Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10145


This item is only available as the following downloads:


Full Text
/
AMO XXXIX NUMERO 165.
- Por tres mezes adianlados SjgOOO
Pr tres mezes vencidos .
T-
QUARTA FEIRA 22 DE JLHO DE 1863.
Por amio atliantado..... 19$00d
Porte franco para o subscr.pfiw..

DIARIO DE PERNAMBUGO.
ENCARREGADOS DA SCBSCRIPCO NO NORTE
Parahvba. o Sr. Antonio Alejandrino do Lima'
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aractv. o
Sr. A. de Lemos Draga; Ccar, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
niazonas, o Sr. Jerouymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SIL
Alagoas, o Sr. Claudino Falriio Dias; Bahia, o
Sr. Jos Marns Alvcs; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martius d Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cal e Escada todos os dias.
Iguarassu", Goyanna e Parahyba as segundas
sextas-feiras.
Santo Anlao, Grvala, Bezerros. Bonito, Caruaru',
Allinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Allio, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Iugazeira, Flores, Villa Bella, Taearatu', Cabrob,
Boa Vista, Ouricury.e Exu' as quartas feiras.
ScnnMem, Rio Fonnoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
Illia de Fernando todas as vozes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao '/ dia.
EPHEMERIDES DO MEZ DE Jl'LHO.
4 La cheia as 3 horas, 20 m. e 22 s. da ni.
7 Quarto ming. as 7 h., 3 m. e 20 s. da t.
13 La nova as 7 h., 28 m. e 20 s. da t.
23 Quarto creso, as 6 li., 7 m. e 2Vs. da t.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 10 Iwras e 6 minutos da manhia.
Segunda as 10 horas e 30 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul_at Alagoas a 5 e 2o; para o norte al
a Granja a 7 e 22 di' cada niez; para Fernando nos
dias 14 dos mezes de jan. marc., maio, jul, set. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipucos s 6 8 y da ni.; de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde: de
Jaboatao as C '/2 da ni.; do Caxang e Varzea s 7
da m.; de Bemfica s 8 da m.
Do Recife : para o Apipucos s 3 'A. 4. 4 >/ 4 '/,.
5. 8 '/4, o i/j c 6 da tarde; para Olinda s 7 da
manliaa e 4 /, da tarde: para Jaboatao s 4 da tar-
de para Cachang e Vanea s 4 '/, da tarde; para
Bemlica s 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relacao: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazeuda : quima' s 10 horas.
Juizo do conimercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas e sextas ao mata
dia.
Segunda vara do civel: quarlas e sabbados a 1 hora
da larde.
DIAS DA SEMANA.
20. Scsunda. S. Jeronymo Emiliano; Elh-
21. Terca. S. Henriqaeimp.. S. Prxedes t.
22. Quarta. S. Maria Ma-ritolena: S. K.-nHt...
23. Quinta. S. Apolinariob. m.: S. Uborb.
24. Serta. S. Christina v.: s. Kranro> Snfcmof
28. Sabbado. S. Thiago ap.: s. rarNto-. m.
26: Domingo. Santa Atina m> da m* o> Des.
ASSIGNA-SE
no ftVcife, cm a li\Taria da praca da Ind.-penil.iW! i
iw. (i e 8, dos proprictaru* Mid'hI r'iueiroa *
Fria & Fillio.
PARTE OFFICIAL.
goverm da provincia.
Expediente do dia 18 de julho de 1863.
Offlcio ao conselheiro presidente da relacao.
Emita V. Exc. seu parecer sobre a materia do
cffivio junto, que em 2 deste mez dirigio-me o juiz
de direito da comarca do Bonito.
Dito ao brigadeiro commandante das armas.De-
claro V. Exc., para seu conhecimento e tins con-
venientes, qne segundo consta de offlcio do inspec-
tor da thesouraria de fazenda de 9 do corrente, sob
n. 505, deixou de ser remedida ao collector da villa
do Pao d'Alho a quantia de 600000, para paga-
mento do destacamento all existente, como se ha-
via determinado, por nao ter appareeido naquella
reparticao o capitao Jos Maria Ferreira d'Assnmp-
^ao, que fra designado, para receber e conduzir
ao seu destino a mencionada quantia.
Dito ao Dr. chefe de polica.Expeca V. S. suas
ordens ao delegado do termo do Bom-Conselho a
remetter ao delegado do termo mata prximo, e em
mentos e vveres, que lhe foram entregues pelo
Dr. Alcebiades Jos de Azevedo Pedra, c de que
trata o offlcio de V. S., n. 1,101, de 16 do corrente.
Communicou-se ao Dr. Alcebiades Jos de Aze-
vedo Pedra.
Dito ao mesmo.Com a informacao ministrada
pelo commandante do corpo de polica, em 27 do
mez passado, sob n. 233, respondo ao oflicio de V.!
S. de 23 do mesmo mez. com referencia ao guarda'
da 2' companhia da seccao urbana, Claudino Tei-!
xeira de Carvall.
Dito ao inspector da thesouraria de fazeuda. (
Por aviso de 26 do mez lindo, me declarou o Ex ni.
Sr. ministro da justica, que naquella data solici-
tara do da fazenda a'cxpcdieao de ordens, para ser
posta nessa reparticao, por conta do 6o do rt. 30j
da le do orcamento vigente, a quantia de 400^000,
para pagamento da ajuda de custo arbitrada ao juiz
municipal c de orphaos do termo da Boa-Vista, ha-
chare! Jos do Patrocinio Pereira da Silva.
Dito ao mesmo.Em vista dos inclusos documen-
tos, mande V. S. pagar a quautia de 472S800, em
que importaran) as passagens dadas por conta do
ministerio da guerra, no vapor Mamanguape, per-
tencente a companhia Pernambucana, conforme
sollicilou o respectivo gerente, em oflicio de hon-
tem.
Dito ao mesmo.Expeca V. S. as convenientes
ordens, para que a estacab competente arrecade a
importancia dos direitos^ sello e emolumentos, cons-
tantes das duas notas juntas, por copia, que deve
pagar Eduardo Daniel Cavaleanti Vellez de Guiva-
ra, para obter carta imperial da serventa vitalicia
dos offleos de partidor c contador do termo do Bo-
nito.Commuuicou-se ao juiz municipal do Bonito,
e ao agraciado.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Mande V. S. pagar ao arrematante dos Teparos da
estrada do Pao d'Alho, Antonio Malaquias de Ib-
cedo lama, em vista dos competentes certiiieados, a
quantia de 2 :430000, a que teni direito. prove-
niente da segunda preslacao do lanco entre as mar-
tos de o a 6 mil bracas, e a primeira entre as de 6
a 7 mil bracas naquella estrada, segundo consta de
offlcio do director das obras publicas, datado de 13
do corrente, sob n. 244.Communicou-se ao direc-
tor das obras publicas.
Dito ao mesmo.Approvo a arrematado dos
reparos do passadico de maneira sobre o canal do
Hospicio prximo ao caes de Antonio Ramos, a
qual, segundo consta de seu offlcio de hontem sob !
n. 336, foi feita por Francisco Hotelho de Andrade
con o abate de 1 por cento no preco do respectivo
orcamento, e sendo Dador Manoel Firmino Fer-
reira.
Dito ao mesmo.Accu*o recebido o offlcio de
hontem sob n. 333, cm que V. S. me participou
haver Manoel Barbosa da Silva dando |r fiadores j
Manoel de Souza Lcao e Vicente de Paula Oliveira
Villas-Boas arrematado por 5:2665666 rs. annuaes
e por um triennio o imposto de 25300 rs. por ca-
beca de gado vaceum na comarca de Nazarelh.
Era resposla tenho a dizer que approvo essa ar-
rematacao.
Dito o mesmo.Inteirado de*-quanto V. S. ex-
poz em seu offlcio de hontem sob n. 338, com refe-
rencia ao amanuense addido essa thesouraria
Ignacio Bento de Layla Jnior, tenho a dizer em
resposta que continu elle a empregar-se no ser-
vido dessa reparticao, sendo pago de seus venci-
mntos pela vei'haeventuaesdo corrente exer-
.cicio.
Dito ao director das obras militares.Mande
V. S. concertar a coberta da casa que serve aos
commendantes da guarda do hospital militar, visto
achar-se arruinada a mesma coberta segundo cons-
ta de offlcio do brigadeiro commandante das armas
de 17 do corrente n. 1289.Communicou-se ao
brigadeiro commandante as armas e ao inspec-
tor da thesouraria de fazenda.
Dito ao mesmo.Autorso V. S. a mandar cons-
truir urna calcada na frente doquartel de corno de
gnarnicao na mirtancia de 2208 alim de evitar-se
que as chuvas damnifiquen! as paredes daqelle
edificio, como V. S. declara em seu offlcio de 14
do corrente sob n. 124.
Dito ao commandante superior do Limoeiro.
Remeti V. S. o requerimento do tenente Jos
Comes de Moura, que deixou de acompanhar a
sua informacao de 13 do. mez passado, aflu de ser
tomado na consideraeao que merecer.
Dito ao commandante do corpo de polica,Po-
de V. S. fazer encajar no corpo son seu eomman-
do os paisanos Rufino Paes Barreto, Manoel do
Livramento Ferreira e Manoel Francisco de Hol-
landa Cavaleanti, que para isso foram julgados
aptos, romo consta de seus oflicio* ns. 260 e 288
de 1 c 18 deste mez.
Dito ao Dr. juiz de direito do Limoeiro.Com-
mumeo a Vmc. para seu conhecimento, que S. M.
o Imperador por decreto de 29 de maio ultimo,
houve por bem fazer tuerce a Hermino Delphino
do Nascimento Lima da serventa vitalicie do offl-
cio de escrivao privativo do jury e execucoes des-
sa comarca.Communicon-se ao juiz municipal
respectivo e ao conselheiro director geral da se-
cretaria do ministerio da justiga e ao agraciade,
para que solicite o seu titulo no prazo legal.
Dilo ao director das obras publicas.Inteirado
de quanto Vmc. expoz em seu oflicio de hontem '
sob n. 146, o autorso a contratar com o emprcitei-
ro ) ealcamento desta cidade a factura dos ropa,
ros do caes da ra da Aurora, conforme indica em
seu citado oflicio a llm de que se |ssa levar a ef-
fcito a obra do mesmo ealcamento devendo porem
esta despeza correr pela verba votada no Io
do art. 13 da le do orcamento vigente segundo
Vmc. nropoe naquelle seu offlcio que flea assim res-
pondido.Conununicou-se thesouraria provin-
cial.
Dito ao conselho de compras navaes. Para se
poder deliberar acerca dos contratos effectuados
pelo conselho de compras navae c que por copia
acompanharam ao seu offlcio de 11 do corrente, se
faz preciso que declare o mesmo conselho quem
o fiador de Antonio Norberto de Souza Lealdade.
Portara.O presidente da provincia, tendo em
consideraeao nao s o que representaram diversos
habitantes da cidade de Olinda, bem como o des-
embargador provedor da Santa Casa da Misccordia
cm offlcio de 10 do corrente acerca de ser tapado o
rio Beberibe no lugar denominadoArrombados
aflm de que as suas aguas se dirijam ao Varadou-
ro d mesma cidade e seja a populaeao provida de
agua p^ttvel, resolvo aomear uma commissao,
composta dos Srs director das obras publicas, ins-
pector da sade publica e engenheiro Jos Mame-
de Alvos Ferreira, aflm de que procedendo aos
estudos e exames necessarios d o seu parecer so-
bre o modo e vantagens da obra, que convm fa-
zer-se, apresentando logo o respectivo orcamento e
tendo em alinelo o melhoramento das condicoos
da salubridade publica.Fizeram-se as necessarias
parliripacoes aos nomeados.
Expediente do secretario do governo.
Offlcio ao brigadeiro commandante das armas.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia, manda decla-
rar V. Exc. em resposta aos seus offlcios de 17 do
corrente sob ns. 1283,1286, 1290 e 1291, que nesta
data despachou-se no sentido de seren satsfeitos
pelo arsenal de guerra os pedidos que vieram an-
nexoi aos seus citados offlcios.
Dito ao administrador do correio.S. Exc. o Sr.
presidente da provincia manda declarar V. S. em
resposta ao seu offlcio de 17 do corrente .que re-
metteu ao inspector do arsenal de marinha o pedi-
do que acompanhou o citado offlcio para mandar
fornecer os objectos nelle comidos e que sao neces-
sarios ao telegrapho da torre do Collegio.
EDITAL.
Pela secretaria do governo se faz publico para
conhecunphto dos inleressados que os despachos
proferidos pelo Exm. ministro da justica em re-
quermentos de parles desta provincia, no mez de
junho prximo lindo, foram os seguintes nomes:
Joaquim Silvero Pessoa de Mello-Oflicial de
justica.Prejudicado em 9.
Antonio Cesario Moreira Dias, peticao de graea.
Iudeferido em 2.
Registro de ttulos de subdelegados.
Termos de juramentos.....
Passes da va frrea......
Vertas nos ttulos de nomeaedes. .
Partes diarias........
Partes do registro do porto. .
Attcslados do chefe de polica. .
' Somma........
15
2
15
64
24
99
10
3233
EMOLrMKNTOS ARREC.VDAD0S NO MKSMO MEZ
De passaportes........ 82$000
De legitimafSes, ....... 235920
De certides......... 2000
De buscas.......... 15600
Somma. .
1095520
Secretaria de. polica de Pernambuco, Io de maio
de 1863.
O secretario,
Eduardo de farros Falcao de Lacerda.
Despachos do dia 18 dejullio de 1863.
Bemurimentoi.
Anna Galdina da Trindade.Prove a supplican-
te a isencao de seu lillio.
Candido Jos Serpa.Informe o Sr. inspector da
thesouraria de fazenda.
Hippolito Martins Gomes.Indeferido.
Jos de Barros Andrade Lima.Dse a patente
requerida.
Jos Antonio Pereira.Informe o Sr. inspector
de arsenal de marinha.
Bosa 2a, Africana livre.Informe o Sr. desem-
bargador provedor da Santa Casa de Misericordia.
Tliomaz de Aquino Pereira da Silva.Em tem
opporluuo ser tomada em consideraeao o que pede
o supplicante.
REPARTICAO DA POLICA.
Resumo do expediente feito pela secretaria de
polica, durante o mez de abril prximo findo.
Oflkios dirigidos. Nmeros de officios.
Ao presidente......... 164
< c da relacao..... 1
commandante das armas. ... 50
chefe de polica da Parahyba. 5
t t t do Rio Grande do
Norte. .
t i do Cear. .
t t do Pauhy .
c i das Alagoas. .
t de Sergipe .
t c a i la Babia. .
juiz de direito da primeira vara. .
t do Cabo. .
t de Santo Antao, .
o de Limoeiro. .
de Garanhuns. .
do Rio Formoso.
d% Bonito. .
(i de Flores. .
' de Tacarat. .
do Brejo. .
t do commcrcio. .
juiz municipal da primeira vara .
de Olinda. .
de Iguarass .
de Limoeiro. .
de Ipojuca .
de Garanhuns. .
de Caruaru. .
de Barreiros. .
de Ingazeira. .
de Ouricury. .
de Cabrob. .
Ao juiz de orphao da Capital. .
Ao promotor publico do Cabo. .
Ao cnsul dos Estados-Unidos. .
Ao vigario geral do bispado ....
Ao capitao Manoel de Azevedo do Nas-
cimento..........
Ao tenente Joaquim Antonio de Mo-
raes........., '.
Ao secretario da presidencia. .
Ao engenheiro fiscal da illuniinacao a
gaz...........
Ao mordomo do hospital Pedro II. .
Ao agente da companhia brasileira eje
vapores..........
Ao gerente da companhia Pernam-
bucana de vapores. .....
Ao Dr. Francisco Teixcira de S. .
Ao superintendente da via frrea. .
Ao capitao Francisco Borges Leal .
A director do arsenal de guerra. .
Ao inspector da thesouraria de fa-
zenda...........
Ao inspector da thesouraria provin-
cial. ......
Ao inspector do arsenal de marinha. .
Ao capitao Jos de Cerqueira Lima. .
Ao commandante' do corpo de poli-
ca............
Ao commandante do brigue llama-
rara...........
Ao commandante superior da guarda
nacional do municipio do Recife.
Ao commandante do segundo batalhao
de infamara da guarda nacional.
Ao commandante do batalhao de ar-
tilbaria da guarda nacional. __.
Ao commandante do stimo batalhao
de linha..........
Ao tenente coronel Coriolano Velloso
da Silvcira........
Ao capitao do porto.......
Ao capitao Frederico Lopes Guima-
raes. .,........
Ao tenente recrutador......
Ao oflicial da visita do porto. .
Aos delegados da provincia.....
Aos subdelegados da provincia. .
Ao administrador da casa de deten-
cao. .........
Ao fornecedor da mesma.....
Portara de nomeacao.......
Extracto das partes diarias para jor-
naes. ,......
Assentamentos de criraes e factos no-
taveis..........
Assentamentos de criminosos captu-
rados. .......,.
Portaras de despejas secretas. .
Notas de emolumentes......
Passaportes...........
Vistos nos inesmos.......
Legitimac-oes,.........
Certdoes...........
Buscas............
Minutas de offlcios........
Copias de diversas pecas offlciaes .
Despachos.........\
Assentamentos de recrutas......
Assentamentos de desertores. < .
Lancameljtos de contas, .....
Registro e ttulos de delegados. .
INTERIOR.
CORRESPONDENCIA DO DIA-
RIO DE l'i:it VI YIIU 4 O.
PAR.
Belm, 11 de julho de 1863.
As noticias ltimamente chegadas da provincia
do Amazonas, alcancam a 24 de junho lindo: todas
as localidades do setao ficaram em paz, segundo o
correio do vapor Mandos.
Tinha sido bem recebido o acto da dissolucao da
cmara temporaria, e vista de tao momntosa
novidade, converga a attencao publica para a hita
eletoral.
Nao obstante o Amazonas dar smente dons de-
putados, j se contam quatro candidatos que dis-
(lutain a representacao da provincia, e sao elles os
Srs. Dr Francisco Carlos de Araujo Brusqne, pie-
Sfdente do Para, Dr. Antonio Jos Moreira medico
residente em Manaes, coronel Joo Wilkens de]
Mallos, nosso cnsul em Loreto do Per, e o Sr. |
Carneiro, deputado que acaba de ser pela mesma i
provincia.
As maiores probabilidades sao a favor do primei-
ro e do ultimo; mas os outros tem tambera bastan-
le influencia e synipathias para que um delles pos-!
sa entrar, com a exclusao do Sr. Carneiro, cuja
candidatura lia sido recommendada otila corte.
Consta que a flagean que acaba de ir fazer ao
Amazonas, o Sr. Manoel Antonio Pinenta Bueno,
gerente da companhia deste nome. tem por objecto
e fim, ir dispor a eleicao a favor dos seus prote-
gidos.
O corto que todas as attencoes publicas conver-
ein para a eleicao de 9 de agosto prximo, que
entro em um mez estar era campo de bata-
lha.
A presidencia da referida provincia havia dis-
solvido o contingente da guarda nacional, qm\ es-
lava cm destacamento e tinha sido chamada ao
servico militar, cm circunstancias de urgencia pa-
ra auxiliar a guarnicao de primeira linha all exis-
tente.
Este acto foi bem aceito pela, populaeao, porque
os bracos necessarios agricultura e 'differentes
misteres da vida social vollam do novo aos seus
trabadlos e por consequencia recrecer o planto e
a colheita dos diflerentes produlos para a almen-
tacao publica, cuja falta ha muito sentia a pro-
vincia.
Ao |>oro de Manos j havia chegado o vapor
Morona, com destino aos do Per; aopassarpor
Obidos deu a salva de 21 tiros, que fo correspon-
dida pela fortaleza, na forma do accordo entre este
imperio c aquella repblica; Meando por seme-
Ihante modo terminadas as desintelligencias susci-
tadas o auno passado, pela subida dos vapores dessa
nacao.
Foi visitar o seu destino consular o Sr. Geraldo
Raoul Perry, cnsul inglez, tendo partido para o
Amazonas no Io do corrente mez no vapor Be-
lm.
Nesta provincia do Para, nao de grande inte-
resse e considerado o que tem havido depois da
partida do ultimo paquete.
A eleicao tambera por aqu a ordem do dia: os
politicos aguardara anciosos o momento de verem
as urnas expressar o voto livre!
Estou bem certo que nao temos novidade nesta |
parte do imjierio, e que ludo marchar regular-
mente.
Por em quanto nada se sabe do certo e decidido,
quaes sao os candidatos do partido conservador ;
continuara a fallar era convenio para que os con-
servadores levem a cmara temporaria o Dr. Joa-
quim Pedro Correa de Freitas, visto ter influencia e
votacao segura era Camet.
As autoridades policiaes tera sido mudadas; a
substituieao do pssoal de individuos que raais
no-
I
ou menos tem adherido as ideas da liga.
Para delegados de polica foram ltimamente
meados:
Dr. Joao Baptista Passos, para esta capital;
Jos Garca da Silva, para Camet;
Jos Mariano Ferreira de Almeida, para Ma-
cap.
Alera destes as nomeaijoes de subdelegados para
diflerentes districtos do interior da provincia, tem
recahido em individuos moderados.
Acaba de ser nomeado curador geral dos or-
phaos o Dr. Felippe Honorato da Cunha Minina,
promotor publico da capital, que fica acccumulan-
ilo estes dous cargos, era virtude de decisao da pre-
| sidencia, sendo dispensado do priraeiro oDr. Anio-
3 nio Goncalvcs Nunes, visto ser procurador fiscal
do thesouro provincial e promotor dos resi-
3 dos.
A populaeao desta capital, alera de soffrer uma
1 epidemia geral de febres, que tem dado pela mu-
danza da estacao invernosa para o verao, ha sido
1 victima tres mezes esta parte da mais inquali-
fieavel usura e monopolio na venda da carne verde.
1 Nao obstante a inconstitucional lei do mximo,
i que taxou a Mbra de carne a 120 ris, nao obstan-
te as providencias e os cuidados que tem partido
1 dos presidentes e da polica, ainda at hoic nao se
2 tem conseguido minorar os vexames c a defflcienii
1 cora que a populacho tem lutado para conseguir o
515 abatnenlo, regular de genero tao necessario a ali-
87 mentacao publica,.
Hoje raro o acougue que vende carne, porque
65 os talliadores c os taberneiros combinados pelo n-
1 teresse e pela ambicao,tem feito com que s seja at-
1 tendido na compra deste genero quem tem grande
influencia ou Ibes paga dobrado.
75 Os taberneiros para angariar freguezia aos seus
gneros atravessam a carne talhada no curso seja
63 porque preco fr, e afinal de contas, retalham-na as
oceultas as tabernas pelos seus ntimos freguezes,
30 ficando a populacho pobre em extrema necessi-
16 dade.
18 Falla-se que a presidencia pretende fazer revo-
41 gar na prxima sessao da assembla provincial a lei
130 do mximo, que nadajserve cm favor do publico, e
26 crear uma companhia auxiliada pelos cofres da
1 provincia^ afim de obstar aos monopolistas, por meio
3 da concurrencia, at poder dar cabo da combinacao
833 e do circulo de ferro que existem entre os interes-
337 sados no negocio de gado de Maraj, que o que
236 escassamente abastece o mercado desta capital.
69 Dias e das tem-se passado nesta cidade, sem urna
23 libra de carne, a nao ser para os hospitaes, armada
78 e exercito ou para algmo favorecido da fortuna o
16 da amisaie dos falhatlores e taberneiros t
Parece ncrvel nao se haver apresentado uma
companhia que emprehenda o abasteciinento da
carne verde sob condiciies garantidas pelo governo
da provincia, ou pelo' menos que essa companhia
reahsasse o supprimento do pescado fresco; por
que quer nos nos qur na costa do Para ha una
abundancia de peixe de differentes qualdades e
muito apreciado que nio inveja a qualquer oulro;
entretanto cora tanta abundancia e riqueza natural
a populaeao tem se visto a bracos com com a maior
penuria, que nao devia haver na quadra normal
| cin que estamos ; porquanto os gneros de primei-
ra necessidade, a criacao de animaes e aves e os
producios da pequea lavoura estao era geral por
um preco exorbitante e mutas vezes ha vendo molos
nao se encontrara fcilmente no mercado.
A presidencia desta provincia, de confornudade
com o art. 108 da lei n. 387 de 19 de agosto de 1846
mandou suspender por esjiaco de tres mezes o re-
irutainenlo, sendo contados 60 dias anteriores e 30
lsterores, eleicao primara de 9 de agosto fu-
tura
A 24 de junho findo, parti desta cidade e chegou
no da iminediato a de Camet, o Exm. hispo D.
Antonio de Macdo Costa, no var Ycamiaba; sen-
do mu bem recebido, tamo pelas autoridades cvis
e ecclesiasticas, como pelo povo, que exponlanea-
mente aflluira de diflerentes localidades para rece-
ber o nosso prelado, no momento do desembar-
que.
Sua Exc. Rvma. proseguir sua vageni pelas
freguesias do interior, alim de visitar e conheccr
pessoalmente as necessidades do seu rebanho.
Cora quanto a salubridade da provincia em geral
seja magnifica, a desta cidade, por cxccpclio, nao
dasmelbores actualmente, por quanto. alera das fe-
bres, como tica cima referido, que tem accommet-
tido a populaeao, os casos de h>dropUMa nao se ex-
tnguiram aida de todo; nao obstante os meios
embregados pela polica e cmara municipal, isto
, j impondo multas elevadas s pessoas quedei-
xam vagar animaes pelas ras, j procurando ex-
tinguir a raca canina que apparece sem propreda-
de conhecida ; visto como, nesta ultima quinzena;
alguiis individuos ainda foram atacados de senie-
lhante mal proveniente de mordedura de caes
danmados, e quasi sempreos rasos sao fatacs.
A companhia da illuniinacao a gaz bastante
adiantados j tera os seus trabalbos, para ver se
conseguir at o fin do anno poder Iluminar as ]
princpaes mas desta capital. O trabalbo da collo-
cacao dos canos tem progredido com rapidez e uma
terca parte da cidade est prompta, assim cbmo o
gazometro vai a olhos vistos era augmento, c foi
convenientemente edificado no amigo jardini bot-
nico em frente estrada de S. Jos.
Acaba infelizmente de fallecer de repente o 2
engenheiro da companhia George Arthur F.varist,
que se achava testa da canahsa;ao das ras, e
isto mais ou menos deve influir para demorar a r-
pida eontratiaejio de semelhante trabadlo.
A companhia equestre e g> mnastica denominada
Neu-York (t l.uainle contina a dar seus espect-
culos, e quasi sempre cora grande concurrencia de
espectadores.
A companhia no geral tera agradado ao publico
nem era. de esperar outra cousa. quando n'uma
cidade i tao populosa e animada como esta, ha in-
teirafalla dodistraccoes publicas. O theatro Proii-
denrfa, que no material c no pessoal para nada
presta, salvo um ou outro actor, tem tido nao ob-
stante alguma concurrencia, por haver posto em
scena pecas cuio enredo e apparato agradam ao
publico, dando algumas endientes seguidas o dra-
maA mulltrr que deita carias ; pois que. cora a
deficiente e insignificante companhia que aqu is-
suimos. nao foi mal descnipenbado, alm do novo e
apparatoso scenario que ha muito tem "" nao
aprsenla e desta vez appareceu.
A actual mesa administrativa da Santa Casa da
Misericordia fez este anno. pela primeira vez, a fes-
tividade de Santa Isa bel, padroeira da irraandade,
e que o comproraisso obliga a fazer animalmente.
Teve lugar no domingo 5 do corrente na igreja
do collegio, a cargo da Santa Casa.
Para realce da testa, o nosso compositor, o Sr.
Henrque Gurjao, compoz uma missa nova, sendo
a msica rica de harmonas e de grande effeito,
realcaudo anda mais por se prestaretn sua exc-
cucao as Sras. D. Violante da Silva Castro, Fran-
cisca Candida Benjamn, Virginia da Silva Castr.
CoTdolina Augusta Lassance 'c Idalina Amelia Pi-
nheiro, assim como os Srs. Joaquim Pinto de Fran-
ca e Antonio Maximiniano da Costa.
A msica dos intervallos e o tanlum ergo fo da
romposiejio de Sr. Theodoro Orestes, muito conhe-
cido nessa provincia. Houve bastante affluenria de
povo, nao s pela novidade da festa, como para se
ouvir a msica inteiraniente nova, e executada por
chico jovens de familias desta cidade, correndo tu-
do com brilhantismo e rehgiosidade, notando-se
ainda a circumstancia da visitacao ao hospital da
Caridade pelo publico, que ahi compareceu, e pelas
csmolas aos enfermos e desvalidos; que foram dis-
tribuidas por varios cavalleiros e senhoras.
A noticia que acaba de ebegar lelo Oyaporl; da
retirada da legaeao imperial de Londres para Pa-
rs, tem causado um certo resentimento nesta cida-
de contra a Inglaterra, vista das ultimas notas
trocadas entre os respectivos ministros, e que nao
obstante a chegada hontem bastante tarde do va-
por, j boje apparereram transcriptas nos princ-
paes jornaes d'aqui; pbrquanto a reelamacao do
Brasil em referencia s violencias brutaes succedi-
das no Ro de Janeiro, esl muito aguem de seme-
jantes acontecimentos!
Inplczes .
Portuguezes. .
llainburguezes.
Francezes .
Americanos. .
Dinauarquezes.
Hollandezes. .
Total.
4
4
3
2
1
1
<>
29
6
1
3
1
1
I
1
23
O movimento de passageirot estraugeiros na
mesma conformidad
Portuguezcs..
Ingleses. .
Hespanboes .
Americanos .
libanos .
Marroquinos .
Russos .
Dinatnarquezcs
Francezes .
Allenies .
Hamburgueses
Total
como se ve
Entrados.
. 49
13
7
5
1
1
1
1
1
1
I
83
Sabidos.
17
0
0
I
0
o
o
o
o
o
o
21
Os navios actualmente no ancoradouro sao :
A' descarga :
. brigue-escuna nacional.
. barca portugueza,
. brigue dito.
. brigue francez.'
. brigue dito.
barca dita,
barca dita.
brigUQ hamburguez.
hiato americano.
A' carga :
Boston .... escuna dinamarquesa.
Florista .... patacho inglez.
l'nio barca portugueza.
licrlha Husislorff brigue (rtuguez que segu
liara Xew-Vorck a 13 do corrente.
Nada mais havendo de imirtante, aqui findo.
M. B.
Grariosa
'almena .
Fcliz-Vmtara. .
Aurora ....
Palestra. .
Iliinjiiri .
Ismael & Susano,
A. Sorsig .
A. tainos .
Continua o fenolopm Ai-HitrM et-Nlooan-
do trabalba para fazer-se e fazer depota.h. A ra
deira na eamaratenperaria vale por ron ahium.--
cousa, se nao. nao bavia lana azafama e barulln.
Mas, eu. exeentrco c ralao. i-nnm st roMuma ser, nao sei que valha tanto tralalho um mamlai
de qaatroasnos, que colloca n pobre ifci maiHfcu.i
rio dependendo de ludo, at uV >i mesnHi. 1'a
ca leirinha no senado outra cisa ; m-M> S%
com a eabeca levantada e o ar de s; lisfaro. (tu-
se toma, quando j tem o individuo sutisfeln u r-
''inat;......spera |H-la sobre-mesa romo n pur
desfastio. Sao sei se me exprimo com arosm--
n -ncia e a propreilade nuidernas e l. iV >..
o que llm posso dizer i- que nein a imageni. nem *
eomparacao me peUenrem ; eolhi-as le om fine*
francez ebeio ilc unas roosas as fuaes da-*e o mv
ine de caricaturas.
O mercado do algodao continua bom. Firo-i
em deposito 1312 sacras e foram exportadas 2431
Anossa al fandega renden do I-a II 86 ron-
tos seiscentos e laaos rail r*. ('m n dia 12 ubi
a OOcontos duzentos e tantos mil ris.
O thesouro provincial rendeu ia t" i l
quasi 14 eolitos de n'-is.
Ha no porte dous navios f -.-!-
descarga e esperun-se cinco de gares.
O cambio regulou 27
93 % sobre Portugal.
''.
sobre Lonilf\'-
DIARIO DE PERNAMBUCO
E nem a isto quiz acceder o governo inglez, ve-
remos agora como o nosso recebe o ultimtum de
tao importante questao. Neste sentido a praca nao
se acha animada para emprehender cspeculac^es
de maior importancia para a Europa, e_ islo de
mais a mais accumulado pelas noticias nao muito
favoraveis do prego de varios gneros de exporta-
cao peculiares a esta provincia, que se acaba de
saber.
Desde o ultimo paquete que j esta desconfianza
e desanimo reinara no mercado, porque a noticia
da retirada do nosso ministro de Londres era posi-
tiva e por assim dizer esperada no seguinle vapor
da Europa, que veio confirmar o Oyapock.
Acaba, segundo nos consta, de se abrir mais
uma fallencia ao commerciante Domingos Jos
Dias, a requerimento de alguns credores. J ha
temos obteve uma moratoria amigavel; mas, nao
podendo satisfazer aos compromissos a que se obri-
gra, den em resultado o procedimento actual dos
credoros. Segundo rae informam, esta quebra
motivada por circumstancias. superiores vontade
deste individuo, e nao duvido disto, porque elle
necessariameote devia softrer graves prejuizos pe-
la deportacao que fura obrigado ha alguns an-
nos.
O vapor Oyapock, nao obstante a demora que te-
ve de dous das, e de se haverem dado as cartas j
pela noite de hontem, parto hoie apenas com a pe-
quena demora do pouco mais de vinte e quatro ho-
ras ; verdade que esta pressa deve er relevada,
porque de todos os paquetes do sul o. que sempre
preenche francamente o tempo da estada neste
porto, e ainanha sendo domingo, pouco ou nada
adiantava para o commercio.
A alfandeca no mez findo rendeu rs........
162:725576B.
A recebedoria das rendas provinciaes c o ver o
peso renderam rs. 4.794,5728.
A Santa Casa da Misericordia de impostes da na-
vogacao e commercio rs. 4065400.
O movimento dos navios entrados no dito mes
o segulnte :
Navios. Entrados, paludos.
t Brasileiros ... 14. ti
Mtltt'MIAO.
S. Luiz, 11 de julho de 1863.
Estamos era plena estacio musical ; antes de
hontem houve concert nos saldes do Club c no
prximo domingo havera beneficio I)rico no thea-
tro da trra, era honra da estreante cantora 1).
Candida Moniz, joven bahiana, que para aqui veio
ha dous mezes, jiouco mais ou menos.
O concert do Club, foi dado em obsequio ao ba-
rytono Orlandiin e nelle toiuaram parte tres senho-
ras maranlienses dignas do maior apreco pelos seus
peregrinos dotes e talentos e apriinoiada edUCacSo
artstica. Duas dellas sao Dinas do fallecido Dr.
Eduardo de Freitas c outra lilba do distincto me-
dico homeopatha o Dr. Antonio Reg.
Das duas senhoras Freitas, una, casada com o
negociante francez o Sr. Ducbeinin, cantou com
grande maestra e pureza de voz ; a outra, D. Es-
tepbania, acompanhou ao piano de principio a fin
e sempre consegrando grandes applausos. A filha
do Dr. Reg locou tambera, manifestando jierfeita
execucao e subido bom gosto.
D. slepbania Freitas pianista de grande re-
putacao ; rene a um raro talento o mais verda-
deiro entbusiasmo pela divina arte da msica, na
qual realmente admiravel. Tendo coinecado na
Europa os seus estudos. ltimamente passoi alguns
annos cm Pars a ape feieoar-se e dizem-rae que
l mesmo no conservatorio passou ir dstincta
entre as distinctas. Aqui ningem ha que a iguale
no piano. Ouvindo-a tenho por mais deuraavez
supposto que jamis poderei ouvir execucao inais,
maior permita conhecimento de msica, inais har-
mona, suavidade.expressao musical e sentimento
darle. Esta senjiora:na suaespecialidade. nina
das nossas glorias.
Houve grande concurrencia e, depois de acaba-
do o concert, a densa da dansa regen aorebesta,
pondo os que alli estavain em agitacao pelas sa-
las. Durou a festa at as 2 horas, e a noute foi
completa de prazer inormente para quelles que
as quadrilnas evalsas encontrara um mundo ed-
nico de sorrisos c amor. Eu, que j vou sentiu-
1 a approximaco da dade madura, confesso-lhe
que mais rae agradei do canto e da msica do que
de ver dansar.
Veremos, o que lhe poderei dizer do benefiicio
da cantora Candida Maria
No dia de S. Pedro a classe dos artistas fo
na mais perfeila ordem e precedida de uma banda
de msica cumprimentar o excellentissimo hispo
diocesano, D. Luiz e apresentar-lhe as suas inani-
festacoes de respeito e estima. S. Exc. reccben-OS
ptimamente e despedio-os cora palavras dignas
delles ede si.
Louvei a idea que tiverain os nossos artistas a
tomei-a como um excelleiile \ uiptoma.
Em principios deste mez houve a costunieira
sessao do jury, que foi presidida pelo Dr. Vira-
to. Foram julgados dous processos instaura-
dos por criiue de morte, um contra o portuguez No-
gueira e outro contra M. Haynes, capitao de um
navio inglez. Encarregarani-se da defeza os Srs.
Drs. Tavares Belford e Ovidio Lobo.
O Dr. Ovidio fez nessa occasio a sua estrcia no
jury; foi ouvido cora interesse, patenteando dotes
oratorios nao vulgares.
Ambos os aecusados foram absolvidos, mas o
juiz de direito appellou para o tribunal da rela-
cao no proeesso do capitao Haynes.
A assembla provincial "encerrou a sua ulti-
ma sessao dobiennionodia3docorrcnte, nao tendo
havido um s dia de prorogacao. Decretou as tres
leis annuaes, orcamento provincial e municipal e
fixaQao da fbrea,e mutas outras em cujo numera
grande porcao de compromissos de irraandades.
Eatre essas leis decretadas foram algumas seta
conveniencia publica e outras cheias de idias eo-
roncas, como aconteeeu cora o projecto de reforma
da instruceo publica. Tem havido recusa de sane-
cao presidencial em algumas dellas e convencido
estou de que com bons fundamentos.
Nojvapor entrado a 8 deste mez veio de passa-
gem o Sr. Dr. A. M. de Aragao e Mello, nomeado
chefe de polica desta provincia. S. S". prestou ju-
ramento e entrou era exercicio no da 9, tcudo-lbe
sido entregue o expediente da reparticao pelo Sr.
deserabargador Miguel Joaquim Ayrcs. do Nasci-
mento, que servia interinamente
O Sr. deserabargador Ayres servio com rauta
distinecao na policia ; magistrado justicciro, lio-
nosto e hornera dotado de escolente carcter.
Espero boa gerencia na policia por parte do Sr.
Dr. Aragao e Mello ; na visita que fiz a este cavaU
leiro fiquei agradado je suas manciras e do seu
culto e delicado espirita
A presidencia da pcovinria acaba de autorisax o.
contrato do subd& francez Mr. A. Durand, pro-
fessor da escola de. Grignon, para vir encarregar-
se da direccao da nossa escola agrcola do Cu-
trin.
De um hotncm como o Sr. Durand quo nos
precisamos aqui. Com a sua drecc3o e ensino e
com a boa disposieao do governo persuade^me que
o estabelecimeut'o modelo do Cutrm entrar em via
de progresso e nellioramento. >
Entre os diversos bitos que tem havido, nao
posso dcixar de mencionar o do velho Jos Ferrei-
ra Barbosa, lavrador abastado do Itapcur c che-
fe de uma familia honesta e respeitada : tambem o
da Sra. D. Raymunda Mendes, que falleceu em Al-
cantara, onde vi via. Esta senhora pertencia fa-
milia Viveiros e deixa emluto muita gente daqupua
comarca e de outros lugares da provincia.
As cartas e jornaes, de que foi portador o
Oyapoct, alcancam do Amazonas a 21 de jiml-.
do Para a l. do Miraaip a 14. do (Vara a 17. *<
l'.io-i.iandea 19C da Parabvb;i a WdncsatHfJ
Aastmmn, Pmr t MaraiUiao.HvnimMtiK, i
qne dizem nossos rorresiMiiidenlcs.
Cear Apenas encontraino.-, nos >nu.n> ifc~u
provincia, o segante :
Eis o que diz o eapitao Ler.->que il.t tai -,
franceza Fr do Par, entrada liouteui n.^t.- port
proveniente do Havre.
No dia 12 de junho, as 9 horas da niankV
aihaiidiHiie era 3" 20' lat. N. a ID i). tWtstii
urna corveta a vapor, que governava de mudo a I-
mar-nie a proa.
s 10 horas, estando a nina pequea di-tancw
ieou a bandeira ingleza, me pedn |c>r rapa
que se ia mandar um escaler a bofn
Um instante depois nu escalar tri|ilad<> paa I
Domea e lotDeines, akordtwam onaviti.
Estes oOciaes lizeram umitas imt^uiiLi.. !
naraui rauitos esclaieeiineiitos ceira ile uiinba
Viagem, e da natureza do ineu carregaiiK-nto. |.;
lira elles rae sseram que iain mandar para BSM
lrdu 7 passageiros, os quaes eu dcM.-Hibarcaria
no Cear; que estes passageiros erara o n;
Benjamiin P. Howes. >na s.nhora e .rf1k-iae> SS)J
navio havia sido capturado no di;: I) de jiinh *
1" S. e 38 O. jiela corveta Fl-i lu. rominandaiit
Matul.
O capitao Heves coinraandava a galera ame-
ricana SoMtketam Crost de Boston, de prupriedad.
dos Srs. Baker & Marrill. vinha de BeHa-Vnla iMa
zallan) cora um carregainenlo de 8X> toneladas
p Brasil cora destino a New-Yjrk.
Este carregamcnlo segundo um certilirail-
vice-consul de Franca em Mazatlan perlemia
sua totalidade a um negociante fiai.ov..
Nao podendo esca|>ar ao Florida que lam i
iCOU a bandeira inglesa quando lhe ilava cara e ipt.-
s arvorou a dos Estados (Vinleilerados quaiwl
acbou a poqoena distancia, vio-se feito BfWaacii
e todos os S4us ofliciaes e Iripobco. os i|iuespar
saram para o florida.
lina lima depois O navio era pn-a da- cham
mas. depois de se terem apoderado d>- oliji-rto-
mais preciosos de bordo. .
Teve lugar ante-bontem |6> a noite. era ir
do Sr. Dr. Manoel Fernandes Vieira, a prisa
rcuniao do directorio conservador, para o liin !
organisar a chapa dos candidatos para '>s diH'iv;-
tes circuios.
Passando-se a tratar deste object. d>rlaroa h
Sr. Machado, que o Si. Dr. Puoipo d.sejava entra i
em ajuste sobre o convenio de uma parlilha. tpi.
lhe propuz o Sr. Dr. Manoel Fernande- em data d
24 do passado, e que para isso se toraava preciso fa-
zer urna reunio de seus amigos, para accunlar n>
que se devia assentar. nonieando^i uma
inissao para tratar era o directorio s jecto.
Estando o directorio as Utas d convento
proposto, recebeu cora satisfacao a derlarar.lo, atf-
diando a organisuo da chapa |>ara tratar rosna
coniuiisso do lado liberal, nao s sobre o roiwe
niocoino sobre o modo pratiro de leva-lo a cJaH-
to, no dia que lhe fosse marcadu, o ni pw
sivel.
O partido liberal reunise li para
tratar o modo de pleitear as cleic.V-s, e COStsUa
que iioineou o seu directorio da maneira se^pinl.-
Dr. Thomaz Pompeo, Antooio.TJieodartoe da tJnta
Dr. Jos Jos Lourenco de Castro Silva, pstliv An
tonino Poreira de Alencac e Antostie Parir -L
Brito Paiva; os quatro priineiro sao einpcejO'l-
pubiieos.
Hontem |9j tarde, em rasa doSr.Dr. Mam'i
Fernandes Vieira. reunram-se os dirv'< i
serrador e liberal, |iara assentareu no melltoi
ineiu, de que o accorda a i|uc ehegirain. de dar
cada, lado quatro deputados, d o roullado dea-
jado.
0 directorio liberal exigi a partilha dos rssi-
Wres, o directorio souscrvadur apreses*! rom
base os eleitores obds jielo lado.liberal sa elei-
jo de senador em. 1861, o maior que j tveram.
Nao tendo .'.directorio liberal ajinuido a esta
proposta, depois da cedencia de numero igual de
doputados, sepavajain-se sem nada assentarem.
Vao, |is, os partidos eutrarem aa Iota eWt-
ral, por uma cwusa lo secundaria, pansot* o *'
numero de eleitores, nada Km como resulladoda
eleicao, uma, vez que esli accordes aos caadida-
tos, objocto.essencial da lata.
Jto-GroarfcAinda a febre olinuava afay-
lar cm S. Goncalo, Sana*. Antonio e Ceara-Mtaiu.
P(na**tt.A presidencia da provincia adieta, a
abertus&da assembla provincial, para o I* dacar-
rentc.
Noticias do Inga, djzcf ter alli se duamnaivi-
do o aholera.
PERHAMBCO
REVIST V D1VR1A.
Amanha funeciona o Instituto,Mtktttsau*
a samad.,
Geographko Pemanucano cm l__
Cliamamos a attencao da aolieia da rasa
va freguezia para um mararal* que ha acdgaatn'
Cantos da Boa-Vista; oqiwlsorecomroeitdaprt
artistas, e mesmo por nao hjver horas at-n tesm-
para elle. .
A joven Angelina Holtini i
Santa Isabel um concert vocal e
ra offerecer ao publico desta cidade, de i
pera com a respectiva concitrraae a ps
que o mesma publico costura Idietalisars
fistas do mrito, como in^iestionaTeimanie i ta
me:una Angelina. ^^ ^^
O concert dividido em duasaawm, emamaw
iia I assaz variado, e contm pecas 0 tMesmemw m*
tistico geralmente reconnecido.


i
A







V

fe
Diarlo de Pernamhueo Qaarta felra t de falto de I88.
-
- tomam parte o-s*!)lhor e a senhora Santi-1 Paiauaguay, com o flm de explorar regidos deseo- ManoeLAlves (le Kreitas; ascite,
..i o os Srs Pedro Justino Smoltt o Furlado Coe- hecidas; c na volto cscravou na sua lingua ma- Antonio Luiz ; paralvsia.
terna, ocastclhano, um livro, luxuosamente un-! Movimento da casa de detengo no. da 18 de
presso em Pars, e ornado de numerosas gravaras, julho de 1863.
Iho, ja bastante Bnhecidos entre nos por seus ta-
lentos. -
Acabamos de recocer do-distmeto medico, o
Sr. r. Joeqoim de Aquino Fonseca, a seguinte
carta, qua damos cabimento em nossas colum-
na : ..... ,r j
. Senlures redactores da Revista Diana.Vendo
prestar servico indicando o tratamento empregado
com proveito'pelo Dr. B. X. Fabas, medico inspec-
tor do estbelecimento thermal de S. Salvador
(Franja), tratamento (po por sua simplicidade me-
rece ser experimentado aqai.
Ouando os vomitas se manifestom, tornando-se
violentos e incessaata, acompanhados de diarrha
permanente, symptomas do cholera-morbus, quan-
do esta alTeegao comeca a accommetter individuos
de urna localidade, appliea-so apogo que vae abai-
xo indicada, dando-se de cinco em cinco minutos
una colher das de sopa.
Ao principio o r. Fabas applieava tambem
bebidas diaphoreticas, a que addicionava o acetlo
de ainuioniaco, clysteres laudonisados, sinapismos
e vesicatorios ; mas diz elle na brochura que pu-
blicou, que esses aeecssorios lhe pareceram por
lim disiiensaveis, e por isto deixou de applica-los.
O Dr. Palias diz que nao ha perigo algum em
empregar a poeo, de que se trata c que elle consi-
dera como antidoto, nem retarda qualquer outro
tratamento que o'medico queira empregar depois.
Elle aeonselha que, como preservativo, se tome,
duas ou tres vetes por dia a certo intervallo (
A saber
Existan) ....... 386 presos
Entraran)...... 13
Sahiram.........12
Existan......... 387
Xacionaes...... 263
Estrangeiros..... 33
Mulheres....... 11
Estrangeiras..... 3
Escravos....... 71
Escravas........ 5
livro qne intitulou fagem piltoresca pelos, ros
rom, Paraguay, S. Lourem;o, Cuyabi, epelo Ari-
nu. tributario do Amazonas.
t Sr. Bossi viajou com espirito observador, exa-
minando quanto se lhe ofTereceu na sua pauagem,
e fazendo no terreno os estudos que lhe pefmitti-
ram o tempo e os poneos instrumentos que eomsi--
go pode levar atravs de invias florestas. Sabio de
Gayaba villa Diamantina, visitn as serrasque
por utna vertente despejam as aguas que pelo Pa-
raguay vio ao Prata e pela entra as que pelo Ta-
pajoz vo cahir no Amazonas, sahindo ao ocano a
tantas centenas de leguas de distancia urna das ou-
tras e sabio o Arino at 13 de latlitude sul. Foi
aqui que elle fez algumas tentativas para descobrir
as riquezas mineraes de um slo que nellas tanto
Esiiccial cuidado lhe mereceu a avorguagao das' Jos Antonio da Silva otite.
verdadeiras cachoeiras do Paraguav. Transcreve- Felismina da Conccicao, febre catarral,
mos a passagem respectiva : | Josepha Maria Flix, contusoes.
Achando-ine perto do morro das Solo-Leguas a Manoel, escravo de Joao Donolcy, contusoes.
que attribuem a nascente do Paraguav, resolvi-me a' Movimento da casa de detencao no dia 19 de
159
387
Alimentados acuta dos cofres pblicos..
Movimento da enfermara no dia 19 de iulho de
1863.
Tiveram baixa:
visita-lo.
A ascengao foi penosissima. Tres vezes tenho
passado a cordilheira dos'Andes, e nunca experi-
mentei difficuldades e perigos semelhantes. A su-
bida quasi perpendicular s vezes, o terreno mui!
pedregoso c cheio de despenhadeiros.
c Ao chegarmos ao cimo magnifico foi o espec-
tculo que se nos oereceu vista. Urna extensa
presos
i
refeiees nm copo de infnsiio de folhas de laran- superhcic plana e verde como nm prado artificial,
miras de tilia ou de macella com addigo de nina domina una grande distancia de leste a oeste na
direccao da serra. No meio desta
parece eito no cimo da montanha.
planicie, que
e com alguma
eollier das de cha de carbonato de magnesia ou do
algumas gotas de ainmoniaco liquido, preferindo-
se aquello agente theratieutieo, e aeonselha mais inclinaeao para o centro, esto as i>ctc Lagoas, quasi
me se faca uso de carnes assadas, de bom vinho, I todas redondas, e a distancia de JA a 1 milha entro
tinto c velho, e de caf preto com addigo de bom urna e outra na mesina direccao 'este oeste t. va-
cognac, se a pessoa toma habitualmente essa sub-1 ra a largura dolas; a menor teralo v^jwttco
staneia alcoohca; mas recommenda que os legu-
mes e fructos sojam proscriptos.
po
1 mais ou menos de dimetro, as ofltras talvez, pas-
sem de 60. s suas margens augmenta a vegela-
Eis a pogao,:
. Cotombo......... 2oitavas.
Faca fervor em:
Agua commum... 8ongas.
Deixe que a agua fique reduzida pela fervura
a seis oncas, c junte :
Agua dislillada de bortelaa i
dem idem de melissa. lfi_ UI|,aonca.
. Xarope de flores de laran-i *
geiras.................'
. Carbonato de magnesia... urna oitava.
Misture e vasculeje o vaso que conlom esta
poco todas as vezes que tiver do ser applicaila.
. Se se quer recorrer aos clysUTCs, applieam-se
ilous, um aps outro. sendo o primeiro do agua ou
(ozi monto de farello, ou de agua de gonima, eo
Mgundo (lomesino cozimonto, a que so junta meia
oitava de ludano ; mass esto c empregado quan-
do a diarrha abundante o continua. Os sina-
pismos sao applicados as exas, c os vesicatorios
Das barrigas de peinas.Dr. Afano nNUCCO.
julho de 1863.
Existiam...... 387
Entraram..... 13
Sahiram...... 2
Existom...... 398 >
A saljer :
Nacionaes..... 263 i
Estrangeiros... 33
Mulheres... H
Estrangeiras... 3
Escravos...... 72 i
Escravas...... o
398
Alimentados a cnsta dos cofres pblicos.. 160
Movimento da enfermara no dia 20 de julho de
1863.
Teve baixa :
Luiz, escravo de Isabel Maria, inxacao.
Teve alta
cao, embora nao sejam corpulentas as arvores que
s rodciam.
A palmcira, verde c loncaa, borda com prefe- Jos, escravo do Sr. Amorim.
rencia as lagoas, parecendo,' pela sua expontanea Passageiros vindos do norte no vapor nacio-
ordonacao, plantada pela mao do homo.tn e cultiva- nal Oyapork :
da'lela arte Cresce naquellas aguas urna berva Desembargador Alexandre Bernardino dos Res
esiH'cial, que nao encontrei em outro ncnbum ter- e Silva, sua senhora b filhos, l criada e 13 escra-
reno iior niim visitado. (k)inmunicam-se as lagoas vos, Francisco Jos Couto Rocha, Dr. Eduardo Au-
subterraneamente, porque o terreno as suas im- gusto Pinto de Oliveira e 1 escravo, Antonio Mar-
Travassos de Bar-
Francisco Pa-
da Silva Ri-
Belisario
Jos An-
Da ultima "destas lagoas sahe um regato que tonio Correa, bara de Mamanguape, Joaqaim da
va engrossandq e descrevendo una curva de leste Fonseca o Silva, Jos Rodrigues de Medeiros, Joao
a
As appellai-iJes rrimes.
AppeMaale.o.jBiaJ-, appellado, Bernardino Xa-
vier.
Api^fante, Jote Fernandos Lima; appellado,
Satnraino Gemes Dnarte,
As appellacoes civeis.
Apnellante, D. Maria Hellena Pessa d Mello ;
appellada, D. Maria Benedicta Viera da S*a.
Apnellante, Jos Ferreira Pinto de Campos ; ap-
pellado, Manoel Joaquim Baptist.
O Sr. desembargador Lorenco Santiago passou
ao Sr. desembargador Motta
As appellacoes crines.
AppeOante, o promotor ; appellado, Belarmlno
Porfirio de Farias.
Appellaate, Custodio da Rocha Olrveira; appel-
lada, a jastioa.
Appeflante, o juizo ; appellado, Francisco Perei-
ra do Nasclmento.
Ao Sr. deseniliargador Cilirana
A appellacao civel.
Appollantes, os libertos Florinda e Tliereza ; ap-
pellado, Manoel Salustiano de Medeiros.
O Sr. desembargador Motta passou ao Sr. des-
embargador Peretti
At appeac.8es crimes.
Appellante, o juize ; appellado, Jos Joaquim de
Santa Anua.
Appellante, Manoel Dantas Cabral ; appellado,
o juizo.
Ao Sr. desembargador Aceioh
A appelUtciio civel.
Appellante, Gaspar Cavalcanti de Albuquerque
Uchoa ; appellado, Joao de Sa Albuquerque.
O Sr. desembargador Peretti passou ao Sr. des-
embarga/lor Gi tirana
A appellacao ckel.
Appellante, a fazenda ; appellado, Paulo Jos
Gomes.
O Sr. desembargador Accioli passou ao Sr. des-
embargador Uchoa Cavalcanti
As appellacoes crimes.
Appellante, o juizo ; appellado, Antonio Gomos
da Silva.
Appellante, ojulzo; appellado, Vicente Antonio
Lopes da Silva.
Appellante, o juizo;
dicto.
0 Sr. desembargador Doria passou ao Sr. des-
embargador Caetano Santiago
As appellacoes crimes.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Lorenco
de Araujo.
Appellante, o promotor; appellado, Luiz Antonio
Cabug.
Appellante, o juizo; appellado, Pedro Rufino
Romeiro.
Appellante, o juizo ; appellado, Manoel Joaquim
de Aguiar. v
Appellante, Joao Felippc da Costa ; appellada, a
o Sr. Dr. Braz Florentino HenrRtaes de Ansa por o concurso que, vista da orden do trfeaaal do
qualquer dos districtos daUi. thesouron. 113 de 6 do crreme mez, se le de
Assim apresentavatt no parlameMft'tm repre- abrir nesta thesouraria para preenehoMato da*
sentante digno de vos, pie lia de sata* to*ar a. vagas de pTaticantes e offlciaes de descana exis-
nossa provincia do abattmento em que tera jazido. e tontas na alfandega desta eidade Os exames ver-
rabe'r-vos-ha cntao a gloria (talvez nica) de dizer sarao as materias de qne trata o 8 I do art 1
do plano, que soubesteis, sem a nimima cabella, e do decreto n. 3,114 de 27 de j do HJTlitt
rom a mais pura consoiencia, snfTragar o mrito anuo, a saber : leituramttf mmaatieal e
real, todo recomido sim, mas aiada nao amesqui-
nhado no fervedonro das Intrigas eleitoraes.
Sirvam-se, Srs. redactores, de dar quanto antes,
publioidade a estas nossas toscas Iinhas, afhn de
queanobre imprensa daquella provincia possa
a saber
orthograhia arithmetica e anas applicacoes ao
eommercio, com especialidade a redoeco e moe-
das, pesos e medidas, calclo de descont joros
simples c compoetos, tbeora de cambios e a*-
plicac/Jes. Os concorrentes dverao previanvme
ainda prestar-nos igual obsequio, que desdo ja lhe apresentar sous TcquerimeBlos instruidos dedo-
solicitamos, de reprodiisMas em suas folhas por al- eumentos que provem idade eompleu de 18 an-
gumas vezes, at o dia designado para a eleicao se- nos, isencao de pena e culpa, e bom comport-
cundaria. Dest'arte Ihes fiear muito grato memo.
O Parahubano liberal e independentc. Secretaria da thesfluraria de fazenda de Peraaaa-
Rocifc 21 de julho de 1863. buco em 21 de julho de 1863. Servindo de om-
cial-maior, Manoel Jos Pinto.
Tlieatro de Sania Isabel.
Tem lugar hoje nesse tlieatro o beneficio do muito
sympathico actor Antonio de Carvalho Lisboa.
Que elle digno de urna grande concurrencia, ja
nao soffre duvida, o o repertorio em que tem en-
trado j ama prova siiflieiente, em vista dos ap-
plausos que nelle tem recebido. Anda ha bem
poucos dias vimo-lo desempenhar com toda a
maestra o difHcil papel de Raphael Didier as Mu-
lheres de Marmore. Como Cortos Martins faz-nos
derramar lagrimas no Trabalho e Honra. Na Om-
phalia interpreta porfeitamento Jorge de Vasron-
ceos, nao ficando quem desse carcter na bali-
ta, como Andrc Rosmen.
Ainda as comedias o Sr. Lisboa tem mostrado
a fertilidade de sua natural vocacao. Cijpruino
Tamerlao agrada bastante, c o Jos da Maneota
nada deixa a desejar.
Tornar-nos-hiamos enfadonhos se eontlnuasse-
mos nessa retate ; j bastante o que temos
dito.
Alm disso o espectculo foi mui bem esco-
lhido.
O Poder do Ouro um drama de muito effeito, c
appellado, o preto Benc- que aqui obteve muitos applansos. O HoUandez
urna comedia bellissuna e que. rabora amiga, de
certo sempre agradar.
Por obsequio ao beneficiado, o seu col lega Sr.
Penante, esse actor tao apreciado do publico, can-
tar a liada aria do Simplicio da Paixao, que alm
da belleza da lettra, a sua msica bellissima.
Parabens ao Sr. Penante, que soube tao bem esco-
Ihcr essa fr para oflerecer ao seu collega no dia
de seu beneficio.
O Sr. Lisboa por certo ter urna recom pnsa de
seu mrito real na brilhante carreira artistica que
abracou, e em que tem j colindo vioosos louros; e
assm espera
Um seu admirador.
Cavalcanti de Albuqucr-
descrevi e que tem assuas ascentos N. N. E.| a o tino Meira de Vasconcellos, Firmino Antonio Mon-; Appeilnte, Antonio Jos de Araujo ; appellado,
leguas de distnca. Nao me resta a menor duvida teiro, Joao Jos Henriques e 1 escravo, 1 escravo o juizo
Manoel Igna-
s vista um trabalho de grande inte-1 quanto a sor o Amolar a verdadoira origem do Pa- de Antonio M. de Miranda, 1 dito de Manoel Ign
i esse liara aquolles que se ocrnpam dos inelbora- raguay, sendo mui cxplicavel a confuso que se co de Obveira & Filho, o capitao, sua senhora e 5
montos materaes do nosso paz. Queremos fallar I tem feito por formar-se aquelle no de lagoas iden- offlciaes da galera americana ^.nMmr Crtm,ia-
lo importante relalorio que o Si. Dr. Manoelda! ticas na sorra da sua nasconQa.
Em varias raaoes
do obras publi-
da agricultura,
om 12 de mareo
Cunlia Gamo, director da seccao
.as e navegaeaw do ministerio
aiiresentoii ao respectivo ministro
deste anno.
O Sr. Dr. C.alvo um dos talentos mais vigo-
rosos da Masa cksee de engenheiros, e de nina il-
lustracao nao vulgar.
O seu trabalho revela superior erudicao e longa
experiencia dos negocios que estro a sen cargo.
Com vagar transcreveremos em nossas colum-
bas alguns trechos deste relatorio que mais possam
iiitercssar a esta provincia.
Admira a roragem com que cortos homens,
qne deveni ter brios. ousam conduzir mulheres de
marmore para o centro do familias honestas, levan-
do seu arrojo a entrar s casas em que ellas rosi- Lagoas qne ostou descrevendo outras tantas emie-
nda s: ras de amigos voleoes extinctos. Assim m"o fazem
dem a qualquer hora do dia, vindo em seguida
varandas exeeutar quanto indecencia ha, sem at-
tender ao menos que os vizinbos tem direito a
mcrecereni una certa deferencia daquol|cs que
the moran porto.
isto nos e itedido jior moradores do caes do Im-
perador, que nao gostam dessas indecencias.
hoje o beneficio do actor Lisboa, de que
liontem nos oceupamos.
Por engao de paginaeo sanio nossa rese-
nta de hontem sem o titulo^Reeisa Diaria.
me fundo para sustentar este" juizo. Em primeiro
lugar, Hila maior distancia a que corre o Amolar,
e depois por ser muito mais caudaloso na junecao.
Pode com propriedade dizer-se que o Amolar rece-
be o fructo das Sote Lagoas que estou visitando, a
urna distancia de tres leguas ao N. E., como recebe
cendiada pelo vapor confederado Florida e Roberto
Jos Shandcrs.
Soguem para o sul :
O tenonto Honriquc M. da Rocha Freir, Antonio
Augusto da Fonseca Oiuto, tenentc-coronel Jos Pe-
dro Haitor e 1 criado, Coronel Joaquim Jos Gon-
alves Fontes c 2 escravos, Dr. Thomaz W. Hall
ia de tres leguas ao N. E.. como recebo calvos Fontes c 2 escravos, r. Thomaz w. Hall e
mais abaixo a confluencia do Colorado, do Buriti. e 1 escravo, Anna Rita Castello-Branco, lenente-coro-
finalniente do Diamantino, com a uniao do qual di- ne.1 Joao Vctor Vieira da Silva c 4 escravos, Joao
rige o Paraguay o seu curso para oeste. Qualquer Loureiro de Carvalho, e 1 escravo, Io tenente Ar-
destes tributarios podia com mais razao do que as naldo Leopoldo Murinely, Paulino da Silva Mene-
Sete Lagoas arrogar-sc o direito de primazia quan- zcs, Jos Joaquim da Natividade, Antonio Jas Bap-
to a ser origem e nascente de Paraguav. Demora lista, Jos Silveira, Manoel Crescendo, Joao Pinto
esfu ponto 4 ou 5 leguas
mantina.
Tao |kmico me resta duvida que sejam estas Scte
ao N. E. "da" villa Dia- Dias Mesquita, 2 praeas da armada, e 6 escravos a
entregar.
Passageiros vindos da ilha de Fernando no
vapor nacional Mamanguape:
Jos da Silva Loyo Jnior c 1 criado, alferes Sc-
cror todas s irregularidades que noto, e que sao cundino Ayres Velloso de Mello, 2o sargento e 2o
outros tantos indicios de se tercm dado nesta serra cadete Mathias Goncalves de Miranda, 2o cadete Ti-
Appellante, o juizo ; appellado. Manoel Antonio
de Araujo.
DISTRIBUYES.
As appellures civeis.
Ao Sr. desembargador Caetano Santiago :
Appellante, D. Antonia Umbelina (]oi-deiro de
Carvalho; appellado, o bacbarel Manoel Jos Pe-
reira de Mello.
Ao Sr. desembargador Gi tirana :
Appellante, Francisco Alvos Cavalcanti ; appel-
lada, D. Maria Joaquina Santiago.
Ao Sr. desembargador Lorenco Santiago :
Appellante, Jos Luiz de Andradc Lima s appel-
lado, Luiz de Albuquerque Marauhao.
Ao Sr. desembargador Motta :
Appellante, Antonio Chinaco Moreira Temporal -,
appellado, o bacbarel Manoel Gentil da Costa Al-
vcs.
Ao Sr. desembargador Peretti:
Appellante, a fazenda; appellado, Jos Joaquim
da Silva Maia.
Ao Sr. desembargador Accioli:
Appellante, Mathias Lopes da Costa Maia ; ap
DECLARARES.
grandes commoeocs e abafos profundos. Os po- burtino Francisco da Silva, 50 praeas de 1* linha e : pellada, D. Mara de Jess Cordeiro.
nhascos partidos"e a posicao de derrocamento em 6 sentenciados, Ignacia Maria de Jess e 3 filhas,
que estao, a natureza e aspecto da podra, a physio- Lcandra Mara de S. Jos, Maria Joaquina, da Con
omia gefal dos pendoros por onde passei, tudo me
est dizondo o mesmo; c depois cssas boceas que
despedem too consideravcl cabedal d'agua, assim
postas a pequeas distancias sobre terrenos sem
fundo e concentradas n un declivio da planicie que
Por projosta do Sr. Dr. chefe de polica foram forma este grande morro, como que estao attestan-
domittidos : | doa justeza das consideraoocs que me fazem opinar
Jos Germano dos Santos, de subdelegado de Be- desta forma.
hedor ,
Manoel d'Assuinpeo de Azovedo e Silva, de 1
Mqiplente do dito do'Altinho.
Foram nomeados :
Subdelegado de Bebedor, Antonio Bezerra da
Silva;
Dito de Capoeiras. no Bonito. Miguel Soares da
Silva; s
Dito de Agu-Preta, Alexandre Olympio do Hol-
i.uida Chacn ;
Supplenles do dito dos Afogados : 2" Dr. Antonio
lustiiio de Souza; 4o Gamillo Lins Chaves ; e 3
Manoel Camello Poreira Pessoa.
O presos da eadeia de Nazarcth arrombaram
urna das paredes, c fugiram em numero de 10,
sendo embancada a fuga de mais alguns pola des-
cobert do ariombamento. Um di-lles foi preso
psforeoe da jiohcia.
Eis seus nomos e signaos :
1" Belarinino Pe/eira de Lima, 26 annos, somi-
braneo, altura regular. |ioiica barba, falla fanlisa
e ilescancadae cabellos corridos ; preso por ciimo
de ruubo.'
2" Joaquim Jos Tavares, pardo, baixo, cabellos
crespos e Olhos pardos ; para recruta.
3" Honorato Tenorio de Oliveira. 25 annos. par-
do, altura regular, cabellos crespos e nariz gros-
m> : por desertor.
4- Jovino Correa, 24 annos, pardo, altura mais
que que regalar, cabellos crespos, olhos pretos,
sem barba; por furto.
'i" Poluarpo Pereira da Luz. 26 annos. branco,
baixo. cabellos lisos, nariz afilado, pouca barba,
olhos pe([uenos e aportados ; por furto.
ti" Belfsario Francisco da Costa, 32 annos. pardo,
altura regular, cabellos crespos e pouca barba;
|ior furto.
7 Joao Ferreira de Araujo, 25 annos, pardo, al-
iara mais que regular, rosto cheio. cabellos meio
carapiahados, olhos pardos o |iouca barba ; |mr
turto.
8" Antonio. 20 annos. caboclo. cabellos especa-
dos, olhos pretos, nariz afilado, sem barba, altura
regular, aleijado do dedo mnimo da mao direito;
eondemnado qiiatro annos o meio de priso.
9 Jos da Costa Dornellas. 30 annos. pardo, al-
una mais que regular, cabellos carapinliados. olhos
pardos, nariz afilado, pouca barba.
10* Manoel dos Santos, desertor ; j foi preso.
No termo de Ingazeira. no lugar Hirjinlw. ao
meio dia de 9 do correte foi assassmado Mariano
Kerreira da (>wta o ferido Joaquim de tal, nego-
ciante de blendas en Santo-Antao. com o fin de
roubarein-os, oque olToctuarainlevando os ladros
um cavallo com carga de fazendas. A polica na^la
mais linha podido descobrir.
Pedcin-nos a publicacao da soguinte noticia :
O Sr. Jenuino Jos Tavares da Silva, Io confe-
i ente da alfandega desta eidade. ia sendo victima
de nm lerrivel engasgo, proveniente de um pedaco
de carne secca, que na tarde do dia lo do corre-
lo, no acto de jantar o cozido, procflrou engolir com
um pouco de iao.
O certo que s depois do tres dias e tres noi-
les, que passra com agonas, com vmitos repeti-
dos, sodreudo sede devoradora sem i>odcr engolir
i una s gotta d'agua, foi desembarazado do mal
lelo perito operador o Sr. Dr. Francisco Carolino
de Lima Santos, (pie mediante um instrumento do
dous palmos e meio de extensao, chamado gancho
i bataneo de Orejf, que fura introduzido na gargan-
ta, pftde' conseguir empurrar o dito pedaco de car-
ne para o interior do estomago, e isto depois de ha-
ver apptcado varios remedios com o fim de com-
bafer o espasmo.
X-se no Jornal do Commerdo da corle
Viacexs .no Brasil.Mais um livro em lingua
eslrangeira acaba de apparecor arospeto donosso
torrlo. Ainda em bem que este escripto com es-
pirito recto e justo, transluzindo em cada pagina a
sympathia que o autor nos vota. Em geral os via-
jantes qne nos visilam com animo desprevenido, e
jiercorrem os nossos sertoes s guiados pelo amor
da seiencia ou mesmo jiela curiosidade de ver as
maravillas de nossa gigantesca natureza, dcixam-
nos com saudades; e, se escrevem ^as suas iinprcs-
deviagem ou piiblicam o resultado dos ses
estudos B investigaeoes, sempre acham expressoes
de benevolencia com que. nos pagam a hospitolida-
de c carinho que em toda a parte encontram. Sc-
jamos-lhes a nsso turno tambem gratos, porque o
que queremos que se escreva a nosso respeito e se
escreya muito, comanlo que a penna noseja mo-
lala em fl, nem guiada por paixbes mesquinhas
einneorosas.
O Sr. D. C. Bartolomeu Bossi emprehendeu no
anno passado urna viagem nossa provincia de
Matlo-Grosso, partindo de Montevideo e subindo o
Prove a agua e acheia-a cxeellente.
No capitulo Vil lanea o autor urna vista geral so-
bre o territorio da provincia de Matto-Grosso. sua
populaco, seu clima c physiononia do paiz, seus
rios e bosques, fazendo est'udo espee"'
ninsiila banhada [icios rios Paraguay
riqueza daquella regio privilegiada. Depois de-
ceeao, Joaquina Theroza do Jess e Alexandrina
Rosa da Silva.
ObTUARIO DO DIA 19 DE JltHO NO CEMITERIO j
publico :
Amelia, Pernambuco, 4 mezes, Poco da Panella ;.
convnlsfies.
Jos, frica, 40 annos, solteiro, escravo, Boa-Vista;
alionaco mental.
Francisca de Paula Gomos, Pernambuco, 30 annos,
viuva, Boa-Vista ; pleura-pneumona.
Maria, exposta na igroja de Nossa Senhora da Pe-!
nha, S. Jos.
escravo, Recite;
i
i o bosques, fazendo est'udo especial sobre a pe- Luiz, frica, 40 annos, solteiro,
sala banhada pelos rios Paraguay e Cuyab, e j cholera.
...aeza daquella regiao privilegiada. Depois de- 20
tin-se em observaeoes sobre os diversos ramos de Anna de Freitas Antones, Pernambuco, /b annos,
riqueza da provincia, seus productos naturacs, sua casada, Santo Antonio ; gastro-hepatite.
mineraeo, agricultura e industria. Conclue com Helena Perpetua dos Prazeros \ ieira, Pernambuco,
algumas rcflexoos sobre a coionisaco o brilhante j 74 annos, casada, \ arzea ; mflamnia?ao nos m-
futuro que a provincia prometi. testinos.
() livro escripto em cstylo chao e sem ornatos. I Caetana, Pernambuco,
Ao Sr. desembargador Uchoa Cavalcanti :
Appellante, bacbarel Felippo Carnciro de Olinda
Canqiello ; appellades, Jos Duarte Rangol o ou-
tros.
Appellante, Manoel dos Santos de Oliveira Gon-
calves ; appellados, Fclippe Nery e outros.
Ao Sr. desembargador Assis :
Appellante, Manoel Gomes de Almeida Botellio;
appellado, Manoel Jos da Graca.
Ao Sr. desembargador Doria :
Appellante, Joanna do Jess Noves Quarcsma
Duarte ; appellado, Joaquim Francisco Duarte.
As duas horas da tarde encerrou-se asessao.
COMMUNICADOS.
PUBLICARES A PEDIDO.
Pastilhas vernifngas de Kenp,
sao por sem duvida alguma, infinitamente mais
eflicazes e uteis do que todos os mais remedios
porigosos e nauseabundos que existom para a ex-
pulsao das lombrigas. Ellas nao smento expellem
e destrocm esses incommedos parasytas, mas tam-
bem romovem a mucuosidade em que elles se
engendran!, impedindo por esta forma a sua re-
produccao. Ainda nao se encontrou um s caso em
que ellas tenham deixado de produzir o desejado
fTcilo d'uma mancira a mais salisfatoria. Em vir-
tude de se acharen) sontos de ingredientes irri-
tantes, nao causam ellas dr ou incommodo de
qualidade alguma, e por meio da sua accao balsa-
mica, suavisam o ventre e dtjxim no estado d'uma
salubridade perfeita.
As crianzas as confundem fcilmente com ou-
tros confeitos ordinarios em razao da sua appa-
rencia e sabor, e .gostam dellas tanto quanto gos-
tam do proprios doces. Acham-se admiravelmentc
acondicionadas em frasquinhos de cristal, e urna
das preparadnos a mais popular do dia.
venda em todas as boticas do mundo.
18
lllm. Sr. Dr. Braz Florentimo Henriques de
Sonza.
A's vezes deixa-se o autor arrebatar pela niagnifi- eserava ; pbtysica tuberculosa.
cenca da scena, mas nunca borda ajiarraco com Joaquina. Pernambuco, 45 annos, solteira, eserava,
as aventuras inoriveis e quadros estopeados a que, Santo Antonio ; pneumona.
de to bom grado recorrem os viajantes. Nelle tu- Josopha Uinlielina de Albuquerque Maia, Pernam-
do singolleza. e nisto vemos mais urna recommon- buco, 25 annos, .solteira, Boa-\ isto; tuberculos-
daoo para esta obra, que sem duvida ser lida com| pulmonares.
intoresse. i Thomaz Jos da Silva Gurjao. Pernambuco, 90 an-
HepWTico da polica : nos, viuvo, Boa-Vista ; congesto cerebral.
Extracto da prrte do dia 19 de julho de 1863.
Foram recolhidos casa do detencao no dia 20 espasmo.
do correte :
Na presente epocha eleiloral em qne a par da
ios, solteira, Kecite, ,fourafa propaganda do roto Inre, muitos se jul-
I que se erga nina voz, ainda que fraea, mas
Senhormlia, Pernambuco, 8 das, Santo Antonio; uesmteresSada, om prol de un candidato de
A' ordem do lllm. Sr. Dr. chefe de polica, os
pardos Goncato Jos dos Santos, de 28 annos, Jos
Caliste de Frailas, de 22 annos, Luiz do Franca, de
32 annos, Domingos Francisco do Oliveira, branco,
de 28 annos, todos enviados da provincia da Babia
como sentenciados, com destino ao presidio de Fer-
nando,
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio, Ho-
norato Alvos do Nascimento, pardo, do 28 annos,
por embriaguez.
A' ordem do de-S.Jos, Antonio Martins Lisboa,
portuguoz. de 26 3*009;- por suspeito a forca publi-
ca ; Josephina, parda, de S6 annos, os pardos Dio-
go Soares de Albuquerque, por insultos; Jos, de
9 annos, ior inl'raccao de posturas ; Vicente, de 20
annos, escravo de Luiz Antonio de Siqueira, a re-
querimento deste.
A' ordem do da Varna, Francisco Salvador Bar-
bosa, eroulo, de 54 anuos, por suspeito em crime
de furto.
O chefe da 2* seccao,
J. G. de Mesquita.

-
I 2
Masculino.
Feminino.
>
n
s.
M
8
Masculino.
H
2
Feminino.
VI
Masculina.
>
Feminino.
Masculi
Feminino.
no. [

CHROMtV JUDICIAR11.
gam com direito a grande conquista de urna ca-
dena no parlamento, j porque estao adstrictos a
alguns dos lados polticos, que por amare graca os
bafejam, os coadjuyam, ou protegem, j porque
contom servicos em toes fHeiras, J emfim |ior ser-
des ros quem "sois, ou par droit de complete et par
i droit de maissance, parece tambera razoavcl e justo
mui
ver-
dadeiro morecimento, embora nelle nao concorram
aquellos epheineros ttulos, comoseja o Sr. Dr. Braz
Florentino Henriques de Souza, lente cathedratico
da Faculdade de Direito desta eidade.
Tltllll \\l. DA REL.V^'AO. Todossabem que esto distincto cidado, urna
SESSAO EM 21 DE JULHO DE 1863. das maiores glorias do alto magisterio braslleiro, c
presidencia do f.xm. sr. co.NSELHEiRO silveira. um dos piincipaesomainontos do nosso foro. Como
As 10 horas da manha, achando-se presen- jurisconsulto, e como cscriptor publico, o Sr. Dr.
tes os Srs. desonibargadoros Caetano Santiago, Braz, de longos annos tem conquistado o mais
Gitirana, Lorenco Santiago, Motta, Peretti, Accio- justo e brilhante renome, j pelos sens luminosos
li, L'cha Cavalcanti, e Doria, faltando com causa trabalhos forenses e domas preleecoes do direuo
participada o Sr. desembargador Assis, abrio-se civil, criminal e constitucional, e j emfim pelos
a sessao. i s6118 preciosos e interossantes escriptos publicados
' \) Sr. desembargador Guerra, procurador .da em tao importantes c difliceis materias, A par de
COMMERCIO.
CAIXA FILIAL
DO
BARCO DO BRASIL
Manta Casa dst Misericordia m
Recite.
A lllm.' junt administrativa da Santa Casa, da
Misericordia do Recife manda fazor publico que no
dia 23 do corrente polas 4 horas da tarde na sala
de suas sessdes continua a praca das rendas das
casas abaixo declaradas por tempo de um a tr-w
annos.
Os pretendentes devom comparecer acompanha-
dos de seus fiadores ou manidos de cartas deste-.
Estbeleeneatas de caridasV.
Ra Direila.
N. 4 particular e 33 publico um andar. 365f000
N. 82 particular e 5 publico tres an-
dares...............l.OiOJOO
N. 83 particular e 7 publico tres an-
dares.............. 920*100
Raa do Padre Floriano.
N. 6 particular e 47 publico casa terrea. IfteMMO
N. 7 particular e 45 pablicncasa terrea. lSflsJO
N. 66 particular e 61 publico casa ter-
rea ...........140**10
N. 90 particular e 13 publico casa ter-
rea................ 181J0OO
Baas da Carvalha.
N. 10 particular e 5 publico casa terrea. 149#O0O
Ra dos Pescadores.
N. 16 particular e 11 publico casa ter-
rea................. 255*01
Ra da Calcada.
N 17 particular e 30 publico'casa ter-
rea................. I7U090
N. 19 particular o 84 publico casa ter-
rea...........,.. .. !49.vm
N. 21 particular e 38 publico caA ter-
rea............... .. 156*000
Ra da Vira^ao.
N. 27 particular c 19 publico casa ter-
rea................. 283*000
Ra de Santa Thereza.
N. 31 particular e 7 publico casa terrea.
N. 32 particular e 5 publico casa terrea,
Ra de Hortas.
N. 29 particular e 41 publico dous anda-
res.................
Rna da Roda.
N. 35 particular c 3 publico casa terrea.
N. 36 particular e 5 publico casa terrea.
N. 37 particular e 7 publico casa terrea.
N. 99 particular e 1 publico casa terrea.
Ra Nova.
N. 43 particular o 41 publico casa ter-
rea............. ..
N. 46 particular o 48 publico nm andar.
Rna da Impcratriz.
N. 47 particular e 68 publico casa ter- i
rea................ 308*000
Ra da Gloria.
N. 51 particular e 63 publico casa ter-
rea............... 144*000
Ra do Encantamento.
N. 52 particular e 3 publico 3 andares. 480*000
Ra do Azeite de Peixe.
N. 53 particular o 1 publico 2 andares. 600*<>00
Ra do Aranrim.
N. 54 particular o 31 publico um andar. 150*060
Ruada Lapa.
N. 56 particular o 8 publico um andar. 144*600
N. 73 particular o 5 publico um andar. 420*000
Ra do Pilar.
N. 59 particular e 73 publico casa ter-
rea................ _v 183*000
EM PERNAMBUCO.
A dircetoria da Caixa Filial do Banco do Brasil'
declara aos senhores accionistas que o thesoureiro
da mosma est autorisado a pagar o dividendo re-
lativo ao semestre Ando em 31 de maio prximo
passado a razao de 10*000 por ac^ao. Recite 14
de julho de 1863.
Jos Mamede Alvos Ferreira,
secretario.
NOVOBANCO
DE
PERNAMBUCO
EM 21 DE JPLHO DE 1863.
0 Banco descoma na presente semana a dez por
cont ao anno at o praso de quatro meses, e a
dozc por cont at o do seis mezes.
Alfandega
Rcndimento do dia 1 a 20. .
Idemdodia21.......
276:0745598
9:358*415
286:3335013
Movimento da alfandega.
Volumos enti ada com fazendas
> 'com gneros 140
140
Volumos sabidos
com fazendas
com gneros
48
72
------ 120
coma, nao conipareeeu.
Passados os feitos e entregue os distribuidos,
deram-se os seguimos
JILGAMENTOS.
Aggravo de peticao.
Aggravante. o bacharel Francisco Carlos Bran-
do aggravado, o juizo.
Relator o Sr. desembargador Gitirana.
Sorteados os senhores desembargadores Peretti,
tanta illustracao e subido talento, elle tem primado
sempre por urna reputacao sem mancha, pelas
mais apreciaveis qualidadcs moracs e cvicas, tudo
com urna modestia o rocolhimento singular, que
todos louvam e admiram, mas que poucos imitam o
segoem.
Nestas nossas expressoes nao pousa a lisonja,
porque longo e bom longe de nos est este senti-
mento vil e baixo, mximo quando dolle nao de-
pendemos, c apenas sabemo-lo apreciar devi-
prestar prcito a vor-
e Doria.
Aggravante, o desembargador Jeronymo Marti- damente, o milito prezamos
niano Figueira de Mello ; aggravado, o juizo. dade.
Helalor o Sr. desembargador Lorenco Santiago. O testcraunho publico, em apoio deste nosso as-
Sorteados os senhores desembargadores Accioli, serto, a sua mais vigorosa demonstraeao.
%
S
s-
x
Musrulino.
c-.
Ferntaio.

z
? *
3
OBSERVAgflES.
QO
s
Advertencia.
Na totalidade dos docntes Cxistem 164, sendo
alienados 5 homens e 23 mulheres.
Foram visitadas as enfermaras estes dias :
s 11,12, 11, 12, 121/2, 12 i/2,12 i/4 da ma-
nha pelo Dr. Dornellas ; s 7 1/4, 7 1/4, 7 1/4,
7 1/4 7 20'. 6 55\ 6 50', 7, pelo Dr. Sarment Fi-
lho ; e s 5,3 1/2, 5, f, 8, 5 1/2, i 1/2 da tordo
pelo Dr. Villas-Boas.
Fallecern)
Belannino Jos da Silva ; cholera-morbus.
Joao Pedro de Araujo ; dyarrha.
o Doria.
Deram provimonto.
Aggravante, Jos Francisco Bittancourt;' aggra-
vado, o juizo.
Relator o Sr. desembargador Motta.
Sorteados os senhores desembargadores Gitirana,
e cha Cavalcanti.
Negaram provi monto.
Itflttras-corjMii
Conccdeu-se ordem do soltura pedida em babeas
corpus por Jos da Silva Moreira.
Negaram a soltura pedida em habeas-corpus por
Isabel Goncalves do Reg Barros.
Ficou adiado o julgamento do habeas-corpus de
Caetano Mendos Delgado.
DILIGENCIAS.
Com vista ab Sr. desembargador promotor da
justica
Appellante, o juizo ; appellado, Antonio Jos
Pereira Silvano.
Appellante, o juizo ; appellado, Valerio Jos da
Costa.
Appellante, o juizo; appellado, Joao Francisco
Xavier de Carvalho.
Appellante, Bernardino Domingues Moreira; ap-
pellado, o juizo.
Appellante, o promotor ; appellado, Joao Pedro
de Araujo.
DESIGNAgO DE DIA.
Assignou-sc dia para julgamento dos seguintes
feifos :
Appellacoes crimes.
Appellante, Manoel de Farias Lemos; appella-
do, o juizo."
Appellante, o juizo l appellado, Domingos Jos
Vianna.
Appellantes, Joaquim Rodrigues dos Passos e
outro ; appellada, a justica.
Appellante, o juizo ; appellado, Manoel Pereira
do Monte.
PASSAGENS.
O Sr. desembargador Caetano Santiago passou
ao Sr. desembargador Gitirana
jl appellaco crime.
Appellante, o bacharel narco Tulio dos Reis Li-
ma ; appellada, a justica.
O Sr. desembargador Gitirana passou ao S. des-
embargador Lourenen Santiago
Quem, pois, melhor do que o Sr. Dr. Braz com
taos ttulos o habilitacdes, poder representar com
toda dignidado a minha provincia natal, Parahyba
do Norte, donde elle tambem natural Ser pos-
sivel, que os nossos patricios se olvidem de, con-
templa-lo com os seus sufTragios na prxima elei-
cao para deputado assembla geral ? Nao, nao
o crivel que esto nossa lembranca de um compro-
vinciano tao Ilustre, tao recommendavel para essa
alta posicao soja all desattendida o monosprezada.
Os Parabybanos amain, e distinguen) o mrito, e
sabem dar cada um o que sen.
Por corto, nao de esperar que a provincia da
Parahyba, tao zolosa sempre na manutencao das
glorias patrias, tao dedicada aos seus conterrneos,
deixe de orgulhar-se muito e muito com a eleicao
para seu renresentonte desse seu filho, que tanto a
honra o acredita.
Necossariamente o Sr. Dr. Braz Florentino Hen-
riques do Souza, por suas luzes e por seu talento, a
par da sua ineorruptibilidade devora fazer no par-
lamento brasileiro a mais brilhante figura as mais
momontosas o importantes questoes, que alli tora
de agitar-se, rwio et gratia, sobre a reforma indi-
ciara e confecrao do cdigo civil, a respeito da
amplitudc dasgarantias individuaos, e de seguranca
publica, acerca de (nangas, e outros interesses de
ordem superior, qne sao de indeclinavcl e argente
necessidade ; materias estas, em qne elle profes-
sional mui distincto, e tem feito profundo e medi-
tado cstudo por diuturno tompo.
Seria por certo urna clamorosa injustiga se a
nossa heroica provincia da Parahyba do Norte pre-
terisse nm candidato como o Sr. Dr. Braz Floren-
tino Henriques de Souza, s porque elle nao tem
trabalhado para entrar em alguma das chapas elei-
toraes, nao se ha tornado paladim poltico; nao em-
prega outro qualquer meio ignobil; nao busca sng-
gestao alguma -, nao lhe acompanha o apoio de
certos fabricantes de deputados; nicamente falla
em seu favor o seu subido e modesto merecimen-
to, e apenas poder contar com os sous amigos de-
cididos naquella provincia.
Honrados Parahybanos, amados patricios, ac-
quiescei a nossa lembranga, dai nesta opportnna
occasio um solemne testenumho de vosso cons-
tante e acrisolado patriotismo, e vossa proverbial in-
dependencia elegendo deputado assembla geral
Descarregam no dia 22 do julho.
Barca i nglezaMargaret=meroadorias.
Patacho italianoMariapedras.
Impoi 'taco.
Vapor nacional Ogapock, entrado dos portos do
norte, manifostou o soguinte :
Do Para.
20 eaixas o 75 arrobas banlia, 1 caixote miude:
zas, 1 dito com os restos mortaes de Antonio Jos
Goncalves ; ordem.
Do Maranho.
20 saceos pimenta da India, 322 ditos arroz, o
430 ditos milho : ordem do diversos.
Recefoedorla de rendas Internas
[geraes de Pernambnco.
Rendimento do dia 1 a 20. 31:9265417
dem do dia 21......... 1JJWSB80
33:219^297
Consulado provlnelal.
Bendiinento do dia 1 a 20. 65:0885952
dem do dia 21......... 6965441
65:7855393
MOVIMENTO DO POBTO.
Navios entrados no dia 21.
Para o portos intermedios- 8 dias e 6 horas, c do
. ultimo 10 horas, vapor nacional Oyapock, de
1,080 toneladas, commandante o Io tenente An-
tonio M. de Pontes Ribcro, equipagem 57.
liba de Fernando 45 horas, vapor nacional Ma-
manguape, do 337 toneladas, commandante Ma-
noel R. dos Santos Moura, equipagem 20.
New-York38 dias, patacho inglez Mersey, de 124
toneladas, capito Fort, equipagem 8, carga 120
barricas com farinha de trigo e.outros gneros ;
a Jolmston Pater & C.
Liverpool 14 dias, barca ingleza Margarith, de
254 toneladas, capitao George Avery, equipagem
12, carga fazendas o outros gneros"; a Saunders
Rroters & C.
Barcelona pelas Canarias64 dias do 1" porto e 24
do, 2o, sumaca hespanhola Favorita, de 97 to-
neladas, capitao Gabriel Bertrn, equipagem 10,
earga batatas, ceblas e outros gneros a Amo-
rim & Irmos.
iVnro sabido no mesmo dia.
Gronock pelo Rio Grande do NorteEscura ingle-
za Mary Block, capitao Richard Rundle. em
lastro.
Rna de Sao Bom Jess das Crioula?.
131*000
260*000
1:200*000
700*080
91*000
100*000
125*000
901*000
300*000
251*000
300*000
72*000
72*000
300*000
|H'|ll
aJmivi
EDITAES.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria de fazen-
da desta provincia manda fazor publico que tem
marcado o dia 17 de agosto prximo vindourp para
N. 61 particular c 8 publico casa terrea.
Ra do Nogueira.
N. 62 particular c 17 publico casa ter-
rea.............
. Rna da Cruz.
N. 68 particular o laViblico 3 andares.
Ra da Cadcia do Recife.
N. 72 particular e 30 publico 3 andares.
Boceo da Lama.
N. 75 particular o 30 publico casa ter-
rea......... ......
Travessa do Careereiro.
N. 85 particular o 11 publico casa ter-
rea................
N. 87 particular e 17 publico casa ter-
rea.......... ......
Patrimonio de orphos.
Ra da Madre de Dos.
N. 24 particular e 26 publico dous an-
dares................
Boceo das Boias.
N. 39 particular c 18 publico dous an-
dares ...... ........
Ra da Mooda.
N. 44 parlieular o 21 publico easa ter-
rea ................
Ra do Aniorim.
N. 5'! particular o 21 publico 3 andares.
N. 56 particular o 26 publico casa ter-
rea ...............
Ra do Burgos.
N. 69 particular e21 publico casa ter-
rea .. .. ..........
Sitio do Parnanieirim. ,
N. 1 particular...........
Secretoria da Santa Can da Misericordia ao Ke-
cifo 18 de julho de 1863.
O escrivo,
F. A. Cavalcanti Cousseiro
CORREIO GERAL.
Pifiarn das carias seguras viadas do norte
vapor Oyapock para
declarados.
Albertos Guillieriu Herbster.
Antonio Jos de Castro.
Antonio Leite. de Pinho.
Antonio Luiz Vieira. (2)
Antonio Raulino de Souza Ucha.
Gamillo de Lcllis Fonseca.
Cassciniro Borges Godinbo de Assis.
Dmaso Melquades Barat,
Ferreira & Martins.
Francisco & Silva.
Francisco Vieira Perdigao.
Dr. Francisco Xavier Paes Barreto.
Guimares & Reg.
Honrique do Rogo Barros.
Joaquim Vieira do Barros.
Joao A Ivs Mergulho.
Joao Francisco Pardelha.
Joao Jos de Carvalho Moraes Filho.
Lopes & Irmo.
Dr. Manoel Jos.1 Pereira de Mello.
Raimundo Remigio de Mello Jnior.
Santos & leilini.
Tasso & Irmos.
Viuva de Manoel Goncalves da Silva.
pirectoria das ohr*s militarfs.
A directora das obras militares tendo de man-
dar fazer urna calcada na frente do quartel do cor-
no de guarnicao na Soledade, assim como concer-
tar a coberta da casa que serve aos commanda li-
tes da guarda do hospital militar, e construir urna
prisao isolada no quartel da companhia de cayal-
lai-ia, convida s pessoas que quizerem mcumbir-
se de taes obras, a apresonlarem sutus proposias
na mencionada directora nos das 22 e 23 do cor-
rente mez, das 10 horas ao meio dia, onde poderao
recebor os esclarecimeiilos de que neeessitarein.
Directora das obras militares de Pernambuco
21 de julho de 1863.Luiz-Francisco de Paula de
Albuquerque Maranho, servindo do amanuense.
CORREIO.
As malas que deve conduzir o vapor oswlfp
Jaguaribe com destino s provincias da Parahiba,"
Rio Crande do Norte, Cear e portos intermedios,
scrao fechadas hoje (22) as, 3 horas da tarde em
ponto,
trremataco.
A arrematacao amranciada por a Dia io dos
engenhos e escravos pertenceates a Imanes do t-
nado Jos Fernando da Cruz, devora lar tagar no
dia 25 do crranla, depois da audieaoa de Um.
Sr. Dr. juiz monicipal da 1* vara.
!

196*000 204*0(0

55.1*000
100*000 8-WOO 112*000 120*000
752*980 131i*0a0
f




IMMmai
1
IMarlo de Prrnamhnc marta felra t de Jnlho de 193.
Arrr-Mataro. i
-No dia Io do prximo uienle agosto se ha de ar-
rematar depoisda audiencia do Illm. Sr. Dr. juixifas
municipal da segunda vara, por 'execucao de BalJfoh
thar 4 Oliveira cinco moradas de casas terreas si-
tas nesta eidade, pertencontes ahoranca do finado
Jos Fernando da Cruz, sendo 3 na ra Direita n.
41 avahada por i:700#, n. 7 por 4:7005 e n. 111
por i;004, urna no largo da ribeira de S. Jos n.
23 por 1:5004, e urna na ra de Hortas n. 60 por
8:000fi.
No dia 22 do correte mat, Ba sala das au-
diencias, depois-de meio dia, se ho de arrematar
por venda em praca publica do SwUr. juia muni-
cipal da 2." vara, escrivo Santos, 5 escravos pe-
nhrados a Jese Florencio de Oliveira e Silva por
execucao de Manoel Joaquim Baptista. Se nao
houver audiencia no dito dia fica a praca transfe-
rida para a primeira do mesmo juizo, Recife 18
de julho de 4863.Manoel Joaquim Baptista.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra, tem de comprar os objectos se-
uinlos :
Para o arsenal de guerra.
5 duzias de taboas de amarello de 16 pollegadas
de largura e 26 a 28 palmos de comprimento.
200 vassouras de piassava.
18 ineios de sola de lustre.
20 pelles de dito.
50 macos de obreias.
40 quintaes de ferro inglez em barra de 1 '/2
pol legada de largura e V degrossura.
200 meios de sola.
Queni quizer vender tacs objectos aprsente as
suas propostas em carta fechada na secretaria do
conselho, as 10 horas da niaiihaa do dia 24 do cor-
rente mez.
Sala das sessdes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra, 16 de julho de
4863.
Antonio Pedro de S Brrelo,
Coronel presidente.
Sebastio Antonio do Reg Barros,
Vogal secretario.
Por esla subdelegaeia se faz publico a quem
inlerossar^ que foi preso e acha-se recolhido i casa
de detenco un preto que diz chamar-se Manoel e
ser iscravo do Sr. Jos Rodrigues de Sena, do
engenho Frexeir ; quem se julgar com direito
compareca munido de seus ttulos, quelhe ser
entregue-
Subdelegada do Peres, 18 de, julho de 1863.
O subdelegado
Alejandrino Martins Concia Barros
Peta subdelegaeia do Peres foi aprehendido e
1 iM-ti i em deposito um cavallo ruco, dous saceos e
un cinto contendo em dinheiro 65900, quem fr
sen dono compareca, que provando, lhc ser en-
tregue.
Subdelegaeia do Peres, 18 de julho de 1863. .
O subdelegado
Alexandrino Martins Correia Barros.
Crrela geral.
aojo do correio desta eidade se
~Je (M) m 3 horas da tarde fe-
as que tem de conduzir o por
OiiapodFWrVttiao aos portos do sul. Os tornaos
at ao meto dia, e o seguios at as 2 horas da
tarde.
Pela administrarlo do correio desta eidade
se faz publico, que pela celeridad com que par-
tera os vapores da companhia francesa, com es-
pecialidade para os portos da Europa, que de ora
em diante, logo que os mesmos vapores derem o
signal de se charem fundlados, serlo fechadas
as malas que tiverem de conduzireni para" a Eu-
ropa.
Correio de Pcrnambuco, 18 de julho de 1863.
O administrador
Domingos dos Passos Miranda.
LOTERA.
^ 0 thesourciro das loteras desta provin-
icia, desejando extrahi-Us eni maior capital
e com menores intervatlos, ofiferere a vanta-
THEATRO
DE
EfflPBEZA
DE
A. .1. DIARTE COIMBRA.
Qaarta-feira 22 de julho de 1863.
A BENEFICIO
ACTOR LISBOA.
Depois que a orchestra, dirigida pelo distincto
professor Pedro Baptista, tiver execntado urna bri-
Ihante symphonia, subir scena o muito applau-
dido drama emquatro actos
O PODER DO OURO.
Findo o drama, o Sr. Penante cantar pela pri-
meira vez neste theatro a chistosa aria cmica
O SIMPLICIO IMI1AO
msica tirada da opera cmica
A VELHICE NAMORADA.
Dar fim ao espectculo, a pedido de muitas pes-
soas, a sempre applaudida comedia em um acto
O UOLL \ MU /
o:
PAGAR 0 MAL aUE NAO FEZ.
Leilao hoje 22 do correaa a BOrt*, d#ssoriacao
commercial as fino
Sitio na Canaara da viuvCMeao Evangelista da
Costa TSiva seu rendin t5,
terreno i
Para pagamento de crederes.
C.^^^?l^d.^^p^12S <8 Por cento qaem cobrar
rosa familia por ter rauitos commodos, casa para' para negocio, na quantia de 100* para cima;
escravos, feitor, cacimba com encllente agua, bom-'assim como se propoe a estabelecer eorres-
ba, tanque e casa de banho, com viveiro, baixa de, pondencias para qualquer localidade da pro-
oapim, muitos arvoredos de fructos que sena en- :.;:, am\tl__i u ~ n!,
fadunho descreve-los, com tudo se dir que tem vinC1*' remetiendo billietes, juetos e listas,
cerca de 200 ps de larangeiras de diversas quali-; soh nanea idouea; devendo o pagamento
dades, sapotis, goiabeiras, abacate, mangueira, par- delles ser feito logo que sejam receidas as
reir, emfim, convida-se aos pretendentes qoeiram' listas e
dirigir-se quelle lugar a examinar o sitio queso1
com vista sero satisfeitos :
Antonio Roberto e Jacobina.
NOVO ESTABELECIMENTO DE MEDICINA HOMEOPATHICA
RIJA MOTA M.
divide com o do Srs.
Sendo desemprnhado o POETA pelo Sr. Coimbra.
Os bilhetes acham-se venda em casa do bene-
ficiado, ruado Hortas n. 120. ouno theatro.
Principiar s 8 horas.
r
GRANDE CONCERT
VOCAL E l\STi;iUi:\TAI
NO
SALAO DO THEATRO DE SAMA ISABEL.
A IMIKIO
DA
Quinta-fetra, 23 do corrate.
PRIMFlit V 1>ARTE.
i.
2.
mortal
Ouverlura pela banda militar.
Grande symphonia quatro maos da opera Guilherrae Tell, do im-
mestre Rossini, executada ao piano pela beneficiada e o dis-
tinelo professor Innocenzo Smoltz.
3." Scena e aria da opera II Trovatore, do mestre Verdi, cantada
pela Sra. D. Egislena Santini.
i. Dueto Souvenir dell'Aiilla, para piano c rabeca por Razzini,
executado pela beneficiada e o professor Pedro Justino.
5. Caprkio para piano sobre motivos da opera Ernaui, por E. Pru-
dent, executado pela joven beneficiada.
SK.I M>A PARTE.
l. Ouvertura pela banda militar.
2." Symphonia quatro mos, da opera Scniiramide, do mestre Ros-
sini, executada ao piano pela beneficiada e o Sr. Smoltz.
3. Cavatina da opera Lucrecia Borgia, cantada pela Sra. D. Egislena
Santini.
4. O Sr. Pedro Justino e o distincto artista dramtico o Sr. Fur-
tado Coelho executaro um dueto, para piano e rabeca, de suaescolha.
5." Fantasa de concert sobre Belisario, do mestre Donizetti, por
A. Goria, executada ao piano pela joven beneficiada.
N. concert ser finalisado com um romance brasileiro, cuja poesa
e pensamenlo musical, do Sr. Dr. Barros Jnior, e a inlroducco,
acompanliamento e final, coraposto pelo Sr. maestro Francisco Santini,
que ser cantada pela Sra. D. Egislena Santini.
este o divertimento que a beneficiada destina ao publico Ilustrado
desta capital. Contando com a protecc5o do mesmo, a beneficiada lhe
protesta os seus mais sinceros agradecimentos; e com muita especiali-
dade Exma. Sra. D. Egislina Santini e aos distinctos professores, que
to generosamente se prestara, para abrillantar o mesmo concert.
Principiar s 8 horas.
Leile hoje 22 do corrente na porta da associacao
commercial s 11 horas.
Parte do sobrado n. 53 ruada Imperatriz no va-
lor de 3:000fi.
Dito-de dito n. 14 ra do Torres dito ':000.
Perteneente a massa fallida de Bastos A Lemos.
O agente Euzebio de novo submette a leilao as
partes dos sobrados cima como foi determinado
pelo juizo do commcrcio no acto do leilao sero
a presen lados os ttulos.
E em seguida iro as seguintes casas :
Ra Imperial n. 9, que rende 18; dem n.
14. do lado do nascenie. que rende \& ; ra da
Calcada n, 45, que rende 185; e ra do Forte n. 5,
que rende 85.
LEILAO HOJE 22 DO CORRENTE
ao meio dia a porta da associacao commercial.
Da casa terrea n. 67, ra da Imperatriz, rende
4005 por armo.
dem n. 4, ra Velha, rende 2645, dilo, chaos fo-
reiros.
O agente Euzebio vender em leilao por conta e
ordem de quem pertencer os predios cima
pelo maior proco que se achar, sendo que a casa da
ra da Imperatriz incluindo todo o terreno at a
ruada Ponte Yolha constando cerca de 580 palmos
de fundo c a da ra Velha n. 4, tem 4 quartos, 2
salas, cosinha fora, quintal grande, cacimba: os
pretendentes sao convidados ao previo exame, os
ttulos sero presentes.
LEILAO
DE
Bolachinha tHgleza.
O.agente Simoes far leilao por conta de quem
pertencer, de cerca de 200 barricas com bolachi-
nhas, chegadas ltimamente, em um on mais lotes:
quinta-feira 23 do corrente mez, s 10 horas o
meia da manha, no armazem do Sr. Annes, de-
fronte da alfandega.
Leilao quinta-feira 23 do correnle as 11 horas.
Da armaco da loja na ra Nova n. 16.
Por interven;ao do agente Euzebio se vender
em leilao ao correr do martello^t armaoao da loja
cima, garnte-seotraspassodas chaves cujo alu-
guel da casa razoavel.
LEIIjAO
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PEUNAMBUCANA
DE
.Vivea<;;u> costeira a vapor.
Parahjba, Natal, Maco, Aracatj e Cear.
O vapor Jaguaribe, commandante
Moura, seguir para os portos do
norte at o t'ear no dia 22 do
corrente as 5 horas da tarde. Re-
cebe carga at o dia 21, encom-
mendas, pamgeiros e dinheiro a brete at o dia da
saluda as 3 horas : escriptorio no Forte do Mu-
los n. 1.
Para Lisboa
sahe com a maior brevidade o brigue portuguez
lil'impofjoyor ter a maior parte da carga promp-
ta : quera no mesmo quizer carregar ou ir de pas-
sagem, para o que tem bon commodos, trate com
o consignatario Thomaz de Aquino Fonseca, ra
do Vigario n. 19, primeiro andar, ou com o capi-
to na praca.
COMPANHIA PERMANBUCANA
DR
\avcga?5o cos eir a vapor.
lacei e escalas
O vapor Mamanguape seguo
para os portos do sul at Macei
no dia 2o do corrente as 5 botas
da tarde. A carga ser recebida
at o dia 24 ao meio dia, en-
commendas, passageiros e dinheiro a frele at o
dia da sabida as 3 horas: escriptorio no Forte do
Mattos n. I. -
Para o Jlaranho e Para
pretende seguir nestes oito dias o veleiro e bem
conhecido brigue escuna Joven Arthur, tem a
seu bordo parto de seu carregamento ; para o res-
to que lhe falla, trata-se com os seus consignata-
tarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo 6t u, no
seu escriptorio ra da Cruz n. 1.
Para o Rio Cirande do Snl.
Segu o brigue nacional Olinda, at o fim
do corrente mez, com a carga que tiver; re-
cebe alguma a frete e por qualquer preco:
trata-se com Baltar & Oliveira, ra da Cada
n. 2C.______________________________
Para o Ararat *.
O hiate Sant'Anna, mestre Antonio Joaquim Al-
ves segu para o Aracaty at o dia 28 do corrente
mez, pde*receber ainda alguma carga|para o eme
se trata na ra da Cadeia n. 57.
LEILOES.
Para o Porto
seguo impreterivelmente no dia 25 do corrente o
brigue portugnez S. Manoel l, recebe nicamente
passageiros, para os quaes tem obedientes com-
modos : a tratar na ra do Vigario n. 10, com os
-'iis consignatarios Manoel Joaquim Ramos e Sil-
va & Genro.
Para Lisboa
O veleiro brigue portuguez Laia II, capitao A.
F. Vieira sahir no da 2o do corrente por ter a
maior parte de seu carregamento prompto : para
arga epassageiros, trata-se rom o consignatario
K. R. Rabeho, ra da Cadeia n. 55. ______
Para o Ararat y.
O hiate Nkoto I, est prestes a seguir viagem
para o-Aracaty, pode ainda receber alguma carga
pail qw se trata com os consignatarios ra da Ca-
deia n. 57. v
DE
Predios.
Um sitio na estrada de S. Jos do Manguinho
com casa de sobrado em terreno proprio, coxeira,
estribara, senzala, casa de deposito a'agua do en-
canamento, cosinha ao lado, baixa para capim; di-
versos arvoredos, murado na frente com portan e
grade de ferro.
Metade do sitiojda Passagem da Magdalena com
um sobrado de um andar, coxeira, estribara, sen-
zala, murado com grdame e portao de ferro na
frente.
, HOJE.
O agente Almeida far leilao pela segunda vez
dos predios cima pertencontes a massa fallida de
Bastos A I^mos c despacho do Illm. Sr. Dr. juiz
especial do commercio.
O leilao ter lugar na associacao commercial as
11 horas.
LEILAO
DE
DE
Movis, pianos, carros, cabrio-
lis, carroeas, ca vallo*, bois e
ouii-o* inultos ob,jeelos.
si;n i ni n
Qninta-fcira 23 do corrente as 11 1|2.
O agente Olj mpio fer leilao na ra do Impera-
dor n. 16.
IEIIAO
Mexla-cira 2A de julho.
Southall Mellors .\ C. faro leilao por iiiterveneiio
do agente Pinto e por conta e risco de quem per-
tencer de duas caxas de brim de linhs no oslado
em que se achara, s H horas do dia cima dilo
em seu escriptorio ra do Trapiche n. 38.
MOVIS E ESC HATOS.
SexU-feira 21 de corrente.
A requerimento do inventarame do finado For-
tunato Cardoso de Gouveia por despacho do Illm.
Sr.juiz municipal da segunda vara e por iutorven-
co do agente Pestaa irao a leilao os bens abaixo
declarados os quaes fazera parle do espolio do mes-
mo Uado, a saber : diversos objectos de mobilia
como sojara coinmodas, raarquezas, camas do ven-
to, guarda roupa, lenca de mesa de janlar. dita de
alinooo, 20 cadeiras de Jacaranda, 3 ditas de braco,
1 poltrona, 1 sof de Jacaranda, 1 par de consoos
de dito, 1 cama de dito, 2 pares de Linternas, 2 lia-
res de vasos de porcelana, e muitos oufros objoctos
que impossivcl e enumera-los, c assim mais os es-
cravos seguintes :
1 mulato de idade 33 annos, entondo do corioiio.
2 crioulos de 13 ditos.
1 mulato de 5 ditos.
1 prela erioula de 35 ditos, cosinha. lava en-
gomraa e cose, faz lab\ riutlio, flores e mais ser-
vico.
'l dita erioula de 37 ditos, cosinha, lava, engom-
nia e cose.
1 dita erioula do 12 a 13 annos, principio de cos-
tura.
Os quaes serao vendidos sexta-foira 24 do cor-
rente pelas 10 horas da manha na ra da Cruz n.
59, loja.
0 Dr. Sabino O. L. Pinho mudou o seu CONSLTORlO'para a loja de marmorc
ra Nova n. 43, onde continua a dar consultas todos os dias uteis desde o meio lia ate
2 horas.
Os enfermos, que o procurarem logo -na invaso da molestia, sem que bajan to-
mado qualquer remedio, nem allopathico, nem homenpathico, pagaro metade dos ih-.-cos
novos bilhetes remeftidos 0 the-: estipulados. Esta concessao tem por fim facilitar a cura de molestias, qne podem tornar-
soureirocerto da conveniencia desse negocio, i se complicadas pelos-emprego intempestivo da tberapeutica e ao mesmo tempo adquirir
ronvida aos Srs. eommerciantes da Victoria, \ Para a nomeopathia maior numero de adeptos pela batea da cura.
Goianna, Rio Formoso, Nazareth, Serinhem! Em attencao as pessoas pobres, que nao podem sabir de dia, o Dr. Sabino resol-
e mais localidades populosas da provincia, e veu dar duss consultas por semanas as tercas e sextas-foiras das seis as sete horas da
mesmo os desta capital, que o quizerem, a norte.
entenderem-se com elle, na thesouraria das 9S chamados para visites e conferencias devem ser dirjgidos por escripto ao coo-
loterias, ra do Crespo n. 15: advertindo smtoriQ desde 8 horas do dia at 8 da noite, na certeza de que sero attendidos na ordem
quereceber em pagamento e sem descont, de sua precedencia, salva a circunstancia de eminente perigo.
os bilhetes premiados de todas as loteras I ADVERTENCIA.
O novo consultorio est prvido dos melhores medicamentos, desde a primeira
ate a trigsima dynaminjsacao.
E como os mdicos hespanhes e allemes nao cessam de certificar a major efli-
cacia das ultissimas dynaminisacoes do trataraento das molestias chronicas, o Dr. nH n
oceupa agora de elevar os seus medicamentos s potencias mais altas ( por ora alo oo.' t.
afim de verificar por si mesmo a forca dynamica, qoe se lhe attribue.
- Aluga-se um preto perfeito cozinheiro e com ^ medicos, que quizerem experimentar taes dynaminisacoes poilerao dirigir
habilitacoes para casa osirangeira, por ter pratica j consultorio suas receitas, que sero aviadas gratuitamente para os pobres,
de servir com esta gente : a tratar com Jeaquim No mesmo consultorio se vende a liovissima edicn do Tlirxourn homi'ovatk .
rVii,,n^ta' T Tl estobel.ecimeUoda'ruala8ou Vademcum do homeopatha, obra iadispensmel a das que querem usar da l.om.M-
de casi'deraila.'EdlodS?me^s' 0 diz resPeit0 "* ***** bun.lanfmente neste DO*, estabe-
cosinliar,engommai-e sahir ra para comprar : | ^Cimento,
quem precisar procuro na penltima casa nova da 5SJy^>2>
ra novanicnte aberta ao lado da caixa d'agua. |
Perdeu-se2lottras da <|uantia de 615500 ca-
da una sendo a primeira a vencer-so no dia 21 de
agosto e a segunda no dia 10 do setembro sendo
aceita pelo Sr. Luiz Ferroira de Almoida.
da provincia recolliidos thesouraria da fa-
zenda provincial.
Thesouraria das loteras, 20 deiunho de
18G3.
0 thesoureiro,
^^^^ Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Fugio de bordo do brigue nacional Siqveir/t.
no dia 20 do corrente mez o escravo do nome Joo
Monjola, de naco Angico, representa ter 60 annos,
tem a barba rapada e guando aponta bastante
branca, estatura regular, delgado e muito direito,
levou vestido calca e camisa azul e chapeo de pa-
Iha, ainda hontcm foi encontrado na ribeira do S.
Jos : quera o pegar leve-o ra do Brum n. 66,
em casa de David Ferreira Baltar, que ser bem
recompensado-
.Caso pouco vulgar.
Hontm de 1 s 6 horas da tarde estiveram na os-.
cada de nieu escriptorio dous olciaes de juslica
para oxecutareni un mandado do priso na pessoa
de nieu caixeico de escripta e a re*iuerimento de
Miguel Archanjo de Figueiredo, o criine que se diz
ter omeu referido caixoiro ter aceitado um fica
de pequea quantia pe lera deixado do pagar por
falta do meios; ser pois justa a requisicao do Sr.
Figueiredo!!!
Fae.o este annuncio para que nao se suspoilo que,
os offlciaesdi; juslica tom alguma colisa eoniigo.
Jos Joaquim Gomos de Abrcu.
vrTi:\rAo
Precisa-se de um molcqtie para o servico inter-
no e externo de urna casa, e juntamente de urna
ama que lavo e eozinhe : na ra do Imperador n. \*J-
71, segundo andar.________________________ |?5
Preclsa-se il<- um Portuguez para feitor de "^
engenho: a tratar na ra Bolla n. 5, das2s3 '-Jm
horas da tarde. l^f
AlHguel de easa. '-...'
Preeisa-se alagar uin sobrado do um andar o -^
?soio que tenha commodos para nio pequea fa- A\
railia, c que soja situado no bairro da Boa-Vista. ...
ou mesmo no de Santo Antonio, e cora quintal; i ^<
nao se duvidand dar um semestre adiantailo de
aluguol quem o tivtr, dirija-so ao principio da
ra do Hospicio, sobrado do um andar com portao
de (erro ao lado.
AURORA
T, U
LARGO DA
BRILHANTE.
N. 84
SAMA CRIZ.
0 grande armazem da Aurora Brilhanle contina a vender os melhor.- I
mais novos gneros vindos ao mercado, porpreoos baratssimos.
Manteiga ingleza flor, libra: 800
Dita dita mais baixa, Ultra GOe 720
Dita hollandeza e barris pequeos
libra GiO e.......700
Dita em barris e meios. franceza
e ingleza, de 000 a ... 700
Dita franceza nova, a. 040
Cha hyssom, o melhor que tem
vindo ao mercado, a libra. 1)8200
Dito verde muito superior. 3000
Dito miudinho, a libra 2^800
Ditograudo, a libra .... 21560
Dito mais haixo, ;i 2-> a libra e 2;)O(i
Dito estrellabas do Rio, a libra
190O 8.......15600
Dito preto muito superior, a li-
bra 10500, 141800 e 2?000
Toucinho de Lisboa muito novo,
arroba ;5000 e libra. 320
Presomtos inglezes para Qambre,
muito novos, a libra. 800
Dito de lamego, a libra .... 560
Chouricas e salpices, os mais
novos possiveis, a libra. 500
Mostarda franceza om frascos do
vidro.........*00
Conservas inglezas e fraacea^
em frMOM, a......800
Marmelada muito imva dos ino-
Ihoresconcerveiros deLisbaa 720
Massa de lmate, a libra 0> a 720
Saccasgrandes com milho 0-5500,
faiinlia 05500, latvio 4/900,
arroz de casca a 4* r. 5r>000
Latas rom boiachinhw de soda a
ontras ojoadadea novas 1/509
Ditas de ameixas com 2.4 e 8 li-
bras, a I ;550(). 21600 e UM
Ditas com figos de comadre, pro-
prias para mimos, do 4 libnis 1/500
Ditas com ioi\o preparado do
melbor fljoato, a.....UMt
Ditas com sardinbas de Nantis,
a 320 o ...... M
Ditas com fructas de Lisboa em
cabla, a.......HS
.Vi ni ios genuinos engarial'adi tn>
Porto, de i 500 a .... 2-5000
Alen dos gneros aniuniciados, ba una grande iptanlidado de gneros UxUj
da melbor qualidade, e veode-se barato.
MM&M.&&&
Fj;io no dia 11 do oorronlo. Malparida, de
nn'jo Costo, baixa, eof preta, representt ter de
idade tiinia e tantos anuos, pina i>or urna perna,'
levou vestido saia branca o oamisa do algodiozinbo,'
iiuitainloii'a. Tente niindezas o lambem agua em
inn baldo listrado de azul e amarello, as t horas
da maniaa. costunia ir a rilioira carregar as qui-j
tandas das oulras, ipiamlo foge tem por costme
ir para os lugares de Ulinda. Afogados e Estrada
Nova : quem a pegar leve ao areal das Cinco Pon-
as n. i:, qoe sera muito bem recompensado.
No heceo do Marisco n. 20 ha urna excellcnte
ama do loile.
Sexta-felra 4 doeorrente.
Na rita da Cadeia n. 53.
O agente Euzebio vender em leilao diversos ob-
jectos de ouro, prata e obras de marcineiria.
AYISOS DIVERSOS.
Instituto Archeologleo e Ceo-
graphice Pernambueano.
Haver sessao ordinaria qiiinla-feira, 23 do cor-
rente, s H horas da manha.
Secretaria do Instituto. 20 de julho de 186:).
J. Soares de Azevedo,
Secretario perpetuo.
LOTERA.
Quarta-feira 5 de agosto prximo se extra-
hir a ultima parte da primeira e primeira
da segunda lotera da Santa Casa da Miseri-
cordia. *
Os bilhetes e meios bilhetes acham-se
venda na respectiva thesouraria, ra do
Crespo n. i 5, e as casas commissionadas
na da Imperatriz n. 44, loja do Sr.*?imen-
tel, praca da Independencia n. 22, loja do Sr.
Soares Pinheiro, ra Direita n. 3, botica do
Chagas.ruada Cadeia n. 45, loja do Sr. Porto
e em Apipucos-estabeleeimento do Sr. Fran-
cisco M. S. Mendes.
Os premios de 5:000/ at 10/J serao pa-
joa urna hora depois da extracto at as 4
horas da tarde, e os outros no dia seguinte,
depois da destribuicao das listas.
0 thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
<- 1IEI M TI
PORTUGUEZ DE MIlUrlA E PER-
NA! BUCO.
Na ra do Crespo n. 20. esquina, ha urna
prela moca para alagar, encllente engommadeira
e cozinheira, aluga-se para o servico de casa, pre-
fero-se alagar para alguma casa estrangeira.
Casas de campo baratas.
Aluga-se una no Montoiro. oontigua ao sobrado
e outra na Torro, margeni do rio Capibarilio. di-
trontc da ponte do Uchda, onde, depois de so ter
aponas atravossado o rio. encontra-se fcil enndu-
oao para o Recifo na linlia dos oinnilius que em
diversas horas por alii passain : ambas as casas
tem bastantes commodos, e a ultima tora una
rande planta de capim : a tratar na ra eslroiti
o Rosario n. 28, ou das 4 horas da lardo em dian-
te em ponte de L'clia no sitio do consollioiro Josij
Benlo.
u
Eu, Antonio Joaquim, atteslo reconhocer a pura
verdado, que londo niinlia muther una enfermida-
de de aborto, a saber, com a enanca morta na
barriga, proveniente de barriga de agua dita (hy-
dropezia), e estando na hora da marte, 8 j desen-
gaada de todos os entendidos, sarou em'menos de
8 dias simplesmente cora 12 plalas paulistanas
que foram appNeadas pelo Sr. Laiwrte que se aeha-
va de passagem neste lugar, ficando ella ala de
todos os seus ineommodos, e por sor vordade man.
dei passar o presente, (me vai assignado por mim,
o Sr. Jos Al Ves Ribeiro, que foi testemunha da
dita cura, o o Sr. Jos Antonio Gomes de Oliveira.
S. Joo Baptista 19 de fevereiro de 1861.
Jos Alvos Ribeiro.
Testemunha.-Jos Antonio Gomes de Oliveira.
Deposito na pharraacia do Sr. Jos Alcxandre
Ribeiro, ra do Queimado n. 15, Pornambueo.
Urna pessoa capaz e habilitada, offereco-se
liara ensinar primeiras letras, grammatica portu-
gueza e principios de nisica fra desta praca : na
ra da Lingoeta n. 1, taberna de Duarte.
Est para alugar-se urna pequea casa na
eidade de Olinda, ra de Mathias Ferreira; urna
casa terrea na ra da Gloria, e urna loja na ra
Direita : quem pretender, falle na ra das Cruzos
n. 9, penltimo sobrado do lado direito quera vai
da ra do Queimado para S. Francisco.
Callgraphia.
O caligrapho Mcndonea Belm offerece o seu
prestimo nao smente para dar licites em casas
particulares, como para copiar papis etc. O mes-
mo se offerece tambem para dar licoes de gram-
matica portugueza, arithmetica, principios de geo-
graphia e geometra : a tratar na ra Velha n. 93.
Partlcipaeao.
Iuflammaro do figado e forte inflammaeao dos
olhos.
Sr. redactor.Para fazer conhecer ao publico as
muitos e extraordinarias virtudes das chapas medi-
cinaes do Sr. Ricardo Kirk, vou contar-lhe o que
comigo succedeu. Eu tinha urna inflammaeao de
ligado que chegou a incommodar-me de tal ihanei-
ra, que, ha tres annos, j nao trabalhava pelo meu
olficio; o. alera desta nao pequea enfermidade,
soffri tambem urna forte ioflaramaco d'olhos, a
ponto de estar i>or doze annos quasi ceg do es-
querdo : com a applica$o das ditas chapas, que
em nada me incommodaram, fiquei perfeitamente
curado, em um mez, de ambas as molestias.
Sirva-se, portanto, Sr. redactor, dar publicidade
a estas linhas, para conhecimento do publico; peto
De ordem do Illm. Sr. presiacnte do conselho qual favor lhe ser grato o seu venerador.Benig-
deliberativo convocado o mesmo conselho para no Henriques da Silva.
se reunir em sessao extraordinaria quinta-feira 23 Rocoahacida verdadeira a assignatura supra pe-
do corrente, as 6 horas da tarde, na sala das res-
pectivas sessoes.
Secretaria do conselho deliberativo do Gabinete
50 barris com vinlio tinto.
HOJE*
O agente Pestaa vender por conta e risco de ?or^!ei: de Leimra etn Pern>'nbuco 21 de julho
quem pertencer oO barris com encllente vinho tin- \ ^e *'M-
to desembarcado ltimamente em um ou mais lo- A- A- ,as ,an.'os Z01^10'
tes, quarta-feira 22 do corrente pelas 10 horas da I___________,______- i. secretario.
manha no trapiche do barao do Livramento no J Aluga-se urna nreta para servico de casa :
Forte do Mattos. na ra da Guia n. .
lo tabellio
Jos Pinto de Moraes.
- Na ra do Mondcgo n. 8o cortase papel para
enfeitar pratos.
inl>iut<* mrdivo-cii'Hi'sIl'O j@
l!ua do Seve n. 28 (Illm dos Ratos) pro\i-j]
nio ponte de Sania Isabel.
ODr. Joao Hara Seve, medico partoiro
o operador contina no o\ercicio de sua
prolisso, sempre prompto a qualquer
chamado.
Recebe em sua casa escravos e criados
doentes de arabos os sexos e tambera ma-
rojos, para >> qne tem preparado conve- g
nientos accomnioilaooi-s, garautindo-lhoso j@
melbor tratamento, polo proco de 2-5 dia- j-^
rio-, salvo*oporaooos quo serio previa-
mente ajastai'
0 Sr. Joo Thomaz Pereira queira 'm-
gk-se a ra de Santa Rita n. 15, a BCMMi
If-jIOI
Atei'co.
Aluga-si- a casa da senhora viuva Machado na
estrada Nova ilo Caxang, com muito cemmodo
para familia. grande*quintol murado, com Bructei-
ras, estribara o quartos para escravos : quem prc-
tender dirija-se ao sitio Retiro no mesmo lugar que
achara com quem tratar.
Precisa-se do urna ama de loite que uo tenha
filho : na ra Direita n. -i, sogundu andar._______
Alugam-se duas casas terreas novas, cora
commodos para familia, na ra daAmizade na Ca-
punga : a tratar na ra da Santa Cruz n. 74, Boa-
Visla.
Os hachareis Ma\iiniano Lopes Macha- ^{
do oTIiom Fernandos Madeira de Castro
tem o seu escriptorio de advogacia ra
do Imperador n. 71. primeiro andar, onde
podem sor procurados todos os dias uteis
das 9 as 3 horas da tarde. Advogam no
('eclesistico, no commercio, administrati-
vo, civel e crime; e encarrogam-sc de
pfomovefqaalqaer quesfio polo centro
aesta 8 de outra qualquer provincia.
Aos absolutamente pobres tratara da
defeca dos seos direilos gratuitamente jJSf
O medico-cirurgico Antonio Jo.- Ferreira
Alvos raudou-se para o primeiro andar da casa n
14 da ra do Queimado.
PrciistTd urna ama de leite, jj
mas que tenha, quando muito at 6
mezes decorridos na criaco de que
se ache encarregada: na ra estreita
do Rosario n. 31,3o andar, por cima
do armazem de traste do Sr. Mo-
ira.
Aluga-se a rasa terrea da ra Imperial
66 : os pretendentes dirijam-se Caixa Filial.
Joo da Silva Rans, medico pela l'ni-
versidade de Coimbra, d consultas em
sua casa, na ra Nova n. 30, das 8 s 10
horas da manha', c das 4 s 6 da urde, e
recete egualmente convites para dentro
ou fra da eidade, com o fim de se enoai-
regar de qualquer servico de sua prolis-
so.
Os chamados devero vir por "escripto.
Aluga-se urna canoa nova para o trafi-
co de capim ou para familia; por preco com-
modo, e tambem sfe vende: a tratar nos Aho-
gados com Candido Theotonio da Cmara.
A pessoa que por ongano levou o romance
Rochedo dos Amores,que so achava sobre a
mesa do porteiro, na thesoureria provincial, te-
nha a bondade entregar na ra estreita do Rosa-
rio n. 18 C. que se gratificar.
escriptorio da ra da Cadeia do Recife n. 9, para o Je a de Pupa Rumha na rua da Wona
primeiro andar do sobrado n. 24 n* mesma rua, n
onde podor ser procurado das 9 horas do dia s 4 Aluga-se'o sobrado da Sra. viuva Lasserre,
da tarde, e desta hora em diante no. Hospicio, casa na Capunga : a tratar no escriptorio de R, B. Las-
contigua ao qartel ende reside actualmente. | serr & C, rua da Cruz n. 13.
Francisco Pinto Ozorio,contina a i-nl-
J{ locar denlos artilioiaos lauto por nioio de .
}l molas como pola pressa i do ar. nao re-
cebe paga alguma sem que as abras nao
Qquero a vontade de seus dMM*, leni pos
e oulras preparacoes as mais acredtada-
para conso^raco da bocea.
...... rP^j
- Francisco Pereira de Silva Santn-. lea re
tratado vender ao Sr. Bernardino Jos nV Med.-
a sua taberna rita na rua da Cailoia-.Xma n. 15
se alguem se julgar com direito a impedir -!
gooio. tonha> a bondade de dirigir-se i mesnta
Berna no praw do 3 dias. contaitos daprari i
blicacao deste. Recife. 18 de julho de IH3.- r
cisco Pereira da Silva Santos.
Escravos para aluear.
Na^ua da Gloria n. W lia para a lugar \nrn-
cravosTwra todo sorvioo.
Aluga-se a loja de um sobradmho d.i
rua da Praia, proprio para negocio, por i
no centro da rua, ou para morada t\>' |>e.|u.--
na familia: na livraria ns. G e 8 da praca da
Independencia.
DENTISTA DE PARS
19Rua ^OTa-^9
Fredorico Gautier. oiriugio deulista.
faz todas as ojieracoes de sua arle, o sal-
toca denles artificiaos, tudo com sopero-
ridade o |Tfoioo. que as [lessoas enlen-
didas lhe reconhecein.
Tem agua e pos dentificio.
Arrenda-se o engenho S. Caotano sito na en-
marca do Cabo, tem esta propriodade taerlMMK
trras para nlantaeo de cannas, rucas eu*., nv>id< -
por agua e aisla da estaco da via frrea aeret<
meia legua : qupm o pretender dirija-se a casa di*
fallecido couunendador Luiz (kmies Ferreira, m
Monilego.________________________________
No sabbado de tarde desa|>parereii da parla
do armazem Progresso do Pateo da Penha. n. M>.
urna burra castanha. (errada no qoarto t no mor
xo com o ferro B, e tem na taboa do pew>o aw
feridinha ja cncascada, foi carregada cum unu
sana de farinlia de mandioca, e yat aawm
vasias. perteneente ao Sr. Braa Camtmn !*
senhor do engenho Po-Sanlo, bontewm a ns.-
no meeme dia s 5 horas da tarde, defrwate ar-
senal de guerra, e por h*so e snpp
guem a pegasse. e pedv-se encareottaiaralr j
quemdella souber dar noticia, na
no engenho cima, ou no ai
pateo da Penha. n. 10.
Alugam-se duas escravas, urna (
lava e engomo, a outra faz wiM*^
perfeicao, ambas cainpram e faae Mp ***
de urna casa ; quem as nretrodrr dinja-se a ra
do Rangel, n. 60, .segundo amlar.____________
' __Perdeu.se urna puleeira de ouro no dia
do corrente, da igreja do Carino at o becoA ^-
cinhoda Panella; quom a achon^toTe-a a na
I Augusto, n. que ser recompensaio.



mi




I
-






Diario de IVrnanihwoo Qttarn Jeira tt de Taino le 1 Slfcl.
iNOTICIA NOTICIA NOTICIA.
A. W. Osborne retratista americano na ra
ilo Imperador partecipa ao .reqpeitavel publi-
co que elle acaba de receber dos Estados-Uni-
dos o novo e valioso proeesso da photogra-
phiaha pouco descoberto nos -Estados-Unidos,
sendo este novo systema superior a tudo
quanto at o presente se tem descoberto;
sendo o annunciante o nico eni todo o impe-
rio do Brasil, que possue o dito systema
photographico. O Sr. Osborne pode apresen-
tar as mais 'bellas pinturas sobre o papel
debaixo de um estylo nunca experimentado
neiB conhecido at boje neste paiz, os precos
dos" cartees ner3o os mesmos; A. W. Osbor-
ne na ra do .Imperador; olhem para a ban-
deira americana.
NB. A sala onde est coocada a clara boia
fei a pouco toda ratificada de novo, e adia-
se com espaeo suflicieute para aeommodar
qualquer familia por mais numerosa que seja.
Aluga-se a luja do sobrado sito na ra Nova
n. 37 : a tratar com Amaro Goncalves dos Santos,
no Passcio publico, 011 na ra Nova n. 33, loja de
lerragens. .__________________
Contina a havcr pao de ocnteio nos dias quar-
tas e aabbados de cada semana, na padaria, em
Santo Amaro, ao pe da fundicao, e na roa da Im-
peratriz n. 22, ra do Brnn), confronte ao ehafariz
n. 47, c ra do Rosario larga dt-posilo n. 36.
A (MI. 29.
Noca loja dos baralriros, rua do Queimado.
Chitas francezas limito linas, covado a 300,
310 e 360; baloes de iiamio, a 34500 \ fustao de
cores, covado a 320; cassas francezas fazenda
milito lina, a 500 ris a vara; cambraia lisa de 10
jardas, a 34500 dita tina, pega de 20 jardas, a
N5000; liias muilo linas para vestido, covado a
soo.
Ao n. 29.
Nova loja dos baratriros, ra do Queimado.
Paletots de alpaca mesclada, a 44000: camisas
inginas a 14600; briin lona de linbo, vara a 640;
grvalas de seda superior, a 500 rete; ricas abo-.
toaduras para colete, a 500.
Ao n. 29.
Nona laja iot barateiros, ra do Queimado.
Neste estabelecimento vendem-se os artigos s-
guildes por menos de metade do seu valor : franja
de algodao branca peca de 4o varas, a 1460;
bicos pretos de linbo, vara a 120, 160, 240 e 320;
botoes de veludo, de seda e de fustao, duzia 120
res; rendas finas peca de 10 varas, a 500; n-
tremelos muito largos" e milito finos, peca a 45500;
touquinhas de vidrilho para criancas, a 300 reis.
mmmmmi
m ALVICARAS A NOVIDADE. W
'' ** '
Sao cbegados loja das columnas >Ti
na ra do Crespo n. 13 de Antonio
Correa de Vasconscllos & C. riquis- ^
sinids cortes de ira muito fina com
barras estampadas e matisadas. Im-
peratriz Eugenia, cores as mais deli-
cadas como sejam: cor de ganga* de
lyrio, cinza etc., fazenda mteiramen-
le nova e nuoca vista em Peroam-
boco.
h'**!"

25 RUA NOVA 25
ESQUW DA RIA HA CA.MBA DO C.ABMO.
Trabalham seja qual fdr o tempo.
NADA m LEO deFIGADOueBACALHO
XAROPE DE RBANO IODADO
Segundo os altestadoa dos mdicos dos hospltaos de Par, consignados no Pr-ispcclo, e a anpi ovaco
devano* Acadmicos, este Xarope emprega-se com omalor successo, em lugardo OLEO DE FIGADO DE
BACALHAO, ao qual elle realmente superior. Cura as molestias de peito, as escrfulas, o lymphatismo, a
pallidez e mollera das carnes, as perdas d' appetrte, e regenera a conetituicao purificando o sangue. Em
summa o mais poderoso depurativo conhecido. Elle nunca canea o estmago ou os intestinos como o
induro de potassium e o ioduro de ferro; e adminlstra-se com a maior efflcacidade aos meninos sujeitos
.aos humores ou ao entupimentodas glndulas. O Doutor Casenavr, do hospital de San' Luir de Paris,
o recommenda d'um modo inteiramente particular as molestias da pelle, conjunctamente com as pilulas
que teem seu nome.
Depsito geral: em Paris, en casa de MM. GriMu e c, pharmaceuticos, 7, roa de la Feuillade
em Lisboa, en casa de Rciriuo da Coata-Carvalho; no Porto, en casa de Miguel Jam de Souza-
rerrclra; em o Hio-dc-Janeiro, liim Pfliolo e Dinla, ra do Sabio, 11; em Bahia, en casa de
Joa-Caetano Ferrdra-Esplnhelra; em Uto-Grande, en casa de Joaqun de Godoy ; em taran~
ho, en casa de Ferreira e C"; em Pernambuco, shoaa* e O, ra da Crui, 2; Bausa, e as prlncipaes
pharmncias do Brazil.
BAMCO L \llO
ESTABELECIDO NA CIDADB DO PORTO
' Agentes era Pernambuea
Antonio Lulz de Ollvelra
A zrvedo\'.
Sacam por todos os paquetes sobre o
mesmo banco prazo ou vista, sobre, a
caixa filial em Lisboa, e agencias, em Fi-
gueira, Coimbra, Aveiro, Vizeu, Villa-
Real, Regoa, Vianna de Castcllo, Guima-
raes, Barcellos, Lamego, Covilha, Braga,
Penafiel, Braganca, Amarante, Angra,
Ilha da Terceira, Ilha de Faias, Ilha da
Madeira, Villa do Conde, Valenca, Bastos,
Oliveira de Azmeis, Chaves e Fafe, a
oito dias vista ou ao prazo que se conven-
ctonar, no seu esenptorio ra da Cruz
n. 1.
SWi
Precisa-se de 7:0005 > premio, dando-se por
garanta hypotheca em urna propriedade : guem
tiver e quizer dar annuncie, declarando a pessoa e
o lugar em que se deve procurar para tratar-se.
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22 em casa de Caors & Barboza.
MADAMA Vil va
RA DA IMPERATRIZ N. 7.
Tem a honra de participar aos seus numerosos freguezes e ao respcitavel publico desta capital
asMn como das provincias, que acaba de receber pelo paquete francez Nacarre um completo e muito
variado sortimento de objeclos para presente, assim como recebeu tambem ricos lequcs e ricos pentes
(mar de atar cabello quer de-alisar e tirar bichos; na mesma casa encontrar o respcitavel publico to-
das e quaesquer pe fumarias dos mais afamados perfumistas de Paris, e agua para tingir cabellos.
Lavas de pellica de Jouvin.
Na mesma casa contin-se a cortar e frisar cabellos pelo preco de 300 rs., e faz-se toda especie
de cabelleira. _________________________*___________
APPROVA^AO E AUTORISA^AO.
DA
Academia imperial de medicina
E
.nula central de hygiene publica
52
0 Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
Io e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
so medica, e com especialidade
sobre o seguinte
i molestias de olhos;
2o de peito:
3o dos orgos geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rao examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias das
6 as i 0 da manba, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
cao que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus S
doentes. H
COMPRAS.
Precisa-se comprar
una parelha de bons cavallos que andem bem em
carro, hrancos ou pretos e de bonita figura, e que
nao tenliam mais que, 6. annos : dirija-se ao Sr.
Thomaz Payne na cocheira da ra da Guia no Re-
ci fe n. 1.
Compra-se um cavallo preto que tenha so-
mente os andares de trote e galope : na ra da
Cruz n. 13, primeiro andar, das 10 da manha s
4 horas da tarde.
ELECTRO-MAGNTICAS EPISPASTICAS
DE
RICARDO KIRK
Para serem appliradas s partes afferiada*, sem resguardo
nem incommodo
Compra-se urna pequea casa de_pedra e cal,
on mesmo mei-agua, que seu valor nao exceda de
800 ou 9005 : qiem a tiver. annuncie por esta fo-
lha para ser procurado.
Compra-se o romance Rochedo dos Amo-
res-jnaprac^taBoa-Visla^lo^^
Compra-se effectivamente ouro e prata em
obras velhas : na praca da Independencia n. 22 lo-
ja de bi lhetes.
h 'e v &
Alugam-se a loja do sobrado n. 193 e armazem
n. 171 da roa Imperial, o armazem n. i da ra do
ApoBo, e a casa n. 27 da ra do Burgos : na ra
lia Aurora n. 36.
*>seja-sc muilo fallar com os Srs.:
Manuel de Souza Leao Jnior.
II- aoio de Souza Lelo.
Joo da Silva Santos (empregado na estrada de
ferro.),
Jos Antonio Lopes Jnior (do Rio-Formoso.)
na ra do Crespo n. 17, loja.
ESCRIPTORIO
I>E
ADVOt ACIA
Os uadtareis Cicero Peregrino e Eduaiilo de
linios mudaram o seu escriptorio de advocacia
para a roa do Queimado n. 30, Io andar.
escri|rtorio daredaccilo da Academia Popular,
imidou-se imra a mesma casa.
Aluga-se um sitio na Capnnga Velha, com
Iwa casa de vivenda, cocheira, estrrliaria e quartos
para pretos : a tralar na ra Nova n. 3, ou na ra
da Palma n. 41.
D-se sociedade a orna pessoa que tenha pra-
liea de ncgocio.de .taberna, e tenha alguns fundos,
"ii tambem se vende, se convier a todos dous":' a
fallar na ra largado Rosario n. 31.
C aveiro.
Offerece-se um mor;o que tem muita pratica de
nfolhados para cnixeiro de qualquer armazem :
quem pretenda-, dirija-se a travessa da Madre de
Dcosn. 21._____________
O abaixo assignado declara ao respcitavel
publico que tem justo e contratado a venda de sua
loja de lotiza da 4erra, sita na ra de Rangel n.
II. com o Sr. Bartbolomeo Guedes de Mello : quem
se julgar seu credar aprsente seus ttulos no pra-
so de tres dias.Por Joaquim Ferreira Pinto,
____________Xanoel de Azevedo Canario.
(CAlIXjgllJKiP
Precisa-se de um caiteiro, luenioo de 12 a 14
filos. Portuguoz, para unta 'tabernil a urna legoa
lora desta cidade, no lugar do Arraial : quem es-
iiv.-r nestascircuuistanciai', ,diiija-se a roa do Ran-
gel n. 10, segundo andar.
Precisa-se de um caixiro para taberna : na
i un dejfianla Ocila n. 27, ou na ra do Queimado
o. 63, l(ja de miudezas.
PFRD! ~
Na uout do 18 di: corren te, perderse uma - e ira de.owo, dotheatrode Santa aabeJ at a'rua
da Cadeia ; a pessoa que a achou, pode dirigir-se
namesma ,iua, n. 37, segundo andar, quesera
recompensado.
- Precisa-se de um eoznheiro ou cozinheira :
na ra do-Imperador n. 27, defrontc da ordem
terceira de S. Francisco.___________
Criada.
Aiuga,ie por ^ mensaes urna mulata para o
mi vira interno de urna casa : quem precisar pro-
cure na estrada de Joa* do Barros, sitio de Candi-
do Alcoforado.
Muito conhecidas nesta corte e em todas as pro-
vincias deste hnperio, pelos seus infalliveis resul-
tados em todos os casos de infiamniacao, sejain ex-
ternas ou internas (rom causioy t falta de respi-
rardo) cmodo estomago, ligado, baco, bofes, rins,
tero, peito, palpitacao de coraca, gargantas.
olhos, erysipellas, rheuniatisnios, paralysa, e todas
as affeccoes nervosas, etc., etc.
Igualmente para quaesquer inehacoes, ferelas,
tumores intesttnaes e venreos, scroptralas, lobi-
nhos. papos, etc., etc., sejam qual for o sen tama-
ito e profndela, por meto da supuraco sejio ra-
dicalmente extirpados.
(Estas chapas nao podem fazer nial de forma al-
guina, ellas tem sido applieadas aos olhos com o
melhor urce-so. vejam-se os attestados de curas
completas que j foram publicados (icios jornaes.)
O uso dellas aconselhado e receitado por liaheis e
distinctos facultativos, sua eficacia incontestavel, e
VENDAS.
as innmeras curas completamente obtidas as di-
versas molestias em que foram applieadas, e fazetn
merecer e conservar a conlianca do Ilustrado pu-
blico, que ja tive a honra de merecer delle 23 an-
nos de existencia e de pratra.
N. B. Nesta corte e de todos os pontos dest
imperio recebem-sc participacoes satisfactorias e cos djas 1)elo ,)rigue s.Jfanuel I.
respeito das ditas chajias medicmaes. i____________________________________
As encomnienjas das provincias devem ser di- M, iib i,^,|i
rgidas por escripto, com todo o cuidado de fazer! Carne e qiieiJOS lio merino.
as mvessarias explieaeOes, se as chayas sao para Vende-se carne e queijos legtimos do Serid.
homem, senhora. menino ou enanca,.declarando a vimlos de conta naSr. na esquina da ra de
molestia e em que parte do corpo existe. Hof^ n.
IM.| 9 rWlan^n onde evic.e nfim ,le nne'n ehnn. sas madeiraS, Como SCJ8, camassari.
ementes.
Vende-se sementes de hortalicas muito novas :
na ra da Cadeia do Recife n. 25",chegadas ha pou-
pel, a declaracao onde existe, aim de que a chapa
seja da forma" da parte alTectada, e para que possa
ser bem applicada ein seu lugar.
PODE-SE MANDAR VIR DE QUALQUER POMO DO IMPERIO
DO BRASIL
As chapas gario acompanhadas das suas com-1 Consulta s pessoas que se dignarcm honra-lo
petentes explicacoes, e tambem de todos os acces- com a sua conlianca, todos os dias, sem excopcJo,
sicupira, car-
rapatinha e louro, com 35 palmos de comprmenjo
e 9 pollegadas de face, pode drgir-se a estacad
das Cinco Pontas, das 10 horas ao meio da, que
achara com qutm tralar.
Vende-se fumo de Garanhuns, o melhor que
pode havcr por ter sido escolhldo de primeira qua-
lidade, a preco de 1<5 a libra: na camboa do Car-
ino n. 10.
serios necesarios para suas applicacdes.
das 9 horas da inanliaa s 2 da tarde.
ESCRIPTORIO
\. 119 RA INI PARTO \. 119
E EM PERNAMBUCO
Para as encommendas ou informacoes dirijam-se pharmaca de Jos Alexandre Ribeiro,
ra do Queimado n. 15.
ALUGA-SE
O sobrado de dous andares da roa do Pilar n.
6. lindo coininodos para grande familia,-cosinha
fra, terraco e quintal com cacimba.
Aluga.se urna loja para fazendas, na ciual ja
teut armacao egaz, no primeiro local desta cidade
a tratar com Jos Hygino de Miranda.
CASA DE SAUDE
Em Santo Amaro
Do Dr. Silva Ramos.
nico estabelecimento desta natureza
que existe entre nos, montado do modo
que jiode com todo o coiumodo e zelo tra-
tar qualquer doente, qlic nella seja reco-
lldo.
O edificio magestoso e conserva-se
em perfeito estado de limpeza e conve-
nientemente mobiliado.
Os doentes sao separados, segundo os
sexos, natureza das molestias e condicoes
sociaes.
Ha quartos fortificados para os aliena-
dos, c urna enfermara para as partu-
rientes.
O proprietark) encarrega-sc de qual-
quer operacSo.
O estabelecimento franqueado qual-
quer pessoa que o queira visitar.
Primeira classe 35000 diarios.
Segunda dita.... 2500
Terceira dita.... 25000
Para que qualquer doente sejaali reec-
bido, basta que se mande o nome do doen-
te e da pessoa que o remette, com a de-
claracao da morada.
_0 pronrietario aceita contratos annuaes
eom qualquer que queira or um ou mais
leitos sua disposicao.
m
HOTEL HE PARS
Ra da Cruz n. 24 por cima da bolea
ALMOCO, JANTAR E LANCHE,
Bebidas superiores de todas as qualidades.
Calcado francez, na loja do vapor, ra
Nova n, 7.
digno de attenco os novos sorti-
mentos de calcado francez, chegado
dita loja, e mui especialmente as mo-
dernas bolinas com diifcrentes e novos
enfeites para senhoras e meninas.
"5
"5
ai
H >
> M
i
[1
Precisa-se alugar urna escrava que saiba co-
zinhar c engommar perfeitamente, de boa conduc-
ta : na ra do Queimado n. 4i, primeiro andar.
RIO DE JANEIRO.
Caixa depositara.
Este estabelecimento alm das operacoes nan-
earas quje fazem o principal objecto de 'suas ope-
racoes, ilicumbc-sc de receber alugueis de pre-
dios urbanos, juros de apolioes, dividendos de
accoes de bancos e companhias, cobranza de le-
tras e ordens a praso fixo, pondo estas quanlas
em contas corrente com juros, ou saccando a fa-
vor de seus committentes. Tambem se encarre-
ga da compra ou venda de apolices e accoes.
A commissao da cobrauja dos juros de.apolices
edividendos de accoes, compra ou vendas das
mesmas, de um por cento, e das outras cobran-
ras de 2a3 por cento.
Rio de Janeiro, ra de S. Pedro, n. 128.
.___ Costa Guimaraes de C.
O abaixo assignado, morador na villa do Pa-
fo de &unaragibe, vende s suas tres barcacas a
niw>r Abismo do Par/), de lote de 550 saceos com
Aluga-se nma escrava paa casa de familia,
*aoendo ella engommar e cozinhar : a tratar na
Capunga Nova, sitio junto ao porto de Jacobina
oo Jado esquerdo, ou na rua da Palma n. 33.
Quem precisar de nma ama para engommar
ni ija-se a rua do Amorim n. 32, a tratar com o
r-r, ,c. Afcoforado.
EraBeweo Ferreira da Silva, Portuguez, reti-
ra-ae para Bnropa. ___________
Joao Keller 4 C. como administradores da
inassa fallida de Martinho de Oliveira Borges auto-
risados pelo Illm. Sr. Dr, jniz do commercio, pa-
gamio primeiro dividendo aos Srs. credores na ra-
zio de 8 por cento.
AI ueam-so i ?f sucaT ^^.d0 ***>> ** 43 ditas; e P aiu^Miu c | pag0 de 380 ditas, promptas a navegar. Ellas sSo
Dous armazens pequeos na travessa da Sanzal-' la Vefofl, por detraz da loja n. 50 da rua da Ca- i acreditadas. Assim como vende o seu trapiche,
deia, muito prximos alfandega e ao caes do j ,mis ^m montado desta provincia, e mesmo de
Apollo, e por' isso proprios para qualquer llm e i p.ern*mbiico ; e de pedriscal e lijlo, tem capa-
servrem para um s por terem communicacao: cidade para mais de 10,000 saccas, guindaste de
trater na sobredita loja com Cunha e Silva. iferro coUocado no primeiro lugar dest villa, que
Jirt7 j o-i ~n^;------=----------- recebe todo o assucar que se transnorta desta Ri-
rJS'JSiSl."ELTSiUS!*]}:!**I m? 4<^ nafrmeda" Grosas debotesde ampara,1ra.
RUA DA
fecife numero 40.
VictorGrandin, relojoeiro condecorado com a
medalha da expo9icao de Paris, estabelecido com
loja na rua da Cadeia do Recife, participa aos seus
numerosos freguezes e ao publico desta praca que
recebeu ltimamente um grande sortimento "de ar-
tigos pertencentes a sua arte, como sejam, relogios
para algibeira de ouro e prata, e de patentes inglez
e suisso, correntes de ouro de lci, c dos mais bo-
nitos modellos ; tambem tem para vender um
chronometro martimo inglez, e de um dos melho-
res fabricantes assim como urna grande quanti-
dade de relogios para parede e para cima de mesa.
MUDANCA.
o
0 rival sem segundo mudou o seu estabe-
lecimento do n. 55 para o n. 49 da mesma
rua e contina a vender em todas duas lojas
as miudezas abaixo declaradas e queiram
prestar toda attenco:
Sabonetes inglezes muito finos a
160 e.........
Frasco d'agua de colonia peque-
no muito fino......
Dito dito grande muito superior. .
Frascos de macassar perola a. .
Ditos de macag oleo a. .
Frascos de oleo Barbosa a 240,
320e.....
Dito dito muito superior a 500 e .
Dito de banha muito fino a 400 e .
Frascos de Lavande muito superior.
Garrafas d'agua celeste muito su-
perior a........
Frascos de cheiro muito finos
500 e.........
Ditos de banha pequeos muito fina.
Dito de opiata pequeos. .
Thesouras muito finas para unhas.
Grvalas de seda de cores. .
Luvas brancas de algodSo .
Caivetes de 2 folhas muito finos.
Caixas de colxetes francezes e car-
tes.........
Grampos de caracol e lisos. .
Caixas de vidro cora 12 dedaesde
metal.........
Masso de palitos Uxadospara dentes.
400
400
500
200
100
420
640
500
500
1^000
800
200
200
400
500
100
320
40
40
tat-se para PortngRl a tratar de sua saude, e delxa; Commercio, com o fundo para o trapiche'Yotras' raf^m~f.
muradles para tratar de seus neg- 0Dras prncipaeg de lijlo, e tudo murado Sr 'CUXas COm 6 fl aSC0
lugar aoSn Domingos Antonio da Si mttii fructeiras e bastante terrario Jara plan
como s
cios, em :
va Heiris,
meida.
c5es e hortalica. O abaixo assignado est resolvi-
dc a fazer todo o negocio a praso ou a dinhero
ou como convier ao pretndeme, propria para
de morar na praca : a tra-
--------------~..wS de cheiro.
em, Escoyas para cabello muito finas
Os senhores credores da massa fallida de
Camargoi Silva, sao convidados pelo presentena-, Quem esta aborrecido
ra apresentarem seus ttulos de divida aos admi-1tor mesmo trapiche com o propietario.
nistradores dapredita massa, na conformidade do _,_________Joaquim de Souza Silva Cunha.
disposto no artigo 859 do cdigo co^Bniercial, para Manoel Ribeiro da Silva vai ao norte desta
em fluida se proceder o rateio.
provincia a negocio.
Carteiras de marroquim mui to finas.
Pecas de tranca lisa encarnada. .
Tinteiros com tinta muito superior.
Ditos de vidro cora tinta mais in-
ferior. "......
Cartas de alfinetes francezes ,
Cornetas de chifre para meninos
320
160
320
1#000
640
640
20
160
100
40
80
Canos de ferro.
Na rua da Gloria n. 89 vendem-se canos de fer-
ro de meto ik>I legada, ptra agua ou gaz, a 160 rs.
o palmo inglez.
Vende-se a loja de calcados da rua do Lfvra-
mento n. 35 : a tratar na mesma na n. 29.
Vende-se a dinheiro ou a praso a taberna da
rua do Imperador n. 2, com poucos fundos, muito
propria para um principiante : a tratar na travs
sa da Madre de Dos n. 18, armazem, ou na mes-
ma taberna.
RETRATOS
DO ARTISTA
riiifiifi) mw
Mudamente Ivtographados em Paris, viudos pelo
paquete Navarre.
Prefo de cada retrato 19500.
Vende-se na loja de livros ao pe4 do arco de San-
to Antonio.
~ Vende-se
Penlta n. 12 : a
a taberna sita no paleo da
tratar na mesma.
\o utMizEi di nwmm muta
DI
SIXTO COELM
Rua do Queimado 19.
Vende-se o segntate:
Cobertas
de chita da India, a 2:ooo rs.
Lences de '
de linho, a 2:ooo rs.
Leneoes de branaiir
de linho, de um panno s, a 2:8oo rs.
Toalhas alcorkoadas
para m5o, pelo haratissimo pre?o de 5:ooo
rs. a duzia.
Riros veslidUMt
de seda para meninas, pelo baratissimo pre-
co de 4:ooo rs.
Lentos de srrf
pelo barato preco de l:ooo rs.
Saias dr rusta*
pelo haratissimo preco de ::.'mh> rs.
Lencos de ramoraia
Poliissu da Russia.
Acaba de chegar pelo brigue hamburguez
Otto, muito nova e superior; vende-se so-
mente no antigo e acreditado deposito na rua
da Cadeia do Recife, n. 12; onde tambem se \ hrancos finos, proprios para algibeira, duzia
vende cal de Lisboa muito nova c precos,a :8o e 2:ooo rs.
commodos. I !?
------------------------------------------------ finissimos, proprios para algibeira. pelo ba-
I"1 A C 1 C I 4 L'VIU ratissimo preco de 2: 4*> rs. a duzia.
LAdiW A V Lili)A. I fortes de caira
de ganga mesclada, de listas e de .pwdrrw,
OcorretorgeralMacdo, est competentemente fazenda superior, pelo kiratissimo prero de
aulorisado a vender as seguintes propnedades ; a i.900r,, A crlf* ^^ l"^" w
Pef a de madapolo
largo superior, pelo haratissimo jirero de
8:ooo rs.
Pecas de hrefaaha (
de rolo com lo varas, pelo barato prero de
3:2oo rs.
Pecas de cambraia
de salpicos, fina, com 8 12 varas, pelo ba-
rato preco de 4:ooo rs.
AtoalbadM de liib*
com 8 palmos de largura proprio para toa-
lha de meza, a 2:5no rs. a vara.
Toalhas
de linho para meza, a dsmn rs.
Barege
de lindos gostos, pelo Ijarato prero de Wo
rs. o covado.
Esleir da India
propria para forro de sala, de 4, 3 e 6 pal-
mos de largura.
saber :
Xa rua da Palma casa terrea n. 'i.
dos Copiares casa terrea n. 12.
do Rangel sobrado de um andar n. o.
> dos Pires casa terrea n. 2i.
dojlurgos sobrado de 2 andares n. 11.
travessa do Pocinlio casa terrea n. 10.
rua de Bertas metade da casa terrea n, 68.
dos Pescadores a 7" parte da casa terrea
n. 26.
do Rosario da Roa-Vista dita dita da ca-
sa terrea n. 47.
do Farol dita dita da casa terrea n. 32.
do Pilar dita dita casa terrea n. 51.
Um excellente armazem na Gameleira jnnto a
estacao da va frrea.
N povoacao do Poco da Panella casa tenca n. :i
dos Ai'ogados rua de S. Miguel casa
terrea n. 87.
Quem as pretender pode dirigir-se* ao supradito
corretor na praca do commercio^_____________
Vende-se a armacao da loja n. 16 da rua Nova,
invernisada e iluminada a gaz : a tratar na mes-
ma rua n. 40.
PINTURA.
Tinta branca de massa muito nova, em la-
tas de 28 libras para casas, para navios, para
a companhia do gaz, a 2oo rs. a libra: rua
larga do Rosario n. 34.
TODE-SE
no armazem da bola amarclla, no oitao do gaz da
rua do Imperador, verniz ou alcatrao do gaz, pelo
preco do gazometro, adiando os senhores compra-
dores barris que levam de urna caada a vinte e
quatro, por barato preco : no mesmo armazem.
ilniimu as las baratas.
Superiores las de cores de qtiadrinhos a\
lisas, fingindo sedinhas de duas larguras,
pelo haratissimo preco de 500 rs. o cova-
do : na loja das columnas rua do Crespo n.
13, de Antonio CoKra Vasconcellos & C.
GAZ.
Xo armazem de louea da porta larga, rua larga
do Rosario n. 26, vendem-se latas com "i galota 08
gaz a I --"i. assim como latas de o garrafas, c em
garrafas muito em conta ; garante-se a qnalidade.
CAL DE LISBOA
Vende-se cal nova de Lisboa : na rua da Cadeia
n. o3, escriptorio.
J se nao vende dase
J.
No atierro da Roa-Vista n. 65, vende-se
gaz da melhor ipialidade, refinado, parifi-
cado,- pelo barato preco de 12-5, gafo
ifSOO, garrafas trazando vazia 560 rs., val
a pena, pois, duas passadas. A etie antes
que se acabe: quem quizer em porco da-se
mais barato. .
liua da Senzaila 42.
Vende-se, em casa de S. P.JohnstonC,
sellins e silfioes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lunas nuezas, lio devb,
chicotes para carros e monlai 1.1. arn-tos para
carros de um e dous cavaJIns. a r.|igiosde
ouro patente inglez.
FOCO EM MIUDEZAS
Rua do Queimado numero li.
Agua de Vcchy natural.
Chegada ltimamente pelo Solferino : rua
da Cruz
& C.
n. 2. armazem do Isidoro, Netto
Pecas de tranca dr 13a li>a > iw-ai nada a W n.
Ditas de dita iU- caracol prcM la eom a 6o r-.
Ditas de dita dita branca i- nii-sclada a lM> r-.
Caixinhas com 18 parvs de raictoiH 4a km a
Un.
Ditas com 18 pares de ditos francezes a 4 rs.
CartoVs com I i pares de ditos francezps a 40 r*.
Ditos eom t pares de ditos Inbmbbi lavradosa
60 rs.
Ditos com 2i pares de ditos MH i JiariaPu
Vendem->-c caixcs vazios pro- *8.'"S- ,- ^
.... iflnon I'ares de sapatmhos de lia para enanca a -1O r-.
pnos parabaholeirosa I$o0, ua rtalToooninhasdehu para S^mTm m, a*
das Cruzes o 44. ^ v1^' f i .1a
_________ 5 Masaos de aljofares hrancos -a 160 rs.
Pechinas de froco de seda afati e li cores a 160
e 3*) rs.
Carreteis de linha de cores de 100 jardas a 3t rs.
Caixos de linda.- flores para enfeites a li) r?.
Lindas eapellas para meninas c noivas a 4-SS00 -
:5000.
Lindos enfeites para senhora a :l c W.
Bides de tinta preta ineleza a 100 ri
Duzia de lapis de pao a 80 e 120 rs.
Grvalas de seda de bonitos gostos a 160. i\t).;
320 rs.
Duzia de facas e garios rravados a 34.
Luvas brancas para homem e senhora a 120 rs. e
160 rs.
Ditas de Escocia para homem e seabora >U0
300 rs.
Ditas de seda para senhora a 800 e 14900.
Duzia de botoes de seda para rasaveqne a 120 r*.
Dita de liotocs preto de diiraque para paieM a
120 rs.
Dita de botoes de metal cm figura para do a
120 rs.
Dita de botoes de louea pintados. p.fiaenos e graa-
des a 20 rs.
Dita de cordas de viola a 120 n>
Luvas de linho cor de caf e de cores a H9 rs,
14200.
Ditas de retroz de con a 8 e 144
Pecas de 10 varas de bico 1s Varas de bico preto largo a 160, 240 e .Trs.
Tesituras grandes de Guimaraes para alfaiale a .180
e 14000.
Ditas pequeas linas para nnha e costara a 240,
320 e 400 rs.
Pentes de atar cabello a 120 e 240 rs.
Ditos de massa em eaixuiha a suo. 800 e 14
Ditos de tartaruga, ultimo gosto, a 4 e <4-
Pares de lientos para marrafa, ariiaafiaa a W rs.
Ditos de ditos linos a 14
Ditos de ditos de tartaruga a 24 e 34
Frascos com tinta de cores a 320 r*.
Resmas de papel alian) liso a 24-100 e 34.
Ditas de papel de peso liso e pautado a SBW
34500.
Groza di; pennas de lanca a 800 e 14200.
Lapis de diversas qualidades a 20, 46 e 40 rs.
Ditos de cor azul e encarnada a 120 rs.
Caixas de ohreias de cola a 8* e ISO rs.
Ditas de lamparinas parf 6 meaai a 80 rs. ,
Ditas de lamparinas do gaz a 160 rs.
Pecas de fita de seda de diversas cores a 320 rs.
Rendas, bicos, hallados, labyrintios e I
differentcs larguras, titas de seda e
franjas e gregas pretas e de cores, a bbms *> i
outros objeclos, (pie se vende lado nato atis
rato do me em mura rnialqner parle: ver
crer, na rua do Uiicjmado n. 16.
Ciaz ua cidade de Ollnda.
Vende-se gaz liquido de primeira qnalidade a
610 rs. a garrafa e em porcao mais barato : na cj-
dade de Olinda rua de Matlias Ferreira sobrado em
que.morou o Sr. major Salvador.
S NO PROGRESSIVO
B--)Largo do Carmo-O
Vende-se latas de 1 '/j libra de amaizas pelo ha-
ratissimo preco de 14, assim como tambem caixas
de 2 arrobas de batatas pelo diminuto preco de
24800 a caixa.________________________
IMITES DE BOU
GOSTO
A loja da Aurora, na rua larga do Rosario n.
38, recebeu ricos enfeites de froco enfeitados conl
aljofares, obra nimio bem feita e da mais moder-
na que tem chegado, a qual se vende barato, assim
como tambem tem um grande sortimento de miu-
dezas linas : quem quizer venha ver para verificar
a qnalidade e preco, pois a vista faz fe.
Casaem Olinda.
Vende-se ou aluga-se por preco commodo a casa
terrea na ladeira da Misericordia n. 16, esquina.
lado do puente : a tratar na mesma cidade, rua de
Malinas Ferreira n. 1, com o Sr. Jos Jacintlio Pa-
vao, ou na Boa-Vista, ilha dos Ratos, rua do Seve
n. 16,- com Jos Maria Seve.
Vende-se sal de Lislma |mr junto e a retalho,
mais barato do que em outra qualquer parte : na
rua da Lingoeta n. 14.
Vende-se a taberna sita na travessa dos Ex-
postos n. 18 : a tratar na mesma.
Armacao de taberna.
Vende-se a armacao que foi da taberna da loja
da rua Direita n. 2o, nella existente : a tratar na
mesma rua n. 91.
VE1BE
urna excellente estante de livros envidracada, que
servir tambem para um guarda-louca com a res-
pectiva commoda, compreliendendo dous impor-
tantes segredos de superior madeira, um cabide
ile roupa e um lavatorio por haratissimo preco
vista das obras : a tratar na rua da Impcratriz, ou
na botica da praca da Boa-Vista, becco do Tambi.
Vinho Figueira
a 360 e 320 rs. a garrafa e a caada a 24300, quei-
jos novos a 14600, afianca-se a qnalidade: no ar-
mazem da estrella largo do Paraizo n. 14.
SITIO.
Gaz liquido \f.
Vende-se na nova e.vposico
ros a gaz, na rua Nova n. 2i,
de 1." qualidade e nao i
contendo cada lata 27 garrafts, que
convem a quera gasta este lquido: i
Nova n. 24, loja de Carneiro Vianna.
tm
Defronte da igreja dos Afflictos vende-se um ter-
reno com 300 palmos de frente e mais de 1,000 de
fundo, com urna excellente baixa para capim, tem
na frente urna casa em caixao, com 4 janellas e 1
Srta na frente, o sitio tem muitos arvoredos de
icto, muito proprio para quem queira morar per-
: to da praca : a fallar com Francisco Jos Feman-
des Pires sobre o ajuste : no largo da Santa Cruz
I n. 84, armazem de molhados da aurora brilhante.
! Vendem-se llnguicas de carne de porco mui-
to suportar* na rua do Rangel n. 30/ a 480 rs. a
libra.
Farinha de mandioca
em saccas grandes, e de superior
de: no armazem de Tasso Inaos, rao
Amorim n. 35.
Lingua Inglesas
em salmoura: no armazem de T
rua do Amorim n. 35.
Vende-se urna preta de tt aaaaa da
sabe engommar, coswhar, lavar a eaaar; a
protender, v a ruado Anwrn, a. 9k\ sjai
com quem tratar.
(



V

Diarto de Pmirfiilrae* Quarta elra 62 de Julho de 18*46,.
NOVA EXPOSig&O
Com 8 1/2 Ttras, a 2:500 rs. vende o Pavo.
Pegas de cambraia transparente com pal-
minhas bordadas de cor," tendo 8 lj2 varas
na toja d-PaYo, de fazendas bara-^da peS> a 5oo; ditas mais inas, a
tissimas. 30500; pecas de cambraia de salpico hran-
:. '., co com 8 li2 varas, a 40: s na ruada
Ncsle estabel mente um grande sortimento de fazendas r
de gosto e de primeira necessidade, sendo Cortes de cachemira da Escocia, a 2:000, na
tanto proprias para a praca, como para o loja do Patio,
mato ; de todas as fazendas do-se livros de vendera.se esta nova fazenda muito encor-
amostras, deixando ficar penhor, ou man- a imitacao de casemira, tendopadn.es
dam-se levar em casa das familias pelos ca-( lsemos e aIegres> afiancando-seque nodes-
' bota, a 20 o corte para calca, ou 580 rs. o co-
vado para paletot, colete etc.: s na loja do
/
xeiros da loja do Pavao.
Lia com 8 palmos de largura,
na loja do Pavio.
Vendem-se laazinh entestada propria para
vestidos, com 8 palmos de largura, sendo
fazenda mais moderna que tem vindo ao
mercado pelo baratissimo proco de l #600 o
covado: s na ra da Imperatriz n. GO, loja
do Pavo.
Las para vestidos, a 6SO- rs..
so na loja do im >.
Vendem-se Bazinhas enfestadas proprias
para vestidos, pelo barato preco de 280 rs. o
covado, sendo muito mais barato do que chi-
ta ; ditas transparentes, a 240 rs.; ditas la
e seda, a 440 rs. o covado: s na ra da
Imperatriz n. GO, loja do Pavo.
Cassas a oo rs. o covado.
Vendem-se cassas francezas* de padres
miudinhos e cores fixas pelo barato preco de
200.rs. o covado; ditas finas a 340 e 320
rs. o covado : s na ra da Imperatriz n. 60,
loja do Pavo.
Organdy, a 'JO rs. o covado.
na loja do Pavo.
Vendem-se organdy de cores matisado, fa-
zenda que val muito mais dinheiro, pelo ba-
rato proco de 240 rs. o covado ou 400 rs. a
vara: s na ra da Imperatriz n. GO, loja
do Pavo.
O Pavo vende os modernos ves-
tidos balo,
com barras Maria Pia, sendo os mais
modernos que que tem vindo ao mercado,
com a saia de um s panno, tendo bastante
fazenda para o corpo, e vende-se pelo barato
preco de 30500 cada um: esta pechineha
s existe na ra da Imperatriz n. 60, loja e
annazem do Pavo.
Cortes de fantasa, a <& na
loja do Pavo.
Vendem-se ricos cortes de cambraia fant-
siadas seda, pelo baratissimo preco de 60;
ditas, a 40 ; ditas, a 3*500: s na ra da
Imperatriz n. 60, loja e armazem do Pavo.
Cortes de cambraia, a *#5 na loja do Pavo.
Vendem-se cortes de cambraia brancos com
babados, a 20500; ditos, a 40; ditos com
barras e babados de seda, a 30, 30500 e 40;
s na ra da Imperatriz n. 60, loja e arma-
zem do Pavo.
Cortes de cambraia chineza, a
J.- na loja do Pavo.
Vendem-se ricos cortes de cambraia chine-
za, os mais modernos que tem chegado, sen-
do brancas com lindissimos padres, pelo ba-
rato preco de* 40 cada norte, tendo bastaste
fazenda para um vestido: isto s na ra da
Imperaiz n. 60, loja e annazem do Pavo.
Alpakim ou gorguro de linho,
a IO rs., sO no Pavo.
Vendcm-se alpakim ou gorguro de buho
proprio para vestidos e roupas de enanca,
rielo barato preco de240rs. o covado: s
ua ra la Imperatriz n. 60, loja do Pavao.
Baldes a 3500, s o Pavo.
4
Vendem-se balos americanos que sao os
melhores, tendo 20 arcos, a 3*500; ditos
ile 30, a 40500; ditos de 40, a 50 ; ditos
de bramante, a 30500 e 40; ditos para me-
ninas, a 20 e a 30: s na ra da Impera-
triz n. 60, loja e armazem do Pavo.
Vestidos para menino, a 'ft.
Vendem-se vestidinhos para meninos, sen-
domuito benj feitos, a 20 cada um : s na ra
re

Arara vende as colxas.
Vendem-se ricas colxas aveludadas para
cama a 80000, ditas de fustlo a 50000, ditas
de chita a, 20000, brim de linho e algodo
braneo a 800 rs. a vara, dito de linho puro
a 10,10120, 10280 e 10600 a vara; na loja
da arara ra da Imperatriz n. 56 de Mendos
Guimares.
Baldes da arara de 6 O JO
arcos. t
4S--RUA DIEEITA--45
Pavo, ra da Imperatriz n. 60.
Os paletots do Pavio, assobrecasacado a 12:000 rs
Vendem-se paletots de panno, sobrecasacas
de panno preto muito bom e muito bem
feitas, a 120: sobrecasacos de dito, a 140;
paletots sacos de dito, a 70; caifas de cache-
mira da Escossia, a 30 ; ditas de casemira
preta, a 50; ditas de casemira de cor, muito
fina, a 70 e a 50500; coletes de casemira de
cor e preta; paletot de casemira de cor,
a 7$; tudo isto para apurar dinheiro: s
na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
Fazendas brancas, na loja do
Pavo.
Vendem-se pecas de madapolo enfestado,
fvancea, com 20 varas, a 80; ditas com 12
jaulas, a 40 ; dito inglez muito fino, a 70,
70500 e 80; ditos muito superior, a 100;
ditos de 40 jardas muito fino, a 40800 e a
50600; algodozinho muito encorpado, a
40800, 50500 e 60; bretanha com 4 pal-
mos de largura, muito fina, a 10 a vara
peras de cassa de cordo para babados, com
6 varas, a 30500 ; ditas com 12 varas, a 70:
Os manguitos e gollnhas do
Pavo.
pechiucha, a 320 e a 100 rs.
Vendem-se golinhas de fil, bordadas, a
400 rs.; ditas de cambraia, a 320 rs.; cal-
cinhas para meninas, a 500 rs.; manguitos,
a 500 rs.; manguitos com golinha, a 800
reis ; manguitos de cambraia, a 320 rs.: s
na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
Lazinhas a 200 rs. o covado.
Xa loja do Pavo.
Vendc-se lazinhas de cordaozinho de urna s
cor, sendo azul claro, azul escuro, ferrete, cor de
caf claro e escuro, alvadio, roxinhas proprias pa-
ra luto, sendo fazenda que val muito mais dinhei-
ro vende-se pelo diminuto preco de 200 rs. : s na
loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Pechinclia, a 500 rs. o covado,
s o Pavo.
Vendem-se as mais modernas lazinhas
enfestadas, transparente, tendo 4 palmos de
largura, e sendo lizas e de quadrinhos, de
urna s cor, propria para vestidos e capas,
a 500 rs. o covado: s na loja do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
GRANDE LIQUIDAQAO
de fazendas para apurar dinheiro, por
baratissimo preco na loja c arma-
zem da arara ra da Imperatriz 11.
56 de Lourenco Pereira Alendes
Guimares.
ALERTA FREGCEZES, 200 RES.
Vendem-se lazinhas com pequeo toque de
mofo para vestido a 200 rs. o covado, moias
para meninos a 100 rs. o par, ditas para ho-
mens a 120 rs., lencos brancos finos a 200
rs. cada um ; na loja da arara ra da Impe-
ratriz n. 56.
Arara vende vestido tic chita a
3#000.
Vendem-se cortes de chitas oscuras com to-
que de mofo a 20000, ditas limpas sem
mofo a 20500 e 30000, cortes de cassa de
cores de barras a 20000, ditas de cassa pin-
tadas a 20000; na ra da Imperatriz n. 56 de
Mondos Guimares.
Organdys da Arara a JO.
Vendem-se organdys finos para vestidos a
240 rs. o covado, cassas finas a 240 rs. o
Eia, rapasiada, coragem! parece queja
entregastes os vossos joanetes aos duros sei-
xos do pessiino calcamento da nossa cidade !
S se observa em vossos ps botinas acalea-
nliadas e gastas at ultima sola;. sapatoes
rasgados e quasi sem saltos.... nem tanto !
Vendem-se os melhores baloes que tem ja quebradeira nao deve chegar at este pun-
vindo americanos de 20, 25, 30, 35 e to Vinde ra Direita munir-vos de excel-
40 arcos, a 40, 40500 e 50, ditos de ma- e calcado com 40 e at 60 por cento
dapolo bem feitos a 30500 e 40, ditos de menos do seu valor.... attendei:
brilhantina a 40500, bales saias de cordo Borzegums, Nantes, bezerro e va-
que faz a vez de balo a 20; na ra da Impera-
triz arara n. 56.
Arara vende manguitos a
OOO.
Vendem-se manguitos e golinhas de linho a
20 o par, golinhas para meninas a 400 rs.,
ditas para senhoras a 400 rs.; na ra da Impe-
ratriz n. 56.
ntremelos da arara.
Vendem-se pecas de entremeios transparen-
tes a 10, tiras bordadas de largura de 3 a 4
dedosa 10280 e 10600 a peca, cortes de la
Maria Pia a 40, ditas de la chineza com
22 covados a 80, ditos de organdys com 15
varas a 80, ditos com 9 varas a 60500; na ra
da Imperatriz n. 56, arara de Mendos Gui-
mares.
queta 2 e meia solas 80500
Borzeguins, Nantes, bozerro, va-
queta e lustre 2 solas. 80000
Borzeguins, francez e hamburguez,
bezerro, lustre e couro de por-
co 70e........ 60000
Sapatoes, Nantes, bezerro c vaque-
ta 2 e meia solas..... 50500
Sapatoes, Nantes, vaqueta, lustre e
bezerro 2 solas...... 50000
Sapatoes, Nantes, sola e vira. 40000
Borzeguins para senhora, inglezes. 40000
Ditos para menina, com laco. 30500
Ditos de ditas, de cores. 20800
Sapa tos para senhora e homem,
tapete......... 800
Sapa tos de borracha para senlior a. 10 400
dem idem para meninas. .- 10000
Sapatos de lustre para senhora. 10000
Idom de lustre s avessas 500
ARMAZEM DE MOLHADOS
DE
^Sc
anoe\
*


S W
LIQUIDACAO
da
de fazendas baralissimas, na Boa-Vista, ra
Imperatriz n. 20.
Cambraias adamascadas com 20 varas a 80.
Ditas com 8 ditas a 2f>.
Ditas lisas com 8 ditas a io.
Fil liso muito tino a 800 rs. a vara.
Chales de merino estampados a 40.
Madapolo entre-tino com 20 varas a 80.
Gasemiras linas de urna s cor a 1600 o co-
vado.
Algodo monstro, superior fazenda para toalhas
e lcnees a 800 rs. a vara.
Bramante de 10 palmos de largura a 10600.
Grvalas de seda a 320 rs.
Oleados de diversas larguras c de ricos desenhos
para mesas de jantar a 20 o covado.
Flanolla branca muito lina a 640 rs. o covado.
Riscadinhos de linbo muito finos para vestuarios
de enancas a 400 rs. o covado.
Chitas escuras e claras, padres inteiramente
novos e muito finas a 400 rs. o covado.
Lazinhas chinezas muito superiores a 500 rs. o
covado, c outras muitas qualidades de fazendas
precos muito commodos, afim de apurar dinheiro,
dando-se de tudo as competentes amostras.
Um confeito e especifico para
expellir qs Vermes,
rea
&
cesi

w
p
H

(9
j
fi
H
H
3
O
es
13
a
r-
r-*
n>

da Imperatriz n. 60, loja e armazem do covado, popelina de quadrinhos para vesti-
Pavo.
Corte de ehlia. a 9500, na
loja do Pavo.
Yonilttu-se cortes de chita com 12 1]2 co-
vados cada um, a 20500; ditos com 10 cova-
dos, a 20; cortes de cassa miudinha de co-
res fixas com 10 covados, a 20; ditos de
organdy mathisado com 10 covados, a
20400: s na ra da Imperatriz n. 60, loja
do Pavo.
As casemlras do Pavo pechln-
cha a ~#.
Vendem-se cortes de casimira franoeza para
calca, fazenda muito fina, padres-claros e
escuros, a 50 corte: s na loja do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60.
O Pavo vende a 30 e 305OO
cortes de la, a 30 e-30500; ditos com 22
covados, a 50', s na ra da Imperatriz n.
00, loja e armazem do Pavo.
s na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
Fisto do Pavio.
Vendem-se fusto com lavr miudinho
para roupa de meninos, a 320 rs. o covado;
brim de linho de quadrinhos para roupa de
meninos, a 560 rs. o covado; ganguelim
de urna s cor, a 320 rs. o covado; popelina
de la, de quadrinhos encarnados e pretos,
para vestidos de senhoras e roupa de meni-
dos a
arara
Arara vendo as lazinhas dos
vestidos.
Vendem-se lazinhas muito finas e lindos
dezenhos a 400,.440, 500 e 640rs. o cova-
do, chaly muito fino a 500 rs. o covado; na
ra da Imperatriz n. 56 arara de Mondes
Guimares.
FAZENDAS.
\ov estabeleeimento de Custo-
dio, Carvalho & C.
27Rtia do Queimado27
Preco barato 260 rs.
Superior fusto francez, proprio para
roupa de senhoras e meninas, de lindos de-
zenhos e polo barato preco de 260 rs. o co-
vado. "
Madapolo
Madapolo fino enfestado, com 20 varas,
a 80 a pora.
Orgamhs.
Finos organdys matizados, a 210 rs. o co-
vado.
corte
de cohete de fusto lino, para roupa de me-
ninos, a 320 rs.
Bretanha.
de linho fino, pecas, a 50500.
Lences
de linho fino, pelo barato preco de 20.
CoM-tas
de chita chineza, a proco de 20.
Calcinitas
de linho para senhoras c meninas, a 600,
800 l#.
Golinhas.
Calcinhas bordadas para senhoras e meni-
nas, pelo barato proco de 20500.
Bramante
de linho com 10 e 12 palmos do largura, a
20800, 20 e 20500.
La.
Lindas las para vestidos, a 440 rs. o co-
vado.
Lencos do cassa, a 16600 a duzia.
Corles
280 rs. o covado; na ra da Imperatriz de meia casemira para calca, a 20 cada
n. 56 de Mendos Guimares. C4-,rte> pr0pria para a presente estaco.
um
SEM SEGUNDO.
Ra do Queimado n. So, loja de miudezas de
Jos de Azevedo Maia e Silva, est vendendo todas
as suas miudezas por presos que todos admiram,
como sejam :
Varas de aspas para fazer balScs. .
Caixas com" superiores obreias ....
Pares de liotoes de punlios a .
Pares de sapatos de tranca muito finos
a ifittOc .......
Pecas de titas de velludo recortadas com
lo varas a.......... l&oOO
120
40
160
10800
Roupa feita da arara.
Vende-se costumescompletosdumafazenda
Chineza por 120 o costume, paletots de brim
a 20500 e 30000, ditos de meia casemira
escura a 40 e 40500, paletots finos a 60500
e 81000, calcas de meia casemira a 30000, .
j.,"y' KO"n\ n cenAA j, An K;. 4 Caixas com muito superior papel amiza-
ditas finas 0OO e 00000, ditas de brim a de e outros a ........
20500 e 30000, ditas de brim braneo a 40,! Massos com superiores grampo's a! '. '.
casemiras francezas a 10600 e 20000, ditas Caivetes de aparar penas a. ....
linas a 20500, ditas de linho a 30000, ce- 'Agulheiros com agullias a .....
i r ^7--' i a/v\ m;,.n .i _u Duzia de meias brancas para homem,
roulas francezas a 10600, camisas de meia a muit0 finas a .......; i.jgoo
800 e 10000; na loja da arara ra da Impe- Duzia de meias'para'senhora,' fazenda'
ratriz n. 56 de Mendes Guimares. fina a. -........
\ Cornetas de chifre para meninos a .
Oh! que pechincha a 240 rs. : Escovas para limpar denles muito finas .
I Baralhos de cartas para voltarete muito
Vendem-se chitas francezas escuras com pe-1 finas a...........
de mofo a 240 rs. o covado, .Ditasporiuguezasa 160 e
700
40
80
80
35600
80
200
\
3*0
500
queno toque ^ .. .o. r""y"'"Fraseos de agua de Colonia muito boa a
ditas inglezas com pequeo toque de mofo 400 e. ........... 500
a 200 rs. o covado, pecas de ditas francezas Ditos de oleo babosa a 240 e. .
com pequeo toque de mofo a 80000, pe- Diios com superior oleo de macaca
cas de dita?inglezas escuras cores fixas com g!ffi!^EL
a
cas e ditas inglezas ~o "~~V~~ Ditos com superior banhatransparentc a
pequeo toque de mofo com 38 covados a Di[os com su'perior ch(,jro a.
nos a 10 o covado: s na ra da Impera-17^^00, a ellas freguezes antes que se a ca- Ditos com superior agua celeste para
ir*n 60 loia e armazem do Pavo bem; na loja da arara ra da Imperatriz n. cheno ..........
triz n. ou, toja e armazem uo rdvdu. > Trancas de algodo brancas c de cores a
500
100
200
H00
500
< hegaram em dlreltura a loja
do Pavo.
Venem-se a 1:600 rs. o covado.
Acaba de chegar pelo ultimo vapor, um
lindo sortimento de lazinhas transparentes,
tendo urna s cor, lizas e de quadrinhos
miudinhos e mescladas, propria para vesti-
dos de senhoras, capas e zuavo etc. Tendo
esta fazenda & palmos de largura, que se
pode fazer um vestido at com 5 covados,
sendo neste artigo a fazenda mais leve que
tem vindo ao mercado, vende-se a 10600 o
covado, nicamente: na loja do Pavo, ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Chita largas a 280, s o Pavio.
Vendem-se chitas francezas com toque de
mofo, tendo padres miadinhos, a 280 rs. o
covado, aiancando-s sercrfixe e que solta
o mofo logo que se lava: s na ra da Impe-
ratriz n. 60, loja do Pavo.
56 de Mendes Guimares.
Caixas com superiores obreias de colla.
Madapolo franeez enfestado a Bolsinjias muito bonitas para guardar di-
4*000.
Vendem-se pecas de madapolo francez fi-
no enfestado com 12 jardas a 40 e 40500,
dito inglezes fino de 24 jardas a 70, 80, 90,
e 100000, pecas de algodo encorpado a 40
40500, 50 e 60; na ra da Imperatriz n. 56.
Chitas da arara.
Vendem-se chitas francezas finas a 320,300
e 400 rs. o covado, riscado francez a 280
rs. o covado, aberturas para camisas a 240
rs., ditas de linho brancas a 800 rs. o cova-
do, tarlatana de cores a 400 rs. avara; na ra
da Imperaiz n. 56.
Cortes de easemlra da arara.
Vendem-se cortes de casemira enfestada
escura a 20, cortes de brim para calcas a
Gravatas de seda de diversos gostos a
Tinteiros de vidro com superior tinta a .
Paree de luvas brancas de algodo a. .
Carriteis de liiiha com 100 jardas, bran-
ca a ............
Fitas e eordoes para enfiar espartilhos a
Caixas com clcheles franeczes superio-
res a. '..... .
Cartocs de colchetes francezes a 40, 60 e
Facas e garfos cabo braneo cravado a .
Ditas de cabo braneo cravado a. .
Ditas de balanco muito finas a. .
Tesouras para cortar, pequeas e finas
a200 e. ..........
Tesouras para cortar tyihas muito final a
10300
80
0
500
500
160
100
ao
80
400
80
35200
35300
65000
320
500
Espravoes, enchuadas, fieiras, es-
ponjas, tomilhos, sobrecannas, sobre-
ervos, e todas e quaesquer enfer-
midades a que sao sujeitos os caval-
remedio
Pastilhas Vermfugas
DE KEMP.
Os meninos s pedem gritos, porque
ellas sao de cheiro, 6abor e cor agrada-
veis. A elegancia, a seguridade de ac-
co, o inoffensivo das
Pastilhas Vermfugas de Kemp
A PAR DA 6UA
Compasivo exclusivamente Vegetal,
sao estas pois as suas melhores c mais
completas de todas as recommendaces
que se possa fazer e com justa razo as
colloco na categora d'mn favorito uni-
versal.
A snperioridade das
Pastilhas de Kemp
sobre todas as preparacGos destinadas
para o mesmo fim devido i 6na sim-
ples composico o seu aroma agrada-
vel e rapidez e infallibilidade com
CjUt alcanca u destruico total das
LOMBRIGAS.
venda as boticas de Caors A- Barboza,
ra da Cruz, e Joao da O Bravo & C, ra
da Madre de Dos.
ENTEITES PARA SENHORAS
CHEGADOS PELO VAPOR
S )>ara o Vigilante ra do Crespo n. 7.
Sao chegados os novissimos e riquissimos en-
feites para cabeca, pois com a vista nao lla-
vera senhora que deixe de comprar um bo-
nito enfeite: s no Vigilante ra do Crespo
n. 7.
luvas de pelica.
Tamliem chegaram neste mesmo vapor um
completo sortimento de luvas dejouvin
brancas e de todas as cores; tanto para ho-
mens como para senhoras: so no Vigilante
ra do Crespo n. 7.
Perfumes.
Tambem chegou um-completo sortimento de
perfumaras dos fabricantes mais afamados
sendo de Luvin, Cudr e Pher; sendo
extractos essencios de todas as qualidades,
pomadas, banhas, sabonetes, agua de Co-
lonia, vinagre virginal da sociedade hygieni-
ca, agua florida, agua l>alsamea para den-
tes, frasquinhos com superiores pos para
dentes, caixinhas com um frasco d'agua,
pos e todos os preparos para limpar den-
tes, olos de todas as qualidades para ca-
bellos, e outras muitas cousas mais: s no
Vigilante ra do Crespo n. 7.
Tesouras e caivetes.
Tambem chegaram um completo sortimento
de tesouras dos mais afamados fabricantes,
tanto para unhas como pata costuras, ras-
padeiras para papel, caivetes de maqui-
na, facas de um e dous botoes, tudo do
mais superior que se pode encontrar: so
no Vigilante ra do Crespo n. 7.
Papel de,fantasa.
Tambem chegou um grande sortimento de
papel de fantasa braneo, bordado e liso
douradinho, de lindas cores, assim como
de peso e almaco, assim como muitos ou-
tros objectos de muito gosto que se torna-
riam enfadonho annunciar, que seus pre-
cos sero por menos do que em outra
qualquer parte: s no Vigilante ra do
Crespo n. 7.
, Volantes e terinas.
Recebeu grande sortimento de volantes, teri-
nas, rendas douradas e plateadas, bicos es-
peguelha e gales de todas as larguras,
vendendo-se tudo por precos baratissimos
principalmente sendo em pecas: s no Vi-
guante ra do Crespo n. 7,
Retroz e linha.
Tambem chegou um grande sortimento de
retroz do Porto do melhor fabricante; sen-
do, preto, azul ferrete e cores sortidas, a
i i.ooo rs. a libra, linha de miada de Roriz
e cabeca encarnada, aue seus precos serao
baratissimos: s no Vigilante ra do Cres-
po n. 7.'
QtEIRiM LEU.
Tendo o BALIZA dado o seu balanco no ultimo de tanto DMHdo, t oVat)ak>f
novar o magnifico sortimento de sen GRANDE! ARMAZEM, chama pelo pn
attenco do respeitavel publico para os precos do gneros abaixo menrioaados, qu m
verdade sio os mais razoaveis que se pd-m adiar, alenla a m Ik'ki qualidadi-.
Soldado voluntario do batalhao progresista, o BALIZA o MH
ment. Elle pede, pois, aos seus bons camaradas. qwifatoM o$mmi
favor de nao lhe darem um minuto tl<' descanoo obrigando-o a vender i-n!. o da.
Posta sorte o BALIZA vivir contente o contentar tambem aos s*-us fregm-xes, '. ti
do-lhes sempre generosamente, e talvez que atada por precos mais laznawis.
los, encontraro um remedio mira-
culoso na applieacao do afamado oleo de Merchant
1 venda no armazem da bola amarella no oitao do
l e 10220; na ra da Imperatriz loja da arara \ da ^ do 1|nnerador aos preCode6W, 1*180
n, 90 de Mendes Guimares. I e *mo.
Vende-se a armacao da taberna do pateo do
Terco, n. l, bem afreguezada para o matto e tam-
bara, para a praca : a tratar na ra Direita, n-
W
Amoixasem frascos de vidro, a I^loOO.
Ditas em caixinhas com lindas figuras, a
1/200 c 23iOO.
Ditas em latnhas, a 1-5400.
Amendoas confeitadas, a 900 rs. a libra.
dem, a 280 rs. a libra.
Arroz (Carolina), primeira qualidade, a 120
rs. a libra.
Dito do Maranho, a 120 rs. a libra.
Azeitonas novas de Lisboa e Porto, a I;> e
1/200 a ancoreta.
Azeite doce refinado, a 800 rs. a garrafa.
Dito em barril, a (540 rs. a garrafa.
Dito de carrapato, a 4G0 rs. a garrafa.
Arroz com casca, a 3$ a saca, com 20 cuias
e a 240 rs. a cuia.
Ancoretas americanas de fie 12 garrafas,
muito bem fabricadas, a Ij5 cada urna.
Araruta muito fiua, a 320 rs. a libra.
Bolachinhas americanas, a 35 a barrica e
240 rs. a libra.
Bscoutinhos inglezes, em lalinhas, a 10360.
Biscouto lunch e soda, em latas de 4 a-.'i li-
bras, a 25 a lata.
Banba de porco, a 480 rs. a libra.
Balaios hamburguezes muito lindos, de di-
versos .tamanhos e por preco razoavel.
Caf do Rio, a 280 e 300 rs. a libra, em
arroba, a 83200, 80300 e 9/.
Ceblas, a 800 rs. o cento e 10 o mlho.
Chpe'rola, a 30 a libra,
dem hisson, superior, a 20800 a libra,
dem chumbo, a 20000 a libra.
Idcmhysson, sofirivel, a 20400 a libra.
Idemhysson, menos sofirivel, a 20 a libra.
dem preto, magnifico, a 20 a libra.
dem preto, menos superior, a 10800 rs. a
libra,
dem preto, sofirivel, a 10GOO rs. a libra.
dem nacional, a 1/800 a libra (em latas).
dem nacional, a 10000, a libra,
dem nacional, ordinario, a 10 a libra.
Champagne, marca aguia, de superior qua-
lidade, a 040 rs. a garrafa e 70 o gigo,
com 12 garrafas. Qoem di'ixar de be-
ber champagne por tal preco?
Charutos de muitas* marcas e a precos bara-
tissimos, sendo que ha de 800 rs. at
40 o cento, .viudos do Rio, Babia e de
Hespanha.
Chocolate suisso de Lisboa e francez, a 800
rs. e 10.
Chouricas e salpicoe, a 040 rs. a libra.
Conservas inglezas, a 800 rs. o frasco.
Ditas fracezas, a 500 rs. o frasco.
Cognac inglez, a 000, rs. a garrafa e em
caada, a 40.
dem engarrafados, a 800 rs.a garrafa.
Doces, em lindos vazos de vidro, das (ruc-
ias mais esquisitas da Europa, a 10 o
frasco.
Dito de Lisboa, em latas, a 500 rs. a lata.
Dito de goiaba, a 040 e 800 rs. o caixao.
Dito em latas muito propria para presente,
garante-se sua durado innalteravel por
mais de anno.
Farinha de Maranho, a 100 rs. a libra.
Dita de trigo, a 140 e 100 rs. a libra.
Fructas francezas de diversas qualidades, em
frascos de vidro, preparadas em afcool,
proprio para podim etc., a 10. o (rasco.
Fumo americano, em patas, a 10280 o
libra.
Gomma do Aracaty, a 100 rs. a libra.
Dita do Aracaty, a' 40 rs. a libra.
Graixa em latas, a 120 rs. e a duzia, 1/300.
Genebra laranja, em grandes frascos, a 10.
Genebra ingleza, marca gato, a 10200 o
frasco ou garrafa com rolha de vidro.
Garrafes vazios, de 040 a 10200 cada um.
Kirsck-wasser, bebida esta de um valor inex-
timavel, em vasos esquisitos, a 10500.
Licores inglezes e francezes dos melhores
fabricantes, a 500 e 800 rs. a garrafa.
Linguas americanas de grande tamanho (era
calda), al/.
Linguicas de Portugal, em latinhas de 5 li-
bras, a 30500 a lata.
Massas para sopa, em caixinhas com 8 libras,
contendo 5 qualidades, por 30500 a caixa.
Ditas para sopa, estrelinha e pevide, a 500
rs. a libra.
Dita de tomate, a 640 rs. a libra.
Manteiga ingleza em potes de 10 a 16 libras
a 800 rs. a libra,
dem dita flor a 1-0 a libra.
dem de 2a qualidade a 800 rs. a libra,
dem de 3* qualidade a 040 rs. a libra.
Wem para tempeiro a 400 rs. a libra,
dem franceza a 040 rs. a libra, e em bar-
ril por menos.
Marrasquino de Zara a 800 rs. o frasco.
Mortasda ingleza em frascos grandes a 800
rs.
dem franceza em frascos grandes a 500 rs.,
Mlhos inglezes dos melhores fabricantes a
300,800 c I0o fraseo.
Mannelada excedente a 640 rs. 1 K!
Ostras americanas (excedente p i '-00
rs. a lata.
Passas a 400 rs. a libra. 1 em eatal a Pl.
Presuntos de LaaMgo, a 560 rs. I Un.
dem inglez para liainl'ie vindu de eiicurnii.-r-
dem americano, a 00 rs. a libra.
Peixe de Lisboa Inglaterra e Amer
parado conforme a arte de costaba,
las de 2 a 3 libras, de IMOO i lWO.
Phospboros do gas, a 26301 a aran.
Queijos londrtaoa ebegados no akaaan vapor
a 800 rs. a libra.
dem dem chegados no penltimo v;i".r. a
ti'it) rs. a fibra.
dem fiamengos ebegados no aM va:, ri
20400.
dem idem chegados no penltimo vapor, a
20200.
Sal reliuado em vazos de vidro, aj
Idem idem em vanos de looca, a "> Ceneja das meibores marras que ni
mercado, a 4/, 405'K), 30, 30300, '..<
0/500 a duzia.
Sardinbas de Lisboa preparadas .'.-> es
a Oo rs. a lata de grande annanl
Idem de Nantes, a 380 rs. a lat 1.
Sabo massa de 190, 14o, M0, tm\ 1 O
240 rs. a libra.
Tinta preta nacional e tachan, a Oo a
garrafa, e 246 rs. o bnio.
Toitrinho de Lisboa, de mais de rn.-i |
por 320 rs. a fibra,
dem le Santos, a 280 rs. a fibra.
dem ame! nano, a 200rs. a libra.
Idem inglez seno no fumeiro. melhor d^.-ja*
lodosos presuntos, a 040 rs. | hlna.
Vassonras americanas muito lindas > "\
a 040 rs. cada una.
Vellas de Buenos-Ayrcs em caixas Mi Ib
libras, por 0/.
dem ile carnauba e composico, a 300 e ,00
rs.'a luna.
Idem do Aracaty. a 400 rs. a libra.
dem stearinas, a 000 e 040 rs. o masso.
dem spennacete. a 10 a libra.
Vinlio Lagrimas do Dpnro, es* fta
melhor qualidade Jue boje vem O w>san
mercado em garrala> bramas com
do autor em alto revelo no pr
previne-se aos apreciadores que mste ge-
nero ha hoje grande falsificarn.
dem engarrafados, viudo parte dellesdi i <-
pria cunta de divei>as marcas e i
dores adegaa do Porto e Laaboa, das mar-
ras: Madeira, Camoes, Chamsso, v
sia, Carcavellos, Duque do Pnrt
tros, c espera-se todos os das novas qi:.-
Iklades, a 800. 10 e i ^so a ajar
dem do Porto iBamta, a 640rs. a parata.
dem de Lisboa e Figueira viudo em ai
a 20/ de 8 a 9 caadas,
dem do Porto em garraAVa de I %% a f
garrafas, por 2:>i0O.
dem da Figueira em garralTiesde 4 12a I
garrafas, por 20400.
dem de Lisboa e Figueira de 320. 400, '4M
e 500 rs. a garrafa, e em caada se .'ac
abatnenlo.
dem Bordeam engarratado, a 640 ra.
garrafa, em duzia a 70*iOO.
Yinho do Porto muito tino em aban com 12
garrafas, a 80, 100, 120 e 150 .las me-
lhores marcas que vem ao BDaM nvread.
Vinagre de Lisboa em garrafes de ll'.a
5 garrafas, a 10200 com o garrafao.
Avelaas a 200 rs. a libra.
Arroz da India a 100 rs. a libra.
Biscoutos de Lisboa em latas, proprios pan
doentes, a 10500 e 30 a lata.
Batatas a 80 rs. a libra.
Copos lapidados para agua a 60 a duzia.
Chumbo de todas as grossnras a 60 a arre
ba.
Caf muido de superior qualidade a 400 rs.
a libra.
Fio deTuiho muito proprio para amarrar, a
480 rs. a libra.
Farinha de trigo em barricas e meias, de H>
das as marcas e qualidades.
Genebra de Hollanda em garrafes coan 2
aadas, por 60500 com o garrafio.
dem idem em frasqueiras com 12 frasee*,
por 6/500.
Manteiga finissima em latas contendo I Ut-
logramma ou 2 libras e I 4 liquido, p.r
10800 a lata.
Queijo suisso, a 800 rs. a libra. ^
Rap princeza do Rio: grosso-, menfpcuM
e fino.
Tainhas das Abafas a 420 o cento, e 146
rs. cada urna. "_
Vinbo braneo de Bordeaux (Hanterns) a 8J
c 100 a duzia, e 800 a 10 a garrafa.
-
/



Wmm



- narta Mra tt DE MOLHADOS.
i



S
s
s
i
s
5
22
o
I
6
a

"O
i
S
e
v
I 2
I
i.
- 60
i
5
MS
<
0
s
i.

a
O
a
3 1

e
i
e
t.
a
i
-
9
es
a
i
a
e
l
L g
a
p I
a i
1 -
5 =

B f
V
S

i
9
1
a
I 2
i t
i
i
i s
4 A
9
m
a
i
O"
V
I
a
a
es
9
ti
8
*#
E
9
- .
9
a
c
ge
9
a
8
es
-
es
9
-O
es c
2 t
D es
v
9 *
!!
! V
t k
es E
!r
9
V
?
\ hlio em pipa: Porto, Figueira o Lisboa, a 400,
480 e 560 rs. a garrafa, em caada a S800, 3 e
3#500 rs., atianca-se este genero conservar-se
perfeito seis oito mezes, o que raro ser outro
. qualquer aliaucar.
Lagrimas do Doupo, especial vinho do Porlb, a ii
a garrafa e 105 a caixa, o preco nao indica a
qualidade deste precioso vinho, porm tambem
nao com imposicoes de preco que se prova ao
respeitavel publico a superior qualidade, este
genero de commum se manda vir de conta pro-
pria, e por isso podemos vender por menos do
que outro qualquer annunciante.
Vinho do Alto Douro, das marcas mais acreditadas
e especialmente escolhidas por pessoas entendi-
das deste genero, como sejam Camdes, Duque do
Porto, D. Luiz, Carcavellos, Chamisso A Filho,
Madeira secca, Feitoria, a 900 rs. a garrafa e 9>
a caixa com 12 garrafas.
Garrames com vinho do Porto, contendo 5 {carrafas
por 2*500.
Vinho branco de Lisboa, proprio para missa, vindo
j engarrafado de Lisboa, a 640 rs. a garrafa,
dito de barril muito superior, a 500 rs. a carrafa
e 3*200 a caada.
Ameixas francezas em caixinhas de 1 e mcia, 2 o 3
libras, elegantemente enfeitadas com diversas es-
tampas na caixa exterior, a 1*100, 1*800, 2*500
e3*
Figos de comadre em bauzinhos de folha, muito
proprios para mimo, a 1^600.
dem em caixinhas forradas de papel de differentes
molduras, a 1,5100.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia c 3 libras
por 1*400 c 23600.
Passas de carnadas as mais novas que lia no merca-
do, caixas de 1 arroba a 6* e a retalho a 400 rs.
a libra.
Massas para sopa muito novas: pevide c cstrellinha,
a 560 rs. a libra.
dem a mais nova que ha no mercado; talharim e
aletria, a 560 rs. a libra.
Macarrao, a 320 rs. a libra.
dem o mais novo que ha no mercado: talharim e
aletria, a 560 rs. a libra.
Figos de comadre em caixa de 8 libras muito novos
a 1*800 e a retalho a 180 rs. a libra.

Salmao em latas cein postas hermticamente lacra-
i ilas. a 800 rs.
Lagostinlias em tatas grandes, a 1*400.
Savel, corvina, chernc, congro, linguado, vezugo,
gors, pescada, peto espada, preparado pela pri-
meira arte de corintia, a 1*300 a lata.
Queijos flamengos do ultimo vapor, a 2*400.
dem do vapor passado, a 2*200.
dem prato, o mais superior que tem vndo ao mer-
cado, a 746 rs. a libra.
Doce da casca da goiaba, caixo grande, a 640 e
800 rs. cada um.
Chouricas do reina a mais nova do mercado a 640
rs. a libra.
Paios de lombo, vindos do Porto de casa particular,
a 800 rs. a libra.
Bolachinhas inglezas a mais nova do mercado a
240 rs. a libra e 30000 a barrica com urna ar-
roba.
dem de soda de diversas quididades, a 1*400, di-
tas grandes nroprias para lanch com 5 a 6 li-
bras por 2*400.
Marmelada imperial do fabricante Abren ou de ou-
tros muitos conserveiros de Lisboa, em latas de
1 e meia e 2 libras, a 600 rs. a libra.
Ervilhas francezas, a 500 rs. a lata.
dem portugueras, a 640 rs. a dita.
Maca de tomates, a 600 rs. a libra.
Manteiga ingleza perfectamente flor, a 800 e U a
libra, neste genero existe sempre aberto dispo-
sicao dos freguezes dous a tres barris de man-
teiga flor, salvo quando por infelicidade aconteca
a factura vir composta de segunda e terecira
qualidade, que para melbor satisfazer aos fre-
guezes torna-se necessario ter mais do que esta
porcao de barris abertos, porm antes nos lhe
damos a devida applicacao para tempero, que
venderemos a 320 rs. a libra.
dem franceza a mais nova do mercado, a 680 rs. e
em barril se faz abatimento.
Amcndoas confeitadas, a 800 rs. a libra.
Chouricos, mouros vindo de casa particular a 640
rs. a libra.
Farinha do Maranhao muito alva e cheirosa a 160
rs. a libra.
Avelaas muito novas, a 220 rs. a libra.
Amendoas de casca mole muito novas a 280 rs. a
libra.
Toucinho do reino a 360 rs. e 10*500 rs. a ar-
roba.
Sardinhas de Nantes, a 360 rs. a lata.
Azeite doce de Lisboa, a 640 rs. a garrafa e 4*800
a caada.
Vinagre de Lisboa, a 200 rs. a garrafa e 1*200 a
caada.
Campagne das marcas mais acreditadas a 8*000
e 10*000 o gigo, e 800 rs. c 1*000 a garrafa.:
Cerveja preta da marca Tenent ou XXX, a 4* e
4*500 a duzia, e a 400 rs. a garrafa.
dem branca da marca cobrinha ou Tenent, a 4*
e 4*300 rs. a duzia, e em porcao se faz abati-
mento.
Genebra de Hollanda em garrafoes com 16 gaYra-
fas, por 6*500 rs., afianca-se ser verdadeira:
dem em frasqneira, a 6*500 e a 560 rs. o frasco,
dem de botija em barricas com 4 duzias a 430 rs.
cada urna.
dem de laranja em frascos grandes, a 1*200, ga-
rante-se ser verdadeira da Italia.
Marrasquinho de Zara, a 728 rs. o frasco.
Licor-francez de todas as qualidades de fabricantes,
em garrafas brancas de vidro, a 720 e 800 rs. a
garrafa. .
Vinho Bordeaux as melhores qualidades que tem
vindo ao mercado, a 720 e 800 rs. a garrafa, e
em caixa a 7*500,8*000 e 8*200 rs.
Azeite doce refinado do fabricante Pelanol, a 800 rs.
a garrafa.
Conservas inglezas sortidas ou de urna s qualida-
de e da verdadeira, a 800 rs. o frasco.
Araruta verdadeira, a 320 rs. a libra.
Gomma de engommar mnito alva, a 800 rs. a li-
bra.
Palitos do gaz, a 2*300 rs. a groza e 20 ris a
caixa.
Toucinho de Lisboa, a 320 rs. a libra e 9*500 rs.
a arroba.
Sag muito novo, a 200 rs: a libra.
Cevadinha de Franca, a 160 rs. a libra.
Cevada nova a 120 rs. a libra, e 3*500 rs. a ar-
roba.
Macarrao e talharim, a 320 rs. a libra.
Aletria muito fina, a 400 rs. a libra.
Arroz Carolino. muito alvo e grado, a 120 rs. a
Jibra e a 3*200 rs. a arroba.
Caf do Rio o mais superior que se pode desejar
neste genero, a 320 rs. a libra.
dem idem do segunda e tereeira qualidade, a 280
e 300 rs. a libra, e em arroba ou sacco a 8*200
e 8*400.
Velas de carnauba refinada; a 320 rs. a libra e
10*000 a arroba.
dem de spermacet, a 640 rs. a libra.
Chocolate hespanlwl a i*, a libra,
dem francez, a 900 e 1* rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado por ser
vindo de encommenda propria a 2*880 rs.
Cha hyson, melhor que se pode desejar neste ge-
nero, a 2*500 rs. a libra. 8
dem nacional em latas de 1, 2 e 3 libras a 1*400
ris.
dem huxim, a 2*200 rs. a libra.
Cha preto homeepathico o mais exeellente que tem
vindo ao mercado, a 2* a libra.
Graixa em latas grandes, a 3J300 a duzia, e 120
rs. cada urna.
Presunto verdadeira de Lamego era calda de azei-
te, a 560 rs. a libra.
Vassouras do Porto arqueadas de ferro, obra de
muita duraeao e utilidade, a 400 rs.
Charutos de S. Flix do fabricante Furtado de Li-
ma ou de outros muitos fabricantes da Bahia, a
2*000, 2*500, 3*000, 3*200, 3*500 e 4*000 rs.
a caixa, ou em meias por uietadc do preco.
dem Mississipes imperiaes, a 3*000 rs.
dem Ypiranga ou Flor do Rio, a 3*200 rs.
dem Guanabaras ou Havaneiros, a 2*800 rs.
dem Flor da Matta ou Regala imperial, a 2*500
ris.
dem Flor do Norte ou Londres imperiaes, a 4*000
ris.
dem superiores em quantidade e dJodpfr-os fa-
bricantes, a 3*000, 3*500 e 4*000 fc a caixa.
-5 =
3
"9 ?
2
I
J
3.
9 s
B B 9 3 -9
i B
1 9 *
(fe
1
3. B
9 5
i
1 5
a
*
H
W
s
w
o
Q
H
*
Si
a
Polassa dv Russia.
Vende-se em casa de N. O. Bieber & C,
successores, rita da Cruz n. 4.
Kua da srii/iiila Nova u. 42.
TERCOS
o
e corda de cornalina.
A aguia branca pensando constantemente em
/ bem servir a toda a sua freguezia, notou que ainda
| nao havia feito algum agrado a aquelles que pro-
NCSte estabelecimento vendem-se: tachas de dente e acertadamente rosando, cumprem dever de
ferro toado libra a 110 rs.. idomdcLow ,wm,chri?tao, e quando reparou essa sua falta,
Mnnr hra a l^G in \ niandou vir e a^ba de receber delicados tercos e
mooi imra a izwre. (cortas de cornalina com cruz de prata, os quaes
-------- --------------------------------------. di'i xa disposicao dos fiis que estiverem dispostos
Ceblas supei ,ores (., ,VS)(ias. a <_in,-o a gastar 15500,2*e 3* para possuirem um bonito
ris o milheiro no Caes da alfandega n. terco ou coma, com os quaes podem mesmo pedir a
1. annazem de Tasso ct Irmos.
A Aftl'1 V BRANCA
Receben pelo ultimo vapor o
we^niute:
j Deus pela iirosperidade d'aguia branca, em seu ale-
I gre e espacoso uiimo da ra do Queimado n. 8.
\ovos e bonkos
pentinboe travessos domados e com pedras para
meninas : vendem-se na ra do Queimado, loia
u aguia branca n. 8.
ROUPA FEITA
NO
AB9IAZESI
DE
h
Balinzinhos com perfumarlas e
sem ellas.
Bonitas pulseiras de cabello, coral, e cora-
lina.
s o bonitas Uga? de seda para, senhoras.
Outrai estreitas para meninas, ou manguitos,
ttrteiras com agulhas.
Agulhetas para enflar, o agulhas caotofas.
Trancelins e fitas de borracha.
Carriteis com torcal de todas as cores.
wsefios de coral.
Esponjas finas para rosto.
Pentes de tartaruga virados, com laco e
balSo.
Enfeites de me para conservar os cabellos
bem alados.
! pas e coz para balo.
Fitas com coketes para vestidos.
Trancelins dalos de laa para nl'eitar vestidos.
Papel e fblhas para rosas.
Lampartnas Gcancezas.
Irancelins grossospara relogios.
i cabo d"os>ii, mariin e madrenerola >. >i .^ -. -
para dentes, anha, (impar pentes ejoias ;Bsbadl,,hos ****<** bordados
Outras linas para roopa, cliapo, cabello ele. I
Oatrasde velludo para chapeos;
Pastas para papis.
padeiras e beas de marim para ditas.
\ isporas e dminos.
lauras de ramnrea. .
Vendem-SA mui finas lavas de carmuca
branca e amarella; na ra do Queimado n. 8
ja d'aguia branca.
Baratissimas bandeljas.
A aguia branca por militas vezes tem da-
do a eonheeer que quando acha algnma pe-
liincba, nao qoer somente com ella cncher
n papo, ao contrario deseja que toda sua boa
A aguia branca vende bonitos bahuzinhos rom 6
frasqnlnhoa de cheiros por 1,-5'iOO <' vaeios por 800
rs., sentado estes para meninas, e mesmo para
joias, etc., ele. : na ra do Queimado, loia d'aguia
branca n. 8.
Delicadas i esonrluhas 1 :uo para
bordados e labyrlathos.
Aedido de algumas senhoras suas prediclas
freguezas, a aguia branca mandou vir dessas, de-
licadas tesourinhas d'aco pontas agudas, proprias
para bordados e labyrimtos, e urna vez chegadas
como de fado cliegaram, a aguia branca convida
as de mais senhoras suas boas freguezas para
aproveilarem-se- da occasiao e bem empregarem
seus2* emeada urna dessas liuissinias li-souri-
nlias, na certeza de que perder por chegar tarde ;
quera se demorar em as mandar comprar no ale-
gre e espaeoso ninho d'aguia branca, ra do Quei-
mado n. 8, onde lanibem ha outras curvas e direi-
las jiara unlias.
Veivlcm-sc na ra do Queimado n. 8, loia d'aguia
branca.
1ETREXBO VEBDE.
Neste eslabelecimento ba sempre um sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda (azar por medida, vontade dos concur-
rentes, para o que tem um dos melbores professores, assim como tambem tem um
grande c variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, pitra senhoras.
bomens e meninos.
RA DO QUEIMADO N. 46
mun
Capachos comprldos e redondos
Vendem-se na ra do Queimado, Moja d'aguia
branca n. 8.
iJuhas maclas e lustrosas para
bordar
vendem-se na loja d'aguia branca ra do
Queimado n. 8.
Xorlsslmos e bonitos enfeites
para cabecas.
Quando o bello sexo senta a falta de bons
enfeites para cabeca, eis que a aguia branca
recebe urna sua encommenda de bonitos e
fi goezia e o publico em eral provenida ,,pli.?dos enfe,ite.s'e de modernissima moda,
m,,ma, o que ag,,a mesmo acontece com f^J^^StSJTSSS^*11!'
ftssas; baratissimas bandeijas, cuja limitaco Lffmn,? fn-1>Lxmas" aPrcci1aIdoras da
re precos admira, em relacao aostamanl.ose be"a eTpr^ Counbra poss,ara melhor real"
maMadea: avist nlo que onvm St Z>* Tt^r ? V #f>. proveitarem-se dessa opportuna occasiao e SJ ft *T? ? v lec,doas'
proverem-se d'om traste sempre necessario \*Si fno com ^nt,nhils dW< e mu bem
l que ll.es custara quasi inetaTdoSS i f11^ .T floreS' f'las' ^\ Plumas
lor. Assim, poia, dirigirem-sc com dinhei- t^%^T>-^??-i b2 d- mUto
roa alegre e espacosaloja daraia branca g ffistam '*' ^ e/J dinheiro a vista;
n. i do Queimado .. 8. f ^^ e alegrloja d'aguta branca ra
do Queimado n. 8.
a^cn^os branco* com barras le i, ..._
cores para meninos. Rlca* Siarnleocs de pentes e
w flvellas para elntos.
A loja d'aguia branca recebeu um novo A aguia branca recebeu novas e ricas
menlo de lencos brancos com barras de guarnicoes de pentes dourados, e com pe-
cores para meninos, e com quanto esse dras; assim como outras bordadas froce
wi isem melhores. maiores e perfeilamente com bolas pendentes, novidade essa que s
|i nlrados, com tudo continam a ser ven- se acha em dita-loja, e que na verdade se
didos pelo antigo preco de l,?a duzia: n. tornam mui alegres e bonitas; e bem assim'
roa do Queimado na alegre e espacosaloja recebeu lindas flvellas com pedras, e ditas
d'aguia branca n. 8. d'aco com novos e engranados moldes, cintos
M-ia flna para bordar. dourados e de marroquim; c muitos outros
A aguia branca acaba de receber um com- t^tm K^pSS? EflSSi
ji \aneuaiie ae. agradaveis cores foram es-:
|; .lindasduin grande livro d'amostras que O Vende-se urna heranca na propnedade de
laDncame onereceu a aguia branca, vindo Apipucos: a pessoa que a pretender, procure ao
entre ellas alguma mestiada; assim pois onde ^r- Antonio Jos Gomes do Correio, na povoacao
os pretendentes melhor se podem sortir des- do Mon,eiro-
s<; genero, na alegre e espacosa loja d'a-
guia branca ra do Queimado n. 8.
Casacas de panno preto, 33;$ e
Sobrecasacas idem, 30$ o .
Paletos idem e de cores, 25,
.20;$, 13,51 e......
Dilos de casemira, 20.$, 15,
12,$, 10,^ e......
Ditos de alpaca, 5;$ e. .
Ditos ditos pretos, 9,-$, "$,
He........
Ditos de brim e ganga de co-
res, 4$.500, 4$, 3.jO0e. .
Ditos branco de linho, 6?$, 5-j e
Ditos de merino preto de cor-
dao, 10,$, 7.$ e.....
Calcas de casemira preta, 12-$,
103, 8-$e......
Ditas de cores, 9$, 8# e. .
Ditas de meia casemira de co-
res, ttfSOO e.....
Ditas de princeza e merino pre-
to de cardan, 5$, 4i?300 e
Ditas de brim branco e de co-
res, 5& 4#00, 4f$ e .
Ditas de ganga de cores,
30500, 3,$ e.....
Colletes de velludo preto e de
3O4OG0 Colletes de fustao e brim bran-
LJ.'i >0O { co, 3^300, 3-J e 2-5300
Seroulas de brim de linho,
10-$O0O 2,$i00 e......2-$000
Ditas de algodao, l000 e. l:>iO()
7#0O0 Camisas de peitos de linho,
3)300 .5;$, 44, U e.....2^500
iDRas de madapolao, 3;$,
3^500 2;$500,-2-3e ...... i$600
Chapos de massa, pretos fran-
35000; cezes, 105, 95 e. 85500
45000 Ditos defeltro, 55, 45,35500 e 2;$000
Ditos de sol, de seda, 1>.
55000 115, 75 e.....: 45500
Collarinhos de linho flno, ulli-
75000 ma moda....... 640
750001 Sortimento completo de grava-
tas. 5
450OO Toalhas parroslo, duzia, 11;$,
O e........ 65000
45000 Atoalhado adamascado de li-
nho vara......15280 !
25500 Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....45000 :
DE
FAZENDAS E%OlTPAS FEITAS.
Sortimento completo de SQbrecasacos de panno a 255, 28\ 30-$ 1 33-s, casar;
muito bem feitas a 255, 285, 305 e 354, paletots asacados de panno preto de 165 ai.
255, ditos de casemira de cor a 155, 185 c 205, paletots saceos de panno e casi-
mira de 85 at 145, ditos saceos de alpaca, merm e la de 45 at Ge, sobre de alpaca -
merino de 75 at 105, calcas pretas de casemira de 85 at 145, ditas de cor de 7* al
155, roupas para menino de todos os tamanhos, grande sortimento de roupas de brim.
como sejamcalcas, paletots e colletes, sortimento de colletes pelos de metim. casemira
e velludo de 45 a 95, ditos para casamento a 55 e 65, paletots brancos de bramante a i*
e 35, calcas hrcmoas muito Unas a 35. e. um grande sortimento de fazendas finas e moder-
nas, completo sortimento de casemiras inglezas para bomem, menino o senhora, cenmhs
de linho e algodao, chapeos de sol de seda, lu'vas de seda e de Jouvin para homem e m-
nhora. Temos urna grande fabrica do alfaiate, onde recetemos encommendas de grande-
obras, que para uso est sendo administrada por um hbil mestie de semelhante arte um
pessoal de mais ducincoenta obreiros escomidos, por tanto amentamos quatancr obra can
promptido e mais barata do que em outra qualquer casa.
2:;500lLences de linho.
Cobertas de chita chineza.
cores, 95 c......75000 Pennas d'aco,
Ditos de casemira preta, 55 e
I Ditos de ditas de cores 55
45 e........
Ditos de setim preto. .
Ditos de ditos e seda branco,
65 e.......
Ditos de gorgurao de seda
pretos e de cores, 65, 55 e
as mais superio-
450OO! res, a grosa.
Relogios de ouro orizontaes,
35500 905,805 e......
550OO Ditos de prata, galvanizado,
! patentes e orisontaes, 40 $ e
55000 Obras de ouro, adercos, meios
|- adercos, pulceiras, rozetas,
45000 aneis e cruzes.
35000
25000
600
705000
305000
FAZENDAS DE BOM GOSTO.
1 a^}M?S crtes de la de barra ImPeratrz, ditos de la com barra matisa-
da, ditos lisos com palmas de seda, lindas Ias de cores masadas a 500 rs. o
corado, ditas com palmas de seda a 640, 700 e 800 rs. o covado, crtes de
seda de cor matizada os mais superiores que tem vindo ao mercado, IMoi
cortes de more-antique de cor linda, gorgurao de la e seda de quadrinbos e
usos, fazenda inteiramente nova para vestido.
Superiores crtes de blond branco para noiva, camisinhas de cambraia
bordadas, brancas e de cores, lindos sautambarques de cachemira de cor enfei-
tados c bordados da mesma cor, ultima moda cm Pars, superiores chapeos
de palha da Italia, enfeites de flores, capellas brancas coutras muitas faz.ri.la>
degosto que seria enfadonho annunciar: na ra do Crespo n. 13, loia das
columnas, de Antonio Correa de Vasconcellos & Companhia.
FIJMDI^AO DA AURORA.
Nesta grande e bem montada fabrica de machinismo, a mais antiga no imperio, con-
tmua-se a executar com a maior presteza e perfeico encommendas de toda a qualidade
de machinas usadas no paiz, tendo sempre prompto o seguinte :
Grande sortimento de moendas de carina de todos os systeras e tamanhos.
Machinas de vapor de diversas qualidades.
Taixas fundidas e batidas. *
Crivos e boceas para fornalhas.
Bronzes e aguilhoes. ^ -
Rodas, rodetas e rodas d'agua.
Guindastes fixos e portateis.
Machinas de cylindros para padaria.
Serras de ac para serrara.
Fatechaspara barcos, etc., etc., tudo por preco que bem convida.
FUm>I^40 DO ROWJ9IAX-RITA DO
BRUM \. :tH.
Este muito acreditado estabelecimento est prvido de um completo sortimento de
macliinismos proprios do fabrico de assucar, a saber:
Machinas de vapores as mais modernas e mais acreditadas.
Rodas d'agua de ferro com seus pertences.
Moendas e meias moendas de todos os tamanhos.
Rodas dentadas, angulares e de espora.
Taixas de ferro batido e coado.
Boceas de fornalha pelo novo systema Wetson.
Alambiques de ferro fundido.
Fornos para cozer farinha.
Monhos para moer mandioca.
Arados americanos, eto. etc.
DE
TODAS A QUALIDADE
DE
ANTONIO MAIA DE BRITO
CONECIDA POR FABRICADA. Vl\'A.
N. 21Antiga ra dos Quarteis de polica-N. 21.
DE
Aos agricultores.
Vende-se urna propnedade d trras eom i,000
brabas quadradas que d para levantar um bom
Os mamados copos com oanha, e engenhopara moer com agua, boas matas e boas
boides com inscripces. trras, na freguezia d'Agua Preta : a tratar as
{., .' I Cinco Pontas n. 93.
Cliegaram novamente para a aguia branca ------=r--.---------------------------r-;---------
.famailne a ojf.m.wir,_____-----ku- I Vende-se um piano de mesa inglez, forte, por
' Sif!..... T?-"1, ta""a w SSTiSr pK'V
11 <: assim como os bonitos boioes de por- __ -___________________------------
ma ripees maviObas e lOCOSenas, mu ade- do palmos de frente e 300 de fundo, frente para a
tinado para presentes resta porem que os apre- ra das Xiuiphas, parte com trra e casa do lado
l'JJtl li irs; l'AriPAPUftm mi*!/lAn ,1,1 J:U:_. \Q H0rt6, *'** Anlnnin Hntac UahIiu' nawtannnnto
sherd.
mrgo
reir.
DE
J. VIGNES.
\. A.*. RA DO IMPERADOR
V *A.
Os pianos desta antiga fabrica sao hoje assaz conhecidos, para que seja necessario insistir sobre a
soa superioridade, vanlagens e garantas que ofTcrecem aos compradores, qualidades estas incontesta-
veis que piles tem delictivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; pos-
suindo um teclado c machinismo que obedecem todas as ventados e caprichos das pianistas, sem
Constando ao annunciante, que alguns especuladores de m f, vendo o crdito
que gosam os meus cigarros, e para poderem dar consumo aos seus andam vendemlo tanto
na praca como pelo mato, illudindo os meus freguezes, dizendo que sao meus ; e como to-
dos os meus cigarros sao vendidos na minha fabrica, e nao mando pessoa alguma vemW
por minha conta fra della, faco o presente annuncio para evitar que compren gato por
ebre ; e para seguranca dos senhores consumidores deste genero e especialmente os sean
freguezes, aviso que todos os massos de cigarros que forem vendidos na minha fabrica do
marcados com um distinctivo que declara o meu nome, o nome da ra e o numero da
mesma casa.
Aproveito a occasiao para scientificar aos mesmos senhores, que constantemente
encontraro um completo sortimento de cigarros de diversas qualidades, e do melhor fnmo
escolhido, por sua boa qualidade j bem conhecida.
AOS SRS. COmifllDORES DE GAZ.
suiiuu um trcmuu e iiiariuiiiMiiu uuu uoeutscvui a urnas as vuniauc e. apm uus uas |iiani>i.is, sem
nunca falhar, por seren fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentes importan-
tissiin.is para o clima deste paiz; quanto as vozes sao melodiosas e flautadas, por isto muito agrada-
reis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Paris, socio
Apninilnnln rxn 1 11 1H Ti fui Qm nnit nnnitnl 11\ hh m ^nmni'n imAitlin iIau nm India it> AvnnrinnAfi
Burras.
Cofres patentes inglezes, prova de fogo.
Nos armazens do Caes do Ramos n. 18 e garantidos pelo fabricante Minera, de Lwer-
na ra d Trapiche Novo (no Recif) n. 8, se pool: vendem-se na ra da Cruz n. % ar-
vende gaz liquido americano primeira quali- mazem de Isidoro, Netto 4 C.
~i' dadores concorram, munidos de dinheiro. do norte'de A"10"10 Outes Martins, pertencente correspomiente de l Vigne, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposicSes. I ^ .n j. carrafa* indo' Sobla.
re e eSDacosa loii d'aguia hran^a mi* a aos.herdeiros de Joao Pedio da Rocha : a tratar No mesmo estabelecimento se acha sempre umexplepdido e variado sortimento de. msicas dos u ."" ^ V^,1" uc 8" o ""=" | Vendem-se soblas Derfeitamente boasaMtrs.
OuoimL S J g 1 ,ar d0 Cua0 com ** tos* 1* Costa Pe- melhores compositores da Europa, assim com3 harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido em porgao mais barato que em OUtra qual- 0 cento nfrua dflKnT o. 4tT
'quer parte. becco dos Perreiros.
/


i
M



t

I


1
Diarto de PernanU>nco Quarta felra t de Julho de iS8.
1

$ kti
GRANDE ARMAZEM
AE
EE
H. 86, WJA DAS CREES N. 36
bairro de
DO
Santo Antonio.
0 proprietario do muito acreditado armazem denominado Progressista tendo
sempre em vista fazer tudo o que for possivel para bem servir aos seus fregnezes, tera
deliberado tender os seus j bem conhecidos gneros de primeira qualidade pelos precos
abaixo mencionados, e afGanca s pessoas que mandarem comprar por seus criados ou
escravos, serem to bem servidas como vindopcssoalmente; encarrega-se de aviar qualquer
encommenda, anda mesmo contendo objectos nao proprios deste estabelecimento. O
mesmo pede aos senhores que mandarem comprar neste armazem o favor de mandarem
devolver qualquer objecto que nao agradar, devendo os mesmos senhores ter toda atten-
rio com os seus portadores, fazendo-lhes ver que s no armazem Progressista da ra das
Ouzesn. 36, que se vendem os melhores gneros por mais barato preco, porque estes
muitas vozes olvidam-se e v5o outra parte onde os servem de maneira a desagradar este
estabelecimento.
PROGRESSIVO.
mw a w
S NO
9-LARGO DO CARMO-9.
DE
W&ftfe % ^
Os proprietarios deete espacoso e bem sortido armazem de molhados partici-
pam aos seus freguezes que acabam de receber de diversos portes da Europa o mais bel-
lo sortimento de molhados, todos primorosamente escolhidos, os quaes vendem-se por
jnuito menos do que outro qualquer annunciante, obrigando-se os proprietarios a garantir
todos os gneros sahidos do seu muito acreditado armazem.
Manteigai ngleza de 1.a qualidade, a 900 rs.
a libra.
de superior qualidade a 320 rs. ca
xinha.
da c
&*?!&: i?. eW *s* ish* m *>- *
rs. a libra.
Batatas muito novas, a 2)5 o gigo de arroba
e80rs. a libra.
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor,
de2a-20SOO.
dem prato, chegado neste ultimo vapor, o
mais fresco que se pode desejar a 700 rs.
a libra.
dem londrino, mandados vir de encommen-
da especial, a 900 rs. a libra.
dem suisso, muito fresco, a 800 rs. a libra.
Caf do Rio de I. e 2.a qualidade a 83500
e 8&800 a arroba, e 280 e 300 rs a libra.
Arroz da India e Maranho a 120 rs. a libra
e 30200 a arroba.
Avelas as mais novas neste genero a 240
rs. a libra.
Presuntos do Porto muito'novos* a 560 rs. a
libra.
Legumes francezes para sopa, como seja,
Julienne, mlaage dequipage, Choux e
nutras qualidades, a 400 e 500 o masso.
Amendoas de casca mole a 320 rs. a libra, e
em porco ter abatimento.
Garrames com 5 garrafas de vinho do Porto
do Alto Douro a 2&400 com o garrafo ;
afianca-se que nesse genero o melhor
que veio ao mercado.
dem com 5 garrafas de yinhoFigueira muito
superior e mais proprio para a hm cota
c3o por ser mais fresco a 2#400."
Cha hysson o mais superior a 25600 a libra,
afianca-se ser egual ao que regularmente
vendemos a 3200.
dem huxim miudinho, o mais superior que
vem ao nosso mercado a 25700 a libra.
dem preto muito fino, a 20000 a libra.
Garrafes com 5 garrafas de superior vinho
de Lisboa a 23100 cada um.
dem com 5 garrafas de vinagre de Lisboa
a 15100 com o garrafo.
dem com 5 garrafas de vinagre hambur-
guez a 800 rs. cada um.
Vinhos generosos vindos do Porto engarra-
fados das seguintes marcas: Genuino,
Porto fino, Nctar, Duque do Porto, Fei-
toria, Velho secco, Chamico, Madeira su-
perior e outros a 900 rs. a garrafa e 95
a duzia.
Vinho Bordeaux das melhores marcas: St
Julien, Medoc e S. Estephe e outros a
640 rs. a garrafa e 75500 a caixa com
urna duzia.
jt -
Chouricas e paros, o mais nove que se pode
desejar, a 250 e 600 rs. a-libra.
Cognac verdadeiro inglez dos melhores fa-
bricantes a 900 rs. a garrafa e 105500 a
caixa com urna duzia.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
800 rs. cada um.
Licores francezes, muito finos, das seguintes
marcas: Anizetta de Bordeaux, Plaiserdes
dames, Crme de Noyau, Eau Dantzic,
Crme de Menthe, Hude de Venus etc. etc.
Proas muito novas e de carnada a 400 rs. a
libra e 6#300 a caixa com urna arroba, ha
caixas, meias e quartos.
Amenas francezas em frascos de Hj2 e 3 li-
bras de 15400 a 25800, tambem ha latas
de 6 libras.
Marmelada imperial, dos melhores conser-
veiros de Lisboa, a 600rs. a libra, em la-
tas laeradashermeticamente.
Frudas em caldas de todas asqualidades em
latas muito bem enfeitadas, a 500 rs ca-
da urna.
Bolachinha ingleza, a mais nova que se pode
desejar, a 35000 a barric a e 240 rs. a
libra.
Farinha do Maranho muito .alva e cheirosa
a 160 rs. a librar
Azeite francez clarificado a 800 rs. a garrafa
e 9(5000 a caixa com urna duzia.
Conservas inglezas dos melhores fabricantes
Mixed Pickles, ceblas simples, e outros
a 760 rs. o frasco.
Farinha verdadeira de araruta a 500 rs. a
libra, garante-se a superior qualidade.
Palitos para dentes em caixinlias douradas
Breu, a 320 a libra e 8S a arroba.
400 rs. cada um.
Milho-alpista a 180 rs. a libra.
Gomma para engommar muito fina e alva a
80 rs. a libra e 25300 a arroba.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Sabo verdadeiro heepanhol, que raras vezes
vem ao nosso mercado, a 300 rs. a libra e
em caixa ter abatimento.
dem massa de superior qualidade de 160,
180, 200, 220 e 240 rs. a libra.
Graixa em latas muito nova a 120 rs. a lata
e 15300 a duzia.
Peixe em latas muito novo: svel, pescada,
curvina, salmao e outras qualidades, pre-
parado de escabexe segundo a arte de
cozinhaa 15400.
Papel grve pautado e liso a 35800 a resma.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
460 rs. cada urna.
Vinhos em pipa: Lisboa e Figueira das melho-
res marcas a 35200 e 45000 a caada do
melhor e 500 rs. a garrafa, em porcSo ter
abatimento.
Vinho velho Chamico em barril, muito proprio
para sobremesa, a 610 rs. a garrafa e
55000 a caada.
Vinho branco o mais superior que pessivel
neste genero a 560 rs. a garrafa e a 45000
a caada.
viuagre puro ue Lasooa a zuu rs. a garraa
e 15400 a caada.
Azeite doce de Lisboa muito fino, em barril
a 640 rs. a garrafa, e em porcao ter
abatimento.
Champagne das mais acreditadas marcas, a
15000 a garrafa, e 105000 o gigo com
urna duzia.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Balda a 35500 a caixa, tambem temos
para 25000, 25500, 35000 e 35200 a
caixa.
Vellas de spermaecte superiores a 600, 640,
e 680 rs. o masso.
dem de carnauba e composico a 320, 360,
e 400 rs. a libra e de 105 a 115500 a
arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa, a 15000
a ancoreta do Porto e 15500 a de Lisboa.
Massas para sopa: estrellinha, rodinha e pe-
vide a 400 rs. a libra e 25000 a caixa com
8 libras liquido.
Massas para sopa muito novas: talharim, ma-
carrao e aletria a 400 e 480 rs. a libra.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso das melhores qualidades a 900 rs.
a libra.
Doce da casca da goiaba a 800 rs. o caixao.
Cerveja das melhores marcas de 55500 a
65000 a duzia c 540 rs. a garrafa
Biscoutos inglezes de diversas qualidades a
15300 a lata.
Bolachinha de soda, especial encommenda,
muito nova em latas grandes a 25000 cada
urna.
Massa de tomates em latas de 600 a 700 rs.
cada urna.
Sardinhas de Nantes, do fabricante Basset, a
360 rs. a lata.
Toucinho de Lisboa novo a 320 rs. a libra.
Tijolo de limpar facas a 180 rs. cada um.
Cebollas o mlho a 900 rs.
Erva-doce muito nova a 400 rs. a libra.
Cominhos idem idem a 640 rs. a libra.
Garrafes vasios a 500 rs. cada um.
Ditos com 5 garrafas de genebra a 25400,
garante-se ser verdadeira de Hollanda.
Cebollas a granel a 640 rs. o cento.
Canella a mais nova do nosso mercado a
15000 a libra.
Alfazema o que pode haver de melhor neste
artigo a 280 rs. a libra.
Phosphoros de seguranca individual a 20 rs.
a caixinha.
Papel de embrulho muito superior a 15120
a resma.
Vinho da Figueira, o que ha de melhor a
45000 a caada.
] Copos finos para agua a 65000 a duzia.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de encqmmenda especial a 800 rs.
a libra,
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
64o rs. a libra.
dem em potes de 4 16 libras muito fina e
propria para doente a 800 rs. a libra e o
pote separado,
dem de porco, refinada e muito alva a 5oo
rs. a libra, em barril ter abatimento.
dem ingleza em latas de 2 1/2 libras a 2,ooo
cada urna, garante-se a boa qualidade.
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
de 1,600, l,8oo, 2,ooo e 2,5oo rs.
Idem prato chegados neste ultimo vapor, o
mais fresco que se pode desejar a 660 rs.
a libra.
dem londrino mandados vir de encommen-
da especial a 7oo rs. a libra.
Caf do Rio de Ia e 2a qualidade de 8,5oo e
8,800 rs. a arroba, e 28o a 3oo rs. a li-
bra.
Arroz da India e Maranho a loo rs. a libra
e 3,ooo rs. a arroba.
Caixinhas de ameixas francezas de 1 1/2, 2
e 3 libras, elegantemente enfeitadas com
diversas estampas no exterior da caixa a
l,3oo, l,6oo, 2,000, 2,5oo e 3,ooo rs.
Vldros de diversos tamanhos de confeitos,
muito proprios para mimos, de 1,000 a
2,5oo rs. cada um.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra e
em porcao ter abatimento.
Garrafes com 5 garrafas de vinho do Porto
do Alto Douro a 2,24o rs. com o garrafo,
afianca-se que neste genero o melhor
que veio ao mercado.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira mui-
to superior e mais proprio para a nossa
estacao por ser mais fresco a 2,4oo rs.
Cha hysson o mais superior a 2,6oo rs. a
libra, afianca-se ser egual ao que regular-
mAntA vondomos a 3.000 e 3.2oaxs._
dem huxim miudinho o mais superior que
vem ao nosso mercado a 2,7oo rs. a libra.
dem preto muito fino a 2,ooo rs. a libra.
dem muito mais baixo, mudo proprio para
negocio a l,6oo rs. a libra.
Presunto inglez para fiambre o mais fresco
que se pode desejar a 800 rs. a libra.
Garrafes com 5 garrafas de superior vinho
de Lisboa a 2,2oo rs. cada um.
dem com 5 garrafas de vinagre de Lisboa
a l,2oo rs. com o garrafo.
dem com 5 garrafas de vinagre hamburguez
a 9oo rs. cada um.
Genebra de laranja a 9oo rs., a melhor que
se pode desejar.
Cha perola o melhor neste genero a 3,2oo
rs. a libra.
Azeite francez clarificado a 800 rs. a garrafa
e 9,5oo rs. a caixa com 1 duzia.
Conservas inglezas dos melhores fabricantes
Mixed e Pickles, ceblas simples, e outras
a 800 rs. o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes muito
nova a 4oo rs. cada um.
Mlhos inglezes de todas as qualidades e das
melhores marcas a 5oo rs. cada urna gar-
rafinha.
Sal refinado em frascos de vidro de diversos
modellos a 4oo rs. cada um, s o frasco
vale o dinheiro, tambem ha solt para 80
rs. a libra.
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de doce, manteiga
ou outro qualquer liquido de 1,00o a 3,ooo
cada um.
Painco a 14o rs. a libra.
Milho alpista a 16o rs. a libra.
Gomma para engommar muito fina e alva a
80 rs. a Jibra, e 2,3oo rs. a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Sabo verdadeiro hespanhol que raras vezes
vem ao nosso mercado a 3oo rs. a libra e
em caixa ter abatimento.
dem massa de superior qualidade dd 2oo,
22o e 24o rs. a libra.
Graixa em latas muito nova a 12o rs. a lata
e l,3oors. a duzia.
Peixe em latas muito novo: svel, pescada,
curvina, salmSo e outras qualidades, pre-
parados de escabexe, segundo a arte de
cosinha de l,4oo e 2,ooo rs. a lata.
Amendoas confeitadas de diversas cores a
7oo rs. a libra.
DE
Eduardo Marques de Oliveira C.
>
c
ce
m
I
* 1
* B- ra
r*i
I i g *
V M
0. 3 V.
1 g ?
a- 3. 1* s
s -
publico
Preste novo e grande estabelecimento de molhados, encontrar o respf
d'esta cidade, bem como seus numerosos freguezes do centro, exposlos a ti
todas as qualidades de gneros por menos precos que em quaesquer outros eatatwk cimea-
tos d'esta ordem, pois para isso segu em um dos primeiros paquetes para a Europa mi
dos socios para serem vindos todos os gneros de conta propria, para melhor servir aos
seus freguezes, e desde j encontrar o respeitavel publico sempre os melhores 1 rrm>
novos gneros do nosso mercado, e por precos baratissimos, como se ver abaixo.
Amendoas a 320 rs. a libra.
Aveles a 2oo rs. a libra.
Ameixas a 15 a libra.
Ditas em frasco por 25800.
Arroz pilado da India loo rs. a libra e 35ooo
a arroba.
Dito dito do Maranho 120 rs. a libra e 35500
a arroba.
Azeite doce francez 800 rs. a garrafa.
Dito de Lisboa 680 rs. a garrafa.
Agurdente de canoa de cabera a 240 c 320
rs. a garrafa.
Azeitonas a 400 rs. a garrafa, e 15300 a an-
coreta.
Bolachinha de soda a 15400 a lata.
Banha de porco a 600 rs. a libra:
Bolachinha ingleza a 200 rs. a libra, e a bar-
rica a 35OOO.
Cha hysson a 25200 a libra.
Dito dito fino a 25600 a libra.
Dito miudinho a 25800 a libra.
Dito do Rio a 15800 a libra.
Dito preto a 15900 a libra.
Manteiga ingleza flor a 800. 900 e 1*1 a lm.
Manteiga franceza a 680 e 720 rs. a libra.
Dita hollandeza a 72o 800 rs. a libra.
Mostarda a 640 rs. o frasco.
Massa de tomates a 640 rs. a libra.
Dita estrellinha para sopa a 560 rs. a libra.
Marrasquino de Zara a 800 rs. o frasco.
Passas a 4oo e 560 rs. a libra, e 85 a caa
Palitos para dentes a 180 rs. o masso.
Phosphoros do gaz a 25500 a grosa.
Paios novos a 640 rs. a libra.
Queijos do reino do ultimo vapor a 24 1
25500.
Dito de prato a 720 rs. a libra.
Dito do serto a 560 rs. a libra.
Cenejas de marcas superiores a 500. ."40.
600 e 640 rs. a garrafa, e 55500, f5 *
65500 a duzia.
Dita em barril por 45, 6 240 rs. a garrafa.
Cevada a 240 rs. a libra.
Sardinha de Nantes a 360 c 400 rs. a toa-
nha.
Sag a 240 rs. a libra.
Carne do serto a 36o rs., e em porco se] Sabo massa a 200. 240 e 280 rs. a libra,
vende por menos. Sevadinha a 280 rs. a libra.
Papel grve pautado
resma.
e liso a 3,8oo rs. a
l
Genebra de Hollanda em botijas de con
46o rs. cada urna.
Vinhos em pipa: Lisboa, Porto e Figueira das
melhores marcas a 2,5oo, 2,8oo, 3,ooo e
4,000 rs. a caada do mais superior e de
32o e 36o rs. a garrafa.
dem velBb Chamico em barril, muito proprio
para sobremesa, por ser muito claro e
macio a 64o rs. a garrafa, e 5,ooo rs. a
caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero, a 56o rs. a garrafa e a
3,8oo rs. a caada.
Vinagre puro de Lisboa, a 2oo rs. a garrafa
e l,4oo rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa muito fino, em barril,
a 64o rs. a garrafa, em porco ter abati1
ment.
Champagne das mais acreditadas marcas, a
l,2oo rs. a garrafa, e 12,ooors. o gigo,
com 1 duzia.
Charutos dos^mais acreditados fabricantes da
Balda a 3,5oo rs. a caixa, tambem temos
para 2,ooo, 2,5oo, 3,ooo e 3,2oo rs. a
caixa.
rs.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 160 rs.
Vellas de spermaecte a 640 e 680 rs a libra.
Ditas do gaz muito boas.
Ditas dito em caixas de 6 libras por 4-K'O"
Ditas de carnauba a 400 rs. a libra.
Ditas de composico a 3601IH r<. a libra.
Vinho do Porto, caada a 55500, garrafa
720 rs.
Dito Lisboa, caada a 45 e a garrafa a T4M
rs.
Dito Figueira, caada a 35840 e a garrala a
480 rs.
Dito dita superior, caada a 45 e a garran
a 500 re.
Dito Estreilo, caada a 35200 c a garrafa;.
400 rs.
Dito Bordeaux a 720 e 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa em garrafes de 5 gai r t-
fas por 15400.
Dito em caada a 25, e a 260 rs. a garrati.
Vinho do Porto em garrafes de 3 garrafa
por 25500.
Dito dito engarrafado a 15 c 15200.
Dito lagrimas do Douro a 15400 a garrat*.
Vinln 1 1 >i:ni.i 1 de. LUbua a Tal) 1 >. a
K e 55 a caada.
Dito do estreilo a 600 rs. a garrafa. a '>.'<
a caada.
Charutos de diversas qualidades a 15200,
15500 e 35 a caixa.
Champagne a 15 e 15500 a garrafa.
Chouricas a 560 e 600 rs. a hbra.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
Caf em grao a 300 e 320 rs. a libra, e 95 e
95200 a arroba.
Dito moido a 360 rs. a libra.
Doce de goiaba a 560 rs. o caixo.
Espirito de vinho de 38 graos, a 280 rs. a
garrafa.
Figos a 400 rs. a libra, e em latas de 4 libras
por 15500.
Farinha do Maranho a 160 r&. a libra.
Genebra de Hollanda a 640 e 720f s. o frasco,
e 75 a frasqueira com 12 frasco
Dita hamburgueza a 560 rs. o frasco\e 65500
a frasqueira com 12 frascos.
Dita flor de laranja a 15 o frasco.
Gomma d'araruta a 100 rs. a libra, e 2.'S600
a .arroba.
Graixa em latas a 120, e 15300 a duzia.
Genebra em garrafes de 14 garrafas fl
45600.
Batatas inglezas libra a 80 rs., e a 25500 ei
Lior uno a 800 rs. a garraa.
Dito em garrafas grandes de superior quali-
dade a 15500.
Previne-se ao respeitavel publico que todos os gneros cima sao de boa pnV
dade, e para desengao venham ver; assim como outros que deixam de ser annum-ads.
------------------------------------------------------\-----------------------------------------
TODA ATTENQnO
NOS
Vinhos generosos vindos do Porto engarra-
fados das seguintes marcas: Genuino,
Porto fino, Nctar, Duque do Porto, Fei-
toria, Velho secco, Chamico, Madeira su-
perior e outros a l.ooo rs. a garrafa, e
9,ooo rs. a duzia.
Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto
a l,2oo rs. a garrafa, e 10,000 rs. a caixa.
Vinho Bordeaux das melhores marcas: St.
Julien, Medoc, S. Estephe e outros a 7oo
rs. a garrafa, e 8,000 rs. a caixa com urna
duzia.
Chourigas e paios, o mais novo que se pode
desejar, a 060 rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez dos melhores fa-
bricantes a 9oo rs. a garrafa, e lo,5oo rs.
a caixa com urna duzia.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
800 rs. cada um.
Licores francezes muito finos das seguintes
marcas: Anizete de Bordeaux, Plaisirdes
Dames, Crme de Noyau, Eau de veede
dant-- c, Creme de menthe, Huile de Ve-
nus, Parfait amour, Eau d'ora l.ooo rs.-
a garrafa e 10,000 a caixa com 1 duzia
Passas muito novas e de carnada a 3oo rs
a libra e 6,000 rs. a caixa, com 1 arroba,
ha caixas, meias e quartos.
Ameixas francezas em frascos de 1 1/2 e 3
libras de l,4oo a 2,8oo rs.; tambem ha em
latas de differentes precos.
Marmelada imperial dos melhores conservei
ros de Lisboa a 600 rs. a libra, em latas
de differentes tamanhos e lacradas herm-
ticamente.
Fructas em caldas de todas as qualidades em
latas muito bem enfeitadas a 5oo rs. cada
urna.
Bolachinha ingleza a mais nova que se pode
desejar a 2,5oo rs. a barrica, ,e 24o rs. a
libra.
Velas de spermacet superiores, a 600 64o,
680 e 7oo rs. o masso.
dem de carnauba e composico, a 32o, 36o
e 4oo rs. a libra, e de 10,000 a 11,000 rs.
a arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa, a l.ooo
rs. a ancoreta do Porto, e l,5oo rs. a de
Lisboa, estas ultimas raras vezes vem ao
nosso mercado, pela sua boa qualidade.
Massas para sopa: estrellinha, rodinha e pe-
vide a 32o rs. a libra, e l,6oo rs. a caixa
com 8 libras liquino; s no Progressivo.
Massas para spaVmuito novas: talharim, ma-
cando e aletria, a 4oo e 48o rs. a libra.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso, das melhores qualidades a 9oo rs.
a libra.
Doce da casca da goiaba a 64o rs. o caixao.
Cerveja das melhores marcas, a 5,5oo e
7,4oo rs. a duzia e 54o rs. a garrafa.
Biscoutos inglezes de diversas qualidades a
l,2oo rs. a lata.
Bolachinha de soda especial, encommenda
muito nova, em latas grandes a 2,000 rs.
cada urna.
dem craknel em latas de 5, 7 e 15 libras a
4,000, 5,5oo e H.ooo rs. a lata.
Palitos do gaz, a 2o rs. a caixinha e 2,3oo rs.
a grosa.
Massa de tomates em latas de 600 a 7oo rs.
cada urna.
Sardinhas de Nantes do fabricante Basset, a
38o rs. a lata.
Toucinho de Lisboa novo, a 32o rs. a libra.
Tijollo de limpar facas, a 18o 1 s. cada um.
Cebollas, o mlho a 9oo rs.
Farinha do Maranho muito .al\ a e cheirosa,
a 14o rs. a libra.
A11J1AZE&S
CQNSERVlTTVff I CONSRVififfR
DE
JDAimn S IDD3 3I!9(D3
NS. 21 E 23LARGO DO TERCO -NS. 21 E 23.
O proprietario destes dous estabelecimentos de molhados, vendo qs^xHis
eros por menos do que em outra qualquer parte, por isso garante a superior
lidade de qualquer genero sabido dos seus armazens; pode vender por menos \m
prar dinheiro, e por isso faz vantagem a os compradores.
Batatas as mais novas do mercado, a 60 rs. a libra e l,6oo rs. aarroab ou caixa.
Toucinho de Lisboa da 1 .a qualdade, a 3oo rs. a libra e 9,ooo rs. a arroba.
Caf do Rio da 1.a e 2.a sorte, a 28o e 32o rs. a libra.
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor, a l,8oo c 2,ooo r>.
Velas de spermacet, carnauba do Aracaty, as melhores deste genero, a 63o e loo rs. a I
Vinho verdadeiro Figueira das melhores marcas, a ."ko e 4oors.. em i-anada > 1
timento, ha porco para escolher.
Bolachinhas americanas, as mais novas neste genero, a 2oo rs. a libra e 3,ooo rs. a la
Palitos do gaz, vindos por conta particular, a 2o rs. a caixinha e 2,4oo rs. a grosa.
Manteiga ingleza da 1.a e 2.a qualidade, a 800 e 76o rs. a libra,
dem franceza, especialmente escomida, a 64o e 600 rs. a libra.
Cha, o melhor neste genero, a 2,88o rs., tambem ha para mais barato.
Milho alpista, limpo, muito superior, a 16o rs. a libra, a arrroba 5.ooo rs.
Alm destes gneros ha outros muito baratissimos, assim como ceneja das mi-
lhores marcas, genebra de Hollanda e de laranja, passas, doce de goiaba, azeite i
nagre, canella, pimenta, cominhos, erva-doce, cebollas, alhos, chouricas, banha de pa
outros muitos gneros que enfadonho mencionar; dinheiro contado.
Alm dos gneros cima mencionados, existe um completo sortimento de al-
lazemas, cominhos, pimenta, erva-doce, palitos de dente em macos e caixinhas, enxo-
re e outros muito gneros, os quaes vendemos pelos precos mais baratos possiveis.
MACHINAS AMERICANAS-
Em casa de N. 0. Bieber & C, successo-
res, ra da Cruz n. 4, vendem-se:
Machinas para regar hortas e capim.
Ditas para descarocar milho.
Ditas para cortar capim.
Sellins com pertences a 105 e 205-
Obras de metal principe prateadas.
Alcatro da Suecia.
Verniz de alcatro para navios.
Salsa parrilha de primeira qualidade do Para.
Vinho Xerez de 1836 em caixa de 1 duzia.
Cognac em caixa de 1 duzia.
Arados e grades.
Brilhantes.
Carrocas pequeas.
AGENCIA
DA
FNTICU DE LOW-MOOB.
Roa da Senzalla nota n. 42.,
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em cas de S. P. Johnston & G>*
ra da Senzalla Nova n. 42.
OSTRAS
em caixas de 24 latinhas de urna libra no ,-
mazem de Tasso & limaos ra do Amortm
n. 35.
Assucar do Monteiro
Ra do Imperador n."28 e caes de Apollo o.
67, a 200 rs. a libra, e de 8 libras pn
a 5i56O0 aarroba.
Estanfpa Baaa.
Na loja da Aurora, na ra lar ya do < <
rio n. 38, recebeu-se vario sortimento dr
estampas de differentes sanios.
Vendo-so urna rasa rom qnarto de taberaa
armaco, no lugar da Ponteiinha. prnpcitpax
qualquer principiante : a trattr as Cia FiN
numero 93.
ESCRAVOS FGIDOS.
Na noito de 14 para 15 do etmm
tou-se da fujidicao da Aurora o mtalo FtMWftat.
testante ait, pos grandes e mal fertos. and
passado e cstuma andar de sapnw c 1
algumas vejes usa rapte de pua^tMalcai
forro : rog-se s autoridades pohmmt 1
de caauo ai captura do meuno, e M
da unoiciol onde se gratificara
trabalho.







8
Ufarlo tl*> Pernambnoo --- Uara felrati de tfnfho de
"V
LITTERATRA.
Mauoel los Res.
I
Velmacle o pontos em que a deve
ir (odas as calaras. Que insignificante que se me pode objectar com a coadjuvaco tna. !'e
tas vezes generosa do estado ja encomnjtjj|dan- alaar e defender, Um livrinho de tosto acces-
w^Sra^leflT ocatadwS dif- do 0,,JCC,0S d'arte> j ^endonando a pubiicacao sivel a todos, e o melhor annuncio e programina
a Ilutan lltOi irlo >~tatotll amatorio c imprudente volune nota-so ano Vmc. de obras soienticas. Mas de que provm jocos
aspira ser satyrico : dou-lhc nm conselho : seja artistas e os sabios, assim ajudados pelo governo,
antes satvrn. nao tem crdito, nao achain quem llies descont as
bembre- de que na Parnasos satyri
W, leitores.Q.tttiito de ara livroou fXlT^ZM^S^S^^StSim' ol^isaces que o governo contrae con. lles, obri- 0 poderoso agente do propaganda ; mas nao qu
>uvio nuin.Jices. 0 senbof pode ser o cloaca da sua. gacws, na vero*, so cxigiveis depois de prasos ro tomar as maneiras pretenciosas do discipu
un .
iu ou Haseanjorda e um voluni.
S' nlo. pelo poeta repentista riva
c ; .;: : pelo entico, pliylologo, joma
o Amonio Mauoel dos Reis.
que .' Vnibru el Niliit.
ca que o autor da de si v->c que elle
estada as materias do terceiro
Silva Peuf.iiu Jinioii.
Ai'inio-ine, quasi me inclino a negar que assim
ic too
Creilil intellcctual.
(Comhiso.j
Peta poder-se-hia chamar loueura que un curso
que a avidez do crdito nao ousa esperar ?
Quanloa outros ha que s com un descont usu-
rario encontram quem llies adianto a importancia
das obrigaeoes dos seus editores, ou o producto \
da vossa grande obra.
Tudo isto porm nao diz o meio de fazor com
que b jornalista seja da sociedade, e se torne o vos-
qfte-
ipulo
nados dos professores d'instrnceao primaria, infe-
riores ao do homem que unta a, rodas das locomo-
tivas ; basta comparar o rjamento do ministerio
d'instrue$o publica, com a somma despendida em
carvao para os caminhos de ferro,aquelle in-
ferior.
Todava, certo que a sciencia aspira a liber-
tarse da servidao e que temblor si o povo; o 6
que pretende cnsinar o mostr ; vos sabis muito'indubtavel que a sociedade softre moralmento com
nielor do que cu obrigar a imprensa a fallar das a partillia dosegual e iniqua dos fructos do traba-
vussas obras. Ido entre o capital e o talento, entre a carne re-
Bastar para constituir a sociedade o feliz ele- plecta e o espirito esfaimado.
=2t
Nao fars \ ira t imagem de escolan, nea Igan
alguma de fcd0 o que baemcaaa anee, e de
ha embas na trra, nem con*queante
debaxo da trra.
culto
Mea
p acadmico,
anr.o.
negar que assim ,|,, escota polyteebnka, ou da escola normal, com-
i..... mSf^SSSVflS. Pletadocoidistinccao. servisse do titulo para ter
o progoeiro das precontsadas glorias lino- crdito n'um estabelecimento tinancoiro Loueura
da academia de S. Paulo. Por niiiii julgo o ( que assim nao acanteen, que individuos que tem
i liis un pedagogo-vampiro. ; Jc m poderosos agentes do progresso, sejam mui-
i ende veio 1 donde vem o miasma !,. \ n;.
Quera ? o anti-Christo da luieiat.ua. Ias abrigados .a solicitar a candad* publica
Sublime Pheilnts, sopo, Lifonlaiue, nao vos ou particular para comeear a sua nobre carreira-
T foSfga contra o elcphante, a eegonba'e a flWW f>ou a instituieao para adiantar di-
garrafa, o grillo e as "abelhas. todos os apologsxnheiro as crianoas que trabalham : por que nao
un nos deixasteis nao sao despresados. | f]
ni
Cranderille, a tua obra ser inmortal. ..
I.nrier, os leus homens raizo* siio boje bonico-
nbicidos.
Bostuet, os boinens machinas, plantas o estatuas
eu m vejo.
lUtat. as tuas carieatnras rontrnuam.
Edgar l'oe, tu, o escriptor dos ervos, se anda
v^ 'ssos, lerias inais una especie {tara observar :
a do homem lodu que tonta fazer-se msculo.
Queris couhecer, leitoros, o Sf. Antonio Manool
do, lt'is? Ei-lo
idaronios o emprestimo da nlelligoncia ? Thc-
I ostahelecen caixas do soccorros para os ho-
dc/sciencia, quando ostivessem doentes, c
ra a sua velhico ; til, mas nao trata-
agora disto, visamos um futuro mais ampio ;
nao um remedio contra a morto, mas um renova-
meuio, urna trausl'usao do sanguc ; a vida na
vida'
A univeisidade, as academia*, o estado do pre-
r l'vosso, como o volume. quadrado romo ello ; mj^ graos, medalhas, condecoracoos, tambem isto
quero dner, ivchonxudo, fortemeirte con-tituido,
i i; ic de sague, cmlim, um digno representante da
eoilim o relalo do Falln, som o mri-
to da boeaj dos conhecimontos agrnomos.
Aiflicando a osle exme externo e pnysiononu-
c< as regris do Pr. Gnll, acha-se no todo nina cu-
riostdade phronologica.
A cabera est em desproporcao cont estomago,
portrne o pescoro transversal, taM-z por causa
de urna ruptura na Inrwige.
Quemo observar de Unge te-lo-liai_por coreunda,
til ; mas quasi" exclusivamente honorfico, a
nao servir de ttulo para obter algam emprego pu-
blico ; assim, os uossos mancebos csto possuidos
todos da anibieao do sor funecionarios. Facilite-
mos, facamos, pelo contrario, com que a sociedade
livre teuhao poder de conservar no seu gremio a
parle inaisuolavol dos fortes da intolligeucia. Urna
grande produccao e urna grande venda do livros
dasrepresentaedes cortas do um drama dos mais;m,u0 escandalo que lia do prodmir nalguns A intelligencia humana j nao tem radicado em
applauddos? j membros da academia e do senado ou nos frequen- s, como outr'ora, o amor dos primitivos chrislaos
Quantos intentona ba, que nao encontram quem tadores da praga de commercio o rouovamento de pela pobresa, j se nao glorifica com as mortifica-
lhes empresten um real sobre o penhor de uin di- enthusiasmo, vrldade e dedicacao que o pensa- roes e a miseria; tem ciumes da sua gloriosa ir-
ploma de privilegio de inveneao que lhes custou os ment do crdito intcllectual flzer n'um senador maaa carne, e esta deve ter cuidado para que
maioros sacrificios ? E entre'os nomens e sobretu-! acadmico e dous ou mais mllonarios da actuali- nao venba um da a soffrer por causa delles, cnicl-
do as mullieres cuja instruccao, principalmente a dado ? Isto ha de ser proveitoso, inevitavcl oneces- mente.
miseria impellem para o rude mister da educacao sai-io, mas nao basta. E' preciso un acto que pro" | Cuidado com uma 0Htra nmi|e ^ 4 d(, agosl0|
das ereaneas, quantos nao sao reduzidos,apesar das ve o alcance e o um da idea. Nao necessano, para a nova noi,rcsa do dnhcro! Nao bastar en-
ltarda
dos
mais distinctos diplomas de capacidado, a comeear como em 1830 a sua carreira pelos lugares mais nfimos por falta de seus cargos offlciaes. Nao nos devenios^ separar (patra> os pergaminhos dos nossos bancos,
de recursos e sobretudo de uma coadjuvaco que I do mundo, mas sim congregarmo-nos o mais possi-
Ihes ensejo de serem apreciados e conhecdos. I vel com elle.
Nao legou Saint-Simn a posteridade e a nos esto | precis0 um g^g agremiacad geral, que pro.
ve que isto nao phantasia do alguns.pensadores
solados que lancam imprensa o dinhero e a po-
sicao-que adquriram, para ter o prazer de impr-
grito despedacador;- Ha quinze das que nao
tenlio outro alimento senao pao e agua ?
Anda nos registros do banco e nos livros dos
banqueiros se nao nscrevem os nomes dos obreiros niir e publicar os seus pensamentos
da sciencia e da arte ; o crdito nao existe para
elles ; mas 6 preciso que vos lu'o alcancis.
Quando o tiverdes conseguido, nao so nao ve-
remos mais Gilbertos nem tantos sabios jazendo no
hospital; mas tambem o espirito humano nao ha
de ter occasioes de se onvergonhar das quedas, das
baixezas escandalosas dos homens de talento. 0
crdito moralisa.
Dir-me-heis lalvez quep crdito intcllectual faT
lvel c precario. ABrmo-vos que nao : adoptae as
precaueoes de que usara para o crdito pessoal os
p;;7|e"ti:azuin hombro em desequilibrio, e dansa- pode dar ensejo a lli as i ostas um volume de carne. tal forra, |>or que olla tura intorosso de recrutar a
() ;il!i'.iiii o espeliio de sua alma : lede-o o te- gua P|iont4Ua entre os fortes operarios da vasta of-
s, tira composto do mm ^^
O concurso aos pontos propostos pela academia
d direito a reconqiensas, que esto em relacao com
1 tana importancia dos pontos dados, l'm esculp-
tor. um pintor, um archtecto vivom gratnitanieute,
i's symbollcos! hroes "da antignidade atravessan- verdade, quatro ou cinco annos em Roma; mas
mando com tres pasaos e meto! eomo voltam, os infelices ? como cstabelecem de-
, ^^fS!S& "luT' l"'" Pois sua omeina t Mendigando traba.ho, ou pros-
Oe>-idamoote o pequeo Keis o Supotedo do tuindo o seu genio. Eos msicos! Mesmo do-
Bnrlesco. pois do ter composto o Deserto, David nao tinha
A|,1drrdei,,i1or-sero,noui.i)e,vave,^^ran_ ^ m as letras. 500
Ma cntica aauontar itoicitus, o ea critica 101 ,,vu' i ___
1 que anda deixou alguma eousa h-., 1:000 Ir. ou >:50!)fr. dados por uma t voz ao
poeta laureado, a academia esta quite, e o autor
nem onconira um odiclor para a sua obra.
%reis um concert ue vinganeas,
Por sua natureza moral elle malfazente. E"
flos isuaturozas em que lo-Ja a irritarao torna-s
oii veneno ; que fatein do um resscnUmento ne-
I >partoda.a vida. Encarando-o, ou vendo-o
pasatf pela ra, vos o nlgareis um desses gigau-
iii favoravo
O critico. O iinieo de que tenho noticia pelo
Com-io Pattlistano foi o Se. TheodvmirO, que viu-
era ontinuacollisao, e do que disse poucoadian-
11] pei-.-ando pela falla de exemplo em aceitar tal
livroe serdclle o ahnnnciador.
Fei um fraco padrinho, um desvalido protector,
porque, apezar de mostrar-se iniparcial, sabe-so e
v-se que serviu muito a volitado do amigo.
Em littorat'ira o moa goslo severo; nao Icio
Tambera esta, pela maior parte das vezes, >\ mes-
quinha, mas quem poder laxor uma grande obra
sobro os assumptos o temi em vista os premios
que d a academia?
Quiio longo est tudo sto dos milhoos que Saint
,ipi
conscieucia do autor do livro, ,
uiiiu llear sondo omorcegolitterato.--08r.
y j ri oroa os poetas ivHge-trongne dos ca-
barets litterarios do XVII secuto.
obras frivolas, e prinriulmente uma publicado simn e Fourrier imaginavam para animar e re-
do AMtodo Mauoel dos Heis, ja conl.ec.do como mndes bemfeitores da intelligencia
amoMador e banal.
Lto Ainin porque aprsenla nomes d alguns humana.
estudanlos j |m- inini conhocidos, rauitos comnra ,fo. ^. a n- QS onglini,eilus qiu, ndus-
&AZZ^SSU?1tt~ na vre tira ao estado teen. retribuios quatro,
ragera do mnressor, ilo edicior e a pouea ou ne- dea vezes maioros que tinham outr ora pelo orca-
nliuma conscieucia do autor do livro, que para ni(Mlt0 |iUi,|C0. o mesmo acontecer cora os cons-
tructores das grandes obras intolloctuacs. J nao
1 sois como em 1830 uns pobres soldados de Deus,
Soi/cz komme, avmi ietre ecreruin. dista sos generaos, marecbaes, millionarios!
Vi lemain aos seus discpulos, o osla senteneade-
va ter sido lida pelo Sr. Rea antes da sua malo- E- j;l nmilu sc.n duvda para os sabios que dese-
tj'.;i e fuoe-i.a publicacao. aos recrular, estarem certos que os seus trabalhos
'mJg:Srt ffi. w+Sm sSo pela vossa sociodade nie.hor retribuidos que
ii i a sua o'ira hade ser eternamente condejn- porqualqner individuo
tSSST"^ *< intensados m fin communi. K preciso
.... .oirimem opcnsaminuilos observadores__que fazo-Ios accionislas fundadores na proporco das
til u.ii individuo para outia condicao que nao su;ls onlraaas intellectuaes.
dar su'aha a dous demonios, ao doseon-
liento o ao orgulho. Acontece que sendo o e nao me dgaos que isto soja mipossivct nos es-
individuo um idiota, pela desigualdade do nten- |;llui0s do rana sociedade anomma. Nada obsta a
mas isto nao basta: i
pola associacao gratuita-
Sede legiao. Para isso a sociodade a fundar de-
ve ter o duplo fim do crdito intellcctual e da pu-
blicacao de todas s obras uteis que se compuzo-
rein. O exame e a discussao dos seus estatutos
hao de (brear os poderes pblicos, os orgaos da
opiniao e todos os individuos que se devem asso-
ciar comvosco a constituir a sociedade, a compre-
hendor o que tentaos praticar e o fim humanitario
a que vos propondes. Parecem-mc necessarios o
detido exame e a larga discussao preliminares,
nao s para que a sociedade seja bem acolhida e
laucos da Escocia : duas testemunlias da sua pro- tenha uma grande pubbcidado, mas principalmen-
nossos caminhos de ferro, do nosso direito de ca-
pitalista ; ser tarde I Hoje anda tudo se pode ar-
ranjar som sacrificios e com gloria; mas apresse-
mo-nos.
- Nao sei se me engane, planeando a sociedade
que vos proponho, crcio que nao; mas do que eu
estou certo que 6 urgente uma instituieao neste
sentido; fundae-a, e que seja digna de vos e da
alta posicSo que tendes em Franca.
P. E.NFANTIN.
(Joma' do CommercioAo Lisboa.)
m a>
aw
fisso, ou mesmo um fiador, c ajuntao anda, para
complemento moralisador, uma inspeeco salutar
sobro a sua vida; e afilanco-vos que isto valora
tanto pelo menos como as duas assignaturas abo-
natorias com que se satisfaz qualquer banqueiro
da industria. Sabios, poetas, litteratos o arn'stas,
ais non numerosa c nobre clentella; por que
quem cultiva, embelleza e torna opulento o mundo
do espirito; ella a quem compete agora tomar o
seu lugar era seguida aos milagres materiaes que
acaba do realisar a industria. Tem direito a ser
por vos col locada pelo monos no mesmo nivel em
que, com o trabalho de trinta annos, pozostos a ma-
teria, ]>or que estou certo que nao haris de querer
que vos aecusom de adoradores do bezorro de
ouro.
Antes do 1830, sobre a influencia do Oliuda e
minha. Laffitte apenas imaginou a creacao do urna
sociedade que fornecesso capilaes a industria. Mas
depois do 1830, com a vossa influencia, foi o banco
quem quiz emprestar dinhero industria. Vede
te para que attnja a mxima perfcieao possvel.
Dovos attrahir para a sociedade todos os joma-
listas mais importantes, mais conhecdos, aquellos
cujo mrito incontestado; com isso a influencia
da associacao duplicar; e ellos formaro a maio-
ria da commisso de descont deste banco da in-
telligencia.
Notae que entre os jornalistas ha pessoas dedi-
cadas com especialidade a todas as profissoes in-
tellectuaes, assim podereis adoptar o systcuia das
companhias de descont, que chamara para o seu
consclho individuos de todos os ramos da indus-
tria. Dir-se-ha que ha de haver compadrio, nepo-
tismo, rivalidades ? De certo; nao os ha no go-
verno, no banco, por toda a parte ? Mas escolhei
para a direccao os mais probos e mclhores. o laso
remcdar-so-ha quanto possvel.
Devora estar annexos ao crdito intellectuar-, 1."
l'm armazcm do livros; 2." um musen de exposi-
cao e venda permanente de obras de arte 3." uma
as proporoSes que desde entao adquriu o ininisto- j sala onde se executem as obras lyricas c se leam
rio respectivo, que no lempo dos Bourbons era ape- as littorarias, sciculificas e dramticas.
as uma directo geral; vede como se engrande-
cen o seu orcamento, o seu pessoal, Ns suasattri-
buicoes, a sua importancia poltica e social. Pois
eslae cortos que o ministerio da instrueco publica,
nao dexara de ser acanhado, o seu orcamento mos-
quinho e insufilciente, que o seu pessoal jamis po-
dor hilar cornos frades ignorantes e os jesutas, e
que a sua im]iortancia iwlitica e social ser nulla,
emquanto a sociedade nao mostrar que pretende,
sol todos os pontos de vista, fazer um negocio en-
cllente, adiantando capilaes sciencia, desenvol-
vendoe propagando a cultura intellectua!, dotando
o nosso povo hercleo da sabedpria de Minerva e
do genio do Apollo.
publica, para que. polo monos, tenha importancia
egual ao da industria. Nao colloqueis a materia
acuna do espirito para que nao seja destruida a ba-
se da moral, da poltica e da religio. A occasiao
opporluua chogou, por que o mundo antigo cae an-
te o moderno, por que de toda a parte surgem meios
novos o poderosos para despertar, conunover e ele-
var os espiritos.
elles
um fado invi- ujos em premio dos serviros prestados ao fim so-
e do seu mundo,
que Ibes excede para
vel, cousas que P*fn tenji ?V*^ cial. na proporco .pie o couselho julgar convoni-
e miando mesino o um niJiv iduo uotauo ut iou.i> r i ___ .....
a,"3ades que faltara ao idiota, oslo grita mu- en. Prohibem-nos. acaso, nos nossos caminhos
to. enrarece -se, o por flm faz-ie un libollo. ou de ferro retribuir largamente os engenhoiros e em-
p.isiiuins. preitoiros como dinhero dos accionistas i
Chama-so tambem a isto um subterfugio do or-
gti o.
O Sr. Mauoel dos li.-i~
Perguntaros vos quaes sao as fontes do crdito
um patusco peque-' socal ? A acquiscao e a renda dos productos da
no pela intelligeucia, maior pola ignorancia, eran- ,mq|geiUa. Se nao livorem una grande publ-
So elle tbsso liomoni, so j pensasse, nao pubb- rao fetos por quom os devia fazer. Assim, na.-
mas
caria aquelle livro era Produccao mediocre, fas- va) ,,-,0 fundar tal associacao; mas bem dirigida,
., ,e,o unidade, ^cw*!*^?!g aflianeo-vos que ser mais mais importante e pro-
iiie sc uarocera coi o dono, i: i uein o que nao >.
.I.'.uinado. por mais generosa, por mais ele- duct.va que um grande caminho de ferro. Todos
v, i., que tenha a alma \p unisentiinentode indig- os homens de intelligencia serio seus membros;
ao ver as mediocridades ll.U('i;i;r'.'lll.il.ia!';!r por toda a parte tora casas filiaos o clientes.
as mediocridades
...i-.-i aatteucao. Nao viu o Sr. Keis esta per
;< nta une la/ o seo predilecto Htterato o Upes de .\,.n, entrar o jornalismo todo; as lojas de li-
nra Se oSr. Antonio dos liis fosse lio-' vro} 0 as Iviiogi-apbias sorao para esta grande es-
3 ras sSas pxsssz \ s ~ *''. *-*"
vido e em vez de sor um aecnsador, feria sido um ambos os sexos sorao os seus carris; os mesmos
juiz. Se fosse homem e escriptor, escreveria para corpOS offlciaes de sciencas modificar-se-ho cora
praticar actos de justica, nunca, actos de vin- 0 scu contacto, como so modillcam com a aprox-
" '.i,:'! veo, do muito do rn-quonofm-: elle de' macad dos caminhos do forro os montes, as calca-
uma indoie feroz, intriarate, ravejoso, som rapor- das e as minas.
tanca, nm ser esqnaliao,,.rejmlaiVo. jtj^tBbo- p S0l.iedade doslas tera um tal futuro?
empregana no hvro couipaia^ eorn^o ^ ^ ^ ^^ ^ ^ ^ ? ^
estvta ostripeiros, regatetrat e
r-.'i'ros. Os insultos e ridiculos que elle pensa te-
r o forra, perdem o valor viudos do individuo a
quera melhor assentam ; por exemplo, tudo que se
p le dzer c inventar serve para ornar o pequeo
Heis. Kilo to stulto que ignora o seguinte : as
injurias ou calumnias, o mesmo os insultos seguem
sobro uma grande o solida base. Para ella nao
preciso apenas, como para fundar um jornal, al-
gumas centenas do mil (raucos; 6 indispensavel
que seja um instituto inauceiro, una grande asso-
ciago, uma obra collectva e nao individual com
a le da queda dos cornos, que sua gravidade est ; acconstas consolho de admnistracao. direccao e
ua razao da altura donde ellas cahem.
Se o seu livro, mou pausro, l'orinasse uma esco-
ja, seria da littoratura obscura, equivoca, e crcio
que se o se.ilior nao se corrigir ficar sendo o
Antonio MinietEfcoco.
Aquella parle do seu livro, onde vera este ongi-
":,l .. ..
... Fio, Fio, to...
... Pan, Pun, Pa...
agentes assalariados pela massa social e nmica ior
um individuo s, por mais pecunioso que soja.
Nao ha quem tenha mais intelligencia e mais di-
nheiro do que toda a gente.
O nomo do estabelecimento ser Instituto Ency-
clopedico, Sociedade de Crdito Intcllectual ou de
Uma idea completa a
Crdito das Artes Liberaes.
bem recommenda o scu beslunto, e por tal crime' outra e amDas so dirigem para o mesmo fim : a
contra a decencia ou lhe juro, que se o senhor nao socicdadl, de crdito constituo o capital do Instituto
se emendar, ficar s^ndo o Manoel dos Heis-
Loitores, o autor do lbum tao fraco e banal, as publicacoes da sociedade ; nao 6 uma Biblia,
to pobre de ideas, que a elle acontece o seguii- j mas sm 0 grandc ivro do espirito humano, paten-
te : tudo quanto tenta aprosentar por meio de temio as contas correntcs e 0 balanco dos conlie-
Sisar oTSffinSTSK '5?^o" \ cimentes da humanidade no secuto XIX. Que obra
em que poder esso homem ser til ? que deslino toria mais direito coadjuvaco e conianca da so-
lera essa insignificancia I ciedade do crdito intellcctual ?
Se o Sr. Antonio do lbum fosse homem j>n-
.No vedes reuniroin-se sngreseos soientifieos,
fazerom-sc concilios de sciencas sociacs ? Nao v-
dos as aspiraeoes de todos para a extensao do en-
sillo primario, mesmo obrgatorio, e para a instruc-
^ao profossonal ? Nao vedes que os nossos cami-
nhos da ferro sao pedidos sem cessar por socieda-
des lvres de sabios e de artistas que os planeiara
por todas as communas da Franca ? Nao vedes as
gratuitas e numerosas offerendas dos operarios
ao maravilhoso e educador espectculo das exposi-
goes universaes ? Nao vedes, finalmente, o poder
prodigioso da imprensa, que s espera un cate-
chismo para transfigurar o mundo t
Ide e ensinae Estaos armados mil vezes melhor
do que outr'ora os apostlos do chrstiaisnio com
o dom das linguas e a pobreza, por que vos sois ri-
cos e possuis a lingua universal.
Acabo de fallai; da imniensa forca da propagan-
da que reside na imprensa, e disse j que todo o
jornalismo ha de entrar nesta grande associacao.
Se assim nao fosse, seria impossivel o Instituto En-
cycloiiedico, por que nao toria publicidade, ou nao
a toria sufflciente, limitando-se a annuncios e pro-
grammas dispendiosos c inefflcazes. Se os annun-
cios e um ou outro artigo dos jornaes bastara aos
caminhos de ferro e s empresas industriaes, por
que nao tendera a objectos de ordem intcllectual,
scicntifica, litteraria, artstica, nem mesmo a um
assumpto moral, philosophico, social e poltico.'So-
bre todos estes pontos, peto contrario, os jornaes
tem a pretcncao de seren juizes competentes ; os
jornalistas julgam-se litteratos, artistas, sabios, mo-
ralistas, philosophos e polticos, e sabem que nao
sao constructores, fabricantes, negociantes, em uma
palavra industraos de profissao. E' indispensavcl
po% para a sua existencia e progresso que a socie-
dade seja atacada c sobretudo vigorosamente de-
fendida pelos jornaes, do contrario as suas publica
e,oes nunca iriam alm de 40 volumes.
Esta observacao obriga-me a dizer algumas pa-
talvez pareen boje extravagante e nexequivel;
mas ainda nao ha rauitos annos que um caminho
do ferro foi tido como inexequivol o extravagante.
Toda a questo esta era saber se ha ou nao di-
nheiro a ganhar. Eu digo-vos o afflanco-vos que
sim, se o milagro fr praticado por quem saiba
onde islo conduz, e se se quizer fazer pela scien-
cia o que se fez pela industria. Nao vedes tantos
homens de talento, tantos sabios, que apagara polo
desanimo o a miseria o fado com que, protegidos
c animados, podiam esclarecer a humanidade ?
tantas vocacocs perdidas pelos favores ou dosdens
iui nos da fortuna?
Sede os guias do capital; ensinae-llio a fecundar
industria.
Todas as institutfoes livros de instruegao publi-
ca, (oreadas por necessidades financeiras bao de
successivamente tornar-so vossas clientes ; todos
os membros da niversidade e escolas superiores,
os advogados, os mdicos, os eruditos, os artistas,
os Iheatros tomar-vos-hao indespen?avelmenle por
seus banqueiros, quando hoje so encontram usu-
rarios.
Os editores esperlos compram por diminuto pro-
co com antecedencia todas as obras de Vctor Hu-
go ou Jorge Sand, corap rara a propriedade da edi-
tad ou das edicocs; mas nao emprestara, nao
dantain, tanto que sc diz que Vctor Hugo guar-
dou na gaveta por dez annos os Mutrtntit, \*>v
que, ha trinta annos, tinha vendido a Gosseln to-
das as obras, que durante esse lempo, escrevesse
por 1:000 frr icos o volume. Qual o ramo do in-
dustria que io se envergonharia de procurar di-
nhero com -aos condicoes ? Es individuos, que
nao so pode-i aproveitar da alta da sua reputaco
o da sua gloria. E nao este dos contratos mais
lesivos que tem sido obrgados a contrahir os me-
mores cscriptores.
Asseguro-vos que a sorte das pessoas que nao
tem eslabcleciineulos industriaes, nem bens de
raz, nem dinhero, c que sentem alguma cousa
do grande na cabera e no coraco, o nao a podem
produzir e publicar, por falta deste ar vivificador
que se chama crdito, asseguro-vos que a sua sor-
te rail vezes mais nseravel que a do operario
sem trabalho, e que esta doenca corrompera c
perverteria anjos. Fazei-a desapparecer, e con-
vertereis demonios.
Ha por toda a parte oestes infelzes: sacm do
conservatorio, da academia de bellas artes, de to-
das as escolas superiores. Sei as diflculdades e
impossbilidades mesmo de curar completamente
tamaita chaga. Mas urgente applcar-lhe re-
medio, minora-la quanto possvel. 0 banco de
O Declogo.
O protestante, que appareceu no meio de nos,
annunciando os falsos principios da religio pre-
tendida reformada, por muito lempo nos pareecu
calvinista, porque a Biblia, que tem espalhado por
esta cidade, tem todos os caractersticos de perten-
cer a esta seita; mas elle acaba de declarar era
ura folheto recentemente aqu publicado, que
presbytero da egreja protestante episcopal nos Esta-
dos-Unidos : assim que, antes de entrarmos no des-.J
envolvimento deste artigo, que tem por fim mos-
trar, que a egreja cathoiica nunca allerou o dec-
logo, julgamos opportuno dzer alguma cousa, ain-
da que brevemente, sobre a origem da denominada
egreja protestante episcopal dos Estados-i nidos.
Witliefield, ministro anglicano, foi quem deu em
Londres, em principio do secuto passado, origem a
esta denominada egreja protestante episcopal
alToctando uma virtude austera emprehendeu re-
formar os costumes do povo inglez, pregando lilas
ras o pracas, adquriu alguns proselytos as nfi-
mas classes da sociedade, e anda que este succes-
so nao fosse devdo'seno ao espirito de novdade,
que de ordinario contamina aos incautos c igno-
rantes ; o clero anglicano, assustado, o denuneiou
como fantico, perigoso, e sublcvou contra elle a
populara, que por vezes dfforentes o correu a pe-
dradas.' Mas a novdade agrada, e pessoas distinc-
tas e poderosas, e nao j a plebe protegern! a
Withefield, o qual continuando a sua pregaeao es-
colheu d'entre os seus adeptos alguns mais atrevi-
dos e loquazes, deu-lhes a nissao de pregar, o le-
vanten na praea de Moorfields um labiado, aondo o
plegador mottido dentro do um tonel vasio, ficando
patente da cintura para cima, se dava em espect-
culo aos curiosos, que de todas as partes de Lon-
dres corra divertr-se com o pregador, e com o
sentad.
Neste ridiculo pulpito, o energmeno predicante,
estendendo os bracos, gesticulando, esbravejando,
lanzando para todas as partes os olhos chamejantes,
e fazendo horrveis contorsocs e esgares, declamava
os seus inintellgveis discursos.
Como esta seita tanatica nao nvesse mimo sequilo
na Inglaterra, Withefield passou por quatro vezes
- America, aonde adquriu maior numero de pro-
selytos, e nttulando-se Papa, ordenou bspo a um
individuo, que ficou sondo tanto hispo, como elle
era Papa, para estabolecer a nova jerarchia, c con-
tinuada : e es aqu a origem da pretendida egreja
protestante episcopal dos Estados-Unidos (1).
l'm inenibro desta seita estabelecida em Nova-
York foi mandado era 1836 ao Rio do Janeiro, c
tambem aqu passou pela Baha, cora o fim de Bo-
rnear entre nos os erros de Lnthero e de Calvno, e
c se dava o ttulo do Mssionario do Rio de Janeiro,
o qual tendo observado e indagado tudo quanto jul-
gou conveniente aos interesses da sua propaganda,
abri a sua correspondencia com o secretario da
sociedade das missoes, sendo a primeira impressa
na gazeta americana Cristian Arocate awl Jour-
nal, Nova-York 2 de dezembro de 1836. a qual
foi publicada em vulgar no More! do Imperio de 10
de julho de 1837, n. 88.
Nao ser fra de proposito publicar ao monos
dous trechos dessa correspondencia para conheci-
monto dos Brasileiros, sem a menor reflexao, ou
comentarios, deixando a cada ura a apreciacao das
injurias, que nos sao irrogadas sesees trochos.
a Tal o ponto e situacao relativa do Bio, que
. o sermos bem e permanentemente arraigados
t aqu da maior importancia para o adiantamen-
to das operares da missao neste paiz. Ser
deste ponto, como de um centro commum do com-
mercio o da influencia, que teremos que espalhar
o Ecangelho e as luzes da sciencia, com todas as
mais heneaos da civilisacao, por todas as partos
deste vasto imperio, o qual, como sabis, abrange
uma"extensao de territorio egual aquella dos
Estados-Unidos.
Nao as alorars, nem Ibes dars
eu sou o Senhor teu Deas, o Deas forte t
que vinga iniquidade dos pus nos
terceira e quarta geraco dasjnellos p
cem : e, que usa de misorieariia ate
com aquellos, que me ama, *pH* goarant w
mcus preceitos.
Nao tomars o nomc do Senlior tea Dens nm, vio:
porque o Senhor nao ter por innocnlp a que tomar em vo o nomc do Seobor aea Deu.
I.ruihra-ie de Molificar o dia de Wlo.
Trabalhars sois das, e (aras nelles todo j*
tcns para fazer.
O stimo da, porm, o- saldado do Senhor Ira
Deus. Nao fars nesse dia obra alguma. aea as.
era teu lilho, nem tua filha, nem o ten esenvo,
era o jierfgrino, que vive das loas purlas para
dentro.
Porque o Senhor fez em seis das o cu e a urrs
e o mar, e tudo o que nelles ba, e descaaron a v-
tmo dia : por isso o Senhor aliencoov o da
e o sanlifitou.
Honrars a teu pac c a tua mae, para
uma dilatada vida sobre a Urra, que o 9>-nhor ten
Deus te ha de dar.
Nao mataras.
Nao comnietters adulterio.
Nao furtaras.
Nao dirs falso testemnnho coolra o le n-
xnno.
Nao cubicars a casa do leu prximo
sejaras a sua mulher, nem o seu servo, i
serva, nem o seu jumento, nem outra
que lhe pertenca.
Deixando de expor assim os
gralmente, o protestante os a
que refutamos resumidamente,
todos os nossos |Hipienos ratheeisav, e para bbtt
daprohibico de fabricar unageas um pavete a
parte, engloba o nono e ibrimo: mas para ser eo-
herenle devia formar tamben da prutiibieia c
adorar as imagens um preceito separado e distiar-
to que seria o lercero. Julgantlo aliiiin-. qin* *^-
laa palavrasnao fars para ti imaaem it rtrntrn-
tura, nem figura algnmn de InAo mwe k em rimnn
no cu, e do que ha em baijo na Ierra, nrm 4 tmt-
S'i que baja as agwi* alniUt) de lerrn. Xm m
aforars, nem Ibes dars rnlta : eran o priaariaeo
de outro preceto, quizeram. que as do iluta ntei-
mos inandaraenlos dodeeaiogo eontfeanrm na'lj-
um s mandamento ; mas nao podendo deiaar V
se distinguir nellasdous preceitos ambos sabr *-
tos internos, foi Santo Agosnho de opiaa, |i)
que as palavras a cima transcriptas .
anda ao primeiro dos dez maaaataaeaMM tai-
logo : opiniao que a egreja adopten, e por
forte razao, e que a sam-rio do ptvtnut. e da ae-
na, convinlia que'se declaras** logo ao prinrir"
mandamento, e nao se reservaste para o .ano*''
como acontecera, e das palavras referidas se fcao-
so um procedo dslinito do primeiro.
Atienda bem o loitor. o |or si mesmo jul*oe. se
nao justissiiua a razao da ejrrrja e relWtiad aa
palavras do cap. 20 do xodo ba d<- rn.pnhfrwa>
Deus o que ordenou ao povo lbd>reu foi qu-a*>
rasse somonte ao Deus vird.iil.-ir". equt-saaee-
rollarios deste grande preceto, a prohibieio de la-
zer imagens e adora-las. (.1) __
Nao tenis dense* estrangeiro* dtanle de ana. >*
fars para ti imagens de esmlptm*. etc. Nmt m aV
raras, nem Ibes daros culto : porque eu sm .Vr
nhor ten Deus o Den* forte e zeloso, mu? rimmm m>-
.niilade dos paes nos filhos ate a tercerm e qumrt.i
gerardo daquelles. que me aborrerem : ejme asa me
misericordia-ate mil gerares com aqnees mn me
(imam, e que guardinn os mens prereitot. ____
Aqu se contm a sanceo da -na para aipelte-
r i no nao adorareni a Deus, e derem culto a
.' __ _.____^ .. j-...n fn*K (i,.i -i,
los, e do premio |ra os que torem fi-is ao Seahor
o lite derem o culto que lhe devido. sanrrao >*
abrange tudo. o preceto alirmalivu de aiforar -
mantean Deus verdadeiro, o o corollario qued-ll.
se segu ou proceilo negativo, que aetle est con-
lido, do nao adorar as obras das maos do honeai.
ou objectos creados c falsos deuses nao sendo pm
isso dous preceilos. mas um s.
as palavras do xodonao adulteraras *
contera Hm grande prtt-eilo. pelo qual nos prohit-
Deus todas as obras le deshonestidad-, seaao
adulterio o maior de todos os pceeados desfc (reav-
ro, prohibido elle, prohibidas esli tmlas as espe-
cies do m-eeiii'' ii.'.i. el.......stidade; o as [olavra-
nao furtarasse ii"> prohitx- tomar qoaaqner
cousa do prximo contra sua vontade.
Mas Deus nao so oonteulou de nos pr< Jiil obras de deshoneslidade e do furto. prohibin-Bte
ate o desojo de as praticar.
A mulher, es|>osa do homem, e sua cooapaaaeira
da vida, da fortuna e da adversidade. que a>o-
formou do mesmo homem, o da qual disx; \ita>'.
nosso primeiro pao. vendo-a juntamente de si. e
acordando do profundo somno. que o S-nhor Hie in-
fundir.Eis nqiii agora o omu a CMhW de minha carne... Por isso deirmr kt-
mem a seu pae e a sua me, e se wnir a ma aw-
Iher. e serftj dous em urna carne. t\) a mulher ao
cousa, mas pessoa, e nao se pode nem oVweea-
fundir cora os objectos. que fazem parle do prece-
to, que se contm as iialavrasnao fwtaras f
E porlanlo as ultimas palavras do xodo, qoe roa-
lm os na ndanienlos de Deus. nao se podem con-
siderar senao como eontendo dous preceilos mu
dislinctos, isto de nao cobtear a lantber do pr -
limo, o de nao desojar as cousas alheias.
verdade. que a mulher nao .'- la para os prv
testanles grande eonaa : e pateH Ibes merece a sna
sorte, osen futuro, oo seu Im-iu estar, sim wi
protestantes tirando ao malrimonio o earacl-r !
per|eluidade. e considerando o laco. ou riatrato. do-
contrato malrimonial como o de unalqoer oulro
contrato ordinario, rediiziam a mulher^ mais la-
niontavel situacao, situacfioto tri>ie. taoifosastrn-
sa. do conseque'ncias tao funestas para a fjnuaa.
que nao ha muito o n-i da Prussia, abrindo a se
sao das cmaras legislativas, on dos ote*'. daa
na sua fallado anortara, que era precisooltoenra
matrimonio as provincias protestantes no mi>n
p, emque ello eslava as provincias rathorasda
Prussia, alini de evitar esse numerooxiraordiiuri"
de repudios, que espanlava o paiz. o qae nao aeon-
tecia as provincias calholicas. graras o salutar
principio nollas observado da ini4ated> do
nialrimonio. indssolubilidado instituida por l>-i,-
no paraizo termal, quando uniu. san mesno. eomo
sacerdote eterno, o primeiro homem. primeira
mulher, e que nosso Senhor Jess Christo ronlir-
niou o sanecionou com estas solemnes e memora-
veis palavrasNao sojiare logo o homem o qu-
Dous ajuntou. (5)
Mas em lodo o caso a egreja cathoiica nao toa.
meiro c depofr escriptor, nao seria fastidioso
na exposicao, prolixo quando resumo. E' porque
o son espirito ainda nao tem a edade da reflexao.
Eu o julgo supinamente ignorante, e por isso mes-
mo, na analoga dos talentos, nao tenho um lugar
liara lhe dar.
Vacticino que a sua celebridade nao ser pela
littoratura.
Eu o pedera desculpar porque sei que o espi-
rito verdaderamente acanhado, nao se apercebe
da sua mosqunhez ; er a mundo limitado ao ho-
risonte que elle abraca, e por isso que elle nos
irrita, como tudo isso que pretencioso o vo.
Anatomizando o volume achei este resultado :
Sunt urba et voces pretereo que Nihil.
A' falta de arte e de estylo, nem ao menos esse
ignorante e banal menino, tem sinceridade e por
isso nao deu juizo exacto, querendo com o seu
lbum ou Alnafada deixar uma ameaca perpetua-
Encvclopedico. A enciclopedia a serie de todas ''ras sobre dous pontos importantes da publica-
cao : 1. a ordem por que devem apparecer as ma-
terias ; 2." a dupla forma (cidadaa e popular) que
devora ter as publicacocs.
Emquanto ordem : nao devoto comeear a pu"
blicacao pela phlosophia, a methaphysica, a lgica,
a analoga, a astronoma e as mathematcas, anda
mesmo que mais tarde estes volumes sejam os pri-
meiros da obra, quando completa.
Comecae pela economa social, a poltica, a his-
A rcunio dcstas duas idas nao torna o fim da
sociodade mais- complexo de que o de uma compa-
nhia (Je caminhos de ferro, por que a redaccao c
exame das publicacoos como a construccao do toria, a litteratura, a arte, alternando-as cora a clu-
caunho empresumo fcito aos homens intelli- mica, a physica, a agricultura, a hygiene; em sum-
gentes, a explorafao da grande estrada estabele- na, comecae pelo que podo ser accessivel a todos
cida para aproximar os espiritos, para reunir os ou ao maior numero.
productores e os consumidores da sciencia.
Tratemos mais dotidamente do crdito iulellec-
tual.
Citei numerosos cxomplos da incuria madrasta
da sociedade actual para com muitissimos de seus
filhos dotados de intelligencia e abandonados por]
ella exactasjtente na occasiao em que mais neoessi-
dade tinham da sua providencia maternal. Sei
Emquanto dupla forma, que chamo cidada ou
popular, isto para os homens especiaes ou para a
generalidade dos homens, creio que cada volume
deve ser acompanliadodeum resumo depoucas pa-
ginas, formando um folheto parte, que se venda
separadamente. Todos estes folhotos reunidos for-
marlo o resumo popular da grande obra encyclo-
pedica da sociedade. Este resumo facilitar ao jor
Franca e todos os estabelocimentos de crdito in-
dustrial nao tem a pretcncao de curar inteiramen-
te as enfermidades da industria; nao se trata pois
de extinguir todos os males que affeetam a scien-
cia e a arte por um primeiro hospicio intellcctual.
O que evidente que o mal grande e geral, e
que exige um grande esteren collectivo, que nao
pode era deve ser tentado senao por urna socie-
dade lvre.
O que eu quera, nao por vos, mas por aquellos
que convldardcs para a nossa obra, o que vos con-
vencesseis de que isto nao 6 uma caridade onero-
sa, um sacrificio philantropico, urna generosa, mas
louca phantasia ; porm sim uma especulaco
mercantil, cuja base tao larga e iositvamente
solida, como a de qualquer estabelecimento de cr-
dito industrial.
E1 tempo que na economa poltica os productos
inimateriaes de Storch, de Ssraonde e outros mo-
dernos cscriptores lomera o lugar que lhes compe-
te; teera um valor assaz grande e suffleientemente
provado, offerecem-so e pedem-se no mercado, co-
mo outras quaesquer especiaras, e s fanticos
ou hypocritas exprobariam como crime Intelli-
gencia ter o seu crdito eotado na praja, quando
j o tem, com todos os inconvenientes do mysterio,
nos baleos dos usurarios.
O dizer-se que os interesses materiaes invadem
todos os espiritos, significa que a sciencia serva
da industria; mas nao que a sciencia seja mais re-
mutilado o declogo, c no catheeismo romano roca
t Os magistrados, solemnemente juramenta- jusodos paroehos se ex|x\em os dez mandainen**.
dos a porem em forcas as leis, muitas vezes fe-. de Deus laes (paos eslao cscriptos no cap. ft> do
chara os olhos, c recebem penas. Ninguem ousa ; xodo, como cima dissemos, o desengaes,, qnem
l"'1" ',. : v .. Uuiizer or si. reeorrendoao dito catherisna "h \
por em for?a a le., e homem nenhum poda me,- fefrej! oalholiPaf a roh,mna. e o Iktnatnan-
rao, quando quizesse, faze-lo : tao fraco o prra- ,0 da ver|jade mutilar o declogo LTrahr a snbti-
eipio da moral neste gorerno. Quem quizer
comprehender, que comprehenda ; o entremos no
nosso ponto.
Sob a epigraphc O Declogo Mutilado appa-
receu noJaternw Publico de 25 de abril ulti-
mo um artigo assiguado por Um protestante _
ou o protestante eutre nos, c da mesraa lavra dos flS utagens, nem tor isso encontrar menos rz ma-
ana sahiram noDiario denunciando a egreja, dmenlos,Isto que afoutean e desembaraco '
. .- j i ...- uja n npain calholica do haver alterado o Declogo, e que nao | de de M ni.r de monsenhor co,,^, Wspo *.
onsna nos seus cathecismos os mandamentos como M diocese> quo ahi anda tradnzido em vtrigar. e
foram publicados por Moyses. e se acham esmptos rorro pelas raaos de todos, e vede com vosaw pro-
no cap. 20 do xodo, na ordem e forma, em que' prios olhos corno esto nelle expostos aamaa-
Dousosescrove, EpararefuUar tao injuriosa o gg ^^^^ZA-
falsa arguicao nao precisamos mais do que remet- ra do Egypto, da casa do sur raga : ntojereis ou-
ter o leitor para o catheeismo romano, mandado pu- tro Deus ianlo de mim : no fareu imagens. m-w
blicar pelo decreto do concilio tridontino e por or- ^^^^^^^ *"
dem do Summo-Pontfice S. Pi V, o que felizmente ra nas aSa-. Pmn
me missao, que receben de JesusChislo.de easinar
a todas as gentes illudiedo-as injuria tio gros-
sera, que s podo partir de corariies eorrooaptdos.
e de mentes desvairadas pelo espirito das trevas
e da sedue^ao do inferno.
O protestante diz : Mas se o talar tteer mou
um catheeismo qualquer da egreja romana rer mu-
ali nao se encontr este segundo nuindamenla sobre
nalismo a propagado da vossa obra, porque oellfi tribuida do que o que merece basta rdr os orde-
corre entre nos em vulgar, e traduzido em Pernam-
buco no anno de 1849.
Na parto terceira Do Declogo e Preceitos Di-
vinos, expocm o catheeismo os dez mandamentos
do declogo- taes quaes sc acham escriptos no cap.
20 do xodo, e os expjca largamente, cbmo con-
vm instruegao dos eis.
Eu sou o Senhor teu Dens, que to tirei da trra
do Egypto, da casa da servidao.
Nao ters deuses estrangeiros dianlc de mim.
(i) Veja-se o Diccionario Histrico, artigo Witbe-
field,
(Continuarse-i*.)
(3) Nos os catholicos nao adoramos as imagen-
isto est dito, e rdito, provado, c mais que pro-
vado.
(4) Genes. 2,24.
(5) Math. 19, 6.
(6) Tora. 1. Seec. 3. dos iaa#ava/f |aV Deus.
cap. 1,
PErLNAMWCO,-PYP. I* M F. DB F. 4 WU
f

............!U.....' .
aaa-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYBKHZ1IW_OR7266 INGEST_TIME 2013-08-28T02:21:27Z PACKAGE AA00011611_10145
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES