Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10150


This item is only available as the following downloads:


Full Text

1
-r*

4
AMO XXXIX NUMERO 170.
Por tres mezes adiantados 5S000
Por tres nezes vencidos .. foOO
a*
TERCA FEIRA 28 DE JDLHO DE 1863.
Por anno adantado..... 19$00O
Porte franco para o subscriptor.

DIARIO DE PERNAMBCO.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima'
Natal, e Sr. Antonio Marques da Silva; Araeatv o
Sr.A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos'de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SIL
Alagas, o Sr. Claudino Falcao Dias; Bahia, o
Sr. Jos Marlins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins 4 Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu*, Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Antao, Grvala, Bczerros. Bonito, Caruarn'
Alnho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, NazarOth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Taoaratu', Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Extf as quarfes feiras.
Serinhem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Prcta e Pimenteiras as quintas feiras.
Una de Fernando todas as vezes que para ali sabir
navio.
Todos os estafetas partem ao /* dia.
EPHEMERIDES DO MEZ DE JULHO.
4 La chei as 3 horas, 20 m. c 22 s. da m.
7 Quarto ming. as 7 b., 3 m. c 20 s da t.
15 La nova as 7 h., 28 m. e 20 s. da t.
23 Quarto cresc. as 6 h., 7 m. e 24 s. d C
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 2 horas e 54 minutos da tarde.
Segunda as 3 horas e 18 minutos da manhaa.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIBOS,
Para o sul at Alagas a 5 e 25; para o nortate
a Grama a 7 e 22 de cada mez para Fernando nos
das 14 dos mezes dejan, man-., maro, jul, set. enev.
PARTIDA DOS MNIBf'S.
a,, ri Recife : do Apipucos s 6'/ 7, 7 /,, 8 e
8 "A da ni.; de Olinda s 8 da m. o 6 4a tarde; de
Jaboatao-a* 6 /i dam.; do Caxang e Varzea s 7
da m.; de Bemllca s 8 da m.
Do Recife para o Apipncos s 3 % 4, A, 4 Vi,
o, 3 Vi, o i/2e 6 da tardr; para Olinda s 7 da
manhaa e 4 % da tarde; para Jaboato s i da tar-
de; para Cabanga e Varzea s 4'/i da tare; para
Bemficaas4datarde.
AUDIENCIA DOS TRIBCNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commorcio: segtmdas e quinfas.
Relacao: tercas e sabbados s W horas.
Fazenda: quintas s 10 horas."
Juizo do commcrcio: segundas s- 11 horas.
Dito de orphaos: tercas-e sextas s-10 horas.
Primeira vara do civel : tercas c Natal ao meio
da.
Begaada vara do civel: qrurtas e sabbados a I liosa
da tarde.
DAS DA SEJIATA.
27. Segunda. S. Pa.naleomi-diVr: S. Sergio m.
28. Terra. S. Innorenrin j.. s. N.torio m.
19. (marta. S. Martha v.: S-. H.-aftz < Flora BMB.
30. Qttnta. S. Donalilli v.; S. Rntir m
;J1. Sevta. S. Ignacio de l.o\ola: S. f.lmterir. m
1 Sabbadn. S-. Ke. t-Nr'Ta'aca c Ca/jitod tv. i.
2. Domingo. N. Senhor* dos Anjo!.
ASSIG5A-SE
no Recife, fm a livraria da arara da l*y a* m i*
ns. 6 e 8. hbs proprietario* Manoel FV.^o-irua *:
Paria & Fll'rt.
PARTE OFFICIAL.
Em vista do que fica expendido e nao tendo ha-
vido reclaniacoes desaltendidas na segunda sessao
da junta, como essa cmara informa em seu citado
oflicio, embora nao se tivesse reunido o conselho
municipal de recurso, que nao teria de tomar co-
nhecimento de recurso algum, visto como nenhum
foi interposto, determino a essa cmara que expe-
ca as anas ordens no sentido de ser feita a eleicao
GO.MO DA PROVINCIA.
Continuaran do expediente do dia 23 de jnlho
de 1863.
Offlcio ao cnsul de sua magestade britannica. "cssa freguezia do Bonito pela qualificacao do ano
Em resposta ao offlcio que me dirigi o Sr. G. Len- passado, como cima lhe declaro,
non Henet, cnsul de sua magestade britannica nes- Portara.O presidente da provincia resolve cor-
ta provincia, tenho a dizer ao mesmo Sr. cnsul! r'fc''r a linaria de 22 de maio ultimo, declarando
que se aguarda a informac,ao exigida da compa-! 1e ella sem effeito na parte que nomeou a
nliia Vigilante acerca do assumpto que forma o' Manoel Florencio de Alencar para supplente do
objecto da representaeao de alguns negociantes in- Juiz .municipal e de orphaos do termo do Ex, o
glqzes, a que allude o citado offlcio aflni de que se : subsiste a do 3o supplente do mesmo Ignacio Cae-
possa sobre ella dar a decisao conveniente que ser! ano de Alencar Rodovalho, visto ter provado em
opportunamente communicada ao mesmo Sr. con- i offlcio de 25 de junho prximo lindo, que prestou
sul a quem renov a seguranoa de minha perfeita juramento e j exerecu aquello cargo, ficando a
estima e disiincta consideracao.Communicou-se respectiva lista organisada pelo modo seguinte :
ao desembargador presidentc'do tribunal do com-! Corneho Carlos Peixoto de Alencar.
niercio. : 2o Gualter Marliniano de Alencar Araripe.
Dito ao Dr Pedro de Athayde Lolio Moscozo. 3 Ignacio Caetano de Alencar Rodovalho.
Remetta-me Vmc. com urgencia urna pequea car- *
teira homeoptica, contendo smente os medica- jj'
montos c tinturas indispensaveis ao tratamento do "'
cholera-morbus, e as respectivas instruccoes c en-
viando a conta para ser opportunamente paga.
24 -
Offlcio ao brigadeiro commandante das armas.
Joao Geraldo de Carvalho.
Joaquim Moreira da Costa.
Roque Carlos de Alencar Peixoto.
Fizeram-se as comrnunicaeoes necessarias.
Oita.O presidente da provincia resolve nomear
o bacharel Sebastio Antonio Accioli, Francisco
Ferrao Castello Branco e capitao Jos Francisco
Sirva-se V. Exci de mandar por em liberdade o re- ^e". Para completar a lista dos supplentes do juiz
ruta Manoel Alexandre de Oliveira que provou'"
isenjao legal.
Dito ao mesmo.Visto que, segundo declara V.
Exc. emsen offlcio de 22 do corrente, sob n. 1335,
nao se realisou anda a baixa do soldado da com-
panhia de artfices Antonio Moreira de Alcntara,
! municipal e de orphaos do termo de Barreiros por
terem o 4, 5 c 6 Tliomaz Alves Macicl, Pedro
Ignacio Wanderley e Francisc Santiago Ramos dei-
xado de prestar juramento no prazo para issodesig-
nado como constou de offlcio do respectivo juiz
municipal do 1 de junho prximo Ando, e marca o
por nao se ter apresentado o substituto por elle of- ^c 2 mezesaos nomeados para o prestarem, lican-
fereeido paisano Manoel Antonio da Paixao, pode
V. Exc. considerar sem effeito o meu offlcio de 13
doste mez.
Dito ao conselheiro presidente da relacao.Emit-
a V. S. seu parecer sobre a materia do incluso of-
flcio que,em 3 deste mez, dirigio-mc o juiz de di-
reito da comarca da Boa-Vista.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Tendo nesta data autorisado- o director das
militares a mandar collocar novas portas c ..
portaos noquartel do 9 balalhao de infantaria em de dircito de Palmares, ao juiz municipal eao pre-
do a referida lista na forma do i 3o do arl. 7o do
decreto n. 2,012 de 4 de hovembro de 1857, orga-
nisada pelo modo seguinte :
1 Joao Carlos de Mendonca Vasconcellos.
2 Joaquim Cavalcanti de Albuquerque.
3o Ignacio Alves da silva Santos.
4 Bacharel Sebastian Antonio Accioli.
5o Francisco Ferrao Castello Branco.
obras [ 6" Capitao Jos Francisco Bello.
novos I Remetteu-se jior copia a portara supra ao juiz
ra eventual, ao menos nao por este anno. Admt-
l i luid, que a resposta da Russia fosse dada j no dia
15 do corrente, as negociacoes entre as tres poten-
cias acerca da replica mesma exigiriara debaixo
de todas as circunstancias algumas semanas, e
tanto mais, se se tratasse de urna resposta tao grave,
como urna declaracao de guerra. A Austria se-
gundo parece, nao se decidira a tomar parte na
mesma, e por essa razao s restara as potencias
.nndn!!^ ldadas^r,mpoindennid,>'nl0 Graa-Brotanha por motivo di-prisao dos offlciaos
3X^ i slu1nie,t,,em?n,c Preparado o ma- -da fragata Forte; e assim fazendo estao lodo, sem
ruuwra as aelibcracoes das cmaras. Os endere- discrepancia, n'S|K>itando a inparcialidade coin
? Ha in ih Casas nM, sen5 "reumscrpeoes da que o Nstor dos nonarchas aonpena mterMC o
,.! !n m T0' ^^"J10 nioamente com mais de- seu juizo a respeto de tao melindroso conflicto As
'^^^^^^raa^s'niai-geralmenR!, folhas da opposao, porm, serviram-se deste en-
a^wT** |K>l?PZ?- ***> I)ara lanaaae aggredir o ministerio por mo-
as as cmaras declaram a respeto da mes- tivo do mo estado das relaoes polticas cnln? o
plena approvacao da poltica seguida pelo Imperio e a Inglaterra, fazendo sentir a injustica e
un a sua i
em setembro, co- conlissao,jTa necessidade d'uma mndanca propria le as autoridades brasileiras. Ellas lm consecuin-
torna mpossivel da concordata de 1855 com a curia romana. O go- tmente sustentado o dever que coto ao miiiiste-
i. |\ernooeu urna declaracao a esse respeito, que dei- rio Palmerston-Russell de reparar essa inju nzessemem Lon- xa esperar que a resistencia da cura romana nao agr sobretudo-que a decisao do re dooleliias ven
w dos a adiar a ag- sera invencivel. n
Pergunta-se porm, se ; Vissingen, onde
; nao lhe vier soccorro, j A visita de que
poder-se-ha sustentar at l, tanto mais, sendo o | Carlsbad nao. teve anda fugar,"c parece a'dlda en- sentando o seu uttImnium" haria
subsiituicao das que se acham armiadas assim o
communico a V. S. para seu conhecimento.Offl-
ciou-sc ao director das obras militares.
Dito ao mesmo. -Em vista do que V. S. expoz om
seu offlcio de 20 do corrente, sob n. 530, com re-
ferencia a informaeao da contadona dessa thesou-
raria acerca do pagamento que se mandou fazerJ
da quantia de 485000 proveniente do alugnel da
casa me servio de quartel ao destacamento da ohcfe de polica,
villa de Barreiros desde setembro de 1862 at abril
deste anno, como se v da conta que devolvo em
^duplcala, tenho a dizer que desta quantia mande
pagar smente a de 335000 conforme indica a
mesma contadoria.
Dito ao mesmo. Expeca V. S. as.suas ordens
afim de que seja indemnizado o 7" batalhao de in-
fantaria da quantia de 3000 que despendeu com a
sidente da cmara municipal de Barreiros.
Dita.O presidente da provincia, sobre proposta
do Dr. chefe de |>olea, resolve conceder ao bacha-
rel Francisco Cordeiro da Rocha Campello a exo-
neracao que pedio do cargo de Io supplente do sub-
delegado do districto da Magdalena, 2 da freguezia
dos Afogados o para o substituir nomea a Jos Ber-
nardino Pereira de Brito.Communicou-se ao Dr.
conduccao da ambulancia destinada ao destaca-' infantaria.
ment da cidade da Victoria como se v do recibo
junto por duplicataCommunicou-se ao brigadeiro
commandante das armas.
Dito ao mesmo.Tendo nesta data autorisado o
director das obras militares a mandar concortar
alguns cabidos, duas {echaduras e a guarita do
quartel da companhia de eavallaria, assim o com-
munico a V. S. para seu conhecimento o dreceo.
Expedanle do secretario do governo.
Offlcio ao brigadeiro commandante das armas.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia manda de-
clarar \.S. em resposta ao seu offlcio de hontem
sob n. 1,345, que nesta data despachou o pedido
que veio aunexo ao seu citado offlcio mandando
fornecer 300 bornaes de briin ao 9o batalhao de
COHANM DAS ARMAS.
QlARTEL-GENF.nAL DO COMMANDO DAS ARMAS DE PEH-
KAMBICO, 18 DE Jl'LHO DE 1863.
Ordem do dia w. 233.
O general commandante das armas faz publico
Communcou-se ao director das obras militares. I para os devidos fins, que segundo constou de offl-
Dito ao inspector da thesouraria provincial. ci da presidencia de 14 com referencia "ao aviso
Recommendo a V. S. que.cm vista do competente do ministerio da guerra de 6, tudo deste mez, ogo-
(Ttitieado mande pagar ao arrematante dos repa- verno na data do mesmo aviso conceden aoSr. 2o
ros da ponte dos Carvalhos, Joaquim Ribeiro de lente de 4o batalhao de artillara a p, Alelan-
Aguiar Montarroyos, a importancia da primeira dre Rodrigues de Souza, prorogaeao por 30 dias da
prostacao do seu contrato e a que tem direito se-, brenca que obteve pela ordem d'o dia do exercito
gundo consta de offlcio do director da reparlicao n. 355, para ir a provincia do Maranhao cuidar de
das obras publicas datado de hontem. sob n. 147.' scus interosses, sendo a prorogaeao para o agracia-
meca a cobrir-sc com gelo, c torna
qualquer ataque de una esquadra.
Por consequencia, mesmo se quizessem
LPti^.StSf riSad,s a adiar.a *-! sf; mvencivel. O imperador vollou entretanto de mostrar a inepcia do gabinete da rainha po> baver
gressao ate a primavera. Pergunta-se porem, se i Vissingen, onde a mperatriz foi fazrr urna cura, punido o Brasil, na questo dos SHctoeTae unu
ainsurreicao poloneza, se nao lhe v.er soccorro, A visita de que se falava, a el-rei da PtuTsia em falta que esto nao commetteu. M^^ Sic apre"
poder-se-ha sustentar ale la, tanto mais, sendo o Carlsbad nao tere ainda lugar, c parece adiada en- sentando o seu lUtimntum. bavia encobado as
invern excess.ramento desfavoravcl a guerra de talanto. duas auest6feg e dalli ^edo .^SSerra!
partidarios as florestas, e se pelo contrario, a A cnsc do Zolh-erein, provocada pela eonclusao presentemente sob a prsso da inlenea arbitral
Russia ate a primavera prxima flear senhor da do tratado de commercio franco-prussiano, entrou deve significar ao Boverno imnerlli o ^eniimento'
nos ltimos dias em urna nova phase. Havcndo a que teindehaver executado represalias.\m eonse-
frussia persistido em que nao consentira na re- quencia de um facto innocente por parte do gabi-
novacao do Zollverein, senao debaixo da condicao netc do Rio de Janeiro. Mas nao de presumir
ua acmesao ao tratado, c de nao querer negociar que. despeitado como est na presenca da condem-
com a Austria acerca dos_seus planos de urna unao naeo publica, que tem merecido o procodimento
antes do que a renovacao do Zollverein fosse um do governo brtannico para com o Brasil, venlia
tacto consumado, o governo da Baviera dirigi em lord Russrtl a manifestar esse iiesar, sendo pruva-
18 de junho una nota circular aos governos do vel que allegue baver procedido daquelle modo bo-
/Collverein, que com ella concordan, convidando ji-i fule, e anteriormente ao convenio celebrado no
os mesmos dse reunirom para contkmacao da Rio de Janeiro para a decisao das questoes pendon-
umao da alfandogas, tamliem sem a Prtissia', dei- tes em Londres.
xando todava esta aberta a adhesao. Entretanto esta seria una exrellente occasio
Esta-se curioso para saber o effeito que esse con- para o ministerio inglez attenuar a importancia das
vite lera, e os passos da Prtissia vista do mesmo. suas violencias para com o Brasil, mostrando-so
A meta da Baviera foi aberta nos ltimos dias. desejo do descnlpar-se por virtude do lamontavel
A falla do tlirono, pronunciada por el-rei em pes- erro une commetteu : e as folhas da opposeSo lhe
soa, ex|>nme-$e mu constitucionalmente. O ende- tem indicado este expediente, como conducente a
reco em resposta da primeira cmara declara ao una conciliacao qualquer, alias milito desojada pe-
governo a sua plena approvaeao. A discussao do la naci inglza, que contina a apreciar o povo
endereco na segunda cmara nao leve ainda lugar, brasilero como este merece. Mas lord Palmerston
insurreic5q,e poder mostrar a sua suppressao como
um facto consummado, urna guerra com as poten-
cias occidentaes torna-se entaomouf arde apves diner
e perdeu o seu motivo essencial. E" muito com-
prehensivel pois que as ideas pacificas comocam a
tornar-se de novo preponderantes na situaco eu-
ropea. J por mais de una vez durante o decurso
do combate na Polonia, acharam-se ellas quasi in-
teiramente comovidas pelas ideas guerreiras. Tam-
ben ainda hoic toca-se a trombeta bellicosa, ora
as folhas inglezas, ora as franeczas; o seu lim
principal entretanto exercer urna certa pressao
sobre a Russia para determina-la a urna resposta
condescendente. Ao resto a confianza na sosten-
taf ao da paz, apossa-se sempro mais mesmo daqucl-
les, que at ha pouco julgavam a guerra absoluta-
mente inevitavel.
Quanto a posicao dos negocios na Polonia, nao
soflreu ella alteraeao notavel; por isso nao anda
de pensar n'um flm da insurreicao. O que certo,
que o combate se tornou mais franco. Segundo
se assegura porm de parto poloneza, isso a con-
sequencia das ordens do governo nacional occul-
to. O mesmo acha necesario dilatar quanto |>ossi-
IDMIIMS.
8 de jnlho de 1863.
A mala do Brasil, vinda (x-lo paquete inglez de
e o conde Russell sao orgulhosos, e ir isso nao
quererlo ceder de cousa alcuma (embora actual-
mente trvessem o dever de faz-lo), rereiosos iK:-
mais que os seus actos, por virtude da questao do
naufragio do Princc of \\ales, viossem a perder de
influencia por urna satisfacao agora dada em con-
sequencia da decisao do rei dos Belgas.
K88I sentenca nao importa, verdade, o rum-
primento rigoroso daquelle dever, mas em honra o
governo brtannico deve salisfaz-lo, sem que por
issi possa jamis recahir sobre elle deshonra al-
guma, sendo polo contrario honroso para qualquer
reparar nina injustiea praticada
Mr. Hngltt, memoro por Manchester, pedio sen
! demora ao ministerio a commimieac3o da decisao
arbitral, de sua magestade o rei dos Belgas; e ago-
ra que a cmara est de posse desse documento
vcl o combate, e essa necessidade lhe aconselha de
economisar tanto que possivel as suas forcas.
Tudo quanto elle quer pelo momento, nao Southampton, chegou a esla capital smente no
deixar os Russos tomar folego, nao deixa-los des- dia 6 do crreme, por haver partido aquello vapor
canear. Por esse motivo o combate se faz agora muito tarde de Lisboa.
em mafor parlo com bandos mu pequeos de 30,l As noticias polticas do imperio aqu publicadas
50 ou 80 pessoas, que apparecen boje aqui, ama-' nada adiantaram ao quo era ja sabido, fazendo to-
nliaa ali, tomando os cofres pblicos, rompendo os davia senipre muito Ixia impressao no publico in-!
carris das estradas de ferro, fazendo fogo sobre os g'ez a moderacao com que o governo imperial e a S
Russos de emboscadas, mas evitando sempre qual-' nacao se tem conduzido no nieio da triste omer-!
quer combate serio. As lerdas que esses bandos! gencia que se deu entre o Brasil e a Graa-Breta-
solirem, sao sempre suppridas pelo governo naci-' nha.
nal, o qual manda recrutar smente o numero pre-' E' aqui esperado pela prxima mala de Sou-
ciso ao mesmo lempo que os outros tratam du seu thampton Mr. lJiot com o pessoal da legagao bri-; poltico de alia importancia toremos brevemente
oflicio, atesorom chamados pelo governo naci- anmea, pois q$c segundo as instruccSes de lord no parlamento brtannico minuciosa discossio
nal. O numero principal da populacao, dedicada Russell ofe^epcionei na minha antecedente esse bre tal assumpto.
a causa da insurreico, conservado assim na reser-1 diplomati dfWJf sem demora pedir para si e para El-rei Leopoldo,
va e nao sendo esgotado, offerece por isso sempre s iiiembros da Jegaco os uecessarios passaportes. '
novos meios para continuar o combate. Dessa^ G governo brtannico cedeu necessidade em que
maneirasegundo assegura-se de parte poloneza o collocou o governo imperial retirando da Ingla-
o governo nacional tcnciona poder continuar o torra a sua legaeo; a nao ser essa circnmstan-
combate ainda por anuos, tarabem mesmo
a]>oi5 exterior.
lor parte do governo imperial. Ueste modo a sen-
tenca de sua magestade belga foi absolutainenl.
jacao gera que tem encontrado a sua poltica con- Cm nosso favor e sem reserva alguma, salvo a in
lnn..i ,"ff En'retan' '"'"'Gloro Palmerston signifleante circumstanci de all mencionar-se
appaienta toda a firmeza em relacao as suas ques-
toes com o gabinete do Rio de Janeiro, mostrndo-
se at exigente como se v do despacho que a Mr.
Elliot dirigi o conde Russell no decurso do mez
prximo passado. Mas fora de dnvida que este
so-
apreciando todas as circumstan-
cias quo acompanharam o caso da prisao dos offl-
ciaes da fragata Forte, iiinoeentou as autoridades
brasileiras do qualquer responsabilidade. procla-
--- mando que, na applieaco das leis do imperio
sem ca, lord Russell tena estimado manter no Brasil a aquellos dolinquentes, nao houve offensa nem pre-
gacao britannica como meto de urna conciliacao niedilacao disso marinha de guerra britannica
Em quanto que o combato em campo aberto se ; qualquer entre os dous paizeS, a qual se suppoe
tem tornado mais tranquillo pelo momento, a guer- alias ser desojada por este gabinete visto a repro-
Communicou-se ao director das obras publicas.
Dito ao mesmo.Transmiti a V. S. as tres in-
clusas contas afini de que nao havcndo inconve-
niente mande pagar ao delegado de Villa Bella, ou
a pessoa por elle competentemente autorisada,
conforme solicitou o Dr. chefe de polica em offlcio
de hontem, sob n. 1155, a quantia de 1645200 des-
pendida nos mozos de abril a junho deste anno,
com o sustento dos presos pobres da cadeia d'a-
quellc termo como se v das referidas contas.
Dito ao director do arsenal de guerra.Trans-
miti a V. S. os inclusos papis, em original, que
me scrao devolvidos, aflu de que V. S. satisfaea a
exigencia da contadoria de fazenda lancada* no
do tratar de sua sade.
Asignado. Soldonio Jos Antonio Pereira do
Laqo.
Conforme.Jos Ignacio de Medeiros fago Mon-
teiro, capitao ajudante de ordens cncarregado do
tletalhe.
21
Ordem do din n. 235.
O general commandante das armas, determina
que nesta data sejam desligados do 2 batalhao de
infantaria o Sr. capellao da reparlicao ecclesiastica
do exercito, padre Benlo Pereira do Bogo, que se-
gu amanha para a citc no vapor Oi/apod; com
o destino de reunir-se ao batalhao 12 da mesma
verso do requerimento de Henrique Jos Viera da I arma, para o qual foi designado pelo governo; c do
SlIV.l. I Ktn.S ?.. O- -l#____ i ..:- A___-i- j-
Dto ao conselho de compras navacs.-Pode o
conselho de compras navaes promover nos termos
dos artigos 9 a 11 do regiilamonto de 20 de feve-
reiro de 1858 a acquisicao dos objeetos precisos
ao almoxarifado do marinha.
Dito ao delegado e juiz municipal de Santo An-
tao.Tendo-mo requerido Joao Florentino de Ges
c Vasconcellos providencias para que se nao pro-
siga no summario orime, que acaba de ser instau-
rado contra ellee varios outros cidadaos at que
seja feita a eleicao, a que se va proceder, allegan-
do que semelhante procedimento tem por flm uni-
batafbao 7" o Sr. alferes Luiz Correia de Moraes,
que tein de seguir para a provincia do Amazonas
no vapor que se espera do sul, a reunir-se ao res-
pectivo corpo.
AssignadoSolidonio Jos Antonio Pereira do
Lago.
ConformeJos Ignacio de Medeiros Reg Mun-
tetro, catpiiio ajudante de ordens cncarregado do
dtame.
22
Ordem do da n. 236.
Para se evitarem as duvidas, e conhecer-se por
um meio comparativo entre o gaz consumido nos
camente arreda-los da mesma eleicao, na qual leen! quarteis e hospital militar, que delle fazem uso, e
a conta apresentada pela respectiva companhia, o
general commandante das armas determina, que os
respectivos Srs. commandantcs de corpos c director
do.hospital militar, fazendo instruir um individuo
intelligente nos meios empregados para se conhe-
cor pelo relogio dos reguladores, o gaz consumido
em cada noite, enviem ao quartel general no flm de
cada mez, a contar do presente, urna nota de gaz
consumido noite por noite, declarando-se a liora
precisa em que se acendeu, e a em que foram apa-
gados os bicos, devendo mesma nota apresentar a
soturna dos ps cbicos consumidos durante o
mez.
AssignadoSolidonio Jos Antonio Pereira do
Lago.
ConformeJos Ignacio de Medeiros Reg Mon-
teiro, capitao ajudante de ordens encarregado do
EXTERIOR.
de intervirem como eleitores, nao "obstante o dis-
posto no artigo 64 da le n. 387 de 19 de agosto de
1846, profer o seguinte despacho.
Em face da lei regulanientar das eleieoes, a que
sosoccorre o supplcantc, nao pode ser' attendido
no que requer, por quanto o artigo 64 da predita
le, garante tao smente o exercico dos poderes
eleitoraes, dos quaes o supplicante c os cidadaos a
que allude, foram privados pelo acto, que dissolveu
a cmara dos deputados, em vista do que deter-
mina o artigo 112 da j citada lei rogulamentar c
explica o aviso de 9 de mtio de 1849. Communi-
cando a Vmes. este despacho, recommendo-lhe en-
tretanto mui instantemente que no proeesso que li-
vor jnstaurado nao s contra o referido Joao Flo-
rentino, mas contra qualquer outras pessoas ob-
serve a mais restricta imparcialidade c justica que
dovem sellar os actos da autoridade procurando; detahc.
mesmo fazer com que elle se ultime, se fr possivel
antes da eleicao a que se va i proceder.
Dito cmara municipal do Bonito.Respon-
dendo ao offlcio que me dirigi a cmara munici-
pal do Bonito, em 18 do corrento, tenho a dizcr-lhe
que a chamada dos votantes na eleicao, a que se
vai proceder no dia 9 de agosto prximo vindouro,
deve ser leita pela qualificarao do anno passado,
porquanto se verifica que nao foi feita regularmen-
te a do presente anno.
A consideracao que faz essa cmara sobro a in-
validado aquella qualilkacao do anno passado por
nao ter sido observado o decreto n.-2,865 de 21 de
dezembro de 1861, neiihuina procedencia tem, por
que aquello decreto foi remettido essa cmara
cm tempo de achar-se j feita a qualificaeao dessa
freguezia, como se reconhece pelas datas do offlcio !
que esta presidencia lhe dirigi com a copia do ci-. 25 de junho simulteamente pelos respectivos envia
tado decreto _e do comeco dos trabalhos da junta dos ao principe GortschakofT cm S. Petersbur-
dc qualificaco em sua primeira reuitio. go. Con a resposta o ministro prusso parece nao
Se nos trabalhos dos cinco dias de segunda rcu- querer accelerar-so. Segundo parece as tres ditas
niao nao foi ainda satisfeita pela junta, o disposto notas dovem ser submettidas primeramente ao so-
no citado decreto nao s isto se explica pelo facto' nado russo para deliberaco, e smente depois ter
de achar-se j Anda a qualificarao, na qual a junta' lugar a resposta. Em Pars c Vienna, por isso,
nao podia nessa occasiao fazer modilicacao alguma! nao se espera a replica russa antes do segundo
por nao ter havido reclamantes ou queixas, mais I meado deste mez, e nunca outra cousa, que urna
ainda aceresce que mesmo independentemente dis-1 declaracao muito polida, acceitando em jiarte, mas
to essa falta nao deve ser considerada substancial no ponto principal calculada sobre dilacao.
tOItltlsi'OMHXIt DO DIA-
RIO DE PER V A TIB ( O.
Mamb uno,
5 de juliio de 1SC3.
As novas notas dirigidas Russia pelas tres po-
tencias, Franca, Inglaterra
ra de gabinete na Polonia desenvolve-se sempre
mais violentamente, queremos^dizer, a guerra en-
tre os dous gabinetes dogoverho offlcial da Russia
en Varsovia, e do governo nacional da Polonia
oceulto. Nao smente que este ultimo nao fora
ainda descoberto as suas pessoas, apezar de mi-
niares e milhares se acharem sabedores do myste-
rio, mas elle contina a atravessar sempre mais
atrevidamente os regulamentos do governo offlcial,
emfraquecendo cada vez mais a influencia do
mesmo. ltimamente at ordenou a eessao do
transito sobre os raminhos de ferro conduzindo
que durante a prisao, mas antes de constar que os
dolinquentes eran offleiaes inglezes, foram ellos
tratados com severidade.
Semelhante decisao, de carador decisivo c sem
appellacao, vai terminar o nosso conflicto com a
desgracado conflicto tem dcsmoralisado o niiniste-1 Graa-Belanba, havondo a questao do naufragio
rston-Russell, vindo ltimamente a de- sido resolvida pelo pagamento sob pretexto, e li-
cisao do rei dos Belgas
corar aquella obra; e
tcm-se encarregado de
em nosso favor acabar de
a imprensa da opposieao
aggravar a situaco deste
governo nestascircumstancias.palenteando inepcia
con que Mr. Christie se condiizio no Brasil fazendo
para a Prussia e para a Russia, prohibiudo aos
empregados e trabalhadorcs dessas estradas qual-
quer cooiwraeao na expedicao dos respeclivos | o governo imperial responsavel por una falta que a-
trens, aos negociantes a romessa de gneros, e ao' gura o arbitro entre os dous paizes decidi nao ter
publico de viajar sobre as mesmas, debaixo da jamis existido! Nao passar todava de veame
em como essa ordem achara obediencia. Em todo
o caso, na Polonia nao se duvida, que como at
jue me parece
de censura para semelhante contlcto. Domis o
ministerio nao se tem mostrado ltimamente muito
agora todas as ordens do governo oceulto. tamben escrupuloso com a opinio da cmara, havcndo
esta ultima ser executada, tanto que, como lien ainda no dia 2 do corrcnle arrostrado com una
de eomprehender, o governo russo faca todos oses-; maioria de 106 votos contra por occasiao de haver
torcos nossiveis para conservar os oaminhosde forro sido rejeitada a proposta do chancellor Mr. Glads-
cm andamento. Naturalmente, esse atrevimonto tone para a acquisicao por parte do governo do pa-
do poder da revolucao provoca e irrita as autori- j lacio da eximsieao que o governo desejava destinar
dades russas cada vez mais, e segundo se diz o para um museu. Outro qualquer gabinete, que
conde de Berg, sobre tudo, exige as ulteriores me- melhor acatasse a sua propria popularidadc, teria
didas de violencia, para por maiores terrores ainda,' dado a demissao, tanto mais que desde muito tem-
tornar inefflcaz o terrorismo daquelle. NaLithuania, I po lord Pal
possivel, porm. que este nmisfro dMnfra a
cmara n om caso adveno; hk>s de ojo** Ibrvafrn
isso, so o paiz aiioiara nessa I VhIk-s.- o partw*.
conservador? AWmpois o urfro m.-r ifsm fr
este; governo de slMentar-se ser o V nmrin i
deriso dessas ilu.s f|uesles |iol.fiVas nn a tp<
nio publica aqui ?-sr-nielhanten-jHito; -immt
a qnda de lord Pilrwrston dvfant fnfkri
para nao dizer certa.
A nota ingleza dirlfcMa ao gaiMncffrtle S. Pnrr*-
burgo. eem que este governo recla-nwi a favor o*
Pf4onia om amnisti aeral >l.|)ois > haver **.
eelebrailo um armistirto, a otitorjra t* imn eoo5-i
micfii) sobre ;ts liai .b (jne fra hit por
iadra I, a formal garanta oV s-i mantilla
berdadede eaJtn e.-wrialm.'nte a .-4if(V> pol.
ca,o>uso desta fingir nacional as trans.-irre-
liiibheas. elinalmente :. e>resso de iurnoo
tema- de rernilarnento. f. Gortsstekor no da iS d prximo pa-*adopor
lord Naper; mas at boje nao consta ati qual i>
nha sido a resposta dc> erar rao i I Sflm 11 .
como 'Franca e a Austra. Se |>orrr. o imper-
ilor Alexandre recusar \* ttmrewfiw TjetamuU
qual ser o nico expediente digno que ^B^^aer
ra poder adoptar r A cmerra iwreeer' o nei>
honroso pira sahir da diPkrtldade; mas \ imjir ::
s.i inflen combate, em p-waL essi- ri-iir
pode muito bem influir p ara qnu o iiims esse eonsi'lho.
As noiM-ias do Mxico c^epml at 2 de tinhont-
lillio.
Depoil de haver tomad-prnise e.Hnp|efr>ds Pue-
bla, ogentral Fore>. v-guin eomo ex-r> ,
0 Mxico, fazendo avane.ii peneral Masa -i
una torea respeiiavel.
Cnsul nllimamente ipta esse oflkial + leha
jierto da capital rom nove mil bomens. sfcm **
toreas dog......ral Marquen que o segnem ha ,x :
gum lemiio.
Mrquez um offlcial mexicano. qi;e tnk >.,
principio da invasao fraim proiiiiwion- pe*>
general Forey trazendo eoinngo um corpo ds-eir-
eilo que coiiimandava.
Apezar la SHfM crca om que seaeba
presidente Jurez, esle pireee seni|tre disfioM i
resistir, tencionando como se assevera inlem-K
cada voz mais pro|>oroae pn exercito 1nmc-i
fr ganbando lerreno. Entretanto esta pm-i^ao nn
melhorar a sortu do pas, que atmal qn^r/ci an-
les fazer a paz do que sujtar-se a urna guerra in-
tenninavel.
j muito a coragem em que h tem dffea>M i
agora pota poder ceder sei deshonra.
( general Forey fez destruir compHaBHW.
forlilicacoes de Puebla, e agora esla etoptVfMMti
parte dos priekmeiros teiios nessa *( na i
truceao de um eamiiiho de ferro Ui
Vera-Cruz.
Esse bravo oflieial acaba ile rerber a retom-
peasa de seus servidos, havasate -Nionomeadi. p->
decreto imperial marechal deFranea. Fonry eom-
mandoa um cor|K> ie exoreito na guerra d? >!-
mea ; mas guerreado por s-iis muitos ininpts n'<
jHxIe jamis alcancar all a gloria qoe muito ambi-
cionara.
Posteriormente fez a campaaha de baba <>!
coinmando do imperador Nipolnin i alu desesnoi-
ven a grande irtividade e talento de qne > cpm'
distinguindo-se en varios combate en que
1 ron.
Mandado para o Mxico ha un anno afim de
cominanilar em chefe a expedicao franreza. a ma-
rechal Forey leve de lular all rom immensas difti-
culdadesat a tomada de Puebla, queseado na-
co altamente assignalado lhe valen a rvriHii >n> i
que acabado recelier com aplausoqoasiger.il em
Franca.
A poltica do imperador Napoleao em relacao>>
Mxico parce baver sido modificada quanto a in-
trudueco breada das instifuiHJes monarchicas na
quella "repblica; mas non k- is. o govenv
francez |ensa menos en manler-se all, qwm -;i-
be at se |'iinanenlemente. Para Vera-Cruz Mn
| sido i^xpediilos minios navio rom material para
' construccao de caminlius de ferros, bem eee gran-
de numero di' empregados destiaidos a rgantu
rem alli una adniinistraca<) civil francea naqnetl -
repblica.
U tacto pie o imperador tem dito em suas pr j-
clamaces haver ido para dar ao po\oroe\ir?b>.
nalmente pola retirada da legacio imperial de
Londres.
Pelo paquete francez do Brdeos, de 25 do mez
prximo passado, seguio para o Rio de Janeiro o
bario Osear de Mesnil, secretario de legacio d'el-
rei da Blgica, encarregado de communicar ao go-
verno do Brasil a decisao. qoe esse soberano deu
na questao anglo-brasileira a respeito da prisao dos
offleiaes da Forte. E iior este paquete de Southamp-
ton vai com o mesmo destino o Sr. Jos Marques
de Souza Lisboa, secretario da legaeo brasileira L institulces permanentes o coascguinMienie .u>-
o governador genera Murawiew deu pois prin-
cipio a esse systcma de ulterior violencia, ordenan-
do medidas torriveis. Todos os dias tem lugar exe-
cucesem Wilnanapraca publica. At mesmo pa-
dres cathoiicos, muflieres e mocas flguram j em
grande numero entre, as victimas. E nao bastante
isso. Un regulamento prohibe s senhoras polone-
zas de trazer os vestidos pretos, (pie trazem como
luto pela patria, ameacando todas as que forem en-
contradas em vestidos pretos, com prisao mediata
e acoutes. No parlamento inglez isso deu motivo s
mais violentas recriminacoes, e o governo russo
apressou-sc de dar a declaracao, que ignorara
essas ordens de Murawiew, c que se as mesmas
existissen, nao seriam postas em execucd.
Da Prussia pouco temos de referir, A' vista da
attitude do principe real e da opinio publica, o
governo achou-se obrigado a abrir mao provisoria-
mente de mais medidas violentas, e as ordenanzas
tencionadas contra as sociedades, e contra os em-
pregados nao foram sanecionadas por el-rei. O mes-
mo acha-se presentemente em Carlsbad, e com elle
desdo alguns dias o Sr. de Bismark, o qual tencio-
na dali partir para Bargc nos Pyreneos para urna
cura. Tambem a maior parte dos outros minis-
tros acha-se ausente de Berln, em parte en ba-
nhos, em parte cm viagens de recreo. Smente
a opposieao liberal nao descanca. De todos os
lados se dirigen enderecos ao rei manifestando o
protesto do paiz contra 'o modo do governo an-
te-constitucional. Em toda a parto os deputados
liercorrem os seus dstrictos eleitoraes, substituin-
do pola palavra fallada, a palavra impressa sunpr-.
mida das gazetas.
Sobretodo notavel, a formacao d'uma soeieda*
de, couiprchendcndo todas as nuancas do, libera-
lismo, mosmo as mais moderadas, para resguardo
da liberdade de imprensa constitucional, a qual
ltimamente se constituio em Berln, o j tem nu-
Imerston apenas conta na cmara dos
c Austria, que tem a
data commum de 18 de junho, mas ao resto, como
j dissemos, bem que anlogas em geral, nao sao
freguezia, como se reconhece pelas datas do offlcio redigidas idnticamente, foram entregues no dia
para nullificaco, porque alias nenhuma outra qua-
lincacao anterior haveria validajara servir na pr-
xima eleicao.
Como quer que seja, e mesmo se a resposta russa
mostrasse urna recusacao mais asnera do que se
espera, nao seria de pensar todaYia em IUa guer-
oommuns com maiorias duvdosas o insignifican-
tes!
No meio de tudo isto porem a eonfianca publica
aqu en favor do Brasil nabalavel, sendo prova
disso a recente creaco de mais um banco de des-
cont entre a Inglaterra e o Brasil com un milho
esterlino de capital dividido em acces de 20
cada urna. Estao frente desta empreza homens
respeitaveis d'aqui e do Biasil, e por isso promette
ella vingar, achndo-se com todo o capital assigna-
do. Os Srs. Foster, Bevan c Mac Grouher, appa-
recen na lista dos directores inglezes; c os Srs.
Rodrigo Pereira Felicd e Joao
dos directores brasleiros.
Os nossos fundos pblicos tem-se mantido igual-
mente com muito crdito, ficando os 5 "/o de tOO
102, c os de 4 / % a 90 /* ex dividendo. Es-
te um barmetro certo da eonfianca quo existo
nesta praca no crdito do Brasil.
Os consolidados inglezes fleam a 92 >/2- Os fun-
dos portuguezss 3 /. a 48 '/z ex dividendo. Os
hespanhes 3 /. S4 >/ Os 5 % italianos 71. Os
3 % mexicanos 34 e 35. E os 4 % turcos garanti-
dos de 102r-!04.
As ac^oes da estrada de ferro de- Pernambuco
ficam a i 15 V; as da Bahia a S 20 V; e as de
Sao Paulo com um premio de i V*
Os nossos gneros aqui a venda so acham pelos
seguimos procos : cacu do Brasil 47 s.58 s. per
cwt. Cafe 1* qualidade 74 s,87 s.; 2 dila 68
8,6 d.73 s. 6 d.; e ordinario 60 s.68 s. Pao
Brasil 75 s. por tonelada. Assucar branco de Per-
nambuco e da Parahyba H s. 6 d.26 s. per cwt;
o mascavado 16 s. 21 s. Bahia branco 20 s. 6 d.
25 s.; e mascavado. 16 s.20 s. per cwL Ceu-
ros salgados 4 d./ a 6 d. por libra; seceos 7 d,;
c seceos salgados 6 d. Vz-
pe Inglaterra seguirn para o Brasil na, ultima
quinzena os seguinles navios : de Liverpool Fu-
a Blgica, encarregado pelo Sr. Amara! de una
commisso para o governo imperial.
O Globe do 1 do corrente, referindo-se santa
ca do rei dos Belgas, disse que o governo inglez
ha de respeita-la ; mas que convinha saber que as'
represalias executadas no Brasil haviam sido moti-
vadas pela pilhageni do navio Prince of Wnle.t. o
que era una questo differente daquella boje deci-
dida I
O ministerio Palmerston-Russell acha-se comple-
tamente dcsmoralisado em consequencia da soluco
que leve a sua pendencia com o Brasil, apezar' de
haver lord Russell proclamado na- cmara alta, que
adoptara semelhante poiitiea para salvar no Brasil,
como em qualquer outro ponto, o famoso principio
inglez Cit-is Romanas sum.
Tratava-se de defender naqueile imperio disse
o conde Russell, a propriedado c a vida dos subdi-
tos da rainha ameacadas, e pois cumpria ao gover-
no brtannico obrar enrgicamente para provar
quo a protecc,ao offlcial da Graa-Brctanha se esten-
de aos mais remotos limites; sem isso essa protec-
co nao passaria de urna va palavra, c sem isso
cada subdito da rainha nao poderia altamente pro-
Jos dos Res na clamar Chis Romanas sum..
Tal foi o motor da poltica que recentemente se
executou no Brasil o, governo ngl1, como fcil-
mente se deprehende uaquplle discurso do ministra
conde Russell.
Nao creio, porm, que. por motivo do descrdito,
que sobre o governo. tem recahido en razao da
nossa pendencia, o ministerio-venha a deixar opor
der; mas ha outras causas que juntas com aquel-
la poden muiio. bem dar csso resultado. Quero
fallar da questao americana o da polaca, en que
o governo brtannico parece oslar eompromettido,
arrastado at, certo ponto pela poltica Q-aneeaa.
Quanto ap primeira ponto, lord Palmerston reecio-
so talvex de que a Franca reconheca soiaradainen-
te a ConfederacaadoSul, mostra-se inclinado a dar
merosos nembros en todas as provincias. O seu! iourite (26) para a Bahia; de Gravesend Ro-
fim supprir os artigos de fundo das gaaetas, tor-1 mulus (29) para o Rio; o de Liverpool Gtealwr
nados impossiveis, por folhetos liberaes, que devem! (2 de iulho) para o Rio Grande,
ser espalhados por procos baratissimos, ou talvez Do Brasil chegaram a diversos portos da Ingla-
eara sustentar sua palavra oerupand kmgan te
aquel le territorio aten de que com lempo pean
introduzir alli um espirito deobedMsria a I i que
at' agora se tem feilo sentir muito. Por o tro la-
do convir-lho-ha dieeiptinar acpfvtl* imt>rtanie
parle da rara latina, albo de halitfita-la ?" resistir
as invases que no huuro terao a sotfrer -Ir-saue-
ricanos do norte.
As noticias de Nova-York rln.-gam at w> do ra*''.
prximo passado. Nes?a cidade reinaca grande
excitacao por motivo da invasao da P^ralraaia *
da Mayland pelo general contoderado Lea. A'
boje o territorio do norte tem estade Jitre do Ib-
gello da guerra e agor?. ijue lera de : jftxer as ron-
sequencias desse estado devastador comer a re-
i-eiar por esse motivo. Em "iV i itaji^li n e m Bal
timare reina va igualmeme grande excii.ic.io p.'l
mdo de i|ue as forcas de Lee veabam a a'rar tu-
ses dous- pontos, llarwisbiirg aebiiva-se amearada
por esse corpo de exercito, masetta disposta a rr-
sistir. Do Washington haviam pertidoreforeos jai*.
csso ponto.
O general Hooker colirio a capital com o excreta*
do l'oiomac, achando-se todavi* ainda do oulr|aV>
do rio desse nomo. Se o g neral |jee roa-guir
dividir o exi-rcito de Hooker, a tomada de Was-
bington ser inevitavel, ircacndo consigo.aDeo^
sidade d remover para Nora-York o g$*KM fe-
deral.
IJfBO\.
i3dejaJhedelM3.
Encerron no dia .1 sua magestade a acttnl ie-
so legislativa no ijoo de numetasissimo conrur-
so, e das mais exiiressivas den^nstraces. de ale-
gra.
Es o discurso recitado por l-rei :
< Dignos pues do reino e Ss. depufJm da aa-
rao portugufsa.o acto d encerrar a preseas.-
'e
esse passo, no que todava nao apoiado por lord .
Russell pelo mdo de que esse expediento possa' sessao, siguthcando-vos qwntojne aarat
invoiyer a Inglaterra n'uma guerra como norte da aenar-nae- ansem da rcpreMntacao.aajnmial.
I nio, o qu demais seria aqui impopular.
tl'aqtii procede a desavenga que se diz existir
entre cssos dous ministros, c a provavel retirada
do conde de Russell; daqui o reeeio de que se por!
virtude da poltica de lord Palmerston houvcr urna [
guerra com a Unao, este ministro' tenha de cahr
dame da sua medida tornada impopular.
gratuitamente, para poder assim continuar o com-
bate contra o ministerio. So a publicacao desses
folhetos fr impedida na Prussia, o plano de es-
palhar os mesmos dos paizos allemaes crcumvi-
zinhos.
Tao imparlante que o fim dessa scciedade. tao
importante tambom j o facto da mesma, porque
prora da unidade de todo o partido liberal no com-
bate contra o governo.
J.mencionamos na nossa ultima a abertura do
Reichsrath em Vienna no dia 18 de junho, com-
municando em resumo a falla do throno. Desdo
entao nada houve no Reichsrath, do que a resnos-
ta dita falla do throno pelos enderecos das mas
cmaras, e depois de. este se acharem reaol^ridQsi
trra os seguimos: do Para Cpid ( 26 ) a Li
verpool; de Macci Hermion*(fI) a Liverpool; da
Paratiiba Staniland (27) a Queenstown; do Ro
Grande Isabella (27) a Quoenstown ; do Para Ara-
caty (Io do corrente) a Liverpool; o da Bahia Ffoa-
ria Cloud (1) a Liverpool.
A rainha da Prussia continua a residir aqui com
a familia real; mas seguir dentro de alguns-dias
para a Allemanha afim de juntar-so com ol-rei que
deixar Carlsbad no da 18. Sua magostado a rai-
nha Victoria dever partir para Gottia. no decurso
do prximo mez.
Os jornaes desta capital tm publicado, a senten-
dar-ver. uu publico c solemne testMaonho da mi-
nha sAUifacn pelo esclarecido zebA que no desem-
ponho-do vssas inipostanles fuacfdes, haris ma-
nifestado neste largue l.dxtrWsrt periodotegisla-
Vi*
Em seis mete consecutivos de atorados ira-
bal los parlamentaros lendw> eflectuado nndonda
reformas na legfclacao ; pj^arado novas nstitai-
cCes de crdito.; adiantado o rgimen fiscal ao sen-
tido da lilierdfldo ; auxiliad a viaro, cu>> dewa-
volvimentn se apressa ; melhorando as coadires
da marinha e do exercito, tao dignos de tadas en
desvelos,; presenciado o augmento da pabkjea n
queza, evidente no accrcscimo das rendas ^
appAaudido o testemunbo de consideracao i
urna grande nacao a um sagrado diretlo.;
Brevemente ser discutida na cmara dos cora-
muns urna mocao de Mr. Roebuck acerca do. rc-
conhecimento da Confederacao do Sul, e ento so
poder ajuizar ao certo qial ser a resolago que
venha a ter a criso em quo pareco estar o gabiuete
inglez.
Quanto ao segundo ponto, a Inglaterra apresen-
tou ja, em concurrencia com a Franca e a Austria,
o. seu ultimtum ao governo russo acerca da ques-1 numerosas e proficuas providencias
to polaca; e da rojeicao desse pedido pode rcsuU! ordens de snicos; demonstrad esta* *"_*f*~
tar a guerra contra a Russia, que alias nao seria I derosa eefflcaz a livre acjo i
aqui bem aceita porque esto povo quer hojo a paz
a lodo custo, pelo quo o ministerio Palmerston ca-
hiria provavelmente nareprovaco geral sondo
obrigado a retirar-so.
Ora nestas circumstancias, se espera com ancie-
dade a decisao dessas duas questoes magnas, da
a arbitral, proforida por sua magestade o rei dos qual parece depender de nerto a existencia do mi-
Igas na questao dlplomatlea entre q Brasil e a I nisterio presidido por lord Palrperston.
miada da intelligencia c ^
t Completando a emanelpa{l* da terra,j
facilitando-lhe o capital quo a fecunda, reabaasSrs
um.arduo e utilisstnto comiacinbaeBSa, c
mediatos beneficiosa opinio previa t^ cj>slta,ca-
jos irn,aonflos resultados o futuro gtortiteara.
i Em mais modesto dewmpeano piw*""*
I bem a vigilancia do vosso cuidado, atitadeetao ao


"*- '-


----r
\



-
Otarle le Peraasabueo Ter*a felra *9 de Jnlho de 18S.
, industrias tMwcraphio**, or- ?*** <*Umihw persuadidos que o poder legisla-1 gers, grasada c Ornada deuraa romposijao to rinhe-
tastos U*^?9, 'm.^tra-L Z ^rramre s tivo se levantar contra a coutlimarab dcstes as- tas impressas a cores e ouro; e umatraduccao de
ioTpor OHde toda a illustracao se derrama, e to
ffi urgentes necesidades da imentacao nas
dalse "laboriosas, mombros que activamente dif-
viwias ultramarina^ essencial dever a que vanas
causas linham determinado tonga e funesta inler-
umto, satiszeste-s a urna das ma.s graves obriga-
cs; fonstttuclonaes ortaleeestes os fundamentos
fja a ornanisacao linanceira, remontaste* dig-
namente o qlchavfe felo, eo que deixaes dis-
P!tSe nem todas as propostas aprontadas peto
ineu Mvcrno foram discutidas e votadas, porquo-
niaisno podia abracar o tempe, copiosos elemen-
tos canija para a prxima sessao, c confio que
nao ser ella menos aproveitada.
. Gratas me foram sobrcmaneira as manifcsta-
cSes de vossos nunca desmentidos sentimentos ao
ser-vos remmunicado o favor com que Divina
Providencia prouve auspiciar o meu real consor-
cte, promettendo ao meu lar urna esperanca, co-
rda urna herdeiro,e s mstituicocs um penbor. In-
timas andam as felicidades destes reinos e as ven-
turas da minha dvaastia como teem sido -com-
tivo se levantar contra a contlnoacao
SMSfBStoc jacMicos no secuto XIX e eni urna das
nacoes mais Ilustradas da Enropa.
Portugal anda ha-ponco fez abolir pena de
morte, e quasi ao mesmo tempo a Blgica levanta
um cadaralso. Esta simples compareci mostra-
nos-qual seje o nosso dever. preciso que a opi-
niio publica intervenha directamente, que peticio-
ne, qoe proteste com energa, etc., ele
A hndependence Belge publica o seguinte :
mpressas a cores e ouro; e ama traduccao
biographia do inventor da impsensa, de Lamartine,
J. A. Das. Os brindes imprensa livre, asso-
ciaeao. aos escriptores nacionaes e estrangeiros,
aos typographos portugueies e dos outros paizes,
foram fetos de p.
sala em que houve o banquete, achava-se orna-
da de trophos de bandeiras das diversas najtos, e
aas paredes figuravam cm quadros tourados de tv-
pographos Ilustres, como Benjamim Francklin, B-
Por um contraste pouco honroso para nos, a ranger, etc., o descriptores nota em^portuguezes
cabera de Kasteleyn foi cortada na guilhotina,
quanlo o governo e as cmaras de Portugal con-
cordavam expontaneaniente em abolir o carras-
co. E em quanto urna naco, nascioa depois de
nos para o rgimen liberal, d to generoso excm-
plo, os nossos jurisconsultos tentaui justificar
urna pena, que a commissao de legislaeao da c-
mara dos deputados de Portugal declarou intil, jantes almocaran no Lrato.
immoral, desproporcional c irreparavel.> A's 11 horas da manja do domingo chegou o
antigos e modernos, e alguns estrangeiros-
No dia St7, meia noite, sahio de Santa Apo-
fona um coraboyo especial conduzndo o Sr. Page,
outros engonheiros da companhia dos cami-
nhos do ferro e algumas pessoas em direcejio a
Badajoz.
O comboyo parou em todas as estacos, e os via-
fabric. E' um dos primoiros projectos que deve
ser presente s cunaras no comeco da sessao.
O actual contrato linda no prximo anno.
Falla-seno eslabelecimento em Lisboa deum
banco de crdito intellectual onde os autores, por
mdico preco obtenham o necessario para edictora-
rem as suas obras.
Restabeleceram-se as boas relactos entre os
bispos e o governo, devido aos esfor^os do minis-
tro da justica.
No
HESPANHA.
Madrid, 10 de julho de 1863.
dia 86 de julho appareeeu na Gazeta urna
circular sobre eleicfcs, que nada diz de terminan-
te e que possa satisfacer qualquer fraccao jwtica.
Diz que o governo quer a legalidade, e que emi-
nentemente conservador e eminentemente liberal.
com o devido encarecimento a nobre iniciativa a
que se referem os jornaes belgas.
Est aborto concurso ate o de agosto prxi-
mo para o fornecimento de postes injertados para o
as7resirminhafamTliaedoservico dos telegraphos elctricos portuguezes -
i encaro Com f enlranhados, com a esperanca sendo o arrematante obrigadoa effectuar a reforma
^fSS^S^Sden^os paes, taohon- comptete das linhas telegrapb.cas em tres .annos,
icntadaV todos lirmemente espero que | tirando-Ihes lodosos dcfeitos que tem actualmente,
A a?; n rr^mr nid-K mnit-w A publicacao deste documento, quando anda nao
AimpreiuahespanhoU_temedebrado._umbemw^ foi dissol-ido o parlamento, 6 um acto singular
Den prospera um acntecimento. que o paz
aguarda com alvoroco c o meu coracao com estre-
mec ment. ...... ___
t As vossas casas c provincias podis levar a
ufana de terdes accresccntado a historia parlamen-
tar urna pagina memoravcl a que fara justica a
posteridade.
Est encerrada a sessao.
El-rei o Sr. D. Luiz I mandou communica
no dia 6 do correntc a sua eminencia o cardeal pa-
sua eminencia haja de expedir
nientcs para que na s patriarehal, as eollegiauas,
nas icrejas parochiaes e as dos mosteiros e con-
ventos do patriarebado se fajam preces jico feha
partu, com oracoes nas missas, nos tres mais prxi-
mos dias f-^sl"ririri>s nreuci
inunieaeo.
inos dias posteriores recei>cao da mesma com-
N' Io deste mez s 5 horas da tarde, visitou
sua niagestadea escola normal primaria de Lisboa.
Foirccebdo i>clo corix> decente e pelos Sra. mi-
nistros dos estrangeiros e do reino, Dr. A. F. de
Ostilho c Antonio da Silva Tubo.
El-rei encontrou a escola em excellente orderu
< dirigi ao director Luiz Felippe Leite palavrasde
iouvor com a aftabilidade que todos lhe conhecem.
O edificio da escola annexa, comecado anda cm
lempos do Sr. D. Pedro V, est i boje concluido.
c nt-lle seeacontmm Um da aula, as casas de ba-
nho dos alumnos mestres, o deposito dos ccreaese
alfaia rustica, tudo disposto e collocado como man-
da a sciencia. ,
Na escola annexa, no topo da qual se ye o re-
trato de el-rei Sr. D. Pedro V, de saudosissima me-
moria, demorou-se sua magestade a ver os alnm-
nos em numero superior a cem. estudano od
dirccco dos alumnos mestres.
Os ministros visilarain a quinta da escola que
est milito bein tratada e objecto digno da atteu-
e igualando-as na construccao s melhores da Eu-
ropa.
A injeccao ser feita com sulphato de cobre que
nao conteha mate de '/a por cento de sulphato de
ferro. A base da licitaco ser de lfllO por mez
c ir kilmetro das linhas existentes. Parece que
ha j dous concurrentes. As condices geraes do
concurso devem ser prximamente publicadas na
follia official.
Este melboramento era iudis|K!nsavcl. pois nao
conselheiro Jos
cao industrial promovida pela Associcho da Indus-
tria Fabril.
Esta exposicao comprehende os artefactos de laa,
seda, algedo e linho (iacao e tecelagem, passama-
neria, Iwrdados, renda c papel). Ter lugar a ex-
posicao no salo nobre do theatro de D. Mara nos
ns deste mez e principios de agosto.
pessoas aguardando os viajantes.
No lugar onde deve ser a estacao achavam-se
milhares de pessoas, e bem assim os governadoros
civis e militares daspracas, e urna musjea.
Foram os viajantes muito festejados, te depois fo-
ram passear pela cidade, durante o espacfj de urna
hora, acompanhados por aquellas autoridades e por
muita gente. ,
Viram os quarteis onde a tropa formou a che-
gada das autoridades civil e militar e dos via-
jantes. ,
Depois jantaram na hospedara das Tres Napes,
e ahi as pessoas das mate notaveis da cidade os
e anmalo.
A circular fo publicada antes doregresso do mi-
nistro da governaco o Sr. Vohamonde. Disto nas-
ceram os boatos infundados de crise ministerial.
O Sr. Vohamonde ao chegar a Madrid, foi im-
mediatamente tomar posse do seu ministerio para
demonstrar que nao baria dsintelligencia algunia
com os seus collegas, e que approvva todos os
actos feitos pelo seu minisiero, durante a sua au-
sencia ; foi depois visitar o presidente do conselho
o Sr. marquez de Miraflores. Immediatamente de-
pois este pagou a visita ao Sr. Vohamonde na se
crctaria da governaco onde se reuniram igual-
teno.
fjram cumpruiientar. Cmumi. no anal! mente os ministros de*guerra e do fomento. A~con-
O.ft^r?nlorai P !fcrencia a CXZtfo^lnnS^^rtiv,m para ys. nistros, demonstrou a perfeita identidade de ideas
bo Santo 7 horas, cm diversas paragens. | na,!marcha ****** 'lm VW* ** o mims-
Assim as autoridades c o povo de Badajoz feste-
jaram o grandioso progresso que tanto contri-
buir para a mais intima allianca dos dous povos
peninsulares.
Por portara de 6 deste mez foi nomeadauma
commissao de engeuheiros inspectores, para exa-
minar iniuda e altentamcnte o estado das obras da
. porcao da linha frrea do norte, conqnchendida
B Estampe. 2S^?^V5a tffir% como a retratacao da reti-
2S^^Siwtoo\So? 5o?,, ** tropas hespanholas que commandava o
| encontrar para nauuitr o governo a rtsoiver so-, yalente maiquez de castillejos seria urna adula-
ser o que j estava a espera na praca tto Oriente, burgo acha-se cercada de um cordio
chamar tambem aos que estavam preparados para serva-so o majer rigor no exaae m
lhe fazer assignar o testamento, e logo applicar-lhe dos passagem e as bagagens dos qne
a dse de veveno que tinham preparado, vene- imperio sao cuidatosamente vistas, porqoe o
no eficaz, que n'ura minuto seria defunto. no ja prohibi a exportacao de chumbo, de e
Plaza, o inspector, havia de receber no mesmo e de outros materiacs.
dia 57 mil duros. Passar o medico a certificacao Tinham-se expedido ordens para se _
de morte repentina e achante. fortaleeas de Narwa, e a denobco ja nate
Tal era o plano. Nas primeiras entrevistas que cado, guando se receberam n*
tiveram os criminosos com o Sr. Plaza, este encar- demohcao, e reconstruir o qw
regou-se de buscar oJiomem que devia dar o golpe truido.
d massa; e buscou para elle o official encarregado Estes preparativos mostmm
de sua reparticao D. Francisco Sauleda. Elles en- para para qualquer eventualidad que nao proeu-
tiegaram a massa ao inspector para que a dsse a ra conjurar.
Sauleda. _,
Chegou o da designado. A autondade linlm
avisado Cabella O encarregado de massa eslava
esperando no seu posto com um par de pistolas nos
bolsos, e devia fingir dar a pancada e Cabello dci-
xou-se cahr.
Neste estado aproximaram-se dous ao de massa
e lhe disseram: Prepara-te queja vem o velho.
Neste momento notavam os criminosos quepassea-
vam pelos arredores o secretario do governo e o
chefe da ordein publica c trataram de se evadir ;
o inspector deu o grito de A elles 1 c com a pis-
tola na mao colheram a tres naquella occasio.
Dous o inspetor, e um Sauleda. Deu-se o caso de
que o medico que espera va, era da casa de um dos
chefes do governo que estavam passeando, e prova-
volmente foi prevenir os outros. Se os nao v, le-
ve-se a effeito. Cabello teria fingido receber ogol-
po; leva-lo-hiamparaeasa, e teram apanhado a
todos no acto de lhe fazer assignar o testamento.
De modo que o inspector Plaza ajudado pelo offi-
cial do seu districto o Sr. Sauleda consogue evitar
o crime.
L

DIARIO DE PERNAMBUCO
A ausencia do Sr. Vohamonde foi motivada pela
necessidade que o dito ministro tinha de tomar as i
aguas do Vichy. Nao faltn quem suspeitasse que ,,.------^ lormfls da Enrona nelo va-
elja viagem tinha por f.m tratar com o duque I J^S!o3S^S^S!S^&: *
de Riauzares sobre o regresso Hespanha da rai
nha D. Mara Christina ; outros jufgavam que o
Sr. Vohamonde fora Franja felicitar o;roperador
E' presidente da Associacao o Sr. Joaquim Hen- bre este objecto.
riques Fradesso da Silveira. O nosso cmbaixator em Madrid leve a honra
No dia 3 fez acto de chimica orgnica, na! de ser recebido pela rainha de Hespanha no da 3
Universidadc de Coimbra o Sr. Carlos Bayer. A
thesc da sua disserlacao era: No estado actual da
ciencia nao deve considerarse a alchimia como una
utopia. O desempenho, dizem as folhas de Coim-
bra ter sido muito satisfactorio.
A cmara municipal do Porto fez publico era
varias folhas daquella cidade que no prmeiro do-
do corrente, e de entregar-lhe urna carta de el-rei
o Sr. D. Luiz I.
O Journal des Debats publicou o segrate artigo,
assgnado por Mr. Caeuus, a respeito do re D.
Fernando:
cao impropria a de ir felicitar o governo francez
jKirque vence, depois de o ter censurado porque
combata.
Quanto primeira opiniao, talvez que fosse tra-
tada por incidente, pois dizia-se que o governo ti-
nha concordado manifestar rainha Christina que
nao achava inconveniente abjura em que podesse ir
Asturias ou a qualquer outra proviucia de Hespa-
mingo de cada mez baver urna exposicao ou mer- tUgal, parti ante-hontcm () para a Italia, donde I
cado de flores na Praca dos Voluntarios da Rainha. sc deve dirigir
Tem liavido est vero grande caresta de iiihag ^ riuc<
Temhavido este vero grande
agua cm Lisboa. Conhcceu-se que era exagerada
por especucfio dos algodoeros (gallegos) a poli-
ca intervei c a cmara municipal obrigou-os a
certas disposicocs a que mu tos se recusaram.
O mothn que esta recusa occasionou deu causa a
terem sido presos uns 27.
A companhia das aguas obrigou-se a dar a maior
que esta senhora protege a ascencao ao
i Allcmanha para alli vsitor suas P<>der do injustamente desoldado partido progres-
e^i^?^j^^SSSSn'" I Gazeta publica tiimbem um decreto reforman-
PIQ^^oSaSS^S9& ha 27 o o estado-maior-gcneral do excrcito, cujas princi-
-g.y^lfg^gi^J^^iISSilJ;' paes disposicoes dizem respeito s classes que cons-
annos, eaomo^^^^^^S^\ Saem u esudo-maior-general que se distribuirao
com as maravilho.as mudanzas que encontrou na, em [res sec?5es fi 1^avngJ^i. De 0^^.,
n"a Sol que pareccm ter sabido da trra por ^'MggL.* gfe. ^f^J G*
effeito
"-----#-----------.~ ~ !< MM aw^M- UClia. UO ICUtUIOO-fcCUtJtH.', 1 UIIVUOV0 uiy ^^*ll_
Cor-
em tres seccras
l-aotstsssss fe^iEaSs1 aa!=t^= aSRWsiS
mais sympatlca para o nosso paiz e para nos.
Entretanto, o que parece ter-lhe agradado i
saoosnossosestabeleciinentosscientificos, os mu wn.,r1e
seus, os theatros, as collecQoes de objectos de arte '^X'^^^gSo
cdearcheologia,e mesmo as fojas onde estao ex- ^^SSm9^S
postes quer os trabalhos dos artistas modernos, f euerra ci proinovidos por ment.
Iu?.r a! relHuif .%TW^.Jg.f"^gLg | -TrefrSeu m audiencia ao ministro pie-
ment de orgo.
Sua magestade retirou-se perto das seis horas aa
tarde, tendo dirigido varias porguntts ao director
6 mais professores presentes.
Por todo este mez baver exames lmaes na esco-
la do curso do primeiro grao.
Acompanliavam a sua magestade nesta visita os
Srs. marquez de Ficalho e Luiz Folque, seus cama-
ristas de semana. ......
Efectivamente a escola normal e ja hoje um ins-
tituto dos mais notaveis do paiz, cracas aos cuida-
dos e conhecimentos especiaes do director c de-
mais professores.
Segundo una recente proposta parlam.ratar e
esiH-ctiva promessa do ministro dos negocios do
viuo. a escola dever, deniro cm poucos meses fa-
zer obras compativeis com as acommodacoes de
que anda precisa para receber maor numero de
accionistas.
Deitou-se a nado no dia 2 deste mez, no ar-
senal de linha a corveta Infante D. Joao, cons-
nuida sob a dirccco do conde de Linharea. Lram
tres e um quarto quando una salva real dada pe-
los navios de guerra portuguezes anininciou a en-
trada da corveta no Tejo.
Foi em 15 de marco do anno passado, que se ba-
teu a primeira earilba deste navio e no lim de 16
metes esta quasi prompto a navegar, para honra e
-loria do actual ministro da marraba.
As dimensoes desta linda corveta sao de M me-
tros de comprimento entre perpendiculares ; 9,3
de bocea ; 4,71 doponlal desde a face superior da
xibrequilha ao taboado do eonvs ; 1,81 de altura
de colieru. Tem de altura nas caldeiras 2.28;7i9,8*0
sao as toneladas mtricas. Deve ser-lbe collocada
urna inaclihia da torea de 150 cavallos, e tera 12
ecas de calibre 32 e 2 rodizios. ...
Sua magestade el-rei o8r. 1>. Luiz assistio a este
acto solemne. ,
ministerio tamliem esteve presente a esta (esta,
iwrque festa quando se v augmentar o numero
V.os nossos vasos de guerra.
Aguarda de honra era feila pelos marinheiros
militares. A banda deste, corito tocou lindas pe-
as de msica, prximo da casa da inspeccao, tor-
nando tttimamda mais nompsasvesta solcmmdade
nacional.
A multido de pessoas de todas as classes era
inmensa, e muito depois da corveta estar a nado,
. que o arsenal se acbou completamentedesenipe-
clido dos concorrenles.
Foi servido um bclierete a inultos convidados.
A sepaaa Uta com a corveta S deiiandei-
,u desde o dia 18 de junho de 1859 em que com-
incc/tu a sua construccSo at 30 de Janeiro de 1802
eaaqoe Coi hincada ao mar foi de. 110:979^)2 J rs.
A toWQtl feita com a corveta Infante D. Joo
desde o dia 15 de marco de 18t2 at 2 de julho de
1803 foi dea&405JMt rs.
A mao d*obra da primeira custou 30-5/9>I-K) rs.,
a da segunda 20:7283:H5 rs.
O material da primeira importou cm.......
SO: 4004399. o da segunda 62:67618,
Brevemente vito ser amonios nos eslaleiros
do arsenal de marraba. Anas novas corvetas de
guerra, urna de capacidad da Infante D. Joo, ou-
tra de S da Handeira.
Nos otaleiros dcGoa, vao ser construidas oiitras
cluas. ,. .
A corveta S du Bandeira largou no da / do
sen anroradonm e foi para a Trufara, afina de
adestrar a guarnidlo no excrcieio de artlharia, de
fuzil, de desembarque, e os mais da ordenanca.
Bste exereieio deve durar oito dias e cada um dos
quatro navios da divisa... ira por sen turno lazer ou-
ro tanto.
O nnistro da marraba foi no mesmo da 7
inspeccionar os estabelecimenlos ao sul do Tejo,
d Valle de Jebro e da Azinheira, dependentes do
sea ministerio.
Consta de boa fonte que S. Exc. traa de apro-
veitar o primeiro, que to til j foi c o pode tor-
nar a ser, c que (icou extremamente satisfeito da
luja direeeao e disposfro do segundo.
este ultimo um vasto deposito de curtimento
demadeiras, que se acha largamente abastecido
nao s para a construcciio das duas corvetas que
vai era pouco emprehender-s', mas anda para a
acha i.rojectadaeinteiramente riscada, e de lauca-
dos agua os dous novos vasos, agora preferi-
dos por ser mais oportuna e urgente a sua eons-
uorao,em consecuencia da reconhecida utilida-
dc e necessidade de augmentar rpidamente o nu-
mero de navios de guerra de tonelagem media e
nao muito numerosas gnarnicocs, aflm de multipli-
car cflicazmente, mas com devida eeonomia, a
c^ao da martaha nas provincias do ultramar ele-
vando a forca das respectivas estaedes.
Acompanliaram o ministro, o inspector do arse-
nal de niarinlia e o seu aiudante de ordens. No
n-greso visitn as obra6 dos planos inclinados no
porto Brando. que vio prosegundo, e (pie tanto
interessam ao porto de Lisboa.
Embarcou S. Exc. as 5 horas e meia da manhaa
no arsenal e fez esta digressao a bordo do vapor
de reboque, onde foi recebido pelo commandante
o Sr. Luiz Burnay, com a delicadeza que distingue
este bravo e perito official, anda ha pouco justa-
mente elogiado pelos seus servicos no salvamento
dos pescadores da Figueirn.
Os jornaes de diversas cores polticas sao un-
nimes em louvar o actual ministro da marraba, o
Sr. Mendes Leal, por sua incansavel actividade no
que diz respeito sua reparticao.
Algunas fallas de Lisboa consignam com jus-
ta ufana o Iouvor tributado a Portugal pelos lti-
mos peridicos belgas chegados a esta cidade. E o
caso que ltimamente foi applicada em Ypres (ci-
lade belga) a pena de raorte a um criminoso.
A execucao de Kasteleyn diz_ o jornal FEscot
produzio na Blgica tal Impresso de terror que
outra banda do Tejo.
Quasi todos os airaos ha em Lisboa esta caresta;
espera-se, porm, que lhe pora termo a companhia
logo que funecione regularmente.
No dia 6 do corrente houve incendio no edi-
ficio do Uylo de Nossa Senhora da Conceicao.
O incendio mamfestou-se em urna casa que ser-
via de arrecadacao c onde havia bastante facto,
vassouras, esteiras c aparas de madeira. Nnguem
entrara honteni naquella casa seno urna das asy-
ladas, rapariga de quatorze anuos de idade c que
desappareceu logo que o fogo se manfestou. A
cao que nao procuren oceultar, rae pareca pelo '^^^%9^v^^
contrario ter gosto era testemunhar da maneira S^i.^^,.1^-ar.w^^.I^T^
riamente o sollicitcm, sempre" que contera dous
Os generaes da terecira
seno no caso
iimHyww que a
fazer.
O-re D. Fernando vistou
com
da
modernos, de guerra e promovidos por mritos contrahdos
nte as
industria parisiense tem sabido!
todos estes
,,;.,.v.,l,, Ift. 3. Jl. O KliUUC W1U4U Urt U1UCI1I UO WF...M.
era
polica, porm, cptrou-a lioje; a pequea vbora' contacto com el'le pelo seu saber, competencia e a
confessou que fora ella quera pozra o fogo, des-1 graciosa simplicidade de sua linguagera e ma-
peitada porua reprehensao que lhe fora dada pela i neiras.
regente do asy lo. Porm nnguem devia fiear sorprehendido com
Esta raiariga tera mos antecedentes, pois que sso> sabendo-se com que sabedoria philosophica
nao ha raeio de a fazer parar nas casas onde a slIpportou as provacSes de urna vida que teve a
uiandam servir; bulhenta, teimosa e respondona. | sua pane uC amargores, e como emprega os ocios
1 -- I 1 n ...... ti. I,..).. 1. :i.'lll.l:l.
nipotenciario do re dos Belgas, que acompanhado
s do intendente de embaixadores, poz nas mos de
ure u. ramaaan tunou iouo csics objectos "" "^ ran(.> rnriijn a0rdem de I.eonoldo
Foi entregue ao juzo criminal.
O Sr. Athayde e Mello fo quera prestou muitos c
valiosos auxilios, que deram em resultado evitar-sc
que todo o predio fosse paslo das clianimas.
Quasi txlas as asyladas forara recolhidas a noite
seguinte no edilicio do governo civil.
Ha poucos dias o distincto crurgiao-medico
da sua posicao em toda aqualidade de estudos.
O re 1). femando cultiva com disiincco as I
tas, a msica, as artes e o desenlio : cao ve-lo no i
audiencia de desjtcdida por S. M. a rainha.
O rei dos Belgas tambem condecorou com o
grande cordo de Leopoldo ao marquez de Mira-
flores e Vohamonde, em conseauencia das atten-
coes tidas pelo governo hespanhol com o duque de
Brabante. .
Espera-se em Hespanha um embaixador do
imperador da Coehinchraa, que deseja cstreitar as
Hamburgo 5, de Bruxellas e Pars 7, de Londres 8,
de Madrid 10, do Porto 11 e de Lisboa 13 do cor-
rente.
Sob a rubrica. Exterior eneontrarao os leitores
as cartas de nossos correspondentes; e em seguida
o resumo dos jornaes.
A Russia anda nao deu resposta official as notas
das tres potencias, mas, segundo parece, est dis-
posta a adherir ao programla em seis pontos, sal-
vas algumas reservas, mais da forma, que da es-
sencia, e cujo fim vem principalmente nao offender
o amor proprio da Russia. Parece que essas re-
servas se referem ao armisticio e s conferen-
cias.
Entretanto a opiniao dos povos occidentaes nao
julga sulficicntes garantas para a Polonia a solu-
co do prograuuiia apreseutado.
O Times observa que a difflculdade nao est em
obter o consenlimento da Russia, mas sim o da Po-
lonia.
A Polonia, diz o Times, nao se bate para ter
um governo constitucional sob o sceptro do impe-
rador da Russia, quer a sua completa e absoluta in-
dependencia, Nada de restabelecer a constituicao
de 1815, que de novo seria derrubada. Nao pode
pois ter resultado algum urna tentativa de meda-
cao entre a Russia e a Polonia. Suppondo mesmo
qne a Russia e a Polonia consentssem ambas, quan-
to teinpo curvara aPolonia a cabeca diante dos Ro-
manoff? O mais que se pode obter um armisticio,
durante o qual, logo que urna das partes conten-
doras depozer as armas, a outra aproveitar a oc-
casio para a atacar. Todava a rejeicao das nos-
sas propostas seria para nos um grande emba-
race
t Nem Franca nem a Inglaterra querem a
guerra.
O Day News, diz :
Se o czar aceitar, seis condices, a posicao da
Inglaterra, torna-se grave. Acnamo-nos envolvi-
dos em um projecto que ninguem considera que
possa resolver a questao polaca. O czar teria en-
to o direito de reclamar o nosso apoio por haver
feito o que lhe tinhamos pedido.
O Times em outro artigo censura acremente as
seis propostas, dizendo que collocam a Inglaterra
em urna das duas alternativas :
t A guerra se avauca um nico passo; ou a des-
honra, sc recuar um passo.
O Morniug Post, nao acredita na possbilidade de
um ajuste pacfico, porque urna conferencia quan-
,et., suas ^2 aS^,am prova dos a^iga- do mesmo a Russia a aeeeito, i
meio dos nossos artistas, reeonhocia-^
principe
brancas.
cido de
tavor d esDa^iaToncedcu' tado, salvo se ospolacos nella fossem representados,
1 c o gabinete de F Petersburgo, nao annuira a es-
potencias, acrescenta o Morning Post,
que podem fazer, preparar desde j a
Jos Bcrnardino Henrque Texeira, operou no los-; pi.oprias aSm no seu palacio de Lisboa collecQoes Ptrmmu airauam.t uc ^uu^ ut- ^ --'^ forma CllcctiVa de urna ac?o ulterior, ou n'ou-
niial de 8. Jos com o raelhor xito urna desgraca- 119a..iftcas. nue faz das ruinas do casteilo da Pena lwa |),0\e/.a Jr,aa T..-V. :k-T. "1^ ,i, tros termos romper as suas relacocs com a Russia
pital de S. Jos cora o raelhor xito urna desgraca- magnificas, que taz aas ruinas uo iiiii.ii SStnA la concessao feita a Gibraltar sendo de i
la ...iilher que soffra ha muito tempo, de una ele- uni| (iasma?s bellas estancias do mundo, onde fez mximo, da c,i ^xnSmx
phantiases entre os grandes labios. ...... a honra de mostrar tudo cora as mais amaveis ma- notar, ^^n^ clebravam'e pr^ar um concurso efflcaz Polonia, evitando
ipio de que
S."M. ja se demorn mais tempo em Pars do P^a.futuro todas as vantagens-que obtenba Gi-
''_____.............,,,.. -,,iwin ivui (i'.im satis- niauai
n.'iras.
extensivas Ceuta.
A Chronica de Gibraltar d conta no seu nu
mero de 25, da demonstrado de que foi objecto o I
O tumor pesava mais de vinte arrateis e conscr
va-se, devidamente preparado, pilo Sr. May Figuei-. s M Ja ^ oemorou mais iciupu u ^v -. r .a,
A enferma tem passado ptimamente depois da 10 ^u tcnerario de regresso de modo que possa
operacao que muilo honra a pericia do Sr. Texeira. lornar a visitar Paris antes de voltar a Port
E' a primeira vez que era Lisboa se faz a operacao
da elepbantiases. | de :>. ai. v. rema ao uussu li. i|. .
- No dial do corrente fallcceucm\ ayos, per- lanlill0. ESS^ila^do oomBMnio ebancoaCU-
to de Torres Novas, o epatado pelos estados da Nao ha que admirar (^:-
India, Joao Paes de Faria Pcrcira, Itacharel forma-! no a soberano un acto de
do em mathematca. .,-.-. traordinara.
Depois de urna longa e penosa cnfermidade deu j0 sem juvidauma visita duplamente honro-
a alma ao Creador o Ilustre depntado, que se de- sa parao Sr. D. Fernando e para o grande artista,
votara ao partido liberal, sustentando ja como es- j onstanlino continua cingindo dignamente a
crptor na imprensa, j como no parlamento, os sua mmorta| Coroa de rei dos floristas, que dia a
principios lberaes. ..... dia se vai esmaltando com varias ebrilhantesjoias.
u,., .. ..--..-. ...... "-;_;.- Iir7pr vicia mero de 2o, da uemonsiracao ae que ioi oojecw o
kfeM^Mi^MIW""!,,^ hespanhol naquel a praca o Sr. Roca no
le S. M. 1). Fernando ao noso compatriota Utus- mmm fc J dl.S|(0U'ir T^ ^ ,,&&&*, e
diTom elles do sohera- pessoas mais notaveis do coiranerco c banco acu-
l o de no'7ou^cx- dirain a dar-lhe o ultimo atona acompanhando-o
le pohdez, nao t cousa ex & ^. q q oalms jg ^^ ^ A]ged_
apar
ras bordo de outro navio frotado para esse ef-
feito. Na noite de 24 foi obsequiado o Sr. Roca
cora rana serenata pela msica do oitavo regi-
ment.
Foram aprsentenos no ministerio de estado

duzentos liomens com deslino a India- No prximo
paquete d'Africa deve tambem embarcar um desta _
inento to deitosito disciplinar {.ara Angola. flores de |z e j o anno passado o celebre-artista ~ servicos d-
- A cmara municipal daCov.lhaa mandou fa- havia 0(Terecido para a greja daquella cidade di-1 J^S*STSSSSSuS^S^^SSSm.
zer os retratos do marquez de Pombal e de Manoel versos ramos e duas grinaldas para ornar os bus- plomatico qu. .cmn^na prewm e nr
da Silva Passos, jtara seren colfocados na sala das t()S (lc g pt^ro e Nossa Senhora ; obras de ralor
considerare! e de mais perfeita nulo de obra. E
tudo sto porque Constantino visitando Tcreisalli
fora bem recebido que Constantino junto a
suas sessoes.
Foi encarregado deste trabalho, em Lisboa, oSr.
Santa Barbara, distincto e conhecido retratista.
0 retrato do maiquez de l'o.nbal
urna gravura antiga
ao actual Sr. marquez
melbor vontade para t
0 de Manoel da Silva Passos. foi copiado de una
excellente photographia colorida, perlenccnte ga-
lera do Sr. Fillon.
ro Palanca, como ministro plenipotenciario duran-
te a guerra de Cochinclna, e tratado de paz ulti-
mamente trocado, concedendo-lhe a gra-cruz de
Isabel a catholica.
Foram nonvados tenenles-generaes, o duquo de
Chifantado, embaxador de Hespa-
Petersburgo, c D. Pedro Mendinueta,
il das Ilhas Baleares ; e marcenaos
distribue benvolo o ensinoae veraaaeiro "^ JZ^T55i hmi ministro uue foi
SfSrjfJ"^lhe8 ""* ntSmSVtSSS!jSfBS!i
vellos e abrigo di pai. _______ ________i R uailtmaAa. hoie. cmveruadot de Ceuta, que es-
Ambos os retratos sabiram perfeitos como era
de esperar do hbil pincel do Sr. Santa Barbara.
De Passos Manoel s existiam at hoje algumas
Ivtographias. pois, este o primeiro retrato a
oleo de to esclarecido varao.
Os retratos foram encaxilhados cm ricas moldu-
ras douradas, feitas com primor pelo Sr. Lence.
A moldura, que guarnece o retrato de Passos Ma- com vanas outras illiistracoes muweaes,
noel, tem no cimo urna allegoria, eembaixoase- belecerem Portugal as_ associacoes c
tanto influem na educado c moiahdade
guinte inscripeo em lettras douradas
Manoel da Silca Passos.
A cmara municipal da Covilha, no bienio de
francez e alternad.
Parece que o joven rei lusitano, amador tambem
1862 a 1863, mandou fazer este retrato, para jter- como seu pai, c conhecedor da influencia dai mu-
petuo testcmunho de gratido o respeito ao bene-1 eje nas mansas W^h^^^ npiSho I ~^*'aha>> dar um publico testemunho
1 de que lhe sao mu gratos
fundos subiram ltimamente na Intentos e. importantes servicos que prestara
El
bella
sitorio dos mais grand.w -- s ,
rei artista demorou-se all alguns das. sr- Luxa '.VTValnaraiso chegados ultima-
Cabo propnanientc dito, passaram-no cora muito
liom lempo, mas logo sofTreram dous teniporaes,
que sem embargo lhcs nao occasionaram contra-
tempo grave.
eKeredWotoCT6todfdeItaMAM* detaes institices no visinho: -f^
Janeiro de 1837 ; restaurou a obra do marquez de remo. iinnornntes servicos aue nrestam os
Pombal, c deu impulso ao progressivo cxplendor Os nossos fundos subiram ltimamente na ^^^^^g^S^Ty^^^.
con, que se aprsenla a industria fabril covilha- W*^^V^*>>V1** "S^J^^SSS&nlSi^^^
"Tmodiu, queguamece retrato to marquez ^^ohapouc. d^^^onde pouco; toNos^n=
^mbSSnns^:--
deu- he sabias leis chamou habis mestres fabris roador, que tanja buina tem uno nos cariazts ox mesmo
estrangeiros. Foi o fundador do grandioso e mo- todo esse mundo. O celebre acrbata achare em ac^ain.l n}-f nrenaram em Vich
nun ental edificio da fabrica real di Covilha. Madrid, onde vai dar algumas representacoes ao | ^nutisar o^rinro aKrsario da ca
.A cmara municipal do bienio de 1862 a 1863,' circo do principe Alfonso, dirigido por Caetano U-. ^^^^\^n^^n^^n^.
mandou fazer este retrato para perpetuo padrao de nizelli, que estove aqu ha dous annos comoempre- nonisapio a
Mrradectmento c respeito memoria do immortal zario de um circo equestre. Leotard salta cinco
be.feitor deste municipio. I rapezios dando entre os dous a maior distancia,
Cada um dos quadros vale, aproximadamente, um salto morte. .
trintalihris Um italiano que se apresentara amanhaa no thea-
A iniciativa de tifo grata e patritica homenagein tro do Gymnasio entretem, o.publico em ran ins-
pertence ao Sr. Francisco Nanee Marques Paiva, truniento composto de 33 upos de cry^tel^em que
presidente da cantara mumupal da Covilha. ,
Houve no dia 28 do mez findo urna solemne
festividade em lionra do inventor da imprensa, le-
vada a effeito por urna sociedade de typographos
da imprensa nacional de Lisboa, que ja no anno
nassado havia realisado este festa no hotel de
Italia.
deseutpenha varacoes, jonatas, etc., etc. Prestigia-
dores tambem nao tem faltado nestes ltimos
lempos.
P. S,Antes de hontem o marquez de Niza cm
nome de varios capitalistas francezes e allcmes
apresentou no ministerio das obras publicas urna
Este anno foi no hotel da Gloria ponte de Al-!proposta para o eslabelecimento to um bancohy-
1 pothecario paia a navegacao da frica, Algarve e
Azores, com direito ao subsidio de60contos autori-
sado pelas cmaras.
A empreza obriga-se a ter nove barcos a vapor;
quatro para a navegacao da frica, dous para a
do Algarve, dous para a dos Acores, c um para a
caltotagcm africana.
gs que se effcctuou o banquete festival, que cons-
tou to um umc* s onze horas da manha e de um
jantar s seis e meia horas da tarde, servidos com
mimo e profuso, e sobretodo entre a maior ale-
gra. As sobremesas o Sr. Velloso, que presidia ao
Banquete, fez um breve discurso anlogo a festa,
concluindo pela lcitura de orna excellente poesa
offerecida pelo Sr. Caetano Dias, typographo.
Seguiram-se a fallar c recitar composicoes eon-
ceruenles ao objecto do festejo os Srs. Pereira, Sil-
va Franco, Tito da Silva e Das.
Simultneamente foram distribuidas nessa occa-
siio a poesa do Sr. Dias, primorosamente impressas;
a copia da estatua de Gutteniberg, de David dcAn-
Eraquanto nao chegarem a Lisboa estes vapores
deposita no banco dusentas mil libras.
Offerece500contos por todo o material da com-
panhia Unib Mercantil, e promette nao se servir
desse material.
E' negocio corrente em altas voieB o aboh-
mento do contrato do tabaco,' c a liberdade neste
de exposicao de pombos na praca da Constituicao,
com o correspondente jury de censuras e premios
em medalhas de prata, etc. Passam j de dous mil
os que estoalistados, para sc apresentaremopcao
de premios, e todos elles depois to acto serlo sol-
tos ao ar, em mostra de regosijo, com certa ordem
fixada de antemao, afim de que produza o jogo mc-
lhor effeito.
Tem causado muita sensacao em Madrid urna
tentativa de assassinato alli commettida sobre D.
Pedro Cabello Martnez. Parece que esto impli-
cados na tentativa dous sobrinhos que estavam em
sua casa, c que herdariam pela sua morte. Eis o
plano, como se tem podido averiguar :
D. Pedro Cabello tinha que retrar-se das no-
ve e meia para as dez horas daBoite, como costu-
mava, la este hora! ainda nao teem sahido os se-
renos. Ao entrar na ra de Pavia, um liomem
encostado na esquina pela parte da praca do Orien-
te, devia dar-lhe urna pancada na nuca para o en- j mente,
tontecer. Em seguida o inspector Plaza devia che-
gar-se a elle c pergunter ao qne dava pancada :
t O que tem este homem ? o primeiro devia res-
ponder-lhe : Nao sei; vi-o cahir. Neste mo-
mento baviam de acodir os compliees e diier :
Conhecemos este cavalleiro ; vive nesta casa irn-
os perigos de urna guerra europea.
Segundo o mesmo jornal para se conseguir este
resultado bastara:
1. Que a Austria reunisse 60 rail liomens nas
fronteiras da Polonia, e permittisse alli a entrada
de grande quantidade de armas e municoes.
2o. Que a Franca e alnglalerra bloqueasseni os
portes mssos do Bltico, conservando alertas as
costas de Samogicia para rauniciar cora abundan-
cia os insurgentes, aos quaes ficaria depois o en-
cargo de rejiellr os russos de seu territorio.
A opiniao geral cm Paris que a Russia nao
quer outra cousa seno ganhar tempo e impedir
urna aeco coercitiva antes que o Bltico esteja fe-
chado cm os glos. lsto fez dizer a um dos mais
eminentes escriptores francezes na Upinion-Natio-
nal:
A Russia nao admitte o principio de urna inter-
venco diplomtica, em um negocio, que s a
bella respeita.. Nao duvida conversar com a
Europa sobre os negocios da Polonia, mas nao se
obrga a cousa alguma. Para cliegarmos a este
bello resultado foi mister um praso de quatro me-
zes. Agora ontf se conversar ? Em S. Petersbur-
go? Em Bruxellas grande questao, cm que Be bao
de consummir arada semanas e mezes para a re-
solver. D'aqui a quatro mezes temos o invern
porta os glos fechando o Bltico; cntao a Russia
liberta por seis mezes d'uma intervenco do acci-
dente, cahir sobre a l^lonia desarmada, com todo
o peso de preparativos que faz na actualidade; e
quando a primavera trouxcr comsigo a possibilida-
de da intervenco militar, o czarismo mostrar
[ Franca e Inglaterra o cadver da Polonia, res-
pondendo com os tactos consummados s tardas
rcelamacoes das duas potencias occidentaes.
A commissao polaca em Paris publicou um novo
manifest. um appcllo enrgico feito Europa
civilisada contra os actos de taes barbaridades pra-
ticadas pelos russos.
A Polonia, diz a commissao nacional de Paris,
nao deixar de combater cm quanto nao reconquis-
tar as suas fronteiras de 1772.
0 governo nacional rejeita qualquer transac-
cao como um suicidio, c como urna traicao, entre a
Polonia e o despotismo moscovita, ha um duello de
morte I
O Czar publicando nas suas paginas os promeno-
res de um sanguinolento combate prximo de Ka-
moron, no palatinado de Cracovia, diz que no dia
seguinte os russos commotteram excessos horroro-
sos ; acabaram de matar os feridos e fuzillaram os
prisioneiros 1
N'uui relatorio official, dirigido ao governo na-
cional de Varsovia, l-se o seguinte.
Noticias authenticas, que acabo de receber me
do promenores do combate que houve tcrto to
Donar. O general ajudante de campo Kaslakofi,
deu ordem para que fossem enterrados vivos os in-
surgentes feridos, e este ordem foi vigorosamente
executada I -
O governo nacional de Varsovia nomeou com-
missaros junte de todos os commandantes milita-
res Fez tambem publicar que todo o polaco, que,
desde o pnmeiro de agosto, c principalmente era
toda a extenso do territorio da Polonia marcado
em 1772, for encontrado nas filenas do exercito
russo, ser exilado, e despojado dos aeus direitos e
honras civil e poltica,
A commissao nacional nao descanca. Todos os
das apparecem novas ordens que sao cumplidas
com mais pontualidade do que as do grao-du-
que.
Torna-se cada vez mais consideravel o movimen-
to das tropas. Na provincia de S. Petersburgo
onde ella se torna mais universal, porque este sen-
do incessantemente atravessada por corpos milita-
res que marcham para as* provincias do Bltico, e
para a parte occidental do imperio.
O exercito russo que na actualidade se acha na
Polonia, nao inferior a cento o cincoenta mil ho-
mens de tropas regulares qne todos os dias aug-
Cartas de Berln fallam largamente de entrevis-
ta do imperador d'Austria com o rei da fran esa
Ctoabad
Pretcnde-sc que a Prussia preste j um
poio as propostas feitas pela Austria, mee
se tambem que o gabinete de Berln preefcH por
Mr. Bismarck quer demonstrar qne a htdeyest-
dencia da Polonia teria um perico pniili pa-
ra a Prussia e para a Austria, procurando o rei
Guilberme convencer o imperador Francisco J*
de que o interesse d aquellas duas potencias con-
siste em conceder ao reino da Poterna mveaawnea
urna constituicao que o asscraelhe ao dorad de
Posen e Galitzia.
Os jornaes prusianos estao nmisammeace
recebend advertencias pelos motivos mais nnvH,
em quanto as folhas reaccionarias gozan da mais
completa liberdade.
Grande numero da municipal idade promove n-
jMisicoes contra o decreto to primeiro de jsast a-
cerca da mdrensa, c n'algumas os eleitores pr v
jectam reunies para publicamente a|>proarani a
maneira porque durante a sessao ultima a cmara
dos deputados procedeu.
0 governo contina a reagir contra ditas man-
festecoes.
Gomecaram as sessoes do conselho do imperio
austraco. Era nome do imperador o presidente do
conselho leu o discurso do Ihrono. Depois de fal-
lar dos progressos (rae a Austria tem realistas des-
de que entrou no caminho constitucional, o i
so ap..nta os projectos de reforma de qne a
tera a oceupar-se.
Diz que o restabetecimento do crdito, se i
gur por meio de novos impostes de
Promette que se bao to introduzir na;
cao de justica importantes modificacoes concebida*
no espirito liberal.
A mensagem da cmara propoc-se tratar da
questao polaca.
A verdadeira signiGcacao da ultima trise mi-
nisterial franceza, comeca a manifestar -se rosa
um alcance e em proporcoes que nao pareccm estar
de accordo com a pessoa dos ministros; estasigain-
cacao altamente liberal c democrtica. O unprra-
dor dirigi ao novo presidente do conselho de es-
tado Mr. Roulier urna carta sobre a desceotrabaa-
go administrativa. Ora, a excessiva centralisa-
co, urna das principaes que i xas do partido li-
beral contra o governo.
Assevera-se que o ministerio tos cultos sera
separado do da instruecto publica, aliui de poder
subtrahir todo o ensrao s influencias elerirae, e
propagar a instrueco primaria sobre massas.
O facto principal,' porm, o profrnmmu totnt-
mente novo, que publica a Franre, sob a forma de
um artigo assgnado pelo secretario da redaerao,
mas que dimana manitestamente to Mr. to La-
guevonuierc, que ltimamente teve duas conferen-
cias com o imperador.
As principaes dcclaractos actuaes da Franre ou-
tr'ora orgo por excellencia do imperio coaserva-
dor, sao as segrales :
Asituacao do paiz em vista do escrutinio de
11 de maio resurae-se em duas palanas : o mpe-
rio e a democracia. Evidentemente seria um eoav
trasenso einpuuliar as armas contra os veihue par-
tidos, que j nao existem ; sera o mesmo que pre-
tender peleijar contra pliantasmas. Lanca-se. pois
o iui|icrio no caminbo da democracia que repre-
sente um progranuna que cifraremos nas segiao-
tes palavras: Ilevoluro no interior e no exte-
rior.
i Intil seria a resistencia contra este ftesjr wm
ma. O raelhor meio de vencer as revotucors, nao
combatendo-as, mas desarmando-as. O pr< ram-
illa da revolugo conten duas promessas rom a<
(|uaes red oz os povos ; promette, srosrruo s li-
berdade. E" preciso gue o imperio tome com stnu
essas pronietsut e que o* inscreva na smm Kmdrirsi
poltica paja as cumprir com resotwjo.
Este artigo tem muito alcance pelo jornal en*
que publicado, c pelas eonfereneias qne o s*u
redactor principal teve com o imperador.
Napoleao l j voltou a Pars, e para ns de ju-
lho devia partir para Clierbourgo para assittir ao
acto de se, 1 anca re ni ao mar dous navios blinda-
tos ; o Mafsatsi c o Solferino.
Falleceu o principe Fernando da Dinamarca
lillio do rei. Este principe nao succedia eora
por nao ler descendencia.
No dia o de julho rebentou em Alhenas una
insurreicio militar. O edificio do banco foiassaka-
do ; houve uns cincoenta morios e feridos; iater-
vieram as logacoes estrangeiras e pude conseguir-
se um armisticio ; o edificio to banco lirou guar-
dado por marinheiros dos navios estrangeiros que
alli se achavam submelleram-se aos caberas da in-
surrei?ao.
A assembla coastiluinte da Grecia declarou a
maioridade do rei Jorge I.
As cmaras jonias vao ser dissolvidas para se
convocar um congresso constituinle que se dere
ocenpar da annexacao daquellas ilhas Grecia.
Os jonios vao pois decidir do seu futuro r 11 r t .
O proprio lord John Russell na circular ojie dirijo
s potencias europeas confessa que os jonios dese-
jatu a sua annexacao Grecia, mas de opiniao
que as potencias tera o direito de se manifestar so-
bre esse desojo dos povo?.
O rei Jorge I dejiois de fazer a sua entrada can
Alhenas, propoe-se visitar Corf, capital das ilhas
jonias.
Rebentou era Madagasrar urna grande revo-
.luco no dia 8 de junho, e durou na sua maior for-
ca'quatro dias. Alguns milhares de horneases
povo pediam ao primeiro ministro que fossem pros-
critos algus favoritos do rei, pedrado aom--
tempo a cabeca de outros que julgavam mais ao-
taveis.
O rei a quem foi rommunicada essa exigencia,
recusou-se a annuir a ella; a revoluco augmen-
tou, e afmal o palacio foi invadido pela mult.
0 soberano, cercado dos seus validos en.>l
resisti por algum tempo, mas afinal surriiml.u
ao furor da plebe. 28 nobres morreram nesta
luta, sendo alguns daquelles cujas caberas o poro
(tedia.
Parece que o rei se tinha negado a conceder nma
constituicao.
Este fcto augment. u a in.lisposico contra ele,
e a rainha viuva que promettia .nts seus partidi-
rios a promulgaco diquelle cdigo, (oi fogo pro-
clamada.
A constituicao desojada existe hoje em Mada-
gasrar, e coii ella o restabslecimento da pena to
morte.____
Os Europeos longc de soffrerem nesse conmr
foi-lhes garantida a sua seguranza.
A ordem estabeleceu-se logo depois, mas estes
acontecimentos inesperados produziram grande
numero de descontentes; temia-se urna contra re-
voluco.
Os francezes comuundados |tw Barasios an-
eniram na cidade do Mxico no dia 5 tojoabo,
tendo a cidade sido abandonada petos mexicaaos
no dia 30 de malo.
Os generaes mexicanos feitos prisiimeiros em
Puebladepois de terem recusado a sua liberda-
de sob palavra tinham sido trasladados Orizas,
donde fngiram Ortega, outros generaes e cerca to
quinhentos officiaes.
mediata. 0 inspector havia de mandar leva-lo
Nas fortalozas. arsenaes, e em todas os depsitos
observa-se a maior actividade. Todos os portos do
Bltico esto armados e postes em estado de defe-
za. Todas as cartas dizem queCronstadt e os diffe
rentes estabetecimentos martimos apresentara
grande animarlo.
Os officiaes e soldados licenciados estao sendo
para a tal asa, chamar um medico que havia de chamados aos seus corpos. A cidade de s. Pten-
os pormenores de fuga anda nao constan ofi-
cialmente; as noticias sao eesandictorias, por-
quanto uns negara a fuga; outros sncmqae fagj-
rani. tendo a cidade por homenifMB r leaos to
sua palavra que tolla nao sahiriam; eoatne aasi-
raentc asseveram, que tendo de ser mandado para
a Martinica, se evadiram de urna casa onde eraan
guardados e vigiados por forras militares, e sjaa
f ugiram arrorabando as paredes da prisao.
A cmara dos communs em fnflalerratssn-
se ocenpado da guerra ila America Mr. Roaaaak
e Mr. Lindseyapresenlarem urna proposta pasa
as duas grandes potencias, a Franca e a Inglaterra
de accordo fazerem umaltentatva de conciliacao aa
America a qual sendo regeitada pelo norte iissss
por seguimento o reconhecimento dos estaas s
sul pela Franca e Inglaterra. Estes dsnatsdss t>-
nhaui eslato ultimainente cm Fomaineatta seno
imperador, e apresentavam o consentimeat de go-
verno francez a esta proposta.
O Moniteur publicou nma nota en one i
que na entrevista entre e Isspendor eos i
membros da cmara dos communs, tr
prejuizosjquc trara a guerra da i
ra o imperador que em ontobro i
ra regeitara a proposw franessa
America ; que a Franca nao i
mesmo genero antes de ter aj^
glaterra acceilaria. O moeraaor
que segueria o exemplo da Inglaterra
feclarea

t -
-
L


--- -:"
m
tal*

Mario de FfHOrtww -Vfefft teta 18 ato tilh* de i 84.

c?ndb a independencia do sul, ou esse reconlvoi-
ment pozse tormo guerra.
Parece, porm, que o governo infclez naoest
disposto a razer propostas de raedac, ao. A Ucus-
sao da proposta de Mr. Roebuck.
gejnndo os ltimos despachos, os confederados
tem alcancado victorias importantes, eemquanto
se possa suppor que ha exageracSo as noticias,
parece tocto que os federaos tem perdido um pou-
co. do sen alent, e que procuram fortiflear-se em
Washington paca onde marchara os seus adver-
sarios.
A' ultima dbJa o nosso correspondente de Lis-
boa diz-nos o seguate :
Acote de receber o Diario de Lisboa que publi-
ca nm decreto apptrmando para ser ratificado pilo
poder exeaitivo a convenrao consular entre Portu-
gal e o Brasil, assignado no Rio de Janeiro pelos
respectivos plenipotenciarios em 4 de abril ultimo.
PERRAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
actual presidente de Minas Geraes, o Sr. con-
selhciro Joao Chrispiniano Soares, acaba de pre-
sentear ao Sr. conselheiro Jos Bento da Cunha e
Figueiredo com um exemplar da carta geographica
daquella provincia, bem como com um interessan-
te opsculo denominado NocSes geographicas e ad-
ministrativas da provincia de Minas Geraes.
Temos vista esse duplo trabalho do engenheiro
daquella provincia Henrique Gerber, mandado or-
ganisar e estampar pek mesmo Sr. conselheiro
Cunha e Figueiredo, quando all presidente; o
certamente de una importancia incalculavel para
nos, toja pobreza em taes cousas notoria, retra-
tando ao mesmo passo as feicoes benficas da ad-
.

ministracao que comprohendou essa nocessidade e
curou de satisfaze-la.
A carta geograplca um traballio completo,
tracado segundo dados officiaes e observagoes do
engenheiro Gerber; c a brochura das nocoes, que
enrequecida com a planta topographica da cida-
de de Ouro Preto, nao produeeao de somenos va-
lor ; por que abrange a provincia em todos as suas
manifestaeScs.
Na parte propriamente geographica, comprehen-
de a extensao e limites; a orographia ; a hydro-
* graphia; a meteorologa; a conliguracao geolgica
e productos minejaes ; c finalmente os productos
vegetaes e os animaos. Na parto ethnographica,
aprsenla importantes tabellas estatisticas sobre o
movimento da populaco, cuja origem primitiva as-
signala.
Na parte que se refere oceupacao dos habitan-
tes e produeeao do paiz, oceupa-se da posse das
trras, da mineracao, da agricultura e creaco, e
finalmente das industrias manufacturaras e fabril.
Na parte propriamente administrativa, expoe as
relacoes desta com os poderes legislativo, executi-
vo e judiciario c com a adniinistraco provincial,
c fecha com una exposicao das institmeoes, cujo
iko progresso moral, intellcctual e material, ad-
ministradas ou protegidas pelo governo.
O offerente dirigi a seguinte carta ao Sr. conse-
lheiro Cunha e Figueiredo, por occasiao de fazer-
lie a honrosa offerta :
Illm. o Sr. conselheiro Jos Bento da Cunha e
Figueiredo. Tendo V. Exc, quando administrou
esta provincia, incumbido o engenheiro Gerber de
organisar a respectiva carta geographica; e ha-
vendo elle dado agora couta desta commissao, ca-
be-nie asalisfacao deofferecer a V.S.um exemplar
cartonado deste trabalho.
Aproveitoa occasiao paraapresentara V. Exc.
os protestos de subida estima o consideraeo com
que sou
De Exc. atiento respeitador e collcga obrigado.
Ouro Preto, 17 de junho de 1863.
Joao Chrispiniano Soares.*
Pelo governo imperial foi concedida autorisa-
desta provincia una catraia, para o servico da as-
.sociaf ao dos praticos deste porto, sendo o scu custo
pago pela mesma associacao em prestacoes, segun-
06 foi solicitado.
Tendo sido demittido de subdelegado de Ta-
quai tinga o Sr. Jos Cordeiro Manso, foi nomeado
em substituicao o Sr. tenente do 7o batalliao de li-
nha Jos Antonio de Araujo.
Por portara do governo de 23 do correnle,
foi declarada ofllcialmcntc constiluida nesta cida-
de urna caixa filial ao London & Brasilian Banck,
na conformidade do decreto de 19 de dezembro de
18(51, n. 2,711. >,
Est designado o da 17 3c agosto futuro pa-
ra a reuniao da i" seccSo judetela do jury desta
eidade. ,
O vapor inglez Oneida trouxe a sen bordo
132 passageiros. dos quaes deixou em nosso porto
2. conduzindo 112 para os do sul.
Acha-sc em exposicao permanente, emquanto
durar a epidemia do choera-morbus na eidade de
01 inda, a imagem do martvr S. Sebastiao, na sua
Bgreja no Vradouro.
Em scu trajelo de Lisboa Pcrnambuco en-
-conlrou o vapor Oneida : 14 o vapor francez
li< ana e 21 o vapor inglez Magdalena.
Segundo nos disse um passageiro do vapor
Oneida, as proximidades de S. Vicente foi o vapor
francez Bearn chamado falla, por meio de tres
tiros dous dos quaes do plvora e um de bala, por
. um vapor federal, allni de pedir-lhe noticias do
Alabama.
A galera franceza Adle sanio do Havre pata
o nosso porto 23 de junho.
A aoul entrara, de Pernambuco c Para, no
da 22.
O vapor francez que deve ser portador da
mala de Brdeos, no correnle mez c o Extrema-
dure.
Achavani-sc carga, no Havre: para o Ma-
ranhao c Para a barca Yile de Boulogne ; o para o
nosso porto a barca Coligny.
Em outra parte vai publicado um novo an-
mincio dos pholographos francezes Eugenio &
Mauricio, estabelecidos ra Nova n. 2o, no qual
avisara sous freguezes que acabara de memorar
niuito osystema de trabalho, de forma satisfaz-
los completamente.
REPARTigXO 0A POLICA
Extracto da parle do dia 27 de julho de 1863.
Foram rccolhidos casa de detencao no dia 25
do corrente :
ordem do subdelegado do Recife, Joaquim
Francisco de Abren Juniur, branco, de 19 annos,
para averiguacoes em crime de rapto; os pardos
Jesuino, de 28 annos, escravo de Joaquim Francis-
co de Alm, para averiguacoes policiaes, Manoel
Francisco do Nascimento, de 2G annos ; os crioulos
Anastacio Jos da Silva, de 33 annos, ambos por
briga; Flix Jos Ferreira, de 20 annos, por dos-
respeito forca publica; Flix Antonio de Lima, de
30 annos, Goncalo Jos Baracho, caboclo, de 24 an-
nos ; ambos para averiguacoes em crime de resis-
tencia praticado contra a guarda da alfandega.
A ordem do de Santo Antonio, os crioulos Maxi-
miano de Santa Rosa Lima, de 25 annos, Francis-
co de Paula Reg, de 46 annos, ambos por embria-
guez.
A ordem do de S. Jos, Bernardina Francisca das
Chagas, parda, de 23 annos, Mara Leonor dos Pra-
zeres, crioula, de 24 annos, ambas por offensas
moral publica; Jos Apolonio do Nascimento, par-
ado, de 25 annos, por briga; Francisco Pires de
Atahyde, tambem pardo, de 26 annos. Francisco
Pereira da Silva MorSes, branco, de 50 annos, pa-
ra averiguacoes emprime de roubo.
A ordem do Illm- Sr. Dr. chefe do polica, Sa-
turnino Mendes de Barros, branco, de 25 annos,
vindo do termo da Escada como pronunciado por
crime de falsidade.
A ordem do de Santo Antonio, Luiza, crioula,
de 25 annos, escrava de Joseplia Monteiro de Vas-
concellos, por infraecao de posturas.
A ordem do de S. Jos, Florencio Jos de Mello,
crioulo, de 26 annos, para correceao por embria-
CHOZ.
A ordem do da Boa-Vista, Joaquim, Africano, de
50 annos, escravo de padre Manoel Joaqnim Xa-
vier Sobreira, por embriaguez e desorden^
O chefe da 2* seccao,
J. G. de Mesqmla.
Movimento da casa de detencao no dia 25 da
julho de 1863.
Existan........ 407 presos
Entraram....... 14
Sahiraui........ 13 *
Exiaem......... 408
A saber.:
Jacionacs......264
Estrangeiros..... 32
Mulheres....... 14
Estrangeiras..... 3
Escravos....... 71
Escravas........ 4 a
"ios
Alimentados acusta dos eofres pblicos. .172
Movimento da casa de detencao no dia K do
julho de M63. 1 Exigtiam...... 408 presos
Entrara..... 4
aaMram...... t
Existem...... 407
A saber:
Nacionaes..... 284 >
Estrangeiros... 32 >
Mulheres...... 12 ?
Estrangeiras...' 3
Escravos...... 79
Bscravas...... 4
407
Alimentados a cuta dos cofres pblicos.. 174
Movimento da enfermada no (ha 27 de julho de
1863.
Teve baixa :
Pedro da Rocha Filgueiras colite.
Tivcram alta :
Joao Flix da Costa.
Folix Jos Rodrigues.
Pasageiros do vapor inglez Oneida, viudo de
Southampton e portos intermedios :Augusto Ce-
zar de Abreu, Rodolpho Smith de Vasconcellos,
Jos Smith de Vasconcellos, Antonio Pereira da
Costa Gama e sua irmaa, Jos Augusto dos San-
tose seu irmao Joaquim Arthur dos Santos,
Laurindo Olimpio Feijo de Mello, padre Francisco
Pereira Ferraz, Francisco Moreita de Soma Mei-
rclles, Gaspar Jos de Lima, Willitm G. King, Luiz
Magarino, sua senhora, 1 filho e 1 criado, Rodol-
pho Weydmann e sua senhora, Robert Wendeborn.
Passageiros da barca portwgueza Aurora,
sahidapara o Rio de JaneirorEiniliaTheodora de
Lima, Duarte Ventura Maciel.
Passagoiro do vapor inglez. Oneida, sahido
para o Rio de Janeiro e Babia: Jbn Wbit Field.
Obituario do da 26 de jclho no cemiteiuo
publico :
Antonio, escravo, frica, 50 annos, solteiro, Santo
Antonio; pneumona.
Miguel Ribeiro de Vasconcellos, Pernambuco, 26
annos, solteiro, Santo Antonio; phtysica pulmo-
nar.
Joanna Nepomucena de Souza, Pernambuco, 30 an-
nos, casada, Recife; erysipela.
Antonio Pereira da Cunha Portugal, 19 anuos, sol-
teiro, Boa-vista; phtysica larngea.
Lino Jos Soares, Pernambuco, 20 annos, solteiro,
Santo Antonio ; hemoplury.
Herique, Pernambuco, 4 annos, Boa-vista; cho-
lera.
Mara, Pernambuco, 8 annos, Recife; espasmo.
Francisco das Chagas Monte, Pernambuco, 32 an-
nos, casado, S. Jos; cerebrite aguda.
Maria, escrava, 90 annos, soltoira, Boa-vista; rheu-
matismo 'gotoso.
Maria Candida da Purificaao, Pernambuco, 54 an-
nos, casada, S. Jos ; apoplex.
Izaias Goncalves do Sacramento, Pernambuco, 20
annos, solteiro, Boa-vista ; tubrculos pulmona-
res.
Margarida, Pernambuco, 3 annos, Santo Antonio ;
lumor.
Eulalia, Pernambuco, 16 annos, S. Jos ; cholera.
Manoel Pernambuco, 4 annos, Boa-vista; hepatite
chronica.
feo d'entJo, renden por oooseguinte x> qriato de
ouro corda portuguesa perto de 44,000 contos de
ris, ao passo qn.e o valor de todo o ouro tirado
nessa poca, inclulndo-se o que shio do paiz como
contrabando, ser mais de 250,000 contos de ris.
Desde a declaracSoda independencia aextiecao
do ouro tem diminuido, o com Uto tambem a ren-
da que d ao estado.
b direitos de ouro, arrecadados nos annos de
1832 a 1860 por conta da thesouraria da faieada
geral, sonunam em 707,909 oitavas 26,1 grao, ou.
perto de 173 arrobas.
0 numero de ougenhos existentes na provincia e
destinados a socar formacSes aurferas, cerca de
cem.
Depois do suicidio de Lucrecia, o desojo de glo-
ria e renome levou as Romanas a imitarem-n'a por .
moda. O senado, porm, temendo que se genera-1
lisasse a mesma ao ponto de talvez ser necessario
dar novo assalto ao rebanho femenil dos Sabinos,
como o fizera o velho Romulo, decretou que as sui-
cidas fosseni enterradas nuas.
Ora, o pejo natural dominou esse falso herois- [
mo, o para logo cessou a moda, devastadora do
sexo frgil.
Os Lavaros apropraram esta legislaco, appli-
cando-a aos suicidas de ambos os sexos ; e alm
disto consideraram como suicidado o morto em
duelo, negando-lhe sepultura.
URI POUCO DE TUDO.
O Brsil, sob o titulo de agradavel mystificacao,
publica o seguinte por nos traduzido :
Psitt Psitt Psssittt !
Que isto ?
Eu vos chamo.
Ah I para chamar alguem usa-se em portu-
guez de Mi, Psist, Pssisl!
Eis a prova :
Outro dia ia eu pela ra do Outidor, c tres ou-
tros bpedes camnhavam na minlia frente.
Pareca que alguem vinha atraz de mim.
Como esses homens, dizia eu contigo mesmo,
se parecem pelos trajos.
E ainda mais
Este veste um velho palelot, ruco e ensebado;
era para crer sem duvida que fosse o meu al-
faiate ;
Aquelle caifa sapatos surribados como os do meu
sapateiro;
E o outro traz urna carapuca tao respeitavel qual
a de que usa o meu chapeleiro.
Tive calafrios.
E' una coalisao, pensei eu, urna Santa Allianca.
E nao havia meio de fugir : alguem vinha aps
mim.
Se fosse o meu proprietario !
F.nlrevejo a ra Nora do Ouiidor : urna trin-
cheira.
Mas para logo ouco um Psf.' Pssitt! dupli-
cado.
Nao dou cavaco !
Minhas orelhas fazcm de vlvula como as do de-
pilante.
Todava, depois de madura reflexao, a qual nao
durou cinco segundos, aventurei-me a olhar para
traz, nao sem estremecer, preferindo antes haver-
nie com um so inimigo do que com urna Santa Al-
lianca
E o que vejo eu ?
Ol! felicidade !
Bina cara desconhecida !
O meu coracao toma o seu lugar, e permilte-me
dar tres passos de mais, que vao entr abrir-me as
portas da ra Nora do Ouiidor.
Mas a fortuna c caprichosa, sobretudo na
guerra.
Eu tinha comecado o meu quarto passo, quando
um P*s//f.' Pssitt I estridente, original, veio cau
sar-me novos recelos.
Achava-me, entre dous fogos.
Os meus tres inimigos iam se voltar. porque o
Psitt! Psitt! evidentemente Ihes era dirigido, e
eu eslava por consegrante envolvido desde os ps
at a cabeca pelo meu alfaiate, pelo meu sapateiro
e pelo meu chapeleiro, quando faltavam-me ainda
dous passos para ganliar o dcsfiladeiro Nora do
Omidor.
Psitt! Psilt! Pssitt! continuou com forca o
passeador desconhecido.
Fiquei estpido.
A Santa Allianca fez um movimento de retrover-
sao, e os tros crendo que eu os chamava, aproxi-
maram-se de mim, com o riso nos labios, e aper-
tando-me a mao.
E qual nao foi a minha alegra, a minha sorpre-
za, o meuenthusiasmo, reconhecendo nesses tres
individuos mal vestidos, mal calgados e mal tou-
cados :
Tres candidatos ao eletorado quo expoem sua
candidatnra todos os dia?, de meio-dia s duas ho-
ras, na ra do Ouvior.
O Sr. Henriquo Gerber tratando da distribuicao
da occupaeao dos habitantes de Minas, assini se
expressa :
E' summamente difieil formar-so urna idea
exacta do numero de habitantes que presenutmen-
te se empregam nos diversos ramos de trabalho
com que se oceupa a sociedade poltica; mas nao
ser muito errado se avanjo a epiniao, que de to-
da a populacao masculina, livre e maior de 18 an-
nos, se dedicam agricultura c creacao 52 por cen-
to -, mineracao 9 por cento ; ao commercio e a
industria de transportes 26 por cento; as artes me-
cnicas e industria (abril 11 por cento ; e o nu-
mero dos empregados civis, ecciesiastcos e milita-
res, como das mais pessoas que exercetu qualquer
profissao scientiuca de 2 por cento.
O mesmo engenheiro Gerber traz no paragrapho
mineracao o seguinte :
Em um destes ros, o Abaet, foi adiado em
1800 o diamante da cora portuguexa chamado o
Regente, cujo valor era muradla poca estimado em
7,500 milhoes de francos.
Extrabio-se neste lugar (Rayagem Diamantina)
grande quantidade de diamantes, e entre dles al-
guns de subido valor, como o denominado Estretla
do Sul, de um peso de 18 oitavas, hoje estimado em
2,500 contos de ris.
A agua marinha de 15 libras de peso offereci-
da em 1806 a el-rei D. Joao VI, foi achada nesta
provincia no ribeirao dos Pingos, tributario do Mu-
cury.
Do mesmo tomamos o seguinte dado sobre a
produeeao de ouro na referida provincia:
Immensa a quantidade de ouro, que se tirou
da. provine a. _
Secundo clculos anthenticos, .mportou a sotu-
rna total do quinto desde 1700 at 1820 em^....
29,235,405 oitavas ou mais de 7,137 W arrobas;
calculando-se cada oitava smente em i#5W, pro*
PUBLICACOES A PEDIDO.
POESA
I
Offereclda ?
Donzella bella de ternura pura
Paixao ardente j sent porjti,
Triste viste no dilecto afleeto
Quantos pozares cu por ti soflri.
O meu canto pranto de fel cruel
Que na taca amarga eu por ti bebi,
Esp'ranca de bonanra do amor em flor
Esvaecida n'ura momento eu vi.
Amei-te dei-te por um sorrir o porvir
De flortjs cheio, e digentes amores,
Ingrata mata despedaoa, enlaja
Est'alma puraque se definha em dores.
Elisa, a brisa sussurrante, amante,
Vem das florinhas avivar-lhes os encantos.,
Vem, vii>gem, na vertigem dar a est'alma calma,
Que amortecida se desfaz em pranto.
Amores e flores, encantos, prantos
A ti, meu amo, j vote contente
Pezares, azares, dissabores e dores
Eis a lembranca que me de na mente.
Por Drummosd Filho.
topwtaeio de asauear d l*de Janeiro at flns
dejuaho.
1859 22,000,000 libras
1860 18^000,000
1861 28,000,000
1862 26,000,000
1863 42,000,000
Em ser em fias de junho.
1859 8,000,000 libras
1800 6,000,000 <
1861 13,000,000
1862 11,000,000
1663 15,000,000
Tabaco. Havendo os pessuidores aceitado pre-
rraais baixos, venderam-se cerca 6,500 fardos
tabaco do Brasil, dos quaes 4,000 da qualidade
patente, 904 fardos de tabaco da Babia avarado,
vendidos em leilao obtiveram 4 V 6 'A schillngs
termo medio. O deposito de 5,000 fardos, dos
quaes 3,000 da nova colheita.
Algodao.Em estado muito deprimido, e quasi
nada se offereee venda.
Venderam-sc 23 bailas de algodao do Cear e
de Pernambuco 2224 schillngs.
Couros.No mesmo estado tranquillo como an-
tes ; compra-se nicamente o que o consumo re-
quer.
CacSo.Venderam-se 600 saccas de cacao do
Para 6 y schillngs, 750 saccas recebdas da
Baha, sao de qualidade muito ordinaria, e difflcil-
mente se venderao, sem baixar os procos.
Tapioca.Sem alteracao.
O Jacaranda de la qualidade tem sempre cx-
traccao. Em junho importaram-se 500 mil libras,
e vederam-se cerca 309 mil. O deposito de
1,400,000 libras.
De Pernambuco, masca vado 17/0 a 18/6 para o
Continente e 17/0 a 19/0 para o Mediterrneo.
Da Baha, branco 23/5 a 25/0 para o Continente
e 23/6 a 25/0 para o Mediterrneo.
Da Babia, mascavado 16/6 a 19/6 para o Continen-
te o 16/6 a 19/6 para o Mediterrneo.
Veudeu-se em Liverpool o seguinte :
4500 saccas da Paralivba, pelo Ann Staniland, a
ebegar a 18/6 no caes.
5090 saccas da Babia. Nazareth a 16/6 no ar-
mazem.
4100 saccas da Paraliybaa 18/6.
800 volumes, mascavado fino de Cotinguiba, pelo
Professor Suringar, no mar a 19/6 para Escocia,
pesos da descarga.
500 saccas do branco dc_ Pernambuco, seceos
a 25/0.
500 saceos do Maranhao de 18/6 a 19/0 no caes.
Caf.No decurso da quinzena passa da tivemos
abundantes entradas de Ceilo, dando isto lugar a
alguma frouxido as qualidades das possessoes in-
glezas, cujos procos baixarambem em 1/0112 Ib. O
do Brasil em serfoipouco procurado, e o negocio em
retalho at estes das passados,qnandofez-se aven da
forcada do resto da partida pelo Tyrus, sendo urnas
2000 saccas, com reduccao sensivel; posteriormen-
te porm venderam-se urnas 200 saccas pelos pre-
sos, pouco mais ou menos, que antes regulavam, a
saber : 72/0 73/0 por ordinario fino e ordinario su-
perfino. No dia 3 do corrente apresentou-se em
leilao a carga pelo Maria, consando de 3020 saceas
mas foi retirada, por pretenderein os possuidores
precos superiores ao estado.
As cargas no mar continuaram muito despreza-
das, e sendo as offertas que se fizeram pela maior
I parte a procos reduzidos, a nica venda que nos
Cambios.Sobre Londres, 3 mezesdata, 13mar- (consta a das 2660 saccas do Rio Fuii- thannel
eos 2 V4 schillngs, banco por prazo corto- pelo Flensburg, a 66/6 para o Continente, seguras
13 e 4'/. I livre de avara particular. A cotacao actual de
Sobre Pars, 3 mezes data, 19 l3/ francos por cargas do Rio, Good First, para o Continente, de
100 marcos, banco prazo certo, 189 3/4. 67/0 a 68/0, mas esta cotacao deve reptuar-se em
Sobre Lisboa, 3 mezes data, 47 schillngs por 1& parte nominal.
descont 3 V2 %
PRECOS CORRENTES.
Londres, 8 de julho.
Fundos inglezes.
Do banco, 235 a 237 por St 100
Consolidados 3 %, 92 >/2 a 92 V, por 9 100
Reduzidos 3 %, 92 Va a 92 V por St 100
Novos 3 o/o, 92 7 a 92 / por af 100
As vendas era Liverpool de que" temos conhec-
mento sao 500 saceos do Cear a 68/0 no caes,
e urnas 300 saccas do Rio c da Babia de 70/0
a 71/6.
Cacao.Tendo-se offerecido avultadas partidas
do das possessOes inglezas, baixaram os procos 2/0
a 3/0 em 112 Ib. O do Brasil continuou de'satten-
dido e nao nos constara vendas, Venderam-se em
Liverpool 200 saccas da Baha a 44/0.
Jacarand.=No houve entradas nem vendas.
Exchequer bilis, marco, ls. des. 2s. prm. por S6100 Era 30 do prximo pasado offereceram-se em lei-
> junho, li. des. 2s. prm. por S 100 lao 52 toneledas do Ro mas por falta de Janeo fo-
Fundos estrangeiros. rara retiradas. Em Liverpool no di 3 do corrente
Plalas vegetaes assucaradas de
henil.
Qualquqr uraa pessoa que se sinta atacada da
bilis e que faca uso destas admiraveis pilulas, iK>r
este meio ter tomado a mdhor das precauciies
contra todas as molestias epidmicas. Urna s dse
pode salvar una pessoa da febre amarella, do cho-
lera ou das febres intermitentes biliosas. Produ-
zem um elTeito verdaderamente maravilhoso em
todos os desarranjos do figado e do ventre. Ellas
se compoem exclusivamente de substancias vege-
taes e ser urna medicina fortificante que nunca de-
bilita, podem por isso ser administradas com a
mesma seguranca, tanto s erianeas as mais te
ras como aos homens mais robustos. Sao as ni-
cas qualidades de pilulas desta natureza que se
acham acondicionadas em frasquiuhos de cryslaf e
sao inapreciaveis como o mdhor dos rcmedios
liara as pessoas de ambos os sexos seja qtml fr
sua idade.
Enconirar-se-ho venda em todas as boticas e
lojas de drogas.
CAIXA FILIAL
DO
BANCO DO BRASIL
EM PERNAMBUCO.
A directora da Caixa Filial do Banco do Brasil
declara aos senhores accionistas que o thesoureiro
da mesma est autorisado a pagar o dividendo re-
lativo ao semestre lindo em 31 de maio prximo
passado a razao de 10000 por accSo. Recite 14
de julho de 1863.
Jos Mamede Al ves Ferreira,
secretario.
Alfandega
Rendimento do dia 1 a 25.
dem do da 27.....
335:761*552
7:1795568
342:941$120
Movimento da alfandega.
Volumes entrados com fazendas 146
com gneros
Volumes sahidos com fazendas
* com gneros
341
------- 487
5
85
90
Descarregam no dia 28 de julho.
Patacho inglezJferceymcrcadorias.
Barca inglezaCr/frr/o)i*=carvao.
Galeota hollandezaPeterdinn Maic/('t=polvora.
Barca portuguezaura=charque.
Iinportaeo.
Barca ngleza Criteriam, vinda de Cardiff, con-
signada a Wilson Hette & C, manifostou o se-
grate :
378 toneladas do carro de pedra; a Seott V I-
son & Hette.
Polaca hespanliola Ventura, vinda de Barcelona
e Tarragona, consignada a Rabc Schmmettau & C.
manifestou o seguinte:
260 pipas, 20 meias ditas o 200 barris vnho
tinto e branco, 500 resteas de alhos; a Raba Schm-
metau & C.
Lugre argentino Eliza Maria, vindo de Porto
Alegre, consignado a Araorim Irraaos, manifestou
o seguinte :
1,244 saceos farinha de mandioca, o 1,101 ditos
feijao;aosmesmos.
Recenedorla de rendas Internas
geraes de Pernambuco.
Rendimento do dia 1 a 25. .. 39:2035960
dem do dia 27......... 10:275*517
49:479*477
Consulado provincial.
Rendimento do da 1 a 25. 69:6515618
dem do dia 27......... 3:097*281
72:748*9
Hanihiircjn .'i de julho de 1863.
Bdletim commercv.
O mercado continua em posicao bastante frooxa,
Fe as vendas realisadas foram nicamente para o
consumo urgento os precos mos-am tendencia de
baixa.
Caf.Os supprimcntos recobidos no mez de
junho foram consideraveis, e os possuidores viram-
se obrigados a consentir n'uma pequea baixa dos
precos. O estado poltico da Europa impde todo
o emprego de maior extensa, e s ievtdo fir-
meza e habilidade dos possuidores nao terem os
precos baixado mais. Venderam-se em lunho cer-
ca de 57 mil saccas de caf do Rio e de Santos.
Desde Io de Janeiro entraram cerca 218,670 saccas
de caf brasileiro.
otamos o caf real ordinario do Rio 7 V 7 5/&
schillngs. *
ImportaeSo de caf desde r do Janeiro ate fins
de junho. ^ 37,100,000 libras
1860 48,700,000 c
1861 44,000,000
1832 46,800,000 c
1863 43,280,006
Em ser em fins de junho.
1859 12,000,000 libras
1860 13,500,000 c
1861 13^60,000 t
1862 19,000,000
1863 19,000000
Assucar.-'-O estado de auiraacSo no mercado de
assucar j desaupareceu, e aeha-se ludo no amigo
estado de frouxido, e havendo sido consideraveis
1 as importaooes ltimamente, os possuidores terao
de consentir emunia pequea baixa para realisar
vendas.
. trang
Belgas 4 %, 98 a 100 por S 100
Brasileiro 5 %, 100 a 102 por S 100.
4 Vj % 90 a 92 por S6 100 ex div.
Egypcios 7 /o, 101 a 102 por 100
Hespanhes 3 %, 54 a 54 >/? por S 100 ex div.
differidos 3 ">/, 48 '/j a 48 /< por S
/ 100 ex div.
divida interna 3 %, 50 >/ a 51 /i por
100
Hollandezes 4 %. 101 >/ 102 /* lr 26 100
* Vi "lo, 64 a 64 Vi'por 100 ex div.
Italianos 5 %, 71 '/i a 71 V, por f 100 ex div.
Mexicanos 3 %, 37 a 37 Vi por X 100
Peruanos 1 Vi %, 94 / a 95 Vi por 26 100
Portugueses, 1858, 3 /, 47 3/i a 48 '/ por 26 100
Dos 1956 1862, 3 /. 47 3/4 a 48 /, por 26 100
Russos 5 o/0, 94 a 95 por 26 100
novos 5 o/0, 93 a 93 '/2 \m 26 100
, 4 /2 o/o, 89 a 89 por S 100 ex div.
3 o/o, 58 a 59 por 26 100
Sardos 5 o/o, 90 a 92 por 26 10 ex div.
Turcos, 1&54 6 "/^ 92 a 93 por 26 100
1858 6 o/o, 70 V< a 70 V, por 26 100
1862 6 o/0 67 '/i a 68 por 100 ex div.
Internos, 50 ty a 51 por S 100
1863 cautellas, 3'/ a 2 3/i premio
VenczueLnos, 56 >/i a 57 '/, por 100
Cambio.
Lisboa 3 n/d, 52 3/4 a 52 7por S
Porto 3 m/d, 52 7/H a 53 por 26
Rio de Janeiro 60 d/v, 26 |>or 26 nominal.
Amstcrdan 3 m/d, 11 18 a 11 18 '/i por S cst.
Hamburgo 3 m/d. 13 8 a 13 8 >/i por 26
Paris 3 M/d, 25 47 '/i a 25 52 /i por S
3 d/v, 25 20 a 25 30 por
Marselha 3 m/d. 23 47 Vi a 25 52 Vi por S
Genova 3in/d, 25 37 /i a 25 62 >/ l>r
Trieste 3ra/d, 11 35 a 11 40 por 26
Vienna 3 ra/d, 11 33 a 11 40 i>or 26
.Madrid 3 m/d; 49 >/ a 49 peso
Cdiz 3 n/d, 49 /, a 49 peso
Gneros de importacao.
Algodao e Pernambuco. 19 d. 22 '/i lr '
Ao Maranhao, roda, 20 d. a 23 por Ib.
maquina, 20d. a22 d. Vi Ib.
da Babia, 19 '/ d. a 22 '/i d. por Ib.
Assucar do Brasil, branco, 20 s. 0 d. a 26 s. 0 d-
por 112 Ib.
Captivo de direitos, mascavado, 16 s, 0 d. a 21 s. 0
d. por 112 Ib.
Arres do Brasil, 10 s. 0 d. a 21 s. 0 d. por 112 Ib.
Nao ha.
di India, 7 s. 0 d. a 15 s. 6 d. por 112 Ib.
di Java, 10 s. 0 d. a 21 s. 0 d. por 112 Ib.
Caf de Ro, 00 s. Od. a 71 s. 6 d. por 112 II).
lavado, 72 s. 0 d. a 86 s. 0 d. por 112
Ib. ntminal.
Cacao d Para, 56 s. 0 d. a 58 s. 0 d. por 112 Ib.
nominal,
dem di Baha, 46 s. 0 d. a 48 s. 0 d. por 112 Ib.
nominal.
Tapioca do Rio, 1 3/< d. a 5 d. por Ib. muito frouxo.
do Para i Vi d. a 1 Vi por Ib. dem.
Courcs do Brasil :
Seceos silgados, de 24 a 36 lbs., 5 '/i d. a 6 d. por
Ib. frouxo.
Seceos, de 8 a 22 lbs., 7 d. a 7 >/i por Ib. frouxo.
Verdes, de 38 a 54 lbs., 4 d. a 4 /2 d. por Ib. idem.
Do Rio de Janoiro :
Verdes, de 48 a 72 lbs., 3 3/i d. a 4 d. por Ib. idem.
Do Rio Grande :
Verdes, d 65 a 70 lbs., 5 Vi d. 3 V d. por Ib.
idem.
dB ka a 50 lbs., 4 '/i d. a 5 / d- por Ib-
dem.
Seceos, de 28 a 34 lbs., 8 Vi d. a 9 d. por Ib.
de 20 a 24 lbs., 7 Vi d. a 8 Chifres de 9 a 16 onras, 10 s. 0 d. a 13 s. 0 d. por
123 liiir.
de 22 a 24 oncas, 33 s. 0 d. a 42 s. 0 d. por
123 firme.
Urzella Angola, superior c limpa. S 3o d. 0 s. por
fondada nominal.
Inferior, 26 28 s. 0 d.por tonelada
nominal.
Azeite de Portugal, doce, 26 54 s. 0 d. a 26 53 s.
0 d. por 252 gs. frouxo
de Palma, superior, S6 36 s. 0 d. por tonela-
da frouxo.
de Oco, Cochin, S 46 s. 0 d. por tonelada
frouxo.
de Coco, Celao, S 46 s. 0 d. por tondada
frouxo.
Ipecacuanba, 6 s. 4 d. a 6 s. 8 d. por lo.
Jacaranda do Uio, 26 tO a 16 por tonelada.
da Baha, 26 9 a 26 13 por tonelada, no-
minal
Marflm de \ngola de 70 lbs. para cima, 30- s. 0
da35s.0d. por 1121b.
de Wa65.1bs-28 s. Od.a S6 34s.0d.
por 112 Ib.
de Oa 3S Ris., 23 s. Od. a* 33 s.0 d.
por 112 Ib.
EscrardhOv* 14s.0d.a 3s. d. por
1121b.
da Costa Occidental de 70 lbs. para cima,
2 s. 0 d. a 34 s. 0 d. por 112 Ib.
de 40 a 65 lbs., 27 s. 0 d. .. 33 s. 0 d.
Por H2 Ib. _
de &a 33 lbs., S 25 s. 04 a 32 s. Od.
por 112 Ib.
Escravdho, 12 s. 0 d. a 31 s. 0 d. por
Cera amarella, Gambia, 26 8 s. 0 d. a 8 s. 15 d.
por 112 Ib. frouxo.
Em eootinuacao da nossa revista do 23 do passa-
do temos a notar o seguinte :
Mercado monetario.O descont do banco de
Inglaterra Oca a 4 p. c,; a taxa tora d'aquelle es-
tabelocimento de 3 Vi a 3 VP- c.
Algodao.Xo decurso desta revista houve poueo
movimento, e os compradores operaram com reser-
va, devido aos varios boatos que tm circulado so-
bre a questao americana. Sobem as vendas a
urnas 60,000 saceas.
Assucar.As vultadas entradas vieram augmen-
tar a nossa existencia, que monta actualmente a
100,000 toneladas, sendo mais do que em qualquer
tempo desde 1831; isto fez com que o mercado
continuasse na apathia noticiada na nossa ultima
revista com tendencia para a baixa, de modo qne
estabelecen-se asqualtdade*das.possessoes ingle-
zas nova reduceao de, termo medio 6 d. em 112 Ib.
No do Brasil nao constam transacc3es, quer em
deposito quer no mar, pots o esmorecimento actual
obsta a que os possuidores offerocamas suas parti-
das em ser, e as cargas" no mar encontram pouca
procura, quer para o continente, quer para o Reino
Unido. Por eonsegumto, as nossas cotaedes para
cargas sao em parte nominaes, como segoe :
De Pernambuco, branco 24/0 a 26/0 para o Coa-
tinente e 24/0 a 26/0 para o Mediterrneo.
rpool
apresentaram-sc em leilao 105 toneladas do Rio,
e realisaram de 8 5/0 a 23 10/0 por tonelada, sen-
do o termo medio 14 6/6. O mercado contina
em apathia. Existencia 3498 concoeiras do Rio, e
9751 concoeiras da Baha.
Pao Brasil.Empatado.
Couros.=Em presenea da existencia augmenta-
da e dos supprimentos" quo ainda (lcam por rece-
ber, nao se deve contar com precos mais favora-
veis : recejamos mesmo que os actuaes difllcil-
mente se sustentem.
Xo periodo desta revista a procura para quasi to-
das as qualidades foi muito limitada; o commercio do
producto munufatucradoacha-secm grande apathia,
a qual, se continuar, obstar a qualquer raelhora.
SeboAs vendas, achegar e em ser, do do Rio
da Prata no decurso do mez passado montara a
1628 pipas. O mercado. ltimamente tornou-sc
muito frouxo, mas de crr que a procura melho-
re gradualmente., visto que varaos approximando
dos mezes em que se faz maior consumo di-sle
genero. Os precos eontinuarao a fluctuar, confor-
me a situacao poltica se apresentar mais ou me-
uos favoravel, mas sob oulro qualquer ponto de
vista os precos dificilnienle subro muilo. Co-
tamos o da America Meridional como segu :
De boa cor 42/0 a 42/3 por Ib,
SolTrivel e escuro 40/6 a 41/0 por 112 Ib.
Escuro e muilo escuro 37/6 a 39/6 por 112 lib.
Azeite doce.Procura muito limitada.
Cambios.Sobre o Hio de Janeiro nao houve
transaccjes. Effectuaram-sc sobre Portugal trans-
saccoes solfrives a 523/4 d. e 527/s d. sobre Lisboa,
e W/i d. a 53 d. sobre o Porto.
Metas preciosos.A prata em barra contina
era apathia. As patacas mexicanas esti\eram um
tanto mais firmes.
P. S.Algodao.As vendas hoje em Liverpool
montara a 6000 saceas, indurado 70 saccas de IVr-
nambuco de 20 d. a22'/i d. e 300 saccas de Maeei
de 197, d. a 20 d.
4a Re-
MOVIMENTO DO PORTO.
N'i.ritis entrados no dia 27.
Southamptom e portos intermedios18 dias, vapor
inglez Oneida, commnndante J. A. Bevis, equi-
nagem 128.
S. Francisco (na California) 231 dias, galera ame-
ricana John Ilouiand, de 388 toneladas, capitao!
I. C. Hasdens, cqnipagem 22, carga 3000 barris
com azeite de poixe; ao capitao : veio refres-
car.
Rio-Grand.i do Sul -22 dias, patacho nacional Gua-
nbana, de 132 toneladas, capillo Jos Fernan-
des Collio, equipagem 11, carga 8300 arrobas
de carne; a Bailar & Oliveira.
Navios saludos no mesmo dia.
Aracaj Garopeira nacional Nossa Senhora da
Ajudu, capitao Antonio Joaquim Peixoto, com o |
mesmo lastro qne trouxe de Belmonte.
Rio da PrataBarca portugueza Aurora, capitao
Jos Fernandos da Silva, carga assucar e agur-
dente.
Rio de Janeiro e BabiaVapor inglez Oneida, com-
mandanle S. A. Bevis.
EDITAES.
O Dr. Tristo de Alencar Ararpe, official da ini-
peflal ordem da Rosa e juiz especial do com-
mercio desta eidade do Recife de Pernambuco c
sou termo, por S. M. Imperial e Constitucional,
o Sr. D. Pedro II, a quem Dcus guarde, etc.
Faeo saber que no dia 10 de agosto do corrente
anno," se ha de arrematar p^r venda quem mais
der em praca publica deste juizo na sala das au-
diencias o segrate: 1 escravo de norac Manoel,
de mais de quarenta annos.com o offlcio de carreiro,
e com algumas cicatrzes de ferida em urna perna,
avahado por anata centos e clncoenta mil ris, i
o qual fora penhorado por execucao de Guimares
e Lima, contra Jos Antonio Pinto.
E nao havendo lancador a arrematacao ser fei-
ta i>elo valor da adjudcafao com o abatnenlo da
res{iectiva lei
E para que chegue ao conhecmento de todos
mandei passar edilaes que serab affixadDs no lugar
do costume e publicados pela imprensa.
Dado e passado nesta eidade do Reefe de Per-
nambuco aos 17 de julho de 1863.
Eu Manoel de Camino Pacs de Andrade, cscri-
vd o subscrwi,
Tristao de Alencar Araripe.
O capitao Jos Luiz Pereira, cavalheiro da imperial
ordem da Rosa c juiz de paz do 3o anno do Io I
districto-da freguezla do Santissimo Sacramento
do bairro de Santo Antonio da eidade do Recife :
provincia de Pernambuco, em virtudc de lei, etc. I
Faco saber aos que a presento carta de editos
virer que por parle de Antonio Domingos Pinto,
me foi enderecada a petic,ao do tlieor seguinte :
Illm. Sr. ju de paz.Antonio. Domingos Pinto,
estabelecido com lojas de trastes nesta eidade, quer
fazer citar a Joaquim de Souza Valle, para que na
primeira deste juizo, conciliando-se com o suppli-
cante, lhe pague amigavelmento a quantia de .
273*300, proveniente do alugd de mobilia, de que-
6 devedor ao supplicante, c por que csteia o sup-
plicado ausente, em lugar ineerto e nao sabido, e-
quer o sapplicante V. Sv se sirva de admitti-lo- a
justificar a ausencia do supplicado para qne ulga-
da a justificafao por senteaea, se passe canas de
editos com o praso da lei, afhn de ser por da ci-
tado o supplicado para e mencionado flm, com a
pena de revela.Pode V. S. deferimeato E. R.
M.Como procurador, Luiz Francisco de Mello Ta-
rares.
Na qual petiejio dei o despacho que adianto se v.
Justifique distrieto de Santo Antonio, 20 de
julho do 1861Pereira.
Era virtude do qual despacho se procedeu a in-
quircao de testemunhas que depozeram sob o ju-
ramento dos Santos Evangelhos, a respeito da au-
sencia e incerteza do lugar da residencia do justi-
ficado Jeaquim de Souza Vallo, e sendo tudo autoa-
do e preparado, me vieram os autos concluso, o'
por mim liaos, nelles profer a sentenca que so se-
gu. Visto provar-sc pelo deferimento das teste-
rouiihas que o supplieado Joaquim de Souza Valle,
aeha-se ausente em parte incerta, hei por justifica-
da a sua ausencia, e passo-se carta de editos como
praso de 30 dias, e pague o justificante as cusas.
Io dlstrirto da freguezia de Santo Antonio, 24 de
julho de 1863.Jos Luis Pereira,
Nada mais se continha em dita sentenca, dada
nos autos por bem da qual se passoa ao justificante
o presente eui com o ara de ae, pHo mi
se chama e cita o referido Joaciuin de Soasa Tal-
le, para que dentro dos 30 dias rainarera par si
jwrseu bastante procurador, parales e amo*,
fiara se proceder aos termos de coaduao na for-
ma da pelico, e mesmo a qualquer oatn aessoa,
para que lhe faca saber desta laeanu citano, aiat
de que ello nao fique indefeso.
O porieiro deste juiz publicar
mais pblicos deste distrieto u o
certidaoem forma.
Dado e passado neste 1* distrieto d
S, S. do hairro do Santo Antonio da
eife provincia de Pernambuco, aos 14
dejulho de 1863.
Eu, Joaquim da Silva Reg, escrivao, a
Jos Luiz Pereira.
O Uhn. Sr. inspector da thesonrar de hien-
da desta provincia manda fazer publico aja tai
marrado o dia 17 de agosto prximo rimloaro para
o concurso que, vista da ordem do trilwl dn
thesouro n. 113 do 6 do correnle mez, se lea *
abrir nesta thesouraria para preai atalaje das
vagas de praticantes c offlciaes de descarga Mi-
lentas na alfandega desta eidade. Os iimti vrr-
saro as materias de que trata o | 1.* doart 1.'
do decreto n. 3,114 de 27 de jiiobo do corrate
anno, a saber : leitnra -analyse graoMaatr.nl e
orthograhia arilhinetica c suas appattaefies *>
commercio, com especialidade a rednreode n>>
das, pesos e medidas, calculo de descont, jaree
simples e compostos, tbeora de cambios e anas ap-
plicacOcs. Os concorrentes devero previaiaemi.:
apresontar seus requcrmenlos inatnmlos de !?-
cumentos que provem idade completa de W an-
uos, iseneo de pena e culpa, e bom caajporta-
mento.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Pernam-
buco em 21 de julho de 1863. Sei liaao de olR-
cial-inaior, Manoel Jos Pinto.
DECLARAyES.
Sanli Casa de 1fl>ericoraHa aW
Recite.
A Illraa. junta administrativa da Santa Casa d
Misericordia do Recife manda convidnr as pes-mos
que se julgarem habilitadas para fazerem tom-
bainento da mesma Sania (asa. comparecen
nesta secretaria, alim de ohlerem os esrlarennii'n
tos necessarios jiara |ioderem organisar soas |>r i
postas.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia doR-
cife, 23 de julho de 1863.
O escrivao,
A. F. Car airante Comi$err9.
Pela subdelegada do 1.* distrieto don Afinca-
dos .-e faz publico qii" |'la mesma foi apprch.'i
dida rana nula castanha escura que andava i
gando sem conductor pela estrada : quem lor ara
dono baja de procurar, que dando us sganos ti
ser entregue. -O subdelegado.
Jos Antonio da Silva Grillo.
Pela subdelegacia do 1." disincto do* Alaga-
dos se faz publico que pela mesma foi appraaaa-
dido um cavallo alaso, pequeo, em mao # nr-
sujeito (pie diz o furlra de Joaquim de tal, a?
dordoengenho Tapera da freguezia de Ipojocj
quem for seu dono pode procurar qne llie ser en-
tregue.O subdelegado.
leal Antonio da Rttn lrilla.
Maula Casa da Niserierdla do
Recife.
A Illm." junla administrativa da Santa Casa ia
Misericordia do Recife manda fazer publico qor no
dia 30 do corrente pelas 4 horas da tarde na sal-
de suas sessoes conliinia a [iraca das rendas da-
eaeas abalan declarada- por tenioo de um a arr>
annos.
Os prdendenies deven comparecer arompanha
dosdse-us fiadores ou munidos de cartas destes.
Islaliclrrirarates it cariaaV.
KuaDirea.
N. 4 particular e 33 publico nm andar. 3HHfW
X. 82 particular e 5 publico tres an-
dares...............l:OP40n>
N. 83 particular e 7 publico tres an-
dares.............. Mrtlft
Ra do Padre Kloriano.
N. 0 particular e 47 publico rasa terrea. IRAJtOO
X. 7 particular e 45 publico aMB tana. I2*V0W
X. i>6 particular e 63 publico casa lar-
ra ............... IWt-300
X. 90 particular e 13 publico casa ter-
rea. ................ 1814)
Becco da Carvalha.
X. 10 particular e 5publico casa terrea. HOJJ
Ra dos Pescadores.
X. 16 particular e 11 publico casa ter-
rea................. +&*>*
Ra da Calcada.
X 17 particular e 30 publico casa ter-
rea................. I7i30*
X. 19 particular e 84 publico casa ter-
rea................. 119-VXN)
X. 21 particular e 38 publico casa ter-
rea................. I56-V>
Ra da Virac.Vi.
X. 27 partiente e H publico casa ter-
rea................. *u.>m
Ra de Santa Thereza.
X. 31 particular e 7 publico casa, terrea. I'.H><
X. M particular e 5 publico casa terrea, 2-Jim
Ra de Hortav.
X. 29 particular c 41 publico dous amb-
les................. Xfclji
lina da Roda.
X. 35 particular e 3 publico casa terrea. lOKjinn
X. 36 particular e 5 publicocasa terrea. 8!l3n>
X. 37 particular e 7 publico casa terrea. 11 y
X. 99particular e 1 publicocasa terrea. l->- >
Ra Xeva.
X. 46 partieular e 48publico umandar. 1.312>??
Ra da Imperatriz.
X. 47 particular e 68 publico casa ter-
rea.......... ...... 36610'
Ra da Gloria.
N. 51 particular e 65publirr casa ter-
rea............... I44*>>
Ra do Encantamento.
N. 52particular e 3publico 3 andares. 480JO"
Ra do Azeite de Pdxe.
X. 53 particular e 1 publii<> i andar- 60tV5'n
Ra do Amorim.
X. 5.4 particular e 31 publico um andar. l-'>4i >
Ruada Lapa.
N. 56 particular e 8 publico um andar. I44>>
N. 73 particular e o publico nm andar. 42u00>>
Ra do Pilar.
N. 59 particular e 73 publico casa ter-
rea................. MMOfto
Ra de Sao Rom Jess das CriouL-is.
X. 61 particular e8pubhcoeasa lerfea. 131*'
Ra da Cruz.
N. 68 particular e 15 puhlico3 andares. I**!
Ra do Nogneira.
X. 62 particulare 17 publicocasa ter-
rea- ................
Ra da Cadeia do Recife.
X. 72iparticular e 30 publico 3 andares. 74*JfttJi)
Beceoda Lama.
X. 73 particular e 30-publico casa ter-
rea................. 24O
Travs* do Carcereira
X. 85 particular eftt iiubiico casa ter-
rea............. .. am*>
N. 87 particular e t? publico casa Mo-
fea................ HM60n>
Patrianaie e arpaaai.
Ra da Madre de Dos.
H 24 particular e S6 publico doos an-
dares................ 90U6W
Beeeodas Botas.
N. 39 particular o 18 publico dous an-
dares ............... 36RJ>
Ra da Moeda.
N. 44 partiente e 21 publico casa Ber-
rea ................ 2MJ6W
Rna do Amonan.
X. 54 particular o 21 publico 3 andares. 300JD >
X. 56 particular e 26 publico rasa ter-
rea............... .. 7*#M>
Ruado Burgas.
X. 69 particular e 21 publico coa ter
rea..............
Sitio do Parnaawirm.
N. 1 particular.........- .__,
Secretaria da Santa Casa da Miseneore a ac-
eite *2 de julho de 1863.
Oescnvao,
F. A. Caralcanti Cmmeiro
- Terca-feira 28 do corrale mez de joftu, aa
11 horas do dia se ha de arrematar en jaropa pn-
blica do Sr. Dr. juiz de orphaos. por airntani'n-
to, a casa torrea n. 75 da roa do Qaeaaaau
liada por 400# por anno, DerteaceaaBj
Joao Rodrigues Lima, e va iwapa a
lo de Luiz Moreira da Seta Mate.
- Na audiencia do Dr. jan niialilnl Ja L
vara, no dia 28 do cmala, aaaaer a Pfyaur
vendaoeScraro Luia, pealwaaao a Maaoei fm dr
| Oliveira por execneio que eaata o
minha Florentino Velloso Cmliaaa
que pelo cartorio do escrivao "



Diario de Pcraarubuco Tarea, tetra t de Jalho de 1M9.





conselho administrativo.
O consellio administrativo, para fornecimonto do
"arsenal de guerra, tem'de comprar os objectos se-
guintes:
Vara o 2* Itatalho de infamara de linha.
6 caldeirss de ferro fundido para 100 praeas.
Par* o 9" batalho de infamara.
6 resmas 4c papel almaco, 6 caias de pennas
de ac, 2Wdilas de ave, caivetes, 6 garrafas de
tinta prett, 6 duzias de iapis de pao, 6 libras de
area prela, 36 eicmplares do collerones de cartas
liar principiantes, 36 taMadas, 12 grammaticas
portuguezas j*r Monte-Verde, ultima edirao, 12
compendios de aritlunetica (>or Avila, 12 pautas,
36 ansiados, 6 podras para escripia, 18 lapis para
ditas, 2 boneis para us sargentos ajudante e
fluartel-niestre, 27 ditos para msicos, ".'> ditos
Rio
de Janeiro.
O veleiro c novo palhaboteJD. LAax I, capitao
Andr Pinto de Campos BritM^cgue sem demora,
recebe carga commodo frete: wata-se com Mi-
guel Jos Alves, ra da Cr zn. ,_l%_________
Para em direltura.
Seguir para o indicad porto com toda a bre-
vidade o beiu conhecido hiato Lindo Paquete, ca-
Sitao Antonio Maria da Costa e Silva, a chegar do
laranho a qualquer momento : para o pequeo
resto de carga que Ihe falta, trata-sc com o consig-
natario Antonio de Almeida Gomes, ra da Cruz
n. 23, prinieiro andar.
(llegada de largo, 31 /. varas ra da una n. i.------------
Para Lisboa e Porto.
Pretende segair com muita brevidade e veleiro
e em conhecido brigue jiortugucz Helio U capitao
seu car-
falta e
commo-
consignatarios Antonio
C., no'scu escriptorio
varas -de cordaode laa preto, -ii
pratade 1 poHcgada
lao de prata de */, pollegada de largo, 51 '/j
de-aniagem, -M45 varas de liriiu branco,
varas de algodiozinho 378 Uitoes grandes de me-1 scguc impretervclniente no dia 25 do correntc o
tal prateado com o n. 9, 162 ditos pequeos *lc:dito brigiv portuguez S.-tfaww/ I, i
dito com o -Jiiesino n. 9, 103 pa*es de clcheles
L331
Para o Porto
pretos.
Para o corpo de guarnieao daprovincia -da Pa-
ra hj ba.
346 bonets, 346 mantas de lio, 17 bandas de laa,
"058 pares de sapatos, 1,730 oovados de panno azul,
2i0 covades de dito dito paraapolcs, 21 '/z cova-
dos de caseinira verde, 140 cavados de baeta ver-
!e, 1,297 V, ovados de hollauda de forro, 3,260
varas de fcrim branco, 2,39.* varas de algodaozinho,
173 varas de aniagem, 3,124 botoes
igiw portuguez S. Mamel i, recelie nicamente
passageiros, para os quaes teni cxcellentes com-
modos : a tratar na ra dn Vigario n. 10, com os
seu consignatarios Manoel Joaquim Ramos c Sil-
va* Genro.
metal amarllo, 3,14 ditos pequeos, 380 pares de
clcheles pretos.
Quom quizer vender taes objectos aprsente as
-nas propostas em carta fechada, na secretaria de
r-onselbo, as 10 horas da manba do dia 31 do cr-
lente mez.
Sala das sessoes do conselho administrativo, para
fomeimenlo do arsenal de guerra, 27 de julho
Iho de 1869.
Antonio Pedro de Si Brrelo,
Coronel presidente.
Sebastido Antonio do Reg Barros,
Yogal secretario. \
Pela thesouraria provincial se fas-publico,
que a arremataran dos reparos das pontes dos Re-
medios na povoacad dos Afogados, c sobre o rio
Jaboatao na estrada da Escada, foi transferida para
o dia 30 do corrente.
Secretaria da thesouraria provincial de Pcrnam-
buco 24 de julho de 1W*:.- o secretario,
A. F. d'Anniinciacao.
Na ipiarta-feira 29 do urente, linda a au-
diencia do lllm. Sr. Dr. juiz municipal da 2." vara
se ha de arrematar urna preta crioula de nome
Thereza. avahada pela quantia de 6005, a qual vai
prac,a a requei'iincnto do teslamenteiro e inven-
tarame da finada D. Luiza Ferreira (jomes, escri-
vao Mella. /
O abaixo assignado, lancador da recebedoria
de rendas internas geraes, de conforniidadc com o
artigo 37 c scus do decreto de 17 de marco de
1860, continua no dia 27 do correntc a faier a
collecta no bairro do Recife nas rnas seguinlcs :
Tanoeiros, Trapiche, praca do Commercio e Viga-
rio, dos impostos a que estilo sujeitas as lojas c
asas commerciaes e outras de diversas classes e
denuininacdes ; avisa aos donos dos respectivos
cstabelecimentns que tenliam presentes no acto da
collecta os recibos c papis de arrendamenlo de
=uas casas, visto que clles teriio de servir de-base
ao processo do lancaniento. Recebedoria de Per-
uaiiibuco 2o de julho de 1863.
Jos Theodoro de Sena.
Arremataco.
No dia 28 do correnle depois da audiencia do
lllm. Sr. Dr. juiz municipal da primeira vara, tem
de ser arrematada a casa terrea meia-agua, sita na
i na da Ponte Velha n. 3o, pelo preeo da adjudica-
cao que de 4805000 rs., por execuco de Leojiol-
(io Ferreira Martins Ribeiro, contra os herdeiros
de I). Antonia Maria de Castro.Escrivao Sa-
aiva.
Para o .Uaranhao c Para
pretende seguir nestes oito dias o veleiro e bem
conhecido brigue escuna Jo sen bordo parle deseu carregamento ; para o res-
,*o que Ihe falta, trata-se. com os seus consignata-
grandes de .arios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no
seu escriptorio ra da Cruz n. 1.
l'ara o Aracaty.
O hiale S>int'Anii ves segu para o Anicatyut o dia 28 do correntc
mez. pode recetor ainda lguma carga.para o que
se trata na ra da Cadeia n. 57.
LEILOES.
LEILAO
das dividas da massa fallida de Braz Marcelino do
Sacramento.
io.ii:.
Terca-feira 28 do corrente na ra da Cadeia nu-
mero 33, as 11 horas.
0 agente Euzebio vender em leilao pelo maior
preeo que se adiar requerimento do depositario
e atorisaco do lllm. Sr. Dr. juiz especial do com-
mercio. as dividas daquella massa. ______
LEILAO
TllEATUO
DE
EJIPKEZA
DE
A. J. DliRTE COIHBRA.
Recita iirre da asignatnra.
Quai ta-IVira 2 de julho de 1S63.
Repreaentar^e-oa o muito aplaudido drama
ein actos,
Original do Sr. Mondes Leal Jnior.
O papel de Pedrh desenipenhado pelo Sr. Por-
tado Coelho.
Terminar o espeiiaoulo com a comedia em um
icto, ornada de muska,
MA MULHER
QUE SE EMBRIAGA.
Principiar s 8 horas.
AVISOS martimos.
COMPANHIA BPJLSILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portes de sul esperado
al o da 30 do. corrente o vapor
Apa, cuwjuiandanfe Alcanforado
o qual dqivis da d 'inora do cos-
tiune segupaca .os portos do
norte.
Il-de j. r*c^l'm-se pasM^eira-:. e engaja-sc a
carga .que o vapor poder cooduzir, a qual dever
ser abarcaAt no dia de sua ehegada, encom-
mendftfi e dinhei-'o frete at odia da sabida s 2
horas; .agencia, Ma da Cruz n. 1, escriptorio de
AnlonMi J^uiz d DE
UM PREDIO.
HOJE.
Terca-feira 28 do corrente as H horas da manha.
O agente Simoes far leilao no dia e hora cima
mencionados, de um sobrado de 3 andares e sotio
sito na ra da Cruz n. 27, com solo proprio. Os
pretendemos que desejarem informarse do referi-
do predio podem entender-se com o mesmo agente
roa do Vigario n. 17, primeiro andar, aonde ter
lugar o dito leilao.
DE
Predios.
Um sobrado na ra Imperial n. 64, com 40 pal-
mos de frente e 180 de fundo, tendo o andar ter-
reo 2 salas, alcova, gabinete com alcova, cosinha,
e um glande salao com 7 quartos; o primeiro
andar tem urna grande sala, 2 alcovas, 1 quarto no
corredor, sala de delraz com 2 camarinhas e unta
grande sala de jantar, cosinha e um quarto ao la-
do, um grande solao com lioa sala, 3 alcovas e um
quarlo, grande cysterna, cacimba, 2 quartos fura,
estribara, eoxeira e um grande quarto para guar-
dar cariocas. 2 grandes quinlaes tendo um delles
um helio jaidim e Mitro plantado com diversos ps
de sapotizeiros c outros arvoredos, tendo ambos
200 palmos de largura e 140 de fundo.
Urna casa na inesnia ran. 06 com duas ponas
de frente, duas salas, dous grandes quartos, cosi-
nha c um |iei|ueiiii quintal.
l'm sobrado de 2 andares na ruado Livramcnto
n. 9, tendo cada andar 2 salas e um quarto.
iioji:.
O agente Almeida far leilao |ior autorisacao da
caixa filial dos predios cima mencionados, na sa-
la da associacao commercial, s 11 horas.
LEILAO
Scgunda-felra 3 de agosto.
A requerimento dos administradores da massa
de Manoel de Azevedo Pontes por despacho do
lllm. Sr. Dr. juix do commercio c por intervenco
do agente Pestaa irfio leilao as dividas pertn-
cenies a mesroa massa no valor de 132:3035185 rs.
constantes de urna retacao parte com letras as
quaes se aelmmem peder do agente para poderem
ser examinadas e est prompto a dar qualquer es-
plica^ao: o leilao ter lugar segunda-feira 3 de
agosto vindouro pelas 10 horas da manhaa na as- j
socia^ao commercial.
AVISOS DIVERSOS.
LOTERA.
Qaarta-feira 5 de acost prximo se exti*a-
hir a ultima parte da segnnda lotera da Santa Casa da Miseri-
cordia.
Os bilhctes'e raeios bilhetes acham-sc
votula na respectiva tliesouraria, ra do1
Crespo n. -15, e nas casas commissionadas'
ra da Imperatrtz n. 4i, loja do Sr. Timen- (
tet, praca da. Independencia n. 22, loja do Sr.
Soares 'inheiro, ra Direita n. 3, botica do
Chagas,ruada Cadeia n. 45, loja do Sr. Porto
e em Apipucos estabelecimento do Sr. Fran-'
cisco M. S. Mendos.
Os premios de *i:000/ at 10 sero pa-:
gos urna hora depois da extraccao at as 4 J
horas da tarde, e os outros no dia seguinte,
depois da destribuicao das listas.
O thesoureiro,
________Antonio Jos Rodrigues de Souza.
vao praca por venda, pelo juizo municipal
da cidade de Ohnda, no dia 30 do corrente, depois
da audiencia, um sitio na estrada de Fragoso, com
casa de taipa, fructeiras e capoeira por 9005000,
outro dito na mesma estrada denominado Mele-
qui por 5*005. e urna casa de pedra e cal sita na
ra do Couxo da mesma cidade por 2005, perten-
centes a Jos de Moura Rorges e outros, para pa-
gamento de seus credores.
P1IOTOGR APIIIA ARTSTICA
25 RVA NOVASE
ESQUINA D4 RA DA GAMBOA DO GARU
Trabalham seja qual fdr o tempo.
iva Hamos, medico peft Tni-
versidade de Coimbra, di eoMkM os
sua casa, na na Xova n. 50, das 8 aa 10 i
horas da manhaa, o das 4 s 6.1a farfe '
recebe egualmentc convites para a>atro
ou fra da cidade, com oftm de se erar-
regar de qualquer serviro de *o mifc
s3q. ^
Os chamados deverao nr or i
.:,;>! ..IpifilOI -*
Padaria.
Aluga-se um preto perfeito oAVial de padaria
na ra Direita n. 54, segundo andar.
Joao Cautano de Abreu, solicitador
ditorios desta cidade, faz sciente ao |
especialidade aos seus clientes e amigos que mu-
dou sua residencia para a ra da Prao 9mu
Rita Nova n. 49, onde ntorou o Sr. Dr. Iww,
engenheiro da estrada de ferro, onde seare acu-
ro, das 6 s 9 da manbaa, e das i a tarde en
dianle.
ao-
TODOS OS DAS,
ANDA MESMO DAS SANTOS O DOMINGOS.
*A
Os artistas EUGENIO & MAURICIO, vendo-se cercados de grande concur-
rencia, apenas installados os aprestos de sua oficina, nao poderam evitar ence-
lar seus trabal/ios antes das convenientes experiencias, afim de serem compt*
tos os seus retratos, e tiveram de entrega-Ios ou muito escuros ou omito
claros.
Reconhecendo, porm, agora o mal que semelhanlcs fallas podem
trazer para seu estabelecimento, acabam de operar grandes mwlancas, para
que a claridade seja bem dividida e saiam os retratos nao s completos quanto
aos trajos das pessoas retratadas, como tambem pureza dos traeos do
rosto e maos.
Tendo recebido de Pars, pelo ultimo vapor, novos objectos para retra-
tos, nenhuma duvida Ihes resta de que podem faze-los sem ditterenca afama
dos que preparavam em Pars.
Desejando que todas as pessoas, que se tem dignado concorrer seu f
estabelecimento, fiquem satisfeitas, rogam-lhcs de ali voltar por alguns mi- ( f
nulos, para que urna nova experiencia Ihes prove a verdade um< manan. M. j
c assim patentearem elles ao publico que se seus
mus, era isso s decido causas estranhas sua
Na ra do Hospicio n. M precisa-se de
urna ama de leile que seja sadia.
wmwmmmm
Alnga-sc urna boa escrava pan indo o ser"
vico de casa c compras, muito fiel iguahnmte ozo
escravo para qualquer scrvlco at para 'arpreiro:
na ra do Imperador n. 50, tereeiro andar.
verdade que avauram,
retratos eram outr'ora
vonlade.
Aviso religioso
Fr. Jorge de Sant'Anna Locio, provincial dos
Carmelitas, declara ao respeitavel publico e espe-
cialmente aos devotos da Virgem Saniissima do
Carino do frontispicio, que a feslividade da mesma
Senhora Tica rrevogavelmcnte marcada para o (lia
15 de agosto prximo futuro, e que ser feita com
a solcmnidade compativel com as esmolas que fo-
rem offertadas.
IIVO IMiO
ESTABELECIDO NA CIDADE DO PORTO
Igentes coi l'eraawtfe
Antonio Luiz Ir Oli rlra
Azevrilo \ C
Saram |wr Unios os paquetes w>hre o
niesino banco prazo ou vista, sobre a
caixa filial em Lisboa, c agencias em Fi-
gueira, Coimbra, Avr-iro. Viaeu, S'illa-
Real, Regoa, Yianna de Ca.stcllo, Gnima-
,, raes, Barcellos, Umego, Covilha. Braca,
II l'enaliel. Braaara. Amarante. Angra.
Ilha da Terceira. liba de l'aias. Ilha da
Madeira, Villa do Conde."Valenca, Basto.
Oliveira de Azeuieis, Chaves e Fafe. .
oito dias vista ou ao prazo que se ronven-
H donar, no seu escriptorio -
m n*'
cionar.no seu
ra
Prccisa-se de urna ama para cozinhar em
casa de homcm solteiro : na ra do Crespo n. 10.
I'recisa-se de urna escrava
para vender na ra : na
se dir quem.
ou mullier do cor
RA DA IMPERATRIZ N.
7.
Tem a honra de participar aos seus numerosos freguezes e ao respeitavel publico desta capital
assim como das provincias, que acaba de receber pelo paquete francez Nacarre um completo e muito
botica do pateo do Carino vana,J sortimento de objectos para presente, assim como recebeu tambem ricos leques e ricos pentes
quer de atar cabello quer de alisar e tirar bichos; na mesma casa enconlrar o respeitavel publico to-
-Aluga-seacasada ra de Bemca na Passa- TSde SucTfeJo^ "laS *"** V"***"** ue Pa> e ^ Para tin^ **B*
fZ S^o^Tra^iSffi fanS de beSeST* "" ('n'ni-" "*" 8 frSar Cab,;"S ^ ^ <* "* ** ,0da ^
quartos [tara pretos, estribara para tres cavallos,i ______-._________________^_
cocheira para carro, sitio com aores de fructo e I '---------------------------------------------------------------------------------------------------
capim para dous cavallos ; pode ser examinada a
qualquer hora por estar sempre abena : a tratar
na travesea da Madre de Dos n. 12 can Jos Joa-
quim Dias Fernandes.
No paquete inglcz que hontem soguio para o
Rio de Janeiro seguio Braz Dias Corma, natural
0 abaixo assignado comprou ao Sr. Jos Ber-
nardino Alves a sua taberna sita na ra dos Marty-
rios n. 33, livre e desembaracada de qualquer de-
bito. Recife 28 de julho de 1863.
Manoel Pereira de Carvalho.
Claudio Dubeux, proprietario
das linhas de mnibus faz
sciente a quem convier que do
1 de agosto at o fin de outu-
bro prximo vindouro o mni-
bus de Jaboalo s far 3 via-
Quem precisar de alngar urna amaqiv
nha o diario de, una casa, e pira fazer o ^rrico
interno da mesma, afiancamlo a sua cowlncta m-
"do para casa de pouca familia, dirija-se a roa 'lo
Imperador n. Ifi, tereeiro ailar.
Aviso ao comaarrri*.
Parlicipa-se que a agencia do corre pirti^alar
da Parahiba na ra do Vigario. taberna n
deve chegar bMlas as quintas-feiras e j.ihir no Btta-
nio dia as .'i horas da larde.
Leo|iolil Weil reliia-e ilaqui p;ir:i Mar.1
Offerece-se um rapaz pieni sal' coankar :
quem pretender dirija-so a ra da Concordia nu-
mero l*>.
Alnga-sc a casi da na das
coin os comuiodos >egiiinie> :| quartos.
165 : a tralar na ra do Li vi amento n. 0.
I vmm iras n.
H. 2-ala- 1-
Os Srs. Cals Irmaos como credores do Sr. Jo
da freguezia de S. Pedro de Riba d'A\e e de villa s Joaquim da Costa Maciel participam ao commer- 8ens Pr semana, sabindo do Recife nas lercas-rei-
Nova de Famelicao, o qual deseja ter noticias de' ci desta praca que nao pode vender a sua casa de ras quintas c sabbados as 4 1|4 horas da tarde, e
um senhor de nome Manoel Dias Coma, e pede-
lhe cscreva para o Rio de Janeiro,
DE
2 ha licita-, i i remos, 6 peras de rabos uo>os, 2
laucas c 2 croques.
Terra- /eir 28 d julho a urna hora a tarde.
0 agente Piulo far leilao por ordem do lllm.
Sr. cnsul dos Kstados-lnilos. cun aulorsacao do
lllm. Sr. inspector da alfandego e em piesenca de
um emprendo da mesma repartieao de todos os
objectos cima mencionados pertencontes aos na-
vios americanos, aprisionados na Ilha de Fernando,
ists no dia e hura supradito na ra do Trapiche No-
\o i-ni frente ao consulado americano.
(OUVAAllll
MESSAGERIESIMPERIALES.
iNutia.'Wdo corrente espera-se
dos poi'tos do sul o vapor francez
Mwone, commandante Vedel, o,
qual depis da demora do costu-
nie scg.ft para Bordeaus tocan-'
do. ota S. Vicente Uabpa.
(Eui S. Vicente fea umvapor em corresposden-
A ccinpanhia enearrgae ^3c segurar as mer-
adorias embarcadas n bqrdo .dos vapores, assim
?onio Uwibeni recebe dnheirc e objectos de valor
wfl destino a Londres n tranco por Bordeaux
c Boulogne.
I'aja as condicies, frete e pasa^ens trata-se na
ageneia ruado Trapiche fl. 9,_____________
J)E
risianos
Como seja ni
EM CHAOS PROPR10S.
1 sobrado de 2 andares da ra estreita do Rosa-
rio n. 24.
1 easa terrea na ra do Amoriin n. 30.
1 dita dila n pateo do Paraizo n. 31.
1 dila dilana ra da Alegran. 14.
1 dita dita na ra do Mondego n. 69.
1 dita dila na mesma ra n. 71.
1 dita dita na mesma ra n. 73.
1 grande casa terrea assobradada na ra do Mon-
dego n. 16.
I casa terrea na ra do Mondego n, 75.
EM CHAOS FOREIROS.
1 sobrado detlous andares na travessa do Livra-
menton. 18.
1 dito de dous andares na ra das Aguas-Verdes
n. 70.
1 sobrado de um andar na ra de Santa Rita
n. 75.
1 casa terrea na ra de Santa Cecilia n. 9.
Qaarta-feira 20 de julho.
(A' ra da Cadeia numero 24.)
O agente Pinto legalnieute autorisado pelos li-
quidatarios da massa fallida de Jos Antonio Bas-
tos, levar a leilao no da .29 do corrente mez os
predios supra mencionados pertenecntes a mesma
massa, ein seu escriptorio ra da Cadeia n. 24, en-
trada pelo Bccco-Largo.
Principiar s 11 horas em ponte.
molhados da ra larga do Rosario n. 27, sem ter
liquidado nossa divida, Picando nulla a dila venda.
Recife 27 de julho de 1863._________________
O abaixo assignado vendo um annuncio nos
Dianot ns. 168 e 169 do Sr. Jos Joaquim da Cos-
No largo do Hospicio n. 21 se dir quem
alaga urna escrava para qualquqr sen-ico, lano
de casa como de ra.
O abaixo assignado faz ver ao piblico que o la Maciel, declarando ter vendido seu eslabeleci-
Sr. Miguel I.ourenco de Souza, moralor no enge-! ment de molhados sito ra larga do Rosario n.
nbo Aurora, Ihe hypothecra a sua escrava eriou- i 27, ao Sr. Florentino de Almeida Pinto ; previne
la de nome Benedicta, idade 12 annos, pouco mais ; ao mesmo Sr. Florentino ou a qualquer ,tuTro que
ou menos, pela quantia de 4005000 pelo tempo de' queira comprar dito estabelecimento, que nao faca
mu anuo, sendo a dita escrava no preco de 500,5, negocio algum sem primeiro se entender comiso
e na falla deste tempo nao fazendo dito pagamento sobre onus a que esta sujeito o referido estele-
perder o dircilo a escrava, reeebendo do abaixo cimento. Recife 27 de julho de 1863.
assignado a quantia de 1005, como do (ralo feito.
Francisco Tito Xavier de Lima.
Andrs Blanco.
Aluga-se urna loja coin armacao rapaz, no ,
melhor local de negocio por ser na ra o Crespo,!
tambem se aluga um primeiro andar con coiniuo-
dos para grande familia: a tralar com los Hygi-
no de Miranda. ______________________
Attencao
Roga-se ao senhor que esl de vendo 3W5 e dei-
xou como peiihor um escravo que Ihe nao perlen-
ee, para ser vendido, dizendo, ora que dava 1005
por conla, ora 505000 todos os mezes. (fie se nao
quizer passar por tratante e ver seu noue por ex-
fenso ueste Diario para ser conhecido cano tal, va
no praso de (re dias, a contar da data d?sle, pagar
os ditos 3605. Recife 27 de julho de 1863.
o
c <
H H
a
Calrado franrez, na loja do vapor, ra
Nova n. 7.
E digno de aftencao os novos sorti-
mentos de calcado francez. chegado
dita loja, e mi especialmente as mo-
dernas bolinas' com differenfcs c novos
enlejes para senhoras e meninas.
Ao publico.
H >
> M
vol lando de Jaboatao nas segundas, quartase
tas as 6 112 horas da manhaa.
0 abaixo assignado em beneficio de seus cre-
dores vendeu ao Sr. Florentino de Almeida Pinto
o estabelecimento de molhados da ra larga do
Rosario n. 27, onde contina al que possa rece-
ber as dividas pcrtencenles ao mesmo estabeleci-
mento para acabar de pagar aos meamos senhores.
Jos Joaquim da Cinta Maciel,
O abaixo assignado, testamenteiro do falleci-
do Fortunato Cardoso de Gouveia, roga aos dora-
dores do mesmo fallecido tpie por favor paguem
seus dbitos com a maior presteza alim de evitar
incommodos e niaioresdespezas : dirijam-se ama
da Cruz do Recife n. 60, e a ra do Imperador nu-
mero 21.
Joaquim Lopes de Almeida.
Milita ai le ii fio.
Jos Maria da Malla e Silva tira passaporles para nhor em quanto nao for paga aquella divida.
Previne-se a quem inloressar possa que a parle
que o Sr. Joao de Carvalho Paes de Andrade pos-
sue no engenho Ucha freguezia dos Afogados, esl
sugeita a pagamento d>; una divida privilegiada,
nao podendo por isso ser alienada pelo mesmo se-
qualqucr jiorto deste imperio e mesmo para Por
tugal por preeo muito razoavel e que ceja conven-
cionado; faz-s'e merecedor de que seja procurado
[los mesnios que precisam, pois qu; sem as dill-
culdades que muitos allegam,aprompta os mesmos
cima diio: pode ser procurado par tratar, na
ra da Imperatriz n. 19.
Aluga-se o segundo andar do sobrado da ra
da Senzala Nova n. 42, com bastantes commodos
para familia : a tralar na mesma.
VKcueo
Quem precisar de urna pessoa para fazer qual-
quer cobranza, tanto na capital como fra della,
'. dirija-se a taberna da ra do Vigario n. 13.
Caligraphla.
O caligrapho Mendonea Belm offerecc o sen
presumo nao somonte para dar licoes em casas
particulares, como para copiar papis etc. O mea-
mo se offerece tambem para dar licoes de grain-
matica porlugueza, arithmetica, principios de ge-
piaphia e geometra : a tralar na ra Velha n. 93.
Aliiguel de casa.
Precisa-se alugar um sobrado de um andar e
solao que tenha commodos para nao pequea fa-
milia, e que seja situado no bairro da Boa-Vista,
ou.mesmo no de Sanio Amonio, o com quintal:
nao se duvidando dar um semestre adiantado de
aluguel quem o tiver, dirija-se ao principio da
ra do Hospicio, sobrado de um andar cun portao
de ferro ao lado.
A marqueza do Recife faz scieile a quem
pretender arrematar a casa terrea do pateo do Pa-1 por ccrt0s motivos convem-me declarar, que
raizo n. 31, que est annunciada para ser vendida; |,a mut0 eslam promptos os manuscriplos do 4. c
em leilao no da 29 do correnle, que o terreno da; g.o tomos (mais volumosos que os antecedentes)
mesma casa e foreiro e nao proprio como esta no' ^ biographias de alguns poetas e outros homens! <
annuncio, o qual Ihe coube no inventario e parti-
lhasquese procedeu ao extinrto hospital do Pa-
raizo, e para evitar questoes faz o prsenle aviso.
Manoel Luiz da Costa, subdito de S. M. Fide-
lissima vai a Europa.
A pessoa que anmmciou querer comprar una,
taberna com poucos fundos ou s a armacao diri-
ja-se a rita da Lingoeta taberna n. 5. ______

COMPAWHIA BRASPJ3IRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Espera-se dos portos do norte at
o da 2 de agosto o vapor .Cru-
zeiro do Sul, conunandante o,ca-
pitao de war e guerra Gervasio.
ManreJio, o qual depois da demo-
ra do costume, seguir para as portos do sul.
Desde j recebem-se passagfciros e engaja-se a
arga que o vapor poder couduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de ua cnegada: cncom-
mcdas e dinhero a frete at o dia da saluda as i
hoi-as, agencia ra da Crur n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo C.
Al o fim do corrente mez de julho segu pa-
ra os porto do norte at o Aracaty por j ter me-
tade do seu car/egamento a bordo a barcaca Flor
de Camaragibe, quem na mesma quizer carregar
para qualquer dos referidos portos entenda*-se com
seu proprietario na ra da Cadeia Ido fieelfo n. 4,
primeiro andar.
LEILAO
DE
Urna terga parte do sobrado da
raa Direita n, 79
Quarta-feira 29 de julho.
O agepte Pinto far leilao (precedida a compe-
tente carla.> autorisacao) de urna terca parte do
Arado de -ous andares e golao edificado em
chaos proprios na ra Direita n. 79, jslo urna
hora da tarde do dia cima em seu escriptorio ra
da CaoVia n. i.nlrada pelo Becco l.argii.
Januario Constancio Monteiro de Andrade
e D. Joanna Genoveva Lins da Silveira, agra-
decem a todas as pessoas que se dignaran)
acompanhar ao ultimo jazigo os restos mor-
taes de sua presada esposa c iilha D. Helena
da Silveira Lins Monteiro de Andrade, e de
novo Ibes rogam o caridoso obsequio de assis-
tircm a missa do stimo dia.que por alma da
mesma mandam celebrar amanhaa 29 do cor-
rente pelas 7 1[2 horas na igreja da Concei-
eo dos Militares.
Ilustres da provincia de Pernambuco, e que tenho I
em andamento a composico do 6. tomo; todos,
repletos de documentos inditos interessantissimo i
cathegoria e honra da provincia. Contm os ditos i
4." e 5. tomos as biographias do Dr. Jos da Nati- j
vidade Saldanha, Gervasio Pires Ferreira, Agosti-!
nho Barballio Bczerra, o barao de Goianna Jos
1 Correia Picando, Joaquim Jernimo Serpa, Joao do
; Reg Barros, o brigadeiro Joaquim Ignacio de Li-
ma, e Luiz Alves Pinto ; sendo a de Gervasio pe-
I los acontecimentos polticos amplamente narrados,
i provados e analysados, c seus respectivos docu-
mentos, a de maior interesse sobre todas.
Antonio 'Joaquim de Mello.
3fusicas
Grande e variado sortimento de
msicas novas para piano, todas
dos melhores compositores nario-
naes e estrangeiros, entre ellas as
walsas do Polinto e a do Beijo pa-
ra piano e piano e canto : na loja
de instrumentos de msica de H
Dumont, na ra Nov n. 9.
LEILAO
DE
O abaixo assignadoparticipaaquem mters-
sar possa que vendeu a sua taberna dar.ua dos Mar-1
tyrios n. 36 ao Sr. Manoel Pereira de Carvalho e
acha-sc residindo na ra Augusta n. 40, aonde po-
de ser procurado. Recife 27 de julho de 1863.
Jos Bernardino Alves._______{
Deseja-se saber se nesta praca existe o Sr.
Manoel de Castro Guimaries, que veio do Porto em
1858 ou 1859 : na ra do Crespo esquina n. 8.
Nesrts fogidos.
Do ongcnho Bomfim comarca do Limoeiro fu-
giram no d^ 28 de junho um casal de negros
eaniados Rogerio, mulato, alto e grosso, ps cha-
ios e rasos, iiouca barba, olhos amarellos, idade 30
anuosj e Joanna, erioula, alta e seca, bem preta,
"Cobre notoe -Iho em obras,
Quarta-feira 31 do rorrete as 11 boras da manhaa.
\o a ipo Verde n. ..
O agente Olympio far leilao por mandado do poiv cabellos, Uhu uns calorabos pelas "costas ~e
lllm. 3r. vice-consul da Italia, .de urna porcao de pelos peos : quem quer que os prender e os co)>
laxos e eobre, 1 alambique de dito, urna porcao duzir ao dito engenho para ser entregues a seu 6e-
de cobre velho e 1 bah com roupa usada exis- nhor o capitao Silvano Antonio Gaio, ser bem re-
Al Dgam-se
Dous armazens pequeos na travessa da Sanzal-
la Velha, por detraz da loja n. 50 da ra da Ca-
deia, muito prximos alfandega e ao caes do
Apollo, e por isso proprios para qualquer Jim e
servirem para um s por terem communica^ao;
trater na sobredita loja com Cunha c Silva._____
\OIMT 115 HAON.
Praga do Corpo Santo n. 17, primeiro andar.
Norat Irmaos avisam ao corpo da
commercio qne nada devem nesta pra-
ca,e quem sejolgar seo eredor, com-
pareca com seos ttulos que ser im-
raedia lamen le pago. Alisara igaalmeB-
te a todos os seus devedores que no
prazo de 8 dias venham pgap-llie, do
contrario scrao demandados jndieial-
mente.
iSSl"}
Uabincte inedico-eiriirsico
tltua do Seve n. 28 (Ilha dos Ratos) |iro\i-i
ino ponte de Sania Isabel.
O Dr. Joao Maria Seve, medico parteiro
e operador contina no exercicio de sua
prolissao, sempre prompto a qualquer
chamado.
Recebe em sua casa escravos e criados
doentes de ambos os sexos e tambem ma-
ridos, para o que tem preparado conve-
nientes aceommodaeoes, garantindo-lhes o
melhor tralamento, pelo preeo de 2,5 dia-
rios, salvo operaeoes que sero previa-
mente ajustadas/
Aluga-se urna canoa nova para o trafi-
co de capim ou para familia; por preeo com-
modo, e tambem se vende: a tralar nos Afo-
gados com Candido Theotonio da Cmara.
Rento Jos de Miranda faz sciente ao publico
e a seus freguezes, que conduzio todos os seus g-
neros que existiam no seu de|Ksito da ra do Ale-
crn) n. 1, para a sua padaria em Santo Amaro,
na travessa do Lima n. 7, isto desde o dia 15 de
julho de 1863, por Ihe ser prejudicial continuar
com aquello deposito. ___
Precisa-se de tuna anta de lee,
mas que tenha. quando muitu at 6
mes deeorridofl na criis A** qoe
se ache encarroada: na ra estreita
do Rosario n. :{|, 3" andar, por cima
do armazein de trastes do Sr. nV
reir.
Aluga-se a casa terrea da na Imperial n.
66 : os prefendentes dirijam-se Caixa Filial.
Pede-sc ao Sr. Ilr. Jus laria Iwrwe da
Wii|a o favor de vir na do Qucwnie a. 9, a
niM|oi'io que bstanle n inlrressa.
Sitio pitra alunar.
Aluga-se por pen, CO|iin:ndo mil -I "
de casa, eoxeira e estribara no lugar *> R.-" -
dios delroiiie da igreja ; a tratar na na -U i .,,.; ..i
do Recife n. L
Arrenda-se o engentao H.
C'aetano silo na <-4iN.-ir<-a d* (a-
bo. (ein e-la propriedade eieel-
lontes Ierran para plantar* de
cannas. roca ete.. moldo -pnr
agua c dista da efttaco da tria
forrea apenas meia lesna: quem
o pretender, dirija-se a easa do
fallecido ronimendador l,nizCo-
rnos Ferreira. no Mondego.
COMPRAS.
Compram-se garrafas e botijas de p.nebra
vasias: na ra das f.ruzes n. 31 A, taberna da
porta larga._____________^________
Comprase una tal ra que t.-nli.i
fundo, ou s a armacao : qnem tiver annuneie.
Prec isa-se comprar
urna parelba de bou eavallos que amlem 1>tb <
carro, blancos ou preto- e de lionita figura.
nao tenham mais que G anuos > a<> Sr.
Tliomaz Pa\ne na cocheira da ra da Guia no Re-
cife n. 1.
Conipra-se elTeetivainente onro e prata <-m
obras vellos : na praca da Independencia n. to-
ja de bilhetes.
YENDAS.
tente na ctua cima mencionada.
LEILAO
DE
compensado de cu traballio.
Banco Ouio do Porto;
Pela sua agencia, aonuncia a drecrao deste ban-
lloveis ea-val .....<, .gAM co, que brevemente eabelecer nesta cidade 0
\1?L 12 carros' *8Crl1 Seguro Mutuo de Vidas, pelo mesmo systema das
-*u. joias oeouro e prata. companhias hespanholas. Masque dever auferir
(Juinta-feira 30 do correnle s H horas. J mais vaatagens por os ttulos de divida publica
O agente Olympio em jn-annatam ra do portuguezeaestarem mais baixo%. P que d em re-
Imperador n. 16, ar Jelajpoos obieotoa cima, j sultado pauito maior rendimenlo.
IIHII8...
Saques sobre* Portuga
O abaixo assignado, agente do banco
mercantil Portucnse nesta cidade, saca ef-
fectivamente por todo6 os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
qualquer somma, vista e a prazo, po-
dendo logo os saques a prazo lerem des-
contados no mesmo banco, na razio de 4
porcentoaoanno aos porladores que as-
sim lle convier : nas ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
!lt
Roga-sc aos senhores que devem na loja de
selleiro da ra Direita n. 51 se dignem mandar ou
vrem pagar se nao querem ter o desgosto de ve-
rem os seus nomes por extenso nesta folha, sto
porm no praso de 30 dias. a contar da data deste.
Precisa-se de um menino de 12 a 14 annos :
na taberna da ra das Cruzes n. 21.___________
A ttengdo
0 abaixo assignado convida a pessoa que quizer
nteressar em um barco que se tem de empregar
na pesca em alto mar, cujo j se acha em metade
do trabalho e despeza; e como o abaixo assignado
nao pode s por em andamento esta empreza, por
isso convida alguma possoa para -entrar na mea-
cao do dito barco *,' elle de 20 toneladas e para
pescar 8 a 10 pessoas, construido com as melhores
madeiras: as pessoas que quizerem ajudar a em-
preza do artista, pode dirigir-se a ra dova de
Santa Rita para ver o barco e contratar o negocio.
Jos Elias Maehade Freir.
Leis provinclaes.
Vende-se a colleccao de leis provim-iaes do ror-
rean anno a 1 : na livrai a n. 6 e 8 da praca da
Independencia.
ZAMORA.
0R4MI HISTRICO PELO DR. THEIEME. 10
QUAL NAO INTERVEI PERSONIGEI
FEIEIIM.
Na ra Nova n. i I vende-se a l*Soo o
exemplar.
Srllins inIrzrs
chegados casa de Izdoro, Netto A C, ra da,
Cruz n. 1 ,
Vendem-se canoas de um s
Pao proprias
para pescara ou para abrir, de amarllo na Wa
da Cadeia do Recife n. 2-.I ou no porto da ra W
armazem de madeiras do Sr. Torres.
\ende-se una taberna no melhor local di
freguezia dos Afogados, com commodos para fami
lia : para tratar na ra Direita n. Si, *i mim
freguezia.
Roga-se ao senhor que mandou fazer um
sellim na ra Direita n. 31, que tenha a bondade
de, no praso de 8 dias, a contar da data deste, o ir
buscar assim como levar o que levou para se ser-
vir em quanto aquelle se apromptava, do contrario
passaro mesmo a ser vendida para pagamento,
Aluga-se urna casa com sitio na estrada do
Jacobina (Capunga), muito fresca e pintada de no-
vo, com terraco e jardim nos lados, banheiro, dous
quartos fra, eoxeira, estribara e galinheiro, para
ser vista esto as chaves na casa junta em o sitio
doSr. Joao Raptista, c trata-se sobre o "aluguel na
ra do Pilar em Fora de Portas no segundo andar
do primeiro sobrado do lado direito logo depois de
passado o arsenal de marfnha.
Muita attengi).
Na travessa da ra das Cruzes na taberna ma-
tada de amarllo n. 6, vende-se barriquinha/X
boiaehinha americana com 26 libras por 15200 r^
levando vazilha para a eonduzr, nessa occasia
"vera o comprador que est em bom estado, d
graca a 46 rs. a libra. ^
aras
Vendem-se na ra da Cadeia
vindas pelo vapor inglcz.
Aluga-se o primeiro andar da casa da ra
do Amorim n. 15-: a tralar na praca da Indepen-
dencia n. 22, ou na ra do Codorniz, taberna do
Sr. Pontes. .
Aluga-se o segundo andar do sobrado n. 19
da ra Nova, com bastantes commodos para fa-
do Recife n. 23,
Farinha de mandioca.
v endem-se em saceos grandes de superior ejnv
hdade e por commodo preeo : no trapiche do Cm-
nha no Forte do .Mallos.
Yeiden-M bos Bauts irfrios
para carroca e por noilo barate pre-
P na ra de Santa Rita lan u, i:
Vende-se o sitio junto da capella de 5. S. t
t.emedios, denominado Casa dos Arco, easa 33
f almos de frente e 83 de fundos, em chin proprios,
muito bom sitio para se criar vanea* de feite:
milia; a tratar i. ra da Cadeia do Recite n. 62, quem pretondur dirija-se a ra -*- -------------*
segundo andar. j a U, que se dir quem vende "

......
.


Diario de Pem.aiJmt Terca felra 8 de .ruUio fe 13.
-'**
NOVA EXPOSIQO
:
B

Cora 8 1/1 tara, a 2;o00 rs. vende o,Pavao. |
r Pecas de cambraia transparente tom pal-1
minhas bordadas de cor, tendo 8 1,2 >wm
na loja do Pavo, de fazeadas bara- ^a peca, a 2#500; ditas x finas, a
Ussimas. 3#oOO; pegas de cambraia de salpico bran-
,,,.,, coeom 8 Ii2 varas, a40: so na na da
Nesle estabelecimento acha-se constante- ^0,^^ n. co, loja e arraazem do Pavao.
mente um grande sortimento de fazendas *
de gosto e de primeira necesstdade, sendo Cortes de cachemira da Escocia, a 2:000, na
tanto proprias para a praca, como para o loja do Pavo.
mato ; de todas as fazendas rnoslas, deixando ficar penhor, ou.man- da a mitac5o de casemira, tendo padroes
"(escuros o alegres, afiancando-se que nao des-
bota, a 20 o corte para calca, ou 580 rs. o co-
vado para paletot, colete etc.: s na loja do
!*rara
vende as eolias.
Vendem-se ricas colxas'nveludadas para
Cama a 80000, ditas de fusto a'50000, das
de chiti a ;20OOO, brim de lihho e algodao
branco a 800 rs. a vara, dito de linho puro
a 10,10120, 10280 e 10600 a vara; na loja
da arara ra da lmperatriz n. 56 de Mendes
Gatearles.
Baldes da arara de SO 4
arcos.
45--RTJA DIBEHA-45
3MU4MU&
1 T2-22 liMia
6
xeiros da loja do Pavao.
Laas com palmos de largura,
na loja do Pavao.
Vendem-se lazinha entestada propria para
vestidos, com 8 palmos de largura, sendo
fazenda mais moderna que tem rindo ao
mercado pelo baratissimo preco de 10600 o
covado: s na ra da lmperatriz n. 60, loja
do Pav3o.
Las para vestidos, a 8 rs.,
s na loja do Pavao.
\\

Vendem-se lazinhas entestadas proprias
para vestidos, pelo barato preco de 280 rs. o
covado, sendo muito mais barato do que chi-
ta ; ditas transparentes, a 240 rs.; ditas 15a
e seda, a 4iO rs. o covado: so na ra da
lmperatriz n. 60, loja do Pav5>
Cassas a rs. o ovado.
Vendem-se assas francezas de padroes
miudinhos e cores fixas peto barato preco de
200 rs. o -covado; ditas finas a 340 e 320
rs. o covado : s na ra da lmperatriz n. 60,
loja do Pavao.
Organdy, a 94 rs. o covado,
na loja do Pavo.
* Vendem-se organdy de cores matisado, fa-
zenda que val muito mais dinheiro, pelo ba-
rato preco de 240 rs. o covado ou 400 rs. a
vara: s na ra da lmperatriz n. 60, loja
do Pav3o.
O Pavao vende os modernos ves-
tidos & balo,
com baas Maria Pia, sendo es mais
modernos qne que tem viudo ao mercado,
com a saiade um s panno, tendo bastante
fazenda para o corpo, e vende-se pelo barato
preco de 30500 cada um: esta pechincha
s existe na ra da lmperatriz n. 60, loja e
armazem do Pavo.
Cortes de fantasa, a na
loja do Pavo.
Vendem-se ricos cortes de cambraia fanta-
siadas -seda, pelo baratissimo preco de 60;
ditas, a 40; ditas, a 30500: -s na ra da
lmperatriz n. 60, loja e armazem do Pavo.
Cortes de cambraia, a '5<>u
na loja do Pavo.
Vendem-se cortes de cambraia brancos com
babados, a 20500; ditos, a -0; ditos com
barras e babados e seda, a 30, 30500 e 40;
s ama da lmperatriz n. BO, loja e arma-
zem tic Pavo.
Cortes de cmbrala chineza, a
i,f. na loja do Pavo.
Vendem-se ricos cortes de-cambraia chine-
za, os mais modernos que tem chegado, sen-
do brancas comlindissimospadrOes, pelo ba-
rato preco de 40 cada corte, tendo bastante
fazesda para um vestido: isto s na ra da
lmperatriz n. CO, loja e armaiem do Pavao.
Alpaklm on gorguro de linho,
a -94 rs., sO no Pavo.
TJlWim fin alpakim ou gorguro de linho
proprio para vestidos e roupas de crianra,
pelo barato preco de 240 re. o covado: s
na ra da lmperatriz n. 60, loja do Pavo.
Balde* a 3#.00, s o Pavo.
Ventem-se baloes americanos que sao os
fclhores, tendo 20 .arcos, a 30300; ditos
de 30, a 40500; ditos de 40, a 50 ; ditos
de bramante, a 30500 e 40; ditos para me-
ninas, a 20 e a 80: s na ra da lmpera-
triz n. 60, loja e armazem do Pavo.
Vestidos para menino, a 2g.
Vendem-se vcslidinhos para meninos, sen-
(toamito Lem feitos, a 20 cada um : s na ra
da lmperatriz n. 60, loja e armazem do
PavSo.
Corles de chita, a 9*5, 1
loja do Pavo.
Vendem-se ertes de chita com 12 lr2 co-
vados cada um, a 20500; ditos com 10 cova-
dos, a 20; cortes de cassa miudinha de co-
res fixas com 10 covados, a 20; ditos de
organdy mathisado com JO covados, a
20400: s na ra da lmperatriz n. 60, loja
do Pavao.
.<%* casemiras do Pavo pechin-
cha a 50.
Veodem-se cortes de casimira franceza para
ealca, fazenda muito fina, padroes claros e
escuros, a 50 o corte: s na loja do Pavo,
ra da lmperatriz n. 60.
O Pavo vende a 30 e 305
cortes de la, a 30 e 30300; ditos com 22
covados, a 50: s na ra da lmperatriz n.
60, loja e armazem do Pavo.
na ra da lmperatriz n. 60, loja do Pavo.
Fusto ik Pavo.
Vendem-se fusto com lavr miudinho
para roupa de meninos, a 320 rs. o covado;
brim de linho de quadrinhos para roupa de
meninos, a 560 rs. o covado; ganguelim
de urna s er, a 320 rs, o covado; popelina
de la, de quadrinhos encarnados e pretos,
para vestidos de senlioras e roupa de meni-
nos, a 10 o covado: s na ra da lmpera-
triz n. 60, loja e armazem do Pavao.
c hegaram em dlreitiira a loja
do Pavo.
Vendem-se a 1:600 rs. o covado.
Acaba de chegar pelo ultimo vapor, um
lindo sortimento de lazinhas transparentes,
tendo urna s cor, lizas e de quadrinhos
miudinhos e raescladas, propria para vesti-
dos de senhoras, capas e zuavo etc. Tendo
esta fazeuda 9 palmos de largura, que se
pode fazer um vestido at com 5 covados,
sendo neste artigo a fazenda mais leve que
temvindo ao mercado, vende-se a 10600 o
covado, nicamente: na loja do Pavo, ra
da lmperatriz n. 60, de Gana 6 Silva.
Chitas largas a 280, so o Pavo.
Vendem-se chitas francezas com toque de
mofo, tendo padres miudinhos, a 280 rs. o
covado, afiancando-sesercrfixe e que solta
o mofo logo que se lava: s na ra qa lmpe-
ratriz nf 60, loja do Pavao.
Pavo, ra da lmperatriz n. 60.
Os palclols do Pavo, assobrocasacado a 12:000 rs.
Vendem-se paletots de panno, sobrecasacas
de pannd preto muito bom e muito bem
feitas, a 120: sobrecasacos de dito, a 140;
paletots sacos de dito, a 70; calcas de cache-
mira da Escossia, a 30 ; ditas de casemira
preta, a 50; ditas de casemira de cor, muito
fina, a 70 e a 50500; coletos de casemira de
cor e preta; paletol de casemira de cor,
a 70; tudo isto para apurar dinheiro: s
na ra da lmperatriz n. 60, loja do Pavo.
Fazendas brancas, na loja do
Pavo.
Vendem-se pecas de madapolo enfestado,
francez, com 20 -varas, a 80; ditas com 12
jardas, a 40; dito ingle* muito fino, a 70,
70500 e 80; ditos muito superior, a 100;
ditos de 40 jardas muito fino, a 40800 e a
50600; algodozinho muito encorpado, a
40800, 50500 e 60; bretanha com 4 pal-
mos de largura, muito fina, a 10 a vara;
pecas de cassa de cordo para babados, com
6 varas, a 30500; ditas com 12 varas, a 70:
Eia, rapasiada, coragem! parece queja
entTegastes os vossos joanetes aos duros sei-
xos do pessimo calcamonto da nossa cidade I
S se observa em vossos ps botinas acalca-
nhadas e gastas at ultima sola; sapatoes
rasgados e quasi sem saltos.... nem tanto I
Vendem-se os melhores baloes que tem a quebradeira nao deve chegar at este pon-
vindo americanos de 20, 25, 30, 35 e to Vinde ra Direita munir-vos de excel-
40 arcos, a 40, 40500 e 50, ditos de ma- tente calcado com 40 e at 60 por cento
dapolo bem feitos a 30500 e 40, ditos de mcnos do seu valor.... attendei:
brilhantina a 40500, balos saias de cordo; Borzeguins, Nantes, bezerro e va-
que faz a vez de balo a 20; na ra da lmpera-
triz arara n. 56.
Arara vende manguitos a
0O.
Vendem-se manguitos egolinhasdelinhoa
20 o par, golinhas para meninas a 400 rs.,
ditas para senhoras a 400 rs.; na ra da lmpe-
ratriz n. 56.
ntremelos da arara.
queta 2 e meia solas .... 80300
Borzeguins, Nantes, bezerro, va-
queta e lustre 2 solas. 80000
Borzeguins, francez e hamburguez,
bezerro, lustre e couro de por-
co 70 e........60OOO|
Sapatoes, Nantes bezerro e vaque-
ta 2 e meia solas.....50500
Sapatoes, Nanles, vaqueta, lustre e
bezerro 2 solas......50000
KO A1UUZEM DE FAZENDAS BARATAS
DE
V1VT*>* COtiI.1I
Ra do Queimado ti. 19.
Vende-se o segnlntc :
Cobertas
de chita da India, a 2:ooo rs.
Lences de panno
de linho, a 2:ooo rs.
Lences de hr aman te
de linho, de um panno s, a 2:8oo rs.
Toalhas alcochoadas
para mo, pelo baratissimo preco de 5:ooo
rs. a duzia.
Ricos vestidinhos
de seda para meninas, pelo baratisimo prc-
qo de 4:ooo rs.
Lencos de seda
pelo barato preco de l:ooo rs.
Saias de fusto
pelo baratissimo preco de 5:5oo rs.
Lencos de cambraia
Sapatoes, Nantes, sote e vira. .
Borzeguins para senhora, ingtezes.
Ditos para menina, com laco. .
Vendem-se pecas de entremetes transparen-
tes a 10, tiras bordadas de largura de 3 a 4
dedos a 10280 e 10600 a peca, cortes de la pitos de dites"*de cores"
Maria Pia a 40, ditas 4e la chineza com g,^ para'serihora 'c
22 covados a 80, ditos de organdys com 15
varas a 80, ditos com 9 varas a 60500; na ra
da lmperatriz n. 56, arara de Mendes dui-
mares.
Os mangnitos e golinhas do
Pavo.
i pochindia, a 330 c a 00 rs.
Vendem-se golinhas de fil, bordadas, a
400 rs.; ditas de cambraia, a 320 rs.; cal-
cinkaS'para meninas, a 500 rs.; manguitos,
a 500 rs,; manguitos com goinha, a 800
res ; manguitos de cambraia, a 320 rs.: s
na ruada lmperatriz n. 60, loja do Pava.
tiaziunas a 900 rs. o covado.
Na loja do Pavo.
VHde-sc lazinhas do cordaozinho de urna s
eflr, sondo azul claro, azul escuro, ferrete, cor do
ca claro e escuro, alvadio, roxinhas proprias pa-
ra luto, sendo fazenda que val muito mais dinhei-
rv vende-sc pelo -diminuto preco de 200 rs. : sna
loja do Pavao ra da lmperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Pechincha, a 5 rs. o covado.
s o Pavo.
Vendem-se as mais modernas lazinhas
entestadas, transparente, tendo 4 ;palmos de
largura, e sendo lizas e de quadrinhos, de
urna s cor, propria para vestidos e capas,
a 500 rs. covado: s na loja do Pavo,
ra da lmperatriz n. 60, de Gama A Silva.
GRANDE LIQUIDACO
de fazentlas para apurar dinheiro, por
baratissimo preco na loja c arma-
zem 56 de Lourenco Pereira Hiendes
Guimarcs.
ALERTA FRECIEZES, A 200 RES.
Vendem-se lazinhas com pequeo toque de
mofo para vestido a 200 rs. o covado, meias
para meninos a 100 rs. o par, ditas para ho-
mens a 120 rs., lencos brancos finos a 200
rs. cada um ; na loja da arara ra da lmpe-
ratriz n. 56.
Arara vende vestido de chita a
30O.
Vendem-se cortes de chitas escuras-tom to-
que de mofo a 20000, ditas limpas sem
mofo a 20500 e 30000, cortos de cassa de
cores de barras a 20000, .ditas de cassa pin-
tadas a 20000; na ra da lmperatriz n..56 de
Mendes Guimarcs.
Organdys da Arara a 2-1 o.
Vendem-se organdys finos para vestidos a
240 rs. o covado, cassas finas a 240 rs. o
covado, popelina de quadrinhos para vesti-
dos a 280 rs. o covado; na ra da lmperatriz
arara n. 56 de Mendes Guimares.
Arara vende as lazinhas dos
vestidos.
Vendem-se lazinhas muito finas e lindos
dezenhos a 400, 440, 500 e 640 rs. o cova-
do, chaly muito fino a 500 rs. o covado; na
ra da lmperatriz n. 56 arara de Mendes
Guimares.
Ronpa feita da arara.
Vende-e costumes completos d'uma fazenda
chineza por 120 o costume, paletots de brim
a 20500 e 30000, ditos de meia casemira
escura a 40 e 40500, paletots finos a 60500
e 80000, calcas de meia casemira a 30000,
ENFEITES UU SENHORAS
CHEGADOS PELO VAPOR
S para o Vigilante raa do Crespo n. 7.
Site chegados osnovissiraos e riquissimos en-
tentes para cabeca, pois com a vista nao lla-
vera senhora que deixe de comprar um bo-
nito efette,- s no Vigilante ra do Crespo
n. 7.
Lavas de pelica.
Tambem ohegaram neste mesmo vapor um
completo sortimento de luvas dejouvin
brancas e de todas as cores; tanto para ho-
mens como para senhoras: s no Vigilante
ra ilo Crespo n. 7.
Perfumes.
Tambem chegou um completo sortimento de
perfumaras dos fabricantes mais afamados
sendo de Luvin, Cudr e Piver; sendo
extractos essencios de todas as qualidades,
pomadas, banhas, sabonetes, agua de Co-
lonia, vinagre virginal da sociedadehygieni-
ca, agua florida, agua balsmica para den-
tes, frasquinhos com superiores pos para
dentes, caixinhas com um frasco Tagua,
pos e todos os preparos para limpar den-
tes, olos de todas as qualidades para ca-
bellos, e ontras muitas cousas mais: s no
Vigilante rita do Crespo n. 7.
Tesouras e caivetes.
Tambem chegaram um completo sortimento
de tesouras dos mais afamados fabricantes,
tanto para unhas como para costuras, ras-
padeiras para papel, caivetes de maqui-
na, facas de um e dous botos, tudo do
mais superior que se pode encontrar: s
no Vigilante ra do Crespo n. 7.
Papel de fantasa.
Tambem chegou um grande sortimento de
papel de fantasa branco, .bordado e liso
douradinho, de lindas cores, assim como
do neso e almaco, assim como muitos. ou-
tros objectos de muito gosto que se torna-
riam enfadonbo annunciar, que seus pre-
(08 sero por menos do que em outra
qualquer parle: s no Vigilante ra do
.Crespo n. 7.
Volantes e terinas.
Recebeu grande sortimento de volantes, teri-
nas, rendas douradas e prateadas, bicos es-
peguelha e galts de todas ns larguras,
veudendo-se tudo por prcros barattssimos
principalmente sendo em pecas: s jio Vi-
gilante ra do Crespo n. 7,
Relroz e Jinba.
Tambem chegou um grande sortimento de
retroz do Porto do melhor fabricante; sen-
do, preto, azul ferrete e cores sortidas,^
14,ooo rs. a Jibra, linlia de miada de Roriz
e cabeca encarnada, que seus precos sero
bacatssimos; s no Vigilante ra do Cres-
po n. 7.
homem,
tapete.
Sapatos de borracha para senhora.
dem idem para meninas. .
Sapatos de lustre para senhora. .
dem de lustre s avessas .
40000
40000
30500
20800
800
10400
i #000
10000
500
A GRANDE GURA
PARA TODAS AS MOLESTIAS DO
smua o n e is mam.
SEA! SEGUNDO.
Rn?.4o Queimado n. 35, loja de miudezas de
Jos de .Ajevedo Maia e Silva, est vendendo todas
as suas miudezas por preeos que todos admiram,
como sejam :
Varas de aspas para fazer balSes. 120
Caixas com superiores obreias .... 40
Pares de liotoes Pares de sapatos ,dc tranca muito finos
a IJAlOe.......... 15800
Pecas de fitas de ycJJudo recortadas com
la varas a.......... l^oOO
ditas finas 50500 e 60000, ditas de brim a ^ ~i;,to supcror papel amiza' m
20500 e 30000, ditas de brim branco a 40, Massos com superiores granipo's a! .' .' 40
casemiras francezas a 10600 e 20000, ditas Caivetes de aparar penas a. .... 80
finas a 20500, ditas de linho a 30000, ce-' Agulheiros com agulhas a.....
roulas francezas a 10600, camisas de meia a D^;,fer,ej^ branc;is P" homem>
800 e 10000; na loja da arara ra da lmpe-
muito finas a......... 15600
Duzia de meias para senhora, fazenda
fina a. ........... 35600
Cornetas de chifre para meninos a 80
Escovas para limpar-dentes muito finas 200
Baralhos de cartas para voltarete muito
finas a.........,
ratriz n. 56 de Mendes Guimares.
Oh! que pechincha a S40rs.
Vendem-se chitas francezas escuras com pe-
queo toque de mofo a 240 rs. o covado, Ditas portuguezas a 160 e.....
ditas ingtezas com pequeo toque de mofo, Frg)8edc ^ de Colon'a muit0 boa a
a 200 rs. o covado, pecas de ditas francezas Ditos de oleo babosa a24 '.'.'.'.
com pequeo toque de mofo a 80000, pe- Ditos com superior oleo de macaca a .
cas de ditas ingtezas escuras cores fixas com Ditos com superior macar perol a .
pequeo toque de mofo com 38 covados a ^SmaS^TT!6*
70500, ellas freguezes antes que se a ca- Ditos com superior agua celeste para
bem; na loja da arara ra da lmperatriz n. i cneiro...........
56 de Mendes Gllimaraes. Trancas de algodao brancas e de cores a
Caixas com superiores obreias de colla .
Madapolo francez enfestado a
40O0.
Vendem-se pecas de madapolo francez fi-
no enfestado com 12 jardas a 40 e 40500,
dito ingtezes fino de 24 jardas a 70, 80,90,
e 100000, pecas de algodao encorpado a 40
40500, 50 e 60; na ra da lmperatriz n. 56.
Chitas da arara.
Vendem-se chitas francezas finas a 320,300
e 400 rs. o covado, riscado francez a 280
rs. 0 covado, aberturas para camisas a 240
rs., ditas de linho brancas a800 rs. o cova-
do, tarlatana de cores a400rs.avara;narua
da lmperatriz n. 56.
Cortes de casemira da arara.
Vendem-se cortes de casemira entestada
escura a 20, cortes de brim para calcas a
iS e 10220; naruadan7peratrizlojada arara
n. 56 de Mendes Guimares.
j brancos finos, propriospara algibeira, duzia
a l:8ooe 2:ooo rs.
l.'-n.-iis de cassa
finissimos, proprios para algibeira, pelo ba-
ratissimo preco de 2:4oo rs. a duzia.
Cortes de calca
de ganga mesclada, de listas c de quadros,
fazenda superior, pelo baratissimo preco de
l:2oo rs. o corte.
Pecas de madapolo
largo superior, pelo baratissimo preco de
8:coo rs.
Pecas de hretattha
de rolo com lo varas, pete jarato prveo de
3:2oo rs.
Pecas de'-ftmbraia
de salpicos, fir.a, com 8 1/2 varas, pelo ba-
rato preco de 4:ooo rs.
Atoaitados de liuho
com 8 palmos At largura proprio para toa-
ma de meza, a 2:5oo rs. a vara.
Toalhas
de linho .para meza, a 3:ooo rs.
Barcge
de lindos gostos, pelo barato preco de 18o
rs. o ctfvado.
Esleir da ludia
propria para forro de sala, de 4, 5 e 6 pal-
mos de largura.
AS
Ptalas Vegetaes Assncaradas
Be Eemp
Ttempostas'clos dois nevos resinoides chama-
dos PoDcrPHiLiXA c LsrrTANDKiFA, e inteira-
nvontc livres de Mercurio ou oatros venenos
mineraes ou motallicos, sao de grande utili-
dade nos paizes clidos em caaos de
BYSPEPSIA, OCEAQUECA,
Constipacao ou PrizJto do Ventre,
PADECIMENTOS DO FIGiDO,
Meec,0es Biliosas,
HEMORRHOIDAS, CLICA,
Ictericia,
PEBRE GASTRO-HEPATICA,
E ontras enfermidadrs anlogas.
Cas vio rpidamente substhuindo os ant'gos
purgantes drsticos.
-venda as boticas de Caors & Barboza,
Cruz, e Joo da C. Bravo & C, ra
ra da
da Madre
de Dos.
Ra da Senzalla n 42.
Vende-se, em casa de S. P.JohnstonrC,
scllins e silhes ingtezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um c dous cavallos. e relogios de
ouro patente inglcZ.
Gaz liquido 12$
Vende-se na nova exposico de candiei-
ros a gaz, na ra Nova n. 24, latas de gaz
de 1.a qualidadc e nao inflammavel, a 12$,
contendo cada lata 27 garrafas, (fue muito
convem a quem gasta este liquido: na ra
Nova n. 2 i, loja deCarneiro Vianna.
HOYO RIVAI,
Uja tic miudca*.
Ra do Qneimado n 16
Pocas de tranca de la lisa i
Diias de dita' de rararul prett e te
60 rs,
Ditas de caracol brancas cu
Ditas de dita branca oara debrun
80, iO c 160 rs. *
Caixinhas deculclietcsfraneezisa ai e i<>r-
Cartoes de clcheles franren rs.
Massinhos de superiores grampas a 30 rs.
Pitase cordoes |iara enliar c :; *>r
Escovas para denles milito linas a IW) r
Pecas de 10 varas de renda franceza i
\00 rs.
Caixos de lindas flores a 120 rs.
Tesouras muito linas a 200, 300 e 400 r-
(ravatas de seda estreitinhas a 160 e a j Tii
Lindas alwtoaduras de cornalina a a~
Pares de luvas branca a 100 rs.
Utos de luvas de Escocia 320
)it06de luvas de seda a 800 rs. *
I inzia de Iwtoes de seda para 9'<1wtmM a M n.
DiUideboloesdeloueapin.^
nianhos a 20 rs.
Dita de botocs pretos \v A can(. x a m
Pitade facas e |arrs ,,,< .,,,.,. i;.
Pares ae sapannos ,,,. ^ .,.ira ,.nan(.a a 2W r
100 rs.
Frasquinhos c jTf Ijnta ^^ c em..,
loiuescom jn|,r0r tinta pr.-t;-. i 12
1 mteiros i jP\j,|1(, ,i, t-or cofiHba d>-
IW) rs.
*'-f as superiores a 20, M>, 60, *t, 120 e *>
\AP iS azucs e encarnados a 120 rs.
'-' jpis c creioes soperionM a 2o. 10 e 60 rs.
Duzia de lapis de pao a 80 e 120 rs.
Libra de linha er de cat a 700 rs.
Dita de retroz de cores a 8.
< litava de retroz prew e de cores a 16o rs.
Frasquinhos com superior mac>> roJa
c -210 rs.
Ditos com superior oleo de anicndoa i
440 r*.
Ditos com superior pomada franceza i Wi r-.
Ditos com superior banlia franceza a 300
1-5000.
Ditos com superior patcholy a ."00 rs.
Hilos com nptrior agua de colonia I
800 rs.
Ditos com superiores extractos Ooosa 1 >.
Duzia de pomada do Porto a 2H'l rs.
Massos de palitos lixados, o mais superioi
3G0 rs.
Duzia di- pipintaaseora pbosphoro a 100
Caixinhas com pennas de I
i ailes a 800 rs.
Dilas com pennas .aligraptaieas a i-".>-
Ditas com suprior lacro a 200 e '.**> rs.
Hesma de superior papel almaco a -V'
Dita de superior papH de peso paoUdoa
Pentes de atar cabello a io. IG-J e IV) r>.
Caixinha de sui>ei iore.s obreias de MfcSWt
120 rs.
Ilaralho de cartas porUiguezas l lt">0 e i" i
Dito de das francezas a 300 e :tt0 rs.
Trancelim de boaraciw para i
Sintos elstico para hoineni a 3H i -
Pares de suspensorios i 120 N
Caixinhas do lamparinas para 6 mestt .''. W i
Dilas com 100 anvelopefl a800e 14.
Pecas de fita de seda de diver.-as
Lindas capcllas para meninas a l-j-'.
E muitos outros objeelos i|ue se vender,
em conta, na ruado Queimail n. 16.
Vende-se a ansacao e porteares d
do pateo do Terco n. 12", mnito jfii gnen i
mallo c muito mais para esta pra^a a
ra Direila n. 111.
Farinha de mandioca
em saccas grandes, e de superior qualida-
de : no armazem de Tasso Irmos, ra do
Amorim n. 35.
i.inclus inglezas
em salmoura: no armazem de Tasso Irmos,
ra do Amorim n. 35.
LIQUIDACAO
o
de fazendas barattssimas, n Roa-Vista, rna da
lmperatriz n. 20.
Cambraias adamascadas com 20 varas a 85.
Ditas om 8 ditas a 25.
Dilas lisa6 com 8 ditas a 25. ,
Fil liso muito fino a 800 rs. a vara.
Chales de merino estampados a i,.
Madapolo entre-lino com 20 varas a 85.
Casemiras linas de urna s cor a 15600 o co-
vado.
Algodao monslro, superior fazenda para toalhas
e lences a 800 rs. a vara.
Bramante de 10 palmos de largura a 15600.
Grvalas de seda a 320 rs.
Oleados de diversas larguras e de ricos desenhos
para mesas de jantar a 25 o covado.
Flanella branca mnito lina a 640 rs. o covado.
Riscadinhos de liuho muito finos para vestuarios
de criancas a 400 rs. o covado.
Chitasescuras e claras, padroes inteiramentc
nevos e muito linas a 400 rs. o covado.
Lazinhas chinezas muito superiores a 300 rs. o
eoyado, e outras muitas qualidades de fazendas
precos muito commodos, afun de apurar dinheiro,
darido-se do tudo as competentes amostras.
Admircm as las baratas.
Superiores las de cores de quadrinhos e
lisas, flngindo sdinhas de iluas larguras,
pelo baratissimo preco de 500 rs. o cova-
do : na loja das columnas ra do Crespo n.
13, de Antonio Correa Vasconcellos & .
AWAB
loja de Augusto F. S. Porto, ra do Queimado
n. II, chegaram lindas capas de seda ricamente
bordadas e enfeitadas, manteletes de seda. lazi-
nhas de bonitos gostos, que tudo se vende por 5
commodos precos.
Assucar do Monteiro
Ra do Imperador n. 28 e caes de Apollo n.
67, a 200 rs. a libra, e de 8 libras para cima
a 5#G00 aarroba.
Vende-se urna preta de 22 annos de idade.
sabe engoinmar, cosinhar, lavar e cozer ; quem a
protender, v a ra do Amorim, n. 30, que achara
com quem tratar.
Xa casa n. 17 da ra do Amorim, existe urna
armacao de taberna propria para qualquer prin-
cipiante e que se vende por precio muito commo-
do : a tratar na ra do Rosario n. 35, taberna.
FAZENDAS BARATAS
NA
\ova leja de Custodio, C arvalho
iV Companhla.
27Una do Qneimado27
Para vestido a 260 rs.
Fusto fino francez para vestido de senhora e
meninas a 260 rs. cada covado.
Cambraia.
Cambraia organdys muito fina a 240 rs. o co-
vado.
Caldudas
para senhora e meninas, pelo barato proco de
Cobertas
de chita chineza a 25000.
Golinhas
de linho para senhora a 600, 800 e 15.
Lences
Lences de panno de linho finos a 25
Camisinhas
para senhora, sendo de cambraia a 25.
Pannos
Pannos adamascados para mesa a 15300.
Lia.
Lazinhas matizadas muito finas para vestido a
440 rs. o covado.
Vestuarios.
Vestuarios para meninas, milito lindos, a 35500.
Cambraia
de linho fina a 55 a vara.
Para luto.
La preta fina, propria para luto, a 500 rs. o co-
vado.
Madapolo
Sladapolao fino enfestado, poja a S, tendo 20
varas.
FARINHA SPl
320
500
500
500
100
200
800
500
15500
80
80
Bolsinhas muito bonitas para guardar di-
nheiro a........... 500
Gravatas de seda de diversos gostos a 500
Tinteiros de vidro com superior tinta a. 160
Pares de luvas brancas de algodao a. 100
Carriteis de linha com 100 jardas, bran-
caa............ 30
Fitas e cordoes para enliar espartilhos a 80
Caixas com eolchetes francezes superio-
res a. ........... 400
Cartoes de eolchetes francezes a 40, 60 e 80
Facas e garfos cabo branco cravado a 35200
Ditas de cabo branco cravado a. 35500
Ditas de balanco muito finas a 65000
Tesouras para cortar, pequeas e finas
a 200 e........... 320
Tesouras para cortar unhas muito final a_____500
Espravoes, enchiladas, iieiras, es-
ponjas, tomilhos, sobreeannas, sobre-
nervos, e todas e quaesquer enfer-
midades a que sao sujeitos os caval-
los, encontrarao um remedio mira-
coloso na applica^ao do afamado oleo de Merchant
a vCS^a no armazem da bola amarella no olt2o do
gaz da ra do Imperador aos presos de 640,15280 Xa mesma loja tambem ha do outras qualidades,
e 25560. branco o uui, assim como urrelopes, '
FU O,
Vende-se a retalho abordo do brigue Mil-
lo Io, o qual se acha atracado ao trapiche do
I Barao do Livramento, e em porco: trata-se
com Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C,
no seu escriptorio ra da Cruz n. 1. -
Pentes de marrafa.
A nova loja da aurora, ra larga do Rosario n.
38, recebeu pelo ultimo vapor um grande sorti-
mento de pentes balao e imperatriz para mar-
rafa, a obra mais rica e moderna que tem chegado,
assim como tambem recebeu pentes dourados com
pedras para menina^ditos de guarnioocs com al-
jofares, muito modernos, para senhora, gravatas
multo modernas da ponta larga e bordada, final-
mente temos grande sortimento de miudezas, o
qual estamos resolvidos a vender barato.______
l'slaiiipis linas
Na loja da Aurora, na ra larga do Rosa-
rio n. 38, recebeu-se vario sortimento de
estampas de differentes santos.
Vendem-se cavallos: na ra do Im-
perador coxeira n. 13.
Milito superior em saceos
fraudes.
uiz de Oliveira Azevedo & C,
por menos preco que em outra qualquer parle, no
seu escriptorio ra da Cruz n. 1.
Preservativo co&lra o choler.'.
O xaropc alcohlico de veame r
de ant-seplica previne a putnacro
0 cholera-morbus,.quando acconmn Me, a; i
una evaeuaeao de cmaras, c vnn
nhados de dores vivas de ventre, ancias ,
principalmente aquelles que osan d.
los. que fcilmente se toen raneo*.
dam no estomago. Ora, sendo a sade d.-.
te do estado dos solidos e dos fluidos. ,. ,',.:
o medicainenlo como o xarope akotolii o me, que tem a qualidade de apodir a pi
do sangue, ]iurilicando-oc conservaiKo o :
po em seu esiadojegular, |iondo-o livre d', .
binientoda iueceao. i-revina o apparecin
cholera. As pesadas, pois. qne se noten
desse mal, devem usar do xarope
veame da maneira indicada no receitnai
tas pessoas desla cidade i|e fra, I.-em ni. i
lado as vantagens, qoetoemoUMo aVsl
ment, qne, na vordade, lem aproreitado n..-
guintes molestias: escrfulas ou ern
phulosas, oleeras de toda e i k -
venreo, tumores, brutoeja, ophUniia, imp
hespes, pariros, erisipelas, escorboJo, ah
gas antigs, rlieumasmo chronk-., | .
ral, fastio, flores brancas, e tudas as cnf. i
depeudenk's da purifleacao do hm ao. Xa
de ludas estas molestias tenho recetdu de |
canas de agradecimento, pelo bom rwoll
leei i obtido; e entre estas faco irn i
Sr. Dr. Fernando Aflonso de HeMn Jmt* i
bem conhecida nesia cidade. () v
pe de veame vende-se nicamente ti l> .
Direita n. 88 de los da Rocha Prannos. 1!
I7dcjulhode 1863.film. Sr. Jos da Btocl '
ranhos.Acensando a recepeo d* na tM.
caria destadala. devo dizer llie. que soffr.
rh.Miiiuilisnio. algumas (tessoasde niinha .. ..
indiearam-me o seu xarope da oakaw como
poderoso remedio para esternal, ei
sando eu a usar deste medieaneMii eoa |
sao do meo medico assistenie.obti vi
consideravel; pelo que estuu resolvbio i,
no uso do dito seu xarope, al que u vejj
pletamente restablecido. Pude faz r no
quizer desta minha resposn. Sou com
consideracao de V. s. aliento e niiito obrif
servoFernanilo Affu.<< de Milla J>or.
CASAS A VENDA.
O curretor gcral Macado, .-sta comp.'i. i;'
antorisado a vender as seguinies pmpiieibid
saber:
Xa roa da Palma casa terrea n. H.
do Jardiin casa terrea n. 12.
i do Ilangel soldado de un andar n. 5.
dos Pires casa terrea n. ti.
do Borros sobrado de S andares n. II
i travessa do Pocinliocasa terrea n. 10.
ruade dorias motte da casa torrea n. 6^.
dos Pescadores a 7J parle da casa v
n.6.
do Rosario da Ba-Vista dita dita da
sa terrea n. 47.
ilo Farol dita dita da casa terrea n. rs.
do Pilar dita dita casa terrea i. 51.
l'm excellente armazem na Gameleira jun: .
esiaeao da via frrea.
Xa povoacao do Poco da Panella casa lernTi
> dos.Vfogados ra de S. Migne'
terrea n. 87.
Quem as pretender pode dirigir-se ao supr* j
corntor na praca do commercio.
GAZ.
Vende-sc muito barato, no lugar denominado
Trombela, urna ofllcina de funileiro com todos os
pertences e material completo talvez, para um mez
de trabalho : a tratar no mesmo lugar, Porto dos
Cajueiros, ou no Recife, ra do Caldeireiro n. 76.
em caixas de 24 Iatinhas de urna libra no ar-
mazem de Tasso & Irmos ra do Amorim
n. 35.
PAFEL
de cores para listas de eleitores
A aguia branca suppoe que nao faz mal em offe-
recer aos athlelas nns pacotes com 23i follias de
papel de cores, que pe servir ptimamente para
lisias de eleitores, e tanto melhor por custar cada
Jacote o diminuto prejo de li|800, e ser cada um
e nn2 s cor. o que difflcil d? encontrar a nao
ser na ra di Queimado, loja d'aguia branca n, 8.
Vende-se um grande terreno com cercado, c
ptimo para fazer-se um excellente sitio em Jaboa-
tao a margem da estrada da Victoria c contiguo a
povoacao de Santo Amaro, contendo igualmente
terreno para plantaco : quem a pretender para
tratar, dirija-se nesta cidade ao terceiro andar da
casa n. 46 ila ra do Imperador. ^^^
Agua de Veeliy natural.
Chegada ltimamente pelo Solferino: ra
da Cruz n. 2. armazem de Isidoro, Netto
AC._____________________
Farinha de mandioca
nova c de muito boa qualidade, a retalho c em
porcao : a bordo do paftiabote D. Luiz I, atracado
ao caes do trapiche Barao do Livramento, no For-
te do Maitos.
PINTURA.
Tinta branca de massa muito nova, em la-
tas de 28 libras para casas para navios, para
a companhia do gaz, a 2oo rs, a libra: ra
larga do Rosario n. 34.
Xo armazem de louca da porta larga, rna i
do Rosario n. 26, vendm-se latas com 9 gMn i!e
gaz a l, assim como latas de 5 garrafas, i
garrafas limito em cunta ; garntese a unalidarfc.
Vcnd>m->c caixes vaziw pr-
prios para bahnleiros a 1(280, la ra
das truzes n 44.
Polassa da Hussia.
Acaba de chegar pelo brigue hamburgucx
Otto, muito nova e superior:
mente no antigo e acreditado deposito na r ja
da Cadeia do Recife, n. 12; onde lambe se
vende cal de Lisboa muito nova e pre?
commodos.
RETRATOS
DO ARTISTA
FuJRf a do) mnm
Nitidameote Ijlograpludts etu Paris Pfto
paquete .\atrTe.
Prega de cada retrato 19500.
Vende-se na loja de livros ao p do arco do San-
to Antonio. v



Vendem-se duas casas terreas a troco do ka-
rato na ra Imperial n. 56 e 38: a tratar na
ma ra n. 61

....-.-'
-



SORTIMENTO DE MOLHADOS
l
W 2
I
o

S
w
|1
-
es
e
1
o
o
ti
h
a.
S
t
v
H
V
t
-
s

a
5T
9
i
9
a
I
a.

9
t

*
I
i
a
m
a
es
a
9
il
*|
a s
I
V
S a
? I
9
IR V
fl ^
?!
- S
1 *
a
I
I?
|
= a
W cv
4 A
l

i
l
I
a
9
V
R
h
es
Vinho em pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a 400, Lagostinhas em latas grandes, a 14100
480 e 560 rs. a garrafa, em caada a 2*860,3* e
3JW00 rs., aQanca-so este genero conseror-se
perfeito seis oito mezes, o que raro ser outro
qualqner afiancar.
II
4 .
R i,
2 t
es
eu
9 -
i I
2 I
V -
> es
9.
- a
9
f
9
es
p
Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto, a t
a garrafa e 10# a caixn, o prego nao indica a
qualidade deste precioso vinho, porm tambem
nao com impoeigoes de prego que se prova ao
respeitavel publico a superior qualidade, este
genero de commum se manda rir de conta yro-
pria, e por isso podemos vender por menos do
que outro qualquer annunciante.
Vinho do Alto Dourp, das marcas mais acreditadas
e especialmente escolhidas por pessoas entendi-
das deste genero, como sejam Gamoes, Duque do
Porto, D. Luii, Garcavellos, Chamisso &Filho,
Madeira seeca, Feitoria, a 900 rs. a garrafa e 9*
a caixa com 12 garrafas.
Garrames com vinlio do Porto, contendo 5 garrafas
por 2500.
Vinho branco de Lisboa, proprio para missa, vindo
j engarrafado de Lisboa, a 640 rs. a garrafa,
dito de barril muito superior, a 500 rs. a garrafa
e 3*200 a caada.
Ameixas francezas em caixinhas de i e meia, 2 e 3
libras, elegantemente enfeitadas com diversas es-
tampas na caixa exterior, a 1*400,1*800,2*500
e 3*.
Figos de comadre em bauzinhos de folha, muito
proprios para mimo, a 1*600.
dem em caixinhas forradas de papel de differentes
molduras, a 1*400.
Ameixas francesas em latas de 1 e meia e 3 libras
por 1*400 e 2*600.
Passas de carnadas as mais novas que ha no merca-
do, caixas de 1 arroba a 6*, e a retalho a 400 rs.
a libra.
Massas para sopa muito novas: pcvle e estrellinha,
a 560 rs. a libra.
dem a mais nova que ha no mercado: talharim c
aletria, a 560 rs. a libra.
Macarrau, a 320 rs. a libra.
dem o mais novo que ha no mercado: talharim e
aletria, a 560 rs. a libra.
Figos de comadre em caixa de 8 libras muito novos
a 1*800 e a retalho a 180 rs. a libra.
Salmao em latas e em postas hermticamente lacra-
das, a 800 rs.
Savel, corvina, cnerne, congre, lingnado, vezngo,
gors, pescada, peixe espada, proparado pela pri-
meira arte de cozinha, a 1*300 a lata.
Queijos flamengos do ultimo vapor, a 1*409.
dem do vapor passado, a 2*200.
dem prato, o mais superior que tem vindo ao mer-
cado, a 740 rs. a libra.
Doce da casca da goiaba, caixo grande, a 640 o
800 rs. cada um.
Chouricas do reino a mais nova do mercado a 640
rs. a libra.
Paios de lombo, vindos do Porto de casa particular,
a 800 rs. a libra.
Bolachinhas inglezas a mais nova do mercado a
240 rs. a libra e 3*000 a barrica com urna ar-
roba.
dem de soda de diversas qualidades, a 1*400, di-
tas grandes proprias para lanch com 5 a 6 li-
bras por 2*400.
Mermelada imperial do abricante Abreu ou de ou-
tros rauitos conserveiros de Lisboa, em latas de
i c meia e 2 libras, a 600 rs. a libra.
Ervilhas francezas, a 500 rs. a lata.
dem portuguozas, a 640 rs. a dita.
Maca de tomates, a 600 rs. a libra.
Mantetga ingleza perfeitamente flor, a 800 e 1* a
libra, neste genero existe sempre aberto dispo-
sicao dos freguezes dous a tres barris de man-
teiga flor, salvo quando por infelicidade aconteca.
a factura vir composta de segunda e terceira
qualidade, que para melhor satisfazer aos fre-
guezes torna-se necessario ter mais do me esta
porcao de barris abortos, jorm antes nos lhe
damos a devida applicagao para tempero, que
venderemos a 320 rs. a libra.
dem franceza a mais nova do mercado, a 680 rs. c
em barril se faz abatimento.
Amendoas confeitadas, a 800 rs. a libra.
Chouricos, mouros vindo de casa particular, a 640
rs. a libra.
Farinha do Maranliao muito alva e cheirosa a 160
rs. a libra.
Avelas muito novas, a 220 rs. a libra.
Amendoas de casca mole muito novas a 180 rs. a
libra.
Toucinho do reino a 36# rs. e 10*500 rs. a ar
roba.
Sardinhas de Nantes, a 360 rs. a lata.
Azeite doce de Lisboa, a 640 rs. a garrafa e 4*800
a caada.
Vinagre de Lisboa, a 200 rs. a garrafa e 1*200 a
caada.
Campagne das marcas mais acreditadas a 8*000
e 10*000 o gigo, e 800 rs. e 1*000 a garrafa.
Cerveja preta da marca Tenent ou XXX, a 4* o
4*500 a duzia, e a 400 rs. a garrafa.
dem branca da marca cobrinlia ou Tenont, a 4*
e 4*300 rs. a duzia, e em porcao se faz abati-
mento.
Genebra de Hollanda em garrafes com 16 garra-
fas, por 6*500 rs., "afianga-se ser verdadeira.
dem em frasqueira, a 6*500 e a 560 rs. o frasco,
dem de botija em barricas com iduzias a 430 rs.
cada urna.
dem da laranja em frascos grandes, a 1*200, ga-
rante-se ser verdadeira da Italia.
Marrasquinho de Zara, a 720 rs. o frasco.
Licor francez de todas as qualidades de fabricantes,
em garrafas brancas de vidro, a 720 e 800 rs. a
garrafa.
Vinho Bordeaux as mclhores qualidades que tem
vindo ao mercado, a 720 e 800 rs. a garrafa, e
em caixa a 7*500,8*000 e 8*200 rs.
Azeite doce refinado do fabricante Pelanol, a 800 rs.
a garrafa.
Conservas inglezas sortidas ou de urna s qualida-
de e da verdadeira, a 800 rs. o frasco.
Araruta verdadeira, a 320 rs. a libra.
Gomma de engommar muito alva, a 800 rs. a li-
bra.
Palitos do gaz, a 2*300 rs. a groza e 20 ris a
caixa.
Toucinho de Lisboa, a 320 rs. a libra e 9*500 rs.
a arroba.
Sag muito novo, a 200 rs. a libra.
Cevadinha de Franga, a 160 rs. a libra.
Cevada nova a !20 rs. a libra, e 3*800 rs. a ar-
roba.
Macarrao e talharim, a 320 rs. a libra.
Aletria muito fina, a 400 rs. a libra.
Arroz Carolino, mnito alvo e grado, a 120 rs. a
libra e a 3*200 rs. a arroba.
Caf do Rio o mais superior que se pode desejar
neste genero, a 320 rs. a libra.
dem idem de segunda e tereeira qualidade, a 280
e 300 rs. a libra, e em arroba ou sacco a 8*200
c 8*400.
^XUte*"*"^ refida. a320rs. a libra c
10*000 a arroba.
dem de spermacet, a 640 rs. a libra.
Chocolate hespanhol a 1*, a libra,
dem francez, a 900 c 1* rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado por ser
vindo de encommenda propria a 2*880 rs.
Cha hyson, melhor que se pode desejar neste ee-
nero, a2*300 rs. a libra. 8
dem nacional em latas de 1, 2 e 3 libras a 1*400
ris.
dem huxim, a 2*200 rs. a libra.
Cha preto homoepatliico o mais excellente que tem
vindo ao mercado, a 2* a libra.
Graixa em latas grandes, a 3fl300 a duzia, e 120
rs. cada urna.
Presunto verdadeiro de Lamego em calda de azei-
te, a 580 rs. a libra.
Vassouras do Porto arqueadas de ferro, obra de
muita duragao c utilidad?, a 400 rs.
Charutos de S. Flix do fabricante Furtado de Li-
ma ou de outros muiros fabricantes da Bahia, a
2*000, 2*500, 3*000, 3*200, 3*500 e 4*000 rs.
a caixa,. ou em meias por metade do prego.
dem Mississipes imperiaes, a 3*000 rs.
dem Ypiranga ou Flor do Rio, a 3*200 rs.
dem Guanabaras ou Havaneiros, a 2*800 rs.
dem Flor da Matta ou Regala imperial, a 2*500
ris.
dem Flor do Norte ou Londres imperiaes, a 4*000
ris.
dem superiores em quantidade e de todos os fa-
bricantes, a 3*000, 3*500 c 4*000 rs. a caixa.
Polassa ta Russia.
Ventle-se em casa do N. 0. Biobcr & C,
sueeessores, ra da Cruz n. 4.
Ra da Sen/alia Nova i). 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas d
forro coado libra a HO rs., idemde Low
ftioor libra a 120 rs.
Ceblas superiores em rateas, a cinco
mil ris o inilheiro no Caes da alfandega n.
1. armazcm de Tasso Irmos.
A AGU 1 BRAICA
Elecebcu pelo ultimo vapor o
seguate:
B .nitas pulsearas de cabello, coral, e cora-
lina.
F irtes e bonitas ligas de seda para senhoras.
utras estrellas para meninas, ou manguitos.
Cartearas com agulhas.
Agulhetas para enfiar, e agulhas cantlas.
Ti ancens e litas de borracha.
arriteis com torga! de todas as cores.
Massos e fios de coral.
Esponjas finas para rosto.
tes de tartaruga virados, com laco e
lialfin.
Enfeites de rod para conservar os cabellos
bem atados.
Aspas e coz para balo.
Filas com cohetes para vestidos.
Ti ancelrs chatos de lia para enfeitar vestidos.
Papel e folhas para rosas.
Lamparillas francezas.
Trncenos grossos para relogios.
Escoras cabo d'osso, marfim e madreperola
para denles, unhas, limpar pentes ejoias.
O tras finas para roupa, chapeo, cabello etc.
Qutras de velludo para chapeos.
i' istas para papis.
H 'spadeiras c facas de marfim para ditas.
Visporas e dminos.
i.uvas de enmiirca.
TERCOS
o
e eoroas de eornallna.
A agua branca pensando constantemente em
bem servir a toda a sua frejmezia, notou que ainda
nao havia feito algum agrado a aquelles que pru-
dente e acertadamente resando, cumprein dever de
bom christao, e quando reparou essa sua falta,
mandou vir e acaba de receber delicados tercos c
coroas de cornalina com cruz de prata, os quaes
deixa i disi)ositao dos fiis que estiverem dispostos
a gastar 1*500,2* e 3* para possuirem um bonito
i.'ivo ou corda, com os quaes podem niesmo pedir a
Deus pela prosperidade d'aguia branca, em sen ale-
gre c espacoso ninho da ra do Queiniado n. 8.
-\ovos e bonitos
peniinhos travessos domados e com pedras para
meninas : vendem-se na ra do Queimado, loja
d'aguia branca n. 8.
Bahuztnhos com perfumarlas e
sera ellas.
A asnia branca vende bonitos bahuzinhos com 6
frasqtunlios de cheiros por 1*500 e vasios por 800
r-. sentado estes para meninas, c inesmo para
joias, etc., etc. : na ra do Queimado, loja d'aguia
branca n. 8.
Delicadas tesouriuhas d'aco para
bordados e labyrinthos.
A pedido de algumas senhoras suas predicletas
freguezas, a aguia branca mandou vir dessas de-
licada- ii'suiuinlias d'acopontas agudas, proprias
para bordados e labyririthos, o urna vez cliegadas
como de facto chegaram, a aguia branca convida
as de mais senhoras suas boas freguezas para
aproveitarem-sc da occasiao e bem empregarem
seus2* eincada una dessas finissiinas tesouri-
nhs, na certeza de que perder por chegar tarde ;
quem se demorar m as mandar comprar no ale-
gre e espacoso ninho d'aguia branca, ra do Quei-
mado n. 8, onde tambem lia outras curvas e direi-
tas para unhas.
Ilabadinhos estrellse bordados
Vendem-se na ra do Queimado n. 8, loja d'aguia
branca.
5*. .* *'
w-;*j^^
ROUPA FEITA
NO
AR3IIZEM
DE
X.CTREIBO VERBE.
Neste estabelecimento ha $empre um sortimento completo de roupa feita de
tudas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concor-
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras.,
homens e meninos.
RA DO QUEIMADO N. 46
mura

DE
Capachos conipridos e redondos
Vendem-se na ra do Queimado, Jloja d'aguia
branca n. 8.
liiuhas
Casacas de panno preto, 38# e
Sobrecasacas idem, 30^ e .
Paletos idem e de cores, 23,
20& 15fje......
Ditos de casemira, 20^, 15^,
m, me......
Ditos de alpaca, > e. .
Ditos ditosspretos, 9#, 7$,
S> c........
Ditos de brim c ganga de co-
res, 40500, 40, 30500 e. .
Ditos branco de linho, 60,50 e
Ditos de merino preto de cor-
dao, 100, 70 e..... 50001
Caigas de casemira preta, 120,
100, 8r?e......70000
30500
30000
4;M)00
70OOC'
maclas e lustrosas para
bordar
40000
40000
20500
20500
V(-iidern-sc mui finas luvas de caTrnuga
bi anca e amarella; na ra do Queimado n. 8 vendem-se na^ loja d'aguia branca ra do
loja d'aguia branca.
Baratlssimas baudeijas.
A aguia branca por militas vezes tem da-
i a conhecer que quando acha alguma pe-
:i i. nao quer somente com ella encher
o papo, ao contrario deseja que toda sua boa
uezia
na, o
Queimado n. 8.
\ m ssim.s e bonitos enfeites
para cabecas.
Quando o bello sexo senta a falta de bons
enfeites para cabega, eis que a aguia branca
recela urna sua encommenda de bonitos e
delicados enfeites, e de modernissima moda,
e o publico em geral prvem da muit0 serviado ^ sanar 1U JJ
groj^ramesmo acontece com e fazer com as g^ apre?ia(loras J
essas; baratissimas bandeijas, cuja limitacao Keii- emnreza Coimhn nossam mrilinr mJ
qualidades: avista do que convem a todos a- eua Esses enfriu>s ^ vm Li,in ha
','rmlf,IPPOrtUna CCasra e S nfe^c nnS d^o, e m^bem
P/ZH^S^J2SM5eSn *** com flores, fitas, b eos, plumas
e ii.* Itws custara quasi metade do justo va- oif. miin mw Lj'k- __u~
"M
Ditas de cores, 90, 80 e. .
Ditas de meia casemira de co-
res, 50500 e.....
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 50, 40500 e
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40500, 4 e .
Ditas de ganga de cores,
30500, 30 c.....
Colletes de velludo preto e de
c&res, 90 e......70000
Ditos de casemira preta, 50 e
Ditos de ditas de cores 5#
e........
Ditos de setim preto. .
Ditos de ditos e soda branco,
00 e.......
Ditos de gorguro de seda
pretos e de cores, 60, 50 e
300000 Colletes de fusto e brim bran-
250000, co, 30500, 30 c 20300
Seroulas de brim de linho,
100000 20400 e......20000
| Ditas de algodao, 10600 e. 10400
70000 Camisas de peitos de linho,
30500,' 50, 40, 30 e.....20500
Ditas de madapolao, 30,
20500,20 c.....10600
Chapeos de massa, pretos fran-
cezes, 100, 90 e. 80500
Ditos de fltro, 50, 40,30500 o 20000
Ditos de sol, de seda, 120,
110, 70 e......40500
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda....... 610
Sortimento completo de grava-
tas. 0
Toalhas parroslo, duzia, 110,
90 e........60000
Atoalhado adamascado de li-
nho vara......10280 H
Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....40000 |f
Lcnces de linho.....30000 S
Cobertas de chita chineza.. 20000
Pennas d'aco, as mais superio-
400001 res, a grosa...... 600
I Relogios de ouro orizontaes,
30300 900,800 o. ..... 700000
50000 Ditos de prata, galvanizado,
patentes e orisontaes, 400 e
50000 Obras de ouro, aderemos, meios
aderecos, pulceiras, rozetas,
40000 aneis e cruzes.
r iZi:\II iS E ROITPAS FEITAS.
Sortimento completo de sobrecasacos de panno a 250, 280, 300 e 350, casacas
mmto bem feitas a 250, 280, 300 e 350, paletots acasacados de panno preto de Mf
mi250, ditos de casemira de cor a 150, 180 c 200, paletots saceos de panno e case-
l mira de 80 at 140, ditos saceos de alpaca, merino e la de 40 at 60, sobre de alpaca e
merino de 70 at 100, caigas pretas de casemira de 80 at 140, ditas de cor di: 7-\ ti
1150, roupas para menino de todos os tamanhos, grande sortimento de roupas l brim.
como sejamcalcas, paletots e colletes, sortimento de collc-t.-s pivtns <]< ni.tini .
e velludo de 40 a 90, ditos para casamento a 50 e 60, paletots brancos de bramante a 40
e 50, calcas brancas muito finas a 50, e um grande sortimento" de fazendas finas e moder-
nas, completo sortimento de casemiras inglezas para homem, menino e senhora, ceruulas
de linho e algodao, chapeos de sol de seda, luras'de seda e de Jouvin para homem e se-
nhora. Temos urna grande fabrica de alfaiate, onde recebemos encommendas de grarules
obras, que para uso est sendo administrada por um hbil mestre de semelhante ai v > nm
pessoal de mais de cincoenta obreiros escoltados, por tanto executamos qualquer obra com
promptido e mais barata do que em outra qualquer casa.
[ue mas costara quasi metade do justo
I; Assim, pois, dirigirem-se com dinhei-
r alegre e espacosa loja d'aguia branca
ra do Queimado n. 8.
i.cucos brancos com barras de
cores para meninos.
A loja d'aguia branca recebeu um novo
etc., entretanto que sendo obra de muito
gosto custam 80, 60 e 70 dinheiro vista;
na espacosa e alegre loja d'aguia branca ra
do Queimado n. 8.
Ricas giiarnleoes de pentes e
flvellas para cintos.
A asuia branca recebeu novas e ricas
g i i miento de lengos brancos com barras de guarnigoes de pentes dourados, e com pe-
cores para meninos, e com quanto esses ,dras; assim como outras bordadas froco e
em melhores, maiorcs e perfeitamente Com bolas pendentes, novidade essa que s
cuadrados, com tudo continuam a ser ven- ^ acha em dita loja, e que na verdade se
di Jos pelo antigo prego de 10 a duzia; n. tornam mui alegres e bonitas; e bem assim
Xin do Queimado na alegre e espacosa loja reCebeu lindas flvellas com pedras, e ditas
d'aguia branca n. 8.
La fina para bordar.
d'ago com novos e engragados moldes, cintos
dourados c de marroquim; e muitos outros
IIMI \0 DA AURORA,
Nesta grande e bem montada fabrica de machinismo, a mais antiga no imperio, con-
tinua-se a executar com a maior presteza e perfeigo- enconunendas de toda a qualidade
de machinas usadas no paiz, tendo sempre prompto o seguinte :
Grande sortimento de moendas de canna de todos os systemas e tamanhos.
Machinas de vapor de diversas qualidades.
Taixas fundidas e batidas.
Crivos e boceas para fornalhas.
Bronzes e aguilh5es.
Rodas, rodetas e rodas d'agua.
Guindastes fixos e portateis.
Machinas de cylindros para padaria.
Serras de ago para serrara.
Fatechas para barcos, etc., etc., tudo por prego que bem convida. .
A aguia branca acaba de receber n com- f*>lfctos de gosto para senhoras serio encon-
trados na alegre e espacosa loja daguia
8.
pleto sortimento de la fina para bordar, cu- '*" ua T%* T
ja variedade de agradaveis cores foratn es-branca rua do Que,mado n"
colindas d'um grande livro d'amostras que o
fabricante offereceu a aguia branca, vindo
entre ellas alguma mesclada; assim pois onde
os pretendentes melhor se podem sortir des-
se genero, na alegre e espacosa loja d'a-
guia branca rua do Queimado n. 8.
Os afamados copos com banha, e
boloes com inscripcoes.
RUI
DA
[A
DO
fecife numero 40.
Vctor Grandin, reloioeiro condecorado com a
Chegaram novamente para a agma branca niedalha da exposigao d Paris, establecido com
RSS68 afamados e estimados copos com banha loja aa rua da Cadeia do Rocife, participa aos seus
i: assim como OS bonitos boiOCS de por- numerosos freguezes e ao publico desta praga que
r iim dr.iira.la tamhpm enm hinhi a nnvus recebeu ltimamente um grande sortimento do ar-
* .lana aouraua tamoem com Danba, e novas tjgos pertencentes a sua arte, como sejam, relogios
Kiscripcoes maviosas e jocoserias, mu ade- para algibeira de ouro e prata, e de patentes inglez
c Kidi) para presentes resta porem que os apre- e suisso, correntes de ouro de lei, e dos masl?o-
i :adores concorram, munidos de dinheiro, ,iu>s modellos i .tambera tem para vender um
nlpffra n ARnacnsa Inia rt'amiia hranra na Ha ehronometro manumo inglez, e de um dos melho-
a, res fabricantes ass m como urna grande quanti-
ATTE^AO.
FAZENDAS DE BOM GOSTO.
Lindos cortes de laa de barra Imperatriz, ditos de la com barra masa-
da, ditos Usos cora palmas de seda, lindas 15as de cores matisadas a 500 rs. o
covado, ditas com palmas de seda a G 40, 700 e 800 rs. o corado, cortes de
seda de cor matizada os mais superiores que tem rindo ao mercado, lindos
curtes de mor-antique de cor linda, gorguro de la e seda de quadrinhos e
lisos, fazenda inteiramente ora para restido.
Superiores cortes de blond branco para noiva, camsinhas de cambraia
bordadas, brancas e de cores, lindos sautambarques de cachemira de cor enlu-
tados e bordados da mesma cor, ultima moda em Paris, superiores etapa
de palha da Italia, enfeites de flores, capellas brancas e outras muitas fazenda>
de gosto que sera enfadonho annunciar: na rua do Crespo n. 13, loja das
columnas, de Antonio Correa de Vasconcellos & Companhia.
FUMDI^AO DO KOUH1V-IMA DO
Kl.U \. 38.
Este muito acreditado estabelecimento est prvido de um completo sortimento de
machinismos proprios do fabrico de assucar, a saber :
Machinas de vapores as mais modernas e mais acreditadas.
Rodas d'agua de ferro com seus pertences.
Moendas e meias moendas de todos os tamanhos.
Rodas dentadas, angulares e de espora.
Taixas de ferro batido e coado.
Boceas de fornalha pelo novo systema Wetson.
Alambiques de ferro fundido.
Fornos para cozer farinha.
Moinhos para moer mandioca.
Arados americanos, etc. etc.


UE
TOBAS A Ql ALI 1 DEN
DE
DE
DE
J. VIGNES.
N. 55. RUA DO IMPERADOR X.
55.
Jueimado n. 8.
1 dade de relogios para parale e par cinia de mesa
ANTONIO MAIA DE BRITO
CONHEC1DA POR FABRICADA VIUVA.
N. 21Antiga rua dosQuarteis de policiaN. 21.
Constando ao annunciante, que alguns especuladores de m f, redo o erado
que gosam os meas cigarros, e para poderem dar consumo aos seus andan veodendo tm#
na praga como pelo mato, illudindo os meus freguezes, dizendo que sao meus ; e como to-
dos os meus cigarros sao vendidos na minha fabrica, e nf mando pessoa alguiM rendar
por minha conta fra delta, fago o presente annuncio para evitar quecomprem galo por
ebre ; e para seguranca dos senhores consumidores deste genero e especulmeiite m ana
freguezes, aviso que todos os massos de cigarros que forem vendidos ua minha
marcados com um distinctivo que declara o meu nome, o nome da rua e o:
mesma casa.
Aproveito a occasiSo para scientificar aos mesmos senhores, que
encontrarSo um completo sortimento de cigarros de diversas qualidades, e do i
escoltado, por sua boa qualidade j bem conhecida.
Os pianos desta antiga fabrica sao hoje assaz conhecidos, para que seja necessario insistir sobre a
sua superioridade, vantegens e garantas que offerecem aos compradores, qualidades estas incontesta-
veis que clles tem definitivaniente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praga ; pos-
suindo um teclado e machinismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
nunca falhar, por screm fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos importan-
tissimos para o clima deste paiz; quanto s vozes sao melodiosas e flautadas, e por isto muito agrada-
veis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-sc conforme as eocommeadas, tanto nosU fabrica como nado Sr. Blondl, de Paris, socio dade a retalho a 12 a lata de 5 cales,
correspondente de J. Vlgnes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposigoes. B;_ iala, d 10 a d K aarrafes a s(
NTmesmo estabelecimento se ac^ sempre um explendido e variado sortimento de msicas^ -111 comal!? ??i?Jt l,Am^,ira mv
melhores compositores da Europa, ^shjj co^o harmnicos e pianos narmoaicos, sendo tudo Vendido'em P01^80 mais Dar> Hm effl yvHI* tluai'
por pregos muHg rwoaveis. I quer parte,
AOS SRS. CONSWWDORES DE GAZ. 1 Barra.
Cofres patentes ngtezes, a prava de fcfo.
Nos armazens do Caes do Ramos n. 18 e t garantidos pelo fabricante Mimen, de Lmr-
na rua do Trapiche Novo (no Recife) n. 8, se pool: vendem-se na rua da Cnu b. 2, ar-
rend gaz liquido americano primeira quali- mazem de Isidoro, Nette & C.
as- :---------------------------
sendo schbchms*
Vende-sc sementes de horUltoB amia ama:
na rua da Cadeia do Recife a. g.njwpfjifca pan-
eos das pelo brgue S, Jfwuff


I.......
I J'
niari^Hc l*eroaak*e T*r f
I

'
1 P3UDSGI
GRANDE A
EE
N. 36, RFA DAS CRDIES N. 36
DO
blrro de Santo Antonio.
0 proprietario do muito acreditado armazem denominado Progrmista tendo
sempre em vista fazer tudo o que for possivel para bem servir aos seus freguezes, tem
deliberado vender os seus j bem conhecidos gneros de primeira qualidade pelos precos
abaixo mencionados, e affianca s pessoas que mandarem comprar por seus criados ou
escravos, serem to bem sen idas como vindopessoalmente; encarrega-se de aviar qualquer
encommenda, ainda mesmo contando objectos nao proprios deste estabelecimento. O
mesmo pede aos senhores que mandarem comprar heste armazem o favor de mandarem
devolver qualquer objecto que nao agradar, devendo os mesmos senhores ter toda atten-
co com os seus portadores, fazendo-lhes ver que s no armazem Progresista da ra das
Cruzes n. 36, que se vendem os melhores gneros por mais barato preco, porque estes
muitas vezes obidam-se e v3o outra parte onde os servem de maneira a desagradar este
estabelecimento.
Manteigai ngleza de 1.* qualidade, a 900 rs.
a libra.
dem de 2.a qualidade, a 800 rs. a libra.
4dem franceza, chegada ltimamente, a 6i0
rs. a libra.-
Batatas muito novas, a 2* o gigo de arroba
e 80 rs. a libra.
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor,
de 2* a 2,5500.
dem prato, chegado neste ultimo vapor, o
mais fresco que se pode desejar a 700 rs.
a fibra.
dem londrino, mandados vir de encommen-
a especial, a 900 rs. a libra.
dem suisso, muito fresco, a 8Q0 rs. a libra.
Caf do Rio de J. e 2. qualidade a 8*500
e 8*800 a arroba, e 280 e 300 rs a libra.
Arroz da India e Maranho a 120 rs. a libra
e 3*200 a arroba.
Avelas as mais novas neste genero a 240
rs. a libra.
Presuntos do Porto muito novos a 560 rs. a
libra.
Legumes francezes para sopa, como seja,
Juliemie, mlange dequipae, Choux e
outras qualidades, a 400 e 500 o masso.
Amendoas do casca mole a 320 rs. a libra, e
em porcao ter abatimento.
Garraoes com 5 garrafas de vinho do Porto
do Alto Douro a 2*400 com o garrafao ;
afianca-se que nesse genero o melhor
que veio ao mercado.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira muito
superior e mais proprio para a nossa csta-
c3o por ser mais fresco a 2*400.
Cha hysson o mais superior a 2*600 a libra,
afianca-se ser egual ao que regularmente
vendemos a 3*200.
dem huxim miudinho, o mais superior que
vem ao nosso morcado a 2*700 a libra.
dem preto muito fino, a 2*000 a libra.
Garrafes com 5 garrafas de superior vinho
de Lisboa a 2*100 cada um.
dem com 5 garrafas de vinagre de Lisboa
a 1*100 com o garrafao.
dem com 5 garrafas de vinagre hambur-
guez a 800 rs. cada um.
Yinhos generosos vindos do Porto engarra-
fados das seguintes marcas: Genuino,
Porto fino, Nctar, Duque do Porto, Fci-
toria, Velho sccco, Chamico, Madeira su-
perior e outros a 900 rs. a garrafa e 9*
a duzia.
Vinho Bordeaux das melhores marcas: St
Julien, Medoc e S. Estephe e outros a
640 rs. a garrafa e 7*500 a caixa com
urna duzia.
Chouricas c paios, o mais novo que se pode
desejar, a 250 e 600 rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez dos melhores fa-
bricantes a 900 rs. a garrafa e 10*500 a
caixa com urna duzia.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
800 rs. cada um.
Licores francezes, muito finos, das seguintes
marcas: Anizetta de Bordeaux, Plaiser des
dams, Crme de Noyan, Eau Dantzic,
Crme de Menthe, Ilude de Venus etc. etc.
Passas muito novas e de carnada a 400 rs. a
libra e 6*500 a caixa com urna arroba, ha
caixas, meias e quarto/.
Ameixas francezas em fiascos de 1112 e 3 fi-
bras de 1*400 a 2*800, tambem ha latas
de 6 libras.
Marmelada imperial, dos melhores conser-
veiros de Lisboa, a 600rs. a libra, em la-
tas lacradas hermticamente.
Fructasem caldas de todas as qualidades em
latas muito bem enfeitadas, a 500 rs ca-
da urna.
Bolachinha ingleza, a mais nova que se pode
desejar, a 3*000 a barric a e 240 rs. a
libra.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
a 160 rs. a libra.
Azeite francez clarificado a 800 rs. a garrafa
e 9*000 a caixa com urna duzia.
Conservas inglezas dos melhores fabricantes
Mixed Pickles, ceblas simples, e outros
a 760 rs. o frasco.
Farinha vcrdadeira de araruta a 500 rs. a
libra, garante-se a superior qualidade.
Palitos para dentes em caixinhas douradas
Bren, a 320 a libra e 8* a arroba.
PROGRESSIVO.
DE
Eduardo Marques de Oliveira C.
S NO
9-LARGO DO CARM0--9.
DE
mw^> % *
Os proprietarios deste espacoso e bem sortido armazem de molbados partici-
pam aos seus freguezes que acabam de receber de diversos portos da Europa o mais bel-
lo sortimento de molhados, todos primorosamente escolldos, os quaes vendem-se por
muito menos do que outro qualquer annunciante, obrigando-se os proprietarios a garantir
todos os gneros sahidos do seu muito acreditado armazem.
de superior qualidade a 320 rs. ca a c
xinha.
Mostarda preparada em potes muito nova a
400 rs. cada um.
Milho-alpista a 180 rs. a libra.
Gomma para engommar muito fina e alva a
80 rs. a libra e 2*300 a arroba.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Sabo verdadeiro hespanhol, que raras vezes
vem ao nosso mercado, a 300 rs. a libra e
em caixa ter abatimento.
dem massa de superior qualidade de 160,
180, 200, 220 e 240 rs. a libra.
Graixa era latas muito nova a 120 re. a lata
e 1*300 a duzia.
Peixe em latas muito novo: sural, pescada,
curvina, salmao e outras qualidades, pre-
parado de escabexe segundo a arte de
cozinhaa 1*400.
Papel grve pautado e liso a 3*800 a resma.
Genebra de Ilollanda em botijas de conta a
460 rs. cada urna.
Vinhos em pipa: Lisboa e Figueira das melho-
res marcas a 3*200 e 4*000 a caada do
melhor e 500 rs. a garrafa, em porcao ter
abatimento.
Vinho velho Chamico em barril, muito proprio
para sobremesa, a 640 rs. a garrafa e
5*000 a caada.
Vinho branco o mais superior que pessivel
neste genero a 560 rs. a garrafa e a 4*000
a caada.
Vinagre puro de Lisboa a 200 rs. a garrafa
e 1*400 a caada.
Azeite doce de Lisboa muito fino, em barril
a 640 rs. a garrafa, c em porcao ter
abatimento.
Champagne das mais acreditadas marcas, a
1*000 a garrafa, e 10*000 o gigo com
urna duzia.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Babia a 3*500 a caixa, tambem temos
para 2*000, 2*500, 3*000 e 3*200 a
caixa.
Vellas de spermacete superiores a 600, 640,
e 680 rs. o masso.
dem de carnauba e composico a 320, 360,
e 400 rs. a libra e de 10* a 11*500 a
arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa, a 1*000
a ancoreta do Porto e 1*500 a de Lisboa.
Massas para sopa.- estrellinha, rodinha e pc-
vide a 400 rs. a libra e 2*000 a caixa com
8 libras liquido.
Massas para sopa muito novas: talharim, ma-
carro e aletria a 400 e 480 rs. a libra.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso das melhores qualidades a 900 rs.
a libra.
Doce da casca da goiaba a 800 rs. o caixao.
Ceneja das melhores marcas de 5*500 a
6*000 a duzia e 540 rs. a garrafa
Biscoutos inglezes de diversas qualidades a
1*300 lata.
Bolachinha de soda, especial encommenda,
muito nova em latas grandes a 2*000 cada
urna.
Massa de tomates em latas de 600 a 700 rs.
cada urna.
Sardinhas de Nantes, do fabricante Basset, a
360 rs. a lata.
Tourinho de Lisboa novo a 320 rs. a libra.
Tijolo de limpar facas a 180 rs. cada um.
Cebollas o mlho a 900 rs.
Erva-doce muito nova a 400 rs. a libra.
Cominhos idem idem a 640 rs. a libra.
Garraoes vasios a 500 rs. cada um.
Ditos com 5 garrafas de genebra a 2*400,
garante-se ser verdadeira de Ilollanda.
Cebollas a granel a 640 rs. o cento.
Canella a mais nova do nosso mercado a
1*000 a fibra.
Alfazema o que pode haver de melhor neste
artigo a 280 rs. a libra.
Phosphoros de seguranca individual a 20 rs.
a caixinha.
Papel de embrulho muito superior a 1*120
a resma.
Vinho da Figueira, o que ha de melhor a
4*090 a caada.
Copos finos para agua a 6*000 a duzia.
Manteiga ingleza perfeitamente fl&r, mandada
vir de encommenda especial a 8oo rs.
a libra,
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
62o rs. a libra,
dem em potes de 4 16 libras muito fina e
propria para doente a 8oo rs. a fibra e o
pote separado,
dem de porco, refinada e muito alvaa5oo
rs. a libra, em barril ter abatimento.
dem ingleza em latas de 2 1/2 libras a 2,ooo
cada urna, garante-se a boa qualidade.
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
de l,6oo, l,8oo, 2,ooo e 2,5oo rs.
dem prato chegados neste ultimo vapor, o
mais fresco que se pode desejar a 66o rs.
a libra.
dem londrino mandados vir de encommen-
da especial a 56o rs. a libra.
Caf do Rio de Ia e 2a qualidade de 8,5oo e
8,8oo rs. a arroba, e 28o a 3oo rs. a li-
bra.
Arroz da India e Maranho a loo rs. a libra
e 3,ooo rs. a arroba.
Caixinhas de ameixas francezas de 1 1/2, 2
e 3 libras, elegantemente enfeitadas com
diversas estampas no exterior da caixa a
l,3oo, l,6oo, 2,ooo, 2,5oo e 3,ooo rs.
Vidros de diversos tamanhos de confeitos,
muito proprios para ramos, de l.ooo a
2,5oo rs. cada um.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra e
em porcao ter abatimento.
Garrafes com 5 garrafas de vinho do Porto
do Alto Douro a 2,24o rs. com o garrafao,
afianca-se que neste genero o melhor
que veio ao mercado.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira mui-
to superior e mais proprio para a nossa
estacao por ser mais fresco a 2,4oo rs.
Cha hysson o mais superior a 2,6oo rs. a
libra, afianca-se ser egual ao que regular-
mente vendemos a 3,ooo e 3,2oo rs.
dem huxim miudinho o mais superior que
vem ao nosso mercado a 2,7oo rs. a libra.
dem preto muito fino a 2,ooo rs. a libra.
dem muito mais baixo, muito proprio para
negocio a l,6oo rs. a libra.
Presunto inglez para fiambre o mais fresco
que se pode desejar a 8oo rs. a bra.
Garrafes com 5 garrafas de superior vinho
de Lisboa a 2,2oo rs. cada um.
dem com 5 garrafas de vinagre de Lisboa
a l,2oo rs. com o garrafao.
dem com 5 garrafas de vinagre hamburguez
a 9oo rs. cada um.
Genebra de laranja a 9oo rs., a melhor que
se pode desejar.
Cha perola o melhor neste genero a 3,2oo
rs. a libra.
Vinhos generosos vindos do Porto engarra-
fados das seguintes marcas: Genuino,
Porto fino, Nctar, Duque do Porto, Fei-
toria, Velho secco, Chamico, Madeira su-
perior e outros a l,ooo rs. a garrafa, e
9,ooo rs. a duzia.
Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto
a l,2oo rs. a garrafa, e lo.ooo rs. a caixa.
Vinho Bordeaux das melhores marcas: Sf.
Julien, Medoc, S. Estephe e outros a 7oo
rs. a garrafa, e 8,ooo rs. a caixa com urna
duzia.
Chouricas e paios, o mais novo que se pode
desejar, a 56o rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez dos melhores fa-
bricantes a 9oo rs. a garrafa, e lo,5oo rs.
a caixa com urna duzia.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
8oo rs. cada um.
Licores francezes muito finos das seguintes
marcas: Anizete de Bordeaux, Plaisirdes
Dames, Crme de Noyau, Eau de veede
dant- c, Creme de menthe, Huile de Ve-
nus, Parfait amour, Eau d'ora l.ooo rs,
a garrafa e lo,ooo a caixa com duzia,
Passas muito novas c de carnada a 3oo rs-
a libra e 6,ooo rs. a caixa com 1 arroba
ha caixas, meias e quartos.
Ameixas francezas em frascos de 1 1/2 e 3
libras de l,4oo a 2,8oo rs.; tambem ha em
latas de differentes presos.
Marmelada imperial dos melhores conservei"
ros de Lisboa a 6oo rs. a libra, em latas
de differentes tamanhos e lacradas herm-
ticamente.
Fructas em caldas de tildas as qualidades em
latas muito bem enfeitadas a 5oo rs. cada
urna.
Bolachinha ingleza a mais nova que se pode
desejar a 2,5oo rs. a barrica, e 24o rs. a
libra.
Azeite francez clarificado a 8oo rs. a garrafa
e 9,5oo rs. a caixa com 1 duzia.
Conservas inglezas dos melhores fabricantes
Mixed e Pickles, ceblas simples, e outras
a 8oo rs. o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes muito
nova a 4oo rs. cada um.
Mlhos inglezes de todas as qualidades e das
melhores marcas a 5oo rs. cada urna gar-
rafinha.
Sal refinado em frascos devidro de diversos
modellos a 4oo rs. cada um, s o frasco
vale o dinheiro, tambem ha solt para 8o
rs. a libra.
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de doce, manteiga
ou outro qualquer liquido de 1 ,ooo a 3,ooo
cada um.
Painco a 14o rs. a libra.
Milho alpista a 16o rs. a libra.
Gomma para engommar muito fina c alva a
8o rs. a libra, e 2,3oo rs. a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Sabo verdadeiro hespanhol que raras vezes
vem ao nosso mercado a 3oo rs. a libra e
em caixa ter abatimento.
dem massa de superior qualidade dd 2oo,
22o e 24o rs. a libra.
Graixa em latas muito nova a 12o rs. a lata
e l,3oo rs. a duzia.
Peixe em latas muito novo: svel, pescada,
curvina, salmo e outras qualidades, pre-
parados de escabexe, segundo a arte de
cosinha de 1,-ioo e 2,ooo rs. a lata.
Amendoas confeitadas de diversas cores a
7oo rs. a libra.
Papel grve pautado e liso a 3,8oo rs. a
resma.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
46o rs. cada urna.
Vinhos em pipa: Lisboa, Porto e Figueira das
'Thelhores marcas a 2,5oo, 2,8oo, 3,ooo e
4,000 rs. a caada do mais superior e de
32o e 36o rs. a garrafa.
Id?m velho Chamico em barril, muito proprio
para sobremesa, por ser muito claro e
macio a 64o rs. a garrafa, e 5,ooo rs. a
patada.
Viiho branco o mais superior que possivel
neste genero, a 56o rs. a garrafa e a
3,8oo rs. a caada.
Viiagre puro de Lisboa, a 2oo rs. a garrafa
e l,4oo rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa muito fino, cm barril,
i 64o rs. a garrafa, em porcao ter abati-
mento.
Champagne das mais acreditadas marcas, a
l,2oo rs. a garrafa, e 12,ooo rs. o gigo,
om 1 duzia.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Bahia a 3,5oo rs. a caixa, tambem temos
fara 2,ooo, 2,5oo, 3,ooo e 3,2oo rs. a
ctixa.
Velas de spermacet superiores, a 6oo 64o,
t8o e 7oo rs. o masso.
Idea de carnauba e composico, a 32o, 36o
e4oo rs. a libra, e de lo,ooo a H,5oors.
aarroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa, a -1,000
n. a ancoreta do Porto, e l,5oo rs. a de
Lisboa, estas ultimas raras vezes vem ao
nosso mercado, pela sua boa qualidade.
Massas para sopa: estrellinha, rodinha e pe-
ide a 32o rs. a libra, e l,6oo rs. a caixa
com 8 libras liquino; s no Progresivo.
Massas para sopa muito novas: talharim, ma-
carro e aletria, a 4oo e 48o rs. a libra.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso, das melhores qualidades a 9oo rs.
a libra.
Doce da casca da goiaba a 64o rs. o caixao.
Cerveja das melhores marcas, a 5,5oo e
7,4oo rs. a duzia e 54o rs. a garrafa.
Biscoutos inglezes de diversas qualidades a
l,2oo rs. a lata.
Bolchinha de soda especial, encommenda
muito nova, em latas grandes a 2,ooo rs.
wda urna.
Idta craknel em latas de 5, 7 e 15 libras a
4,000, 5,5oo e U,ooo rs. a lata.
Palitos do gaz, a 2o* rs. a caixinha e 2,3oo rs.
a grosa.
Massa de tomates em latas de 6oo a 7oo rs.
cada urna.
Sardinhas de Nantes do fabricante Basset, a
J8o rs. a lata.
Toucinho de Lisboa novo, a 32o rs. a libra.
Tijdlo de limpar facas, a 18o rs. cada um.
Cebollas, o, mlho a 9oo rs.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa,
a 14o rs. a bra.
K

3-9
y.
S- : n "2 " * o
^ s '0i
cu *i
2. *+ i
*t
5
Neste novo e grande estabelecimento de molhados, encontrar o n-,
publico d'esta cidade, bem como seus numerosos freguezes do centro, expostos mate
todas as qualidades de gneros por menos precos queem quaesquer outros <-i.il
tos d'esta ordem, pois para isso segu em um dos primeiros paquetes para i Eunf m
dos socios para serem vindos todos os gneros de conta propria, para melhor, rvir aos
seus freguezes, e desde j encontrar o respeitavel publico sempre os melhor
novos gneros do nosso mercado, e por precos baratissimos, como se ver abaixo.
Amendoas a 320 rs. a libra.
Avelaes a 2oo rs. a libra.
Ameixas a 1* a libra.
DRas em frasco por 2*800.
Arroz pilado da India loo rs. a libra e 3*ooo
a arroba.
Dito dito do Maranho 120 rs. a libra e 3*500
a arroba.
Azeite doce francez 800 rs. a garrafa.
Dito de Lisboa 680 rs. a garrafa.
Agurdente de canna de cabeca a 240 e 320
rs. a garrafa.
Azeitonas a 400 rs. a garrafa, e 1*300 a an-
coreta.
Bolachinha de soda a 1*400 a lata.
Banha de porco a 6oo rs. a libra.
Bolachinha ingleza a 200 rs. a libra, e a bar-
rica a 3*000.
Cha hysson a 2*200 a libra.
Dito dito fino a 2*600 a libra.
Dito miudinho a 2*800 a libra.
Dito do Rio a 1*800 a libra.
Dito preto a 1*900 a libra.
Carne do sertao a 36o rs*., e em porcao se
vende por menos.
Charutos de diversas qualidades a 1*200,
1*500 e 3* a caixa.
Champagne a 1* e 1*500 a garrafa.
Chouricas a 560 c 600 rs. a libra.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
Caf em grao a 300 e 320 rs. a libra, e 9* e
9*200 a arroba.
Dito moido a 360 rs. a libra.
Doce de goiaba a. 560 rs. o caixao.
Espirito de vinho de 38 graos, a 280 rs. a
garrafa.
Figos a 400 rs. a libra, e em latas de 4 libras
por 1*500.
Farinha do Maranho a 160 rs. a libra.
Genebra de Ilollanda a 640 e 720 rs. o frasco,
e 7* a frasqueira com 12 frascos.
Dita hamburgueza a 560 rs. o frasco, e 6*500
a frasqueira com 12 frascos.
Dita flor de laranja a 1* o frasco.
Gomma d'araruta a 100 rs. a libra, e 2*600
a arroba.
Graixa em latas a 120, e 1*300 a duzia.
Genebra em garrafes de 14 garrafas por
4*600.
Batatas inglezas libra a 80 rs., c a 2*500 em
arroba.
Licor fino a 800 rs. a garrafa.
Dito em garrafas grandes de superior quali-
dade a 1*500.
Manteiga ingleza flor a 800,900 e *
Manteiga franceza a 680 c 720 rs. a lihr.i.
Dita hollandeza a 72o 8oo rs. a libra.
Mostarda a 640 rs. o frasco.
Massa de tomates a 640 rs. a libra.
Dita estrellinha para sopa a 560 rs. i Bn.
Marrasquino de Zara a 800 rs. ofra& <>.
Passas a 4oo e 560 rs. a libra, e K*
Palitos para dentes a 180 rs. o mass<-.
Phosphoros do gaz a 2*560 a grosa.
Paios novos a 640 rs. a libra.
Queijos do reino do ultimo vapor a 2* .
2*500.
Dito de prato a 720 rs. a libra.
Dito do serto a 560 rs. a libra.
Cervejas de marcas superiores a 500. '.-?).
600 e 640 rs. a garrafa, e 5500. Ha
6*500 a duzia.
Dita em barril por 4*, e 240 rs. a garrafa.
Cevada a 240 rs. a libra.
Sardinha de Nantes a 360 e 400 rs. a :..n-
nha.
Sag a 240 rs. a libra.
Sabo massa a 200, 240 e 280 rs. a libra.
Sevadinba a 280 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 160 rs.
Vellas de spermacete a 640 e 680 rs.Iir.ra.
Ditas do gaz muito boas.
Ditas dito em caixas de 6 libras por -sowi.
Ditas de carnauba a 400 rs. a libra.
Ditas de composico a 360 e 380 rs. a iij-ra.
Vinho do Porto, caada a 5*500, garrnj
720 rs.
Dito Lisboa, caada a 4* e a garrafa a MI
rs.
Dito Figueira, caada a 3*840 e a prr rfi a
480 rs.
Dito dita superior, caada a 4* e a ^ar: fa
a500rs.
Dito Estreito, caada a 3*200 e a garrafa a
400 rs.
Dito Bordeaux a 720 e 800 rs. a prrafo.
Vinagre de Lisboa em garrafes de I g.tira-
fas por 1*400.
Dito em caada a 2*, e a 260 rs. a garr.fa.
Vinho do Porto em garrafes do 5 0.n.
por 2*500.
Dito dito engarrafado a 1* e 1*200.
Dito lagrimas do Douro a 1*400 a par. h.
Vinho branco de Lisboa a 720 rs. a garrida.
e 5* a caada.
Dito do estreito a 600 rs. a garrafa, e i i 1111
a caada.
Previne-se ao respeitavel publico que todos os gneros cima sao de boa prifc-
dade, epara desengao venham ver; assim como outros que dcixam de sor annuniiad-<.
TODA ATTENGO
NOS
IIUIIZIVS
CNSERVATIVQ I ONSRVlDllft
DE I
JbWT S M3 3A1J)2,
NS. 21 E lt 1WH DO TERCO -NS. 21 E 23.
O proprietario destes dous estabelecimentos de molhados, vende os seu>
eros por menos do que em outra qualquer parte, por isso garante a superior
lidade de qualquer genero sabido dos seus armazens ; pode vender por menos por ..t-
prar dinheiro, e por isso faz vantagem a os compradores.
Batatas as mais novas do mercado, a 60 rs. a libra e l,6oo rs. aarroab ou caixa.
Toucinho de Lisboa da 1.a qualdade, a 3oo rs. a libra e 9,ooo rs. a arroba.
Caf do Rio da 1.a e 2.a sorte, a 28o e 32o rs. a libra.
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor, a l,8oo e 2,ooo rs.
Velas de spermacet, carnauba do Araeaty, as melhores deste genero, a 63o e 4on rs. i
Vinho verdadeiro Figueira das melhores marcas, a 5oo e4oors., em caada se f
timento, ha porcao para escolher.
Bolachinhas americanas, as mais novas neste genero, a 2oors. a libra e3,noo rs. a ka
Palitos do gaz, vindos por conta particular, a 2o rs. a caixinha e 2,4oo rs. a grosi.
Manteiga ingleza da 1.a e 2.a qualidade, a 8oo e 76o rs. a libra,
dem franceza, especialmente escolhida, a 64o e 6oo rs. a libra\
Cha, o melhor neste genero, a 2,88o rs., tambem ha para mais barato.
Milho alpista, limpo, muito superior, a 16o rs. a libra, arrroba 5,ooo rs.
Alm destes gneros ha outros muito baratissimos, assim como cerveja das. .*-
lhores marcas, genebra de Ilollanda c de laranja, passas, doce de goiaba, azeite <
nagre, canella, pimenta, cominhos, erva-doce, cebollas, alhos, chouricas, banha > pa
outros muitos gneros que enfadonho mencionar; dinheiro contado.
ACHINAS AJEBICms.
Em casa de N. O. Bieber A C, successo-
res, ra da Cruz n. 4, vendem-se:
Machinas para regar hortas e capim.
Ditas para descarocar milho.
Ditas para cortar capim.
Selhns com pertences a 10* e 20*.
Obras de metal principe prateadas.
Alcatro da Suecia.
Verniz de alcatro para navios.
Salsa parrilha de primeira qualidade do Para.
Vinho Xerez de 1836 em caixa de 1 duzia.
Cognac em caixa de 1 duzia.
Arados e grades.
Brilhantes.
Carrocas pequeas.
AGENCIA
DA
IUNDICAO DE LOW-MOOR.
Ra da Senzalla nova n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos.
Alm dos eneros cima mencionados, existe um completo sortimento de al-
fazemas, cominhos, pimenta, erva-doce, palitos de dente em macos e caixinhas, enxo-
fre e outros muito gneros, os quaes vendemos pelos precos mais baratos possiveis.
TlalOIiOS
DE
MMM
Vendem-se fijlos de marmore de 10 o 12 pn.-
gadas qaadradas cada um : em casa dos Srs. H- o-
rique Forster & C, ra do Trapiche.
ESCRAVOS FGIDOS.
Na noite de 14 para 15 do corren!.' aose*-
tou-se da fundico da Aurora o mulato Ftaeotioo,
bastante alto, pes grandes e mal fritos, auda .<
passado e costuma andar de safttw t pal
algumas vezes usa capote de panno, incnlcaawki i
forro-: roga-sc as autoridades policiaes e apim
de campo a captura do mesmo, e leva-lo a rrf n-
da fundicao, onde se gratificar gwnrtwnanNe
trabalno.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston 4 C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
Fugio no dia 16 do crreme do engeab
Pindobal, oescravo Manoel Bacca, ter 30annos de idade, bem preto, altura notar.
nao feio de cara, bem feito de corno, e ps. Qnean
o v nao snppSe que seja de Anfou, paretre -i-
lo. Joanno passado loftnpara o ayan
Gaetano na villa do Cabo, donde veto maMatfopein
Sr. Antonio Bandeira de Melto, rendara^ > a
engenho. provavel que tenha proeimaV) ow
senhor ousegnWopara osnl daprovnma. Qwnt
o apprehender, on detle dar notician ecttan, ser
bem raampensado pelo abaiio ia^anli
/oaguta) CavalcatUe de AStm<*erft JaWo.
.a..


k
islario lie IrVrnamHueo Terfft falla 98 de Vnllio de l*.


-
JLITTERATRA.
\> que >ao pelo ainado.
A divida publica da Russia, monta-
\ pi ni uro, no l. de Janeiro de 1863,
;. v. rublos. O juro, araortisaco,
cambio c dwrezaa do lauco absorveram-mo
durante o ci nenie geno 57,487:218 rublos
6 un 18812.
A esta divida com juro acrescc urna di-
toante de 6(J0,COO-82 rublos, em
j pe que circula sem juro.
A le'volii'.Mo polaca, pelas despezas consi-
iveis a que obliga a Russia, deve aug-
.. iiar-llie a cifra da divida n'uma larga
; : porcao.
No dia 12 de junho foi enforcado na
della de Varsovia un capuchinho, por
nenie Kotiaj-ski. O ai a-hispo proteslou,
por nao ter o padceme sido exautora-
do do seu carcter religioso antes da exe-
ouco.
Em Ifi do di lo mez fui lambem cn-
forraiVi cin l.uMin o joven polaco M. Fran-
lcowski, que foi um dos primeiros que se
rofugiou as florestas para se subtrahir aos
rigores lo recruiamento.
Por milito commardon um pequeo ban-
do com tanta babilidade como coragem,
porm, cahindp 1.a tus nie/.es prisioneiio
em um combate, deram-lhe lempo de se
curar das seas numerosas feridas, para o
enforcar depois, apesar de estar ja pri-
. ueiio, quando foi proclamada a amnista
dv cxar.
M. Frankowski era rico e nobre, e cu-
nhado de Mr. Epslein, banquciro dos mais
considerareis de Varsovia, administrador
do caminho de ferro de Vienna a Varso-
via, e bario nomeado pelo imperador Ale-
xandre l..
O lilho d'esle banqueiro, Nicolu Epslein
foi lambem condemnado a trabadlos toreados
a Silicria.
-- Diz o Czar que o general russo
Uourawieff, depois da sua chcgada a Vilna,
teniendo ser envenenado, nao come seno
i i na casca, e que a sua residencia est
cercada de guardas, que nao deixam entrar
niugoem, nem mesmo os officiaes russos,
sem um minucioso exame.
As noticias de Praga dizem que M.
Postowoitoff, que acompanliava o cx-dictador
da Polonia Langiewilz, desappareceu, sem
que as autoridades descobrissem o qae foi
Jeito d'ella.
Tiriha pedido um passaporte para Vien-
na, mas quando lli'o foram levar tinba
deixado o seu hotel. Urna das suas ami-
liuha chegado a Vienna para solli-
cilar em favor do ex-dictador Langiewilz,
permissao para este ir para nma cidade
d aguas da Bohemia, porni nada tinha co-
udo.
_ N'uma circular mandada distribuir
cr.i Nova-York por urna commisso de
senhoras americanas l*fc o paragrapho se-
grale :
Nao somos de .or.lmm partido seno
to da bemanidade, e em nome da liumani-
dade elevamos a voz. Estamos convencidas
que n'esta nobre tena da America o nosso
ciiarnamcnlo deve ser e ser ouvido. Para
que prodir/a todos os seus frucios e regu-
larisar os donativos decidimos a organisacc
de urna commisso de damas americanas,
com o im de reunir fundos que sero empre-
ados emsoccorro das victimas da actual re-
voluco da Polonia. Dc-ver ser eterna esta
luta horrorosa ?
Em um banquete dado ltimamente
em Stockplmo em honra de dous revolu-
cionarios russo Hakounine e o filho deHor-
Izen exposeram o programma do seu parti-
do na Russia.
O joven lo! l/.on explanou-se sobre o pro-
jectode substituir n ojhIo Meraiha das dif-
erentes fraccoes slava's ao principio de con-
quisla e conipresso.
Rakounine no quadro que tracou do es-
tado interior da Russia, representou o go-
wti.o de czar minado por toda a parte pela
grande sociedade secreta Sol e liberdade
(Zeuslia If'ola), cujo im operar sem
effuso de .sanguc a revolueo social da
Russia.
Rakounine diz que esla sociedade se
propc:
1. Conceder ao agricultor o direito da
propriedade territorial, mediante urna in-
demnisacSo custa da naco em favor dos
actuaes proprielarios;
2. Restabelecer a antiga liberdade cora-
munal e substituir a centralisaco acilocrati-
ca pela federacao das provincias;
3. Abolir o recrutamento e o exercito
|iermanente substituindo-os por urna milicia
suiliciente para a seguranca interior e inh-
bil para conquistas ;
4.-Realisar reformas por meio d'uma
assembla nacional, composta de depu-
lados de todas as cidades e provincias da
Russia, sem distincrao de classes e for-
tunas.
Gai ibaldi era esperado nos banlios de
Neris nos princios de jullio tencionando de-
pois ir a Inglaterra.
O Ecening Star publica a este respeito
a seguine carta:
Senhores. A muitos dos vossos lei-
tores que se interessam pelo Ilustre Jos
Garibaldi, ser satisfactorio saber que elle
j pode pousar o p no chao, e que den-
tro em pouco conta visitar a Inglaterra.
Espero que antes do fin do vero esta-
r em Londres onde se aguarda a sua boa
viuda.
O jury de Clagliar (na Italia) eondem-
nou a tres mezes de prso e 500 francos
de multa, o medico cirurgio Angina, por
algumas opinies errneas sobre as- feridas
e morte de Christo, que desenvolveu n'uma
these de cirurgia.
Em Milo fundou-se com o titulo de
Companhia de crdito sobre o trabaIho urna
sociedade que promette os melhores resul-
tados e frente da qual se ada, como pri-
aieiro accionista, o principe Umberto> ber-
deiro do throno da Italia.
Nos das 26 27 e 28 de maio tero lu-
gar em Manhe'im a 18.a reunio dosmestres
de escola allemes.
Como nao havia sala bastante espacesa
para conler as pessoas que de todas as par-
tes da Allemanha foram tomar parte no eon-
gresso, fizeraai-sc assessoes n'uma dasegre-
jas da cidade.
H. Holfusann, mestre-escola em Ham-
burgo, foi cHerto presidente por accla-
maco.
assembla coraecou por decidir que
nenhum orador pudesse fallar mais- de
dous minutos, e que no caso de que muitos
membros quizessem tratar do mesmo as-
sumpto fosse um s encarregado dadesen-
volvimento, para evitar repeticoes e perda
de lempo.
Os discursos polticos foram expresa-
mente prohibidos.
FOLHETIM.
CAIililUHO
roa
M.VlItK.iOSAND.
Prinielra parte.
Tratou-se depois de um grande numero
de questoes relativas ao ensno, e princi-
palmente^ dos melhores nethodos para
desenvolver a memoria das creancas, dos
meios de excitar na mooidade o amor-ada
patria, da necessidade de dar aos exerci-
cios gymnasticos uma parle na educaco,
do esludo, da msica e sobretudo dos can-
tos nacionaes, da nefessidade de ensinar
com mais cuidado aos meninos a historia de
seu paiz, e sobreludo dos altos feitos e vic-
torias do povo allemo, etc. etc.
O gran-duque de Bad chegou de impro-
viso no segundo dia de sesso e appareceu
de surpreza na assembla, que o acolheu
com enthusiasmo, e qual dirigiu palavras
as mais lisongeiras, a que o presidente res-
pondeu.
No exercito que sitia Vicksburgo ha
um regiment de Iowa com o n. 2i Como
neste regiment ha muitos membros do cle-
ro, pozeram-lh o appellido pouco bellicoso
de regiment dos pregadores, sendo este
nickname* origem incessante de gracejos
justificada pela appareiicia pacifica do corpo
assim baptizado.
Quando o general Grant chegou a Vicks-
burgo, esperando poder tomar a cidade por
um golpe arrojado, encontrn o primeiro e
formidavel obstculo n'uma b3teria de t4
pecas de grosso calibre sobre uma altura in-
greme. Enlao o general americano nao ti-
nha roSo seno o regiment dos pregado-
res, com o qual sem dxivida nao eontava
rauilo. Com ludo deu-lhc orden) de tomar a
batera.
O coronel voltando-se pa?a os soldados e
raoslrando-lhes a batera, di3se friamente1:
Acola est om magnifico pulpito; vmos-
la pregar.
Amenl respondeu oTegimBflto.
Eai'20 minutos- a collina estaw trepada,
o inimigo derrotada e a artilharia tomada, e
o resto do exercito applaudia com todas as
suas forras o-vigoroso- sermao dos pregado-
res do jiegimenlo de Owa, que conservam
anda, mas como titilo-glorioso, o appelli-
do divisorio com que* es tnham claesili-
cado.
A polica de Peslb- (Hungra) desco-
briu ltimamente que algumas caixas de
pianos se adiavam cheias de- armas, particu-
larmenle de-re>volvers. As-oaixas que foram
apprehendidfts deviam ser expedidas para
a Polonia' por Kaschau e Cracovia.
A imperatriz Eugenw fez execatar
n'uma das gateras do palacio de Fontaine-
bleau uma sala de vero somelhanca de
uma, outra do palacio do imperador da
China.
Varas photographias e deserhos copiados
naquelle pazserviram para auxiliar aexac-
tdoda obra..
A galera fei adornada com grande nume-
ro de objectos; importados no lempo da ex-
pedico : muitos desses objectes perlenciam
ao tal palacio do vero do imperador da
China.
Nos archivos do theatro Comedie
Francaise de Paris, consem-se com o
mais escrupuloso cuidado um bilhete assim
reduzido:
O porteirodo theatro de'war subir ao
meu camarim o meu amigo Bonaparte.-
Talma.t
Este Bonaparte amigo do grande actor
que elle recebia familiarmente no seu cama-
rim, era o ppimeiro cnsul da repblica,o
vencedor de-Marengo e de Austarlitz, o prin-
cipal collaliorador do cdigo francez, e qua-
s' o senhor da- Europa; era Na'poleao" o
Grande.
-* A Epocha de Madrid pubilcoo a no-
ticia de que uma senhorajjigleza deixou l-
timamente em seu testamento 10,000 lib.
st.'para costear a despeza do cloroformio
necessario para imped- o sofrimento das
rezes que se nialam para o consumo de Ma-
drid.
E' uma das excentricidades (lestes nossos
tempos.
I O Jornal da Havre diz que aquella
| cidade chegra um aulomato extremamen-
te engenhoso, e que se denomina o secre-
tario intimo. Escreve oque Ihe ditarn em
todas as linguas.
A cousa j era para se admirar n'um ho-
mem, e por isso quasi maravilha n'umau-
tomato.
No Correio doe Estados-Unidos de 9
de junho encontra-se esta despedida no-
tavel:
Um mancebo de 23 annos chamado James
Vaughn, foi enforcado sexta-feira ultima em
Kousas City.
Chegando ao cadafalso mostrouo pu-
nho multido e bradou que tinha amigos
que o vingariam. Depois, correndo com a
vista os espectadores, disse :
Acreditaes que ha justica no nosso paiz
porque se enforca um hornera; porinsea
vossa justica 9sse justa haveria aqui tantas
forcas quantas sao as pessoas queme olham.
Nao tenho pena de vos deixar, porque nao
receo encontrar pei'or companhia. Adeus,
passaebem e eu tambem.
Cra momento depois tinha passado da
vida -morte.
0^ dous celebres e-destemidos cartcs
ltimamente descobriram a nascente do Nilo,
foram apresentados, em sessao extraordina-
ria, sociedade real de geographia de Lo
dres.
O presidente' pronunciou un> discurso t
felicitago, cOroprimentando os dous intrpi-
dos viajantes em-nome da rainha'Victoria, do
principe de Galles e de toda a nac-o ingleza.
O capilo Speke procedeu depois leitura
de urna curiosissima memoria das suas via-
gens, em que explicada a soluco do gran-
de probtema da origem do Nilo.
Consta' que um curiosissimo trabalho o
dos captes Speke e Grand.
A assembla, levantawlo-se, votou- por
unanimidarte agradecinientos aos dous explo-
radores, ja bonoriQcadbs com medalhas de
ouro pela sociedade franceza de Geographia,
epelo re de Italia:
O consclho municipal da cidade de Pars
decidiu em uma das suas ultimas sesses, que
se procedesse constriiccao d'um boulevard,
destinado a ligar o dcimo- oitavo e o vij. si-
rao circulo: intitattr-80be-Boideeard do
Puebla. Esta-deciso foi unanimemeute si>-
ruiovada.
Uma correspondencia de Paris dand6
noticia da primara impressa que causou em
FoBtainebleau, a;noticia da tomada de Puebla,;
diz que o despacho chogOH ao anoutecor
(piando a corte tomava fresco as janeltes
do palacio.
A monotona da scena, diz o corresponden-
te, foi interrompida i>or uma carta fechada,
que entregaran ao imperador. Abrir a car^
ta e romper n'uma exploro de alegra foi
urna o mesma cousa. O jubilo communicoo*
se rom a rapidec da electrieklade. O despa-
cho annunciando a tomada de Puebla passan-
do de m3o em mo, foi parar s do joven
.principe imperial que tambem quiz vero pa-
pid. que tanta alegra causava. Satisfeia a
sin curiosidade atiroU*o pela janella, gritan-
do: Viva o imperador! A sentinella que
estava no pateo, sem sabe* de que se trataya
repetiu o viva com voz to forte, que attrahiu
s janellas do palacio as mil caberas da crea-
lagem. Os palafreneiros, lacaios, cocheiros
:tc. efteheram o pateo, e vendo o despacho
jFitaram por seu turno: Viva o imperador!
Pouco depois deram-se salvas, houve illu-
minacoes e msica e a corte comecou a dan-
car.
A duqueza de Gramont, esposa do em-
biador de Franca em Vienna, e que antes
nados a transportar agua potavel para os po.
vos do deserto.
O despacho que vinha oxw jornaes bea-
panhes e a (pie hontem nos referimos daml>
noticia- do incendio nos armazens de alaodo
e cereaes de Water-atreet em Liverpool *-
zia que os projuizos se calculavam .-m 2:000
libras stcrlinas. Os jornaes francezes porm
riY.'hidos boje, em um despacho tambem du
Liverpool, dizem que se calcula que perdas
se eleva rain a 200:000 libras (000 conloa de
res).
Uma noficia telegmphn de S. P.1t-
palaai
o fr i.'in Roma, pertencente Ilustre fam- burgo diz que uma grande parir- do p.ti
lia de Mac-Kinnou-Clou na Escossia, abracou imperial de Tsarsko-Sele, habitual resi ultimamente o catholicismo. O espectculo cia do czar, fura devorada por om iucemL
da capital do mundo catholico impressonou de que se n5o conhece a causa.
profundamento o seu espirito e determinou-
Ihe a resoluco de abracara religio catholica.
O clero de Londres deu uma prova de
Formou-se om Berln urna associaeao
cujo fim defender a lberdarle d'Bprensa
pelos meios legaes. testa desta aaaoeiae)
qae nao est disposto a transigir com a moda.! avoltavam altas capacidades; mas duvida-s--
as egrejas do culto anglicano ha bancadas \ que p'tfsam conseguir o seu fim porqne o
partido reaccionario tem na sua mo a forra
e o poder.
reservadas, em que o preco de cada lugar
est fixado em 4 lib. st. por anno.
Esle prero foi agora excepcionalmente au-
gmentado a G lib. st. e iS sh. para as damas ~ Um artista francez constructor-Je
que usam bao. chinas, mandotf exposico de toodrn^-.
- L-se no Ost Deutsche Post de 27 wa,8on de forma inteiramente nota, desfi-
je:un|l0. nado a ser empregado nos transportes de
Mr. Thiers, o hospede Ilustre que se lquidos. ____^_
acba actualmente em Vienna, assistiu lirtje *! Intiiula-ae o novo nm'to-wagon-cister-
sesso da cmara dos deputados na galera ?a^'econler ^m Ulrm> e V '>
dos diplmalas. ^ k'logrammas
Era acompanhado pelo baro Hubncr c Comprehende-se fcilmente o "nporUote
por Mr. Goldschmidt, representante da casa frv.coque este apparelho poder prestar
Kothschild. agricultura, beneficiando-a com o laapre
Nao sou o here, sou apenas o narrador
da historia que se rae ler.
Relacionei-me no collegio com Marcos
Valcry, mais moco do que cu, porm mais
adianiado nos seus estudos. Gostava do seu
carcter franco e desinteressado, do seu es-
pirito ardente, humor jovial, e physionomia
expresara. Nolava, porm, na sua pessoa
certa tendencia muito pronunciada para as
coosas espirituaes, a que denominei illunii-
nismo na falla de melhor qualificago, sendo
que hoje mesmo nao sei como melhor a
qualificasse. Nao poderia explicar-me so-
bre esle ponto misterioso, enfermo ou exal-
tado, sem primeiro resumir a sua historia.
No inal da narraco buscaremos eu e o lei-
tor descobrir o segredo dessa alma atormen-
tada, e convenen-mc de que ambos o des-
cubriremos.
Convm antes de ludo remontar ao passa-
do para que o leitor fique conhecendo a si-
tuaeo da familia do meu amigo.
Urbano Va le y, bisavo de Marcos, nascido
em 1750, protestante e burguez de Sancer-
e de pae a illio, fez um rico casamento em
1771, e foi cstahelecer-se em Lignieres. O
seu filho Rartholomeu seguiu a profissao de
interim travou rela(;oes com Silvano Desor-
mes, camponez que se tornara rico com-
prando a prazo em 179i o castellode S. Joo
com todas as suas trras e dependencias,
situado entre Ardentcs e Issoudum.
As relaces dos dous velhos foram sendo
cada vez mais intimas, e a amizade firmou-
se com o casamento de Thcreza Valery e
Juliano Desormes, reunindo-se assim as duas
fortunas, avahadas enlo (1831) em mais de
dous milhoes.
Passados dous annos o Sr. e a Sra. Desor-
mes commnnicavam a seus amigos e conhe-
cidos o nascimenlo de uma filha, a menina
Margarida.
Tendo Marcos do pasear alguns dias de
ferias em Lignieres com seu bisavo Urbano,
que conlava nesse lempo oitenta e nove an-
nos, enconlrou um dia o pobre velho assen-
tado no fundo do seujardim, com a cabeca
Manifestou desejo do conhecer alguns de-
putados e conversou na sala das conferencias,
durante a-suspensao da sesso-, com o presi-
dente e differentes deputadbs.
Mr. Thiers disse, entre outras cousas-, que
tinha julgado entrar n'uma assembla parla-
mentar noyira e inexperiente-, mas; pelo* que
acabava d ver, se convencer que havia em
Vienna uire parlamento na altura da sua iras-
so.
Surprehendeu-o muito a semelhanca de
Mr. MuhlfeldcomNapoleo I.
Celebrou-se em Copenhague, a 23 de
j ualio, a festa- annual da Sociedade Real do
Tiro, a que costumanrassistir os-soberanos
dinamarquezes.
Este anno Fernando VII e o presidente do
conselho, Mr. ifolhan, pronunciaram discur-
sos lellicosos.-
Mr. Halhan dfesc:
A-tempestade-prepara-se no liorisonte e
ninguem sabe quando rebentar; porm* se
a Dincmarca era forte a primeinr vez que
marcho-contra o mimrgo, hoje no-o me-
nos.
Estas-palavras derem produzir grande sen-
sago naimprensa ailerna.
Le Mmde, jornal religioso' de Pa-
ris, publica tres doenmentos assigrtmlos por
D. Joao- d Borbou,. flio mais novo de D.
Carlos e hoje nico, nos quaes declara que
sem coadices e absolutamente se submette
a D. Isabel II, reconhecendo-a como rainha
de Hespanha e offerecendo-se a prestar-lhe
juramento de fulelidade e obedier^ia cons-
tituico- liespanhola..
Um constructor de machino* francezas.
enviou ;i exposico de Londres ura wagn de
uma f>iTna inteiramente nova e para uso
tamben novo, a saber:
Um wagn cisterna, para o transporte dosj
liquido. Pode conter 7:300 Ijms, o vaaia
para >:OO0 kilogrammas.
O vice-rei do Egvpto pediu 'JO d'estes \v\-
gons-para o cam'mlio de ferro de Suez, desti-
go das materias empreadas no adeMo dw
campos, e cujo transporte era dispendiosis-
simo pelos anligos meios de condueco.
Cincoenla destes wagons destinados a coe-
duzir agua potavel s povoaceT do deser-
to, foram j. encommendados pelo rice-Tei
do Egypio para serem empregacks no cami-
nho de ferro de Suez.
O engenheiro piemontez Bbnelli, o
inventor da cadeira galvnica de Jaequard,
construiu am apparelho por meio do qoal
se pe em movimento pela corrente elctri-
ca uma pequea carruagem rodeana d um
espiral de rame de cobre, e qne pdeem-
pregar-se para a transmisso quasi instan-
tnea de carras e pequeo volumes.
Ensaiaram-se em Berln urnas gran-
des carruagens que podem conter vint;
pessoas, movidas por locomotoras da forca
doito-a nove cavallos
Estas carruagens corrern pelas roas cm
a rapidez de om vehculo tirado por daa
ons cavallos.
O custo de cada uma destas locomotivas
de 4000 tltalem (2:8805066).
A rainha de Hespanna, desejosa de
recompensar o mrito do* artistas distinc-
os, acaba de conceder a ctqz de Carlos
III ao conde de Vernay,. pnotograpno da
casa real, cujos trahalhos teem merecido o
matorelogio desentendidos.
Os jornaes da Europa do como certo
prximo enlaee do duque deMoncbye da
princeza Anna Morat, Antonio Juste Len
Marie do Noailles. duque de Mouchy, prin-
cipe duque de Poix, grande de Hespaaha
de I1 classse, possudor de um patrimonio
avahado em 120 contos de renda, conta ape-
nas finia e dous annos. A princeza Anna
Mural a quinta filha do matrimonie do
principe Napoleo Luciano Morat, filho do
antigo re de aples e da princeza Caro-
linaGeoraina Fraser. Nasceu em MU;
tendo portanto a edade de sen noivo.
Marcos, ultimo descendente dos Valerys, S. Joo, 20 de maio de 1850.
era um boDito moco na extenso da palavra :, Meu charo sobrinho,. Escrevo nesla oc-
corpo espigado, hombros largos, cintura easio ao Sr. baro de W'eisberg, pedindo
delgada, gil e destro como um indio ; uma
flores.la de cabellos escuros ondeantes; olhos
de um azul-escuro, cheios-(te anglica docu-
ihe que te conceda uma licencad um mez
ou seis semanas afim de que possamos re-
gular as contas da tutela, que segundo, a
ra na tranquillidade, mas coruscante n&le sou forcado a abdicar, j que entrastena
tua maiordade Ha um anno que j isto.
devera ter feito ; mas a culpa tem sido de
emocaa.
Admirava eu a belleza do meu amigo, tan-
to mais quanto me reconheco feio e muito
mal-feito. Chamo-me Cadanet, sou alto, ma-
gro, tenho o nariz grosso^ os olhos pequeos,
o bigode avermelhadc, altam-me tres den-,
tes que nao poderara resistir ao contacto de
uma bala : mas slo pouco Ihe deve impor-
tar, meu charo leitor ; represento nesla
historia um papel muito secundario.
0 meu sonho predilecto foi sempre a vi-
da militar : tinha grande necessidade de
movimento ; e por isto, sahindo do collegio
.______ & l' '. .- I" 1 ', ,111:1 I'.IIaIiI 1.'
ma. e Vmc cieia na
do, seu sobrinho.
dedleaco e amisade
Marcos Valer.
inclinada para o peilb e as mos cruzadas part para a frica. Foi l que recebi as
1 primeras cartas de Marcos: conservei-as,
assim como as suas notas e outros escrips
sobre a bengala : pareca dormir. O rapaz
nao quz desperta-lo. Quando a criada Ro-
sala Boc, que tinha sido ama de leitc de
Thereza, o vcio chamar para janlar, reco-
nheceu que estava morto.
Marcos foi mandado para companhia de
sua ta Thereza Desormes em S. Joo, e po-
zeram-se sellos por toda a parte at a aber-
tura do testamento.
0 velho Valery mostrara em quanto vivo
grande preferencia por sua filha. e por isso
deixou-lhe tudo de que a lei Ihe permittia
dispor, alm das sommas consideraveis que
Juliano Desormes recebera de sua mo por
diversas vezes depois de casado. EmOm
Thereza herdou um mlho ao passo que a
advogado em Bourges, e ali casou-se tam- Joo Valery, pae de Marcos, apenas coutc
bem. Foi enviado como representante ao quinhentos mil francos,
corpo legislativo, e vollou na poca do con- Por essa poca Uvera este ultimo o nfr-
su'ado, para continuar na sua profissao, e tunio de perder sua mulher, e a sua razo
cuidar da educaco de Joo, seu nico her- achou-se um pouco abalada. Apressou-se
deiro : mas n'uma bella manha do anno de em converter os seus bens em dinheiro de
1807 soube elle que seu pae, Urbano Vale- contado, parlu para Pars, poz seu filho no
rv se houvcra casado segunda vez na edade collegio Henrique IV (ah o conheci eu), e
de cincoenla e sete annos. nao tardou muito que se visse arruinado.
No anno seguinte carregou levemente o Quercndo augmentar as suas rendas arriscou
sobr'olho tendo noticia do nascmeoto de o capital n'uma especulacTio, e em 1844 ha-
uma irmzinha, a quem se deu o nome de va tudo desapparecido. Pareceu supportar
Tlicreza e que deveria partilhar tambem esta desgraca com resignaco ; mas mterior-
da successo do velho noivo: mais pronun- mente nao deixou de flear bem affectado, e
ciado porm, foi o seu dissabor quando viu creio que o pezar concorrea mu.topara a
partir seu filho como conscripto de 1813. molestia que succumbiu.
P Mimoso e querido, como era, foi muito a Marcos, achando-se orphao naedado de
custo que Joo Valery deixou o tecto pater-desese.s annos, v.u-se jD^dldede
no para ir combater na Saxonia: porm as abracar uma profissao, dae 0PQ*a
batalhaa de Butzcn, ede Leipzig, e loda a estado de ganhar a vida. Naoi devia contar
campanha da Franca fizerara delle um ho- com a generosidade do Sr. Deso mes, no-
mem extorcado, e um bom soldado. Obten- meado seu tutor.
do baixa depois da batalha de Waterloo, vol- A Sra. Desormes, que na quahdade de pa-
tou casa de seus paes, que muito custaram renta Ihe lestemunhara muda affeicao, fez o
a reconhecer nesse bandido da taire com o mais que pode pata ajuda-lo : mas tambem
uniforme salpicado de sangue ede lama, com ella nem sempre era senhora de abriros
a tez quemada pela plvora e pelos ardores cordes da bolsa,
do sol, o olhar inflammado pela colera e Marcos obteve o cargo de secretario de
pela vnganca, o rapazito alvo e rosado que um sabio allemo o barao de W eisberg.
partir havia tres annos. Thereza Desormes fallecen em 1845. O
Depois de morto Bartholomeu, Joo des- pobre Marcos sentiu esla perda como a ue
posou Amelia Dargan, filha de um notario de sua propria me. Foi ento que elle se jut-
Bourges. Foi desse consorcio que nasceu gou so neste mundo, e se entregou ?otra*
Marcos Valery no anno de 1828. balbo com avidez. Os seus goslos o inclina-
Apezar dos seus setenta e oito annos o vam para a historia, para a archeologia e
velho Urbano Valery montava anda acaval- estudo das linguas moras; o por isto con-
lo, e percorria ss feras do paiz vendendo vinha maravilhosamente^ao laborioso alle-
o seu gado e negociando com trigo. Nesse mo.
que muito concorreram para preencher as
lacunas da nossa correspondencia. Com to-
do ficaram algumas que s posso suppr.r
com a fcil narraco do que rae foi vertid-
mente confiado em diversas pocas e pir
cartas de pessoas maisou menos interessads
na sua existencia.
- O que porm mais esclarece osla historia
singular sao as notas que naquelle temi
Marcos tinha o cuidado de tomar diaru-
mente registrando os seus actos e pens-
mcnlos. Para explicar, semelhante habito
da parte de um joven to activo devo indi-
car de anle-mo o estado do seu espirito al
qual era no momento da nossa primoira sa-
pa raco.
Marcos era de carcter folgaso, o que
contrastava singularmente com os seus pen-
samentos sempre inclinados para a morte.
Quando me via admirado dessa anmala,
dizia-me:
E' porque nada comprehendes nem
da morte, nem da ida
Eexplicava-me um systema por elle deja-
do provavelmente nos seus sonhos, its-
peito do qual, confesso, nada compreheudi
ento.
Havia eu reparado que o meu amigo es-
crevia muito n'um cadernq, e perguntando-
llie sobre que assumpto nteressante tomava
tantas nota-, respondeu-me :
Acontecem-me mudas cousas insigni-
ficantes, que entretanto para mim teem
bastante importancia, por que se me apre-
sentam ao pensamento como reminiscencias
de uma vida anterior ; como porm nSo'me
quero Iludir tomo nota, quanto posso, de
tudo aquillo que me mpi'essiona. afim de
confrontar no futuro essas mpressoes, que
minhas numerosas oceupacoes, e affazeree
da propriedade, e tambem desses senhores
da justica, que nunca do as cousas por fin-
das. Hoje so acha tudo disposto e prepara-
de, gracasao cuidado do Sr. Chassepain,
meu tabellio
Entretanto devo prevenir-te de que os
cem mil francos, que restaran) da ruina de
teu pae, se achara um pouco diminuidos
pelos gastos com a tua educaco : tive de
pagar um atrazo de dous annos de collegio.
Tambem enviei-te algumas sommas depois
que estaes em casa do Sr. bato. Emfim re-
gularemos tudo isto com as contas na
mo.
Bem quisora ir a Paris ; mas, alm da
despesa quo esta viagem me acarretaria,
nao teria o prazer de te a presentar aos meus
amigos. Vera portanto disposto a mostrar-
te ama vol.
Vou passando como permitiera os raeus
cincoenta e oito annos.
A gota deixa-me j tranquillo, e Marga-
ridita nao rae amofina tanto. Este anno
apresentou ella um grande desenvolvimiento
na sua educaco, e at mesmo no seu cres-
cimento, e vondo eu que j est urna, moca,
e que sabe de mais para uma camponeza,
resolv recolhe-la ao domicilio paterno.
Pede ella que Ihe tragas, nao uma none-
canao gosla de brincar combonecasmas
um Hvro de botnica, a Flora do centro.
do Sr. Boreau. A filha de um agricultor
deve conhecer as plantas e hervas. Pede-
te tambem dous vestidos, porm nao muito
caos, percebes ? Um do garca do Cham-
bery, cor de rosa, e o oulro de cassa com
bouquets a Pompadour. O gosto da esco-
lha flea por tua conta. Arre f Estas especia-
lidades de toilette sao para mim o mesmo
que o chinez. Essas raparigas s cuidam de
trapos.
Vom o mais depressa possivel. Avisa-me
o da da tua chegada a estaco de Issoudum,
afim de que envi para ali o meu criado
Dolin a esperar-te.
Juliano Desormes.
P. S Nao esquecas de trazer para ti um
f-cto nreto completo.
Marcos Valery ao Sr. Desormes.
Paris, 25 de maio de 1850.
Meu querido to.A' 30 do corrente es-
julgo datar de uma outra vida, econheter tarei emlssondum s quatro horas da ma-
ento se j ellas so me apresentaram no
decurso da vida que hoje atravesso,
Quando elle assim me fallava, tinha eu
Marcos- Valery Augusto Cadanet,
lagar-tenento de Spahisna frica.
Paris, 27 de maio de 1850.
Meu querido amigo.Quando me escre-
veres dirige por em quanto as tuas cartas ao
castello de S. Joo, por Issoudum, perten-
cente ao. Sr. Desormes, o tio ds quem te
fallei tantas vezes. Chamou-me para regu-
lar as- nossas contas, e enlregar-me uma
sommaj, qne para mim ser uma fortuna.
Isto at'ropella um pouco as indagacoes scien-
tificas, a que procedo, por orden\ do Sr.
Weisberh : mas levarei alguns> livros, e
continuarei ali nos meus trahalhos.
Sabes que o baro um. sabio allemo*.
grande indagador, que me faz trabalhar era
seu proveito, porque elle cabe a honra.
Vivo tomando, olas e mais notas sobre tudo
aquillo que se refere s racas humanas,
Procuro advinhar os tenebrosos mysterios
da historia, esquadrinho os textos dos li-
vros santos, compulso os symbolos religio-
sos da India o do Egypto, faejp extractos, de
todos os autores que disso tratam, at mes-
mo chego a pedir s ontranhas da trra que
me caverna as origens da humaaidade. Ar-
de-rae s vezes a cabeca, e se esse Sr. ba-
ro rae nao tornar idiota com. a sua e-thno-
genia, forcar-rae-ha ao menos pelas inda-
gacoes que faco a dnvidar de onde venho e
para onde vou: pois que- a nossa alma im-
mortal nao faz mais do que |andar neste
mundo de um para outro lugar. Lembra-
te das minhas ideas a respeito ; zombavas
um pouco deltas : agora cumpro toma-las
ao serio, porque se achara cada vez mais
desenvolvidas.
Tudo isto, meu charo, nao impede que eu
v respirar o bello ar da primavera. Ha seis
annos que rae vejo encerrado em Paris, c
sinto a necessidade de novos ares c de outro
sol. Nao lastimo a minha posico que alias
melhorou depois da ultima que te escrevi.
Passei a bibliothecario do barao com aug-
mento de vencimentos. Muitos homons sa-
bios e distinctos nao ganham tanto como eu 1
E tenho apenas vinte e dous annos. Mas
nao sou desses que se illudem a respeito de
si mesmos: devo a minha posico actual
bondade do bario muito mais do que ao
meu mrito pessoal
Adeus, meu querido Cadanet, d-me sem-
pre noticias tuas, o dispe do teu
Marcos Valery.
Jornal de Marcos Valery.
A' 30 de maio pelas quatro horas da ma-
nha cheguei a Exoldunum, leia-se Issondun,
Uassel-dun, em lingua cltica a alta monta-
nha. Os nossos avoengos, habitantes das
nha. Levarei o livro, e os vestidos de que pameos, honraran) com o titulo de dum (de
falla. Se quizer encarregar-me mais de al-
guma commisso, disponha de mim. Nao
roceios de que estivesse louco; mas a sua duvide de que os nossos negocios de fami-
ba saude, as suas justas apreciares soare lia se achem era perfeita ordem, e a este
as pessoas, e fiel observacao dos fados, es* respeito estou absolutamente pelo que Vmc
pecialraente a sua inesgotavel alegra sem- quizer. Representei o papel mais desfavo-
pre satyrica, me tranquillisavam para Wgojravel do mundo escolhendo as fazendaspara
e depbs de trata-lo de original deixei-osem minha prima ; felizmente o logista, que
inqueitar-me com as suas chlmeras. I tinha barbas at os olhos, entenda melhor
Carta do Sr, Desormes a Marcqs, Ya^do-seu officio do que eu do meu.
lery,
onde vem a palavra duma) os menores rele-
vos de suas grandes steppes. Quanto a mira,
gosto desses paizes centraes que, desde a o-
rigem dos tempos, foram oceupados pelas
tribus gaulezas. Ali todos os nomes das
localidades faltam ao espirito......e quem
nos diz que nao o espirito a propria recor-
daco de tudo isso ?
Conheci fcilmente o criado qne me espe-
ra va : patinhava na lama debaixo de uma
ro, que recordei-me ter visto em S. Mi na
minha idancia.
A'estapergunta qtie lite dirig: ohawa 3
Dolin? o bravo Borrirliqn respundwnae
com urna outra pergunta semelltantf, i
forme o habito dos. nossos campoapies des-
confiados :
E Vmc. sobrinho da detent sua Uaa
Sim, meu rapaz.
Oh! Estimo v-lo de p*,rtoita sade.
Obrgado.. Arruma a bagagr-m, e k
caminho !
E' j, u'um momento, resporMJea, ate
arrastando a voz na ultima syliaba.
O seu momento foi muitiv longo ; ^orqai'
para carregar a minha mais, e endireitor n-
seus am ios, foi-lhe praciso um bom <|ua< t
de hora, dppois do qual empertigaad>-se na
dianteita do carrnho arrancou da pfito um
hi em falsete, acompanhado de um csUlo i
chicote que faria invejaao mr i>ostimi.
0 cavallinho estendeiwu ronn- ama mola e
parto a trote.
A chova cesssra* c os rai>s do sol, que
crguia-se no horisonte, tii^'an dv uma cor
de rosa a cimo das anrores. As p^as, ^
despertadas armella ltfTa, saltitavam sobre
o caminho choto de pocas d'agua, espera-
vam-nos afoilamente, e di>pos voavam quan-
do viam prximos os ps do cavalln para re-
comecarem o seu exercicio cera passis mais.
adiante.
O tempo tornou-se bom, nao. verda-
de? perguntou o meu cocheiro stNaprc de
p como ura conductor das aatigas car-
ruagens.
Nao sei onde meu to achoa sememaot>'
figura; poucas tenho visto to foias assim.
Um rosto chato c bexigoso,. com um nlho
mais pequeo do que o outro, e ambos %*-
gos por tal modo que s vem de talo: urna
boca grande e torta que ao sorrir-se r a
cousa mais desageilosa do mondo; ma par
de orelhas de asno, ornadas de argobs de
ouro, e de dous pedacos de melenas sota
ao vento; estatura inediocre, um hombro
visivelmente mais alteado que o outro, raaos
capazos de abatir um boi, e ps capaaes de
arruinar umsapateiro: eb aqui o retrato
de Dolin.
Noso qur sentar? pergantet-rae ea.
E como? salvo se Vmc. qnr qae jo-
gue as suas cousas para o caminno.
Reparei ento que a minha mala otcuaara
o seu lugar, o que era causa da soa pasta a.
Balbuciei uma especie de descnlpa pelo m-
commodo que Ihe causava, e calei-me. Has
j eu havia ganho as affeicoes de mestre
Dolin, e elle apressou-se em gabar-ma l
novo a Iielleza do tempo. Isto quena "
j que estamos aqui juntos con\
Esperei subtrahr-me i conversacin
nao ouvir; porm Dolin Do esaxireta,
voltou carga, gritando-me como a aai
surdo:
Que diz ? O tempo nao est bauto ?
Sem duvMa.
Como?
Digo que sim.
Pode ser, Sr. Valery, pode ser.
| Os meusrespeHQsos cumprimeotos pri- forte chuva ao lado de um simulacro de car
{Ctminw-J*.)
4at
PER.NAMBCG0.-PYP. DE M. F. DKI. 4



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EBH2B7TMD_5N2VAR INGEST_TIME 2013-08-27T23:55:56Z PACKAGE AA00011611_10150
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES