Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10158


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AWWO XXXIX NUMERO 178
I \S

)
I
Por tres ezes flautados
Por tres nezes venciflos .
IIRTA FIHIA
5S000
Por aun abantado ..... 19$0W>
Porte fcaae* para o sifcripfor-

DIARIO
EN'CARREGADOS DA SUBSCRIPCO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
ftatal, Sr. Antonio Marques da Silva; Araeatv, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaqun) Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Manoel Pinheiro 4 C; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCO NO SUL
Alagas, o Sr. Cteudino Falcao Das; Baha, o
Sr. Jos Marlins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins <* Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Encada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Antao, Grvala. Bererros, Bonito, Caruaru*,
Altinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brcjo, Pesqueira,
Ingazcira, Flores, Villa Bella, Tacaran1, Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas feiras.
rinhaem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
lina de Fernando todas as vezas que para ali sahir
navio.
Todos
PARTE OFFICIAL.
os estafetas partern ao '/; da.
KPHEMERIDES DO MEZ DE JULHO.
V
6 Quarlo ming. as 6 h., 40 m. e 14 s. da m.
14 Lita nova as 10 h., 37 m. e 44 s. da m.
22 Quarto cresc. as 2 h., 54 m. e 32 s. da m.
28 La cheia as 5 h., 19 m. e 56 s. da t.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 9 horas e 18 minutos da manhaa.
Segunda as 9 horas e 42 minutos da tarde.-
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagoas a 5 e 25; para o norte at
a Oranja 7 e 22 de cada mez; para Fernando nos
das 14 dos mezes dejan, marc., maio, jul, set enov.
PARTIDA DOS MNIBUS,
o wai? Rerif,>: d0 Apipucos as 6 V. 7, 7 8 Vz da m. i de Olinda as 8 da nt e 6 da tarde; de
Jaboatao as 6 '/* da m.; do Caxang e Vanea s 7
da m.; de Bemfica s 8 da m.
K *, ,Recfe : P*ra AP'PUCos as 3 'A 4 'A, 'A,
* '-* A e 6 da tarde' Para 0linda as 7 da
manhaa e 4 y, da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
de ; para Cachang e Vanea s 4 y, da tarde: para
Bemflcas4datarde.
Gomm DA PROVINCIA.
Conlianafire do expediente d dia 1 de agosto
de 1863.
Oficio lreccao do novo banco de Pernam-
buco.Declaro a direceo do novo Banco de Per-
nambuco para o lira conveniente, que segundo
constoude aviso do ministerio da Atienda de 23 de
julho ultimo, o governo imperial flera inteirado de
que esse banco se acha habilitado para pagar suas
notas, em ouro e que quanlo a alterarlo dos esta-
tutos solicitada pela mesma direceo a assembla
geral dos accionistas compete inicia-la e remette-la
aapprovacao daquelle governo.Coramunicou-se
ao fiscal do mesmo banco.
Dito ao inspector da thesonrara de fazenda.
Declarando-ine o Exm. Sr. ministro da justica, por
aviso de 13 do mez Ando, ter solicitado do ministe-
rio da fazenda a expedicao de ordens para que por
conta do crdito do $ 3." do artigo 3 da lei do or-
camento prximo ftndo, seja augmentada com a
quantia de 1:0594,323 reis, a consignado marcada
a esta provincia para as despezas da verbarel-
celesno exercicio de 1862 a 1863, assim o com-
munico V. S. para seu conhecimento.
Dito ao director das obras publicas.Em vista
do que solicitam o respectivo juiz de direito, e Dr.
chefe de polica nos ofllcios juntos, em original que
me serlo devolvidos de 17 e 22 do mez tindo, man-
de Vmc. proceder ao necessaro exame e apresen-
tar-me um ornamento smente do que fr absoluta-
mente indispensavel para melhorar o estado de
ruina do edificio da cadeia da cidade de Olinda.
Dito ao bacharel Francisco Carvalno Soares
Brandlo.Constando de participacao da directora
geral da secretaria de estado dos negocios da jus-
tica de 21 do mez fmdo, que por decreto de 15 do
mesmo mez, Sua Magestade o Imperador houve por
bem nomear Vmc. juiz municipal e de orphaos
do termo do Cabo : assim lh'o communico para seu
conhecimento e aflm de que apresentando previa-
mente a certdo do anno de pratica exigido pelo
artigo 13 da lei de 3 de dezembro de 1841, e pres-
tando o juramento do estylo, entre em exercicio in-
dependente de titulo, que apresentar no prazo de
3 mezes contados desta data.Communicou-sc ao
juiz de direito do Cabo.
3 -
Officio ao Exm. Sr. Dr. Pedro Lelo Velloso pre-
sidente da provincia do Piauhy.Pelo offlco que
V. Exc. se servio dirigir-me, em 30 de junho pro-
limo lindo, flque inteirado de ter V. Exc. tomado
posse da administrarlo dessa provincia para a
qual foi nomeado por'earta imperial de 22 de abril
ultimo, e asseguro V. Exc. que serei solicito, em
oumprir as suas ordens qur sejam relativas ao
servico publico, qur ao particular de V. Exr.
Ditoao Exm. presidente do Espirito Santo.Com
o offlcio que V. Exc se servio dirigir-me, em 26
de junho ultimo, sob. n. 4, recebi dous exemplares
do relatorio que o antecessor de V. Exc. apresen-
tou a assembla legislativa dessa provincia no dia
85 do maio de anno passado.
Dito ao Exm. Sr. Vicente Alves de Paula Pes-
soa vlce-presidente da provincia do Rio Grande do
Norte.Inteirado pelo offlcio que V. Exc. se servio
dirigir-me, em 27 de junho ultimo, de ter na qua-
lidade de prinieiro vice-presidente tomado posse da
administrarlo dessa provincia tenho a maior satis-
faco, em assegurar V. Exc. que sempre me
achara prompto a salisfazer as suas requisases
qur sejam em relaclo ao servico publico, qur
ao particular de V. Exc.
Dito ao Exm. presidente da provincia do Rio de
Janeiro.Accuso recebido o offlcio que V. Exc.
uie dirigi, em 16 de junho ultimo, acompanhado
de dous exemplares impressos da collerco de leis
promulgadas no anno passado pela assembla le-
gislativa dessa provincia.
Dito ao brigadeiro commandante das armas.
Tendo por despacho desta data concedido o prazo
de um mez para o recruta do exercito Jos Fran-
cisco da Silva provar a iscncao que allega : assim
o communico a V. Exc. para seu conhecimento.
Ditoao mesmo.Informe V. Exc. sobre o que
pede no incluso requenmento o primeiro cadete
segundo sargento do 4." batalhao de artilharia ap
Manoel Jos da Silva Leite.
Dito ao mesmo. Transmiti V. Exc. para ter o
conveniente destino a inclusa f de offlcio do ca-
ldillo alferes Joaquim Verissimo dos Anjos, que
ido foi nmettida pelo Exm. presidente da pro-
vincia do Amazonas com offlcio de 25 de junlio ul-
timo.
Dito ao Dr. chefe de polica.Respondendo ao
offlcio de 11 de junho ultimo, sob n. 936, a que
peto annexo por copia outro do delegado do termo
de Santo Antao bacharel Pedro Secundino Mendes
l.ins relativamente a quantia por elle paga a Jlo
Mililao do Amaral e despendida com o sustento do
soldado do 2o batalhao de infamara Estevio Ri-
beiro Bispo: que falleceu da varila aaquell.i cida-
de, tenho a dizer para que o faca constar ao mesmo
delegado, que aceito e agradeco em nome do go-
verno a renuncia que elle faz dessa quantia em fa-
vor do estado para a despeza nacional.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.A
Theophilo Antonio Bastos mande V. S. pagar a
quantia de 605000, em que segundo o conhecimen-
to junto em duplicata importam duas bandeiras de
flele compradas pelo conselho administrativo a re-
quisiclo do Exm. presidente do Rio Grande do Nor-
te para o servido da fortaleza dos Santos Reis Ma-
gos. Communicou-sc ao director do arsenal de
guerra.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.At-
tendendo ao que no incluso requerimento expoz o
bacharel Antonio Rangel de Torres Bandeira, pro-
fessor de geographia no gymnasio provincial, re-
solv considerar abonadas s faltas que deu o sup-
plicante em todo o mez de julho ultimo, e por isso
Seve V. S. mandar pagar*lhe os vencimentos a que
tiver direito, relativamente aquelle mez.
Dito ao mesmo. Mairae V. S. pagar, nao haven-
do inconveniente, ao escripturario da secretaria do
Soverno Jlo Manoel de Castro, e amanuense Ru-
no Jos Fernandes de Figuercdo, como pedem no
incluso requerimento, os vencimentos a que tire-
rem direito, por haverem exercido, aqnelle o lugar
de ehefe de seccao e este de escripturario, durante
o mez te julho ultimo.
D/ito ao mesmo. Em vista da inclusa conta, e
nao havendo inconveniente, mande V. S. pagar a
Jlo Jos Ferreira de Mello ou ao seu procurador
nesta capital, conforme solicitou o chefe de polica,
em offlcio do Io do corrente, sob n. 1193, a quantia
de 4085800 despendida com o sustento dos presos
pobres da cadeia da villa do Limoeiro nos mezes de
abril junho deste anno.Communicou-sc ao Dr.
chefe de polica.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.Re-
commendo V. S. qne faca transportar na primei-
ra opportumdade que se offerecer para a provincia
la Parahyba, o escaler que por aviso de 29 de de-
7embro do anno passado se inandou construir nes-
se arsenal para o servico da capitana do porto da-
3uella provincia, visto achar-se prompto segundo
eclarou V. S. em seu offlcio de 31 de iulho ulti-
mo, sob n. 559 que lica assim respondido. Com-
municou-se ao Exm. presidente da Parahyba.
Dito ao director das obras militares.Mande V.
S. fazer com urgencia os concertos de que necessi-
(i a janclla da casa da guarda do palacio da presi-
dencia, lado do poente.
Dito ao commandante superior de Santo Antao.
Communico V. S. para seu conhecimento e
aiini de que faca constar ao agraciado para solici-
tar em tempo a respectiva patente, que segundo Res|x>ndo-lhe que Vmc. labora em equivoco a
constou de participacao da directora geral da se- semelhante respeito.
cretaria de estado dos negocios da justica, S. M. o No sobredito meu offlcio nlo dei decsao alguma
Imperador por decreto de 17 do mez lindo, houve i no sentido em que Vmc. a entende; nlo lhe deter-
por bem nomear o bacharel Pedro Percira Bezerra minei nem aos eleitores que tem de organisar a
de Araujo Beltrao, tenente-coronel commandante mesa dessa parochia que admittissem ou exclus-
do batalhao de infamada n. 23 da guarda nacional sem dessa funeco a quaesquer eleitores d'aquelle
dessa comarca. a que o mesmo offlcio se referia.
Dito ao administrador do correio.Communico Fiz-Ihe ver apenas que, a lei prohibe que sejam
a \ me. para seu conhecimento, que segundo cons- convocados os eleitores mudados da parochia avi-
tou de offlcio da secretaria de estado dos negocios so de 24 de novembro de 1846, que os tres sobre
i gri^u!itara' commerc' e <*" publicas, data- ] que versava a representacao o esto vista dos
a-a coirente, sob n. 220, nessa data foi; documentos inconteslaveis que lhe enviei e que
expedida nova nomeacao em favor de Jos de Mello acham-se as raesmas condicoes dos dous por Vmc
tavaleanti, para agente do correio de Agoas-Bel- excluidos da convocarlo, pefo que era, pelos repre-
las, sendo-lhe marcado o vencimento de 50 % do sentantes acoimados ae parciahdade o seu procedi-
rendimento da agencia, sem a gratificarlo flxa de ment; e que por parte de Vmc. e dos menriona-
1205. por a nao permittir o 4 do art. 25 da le de des eleitores na occasiao de organisarem a mesa
26 de setembro de 1857, ficandopor isso de nenhum parochial dessa local idade, deva ser cumprida a-
effeito a participaclo daquella secretaria de 6 de quella disposi(ao legal evitando abasos que de or-
dezembro do anno passado, de que lhe dei sciencia dinario provocara excessos deploraveis, e que almi
em offlcio de 20 desse mez. de trazerem responsabilidade a seus autores devem
Dito ao Dr. juiz de direito de Nazareth.Em res- at importar a nullidade da elecao.
posta ao seu offlcio de 13 de junho ultimo tenho a Cumpria Vmc. ver nisto, nao urna decisao em
dizer-lhe que deve Vmc. no flm de cada sessao do: questao da competencia do corpo eleitoral; mas
jury remetter a esta presidencia os mappas estatis- \ conselbos de prudencia, recommendacoes de res
ticos das decisoes do mesmo iury, constantes dos | peito a lei e aos direitos de seus comparochianos
inclusos modelos acompanhados das observa^oes' em nome da paz publica e da regulardade do pre-
gue trata o aviso circular de 8 de Janeiro de cesso eleitoral; urna prevencao em favor do voto
AUMBSCIA DOS TRIBU.\AES-DAi CAPITAL
Tribunal.doomnmercio: segundas e quinta*.
Relacao4-tancas e sabbados s Olieras
Fazend.: quintas as 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s- li horasv
Dito de orphaos: tercas e sexta* slO horas.
PrimeiKuvara do civel : tercas e-sextas- a meio
dia.
Segunda, vara do civl: quartas e-saldados-a i hora
da tarde.
DIAiS DA SEMANA.
'?' """1^ 5?" Gl "naliel 8 >'i>d*nin mm.
4. Tfopra. *. Domii igos de ttusman fundador.
.). Qnlcta. S. Eulh iquio; S l^ntidiom.
6. Quinta. Ss. Felit issiroo Agapitai diac.
7. S*-xta. 3. Uaetam > Theatino fundador.
8 Sbbado. ti. Cyrlaco dia. m^; S. Emiliano b.
9. domingo. S. Roaiao sol*: S. Sr(indiano m
ASSIGNA^E
no R riH rtiba lirrarha da pmr* lndep>ad>Mia
ns. e & do proprietarios Farifl.tFilhiv
ale1coE,n,^inS^ ^ 'reaSOr JO Cand0', Flrii. **** falli. Rio de Janeiro; Aannos.
qUlCr^^u^dad?;aca5ar- _. | casadB, S.Jos, hemorrhagia cerebral:
OAIno nos escrevem, a 3 do cor- Um homemachado morto na estrada de S. Amaro,
- De Pao
rente :
, 9 inTern<> parece em retirada, e o cholera an-
da morde de vez em quando. Morreu mais um sol-
dado do destacamento.
t Segundo me mformam hoove insabordinacao
no destacamento, motivo perqoe forara algumas
pracas para all enviadas.
Acba-se norte- o Sr. Manoel Cavaleanti d<-
indio, Boa-Vista.
Um prvulo exposto, cujo nome
Antonio, congestao cerebral.
igcoca'Se-, Santo
coe;.
fin.
garntele a sua pi rwza.- e vrtude mm
CMARA
UM POUCO OE TDO)
A superficie da provincia de Minas, avaliada
.... 5???i senhor dr> engenho Cursaky, dizem pelo engenheiro H. Gerber em vinte mil leguas
deMj
1855, junto por copia
Dito ao Dr. Joo Rodrigues Chaves, juiz de di-
reito de Flores.Pelo seu offlcio de 22 do mez An-
do, Squei inteirado de ter Vmc. naquella data en-
trado no exercicio do cargo de juiz de direito da
comarca de Flores, para o qual foi nomeado por
decreto de 22 de maio ultimo.Communicou-se
thesouraria de fazenda.
Dito ao Dr. Joao Baptista do Amaral e Mello.
Pelo seu offlcio de 22 do mez prximo Ando, Aquei
inteirado de ter Vmc. entrado no exercicio do car-
go de juiz municipal e de orphaos do termo de
Flores para o qual foi nameado.Communicou-se
thesouraria de fazenda.
Dito ao juiz municipal de Santo Antao.Para
cumplimento do aviso do ministerio da justica de
17 do mez Ando, informe Vmc. sobre o incluso re-
querimento documentado em que Tiburtino Pinto
de Almeida Jnior, pede a serventa vitalicia dos
ofllcios de partidor e contador desse termo.
Dito ao delegado de polica do termo da Escada.
Tendo apparecido nesse termo como Vmc. me
communicou em seu offlcio de 29 de julho ultimo,
a epidemia do cholera-morbus, remetto-lhe um
ambulancia com os remedios necessarios para o
tratamento das pessoas indigentes que forem ahi
accommettidas daquelle mal.
Dito ao padre Jos Antonio dos Santos Lessa.
Segundo me foi declarado em aviso do ministerio
do imperio, datado de 18 de julbo ultimo, neces-
saro para se poder deliberar sobre o incluso re-
querimento acompanhado de documentos em que
V. I!vma. pede o imperial beneplcito para que le-
nha execucao a merc que sua santidade lhe con-
cedeu, nomeando-o seu camarista honorario extra-
urbem, que V. K v i na. satisface o preeeito do sello :
o que lhe communico para seu conhecimento e
execucao.
Portara0 presidente da provincia attendendo
ao que requereu a Assoeiaco Typographiea Per-
nambucana, instituida nesta cidade, e em vista do
que dispoe o 5o do art. 29 do decreto n 2,711 de
19 de dezembro de 1860, resolve nomear para o
lugar de presidente da mesma associacao, o rda-
dlo Juvencio Aureliano da Cunha Cesar.
Dita.O presidente da provincia resolve conce-
der ao bacharel Joaquim Eduardo Pina, promotor
publico da comarca de Nazareth, 8 das de licen^a
com vencimentos para tratar de sua saude fra
daquella comarca.
DitaO Sr. gerente da companhia Pernambuca-
na, mande dartransporteparaa Parahyba com des-
tino ao deposito dejartigos bellicos daquella provin-
cia, os artigos de fardamentn constantes da rela-
cao inclusa por copia.
Expediente do secretario do governo.
Offlcio ao inspector da thesouraria provincial.
O Exm. Sr. presidente da provincia, manda Irans-
raitlir V. S. para o fim conveniente o incluso pe-
dido dos objectos presisos para o expediente desta
secretaria no corrente mez.
Despachos do dia 3 de agosto de 1863.
Reqtierimentos.
Angelo Francisco da Costa.Informe o director
geral da instruccao publica.
Diogo Baptista Fernandes.Informe o Sr.
nessa localidade, e jamis um attentado contra el
le; e devia Vmc. comprehender ao mesmo tempo,
que tudo isso nao so da minha competencia, mas
at de meu vigoroso dever, assim como do de Vmc.
o aceita-lo com toda a promptidao e observa-to fiel-
mente.
E como, em summa, nao procedam de modo al-
gum, segundo fica cima dito, as reflexes e alle-
gacoes com que Vmc. procurou informar o valor
dos documentos que por mim lhe foram enriados;
e contestar os fundamentos legaes daqueilas mi-
nhas recommendacoes, resta-me dizer-lhe- que in-
sisto nova e muito instantemente pela observancia
das mesmas, j com os eleitores que hourerem de
concorrer para a organisacao da mesa dessa paro-
chia, salva entretanto a competencia que nesta ma-
teria Vmc. para si ou para aquelles eleitores in-
voca, mas que sujeita a grave responsabilidade
em que ncorrem pelo abuso j por Vmc. incetado
do arbitrio que tal competencia Ihes attribue e
pelas consequencias que d'ahi venham a resul-
tar.
Espero poisf que Vmc. reOeetindo sobre o ver-
dadero valor e alcance das ditas roinhas recom-
mendacoes procure por ellas pautar seu procedi-
mento.
Deus guarde VmcJoa SVnira de Souza.
Sr. juiz de paz mais votado da freguezia do Pao
d'Alho.
PERHAffiBUCO
REVISTA MARA.
Foi nomeado juiz municipal e de orphaos do ter-
mo do Cabo o Sr. Dr. Francisco de Car valho Soa-
res Brandao, e nao do Porto Calvo.
Hoje funeciona o Instituto Archeotogiro e Geo-
graphico Pernambucana em sessao ordinaria.
O Sr. Dr. promotor publico, tendo atteneloao
que lhe foi representado pelo Dr. juiz municipal da
primeira vara (Hcrmogenes de Vasconcellos)* acaba
de denunciar ao Sr. Dr. chefe de polica contra
Ignacio de S Lopes Fernandes, estabelecido ra
larga do Rosario, por crime de peita definido nos
arts. 130 e 132 do cod. crim.
_Movendo o referido Ignacio Fernandes urna ac-
clo de despejo perante aquelle magistrado, enviou-
Ibe em carta urna nota da caixa filial do 505, pe-
dindo ao mesmo tempo que se lhe lizesse a devida
justica.
Por assignaclo da autoridade superior, est af-
fecla a denuncia com os documentos comproba-
torios ao Dr. delegado do Io districto, que mandou i
que do cholera. Trabem este ve bastante "doente o
Sr. tenente-coronel Joaquim Cavaleanti de Albu-
querque Mello, senhor do engenho Pindobal.
OSr. Jos Juliao Rogerk foi privado do pos-
to de alferes da 2 companhia do batalhao n. 43 da
guarda nacional de Serinhaera; sendo desligado
da 5* companhia do mesmo batalhao o alferes Luiz
de Mcndonca Vasconcellos.
Caa de DrrBwgXaMovimento da enfer-
mara da casa de detenrao do 1 a 31 de julho
de 1863.
Existan................ 41
Entraran,............... 55
Sahiram................. 51
Foi removido para a casa de
sade................. 11
Fallecern.............. 3
Existen................. 42
Molestias nellajtratadas :
Febre catarral........ 10
Ocdemaria........... 3
Ophlalmia........... 8
Colite............... 4
Sarnas.............. 5
Rheumatismo........ 6
Intermitientes........ 8
Bronchites........... 5
Anemia............. 8
Coreia.............. 1
Gastralgia........... 4
Paralysia............ 1
Hemoptise........... 3
Indigesto........... 4
Dores espasmodca 3
Hypetrophia......... 2
Peneumonia......... 3
Febre beliosa........ 2
quadradtts.
Segando.mesmo, esta extensa.dividida em
vinte comarcas, cada urna das qjiae* contm o
segutv numero de leguas quadtadas
Cholerina........... 2
Hepatte.
Pcleurodinia.........
Tubrculos pulmonares
Gastro cephalite......
Ferimenlos..........
Contusoes ...........
Total.
2
2
1
I
6
5
96.
Existem em tratamento :
Joao Alves Pereira, sarnas.
Miguel Gomes da Cunha, gastralgia.
Joaquim Jos de Santa Anna, sarnas.
Sovorino Urbano, intermitiente.
Joao Gomes Durao, rebre catarral.
Theotonio Ferreira da Silva, febre catarral'.
Severino Marques de Oliveira, indigesto.
Jos oongues da Silva, ophtalmia.
Manoel de Paiva VasconceUos, rheumatismo.
Manoel Muniz Falcao, febre catarral.
Jlo Francisco Vierada Silva, cholerina.
Idahna Maria dos Prazores, intermitiente-.
Felismina Maria da Conceico, febre catarral.
Luza Joaquina de Franca, febre catarral
Bernardino Domingos Moreira, hypetrophia.
Jos da Silva Anatalio. anemia.
Pedrada Rocha Filgueira,dores espasmodica.
Manoel Simoes Jnior, indigesta
Joaquim Ferreira dos. Sanios, sarnas.
Antonio Pinheiro Arco Verde, hemoplisc.
Candido Pereira da Silva, hemo|>tise.
Antonio Jos de Souza, febre catarral.
Jlo Luiz de Souza, paralysia.
Antonio Cavaleanti de Abuquerque, bronchile.
Manoel Jacinta febre catarral.
Ouro-Preto.
Piraeicava..
Serr..............
Jequitinhonha.......
Rio-Pardo..........
Rio de S. Francisco.
Rio das Velhas.....
Pararan!...........
Indai............
Paranahiba.........
Paran ............
Sapucahy..........
Jaguary.'...........
Rio-Verde.........
Rio-Grande.........
Rio dos Montes......
Baependy..........
Parahybna.........
Pomb.............
Muriahe..........
290
M20
1J870
tfim
1.5.10
.1,550
880
2,160
580
!;100
1,500
680
600
340
310
340
250
410
coreia.
Pinto de Barros. I Miguel Verissimo, bronchito.
O damno causado pelo delicio foi avahado em Joaquim. Benedicto da Silva, bronchite.
10:0005, embora se allegasse na denuncia ser Paulo Dias de Souza, bronchite.
inestimavel em preco a reputarlo do digno juiz. *oncalo de Amarante, rlioumatismo.
quem se fez offensa. i Marcelino de Dos Tenorio, sarnas.
este um fado que. ser convenientemente pro- Joaa Francisco Moreira, colilc.
mSJf^^l^^TSrSJ"1 vad0 cm ordem ""w- delnqueme raerece Manoel cscravo, sentenciado, oph.almia.
municipal e ai orpnaos ao termo e uarieiros. i ^ .pnP~ft ,1a ,., Ans lrKl1w Ranhae eseravo do Josmim Coimhra .
Joaquim I, africano livre.Informe o Sr. inspec-
tor do arsenal de marinha.
Maria Hermenegilda Vieira Machado.Remet-
tido ao Sr. desembargador provedor da Santa Casa
de Misericordia, para mandar inscrever a orphla
de que se trata se estiver no caso de o ser.
Sesinando Hilario Ramos.Informe o Sr. direc-
tor geral da instrurclo publica-
Venceslao Garca Chaves.J foi prvido o lu-
gar que requer o supplicante.
a mais seria attenclo de parte dos trbunaes. Raphael, eseravo, do Joaquim Coimbra, odemacia.
- Pessoa moradora na ra da Cruz remette-nos Herculano, eseravo, do eoronel Jos Maria, febre
4.' seccao.Palacio do governo de Pernambuco
5 de agosto de 1863.Nlo pode ser attendido oque
Vmc requisita em seu offlcio de 3 do corrente;
por quanto pelo aviso n. 110 de 10 de agosto de
1847, est expressamente declarado nao so que o
juiz de paz, que teria de funecionar como membro
da mesa da respectiva parochia (cm falta de elei-
tores) perde como estes no caso de mudanra do
districto aquelle direito segundo foi por est"pre-
sidencia decidido no offlcio de 31 do mez findo a
que Vmc. se refere ; mas tambem que o juiz de
paz mais votado, e a quem compete a presidencia
da referida mesa, nao perde esta sua attribuicao
especial mesmo quando de sua freguezia so muda
depois de qualifirado, oque interamente se verifi-
ca a respeito do juiz de paz mais votado de Muri-
beca, que Vmc. allega ter effectuado tal mudanra
apenas do primeiro para o segundo districto da
mesma freguezia.
Accresoe que este juiz de paz com os documen-
tos que juntou a informacao que acaba de dar-me
sobro a materia do mencionado seu offlcio, prova
que anda se n3o mudou do seu districto para
outro.
Dos guarde Vmc.Joao Silveira de Souza,
Sr. segundo juiz de paz da freguezia de Muribeca.
4" seccao.Palacio do governo de Pernambuco.
Tenho presente o offlcio de Vmc. datado de 31
do mez tindo, e hoje recebido, com que Vmc. res-
Sondeu ao que lhe dirig em 25 do mesmo, fazen-
o-lhc recommendacoes em consecuencia do que
contra Vmc. me representaran! os cidadlos dessa
villa, Francisco Xavier de Souza Ramos e Manoel
Garca de Souza Ramos, por haver convocado lti-
mamente para tomarem parte na organisacao da
mesa dessa parochia na prxima eleicao tres elei-
tores mudados da mesma excluindo entretanto dous
outros por esse motivo.
Entende Vmc. que naquelle meu offlcio ha urna
decisao por mim proferida, a qual nao s incom-
petente,mais at attentatoria da liberdade do voto a
vista dos avisos de 29 de marco de 1847 e de 4 de
junho de 1860 : c suppondo hav-lo assim demons-
trado com urna serie de reflexes inconcludentes,
e de allegacdes de factos que Vmc. figura trazidos
ao meu conhecimento e de que at ao presente nlo
tenho sciencia, de outros nao provados, e de alguns
qne mesmo quando o fossem nada lhe aproveita-
riara, conclue pedindo-me que lhe declare se de-
ve cumprir os citados aviso ou aquella minha de-
cisao.
as linhas, que seguem, solicitando-nos a respectiva
publicaclo; ao que aoquiescemos, visto carecer do
providencia o assumpto de que ella trata.
Pede-se ao Sr. subdelegado da freguezia do
Recfe, que se digne de laucar suas vistas para um
2o andar da ra da Cruz n.....onde a falta de pejo
chega ao ponto de escandalisar as familias hones-
tas que prximas moram.
Nlo podemos pelo decro publico ser mais
claro, e se omittimos a numeracio do sobrado, nlo
ser isto motivo para nlo apparecer a providencia
solicitada ; porquanto sem esta indicacao mesmo a
m'nguem desconhecido o faci e a situarlo.
Na circular do Sr. Dr. Ignacio de Barros
Barrote, publicada no Diario de 31 do mez prxi-
mo passado, escapou respectiva roviso a seguin-
te phrase :veria por lim a produzir, quando deve
ser : veriam por fim a produzir.
Por sentenca do Dr. juiz de direito da segun-
da vara, publicada em audiencia de hontcm, foram
absolvdos os inembros. da firma socialSeve, Pi-
lilos & C, que se haviam apresenlado ao juiz do
commercio com deolaraoSo de insolvabilidade, e
ahi foram pronunoiados como incursos era banca-
rota culposa.
A extracta firma social mereca confianca na
Siraca do commercio, nao desmentida por nenhum
acto que attestasse a presenca do dolo ou fraude
em alguma de suas operaroes morcantis.
0 Dr. juiz de direito da 1* vara, Freitas Hen-
riques, deu proviraento an recurso interposto por
Julio Pires Ferreira que havia sido pronunciado
pelo Dr. juiz municipal da segunda vara em de-
nuncia por crime de estupro interposta pelo Dr.
promotor publico perante o subdelegado de S.
Jos.
Por portara da presidencia foi designado para
presidente effectivo da Associayto Typographiea
Pernambucana, o Sr. Juvencio Aureliano da Cunha
Cesar.
as embocaduras do rio Maria Farinha, ter-
mo de Iguarassu, foi encontrado no dia 2 do cor-
rente o cadver de um homem, que indcava ter
40 annos e ser estrangeiro, o qual foi immediata-
monte enterrado, por estar em completo estado de
putrefacclo.
Por proposta do respootivo commandante fo-
ram nomeados para offlciaes do batalhao n. 43 da
guarda nacional do municipio de Serinhiem :
V companhia.alferes o guarda Andr Cordeiro
Cintra ;
4" ditacapillo o tenente Pedro Alfonso Riguei-
ra Pinto de Souza tenente o alferes Honorio Fiel
daa Neves Freir ; e alferes Antonio Jorge Lopes
dos 3antos;
5* companhiaalferes Luiz Belchior Pessoa de
Siqueira.
Pelo delegado de Goianna foi preso Manoel
Flor Dornellas, por pretender passar na circularlo
urna sedula falsa de 505, de estampa encarnada.
Achndo-se Angelo Alves do Moura dentro de
Hm capoelrao, no lugar Duas Barras da freguezia
de Jaboatao, recebeu un tiro do qual lhe resulta-
catarral.
Theophilo, eseravo, do Jos Espindola, anemia.
Jos, eseravo, de Domingos de Carvalho, anemia.
Vicente, eseravo, de Francisco de Campos, febre.
Francisco, eseravo, do Dr. Pamphilo, febre.
= Casa de detencao. Consumram-se com o,
sustento dos presos pobres recolhidos casa do
detencao durante o mez de julho prximo passado
4,986 racoes e gastaram-se com as mesmas. os se-
guntes gneros, a saber :
Pies de 3 oncas4986.
Assucar-623 libras 4 e oncas.
Caf em p-311 libras 10 e oncas.
Farmha=83 alqueires e 6 decimos.
Feijo18 alqueires e 47 Vi decimos.
Toucinho=221 libras e 3 oncas.
Azeite doce= 15 garrafas e 14 oitavas.
Vinagre40 garrafas e 7 oncas.
Carne verde=2,731 libras.
Dita seca=404 libras.
Bacalho723 '/2 libras.
Consumiram-se com as dietas, na enfermara,
desta casa os seguintes. gneros a saber :
Pies de trigo (3 oncas)1.491.
Chalalibras e % oitavas.
Assucar126 libras e 6 oncas.
Arroz80 libra* e 12 oncas-
Galinhas49 inteiras.
Farinha12 alqueires o 17 decimos.
Carne verde1,011 libras.
Movimento da casa de deten
agosto d 1864.
391
Entraran).... 4
Sahiram..... 2
Existem...... 393
A sab;r:
273
Estrangeiros. 32
Mulheres. .. 9
Estrangeiras. 3
Escravos.... 70
6
4 de
presos
Do. Brasil traduzmos o que segu livremente :
Kntao, Pedroca, ests donnindo?-
Ora o mesmo; o que me- queres t^
Bofe que se nlo dormisses eu te pedenia.
o leu burro e cem escudos, a fiffl de ir feirar.
Ah!.... neste caso, eu durmo.
Porm tu conversas.
E' que estou sonhando.
Mas estas fallando alta
E' que sonho fallando assim;
O amo de Calino ncumbio-o de urna (Minmissao
para com um seu amigo, a cuja casa se dicigio
elle. Bate a principio fortemente, mas como.nen-
buma resposta immediata recebesse, entSfa-tde
vagarinho, e para logo abre-se a porta v e .amigo,
dirigiinlo-.se a Calino, diz-Ibe :
Oh! na roto, para que ests ahi a dar estas
pancadas! suppoes tu que eu seja algum surdo
Mas...........nao, senhor r. Smente bat com
forca, porm como Vmc. nao respondesse-, pensei
que dorma, e vai se nao quando bat en to de
vagar, para nlo acordar Vmc.
Julgava-sc urna causa, traz o ttutmmarre. na
qual se tratava de urna letra falsa, aceita \w um
cgo ordem de outro.
Urna das testemunhas era tambem eega.
O melhor do negocio, porm consistia em que a
letra era pagavel vista.
Em jornal de PortogaL acnamos, sobre o nome
de Mundo-Novo, a peca que damos em seguida.
Attenclo! Attenoao'.......
Estou pasmado.....
O seculo dos homens
Est mudado L..
Ver o garrolo papagak
Ao balco. negociando,
E o bujdo taberneiro
Na gaiola se catando !
Ver cocheiros em parelhas
Pesados carros puxando.
E os cavallos enluvados
Com mui garbo os boleando.
Ver em ricos escriptorios
Os ratos advocando,
K no tediado do visinho
Alguns rbulas chiando!
Ver em pomposos collegios
Cavallos licoes tomando,
E em cocheiras l>em tratados
Alguns dos mestres richando.
Ver em soberbos engenhos
Burros na mesa jogando,
E o senhor do mesmo e familia
Na verde relva pastando!
Ver no grande parlamento
Os leies as leis dictando,
E os homens mui ferzes
Uns aos outros devorando !
Ver homens de ferreos msculos
Suslerem as ralos o mundo.
Sem offlcio, ou beneficio
S orando S. Ray mundo '.
Ver grassar a epidemia
Com desdem....... e nos ceuar.
Como alguns facultativos.
Neste seculo a imposturar '
Ver em fim no cemiterio
Um defunto encommeadar,
A um padre que ali eslava
E manda-lo sepultar'
Andan os homens co'as cabeca.
As mulheres com os milhoes......
O dinheiro em todo o mundo
E'! o brado das nacoes *.*:.,
;
Exlrahimos de am jornal a seguinte noticia de
um especifico apresentado coajva qualqucr incom-
modo, por maior que seja este .
Tome-se obra de libra o moia de soffrimento e
quatro oncas de conformidade compradas na botica ua ciuade do Torio,
ILIVCirAl.
SHSSj*>flttl>INARlA AOSs 22 DE Jl
1863.
Presuintria do Sr. Hemrqm^, 4a S4ra.
Presentes os Srs. Reg e AltinmarqiH-, Hennuv-
da SHya, Seve, Gustavo do Re*>, Mello ? Gamein.
abrio.se.a sessao, e foi 1 ida i-appp>vada a **.!.
antecdeme.
Leu-sesegninte
EXPEDIENTE^
Um offlcio do fiscal de S. Antonio, informa*. ,
pelrcfiO'na qual Joio Lins Viaana. declara nxvri
ass-'do a lora de calcado da ru do Livrammto .
Julia quer que se facam as convenientes notas a rom
tadoria ; diz que verdade .que allega o pehtn -
nario.Deferise no sentido da uiforraai>v>
Outro do mesmo, informando o requeroneafe
de Manoel Jos Lopes Guimafls, no anal p..-ae pa-
ra rasgar duas portas, sendo urna no andar lew..
e ourra no primeiro andar na rasa de sobmdo n
19 da ra do Livramento, ben como fazer. outr>-
coneertos; declara que entende poder xpctieiu
nario fazer o qne requer^ manos, abrir a ferta
andar terreo, por quanlo j xistem tres. a .um
ceder-se a abertura de mais urna. Acara os-and-j
res sem semetria alguma^ Posto em if rniiio
coneedeu-se que o peticionario Azesse todo os, re
paros, menos que abrisse a porta no andar Ierre"
d sobrado, como requeren.
Outro do fiscal Ja Usa-vista. achar-se bastante arruinado o ladrilh. tanto *.-
alpendres, como do passeio da ra da. Rrbeira da
mella freguezia, e bem assim parte do. madrin
ment grosso ecaibros das roberas dr^acengme pu-
blico da dita freguezia Qur fosse ao#nfen*>>ir
para informar, iazendJogo o oreamejrto dc-coa-
certo preciso.
Outro do administrador do remtwo.pablro da
freguezia do Poro, remettendo um maaaa Oto ea-
terramentos feitos naauellc estabclawWaa na se-
mana de 14 20 doorrente.Aoprarundnr.
O 8r. Seve apresentou a segu nUi>ropoMa assif
nada por elle e mais tres sennore vereadares.
ReconhecendOsser urna das nrrnuiiidaai" i pal
pilantes de que se -resenle esta cidade, a falta e
ura ponto de reuniao em que se distnife a popa
laclo : proponhoqae, quanlo antas, se d*execur.
ao passeio publico, determinad pela lea arovincial
n. 566, art. 2 | 6. B de accordnom aatesma tei.
julgo conveniente que seja o passeio patuco sHoa-
do entre os dous-canaes da rea- da Aaaara, send-
os limites pelo sol, o canal que entra aa ponte cha
mada do Rara, pelo norte u> qne- paisa na pool.
jnnto a fabrica ae Starr \ t, peto, aesle. rom a
ra do Hospicio, e pelo leste com ama da Sandad-
Pago da cantara 22 de junho de U63.Leml V
te.Gameir.U,j e Alhuiiumipm. MelUt .
Posto em dtsoussaoo Sr. HenriqMS da Silva ped--
a palavra, e- pronunciandetsu contra a prnposta
declara que-havendo utn> passeio natural pelo rae-
de 22 de Novembro. e outros j j preparados, pre-
esava smente sejrem pUmado*. e melhorados. n.
que pour se despender^ em. vissa do que era d>
necessaria una lio grande desprfa.
O Sr. Gustavo do Reg, pede tamben a palavra
e oppe-se, dizendo qne- o lugar ondr -> quer >*.
bclecer a-passeio iapaoprio. ames se prornraase
os terrenos alagados que tiean entre o Gymaaj
e a ponte do Star, por quanto esses terrenos -i
extensos, e vio ter a ponte da estrada de i Minda ei
seguimenlo da roa *> Hos|>ico; que taes terrear-
se slaparticurares, nlo estad lienefirados. dispeti
sando por isso do feacr-sc grande> despi-zs rom
desapropriarres, o djSe no aronteerra com. aqnrl
les onde se preh'Hde fazer ojasstk)-. c tinaliaent.
declara que sendo a despeza a lazer-se graadr.
para a qual a cmara nao dispoe do rtrasnai, en
tenda, que nao devia ella eraprehender scmelhan'-
ObMf
O Sr. Mello pede igualmente a palavra. e diz ou-
comquanto (<)sse um dos que assigaaram a pcoaa-
ta, todava entende que o lugar nao dos mais
convenientes para o fim que se quer destinar, por
ser pouco espagoso, alera disso, aceresce qp <
quota que assembla inarcou para o. comrro A-
semelhante obra e to pequea, quetalvez-narb.
gue para as desapropriacoes, entendeado por (bu
que nao se devia ainda tratar de poc em ecur V
urna obra to gigantesca.
O Sr. Seve, sustentando a sua proposta, pede .<
palavra, e declara que nao se coalomu com a mti
nilo ds seus nobres collegas, qae.comliairraiu
mesma proposta por elle apresenlada e os seus no
bres collegas os Srs. Reg e Albuquerqu.'. tiamei
ro e Simplicio: principiar sustentado-a. por qn<
julga o passeio publico precise, o sitio indicad..
conveniente, e o espaco limitado suBriente. a]
para um passeio regular, inavpara um paatii m
perior aos do Ro de Janeiro e Baha.
Julga preciso, porque iwontesiawl m$ Mb
capital se regente da mais palpitante neiessidade d.
um ponto de reuniao, onde- o. nacional e o estran
geiro possa distralur-se-, gozando do aroma das li
res, da frescura dos bosques e da cumpanhia dos
amigos econhecidos, no. meio. da mais apreciavel
sociedade.
Julga conveniente o. sitio indicado na proposta
por ser arejado. descoberto e de mttilo transito;
acrescenta o mais proprio para o passeio pubbV..
por que fica no ponto inai- central desta cidade
nao so em relarao ao.presenle e mais ainda. ao di
turo, pelo que fcilmente podem concorrer os ka
hitantes de qualquer dos extremos da cidade. e ti
cando situad entre canaes, visto como a planta da
cidade mares neste ponto canaes por tres f.-wes. f
com pouco ile-pendi se poder fazer a quara h
ce, e circular deste modo todo o passeio. e se na
Ac a margen) de ros, como acontece aos. da B
hia e Rio, mui tos ha na Europa, como os da Lk>boa
o alguns de Pars e Londre-
393
Alimentados custa dos cofres pblicos ... 156
Movimento da enfermara no dia 5. de agosto de
1863.
Tiveram alta :
Felismina Maria da Coneeicao.
Idalina Maria dos Praieros.
Obituario no w.v 5 de agosto no cemiterio
publico :
Maria, Pernambuco, 2 mezes, Boa-Vista, espasmo.
Francisco de Souza Martins, Pernambuco, 18 an-
nos, solteiro, Boa-Vista, mylite aguda,
Joaquim Pereira da Costa Larangeira, Portugal, 40 nao tem cura, remedeado est.
da paciencia; misture-so tudo muito bem e po-
nha-se com discriccao dentro de um pucaro novo
daquelles que se venden no armazem da firmeza,
e ajunte-se-Jhe um vislumbre de resignacao, da
que se vende por atacado na loja do estoicismo,
pona-se ao fogo lento da paciencia, filtre-se depois
pela peneira una da temperanca, e com urnas tan-
tas gotas de indifferenca, mexer-se-ha com a eo-.
Iber da franqitiliaade, at que tenha a consistencia' ou menos de leste oeste,
de um charapo que se chama da reflexao.
O remedio so administra pela forma segujnp}:
Logo que alguma pessoa se sinta atacado pelo
terrivel mal, tiritara dentro do vaso do silencio,
duas colheres cheias de dito xarope- addicionan-
do-lhe meio quartilho de desabafo |>ar,a tirar-lhfi o
mu gosto, c depois o beber com muila pa-
chorra.
que nem ao menos tem a vantagem de ter um ra-
nal que os circulo.
Julga o espaco sufflcienlc porque entende ojor
um.terreno do 20,250 bracas quadradas punco mais
eu menos, bastante para um passeio publico, tal
a rea une tem o sitio por elle indicado, corres-
pondentes a 2250 palmos mais tamenos de ex ten
sao. de Mil ao norte; e 900 palmos de largura mais
termo medio de cerca
de ?51> palmos de largura na, extrema ito >ul
1030 palmos na extrema du norte.
Que os passeios do Ro e. da Babia nao tem k*>
grande espaco e muitos da Europa tambem a
tero, elle o pode atlirma:
Que quanto a idea de seu nobre collega (tan
ques da Silva, de so artorisareni os caes, e seni
rem estes de passeios, entende nao preencaer o fim
Em seguida sahir dar um passeio, dizendo l desejado, por que os caes devem servip para irn
sito publico, nao. sao proprios para reanies de re-
creo.
para comsigo, ou para com. os de fra, isto canfor
me melhor tiver na vontadje :
Ptarolas! primeiro, estou eu do que nin-
guem. Pezares nao pagan dividas. Aquelle que
se deixa morrer a enterrara, o nada se alcanca
com alaridos -, o morrer-se cousa de tolos, e o
melhor tomar o lempo tal qual elle nos vetn. 0
mesmo tanto d atraz como as espadas. Folgue coas, mas'podendo estas serem feitas eom pana
a gaita por toda a parte; viva amor e, chova tongos, de que est convencido nao ser contraria
arroz,mais vale calar do que fallar, e, mal que do, e bem pode a cmara apniiear os l
Que quanto. as roflexoes apreseatadas petos ma*-
collegas do ser diminuta a quantia votada, entend-
nao ser raaao para se nao dar comeco. por qae nem
quantia sufflecnte poda ser volada de tan xa
com que podesse a cmara fazer as desapropna
annos, casado, S. Jos, apoplexia.
Antonio, eseravo, frica, 80 annos, soUelro, S.
Jos.ascite.
Jos, Pernarabuca i annos, Boa-Vista, enterito
chronica.
ac-
Dito isto, acenda-se um charuto coi
chimonia, cuspa-se grosso, e eis qu
o spleen como por encanto.
E' remedio barato, seguro e est probado; c de
mais, cousa notavel, nao elle sujeita i fMfcca-
votados aterras, e esperar do patriotismo da a*
sembl* provincial melhores aoMorros nos anmr>
subsofaaajas, e s por este meio, pode a cmara
vira ter ao passeio publico dentro de algn
nos, ao contrario Mar corn os bons desejos, e an-
ca ter cousa alguma

aa
m i
-ilegvelL^


miz*



Plarto Je Pernambneo Quinta felra tt de Agosto de !.
/
Coucluindo, declara que nao deeeja que a cama-
ra rote pela sua proposta, nema recuso por falla
le esdareciinentos. oppondo-se sem uiua razo
plausivel a determinacao da lei provincial, que de-
signou a localidade em que deve ficar o psseio
publico, e por lano pensa que se nomeie uma cora-
insso de que faca parle o cngenheiro da mesma
cmara, afira de esludar o local, reconhecer da van-
tagcm ou desvantagem que possam haver, e final-
mente dar o seu parecer para que possa a cmara
com mais consciencia c Tivre de (revenciJee adop-
tar semelhante melhorameBlo, no que est conven-
cido que prestar um alio servicia esta capital.
Nao liavendo quem pedisse mais a palavra, _e
tt'iido-se resolvido que fosee nomada a commisso
ludida, o Sr. presidente a nomeoa, licando compos-
ta dos Srs. Gustavo do Reg, Sve, e cngenheiro
cordeador.
Despacharam-se as petices de Bento Jos Ber-
nardes, Joo Xepomuceno Accioli, Joao Lins Vian-
na, Manoel Martins Garda, Jo5o Flix da Silva,
Maria de Souza Pinto, Palatino Joaquim Correa de
Paiva, e lcvantou-se a sessao.
Eu Francisco Canuto da Boaviagem, secretario a
escrevi.
Declaro cm tcmpo qne 'requerimento do Sr.
Mello, mandou-se ordem ao engcnheiro para ir
examinar o nivellamento que est fazendo o fiscal
da freguezia da Boa-vista da ra do Corredor do
flispo.Boaviagem o declara.Barros Rogo, pre-
sidente.Reg Albuquerque*- Mello.Gameire-
Leal Seve. Barata de Almeida.Reg.
mon-se coniainrornaeodada, e maiidou queeoni
lia se respondesse ao Dr;ehcre de polica.
A requerimento do Sr. Mello, mandou-sc trns-
ele ver a mencionada iaformaco no jirnal.
Outro do administrador do cemiteno da fregue-
zia do Pojo remetiendo um mappa dos enterra-
mciitos que se fizeram no mesmo estabeleci mente,
na semana de 13 a 30 de junbo ultimo.Ao procu-
rador.
O Sr. Barata fes o seguinte requerimento que
foi apttrovado.Requeiro que sejam rcmettidas ao
advogado desta cmara todas as posturas, regula-
meatos, e ordena dadas pela mesma cmara, alim
de que este examinando-as indique atienta e es-
crui>ulosainente o que nellas achar contra as leis
c constituico do imperio, c de inconveniente a
marcha dadniinistracao municipal, que possa fe-
rir os interesses da poptilaeo. Reeife 6 de junho
de 1863.Barata.
A requerimento do Sr. Reg e Albuquerque, au-
torisou-se ao procurador fazer as despezas neces-
sarias com o processo das eleicoes,
niaior servindo de secretario.Sr. Heniiquede Mi-
randa Henriques. fiscal da freguezia do Poco da
Panella.
E nada mais se continha era dita portara aqui
fielmente copiada do respectivo livro de registro
que me reporto.
Secretaria da cmara municipal do Reeife, 46 de
1863.O secretario Francisco Canuto da Boa-
tiaqem.
DOCUMENTO N. 1
O fiscal da freguezia de S. Jos desta eidade a
bem seu precisa que o Sr. secretario da cmara
municipal lhe passe por certidao ao pe desta o tre-
cho da acta da sessao da mesma cmara de 28 de
dia o ox-arrematante brasileira Lulz Jos Marques, o nao querendo estar
sujeito aos eavillosos caprichos e iuiposieoes do
mesmo arrematante da agurdente, trataram de
deixar de vender em suas tabernas agurdente, e
para que Luiz Jos Marques se nao chamasse a
ignorancia, fizeram annuncios pelos jornaes de que
deixavam de vender agurdente e disto mesmo ae-
rara justificaeoes com citaco do ammo Luiz Jos
Marques.
Decorrido porm algum tempo, appareccu Luiz
Jos Marques demandando a estes mesinos taber-
neiros para que pagassem o imposto de vinte por
cento sobre a agurdente da produccao brasileira,
sendo dito imposto cobrado desde o tempo em que
os taberneiros deixaram de vender tal bebida s-
abril de 1863, na parte que trata do officio do fis-
cal da freguezia do Poco.
Reeife, 26 de junho de 1863.O fiscal Joao Xa- pirituosa at a poca que bent lhe pareceu, e desta
vier da Fonceca Captbaribe. | sorte engendrou elle um debito ficticio da liarte dos
Em virtude da petieao supra, certifico que re-, taberneiros para com elle; nao era porm possivel
vendo o livro onde se lancam as actas da cmara que Luiz Jos Marques triumphasse em seus injus-
to .municipal desta eidade, nellc a folhas 117 verso, tos projectos, eeisque proporcao que as causas
que se tem acha-se laucado o trecho da acta de 28 de abril do iam sendo julgadas entras tantas derrotas la elle
de proceder no present anno. anno passado, a (|ue se refere o supplicante, o qual solrendo.
Despacharam-se as petices de ^ntonio da Silva' do theor seguinte : Mas, de um momento para outro, mudam-se as
Ferreira, Antonio Jos Bitancurt, Bailar & Olivei- Outro do fiscal do Poco communicando que pelo scenas: j nao Luiz Jos Marques quem perse-
ra, Catulino Goncalvcs Lessa, Elias- Baptista da > subdelegado da mesma freguezia foram mandados gue os taberneiros, porm sim, a fazenda naeio-
Silva Joaquim Fernandes dos Santos, Joao de Du-' reeolhercasadedclencao,Miguel Joaquim Ferreira, nal quem agora se apresenta cobrando os dbitos
cas da Silva Borges, Manoel Jos Lopes Guima-: e Joaquim Jos de Santa Anna, como infractores das ficticios que foram engendrados por Luiz Jos Mar-
Ao 1 de julho de 1863, *?ndo comparecido os
Srs. vereadores Maia, Seve, Gustavo do Reg, e o
Sr. Mello) communieado por officio achar-se en-
commodado, dei\ou de haver sessao ir falta de nu-
mero.
Eu Francisco Canuto da Boaviagem, secretario a
escrevi. Reg Maia, Leal Seve, Reg.
SESSAO EXTRAORDINARIA AOS 6 DE JULHO
DE 1863.
I'irsidaicia do Sr. Barros Reg, continuada pelo
Sr. Reg Albuquerque.
Presentes os Srs. Barata, Gustavo do Reg, Seve,
Mello e Gameiro, abrio-se a sessao e foi lida e ap-
provada a acta da antecedente.
L-se o seguinte :
EXPEDIENTE.
Tin officio doExin. presidente da provincia, re-
metiendo por copia, a informacao do engcnheiro di-
rector da repartijao das obras publicas de 22 de
11 ni lio ultimo, diz que tem vista da qual tica respon-
i de 8 do mesmo mez, sob n. 25,
Borges,
Vicente Licmio
da Costa Campello, e levan-
posturas municipaes, por que se achavam no mer-
cado daquella freguezia vendende farinha ao novo,
embora a tivessem ido comprar na estrada Nova ;
declara que aquelles individuos estavam vendendo
com consentimenlo delle fiscal, era consequencia da
instruccao que lhe fora dada pela cmara, em offl-
Burata dAlmeia.Rego. ci de 24 de marco ultimo, que s considerasse
I atravessador aquelle que, comprando o genero no
Fismlmrao da freguezia de S. 7o! de junho de 1863. o fossem procurar em lugares distantes,
lllms. Srs.Respondcndo a portara que VV. SS. Posto em discussao o Sr. Reg, pedio a palavra,
se dignaran) dirigir-me com data de 20 do corren- requeren e foi approvado, que se lizesse um novo nmeros cidadaos que nada devem, e que apo
te pela qual me ordenara que informe sobre o artigo de postara, addicionando ao art. 4 do titulo sao victimas da estrategia e gana de Luiz Jos M
rae
tou-se a sessao.
Eu Hypolito Cassiano de Vaseoncellos Albuquer-
que Maranho, offlcial maior a escrevi no impedi-
mento do secretario.Barros Reg, presidente.
Reg Albuquerque.Gameiro.Mello.Leal Ser.
Henriques da Silva.
ques, por quanto sendo credora de Luiz Jos Mar-
ques cntendeu dever ajuisar os pretendidos deve-
dores deste t
E eis os pobres homens a soffrerem as tristes e
fataes consequencias dos executivos da fazenda na-
cional !
Custa a crr, que era um paiz civilisado se (iro-
ceda por semelhante modo *
E na verdade, injustificavel o procedimento da
fazenda nacional, desde que aceita as notas fraudu-
lentas de Luiz Jos Marques para perturbar a in-
M
Mar-
8 Escrivo Manoel Joaipiira Baptista.
9 Padre Albino de CarvaAo Lessa.
18 Proprieurio Francisco Antonio das Chagas.
11 Capitao Manoel Antonio Ribeiro.
12 Solicitador Joo Joaquim de Figueirdo.
13 Capitao Pedro Tertuliano da Cunha.
14 Solicitador Jos Theodoro Gomes.
15 Empregado publico Francisco Serfico de As-
sis Carvalhe.
16 Proprietario Amaro Jos dos Prazeres.
17 Professor Francisco de Paula Gouva.
18 Artista Custodio Manoel Theodoro.
19 Negociante Jos Francisco de Souza Lima.
20 dem Tiburcio Valeriano Baptista.
21 dem Cletoda Costa Campello.
22 dem Antonia Morara de Mendonca.
23 Capitao Manoel Eieuterio da Reg Barros.
24 Escrivo Joo Saraiva de Araujo Galvo.
25 Negociante Antonio Emigdio Ribeiro.
26 Angelo Custodio dos Santos.
27 Artista Joo dos Santos Ferreira Barros.
28 Padre Manoel Adriano de Albuquerque.
29 Empregado publico Jos Francisco de Sales Ba-
vicra.
30 Pharmaceutico Jos da Rocha Prannos,
31 Empregado publico Francisco Canuto da Boa-
viagem.
32 Negociaut Manoel Ferreira Lima.
EDIT1ES.
factb de atravessamento dos gneros, que se ven- 11 das posturas de 30 de junho do 1849 conside- ques.
dem no mercado desta freguezia, e sobre os atra- raudo que se devia entender por atravessador todo Que fossem demandados os verdadeiros devedo-
vessadores, que enchem o mesino mercado, faclos aquelle que comprasse o genero no merado, no res de Luiz Jos Marques, e isto sobre dados certos,
estes contra os quaes o Sr. Dr. chefe de polica,' mesmo revendesse, evitando assim que se dcm comprehende-se; porm que se proceda infunda-
era virtude da ropresentaco, que lhe enderessou' abusos por parte da polica, o que feito se officias- damente por semelhante modo, e talvez para sal-
0 subdelegado desta mesma freguezia, pede a essa se ao Exm. presidente da provincia para proviso- var-se algum fiador que nao quer acarretar com as
rtdencias informare! da forma mente approvar. conse ddo o da cmara
relativamente ao concert da bomba do riaclio de
nominado do indi, na estrada do Pao d'Alho.
Inteirada.
Outro do mesmo communicando para conheci-
mento e direco da cmara, e, em vista do que
representou ojuiz de paz mais votado da freguezia
de S. Jos em officio de 3 do corrate, ter resolvi-
do que a eleicao que se tem de proceder naquel-
la freguezia no dia 9 de agosto vindouro, fosse fei-
ta na igreja de S. Jos de Riba-mar, visto nao poder
prestar-se a este lira por acbar-se era concert a de
Nossa Senhora do Terco, que serve de matriz.In-
teirada, e se communicassse ao procurador.
Outro do secretario desta eamara, communican-
do que, em consequencia de achar-se doeate em es-
lado de nao poder sabir a ra, deixava de compa-
recer a reparti^o.Inteirada.
Outro do procurador, communicando haver a
cmara ordenadoaos fiscaes das freguezia.- da Boa-
vista e Poco da Panella, para fazerem este, os re-
paros da estrada de sua freguezia, e aquelle, o ni-
velamento da ra do Corredor do Bispo, fazendo os
alerros necessarios par evitar a aglomeraeao de
aguas pluviaes na mesma ra ; pede se lhe desda-
re, a que verba devem ser levadas essas depezas,
visto como na lei do orcamento municipal vigente,
nenhum crdito existe para taes reparos; ponde-
rando ainda que elles devem correr hoje por conla
dos cofres provinciaes, conforme se v do art 27
da lei n. 488 de 16 de maio de 1860 e 3 art. 13
da mesma lei, quando passaro a pertencer aos co-
fres municipaes os impostes que ento cram muni-
cipaes, taes como os de mnibus, carros, carracas e
nutras vehculos; bem como o dizimo de cpim
de planta, e finalmente assegura que as estradas
da freguezia do Poco i forera dous asaos repa-
radas pela rcpartieo das obras publicas, e se nao
tem havido coutinacao nao por falta di- autorisa-
co na lei, entretanto parece a elle procurador, que
a municipalidade nao deve tomar sobre si seme-
lhante tarefa.
Posto em discussao, o Sr. Barata pede a palavra,
c eonformando-se com a informacao do procurador,
reqner a cmara que mande qunto antes matar
na continuacao dos reparos da estrada da fregnezia
ilo Poco, visto que nao da coni|>etencia da c-
mara, eutretanto que poda continuar com o ni ve-
lamento da ra do Corredor do Bispo, devendo esta
despeza ser levada a verba de eventuaes. -Assim
- iv.-olveu, e neste sentido se expedirn] as conve-
nientes ordens.
Outro do mesmo, informando o requerimento na
qual Palatino Joaquim Correa de Paiva, pede que
-e lhe indemnise da quantia de 1:7704000, inipor-
lancia do terreno de que se acha de posse a cma-
ra, e ocenpado com a praca denominada do Capim :
diz que esse terreno foi d'ado a cmara pelo gover-
no provincial conforme-se v do titulo que remelle,
i cuja niedicao se fez em 14 de maio de 1848. com
todas as formalidades da lei, diz mais que os ttulos
.qnv-ontados pelo supplicante, e nos quaes firma
ew o seu dreito, sao o testamento de Rosa Mara
Sii pa, em que declarava ella que possuia dito ter-
reno, uma certidao de lhe ter tocado em partilhas.
e outra dando as eunfrontacoes do mesmo terreno,
parecendo todava a elle procurador, que essa sim-
|i|i- declaraeo feila pela fallecida Serpa, nada pra-
va, e nem tainbem as certdDcs, por quanto foram
firmadas na mesma declaraeo.Posto em discus-
sao, resolveu-se que fossem remet idos todos os pa-
l'is a commisso de petices (Henriques da Silva
e Seve.)
Outro do juiz de paz mais votado do 1 districto
>la freguezia de Jaboato, cidadao Jos Francisco
de Siuza Leao, remettendo o livro de qualificacao
dos votantes ltimamente procedida naquella fre-
L'in'zia. -Ao archivo.
Outro do juiz de paz 2* votado do 1" districto da
freguezia de Santo Antonio, cidado Joaquim An-
tonio Carneira, declarando que por se achar au-
-ente na corte do imperio, o 1 juiz de paz Dr. An-
tonio Kpaminondas de Mello, foi-lhe entregue como
sen inimediato.o officio da cmara cobrindo uma cir-
cular por copia, do Exm. presidente da provincia
de 30 de maio lindo, tratando acerca da eleic.o
que se tem de proceder no dia 9 de agosto vindou-
ro, para eleitores que tem de eleger os deputados.
Inteirada.
Outra do juiz de paz do 1* anno do 4 districto da
fregMa dos Afogados. cidado Manoel Joaquim
los Passos, coiiimuiiicando,que ojuiz de paz 4o vo-
lado do 4* districto da mesma freguezia, se havia
mudado para o 3" districto, pelo que houvesse a c-
mara de providenciar a sua substiliiicao.Man-
dou-se chamar o iminediato para prestar juramen-
to e conimunicar-sc ao 1 juiz de paz.
Outro do engcnheiro cordeador, informando o re-
querimento, no qual Joo Cardoso Ayres, propoe
conforme aplanta que aprsenla,.- direc<;oque pre-
tend; dara eamboaque atravessao seu sitio no lugar
da Estancia; declara que acha conveniente a direc-
ciio pelo peticionario proposta, sendo ella que na
respectiva planta est marcada com traeos de tinU
vermlha, e se a cmara se conformar com aoplnio
delle engenhcira,entende que devera tambem ainda
ouvira capitana do porto, visto que se trata de
urna cambia navegavel.
Outro dos ficacs de Santo Antonio e S. Jos, re-
Iiresentando que as ras da Palma e Concordia, em
ugares pertencentcs as mesmas freguezias se acham
bastantemente alagados, nao sendo possivel abrir
vallas nesses lugares, por se achar o terreno baixo,
acontecendo por isto. que nos das de copiosas cho-
vas se nn posas transitar por aquellas ras, o que
traliam ao conhecimento da cmara para provi-
denciar.Inteirada.
Outro do fiscal de S. Jos, respondendo, so-
bre a portara que lhe foi dirigida em 20 de
junho ultimo, para informar acerca do atravessa-
mento de gneros que se vendem no mercado da
mesma freguezia ; contra o qual pede providencia
o Dr. chefe de polica, em virtude de representaco
que lhe enderecen e respectivo subdelegado, diz
pue os gneros que se vendem no mercado da dita
freguezia sio trasidos |ara ah ou pelos proprios do-
nos, e productores, ou por individuos qne os vao
comprar s feiras, ou em caminho destas para o
mercado, ou finalmente em outro qualquer lagar ;
nao ha porm individuos que eomprem generas no
mercado para revende-los ah mesmo, e menos que
impessa os consumidores de have-los directamente
dos dones ou productores que os traten) para ven-
der no mercado. Que j se tem dado o atravessa-
mento no mercado, mas nessas occasioes tem feito
rlfectiva a pena estabelecda as posturas em vigor.
E fazendo militas mitras reflexdes a respeito de
semelhante qnestao, e firmado em ordens recebidas
la cmara municipal, conclue asseverando nao que-
rer levar mais tonge a sustentacao do direito que
lhe compete, do direito que cace as municipalida-
des, e pede desculpa de ter sWo mais extenso do
que deviaPosto em discussao a cmara confor-
Illma. cmara, prov
seguinte:
Os generas que se venden) no mercado desta
freguezia, sao trazidos para alii ou pelos proprios
donos e productores, ou por individuos, que os
vao comprar feira, ou em camnlw desta para o
mercado, ou finalmente em outro qualquer lugar.
Nao ha porem individuos, que eomprem generas
no mercado para revende-los ahi mesmo e menos I
que impecam os consumidores de have-los directa-
mente dos donos ou productores que os trazem pa-1
ra vendc-los no mercado. J se tem dado o atra-1
vessamento no mercado, mas nessas occasioes t-
nho feito enectiva a pena estabeleciila no artigo 4"
do titulo 11 das posturas de 30 de junho de 1849,
como consta da contadoria dessa Illraa. cmara.
Ora, nao existindo lei, que prohiba a qualquer
individuo levar ao mercado, e ahi vender os gene-
ros, essa lllma. cmara cm reiteradas deeisoes tem
declarado a diversos, que bao requerido licenga
para venderem no mercado, qur farnlia, qur
outro qualquer genero, que o podem fazer inde-
pendente d licenca, e sao esses individuos que
actualmente vendem generas no mercado a meu
cargo, e de que trata o respectivo subdelegado em
sua representaco ao Sr. Dr. chefe de polica.
Para corroborar o que venho de dizer, pedirei
permissao Y Y. SS. para citar um trecho da res-
posta que deu o advogado dessa lllma. cmara, a
consulta que foi feita em 13 de julho de 1853.
Dissc o advogado, que o artigo 4" do titulo 11 das
posturas de 30 de junho de 1849, devia-se enten-
der de conformidade com o ^ 10 do artigo 66 da
lei do Io de outubro de 1828, estabelecido de acor-
do com o artigo 179 S 24 da constituieao, parecia-
Ihe que a postura o que quiz, foi prohibir que os
atravessadores e correctores de farinha, legumes
e ontros gneros de consnmmo que se levam para
o mercado, impedissem de vender o productor aos
consummidores, c quem mais lhe offerecer c de
maneira alguma quiz por restrieco a liberdade do
commercio.
E de conformidade com este parecer que VV.
SS. ho decidido diversas consultas, que fizeram o
meu antecessor, e ltimamente o fiscal da fregue-
zia do Poco da Panella, o que consta da acta da
sessao dessa cmara, de 28 d'abril de 1862, trans-
cripta no Diario de Pernamimco de 7 de junho do
dito anno, decisao essa que cm outra confirma a
dada em 20 de marco ultimo (documentos n.* 1
el)
E nada mais se continha, em dita acta relativa-! mesmo insupportavel.
mente ao trecho pedido por certidao, e aqui fiel- Esperamos, pois que o Sr. Dr. juiz dos feitos da
mente copiado do respectivo livro que me re-
porto.
Secretaria da cmara municipal do Reeife, 26 de
junho de 1863.O secretario Francisco Canuto da
Boaciagem.
(Conforme.)O secretario Francisco Canuto da
Boaviagem
COMMUNICADOS.
TRIBUTO AO MRITO.
0 medico vive para os outros, e
nao vtve para si. Elle para o en-
fermo um anjo consolador. Eucltu-
ga-llie as lagrimas, restitnelhe a
PUBLICARES A PEDIDO.
lu ImiiIui uecessrio.
Bem sensivel era a falta de um compendio, que
concorresse para cfflcaz exccuc,o do pensamento
da lei, que manda dar as escolas aInstruccao
moral t religiosa.
Nao lia ahi professor algum que nao tenba re-
conhecido esse vacuo.
Quando a lei tao sabiamente assim estatuto, por
certo nao teve em vistas que o ensino religioso se
limitasse a decoraco dos eathedsinos, ou a recita-
cao material das "oracoes. Ella quiz tambem, e
principalmente que nos tenros nimos dos meninos
se implantasse clara, succinta, mas profundamen-
te a idea do dever, os principaes preceitos da mo-
ral religiosa.
Porm que livro tullamos apropriado tal fim ?
0 que se nos apreseutava cora o ttulo de Ins-
truccao moral e religiosa um volume contendo
historia sagrada, que na verdade omito con-
veniente seja lida, e se possivel for decorada ; mas
nao satisfara elle de um modo prompto, claro e
abreviado aquelle desidertum.
A lacuna, porm, acha-se felizmente supprida
com a tradiiccao. que acaba de ser publicada do
interessanteOpsculo de moral religiosa-por Mr.
A. Rendu, obra que tem Udo muita aceiuico em
&. redactores.-Acabo de ler em seu Diario, Franca, em cujas escolas primarias foi mandado
a homila e attestados cuja sombra'abriga o Sr. adoptar pelo respectivo cousclho de instruccao pu-
Dr. Jerony rao Salgado de Castro Accioli a sua can-i blca. ... ,
didatura a um lugar de deputado, pelo segundo Nos, pois, o recommendainos nao so aos profes-
districto eleitoral desta provincia, e en deisaria sores pblicos e particulares, como aos chefes de
fazenda e o Sr. Dr. procurador fiscal, procedam
com mais criterio e facam jusca a quera a mera-
a obra da fraude
ce, nao deixando que triumphe
e da iniquidade 7
Um tuberneiro.
CORRESPONDENCIAS.
passar livre o carro dessa pretenco, se o Sr. Dr.
Accioli, na necessdade de mostrar-se martyr, nao
fosse desenterrar a eleicao de 1856 e della servir-
esperanra quando ella o abandona,' se para attribuir-me un aeco reprehensivel.
tu- i'nri'P!" /itH rntmtio itmte mi**/i t\l- C ^:..i; __ ..itJ^ -a-** -----
faz correr um sangue mais puro
em suas veas, restabelecelhca tab-
ee, prolonga-lhe a existencia.
(Pegamentos do C. Bastos.)
Nao o desejo de tecer coras encomisticas a
enfatuadas entidades por qualquer triumpho obti-
do e nem o srdido interesse ou outra qualquer
paixo reprovada dominando minha vontade, que
me impellem a ocenpar hoje a attenco do publi-
co ; porm sim o enmprimento de um dever |Ktr
demais sagrado, a voz de minha consciencia, a
gratido, esse sentimento generoso, que ine mo-
vem, na posse do mais expansivo prazer e indisi-
vel reconhecimento, a vir do alto da imprensa
consignar atgumas linhas no intuito de fazer unir
aos grandiosos hymnos entoados em honra e lou-
vor do humanitario e digno medico o Sr. Dr. Cos-
me de S Peheir.x, uma nota arrancada do intimo
d'alma expressiva dos sentimentos e das emocoes
que experimento ao vr-me restabelecido dos" in-
commodos, que por bem longos doze annos soffria.
Diz o Sr. Accioli, que solicilei e obtive a sua de-
missao de promotor da comarca de Nazareth,
em consequencia da opposico candidatura na eleicao de 1856 pelo, ento, tercei-
ro districto eleitoral. Se o Sr. Accioli nao houves-
se adoptado a resalva de nao garantir a verac ida-
de de semelbante ;isserco. eu lhe respondera
franca e peremptoriamente^que era um calum-
niador,mas como o Sr. Accioli adoptou aquella
cautela, apenas dir-lbe-he, que tornou-se echo de
urna vil calumnia.
Saiba o Sr. Accioli que, apezar de amigo do (re-
sidente da provincia, nessa epocba, o Exm. Sr. coa-
selheiro Sergio de Macdo, nunca solicite! delle a
sua demissao por duas raaoes ; a primeira porque
nunca em minha. vida pul i tica proenrei tiraros
meios de vver a m pai^ de familia ; e segunda
porque, ainda piando nao fosse este um principio
para mim inalteravel, nunca pude coovencer-me
que o Sr. Accioli fosse un obstculo em meu ca-
minho que merecesse a pena de ser removido.
Seja candidato, apresente-se, faca o que poder
Por tanto s havendo no mercado a men cargo
um commercio livre. e nao existindo o monopolio,
esse privilegio abusivo de ser vendido por um s,
que o que constitue commercio de atravessar, c
nao existiudo alem disso lei alguma que prohiba o
commercio que actualmente existe, e contra o qual
julgou o Sr. subdelegado fazer a tonga representa-
co ao Sr. Dr. chefe de polica, nao sei como im-
pedir esse mesmo commercio.
At aqui tenho emittido como me foi possivel as
reflcxocs que julguei necessarias apresenta-las ao
inmediato exame de VV SS era nistificaco a que ^
deu lugar o officio do Sr. Dr. chefe de polica a
W. Sb. dirigido em relaeo ao mercado desta fre-
guezia, no enluto lendo assim respondido, vejo
que um poni inuito essencial de que por vezes
trata o Sr. subdelegado, falta-me responder, e
por isso pesso conccsso para que ocenpe por um
pouco a attenco dessa lllma. cmara.
0 Sr. subdelegado desta freguezia, entrando no
exercicio de suas funecoes, depois de haver visita-
do, e se informado do estado dos mercados, dei-
xou dito a um dos guardas as miabas ordens que
eu lhe falla!-. Nao sendo como nao sou subordi-
nado a essa autoridade, entend que nao era por
um simples recado que devia assim ter elle procc-
Senliores reductores :Nao minha intcncao dar
conhecimento ao publico, das dores phisicas e mo-
nes pelas quaes lenho passado desde novembro
ultimo at lioje : meu fim outro niuito differeute,
e o reputo um dos cumprimentos dos meus deve-
res, e do qual nao devo prescindir, muito embora
conheea, que infelizmente nao se pode actualmen-
te trazer para imprensa escriptos que relatem o
merecimento medico, pois que actualmente vpmos
familia, que buscara educar seus lilhos nos saos
principios da moral ebrista.
E um folheto de setenta e urna paginas, escripto
em linguagem pura, e contendo os segrales as
suraptos alera da introduccao.
DEVERES PARA COM DOS.
Dos e suas perfeicoes.
Do culto.
Da "cacao.
DEVERES P.VRA C0M.NOSC0-
Dignidade da natureza hiunana.
Necessdade e vantagens da instruccao.
Dos verdadeiros bens.
Da averso ao peccado.
Da moderaco nos desejos.
Do despreso da dr e da inerte.
Da consciencia e da reputaco.
Da escolha de estado.
DEVERES PARA COM 0 PRXIMO.
Do amor da jusiiea.
Do amor dobempubiieo.
Do amor da patria.
Do amor paternal e da educacaa dos fillios, .
Do amor filial.
Do amor fraternal.
Da amisade.
Da beneficencia.
Da caridade para com os fmulos.
Da mentira e do juramento.
Da maledicencia.
Do procedimento para cornos inimigos.
Da obediencia s leis.
Jos Figueira Carado, rolleelor das i _
do municipio da eidade de Onda. eV.
Faro salier que pela{ro| ler tora desta i
publico para eonlMinn.-nio iVm i nfcot
tradores de eacravos, ou outra raddra dentro dos limites Mo iraastrirtM w
os tiverem em seas serviros ou -/> -ua -
trario, por qualquer titulo que seja. m* i
3ue Ibes tenham sido remet idus Hn .fc,
e que da daU desta a 30 .lias. com a circular do tribunal do Aesoar mrimi
18, de 10 de maio de 1858. si bnfadus M
iregarem na mesma rottertoria as rr\arwsi
lorias dos referidos eseraaaa, rli ni> M
aaco, a idaoV, a cor. o officio 4
vos e bem assim as observariV>
cessarias, alim > se prorerr a aova
do quioquiennio de 186: a 1868, as pesMM
assim nao cumprircm. inrorrerao na mulla dort.
23 do regulamento n. 151, de II de atril d-
1842.
Demarcar.* <\,# lumia.
Anno do Nascimeuto|ile Xosao Seahar Jama*
r.hristo de 186:1, aos 23 dias do mu e jmm *>
dito anno, nesta eidade de Onda. arhando-^e rra-
nida a commisso creada em virtude 'tu art. I *>
decreto a. 411 de 4 de junho le |K45, e prn> i
todos os seus membros abaixo a-sitmados aim 4*
se proceder ademarcarao dos limites da mt ei-
dadeque deve compreheader a matrirola pnal
dos escravos qne tem de darar no quiiH|UH'nnm de
1863 1868, de- conformidade com o art I d de-
creto n. 2,160, de 1 de maio cirnilar do tnl- I
do thesouro narHmal a. 18, de M)do mesmo* e
anno, accordaram que os reeridos limites foaaai
os seguintes : pelo lado do sul a prinripiar a>|u>-m
do forte do Buraco, em sem i ida pela ramboa du
Tacaruna. |ielo Salfiadinho onde divide eooi a *-
gui'zia da Boa-Vista, a voitar peto lantaa* eaamrr-
hendendo o sitio que foi do Selle. nrrnJamto r! >
sitio dos Arcos, a encontrar a anlisa casa da polvo-
ra no caminho do Forno da jl. do aarte at a
primeira bomba aa estrada de Mara Niawi u,
proeuramlo ao sitio Helinim de I Jietaim de SmMm-
fo c do Pedro Oioulo. al earontrar rom o Me da>
r. Faria <>in linaa recta e pelo lado do wsi i .
toda a linha da costa at ao forte do Buraco, indas
as casas e sitios inscriptos no rirroio rraradV --
rao comprehendidos na malnnila geral dos esrra-
voseos res|iectivos donoseailministrailoce- mor>
dores obrigados ao pagamento da Uva annual de
44000 por cada escravo, conforme determina o art.
9 5 "i da lei de 31 de outuliro de 183%
E para constar lavrei o presenm lermo que h*m
assignaram.
Eu Accendino Ikmralves Hodrifrues Pranea. -
cnvb da collectoria ite (Minda esrren.
(Assignadosl.Orollertor. h>*r Fttpmra Cmrmi.
= Vicente Ciryilo Mnrinko.--Mmoti lmim H->-
RM do Reg.
Dado e passado nesta eidade de Hinda aos -II
dias do mez de julho de 1863.
Eu Accendino Gorralves Rodrirnes Fraara, es-
crivo da mesma colectoria. o esrrevi.
O roUerlor,
Jos Fignrirn Curado.
DECLARACES.
Manta Caa
da ntBerle>r4fai
Itrcifr.
Dispenso-me de descrever a operacao que era pela sua causa; porm nao queira firmar o seu fu-
1111111 tez o Sr. Dr. Sa Pereira, por me faltar nao turo ^b 0s destrocos da minha reputaco.
s tempo para isso, como tambem a necessaria ca- Bccife, 5 de agosto de 1863.
pacidade ; porm jamis suffocarei em minio al- /. j. Ferreira de Aguiar.
na a voz da gratido que resa era toda a arcada
do meu peito, e se nao pode coater no estreito am-
biente em que este est circumscripto.
Cora effeito; quera como en tiver experimenta-
do os Mimare elleiios da pericia e me-iria rom
que S. S. executa todas as operacOes ; quem como
cu tiver apreciado seu trato lino e cavalheiroso,
suas maneira- delicadas e natural affabilidadc,
apanagio das almas grandes e bem prendadas :
quem como eu honver tido innmeras opportum-
dades de ver o talento e a illustraco encarnados
era um hornera para honra e gloria da sociedade
em que vive, em nm medico para bem e arrimo
da limnanidaile. em um esposo e pai para encanto fundidos pelos incautos com outros na apparencia as mais admiraveis e felizes. Todo o mundo mc-
e felicidade de sua esposa e filhos ; quem final- iguaes, mas que sao dictados e mesmo confeccio-' dico admitte que o melhor antisptico e anti-es-
relaeio- nados pelos proprios interessados, os quaes cons- \ corbutico al hoje conhecido, o pde-se com toda a
nar com o Sr. Dr. Cosme de S Pereira, ser obri- cienciosos de seu nenhum merecimento,
gado a, seguindo os impulsos de sea coraco e o vonados cora as vestes do verdadeiro medico.
brado enrgico de sua consciencia, dizer, fazendo vara a efrontesie a ponto de correrem imprensa, e msculos, tendoes e conjuneturas.
em lugares mais azados dos jornaes para escon-
derera dos incautos sua propria voz appellidam-
se de
tsO Denodado campeo !!!
I salsaparrilha de Bristel
exerce suas propriedades rarificantes por todo o
systeau nervoso, neutralisando o virus produzido
e accumulado pelas ulceras, escrfulas, abscessos
e tumores, o escorbuto, assim como todas as mais
molestias das glndulas, da carne c da pelle. A
1 que taes escriptos, alem de nao serem do agrado historia desta preparaco tem sido pelo espaco de
) dos mdicos aos quaes se referem, podem ser con- trinta annos uma serie nao interrumpida de curas
~parencia' as mais admiraveis e felizes. Todo o mundo mc-
infeccio-' dico admitte que o melhor antisptico e anti-es-
es cons-' corbutico at hoje conhecido, e pde-se com toda a
e empa- certeza affiancar que um remedio especial para a
idico, le- cura do rheumatismo e de todas as affecefe dos
applieaco do eloquente e sentencioso dito do con
selhcira Bastos:
0 Sr. Dr. Cosme de S Pereira o medico que
vive para os outros, c nao vive para si. para o
enfermo tira anjo consolador ; enchuga-lhe as lagri-
mas, restitue-lhe a esperanca quando ella o aban-
dona, faz correr um sangue mais puro em suas
veias, rcstabelece-lho a sade e prolonga-lhe a exis-
tencia.
A sociedade deve orgulhar-se por dar agasalho
I nhn om n.nitn P/>m o *nni<..zn a tin do. particular tanto despreso pola euferiuidade a par
Distracto o|ierador
Perito pratico!
O reverso, porm, da medalha cuja face ahi tica
tracada to doloroso para a humanidade, to de-
ponente c vergonhoso para o medico, que causara
espanto, horror mesmo aos bomens, se fosse elle
mostrado ao publico com suas hediondas cores E
Encontra-se
mundo.
venda em todas as Imticas do
COMMERCIO.
^\S^^^SSm^dc ,5dc'
lidade, e nao da
di'r coinmigo no dia 10 do crrante e nessa occa-
sio me dsse que quera inspeccionar os merca-
dos.
Por onde me devo capacitar que, se Hipcrates,
o verdadeiro pai da medicina, quebrando a lousa
Estando isto era ODDOsicao a-ti do 1" de outu-1dc scu sePu,curo e sahindo da lgubre inorada dos
bro de 1828, e por cSnseqUia a dgnidade des- i JfJ %%*? "SSi JgStX esses verdadeiros apostlos, memoria dosquaes
da uzura torpe e inqualificavel !!..
Nos tivemos dous grandes apostlos da medicina
e philosopbia, como Anchieta e Sobrega o foram do
Evangelho. Quo grato nos ainda boje recordar
as figuras venerandas desses dous varoes Ilustres,
toaXeS^doTSSS6 eramttXcoes ',ara me,hor dizer- /envergonharik'da estraiteza Pernarabuco inteiro presta 1, prestar sempre ver-
^&.TnJSa^afnanr e ,n"e,' neia' los c Plelw c seusTconhecraientos cm frente dc dadeira e sincera tributo dehomenagem respeto e
iiiin i.........:, ,,!,..-hi m :iI.:,i<:h1s .,...siivs d.i gratido De mu dellcs fez o Ilustrado Sr. Sar-
ment, com a hbil penna e talento pouco vulgar
de que dispoe, um esboco histrico, uma biogra-
exclusivas das
resposta.
a verdade achando-se em perfeito vigor
do 1 de outubro de 1828, a qual como j
declara no art. 66 % 10, que as cmaras provero
sobre a commodidade das feiras e mercados, abas-
tanca e salubridade de todos os mantimentos e ou-
tros objectos expostos a venda publica etc., etc.,
est claro que nenhuma intervenco pode ter a
polica civil, a nao ser aquella pelo principio esta-
belecido de coadjuvaco reciproca, harmona e in-
dependencia, que se deve manter entre os poderes
do estado.
E isto tao exacto que em abono dessa verdade
v-se o preceito no art. 4 S 'da le dc dezembra
de 1841, fielmente copiado no art. 58 % 9 do regu-
lamento n. 120 de 31 de Janeiro de 1842; pelo
que, est evidentemente provado com a maior
exuberanca, que a polica civil nao pode directa-
mente intervir na polica municipal, como parece
entender o actual subdelegado desta freguezia.
Por tanto nao querendo levar mais longe a sus-
tentacao do direito. que me compete, do direito que
cabe a municipalidades, que a intervir a polica
directamente, iran sem duvda grave prejnizo a
reputaco dos agentes municipaes, concluirei pe-
dindo a Vv. Se. desculpa de ter sido mais extenso
do que devia
Dos guarde Vv. Ss. Illn. Srs. presidente e ve-
readores da cmara municipal desta cidade.=0
fiscal Joo Xavier da Foncern Capibtwibe.
DOCUMENTO N. 1.
O fiscal da freguezia de S. Jos a bem sen pre-
cisa que o Sr. secretario da cmara municipal desta
eidade, llie passe por certidao a theor do officio da
cmara dirigido ao fiscal da freguezia do Poro, em
data de 24 de marco de 1862.
Bedfe 26 de junho de 1863.O fiscal Joao Xa-
vier da Fonceca Gapibaribe.
Em virtude da petico supra, certifico qne re-
vendo os Mvros dc registro fiesta reparticao, em
um delles a folhas 135 verso se acha registrado o
officio pedido par certidao, o qual do theor se-
guinte :
Portara ao fiscal da fregueiia do Poco da Pa-
nella Hentiqe de Miranda Henriques.A cmara
municipal desta eidade, a quem foi presente o seu
offlcio de hoje datado, no qual consulta se os atra-
vessadores, de que trata o art. 4 do titulo 11 das
posturas de 90 de junho de 1849, sao aquelles que
compram farinha c outios gneros alimenticios
para depois trazereni ao mercado -, lhe declare que
se deve entender por atravessador aquelle que,
comprando o genero ao mercado, nelle o revende,
e nao aos que meado de commerciar em qualquer
genero o vao procurar em lagares longinquos.
Dos guarde Vmc. Paco da cmara munici-
pal do Becife, em sesmo de 24 de marco de 1862.
Manoel Joaquim do Reg e Albvtquerque, pr-pre-
sidente.FranciscoCanuto da Boaciagem, official-
nsa pleiada de abalisados mestres da
cuja galera tem um dos principaes
Dr. Cosme de S Pereira nem se
animara a correr paralello ou a se medir com
i qualquer desses que forman) a brilhante phalange
cte de incansaveis obreiros da humanidade, era cuja
'' vanguarda caminha o asss perito, o encanecido
na scieneia Dr. Cosme de S Pereira.
Ha dous apostolatos bem sublimes c grandiosos! sou testemunha dessas constantes e
o da relgiao e o da medicina :um e outro sao "
Rcndimenlo
dem do da 5
Alfaadega
do dia 1 a i .
32:957*883
30:4905161
63:448*044
Movment da alfandega.
Volumes entrados com fazendas
> com gneros
Volumes sabidos
com fazendas
com gneros
2.363
2,363
102
117
------219
Descarregam no dia 6 de agosto
Barca inglezaCrtfmor=carvo.
Barca franceza Adelediversos generas.
pbia, obraprima e meritoria, e que nada deixou ^JSffleEt^^S2K
adesejar :\lo outra nada se tem-escripto, porque Hiato nacional Timo-diversos gen
scientificou aos seus amigos de que seria muito de
seu desagrado se apparecesse qualquer escripto a
seu respeito, posterior sua mortc. Eu mesmo
reiteradas
bem difficcis dc se cumprir.
O Sr. Dr. S Pereira, abracando o sacerdocio
da medicina, tem sabido mant-lo no devido p de
grandeza e dgnidade que lhe sao naturaes, e nao
ha niercadejado sua elevada profisso tendo os
olhos no lucro que della possa auferir.
Louvores, pois, alma tao grande e tao gene-
rosa, moldada pela mo da Providencia, para
diffimdir bens no seio da afilela humanidade.
Umrei, pois, meus rogos aos dessa Inflnidade de
creaturas que ho encontrado allivio seus males,
conforto suas penas, no magnnimo coracao do
medico caridoso e philantropico ; juntarei minhas
preces s de tantos pas que teem sido arrancados
s garras da morte e restituidos seus innocentes
filhinhos pelos cuidados e solicitode do mfatigavel
apostlo da scieneia da medicina o Sr. Dr. Sa Pe-
reira : para que elevadas com todo o fervor de co-
rac.cs agradecidos at as moradas do Eterno, al-
cancen) deste dilatados annos de existencia para
aquelle, que, compenetrando-sc da elevada missao
de sacerdote da medicina, nao se chafurda na la-
ma do vil interesse e do calculo, e s trata de,
com os olhos filos no bem perduravela salvaco
enchugar as lagrimas ao pai, ao esposo, esposa,
aos filhos, que a cada instante suppocm arrancado
sua posse o bem melhor que possuem sobre a trra.
Nao molhei minha penna no vil tinteiro da
lisonja ou da baiulacao ; repito apenas aquillo que
todos unsonos dizem quotidianamente ; e nem o
Sr. Dr. S Pereira necessita de elogios de minha
parte, para firmar sua reputaco de medico verda-
deramente medico : o seu renome j est radical-
mente estabelecido.
Solrendo ha doze annos de uma grave enfermi-
dade nos olhos, e s as maos do Sr. Dr. S Perei-
ra encontrando remedio para tao inveterado mal,
faltara uma imperativa obrigacao se deixasse em
cala e nao ftzesse punlicamente notorio meu eterno
reconhecimento pelo prompto restabetecimento,
urbanidade c cavalheirismo que fui encontrar na
pericia e pessa do Sr. Dr. Cosme de SA Pereira.
Perde S. S. se com essa manifestarn de minha
gratido, tenho offcndMo saa proverbial modestia.
Becife, 4 de agosto de 1863.
Belisar 4a Costa Lyrn.
generas.
Importarn
Hiate nacional Tino, vindo da Baha, consignado
a Palmeira & Beltro, manifestou as seguintes mer-
cadorias estrangeiras :
rccommendaees, pois que o frequentava sempre, 20 barris alcatrao, 3 pipas, i meias e 4 barns
e por muitas Vezes o ia buscar casa do Sr. Dr. j vinho, 10 pec,as cabo de linho, o dit
Mamcde no Poco da Panella, para acompanha-k> aos mesmos.
apoiado em meu braco em nasseio ao longo das! caixas com 100 resmas dc papel ;
Cordeiro.
estradas e margens do rio.
Esses dous afiostolos da medicina e pliilosopbia,
os Ilustres varoes de saudosa, grata e respeitave
recordac/ies Eustaquio Gomes e Simplicio Marig-
nier nao desappareceram de entre os vivos sem
deixar substitutos, mdicos de grande merecimen-
to que temos a fortuna de ter entre nos; e eu tive
a grande felicidade de ser assistido na minha en-
fermidade e na dos meus charos filhos por dous
destes senhores aos quaes com as maos eheas de
ouro, e minha pessoa de restos nao pagara o que
devo: sao estes dous mdicos, cujos nomes pronun-
cio com respeito e veneracao, os Srs. Drs. Joo Fer-
reira da Silva, e Alexandre de Souza Pereira do
Carmo. E acerca delles nada mais devo dizer, nao
s porque todo quanto dissesse ficaria muito aquem
de seu merecimento e servicos a mm prestados,
como por que o sentimento de gratido e respeito me
impede de continuar; e tambem por noser conve-
niente taes manifestacoes a pessoas cujo mereci-
mento medico e consciencia da propria dgnidade
csto muito superiores a ellas.
O medico, no meu modo de ver e apreciar a 2*
pessoa no mundo, sendo-lhe superior smente o
clrigo: tudo o mais sao conveniencias sociaes. O |
medico para o corpo o que o clrigo pare a al-
ma ; nao ha dinheiro que pague servicos que estes'
dous sacerdotes prestara a humanidade.
Com a publicaco destas linhas muito grato dei-
xarao Vmcs. sennores redactores, o seu amigo ve-
llto e assignanie,
Joaqum Marinho Cavalcante de Albuquerque.
Sua easa, 3 de agosto de 1863.
Um clamor geral parte A todas as .partes con-
tra a fazenda nacional, e qual a razao de tanta
celeuma?
Eis o facto:
Varios taberneiros, vendo o modo porque procc-
Srs. redactares. Dignem-se mandar publicar
a inclusa lista de eleitores, que oflereco 4 consi-
deraco dos votables da freguezia de S. Jos.
Oiifro imparcial.
Eleitores da freguezia de S. Jos
Os Srs. :
1 Dcsembrgador Francisco de Assis Pereira
Bocha.
2 Commendador Jos Pedro da Silva.
3 Tenentecoronel Jos *ntomo Pinto.
4 Dr. Manoel Joaquim de TJaHro Mascarenhas.
5 Dr. Galdino Ferreira Gome?.
6 Dr. Jos Soares de Azeveflo.
7 Commendador Jos Francisco de MoUra.
20 cascos azeite de palma; a Manoel F. da Costa
*C
Gneros nacionaes :
4 caixoes com 37,050 charutos ; aos consigna-
tarios.
2 ditos com 12,400 ditos ; a Azcvedo & Torres.
3 pipas fumo moido; a Meuron & C
2 saceos com 200 libras de fio ; a Antonio Jos
Soares.
300 feixes piassava; a Lima & Cordeiro.
1 caixo com 5,000 charutos ; a Marcelino & C.
50 saceos farinha de mandioca, 30 ditos caf
pilado, 100 fardos panno de algodo, 8 % duzias
de toros dc Jacaranda, 21 fardos fumo, 1 caixao
com 107 latas de tabaco, 707 caixas e 12 caixoes
charutos ; a ordem.
Brigue nacional Imperador, vindo da Baha, viu-
do da Baha, consignado a Amorim Irmaos, mani-
festou o seguinte : .... ..
5,141 akpieires de farinha de mandioca i aos
mesmos.
Recebedorla de retidas internas
geraes de Pernamimco.
Bendmento do dia 1 a 4 4:425*626
dem do dia 5......... 1:222*466
o:648O03
Consulado provincial.
Bendmento do dia 1 a 4 ... 3:8045663
dem do dia 5......... 666*009
4~70*72
A lllm.* junta admini-trativa da Santa lisa da
Misericordia do Becife manda fazer |iuhJin> que no
dia 6 do corrente pelas 4 horas da tanle na sala
de suas sessoes continua a praca das rendas das
casas abaixo declaradas por lempo le um a tres
annos.
Os pretendentes devem comparecer aeompanha
dos de seus fiadores ou munklos de cartas dr'-.
Eslabrlrriaieitas de raridaV.
Ba Direita.
X. 4 particular e 33 publico um andar.
X. 82 particular e 5 puldico tres an-
dan-...............
X. 83 particular e 7 publ;co tres aa-
dares........ ......
Ra do Padre Florian.
X.6particular e \" publicoca-a lerna.
X. 7 particular c 45 publico casa terrea.
.\. 66 particular e 63 publico rasa ter-
rea ..............
X. 90 particular e 13 publico casa ter-
rea.................
Berro da l'jirvalha.
X. 10 particular!' 5 publico casa terrea.
Ra dos rVsraafca.
X. 16 particular e 11 publico casa ter-
rea.................
Ruada '-iIrada.
X 17particular eO pabHen cm ter
rea.................
X. 19 particular e 34 publico casa ter-
rea.................
X. 21 particular 38 publico casa ter-
rea.................
Ra da Virarn.
X. 27 parliculare 19 publico rasa ter-
rea.................
Boa de Santa Then-za.
X 31 particular e 7 publico asa terrea.
X. 32 particular e 5 publico casi terrea.
Ra di' Hortas
X. 29 particular e 41 publico don- aiela-
Itua da Roda.
X. 35 particular e 3 publico casa tema
X. 36 particular e 5 publico casi lerrea
N. 37 particular e 7 publico casa lerna
N. N particular e I publico ca>a terrea.
Ra da Impcratriz.
X. 47 particular e 68 publico em ter
rea.................
Ra da Gloria.
X. 51 particular'-65public. casa ter-
rea......... ......
Ra do Encantamento.
X. 52 particular e 3 publico 3 andar-.
Ra do Azeite de Ma.
X. 53 particular e 1 publico 2 andar. -
Ra do Amorim.
X. 54 particular e 31 publico um andar.
Ruada I .apa.
X. 56 particular e 8 publico um andar.
X. 73 particular e o publico um andar.
Ra do Pilar.
X. 59 particular c 73 publico casa ter-
rea.................
Ra dc Sao Bom Jess das Crioulas.
X. 61 particular e 8 publico casa terrea.
Ra da Cruz.
X. 68 particular!' 15publico3andares.
Ba da (.adeia do Recite.
X. 72 particular e 30 publico 3 andares.
Beccoda Lama.
X. 75 particular e 30 publico casa ter-
rea......... ......
Travessa do Carcereiro.
X. 85 particular e 11 publico ca-a ter-
rea.................
X. 87 particular e 17 publico casa ter-
rea.................
5*5* >
I OtO*)
9*njiN>
I 6*
tW)*
lIJl>
IV*>
255**10
I74*
! 19*000
156*000
283*000
!%*>
21)4*
553JO0O
|IIK*MI
N9*
II2*)
I20*0il
306*
144*000
480*100
600*01)
150*)
144*000
42*i
183*0110
131*)
1:200*01)0
700*000
91*000
10O*W
12.5*01
300*)
71*000
72* 1
MOYIMENTO DO PORTO.
Varo entrado no dia 8.
Maranho7 dias, vapor inglez de guerra Sfrtim-
boli, commandante Egorton.
Bala9 dias, barca ingleza John Martim, de 903
toneladas, capitao A. Deckson, em lastro ; a or
detn. Secuto para West Indies.
Navios sonidos no mesmo dia
New-Tork-^Pataeho regle* William M. Dodye, ca-
pitao L. Anderson. carga assucar e algodao.
Patrimmio dr rpaias.
Ra da Madre de Dos.
X. 24 particular c 26 pubyeo dous an-
dares................ wl*00
Becco da Boias.
X. 39 particular e 18 publico dous an-
darT.............. 300*000
Ra da Moeda.
X. 44 particular e 21 publico casa ler-
rea ................ 251*000
Rna do Amorim.
N. 54 particular e 21 publico 3 andares.
N. 56 particular c 26 publico casa ter-
rea ..........m......
Ruado Burgos.
N. 69 particular e 21 publico casa ter-
I"1'II *" *" ** *"
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re
cife 3 de agosto de 1863.
O escrivo,
F. A. Cavalcanti Cousseiro
Xo dia 7 do corrente depois da audiencia do
Sr. Dr. juiz municipal da primeira vara, ten de
ser arrematada a escrava de cor arela, fula, de -
me Silvana, idade 56 annos pouco mais ou meaos,
dc bonita igura e boa eosraheira, avahada ev
400*. par pagamento da hypotheca feito mito
escrava, porexecucao de Antonio Jos Vieira, eaa-
tra Maaoel Joaquim da Silva Ribeiro.
Tem de ser arrematado por despachada Dr.
juiz dc orphaos desta eidade o armasen 4 aritos
da ra do Vigark) n. 5, e diversas madera de 1-
eupira e amarello, a qual arrematacao lera hagar
no dia 7 de agosto ao meio dia em ponto, depau
da audiencia do juiz de orpnao nw feaa de mm>
tir : os pretendentes poderlo eximlmr oeaeripti>
de praca qne se acha em mo do pe Ma da joizo,
Amaro Antonio de Ferias.

y


Piarlo te Perbuco Qnlflta fcfr* e Agosto de f 8*3.
!
L
Secretaria de polica de ernambuco
I de agosto de 1863.
Por esta secretaria se faz publico para
constar, a quem ihteressar possa, que pela
delegaci do termo do Cabo, foi preso como
fgido e remettido pira a casa de detencao,
orule se acha desde 46 de Janeiro ultimo,
ura preto fulo, e Home Francisco, que diz
ser escravo de Marcolino de tal, residente
n'esta cidade.
O secretario.
DE
novel*, crystaes. planos, cabrio-
le!, cavado*, burro r es-
traves.
HOJE.
Qninta-ffira 6 ds torrente s 11 toras.
HM LIHITi:
O agente Olympfc far leilao em seu armazem
Eduardo de Bagros FacSo de Lacerda. .ma do Impera
Conselha aaalaisratlv*.
ASSOCI C\ (MEMI4L BME-
FIMM M PMNAIIBIJCO
Nio nitrado eomaarrfW* nunier sonriente de
ALUGA-SE
Xa ra da Gloria n. 88, aluga-se um moleque ex-
cel lente rozinheiro.
convocada para aoje, alai de se tratar da dhposlo
nosarts.
n. 16.
O conselho administrativo, para fornecimento
do arsenal de guerra, tem de comprar os objectos
seguinles:
Para o deposito de artigos bellicos da provincia da
Parahiba.
208 bonets.
Para o 4" batalho de artilbara.
6 resmas de papel almasso, 6 caixas de pennas
de ac, 100 ditas d'ave, i caivetes de aparar pen-
nas 6 garrafas de tinta preta, 6 dnzias de lapis de
pao, 6 libras de areia preta, 36 colleocdes de cartas
para principiantes, 12 grammaticas portoguezas
por Monte Verde.
Quem quizer vender taes objectos aprsente as
suas propostas em carta fechada na secretaria do
conselho, s 10 horas da manhaa do di* 10 do cor-
rente mez.
Sala das sessoes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra, 5 de agosto de
1863.
Antonio Pedro de S Barreto,
Coronel presidente.
Sebastiao Antonio do Reg Barros,
Vogal secretario.
No dia 8 do corrente depois do meio dia se
tifio de arrematar por venda em praca publica do
Sr. I>r. iuiz municipal da segunda vara, escrivo
Motta. iluas casas terreas no principio da ra do
S. Miguel da frrguezia dos Afogados penhoradas a
Paulino Rodrigues de Oliveira por execucao de
Manoel Joaquim Baptista. Se nao houver audien-
cia no dito dia ticar a arrematacao transferida pa-
ra a primeira audiencia do mesmo juiz.
Jai i o dos feitos da fazenda
nacional.
No da 6 do correte na sala das au-
diencias pelas 10 horas da manhaa em
presenta do Mu. Sr. Dr. juiz dos fei-
tusrta Ta/endi se vender em praca
publica urna casa do mu andar e so-
tau sita na lili; dos Ratos penhorada
aos herdeiros de Joo .liara Seve,
aialiada por 7,000$, enja esa &e
iende para pagamento da fazenda na-
cional. Kecife Io de agost* de 1863.
0 solicitador,
r\ X. P. de Brito.
mi/o dos feitos da fazenda na-
cional.
No dia 6 do corrente na sala das audiencias pe-
las 10 horas da manhaa em presenea do lllm. Sr.
Dr. juiz dos feitos da fazenda se vender em praca
publica urna casa terrea em eaixo n. 36, sita na
ra da Concordia, penhorada a Norbcrto Muniz
Teixcira Guimaraes para pagamento da fazenda
nacional. Recife de agosto de 1863.
O solicitador.
F. X. P. de Brito.
O abaixo assignado, morador na villa do Pa-
Srs. socios eflectivos a reunan de assembla geral co de Camaragibe, vende as suas tres barcadas a
aber : Abmmo do Paro, de krtedeSBO saceos com
sacar; Flor do Paro', de 0 ditas; e Paquete do
Paco, de 380 ditas : promptas a navegar. Ellas sao
4> Mva es Sr. sones para o da 7 de corrate ao que coajfeWm toda a safra desta Rlbeira e muito
me i* dia. i acredtalas, Assim como vende o sea trapiche,
Sala das sessies da direcele da Associaeia Com- ,mais >*m innata* desta provine, c mesmo de
ntercialBenefiee-tedePernamboeede aaos* de ^^\^f^SfiSS
'o3. ferro enllocado no primeiro lugar desta vifla, que
0 secretario, recebe todo o assucar que se transporta desta Ri-
Domingos Abes Matheus. .hcira tem casa de vfvenda na frente da ra do
Commercio, com o fundo para o trapiche, e outras
COMPTABILIDADE COMMERCIAL
PELO
| DE. WiniUVIO PINTO BA1DEIRA
Professor da segunda eadeira do Curso Commereial Pernambarao.

Precisa-se de urna ama para casa derapazes obras principaes de tiioio, e tudo murado, dentro
solteiros: no pateo do (.armo n. 9. muitas fructeiras e bastante terreno para planta-
cocs e hortalica.
Um piano, 1 mobilia de faia com tranos de mar
more, 1 rico espelho, 1 marqueza, 1 mesa e 12
cadeiras de palha, 1 secretaria de Jacaranda, 1
costureira, 1 jogo de schach, 3 relogius america-
nos. 2 commodas, 1 cama de menino, 1 carro
para brinquedo de menino de palha com rodas,
z cadeiras de mola, 2 ditas de balance 2 me-
sas para jogo, 2-lavatorios, mesas, marraezas.
cadeiras, 1 apparclho de louca para jamar, 2 Precisa-se alugar um moleque de 10 a 12 an- da ra larga do Rosario (lado da sombra) somonte
ditos para almoelo, 1 dito de metal principe, gar- Ms por traI a Concordia indo pelo boceo do a familia: a tratar defronte, taberna da esquina do
rafas para vinho, copos para agua e vinho, gar- pocinho a virar na beira do rio primeira casa sem Peixe Frito,
fos, facas e colheres, 1 fogao americano, trem numero, junto ao sobrado da esquina,
de cosinha e muitos.outros objectos de casa de
para p
Pede-se ao Sr. bacharel Manoel Firmino de" coes e hortalica. O abaixo assignado est resolvi-
Mello que tenlia a bundade de vir so entender com da a fazer todo o negocio a praso ou a dinheiro,
a viuva meieira do casal do fallecido Joao Henri- ou como convicr ao pretendente, propria para
que da Silva, relativamente a parte que vendeu quem est aborrecido de morar na praca : a tra-
eagenho Queinudas, ao Sr. Dr. Fernando Affon- tar no mesmo trapiche com o proprietario.
so deMello : pode-se dirigir a ra do Crespo no- ______________Joaquim de Souza Silva Cunha.
Aluga-se o segundo andar do sobrado n. .'t
mero 7, luja.
familia.
Sexta-feira 9 de agosto.
Ra da Cadeia n. 12.
O agente Pinto fara leilao por conti de orna fa-
milia estrangeira que retirou-se para Europa, de
todos os objectos supra-meucionados e existentes
no armazem da ra da Cadeia n. 12, devendo
comeen o leilao s 10 lima- em ponto, visto seren
muitos os objectos que tem de screm expostos a
venda.
Na ra de Crespo n. 20, esquina, existe Urna
preta para alugar excellente engommadeira e co-
sinlteira.
$3* O rebolo branco da ra do Rangel
n. 18, est preparado com 16 rebolos e um de
amostra para amolar todo o ferro cortante, asslm
ler como tem afladores de cortica da trra superiores
IKIIAO
DE
lina mobilia de ceregeira,2 casticaes,
1 caudelabro, 1 marqueza, 12' ca-
deiras, 1 commoda, 1 Itanqu nha, i
lavatorio 1 toncador e 1 cabide.
Sexta-feira 7 de agosto 1 hora da tarde.
O agente Pinto far leilao requerimento dos
curadores ftscaes da massa fallida de Francisco
Moreira ias c por despacho do lllm. Sr. Dr. juiz
especial do commercio dos objectos supra mencio-
nados pertenecntes a mesma massa, 1 hora da
tarde do dia cima dito na ra da Cadeia n. 12.
aos vlndo de fra, ensina como se deve sentar a
navalha no aflador, pode ser procurado a qnalquer
hora.
Quem precisar de um cosinheiro ou criado
para todo servico de urna casa, dirija-se ra do
do Cabug n. 3, segundo andar.
ALVipARAS A NOVIDADE.
Sao chegados loja das columnas
na ra do Crespo n. 13 de Antonio
Correa de Vasconsellos 4 C. riquis-
simos cortes de 13a muito fina com
barras estampadas e matisadas Im-
peratriz Eugenia, cores as mais deli-
cadas como sejam: cor de ganga, de
lyrio, cinza etc., fazenda fnteiramen-
te nova e nunca vista em Pernam-
buco.
Aluga-se na ra da Cruz.
ij;ii.\o
[Nao me sendo possivel permane-
cer em rasa todo o dia para satisfazer
s consultas medicas daquellesquc me
procurara, por OUantO tenho (lenles Est para alugar-se o grande armazem e pri-
,U minU.i;;. Z -. J.. .., mi'iro andar da casa da ra da Cruz n. 35, o qual
Ue minna Clnica, a qnem dOO Uims tem frenteesahidapara defronto da Lingoeta. mui-
CU'dados, SU forrado a declarar nova- ,n Propr para escriptorio de algum Sr. negocian-
..,. mik *' J.... te i *tralar na rua da Senzala Velha n. 106. .
menteqneso me e permittid dar con-
sultas das 6 s 9 huras da manba, e, em
casos urgen tes, das 3 s 5 da tarde.
Dr. .I quiii d'Aquino Fonseca.
DK
Differentes obras de prata do Porto o entras obras
de metal principe.
Sexta-feira 9 de.agosto.
O agente Pinto far leilao por conta de quem
LOTERA.
0 thesoureiro das loteras desta provinl
cia, desejando extralii-las em maior capita-
e com menores intervallos, offerece a vanta-
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DK
>m rj;:i<:i oostelra a vapor.
i'aralivba, Natal, Mario, Aracatj, Ceari e Aearac.
Para os portos cima indica-
<)< seguir no dia 7 de agosto
prximo um dos vapores da com-
panhia, que receber carga at o
dia 6 ao meio dia.
Encommcndas, passageirose dinheiro a frote al
0 iliaila sabida > II horas da tarde : escriptorio do
I "I O Ull .ll.lllUS II. 1.
" COMPANHIA PEHNvMlH (ANA-
DK
Xavegaoo eostelra a vapor.
Parahiba, Natal, Maro, Araratv, Cear e Aearae.
O \;\\tor Jaguaribe, commandante
Lobato, seguir para os portos
indicados no dia 7 do corrente as
.'i horas da tarde. Reebe carga
at o dia 6, encommcndas, pas-
sageirose dinheiro a fete at o diada sabida as 2
horas : escriptorio no Forte do Mallos n. 1.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos port06 ilo norte esperado
al o da 20 do corrente o vapor
-t/>. commandante Alcanforado
8 qual depois da demora do cos-
tuine seguir para os jiortos do
sul.
Desde ja reoefeem-M passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devora
ser embarcada no dia de sua rllegada, encom-
mcndas e dinheiro frele at o dia da sabida s 2
horas: agencia rua da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Lnil de Oliveira Azcvedo & C.
jHJrtcncer de um apparclho para cha e colheres gem de doas por cento a quem COOprar
de prata, asslm como de garfos, facas c colheres para negocio, na quantia de 1005 para cima:
de metal principe, s 11 horas do dia cima dito assim como se propoe a estabelecer corres-
na rua da Cadeia n. 12, onde havera leilao de mo-'
veis.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portea do sul esperado
at o dia 14 do corrente o vapor
Princrza tte Juinrille, comman-
dante o capitao lenle Santa
Barbara, o pial depois da demo-
ra do costme segoir para os portas do norte.
Desde j receliein-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor jioder conduzir. a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada: encom-
mcndas e dinheiro a Brete at o dia da sahida as 2
horas, agencia rua da Cruz n. 1, escriplorio de
Antonio l.uiz de Oliveira Azcvedo A '
Para i.i*boa
segu em poneos dias o lugre portuguez Julio por
ler a maior parte da carga comprada : para o res-
to e passageiros. a quem offerece bons commodos,
trata-se com o consignatario Thomaz de Aquino
Fonseca. na rua do Vigario n. 19. primeiro andar,
ou com o capitao o Sr. Francisco Antonio Mei-
relles.
Para a Halda vai sabir com umita brevidade
<> vclciro liiatc Tijno, tem parte da carga prompta :
para o resto que Ihe falta, trata-se com os consig-
natarios Palmeira & Beltrao, largo do Corpo San-
io n. 4, primeiro andar.
le ao
MOVIS
\a rasa grande em frente a estaco da estrada de
ferro na villa do Cabo.
(Com lunch.)
Segunda feira 10 de agosto, s 9 e
mcia horas do dio.
PARTIDA DE TREM ESPECIAL.
William P. Hughes, tendo de retirar-se para a
Europa com sua familia, far leilao por inlerven-
cao do agonte Pinto, de todos os movis de sua ca-
sa de residencia na villa do Cabo, como sejam :
l'm piano, mobilia de Jacaranda, ricos quadros
com linas gravuras, tapetes, candieiros, mesa els-
tica, anparadores, um apparelho.de louca para
jiiiuUi, inu uno paia aimoco, garrafas para vinho,
linos crystaes, Rarfus, faccas e. colheres, um sellim
ingles, um silhao, cabezadas e muitos outros objec-
tos que estarao ao exame dos pretendentes.
Os concurrentes ao referido leilao encontrarlo
na estaejio de Cinco Ponas um trem especial que
partir s 9 e meia horas da manhaa, aos (pie com-
prarem mais de 50$ abater-se-ha a importancia da
passagom, e o transporte dos movis ser gratis pa-
ra todos os compradores, devendo recebe-los na cs-
faco de Cinco Ponas no dia inmediato ao leilao.
Principiar s 10 c meia horas em ponto.
Maques sobre Portnga!
O abaixo assignado, agente do banco
mercantil Portuense nesta cidade, saca ef-
fectivamente por todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
qualquer somma, vista e a prazo, po-
dendo logo os saques a prazo serem des-
contados no mesmo banco, na raziio de 4
por cento aoanno aos portadores que as-
siui lhe convier : as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 81.
Joaquim da Silva Castro.
annwwiffiaiaaia
Joao Caetano de Abreu, solicitador dos
BOUS BELLOS VOLCMES EX 8.n KRINCEZ
COMPREHENDEXDO
O orlnieiro Prrlereoes theorleo-pratieas de eserlpti
ra^io Mercantil.
O segandoMoldes de arlthmettea con-
merelal, adaptadas pratlea das opera^oes con-
nerclaes e elementos do s> stema
aetrleo eom snas applleaces
ao con m relo.
PREGO DE CADA VOLUME ">*.

pondencias para quajquer localidade da pro- ffihWfa^sn^3W teMM^nWeT com
vieta,, remetiendo bllhetes, meiOS e listas, especialidade aos seus clientes e amigos que mu-
SOb flanea idnea; devendo 0 pagamento don sua residencia para a rua da Praia de Sania
delles ser feito logo que sejam recebidas as Ri,a n-49> onde morou o Sr Dr. Buarqtie,
lictac o nnvnc hilhoi< romottidne O tl.o """rCnheiro da estrada de ferro, onde sempre acha-
listas c no\os bllhetes remett dos. tne- r5o das 6 s 9 da manba, e das 4 da tarde em
souretrocerto da conveniencia desse negocio, diante,
convida aos Srs. eommerciantes da Victoria,
Goianna, Rio Formoso, Nazaretb, Serinhcm
e mais localidades populosas da provincia, e
mesmo os desta capital, que o quizerem. a
entenderem-se com elle, na thesmirana das
loteras, rua do Crespo n. lo: advertindo
que receber em pagamento e sem descont,
os bilhetes premiados de todas as loteras
da provincia recolhidos thesotiraria da fa-
zenda provincial.
Thesourara das loteras, 20 de junho de
1863.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Esta obra, apezar de elementar, vem preencher urna lacuna, que era sentida entre nos
onde fallecen) escriutos de certas esj>ecialidades com accesso a todas as intelligencias; e as-
sim o editor pensa fazer um servico dando-lhe publicidade, tanto mais quanto boje, que as
transacfes commerclaes e industriaos vio entre nos tomando notavel desenvolvimenlo. deve
entrar na edueacSo daquelles aue se querem appbrar a taes ramos da vida o ronhecimento
dos principios da comptabilidade administrativa e commereial.
Com este intuito, sob urna forma esencialmente classica, reuniu o Sr. Dr. Witruvio os
principios da comptabilidade commereial no que tem elles de mais elementar, e coordenou-
os de modo a facilitar o mais possivel o seu estudo s potabas que se destinan) s proftssoes
commerciaes, sendo taes a concisao e a clareza postas no desenvolvimento respectivo, que po-
de-se aprender a materia, chegando-se a escripturar os livros por partidas dobradas e appli-
car o calculo s operacoes do commercio, sem carecer da inlerven?ao de um mestre.
O primeiro volume, formulado sobre a obra de Bertrand, oceupa-se mais especialmente
da escripturafao mercantil por jiartidas obradas, cujos principios sao desenvolvidos em har-
mona com a legislacao brasileira, contendo alm disto um importantissimo appendice sobre
as sociedades commerciaes em todos os seus movimentos, quer pelo lado da escriptiiraco,
quer pelo da formarlo, existencia c extinecao dellas em face da lei. N'este appendice. dupli-
cadamente reconunndavel por sua originalidade e pelo cunho de especialismo. tem o rom-
merciante una guia para sua direc^ao, qualquer que seja a forma da soriedade qn contraa.
Completa este volume o specinienou resumo de una escripturacao. licticia verdade. ma- an
tudo semelhante d! urna casa de commercio ordinario, offerecendo urna serie de operaefes
successivamente mais difBceis, que assim inicia gradualmente a maneira de e-iriptura-las
nos difTerentes livros de urna casa de commercio.
O segundo, cgualmente formulado sobre a obra de Kottinger. oceupa-sc particularmente
da arithmetica commereial com exercickts e problemas polo meio mais simples, fcil > breve
da regra conjuncta, acerca de todas as operack pratiras usuaes no commercio, envolvmdo
clculos de cambins de praca praca e |>or pravas intermedias, bem como negocios de bancos
com arbitragens de cambios, alm do desenvolvimento do systema mtrico em suas rela^oes
com o commercio, Ilustrado por meio de tabellas de convefsao.
O editor nada mais acerescentar estas breves palavras. que asss demonstran) a Im-
portancia real desta obra, devida a intelligencia e a applicagao aecurada do sen autor, srnio
que ella de utilidade geral, e que a nenhum commerciante e mesmo a homem algum V tet-
tras licito deixar de possui-Ia em sua estante ; pois o commercio em suas variadas evota-
c6es, entende actualmente com tudo que se liga a vida.
A assignatura toma-se as livrarias dos Srs. Guiniaraes V Oliveira. Nogni'ira de Sou-
za, Juliao & Pereira e fieraldo H. de Mira, sendo realisada sua importancia pela (piola de cala
volume ao sahir do pelo, para o qual ora entra o primeiro
O EDITOR.
JMHT

Alugam-se a loja do sobrado n. 193 o armazem
n. 171 da rua Imperial, o armazem n. 4 da rua do
Apollo, e a casa n. 27 da rua do Burgos : na rua
da Aurora n. 36.
i?
LEILAO
Sexta-feira 11 do corrente.
\o armazem n. 53 rua da
Cadeia '
De cadeiras para piano, leito. berros para meni-
nos, carleiras, cabides, camas de ferro, candela-
bros, cadeiras de braco para menino jantar, um
oratorio de ainarello, bandeijas, mappa geographi-
co, machinas de costura, tinteiro, e z paliteiros de
prata, colber para arroz, rektgio e outros objectos
que serio vendidos pelo agente Eusebio no estado
em que estfverem sem reserva de preco : os Srs.
que teem objoetos neste armazem com limites es-
tao avisados para que sejam retirados antes daquelle
dia do leilao, chegada a hora serao entregues pelo
maior prego que se achar.
AVISOS DIVERSOS.
Rio Grande do Sal.
O patacho nacional Pe.<4ana segu at o dia 9 do
.-.i-rente con 1 a carga que ti ver; recebe a que fal-
ta por frete commodo, % escravo : trata-se com
Hallar & Oliveira. rua da Cadeia n. 6.
Para o MaranhSe e Para
pretende seguir nestes oito dias o veleiro e bem
conhecido brigue escuna Joven Arthur, tem a
seu bordo parte de seu carregamento ; para o res-
to que lhe falta, trata-se com os seus consignata-
tarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no
seu escriptorio rua da Cruz n. 1.
LEILOES.
DE
2 tercas partes do sbralo de 2 anda-
res esito da rna da Cruz a. 33.
HOJE*
Por despacho do lllm. Sr. Dr. juiz especial do
commercio com informaclo dos administradores da
massa de Manoel de Azevedo Pontos, irao de novo
a leilao as duas tercas partes do sobrado, de dous
andares e solio aito rua da Cruz n. 33, partea*
rentes a mesma massa as quaes serio vendidas
da mesma maneira que as possuem at hoje : os
interessados podem dtrigir-se ao agente Pestaa
para qualquer esclarecimento e o leilao ter lugar
quinta-feira 6 do corrente pelas 10 horas na per-
la da associafo commereial.
Instituto % -<-hrolos leo e deo-
graphlco Pernambncano.
Haver sessao ordinaria quinta-feira. 6 do cor-
rente, s H horas da manhaa.
Secretaria do Instituto. 3 de agosto de 1863.
J. Soares de Azevedo,
Secretario perpetuo.
LOTERA.
Sabbado 2i do corrente se extrahir a
primeira parte da primeira lotera da igrejo
de N. S. das Neves do convento de ,S. Fran-
cisco de Olinda.
Os bilbotes e meios bilhetes acham-se
venda na respectiva thesourara, rua do
Crespo n. 15, e as casas commssionadas
rua da Imperatriz n. 41, loja do Sr. Pimen-
tel, praga da Independencia n. 22, loja do Sr.
Soares Pinheiro.ruaDireitan. 3,botica doSr.
Chagas, ruada Cadeia n. 45, loja do Sr. Porto
e em Appucos estabelecimento do Sr. Fran-
cisco M. S. Mendes.
Os premios de 5:000/at 10)$ serao pa-
gos urna hora depois da extraerlo at as 4
horas da tarde, e os outros no dia seguinte,
depois da destribuico das listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
** *...._^. o >..tf.filan V i'hi1-
tnn.t su na eomurea <.. Cahn tem
esta proprtedndA excellentes tr-
ra*) para i>lantaoes de cwnnas, ro-
:s, etc mitiii por agua e dlta
da estaca* da via frrea apenas
mein le-u;i ; quem o prit>n>t>r di-
nja-se casa d fallecido conmen-
itaier Luiz Gomes Ferrelra ao Mon-
dejo.
Instriiceo publlea.
A primeira escola publica de instruc^o ele-
mentar do 2o grao em Santo Antonio presente-
mente funecioua na rua Bella n. 40.____________
Perdeu-se urna pulceira de ouro desde a rua
da Cadeia, caes do A|K)tlo. Boa-Vista, rua Velha,
rua do Sebo at a Tamarineira : quem a ti ver adia-
do c quizer restituir leve-a loja de Andrade
liego na rua do Crespo ao voltar para S. Francisco
que ser gratificado.
Quem precisar de dous escravos para todo o
servico dirija-se Soledade casa n. II.___________'
Agencia gcral das proviucias no Rio de Janeiro.
Antonio Francisco Bandeira. estabelecido ha lon-
gos annos no Rio de Janeiro, encarrega-se por si
e por pessoas que para isso tem habilitadas, de
procurar o andamento e realisacao de todos e Precisa-se de urna ana de meia idade para
quaesquer negocios commerciaes, civis, ecclesias- cozinbar para pouca familia : na rua da Roda, so-
ncos e administrativos. O annnnciante offerecen- brado de um andar, esquina, por cima da taberna,
do ao respeitavel publico desta provincia os seus eom venezianas.
bons olicios, garante-lhe zelo. actividade e dis-
cripeo : qualquer pessoa que queira utilisai-se
dos serviros dq annunciante. pode dirigir-st-lhe
directamente por carta. Rio de Janeiro 2 de ju-
lbo de 1863.__________________________
Quom precisar de um criado ou um cozi-
nheiro. dirija-se a rua Nova n. 48.
CASA DE SAUDE
Em Sanio Amaro
Do Dr. ftllva Ramos.
t'nico estabelecimento desta natureza
que existe entre nos, montado do modo
que pode com lodo o commodo e zelo tra-
tar qualquer doente, que nella seja reeo-
Jhido.
O-riiiiieio e magestoso e eonsrva-se
el II pel-reilu esUulu Ue liiUfteza e e ulive-
titrnteniente mobiliado.
Os doenles sao separados, segundo os
sexos, natureza das molestias e condiyoes
sociaes.
Ha quartos fortificados para os aliena-
dos, e una enfermara para as partu-
rientes.
O proprietario encarrega-se de qual-
quer operacao.
O estabelecimento franqueado ,i qual-
quer pessoa que o queira visitar.
Primeira classe 3000diarios.
Segunda dita.... 2-5300
Terccira dita.... 2*000
Para que qualquer doente seja ali rece-
bido, basta que se mande onome do doen-
te e da pessoa que o remelle, com a de-
claracao da morada.
O proprietario aceita contratos annuaes
com qualquer que queira ler um ou mais
leitos sua disposicao.
Precisase alugar urna preta para andar na
rua com um laboleiro do fazendas. com a propria
dona do taboleiro : na rua do Hospicio n. 62.
Michclangelo Lacorte. subdito Italiano, reti-
ra-se para fra do imperio.________________
Os Srs. Manoel de Souza Leo. Joao Paulo de
Carvalho e Minervino Augusto de Souza Leo ap-
parecam na roa de Hortas n. 24. primeiro andar.
negocio.
Para padaria cm Marci.
Precisa-se de um bom mestre de niasseira. pa-
ga-se bem : quem estiver nestas rircumstancias,
dirija-se ao caes de Apollo n. 55. armazem de Jos
Duarte das Neves.
A padaria do leo do norte, rua do Cotovello-
precisa de um bom fornoiro.
Precisarse de urna ama de leile. sadia e de
bom leite : a tratar na rua Imperial n. 87. so-
brado.
Precisa-se de um fornoiro para urna padaria
de pouro irabalho : a tratar da rua Direita n. 84.
- F. Souvage fatlida de Dlogo, Filho & C, convidam aos credo-
res para que no termo de 8 dias do presente an-
nuncio apresentem os seus ttulos aflin de serem
verificados e classiflcados. visto como depois desse
termo tem de darem por findo dito Irabalho com
os que livercm sido apresentados.___________
Clnb com.....nial.
Pergunta-sc a nobre dircegao, em nome de quem
feito o convite que se l no Diario de hontem t?... i
Se qualquer socio se acha autorisado a convocar
publicamente urna reuniao da sociedade ? ? A di- ]
receo ignora por ventura que responsavel pela
i- soriedade ? ou ser isto principio da anarchiaT
l'm socio ligueiro.
SOUIIHIIE
nos
O abaixo assignado avisa ao respeitavel publico
que ninguem faca transaeco alguma com urna
letra aceita pelo mesmo abaixo assignado e passa-
do a Jos Jaciathoda Silva, da-quantia decenio e
setenta e tantos mil ris, visto que foi essa letra
substituida por outrade 1925710 sacada pelo mes-
' mo Silva e aceita pelo abaixo assignado. a qual j
se acha paga; e como se tenha extraviado a pri-
mitiva letra, faz o abaixo assignado o presente
aviso. protesta contra quem atenbaindebitameu-
te em seu poder.
Francisco Themoteo Pereira Bastos
ARTISTAS AECHAMOS E LIRERAES
DK
PERMMBUCO
O lllm. Sr. director da Sociedade dos Artistas
Mchameos e Liberaes, estabelecida no consistorio
daigrejadeS. Jos, manda convidar a lodosos ~ Orapaz que se offerece paracanetrode pa-
senhores socios para urna sessao extraordinaria no aaria; f> (r"e cnienoe e tem pratira, dirija-se a
dia sexta-feira 7 do corrente mez, as 6 1,2 horas '"*,*> "oda Boa-Vista n. irf, taberna, para
da urde. tr*tor
Secretaria da sociedade dos Artistas Mechanlcos
e Liberaes de Pernambueo 3 de agosto de 1863.
Silveir, l. secretario.
O abaixo assignado. tendo-se despedido da
thesourara das loteras, aonde era empregado. e
(Matante penhorado pelas maneira com que sem-
pre foi tratado pelo senhor thesoureiro, julga do
Clnb rommrrrlal.
Ha vendo urna directora constituida legalmente,
nao podemos aceitar convites de quem quer que
seja...... para reunidos de assumptos de importan-
cia, quando estes nao partiremda mesma direceao.
______ ^* Algnns socios.
Alnga-se o segundo andar do sobrado n. 37
sea dever patetear-fhe perante o publico os seus da rua dolni{ierador; a tratar na mesma rua, ar-
sinceros agradecimentos. mazom a. 41._____________________________
_______ Manoel Mariins Fiuza.____________ pret.sa.s, de urna ama, escrava ou livre,
Lava-se e engomma-se com asseio e por pre- para casa de homem solleiro: quem quizer, diri-
co conaaaodo : na rua da S. Bom Jess das.Criou- ja-sc rua nova dos Pires defronte do hospital
las n. 18, militar n. 6.

NOVO ESTABELECIMENTO DE MEDICINA HOMEOPATHIU
RIJA MOVA Ma 43*
O Dr. Sabino 0. L. Pinho mudou o sen CONSULTOMO pan abija .1. marroore
rua Nova n. 43, onde continua a dar consultas todos os dias uteis desde o meio dia al
2 lioras.
Os enfermos, que o procuraren) logo na nvasao da molestia, sem que hajam lo-
mado qualquer remedio, nem allopathico, nem liomeopalliico, pagaro metade dos pra$os
estipulados. Esta concesso tem por fim facilitar a cura de molestias, que podem lomar-
se complicadas pelos emprego intempestivo da tln-i-apeutica ao mesmo lempo adquirir
para a homeopathia maior numero de adeptos pela baten da cura.
Em attenco as pessoas pobres, que nao podem sabir de dia. o Dr. Sabino resol-
veu dar duss consultas por semanas as tercas e sextas-feiras das seis pul hVal noite.
Os chamados para visitas e conferencias deven ser dirjgidos por escripta ao .-on-
sultorio desde 8 horas do dia at 8 da noite. na certeza de que serio attendidos na h.Wtb
de sua precedencia, salva a circumstancia de eminente perigo.
%n iii 11:\ i %.
O novo consultorio est prvido dos melhores medicamentos. tfrmU' a primara
at a trigsima dynaminjsacan.
E como os mdicos hespanhes e allemes nao cessam de cerlilirar a major fli-
cacia das ullissimas dynaminisacoes do tratamento das nioleslias clnohicas. o [)r. sanan M
oceupa agora de elevar os seus medicamentos s potencias mais altas ( por ora al M9.a ).
afim de verificar por si mesmo a forra dynamica, que se I Le aUribiic
Os mdicos, nue qtiizerem experimentar taes dynaminisacoes poderlo dint;ii ao
consultorio suas receitas, que serao aviadas gratuitamente para os pobres.
No mesmo consultorio se vende a novissima ediro do Thesonro komenpathiro
ou Vadmtmm do homeopatha, obra indispensavel a dos que querem usar da MaWa>
patbia.
Tudo o que diz respeito nova medicina se acha abundantemente neste novo eslaU--
aecimento.
INTERNATO
DE
Francisco Pinto Ozono contina a col-
locar denles artiflciaes tanto por meio de
molas como pela pressao do ar. nao re-
cebe paga alguma sem que as obras nio
liqiem a vontade de seus donos. tem pos
e outras prepara?6es as mais acreditadas
para conservara) da bocea.
- Precisa-se de um feitpr para um riti perto
da praca : quem quizer dirija-se a rua do Brum a.
70, primeiro andar.
Precisa-se de pretas para vender bolinhus de
vendagem, ficando sens senhores responsaveis ;
tambem se precisa alugar urna preta : na roa da
Palma n. 54.__________ _______
Est para alugar-se metade de uro segundo
andar de um sobrado, prefere-se a pessoa de pon-
ca familia ou alguma senhora lionesta : qnem
quizer, dirija-se a rua da Penha ti. io, primeiro
andar, que achara com quem tratar.
Aluga-se em Olinda o sobrado n. 3 na rua
de S. Dent com a sua competente loja c quintal.
tem bastantes commodos para familia e aluga-se
muito em conta. principalmente se a pessoa que
alugar quier faz< atguns pequeos conoertos que
precisan) fazer-sc doscontando-se a respectiva
despeza nos alugueis : (Mra tratar no Recife coin
Claudio Dubeux, rua do Inperador n. 43.
ESTABELECIDO XA CIDADE DO RECIFE
Director0 bacharel em niallicmatiras
BERNARDO PEREIRA DO CARMO JNIOR.
O director do internato de S. Bernardo, aceedendo aos n-didos de varita pan l>-
respectivos collegiaes, c de outras pessoas desta capital, removeu o seu estabeleeimenl
da Capunga para esta cidade.
Nao tendo evitado esforcos nem sacrificios para proporcionar aos seus alumnos
urna perfeita educacao physica, moral, intelleclual e religiosa, oflerecendo-lhes urna ha-
bitacao com bastantes condi^oes de salnbridade, habis professores que sao sulicitos em
prejara-los convenientemente ao lim me se dcslinam. medico pratieo que BM faca
comprehender os preceitos da hygiene e Ihes cure das doencas. e linalnientc um sacer-
dote Ilustrado e-honesto que lhes explique os principios da religiao christaa. espera que
assim constituido nao deixar o seu estabelecimento de merecer dos Srs. paes de fami-
lias o auxilio e confianza com que j alguns o tem honrado: e lhes roga. bem como a
todas as pessoas loteressadas, que se dignen) de visitar o niesmo -m -talM-lecimenio.
onde sempre encontrarao franco ingresso.
O collegio tem a sua sede no espa^oso edificio n. 32 rua da Aurora contiguo ao
do collegio dos orphaos.
ROS estatutos do collegio', que estao disiiosicao de quem os quizer ler. se acham
consignadas as condi<;3es de entrada e matricula as diversas aulas do esiabeieri-
mento.
FIIDICiO DO BOUHA\-IU INI
Ksle muito acreditado estabelecimento est prvido de um completo sortimento de
inachinismos proprios do fabrico de assucar, a saber :
Machinas de vapores as mais modernas e mais acreditadas.
Rodas d'agua de ferro com seus pertences.
Moendas e meias moendas de todos os tamanhos.
Rodas dentadas, angulares e de espora.
Taixas de ferro batido e coado.
Boceas de fornalha pelo novo systema Wetson.
Alambiques de ferro fundido.
Fornos para cozer farinha.
Moinhos para moer mandioca. %
Arados americanos, etc. etc.
Fl \ III Vio DA AURORA*
Nesta grande e bem montada fabrica de machmismo, a mais antiga no imperio, eaa-
tinua-sea executar com a maior presteza e perfeico encommendas de toda a qualidade
de machinas usadas no paiz, tendo sempre prompto o seguinte :
Grande sortimento de moendas ae canna de todos os systemas e tamanhos.
Machinas de vapor de diverjas qualidades.
Taixas fundidas e batidas*
Crivos e boceas para fefhalhas.
Bromees e aguilhes.
Rodas, rodelas e rodas d'agua.
Guindastes flxos e portateis.
Machinas de cylindros para padaria.
Serras de ac para serrara.
Fatechaspara barcos, etc., etc., tudo por preco que bem convida.

>



-
./
Diarlo de Peraaaubueo ttiilntolturactt.de Agsmtodhe 18sS.
AO SI
FROTEJAJH FpEGUEZES
>%OfcE*T alIHLI< IMEMTO DE VAZEMDA
HA RA BQ CRESPO N. 17.
DE
Vende-se baratissimo
FaKrnda* u> phantasla.
Vestidos4eblomle-eem capella c manto,
para casamento.
Vestidos As cambraia branca bordados.
Manteletes aretos bordados compridos.
("assas aielas aliz'IV.
Chapenasdc palbaa Mana Pa.
Saias bai&adas de 4- pannos.
Carabraias lisasdc totas as qualidades.
Saias a bao de aros e de panno.
Chitas fnmcezas furnias. __M._
Laas de tedas os quididades para vesttfo.
desenliaras.
Meias p*ra senhora; vindas de IngWWr*.
Cassas decores lindos padroes a sw rs. <
eovado.
Eoirtras limitas azendas baratas _____^_
I ni grande *ortIntento
de musirs lura piano -e canto sendo de todas:as fefea
a dinheiro avista.
Fazendas hranca*.
Madapoloes francezes inos.
Madapoloes de jarda finos .e.enfeslaftos re-
os para camisas e saias de senderas,
loes de 7$, 8* 9*, AO&W e 1*5
Bramantes de linho belga e de outras uiui-
tas qualidades, sendo de 10 palmos de
largura e outros de 4 palmos.
Esguioes, selocias, bretanbas.
Toalhas de linho para mesas de 28 palmos
de couiprimento.
; Toalhas para rosto, algode* de 4das as
qualidades.
A U ROR A
Hftf
LAR f. 0 ,0 A
NOTICIA NOTICIA NOTICIA.
Carpes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
Cartoes de visita
8,5000 a duzia
85000 a duzia
84000 a duzia
8000 a duzia
8|000 a duzia
8|000 a duzia
8*000 a duzia
81000 a duzia
8*000 a duzia
8$000 a duzia
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Ra do Imperador
Ba do Imperador
Ra do Imperador
Ba do Imperador____
BRILHANTE.
I. U
SVYI VCRIZ.
No grande armazem da aurora brillante o.respeitavel publico encontrar sentare um
ande sortiracnto dos melhores e raais novos gneros que tem vindo ao mercado ,e,por ,|ire- >M
eos sempre coinmodus, tanle em grandes redesicomo a retalho
Latas com peixe em postas savel, sal- Cafi do Ceara a libra 320 e do Rio a
280. e ,.....320
mao, selinonete, congto,,goraz, par-
go e outras militas qualidades mul-
to bem preparado a i)5000
Ditas com ameixas francesas a libra a 1,3000
(; Ditas com biscoutos inglezes de va-
-, tos ttulos muita novos a 15500
Ditas com llgos, peras, pecegos, gin-
_gas, alperxe e outras a .. bOO
Ditas com ervilhas aovas a 640
Ditas com marmelada a 640, 960 e 15280
Ditas com massa de tomate a 640 e 15210
Cha jixim o melhor neste genero a
2JI00 e.....35200
Ditofcvsson muito superior a 2800e 35000
Dito dito a 25, 25400 e 25600
Dito preto de aza branea a 25000
Dito do Bio em latas a 15500,1560 e 15800
Doce de guiaba caixaoaSOO, 640,88Oe 15000
Lingpics do sertao e carne a .libra 320
Chouricys e paios de Lisboa c presuu-
, tu d Lamego a libra a -
Presunto; inglezes para Hambre a .li-
bra a......
Queiios do reino milito novos (cober-
tos)a......25500
Massas para sopa, ulharim, macar-
rao, aletria, pevide e estrelinha, ar-
roz de massa, rodinha a libra .. 500
_ Arroz da India a arroba 35200 e do
8.' \|.,.-.,nlv.., !X?aiO > i lihr.i 120
500
800
260
-500
,40
800
Dito dito a arroba a 95500,95400 e ., 8500
Vinhos ha novo supprimentf!.
Viulu da Pigueira da propria uva a
Dito do a 400 e .
Dito de:Lisboa de boas marcas a 406 .e
Dita raneo proprio para missa a 480,
500 e......
Dita tintado Porto, menezesj chamico
duque, e. outros em pipa a 640,720
Ditos genuinos engarrafados com os
nouies gravados dos autores as
garrafas a 15200,1550t)e tgm
Servcjas, ehanipanhe, licores, cognac e
BordeauZ e outros lquidos que se
vendem haratissimos .5
Bolachinha ingleza a 25 a barriquinha
e libra......
Dita de aramia doce e agoada biscon-
tosetc. a.....
Caixas com 2 arrobas de batatas novas
a arroba a.....15289
Genebra de JJollanda frascos grandes e
800
3S0
pequeos a 6.40 e
Dita de laranja aromtica a
Manteiga iaglcza flor a 720 e
Dita mais abaixo a 600 e
Dita franceza nova em barris
a 600 rs. a libra e .
Dita em barris de 22 libras a
Maraiilia.i.'!5500 e a libra
Neste stabelecimento ha seropre saceos com brinda, miltao, feMp, farello
.asea, tudo da melhor qualidade e por menos do que em outra qualquer parte.
900
. 15000
800
640
e meios
. 640
640
arroz de
O Dr. Joao Jos Ferreira de Agniar mudou o
seu escriptorio de advogacia para a ra do Impe-
rador n. 75, primeiro andar.__________
Jos Bento Justo e Joao Antonio de Sampaio
retiram-se paraEurop a, se alguem se julgar credor
dos mesmos queira diri gir-se casa do Sr. Joao
Antonio Carpinteiro da Silva no lugar do Man-
guinho. ^^^^^^^_____^_^_^________
Aluga-se a ca sa da Capunga Nova, confronte
a guarda, concerta da e pintada a pouco, quintal e
agua de beber, por commodo preco: tratar ao
p da mesma, ou no pateo da Santa Cruz n. 18, ou
no Becco-Largo n. 1 A________________
Club Commerclal.
Os'Srs. socios do club Commercial sao convida-
dos para reunirem-se no dia 8 do corrente por vol-
ta da.6 horas da tarde afim de deliberarem sobre
assumpto de importancia.
Um socio.
Na loja do Sr. Jos Barbosa de Mello, no Bc-
cife, est venda os Ligueiros, ensaio sobre a ac-
tual siluacao poltica do Brasil, por Bcllarmino
Barretto, autor do opsculo o Sr. Chciatie, no
Brasil.
O Dr. Cosme de S Pereira conti-
na aradir na ra da Cruz n. o"3,
Io e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
sao medica, e com especialidade
sobre o sguinte
Io molestias
2o
3o *
MOVO 111% AL
IXOJA DE MIDEZAS
RuadoQuema Massinhos com 27 grampas sertidas a 30 rs.
Caixinhas com ditas a Pocas:de tranca de la Usa Mamada a 20 rs.
Ditas de dita de caracol de lia de cores a 60 rs.
Ditas de dita de caracol branca a 80 rs.
Ditas de dita de caracol mesclada a 100 rs.
Ditas de flta trancada para-tebrum a 80, 120 e
160 rs.
Fitas-ecordoes para enfiar espartilho a 60, 80 e
120 rs. M
Caixmhas com 18 pare* de colchetes a 20 e
40 rs.
Cartoes com 14 pares de."ditos a 40 rs.
Ditos com 28 pares de ditos a 60, 80 e 100 rs.
Pares de luvas de montara para homem a 600
e 1*080.
Ditos de ditas de seda para sennora a 600 e 15-
' Ditos de ditas de Escocia para senhora a 200 e
400 rs.
Pecas com 15 varas de franja para cortinado a
Vara de franja de seda .prcta e de cores a 400,
600e.800rs.
.Dita de tranca grega de oda em caracol a 200,
400 ,600 rs.
Dita de bicos e rendas braceos e pretos a 100,
440 e 200 rs.
Bita de galoes brancos lavxados a 120 c 160 rs.
thtava de retroz preto e de cores a 160 rs.
Escovas para denles a 160 e 400 rs.
Grvalas de seda modernas a 240 e 500 rs.
lindas capellas para meninas e noivas a 1*500
e 35000.
Duzia de caixas de phosphoros a 160 rs.
Pentes de atar cabello a 40,160 e 240 rs.
Caixinhas de lamparillas .para seis mezes a 80 rs.
Besma de papel almaco liso a 25500 e 35.
Dita de papel de peso pautado a 35400.
Caixinha com 10 anvelopes a 800 rs. e 15-
Dita de lacre a 200 e 400 rs.
Dita de obreias de massa e de cola a 80 e
i20rs.
Dita de pennas de lanca e -alvgraphicas a 800 e
15200.
Frasquinhos com tinta azul e encarnada a 240 rs.
Lapis azues e encarnados a 120 rs.
Duzia de lapis de pao a 80 e 120 rs.
Dita de facas e garfos brancos e pretos a 35-
Massos de palitos lixados superiores a 280.
Tesouras diversas a 80, 160, 24h e 320.
Ditas grandes de Guimares para alfaiate a 600
e 10
Atacadores de cornalina para paletot a 320.
Duzia de canudos de pomada do Porto a 280.
Frasco de macassar perola a 160 e 240.
Dito de Patcholy a 500 rs.
Ditos grandes com agua de colonia a 500 e 800
ris.
Ditos com estrados finos a 15.
Ditos com banha franceza a 300 e 15-
Calcadeiras de chifre a 120 rs.
E muitos outros objectos, tudo barato.________
AOS SKS. (0\SI MlllORKS DE GAL
Nos armazens do Caes do Ramos n. 18 e
na ra do Trapiche Novo (no Recife) n. 8, se
vende gaz liquido americano primeira quali-
dade a retalho a 12(5 a lata de 5 galoes, as-
sim como latas de 10 e de o garrafas e sendo
em porco mais barato que em outra qual-
quer parte. ____________________
Vende-se
I Piche no armazem Imperador. ___________
i\0 ARUXEM DE KAZEMI.IS MUTIS
DE
ilXKW t'OFXH*
Ra do QuriHUMk i. 1.
Tende-se o segalate :
Coberta
de chita da India, a 2:ooo rs.
Lrafees it ium
de Unho, a 2:ooo rs.
Leaieoes de braauuite
de linho, de um panno so, a 2:8oo rs.
Taalbas alofiiaiai
VNDEME
25 pipas em barris com mel promptas para embar-
que, agurdente de canna em pipas, tambem ha
100 ancoretas rom azeitonas frescas que se reta-
lham a 15000, urna porcao de cal de Lisboa, que se
vende a 25000, por alqueire, no armazem de
Manoei Marques de Oliveira na ra da Moeda
n. a. ___________________________
Boa |K*ehlBeha para princi-
plante.
Vende-se a armacao da taberna do caes de A-
pollo n. 57, illurainada a gaz, ranito em conta, e se para mao, pelo Daratls vendem duas pipas vasias que sao de espirito de rs. a duzia.
agurdente, arquiadas de ferro.______________I nf#g vstidiihaA
- Vende-se urna morada de casa terrea muito je ^j, para meninas, pelo baratissimo pre-
s, cozinha fora, quintal, j .. !T "
- do Pilar n. 18: co ae *.ooo rs
Lencas ae seda
*^ : : : vvklkJkMJkJm
Ao n. 29.
NOVM Iijii OVM liiiititrirtix. nm do QiifivMdo.
La.--.d<- ultimo gusto, eovado a 440 rs. ; orga-
dis de padroes lindksiotog, varas a 800 rs. to-
ldes de .arcos o.melhor possivel, a 35800. W :
alpaca de linho para vestidos, eovado a 240 rs. ;
rambraiae de eorea paia vestido, eovado a 280 rs.-;
cambraiela muito lina, pei-a de 12 jardas a 75 ;
rasga lisa pellc de ovo, pera de 12 jardas a 75500.
Ao n. 29.
S'uki lojii iot biinileiiot. nm Paletttt 4e merino set-m. fazenda de custo de
904 poi \Ol ditos de alpaca preto a 35200; bnu
liranco lona, vara a 640: biim de cores |>ara cal-
ca, eovado a 480 rs.; camisa* com peitos de fuslao,
:i 15600; ciiapas de sol de alpaca, a 35500.
Ao n. 29.
Noca loja iot barateiros,.rua do Qucimado.
Para acabar.
Bicos preto de linho. vara a lio. 160, 240 c 320
i -.: ricas franjas.e trancas pretas e de cores, vara
a 120. ion e 200 rs.; trancas e gJoes de laa e de
atgedo, pecas de 10 e 15 varas, a 200 c 400 rs.;
froco lino e gfroaaa, iieea a 100 rs.; vestidinhos de
cambraia bordados, para baptisiuo, a 25-
9
-
m
Cairado fraucci, na leja do vapor,
i\ova u. .7.
ra
digno deatteneao os novos sorti-
mentos de cajeado" francez, chegado
dita loja, e mui especialmente as mo-
dernas bolinas com differentes e novos
enfeites para senioras e meninas.
Alilga-se um BlkttO
r. res po n. 10, n. leja.
cozinhein1 : na ruado
Aloga-se a easa tor{a da ra knperial n.
66 : os pn-icndcntes diriiam-s*; Caixa-Filial.
Preasa-se de unta ama de >ite,
mas que taa, (mando muito at 6
mezes decorrdos na criaco de que
se ade encarregada: na ra estreita
ilu Rosario n.31,3 andar, por cima
ilo armazem de trastes do Sr. Mu-
rena.
A pessoa que annunciou uor este jornaTpre-
cisar-de 4005. dando urna escrava jxir garanta :
pode ptocurar na ra Nova, eslaltelecimento de
carros de Quinteiro & Agr, das 10 lloras do dia
as 11.
Jtmda Silva Hamos, medico pela t'm-
versdade de Coimbra, d consultas em
sua horas da aianha, e das 4 s 6 da tarde,
recebe asnalmente convites para dentro
ou forado cidade, com ofim de se encar'
regar de qualquer servico de sua profuv
sao.
Os clianiatJos deve ao vir por escriplo.
- Precisa-*e, pelo tem que se convenconar.
daquantia de 9005 a 3 0|0 ao mez, pagando-sc os
uros no fim de tod^ os mezes : quem este nego-
1*16 quizer annuncie. ________________^_
Offerece-se
um rapaz que entende perfeitamentc do trafico de
padaria, para caixeiro ou para oirtro qualquer ne-
gocio : quem precisar annuncie._____________
Aluga-se a loja da sobrado, sito no pateo do
Terco n. 12, tendo armaco para taberna : a tra-
tar na roa da Praia n. 36.
BASCO VSllO
ESTABEI.EC1DO NACIADE DO PORTO
Agenfcs eiu Pcrnainburu
Antonio i.u / de Oliveira
Azevedo i C.
Sacara jr todos os paquetes subre o
mesmo banco praso oa viste, sobre a
caixa filial Lisboa, e agencias em F.
.iii'ira, Coimbra, Aveiro; Vizen. Villa-
Real, Regoa, Vianna de Castello, Guima-
res, Barcollos. Lamego, Covilhaa, lii aga,
Penafiel, Braganca, Amarante, Angra,
Uha da Terceira, Ilha de Faias. Illia da
Madeira, Villa do Conde, Valonea, Bastos,
Oliveira de Azcmeis, Chaves e Fafe, a
oitodias vista ou ao prazo ipie se conven-
cidnar,no seu escriptorio na da Cruz
n. 1.
de olhos;
depeito :
dos orgos geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rio examinados na ordem de suas
entradas comeeando o trahalho pelos
doentes de ollws.
Dar consultas todos os das OH
(i as 10 ila manha, menos nos ilu-
minaos.
Praticar toda e qualquer opera-
.co que julgar covcnicnU> para 9
jtnompto restabelecimento dos seus
doentes.
pelo barato preco de t:ooo rs.
Saias de fasta*
pelo baratissimo preco de 5:5oo rs.
Untas de eaaaraia
brancos finos, proprios para algil*ira, duzia
a 1:8oo e 2:ooo rs.
Learas de cassa
uso, um terreno com 102 palmos" de frente e 300
de fundo, com porto de embarque, situado na ra
do Brum._______________________________
ATOCiO.
Vendem-se ttulos de divida de d,o37,307 rs.,
sendo o principal do dehilo de Manoei Jos Leite,
logisla, qne leve estabelecimfnlo na ra do Quci-
mado com a casa de James Crabtree k C, em li-
quidarn, sendo para fechar cuntas e logo se an-
nunciar mais outras dividas: na ra do Trapiche
n. 19.
COMPRAS.
Comnrain-se dous ornamentos sbalos en-
carnado e braneo. verde e roxo, que cstejam em
boni uso, com os seus pertenecs, calix, missal e
pedia: em easa do sacnrfctao da ordem terceira
de S. Franciseo._____________
F'&RIHHA SUPERIQr,
Vende-se a retalho aliordo do brigue Mel-
lo Ia, o qual se acha atracado ao trapiche do
Baro do Livramento, e em porcao: trata-se
com Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C,
no seu escriptorio ra da Cruz n. i._______
\c mi eme caixes vazios pro-
prios para bahaleirosa 1$280, oa roa
das Cruzes n 44.
boa, com 2 salas, 3 quartos.
na ra do Areal, atraz da igreja
no pateo do Paraizo n. 10 se dir quem vende.
Vende-se a casa terrea da ra do Rosario da
Boa-Vista n. 38 a tratar na ra da Roda n. 36.
Vende-se urna mulata de idade de 24 anuos
pouco mais ou menos, tendo as habilidades seguin-
tes: sabe bem engommar 'cosinha o diario de
urna casa, lava muito bem, fiel, nao tem vicios >
nem achaques e vende-se por preco commodo pre-
fer ndo-se vender para fora da provincia ou mes-
mo para algum engenho que nao seja perto da ci- finissimos, proprios para algibeira, pelo ha-
dade; o motivo desta venda se dir ao comprador:, ratissimo preco de 2:4oo rs. a duzia.
em Olinda no Varadouro taberna de Antonio Ledo Ctrtes de caira
Sevende-senarua dos Guararapes n. 28, um de ganga mesclada, de listas e deqoadros,
bomescravo proprio para o servico de armazem; fazenda superior, pelo baratissimo preco de
ou de sitio, 4 carros ae carregar gneros, em bom J :2oo rs. O Crte.
Pecas de madapoln
largo superior, pelo baratissimo preco de
8:ooors.
Pecas de brclanba
de rolo com lo varas, pelo larato prtro de
3:2oo rs.
Pecas de raatbraia
de salpicos, fina, com 8 12 varas-, peV> ba-
rato precio de 4:ooo rs.
Atoalbades de liak*
com 8 palmos de largura proprio para toa-
lha de meza, a 2:5oo rs. a vara.
Toalhas
de linho para meza, a 3:ooo rs.
Barege
de lindos gostos, pelo barato preco de 48o
rs. o eovado.
F.strira da lidia
propria para forro de sala, de i, 5 e 6 pal-
mos de largura._________________________
Cal de Lisboa e potassa da
Rsala.
Vende-se na ra da Cadeia do Recife n. at, para.
onde se mudou o antigo e acnditado depueito 'la
mesma ra n. 12, ambos os gneros sao *
legitmC'S. e se vendem a preco mais barato d> -po
outra qualquer parte.______________________
- Vende-se urna preta de 22 ann<* de idav,
sabe engommar, cosinbar, lavar e cnier ; protender, v a ruado Amonm, n. 50. .pie achara
com quem tratar._________________________
Farinha de mandioca
em saccas grandes, e de superior qualida-
de : no armazem de Tasso Irmos. ru.i
Amorim n. 35.___________________-
Admircm as las baratas.
Superiores las de cores de qualrinli
lisas, fingindo sedinhas de duas larguras,
pelo baratissimo preco de 500 rs. o eova-
do: na loja das columnas na do Crespo n.
13, de Antonio Correa Vasconcelk A C.
Assucar do Monteiro
Ra do Imperador n. 28 e caes de Apollo n.
67, a 200 rs. a libra, e de 8 libras para cima
a 5^600 aarroba.
Vende-se urna boa preta com idade de 30
annos, pouco mais ou menos, cozinha e engomma
perfeitamente, e d-se para esperimentar, a figura
nao boa, porm urna boa escrava para o servi-
co de qualquer casa : na ra do Queimado, loja
de miudezas da boa fama n. 35.______________
Vende-se a taber-
na sita na (ravessa dos
Expostos n 18; a tra-
tar ame mi.
Cola da Babia
Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo, no seu escriptorio, ra da Cruz n. 1.
MUDANCA.
vinlin do Porto superior.
Vende-se em caixas de una duzia : no escripto-
rio de Antonio Luiz Oliveira Azevedo & C.
Vendem-sc globos de louea lindamente vi-
drados, proprios para collorar por enfeite em cima
dos parapeitos das frentes de propriedades, assim
como ricos vasos para flores, e piihas para afor-
moseamento de jardins : na ra da Praia n. 36.
Compra-se eem millieiros de lijlos de atro-
nara grossa,a dinheiro, sendo de boa qualidade :
a tratar na ra da Matriz da Boa-Vista, casi n. 54,
Daaeja-se saber ende existe Adrio Jos da
Itwlja que pelos annos.de 1831 a 1833 foi caixeiro
da casa de Faria 4 Lopes, na ra do Queimado
desta eiliade. do qual sua familia desde o anuo de
1838 na tem noticia quem souber dar noticia
dclle na.rua do Crespo n. fcl para se lhe entregar
umacarta, Alugam-sc duas grandes.easas terreas beira
do Capibaribe, na travessa da ponte de Ucha
Saat'Anna, cm baixa de capn fi arvoredos, ten-
do urna della.s |1 ^alas, 4 quartos, ^otao, e indepen-
dentescosinha, 2 quartos, eestriha/t; e a outra 3
salas, 5 quartos, .soto com janellas, e grande-cos-
nha, com calcada no ouad do lado do norte, jar-
dim, coxeira estribara, e 1 quarto para creado;
iratar na ra da lfatigeira na Boa-Vlst^ i^, 4 ou
ra do Amorim no Recife, n. 54.
( abaixo assignadlT declara ao res|ieltaml
carpo do commercio desta prnca e ao imblicoem
geral, que desde o dia 1." do orrente deixou por
motivos justos de ser sen caixeiro o Sr. Ignacio
Silva, e previne que desde aquella data nao se res-
ponsabilisa or cousa alguma ou trnsameles feitas
felo mesmo. Manoei Alves Perreira.
AMA.
Offerece-se urna mulher para ama de qualquer
casa de familia, sendo boa eozinheira, e para todo
o mais servico de portas dentro, menos engom-
mar r qiwni precisar, dirija-se a travessa da Ma-
dre de R*o n. i, que ahi se dir quem .
esquina da ra Velha.
- C^nmra^se una ou duas vaccas paridas ha
pouco tempo, ou que eslejam prximas a parir :
na Estrada Nova, primeiro sitio depois da primei-
ra lomba a direta.
Compra-se um mulato de idade de 16 20
annos, proprio para p#em, e una negra que cosi-
nhi e engoinme bem, uarua da Crian. 1.______
Cobre, latan
bola amarella.
rador.
Compra-se
e chumbo velho, no armazem da
no oiao da gaz da ra do Impe-
Aluga-se um molcque de 16 annos:
na ra das Aguas Verde? n. 92/
Anda est para alugar-se a grande casa da
ra de Joao Fernandes Vieira n. 52, com 4 salas,
7 quartos, cosiuha fra, quintal todo murado, com
portao para um sitio tambem murado, que tem
boas fructeiras e urna baixa de capim : tratar na
mesma casa.
Compram-se Diarios ou jomaos: na ra No-
van. 5.___________________________
(kimpra-sc um methodo de msica de Ro-
dolplio com algum uso : quem tver para vender,
dirija-se a ra do Aragao n. 8, se dir quem com-
1 pra.___________________________________
Compra-se effectivamente ouro e prataem
obras velhas : na praea da Independencia n. 22 lo-
ja de hilhf tes.
VENDAS.
Aluga-se a casa terrea n. 72 na ra Imperial
com 6 quartos, quintal murado e cacimba : a tra-
tar com Jos Dias da Silva, na ra do Imperador,
sobrado n. 2, entrada pela ra de S. Francisco.
HTTENCHO.
As pessoas qe encommendaram sinetes na casa
de Delouche ra Xova n. 22, tenham a bondade de
os vir buscar.
ZAHORA.
DRAMA HISTRICO PELO OR. THEBERGE, HO
QURL N&O INTERVEM PERS0NI6EI
FEMENINA.
Na ra Nova n. II vende-se a l^ooo o
exemplar. j___________^l
m&
E
O rival sem segundo mudou o seu eslabe-
lecimeiito do a. aa paioo u. 4 ua mesma
ra o contina a vender em todas duas lojas
as miudezas abaixo declaradas e queiram
prestar toda aencftii:
Sabonetes inglezes muito finos a
160 e......... '00
Frasco dagua de colonia peque-
o muito lino...... '"
Dito dito grande muito superior. 500
Frascos de macassar perola a. 00
Ditos de macaca oleo a. 100
Frascos de oleo Barbosa a iO,
320 '......... 40
Dito dito muito superior a 500 e 640
Dito de banba muito fino a 400 e 500
Frascos de Lavande muito superior. 500
Garrafas dagua celeste muito su-
perior a........ l.$000
Frascos de cueiro muito linos
500e......... 00
Ditos de banba pequeos muito fina. 200
Dito de opiata pequeos. 200
Thesouras muito linas para unbas. 400
Gravatas de seda de cores 500
Luvas brancas de algodo ... 100
Caivetes de 2 folhas muito finos. 320
Caixas de colxetes francezes e car-
toes ........ 40
Grampos de caracol e lisos. ; 40
Caixas de vidro com i 2 dedaesde
metal......... 320
Massode palitos lixadospara dentes. 160
Grosas de botes de ac para calca. 320
Caixas com 6 frascos de cheiro. i000
Escovas para cabello muito finas 640
Carteirasdemarroquimmuitofinas. 640
Pecas de tranca lisa encarnada. 20
Tinteiros com tinta muito superior.
Ditos de vidro com tinta mais in-
ferior......... 100
Cartas de alfmetes francezes 40
Cornetas de chifre para meninos 80
Mais barato nao pode ser.
Lindas cassas francezas de cores miudinhas, superior qualidade a 200 rs. o eovado :
das colninnas, ra do Crespo n. 13, de
Correia d Vsconcellos C.
L FBITA
Vende-se na ra de Joao Fernandes Vieira, sitio
de grades encarnadas n. 7, um excellente e delica-
do cavalinho alasao, de lioas carnes, muito novo, o
- Jos Ignacio Uibero Roma, Alcxandre Go-1 nias pequeo que se peder encontrar nesta espe-
mesde Argollo Ferio, ajudantes do corno de guar- j cie, muito proprio para menino pelo jeu diminuto
nicSo e 2." batalhao de infantaria para livrarem-se tamanho, booiteza e mansido.
de mao juizo que o publico pode fazer, declaram
que nao se entende com nenhum dos dousoan-
nuncio inserido no jornal de 4 do corrente.
Vender um mulatinho de cor clara, sado,
muito jntelligente, de 12 annos de idade, proprio
Recife 4 d7a?osW"S 1863. -7osTgnacio Rl- | ^JT^X^CX 26"ttalar'1* "*
beiro Roma, alferes ajudante. Alexandre Gomes Sde-dade n. 66, que achara com
de Argollo Ferro, alferes ajudante do 2. bata-
lhao.
Ainda sta para alugar-se o sobrado na ra
dos Coelhos n. 10, onde morarara os padres lasa-
ritas._______________^________
Cezlaihelro.
Ha um para alugar-se : na ra do Crespo nu-
mero 20, B.
MUITO BARATO.
Precisa-se de um
Hangel n. 9.
bom forneiro : na ra do
Joao Antonio Carpinteiro da Silva retira-sa
Cara Europa deixando na gerencia de seus esta
^cunemos seu socio e sobrinho
tetra a Silva, que tambem fie
mais n^ftcios do annunciante como seu procura-
dor. Recife 4 de agosto de 1863. ______
~_ o hacharen Francisco Augusto da Costa tem
estabelecido o ge"u,scr'Ptor'0 ae advogadn na ra
do Imperador n. 69, ttl'de pode ser procurado da*
0 huras da maiihaa s ,' da tarde. Encarroga-so
de questao nos termos do Cabo, Escada, Ipojuca,
Agua-Preta e Olinda.
O Sr. Manoei Joaquim de, Oliv.va devendo
bastante nesta praca, nao se pode retirar /Sm I""i-
melro entender-se com os seus credores.
Na ruado Queimado n. 10 loja de Fer-
ro & Maia vende-se la malisada a 200
s. o eovado, chales de touquim a 6, 7 e
ditos de la e seda a 1*800.
na loja
Antonio
Ra da Senzalla n 42.
Vende-s, em easa de S. P. Johnston A C,
sellins e silbes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para canos montara, arreios para
carros de um e dous cavados, erelogios de
ouro patente inglez.______________
Vende-se um carro de 4 rodas c com arreios
forrado- de novo, muito forte, e sem defelto, pro-
prio para passeio : na ra do Queimado, loja nu-
mero 14. waV.
NO
DE
X.ETHEIRO VERDE.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento compleio de roya i- mi
y todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, voulade dM www-
M rentes, para o que tem um dos melhores professores, assimeomo tamliem tem um ,?-
W6 grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para *>nhuras,
homens e meninos.
30o000 Cohetes de fusto e brim bi .in-
25!>O0O| co, 35500, 35 e ....
i Sen-nas de brim
Su
105000'
7-5OO01
3^500
Casacas de panno preto, 355 c
Sobrecasacas idem, 305 e .
Paletos idem e de cores, 255,
205, 155 e......
Ditos de casemira, 205, 155,
125, 105 e.....
Ditos de alpaca, 55 e. .
Ditos ditos pretos, 95, 75,
5e......
Ditos de brim e ganga de co-
res, 45500, 45, 35500 r. .
Ditos braneo de linho, 6>. 55 e
Ditos de merino preto de cor-
do, 105, 75 e.....
Calcas d casemira preta, 125,
105, 85e......"5000
Ditas de cores, 95, 85 e. 75000
Ditas de meia casemira de co-
res, 555O0 e.....
Ditas de princeza e merino pre-
to'de cordo, 55, 45500 e
Ditas de brim braneo e de co-
res, 55, 45500, 45 e .
Ditas de ganga de cores,
35500, 35 e .....
Cohetes de velludo preto e de
cores, 95 e......
Ditos de casemira preta, 55 e
55
55000
45000
45000
25500
25500
t linh".
2H0O e......
Ditas de algodo. 15600.'. .
Camisas de peitos de linli",
U, -s- :'-> e.....
Ditas de madapoln. 9$,
24300, 2|6.....
Chapeos de massa, preto*!-
35000 ' IW, Me.
'isooo Ditos de lltro, W, i|>3JS00
Ditos de sol. de seda, 14*,
115. 75 e.....
Cnllarinhos de linli" ato, ulti-
ma moda.......
Sortimento completo da ajnpm-
tas.
Toalhas para rosto, duzia, 115,
95 e........
Atoalhado adamascado de li-
nho vara......I280
Chapeos deso, dealjiaca. pre-
Uis e de cores.....
\ Lences de linho.....
i Cobertas de chita chineza.. .
75000 Pennasd'aco, as mais superio-
45000 ros, a grosa......
I Relogios de ouro orizontaes,
905,805 e.
galvanizad!'.
Ditos de ditas de cores
e........35500
Ditos de setim preto. 55000 Ditos de pala,
Ditos de ditos e seda braneo, patentes e orismitaes. 1011
65 e ... 55O00 Obrasdeouro.aderecos.meos
Ditos de'gorguro de seda aderecos, pulceiras, rozetas
pretos e de cores, 65, 55 e 45000
siio
I MlM
-VI0
I SIMIO
fU3on
tmo
', >:>ih i
6'iO
li'MMNI
4-S000
3IM
VM
uto
uv*m
3O-S409
aneis e cruzes.
E.argo do (armo, esqua da ra
de Hortas n. ..
vendem-se queijos do reino muito frescotes a 25:500
e 1*900 cada um, ditos do sertao a 780 a libra,
ditos de prato a 760, ditos londrinos a 900 rs.,
manteiga ingleza flor a 900 e 800 rs., chourieas
- Vendem-se 5 vaccas pandas, do pasttf: quem novas a 4g0j gaipjccs a 560, passas novas a 440.
as pretender e quizer ver e tratar na estrada do Velas de carnauba a 400 rs. a libra, e em* arroba a
Rosarinho sitio da capella.
TJS^t^JVo armazem de fazen-
11*, bolachinha ingleza a 160 e WO rs., dita de
araruta a 280, gomma a 80 e 120 rs., farinha de
araruta a 240, assucar braneo em caroco muito
alvo a 120 rs., carne do sertao legitima do Serid
das baratas de Santos.*.;**
Coelho ra
mudo n. 19
do Quei-
rs., toucnbo de Lisboa a 320, amendoas a 120 rs.,
outros muitos gneros em conta
Vende-se pechinchi.
CAMBRAIA LISA.
Poca de cambraia lisa fina para com 8 i\i varas
pelo baratissimo preeo de 4JL
Vende-se a armacao com todos os pertences
o gas da taberna da ra da Lingoeta n. o : a tra-
tar na ra da Cruz n. 36.
Cal de Lisboa
a mais nova do mercado : na Vua do Vi gario n.
19, primeiro andar.
DE
TODAS AS QliLIWADES
BE
ANTONIO MAIA DE BRITO
C0NHEC1DA POR FABRICADA VIUVA.
N. 21Antiga ra dos Quarteis de policia-N. 21.
Constando ao annunciante, que alguns especuladores de m t, *mot tm*>
que gosam os meus cigarros, e para poderem dar consumo aos se,,^",^^if^i,;l'>
2a praga como pelo mato, iUudindo os meus fregu, ^^^^S^ZL
doios meus cigarros sao vendidos na minha labrica, e nao mando pessoa alguma >ender
por minua conta fra della, faco o rusente annuncio para evitar que comprem gal. p*
lebre ; para seguranca dos senhor^nsumidores deste genero e especialnvnte^^ >^
freguezes aviso pie todos os massos de cigarros que forem vend.dos najntnha Unu
marcados com un distinctivo que declara o meu nome, o nome da ra e o numero
mesrna osa. gcientificar aos mesmos senhores, que coostanirtaenu-
ena>Zlc2pSSmenU> de cigarros de diversas qualtdades, e do dbor fumo
escohiido, por sua boa qualidade ja bem couhecida.



k
i-


'
NOVA EXPOSICIO
u loja do Pavo, de fazendas bara-
tissimas.
Neste estabelecimento acha-se constante-
mente un grande sortimento de fazendas
de gosto e de primeira necessidade, sendo
tanto proprias para a praca, como para o
mato ; de todas as fazendas dSo-se livros de
amostras, deixando ficar penhor, ou man-
dam-se levar em casa das familias pelos ca-
xeiros da loja do Pavo.
UUs com 8 palmos de largura,
na loja do Pavo.
Vendem-se laazinha enfestada propria para
vestidos, com 8 palmos de largura, sendo
fazenda mais moderna que tem vindo ao
mercado pelo baratissimo preco de 1(5600 o
covado: s na ra da Imperatriz n. 60, loja
do Pavo.
Cassas a O rs. o covado.
Vendem-se cassas francezas de padroes
miudinhos e cores fixas pelo barato preco de
200 rs. o covado; ditas finas a 340 e 320
rs. o covado: s na ra da Imperatriz n. 60,
loja do Pavao.
Organdy, a 940 rs. o covado,
na loja do Pavo.
Vendem-se organdy de cores matisado, fa-
xenda que val muito mais dinheiro, pelo ba-
rato preco de 240 rs. o covado ou 400 rs. a
vara: so na ra da Imperatriz n. 60, loja
do Pavo.
O Pavo vende os modernos ves-
tidos a bal 3o,
com barras Mara Pia, sendo os mais
modernos que que tem vindo ao mercado,
com a saia de um s panno, tendo bastante
fazenda para o corpo, e vende-se pelo barato
preco de 30500 cada um: esta pecbincha
s existe na ra da Imperatriz n. 60, loja e
;trmazem do Pavo.
Cortes de fantasa, a *#. na
loja do Pavo.
Vendem-se ricos cortes de cambraia fanta-
seadas seda, pelo baratissimo preco de 6)5;
lilas, a 40; ditas, a 3)5500: s na ra da
Imperatriz n. 60, loja e armazem do Pavo.
Cortes de cambraia, a '#500.
na loja do Pavo.
Vendem-se cortes de cambraia brancos cora
i libados, a 20500; ditos, a 40; .ditos com
barras e babados de seda, a 35, 3)5500 e 40;
s na ra da Imperatriz n. 60, loja e arma-
zem do Pavo.
Cortes de cambraia chineza, a
4#, na loja do Pavo.
Vendem-se ricos cortes de cambraia chine-
za, os mais modernos que tem chegado, sen-
do brancas com lindissimos padroes, pelo ba-
rato preco de 40 cada corte, tendo bastante
fazenda para um vestido: isto s na ra da
Imperatriz n. 60, loja e armazem do Pavo.
Bales a : #500. s o Pavo.
Vendem-se bales americanos que sao os
rnelhores, tendo 20 arcos, a 3.5500; ditos
le 30, i i 800; ditos de 40, a 50; ditos
bramante, a 33500 e 43; ditos para me-
Alpaklm ou gorguro de llnho.
alO rs., s no Pavo.
ntremelos da arara.
Vendem-se pecas de entremeios transparen-
tes a Id, tiras bordadas de largura de 3 a 4
Vendcm-sealpakim ou gorguro de hnho,J> *, ^ ^m ^^rte deia
proprio para vestidos e roupas de enanca, i f^pa a ^ ^ ^to chineza com
22 covads a 8,5, ditos de organdys com 15
varas a 80, ditos com 9 varas a 60500; na ra
da Imperatriz n. 56; arara de Mendes Gui-
mares. .
Diarlo de Pcrnambuco Quinta eira de Agosto de IMta.
pelo barato preco de 240 rs. o covado: s
na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
Os manguitos e gollnhas do
Pavo.
pechincha, a 32Q e a 100 rs.
Vendem-se golinhas de fil, bordadas, a
400 rs.; ditas de cambraia, a 320 rs.; cal-
cinhas para meninas, a 500 rs.; manguitos,
a 500 rs.; manguitos com glinha; a 800
reis ; manguitos de cambraia, a 320 rs.: s
na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
Lzinhas a tOO rs. o covado.
Na loja do Pavo.
Vende-se lzinhas de cordozinho de urna s
edr, seado arnl claro, azul escuro, ferrete, cor de
cafe claroe escuro, alvadiq, roxinhas proprias pa-
ra luto, sendo fazenda qa val muito mais dinhei-
ro vende-se pelo rminuto preco de 200 rs. : s na
loia do Pavao ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Com 8 i/3 varas, a 2:500 rs. vende o Pavo.
Pecas de cambraia transparente com pal-
minhas bordadas de cor, tendo 8 lr2 varas
cada peca, a 25500; ditas mais finas, a
30500; pecas de cambraia de salpico bran-
co com 8 lr2 varts, a 4(5: s na ruada
Imperatriz n. 60, loja e armazem do Pavo.
Novas casemiras a 2$600 o corte na
loja do Pavo,
Acaba de chegar um grande sortimento de ca-
semira enfestada sendo propria para paletot, cal-
Cas e colletes, capas para senhora e roupa para
meninos sendo de todas as cores claras, escuras
lisas e mescladas : vende-se a 25600 o corte para
calca ou a IfioOO o covado por haver grande por-
co, isto s na ra da Imperatriz n. 60 loja e arma-
zem do Pavo.
ninas,
u n ii.
a 2:> e a 34;
, s na ra da Imnera-
l mies de chita, a 9#500. na
loja do Pavo.
Vendem-se cortes de chita com 12 1)2 co-
rados cada um. a 25500; ditos com 10 cova-
ds, a 20: cortes de cassa miudinha de co-
res fixas com 10 covados, a 20; ditos de
organdy mathisado com 10 covados, a
20100: saaroa da Imperatriz n. 60, loja
do Pavo.
As casemiras do Pavo pechin-
cha a 3g.
Vendem-se cortes de casimira franceza para
caira, fazenda muito fina, padroes claros e
escaros, a 54 o corta: 8d na loja do Pavo.
roa da Imperatriz n 60.
O Pavo vende a 3g e .
.orles de la, a 35 e 30500; ditos com 22
royados, a 50: s na* ra da Imperatriz 11.
60, luja e armazem do Pavao.
h() na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
Fustn do Pavo.
Vendent-M fustao com lavr miudmbo
para roupa de meninos, a 320 rs. o covado ;
brim de linbo da quadrinhos para roupa de
meninos, a 500 rs. o covado; gangoelim
ile nina s cor, a 320 rs. o covado; popelina
de la, de quadrinhos encarnados e pretos,
para vestidos de senhoras c roupa de meni-
111 is. a Ii5 o covado: s na ra da Impera-
trii n. 60. loja e armazem do Pavao.
lh palelols do Patn, assobrecasarado a 12:000 rs.
Vendem-se paletots de panno, sobrecasacas
de panno preto muito bom e muito bem
feitas, a 120: sobrecasacos de dito, a 145;
paletots sacos de dito, a 7(5; calcas de cache-
mira da Escossia, a 3)5 ; ditas de casemira
preta, a 5.5; ditas de casemira de cor, muito
fina, a 7)5 e a 35500; coletes de casemira de
cor e preta; paletot de casemira de cor,
a 75; tudo isto para apurar dinheiro: s
na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
Cortes de carbemira da Escocia, a 2:000, na
loja do Pavo.
Vendem-se esta nova fazenda muito encor-
dada imitaco de casimira, tendo padroes
escaros e alegres, afiancando-se que nao des-
lila, a 25 o corte para calca, ou580rs. o co-
vado para paletot, coleto etc.: s na loja do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60.
Fazendas brancas, na loja do
Pavo.
Vendem-se pecas de madapolo entestado,
francez, com 20 varas, a 8)5; ditas com 12
jardas, a 45; dito inglez muito fino, a 70,
75500 e 85; ditos muito superior,-a 100;
ditos de 40 jardas muito fino, a 45800 e a
55600; atgodozinho muito encorpado, a
4)5800, 55500 e 65; bretanha com 4 pal-
mos de largura, muito fina, a 10 avara;
pecas de cassa de cordo para babados, com
6 varas, a 30500 ; ditas com 12 varas, a 7$:
Pechincha, a 500 rs. o covado,
s o Pavo.
Vendem-se as mais modernas lzinhas
enfestadas, transparente, tendo 4 palmos de
largura, e sendo lizas e de quadrinhos, de
urna s cor, propria para vestidos e capas,
a 500 rs. o covado: s na loja do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60, de Gama Silva.
GRANDE LIQUIDACAO
de fazendas para apurar dinheiro, por
baratissimo preco na loja e arma-
zem da Arara ra da Imperatriz 11.
56 de Lourenco Pereira Mendes
Guimares.
ALERTA FREGITZES, i 200 RES.
Vendem-se Jaziohas com pequeo toque de
mofo para vestido a 200 rs. o covado, meias
para menino* a 100 rs. o par, ditas para ho-
mens a 120 rs., lencos brancos finos a 200
rs. cada um; na loja da arara ra da Impe-
ratriz n. 56.
Arara vende vestido de chica a
30OOO.
Vendem-se cortes de chitas escuras com to-
que de mofo a 25000, ditas limpas sem
mofo a 25500 e 35000, cortes de cassa de
cores de barras a 25000, ditas de cassa pin-
tadas a 25000; na ra da Imperatriz n. 56 de
Mendes Guimares.
Organdys da Arara a 40.
Vendem-se organdys finos para vestidos a
240 rs. o covado, cassas finas a 240 rs. o
covado, popelina de quadrinhos para vesti-
dos a 280 rs. o covado; na ra 3a Imperatriz
arara n. 56 de Mendes Guimares.
Arara vende as lzinhas dos
we#ll. ,. .
Vendem-se laaziimas muito finas e lindos
dezenhos a 400, 440, 500 e 640 rs. o cova-
do, ehaly muito fino a 500 rs. o covado: na
ra da Imperatriz n. 56 arara de Mendes
Guimares.
Roupa feita da arara.
Vende-se costumescompletfis d"uma fazenda
chineza por 125 o costume, paletots de brim
a 25500 e 35000, ditos de meia casemira
escura a 45 e 45500, paletots linos a 65500
e 85000, calcas de meia casemira a 35000,
ditas finas 55500 e 65000, ditas de brim a
25500 e 350OO, ditas de brim branco a 45,
casemiras francezas a 15600 e 25000, ditas
finas a 25500, ditas de linho a 35000, ce-
roulas francezas a 15600, camisas de meia a
800 e 15000; na loja da arara ra da Impe-
ratriz n. 56 de Mendes Guimares.
Oh! que pechincha a a 10 rs.
Vendem-se chitas francezas escuras com pe-
queo toque de mofo a 240 rs. o covado,
ditas inglezas com pequeo toque de mofo
a 200 rs. o covado, pecas de ditas francezas
com pequeo loque de_mfo a 85000, pe-
cas ile ditas inglezas escuras cores fixas com
pequeo toque de mofo com 38 covados a
"5500. 1 ellas freguezes antes que se a ca-
bera; na loja da arara ra da Imperatriz n.
56 de Mendes Guimares.
Madapolo
francez enfestado a
M4HM.
Vendem-se pecas de-madapolo francez fi-
no enfestado com 12 jardas a 45 e 45500,
dito nglezes fino de 24 jardas a 75, 85,05,
e 105000, pecas de algodo encorpado a 45
455OO, 55 e 65; na ra da Imperatriz n. 56.
Chitas da arara.
Vendem-se chitas-francezas finas a 320,300
e 400 rs. o covado, riscado francez a 280
rs. o covado, aberturas para camisas a 240
rs., ditas de linho brancas a 800 rs. o cova-
do, tarlatana de cores a400rs.avara; na ra
da Imperatriz n. 56.
Cortes de casemira da arara.
Vendem-se cortes de casemira enfestada
escura a 25, cortes de brim para calcas a
15 e 15220; na ra da Imperatriz loja da arara
n. 56 de Mendes Guimares.
Arara vende as col xas.
..*.
ENFEITES PARA SENHORAS
CHEG4D0S PELO VAPOR
S para o Vigilante roa do Crespo n. 7.
Sao chegados os novissimos e riquissimos en-
feites para cabera, pois com a vista nao lla-
vera senhora que deixe de comprar um bo-
nito enfeite: s no Vigilante ra do Crespo
n. 7.
Luvas de pelea.
Tarabem chegaram neste mesmo vapor um
completo sortimento de luvas dejouvin
brancas e de todas as cores;,tanto para ho-
mens como para senhoras: s no Vigilante
ra do Crespo n. 7.
Perfumes.
Tambem chegou um completo sortimento de
perfumarias dos fabricantes mais afamados
sendo de Luvin, Cudr e Piver; sendo
extractos essencios de todas as qualidades,
pomadas, banhas, sabonetes, agua de Co-
lonia, vinagre virginal da sociedade hygieni-
ca, agua florida, agua balsmica para den-
tes, frasquinhos com superiores pos para
dentes, caixinhas com um frasco d'agua,
pos e todos os prepares para limpar den-
tes, olos de todas as qualidades para ca-
bellos, e outras muitas cousas mais: s no
Vigilante ra do Crespo n. 7.
Tesouras e caivetes.
Tambem chegaram um completo sortimento
de tesouras dos mais afamados fabricantes,
tanto para unhas como para costuras, ras-
padeiras para papel, caivetes de maqui-
na, focas de um e dous botoes, tudo do
mais superior que se pode encontrar: s
no Vigilante ra do Crespo n. 7.
Papel de fantasa.
Tambem chegou um grande sortimento de
papel de fantasa branco, bordado e lios
douradinho, de lindas cores, assim como
, de peso e almaoo, assim como muitos ou-
tros objectos de muito gosto que se torna-
riam enfadonho annunciar, que Seus pre-
ces sero por menos do que em outra
qualquer parte: s no Vigilante ra do
Crespo n. 7.
Volantes e terinas.
Recebeu grande sortimento de volantes, teri-
nas, rendas douradas e prateadas, bicos es-
peguelha e gales de todas as larguras,
vendendo-se tudo por precos baratissimos
principalmente sendo em pecas: s no Vi-
gilante ra do Crespo n. 7,
Relroz e linha.
Tambem chegou um grande sortimento de
retroz do Porto do melhor fabricante; sen-
do, preto, azul ferrete e cores sortidas, a
1 i,000 rs. a libra, linha de miada de ROriz
ecabeca encarnada, que seus precos sero
baratissimos: s no Vigilante ra do Cres-
po n. 7.
SEM SEGUNDO.
Ra do Quciinado n. i:, loja de miudezas de
Jos de Azevedo Maia c Silva, est vendendo todas
as suas miudezas por precos que todos admiran),
como sejam :
Varas de aspas para fazer balites. .
Cairas com superiores obreias. .
Pares de botoes de punlios a .
Pares de sapatos de'tranca muito finos
a 15440 e.....".....
Pecas de filas de velludo recortadas com
lo varas a..........
Cairas com muito superior papel amiza-
de e outros a.........
Massiis com superiores grampos a. .
Caivetes de aparar penas a.....
Agulbeiros com agulbas a.....
Duzia de meias brancas para homem,
muito finas a.........
Duzia de meias para senhora, fazenda
fina a............
Cornetas de chifre para meninos a .
Escoras para limpar dentes muito finas .
liarallios de cartas para voltarete muito
finas a..........
Ditas portuguesas a 160 e.....
frascos de agua de Colonia muito boa a
400 e............
Ditos de oleo babosa a 240 e.....
Ditos com superior oleo de macaca a .
Ditos com superior macaca perol a .
Ditos com suprior banha'transparente a
Ditos com superior cheiro a.....
Ditos com superior agua celeste para
cheiro...........
Trancas de algodo brancas e de cores a
Caixa's com superiores obreias de colla .
Bolsinhas muito bonitas para guardar di-
nheiro a...........
Grvalas de seda de diversos goslos a .
Tinteiros de vidro com superior tinta a .
Pares de luvas brancas de algodo a .
Carriteis de linha com 100 jardas, bran-
ca a ............
Fitas e cordoes para enfiar espartilhos a
(liras com colchetes (rancezes superio-
res a............
Candes de colchetes francezes a 40, 60 e
Facas e garfos cabo branco era vado a .
Ditas de cabo branco cravado a. .
Ditas de balanco muito linas a .
Tesouras para" cortar, pequeas e finas
a 200 e...........
Tesouras para eortar unhas muito final a
Eia, rapasiada, corgfljDl parece queja
entregasteis vossos joanetes aos duros sei-
xos do pessimo calcamento da nossa cidade I
S se observa em vossos ps botinas acalca-
nhadas e^Hasat ultima sola; sapatoes
rasgados e quasi senwsaltos___nem tanto f
a quebradeira nao deve chegar at este pon-
to I Vinde ra Direita munir-vos de excel-
lente calcado com 40 c at 60 por cento
menos do seu valor.... attendei:
Borzeguins, Nantes, bezerro e va-
queta 2 e meia solas.... 8#500
Borzeguins, Nantes, bezerro, va-
queta e lustre 2 solas. 80000
Borzeguins, francez e hamburguez,
bezerro, lustre e couro de por
co 70 e.......; 60000
Sapatoes, Nantes, bezerro e vaque-
ta 2 e meia solas.....50500
Sapatoes, Nantes, vaqueta, iustre e
bezerro 2 solas. ..... 50OOO
Sapatoes, Nantes, sola e vira. 40000
Borzeguins para senhora, inglezes. 40000
Ditos para menina, com laco. 30500
Ditos de ditas, de cores. 2800
Sapatos para senhora e hoaaem,
tapete......... 800
Sapatos de borracha para senhora. 10400
dem idem para meninas. 10000
Sapatos de lustre para senhora. 10000
dem de lustre s avessas ... 500
ARMAZEM DE MOLHADOS
SALSAPARRILHA
DE BBISTOL.
As curas milagrosas de
ESCRFULAS*
CHACAS AMIGAS,
EIFEBMIDADES SYPimJTICAS,
Erysipelas, Rheumatismo,
Nevralgias, Escorbuto,
. etc., ele, etc.,
que tem grangeado e dado o alto re-
nomc
Salsaparrilha de Brstol
por todas partes do universo, sao tao
smente devidas
nica Legitima e Original
SALSAPARRILHA DE BRISTOL,
PREPARADA EXCIXSIVAME.NTE POR
LAXMAX & KEMP, HE \(ii i vi.ifL
JUeatanie a receila do Dr. C. Hnstol.
A venda as boticas de Caors & Barboza,
ra da Cruz, e Joao da C. Bravo & C, ra
da Madre de Dos.
r
eto.
0
M
9
o
W
e
>
1
9
H
8
>
w
P*


Cfc
9
*^
9 m
^^

m ^
9 ^
?w 3.
? usu
a
=
- -
OIEIRAI LER.
Tendo o BAUZA, dado o seu balanco no ultimo dejunhopassado, e desejanco r*-
OOvaro magnifico sortimento de seu GRANDE ARMAZEM, chama pelo ,
attencao do respeitavel publico para os precos dos gneros abano neadmadua
verdade sao os mais razoaveis que se pdem adiar, atienta a goa l'.i quatidade.'
Soldado voluntario do batalhao progresista, o BALIZA o Man .lo BMfr
oto. Elle pede, pois, aos seus bons cantaradas, quemo Unios os t>niiwj<>.
de nao_ Ihe darem um minuto de descanco obrigando-o a vender lodo o
favor
Desta sorte o BALIZA vivir contente e contentar tambem aos seos fregn tes,
do-lhes sempre generosamente, etalvezque ainda por precos mais razoaves.

Ameixas em frascos de vidro, a 10500.
Ditas em caixinhas com lindas figuras, a
1/200 e 20400.
Ditas em latinhas, a 10400.
Amendoas tle casca mole a 320 rs. a libra.
Arroz (Carolina), primeira qualidade, a 120
rs. a bra.
Dito doMaranho, a 120rs. a libra.
500, 800 e 10 o frasco.
Marmelada excellente a 640 rs. a libra.
Ostras americanas (excellente petisco), aHOi
rs. a lata.
Passas a 400 rs. a libra, e em caas a 80
Presuntos de Lamego, a MO rs. i libra.
dem inglez para fiambre viudo de ewmww
da, a 800 rs. a libra.
Azeitonas novas de Lisboa e Porto, a 10 e dem americano, a :oo rs. a libra.
l/200aancoreta.
Azeite doce refinado, a 800 rs. a garrafa.
Dito em barril, a 640 rs. a garrafa.
Dito de carrapato, a 360 rs. a garrafa.
Arroz com casca, a 30 a saca, com 20 cuias
e a 240 rs. a cuia.
Ancoretas americanas de 6 e 12 garrafas,
muito bem fabricadas, a 10 cada urna.
Araruta muito fiua, a 480 rs. a libra.
Batatas em gigos a 10380 e de 30 a 40 rs. a
libra.
a 30 a barrica e
10300.
120'
40;
160
J800J
Io00'
700
40
80.
801
oco-
FAZENDAS BARATAS
NA
Xow loja de Custodio, Carvalho
fc C'ompanhla.
27Ra do Queimado27
Para vestido a 260 rs.
Fustao fino francez para vestido de senhora e
meninas a 260 rs. cada covado.
Cambraia.
Cambraia organdjs muilo fina a 240 r
vado.
GaMahas
para senhora e meninas, pelo barato preco de
Cokerlas
u de chita chineza a 2000.
Golinhas
de linho para senhora a 600, 800 e 1. %|
3201 Lenres .
300! Lences de panno de liuho finos a i$.
Camisiuas
500 para senhora, sendo de cambraia a i&.
Pannos
Pannos adamascados para mesa a l&HOO.
Laa.
F-aazinhas matizadas muito finas para vestido a
440 rs. o covado.
Vestuarios.
Vestuarios para meninas, rfto lindos, a 3i>00.
Cambraia
de linho fina a $ a vara.
Para hilo.
La preta Una, propria para luto, a 300 rs. o co-
vado.
Madapolo
Madapolo fino enfestado, pe^a a 8J>, tendo 20
15600,2^200.
80.
200
500,
100
200,
800
300
l&'iOO
80
80
300
500
160
100
30
80
varas.
400
80
34200
o^ooo
PAPEL
LIQUIDACAO
Vendem-s ricas colxas aveludadas para
cama a 80000, ditas de fustao a 50000, ditas^
de chita a 20000, brim de linho e algodo
branco a 800 rs. a vara," dito de linho puro
a 10,10120, 10280 e 10600 a vara; na loja
da arara ra da Imperatriz n. 56 de Mendes
GuiraarSes.
Bale da arara de "O IO
reos.
Vendem-se os memores baldes que tem
vindo americanos de 20, 25, 30, 35 e
40 arcos, a 40, 40500 e 50, ditos de ma-
dapolo bemfeitos a 30500e 40, ditos de novose'muito inasa WOre.'ocovado.
brilhantina a 40500, bajoes saias de Cordo Laaz'"''as cliinezas muito superiores a 500 rs. o
quefasavezdebaJ5o'a20;naruadalmnera- C0Vild0' e outras multas qualidades de fazendas
ri7 arara n. tfi precos muito commodos, afim de apurar dinheiro,
u \l Arara rende manguitos a
tfooo.
Vendem-se manguitos e golinhas de linho a
20 o par, golinhas para meninas a 400 rs.,
ditas para senhoras a 400 rs.; na ra da Impe-
ratriz n. 56.
de fazendas bamtissiinas, na Boa-Vista, ra da
Imperatriz n. 20.
Cambraias adamaatadas com 20 varas a 85.
Ditas com 8 ditas a 2.
Ditas lisafc com 8 ditas a25.
Fil ieo muito fino a 800 rs. a vara.
Chales de merino estampados a i^l.
Madapolo entre-lino com 20 varas a 8.
Casemiras. linas de urna s cor a 13600 o co-
vado.
Alpodao monstro, superior fazenda para toalhas
e lenges a 800 rs. a vara.
Bramante de 10 palmos de largura a 1#600.
Gravatas de seda a 320 rs.
Oleados de diversas larguras e de ricos desenhos
para mesas de jantar a i o covado.
l-'lanella branca muito lina a 640 rs. o covado.
Riscadinhos de linho muito finos para vestuarios
de criancas a 400 rs. o covado.
Chitas escuras e claras, padroes nteiramente
de cores para listas de eleitores
A aguia branca suppe que nao faz mal em offe-
recer aos athlelas nns pacotes com 254 folhas de
320 papel de ores, que pode servir ptimamente para
500 lisias de eleitores, e tanto mellior por cuslar cada
___ pacote o diminuto preco de I500, e ser cada um
de urna s cor, o que difflcil de encontrar a nao
sor na ra do Qucimado, loja d'aguia branca n. 8.
Na mesma loja tambem ha de outras qualidades,
branco e azul, assim como anvelopes.
RETRATOS
DO ARTISTA
FU RTAO a ettfLHO
viudos
pelo
GAZ.

No armazem de louca da porta larga, ra larga
do Rosario n. 26, vendem-se latas com 3 Mes de.
gaz a lia. assim como latas de 3 garraliSg- em
garrafas muito em conta; garante-se a qualidade.
Nidamente htograpbados em Pars
paquete Navarre.
Preeo de cada retrato i#.~>00.
Vende-se na loja de 1\tos ao.p do arco de
Santo Antonio.
AGENCIA
DA
FNDICAO DE L0W-M00R.
Ra da Somalia nova n. -12.
Neste estabeecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
raoendas para engenno, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos.
- Arados americanos machinas^para
lavar ronpa: em casa-oe S. P. ohnston A C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
Sclliiis inglezes
toiegados casa de Izidoro, Netto & C, ra
Cruzn. 2.
da
Bolachinhas americanas,
240 rs. a libra.
fBiscoutinhos inglezes, em latinhas, a
Biscouto lunch e soda, em latas de 4 a ii li-
bras, a 2|5 a lata.
Banha de uorco,, a iOO.rs. a lihra. ,___
versos tamautios e por preco razoavel.
Caf do Rio, a 280 e 300 rs. a libra, em
arroba, a 8^200, 8;>o00 e !)/.
Ceblas, a 800 re. o cento elu mlho.
Cha perula. a 30 a libra.
dem hisson, superior, a 21800 a libra.
dem chumbo, a 2^000 a libra.
dem hysson, soffrivel, a 20400 a libra.
dem hysson, menos soffrivel. a 2 a libra.
dem preto, magnifico', a 2 a libra.
dem preto, menos superior, a l>800 rs. a
libra.
dem preto, soffrivel, a 10600 rs. a libra.
dem nacional, a 1/800 a libra (em latas).
dem nacional, a 10600, a libra.
dem nacional, ordinario, a 10 a libra.
Champagne, marca aguia, de superior qua-
lidade, a 640 rs. a garrafa e 70 o gigo,
'cora 12 garrafas. Quem deixar de be-
ber ehampagne por tal preco?
Charutos de muitas marcas e a precos bara-
tissimos, sendo que ha de 800 rs. al
40 o cento, viudos do Rio, Bahia e de
Ilespanha.
Chocolate suisso de Lisboa e francr, a 800
rs. e 10.
Chouricas e salpicoe, a 640 rs. a Jibra.
Conservas inglezas, a 8o<) rs. o frasco.
Ditas fracezas, a 500 rs. o frasco,
Cognac inglez, a 600, rs. a garrafa e un
caada, a 40.
dem engarrafados, a 800 rs.a garrafa.
Doces, em lindos vazos de vidro, das fruc-
tas mais esquisitas da Europa, a 10 o
frasco.
Dito de Lisboa, em latas, a 300 rs. a lata.
Dito de goiaba, a 640 e 800 rs. o caixo.
Dito em latas muito proprio para presente,
garante-se sua duracao innalteravel por
mais de auno.
Farinha de Maranhao, a 160 rs. a libra.
Lma de trigo, a 140 e 160 rs. a libra.
Frac tas francesas de-diversas qualidades, em
frascos de vidro, preparadas em alcool,
proprio para podim etc., a 10. o frasco.
Gomma do Aracaty, a 100 rs. a libra.
Dita do Aracaty, a 40 rs. a libra.
Graixa em latas, a lO rs. e a duzia, 1/300.
Genebra laranj'a, em grandes frascos, a 10.
Genebra ingleza, marca gato, a 10200 o
frasco ou garrafa com rolha de vidro.
Garrames vazios, de 640 a 10200 cada um.
Kirsek-wasser, bebida esta de um valor inex-
timavel, em vasos esquisitos, a 10500.
Licores inglezes e francezes dos rnelhores
fabricantes, a 500 e 800 rs. a* garrafa.
Linguas americanas de grande tamanho (em
calda), a !/.
Massas para sopa, em caixinhas coni 8 libras.
contendo 3 qualidades, por 30500 a caixa.
Ditas para sopa, estrelinha e pevido. a 560
rs. a libra.
Ditade tomate, a 640rs. a libra.
Manteiga ingleza em potes de 10 a 16 libras
a 800 rs. a libra.
dem dita flor a 10 a libra.
dem de 2a qualidade-a 800 rs. a libra.
dem de 3" qualidade a 610 rs. a libra.
dem para tempeiro a 400 rs. a libra.
dem franceza a#640 rs. a libra, e em bar-
ril por menos.
Marrasquino de Zara a 800 rs. o frasco.
Mortasda ingleza^em irascos grandes a 800
rs.
dem franceza em frascos grandes a 500 rs.,
Mlhos inglezes dos memores fabricantes a
Peixe de Lisboa Inglaterra e America, pre-
parado conforme a arte de o*nha
tas de 2 a 3 libras, de 16:100 ,i l->i0
Phospboros do gaz. a 23300 i i
Queijos londrinos chegado.- ;.. ult.n. ..
a 800 rs. a libra,
dem dem chegados no penultim.. \ .
640 rs. a libra,
dem flamengos chegados no ultim-
20400.
dem idem chegados no penltimo vai-r. 4
20000.
Sal refinado em vazos de vidro. a MO
Idem idem em vazos de Ioik.i. a 50
Cerveja das memores lms njo.
mercado, a '/. l/RtOO, W. *. v'.'h-
6/500 i duzia.
S.'iriliiili:w da I i..-li.i t.,m,m..i,,A:,..
dem de Nantes, a .'180 rs. a htmttn.
[Sabio massade 120, lo. 100, 1*0 i
210 re. a libra.
Tinta preta mrinoal e ingleza, .1 Mi
garrafa, e 240 rs. o boto.
Toocinhode Lboa, de tmk de ar
por 320 rs. a libra.
dem de Santos, a 80 rs. a bra.
dem americano, a 200re. 1 Kbra.
Idem inglez serr no furaeiro, mett 1
todos os presuntos, a 640 rs. a IMi
Vassouras americanas muilo linda:
a 640 rs. cada urna.
Vellas de Buenos-Avies em caixas l
libras, por (/.
dem de carnauba e composico, a 960
rs. a libra.
Idem do Axacatv. a OO rs. a libia,
dem stearinas, a 600 e 40 rs. 1 m
dem spermacete. a 10 a libra.
Vinho Lagrimas do Douro. m -d' uem 1
melhor qualidade que boje \vm a
mercado em garrafas brain .1- 1.
do autor em alto revelo n
previne-se aos aprerdon ero ha boje grande ial>iliea. "m
dem engarrafados, viudo parte deH tk
pria conta de diversas mu. 1-
Ihores adelas do podo e Lisboa, da* mas
ras: Madeira, Cames, ChamiM>. M
sia. Carcavellos, Duque do h>rti
Iros, e espera-se todos os das i.'
lidades. a 800, l# e Iriso 1
dem do Porto Balisa. a 8101 ata
dem de Lisboa e Figueira vindo en ai
a i(j/ de 8 a !l ranadas.
dem do Porto em umaftes de I 2 a '
parrafas. por 20500.
dem da Figueira em garratuesde I -
garrafas, por ')OO.
dem de Lisboa e Figueira de 320. OO. A*
e 560 rs. a garrafa, e em ranada s. ara
abatimento.
dem Bordeaux engarrafado, a io rs. a
garrafa, em duzia a 75O0.
Vinho do Porto muito lino em caixa com 12
garrafas, a 80, 10,->. 120 e ISJ das rne-
lhores marcas que vem ao nosso mm ubi
Vinagre de Lisboa em garrafes de 4 12-
5 garrafas, a 10200 com o gapafio.
Avelaas a 200 rs. a libra.
Arroz da India a 100 rs. a libra.
Biscoutos de Lisboa em latas, proprios pai:
doentes, a 10500 e 30 a lata.
Batatas a 80 rs. a libra.
Copos lapidados para agua a 60 a duzia.
Chombo de todas as grossuras a 60 a arrs*-
ba.
Caf muido de superior qualidade a 460 rs.
a libra.
Fio de linho muito proprio para amarrar, a
480 rs. a libra.
Farinha de trigo em barricas e meias, de to-
das as marcas e qualidades.
Genebra de Hollanda em garrafes -i>ru _
caadas, por 60500 com o garrafao.
dem idem em frasqueiras com 12 frasco*.
por^.6/500.
Manteiga fmissima em latas contendo 1 li-
bras liquido, por 10800 a lata.
Queijos flamengos a 10600.
Rap princeza do Rio: grosso. nieio
e fino.
Tambas das Alagas a 120 o cento, a 140
rs. cada urna.
Vinho branco de Bordeaux iSauten
e 100 a duzia, e 800 a 10 a garran,


BMBM
PUrlo de Pcrnaartmeo ... quinta felra de Agosto de t83.
i um
GRANDE ARMAZEM
AE
N. 36, REA DAS CRIBES N. 36 .
balrr de Sanio Antonio.
0 proprietario do muito acreditado armazem denominado Progrmisia tendo
sempre em vista fazer tudo o que for possivel para bem servir aos seus freguezes, tem
deliberado vender os seus j bera conaecidos gneros de primera qualidade pelos precos
abaixo mencionados, e affianca s pjssoa que mandarem comprar por seus criados ou
escravos, serem tao bem servidas como vindopessoalmente; encarrega-se de aviar qualquer
encommenda, ainda mesmo contendo obje^tos nao proprios deste stabetocimento. O
mesmo pede aos senhores que mandarem comprar neste armazem o favor de mandarem
devolver qualquer objecto que nao agradar, devendo os mesmos senhores ter toda atten-
cSo com os seus portadores, fazendo-lhes ver que s no armazem Progressista da ra das
Croas n. 36, que se vendem os melhores gneros por mais barato preco, porque estes
muitas vezes olvidam-se e vio a outra parte onde os servem de maneira a desagradar este
estabelecimento.
de superior qualidade a
xinba.
320 s. ceda c
Manteigai ngleza de 1.a qualidade, a 900 rs
a libra,
dem do 2.a qualidade, a 800 rs. a libra,
dem franceza, cfaegada ltimamente, a 640 Uo?*d* Preparada em potes muito nova a
rs. a libra. 4 rs'caA um'
Batatas muito novas, a 25 o gigo de arroba Milho-alpista a 180 rs. a libra.
e 80 rs. a libra.
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor,
de 25 2,3500.
Gomma para engommar muito fina e alva a
80 rs. a libra e 26300 a arroba.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
dem prato, chegado neste ultimo vapor o Sab3o verdadeiro hespanhol, que .-aras
mais fresco que se pode desejar a 700 rs.
a libra.
dem londrino, mandados vir de encommen-
da especial, a 900 rs. a libra.
dem suisso, muito fresco, a 800 rs. a libra.
Caf do Rio de 1.a c 2.a qualidade a 85500
c 85800 a arroba, e 280 e 300 rs a libra.
Arroz da India e Maranhao a 120 rs. a libra
e 35200 a arroba.
Avetas as mais novas neste genero a 240
rs. a libra.
Presuntos do Porto muito novos a 560 rs. a
libra.
1. guies franceses para sopa, como soja,
Juiienne, mlange d'quipage, Chora e
outras quafidades, a 400 e 500 o masso.
Amendoas de casca mole a 320 rs. a libra, c
em porco lert abatimento.
Garramos com 5 garrafas de vinlio do Porto
do Alio Domo a 26400 com o garrafo :
atianca-se que nesse genero o melhor
que vei ao mercado.
dem com '> garrafas de vinhoFigneira muito
superior e mais propro para a nossa esta-
cao por ser mais fresco a 26400.
Cha hysson o mais superior a 26600 a libra,
afianca-se ser ogual ao que regularmente
vendemos a 3->200.
dem huxim miudinho. o mais superior que
vem ao nosso mercado a 25700 a libra.
dem prole muito fino, a 26000 a libra.
Garrafoes como garrafas de superiorvinho
de Lisboa a 25100 cada um.
dem com 5 garrafas de vinagre de Lisboa
a 1.6100como garrafo.
dem com ." garrafas de vinagre hambur-
guez a 800 rs. cada um.
Vinhos generosos vindos, do Porto engarra-
fados ilas seguintes marcas: Genuino,
Porto fino, Nctar, Duque do Porto, Fei-
toria. Vi'llio secco, Chamico, Maderra su-
perior e ontros a 900 rs. a garrafa e 96
:i duzia.
Vinho Bordeaos das melhores marcas: St
Julii'ii. Medoc e S. Estephe e outros a
640 rs. a garrafa e 75500 a caixa com
urna duzia.
i! cas e paios, o mais novo que se pode
desejar, a 250 e 600 rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez dos melhores fa-
bricantes a 900 rs. a garrafa e 105500 a
caixa com urna duzia.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
800 rs. cada um.
Lie res francezes. muito finos, das seguintes
marcas: Anizotta de Bordeaos, Plaiserdes
(lames. Crme de Noyau, Eau Dantzic,
Crme de Menthe, Hude de Venus etc. etc.
Pa ;sas muito novas e de carnada a 400 rs. a
libra e 65500 a caixa com urna arroba, ha
canas, meias e quartos.
Ameixas francezas cm frascos de 11(2 e 3 li-
bias de 15400 a 25800, tambem ha latas
de 6 libras.
vezes
vem ao nosso mercado, a 300 rs. a libra e
em caixa ter abatimento.
dem massa de superior qualidade de 160,
180,200, 220 e 240 rs. a libra.
Graixa em latas muito nova a 120 rs. a lata
e 15300 a duzia.
Peixe em latas muito novo: svel, pescada,
curvina, salmao e outras cualidades, pre-
parado de escabexe segundo a arte de
"cozinhaa!5400.
Papel grve pautado e liso a 35800 a resma.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
460 rs. cada urna.
Vinhos em pipa: Lisboa eFigueira das melho-
res marcas a 35200 e 45000 a caada do
melhor e 500 rs. a garrafa, em porcao ter
abatimento.
Vinho velho Chamico em barril, muito proprio
para sobremesa, a 640 rs. a garrafa e
55000 a caada.
Vinho branco o mais, superior que possivel
neste genero a 560 rs. a garrafa e a 45000
a caada.
Vinagre poro de Lisboa a 200 rs. a garrafa
e 15400 a caada.
Azeite doce de Lisboa muito fino, em barril
a 640 rs. a garrafa, e em porco ter
abatimento.
Champagne das mais acreditadas marcas, a
15000 a garrafa, c 105000 o gigo com
urna duzia.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Babia a 35500 a caixa, tambem temos
para 25000, 25500, 35000 e 35200 a
caixa. /
Vellas de spermacete superiores a 600, 640,
e 680 rs. o masso.
dem de carnauba e composico a 320, 360,
e 400 rs. a libra e de 105 a 115500 a
arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa, a 15000
a ancoreta do Porto e 15500 a dadJsboa.
Massas para sopa: estrellinha, rodinha e pe-
vide a 400 rs. a libra o 25000 a caixa com
8 libras liquido.
Massas para sopa muito novas: talharim, ma-
earriio e aletria a 400 e 480 rs. a libra.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso das melhores qualidades a 900 rs.
a libra.
Doce da casca da goiaba a 800 rs. o caixo.
Ceneja das melhores marcas de 55500 a
< sooo a duzia e 540 rs. a garrafa
Biscoutos inglezes de diversas qualidades a
15300 a lata.
Bolachinha de soda, especial encommenda,
muito nova em latas grandes a 25000 cada
urna.
Massa de tomates em latas de 600 a 700 rs.
cada urna.
Sardinhas de Nantes, do fabricante Basset, a
360 rs. a lata.
PROGRESSIVE.
IiH I HU
S NO
9--LARG0 00 CARM0--9.
DE
Os propietarios desfe espacoso e bem sortido armazem de molhados partici-
pam aos seBr freguezes que acabam de receber de diversos portos da Europa o mais bel-
lo sortimento de molhados, todos primorosamente escolhidos, os quaes vendem-se por
muito menos do que outro qualquer annunciante, obrigando-se os proprietarios a garantir
todos os gneros sahidos do seo muito acreditado armazem.
Toucinho de Lisboa novo a 320 rs. a libra.
Tijolo de limpar facas a 180 rs. cada um.
Mermelada imperial, dos melhores conser-| Cebollas o mlho a 900 rs
veiros de Lisboa, a 600rs. a hura, em la-
tas lacradas hermticamente. I Erva-doce muito ova a 400 rs. a libra.
Fructas em caldas, de todas as qualidades em j Cominhos dem idem a 640 rs. a libra,
latas muito bem enfeitadas, a 500 rs ca-1 Garral&es vasios a 500 rs. cada um.
da urna.
Bolachinha ingleza, a mais nova que se pode
desejar, a 35000 a barric a e 240 rs. a
libra.
Farinha do Maranhao muito alva e cheirosa
a 160 rs. a libra.
Azeite francez clarificado a 800 rs. a garrafa
o 95000 a caixa com urna duzia.
( mservas inglezas dos melliores fabricantes
Mixed Pickles, ceblas simple, e outros
a 760 rs. o frasco.
Farinha verdadeira de araruta a 500 rs. a
libra, garante-sea superior qualidade.
Palitos para dentes em caixinhas douradas
B eu, a 320 a libra e 85 a arroba.
x J
Ditos com 5 garrafas de genebra a. 25400,
garante-se ser verdadeira de Hollanda.
Cebollas a granel a 640 rs. o cont.
Canella a mais nova do nosso mercado a
15000 a libra.
Alfazema o que pode haver de melhor neste
artigo a 280 rs. a libra.
Phosphoros de segoranca individual a 20 rs.
a caixinha.
Papel de embrolho moito superior a 15120
a resma.
Vinho da Figoeira, o qoe ha de melhor a
45000 a caada.
Copos finos para agua a 65000 a duzia.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de encommenda especial a 8oo rs.
a libra,
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
62o rs. a libra,
dem em potes de 4 16 libras muito fina e
propria para doente a 8oo rs. a libra e o
pote separado,
dem de porco, refinada e muito alva a 5oo
rs. a libra, cm barril ter abatimento.
dem ingleza em latas de 2 1/2 libras a 2,ooo
cada urna, garante-se a boa qualidade.
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
de t,6oo, 1,8oo, 2,ooe e 2,5oo rs.
dem prato chegados neste ultimo vapor, o
mais fresco que se pode desejar a 66o rs.
a libra.
dem londrino mandados vir de encommen-
da especial a 56o rs. a libra.
Caf do Rio de Ia e 2a qualidade de 8,5oo e
8,8oo rs. a arroba, e 28o a 3oo rs. a li-
bra.
Arroz da India e Maranhao a loo rs. a libra
e 3,ooo rs. a arroba.
Caixinhas de ameixas francezas de 1 12, 2
e 3 libras, elegantemente enfeitadas com
diversas estampas no exterior da caixa a
l,3oo, l,6oo, 2,ooo, 2,5oo e 3,ooo rs.
Banha de porco 64o"rs. a libra.
Amendoas confeitadas a 5oo rs. a libra.
Vidros de diversos tamanhos de confeitos,
muito proprios para mimos, de 1 ,ooo a
2,5oo rs. cada um.
Batatas a 256oo a caixa com 2 arrobas o a
6o rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra e
em porco ter abatimento.
Garrafoes com 5 garrafas de vinho do Porto
do Alto Douro a 2,24o rs. com o garrafo,
afianca-se que neste genero o melhor
que veio ao mercado.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira mili-
to superior e mais proprio para a nossa
estaco por ser mais fresco a 2,4oo rs.
Cha hysson o mais superior a 2,6oo rs. a
libra, afianca-se ser egual ao que regular-
mente vendemos a 3,ooo e 3,2oo rs.
dem huxim miudinho o mais superior que
vem ao nosso mercado a 2,7oo rs. a libra.
dem preto muito fino a 2,ooo rs. a libra.
dem muito mais baixo, muito proprio para
negocio a 1.600 rs. a libra.
Presunto inglez para fiambre o mais fresco
que se pode desejar a 800 rs. a libra.
Garrafoes com 5 garrafas dj3 superior vinho
de Lisboa a 2,2oo rs. cada um.
dem com 5 garrafas .de vinagre de Lisboa
a I,-oo rs. come garrafo.
dem com 5 garrafas.de vinagre hamburguez
a 9oo rs. cada um.
Genebra de laranja a 9oo rs., a melhor que
se pode desejar.
Cha perola o melhor neste genero a 3,2oo
rs. a libra.
Vinhos generosos vmdos do Porte engarra-
fados das seguintes marcas: Genuino,
Porto fino, Neetar, Duque do Porto, Fei-
toria, Velho secco. Chamico, Madeira su-
perior e outros a *,ooo rs. a garrafa, e
9,ooo rs. a dnzfa.
Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto
a l,2oo rs. a garrafa, e lo.ooo rs. a caixa.
Vinho Bordeaux das melhores marcas: St.
Julien, Medoc, S. Estephe e outros a 7oo
rs. a garrafa, e 8,000 rs. a caixa com urna
duzia.
Chouricas e paios, q mais novo que se pode
desejar, a 56o rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez dos melhores fa-
bricantes a 9oo rs. a garrafa, e lo,5oo rs.
a caixa com urna duzia.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
800 rs. cada um.
Licores francezes muito finos das seguintes
marcas: Anisete de Bordeaux, Plaisir des
Dames, Crme de Noyau, Eau de veede
dant-- c, Crome de menthe. Huile de Ve-
nus, Parfatt amour, Eau d'ora l.ooo rs.
a garrafa e lo.ooo a caixa com 1 duzia
9
Passas muito novas e de carnada a 3oo rs-
a libra c 6,000 rs. a caixa com 1 arroba
ha caixas, meias e quartos.
Ameixas francezas em fraseos do i 1/2. e 3
libras de Moo a 2,800 rs.; tambem ha em
latas de differentes precos.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 600 rs. a libra, em latas
de differentes tamanhos e lacradas herm-
ticamente.
Fructas em caldas de todas as qualidades em
latas muito bem enfeitadas a 5oo rs. cada
urna.
libra.
Azeite francez clarificado a 76o rs. a garrafa
e 9,5oo rs. a caixa com 1 duzia.
Conservas inglezas dos melhores fabricantes
Mixed e Pickles, ceblas simples, e outras
a 800 rs. o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes muito
nova a 4oors. cada um.
Mlhos inglezes de todas as qualidades e das
melhores marcas a 5oo rs. cada urna gar-
rafinha.
Sal refinado em frascos de vidro de diversos
modellos a 4oo rs. cada um, s o frasco
vale o dinheiro, tambem ha solt para 80
rs. a libra.
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de doce, manteiga
ou outro qualquer liquido de 1,00o a 3,ooo
cada um.
Painco a 14o rs. a libra.
Milho alpista a 16o rs. a libra.
Gomma para engommar muito fina e alva a
80 rs. a libra, e 2,3oo rs. a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Sabo verdadeiro hespanhol que raras vezes
vem ao nosso mercado a 3oo rs. a libra e
em caixa ter abatimento.
dem massa de superior qualidade dd 2oo,
22o e 24o rs. a libra.
Graixa em latas muito nova a 12o rs. a lata
e l,3oors. a duzia.
Peixe em latas muito novo: svel, pescada,
curvina, salmao e outras qualidades, pre-
parados de escabexe, segundo a arte de
cosinha de l,4oo e 2,ooo rs. a lata.
Amendoas confeitadas de diversas cores a
600 rs. a libra.
Papel grve pautado e liso a 3,8oo rs. a
resma.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
46o rs. cada urna.
Vinhos em pipa: Lisboa. Bocio eFK' a das
melhores marcas a 2,500, 2,8oo, 3,ooo e
4,000 rs. a ranada do mais superior e de
32o e 36o rs. a garrafa.
dem velho Chamico em barril, muito proprio
para sobremesa, por ser muito claro e
macio a 64o rs. a garrafa, e 5,ooo rs. a
caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero, a 56o rs. a garrafa e a
3,8oo rs. a caada.
Vinagre puro de Lisboa, a 2oo rs. a garrafa
e l,4oo rs. a caada.
Azeite doce da Lisboa muito fino, em barril.
a 64o rs. a garrafa, em porco ter abati-
mento.
Champagne das mais acreditadas marcas, a
l,2oo rs. a garrafa, e L2,ooo rs. o gigo,
com 1 duzia.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Bahia a 3,5oo rs. a caixa, tambem temos
para 2;ooo, ?,5r)o, 3,ooo e 3,2oo rs. a
caixa.
Velas 680 e 7po rs. o masso.
dem de carnauba e composico, a 32o, 36o
e 4oo rs. a libra, e de lo.ooo a ll,5oors.
a arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa, a i ,00o
rs. a ancoreta do Porto, e l,5oo rs. a de
Lisboa,. estas ultimas raras vezes vem ao
nosso mercado, pela sua boa qualidade.
Massas para sopa: estrellinha, rodinha e pe-
vide a 32o rs. a libra, e 1,600 rs. a caixa
com 8 libras liquino; s no Progres&ico.
Massas para sopa muito novas: talharim, ma-
carro e aletria, a 4oo o 48o rs. a libra.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso, das melhores qualidades a 9oo rs.
a libra.
Doce da casca da goiaba a 64o rs. o caixo.
Cerveja das melhores marcas, a 5,5oo e
7,4oo rs. a duzia e 54o rs. a garrafa.
Biscoutos inglezes de diversas qualidades a
1,2oo rs. a lata.
Bolachinha de soda especial, encommenda
muito nova, era latas grandes a 2,ooo rs.
cada urna.
dem craknel em latas de 5, 7 e 15 libras a
4,000, 5,5oo e H.ooo rs. a lata.
Palitos do gaz, a 2o rs. a cafxinha e 2,3oo rs.
a grosa.
Massa de tomates era latas de 600 a 7oo rs.
cada urna.
Sardinhas de Nantes do fabricante Bawet, a
38o rs. a lata.
Toucinho de Lisboa novo, a 32o rs. a libra.
Tijollo de limpar Jacas, a 18o rs. cada um.
Cebollas, o mlho a 9oo rs.
Bolachinha ingleza a mais nova que se pode
desejar a 2,5oo rs. a Jwrrica, e 24o rs. a Farinha do Maranhao muito alva e cheirosa,
a 14o rs. a libra.

DE
Eduardo Marques de Oliveira C.
sa 1 ?'
SE e>] .
'Ji 0 > s 0
0 2; Gfc z 31 1 .5 m
i*
7.
O
11 ,!,es,e .noVfl c grande establecimento de molhados, encontrar o respeifaM
publico d'esta cidade, bem como seus numerosos freguezes do centro, expostos a venda
todas as qualidades de gneros por menos precos que em quaesquer outros estabelecimen
tos d'esta ordem, pois para isso segu em um dos primeiros paquetes para a Europa oni
dos socios para serem vindos todos os gneros de conta propria, para melhor servir aos
seus freguezes, e desde j encontrar o respeitavel publico sempre os melhores e mais
novos gneros do nosso mercado, e por precos baratissimos, como se ver abaixo.
Amendoas a 320 rs. a libra.
Aveles a 2oo rs. a libra.
Ameixas a 15 a libra.
Ditas em frasco por 25800.
Arroz pilado da India loo rs. a libra e 35ooo
e arroba.
Dito dito do Maranhao 120 rs. a libra e 35500
a arroba.
Azeite doce francez 800 rs. a garrafa.
Dito de Lisboa 680 rs. a garrafa.
Agurdente de canna de cabeca a 240 e 320
rs. a garrafa.
Azeitonas a 400 rs. a garrafa, e 15300 a an-
coreta.
Bolachinha de soda a 15400 a lata.
Banha de porco a 600 rs. a libra.
Bolachinha ingleza a 200 rs. a libra, e a bar-
rica a 35OOO.
Cha hysson a 25200 a libra.
Dito dito fino a 25600 a libra.
Dito miudinho a 25800 a libra.
Dito do Bio a 15800 a libra.
Dito preto a 15900 a libra.
Carne do serto a 36o rs., e em porcao se
vende por menos.
Charutos de diversas qualidades a 15200.
15500 e 35 a caixa.
Champagne a 15 e 15500 a garrafa.
Chouricas a 560 e 600 rs. a libra.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
Caf em grao a 300 e 320 rs. a libra, e 95 e
95200 a arroba.
Dito moido a 360 rs. a libra.
Doce de goiaba a 560 rs. o caixo.
Espirito de vinho de 38 graos, a 280 rs. a
garrafa.
Figos a 400 rs. a libra, e em latas de 4 libras
por 15500.
Farinha do Maranhao a 160 rs. a libra.
Genebra de Hollanda a 640 e 720 rs. o frasco.
e 75 a frasqueira com 12 frascos.
Dita hamburgueza a 560 rs. o frasco, e 65500
a frasqueira com 12 frascos.
Dita flor de laranja a 15 o frasco.
Gomma d'araruta a 100 rs. a libra, e 25600
a arroba.
Graixa em latas a 120, e 15300 a duzia.
Genebra em garrafics de 14 garrafas por
45600.
Batatas inglezas libra a 80 rs., e a 25500 em
arroba.
Licor fino a 800 rs. a garrafa.
Dito em garrafas grandes de superior quali-
dade a 15500,
Manteiga ingleza flor a 800.900 e 15 a libra.
Manteiga franceza a 680 e 720 rs. a libra.
Dita hollandeza a 72o 800 rs. a libra.
Mostarda a 640 rs. o frasco.
Massa de tomates a 640 rs. a libra.
Dita estrellinha para sopa a 560 rs. a lilu 1
Marrasquino de Zara a 800 rs. o frasco.
Passas a 4oo e 560 rs. a libra, c 85 a caixa.
Palitos para dentes a 180 rs. o masso.
Phosphoros do gaz a 25500 a grosa.
Paios novos a 640 rs. a libra.
Queijos do reino do ultimo vapor a .
25500.
Dito de prato a 720 rs. a libra.
Dito do serto a 560 rs. a libra.
Cervejas de marcas superiores a 500. 560.
600 e 640 rs. a garrafa, e 51860, 66 e
65500 a duzia.
Dita em barril por 45. e 240 rs. a garrafa.
Gevada a240rs. a libra.
Sardinha de Nantes a 3(50 o 400 rs. a lati-
nha.
Sag a 240 rs. a libra.
Sabo massa a 200. 240 e 280 rs. a libra.
Sevadinha a 280 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a KM rs.
Vellas de spermacete a 640 e 680 rs a IIh-i
Ditas do gaz muito boas.
Ditas dito em caixas de 6 libras por 45W
Ditas de carnauba a 400 rs. a libra.
Ditas de composico a 360 e 380 rs. a libra.
Vinho do Porto, caada a 55500. garrafa a
720 rs.
Dito Lisboa, caada a 45 e a garrafa a 50*
rs.
Dito Figueira. caada a 3^840 o a pm >
480 rs.
Dito dita superior, caada a 46 e a pmb
a500rs.
Dito Kstroito. caada a 36200 e a garrafa a
400 rs.
Dito Bordeaux a 720 o 800 rs. a garrafa
Vinagre de Lisboa em garrafoes de 5 inri
fas por 16400.
Dito em caada a 26. e a 2tk) rs. a garrat.i
Vinho do Porto em sarrafcs de 5 pmH
por 26500.
Dito dito engarrafado a l> e UMO.
Dito lagrimas do Douro a t400a garrafa.
Vinho branco de Lisboa a 720 rs. a iranal.
e 55 a caada.
Dito do estreito a 600 rs. a garrafa, e a 14500
a caada.
Previ(ie-se ao respeitavel publico que todos os gneros cima sao de boa quali-
dade, e para desengao venham ver; assim como outros que deixam de ser annunciados.
TODA ATTEIPO
NOS
ARJI1ZEYS
GONSERVATIVQ I CONSERVADOR
DE
NS. 21 E 23-LAUCO DO TERCO -RS. 21 E 23.
O proprietario destes dous estabelecimentos de molhados. vendo os mus ro-
neros por menos do que em outra qualquer parte, por isso garante a superior ma-
lidade de qualquer genero sabido dos seus armazens; pode vender por menos por com-
prar dinheiro, e por isso faz vantagom a os compradores.
Batatas as mais novas do mercado, a 60 rs. a libra e 1,60o rs. aarroah ou caixa.
Toucinho de Lisboa da 1.a qualdade. a 3oo rs. a libra e 9,ooo rs. a arroba.
Caf do Bio da 1.a e 2.a sorte, a 28o e 32o rs. a libra.
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor, a l,8oo e 2.000 rs.
Velas de spermacet, carnauba doAracaty, as melhores deste genero, a 63o e 4oo rs. a libra.
Vinho verdadeiro Figueira das melhores marcas, a 5oo e 4oo rs., em caada se faz aba-
timento, ha porco para escolher.
Holachinhas americanas, as mais novas neste genero, a 2oors. a libra e3,000 rs. a barra
Palitos do gaz, vindos por conta particular, a 2o rs. a caixinha e 2.4oo rs. a grosa.
Manteiga ingleza da 1.a e 2.a qualidade, a 800 e 76o rs. a libra,
dem franceza, especialmente escolhida, a 64o e 600 rs. a libra.
Cha, o melhor neste genero, a 2,88o rs., tambem ha para mais barato.
Milho alpista, limpo, muito superior, a 16o rs. a libra, a arrroba 3,000 rs.
Alm destes gneros ha outros muito baratissimos, assim como ceneja das me-
lhores marcas, genebra de Hollanda e de laranja, passas, doce de goiaba, azeite doce, m-
nagre, canella, pimenta, cominhos, erva-doce, cebollas, albos, chouricas, banha de porco e
outros muitos gneros que enfadonho mencionar; dinheiro contado.
Alm dos gneros cima mencionados, exi^e um completo sortimento de al-
fazemas, cominhos, pimenta, erva-doce, palitos" de dente em macos e caixinhas, enxo-
fre e ontros muito gneros, os quaes vendemos petos precos mais baratos possiveis.
RA DO QUEMADO N. 46
DE
FAZENDAS E RO "I* AS FEITAS.
Sortimento completo de sobrecasacos de panno a 255, 285. 305 e 356. casaras
muito bem feitas a 255, 285, 305 e 355, paletots acasacados de panno preto de 165 ate
255, ditos de casemira de cor a 154, 185 e 200, paletots saceos de panno e casi-
mira de 85 at 145, ditos saceos de alpaca, merino e la de 45 at 65, sobre de ak.aca e
merino de 75 at 105, calcas pretas de casemira de 85 at 145, ditas de cor de 76 al
155, roupas para menino de todos os tamanhos, grande sortimento de roupas de bnm,
como sejamcalcas, paletots e colletes, sortimento de colletes pretos de metim. casemra
e velludo de 45 a 95, ditos para casamento a 55 e 6d^.paletots branco de bramante a 46
e 55, calcas brancas muito finas a 55, e um grande sortimento de faieodas finas e moder-
nas, completo sortimento de casemiras inglezas para bonem, menino e senhora. ceroulas
de linho e algodo, chapeos de sol de seda, luvas de seda e de Jonvin para hornea e ae-
nhora. Temos urna grande fabrica de alfaiate, onde recebemos enrommendas de grandes
obras, que para uso est sendo administrada por um hbil mesfre de seraelhante arte e om
pessoal de mais de cincoenta obreiros escolhidos, por tanto executamos qualquer obra rom
promptido e mais barata do que em outra qualquer casa._________________________
Vende-se nm grande terreno com cercado, e
ptimo para fazer-se um excellente sitio em Jaboa-
tao a margem a estrada da Victoria e contiguo a
povoacao de Santo Amaro, contendo igualmente
PINTURA.
Tinta branca de massa muito nova, em la-
tas de 28 libras para casas, para navios, para
casan. 46 da ra do Imperador. I larga do Rosario n. 34.


Diarlo de iernainbuco quinta felra de Agosto de l*#3.
SORTIMENTO DE MOLHADOS.
'
*
,-'
II
II
5 l
%
3 K
9 o
=
i
?
a
s <
a o
g
s
3
IB
a
t5
S


e
1

s.
S

v
e
h
4.
a
w
1 i I
rs b t>
I
0
^ 2 *
1 S *
e
s
t .
o i
S
a
i

i

s
u
I
o
KS
a -
a S
S I
Z
s
O"
i
I
45
&
5.

I
i


eu
.
I!
i i
<
t 1
I 1
s I
I
Vinho em pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a 400, Lagostinhas em latas grandes, a 1*400.
480 e 560 rs. a garrafa, em caada a 2*800,3* e
3*300 rs., ananca-se este genero conservar-se
prfeito seis oito mezes, o que raro ser ouiro
qualqner aflancar.
Lagrimas do Douro, especial violto do Porto, a 1*
a garrafa e 10* a caixa, q preco nao indica a
qualidade deste precioso vinlto, porm tambem
nSo rom imposiedes depreco que se prava ao
fpeitavi-1 publico a superior .qualidade, este
ero de commum e manda vir de cotita pro-
|iri;t, e por isso podemos vender por menos do
que outro qualquer annunciante.
Vinho do Alto Douro, das marcas majs acreditadas j Chourlcas do reine a mais nova do mercado a 640
e especialmente eseolhidas por pessoas entend- j rs. a libra.
das deste genero, como sejam Camoes, Duque do p d ^ vindos do p^ 4eca8a particular,
Porto, D. Luiz, Carcavellos, Chamisso & Filho, mr. i'hr>
Madeira secra, Feitoria, a 900 rs. a garrafa e 9*'. iBwria "Dra-
a caixa oom 12 garrafas. Bolacbinhas ingieras a mais nova do mercado a
GarraiSe* com vinho do Porto, contendo 5 garrafas ** 1 e 3*000 a barrica com urna ar-
por'UBOO. i "**
Vinho branco de Lislxia, propriopara missa, vado dem de soda de diversas qualidades a 1*400 di-
i engarrafado de Lisboa, a640rs. a garrafa, tas grandes nroprias para lanch com 5a6h-
Savel. corvina, cherae, conajro, linguado, verago,
goris, pescada, peixe espada, preparado pela pri-
t meira arte de coiinha, a 4*300 a lata.
Queijos flamengos do ultimo vapor, a 2*400.
dem do vapor passado, a 2*200.
dem prato.# mais superior que tem vindo ao mer-
cado, f 740'rs. a libra.
Doce da casca da goiaba, caixao grande, a 40 e
800 rs. cada um.
Amendoas de casca mole muito novas a 280 rs. a
libra.
Toucinho dtfreino a 360 rs. e 1^*500 rs. a ar-
roba.
j engarrafad!
dito de barril muito superior, a 300 rs. a garrafa
e 3*300 a caada.
Ameixas francezas em caixinhas de 1 e meia, 2 e 3
libras, elegantemente enfeitadas com diversas es-
tampas na caixa exterior, a 4*400,1*800, 2*500
e3*.
Figos de comadre em bauzrnbos de folha, muito
proprios para mimo, a 1*600.
dem em caixinhas forradas de papel de differentes
molduras, a 1*400.
Ameixas francezas em latas de 1 o meia e 3 libras
por 1*400 et*600.
Passas de carnadas as mais novas que lia no merca-
do, caixas de 1 arroba a 6*, e a retalho a 400 rs.
a libra.
Massas para sopa muito nova*: pevidee estrellinha,
a560rs. a libra.
dem a mais nova que ha no mercado; talharim c
aletria, a 560 rs. a libra.
| Macarrao, a 320 rs. a Hbra.
dem o mais novo que ha no mercado: talharim e
aletria, a 560 rs. a libra.
Figos de comadre em caixa do 8 libras muito novos
a 1*800 e a retalho a 180 rs. a libra.
Salmao em latas eem postas hermticamente lacra-
l das, a 800 rs.
bras por 2*400.
Marmelada imperial do fabricante Abreu ou de ou-
tres muitos conserveiros de Lisboa, em latas de
1 e meia e 2 libras, a 600 rs. a libra.
Ervilhas francezas, a 500 rs. a lata.
dem portuguezas, a 640 rs. a dita.
Maca de tomates, a 600 rs. a libra.
Hanteiga ingleza perfeilamentc flor, a 100 e 1* a
libra, ueste genero existe sempre aberto dispo-
sicao dos frepuezes dous a tres Larris de man-
teiga flor, salvo quando por infelicidade aconteca
a factura vir composta de segunda e terceira
qualidade, que para mdhor satisfazer aos fre-
guezes torna-se-necessario ter mais do que esta
percao de barris abortos, porm antes nos lhe
damos a devida applicacao para tempero, que
venderemos a 320 rs. a libra.
dem franceza a mais nova do mercado, a 680 rs. e
em barril se faz abatimento.
Amendoas confeitadas, a 800 rs. a libra.
Chouricos, mouros vindo de casa particular, a 640
rs. a libra.
Farinha do Maranhao muito alva e cheirosa, a 160
rs. a libra.
Avelas muito novas, a 220 rs. a libra.
Sardinhas de Nantes, a 360 rs. a lata.
Azeite doce de Lisboa, a 640 rs. a garrafa e 4*800
a caada.
Vinagre de Lisboa, a 200 rs. a garrafa e 1*200 a
caada. |
Campagne das marcas mais acreditadas a 8*O0Q
c 10*000 o gigo, e 800 rs. e 1*100 a garrafa.
Cerveia preta da marca Tenent ou XXX, a 4* e
4*500 a duzia, e a 400 rs. a garrafa.
dem branca da marca cobrinha ou Tenent, a 4*
e 4*300 rs. a duzia, e em porcao se faz abat-
ment.
Genebra de He-llanda em garrames com 16 garra-
fas, por 6*500 rs., alianca-se ser verdadeira.
dem em frajquera, a 6*500 e a 560 rs. o frasco,
dem de botija em barricas com 4 dunas a 430 rs.
cada urna.
dem de laranja em frascos grandes, a 1*200, ga-
rante-se ser verdadeira da Italia.
Marrasquinho de Zara, a 720 rs. o frasco.
Licor francez de todas as qualidades de fabricantes,
em garras brancas de vidro, a 720 e 800 rs. a
garrafa.
Vinho Bordeaux as melhores qualidades que tem
vindo ao mercado, a 720 e 800 rs. a garrafa, e
em caixa a 7*300, 8*000 e 8*200 rs.
Azeite doce refinado do fabricante Pelanol, a.800 rs%
a garrafa.
Cevada nova a 120 rs. a libra, e 3*500 rs. a ar-
roba.
fiacarrao e talharim, a 320 rs. a libra.
Aletria muito fina, a 400 rs. a libra.
Arroz Carolino, muito alvo e grado, a 120 rs. al
libra e a 3*200 rs. a arroba.
Caf do Rio o mais superior que se pode desejr
nesle gfenero, a 320 rs. a libra.
dem idem de segunda e tereeira qualidade, a 28
e 300 rs. a libra, e em arroba ou sacco a 8^200
e 8*400.
Velas de carnauba refinada, a 320 rs. a libra e
10*000 a arroba
dem de spermacct, a 640 rs. a libra.
Chocolate hespanhol a i*, a libra,
dem francez, a 900 e 1* rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado por ser
vindo de encommenda propria a 2*880 rs.
Cha hyson, melhor que se pode desejar neste ge-
nero, a 2*500 rs. a libra.
dem nacional em latas de 1, 2 e 3 libras a 1*400
ris.
dem huxim, a 2*200 rs. a libra.
Cha preto homcepathico o mais exeellente que tem
vindo ao mercado, a 2* a libra.
Graixa em latas grandes, a 3tf300 a duzia, e 120
rs. cada urna.
Presunto verdadeiro de Lamego em calda de azei-
te, a 560 rs. a libra.
Vassouras do Porto arqueadas de ferro, obra de
i umita duracao e utilidade, a 400 rs.
=
O
B
S
1
A
5
i
a
O
s
B
B

8 3
I
3 8

- o
I
i
l
A
9 71

I?
I
-
I
* S = 2
.... Charutos de S. Flix do fabricante Furlado de Li-
Conservas mglezas sortidas ou de urna so quauda- ou de outros mu^s fabricantes da Babia, a
de e da verdadeira, a 800 rs. o frasco. f jjQOO 2*300, 3*000, 3*200, 3*500 e 4*000 rs.
Araruta verdadeira, a 320 rs. a libra.
Gomma de engommar muito alva, a 800 rs. a li-
bra.
Palitos do gaz, a 2*300 rs. a groza e 20 ris a
caixa.
Toucinho de Lisboa, a 320 rs. a libra e 9*500 rs.
a arroba.
Sag muito novo, a 200 rs. a libra.
Ccvadmha de Franja, a 160 rs. a libra.
a caixa, ou em meias por metade-do prego.
dem Mississipes imperiaes, a 3*000 rs.
dem Ypiranga ou Flor do Rio, a 3*200 rs.
dem Guanabaras ou Havaneiros, a 2*800 rs.
dem Flor da Malta ou Regala imperial, a 2*300
ris.
dem Flor do Norte ou Londres imperiaes, a 4*000
ris.
dem superiores em quantidade e de todos os fa-
bricantes, a 3*000, 3*500 e 4*000 rs. a caixa.
M
j
1 -
1 -
e D
5 I
z ?
s
1
I

a.
e
n
m
f
B
S
B
I
B
r
11 i
lili1
B 2
* i;
I 2
1
a e
3 5
Kl
|t
p =
i
s
I
N
y-
1
a
H
W
73
O
O

>
s
s
f
PoUssa da Russia.
Vende-se em casa de N. O. Bieber & C,
successores, ra da Cruz n. 4.
Ra da Somalia Nava n. lt.
Neste eslabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a 110 rs., idem de Low
Moor libra a 120 rs.
r CexMas superiores em resteas, a cinco
mil ris o milheiro no Caes da alfandega n.
i, armazem de Tasso & Irmaos.
A Ai-1 I % BKl^C.l
Recobra pelo ultimo tapar
segainte:
BiBiitas pukeiras de cabello, coral, e cora-
lina.
Fortes e bonitas ligas de seda para senhoras.
Oulras estreas para meninas, ou manguitos.
Carteiras com agulhas.
AguttieUs para enfiar, e guilas cantfas.
Trancelins e litas de borracba.
C.arritds com toiral de todas as eores.
Massoscos de coral.
Ksponjas finas para rosto.
Pentes de tartaruga virados, com laco c
balo.
Enfeites de rede para conservar os cabellos
bem atados.
Aspas e coz para baio.
Fitas com colxetes para vestidos.
Trancelins chatos de 13a para enfeitar vestidos.
i'a|tel e l'olhas para rosas.
Lamparillas francezas.
Trancelins grossos para relogios.
Eseovas cabo d'osso, marfim e madreperola
para dentes, unlias, limpar pentes ejoias.
Outras finas para roupa, chapeo, cabello etc.
Outras de velludo para chapeos.
Pastas para papis.
Kaspadeiras e facas de marfim para ditas.
Yisporas e dminos.
i.iiv:is de camiiroa.
Vendem-se mui finas luvas de carmuca
branca e amarella; na ra do Queimado n. 8
lija d'aguia branca.
Baratisslma* bandeljas.
A aguia bi-anca por umitas vezes tem da-
do a conliecer que quando ada alguma pe-
-hincha, nao quer somente com ella encher
o papo, ao contrario desoja que toda sua boa
freguezia e o publico em geral prvem da
mesma, o que agora mesmo acontece com
essas; baratissimas bandeijas, cuja limitaco
de procos admira, em relacao aostamanhoso
qualidades: avista do que convm a todos a-
proveitarem-se dessa opportuna occasio e
proverem-se d'um traste sempre necessario,
e que lhes custar quasi metade do justo va-
lor. Assim, pois, dirigirem-se com dinhei-
ro alegre e espacosa loja d'aguia branca
ra do Queimado n. 8.
Lencos biauco. com barra de
cores para meninos.
A loja d'aguia branca recebeu um novo
sortimento de lencos blancos com barras de
cores para meninos, < com quanto esses
viessem melhores, maipres e perfeitamente
quadrados, com tudo tontinam a ser ven-
didos pelo antigo preco de 18 a duzia; n.
ra do Queimado na alegre e espacosa loja
d'aguia branca n. 8.
L&a Una para bordar.
A aguia branca acaba de receber um com-
pleto sortimento de 13a fina para bordar, cu-
ja variedade de agradaveis cores foram es-
eolhidas d'um grande livro d'araostras que o
fabricante offereceu a aguia branca, vindo
entre ellas alguma mesclada; assim pois onde
os pretendentes melhor se podan sortir des-
se genero, na alegre e eapacosa lqja d'a-
guia branca ra do Queimade n. 8.
Os afamados copos oom banha. e
boles com Inscrlpcoes.
Chegaram no\amente para a aguia branca
esses afamados e estimados copos com banha
fina; assim como os bonitos boies de por-
cellana dourada tambem com banha, e novas
nscripces maviosas e jocoserias, mui ade-
quado para presentes resta porem que os apre-
ciadores concorram, munidos de dinheiro,
alegre e espacosa loja d'aguia branca ra do
Queimado n. 8.
TERCOS
e coras de cornalina.
A aguia braaca pensando constantemente- em
bem servir a toda a sua regueiia, notou que ainda
nao havia feito algum agrado a aquelles que pru-
dente e acertadamente resando, cumprem dever de
bom ebristao, e quando reparou essa sua falta,
uiandtMi vir c acaba de receber delicados tercos e
coras de cornalina com cruz de prata, os quaes
deixa disposicao dos fiis que estiverem dispostos
a gastar 1*500* *e 3* para possuirem um bonito
terco ou cora, oom os quaes podem mesmo pedir a
Deus pela prosperidade d'aguia branca, em seu ale-
gre e espac,oso inlto da ra do Queimado n. 8.
Kotos e bonitos
peMinhos travessos dourados e com pedras para
meninas : vendeni-se na ra do Queimado, loja
d'aguia )>ranca a 8.
itahii/iulios com perfumarlas e
sem ellas.
A agma braaca vende bonitos bahuuahos com 6
frasqtiiulios decbeiros por 1*500 e vasios por 800
rs^ serviudo estes para meninas, e mesmo para
jois,elc., etc. na ra o Queimado, loja d'aguia
braaca n. 8.
Unliiis maclas e luairosas para
bordar
\*ndem-se na loja d'aguia branca ra do
Queimado n. 8.
Novissimos e bonitos enfeites
para eabecas*
Quando o bello sexo senta a falta de bons
enfeites para cabeca, eis que-a aguia branca
recebe urna sua encommenda de bonitos e
delicados enfeites, e de modernissima moda,
muito servindo isso para sanar aquella falta,
e fazer com que as Exmas. apreciadoras da
bella empreaa Goimbra possam melhor real-
sar e mostrare o apurado gosto que as
guia. Esses enfeites sao d'um tecido bas-
tante fino com continhas d'aco, e mui bem
enfeitados com flores, fitas, bicos, plumas
etc., entretanto que sendo obra delmuito
gosto custam H, U e l dinheiro vista;
na espacosa e alegre loja d'aguia branca ra
do Queimado n. 8.
Delicadas tesonrlnhas d'aco para
bordados e lab> rinthos.
A pedido de algumas senhoras suas praicklas
frcguzas, a aguia branca inandou vir dessas de-
licadas tesourinbas d'aco pontas agudas, proprias
para bordados e labyriuthos, e urna vez chegadas
como de faci chegaraiu, a aguia branca convida
as de mais senhoras suas boas fregucias para
aprovitarcm-se da occasio e bem empregarcm
scus bui cada urna dessas linissiinas tesouri-
nbas, na certeza de que perder jjor chegar larde ,
quem se demorar cin as mandar comprar no ale-
gre e espac_oso ninho d'aguia branca, ra do Quei-
uodo n. 8, onde tambem ba outras curvas e direi-
^ para unhas.
Ricas gnarnlces de pentes e
uve I las para cintos.
A aguia branca recebeu novas e ricas
guarnieses de pentes dourados, e com pe-
. dras; assim como outras bordadas froco e
' com bolas pendentes, novidade essa que so
! se acha em dita loja, e que na verdade se
tornam mui alegres e bonitas; e bem assim
! recebeu lindas fivellas com pedras, e ditas
d'aco com novos e engranados moldes, dntos
dourados e de marroquim; e muitos outros
objectos de gosto para senhoras sero encon-
trados na alegre e espacosa loja d'aguia
branca ra do Queimado n. 8.
Babadinhos estrellse bordados
Vendem-se na ra do Queimado n. 8, loja d'aguia
branca.
Capachos eompridoa e redondos
fnatwiiin na ra o Quonado, Lloja d^guia
branca n. 8.
ROUPA
Na rita do Queimado n. 43, esquina que
tolla para a Congregafo ; pechincha.
Paletots de casemira a 5*, 6, 7, 8, 12 e li*,
ditos de panno preto e azul a 9*, 10,12, 16 e 18*.
ditos sobre-casacos de panno muito fino por zW e
28#, ditos de alpaca preta c de cordao a i*, 5, 6 c
7*, calcas de casemiras de cores a o*, 6, 7 e 8*.
ditas pretas a 65500, 8, 9 e 10*. paletots de fustao
e ganga a 2*, 2*800,3 e 4*, calcas e colletes de
todas as qualidades e por preco muito barato, len-
ces de puro linho a preco de 2*800 e 3*, cober-
tas de chita a 2*240, coilarinhos de linho puro a
600 rs. cada um, e outros muitos objectos qte s
i vista ; c para isso se pede a attencao dos fre-
guezes.
Patassa da Russia.
Acaba de chegar pelo brigue hamburguez
Otto, muito nwa e superior; vende-se so-
mente, op antigo e acreditado deposito na ra
daCadeiadolRedfe, n. 12: onde tambem se
vende al de Lisboa muito nova e preco
commodos.
BARATO.
Saias a balo com 16 arcos, chegados pelo Flo-
rida, pelo baratissimo proco de 2*800 cada urna,
laazinhas de gosto moderno a 380 e 100 rs. o co-
vado : s na ra do Queimado n. 43, esquina que
volta para a Gongrcgacao.
Helas de linho e algodao
Vende-se na ra da Cadeia do Hecife, loja de
ferragens n. 44, recentemente chegadas do Porto.
EMBAOS fgidos.
Escratvs fgidos.
Fugiram no dia 2 de julho do imSI
escravas Candida e Lucinda, mi e lilla .. e*-
meira reprsenla ter 34 anuos, pouco maiy
nos, estatua e feiyoes regulaix-. dent
olbos aperudos e bem fallante ; a segnada ttftr-
senta ter lo anuos, pouco maisou eone, mulata
clara, bom cabello, estatura regular, han tab -
olhos apertados que parece ser m\ope. M BW
cicatrizes frescas de ferida de fugo na M ilti
nos dous bracos : roga-se as auloridaa mom "
. mais pessoas a captura deltas e enii u
senfior Domingos dos Pasaos Miranda, na ruain
HospiciOT. 31, que gratificar gtanWMMMi t re-
testando-se igualmente contra quem M '-
cuitado.___________________________
l-:seraos fgidos.
Fugiram desta cidade em caininlu- pai
engenho Bamburral, na villa da linea,
i vos: Filippe, de pttao 42 annos, bailo, mu i i
incitado; Alexandre, crioolo, Ivasao, bnisi
manchas de pannos pelo rosto; esti -
balbavam no engenho Atalaia. em Sennh.V
iwr minha oidem vieram para o Recife.
seguiram cm22 de jullio prximo nsno, tem
lgnora-se ocaminbo que tenbam U'inado
metido s autoridades, capilaesde campo, f
i quer pe8MM que os apprelieiidam e fcvein ..
. bredito engenno, ou nesla cidade na ra ii.i l' .u
ao Sr. Genuino Jos da llosa, que serio gen-i- .
mente recompensados.
| Jos l'ereira le Araujo.
1. E la DA L*
DOS PREMIOS I)MLT1.MV PARTE )Al. E la DA M, LOTERA, A BENEFICIO DA SANTA CASA DA ^ZERICORDIA, CONCEDIDA POR LE PROVINCIAL N. 537 DE 21 DE JIMIO DE I8. PAP.i
PAGAMENTO DE DESPEZAS JA FEITAS COM O TRATAMENTO DE ENFERMOS POBRES REMETPDOS PELA POLICA, EXTRAH1DA EM S DE AGOSTO DE 1863.______________________
NS. PREMS. NS. PHFMS.
a
o
8
12
lo
20
22
27
28
31
32
34
39
44
51
54
55
m
62
63
68
69
75
76
79
m
87
90
91
94
96
99
101
4
U)
12
1S
16
17
19
23
24
27
30
31
32
36
48
49
58
59
60
64
100*
40*
U
10*
o*
5*
li)*
5*
10*
S
8
10*
5*
20*
5*
40*
3*
16o 5*
67
70
76 -
77
S 1:000*
83 o*
87 -
92 -
93
95
98
99
202
3
5
8
12
13
15
16
25
32
33
39
44
45
48
50
ol
53
54
37
39
61
65
7
68
69
72
73
77
80
81
NS. PREMS. NS. PREMS.
10*
5*
91
95
96
300
4
C
8
15
316
18
31
32
34
35
11
46
47
48
50
52
53
S?
60
63
65
67
69
78
79
94
401
3
4
9
a
24
28
49
M
'36
40
53
OS
62
65
66
70
75
76
77
80
84
98
509
10
11
26
29
30
36
5*
538
39
46
47
50
56
58
59
61
63
65
69
78
81
86
89
91
92
93
97
98
601
S
6
12
1H
25
29
30
3
32
33
36
38
41
49
52
56
7
58
0
63
67
68
69
7t
75
7
<1
3*
10*
3*
20*
40
5*
10*
3*
NS. PREMS. NS- PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS
703.
8
8
12
20
23
28
:t0
38
12
50
31
58
63
67
68
9
75
86
88
89
92
801
3
4
7
10
11
14
15
16
18
2
m
41
42
43
45
56
39
60
61
62
63
65
68
70
72
a-
77
3*
20*
5*
10*
5*
NS. PREMS.
878
7(1
84
83
86
87
88
95
96
97
99
904
7
12
23
21
31
32
34
38
39
41
46
55
59
62
66
67
74
77
90
1001
2
3
19
14
15
24
27
28
32
36
40
42
46
47
48
4
57
58
68
"72
73
-" 1075
3*

ao*
-
77
78
82
85
90
91
92
93
95
99
1100
2
5
6
7
11
14
19
23
25
28
32
33
34
38
39
40
45
49
31
01
71
n
76
79
83
8ff
86
88
- 97
1203
4
10
17
19
23
29
34
39
42
43
10*
5*
20*
5*
5* 'l244
50
51
52
53
68
70
72
78
81
8
86
97
98
1301
5
6
7
9
10
11
20
21
26
28
34
38
39
40
41
4J
43
U
50
>3
m
56
68
59
60
63
69
7$
81
M
85
87
94
96
1401
t
14
18
10*
5*
10*
10*
5*
t0*
5*
1425
29
31
34
37
47
48
49
53
56
57
59
61
62
65
66
70
77
79
87
89
96
97
1505
14
15
17
19
23
29
31
34
48
49
50
5
54
55
50
61
64
65
68
70
77
78
-81
t 86
87
94
96
-1603
20*
3*
<
5* 1603
I 6
-! 7
9
11
13
20
24
25
20
28
m
31
33
35
39
42
43
45
47
49
30
55
62
71
72
73
75
80
83
3*
100*
5*
20*
10*
5*
10*
**
10*
5*
80
89
90
97
1701
9
10
11
12
14
16
18
35
36
38
46
49
52
55
62
66
20*
5*
1773 3*
74
75
80
81
82
81
88
91 10*
92 5*
95
98 10*
99 3*
1803
4
5 -
8
11
12 -
, 19 ~
' 20 -
S -
28 -
29
30 -
f*r
36 -
38 -
39
4*
46 m
48 -
51 -
58 *
60 ~
m -
64 -
66 -
68 -
71
76
82 -
85
92 -
97
1903
6 -
9
19
26
NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. iNS
1928
30
34
38
39
42
43
50
51
53
58
59
60
69
70
71
75
78
81
83
8o
88
89
90
93
97
98
2006
7
10*
5*
200*
3*
8
10
11
19
20
21
22
24
6.
27
30
31
33
35
41
43
52
57
61
66
74
75
77
87
10*
5*
20*
5*
2090
92
97
2105
8
11
14
17
20
24
32
33
33
36
S :
42 -
44
49 -
52 -
54 -
55 -
40*
100*
3
5* 225t
59
60
67
74
78
80
87
92
93
99
2301
6
11
14
15
17
19
26
33
30
53
61
U
61
62
67
68
75
81
89
W
96
98
2J00
l
3
7
9
11
14
15
ft
24
86
29
30
37
38
42
43
44
46
48
10*
5*
20*
5*
10*
lo-3
3*
68
72
78
98
2400
1
3
4
8
13
14
17
18
20
22
24
25
10*
5*
40*
5*
27
28
38
40
43
44
46
48
49
52
2455
58
64
70
73
76
82
83
87
99
2506
7
9
17
19
21
22
25
27
29
31
34
35
36
40
43
44
47
51
33
54
55
56
69
71
75
80
90
92
94
2606
11

14
15
17
25
27
M
34
35
5*
10*
34
PP.EMS.
10*
3*
26:36
37
40
44
47
48

."Mi
61
62
64
66

71
74
7K
84
83
88
91
96
99
2702
10
13
16
21
V
24
26
32
33
35
36
38
42
44
45
49
51
53
55
59
63
54
69
7
73
75
79
81
88
91
10*
5*
20*
10*
5*
5* tm
2801
b
II
M
31
43

48
33


j

::
*7
9i
94
97

290
s
9
14
17
20
22
27
34
36
40
42

47
52
53
54
9
(3
M
7
59
70

91
93
94
-I
*

I
m
40*
5*
62
0 esemao, Sevtrmo Jos' de Moura.
Pern.-Typ. de M. F. de Faria & /Wc1863.

*-^C.
fe


*
Diarlo de Pernamhiieo Quinta fclra > de Agosto de !&.

LITTERATRA.
MALDICTA !
A. Tcixeira ilc Carvalho Lisboa.

Oh maldicla seja a hora
Km que te vi, por meu mal,
Que inda hoje minh'alma cliora
Aquelle enconlro falal!
Ku tinha aqui no meu peito
Tanta esp'ranca. tanta vida...
O lindo vn 'sl desfeito
E minlia esp'ranca perdida.
Os ledos dias d'outr'ora
Por leu amor os perdi,
Os tristes que passo agora
Esses. vieran de ti.
i
T Janeaste a tempestado
Dentro de meu coracao 1
Nao te mer'ci a maldade
De roubar minha illuso.
Como o solardenle mata
Dos jardins a tenia flor,
Assim mataste, ingrata,
Meu to puro e santo amor.
O meu futuro brilhante,
O meu cu lio cor de rosa,
Nessa paixo delirante
Ficou noute tenebrosa I
Ju!guei-te um anjo ; em teus bracos
Me fui ceg arremessar f
Em breve quebraste os tocos
Nao me podas amar !...
Louco busquei urna fonte
Do deserto noareial I
Quiz eolher no agreste monte
A linda rosa do val!...
Mas hoje que descortino
De la alma a hediondez,
Maldigo o cruel destino
Que conhecer-te me fez !
Daquelle tempo passado,
Ncm a lembranga sequr 1
Que eu possa bradar : vingado !
P'ra mim morreste, mulher!
Oh 1 maldicta seja a hora
Em que te vi, por meu mal.
Que indajioje minh'alma chora
Aquelle encontr fatal!
Agosto 1863.
A. de Souza Pinto.
lantes e repetidas. Para a actual empreza
dramtica nao ha vacillages, Sempre que
faz subir scena nm drama todo o seu
necessario ahi apparece e tudo perfeito
carcter. As Mulheres de marmore exigan
um scenario novo em alguns de seus.actos ;
as despezas nao foram olhadas, e ellas o li-
veram. Agora representa-se A Probidade
o seu prologo exige um apparato especial,
este nao deixou de Ihe faltar; tudo explica
o lugar em que a aegao se dava.
A vista da praca d'armas da fragata SanW\
Rosa eslava lindissima. Entre outras cou-
guns blorentos pergaminhos ou de alguns
caixotes de moedas.
Na outra phase j vemos o homem sen-
sato, grave e serio. Despresando o mundo
de ostentares, por elle olhado como um
sceptico. Nao assim. Verdadeiro conhe-
cedor do mundo, Henrique Soares o ver-
dadero crente, Todava nio feliz; urna
i'cupago constantemente o oceompa-
lia era sua consciencia ura peso
orme 9^W
Elle rico e todos esses, queoutr'ra a-
Hinlaram i seu pae enfermo e moribundo o
, e ^ro
'cnor
sua posiglo ao saber a dura verdade,que at pressio e acompanliado do raovimento, que
entao tanto o preocupava. No segundo acto significava o pezar, que por isso senta;
a entrada do Sr. Furtado nao foi menos ma- seus gestos o indicaram.
gestosa ; era porm de outro genero ; sua I D. Guilhermina foi desenjpenhada peto
physionomia era de um homem abatido e Sra. D. Joanna. a mulher em cuja me-
acabrunhado pelos remorsos. Grandes e mys- moria pesa um triste passado. A esposa,
teriosos sao os decretos da Procidencia Es-' que v-se sem marido e a mi, que v-se
tas palavras foram ditas por tal modoe ac- sem filha ; e tudo porque ? Por ter deso-
companhadas de um tal movimento, que bedecido sen pae, occasionando por isso a
produziram um effeito grandioso. O Sr. Fur-' sua morte. E' um bello exemplo moral
lado Coelho artista ; dizendo isto temos A Sra. D. Joanna nao foi mal; todava
dito ludo. Isohresahio no final do Io acto, quando abra-
Manoel Escola .tambera um perfeito ga a filha, que j julgava morta.
des pinceis do inteligente scenojJPpho, q^
x. Dornellas, que mostrou gosto e perfei-
e mais urna vez a sua pericia n'essa
arte do desenho,
J sio sobejas as provas garantes das van-
bgens, queofferece a actual empreza dra-
mtica, para merecer do governo desta pro-
vincia a devida attenco, fazend-a entrar
no gozo ao menos de urna parte do subsidio,
votado pela assemblea provincial J nio
podara haver rceios de que, fiada n'elle,
deixe de satsfazer os seus serios compro-
jssos ; tem progredido muito, para que
Issa agora recuar.
< Sendo estes os tactos, reconaeceraai
com senimento unnime, que depon de
urna experiencia de trinta anuos, a
das cousas, estabelecida em 1832.
lava consolidada na Grecia sob a
que a convenci de 7 de en tiohe cla-
mado ao throno. em virtnie dos poderes
entio dados peto naci grega s cortes de
Franca, Gra-Brelanha e Rosan.
c A sua missi) ficou assim terminada
mas tenuo-se verificado as negreiapVs <
precederam a assignatura do dito tratado!
O artigo explicativo
an>
. assim como o arugo explicativo ? ^r^ju.
h5, asearlas geographicas, e os trophos camin do hospital, esses, que a misma homem de bem. E' urna alma grandiosa Collares e o .procurador delapidador da mentar do 30 de abril de !Kt:t a,
porluguezes bastam para revelar os defica- flagro quebrar os laros de sangw, cerca-lo- trajada pelo rudo e grosseiro typo de um fortuna de sua consWluinle. E' o cynico, senca 0 mnslro je s. M. et-r d
hiam um s tempo, caso assim quizesse. | marinheiro. Em sua mente s puHulam bons que prev o fin que o espera e, como raeio! viera, os plenipotenciarios da Franca Gr
Mas como enriqueceu? Eis a dura verdade pensamentos e em seu coracio g*erosos de arreda-lo, calcufn um casamento com e|-
enTque Henriqus Soares pens. Mas ser! sentimentos. E', em ultima analyse, urna' sa senhora que julgava viuva. Para es^es,
maroubot (fljS elle quando acabou de:bella criaco. | homens ha um argumento, que os acobarda
pratca-Io) Sim;. roubei o mar. E' a nica O Sr. Thomaz nio desmenliu o que d'el- e Henrique Soares o prova.
consolaco, que o satisfaz as suas horas de le esperavamos. no desempenho d"esse pa-l O Sr. GuTmares foi bem na execugo e
pe. Suas maneiras, a accenrnacio de sua %a segunda representaco corrigiu algumas
voz, tudo o,rotelava. O Sr. Thomaz pod faltas, que Ihe haviam escapado. O seu

Theatro de anta Isabel.
A cmprea. I Probidadf.Urna mulher que se
embriaga. Corda sensivel.
Em urna de nossas passadas chronicas fi-
zemos ver a grande influencia, que exer-
cem os espectculos dramticos no espirito
popular. \ empreza comprehende perfei-
tamente essa influencia e incessantemente
procura precncher essa misso, bem que
seja cercada de espinhos. Aquilatando a
altura verdadeira da arte dramtica, s fila
o alvo que se dirige ; os meios para l
ehegar sao para ella cousas bem secunda-
rias.
As provas desta nossa asserco sao cons
scismar.
Esta mesma foge-lhe. Henriques Soares
sabe que existe e v a filha dessje homem gabar-se de l-lqcomprehendido^e executa- Sr. Soares! foi dito com expresso.
queraroubou. Comeca o serio remorso da do com acuella njitBralidade, que elle o Os demais artistas, com algumas v
A penna do Sr. Cesar de Lacerda, que j
era conhecida do povo pernambucano, veio
ainda revelar-nos toda a sua magnificencia.
A Probidade de suas composices drama-
ticas talvez a que se acha mais bem ta-
lluda.
Todas as arles que decorrem da imitago
da nalureza humana mais ou menos dio
sempre prazor. O thealro nao se limita
forma e figura, faz ver tamben todos os
movimentos do coraco ; um verdadeiro
aguilho da curiosidade moral. Ora abala,
ora enternece, mas nunca inquieta. O pra-
zer causado pela arte dramtica est no es-
pectculo, que paira diante de nossos olhos,
da vida humana em todos os seus movimeu-
tos e sentimentos. A escola antiga recor-
ra, para produzi-lo, s paixes communs ;
a moderna qur mais alguma, seu alvo vem
ser as excepces e as curiosidades.
O Sr. Gesar de Lacerda sempre que es-
creve tem em vista estas verdades. Com-
prehendenifo que as artes, como diz Girar-
din, sao a linguagem da alma, as emocoes,
produzidas por sua penna, dirigem-se in-
telligencia, fazendo sempre com que as mo-
raes prevalecam sobre as physicas.
Na Probidade, o distinelo escriptor, pin-
ta com cores vivissimas um bello quadro
de horneas de bem, O enredo fcil e
perfeito; sua accao viva e animada ; seus
caracteres bem desenliados e bem acaba-
dos ; e finalmente a linguagem philoso-
phica, ms acceesivel todas as inteHigen-
cias.
A figura principal que destaca-se do gru-
po Henrique Sogres. Duas phases apre-J
senla a sua vida. m urna o joven intel-
igente, applicado, e de coraco aberlo, que
apraz-se em ser argido por um marinhei-
ro, para elle de toda a confianca E'o jo-
ven de sentimentos quem urna mal cabida
reprehenso faz corar, pois a intelligencia
sente-se offendida pela ignorancia obedi-
encia activa aos seus superiores a sua m-
xima, desde que nao encontra o'elles a a-
ristocracia da intelligencia, mas sim de al-
aeco que praticra. O hornero honrado exiga. Sua entrada no i" acto e as conira
toma a resolucio que Ihe competa Com scenas do 2o acto foram de muito effeito; j
o que tirara dpJudu ajuntra urna fortuna'nao fallaado das suas scenas do prologo, em
demilho e meio.' Nada qur e tudo vae que o marinheiro estava em seu elemento e
entregar e at mesmo renegar a mo da- em que, o Sr. Thomazsoube copia-lo.
quella, quem "j s achava incapaz de
unr-se
Ainda depois sabe que Jacob Abrahoes-
capou do naufragio e que existe. Aggra-
Nogneira o mancebo que calcula plci-
damente e com resignacio o futuro e re-
solve-se trabalhar fim de torna-lo mais
suave. E' o symbolo de urna alma genero-
vam-se os seus padecimentos moraes. So- sa, que se compadece das desgracas de ou-
gueira vem pedir-lhe urna esmola ou pro-
teoeo para esse homem, ento miseravel,
que tinha por cama a rea de urna praia, e
trem. Sogueira conhece de porto o que
sejam ellas.
O Sr. Penante, que seJiavia acanhado um
que soffre por demais. A'esmola" que qur
dar de milho e meio. Nada quera
mais para si proprio. Ficava plenamente
satifeita a sua consciencia ; livrava-a de um
grande peso e desde entio comecava es-
quecer-sedo que fizera. E nesse passado,
que sempre se apresentava diante de seus
olhos como urna nuvem carregada e medo-
nba, desde entao fuga de seu pensamento
para nio mais atormenta-lo
Que bello typo Essa elevaco de senti-
mentos honra a penna do escriptor que to
bem desenhou ura tal carcter. Digan
muito embora os zoilos que nao os ha as-
sim ; o Sr. Cesar de Lacerda bem pode
ufanar-se desde j que poder cria-los, sen-
do elles plenamente verosmeis, menos que
se queira suppr a sociecade moldada em
um nico cadinho e esse de perversoes.
Se o autor escreveu bem, raelhor soube
desempenha-lo X) artista, quem foi elle
confiado: O Sr..Furtado Coelhaxompene-
trou-se plenamente d'esse carcter Natu-
ralidade na accio, tudo correu-lne sem es-
forco.' Henrique Soares foi sem duvida es-
cripto- para o Sr. Furtado Coelho. No final
do prologo admiravel; sua phvsionomia,
o tom de sua voz e seus gestos pmtam fiel-
mente o que acabava de passar-se ; tudo era
n'elle de um sublime megesloso e grave.
A sua entrada no primero acto deixou para
logo entrever a outra phase de sua vida.
Seu modo de conversacio bastava para reve-
lar um profundo estudo d'esse carcter. O
Sr. Furtido niodecorou umpapel.aprofun-
dou e represaplou um carcter. _, Sua an-
ciadade ffo finat d'ess^ acto foi de nm gran-
dioso scenico admiravel e bem pensada a
por tecto algum bote. Euto o que Henri- poiKO na primeira representaco, corrigiu-
se na segunda e desempenhou bem. Aquel-
la sua dssertaco sobre o prego precisa po-
rm de mais gravidade. fo dialogo com
Henrique Soares quando Ihe vem pedir di-
nheiro e proteceo o Sr. Penante foi muito
bem. E' um artista inteligente e estudioso,
se algumas vezes erra, merece desculpa.
Nem sempre sio Ihe cabiveis acres cen-
suras.
Jacob Abraho o homem, quem os
padecimentos moraes tem acabrunhado.
Urna vida, se bem que curta, mas cheia del
bem tristes episodios, tem-n'o envelhecido.
E* o exemplo, a sua historia, do quanto
terrivel, em suas consequencias, urna deso-
bediencia aqelles, que nos dram p ser.
V-se final miseravel.
O Sr. Flavio foi muito bem. E' um ar-
tista para papis mais elevados e assim nao
Ihe foi difficil executar"este.
Adelia a joven de 25 annos; n'essa
eda.le, em que desabrocbam rsonhas e es-
perancosas as ptalas de urna linda rosa, que
precisa de urna atmosphera que a embalsa-
me. Est na edade dos amores, em que se
procura um coracao, que comprehenda esse
jogo de alTectosjjuros. Adelia ama e qur
se-lo.
A Sra. D. Eugenia foi muito bem. No
seu dialogo com Henrique Soares paten-
teou o embate das sensaces dos 25 annos
de Adelia e na scena em que lanca-se aos
bracos- d'aquelle, que julgava seu pae
pressor naturalmente a fidelidade do carc-
ter, que representa va.
A scena"da recordaco no 2" acto admi-
ravel, xecutada pela Sra. D. Eugenia. O
seu-^A'o me lembrofoi dito com ex-
aria-
coes, foram bem nos papis secundarios,
que Ihe foram cohrfidos. Dizemos secun-
darlos em relacSo afo principal do dra-
ma.
A joven Emilia disse com aquella gran
natural de seus poucos annos as palavras
simples da pequea Sara..
Ao drama seguhi-seUrna mulher que se
embriagaque foi desempenhada bera. de-
vendo-se todava notar que o Sr. Penante,
no papel de Magriot, steve bem longe de
merecer as arguicoes que Ihe fizemos pela
represettacao passada.
Na segunda representaco a Probidade
foi accorapanha la da assaz agradavel come-
dia, A corda sensivel.
Tudo foi executado com aquella grara
que a comedia e\ige. O Sr. Penante con-
tina ser incomparavel na especialidade
do Califourchon. A Sra. D. Eugenia, o Sr.
Lisboa e a Sra. D. Camilla estiveram excel-
entes. O can-can da primeira sublime.
Nada resta-nos dizer sanio Parabens
[empieza e aos artistas, que sabem compe-
oetrar-se de sua misso.
Aroum Ab-Hamganes.
Bretanha e Rossia, julgaram com
Para es amostrar a intencaoqoe tinham as siuh v-
pectivas corles de oerecer ao augusto cae-
fe da casa de Baviera nm testeniimho lefi-
timo de respeto, conridando-o a aotori
o seu representante em Londres a
parte as suas deliberaces.
c E depois de se ter lido o prafcnte pro-
tocolo, redigido de commum accordo, o*
plenipotenciarios de Franca, Graa-Bretaaln
e Russia. o assignaram e sellaran.
c (Assignado) Barn Gro*.HwmW/.
Brunnow.9
N. 2.Protocolo da conferencia de 27
de maio :
c Estavam presentes: os plenipotencia-
rios de Franca, Gria-Bretanha e Ri
FOLHETIM.
CAIAIRHO:
ruix
MAURICIO S.VW.
Primeira parte.
(CoHlinuaco do *I7G.y
Jornal de Marcos Valen.
Ilionaria que seja, sem ler a certeza de ama-
la e ser correspondido.
Ora, deixa-te disto I Nao ha rapaz
que nao merecs o amor de urna rapariga,
salvo'se um monstro de feio ; tondieco
em que te nao achas: s ura pouco franzino..<
porm isso nada qur dizer. Confias em mim
para fazer-te um casamento ? Nao te causa-
ra repugnancia a nossa vida de provincia ?
Nao, certamente : mas eu nao me ca-
sarei com urna pessoa a quem nao conheco.
12 '/< junho.
Noto a cinco das que Margarda fo^e de
mim ; evita as occasies em que podemos
estar sos. Todas as vezes que meu to se
de casa, ella recolhe-se "ao sea quarlo ou
chama Nanniche para fazer-lhe companhia
no salo. Se os nossos olhos se encontram,
vejo-a corar, e perturbar-se. Suspeilo que
sua amiga Fanny Ihe tivesse fallado de mim
com tao pouca cardade, como o fizera a seu
respeto.
Tenho necessidade de partir, e desejo fi-
car : todas as manhas levanto-mc esperan-
coso, todas as noutes deito-mc com o deses-
pero no coraco. O que espero eu ? Tor-
nar-me cada vez mais aborrecido.
13 dejunho.
Entretanto se ella me amasse, eu poderia
ficar !... Meu to levou-me hoje a passeiar
r sua propriedade, como diz elle, e mos-
trou-me com orgulho os seus bosques, os
seus prados, e as suas rocas: tono isto
acompanhado de discursos e theorias sobre
a agricultura e vida dos campos. Andamos
mais de seis leguas, ora patinhando nos ter-
renos j cultivados ou transpondo as sebes,
ora parando para ouvir urna noticia sobre o
progresso da colheita, um delicio praticado
por algum vizinho, urna negligencia do guar-
da, etc.
Achava-me fatigado phisicae moralmente,
e eslava a ponto de cochilar, quando a con-
rersacao recahiu n'um ponto para mim mais
interessante do que o prego dos cereaes, e
a cultura das trras.
Como vs, urna bella propriedade,
me disse meu to ; e quando Margaridinha
casar ha de ser a rapariga de maior dote na
provincia : pois lenciono dar-lhe urna parte
de tudo isto.
E em seguida desenrolou um catalogo de
nomes de herdades, bosques e campos que
deviam constituir o dote de minha prima.
At ento nao Ihe prestei urna attenco dig-
na do assumpto, porque nenhum interesse
me causava a fortuna de Margarida-ou de
qualqueroutra. Mas de repente disse-me
elle com intenco, ou preoecupado por urna
idea rpida :
E t, confessa, nao tiveste ainda a idea
de casar-te ?
A idea qne me germinava na mente era
urna, urna s ; e por isso julguot que meu
tio com esta pergunta alludia Margarida:
mas ah I ella anlipathisa comigo.
Ento, nao respondes, rpMcou elle.
Nao ha quem nio tenha pensado no
casamento mais ou menos : porm a minha
situaco actual to precaria !
Tens razio : porm se achasses um
bom partido ?
Nunca desposarei ama moca, por mi-
Approvo tambem : sempre e preciso
tempo para a gentevse conhecer ; pouco
tempo basta. Qaindo casei-me com tua ta,
poucas vezes a tinha vista e preso-me do
nao ser neste* ponto menos melindroso fle
que s. Emfim, depoisrffne regularmos as
nfissas conlas espero que te demores aindo
por aqu.
-__ porm, meu tio, tenho muito que fa-
zer em casa do Sr. do Weisberg ; e receio
abusar...
QueasneraJ Nao me causas incom-
modo algum : sio quando quero como se c
nao estivesses. Deves ficar, deixar de parte
os trabadlos, ser mais amavel, e menos sel-
vaget) : n'uma palavra, nao preciso ir
muito longe para descobrir o negocio de
que te fallei, e se tens olhos...
Era esta urna verdadeira declaraco : nao
sei, porm, que lOuca desconfiaba se ano-'
deriva de mif medida que o Sr. Desr-
raes fallava : e eslava a ponto do fazer-lhe
novas objeccoes quando elle deixou-me arre-
batadamente, e metteu-se n'nma mata onde
eu ouvia soar as pancadas de urna fouce no
pu.
Oh I c est um que me julgava stfr-
do 1 Vou eus'mar-lhe a fazer feixes de
lenha !
E assim bradando meu tio internou-se re-
solutamente na mata; onde o segu ^
vei-me pequea distancia, occulto por de-
traz de urna arvore. Vendo opjj^fi tari,
o ladrao apanhado -em flagran leSeuclo fi-
cou immovel e aterrado : recontec o ho-
mem quajia jfespera se dirigir ao pafe Car-
aat, e a queja este chamara imbfif (iqnj*
mal.
O que qur dizer isto, Frndy ? Ihe
perguntou met tiO encaminhando-se para
elle. Jambem t vens roubar-me a lenha ?
E?pera- quadrupede, canalha...
-x Nio se approxme, bradou Frandy
apertando conl aTmo convulsa o cabo da sua
fouce, nio se prdxiiae,$r. Desormes, e fa-
ca de cTm|a que naq me encontrou aqui :
nio d'qeeixa contri mim, e-nem me arme
processo ; porque entio Vmc. me ha de pa-
gar mais caro do que pensa, Jgp certo cottb
estarmos aqui nos dous sozinfios.
Oh 1 alm de"Voubares, me insultas I
Bem vejo qurfs um miseravel... J, safa-
te daqi !..'.*
Safo-me^e quizer *i do contrario fi-
carei.
Ests caceando comigo Espera...
E o Sr. Desormes- atirou-se ao camponez,
que levantou a fouce sobre sua cabeca. De
um sallo puz-me ao p de Frandy, derri-
bei-o por trra, e cont\ye*-o apezar dos es-
forgos que fazia para levantar-se.
Perdi l clamava elle. Sou um pobre
pae de familia : verdade que vim cortar
alguns ramos seceos para fazer nns feixinhos
de lenha, mas creia que foi com a intenco
de paga-las depois ao Sr. Desormes.
Mentes; s um ladrao, s nm assas-
O que vae pelo mundo.
Ao parlamento inglez foram aposenta-
dos, pelo respectivo gabinete os documen-
tos seguintes sobre os negocios da Grecia :
t N. I.Protocolo da conferencia de 16
de raafo de 1863.
Estavam presentes : os plenipotencia-
rios de Franca, GrarBretanha eda Russia-
O principal secretario d'estado de S.
M. B., na repartco dos negocios estran-
geiros abriu a sesso e fez um resumo his-
trico dos acontecimentos que puzeram ter-
mo ordem de successo eslabelecida pela
convenco concluida em Londres, a 7 de
maio de 1832, entre as cortes de Franca,
Inglaterra e Rossia por um- lado, e S. M.
el-rei de Baviera, na sua qualidade de tu-
ex- tor de seu segundo Hlho, o principe Fre-
derico Othon de Baviera, pelo outro.
t Os plenipotenciarios essminaram com
attenco esses acontecimentos, que oc'cor-
reram em circunstancias, a que as suas
corles foram completamente estranhas.
c Os plenipotenciarios da Franca, Gria-
Bretanha e Russia reuninra-se para tonar
conhecimento do resultado da medida lo-
mada em Munich pelos representantes da-
tres potencias protectoras, na contrada
de das resoluces adoptadas pela conferen-
cia de 16 de maio.
O principal secretario de estado anmm-
ciou que a corte de Baviera nao tinto aoto-
risado o seu ministerio, acreditado junio de
S M. B a lomar parte as deliberaces qt>*
se iam tomar em Lond es.
Na ausencia d'aquelle ministro, o princi-
pal secretario de estado de S M. B. jul-
gou do seu dever fazer menguo das reser-
vas feitas em abril ultimo pela corte de Ba-
viera a favor do ramo nnis novo da fami-
lia real de Baviera, que o artigo 8* da con-
venci de 7 de maio de 1832 substitui-
r eventualmente |a 5. M. el-rei Giban.
no caso de este soberano morrer sea des-
cendencia directa e legal.
Concordou-se de commum accorilof|oe
se ioserisse esta declaraco no prsenle pro-
tocolo.
sino Nao ests bebado, e eu te farei gra-
mar na cadeia.
Perguntei ao meu tio se aquelle homem
era com effeito desgrasado.
Eu sei l me respondeu. Se a gehte
fr dar crdito ao que elles dizem, nao ha
um s que tenha um pedaco de po para
.comer.
Introdtazi urna raoeda de cinco francos
na mo de Frandy, e mandei-o embora
Fraudy levantou-se, olhou admirado para
mira, calgou os seus tamancos que bavia per-
dido na lula, e dispunha-se a apaoaar a fou-
ce, qundo'oSr. Desormes agarrou-a repen-
tinamente, dizndo :
Isto c me Oca como prova convincente.
Breae ters noti6ias minhas...
Fiandy relirou-se sem dizer paavra.
Espero que nio o persiga, meu tio.
Descanga, nesta nao cio en. Dar urna
quexa ao juiz de paz, en'caminhar talvez o
pcoc.'sso a algum tribunal nada, nao me
coavm, tenho mais em que cuidar. Disse-
Ihe aquillo para intmda-lo. O caso que,
se nao fosses l, aqoelle bruto seria capaz
de alirar-me urna cuidada. EsA canalha
depois da repblica ficou muito ejnproada I
A, culpa dessas ideas modernas que Ihes
meitem na cabeca, e que elles nao compre-
hendem. rapaz ; chegkte bem a proposito, e dstes
um sueco de meslre ; nao te julgava com o
pnho to forje Para semelhante gente
a que serve.
ir tarde o Sr. Desormes contou a sua
aventura com Frandy minha,prima e ao Dr.
Thibaut, que viera jantar com nosco. Em
seguida ficaram os dous conversar, em-
quanto eu lia na bibliotheca.
Margarida passeiava s no jaWim : nao
eusei acompanhar. A especie de declaraco,
que me fizera meu tio, tornava mais doloro-
em vez de
que foges
co espiri-
fa-
me
te :
ra para
. entendes
o que nao
mais
gr-^ sa e insupportavel a indifferenca^jr ella tes-
temOnhada.
Depois que o doutor Thibaut retirou-se,
meu tio foi ter comigo.
O que fazes ahi sozinho
passeiar com tua prima ? Pare
dalla EhfSo acbas a pequea
tuosa ?
Esta bonhomia TQparreira
zia bem. Respond inmediata
t- Margarida mostrase mDT
comigo, meu tio.
Muito fra, muito fria, o
por isto J"Cora aquella edade
pode apaixonar-se por ti ; nao la tio moca, e ser bdm que ele nao pense
em tal cousa... Mas t nao s crianca, co-
nneces o respeto que se deve a bina joven,
especialmente Sendo prenla. Hoje Wpas-
seio fallei-te respeto de ti rafesme*; ds-
fe-le : Um dia vira... j que o paiz te
nao desagrada... Emfim nadaunatodigo :
niostra-te digno da minha bondfde, e vere-
mos depois o que se pode fazer por ti.
Saltei ao pescogo de meu lio, abracei-o
exclamando :
Margarida nao me ama 1 *
E que novidade acas nfcto ? Ests
louco Se a soppozesse capaz de amar na
edade que ella tem, recambia-li-lia j e j
para o seu collegio. Minha filha urna mo-
ca seria e razoavel: ninguem amar sem
permissio de seu pae. ^
Margarida recolheu-se ao sen quarto sem
que eu a tornasse a ver. Nem mesmo ao
jantar me dirigiu urna s palavra de agrade-
cimiento, pelo soccorro qne prestei ao seu
pae. Fanny bem o disse : Margarida tem
o corago gel.do ; nunca conhecer o amor.
15 de junho.
Hontem houve jantar e partida era casa
da Sr.* d'Astafort: l eslivemos. Tantos
sao os carinhos e agrados que me faz a ma-
trona, que jolga-hia de certo apaixonada
por minha pessoa, se nao fossem os seus
cincoente annos ou mais.
Foi urna reunio pouco agradavel n'um
local pequeo com vinte e cinco grus de
calor.
Achava-se ali urna singular mistura de
aristocracia burguezia e democracia ind-
genas.
Em primero lugar o conde de Mauvezn,
joven looro e envernisado como um bone-
co, engravatado, enluvaoo, e perfumado
ultima moda, a flor dos fidalgotes da pro-
vincia, insigne conhecedor de caes e caval-
los, de sorte que teria sido um oplimo pi-
cador, a
A dona da casa, apreseniou-nos um ao
outro; porm nao travamos conversago:
creio que ha antipatliia entre nos; pelo me-
nos julgo por mim.
Fui mais apresentado ao Sr. Miguel,
engenheirdVivil, que se oceupa de geologa:
um personagem gordo, com o pescogo de
touro, sanguneo, de maneiras arrebatadas,
apparencia commum; porm bom homem :
ao Sr. de La Chapelande. um tanto fidalgo,
desfavorecido no phisico e no moral, e que
forma o mais extranho contraste com seu
amigo Ral de Vinceux, mogo e folgaso
um galhofeiro, como diz o Dr. Thibaut.
Emfim travei conhecimento com o Sr. Boc,
o poeta do terror. E' filho da velha criada
de meu bisav Urbano, e tem quarenta an-
nos pelo menos. A sua estatura pequea,
a cabega grande com enorme cabelleira,
bigodes pretos e speros, e urna* barbinlia
de cagador d'Africa; otosIo palltdo, os
olhos pequeos e encovados, o nariz grosso:
n'uma palavra um tronco de espadas es-
treits, trepado em duas pernas que termi-
nara em grandes ps mettidos em luidias
botas como duas relhas de arado: tal o
Considerando, porm, que
execular de fuluro as estipulares do *>
artigo 8 em presenca de um acontecimein
que nao dado mudar, e pelo qual as tres
potencias nio sao de modo alguna respoa-
saveis. os plenipotenciarios da Franca. Gria-
Bretanha e Russia, concordaran que acanv
do-se as suas cortes desligadas da soa bms-
sio por circunstancias nao previstas inte
convenco de 4832, nio podan demorar
indefinidamente o momento en que con-
vinha collocar a Grecia sb um rst^ma
conforme com os principios monarchaiesanr
do seu interesse manter no novo estado
fundado pelos seus esforgos reunidos.
iGmlinnar**)
Sr. Boc^oeta blasonador. m poucas pa- ^s daogas comegavam. Convide Margarida
larras, que disse logo principio, arriscou para a primeira quadnlha; ella agradeceu-
um pensamento que o Sr. de Vinceux tete me com frleza desculpsndo-se que eslaw ja
o desaso de contradizer. Foi ento que compromettida com o Sr. de Mauvezm.
com o despreso nos labios, e unftofti de Nao tive muito trabaHio em apoderar-me
superioriade mu nolayel, o pleta comegou de madamolsee Fanny ; os seus grandes
a fazer e a desfazer os impenos, censuran- olhos me prpvocavara visivelmente com urna
do a^ constituigoes, e dandb vivas patria expresso esiranha.
no fim de cada frase. nj 4 V 'Menos tagarella que sua mae, porem mm-
A dona da casa, vendo que era preciso dar
partida um poucb de animago, pediu ao
poeta que recitasse alguns versos. Boc,
depois de fazer-se muito rogado, consentiu
a final.
Recite alguma cousa sobre o Amor >
bradaram tres ou quatro velhuscas.
Todos guardaram silencio, e o poeta, jo-
gando para traz a sua feroz cabelleira, e tor-
cendo os speros bigodes, recitou com em-
phase um aranzel rimado sobre o Amor e
sua Mae Venus.
Um sussurro mal abafado proveniente da
queda de um chapeo fez com que todos
voltassem os olhos para o lado em que se
achava o Sr. de Vinceux, que se apressou em
bradar:
Magnifico !
Alguns applausos, seguidos de um rumor
de chicaras e colherinfias, de cadeiras arras-
tadas, e rogar de vestidos, despertaram meu
tio que adormeceu logo ao sexto verso ;
e abrindo os olhos perguntou:
Que horas sio ?
Ral de Vinceux fez-me signal para me
aproveitar desta confuso momentnea, e
umos ambos fumar ao ar livre. Achava-se
elle n'uma disposigo de espirito muito di-
vertida.
Foi urna verdadeira emboscada, me
disse* o mu companheiro. Os versos de
Boc produz8m para mim o mesmo effeito
que urna pedra no deserto.
Ter-me-hia rido desta comparago, se a
tristeza me nao acabrunhasse. Prestei lio
pouca atlengo aos versos que nao poderia
affirmar se eram bons. Margarda nao sa-
ba do meu pensamento, e eu eslava to des-
peitado com ella, como Ral com o poeta.
O seu trajar desse dia arrebatava, acheia-a
mais formosa do qu nunca.
O Sr. db Mauvezin dirigu-lhe a palavra
por diversas vezs, sem que Margarida per-
cebesse a antipatbto. que eu tinha por esse
homem: desejarfa bem que ella a partilhas-
se, ou que a menos fingisse a parti-
Ihar.
O som do piano nos chamou ao salo;
. O Sr. de Vinceux
clarecer alguns pontos aa situagio moral da
Franca, fazia-o transpr os abysriBrdo rP
diculoxdm urna boa | qu s ao poeta
illudia; e*depois de desfructa-lo p mais
possivel deu-se por 'convencido, admirado
de tantas banalidades, e deixandcro vence-
dor entregue ao xtasis do seu asnatico tri-
umpho.
Nio rae importei majs coin__ o poeta
um signal de
mei-me della.
Fui o nico, a
nftiselle Fnny aproxi-
to mais maliciosa, poz-me ao fado n'um
instante de todas as intrigasinhas, e cho-
calhtces do lugar. Ri, e applaud at'o mo-
menp em qfe ella nlefez observar que mi-
nha "prima dangavtjela segunda" vez com o
Sr. de Mauvezin.
E' pena que seja to-menina, accrescen-
tou; porque aqelles dotis lourinhos forma-
ran um bonito par. Deve metter em ca-
bega de Jargarida a idea de ser oro da
condessa; isto Ihe' faria esouecer um pouco
a sua drkem paterna. Tamben para neta
excepgo do Sr. de Mau- de um pqrqueiroj muito distinctal OSr.
el transpr a Imha que nos ha tte convida-la para dancar d'aqui a pouco,
S&0 nT'
separava das senhoras.
E' interessante vr-se aqui os homerar Minha Senhora, Ihe respo
vestidos de preto aggtomerados um cania--Bats mios muitp |pias, *Pmaliciosa a ex>
r- Minha Senhbra, Ihe rejpondi eu, acho-
I as maos mui|p
sem conversar com as Senhoras, que do seu pressio des olhosi
Nio sei o que respond. Desesperaba
ver Margarida prestar altenrao a ease booe-
co enfeitado, que chamam Mauvezin. Ain-
da urna vez comprehendi que ella me o<
amava, e como se fosse obrigada a partilhar
da minha paixo, aecusei-a interiormente de
m, sem alma, sem discernimenlo e em
carcter, emfim tal qual me a deserevrn
Fanny.
Nb a convidei mais para dancar. Fannv
pelo conlrario empregava lodos os exforcos
para agradar-me; fingi que Ihe fazia a cor-
te s para punir Margarida.
Meu Deus, quanto soffri '. O Sr. de Mau-
vezin tocou-me com o cotovelo inadvertida-
mente : pediu-mc desculpa, no Ibe res-
pond.
Estimara bem que se mostrase ofen-
dido.
Oh Com que prazer me balera com
elle I
A' meia noute n'uma walsa Margar id-'
passou por junio de mim. Pareeeu-ne
lr o despeito nos seus olhos; nao pode cer-
lificar-me, mas assim me pareceu. Se fr*-
se real!... Quereria anles a sua colera fi-
que a sua indilTerenca.
Entretanto resolv loucamente affront
al o fim : aprazia-me offender-llie o amor
proprio, para que ella soffresse nm poor
dos tormentos porque me fazia pnsnr. T>
mei Fanny nos meus bracos, e no k>"
volleio da walsa passava e repasara por
frenle de minha prima, que j nowalsava.
Todas as vezes que o vestido de madamoi-
selle d'Astafort rogava no seu. ella o retirav.i
com nm movimento que eu bem quiz- r
attribuir colera, mas que certament nao
passava de um inslioelo de galantera par
mostrar o seu p ao conde de Mauvezin
E' to pequeo, e to lindo esse p de me-
nina !
Concluida a walsa, Margarida lersniMMe
para retirar-se.
O que quer is'o dizer Pois Marga-
ridinha vae-se embora? pergonlou a Sr
d'Astafort com o seu tom spero e familiar
Ainda temos moilo que dancar: apenas
meia hora depeis de meia noute.
Margarida respondeu que achava-se ncom-
raodaoa,ve partiu fom seu pae.
Tratara j de segui-los; mas a Sr.* d\V<-
tafort pediu-me qffte ficasse at ofn>
baile.
Um d'esles senbores o levar em sna
companhia, accreseenlon ella: o Sr. de
Mauvezin. por exemplo, que ora na
Chiz, oa entio o Sr. de Vinreax, nse ha-
bita no castello do Gromt-PIem, e por is-
so deve passar por S. Joio.
Aecetei o offerecimento que Ral apres-
sou se*em fazer-me, e ftaaei. Onri raaar
0 carro que leva va Margarida. e cosa ala ->
meu ceracio ; porque depoe da saa retira-
da liquei triste, pensando em que latea a
minha vingabni a fltesse soflrer. Toda a
outras mulheres qne ficaram a dancar pare-
ceram-nSe inspidas.
Esse Desormes nm 1I1 aaanthi pn
zeres 1 exclamoo a Sr.1 d'Astafort entrando
no sali. Lawat-nos Margahdita i nen aon-
te I E essa tolioha que nio sabe ter
de propria 1... .Vamos,
nhores, urna polka!
lado conservam-se retidas n'um" circulo a Disse-lhe alguma cousa que o offen-
olharem urnas para as outras com solemni- de>?se? Ah perdi: esqueci-me de que
dade l Parece os preliminares de ura en- Margarida pertence aos Valerys por parte
Ierro. de sua mi.
i^Loalraaor-jf-aa.)
PERNAMBUCO- PYP. Mt H. F D* f PUH>
aa


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E4YACNSE2_EL19TB INGEST_TIME 2013-08-27T21:37:29Z PACKAGE AA00011611_10158
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES