Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10159


This item is only available as the following downloads:


Full Text
{U

i
limo nmt moto i.

Por tres mezes mliantados
Pr tres mezes vencidos .
8S0O0
6SO0
SEXTA FEIRA P DE AGOSTO DE 1863.
Por anno adiai itado..... i9$0O
Porte franco pt ira o subscriptor.
DIARIO DE PERNAMBUCO.
ENCARREGADOS DA SCBSCRIPCO NO NORTE
Parahyba. n Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Nalal: o Sr. Antonio Marques da Silva: Araraty. o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos'de
Oiiveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
mazonas, o Sr. Jeronynio da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO BOL
Alagdas, o Sr. Claudino Falro Dias; Bahia, o
Sr. Jos Marlins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Ve-
reir Martius PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sexlas-feiras.
Santo Anteo, Grvate, Bezerros, Bonito. Caruaru',
Allinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth. Limodiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazoira, Flores, Villa Bolla, Tacaratu-, Cabrob,
Boa Viste, Ouricury e Exu' as quartas feiras.
Sennhaem, Bio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Prete e Pimenteiras as quintas feiras.
Illia de Fernando todas as vezes que para ali sahir]
navio.
Todos os estafetas partem ao V? dia.__________
EPIEMERIDES DO MEZ DE ATJIO.
6 Quarto ming. as 6 h., 40 m. e 14 s. da m.
14 La nova as 10 h., 37 m. e 44 s. da m.
22 Quarto cresc. as 2 h., 54 m. e32 s. da m.
28 La cheia as 5 li., 19 ra. e 56 s. da t.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 10 horas e 6 minutos da manhaa.
Segunda as II) horas e 30 minutos da tarde.
PAltTDA DOS VAPORES COSTEIROS.
. faraosul at Alagas a elS; para o norte at ,.
j a (.ranja a 7 e 22 de eada mez; para Fernando nos rri"unal do eommereio: segundas e quintas.
s pffAftsraassf'seLeuov-1 **** ***e **** *-io ^
o .?*"? Reelft : (1 Apipur-os as 6 '/ 7, 7 y 8 e
V la ni.; de Olinda as 8 da m. e 6 da tarde: de
Jahoatao as 6 i/2 da ni.; do Caxang e Vanea s 7
da m.; de Bemfira s 8 da m.
Do Reeife : para o Apipucos s 3'/?. 4, 4 A, 4 V?.
! o. iVb o Vi e 6 da tarde; para Olinda s 7da
manhaa e 4 >/* da tarde; para Jahoatao s 4 da tai -,
de* para Cachang e Varzea s 41/2 da tarde: para Segunda vara do ctele quartas e sabbados a 1 hora
Bemhca as 4 da tarde. da tarde
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITA L.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do eommereio: segundas as 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas c sextas ao meio
dia.
DAS DA SEMANA
$ Segunda. Ss. Camalief i Nirodem.M mr>i
4* Terca. S. Domingos de Gusmao fu.vlador
%-Qaarla. S. Eulhiquio; S. lantidiom
l>. Q'unla. Ss. Felirissimoi- Agapitodi?r
7. Sexto. S. CaetenoTli.aH.o fuiKlador.
Sabbado. S. 8) riaco diar. hi.: S. Knnl w> 1.
!'. Domingo. S. Romo -olo\; M-. Serundi;om
ASSIGNA-SE
no faeifft em a linaria da pra a da Ind.-p. i.
"s- y '*. dos proprictarios MaaoH PigMj
PARTE OFFICIAL.
de papel de sello proporcio-
12,726
243,084
158,867
1,075,682
93,252
8,536,600
formacoes, das quaes opportunuinente saber o
governo scrvir-se para os fins convenientes.
Informacoes desfavoraveis acerca do estado de
alfandega da cidade de Rio Grande do Sul torna-
ram necessaria a nomeaco de uina commissao en-
carregada de sou exame. Para ella foram escolla-
dos o chefe de seccao da alfandega da corte Luiz Cy-
priano Pinheiro de Andrade, e o 1." confcrcnte Ca-
millo Gaudeneio Valdetaro, incumbidos igualmente
de examinar as mesas de rendas de S. Jos do
Norte, Pololas e Jaguaro e estudar os meios de
acautelar o contrabando naquellas paragens. Essa
commissao acaba do regrcssar corte, e logo
que aprsenle o Mfatorlo do resultado de seus tra-
balhos, lomar oyoverno sobre aquellas reparti-
coes liscaes as providencias, que mais justase ado-
quadas Ihe panto m.
Nao foram anda expedidas as instruccSes que
tem de regular a escripturacao, poliria e servico '
dos entrepostos, e nem tambera as do entreposto nhecimento.
14 de julho ultimo, determinando que dora eiu
diante o abono de dinheiro para compra de caval-
lo do pessoa a offlciaes em commissoes, asscme-
Ihailas as de cstado-maior de primeira classe e as
activas de engenheiros, nao seja electuado seno
quando se derem nomeeoes dos mesraos para exer-
cicios que tenham essa vantagem designada na ta-
bella do Io de maio de 1858 e pelo modo all pros-
cripto ; flcando dejiendentc de deliberarlo do go-
verno imperial a sua concesso fura desses casos.
Officiou-se ao brigadeiro commandante das ar-
mas, remettendo-lhe copia do aviso.
Dito ao mesmo.Participando-me o bacharel
Joao Francisco Duarte, em data de 14, que no dia
8 do mez Ando passra ao 2 supplente respectivo o
exercicio do cargo de juiz municipal e de orphaos
do termo de Garanhuns por tcr sido nomeado juiz
de direito da comarca de Anadia na provincia das
Alagoas, assim o communico V. S. para seu co-
Faria A FHho.

do Para relativamente navegaco do rio Amazo-
nas, e seus affluentes. E' essa urna materia de
summa gravidadc ; e o governo procede cem ten-
t e circumspeccao a todas as iuformacoes, a fim
de que nem seja prejudicado o eommereio as fa-
cilidades a que tem direito, nem de qualquer mo-
do favorecido o contrabando.
Depois das medidas que o governo julgou dever
Dito ao mesmo.Participando o bacharel Joa-
quira Ferreira Chaves ter em 25 de julho prximo
lind, reassumido o exercicio do cargo de juiz mu-
nicipal de orphaos do termo de Ingazeira, por se
ter apresentado o juiz de direito da comarca bacha-
rel Joao Rodrigues Chaves : assim o communico
V. S. para os ns convenientes.
Dito ao mesmo.Para os fins convenientes trans-
tomar na alfandega deste corte para descobrir e I mitto V. S, as inclusas copias das actas do con-
punir as fraudes e abusos que foram denunciados selho administrativo do arsenal de eiierra datadas
9II!VISTERIO DA It/IMK.
Relalorio do ministerio da fazenda, que devia ser
aprrsenlado i agsemkla geral legislativa pelo
respectivo ministro E\m. Sr. nurqiirz de
branles.
(Continuaraoj.
CASA DA MOEDA.
Abriram-se as matrizes de novos cunhos para
nioeda, estando j promptas as duas primeiras
(Busto e Armas) que tem de servir de base para
as outras, as quaes tambem j esto em andamen-
to ; estando em factura o anverso da medalha da
estatua equestre.
Augmentou o seu gabinete numismtico com 3
moedas de ouro, 39 de prata e varias de cobre.
No artigo especialObras, que acharis mais
adianto, vos dou conta do adiantamento das do no-
vo edificio que se mandou construir para casa da
OFFICINA DE ESTAMPARA E IMPRESSO.
Esta repartieao contina a resentir-se da estrei-
teza do local em que funeciona. inconveniente que
ser removido, logo que se transfira para o novo
edificio a casa da moeda.
O seu servico foi o seguinte no anno fraanceiro
de 186162 :
Apolices estampadas......
Letras da trra selladas e estampa-
das
Folhas
nal
Meias folhas de papel de sello fixo .
Conhecimentos de carga sellados e
estampados........
Estampiihas do correio.....
O quadro n. 79 mostrar-vos-ha mais eirc'umstan-
ciadamentc os trabalhos desta repartieao no refe-
rido anno financeiro.
TYPOGRAPHIA NACIONAL.
O estado deste estabelecimento satisfatorio : a
marcha de seus trabalhos regular qur em rela-
co a parte typographica, qur a respeito da ad-
ministrativa.
O edificio, onde funeciona esta repartieao, ins-
pira j serios receios pela ruina que Ihe tem trazi-
do as copiosas chuvas era consequencia do defeito
de sua eoastruccao, e nao obstante os reparos que
lia soffrido em sua cohorte.
As assignaturas estabelecidas por ordem de 15
de novembro de 1860 sob n. 59, chegaram duran-
te o anno passado a 80 exemplares : o preco des-
sas assignaturas foi fixado em 65000, e em 55500 se deram na da corte e que levaram o nieu ante-1 mande V. S. entregar ao thesoureiro da reoarticao
cessor a demittir alguns de seus empregados, -
30 du agosto de 18ol, e.inais formalidades em vi- terminantes n
Sor-fi re,ne,,a copia do edital para ser aqui re-
eiimnanles reeoinmeuuaeoes de prudencia,
,---------- _, parcialidade na oecasi.o da eleico. assim c
1 n;YT 1 ina,nr cuidado, e energa para m'anter a orde ..
h '" aSr .m,un!f'1^ te Recifc.-Deelaro a bliea,ea seguranca de lodosos cidadaosnos s,s
tmara m cipal do Reeife, era res|iosta ao seu respectivos districtos costra quaesquer violencias
pu-
va^lt'lr,^ J,ll,'U!tUM>,,sob :"' *" apt"'- Faca"ll",s V. S. ver que o governo tem nisto o mais
..?.:. l.ca!> P''9P^t'i..P,la niesma cmara na real empenlio, que o considerar um relevante ser-
planta do bairro do Recit.
vieo, ao mesmo teni|>o
era pelos representantes acojinado de uurriahia4.
o seu j.nK-ediiiiento. t que M |art.- fm:r
dos Mencionados eleilon-s. n occjwo d.- wn *
sarem i nea paruehial de-sa b cuiiii i ida aquella dis|MK>o l.-ai critaari ab.nr.
que d-j ordinario |*ovoram excasson Aepk>n\tr-
e que, alm de iracrein responsahMade sm
autores, derem at importar a ouilbdelcte elar
(.umprra a Vate, ar nisio nan luna ^i't>f -
qucst.w dr eunpetaaefc do -orpo li-inirai ma-
conselliosda prudencia, rao nuauoian rp-
pcito a let e aos dirviu*, de aaaav iiiia>piunNiMii
em niMu' da paz pul Jira e da regntaridadp aV> pro
k% i ^isia?5S*s? ^do se^ ^ss^asst ;i^^j
r do romea ede: e devia Vnc. aif hiidn aa
mesmo tempo, ijue tudo bt aia wk da anMi>
L-.prjden, .da v0*** ^ p-! ^^^r&srsZmre^Tte^. ts>Sti-mu :i"dc ""'u "^'^ "^
no -.~~... wy. ,i.i iii'-.-iuo leiniio que
. i m.,^d,kPa^ma,?, v0,ad0 te freguezia do qualquer procedimento em a
.uraio ca se de Olinda(mvenho em que se faca Deus guarde V. Si/o
la igreja de Nossa Senhora do Amparo deste fre- Sr. Dr. chefe de noticia
que nao deixar impune
contrario por sua parte.
Joo Silieira de Sonza.
Cralo
a
fc,2 VlV: PrPz n seu'offlcio de 29 de 1 seceo. -Palacio do governo de Pernambuco
5ni o '"mo,a '"'C^que se tem de proceder no 6 de agosto de 1863.-Tcndo-lhe feito ver verbal-
ma v uo crreme, visto que nao i>ode irester-se a mente a conveniencia de seguir Vine, mmediate-
este lima ''<-- ->- o* ------ j
por m, aciiar oceupada naquelle dia com a fesla do para ali assistir a eleieo a que se tem de proce
orago..>este sentido ex|)ediram-se as convenien- no dia 9 do corrente, pelo presente encareeo a
%?>r7,e n ... eessidade de sua presenca ali. Cumpre que V
lunaria.' nresinenie i ;i nmvincia son nm. :i Iumu i -. ... ni ,-;.i.. ,1,. 4 ,, ,.i:,. a*.
na tribuna e na imprensa, a que
feri, trateva de colligir os precis
para remover os inconvenientes
cueao tem apresentado o regulamento de 19 de se-' eonta en duplcate a quanti de 405 provenienie
tembro de 1860, no intuito de simplificar com van- i de una cartoira homeopathica e algumas tinturas
lia pouco me re-
precisos esclarecimentos
para remover os inconvenientes que na sua exe-
dc 1" e 24 de julho ultimo.
Dito ao mesmo.Mande V. S. pagar ao Dr. Sa-
bino Olegario Ludgero Pinho, em viste da inclusa
liria.
Dita.O presidente da provincia attendendo ao
que requereu o procurador fiscal da thesouraria
provincial, bacharel Cypriano Fenelon Guedes Al-
coforado, resobre prorogar por 3 mezes com ven-
cimentos, na forma da le, a licenca que Ihe foi
concedida por portara de 14 de abril ultimo.
Dita.O presidente da provincia tendo era viste
a proposta do tenente-coronel commandante do ba-
lalao n. 13 de infantera da guarda nacional do
municipio de Serinhaem, datada de 26 de julho ul-
timo, resolve privar do wsto o alferes nomeado
para a 2' conipanhia do mesmo bateluao, Jos Ju-
porem em pratica, de accordo, as me-
didas que forera necessarias 'para que seja respei-
teda a liberdade do voto, e mantida a maior ordem
Ao delegado de polica ordeno que o ouQa todas
as vezes que em algum acto ou diligencia mais im-
portante ou grave em que tenha de empregar a for-
ca publica, se cntenda primeramente com Vine, e
attenda seus consclhos.
Finalmente Vine, procurar incutir no animo de
todos os cidadaos desse lugar durante o processo
eleitoral sentimentos de ordem, recommendando-
flies a maior moderaeao e prudencia, assim como
para que por parte da mesa parochial se nao pra-
tiquein arbitrariedades e abusos desses que de or
tagem para o eommereio algumas formalidades I avulsas, que de ordem da presidencia forneceu ao
desnecessanas, e mclhor resguardar por meio de delegado do 1 districto deste capitel para o trata-
outras os interesses da fazenda nacional. I ment das pessoas indigentes accommettidas do
Jos AntERlBrfB F TJSSLH I Z^JJT^ PSSS A n?n*: P^! "Ie V- A"!* a prxima eleico de
dantes interinos de
batelho de artilharia
documentos.Communicou-se_ ao brigadeiro com-
Mendonea demandem providencias que de mim dependam.
i residencia Deus guarde V'mc. -Joao Silreim de Souza.
Outros defeitos e embaracos resultantes da exe
cueao do mesmo regulamento, excedendo as attri-
buicoes do ministerio a meu cargo,precisam de me-
didas legislativas.
Com o fim de facilitar a sua concesso passo a I mandante das armas,
indicar-vos as que sao mais urgentes. Dilo ao inspector da thesouraria provincial.
A experiencia tmha ja demonstrado a conveni-1 Recebi com o offlcio que V. S. me dirigi hontem
enca de urna reviso do quadro geral dos empre-; sob n. 372, una copiajdo termo de arrematacao do',
gados das diversas alfandegas do imperio, organi- imposto de 25500 por cabeca de gado vaceum con-
sado em virtude do regulamento de 19 de setem- (sumido na comarca do Reeife. C
; mas os ltimos aconlecimcntos, que! Dito ao mesmo.Se nao houver inconveniente
iro de* reitas como comman- nel commandante do batelho n. 43 da infantaria eleitores na villa de Ipojuca, assim'lhe o commiaii-
, diirerentes eompanhias do 4 da guarda nacional do municipio de Serinhaem so- co, esperando que de toa vonlade se preste a isso.
la a pe, segundo consta de tees, bre que inforinou o respectivo coniuiandante supe- Vine, de accordo com o Dr. juiz municipal que
- rior em offlcio de 30 de julho ultimo, resolve pro- para all tambera segu, com o delegado de polica
mover aos postos vagos do mesmo batelho abaixo o mais autoridades do lugar, velar para que na
declarados os cidadaos seguirles : sobredila eleico se, nao rominetiam .ilmsns ou a
venda na mesma ty-
o das colleccoes expostes
pographia.
A receita e despeza do estabelecimento foi a se-
guinte no exercicio de 186162 (tabella n. 80):
Receita.
arrecadada pela ty-
pographia 10:0345600
Debitada.....lOi: 7955300
114:8205000
Ordenados.... 5:8055976
Ferias..... 58:8565456
f'/impra de materiaes 30:4655210
Despeza com o expe-
diente..... 7845092
95:9125634
No 1 semestre do exercicio de 186263 a se-
guinte (tabella n. 81):
Receita.
Arrecadada na tvpo-
graphia .... 3:4055800
Debitada .... 22:6445400 26:0505200
Despeza.
Ordenados .... 2:8755288
Ferias.....17:9685763
Compra de materiacs 23:1665498
Despezas miudas com
o expediente 4445080 :40U6SO
Excesso
ceila
sobre a.re-
18:4055420
Este dficit desapparerer provavelmente com a
renda que de esperar avulte no segundo semes-
tre.
ALFANBEGAS E MESAS DE RENDAS.
As alfandegas e mesas dc rendas vo em geral
fiinrcionando regularmente, ainda que as proyas
de habililaco exigidas pelo respectivo regulamen-
to hajam dflleultado o provimento de lugares de
differentcs categoras, principalmente as mais
distantes e cujo rendimento nao offerece valioso
incentivo. Em consequencia a necessidade do ser-
vico dictou a conveniencia da nomeaeo para algu-
ma dessas repartieses de serventua'rios interinos,
at que pessoal competentemente habilitado se en-
contr para o effectivo exercicio dellas.
A gravidade das censuras felfas alfandega da
corte, na cmara temporaria, por um de seus
memores no decurso da sesslo do anno passado
lema o governo a nomear- una commissao, com-
posta dc dous mombros da mesma cmara, consc-
llieiro Francisco de Salles Torres-Homem e Theo-
pliilo Benedicto Ottoni, e do contador do thesouro.
Raphael Archanjo Galvao, para proceder a rigoro-
so inquerito acerca dos fados denunciados, seus
autores e cmplices.
A vista do relatorio, que em resultado de seus
trabalhos apresentou a maioria da commissao, por
baver sido dispensado a seu pedido o sobredito
conselheiro Torres-Homem, leve o governo, por
causas diversas, como medida conveniente a exo-
neraco de empregados do dilTerentes categoras
d'aqella repartieao.
O estado irregular, em que esse relatorio reve-
lou adiarse una das mais importantes reparticoes
do imperio, mostrou a conveniencia da nomeacao
de urna outra commissio^om o titulo dePerma-
nente, composta do sub-direclor das rendas o
conselheiro Antonio Jos Ilenriqucs, do contador
aposentado do thesouro conselheiro Antonio Hen-
rique de Miranda Rogo, e do chefe de seceo do
mesmo thesouro Luiz Fortunato de Souza Carva-
lho, cujas aUribui^oes foram reguladas pelas ins-
truceoes qurjiara esse fim se expedirn), c se
aeham juntase este relatorio.
Tendo, porm, passado o referido conselheiro
presidenle a exercer interinamente o lugar de di-
rector geral das rendas publicas, foi durante o seu
impedimento nomeado para subsltu-lo na mesma
qualidade de presidente o sub-director das rendas
publicas, Dr. Jos Mauricio Fernandes Pereira de
Barros, em cujo exercicio presentemente se acha.
Em 21 de dezembro do anno prximo passado
comeepu a funecionar essa commissao.
Achando-se encarregada de examinar nao s-
mente os diversos despachos j terminados e ar-
chivados para conhecer do modo como se fizeram,
e a indicar as irregularidades, ou fraudes que
nelles existam com prejuizo da fazenda nacional,
mas tambem de apontar os inconvenientes prati-
eos que na sua execncao tenham offerecido ou pos-
sam offerecer o regulamento de 19 de setembro de
1860 e a tarifa que baixou com o decreto de 3 do
novembro do mesmo anno, prosegue com seto no
desempenho de seus deveres, prestando meis In-
seguirte
2 compauhia.
Alferes, o guarda Andr Cordeiro Cintra.
4* companhia.
apito. o tenenle da mesma Pedro Alfonso Ri-
gueira Pinto de Souza.
Tencnte. o alferes da mesma, Honorio Fiel das Ne-
ves Freir.
. e os das obras publicas conforme solicilou e respectivo
casos de fallecimento de outros, tornara esta me- director em offlcio de hontem sob n 151 a uuanlia
dida mais necessaria e urgente a flin de poder do- de 7:82(15 constante do incluso pedido! pira oc-
ter-se essas importantes estacoes Oseaos de um torrer as despezas com as obras por arrematacao Alferes^ guarda Luiz'iK, Pessoa de Snueira
pessoal sufliciente e idneo. como nao se acba cargo daquclla repartieao no corrente mez.-Com-, C^SSb^^JS^^^^S^
o governo hahbitado para proceder a essa reforma,' municou-se ao director das obras publicas. Sor ^ coinmandaiitt su-
esperoqueoautoriseis a realisa-la dentro dos li-! Dito ao director do arsenal de guerra.-O Exm. Dita.-Os Srs asentes da comnanhia brasileira
mites que julgardes mais acertados, podendo asse- Sr. ministro da guerra approvando por aviso de i de paquetes a v^iL&mSwto*t
gurar-vos que seria prejudicial exceder-se o nu-' de julho ultimo a deliberaco que tomei de man-1 Cear no primiMro vaitorTuT para ifi secuir e
memott WiSlSnf^ftaft C,tad ragU'a' '^ SUbS'1Ur S 0b}m0S Cm m^ ?*Jdonren?5?,i-! Pr con,a dam,el,a Provincia, o techigrapho Carlos
memo de 19 de setembro dc 1860, cuinprindo ao dos por esse arsenal para a provincia da Paralaba > Ernesto Mesquita Falco
contrario dmunui-lo tanto quanto seja possivel sein e effectuar cora brevidade a remessa delles para
preiuio do servico dessas repartiedes. alli, deterraina-me que declare V. S. que para as '
A gratificaco que percebein os empregados das provincias nao devem ser remetlidos objectos ar-
alfandegas, mesas de rendas e recebedorias. em ; ruinados em prejuizo dos interesses da fazenda na-
virtude da tabella n. 1 annexa ao regulamento n. clona! e do servico publico.
264 de 15 de setembro de 1860, e da tabella B, a Oque communico V.
ment.
Dito ao inspector do arsenal
E\m. Sr. ministro da marinha deferindo
sobredila eleico se nao comniettan abusos, ou a
menor violencia por parte de qualquer dos lados
que pleiteara, procurando cora seus conselhos cha-
mar a sentimentos rasoavcisAde ordem e res|teito
as leis aquelles que por ventura parecam dispostos
ou tontera menospresa-las com pens dos-direitos
dos cidadaos, da liberdade de seu voto e do socego
publico. Vmc. rae communicar immediatemente
que se refere o 10 do art. 12 da lei u. 1,114 de
27 de setembro do mesmo anno, deve ser incorpo-
rada ao ordenado dos referidos empregados : as
fallas por molestias, devidameute justificadas pe-
ranle os respectivos cheles, os ditos empregados
perdero dous tercos da poreenlagem a que tive-
S. para seu conheci-
Alferes, o guarda Antonio Jorge Lopes dos Santos, quaesquer oceurrencias ose alli se dem durante o
processo eleitoral, que exijam providencias que de
niim dependam, e mas indicar.
Deus guarde Vmc.Joao Silveira de Souza.
Sr. promotor publico do Cabo.
Oflicio ao delegado de polica de Ipojuca.Nesla
data ordeno ao promotor publico dessa comarca, e
ao juiz municipal desse termo, Dr. Joao Gonsan
Bacellar, que para ah sigam immediatemente, aflm
de assistirera a eleico do dia 9 do corrente.
Com esses funecionarios se entender Vmc. sabr
as medidas, que convenhan pr-se em pratica em
semelhanle occasio para garanlir-se atodos.os
e a ordem pu-
e contestar os Tin lamentos Kjgaes Jaquirlla.- minh.-.-
recoasmende^aes, ieta-m. dizer^he, que ibs-m.
nova<
mesmos, ja con. Vmc. ja c..n'os ammi^qm; h.
verem de conc^n-er para i or^uM^aro .!.i m .
dessa parochia, salvo cntr-jlanio a coiapeienria .ni.
esta materia Vinic. para *i, ou pora, aqwlks ek i
i0*?* '"voca' raas '\"v >' '<'jila a (trave re^pnaca
bidade em que Heorrem im:Io. abHso ja p.r v
ineetado do arbitrio, qu< tal t^mprtencia Ibe- ai
trihue, c pclasconsequeocias. aue- dhi ve- a..-a a
resultar.
Espero, pot, ana Vmc relwtiado sobr*
aadeiro valor e atetara das anbas nro'um-ail
cws procune \mr ell.",s paul.w seu pru>-ii|ifo*ni
Deus guarde Vim.-Je*SHiiin dr laan
Sr, juiz de taz mais votado da freguezi. de P"
d'Alho.
PERIUIBUCO.
rimento do vigario Camillo de Mendonca; aulori-
sou por aviso de 7 de julho ultimo a ida para a ;
corte, alim de ser admillido na 1* companhia de
Expediente do sccrelarie do governo.
Offlcio ao director do arsenal de guerra.-S. Exc.
o Sr. presidente da provincia manda declarar
V. S., em resposta aos seus offlcios de 3 do corren- cidadaos a plena liberdade do voto,
te sob na. 45 e 46. que ficam dadas as convenientes blica.
ordens ao gerente da companhia Pernambuca para Tenho isto por muito recommendado Vmc,
de mirinh-i O n,ai,(lar 'ransporlar aos seus deslinos os artigos de cuinprindo-lhe empregar toda a sua prudencia e
LnTnTl^ fardaraentos constantes das relacoes, que vieram : conselhos para que a eleico s# faca ahi com a maior
'Terrado o reque- aexas aos c,.ldos offlcios_ regularidade e ca
rem direito, se a molestia nao exceder de 6 mezes, aprendizes artilices o menor Manoel. tutelado do
e toda a poreenlagem excedendo desse prazo, i mesmo vigario, sendo pagas por este as despezas
como foi a ja proposlo era um artigo addilivo apre- do transporte do referido menor,
sentado na discusso do orcaraento do anno pas- O que declaro V. S. para seu conhecimento e
sa,- devida execucao.Com nuuiicou-se ao referido vi-
Lonvera igualmente que autoriseis o governo a gario,
regular ashabilitacoesos para os concursos dos can-; Dito ao commandante do corpo de policaIVule
didalos que se propoem a exercer os cargos dessas V. S. mandar alistar no corpo sob seu commando,
estacoes, a lira de corrigir-se alguns inconvenien- o paisano Jos Francisco de Souza Ma
tes que tem resultado da stricta observancia das
disposieoes em vigor, e ao mesmo lempo unfor-
misa-las com as que regulamos concursos do the-
souro e das thesourarias.
Para que tenhais conhecimento da arrecadacao I ta, que esando contemplado" na"reiaciidi que s'e-
etrectuada petas alfandegas do imperio nos cinco guiram para a corte no vapor PrinrezadeJoiiv///--.
KDITAKS.
Pela secretaria do governo se faz publico, para
gularidade e calma (odas as" vezes que for ne-
eess.uio empregar a for^a que est sua dis|(osi0
em algum acto ou diligencia de alguma importn-
conliecimento de ipieiii interessar possa. que'por ti:),^ll!e- dever ouvir previamente aqvtelle juiz-,
nao lerem apparecdo concurrentes serventa vi-1 (-n,l ,'"1 sc" fr'lcrio e sentimentos de ordi ni r
talicia do offlcio de depositario geral do termo do' re?P<-!to :i > i e espi-ro que nao deixara d cum
Buique, creado pela le provincial n. 529 do 6 de I"'"' elmente estas nimbas
igalhes, que
segundo o seu offlcio n. 315 desta data, foi para isso
julgado apio.
Dito ao capito do porto.Informe V. S. que des-
tino teve o recruta de marinha Ado da Silva Mot-
ulliraos exercieios e no Io semestre de 186263
junto a tabella n. 82.
Tarifa especial.A tarifa especial para as alfan-
degas da provincia de S. Pedro una medida que
por diversas vezes tem sido reclamada dos poderes
pblicos, com o lira de corabater o contrabando,
que em larga escala se faz as fronleiras da mes-:
ma provincia de mercadoria^.importadasportran- j
sito do Estado Oriental e da Cenfedvraco Argen-
tina, e proteger o eommereio licito e a industria
daquella parte do imperio, dando maior incremen-'
nao foi alli recebido como consta de participaran da
repartieao de marinha de 7 de julho ultimo. '
Dito ao commandante superior de Barreiros.
Informe V. S. se est residindo na comarca de Bar-
reiros e aggregado algum das cornos da guarda
nacional sob seu commando superior o alferes do
batelho n. 43 de infantaria do municipio de Seri-
nhaem, Luiz de Mendonca Vasconcellos.
Dilo ao baro do Livramento.Remeti incluso
por copia o aviso da repartieao da agricultura.
to s rendas publicas. | coramereio e obras publicas de 23 do corrate, sob
Comquantoa utilidade da medida tenha sido con- j J; ?8 alim de que V. S. tenha conhecimento das
testada por algumas pessoas, aposar de reclamada
por difterentos orgos da opinio na dita provincia,
o meu digno antecessor, que a reputeva necessa-
ria, julgou acertado encarregar a urna commissao
dc preparar e reunir os esclarecimentos precisos
para um exame circunstanciado acerca desse im-
portante objecto: e porque, como sabis, se
achem dependentes da discussao e voto do senado
as liases para essa tarifa especial, j approvadas
ueste cmara, liz annexar ao presente relatorio os
trabalhos da referida commissao e
vossa consideraco.
RECEBEDORIAS, MESAS DE RENDAS DE 3.' ORDEN E
COLLECTORIAS.
O estado dessas reparticoes regular.
Do quadro n. 83 veris a importancia da reoeia
arrecadada assim no exercicio (indo de 1861
1862. e Io semestre do de 18621863, como no
quinqunnio de 18571858 a 1860-1862. Elle
vos mostrar que naquelle exercicio a renda che-
gou a 10,071:2485241 inferior do de 18601861
que foi de 10,471:2705750, na quantiade .
400.0225518, c que no i. semestre nao excedeu a
3,303:1855310.
Como porm sempre no 2o semestre e no addi-
conal que se realisa o pagamento da maior parle
das rendas laneadas, como decima urbana, impos-
to de lojas e escriptorios c.outras, nao se deve es-
perar que a renda do 1 semestre de 1862 1863
venha a elevar-se nessas reparticoes liscaes. Os
quadros ns, 84 e 85 contm a ostatistica resumi-
da das casas de eommereio, e entras de que trata
o capitulo 1 do regulamento de 15 de junho de
1844, assm no municipio da corte, como as pro-
vincias do imperio.
(Co)UinHai-seha.)
junho de 1862 acha-se elle de novo em concurso.
Os pretendentes dovein apresentar seus requeri-
mentos instruidos na forma do decreto n. 817 de
30 de agosto de 1851 e do aviso n. 252 de 30 de
dezembro de 1854Je no prazo de 60 das contados
desta date.
Pela secretaria do governo se taz publico,
para conhecimento de quera interessar possa, que,
por nao terem appaiecido concurrentes a serven! ia
vitalicia do offlcio de depositario geral do termo de
Cimbres da comarca do Brejo, creado-pela lei pro-
vincial n. 529 de 6 de junho pe 1862, acha-se elle
de novo em concurso com o praso de 60 dias, den-
tro do qual devem os pretendentes apresentar seus
requementos na forma do decreto n. 817 de 30
de agosto de 1851, e do aviso n. 252 de 30 de de-
zembro de I8.'ii.
Despachos do dia i de agosto de 1S63.
licqueritentos.
Fielden Brothers. Informe o Sr. inspector da
thesouraria-de fazenda.
Francisca Amalia Moreira Lima. Indoferido
vista da informaco.
Francisco Sergio de Mallos. Informe o Sr. ins-
liector da thesouraria de fazenda.
Irmandade do Senhor Bom Jess das Dores da
igreja de S. Goncalo deste cidade. Informe o Sr.
ins|iector da thesouraria provincial.
Jos Antonio Pereira.Passe-se, uohavendo in-
conveniente.
Bacharel Pedro de Alcntara Peixoto de Miran-
uiodilicaeoes feitas no contrato celebrado cora \V.
Martineaux e V. S. para a construccao de ama
ponte de ferro sobre o rio Capibaribe, em substi-
tuico da ponte velha do Reeife, e fa^a sobre ellas
as observacoes que iulgar convenientes.
Dito ao Doulor Francisco Goncalves da Ro-
cha, juia de direito da comarca do Goianna.
Por aviso do ministerio da justica do 7 do mez pas-
sado me foi declarado que o governo imperial da.Passe portara eoncedendo a licenca pedida
aceitou e agradece a offerla que fez Vine, de 5 por Vicente Machado Freir Pereira da Silva.Passe
iprese i eeuto dos seus vencimentos de um anno, contado portar eoncedendo a licenca pedida.
de junho ultimo, para defeza do estado : o que Ihe
commuuico para seu conhecimento.Communi-
cou-se a thesouraria de fazenda.
Dilo ao juiz municipal do Buique.Fazendo
nesla dala reproduzir o editai pondo a concurso o
offlcio de depositario geral desse termo, recommen-
do a Vmc. que logo que esleja terminado o prazo
por esse juizo ahi marcado no edital que acompa-
nhou o seu oflicio de i de junho ultimo, remeta-
me urna relaco nominal dos pretendentes que
se houverem'aprcsenlado habituados para aquelle
offlcio, com os seus requerimentos conveniente-
mente informados.
Dito ao
Palacio do governo de Pernambuco 6 de agosto
de 1863.Tcnoo-se de proceder a eleieo prima-
ria dessa freguezia no dia 9 do corrente, julgo con-
veniente, alm das recommendacoes j |>or vezes
feitas a semettiante respe'to, chamar sua atloncao
e a da mesa parochial. a que Vmc. tem de presi-
do para a necessidade de proceder-se nos traba-
lhos e decisoes deste cora a maior imparciaiidade,
inoderacq e respeito a le, pois que este o meio
mais efilcz de evitarse excessos deplora veis, a
que os abusos em contrario ordinariamente dio
| lugar. Espero que Vmc. c dita mesa, animados
juiz municipal de Cimbres.Fazendo de verdaderos sentimentos de patriotismo e amor
neste date reproduzir o edital pondo de novo em causa publica, procurarao cora todo o empenho
concurso o offlcio de depositario geral desse termo, pautar por aquelle modo o seu procedimento, com
reeommendo a Vmc. em resposta ao seu offlcio de' o que cumpriro dignamente o seu dever e a nobre
19 do mez lindo, que logo que esteja terminado o missao que Ibes fui confiada pelo suffragio de seus
prazo de 60 das ahi marcado, me participe, en- conoidados, prestando assim um relevante servi-
virmdo a lista nominal das concurrentes que a elle C a0 scu Pa'z> e anxiliando o governo em seus
sc houverefn apresentado, com os requerimentos esforcos no sentido de manter a hvre manifeste?o
que tiver era seu poder devidaraente informadas, i da opinio e a ordem publica.
Convm, igualmente, que no caso de nao terem' Deus guarde Vmc.Joao Silveira de Souza.
apparecdo concurrentes aos offlcios de partidores,' Sr. juiz de paz mais volado da freguezia do S. Fre
Vmc. os mande por de novo om concurso remet-! Pedro Goncalves do Becife.
tendo copia do edital para ser aqui reproduzido,! Iguaes aos juizes de par. mais votados das fre-
GOVtyMO D4 PROVINCIA.
Eipediente do dia 4 de agesto de 1863.
Offlcio ao Inspector da thesouraria de fazenda.
Transmiti V. 8. para seu conhecimento e execu-
clo copia da circular do ministerio da guerra de
e observando posteriormente o que fica cima dito
acerca do de depositario geral.
Dito ao juiz municipal do termo de Tacaratu.
Nao tendo apparecdo concurrentes aos offlcios dc
partidores c depositario geral desse termo, como
conste de offlcio desse juizo de 3 do mez lindo,
guezias desta capital das que Ihe ficam mais pr-
ximas.
Palacio do governo de Pernambuco, O de agos-
to de 1863.llm. Senhor. Cumpre que V. S.
faca vir a sua presenca, antes do dia 9 do cor-
rente, os subdelegados "do polica, dos diversos dis
cumpre que Vmc. os mande por de novo em con-; trelos deste capital e suas eircumvismbancas, e
curso, de conformidade cora o decreto n. 817 de 1 era seu nonje, e do ueste presidencia mes. faca as
as recommeudayoes. Vmc.
me communicar cora proinptido s oceurrencias
que ahi se deem, e que exijam providencias que
de mim;dependam.
Deus guarde Vmc. Palacio do governo de Per-
nambuco 6 de agosto dc 1863. Joao Sveira de
Souza.
4. seccao.Palacio do governo dc Pernambuco,
6 de agosto de 1863.
Determinando nesla date ao promotor publico
dessa comarca, ao delegado e juiz municipal dosse
termo, bacharel Joao Goazag* BareeUar, que para
ahi segu, que de eommiim accordo com Vine, o a
bein da regularidade da eleico de 9 do corrento, do
socego publico, e seguranca de todos os cidadaos
dessa loeaudade se liarmohiseni, no emprego das
medidas necessarias para que seja i espeitada a li-
berdade do vol, e mantida o. melhor ordem por
Decasiaoda mesma eleico, ouvindo todos aquelle
juiz municipal, e segundo os seus conselhos: assim
o communico Vmc. para seu conliecimento, e
afnu. de que por sua paite procure incutir no ani-
mo da populaco dorante o processo eleitoral sen-
timentos de moderaeao e paz, e evite que a mesa
parochial pratique arbitrariedades e abusos, dos
que ordinariamente provocara excessos lamente-
veis da parte do povo, commiinicando-rae com
promptidao o que oeeorrer e depender de provi-
dencias de minha parte.
Deus guarde Vmc. Jn# Silreira dc Souza.
Sr. juiz de paz mais votado e presidente da mesa
parochial da freguezia de Ipojuca.
i. seecjio.Palacio do governo de Pernambuco.
4 do agosto dc 1863.Tenho presonte o oflicio de
Vine, datado de 31 do mez lindo, e- hoje re ebido,
com que Vmc. respondeu.ao que Ihe dirig em 25
do mesmo. fazendo-lhe rerommcridccs em conse-
quencia do que contra Vmc. me represenlaram os
cidadaos dessa villa, Francisca Xavier de Souza
Ramos e Manoel Garca de Souza Ramos, por ha-
ver convocado ltimamente para tomare) parte
na organisaco da mesa dessa paroehia, na prxi-
ma eleico, tres eleitores mudados da mesma, ex-
cluiido"entretanto dous outros po/ esse motivo
Enfeude Ymc. que naquelle meu offlcio ha urna
deciso por mim proferida, a qual nao s incom-
petente, mas at attentetoria da liberdade do voto,
aviste dos avisos de 29 de marco do 1847 e de 4 de
junho de 1860; c-suppondo havo-lo assim demons-
trado com urna serie dc reftexoes inconcludentes,
c de allegaces de Cactos que Vmc, figura, trazidos
ao meu conhecimento, o do que at o presente nao
tenho .-ciencia, dc outros nao provados, e de al
giras que, mesmo (piando o fossem, nada Ihe apro-
veitariaui, eonclue pedindo-me que Ihe declar, se
deve cumplir os citados avisos, ou aquolla minha
deciso. Respondo-lhe, que Vmc. labora ero equi-
voco a senielhaiite^ respeito. No sobre-dito meu
oflicio nao del deciso alguma no sentido em que
Vmc. a emende, nao Ihe determinei, nem aos elei-
tores, que tem dc organisar a mesa dessa paroehia,
que admitlissem, ou exrluissem dessa funeco a
quaesquer eleitores daquelles a que o mesmo ofli-
cio se referia. Fiz-lhe ver apenas, que a le prohi-
be, que sejam convocados os eleitores mudados da
paroehia. Aviso de 24 de novembro dc 1846, que
os tres sobre que versava a representecao o csteo,
aviste dos documentos incontestaveis, que Ihe en-
viei. o que achanvee as mes'mas mdicoes dos
dous por Vine, excluidos da convocaran, pelo que
KLMSn DI4BI4.
Rcimio-.se hontem esa sessao ordinaria o !htt>
luto Avcheologtco.Gengr#kuo PrnunukurniM com
assstencia do Exm. monsenhor Mtuz Tavires, .
dos Srs. Drs. Aprigio Gnunarcs. izares de "aevr
do, Nasciineuio Feiloza. Torres Baxuteira. Sara
phfco, Figueira, Witnrrio Pinto Bandeira, l>r
vazio (empello, e major Salvado* Huoriqu-
11 Sr. secretario d cuota do scqgiate exivlieiMV:
Um offlcio do Sr. buro do Li--jmenlo, i brindo
a conta mrente e a (piantia de !2142i> de
a favor do tnxtitiUo ; e no mesjji, t,ffhl |ni,|.,
sua exoneraco do lugar de tbmmmulm eat
seqaeoete de suas emiparV-- [...ni.-ulare.- n.i-,
permitlirem semelaaoie enrrgu. fui ryilvMl ih
senidode ser-lhe aceite a ikaaiilin 111.
se trat'.r de -uli-iim-lo.
Ouiro offlcio do Kvm. vicario Vcameu, llenn
que da Rezcnde em sentido de naoMder areirar ..
sua eleieo. E resolvido raste. sendUo.
Oulro do acadmico los Fiel de Jes*> Lritc re
metteado o 5- e > awnecw da PaaaMWb -'- I
/ft, com que [Hvsenla ao Instituto. Y. m.indaa\<
arahivar, recebendo-se esaa agrado.
Em seguida o Sr. Dr. Feiloza adkaM M imn,.
doSr.Dr.Joso Liberal'.- Barrozw, tui nannscrip.
incoinpletCMh defeza. perantc :. commis-o
ter, do linado Fr. Cm.wh ; o qual manusrri(>lo(M>
iHic-e ser de tettra do larnaomMltr Sendo i.
eebido cmn agrado, e man.LiJo archivjr.
A coiimiissao da Rrvtn sobre a indirarn ..St
Dr. Wtiruvio Pin-> Bandejia, Rtadiam
socios cflcreapnniteuluj, e esfceaaajriaaaw arl iz
dos e-latntos faz aloitura dor seguinies |iai
Acooimisso deredaect /,,.,../., ,.,,,,, ._,,.,
dade que Ihe compete o arl. 22 dos >ialulo-
propoe o seguinte admtuiuente ao arl. 7 Jos m. -
mos estatutos.
Os socios cori-e.s|)OiM]iules sern i>enK>> da-
tribuicoes tiiraensae.-, mas pagarii de jota a qiuii
tiade 135000 recepro de seti diploma
PropiVsonuis qao'o art. 37 seja a^im vinm->
bido :
Os socUJS coiTespoHdenle- e honor.wios -. r.i i
berao a. turista, prestando a icipuattaa a-sijraa
tura, nao mim as. alatli na. qae icieU-la-lu.'
augmento dos onusdo art. 7. urna e7 que nao .-
tcjain atre.zadas.nas prestaWies trimensacs por nui
de um armo. U socio elWtivo. que n '-
las pros taces por tres muios sen eliminado : ti
cando assun, cevogad a ultima parte dj> art. 2a\ a
qual comeen : E tainU-m seri eliminado etc.
L que as- dis|>osroes geiac ien^-m .
dous artigos seguinte-
Aos soctas correspondeute> su a expedti o di-
ptema, dafois que com as si-.- raajMiai aaflaa
rcceijiil.i- as coui|KSenles joias e <> mesmo a
peilo dos eflrtivos; ba-tai do (punteaos ltoii.<
rioa a resposta de ejM aceitaran v Ululo.
Sempre que tres mezes dejiois da communNai <
(luaiquer individuo appi ovado pete nMitt<> para
Tazer parle do mesmo. nula lenta respondido. x*
eliminado.
A passarem estes disposioies serio pu>Ucada-
H0S joinae-s desia cajiilal, ecwi.-iani.tiienic n;u .
d&Rerista do nstituto, para que cneguem ao
Mieci ment de todos os interessados.
Sala das sesfdes do Instituto Arrheo/Off.c i.
graphiro l'einamlnuano, 28 dc maio de M& -/>.
Aprigio Justini.im da Silru -D>. A*
Ionio Ihimjel d<: Tonrs liawieira.
A commissao de redueco da Heriste, rumpt iiwl
o precedo do arl. '32 dos estatutos pro(H>- u .-
guinle:
1." A assignatui'j da folha distara :HtMi an
uuaes. pagos recepro do priimiro nuiaero. -
2." llavera mu encrregano da cobranra das **- ~
signaluras, que sirva ao mesmo lempo de inlerim*-
diario para as communcac<">es da commissao emu
o segundo secretario e a i\|iographia. tendo a sen
cargo fozer i destribuico'da lolha na cidade. r a
remessa pelo correio. Este empregado prestara
suascontes ao secretario perpetuo, de cuja nomea-
cao ser, este passar as mesmas rontas c saka*
ao thesoureiro.
3. Para o pagamento do imposto no correio, r
do trahalho da dcslribuicao, cobranra. organisaco
do contes, e comieunicaeo dos menbros da co
misso entre si o com a t y pographia, sc cono
r ao supradilo empregado a gratificaco de 20 *,
do que apurar das assignaturas.
4." O secretario perpetuo prever, como ihcHhm
Ihe parecer, a que o tralialho da impressa* corra
expedito e eorrecto.
Sala das sossdes do nttitnlo Archeolofuf tie-
grapkmPvrmmbucano, 28 de maio de WM.^1*-.
Api-^io Jitsfiniiio da Suva Gmmare*. i>. Auto-
nto Ranget de Torres Bandeira.
Sao mandados imprimir estes pareceres, para
seren discutidos.
Entrando em discussao o parecer da connni .
de fundos e orcamealos sobre a proposte do Si
Salvador Henriquu; ora este senhor em su-teMa-
^o da sua proposta, bem como em sentido de en-
trar logo em discussao a parte relativa s Joias ii>-
mmm




-.
:


w
t
#

Piarlo de 'ftnambnc* Sexta tetra 9 de Agento de 1SSS.
soads con-K80UleWes,l*ptoii* .pelo parecer.
visto ler a respelw a eommissaonwwl'i mun-
do ja seu parecer.
Oppe-se a islo o Sr. Dr. Wilruvjo Pinto Ban-
deira, relator da eommissao de fundos c orcanien-
ios, por entender que nada havia aiada resolvklo
sobre a materia, sem embargo do parecer a que se
referia o precedente orador. Esseparecer, acora
renta elle pendia de discussao e de resol ucao uta
rior, de sorte que nao procedia a argumeotacao do
Sr. Salvador Henrique, ue o dava como appr-
v*do. .
OSr. Dr. Witruvio Pinto Baadeira offerece um
additivo a terceira parte da propasta, llxando em
30 das o prazo para a realisaco das joias dos so-
cios effectivos, que nao tenbam ainda effectuado a
respectiva entrega. approvado, bem como o pa-
recer de que elle relator.
Levanta-se a sesso.
()s nossos leilores talvez se lembrem que cm
outubro do anno prximo passado, recommenda-
mos sua candado a desditosa familia do Sr.
Francisco Xavier de Macedo, sexagenario e ceg
desde 1881, composta de oilo tubas, todas solteiras
e dous Amos menores.
Emito havia perdido o Sr. Macedo sua chara c
virtuosa mulhcr, que, victima do excessivo traba-
Iho a que se entregara, obrigada pela necossidade
de promover a subsistencia de seus inelizes filhos
o marido, succuinbira mna molestia de peito de-
pois de inuitos meces de grandes soffrimentos.
Esta dolorosa peda, j muito considera vel para
.lli. cuja misena eacontrou sempre ein to des-1 *
velada, carinbosa e incansavel mi um nao peque-:
no lenitivo, acaba de ser agora anda mais aggra-
vada pela marte quasi repentina do Sr. Macedo, I
que, eom quanto ceg e ja muito decrepito nao s
pela sua idade muito avancada, ooioo principal-
mente pala extrema pobreza a que se va reduzido
com seus charos,lllios, era o seu nico e fraco pro-
tector, e quem vagiava sobre estes infedizes e ani-
mava-os a supportar resignadamente esta vida de
privaces que difficilmcnte arrastou.no longo es-
paco do 43 anuos de cegueira I
Compenetrados do mais intimo e verdadeiro sen-
liraento que nos inspira a indigencia, d'esses de-
samparados orphos, os recommendamos mui par-
ticular e interessadainente cariade d'aquellas
" Versotave mysterio7"^
Pof entre as lousas molhadas
Pelo orvalltoum todoaerio,
Vagando no cemiter.
A, brisa chora sentida.
Os cyprestes rumorejam,
Todas as campas arvejam
Tudo vivemas a vida,
Que nos amamosperdida
Nao adiamos nem na brisa
Mansa e lisa,
Nem no trmulo cypreste
Nem na cor branca e celeste
Da sepultura que existe
Ali mestnotriste, triste
Passa I oh passadorme o somno
Da volupia e do abandono
Deixa a or que cresce, deixa...
Rite 1 embora funda queixa
0 vento solt, batendo
Na pedra que nao se agita!......
Fila dorme est sonhando
Deixa-la sonbar, Pepita!...
O Jornal do Porto, da a seguinte noticia relativa
divida publica da Russia
c Na Russia a divida publica com juro montava,
no 1 de Janeiro do 1839,- 975:734 rublos. O
juro, amortisaco, cambio e despezas do banco
absorveram-lhe durante o correte anno.....
57.487:218 rublos e 31,295:188 em 1862.
A esta divida com juro acresce urna divida
fluctuante de 699.800:922 rublos, em papel que
circula sem juro
< A revolueao polaca, pelas despezas considera-
veis a que obriga a Russia, deve augnienlar-lhe
a cifra da divida n'uma larga proporcao.
Transcrevemos o que segu do Jornal do Com-
anercio, de Lisboa :
Tem-se espahado que da America dosul,
de Montevidu, chegra ltimamente um san-
to-bomem milagroso. Esto individuo desembarcan
hontem na llfinoii. mas por tal modo que attra
pessoas que, compreliendendo o quanto lastimoso | hio a attencao publica com o seu vestuario e fallas.
ixtrema miseri
poderao seguir
couseuuenrias se poderao seguir delle, os vosoc- ^jp*M*P I?TX
consequem
correr-cotn a esmola e auxilio que Ibes dictar os
seus caridosos coraces, cuja recompensa encon-
traro no reino da gloria ; para e que se poderao
dirigir Fra de Portas, ra dosGuararapes n. 87.
A Associaco Commercial Beneficento deve
reunir-sc hoje em assembla geral, afim de proce-
der eleico de sua nova directora, visto nao ter
comparecido uumero suficiente de socios na quar-
ta-feira.
Tambom para boje acha-se convocada urna
leunio daSociedadeArte*MeckanicaseLiberaes.
O Sr. Dr. Felippc Lopes Netto pedio-nos dc-
clarassemos nao saber elle do facto de peta, de
que bontem demos conta em nessa Revista.
estrangeiros tivesse conhecimento de um oftlcio,
que a respeito do mesmo individuo, enviou ao
respectivo ministro o cnsul portuguez em Mon-
tevidu.
O alludido individuo traz vestidas urnas calcas ou
raledes zoes, que 1fte chegam aos joelhos, traz
sobre os liombros urna palle de carneiro, awardada
a modo de jaqueta, e sobre ella um grande ijte
com emblemas e lettras como bordados "'mar-
cados.
Ao pescoco traz pendente um pedaco de pu
amarello em forma de cruz de bracos curtos, no
centro dos bracos tem pregada urna pataca brasi-
lera de 2*600, e varios emblemas em todo pu, o
Desprezaram-se 'js embargos.
DBjHCMAC "k na.
AppcHanle, o embargante terceira Manoel Auto-
nio da Silva Moreira; appelladoo, Ferreira &
Araujo.
Appellante, Eustaquio Antonio Gomes ; appella-
do, Manoel de Barres Gavalcante.
Appellante, Jos Baptista da Fenseca Jnior ;
appellado, Jos Daarte Nunes.
Appellantes, Saunders, Brothers & C. j appeHa-
*. Johnston Pator & C.
signado o primeiro diautil.
^^ PASS\OBMS.
Appellantes, os curadores ftscaes de Amorim.
Fragoso, Santos & C. ; appellado, Jos Francisco
Barrote.
DoSr. dosembargador Villares ao Sr. desembar-
gador Silva Guimares.
Appellante, Jos Joiiquim da Silva; appellados,
Ribeiro.& GardufT.
Appellantes, Aranaga Hijo & C.; appellados, os
curadores fiscaes de Antomo Osario Moreira Dias.
Appellantes, os curadores do Amorim, Fragoso
Santos &. C.; appellado, Jos Francisco de Aze;
vedo.
Appellante, Jos Francisco Pinto Guimares ;
appellado, Gabriel Soares Raposo da Cmara, co-
mo administrador de sua mulher e tutor de suas
entcadas.
Do Sr. desembargador Silva Guimares ao Sr.
desembargador Villares.
DISTMBUICES.
Appellantes, o Dr. Joao da Silva Ramos e Louren-
co Pereira da Silva Pimetel; appellado, Jos Mar-
ques dos Santos Aguiar.
Ao Sr. desembargador Silva Guimares.
AOGBAVOS.
Dojuizo espefial :
Aggravantes, Jos Vellaso Soares & Ftlho; ag-
gravados, Francisco Xavier de Oliveira e Luiz Pe^
aro das Neves.
O Sr. presidente deu provimeato.
Aggravante, D. Maria Rita da Cruz Neves ; ag-
gravados, C. J. Astley *; C, hoje seus respectivos
curadores flseaes.
OSr. presidente negou provimento.
Aggravante, o bacharel Carlos Eugenio DoM*-
che Mavignier; aggra vada, D. Maria Rita de lbu-
querque.
Interposto do juizo doXIabo.
O Sr. presidente negou provimento.
Aggravante, Jos Joaquim Pereft de Mendonea;
aggravados, os curadores da massa de Mesquita k
Dutra e de Francisco Antonio Correa Cardoso.
Dojuizo especial.
O Sr. presidente deu provimento.
Nada mais houve e encerrou-se a sessao 3,^ ho-
ras da tarde.
|U-Z7ug~^^^^ ?ua. termina m duas puntas de ferro, em fOrma
to das operaces praticadas pelo hbil medico o
r. Dr. Sa Pereira, cuja reputaco e pericia me-
dica j asss conhecida par esta pepulacao.
Reparticao da polica :
Extracto da parte do dia S de agosto.
Foram recolbidos casa de detenead no dia 4
de agosto :
ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, o
crioulo Raimundo, esoravo do visconde de Suassu-
na, vindo de Nazarelb, sem deelaraco do motivo.
ordem do subdelegado de Santo Antonio, o
pardo Raphael, escravo de Maria Carneiro de La-
cerda, por disturbios, a ccioula Joaquina, scrara
d.' Maria Felicia da Conceicao, ca africana Anna,
escrava de Faustina de tal, ambas por uriga.
Ochote da 2*seceso,
J. G. de desquita.
Passageiros do vapor nacional Mamanguape,
saludo itara Macei e portos intermedios: Jos
Marques Saldanha, Manoel Pereira Pontes Grillo,
(.Miente coronel Paulo Joaquim Telles, Joo Siraoes
Pimcnta, Manoel Jos de Amorim, Manoel dos
Santos Ferreira, Joao da Silva Reg Mello, Fran-
cisco Jos dos Santos Honorato, Manoel Joaquim de
Menezes Amorim, Joo da Silva Pava Mattos, Jos
Joaquim Gomes de Alm-u. e 1 criado.
Movimento da casa de detenco no dia 5 de
agosto de 1864.
Existiam........ 193 presos
Entraram...... 2 ,
Sahiram........ 4 >
Existem.......... 391
A saber:
Nacionaes....... 273
Estrangeiros..... 33
Mulheres....... 9
Estrangeiras. ... 3
Escravos........ 68
Escravas......... 5
391
Alimentados custa dos cofres pblicos ... 139
#B1TUABI0 DO DIA 6 DE AGOSTO NO CEMITKHIO
PI'BLICO*.
Antonio, liberto, Aracaty, 45 annos, solteiro, Sao
Jos, molestia de peito.
Joao Baptista de Oliveira, Pernambuco, 62 annos,
casado, Boa-Vista, hydropesia.
i'.ypriano Ferreira da Assumpcao, Pernambuco, 2o
annos, viuvo, Recife, cholera.
Joo, Pernambuco, 4 mezes, Sao Jos, convulsoes.
M POUCO DE TUDO.
Proscreveu a cvilisaco, escreve a Revolu^o
le 7 de Setembro, os prejuizos de classe, e obliterou
as supremacas viias com que as ramadas mais
privilegiadas dasociedade queriamamontar alguns
inisteres. A licao da historia encarrega-se hoje de
triangular.
Sobre estas pontas de ferro, colloca outro ferro,
e ainda com um outro forma ah urna agulhade
marear.
Nao larga nunca urna Biblia, que, segundo diz, e
o seu thesouro. N'um papel que tem dentro da
Biblia est escrpto o seu nome, ao qual accrescen-
Ui de Jess Nazareno, rei dos jadeas e do hm-
cerso, etc.
A bordo passava oito dias sem comer; mas
depois comia por dez homens.
Diz que andou trezc annos pelos matos da Ame-
rica do sul, vivendo com as fras, que tem corrido
as seis partes do mundo, a Europa, a Asa, a frica,
a America, a Australia e o paraso terrestre.
Agora vai a Jerusalem, onde espera receber a
sua cadeira.
Discorre sobre a Biblia, e sobre muitos assump-
tos philosophicos e muitas vezes com acert.
Traz no dedo mnimo da mo esquerdaum annel
com urna brilhantissima pedra, e diz alguem da
tripiilaco que a pedra de grande valor.
Elle afflrma que a pedra abril, e que ha de
matar dezembro, isto e, o toiro que ha de matar a
cobra.
Parece que este individuo de quem nos contou
muitas mais cousas pessoa que com elle falln.
padece alguma pertubaco mental.
J foi visitado a bordo hoje por um individuo
que o conhece; ambos se abracaram com q maior
sentimento, como antigos amigos e o visitante
mandou a trra buscar um alfaiate para o vestir ao
uso commum.
Elle nao quer dinheiro, diz que nao precisa delle,
porque nao precisa comer.
Ficou muito agastado da troca que lhe lizeram
na alfandega, posto que deelarasse que a elle nao
o oflendiain, porque superior s miserias do
mundo. .
Dizem que falla sete linguas com perfeicao.
Este individuo serviu no exercito ou nobatalhao
naval, segundo nos disseram.
Ignoramos o que significa o oflicio que sobre elle
veio para a secretaria dos estrangeiros.
Na relacao dos passageiros vem indicado como
viajaute.
(,HB0M( \ JUHCIARIV.
Tinm \ %.l do < n ni:it< io.
SESSAO ADMINISTRATIVA EM 6 DE AGOSTO
DE 1863.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGAD"
SOUZA.
As 10 horas da manhaa, reunidos os Srs. deputa-
dos Reg, Lemos, Malveira e Rosa, o Sr. presiden-
te declarou aberta a sessao, sendo lida e approvada
a acta da ultima.
DESPACHOS.
Um requerimento do corretor Seve, apresentan-
do seu officio para
Cftixa Filial do lia neo do Brasil.
BALANCETE EM 31 DE JULHO DE 1863.
ACTIVO.
Accionistas do banco do Brasil.
Entradas nao rea-
lisadas de 10,900
acefies localis*-
das na provin-
cia ...........
Lettras descontadas.
Com duas asigna-
turas residentes
no lugar do des-
cont....... 892:035*)91
Com urna s dita
dito....... 80^60*803
400:000*000
972:795*8%
Lettras caneionadas.
Por ouro, prata e
ttulos commer-
ciaes .......
Por outros ttulos.
8:226*320
2:670*900
Lettras a receber.
Saldo desta conta.
Diversos.
Saldo de varias con
tas........
Caixa.
Pelos seguintes va-
lores :
Em moeda de ou-
ro de 22 quila-
tes ........2,090:941*270
Em notas do the-
souro dos valo-
res de 10*000 e
superiores. 637:000*000
Em moeda de tro
CO.......7 3:001*017
Em notas da pro-
pria caixa. 3,516:000*000
10:897*220
319:053*388
4,329:810*508
victorias, deuaado de parte os revezos; nao, cu
nao procedo assim; miulia escolha motivada so-
mente pala importancia da materia, fosse qual fosse
o resultado do raeu trabalho; o que para mim exijo
o mesmo que todos os mdicos exigem em seus
grandes trabalhos conscienciosameute emprehendi-
dos; o que pode exigir qualquer artista por suas
diSteis e delicadas emprezas; respeito, estima e
consideracao, emkm um apreso verdadeiro
para o que realmente verdadeiro.
Assim, pois, acbo que seria perder terapo fazer
a historia de amptameos de dedos, de bracos, de
peinas, de mamas, abertura de tumores, etc., etc.,
e outros trabalhos triviaes, salvo quando certas cir-
cumstancias tornaram embarazada a decsao dopra-
tico; nesta ordem de trabalhos, o medico nao per-
de, |>ur ter subido ou descidn mais ou menos na
execucao do seu plano; outro tanto nao acontece
com o trabalho de que vou entreter os seas leito-
res; aqu o medico s tem um camioho a seguir,
e um dever a cumprir; se desviou-se daquelle, c
se nao cnsul tou suas forcas, elle pode tornar-se
criminoso perante a lei, e a sua consciencia : res-
ponsavel o artista que, se incumbindo de reparar
um objecto o inutilisa por erro e desaso seu; igual
responsabilidade tem tambem o medico, que, e
encarregando do tratamento de um doente, que
nelle depostou suaconfianca, nao obrou com acer-
t e prudencia, e nem tomara todas as cautellas que
podessem melhorar o estado do seu doente; e esta
a razo por que os grandes mdicos ouvem aos seus
collegas nos casos de graves molestias; e os gran-
des operadores cercam-se de pratcos habis as
grandes operaces: estes collegas conferentes, es-
tes praticos aiudantcs, sao meios fortes de defeza da
salvacao do doente, e da honra e illustraeo do me-
dico assistente ; um chefe de familia nao deve mor-
rer tratado por um medico sem que alguns collcgas
escoltados pela familia do doente, ou por seus ami-
gos, testenuinlieni a inevitabilidade da causa ou da
torca poderosa que o vai destruir; a recusa do me-
dico assistente em taes casos, ignorancia c gros-
seiria; em urna operaco grave nao se deve entre-
gar a pretos ou a extranhos a esponja embebida de
chloroforme, a ligadura das arterias, a manutencao
do operado, e dos tissdos cortados, etc., etc., por-
que taes ajudantes, alm de nao prestarem servico
algum methodico, embaracam ao operador nos ca-
sos de perigo, e sao eloquentes detractores^ nos re-
vezes; o medico que assim procedesse nao presa-
ra a vida do doente, expo-lo-hia a perigo de vida;
seria talvez mais que ignorante.
Bom ou mo medico, bom ou mo operador, cu
nos meus trabalhos mdicos, quero sempre scraju-
dado por collegas, e ainda que sobrem nao faz mal,
e a escolha dos mesmos deixo sempre ao doente, a
sua familia, ou aos seus particulares amigos, salvo
rarissimas exceptos, e em todo o caso jamis ex-
clu de ser ouvdo este ou aquelle collega, por qual-
quer que fosse o motivo, e emalgumas circumstan-
cias prefiro eu mesmo excluir-mc.
Deixando de parte esta pequea digressao sobre
alguns dos deveres mdicos no exercicio de sua
profissao, eu passo ao trabalho que desejo expor ao
publico.
Cinco sao as historias escolhidas, que vou agora
fiublicar; tres de molestias de olhos e duas de mo-
estias de garganta, cada qual mais importante e
curiosa : a i* a de um cataratado que va, o que
nao obstante foi operado com felicidadei a 2* o
caso de um operado que nao via, e pedio que se lhe
fizesse a operagao em um olho ainda nao operado;
a 3* o de urna operad, que deve ser tomada para
exemplo. por sua coragem, c obediencia aos precei-
tos, que lhe foram impostos; a 4" um caso de
croup que exigi a tracheotomia, caso gravissimo,
resultado feliz, seguido de algamas consideracoes
sobre o tratamento desta molestia; a 5" um ou-
tro caso de tracheotomia motivado por um tumor
existente dentro da garganta, nao visto e nem toca-
do, mas racionalmente deduzido, caso embaracadte-
simo na pratica, e acompanhado de circunstancias
lgubres que faria recuar intelligencias robustis-
simas seuao estivessem captivas como eu ao dever
pruli-sional. verdadeiros sacricios prossonaes,
imperiosamente exigidos pela humanidade soffre-
dra...
Tal o resumo das historias medicas que vamos
descrever em continuacao dos trabalhos publicados
no anno passado.
Dr. S Pereira.
(Continuai-se-ha.)
tem durante o esnaeo de alguns annos multiplica- ,{<_________
do tao rpidamente, a ponto tal, que urna, pessoa Rndimento do i
,-se realmente perplexa e embarazada quanto
sua compra, nao sabenMo qual dellas dora dar a
preferencia ; nao obstante toda a cautela, torna-se
por sem duvida mui neeessana na verdadeira es-
colha das mesmas, de contrario fcilmente corre-
remos o risco, nao s em comprar gneros de urna
qualidade nfima edenenhum valor, masJambem
poderao ser d'uma natureza summamente inju-
riosa.
Era virtude, pote, julgamos prestar um servico
essencial ao publico em recommendar com toda a
particularidade os Srs. Laman & Kbmp, e o seu
vasto estabelecimento de drogas e perfumaras por
atacado, em Nos. 69, 71 e 73 Water-streeL o
nico estabelecimento onde se pode obter a verda-
deira e genuina Agua de Florida, visto aquelles
senhores serem os exclusivos proprietarios da
mes-ma.
dem do dia 6
5:734*at
6,246:942*287
mostrar mais,urna vez quao fu.cis eabsurdas erara ^XtoS**^ i
U%KSS% era encarada com o mais tSBSJSS?. C
noom o aivastii-n dnalp.iii (ra a rtns sanatei- Uutro de farente v wnna ft i>..
negro e sarcastico desdem era a dos snate
ros. Proferia-se o nome de um fabricante de sa-
palos com certo ar de desprezo. Isso acabou. Ellos
assentam-se as assemblas e as festas publieas
ao lado dos nobres, e, limpas as maos do suor das
lides, calcam luvas branca e vestem casaca do
Keil.
E nao havia razao para que assim nao fosse.
Linno, o sabio fundador da botnica, o natura-
lista cujo nome o mundo hoje venera, foi aprendiz
de sapateiro na Suecia.
Jos Prendell, o erudito que ha pomo enlutou
Londres com a sua morte, foi sapateiro de es-
cada.
David Parens, o autorisado professor allemo de
theologia, foi aprendiz de sapateiro.
0 celebre poeta contemporneo Haus Sach, era
iillni de um sapateiro, c exerceu o officio.
Benedicto Balduino, um dos homens notaveis do
seculo XVI. foi sapateiro como seu pai. Escreveu
a historia das bolas desde Ado e Eva at nossos
dias.
O escrptor Giflbrd, fundador do London Qualerly
Review; o celebre litterato Bloonfreld; o sabio
iintequario allemo Winkelman; o secretario da
sociedade dos antiquarios de Londres, John 11ra-
nett; Eox, o fundador da seita dos quakers; o
estadista americano Rogerio Sherman \ e o bom
conhecido Gallaent, foram todos sapateiros.
Por onde se prova que a scienca, o mrito e a
dignidade podem ir amchar-se dentro de um sapa-
lo, como no chapeo do iiuus alambicado arist-
crata.
E' porm tao digno o mister do fabricador de
botas, como vil o de engraixador officioso das
obreditas I
E destes ha hoje avultado numero t
pedindo o regs-
tro da escriptura de distrato da sociedade de Mel-
Juiades da Costa Barros & C. e Autunes i Innao.
o Aracaty.Como requerem.
Outro de Floriano Jos de Miranda, pedindo re-
gistro das escripturas de dote e adiamntenlo de
legitima dados por seu sogro.Registre-se.
Outro de Jos Antonio Marques Guimares^ pe-
dindo por certido a sorama que tinha em mi de
Barroca & Medeiros,. segundo o seu balance apre-
sentado em Janeiro de 1862, impetrando moratoria.
Como requer.
Outro de T. J. Tenent, agente do London & Bra-
sihan Bank, para lhe ser rubricado um livro de pa-
pel de machina.O papel do livro feito especial-
mente para impressd nao se presta a que se lan
Passivo.
Banco do Brasil conta do capital.
Valor fornocido pe-
la caixa matriz.
Etnissao.
Valor em circula-
cao........
' Lettras a pagar.
Por dinheiro toma-
do a premio. *
Por saques..... 6:736*362
Contas correntes.
Saldo nesta conta.
Diversos.
Saldo de varias con
tas........
Ganhos e perdas.
Lucros sujeitos a
liquidacao.
12,279:199*299
Necrologa.
Cm ramo de eypreste sobre o (amulo de ineu ami-
go e col lega, Francisco de Souza Martns.
A vida urna comedia sem sentido,
Urna historia de sangue c de poeira,
Um deserto sem luz;
A escara de urna lava em crneo ard ido...
E depois sobre o lodo...urna caveira,
Uns ossos e urna cruz !
l A. de Azevrdo.
Vn tombeau est p monument place sur
les limi-tes de deux mondes.
Bernadin ue Saint-Pierre.
A vida..A vida humana} que nos parece tao
cheia de gosos e de encantos, tao inconstante e
procaria, que nos impossivel assignalar a ver
da, que ella deve trilhar, o tempo e o termo de sua
duracao ; urna dessas flores cheias de vico e de
aroma, que orvalhada pelo relento da noute, con-
templada, c mimoseada pelas maos do jardineiro,
em muito breve osfolhada e lancada ao chao pe-
lo sopro impetuoso da brisa; urna dessas rve-
gonteas debis e fracas, que ccdtm c estarlam ao
mais brando spro da viracao.
Ella foge do mesmo modo do seio do rico, como
do pobre; do cortesao, como do plebu e por is-
so vemos que tao deprossa passa pelos seus esca-
brosos desertos, o magnate cercado de riquesas e
elevado ao fastigio de sua gloria; cerno o esposo
arrancado aos bracos de sua extremosa consorte
innocentes fiminhos; como o filho roubado ao seio
de sua rarmhosa e desvolada mi.
Besapparecea dentro nos, como nma vela no
horisonte em manhaa emnevoada, o nosso amigo c
irmo de lettrasFrancisco de Souza Martns...
Hontem nos o vamos cheio de vida, sentado ao
nosso lado, trabalhando com todo o vigor no de-
senvol vi ment de sua intelligcncia para merecer a
confianca de seus mestres, e mais tarde colher os
louros de seus talentos e estudoc
Hoje...terrivel transicao ...apenas vemos sobre
seu corpo, um marmore fri c urna cruz, que de-
notam a passagem de um christao I...
Que illusao que a vida ?!...
Cuitado I...Um momento bastou para dissipar as
esperancas, que elle nutriao futuro que ate hon-
tem somente lhe mostrava bellesas e encantos, he-
te mostra-se-lhe com aspecto terrivel e medonho.
Basta!
Tu, sombra querida, l dessas regios, onde te
achas, aeccita o saudoso e uHimo adeus, que hoje
te dirigimos; recebe a lagrima, que vertemos so-
bre tua lousa, que para sempre te oceultou aos
nossos olhos, como a mais robusta prova da ami-
sade d'aquene, que sempre lamentara a tua perda.
E vos, Soberano e Omnipotente Deus, lancai
sobre sua jAtm o manto incammensuravel de vos-
sa misericordia.
Seu corpo occuHou-se aos nossos olhos; sua me-
moria porem jamis se apagar de nossos cora-
ces.
Requiescat m pace.
Recife, 6 de agosto de 1863.
Ernesto Adoipho 4e Vasconcellos Chaces.
MOVIMENTO M PORTO.
Namos MkMosm ia 6.
Macei e iiortosimermtios** nacioMd
msmmtave. commaBdaite loata.
Cabo-VnlcBarca oactonal Jrmtmta. raptao
noeUlartins da Cuaba, em laatro.
Rio Graade do SulBarca naaigoal Liaeirm r
pitao Htrmogemo HypplUo la Fonseca,
assuotr. Vai um esnravo a-emregar.
Observaco.
Entrou arribado com agua aborta o patache in
glez WUliam M. Dodge, que tnba sabido no fe 5
para New-York.
EDITIS.
O Dr. Tristaode Alencar Araripp, oMcial da impe-
rial ordem da Rosa, e juiz de dimito espenal *>
commercio desta cidade do Recife e sen inma.
capital da provincia de Pernambuco, porStaHa-
gestade Imperial e constitucional o Sr. D. Pedro
D, que Dos guarde, etc.
Faco saber pelo presente que no dia 31 do tan
de agosto do corrente anno, se ha de arrematar por
venda a quem mais der. em piara puhlira Me
juizo, depois da audiencia respectiva a rasa terrea
sita na ra da Aurora da freguezia da Boa-Vista o.
7, tendo 3 Janellas na frente, porto ao lado, 2 sa-
las, 5 quartos, sotan com janella ao oitao, mente
fra, mais um quarto ao lado da nrimlm
murado com cacimba, estribaria e corheira ei
estado, com alguns arvoredos, avahada en *:i
cuja casa pertencente a Antonio Gomes Pereira. e
vai praca por execuro que rontra o mesmo mo-
ve Antonio Diwrte Carneiro Vianna.
E nao havendo licitantes ser a arrematar.lo f.i
ta pelo preco da adjudicacio com o ahatimento da
lei.
E para que chegne a noticia a quem ronvier man-
de! passar editaes que serao afflxanos nos lutfan**>!
costume c publicados pela imprensa
Dado e passado nesta cidade do Recffe de 9nr-
nambuco, aos 4 de agosto de 1963.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrac wh-
vao o stibscrevi.
TrislM it Mememr Armism.
DECLiRJLCOES.
2,000:000*000
1,779:0005000
6:736*362
74:330*361
5,300:760*178
118:372*398
12,279:199*299
O guarda livros,
Ignacio Nunes Correa
COMMNICADOS.
C If nica mediea-elrHrglea do Dr.
Cosme de S Pereira na capi-
tal da provincia de Pernam-
buco.
Molestias de olhos.
(Continuacao do Diario de 9 de abril de 1862.J
Srs. redactores.Os seus innmeros leitores ho
ce o registro das cartas e contas por mo, segundo de ter visto, e alguns lido, as historias medicas de
exige o artigo 12 do cdigo do commercio, como alguns doentcs que se sujeitaram aos meus cuida-
se v pelas experiencias, pelo que aprsente livro dos, publicadas em seu Diario do anno passado ;
de papel proprio se o qur rubricado como deve que juizo a esse respeito lizeram os prolssionaes,
t-kt.
Outro de Sib/ino Guilherme
de Barros, pedindo
ou os extranhos 1 nao sei: e qualquer que elle fosse,
nao estou longe de crer que com razao se lhes nc-
Ha em Londres, nos templos do culto anglicano
laucadas com assentos reservados, que sao al i iga-
dos s pessoas que os oceupam. O proco animal
eslava at agora nxado em quatro libras esterli-
nas : mas acaba de ser elevado para as seMkoras
que ium de balito seis libras e quiuzo sbe-
Jings.
EsU medida, desculpem as leitoras, se lese
extensiva aos mnibus c a outros lugares publieos
nao deixaria de ser acertada.
A Correspondencia de Espaa publica urna carta
de Havana. na qual se noticia que as senhoras da
villa de Cuba tratam de instituir urna associaco
de emancipacau dos escravos.
O Paulista, publica a seguinte poesa do Sr. V.
Murllo:
PEPITA.
guando passares (escuta)
o fundo do. comtterio
A' luz trmula da la
Na
sesuste o registro do contrato da continuacao da ; gara qualquer mrito; econcedendo tanto, peco
sociedades sob a firma de Guimares c Oliveira,; somente que se me noattribua outra intenco que
visto como tem aoeie contra Guimares.Nao tem o amor scieucia, e vivo desejo de imitar as obras
dos grandes mdicos, sendo meu fim principal dei-
xar desta arte indelevel o estado da medicina e dos
mdicos nesta importante provincia; e se outra ti-
ver sido a interpretaco dada, oflerero aquella aos
meus particulares amigos e clientes.* Eu, pote, vou
ainda seguir no corrente anno o mesmo caminho,
publicando alguns casos de minlia clnica.
Ser-me-liia impossivel esc re ver todas as histo-
rias que hei tomado dos doentes que tem sido tra-
tados couiigo, pois que grande o seu uumero ; e
de mais isto seria um trabalho superfluo, visto que
a maior parte dellas nao sahem dos limites ordina-
rios ; mas entre o grande aumero de historias que
passuo, algumas sao dignas de sahirem a luz; por-
que podem ellas esclarecer o publico, destrumdo
erros populares, e estabelecendo o crdito medico-
brasijeiro, alm do mrito proprio do cada urna para
a scieacia; direi mate em referencia a questao na-
cional actual, que por es&c lado podemos estar in-
dependentes da Europa.
No momento em que eserevo estas linbas, dous
doentes se confrontara em nosso escriptoro; am-
bos brasileiros, ambos tendo soflrido a mesma mo-
lestia, um tendo sido tratado na Europa, ausente de
sua familia, por muitos mezes, com grandes incom-
modos e grande dispendio, obtendo mediocre re-
sultado ; o outro, tratado por mim no seio de sua
familia, na sua patria natal, com pouco dispendio,
gozando de todos os agrados domsticos, em quinze
dias, e obtendo o melhor resultado que possivel
obter-se em taes casos : e como j hoje cu posso
mostrar muitos exemplos idnticos, nao receio, nem
que se attribua ao-acaso, o que resultado de ap-
phcacao e do trabalho, nem que se diga que o amor
proprio me cegu.
Publicando a historia de alguns doentes, ningucm
l'in clamor geral parte de todas as partes contra
a fazenda nacional, e qual a razo de tanta celeu-
ma ? Eis o facto :
Varios taberueiros, vendo o modo porque pro-
ceda o ex-arremataute das aguardentes de pro-
dueco brasileira Luiz Jos Marques, e nao que-
remio estar sujeito> aos caviUosos caprichos e ini-
posHjes do inesnt.i arrematante das aguardentes,
tfataram de deixar de vender em suas tabernas
agurdente, e para que Luiz Jos Marques se nao 1
chamasse ignorancia, lizeram annuncios pelos ]
jornaes de que deixa vara de vender agurdente e
disto mesmo deram justilicaces com citacoes do
mesmo Luiz Jos Marques.
Decorrido porem algum lempo, appareceu Luiz
Jos Marques demandando a estes mesmos taber-
nciros para que pagassem o imposto de 20 por
rento sobre as aguardentes da produccao brasilei-
ra. sendo dito imposto cobrado desde o tempo em
que os taberneiros deixaram de vender tal bebida
espirituosa at a poca que bem lhe pareceu, e
desta sorte engendrou elle um debito ficticio da
parte dos taberneiros para com elle; nao era po-
rem possivel que Luiz Jos Marques triumphasse
cm seus injustos projectos, e eis que proporcao
que as causas iain sendo julgadas outras tantas
derrotas a elle soffreado I
Mas, de um momento para outro, mudam-se as
scenas : j nao Luiz Jos Marques quem perse-
guc os taverneiros, porem sim e a fazenda nacio-
nal quem agora se aprsenla, cobrando os dbitos
ficticios que foram engendrados por Luiz Jos
Marques, por quanto sendo credora de Luiz Jos
Marques entendeu dever ajuizar os pretendidos
devedores deste E eis os pobres homens a sof-
frerem as tristes e fataes coosequeneias dos exeai-
tiros da fazenda nacional!
Custa a crer que em um paiz civilisado se pro-
ceda por semelhante modo I
E na verdade, injustificavel o procedimento
da fazenda nacional, desde que aceita as notas
fraudulentas de Luiz Jos Marques para perturbar
a inuumeros cidados que nada devera, e que ape-
nas sao victimas da estrategia e gana de Luiz Jos
Marques.
Que fossem demandados os verdadeiros devedo-
res de Luiz Jos Marques, e isto sobre dados cer-
tos comprehende-se; porem que se proceda in-
fundadamente, por semelhante modo, e talvez pa-
ra salvar-se algum fiador que nao qur acarretar
com as consequencias de urna llanca, isso into-
leravel, mesmo insupportavel!
Esperamos pois que o Sr. Dr. juiz dos feitos da
fazenda e Dr. procurador fiscal procedam com
mais criterio e facam justiea a quem a merece,
nao deixando que triumphe a obra da fraude e da
iniquidade 1
Um taberneiro.
COMMERCIO.
Alfandega
Rendimento do da 1 a 5 63:148*011
dem do da 6........24:821*391
88:272563o
lugar.
Outro de Antonio Jos Arantes e Antonio Joa-
quim da Silva Villela, pedindo o.registro do seu
contrato de'sociedade.Declarem a naturaldade.
Outro de Domingos Ferreira das Neves Guima-
res e Francisco Augusto de Olyoira, pedindo o
registro do contrato da continuacao de sua socie-
dade.Como requer.
SESSAO JDICIABJA EM 8 DE AGOSTO DE 1863
l'HLSlUENUA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
SOUZA.
Secretario, Julio Guimares.
A meia hora da larde, o Sr. presidente abri a
sessao, estando reunidos os Srs. desembargadores
Villares, Gitirana e Silva Guimares, e os Srs. de-
putados Reg, Lemos, Malveira e Ros. _
Lida, fot approvada a acta da iesso antec-
deme. /
JULfiAMBNTOS. (
Recurrentes, o Dr. Carlos Frqaerieo Taylor e
seu irmo; recorrido, Vicente de'S Rocha
Sorteados os Srs. deputados Reg, Rosa e Mal-
veira.
Relatado o feito pelo Sr. desembargador Silva
Guimares.
Adiado pedido do Sr. Reg.
Apresentado pelo Sr. desembargador Silva Gui-
mares, foi assignado o accordao proferido na
sesso de 27 do prximo passado, entre partes :
Appellantes, N. O. Bieb/ir & C, suceessoros ap-
pellados, o presidente electores da caixa filial
do banco do Brasil nestat cidade.
Appollante, Manoel Alves Ferreira ; appellado,
Fernando Francisco de Akuiar Montarroyos.
Relatado o feito pelow-- desembargador Silva
Guimares. ;
Movimento da alfandega.
Voluntes entrados com fazendas
com gneros
13
o63
Volumes sabidos
com faaeodas
com gneros
o
M
iod
1,270
1,426
CORRESPONDENCIAS.
Srs. Redactores.Uoave hontem urna bella reu-
niao poltica na freguezia de S. Jos, em que com-
parecern! diversos Lachareis, acadmicos, e muita
gente honesta de todas as casses. Rogado o Sr.
Pinto de Campos para dirigir algumas palavras de
animacao a to brillante auditorio, nao se fez es-
perar : n'um excellente e luminoso discurso, fez o
histrico dos acontecimentos do dia, defendendo
si c ao seu partido das calumnias dos adversa-
ros : dtecorreu sobre diversos assumptos ; defini
com franqueza a situacao, esejareceu o povo sobre
os seus importantes deveres na presente lula elei-
toral; recommendouamelhor,ordemf e moderacao
possivel no exercicio de seus direitos politicos, e
ao mesmo tempo todo o esforc e coragen em pre-
senea das coaeces de qualquer aPureza. Emfim,
o Sr. Pinto de Campos eorrespondeu justa no-
meada de que gosa do orador distincto, sendo re-
petidas vezes applaudido de modo asss significa-
tivo. _
Procedeseem sempre assim aquelles que fallara
ao povo I O povo pemambucano esencialmente
dcil e generoso ; s aspira ao conhecimento da
verdade, mas infelizmente nem todos lm a lealda-
de precisa para diz-la I
Um espectador.
PBLICACOES 1 PEDIDO.
Descarregam no dia 7 de agosto
Patacho inglezBamku -mercadorias.
Barca iuglezaCn/ioe=carvao.
Importaco.
Patacho inglez Banshec. vmdo de Liverpool, con-
signado a Mills Latham & C, manifestou o se-
guinte :
75 barricas cerveia, 10 barris oleo de linhaca,
110 caixoes folhas de flandres, 108 caixas tecidos
de algodo, 1 dita dito de la ; aos consignatarios.
42 fardos e 12 caixas tecidos de algodao ; a E.
A. Burle & C.
38 caixas e 11 fardos tecidos de algodo, chitas,
cassas, peitos de linho e toalhas de algodo; a A.
C. de Abreu.
1 caixa tranca de la, 7 barricas ferragens ; a
Prente Vianna & C.
6 fardos tecido de algodo; a Ferreira & Araujo,
1 caixa linba de algodo; a Vaz t Leal.
2 barris cerveja; a Marcolino J. G. da Fonte.
99 caixas agurdente ; a Kruekenberg.
50 barris breu ; a Manoel Joaquim R. e Silva &
Genro.
50 ditos manteiga; a Thomaz de Aquino Fon-
seca.
50 ditos dita, 2o barrilinhos banha ; a L. J. da
Costa Amorim.
1 caixa phosphoros ; a J. C. de Amorim.
40 barris enchadas, i dito e 1 caixa ferragens, 2
ditas tecido de linho ; i Isidoro Netto 4 C.
10 toneladas carvio de pedra, 3 volumes rodas
e eixos a A. M. Machado.
5 barricas e 1 gigo louca, 14 barris ferragens ;
a Saunders Brothers 4 C.
7 caixas tecido de algodo, dito de la e fumo
elestico para chapeos ; a Joao Keller & C.
1 caixa damasco, 1 dita colxas de algodo; a L.
A. de Siqueira.
18 caixas e 3 fardos tecidos de algodo ; a Braga
Sou&C.
21 fardos e 18 caixas tecidos de algodo, de li-
nho, de lae algodo, chapeos de sol de alpaca e
ditos de seda ; a R. Leghtbwrn & C
20 caixas phosphoros. 3 fardos tecido de algodao;
a Southall Mellors & C.
1 fardo fio, 1 caixa caixinhas para pilulas, 7 bar-
ricas ferragens, 2 caixas cutelaria, 2 ditas linha de
algodo; a S. P. Johnston & C.
7 barricas ferragens, 1 caixa selins; a Brander
a Brandes.
1 caixa roupa i a L. Jones.
10 ditas lencos decassa-, a F. G. de Oliveira.
16 fardos teeidos de algodao, 50 caixas folhas de
flandres, 3 ditas ditas de cobre, 10 folhas de chum-
bo, 50 barrilinhos dito de municao, 34 feixes de
ferro em folhas, 100 ditos dito para varandas, 198
fogareiros, 1 barrica grelhas ; a A. V. da Silva
Barroca.
1 caixa tecidos de algodo; a Edwardo Fonton.
674 caixas sabio, 43 ditas e 17 fardos tecidos de
algodao e de linho ; a Johnston Pater & C.
3 caixas biscoitos a T. 1. Leite.
15 caixas e 23 fardos tecidos de algodo, 1 caixa
dito de dito e la, 1 dita dito de linho, 1 dita dito
de la, 4 ditas chitas, 1 fardo riscados, 2 caixas
camisas de la e de algodo, 1 dita collerinhos de
linho, 2 ditas chapeos de sol de algodo, 2 barricas
ferragens, 2 caixas apparelhos para gaz, 2 ditas
cobre em folhas, 5 ditas phosphoros, 30 ditas con-
servas, 1 dita mostarda, o barris cerveja, 100 bar-
ricas barrilha; a ordem.
3 saceos amostras; a diversos.
Reeebedorla de rendas Interna
geraes de Pernambuco
(Extrahido do jornal intitulado Le Pbabe, de fe-
cerebro de 1853.
A manufactura do perfumaras, e de mais ani-
se "persuada que a escolha "que faco" somente"das' gos designados para o immediato uso do toucador,
rr lacio.
Feitos passados na secretaria da relacao par fatal da
pagamento do reapecti* preparo al a |
data.
Aggravo do juiz de paz do 2* di rielo da I
Aggravante, Joo Francisco Saraiva ; miando
0 JUIZO.
Aggravo do juiz de paz do 2* districto da taj lina
Aggravante, Joo Francisco Saraiva ; aggrsoari,
o juizo.
Aggravo do juizo de ausentes do Recife.
Aggravante, o cnsul de Portugal; agtravado o
juizo.
Aggravo do juizo da provedoria do Ptoeife.
Aggravante, Augosto Adolpho Waadertey
aggra vado, o juizo.
Aggravo do joiao da faada
Aggravante, Jos Marcelino Alves da I
aggravada, a fezenda priiHial,
Aggravo de instrumento do ja wmmetpsA e Se-
rinhien,
Aggravante, Francisco de Barros Waaderley ;
aggravado, Jos Luiz de Caldas Lins.
Aggravo de instrumento do juizo wnnifpal de 8e-
riahaem.
Aggravante, Francisco de tarros
aggravado, o juizo.
Recurso de la I le nem do juizo do f
Recife.
Recrreme, o juizo : recorridos GoihVrme Car-
valho A C.
Ilevista civel do Rio uV Jaaeiro.
Recorrentes, Rosalina Femaades d Almhda -
seus fllhos por seus curadores ; recorrid, tata
Jos de Almeia e osaros.
Appellaco civel do jaiao municipal de Porto Carro.
Appellante Ernesto Alguno de Manguaba e Sil-
va ; appcllada D. Mariana Joaqaa Awit Va-
derlevJseus Tilboe e Iro.
Appeilacao civel do juiz municipal de Baaaaeiraa.
Appellantes, Jos Barroso de Carvalho, e ootros ;
appellados, Manoel Januario Bezerra Cavalcaati e
seus filhos.
Appellaco civel dojuizo municipal do Asad.
Appellante, Francisco Duarte Freitas: apaeiladu.
o curador das libertas Paula e Lniza.
AppeNecb civel dojuizo municipal de Mimad.
Appellante, Urbano Egydio da Silva Costa Gon-
dim de AUmquenrae ; appatado, Thomaz Jos de
Sena.
Appellaco civel do juizo municipal do Crato.
Appellante, Barbara Francisca de Jess : aaaW-
lado, Manoel Francisco da Cruz.
Appellaco civil do juizo municipal do Crato.
Appellaiiics,Joao da Cruz de Jess e sua aaoaVr;
appellados, Francisco Cabra! de Vasconcellos e su?
mulher.
Appellaco civel do juizo municipal do Cabo.
Appellante Manoel Ignacio de Jess ; aapetado'.
Antero Vieira da Cunta, sua mulher e sua aai.
Appellaco civel do juizo municipal de Flores.
Appellante, D. Maria Francisca dos Santos ; ap-
pellados, Manoel Joaquim Limoeiro, saa aadher.
Appellaco civel do juizo da fazenda
Appellante' Maria Magdalena de Aharia Cata-
nho ; appellada a fazenda provincial.
Appellaco civel do juizo da fazenda.
Appellante, e embargaales Manoel Goncalves
Agr c seus fiadores ; appellada e embargada a fa-
zenda provincial.
Appellaco civel dojuizo municipal da > vara.
Appellantes, a viuva e herdeiros de M tari-
qui da Silva ; appellado. o bacharel Adolpho de tar-
ros Cavalcante de Lacerda.
Appellaco civil dojuizo municipal desta cidade,
Appellante, Paulina Maria Bastos ; aaajhdn.
Antonio Goocalves da Silva
Appellaco civle do juizo municipal da 2" vara *>
Recife
Appellante, Joaquim Goocalves Ferreha; ap-
pellado, Manoel Joaquim Baptista
Appellaco civel de juiz municipal desta cidade.
Appellante, o superintendente da .estrada de Ier-
ro ; appellado, Joo Paulo Carneiro de Sonza Baa-
deira.
Recife, 1 de agosto de 1863.
O secretorio, Domingos Atento Fnrra.
o dia 7 do corrente depois da varara do
Sr. Dr. juiz municipal da prmeira vara tem av
ser arrematada a escrava de cor preta. fula a* ao-
me Silvana, idade 56 annos pouco mais ou mea,
de bonita figura e boa cosinbeira, avahada por
4004, para pagamento da h\ polheca feita ea ata
escrava, por execuro de Antonio Jos Vieira, ea-
tra Manoel Joaquim da Silva Ribeiro.
Tem de ser arrematado par doaaca do Dr.
juiz de orphos desta cidade o armaren de ata*
da ra do Vigario n. 5, e diversas maduras di
eupira e amarello, a qugl arremaraeio lar
no dia 7 de agosto ao meio dia em pasta, >
da audiencia do juiz de prphos que tea de ..
tir : os pretendentes poderao examinar o carnal
de praca que se acha em mo do porteiro do jai',
Amaro'Antonio de Parias.
Secretaria de polkia de PemaotaKo
I de a^pslo de 1863.
Por esta secretaria se faz pobiieo para
constar, a quem intereasar poja, fa fd*
delegacia do termo do Cabo, foi preso
fgido e remetlido para a casa de dota
onde se acha desde l de janeiro amtaBO,
Rendimento do
dem do dia 6
dial a o
:6484092
2:727*238
"8378J330
um preto fulo, de nome Franc
ser escrav de Marcolino de
n'esta cidade.
0 secretario,
Eduardo de Barros Falcao de
No dia 8 do corranto depoto do
hio de arrematar por vaaia en praca
Sr. Dr. juiz municipal da segunda vara,
Motta, duas casas terreas no principio da na do
S. Miguel da fregoetia dos ACogadw nad
Paulino Rodrigues de Oliveira por
Manoel Joaquim Baptista Se nao r
ca no dito dia ficar a arrematacao
ra a primeira audiencia di meen*
se
do
crivo

f



\


mm
m-
- .


Diario e Pernambuco fitexta telra ? de Agosto de fl SS8.
Conselho administrativo.
0 conselho administrativo, para fornecimento
'do arsenal de guerra, tem de comprar os objectos
seguintes :
Para o depondo de artigos bellico* da provincia da
Parabjba.
208 bonets.
Para o i" batalhio de artilliaria.
6 resmas de papel abnasso, ftcaixas de penuas
de aro, 100 ditas d'are, 2 caivetes de aparar pen-
nas, 6 garrafas de tinta preta. 6 dozas de lpis de
pao, 6 libras de aroia preta, 36 coJIeecfSes de cartas
para principiantes, 12 grammaticas pertugoetas
por Monte Verde.
Quem quizer vender taes objoctos aprsente as
suas propostns em carta fechada na secretaria do
conselho, s 10 horas da manhaa do din 40 dowr-
rente mez.
Sala das sossoes do coBselho administrativo para
tornecimento do arsenal d guerra, 5 de agosto de
1863.
Antonio Pe&ro de S Brrelo,
Coronel presidente.
Sebaetiao Antonio do Reg Barros,
Yogal secretario.
l'orreio.
As malas que de ve coaduzir o vapor coste iro
Jaguaribe rom destino s provincias da Paradina,
Rio Grande do Norte, Cear c portos intermedios,
fechar-se-ho hoje 7 do corrente as 3 horas da
tarde era ponto.
Pela administracao do correio desta cldade
se faz publico, que de conformidade com o decre-
to n. 187 de 15 de maio de 1861, e respectivas
instrueces, levo hoje lugar a abertura das cartas
atrasadas pertencenles ao inez de julho do 1862,
condemnadas a consumo pelo art. 138 do regula-
ment dos correos de 21 de dezembro de 1844,
assistindo a este processe o eommereiante Manoel
da Silva Antunos. Desta abertura resultou achar-
sc duas cartas com docuinenlos descriptos em li-
vro para este-lira destinado, sendo usa do Miguel
Ferreira Pinto de Carvalho da eidade do- Porto,
para Casimiro Ferreira Pinto de Carvalho, com
urna eertido de Baptismo, e outra de Vieira da
Cruz Machado, tambem do Porto, para Jos
Dias da Silva Guimai es, com dous recibos. Por
ultimo procedeu-se o queima de todas as cartas,
de que se lavrou o respectivo termo, que o que
se segu. Correio de Pernambuco 5 de agosto
de 1863.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Termo do consumo.
Aos cinco dias do mez de agosto de 1863, s 11
horas da manhaa, na sala da administracao do
correio, estando prsenle o Sr. administrador e
thesoureiro Domingos dos Passos Miranda, e mais
empregados abaixo declarados, procedeu-se era
virludc do art. 138 do regulamento dos correios
de 21 de dezembro de 1844 o consumo de 271 car-
tas, sendo 97 selladas, 174 nao selladas, na im-
portancia de 32olO, como consta da respectiva
factura, cuja importancia vai descarregada nesla
dala ao referido administrador o thesoureiro. E
para constar se lavrou osle termo em que assig-
iiarum os meamos empregados, e cu Eduardo Fir-
mino da Silva, ajndante contador, que o escrevi.
O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Offlciaes papelistas,
Ismael Amavcl Gomes da Silva.
Luiz de Franca de Oliveira Lima.
Vicente Ferreira da Porciuncula
O praticante.
Agnello lleraclio de Araujo Pernambuco.
Porteiro,
Manoel Marinho de Souza Pinentcl.
. I "ni piano. 1 mobilia de faia com lampos de mar-
more, 1 rico espclho, 1 marqueza, 1 mesa 12
cadeiras de palha. 1 secretaria de Jacaranda. 1
costureira, 1 jogo de schach, 3 relogios america-
nos, 2 commodas, 1 cama de menino, 1 carro
para brinquedo de menino de palha com rodas,
2 cadeiras de mola, 2 ditas de balanco, 2 me-
sas para jogo, 2 lavatorios, mesas, marquezas,
cadeiras, 1 apparelho de louca para jantar, 2
ditos para almoco, 1 dito de metal principe, gar-
rafas para \inho, copos para agua e vinho; gar-
fos, facas e colheres, 1 fogad americano, trem
de cosinha o mnitos.outros objectos de casa de
familia.
no.i :. *
Una da Cadia u. 12.
O agente Pinto far lcilao por conta de urna fa-
milia estrangeira qne retirou-se para Europa, de
todos os objectos supra-mencionados e existentes
no armazem da ra da Cadcia n. 12, devendo ter
romero o leilo s 10 horas em ponto, visto sercm
muitos os objectos que tem de seren expostos a
venda.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
XaM'fiacfio costelra a vapor.
Parabvba, Natal, Mario, Ararat*, Cear e Aearar.
Para os |>ortos cima indica-
dos seguir no dia 7 de agosto
prximo um dos vapores da com-
paahia, que receben carga at o
dia 6 ao meio dia.
Encommendas, passageirosedinheiroa frele at
O dia da saluda s 3 horas da tarde: escriptorio do
Forte do Mattos n. 1. ____________
~COMPAXIHA~PERNAmUCAA~
H
\;ve,uf>> costelra a vapor.
Parahiba, Natal, Mato, Arteaty, Cear e Acarac.
O vapor JVtgwartDf, coinmandante
Lobato, seguir para os portos
indicados no dia 7 do corrente as
i> horas da larde. Reebe carga
at n dia 6, eneommendas. pas-
sageiros e dinheiro a frote at o dia da sahida as i
lloras : escriptorio no Forte do Matlos n. 1.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte esperado
at o da 20 do corrente o vapor
Apa, commandante Alcanforado
0 qual depois da demora do cos-
tume seguir para os i>ortos do
sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-sc a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devora
ser embarcada no dia de sita chogada. encom-
mendas e dinheiro ficto al 0 dia da sabida s 2
horas: agencia ra da Cruz n. 1, oseriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azcvcdo A' C.
MTIliAO
M
DifTerentes obras de prata do Porto o onlras obras
de metal principe.
HOJE
O agente Pinto far leilad por cont de quem
pertenoer de um apparelho para cha e colheres
de prata, assimeomo de garios, facas e colheres
de metal principe, s 11 horas do dia cima dito
na ra da Cadeia n. 12, onde ha ver leilo de mo-
vis.
LEILftO
HoJE.
\o armazem n. 53 ra da
Cadeia
De cadeiras para pianu, leito, bercos para meni-
nos, carteiras, cabides, camas de ferro, candcla-
bros.'cadoiras de braco para menino jantar, um
oratorio de amarello, bandeijas, mapna geograplii-
co, machinas de costura, tinteiro, e 2 paliteiros de
prata, colher para arroz, relogio c outros objectos
que sero vendidos pelo agente Eusebio no estado
em que estiverem sem reserva de preco : os Srs.
que teem objectos nesie armazem com limites es-
lao avisados para que sejam retirados antes daquelle
dia do leilo, ehegada a hora sero entregues pelo
maior preco que se achar. ^^^^
LE AO
DE
MOVIS
Va rasa grande em frente a estacio da estrada de
ferro na villa do Cabo.
(Com luneh.)
Segunda letra Id de agesto, s9 e
lucia horas do PARTIDA DE TRKM ESPECIAL.
William P. Hughes, tendo de retirar-se para a
Europa com sua familia, far leilo por interven-
cao do agente. Pinto, de todos os movis de sua ca-
sa de residencia n villa do Cabo, como sejam :
Um piano, mobilia de Jacaranda, ricos quadros
com finas gravuras, tpeles, eandiciros, mesa els-
tica, apparadores, um apparelho de louca para
jantar. um dito para almoco, garrafas para vinho,
linos crystees, garios, faecs e colheres, um sellim
i inglez, um Bilbao, cal liradas c muitos outros objec-
j tos que estarn ao exame dos pretendenles.
Os concurrentes ao referido leilo encontrarao
na eslaeo de Cinco Pontos um trem especial que
partir as 9 c meia horas da manhaa. aos que com-
prarem mais de 505 abater-se-ha a im|>ortancia da
assagem, e o transporte dos movis ser gratis pa-
a iodos os compradores, devendo rcccb-los na es-
laeo de Cinco Pontos no dia inmediato ao leilo.
"Principiar as 10 e meia horas em ponto.
UilLAO
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do sul esperado
at o dia 14 do corrente o vapor
Princezn de Joinville, comman-
dante o capilo tenenle Sania
Barbara, o qual depois da demo-
ra do costiiino seguir para os portos do norte.
Desde ja recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir. a ipiai devora
ser embarrada no dia de sua ehegada: encom-
mendas e dinheiro a frote at o dia da sabida as 2
horas, agencia ra da Cruz n. 1. escriptorio do
Antonio Luiz do Oliveira Azevedo & C.
Para Lisboa
segu em poucos dias o lugre portuguez Julio por
ter a maior parte da carga comprada : para o res-
to e passageiros, a quom offereee bons commodos,
ti atase com o consignatario Thomaz de Aquino
l-'oiiseca. na ra do Vigario n. 19. primeiro andar,
ou com o capilo o Sr. Francisco Antonio Mei-
relles.
Para a Bahia vai sabir com multa brevidade
o veleiro hiate Tyno, tem parte da carga prompta :
para o reslo que Ihe falto, trata-se com os consig-
natarios Palmeira >V Beltro. largo do Corpo San-
to n. 4, primeiro andar.
Qnarta-feii'a \ 2 do corrente as 11 horas
Na ra da Cadeia n. o3.
De um sitio chao proprio no
principio da estrada do H ;*-
r.uiulio. esquina que fax a en-
trada da ra da Amizade para
a Capunga.
Pelo agente Euzebio se vender una excellente
propriedade que um sitio com casa de vi venda,
3 janellas, 4 quartos, 2 salas, cosinha fora, estri-
bara, cocheira, quarlos, cacimba de boa agua, di-
versos arvoredos, terreno frtil, tendo 172 palmos
de frente para a estrada do Manguind e mais de
5X10 palmos de fundo, pelo que faz fente para a
ra da Amizade, eslrda para a Capunga, a visto
de toes proporcocs sendo porto da praca; os Srs.
pretendenles queiram ter a bondade de reexami-
nar com attencao para aproveitar _a occasio.
AVISOS DIVERSOS.
LOTERA.
Rio Cirande do Mili.
O patacho nacional Pestaa segu at o dia 9 do
corrente com a carga que livor ; recebe a que fal-
ta por frote commodo, c "scravos : trata-se com
Dallar 4 Oliveira, ra da Cadcia n. 26.
Para o MaraSaho e Para
pretende seguir nestes oito dias o veleiro e bera
conhecido brigue escuna Jortn Arlkur, tem a
seu bordo parte de seu carregamento ; para o res-
to que Ihe falta, trata-se com os seus consignat-
tarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C., no
seu escriptorio ra da Cruz n. I.
' LEILOES.
1/ElliAO
DE
Ima mobilia de cerpgeira, 2 casticajes,
i randelabr*. 1 marq^za, 12 ca-
deira, 1 aMHHida, 1 hantj'irha, i
lavatorio \ tHcadr e 1 cabide.
HOJE.
Sxta-feira 7 de agosto i ^ hora da tarde.
O agente Pinto far leilio requorimenlo dos
curadores'fiscaes da raassa fallida de Francisco
Moreira Das e por despacho do IUm. Sr. Dr. juiz
especial do commercio dos objectos supra mencio-
nados pertencentes a mesma massa, i hora da
larde do dia acuna dito na ra da Cadeia n. 12.
Sabbado primeia paite da primeira loteria da groja
de N. S. das Noves do convenio de WS. Fran-
cisco de linda.
Os bilhetes e mcios bilhetes acham-se
venda na respectiva thesouraria, ra do
Crespo n. 15, e as casas commissionadas
ruada Imperatriz n. 4i-,loja do Sr. Pimen-
tel, praca da IndependRi n. 22, loja do Sr.
Soares Pinheirn,maDireitan. 3,botica doSr.
Chagas, ruada Cadeian. 45, loja do Sr. Porto
e era Apipucos estabelecimento do Sr. Fran-
cisco M. S. Mendes.
Os premios de 5:000/ at 10 sero pa-
gos urna bora depois da extracC/o at as 4
boras da tarde, e os outros no dia seguinte,
depois da destribuifo das listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
LOTERA*
O thesoureiro das loteras desta provinl
ca, desojando extrahi-las em maior capita-
e com menores intervallos, offerece a vanta-
gem de dous por cento quem comprar
para negocio, na quantia *e 1000 para cima;
assim como se propbe a estabelecer corres-
pondencias para qualquer localidade da j>ro-
vincia, remetiendo bilhetes, meios e listas,
sob fianca idnea; devendo o pagamento
delles ser feito logo que sejam recebidas as
listas e novos bilhetes remetdos. O the-
soureiro certo da conveniencia desse negocio,
convida aos Srs. eommerciantes da Victoria,
Goianna, Rio Formoso, Nazareth, Seriuhem
e mais localidades populosas da provincia, e
mesmo os desta capital, que o quizerem, a
entenderem-se com elle, na thesouraria das
loteras, ra do Crespn. 15: advertindo
que receber em pagamento e sem descont,
os bilhetes premiados de todas as loteras
da provincia recolmdos a thesouraria da fa-
zenda provincial.
Thesouraria das loteras, 20 de un de
1863.
0 thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Offerece-se urna ama para casa de homem
solteiro ou pouca familia : na ra do Sebo n. 35.
M3IORA.
DRAMA HISTRICO PELO DR. THEBERGE, NO
QUAL NAO INTERVEN PERS0N1GEM
FEMENINA.
Na ra Nova n. 11 vende-se a l^ooo o
exemplar.______________________________
A que taca a campara que a tone.
Abaixo publicamos urna poesia com o titulo de
modinha-dirigida Nao sabemos seo offer-
tante foi o poeta ou so eMe desojando dar provas de
sua paixo amorosa, c nao pudendo por Ihe faltar
o dom do verso, agarrn do um rolumo de poe-
sas, nao me record i(oal o autor, e copiou da ma-
nciraque bem Ihe aprouve em urna folha de papel
firmado, as seguintes quadras, acompanhadas de
urna dedicatoria qual agora nao publicamos por
nao termos tempo de a analysar, o que Taremos o
mais breve possivel; para ver se assim ingrata
se lembra delle. (Vai conforme copiou o suppos-
to autor.)
'Ei-las :
MODINHA
Nao te lerabras de mim quando tarde
O poente se faz de carmim;
Eu nesl'hora de ti me record,
Nao te lembras, meu anjo de inmi.
Nao te lembras de mim quando em salas
Me divizas qual dbil marlim ;
E se ingrata cu te pesso um stffcir.
Nao te lembras meu anjo de mim.
Nao te lembras de mim nesta hora
Quando vais passear ao jardim;
Se ahi pencativa tu sismas,
Nao te lembras meu anjo de mim.
Quando em noites sombras me vs
Planteando meu mal j sem fim ;
E se acaso te chamo a meu lado,
Nao te lembras meu anjo de mim.
Nao te lembras de mim quando n la
Vai-se crguefido das nuvens assim ;
Se ahi caprixosade tornas,
Nao te lembras, meu anjo de mim !
Quando la seus bosques clarcia
Com as suas cores de setim ;
Se me vs tu ingrata chorando,
Nao te lembras, meu anjo de mim.
Nao te lembras de mm quando liouves
Da aragem o susurro sem fim ;
Se contemplas ab sotn de mil foeijos?
Nao te lembras, meu anjo de mim !
Nao te lembras de raim quando a aurora
Xo horizonte traz cor do jasmim;
E ness'hora do maga illusao
Nao te lembras, meu anjo de mim
Nao te lembras de mim quando entras
Nos sales do pomposo festim ;
E se ahi nao me vs sumir-te,
Nao te lembra, meu anjo de mim.
Nao te lembras de mim quando lens
Na maosinba um verde alecrim ;
E se pesso m'o negas ingrata,
Nao te esquecas, men anjo de mim ()
Kf:i fiisMo.
No dia 30 de julho de 1883 uto do engenbo do
abaito assipnado ,o csrravo Jos Vicente, iietfro
bem negro, crioulo. idade de 2Spara 28 annos,
bM altura, boni corno, k-m feito, falla mansa, di-
verlido, toca viola, flauta, tem a risada alta e va-
garosa, um dente ou dous de menos na frente :
suppu;sc- andar por esta praca (Pernambuco) e
coiiecido de muitas pessoas, como bem do Sr.
Jos Baptista Hbeiro de Paria, do seu sobrinho e
meu compadre Eugenio, de Francisco Ignacio The-
nori* etc.. etc.. intitula-so por forro e esta muni-
do de urna carta de alforria, mas esta declara (fae
s gozar da lilierdade do|iois de minha morte ;
mas en que estou vivo, e nao tenue vonlade de
morrer j, tenho de cbama-lo a ordem ; e a*sim
peco a justica policial, ou mesmo quem eneonira-
lo, que o prenda o remetta para dito engenho, ou
nessa praca ao Sr. Julin Leocadio de Lima, na
Boa-Vista, estrada dos Afflictos, que ser gratifica-
do.Lrbnno Barros da Silva Vasconcellos.
COfflPTABILIDADE COMMERCIAL
rJBj
^DR. WITBUVIOfttrrOBANDEIRA
Prefessor da segunda eadeira d Cursa Ciunmercial Prruabnraiw.
IHWS IIKLLOS VOUHB Di 8. PRAXCH
COMPIIEIIEXDENDO
() Essa ingrata nao ter |na de eu ou mim 1
responda seno o bicho me come !! !.... at logo.
odgranci. A
9
b
. Af fl y .
Victorino Domingues Alves Maia, Frei
Joao da Maternidade o Jos dos Santos Da-
mos de Oliveira. primo e compadre do falle-
cido Domingos de tlastro Maia.cordial e sum-
mamenie agradeccm a todas as pessoas que
se dignaram assisli^ as cxciuias na igreja
do Espirito Santo eacompanhar a sepultura
os restos mortaes do dito sen presado e nun-
ca assas chorado primo, compadre e amiga
E leudo de mandar dizer nma missa psb
repOuSO eterno (lo dito linado no dia 7 s 6
horas na igreja do Espirito Santo'(stimo dia
de seu fallecimento) rogam a todos os seas
amigos e aos do mesmo finado o particular
obsequio de a ella aspislircm. Esperam que
ditos seus amigos se dignem de dar nis
esta prova de caridade evanglica Drofrla
das almas bem formadas.
RA DO 1WPERAD0I
N. 22.
drade armazem de tintas.
Rste armazem contm ludo qnanto
preciso para que a industria de pintura, de
qual uer genero que seja, desempenhe
seu fim, islo embellezar. conservar e
reproduzir.
Montado em grande escala e supprido
directamente por grandes fabricas de Pa-
rs, Londres e Hamburgo, jiode offerecer
productos de confianca, e satisfazer qual-
quer encoinmenda grosso trato e a re-
tallio.
Os Srs. artistas pintores, e os donos de
obras podero escolher vonlade, |kis
que tudo estar vista, as difiranles co-
res de que tiverem necessidade.
Ha timas em massa c em p impalpa-
vel, e como as obras a envernizar s se
deve empregar tintas muidas, e nao me-
recendo confianca as que vem de fora para
commercio, por velHas, e talvez falsifica-
das, neste armazem se as moer vis-
la do consumidor, que s assim ter tin-
tas frescas e verdadeiras.
Ha lambe-m ouro verdadeiro, verde em
p eem folha, prata em folha, p debron-
zear de varias cores, diamantes para cor-
tar vidros, burnidores. ncar superfina en-
carnada, amarella e verde, tintas %->!<-
los, azul, roxa, verde o amarella, inoffen-
sivas. uuicas que so dovem empregar as
confeitarias, coIIocqocs de pinceis para
fingir madeira, corr propriedade. e outros
de varias qualidades. vernizes, copal,
graixa. branco ou escuro (iara o interior
e exterior, para etiquetas e quadros, tin-
tas finas em tubos, em crayoes ou pastel,
teat para ipiadros. eaixas de tintas finas
e pa|M'l para desenlio.
Essencias aromticas verdadeiras, fras-
cos 8 vidros para vidraca de todos os ta-
manhos. e muitos outros objoctos, cuja
utilidade o empre:-'o s com a vista pode-
ro ser mostrados.
Joo Pedro das Xeves,
Gerenta.
Aluga-se o primeiro andar da na eslreita
do Hosario n. 22 : <|uom pretender dirija-se ao
segundo andar do mesmo.
Offerece-se um rapaz brasileiro de Ima con-
ducta para caixeiro de trapiche de molhados que
entende perfeitamente dos mesmos : quem preten-
der, anniincie por osle jornal para sor procurado.
O prliurlro Prelerres thcorico-pra rao mereaatl.
O segundoMoldes de arllhnetlea evat-
nerelal, adaptada pratlca da operaeoe* e*n-
merelaes e elemento* do *y*tema
niet rleo com sua* applleaees
ao commercio.
PRECO DE CADA VOLUME 5*.
Esla obra, apezar de elementar, vem preeneher urna lacuna, que ora sentida entre nos
onde fallecem oscriptos de certas es|iecialidades com accesso a todas as inlelligenrtas ; e a-
sim o editor pensa fazer um servico dando-lhc publicidade. tanto mais quanto boje, qne a*
transaccoes commerciaos e industriaos vo entri^ nos tomando notavel desonvolvimont. IM*
entrar na educa^o daquelles que se querem ap[ibcar a taes ramos da vida o ronherimento
dos principios da comptabilidade administrativa o rommorrial.
f'.om este intuito, sob una forma essencialniente classica. reiiiiin o Sr. Dr. Wiinivio (>
principios da comptabilidade commercial no que tem elles de mais elemenUr, e foordowKi-
os de modo a facilitar o mais possivel o seu estudo s icssoas que so do-tinam s profissW^
commerciaes, sendo taes a concisao e a clareza postas no desenvolvimento respeetivo, jw p>>-
de-se aprender a materia, chegando-se a escripturar os. livros por partidas dohradas e apjdi-
car o calculo s operaces do commercio, sem carecer da intervenco de um mwlre.
O iirimeiro voluie, formulado sobre a obra de Bertrand. oconpa-se mais esperialmonlo
da escripturacao mercantil por partidas dohradas. cujos principios sao desenvolvido em har-
mona com a legislacao brasileira, eontendo alin disto um impoilantissimo appendire sobre
as sociedades commerciaes em todos os seus movmentos, quer |n-lo lado da eiurlpfrjffa,
quer pelo da fonnaco. existencia c cxtncco dallas em face da le. Neste ap|H-ndn-. dnpb-
cadamente recoininendavel por sua originalidade e pelo cunho de especi.ilsmo. tem o eom-
mereiante una guia para sua dreceao, qualquer qne teja a forma da sooiedade i\ae contraa.
Completa este voluine o speciineno resumo de urna escripturacao. ficticia ventado, mas ou
tudo semelhante de imia casa de commercio ordinario. offaufo nina s.-rie do oporaroos
successivamente mais difflccis, que assim inicia gradualmonte a maneira de esrrpinra-las
nos differentes Ivtos de urna casa de commercio.
O segundo, egualmento formulado sobre a obra de Kottinger, ocenpa-se partioularmont^
da arthmetica commercial com exerccos e problemas" polo meio mais simple*, faril m
da regra conjuneta, acerca de todas as operaces pratieas usuaes no rommwto, envidv.-ndn
| clculos de cambios de praca praca e por (iracas intermedias, bem como negocio! do bancos
com arbitragens de cambios, alm do desenvolvimento do systema mtrico em suas rotaooes
com o commercio, Ilustrado por meio de tabellas de conversad.
O editor nada mais ccrescentar estas breves palavras, ipie asss demonsiram a im-
portancia real desta obra, devida a intelligencia o a applicacao acenrada do son aulor. s.-nao
que ella de utilidade geral, e que a nenhum eommereiante e mesmo a homem algum do let-
tras licito deixar de possui-la em sua estante : pois o commercio em suas variadas ovolo-
coes, entende actualmente com tudo que se liga a vida.
A assignatnra toma-se as livrarias dos Srs. C.uimaies VOliveira. Nogueira do Sa-
za, Juliao & Pereira e Geraldo H. de Mira, sendo realisada sua im|iortanoia |H>la quola do rada
voluine ao sabir do prelo, para o qual ora entra o primeiro.
O EDITOR.
Precisarse de um feitor jiara um engenho
distante desta praca oito leguas : na ra da Impe-
ratriz n. 32.
lleraclio Vespasianno Fiock Bninano.compe-
tontemenle autorisado pela directora da instrtic-
co publica.tem aborto um curso particular de geo-
metra e geograpbia : os senhores cstudantes que
se quizerem inatrieular as referidas materias,
podem dirigirse ra do Cabug n. 3, primeiro
andar, das 9 s ti boras da manhaa. o das ;i s
ti da tarde.
O Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
1" e 2" andar, onde pode ser procu-
rado pan o exercicio de sua profis-
so. medica, e com especialidade
sobre i'
Aluga-se um sitio ua estrada dos AfflL'tos de-
fronte do becco do Espiuheiro com lxa casa ten-
do esta 2 grandes salas,] 1 ptimo gabinete, 2 gran-
des quartos, dispensa e grande cosinha, t ao lado
coxeira e estribara para 2 ou 3 cavallos, cacimba
coin excellente agua de beber e bastantes arvore-
dos de fructos de boas qualidades que do abun-
dantemente : a tratar na ra larga do Bosario n.
18, primeiro andar.
Fugio a 2 do crrente a escrava Joanna, com
os seguintes sgnaos: ci)r preta, ollus papudos.
pea e maos grossos, tem urna tuina lachada em
um dos dedos da mo, levou vestido i'e chita oscu-
ra encarnada j usado. Esta escrava do seriad
e foi comprada ao Sr. Antonio da Suva Gusmo :
quem a apprehender eleva-la a ruado Hospicio n.
01 .-era bem recompensado.
Escrava fgida.
Da travessa de S. Jos n. 22, fugio a escrava
Mara, natural do Congo, idade 40 anuos, a qual
tea) signaos limito visvejis de bexigas, ao andar
arrasta bastante os ps, levou vestido de chita e
chale encarnado muito velho. Suppe-se aehar-se
ella acouladaem Apipucos, Olinda ou Giqui : ro-
ga-se pois as autoridades policiaes, capitaes de
campo ou qualquer pessoa que a apprehendam
e levem-na a casa acimr
recompensado.
seguate
1" molestias
2o
:r
queera generosamente
No dia 8 do corrente, depois de linda a au-
diencia do lllm. Sr. Dr. juz municipal da segunda
vara, tem de seren arrematadas (juatro casas ter-
reas o seis oscravos por lexccueao de Ballhar 4
Oliveira contra 1). Joanna Maria das Dores, como
herdeirade seu filho Jos Fernandes da Cruz.
Precisarse alugar urna escrava que cosinhe
e faga as compras para urna casa de pequea fa-
milia : quem tiver dirija-se ao caes do Apollo n.
17, segundo andar.
lllM*rlAI>f]
Acadmica de Xossa ttenhora do
Bom Conselho.
Em virtude do disposto no art. 29 do compro-
misso convido a todos os innos para no domingo,
9 do corrente, as 10 horas da manhaa, compare-
cerem no consistorio desta irmandade, onde, de-
pois da missa do costume, se proceder a eleico
da nova mesa administrativa que lem de reger a
irmandade de selembro do corrente anno a setcm-
bro do anuo vindouro.
Consistorio da irmandade acadmica de N. S. do
Bom Conselho 6 de-jgosto de 1863.
^Manoel J. S. Patury.
Secretario.
Sea|a-feira 7 do corrente o agente Pinto far i
leilo de una rica callera com ai-reos para dous
cavallos. na ra W Cadeia do Becife.
Precisa-se de 3004 a juros de 2 0|0 por tem-;
po de seis mezes, pagando-se os juros mensalmen-
te, sobre hypotheca de nma escrava crioula e sa-
dia, de idade 16 annos : a quem convier, trate
com Frederico Chaves, que est cornos poderes
precisos para dita hypotheca.
de olhos :
de peito :
dos orgaos geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
ro examinados na. ordem de suas
entradas comeando <> Irabalho pelos
5 doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias das
Bjj (J as 10 da manlia. menos nos d-
os mingos.
k|5 Piaiicaiii toda e qaalqaer opera*
|~| cao que jtdgar cooveaiente para o
I promplo icsialielecimento dos seus
f$ doentes. J@
Lava-se e engomma-se com asseo e por pro-
co commodo : na ra da S. Bom Jess das Crou-
jasn. 18.______________________
Arrouda-se t > u-t'li" S Ce-
iimn sltii ii iiHrvM < t"nb> lem
esta prprtedad- exerllentes l-r
ras p.'teit i'lauuC'OoN cs. tc moldo pnr x^na e li-tu I
la osiacn mrii I ini : quom o |>- -iita-r pija-se casa i fallci(Iitco>uin^u-
la or Luiz Guiuws Ferreira a Nun-
dego._________________________________
Inslrucco publica.
A primeira escola publica de instrueco ele-
mentar do 2o grao em Santo Antonio presente-
inenlo funecioua na rua Bella n. 40.___________
i'erdeu-se nina pulceira de ouro desde a rua
da Cadcia, caes do Apollo, Boa-Vista, na Vellia,
ruado/Sebo at a Tamarineira : quem a ti ver adia-
do c quizer restituir leve-a loja de Andrade <&
Kcgo na rua do Crespo ao voltar para S. Francisco
ipie ser gratificado. ___
Quem precisar de dous eseravos para todo o
servico dirjase Soledade casa n. 11.
Agencia geral das provincias no Rio de Janeiro.
Antonio Francisco Bandeira, estabelecido ha lon-
gos annos no Bio de Janeiro, encarrega-sc por si
o por pessoas que para isso tem habilitadas, de
precurar o andamento e realisafo de todos e
quaesquer negocios commerciaes, civs, ecclcsias-
ticos c administrativos. O annnnciante oferecen-
do ao rcspeitavel publico d'ata provincia os seus
bons oflicio, garanfe-lhe zelo, aclividade e dis-
cripcio : qualquer pessoa que quera utilisar-se
dos servicos do annunciante, pode dirigir-se-lhe
directamente por carta. Rio de Janeiro 22 de ju-
lho de 1863.
NOY ESTABELECIMENTO DE MEDICINA HOMEOPATHICA
RUA \()Vi W. VI.
ODr. Sahino O. L. Pinho mmlou o sen CONSULTORIO para ;i loja marmore
rua Novan. 43. onde continua a dar consullas todos os dias uteis desden meiodia ala
2 horas.
Os enfermos, que o procurarem logo na invaso da molestia, sem que hajam li-
mado qualquer remedio, nem allopalliico, nem liomeopatliico. pgalo MJ dos prca
estipulados. Esta ct)ncesso tem por im facilitar a cura de molestias, que |H>dem tornar-
se complicadas pelos emprego intempestivo da therapeulica e ao mesmo temjNi a.l.|nirir
para a homfiopathia maior numero de adeptos pela baten da cura.
Ein atlenran as pessoas pobres, que nao podem sabir de dia. o Dr. Sabino rosoli
veu dar duss consultas por semanas as tercas e sextas-feiras das seis amtl Iht,is di
noite.
Os chamados para visitos e conferencias dovem ser dirigidos por escripto aa oaa>
Sultorio desde 8 horas do (lia at 8 da uote, na certeza de que sero attemliib^ rwi >' -b-m
de sua precedencia, salva a circttmslancia de satinte perigo.
ADVEHTI^CU.
O novo consultorio esl prvido dos inclliores medicaiiienlos. ilesde a pnnmra
at a trigsima dynaminjsacao.
E como os mdicos hespanbes e allemes nao cessam de certificar a major -fTi
cacia das ullissimas dynaminisaces do tratamento das molestias < bronkas, o Dr. Sabino -
oceupa agora de elevar os seus medicamentos s potencias mais altas ( por iva at n .
afim de verificar por si mesmo a forra dynamica, que se Ihe attribue.
Os mdicos, que quizerem experimentar taes dynaminisaces podero dirigir ao
consultorio suas receitas, que sero aviadas gratuitamente para os pobres.
No mesmo consultorio se vende a novissima edicao do Tkemtrn hmmeopaikn >
ou Vademcum do homeopata, obra indispensavel a dos que querem usar da booro-
palhia.
Tudo o que diz respoito nova medicina se acha abundantemente nafa Mta
aecimento.
INTERNATO
DE
ESTABELECIDO NA CIDADE DO RECITE
Director0 bacharel em nialbematicas
BERNARDO PEREIRA DO CARMO JNIOR.
O director do intrnalo de S. Bernardo, acogiendo aos iiedidos de varios pai-
respectiiM collegaes. e de mitras pessoas desta capital, removeu o seu olabobrimouti'
da Capunga para est cidade.
Nao lendo evitado esforcos nem sacrificios para proporcionar aos seu-.ilumni
uuia perfeita educacao pbvsica," moral, intclleclual e religiosa, oflerecemlo-lhes nina --
bitacao com bastantes condicoesde salubridade. habis professores ipie sao mmVifa. om
prepralos convenientemenle ao fim que se deslinam, medico praliro que Ibes i
oomprehender os proceilos da hygiene e Ihes cure das doeneas. e linalmenie um >ac.i
dote Ilustrado e honesto qne Ibes explique os principios da religia ehristaa. espera ipi.-
assim constituido nao deixarj o seu estabelecimento de noraeef es Srs. |iae> do fami-
lias o auxilio e confianca com que j algn* o lem honrado; e llios raga, heuironioa
todas as pessoas interessadas. que se dignem de visitar o mesmo >eu e*lnboleeiinonti>.
onde sempre encontrarao franco ingresso.
O collegio tem a sua sede no espacoso edificio n. 32 rua da Aurora, rontifoo a
do collegio dos orphos.
Nos estatutos do collegio, que esto dis|osieao de quem os quizer l.-r M aoham
consignadas as condides de entrada c matricula as diversa* aulas do e-iahelori-
mento.


^
DE
Quem precisar de um criado ou un cozi-
nheiro, dirija-se a rua Nova n. 48.
Michelangelo Lacorto, subdito italiano, reti>-
ra-se para fra do imperio.
A administracao interina da veneravel or-
dem terceira do (jumo do Recife avisa a todas as
pessoas que estn de vendo foros a mesma flfdem,
queiram vir paga-Ios ao seu i procurador nfc An-
tonio Coelhu, na rua eslreita do Rosario n. 17,
dentro do preso de oito dias, e nao o faxendo no
mencionado praso sero cobrados judicialmente
com as penas da lei do commisro.
- Luit do Pinho Tayares, tando de retirar-se
para o sertao a trotar de sua sauebt, tom justo e
contratado com o Sr. Joao Luiz, dos Sanios a venda
de sua taberna sita na rua do Codorniz n. 3.
Os Srs. Manoel de Souza Leao, Joao Paulo de
Carvalho c Minervino Augusto de Souza Lelo an-
parecam na rua de Hortas n. 21, primeiro andar,
a negocio._____________________________
Precisa-so de um forneiro para urna padaria
de pouco trabalho ; a tratar da rua Direita n. 8V
F. Souvage v C, administradores da massa
fallida ai: IMogo, Filho & C, (onvidam aos credo-
res para que no termo de 8 dias do presonte an-
nunoio aprcsenbsm os seus ttulos aflm de serem
verificados cclassificados, vslo como depois desse
tormo tem de darem por (Indo dito trabalho com
os que tiyerem sido aposentados._____________f
Alnga-se o segundo aadar do sobrado n. 37
darua do Imperador i l tratar na nrsma rua, ar-
mazem n. 41.
DE
J. VIGNES
V A. ROA DO IMPERADOR X. ftft.
m i
Os pianos desta antiga fabrica sao hoje assaz|conhecidos, para que soja necessario i
sua superioridad, vantagons e garantas que offerecem aos compradores, qualidades osos ii
veis qu e/lles tem donitivauejite conquistado sobre todos os que tem apparecado nmu praf; |
suindo um teclado e machinismo que obedecem todas as vontades e capricho das pianista,i
nunca falhar, por seren fabricado* de pro|)osilo, e terse feito ltimamente melhoramenU importa
ttesimos para o clima deste pa; quanto s vozes sao melodiosas e flautada, e por isto mul agrada
veis aos oirvidos dos apreciadores. _._
Fazem-se confonae as encommendas, tanto nesta fabrica coeio nado Siv Btaadel, de Paria, sien
correspondente de i. Vignos, em cuja capital forain sempre premiados em todas as expoeifdes.
No mesma estabelecimonto se acha sempre mn eiplendido e vanado sortimentn do mstoasd- -
melhores compositores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmonioos. sendo mdo "Mi
por precos muilo razoaveis.

.


4
K
PROTECCO
PROTECCAO
Pias-lo de Peraaibneo ftexta felra de Agosto de 18*8.
Para padaria fin Macei.
Precisa-se de um bem mestre de asseira, pa-
ga-sc bem : queni estiver nestas oirtrj instancias,
dirija-se ao caes! de Apollo n. 53, armazem de Jos
uartc das Neves.
PBOTEJAM FREGUEZES
AO .\OVO ESTABELGGHEHTO DE FJLZEXDAS
NI RA LO CRESPO N. 17,
DE
JOS GOMES VILLAR,
c/>
Vende-se aaratissnii
Fazenda de phantasia.
Vesdosde blonde em capella e manto,
para 'casamenta.
Vertidos de cambraia branca bordados.
Manteletes pretos bordados compridos.
Cassas prwtas a Lurz XIV. *
liapeliuas de palha a Mara Pa.
Saias bordadas de 4 pannos.
Cambraias Usas de todas as qualidades.
Saias a balao de arcos e de panno.
Oiitas trancezas linissimas.
Laas de todas as cualidades para vestidos
de senhoras.
Meiaspara senhora, vindas de Inglaterra.
Cassasde cores liados padrOes a 280 rs. o
a dinlirirn avista.
Fazendas brancas.
Madapolocs francczcs finos.
Madapoloes de jarda finos e enfestados pro-
prios para camisas c saias de senhoras.
Madapolocs de 1$, 8$, 9, t0, 11 e 125
a peca.
Bramantes de linho belga c de outras mui-
tas qualidades, sendo de 10 palmos de
largura c outros de i palmos.
Esguides, selocias, bretanhas.
Toalhas de linho para mesas de 28 palmos
de comprimento.
algdoes de todas as
Toalhas para rosto
covado. qualidades.
E outras inuitas fazendas baratas
Um grande so ruine uto
demosicas para piano e canto sendo de tedas as forras, vendem-se baralissimas.
AURORA
LARGO D A
BRILHANTE
L 84
SANTAGRIZ.
I CS
g*
o 0
:t-III A ESTREITA DO R0SARI0-3
Francisco Pinto Ozorio contina a col-
locar dentes artificiaes tanto por meio de
molas como pela pressao do ar, nao re-
cebe paga alguma sem (|iie as obras nao
Uqiu'in a vorttade de seus donos, tem pos
e outras preparacoes as mais acreditadas
para conservaeao da bocea.
;
COMPRAS.
Compram-se dous ornamentos sebatos en-
carnado e ortico, verde e rxo, que estejam em
bom-nso, com os seus pertenees, ealix, missal e
pedra: em casa do sachristao da ordem terceira
de S. Francisco.
Compra-se cem milheiros de tijolos de alve-
naria grossa, a dinheiro, sendo de boa qualidade :
a tratar na ra da Matriz da Boa-Vista, casa n. 5i,
esquina da ruaVelha.
?o grande arinazem da aurora brilhanle o respeitavel publico encontrar sempre um
grande sortimento dos melhorese mais novos gneros que tem viudo ao mercado e por pre-
cos sempre commodos, tanto em'grandes porcoescomo a retalho.
Latas com peixe em postas savel, sal-
mao,wlmonete, congro, goraz, par-
go e outras umitas qualidades mili-
to J>em preparado a i 000
Ditas com aineixas francezas a libra a 1,5000
Ditas com biscoutos inglezes de va-
rios ttulos muito novos a 15500
Ditas eaui ligos, peras, pecegos, gin-
gas, alperxe e outras a 600
Ditas com crvillias novas a 640
Ditas com marmelada a 640, 960 e 14X80
Ditas com massa de tomate a 640 e 1240
Cha iimi o melhor neste gener" a
2800 ... 35200
Dito hysson muito superior a 25800 c 35000
Dito dito a 25, 25W0 e 25600
Dito preto de aza branca a 25000
Dito do Rioem latas a 15500. 15600 c 15800
Doce de goiaba caufl a 300,640,800e l5000
Linguicas do sertao e carne a libra 320
Chouri^as e paios de Lisljoa e presun-
to de Lamego a libra a 500
Presuntos inglezes para tianitre a li-
bra a ......800
Queijos do reine muito novos (eobcr-
tos) a......25500
Massas para sopa, talharini. macar-
ilo, aletria, jtevide e estrellaba, ar-
roz de massa, rodinha a libra 500
Arroz, da India a arroba 35200 e do
Miyanhao 3*500 e a libra 120
Caf do Ceara a libra 320 e do Rio a
280 e ,.....320
Dito dito a arroba a 95500, 95400 e 85500
Vinlios lia novo supprimento.
Vinho da Figueira da propria uva a 560
Dito dito a 400 e .500
Dito de Lisboa de boas marcas a 400 e 480
Dito branco proprio para missa a 480,
560 e......640
Dito tinto do Porto, nienezes chamico
duque e outros em pipa a 640, 720 e 800
Ditos genuinos engarrafados com os
nomes gravados dos autores as
garrafas a 15200,15500 e .
Servejas, chanipanhe, licores, cognac e
BordcauZ e outros lquidos que se
vendem baratissimos
Bolachinha inglcza a 25 a barriquinha
e libra......
Dita de aramia doce e agoada biscou-
tos etc. ai.....
Caixas com 2 arrobas de batatas novas
a arroba a.....
Genebra de Hollanda frascos grandes e
perneaos a 640 e ...
Dita de laranja aromtica a
Manteiga ingleza Qor a 720 e
Dita mais abaixo a 600 e .
Dita franceza nova em barris emeios.
a 600 rs. a libra e .
Dita em barris de 22 libras a
25000
200
320
15280
900
15000
800
640
<
o
<2 c
Calcado francez, na loja do vapor, roa
Nova n. 7.
!
|| digno de attencao os novos sorti- g |
M montos de calcado francez, chegado 3>
os dita loja, e mui especialmente as mo-
= dernas botinas com differentes e novos g
3 enfeites para senhoras e meninas.
NOTICIA NOTICIA NOTICIA.
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartees de visita
Cartdes de visita
Cartoes de visita
Cartdes de visita
Cartoes de visita
Cartdes de visita
Cartoes de visita
Cartdes de visita
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000 a duzia
85000
duzia
duzia
duzia
duzia
duzia
85000
85000 a- duzia
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Ba do Imperador
Ra do Imperador
Ba do Imperador
Ba do Imperador
'este estabelecimento ha sempre saceos com farinha, milho, feijao, farello
casca, .tudo da melhor qualidade e por menos do que em outra qualquer parte.
640
640
arroz de
i 1' .1JII % O II t AURORA.
Nesta g Jinle e beia montada fabrica de marhinismo, a mais artiga no imperio, con-
iiiKta-.se a exeoitar com a ruaior presteza e perfeiejo encommendas de toda a qualidade
ile macliinas usadas no paiz, tendo sempre prompto o seguintc :
Grande sortimento de -moendas de eanna de todos os systemas e tamaitos.
Machinas de vapor de diversas qualidades.
Tahas fundidas e batidas.
Crivos e boceas para fornalhas.
Bronzes e aguilhes.
Rodas, roletas e rodas d'agua.
(uindastes ixos e portateis.
Machinas de cyKndros para jwdaria.
Sertas de a^o para serrara.
Fatediaspara haceos, ele., ele., tudo por-preco que bem convida.
Offerece-se
um rapaz que entende pdrfeitamcnte do trafico de
padaria, para caixeiro ou para outro qualquer ne-
gocio : quem precisar annuncie._____________
Aluga-se a loja do sobrado, sito no pateo do
Terco n. 12, tendo armacao para taberna : a tra-
tar na ra da Praia n. 36.
BAMCO ITMI&O
ESTABELECIDO NAODADE DO PORTO
Agentes em Pernambueo ^
Autonio i.ult de Olivelra
Azevedo k C
Sacam por todos os paquetes sobre o
mesmo banco prazo ou vista, sobre a
caixa filial em Lisboa, e agencias em Fi-
gueira, Coimbra, Aveiro, Vizeu, Villa-
Real, Regoa, Vianna de Castello, Guima-
res, Barcellos, Lamego, Covilhaa, Braga,
Penafiel, Braganca, Amarante, Angra,
Ilha da Terceira, lina de Faias, llha da
Madeira, Villa do Conde, Valonea, Bastos,
Oliveira de Azemeis, Chaves e Fafc, a
oito dias vista ou ao prazo que se conven-
cionar.no seu escriptorio ra da Cruz
n. 1.
Ainda est para alugar-se a grande casa jla
ra de Joao Fernandos Vieira n. 52, com 4 salas,
7 quartos, cosinha fra, quintal todo murado, com
parti para um sitio tambem murado, que tem
boas fructeiras e urna baixa de eapim : tratar na
mesma casa.
- Aluga-sc a casa terrea n. 72 na ra Imperial
com 6 quartos, quintal murado e cacimba : a tra-
tar com Jos Dias da Silva, na ra do Imperador,
[ sobrado n. 2, entrada pela ra de S. Francisco.
Ainda est para alugar-se o sobrado na ra
dos Coelhos n. 10, onde moraram os padres lasa-
ritas.__________________________________
Joao Antonio Carpinteiro da Silva relira-se
para Europa deixando na gerencia le seus esta-
liclcriiiii'ntos sen socio e sobrinho Manocl tiarpin-
leiro da Silva, que tamlieiii tica cncnrrcitaqVt mais negocios do annunciante como sen procura-
dor. Recife 4 de agosto de 1863. _____
O Dr. Joao Jos Ferrcira de Aguiar mudou o
seu escriptorio de advogacia para a ra do Impe-
rador n. 75, primeiro andar._________________
Jos Rento Justo e Joao Antonio de Sampaio
retiram-se para Europa, se alguem se julgar credor
dos mesmos queira diri gir-se casa do Sr. Joao
Antonio Carpinteiro da Silva no lugar do Man-
guinlio._________________^__________
Aluga-se a casa da Capunga Nova, confronte
a guarda, conserta da e pintada ajxmco, quintal e
agua de beber, por commodo prego; tratar ao
pe da mesma, ou no pateo da Santa Cruz n. 18, ou
no Bccco-Largo n. 1 A_____________________
Club Commercial.
Os Srs. socios do club Commercial sao convida-
dos para reunirem-se no dia 8 do corrente por vol-
ta das 6 horas da larde afim de deliberarem sobre
assumpto de importancia.
______________________ l"m socio.______
Na loja do Sr. Jos Barbosa de Mello, no Be-
cife, est venda os Ligueiros, ensaio sobre a ac-
tual siluacao poltica do Brasil, por Bellarmino
Barretto, autor do opsculo o Sr. Christie, no
Brasil.
Compra-sc urna ou duas vaccas paridas ha
pouco lempo, ou que estejam prximas a parir :
na Estrada Nova, primeiro sitio depois da primei-
ra bomba a direita.
Compra-se um mulato de idade de 16 20
anuos, proprio para pagem, e urna negra que cosi-
nhe e engonlmc bem, na ra da Cruz n. 1.
Compra-se
Cobre, lato e chumbo velho, no armazem da
bola amarella, nooito da gaz da ra do Impe-
rador.
Compram-se Diarios ou jornaes : na ra No-
va n. 5. ________________^___
Compra-se effectivamente ouro e prata em
obras vclhas : na praca da Independencia n. 22 lo-
ja de bilhetes.
YENDAS.
-^ Espirito de vinho.
Na ra do Cotovello n. i vende-se espirito de
vinho de 38 graos a 240 rs. a garrafa, e em cana-
da a 1J600.
tara engenht
Vende-se urna meia moenda de ferro nova com
rodetes de ferro, parafusos, bronzes e todos os
pertenecs para moagern de canna, assim como 4
tai xas de ferro coado de 5, 6 e 7 palmos de bocea
por menos preeo que em primeira mao : a tratar
com Antonio Gomes da Cunha e Silva na ra da
Cadeia do Recife n. 50.______
\ov:i pechincha de liias encesta-
das a -tOO rs. o covado.
Si'i o Pavo.
Vendem-se laazmhas enfestadas transparentes
com delidados padroes sendo de una s cor com
listras e quadrinhos e vendem-se a 400 rs. o cova-
do : na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de
Gama & Silva.
Farinha de mandioca
em poreao c a retalho : a bordo do palhabotc D,
Luiz I, ancorado junto ao caes do trapiche Raro
do Livramento, no Forte do Mattos.
ALUGA-SE
Na ra da Gloria n. 89, aluga-sc um moloque es-
colente cozinheiro.
O abaixo assignado, morador na villa do Pa-
co de Camaragibe, vende as suas tres barcacas a
saber : Abi/smo do Pa^o, de lote de 550 saceos com
' issucar; Flor do Pa<;o, de 450 ditas; e Paquete do
! Paro, de 380 ditas ; pr/>mptas a navegar. Ellas sao
; fu conduzcm toda a safra desta Ribeira c muito
ccrcditadas. Assim como vende o seu trapiche,
i ornis bem montado desta provincia, e mesmo de
' Pernambueo; de pedra, cal e tijolo, tem capa-
cidade para mais de 10,000 saccas, guindaste de
< ftrro collocado no primeiro lugar desta villa, que
cebe todo o assucar que se transporta desta Ri-
b*ira ; tem casa de vivenda na frente da ra do
; Cjmniercio, com o fundo para o trapiche, e outras
okras principaes de tijolo, e tudo murado, dentro
miitas fructeiras e bastante terreno para planta-
SCes e hortalica. O abaixo^assignado est resolvi-
a fazer todo o negocio a praso ou a dinheiro,
ou como convier ao pretendente, propria para'
queai est aborrecido de morar na praca ". a tra-
tar r.o mesmo trapiche com o proprietano.
Joaquim de Souza Silva Cunha.
Familia de mandioca
em saceos grandes a preeo muito em conta|: no
trapiche do Cunha no Forte do Mattos.________
Vende-se um mulato de idadeyle 22 annos,
excellente copeiro, muito fiel e sem vicios, pro-
prio para pagem de algum estrangeiro ou outro
qualquer que pretenda : a tratar na ra Augusta
numero 29.
J] MUITO BARATO.!
H| Na ra do Queimado n. 10 loja de Fer-
jsg rao & Maia vende-se laa matisada a 200
s5 rs. o covado, chales de touquim a 6, 7 e J
jgg 8,5, ditos de la e seda a 1800. J|
Vendem-se 3 vaccas paridas, do pasto : quem
as pretender e quizer ver e tratar na estrada do
Rosarinho sitio da capella.
ASSOCI f *0 OTMEfiCIAL BOE-
FICEM TE DE FEBWMBtCO
\au liavcndu cin|iarfdu numero suflicteute de
Sm. socios fUeclhi*; a rcuiliu de assemlila (p-ral
niiitiH'aila para Inijr. alim de M Balar do disposlo
nos arls. 20 e 2S dos eslaltites, a direrco rimvhla
ilc man os Srs. socios para o dia 7 do rwrenit a mrio di t.
Sala das sessdes da direrro da Assoriaro fom-
mercial leaffeealt de Peraamliuro > de agosto do
1N63.
0 wcrclaijo,
l)omiii(|os Ibes Mallieus.
Precisarse alagar vnmeleqnede 10 12 an-
uos : por traz da Concordia indo pelo becco do
l'ocinhoa virar na beira do rio primeira csa sem
numero, jauto ao sobrado da esquina.
O rapaz iju" se offerece para raixeimde pa-
daria, do que entende e teni pratica. dirija-se a
ra do Rosario da Boa-Vista nf&l, taberna, para
11 atar.
i
Club coramereial.
Ilavenilouma directora constituida legahueiite,
nao podemos aeeitu oonrites de quem qner pie
seja...... pan raonifies de assomptoe ie importa*-
i.i. qaande ectes nao partirem da mesma direceo,
Alguns socios.
0 ala\<> assignado, tendo-se despedido da
ihesouraria das loteras, aonde era empregado, c
bastante penhorado )>elas itianeiras com que sem-
ine foi tratado pelo senbor thesoureiro, jnlga do
-ii sinceros agradecimenlos.
Manocl Martin Fiuza.
^J^I^'lMl}!^^ "=B
m
DENTISTA DE PARS
19Ra Nova-19
Fredi'iico Gauticr. <-irurgio dentista,
(ai todas as aperaeOes de sua arte, e col-
loca leales aiijlicies, tudo com superio-
ridade perfekio, que a* pessoas .enten-
didas Ihe reconhecem.
Tem agua e pos dentilkio.
O Ll \ no do rovo.
Segunda edico mais correcta, ornada com
-21 eslampas, e augmentada com 48 paginas
ile texto, contendo: a vida de Nosso Senhor
Jess Christo, fbulas, o vigario, o bom ho-
mem Ricardo, quadrupedes uteis, o profes-
sor primario, moral pratica, SimSo de Nan-
tua, mximas e sentencas, hygiene, receitas
necessarias, o Brasil: vende-se na livraria de
Manoel Figueira de Farif A Filho, praca da
independencia ns. 6 e 8, a 600 rs. o exem-
^'ar em brochura, e a 19 cartonado.
Precisa-se de una ama para casa de tapases
solteirus : no pateo do Carmo n. 9.
Pede-se ao Sr. Iiaeliarel Manoel Firinino de
Mello qoetenha a bondade de vr se entender com
a viuva meieira do casal do fallecido Joao Hcnri-
qui' da Silva, relativamente a parte que vendeu
do engenho Queimadas, ao Sr. Dr. Fernando Afibn-
10 de Mello : pde-se dirigir a roa do Crespo nu-
mero 7, loja.
Na ra de Crespo n. 20, esquina, existe orna
prela para alagar excellente engommadeira e co-
sinbeira.
Joao Caetano de Abren, solicitador dos au-
ditorios desta cidade, faz sciente ao publico, cora
i ipeciaJidade aos seus clientes e amigos que mu-
du sua residencia para a ra da Praia de Santa
Bita Nova n. 49, onde morou o. Sr. Dr. Buarque,
engnlieiro da estrada de ferro, onde sempre acha-
rad, das 6 s 9 da uianliaa, e das 4 da tarde em
diante.__________________________________
Cozinheiro.
Ha um para alugar-se : na ra do Crespo nu-
mei o 20, B._____________________________
Precisa-se de um bom forneiro : na ra do
Rangel n. .___________________________
& O rebolo branco da ra do Rangel
n. 18, est preparado com 16 rebolos c um de
amostra para amolar todo o ferro cortante, assim
como tem afladons de cortiea da tena superiores
aos rindo de fra, e usina como se deve sentar a
navalha no aiador, pode ser procurado a qualquer
bora.
Quem precisar de um cosinheiro ou criado
para todo serrieo de urna casa, dirija-se ra do
do Cabug n. 3,"segutfdo andar.
O hachare! Francisco Augusto da Costa tem
estabeleeido o seu escriptorio de advogado na ra
do Imperador n. 69, onde pode ser procurado das
9 horas da manhaa s 3 da tarde. Encarrega-sc
de questao nos termos do Cabo, Escada, Ipojuca,
Agua-Preta c Olinda.
TINTURARA.
Tinge-se com perfeico para qualquer
cor, e o mais barato possivel: na ra do
Rangel n. 38, segundo andar.
o n. 29.
Noca loja dos barataros, ra do Queimado.
Laas de ultimo gosto, covado a 4i0 rs.; organ-
dis de padroes lndisimos, varas a 800 rs.; ba-
bles de arcos o melhor possivel, a 3500, 45 c 5 ;
alpaca de linho para vestidos, covado 240 rs.;
cambraias de cores para vestido, covado a 280 rs.;
eambraieta muito lina, peca de 12 jardas a 75 ;
cassa lisa pelle de ovo, peca de 12 jardas a 7(500.
.4 n. 29.
floro loja dos baratriras, ra do Queimado.
I'alelols de marin setim, fazenda de cusi de
205 por 105 : ditos de alpaca preto a 35200; brim
branco lona, vara a 640i brim de cores para cal-
ca, corado a 480 rs.; camisas com peilos de fustao,
a 1-jIKhi : chapos de sol de alpaca, a 35500.
Ao n. 29.
Nova luja dos bitrateiros, ra do Qnenado.
Para acabar.
Ricos preto de linho, vara a 120, 160, 210 e 320
rs.; ricas franjas e trapeas pretas e de cores, vara
a 120,160 e 200 rs.; trancas e galoes de laa e de
algodao, pecas de 10 e 15 varas, a 200 e 400 rs.;
froco fino e grosso, peca a 160 rs.; vcslidinlios de
cambraia bordados, pa'ra baptismo, a 25-


Sellins inglezes
chegados casa de Izidoro, Netto 4 C, ra da
Cruz n. 2.
ALVI Sao chegados loja das columnas
na ra do Crespo n. 13 de Antonio
Correa de Vasconsellos & C. riquis-
sin.os cortes de la muito fina com
barras estampadas e matisadas Im-
peratriz 12ugcnia, cores as mais deli-
cadas como sejam: cor de ganga, de
lyrio, cinza etc., fazenda fnteirann'ii-
te nova e nunca vista em Pernam-
bueo.
I Aluga-se na ra da Cruz.
Est para aiugar-se o grande armazem e pri-
meiro andar da casa da ra da Cruz n. 35, o qual
tem frente e sakida para defronte da Lingoeta, mui-
| to proprio para escriptorio de algum Sr. negocian-
' te ; tratar na ra da Senzala Velha n. 106.
AOTKITOCM
Vende-se na ra de Joao Fernandes Vieira, sitio
de grades encarnadas n. 7, um excellente e, delica-
do cavalinho alasao, de boas carnes, muito novo, o
mais pequeo que. se poder encontrar nesta espe-
cie, muito proprio para menino pelo seu diminuto
tamanho, boniteza e mansdao.
MUDANCA.
diques sobre
O abaixo assignado, agente do Ij
Portugal.
Aiuga-se um mulato
Crespo n. 20, R, loja.
cozinheiro : na ra do
Aluga-se a casa terrea da ra Imperial n.
66 : os pretendentes dirijam-se Caixa Filial.
\;h me sendo possivel permane-
cer em casa todo o dia para sati&fazer
s consultas medicas daqoelles que me
pr cura i, por quante tenlio doentes
de minlia clnica, a quem devo m^us
cuidado?, sen Coreado a declarar nova-
mente que s m permittido dar con-
sultas das 6 s 9fcuras da manliaa, e, em
casos urgentes, das3 s 5 da larde,
Dr. Joaquim d'Aquino Fonseca.
Aluga-se em Olinda o sobrado n. 3 na ra
deS. Renlo com a sua competente loja e quintal,
tem bastantes commodos para familia e aluga-se
muito em coma, principalmente se a pessoa que
alugar quizer fazer alguns pequeos concertos que
precisam fazer-se, descontando-se a respectiva
despeza nos alugueis: para tratar n Recife com
Claudio Dubeux.rua do Imperador n. 43. ____
'Preeisa-se de una ama de leitt
mas que tenlia, quando muito at 6 |
mezes decorridos na criaco de que
se aclie enarregada: na ra estreita
do Rosario n. 31,3" andar, por cima
do armazem de trastes do Sr. Mo-
reira.
AMA.
Offerece-se una mulher para ama de qualquer
casa de familia, sendo boa cozinheira, e para todo
j o mais Borrico de portas dentro, menos engom-
niar : quem precisar, dirija-se a travessa da Ma-
dre de Dos n. 18, que ahi se dir quem 6.
CInb commercial,
Pergunia-se a noi're dreccao, emnome de quein
feito o convite que se > Dim'io de hontem tf...
Se qualquer socio se acha .uitorisado a convocar
publicamente urna reuniao da *ociedaue f? A d-
reccao ignora por ventura que ri^P"*11 J'3
sociedade? ou ser isto principio da a.?^"
Um socio ligueiro.
Joao da Silva Ramos, medico pela Uni-
versidade de Coimbra, d consultas ero
sua casa, na ra Nova n. 50, das 8 s 10
horas da manhaa, e das 4 s 6 da tarde, e
recebe igualmente convites para dentro
ou fra da cidade, com o fim de se encar-
regar de qualquer servico de sua profls-
sao.
Os chamados deverao vir por escrpto.
Alugam-se duas grandes casas terreas beira
do Capibaribe, na travessa da. ponte de Ucha
Sant'Anna, com baixa de capim e arvoredos, ten-
do urna deltas 3 salas, 4 quartos, sotad, e indepen-
den es cosinha, 2 quartos, e estribara; e a outra 3
salas, 5 quartos, sotad com janellas, e grande cosi-
nha, com calcada no oitao do lado do norte, jar-
Uim, coxeira, estribara, e i quarto para creado;
tratar na ra da Mangneira na Boa-Vjsta n. 4 ou
ra do. Anjorim no Recife, n. 54.
mercantil Portuense nesta cidade, saca ef-
fectivamente |,or todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
qualquer somn.a, vista e a prazo, po-
dendo logo os saquee a prazo serem des-
contados no mesmo banca, na razao de 4
por cento ao anno aos portadores que as-
sim Ihe convier as mas do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
- Alugam-se a loja do sobrado n. 193 e armazem
n. 171 da ra Imperial, o armazem n. 4 da ra do
Apollo, e a casa n. 27 da ra do Ourgos : na ra
da Aurora n. 36.
CASA DE SALDE m
Em Sanio Amaro
o Dr. Uva Ramos.
nico estabelecimento desta natureza
que existe entre nos, montado do modo
que pode com todo o commodo e zelo tra-
tar qualquer doente, que nella seja reco-
lhido.
O edificio magestoso c conservase
em perfeito estado de limpeza c conve-
nientemente mobiliado.
Os doentes sao separados, segundo os
sexos, natureza das molestias e condieoes
sociaes.
Ha quartos fortificados para os aliena-
dos, e urna enfermarla para as partu-
rientes.
O proprietario encarrega-Se de qual-
quer operacd.
O estabelecimento franqueado qual-
quer pessoa que o queira visitar.
Primeira classe 3000dia/ios.
Segunda dita.... 25500 >
Terceira dita.... 2*000
Para que qualquer doente seja ali rece-
ido, basta que se mande onome do docn-
te"e da pessoa que o remelle, com a de-
claraco da morada.
0 proprietario aceita contratos annuaes
com qualquer que queira ter um ou mais
leitos sua dispoie,o.
Est para alugar-se metade de um segundo
andar de um sobrado, prefere-se a pessoa de pou-
ca familia ou alguma senhora honesta : quem
quizer, dirija-se a ra da Penha n. 15, primeiro
andar, que achara com quem tratar.
O rival sem segundo mudou o seu estabe-
lecimento do n. u para o n. 49 da mesma
ra e contina a vender em todas duas lojas
as miudezas abaixo declaradas e queiram
prestar toda attencao:
Sabonetes inglezes muito finos a
1G0 e.........
Frasco d'agua de colonia peque-
o muito fino......
Dito dito grande muito superior. .
Frascos de macassar perola a. .
Ditos de macaca oleo a. .
i Frascos de oleo Barbosa a 20,
320 p.........
Dito dito muito superior a 300 e .
Dito de banha muito lino a 100 e .
Frasc is de Lavande mui ti i superior.
Garrafas d'agua celeste muito su-
perior a........
Frascos de ebeiro muito linos
300 e.........
Ditos de banha pequeos muito fina.
Dito de opiata pequeos. .
Tbesouras muito linas para urinas.
Gravatas de seda de cores .
Lavas brancas de algodo .
Caivetes de folbas muito finos .
Gaixas de colxetes francezes e car-
toes .........
Grampos de caracol e lisos. .
Caixas de vi0ro com t dedaesde
metal.........
I Massode palitos lixadospara denles.
Grasas de botoes de ac para calca.
Caixas com 0 frascos de ebeiro. .
Escovas para cabello muito finas .
Carteirasdemarroquimmuitofinas.
Pecas de tranca lisa encarnada. .
Tinteiros com tinta muito superior.
Ditos de vidro com tinta mais in-
ferior.........
Cartas de alfinetes francezes .
Cornetas de chifre para meninos .
400
400
300
00
100
G40
300
EMO
1)000
800
*00
200
100
3O0
100
320
40
40
320
100
320
lr)000
40
040
20
160
100
40
80
NO AR1AZE1 DE FAZKND.IS MMTAS

AXTOM (OlvLHt
Ru4eQwiaMfcl.lt.
Vende-se o seguate :
tobtrta
de chita da India, a 2:ooo rs.
Lmr*s de pna
de linho, a 2:ooo rs.
i.en<;oe>* de branuiate
de linho, de uin panno s, a 2:8oo rs.
Toalhas aleedMadas
para mo, pelo baratissimo preeo de .l.ooo
rs. a duzia.
Rica vcilidMai
de seda para meninas, pelo baratsimo pre-
eo de 4:ooo rs.
Leaeas de seda
pelo barato preeo de l:ooo rs.
Saias de fntue
pelo baratissimo preeo de 5:5oo rs.
Lencos de r*mhr\i
brancos finos, proprios para algibeira, duzia
a l:8ooe 2:ooo rs.
Leafos de cassa
(inissimos, proprios para algibeira, pHo ba-
ratissimo preeo de 2:4oo rs. a duzia.
Cartea de ratea
de ganga mesclada, de listas e t\e quadroei,
fazenda superior, pelo baratissimo pn-ro de
l:2oors. o corte.
Pef as de BaadapolW
largo superior, pelo baratissimo preeo de
8:ooo rs.
Peeas de bretaaha
de rolo com lo varas, pelo barato preeo de
3:2oo rs.
Pecas de eaatara
de salpicos, fina, com 8 12 varas, pelo ba-
rato preeo de 4:ooo rs.
Atoaludas de Inm
com 8 palmos de largura proprio para bs-
Itia de meza, a 2:5oo rs. a vara.
Toalhas
de linho para meza, a 3:ooo rs.
Barege
de lindos gostos, pelo barato preeo de 48o
rs. o covado.
Esleir da ladia
propria para forro de sala, de 4, 3 e 6 pal-
mos de largura._____
HO VO RIVAL
LOJA DE MIUDEZAS
Ruado Quema<1o n 61.
Massinhos com 27 grampas surtidas a : rs.
Caixinhas com ditas a fiO e 80 r-.
Pecas de tranca de la lisa encarnada a JOis.
Ditas de dita .le caracol de la de cores a CO rs.
Ditas de dita de caracol branca a 80 rs.
Ditas de dita de caracol mesclada a 100 rs.
Ditas de lila trancada tiara debrum a 80. I*) e
160 rs.
Filas c conloes |>ara enfiar espartilbo a 60, 80
120 rs.
(^aixmhas com 18 pares de rob-hes ,i *> e
40 rs.
Cartdes com 14 pares de ditos a H r>
Ditos com 25 pares de ditos a 60. 80 e r-.
Pares de luvas de montara para hotneni a 'iiO
e 1,3000.
Ditos de ditas de seda para senhora a 600 e U.
Ditos de ditas de Escocia para senhora a IOS e
400 rs.
Pecas com U varas de franja para cortinado u
Vara de franja de seda preta e de cores a Wn,
600 e 800 rs.
Dita de tranca greca de seda em caracol a 200
400 e 600 rs.
Dita de hicos e rendas brancos e prHos a !>,
140 e 200 rs.
Dita de galdet brancos lavrafca a 120 e !'<.
Oitava de retroz preto c de enea a 160 rs.
Escovas para dentes a 160 e 400 rs.
Gravatas de seda modernas a 240 e ."no i -.
Lindas capellas para meninas c noivas a laio
euooa
Duzia de caixas de plios|(horos a 160 r-.
Peales de alar cabello a Vi. 160 e 24 i -
Caixinhasde lamparillas para seis mez
Resma de papel almaeo Rse a iin i li
Dita de papel de peso' imitado a .'t-3400.
CaWnbaeom 10 airrelopes a 80 rs. i',.
Dita fc lacre a 200 a 400 rs.
Dita de obreias de massa e de oda a 80*
120 rs.
Dita de pennas de lauca e calvgraiibic
1-3200.
Frasquinhoscom tinta azul e.ncarnada i 24o i-
Lapis ameseencarnados a I2u rs.
Duzia de lapts de poa 80 12o i-.
Dita de faca> e ,'arl'u braiici e pn
Massosde palitos lixadus superiores a ?.
Teaooras diversas a no, MO, Mh t '*>.
Ditas grandes de (juiiiaraes |iara alfai.de ,i i;
e 15-
Atacadores de cornalina para pal, i
Duzia de canudos de pomada do Borlo a 28i.
Fraseo de raaeassarperea a I60e vo.
Dito de Patcbulv a M W.
Hitos grandes cun BfiM fcesfcafcl Hietli
rcis.
Ditos Voni eetraelos lasa a i-i.
Ditos com banha Iranceza I SM I ,
Cakadeiras de chifre a lo rs.
1'. olios outros objectos. tudo barato.
Ycnilem^e caues vazit pr-
prios para bahuleirosa 1$280, ia ra
das Crozes n Ai.
PAPEL
de oorrs para lisias de rlel<<
A aguia branca sup|xV SJM nao faz mal em nlU'-
recer aos athletas uns pacotes cimii 2^>t i.,iiu-
l>apel de cores, que pude servir ojitiinauu-nie para
lisias de cleitores, e tanto melhor por distar c*l,i
pacota o diminuto preeo de l.'0O. -,-r rada um
ile una su cor. o Ojoe dilliril deencmilrar i
ser na ra do CJueiinado. loja d'aguia branca m. H.
\.i mesma lojalamlxin ha de mitras <|iulnll>-.
branco e azul, assim cuino aaretopes.
Mais >>ara Lindas cassas irancezas de cores miudinhas, de
superior qualidade a 200 rs. o covado : na loja
das columnas, ra do Crespo n. 13, de Antonio
Correia de Yasconcellos 4 C.
Vende-se a armacao com todos os pertcnces
c gaz da taberna da ru da Lingoeta n. 3 : a tra-
tar na ra da Cruz n. 36.
Cal de Lisboa
a mais nova do mercado : na ra do Vigario n.
19, primeiro andar.
GAZ.
No armazem de louca da porta larga, ra larga
do Rosario rt. 26, vendem-se latas com S galoes de
gaz a 125, assim como latas de a garrafas, e em
garrafas muito em conta; garanlc-se a mralidade.
INJECCAO BROW.
Remedio infallivel contra as gnorrheas
antigs e recentes, nico deposito na bo-
tica franceza, na da Cruz n. 22, pre-
eo 34.
RETRATOS
DO AIITISTA
mmm wtmt
Ntidamente Mograpaados^eai Pars viadas prfci
parirte \a/arrr.
Preeo de eada retrato lJt:
Vende-se na loja de I\tos ao p do are r
Santo Antonio.
AGENCIA
DA
FUNDICiO BE L0W-M001.
Itu'a da Senzalla aova a. II
Neste estabelecimento contina a narer
um completo sortimento de moendas e mesas
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os.
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas pora
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston A *'..,
ra da Senzalla Nova n. 4i.____________
Vende-se na ra dos Guaranaes u. ta, <
bom escravo proprio para o senrie* Mmmmm
ou de sitio, 4 carros de carregar geaarw, esa Nsa
uso, um terreno com 102 pannos fc Irsate e 1
de fundo, com porto de embarajoe,
do Brum.

v
i


"-

i f .1 iiirii|m

I '! II. I II |
wmm
>
4-
Ufarlo de Pe
!


",
na
NOVA EXPOSIQftO
leja do lVio, de fazeudas bara-
tissimas.
Neste estabelecimento acha-se constante-
mente um grande sormento de fazendas
de gosto e de primeira necessidade, sendo
tanto proprias tara a praca, como para o
mato ; de todas as fazendas do-se livros de
amostras, deixando ficar penhor, ou man-
dam-se levar em casa das familias pelos ca-
xeiros da loja do Pav5o.
Lias coi palmos de largara,
na loja do Pavo.
Vendem-se lazinha enfestada propria para
vestidos, com 8 palmos de largura, sendo
fazenda mais moderna que tem vindo ao
mercado pelo baratissimo preco de 1)51600 o
oovado: so na ra da Imperatriz n. 60, loja
do Pavo.
Cassas a rs. o covado.
Vendem-se cassas francezas de padroes
tniudinhos e cores fixas pelo barato preco de
200 rs. o covado; ditas finas a 340 e 320
rs. o covado: so na ra da Imperatriz n. 60,
loja do Pavo.
Organdy, a ?40 rs. o covado.
na loja do Pavo.
Vendem-se organdy de:cores masado, fa-
zenda que val maito mais dinheiro, pelffba-
rato preco de 240 rs. o covado ou 400 rs. a
vara: s na ra da Imperatriz n, 60, loja
le Pavo.
O Pavo vende os modernos ves-
tidos balo,
com barras Maria Pia, sendo os mais
Alpaklaa ou gorgnro de llnho,
alio rs., so no Pawao.
ntreme!^ oa arara
Vendem-se pecas de ntremelos transparen-
ntiinco ... h*x& fera d Agosto de tS.
45-RUA DIREITA-45
opno para vestidob.eroupas de enanca,]. Maria Ka a w> ditas de la chineza com
propno
A388t
pelo barato preco de240rs. o covado: so
na ra da Imperatriz n. 60, Ibja do Pavo.
Os manguitos e gollnhas do
Pavo.
pecuincha, a 320 e a WO rs.
Vendem-se golinhas de fil, bordadas, a
400 rs.; ditas de earabraia, a 320 rs.; cal-
cinhas para meninas, a 500 rs.; manguitos,
a 500 rs.; manguitos com golinha; a 800
reis ; manguitos de cambraia, a 320 rs.; s
na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
Lazinhas a SOO rs. o covado.
Na loja Pavo.
Vende-se lazinhas de cordozinho de urna s
cor, sendo azul claro, azul escuro, ferrete, cor d
caf claro e escuro, alvadio, roxinhas proprias pa-
ra luto, sendo fazenda que val muito mais dinhei-
ro TCnde-se pelo diminuto proco de 200 rs. : s na
loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Com 8 1/2 varas, a 2:500 rs. vende o Pavo.
Pecas de cambraia transparente com pal-
minhas bordadas de cor, tendo 8 I|2 varas
cada peca, a 20500; ditas mais finas,
30500; pecas de cambraia de salpico bran-
co om 8 112 varas, a 40: s' na ra da
Imperatriz n. 60, loja e armazem do Pavo.
Novas casemiras a 28000 o corle na
loj* do Pavo,
Acaba de chegar um grande sortimento de ca-
semira enfestada sendo propria para paletot, cal-
cas o collctes, capas para senhora e roupa para
meninos sendo de todas as cores claras, escuras,
lisas e mescladas : vende-se a 24600 o corte para
calca ou a 10500 o covado por haver grande por-
modernos que qne tem vindo ao mercado, S*A isto s na ra da Imperatriz n. 60 loja e arma
com a saia de um s panno, tendo bastante zera Pavao-
fazenda para o corpo, e yende-se .pelo barato O Pavo vende a 3# c :t#.>oo
preco de 30500 cada um: esta pechincha cortes de la, a 30 e 30500; ditos com 22
covados, a 50: s na ra da Imperatriz n.
60, loja e armazem do Pavo.
s exi&e na ra da Imperatriz n. 60, loja e
armazem do Pavo.
Cortes de fantasa, a 9$, na
loja do Par am.
Vendem-se ricos cortes de cambraia fanta-
siadas seda, pelo baratissimo preco de 60;
ditas, a 40 ; ditas, a 30508: s na ra da
Imperatriz n. 60, loja e armazem do Pavo.
Cortes de cambraia. a *SOO-
na loja do Pavo.
Vendem-se cortes de cambraia brancoscom
babtdos, a 20500; ditos, a "40; ditos com
barras e babados de seda, a 30, 30300 6 40:
s na ra da Imperatriz n. 60, loja e ayma-
zem do Pavo.
Coartes de canabraia chineza. a
4#, na loja do Pavo.
Vendem-se ricos cortes decambraia chine-
za, os mais modernos que tem chegado, sen-
do brancas com lindsimos padrees, pelo ba-
rato preco de 40 cada corte, tendo bastante
fazenda para um vestido: isto s na ra da
Imperatriz n. 60, loja e armazem do Pavo.
Cales a 3500, sO o Pavo.
Vendem-se baloes americanos que sao os
melhiws, tendo 20 arcos, a WUOO; ditos
de/E), a 40500; ditos de 40, a 50; ditos
de bramante, a 30500e 40; ditos para me- 240 rs. o covado, cassas finas a 240 rs. o
ninas, a 20 e a 30: s na ra da Impera-1 covado, popelina de quadrinhos para vesti-
iz n. 60, loja e armazem d Pavo.
GRANDE LIQUIDADO
de fazendas para apurar dinheiro, por
baratissimo preco na loja e arma-
zem da Arara ra da Imperatriz n.
56 de Lourenco Pereira Mendes
tiu i maraes.
ALERTA FREGUESES, i 200 RES.
Vendem-se lazinhas com pequeo toque de
mofo para vestido a 200 rs. o covado, meias
para meninos a 100 rs. o par, ditas para ho-
mens a 120 rs., lencos blancos finos a 200
rs. cada um ; na loja da arara ra da Impe-
ratriz n. 56.
Arara vende vestido de ehita a
30OOO.
Vendem-se cortes de chitas escuras com to-
que de mofo a 20000, ditas limpas sem
mofo a 20500 e 30000, cortes de cassa de
cores de barras a 20000, ditas de cassa pin-
tadas a 20000; na ra da Imperatriz n. 56 de
Mendes Guimares.
Organdys da Arara a 2io.
Vendem-Mj organdys finos para vestidos a
Cortes de ehita, a 500, na
loja do Pavo.
yendenvse cortes de chita com 12 I [2 co-
vades cada um, a 20500; ditos com 10 cova-
dos, a 20; cortes de cassa mhidinha de co-
res fixas com 10 covados, a 20; ditos de
organdy mathisado com 10 covados, a
20400: sqna'rua da Imperatriz n. 60, loja
do PaV&o. r
As casemiras do Pavao jpecliin-
dia a &.
Vendem-*e cortes de casimira franceza para
ealca, fazenda muito fina, padroes claros e
escaros, a 50 o corle; s na loja do Pavao,
ra da Imperatriz n. 60.
s na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
I'ust do Patio.

Vendem-se fusto cora lavr miudinho
para roupa de meninos, a 320 rs. o covado;
brim de liaho de quadrinhos para roupa de
meninos, 9 560 rs. o .covado; ganguelim
de urna s cor, a^ft rs. o covado; popelina
de la, de quadrinhos encarnados e pretos,
para vestidos de senhoras e roupa de meni-
nos, a 10 o covado: s na ra da Impera-
triz n, 60, loja e armazem do Pavo.
dos a 280 rs. o covado; na ra da Imperatriz
arara n. 56 de Mendes Guimares.
Arara vende as lazinhas dos
vestidos.
Vendem-se lazinhas muito finas e lindos
dezenhos a 400, 410, 500 e 640 rs. o cova-
do, chaly muito fino a 500 rs. o covado; na
ra da Imperatriz n. 56 arara de Mendes
Guimares.
Roupa Irisa da arara.
Vende-se costumescomplctosd'umafazcnda
chineza por 120 o costume. paletots de brim
a 20500 e 30000, ditos de meia casemira
escura a 40 e 4;>>00, paletots linos a 60500
e 8)9000, calcas de meia casemira a 30000, .1
22 covados a 80, ditos de organdys com 15
varas a 80, ditos com 9 varas a 60500; na ra
da Imperatriz n. 56, arara de Mendes Gui-
mares.
Baldes da arara de O 4
reos.
Eia, rapasiada, corageml parece queja
entregastes os vossos joanetes aos duros ssi-
xos do pessimo calcamento da nossa cidade I
S se observa em vossos ps botinas acalca-
nbadas e gastas at a ultima sola; sapatoes
rasgados e quasi sem saltos nem tanto!
Vendem-se os memores baloes que tem J quebradeira nao deye chegar at este pon-
to Vinde ra Direita munir-vos de excel-
lente calcado com 40 e at 60 por cento
menos do seu valor.... attendei:
vindo americanos de 20, 25, 30, 35 e
40 arcos, a 40, 40500 e 50, ditos de ma-
dapolo bem feitos a 30500 e 40, ditos de _
brilhantina a 40500, baloes saias de cordo Borzeguins, Nantes, bezerro e va-
que faz a vez de balo a 20; na ra da Impera- 1ueta.2 e m,e,a so,a,s
triz arara n. 56. Borzeguins, Nantes,- bezerro, va-
ENFEITES PARA SENHORAS
CHEGADOS PELO VAPOR
S para o Vigilante roa do Crespo n. 7.
Sao chegados os novissimos e riquissimos en-
feites para cabeca, pois com a vista nao ha-
ver senhora que deixe de comprar um bo- Borzeguins para senhora, inglezes.
nito enfeite: so no Vigilante ra do Crespo -
80500
80000
ARMAZEM DE MOLHADOS
DE
etto.
queta e lustre 2 solas. ..
Borzeguins, francez e hamburguez,
bezerro, lustre e couro de por-
co 70 e........60000
Sapatoes, Nantes, bezerro e vaque-
ta 2 e meia solas.....50500,
Sapatoes, Nantes, vaqueta, lustre e
bezerro 2 solas......
Sapatoes, Nantes, sola e vira.
n. 7.
Ditos para menina, comlaco.
Luvas ie pelica.
Tambem chegaram neste mesmo vapor um
completo sortimento de luvas dejbuvin
brancas e de todas as cores; tanto para ho-, dem idem para meninas,
mens como para senhoras: s no Vigilante Sapatos de lustre para senhora.
ra do Crespo n. 7. dem de lustre s avessas .
Ditos de ditas, de cores.
Sapatos para senhora e homem,
tapete.........
Sapatos de borracha para senhora.
50000
40000
40000
30500
20800
800
10400
10000
10000
500
PerfmiH's.

Tambem chegou um completo sortimento de;
perfumaras dos fabricantes mais afamados
sendo de Luvin, Cudr e Piver; sendo
extractos essencios de todas as qualidades, i
pomadas, banhas, sabonetes, agua de Co-
lpnia, vinagre virginal da sociedade hygieni- i
ca, agua florida, agua balsmica para den-
tes, frasquinhos com superiores pos para
dentes, caixmhas com um frasco d'agua,
pos e todos -os preparos para limpar den-
les, olos de todas as qualidades para ca-
bellos, eoatras muitas cousas mais: s no
Vigilante ra do Crespo n. 7.
Tesonras e aniveles.
Tambem chegaram um completo sortimento
de tesouras dos mais afamados fabricantes,
tanto para unhas como para costuras, ras-
paduras para papel, caivetes de maqui-
na, facas de um e dous botoes, tudo do
mais superior que se pdeencontgir: s
no Vigilante ra do Crespo n. 7.
Papel de fantasa.
Tambera chegou um grande sortimento de
papel de fantasa branco, bordado e lios
douradinho, de lindas cores, assim como
de peso e almaco, assim como muitos ou-
tros objectos de muito gosto que se torna-
riam enadonho annunciar, que seus pre-
cos sero por menos do que em outra
qualquer parte: s no .Vigilante ra do
Crespo n. 7.
Volantes e lerinas.
Recebeu grande, sortimento de volantes, teri-
nas, rendas douradas e plateadas, bicos es-
peguelha e gales de todas as larguras,
vendendo-se tudo por precos baratissimos
principalmente sendo em pecas: s no Vi-
gilante ra do Crespo n. 7,
Retroz e liaba.
Taml)6in chegou um grande sortimento de
retroz do Porto do melhor fabricante; sen-
do, preto, azul ferrete e cores sortidas, a
I4,ooo rs. a libra, lintel de miada de Roriz
e cabeea encarnada, que seus precos sero
baratissimos: s no Vigilante ra do Cres-
po n. 7.
0 Perfume da Moda.
H^ I
m
r3= < % w 41
-* ''ri= W
^ H %
K
inl & 0
ee <
ca w
& s. g
43 r^-1 O e w
tu
-d 0
^a
H
0
>
H
I
*
X


m
cw


  • t^ido o BALIZA dadoo-seu balanro no ultimo dejunhopassado, e de,>ejan
    ro magnifico sortimento de seu CHANDE ARMAZEM, chama ptlo jn*
    AGUA FLORIDA
    De Murrav desejamlo re-
    lovaro sortir i'"" P>",snte a
    aUengao do respeitavel publico para os precos dos gneros abano men. lonados, que em
    verdafie sao os mais razoaveis .que se podem achar, atienta a sua boa qualidade.
    Soldado voluntario do batalho ptOgresSta, o BALIZA e o Immem do m. >h
    merito. Elle pede, pois, aos seus bous cantaradas, que sao todos os mmigm rio pari,'
    fevor de nao llie darem um minuto de descanco obrigando-o a vender Uxlo o dn.
    esta sorte o BALIZA vivir contente e contentar tambem aos seus freguezes, >
    do-lhes sempre generosamente, e talvez que ainda por precos mais razoaveis
    ! Ameixas ew frascos de vidro, a 10500.
    Ditas em caixinhas com lindas figuras,
    1/200 c 20400.
    Este raro quio delica^o perfume
    <{uaai cio inextinguivel e to cheio niimo8* fragrancia e freseura come o
    dlicao cheiro das proprias verdeoen-
    tce fioi-es. Durante os mezes caloren-
    .tos do verao o eeu uzo torna-sc iminen-
    temeate aprazivel e desejavel em con-
    equencia da influencia xefrigirante e
    suave qne ella produz sobre a pelle:
    ^em .quanto que uzada no banho ella
    imparte o corpo lnguido c caneado
    urna, oerta elasticidade de vigor e forta.
    Ella .imponte tranaparenoia as feigoes,
    e retnove pannos, ardas e berioejas d
    tdkr a pelle.
    ditas finas 55500 c 6-MMX), ditas de brim a
    2#500 e 3,->000, ditas de brim branco a 40,
    casemiras francezas a 10600 e 20000, ditas
    finas a 20500, ditas de linho a 30000, ce-
    roulas francezas a 10000, camisas de meia a
    800 e 10000; na loja da arara ra da Impe-
    ratriz n. 56 de Mendes Guimares.
    Oh! qtie pechindia a '4O rs.
    Vendem-se chitas francezas escuras com pe-
    queo toque de mofo
    ditas' inglezas cora pequeo loque de mofo
    a 200 rs. o covado, peras de ditas francezas
    com pequeo toque de mofo a 8-5000, pe-
    SEM SEGUNDO.
    Roa no Queimado n. 85, luja de miudezas >im' ilo Azcvedo Maia o. Silva, est vendendo todas
    Os paletots do Pavo, assolirecasacado a \ 2:000 rs' Cas de ditas inglezas esenras cores fixas com
    I pequeo toque de mofo com 38 covados a
    Vendem-se paletots de panno, sobreeasacas (7.5300, ellas freguezes antes que se a ca-
    de panno preto muito bom e muito bem
    feitas, a 120: sobrecasacos de dito, a 140;
    paletots sacos de dito, a 70; calcas de cache-
    mira da Escossia, a 30 ; ditas de casemira
    preta, a 50; ditas de casemira de c^ muito
    fina, a 70 e a 50500; coletes de casemira de
    r e preta; paletot de casemira de cor,
    a 73'; tudo isto para apurar dinheiro: s
    na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
    bem; na loja da arara ra da Imperatriz n.
    56 de Mendes Guimares.
    as suas miudezas por piceos que todos
    como sejam :
    Varas de aspas para fazer baloes. .
    Caixas com superiores obrejas ....
    Pares de botoes de punlios a .
    Pare&de snalos de tranca muito linos
    a f4'0 e.........
    Pecas de litas de velludo recortadas com
    lo varas a ..........
    Caixas com muito superior papel amiza-
    de e outros a.........
    Massos com superiores grampos a. .
    2i0rs. o covado, Caivetes de aparar penas a. .
    Agullieiros com agullias a.....
    Diuia de meias .brancas para homem,
    muito tinas a.........
    Duzia de meias para senhora, fazenda
    Una a............
    Cornetas de chifre para meninos a .
    Escovas para limpar dentes muito finas .
    Baraihoi de cartas para voltaretc muito
    finas a..........
    Ditas portuguezas a 160 e.....
    Frascos de agua de Colonia muito boa a
    400 e............
    Ditos de oleo babosa a 240 e.....
    Ditos com superior oleo de macaca a
    Cortes de cachemira da Escocia, a 2:000, na
    loja do Pavio.
    Vendem-se esta nova fazenda muito encor-
    Hadapolo francez enfestado a
    4000.
    Vendem-se pecas de madapolo francez fi- Ditos com superior macaca perol a .
    no enfestado com 12 jardas a 40 e 40500, Ditos com superior lanlia"iranspar dito mglezes fino de 24 jardas a 70, 80, 90 gg TniT^rior^ua 'celeste
    e 100000, pecas de algodao encorpado a 40
    40500, 50 e 60; na ra da Imperatriz n. 56.
    para
    cheiro...........
    Trancas de algodao brancas e de cores a
    Caixas com superiores obreias de colla.
    Bolsinhas muito bonitas para guardar di-
    nheiro a...........
    Gravatas de seda de diversos gostos a .
    pada imitaco de casemira, tendo padroes'e qq rs. 0 covado, risado francez a'280' Iinteir?s.,,e vidro com super'or.tinta a.
    Chitas da arara.
    Vendem-se chitas francezas finas a 320,300
    escuros e alegres, afiancando-se que nao des-1
    bota, a 20 o corte para cjlca, ou 580 rs. o co;
    vado para paletot, colete etc.: s na loja do
    Pavo, ra da Imperatrft n. 60.
    L

    Fazendas brancas, na loja do
    Pavio.
    Vendem-se pecas de madapolo enfestado,
    francez, com 20 varas, a 80; ditas com 12
    ardas, a 40 ; dito inglez muito fino, a 70,
    70500 e80; ditos muito superior, a 100;
    ditos de 40 jardas muito fino, a 40800 e a
    50600 ; algodozinho muito encorpado, a
    40800, 50500 e 60; bretanha com 4 pal-
    mos de largura, muito fina, a 10 avara;
    pecas de cassa de cordo para babados, com
    6 varas, a 30500; ditas com 12 varas, a 70:
    Pechlncha, a AOO rs. o covado.
    s o Pavo.
    Vendem-se as mais modernas lazinhas
    enfestadas, transparente, tendo 4 palmos de
    largura, e sendo lizas e de quadrinhos, de
    urna s cor, propria para vestidos e capas,
    a 500 rs. o covado: s na loja do Pavo,
    roa da Imperatriz n. 69, de Gama d- Silva.
    a?a Pares de ,uvas brancas dn algodao a .
    a 2 iU (barritis de linba com 100 inntas hra
    rs. O covado, aberturas para camisas a *w Carrit^is de linha com lOO jardas, bran-
    rs., ditas de linho brancasa 800 rs. o cova- ca............
    do, tarlatana de cores a40wrs.avara;narua' Fitas e coidoes para entiar espartilhosa
    da Imperatriz n. 06.
    Cortes de casemira da arara.
    Vendem-se cortes de casemira enfestada
    escura a 20, cortes de brim para calcas a
    10 e 10220; na ra da Imperatriz loja da arara
    n. 56 de Mendes Guimares.
    Arara vende as col xas.
    Vendem-se ricas colxas aveludadas para
    cama a80OOO, ditas de fusto a 50000, ditas
    de cinta a 20000, brim de linho e algodao
    branco a 800 rs. a vara, dito de linho puro
    a 10,10120, 10280 e 10600 a vara; na loja
    da arara ra da Imperatriz n. 56 de Mendes
    Guimares.
    Arara vende mangnitos a
    t000.
    Vendem-se manguitos e golinhas de linho a
    20 o par, golinhas para meninas a 400 rs.,
    ditas para senhoras a 400rs.; na ra da Impe-
    ratriz n. 56.
    Caixas corn clcheles francezes superio-
    res a............
    Cartoes de clcheles francezes a 40, 60 e
    Facas e garfos cabo branco cravado a .
    Ditas de cabo branco cravado a. .
    Ditas de bataneo muito finas a .
    Tesouras para cortar, pequeas e finas
    aOO e...........
    Tesouras para corlar unhas muito final a
    admiram,
    120
    40
    160
    15800
    I0oOO
    700
    40
    80
    80
    10600
    30600
    80
    200
    320
    SOO
    500
    500
    100
    200
    800
    500
    10300
    80
    80
    SOO
    500
    160
    100
    30
    80
    0 TOMO 0RHF1L DE KEMP
    PIBA OS CABELLOS,
    E moa prepara^o admicavel para lim-
    par, atbncoscar, conservar e restabele-
    cer os cabellos:
    venda as boticas de Caors Barboza,
    ra da Cruz, e Joo da C. Bravo da Madre de Dos.
    FAZENDAS BARATAS
    NA
    \ov;i loja
    Ditas era telinhas, a 10400.
    Amendoas de casca mole a 320 rs. a libra.
    Arror (Carolina), primeira qualidade, a 120
    rs. a libra.
    Dito-do Maranho, a 120rs. a libra.
    Azeitonas novas de Lisboa e Porto, a 10 e
    l#200aancoreta.
    Azette doce refinado, a 800 rs. a garrafa.
    Ditoem barril, a 640 rs. a garrafa.
    Dito de carrapato, a 360 rs. a garrafa.
    Arroz com casca, a 30 a saca, com 20 cuias
    e a 240 rs. a cuia.
    Ancoretas americanas de 6 e 12 garrafas,
    muito bem fabricadas, a 10 cada urna.
    Araruta muito fiua, a 480 rs. a libra.
    I Batatas em gigos a 10380 e de 30 a 40 rs. a
    libra.
    Bolacinhas americanas, a 30 a barrica e
    240 rs. a libra.
    Biscounhos inglezes, em latinhas, a 10300.
    Biscouto lunch e soda, em latas de 4 a 5 li-
    bras, a 20 a lata.
    Banha de porco, a 560 rs. a libra.
    Ralaios hamburgueses muito lindos, de di-
    versos tamaitos e por preco razoavel.
    Caf de fiio, a 280 e 300 rs. a libra, em
    arroba, a 80200, 80500 e 9/.
    Ceblas, a 800 rs. o cento e 10 o mlho.
    Cha perola, a 30 a libra.
    Jdem hisson, superior, a 20800 a libra,
    dem chumbo, a 2/5600 a libra,
    dem hysson, soffrivel, a 20400 a libra,
    dem hysson, menos soffrivel, a 20 a libra,
    dem preto, magnifico, a 20 a libra,
    dem preto, menos superior, a 10800 rs. a
    libra,
    dem preto, soflnvel, a-r06OOrs. a libra,
    dem nacional, a 1/800 a libra (em latas),
    dem nacional, a 10600, a libra,
    dem nacional, ordinario, a 10 a libra.
    Ja de Custodio. farvalhoM:hamPane. marca aguia, de superior qua-1yJriT ,
    A companhia. dade, a 4140 rs. a garrafa e 70 o ggo, I E? 2^22^' \
    27-lttta do Qneiraado-27 ? &^- Q'*m deixar de be- j j. SJSJ
    i.-, ^u. m ber chamnasne or tal nrpm^ .... Mrmatele,
    Para vestido a 260 rs.
    Fuslao fino francez para vestido de senhora e
    meninas a 260 rs. cada covado.
    Cambraia.
    Cambraia organdys muito lina a 240 rs. o co-
    vado.
    Calcinlias
    para senhora c meninas, pelo barato preco de
    20200.
    Cobertas
    de chita chineza a 20000.
    Golinhas
    de linho para senhora a 600, 800 e 10.
    Leaces
    Lenccs de panno de linho finos a 20.
    Camisinhas*
    para senhora, sendo de cambraia a 25.
    Pannos
    Pannos adamascados para mesa a 10500.
    La.
    Lazinhas matizadas muito finas para vestido a
    440 rs. o covado.
    Vestuarios.
    Vestuarios para meninas, muito lindos, a 3JS00.
    Cambraia
    de linho lina a 50 a vara.
    Para luto.
    Laa preta fina, propria para lulo, a 300 rs. o co-
    vado.
    Madapolo
    Madapolo fino enlejiado, peca a 80, leudo 20
    varas.
    500, 800 e 10 o frasco.
    Marmelada excedente a 640 rs. a libra.
    Ostras americanas (excedente petisa. a HOi
    rs. a lata.
    Passas a 100 rs. a libra, e em caixas a M0
    Presuntos de Lamego, a 560 rs. a libra.
    dem inglez para fiambre vindo de encomroen-
    da, a 800 rs. a libra,
    dem americano, a 500 rs. a libra.
    Peixe de Lisboa Inglaterra e America, pre-
    parado conforme a arte de cosinha, em la-
    tas de 2 a 3 libras, de 10300 104*.
    Phosphoros do gaz, a 20300 a grosa.
    Queijos londrinos chegados no ultimo vapor
    a 800 rs. a libra,
    dem dem chegados no penltimo vapor, a
    640 rs. a libra.
    dem flamengoS chegados no ultimo vap a
    20400.
    dem idem chegados no penltimo vapor, *
    20000.
    Sal refinado em vazos de vidro, a 600 IS.
    Idem idem em vazos de loura, a ."oo rs.
    Ceneja das melhores marcas que veman
    mercado, a 4/, 40500, 50, 50500, 63 .
    6/500 a duzia.
    Sardinhas de Lisboa preparadas de escala-.
    a 640 rs. a lata de grande tamaito.
    Idem de Nantes, a 380 rs. a latinha.
    Sabo massa de 120, 140, 160, 180, i.0 ,
    240 ra. a Ultra.
    Tinta preta nacional e ingleza, a 640 n. a
    garrafa, e 240 rs. o boiao.
    Toucinho de Lisboa, de mais de m-io pairo*
    por 320 rs. a libra. 7
    dem de Santos, a 280 rs. a libra.
    Mein americano, a 200 rs. a lilm.
    Idpm inglez seceo no fumeiro, melhor.].
    lodosos presuntos, a 640 rs. a libra
    Vassouras americanas muito lin.bs efcr
    a 640 rs. cada urna.
    Vedas de Buenos-Avres
    libras, por 6/.
    dem de carnauba e composi"m. ,1 MI I M
    rs. a libra.
    a 100 rs. a libra.
    600 o OiO rs. o mao.
    em caixas MI Ifi
    ber champagne por tal prego? I I'.'T sj'eeie, a 10 a lib,.,.
    Charutos de muitas marcas e a precos bara-l Vinl";iLafrrimf9, ? Dmrolt "os,e ffenern' *
    , sendo que ha de 800 rs. at T",0rI(lUi,ll,li,,l,> .fl"1' M v.n. ai nm
    mercado em garral.is braM Mi 0 n*or
    do autor era alto revelo no pnj vidro,
    previne-se aos apnriadores >|ti<- n.--|.> -
    ii'To ha boje pande lalsiii.arfiu.
    dem engarrafados, vindo parte ii va-
    que
    vindos do Rio,
    Babia e de
    tissimos
    40 o cento,
    Hespanha.
    Chocolate suisso de Lisboa e francez, a 800
    rs.c 10.
    Chouricas e salpice, a 610 rs. a libra.
    Conservas inglezas, a 800 rs. .0 frasco.
    Ditas fracezas, a 500 rs. o frasco.
    Cognac inglez, a 600, rs. a garrafa e em
    caada, a 40.
    dem engarrafados, a 800 rs.a garrafa.
    400
    80
    30200
    30500
    60000
    320
    500
    Vende-se um mulatinho de cor clara, sadio,
    muito intelligente, de 12 annos de idade, proprio
    para pagem : quem o pretender dirija-se a ra aa
    Soledade n. 66, que achara com quem tratar.
    N armazem de fazenr
    das baratas de Sanios
    Coellio ra do Quei-
    mado n. 19
    Vende-se pichincha.
    CAMBRAIA LISA.
    Peca de cambraia lisa fina paca com 8 lr2 varas
    pelo baratissimo preco de 40.
    ra
    LIQUIDACAO
    de fazendas baralissimas, na Boa-Vista,
    Imperatriz 11. 20.
    Cambraias adamascadas com 20 varas a 80.
    Ditas com 8 ditas a ifi.
    Ditas lisas com 8 ditas a 20.
    Fil liso muito fino a 800 rs. a vara.
    Chales de merino estampados a 40.
    Madapolio entre-fino com 20 varas a 80.
    Casemiras finas de urna s cor a 10600 o co-
    vado.
    Algodao monstro, superior fazenda para toalhas
    e lenccs a 800 rs. a vara.
    Bramante de 10 palmos de largura a 10600.
    Gravatas de. seda a 320 rs.
    Oleados de diversas larguras e de ricos desenhos
    para mesas de jantar a 20 o covado.
    Flanella branca muito tina a 640 rs. o covado.
    Riscadinhos de linho muito finos para vesniarios
    de enancas a 400 rs. o covado.
    Chitas escuras e claras, padroes inteiramentc
    novos e muito finas a 400 rs. o covado.
    Lazinhas chinezas muito superiores a 300 rs. o
    covado, e outras muitas qualidades de fazendas
    precos muito commodos, afim de apurar dinheiro,
    dando-se de tudo as competentes amostras.
    Doces, em lindos vazos de vidro, das fruc-
    tas mais esquisijas da Europa, a 10 o
    fiasco.
    Dito de Lisboa, em latas, a 500 rs. a lata.
    Dito de goiaba, a 610 e 800 rs. o caixo.
    Dito em latas muito proprio para presente,
    garante-se sua duracao innalterave! por
    mais de anno.
    Farinha de Maranho, a 160 rs. a libra.
    Dita de trigo, a 110 e 160 rs. a. libra.
    Fructas francezas de diversas qualidades, em
    frascos de vidro, preparadas em alcool,
    proprio para podim etc., a 10. o frasco.
    Gomma do Aracaty, a 100 rs. a libra.
    Dita do Aracaty, a 40 rs. a libra.
    Graixa em latas, a 120 rs. e a duzia, 1/300.
    Genebra laranja, em grandes frascos, a 10.
    Genebra ingleza, marca gato, a 10200 o
    frasco ou garrafa com rolha de vidro.
    Garrafoes varios, de 640 a 10200 cada um.
    Kirsck-wasser, bebida esta de um valor inex-
    timavel, em vasos esquisitos, a 10500.
    Licores inglezes e francezes dos melhores
    fabricantes, a 500 e 800 rs. a garrafa.
    Linguas americanas de grande tamanho (em
    calda), al/.
    Massas para sopa, em caixinhas com 8 libras,
    pria conta de diversas marcas .|a>
    Inores adegas do Porto e Lisboa, da- m..-
    cas: Madeira, Carones, Chamisso, Mal
    sia, Carcavellos, Duque do Porto i
    tros, e espera-se todos os i^ novas qua-
    lidades, a 800, 10 e 10280 a HrTCkV
    dem do Porto Balisa, a 640 rs. a garrafa,
    dem de Lisboa e Figueira vindo i m
    a 26/ de 8 a 9 ranadas,
    dem do Porto em garrafn de 1 I
    garrafas, por 20500.
    dem da Figueira em garrafoes ,}, i I a ."
    garrafas, por 20400.
    dem de Lisboa e Figueira de 320. 100. |fn
    e 560 rs. a garrafa, e em caada
    abatimento.
    dem Bordeaux engarrafado, a 6 lo
    garrafa, em duzia a 705OO.
    Vinho do Porto muito lino em caixas com l
    garrafas, a 80, 10*. 120 e I
    Ibores marcas que vera ao MMI merclo.
    Vinagre de Lisboa em garrafoes .le l I i a
    garrafas, a 10200 com o garralan.
    Avelaas a 200 rs. a libra.
    Arroz da India a 100 rs. a libra.
    Biscoutos de Lisboa em latas, proprios para
    doentes, a 105OO e 30 a lata.
    Batatas a 80 rs. a libra.
    Copos lapidados para agua a 60 a doria.
    Chumbo de todas as grossuras a 60 a arro-
    ba.
    Caf muido de superior qualidade a 100 rs.
    a libra.
    r*. .:
    contendo 5 qualidades, por 30500 a caixa. iFio de ,inl, muit0 proprio para amarrar, a
    Ditas para sopa, estrelinha e pevide, a 500 m) a il>ra-
    Vendem-se globos de louca lindamente vi-
    drados, proprios para collocar por enfeitc em cima
    dos parapeitos das frentes de propriedades, assim
    como ricos vasos para flores, o pinhas para afor-
    moseamento de Jardins: na ra da Praia n. 36.
    rs. a libra.
    Dita de tomate, a 610 rs. a libra.
    Manteiga ingleza em potes de 10 a 16 libras
    a 800 rs. a libra.
    dem dita flor a 10 a libra.
    dem de 2a qualidade a 800 rs. a libra.
    dem de 3a qualidade a 640 rs. a libra.
    dem para tempeiro a 400 rs. a libra.
    dem franceza a 610 rs. a libra, e em bar-
    ril por menos.
    Marrasquino de Zara a 800 rs. o frasco.
    Mortasda ingleza em frascos grarftes a 800
    rs.
    dem franceza em frascos grandes a 500 rs.,
    Mlhos inglezes dos melhores fabricantes a
    Farinha de trigo em barricas e meias, de te-
    das as marcas e qualidades.
    Genebra de Hollanda em garrafoes com i
    caadas, por 60500 com o garrafao.
    dem idem em frasqueiras com 12 frase,
    por 6/500.
    Manteiga inissima em latas contendo 2 li-
    bras liquido, por 10800 a lata.
    Queijos llamengos a 10600.
    Rap princeza do Rio: grosso, meto groa
    e fino.
    Tambas das Alagos a 120 o ceoto, e 114
    rs. cada urna.
    Vinho branco de Bordeaux (Santeras) a 80
    e 100 a Viria, e 800 a 10 a garrafa


    I
    /


    r '
    ^B*

    Diario de
    H*\UUlr* 9 de Afosdo d 8.
    SORTIMENTO DE MOLHADOS.
    /
    *%
    i.
    l 1
    S S 4j
    a si
    V
    1 I
    5 l
    m u n

    M f
    a a i
    o ? "P 9
    1 o 2 3
    S V 9. 0 a s : s
    w la) * i
    * 9 s -4 S
    =35 v 1 *a 1 s i i
    1 e SS O 1 Si 5. g g 1 3 0 H > 9 la es a.
    1 es i.
    s i a 1
    9 9 a
    B R g O (1 9
    s-s ? es
    9 V -a
    o w i
    Vinho ein pipa: Porlot Figueira e Lisboa, a 400,
    480 c 560 rs. a garrafa, em caada a 25800, 35 e
    35900 rs., afianca-se este genero conservar-se
    perfeito seis oito mezes, o que raro ser outro
    qualquer atiancar.
    Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto, a 15
    a garrafa e 105 a caixa, o prego nao indica a
    qualidade deste precioso vinho, porm tambem
    nao com imposicocs de preco que se prova ao
    respeitavel publico a superior qualidade, este
    genero de commum se manda vir de conta pro-
    pria, e por isso podemos vender por menos do
    que outro qualquer annunciante.
    Vinho do Alto Douro, das marcas mais acreditadas
    e especialmente escolhidas.por pessoas entendi-
    das deste genero, como sejam Oamoes, Duque do
    Porto, D. Luir, Carcavellos, Chamisso & Filho,
    Madeira secca, Feitoria, a 900 rs. a garrafa e 95
    a caixa com 12 garrafas.
    Garrames com vinho do Porto, contendo 5 garrafas
    por 25500.
    Vinho branco de Lisboa, proprio para missa, vindo
    j engarrafado de Lisboa, a 640 rs. a garrafa,
    dito de barril muito superior, a 500 rs. a garrafa
    e 35200 a caada.
    Ameixas franeczas em caixinhas de 1 e meia, 2 e 3
    libras, elegantemente enlatadas com diversas es-
    tampas na caixa exterior, a 15400,15800, 25500
    e35.
    Figos de comadre em bauzinhos de folha, muito
    proprios para mimo, a 15600.
    dem em caixinhas forradas de papel de differentes
    molduras, a 15400.
    Ameixas francezas em latas de 1 e meia e 3 libras
    por 15400 e 25600.
    Passas de carnadas as mais novas que ha no morca-
    do, caixas de 1 arroba a 65, e a retallio a 400 rs.
    a libra.
    Massaspara sopa muito novas: pevidee estrellinha,
    a560rs. a libra.
    dem a mais nova que ha no mercado; talharim e
    aletria, a 560 rs. a libra.
    I Macarrao, a 320 rs. a libra.
    dem o mais novo que ha no mercado: talharim e
    aletria, a 560 rs. a libra.
    Figos de comadre em caixa de 8 libras muito novos
    a 15800 c a rctalho a 180 rs. a libra.
    Salmao em latas e em postas hermticamente lacra-
    das, a 800 rs.
    Lagostinhas em latas grandes, a 15400.
    Savel, corvina, cherne, congro, linguado, vezugo.
    goras, pescada, peixe espada, preparado pela pri-
    meira arte de cozinba, a 15300 a lata.
    Queijos fkunengos do ultimo vapor, a 25400.
    dem do vapor passado, a 25200.
    dem prato, o mais superior que tem vindo ao mer-
    cado, a 740 rs. a libra.
    Doce da casca, da. goiaba, caixao grande, a 640 e
    800 rs. cada um.
    Chouricas do reino a mais nova do mercado a 640
    rs. a libra.
    Paios de lombo, vindos do Porto de casa particular,
    aSOOrs. a libra.
    Bolauliinhas inglezas a mais nova do mercado a
    240 rs. a libra e 35000 a barrica com urna ar-
    roba.
    dem de soda de diversas qualidades, a 15400, di-
    tas grandes proprias para lanch com 5 a 6 li-
    bras por 25*00.
    Marmelada imperial do fabricante Abren ou de ou-
    tres muitos conserveiros de Lisboa, em latas de
    1 e meia e 2 libras, a 600 rs. a libra.
    Ervilhas francezas, a 500 rs. a lata.
    dem portuguezas, a 640 rs. a dita.
    Maca de tomates, a 600 rs. a libra.
    Mantciga ingleza perfeitamente flor, a 800 e 15 a
    libra, neste genero existe sempre aberto dispo-
    sifo dos freguezes dous a tres barris de man-
    teiga flor, salvo quando por infelicidade aconteca
    a faetnra vir composta de segunda e terceira
    qualidade, que para melhor satisfazer aos fre-
    guezes torna-so necessario ter mais do que esta
    porcao de barris abertos, porni antes nos lhe
    damos a devida applicacao para tempero, que
    venderemos a 320 rs. a libra.
    dem franceza a mais nova do mercado, a 680 rs. e
    em barril se faz abatimento.
    Amendoas confeitadas, a 800 rs. a libra.
    Chouricos, mouros vindo de casa particular, a 640
    rs. a libra.
    Farinha do Maranhao mnito alva e eheirosa, a 160
    rs. a libra.
    Avelaas muito novas, a 220 rs. a libra.
    Amendoas de casca mole muito novas a 280 rs. a
    libra.
    Toucinho do reino a 360 rs. e 105500 rs. a ar-
    roba.
    Sardinhas de Nantes, a 360 rs. a lata.
    Azeite doce de Lisboa, a 640 rs. a garrafa e 45800
    a caada.
    Vinagre de Lisboa, a 200 rs. a garrafa c 15200 a
    caada.
    Campagne das marcas mais acreditadas a 85000
    e 105000 o gigo, e 800 rs. c 15000 a garrafa.
    Cerveia preta da marca Tenent ou XXX, a 45 e
    4590O a duzia, e a 400 rs. a garrafa.
    dem branca da marca cobrinha ou Tenent, a 45
    e 45300 rs. a duzia, e em porfi se faz abat-
    meato.
    Genebra de Hellanda em garrames com 16 garra-
    fas, por 65500 rs., afianca-se ser verdadeira.
    dem em frasqueira, a 65500 e a 560 rs. o frasco.
    dem de botija em barricas com 4 duzias a 430 rs.
    cada urna.
    dem delaranja em frascos grandes, a 15200, ga-
    rante-se ser verdadeira da Italia.
    Maraasquinho de Zara, a 720 rs. o frasco.
    Licor francez de todas as qualidades de fabricantes,
    em garrafas brancas de vidro, a 720 c 800 rs. a
    garrafa.
    Vinho Bordeaux as melbores qualidades q'ue tem
    vindo ao mercado, a 720 e 800 rs. a garrafa, e
    . em caixa a 75500,85000 e 85200 rs.
    Azeite doce refinado do fabricante Pelanol, a 800 rs.
    a garrafa.
    Conservas inglezas sortidas ou de urna s qaalida-
    de e da verdadeira, a 800 rs. o frasco.
    Araruta verdadeira. a 320 rs. a libra.
    Gomma de engommar muito alva, a 800 rs. a li-
    bra.
    Palitos do gaz, a 25300 rs. a groza e 20 ris a
    caixa.
    Toucinho de Lisboa, a 320 rs. a libra e 95500 rs.
    a arroba.
    Sag muito novo, a 200 rs. a libra.
    Ccvadinha de Franca, a 160 rs. a libra.
    Cevada nova a 120 rs. a libra, e 35500 rs. a ar-
    roba.
    Macarrao e talharim, a 320 rs. a libra.
    Aletria muito fina, a 400 rs. a libra.
    Arroz Carolino, muito alvo e grajido, a 120 rs. a
    libra e a 35200 rs. a arroba.
    1
    Caf do Rio o mais superior que Se pode desejar
    Ueste genero, a 320 rs. a libra
    dem idem de segunda e tereeira qualidade, a 280
    e 300 rs. a libra, e em arroba ou sacco a 85200
    e 85400.
    Velas de carnauba refinada, a 320 rs. a libra e
    105000 a arroba.
    dem de spermacet, a 640 rs. a libra.
    Chocolate hespanhol a 15, a libra,
    dem francez, a 900 c 15 rs. a libra.
    Cha perola o mais superior do mercado por ser
    vindo de encommenda propria a 25880 rs.
    Cha hyson, melhor que se pode desejar neste ge-
    nero, a 25500 rs. a libra.
    dem nacional em latas de 1, 2 e 3 libras a 15400
    res.
    dem huxim, a 25200 rs. a libra.
    Cha preto homoepathico o mais excellente que tem
    vindo ao mercado, a 25 a libra.
    Graixa em latas grandes, a 3/300 a duzia, e 120
    rs. cada urna.
    Presunto verdadeiro de Lamego em calda de azei-
    te, a 560 rs. a libra.
    Vassouras do Porto arqueadas de ferro, obra de
    mnita duracao c utilidade, a 400 rs.
    Charutos de S. Flix do fabricante Furtado de Li-
    ma ou de outros muitos fabricantes da Baha, a
    25OOO, 25500. 35000, 35200, 35500 e 45000 rs.
    a caixa, ou em meias por metade do preco.
    dem Mississipcs imperiaes, a 35000 rs.
    dem Ypiranga ou Flor do Rio, a 35200 rs.
    dem Guanabaras ou Havaneiros, a 25800 rs.
    dem Flor da Matta ou Regala imperial, a 25500
    ris.
    dem Flor do Norte ou Londres imperiaes, a 45000
    ris.
    dem superiores em quantidade e de todos os fa-
    bricantes, a 35000, 35500 e 45000 rs. a caixa.
    =
    m
    i

    &
    a
    O'
    1
    3
    i
    B
    e
    0
    * i
    t i
    3
    1
    m
    t%
    9
    s
    9
    z
    I
    9
    til
    H";
    ^: *
    ff||
    S 2 5 I
    2 1 s 2
    ?II
    m 9 9
    ' s '
    M
    i
    o
    I
    I
    &
    1
    ti
    I 3
    ! 9 g
    1 rl
    >
    *
    H
    *
    O
    a
    M
    >
    Potassa da Russia.
    Vende-se era casa de N. O. Bieber A C,
    successores, ra da Cruz n. 4..
    Roa da Senzalla Nova n. 42.
    Ncstc cstabelecimento vendem-se: tachas de
    forro coado libra a 110 rs., idem de Low
    Moor libra a 120 rs.
    _------------------------------------------------
    Ceblas superiores em resteas, a cinco
    mil ris o milheiro no Caes da alfandega n
    1, armazem de Tasso A- Irmos.
    A AGOTA BRANCA
    Rcccbcu pelo ultimo vapor o
    segulnte:
    Bonitas pulseiras de cabello, coral, e cora-
    lina.
    Fortes e bonitas ligas de seda para senboras.
    Outras estrellas para meninas, oti manguitos.
    Carteiras com agullias.
    Agulhetas para enfiar, e agulhas cantfas.
    Trancelins e litas de borradla.
    Carriteis com torcal de todas as cores.
    Massos e fios de coral.
    Esponjas finas para rosto.
    Pentes de tartaruga virados, com laco e QUemado n. 8.
    Enfeites de rede para conservar os cabellos Xovisslmos e ponaos cnfeltes
    .bem atados. P*ra cae?as.
    Aspas e coz para balo. Quando o-bello sexo sentia a falta de bons
    TERCOS
    o
    e ornas de cornalina.
    A aguia branca pensando constantemente em
    bem servir a toda a sua freguezia. notou que anda
    nao havia feito aljnim agrado a aquclles que pru-
    dente e acertadamente resando, cumprem dever de
    linin christao, e quando reparou essa sua falta,
    mandou vir e acaba de receber delicados tercos e
    corflas de cornalina com cruz de prata, os quaes
    deixa disposicao dos liis que estiverem dispostos
    a gastar 15500,25 e 35 para possuirem um bonito
    terco ou cora, com os quaes poden mesmo pedir a
    Deus pela prosperidade d'aguia branca, em seu ale-
    gre e espa^oso ninho da ra do Qucimado n. 8.
    Novos e bonitos
    pentinhos travessos dourados o com pedras para
    meninas: vendem-sc na ra do Queimado, loja
    d'aguia branca n. 8.
    Uahuzinhos com perfumarlas e
    ttfni pll-..
    A aguia branca vende bonitos bahuzinhos com 6
    frasqinhos de cheiros por 15500 e vasios por 800
    rs., servindo estes para meninas, e mesmo para
    joias, etc., etc. : ha ra do Queimado, loja d'aguia
    branca n. 8.
    Lluhas maclas e lustrosas para
    bordar
    vendem-se na loja d'aguia branca rita do
    Fitas com colxetes para vestidos.
    Trancelins chatos de laa para enfeitar vestidos.
    Papel e folbas para rosas.
    Lamparillas francezas.
    Trancelins grossos para relogios.
    ROCPA FKITI
    NO
    ARKAZEH
    . DE

    b
    RA DO QUEIMADO N. 46
    s
    DBTKSITO
    X.ETREIRO VEBDE.
    Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de
    todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concur-
    rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
    grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senboras,
    homens e meninos. .
    :i05uuo
    ttfflOOO
    100000
    7(5000
    35500
    :i$ooo
    enfeites para cabera, eis que a aguia branca
    recebe urna sua encommenda de bonitos e
    delicados enfeites, e de modernissima moda,
    muito servindo isso pata sanar aquella falta,
    e fazer com que as Exmas. apreciadoras da
    Escovas cabo d'osso, marim e madreperola bella empreza Coimbra possam melhor real-
    para (lentes, unlias, limpar pentes e joias. sar e. mostrarem o apurado gosto que as
    Outras linas para roupa, chapeo, cabello etc.
    Outras de velludo para chapeos.
    Pastas para papis.
    Raspadeiras e lacas de marim para ditas.
    Visporas e dminos.
    Baratissinias bandeljas.
    V aguia branca por muitas vezes tem da:
    do I a conhecer que quando acha alguma pe-
    chincha, nao quer somente com ella encher
    o papo, ao contrario deseja que toda sua boa
    freguezia c o publico em geral prvem da
    mesma, o que agora mesmo acontece com
    essas; baratissimas bandeijas, cuja limitacao
    de precos admira, em relacSo aostamanhosc
    qualidades: avistado que convm todos a-
    proveitarem-se dessa opportuna occasio e
    proverem-se d'um traste sempre necessario,
    e que Ihes CUStar quasi metade do justo va- gre o espa^oso ninho d'aguia branca.
    lor. Assim, pois, dirigirem-se com dinhei- ma,l "8- ,onde ,arabem ha 0ll,ras'
    ITZIZL .~~__~- i:. a<.~. :. u tas para unhas.
    guia. Esses enfeites sao d'um tecido bas-
    tante fino com continhas d'aco, e mui bem
    ,enfeitados com flores, fitas, bicos, plumas
    etc., entretanto que sendo obra de muito
    gosto custam 5$, 6# e 70 dinheiro vista;
    na espaciosa e alegre loja d'aguia branca ra
    do Queimado n. 8.
    Delicadas tesonrinhas d'aeo para
    bordados e labvrinthos.
    A pedido de algumas senhoras suas predicletas
    fregnezas, a agina KRnca mandou vir dessas de-
    licadas tesournbas d'aco pontas agudas, proprias
    para bordados c labyrinthos, e urna vez chegadas
    como de facto chegram, a aguia branca convida
    as de mais senhoras suas boas fregnezas para
    aproveitarem-se da occasio e bem empregarem
    seus 25 em cada urna dessas inissimas tesouri-
    nhas, na certeza de que perder por chegar tarde ;!
    quem se demorar em as mandar comprar no ale-
    , ra doQuei-
    curvas e direi-
    Casacas de panno preto, 350 e
    Sobrecasacfls idem, 300 e .
    Paletos idem o de coros, SeMl,
    ' 200, 150 c......
    Ditos de casemira, 200. 150,
    120, 100 e......
    Ditos de alpaca, 50 e. .
    Ditos ditos pretos, 90, 70,
    50 e.....".
    Ditos de brim c ganga de co-
    res, 40500, 40, 30500 e. .
    Ditos branco de linho, 60, 50 e
    Ditos de merino preto de cor-
    do, 100, 70e. '. 50000
    Calcas de casemira preta, 120,
    100, 80 e. : .
    Ditas de cores, 90, 80 e. .
    Ditas de meia casemira tl^V
    res, 50500 e. .
    Ditas de princeza e merino pre-
    to de rordo, 50, 40500 e
    Ditas de brim branco c de co-
    res, 50, 40500, 40 e .
    Ditas de ganga de cores,
    20500
    Golletes de fust3o e brim bran-
    co, 30500, 30 e .
    Scroulas- de brim de linho,
    20400 o......20000
    Ditas de algodo, 10000 e. 10400
    Camisas de peitos de linho,
    50, 40, 30 e. 20500
    ?Ditas de madapolo, 30,
    30500 20500,20 e.....10000
    Chapeos de massa, pretos frut-
    een* 100, 90 e. 80500
    40000 Ditos de fltro, 50, 40,30500 e 20000
    Ditos de sol, de seda, 120,
    110, 70 e......40500
    Collarinhos de linho fino, ulti-
    ma moda.......
    DE
    FAZEMDAS E KOI FAS FEITA.
    Sortimento completo de sobrecasacos de panno a 2W, 280, 300 e 350. casacas
    muito bem feitas a 250, 280, 300 e 350, paletots acasaeados de panno preto de 1M a#
    ,250, ditos de casemira de cor a 150, 180 e 200, patetote saceos de panno e rase-
    mira de 80 at 140, ditos saceos de alpaca, merino e 15a de 45 at 60, sobre de alpaca
    merino de 70 at 100, calcas pretas de casemira de 80 at 140, ditas de cor de 70 al-
    150, roupas para menino de todos os tamanhos,' grande sortimento de roupas de brim.
    como sejamcalcas, paletots e colletes, sortimento de colletes pretos de meta, casemira
    e velludo de 40 a 90, ditos para casamento a 55 e 60. paletots hrancos rl bramaoic a 4*
    ; e 50, calcas brancas muito finas a 00, e um grande sortimento de fazendas finas e moder-
    ! as, completo sortimento de casemiras inglezas para homem, menino e seoliora. ceroolas
    de linho e algodo, chapeos de sol de seda, luvas de seda e de Jouvin para homen e se
    nhora. Temos urna grande fabrica de alfaiate, onde recebemos encommendas de grande*
    obras, que para uso est sendo administrada por um hbil mestre de semelhanle arte e um
    pessoal de mais de cincoenta obreiros escolhidos, por tanto executamos qualquer obra coa
    promptidlo e mais barata do que em outra qualquer casa.
    FITMDICAO DO liOUYUVKI t DO
    70OOO
    70000. Sortimento completo de grava-
    640
    40000
    40000
    20500
    tas.
    60000
    Toalhas parroste, duzia, 110,
    90 e........
    Atoalhado adamascado de li-
    nho vara......10280
    Chapeos deso, de alpaca, pre-
    tos e de cores.....40000* i
    Este muito acreditado estabelecimento est prvido de um completo sortimento
    machinismos proprios do fabrico de assucar, a saber:
    Machinas de vapores as mais modernas e mais acreditadas.
    | Rodas d'agua de ferro com seus pertences.
    \ Moendas e meias moendas de todos os tamanhos.
    , Rodas dentadas, angulares e de espora.
    Taixas de ferro batido e coado. *
    Roccas de.fornalha pelo novo systema Wetson.
    Alambiques de ferro fundido.
    ; Fornos para cozer farinha.
    ! Moinhos para moer mandioca.
    Arados americanos, etc. etc. *
    de
    30500, 30 e.....20500 Lences de linho..... 30000
    Colletes de velludo preto e de Cobertas de chita chineza.. .
    cores, 90 e......70000 Pennas d'aco, as mais superio-
    Ditos de casemira preta, 50 e 40000 res, a grosa......
    Relogios de ouro orizontaes,
    30500 900, 800 e......
    50000 Ditos de prata, galvanizado,-
    patentes e orisontaes, 400 e
    60 e.......50000 Obras de ouro, aderecos, meios
    Ditos de gorguro de seda aderecos, pulceiras, rozetas,
    preto* e de cores, 60, 50 e 40000 aneis e cruzes.
    Ditos de ditas de cores 50
    40 e........
    Ditos de selim preto. .
    Ditos de ditos e seda branco,
    ro a alegre e espacosa loja d'aguia branca
    ra do Queimado n. 8.
    Lencos brancos rom barras de
    cores para meninos.
    A loja d'aguia branca recebeu um novo
    sortimento de lencos brancos com barras de
    Ricas guarnieres de pentes e
    fivella* para finio*.
    A aguia branca recebeu novas e ricas
    guarnicoes de pentes dourados, e com pe-
    dras; assim como outras bordadas i froco e
    com bolas pendentes, novidade essa que s
    j com"quanto"essesI se acha em dita loja, e que na verdade se
    viessem melhores, maiores e perfeitamente tornam mu alegres e bonitas; e bem assim
    anadiados, com tudo continuara a ser ven- recebeu lindas livellas cora pedras, e ditos
    1 __.__j- ih. j.._:_. -. d'Qcn i'nm nnvn a pncrraeaflos mo ulp'; cintos
    didos pelo antigo preco de 14 a duzia; n.
    ra do Queimado na alegre e espacosa loja
    d'aguia branca n. 8.
    I,a fina para bordar.
    d'aco com novos e engracados moldes, cintos
    dourados e de marroquim; e muitos outros
    objectos de gosto para senhoras sero encon-
    trados na alegre e espacosa loja daguia
    branca ra do Queimado n. 8.
    A aguia branca acaba de receber um com- Babadlnhos estreltos e bordados
    pleto sortimento de 15a fina para bordar, cu- __
    ja variodade de agradareis^ cores foram es-' ^endem-se na ra do Queimado n. 8, loja d apua
    colindas d'um grande livro d'amostras que o
    fabricante offereceu a aguia branca, vindo | Capachos comprfdos e redondos
    entre ellas alguma mesclada; assim pois onde
    os pretendentes melhor se podem sortir des-
    se genero, e na alegre e espacosa loja d'a-
    guia branca ra do Queimado n. 8:
    Os afamados copos com banha. e
    boles eom Inscrlpcoes.
    Chegram novamente para a aguia branca
    esses afamados e estimados copos com banha
    fina; assim como os bonitos boioes de por-
    cellana dourada tambem com banha. e novas
    inscripcoes maviosas e jocoserias, mui ade-
    Vcndem-se na ra do Queimado, [loja d'aguia
    branca n. 8.
    Luvas de camurea.
    Vendem-se mui finas luvas de carmuca
    branca e amarella; na ra do Queimado n. 8
    loja d'aguia branca.
    Potassa da Itussia.
    Acaba de chegar pelo brigue hamburguez
    Orto, muito nova e superior; vende-se so-
    quad para presentes resta porem que os apre- mente no antigo e acreditado deposito na ra
    ciadores concorram, munidos de dinheiro, -i daCadeia do Recife, n. 12-; onde tambem se
    alegre e espacosa loja d'aguia branca ra do \ vende cal de Lisboa muito nova e precos
    Queimado n. 8. comraodos.
    ROUPA
    Na ra do Queimado n. 43. esquina que
    volta para a Congregafo ; pechincha.
    Paletots de casemira a 34, 6, 7, 8, 12 e 14,
    ditos de panno prelo e azul a 9&, 10, l, 16 e 183.
    ditos sobre-casacos de panno muito fino por 240 e
    28% ditos de alpaca preta e de cordo a 40, 5, 6 e
    70, calcas de casemiras de cores a 50, 6, 7 e 80.
    ditas pretas a 60500, 8, 9 o 100, paletots de fusto
    e ganga a 20, 20800, 3 e 40, calcas e colletes de
    todas as qualidades e por preco muito barato, len-
    ces de puro linho a preco de 20800 e 30, cober-
    tas de chita a 20240, collaTinhos de linho puro a
    600 rs. cada um, e outros muitos objectos que s
    a \ista ; e para isso se pede a attenco dos fre-
    gnezes.
    BARATO.
    Saias a balo com 16 arcos, chegados pelo f7o-
    rida, pelo baratissimo preco de 20800 cada urna,
    laazinhas de gosto moderno a 380 e 400 rs. o ao-
    vado : s na ra do Queimado n. 43, esquina que
    volta para a Congregacao.
    ATTE^O.
    Vradem-M titule* de di>Ma de W>37,37 rs.,
    ttndo o jirinripal do debito de Intel Jes Lile,
    logista, que te ve estabelecimente na ra do Quei-
    mado com a casa de Jame Crabtrce 4 C, em li-
    qwdafio, sendo para fechar contas e logo se an-
    Biinciirmaisoulras dividas: na roa do.IYaaiche
    a. i9l
    Assucar do Monteiro
    Ra do Imperador n. 28 c caes de Apollo n.
    67, a 200 rs. a libra, e de 8 libras para cima
    a 5fl600 aarroba._____________________
    Vende-se urna boa preta com idade de 30
    annos, pouco mais ou menos, cozinha e engomma
    perfeitamente, e d-sc para esperimentar, a ligura
    nao boa, porm urna boa cscrava para o servi-
    co de qualquer casa : na ra do Queimado, loja
    de miudeaas da boa faina n. 35._____________
    Vende-se um grande terreno com cercado, e
    ptimo para fazer-sc um excellente sitio em Jaboa-
    tao a margem da estrada da Victoria e contiguo a
    povoacao de Santo Amaro, contendo igualmente
    terreno para plantacao : quem a pretender para
    tratar, dirija-se nesta eidade ao terceiro andar da
    casaj. 46 da ra do Imperador._____________
    PINTURA.
    Tinta branca de massa muito nova, em la-
    tas de 28 libras para casas, para navios, para
    a coinpanliia do gaz. a 2oo rs. a libra: ra
    larga do Rosario n. 34.___________^__
    Cal de Lisboa e potassa da
    Rnssla.
    Vende-se na ra da Cadeia do Recife n. 26, para
    onde s mudou o antigo e acreditado deposito da
    mesmajuan. 12, ambos ogneros sao novse
    legtimos, e se venden a preco mais barato do que
    outra qualquer parte.
    ^^*m ^ m^Wfc*
    DE
    ?TODAS AS QUAMDADES
    DE
    ANTONIO MAIA DE BRITO
    CONHECIDA POR FABRICA DA VIUVA-.
    N. 21 Antiga ra dos Quarteis de polica N. 21.
    Constando ao annunciante, que alguns especuladores de m f, vendo o credHo
    que gosam os meus cigarros, e para poderem dar consumo aos seus andam vendendo tanto
    na praca como pelo mato, illudindo os meus freguezes dizendo que sao meus : e como t>-
    dos os meus cigarros sao vendidos na minha fabrica, e nao mando pessoa alguma vender
    por minha conta fura della, faco o presente annuncio para evitar que comprem gato por
    lebre ; e para seguranca dos senhores consumidores deste genero e especialmente o aano
    freguezes, aviso que todos os massos de cigarros que forem vendidos na minha fabrica sao
    marcados com um distinctivo que declara o meu nome, o nome da ra e o. numero da
    mesma casa.
    Aproveito a occasio para scientificar aos mesmos senhores, que constantemente
    encontrarlo um completo sortimento de cigarros de diversas qualidades. o do melhor ramo
    escomido, por sua boa qualidade j bem conhec'ula.
    Vend~se a taber-
    na sita na'travessa dos
    Expostos n 18; a tra-
    tar ttame*in rolada Baha
    Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Aze-
    vedo, no seu escriptorio, ra da Cruz n. 1.______
    Vende-se urna preta de 22 annos de idade,
    sabe engommar, cesinhar, lavar e coier -, quem a
    pretender, v a ra do Amorim, n. 50, que achara
    com quem tratar._______________________
    Farinha de mandioca
    em saccas grandes, o de superior qualida-
    de : no armazem de Tasso Irruios, roa do
    Amorim n. 38
    viho do Porto superior.
    Vende-se em caixas de urna duzia : no escripto-
    rio de Antonio Luiz Oliveira Azevedo i C.
    Vende-se um carro de 4 rodas c com arreios
    forrado de novo, muito forte, e sem deleito, pro-
    prio para passeio : na ra do Queimado, loja nu-
    mero 14.
    Admirem as las barata*.
    Superiores laas de cores de-quadrinhos e
    lisas, fmgindo sedinbas de duas larguras,
    pelo baratissimo preco de 500 rs. o cova-
    do : na loja das columnas ra do Crespo n.
    13, de Antonio Correa Vasconcellos 4 C.
    40S SUS. 10\SI 1HIDORES H UZ.
    Nos armazens do Cais do Ramos n. 18 e
    na ra do Trapiche Novo (no Recife) n. 8. se
    vende gaz liquido americano prrmeira qmft-
    dade a retamo a 125 a lata de 5 galftes, as-
    sim como latas de 10 e de 5 garrafas eaenda
    em porcao mais barato que em outra qual-
    quer parte.
    HftiM SflPflft*
    Vende-se a rctalho abordo do brigue tel-
    o 1, o qual se acha atracado aotmpienrdm
    Baro do Livramcnto. e em Por^jJ"^*t
    com Antonio Luiz de Oliveira Azevedo C,
    no seu escriptorio roa da Cnu n. 1.______
    Roa da ScauHa n 42.
    Vende-se, em casa de S. .tetamloa4L,
    sellins e silhoes iugiezes, can roe caata-
    raes bionzeados, lonas inglezas, Jn de vnv
    chicotes para carros e montara, arrek para
    carros deumedoasejw eretefiosda
    ouro patente ioglez.

    i


    PtaHoJc lernart!f--***? felra 1 e Agosto e 18.
    /
    II
    GRANDE ARMAZEM
    AE
    EG
    N. 8, DA DAS GRIIZIS N. 36
    DO
    bairro de sanio Antonio.
    0 proprietario do muito acreditado armazem denominado Progressista tendo
    - sempreem vista fazer tudo o que for possivel para bem servir- aos seus freguezes, tem
    deliberado vender os seus j bem conhecidos gneros de primeira qualidade pelos procos
    abaixo mencionados, e affianca s pessoas que mandarem comprar por seus criados ou i
    escravos, serem t3o bem senidas como vindopessoalmente; encarrega-se de aviar qualquer i
    encommenda, ainda mesmo contendo objectos nao proprios deste estabelecimento. O
    mesmo pede aos senhores que mandarem comprar neste armazem o favor de mandarem
    devolver qualquer objecto que n5o agradar, devendo os mesmos senhores ter toda atten- i
    CSo com os seus portadores, fazendo-lhes ver que s no armazem Progrtssista da raa das
    Cruzes n. 36, que se vendem os melhores gneros por mais barato preoo, porqae estes i
    muitas veres olvidam-se e v5o a oatra parte onde os servem de maneira a desagradar este
    estobelecimento.
    Manteigai ngleza de I.* qualidade, a 900 rs.' de superior qualidade a Bt6 i e. csa c
    a libra. xmha.
    dem de 2.a qualidade, a 800 rs. a libra. __.
    dem france, chegada ulUmamente, a 6401 *** 2f" P<*
    rs. a libra.
    PROflRESSIVu.
    isiea i iffiM
    S NO
    9-LARGO DO CARNIO-9.
    I.
    DE
    DE
    ^a%fcft% fc ^
    fe
    Eduardo Marques de Oliveira C.

    P<
    a
    r&
    1
    1 i 2

    m. -- ?! O
    t n C .<
    tt. *i ^f* _
    B 'i'
    fe. M *3
    1 B t
    O
    B l Wf

    i e o
    N'este novo e grande estabelecimento.dAmolhados, encontrar o respeitavel
    j publico d'esta cidade, bem como seus numerosqsfreguezes dn centro, expostos venda
    Os proprietarios deste espacoso e bem sortido armazem de molhados partid- todas'as qualidades de gneros por menos precos que em quaesquer outros estabelecimcn-
    pam aos seus freguezes que acaban de.receber de diversos portos da Europa o mais bel- tos d'esta ordem, pois para isso segu em um dos primeiros paquetes para a Europa um
    lo sortimento de molhados, todos primorosamente escolhidos, os quaes vendenf-se por;dos socios para serem vindos todos os gneros de conta propria, para melhor servir aos
    muito menos do que outro qualquer annunciante, oferigando-se os proprietarios a garantir' se"8 freguezes, e desde j encontrar o respeifewel publico sempre os melhores e mais
    todos os gneros sabidos do seu muito acreditado armjzem. novos gneros do nosso mercado, e por precos baratissimos, como se ver abaixo.
    Aneite fncez clarificado a 76o rs. a garrafa Amendoas a 320 rs. a libra.
    Batatas muito novas, a 20 o gigo de arroba
    e 80 rs. a libra.
    Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor,
    de U 20oOO.
    dem prato, chegado neste ultimo vapor, o
    mais fresco que se pode desejar a 700 rs.
    a obra.
    400 rs. cada um.
    MiHio-alpista a 180 rs. a libra.
    Gomma para engommar muito fina e alva a
    80 rs. a libra e 20300 a arroba.
    Sag muito novo a 240 rs. a libia.
    Sabo verdadeiro hespanhol, que raras vezes
    vem ao nosso meneado, a 300 rs. a libra e
    em caixa ter abatimento.
    dem tondrino, mandados vir de encommen- |dem ^^ de superior qualidade de 460,
    180, 200, 220 e 240 rs. a libra.
    da especial, a 900 rs. a libra.
    dem suisso, muito fresco, a 800 rs. a libra.
    Caf do Rio de l.1 e 2.1 qualidade a 83300
    e 80800 a arroba, e 280 e 300 rs a libra.
    Arroz 4a India e Maraaho a 120 rs. a ara
    v 3*200 a arroba.
    AvetSas as mats novas neste genero a 240
    rs, a libra.
    Presuntos do Porto muito novos a 560 rs. a
    tfra.
    Legumes fraaceses para sipa* cama seja,
    Julienne. mlange dquipage, tibowx e
    outras qualidades, a 400 e 50 o masso.
    Amendoas de casca mole a 320 rs. a libra, e
    em porcSo ter abatimento.
    Garrafes coa- garrafas de visito do Porte
    do Alto Donro a 2->4O0 com o garraOio ;
    afianca-se que nesse genero o meftor
    t que veio ao mereado.
    dem com 5 garrafas de vinho Figueira muito
    superior e mais proprio para a nossa est-
    cao por ser mais fresco a 2#400.
    Cha bysson o mais superior a 2*600 a libra,
    afianca-se ser egual ao que regularmente
    vendemos a 3*200.
    dem buxim miudinho, o mais superior que
    vem ao nosso mercado a 2*700 a libra.
    dem preto muito fino, a 2*000 a libra.
    Garrafes com o garrafas de superior vinho
    de Lisboa a 2*100 cada ubl
    dem com 5 garrafas a 1*100 com o garrafo.
    dem com 5 garrafas de vinagre hambur-
    guez a 800 rs. cada um.
    Vinhos generosos vindos do Porto engarra-
    fados das seguintes marcas: Genuino,
    Porto fino, Nctar, Duque do Porto, Fei-
    toria, Velho secco, Chamico, Madeira su-
    perior e outros a 900 rs. a garrafa e 9*
    ___a duzia.
    Vinho Bordeaux das melhores marcas: St
    Julien, Medoc e S. Estephe e outros a
    640 rs. a garrafa c 7*500 a caixa com
    urna duzia.
    Chourieas e paios, o mais novo que se pode
    desejar, a 250 e 600 rs. a libra.
    Cognac verdadeiro inglez dos melhores fa-
    bricantes a 900 rs. a garrafa e 10*500 a
    caixa com urna duzia.
    Marrasquino de Zara em frascos grandes a
    800 rs. cada um.
    Licores francezes, muito finos, das seguintes
    marcas: Anizetta de Bordeaux, Plaiser des
    daraes, Crme de IS'oyau, Eau Dantzic,
    Crme de Menthe, Hude de Venus etc. etc.
    Graixa em latas muito nova a 120 rs. a lata
    e 1*300 a duzia.
    Peixe em latas muito novo: svel, pescada,
    curvma, salraio e outras qualidades, pre-
    parado de escabexe segundo a arte de
    cozraha a 1*400.
    Papel grve pautado e Uso a 3*800 a resma.
    Genebra de Hollanda em'botijas de conta a
    400 rs. cada urna.
    Viribos em pipa: Lisboa e Figueira das melho-
    res marcas a 3*200 e 4*000 a caada do
    melhor e 500 rs. a garrafa, em porcaoter
    abatimento.
    Vinba velho Chamicoem barril, muito proprio
    para sobremesa, a 640 rs. a garrafa e
    5*000 a caada.
    Vinho branco o mais superior que possivel
    neste genero a 560 rs. a garrafa e a 4*000
    a ranada
    Vinagre puro de Lisboa a 200 rs. a garrafa
    e 1*400 a aada.
    Azeite doce de Lisboa muito fino, em barril
    a 640 rs. a garrafa, e em porco ter
    abatimento.
    Champagne das mais acreditadas marcas, a
    1*000 a garrafa, e 10*000 o gigo com
    urna duzia.
    Charutos dos mais acreditados fabricantes da
    Bahia a 3*500 a caixa, tambem temos
    para 2*000, 2*500, 3*000 e 3*200 a
    caixa.
    Vellas de spermacete superiores a 600, 640,
    e 680 rs. o masso.
    dem de carnauba e composiejo a 320, 360,
    e 400 rs. a bra e de 10* a 11*500 a
    arroba.
    Azeitonas novas do Porto e Lisboa, a 1*000
    a ancoreta do Porto e 1*500 a de Lisboa.
    Massas para sopa: estrellinha, rodinha e pe-
    vide a 400 rs. a libra c 2*000 a caixa com
    8 libras liquido.
    Massas para sopa muito novas: talharim, ma-
    carrSo e aletria a 400 e 480 rs. a libra.
    Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
    suisso das melhores qualidades a 900 rs.
    a libra.
    Doce da casca da goiaba a 800 rs. o caixo.
    Cerveja das melhores marcas de 5*500 a
    6*000 a duzia e 540 rs. a garrafa
    Biscoutos inglezes de diversas qualidades a
    W300 a lata.
    Bolachinha de soda, especial encommenda,
    muito nova em latas grandes a 2*000 cada
    urna.
    gneros
    Manteiga ingleza perteitamente flor, mandada
    vir de encommenda especial a 8oo rs.
    a libra,
    dem franceza chegada pelo ultimo navio a
    62o rs. a libra.
    dem em potes de 4 16 libras multo fina e
    propria para docnte a 8oo rs. a libra e o
    ple separado,
    dem de porco, refinada e muito atvaaSoo
    rs. a libra, em barril ter abatimento.
    dem ingleza em latas de 2 1/2 libras a 2,ooo
    cada urna, garante-se a boa qualidade.
    Oueijos do reino ebegados pelo ultimo vapor
    de l,6oo, l,8oo, 2,ooo e 2,5oo rs.
    dem prtto ebegados neste ultimo vapor, o
    mais fresco que se pode desejar a 66o rs.
    a libra.
    dem londrino mandados vir de encommen-
    da especial a 56o rs. a libra.
    Caf do Rio e Ia e 2* qualidade de 8,5oo e
    8,8oo rs. a arroba, e 28o a 3oo rs. a li-
    bra.
    Arroz da India e Maranho a loo rs. a libra
    e 3,ooo rs. a arroba.
    Caixinhas de ameixas francezas de 1 1/2,2
    e 3 libras, elegantemente enfeitadas com
    diversas estampas no exterior da caixa a
    l,3oo, l,6oo, 2,ooo, 2,5oo e 3,ooo rs.
    Banha de porco \64o"rs. a libra.
    Amendoas confeitadas a 5oo rs. a libra.
    Vidros de diversos tamanhos de confeitos,
    ^muito proprios para miraos, de l,oo a
    2.000 rs. cada mu.
    Batatas a 2*6oo a caixa com 2 arrobas e a
    60 rs. a libra.
    Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra e
    em porcao ter abatimento.
    Garrafes com 5 garrafas de vinho do Porto
    do Alto Douro a 2,24o rs. com o garrafo,
    afianca-se que neste genero o meHwr
    que veio ao mercado.
    Mem com 5 garrafas de vinho Figueira mui-
    to superior e mais proprio para a nossa
    estaeo por ser mais fresco a 2,4oo rs.
    'Cha hysson o mais snperior a 2,600 rs. a
    libra, afianea-se ser egual ao que regular-
    mente vendemos a 3,oeo ft,9ee- rs.
    dem huxim miudinho o mais superior que
    vem ao nosso mercado a 2,7oo rs. a libra.
    dem preto muito fino a 2,ooo rs. a libra.
    dem muito mais baixo, muito proprio para
    negocio a l,6oo rs. a libra.
    Presunto inglez para fiambre o mais fresco
    que se pode desejar a 800 rs. a libra.
    Garrafes com 5 garrafas de superior vinho
    de Lisboa a 2,2oo rs. cada um.
    dem cora 5 garrafas de vinagre de Lisboa
    a l,2oo rs. com o garrafo.
    dem com 5 garrafas de vinagre hamburguez
    a 9oo rs. cada um.
    Genebra de laranja a 9oo rs., a melhor que
    se pode desejar.
    Cha perola o melhor neste genero a 3,2oo
    rs. a libra.
    AVelaes a 2oo rs. a libra.
    e 9,3oo rs. a caixa com I duzia.
    Conservas inglesas dos melhores fabricantes Ameixas a 1* a libra.
    Mixed e Pickles, ceblas simples, e outras Ditas em frasco por 2*800.
    a 800 rs. o irasco.
    Mostarda ingleza preparada em potes muito
    .nova a 4oo rs. cada um
    Mdlhos inglezes de todas as qualidades e das
    melhores marcas a 5oo rs. cada urna gar-
    rafinha.
    Manteiga ingleza flor a 800,900 e 1* a libra.
    Manteiga franceza a 680 e 720 rs. a libra.
    Dita hollandeza a 72o 800 rs. a libra.
    Mostarda a 640 rs. o frasco.
    Arroz pilado da India loo rs. a libra e 3*ooo i Massa de tomates a 640 rs. a libra,
    a arroba. I Dita estrellinha para sopa a 560 rs. a libra.
    Marrasquino de Zara a 800 rs. o frasco.
    4oo e 560 rs. a libra, e 8* a caixa.
    Sal refinado em fraseos devidro de diversos
    modellos a 4oo rs. cada um, s o frasco
    vale o dinheiro, tambem ha solt para 80
    rs. a libra.
    Dito dito do Maranho 120 rs. a libra e 3*500
    a arroba.
    Azeite doce francez 800 rs. a garrafa.
    Dito de Lisboa 680 rs. a garrafa.
    Agurdente de canna de cabeca a 240 e 320
    rs. a garrafa.
    Azeitonas a 400 rs. a garrafa, e 1*300 a an-
    coreta.
    , Bolachinha de soda a 1*400 a lata.
    Vasos mglezes vasros de 4 a 161.bras, muito 5anha de a 6oo ,jbra
    proprios para deposito de doce, manteiga ^StSoM ingleza a 200 rs. a libra,
    u outro quakpier liquido de 1,00o a 3,ooo ^ a 3^0^ '
    Cha hysson a 2*200 a libra.
    e a bar-
    Dito dito fino a 2*600 a libra.
    Dito miudinho a 2*800 a libra.
    Dito do Rio a 1*800 a libra.
    Dito preto a 1*900 a fibra.
    Carne do sertSo a 36o rs., e em porc50 se
    vende por menos.
    cada um.
    Paincoal4ors.alibra.
    Milho alpista a 16o rs. a libra.
    Gomma para engommar muito fina e alva a
    80 rs. a libra, e 2,3oo rs. a arroba.
    Sag maito novo a 24o rs. a fibra.
    Sabao verdadeiro hespanhol que raras vezes
    vem ao nosso mercado a 3oo rs. a libra e:.
    em caixa ter abatimento. fS% le diversas qualidades a 1*200,
    dem massa de superior uaUdade dd 2oo, ',*o e ".V81*.8;-^ f
    22o e 24o rs. a libra Champagne a 1* e 1*500 a garrafa.
    Graixa em latas muito nova a 12o rs. a lata suncas a 560 e 600rs. a fibra.
    e 1 3oo rs a duzia I Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
    Peixe' em latas muito novo: svel, pescada,' CaJ ^Jj?0 e 32 rs- a ,H>ra> e n e
    curvma, salrao e outras qualidades, pre-
    parados de escabexe, segundo a arte de
    cesinha de l,4oo e 2,ooo rs. a hta.
    Amendoas confeitadas de diversas cores a
    600 rs. a libra.
    Passas muito novas e de carnada a 400 rs. a
    libra e 6*500 a caixa com urna arroba, ha
    caixas, meias e quartos.
    Ameixas francezas em frascos de 110 e 3 li- *!* &%*> do ******* Basset. a
    Massa de tomates em latas de 600 a 700 rs.
    cada urna.
    bras de 1*400 a 2*800, tambem ha latas i
    de 6 libras.
    Marmelada imperial, dos melhores conser-
    veiros de Lisboa, a600rs. a libra, em la-
    tas lacradas hermticamente.
    Fruetasem caldas de#todas as qualidades em
    latas muito bem enfeitadas, a 500 rs ca-
    da urna.
    Bolachinha ingleza, a mais nova que se pode
    desejar, a 3*000 a barric a e 240 rs. a
    libra.
    Fariuha do Maranho muito alva e cheirosa
    a 160 rs. a libra.
    Azeite francez clarificado a 800 rs. a garrafa
    e 9*000 a caixa com urna duzia.
    Conservas inglezas dos melhores fabricantes
    Mixed Pickles, ceblas simples, e outros
    a 760 rs. o frasco.
    Farinha verdadeira de araruta a 500 rs. a
    libra, garante-se a superior qualidade.
    Palitos para dentes em caxinhas douradas
    Bren, a 320 a libra e 8* a arroba.
    360 rs. a lata.
    Toucinho de Lisboa novo a 320 rs. a libra.
    Tijolo de limpar facas a 180 rs. cada um.
    Cebollas o mlho a 900 rs.
    Erva-doce muito nova a^OO rs. a libra.
    Cominhos idem idem a 6kO rs. a libra.
    Garrafes vasios a 500 rs. cada um.
    Ditos com 5 garrafas de genebra a 2*400,
    garante-se ser verdadeira de Hollanda.
    Cebollas a granel a 640 rs. o cento.
    Canella a mais nova do nosso mercado a
    1*000 a libra.
    Alfazema o que pode haver de melhor neste
    artigo a 280 rs. a libra.
    Phosphoros de seguranca individual a 20 rs.
    a caixinha.
    Papel de embrulho muito superior a 1*120
    a resma.
    Vinho da Figueira, o que-Aa de melhor a
    4*000 a caada.
    Copos finos para agua a 6*000 a duzia.
    Papel grve pautado e
    resma.
    liso a 3,800 rs. a
    Genebra de Hollanda em botijas de conta
    46o rs. cada urna.
    Vinhos em pipa: Lisboa, Porto e Figueira das
    melhores marcas a 2,5oo, 2,800, 3,ooo e
    4,000 rs. a caada do mais superior e de
    32o e 36o rs. a garrafa.
    dem'velho Chamico em barril, muito prt'prio
    pira sobremesa, por ser .muito -claro e
    macto a 64o rs. a garrafa, e 5,ooo rs. a
    caada.
    Vinho branco o mais superior que possivel
    neste genero, a 56o rs. a garrafa e a
    3,8oo rs. a caada.
    a arroba.
    Dito moido a 360 rs. a libra.
    Doee de goiaba a 560 rs. o caixo.
    Espirito de vinho de 38 graos, a 280 rs. a
    garrafa.
    Figos a 400 rs. a libra, e em latas de 4 libras
    por 1*500.
    Farinha do Maranho a 160 rs. a libra.
    a Genebra de Hollanda a 640 e 720 rs. o frasco,
    e 7* a frasqueira com 12 frascos.
    Dita hamburgueza a 560 rs. o frasco, e 6*500
    a frasqueira com 12 frascos.
    Dita flor de laranja a 1* o frasco.
    Gomma d araruta a 100 rs. a libra, e 2*600
    a arroba.
    Graixa em latas a 120. e 1*300 a duzia.
    Genebra em garrafes de 44 garrafas'por
    4*600.
    Batatas inglezas libra a 80 rs., e a 2*500 em
    arroba.
    Licor fino a 800 rs. a garrafa.
    Dito em garrafas grandes de superior quali-
    dade a 1*500.
    Vinagre puro de Lisboa, a 2oo rs. a garrafa
    e l,4oo rs. a caada.
    Azeite doce de Lisboa muito fino, em barril,
    a 64o rs. a garrafa, em porco ter abati-
    mento.
    Champagne das mais acreditadas marcas, a
    l,2oo rs. a garrafa, e 12,ooo rs. o gigo,
    com 1 duzia.
    Charutos dos mais acreditados fabricantes da
    Bahia a 3,5oo rs. a caixa, tambem temos
    para 2,ooo, 2,5oo, 3,ooo e 3,2oo rs. a
    caixa.
    Velas de spermacet superiores, a 600 64o,
    680 e 7oo rs. o masso.
    Passas a
    Palitos para dentes a 180 rs. o masso.
    Phosphoros do gaz a 2*500 a grosa.
    Paios novos a 640 rs. a libra.
    Queijos do reino do ultimo vapor a 2* e
    2*500.
    Dito de prato a 720 rs. a libra.
    Dito do sertao a 560 rs. a libra.
    Cervejas de marcas superiores a 500,*560.
    600 e 640 rs. a garrafa, e 5*500, 6* e
    6*500 a duzia.
    Dita em barril por 4*, e 240 rs. a garrafa.
    Cevada a 240 rs. a libra.
    Sardinha de Nantes a 360 e 400 rs. a Mi-
    nha.
    Sag a 240 rs. a libra.
    Sabo massa a 200, 240 e 280 rs. a libra.
    Sevadinha a 280 rs. a libra.
    Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
    Tijolo para limpar facas a 160 rs.
    Vellas de spermacete a 640 e 680 rs a libra.
    Ditas do gaz muito boas.
    Ditas dito em caixas de 6 libras por 4*000.
    Ditas de carnauba a 400 rs. a libra.
    Bitas de^composico a 360 e 380 rs. a libra.
    Vinho "do Porto, caada a 5*500, garrafa a
    720 rs.
    Dito Lisboa, caada a 4* e a garrafa a 500
    rs.
    Dito Figueira, caada a 3*840 c a garrafa a
    480 rs. >
    Dito dita superior, caada a 4* e a garrafa
    a500rs.
    Dito Estreito, caada a 3*200 e a garrafa a
    400 rs.
    Dito Bordeaux a 720 e 800 rs. a garrafa.
    Vinagre de Lisboa em garrafes de 5 gai ra-
    fas por 1*400.
    Dito em eanada a 2*, e a 260 rs. a garrafa.
    Vinho' do Porto em garrafes de 5 garrafa?
    por 2*500.
    Dito dito engarrafado a 1* e 1*200.
    Dito lagrimas do Douro a 1*400 a garrafa.
    Vinho branco de Lisboa a 720 rs. a garrafa.
    e 5* a caada.
    Dito do estreito a 600 rs. a garrafa, e a 4*500
    a caada.
    Previne-so ao respeitavel publico que todos os gneros cima sao de boa quali-
    dade, e para desengao venham ver; assira como outros que deixam de ser annunciados.
    TODA ATTENCftO
    NOS
    c-tfirsi
    ARMAZENS
    RVTIVO I GffNS
    mmm
    \
    DE
    Vinhos generosos vindos do Porto engarra-
    tn K^LSITn 'p^hTS* 'Mem de carnauba e composicSo, a 32o, 36o P *> Q em outra
    Porto fino Nctar, Duque do Porto, Fe- e 4oors. a libra, e de lo,oooall,5oors. I,dade dejualquer genero sabido dos
    tona, Velho secco, Chamico, Madeira su-, aarr0Ka .u,wuai,#wa. .
    perior e outros a l.ooo rs. a garrafa, e
    9,ooo rs. a duzia. 'Azeitonas novas do Porto e Lisboa, a l.ooo
    Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto! rs. a ancoreta do Porto, e l,5oo rs. a de
    a l,2oo rs. a garrafa, e lo.ooo rs. a caixa.J
    Vinho Bordeaux das melhores marcas: St.
    Julien, Medoc, S. Estephe e outros a 7oo
    rs. a garrafa, e 8,000 rs. a caixa com urna
    duzia.
    Chourieas e paios, o mais novo que se pode
    desejar, a 56o rs. a libra.
    Cognac verdadeiro inglez dos melhores fa-
    bricantes a 9oo rs. a garrafa, e lo,5oo rs.
    a caixa com urna duzia.
    Marrasquino de Zara em frascos grandes a
    800 rs. cada um.
    Licores francezes muito finos das seguintes
    marcas: Anizete de Bordeaux, Plaisir des
    Dames, Crme de Noyau, Eau de veede
    dant^" c, Creme de menthe, Huile de Ve-
    nus, Parfait amour, Eau dora l.ooo rs.
    a garrafa e l.ooo a caixa com 1 duzia*
    Passas muito novas e de carnada a 3oo rs
    a libra e 6,000 rs. a caixa com 1 arroba,
    ha caixas, meias e quartos.
    Ameixas francezas em frascos de 1 1/2 e 3
    libras de l,4oo a 2,8oo rs.; tambem ha em
    latas de differentes precos.
    Marmelada imperial dos melhores conservei-
    ros de Lisboa a 600 rs. a libra, em latas
    de differentes tamanhos e lacradas herm-
    ticamente.
    Fructas em caldas de todas as qualidades em
    latas muito bem enfeitadas a 5oo rs. cada
    urna.
    Bolachinha ingleza a mais nova que se pode
    desejar a 2,5oo rs. a barrica, e 24o rs. a
    libra. *
    Lisboa, estas ultimas raras vezes vem ao
    nosso mercado, pela sua boa qualidade.
    Massas para sopa: estrellinha, rodinha e perj
    vide a 32o rs. a libra, e l,6op rs. a caixa
    com 8 libras liquino; s no Progressivo.
    Massas para sopa muito novas: talharim, ma-
    carro e aletria, a 4oo e 48o rs. a libra.
    Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
    suisso, das melhores qualidades a 9oo rs.
    a libra.
    Doce da casca da goiaba a 64o rs. o caixo.
    Cerveja das melhores marcas, a 5,5oo e
    7,4oo rs. a duzia e 54o rs. a garrafa.
    Biscoutos inglezes de diversas qualidades a
    l,2oors. a lata. .
    Bolachinha de soda especial, encommenda
    muito nova, em latas grandes a 2,ooo rs.
    cada urna.
    dem craknel em latas de 5, 7 e 15 libras a
    4,000, 5,5oo e H,ooo rs. a lata.
    Palitos do gaz, a 2o rs. a caixinha e 2,3oo rs.
    a grosa.
    Massa de tomates em latas de 600 a 7oo rs.
    cada urna.
    Sardinhas de Nantes do fabricante Basset, a
    38o rs. a lata.
    Toucinho de Lisboa novo, a 32o rs. a libra.
    Tijollo de limpar facas, a 18o rs. cada um.
    Cebollas, o mlho a 9oo rs.
    Farinha do MaranMo muito alva e cheirosa,
    a 14o rs. a libra.
    Alm dos gneros cima mencionados, existe um completo sortimento de al-
    fazemas, cominhos, pimeota, erva-doce, palitos de dente em macos e caixinhas, enso-
    e outros muito gneros, os quaes vendemos pelos precos mais baratos possiveis.
    JXD^IHIII 8 ID0 3 8S!J(D8
    NS. 21 E 23-LARGO DO TERIIO -NS. 21 i 23.
    O proprietario destes dous estabelecimentos de molhados, vende os seus ge-
    que em outra qualquer parte, por isso garante a superior bua-
    seus armazens; pode vender por menos por com-
    prar d^eir, e por isso faz vantagem a os compradores.
    Batatas as mais novas do mercado, a 60 rs. a libra e l,6oo rs. aarroab ou caixa.
    Toucinho de Lisboa-da 1.a qualdade, a 3oo rs. a libra e 9,ooors. a arroba.
    Caf do Rio da ir e 2.a sorte, a 28o e 32o rs. a libra.
    Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor, a l,8oo e 2,ooo rs.
    Velas de spermacet, carnauba do Aracaty, as melhores deste genero, a 63o e 4oo rs. a lihra.
    Vinho verdadeiro Figueira das melhores marcas, a 5oo e 4oors., em caada se faz aba-
    timento, ha porco para escolher.
    Bolachinhas americanas, as mais novas neste genero, a 2oo rs. a libia e 3,00o rs. a barrii-a
    Palitos do gaz, vindos por conta particular, a 2o rs. a caixinha e 2,4oo rs. a grosa.
    Manteiga ingleza da 1.a e 2.a qualidade, a 800 e 76o rs. a fibra,
    dem franceza, especialmente escolhida, a 04o e 600 rs. a libra.
    Cha, o melhor neste genero, a 2,88o rs., tambem ha para mais barato.
    Milho alpista, limpo, muito superior, a 16o rs. a libra, a arrroba 5,ooo rs.
    Alm destes gneros ha outros muito baratissimos, assim como ceneja das me-
    lhores marcas, genebra de Hollanda e de .laranja, passas, doce de goiaba, azeite doce, vi-
    nagre, canella, pimenta, cominhos, erva-doce, cebollas, albos, cbourifas, banha de porco r
    outros muitos gneros que enfadonho mencionar; dinheiro contado.
    % eiulc-se
    Piche no armazem-da bola amarella da ra do
    Imperador. ___________________^^^^
    VENDEM-SE ,
    25 pipas em Larris com niel promptas para embar-
    que, agurdente de canna em pipas, tambem ha
    100 ancoretas com azeitonas frescas que se reta-
    lliam a ijOOO, urna porcao de cal de Lisboa, que se
    vende a 2S00, por alqueire, no armazem de
    Manoel Marques de Oliveira na ra da Moeda
    n. 8.
    Boa peehlncha para princi-
    plante.
    Vende-se a armacao da taberna do caes de A-
    pollo n. 57, Iluminada a gaz, muito em conta, e se
    vendem duas pipas vasias que sao de espirito de
    agurdente, arquiadas de ferro. ____
    Vcnde-se urna morada de casa terrea muito
    boa, com 2 salas, 3 quartos, cozinha fra, quintal,
    na ra do Areal, atraz da igreja do Pilar n. 48:
    no pateo do Paraizo n. 10 se dir quem vende.
    Vende-se a casa terrea da ra do Rosario da
    Boa-Vista n. 38 a tratar na ra da Roda n. 36.
    Vende-se urna mulata de idade de 34 annos
    pouco mais ou menos, tendo as habilidades seguin-
    tes : sabe bem engommar e cosinha o diario de
    urna casa, lava muito bem, fiel, nao tem vicios
    nem chaqus e vende-se por pre^o commodo pre-
    ferindo-se vender para ora da provincia ou mes-
    mo para algum engenho que nao seja perto da ci-
    dade; o motivo desta venda se dir ao comprador:
    cmOurtft no Varadouro taberna de Antonio Ledo
    se dir.
    ESCRITOS FGIDOS.
    Escravos fgidos.
    Fugiram no dia S de julho do corrente ihmi
    escravas Candida e Lucinda, mai e Alna : *.r<
    meira representa ter 34 annos, pouco maiso u me-
    nos, estatura e feifoes regalares, denlas ahes,
    olhos aperlados e bem fallante ; a segunda repre-
    senta ter 15 annos, pouco mais ou menos, muala
    clara, bom cabello, estatura regular, boas denles,
    olhos aperlados que parece ser myope, ten tres
    cicatrizesfrescas de ferda de fogo na p direita e
    nos dous bracos : regase as autoridades poiiees
    e mais pessoas a captura dellas e entrega-las a sea
    senhor Domingos aos Passos Miranda, na ra te
    Hospicio n. 31, que gratificar generosamente, pre-
    testando-se igualmente contra quem as tireror-
    cultado.______________I^-._________
    fifleravo* fugM.
    Fugiram desta cidade em caminho para o aen
    engenho Bamburral, na villa da Esrada, o escra-
    vos: Fllippe, de nacao 42 annos, baixo, un pouco
    inchado; Alexandre, crkxo, 18 annos, baiM, coa
    manchas de pannos pelo rosto; Mes eternos tra-
    balhavam no engenho Atalaja, em Serinhiem, e
    por minha ordem vieram para o Recife, e d'aqui
    seguiram em 33 de julho prximo paseado, e coa
    ignora-se o caminho que tenbam loando, reeonv-
    mendo s autoridades, capities de enano, e a qual-
    quer pessoa que os apprehendam leven ao so-
    bredito engento, ou nesta cidade na roa da Praia
    no Sr. Genuino Jos dn Rosa, que ao i
    mente recompensados.
    Jos Pereira de Artoje-
    V
    -J
    i




    "''
    <-
    8
    UTTERATRA.
    Piarlo c JPenUh?** ***** Mr e Agobio de I SOS
    O que vae pelo mundo.
    Por consequencia, mostraram que os
    aconlecimentos que recentemenlc tmham ti-
    doiugar naGrecia nao podern aiTectar a firme
    re^oaicao ein que eslao as suas corles, de
    vigiar de commim accordo pela manuten-
    5*0 da tranquillidaxle, independencia e
    prosperidade do reino da Grecia, pan cuja
    tundat'oconiiibiiiram a Franca, Gra-Bre-
    tanha e Russia, no interesse da civilisacao,
    da ordem e da paz.
    (Assignado) Bardo (iros. Husscll.__
    h', uimoir. i
    N- 3.-Protocolo da conferencia de 5
    de junlio :
    Estavam presentes os plenipotencia-
    rios da Franca, Gra-Bretanha, Russia e Di-
    namarca.
    t Os plenipotenciarios da Franca, Gra-
    Bretanlia e Russia, reconliecendo a" necessi-
    dade de estabelecer sem demora os meios
    de collocar de novo a Grecia sb um sys-
    tcma conforme com os principios, cuja i'n-
    violabilidade se mantem pelo protocolo de
    27 de maio, no interesse eeral da nrdom
    Franca, Gr5a-relanha e Russia, declara- Inerme Fernando Adolpho Jorge, alnn me_ Pst0 organisado vivo move-se, porque tem
    rara que cada urna das tres cortes eslava' or, S. M. el-rei de Dinamarca acceita pai? em Sl o principio do movimentoe da vida
    disposta a dar a favor do principe Guilher- aquelle prinfipe a soberana da Grecia que 4Ue sse principio a alma delles (I)-
    me, quatro rail libras sterlinas por annojlhe foi offerecida por um decrelo da assem- tamben mostramos que s ha tres especies
    soDie o capital que o thesouro grego seobri-bla nacional grega de 18/30 de margo ul- de composto vivos : a planta, o bruto eo
    agar, annualmente. a cada urna d'el-1 timo. Esta acceitcao foi comludo dada na homem, por que 3o estes os nicos com-
    ......
    im a i "menl d0 ajuste proposto intelligencia e sob condicao expressa de que postos que leem orgaos movidos por um
    noin.lenab Pel0,s refresentantes das tres as illias jonias sero effectivaraente unidas principio intrnseco, e que s elles teem o
    Em primeiro lugar executa os tres actos e tamben, senra! e nerps-uriameni D
    communs a todas as formas, inclasTe.gJX^e^w^T?e?eH
    as dos compostos naturaes inorgnicos; os unico iinS SI^IfL^*r^'L.0
    actos de especificar, substanciar e individuar
    potencias, eacceito pelo governo grego com ao reino da Grecia,
    ^concurso das cmaras no mez de junho de I c (Assignado) Torben Dille
    imo.
    Fica expressamente entendido que es-
    tas tres quantias, formando um total de doze
    Ha alguns mezes urna expedicao polaca
    commandada pelo coronel Lapinski, embar-
    cou tentando, um desembarque na Samo-
    a materia, por que a alma vegetativa for-
    ma, e toda forma, substancia, especifica e
    individa. Em segundo lugar ella sendo
    miiiiassterlinaspor anno, sao destinadas gicia. Divarsas crcumstancias obrigaram
    a constituir urna dolago pessoala S. M. el- aquelles patriotas a dirigircm-se para Mal-
    rei. independente da lista civil fixada pela mc, na Suecia. Depois fizeram urna nova
    legisiagao do eslado. tentativa coDtra a Livona, mas nao foram
    beccao 3. Na conformidade dos prn- mais felizes; a este respeito diz om jornal
    cipios da constituido grega, reconhecida pelo'sueco:
    tratado assignado em Londresa 20 de novem-1 N'uma das nossas nltimas revistas re-
    1 i e. P1"0,013,"13^ pelo decreto da ferimosem poucas palavras, o xito infeliz
    asamblea- nacional de I8|30 de mareo de'da nova empresa do coronel Lapinski, e drz-
    100.1, os legtimos successores dorei Jorge se que se refugiara com asua pequea ex-
    l'T Prressar a doutnna da egreja pedieoem Kbistehamn, na ilna de Gotland,
    o thodoxa do Oriente. lOgovernador da provincia pedio instruc-
    secgao 4. tm nenlitim caso a cora coes ao govemo sueco, fazendo-ihe saber
    mov ment e vida.
    Se nao ha, pois, se nao tres especies de
    compostos naturaes animados, tambero nao
    existem se nao tres especies d'a.Tia : i", a
    alma vegetativa das plantas; 2o, a alma sen-
    sitiva dos brutos; 3o, a.alma intellecliva
    do homem. Pela vida vegetativa distin-
    guem-seas plantas de todos os compostos
    inorgnicos, que existem, mas nao vegetam;
    os brutos tendo a vida vegetativa possuem
    mica
    O
    nico principio da vida e dos actos do eor-
    po decorre d'aquella primeira proprcMe.
    Exporemos, pois, neste lugar a doutrina da
    untitode d'alma, defendendo-a ao mesao
    lempo dos ataques que cootra ella leen di-
    tambem forma viva, que d e conserva a j& 7'pW^h^^^S S*
    vida vegetativa ao seu corpo, exerce os tres
    actos que constituem esse genero de vida,
    a saber: o acto da nutrigo, do crescimento
    e da reproduego ^
    A alma dos bruloi/ executa os seis iftos
    precedentes, como as plantas; mas como
    ella tem alera disto o principio da vida sen-
    sitiva, exerce tambem as funeges proprias
    desta vida, os actos da sensagjo, dajoco-
    mogoe da virtude estimativa. Sendo pois
    resse geral da ordem e
    da paz, retiniram-so em conferencia para
    decidir os ajustes que de commura accordo
    se devem fazer para realisar os,desejos da
    nagao grega, que chama ao throno o prin-
    cipe GmIherme de Dinamarca.
    Para alcancar este resultado, os pleni-
    potenciarios resolveram, na conformidade
    das ordens das suas corles, convidar o mi-
    nistro de S- M. el-rei de Dinamarca para
    Tomar parte as suas deliberages,
    O plenipotenciario de Dinamarca, em
    virtude da aulorisagao que recebeu da sua
    corte, acceitou este convite
    Por proposta do p*rincipal secretario de
    S. M. B. na repartigo dos negocios eslran-
    geiros, os plenipotenciarios fizeram a lei-
    tura:
    l. Do decreto datado de 48)30 de
    margle I8G"J, pelo qual a assembla na-
    cional proclamou unnimemente o principe
    Guilherme, lilho segundo de S. A. R. o
    principe Cliristiano de Dinamarca, rei cons-
    titucional dosGregos, com o titulo de Jorge
    i, rei da Grecia
    i." A nota de 4 de junho, pela qual o
    ministro de Dinamarca, acreditado junto de
    S. M. B., coramunica, de accordo com S.
    A. R o principe Christiano, na qualidade
    de tutor de seu filho segundo o principe
    Christiano*, Guilherme, Fernando, Adolpho,
    " '"1" """S. M. el-rej de Di-
    Jorge. amua me""' iuv< ; .
    iiamarca acceita para o principe Christiano,
    Guilherme, Fernando. Adolpho, Jorge, a so-
    berana hereditaria da Grecia, mas com a
    condigno expressa de que as ilhas Jomas se-
    r"o definitivamente unidas ao reino da
    Grecia. __,
    t Depois de terem attenlamente exami-
    nado o alcance lestes documentos anneitis
    ao presente protocolo, A e P, os p'.enipo-
    tenciarios de Franga, da Gr-Bretanha e
    Russia annunciaram a annuencia das suas
    respectivas cortes aos actos, em virtude dos
    uaeso principe Guilherme da Dinamarca,
    com o consentimenlo de S M- el-rei de
    Dinamarca, e de seu pae o principe Chris-
    liano, chamado ao throno da Grecia, com
    o titulo do Jorge I, rei dos Gregos.
    t Desojando facilitar a realisago dos de-
    sejos da nago grega, as corles de Franga,
    Gran-Bretanlia e Russia antorisam os seus
    representantes a proporem as seguintes re-
    solugoes:
    i Seceao I.* O principal secretario d'es-
    lado dectorou que se a uniao das ilhas Jo-
    nias ao reino da Grecia,depois de se ter
    provado que essa unio est de accordo com
    da Grecia e a cora da Dinamarca se reuni-
    Fio no mesmo soberano
    Secgao 5 Os plenipotenciarios reser-
    vara s suas cortes dar aos ajustes cima in-
    dicados, a forma de urna convengo.
    < Secgao 6.* As cortes de Franga, Gra-
    Bretanha e Russia, usaro desde j da sua
    influencia para obter o reconticiment do
    principe Guilherme como rei dos Gregos,
    com o titulo de Jorge I, por todos os sobe-
    ranos e estados com que estao em rela-
    gao.
    Depois de terem concordado as reso-
    pigoes que se contera no presente protco-
    o. os plenipotenciarios, assignarara e sel-
    llaram.
    (Assignado) Bardo Gros.RitsseV Bvnn-
    now,Bille. subspe rali.
    Annexo ao protocolo n. 3:
    Alhenas, 31 de margo de 1863.
    Sr. enviado. Tenho a honra de lhe
    transmittir in-'.lusa urna traducgSo franceza do
    decreto que hontera votou unanimente a as-
    sembla nacional, e que proclama o princi-
    pe Christiano Guilherme Fernando Adolpho
    que Lapinski e a' sua gente manifestaran
    desojo de. poder-se dirigir a Inglaterra pas-
    sando por Stockholmo e- Gothemburgo. O
    governo sueco deu a seguinte resposta a esta
    communicago:
    Attendendo a que o coronel" Lapinski
    e a sua expedigo receberam em IHalme,
    soccorros dos fundos do estado, obrigando-
    se a abandonar a-Suecia-, e attendendo que
    apesar d'esta promessa, voltaram a eslo rei-
    no e declarara agora querer dirigir-se a
    Inglaterra ;o governo de el-rei, nao pode
    permittir que essf viagem tenha lugar por
    Stockholmo e Gothemburgo: todava que-
    rendo annuir ao desejo que lhe foi manifes-
    tado, resolveu que um navio de guerra da
    cora fosse mandado de Carlskrona para
    Ktintelhamn, para ali Eeceber Lapinski e a
    sua gente, assim como os objectos- que- lhe
    pertencem e eonduzi-los a um porto ingle*.
    O governador da provincia dever vigiar
    empregando a forga no caso de necessidade
    que aquella gente entregue immediata-
    raente as suas armas guarda da.autorida-
    de competente, e que se conserve era Klinr
    JorgeT'exondo filbo"de prteipe Chriuano tenamn;, esperando a chegada do navio do
    tambem a vida sensitiva que os distingue esta alma mas nobre e vigorosa que a das
    das plantas, que vegetam, mas nao seniem;! plantas exerce nove actos,
    finalmente o homem, participando da vida I Mas a alm3 humana superior aquellas
    vegetativa das plantas, e da sensitiva dos duas especies d'alma. Como forma su-
    brutos, tem de mais a vida intellecliva.]bstancial do cotoo,-e gosando da vida ve-
    de Dinamarca, rei constitucional dos Oregos,
    com o nome de Jorge L
    Esta escolha que foi aceita com o raai-
    or enlhusiasmo pelo povo da. capital, abrir,
    pondo termo revolugo de de 23 de ou-
    tubro, urna nova era e felicidade e pros-
    peridade para a Grecia.
    t Rogando-lhe queira levar este decreto
    ao conhecimenfj do governo de S. M. a rai-
    nha da Gr.'iji-etanha e Irlanda, no duvido
    que o gobern britannico, que est animado
    de se;,itimentos de araisade para com a Gre-
    c;.a, ha de ver com prazer o termo da crise
    | por que temos passado.
    Acceitae, etc.D. E. Mavecordato.
    Annexo A.Decreto XXV:
    A segunda assembla nacional dos Gre-
    gos em Alhenas decrelou.
    t Art. 1." O princepe Christiano Gui-
    Ihcrmo Fernando Adolpho Jorge, filho se-
    gundo do principe Christiano de Dinamar-
    ca, foi proclamado unanimente pela assem-
    bla, rei constitucional dos Gregos, com o
    nome de Jorge I. rei dos Gregos.
    Art. 2. Os successores legtimos do
    rei Jorge dever3o professar a regiao da e-
    greja Orthodoxa do Oriente.
    t Art. 3. Urna deputago de tres mem-
    hros, escolhida pela assembla, se dirigir
    a Copenhague, e lhe offerecer a cora em
    nome da naco grega.
    Annexo D. ao protocolo n. 3:
    Legaco de Dinamarca.Londres, 4
    tamanho que lhe determinou a natureza, ou
    o cveschnento-; 3, o acto pelo qoal conce-
    be o germen, que tr3nsmrtte, reproduzin-
    do-se em oulros individuos- da mesma na-
    tureza, para a conservago da especie, ona
    reproduego.
    A vida sensitiva tambera tem tres actos :
    Io, o acto pe!o>qua! o animal apanba o ma-
    terial sem a materia, ou a sensacab; 2o, o
    acto pelo qual muda de lugar, ou a locomo-
    cao espontanea; 3o, o acto pelo qual dis-
    tingue o que lhe til do que lhe nocivo
    sua conservaoo,acto este que a philosophia
    christa. chama-,/Vrra ou virtude estimativa*
    Finalmente os actos, que consliiiiein a
    vida intellecliva sao: Io, o acto de crear
    a concepgo universal por meio das cousas
    particulares, apandando o particular sem as
    particularidades, ou acto desformar as
    ideas ; 2o, o acto de, por meio dessas con-
    cepcoes, raciocinar; 3", o acto de livre-
    mante querer, ou nao querer.
    Ora, sendo pela sua forma que o ser ope-
    ra, e a forma do composto vivo sendo a
    sua alma, por esta que elle ex oree osados
    da vida quelite prop a, deste modo, pois,
    a alma vegetativa (2) exerce relmente seis
    actos.
    (1) Os escolsticos definem a alma: O acto pri-
    meiro do. corpo orgaoisado, physico, tendo a vida.
    em potencia : Anima <*. ganici, phystci, potextia vitam habentis. Esta defl-
    nicao exacta ; cwivni s cousa definida, e a
    contera, toda ; convindo alma pode scrapplicada
    a todo, o principio que anima um corpo, aqualquer
    especie d alma E' urna denicao gewi ira de qual-
    . que/ alma, bastando para tornar-se defmicfvo pro-
    pinio que O governo nao podesse proce- pria de alguma especie d'alma, acrescentar-se urna
    der de outra maneira, 0 que tendo em vista palavra forma, e mudar o nome da materia. E
    a causa que elles defendem, nao era conve- **im .*c A alma l^etf^.^T,
    . M ... -__ i primeiro do corpo vegetal tem-se a delmicao da
    mente que Lapinski e OS que fazem parte S|ma das plantas. A alma sensitiva c o acto pri-
    da sua expedig5o passassem de novo alguns nieiro do corno sensivel tenvse a dcQaico d!al-
    mezes cm Stockholmo, como aconteceu em ma dos brutos Analmente dizendo-se A alma
    MalmAp pm urna nrinsidailp absoluta fi vi- intelectiva o acto primeiro do corpo humano
    Malmoe, em urna otiosiuaue absoluta, e vi tm ^ a vcr^ita ^^ ffata do homem.
    vendo a CUSla de SOCCOrros. > estas de0nig5os nada precisaacrescentar-sc, pois
    _________ os corpos vegetativo, sensitivo c humano sao cor-
    / 'pos organtiados, physiem, tendo a vida em potencia.
    O vitalismo julgado pela philflsnphia christa, ou o concilio ecumnico de Vietm em Franga, subs-
    que lhe commum cora os arijos e cora
    Deus ; e por mero delta distingue-se dos
    brutos que vegetam e sentem, mas nao
    enfendem'j quibus non est intellectm.
    Tres s5o os actos da vida vegetatiea : Io,
    o acto pelo qoal o coraposto vivo escolhe e
    assimila aquillo que o alimenta, ou a mtL
    irifo; 2", oacto pelo qual ella adquire o' as sensitivas nove, a alma humana exerce
    getativa das plantas e da sensitiva dos bru-
    tos, ella por si s exerce os nove actos es-
    pecficos d'aqnellas formas a respeito do
    corpo ; mas alm (Ssso exerce tambem os
    tres actos davida danteHi!;enc,ce sorteque,
    quandoas formas commans teem apenas tre,
    aelos.as formas ou almas vegetativas seis, e
    que se trata.
    Por consequencia a explicagao foi em-
    barcada a bordo do navio Ordd-(intrpido.'
    e deu vella para Inglaterra
    Mas a escuna dinamarqueza Emihe, que
    estava fundeada muito alm da badia franca
    d Kdiste, conseguiu, durante este tempo,
    ganhar o alto mar, sem que as autoridades
    dessera por isso, levando espingardas, rau-
    niges, ele. Isto que se pode charaaf
    Sabir de um negocio com armas e- bagagem.
    Lapinski e a su expedigo protestaram
    contra a medida a que tinliam sido sugei-
    tos. Apesar das vivas sympathias que exis-
    tem na Suecia a favor da Polonia, foi de o-.
    osdesejos do parlamento jonio obtivesse o .o ^ 18fi3
    assentimento das cortes d'Austria, Franga,\ J ^.^ assionad0j
    Prussia e da Russia, S. M B. recommenda- V 0 ministro plenipotenciario de S. M.
    enviado extraor-
    potencario de S. M.
    lia ao governo dos Estado-Unidos das itna^-i de Dinamarcai tem a honra de dccla-
    Jonias, que votasse annualmente, urna som-n
    ma de dez mil libras sterliuas para augmento
    da lista civil de S. M. Jorge I, reda Gre-
    cia. ,
    c Secg.no 2.a Os plenipotenciarios de
    rar, por ordem do seu governo, que, de ac-
    cordo com S. A. R. o principe Christiano
    de Dinamarca, na qualidade de tutor de seu
    filho segundo, o principe Christiano Gui-
    do Soma.
    Corpus nostrum vivit per animam.
    (S. Thoraaz.)
    . CAPITULO III.
    Actos especficos de eada urna
    das especies d'alma em par-
    ticular. Os seis actos d'al-
    ma das plantas. Os nove
    d'alma dos brutos.Os doze
    po humano : Anima intellectirtt est forma substan-
    tinlis corporis humani. (Vid. o desenvolvimento
    desta denicao na Philosophia Christa do P. Ven-
    tura, l. 2o p. 122 e seqy
    s. s.
    doze, bem caracterisados e perfeitamente
    disti netos.
    Curapre anda accrescentar que, aquelles
    mesmos actos que lhe sao communs com as
    formas de ordem- inferior a alma humana os
    exerco de um modo mais completo e per-
    feito ; oomo, por exemplo, a locomoco,
    que sendo no bruto espontanea; no homem
    6 Uon;. e em geral} at mesmo as funeges
    d vida vegetativa, e com particularidade a
    nutrigo e a gerago, que na planta e no
    bruto operam-se em virtude de urna lei da'
    mtureza, ou de um instincto ceg, no ho-
    mem recebem da razo e da liberdade umi
    certo carcter de nobreza e de dgnidade,
    que aquellas funeges nao teem fura do ho-
    mem.
    Finalmente, quandoa alma>egetativa e a
    sensitiva s-operam no corpo, e com rela-
    eoa este; a alma humana em virtude dos
    tres actos especficos da vida intellecliva,
    sem sabir do corpo opera sem o eorpo, e
    sem relacoaeste. Cercada pelos seres cor-
    preos e visiveis a alma humana conversa
    eom os seres espirituaes e nvisiveis, e an-
    dando pela trra pode fazer alegres passeos
    pelo cui: Noslra conversatio in cnelis est
    (Philip., III, 20); e estando revestida de
    carne humana ella attesta em si e por si a
    semelhanga que tem com o modo de ser e
    de operar de Deus
    CAPITULO IV.
    -y Assim como a razo particular
    tem admittido em Deus ora
    a unidade de naturezasema
    trindade de pessoa, ora a trin-
    dade de pessoa sem a unidade
    de natureza, assim tambem
    tem admittido no liomem, ora
    a unidade d'alma sem a trin-
    dade de vida, ora a trindade
    de vida sem a unidnde d'al-
    . ma.Hereges antigs e mo-
    dernos que teem admittido
    varias almas no homem.
    A doutrina da pluralidad*;
    das almas ensinada em enti-
    nadas em nossos dios por Mi-
    guel Vintras e pelo Dr. Lor-
    dat. fenascem desta dou-
    trina o origenismo, o.pan-
    tlmsmo e o materialismo.
    A alma sendo verdadera forma do corpo.
    (2) A aquelles que repngnarem admittir urna
    alma nos vegetacs, pedimos (pie relictam i>or um
    momento no seguinte argumento de S. Tliomaz :
    Aquillo em virtude do que o corpo vive mais or
    bre do que o ron. corI V1V0 na yive.m'
    quinto corpo, porque entao todo o corpo viveria, o
    d'alma humana. A supe-1 que falso deve-se portante absolutamente d-
    rinrdade dsta a remeito ', mMr> 1U0 todo TV0 VIV' VIVC e!n vir,ude dc m11
    iionaaae aesia a espeuo piu iIltciramente differente do mesmo corpo,
    das ontras especies a alma. assim como 0 nosso Porpo vvc pc|a virtude d'al-
    Precedentemente mostramos que todocom- ma : idperquod vhUeorptu, est nobdius corpo-
    re. Corpus vivum-nonrivitinquantum.corpus.quia
    sic omne. corpas rkeret. Oportet igitur quod virat
    per aliquid alimle : sicut Corpus nostrum vivit per
    animam. Ora, o corpo da planta vive, assim como
    o corpo do bruto e o do homem ; logo, o corpo da
    planta, assim como aquelles, vive em virtud de
    um principia que nao o corpo. Este principio
    que faz a planta^ vivar a sua alma, que posto se-
    ja inmaterial nao espiritual, nem subsistente, e
    por tanto deve extinguir-se como o coroo assim
    como se extingue a alma dos brutos. S. S.
    impa da pluralhlade de alian m kmm
    E proprio da razSo do homem decado
    procurar arredar o mysterio d'aqucllas cou-
    sas ques se devera crr, como natural ao
    seu corago despir de toda severidade as
    cousas que se devem pralicar. E' por isto
    (pie todas as ve/es que o liomem despre
    sando a antoridade e a tradicSo s consulta
    a sua razo, e s della qur depender na*
    causas especulativas da ordem religin .
    philosophica, principia logo a negar obts-
    terio de Deus, e o mysterio do hornera, on
    a negar-se a si proprio.
    Ser nico por sua natureza imeremb, e
    trino em pessoas, o Padre, o Filho t Espi-
    rito-Santo; tal o grande e incoraprebM>-
    sivel mysterio de Deus, e o dogma randa-
    mental da religio. Ser wnco por smmr-
    tureza creada, e trino em sem modo* ilr ser,
    em suas villas, inlellectira, sensitiva t r,-
    getativa : tal o mysterio do homem. tam-
    bem grande e incomprehensvel a cerlo
    respetos, mysterio este que o principio
    fundamental da philosopnia.
    Mas o orgulho do homem nao se lem I-
    vido do mesmomodo na negarlo rfesle doos
    mysterios. Alguns hereges, concedoslo a
    Deus a unidade da natureza lhe ho-neg.ido
    a trmdade de pessoa, e dahii naseeram o
    sabeismo. o aranismo, o mahometismo, e
    o unitarismo ; outros negando a unidi
    essencial da natureza divina acceitaram a
    trindade de pessoa> fazendo porm desta
    dous ou tres principios dislinctos por nata-
    reza, deus ou tres Deuses, e dab vieran
    o polyteismo, o tritheismo e o dualismo do*
    Manicheus
    Araesma cousa se tem dado em phHo-
    sophia. Certos phlosophosadmitlindo, pelo
    menos por palavras, a unidade da natureza
    do hornera, lhe ho negado a trindade de
    vida, sustentando qae o liomem nao tem
    seno urna vida, e que esta ou a da intel-
    ligencia, ou a dos sentidos, e que ludo que
    se opera nelle fra desta vida vem de um
    agente exterior; e d'ahi naseeram o idea-
    lismo, o materialismo, e o occasiolanisnK>
    de Descartes, de Malebrancbe e de Leih-
    nitz.
    Outros pelo contrario, nao podeodo ae-
    gar a trmdade de vida no homem. altri-
    buiram as mesmas vidas tres principios
    differentes, tres-almas de diversa nature-
    za, e despresa rara a unidade essencial da
    natureza do homem; e d'ahi originaraa-se
    a metempsyeose de Pythagoras, a doutrina
    das tres almas, de Plato, renovada pelos
    Manicheus, pelos Origenistas, pelos Apolli-
    narislasc pelos Jacobitas. nos primeiros s-
    culos do chrisanismoTVTiOje exhumada n
    professada pela ignobil seita fundada por Mi-
    guel Vintras em Tilly-sur-Seulle, e pala es-
    cola creada pelo excntrico Dr. Lorrlalea
    Montpellier, c sustentada pela Facoldade V.
    Medicina de Paris.
    Deste modo, para aquelles s a niiarf
    da natureza do hornera real, sendo porm
    as suas tres vidas apparentes, e para ales
    s a unidade de natureza do homem ap
    prente, seodo as snas vidas to reaes; roao-
    to as suas tres almas.
    (ConliMar-st-k*.)
    FOLHETIM.
    CAULIRHOE
    POR
    MilUICIO SA.ND.
    Primeira parte.
    (Comiiiuarao don." 116.)(')
    Jornal de Mareos Valen.
    10 de junho.
    A Sra. d'Astafort fallava muito, ria-se, sentava-
    >. |i-vanava-se, caminhava apressada; emflm pa-
    reca um fugo de artificio. Depois de muita pan-
    lomima enfloa 6-seu no inca braco, emquanto a fi-
    llia coi ra clivi'ilindo-sc com Margarida; e apenas
    adornos alguma distancia das duas jovens,
    me di.-s- :
    Cieio jo-o semine So preoecupado 1
    Se nao estivesse ao seu lado, minha senhora,
    dii-lhe-hia qne este o meu costurae.
    Nao lhe acho razao para andar quebrando a
    cabera com antigos alfurrabios. Verdade que di-
    zem que os senbores sabios fazem consistir a vida
    c a felicidade no orgulho de ligarera os nomes
    descotarta multas vezes de um caso vellio!
    muito pouco indulgente para com os sabios,
    minha senhora!
    Nao digo islo com o senhor, nao o considero
    no numero desses sabios ou litteratos fastidiosos;
    e justamente para nao cahir cm tal defeito que
    obrara bem distrahindo-se um pouco. Na sua
    edade a distraccao urna necessidade. Olhe, esti-
    maramos Immii, tanto eu como minha flha, se nos
    quizesse dar o prazer dc ir algumas vezes a Dres-
    sais.
    Agradcgo tanta amabilidade; e ja que m'o
    permitte....
    Permittir! Desejo-o at, interrompeu ella
    ctiiii urna infiexao de voz quasi terna.
    Houve um silencio de alguns minutos ; depois do
    qual prosegua aSr. d'Astafort:
    Rcpugna-lhe viver na provincia ?
    Pelo contrario, desejo at deixar Paris. para
    respirar o ar do campo e das florestas.
    III. I I.'.,.r... 1t., ^^^ni.no ,
    Perdao, minha senhora Margarida muito
    linda, muito intelligente, e merece ser amada lelas
    suas proprias qualidades!
    Com que cnthusiasmo falla o senhor a res-
    peito della! Dir-se-hia que nao ha no mundo ou-
    tra moca senao Margarida
    A occasiao e a polidez exigiam que eu tecesse
    um bello elogio lilha da Sra. d'Astafort; mas
    achei-ine lao estupido que nem mesmo ine yeio ao
    pensamento uinaphrase adequada para dirigir-lhe;
    c por isso nao liz mais do que insistir no mrito, e
    nos encantos de minha prima.
    Sabe que mais ? O senhor me est dando os
    ares de um apaixonado Sentido! O pae da me-
    nina tem vistas muito ambiciosas sobre o seu fu-
    turo
    Engana-se, apressei-me eu logo a responder-
    Ihe. s tenho ir Margarida a amisade de um ir-
    mao. J
    A Sra. d'Astafort contenWfe-se coni a minha res*
    posta, e vi quCa sua curiosidade nao era movida
    por espirito de malicia.
    Poucos instantes depois achaino-nos lodos senta-
    dos n'um banco. A Sra. d'Astafort levantou-se, c
    levou Margarida pelo braco para ircm ver nao sei
    o que. Fiz um gesto para segui-las; mas a gorda
    matrona atalhou-me logo:
    Fanny est milito caneada : espere-nos aqu
    fazcndo-lhe companhia.
    Fiquei s com mademoiselle Fanny, que pareceu
    nao extranhar os modos de sua me, epoz-se a con-
    versar com muito espirito.
    Achcia-a sensata, prudente, e dotada de alguma
    Alm disto Fanny parava de vez em quando, esta- A sua indifferenca me revoltou. Com as mos
    cava proposito como que arrependida. Nao me cruzadas para traz, o chapeo de palha na cabeea,
    foi possivel conhecer se havia da sua parte charuto na boca, com os ollios filos nos seus tra-
    alguma intenco premeditada: suppuz apenas balhadores e no servieo nue faziam, o sobr'olho
    que taes reflexoes, ou avisos provinham d'um franzido, sem dizer nina palavra, exposto aos raios
    desses signaos de interesse mal entendido, cm que do solmeu tio parecia-me um desses plantadores
    desastradamente se aiiinha a curiosidade proviu- americanos que espreita o momento do zurzir com
    cial.
    Depois de jantar chegaram os objectos que ti-
    ntura sido descobertos, a saber : alguns fragmen-
    tos de louca de barro vermclho, um pedaco de
    o azorrague os seus negros pregmeosos.
    Levado pelo desejo de descobnf alguma cousa
    mais, puz-me a revolver a trra com a minha ben-
    gala, separando todas as pedrinhas \ e com isto es-
    aiambre furado que provavelment teria pertcnci- tava tao entretido que nao vi aproximar-se de mim
    do a algum collar, outro pedaco de um vaso bor-1 um grande cao preto, hirsuto como um lobo. O
    dado em relevo urna taca de cobre bem conserva- cao rosnou, farejou-me, lovantou a cauda, e corren.
    para seu senhor, que hradava :
    Aqui, Noiraud! Aqui, meu velho !
    Keconheci o mesmo animal que fra causa da
    minha queda aochegar ao casteilo, e a quera Do-
    in attribuira um sortilegio. Quaato ao pae Carnat,
    seu voo pe
    dade que o cerca.
    Se nao m, parece cora tudo um pouco male-
    diecnte, invejosa talvez; porque ao mesmo lempo
    que elogiava Margarida, achou meios de indicar-
    me alguns defeitosinhos que lhe attribue.
    Margarida muito moca, me disse ella, c nao
    tem vontade propria. Confiego-a bastante! Tem
    menos cinco annos do que eu. No collegio trata-
    va-a como minha ilha, e a diriga do modo porque
    me pareca. um pedaco de cera branda, que
    conserva a ultima marca que se lhe imprimiu, at
    que venha outro collocar ali tambem o signal da
    sua vontade. O pae, que a ama, porque ella nun-
    ca se oppoe sua vontade, j a tem amolgado a
    seu geito. um rustico na extenso da palavra,
    fino e astuto, que s tem um pensamento fixo
    os seus bens : um egosta que a este
    da com um medalho no fundo representando a fi-
    gura de urna mulher semi-na sentada sobre urna
    chimen e tendo na mao direita urna serpcnlc (a
    deusa HvgUk, talvez.)
    Poderia determinar a poca dessas antigmdades
    com o auxilio dos meus alfarrubios, como dizia a | seu dono, acheio-o tal qual o havia deixado a dez
    Sra. d'Astafort, se esta matrona me tivesse deixado annos. Passa no paiz por feiticeiro, conhecedor
    um momento de descanco : ti ve porm de ceder s das cousas secretas, adevinho, e invontor insigne
    suas instancias, e entrar no salo para jogar. as de narrativas, como sao quasi todos os pastores. E
    provincias o jogo a oceupacao daquelles que na- irapossivel determinar a edade dosse homem ; po-
    da teem que fazer I Mas, por Deus, os ociosos po- de ter sessenta, assim como eom annos. O nariz
    deriam muito bem perder o seu tempo sem arras- curto e arroxeado, a barba branca o crescda de
    tar os oulros mesma perda. quinze das, os olhos esverdeados e scntillantes, co-
    Margarida jogou tambem por condescender com bertos de grossas sobrancelhas, o crneo largo e
    as suas visitas; nolej que as cartas pouco a nteres- oblongo onde apontam alguns cabellos alvissimos,
    savam, e fazia de proposito por perder para acabar a pelle crestada pelo sol c gretada pelas intempe-
    mais depressa : porm a fortuna que so apraz em ries do tempoo fazom semelhante urna nespo-
    correr aps aquelles que della fogein, caprichou cm ra accommettida pelo bolor. A estatura alta, e
    dar-lhe o ganho, Mademoiselle Fannv zangava-se mais alta parece pela pequenez da cabeea. Magro
    " nodoso qual velho olmo, achava-se vestido com
    ' panno branco j todo roto,
    sapatoes cobertos de pe-
    o maneira de polainas.
    irando todas estas pedri-
    bastante presumida de si, e pouco indulgente para
    com os outros.
    11 dejunlio.
    Estive boje com o Sr. Dcsormes no lugar cm que
    se fizeram as descobertas de que hontem fallei.
    nhas, me disse ello, julgaria que anda cm procura
    de alguma cousa Bom dia, Sr. Marcos; entao j
    nao me conhece?
    Perfeitamente, pae Carnat..., c conheeo tam-
    bem o seu cao...
    E apezar da pelle spera deste puz-me a alisar-
    augmentar _
    pensamento sacrificara tudo, at mesmo a filha.
    - Oh Entao porque nao procura casar-se por Alinal de contas teria pouco trabalho em dobra-la
    aqui mesmo ? a sua phantasia, porque Margarida ja tem o seu ton-
    Casar-mc Parece-me que quando nao se to das qualidades delle. Nao neg que seja, amavel
    nossuc bens da fortuna, o verdadero adquirir-se boa, e encantadora; tenho-lhe muitaamisadc: mas
    nina posico independente antes de tudo. | causa-mc pezar v-la assim destinada a um casa-
    Porm o senhor nao to falto dc bens da ment de interesse, c faltar-lhe a energa para con-
    furtuna.... emais nao o dinheiro que faz a fe- jurar esse triste futuro. Verdade que tem um
    licidade do casados; e eu tenho muito pena des- coracao celado, e insensivel: ao menos isto a pre-
    sas mocas.como sua prima por exemplo, que s se servar de ser muito infeliz....
    ho de casar por causa dos seus escudos! Pareceu-rne que a me e a ilha_ se haviam con-
    -------------------------------------------------------- jurado para me desanimarera. Nao rebat urna s
    () Por inadvertencia na distribuico de auto- palavra de tudo quanto disse mademoisolle Fanny ;
    aplios, sahiu hontem antecedido o capitulo publi- procurava smente decifrar o motivo que a fazia
    graplio:,
    cado deste romance, devendo por consegrante ler
    se o presente antes d'aqoelle.
    A Redaccao.
    maldizer de sua amiga, o do amigo de sua me:
    porm a mulher mais ignorante tova as lampas
    neste ponto no homem ruis safa e entendido.
    um campo enorme plantado de aveia, e cercado de lhe a cabeea. O cao agradeceu-me a caricia en
    sebes e dc alguns olmos antigos. N'uma das ex- costando-se s minhas peinas, arqueando o costa-
    tremidades o terreno eleva-se com escabrosidade do, com as patos estendidas para diante, e o rabo
    formando urna escarpa arenosa que termina n'um levantado: afinal dcstendendo todos os msculos
    banco de pedia calcara : cm cima forma urna cor- do corpo solta um formidavel uvo. Depois, n'um
    cova coberto de giestos e urzes. accesso de alegra, sacode-se, precipito-se n'uma
    A dcnominacao de campo da Motteou da Morte, carrera insensato, e poe-so a descrever, grandes
    como julgam mais aprppriada os antigos do paiz, circuios em torno do montculo do urzes.
    parece indicar o lugaiyfle um tmulo. Os nomes Passando por junto de um trabalhador, este dis-
    devem ser considerados sempre como indicios de se ao velho malicosamonlc :
    revelacao : elles reproduzem um acontecimento O seu cao est com o mal como Vmc. ? Ou
    Sc-
    has de
    chastre (coinim, campo); dordores (dr'uidicas); ir muito breve, do que intromtter-te com o meu
    brennes (arvores); a sepultura, Dressais (a povoa- cao.
    cao dos carvalhos) etc. E dirgindo-se a mim, continuou :
    Os trabajadores encontraram os vasos a cin-1 Elle o reconhceu por amigo, Sr. Marcos. Po-
    coonto passos da escarpa. A trra revolvida esta- bre animal I Gosto de carinhos como urna mu lie r !
    va chea desses lijlos antigos, que aqui suppoom Nao passa de um cao; entretanto tem mais espirito
    ser da poca romana, e que sao militas vezes de do que tres quartos partes dos chrstaos! Vem
    fabrico gaulez. No meu ontliuslasmo ped a meu c, Noiraud !
    tio para mandar proceder escavaeao : mas elle O animal correu a sentar-se aos ps do seu se-
    me respondeu : nhor; notei que ambos tinliam egualmente os olhos
    Ora adeus I se mandasse cavar os lugares esverdeados e penetrantes,
    onde se encontram estes cacos, solapara toda a Vmc. aproveitou muito, Sr. Marcos; est um
    minha propriedade. Demais nao tenho dinheiro homem feito; d os ares de seu bisavo quando elle
    para gastar a toa. "I era anda moco.
    Conheceu meu bisav quando moco, pae Car-
    nat ? Voec entao nao tem menos de cein annos.
    Com perdao de Vmc., tenho mais anda: hei
    de fazer nesta ceifaos meuscentoe um annos. Ah!
    meu moco Estou j bem raneado das cousas e
    das ldas do mundo! Conlieci o seu bisav- no
    tempo em que porcorri as feiras eom o defunto Sil-
    vano Dcsormes que, a parte o respeito que- devo
    Vmc, foi guardador de porcos como eu.
    Oh Nesse tempo o pae de seu tio nao era so-
    berbo Nao lhe passa va pela idea que viria a ser
    um rico camponez, como foi ao depois : e se eu
    lhe tivesse predi lo, quando juntos guardavamos
    porcos, salvo sempre o respeito que devo Vmc,
    que elle possuira anda muitos nens da fortuna,
    nao me acreditan por certo. l'ns sbem, outros
    dscem ; e outros como eu ficam sempre sendo na
    apparencia aquillo que naseeram, porqueiros ou
    pobres trabalhadores. Com tudo isto ninguera rae
    venha c dizer : Carnat, aqui tens Ierras e cas-
    tellos, aqui lens montoes de ouro, com tanto que
    envolvas a tua cabeea em contas e algarismos, com
    tanto que te metas *a calcar bolins, vestir roupa de
    panno tino, c dormir cm colchos de pennas n'um
    quartotodo dourado... Nada, nada, regeitajia lu-
    do isto. Antes quero guardar os cameros do Sr.
    Dcsormes filho com o meu Noiraud levantando-os
    a pascor por ah, dormir luz das estrellas quan-
    do assim me parecer, nao dever obrigatjoes, e pen-
    sar smente naqullo que quero. Ora faa-me o fa-
    vor de dizer, de que servo estar a gento quebran-
    do a cabeea com livros, que mentem mais do que
    as mulheres, a amontoar cabedaes para vir depois
    qualquer um por ah disputa-Ios, voxar o espirito,
    incommodar o corpopara que ? Para morrer co-
    mo aquelle que nada disto fez na sua vida! Por
    mim espero tranquillo o momento em que Deus me
    ha de dizer : Basta, preciso que reeomeces a vi-
    da n'uma outra parte...
    Pois que interrompi eu. Cr tambera que
    ha de reviver ?
    Entao, meu troco Nada vi anda morrer :
    aquillo que cae no^o torna a sahir d'ahi sendo
    alguma cousa: o sanada morre porque hei de eu
    morrer ? Occasics ha em que me parece ter exis-
    tido j cm outros tempos : ha cousas que vejo pe-
    la primeira vez c digo commigo mesmo : Eu j vi
    isto !
    As palavras estranhas desse velho me impres-
    sionaram; lembrei-me de que mutas vezes me
    entretinha elle na infancia com ideas extravagan-
    tes e mysteriosas que eu nao poda comprchender.
    O que naquelle tempo me diziareproduziuvse com
    toda a clareza na minha memoria depois que tor-
    ne! a ouvi-lo, e... quem sali ?...
    Atei o fio da conversacao talvez no mesmo lugar
    em que a dcixra a dez annos. Ajudei tambem as
    suas recordacocs, dizendo-lho que o homem que
    julga lembrar-se de existencias anteriores, node-
    xa de ter absolutamente razo ; e accrescentei em
    termos comprehenslvesque n'uma outra vida
    a alma eterna e progressva se recordara melhor
    sem duvida.
    Muito bem dito exelamou o velho pastor,
    cujos olhos brilhavam de extraordinaria compre-
    henso. Bem vejo que Vmc. nao se esqueceu do
    que lhe ensineWquando era menino. Avante, Sr.
    Marcos, cada qual com o que sabe. A gente deste
    paiz tem maiscrenca em mim do que noSr. cura :
    ser-me-ha fcil ajuntor dinheiro, se quizesse. Mas
    prefiro ficar tranquillo; e se acontece fazer um re-
    I
    medio para alguem. por ondesceudenra. *>
    por interesse.
    Ja que voc feiticeiro. pelo qne faco-lfe* o-
    meus cumpriraenlos, deve- saber de onde um
    nome de campo da Motte on da Marte.
    Nao ha duvida que sei; portm admira *.-
    de que Vmc nao conhoca esla hislona ja qatk
    tambem livros Afinal de contas eu>> ItiIiii m-
    dr adiantam.
    Diga-me pois o que sabe.
    Com muito gosto: mas jir^i^o pmm m
    tencao.
    Estou atiento.
    Em tempos anteriores tm Inglezes. qne imi-
    xoram-nos por aqui muitos guerras, a gente <
    paiz escitlhera um chele, -para ir com eltes as sna-
    dopredacos alm das montanhas d AnTerjite. .-
    quaes se avistara d'aqui quando o teaiDO nu ra
    ro. No llm de muitos annos, qnamlo ja to a
    julgavam perdidas ei-los que voium com *
    chele u fenle, e Irazendo tonto ouro, lamo m*
    que os eixos dos seus carros geman ron o pe*>
    Dtzem tambem que o rhefe I razia una raate m
    princeza. e al mcsinuarcresccntam que era e*-
    posados. Nunca so linha visto enlre m ora 6"
    bonita Tudo ella sabia : predizia o faiuro. iU-
    cobria na trra as veas de ouro, lia na> eslrella-
    -era erafim imia feticeira. Fez ergner-se na pa
    lacio de ouro massico so com as snas palanas.
    nelle tinha sempre ma mesa franca dhWB mr
    tambera edificara um tmulo riquissimo para sen
    marido, quem mandara nialai por um m seu-
    amantes. Ali ia todas as noutes laaer soraiafln
    sobre o corno do pobre homem, (erando rnmjxm.^
    nina sucia de demonios preti>s eom cabellos de fi
    go, que andavam sempre as suas ordens. In da j
    porm o diabo principal ilcixou-a fn-ar tumal-
    subterrneo, fechon a enlraila. e poz rima tan-
    ta trra que formn urna raonlanha. a qoal *
    avistava a quinze leguas pelos arredores. Nata.
    tarde deu-sc a este lugar o nome de Mutit. e de-
    Cns a gente do paiz adiando ali bom saibro fot r-
    aslando a moutanha nara fazer ariramansa. Ir ar-
    le que hoie existe apenas aquella coreara me Vmr
    est vendo. Aflirmam ~\w nos annns bissexio- t
    morte passcia ao redor do campo, o qne simtal ik-
    desgraeas e peste no paiz. Ha murta lempa po-
    rm que nao faz as suas appariroes. e nao m muito fallar nella...
    E voc cr em todo isto, pae Carnal *
    Nao creio, nem deixode crr. tiara. m-
    dadeiro calarmo-nos a este respeito.
    O pae Carnat levanton-sc inritoa owiwj
    reunir os carneiros espalhados pela rhamera : a
    pastor, cao, e rebanho desapparereram alraTs >
    p dourailo |ielos traeos raios do sol ao sea ar-
    raso.
    que poca remonto essa legenda ? Qoem era
    essa mulher sabia trazida de lao toaiv Qaaaa tn
    esse chefe ? Semelhante expedirio. de qw a ari-
    bu voltou com immensas riquezas, na seria amv-
    re>ultado de urna das primeiras mraaea pamV
    zas alm dos Alpes ? Essa rainha. fada
    ra devra ser algum symboto. E o ImnanV f
    Oh Se eu estivesse no tusar do Sr.
    mandara escavar todo aquelle arena.
    (CsmUwmm-st-lm.,
    PERNAMBUCO PYP. DHF.HF.


    I
    LEGIVEL


  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID EFACC6EOL_7WM49Y INGEST_TIME 2013-08-27T22:41:04Z PACKAGE AA00011611_10159
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES