Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10151


This item is only available as the following downloads:


Full Text

V
AUNO XXXIX HOMERO 171.
Per tres mezes adan lados 5S00O
Pop tres nezes vencidos .

f w
----- 't*
" 'M V

0ARTA FEIRA 29 BE JBLHO DE 1863.
Por anno adianlado l^OOO
Porte franco para -o subscriptor.
DIARIO DE PERNAMDUCO.
ENGARJREGADOS BASUBSCRIPCAO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino do Lima'
Mtal, Sr. Amonio Marques da Silva; Araran, o
Sr. A. de Lemas Braga i.Ccar, o Sr. J. Jos" de
Olivara; Maranhao, o Sr. Jnaquim Marques Ro-
drigues; Para, o Srs. Manoel Piubeiro & C-; A-
miuonas, o Sr. Jcrommo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL
Alagas, o Sr. Claudiao Faleiio Das; Bahia, o
.Sr. Jos Martins Alvos; Rio do Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins <\ Gasparina,
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Gibo e Estada todos os das.
Ignarassif, Goyanna a l'arahvba as segundas e
soxlas-feiras. !
Santo Antao, Gravita, Becerros, Bonito, Caruaru',
Alfinhn e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho. azareth. Limoelro, Brejo, Pesqttcifa,
Ingazeira, Ploro*, Villa Bella, Taearatu', Gabroh,
Boa Vista, Ouricnry c Exu* as qnartas feiras.
Serinhaem, Rio FornVnso, Tamandar, Una, Barra-
ros, Agua Preta c Pimcnteiras as quintas feiras.
Ilha de Hernando todas as veres que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partan ao '/, dia.
EPHEMERJDES DO MEZ DE JULHQ.
4 La cheia as 3 horas, 20 m. e 22 s. da m.
7 Quarto ming. as 7 h., 3 m. c 20 s. da t.
15 La nova as 7 h., 28 m. e 20 s. da t.
23 Quarto crese. as 6 h., 7 m. c 24 s. da *.'
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 3 horas e 42 minutos da tarde.
Segunda as 4 horas c 6 minutos da manhaa.
-
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Paraosul ate AlagftM ft5 e 25; para o orto at
a Granja a 7 o 22 do cada nv ; ,ra Fernando nos
das 11 dos mezes de jan. marc.;m*o iil et enov
PARTIDA DOS OM.NIBt'S. '
Para o Recife : do Apipucos as 6 >/i, 7, 7 '/,, 8 e
8'/, da ni.; de Olinda as 8 da m. e 6 da tarde; de
Jalioatao as 6 'A da m.; 'do Caxang e Varaea-s 7
da ul; de Benuca s 8 da m. ;,
Do Reeife: para o Apipneos s 3'/?. 4, 4 yh"k Vi,
5.#5 Vj. 5 Vi e 6 da tarde; para Olinda as 2 da
manhaa e 4>/jda tarde; para Jaooato s 4 da: tar-
de ; para Cachang e Vanea s 4 '/* da tardo; para
Bonifica s" 4 da tarde.
AUDACIA DOS TRffilNAES DA CAPITAL.
Tribunal ds-oommercio: segundas e qufitas.
Relaeao: trras o sabbados s 10- horas.
Fazenda: quinta s 10 horas.
Juizo do coauHircio- segundas s-11 lloras.
Dito de ori*aos tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara da civol : terca* e- sextas ao meio
dia.
Segunda vara do cvel: qtiartas- e> sobados a 1 hora
da tarde.
BIAS DA SE.1AXA.
27. Segunda. S,Pantalenompdieo: S. Se{rt> m.
28. Torea. S. Inaoenicio p.;9. Nazaro irrt
i) Quarta. S. Maiilia v.; 3. Beatriz e FkT3nim.
30. Quinta. S. DooMlla v.; S. Rufino m.
*. Sexta. S. Ignacio de l.o>n!a ;S. Climmo *.
|.-Sabbado. Ss. Fe; Es|ieranea e-GadM-rv:
2t. Domingo. X. Senhora dos" AjJmT^"
*m
ASHflNA-SE
no Rnfc. em a livrariH.d praca -p*n<)nir i
ns. 6- e 8. do* proprieArios Man- m figoeiipa *
Faria t FUIio.
PARTE OFFICIAL.
BUXISTKRIO A I VZI.M \.
Relatorio do ministerio da fazenda, que devia ser
presentado assembla geral legislativa pelo
respectivo ministro o Exm.
Airantes.
( Continuadlo, j
EXECUClO DA LE N. 1-.083 DE 22 DE AGOSTO
DE 1860.
Permuta de accoes das estradas de ferro.Os
il'-'ii.s ltimos rulatorios deste ministerio deram con-
U circumstancada da importante operario da per-
muta das accoes das estradas de ferro de D. Pedro.
blica de juro de 6 %. autorisada pelo art. 5 da lei
n. 1,083 de 22 de agosto de 1860, e effectuada at o
lim de mareo do anuo passado.
A.-sim que, oabe-me agora apenas a tarla de
dar-vos conta do pouco que a semelhante res-
peito occorreu de entao at hoje.
Nenhuma nova permuta fez-se nesse periodo, e
a nica operacao durante elle realisada consisti
em ter-sc [Migo o resto do valor das accoes das es-
tradas da Babia e Pernambueo, de qu o estado
possuidor, em virtude das chamadas feitas
isto pelo valor de.1205000 a 1305000 cada ac-
oao, tica manifest que o lieneficio auferido da
transaceao com o banco do Brasil, apenas habili-
tara aquellos accionistas para salvaran o valor
primitivo das suas accoes, sendo levada aeffeitoa
I iquidacao do banco Agrcola, aqual entra va co-
mo condicao acce ssoria no referido ajuste.
Para o banco do Brasil, o resultado immediato
m desta transaceao era fiear elle habilitado para ele-
r X?r o sen fnnclo disponivcl (na Caixa Matriz), en
to de cora de 5,000:0005000, somma de. .
8,800:0005000, sem recorrer a novas chamadas,
que naquella, e mesmo na presente qnadra, po-
riam em etharaeos nao pequeo numero de seus
accionistas.
Augmentando assim o fundo disponivcl, pedera
a emlssao do banco subir ao mximo de.
20,000:0005(100, satisfeitas todas as clausulas res-
trictas, que lhe imp5em os seus estatutos, urna
vez aberto o pagamento metaflico de suas notas cir-
culantes, em observancia do disposto na lei de 22
de agosto de 1860.
Assim, mediante o sacrificio pecuniario de cer-
ca de 2,000:0005000, conseguira o banco do Bra-
sil o importantissimo resultado de constituir-so
nico banco de circulacao as provincias do Rio
de Janeiro, Minas c S. Paulo, a bem dos seus inte-
resses.
Pbrtanto, approvada pelo corpo legislativo a rc-
solufao n. 1,172 de que cima tratei, e convertida
pelas
respectiva* companhias, o pue reduc a quantia de I em lei do estado, promulgouo governo o decreto n.
3.280:3125223 que o thesouro recebcu em dinheiro '2,970 de 9 de setembro de 1862, a lim de regula-
pela dilerenca entre o capital realisado das accoes risar e desenvolver a doutrina da dita resolueao.
e o seu valor nominal, a 2,483:8105000, correspon- No decreto, de que acabo de fallar-vos, acham-
dente s accoes da estrada de D. Pedro II c quo se comidas as seguintes disposicoos :
contina a fazer parte da flivida fluctuante. 1." A de elevar-se o capital d banco do Brasil,
A tabella que junto a este relatorio sob n. 48, que era de trinta mil contos pela lei n. 683 de 5
rom complemento das de ns. 38*o 52 annexas aos de julhode'1853, e trinta e tres mil contos dividi-
relatorios de 1861 e 1862, mostra tudo quanto tem; dos em cento sessenta e cinco mil acedes de. .
occorrido desde que comecou, at que terminou 2005000 cada urna, visto dever transferir ao par
a operacao da pe muta. i vinte e qnatro mil accoes do banco Gommercial e
Aim dos diversos factos que aprsenla, demons- Agrcola,
tra a mesma tabella que. comparada a importancia [ 2. A de sujeitar-se o referido banco aoonus do
de 796:5025221 receida em dinheiro das duas re-! resgatc do papel moeda na razao da terceira parte
feridas companhias da Bahia e Pernambueo, com do augmento do capital para ser effectuado inte-
o pagamento das chamadas por ellas feitas na de gralmente dentro de dous annos, contados de 9 de
783:6995244. resulta a favor do thesouro un lacro
de 12:8025977, proveniente de differenea d cam-
bio.
Por ella v-se tamban que a totalidade dos juros
das apolices dadas em permutadas aeros, pagos
desde a emissao dellas at 31 de dzembro de
1862, monta importancia de 1,382:8445000 rs.,
e que sendo de 1,087:7375500 a dos dividendos
3ue o thesouro recebeu durante o mesmo tempo
as acfoes das estradas de ferro de que o governo
possuidor, ha urna differenea contra o estado de
295:1065*40, que representa o onns que lhe
tem custado o uso das iniantias recebidas dos ac-
cionistas em resultado desta operacao.
Diversos objectos.Nos arfigos quo adianto en-
eontrareis sobre as companhias anonymas, deno-
minadasbanco Rural e Hypothecan,Commer-
cial e Agrcola,de Pernambueo,da Bahia,e
do Maranhao, tica pteme que a lei de 22 de
agosto foi eumprida pelos ditos bancos, podindo el-
!..-. oiii tempo proprio, a reducSau de b u/ de su
emissao, por nao podereou aind trocar suas notas
por moeda metallira. O quantitativo que nova-
mente ge Txou para; mximo de suas e*iss5es, e
as ordens expedidas para esse lim, esto menciona'
das nos referidos artigos.
Tamban aeharets no artigoLondon & Brasilian
Bankque se fizeram todas as exigencias, ordena-
das pela dita lei, afinj de que fosse concedida a au-
torisaco que |>ediaui os respectivos agentes para
o fim "do installarem nesta corte o referido banco.
Veris igualmente dos artigos sobro as socieda-
des anonymasCommcrcio, Gaixa econmica. Re-
serva Mercantil, Caixa Gommercial, i; Caixa Ilypo-
thecaria,todas da Bahia, e Caixa Gommercial das
Alagoas, que se cumpram as disposicSes relativas,
nao s a substituicao da 5* parte do' pessoal que
compoe as directoras, mas anda ao transarte de
uns para outros semestres, dos lucros porlencentes
a transaccoes nao ultimadas nos primeiros.
Sobre ste assumpto nada mais occorreu, do que
possa informar-vos.
SOCIEDADES ANONYMAS BANCARIAS.
Tem sido pratica ha alguns annos dar-se conta
nos rotatorios deste ministerio do estado conhecido
das sociedades anonymas que fazcm transare/ios
nanearas, apresentando-se ao mesmo tempo deta-
lladamente suas principaes operacSes, para que o
corpos legislativo, examinando-as." se inteire das
circmstaucias destes ostabelecimentos de crdito
e conhoea sua marcha de prospondade ou de defi-
nhamen'lo.
Para que fosse completo este trabalho, era de
mister que o thesouro jiossuisso todos os esclare-
cimentos neces9arios confeecao dos artigos que
adianto vos offereeo : falla, porm, o eonhecimeato
de muilas especies importantes que nao s.io pro-
prias dos balancotos recobidos pelo thesiiuro. e que
muitas vezes nem anda nos relatorios das directo-
ras vecm mencionadas.
L'm dos inconvenientes procede da divorsidade
das pocas em que sao apresentados osles relato-
ros, resultando disto-que no da fazenda umitas ve-
zes se moncionam factos de amiga data, quando
tQdq o interesse que elles teem j se acha algumas
vezes annullado por factos posteriores, porm nao
participados at o tempo em que se abran as ses-
socs das duas cmaras.
Banco do Brasil.A resolueao n. 1,172 de 28 de
agosto de 1862 autorisou o governo para approvar
oaccordo eelebrado pelo banco do Brasil cem os
outros dous bancas de circulacao, estabelecidos
nesta corte com a denominacao deCommercial e
Agrcola, eRural e Hypothecariosobre a desis-
tencia que estes faziam do seu direito de emissao
setembro.
3.* A de autorisar-sc o mencionado banco a com-
prar por quatrocentos contos a eessao do direito do
emissao de que dtspunha o banco Rural e Hypo-
thecario.
4.* A de liquidar-se o banco Commercial c Agri-
gola, observando as regras ahi estabelecidas.
5." A de flxar-se o prazo para comeco da retira-
da das notas pertencentes aos ditos dous bancos,
dando-se igualmente regras que deviam ser obser-
vadas nesta retirada.
Todas estas disposiefes foram cumplidas com
exeepoao somonte da segunda, cuja execujo pode
ser espacada al 9 de setembro de 1864.
Vbu agora dar-vos conta da principal c mais
melindrosa operacao deste banco ; a sua emissao:
At fim de novembro do anno prximo passado
nada houve de notavel na direceo e manejo deste
importante objecto.
Em 31 de dzembro, como veris do quadro n.
49 tinha este banco a faculdadc de emittir. ; ..
21.924.9135419. Juntando esta quantia de. .
346:6915222. faculdade permittida pelas circums-
Jancas da caixa filial de Minas, e bem assim de
738:4765500, que as circumstancias da caixa Fi-
lial de S. Paulo tanibem permittiam emittir, tere-
mos para total faculdade emissoria destes tres es-
tabeleeimentos a somma de 23,010:0805000. .0
banco, porm; emittio 20,152:4405000, a caixa fi-
lial de Minas 1,519:3405000, e a do S. Paulo. .
4.187:3505000 : somma 25,839:1305000. de
razao que desta importancia se deduza :
1." 1,273:5205000 na caixa matriz.
2." 206:4705000 na caixa filial de Minas.
3. 84:2705000 na de S.Paulo, sommando todas
tres 1,564:2605000 em que nessa dala imporla-
vam as notas promissorias recolhidas aos seus co-
fres. Foita a deduecao, apparecer a emissao cir-
culante de 24,294:8755000 ; mas comparada com a
faculdade' de emittir, como jdei a conhecer, o re-
sultado mostrar um excesso de emissao no valor
de 1.281:7905000.
Em 31 de Janeiro deste anno (quadro n. 50) a
faculdade que o banco do Brasil possuia para emit-
tircrade 20,032:8385191 ; a caixa de Minas de
357:7475222, e a de S. Paulo de 756:6025300 ; to-
tal, 21,167:1805000.
A emissao, porm, das tres caixas, como veris
dos respectivos quadros, nao desceude. ......
25.131:4905000; e deduzda desta somma a de
1,547:8705000, importancia de suas notas existen-
te* entao nos. cofres respectivos,- o resto ser de
23,583:6205000 que se aehav em circulacao. Ora,
nao excedendo a faculdade emissoria de......
21,167:1805000, evidente que um excesso houve
de 2,416:4405000.
Considera vel dminucao teve este excesso em
28 de fevereiro ultimo, porque (quadro n. 51) po-
dendo o banco emittir 22,040:6125670, a caixa fi-
lial de Minas 361:0275222, o a de S. Paulo.....
774:8225500 ; o que tudo importa em........
23.176:4625392, v-se do dito quadro que emitti-
ram 25.422:1805000, havendo um excesso de. .
2,245:7205000. Foi la porm a dedueco das notas
que nesse tempo estavam fra da circulacao, por
isso que faziam parte dos fundos existentes 'em
seus cofres, o excesso nao passar de 814:3305000.
Nesta data foi promulgado o decreto n. 3,054,
que coneedeu ao banco do Brasil o triplo de sua
emissao por seis mezes, de que este apenas gozou
at 16 de marco prximo passado.
As circumsthcias que se deram para estes ex-
cessos, tem principalmente origem as precisoes
do thesouro nao s no mez de dzembro, mas an-
da no de Janeiro que o banco acudi prompta
Pernambueo.As opcra$5es desta caixa filial se virtude da lei cima foranveonferidas e queimadas
achain demonstradas na tabella n. 59, notando-se em sua presenca c da commisso fiscal,
apenas que a emissao dos ltimos mezes superior, limito marcado por aviso de 31 deoiak?-
ao importe das letras descontadas, sem que houvesse1 1861 para a sua emissao era de.2,747:778508;
excesso do circulacao em presenca de seu fundo nao podendo, porm, este estabeleimento ainda
disponivel. ._ trocar s snas notas en euro, na forma da tai cita-
Banco Rural c Hypothecario.Tendo o banco do da, 2* reducoao se fez de 6 % sobre aquella quantia,
Brasil proposto a banco Rural c Hvpotheeario com- e novo limite se lhe marcou por aviso de 22 de maio
prar-lhe a desistencia do direito de emissao pela de 1862 nS Importancia de 2,582:9115000.
quantia de 400:0005000, obrigando-sc este banco I Para garantir sua emissao tem este banco em
a retirar da circulacao as suas notas no mais bre- seus cofres osseguintcs lores (tabella n. 64):
ve espaco de tempo possivel; foi esta proposta le- 1,464 apolices da divida pblica
vada ao conheciinento dos accionistas, os quaes,! de 5 e 6 %................ 1 292:50O500O-
convencidos das vantagens resultantes dseme- Quota de earteira............. i'292.5005600
Ihante transaceao, autorisaram a respectiva di- i
rectora para aceita-la, reduzindo-a logo a contra-!
to, que seria immediatamente executado sem de-
pendencia de nova autorisacao.
A directora, usando da autorisacao ampia que
lhe fra concedida, acolheu a proposta, que, sen-
do, com outras medidas solicitadas pelo banco do '
Brasil levada resolueao do governo imperial, foi:
afinal submettida decisao do corpo legislativo.
A resolueao n. 1,172 de 28 de agosto de 1862
aatorina o governo a approvar o accordo entre os
dous bancos, e este, depois de approvar o dito ac-
Comparada esta somma com a
emissao autorisada..........
Fica manifestado que a emissao
esta sufficientementc garanti-
da e abaixo do limite legal...
2,585:0005000
2,446:3755000
138:6253)000
0 fundo de reserva de 21:4635264.
O diviaendo do airno ultimo foi 9,97.
Em relatorio do fiscal, de 10 de junho de 1862,
cordo, e converter aquella resolueao em lei do es- diz-se que as accoes deste estabeleimento tm
jado promulgou o decreto n. 2,970 de 9 de setem-' solfrido sensivel depreciacao, devida a causas des-
brodel862. conheeidas, e que, devendo a proximidade do divi-
A directona deste estabelccimento, por interme- dendo influir para elevar a cotacao pelo contrario
dio do seu presidente, communicou ao ministerio verificou-se una baixa correspondente a 1 Vo-
da fazenda, em 7 de outubro de 1862, Itavcr o ban- Banco de Pernambueo.A marcha das opera-
co do Brasil cumpndo o art. 8- do decreto n. 2,970 c5es desfe estabelecimento nao foi de todo pertur-
dc 9 de setembro daquelle anno, e bem assim que bada pela crise commercial que fez pressao sobre
comecana do dia 8 daquelle mez em diante a re-'e praca da capital da provincia de Pernambueo,
tirar da circulacao as notas emittidas, conforme o causada pela bancarrota da socialade em com-
disposto no decreto n. 2,664 de 10 de outubro de mandita de Amorim, Fragoso, Santos & G, que
1860, para cujo fipi mandara publicar os necessa-! tamliem se fez sentir na do Maranhao e pelo gran-
rios annuncios. de alcance que se verificou existir nos cofres da
O prazo marcado para a retirada das notas exis-' thesouraria da caixa filial do Banco do Brasil. Os
temes em circulacao, depois_do contrato feito, foi, directores gerentes deste estabelecimento, para se
prem a coborto de qualquer desconfianca, ou re-
ceto do publico, logo que se espalhou o boato de
tao infebzes acontoeimentos, tratram de fazer um
minucioso exame em seus cofres. Este ex'ame te-
ve lugar em presenca do fiscal respectivo, o qual
em seu oficio de t de Janeiro de 1862declarou a
existencia de 377:2045749 em caixa, c de 2,250
letras provenientes de descontos, no valor de.....
3,089:8925085.
Nao era de esperar que este estabelecimen-
to deixasse de fazer parte dos comprometidos, mas
emende a directora que suas torcas sao sufficien-
prorogado por decreto de 5 de marco prximo pas-
sado, baseado no art. 443 do cod. comm.
As operacoes deste banco limitam-sc agora a des-
cont de letras, emprestimos sobre hypothecas c
recebimento de dinheiro a premio.
O fundo de reserva, conserva-se ha muito tem-
Eo em 1,000:0005, (quadro n. 60) por isso que o
anco tocou nesto ponto o limite marcado pelos
estatutos.
O dividendo do anno prximo passado foi de II
por cento.
Conforme o relatorio da directora de 15 de ju-
nho de 1862, diversas letras protestadas passaram tos para eliminar as prdaTouesc "foram rasan-
' do, sem effectuar muito os devidendos, que tem re-
para ttulos em liquidacao, os quaes importam hoje
em 609:7245123, constante dobalanco de fevereiro
prximo passado.
A importancia dos descontos das notas inferiores
a 505000, e bem assim o valor daquellas que nao
acudiram ao troco at a. expiracao do tempo mar-
cado para a sua substituicao, ja foi recomida ao
thesouro j e do relatorio apresentado s cmaras
na sesso passada consta detalladamente esta ope-
racao. |o linHtc oliimo de 1,441:4005000 pira a emis-
A retirada das notas deste banco, para cumpn- ,80 solTreu a deduecao de 6 "/; epor ariso do m-
menlo do contrato celebrado com o do Brasil, tem nistorn da fazenda de 7 de hilho de 1862 marcou-
gulado a H % annualmente.
O fundo de reserva de 87:7605583.
As vendas das accoes tem sido cotada a 7 '/i %
A emissao. que nao desmereceu na aceitaeao pu-
blica por occasiao da crise commercial, pois eircu-
lava com o mesmo crdito nessa provincia, foi
sempre inferior a somma das letras desconta-
das.
sjdo feita com regularidade, existindo apenas em
circulacao no fin de fevereiro deste anno t as se-
guintes :
De 5005 23 notas no valor de...... 11:5005
De 2005 166 ...... 33:2005
De 1005 114 ...... 51:4005
De 505 1423 ....... 71:1505
167:2505
se-lhe o novo de 1,334:9345000.
A directora requer hoje a suspensSo destas re-
dueces, a liberdade de fazer a sua emissao na for-
ma de seus estatutos, com as modificacoes que lhe
pormitte o art. 5. do decreto de 10 de novembro
de 1860. visto como a grande afflueneia de moeda
para os cofres deste estabeleehnento permittc-lhe
pagar suas notas emouro.
O fundo de garanta compoe-se dos seguintes t-
tulos (tabella n. 65):
800 acc5es da estrada de forro
de Pedro II................
709 accoes da estrada do ferro
da Bahia...................
Quota de earteira.............
Banco Commercial e Agrcola.No artigo emquo ; 593 apolices da divida publica..
tratei do banco do Brasil, dei-vos conta do accordo '
que o mesmo banco fez com o Agrcola para que
este lhe cedesse o seu direito de emissao, entrando
logo em liquidacao.
Em 8 de outubro de 1862 (quadro n. 61) cessa-
ram suas operacoes de receber depsitos e de pro-
ceder a descontos em letras e ttulos commerciaes,
mostrando o resultado de seus trabalhos que em
breve ser completamente liquidado.
* A liquidacao foi encarregada ao banco do Bra-
sil ; nas cadjuvado neste servico por urna "com-
misso de accionistas daquelle, composta dos ne-
gociantes desta praca Bernardo Joaquim de Sou-
za, Francisco Jos Goncalves e Manoel Gomes Pe-
reira.
O thesouro nao recebcu balancetes deste banco
desde outubro em diante; acabo, porm, de ver
573:8005000
104^0005000.
63:2005000
743:0005000
E como a emissao
de.........:...
autorisada
1,486:0005000
1,441:4005000
evidente que fica um excesso
da garanta sobre a emis-
sao de:....................
44:6005000
As operaoaes tem-se limitado a descont deic-
tras e a recebimento. de dinheiro a premio em con-
um trabalho offlcial, publicado no Jornal do Com- ta crreme e por meio de letras.
A taxa dos descontos tem regulado 10 %
Foram protestadas 84 letras no total de ris....
219:5335409; destas receberam-se 21, na impor-
tancia de 28:577596o; e por conta das restantes e
das do annos passados, tem-se rocebido.........
20:0915600, resultando deste movimento o saldo de
mrrio acerca de.sua liquidacao, de que exigi co-
pia, a qual podereis consultar'sob n. 62 neste rela-
torio.
Nelle acharis todos os esclarecimentos preci-
sos para conheciinento do estado deste estabeleci-
mento.
or occasiao de ajustarem-se as condi^oes que' 278:4415083, parte do qual se considera cobravel
deviam servir de regra aos- trabalhos da referida! No relatorio apresentado ao corpo legislativo em
liquidacao, agitou-se umaquestao sobre a disposi-11862 deu-se coma de ter entrado para os cofres
cao do art. 8o do decreto n. 2,970 de 9 de setem-1 geraes nao s o valor dos descontos que soffreram"
uro de 1862, que mandava proceder a descont, as notas sustituidas, mas tambem o daquellas que
as notas de sua emissao, que nao fossem apresen-! nao se apreseutaram substituicao.
tads dentro do prazo marcado, e detorminava a I O fundo para troco das notas, que foi estabeleci-
prescripcao das mesmas 10 mezes depois de come-! do na importancia da 4* parte da emissao, sempre
cado o descont. existi em caixa e em somma muito maior.......
Dizja-se por parte do banco Agrcola que apres-' (371:5005000) que afixada.
crpeao destes ttulos nao poda regular-sc pela lei Banco do Maranhao.Este estabelecimento, em
de 22 de agosto e decreto n. 2,604 de 10 de outu- satisfacao ao decreto de 10 de outubro de 1860, fez
bro de 1860, pois quo a hypothcse era especial; recolher aos cofres da respectiva thesouraria de
mas to smentc pela dsposico do cdigo com- fazenda a importancia de 3005. sendo 805 prove-
meroial, que marcava para prescripcao das letras nientes dos descontos que soffreram as notas me-
0 prazo de 5 annos. Allegava-se que, mandando este I ores de 255, rescatadas desde junho de 1861 a
ultimo decreto entrar para os cofres dos Montes de' marco de 1862, e 2205 d'aipiellas que nao appa-
Soccorro a importancia destes descontos, e das' receram ao troco at a expiracao do praso marca-
prescripees verificadas, era isso um meio de pri- do para a sua substituicao.
nos termos dos artigos 2, 3 o 4 do parecer da com- mente, confiado na concessao do triplo que pedir
misso especial do mesmo banco do Brasil, adop-
tado em sesso da respectiva assembla geral ue
3 de abril do anno proximo'passado.
O accordo de que se trata 'o seguinto. Obr-
ga-se o banco do Brasil a c^der ao Commercial e
Agrcola 24 mil de suas accoes polo valor das en-
tradas effectuadas, a sabor, 1605000 por acoao,
perfazendo a somma total de 3:4805000 : e o ban-
co Agrcola, era compensaco, renunciava o direito
de emittir notas promissorias, pagaves ao portador
em 4 de dzembro de 1862.
O decreto, porm, de 28 de fevereiro veio sanar
esta irregularidade, que foi levada a directora
da caixa matriz involuntariamente, o que dejus-
tica referir para attenuar a este respeito qilalquer
impressao desagradavel em assumpto tao impor-
tante.
O quadro n. 52 mostra quaes as operacoes des-
te banco no periodo que elle comprehende.
Caixas filiacs do banco do Brasil, S. Panto e Mi
c vista. Quanto ao banco Rural c Hypothecario, I as.As tabellas ns. 53 e 54 mostram as opera-
coes a que procederam estas caixas desde marco
de 1862 at o lim de fevereiro deste anno. Dellas
fica patente que suas emisscs forem sempre infe-
rilos aos valores dados em conta corrente reuni-
das somma das letras descontadas.
, Do que fica oxposto acerca da circulacao da
caixa matriz em coinmum com as caixas illiaes de
S. Paulo e Minas, deve entender-se que a garanta
da emissao destas duas ultimas, mo s assente no
mil accoes que faziam o fundo disponivel existente em seus cofres, mas
' e Agr- ainda no excesso do fundo disponivel do banco do
obrigava-se o do Brasil a pagar-lhe a somma de
400:0005000 pela renuncia que aquelle fazia de
sua emissao.
Para que o accordo fosse levado a effoto havia
orna dimculdade, e era que das 130 mil accoes,
que formavam o capital social do banco do Brasil,
existiam distribuidas pelos seus accionistas 141
mil, e s restavam nove mil disponveis.
Necessitando, pois, o referido banco, para preen
cher o computo das 24
var a liquidacao dos recursos que aquellos rema
nocentes poderiam offereccr-lhe para diminuir em -700:0005, foi augmentado com mais 59:0005, j
objecto do ajuste cora o banco Commercial
cola, da faculdade de emittir mais 15 mil accoes, Brasil sobre a emissao do mesmo banco,
enjo valor nominal monta somma de 3,000:0005, Estando demonstrado que a emissao constante de
preciso foi propr ao governo imperial conve- seus balances de dzembro, Janeiro e fevereiro,
nienca de elevar o seu capital social ao valor de comparada com o valor do lastro existente em seus
33,000:0005000. I cofres, e nos do banco do Brasil, dava em resultado
As vantagens do accordo eram as .seguintes. Ten- um excesso de circulacao de nao pequeo valor,
do naquelle tempo as acedes do banco do Brasil nao obstante a deduecao que fiz da importancia
no mercado o premio de 705000, ou o valor real' das notas que entao se achava rocolhida aos cofres
do 2305OOO por cada acoao, o beneficio, -que fru- destas caixas, nada ton lio que possa acrescentar a
ria o banco Commercial e Agrcola em'virtude de' respeito dellas.
sua transaceao com o banco do Brasil, sera igual I Para, Maranhao, Bahia e Rio Grande do Sol.
vinte e quatro mil vezes 705000, isto somma' A nao ser a entrada de grande somma de numera-
de 1,680:0001000, a 0 capital deste banco, que at junho era de
duas mil accoes emittidas peto banco Agrcola, da-
ra para cada urna o beneficio de 235333.
Sendo notorio que a maioriados accionistas des-
te 'banco adquirir as suas acedes com o premio
de 10*000 a 30*000 sobre OO5000 de entrada, as. Vabelas ns. 55, 56,57 e 58,
cao das letras aceitas por dinheiro tomado a premio
as tres primeiras, nenhuma observago occorre \
visto como sua emissao e operacoes de descontos
foram regulares, e flcam claramente, demonstradas
parte os prejuizos que sempre resultam da apura
o feita nos haveres das casas commerciaes ex-.
tinotas. Esta duvida foi trazida ao conheciinento do
governo em offlcio do respectivo fiscal.
O governo consultou a seccao de fazenda do con-
selho de estado, e com o seu parecer promulgou o
decreto n. 3,056 de 5 de marco prximo passado
revogando o artigo, que havia suscitado a questao
e 1 na mli ni que, em lugar da dsposico do dito arti-
go, se observasso o disposto no art. 443 do cdigo
commercial.
Em 8 de abril prximo passado, data at a qual
chega o balanco publicado por este banco, achava-
sc quasi totalmente recolhida a sua emissao; na
circulacao apenas exista a somma de 159:4005.
ijuanto aos prejuizos conhecidos, provenientes
das despezas feitas, e da [tenia soffrida pela venda
de 1,040 apolices, juros, descontos restituidos, etc.,
encontrada j na somma dellcs a importancia dos
lucros do mesmo banco e de suas caixas filiacs, o
sobredito balanco apresenta a pequea cifra de
12:6895467.
Curapre, porm, advertir que debaixo da rubri-
caTtulos em liquidacaovem mencionada a
quantia de 393:4055303, que provm de lettras
nao pagas pelos devedores. Esta importancia nao
ser de todo perdida, mas provavel que em sua
mxima parte tenha de fundir-se na conta dos pre-
juizos que cima vos citei.
A tabella n. 63 d conta das onperacoes effectua-
das as caixas filiaes de Campos e Vassouras.
Banco da Bahia.Dea-se cumprimento lei de
22 de agosto de 1860, recoiliendo-so aos cofres da
thesouraria do fazenda da provincia da Bahia a
quantia de 13:9645000, sendo 6:0345000 impor-
tancia dos descontos que sofTreram as notas substi-
tuidas menores de 255000 o 7:9305000 valor das
que nao appareceram no troco.
O fiscal deste banco, era officio de 12 do agosto
de 1862, commuafca. que as notas rec#i4as em
Neste ultimo annderam-se alguno* emergen-
cias as transaccoes que treuxeram ao> estabeleci-
mento o facto de algumas letras ptotestadas, na
importancia do 2:7645560. cujo pnm nao exceda de qwalro MM
Occorreu tambem que da abertura- de um ere- 3. No-reeeimento de dirJwiro a nraz.
1.* XO movimento do fnnd*s
trangeiras.
2." No descont de letra.-dV cambio,
com wprarj 0-
da fcrr.i.
dito reciproco entre banco o una associacao da
praca de Pernambueo lhe resultasse a ulta de pa-
gamento do saldo do 26:2845973; espera-se, po-
rm, que esto saldo soja satsfeito pelos- soccesso-
res.
O dividendo deste estabelecimento, no ultimo
semestre, de que dao noticia os balancos, fui. de 6,
1%. .
O fundo de reserva, creado pelos estatutos, para
fazer face aos prejuizos do banco, era ltimamente
de 52:5075490.
Finalmente, consta de-um. quadro demonatrativo
das sociedades anonymas existentes na provincia
do Maranhao, remetido pelo respectivo presiden-
te, que este banco, no luu do anno passado, deca
principio substituicao de suas notas em, circula-
Cao por outras de melhoc papel.
Banco do Rio Grande do Sul.Este estebdea-
mento, como emissor, encontrara difficuldade pa-
ra introduzir na praca a emissao, que reahsou 0111
quantia pouco importante.
Tendo o governo por decreto de 10 de outubro-
de 1860 ordenado que os bancos de emissao, crea-
apra/j-fixo. ret:
conta corrente, modiante o juro cionado.
4. Nos emprestimos c crdito especiis no SHo
de Janeiro c I. nidios seb cauco idoaa.
5. Na emissao de crditos circulares obro i*
principaes praras da Europa.
6." Na compra e venda de species mctaUira>.
7." Na oompra e venda por conta alheia d fun-
dos pblicos, e outros ttulos de- valores, acaeiw e
cobranca de letras, rocobimenti-- a pgame.u> de
juros e dividendos, c remessa das soturna.- n alisa-
das a condic5es rasoavcls.
O augmento que todos os das se vai dandi iu>
rolaeoes commerciaes entre o Brasil e as p- >t.- in -
estranhas, c os grandes benelico-que devano* (D-
lber do einprcgo de capilaes estronganH as -n--
prezas brasiteiras, e no desenvcMrunento do *eu
commcrcio o recursos, parecem indicar qoe est^
novo banco dne sor encarado como e-tab.-Kiuo r
to de utibdado-para o paiz.
Sociedade Coniraercio, estabeleria na Baha.
A direccao desta sociedad'! bancjria apresenloit
aos accionistas, em 18 de fevereiro- deste anno, sen
dos em diversas provincias, resgatassea as. suas! relatorio das operacoes ih-rtencente aos semestn -
notas de vqlorcs mferiores a 235000 dentro de um
praso determinado, soffrendo um descont gradual
de 10 % aquellas que fossem aprcs.enladas_depois
delle, recplhendo-se aos cofres geraes nao. s a
importancia total desses doscontos, como tambem
o_valor d'aquellas notas que restassem na crcula-
27o e 28-, luidos em 30 de junho e 3i:d dezembr'
do anno pretrito.
Nelle aflkma a direccao que o e^4abelecment
contina a gozar do seu antigo crdito, nao obstan-
te as vicissitudos porque tem passado.
At 31 de dzembro havia-se roatuado o capital
Cao depois do praso marcado, este banco segundo j de 5,5:t8:10(>5000 em acedes de 1005000, faltand-i
communicou seu respectivo presidente, em officio i ainda con verter a quantia de 80:7395000, talv- t.
de 5 de abril de 1862, fez entrar para a thesoura- porque os accionistas desta somma esteiam aus>r.-
ria de fazenda a quantia de 105000, valor de urna. tes da capital da provincia, ou tenham fallecido,
nota que de ha muito existia na circulacao. No periodo a que respeita o relatorio flzeram-
Tem-se conservado esto estabelocimento como; 244 transferencias, na importancia de 295:700-5,
banco de depsitos e do descontos. com os descontos decrescentes de 20 a 15 por o
Suas operacoes parece tercm sido regulares, sendo certo que na praca affluam mais comprad >-
visto como ainda nao protostou urna s de suas le- res que vendedores, o que animara a dtrecejo a
tras. dizer que a pios[>erdadc do estalK-toeimento nao .;
O fundo de reserva de 10:3765982 (taliella n. desconhecida do publico.
67); e o seu dividendo tem regulado, nestes dous Os dividendos dos dous semesres- prodnziram
annos ltimos, a 11 c 12 % ^&* / O fiscal, que por parte do governo fra nomea-1 torios, em attonco [x>ca actual,
do por decreto de 3 de novembro de 1860 a fim de I As letras ajnizadas, e as que nao foram pagr..
ses da thesouraria ou *de outras "especiaos, em I vida a de 152:5585879. Cumpre dlzor que esta ju
pocas certas ou extraordinarias, nos termos do' soffreu no novissimo semestre a dlminuico d--
art. 51 do decreto n. 2,710 de 19 de dzembro de \ 10:6195640, e a directoria espera que muito-maior
1860. 1 ser ella no correr do mesmo.
Companhia anonvma London & Brasilian Bank, A conta aberta na companhia anonyma d' qu-
limited.Em officio de 7 de junho de 1862 com- se trata com o titulo Firmas fallidas, que no
municou ao governo imperial o cnsul geral do, anno anterior mostrava ora liquidacao urna somma
Brasil em Liverpool que se havia estabelecido em de 168:9055282. foi addiconada do mais.................
Londres um banco sob a denominacao de London i 40:3325210, fazendo assim in total de...................
& Brasilian Bank, com o capital de f 1,000:000, 209:4585492, sobro cuja cobranca parece qne -.%
de. que sao agentes nesta praca Saunders &. Ten- direccao nao tem grandes esperancas, vista dr>
nent. seu silencio.
Segundo os estatutos deste banco, o capilal pode O fundo de reserva era em 31 de dez >inbr> firi* 1
ser augmentado, mas, emquanto o nao fr, fica de 22:6085420, j deduzidos todos os prejaizo* ?>-
dividido et 10,000 accoes ue < 100 cada urna, j; dous semestres de qne d conta o relatorio. esp
realisados, procedentes da venda de 500 accoes,
effectuada no dia 2 de junho, em leilo publico,
conforme o art. 49 dos seus estatutos.
A directoria effectuou esta operacao, attendendo
nao s procura que havia das mesmas accoes,
como tambem urgente necessidade de elevar o
seu fundo para acudir s transaccoes que llie eram
offerecidas. Cumpre notar que, havendo decorri-
do mais de dous tercos do semestre, quando so
verificou a venda das ditas accoes, resolveu a mes-
ma directoria nao distribuir o dividendo do men-
cionado semestre pelas accoes novamento emitti-
das, o que nao intluio no premio dellas.
As operacoes 1 i mi tarara-se .a descontos do letras
c recebimento de dinheiro a premio.
O fundo para troco das notas "de 25 % da
emissao, na importancia de 81:5005; e fez sem-
pre parte da caixa, como se v dos balancetes.
existentes no thesouro.
. A tabella n. 66 mostra o resultado das opera-
cues deste banco, a contar de marco de 1862 a fe-
vereiro ultimo, e bem assim a importancia do fun-
do que garante a emissao, a qual sempre estove
muito abaixo do valor das letras descontadas.
Apezar de ter a directoria autorisado a compra
de mais 61 apolices da divida publica, que foi ef-
fectuada em 12 de junho de 1862, para reforcar a
garanta da emissao, elevando-a ao limite marcado
por aviso de 3 de agosto de 1861, com '.udo nao
lhe foi possivel reahsar esse pensamento. attenta a
impossibilidade de curaprir o preccite da lei n,
1,083 de 22 de agosto de 1860, que manda reduzir
annualmente a emissao dos bancos, eroquanto nao
trocarera por puro o seu papel fiduciario.
Em circumstancias taes propoz olla ao governo
a reducoao de 6 % sobre % importancia de
497:9015. marcada por aquello 'aviso.
Em 27 do maio de 1801 foi attendjda esta peli-
cao, e o ministerio da hienda marcou-lhe novo,
limite na importancia, de, 468;0|6594O.
distribuidas. Estes estatutos havim passado por
todas as formalidades legaes ali exigidas.
A direccao do estabelecimento foi confiada aos
seguintes socios :
Jamos Alexandor.
H. L Bischoffsheim.
P. C. Cavan.
John White Catter.
John Bloxa^i Eliu.
Pascoo C. Glyn.
Edward Joh'nston.
lvhvard Moon.
W. F. Scholfield.
Em 3 de setembro do mesmo anno enderecaram
os agentes, em nomo da direccao snpra, un re-
querimento ao governo imperial, pedindo pormis-
sao para eslalielecor neste imperio o dito banco,
a fim do fazer todos os negocios pertoncontes a es-
tabolocimentos desla ordem ahi, e 0111 quaesquer
outros lugares ^aerescentando que, sondo autori-
sada polos estatutos a emissao de papel fiduciario,
elles se limtariam, por ora, s operacoes pro-
pras dos bancos de deposito e de descontos.
Examinada a petico c documentos que a acom-
panhavam para conhecer-so o que faltava dos re-
quisitos exigidos pelo decreto n. 2.711 de 9 de d-
zembro de 1860, rcmetteu o governo em virtude
do mesmo decreto, todos os papis seceo de fa-
zenda do consolho de -estado, para consultar sobre
a conveniencia, ou inconveniencia, da permissao
pedida.
Em virtude da resolueao de consulta que teve
lugar, concordando com" o parecer da seccao, bai-
xou o decret n. 2,979 de 2 de outubro de 1862,
autorsando a instaliacao da referida companhia,
debaixo das segrales condicoes :
1." Que este banco, alera das operacoes de cam-
bios, se limitar a fazer nicamente aquellas que
forera permittidas aos bancos de descontos e dep-
sitos, creados no imperio do Brasil or antorisaco
do poder executivo, c actualmente sao as constantes
do 5 3o, art. 1 do decreto n. 2,711 de 9 de dzem-
bro de 1860, ficando o mesmo obrigado a publicar
pela iraprensa, dentro dos primeiros oito das de
cada mez, o balanco explicado das operacoes effec-
tuadas no mez anterior.
2." Que a companhia de London & Brasilian Bank
submetter a administraco deste estabelecimento
s leis c regulamentos que regem no Brasil, ou re-
gerera no futuro, os outros estabclcciments da
raesma natureza fundados por sociedades ano-
nymas.
3.* Que as questdcs suscitadas no Brasil entre
terceiros e a administraco desse banco ou de suas
agencias, sero submettidas decisao dos tribunaes
brasileiros.
4.* Que a mesma companhia nao dar comeco
s suas operacoes antes de ter em caixa 25 /o do
seu capital, e de haver preenchido( por outra par-
te, as formalidades exigidas pelo art. 4- do referi-
do decreto n. 2,711, fazendo ontrosim publicar nos
jornaes de maior circulacao desta capital as instruc-
ces regulamentares que o cansetho director, esta-
belecido em Londres, tiver dado aos seus agentes
no Rio de Janeiro, repetindi>se essa publicaco to-
das as vezes que taes iostruccoes forem alteradas
ou modificadas.
8.* Que a direceo de London & Brasilian Bank,
no pleno exercicio de suas funches, ser de 20
annos, se o governo imperial nao autorisar opor-
tunamente a prorogacao deste prazo, durante o
qual nenhuma. aheracao dos actuaes estatutos pe-
der ter execnc3o no Brasil, sera previa autorisacao
do mesmo governo.
6.* Que o governo imperial paciera, nomear,
quando julgar conveniente, um ou ntais commissa-
rios para o fim de examinaran os Uvros, e o esta-
do dos negocios do referido banco tendo o dirato
de ordouar a liquidacao deste eslabe-lecimento, e
declarar dissolvida a associaeao, a que ello por-
tence, quando fr provada a vioacao do ama ou
mais clausulas cima indicadas.
rando, porm, a directora que alguns driles des-
apparecam pelo pagamento.de sua importancia.
As letras descontadas, existente* na rartnira da
companhia, importavam em 6.709:174591* da-
quaes eslava n cauciona-las 1.981:089.5*31
Em hypotbocas de predios havia cita toma-t
valor de fJO 4215600; e em contas correnh-s rirli 1
entregue 70:6385430.
As transaccoes dos depsitos mostrara um -1 I
de 1,848:8135438, sendo em letras acreitas pe 1
companhia 668:3205830. e em contas correntes -1
juros recprocos 1,180:4925608. _
A caixa possuia um saldo de 911:735^771 A-
es|>ecies de que se compuuha eram as Jtfujt-s
Ouro araoedado......ft):0fJO30t>)
Notas do thesouro,.....378:90050'
Prata e cobre.......t.SVfSrTi
Papel do Banco e Caixa Filial 450:2004000
Parece que as disposicoes da lei de 22 de 1
to de 1860 foram aqu exocutadas. |nrqne do r '
torio v-se que ia effectuar-se a substimico 01.1
dircitor, que por sua antiguidade tinha de lar? r >-
lugar; c do balanco se conhece que dos hic-r -
cripturados no28 semestre passavam para
to aquellos cujas transaccoes nao estavam wm.ai-
das, na importancia de 199:3155340.
Esta sociedade tem estatuto* appr decreto n. 2:634 do 1" de-sctenibro de IWiti.
Suas accoes estSo coladas a 18 % de-baila.
Caixa oconomica, na Babia.Esta asauciaraa
o[H'racoes de banco.
0 ultimo relatorio que delta existe terabro de 1862, e pertence ao56' semestrv- u<' .-u -
o|H'rares.
bo inesmo se v que o capital social nu liui <.
julho antecedente era de 2,613-.6881)00l E>i
pital est desenvolvido pela direccio- do > ;
ment de que me oceupo, do seguate modo :
Existente no semustre
anterior.....
Veriticaco de accoes,
anteriores a setem-
bro de 1850. .
Accrescimo de accoes,
sendo 31:3175 por
accuraulacttes, e. .
26:1005000 por en-
tradas. .......
liiiW-.l-l*!
20950*>
3-:V17jm
Retirad de menoee.
compreheadendo
(luolas de 11 pos %
de capitaes aecumu-
lados do 53 dividen-
do em da uto, e -Mi-
tradas posteriores a
uiaivu de 1B62 que-
nao solfrccam des-
contos. ......
Wem com o descoa*)
de 23 pt* %.ei fe-
vereiro; de 21 por %
em marco, at maio,
e de 20. por % no
resto, do semestre .
57:it>#
2.;23.755l0i
37:863*000
70: B5tHW
--------MMagn
2,615:68H|rt
O fundo de reserva quo no 33^ semestre trm *
160:9455^03 foi augmdotado, do seguinto n**k>:
Importancia da parto indivisivcl dos
lucros do dito semestre ....
Dita de fraccoes proscriptas, pertea-
centes aos sen^stres ^8* a **
Dita de desconjos de accfles'e
lucros. ,.....*
(025379
t>*i53H7
20:32357*)
Acceitas estas condicoes, precnchida a clausula
3110 impe a realisaeao de 5 % da capital, ar.les
e coraecarom s oporacos, e satisfeitas as forma-,
lidades do art 4 do decreto n. 2,711 de que trata
a condicao 4*. pediram os agentes Saunders 4 Ten'
nent perraisso para funecionarem; o quo lhe foi
concedido dopois da publicadas as seguintes ins-
truccoos, que.os rneamos receberam uo oonselho
direotor estabelecido em Londres.
As operacoes do London Brasilian Bank con-
l.siste:
E dwhuracto-se da somma uro
2895100 do capital antigo tonfen-
. du,cl9:75O50fodospretoiic*ba-
vidos em ras letras, rewBado
de fallencias ...,??
Ser o augmento que teve o dito
fundado de reserva de .
21.9725*7*
20 015W
m
tjMrl





'
O saldo das letras descontodas pela caixa Meo-
nomica est mencionado com a quaana de. .
AtMb


\
/




. V! 31
m
%7<:90ii^. BesUS letras se romprehendfm
190:539*143 camonados com ttulos commer-
ciaes, 54-875*000 com penhores e 81:027*964
coih hypothecas de predios. Tambem selnclueiu
naquella somma 222:248*558 de letras vencidas
e em execucao, e 219:584*o de outras aceitas
por firmas boje fallidas, e que cstao em mora-
loria.
O dividendo do semestre foi de 111:090*517,
correspondente a 4,26 / passando para o segua-
te semestre 74:147*855.
O saldo que esta caixa Mana em ser, constante
de respectivo balaceo, na importancia de
123:930*024, nao designaa especies.
Deu-sc neste estabdecimento um alcance do tiot
.examinar o estado de *ua escripturacao
> >.' ..' r
i ........ '' i' *+
nUrU de Permamlmco buaria feira t9 de JTnlho.de 18S.
do sercm as.raais importantes-.
y
subindo sen valor
a 94:307*791
lio balanco de que ves 'fallo nao seencontra L
quantia alguma recebida per este estabeiecimento I apezar de terem sido comprehendidas no n
ajaVcmpt estimo a juros; apenas existe em conta' do annoprximo passado, porqne oconhecia
cxpostos, outras eompantias anoiymas.
trata a lei de 22 de agosto de 1860, exist
provincias, que nlo mencionara neste
nao me possivel expedir ordem exactamente nos
termo era que Vm* deseja, visto como aaautort-
ao raesmo.Mande V. S. oiuuuii w^mm Ibuquuique, escrivao da proredoria de
de Fernando os objectos constantes do inelpso residuos do termo de Goianna, resorte
ho, dades polciaes que Vmc. ahi se refere, tem peja"pedido, queme foi remettido pelo commandante do dous mezes de licenca para ir a prov!
lo lei attramcoes e deveres, cujo desempenho nao mesmo presidio, com ornen de 15 de junbo ultimo, rahyba.
" sob. n. 38.
dah-
Jorrcnte simples a importancia de..
34:2393000.
Peto contrario a cauta filial do banco de Brasil
tinhareeebido, em tienta corrente de juros, fondos
dcllemo wlor de 30:603*000, e" o banco da Bahia
em conta corrente simples a quautia de.....
22:J04*447.
O saldo da caixa era de 28:611*898, sem desig-
narlo das especies de que esta somma ae com-
punha.
_, O dividendo do 14* semestre, que aquelle a
e de lo- queperteace o balance e relator da direccao, foi
dos os objectos de oTre e cartefra prbveniertc-das de "3*616 por accao, na razao de 7,21 % 6
vperaces feitas. l anno. # t ~
A commissao, composta do inspector da thesou- i "As" .accoes da caixa bj pothecana teem solTndo
raria de fazendaede mais seis cidadaos couhoce-' baixancotaco danrara, baixa que a commissao
lores damatTia, procedeu ao exarae, e relateuao do examo de contas nao pode assignar, por nao
Eresidente na provincia o resultado dos seus ira-' assenlar ella sobre o mo estado da caixa, onde a
ilhos. I commissao diz ter achado as transaccoes bem ga-
Este relatorio oi presente m governo imperial ranlidas.
. em officio do referido prusidente, datado de 4 de Deste semestre passou para o segrate a somma
jiinhodul8fi2. de 13:366*467, proveniente de premios de w**
O aleJSrerou para os cofres da'Caixa Eco- tes pertencentes a transaccoes naoul>*,r'l> -
ondea, uomoando-s novo fiel com as garantas rma da lei de 22 de agosto de 18^ .
precisas para segurauoa da asaociacao. i Nao s aeste ponto, como -> oa "^*.jj '
A lei de 22 d agosto de 1860 tem sido ali ob- directora, pela quinta f-'f. a J* Toi cxecii
servada, pelos menos na parte que -diz respeito tada, como se aprehende do sobrcdito rea-.
substituico annual da 5* parte dos directores, e torio. ....... ^t. -
na que rebiva passagem de uns para mitras T-* ** j"gVt! s,l,E '
semestres daquelles kicros, que, senio eset iptura-, ^ereo n 2,722 de 12 deja^iro de 1861
dos em um do* ditos serntfreA nao tierten^m >' Caixa de economas na Bahia.-0 thesouro nao
SnweSS uc leuWinad^ ,em relatorio desta sociedade anonyma, creada na
jSSTDrradTos^ai*- desto sociedade provincia da Balita para reeeber e producto das
nelo*dMret i Tde3 i-mrco de 1860. economas feitas pelas familias que teem em mira
aSIo datrefes c de JO-*, dedescoute. assegurar o sen futuro, e faser frente as evenma-
a ffSkX^ntiL S lahia.-Esta com- lidales, que acarretau. l^fflMg;
nnhia anouM.ia foi croada ira facilitar astran- um genero extraord.nano ou nao previsto. Com
^ cC^s do cb.nmerci.s e auxiliar a agricultura da os fundos, que recebe faz negoe.es de.banco sen-
iirovincia, emprestando quantias sob as ganabas do sua principal [leracao o descont de "etrah.
SdafSscstabelecimeniosbancarios. No relatono do ministerio da fazenda do win.)
Su capital de 40 mil aero* de 100*00, mas passado notou-se que o capitalde% 1:666*000 ha-
cm 31 de outubro do anno passado apenas tinha via descido a cifra de90o:177*op0, segundo cons-
direccao deltas pt^rtencem ao ministerio
cultura, commercio e obras publicas.
(ConUnuar-seJut.)
GOVERW DA PR6VWCIA.
EDITAL.
O Exm. Sr. presidente da provincia manda pelo
toe mes pode ser embarazado, que sao obrigados a
agri-' cumprir sob sua proprta'responsabidade ; e que
' nao admhtem subordina^ao a qualqp** outro func-
cionaria I ^ I
Sobre este ponto o que ** jossivel faaar
nestt data igualmente v&, reeomnicndar-lliei
que o oucam e atienda."} a %us copseios al onde
i
Dito ao commandante do corpo de polica.Pode
V. S. mandar engajar no corpo sob seu coramando,
jp% paisano Francisco Carlos Jos Terxeira, i qoem se
efere o seu officio n. 300, de 24 do corrente.
Dito ao juiz municipal de Olinda.Tendo-lhe
f emettido urna peca de bacta em data de 23 do
Quanto ^rceir, est pouco mais ou menos as
mesmas .*ondcoes, urna vez que a forca.publica
presente cliamr a attea?ao das autoridades cins e as localidades, est cargo da autoridaue poli-
militares e mais funocionarios de toda a provto-ciai eiiearregada de manter a ordem publica, pela
isso r possivel e erial sem prejuno de sua pro- corrente, para soccorro dos desvalidos acommetli-
pria accao e autofjdade. os do cholera-nwrtms nessa cidade, envio-lhe ago-
ra urna sacca com arroz para o fin solicitado em
effleio daquella data.
Dito ao inspector de sade publica.Para poder
resolver acerca da materia de sen officio de 21 do
Desparta dos das Me SfejritofelftOL
j n Hfqwrmettot.
AatonJo dos, Santos V"
tor da thesou raria proviaaW.
Dr. Candido Jos Cata* I
das ao director de arsenal de
sentido qe requer.
Jos Francisco Casado, pedala que as iiiiiimhi
eleiedes da fregueua de fciqoe sejam leius e pre-
sididas pelo juiz de paz do dua**i nois risma e
do presente quadrienio.Nad te lupr o qoe re-
quer o snpplicantc por ser contrario a b-i > vana*
Sr.
P>am exped-
as ordena ao
eia, para que nos seus oficios desta data, publicar ,qual_ sao os principaes responsaveis, nao sendo, corrente, faz-se necessario que Vmc. me indique decLioes d governo, entre aolca* M^a4_
dos este jornal,-e dirigidos as da viU-*** possivel priva-las absolutamente desse meio desa- quaes os mdicos quequiramrestar seus swvi-rnos avisos e 27 de janerro de WS3. n. 519> r
d'Albo se recommenda c determina ^y ln9ao .tisfazer a.tao iuporlaute dever para por a mesma jjos aos indigentes que forem accommettidos do de novembro de 1861 de 3 de maio de Maa n. A
pelo qual devem proceder em rKao prxima f0r?a nica e exclusivamente disposicao de Vmc.
[ nicnte.
Anda sobre este ponto, sua missao deve ser pu-
r I ramente a de dar conselhos de prudencia usando,
eleicao, aflm de que tenlian" lielmente o observen suas respectivas localida- buicoes legaes para emprega-la como fr conve-
des, em tudo uItafor anplicavel.
Maiid-' aia's mesmo Exm. sr. presidente decla-
r,^ que esteudo decididamente disposto a tornar
urna realidade taes garantas da liberdade do voto,1 dos meios suassorios para que as'autoridades poli
da manutencao da ordem publica e da seguranza. eiaes ou commandantes da dita forca nao facaiu
individual de todos os cidadaos em semelhante oc-' mo uso desta e de as resppnsabilisar no caso uc o
caslo, espora tambem da parte destes, bem da fazerem.
causa publica, c de suas proprias pessoas e direa-1 Tambem esses funecionarios recommendo que
tos, a maior prudencia, moderacao e respeito s o attendam nos devidos termos em rdaco ao as-
leis do pai, cujas penas sero impreterjvelmente; sumpto em questao. Vmc. achara juntos os olicios
applicadas lodos sem dstineco de eres ou par- que aos sobredtos funecionarios dirijo, contendo
cialidades polticas que de outra firma secn- cssas jecommendacoes na forma do pedido da par-
duzam.
Secretaria do governo de Pernambueo, 25 de
julho de 1863.
No impedimento do secretario.Francisco Lucio,
demtro.
Expediente do dia 2o de julho de t863.
Officio ao Exm. presidente da Babia. Tomando
em consideracao. o que no incluso requerimento
socitou Antonia Martins de Lima, irmao do falle-
cido afieres do 8 batalhao de infantaria Jos Fer-
rara Alves de Lima, rogo V. Exc so digne de
te final do seu citado oficia
Remeti anda com este Vmc. para fazo-Jo
chegar a seu destino, um officio que nesta occasio
dirijo ao juiz de paz msis volado dessa parochia
tcncnlc-coronel Luiz de Albuqucrque Maranhao;
esse oflicio foi provocado por urna represenlacao
cholera-morbus as freguexias desta capital. | de 1 i de Janeiro dV 1849, n. 199 de 15 de juna* de
Dito ao juiz de paz mais votado da freguezia do ^^58, ta de junho, 2 e 30 de agosto de 18. m
' vii tudc das quaes deve cr a DMn ;tarochia na
hypothese em qnestao pr.'sidida pelo jniz de paz da
i Pao d'Alho.O eleitor alferes Francisco Xavier de
I Souza Ramos e o al foros Slanoel Garca de Souza
Ramos acabam de rqiresentar-me contra o proce-
dunento illegal de Vmc. convocar para a organisa-
co da mesa parocbial na eleicao a que se vai pro-
ceder no da 9 de agosto prximo vindouro, cleilo-
valcanti de Albuqucrque Mello e o bacliarel Fran
cisco Teixeira de S.
Em apoio de suas representacoes exbibem as se-
guintes provas. ___
Ccrtidao do escrivao do jiiodc -paz declarando
que aquellos 3 eloitoros fram com
cados.
AUcstado do vigario do Pao d'Alho, afirmando
quadriennio lindo: nao sendo r.p(ifirareis a mnaai
hypothese os avisos citados pelo sappirante.
' Joaqiiiin Elias de Moura Omdina.Paase
ria cencedendo a licenca por dous mec-
res mudados dessa freguezia, como sejam Manoel: cinientos do decreto de 15 de noveadiro d#-1
Thomaz de Albuqucrque Maranhau, Jernimo Ca- Joaquim da Silva Reg.Remettido ao Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda para attender ao
supplicante depois de pagos os foros vm-idrw.
Dr. Jos Bernardo fialvo Alroforado e on-
tras.luformo o Sr. engenheiro dirertor 4 nrms
pulillcas.
de AB. iqueraae
pr< rogarla peirfa
em vista da infnrmarn do ifirertor das obras
ffeito ooavo-1 Manoel Bezerra fUvalcanP
Passe portara mn-dendo a
nao serem os ditos elcilores seus paroebiauos par publicas
nao moraran na freguezia. j Maria^irtadEsfHrlio4rati.-0.i
Ccrtidao de ter sido qualilicadus votanles na fie- ^ qae a suw,|it.ailtt. ,A|,il,.. u provam a isenr>
que me apresentaram as ciaadaos dessa villa Ma-1 guezia de Tracuuliaeiu o juiz de facto no termo de, qae ;,Hpa-
noel Garca de Souza Ramos c Francisco Xavier N'azareth, capitao Manoel Tliom;iz de Albuqucrque : jj gCn
de Souza Ramos, queixando-se de que o mesmo
juiz de paz convocou para a orgauisaco da mesa
desS parochia, os eleitores bacharel Francisco Tei-
Maranhao.
Attestado do vigario da freguezia de Tracunhem ao
cr-:
Sabino Olegario l.udgerw Pialio. Em
declarando que Jernimo Cavalcanli de Albuquei
c S, Manoel Thomaz de Albuqucrque Ma- que. Mello desde malo do anno passado, e Manoel
tomadas com caurSes. de ttulos c objectos eommer- rs. cada una. inclusas relacoes de ateracoes mencionadas em a
iaes, e at mesmo de hypothecas de predios. i. As letras descontadas se dividem-em letras cu- nola juIlta ^ copia com os nublares da guarmcao ^-^S^J^L^S^ edasrTn
A 1- destas especies apresentava naauella data jos desenlos assentam sobre firmas, em letras cau- desta prov5ncia que se achara (ora delta. SS^i9mm^m\mlm\mTu\ mX^ ifiz
um saldo de 1,184:287*787 : a 2m1c 588.300*660 donadas e em letras hypofhecarias. As da pnmei-1 Dll0^ U)esmo,-Ii.teirado de quaoto V. Exc. ^78^5^^ '
a ultima de 182:400*000. ra esjiecie mostravam um saldo de. me eXpoz, em seu officio de 28 de maio ultimo, d
Para t'azer face s emergencias, que se dao mu- 698:552*833; as da segnnda na dito de. sob n 964; com referencia a lavagem da roupa do
las vezes oestes cstabelecimentos de crdito, exis- 56:818*700 e o saldo da terceira importava em. i,ospita| militar nesta capital do qual consta nao
te em reserva a quautia de 78:141*205,-superior 9:582*220.
que vos foi communicada no relatorio deste mi-1 Os ttulos em
nisterio, prcteqoente ao anno ultimo. 2T o/i'a '
No mesmo relatorio disse-sc que havia ttulos 92:803*632. __ i remendar as
m liquulacao de tirinas fallidas e juizaadas. n, O fundo de reserva pequea differenca apre- auto|.iso em
de paz "cumprir a lei na occasio da organisacd
da referida mesa, evitando assiin aquelle e esta um
semelhante abuso e quaesquer outros que podem
provocar excessos no processo cleitoral.
Teuho tudo isto por uuito recoramendado a Vmc.
certo de que esta presidencia esl disposta por
importancia de 391:632*689.
lleferio-se tambem que as concordatas fcitascom
devedores de letras* subiain cifra de........
101:548*000.
Na data cima mencionada as cousas corriain
molhor: o priineiro daquelles algarsmos havia
descido a 336:153*2:10 e o segundo a 88:705*350:
ao passo que o fundo de reserva crescia, como j
liz ver.
ih depsitos nao haviam affluido para esta
occasio.
As contas correntes com juros tambem nao sao
mencionadas no seu bataneo; notando-sc apenas a
quantia de 26:660*362 proveniente de transaeces
feitas em contas correntes smpliees.
Nao conhecido o seu ultimo dividendo; apenas
consta do bataneo, que tenho presente,
de"
guinte
l>c
depois de dcduzidas todas as despezas.
A caria estava quasi esgotada de numerario.
O saldo a presentado de 3:187*937, composto
do notas da caixa Filial, e do bauco da Babia, a
apenas de 800*000 cm papel
ni pota.
~j i querer o actual contratador fazer mxjdificacao al-
liquida^ao, que_por aquelle rea- UIua no scu contrato, nao s em retacad ao prego
197a, baixaram a. ,;3a lavagcm cn,bemz^^;jM^toeto8|mrBp4)-|leitts
[BVmlISmT^ das mesas, qur de quaesquer
\utZ^ rj^E fos funecionarios, ou individuos que.teuham de
sentou em sua importancia para menos, pois que,: mspeclor (ja ihesouraria, em oficio de Iiontem sob
sendo entao de 19:855*383, hoje de.....n. 556 com referencia aos iiarewjres do procura-
19:8055820.
A caixa tinha um saldo de 22:302*105, sendo em
papel moeda 3:106*000. em notas dos bancos. .
18:070*000, em ouro amoodado 498*000, em prata
c cobre 628*105.
O estlielecimento de que se trata nao receben, i
nem deu dinbeiro a premio.
As accoes da caixa teem na praca o descont de | supcir ao indispensavel para que o
, 29por cento. ... da illuuiinaciodosmesmos se faca coni a
Seus estatutos foram anprorados pelo decreto n. ***-
2540 de 3 de marco de 1860.
Por inforraacoes dadas ao governo em geral, nao
lisongeiro na" capital da provincia da Bahia, o es-
tado dos cstabelecimentos de crdito.
a restriccao do crdito logo de-
dor fiscal c contadoria,a mandar abrir concurren-
cia para esse tim por meio de annuncios. Commur
nicou-sc ao inspector da thesouraria de fazenda.
Dito ao mesmo.Approvando as medidas toma-
das por V. Exc. conforme me declara, em seu ofi-
cio de hontcm datado, sob n. 1348, com o fim de
evitar nos quarteis desta guarmcao um consumo de
servico
devida
regularidade, tenho a dizer V." Exc. que nesta
data oficio ao director das obras militares para
mandar apresentar nos referidos quarteis urna pes-
soa habilitada afim de ensinar o modo de conhecer-
se pelo relogio regulador a quautidade do gaz con-
sumido.Officiou-se ao director das obras mi-
Transmiti V. Exc os inclu-
. se sirva de mandar ouvir ao
que devastoua provincia e dmunuio immensamen- dreclor aohospital militar acerca das relexOes
te a prodcelo.
No entretanto o estado actual j apresenta sensi-
vel mclhoramento, comparatiramente com o dos
moeda e de 150*000 dous ltimos annos.
Caixa commercial as Alagas.Nesta caixa se
Os estatutos desta companhia foram approvados coiiverteu a caixa econmica que tinha, no tem
pelo decreto n. 2,;tU de 24 de maio do 1860. da couverso o capital de 218:700*000.
Caixa commercial na Babia.Xo ultimo relato-1 Hoje tem a caixa commercial um capital de. .
lio que esta companhia auonviua remetteu ao fie- 235:800*000, provando-se assiin que o estabeleci-
souro, pertencente ao 27- sefnestre de suas opera- ment est conceituado, e suas accoes sao procu-
58es, v-se que- o fundo social de 2,500:000*000
st realisado em seus cofres, e foi einprcgado em
operacoes de banca
As acedes sao de 1005000 cada urna, c haviam
olfrido no ulereado grande bai&a.
Este Jacto obligara a companhia a npir ao go-
verno permissao para emprear urna parte de seus
luudos na compra deltas, a lim de as acreditar.
radas.
O augmento que apparece de 17:100*000 em
accoes de 1005000, sendo ainda neeessario emit-
tir 164:200*000 das mesmas accoes, para que so
complete o principal que est marcado em seus es-
tatutos. -
As transaccoes em que se empregam os fundos
da companhia anonjma, de que estou tratando.
Independentemente desta medida, diz o'dVrector limitam-se ao descorito de letras, cujo saldo cm 31-
que o mal baria diminuido, poisque as transferen- de dezembro prximo passado era (
as ultimas foram realisadas com descouto muito
mais favtiravcl aos vendedores.
Xo einprego do cajiital nota-se que as transac-
coes o nao absorvram, passando para o banco da
ialiia (em deposito) a quantia de 230:0005000.
Com effoito, balanco apenas d em letras
descontadas o emprego de 1,888:2155699, e cm
letras causionadas a de 459:662*000.
A companhia tomn dinheiro a premio, que em
-11 de inaiodo anno passado importara em.......
175.442*809.
As eontas correntes nao excediam de.......
1:831*150.
Para fazer face aos prejuzos reaes, tem este
^stabetecimento um fundo de reserva de.......
257:135*287.
Consta do balanco que, dos descontos fetos, fo-
ram algumas letras ajuisadas no valor de.
feitas peta contadoria da thesouraria de fazenda no
verso do requerimento de Francisco Antonio de
Pautaos quaes me serio devolvidos.
Dito ao Dr. chefe de polica.Respondendo ao
oficio de V. S. de 23 do corrente, sob n. 1152, no
3ual me communica que o delegado de polica de
. Bento lhe oficiara, em 12 deste luez acerca dos
receios que alli continuavam haver da epidemia
do cliolera-morbus, cm consequeucia do fallecimen-
to do alferes Bezende, teuho a dizer queja em da-
ta de 8, Qz seguir para alli o Dr. Gustavo Balduino
de Moura Cmara acompanliado de urna ambulan-
cia eoiu inedieaincDios aprupriados ao triamcnto
daquella epidemia.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Transmiti v.S. a inclusa conta em duplcala
alim de que mande pagar ao Dr. Pedro de Athaydc
I.. iIk Moscoso a quantia do 20*000 em que impor-
tou urna carteira que forneceu com tres frascos de
tintura e instruceoes para o tratamento dos desva-
lidos atacados do cholera-morbus.
Dito ao mesmo.Mande V. S. comprar e remet-
a-me com urgencia para socorro dos indigentes
jo uo ueiegauo ue poucia uo g, somente 0 eXercicio dos p-rferes eleibwa
o que 0 bacharel Francisco q(Ues0nHfHaaaaieoscidadtaa .ro.-alinde
side mais naquelta villa mas | privados ^lo acto quedissolw a cmara do.
jurisdi
Finalmente .attestado do delegado de polica de
Pao d'Alho referindo
Teixeira de S nao reside
mu nesta cidade, onde exerce o lugar de oficial-
maiur interino da assembla legislativa provincial.
Devo aqui notar Vmc. que a respeito desse ba-
charel deu-se ha poucos dias a circumstancia de ha-
ver ello requerido o pagamento que mandei ePec-
tuar por oficio de 20 do corrente, dos vencimen-
do que esclarece o aviso expedido pala lajMMifao
Imperio no 1 de abril pr.ximo lindo, lea o
supplicante relevado da inulta, que lhe W av
posta.
Antonio Jos uarte Coirobra.tnlnrnw a dirae-
toria do tbeatro de Santo Isabel, propnmfc) a roa-
dico<'S com que se deve eonreder a subv^nro
Joo Floreniiuii de UOes da lei rey ula mentar das eleieoes a qae snajarn
o supplicante nao pode ser ttendido no ne re-
quer, por quanto o art 64 da predita le,
que disoolweaa a cmara m <
tados, em vista do que determina o art. 111 da ja
citaiti lei reputamentar e explica o afcw> de ? .1^
mareo de I8M.
Joao Florentino de Goes Cavalcanfc-. Tend*r
caducado as poderes do supnliranie como eteilor,
em vista do que dispoe o art 112 da lei .le 0 >k
tos a que se julgava com direito pelo ellecii vo exer- ajf(hito de im ,. tio 0 ^^ aB)|a ^
ciciodcseuempregoniesniodep^isdoeucerramento| prestr M ek.io a^^ w ^j-pr^j^ ^^ 9
4:4015400; imantia, porein, que se acbava reduzi- aceouimelt(]os do cholcra-morbu em Olinda, urna
da a 1:798*400, e anda o sera brevemente a
1:0145400.
A direceo da caixa julga incobravel esle resto.
Nao apparece no balanco quantia alguma pro-
veniente de dinheiro tomado a premio; apenas se
v a addicao de 9775361, laucada no passivo, co-
mo dinheiro recebido em conta corrente sim-
ples.
O fundo de reserva apurado at aquella data,
montava a somma de 10:583*662.
O divdanlo ultimo semestre d 6.27 por cento,
importando em 14:7585023.
cola-
08:2055983, liquido de mlor quantia, porSe er
deila dediuidu 22:8495038, provenientes de pedas j
causadas por diversas fallencias. accoes foram as nicas transfondas,
O saldo de letras ajuizadas, resultado do nao | por que proco, por nao haverem na praca
pagamento dos devedores no lempo de seus venci- c5es. .. ...'., '^
inentos. baviam-se augmentado de mais........ A direccao, porem, persuade-se que sena pMQe-
60:780*000, porque, constando do relatorio passa- no o descont, visto nao ter diminuido aconlianca
do sor elle de 40-795*425, -montava agora em de que tem gozado o estabelecimento.
107-575*425. Seus estalutos foram approvados por decreto n.
A direccao. porm, assevera que grande parte 2807 de 19 dejunlio^de 1861.
deste saldo est lem garantido, nao obstante a
sacca com arroz.
Dito ao mesmo.Mande V. S. indemnsar o 2*
batalhao de infamara da quantia de. 5*000, que
despendeu com a conduccao da ambulancia desti-
nada ao destacamento da villa do. Pao d'Alho, co-
mo se v do incluso recibo em duplicata, queme
foi remeUidopelobrigadei.ro commandante das ar-
mas com oficio de hontem,sob n. 1,350.Commu-
nicou-se ao brigadeiro commandante das armas.
Dito ao mesmo.Com a inclusa segunda via do
oficio que lhe dirig cm 22 do corrente, autorisau-
sob minha responsabilidade nos
... du a despender
Omovimento das transferencias foi pequeo : 51 t),rmos Q (,ccre|0 n ^ ^ t. ^ feVerciro do
anno prximo passado at a quantia de 5:0005000
impontiialidade dos devedores.
O contrario succedeu com o da conta que tem
por tituloFirmas fallidas, porquanlo. niencio-
nandq aquelle relatorio um saldo de 200:025*001,
este se aeha reduzido 175:16l>*689.
A direcraooda como a Origem das apprehensoes
exageradas que tem causado una individa dejire-
ciaeao as accoes do estalielecimento.
prego da tasa foi demasiadamente oscillante
durante i) t'iiq a que gierlemv o relatorio da
Os 'descontos se fizeram de 8 a 12 %: comtudo
a 8 c 12 peojBCnos'ibram as quantias
am asmis importantes s-jffreram os
(le 9C 10%.
O dividendo da eompauhia deu para cada aegao
ft / no semestre, eando ai>enas por dividir a
diininutissima toecao de 15332.
A caixa do estabeiecimento tinha de saldo.....
0:9175263, sendo 10:9055000 em notas do Hie-
do banco
A direccao em observado a lei de 22 de agos-
to na parte que diz respeito a'aenovacao da direc-
tora, c mesmo na que trata dos lucros das transac-
coes nao ultimadas durante o semestre.
Caixa econmica em Minas.Esta caixa foi ins-
tallada na cidade de Ouro Preto em 7 de setembro
com o pagamento das despezas feitas no corrente
cxcrcicio com soccorros aos desvalidos atacados do
cholera-morbus nesta provincia, respondo ao que
V. S. me enderecou hontem sob n. 558, a este res-
peito.
Dito ao mesmo.Em vista da inclusa conta em
duplicata, que me foi remettida pelo director das
obras militares com oficio, de hontem, sob n. 134,
mande V. S. pagar a Frederico SkineT, a quantia
de 70*000 em que importou o encanamento frito
no quarlel do corno de guarmcao como se v da
mesma conta.Communcou-se ao director das
obras militare!
Dito ao mesmo.Ao Dr. Sabino-Olegario Lud-
de 1838, sob a gerencia de um tbesoureiro e se-
cretario, que desinteressadamentc se prestaran! geroPiho.'mande V. S. pagar a" quanlfa de 118*,
em todos os domingos ao trabalho das entradas e rovcnient das duas carieiras e urna ambulancia
de sua escripturacao. Com a afflucncia das en- l1%wnr,.,h:nn em<*.<,... virtmi Ha ordem
Iradas, crescimento da escripta e trabalho que da-
va a organisacao da folha dos dividendos^ faltou
homcopathica, que forneceu em virtude de ordem
da presidencia para o tratamento dos desvalidos
accommettidos do cholera-morbus, segundo consta
quem gratuitamente tomasse a si encargos tao pesa-. das duas in(.|I|sas contas.
(leseoiita- dos. o dessa falta resultou
desoontos
a necessidade de mar-
V. S. pede para ser aborta um crdito simplemen-
te r na irmiorlaiicia de 3725522 rs., afim de que se
souro, 12*263 em cobre, e o resto em notas i1
da Babia e caixa filial do banco do Brasil. recebia um por cento de commissao, fazendo gra-
& lei de 22 de agento de 18JO parece ter ido tunamente a cobranea aqu exeetttada, por isso que do balanco se conbc- apoliees, quando iss era neeessario.
ce para o 28 semestre passra a somma de lueros m 1852, achando-se as apoliees no mercado
que cao foram divididos em ronseqnencia de pe-! cima do par, quando ellas para a caixa cstavain
tenoerem a transacSes ni> ultimadas. gate sessenta e oitenta. appareceu em umaassem-
car-se a porcemagnn de 4 por cento, tirada dos
lucros para o secretario, sobre quem pesa va o onu$
da escripturacao. Esta medida data de 1846, e sub-
siste ainda. ppSsa efTectnaro pagamento da quantia de 410*000
Os fundos desle estabeiecimento "eram convert- que se est a dever a Luiz Antonio Pinto da Silva
des em apoliees da divida publica geral e provin- proveniente de livros que encardeiiou para a se-
rial, para cuja acquisico a casa commercial San- crelaria do governo, tenho a dizer que esse paga-
tos A Irmao, e depois Santos, Irmao & Sobrinhos, ment deve ser feito pela verba votada no 2 art.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Respondendo ao oficio de hoje, sob n. 350, em que
Esta caixa tem estatutos approvados por decreto
n. 1.753 de 20 abril de 1856.
A cotacao da praea da ama baixa de 18 % em
suas accCes. .
Catea la pothecaria, na Bahia.Em 7 de julho d(
bla getal dos accionistas idea da utilidade de
procedor-se a. um nivelamento, elevando ao pac o
valer das apoliees, e distribuiodo-se a differenca [ic-
ios socios.
Convertida em jiroposta aida assiin apresenta-
anno passado foi lido na assembb-a gersl dos accio- ^ ^ approvada procedendose ao referido nive-
nutas ilesta caixa o nltinio retatorio, que a respei- lamento e ditribmcao.
to de mas eperaeoes fez a direccao competente,
rom rel.ieao ao lempo dworrido de Io de novem-
lro ale liin iVs maio do mesme anno.
A elle vem junto o balanco .que a commissao do
xame das coma.s trauscreveu por baixa do seu
parecer, ao qual me cingirei para dar-vos id.'"a do
estado deste estabeiecimento, tijas operacoes sao
balearias.
Gomecando peloapital, o bataneo piostra que o
inesmo sccompoe be 12 mil accoes'de 100*000, na
importancia de 1.260:000*000, mas nao se tendo
ainda emittiilo 3,247 das ditas arc*es, resulta que
o principal, assim incompleto, nao passa de......
875:300*000.
A caixa emprqgou este fundo em descont de
letras, nao s das que sao garantidas nicamente
Kto crdito dos sacadores e aceitantes, mas tam-
ul de outras acompanhadas ou de hypothecas, ou
de asados u de penhores.
A primeira especie destas letras tinta de saldo a
quantia de 345:38*86i; a segunda a de----
389:355*000; atajeeira a de 16:399*920; e, Dnal-
inente. a quam apresentava urna esisleuc de*
34:551*000; Iota) 786,03^*784.
fcjlu jUacontrM fetos pela caixa hypothecaria
algumas letra*-dejxarajn de ser pagas em seus
encmenlos, j pela iiiiponlualidade dos deW2do-
res, por faueftei di atgums firmas assignala-
rlas das mesmas letras.
Umaji foram ajuizadas, e sua importancia de
;204*a67, outras nao consta que o ossem, apesar
Diz urna inormacao, que tenho prsenle, que
peta continuaeo das transaccoes, mudas apoli-
ees se compraran i cima do par, sem que o res-
pectivo secretario se lembrasse de inteirar a caixa
das quantias desp adidas cima do pac, do que re-
sultou apparecer cm 1859 um dficit supei'iur. a 15
conloa.
O eonhecimento do dficit deu. motivo a con-
vocaco dos accionistas residentes no Ouro Pre-
to : e, reunidos em sessio de asseiuLIu g-.'i'al,
resolveram unnimemente confeccionar os estatu-
tos que ora regem o estabeiecimento, para assim
fi'stabelecer o crdito asss enfraquecido da caixa
aconomica.
lstes estatutos foram remettido?, por intermedio
da presidencia da provincia ao governo imperial,
afim de approva-los em obediencia lei n. 1083 de
22 de agosto de 1860. A approvaeao- depende de
resdluro de consulta do conslho de Estado, que
ainda nao teve lugar.
A caixa tfai hoje funeconando com regularida-
de. O seu capitel tem-so augmentado gradativa-
mente : em vez do dficit de que trata aquella in-
formacSo, diz o informante que j tem um saldo a
seu favor.
Seus fundos esto depositados no banco Mau,
Mae Gregbr & C. constando: do batanete de Ja-
neiro nltfmo, montar o deposito a> 170:601*950,
existindo na eaixa da provincia apenas a quantia
de 187*970.
3" da lei do orcamenlo vingente, e por isso loma-
se desnecessario esse crdito.
Dito ao mesmo.Se nao houvcr inconveniente,
mande V. S, pagar ao tenenle Jos Francisco de
Moraes e Vasconcellos conforme solicitou o chefe
de polica em offlcio de hontem, sob n. 1,161, a
quantia de 73*400 despendida com o sustento dos
presos pobres da eadeia de Flores no mez de Ja-
neiro a abril desle anno, como se vedas inclusas
contas.Communicou-se ao Dr. chefe de polica.
Dito ao mesmo.Em vista dos inclusos prets c
relaeao em duplicata estando em termos, mande
V. S* pagar ao furriel Joao Vieira de Brito, com-
mandante de urna escolta de guarda nacionaes que
conduzio presos de justica da villa de Garanhuns
para esta capital, a quantia de 3185920 rs. em que
importaru os vencimentos da mesma escolta como
se v dos referidos prets que me foram remetiidos
pelo eommandante sujierior daquella comarca com
officio de 14 do corrente, sob n. 15.Communi-
cou-se ao commandante superior de Garanhun.
ntervir na eleicao para conseguir triumpho por
meto da fraude ou de violencia.
Ditp ao delegado de polica de Pao dAlho.
Tcndo respondido nesta dala com o offlcio junto
por copia, ao do juiz de direito dessa comarca da-
tado de 19 do correato, envio-lho para seu eonhe-
cimento e na conformidade do que ahi digo em
relajad s autoridades polciaes desse termo, re-
cammendo Vmc. que na occasio da eleicao pr-
xima procure combinar com o dito juiz tanto quan-
to Tr possivel e curial, sem prejuizo da accao e
autoridade que lhe sao proprias, e que sob sua
responsabilidade devam ser exercidas, a respeito
dos meios c deligencias, que de conunum accordo
devem empregar, para que a mesma eleicao seja
alii urna realidade, se proceda com todas as for-
malidades da lei, e na mais plena liberdade e
paz.
Tudo quanto Vmc. neste sentido fizer ser um
valioso servico que prestar a causa publica, c a
esta presidencia, cujo real e sincero desejo que o
triumpho eloitoral nessa como as mais localida-
des da provincia pertenca a quem pelos meios pa-
cficos e legaes deva directamente pertencer.Nes-
te sentido officiou-se ao subdelegado de polica e
ao promotor publico de Pao d'Alho.
Dito ao commandante superior da guarda na-
cional de Pao d'Alho. Tendo-me representado o
Dr. juiz de direito dessa comarca, que a bem
da regularidade, ordem e liberdade da eleicao a
que ani se tem de proceder no dia 9 do mez vin-
douro, convinha que V. S. fizesse entrega do arma-
mento da guarda nrcional que tiver em scu poder
oufor arrecadado, ao delegado^ de polica desse
termo, durante a mesma eleicao e adiando justa
essa requesicao. determino V. S. que assim o
faca.
Esta presidencia lem o maior nteresse e o mais
sincero desejo de que todas as autoridades ou fune-
cionarios pblicos contribuam em suas respectivas
localidades, para que no decurso do processo da
sobredita eleicao, desappareca tudo quanto possa
simplesmente parecer, ou ser interpetrado como
amoaca de compressao, ou prejiarativo para urna
eleicao por meio da forca.
E por este motivo faco V. S. a recommenda-
co a que cima me retiro, de conformidade com o
que o citado Dr. juiz de direito me representou.
Officiou-se ao delegado de Pao d'Alho para reeeber
o armamento.
Dito ao juiz de paz mais votado da freguezia de
Pao d'Alho.Nesta occasio dirijo Vmc. um ofi-
cio em que lhe faco rrcomniendcocs uo sentido
de cumprir fielmente as disposiees da lei em re-
laeao a organisacao- da mesa dessa parochia na
elico prxima, cm virtude de representacoes
Sie contra Vmc. me foram dirigidas pelo alferes
ancisco Xavier de Souza Bamos c alferes Manoel
Garca de Soma Bamos, instruidas com documen-
tos iuconteslaveis e cm que provam achar-se mu-
dados dessa freguezia alguna eleitores por Vmc.
convocados para a organisacao da dita mesa.
Espero que Vmc, a quem nao deve ser indiffe-
rente causa publica, e a necessidade de fazer-sc
ahi urna eleicao regular e calma, ser sollicito em
attencao aquellas minhas rccommcndacoes, evi-
tando por si e por parte da sobredita mesa abusos
e violencias, que sao sempre origein de outros e
de conflictos mu desagradaveis.
Esla presidencia ao passo que est disposta a
manter com toda a energa a ordeni publica o se.-
gurauca individual as diversas localidades da
provincia, fazendo reprimir com prumpdo quaes-
quer excessos ^uo contra ellas so cominetta na oc-
casio da eleicao, esl tambem resolvida na forma
da lei a manter nessa a mais plena liberdade do
voto, para que o triumpho eleitorai pertenca em
cada una dellas a quetn de direito c pelos meios
pacficos e legaes deva pertencer.
Espero por tanto que Vine, compenctrando-se
de seus deveres, nao praticaipor si c pela mesa
a que tem de presidir actos que possain provocar
conflictos, e aunal a uullidadc da eleicao dessa
freguezia perante o poder competeute ; assim como
as de mais autoridades desse termo tenho feito re-
commondacoes no mesmo sentido, e por cujo me-
nospiozo torao de ser devidamentc responsabisa-
das e punidas.
Dito ao inspector do arsenal de marraba.Bemet-
ta Y. S. para o lazareto do Pina, a serem entregues
o respectivo mordomo, as 2 camas de ferro, 28 ta-
boas para papeletas, 4 mesas pequeas, 4 criados
mudos e 1 caixa da nadeira, pertencentes aquelle
estabeiecimento, que segundo V. S. declarou em
sua imformacao de 23 do corrente sob n. 553, exis-
tem nesse arsenal.Communicou-se ao inspector
da sade do porto.
da assembla at entao, provando esse exercicio com
attestado passado pelo secretario da mesma assem-
bla.
Tambem devo ainda ponderar-lhe que por por-
tara de 22 de junho prximo lindo, mandou esta
presidencia desligar o capitao Mauocl Thomaz de
Albuquerque Maranhao do batalhao n. 16 da guar-
da nacional do Pao d'Alho, a que pertenoia, por ter
se mudado do municipio como declarou-me cm
iuformacd documentada o respectivo comman-
dante superior, sendo que para isso expedi ordem
para ser aggregado a um dos cornos da guarda
nacional de Nazareth, eui cujo municipio se pro-
vou achar-sc residindo presentemente o referido
capitao.
Em vista do que fica expendido e alm dos docu-
mentos apresentados c que por si sos demnstrala
com toda a evidencia, que aquelles cidadaos_ con-
vocados por Vmc. j nao residem na parochia de
Pao d'Alho, accrescc anda a notoriedade publica
desse facto cuja ignorancia por sua parte nao pode
ser jamis adiniltida, nem tao pouco relevada, mas
que pelo contrario pode ser antes interpretada
como iteuco de por de parle o cumprimento da
lei e attender somonte a conveniencias polticas da
parcialidade a quem se diz pertencer Vine, por isso
que convocando aquelles eleitores deixou de o la-
zer como tambem est provado com documentos a
respeito de outros como sejam o bacliarel Manoel
Innocencio Pires de Figueredo Camargo e padre
Jos Zacharias Bibeiro por estarem igualmente
mudados da freguezia dando eu a respeito deste
ultimo at a circumstancia de achar-se ainda ha
poucos dias segundo consta, residiudo na villa de
Pao d'Alho tornando-se por isso pouco certa a sua
mudanca.
Nao sendo regular o procedimento de Vmc. por
ser contrario a expressa disposicao da lei e termi-
nantes decisoes do governo, c'pudendo dar ello
lugar a excessos e desordens na eleicao futura,
recommendo-lhe que cumpnndo restrictamente
seus deveres se abstenha por si e pela mesa a
quem tem de presidir de toda o qualquer traus-
gressao da mesma lei, nao permiuindo que > on-
corrain para iutervir na eleicao individuos, que o
nao podem por lhes ser isso prohibido e neste caso
ge acliam sem duvida os cidadaos quem me tenho
referido.
Espero portento, que na occasio da formacao da
mesa parocbial dessa freguezia na prxima eleicao
sero aUendidas as observaces que acabo de fazer
sob pena de ser Vmc. res|ionsabilisado por taes
actos que viciam a eleicao e que podem loma-la
milla peraute o poder co'miietcute.
Dito ao commandante do destacamento de Pao
d'Alho.A vista de suas requisieoes sera breve
mente augmentado com mais algumas pracas o
destacamento dessa villa.
Fazendo-llie este commuiiieaoao julgo conve-
niente ainda urna vez declarar-lhe que a forca
que alli se acha.sob sen cominan-lu, nao deve ser
ahi empregada na occasio da eleicao prxima, se-
no com o fin de manter a ordem publica, a se-
Surauea individual de todos os cidadaos, a libcrdn-
c da votaco, e como auxilio as autoridades locaes
quando teiham de-dar quaesquer providencias na;
quelle sentido ou ana forcui de lei, no que ser
Vmc, sollicito prestando-se com a maior energa e
promptido a prevenir e reprimir quaesquer vio-
lencias, disturbios ou atlentados que por ventura
ahi se tente, ou se pratique na referida oceasio.
Esta nica missao da forca sob seu mi-
mando em relaeao aquello acto, ssim como a de
toda a mais existente as diversas localidades da
provincia a cojos commandantes tem sido |>or esta
presidencia dirigidas iguaes recoiiunendacoes que
espero que sero por Vmc. liel e exactamente
cumpridas.
Dito ao subdelegado da freguoeia do Poco da Pa-
nella.Reinetto Vine, uuia ambulancia com re-
medios para o tratatneuto dos indigentes coinmet-
tidos do cholera uiorbus nessa freguezia como soli-
citou um oficio de 21 do corrente, ao Dr. chefe de
polieia; e recommendo-lhe o emprego das provi-
dencias necessarias para que os mesuios indigentes
sejam promptamente soccorridos.
Dito ao gerente da conipanliia Peruaiubucana.
Respondo ao oficio de Vmc. de 23 do curente.
dizeudo-lhe que os objectos vindos do presidio de-
Fernando uo vapor Mamalujtiap; e constantes da
nota annexa ao cit;ulo oficio, devem ser entregues
ao cousut dos Estados-Unidos que dever pagar a
importancia do respective arete visto como taes
objectos pertenceran aos navios americauos apri-
sionados naquella ilha pelos corsarios confede-
rados.
Portara.O presidente da provincia, confor-
mando-so com a proposte do Dr. chefe de polieia
de agosto prximo vindouro, o de lomoiier para a
organisacao da mesa|aroctiial^ervico aeeeswrieaa
lhe foi encarregado romo poderia ser a qoaaaaar
outro ridado romo declara o aviso de de marro
de 1849 nao lhe [>ode aoroveitar o dispo4o do
art. 64, que o supplicante cita da predita lei a
qual tem por tim garantir no eleitor o exerekio dr
suas funeres eleilc-raes.
COMANDO DAS ARIAS.
nerta-
C'i:.uiHL-GUnali no O'.m.m v.vdo t.u AaMAS
nami|-i:o, 23 de jixho dc 1863.
Ordem do dia n. 237.
O general commandante das armas declara para
eonhecimento da guarnico e devido efleilo, aae a
presidencia atteudendo ao que lhe expoz em oaVia
de 30 de junho ultimo, com referencia a prescrip-
cao dos facultativos do corpo de sade eu servio,.
nesta provincia, resolveu na data de 21 do corrale
sobre informaco da thesouraria de aieada. mar-
cado com o n. 333, que do 1" deste mez em diante,
o quantitativo de 360 rs. marcado para a ra- a
clapo das pracas do exercito existentes nesta api-
tal, seja augmentado com mais 10 rs. para unu ra-
co de agurdente anizada, que deve ser aeaariaai
da s referidas pracas ames do .dmoeo, dtveaa
semelhante augmento cessar logo que a epMkaaa.
do cholera-morbns decline sensiveimente.
AssignadoSolidouio Jote Antonio Pirekrm
Lago.
ConformeJos hjnacio de Utdeuo* Rept Jhm
teo, capitao ajwtaule de ordene enrarr dctalbe.
-
EXTERIOR.
i OllItl>lOMllV(l A IM MA-
RIO de ii:h\%tib i o.
l*HTO.
11 dc julti-uae 18C3.
Felicitando, jubilTSOs, o povo brasilviro pela re-
ridictuM evidentiiii.nte justiceiroqne o re Leopol-
do da Blgica, acaba de dar na qualidade de arte-
tro na queslo suscitada |>elapri>ao de tres ofletaat
da marmita de guerra ingleza, passemos a tarefa
quinzenal que nos est incumbida.
Se ainda ha |>oucos dias nos era dado por em ai-
vida a existencia de conflicto grave entre gevern
c os bis|K>s de algumas dieeeses lo rea sobre ^<
provimenlos dos lienelieios PTlesiasticos. hoje aia
lodemos negar que na effectivamenle esse eon-
potleni
flicto.
Oficio ao Dr. juiz de direito de Pao d'Alho.Te-
nho presente ojscu offlcio de 19 do corrente, com
que respondeu as minhas circulares de 9 e 30 de
junho findo, em que lhe fie recommendaedes a res-
peito dos meios que deve empregar para que as
eleicoes prximas se facam asi com toda a regula-
fidade, liberdade e calma.
Bcpois dc algumas consideraeoes com que Vmc.
procura mostrar os bons desejos de que est ani-
mado nesse sentido, e a insuficiencia de sua au-
toridade cu de seus conselhos, para conseguir ple-
namente, j.>rop{e-me varias medidas que para esse
fim julga co nvenienfes, e respeito das quaes res-
pondo-lhe o eguinte :.'
Quanto primeira, nesta data e de conformida-
S. solicita em seu oflicio de hontem
557, para comprar ao barao do Livramento os bar-
ris com carne de vacca salgada que forem precisos
para supprimento do brigue-barca Itamarac, na
razao de 50fi0 por cada barril, com seis arrobas.
Coinmunicou-se ao inspector da thesouraria de
fazenda.
Dito ao director das obras militares.Approvo
os ajustes que V. S. fez com Manoel Antonio Tei-
xeira para fazer a priso solada necessaria no
qtiartel da companhia de cavallaria, pela quantia
de 20OAO0O, menor do que a oreada 300()00. e
com Frederico Skiner para execular a calcada do
quartel do corpo dc guarnico, pela quantia de
170,3000, menor 50*000 da que foi oreada, todo do
eoBfonnidadc com o que V. S. declarou-mc em seu
offlcio de 23 do corrente, sob n. 132.Communicou-
se ao inspector da thesouraria de fazenda.
Dito ao mesmo.Approvo o ajuste que V. S. fez
cora Jos Percra de Alcntara <> O', como partici
Dito ao mesmo.Concedo a autorisaco que V. ai. 1,148 bis de 22jlo corrente, resolve conceder
tem datado, sob n. Braz Caroeiro Leao e Jos de Moraes Gi
(lomes Fer-
reira, a exoneraco quo pediram dos cargos de Io
B 2o supplentes do siiWelcgado do dstricto do Ca-
bo, 1 da freguezia do mesmo nome e para os
substituir noma:
Supplentes.
1. Dr. Jos Meudes Cameiro Leo.
2. Joaquim Francisco Paes Brrelo.
Communicou-se ao Dr. chefe de polieia.
Dita.O presidente da provincia, conforman-
do-se com a proposta do Dr. chefe de polieia
n. 1,164 de 24 do corrente, resol vo conceder ao
bacharel Antonio Justino de Souza, a exoneraco
que pedio do cargo de 2 supplotitc do distriet> dos
Affogados Io da freguezia do mesmo nome e para o
substituir noma a Jos Pedro Velloso da Silvei-
raCommunicou-se ao Dr. chefe do polieia.
Dita.O presidente da provincia, conforman-
do-se com a propost do Dr. chefe de polica n.
1,162 dc 24 do corrente, resolve demittir a Jos
pou-me em seu offlcio de 23 do eorrente, sob n^l33, Francisco do Arruda Jnior, do cargo de subdele-
adodo dstricto de Queimadas, Io da freguezia do
om-Jardim, bem como a Joao Felippe de Mello,
para fazer os concertos do telhado da casa da guar-
da do hospital militar, pela quantia de 300000.
Communicou-se ao inspector da thesouraria de fa-
zenda.
Dito ao director do arsenal de guerra.Em vis-
, bem como a Joao Felippe
do de Io supplente do mesmo subdelegado; e para
esses cargos e para o de 2o supplente noma :
Subdelegado.
Jos Antonio Pereira de Moraes.
Supplentes.
de com o sen pedido espeeo ordem ao eomroan- ,ta de sua inormaelo de hoje datada, ob n. 33
danto superior da guarda nacional desse dstricto, | dada acerca do requerimento do Dr. Candido Jos
para que durante a eleicao entregue ao delegada Casado Lima, autorisoV. S. a mandar admittr na 1. Vicente Joaquim de Miranda,
de polieia todo o armamento da mesma guarda' companTria de aprendizes desse arsenal, ao menor 2. Firmino Correa Pesseade >iei>-
que estiver em seu poder ou que eonsiga arre- 'Joao Urbano de Souza, urna ve* que sejam satisfe- Commiraicou-se ao Dr. ^e.^.P01*- ,A
adar i bM aa disposicoes do art. 4" do regularaento a 113 Dfta.-a presidente da orovincia, attendendo ao
Mm'os estabelecimenlos bancarios que ficamj Quanto a segunda, compfchende.bem Vmc, que de 3 de Janeiro de 1842. que requereu Manoel da Conceieao Pereira ue ai-
Entre as versties que eorrem a este respeta ha
urna que d como certo o ter o Sr. ministro da m*-
tica aeons-lhado S. Exc. Itvuia. a resignar o sea
elevado cargo.
O Sr. Miguel do Canto e Castro, volta brevemen-
te a lomar conta do goveruo civil do distncto *
Porto, que havia deixado para ir tomar asseataaa
cmara dos pares, e, como enlo dissemos. re**i-
do a instar pela sua exonerara, la qual o Sr. du-
que de I.oul prevalecendo-se daaintzade ajae am-
tualiiiente se eonsagram ainda mais aaa vez aa>
seguio fazer desistir o Sr. Miguel do Caalo.
ii Sr. Adelimlo de Fgueiredo, que yt lepoi m\
ausencia do Sr. Miguel do Canto foi maneado aaare-
tario geral, e esta actualinente governaulo aa*
dstricto, tem grangeado as syupaliiias de India
pela prudencia e lino poltico einprcgado por S. Exr.
na administraco interina que exerce.
A direccao da companhia de seguros Sajararra
apresentou em assembla geni do da t mu
te o relatorio e contas referidas ao anno eesaaBira
findo em 30 de junbo ultimo. A mato fot de
82:7OOO0O, foi ipiasi al>snda pelos prejataua aa
importancia de 0:000*000.
No dia 9 tambem leve lugar a reunio da
bla geral da companhia de seguros Ga
a apiesentacao de cootas relativas -ao i
ma dito. Os premios de seguros martimos i
ziiaui 110:7874707, aos quaes abaudus atasaas
pagos tica o saldo de 22:<88a^45.
Em ambas as assemblas foram eleitas as raa-
l>eclivas coiiiiiiism'- de exame de comas.
Daremos mais minuciosas infornwcoes do tato
destas iluas compaiihias se os respeetraw wiaiatiBa
e contas s. entregarein publindado. .
Foi absolvido por uqanimidade pelo jurj *y>""
creado (ara o crime de moeda falsa, o Sr. Mainel
Moraes da Silva Kamo%accusadode fabricar ***
falsas do Brasil.
O julgamcnte come^ou nu dia 25 do mez passado
e terminou s 11 lloras da noite do dia 27.
Kram-llic paites o ministerio publieo e o Sr. ****
Betamio, digno vice-consul desse impen;. aeu
cidade. O piimeiro era representado pelo Sr^rVr-
rv Jelegado da segunda vara, e 0 segsado pefc sr-
Dr. Custodio Jos Vieira Defenda o reo aaaa
advogado o Sr. Marcellino de Mattos. .... .
As partes aecusadras protestarm por Uidnt-
em teni|K) competente, mas o Sr. juiz aaa aa jai
proccdcnt-s. Entao o Sr. Dr. Custodm J
requereu que o reo continuasse
liorque estava outro processo tauradu conUa elle, visto tim "J*?** *mm *m
taes criines a pronuncia para a aa.
Sendo indef.TidoestereaunMM,qar.^
Moraes da Silva lamos *M9.'B" "
Dizem-nos. e mesmoJemos n amioraal. m*
advogadO do nw se '"f*'*"* *
insinuaro, c respeitando peaeo
cias. Como nao assistimos aos
nos ao que deixamoe escripto.
trigesimo-primeiro armiversario
que do exercito libertador na pna do 1
sua entrada triumphanle no Pw to (8 e 9 de
de 1832) foram commeniorados coc
goes officiaes do estyla
Embaadeiraram-se os edetos de i
blicas, a ponte pensil, e eai^
Houve lnmiaaead no quartel
cipal, c no pacd da cmara, defraaae i
urna banda rem'moittL _^
Em consequeneia do anaticto, aaa a I
nbecc entre o Sr^lbpo eo goTerao, a
jac-





^lil



Mirlo Ir rtMWllM.**m*i*1r* ft <#*ll>o i a .nula mi o apparecer lambem illumita-1 tuense a somjia subsenpttpau o banco Hypothe- |abao *"*
^SJSJ ^ cario do Portugal, que a lila assonacao proinove Amnto diffditn**L .
ete&se de sete mifcontos.
Consta que a direcco do banc. do Portugal vai
qiropor em assembla gural a constuuicao de un
banco 11) pothecario.
pacoepi
O Commercio do Porto, em um dos seus ltimos
numeres noticia que rio de Nova-Cintra
projecta nesta cidade a CTaco de um asylo de in-
famia desvalida a lannarao de um-estabeloci*
nieato era que. sejam racolhtuos os.ineiidigos aptos
para o trabalho e os menores vadtos, em que uns e
outros receba a precisa tostruceto civil e relt-
giosa e apreudam-as artes e offlctos para que mos
trem inais tendencias.
A. iSrojectada caw.de as\lo denounar-se-la
EsUbelecimfo d* arles'e oficios do barao de
i'5040
3:293*380
e segundo ura telegraniina re-
Vinho.
morto(a 2,^3-^116
99:037.8373
7:9343120
cebido boje (i* de Lisboa a casa Stem Brothers Mio por eento a* valorem .
dy Loudresfee repostas ao ntosmo banco pana esto Dreito flxo........ .swfijtt
se constituir eiu banco Us pothecario con eleva-
ca de fundos, novo estatutos, aova tota* da
g6 "brigadeiro Jos Mara Taborda commandanto' Keesportaeao .
da V divisto milUar regressou ao seu quartel ge-1
LiC S'i.LS^rSv&l^^ 2&SaS**
Consumo.
D. PedjuVe sustentado a expensas do seu un-,<
dador.
O pens*enlo 'grandfoSb, humanitario e civili-
sador. Acharaos-Uto grandes difftculdades.
(te conunerciantes de carnes verdes trazem urna
questao com o Sr. Manoel Jos Teixeira, novo arre-
matante do real d agua uoconcelho do Porto sobre
os imposios que o dito senhor exige dos intestinos
do bo, cabecee sebo, cujos creitos nunca foram
exigidos.
Os- marchantes oppozeram-se judicialmente^ a pa-
gar os impoetOB que o arrematante teiraa a nao de-
xar de perceher. .
Veremos eni que flca a contenda. Provavelmen-
te em algum arranjo particular...
Estveraui ltimamente tambem expostos o nos-
pital da ordera do Nossa Senhora do Terco e can-
dade, e o de S. Francisco. m^.
0 hospital do Terco foi aberlo em i78i. Tem
duas aulas de instmecao primaria para os nios
des irmaos pobres. Urna frequentada por oiten-
U e tantos meninos, e a outra por cincoeota e dous
manjas.
A respeito do hospitabde S. Francisco transcrc-
mos do Commercio do m Porto a segrate no-
ticia :
A primitiva rndalo do hospital d* 8, Fran-
cisco fot resolvida ora 28 de junho de 1686, comi o
titulo de RecOlhnieuto, custa de nove irmaas da
ordem, das quaes cinco eram viuvas e quatro ca-
A obra do Recolhimento, que era no local em que
boje se aelia o cemiterio da, ordem, priucipiou a 21
de agosto desse anuo e termuou a 19 (Je uovembro
segrate, e a 24 do dito mez c anno teve lugar a
abertura do ReeoMimente, que se instituir, segun-
do nousta, daacta respectiva, para doze innas en-
trevadas e cegas, que deviam vestir hbitos de bu-
rel, mantos de serguilha e usar toncas em forma
de raantelladas, e quaudo, por causa de eoferm-
dade, necessilassem calcar sapatos, deviam estes
ser sem salto e nao ter mais 'de tres solas, que (diz
a acta) era o bastante para commodidade e despre-
zo do alinbo.
A abertura do Recollmento fez-se com duas ir-
mitas rocolbidas e em 1744 existiam nicamente
seis.
113:894j690
684*950
35-.32e5V6--i
MKftlSaS
Toaetagem.
Navegacao do Douro.
Sobre ccreaes.
Imposto*

. .
Vtoimaes irgimentos de anulara e infantera n.
3, e em Vlela- cacadores n. 7, ^elogiou a boa or-
dem e disciplina ent que encontrou estes corpos*
Em Braga coutina a excitacao religiosa proma- a louai. .
vida e afagada pelos dous jornaes ali publicados o El
Clamor do Norte e o Districto de Braga. E diffleil
deconhecer pelas doutrinas expendidas por estes
dous jornaes n'uma linguagem virulenta se elles
ucrtenceni opposieao liberal, se ao partido legi-
fimista.
A distincta actriz Einlia das Neves termraou as
suas representacSes no theatro de S. Geraldo em- grw da bMxa
Braga. Esteve em Guimaraes onde deu tres reei-1 *
tas no theatro de D. Aflonso Henriques, e acha-se
actualmente om Lamego.' .
Era Valen? esiverai* expostos-ae publico os re-
tratos de todos os bemfeitor.es da Misericordia da
mesma villa,, .",.,,
Diz a Voz rf MMi, toma d* tocalidade, que na
sala do consistorio est o magniico retrato do vene-
rando e virtuoso vksconde de uarativa, nosso pa-
trie, e o qu*ui Valenca deve este grande estabele-
cimento. L '
No da 3 procodeu-sc eteicao da mesa da san- ..
hospital, etoram MB o Mp^Sr^ provu Rmane8ceBte dS eDolument06.
dor oSr.JosManpel Hod"tETEpAM* Equivalente ao rendilnento das
Ascencio Jos dos baulos, thesoureno, obr. Agosii "!.Mlll,ha. .
il. Confiarais archivos ao Sr. W*"t Wood,
de S. M.
sejoque possa declarar, que, eseepWando o
reapeiio ao motivos desta uWma pendn-
governo de S.M. tem todas as razoaa-fSM-a es-
tarsatisfeito com o piocelimento amigavel eortez
douoyeow brasileiro.
t oorio. porm. que desde lia milito este ul-
timo nao tem, liabitualmente. attendido s represen-
taedos que plomticos de S. M. o Imperador do Brasil, e como.
o qual ter os HmKes seguintes i a partir dos en-
gaitos Campo-Verde. Nova Aurora, Narab, Ml-
Oas-(^bras o Prudencia e os domis para o poenle
at encontrar os limites daquella fregueziq 94tio
respectivo.
RbpartiqSo da ivi.ici\ :
Extracto da parte do dia.28.
Foram rocolliidos casa de detencao 110 dia t
do corren te :
A ordem do lllin. Sr. Dr. chee de polica, Luza,
do 42 airaos, esorava do Domingos dos
que o mesa considera romo os meiboaa
que poder encontrar o emigrante europeo.
ClflUMICA Jl'ICIAIIi.
TRIKl *.11* o ESSAO ADMINISTRATIVA EM 27 DE JtlJfO
DEI8KJ.
l'HKSIliKNCIA DO BXM. SR. DBSEmAKAaoa
tOVth.
As 10 lloras da manhaa, ratmidoa os Srs. *fa-
Malvejra c Rosa,
64-.579A980
'4:4374880
12:9515225
Amortisacao de notas ....
5 por cento addicionaes .
3 por cento sobre os direitos.
Addicionaes nos emolumentos (7
porcenjo)
Pescado.........
$ por cento addicionaes do pes-
cado.........
Diversos.
17:08931D3
37;720
13:666^100
aO:78SA530
27:2625710
16:390
105690
85183
35100
7:8775403
3!U:40
africana,
provadistopde-scineneonarque seis notas diri- Passo Miranda, para averiguares pohciaes, Igna- ^ im^ Malveira. e Rosa, o Sr. prede-
gidas ao governo brasileiro, no espaco decorndo co Moreira da Silva, branco, de 36 annos, vmdo ,|,,r|arou aborta a sessio sendo lida e approvada
entre 19 de dezembro de 1860 e 7 de abril de 1862; do termo de Olinda, como suspeito de aar crimino-1 a M,'u ^ uiina
licaraa senfio sera respsta, ao menos sem respos- sodemorte no higa, provincia da Parahyba do despachos.
salisfactoria. Estas notas, escripias cm confor- Norte. l'j^LI Um requerimento de Baltar 4 flreira e
midade com as instruccoes do governo de S. M. pe-, A ordem do subdelegado do Recito, Manoei jo- da Si|va hm ^^ a ,.^4,^ do seu
diam governo brasueiro relatorios acerca do quim de Santa Cruz, indio, de 30 anuos, (uilher- syciai.Visia ao Sr. desembargad. feeai
numero eondl?ao de alguns negros, lomados aos me Raymuudo das Chasas, paijjo, de. d>> auaos,; Oulro de Joo Piuto de U-uws, pedfado eertaaw
navios da escravatura, o ha muitos annos de( lara- ambos por desrespeitar a forca publica. I 0 r,.gst
dos livres pela coramissao mixta do Rio de Janei- oraem do de Santo Antonio, Adiio, africano, ^ i;- (lo
ro, os quaes, ba todos os- motivos para aeredita-lo, de 24 annos, escravo de Mara Francisca de S. M-
t;d*'ez que anda se couservem escravo, em con- cente Ferreira, requerimento desta, Benedicto,
travencao da le e das obrigacoes contrahiuas pe- crioulo, de "95 annos, escravo de Ribciro de tal, sem
los tratados. i declaracao de motivo.
c Posso tambem referir a nota dirigida, a 12 de A ordem do de S. Jos, Antonio de Oliveira Ben-
feverciro, pelo Sr. Cnristie ao Sr. inarquez de to ou Pinto, branco, de 28 annos, para correccao.
branles, na qual, cm conformidade com as ins- A ordem do Boa-Vista Feliciano Correia da Cos- 0 jjslra(0 je sua sociodade com Manuel JoseCar-
truccoes do governo de sua magestade, chamava ta, crioulo, de 19 annos, porcrime de furto. m.ro j. >)aocl da Silva Nogueira.Rogistre-se.
a attencao do governo brasileiro sobre as diversas O hete da 2* seceso,
./. G. de Mesquita.
Moviment da casa de detencao no dia 27 de
ju!ho de 1863."
Existiam........
Entraram.......
Sahiram........
Existem.........
nho Rodrigues de Garvalho.
Mauoel Antonio do Barros, An- ***
pranchas, etc
JoTSoTafdB hneTda: Anrani7 sTnpi iano 11
- "- Josb Avelino da
Santa Clara e Jos Carlos Ricoes,
Silva, ManoelLuiz dos Santos, Jos LuuBar ei o,
itnimio Luiz Bernardino, Joao Baptisto dos Santos
e Jos Avelino de Lira, :
Em Villa-Real deu-se um lamentavel assassuialo.
Sr. Francisco Claro da Fonseca, hlno dohr.
Francisco Jos Qar*, procurando o padre Antonio
VUella, em sua casa, les desfechou dous tiros de
revolver, ferindo-lhe- o coracao e rompendo-ltie
una das cartidas. Ampetefoi instantnea.
O homicida evadio-se, ameacando com os tiros
que ainda tinha no rewolver aquelies que preten-
diameslorvar-lhe a fuga. ,-
. Diz-se que um grave caso de honra, fora a cau-
sa deste ciirae, que produzio a mals profundasen-
Kessa poea i'esolveu-se rae esta insttuicao ac- acao" em Vill-fieal,' lie,as11:ircumfl;m^'a.s(1d^,'|i,I,1'
Imse com a morte das recoladas eniao existentes | Sq revestio, e por screra all considera
conhecidos tanto o assassino como o assassinado.
Na nwsma villa houve no dia 13 de junhu a cos-
tuinada exposicao do gado cavallar, muar e azinrao
qual concorreram abanas quatro individuos da
priraeira esiiecie c um da segunda, jury quati-
ficHdor doste concurso nao achou cousa que tnore-
cesse o primeiro preino (6Q5O0O) :.confeno ape
Foi em I* que se fundn, no local em que hoje uas o 2" o 3' premio e duas mensSes honrosas ao
:ndividuos da primeu:a especie,
ira de Santo Autonlo, que urna das prra-
za, que o douramgencaosamente. | cipaes do reino, terminou no Mea*ai A
___..j. ......;u nt^p.' i.; a. i, mifcw i> nos primen os 1
e que em vez della se creasse um hospital parai-u-
rati vo dos irmaos pobn-s de ambos os sexos, de-
v.Ti.Io estes sabir logo que estivessem curados.
Em 1730 d.ciilio-sc que em quanto se nao con-
rluisso o hospital se assrstssem cora o necessario
ns ii inaos iK.hies era suas casas, at onde" chegas-
sem os rendimentos da ordem.
mullas
Imposto de viacao sobre o pes-
cado .....y .
Arinazeuagem.......
Arrojos do mar......
Objectos aiiquiridos por coata da
f;uenda .........
70:0745410
8445932
8875799
30:2455685
2:1355520
8485700
405860
4125795
9805301)
195335
4405005
tro do contrato social ce Bas*M k Lanos,
dezembro de 1834, e o do titule de haat-
litacao que deu a seu fllho Cantillo P. de Laaos ae-
ra ommerciar.Gomo requer.
Outro de Francisco Pereira de Mcndoup k C,
satisfazendo o despacho de 20 do corrale, para.
ser registrado o seu contrato 1 iil ni t
Outro de Th. A. Dammeyet, pedtedo oregisln
I8SSJ>9S1
Abrirn termo do carga : em 6 a barca Flor
da Meas, para o Maranhao;cm 7 a barca S. la-
noel II para Pernambuco ;om 9 a galera frica
para o Rio de Janeiro.
Entraram :em 26 de junlio a larca Douro,
da Babia, em 38 dias;em 2 de julho o brigue
Mrnho, do Pernambuco, por Vigo em 48 dias ;
e em 11 a barca Sympathia.
Sauram :em 9 a barca Bakiannn para a
Baha;em 11 a barca Lima I para o Rio de Ja-
neiro.
DIARIO DE PERNAMBUCO
mas
Era seguida, para complemento do quanto ha
occorrido na Europa em relacao questao anglo-
brasileira, damos a integra da senteu^a arbitral de
S. M. o rei dos Belgas, e'a nota dirigida ao minis-
tro britannic no Rio de Janeiro por lord John Rua-
se ada o hospital, do qual foram fundadores os ir- j quatro m
DUAS Mauoel Ribeiro Poco c Manoel da Silva e Sou- A feira
une o dolaramgenciosiraiente. | cipaes do reino,
Desde Dtao para ca tem ttdo successivas refor- feira das cavalgaduras, que enos F~?^""
as de raelhorauenlo que boje enllocara este esta-, dias, foi concorndissima de mao gado, havtuuo poi
belecimento po entre os primeiros do Porto. isso poucas transaccoes neste nmo.
Fui *0 de tiviTi'iro de 1836 estabelecu-se neste' Parti para Lisboa osr. Antonio conea noriuw, at, ,,^ ^ kv. o. ,.^- -:rr--. r---irr
to^wSSt&S^Om os irnfaospo- governador civil de Villa-Real. S, Exc. pedio a della se conheco qual a o,uuuo do gabinete .. glez
i,k'.coraoqu muitottMi aproveitado a ordera, L demissao em abril a qual ihe nao fo. conced- quanto a uiterropcao das rdacjjes como Brasil,
porque a fome era a principal causa deiquo ao da, c como S Exc. insiva por ella fo.-lhe ultima- ,&*;...... ., |Ha,.
hospital allluisse maior numero de irmaos duentes. mente cgiicedido ira capital. | S^nteaeRMttBTWt* f^019*5?gtoil
Actualna-nte tera este hospital, alera dos 18. No dia 28 de junho cabio na freguezia de S. Mi- Nos Leopoldo re dos Belgas, leudo aiei.ido
doe, tS a u\ OS sexos que se achara em tan- 9*A de Avkiago dotoncellu. de Miramlellaurados as fuuccoes de arb.tro, qne nos iorai.i c.feri s
s 4H entrevado, >.-udo 30 nralheres e 18 no- Suores te.nporaes de que aUi ha memoria. w de cominum accordo, pela Craa-Brt an 1. ..-I
l' I fio abundante a chuva,qe o enchurro desenra.sou Brasil, sobre a qiiesUio susciUda entre w retendoe
No dia 3 tevb lugar .10 paleo que da entrada para arvores de muitos annes. estados i>ela pnsao no cha 17 de junho feiNU
a ,-ri a da greta da Misericordia a exposicao ; Durante quasi duas horas calilo urna porcao de tres ofcaes da iuai-..ha br.ta.iraca, pe la gi a la
,, ,a dos retratos dos bemfetores da Santo Casa.' pedia que p'roduzk, os raaior.s viragos. As v.dei- de polie.a bras.le.ra do UgtJ**,%lSg^U
iuteiraiuentedespojadas do fructo ede t circumstancias que d ah resultaram, tanto no acto
' da prisao, como denota delta :
Animados do sincero desejo de
est
a 20 de toda a toma, e algunas deltas fio apalpadas do pe
uimaraes,: drisco, que se receta rauito pie nao escapem.
e da Sra. | O pao solTreu um grande estrago, c o azeite esiu
trdido quasi nleiramente. ''
Era Cuiral.ra fez no dia 5, na igreja de Santa
Cruz a festividade Rainha Santa Isabel, lavando
mtasa cantada e msica a a tarde regressou em pro-
cisso a Santa e veneravel imagem ao mosteiro e
Santa Clara. ... .
Diz o 'iiiulto l'upurr peridico all publicado,
que a procissao era precedida pelos destacamentos
de cavaltaria e seguida pelas autoridades superio-
res ecclesiascas e civil, cmara municipal c ad-
ministrador do coucelho, phylarmomca Boa-lmao,
de nfantaria, que depois de
Forara pela priraeira vez expostos os retratos do Vas licaram inteirgaeot
Sr. Manoel Nanos dos Santos, fallecido a
mata de 1801: du Sr. Manoel Lopes Gum
fallecido a 7 de uovembro do dito anuo e da ara.] u p
D. Rosa Candida, fallecida a 6 dejaueiro de 1863, j perdido quasi igoiramente.
Para a mesa administradora da mesma Santa
Casa no auno de 1863 a 1864, a cuja elecao se
proeedeu no dia 2 foram eleitos :
Provedor o Sr. r. Antonio Augusto Soarcs de
Souza Cirn. ,,. .
i:-crivaooSr. Dr. Francisco Jos Rodrigues de
Oliveira.
Irmaos conselheiro? os Srs. Antonio Jos Moiv
t,.io Guimaraes, padre Manoel Balthazar Vel oso
de Sequeira, Joaqum Mauricio .LOpes, Luiz Jos
Ferreira Paos. Fructuoso Jos da Silva Ayres,
Francisco Pinto Henriques. Mauoel Francisco uar-
te Cidade. Antonio Jos Goncalves Braga, Duarte
Lopes da Silva, Antonio Ferreira Monezes, Joao
Mendes Ozorio. .
Suicidoii-sc no dia 29 do mez ultimo disparan-
do na cabera um tiro de rewolver, o Sr. Eduardo
Pereira Lessa, garda-livros da conipanlua de se-
guros Eqndade, e encarregado n'esta cidade dode-
posito de panel de irapressao da fabrica hespanlio-
la de Vigo denominada a Christina.
A causa de tao" lamentavel aeontecnnciito foi ura
pequeo alcance en que o Sr. Lessa se achava para
cora a eomnanhta Equidade, e o nao poder satisfa-
zer 110 dia do seu veucimento ; que era o da 1111-
mediato ao era que tentou contra a sua existencia,
o importe de duas letras provenientes do negocio 3C uia a .., ..--------
do papel. Andara tudo por tres a quatro contos ImpossWel entrar no vasto pateo do mosteiro de
corresponder
rom unu decislo escrupulosa e iraparcial, coa-
lianca que aquelies estados, era n6> depositaran)
Tondo, com este tim, examinado c ponderado
devidamente todos os documentos que de parte a
parte nos forara apresentados :
Desejando, para dar cumprimento- ao dever
que nos irapozemos, levar ao conhecimeuto das at-
las paites iuteressadas o resultado do nosso exa-
nc, bem como* a nossa decisao na qualidad.- de ar-
bitro da questao que nos foi subraettida nos tormos, "^M' eioS
seguintes, a saber :
1 Se, jio. modo porque aS las du Brusil foram (im-
plicadas aos oMaaes inglesa, Itouce offema '
modo algum,
e todo o destacamento c------
recomida ao mosteiro a Santa Bamba, deu as tres. roiabrttanmia.
,if Onarain a -roc^jo 78 aiijos. a maior parte dos' provado, que. o conflicto Tosse originado pelas au-
a^^iS^l^m&mmte^U^e toridades brasileiras, que nao trabara pretexto al-
e^ mais nos agradaran) do que aquelies, cuja gura razoavel para provocaba);
abundancia e peso de ouro os fnziam vergar : bom
______ -~ ..^ ;.....,*..i.,.l .c l,\ arranio (testas
. atanajla do gov
conununicac/k'S que dirigir ao governo brasileiro,
que laviara Tirado sem resposta e que reclawarain
a berdade semcondQoes a favor de todos os Afri-
canos emancipados pelo tribunal da commissao
mixta.
verdadeque o governo brasileiro responden
a esta nota: mas a resposta do Sr. inarquez de
branlos, de 28 de feverero, vistas as circuins-
tancias c tomando cm consideras) as demora an-
teriores nao se pode considerar satisfatoria. Nesta
8875799 nota, oSf- inarquez de Abrantes declarava que o
governo brasileiro estudava, com zelo c soncituile,
a questao dos Africanos livres, allm de proceder
com a dlscrfprao c prudencia que o caso pedia.
Mas a realidade o governo de S. M. at hoje ain-
da nao receban as informacoes que pedir reitera-
damente, e qiui tinlia dir'oite a exigir era virtude
das estpulacoes do tratado em favor dos Africa-
nos libertados.
t Depoisdlstoaociasilo perraitte que se torne
a (osieao das. redaiiiaf o\.s que originariamente se
lizeram, para appellar para a decisao da ultima
commissao mixta. .
t Esta coniinissao foi insumida cora o fin de re-
tirar das negociacoes diplomticas as reclamacoes
pessoaes dos subditos do governo de S. M. ao go-
verno brasileiro, e vice-versa, A vantagein dese-
nfilante tribunal era manifest, e a nomeacao de
urna couimissao mixta pareceu ser o mclhor meio
de retirar os dous governos dessa dlscusslo pro-
longada e embaracoja, Foi portanto cora muito
pezar que o governo de S. M- viu que a nb?rpreta-
cao con Victoria, dqs termo* da convenciio, que
creara a cumraissao. se tornou obstculo invenci-
vol para os trabalbos ultcrioi^ da comrais^ao, que
se dissolveudepois nos termos da convenci.
. O governo de S. M. nao pdese-nao sentir este
inesperado evito. Mas a nterpretaeao que o go-
verno brasileiro dava runveiHjao era totakneute
incompativel cora a beniconheeidapoltica da Craa-
Bretanha. e o governo de S. M. nao poda adinit-
ti-la sera annullar pmticajnente as decisoes que II-
zera j conheccr ao governo brasileiro,
t Mas que proceder adoptou o governo cm taes
circumstancias ? IVIanota do Sr. Chrstie. de 14
de abril de 1862, o governo de S. &L parlicipava
ao governo brasileiro que eslava disposto a con-
cluir urna convenci para estabelecer outra com-
missao qne tivesse o jMJder de discutir todas as iv-
rhmaedes. excepto aipiellas quehaviam trazido as
diffieuidudes ]>roduzindo a dissolueao da ultima
conmiissan e a propbsta do governo (fe S. HI. esta
em restricta conformidade cora a poltica que se-
guir na questao at quelle terapo. cora 0 duplica-
do tira de alcancar mutuas vanlagens e conservar
as relacoes ami^raveis.
Nestas circumstancias-, o governo de S. M^ esta
plenamente justificado por se queixar de nao ter
ainda recebido resosti s propostas cdtitidas na
nota do Sr. Christie de 14 de abril de 1862. e de
que se nao I10uves.se tomado qualquer medida
ao" inenr.s na apparencapara chear justa SO-
lUOio das diversas reclainaer>es luitairaicas. alqu-
ilas das quaes reraontam a autiga dato, e elevain-
tt a ura numero eaueMeraveL
lor eoaseguinta espera 0 governo de & sL que
o governo do Brasil proceda com a cortezia, que
usada mitre os governos. as suas futuras relaciies
eom a Giaa-lSretanha, seja qual for o intermedia-
rio que bouv.-r de servir para estas relacoes, es-
pera tambem que o governo do Brasil communi-
francatneiite quaes as suas vis-
mais adequados para chegar a
regular as reclamacoes pendentes ha tanto tempo.
Sirva-se enviar urna copia deste despacho ao
Sr. inarquez de brante e por as occasiao Ihe
pedir os passoportes, e Ihe exprimir o pezar de
S. H. por esto taterrupcao temporaria *
diplonatica<.
Sou, etc.Assgnado .RutselL
407
8
41
404
presos
A saber
Naconaes......
Cstrangeiros.....
Mulhercs.......
Estrangeiras.....
Escravos.......
Escravas........
284
32
9
3
74
5
404
Alimentados a custa dos cofres pblicos.. 474
Moviinento da enfermara no dia 28 de julho de
4863.
Tiveram baixa :
Jos Francisco Moreira, colite.
Manoel Simio Jnior, indigestio.
Benedicto, escravo de Miguel Branco, febre ca-
tarral.
Joaqnim. escravo do vigaro da Boa-Vista, con-
tuses.
Tiveram alta:
Aramio Osar de Mello Barrete.
Braz de Mello e Silva.
Bento, escravo do dt-semhargador D. Francisco.
OernjAiuo do da 28 db jimio no cemitkuio
publico :
Antonia Mara do Espirito Santo, Pernambuco, 50
annos. vinva. Boa-Vista, molestia no tero,
lllnininata, eserava, 9 anuos, S. Jos, molestia de
peito.
Iguaria Mara da Conceicao, Pernambuco,
nos. solteira, Recife, molestia interior.
Outro de Garpar Antonio"Vieira Guimaraes e fo-
s Gomes Villar, pedindo oTegislro do distrato de
sua soriedade.Regislre-se.
Outro de Andrade & Reg, pedindo o registro as-
uma li\|N)llii>ca que ajunlain.Registre-se.
Outio di; Joao Luiz Fefreira RibeiBO e Ednarito
Marques de Oliveira, pedindo o registre do atWila-
inenlo feilo ao sen contrato de 4 de Janeiro.Ni
tem lugar, visto que au s a |>rocuraeo J
poderes para sso, como pwqui; o docuinenlo a. I,
que offerece. eomparadoeoni o don. 2, oflerere da-
vida em mal dalas diversas.
Outro de Joio Pinto de Lemos Jnior, pedimlu
registro de urna escriplura de h> potbeca que ajun-
ta.Registre-se.
Outro de los da Silva I.oyo. |icdiiido natricular-
se.Vista ao Sr. desembargara: liscal. .v^_
Outro de Autono Francisco (Larneire Moniem
l'iro. Candido Francisco Cariieiro Mooli-iro e Joa-
ipiiin da Ciinha Freir, da provincia doCcar, aB-
cado pelo Sr. deseinlargador liscal, pedindo regi>-
trar seu contrato social. Regstre-se e puMi-
que-se.
SESSO JUDICIAR1A KM 27 DE Jl'LHODE MU
I'HKSiDKNClA DO EXM. SB. DE.SKMB.UUlABa
,-olZA.
Secretario. Julio GnimurSa.
A una hora da tarde, o Sr. presidente abri a
sessio, estando reunidos os Srs. destrabargajacc*
Villares e Silva Guimaraes, e o-Sr-< ibfaladOv
Lemos, Malveira e Rosa.
Lida,' foi approvada i acta da sessio aaseec
dente.
l-'oi lulo o otile o do Sr. onm.'lbeiro preseai'"-
BS iclacao. ile .'i do correle, .umiuiiiciodo ha-
30 an- ver desgnadu o Sr. desembargata Jos Pereira
da Costa Molla para servir d>- juiz em urna rrv
Santo Antonio,
que pende dadrisio deste trinuiul.
Foram assisnados os accordaos proferida na
Estephania, Pernambuco, 8 Meses,
bepatite chronica.
, Pernambuco. 06 annos, viuvo, >*~* &&**
40 annos, Boa-Vista, cho-
Boa-Vista. cholera.
Joaunaj Pernambuco,
lera.
casado.
Jos Joaquina Boiclho, Portugal, 63 annos,
Boa-Vista, aiuolecimi-nto cerebral. .
Mara, Pernambuco, i hora, Boa-Vista, espasmo
a Hu-
era, que as pessoas incumbidas do arranjo destas
criancas, perdessera a inania de taes enfeites. so
proprios das aldeias, onde os povos fazem consis-
tir a belleza dos anjos, na maior porcao de ouro
que podem an afijar, pan Ihe deitar ao pescogo.
A aflluencia de novo do fra da cidade, e de \ il-
las e aldeias bem distantes della, foi extraordinaria
e nunca vista, e j no sabbado de tarde em todas
as ras se viam apiolados grandes ranchos : nes:
se da note. era difllcultoso e a inulta gente foi
grande a sua auciiiacao_.-
mator-se do que dar a conhecer os embaracos dos
seus negocios. ....
A morte do Sr. Lessa nao foi instantnea.
Feri-
mosmo de comecar o fogo
povo, que
para gozar a
"os que nel-
la bavia e que duraram ale a madrugada; c no do-
miugode tarde era surprehuudente avistadas ras
da cidade, largo da PortogemPontelargo de S.
-. Considerando, que os o'lllciaes. na occasiao de
seivm presos nao trajavam os uniformes das suas
1 latentes c nao" podiam contar que. em ura porto tao
frequentado por estrangeros, a sua palavra soraen-
te, fosse sulliciente para se acreditar que perten-
ciam nrrala bntannica, ao passo (fue nenhuiu
sigual exterior da sua classe coniprovava aquella
declaracao; que, por consequencia, deviam, visto
achar-se presos, sujetar-se s leis e regulamentos
existentes e nao tinhain diroito a exigir que fossem
tratados de niododfferente do que o seriara quaes-
quer outras pessoas, era igualdade.de crcuiustaii-
cias ; ....
Considerando que com quanto seja nnpossivel
negar que os incidentes que se segulrain foram as-
saz desagradaveis para os offlciaes iuglezes, que
nio podara dexar de considerar como rauito se-
vero o modo porque erara tratados, esta todava
pcovado que logo que pela djclarVo do vice-con-
sul inglez, se veio ao coiuiecimonto. da sua rerda-
1 .!.........: nn:.,l fft.,^rt, miniiiilimtinln tnitn-
de relacoes
UM POCO DE TUDO.
Tratando respeito das propostas apresentadas
pela Austria para solucao da questao polaca, cs-
creve o totscliafter, de Vionua, as seguintes pa-
lavras.
Se as seis clusulas nao forera approvadas pelas
potencias occidenlaes, signilica isto que ambas es-
tao concordes na persuasio de.que a questao po-
laca nao poder resolver-se pacificamente. E or
quanto no inoinenlo era que estiver no primeiro
plano a quesfio de guerra nao haver j (pie tra-
tar de simples concessScs, e como a separaeao da
EUlSSia e da Polonia nao pode dexar de ser van-
taiosa civilisacao occidental, B0gU*-SC que a Aus-
tria, cujo encargo sor a intermediara desta civi- J
lisayao do lado do Oriente, nao pode ser opposla de ;
ura modo genrico a tal civilisacao. Naturalmente i
snppOe-se que os polacos nao desOOnheeario o ver
dadeiro fundamento das s\mpathias da Europa ci-
vlisada c nao niudarao a sua luta contra a Russia
era una luta contra a Alleinanha, intentando sepa-
rar do sy stema dos estados allemaes as antigs
provincias polacas que ha longo lempo gosain os
beneficios da civilisayio alleniia.
Na sua luta contra o Oriente a Poloua adiara
sempre ura apoo na Allemanlia, e nada obstara a
que a Alleinaiila e a Austria renovasse cora a Po-
lonia, j livre. as boas relacoes de amizade que
exisliran antes da sua desmembraclto.
Se nesta conjiractura se pergunla se a Austria
deveria juntar-se nniiiediatainente a urna accao
militar contra a Russia, obvio ((ue urna allian^a
activa cora a Francae a Inglaterra Ihe olTereceria
mais de una vantagein logo que ella nao consul-
tsse mais do que o seu interesse proprio.
inmediatamente toma
pie Ibes fosse
foram, em
era condicao
to dous calafates. L'm de-lles morreu logo o outro passar; aprovetando para isso rana ligeira e fres-
pode ser tirado do rio mas era grande pergo de ca viracio que a tarde modificou a temperatura da
vida O primeiro chamava-se Manoel arvalhosa athmosphera que at all tinha subido a tal grao,
c o segundo Francisco da Ariosa. qne impeda o sair-se ra, sem risco de se mor-
Sao j conhecidos os prOhienores da perda do va- rer asfixiado, ebegand a apoderar-se toda a gente
or Gatakmian que demos na missiva anterior, de um bem fundado susto de sobrevir algum tre-
a bordo, salvaram-se apenas m0r de trra, que por aquelle resultado felizmente
REVISTA DLVRIA.
0 Sr. administrador do correio. lento allencao
ao que ex|iendenios nesta Revista acerca da sua
resolucao sobre as malas, de que deviam ser porta-
dores s vapores franceses; e alm disto, atienden-.
do as conveniencias do commercio oet-la praca,
entendeu dever subraetter aos agentes da Comptt-
iihi't d" transportas impvriues nesta cidade a pro-
posta de. se demoraren! os meamos vapores ueste
porto era suas viagens o espaco de seis horas, que
Sr. administrador julfra necessario para
o niesiao Sr. .
o processo das malas, que tenham elles de condu-
zir qur para o. sul do imperio, qur para a Eu-
No entretanto, nao sendo a respectiva solucio da
comiMtencia dos agentes, como elles o declararan)
em sra resposta; visto ter a companhia deixado
aos comniandantes a decisao sobre as demoras em
tinha de livrar aquelies offlciaes das desagradaveis m^*JrIU
appeUada.
Jos Das da Silva.
Ajipellante. Fernando Fraiici-n, de Aginar Mon -
tarioxos ; appcllado. HasaH Alves Ferreira.
jn.i;.VMkvni>.
Ap|K-llaiites. N. O. BkMT*C suceessore*aat-
ivllados. o presidente e directores da caixa Mal
do banco do Brasil aasM cidade.
Receberam-se os embargo* para condemaafas
dos jutos tagMa.
Ap|>ellante. Krancsco Antonio de Brilo -, appel-
lailo. David Williain IViwman.
Sorteados os Sr-. debutados Lemos e Malvera.
Belatado o feito \-\ Sr. deseanbaffador Vil-
lares.
Conliimou-se a senl.-aca ap|>ellada.
Adiarani-se os julgam<-iit<>s de dous feito*. m-'
pendein da embargos, hit nao estar jiresente o *r.
deputado Reg.
RSIGMCX" D WV.
ApiH'llante. Rento leM dsGeaUl apiieltotos, >
adiuiisuadores da niassa fallida de Anunde k
l.eal.
Designado o priim-iro da til.
PASS YOKNS.
Appellantes. Saunders, Brothers & C; appelta-
dOS. Jolllisloll l'al.-r A ti. _
Do Sr. deseinbargador Villares ao Sr. desembar-
gador Silva GuimarV-.
O Sr. desenil.argador \ illarf por ser suspeiio.
apresentou em mesa para nova dislribuicao a ap-
pellacao entre parles :
Appellanle. Francisco da Cuida Machado Pedre-
sa 1 ipnrijadni. Ferreira k Aiaujo e Mooteiro Lo-
pes k C.
E foi distribuida ao Sr. desetnbargador mlva
G n i 1 Maraes.
O Sr. deserabargador Silva GuimaraVs, pur a-r
impili......11 legal, apresentou em mesa para ova.
dislribuicio a appellwio entre partes:
Appcllaiito. os adininistradores de Pacheco k
Mendes : appellado. Manuel Vieira de Saiiipato
E foi distribuida ao Sr. desmbargadir >li-
tares.
DIsTllIBI i;oi>.
de AiiKiriin,
fe Licje referido, que ura tamdorFfJ^^tos & cT^ppUadoTfo
dos seus arredores entrando urna certa noite em Pil.7. ,, ** wr
seu quarto, sentir forte cheiro de pao queimado,
adiando era seguida sobre urna mesa ura lenco re-
duzido cintas.
A principio teve para si que algum descuido do
Barrote.
' Ao Sr. deserabargador Villares.
AOC.IlAVo-..
Aggravante, Antonio Pereira da Cmara Linu.
A principio teve para si que aigum ucscuiuo uo g,:.,^,,, Joi P,.,.eira da Cimba A Filn.-
criado dera lugar ao incendio do lenco, as tra-1 ^Aiavanl(.. Antonio lVira da Cmara Li
a sua
Da gente
la
corrente esxrevem ao otav
traba de livrar aquelies
cousequencias, que segundo as leis recahiriara
incvitavelmente sobre elles, caso se coutinuasse
com o processo; .....
t Considerando que o chefe de polica tinha, no
seu relato* do 6 do junho de 1862, uao so de fa-
que forara descobortos e recolhidos pelo captao
Recco, da escuna Angelina. Depois de os ter con-
servado bordo e de Ibes haver apphcado todos
os cuidados durante alguns dias, o captao do na-
vio salvador entregou-os ao vapor hlice Una,
que ia para Cork. Foi neste ultimo porto que elles
reembarcaram para Liverpool onde che
fins do mes passado.
O vapor tocou e foi a pique quasi instantnea-
mente, a 90 millas prximamente do cabo Fins-
terra, na noute de 9 de junho.
Esto prximos a terminar os exames na esco-
la medico-cirurgica do Porto, c na academia poly-
techinica.
0 jornal do Porto couta que o Sr. Ribeiro, rico
propietario de CarapaulBa, que fora roubado por
um criado na quanli de cerca de 3 contos de ris,
quando o anno passado havia sabido para a reinara
de S. Braz em Ro Tinto, foi ha diaschamado por um [ do empr
eclesistico, que lho entregou o valor do roubo,' luta com
de 80 libras, dzendo que nao po- final
da tarde de hoje foi a machina
do carainho de ferro a Valle de Cavallos no seryco
doFelipue Bersal. hespanliol, empreiteiro do bal-
lastro all. ,
Este vendo um hornera de seus tratalnadores
detado junto das calhas, advertiu-o da imminen-
cia do pergo c da sua falta ao trabalho. O hornera
aram nos respondeu-llie com insultos e ameaeas, que obriga-
1 rara ao dito empreiteiro, apezar de ser bastante
prudente, a despedi-lo do servico e manda-to em-
Sendo natural de Azambnja, socio de outros da
Clarausca e semclhantes, grita por seu soccorro.
que esta se nao faca especar, o
que o sentido'da niodilicao proposta, attemos q
motivos de conveniencia que a aconselhaui e justi-
ficara"
As traduccoes, que ba-dias publicamos, d un
pamphleto de F. Bastial, e d'um discurso do padre
CminM un t\-.\ nonna do Sr. Dr. AnriKo Justinia-
ifrrer,rS^r',rMara sa=5s==s
laudo do avcrgua-lo com minuciosidade, reconhe
ceu que pessoa'alguma penetrara 110 quarto no cor-
rer do da ; e ah nao havia, alem disto, phospbo-
ros nem qualquer outra substancia susceptivef de
combusto espontanea. No entretanto notou, que
o lenco incinerado aehava-se ao p de urna garrafa
de forma convexa, que eslava cheia d'agua.
Ora, o sol durante o da balera em chaga na gar-
rafa,- a (ual obrando assim como vidro ardente,
provocou o incendio do lenco ; e felizmente junto' a
este nao havia nada a que se podesse comraunicar
o fogo ; por que a nao ser isto, laveria um incen-
dio consideravel, cuja causa (Icaria sempre igno-
rada.
Boa ser a pre vneto de acasos desta ordem, que
multas veces podem ter cousequencias fatalsi-
mas.
No Constitucional l-se o seguinte :
A cidade de Londres, tem urna populagao do
2.801:304 habitantes, isto metade da populacao
.da Baviera ; 300,000 nais que todos os grao-duca
dos da Allemanha, reunidos c do- que todo o reino
da Saxonia ; quasi tantos como o eletorado e con-
dado de Hesse, como os 16 ducados, principados o
quatro cidades livres reunidas, c tantos como os 2
estados da AUemanha juntos.
o autor outra ordera de escriptos sobre o raesrao
assumpto, se graves, inconvenientes e serios obsta-
culos nio se tivessem opposto al o presente rea-
lisacao dos seus intentos. /
Em outro lugar damos um escripto. em que
Aggravante. Antonio Pereira da umara Lim
aggravado. Silvino Guilherrae de Barres.
O Sr. presidente itegou provimento.
Nada nais houve eemerrou-se a sessio as Z ho-
ras da tarde.
lau uioiras na cm-! sello no palacio de Laeken, no dia 48 de junho de
'l1!1,!. LyJI'gSffl" teve de saltar im.-Leopoldo I.
or rinn 2 uStSfSr mivew das podras Nota ao Sr. Elbot, no.Rio de feneiro. .
p Xsnff quTcuSara a mesraa machina. Ministerio dos negocios estrangeros, 6 deju-
Alguns trabalhadores e seus capatazes vendo e 1 nho de '.,,
extrantando tal preedtaiento, tomaram a defeza! ^entar^d^^;^
extraordmaro de
r que o Sr. Mo-
a relacoes diplpoialicas 040
que -
quaesquer intencoes malvolas da sua parte-,
Somos de opiniao que no modo ttorfue foram
applicadas aos officiaes ingkzes as leis do Brasil,
nao houve premeditaco de offensa nem effensa a
marntu'.'fc?.fJn dunlicadoeoni o nosso real! recommemlada7 candidatura do Sr/Di'. Tarqui-
)ra.Jr,~..i( 1 nio Braulio de Souza Amararttto sua provincia
natal, o Rio Grande do Norte.
-- No dia 19 do corrente enconlrou o patacho
brasileiro Guanabara, entrado hontemdo Rio Gran-
de do Sul, na lat. S. 4-i7" e long. O. 3510"
d^revellardheVsegTwto'do passo quendava, nas'porque'fugram'com'o roubo das ps da compa-'jreiu iner
aue podia asseverar ao roubado, que em muito nliia, com que trabalhavam.
pouclempo seria embolsado das 80 libras que Ihe Bem diffleil foi aos presos escapar a morle.
faltavam. mens
a mesraa machina.
ao brigue'francez Santo Antonio, em, viagein para
o nosso porto. .
* as natas de bambs do engenho Xonjope. do,
termo de Olinda foi encontrado, no cha W do cor-;
u rente, o cadver de Vicente Ferreira, ja em putre-
. I faccao.quesejulga fallecido de um tiro casual dis[a-
reica nterrompeu a> reatos uip^uumi,. >. uv per causa das orden* dadas em dutuS)ro Ibo pa- faccao,r,ut sejulga falitu,
kT governo de M. ao enviado de S. M. e ao al.nl, rato de unaesp ngarda
do^cobrio
cheologica; um hyinno escripto pouco depors da
panhia, 1
om continente os mandou presos
^ra^fnlm^cSui derrota .do exercilo do concclho. Veremos
porniSS e o ntartyrio dos que flearam captivos ntaus d a conservacao dos bpns.
cm Alcacer-Quibir.
ao administrador
Bizem-nos que bella e niuito original a corapo-
sicio musical que o Sr. Dubini consegmu decifrar
o desfeclio.
t
0 castigo dos
A directora da alfandega
primir os napias estatisticos do
mesna alfandega relativos ao anno
do em 30 de junho ultimo.
Couiecando hontoui a distrbuQao dos cxempla-
res deste importante trabalho, apenas nos .possi-
vel incluir nesta carta nm extracto do mappa do
em rendimento cobrado no dito anno econmico, dei-
1 xando para occasiao opporluna os extractos dos
- sao o desenvolv ment
Reflexionando', nao pode o governo de S. M.
encontrar motivo para argir nem o representan-
" nem o almirante que eom-
c trasladar era escripia moderna
O conselho de saiide publica do reino, declarou
limpo de febre amarela, desde 15 de junho ultimo
o porto de Pernambuco.
O banco Uiso-brasileiro, ha pouco fundado
Londres vai abrir .110 Porto una caxa filial.
A companhia l'titidade PobUea comecou a pagar outros dez mappas, que
no i? de julho o dividendo do 1- semestre to cor- daqueJlc. ^ no ^ ^
rente Snno. .,,-- l.?iS/ istiiRs 2^33 548946-mas que
Os bancos Commercal e l mao, e a caa filial co de lW8^fc ^w^ ^
do banco de Portugal nesia cidade tambem ja abn-
ram o pagamento de dividendos do semestre
lindo.
a anno econmico anterior 484:0455555 ris.
As verbas que formara este rendimento provie-
ram: _
bnportacao.
Das possessoes.....
Estrangeh-a.
O primeiro d por coa des lucros do anuo cor- .-.,------f~-
renteT3 porrenlo ou 6*000 por acao; o^XS-^OS^6.....' 1226:1*174530
3 por cento cm 3*000 por accao, e o ultimo por E^ngeb^a........ '5I1 S17*3S
cento 404000 por titulo de 5 acetos. Agurdente........ :?in5
Segundo o jornal toAssoctacao lndusUial Por- Assucar
449:180*195
de carros entre esta eidade e Apipucos, tendo ir
motor asimaes ou vapor.
Essa idea, que at o presente pareca abandona-
...:.,.. .. ~m probabilidades muito espe-
frente
pe ta veis,
oxereer repr. rr*T"l ""imnerador cujos nomes sao urna garanta de bom xito, as
sequenc de recusar ^tafao aos razoavus e ^ D| ^ "^ inf?r.
moderados pedidos do governo oes. m., e quauuo r m ,^ Jrte do porto das
se ^ST^^^^^L^^ SSSa na ruao^SoTnSto Son Snvea
em evitar qualquer collisao ou ra-sanguinolenta ^noas Boa-Vala, costeia o caes
Er?s^3rS-7*4j^s^fi^s
r? de ^^^^mttnafDffl as se um oulro districto de subdejegacia com a nu-
'SessS&SSKSImera^lo to 3- atonummaeio oe Campo-Verto,
Londres quasi tres vezes t*>.povoada como o
reino da Grecia ; duas vezes mais que o da No-
ruega ; e tem 100,000 habitantes mais que o reino
de Dinamarca, comprehendendo todos os annexos.
Nao ha no mundo urna tal massa de gente reuni-
da n'una superficie de quatro mlhas.
A cidade propriamente dita conten mais de
400,000 casas.
Ao norte do parque Kensington edificou-se ha
poucos annos um novo bairro eom bellas ras,
chamado .a Pequenaclgla. por que habitado por
antigos oiliciaes e empregados. ....
Outro bairro, junto Harameimrsth, edificado e
povoado ha pouco, d habitado por antigos colonos
que voltaram da Austria.
Todos os annos para um. augmento de setenta a
oitenta mil novos habitantes, se couslrueiu dez a
onze mil casas.
Nao ba menos.de trezentas ral easas, as. qiaes
todos os das oito companlas fornecen sessenla
mlhoes de galoes d'agua lmpida e salubre-.
Em V0SSO6 departamento sois um roi, dzara
a um perfeito da poca anterior 1848.
-^ E verdade,-mas.omaire me contraria.
Como 1 Eu suppunha que tralteis nelle um
homem de palha.
Meu charo, se o maire fosse nm homem ae
palha, ha muito que o consemo municipal te-lo-ha
comido I
THIIII %AMa IA RCLAs,*'
SESSAO CM 28 DE J1T-UO DE 1*3.
PRESIDE.NXIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO SILVU..
As 10 horas da manlia. achando-se pre?rti-
fcs os Srs. desemlargadores Cartano Sannapo,
Gitirana. Motta, Peretti, Assis, l'cha Cavakaa*.
Doria, e Guerra, procurador da coro, faltando
causa participada os Srs. desvrabargadores Aranli,
e Lourenco Santiago, abrio-se a sessao. ^^
Passado's os feitos e entregue s disUilniH)-,
derani-se os segubates
JlUiAMKMOS.
Na denuncia de Jos.- Bernardo de Medeiros con-
tra o juiz de direito interino do Serid, bacbarl
Paulino Ferreira da Silva.
Relator oSr. desembargadorl ch.a (jvikauo.
Sorteados os senhores desambargadores Dona.
Gitirana e Assis
Julgou-se pronunciar o dennnciado as peaas
do artigo 860 to cdigo criminal.
DESIGNADO D* DIA.
Assignou-se dia para julgamento d< seguimos
feitos :
A apiu-llnriiornme.
Appellante, Custodio da Roela Oliveira;
lada, a juslir;a.
A npprf/nfsta tire!.
Appellanto, Joao e Jos Salgado de
que ; apellado, o coronel Joao Barbosa da wva.
1)11 ICJ.MUAS. __a^ i,
Com vjsta ao Sr. dwembargadiir proevnmr a
corfta ,
A appttUtro cir. __
Appellajite, Jos vgino de Miranda ; afadlada,
a flzcnda.
BASSAGK5S.
O Sr_ desembargndor (taetano Santiagc- psaua
ao Sr. deserabargador Gitiraia
A* appetlaiyes crines.
Appellante, ojuizo ; appcltado, Mbuoel Joaquim
de Aguiar. .___,. .... ._
Appellante, o. juizo; anpellados Antonio Jos de
Souza e outro.
O Sr. desemlargador Gitirana passao ao 3. es-
crabargador Lourenco Santiago
As appellacdes ritris.
Appetlajtte, a Duenda; appellado, Jos
da Silva Mata.
Appellante, Manoel Jos de Amor ;
a parda Margarida.
As anpellmyes ermst.
nppejlado,
daUsdeiraa.
1 Appellante, o juizo
Ra\ mundo itesatato
de Janeiro, D. auooi ao atme, cum *'j-, Appellante, Francisco Jos npmu ,
a sua cruz do brillantes e de esmoraldas a S. S. a justica. m^
Pi L\. em signal de veneracSo. Ao Sr. to^inJwgdor otta
Deixou quatro pensoes instituidas para o sem-: f""'%Zr\ni e
naro americano era Roa. I ^'^"auiolAaS^
Libertoua todos os seuseseravos. ; pcltaio, %ff^
Amirtlante, Manoel AlWno daftatt
appelladoyMano^VlelonnodeCwa
O Sr. desembargndor Motta passom a
eotuargador Peretti ^^
ABttMaVO JaWft
appeUada,
No Brtsil encontramos o seguinte :
Escrevem-nos da provincia to Rio Grande do
Sul, que um distracto escriptor belga ( Mad. San-
gendonek ) acaba do publicar urna exposicSo inte-
ressante sobre a colonia de Santa Mara da Soleda-
fd, onde esteve cerca de, tres annos.
Ifessa brochura o escriptor convida aos seus
compatriotas a vtfam habitar aTjuellas parageus,
flr.dev
Appellanle,
Carioca.










-^ 1'

alario de IrVrnainsmra Quera Mm 'de dutho de *M3.
Amalante, o jaiio; appelr&da, SebeKna Mara
la Conceice.
. Ai appe/arrJ citis.
AppeUantn, Jea* Joaquim da Costo Jlaciel ; ap-
pelldo, liwiz Jos Marques.
..Appeiiaiue, Antonio Climace Moreira Timpo-
ral; appelldo, bacbarel Mauoel Gentil da Costa
'Alves.
ADpeUant, Jos Ferreira Pinto de Campos ap-
pelnflo, Manoel Joaquim Baptlsta.
Anpellante, a administracao da massa de Seve*
' RThos ; appelldo, David \Wim Bowman.
O Sr. desemtavga'or Perelti passou ao"Sr. oes.
cmbargador Aeeioli
A appellafQo critne.
Appellante, o juizo/; appclladft, -los do V*e Pe-
trosa. ,. -
Ai appeltaroes cittis.
Appcllairtes. Joao Camello de Araiijo e sua mu-
Iher ? appellados, Jos Romao Roncal Ves Al ves Ni-
lo e outros. *
Appaftante, Rufo Correa liinia ; appelada, The-
reza Mara de Jess.
Anpellante, Basilio Alvar-s de Miranda Varejao*
appeliado,- Joaqnim de Alioeida Pinto.
OSr. desmrbargador Assis passouaa Sr. desem-
Laigaddr Doria
A appellarao cme.
Appellante, o juizo ; appelldo, 3ose Lourenc
A upprflaai cireL
Appellaifle, Manoel-Comes de Ahneida Botelho-;
appelldo, Manoel Jos da Grara.
O Sr. desembargada Doria paesou ao Sr.,0**-
-embargador Caeteno Santiago "
Appellante, Jos ftancises de Paula ; appelldo,
Perm, se por amentos psiMcoi se calende as desar ae declarar do aJto daimprensa qia-r,*ner-
qualidaow substanciaos do verdadoire deputado, les quatro senliorcs foram os Drs. Silvio TtVqtikio
toes como : o saber pretendo, amor da patrli, um Villas-Boas. Prxedes Gome deSouza PUaa
carcter nobre, e uuip vida iliibada; entto o nosso Sacharas de Carvalho e redro 4t Ath.nyle Lobo
raitdidato te por certo lodos es elementos do Moscoso-; nos quaes pede permfcfcao para dar este
verladeiro, forte e legitimo deputado : e entiio fe- lestcmunho solemne de seu|eMro roconhecbnento,
lii e honrado ser o pavo que livor de o eleger; por tao philantropico procedimento para com quem
fclie porque ver seus interesses bem defendidos, por sta posicio defavoTavel estava eondemnado
honrado poique ter desta vez pago ao morecimen- a-suocumbir de umatnfermidacVi alias euravel. E
to seu allftejado triKuto^-a florian, honrad* por; 'igualmente agradece atedas -as pesseasq^on*
que ter feto justica, e honrado ainda porque lera
comprebendido le que o povo espontaneastento abraca e nao aquel-
lo que, mais dcil aos manejos do nteresse, leva
tara seus eletores a tiste recommendacao das
baioaetasc do uttkiaHmo para por em service da
causa de urna victoria-desleal.
ii O Juitkriro.
oorreram com saas esmotas e medicamentos, 1*a
soa subsistencia durante o tempo que esteve de
oama.
Boa-Vista, 26 de julho de 1863.
W*m dos Ms Gmnes.
CORRESPONDENCIAS.
JUAppellaiitc, o jutz : appcl ados, Manoel Joaqriim' dado a toda^irova nos poderaoi salvar
do Xasoimento e otttros. IIna eminente, ou alias como Deualos
Appriante, Joaquim Jos Rib^iro appellada, a
"justica.
A 1 hora da tarde encerroa-se asessao.
Todos es mudices ye especiahne* # tm **
codo air* das ettfermidaiUs Jt rreangasa&x-
veramqueas pastithas ywr medio o ais excoU^" e efflcaz do contoecid* AOham-se ellas exclusivamente pre-
parada**0111 as-substancias vegetaes as maissaluti-
f^ras. O seu s*or delicioso, nao causan nau-
seas nem dores e produzem o seu elrito completa-
mcnJe sem que soja preciso logo immediatamente
usar de nenhoma especie de iwr^antes. Tanto as
niaes omo-os proprios lilhinhos nuncadesesporam
dellas, parque se as primeiras tem completa con-
tiauea nas-pastilhas, estes ltimos as tomam como
inair pvazer imaginavel. Desde que estas admi-
raveise-ino'mparaveis pastilhas furam descobcr-
tas, todos -os demais vermfugos asquerosos tem
tendo que para represeutacio nacional "devera ser sido fjuasiSnteiraraente alwndonados e desterrados
enviados exclusivamente as priucipacs illustracOes por todos. As pastilhas de Kemp se acham linda-
eos caracteres mais distinctos, c eminentes, por- mente ; acondicionadas dentro de frasquinhos de
que elles c someute clles por snas luzes, e morali- crystaJ,mao s para a sua boa exportacao como
do cateclys- para a sua conservacao contra todas as vicissitu-
tirar-nos do des dos lempos.
Manta Casa de Mlserl
Kr-cifc
A Rima, junta administra!* da Santa Casa de
Misericordia do Recife J*fffla convidar ;is peecoaa
q\ie se julgarem habyB(lais para fazerem o tom-
bamento da mesiMfSan,a Casa, comparecerem,
nsta secretaria'f"n de obterem os esclarecimen-
tos necessa/** Para poderem organisar suaspro^
postas.
Seirfetaria da Santa Casa de Misericonlia doRe>
cift, o de julho de 1863. I
O escrivao,
A. F. Cavalcanie Cousseiro.
(*>) Senltom redactores.Como pernambucano,
o com as qualidades legaes para cloitor, consid.T-'-
mecoui alguui diieito para emittir aos m**.t01'-
cidadios minhaooiiseieuciosa opiuia* respeito da
reunida caui|iaaa eleitoral, qu*ptunameBte vai
auilai-se.
5ts dfncei6rircuslaucias a Quc se-aCha redu-
zido o nosso i**", em um verdadeiro redemoinho,
pieeisaw^' de grandes reformas, e melhoramentos
'oip codos os ramos da a.liunu-n aran publica, en-
actual labyniihu.
A provincia de Pernambueo, encorra em verda-
da muitas pessoas cercadas desse verdadeiro mere-
cimento, mas sendo asss diminuto o numero dos
Na essao de 85 do corrente, alm dos feitospu-' seus representantes na cmara temperara, forzoso
A' -yonda om todas as lojas de drogas a boticas.
COMMERCIO.
blieados, foram mais os seguintes
OSr. des'embargador Gitiraca pedio diairaa
-eeguinte
Appellarao mine.
Appellante. o bacharol Marco Tulio dos Res Li-
ma appellada, a justica.
Com vista ao Dr. curador -geral:
Appellapio -civel.
Appellantes.francisco Alvos da-Costa e sua mu-
lher ; apellada, D. Mara Joaquina de Santiago e
eus filhos.
Passou ao r. desembarpador Uiurenno San-
tiago
ApiK'llante, fazenda ; .appelldo, Paulo Jos
Gomes.
5-
COMMUNICABOS.
AOS DIGNOS ELEITORES DO RIO GRANDE DO
NORTE.

l'm nomc illastrc que a modestia esconde.
restringir a cscolha nesse aportado circulo, mas
que sempr-e sejam dotados de acrisolado patriotis-
mo, principios, generosos, probos, instruidos, e de-
siuteressados.
Basta de dissensoes polticas, que s tem feilo
prejHdicar o progresso real do paiz,arredando as
pessoas mais habilitadas, que meihor o poderao
representar sob os futois pretextos de serein uns
de parcialidades polticas oppostas, outros por nao
se cnvoWerein as toriles caballas eleitoraes. Ser
este um (riiiiiipil'i do civismo pernambucano, e se
nao fura realisacaodo Evangelho de Deus, ao mu-
nos s-lo-na do Evangelho da razio.
E pois dcsta vez, em que o nosso idolatrado mo-
narcha se deliberou appellar para o voto nacional,
procurem-se os individuos de mrito real, onde
quer que elles cstejam recolliidos, ou em ileiras
oppostas, ou no seu modesto retiro.
Assim a nossa cara provincia apresentar no
parlamento urna deputarao, que necessariamente
se tornar por s mesma reeommendavel, senao
constituir a iuveja de todo o imperio.
Abundando nema puros desejos animo-me
lembrar ao corpo eleitoral desla provincia os se-
guintes nomos de alguns cavalheiros mui respeita-
vois )ior seus honrosos precedentes, e brilhante po-
aalta
con-
CAIXA FILIAL
1 General los Ignacio do Abreu Lima.
2o Monsenhor Francisco Muniz Tavares.
3o Deao Joaquim Francisco de Faria.
Viscoude de Camaragibc.
Consellteiro Francisco Xavier Paos Barreto.
Desembargador Anselmo Francisco Perctti.
Dr. UrbaHO Sabino Pessa de Mello
r. Antonio Vicente do Nascimento Feitoza.
9o Dr. Jos Antonio de Figueirdo.
10 Dr. Flix Peixoto de Bnto e Mello.
11 Dr. Felippe Lopes Netto.
12 r. Joronymo Vilellade CastrQ Tavares.-
13 Dr. Joaquim Pires Machado Portella.
Recife, 2o de julho de 1863.
O Imparcial.
4
5
6
7o
8
PUBLICACOES A PEDIDO.
Na quadra qu vai correndo cabe a todo o cida-
lo, que anheia o bem do seu paizearcalisa;ao
.onscenciosa do governo representativo, o dever sicao social, que bem saberao desempenhar a
Ue jncorrer, ao menos com os bons desejos, para]missao de deputados, se por ventura Ihes for
que a futura cmara brasilea soja composta de b' da.
um pcssoal que nos honre, nao s perante os povos
tstrangeiros como a nossos proprios olhos.
Pois bem, amante sincero do verdadeiro pro-
gresso moral e material do solo brasileiro, e en-
xergando na urna eleitoral, nao o balcao misera-
vel onde se cimba o peeonhento metal do jnteres-
se, mas o dejiosito sagrado onde se vai abrigar a
verdadeira felicidade do um povo, que o verme da
corriipeo ainda nao votou a morte completa; nos
ciemos hoje arrancar de seu modesto silencio um
Hume sympathico, parausa mi n da soberana da
itnprensarcconimenda-lo a urna provincia, que,
tao favorecida pelo Creador, alias urna das vic-
timas lamentaveis da rede centralisadora. Quere-
mos fallar do Illm. Sr. Dr. Tarquinio Braulio de
Souza Amaranto e de sua candidatura pelo Rio
Grande do Norte, sua trra natal, quejustamente
se ufana de possuir tal lilho.
Poltico de pensaments'proprios c de consceneia
inaccessivel vertigem das ambi?oes, oSr. Dr.
Tarquinio ser na cmara temporaria um dos sin-
ceros defensores do poder soberano, quando este
poder uo visar o eagoverno.
Amador insuspeito de sua patria c de seus pa-
tricios, qiiem prodigalisa sempro os beneficios
que pode, o Sr. Dr. Tarquinio, ser por seu turno,
o defensor mais ardente que aquella infeliz pro-
vincia poder ter contra as Ilimitadas preten^oes
de qualquer governo que se incline a despresar
aquella trra, a qual, na eleicaodiste Ilustre fllho,
nao s pagar mais um tributo ao verdadeiro me-
recimento, como defender os interesses vitaes
daquelle frtil torrao, at aqu menospresado.
(aracter independente, estudo rigoroso e talento
robustissimo, o Sr. Dr. Tarquinio adeja superior
aos caprichos mesquiihos de qualquer partido que
nao tonha por norte o bem real do paiz, e, assim
collocado cima das questes pessoaes, estar, por
consegninte, as melhorcs coudices de ver a sua
trra pelo prisma do dever e activar portanto seus
felizes mellioramentos.
J veterano em toda a escola^ da jurisprudencia,
o nosso candidato, aquem j nio sorprehendem as
profundas questes dos difflceis ramos de direito,
t. nosso candidato, que tem regido successiva c fe-
lizmente as cadeiras de direito publico, direito ci-
vij, direito ecclesiastico, trindade substancial, qiie
li ina o verdadeiro ncleo da jurisprudencia ; o
ii(ijo candidato, dizcuios, um digno discpulo do
sapientissimo Sr. Dr. Braz, esso brilhante orna-
mento dos annaes da Facldade de Direito do Reci-
fe, se homem admiravel^ que foi predestinado
pan o posto diflicil do magisterio.
E -se as virtudes domesticas, as qualidades de
liorn lilho, respeitoso irmo, esposo grato e pai sol-
licite, sao valiosos penhores da elevacao do lio-
mam particular; estas excedentes qualidades
fio," familiares ao Sr Dr. Tarquiniosao e
devem ser agora honrosos precedentes, recommen-
dacues seguras em abono do homem pol tico. A
vida domestica, disse o profundo Balines, nao enao
deve sor senao olEvangelho em accao : e a vi-
da |Kilitie.' foi tracada i>or mo de inestrc as bri-
Ihautes patinas dopoder publicoepoder po-
lticodo 'inmortal Ventura, csse homem genio
que, paraiexjilicar todo o mechanismo da arte de
^overear s quiz beber na fonte santa do Evan-
gelho.
V-se, peis, .que, recommendando-se um homem
para a vida publica, longo de fazer abstraccao de
suas qualidades particulares, dellas que se deve
fazer o ponto -d3 partida para chegarmos ao ho-
.mcm publico; .porque, no dizer ainda de Balmes,
lodos os grandes acontecimentos, bons ou mos,
sto ligados s qualidades particulares do agente.
E nos diremos tanjbem que nao da fonte impura de
:m cidadao corroropido, se que o homem cor-
i^ ii ipido cidado, nao desta fonte que podem
sabir os benficos -servicos do poltico elevado e
do^atriota consciencioso.
, JLQmbre-se, pois, a #rovinca do Rio Grande do
Norte de pagar agora eu tributo de homenagem
ao verdadeiro mereciiueuto que a modestia nao-'
deixa lardear. |
LaaUe-se essa provincia de seus proprios inte-
resses, ? seu porvir gigantesco, alvo grandioso
DO
BARCO DO BRASIL
EM PERNAMBUCO.
A directora da Caixa Filial do Banco do Brasil
declara aos senhores accionistas que o thesoureiro
da mesma est autorisado a pagar o dividendo re-
lativo ao semestre lindo em31 de maio prximo
passado a razao de 10$000 por accao. Recite 11
de julho de 1863.
Jos Mamedc Alvos Ferreira,
secretario.
NOVOBANCO
DE
PERNAUIBITCO
EM 28 DE Jl'LHO DE 1863.
O Banco descont na presente semana a dez por
cento ao anno at o praso de quatro mezes, e a
doze por cento at o de seis mezes.
Alfandega
Ilcndimento do dia 1 a 27. .
Idemdodia28.......
342:9415120
8:8085773
351:7495893
Currcio de Pernambueo.
Illins. Srs. celeridade com que os comman-
dantes dos vapores francezes prctendem seguir lo-
go quechegam a este porto quer na vinda da Eu-
ropa, e quer no seu regresso para all, den lugar a
que esta administracao fizesse publicar pelos jor- i
naes desta eidade, que apenas tundeados os mes-
mos vapores seriam fechadas as malas. Essa me-
dida, porm, nao havendo satisfeito a convenien-
cias geraes, por ir de encontr aos seus interesses,
foi pelo orgao da imprensa reclamada a sua mo-
iliieacao, e assim tambem particularmente pelo
commercio desta praca, a quem por certo se deve
attender. Calculando portanto os graves inconve-
nientes, que pode resultar dessa denberacao, resol-
vi levar ao conhecimento de VV. SS., c propor ao
mesmo tempo.um accordo para que seja fixada por
essa agencia a demora de seis horas dos vapores no
porto, tempo este que ser preciso para oprocesso
de entrega de cartas e fechamento das malas que
deverem conduzir. Me parecendo por este modo
satisfazer aoquesc reclama, julgo que VV. SS. nao
deixaro de annuir ao que proponho, e tonto mais
quanto nenhuma desvantagem poder resultar a
companhia dessa demora.
Dos guarde VV. SS. Correio do Pernambu-
eo, 25 de julho de 1863.Illms. Srs. Tisset Freros,
agentes da companhia de paquetes francezes.O
administrador, Domingos dos Passos Miranda.
Est conformo.O contador, Eduardo Firmino
da Silva.
Services maritimes des Messageries Imperiales
paquebots poste trancis.Agencia de Pernambu-
eo, service n. 119.Pernambueo, le 27 de julho de
1863.
Illm. Sr.Tivemos a honra de receber o officio
de V. S. em data de 25 do corrente, c-m o qual nos
pede de fixar a seis horas a demora neste porto dos
vapores francezes da companhia de Messageries
Imperiales da qual nos somos os agentes. Seria-
nos muito agradavel poder acceder ao pedido de
V. S., porm a companhia concede nicamente aos
commandantes de decidir da demora que elles de-
vem ter nesto escala, e por conseguinte podemos
somentecommunicar a reelamacao de V. S. a quem
de direito fr, e nao deixaremos de dar parte V.
S. do resultado.
Dos guarde V. S Illm. Sr. Domingos dos
Passos Miranda dignissimo administrador do cor-
reio de Pernambueo.Os agentes pp, Tisset Fie-
resTYsief.
Est conforme.O conador, Eduardo Firmino
da Silva.
novimento da alfandega.
Voluntes entrados com.fazendas
i com gneros 2
' .-----' 2
Voluntes sahidos com fazendas 21
t com gneros 143
----- 164
Descarrcgam no da 29 de julho.
Galeota hollandezaPeterdina Marchina=merca.-
dorias.
Barca inglezaCrifrWoNi=carvao.
Barca portuguezaLawa=charquc.
ImportacSo.
Patacho nacional Guanabara, vindodo Rio Gran-
de do Sul, consignado a Amorim Irmaos, manifes-
tou a reguinte:
8,324 arrobas de carne secca de charque, 250
ditas de sebo em rama, 50 couros vaceuns seceos
de refugo e 40 saceos feijo a ordem.
Recebedorla de rendas lu ornas
geraes de Pcrnambtico.
Rendimento do da 1 a 27. 49:4795477
dem do dia 28......... 6855021
PEGIARigSES- ,/fp
la
do
Rio de Janeiro.
veleiro e novo palhabotc D. Luiz I, capitao
Andr Pinto de Campos Brillo, segu sem demora,
recebe carga commodo frete: trat-se com M'-
guel Jos Alves, ra da Cr z n. 19.________
Para Lisboa e Porto.
r Pretende seguir com muito brevidade o voliro
e bem eonhWdo brigue portuguez Mello I, capitao
Antonio Goncalves da Silva, tem parle de sen car-
regamento prompto, para o resto que lhe falto e
passageiros para os quaes tem excellentes commo-
dos trato-se com os seus consignatarios Antonio
Luiz de Otvcira Azevedo &*C, no seu escriptorio
i ra da Cruz n. 1.
LEILOES.
DE
Para o Porto
Por ordem do Dr. juiz especial do com- segu impretrivelmente no dia 25 do correte o
mercio, fago SCiente aos credores de Gui- Migue portuguez S. Manoel I, recebe nicamente
maraes & Irmo, que ficou transferido para Passagoiros, para os quaes tem excellentes com-
k.!. ._ m ,i: r i j- modos: a tratar na ra do Vigano n. 10, cornos
Oje ao meto da a venficacao de crditos ^^ consignatarios Manoel Joaquim Ramos e Sil-
e nomeacao de administradores respectiva va&Genro.
massa fallida, o que ter lugar na sala dos
auditorios, visto nao se ter realisado a
mesma deligncia no dia designado por im-
pedimento d'este juizo.
Recife 29 de julho de 1863.
0 escrivao interino,
Adolpho Liberato Pereha d'Oliveira.
Crrelo geral.
Pela administracao do correio desta eidade se
faz publico para tlns convenientes que em virtude
do dsposto no artigo 138 do reguiamento geral
dos correios de 21 de dezembro de 1844, e artigo
9 do decreto n. 785 de 15 de maio de 1851, se pro-
ceder o consumo das carias existentes nesto ad-
ministracao, pertencentes ao mez de julho do anno
passado, no dia 4 de agosto prximo, as H horas
da manhaa, na |wrta do mesmo correio, e a res-
pectiva lista se acha- desd j exposto aos interes-
sados.
Administracao do correio de Pernambueo 28 de
julho de 1863.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Pela subdelegada do 1. distrcto dos A toga-
dos se faz publico que pela mesma foi anprehen-
dda urna mua castonha escura que andava va-
gando sem conductor i>ela estrada : quem for seu j
dono haja do procurar, que dando os signaes lhe
ser entregue.-~0 subdelegado,
Jos Antonio da Silva Grillo.
Pela subdelegacia do 1." distrcto dos Afoga-
dos so faz publico que pela mesma foi apprehen-
dido um cavallo alaso, pequeo, em mao de um
sujeito que diz o furtra de Joaquim de tal. lavra-
dor doengenho Tapera da freguezia de Ipojuca
MUIMOS.
Como Mcjam
EM CHAOS PROPRIOS.
1 sobrado de 2 andares da ra estreito do Rosa-
rio n. 24.
1 casa terrea-na ra do Amorim n. 30.
1 dito dito iw pateo do Paraizo n. 31.
1 dito dito na ra da Alegra n. 14.
1 dita dita na ra do Mondego n. 69.
1 dita dita na mesma ra n. 71.
1 dita dito na mesma ra n. 73.
1 grande casa terrea assobradada na ra do Mon-
dego n. 16.
1 casa terrea na ra do Mondego n, 75.
EM CHAOS FOREIROS.
1 sobrado do dous andares na travessa do Livra-
monto n. 18.
1 dito de dous andares na ra das Aguas-Verdes
n. 70.
1 sobrado de um andar na ra de Santo Rita
n. 75.
1 casa terrea na ra de Santa Cecilia n. 9.
HOJE.
(A' ra da Cadeia numero 24.)
O agente Pjnto legal mente autorisado pelos li-
quotTforleu^'pde'^mTaie'vaR^W- .uidatrios da massa fallida de Jos Anton.oBas-
tregue.-0 subdelegado, tos levara a leilao no da 29 do corrente mez" os
Jos5 Antonio da Silva Grillo. i predios supra mencionados pertencentes a mesma
Na quart-feira 29 do corrente, finda a au- massa, em seu escriptorio ra da Cadeia n. 24, en-
dencia do Illm. Sr. Dr. juiz municipal da 2.' vara
se ha de arrematar una* pret cnOula de nomc
Thereza, avahada pela quantia de 6005, a qual vai
praca a requerimento do testamenteiro e inven-
triante da finada D. Luiza Ferreira Gomes, escri-
vao Motta.
tu*: vr ico
DE
LMPHEZ.l
DE
A. J. MIARTE COUBRA.
23.a RECITA DA ASSIGNATfH.
Sabbado, 1 de agosto de 1863.
Primeira representacao do apparatoso drama em
dous actos e um prologo, martimo,
50:1645493
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 27.
dem do dia 28. .
Original portuguez do distincto dramaturgo
Cesar de Lacerda.
Entram em scena os Srs. Furtado Coelho, Tho-
maz, Lisboa, Flavio, Penante, Guimaraes, Joaquim
Cmara, I^ssa, Porto, Mizael, Gil Braz, Manoel, c
as Sras. D. Eugenia Cmara, D. Joanna, D. Jose-
pha e D. Jesuina.
O prologo representa a praca d'armas da fraga-
ta Santa Rosa, em viagem para a India .
O scenario e vestuarios de marinha sao no vos c
trada pelo Becco-Largo.x
Principiar s 11 horas em ponte.
LEILAO
DE
velho em
obras.
Cobre novo e
HOJE.
\o <-:iiii|Mi Verde n. B&.
O agente Olympio far leilao por mandado do
Illm. Sr. vice-consul da Italia, de urna porcao de.
taxos de cobre, 1 alambique de dito, urna porcao
de cobre velho e 1 bah com roupa usada exis-
tente na casa cima mencionada.
100 saceos com milho.
HOJE.
O agento Pestaa vender por conta d quem
pertencer 100 saceos com milho para fechar fac
tura em um ou mais lotes a vontade dos compra-
dores : hoje s 10 horas da manhaa no armazem
do Annes.
,2:760>245
l:4i>00911 feitos com toda a propriedade.
74:210*336
POESA
Offereclda a. .
Donzella bella de ternura pura
Paixao ardente j sent por ti, .
Tu tristeviste no dilecto affecto
Quantos pesares eu por ti soffri.
i Meu canto pranto mais de fel cruel
Que na taca amarga eu por ti beb,
/jue poce ser atttn|ido quando o corpo eleitoral Bonanca de esp'ranca, do amor em flor
votando com a mao na conscicncia-sdeixar os Esvaecida n'uin momento eu vi.
.mandatario* intruzos e mdcfferentes, e for bus-1
nts, entre os fluaes sobresahe jrftolamente o vulto De flores cheio, e degentes amores,
qi*e agora rescatamos. i Ingratomato, despedaca, cnlaca
Sao! nao *#la combnaeSo des interesses pes- Est'alma pura que se deflhha em dores.
.soaoe que m povo alcanca o desidertum de sua'
craneza, ,e sassim, pola cficoltia eonscienciosa *-"sa, a brisa sussurrante, amante,
% esebrecida de fcomens prestantes, que, abonados v.em das onnhas avivar-lhe o encanto,
plenamente pelas eredenciaes de bons .cdadlos, of- X,rgem' na v^ne*m ^ a ea,H|a calma,
ierecam^is solidas garantas do verdadeiro patrio- Que amortecida se desfaz era pranto.
tismo, eu cujas condicoes acha-se incontestavel- Amoress flores, mil encantos prantos
nenie pn^so candidato, o qual, se soubesse (juem A ma ^ votei contente.
sCdios. tena de nos reanminar por termos usados Pesares azares, disgabores e dores
do.anonymo para offender sua modestia, a qual so Eis a iembranca (lue ^ ae na mente.
oHondcmas .mcitados pelo .amor dajustica, pelo lltoAadimos nnj desculpas. j
m jxditf a bastarda que v^n graesando por bos-
5a atnMsphevaae diz quema candidato nio tem \
elemento*, quando tJJe emboca cheio de glorias
verdadeiras c meracimentos mcontestoveisnao.
Por Drimmok Fujio.
Oabaixo ssignado tendo perdido as esperanzas
domina'cemento "com a p'romessa'dTrTmTarona-' de.ewar-se por falto de 400J quantia aue por ca-
to ao potentado ambicio*) que lhe garanto urna es- r,dade m attenrao a sua pobreza lhe fora pedida
tupida maioria! Esto linuuagem, que vemos cons- **& operacao de que dependa a cura da elepnan-
tantomente na boea dos finos polticos, sem duvi- ascg dos rabes que soffna nos eserotos, deparou
da o mais nojento igrarnaa contra a paJavra ele- a,na' com qua'o Iwmens caridosos, que renun-
tHOOosi ciando a cega paixao do ganno, prestoram-se gos-
" Na verdade se por Mementos polticos se entende osos c graluitoroenle a effectuax aquella operacao,
o baWlt da velhacaria deixae-me passar o tor- c salvaram de unrnial grave que o impossibilt-
mc as por elementos poltico se entende a pers- aya do trabalho. .
picaca dvs manejos vergoauoso, 0 cynismo de ea- ^^ podendo, pois, abafar a effusao de sua alma
orificar o Um de todos ao bem de meia duzia. o Pr sc vr restabelecido, e apto para grangear; o
eito deestrjianjprecomo poder, e por consegifl- soccorrosjndtspensaveis sua /amina nao poae
te, a posse de muitos recursos para as ningues tran- ----------- ----------------
sacoes; ento o nosso candidato, conrosgaaaas, nao () Repetimos esto correspondencia pflf tor sahi-
tem elementos, e, i'faUaf yerdaae, nao uieeramos do com um pome de meno
que elle os possoisse. A htdaccSo.
MOYIMENTO DO PORTO.
Navio entrado no dia 28.
Cardiff42 das patacho iglez Jossie, de 130 toue-
ladas, capitao Le Sueur, cquipagem 10, carga car-
vao de pedra ; a Wilson Hett & C. Seguio para
a Baha.
Nao hous'erara sahidas.
Terminar o espectculo com a comedia em um
acto, ornada de msica,
MA MLHER
QUE SE ExMBRIAGA.
Principiar s 8 horas.
N. B.Achando-se oceupado o palco com os tra-
balhos do prologo da Probidade, nao pode ter hoje
lugar o espectculo annunciado.
EDITAES.
Pela inspectora da alfandega se faz
publico, que no dia 30 do corrente depois
do meio d'ta.'e a porta da mesma, sero ven-
didas em leilo 600 arrobas de ceblas, a
1?)000 rs. a arroba, viudas de Barcelona na
sumaca hespaobola Favorita, abandonadas
ao pagamento dos direitos, por Anorim
Irm5os.
Alfandega de Pernambueo, 28 de julho de
1863.
0 4. escriturario,
' Joao Antonio da Silva Pereira.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, official da impe-
rial ordem da Rosa' e juiz de direito especial do
commercio desta eidade do Recife, capital da
provincia de Peruambuco e' seu termo por S. M.
Iriiperialeconstitucional oSr. D.PedroII quem
Deus guarde etc.
Faco saber aos que o presente edital virem e
dellc noticia tiverem que por parte de Galdino
Temistoclcs Cabial de Vasconcellos, que havendo
alcancado a sentenca junta contra seus devedores
Francisco Xavier de Moraes e Francisco de Paulo
Queiroz Fonseca, membros da firma social Brito
Queiroz & C, fez intima-la ao socio Moraes, nao
podendo ser inteiramente o socio Queiroz por estar
ausente, e em lugar nao sabido; porque esta ausen-
cia se acha provada com os documentos que tam-
bem junto vem roquerer V. S. o mande citar por
edites com o praso de 18 dias para ficar entendido
da sentenca, penhora, e mais termos da exeeucao
at integral pagamento do supplicante e para
que assim se proceda. Pede V. S. deferimento,
espera receber merce. Advogado Martins Ri-
beiro.
E mais se nao eontinha em tal peticio aqui
transcripta na qual dei o despacho do theor se-
guinte:
Venham os autos conclusos. Recife, 14 de julho
de 1863.Alencar Araripe.
E mais se nao eontinha em dito despacho aqui
transcripto. E tendo o supplicante juntado docu-
mentos que provaram a ausencia do supplicado em
Lugar nao sabido, sellados e preparados os autos,
suliram a minha conclusao e neUes dei a sentenca
do theor, forma, modo c maneira seguintt:
Hci por justiticada a ausencia de Francisco de
Paulo Queiroz Fonseca, e mando que seja citado
por edites com praso de 15 dias para o fun reque-1
rido a fls. 44. Recife, 18 de julho de 1863.Tristao
de Alencar Araripe.
E mais sc nao eontinha em tal sentenca, pelo
theor da quaj o respectivo escrivao fez passar o
presente com o referido' praso, pelo qual chamo,
antimo ao referido sqpplicado para o fin cima
expendido..
Por tonto qualuuer pessoa o poder fazer viente
de Judo quanto Oca dito.
E para que cheguc ao onhecimente de todos
mandei passar editoes que serio publicados pela
imprensa e affixados nos lugares do costume.
Recife, 22 de joJho do anno do nascimento de
Nosso Senlior Jess Christo do 1863, 42 da inde-
pendencia c do Imperio do Brasil.
IEu Manoel de CwyalhoPaes de Andrade, escrivao
o sub&crevj.
TrisfSo de Alencar Araripe.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA BRASTXEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do sul < esperado
at o dia 30 do corrente o. vapor
Apa, conimandantc Alcanforado
o qual dejiois da demora do cos-
tume seguir para os portos do
norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-sc a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no dia de sua chegada, encom-
mendas e dinheiro- frete at o dia da sahida s 2
horas: agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Olivcira Azevedo & C.
COMPAMHIA
. DAS
MESSAGERIES IMPERIALES.
No dia 30 do corrente* espea-sc
dos portos do sul o vapor francez
Navarre, commandante Vedel, o
qual depois da demora do costu-
me seguir para Bordeaux tocan-
do em S.. Vicente e Lisboa.
(Em S". Vicente ha um vapor em corresponden-
cia com Gore.)
A companhia encarrega-se de segurar as mcr-
cadorias embarcadas a bordo dos vapores, assim
como tambem recebe dinheiro e objectos de valor
com destino a Londres om transito por Bordeaux
e Boulogne.
Para as condicoes, fretes e passagens trato-se na
agencia ra do Trapiche n. 9._________________
LEILAO
DE
llovis, avallo*, carros, escra-
vos, jolas de ouro e traa.
Quiuto-feira 30 do corrente as 11 horas.
O agente Olvmpio em seu armazem ra do
Imperador n. 16, far leilao dos objectos cima.
Sexla-feira 31 do crrenle s 10 horas.
No armazem do Sr. Annes defronte da porta da al-
fandega de 2j faixas cora 2o duzias de garrafas
de cognac, 18 barriscontendo de 90 a 100
medidas de dito.
Por intervenco do agente Euzebio sc vender
em leilo para ultimar contas de 2o caixas conten-
do 25 duzias do garrafas com cognac e mais 18
barrisde 90 a 100 medidas de dito : no armazem
do Sr. Annes, como cima.__________________
IEIIjAO
Sexla-feira 21 do corrente as 11 horas no aama-
zem n. >3 da roa da Cadeia.
O agente Euzebio vender sem limite de preco
diversos objectos de ouro e prato c obras de mar-
cineiria.
IKIIAO
COMPANHIA BRASILERA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Espera-se dos portos do norte at
o dia 2 de agosto o vapor Cru-
zeiro do Sul, commandante o ca-
pitao de mar e guerra Gervasio
Mancebo, o qual depois da demo-
ra do costume, seguir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada: encom-
mendas e dinhero a frete at o dia da sahida as 2
horas, agencia ra da Crur n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C
-At o flm do corrente mez de julho segu pa-
ra os portos do norte at o Aracaty por j ter nie-
tode do seu carregamento a bordo a barcaca Flor
de Camaragibe, quem na mesma quizer carregar
para qualquer'dos referidos portos entenda-se com
seu proprietorio na ra da Cadeia |do Recife n. 4,
primeiro andar.
Para o Maranho e Para .
pretende semir nestes oito dias o veleiro e bem
conhecido brigue escuna Joven Arthur, tem a
seu bordo parte de seu carregamento ; para o res-
to que lhe falto, trato-se cOtn os seus constpata-
tarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C-, no
seu escriptorio ra da Cruz n. 1.
Segunda-ffira 3 de agosto.
A requerimento dos administradores da massa
de Manoel de Azevedo Pontos por despacho do
Illm. Sr. Dr. juiz do commercio e por intervenco
do agente Pestaa iro leilo as dividas perten-
centes a mesma massa no valor de 132:305*185 rs.
constantes de urna relacao parte com letras as
quaes se acham em poder do agente para poderem
ser examinadas e est prompto a dar qualquer es-
plicacao: o leilo ter lugar segunda-feira 3 de
agosto vindouro pelas 10 horas da manhaa na as-
spciacao commercial.
AVISOS DIVERSOS.
LOTERA.
Quart-feira S de agosto prximo se extra-
hir a ultima parte da primeira e primeira
da segunda lotera da Santa Casa da Miseri-
cordia.
Os bilhetes e meios bilhetes acham-se
venda na respectiva thesouraria, na do
Crespo n. 15, e as casas commissionadas
ra da Imperatriz n. 44, loja do Sr. Timen-
tel, praca da Independencia n. 22, loja do Sr.
Soares Pinheiro, ra Direitan. 3, botica do
Chacas, ruada Cadeian. 45, loja do Sr. Porto
e em Apipucos estabelecimento do Sr. Fran-
cisco M. S. Mendes.
Os premios de 5:000/at 100 serijo pa-
gos urna hora depois da extraeco at as 4
horas da tarde, e os outros no' dia seguinte,
depois da dstribuicfto das listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
LEILAO
DG
Urna terca parte do sobrado da
raa Direita n, 79
HOJE.
0 agente Pinto far leilo (precedida a compe-
tente carta de autorisaco) dcoma terca parte do
sobrado de dous andares e sotao edificado em
chaos proprios na ra Direito n. 79, isto urna
hora da tarde do dia cima em seu escriptorio ra
da Cadeia n. i't. entrada pelo Bccco Largo.
NOTICIA NOTICIA NOTICIA.
A. W. Osborne retratista americano na roa
do Imperador partecipa ao respfitavH pata-
co que elle acaba de receber dos Estados-Ca-
dos o nuvu e saliusu prucesso da poototra-
phiaha pouco descoberto nos Estados-Uaidos,
sendo este novo systema superior a tarto
quanto at o presente se tem dfseoberto;
sendo o ann uncante o nico em lulo o aape-
rio do BrasH, que possue o dito sysanaa
photographico. O Sr. Osborne pode apresen-
tar as mais bellas pinturas sobre o par'!
debaixo de um cstylo minea experimntalo
nem conhecido at hoje neste paiz, os preros
dos cartes sero os mesmos; A. W. Osbor-
ne na ra do Imperador; olhem para a ban-
deira americana.
NB. A sala onde est rollorada a clara bota
foi a pouco toda notificada de novo, e acha-
se com espaco suficiente para arommodar
qualquer familia por mais numerosa que seja.
Alnga-se a loja do sobrado sito na ma .tova
n. 37 : a tratar com Amaro Goncalves tos ftaafc*,
no Passeio publico, ou na ra Nova n. 35, loja de
ferragens.
Contina a ha ver pao de centcio nos das aoar-
1.1- e sabbados de cada semana, na podara, era
Santo Amaro, ao pe da fundieo, e na na da Im-
peratriz n. ti, ra do Hrum, confronto ao chafe i iz
n. 47, e ra do Rosario larga deposito n. 36.
Precisa-se de ama ama para cozinhar ^m
casa de homem solteiro : na na do Crespo n. 10.
t Precisa-se de urna escrava ou niultvr de c.ir
para vender na ra : na botica do paleo do Carme
se dir quem'.
Aluga-se a easa da ra ik; ib-ina-a na Pa^a-
gem da Magdalena n. 7. com dous andares e soio,
com todos os commodos para urna gradde familia,
quartos para pretos, estribaria para tres cavallos,
cocheira para carro, sitio com arvores de frarto e
capim para dous < avallos ; pode ser exanmada a
qualquer hora por estar sempre alierta : a tratar
na travessa da Madre de Dos n. 12 eom Jos Joa-
quim Pas Fernandcs.
No paquete inglez que nrmlem sepiio para ->
Rio de Janeiro seguio itraz Dias Curreia, natural
da freguezia de S. Pedro de Riba d'Ave e de Ma
Nova de Famelicao. < qual deseja ter noticia* de
um senhor de nome Manoel Dias Correia, e pede-
Ihe escreva para o Rio de Janeiro.
No largo do Hospicio n. 2V se dir qnem
aluga urna escrava para qualquer serrico, taato
de casa como de roa. ______________
O a ha vi ssignado faz ver ao publico |oe o
Sr. Miguel Lotircnco de Soma, morador ao ena/e-
nho Aurora, lhe hypothecra a sua escrava triaa
la de nome Benedicto, idade 12 anuos, ponro ais
ou menos, pola quantia de 4005000 pel tempo :
um anno, sendo a dito escrava no preco de .iilwi,
c na falto deste tempo nao fazendo dto*papaMaa>
perder o direito a escrava. recebendo do abaiv>
ssignado a quantia de 1005, como do trato feilo.
Francis*f Tito Xavier de Lima.
Aluga-se una loja com armario capaz, no
meihor local de negocio por ser na ra do Cn^po,
tambem se aluga um primeiro andar com ronmo-
dos para grande familia: a tratar com Jos Hygi-
no d<- Miranda._________'
AliCBca
I'.--.a-se ao senhor que est devendo 3605 edei-
xou como penhor um eteravo que Ib.- run p>-rte-
ce, para ser vendido, dizendo, ora que dava luii5
por conta, ora3O5000 todos os mezes, que ?e nao
quizer passar por traame vr an nonie por ex-
tenso neste Diario para ser conhecido como Ul. vi
no praso de tres das, acontar da data d.-~te. pafar
os ditos .'oUS. Recife 7 de julho to IH6-"!.
Hnita aUcnfu.
Jos Mara da Malta e Silva tira pissaponrs para
qualquer (torio deste imperio e mesmo para Por-
tugal por preco muito razoavel que hp coven-
cnado; UZ-SC merecedor de qu seja pnieurad-)
pelos mesmos que precisam. pois que sem as fin-
alidades que muitos allegam.aprompta os mi
cima dito : pode ser procurado para tratar, aa
ra da Imperatriz n. 19.
MaiUM'l Luiz da (ista, sulidito de S. M. Fnk-
lissma vai a Europa
A pessoa que annuneiou querer comprai ui.ia
taberna com poucos fundos ou s a armarn dni-
ja-se a rita da Lingixta taberna n. 3.
Arrenda-se eaftato %.
('ttano sito na eoaaarea d Ca-
bo, tena esta propriedade excel-
lentes trras para plantar* de
canoas, roeas ele., i4da par
agua e dista da estafa* da va
frrea apenas meia lesna: qnem
o pretender, dirija-se easa m
fallecido eomaaendador I.nzC*-
mes Ferreira, no Mondego.
Aluga-se a casa terrea da na laara! a
tXi: o pretendcines .Irru-un-se a Caiza nial.
Claudio Dnbeu\. pptphetario
das linhas de omnilms faz
sciente a qnem convier ipie do
1 de agosto at o lim d oaMr
bm prximo rndonra o omai-
ius de Jaboatao s far 3 via-
gens por semana, saliindo do Reeifc' as terras-fet-
ras, quintas e sabbados as' 4 1|4 horas da tarde, e
voltando de Jaboatao as senada, vaarta* e sex-
tos as 6 l|i horas da minhia__________________
Attencdo
o
O abaixo ssignado convida a pessoa q
interessar em um barco que se tem da <
na pesca em alto mar, cojo j se acha em
do trabalho e despeta,; e como o abaixo assignada
nao pode s por em andamento esta
isso convida alguma pessoa {
cao do dito barco ; elle de W mMm |
pescar 8 a 10 pessoas, construido com as amares
madeiras: as pessoas rae qnizema ajndar aesa-
preza do artista, pode dirigir-se a raa dova da
Santo Rito para ver o barco e contratar o aesora.
Jos Elias Machade Freir.
Aluga-se urna casa com sitio
Jacobina (Capunga), muito fresca e
vo, com terraco e jardim nos lados,
quartos fura, coxeira, estribara e
ser visto esto as chaves na rasa Jaaai
do Sr. Joao Baptisto, c trato-se sobre
ra do Pilar cm Fora de Portas ao
do primeiro sobrado do lado daris laj
passado o arsenal de marinas.
Pede-se as Sr. Dr. Jss Jfarn
Veiga o favsr de vir i rsa ds
negocio qnr bastaste s
s. 9,
Leoiwld Weil retira-se faqoi para
Attengo.
Precisa-se alugar um sitio cercado, em Santo
Amaro ou as mediaedes, que tenha pasto para 6
vaccas annualmente, casa de morada, agua e ar-
voredos de fructo, aflanca-se o bom tratomento, e
se d fiador a contento : a tratar com rreoerico
Chaves na ra da Imperatriz n. 19.
Sitio para alugar.
Aluga-se por preco commodo nm i__
de casa, coxeira e estrilara no sajar
dios defronte da igreja; a tratar na ral .
do Recife n. 4._______________
Aiugam-se a loja do sobrada sMi
n. 171 da ra Imperial, o armazem a. 4
Apollo, c a casa n. 27 da ra do Barps:
da Aurora n. 36.
Deseja-sc muito fallar com es Srs.:
Manoel de Souza Leao Jnior.
Joao da Silva Santos najrrp
ferro.) m.
Jos Antonio Lopes Jnior (do Ns-fl
na ra do Crespo a. 17, loja.
*


i-




Diario FttraUftibeMO tur(a fetal 2 de luUao de 1S<*3.
Alugncl de casa.

Attencao
0 nern precisar e urna pessoa para tazcr qnal-
Precisa** alngaj um obrado de nm andar ^ cot*ncA, tanto na capital como fra dola,
))modos para, nao pammn'i fa
nSHae ja gttiuuto no bairro da Boa-Vista,
ou ateawo no da Santo Antonio, c com quintal;
.So se davldando dar un semestre adiantado de
aluguel quem o ver, dirija-se ao principio da
ra do Hospicio, sobrado de um andar com portao
de ferro ao lado. ______
- O abaixo. assignado, testamenteiro do falleci-
do Fortunato Cardoso de Gouveia, roga aos deve-
dores do mesmo fallecido que por favor paguen
sens dbitos com a maior presteza aflm.de evitar
incommodosemajoresdespiai: dinjaufcse arpa
da Cruz do Recife n. 60, c* ru* do Imperador nu
mero 21. E ,.,'-.,
JoaqninvLopys de Almeida.
Caligraphta.
O caligrapho Mendonca 3*etm olTerece o scu
prestimo nao somonte par* dar Ueiies *m casas
particulares, como pa$t cofiar papos ete. O mes
mo se offefecc tamben* paca dar lices negrain
*patica portugueza, arflhmaxica, principws 'le geo-
graphia c geometra : a tratar aa
dirjase a taberna ra Vejba n. 93.
urina
* O annti'vir, de honem.Thamando para pagar
nma coato loja da aurora na ra larga do Ro-
sario, nao seontende com o Sr. Antonio- Jos da
Cunha Guimaracs empregado no arsenal-de ni
ha e sin com outro de igual nonie."
lu|am-se
bous armarens pequeos na travessa da Sanzal-j
la Velha, por detraz da loja n. Wda ra da Ca-
deia, muito prximos alfandega e ao caes do
Apollo, e por isso.proprios .para quaquer Jim e
servirem para um s por terem eommumeajao;
trater jia sobredita loja com Cunha e Silva.
__________________________________________________________ 11 .
A o publieo.

Previne-se a quem interessar possa que a parte
qne o Sr. Joao ue Carvalho Paes de Andrade pos-
sue no engenho Urha freguezia dos Afogados, est
sugeita a pagamento de urna divida privilegiada,
nao podendo por isso ser alienada p*elo mesmo se-
nhor em quanto nao fr paga aquella divida.
Aluga-sc o segundo andar do sobrado da" ra
da Senzala Nora n. 42, com bastantes eommodos
para familia : a tratar na mesma.
Est-se procedendo a inventario dos berta do
D. Anglica Maria da Veiga pelo Juizo do orpluios,
escrivao Brito : quem se julgar credor da mesmo
finada apresente-so ao abaixo assignado, tutor dos
menores, no praso de oito das. Reoife 29 de ju-
Iho de 186.Marcelino Jos Pupe.




'
Qem precisar He urna ama para enzinhar e
engominar para casa 3c pouca fainflia, dirija-se a
ra da Concordia n. lo.
M
Cma senhora com todas ,as Habilitacoes necessa-
ias, inclusive piano, Santo e francez, offerecc-se
para leeoionar em algum engenho ou collegio n
cidade ou fra : a pessoa que della" precisar, an-
Iiuncie por este jornal para ser proenrada.______
O abaixo assignado ledo perdido o bilhetc in-
'teiro n. 1227 da ultima "parte da 1." el.'da 2.*
letesia da Santa Casa da Misericorda,cuja extracao
deve ter lugar a o do mez vindouro: roga ao Illm.
Sr. thesoureiro o especial favor de nao pagar o
mesmo bhcte, no caso de caber-Ib por sortc al-
gum premio, visto ser pronrredade do mesmo abai-
xo assignado. Recite 28 de jullio de 1863.
Aristides Pompeo Lopes Fernandos.
O>acharel Jos Eustaquio ferreira Jaco-
bina tem seu escriptrio na ra do Queimado n.
30, primeiro andar, onde pode ser procurado das
10 as 3 horas da tarde.
D-se 8504 a juros : quem rretender dirija-
se a ra do Qucimad n. 30, primeiro andar, das
9 as 10 horas do da.
Manoel Maria de Moraes,
ret ra-se para o Para. _____
subdito portuguez,
O abaixo assignado vendo nm annuncio nos
Diarios ns. 168 e 169 do Sr. Jos Joaquim xla Cos-
ta Maciel, declarando ter vendido seu estab&lcci-
mento de molhadns sito ra larga do Rosario n.
27, ao Sr. Florentino de Almeida Pinto previne
ao mesan Sr. Florentino ou atraalquer outro que
queira comprar dito estabeleonento, que na" faca
negocio aJguursein primeiro se entender comigo
sobre as a que est sujeito o referido estabclc-
cimento. Recite 27 de julhcde 1863.
Andrs Illanco.
Offerecem-se ditas niulheres para anas, sen-
do urna de leite, c ontra para todo serviro de qual-
quer casa, menos fazer compras na ra: quem
precisar, procure no Recife, beceo da Lama n, 8
(aitiMii
POKTliLEZ DE LhiltlU EM PER-
RA 1! 1(0.
De ordem do Illm. Sr presidente da asamblea
geral leste Gabinete, convido a todos os senhores
socios effectivos rcunirem-sc em assembla geral
na sala das respectivas sessoes, domingo 2 de agos-
to prximo futuro, pata a L* sessao ordinaria do
corrento anno.
Secretaria do conselho deliberativo do Gabinete
Portuguez de Leitura em Pernambuco 28 de julho
de 1863.
A. A. dos Santos Porto.
1. secretario.
~,Attencao.
Um homem/deboa conducta se.offerece para aj-
ministrar quaquer sarviro : a^ tratar na ruafa
k-------1------------i_
Gloria n. 17.'
Alagase um peque sitio na Capunga, R
da Amizaae, com boa casa nova de morada, temi
2 quartos c 2 salas, cozinha fra, cacimba com
excellente agua de beber e diversas ^arvores de
fructo ; a tratar na ra Nova n. 13.
Aluga-se o 3. andar com grande so-
15o da casa, da ra do Imperador n. 75,
pintado de novo, temaparelho.e canalisafJo
para as aguas servidas pe!o_ systema Cam-
brone ; a tratar no a.'andarda mesma.
Precte-se de nm poftnguez que en-
tenda de horla c jatdim, para tratar na ra
do Rosario, da Boa-Vista n. 34._________
Precisa-se de um coziuheiro: no For-
te do Mato, ra do Costa n. 12.
COMPRAS.
Compram-se garrafas c botijas de genebra
vasias: na ra das Cruzes n. 41 A, taberna da
porta larga. _________ _______________'
Compra-se urna taberua que tenha pouco
fundo, ou s a armac^ao : quem tiver annuncic.
Compra-se effectivamento ouro e prata em
obras velhas : na'praca da Independencia n. 22 lo-
ja de bilhetes.
VENDAS.
Em referencia ao annuncio publicado no
Diario de 25 do corrente mez, declaro que terido
ido a urna viagem para o norte do imperio, por
essa occasiao passei urna procuracao bastante ao
Sr. Manoei de Carvallm Paes de Andrade, dando-
Veode-se manteiga ingleza muito fina
a 900 rs. e a 640 rs. a libra, francezaa
600 rs., toucinho a 300 rs., arroz a i00 rs.
chouricas novas a $00 rs., velas de espar-
macete a 600 rs., de carnauba a 400 rs., vi.
nho da Figueira e Lisboa a 400 rs., a gar-
rafa, queijosnovos a 1800 rs., na ra das
Cruzes n. 24, esquina da travessa do Ou-
vidor.
45--RUA DIREITA--45
Eia, rapasiada, coragem \ parece que ja
entregastes os vossos joanets aos duros sei-
xos do pessjmo cal?araento da nossa cidade 1
S se observa em vossos ps botinas acalca-
nhadas e gastas ate ultima sola; sapatoes
rasgados o (raasi sem saltos.... nem Utnto !
a quebradeira nao deve chpgar at este pon-f
to vinde roa Direita munir-vos de excel-
lente calcado com 40 e at 60 por cento
menos do seu valor___attendei:
Borzeguins, Mants, bezerro e va-
queta 2 e meia solas .... 80500
Borzeguins, Nantes, bezerro, va-
queta e lustre 2 solas. ... 8,$000
Borzeguins, francez e hamburguez,
bezerro, lustre e couro de por-
co 70 e. .......6000|
Sapatijes, Nantes, bezerro c vaque-
ta 2 e meia solas. .... 5#500
Sapatoes, Nantes, vaqueta, lustre o
bezerro 2 solas. 5,->000
Sapatoes, Nantes, sola e vira. 45000
Borzeguins para senhora, inglezes. ^ 43000
Ditos para menina,, comlaco. 3>'"00
Ditos de ditas, de cores.. 20800
Sapatos para senhora e homefn,
tapete. ....:... 800
Sapatos de borracha para senhora. 1 1400
dem idem para meninas. HOOO
Sapatos de lustre para senhora. 10000
dem de lustre s avessas 500
NO ARM.UEM de fazendas baritas
Aviso ao conmerclo.
Participa-sc que a agencia do correio particular
da Paralaba na ra do Vigario, taberna n. 33,
Leis provincia'*.
Vendc-se a collecco de leis proviuciAes do cor
rente anno a 1 : n iivraria n. C e 8 da praca da
Independencia.
.Calcado francez, na luja d vapor, ra
Nova a.:?.
9
o >
| % digno de attencao os novos sorti- ^ 5
H> mentos -de calcado rancez, chegado 3 >
o- dita loja, e mui especialmente as mo- g
g (to-rnas botinas com differentes e novos
m enfeites- para senhorasc meninas. ._____'
O abarau assignado eomprou ao Sr. Jos*er-
nardruo Alvesasua talierna sita na roa-dos Marty-
rios n. 33, livre e desembaeacada de qualquei de-
Lto. Recife 28 de jnlho de 1863.
Manoel Pereira d<" Carvalha
0s Srs: Cals Irmaos como credorus do Sr. Jo-
s-Joaquim da Costa Macie! parlicipam ao coinimT-
cio (testapraca que nao p vender a sua tasado
molliados da rua larga do Rosario n. 27. san tor
liquidado nossa divida, ficaodo milla a dita venda.
l'.ceift 27 de-jnUw de 1863.______________
Alcn-So.
O abaixo assignado, lendc- I ido no flrde sab-
bado 45 do coerente, uu Jumunc .tes de Miranda, relativamtalt' ao deposito da rua
do Aleoriin n. .1, e a padarUi cm Santo Amaro na
travesea- do Lbna n. 7, etn fue declara tor transfe-
rido os- oeneros daquelle para esta, e querer nliidir a boa T do publico, demonstrando
ser o unin possnidor de ambos estabdecimentos,
protesta pelo presente contrasemelhante ,aununeio,
pois que tambem dono em partes iguaes em di-
tos esubeleciment**, csto prciende provar .ix-ran-
te os tribuBaes competentes, atsiin como nunca
fra oirvido para s;melhante transferencia e bem
a-sim (ira as transaccoes feitac pelo mesmo desde
o dia 19 le junlio, quando deu balanco em ditos
stabclecatontos. Recife, 2G de julho de 18C3.
Antonio Francisco Correa Mendonra.
lhcplenos poderes para ijor mim tuwqnalqiieri^ehegwyT^^lMBbMei^SBiw*
negocio na parte que me toca no engenho Lchoa, RI0 ^ a g neras da J.ir((e
visto que oesse tempo tratrn-se da venda do refe*,
rido engeilio, e eu no casa vertonto me achava au-
sente, e pd isso impossibiliudo de assignar qual-
qner contrat ou venda, passei a referida procu-
recao; voltando porm cm maroo do, tratei de exigir do mesmo "senhor a referida
procuracao, visto que negocio nenhum se tinta
eITcctuado na minha ausencia : elle porm disse-.
me quo suppunha perdida a procuracao, o que
descanoei. Cumpre-me agora declarar ao mesms
senhol que desde a data que lhe exigi a procura-
cao, e que m'ategou, tem-oessado os seus pode-
res, assim o tenha entendido. Recife 26 de ju-
lho de 1863.Joao de Carvalho Paes de Andrade.
NO
Um oonfeito e especifico para
ezpellir 08 Vprmes.
SOCIEDADE
DOS
IBTfSTtS MECUANICOS E UBERAES DE PER-
NAMBUCO.
De ordem dolllm. Sr. director Fa^o sciente*os
senhores socios e a do corrate, as 7 horas da tarde, haver sossao
magna para a posse dos novos funecionaries que
bao de dirigir os destinos da mesma sociedade no
anno andante de 1863 ao futuro de 1864; para
cujo fim convido es respectivos senhores.
Secretaria da sociedade dos Artistas Mchameos
e Liberaos de Pernambuco 28 de julho de 1863.
Antonio Bazilio Ferreira Barros.
1." secretario.
Joaquim vieira de Carvalho, subihto portu-
gus, vai at o Rio de Janeiro.
Aluga-se a loja do sobrado do pateo do Trro
n,J2, tendo armaco para taberna : a tratar a
rua da I'raia n. 36.
O abaixo assignado faz scientc aa publico o a
sus freguezes, que muitou o seu deposito da rua
de Hortas n. 39- para a rua do Alecrim n. 1 ; e na
mesma casa existe urna pequea armarao dispo-
Btoao do Sr. Bento Jos de Miranda,
Aluga-se a loja do sobrado sito na rua da lu>-
peratriz n. 3C : a fallar no mesmo, no primeiro
andar.
VilCIlf.H.
.0 abaixo assignado, declara que ninguem"faca
negt'Cio com o Sr. Rento Jos de Miranda, sobre- os
(aiabelecimentos da rua do Alecrim n. 1 e padaria
da travessa do Limaern Santo Amaro n. 7, pois que
sondoitambera possuidor e de Junto e dito Bento nao lhe tem eonsultado para
nada, e^eclara tambera que pretende separar a so-
ciedade muito breve pelos meios togaes, e que
ncnbuuift responsabilidade tem para tora os lanca-
mentos.e.transacoes eitas desde o dia em que deu
bataneo em-ambos estabeleeiuietos.
Antonio Francisco Correa Mendonca.
Ao ii. 29.
Nova lojH 4os barateiros, rua o Quemado.
JLaas de ultimo gosto, covado a 4*0 rs.; organ-
dis de padroes Jindissimos, varas a 800 rs.; ba-
loes-de arcos o melhor possivel, a 35500, 'i-j>- :
alpaca de linho para vestidos, covado a 240 re.;
canibraias de cores para vestido, covado a 980 rs.?
carateaieto muito tiua, peca do 1 jardas a 75.5
cassa tisa pelle de ovo, peca de 12 jardas a 7^00-
At a. 29.
iYutxt loja dot barateirot, rua do Queimado.
Paletots de merino sem, fazenda de custo de
20 por id5 ; ditos de alpaca preto a 35200; brim
branco tona, vara a 640; brim de cores para cal-
ca, covado a 480 rs.; camisas com peitos de fustao,
a 1*600; enapos de sol de alpaca, a 3a00.
Ao n. 29.
Nova loja fes barateiros, rua do Queimado.
Ao pftbllco.
No dia 12 do eorreie o menino Caetano do Re-
g Brrelo, ilho de Antonio do Reg Barros, foi
i iiinjwnitr erido por tuna pedrada que o lancou
por trra, e suppondo-se inteiramentc solado de
todo e quaquer soccarro humano, que nessas oc-
casies sao por demaiu aros, foi ao contrario,
quando encontrn othelhor e mais lilxral agasa-1
lho prestado peto Rvm. fre Jorge, actual provin-
cial do convento do Carino.
Nos summamente penhoradog por etfe acto phi-
lantropico e louvavel. nao podemos deixar pausar
em silencio a grandeza d'atiua e o espirito carita-
tivo de que dotado esse grande religioso.
Innmeros lera sido j os actos que revestidos
desta importancia, tem sido praticados pelo Rvm.
rei Jorge.
En vista de um acto tal, nao precisamos accres-
centar cousa alguma ao mrito deste religioso.
Torres Bandeira.
Qoem precisar de alugar urna ama que cozi-
nha o diario de urna casa, e para fazer o servicq
interno da mesma, aflancando a sua conducta, sen-
do para casa de pouca familia, dirija-se a rua do
imperador n. 18, terceiro andar.______________
Joao Caetano de Abreu, solicitador dos au-
ditorios desta cidade, faz sciente ao publico, com
espeealidade aos seus clientes e amigos que mu-
dou sua residencia para a rua da Praia de Santa
Rita Nova n. 49, onde morou o Sr. Dr. Buarque,
engenheiro da estrada de ferro, onde sempre acha-
ra, das 6 as 9 da manhaa, e das ida tarde em
diante._____________________
- Aluga-se o segundo andar do sobrado n. 19
da rua Nova, cora bastantes eommodos jiara fa-
milia; a tratar rua da Cadeia do ReclTe n. 62,
segundo andar.________________t_________
Aluga-se o primeiro andar da casa da rua
do Amorim n. lo : a tratar na praca da Indepen-
doMia n. 22, ou na rua do Codorniz, taberna do
8r. Fonies. &***
-^ 0 Sr. Manoel Ilomein de Carvalho, caixeiro
que foi do Sr. Amorim Irmaos, e Antonio Martins
ina Silva Campos, queirata ter a bflndade de vir
lallar com o abaixo assignado a negocio que Ib^s
nao deve ser cstranho.
J. C. de Almeida.
Biaze Iraprota e.Biaze Jetla, subditos tali^-
mos,'retiram-tse para o Aracaty.______________
Precisa-se de urna ama para lavar
irar : no roa do Trapiche n. lt. hotel,
e engou-
Musicas "
(rande e variado sortimento Je
msicas-aovas para piano, todas
dos melboros compesitoros nacii-
naes e estraiigeiros, entre ellas as
walsas do Polinto a do Bcijo |a-
ra piano e piano e canto : na toja
de instrumentos de msica de M
Dumont, na rua Nova n. 9.
Deseja-seaber se nesta praya existe o Sr.
Manoel de Castro Guimaraes, que veto do Porto em
1838 ou 1839 : na rua do Crespo esquina n. 8.
Banco Cnio do Porto.
Pela sua agencia, annuncia adireccao deste nan-
eo, que Jjrcvemcnto estabelecer nesta cidade O
SefeTiro Mutuo de Vidas, pelo mesmo systeuia dasJ,
comuanbias liespanholas. Mas que devora auferir
mais vantaj-'cns por os ttulos de divida publica
portuguezes estarem mais baixos, o que da em re-
sultado muito maior rendimento.
ZAMORA.
ORARA HISTRICO PELO'DR THEBERGS,
QUAL NAO INTERVEN fERSONAGEM
FEMENINA.
Na rua Nova n. i i vende-se a l#ooo o
xemplat\_______________^
Caifa i>ia.
Todos 'as dias, cedo, vira da Varzca para o de-
posito de pao e ccsSas do Sr. Fructuoso, na rua
larga de Rosario ; vender-se-ha a 240 rs. & garra-
fa, grandes e pequeas porces.
Vendem-sc quatro vaccas crioulas prximas
a parir, e.um novilho de rana tourina, assim como
urna vacca paria quo da Seis tigelas do leite do
molliorquc-se'pde encottrar, tambera crioula :i
na Travessa das Barrciras n. 10, se dir quem
vende.
- Vendem-se 10 pipas delimito bom incide
furo em barias deo., muito bem acondiciohadti e
prompto a embarcar : i>o trapiche -do Lemos, ua
nova de Santa Rita n. ;9.
AHenrt!
Vendo-e defronte da botica do pateo do Carmo
leite liquido a 280 a garrafa, das 7 horas em
diante.
Vende-se urna taberna na rua do larga do
Rosario n. 31, ou trocase por outra oue venda a
retallMvem rua mais esquesita: a fallar na mesma
nouPA
Nara& do Queimado n. 43, esqmw, que
' rolla para a 'ConaregafG ; pecliiclm.
Pablots de casemira a 35, 6, 7, 8,12 c 11*,
ditos de panno preto e azul a 93, 10, 12, 16 e 185,
ditos solire-casacos de panno muito fino por 2'i-5 e
28 f, ditos de alpaca preta e de cordao a J. 3, 6 e
'-',. calcas de casemiras de cAres a 35,6, 7 e 85,
ditas pri-tas a 65300. 8, 9 e IOS, paletots de fustao
e gangr. a 'I',. i-'jKW. 3 e i-5. r;i;as e coletes dfl
todas as qualidades e por pree<; muito barato, len-
ccs de puro linho a preco d J5800 e 35, cober''
tas de chita a 25210, colarinbos de linho .puro a
C00 rs. cada um, outros muitos objectos (juc s
a vista j, c para-itso se pede a attencao dos fre-
Kuezes.
Vendem-se globos de louga lindamente vi-
drados. jroprios para collocar por onfeitc cm cima
dos parapeitos das .rentes de propriedades, assim
como ricos vasos para flores e pinhas -para afor-
moseamento de jardlns : na rua da Praia n. 36.
Vende-se a armacao da taberna do caes de
Apollo n. 57, illumina'la a gaz com todos seus per-
tences que lhc preciso e por barato preeo e
tambem .alguns gneros que existe; a tratar na
oiesma.
Para acabar.
Bicos preto &e linho, vsra a 120, 160, 240 e320
rs. ricas franjas e trancas pretas e de coros, vara
a 120,160 e 200 js.; trancas e galoes de loa c de
algodao, jiecas de 10 e 13 varas, a 200 e 409 rs.;
troco fino e grosso, peca a 160 rs.; vestidinbos de
carabraia bordados, uarabapsio, a 25-
Pastilhas Yermifugas
. DE KEMP. .
Os tnennnB s pedem gritos, porque
ellas sao de clieiro, ibor e cor agrada-
vts. A elegancia, a seguridado de ac-
cao, o inoffeiisivo das
Pasiilas Vermfugas de Kemp
A PAR DA SUA
tomposi^&o rvcliisivanventc Vegetal,
nao estas pois as snas nielhores c mais
completas de todas as recommendajes
que se poBsa fazer ceom justa razio a 3
colleco na c&tegoria d'um favorito uu i-
versal.
A 6iiperioridade das
Pastilha s de Kemp
sobre todas as :preparaces destinada
para o mesmo m devido i> sua sim-
,ples composicao o seu aroma agrada-
vel e rapidez e infallibilidadc com
^ue alcaucaa destruico tptal das
\ r de r ^
SA\TOi C Ol 1 IIO
Rita do Quemado n. 19.
vende-se o segninte:
Cobertas
de chita da India, a 2:ooo rs.
Leiifcs de panno
de linho, a 2:ooo rs.
Leles de bramante
de linho, do tirt panno s, a 2:8oo rs.
oallias alcorlioadas
para mo, pelo baralissimo preco de C:bo
rs. a duzia. (
Ricos vestidinbos
de seda para meninas, pelo baratissimo pre-
co dfe 4:ooo rs.
Lencos de seda
pelo barato preco de irooo rs.
Salas d fustao
pelo baratissimo preco de 5:5oo rs.
Lencos it cambraia
branrns finos, proprios para algibeira, duzia
a 1:80o c- 2:ooo rs.
Lencos de rassa
finissjmos, proprios para algibeira, pelo ba-
ratissimo preco de 2:4oo rs. a duzia.
Corles ile caifa v,
de ganga mesclada, de listas e de quadros,
fazenda superior, pelo baratissimo preco de
l:2oojs.-o corte.
iN'tas de madaprolo
largo superior, pelo baratissimo preco de
8:000 rs.
- Iecas de bretanha
de rolo com lo varas, pelo barato preco de
3:2oo rs.
Peras de cambraia
de salpicos, fina, com *8 1/2 varas, pelo ba- i
rato preco de 4:ooo rs.
Atoaluados de Uuho
com 8 palmos de largura proprio para toa-
Iha de meza, a 2:*>oo rs. a vara.
Toalhas
de linho para meza, a 3:000 rs.
Barege
de lindos gostos, pelo barato prec
rs. o covado.
Esleir da ludia
propria para forro de sala, 1*
mos de largura.
HOYO RIVAL
Uja de nHderas.
Rua do Qncimado 16
Pecas (fe tranca de laa lisa enrama* a
Ditas de dito de caracol |treu e Je coma
60 rs.
Ditas de caracol brancas e mesclada* a MO r.
Ditas de dita branca para debrum de eoitet<^ a
80,120 e 160 rs.
Caixinhas de clcheles francezes a 20 e V r-.
Cartees de colchetes francez.-s a V i :
Massilios de sOperiprCt jfM^SM -W r*.
fitas eonloes para ciiliar eiartilho a Wrs.
EscovXs para dentes muito linas a 60
Pecas de 10 varas de renda fraaroa lisa a
400 rs.
Caima de lindas flores a 120 rs.
Tesouras maito linas a aM). 3UO W01%.
Grvalas de da inliiitial 160c 2V)
Lindas elmtuadnras de cornalina a 320 IS.
a*Or
V ******* ta-
ca a

^e 4, 5 e 0 pal-
Rua da Snz al(a n 42.
Vende-se em r aSa de S. p. Johnslon & C,
selhns e s.lhoes m.giezes, candreiros e casti-
caes bronzea'aos, lonas inglesas, flo de vela,
chicotes par a cabros e montara, arreios para
carros de um e ms cavallos. e relogios de
ouro patento inglez
G
a:j liquido lt$.
^/ende-se na nova exposico de candiei-
ro's a gaz, na rua Nova n. 24, latas de gaz
*ue 4.a quatdade e.nao inflammavel, a 12^,
contendo cada lata 27 garrafas, (pie muito
convem a quem gasta este liquido: na rua
Nova n. 24, loja de Cameiro Vianna.
f-IBP i
venda na6 boticas de Caors & Barboza,
roa da Cruz, e Joo da C Bravo C, rua
da Madre de Dos.
Pares <- tovas braveas a l'iO rs.
Ditos de lavas de Escoria a 320 rs.
Ditos de luvas de seda aMflt) rs.
IHi/.iade botiH-s de seda para casar
Dita de lioloes de loara [iiitadm
inanbos a 20 rs.
Dita de botflM pretos para cas."
Dita de faras e (tartos braix-"
Pares ae sa[>atinhos de liu r
MO rs.
Frasqninhos com tinta azi
Boiics com superior lint .1 e nwarnala2V
Tinteiros de vidro de r a pnrfa mi 160 rs. or eon* aunfa dt? vul j
Caetas superiores
I .apis azue? e me: 120, W. t, 80,120 e 2 rs.
Lipis c creioes s .roaitoi a 120 r.
I tuzia de lapis t jperiom a 2. W e M> rs.
Libra de linlr ie pao a fW e 12 r*.
Dita de retr eor de rafe a 7W> rs.
("itava de i jz de CHI a X.
Frasquin< etroz preto e >< KWra
e 240 rs. jos com superior maraca atraa a M9
Ditos
2U) rs. <:oni superior oleo d..- we<>a a
Dit'
1 js com sopertor pomada franrexa a 40
|J itoa i-mu sufirrior hanba franroa a 3 rs. r
.000.
Ditos com superior palchol* a .TOO r-.
Ditos com suicrior araa de eutoaia a Z0f
800 rs.
Ditos com supem -xtractos fiama H.
Duzia de |miiiail.'. de l> ito I 2HO rs.
Massos de palitos liiauVs. uwi> imttv r. a
, 360 rs.
Duzia de pipinhos rom phophiim< a *
Caixinhas rom penna- de
' grandes a WJO rs.
Ditas com pennas rali-mphiras .1 li>
Dil.is rom mi|m-i or katrt a 2tWr 40t) rs.
Resma di' sU|Tor p.i|--l nlinaro a t^StO 3Jk
Dita de superior papel de )-* aanMaa 3feflt
PoBtoJ de alar cabello a '. \im e iW r-
Caixinba de wamtoril '-tireia^ de colaa*#f
1 rs.
Baralho de cartas portagn^ra^ -> MS> e Saf ra
Dito ile ditas franoza- a 3We **-1
Traneelim de boararha para retojrto a rs.
Sintos elx-liros para buflu-m a 320 rs
Pares de mspeaaaria .. t i
Caixinhas de lampannas para 6 meces a *
Ditas com 100aavelaaai aM11",
Pajas de fita de seda de Jive "
Lidas capellas para meninas a &MH.
E uuiitos outros rtMn i|tie se renden >c3
em conla, na rua da QMknaai n.
Venda ib a armaran e pertoarta da naaana
do pateo do Terco n. l, muit
mallo e mnito nais para esta praca : a tratar k.
rua Direita n. 141.
PROTECCAO
LKJUIDACAO
a
de fazendas baralissimas, na Boa-Vista, rua da
Itnperatriz n. 20.
Cambraias adamascadas com 20 varas a 8.
Ditas com 8 ditas a 2.
Ditas lisas com 8 ditas a 2,5.
Fil liso muito fino a 800 rs. a vara.
Chales de merino estampados a 45.
Madapolao entre-fino com 20 varas a 85.
Casemiras finas de una s cor a 15600 o co-
vado.
Algodao monstro, superior fazenda para toalhas
elenees a 800 ts. a vara.
Bramante de 40 palmos de largura a 15600.
Grvalas de seda a 320 rs.
Oleados de diversas larguras e de ricos descnlios
paca mesas de jantar a 25 o covado.
Pianella branca muito lina a 640 rs. o covado.
Riscadinhos de Rnlio muito linos para vestuarios
de criancas a 400. rs. o covado.
Chitas escuras e claras, padroes inteiramente
novos e muito linas a 400 rs. o eovado.
Laazinbas chinezas muito superiores a 300 rs. o
covado, e outras militas qualidades de fazendas
precos muito eommodos, afun de apurar dinheiro,
dando-se de tudo as competentes amostras.
Farinha de mandioca
em saccas grandes, e de superior- qualida-
dc : no armazem de Tasso Irmaos, rua do
Amorim n. 3.'.
Llnguas inglezas
em salmoura: no armazem de Tasso limaos,
rua do Amorim n.'3.
A (I ni i mu as laas ba-ralas.
Supeiluics mas e cores ue quadnnlios e
:---. Amerindo sediiihas de ditas larguras,
pelo barati^imr. prtWl de 500 fS. O COV3-
do: na loja das columnas rua do crespo n.
13, de Antonio Correa VasconceUos de C.
Assucar do Monteiro
Rua do Imperador n. 28 e caes de Apollo n.
07, a 200 rs. a libra, e de 8 libras para cima
a 5,9600 aarroba.
de 22 annos
Vende-se una prela
sabe engommar, cosinhar, lavar e cocer ; qoon a
pretender, va a rua do Ainorun, n. 30, (juc adiara
com quem tratar.
Preservativo contra t cbaier.
O xarope alcohlico <] veame por sita Mb-
deant-scptfca previne a putretarra mi iniiiaai
O cholera-morbus, quamto acconimeUe, aprtyaa
una evaruacao ile minaras.
nhados de dores vivas de ventre, anrias \>
principal mente aquelles que
toa, qoe laeilmcute se tazeni ranresm. aa aa*-
dam no estomago. Ora, sendo a-m.ie >'
te do estado dos solido- e t.~ il,
e medicamento romo o xarope ihstodi dr
me, que tem a qualidade de impedir .i .
do sangue. purilicamlo-o e ron-.-n.ii
Bilitiililii iiiitir.in. prviiia o' a|pacman'-
cholera. As pessoas, i"i-. qoe tnvfrm !
desse mal, devem naar do xarop- UnaaOvo aa
veame da iiianeira indicada no reer/nai^l Wmt-
us pessoas desta cidade e de rr. t^mt mnih
lado as vantagens. qnc leem oMda dnaa m-Hr*-
meato, que, na verdade, tem aprmvaMad i
guintes molestias: escrfulas ci rri:< '
phnlosas, nleeras de toda especie, fyfSmn i
veneren, tumores, brntoeja, npl
hespes, dartros. erisipeiaa, escortiui. tinta, -ha-
gas anfras. rliriimatismo chronien
{ral, fastin, llores brancas, e tml
TjS'; dependentes da puricacau il
Vende-se a retalho abordo do brigue Ml-
lo {", o qual se acha atracado ao trapiche do
Baro do Livramento, e em porfo : trata-se
com Antonio Luiz de Oliveira Azevedo A- C,
no seu escriptorio rua da Cruz n. 1.
PROTECCAO
\o\ o i s i \ieii i:< iinri i o
M
DE FAZEMDA4
Todas as qualidades por atacado e a retalho]
NA RUA DO CRESPO N. 17.
DE
JOS -MI i;* VILLAR.
Aviso as santas familias econmicas.
Neste importante estabelecimento de fazendas existe um va/iado sortimento de fa-
zendas de todas as qualidades para senhoras, meninas, homens, meninos etc., etc.. sedas,
cseas, cambraias, laas, linhos, algodocs, cassasde cores lindas a 280 rs. o covado, vesti-
dos para noivas com capella e manta, capas pretas, manteletes, antobarques de gros preto, j
com enfets, chapeos a Maria Pia, bramantes de linho de diversas qualidades, bretanhas,' j
selecias. metas para senhoras, saias bordadas, col.vas para cama ;
Manda-se as fazendas as casas das familias
Vivam u santas familias econmicas
Vivara as antas familias econmicas
Vivam as tantas familias econmicas.
Mandem comprar toja da rua do Crespo n. 17
Mapdem comprar toja da rua do Crespo n. 17
Mandem comprar loja da rua doCrespon. 17.
S5 RIADA1MPER4TRIZ S3
participa ao publico que acaba de addicionar sna fabrica de carros e de venezianas etc., etc., nm tor-
neiro de metaes, ebamado Jorez, j conhecido nesta provincia pela perfeicao de seus trabalhos.' As
pessoas que oquizerem honrar com a sua conlianca o encontrarao sempre prompto para esecutar qua-
quer especie de trabalhos concernentes ao sen officio e por procos razoaveis.
As pessoas cujas encommendas se acjiam promptas, strvam-se de r rcoebe-las na offleina cima
indicada, que lhc serio entregues, pago o pwc> ajustado.
a i mtfii^i, ,.-,.*<*
FAZENDAS BARATAS
\\i laja de Custodio, Carvalho
27Bu do Queimado27
Para vestido a 260 rs.
Fustao fino francez para vestido de' senhora e
meninas a 260 rs. cada covado.
Cambraia.
Cambraia organdys muito fina a 240 rs. o co-
vado.
Cali-inlias
para senhora e meninas, pelo barato preco de
Cobcrtas
de chita cbineza a 25000.
GoDha8
de labo para senhora a 600, 800 e i#.
Leifes
Lences de panno de linho finos a 2. *
Camisinhas
para senhora, sendo de cambraia a 2.
Pannos
Pannos adamascados para mesa a 1^500.
MAa.
Laazinbas matizadas muito finas para vestido a
440 rs. o. covado.
Vestuarios,
Vestuarios para meninas, muito lindos, a 3o00.
Cambraia
de linho fina 'fi a vara.
Pira lulo.
Ua preta fina, propria para luto, a 300 rs. o co-
vado.
Madapolao
Madapolao fino enfestado, peca a 8,5, tendo 20
varas.
entes de marrafa.
A nova loja da aurora, rua larga do Rosario n.
38, recebeu pelo ultimo vapor um grande sorti-
mento de pentos balo e iniperalriz para mar-
rafa, a obra mais rica e moderna que tem chegado,
assim como tambem recebeu pentes dourados com
podras para menina, ditos de guarni^oes com al-
jofares, muito modernos, para senhora, grvalas
multo modernas da pona larga e bordada, final-
mente tomos grande sortimento de miudezas, o
qual estamos resolvidos a vender barato.
estampas finas.
Na loja da Aurora, na rua larga do Rpsa-
rio n. 38, recebeu-se vario sortimento de
estampas de differentes santos.
Vendem-se cavallos: na rua do Im
perador coxeira n. 13.
de Kx;is estas molestias'tenho nr<-l mMi d
cartas de agndeciaMaa, i bom resanaa. aar
teem obtido; e entre estas facn tran
Si. Dr. Fernando Alfonso de Mello Jnni-
bem conhecida nesta.cidade. O verdad.
pe de 'veame vende-se nniramente n
Direita a. 88de load da Rocha l'.u.u!
17 de jnlho de 1863. Illm. Sr. J.
ranhos.Acensando a rere-poo de *oa es'iataa-
cart destadala. devn dizer-llie. que -..fTi- -
rheamatismo, algumas paanaa de minia anande
indicaram-me o sen xarop.- da arianai rana na
poderoso remedio para este nial, e com HIHa. pau-
sando eu a usar deste medicanvala com perm
sao do meo medico assistonto ohtiv.- urna iteft >c
consideravel; pelo que eatoa r.-4oh>|n a roatkoar
no uso do dito sen \amn.
plelamente resUbek-cido. Pode faz. r a -.
quizer desta minha resposta. Son coa estaa r,
eoaaideracao de V. S. atteuto e laoaa
servoFernando Affonso de Mello Jmm.
GAZ.
No armazem de loura da porta larga, ma Ltrc
do Rosario n. 26. vendem-se latas c 11 5 cab ti--
gaz a 125. assim como latas de 5 garrafas.
garrafas muito em conta ; garante-se a aaalaiaaa.
Vende ni- c cnives vazi* r-
prios para babaleirts a \$280, ru
das Cruzes n 44.
iiilli superior em saeeos
graniles.
Vendem Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C,
por menos preco que em outra quaquer parle, no
sen escriptorio rua da Cruz n. 1.
Vcnde-.se um grande terreno com cercado, e
ptimo para fazer-se um excellente sitio em Jaboa-
tao a margan da estrada da Victoria e contiguo a
povoaco de Santo Amaro, contendo igualmente
terreno para plantacao : qaem a pretender para
tratar, dirija-se nesta cidade ao terceird andar da
casa n. 46 da rua do Imperador.
OSTRAS
em caixas de 24 latinhas de urna libra no ar-
mazem de Tasso & Irmaos rua do Amorim
nf35.
Potassa da Kussia.
Acaba de chegar pelo brigue hamburguez
Olio, muito nova e superior; vende-se so-
mente no antigo e acreditado deposito na rua
da Cadeia do Recife, n. 12; onde tambem se|
vende cal de Lisboa muito nova e precos
eommodos. ,
Farinha de mandioca
nova e de muito boa qualidade, a retalho e em
porcao : a bordo do pahiabote D. Luiz 1, atracado
ao caes do trapiche Barao do Livramento, no For-'
te do Mattos._____________
PINTURA.
Tinta branca de raassa muito nova, em la-
tas de 28 libras para casas, para navios, para
a companhia do gaz, a 2oo rs. a libra: rua
larga do Rosario n. 34.
Vendem-se duas casas terreas a troco do ba-
rato na rua Imperial n. 136 c 138: a tratar na mes-
ma roa n. 62.
Yeadem-se beis ana*** prtpnt-
para carroca e par nuite barate ftt-
co aa rua it Saeta Bita Xeia 1
Vende-se o sitio junto da capella de .Y S. dM
Remedios, denominado Casa dos Arcas, oaa 33
palmos de frente e 83 de fundos, cm chana amanm.
muito bom sitio para se criar vaccas de l
quem pretender dirija-se a rua do
n. 11, que se dir quem veade.
cbegaiios casa
Cruz n. 2.
Seibas aajleirs
de Izidoro, .Nelto
*ClB'*
Vendem-se canoas de um ai aja araarinf
para pescara ou para abrir, de mtnah: aa ru
da Cadeia do Recife n. 29 oo no porto da raa .Va
armazem de madeiras do Sr. Torres.
Vende-so urna taberna no
freguezia dos Afogados. com coraandoa
lia : para tratar na rua Direita a. 22.
freguezia._________
Muita attencao.
Na travessa da rua das Crnzes na tahea oa>
tada de ainareilo n. 6, vende-se Urriqaaaaav lt
bolacbinha americana com 26 libras or Jnvr*.
levando vazilha para a conduzir nam mmui.
ver o comprador qae est em bom anana, a
graca a 46 rs. a libra.
PAPEL
de cores para listas de elcitores
A agida branca suppoe que nao faz mal cm ofe-
recer aos atuletas uns pacotes com 234 folhas de
papel de cores, que pode servir ptimamente para
listas de eleitores, e tanto melhor por custar cada
pacote o diminuto preco de IfioOO, e ser cada um
de urna s cor, o que difflcil de encontrar a nao
ser na rua do Queimado, ioja d'aguia branca n. 8.
Na mesma loja tambem ha de outras qualidades,
branco e azul, assim como anvelopes.
Farinha de mandioca,
Vendem-se em saceos "grades de superior qua-
lidade e por commodi) preco : no trapiche do Cu-
nha no Porte do Mattos.
lacai
Vendem-se na rua da Cadeia do Recife
vindas pelo vapor inglez.
a. i\


Espravoea, encimada,
ponjas, tomUhos,
ervos, e todas e
niidadesaque sao
los, encontrarao um 'ranaadB|
culosona applicacio do afamado ohwde
venda no armazem da bola a
gaz da rua do imperador aos i
e 24860. _j

Farinha e farola).
^Mfermazem da aurora brillante, largo
ta Ou n. 84, vendem-se sacros ca
5*300. fardo de Lisboa a 44300. naaaf a 1
arroz de casca a 4* a sacca
. -*_*


'

G

Ufarte t ftmMAin 4}tar*ft tehra ** 4to
4f f .
DE MOLHADOS.

la
*
I *
i I
i .s
!
es
i I
1
a a
S e
i I
i!
8
6*
!
0
a
i
3
i
. i
fe ft S<
I
u
es
o
5
5 i
1 2
* |
2 &
v
i =

2
C
I !
es
i I
v es
a. a
5
a = 9i -
w s es
? V &<

e a 0 S B
** S

w es V
ce k
0 V la
a ? es
es h
M n a. a
oe o
a o
& tes
e >
Vinho empipa i Porto, Figueira e Lisboa, a 400,
480 e 560 rs. a garrafa, em caada a 800, 34 e
3,1309,rs., "^nca-se este genero oonservar-se
perfeito seis 'oito mezes, o que raro sera outro
qualque aftancar.
lagrimas do Douro, especial vinho do Porto, a 15
a garrafa e 104 a cixa, o preco na qualidadc deste precioso vinho, porm tambero
nao 6 com impoicfles de prco que se prova ao
respeitTel publico a superior qualidade, este
genero d commum so manda vir ffe conta pro-
pria, e por ijso podemos vender por menos do
que outro qiialquer anmmciante.
Vinho do Alto Douro, das marcas mais acreditadas
e especialmente escolhidas por pessoas entendi-
das dese genero, como sjam Cmocs, Duque do
Porto, D. Luit, Carcavellos, Chamisso & Filho,
Madera secca, Feitoria, a 900 rs. a garrafa e 9
a caixa com !2 garrafas.
Garrafiies com vinho do Porte, contendo 5 garrafas
por 2*300.
Vinho branco de Lisboa, proprio para missa, vindo
ja engarrafad de Lisboa, a 640 ss. a garrafa,
dito de barril muito superior, a 500 rs. a garrafa
e 34200 a caada.

Ameixas franczas m caixinhas d,e i e meia, 2 e 3
libras, elegantemente enfeitdas com diversas es-
tampas na CMxa exterior, a 14400.14800, 2450a
c34
Figos de comadre em bauzinhos defolha, muito
jip.jirios para mimo, ai 1&800.
dem em caixlhhas forradas de papel de differentes
molduras, a 14400.
Ameixas francesas em latas de 1 e meia e 3 libras
por 14400 c 24600.
Passas de carnadas as mais novas que ha no merca-
do, caixa s d i arroba, a 64, e a retalho a 400 rs.
a libra.
Massas para sopa muito novas: pevide e estrellinha,
aS60rs. a libra.
dem a mais nova que ha no mercado; talharim e
aletria, a 560 rs. a libra.
Macarrao, a 320 rs. a libra.
dem o mais novo que ha no. mercado: talharim e
aletria, a 560 rs. a libra.
Figos de comadre em caixa de 8 libras muito novos
a 14800 e a retalho a 180 rs. a libra.
Salmo em latas em postas hermticamente lacra-
das, a 80 rs.
Lagostinhas em latas grandes, a 14400.
Savel, corvina, cherne, congro, linguado, vezugo,
gors, pescada, peixe espada, preparado pela pri-
meira arte de cozinha, a 14300 a lata.
Queijos flamengos do ultimo vapor, a 2J400.
dem do vapor passado, a 24900.
dem prato, o mais superior que tem vmdo ao mer-
cado, a 740 rs. a libra.
Doce da casca da goiaba, caixao grande, a 640 e
800 rs. cadaum.
Choricas do reine a mais nova do mercado a 640
rs. a libra.
Paios de lombo, viados do Porto de casa particular,
a 800 rs. a libra.
Bolachinbas inglezas a mais nova do mercado a
240 rs. a libra e 34000 a barrica com urna ar-
roba.
dem de soda de diversas qualidades, a 1,3400, di-
tas grandes proprias para lanch com 5 a 6 li-
bras por 24400.
Mannelada imperial do fabricante Abren ou de ou-
tros milites conserveiros de Lisboa, em latas de
1 e meia e 2 libras, a 600 rs. a libra.
Errilhas franczas, a 500 rs, a lata.
dem portuguezas, a 640 rs. a dita.
Maca de .tomates, a 600 rs. a libra.
Manteiga ingleza perfeitamenle flor, a 800- e 13 "a
libra, neste genero existe sempre aberto dispe-
sicao aos freguezes dous a-tres barra d man-
teiga flor, salvo quando por infelicidade aconteca
a factura v composta de segunda e terceira
qualidade, que para melhor satisfazer aos fre-
guezes toroa-se necessario ter mais do que esta
,porcao d barris abertos, jiorm antes nos Ihe
damos a devida applieaco para tempero que
venderemos a 320 rs. a libra.
dem franceza a mais nova do mercado, a 680 rs. e
c,m barril se faz abatimento.
Amendoas confortadas, a 800 rs. a libra.
Chourieos, mouros vindo de casa particular, a 640
rs, a libra.
Farinba do Maranho muito alva e eheiros*. a 160
rs. a libra.
Avejaas multo novas, a 220 rs.. libra.
Amendoas de easea mole muito novas a 280 rs. a
libra.
Toueinho do reino a 360 rs. e 164500 rs. a ar-
roba. T

Sardinhas de Nantes, a 360 rs. a lata.
Azeite doce de Lisboa, a 640 rs. agarrafa c 44800
a caada.
Vinagredc Lisboa, a 200 rs. a garrafa c 14200 a
CtinsuA.
Campagne das marcas mais acreditadas a 8*000
e 104000 ogo, 800 rs. c 14000 a garrafa.
Ccrveia pretfcda' 44500a'dtei,'e a480rs. agarrafa.
dem branca da marca cobrinlia ou Tenent, a 44
e 44300 rs. a duzia, e m porfo se faz abati-
mento.
Genebra de Hollanda em garrafes com 16 garra-
fas, por 64500 rs., afianca-se ser verdadeira.
dem em frasqueira, a 64500 e a 560 rs. o frasco."
dem de botija em barricas com 4 duzias a 430 rs.
cada tima.
dem de laranja em frascos, grandes, a 14200, ga-
rante-se serA'rtiadeira da-Italia.
Marrsquinho de Zara, a 720 rs. o frasco.
Licor francez d todas as.quaidades de fabricantes,
. em garrafas brancas de vidro, a 720 e 800 rs. a
garrafa.
Vinho Bordeaux as melhores (iiiaTiddes que tem
vindo ao mercado, a 720 e 800 rs. a arrafa, e
em caixa a'74300, 84000 e 84200 rs.
Azeite doce refinado do fabricante Pclanol, a 800 rs.
a garrafa.
Conservas -inglezas sortidas ou de urna s qualida-
de e a vcrilideira,.a 800 rs. o frasco.
Araruta verdadeira, a 320 rs. a libra.
Gomma de engommar muito alva, a 800 rs. a li-
bra.
_
Palitos dogaz, a2430f>rs. a grota c 20 rcis a
caixa
Toueinho de Lisboa, a 320 rs. a libra e 94500 rs.
a arroba.
Sag muito novo, a 208 rs. a libra.
Cevadinha.de Franca, a 160 rs. a libra.
Cevada nova a 120 rs. a libra, e 3ft5O0 rs. a ar-
roba.
Macarrao e talharim, a 380 rs. a libra.
Aletria muito fina, a 400 rs. a libra.
Arroz Carolina muito alvo e grado, a 120 rs. a
libra e a 34200 rs. a arroba.
Caf do Rio.0 mais superior que se pod desejar
neste genero, a 320 rs. a libra.
dem idem de segunda e tereeira qualidadc, a 280
c 300 rs. a libra, e em arroba ou sacco a 84200
e 84400.
Vblas de carnauba refinada, a 320 rs. a libra e
104000 a arroba.
dem de spermacet, a 640 rs. a libra.
Chocolate hespanhol a 14, a libra.
dem fraacez, a 900 e 14 rs. a libra. *
Coa perola o mais superior do mercado por ser
vindo de encoramenda propria a 24880 rs.
Cha hyson, melhor que se pode desejar neste ge-
nero, a 24300 rs. a libra. 6
dem nacional em latas de t, 2 e 3 libras a 14400
ris.
dem huxim, a 24200 rs. a libra.
Cha preto homoepathico o mais excellente que tem
vindo ao mercado, a 24 a libra.
Graixa em latas grandes, a 3tf300 a duzia, e 120
rs. cada urna.
Presunto verdadeiro de Lamego em calda de azei-
te, a 560 rs. a libra.
Vassouras do Porto arqaeadas de ferro, obra de
muita duracao e utilidade, a 400 rs.
Charutos de S. Flix do fabricante Furtado de Li-
ma ou de outros muitos fabricantes da Bahia, a
24000, 24500, 34000, 34200, 34500 e 44000 rs.
a caixa, ou em meias por metade do preco.
dem Mississipes imperiaes, a 34000 rs.
dem Ypiranga ou Flor do Rio, a 34200 rs.
dem Guanabaras ou Havanciros, a 24800 rs.
dem Flor da Matta ou Regala imperial, a 24500
ris.
dem Flor do Norte ou Londres imperiaes, a 4*000
ris.
dem superiores em quantidad o de todos os fa-
bricantes, a 34000, 34500 e 44000 rs. a caixa.
Polassa da Rnssia.
Yonde-se em rasa de N. 0. Bicber & C,
successores, ra da Cruz n. 4.
11 na da Seozalla Nova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a 110 rs., idemde Low
Moor libra a 120 rs.
Ceblas superiores em resteas, a cinco
mil ris o milheiro no Caes da alfandega n.
i, armazem de Tafeo & frotos.
A 1(411 BRANCA
Rccebeu pelo ultimo vapor o
seginte:
Bonitas pulseiras de cabello, coral, e cora-
lina.
Fortes e bonitas ligas de seda para senliras.
Oulras esdi'il.is para meninas, ou manguitos.
Agulhctas para enfiar, e agulhas cantlas.
Trancelins e fitas de borracha.
Canit.'is com torca! de todas as cores.
Massosefios de coral.
Esponjas finas para rosto.
Pentes de tartaruga virados, com laco e
balan.
Enfeiles de rede para conservar os cabellos
bem atados.
Aspas e coz para balo.
Fitas com colxetes para vestidos.
Trancelins chatos de laapara enfeitar vertidos.
Papel e folhas para rosas.
Lamparillas franczas.
Trancelins grossos para relogios. ]
Escovas cabo d'osso, marfim e madreperola
para denles, unhas, limpar pentes e joias.
Outras finas para roupa, chapeo, cabello etc.
(luirs de velludo para chapeos.
Pastas para papis.
Raspadeiras e facas de marfim para ditas.
Visporas e dminos.
i.ii vas de camnrea.
Vendem-se mui finas luvas. de caranga
branca e amarella; na ra do Queimado n. 8
loja d'aguia branca.
Baratissinias bandeijas.
A aguia branca por muitas vezes tem da-
do a conheeer que quando acha alguma pe-
chincha, nao quer somonte com ella encher
o papo, ao contrario deseja que toda sua boa
freguezia e o publico em geral prvem da
mesma, o que agora mesmo acontece cora
essas; baratissimas bandeijas, cuja limitado
de. precos admira, em relacaoaostamanhose
qualidades: avista do que convm todos a-
proveitarem-se dessa ppportuna occasio e
proverem-se d'um traste sempre necessario,
e que Ihes cuslar quasi metade do justo va-
lor. Assim. pois, dirigirem-se com dinhei-
ro alegre e espacosa loja d'aguia branca
ra do Queimado n. 8.
TERCOS
e coras de cornalina.
A aguia branca pensando constantemente em
bem servir- a toda a sua freguezia, notouque ainda
nao liavia feito algum agrado a aquetles que pru-
dente e acertadamente resndo, cumprem dever de
bom chrstao, e quando reparou essa sua falla,
mandou vir c acaba de-receber delicados tercos e
coras de cornalina -com cruz de praia, os antes
deixa disimsi^ao dosfftis que ostiverem dispostos
a l- i-lar 15")00,24c-34 para possuirem um bonito
terco ou corOa, com os quaes podem mesmo pedir a
Deus pela prosperidade d'aguia branca, em seu ale-
gre e espacoso ninho da ra do Queimado n. 8.
\a\os e bonitos
peiuinlios travessos dourados e com pedras para
meninas : vendem-se na ra do Queimado, loja
d agnia branca n. 8.
llahuzinhos com perfumarlas c
sein ellas.
A aguia branca vendo bonitos b'ahuzinlios com 6
frasqutnhqs de cheiros por 14500 e vasios por 800
rA^serrinao estes para meninas, e mesmo para
trancan T M 0 W* d'aguia
l>elieinci bordados e labyrinthos.
A pedido de algumas senhoras suas prediclotas
freguezas, a agina branca mandou vir dessas de-
licadas tesourinhas d'a^o [tontas agudas, proprias
para Iwrdados e lab^rinlhus, e urna vez' ebegadas
como de facto chegarain, a aguia branca convida
as de mais senhoras suas boas freguezas para
aproveitarcm-sc da occasio e l^em enipregaieni
seus 24 em cada una dessas liiTfssimas tesouri-1
nhas, na certeza de que perder por chegar tarde ;'
quem se demorar em as mandar comprar no ale-
?>''.....spacoso ninli d'aguia branca, ma ilnilun-
mad n. 8, onde tambem ha outras curvas e direi-
las para uulias.
Kabadlnho^cstreitos e bordados
Vendem-se na ra do Queimado n. 8, loja d'aguia
branca.
Capachos comprldos e redondos
Vendem-se na ra do Queimado, Hoja d'aguia
branca n. 8.
ROUPA FEITA
NO
41IAI11
DE
X.ETREXRO VEBX>E.
Neste estabelecimento ha senqire um sortimento completo de roupa feita d(
todas as (jualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concur-
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
homens e meninos.
Casacas de panno preto, 35$
Sobrecasacas idem, 30$ e .
RA DO QUEIMADO N. 46
9BT01EBTO
DE
iizi:\i)is e orpas nins.
Sortimento completo de sobrecasacos de panno a 25^, 285, 305 e 33*,
casar
P*itfc..-. .
Ditos de asemira, 205, 15(5,
12,5, me......
Ditos de alpaca, 5?5 e. .
Ditos ditos pretos, 9$, 7(5,
30000 Golletes de fustao e brim bran-
25W0 ( co, 3,5500, 35 e ... .
2^500
merino de 75 at 10&, calcas pretas_de casemira de 85 at li, ditas de cor de 74 al
154, roupas para menino de todos os tamanhos, grande sortimento de roupas de bria.
jS como sejamcalcas, palctots e cohetes, sortimemo de cohetes pretos de m.-iim, casemir i
T' e velludo de 45 a 9 M e 55, calcas brancas muito linas a 55, e um grande sortimento de fazendas finas e moder-
m as, comple.to sortimento de'casemiras inglezas para hornera, menino c senhora, cerooia,
m de linbo c algodo, chapeos de sol de seda, luvas de seda e de Jouvin para honra e *f-
; "PT?- -.^ID.IVTJ1 r\i> fii.rioa do aifuiutr, onae receDeuius m.imm.-n,i,i> de grandes
O5O0O 25400 e ..... ^r>0(K) m bras, que i>ara-uso est sendo administrada por um hbil mestre de semelhaute aru- e
(Ditas de. alirodao lAliOil p lA'.m .J Dessoal de mais de cincnent.i nhrpirns pcaII.-Ia^ i.i~ _^...____.__, .... .
55 e........35500 25500, 25 e
j Ditas de algodo, 15000 e. 15100 a
75000 Camisas de peitos de linho, ;
35500 55, 45, 35 e.. 25500 9
Ditas de raadapolo, 35,
uro
pessoal de mais de cincoenta obreiros escolhidos, por tanto ejecutamos qual.'i.h
prompttdao e mais barata do que em outra qualquer casa.
llneos brancos com barras de
cores para meninos.
A loja d'aguia branca recebcu um novo
sortimento de lencos brancos com barras de
cores para meninos, e com quanto esses
?iessem melhores, maiores e perfeitamenle
quadrados, com tudo continam a ser ven-
didos pelo antigo preco de 15 a duzia; n.
ra do Queimado na alegre e espacosa laja
d'aguia branca n. 8.
L&a Una para bordar.
A aguia branca acaba de receber um com-
pleto sortimento de la fina para bordar, cu-
ja variedade de agradaveis cores foram es-
coltadas d'um grande livro d'amostras que o
fabricante offereceu a aguia branca, vindo
entre ellas alguma mesclada; assim pois onde
os pretendentes melhor se podem sortir des-
se genero, na alegre e espacosa loja d'a-
guia branca ra do Queimado n. 8.
Os afamados copos com banha, e
boldes com Inscrlpcdes.
Chegaram novamente para a aguia branca
esses afamados e estimados copos com banha
fina; assim como os bonitos boioes de por-
cellana dourada tambem com banha, e uoias
inscripcoes maviosas e jocoserias, mui ade-
quado para presentes resta porem que os apre-
ciadores concorram, munidos de dinheiro,
alegre e espacoaa loja d'aguia branca ra do
Queimado n. 8.
Unhas maclas e lustrosas para
bordar
vendem-se na loja d'aguia branca ra do
Queimado n. 8.
xovissiinos e bonitos enfeltes
para cabeeas.
Quando. o bello sexo senta a falta de bons
enfeiles para cabeca, eis que a aguia branca
recebe urna sua encoramenda de bonitos e
delicados enfeites, e de modernissima moda,
muito sen indo isso para sanar aquella falta,
! e fazer com que as Exmas. apreciadoras da
i bella empreza Coimbra possam melhor xeal-
sar e mostrarem o apurado goslo que as
guia. Esses enfeites sao d'um tecido bas-
tante fino com connhas d'aco, e mui bem
enfeitados com flores, fitas, 'bicos, plumas
etc.,. entretanto que sendo obra de muito
gosto custam 55, 65 e 75 dinheiro vista;
na espacosa e alegre loja d'aguia branca ra
do Queimado n. 8.
Ricas gnarnfces de pentes e
fivcllas para cintos.
A agia branca recebeu novas e ricas
guarnieses de pentes dourados, e com pe-
dras; assim como outras bordadas froco e
com bolas pendentes, novidade essa que s
se acha em dita loja, e que ha verdade se
tornam mui alegres e bonitas; e bem assim
recebeu lindas fivellas. com pedras, e ditas
d'aco com novos e engrasados moldes, cintos
dourados e de marroquim; e muitos outros
obj celos de gosto para senhoras serao encon-
trados na alegre c espacosa loja d'aguia
branca ra do Queimado n. 8.
Ditos de brim e ganga de co-
res, 45300, 45, 35500 e. .
Ditos branco de linho, 65, 55 e
Dilos de merino preto de cor-
do, 105, 75 e.....
Calcas de casemira preta, 125,
105, 85e......
Ditas de cores, 95, 85 e. .
Ditas de meia casemira de co-
res, 555O0 e.....
Ditas de princeza e merm pre-
to de cordo, 55, 45500 e
Ditas de brim branco de co-
res, 55, 45500, 45 e .
Ditas de ganga de cores,
35500, 35 e......
H Cohetes de velludo preto e de
cores, 95 e......
Ditos de casemira preta, 55 e
Ditos de ditas de cores 5.5
45 e........
Ditos de setim preto. '.
Ditos de ditos e seda branco,
Chapeos de massa, pretos fran-
35000 cezes, 105, 95 e. .
45000 Ditos defltro, 55, 45- 35500 e
Ditos de sol, de seda, 125,
55000 115, 75 e......
Collarinhos de linho fino, ulti-
7*000 ma moda...:...
7#000 Sortimento completo de grava-
tas.
45000 Toalhas para rosto, duzia, 115,
95 e........
45000 Atoalhado adamascado de li-
nho vara ......
2530O Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos e le cores.....
25500 Lences de linho.....
! Cobertas de chita chineza.. .
75001 Pennas d'aco, as mais superio-
4500.1 res, a grosa......
Relogios de ouro orizontaes.
35500 905,805 e......
55000 Ditos de prata, galvanieado,
patentes e orisontaes, 405 e
65 e.......55OOO Obras de ouro, adercos, meios
15600
85500 >j
25000^
45500
640
5
65000
15280
45000
3^006 m
25000
600 m
705000
Ditos de gorguro de seda
pretos e de cores, 65, 55 e 45O0O
I2M
adercos, pulceiras, rozetas,
aneis e cruzes.
AURORA
N-84-
LARGO DA
BRILHANTE.
i. 84
SAMA CRUZ.

O grande armazem da Aurora Brilhaqte contina a vender os memores e
mis novos gneros vindos ao mercado, por precos baratissimos.
ATTEM^AO.
FAZENDAS DE BOM GOSTO.
Lindos cortes de la de barra Iraperatriz, ditos de la cora liarra matisa-
da, ditos lisos com palmas de seda, lindas lasdecore? matisadas a 500 rs. o
covado ditas com palmas de seda a 640, 700 e 800 rs. o covado, cortes de
seda de cor matizada os mais superiores que lea viudo ao mercado. Jimio*
cortes de more-antique de cor -linda, gorguro de la e seda de quadrinhos e
lisos, fazenda inteiramente nova para vestido.
Superiores cortes deblond branco para noiva, camisinhas de cmbraia
bordadas, brancas e de cores, lindos saulambarques de cachemira de cor enfei-
tados e bordados da mesma cor, ultima moda em Paris, superiores chapeos
de palha da Italia, enfeites de flores, capellas brancas e outras mui.is InaH
de gosto que seria enfadonho annunciar: na ra do Crespo n. 13, loja das
columnas, de Antonio Correa de Vasconcelos & Companhia.
FOHI^iO DO JIOU 11AII-Rl 1 1BO
BlUfl V. 38o
Este muilo acreditado estabeleeimento esl prvido de um com>leto sortiiaeuto de
machinismos propiios do fabrico de assucar, a saber:
Machinas de vapores as mais modernas e mais acreditadas.
Rodas d'agua de ferro com seus pertenees. '
Moendas e meias moendas de todos os tamanhos.
Rodas dentadas, angulares e de espj:a.
Taixas de ferro bufido c coado..
Boceas de fornalha pelo rwVvo systema Wetson.
Alambiques de ferro fundido.
Fornos para cozer farinha.
Moinhos para moer mandioca.
Arados americanos, etc. etc.
*%^m m ^^^%m%.
DE
fecife numero 40
Viclor Grandin, relojoeiro condecorado com a
medalha da exposicao de t'ari.s, esiabelecido com
loja na ra da Cadia do Recite, parcipa aos seus
numerosos freguezes e ao publico desta iraca que
recebeu ltimamente um grande sortimento'dear-
tigos pertenceules a sua arW, eoino sejam, relogios
pira algibeiradc ouro e prata, e de'patentes inglez
e suisso, correntes de ouro do le, e dos mais bo-
nitos modeHos; tambem tos para vender um
chronometro martimo ingles; e de um dos melho-
res fabricantes assim con urna grande djde de relogios para parede e para cima de mesa
Manteiga ingleza flor, libra. *. 800
Dita dita mais baixa, libra 640 e 720
Dita hollandeza e barris pequeos
libra 640 e.......760
Dita em barris e meios, franceza
e ingleza, de 600 a ... 700
Dita franceza nova, a. 640
Cha hyssom, o melhor que tem
vindo ao mercado, a libra. 35200
Dito verde muito superior. 35000
Dito miudinho, a libra 25800
Dito graudo, a libra.....25560
Dito mais bati, a 25 a libra e 25400
Dito estrenabas do Rio, a libra
15550 e ...... 15#O0
Dito preto muito superior, a li-
bra 15500, 15800 e 25000
Toueinho de Lisboa milito novo,
arroba 95000 e libra. J20
Presumtos inglezes para fiambre,
muito novos, a libra. ... 800
Dito de lamego, a libra .... 560|
Chouricas e salpicoes, os mis
novos possiveis, a libra. 560
Mostarda franceza em tascos de
vidro ., .' .
Conservas inglezas e franczas,
emfrascos,a. 800
Mannelada muito nova dos' me-
lhores concerveiros de Lisboa a
Massa de tomate, a libra 640 e
Saccas grandes commilho 65500,
farinha 65500, farelo 4/500,
arroz de casca a 45 e. .
Latas com bolachinbas de soda e
outras qualidades novas .
Ditas de ameixas com 2, 4 e 8 li-
bras, a 15500, 25600e .
Ditas com'figos de comadre, pro-
prias para mimos, de 4 libras
Ditas com peixe preparado do
melhor gosto, a.....
Ditas com sardinhas de Nantes,
I 380 c.......
Ditas com fructas de Lisboa em
calda, a .'.....
Vi ni i us P 'mimos engaiiilados no
500
720
720
55000
1/500
45500
1/500
15300
360
640

TODAS AS QITA1,11>AIIES
DE
25000
Porto, de 15500 a
Alm dos gneros annunciad86, ha urna grande quantidade detener todos os)
melhor qualidade, e vende-se barato.
ANTONIO Mili DE BRITO
CONHECIDA POR FABRICADA VIUVA.
N. 21Antiga ra dos Quarteis de"policaN. .21.
Constando ao annunciante, que alguns especuladores de m f, vendo o crdito
que gosam os meus cigarros, e para poderem dar consumo aos seus andana Tonddo laae
na praca como pelo mato, illudindo os meus freguezes, dkendo que sao mem; e amo lo-
dos os meus cigarros sao vendidos na minha fabrica, e nao mando pessoa alguma
por minha conta fra della, faco o presente annuncio para evitar que compran galo
lebre ; e para seguranca dos senhores consumidores deste genero e especialmente ot i
freguezes, aviso que todos os massos de cigarros que forem vendidos na miaba fabrica alo
marcados com um distinctivo que declara o meu nome, o nome da ra e o numero l
mesma casa.
Aproveito a occasio para scientificar aos mesmos senhores, que constantemeaae
encontraro um completo sortimento de eigaoros de diversas qualidades, e do i
escomido, Rpr sua boa qualic&de ja bea conhecida.
AOS SRS. ONSIMIUDORES DE (.AZ.
Nos armazens do Caes do Ramos n. 18 e
ha ra do Trapicho Novo (no Recite) n. 8, se
vende gaz liquido americano primeira quali-
dade a retalho a 125 a lata de S gales. as-
sim como latas de tO e de 5 garrafas e sendo
em porcao mais barato que em outra qual-
quer parte.
TUOTjOS
DE
Vndensetijotocdemaraore de 10e 13ple-
gadas madradas cada um : ea Ma ta Srs. He>
ntjue Forster & C, ra do Traptcbe.





I
I
\
T
Diarlo de Perombnro arta fflra t ale Jullo de 48.

GRANDE ARMAZEM
AE
EE
II
H. 36, RA DAS CREES S. 36
DO
Kl .!
balrro de auto Antonio.
-

**>*!>
0 proprietario do muito acreditado armazem denominado Progmtisla tendo
sempr em vista fazer tudo o que for possiVel para bem servir aos seus fregaezes, tein
deliberado vender os ses j bera conhecidos gneros de primeira qualidade pelos precos
abaixo mencionados, e affianca s pessoas que mandarem comprar por seus criados ou
escravos, seren to bem servidas como vindopessoalmente; encarrega-se de aviar qualquer.
encoinmenda, ainda mesmo contendo Objectos nao proprios dste estabelecimento. O
mesmo pede aos senbores que mandarem comprar neste armazem a favor de mandarem
devolver qualquer objecto cSo com os seus portadores, fazendo-lhes ver que s ao armazem Progresista da roa das
Cruzes n. 36, que se yendam os'melhores gneros por mais barato preco, porque estes
muitas vezes olvidam-se e vo oulra parte onde os servem de maneira a desagradar este
'etecimento.
de superior qualidade a 320 rs. ca
xinha.
da c
Manteigai ngleza de !. qualidade, a 900 rs
a libra.
dem de 2.a qualidade, a 800 rs. a libra.
dem francesa, chegada ltimamente, a 640. Mostaraa preparada em potes muito nova a
rs. a libra. I 400 rs- cada um-
Batatas muito novas, a 20 Q-gjgo de arroba Milho-alpista a 180 rs. a libra,
e 80 rs. a libra.
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor,
de 20 20500.
dem prato, chegado neste ultimo vapor, o
mais fresco que se pode desejar a 700 rs.
aTibra.
dem londrino, mandados vir.de encommen-
da especial, a 900 rs. a libra.
dem suisso, muito fresco, a 800 rs. a libra.
Caf do Rio de I. e 2.* qualidade a 80500
e 80800 a arroba, e 280 e 300 rs a libra.
Arroz da India e Maranho a 120 rs. a libra
e 30200 a arroba.
AvelSas as mais novas
rs. a libra.
neste genero a 240
Presuntos do Porto maito novos a 560 rs. a
libra.
Legumes franceses para sopa, como seja,
Julienne, mlange dequipage, Choux e
outras qualidades, a 400 500 o masso.
Amendoas de casca mole a 320 rs. a libra, -e
em porcao ter abatimento.
Garraoes com 5 garrafas de vinho do Porto
do Alto Douro a 20400 com o garrafao ;
afianca-se que nesse genero o melhor
que veio ao mercado.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira muito
superior e mais proprio para a- nossa esta-
eo per ser mais fresco a 20400.
Cha hysson o mais superior a 20600 a libra,
afianca-se ser egual ao que regularmente
vendemos a 30200.
dem huxim miudinho, o mais superior que
vem ao nosso mercado a 20700 a libra.
dem preto muko fino, a 20000 a libra.
Garrafoes com 5 garrafas de superior vinho
de Lisboa a 20100 cada um.
dem com 5 garrafas de vinagre de Lisboa
a 10100 com o garrafao.
dem com 5 garrafas de vinagre hambur-
guez a 800 rs. cada um.
Vinhos generosos viudos do Porto engarra-
fados das 'seguintes marcas: Genuino,
Porto tino, Nctar, Duque do Porto, Fei-
toria, Velho secco, Chamico, Madeira su-
perior e uutros a 900 rs. a garrafa e 90
a duzia.
Vinho Bordeaux das melhores marcas: St
Julien, Medoc e S. Estephe e outros a
640 rs. a garrafa e 70500 a caixa com
urna duzia.
Chouricas e paios, o mais novo que se pode
desejar, a 250 c 600 rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez dos melhores fa-
bricantes a 900 rs. a garrafa e 100500 a
caixa com urna duzia.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
800 rs. cada um. -
Licores francezes, muito finos, das seguintes
mafcas: Apizetta de Bordeaux, Plaiserdes
dames, Crme de Noyau, Eau Dantzic,
Crme de Meoe, Ilude de Venus etc. etc.
Passas muito novas de carnada a 400 rs. a
libra e 60500 a caixa com urna arroba, ha
caixas, meias e quartos.
Ameixas francezas em frascos de Hj2 e 3 li-
bras de 1400 a-#800, tamlwm ha latas
de 6 libras.
Marraelada imperial, dos melhores conser-
veiros de Lisboa, a 600 rs. a libra, em la-
tas lacradas hermticamente.
Fructas em caldas de todas as qualidades em
latas muito bem enfeitadas, a 500 rs ca-
da urna.
Bolachiha ngleza, a mais nova que se pode
desejar, a 30000 abarricae 240 rs. a
libra.
Farinha do Maranho muito alva c cheirosa
a 160 "rs. a libra.
Azeite francez clarificado a 800 rs. a garrafa
e 9iJlO0O a oaixa com urna duzia v
Conservas inglezas dos melhores fabricantes
Mixed Pickles, ceblas simples, e outros
a 760 rs. o frasco.
a
Farinha verdadeira de araruta a 500 rs.
libra, garante-se a superior qualidade.
Palitos para denles em caixrhas douradas
"Breu, a 320 a fibra e 8 a airoba,
Gomma para engommar muito fina e alva a
80 rs. a libra e 20300 a arroba.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Sabao verdadeiro hespanhol, que raras vezes
vem ao nosso mercado, a 300 rs. a libra e
em caixa ter abatimento.
dem massa de superior qualidade de 160,
180, 200, 220 e 240 rs. a libra.
Graixa em latas muito nova a 120 rs. a lata
e 10300 a duzia.
Peixe em latas muito novo: savel, pescada,
curvina, salmo e outras qualidades, pre-
parado de escabexe segundo a arte de
cozinha a 10400.
Papel grve pautado e liso a 30800 a resma.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
460 rs. cada urna.
Vinhos em pipa: Lisboa e Figueira das melho-
res marcas a 30200 e 40000 a caada do
. melhor c 500 rs. a garrafa, em porcao ter
abatimento.
Vinho velho Chamico em barril, muito proprio
para sobremesa, a 640 rs. a garrafa e
50000 a caada. -
Vinho branco o mais superior que- pessivel
neste genero a 560 rs. a jrarrafa e a 43000
a caada.
Vinagre puro de Lisboa a 200 rs. a garrafa
e 10400 a caada.
Azeite doce de Lisboa muito fino, em barril
a 640 rs. a garrafa, e em porcao ter
abatimento.
Champagne das mais-acreditadas marcas, a
-10000 a garrafa, e 100000 o gigo com
um duzia.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Bahia a 30500 a caixa, tambem temos
para 20000, 20500, 30000 e 30200 a
caixa.
Vellas de spermacefc superiores a 600, 640,
e 680 rs. o masso.
dem de carnauba e composicSoa 320, 360,
e 400 rs. a libra e de 100 a 110500 a
arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa; a 10000
a ancoreta do Porto e 10500 a do Lisboa.
Massas para sopa: estrellinha, rodinba e pe-
vide a 400 rs. a libra e 20000 a caixa com
8 libras liquido.

Massas para sopa muito novas: talharim, im^
carrito e aletria a 400 e 480 rs. a libra.
Chocolate portuguez, hespanhol; francez e
suisso das melhores qualidades a 900 rs.
a libra.
Doce1 da casca da goiaba1 a 800 rs. o caixo.
Ceneja das melhores marcas de '50500 a
60000 a duzia e 540 rs. agarrafa
Biscoutos inglezes de diversas qualidades a
10300 a lata.
Bolachinha de s/to, especial encommenda,
muito nova em latas grandes a 20000 cada
urna.
Massa de tomates em latas de 600 a' 700 rs.
cada urna.
Sardinhas de Nantes, do fabricante Basset a
360 rs. a lata.
Toucinho de Lisboa novo 1320 re. a libra,
lijlo de limpar facas a 180 rs.-cada um.
Obollas o mlho a 900 rs.
Erva-doce muito nova a 400 rs. a libra..
Cominhos idem idem a 640 rs. a libra.
Garrafoes vasios a 500 rs. cada um.'.
Ditos com 5 garrafas de genebra a 20400,
garante-se ser verdadeira de Hollanda.
Cebollas a granel a 640 rs. o cento.
Canella a mais nova do nosso mercado a
10000 a libra.
Alfazeraa o que pode baver de melhor neste
artigo a 280 rs. a libra.
Phosphoros de seguranca individual a 20 re.
a caixinha. .
PROGRESSIVO.
S NO
8)
-
9-LARGO DO CARM0--9.

DE
,1^
.
DE
Eduardo Marques de Oliveira C.
Os proprietarios deste espacoso e oem sortido armazem de molhdos partici-
para aos seus freguezes que acabara de eceber de diversos portos da Europa o mais bel-
lo sortimento de molhdos, todos primorosamente escolhidos, os quaes vendem7se por
muito meaos do que outro qualquer annunciante, obrigando-se os proprietarios'a garantir
todos os gneros sabidos do seu muito acreditado armazem.
'
8
>
o
a;
*
c
8
3
<3
*f
? 2
1 |
>.
a I-
'5
O
a.
I
I
3

C 2
O
Neste novo e grande cstabelccimento de molhdos, encontrar o fe(. publico d'esta cidade; bem como seus numerosos freguezes do centro, exposlos a \ei>a
todas as qualidades de gneros por menos precos que em quaesquer outros estabeiecimen-
tos desta ordem, pois para isso segu em um dos primeiros paquetes para a Europa um
dos socios para serem vindos todos os gneros de conta propria, para melhor servir aos
seus freguezes, e desde j encontrar o respeitavel publico sempre os melhores e mais
nevos gneros do nosso mercado, e por precos baratsimos, como se ver abao.
Mateiga ingleza perfeitamente flor, mandada
v r de encommenda especial a 8oo rs.
a libra,
dem' franceza chegada pelo ultimo navio a
62o rs. a libra:
dem em potes de 4 6 46 libras muito fina-e
propria para doente a 8oo rs. a libra e o
pote separado,
dem d porco, refinada e muito alva a 5oo
rs. a libra, em barrH ter abatimento.
dem ingleza em latas de 2 1/2 libras a 2,oo
cada urna, garante-se a boa qualidade.
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
de l,6oo, l,8oo, 2,ooo e 2,5oo rs.
dem prato negados neste nltimo vapor, o
mais fresco que se pode desejar a 66o rs."
a libra.
Idemlondrino mandados vir de encommen-
da especial a 56o rs. a libra.
Caf do Rio de Ia e 2a qualidade de 8,5oo e
8,8oo rs. a arroba, e 28o a 3oo rs. a li-
bra.
Arroz da India e Maranho a loo rs. a libra
e 3,ooo rs. a arroba.
Caixinhas de ameixas francezas de 1 1/2,2
e 3 libras, elegantemente enfeitadas com
diversas estampas no exterior da caixa a
l,3oo, l,6oo, 2,ooo, 2,5oo e 3,ooo re.
Vidros de diversos tnmanhos de confeitos,
muito proprios para mimos, de 1 ,ooo a
2,5oo rs. cada um.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra e
em porcSo ter abatimento.
Garrames com 5 garrafas de vinho do Porte
do Alto Douro a 2,24o rs. com o garralSo,
afianca-se que neste genero o melhor
que veio ao mercado. .
dem com 5 garrafas de vinho Figueira mui-
to superior e mais proprio para a nossa
estacao por ser mais fresco a 2,4oo rs.
Cha hysson o mais superior a 2,6oo rs. a
lbin, afiau^d-sB t.tsr r^iiu! au que regular-1
mente vendemos a 3,ooo e 3,2oo rs.
dem huxim miudinho o mais superior que
vem ao nosso mercado a 2,7oo rs. i libra.
dem preto muito fino a 2,ooo rs. a libra.
dem muito mais baixo, muito proprio para
negocio a l,6oots. a libra.
Presunto inglez para fiambre o mais fresco
que se pode desejar a 800 rs. a libra.
Garrafoes com 5 garrafas de superior vinho
de Lisboa a 2,2oo rs. cada um.
Azeite fraaoez eterificado a 800 rs. a garrafa
e 9,8oo'rs. a eaisaeoml dnzia.
Conservas ingleaB dos melhores fabricantes
Mbied e Piekles, ceblas simples, e ontrasJ
a 800 rs. o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes muito
nova a 4oo es. cada um.
Mlhos inglezes de todas as qualidades e das
melhores marcas a 5oo rs. cada urna gar-
ra finha.

Sal refinado em frascos devidro de diversos
modellos a 4oo rs. cada um, s o frasco
vale o dinheiro, tambemha solt para 80
s.alibw.
Vasos inglezes vasios de 4 a *6 libras, muito,
proprios para deposito de doce, mateiga
ou outro qualquer liquido de l,oooa 3,ooo
cada um.
PaincoaUors. a libra.
Milho alpista a 16o rs. a libra.
Gomma para engommar muito fina e alva a
80 rs. a libra, e 2,3oo re. a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Sabo verdadeiro hespanhol que raras vezes
vem ao nosso mercado a 3oo rs. a libra e
em caixa ter abatimento.
dem massa de superior qualidade dd 2oo,
22o e 24o rs. a libra.
Graixa em latas muito nova a 12o rs. a lata
e l,3oors. a duzia.
Perxo em latas muito novo: svel, pescada,
curvina, salmo e outras qualidades, pre-
parados de escabexe, segundo a arte de
cosinha de l,4oo e 2,ooo rs. a lata.
Amendoas confeitadas de diversas cores a
7oo rs. a libra.
Papel grve pautado
resma.
e liso a 3,8oo rs. a
Genebra de Hollanda em botijas de conta
46o rs. cada urna.
.
Papel deembrulho muita superior a 10120
a resma.
Vinho da Figueira, o que ha de melhor a
40000 a caada.
Copos finos par* agua a 60000 a duzia.
dem com 5 garrafas de vinagre de Lisboa
a l,2oo rs. como garrafao.
dem com 5 garrafas de vinagre hamburguez
a 9oo rs. cada um.
Genebra de laranja a 9oo rs., a melhor que
se pode desejar.
Cha perola o melhor neste genero a 3,2oo
r. a libra.
Vinhos 'generosos vindos do Porto engarra-
fados das seguintes marcas: Genuino,
Porto fino. Nctar, Duque do Porto, Fei-
toria, Velhb secco, Chamico, Madeira su-
perior'e outros a l,ooo rs. a garrafa, e
9,ooo rs. a duzia.
Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto
a l,2oo rs. a garrafa, e lo.ooo rs. a caixa.
Vinho Bordeaux das melhoros marcas: St.
Julien, Medoc, S. Estephe ti outros a 7oo
rs. a garrafa,^ 8,000 rs. a caixa Com urna
duzia.'.
Chouricas e paios, o mais novo que e pode
desejar, a 56o rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez dos mehpres fa-
bricantes a 9oo rs. a garrafa, e l,5oo rs.
a caixa com urna duzia.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
800 rs. cada um.
Licores francezes muito fino das seguintes
marcas: Anizete de Bordeaux^ Plaisirdes
Dames, Crme de Nojau, Eau de,veede
dant- c, Creme de meathe, Huile de Ve-
nus, Parfait araour, Eau dora l,ooo rs.
a garrafa el 0,000 a caixa com 1 duzia
Passas muito novas e*de carnada a 3oo rs-
a libra c 6,000 rs. a caix com 1 arroba
ba caixas, meias e quartos.
Ameixas francezas em frascos de 1 1/2 e 3
libras de l,4oo a 2,8oo rs.; tambem ha em
latas de dinerontes precos. '
Marraelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 600 r*. a libra, em latas
. de differenles lmannos c lacradas lierme-
ticamente.
Fructas em caldas de todas as qualidades em
latas muito bem enfeitadas a 5oo rs. cada
urna.
Bolachinha ingleza a mais nova que se pode
desejar a 2,5oo rs. a barrica, e 24o rs. a
libia. ,
Vinhos em pipa: Lisboa, Porto e Figueira das
melhores marcas a 2,5oo, 2,8oo, 3,ooo e
\'S>ob .{!,? a caada do mais superior e de
320 e 3(>0 rs. a garrafa.
dem velho Chamico em barril, muito proprio
para sobremesa, por ser muito claro e
macio a 64o rs. a garrafa, e 5,ooo rs. a'
caada.
Vinho branco o mais superior que posiivel
neste genero a 56o rs. a garrafa e a
3,8oo rs. a caada.
Vinagre puro de Lisboa, a2oo rs. a garrafa
e:,4oo rs. a caada.
Azeite !doce de Lisboa muito fino, em barril,
a 64ors. a garrafa, em porro ter abati-
mento.
Amendoas a 320 rs. a libra.
Avelaes a 2oo rs. a libra.
Ameixas a 10 a libra.
Ditas em frasco por 20800.
Arroz_pilado da India loo rs. a libra e 30ooo
a arroba. -..
Dito dito do Maranho 120 rs. a libra e 30500
a arroba.
Azeite doce francez 800 rs. a garrafa.
Dito de Lisboa 080 rs. a garrafa.
Agurdente de canna de cabera a 240 e 320
rs. a garrafa.
Azeitonas a 400 rs.' a garrafa, e 10300 a an-
coreta.
Bolachinha de soda a 10400 a lata.
Banha de porco a 600 rs.-a libra.
Bolachinha ingleza a 200 rs. a libra, e a bar-
rica a 30000.
Cha hysson a 20200 a libra.
Dito dito fino a 20600 a lite-a.
Dito miudinho a 20800 n libra.
Dito do Rio a 10800 a libra.
Dito preto a 10900 a libra. 1
Carne do serto a 36o rs., e em porcao se
vende por menos.
Charutos de diversas qualidades a 10200,
10500 e 30 a caixa.
Champagne a U e 10500 a garrafa.
Chouricas a 560 e 600 rs. a libra.
[Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
Gaf em grao a 300 e 320 rs. a libra, e 90-e
90200 a arroba.
DHomoidoa 360 rs. a libra.
Doce de goiaba a 560 rs. o caixo.
Espirito de vinho de 38 graos, a 260 rs. a
garrafa.
Figos a 400 rs. a libra, e em latas de 4 libras
por 10500.
Farinha do Maranho a 160 rs. a libra.
Genebra de Hollanda a 640 e 720 rs. o frasco,
e 70.a frasqueira com 12 frascos.
Dita hamburgueza a 560 rs. o frasco, e 60500
a frasqueira com 12 frascos.
Dita flor de laranja a 10 o frasco.
Gomma d'araruta a 100 rs. a libra, e 20600
a arroba.
Graixa em latas a 120, e 10300 a duzia.
Genebra em garrafSes de 14 garrafas or
40000.
Dntata? ingiczaa libra a 80 rs., e a 20500 em
arrona.
Licor fino a 800 rs. a garrafa.
Dito em garrafas grandes de superior quali-
dade a 10500.
iChampagne das mais acreditadas marcas, a
l,2oo rs. a garrafa, e I2,oop rs. e gigo,
com 1 duzia.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Batea a 3,6oo re. a caixa,. tambem temos
para 2,ooo, 2,5oo, 3,ooo e 3,2oo rs.
caixa.
Velas de spermacet superiores, a 600 64o,
680 e 7oo rs. o masso.
dem de carnauba e eomposico, a 32o, 36o
e 4oo rs. a libra, e de lo,ooo a U,5oors.
a arroba.
Azeitonas novas. do Porto e Lisboa, a l.ooo
rs. a ancoreta do Porto, e l,5oo rs. a de
Lisboa, estas ultimas raras vezes vem ao
nosso.mercado, pela sua boa qualidade."
Massas para sopa: estrellinha, rodinha e pe-
vide a 32o rs. a libra, e l,6oo rs. a caixa
com 8 libras iquino; s no Progresivo.
-Massas para sopa muito novas: talharim, ma-
carrao e aletria, a 4oo e 48o rs. a libra.
"Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso, das melhores qualidades a 9oo rs.
airara.
Doce da casca da goiaba a 64o rs. o caixo.
Cervja das melhores marcas, a 5,5oo e
7,4oo rs. a duzia e54o rs. a garrafa.
Biscoutos inglezes de diversas, qualidades a
l,2oo rs. a lat^.
Bolachinha de soda especial, encommenda
muito nova, em latas grandes a 2,o0o re.
cada urna.
dem craknel em latas de 5, 7 e lo libras a
4,ooo, 5,5oo e H,ooo rs. a lata.
Palitos do gaz, a 2o rs. a caixinha e 2,3oo rs.
a grosa.
Massa de tomates em latas de 600 a 7oo rs.
cada. urna.
.Sardinhas de Nantes do fabricante Basset, a
38o rs. a lata.
Toucinho de. Lisboa novo, a 32o rs. a libra.
Tijollo de limpar facas, a 18o rs. cada um.
Cebollas, o mlho a 9oo rs.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa,
a 14o rs. a libra.
Mateiga ingleza flor a 800,900 e 10 a libra.
Mateiga franceza a 680 e 720 rs. a libra.
Dita hollandeza a 72o 800 rs. a libra.
Mostarda a 640 rs. o frasco.
Massa de tomates a 640 rs. a libra.
Dita estrellinha para sopa a 500 rs. a libra.
Marrasquino de Zara a 800 rs. o frasco.
Passas a 4oo c 560 rs. a libra,.- 80 a lixa.
Palitos para dentes a 180 rs. o masso.
Phosphoros do gaz a 2>500 a grosa.
Paios novos a 640 rs. a libra.
Queijos do reino do ultimo vapor a 20 e
20500.
Dito de prato a 720 rs. a libra.
Dito do serto a 560 rs. a libra.
Cervejas de marcas superiores a 500, 560,
600 e 640 rs. a garrafa, e 50500, 6# e
60500 a duzia.
Dita em barril por 45, e 240 rs. a garrafa.
Cevada a 240 rs. a libra.
Sardinha de Nantes a 360 e 400 rs. a !at-
nha.
Sag a 240 rs. a libra.
Sabo massa a 21(0, 240 o 280 rs. a libra.
Sevadinha a 280 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 160 rs.
Vellas de spermacete a K40 e (580 rs a libra.
Ditas do gaz muito boas.
Ditas dito em caixas de 6 libras por i^OOD.
Ditas de carnauba a 400 rs. a libra.
Ditas de eomposico a 360 e 380 rs. a libra.
Vinho do Porto, caada a 50500, garrafa a
720 re.
Dito Lisboa, caada a 40 e a garrafa a 50fl
rs.
Dito Figueira, caada a 30840 e a garrafa a
480 rs.
Dito dita superior, caada a 40 e a garrafa
a 300 rs.
Dito Estreito, caada a 30200 e a garrafa a
400 rs.
Dito Bordeaux a 720 e 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa em garraoes de 5 garra-
fas por 10400.
Dito em caada a 20, e a 260 rs. a gaivala.
Vinho do Porto em garranVs le 5 garrafa
or 2500.
Dito dito engarrafado a 10 e 10200.
Dito lagrimas do Douro a 10400 a garrafa.
Vinho bronoo .lo L^L,,u a ZOO re. a rr:fa,
e 50 a caada.
Dito do estreito a 600 rs. a garrafa, e a i&iOQ
a caada.
Preyine-se ao respeitavel publico que todos os gneros cima sao deten quaio-
dade.e para desengao venham ver; assim como outros que dei\am de ser anmmciau
TODA aTTENQO
NOS
AKYIAZIvVS
COMSRVTIVrJ E CNS!
DE
DA&m S 0)(D3 3ID3
m. 21 E 23I.AR60 DO TEIIf.O-XS. 21 E 23.
O proprietario destes dous estabelecimentos de molhdos. vende os seus g-
neros por menos do que em ouha qualquer parte, por isso parante a bua-
lidade de qualquer genero saludo dos seus armazens ; pode vender por menos p-T com-
prar dinheiro, c por isso faz vantagem a os compradores.
Batatas as mais novas do mercado, a 60 rs. a libra e 1,600 rs. aarroab ou caixa.
Toucinho de Lisboa da 1.a qualdade, a 3oo rs. a libra e 9,ooo rs. a poia.
Caf do Bio da 1. e 2.1 sorte, a 28o e 32o rs. a libra.
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor, a l,8oo e 2,noo rs.
Velas de spermacet, carnauba do Aiacaly, as melhores dest.- genero, a 89o loo r-, 1 ra.
Vinho verdadeiro Figueira das melhores marcas, a 5oo c4oors.. em caada se fazat
timento, ha porcao para eseolher.
Bolachinhas americanas, as mais novas neste genero, a 2oors. a libra e3,ooo rs. a ba; a.
Palitos do gaz, vindos por mota particular, a 2o rs. a caixinha e 2',4oo rs. a grosa.
Mateiga ingleza da 1.a c 2.a qualidade, a 800 e 76o rs. a libra,
dem franceza, especialmente escolhida, a 64o e 600 rs. a lihra.
Cha, o melhor neste genero, a 2,88o rs., tambem ha para mais barato.
Milho alpista, limpo, muito superior, a 16o rs. a libra, a arrroba 5,ooo rs.
Alm destes gneros ha outros muito baratissimos, assim como cen.-ja das me-
lhores marcas, genebra de Hollanda e de laranja, passas, doce de goiaba, azeit.- dnrr, vi-
nagre, canella, pimenta, cominhos, efvardoce, cebollas, alhos, chouricas, banha *!<
outros muitos gneros que enfadonho mencionar; dinheiro contado.
MACHINAS AM1UXIS.
Km casa de N. 0. Bieber &C, successo-
res, ra da Cruz n. t, vendem-se:
Machinas para regar hortas e capte).
Ditas para descarocar milho.
Ditas para cortar capim.
Seins com pertences a 100 e 200.
Obras de metal principe prateadas.
Alctrio da Suecia.
Verniz'de alcatro para navios.
Salsa parrilha de primeira qualidade do Para.
Vinho Xerez de 1836 em caixa de 1 duzia.
Cognac em caixa de 1 duzia.
Arados e grades.
Brilhantes.
Carrocas pequeas.
AGENCIA
DA
FUNDICAO DE LOW-MOOR.
lina da Sentalla nova n. 42.
. Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
moendas
e
ESCRAVOS F&LDQS.
Na noite do l\ para 10 do convino .in*m-
tou-se da fundirn da Aurora o mulato Flori uft,
llamante alio, pi-s grandes e mal feitm, arta tnm-
passadu c cosluma andar de apatas o paleto*, e
algumas vezes usa capot de panno, incnleanij
forro : roga-se. s autoridades pociae e ra
Ue campo a captura do mesmo. e letavlo a ;
da fandicao, onde se ratinrar "
trabalho.
Pngio no dia 16 do corrente da ti
Pindobal, o eseravo Manoel Baeea, qotnsfeaatfft
ter 30 anuos de idade, bem preto, altan recalar,
nao fcio de cara, bem Mto de corpo, ep. (Juob
o v nao soppoe (rae seja de Angola, paret-e rrtoa-
lo. J o auno passado fugio para o eaf B*.
Caetano na villa do Cabo, donde veio iiianliiinpali
Sr. Antonio Bandeira de Mello, rendeir o
engenho. E provavel que lenha jirocura* o i
senhor ou 9egnido para o sul da anmaoa. "
o apprehender, on delle der notoaa rema, w
bem recompensado pelo abaixo asdajaado.
Joaquim Calateante de AUmpur^mtMeO.
Ifefrts fogios.
Do engenho Bomflm comarca do
giram no da 98 de junno nm casal de y
oendas para engenho, machinas de vapor' chamados Rogerio, mulato, alto egroaao,
tacnas de ferro batido e coado, de todos os ts e nvf> P"c* ,r',a-ol,1?08 "SITL.
i tamanhos para ditos.
Alraidos genaros- cima nK'nonados, existo m completo sortimento de al- Arados america
wzemas, cominws, pimenta, ervaidoce, pauto da, dent e macos e caixmhas, eajo-4 lavar roupa: em asa de S
are e outros muito gneros, os quaes veadejaos petos precos mais baratos possiveis. ] rea da Seasaa Jova n. 42.
i11 "i i
machinas para
. Johostoa C,
asnos, e Joanna, crioula, alta e seca,
poucos cabellos, tem uns calombos
petos peitos : qnem rnier que o preaiar e w eaa-
duzir ao dito engcalMpara ser eaaraaan a sea aa-
nhor o capito Silvano Aatook) Gaiao, sara bemit-
cwapemado de cu trabalho.




8
Diario de fVrnamWo Qmrta felra *tt Ae Vulho de 1*63.
r
i
t




LITTERATRA
poz tudo o que a sua esposa levara em
dote.
Tambem falleceu o principe frederi-
co da Diainrca, ti' do re relame Fre-
derico VII. Tinha 71 annosde edade. Era
O que vae pelo mundo.
0 archiduque Maximiliano, que nao ha
muito morreu na Austria com 81 annosde 'general do exercito dinamarquez, rnejnbro
edade, era neto de Maria Thereza e irmo do conselho"privado, e cora validan te geral
de Jos II, imperador Austria, as gran- ,do districto de Seeland e das Ibas,
des lulas dos principes destes seculo. A
sua fortuna, que era immensa, ser repar-
tida entre o duque de Moneua seusobrinlio,
j rauito rico; a condessa de Chambord
esposa de Henrique V. de Franca, ea es-
posa do infante de Mespanha D. Joo de
Bourbon, que pertence anliga casa de
Este.
Nos Estados-Unidos teve ltimamente
lugar um duello entre um banqueiro e um
oficial superior do exercito federal, o qual
tom dado muito que fallar. O militar pro-
yocou o banqueiro duello, e recebeu delle
a seguinie resposta :
c N3o posso acceitar o duello. Quer eu
O mate, quer me mate oSr., a desgrana
seria irreparavel. Eis o que eu proponho :
v ao bosque mais prximo, escolha urna ar-
vore da minha corpolencia, colloque-se na
distancia convncionada, e faga fogo. Se
attingir o alvo, eu confessarei que fiz mal,
e dar-lhe-hei satisfago plena e publica: se,
pelo contrario, errar, ento ganhei eu, e a
satisface) ha de dar-m'ao senhor. Eslava a
questao neste ponto.
No da 29 de junho falleceu M. Jean
Reynaud, escriptor francez. Contava 57
annos de edade. Entrou na escola poly-
techinca em 1824 e foi engenbero de mi-
nas cm 1830. Antes da revolugao. de julho
d'este ultimo' auno deu a sua demsso, e
abracou as ideas san-simonianas, que defen-
deu em muitas publicares.
irigiu com Pierre Leroux, em 1835,
a Redsta Encyclopedica-, e no anno se-
guinte a Nova Encyclopedia. Em 1848
foi presidente do Comit dos estudos su-
periores scientificos e luteranos, e fez
parte da assembla constituinte como de-
putado de Moselle, tomando assento entre os
demcratas moderados.
Em 1849 deu a sua demsso, e empre-
hendeu um curso gratuito de direito admi-
nistrativo na escola das minas, sendo em
1851 riscado do quadro por se recusar a
prestar juramento. Deixou numerosos es-
criptos; mas a sua obra principar o livro
Terra e Cm publicado em 1831, mais nota-
vel pelo carcter lierario do qu pela su-
blimidade do pensamento.
Em 30 de junho falleceu cm Paris o
principe Affonso de Polignac, filho do se-
gundo matrimonio do principe Julio de Po-
lignac, primeiro ministro de Carlos X.
Era capito de artilharia e genro do celebre
banqueiro Mires, disposico do qual, por
Com o titulo As mulheres na acade-
mia, publicou-se recentmente em Franca
um livro muito bem escripto que .tem
por .fim provar com a maior seriedade
que as mulheres devem ser admit idas na
academia, logo que o seu ".Talento sa-
ber Ibes permittam o accesso aquellas ca-
deiras.
O livro intitulado Victo* Hugo conta-
do por orna testemunha da sua vida, tem
tido em Franca um consideravel acolhi-
tnento.
Duas edicoes desta obra foram suc-
cessivamente feitas o esgotadas. Observa
a este respeito um correspondente de Paris
que o xito era previsto.
Est condecido que o publico da nossa
poca tem particular tendencia para querer
conhecer a vida intima de todos os, homens
Ilustres; estima-se conhecer os que admi-
ramos, e saber em que circunstancias da
sua vida foram p/oduzidas as obras que nos
enlevaram. Escusado dizer que ninguem
poderia preenctr melhor sta missSo com
Nos calores do estio, quando os ani-
mes mortos e "em putrefaccSo offerecem
s moscas* um repasto, que torna peri-
fosas as suas picaduras, mister ter em
isa um vidro de choloreto de trido de
as mesmas propriedades para o uso in-
terno.
Logo que se picado por urna mos:a,
pe-se na parte picada urna pequea^ ca-
taplasma, composta de um coziraent de
alteia com pao duro migado. Depois d'es-
Sabe-se que madama Lamartine tete sem-
pre as obras de seu marido urna impor-
tante parte de critica e de conselho. Flor
d'AUza passou pelo entendido xame d'aquel-
la senhora ; tinha-se ella encarregado, eomo
sempre, de corrigir as provrf; ampliando,"
ou cerceando e atloiuani algoms passa-
gens mais atrevidas ou mais romanescas,
quando a morte a veio roubar a essa larefa.
Antes de expirar designou especialmente
pessoa de toda a sua conanca encarregada
de continuar o querido trabalho a que ella
tinha preso o corapo. ,'
Publicou-se em Paris o Armuario S-
plomatico, semelhanca do Almanak de ,
otha. Segundo a lista que d do corpo le-' '* '? \T A dua3 JcolJheresJ Pe'
gislativo francez, nos 288 deputados de que 1uenas de chl<>reto de oxido d sodhim,
se compoelia-^Oi reeleitos.. na ocoasio de laucar a cataplasma no
! panno.
E' o primeiro almanak em qu se men- ., 5
ciona o novo rei da Grecia Jorge I, collocan-' frasco deve eslar sempre tapaTJo com o
do o re Otbon entre os principes da familia maior cuidado,
real da Baviera.
/ De maaha e tarde deve o doente
O ex-rei da Grecia, assim restituido beber um copo de agua assucarada, com
sua me patria foi mais feliz que outros a addigo em cada copo de urna colhr pe-
principes destnronados,. para os auaes o a h j _,-
exilio se junta s amarguras da perda da quena dc cbloreto de oxldo dc sod,mu
cora.
: Tres vezes em 24 horas, 3to urna hora
A Gazeta Musical de Berln cont que antes do almoC e do Janlar e meia noiIte
dosyeieiroscolnpreBenderto^eqne tilito- leeca ehumldade sobre
de sao as inl&ace fote ghero} para a
descoberta e explor^ao das mias. 'As ira
merosas e ijumensas cavernas da provincia,
falm de*seu interesse scientiflea, yorencer-
sodiim e n80-de calcittm; que rtfio tem irar^m as ossadas de animaos de miro
ensaiando-se ha tempos em Hanover a ope- deve doente beber o sumo puro de metade
ra Rienzi, de Ricardo Wagnr, e estando' de um limao grande.
quasi terminados os ensaios, ao tratar-sej
de fixar o da da representaco o tenor Nie- Se a doenca est adiantada quando se co-
mann que tinha de entrar a cavallo na sce- mega o tratamento, empregam-se interior-
na, declarou que nao cantara sen3o com mente os ^^^ acrescentando-se-
respeito ao autor dos Miseravets e de No- a condico expressa de que sefia posto ..ft m"T- .' .
tre-Damc, do que a fiel companheira da sna sua disido o cavallo branco do rei de ,he de manhaa e a ^de um lavatorio com
Hanover.
vida.
E* urna delicada obra a que escreveu ma-
dama Hugo; nao aspira ao effeito, mas in-
teressa constantemente sente-se em todo
o livro o continuo reflexo 'do elevado ta-
lento de Vctor Hugo, reflexo que \em to-
do o encanto da semelhanca nenhum dos
1 inconvenientes da imitaco.
Edouard Fournir, que encontrou mui-
tos decumentos inditos acerca da biogra-
phia de Moliere, prope-se publicar em
dous volumes.o resultado das suas investi-
gaces.
O primeiro volume, que j est ven-
da em casa do editor Dentu, intitula-se
Romance de Moliere, e urna como in-
troducejo para o segundo tomo, que' te-
r por titulo Moliere no thetr e em
casa.
Dentu edita ainda urna nova e interessan-
tissima obra. E' Flor d'AUza, por AffonsO
de Lamartine.
A Presse referindo-se a este livro es-
creve:
0 Ilustre escriptor que tantas vezes
obrigou a mentir o dito de Paseal: Le moi
i narrativa as mais intimas minudencias da
sua propria biog aphia.
Conta com inexcedivel encanto, os preli
minares do seu casamento com a senhora
eminente de quem est viuve, as suas reme-
niscencias do namorado e de noivo, as con-
versaroes da amante e as primeiras commo-
foes de urna ternura to potica come seria
e nerduravel. .
K^
FOLHETIM.
CAIIIRHO
POH
MlfRlClOSAND.
Primelra parte.
(Continuacao do w. 110.J
Porm como ha de ser ?objectou o
intendente geral.
Isso. comvosco.
Eu nao cantarei seno com o cavallo bran-
co do rei.
Todas as razes foram inuteis e tomon-se
o partido de coramunicar esta louca preten-
c3o ao rei.
O rei sorriu e ordenoa que o desefo do
tenor fosse satisfeito.
Quando este soube que se annuira sua
exigencia, exclamou:
t
N3o bastante I ET preciso que eu
monte o cavallo durante oito dias, pelo me-
nos, para me habituar.
E assim aconteceu que por tempo de 8
dias, hora do meio dia, o tenor Nie-
mann se pavoneava sobre o nobre corsel
do rei no bairro mais aristocrtico da c-
dade.
A celebre trgica Risterr foi escritu-
rada para dar tO representacoes no thea-
tro da Rainha, em Londres^ e contava apro-
veitar-se do tempo livre que lhe deixava *
sua escriptura para ir representar em Br'r-
ghten:
Sobre as' picaduras de moscas, o Dr.
Achule Hoffman, publicou ha pouco, o se-
guinte:
um forte coaimento de tancbagem com duas
colhres pequeas de chlorelo de oxido de
sodium.
A crusta deve ser levantada com bis-
tur e a ferida tocada duas vezes por dia
com nitrato acido de mercurio e depois
coberta com urna cataplasma de cozimen-
to forte de tanchagera, com pao duro miga-
do e chloreto. Este tratamento deve conti-
nuar at estar perfeita a cura.
Dolin nao comprehendera urna s pala-
vra da minha resposta : nada mais me dis-
se,e moslrou-se amuado. Eslimei antes isto,
Percebia de vez cm quando o seu olhar de
travs, que pareca* lancar-me em rosto o
ter zombado delle. O movimento regular
dos vehculos me convida sempre a scismar:
ii" i fiz mais caso do meu estupido co-
cheiro.
Os meus olhos fitavam-se machinalmente
no longo sulco cavado na estrada pelas ro-
da 5 dos carros, como n'uma fita prateada
que me fugia vista sem cessar. A minha
imaginaco voava sobre as azas da fantazia
transporlando-me ao passado.
Pareca-me ver minha tia, tal qual a co-
nheci na rainha infancia, com os seus olhos
pretos e o seu talhe elegante. Lembrava-
me dos seus gestos, do sora da sua
voz, e at dos mimos e agrados mais in-
significantes de que eu era objecto Con-
tava n'aquella poca doze annos e acabava
de perder o meo bisav. Vinha-me me-
moria tudo quanto me disse ella, os con-
selhos sensatos que me deu para me con-
solar.
A magera da morte nao se aprsenla aos
moninos com lodo o seu cortejo de tristezas:
lembro-me de que rainha prima Margari-
dita, que tinha seis annos, nao compre-
henla a razao do pezar de sua me. Para
ella foi urna fesla vr-se vestida de luto:
parecc-me v-la anda com o seu vestido
curto e seu chapn de palhinha de abas
largas a correr por entre as arvores do par-
que.
Naquelle tempo andava eu tao ufano com
a confianca que em mim depositava minha
tia, e tao compenetrado do papel de pro-
tector de que ella me hava encarregado
para com a priminha, que bem poda servir
de exemplo s aias de meninos. Convera
tambem confessar que a pequea attenda-
me como a um orculo. Sempre risonha,
cantando, saltando por toda a parte, cora
03 seus grandes olhos pretos n'um rostinho
rosado, e cabellos louros soltos ao ven-
to, pareca um gatinho a pular e a brin-
car.
No meu scismar, que pouco a pouco me
ia aproximando do presente Margarida
apparecia-me j crescida, bella, e delicada,
encarando-me com um doce sorrso qual
um raio do sol da primavera : tornava-me
apaixonado, era correspondido, e bem via
que o Sr. Desormes m chamava sua casa
para dizer-nos que nos amassemos": fazia
o meu pedido de casamento, e tudo ia do
melhor modo possivel ; at mesmo j es-
colbiaasjoias da minha futor, quando Do-
lin, esse animal, fez-me arrebatadamente
- voltar reilidade, dizendo :
Ali est o castello f .
0 corceo pulou-me de prazer toraando
a \ei as \ciiids iui res e a nova fachada des-
tacando-se do meio de um ocano de ver-
dura. A charneca, ou como aqu chamam-
a monta, estendia-se a maneira de um gran-
de tapete entre florestas que remataran) no
azul do cu ; nesta poca do anno um
bouquet de giestas em flor, de margapidas,
e de diversas hervas que o vento curva, e
faz ondular como urna grande vaga.
Em menos de urna hora chegaremos,
replicou Dolin que pareca disposlo a rom-
per o silencio a todo o custo. Ah 1 se Vmc
tivesse visto este paiz .sote ou oito annos
como eu vi. .era mesmo urna mise-
ria Tudo matios e espinhos Agora nao
assim : j se v quasi por toda a parte pra-
dos, bosques, e plantaces de trigo. Ainda
ha urabom pedaco de maltas, mas nosso
amo nao as qur deitar abaixo ; diz urna
cousa assim que a trra nao ingrata e paga
bem a quem nella confia. Elle l se enlen-
de. O caso que em vinte leguas ao redor
nao ha melhor conhecedor de cultura. E a
respeito de gado Ganha mais de cincoenta
mil francos por anno smente neste nego-
cio. Oh Sr. Valery J sabe que a me-
nina Margarida ha de ser muito rica ? Com
toda a certeza nao lhe faltarlo mari-
dos 1
Se disto, meu amigo; e conheQD tam-
bem o paiz.
Pode ser, Sr. Valery, pode ser 1 En-
lao Vmc. c vem de vez em quando por
causa da menina. .
Que asneira lhe 'disse eu nopo-
dendo reprimir um movimento de impa-
ciencia ao ouvir esse patife intrometter-se
nos pensamenlos que pouco antes me oc-
cupavam.
Perde, senhor, se lhe offendi; o caso
que- sou curioso como urna fuinha. No
tempo em que estive em casa da senhora
d'Aslafort....
E o meu cocheiro j ia comegando urna
nova arenga, quando sahiu de urna moita
um caxorro preto, e atravessou a estrada
ladrando. O cavallo assustou-se, e deu um
salto para o lado, e tal sacudidela imprimiu
no vehculo que Dolin perdeu o equilibrio.
Teria cabido na lama, se eu nao o tivesse
agarrado pela gola.
Dolin aprumou-se, susteve a minha mala
que ia escorregand; mas nessa gente
ignorante aps o medo apparece de ordi-
nario a colera.
O diabo leve o cao e o dono E' um
cao feiticeiro, senhor I E tu, casmurro de
Fiptorafio dos rio S. Franeisee e as Telhas.
(Concluso.)
Tendo verificado, tanto na provincia de
Pernamhuco como na cidade da Babia, o ca-
rcter moderno do terreno,, e visto em Para-
nagu terrenos ainda anlogos aos d provin-
cia do Rio de Janeirov e evidentemente da
mesma edbde, e reunido, emfim algumas pro-
vas de sua- extenco sobre todo oeste do im-
perio, ao menos do svstema de nwntanhas
que tenho reconhecido, examinare! no rela-
torio definitivo at que ponto se peder es-
tender esta concluso importante a todo o
leste do imperio. Estudfii com muito cuida-
do a direceo dos veieiros de diversos mine-
raes. Aquelles que conhecera as descober-
*as modernas feitas sobre as leis da. direceo
igeraces extractas, nao sao menos interessan
tes debaixo do ponto de vista industrial pela
presenca do nitro que Has contem. i
|
Examinei a natureza dess nitro"; "sua for-
maco moderna e incessante, e com cuida-
a nfiTJMiIu da
vegeta*) ser estuHa com cal?.'
Para a botnica fez-se um herbario.
ser* Wpajil'afo fi cripefies
vivo o de (^nW para as ostkvp> as mais
importantes. Fiz diveraas indagara* di n-
fluencia do solo sobre a distriboirSo das *-
pecios, e.achei qoatro re^Bea beaa* tstmr.
tas: cada urna dolas ser obj*to de wma
discrpc3o especial.
dos convenientes existe uestas cavernas urna, Para as plantas datadas de propriedadeJ.
origem indestructivel desta materia. Recolhi portantes trouxc ajgrms espeeimens druki
J
egualmente importantes fados sobre a qnes
to d formaco do diamante e da indagarlo
das rochas donde elle emana. Os depsitos
movedicos que os contm sao alnhados, se-
gundo a direcfo do systema'de mntanhas
n. 15 E, junto das quaes se acha o seu ja-
zigo. As lnhas de antigs margens que re-
conhece sobre o flanco destas mntanhas
mostram a existencia de seu sublevamento
progressivo e suas desnadaces. Emfim, de
urna maneira geral, a edade dos terrenos,
sua composico^seus fosseis, os mineraes que
elles encerram, as raodificages successivas
que.receberara, sua historia geolgica com-
pleta, a direceo das mntanhas e dos velos,
suas relacs com os systemas conhecidos,
ote., sero as questoes que tratan com
detale.
A este trabalho juntarei ainda a indicacSo
dos principaes jazgos metalliferos, e a das
rochas notaveis por sua belleza e que sao ex-
ploraveis. O ouro ser objecto de un trabalho
extenso e especial. Em um relatorio ante-
rior j fallei dess abundancia na provincia.
Eu tratare!, pois, do estado actual de sua
exploraco, das causas de sua decadencia,
primeira vista incomprehensiveis, em pre-
senca da abundancia desta substancia, mas
entretanto fcil de ser explicada, e emfim dos
raeios de lhe dar urna grande importancia,,
empregando mesmo como meio de povoar
aquellas regies, to interessantes tambem
debaixo do ponto de vista agrcola'.
Em meteologai s continuas observaces
que fiz, juntas s informacoes que 'por tra-
dieeo me foram ministradas sobre todos os
pontos, me permitiram descrever com cui-
dado o- clima daqaeflas- regios. Ha na dis-
tribuico das chuvas muita regularidade, isto
, existe urna estaco- secca e urna de chuvas
bem carecterisada, cujas estacos sao inver-
sas das da provincia) de Pernambuco. Esta
curiosa anomala entretanto explcavel, c a
eombinaco de^tes dous factos ma dar o
meio de. explicar as causas das grandes sec-
cas e das grandes chavas do sertao da Baha.
Cada vento tem propriedades particulares
que sero-descriptas. Sua influenciav e a da
ae limo verae, com a ugura to cmica, e
o ar to embasbacado ao reparar no desas1-
tre, que nao tivaoutro geilo seno pr-me
a rir.
A culpa foi do caxorro do pae Car-
mat, dizia elle lmpando os joelhos emla-
meados do jwbre cavallinho. O velho feiti-
ceiro lancou-me um sortilegio 1 E' forte
paiz este para sortilegios!
Consolei-o o melhor que pude, e anal
dexei-o dizendo-lhe que ia enviar-lae soc-
corro.
E' verdade. me respondeu elle-: o
castello nao fica longe. Sega Vmc. caminho
direito at o tanque, ah corte por entre o
bosque, e ir justamente cahir em frente
das avenidas que cnduz o castello.
ir cahir! Singular expresso que
devora realsar-se em toda a accepeo da
palavra cinco minutos depois 1
Entrei logo n'um bosque de pinheiros,
que deixra pequeos, e cujos troncos se
elevavam ento a uns trinta ps cima do
chao. O sol ia alto no horisonte, e o calor
fazia estalarem os pinhes que arremessa-
vam para longe as suas sementes. O chero
das arvores resinosas, junto s emanaees da
trra ainda hmida pela chuva da noute, tor-
nava-se delicioso. Aspirava o ar do campo
com todas as torgas dos meus pulmes. Mi-
lhares de insectos zumbiara por cima das
flores as clareiras inundadas de sol: os
passaros esvoacavam nos mattos, um rouxi-
nol poz-se a cantar ao approxmar-me como
se quizesse festejar a minha vinda.
Reconheci a velha grade enferrujada, e
coberta de musgo, em que termina a princi-
pal avenida, dando entrada para o recinto.
Urna das meias portas,- sabida dos seus gon-
zos, conserva-se encostada a um pilar, cujo
capitel jaz cabido no chao: a outra susten-
ta-so apenas por causa de um p de hera
que o entrelaca como urna serpente.
O coraco balia-me com violencia, nao sei
mesmo dizer se por ter andado depressa, ou
se pelo prazer de ver-me outra vez pestes
lugares, em que passei os mais felizes dias
da minha infancia. O caso que, avistando
no fim da avenida o tecto e as torres de S.
Joo, senti tal commoco que forzoso me foi
parar junto ao pilar. O sangue fervia-me
na cabeca, e causava-me nos ouvidos um
ruido confuso; de repente sinto-me enfra-
quecer, e como que aborrecido de tudo.
Desejei a morte, e... desmaei.
Quando tornei a mim estava deita-
do n'um grapde leito de columnas, e or-
faz levantar as pregas de suas vestes escor-
ridas.
Por detraz do pastor-msico v-se um
cao enorme beber n'um pequeo regato
que corre por entre os juncos. O animal
parece ter sido transportado do primeiro
plano para o segundo sem attencao s leis
da perspectiva ; porque lhe seria impossivel
passar pela porta da cidade que lhe fica ao
lado, tal a sua desproporeSo ; ao passo
que um cavalleiro. que nem por isso se
mostra admirado da presenca desse cao
maioc do que o seu cavallo. vae ali pene-
trando fcilmente. No primeiro plano so-
bre a relva spera e agucada como pontas de
lanca dous amores papudos tecem coreas
para urna licorne branca, j engrinaldada
at a cauda. Era assim o desenho.
Parece que a pancada que recebi de en-
contr arvore ao saltar do carrinho era
grave, pois que foi forcoso sangrarem-me
para evitar que eu fosse passoiar a um ou-
tro planeta.
Margarida Desormes Fanny d'Aslafort. .
S. Joo 2 de junho de 1850.
Ha muito tempo, minha querida Fanny,
que nos nao vemos. Moramos a dez kilo-
metros de distancia urna da outra ,- entretan-
to dir-se-hia que um brago de mar nos se-
para I Onde vae, pois, o tempo do collegio
em que nunca nos deixavamos ? Pareceque
envelheci mais dez annos nesles doze mezes.
Sabes que estou para completar dezesete
annos ? E' espantoso ver-se como correm
os das: com tudo isto nao ha urna s ma-
nhaa, em que'eu nao suspire pela tarde !
E como nao ha de ser assim se a existen-
cia em S. Joo to montona ? S vejo
meu pae s horas da comida, por andar elle
sempreoceupado comas suas rocase plan-
taces. Anda por toda a parte, excepto por
sua casa, e creio que sou a pessoa que me-
nos o v. Ainda bem que a chegada do nos-
so pequeo sobrinho veio dar alguma diver-
so regularidade do meu aborrecimento.
Parece-me j que te estu vendo arrega-
lar os leus grandes olhos pretos, anciosa por
saber de onde cahiu esse pequeo. Sup-
pes talvez que seja um menino a quem
preciso agradar e metter a comida na boc-
ea ? Nada ; elle come por si s, falla des-
embaracadamente, e s qur divertir-se.
Has de o achar at muito crescido vista
da descripcao que te vou fazer da sua pessoa:
tem a figura muito agradavel, s maneiras
polidase cheias de distincco, cinco pese
cinco pollegadas de altura pelo menos ; em-
dos a verificadas estas propriedades.
Em zoologa recolhi alguns laclo, pois qne
para fazer grandes indagantes seria prenso
urna demora mais prolongada do que a que
tive, c sem os cuidados de ootros trabaHns.
A estatistica agrcola foi tarabea o objeTto
de u ni cuidado especial de mnba parte.
Tome todas as informacoes posareis dos ho-
rneas praticos dos lugares sobre aa dneira
culturas, sua importancia as diversas re-
gies, pocas, duraco e vantagens, anbn
como ampias informacoes sobre as raga* a-
nimaes.
Servindo-mc destas informarfies. qoe ret-
tarei cora cuidado, proponho-rae I desenvol-
ver diversas consideraees sobre os mr*
de melhorar as culturas do BrasH: e por
esta occasio tocarci sobre o tretern* ite?
queimadas, e dos deploraveis efleit* if. "*
d'ahi se originara fertlidade do solo.
Emfim. as riquezas relativas do solo 0J
diversas regios que percorri. os efleos das
derrabadas, etc., sero objecto de ootros ca-
ptulos. A estas diversa inormaees M m-
ro juntar urna multidV* fie ootras sobre a
industria, a caca, a pesca, a salubridade pu-
blica, a populaco, etc.
Por est simples enumerarSodas qnestes
que faro o objecto do meu relatorio defioi-
tivo, V. Exc. podo ver que sobretodos "*
pontos, ao lado da questo scientilka. eu
nao cessei sempre de orcupaa-me coa o in-
teresse pratico para o paiz.
Aproveito a oecasio para apresentar V.
Exc. a seguranra de minha dstineta consi-
deraco.
Dous guarde i V. ExcIlla, e Exa. Sr.
conselbeiro Podro de Alcntara Be-llegard.'.
ministro e secretario de estado das aenoos
da agricultura, cemmorcio e obra9 paM
Rio do Janeiro. tO de marco d-t t3,
Dr. Einm. Li (Jornal do Commern. do Rio.'i
*
no corpo ino o repta ; Marcos matou-u no
momento em que se precipitava para mira,
e trouxe-me para casa mais raorta. do que
viva. Nunca fallamos nessa aventura com
medo de sermos reprehendidos. Depois
desse tempo conceb grande liorror s co-
bras. Lembro-me tambem de que amava
rauito a. meu primo: .mas agora,, que elle
est hornera, nem bom fallar-lhe nisto.
Vou agora contar-te como foi a sua che-
gada; ao castello. Antes de hontem pap o
esperava s oito horas da manhaa com o
nosso criado Dolin,. que, seja dito entre pa-
renthesis, tem-se mostrado rauito ma'rs des-
astrado em nosso servigo, do qae o era quan-
do estava em tua casa. Meu pae, que nao
gosta de esperar, sobretudo vendo o almoco
esfriar, ia e vinba de um lado para outro
como urna harda na prso. A's dez horas
nao vendo chegar pessoa alguma, disse:
Pe o teu -chapeo, e vamos ao encon-
tr desses quadrupedes.
E' o seu modo usual do descompr.
Estavamc* quasi no fim da avenida prin-
cipal, quando avistamos alguem estendido na
herva junto da grade.
Quem esse bebado que vera cosinhar
a sua borracheira cm minha casa ? disse meu
pae camjhando para o vulto deitado."
Estava elle de to pessirao humor que- re-
ceei alguma disputa; mas ao approximar-me
vi um bello mancebo com os olhos fechados,
a cabeca ensanguentada, e glido como um
defunto. Estive quasi desmaiando.
Vamos l Nada de asneiras, nada de
fraqueza! me disse meu pae. E' meu so-
brinho Mas o que querer isto dizer ?
Como veio elle aqui ter s, ferido, e morto
talvez 1 t.
Corri casa, man'dei chamar o doutor
Thibant em Ambrault. O caseiro e seu filho
conduziram meu primo ainda desmaiado.
Apoderou-se de mim tal pezar e commoco,
que me admirava, pois nao me julgava ca-
paz de impressionar-me tanto por urna pes-
soa que nao via a bastante tempo: o paren-
tesco talvez t Entretanto empregava todas
as minnas forcas para conter-me.
Todos "os nossos exforcos para que elle
torna-se a si foram inuteis; O doutor Thi-
bant fez urna cara de mu agouro tomando-
lhe o pulso. Retirei-me ao meu quarto: es-
tava accommeltida de tal excitarlo de ervos
que puz-me a chocar, e chorei nao sei quan-
to tempo, provavelmente at que a fadiga mo
fizra adormecer ; pois s dei acord de mim
quando Nanniche me veio despertar, dizendo
que o moco estava salvo, que tinha fallada, e
vez, vae dar comnosco no declive da es
trada, ali cae alrando-nos para um reg.
Vi Doli e a minha mala pararem por cima
de mira como urna caladupa: evitei o en-
contr sallando paraum lado, e pude cahir
de p, apesar do choque violento que sof-
freu minha cabeca.de encontr a orna ar-
vore e que se nao quiz mover por meu res-
peito.
Chego a minha vez do enfadar-me, e
ia ] dirigir asminhas censuras ao meu es-
tupido conductor, quando o vejo erguer-
w" coberto dos ps a cabega d* urna, carnada
fim, meu primo Marcos Valery l
Era eu rauito pequea ultima vez que descancava.
elle veio S. Joo, liaver mais de dez an- Hontem levantou-se, e passou comigo
nos; porm, medida que me falla do pas^J grando parte do dia. Fomos bibliotheca
sado, vou-me recordando de tndo : dos nos- folhear livros. Quhtos livros e quanta po-
qualro costados, aprende a olhar s para as, ornado de cortinados de damasco carmesim.
pedras do cam'raho..., Ouvia cochichar-se a um canto do quarto, e
E ei-lo a meu pesar a castigar o cavallo via p-incipio confusamente urna multido
com repetidas chicotadas. O animal empi-, de personagens com trajes extravagantes,
na psoourea eoinotea auebra um dos que pareciam mover-se um raio do sol no
a JreioT o encolerisando-se tambem por sua seu occaso projectado ao correr da parede. sos passeios na barca, dos nossos bnnquodos eir 1 Mostrei-lhe tambem alguns ferros ve-
vir. dir comnosco S, declive da es- Fui pouco pouco reconhecendo que era no terraco, das nossas intermitierais conver- lhos, moedas antigs, e restos de vasos que
urna velha tapecaria, cujo desenho vou ex- sacoes no parque onde iamos desaninhar os se encontrara de vez era quando as trras
pcar. passaros, das nossas partidas oceultas com do castello, Tudo elle admira, e nao se a-
Um pastor de cabellos louros, trajando tal Nanniche, hoje minha criada particular, e: borrece como esse Sr. Pillepuce que se diz
qual um here mythologico moda do secu- at mesmo de urna fgida para a charneca,- antiquarlo, e de quem tanto zombamos, lem-
lo XVII, est sentado ao p de urna arvore' onde estivemos quasi um dia contra a von- bra-te bem, quando c veio de Rourges ha
grande cujas ramagens se abrem corapla- tade de manfla a fazer bouqaets para a 9ua tres mezes.
cernemente para deixar ver o perfil de urna festa. Colhendo urna flor puz a mao sobre j Comprehendo tudo quanto diz Marcos; c
cidade azulada sobre um cu cor de rosa. O urna cobra que so desenroscou ao meu con- hoje demanhaa fex-me elle passeiar pela ma-
pastor toca n'uma gaita de ftes, e em tor-' tacto. Nunca me hei de esquecer da sua ginaejio no meio de urna cidade antga. Sa-
no daneam tres raparigas tomando. posicao guela escancafada de onde exhalara um' bes o que du causa a esta viagem do pensa-
diversa. Um grande zepbiro boohechudo, odor nauseabundo. Fechei os olhos e des-; ment ? SUo s capaz de advinhar: pois foi
mandando praticar os trabalti' d

do lailo da Motte. Essa jota da antuiuvt.nl -
foi o ponto do pcrttda para urna vgem *>
passado.
Marcos comecou a fallar de- laxo das da-
mas gregas e romanas cobertas- de ricos ves-
tidos de garra e de seda, com os bracos, os
dedos, e o pescoco carrejados- de joias pre-
ciosas, enfeitadas de plumas nos seos cabel-
los pulversados de ouro; e levando ap>
grande squito de escravas, dasqnaes uae
conduzinm grandes chapr de sol, ootras
hanavam com leqiles de plumas de pavre.
E fUava to bem, que me pareca eolar
passeando de braco dado com elle por ea-
tre essa multido da aatiguidade, a
dou& apa'rxonaos de aldeia: ram por toda
a parte mercadores de fructas do aa das
pracas sob barracas de panno listrado, pelo-
tiqueiros acompanliadoe de tocadare di
flauta, bodegas em qae os esemos iam es-
quecer a perda da sua libertado bebendo
desmedidamente, thatrinhos da bonetes
nem mais nem menos do que em Paria aos
Campos-Elysios com Polichinelle e seo gros-
so basto, escravs, homens e mulheres.
vendidos no mercado, damas conduzidas ea
liteiras por Eunucos, cujas vesta-atas
brancas fa/.iam realcar a pello decano.
Outras, ledas daquelle tempo, ostenta ri-
quissimas vestes em carros.de quatro redas,
precedidos de picadores que arredaa os
basbaques do caminho: mancebos a carallo
correm a ginetear s portinhobs dos vebi-
culos, fazendo mil cortejos a essas damas
tudo tal qual se passa no bosque de loto-
nha.
As trombetas soam ; a multido se prere-
pita; eis que chegam os Lictores e as
arautos em cavallos brancos rom jaezes dr
de violeta. Urna alta personagem, TesMa
de purpura, rodeada de despojos, adiasta-
se sobre um carro de trinmpbo; toda se
apertam, conchegara-se uns aos outras; m
instrumentos correspondem aos gritos aae-
clamaros do povo; os cavallos batea cea
seus ps dourados o pavimento da autaa-
re; os carros rodam com precipitarlo sobre
a poeira; e-----nos dous procurado abri-
gar-nos, admirando e fugindo da rudatjj
armada de ferro.
Oh como eu era feliz Bordara ea
quanto elle fallava: mas coaleao-te que foi
preciso depois desmanchar muitos poaea.
Por tal modo me identiOquei coa a saa
narraco que perd a noci do teaaao. e
perguntei-lhe com toda a simplicidadse
elle se achava em Roma nessa poca ?
Gomprehendi logo a asneira 5
dito. Meu primo respondeu-ae, I
mente para zombar de mim:
Quem sabe !
E talvez o desgostasse com
pergunta!
A' proposito, trouxe-me elle
dos muito lindos: um para ti,
que t mesma o escolhas. Qoalqaer'
tes das levar-te-bel ambos a Dreaais.
Entretanto acceita um brac/) de tea
ga sincera
(Comtmmr tt ht)
oceulto por detraz de ww-purein, sopra e! maei, porm, tito baria mais do quo tocado aqueile bracelete de. ouro qae o pap achou J pernambvw.- pyp. pe
m. r. db f. 4 nm
'ii
a


*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E2OAMHFWX_OJYQO9 INGEST_TIME 2013-08-28T01:39:46Z PACKAGE AA00011611_10151
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES