos fen(ie6 da(j0 votos- de
orcamem;
nos da, patria, nao kuam obrigados. a seguiremii-
nhos indirectos, e caminharaiu. nos que Ihe eram
trabados pelo amor ao seu paiz, e pelo liberalismo
leal o profundo patriotismo dos seus principes!
(Grande explosao de applausos, interrupcae.)
O presidente, convidou. a, cmara a restabel0
cera sua tranquilidade, e a.guardar silencio, na5
, apezar desle convite a discussao nao pode prose"
. Ja por duas vezes nos tendes dado xoto> ue, r ^ ^ s de SS^o de ^ m
qr, em todo o caso a com encao teia um excellen conanra para 0 emprestimo e pasa o orcameoto ;' Seis minutos.
t-'--ileto na opinan das provincias do mcio-dia, as i mas-mtersido determnattos l)0r cocsijtera.j Mr. Hattazi : Senhores, alludiulo posicio
quaes se faz acreditar que a Franca favorece os ^^ ^_, meresso Ct.raL Hoj0 desembaracados de que o honrado Mr. Minghetti oceunounos conselfM
muito simples. Para com a
usso direito; para com Roma
[(des de nteresse geral.
' <*.!<, n nrttuff-nnaenA. nedi
guerrilhas.
c A nossa poscao
falla mamemos o notou uc., ,... --| m ,cconstituJr-a
.unos que estamos promptos a assegurar a : qu0 "tanto fe. pela Italia e que tanto
, pendeafeead.gmdade do soberano pont.fice. & (Applausos prologados )
com a Franca entendemos dever esperar a oc-; ^ r V honrados Txio, Ra.tazi,
toda a preoecupacao, pedimos lun voto de coFifianca.
sem reticencias ncm equivoco.
do pontfice romane', nao julguei fazer-lue uma
casiao para podermos negociar. Se olhardes para
a.' Macchi e Mellana, pediram a palavra para factos
c Mr. ff/orn', pe* a palavra- quando oravao
deputado-Bertani para esclareoor um facto. Quiz
provar qne o conde de Cavour nao pensava na ex-
pedicao d Sicilia. Ora, direi que algnm tempo
antes d'aquella exped cao. vria encontrar-me ao
Hotel nasioml; em Genova, e dsse-me qae- nos
torna va responsaveis da expetoao do general (la-
riba Id i Sicilia. Sustento es facto, para que se
possa jolpar, com alguma exaod, da verade e
da maiwii-a por que as cousas se passaraiu. Sinto
que o deputado Sirtovi nao estoja presente, porque
poderla atiestar as eircnmstauias, que se deram.
t Mr. Bino. Itemitta-seMHe. tambem a mim
dizer nina palavra a respito:da circumstancia in-
dicada pelo honrado I.al ai im. Por occasiab da.ex-
pedieao de Marsafa, nem o pende-de Cavour, ncni:
o general Garibab eslavauv muito d'aeeordo. A.
expediao veriticou-se por um concurso de factos,
emHe tomaram parte o-governo e o general Ga-
ribaidi, sem distinc^ao. O orador disse que j era
tempo.de por de parle todas estas questoes.de mais
ou menos conenrso para, a revolucao-do nosso paiz 3
ama vez que ella produaiu bons resultados, as-dis-
eussoes sao innteis. Alm disso, aeeresee-ntou. el-
le, que importa qno ama revoloco rebente em
Veneza ou em Rom; eu creio. que o governo to-
mar voluntariamente parte nella, apesar das con-
veniencias diplomticas. (Muito bem!/
M. Sirtori. Quando me dirig easa do con-
de de Cavour para conhecor o seu pensamento so-
bre a expedicuo de Marsala e solire- a das Marca
e da Ombra, o conde de Cavour disse-me textual-
meme est^ palavras : Quanta expedicaa das
Marcas, nao; o governo ha de oppr-se a ella*. Pe-
uma doulrina relha coma o mtmh,
. ,,,. **.. ,,s srs,s!iK?,sjsrs- as
seu throno em .Monlpellier, conh'ecida em
todo o mtmdo cirUsan, e larca sordamente
raizes at as trras inimigasrcltivadas pe!*
escolas de Pars e de Strasbnrgo.
Essa doulrina n5o obstante ser alimen-
tada em uma pequea escola, sendo awka-
- tada por pequeo numero de operaik*, t
divulgada por uma imprensa medica pono*
conl.iecidada r.utra muros, sem apparatos. ar,
nuncios ou prospectos, propaga-se lofeifia
de geraco em gerac3o eom 13o fncos
meios. Essa aVMNni rennmtl, que emm-
brece e. elleva tanto o homem aos seos pro-
prios olpos, quanto o degrada e avilta o ma-
terialismo e o soUimto; ero'orna patarra
essa dbntrina que cercada de um prestigio
secular, e enjo nome n3o pronunciara os ses
inimigos sem uma especie de respito
a rioittrinade MontpHlieriM d'abril 1855,.
Fallaram no mesmo sentido, -anlaram a
diapaso a Unio medien, a Imprenta me-
dica,.a Franca medica, a Gazetta ihkoapi-
taex, a Abelha medica, etc. ; e assim fe)
leve aquella memoravel sessao d'Academia
de medicina de Paris outro resaltado. senaV.
a negaco formal da doulrina anlhrnpato
gica 'alma intellectiva, tmicu primerfi>>
vital do homem, e a adopeo soieMW
doulrina de uma segunda alma no bornean.
como principio das funeces vilaes do corpo.
A excepcao da Revista medir, qoe per-
maneceu invencivelmeote adberente fe ve-
loas doutrinas, uma s alma de bem se a-
chou, que leve coragera de protestar coatra
tao monstruosa apostasia ; fot o doutor 9fea-
llie, que to modesto, quanto sabio, em ata
importante correspondencia com o pbom
pho Collineau, posto se assignameo phar-
maeculico mostrou que era philosopfe>
mais profundo que o seu antagonista.
0 'iiaMiiu julijadu- pela |>hiloM)phia christa, ou
refutarn da doulrina indita de Monlpellier,
peloP. J. Ventura de Raulica. Traduzido com
ama ntrodurro e notas peto l>r. Jos Suriano
de Sonza.
Corpus nostrum vicit per animam.
(S. Thomaz.)
. veris que se esforca para confundir a ques-
tao do iioder espiritual com a do poder tenjporal. i particulares,
fulgo que a sua violencia a prejudica tanto, quanto Mr. Bixm.
;,,ta amode.,.,0 constante do governo; ^^ ^1^
'' '^0 que o espirito italiano penetra em Roma' anda pdor. Ora, como
Mr. Rattazzi disse hontem que o
pela commissao sobre a
ao estado de sitio, c que
po> todos os poros.
I sobre a guerrilhagem declaro que nada ha peior
,<.5 Ao Bnmi' do que o estado do sitio; que, a cmara incom-
censura ; quiz saiento mostrar um facto lstorico.
Nao ti ve de modo algum nte-ncao de dar asminhas
palavras o sentido que lhe attribuiu Mr. Minghetti.
(Rumores).
. Mr. Marthi: Cedo a palavra. (Bravo).
t Mr. Metnna : repelhu a aecusacao feita pelo,,
honrado presidente do consellio contra os que de- ,oca a de Marsala, muito bem; e neeessa-
clararam nS<> comprehender a formula : enreja ti-1 rio comeear pelo sul. Do mais o condo de Ca-
vre o estado livre, aos quacs, segundo o honrado vour nao eedia a pessoa alguma em audacia,
presidente do conselho, (alta sempre a idea do fu- /IW, 11 ^^
turo. ''
Bisse que se ptKte taeitmente resuiuii toda a Mr. Pernxa, ministro do interior, respondeu
parte do Piemoute na obra do conde de rjavonr. a censura de crueldade (pie lhe dirigiu o honrado
Comtu mais do que o conde de Cavour para preparar o!1
CAPITULO IV.
Assim como a razo particular
tem admittido'em Deus ora
a unidade de naturezasem a
Irindade de pessoa, ora a trin-
dade de pessoa sem a unidade
t de natureza, assim tambem;
tem admittido no homem, ora
a unidade d'alma sem a trin-
dade de vida, ora a trindade
de vida sem a unidade d'al-
ma.Hreges amigos e no*
demos que teem admittido
varias almas no homem.
A doulrina da plural dade
das almas ensinada em nos-
sos dias por Miguel Vmtras
e pelo [)r. Lordat. Re~
nascem desta doutrina o ori-
genismo, o pantheismo e o
materialismo.
(Contimiacao.)
A nao se querer acceilar a verdadeira
doutrina d'alma substancial, nao vejo para
explicar-se o homem seno uma destas tres
hypotheses: 1. Oa o homem nao mais
que uma crearlo accidental servindo de lu-
gar de cerreceo as inteligencias decahidas:
isto o origenismo; 2. Ou a alma intel-
lectiva nao uma substancia distincta, mas
uma irradig.no da substancia universal intel-
igente, nao sendo tambem o principio vi-
tal um principio distincto, mas uma com-
muuicago da virtude do principio univer-
sal vivo, virtude esta que,- como dijera,
communicada durante o tempo preciso para
o desenvolvimiento da organisacao, e depois
entretida pelo jogo dos orgos at a morte;
isto o pantheismo; 3. Ou finalmente, o
que se chama o intendimento do homem
o resultado de uma organisagao mais per-
terreno do quo ello depois se soube aproveitar (ru- berce, de Bolonha, e censura de illcgalidade, a feita que a dos brutos, que posto nao te-
Em Franca, a causa da oceupacau uu- nuu ^ para j^ cs,e I)r^ect0 ^^ j^0 cxa.-
I |0do8osdia8 terreno. A idea da indepen-, ^.nou os do(.umcntos que a eommj^o colheu ;
fencia pontificia fundada no poder temporal e urna ^ ^ ^ ^ approvar aqU(%1(a ,ci> as condir5es
idea que provm dos lempos feudaes, em que a (daj 1)roviut,as nieridionaes scrao oaihv vez pciores.
d.gnidade eslava ligada ierra. Me, Mam. As observaees apresenl&das
t A Franca em Roma, d exemplo da violacao
do principio -da nao mtervencao, que c a
&na poltica. JSsta anouialia nao pode durar
v 1 Ranea viola o principio da soberana
povo, O principio de 89. Esta contradicao deve ter 1
un triK i o imperador est disso convencido. Se (
- poderosas o tom at- agora detido, afinal ha j
de dar razo aos principios que sao os de seu pro-
. I pelo prndenle do conselho conllrmam a verdade
1 das que eu fiz sobre a poltica interna e externa do
'" I gabinete. 1 Rumores.) Peco, senhores deputados," tres interpellantes.
do,e T* .. Posto a votos
que me uao interrowpatn, c me oucam como eu
ouco aos oulios.
1 O pretiente,
romper.
mores); o conde de Cavour se vivesse, havia
nos faaer juslica.
O orador susicntou que elle eos seus amigos
tinliam apoiado o conde de Cavourseiupre que Ihes i
pareeeu conveniente faz-lo, mas loalmente e reco-;
nhecendo sempre o seu genio potente.
Mis. Macchi eRicciardipedem pela ultima ves:
a palavra para sustentar as suas interpellaces.
Mr. Al/ieri, propoz e encerramento da discus-
sao, eom a reserva de se conceder a palavra aos'.
Ningoem vos ha de inter-
csta projiosta foi adoptada.
Mr Macchi: queixou-se do ministerio ter dei-
xado sem resposta |edidos. Disse o ministro dos
negocios estrangeiros que se deram ordens para
que, os navios pontificios quando entrarem nos nossos
[nulos sejam tratados da maneira (Kirquc o sao os
prio poder.
, Muiu gente na Bnropa duvida da durada da
actoalerfem fe colisas na Italia. necessario
desvanecer estas ideas por meto de actos. A mis-
lo ministerio actual consoWar a Italia orga-
nisaafe-ai
', Se conseguimos a nossa otara, taramos fefe
dai um grande passo aos destinos da Italia. Have-
r sem duvida mais difflculdade em organisar a
Italia sem Roma. Mas de qualqucr ponto do reino
ode organisar a Italia. A nossa nacionalidade
in depende de urna questao geographica. O mo-
v meato italiano resultado do que a monarchia
tem de mais puro. Temos alliado os elementos do
, resso com os principios conservadores. por
uso que nos adiamos as circumstancias de de-
fe tder na Europa todas as causas justas. Estamos
ligados com a Inglaterra na communidade dos
principios sabis quaes sao os lagos que nosunem
Franca.
Estes podem algumas vezes parecer que afrou-
kam. mas necessario confiar na sabedoria e ge-
1. fe imperador, cuja sympathia nunca nos fal-
tn.
Conheceis presentemente os nossos princi-
pios. As occasioes bao de apresentar-se por si.
Causas de conflicto nao faltam na Europa. Po-
feremos tirar partido para obter a solucao do pro-
blema.
- Pouco accrescentarei ao que disse o ministro
o? negocios estrangeiros a respito da Polonia.
Depois do mez de marco, quando a Inglaterra se
dirigu anos, manifestamos os sentmentos da opi-
niao publica. Censuram-nos nao estarmos de ac-
cordo com a Franca, Inglaterra c Austria. Per-
guntarei primeiro se existe esse accordo. Eu vejo
antee tentativas simultaneas do que concordancias.
Mas, em todo o caso, couviria Italia tomar parte
WS9M tentativas f Nao o creio, c julgo intil ex-
pliear-vos o motivo.
< Pergunta-se-nos o que fizemos. Se as tres
potencias conseguirem concessoes, muito folgare-
cara isso. Se a questao tomar uma atttude
mais* grave, se as grandes potencias entrarem em
questao, entao ser o momento para a Italia fa-
zer ouvir a sua voz, e ha de saber faze-lo. Por oc-
c.'i-io da guerra da Crimea, o Piemonte esperouo
uiomento opportuno e nao se engajou senao quan-
do a guerra j eslava comecada. E neeessario
nao se envolver em todas as questes, mas saber-se
envolver nellas a proposito, uma vez que nao qner
comprometer nem a sua dignidade nem os seus
interesses.
-1 Direi apenas algumas palavras sobre a questao
1 n torna.
- Os nossos principios sao conhecidos. Nunca
Mr. Ratazzi. O presidente do conselho accu-! nossos nos portos pontificios. Foram estas ordens
son a precedente administracao de nao ter tido pro-executadas? Quaes sao as tencoes do governo
granima, e de ter subido ao podor anoiafe nos es-!accr(,a P* ncc<
tragar defi-
nitivamente a finha fe demareacao entre b estado
eudo? da esquerda. Senhoues, ha quatorze annos c a c,rrea f
qucentre na vida publica, e desde o primeiro dia 4' O orador pediu nformagoes exactas a respito
at aoora, tenho iido fe1 no estatuto eom a dynas-J dos Italiaflb.s que se tem dirigido Polonia e con-
fia fe Saboia:_,enho querido o progresso e a lber- ^SSfml *%^fl! %
dade no paiz, c a independencia da nacao no es- (pucbiai (;a(ja a (jUe so indica pela derrota
trangeiro. Estes principios custaram-me mais de dc um jkivo deve ser pranos uin da de luto,
urna vez iierigos e a impopularidade. O presiden- Mr. Ricciardi: Se o-honrado Macchi ficou
, !1 j_-m, pouco satisfeito com as respostas dos ministros, a
te do conselho, hontem, pareeeu por em du\ida lcamri pode fadmente comprehender, que eu ti-
estes factos. Eu nao sei, senhores, o que teria fe- qU01 mu,t0 menos. O ministro disse que nao podia
to se me tivesse encontrado nos conselhos do Papa...' responder nica nterpellaeao que lhe dirig. Se
(Oh Rumores, interrupcoes.) Senhores, nao pre- nao pode, tanto peior
tendo applausos, pego que me escutem. Nao sei o
que teria feito se me tivesse encontrado nos conse-
lhos do Papa... (Oh! oh Rumores, interruco,
applausos as tribunas.)
O presidente, para as tribunas. As demons-
tragoes de approvacao c de desapprovagao sao ab-
solutamente prohibidas.
e Mr. Ratazzi (recomecando no^meio dos rumo-
res.) Senhores, pens que teria vergonha de vir a
este parlamento censurar borneas que, ha quize
annos, empregam a sua vida no nteresse do paiz...
O presidente do conselho disse que nao tinhamos
mrito algum nos resultados alcangados pela poli-
tica do conde de Cavour, porque, as grandes oc-
casioes, nos abslivemos de votar; e citou a discus-
sao sobre a cesso de Niza e da Saboia.
Senhores, nao votamos nessa circumstancia,
porque o voto nos pareeeu intil sobre um facto
O orador tracou um quadro das atrocidades
que se commettem na Polonia. Lamento que, na
questao polaca nos deixassemos antecipar pela Aus-
tria. Sustentou que o ministerio podia sem se
comprometter fazer mais alguma cousa do que fez.
de I proposito da prisao da pessoa que se tinha encar
regado de dizer um discurso na occaslo da morte
do coronel Nullo.
Agora, senhores, accrescentou elle, fallarei
das associagoes, e procurare! ser o mais breve
possivel.
A proposito das associacoes, distingo dous pe-
riodos ; o periodo actual, sem leis que determinen)
o modo de exercicio do direito d'associagao; e o
periodo futuro, quando essas leis existirem.
Para o periodo presente, aeceito as theorias e
os principios outr'ora expostos pelo honrado barao
Ricasol. Mas nao posso deixar de manifestar o
desejo que tenho de que as leis sobre as associa-
goes sejam o mais breve possivel, adaptadas para
maior seguranca, e mais clara determinagao dos
dreitos do governo e dos cidadaos. Quando essas
leis vierem a discussao, a cmara poder julgar
se os meus actos estao de are-ordo com as minhas
palavras. Mas. no entretanto nao posso admitlr
que o governo esteja desarmado, e seja obligado a
deixar sem defesa a traqquillidade do paiz: Foi
por isso que se resolvou manter em vigor o decre-
to de 20 d'agosto,
Agora a cmara chamada a decidir se o mi-
nisterio tem feito bem ou mal em conservar em
vigor aquelle decreto, c em applica-lo. Quando as
associagoes, em lugar de sercm meios efflcazes
para que as minoras possam, pelas vas constitu-
cionacs, tornar-se maiorias, sao os meios de inipor
dizer, e nao est presente o Sr. ministro do interior
a quem especialmente tenho de me dirigir, pedirei
cmara que consinta que a discussao fique adiada
para atiianhita.
"A sessao levantou-sc s 4 horas e 45 minutos.
" t Sessao de 19. -
Concedeu-se a palavra a Mr. Bertani a favor
da sua nterpellaeao sobre a dissolugao da socie-
dade" denominada Sociedade democrtica de Ge-
nova.
t O orador tratou de refutar o notavel discurso
proferido por Mr. Lafarina n'uma das ultimas ses-
soes.
* Mr, Bertani, negou que o conde de Cavour ti-
vesse, com boa vontade absoluta, favorecido a ex-
pedigao de Garibaldi Sicilia, cixcu pratica-la?
prompto a tirar partido dos resultados dessa subli-
me loucura, quaesquer que elles fossem. Depois
que nao era necessario ao fin que se propunha o' fez a historia da expedgao dos tres mil voluntarios,
conde de Cavour. Em todos os outros casos de- destinados a desembarcar na corte pontificia, ex-
pedigao organisada pelos seus cuidados e pelos de
Mr. Nicotera. com o assentimento de Garibaldi, e
que se malogrou, em consequeucia das medidas to-
madas por Mr. de Cavour.
Depois da paz de Villafranca, o commando
Mr. Bertani: Como tenho differentes cousas a ^ minorias as maj0rias, o governo que representa
mos o nosso voto, o que prova que tinhamos um
programma. Mr. Minghetti, na precedente adminis-
tracao, deu-nos sempre o seu voto. Ora, como acon-
tece que o tenha dado a uma administracao que nao
tenha programma ? (Rumores.) Mr. Minghetti nao
estara talvez longe de azer parte dessa adminis-
das tropas da Emilia e das Roamanias foi confiado
a Garibaldi; este teve tencao de atacar os estados
pontificios com voluntarios; nessa poca nao eslava
traeo. que abandonou depois completamente, quan- ainda organisado o exercito de Lamoricire.
1 .. ... '. b>n onnitn tli- Cavour tivesse deix.iiln (
do o horisonte se lhe comecou a obscurecer. (Oh !
interrupges.) Passarei a outra aecusacao que se
lancou contra a administracao precedente disse-
se que tinha subido ao poder apoiada nos escudos
da esquerda. Senhores! Nao explicarei aqui os
meios pelos quaes se pode formar uma maioria (ru-
mores), mas se o presidente do conselho quiz fazer
Se o conde de Cavour tivesse deixado operar
Garibaldi, Roma seria hoje a capital da Italia.
Se a revolugao fez a unidade da liaba tal co-
mo boje est, s a revolugao pode acabar a obra
que se comecou.
c O orador descangou por alguns minutos. ,
* Foi dada a palavra a Mr. Rattazzi para urna
rectificagao.
Disse que na" narrativa omcial da ultima ses
as maiorias tem o direito e o dever de enfraque-
cer os manejos' dessas associacoes. Ora, eu per-
guntarei se as pecas de artlharia e as espingardas
sao argumentos, com o auxilio dos quaes as mino-
rias possam constitucinalmente toruar-sc maio-
rias, ou se esses argumentos se inanifestam pelas
intenees facciosas dessas minorias, intengocs con-
tra as quaes o governo tem direito e dever de pro-
ceder. (Bem.)
O ministro repel i u a mea emiltida pelo depu-
tedo Bertani, e segundo qual havia contradiccao
entre o decreto de 20 de agosto, e a circular minis-
terial de 11 de dezembro. Reconheceu |a difflcul-
dade e a grande responsabilidade do governo em
materias que nao estao reguladas por leis espe-
ciaes.
Agora, a votacao do parlamento ha de demons-
trar se o decreto de 20 de agosto foi bem eu mal
applicado, A sogiedade denominadaSociedade de-
mocrticanao era, na minha opiniao, urna socie-
dade nascante ; era uma sociedade adulta, que j
tinha aprendido aproceder, e qual julguei dever cor-
tar a cabera logo que ella se mostrou (Riso). O
deputado Bertani falln da assemlila constituinte
Que se tinha proposto em 1848. Sim. senhores, a
nham uma alma intellectiva, parecem toda-
va comprehendec; que a alma intellectiva
nao mais que uma palavra, e que o homem
s corpo, devendo a um principio mate-
rial ludo o que.faz e o que ; a saber, o
materialismo.
E com effeito, todas as vezes quo se tem
tomado por principio da anthropologia: Que
a alma est unida accidentalmente ao corpo,
e que este tendo um ser proprio, ha no ho-
mem mais de uma alma ; tem-se terminado
por concluir em favor de um d'aquelles tres
erros collossaes.
Partindo d'aquelle mesmo principio que
hoje se tem chegado s mesmas consequen-
cias, e assim vemos a escola de Telly restau-
rar o origenismo; o professor James. Monl-
pellier, em seu Estado sobre a distincrCw
das forras apagar o parrtheismo ; e a Aca-
demia de Paris em plena sessao dizer; tPo-
nhamos .respetosamente de parte a alma,
e fiquemos sendo vitalislas. E nao ser
isto negar cortamente a existencia d'alma,
e abracar o materialismo? Sirva isto para
provar mais uma. \vz a seguinte verdade :
Que se a alma nao a forma nica do
corpo, cousa nenhuma.
CAPITULO V.
Enthnsiastico acolhimento feito
pela Faruldade de medicina
de Varis ao dinamismo da
escola de Monlpellier.Pro-
pagacao desse erro pela Eu-
ropa.As proprim escolas
de philosophia christa o a-
doptaram.O annotador da
Philosophia de Lio contra-
iliscndo-se approva e recom-
menda o mesmo erro.
Em i&S'o teve lugar o pleito entre o vita-
lismo de Barthez, e o animismo de Stahl,
sendo o mesmo pleito levado de Monlpel-
lier ao supremo tribunal da Academia de
Paris. A" causa do vitalismo defendeu-a
Lordat, mais pela emphase do sophisma, do
que pela forra de sua razo; a do animismo
advogaram-na os intrpidos redactores da
Revista medica. Nao houve porm discus-
sao seria.
Alguns membros d'aquella Ilustre corpo-
ragao pronunciaram eloquentes discursos,
mas, ai! foi para condemnar como erro
novo (sic) a antiga doutrina da humanidade
e da egreja acerca da' unidade d'alma hu-
mana, foi para proclamar com enthusiasmo
como doutrina antiga o novo principio do
duodynamismo, ou o principio das duas al-
mas no homem ; foi para annunciarao mun-
do medico, que j eslava certo, que este erro
effeito, eis aqui a bella declaracio jm le
fez acerca do principio da vida, decbcaci
cuja simplicidade da forma bastara para
provar a exactido e verdade do peasaaMMo
< Em minha opiniao, diz Mialhe, e aa
opiniao de todo mundo existe no boacaa
uma causa primeira, Spiritus, Men*. Wm%-
rto, Intelligencia, Arccheo, Alma. Deiv-
vos a tarefa de endagardes, se qutenles
quaes sao os lagos qne unem orna substan-
cia immaterial um corpo material. Essa
primeira causa manifestarse pelos actos in-
te llectuaes e orgnicos, e nao reside aeaiM-
eeretuo.Miein no coraco, nem no figado.
nem no centro epigstrico, etc., ana tesa <
systema nervoso por instrumento dos actos
intellectuaes, voluntarias e sensitivos, ten*'
as diversas visceras por instrumentos do
actos maleriaes proprios para a conservar".-
do-corpo. E deste modo, nao sendo or$r.
em parte alguma do corpo, ella rege a to-
das as funegoes, qur intellectuaes, qur or-
gnicas, cujo complexo constitoe o pteno-
meno da vida. (Revista medica, 15 de asar
go de 1858.)
Sal indo do recinto da l'aculdade de Par
onde entrara como conquistador ao- som o^
clarins da publicidade, o duplo ih/nnmi$mi<
fez a sua volta por todas as Facilidades da
Europa, sendo acolbido por ellas coai a-
quelle,mesmo enthusiasmo, e ao mesme
lempo que as ultimas modas. Ao hnmenn
i de Hipcrates, de Galeno, de Aristteles
de S. Thomaz, de Boerbaave e de Stahl
substituirara o homem de Barlhea. de Viaira-
e de Lordat, com grande escndalo dos ver
dadeiros sabios, e grartie hnmilbaco *
verdadeira soiencia.
E ainda isto nao tu.K..
A doutrina das duas almas no bonem
sahindo dos lyceus invadiu grande mine**
de seminarios, onde eeclesiastieos abas tes-
peitaveis, nao comprehendendo-o absurdo r
o perigo da mesma doutrina. se fonaalaaen-
te a nao ensinam, insinuam-na. e reconuaen-
dam-na aos jovens levitas: facto este qne
inconteslavel, pelo menos as casas de in.-
truego ota que se explica a philosophia i
Siao.
Eis aqui com effeito, como a respito d-
principio* vital so exprime pi e sabio amv
'tador d'aquella philosophia.
- Nos nao admittimos diz elle, o me*
dar plstico dos peripatticos: todava
ainda que se nao cqnhega bem a natnrev
intima do espirito c do ctrpo, nem as rea
cues que os ligara, cumpre com ludo neo-
sariamente admitti-las, visto que o corpo e
alma constituem uma s pessoa. Por cor:-
sequencia, nao se pude afirmar com certe-
za, que no homem nao ha uma substaaci.-
de natureza intermedia, que approxiae r>
alma do corpo, e este d'aquella. Esta pa-
rece ser a opiniao de cerlos philosophs
que nem sao em pequeo numero neta >
pequea importancia, os quaes distingaeai
allusao a accordos extra-parlamentares, affirmo que sao, cncontra impresso que quando avangou que
^ se ^ e j. 2;u. igggsssL. rsSJsr .affi
cordos da admmistragao precedente com a esquer-1 ^, miJO ^^ Mr. Rattazzi nao ouviu essas pa-
da direi que foi a administragao actual, e nao a lavras, e niio pode acreditar que ellas tivcssem si-
Drecedente aue sabiufto poder dessa maneira. (Oh I do pronunciadas.-primelramente porque sao pou-
preceoxnte, que sudibuu pw v I co parlamentares; em segundo lugar .porque Mr.
interrupcoes.) Minghetti nao poderia negar a verdade. Portanto
- O presidente. Peeo'ao orador que se conserve como essas paladas estao jmpressas na narrativa
constituite foi proposta, e foi talvez a causa que fez a verdade, a. realidade e a luz, e que sem
um principio inteiramente dislincto d'alma
intellectiva, n3o pode haver medicina racio-
nal, nem rasoaveI(i\
Tao lamentavel resultado foi acolbido cora
estrondosas acclarjiacoss pela imprensa me-
dica da capital e das provincias, assim como
pelos mdicos distlnctos que a dirigem.
Contentarnos-hemos com reproduzir neste
adiar durante doze annos o cumpriritento dos nos-
sos" destinos.
a Mas, o honrado Bertani ha de lembrar-sc que
depois, milhares e miihoes de vozes gritaxam :
Nada de constituinte I uada.de constituinte mas
sim o plebiscito I A proposta do plebiscito foi re-
cebida : e na minha opino, estes ltimos, assim
como os primeiros tivejem a intengo da liberdade
e do futuro do nosso paiz. (Muito bem.) .
t O ministro concluiu, juntando a sua voz do
a alma sensicel do espirito, e cansas rasa
esla alma como o principio vital do corpo
e o mediador entre a intelligencia e os or
gaos.
Ora, ou nos "nao sabemos lr, oa entJ-
dizer que urna doulrina i sustentada per
grande numero de philosophos de gra*d
importancia ; que com certeza nio se prlr
afrmar que ella seja falsa, porque se ni-
conhece bem a natureza dos seres de qoe sr
trata ; mas que ou sob um nome. oa sol
outro, necessariamente se dve soppo-ta r
nao somente dcscolpar a mesma dotitriae
mas legitima-la e admitti-la. Pnr onde v^-
se que o citado auto/ tambem acceila, aiaab
que com certo escrpulo, a dooiriaa dn
principio vital de Barthez. a heresia das daa-
almas, que elle dissera nao admittir
Semelhante contradiccao em
orthodoxo, tanto mais lamentavel,
elle a d para servir de correnlo a
passagem da philosophia de Si, ejarni
precisa va de correceo.
Eis aqui a passagem em qoestao: De
duas cousas uma; ou este aaadiader aata
substancia material, oa espiritual; na ari
meiro.caso como poder obrar seare a1 aaaa
e no segundo como obrar sobre o carao
A "difficuldade sempre a mesma. Ora.
nao ha nada mais coocludente, qae este di-
lemma contra a falsa doutrina do priweimo
vital, ou d'alma sensirel serrmdo de aV-
diador entre a arma intellectiva e 01
naa salar 1*.
(1) Vide o quo se passou nessa sessao na
vista medica efe Paris de 15 de abril de 185o.
Re-
(GMi/faaaT"#Ha/

PERNAMBICO-PYP. DK M- F DE P. !>
IILEGVE


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EGDURVW62_R9VAQY INGEST_TIME 2013-08-27T21:38:30Z PACKAGE AA00011611_10161
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES