Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10142


This item is only available as the following downloads:


Full Text

mvr*
>
AMO XXXIX NUMERO 162.
Pop tres mezes adantados 5S000
Pop tres mezes vencidos 6|000
DIARIO
i
SABBADO 18 DE JLHO DE 1863.
o*------------
Por anno adantado ..... 19$0QO
Potte franco para o subscriptor.
ENCARREGADOS DA SIBSCRIPQO NO .NORTE
Parahyba. o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Araeatv o
Sr. A. de Lomos Braga; Cear, o Sr. J. Jos'de
OOveira Maranliao o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para,, os Srs. Manoel Pinhciro mazonas, o Sr. Jeronuiio da Costa.
EXCARREGABOS DA SUBSCRIPTO NO SIX
c'WS 0Sr- Clau''< Falcao Dias; Bahia. o
M\ Jos Marlms Al ves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reir Marlms & Gasparino.
PERNAMBUGO.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Eseada todos os. dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
scxtas-feiras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruaru',
Altinho e Garanlmns as toreas feiras.
Pao d'Alho, Nazaretli, Limoeiro* Brejo, Pesqneira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu", Cabrob,
Boa Vista. Ouricnry c Exu' as quartas feiras.
berinhaem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas eiras.
Ilha da Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao '/z dia.
EPHEMERIDES DO MEZ DE JULHO.
4 La eheia as 3 horas, 20 m. e 22 s. da m.
7 Quarto ming. as 7 h., 3 m. e 20 s. da t.
15 La nova as 7 h., 28 m. e 20 s. da t.
23 Quarto rese, as 6 h., 7 m. e 24> da t.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 6 horas e 51 minutos da" manhaa.
Segunda as 7 horas e 81 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagas a 5 e 25; para o norte at
a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernando nos
das 14 dos mezes dejan, marc., maio, jul, set. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recin?: do Apipueos s 6 '/*, 7, 7 i/fc 8 e
8 /i da m.; de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao as 6 y, dan.; do Caxange Varzeas 7
da m.; de Bemflca s 8 da m.- -
s ^,/Re<"fc1; paPi> Apipueos s 3 i/'4, 4 'A, 4 /*
' k-' '2 e6 da ,ardp: l)ara 0linda ** 7lla
manhaa e 4 y2 da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
de; para Uebange Varzea s4 Vda tarde; para
Bemfira as 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do eonmiereio: segundas e quintas.
Relaeao: tercas c sabbados s 10-liecas.
Fazcnda: quiutas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos { tercas e sextas s 10" horas.
Primeira vara do eivel : tercas e sextas ao- me*
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbadosa' 1 hora
da tarde.
DAS DA SEMANA,
13. Segunda. S. Anacleto p. m.; Se. Jnrl e Es*?*.
,\- ner-' ^^""ra: Ss. Flora eJusta mar,
13. Quarta. S. CamHI.. de Le|.< funda*
16. Quinta NS.-nlK-.ra do Carmo; S. Tlenle b-
17. Sexta. S. Marraba r.; 8. Alei\n
18. Sabbado. S. Rufino b.: s. Symphoroj m.
19. Domingo. O Anjo Custodio.
ASSIGNA-SE
no Recife. em a livrara da prara da InnVp.-wd.-nri;
ns. 0 e 8. dos proprietarios Manuel Figuema 4e
Faria & Fillio.
PARTE OFFKIAL.
tu,
GOYERM DA PROVINCIA.
Expediente do dia 13 de jnlho de 1863.
Offlcio ao Exra. Sr. Dr. Joaquim Jos de Olivei-
i, yice-presidente da provincia de Sergipe.-F-'
fazenda, a qnal eslava esse offlcial responsavel pela
quantia de 8:653594 rs., como se v do citado of-
licio.
Ditoao juiz municipal do Buique.Inteirado do
que Vmc. eommunicou em sen offlcio de 3 do cor-
rente, tenho a dizor-lhe, que lindos os trabalhos da
segunda sessao da junta de qualifieaco dessa fre-
guezia, CODVoqae extraordinariamente o conselho
muniripal de recurso dei>ois de preenchidas as for-
Sergipe.-Fi-' malidades legaes para tomar conhecimento das re-
tando uileirado pelo seu offlcio de 13 de junho ul-, clamacoes desatendidas como lite foi determinado
tuno de haver \. Exc. na qualidade de 6 vice-' em offlcio de 13 de junho prximo findo.
presidente prestado juramento e tomado posse da I Dito ao inspector da satide publica.Transmiti
admimstracao dessa provincia, tenho a dizer V.' por copia Vmc. para seu conhecimento e exocu-
Hxc, que me achara sempre prompto a executar cao o aviso do ministerio do imperio de 27 de junho
suas ordens, quer sejam relativas ao servieo publi-; ultimo, no qual se reeommenda que esta presiden-
co, quer ao particular de V. Exc. cia at o fin de outubro vindouro, remeta aquella
Uito ao hxm. presidente da provincia do R io de secretaria de estado, urna exposicao circumstancia-
Janeir...Com o offlcio de V. Exc. de 19 de junho da sobre o estado sanitario desta
Leu_-se e approvou-se
dente.
provincia no da 14 de fevereiro ultimo. i da data das informaces que servirn, de base ao
Dito aoExm. presidente de Minas-Geraes.Agr- relatorioque devia ser apresenladoaassembla ge-
u>co a V. Exc. a oflerta que me fez de nm exem- ral na sessao deste anno.Offleion-se no mesmo
piar da carta gcograpnica dessa provincia, ultima-; sentido ao inspector da sade do porto.
mente confeccionada, a qual acomiianhou o seu of-1 Dito ao jniz de paz presidente do districio de
!?,,, lf Jh"!' "",nln- a Panellas sede da freguezia de Quipap.-Kespon-
Ditoaobngad.-iro commandante das armas.- dendo ao seu offlcio de 16 de junho ultimo, tenho
Pode ^. E\c mandar jussar escusa do servieo ao a dizer-lhe que em dala de 13 do corrente ja decla-
sol.lado do batalhao de inlantana Joao de Dos rei Vmc. o numero de eleitores que deve dar essa
Euphrasio, aceitando o paisano Joaquun LuizBap- fre"uezia
lista, que se olfeteceu para finalisar o tempo de I Dito aocirurgiao Francisco Marciano de Arau-
servico que lhe falta, visto estar elle as condicoes jo Lima em conunissao na villa de Flres.-Intei-
rado do que Vmc. me communica em seu offlcio de
a acta da sessao antecc-
EXPEMENTE.
Offictos.
Das presidencias das provincias do Rio-Grande
do Sul de 2, e do Rio di- Janeiro de 19 do corren-
te, communieando terem entrado em gozo de li-
cenca os Srs. jnizes de dlreito Dr. Matheus Casa-
do de Araujo Lima Armad, da 2" vara criminal
d'aquella cidade, a SO de maio findo, e Dr. Jos
Nberto dos Santos, da comarca de Cantagallo, a
U do corrente.
Do Rio-Grande do Sul, de 8 e 15 do corrente,
w .en ^xposirao da reclamarao.
N. 150 pelo Sr. Messias de Leao.'
JULGAJIENTOS.
V A-J1I r, Revistas c/re/.
.>. ojji.Rccorrentes Francisco Ferreira do A-
mara esuamulher, recorrida, Gordiana, por seu
urador.Negou-se a rerta.
N. 6.143.Recrreme Jos Egidio -Gomes dos
Santos, recorrido Luiz PereiraPaes de Alneida.
.Ne^ou-se a revista.
N. 6351.Recorrentes Francisco Bento Fernan-
des e l-rancisco Jos.- da Cnnha, por cabeca de sna
muiher, recorrido Ignacio Goucaives Lanas.Ne-
communicando que o Sr. juiz de direito DrI Joao gou-se a revista
Evangelista de Negreiros Sayao Lobato passra no | N. 6354.-Recorrente D Maria Corsino lmeS
1- do crreme a 2- vara commercial e a dos feitos recorrido Francisco An'o oXnds Monte n?-
d^ fazenda, que exercia interinamente na mesma. Negou-se a revista ABn'w.l,l"ais Monteiro.-
capital, e que declarara a 15 do corrente aceitar a N. 6356.Rccorrentes Poreiri A rtnwta o in
f vara commercial da corle, para onde partira mulheres, SSSSoTS^toX^\.
Prainha e sua mulher.Concedeu-se a revista e!
designou-sea relaeao do Maranhao para julgar no-
vauuuite a causa.
N. 6360.Reccorrentes os
De Minas, do 1 e de S. Paulo de 2 docorrente,
commtinieando len-m enviado as portaras deste
tribunal aos Srs. juizes de direito Dr. Antonio de
terqueira Lima c Dr. Olegario IIercuIano-.le A-
quino Castro.Ajuntem-se aos competentes pro-
cessos.
Do Rio de Janeiro, de 3 do corrente. communi-
cando ter oSr.juiz de-diroito Dr. Jos TavaresJJas-
tos entrado no lu do corrente em exerekio na co-
marca de Nitherohy, e nao ter oSr. juiz de direito
eonselheiro Joao Luslosa da Cunha Paranagu re-
assumido o seu exercicio na comarca de Petropolis
por estar doente.Averbem-se.
Da presidencia da reiaejio do Rio de 4 do corren-
te, enviando copia do acerdao proferido-da revista
do regulainento de i8 de setembro de 1839, secun-
do V. Exc. declarou em seu offlcio n. 1,237 de 13
do corrente.
Dito ao mesmo.Declarndome o juiz de direito
da comarca de Palmares que na povoac'io dos Mon-
tes, onde termina a estrada de ferro, ranifestou-se
o cholera-morbus. faxendo victimas e accommet-
tendo a varias pessoas, sirva-se V. Exc. de provi-
denciar para que o Dr. Alcebiades Jos de Azevedo
Pedra,siga quanto antes para aquella povoacao, a
prestar seus serviros mdicos aos affectads do
mal, devendo no desempenho dessa conunissao, en-
tender-se cora o referido juiz de diiVito.
Ficam expedidas as convenientes ordens para que
seja reraettida para aquelle lugar urna ambulancia
com os medicamentos apropriados ao tratamento do
cholera.Communicou-se ao Dr. chefe de poli cia e
ao juiz de direito de l'almares.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda
Attendendo ao que soliciton o juiz municipal e de
18 de junho ultimo com relaeao a epidemia do chq-
lera-inorbus em Villa Bella ores, tenho a dizer,
que contine no tratamento das pessoas que csti-
vercm doentes ou forem accommettidos desse mal,
devendo eoniinuniear-mo o que fr occorrendo a
esse n-speito.
Portara.O presidente da provincia, attenden-
do ao que reqnereu o juiz municipal e de orphaos
do termo da Boa-visla nesta provincia, bacharel Jo-
S do Patrocinio Pereira e Silva resolve prorogar
mais at o fim do corrente mez o prazo que lhe foi
concedido para a apresentaco do titulo de sua no-
meacao.
Expediente do secretario do governo.
Offlcio ao Exm. eonselheiro director geral da se-
_ crctaria de estado dos negocios da iustica.O Exm.
je Sr. presidente da provincia manda declarar V.
legado do termo de Santo Anlao, em offlcio de 5 d JE"' m 'TsPs,a ao s^" >fBto de 6 do corrente,
corrente, recomiiiend.. a V. S. que mande pagar ao I SfiSft H (,ony('n">n,'f10'"ins l'ara a devida
pliarn.aceutico Manoel Joaquim das Treva.-TMari- \2f?Kd0 ferc,0,n- Jde.3 destem, pelo
qual S. M. o Inqieador houve\x>r liem crear um
commando snpenOT de guardas nacionaes nos -mu
Ofliciou-se ao commandante superior
muso remettendo-se-lhe copia do decreto.
Dito ao Sr. Jos Gomes Coimbra.Pela secreta-
ria do governo rcmetteu-se ao Illm. Sr. Jos Gomes
Coimbra, 1" tabelliaoc escrivao de orphaos e mais
annexos do termo do Rio-Formosb" para "Sfen conlic-
eimento e direccao a inclusa copia ao aviso expe-
dido pelo ministerio da justiea em 30 de junho til
nho, nao so a quantia de 405 proveniente da grati-
hi-a.-ao de 8,5 diarios que lhe foi arbitrada pelo
mes.....delegado durante o tempo em que a contar
de 13 at 17 de junho ultimo, estove incumbido do
tratamento dos individuos accommettidos do chole-
ra-morbus naquella cidade, mas tambem a de .
23&400, em que importaram os medicamentos que
forneceu para esse lim como se v dos inclusos do-
cumentos.Communicuu-se ao juiz municipal e de-
legado de Santo Antao.
Ditoao
inspector
do corrente
mande
quant
em duplcala, importara as despera*
casinhi construida na torre d. collegio, para o al- V''aS SSSft nS Pr,'Ju,zos Ia lwuvcr fle
vi.areiro do telegranho desU capitll.-Conin.uui-! solT,'er eom a P*6 dtfllt>-
cou-se ao inspector do arsenal de inarinha. n .. ..... ,.
Dito ao mesmo. Transmiti por copia V. S. Despachos do da lo de jnlho de 1863.
para seu conhecimento e execucao na parte que fequermmtos.
lhe tocar o aviso do ministerio do imperio de H de Agostinho Ferreira dos Santos.Informe o Sr.
junho ultimo, dirigido ao Exm. hispo do Maranhao, Dr. chafe de polica.
i rulando o procedimenlo que devem ter os presi- Bacharel Bernardino de Sima Das.Informe o
dentes des provincias relativamente as cencas dos Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
no prazo legal.
Do Espirito-Santo de 19 do corrente, communi-
cando que o Sr. juiz de direito Dr. Joao Paulo
Monteiro de Andrade entrara a 16 do corrente
em exercicio na comarca da Victoria.Averbem-
se.
Requrrhnentos.
Dos Srs. juizes de direito :
Dr. Joaquim de Azevedo Monteiro, pedindo aver-
bamento da portara da presidencia da provincia
da Bahia communicando-lhe sua remoco para a
comarca do Rio-Verde e marcando-lhe prazo para
ir entrar em exercicio.
Dr. Antonio Joaquim Buarque de Nazareth, pe-
dindo averbamento da certidao de seu exercicio
na comarca do rio Paran, a datar de 7 de marco
ultimo. i
Dr. Jos Maria de Albuquerque, pedindo o re-
gistro da carta imperial, nomeando-o para juiz de
direito da comarca da Imperatriz.Dcferiram-se.
O Sr. Jos Manoel de Sant'Anna apresentou a
carta imperial nomeando-o para a serventa vitali-
cia dos cargos de porteiro o de thesoureiro deste
tribunal.Registre-se e cumpra-se.
Exposicao da revista.
N. 6369 pelo Sr. Silva Tavares.
UedacrBes.
Foram approvadas as redaeeoes das sentencas
as revistas ns-.-6331, relator o' Sr. Machado N'u-
nes, e 1764, relator o Sr. Messias de Leao.
Jl'LGAMENTOS.
Retista criminal.
N. 1771.Recorrente a justica,-recor/ido Svm-
phronio Simos Ferreira.Negou-se a revista."
Revistas civeis.
N. 6341.Recorrente Pedro Jos de Vargas,
recorridos Manoel Pereira de Vargas, sua mulher
c outros.Negou-se a revista.
-Recorrentes Felicio Jos Borees. sua
profe
em que foram recorrentes Antonio Cesas de Can-
tanheda e sua mulher, e recorrido Francisco Ci-
menta Bastos. Registre-se margan, da sen-
. administradores da
massa fallida de Ricardo Jos Maria Fernandes,
recorridos Manoel Pnheiro & CNegou-se a re-
vista.
nicipios de Barieiros e Agua Preta nesta provincia, n11"101" <" outros, recorridos Jos Mendes da Costa
rior do Rio-For- angues e outros,Concedeu-se a revista, e de-
parochos.Remetteu-se copia do mesmo aviso ao
Exm. hispo diocesano.
Ditoao mesmo. Transmiti por copia V. S.
para seu conhecimento e devida execucao, o aviso
de \ do corrente, sob n. ,"o. no qual Exm. Sr.
ministro da agricultura, commercio e obras publi-
cas, me communica que pelo governo impenal foi
resol vido que nessa thesouraria se sobr'esteja na
cohranca dos juros do emprestiino que pelo mesmo
governo foi feito a companhia de navegacao coste-
ra desta provincia, em virlude do art. 3o da reso-
lucao n. 1,044 de 20 de setembro e contrato appro-
vado pelo decreto de 1 \ de dezeinbro de 1839, at
que pelo poder legislativo seja tomado emeonside-
racao o reijuerimento que pararemissao de taes ju-
ros lhe dirigi a dita companhia que dever prestar
lianca especial e com as condigoes mencionadas no
citado aviso.
Dito ao mesmo.Mande V. S. pagar ao pharma-
ceutico Joaquim deAhneida Pinto, nao ha vendo in-
conveniente, a quantia de 470-3em que segundeas
Joaquim de Almeida Pinto.Dirija-se thesou-
raria de fazenda.
Jos Ignacio da Fonseca e Silva.Informe o Sr.
commandante superior da guarda nacional do mu-
nicipio de Olinda e Iguarass.
Manoel Fortunato de Oliveira Mello.Concda-
se a prorogacao pedida com os vencimentos que
competa ao supplicantc na forma da lei.
Paulino Jos Tavares.D-sc-lhe passagem de
proa.
Quiteria Maria dos Prazeres Iudeferido a vista ^c'hVi w
da informacao. w' !"lva ,avan
signou-se a relaeao de Pernambuco para julgar
novamente a causa.
Passagem da revista.
N. 6369, ao Sr. Ernesto Franca.
Dia. -
Ficaram com dia para julgamento :
As revistas criminaes.
N. 1765, relator o Sr. Siqueira.
N. 1771, relalor Sr. Silva Tavares.
As revistas civeis.
N. 6381. relator o Sr. Chichorro.
'N. 6343, relator o Sr. Silva Tavares.
N. 6343, relator o Sr. Chichorro.
N- 6351, relator o Sr. Conidio Franca.
N. 6332, relator o Sr. baro de Pirapam.
N. 6353, relator o Sr. Pantoja.
N. 6334, relalor o Sr. Brito.
N. 6336, relator o Sr. Ernesto Franca.
N. 6339, relator o Sr. Simoes.
N. 6360, relator o Sr. Messias de Leao. ,
N. 6361, relalor o Sr. Nabuco.
A reclamarao de antinuidade.
N 143, relator o Sr. Ernesto Franca.
Levantou-se a sessao a 1 hora da tarde.
Reclamarao de anfiguidade.
t V^^c'amante o juiz de direito Jos An-
tonio da Rocha Vianna.Julgou-se prorada a re-
clamarao para mandar-se accrescentar ao recla-
mante o tempo da 4 mezes e 28 dias.
t .,, 'Passagem de revista.
N. 6362, ao Sr. Veiga.
N. 6367, ao Sr. Brito.
N. 6368, ao Sr. Ernesto Franca.
N. 6370, ao Sr. Chichorro.
N. 6373, ao Sr. Messias de Leao.
' Conehisao da revista.
N. 1774, ao Sr. Mariani.
DISTRIBUIC-AO DAS REVISTAS.
Civeis.
N. 6381.Capital da Bahia.Relaeao da mes-
ma provincia.Escrivao Carneiro Recorrente'
Antonio Jos Marques Guimaraes. recorrida D. Ma-
na Anglica Bastos Correa.Ao Sr. barao de Pi-
rapam.
N. 6382.Villa de Guimaraes, no Maranhao.
Relaeao da mesma provincia.Escrivao Honorato
de Sa.Reconentes o major Thomaz Ferreira Gu-
terres c sua mulher, recorridos Jos Maano Alu-
no de Araujo e sua mulher.Ao Sr. Pantoja.
N. 6383.Capital da Bahia.Relaeao da mesma I
provincia.Escrivao Carneiro.Recorrentes Joao
Lourent-o Seixas e sua irmaa, recorridos os mesa-
nos do collegio do Santissimo Coracao de Jess c
Joaquim Porfirio Vianna.AoSr. Brito.
Criminal
N. 1774.Corle.Relaeao do Rio.Escrivao
Botelho.Recorrente Manoel de Souza Bastos (pre-
to c condemnado por erime do estellionato), recor-
rido Albino Jos Fernandes Lima.AoSr. Mariani.
Dia.
Ficaram com dia para julgamento:
As, revistas criminaes,
N. 1763, relator o Sr. Siqueira.
N. 1771, relator o Sr. Silva Tavares.
As revistas civeis.
N. 634Sr*elator o Chic horro.
N. 6.152, relator o Sr. barao de Pirapam.
N. 6353, relator o Sr. Pantoja.
N. 6,339, relator o Sr. Simoes.
N. 6361, relator o Sr. Nabnro.
Levantou-se a sessao i hora da tarde.
Dos Srs. juizes de direito :
Dr. Julio Cesar Berenguer de BitteucourL de 4
do corrente, cooimunicando ter aceitada a ramoeSo
liara a comarca de Porto Seguro.
Dr. Jos Tavares Bastos, do 1- do corrente, coin-
municando ter naquella data entrado em exerci-
cio na comarca de Nitherohv.
Dr. Belarmiuo Peregrino "da Gama Mello, de ti-
de junho ultimo, enviando certidoes de seu exerci-
cio na comarca de Iguape, a datar de 13 de Janeiro
deste anno a 8 de maio, e de chefe de polica da
provincia de Sania Catharina a datar de 13 de ju-
iio lindo.Averbem-se.
Certidoes.
O Sr. juiz de direito Dr. Manoel Clemenliuo Car-
neiro da Cunha apresentou dous offlcios da presi-
dencia da provincia de Pernambuco, marcando o
praso era que devia ir entrar em exercicio na co-
marca do Rio-Formoso; certificando de ter acei-
tado a mesma comarca; certiilesde seu exercicio
na presidencia da provincia do Amazonas e na co-
marca referida a datar de-7 de abril ultimo.Aver-
bem-se.
ReduccQo
OSr. Brito leu e approvou-se a redaccao da sen-
JfoNf-
SESSAO EM O 1 DE nLHO DE 1863.
Presidencia do Sr. eonselheiro barao de
serrote.
As 9 '/i horas da manhaa abrio-sc a sessao,
achando-se presentes os Srs. conselheiros barao de
Montserrate (presidente), Almeida, Siqueira, Veiga,
Comelio F
SESSAO EM 4 DE JCLIIO DE 1863.
Presidencia do Sr. eonselheiro barao de Montserrate.
As 9 72 horas da manhaa abrio-se a sessao,
achando-se presentes os Srs. conselheiros barao de
Montserrate (presidente), Siqueira, Veiga, Corne-
ho Franca, barao de Pirapam, Pantoja. Silva Ta-
vares, Ernesto Franca. Chichorro. Mariani, Simoes,
Machado Nunes c Messias de Leao, fallando com
causa os Srs. Azevedo, Nabuco, Almeida e Brito.
Leu-se e approvou-se a acta da sessao antece-
dente.
EXPEDIENTE.
flicios.
Da secretaria de estado dos negocios da justiea,
cinco, de 27 de junho findo, communicando que'S.
M. o Imperador houve por bem:
tenca na revista n. 6342.
Nao houve exposiQocs.
JtLGAME.NTOS.
Revistas civeis,
N. 6333.Recorrentes Salvador Robira & C. re-
corrido Francisco Jos de Macedo.Negou-se a re-
vista.
N. 6343.Recorrentes Joao Ferreira de Souza
Pinto e sua mulher, recorridos Remve Abbadie e
sua mulher.Negou-se a revista.
N76361.Recorrentes Thomaz Borges de Mene-
zes c outros, recorrido Joao Pedro Alexandrino da
Silva o outros.Negou-soa revista.
Passagem ios revistas.
Ns. 6374 e 637o ao Sr. Nabuco.
N. 6376 ao Sr. Siqueira.
N. 6372 ao Sr. Machado Nunes.
Passagem da reclamarao.
N. 130 ao Sr. Nabuco.
Conclustlo das revistas.
N. 151 ao Sr. Nabuco.
N. 6383 ao Sr. Brito.
Snspeirao.
O Sr. Almeida jurou suspeicao na revista n. 6877
que deve ser novamente distribuida.
Dia.
Ficaram com dia para julgamento :
As mistas crimiaes.
N. 1765, relator o Sr Siqueira.
N. 1771, relator o Sr. Silva Tava
vares.
As" revistas civeis.
COMMAMM) DAS ARMAS.
riani, Simoes.
faltanto com causa os Srs. Azevedo e Nabuco.
Leu-se e approvou-se a acta da
dente.
QIARTEI. GENERAL DO COMMANDO DAS ARMAS 15 DE
JILIIO DE 1863. EXPEDIENTE.
Ordem do dia n. 232. Offlcios.
O general commandante das armas faz certopara .a presidencia da provincia do Maranhao, de 9
os fin convenientes que nesta data, nos termos da' de junlw findo, communicando que no mez de
imperial proviso de 11 de Janeiro de 1833, contra-' '1310 ulllino nenhuma alterado houve no exercicio
.loas comas juntas, importan, duas an.n.'ancas".Je !ou ',ara *''o msico de 2- classe por mais | SZj^&g^ da ,,,es,na Provincia.- com-
medicamentosaue forneceu narn o irii-imcntn <1a "s annos no 4o batalhao de artilhana a pe, proce-! <''" twsoa.
de S. Bento e na villa de Garanhuns.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.-
orcamento junto por copia que nesta data appfovei
e para esse fim me foi remettido pelo director da
reparticao das obras publicas, com offlcio de 4 do
corrente, sob n. 135.Coininnicou-se ao director
das obras publicas e ao Dr. chefe de polica.
Dito ao mesmo.Em vista da inclusa conta que
me foi remetlida pelo chefe de polica com offlcio
de hontem, sob n. 1,689, mande V. S. pagar ao te-
nente-quartel-mestre do corpo de polica Luiz de
Franca Mello Jnior, a quantia de 7240 despen-
dida com o fornecimento d'agoa aos presos de po-
lica recolhdos as prisoes daquelle corpo, no se-
mestre de Janeiro a junho deste anno.Communi
cou-se ao Dr. chefe de polaia.
Dito ao mesmo. Nao havendo inconveniente'
mande V. S. pagar ao capillo commandante da !
classe Joao Barboza de Mello, que finalisou o sen
primeiro contrato, o qual perceber alcm dos ven-
cinieiitos que por lei Ih corapetirem, o premio de
200, iwgo em conformidade cora o decreto e re-
gulamento do Io de maio de 1838.
Faz certo outro sim que hontem apresentaram-se
ficaram reunidos aos respectivos batalhdes, os Srs.
capitao do 9 batalhao de infamara Claudio
e de 16 de junho findo, enviando copias dos acor-
daos proferidos as revistas em que foram partes
a Illm. cmara municipal da corte com a directo-
ra da companhia d estrada de ferro de D. Pedro
II, e Manoel Jos de Araujo Machado com Fran-
cisco de Souza Monteiro.
Do tribunal do commaicio da Bahia, de 22 de
de nnho findo, enviando copia do acordao na re-
Mrques de Souza, alferes do 7 Francisco Antonio vista em 1ue oram Partes Jos Maria Pinto Guer-
ira Manoel da Silva e' a c oul' ^ministradores da massa fallida de
Machado e tenente do 9o Joaquim
S, o primeiro e 2 vndos da provincia da Baha e
cr 3o da corte.
Assignado. Solidonio Jos Antonio Pereira do
Lago.
Ordem do diaaddicional a den.232.
Ordenando o governo imperial era aviso expe-
Souza & Ramiro, com Antonio Ferreira Marques.
Registrcm-se margem das respectivas sen-
tencas.
ta polica da provincia do Rio de Jaueiro, de
19 de maio ultimo, pedindo informacao da data da
sentones deste tribunal concedendo revista no pro-
cesso em que foram
ddo pelo ministerio da guerra de 6 do correnle, ess0 .cm (Wvoram P31^8 a Jus'ea e Antonio
,que pelo primeiro vapor procedente do norte, siga *ra"cisco do V alie, couderanadoem 1861 pelojurv
para a corte, o Sr. major do corpo de euarnicao JiStr,ella-.~T'n">rme-se.
I desta provincia Herculano Sancho da Silva Ped'ra,
como foi declarado em offlcio da presidencia de
hontem datado, o general commandante das armas
em offlcio de hontem, sob n. 279, a quantia de 6*030
rs., despendida cora o expediente da 4* companhia
fommandada no mez de junho ultimo, pelo referido
capitao como se v da inclusa conta.Communi-
cou-se ao commandante do corpo de polica.
Dito ao Dr. juiz de direito da 1* vara.Declaro
Vmc. para seu conheciinenlo e direccao, que
constando de partiripaeao da secretariado minis-
terio da justiea de 8 do corrente, que por decreto
de 2 deste mz fura reconduzido o bacharel Her-
mogenes Scrates Tavares de Vasconcellos no lu-
gar de juiz municipal da 1" vara desta capital, aca-
bo de recommendar ao mencionado bacharel, que
entre em exercicio independente da apresentaco
do respectivo tituk) que devera exhibir no prazo de
tres mezes contados de hoje.Igual communicacao
se fez ao da 2* vara.
Dito ao director do arsenal de guerra.Em ob-
servancia do aviso do ministerio da guerra de 21 de
junho ultimo; mande V. S. ornecer ao deposito de
artigos bellicos da provincia das Alagas os objec-
tos constantes da nota junta por copia.
Dito ao juiz municipal de S. Bento.Remetiendo
por copia a Vmc. o offleio, sob n. 512, que recebi
do inspector da thesouraria de fazenda cm 11 do
corrente, informe Vmc. se a quantia. de que trata
o mesmo inspector, e fura adiantada pela fazenda
ao finado major Joao Francisco do Livrarocnto para
o pagamento da torca, que ia sob seu commando
para a villa de Tacarat.foi entregue ao offlcial que
o substituto no commando daquella torca, ou se fi-
cou parte della com os despojos do referido major.
* "vendo ueste caso ser remetlida thesoararia de
nado corpo o Sr. maior do 4o batalhao de artilharia
a p Carlos Felippe da Silva Muniz Abru, a quem
o Sr. major Pedra entregar o commando no dia
17 d'este mez com todas as formalidades da lei, de-
vendo o mesmo Sr. major Pedra, em cumprimento
a citada ordem do governo, estar prompto a embar-
car para o seu destino no vapor Oyapock que se es-
pera do norte.
AssignadoSolidonio Jos Antonio Pereira do
Lago.
Confonne.Jos Ignacio de Medeiros Reg Mon-
teiro, capitao ajudante de ordens e encarregado
do detalhe.
INTERIOR.
BIO DE J\\i:ino.
SUPREMO TltlIU \\l, de
JUSTINA.
SESS0 EM 27 DE JfNHO DK 1863.
Presidencia-do Sr. eonselheiro barao de Montserrate.
A's 9'/j horas da manhaa abriu-se a sessao,
achando-se presentes os Srs. conselheiros barao de
Montserrate (presidente), Almeida, Siqueira, Vei-
ga, Cornelio Franca, baro de Pirapam, Pantoja,
Brito, Silva Tavares, Ernesto Franca, Chiclwrro,
Mariani, Simdes, Machado Nunes e Messias de
Leao, faltando com causa os Srs. Azevedo e fa-
buco.
Dos Srs. juizes de direito :
Dr. Caetano Jos de Andrade Pinto, de 9 de ju-
dc findo, enviando certidao de seu exercicio na co-
marca de Porto Calvo, a datar de 8 do mesmo
mez.
Dr. Francisco Liberato de Mattos, de 18 de ju-
nho findo, enviando certidao de seu exercicio na
comarca das Alagas, a datar do 1 de maio ulti-
mo, e a portara da presidencia da provincia da
Baha enviando-lhe a do Maranhao, marcando-lhe o
prazo para ir entrar cm exercicio naquella comar-
ca.Averbem-se.
Requerimentos.
Do Sr. eonselheiro D. Francisco Balthzar da Sil-
veira, pedindo o registro da carta imperial no-
meando-o para a presidencia da relaeao de Per-
nambuco, e averbamento da certidao de ter a 16 de
maio ultimo entrado no exeroicio daquelle cargo.
Deferio-se.
Do Sr. juiz de direito Dr. Joao Augusto pe Pa-
dua Fleury, pedindo o registro da carta imperial
nomeando-o para a comarca do rio Maranhao.
Deferio-se.
Certidoes.
O Sr. juiz de direito Dr. Joao Paulo Monteiro de
Andrade apresentou a copia do decreto, removen-
do-o para a comarca da Matta Grande ; a certidao
de exercicio na mesma cmara a datar do Io
de Janeiro ultimo at 12 de margo, em que deixou
por ter sido removido para a da Victoria; a certi-
dao de exercicio nesta a datar de 16 de junho fin-
do, e mais duas publica-formas acerca do objecto.
Averbem-se.
Exposicao das revistas.
N. 6363 pelo Sr. Siqueira.
N. 6367 pelo Sr. Pantoja.
N. 6370 pelo Sr. Ernesto Franca.
N. 6375 pelo 8r, Messias de Lelo.
Remover (decretos de 16 do mesmo) os Srs. jui-
sessao antece- zes de direito Dr. Ignacio Jos de Mendonca l'choa,
da comarca da Anadia, de 1" entrancia', na pro-
vincia das Alagas, para a da Estancia, de 2* en-
trancia, na de Sergipe; e Dr. Angelo Francisco Ra-
mos, desta para a de Araeaj, tambem em Sergipe.
Designar (decreto de 16 do mesmo) a comarca
de Ilapemirim, na provincia do Espirito Santo, ao
Sr. juiz de direito Dr. Ludgero Goncalves da Silva.
Prorogar (portara de 25 do mesmo) por tres me-
zes com ordenado, a licenca concedida ao Sr. juiz
de direito Dr. Jos Bernardo de Loyola, da comar-
ca de Itapcmirim.
Declarar (decreto de 2 do mesmo) avulso o Sr.
juiz de direito, Dr. Joaquim Bandera de Gouva,
por ter-se retirado para a Europa sem licenca, e
vaga a comarca de Itapimrim, que lhe pertecia.
Regstrem-se averbem-se.
Requerimento.
Do Sr. juiz de direito Dr. Antonio de Souza Mar-
tras, pedindo averbamento das certidoes de seu
exercicio na comarca de Algrete desde 7 de maio
do anuo passado at 15 dn>abril ultimo e no cargo
de chefe de polica de Minas, a datar de 11 de ju-
nho findo.Deferio-se.
Exposicao das revistas.
N. 6379, pelo Sr. Veiga..
N. 1774, pelo Sr. Mariani.
Conc-lnso das revistas.
N. 6381, ao Sr. barao de Pirapantfi.
N. 6382, ao Sr. Pantoja.
Passagem das revistas.
N. 6379; ao Siqueira.
N. 1774," ao Sr. Simdes.
Nao houve julgamentos por falta de juizes.
Dia.
Ficaram com da para ju Igamcnto.
Ai revistas criminaes.
N. 1765, relator o Sr. Siqueira.
N. 1771, relator oSr. Silva Tarares.
As revistas civeis.
N. 6345, relator o Sr. Chichorro.
N. 6352, relator o Sr. barao de Pirapam.
N. 6333, relator o Sr. Pantoja.
N. 6359, relator o Sr. Simoes.
N. 6361, relator o Sr. Nabuco.
Levantou-se a sessao s ti Iwras da manhaa.
N. 6332, relator o Sr. baro de Pirapam.
N. 6339, relator 0 Sr. Simoes.
Levantou-se a sessao ao ineo-dia.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
Por portara do Sr. Dr. chefe de polica, de 16 do
corrente, foram demillidos de guardas da casa de
deteneao os Srs. Argeiniro Eugenio Peixoto de Al-' selliava.
buquerque e Bernardo Ferreira Loureiro; os quaes l""hil)ia ?
Agora que se acha extinctn, entre n.'.~. o i
ta que tantas vidas ceifou, durante sen "\ro i
cidade e seUS suburbios; agora, que o srrfu rm
Irauquillisar o nosso espirito, que so acha dnai-
pado aquello terror que tanto m* ftg.llava; apir
me os habitantes desta cidade-enviarain ao nosso
Creador mu ardentes votos de ipradeciim:nlo, par
lucio de una niissa cantada que acata .le ler M-
gar, eui arcao de graeai na matriz desta fregm-zia,
e justo que registremos, lias paginas de sua be
conceituada Revista o nome daquelles, que em ti
calamitosaquadra, nao trepidaran em prestar eos
servieos em favor da humanidade afflieta.
O Sr. Simplicio Luiz de Soma Varan, faculta-
tivo enviado pelo governo, digno de lodo o elogio,
pela maneira incansavrl com qu prestava-s? no
desempenho de sua missao : nao menos digno .le
elogio o nosso juiz municipal, Dr. Miguel B. V. de
Amorim, que nunca deixou de visitar aos infeliz. -
accommettidos do mal, dirigindo todos palavri.
de animaco. e acudindo s pn-cises dos indigen-
tes. Sendo dos habitantes de Caruar, hern contie-
ndo o genio humanitario do Sr. Gregorio Frani-i>c>i
de Torres e Vasconcellos, dekamos de enumerar
aqu os seus servieos prestada, Mp, bastara
que. a quem servio elle al de enferiiieir. digam
os beneficios recebidos delle. para passar de borra
em bocea, e chipar ao conti.-iiiiiento 0> todos-, e
assim nao preciso recorrer imprcasa.
(Tambem sera injusto omittirmws o nome .lo
Sr. capitao Miguel Ferreira Velloso, jaj alias aja
tou bem lions servieos com o sea tratamento ho-
i.....'pathico, e com feliz resultado : oSr. Joao Aa-
gusto Henriques da Silia commercixite que ja foi
dessa capital e pai de onerosa familia, foi nm da-
quelles a quem elle salvou. quando nao haviam
mais esperancas. fazendo sua familia trocar as la-
grimaste lulo e da dr, pelas doprazer.
Nao concluiremos, sem rendemos um vol de
gratidao e de res|ieito ao nosso vgario, pastor in-
cansavel que, em quadra lo critica, nao deixmi
morrer nenhuma de suas ovelhas, sem lhe minis-
trar os ltimos soccorros espirituaes.
Tanto podessemos dizer de outros cujos bracos
cruzarain-se durante tao calaml*a quadra !
Por agora s lem sido arcotumettdo algnns
individuos ipie, de passagem, jnir aqu se denM.rain .
na- esses raros rasos tem sido benignos. E eom
essa cessa^o do mal, j vao os sinos M d^envol-
vendo horrivehnenie, como deu-s' ha pouro. cm
que foi acordada a populaco desta cidade pelos
sons delles, conviilando os amigos e parenlr-s V
una das victimas daquelle mal para assistirem ao
acto do 7* dia.
islo inioleravel, |)is vibraran os bromes
dada aquella hora at s 7 da manhaa, sem valcr
uo animo de quem o Cuia, a coasaaraeie da iui-
prossao de terror qne despeafj*B no pl>vo. anda
sob a inlueiiria do mdo do mal. QueiraDrus nao continu tal (iratica.
Do Jornal do Commercio da corte exlrahimos
o seguinte :
O Sr. Dr. Luiz F. da Veiga acaba de publicar
una comedia en dous aclos, a (|u.- d.u o titulo d
0$ hn/msiveis. K um Irabalbo baa escriplo, como
quantos sahem da penna deste esperancoso joven,
que ir isso mesmo nos relevar algus rej-aros.
7-ie alias nao va lera a pena fazer a lima obra sem
lerecinienlo.
( a-sunipto e lim desta comedia castigar esses
parvos presumidos, qne sem valor algum real ac-
ensara o governo e a sociedade dos reviies que a
propria inopia os fax softrer. Todas as oito perso-
nagens sao das taes (me se reputam impoxsireis
|ela injustica do governo e depravarn da socie-
dade, c apezar de cada urna ter prclenrao ou maaia
diversa, resulta daqui una tal ou qua'l monotona,
que a par da falta de um enredo que interes.-e, nos
jiarece tomar a comedia a sen turno impossivimar
a sceua. Alera disto degenera a pintura at- v
em caricatura.
Nao queremos dizer que os caracteres desenlia-
dos pelo autor nao possam existir, creun at que
existam. O que nao natural exporem-se efcs
mesmos to cruaraente irrisao os seu proprios
dbitos. Qual ser o militar qne fallando de -i.
diga como o major Serapiao : Fui sempre um
dos priiueiros a recuar quando a lctica m'o aeon-
e a ayancar quando a prudencia ma nao
E isto di-lo elle para justificar a suas
foram substituidos |ior portaras da mesma "data
pelos Srs. Joao Pita Vires e Manoel Antonio Freir.
Repetmos a seguinte noticia por ter sabido
hontem meada de erros, qne lhe alterara os dados
estalistcos":
Hontem termnaram-se os trabalhos da tereci-
ra sessao judiciaria do jury desta cidade, sob a gado do Porto. Tdo uto e
presidencia do Sr. Dr. juiz de direito da 1* vara '"e lH-rdoera. Quando esta
pivlences a urna commemla de viz. Qual sera
o passador de moeda falsa to inepto que escreva
una carta como a de Barroso : < Acabain de de-
nunciar-ine; son aecusado de estar compr mihucI-
lido no falirco de notas falsas que eslao u;i cirrii-
'arao e de ouliasjipprelien.hdas n'um navio h.
rerdode. Peco que
la cliegar. tal vez ja
criminal, Joao Antonio" de Araujo Freitas llenri-! *steja preso; nao tve tenqio ra fugir. Qual
fques, depois de haver-se preenchdo o lapso de w*|nJo> que falle de s cuiuo/n/i. embora
tempo marcado na lei.
Funccionou no ministerio publico o Sr. Dr. pro-
motor publico Francisco Leopoldino de Gusrao
em soliloquio? E assim todos.
Os dramas que se propoenv demonstrtr imu
proposiclo complexa ou resolver una questo que
Lolio, c otlicou deescrvo o Sr. Francisco de Pau- \ d,v,! ser encarada de imiitos lados, mal podein M
la Esleves Clemente. x;|i fle tomar tuna direccao que ao momo tempo
Foram apresentados nessa sessao julgamento!'' verdadeira e falsa : verdadeira em Ii>|h.Hh-.
20 aecusados, e destes elfectivamente foram julga-1 r;"sa em Ihese. Ullimamenie lera sido nula fazer
dos pelo jury 13, porquanto 3 foram exceptuados I da sociedade o bode expiatorio que lera de -uppoi
SESSXOEM 8 DK IULHODK 1863.
Presidencia do Sr. eonselheiro barao de Monte-
serrote.
As 9 >/z horas da manliaa abrio-se a sessao,
achando-se presentes os Srs. conselheiros bario
de Montserrate (presidente), Nabuco, Almei-
da, Sequeira, Veiga, Comelio Franca, Pantoja, Bri-
to, Silva Tavares, Chichorro, Mariani, Simoes, Ma-
chado Nunes, e Messias de Leao, faltando com cau-
sa os Srs. Azevedo, baro de Pirapam e Ernesto
Franca. *
Leu-se e approvou-se a acta da sessao antece-
dente.
EXPEDIENTE.
Officios. -
Das presidencias das provincias:
De Matto-Grosso, de 17 de julho do anno passa-
do, informando sobre o exercicio dos juizes de di-
reito d* provincia em 1861,Goarde-se,
Dos julgados, 5 foram condemnados no art. 201
do cod. criin., sendo 3 no grao mnimo, 1 no medio
e 1 no mximo, cuja pena foi conunutada em 100
acoutes na conformidade do art. 60 do mesmo rapio pedindo urna commenda
cod.; 1 no art. 257 grao mnimo; 1 no art. 264 nnwr o supplicante respondido
fue o oppus-
to, mas verdade tanta nos jiarece haver n um co-
mo n'outro extremo.
So nao vejamos. O requerimento do major >'-
iudeferido. por
a dous ci nselhv.
de guerra. A Ihese estalielerida e que o goverao
nega sempre as suas gracas a individuos cmtaes
coiidicoes, o que s verdade quando o preten-
dente nao tem forra de empenlios.
Carlos, filho do* major, suspira pelo estadber-
clesiastico, e nao conseguc as onlens por ser ig-
norante. Ora, eremos que na vida real ao ha
exeniplos disto.
Venancio nao obtem privilegio para o saa reme-
dio contra o mal dos cafezaes |r ser nocivo o tal
remedio, quando sabido que esta raaSt nao obs-
ta, pelo menos sempre, concesso de privile-
gios.
Augusto aspira edSlidade e nao atranca um
nico voto por prometer mais do qjte pede enm-
prir, quando mnguem. ignora quo- surcvde exacta-
mente o. contrario.
Andr, o Iliterato, faz dramas da estola realista
e a polica nao cnsente a representara.; esrrevc
um humanitaria e casto, e o publico Ih'o pasea.
Or>, nao verdade que a poljeia prohiba dramas
realistas, era se v o publico, patear autores sem-
na comarca do Pao d'Alho, ha tsaboroes. De> tudo isto pdde a tiyaMawo .lar dan
testemunho, e tal vez fsse o motivo do autor nao*
conseguir, como diz, representar n'aqoelto ibaa-
tro a sua comedia.
Se duHDOs isto unicamento procurando alas-
trar que em materia* soeiaes e politicas ajaj-se
pode estabeleoer o absoluta Nem sempre o.md-
viduo tem razio contra 'a sociedade, nem aeinjwe
esta contra aquelle; nem sempre o goverop in-
justo e oppressor, nem sempre o subdito, c desar-
razoado as queixas quo levanta, e qnamlo o Sr.
Veiga |>cb boca do Senso Commum no pergunta :
qual foi neste iraiierio o real merecimrato que nao
foi reconheeido ? Qual o talento incontestavel a
que nao se prestou a homenagem devida T Qual a
capacidade que noobteveum. brado musono m
admiraco e applauso? d-nos. vontade de respon-
der que centenas, talvez milhaxes de mercicimm
tos, talentos e capacidades que soUbcado a *-
cenca nao acharan ao) nem espaco para expandir-
se, vocagoos nobres que contrarhias, esroafadaa
amos de desabrochar, nwrenua inoradas do
4 grao raiuimo, cuja pena foi modificada na de
complicidade, segundo o estatuido no 110 do art.
18 ; absolvidos i, sendo um appellado; e pertMiip-
tos 2, arado um appellado tambem.
Os processos apresentados foram em numero de
18, comprehendendo 20 reos; e s em um era
movida |or intervencao particular a respectiva ac-
cusacao.
No' decurso da sessao, depois de composta a
casa, s em um dia deixou de funecionar o tri-
bunal.
Hoje se extrahr a 5* parte da 3r lotera do
Gymnasio Pernambucano (3* conee6sao).
No dia H do correnle foi encontrada mora,
no isthmo de Olinda, urna africana, sendo que sua
morte foi natural.
No termo de Goanna, no engonho do com-
mendador Joao Joaquim da Cunha Reg Barros,
enforcou-se o seu esravo Ado em um caibro do
telhadodo quarto emque dormia.
Pelo delegado de Goanna foi preso Joao Go-
mes de Moma, por haver assassinado Manoel
Antonio de Mello,
algum tempo.
Quando em Franca agitou-sc a questo philof
sophica da cmanepaco do bello sexo, deu a Justkn
a seguinte noticia ;
Tratava-se da primeira sessao. Nao havia an-
da mesa constituida, e por isso tmha-se de eleger
por acclamacio urna presidenta interina.
t A mais reflu, a mais vetha I e-xela inarain
algumas viaes.
Nao appareceu urna s que estivosse na con-
dicao do sor a mais relka.
E nois, forfa foi prescindir-se da presidenta,
passando-se cm seguida a eleioao por igual modo
de urna secretara.
. f A mais mofa, a mais moca / bradaram as
inesmas vozes.
Apresentarara-se ontao todas as senhoras a
disputar a cadeira de secretaria.
t Em consequeneia do que, impossivel foi cons.
tituir-se a sociedade.
> De Caruar communicam-nos o seguate:





jan







'


I
Diario A> Pemambuco ftabbadto 18 de Inlhe de 184J8.

mundo, adKXMsnio de haverem revelada a sua
existencia, ffittfjA emlini lodos vin a arvore gi-
gante que ergue a sua coma a tapetar com as nu-
vens, mas ningucm pode dizer quanlMup>rM(*f
riam subir ainda mais alto, na foram ao broiar
da torra, debis plantas ainda, partidas e pisadas
pela descuidada planta do viajor, ou mesmo pela proeesso.
llt. Antonio Aunes Jacome Pire.-.
larcelino da Silva Braga.
Jaso Monteiro de Andrade Malvinas.
Antonio Juaqutiu de Oliveira Baduem. *
E prestaram juromenro^aj fiamos Evangclhos.
Fot o reo interrogado e djwdeu-sc a leittira do
pesada pata do primeiro giiadipada
aconteceu passar.
REPABTigAO DA POLICA !
Extracto da parte do dia *7 de jttlho de 1863.
Foram recomidos casa de detengo no dia
do corrente : -.
ordem do subdelegado do Reeue, Jos Antonio
deVarias, crioulo, de 30 annos, por insultos.
que par a O Sr. Dr. promotor publico pedio a condemnacao
do reo no grao mximo do art. 801 do cdigo cri-
minal.
16
Sr. Dr. advogado deduzindo a defesa, pedio a
condemnacao no grao minimo do art. 201 do cdigo
criminal.
Fiados os debates e preenebidas todas as solem-
nidades da lei, o Sr. Dr. juiz de direito propoz os
( ordein do deSaia Anlonto, Jos Joaquim Pe- quesitos seguintes :
reir por.tuguez, de 31 annos, Mathias, pardo.de !.-0 reo Joao, escravo de Domingos Antones
30 nios escravo de Pedro Baptista, ambos por in- Villana, no dia 13 de abril do corrente anno. Tez na
"' ?mcio do pessoade Jos Mara, escravo de Frei Fclippe de S.
fraeco de postoras ; os crioutos Jos Benicio i
Xascimento, de 84 annos, por embriaguez e distur-
bios, Elias, de 18 annos, escravo de Maria Felicia
da Conceica, requerimente desta.
A orderii do depositario geral, Sergio, pardo, de
33 annos, eseravo de Jos da Cunha Res, por in-
subordinado o suspeita de fuga.
O chefe da 2* seceso,
J. G. de Mezquita.
Movimento da casa de detcncao no dia 16 de
julho de 1863.-
Existiam...... 38i presos
fintraram
Sahiram .
Existem .
9
i
389
A saber :
Nacionaes..... 264
Estrangeiros... 33
Mnllieres...... 13
Estrangeiras... 3
Escravos...... 70
Escravas...... 6

>
>
i
>
Luiz Paiva, o ferimento descripto no auto docorpo
de delicto a folhas do proeesso ?
2.O reo pratiepu o crime havendo por sua
iarte superioridadecm armas, de modo que o of-
endido nao poda se defender c*m probabilidade
de rcpellir a offensa ?
3."Existeui circunstancias attenuantes a favor
do reo ?
Recomido o jury de-sentenca sala secreta das
conferencias '/* hora depois de meio-dia, voltou
I, respondendo pela maneira seguinte :
Ao 1." e Io Siin, por unanimdade.
Ao 3." Nao, por 11 votos.
Lidas as respostas pelo Sr. Dr. Manoel Ferreira
da Silva, presidente do conselho, o Sr. Dr. jniz de
direito. publicou sua sentenca, condemnando o reo
a pena de cem acoutes c andar com um ferro ao p
por espaco de seis mezes e seu senhor a pagar as
cusas.
Lcvantou a sessao, addiaudo-a para o dia segra-
le s 10 horas da marida.
siense que frequenta as reunidos deesa classo de
mulheres, que sao por deraais espirituosas e que
querem adiar o mesmo nos que a coream.
Mauleon o bomcm que apezar do que possue
jiao merece a attencao de Marco. E' fri em san
todo; o seu pensar o dinheiro. 0 Sr. Guimares
foi bem.
A- Sra. D. Jesnina no papel de Julieta foi perfei-
tamente. E* a borboleta i|ue nao pousa. A polka
e o sea mabriadoI tora soberbos.
A Sra. D. Leopoldina soube atear com suas
gracas nnturaes o papel, de que roi incumbida.
jktodora a crtela que procura agradar o a Sra.
D. Leopoldina a artista que representando aas
panel, conseguk faz-lo.
Nao aconteceu o mesmo Sra. D. Josepha. Ten-
do comecado bem no primoirojicto, foi-se tornan-
O abanto assiguado, secretario da polica, sobre-1 Samuel Walacc Mac DoweL sete rnclnslve tima clusive urna sabbaiina justificadas na prmeira ca-
TBgado de trabadlos como se acha actualmente, sabbatlna justificada na primeira cadeira, e cinco deira e nove inclusive urna santolina nao Jnwfflra-
pode examinar com grande attencao os editaes
aaajgn, e que. tem apenas a importancia de
um annuneio.
ra sto de resposta redaccao dos factos di-
ditas na segunda.
Antonio Goncalves Ferreira, tres justificada* na
primeira cadeira e duas ditas na segunda.
Francisco Jos de Souza, quatro inclusrc urna
da na segunda,
Manoel do Nascimento Teixeira, dnas jostisVa-
das na primeira cadeira e duas nao Hutilcada na
segunda.
versos do Constitucional Pernambucano, que em sabbatina justificada na primeira cadeiral e seis Cicero de Soma Marques, duas inHni
materia de grammatica nao pode clamar ningaem
cont*.
Reeife, 17 de julho de 1863.
Eduardo de Barros Falcdo de iMeria.
Jkm Sr. flacal de %. Jos.
Pede-s ao Sr. fiscal da fregueria de S. Jos o
obsequio de dirigir suas vistas para aquella parte
da ra da Palma, fronteira a travessa da Ramella.
E' vergwriioso, Sr. fiscal, qtte em lugar taO visi-
160
% 389
Alimentados a custa dos cofres pblicos
Movimento da enfermara no dia 17 de jumo de
180.
Tiveram baixa : >
Sevcrino Urbano, intermitente.
Horculano, escravo do coronel Jos Mana, febre
catarral,
tiveram alta:
Jos Joaquim Sogoeira.
Cosme Jos Damiao.
__Obtlabio no da 17 de jiliio no cemiterio
publico :
COMMUNICADOS.
TBBATBO DE SAXTA ISABEL
AS MlLHEnES DE MAUMORE. A EMPRKZA E A C0SI-
PAMUA.
Diz Lopes de Mendonca : Appareceram final-
mente Les Filies de Mrbre no theatro francez.
A sala estar cheia e dos camarotes surga um gran-
de numero de phtjsionomias, em que se tria pintado
Permnihiico 34 an- o sentimento que perdeu a mssa mai Eva e deixou
' pTiS^pulmopar. Wr o nosso primeiro pai Adao-a curiosi-
do fria por demais. fosepha nao foi bem copiada, nho cmara municipal, o, por assim dizer. as bar
Faltava-Ihe essa graca propria le urna corista. bas de S. S., observe-sc um extenso e rcplecto
Foram estas as personagens que desempenharam charco I
a bella creafjao de Theodoro Barriere. Se houvc Cumpre que S. S. atienda a situacao excepcio-
alguma imperfeicao no seu desempenho, como no- nal em que nos acharaos ; active os seus subordi-
tamos, foi devido presteza dessa representacao.' nados, obrigando-os obstruir essa valla extensa o
Naprimeira ncm tudo pode ser bom profunda, viveiro de sapos, deposito de materias
Assim cumprio a empreza, com este drama, um fecacs e de outras umitas substancias desagrada-
aerrico importante ; um quadro em que com vi- veis ao olphato e prejudiciaes a sade, a esgotar
vas cores se v pintado o perigo que corre urna as aguas cstagnadas, a remover e sepultar em lu-
mocidade inexperiente e um conselho dirigido a gar apropriado toda a" immundicia que infecta o ar
quem est incumbida a sua educaeao. Ha multas que respirara os moradores da indicada parte da
Marcos, e de nao poucos Raphatis acham-sc ollas ra da Palma,
cercadas. i Por ora, Sr. fiscal, nao nos incommodam os pas-
Quanto ao material do drama os esforcos da em- seios ou calcadas. que nos incommoda e exas-
preza passaram alm da nossa espectativa. Tudo pera sao as aguas estagnadas, os animaes em esta-
que se annunciava foi executado fielmente e sem do de putreaccao, as materias fecaes que encon-
falta de um s ponto. tramos as ras da capital.
O secnario era fiel e lindissma A vista do pro-1 Sobre estas especialidades pedimos e esperamos
logo foi soberba e a do primeiro acto magniliea- as acertadas providencias de S. S.
mente arranjada. A casa de Raphael cstava muito o Fernandas,
bem arranjada. Tudo realijava o nada deixou-se
desejar.
>'em despezas, neni sacrificios, foram poupados
pela emprea para satisfacer s exigencias do dra-
ma c ate com luxo, como nao vimos uo Ro de Ja-
neiro.
Chamamos a attencao do publico para urna em-
preza, como nenhuma outra tem viudo esta pro-
vincia. Sem ha ver percebido o subsidio e sem
concurrencia vai seinpre marchando avante c nao
encoutra obstculos : demais mais quando pos-
sue nma companhia de um immenso pessoal e tao
bons artistas c que todas as noitcs sabe arrancar
applausos.
Continuem os Srs. Furtado Coelho e Conbra em ,
suamissao. Avante esempre oque desejao da mesma esta autonsado a pagar o
' lativo ao semestre lindo em 31 de i
inclusive urna sabbatina dita na segunda.
Francisco Jos de Mcdeiros, quatro inclusive
ama sabbatina na primeira cadeira e quatro inclu-
sive urna sabbatina dita na segunda.
Joaquim Pereira da Silva Lobo, duas justifica-
das na primeira cadeira, e tres ditas na se-
gunda.
r
nos. solteira, Sauto Antonio, .
Maria Joaquina Rangel, Pemambuco, 80 annos,
viuva, S. Jos, ervsipella.
Esmeril Maria da Conceica, Pcrnambuco, 60 an-
uos, solteira, S. Jos, entente chronica.
Thoinaz, liberta africano, 30 annos, solteiro, Uoa-
Vista, phtysica tuberculosa.
Agostinho. Pcrnambuco, 1S dias, Santo Antonio,
espasmo. .
Rosa, Pemambuco, 15 annos, solteira, Boa-\ ista,
cholera. ... ,
Jos, Pcrnambuco, 3 annos, BoaAista, bcxigas.
Antonio Luiz, Pemambuco, 40 annos, solteiro, Boa-
Vista. paralysia.
dtide..
Deu-se tambem o mesmo aqui entre nos. Todos
es|eravam anciosos que se levantasse o panno e
niostrassese assim o que vinhain serAi -Mit-
llieres de Marmore.
J tiremos occasiao de ver esse lindissimo dra-
ma no Rio de Janeiro, porm a nossa sorpreza
agora foi maior do que pela primeira occasiao que
vimo-lo. Daqui jiouco justificaremos esta nossa
assercao.
Nao ha classe, nem ente na sociedade, que nao
tenba de lancar um olhar de reprova^ao para essa
classe de mulheres, que tomam a seu cargo a
Vista, paraiysia Pomimhnco 43 an- ruifla de muitas fortunas e nao poucas vidas, fa-
"Sfe *ES&, SfSK f-g victimas descer s maiores indigni-
Manocl de Carvalho, Piauhy, 34 annos, soltero, ades.
Boa-Vista, parahsia.
CHROMCA JUHCIAIIA.
As Mulheres de Marmore vem ser nm drama
que aprsenla um quadro vivo d'esse perigo e in-
sondavel abysmo, cujeas bordas mais ou menos
perto todos s homens vao ter.
A mulher de marmore a mulher que faci-
na, mas fria para quem lhc toca; como diz um
escriptor, esse ente, que nem os sentidos, nem o
coracao desculpam; aquella, cujo prazer fazer
outreni solTrer; a mulher que lauca um olliar
dcscuidoso e mesmo de despreso para aquello, que
Leopoldi- prostra seus >s nm coracao sincero c piu"o. O
ar que ella respira carregado; seu olhar seniprc
TRIBUNAL DO JLRY.
3.' SESSAO DIA 14 DE JULHO DE 1863.
Presidencia do Sr. Dr. Joao Antonio de Araujo
Freitas llenriques.
Promotor publico o Sr. Dr. Francisco
no de Gusmao Lobo.
Escrivo o Sr. Joaquim Francisco de Paula Es- incerto so fita-se ioouro, a seus ouvidos so cftegam
leves Clemente ^d ''n'r e seus la,ios sorriem-se.
Advogado o Sr. Dr. Levino Pinto Brandao. | Eis o que una Mulher de Marinare.
s 10 horas da manhaa feita a chamada acha-' Dizer que este drama nao mteressa sena una
lam-se nres.'iites 38 senhores. louca pretencao. Todas as personagens sao ele-
Foram multados em 205 cada nm dos senhores mentos ndisiK'nsaveis da these moral, que o autor
motados nos dias anteriores e mais os senhores sustenta,
que (altaram hoje. j Vejamo-los.
Entra cm julgamento o reo Joaquim Amando de Aqu temos o artista calcando aos pes a stia dig-
Freitas Castro, aecusado por crime de estelionato, nidade de bomem e urna carreira.de gloria tao bem
O Sr. Dr. juiz de direito nomeou para servir de cu- encetada as alTeices puras e as lagrimas de sua
i ador do reo o Sr. Dr. Levino Brandao. visto ser mai nao sao barreiras insuperaveis nocaminho de
este menor sl,a perdico; os sinceros conselhos uc um amigo,
O tan de sentenca foi comiiosto dos Srs. se- que o sege como urna sombra, valem muito ine-
Tiintes "s- Essa fronte, cm que fulgurara o talento nis-
{pirado, esse coracao, que (ora puro c tao aberto ao
1 culto grandioso d arte, j nada sao. Aquella fron-
te curvada, c esse coracao compoe a victima immo-
1 lada aos caprichos c de rastros aos ps de una
' mulher. A sua santa vocacao j nao existe, mor-
: rera a sua inspiraco aos golpes desapiodados de
una paixao delirante.
| Raphael Dedier foi perfeitamente interpretado
pelo Sr. Lisboa. Este artista extasiou-nos. As
diftlccis scenas do 3. acto (depois do prologo) o o
4'mal do 4." foram executadas
Antonio Carlos de Pinho Borges.
Jos .Marcelino da Silva Braga.
Agostinho Jos de Oli veira.
Vieoinedes Maria Freir.
Dr. Manoel Ferreira da Silva.
Antonio Joaquim de Oliveira Baduem.
Manoel Gomes dos Santos Pereira Bastos.
Angelo Custodio Rodrigues Franca.
Francisco Ignacio de Mcdeiros.
Miguel Archanjo de Figueiredo.
l.niz Candido Fem-ira.
com maestra. Se
Wia sentir todas as
KwSSEr' JU,a"""1" ""' "........ suas"co"mmoeT..s. K's.vc sublime, extasiou-nos. A
' Foi o reo'interrogado e proceden-se a leitura do sua risada quando nao encontra o coracao que pro-
processo curara no accesso do delirio foi soberba. Con-
O Sr Dr promotor publico pedio a condemnacao fessamos que ir certo em nenhum outro papel
do reo no rao mximo do art. 264 5 4" do cdigo trabalhar nielhor. (iinvenceu-nos da voca;ao c
i-rimnal talento de que dotado. Creou urna especiali-
(i Sr. Dr. advogado deduzindo a defesa, pedio a dade. Scinpro avante n'essa bella carreira, euique
absolvicao do reo. eslreou e ter um futuro de gloria.
Finds os debates e preenebidas todas as forma- Marro a Aspasia moderna, que recebe pela
hilados da lei, o Sr. Dr. jhz de direito propoz os manhaa um annel de Gorgias para presentea-lo a
Besitos seguinte- nota Akibiades. a mulher, que so o ouro po-
1.< reo Joacpiini Amancio de Freitas Castro, de lacnar, que faz o artista descer a supphca in-
iin dias do
cando-se
lien a ipiantia .
ves Fontes, e liara o que nao se achava autonsado da abjeccao.
pelo sui.radHo Jos Gomes IhlW em conclusao a mulher, que desdenba
2 _<) reo assim platicando usou de artificio fiau- una vocacao superior c que apraz-so com os seu
tlulento solTrimentos. A Sr. D. Eugenia representou-a fiel-
:j.__0 reo commetteu o Crine coiu premedita- mente. Esse- olhar de desdem, os seus fingimen-
,.rl0 9 ios, quaiido prelendia ganhar urna aj>osta_ e a sua
' i.Existein circiimslancias attenuantes a favor contra-scena do 3. acto estveram sublimes. E'
,|0 i-eo mais urna vicosa gnnalda entre as militas, que ja
Becolhido o jury de sentenca sala secret das ornara a sua'fronte de artista.
conferencias 1 da tarde, votou s 1 '/j apon- Entre esses dous entes ha urna barreira que pro-
COMMERCIO.
CARA HUAL
DO
BANGO DO BRASIL
rabe
Aco; Al-Hamganes.
PBLICACOES A PEDIDO.
EM PERNAMBUCO.
A directoria da Caixa Filial do Banco do Brasil
declara aos senhores acdouistas que o thesouretro
dividendo re-
maio prximo
passado a razao de 1OJ00O por accao. Recite 14
de julho de 1863.
Jos Maracde Alves Ferreira,
secretaria
sabbatina justil^-s^prin^ g
nao justificadas na segunda. "*
Jos da Motta Nunes, una nSo]utfiradanase.
gunda cadeira.
Francisco da Costa Hamos, urna nao justificada
na segunda cadeira.
Manoel Fernandes de Araujo Jorge, duas im-lu-
Ulysses Correia de Castro, urna justificada na sire umasabbatina justificadas na primeira cadeira
primeira cadeira, e tres ditas na segunda. i e duas nao justificadas na segunda.
Austerliano Correia de Castro, duas justificadas' Joao Lopes de Agniar Silva Murityba, urna nao
na primeira cadeira, c urna dita na segunda. justificada ua segunda cadeira.
Eduardo Augusto de Aguiar Bdlo, setc inclusi-1 Samuel FHippe de Souza Ucha, dnas iusiifica-
ve urna sabbatina justificada na primeira cadeira, das na primeira cadeira e urna nao justilicada na
e sete inclusive urna .sabbatina ditas na segunda. | segunda.
Jos Joaquim de Almeida Xobre, urna justificada i Paulino Francisco da Cunta Xobre,dez inclusive
na segunda cadeira. | duas sabbatinas justificadas na primeira eaoVira
Lino Lassiano Lima, tres .justificadas na primei- e dez inclusive duas sabbatinas ditas na segunda-
ra cadeira, e cinco ditas na segunda. Antonio Bodrigues de Souza Marti, duas justi-
Octaviano Xavier Cotrin, quatro inclusive urna ficadas na jirimeira cadeira e duas nao justificadas
sabbatina justificada na primeira cadeira, e tres na segunda
ditas na segunda. Antonio Salvia de S Leitao, urna justificada na
Marcoiino de Moura e Albuquerque, duas justi- primeira cadeira e quatro inclusive sana sabbatina
ficadas na primeira cadeira, e duas ditas na se-. ditas na segunda,
gunda. Euclydes Deocleciano de Albuquerque, sele in-
Candido Pinto Lobao, cinco inclusive urna sab- lusive urna sabbatina justificadas na primeira cadei-
batino justificada na primeira cadeira, e cinco di- ra e tres nao justificadas na segunda,
tas na segunda. I Ignacio Jos d'Oliveira Arruda,oilo incluMve ama
Sezostris Silvio de Moraes Sarmentp, tres justifi-j sabbatina justificadas na primeira cadeira e nove
eadas na primeira cadeira, e duas ditas na se- inclusive tres sabbatinas ditas na segunda.
gunda. Miguel Peixoto de Y asonedlos, seis acmsivi)
Jos Cardozo da Cunha, urna justificada na pri- una sabbatina justificadas na primeira cadeira e
meira cadeira, eum dilana segunda. quatro inclusive urna sabbaiina ditos na segunda.
Jos Candido Marinho de S, doze inclusive tres j Ernesto do Paiva Leite, cinco justificadas na
sabbatinas justificadas na primeira cadeira, conze primeira cadeira e cinco ditas na segunda.
A adiiMBistrarao da justica no Brasil.
I Rcndimento do dia
Mein do di,i 17. .
Alfaadega
1 a 16. .
inclusive duas sabbatinas dita na secunda.
Elisio da Cunha de Moraes Pinheiro, duas jus-
tificadas na segunda cadeira.
Jos Nicolao Toleniino de Carvalho, dnas inclu-
sive urna sabbatina justificada na primeira cadei-
ra, e quatro ditas na segunda.
Firmino Gomes da Silveira, quatro justificadas
na primeira cadeira, e duas ditas na segunda.
Augusto Alves Guimares, urna justificada na
primeira cadeira, e urna dito na segunda.
Elmiro Casado de Araujo Lima, urna justificada
na primeira cadeira, e urna dita na segunda.
Joao Adolpuo Ribeiro da Silva, tres justificadas
na primeira cadeira, e tres inclusive urna sabba-
tina dita, na segunda.
Joaquim Cajueiro de Campos, duas inclusive
urna sabbatina justificada na primeira cadeira, e
tres inclusive urna sabbatina, na segunda.
Benedicto Ravinundo da Silva, duas justifica- .
das na primeira'cadoira, e duas ditos na segunda, justificada na primeira cadeira.
223:1333938
20:6213640
243:7343978
Hovintenio da alfandega.
Volumes entrada eom fazendas
eom gneros
Volumes sahdi>s
Os herdeiros da finada baroneza do Bomfim con-
tinuara na guerra difamatoria aos tribunaes de jus-
tica do paiz, c ltimamente comecaram de empre-
gr plvora ingleza,
A justa indignacSo dos Brasileiros, onenddos
era sua honra e soberana por atrocissimas calum-
nias e attentados do governo britannico, chamara
pequeos preconceitos.
A injuria do estranaeiro encontra pontos de segu-
ro awio. Assim escrevem os herdeiros da baro-
neza do Bomfim!
Sao injustas as nossas santas e sympalhieas quei- Descarregam no dia 18 de julho.
xas! A Inglaterra tem razao, lord Palmerston fal- Patacho italianoMaramercadonas.
lou a verdade, c o Sr. Christie eslava no seu di- Patacho inglezWin. M. Dodgedem.
rdto t Recebedorla de rendas internas
A nossa magistratura est cerrompida, os juizes, geraes de i'eruainhnfo
Bendimento do dia 1 a 16. 7:4473390
dem do dia 17......... 7843631)
com fazendas
com gneros
1%
. 181
-----377
Demetrio Jos Teixeira, duas justificadas na pri-
meira cadeira e tres nao justificadas na segunda.
Torquato Mendes Vianna, desanove inclusive
tres sabbatinas justificadas na primeira cadeira e
liinta e urna inclusive quatro sabbatinas nao justi-
ficadas na segunda
Daro Jos Furtado, viole e sete inclusive Ir*
sabbatinas nao justificadas na primeira e vate
cinco inclusive quatro sabbatinas ditos na se-
gunda
Ter cetro anno.
Antonio Luiz Ferreira Menezes VasconcHIos d*
Drummond, duas inclusive urna sabbatina justifi-
cadas na primeira cadeira e oito inclusive urna
sabbatina ditos na segunda.
Ernesto Botelho de Andrade, duas justificadas na
segunda cadeira
Joao Zeferino Pires de Ljra, urna sabbatina nao
sacrificara ao ouro a lei, e sao victimas da riqueza
dos opulentos; o Brasil cabio na degradaco que
aviltou o Mxico.
Em breve teremos noticia da leitura no parla-1
memo inglez dos artigos cscriptos pelos herdeiros i
da baroneza do Bomfim. Que triumpho I
Ao sustentador de nina demanda desesperada por
falta de razao e justica nada importa a honra e a
diguidade nacional Perca-se tudo, menos o litigio.
a divisa dos patriotas da recente dato.
A injuria do estrangeiro tem seguro apoio, por-
que os tribunaes do paiz nao deram ganho de colisa
aos herdeiros da baroneza do Bomfim.
Xingucni pode votar.escrever ou fallar em favor
da causa do Sr. visconde do Bomfim que nao seja
logo amarrado ao poste da injuria. Os juizes sao ve-1
naes, os advogados assalariades, os escriptores con-
trarios especuladores.
Fra daquellc gremio de pureza, virtude e de-!
sinteresse, cni|)enhado na sustentadlo das preten-!
ejbes tos herdeiros da baroneza do Bomfim, nao ha
salvacao fiossiveL! t
Touos os sentiinentos justos e generosos foram
mono|iolisados por aquello centro de intciligencia,{
de honra c abnegaca
Para elle as heneaos dopovo, a confianza da opi-,
nio nacional; para os adversarios todas as mal-,
dicocs seguidas do odio popular.
Os que diseutein com calma, respondendo a ag-
gressocs violentos, estira facinados pelo brilho do
ouro, e tyrannisados pela riqueza; mas aquellas
seraphicas creatui-as que iaueain os herdeiros da
Sr.* baroneza do Bomfim esto em esttica contem-
pladlo da sublime virtude do desinteresse. Cotn-
batm smenU- devorados pela sagrada rhamma da
justica!
Trouxeram para iraca publica as decisocs ju-
diciarias, eahi pretender discuti-las. Felizmente
28:2323040
Consulado provincial.
Rcndimento do dia 1 a 16. 58:0063639
dem do da 17......... 1:8463'-.
33:8333433
MOVIMENTO DO PORTO.
.Y''i'n entrado no dia 17.
Xew-York27 dias, brigue argentino Volante, de
200 toneladas, capitoo Bostford, equipagem 12.
carga 2037 barricas com farinha de trigo ; a
Ainoritn Irraao.
Navios salidos no mesmo dia.
MaceiBarca ingleza Setherton, capitoo Samuel
Xorris, em lastra
S. ThomazPatacho inglez frica, capitao E. Xe-
well, era lastro.
OfcflTifao.
Suspendeu do laniaro para Paraliiba a barca
ingleza Wreath. cajiitao James Green, com o mes-
mo lastro que trouxe da Baha.
EDITAES.
Pela inspec^ao da alfandega, se faz publico
que. lica transferida para o da 20 do corrente,
a arrematadlo de 30 duzias de pentes de tartaruga
i'n-em'iiraaassi'siir s extorcoes vlenlas dos para tranca; annunciada por edital de 8 proxi-
lutadores, itigados de gritar, e j rifi derio da "
raiva. |
Triste e lastimavel seena, que bem poderia ser
dendo pda maneira seguinte
Ao 1. Sim, por 11 votos.
Ao 2.Sim, por 8 votos.
Ao 3." Sim, por 6 votos.
Ao 4.Sim, por unanimdade.
Lidas as respostas pelo Sr. Dr. Manoel Ferreira
da Silva, presidente do conselho, o
Sr. Dr. juiz
cura separados. O'Diogenes da antiguidade e o
esgeiuiis moderno. E' a luz da razao esclarecen-
do o abvsmo em que H(i(u-l vai precipitor-se.
Suas palavras tem o cunlio da sensatez c da expe-
riencia; sao de um amigo sincero. Elle, como
mesmo diz no prologo, o cao que nao rasteja, mas
sim que inorde. E' Pvbadcs mostrando OresU-s
direito "publicou sua sentenca condemnando o o seu erroe a abjeceoj que Heruione merece. O
iczes de pfisao com trabalho Si. Furtado Coelho, como seinpre, dcseniiienhou o
reo a pena de quatro mezes de prh
e mulla de 3 '/j Pr % do valor recebido pelo reo
e as custas. _
Levanten a sessao, addiando-a para o (ha i.l
do corrente s 10 horas da manliaa.
.1.' SESSAO DA 13 DE JULHO DE 1863.
nielhor possivel esse pa|>el. Suas entradas, seu
|H>rte o gestos condiziam perfeitamente com o ca-
rcter que cprcsenlava. A sua scena final do 3."
acto estove inmiitovel. Era. esgenuis niostrou o
typHM de Diogenes.
Madama Uedier a mai que sonha eom as glo-
rias do lilho, nica consolaco que lhc resto n'este
mundo. E' a mai afflicta ]ielos traeos de soffri-
J
Presidencia do Sr. Dr. Joao Antonio de Araujo mente, que nota na physionomia de seu filho e |r
Freitas IbMiriques, juiz de direito da 1* vara cri- suas vigilias. E' o coracao de rai, revelando o
minal. seu amor, c que nao encontra echo no coracao
Promotor publico o Sr. Dr. Francisco Lcopoldino daquellc, cujo nico pensar devia ser olla e que a
de Gusmao Lobo. esquecc por seis semanas. A Sr.* D. Joanna foi
Escrivio o Sr. Joaquim Francisco de Paula Es- muito bem. O final do 2." acto e a 2." scena do 4.
leves Clemente. capturam-lhe bem- merecidos elogios. Pareca com-
Advogado b Sr. Dr. Angelo llenriques da Silva, pletaniente possuda do que se passava.
A's 10 horas da mauha feita a chamada acha- Junto a esta mulher, que soffre, vera coltocar-se
i am-se presentes ii senhores. um anjo de consolaco. Maris o s>Tiibolo da ho-
Foram multados em 203 cada um dos senhores nestidade; a virgem, que nao conhece o mundo,
11 iultodo8 nos dias anteriores, e os que nao compa- mas que por instincto d'elle foge. Representa a
i eceram a sessao de hoje. honra salpicada de lama em seus vestidos alvos
Achando-se presente oreo Cypriano de Souza pelo trotar dos cvanos da deshonra-, deixani-lhe
Mello, aecusado por crime de offensas physicas fei- nodoas, mas que nao se agarrara e fogem espavo-
tas na pessoa de Arsenio Antonio Carnciro da Cu- ridas ao toca-la. Como bello este typo; una
nha Miranda, c nao tendo comparecido o autor, o. das mais bellas creacocs de urna imaginadlo i>oe-
Sr. Dr. Jos Roberto da Cunha Sales, advogado do tica.
reo, pedio a jwtlavra e requercu que fosse o mesmo
autor lancado da autonsadio c esta julgada pe-
rempto, visto ser o crime particular e nao ter-se,
verificado aprisao cm flagrante delicto.
0 Sr. juiz de direito depois de ouvir o Sr. pro-
motor, publicou sua sentenca, julgando perempta a
acensadlo, mandando que o reo fosse posto em li-
berdade, condemnando o autor as custas at o
lancaniento, c a municipalidade .do mesmo lanca-
mete em dianlc.
Entra cm julgamento o reo Joao, escravo de Do-
mingos Antones Villaca, aecusado por crime de of-
fensas feitas na pessoa de Jos Maria, escravo de
Fr. Felippe de S. Luiz Paiva.
OSr. Dr. juiz de.direito deferio ao Sr. Dr. Ange-
lo Henriques o juramento dos Santos Evangelhos,
afim de servir de curador do reo por ser escravo.
O jury de sentenca foi composto dos Srs. se-
suintes:
Domingos da Silva Guimares.
Angelo Custodio Rodrigues Franca.
Dr. Jos Bernardo Galvo AWorado Jnior.
Dr. Jos Joaquim de Souza.
Adriano Xavier Pereira de BritO.
Antonio de Moura Rola.
Francisco de Souza Reg Monteiro.
Dr. Manoel Ferreira da Silva
mo passado.
Alfandega
1863.
de Pcrnambuco, 17 de julho de
poupada a esta civilisada cidade.
Era vez de raciocinar, gritara, e em vez de pro-
var, diffamam. Empregam o tenor da calumnia e
o estilete da injuria como derradeiro recurso em
termos de naufragio. O vilipendio suppnndo o ra- j
docilito c a lama da ra em vez do pensaraento,
A arabico tresvairada, vendo desarraigados seus
pautados projectos de locupleta^o, cabio em mo-
nomana Xao se comprehendendo, vocifera e blas-
phema contra todo e todos, o nem se quer escapa a
dgndade da justica. V a cormpcao desmantol-
lando os tribunaes) a lei em almoeda, a verdade em
holocausto, porque nao podo perceber a sua hallu-
cinacao.
Nos annacs da alienaco se encontrara loucuras
scmelhantes.
Oiurabam os olhos verdade e abrem a gargan-
ta para despejar mna lenipestodc de insultos. |
O Io cscripturario
Joao dos Santos Porto.
De ordem do E\m. Sr. director se faz publica a
lista das fallas dos estudantes desla Faculladc,
relativas ao nicz de maio, coiu as notas dos res-
pectivas lenlcs, e juhjadas em sessio da con-
grrgaf So de 27 do passado.
Primeiro anno. *
Jos Hygino Duartc Pereira, uina falta justificada
na primeira cadeira, e urna dita na segunda
Francisco Gomes Prente Filho, urna dito na
segunda.
Alfredo Affonso Ferreira, urna dita na pri-
meira
Jos Lustosa de Souza, urna justificada na pri-
meira, e urna dita na segunda.
Joao Paulo Gomes de MaUos, duas justificadas
Podro Carnciro da Silva, urna justificada na
primeira cadeira.
Samuel dos Santos Puntual, tres justificadas na
primeira cadeira, e tres ditas na segunda.
1)uarie Estevo de Oliveira, urna justificada na
primeira cadeira.
Adolpho Lamenha Lins, tres inclusive urna sab-
batina justificada na primeira cadeira, e cinco in-
clusive urna sabbatina dita, na segunda.
Joao Pedro Belfort Vieira, tres justificadas na
primeira cadeira, e tres ditos na segunda.
Bemvindo Gurgel do Amaral, seis justificadas na
primeira cadeira, e seis ditas na segunda.
Antonio Pedro Ferreira Lima, duas justificadas
naprimeira cadeira.
Clemente de Oliveira Mendes, urna justificada
na primeira cadeira, e urna dita na segunda
Joaquim Lopes Lobo, |duas justificadas na pri-
meira cadeira, c duas ditas na segunda.
Reinaldo Gomes de Oliveira, urna justificada na
primeira cadeira, e duas ditas na segunda
Jos Bernardo Gomes Serra Belfort, tres justi-
ficadas na primeira cadeira, e quatro ditas na se-
gunda.
Aristides augusto Coelho de Souza, duas in-
clusive urna sabbatina na primeira cadeira, c setc
ditos na segunda.
Baltholomeu Teixeira Palha, urna justificada na
primeira cadeira, c duas ditas na segunda.
Antonio Jos de Carvalho, duas justificadas na
primeira cadeira, e duas ditas na segunda
Antonio Pedro de Mianda, seis justificadas na
segunda cadeira.
Segundo anno.
Cactano Maria de Faria Xeves, urna justificada
na primeira cadeira e urna dita na segunda
Elizeu do Souza Martins, duas justificadas na pri-
meira cadeira.
Francisco Cornclio da Fonceca Lima, urna nao
justificada na segunda cadeira.
Francisco Jos Alves de Albuquerque Filho, mna
nao justificada na segunda cadeira
Ernesto Adolpho de Vasconcelios Chaves, i
nao justificada na segunda cadeira.
Raymundo Honorio da Silva, duas justificadas na
primeira cadeira e duas nao justificadas na se-
gunda.
Francisco de Souza Martins, duas justificadas na
primeira cadeira
Alfredo da Cunha Martins, seis justificadas na
primeira cadeira e seis inclusive urna sabbatina
ditas na segunda.
Antonio Ayres Lacerda de Chermont, tres justi-
ficadas na primeira cadeira e tres nao justificadas
na segunda.
Jos Peregrino de Araujo, duas justificadas na
primeira cadeira c tres inclusive urna sabbatina
ditas na segunda.
Antonio de Almeida Oliveira, urna justificada na
primeira cadeira c duas uo justificadas na se-
gunda.
Antonio Francisco Correia do Araujo, urna nao
justificada na segunda.
Antonio Carnciro Antones Guimares, una jus-
os mag
mente.
A ouvir os queixosos, nao podem os tribunaes fa-
zer justica aos homens de prestigio e influencia so-
cial quando litigam com os que tem posico some-
nos. (>s pobres, onriquoceriam e os ricos, empo-
breceriaiu pela fraqueza e cobarda dos juizes.
Esta theoria nao vingar.
A Sr* D. Camilla copiou-o bem.
Tha foi a cscrava, que quiz, com o desinteresse
de si propria, salvar as estatuas de Phtdias, as
quaes ella tanto ama va e que recusa entregar s
(orgias. Maria a nova Tha que tem em visto
chamar Rapliael ao caminho do dever, de que j
se havia affastodo tanto. A Sr." D. Camilla com-
preliendeu-as.
No gru que se forma ao redor de Mareo est
em primeiro lugar o Conde de Frenes. I" o novo
Gorgias. Com o seu ouro tem risos, mulheres c
tudo que deseja. Em sua passagem s encontra
homens, que se curvam. Represento o ouro fazon-
do ser repellida e esquecida mna affeicao pura.
E' a nu'vem escura e espessa encobrindo e sobresa-
hindo urea cor da aurora boreal. O Sr. Tho-
maz foi perfeitamente. A sua scena de sarcasmos
toncados Raphael no 3. acto estove soberlia.
Juliano um novo Akibiades. E' o typo do amor
aerio e de momentos. E' o galanteador d'esse es-
culo de mulheres, cuja vida gasta-se em prazeres.
O Sr. Penante poderia ir nielhor; os seui modos
e gestos revelaram em algumas scenas bem pouco
o galanteador parisiense, que representava.
0 Sr. Joaquim Cmara uo papel de Fiancis leve
pouca animacao ; fallou algum tanto baixo. Lem-
bre-se de que represento o carcter de um pari-
Juizes de sua propria causa, nao querem adraittir; na prm0ra cadeira, e duas ditas na segunda,
a hberdade do julgamento. j jos da Costa Correia Guimares Jnior, urna
Nao procedem bem exagerando assim suas ja jusnncada na scunda cadeira.
infundadas quexas. Sojam einbora perseverantes Virgilio Augusto de Moraes, urna justificada na
na daba de seus pretendidos direitos, cheguomate i primeira cadeira.
a vehemencia, porm nao transponham as raas, Pedro Pereira Bezerra de Araujo Beltro, tres
do coniedimento que todo Bbmem que se respeito jngjiflcias na primeira cadeira, e duas ditas na
sabe e deve guardar. i segunda.
. Aos defensores dos herdeiros da Sr. baroneza | Joao Lopes Pessoa da Cost, duas justificadas na
do Bomlun nao faltam talentos para mna disputa prmcra cadeira, e urna dita na segunda.
leal, nobree digna. Ainda as peiores causas sao, Antonio Alvos de Carvalhal, urna justificada na
sustentaveis sem esses recursos ditiamatorios. | segunda cadeira.
A justica, sendo necessaro bem para as socio-1 %.qa\m Rogcrio de Oliveira, duas justificadas
dades, se tornara um doloroso sacrificio desde que i na prmera cadeira, c tres ditas na segunda.
ti puderem administrar livre- Francisco Antonio de Oliveira Sobrinho, urna
justificada na segunda cadeira.
Augusto Ernesto de Cerqueira, duas justifica-
das na primeira cadeira. e duas ditos na segunda.
Joao Firmino Ilollanda Cavalcante, urna justifi-
cada na primeira cadeira, e duas ditas na se-
gunda
Joao Maria Loureiro Tavarcs, tres inclusivo
Contra os juizes calumniados nunca se lcvantou Uma sabbatina justificada na primeira cadeira e
suspeita, e elles administrara justica ha mullos > quatro ditos na segunda.
ai"0*- ,.-., Tiburcio Ravmundo da Silva Tavares, tres in-
Xao prezam a propria digradade aquellos que ar- ciusjve, uma sabbatina justificada na primeira ca-
riscara juizos sobre a alheia. eir, e duas ditos na segunda.
Jos Antonio Gomes, uma justificada na segunda
cadeira. .
Manoel Prxedes Benevides Piraent, seis inclu-
sive duas sabbatinas justificadas na primeira ca
deira, e oito inclusive mna sabbatina ditas na se
gunda.
Candido Alves Machado, duas justificadas na
Esta enfermidade atormentadora <[ue aber-' primeira cadoira, e duas inclusive, uma sabbatina,
lamente zomba do medico que confia dos an-! dltoA" nffT^iT. r- __. ..-n
tigos e caducos paliativo di pharmacopa e' to^p?^J^ (-ta^ *"***
seguramente curada mediante o uso da com-, Julio Cezar de Mendonca UcUOa, duas justifica
posico anacahuita peitoral de Kemp, prepa- das na primeira cadeira, e duas ditas na segunda,
racao esta extrahida da famosa aore deste1 ^ncalk Vieira de Mello Prado,, quatro. inclnsi-
~.~ ~~mn n m, n!5r *s^tn^ ,mi,1M, i ve uma sabbatina justificada na primeira cadena e
mesmo nome; e que nao contem nenhum tres ditas na ^gu^a
astringente venenoso ou mortalmente narco- d. Carlos do Souza Silveira, uma justificada na
tico. o remedio mais poderoso e eflicaz primeira cadeira,_c uma dita na segunda.
(Do Jornal do Comtnercio, do Rio.)
A asthma subjagada.
para a- debilidade ou irritaco dos pulmoes,
anginas, catarrho, ronquido, tosse, resfria-
mento, affeccOes catarrhaes, escarros de san-
gue e todas as innmera veis molestias que
affectam os orgos da respirado.
Os droguistas principaes que perfeitamen-
te conhecem a eflkacia e a grande populari-
dade deste balsmico remedio o tem constan-
temente em ser e venda.
Arnobio Jos Pereira de Albuquerque, duas
justificadas na primeira cadeira, e duas ditas na
segunda.
Eduardo Augusto da Silveira, duas justificadas
na primeira cadeira, e tuna dia na segunda.
Amero Pereira de Araujo, duas inclusive uma
sabbatina justificada na primeira cadeira e tres
ditas na segunda,
, Jos Francisco Ucha Cavalcante, uma justifi-
cada na segunda cadeira.
tificada na primeira cadeira
Jos Gomes da Froto, duas justificadas na pri-
meira cadeira e uma nao justificada na segunda.
Irineu Ciciliano Pereira da Cost, duas justifica-
das na primeira cadeira o duas nao justificadas na
segunda.
Joao Vaz de Carvalho Sodr, oito justificadas na
primeira cadeira e sete inclusive urna sabbatina
ditas na segunda
Floriano Jos de Miranda, duas justificadas na
primeira cadeira eduas nao justificadas na se-
gunda. ,
Pedro Ferreira Coelho. tres inclusive uma sab-
batina justificada na primeira cadeira c duas nao
justificadas na segunda.
Licinio Alfredo da Silva, duas justificadas na pri-
meira cadeira e cinco inclusive urna sabbatina
nao justificada na segunda
Antonio Vieira Pacheco d'Avila, uma justificada
na primeira cadeira c tres nao justificadas na se-
gunda.
Joaquim Maria Carnciro Vilella, duas justifica-
das na primeira cadeira e urna nao justificada na
segunda. .
Augusto Carneiro Monteiro, uma justificada na
primeira cadeira e uma nao justificada na se-
gUAgostnho de Carvalho Dias Lima, duas justifi-
cadas na primeira cadeira.
Joo Joaquim Ramos e Silva, una sabbatina nao
justificada na segunda cadeira
Francisco Domngues Ribeiro Vianna, duas jus-
tificadas na primeira cadeira e sois inclusive uma
sabbatina nao justificada na segunda
Sigismundo Antonio Goncalves, tres justificadas,
na primeira cadeira e duas nao jusficadas na se-
fflUfedsl
Manoel Joaquim Ferreira Estoves Jnior, uma
justificada na primeira cadeira e uma nao justifica-
da na segunda. .._-.__
Antonio Martins da Cunha, urna justificada na
primeira cadeira e tres nao justificadas na se-
gUJoaquim Pinto do Miranda, sds nao justificadas
na primeira cadeira e oito inclusive uma sabbatina
ditas na segunda :' ..1 ..
Leonardo Francisco de Almeida, uma justificada
na primeira cadeira. .
Joaquim Guedes Correia Gondim, seis inclusive
uma sabbatina nao justificada na segunda.
Jos Ignacio de Albuquerque Vanderley, uma
justificada na primeira cadeira c uma nao justifi-
cada na segunda. ,
Joaquim Joas Bezerra Monte-negro, uma justi-
ficada na primeira eadeira c tres nao justificadas na
segunda.
Antonio Venancio Cavalcanti de Albuquerque,
quinze inclusive duas sabbatinas nao justificadas
na primeira cadeira a treze inclusive duas sabbati-
nas ditas na segunda.
Francisco Rodrigues Soares, duas justificadas
na primeira cadeira euma nao justificada na se-
gunda.
Francisco da Cunha Pedresa Macliado Jnior,
duas nao justificadas na segunda cadeira.
Qcero Anatelio Vieira do Brasil, tres justifica-
das na primeira cadeira c quatro ditas na se-
KUJos Manoel de Barros Vanderley, uma justifica-
idas na
gunda.
primeira cadeira, e duas ditas na se-
Joaquim Constancio de Moura Costo, uma josV
cada na primeira cadeira e uma dito na seguiUa
Joaquira Patriota Paes Brrelo, duas inclusivo
uma sabbatina nao justificadas na primeira cadeira
e mna dito na segunda
Luiz da Silva Gusmao, uma sabbatina nao justi-
ficada na primeira cadeira.
Manoel de S e Souza, tres inclusive uma sab-
batina justificadas na primeira cadeira e tres ditas
na segunda
Raymundo Clementino Valente, duas justificada*
na primeira cadeira e duas ditas na segunda.
\ ictoriuo Antonio do Sracamento, nove inelnve
uma sabbatina justificadas na primeira cadeira e
onze nao justificadas na segunda.
Antonio da Silva Antunes, uma justificada na
segunda cadeira
Manoel Fraucisco do Xascimento Sobreira, tres
justificada ua primeira cadeira e tres ditos na se-
gunda.
Hruno Jansen Pereira, oito inclusive nasa aak-
batna justificadas na primeira cadeira e sele ditas
na segunda
Ernesto Odilon Maciel Monteiro, quatro justifi-
cadas na segunda cadeira.
Ildefonso de Andrade Mello, cinco justificadas na
primeira cadeira
Jcfferson Mirabeau das Merces Gordo, nasa jos
tificada na primeira cadeira e urna dita na se-
gunda.
Jos Alves da Silva Pereira, uma jostcada aa
primeira cadeira e uma dito na segunda.
Jos Joaquim Ramos Ferreira, quatro justificada
na primeira cadeira e quatro na segunda, sendo
tres nao justificadas.
Jos Joaquim Ferreira da Rocha Jnior, uma jus-
tificada na primeira cadeira e tres inclusive ana
sabbatina ditas na segunda.
Francisco de Assis Correa Lima, uma justificada
na segunda cadeira.
Henrique Mamede Lins de Almeida, uma justifi-
cada na segunda cadeira
Joao Raplista de Siqueira Cavalcante, duas justi-
ficadas na primeira cadeira e quatro ditas na se-
gunda
Jos Antonio Xunes, oito justificadas na primeira
cadeira e sete ditos na segunda.
Luiz Antonio Ferreira Sonto, duas justificadas na
primeira cadeira e tres ditas na segunda
Menelo dos Santos da Fonseca Lins, duas justi-
ficadas na segunda cadeira.
Raymundo Olimpio Goncalves de Freitas, duro
inclusive uma sabbatina justificadas na primeira
cadeira e cinco ditas na segunda.
Thcodoreto Carlos Faria Sonto, uma justificada
na primeira eadeira e duas inclusive uma sabba-
ina ditas na segunda
Lzaro Jos Pires da Fonseca, urna justificada na
primeira cadeira e uma dita na segunda
Tiburtno Rarbosa Xogueira, duas justificadas aa
primeira cadeira o uma dita na segunda.
Marcelino Ferreira Lima, duas justificadas na
primeira cadeira e duas ditos na segunda
Miguel Augusto do Xascimento Fei tosa, tres jus-
tificadas na primeira cadeira c tres ditas aa se-
gunda.
Luiz Caetano Muniz Barrete Filho, oito inclusive
uma sabbatina justificadas na primeira cadeira e
rana dita na segunda.
Ruliro Tavares de Almeida, uma justificada na
prmeira cadeira cuma dita na segunda.
Candido Joseph de Mello e Silva, tres justifica-
das na primeira cadeira e seis inclusive urna aatV
batina na segunda cadeira, sendo quatro incluaive
uma sabbatina nao justificadas.
Lino da Silva Rastos, oito justificadas na primeira
eadeira e nove inclusive uma sabbatina ditas aa
segunda.
Luiz Ferreira Maciel Pinheiro, tres justificadas
na primeira cadeira e tres nao justificadas na se-
gunda
Francisco de Assis Pereira Rocha Jnior, tres
justificadas na primeira cadeira e tres ditas na
segunda.
Jos Antonio de Pinho Borges, uma justificada na
primeira cadeira e urna dita na segunda.
Antonio Dias de Pina Jnior, tres justificadas na
primeira cadeira e duas ditas na segunda.
Manoel Barata do Oliveira Mello, uma justificada
na primeira cadeira e cinco inclusive uma saM-
lina ditas na segunda.
Altino Rodrigues Pimenta, quatro justificadas na
primeira eadeira e setc inclusive uma sabbaiina
ditos na segunda
Jos Alfredo de Oliveira. duas justificad;"
primeira cadeira e uma dita na segunda.
Francisco Theotonio de Carvalho. duas justifica-
das na primeira cadeira e duas ditas na segunda
Jos Thoin da Silva, ares jusficadas na primei-
ra cadeira e urna dita na segunda. .
Livino Vieira de Macedo, tres justificadas na
primeira cadeira e duas ditas na segunda.
Esperidio Zarairo de Souza Lopes, seis justifica-
das na primeira cadeira e tres ditos na segunda
Joao Pedreira de Cerqueira, oito inclusive uma
sabbatina justificadas na primeira cadeira e nava
inclusive uma sabbatina nao justificadas na se-
gunda.
Antonio Raymundo Tavares Belfort, nma justifi-
cada na primeira cadeira c uma dita na acguada
Jos Augusto Goncalves Pires urna justificada na
primeira cadeira e uma sabbatina dita na se-
gunda.
Jos Joaquim de Oliveira Fonseca. urna justifica-
da na primeira cadeira e uma dita na segunda.
Antonio Martiniano Lapemberg, tres justificadas
na primeira cadeira e uma dita na segunda.
Manoel Leite Cezar I-oureiro, duas justificadas na
primeira cadeira e tres ditas na segunda.
Tobas de Souza Lima, duas jmdfcadaa aa pri-
meira cadeira e duas ditas na segunda.
Antonio Loureneo de Camino Serra, quatro in-
clusive nma sabbatina jusficadas na praeira
Vicente do Reg Toscano Barrete, tres jnsfica-. da naprimeira cadeira e tres nao justificadas na
segunda.
Antonio Manoel de Siqueira Cavalcanti, oito
in-
cadeira e duas iuclusive uma
segunda.
Frederico Marinho de Araujo,
uma sabbatina justificadas na Jitoeira
tres ditas na segunda.
Julio Cezar Gomes de Castro, duas
sabbatina justificadas aajrtneiraJ
ditas inclusive uma saadJian m~
Joaquim Pereira da *?* Guii;
ficada naprimeira cadeira e
?UMatbias Nunes Bandeira de Mello, da
das naprimeira cadeira e dnas ditas na


Diario Ir Pernuabiita -~*abbado IN > falli de &4S.
=:
!
i
Pedro L'IvsA'sPoriu, nata justificada n:i primeira
cadeira e dias ditas na segunda.
Bolvar Teixeira Mendes, sete inclusive duas
sabbtinas justificadas na primeira cadeira e sete
inclusive urna sabbatina ditas na segunda.
Thoiuaz Lourenco da Silva Pinto, duas justifica-
da* na primeira cadeira e tres Mas na segunda
los dos Santos Pacheco Lima, te inclusive duas
sabbatinas justificadas na primeira cadeira e sete
inclusive urna iihlunitia ditas na segunda.
Joao da Cunha Pewira Beltrao, tres justificadas
na primeira cadeira e duas ditas na segunda. ,
Jos Gomes Ferreir, duas justificadas na pri-
meira cadeira e tres ditas na segunda.
Jlo Manoel Mendes da Cunha Azevedo. urna
justificada na primeira cadeira.
Godofredo Augusto de Souza, quinze inclusive
duas sabbatinas nao justificadas na primeira cadei-
ra e perdeu o anno na segunda.
Hermes Pimo Borba Cavalcante, una justificada
na primeira cadeira e duas ditas na segunda.
Luiz A> tes de Almeida Freitas, urna justificada
na primeira cadeira e duas ditas na segunda.
Ravmundo Valentiniano de Moraes Rcgo, duas
justificadas-na primeira cadeira e cinco inclusivo
una sabbatina ditas na segunda.
Joao Alves Pereira de Lyra, urna justificada na
segunda cadeira.
Be uto Jos Alves Vianna. urna nao justificada na
segunda cadeira.
Bcnto Borges da Fonseca, tres justificadas na
Srimeira cadeira c cinco inclusive urna sabbatina
itas na segunda.
Miguel Gomes de Figueiredo, cinco justificadas
na primeira cadeira e quatro ditas na segunda.
Ivo Magno Borges da Fonseca, duas justificadas
na primeira cadeira c urna dita na segunda.
Paulino Nogueira Borges da Fonseca, duas jus-
ficadas na primeira cadeira e una dita na se-
gunda.
Joao Capis lia mi i de Almeida, quatro iuclusive
urna sabbatina justificada na primeira cadeira e
cinco ditas na segunda.
Joao Franklin de Alencar Lima, duas justificadas
na primeira cadeira e duas ditas na segunda.
Jos Francisco de Araujo Lima, duas justificadas
na primeira cadeira.
Lino Leoncio d'Assutnpcao, tres justificadas na
primeira cadeira o duas ditas na segunda.
Jos de Hollanda Cavalcanti de Albuquerque, seis
inclusive una sabbatina justificadas na primeira ca-
deira e seis ditas na segunda.
Benedicto Marques da Silva Aeauaa, tres justifi-
cadas na primeira cadeira c duas ditas na se-
gunda.
Joaquim Francisco de Arruda, urna justificada
na primeira cadeira e duas ditas na segunda.
Maximiano Jos de Inojosa, duas justificadas na
primeira cadeira e tres inclusive urna sabbatina
ditas na segunda.
Joao Pereira da Silva Leite, duas justificadas na
primeira cadeira e quatro ditas na segunda.
Francisco Uoucalves da"Justa, tres justificadas na
primeira cadeira e quatro ditas na segunda.
Lenidas Fcrreira Barbosa, cinco nao justificadas
na primeira cadeira e tres justificadas na se-
gunda. #
Antonio Janscn de Maltos Pereira. nove inclusive
duas sabbatinas justificadas na primeira cadeira e
don inclusive duas sabbatinas ditas na segunda. {
Antonio Borges da Fonseca Jnior, tres justifica-
das na primeira cadeira e tres ditas na segunda, j
Jos Pedreira Franca Jnior, doze inclusive duas
xdp|i:in;is justificadas na primeira cadeira coito
inclusive urna sabbatina ditas na segunda. I
Jos Vicente da Costa Bastos, treze inclusive tres
sabbatinas justificadas na primeira cadeira e quin-
ze inclusive duas sabbatinas ditas na segunda. |
Jos Francisco de Barros Bego, cinco nao justifi-
cadas na primeira cadeira e quatro justificadas na
logaadi.
Francisco Xavier de Mallos Telles, nove inclusi-
ve duas sabbatinas justificadas na primeira cadeira j
c dote inclusive duas sabbatinas dilas na segunda, i
As faltas da segunda cadeira do terceiro auno,
relativas ao mez de abril, e que nao foram abona-
das na sesso passada, o foram nesta, excepto as :
seguintes :
Victorino Antonio do Sacramento, onze inclusive
una sabbatina.
Luiz Caetann Muniz Barrete quatro.
Candido Joseph de Mello e Silva, seis iuclusive
urna sabbatina.
Joao Pedreira de Cerqueira, nove iuclusive urna
sabbatina.
.Maximiano Jos de Inojosa, cinco inclusive urna
sa bba ti na. ,
fos Francisco de Barros Bego, onze inclusive
Una sal.l.alina.
Francisco Xavier de Mallos Telles, onze inclusi-
ve urna sabbatina.
Godofredo Augusto de Souza, perdeu o anno por
excesso de faltas.
(Cotitinnar-se-lta).
vendo .eran pagas no acto da araimatarii, aflm
de jxidereni dar a neoassaria desonejacao os dous
credores que tem hypotheca no engenho Pintos.
o escripto e traslado do edital oxistem em mi
do porteiro dojuizo, e os pretendentes que qni-
zerom examinar os referido* engenhos podem ahi
comparecer, que ha pessoa autorisada a mostra-
los com todas as suas obras e bemfeitorias ; as-
sim como os que quizerem ver os escravos e ore-
cisarem de qualquer csclarecimento, podem diri-
gir-se nesta praca mesma herdeira e inventa-
riante, que reside na Soledade, ra de Joao Fer-
nandes Vieira.
Hojc linda a audiencia do Illm. Sr. Dr. juiz
municipal da 2.' vara, tem de arrematar-se sois
escravos por execucaode Baltar A Oliveira contra
os bens de Jos Fernandes da Cruz.
O lancador da mesa do consulado provin-
cial, aba ix<> assignado, sendo nomeado para pro-
ceder aos diversos lancamentos que tem do serem
cobrados por esta mesma mesa no anno finan-
ceiro vindouro de 1863 1861, avisa aos senhores
proprietarios de predios urbanos e outros estabe-
lecimontos que tenham preparados os competen-
tes recibos ou outros documentos afnn de que
possa o mesmo abaixo fazer os lancamentos em
regra sem vexames das partes inleressadas. Ou-
tro sim, declara o mesmo abaixo assignado, que
sendo nomeado para as freguezias de Santo An-
tonio, S. Jos e Afogados dar comeco pela de
Santo Antonio.
Mesa do consulado provincial, 4 de julho de 1803.
O lancador
Joao Pedro de Jess da Malta.
Leilao das dividas da assa fallida Je flrnz Marce-
lino do "Sacramento.
Terca-feira 21 doVorrente na ra da Cali
n. 53, as 11 oras.
O agente Euzebio vender em leilao p
preco que se adiar a reqnerimento do depositario
e autorisaco do Illm. Sr. Dr. juiz especial do eom-
mercio. as dividas daquella massa.
TIIIMTUO
DE
EMPREZA
DE
A. J. DIARTE COIMBRA.
Recita llvre da assignatnra.
HOJE
Sabbado, 18 de Julho de 1863.
Segunda representacao do magnifico drama em
quatro actos e um prologo, ornado de msica,
AS MULHERES
A scena do quarto acto reformada para melhor
se poder gozar a vista do bosque, formando" no to-
do urna vista de completa novidade c bom gosto
scenico.
Terminar o espectculo com a comedia em um
acto, ornada de msica,
MEIAHORA DECYNISMO.
Principiar s 8 horas.
Os senhores que nao poderam obter billieles na
primeira representacao deste drama |ior causa da
muita concurrencia,* e que tiveram a bondade de
encommendar para a segunda recita, podem desde
j mandar buscar as suas encommendas no escri-
torio do tbeatro.
AVISOS MARTIMOS.
DECLARACOES.
COMPANHIA BEASILEIEA
DE
PAQUETES A VAPOR.
At o dia 20 de julho, espe-
rado dos portos do norte o vapor
Oi/apock, commandante o priinei-
m r tenente Antonio Marcelino
Pontos Ribeiro, o qual depois da
demora do costume seguir, pan os portos do
sol.
Desde j recebem-se passageiros c engaja-se a
carga que o vajior poder conduzir, a qual levci a
ser embarcada no dia de sua chegada, encom-
mendas e dinheiro frete at o dia da sabida as 2
horas: agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
Directora das obras militares.
A direcloria das obras niilit ares, tendo de man-
da r reedificar o laboratorio pyrotechinico no isth-
no de Oliuda, assim como de mandar caiar e pin-.
tar o quartel da companhia de cavallaria. e fazer
10 cabides para armas no quartel do 2." balalho
de infamara, convida as pessoas que se quize-
rem encarregar fiestas obras, e caiacao e pintura,
a apresentarem suas propostas na mencionada di-
rectora, nos dias 17 e 18 doconente mez, das 10
"horas ao neto dia, mide poderao obter os esrlare-
cimentos de que necessitarem.
Direcloria das obras militares de Pernambuco
io de jullio de 1863.Luiz Francisco de Paula de
Albuquerque Maranhiio, serviudo de amanuense.
A arremata^o couslante do
amiuncio que abaixo segue-se.
tanto dos engenho como dos
escravos. devera ter lugar no
dia 5 do eorrenie. depois da
audiencia do Illm. Sr. Dr. juiz
municipal da segunda vara.
Perante o Illm. Sr. Dr. juiz municipal da se-
gunda vara, eserivo Multa, tem de ir a praca os
films seguimos :
O cngenbo Pintos com toifcis as suas trras e
obras, cande casa de vivenda. outra denominada I
Hua. alguinas casas para moradores, grande
senzala de podra e cal, estribara, casa de disti-
lacao com um alambique de valor, tudo avahado
em 52:000*000.
O- engenho Quiaombo contiguo ao mesmo, com
todas as suas tenas c casa de vivenda, avahado
em 22:0005000.
Os escravos Antonio Calumbi, crioulo, 50 an-
nos, avahado em 800-5: Matheus. nacao, 35 an-
uos, avahado em 1:0005; Bcnto, nacao, 35 an-
cos, avahado em 1:000; Gregorio, nacao, 37
aunos, avahado em 7005; Antonio Esparrella,
nacao, 40 annos, avahado em 8005 ; Jos Borra-
cha, crioulo. 25 annos, avallado em 3005 i Alci-
xo, crioulo, 23 annos, avahado om 1:2005: Luiz
Hortelao, nacao. 40 annQs, avahado em 1:100;
Gertrudes, nacao, 45 annos, avahada em 6005;
Luiz Beni, na'eo, 40 aunos, avahado em 8005 ;
Thereza, nacao, 33 annos, avahada em 2005000 ;
Maria Vov, crioula, 45 annos. avahada em 6005;
Bartholomeu, nacao, 40 annos, avahado em 5005;
Hita, mulher do dito, nacao, 36 annos, avahada
m 6005; Caetano, nacao, 40 annos, avahado
m 7005 ; Violanta. mulher do dito, nacao, 35
MD8, avahada em 8005; Felippe, cabra,'40an-
jqos, avahado em 1:2005 ; Fehppa, mulher do
dito, crioula, 35 annos, avallada em 1:0005 ; Fla-
viana, lllha dos ditos, cabra, 3 annos, avahada
em 3005 ; Jozino, fllho dos ditos, cabra, mezes,
avahado em 1005 ; Victorina, crioula, 30 annos,
avahada em 6005 ; Mana, filha da dita, crioula,
3 annos, avallada, em 3005; gueda, filha da
dita, crioula, 18 mezes, avahada em 1505 ; Fran-
isco Segundo, nacao, 45 annos, avahado em
7005 i Perpetua* mulher do dito, nacao, 36 an-
nos, avahada em 6005 ; Jos, lllho dos ditos,
crioulo, 3 anuos, avahado em 3005 ; Felippe, na-
Sao, 38 annos, avahado em 9005 Bosa, mulher
o dito, nacao, 40 anuos, avahada em 6005000 ;
Jos Ferrero, nacao, 35 annos. avahado em
1:1005 ; Antonia, mulher do dito, crioula, 50 an-
nos. avahada em 5005 i Pedro, nacao, 36 annos,
avahado em 1:2005 ; Margarida, mulher do dito,
nacao, 40 annos, avahada em 8005; Paulina,
crioula, 4* hnos, avahada em 1:0005 ; Clara
crioula, 22 annos, avahada em 1:0005; Felicia,
nacao. 40 annos, avahada em 7005 ; Maria, mu-
ihe'r de Miguel Pedreiro. 27 annos, avahada em
9005; Miguel, nacao, 42 aunos, avahado em
100M; Maria, mulher do dito, nacjio, 36 annos,
avahada em 6005 ; Venancio, filha dos ditos
crioula, 18 mezes. avahada em 1005.
referidos bens pertencem heranca do fina-
do los Fernando da Craz. vao praca re-
3ucrinaio da herdeira e inventarame, depois
e ouvldos o Dr. procurador fiscal da fazenda pro- j
vincial v os de mais interessados, pan, pagamen-1
to das dividas i que est sujeto a heraaca, de-
GOMPAMIIA PERNAMBUCANA
DE
Xavegaco costeara a vapor.
Parata}lia, Natal, Mario, Ararat} e Coar.
O vapor Jagttaribe, commandante
Moura, seguir para os portos do
norte at o Cear no dia 22 do
corrente as 5 horas da tarde. Be-
c"ebe carga at o dia 21, encom-
mendas. passageiros e dinheiro a frete at o dia da
saluda as 3 horas : escriptorio no Forte do Mal-
los n. 1.
MESSAGERIES IMPERIALES.
.^VISO.
A sabida dns paquetes francezes do Rio de Ja-
neiro para a Europa lera lugar deste mez em dian-
te no dia 24 de cada mez, devendo portanto chegar
aqui no dia 30.
i
Para o Aracaty.
O hiate Kirolo I. est prestes a seguir viagem
para o Aracaty, pode ainda receber alguma carga
para que se trata com os consignatarios ra da Ca-
deia n. 57.
Para Lisboa
O veleiro brigue portuguez lata II, capito A.
F. Vieira saldr no da 25 do corrente por ter a
maior parte de seu carregamento prompto : para
carga e passageiros, trata-se com o consignatario
E. B. Rabcllo, ra da Cadeia n. 55.
Para o Rio Cirande do *nl.
Seguo o brigue nacional Olinda, at o fin
do corrente mez, com a carga que tiver; re-
cebe alguma a frete e por qualquer preco :
trata-se com Raltar & Oliveira, ra da Cada
n. 20.
Para o Maranhao e Para
pretende seguir uestes oito dias o veleiro e bem
conhecido brigue escuna Joven Arlhur, tem a
seu bordo parte de seu carregamento ; para o res-
to que lhe falta, trata-se com os seus consignata-
tarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no
seu escriptorio ra da Cruz n. 1.
Para Lisboa
sahe com a maior brevidade o brigue portuguez
Relmpago por ter a maior parte da carga promp-
ta : quem no mesmo quizer carregar ou ir de pas-
sagem, para o que tem bons commodos, trate com
o consignatario Thomaz de Aquino Fonseca, ra
do Vigario n. 49, primeiro andar, ou com o capi-
tao na praca.
LEILOES.
DE
Urna mobilia de Jacaranda, 2 candieiros de gaz, 2
ditos de azeite, 2 casticaes e mangas, 2 tapetes,
2 escarradeiras, 2 langas epertences para corti-
.nados, i oculo e estante, 1 caixa com revolver, 1
toucador, 2 estantes pequeas, 1 divn, 1 consolo
com pedra. 12 cadeiras americanas, 6 ditas ita-
lianas, 2 ditas de bataneo, 2 mesas de jogo, 1 me-
sa redonda, 2 commods, 1 secretaria, i bid, 1
marquesa, 1 cama de ferro e lavatorio, i appa-
rador. i niesa elstica. 4 apparelbo para jantar.
i dito para almoeo, crystaes, 1 machina para ca-
f, l guarda couda de rame e outros objectos.
Terca-felra 91 de Julho.
O agento Pinto far leilao por Ponta de um ^ea
amigo que retira-se desta prorincia de todos os ob-
jectos supra mencionados existentes no terceiro
andar do sobrado da ra do Trapiche Novo n. 14,
casa do consulado de Franca, devendo ter princi-
pio as 10 horas do dia cima dito na referida casa.
AVISOS DIVERSOS.
ASSGCIACO
TYPOIlAPHia PEKNAM.UT,.\N\.
Devendo ter lugar domingo 19 do corrente a sos-
sao ordinaria da assembla geral desta associacao,
para se proceder a eleico do conselho qne tem de
dirigi-laem o seu oitavo anno social (1863-1864),
assim o scientifico aos Srs. socios eflectivos, convi-
dndolos a comparecerem s 10 horas da manlia,
na ra Direita n. 120, primeiro andar.
Secretaria, 11 de julho de 1863.
Io secretario, Silva Lins.
Km tributo de gratido.
Inflammago no figado e oetoneum.
Tendo urna inflanmiacao no flgadoe peritoneum.
bavia limito tempo. nao jiodia oceupar-me na mi-
aba prolsso de livreiro wsd* dous annos; mas,
applicando as chapas niedicinaes do Sr. Ricardo;
Kirk, escriptorio na roa do Parto b. 119, em tres
semanas flejuei perfeitamente curado, e agora ev
ton trabalhando pelo mcu offlcio, ra do Cano n.
23.Carlos Ernesto da Silva.
Reconheeida verdadeira a assignatura supra
pelo tabelliao Pedro Jos de Caatro.
Os bachareiOlaxmuano Lopes Macha
do eThom Fernandes Madeira de Castro
tem o seu escriptorio de advogacia ra
do Imperador n. 71. primeiro andar, onde
podem ser procurados todos os dias uteis
das 9 as 3 horas da tarde. Advogam 'no
"eclesistico, no commercio, administrati-
vo, civel e crime; e encarregam-se de
promover qualquer questao polo centro
desta e de ontra qualquer provincia.
Aos absolutamente pobres tratam da
defeaa dos seus direitos gratuitamente.
COMPTABILIDADE COMMERCIAL
PELO
DR. WITRUVIO PINTO BAHDEIRA
Professor da segunda cadeira do Curso Cumnerrial PernamboraM,
D61S BELLOS VOLIMES EM 8. FRANCEZ
COWnElfENOE.NDO
LOTERA.
iio.ii:.
Sbado 18 do corrente mez se extralii-
r a quinta parte da terceira lotera a liene-
ficio do Gymnasio Pernambucano (3a con-
cess3o), no consistorio da igreja de Nossa
Senhora do Rosario da freguezia de Santo
Antonio.
Os bilhetes e meios bilhetes acbam-se
venda na respectiva thesouraria, ra do
Crespo n. i5, e as casas commissionadas
ra da Imperatriz n. 44, loja do Sr. Pimen-
tel, praca da Independencia n. 22, loja do Sr.
Soares Pinbeiro, ra Direita n. 3, botica do
Chagas,ruada Cadeia n. 45, loja do Sr. Porto
e em Apipucos estabelecimento do Sr. Fran-
cisco M. S. Mendes.
Os premios de 5:000/ at 10^ sero pa-
gos urna bora depois da extracfo at as 4
horas da tarde, e os outros no dia seguinte,
depois da destribuico das listas.
0 thesourero,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
w
O primeiroPrelee?oes theorleo-pratleas de eserlpt
raeo mercantil.
O segundoXo^es de arlthmetlea eom-
merclal, adaptadas pratlea das oprracoes e
merelaes e elementos do sistema
mtrico com snas appllcacdes
ao commercio.
PREgO DE CADA VOLUME U-
O abaixo assignado avisa aos credores do fi-
nado Manoel uarque de Macedo Lima queja nao
administrador da massa do mesmo Manoel Bu-
arque, de cuja administracao se despedio ha mais
d$ seis mezes, e que tudo quanto iiertence ou diz j i
resjKito a essa perca massa, se acha em poder do
Sr. Prxedes da Silva Gusmao, como depositario
della.Antonio Buarque de Gusmao.
O escrivao da fazenda muduu seu cartorio
do ateo do Carmo jara a travessa das Flores nu-
mero 3.
l'ma jiossoa habilitada e mui conhecida ues- '
ta cidade se ollerece para leccionar em casas par-
ticulares a (tessoas de ambos os sexos, a 1er, es-
crever e contar perfeitamente ; assim como ana-
lyse de grammatica portugueza e dotrina : quem ]
de seu prestimo se quizer utilisar, dirija-se a loja
do Sr. Jos Azevedo de Andrade, ra do Crespo
n. 20, o qual dir quem c tambein dar as ne-
cessarias informacoes.______________________
Precisa-sc de urna ama para todo o servieo L,
de urna casa e comprar, para duas ]>essoas : o,<
becco Largo no primeiro andar do sobrado n. 1.
O medico-cirurgico Antonio Jos Ferreira
Alves mudou-se para o primeiro andar da casa n.
11 da ra do Queimado. ________
O commendador Manoel Ignacio de Oliveira
vai para Lislioa.
liOTERIA.
O tliesoureiro das loteras desta provin-
cia, desejando extrahi-las em maior capital
e com menores intervallos, offerece a vanta-
gem de dous por cento quem comprar
liara negocio, na quantia de i()09 para cima;
assim como se prope a estabelecer corres-
pondencias para qualquer localidade da pro-
vinera, remetiendo billietes, meios e listas,
sob flanea idnea; devendo o pagamento
delles ser feito logo que. sejam receidas as
listas e novos bilhetes remettidos. 0 the-
sourero certo da conveniencia desse negocio,
convida aos Srs. eommerciantes da Victoria,
Goianna, Rio Formoso, Nazarcth, Serinhaem
e mais localidades populosas da provincia, c
mesmo os desta capital, que o quizaran, a
entenderem-se com elle, na thesouraria das
loteras, ra do Crespo D. 15: advertindo
que receber em pagamento e sem descont,
os bilhetes premiados de todas as loteras
da provincia recolhidos thesouraria da fa-
zenda provincial.
Thesouraria das loteras. 20 de*junlio de
1963.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Aluga-sc um segundo andar na ra do Han-
gel n. 67 : a tratar na ra do Queimado n. 71.
Cose-se qualquer costura, e tambein engom-
ma-se com perfeicao : na ra Augusta n. 22.
O abaixo assignado faz miente que comprou
a annacao da taberna do pateo do Terco n. 141,
hvre e desembaracada : quem se julgar com di-
reito, appareca dentro de tres dias, a contar do
primeiro aniuncio. Recite 15 de julho de 1863.
Antonio Jos Pereira da Cunha.
Irmandadc S.ml \mi;i da igreja
da Madre de Dos.
O aejual escrivao da irmandadc da gloriosa Be-
nliora Sant'Anna, administradora da igreja da Ma-
dre de Dos, convida a todos os seus charos ir-
maos a coiupareceroni no consistorio da referida
igreja domingo 19 do corrente, pelas 10 1|2 horas
da manha, alim de se proceder a eleicao da nova
mesa regedoraque tem de funecionar no anno de
18(33 a 18G4.O escrivao.
Jos Francisco Coelho da Paz.
CRIADA.
Precisarse na ra do Imperador n. \i, 2o
andar, tuna criada que saiba engommar e
ensahoar.
t\CO VMllO.
ESTABELECIDO NACIDAIIE DO PORTO
Aycnles em Pernamburo
Antonio I^nlz de Oliveira
Azevedo i C.
Sacam jior todos os |iaqnetes sobre o
mesmo banco prazo ou vista, sobre a
caixa filial em Lisboa, e agencias em Fi-
gueira, Coimbra, Avciro, Visen, Villa-
Real, Kegoa. Vianna de Castillo, Giiinia- ,7/
res, BarVellos. Lamego. Covilha, Braga. ?^
Penalicl, Braganca, Amarante, Angra,
liba da Terceira, lina de Faias, libada
Madeira, Villa do Conde. Valonea, Bastos,
Oliveira de Aiemeis, Chaves e Kai<\ a
oito dias vista ou ao prazo qne se eooven-
cionar.no seu escriptorio ra da Cruz
n. 1.
AMA DE LEITE.
Precisa-sc de una ama de leite que nao lenlia
filho : no becco da Boia n. 14.
LeonardMettleikampe, sua senhora, sua j
filha e dous nettos, subditos bamburguezes,:
retiram-se para a Europa. ^^____^_ |
Pllulas Panllstanas
VEETAES DEl'fRATIV.VS.
Estas pilulas, sendo nicamente COWpostas de
puros visgetaes colhidos nos canqios e matas desta
provincia de S. Paulo, as virtudes e efficacia deste
uaravillioso medicamento se acham boje asss co-
nhecidas lelas numerosas curas que com ellas se
tem obtido, tornndose um remedio sempre til
e necossario, especialmente as molestias vene-1
reas. A purgacao ou gonorrha antiga ou moder- \
na, 3 pilulas n. 2 de noitc e 3 pilulas n. 1 de ma-
nha, seguindo at sarar radicalmente. Tratamen-
to dos buhos '. no primeiio s>mptoma pode-se re-
solver sem vir a furo, tomando 6 pilulas de noitc
e 6 de manha pelo espado de 12 dias seguidos, e
se vier a furo nao haver perigo de fstula. No
tralamento dos cancros venreos ou feridas gan- I
grenosas ou roedoras, 6 pilulas n. 2 de nohe e G
n. 1 de manha, at completar o curativo. Autor.
Carlos e Pedro Etchecoin.
AtiENCIA PRINCIPAL
Rio de Janeiro, roa do Parto n. H9.
DEPOSITO EM PERNAMBUCO
Na pliarmaria do Sr. Jos Alexandre Ribeiro, ra
do Queimado n. 15.
Aluga-sc o primeiro andar do sobrado da ra
das Cruzes u. 39 : a tratar no segundo andar do
mesmo sobrado.____________^^____^^
Os senhores credores da massa fallida de
("amargo & Silva, sao convidados pelo presente pa-
ra apresentarem seus ttulos de divida aos admi-
nistradores da predita massa, na conformidade do
disposto no artigo 859 do cdigo conunercial, para
em seguida se proceder o rateio.
ltagommadeira.
Precisa-se na casa de madama Leconte, de urna
una e.-crava e sem virio, para lavar e engommar,
e que seja perfeita engouiinadeira: na ra da Im-
peratriz n. 7.
@t|ijeliffijeffi
Na ra do Padre Floriano n. 44 engomma-
se com perfeicao e por prego conmiodo.
Loja para alngar
Aluga-se a loja do sobrado sito no largo do Car-
mo u. 18 : a tratar no mesmo sobrado, no segun-
do andar.
Um 111050 com quasi todos os preparatorios,
offerece o seu pequeo prestimo para cscriptu-
rar *cm qualquer casa conunercial, e ao mesmo
lempo se offerece fazer qualquer cobranca : quem
o pretender, dirija-se ao pateo do Terco n. 141. se-
gundo andar. ______________
l'm moco quer -empregar-se como caixeiro
em um engenho : no largo do Terco n. 23, aima-
zem do conservativo._______________________
A pessoa que por, engao levou o romance
Rocliedo dos Amores,que se achava sobre a
mesa do porteiro, na thesoureria provincial, te-
nha a bondade entregar na ra estreita do Rosa-
rio n. 18 C, que se gratificar.______________
Joao da Silva Ramos, medico pela 1111- g,
versidade de Coimbra, d consultas mn fe
sua casa, na ra Xova n. 50, das 8 s 10 j
horas da manha, c das 4 s 6 da tarde, e
recelie egualmente convites para dentro Sj
ou fon da cidade, com olim 00 se unrar-
regar de qualquer servieo de sua profis-
so.
j5 Os cbamados deyerao vir por escripto.
Aluga-se o sobrado todo ou smenle o ar-
maiem com vastas proporcoes da ra da Cruz 11.
62 : a tratar na ra da Cadeia do Becife 11. 40,
primoiro andar, com Bocha Lima & Guimares.
Precisa-sc de urna ama de leite, Jfi|
mas que tenha, quando muito at (> |
mezes deeorridos na crago de que m
se ade encarregada: na ra estreita |
do Rosario 11. 31, 3 andar, por cima |
do armazem de trastes do Sr. Mo-
reir.
Esta obra, apezar de elementar, vem preeneber urna lacinia, que era sentida, enlre nos
onde fallecem escriptos de certas especialidades com accesso a todas as inh-lliacaria ; e a,
sim o editor pensa fazer um servieo dando-lhe publicidade, tanto mais qnanio boje, qu<- m
transaegoes commerciaes e industriaes vo entre nos tomando notayel desenvolvimento. devr
entrar na educa?ao daquelles que se querem apphcar a taes ramos da vida o ronbcnnvnt.
dos principios da comptabilidade administrativa e conunercial.
Com este intuito, sob urna forma essencialinente classica, n-uniu o Sr. Ilr. Witnivio in
principios da comptabilidade commercial no que tem ellos de mais elementar, e rnoruViMNi-
os de modo a facilitar o mais possivel o seu cstudo s pessoas que se destinam s proliviV-
commerciaes, sendo taes a concisao c a clareza postas no desenvolvimento respertivo. .pi.- (.-
de-se aprender a materia, chegando-se a escripturar os livros por partidas doiradas e a|>j.li
car o calculo s operncoes do commercio, sem carecer da aternaeio de um mestrr.
-O iimeiro volume, formulado solire a obra de Bertrand, oceuHM mai.- espi-cialinealt
da escripturacijo mercantil por partidas dobradas, cujos principios sao desenvolvidos era har-
mona com a icgislacio brasilea, rontendo alm disto um ini|xirtantissiino appt>ndH-<> sobre
as sociedades commerciaes em todos os seus movimentos, quer |H'lo lado da earriptanri,
quer pelo da formacao, existencia e extineco deltas em face da lei. Nesie appendire. diipn-
cadamentc recommndavcl por sua originalidade e pelo cunho de esperialiMka, lem o rom-
merciante urna guia para sua direceo, qualquej que,^eja a forma da sociedad!, que contraa.
Completa este volume o specimenou resumo de una escripturaco, ficticia venladc. masra
tudo senielhante de urna casa de commercio ordinario, offerer'endo urna serie de operarrt
successivamente mais difflceis, que assim inicia gradualmente a maneira de escriptur i-Ijs
nos differentes livros de urna casa de commercio.
O segundo, egualmente formulado sobre a obra de Kottinger, oceupa-se particularmfiiir
da arithmetica conunercial com exercicios e problemas pelo ineio mais simples, faril r breve
da regra conjuncta. acorra de todas as operacoes platicas iisuaes no commercio. envolvendo
clculos de cambios de praca praca e por pracas intermedias, liem como negocios de banea-
com arbitragens de cambios, alm do desenvolvimento do systema mtrico em suas rela;o>
com o commercio, Ilustrado por ineio de tabellas de convenio.
O editor nada mais accrescentar estas breves palavras, que asss demoustram a in-
portancia real desta obra, devida a intelligencia e a applicacao aceurada do seu antur, mo
(jue ella de utilidade geral, e que a nenbum conmierciant e mesmo a boniem algiini ile let-
tras licito deixar de possui-la em sua estante ; pois o coinmercio em suas variada.- evoiii-
?oes, cntende actualmente com tudo que se liga a vida.
A assignatura toma-se as livrarias dos Srs. Guimares ,V Oliveira. Nogneii.n de S"-
za. Julin & Pereira e Geraldo II. de Mira, sendo realisada sua im|rtancia pela quoia uV cada
voliunc ao sahir do pelo, para o qual ora entra o primeiro.
O eoiToR.


r ?*k ayR'/s*** vift. ifiA
NOVO ESTABELECIMENTO DE MEDICINA HOMEOPATHICA
RA MOYA M 18.
0 Dr. Sabino 0. L. Pinito mudou o seu CONSULTORIO para aloja de marmore
ra Nova n. 43, onde mntiiiua a dar consultas todos os dias uteis toftO niei- .lia ai^
2 horas.
Os enfermos, que o procuraren! logo na invasio da molestia, sem que hajam l^v
nado qualquer remedio, nem allopathico, nom liomeopathico, pagarao melatle tos pi. c-.
estipulados. Esta concessao tem por lim facilitar a cura de molestias, que podem ti miar-
se complicadas pelos emprego intempestivo da tlierapciitica e ao mesmo teinju. ;Mquirir
para a homeopathia maior numero de adeptos pela bateza da cura.
Em attenco as pessoas pobres, que nao podem sahir de dia. o Dr. Saliino icatil-
veu dar duss ciinsultas por semanas as tercas e sextas-feiras das seis as ><[> lioras U
noite.
Os chamados para visitos e conferencias devemser dirjgidos |>or escripi*i #-
sultorio desde 8 horas do dia al 8 da noite, na certeza de (jue sero attendida M V-m
de sua precedencia, salva a crenmstaocia d eminente perigo.
ADVUKTKXCI.4.
O novo consultorio est prvido dos melhores medicamentos, desde a piiiirin
at a trigsima dynaminjsaco.
E como os mdicos hespanhes (> nllomoc aso ceaaaiude certificara najur efi-
cacia das uMissimas dyiiaminisaces do tiatamento das molestias chnmicas, o Ilr. s.ilun.. --
oceupa agora de elevar os seus medicamentos s potencias mais altas ( por ora at 2f)i).J i.
alim de verificar por si mesmo a forra dynamica, que se lhe attribue.
Os mdicos, que quizerem experimentar taes dynaminisaces podero dirigir ao
consultorio suas invitas, que sero aviadas gratuitamente para os pobres".
No mesmo consultorio se vende a novissiina edico do Tliesouro hunvipatni
ou Vademcum do homeopatha, obra indispensavel a dos que querem usar da nrt>-
pathia.
Tudo o que diz respeito nova medicina si'acha abundantemente neste dov esfalK-
lecimento.
.V T5 i**3'
INTERNATO
DE
ffl
O abaixo assigaado encarrega-se de barrer c
aguar as ras desta cklack por preco coimnodo :
as pessoas que quizerem contratar, pode dirigir-
se a ra Nova n. 15.
Miguel Antonio Roberto.
Precisa-se de um menino para caixeiro de
urna loja de calcado : a tratar na ra do Livra-
mento n. 13._____________.
Urna crioula de bons costumes. que cose, co-
zinha e entornilla, se oITerece para ama de casa de
pequea familia : na ra da matriz da ltoa-Vista,
casa n. 62.______________________________
Precisa-sc de um cozinheiro 011 cozinheira :
na ra do Imperador n. 27, defronte da ordem
terceira de S. Francisco._____________
OITerece-se urna crioula para ama de casa',
que cozinha, engomma e compra : no boceo das
Miudinhas n. 8.____________________
Pcrdeu-se duas letras da quantia de 615300
cada urna, sendo a primeira a vencer-.se no dia 21
de agosto, c a segunda no dia 10 de sctonibro, sen-
do aceita pelo Sr! Luiz Ferreira de Almeida.
O abaixo assignado declara que oedital pu-
blicado no Diario n. 157 para arremataco dejiens
por execucjio do mesmo abaixo assignado nao se
entende com Henriqne Augusto Burle, como s
por engao sajiio no dito edital, mas sim com Ben-
rique Augusto Beck, contra quem movida a re-
ferida exeeueao. Becife 16 de julho de 1863.
Joao da Silva Faria.
ile urna ama para todo s
Precisa-sc de urna ama para todo servieo interno
de urna casa de pouca amilia: na ra da Gloria
n. 18. _____________
SOCIEDADE
DOS
ARTISTAS MECBAMCOS E LIBERAES DE PER-
KAHBL'CO.
De ordem do Illm. Sr. director, faco sciente a
todos os senhores socios da referida sociedade, que
est designado o dia 19 do corrente, as 10 horas
da mauhaa, para sesso extraordinaria, para cujo
flm os convido. ....
Secretaria da sociedade dos Artistas Mchameos
e Liberaos de Pernambuco 16 de julho de -t63.
Antonio Bazilio Ferreira Barros.
1 i. secretario.

Aluga-se urna canoa nova para o trau-
co de capim ou para familia; por preco com-
modo, e tambem se vende: a tratar nos Afo-
gados com Candido Theotonio da Cmara.
Quem precisar de um rapaz de (2
14 annos para criado, e mesmo para andar
em eabriolet annuncie por esta mesma folha
ou dirija-se ao porto das Canoas armazem de
madeiras do Sr. Miguel do Reg Barros.
o 4J4SWBSt
ESTABELECIDO NA CIDADE DO RECIPE
Director0 hacharrl em matlicmaliras
BERNARDO PEREIRA DO CARMO JNIOR.
O director do intrnalo de S. Bernardo, accedendo aos pedidos de vario* paes do*
Mneotrros collegiaes, e de outras pessoas desta capital, removeu o -11 eslalieiwiinenlu
da Capunga para esta cidade.
N ai 1 tendo evitado esfor(*os nem sacrificios para proporeionaf ao sea aiy
una |ierfeita educado physica, moral, intellectual e religiosa, off.-r.-ecndu-lli.- nina lia-
bitacao com bastantes condicSesde salubridade, habis professores que san noBra *
prepara-los convenientemente ao flm que se destinam, medico pratico qne Ibes foca
comiireliender os preceitos da hygiene c Ibes cure das doencas. e linalmenir um sacer-
dote Ilustrado e honesto que lhes explique os principios da religiw christaa. espera pr
assim consumido nao deixar o seu estabelecimento de merecer <\<>~ Srs. pac* d.> fami-
lias o auxilio e confianca com que j alguns o tem hoiuado; e lhe* n>gi. N-m cum a
todas as pessoas interesadas, que se dignem de visitar o mesmo seu estaMecimmt".
onde sempre encontrarao franco ingresso.
O collegio tem a sua sede no espacoso edificio n. 32 ra da Aurora, contiguo ao
do collegio dos orphaos.
os estatutos do collegio, que estao disposicao de quem os quizer ler, se acham
consignadas as condicoes de entrada e matricula as diversas aula* do estahefcvi-
mento.
<
2
Calcado francez, na loja do vapor, ra
Kova 7.

digno de atlencao os novos sorti- g 5
i montos de calfado francez, chegado 5 >
5 s dita loja, e mui especialmente as m- 5
5 dernas botinas com differentes e novos
I enfi-ites para senhoras e meninas._____
No escriptorio d'Amorim A- limaos ra
da Cruz fcA.deseja-se fallar a Exjua. Sra,
D. Maria Carolina da Silva Grillo, cuja mo-
rada se ignora para poder aer procurada.
Alugm-se a loja do sobrado 193 e armazem
n. 171 da rna Imperial, o armazem n. 4 da ra do
Apollo, o a eos a. 27 da ra do Burgos: na ra,
da Aurora n. 36.
!
Precisa-se alugar una escrava que saiba co-
zinliar e engommar perfeitamente, de boa conduc-
ta : na ra do Queimado n. 44, primeiro andar.
O abaixo assignado, morador na villa do Pa-
co de Camaragibe. vende as suas tres barcacas a
saber : Abismo do Piu;o, de lote de 550 saceos com
assucar Flor do Pa<-o, de 450 ditas; e Palete do
Paro, de 380 ditas, promptas a navegar. Ellas sao;
qu conduzem toda safra desta llibeira e niuito
acreditadas. Assim como vende o seu trapiche,
o mais bem montado desta provincia, e mesmo de
Pernambuco ; de pedra, cal e tijolo, tem capa-
cidades para mais de 10,000 saccas. guindaste de
ferro collocado 110 primeiro lugar desta villa, que
recebe todo o assucar que se transitoria desta Ki-
beira ; tem casa de vivenda na frente da ra do
Commercio, com o fundo para o trapiche, e outras
obras principaes de tijolo, e tudo murado, dentro
umitas fructeiras e bastante terreno para planta-
edes e hortalica. O abaixo assignado est resolvi-
dc a fazer todo o negocio a praso ou a dinheiro,
ou como eonvier ao pretndeme, propria nara
quem est aborrecido de morar na prac,a : a tra-
tar no mesmo trapiche com o pronrietario.
Joaquim de Souza Silva Cunha.
---------------~
Ko engenho Penandnba precisa-se de um
bom hortelao : a pessoa que se julgar habilitada e
Juizer dirija-se ao mencionado engenho ou ao pateo
o Terco n. 44, sobrado, que achara com quem
tratar.
Pedid*.
A irmandadc de N. S. do Guadetupe da ridaoV
de Olinda. pede a pessoa que bouver de tirar-.
maior premio da lotera que tem de correr |h
mmente, para que se digne concorrer mbb ana
estilla, alim de que a mesma innindidr pawa a-
tisfazer os materiaes que tomou a inaHii para a
obra da igreja. o que nao tem satisfeilo, ao s ]<
ter sido recolhido ao tuesoitro o producto da ultima
lotera que corren em nMirflno da mrnriouU
igreja, em o anno de 1861, por talla de explica
na lei que a roncedeu. como pelas pref-rmna-
que ha relativamente a loteras: pWn que a im>*
ma senhora lhe encher de graca. e esta intun 11
de lhe tirara extremamente acTMecida.
HOTEL l)E PARS
Ra da Cruz n. 24 ptr ciaia 4 bt*ca
ALMOEO, JAUTAS E LAACHE.
Bebidas saperiKcs de taia as waJaaV*
Alteico.
OITerece-se na ra do Rangei n. 38, praaeiro aa>-
dar um moco habilitado para tonar coam V *
escriptorio dando fiador a sua rondarla ou da 1
neira que melhor julgarem e quizereaa. Xa awsnvi
casa tomase rscriphiracao para fiunr dar babur >
de qualquer ramo de negocio por partidas r~'
e dobradas, e lajabem escreve-se ea njaj ii |
I precisar.


-------------------- ""----------------------------------------------;----------------------
Precisa-tade um caixeito 4a 12 a 14 aaam.
prefere-se dertes rliefados uHiaumeaie : na na
do Rangei o. 69.



Diario de PCrmamh^o Stbfeado i 8 d Julko 1 t.
:.
N /



i
PHtTOURAPIIU ARTSTICA
NOTICIA NOTICIA NOTICIA.
A. W. Osborne retratista americano na ra \
co que elle acaba de receber dos Estados-t'ni-
pifiaba pouco descoberto nos Estados-Unidos,
sendo este novo systema superior a ludo
quanto at o presente se tem descoberto;
sendo o annunciante (i nico em todo o impe-
rio do Brasil, que possue o dito systema
photographico. O Sr. Osborne pode apresen-
lar as mais bellas pinturas sobre < papel
debaixo de um estylo nunca experimentado
nem COhhecido ;iti' boje ueste paiz, os precos
dos caribes seo os mesmos; A. W. Osbor-
ne na ra do Imperador; olbem para a ban-
deira americana.
NB. A sala onde est collocada a ciara boia
foi a pouco toda retilicada de novo, e adia-
se com egpaco siifliciente para aeommodar
qualquer familia por mais numerosa que soja.
Os abaixo assignados fazem publico, com 8-
pecialidade ao cor|>o do eommcreio, jiu* m> ultimo
do maiodo corrente auno compraran) aosSra. Cor-
reia k limaos son estabelecimculo de moldados,
sito na ra do Livramento n. 20, no qual desde o
1. de junlio prximo passado gyra a linna de Cor-
reia & Santos, continuando o inesnio ramo de me*
socio que os inesmos tiiiham. Iteeife 13 de jiilho
ile 1863. licruardino Crrela de Hezende liego.
Jos Francisco Comes dos Santos.
23 RUA NOVA &
ESQUINA Di RUI DA GAMBOA DO CUINO
Trahalham seja qnal fr o tempo.
NT18T1FE PARS
19Ilaa Nova-19
Frederico Gautier, cirurgiao dentista,
faz todas as opera<;5es de sua arte, e col-
loca denles arrocines, ttido com superio-
ridade e perfeican, que as pessoas enten-
lhe reconhecem.
Tem agua e pos denuncio.
| Aluga-se a loja de um sobradinho da
ra da Praia, proprio para negocio, por ser
no centro da ra, ou para morada de peque-
a familia: na livraria ns. 6 e 8 da praca da
Independencia.
Aluga-se o sobrado da Si a. viuva Lasserre,
na Capunga : a tratar no escriptorio de Jt. B. Las-
serre & C, ra da|Cruz n. 13.
Aluga-se a loja do sobrado sito na ra Nova
n. 37 : a tratar eoin Amaro Goncalves dos Santos,
no Passeio publico, ou na ra Nova n. 3.">, loja de
ferragens._________
Attenco
- D-sc dinbeiro a juros sobre penhores de ouro :
na ra do Hangchi. 54, das 10 horas da inanhaa
s 3 da tarde._______________________________
. Contina a haver pao de centeio nos dias ([liar-
las e sabbados de cada semana, na padaria, em
Santo Amaro, ao pe da fundicao, e na na da Im-
peratriz n. ii, ra do Bru, confronte ao cbafariz
n. 47, e ra do Rosario' larga deposito n. 36.
. Ao ji. 21).
Abra loja 'los b&rateiros, rua 4o Queiinado.
Chitas Granelas multo linas, rovado a 300,
320 e 360; baldes de panno, a 3*500; rusti de
corea, mudo a 320; cassas bancezas facenda
milito lina, a 300 ivis a vara; eambraia lisa de 10
jaulas, a 3J_00 i dita fina, peca de SO jardas, a
8.SOO*; lias muito linas para vestido, rovado a
800.
Ao n. 29.
Nova luja dos itrattwos, ra do (Mimado.
Paletots de alpaca mesclada, a 45000: camisas
inglezas a 15600; brini lona de linbo, vara a 640
grvalas da seda superior a 500 res; ricas abo-
lladuras para tolete, a 500.
Ao n. 21).
Suia /i./'/ dos iarateiros, rua do Quemado.
Neste r.-tabeleciinento vemlem-se os artigos se-
intes por menos de nietade do sen valor : franja
de algodao Jiranca peca de 13 varas, a 1.3600;:
PHOSPHATO de FERRO
PE LERAS, DOTOR EM SCIENCIAS, INSPECTOR DA ACADEMIA DE PARIZ, etc., etc.
Este novo ferruginoso, approvado por todas as Academias da Medicina do mundo Inteiro, rene a
compostefto dos ossos e do sangue, e conten o ferro em estado liquido. Segundo.asobservaqoes feitas nos
hospitaes-dePariz e consignadas no Prospecto : elle superior s Plalas ferralnoan, ao laetato
4c ferro, ao ferro reducido pelo lijdi ogenro, ao eltrato de ferro, Aa Plalas e Xarope de
lodnrod ferro : elle cura rpidamente a Ictericia tranca, cor paluda, dores d'estmago, digestes peno-
sas, aHecc^jes nervosas, escropbulas, mingoa de sangue, perda de frca e appelite, Irregularidades,
falta? menstruacs, e flores brancas. K o melhor adjuvante do oleo de tinado de haralhtio.
Depsito geral i em Parit, en casa do MM. Griniaalt e o, pharmaceulicos, 1, ra de la Fenlllade
em Lisboa, en casa de Rodrigo da Coata-Carvaltaoj no Porto, en casa de Miguel Jone de sousa-
Ferreira; em o Rio-de -Janeiro, riim relilo e Dinla, ra do Sabo, 11 em Baha, en casa de
Joa-Cartano Ferrelra-Eaplnbelra ; em Rio-Grande, en casa de Jonqatn de Godoy; em Maran-
ho, en cafado Ferreirae C; em iVniamtiuco, Shouiu e O, ra da Cruz, 22; Sousa, e as principaes
pharmacias do Braxil.
lilil IIIMiaU.il III! UBI
D. Francisco Balthasar da Silveira e fa-
milia podem as pessoas de sua amizade que
Ibes faeain o caridoso obsequio de assistir
a missa que no dia 23 do corrente, pelas.9
limas, na igroja matriz da Boa-Vista, se ha
de dizer pela Alina de sua prezada prima e
comadre I). Jndith Constanza Cunha da Sil-
vcira, fallecida na cidde d Baha.
Deposito geral em I'ernambuco ra da Cruz n. 22 em casa de Caors dcBarboza.-
Pede-se ao Sr. inspector da ra Direita que a
bem da nioralidadc publica laca conter a urna inu-
Iher depravada moradora na inesma ra n. 5, visto
insultar ella diariamente com palavras indecentes
| nao so aos moradores da ra Direita como aos da
ra da Penha. Esta nudher )>elo seu mo coin-
|)ortamento j tem estado na eada por diversas
vezes no tetnpo em que morava na ra de Aguas-
Verdes, portnto bastante conhecida. Isto pede
Um morador da ra Direita.
Toma-sc mna menina ou menino, enipedido
ou desempedido : quem quzer, dirja-se ao beceo
do Carioca n. 3, loja.
O Sr. Joao Tliomaz Pereira queira diri-
gir-se a ra de Santa Rita n. 15, a negocio
que nao ignora._______________________^_
Fugio no dia 17 do corrente da casa do abai-
xo assgnado o escravo mulato de nome Luiz, que
Tem a honra de participar aos seus numerosos freguezes e ao respeiUvel publico desta capital iX^i^^l^^^Sdjit
assim como das provincias, que acaba de receba- pelo paquete francez Nacanc um completo e muito SralSSSnto toinedSS ao il aix, as-
variado soitimento de objectos para presente, assim como receben tambem ricosleques c ricos nenies -'-'-. A". 1'. J. V "\Wr?-, :.-_J .."
qner de. atar cabello quer de alisar e tirar bichos
MADAMA VIUVA LECOMTE
RA DA IMPERATRIZ N. 7.
APPROVA^AO E Y I TOBCiNAC AO.
DA
Academia imperial de medicina
Jimia central de hygiene publica
c quando falla um tanto baixo e accenluado, este
escravo deixou a inai em Barreiros, e por isso
muito de suppor que para, all se dirigisse: recom-
menda-se todas as autoridades policiaes, eanitaes
de campo que o pegar manda-lo ra da Moeda
casa n. 5, segundo andar, que serao bem recont-
ar-pensados.
Alves Ferreira.
ELECTI10--MAGNETICAS EP1SPAST1CAS
DE
RICARDO KIRK
Para sercui applicadas s partes affectadas, sem resguardo
neni iucommodo
Muito conbecidas nesta corte e em todas as pro-
vincias deste imperio, pelos a'us infalliv.-is resol-
tados lio todos os sasos de inflanunacJo, sejam ex-
ternas ou internas (com enmuro e falta deretpi-
racaoj como do estomago, ligado, baeo, bofes, rins.
ulero, jieito, palpitaeiio de cwacjk), gargantas,
todas
lO, IGO, MO e 3;i!<, erysipellas, rbeumafisraos, paratytia,
~ as alfeccoes -
bicos pretos de liulio. vara a ..
botoesde vetado, de seda e de fu.-;*., dnzia 120,as-air.-r rendas unas peca de 10 varas, a 800; en-1 '-";......'"|l' l'''"'a miaeaquef inchafoes.
res;
ireineios m'uito largos"e muito Onos. peca a 14300 S!?r*,iSB!ff^L
. fondas,
venreos scrophulas, lobi-
tnimninhas de vMfltho para crianeas, a 000 >< o! gfOS
iY'rT'r'*4 .;;A^VV.'W;,liiiiBil,.evlii1k
lio e prol'iiiide/a. por meio da supuraeao serio la-
ica luiente extirpados.
(Esta? chapas nao podem fazer mal de forma al-
.V. ALVICARA.S A NOVIDADE. 7>\ puma, ellas tem sido applieadas aos olhos com o
- melhor suoeesao. vejam-seos attestados de curas
11 completas que j foram publicados pelos jornaes.i
Ousodellas aconselhado e receitado por habei- i
Sao ebigados loja das columnas
na ra do Crespo n. 13 de Antonio
Correa de Yasconsellos & C. riquis-
simos cuites de la muito Qna com
harras estampadas ematisadas Im-
perbiz Eugenia, cores as mais'deli-
i ai las como sejam: cor de ganga, de
lyiio, cinza etc., fazenda fnteiamen-
t nova e nunca vista em Pernam-
buco.

as innumeras curas com])letamcnte oblidas as di-
versas molestias emqiie loram applieadas, e fazem
merecer e conservar a conflanca do illustrado pu-!
blico, que j tive a honra de merecer delle 2o an-
uos de existencia e depr.'fffca.
N.. B. Nesta corto e de todos os pontos dest
imperio- recebem-se participafdes sitisfactorias e
respeitO das ditas chapas medicinaes.
As enconnnendas das provincias devem ser d-
riL'iilas por oscripto, com todo o cuidado de fazer
as necessarias expicacjbes, seas dianas sao para]
bomem, senbora, menino ou crianca. declarando a!
molestia e em que parte do corpo existe.
Para nchacoes. (eridas, lobinhos, papos, ele.; o'
molde justo de seu tamanlio em um jieilaco de pa-! ?
pe, a declaracao onde existe, afini deque'a i hapa V
soja da forma da parte alTeciada, c para que pos-a
ser bem applicada em seu lugar.
w RA DO IMPERADOR
N. 22.
Grande armazem de tintas.
Este armazem conten todo quanto
preciso para que a industria de pintura, de
qual ue r genero que seja, desempenhe
seu tim, isto embellezar, conservar c
reproduzir.
Montado em grande escala e stmprido v,
directamente por grandes fabricas de Pa- '*
ris, Londres e Hamburgo, pode olfereccr
productos de confianca. e satisfazer qual-
quer eneominenda grosso trato c a re-
tallio.
Os Sis. artistas pintores, e os donos de
obras poderio escolher vontade, pois
ipie ludo estar vista, as dilTerentes co-
res de que tiverem necessidade.
Ha tintas em massa e em p impalpa-
vel, e como as obras a envernizar s se
de ve empregar tintas muidas, e nao me-
ENFEITES PAR SENHOBAS
CIIEGADOS PELO VAPOR
Se para o Vigilante ra de Crespo a. 7.
Sao chegados os novissimos' e rknjissimos en-
..^Veadem-se resmas de -,
WOO e 34, dito dito paulado a
so pautado a 3JH0Q: mi na do
feo a
S. AIWA.
estar i venda,
Contina a estar venda, a noven gloriosa S. Anna: na na do Imperadoi- n.
feites para cabera, pois com a vista nao ha- fo. das 9 Moras da manhaa as 3 I 2 da
ver senhora que deixe de comprar um bo-
nito enfeite: s no Vigilante ra do Crespo
n. 7.
Itivas de pelica.
Vende-se a taberna sita no paleo da
Penha n. 12 : a tratar na mesma.
Vende-se a taberna da roa dos XartyrMri .
30. o aluguel coiiiiiicmIo, e tem conwnndo* pn
Tambem chegaram neste mesmo vapor um: f^ mtixo de vendei *!*
completo soutimento de luvas dejouvin
^brancas e de todas as cores; tanto para ho-
mens como para senhoras: s no Vigilante
ra do Crespo n. 7. .
Perfumes.
*
Tambem chegou um completo sortimento de
perfumaras dos fabricantes mais afamados
sendo de Luvin, Cudr c Piver: sendo
extractos essenciosde todas as qnaUdades,
" pomadas, banhas, BtJMnetes, kgoa de (Bo-
lonia, vinagre virginal da soeiedade hygieni-
ca, agua florida, agua balsmica para den-
tes, frasquinhos com superiores pus para
denles, caixinhas com um frasco d'agna,
pos e todos os preparos para limpar den-
tes, olos de todas as quididades para ca-
bellos, e outras militas cousas mais : s no
Vigilante ra do Crespo n. 7.
Tesonras e caivetes.
i ........'
Tambem chegaram um completo sortimento T,,a|has alfraa4as
de tesouras dos mais afamados fabricantes, Para man' P' ramio ir.vo d.' ->:ooo
tanto para unhas como para costuras, ras-,ls- a du/ia-
padeiras para papel, caivetes de maqtii- "lros ,,,S|H',"**, .
na, facas de um e dous botes, tud.. do ^ s'Mla para meninas, jm-Io bantssiino pre-
mais superior que se pode encontrar: s
Vendem-se duas casas na estrada nova *>
Cachang, logo ailiante do sobrado gran*-, wmOo
urna das ditas casas taberna, e a ootra r mira-
da, e faz-se todo e qualquer negoeat a Wiiira tm
a praso, assim romo tambem cos a lakaraa : a
tratar na rua dos MartyriosT. M._______^^^^
Vendem-se duzias de corda de viola sorti-
das a UV) rs.. ditas de bordoes a 500 rs. : aa roa
do Queiinado u. 16.
AO ARMAZEM E FAZEAOAS BAUtT.t
DE
s i\ ion < Rua do Queimade a. 1t.
- Vende-se o seguate :
Cofoerta
de chita da India, a 2:ooo rs.
Lencies de aaiaa
de linbo, a 2:ooo rs.
.enees de hramautr
de linbo, de um panno s, a :8oo rs.
no Vigilante rua do Crespo n. 7.
Papel de fantasa.
Tambem chegou um grande sortimento de
co de 4:ooo rs.
Lencos de seda
pelo barato preco de l:ooo rs.
Saias de fasta*
pelo baratissimo preco de 5:5oo rs.
lauros dr raabraia
de peso e almaco, assim como mudos ou-1 j^^' it n
tros objectos de muito gosto que se torna- hnissimos nmnros nan iii/il>ira n^, i-
riam enfadonho annunciar, que seus pre-^^^^^^^ ^
eos serlo por menos do que-emoutraN w. ie ^
SSS ?*! S Viilaill n,a d0 de ganga mesclada,' de listas edequadr.*,
fazenda superior, pelo baratissimo pr.-" do
Volantes e terinas. l:2oo rs. o corte.
n Pecas de madapoln
Recebeu grande sortimento de volan es, ten- iarg0 supcrior, pelo baraS nrero de
as, rendas douradas e praleadas, bicos es- 8;uoo rs.
peguelha e gales de todas as larguras,
Pecas de hrctanha
vendendo-se tudo por precos bratissimos de rolo com lo varas, peto Ixirato preo de
principalmente sendo em pecas: so no Vi- 3:00 rs>
Pecas de rambraia
de salpieos, fina, com H I i varas, peto ba-
gilante rua do Crespo n. 7,
Ketroz e linlia.
rato i>reco de i:ooo rs.
Tambem chegou um grande sortimento de Atnalliados it linda
retroz do Porto do melhor fabricante;'sen- com 8 palmos de largura proprio para toa-
do, preto, azul ferrete e cores sortidas, a (lia de meza, a 2:3oo rs. a vara.
I l;ooo rs. a libra, linha de miada de Roriz Toalhas
e caneca encarnada, que seus precos serio j de linbo para meza, a fcow n.
baralissimos: s no Vigilante rua do Cres- Barege
Pn n- 7._________________________ de lindos gostos, pelo barato preco de 48)
Vende-sera taberna sita na travesea dos E\- rs. 0 covado.
postos n. 18 : a tratar na mesma.______________J Esleir da India
propria para forro de taja, da i, 5 eCpal-
inos de laiynra^
Vende-se um escravo de ti anuos de idade
, e do bonita ligilra, e sem uefeito, proprio para todo
; e qualquer servico; tambem permuta-sc nir una I
distinctos facultativos, sua eMicacia rncontestavel, e
PODE-SE MANDAR VJR DE QUALQUER PONTO DO IMPERIO
DO BRASIL
As chapas jerao acom|iauliadas das soas com- Consulta as pessoas
; .....r-~ _r"v ""T"" oiwwiu- .(.uiMiiia as pessoas que si
m petentes expbcacoes. e tambem de todos os acces- com a sua confianca, todos os
s-; sofos neeessanos para mas appUcacSes. das 3 horas da mauliaa s 21
ESCRIPTORIO
HT. if RUA IIO PARTO M. 119
E EM PERNAMBUCO
Para as encomniendas ou informaedes dirijam-se i pharmaea de Jos Alexandre Ribeiro,
rua do Queiinado n. lo.
que se dignaran bonra-lo
dias. sem exeepcSo, i
da tarde.
ALUGA-SE
O sobrado de dous andares da rua do Pilar n.
6. tendo commodos para grande familia, cosinha
fra, terraeo e quintal com cacimba.
Aulas de laiim e francez.
Acham-se abei tas as aulas de latim e francez de
Antonio Joaquini de Passos: na rua da Gloria
numero 18.
Francisco Pinto Ozono contina ac
locar denles.artificiaos tanto por meio de
molas romo pela pressao do ar, nao re-
cebe paga alguna sem que as obras nao
Dquera a vontade de seus donos. tem pos
e ouiras preparacoes as mais acreditadas
para conservacao da lxjcca.
Aluga-se a grande casa da rua de Joao Fer-
nandes Vieira n. oi, coro 4 salas, 7 quartos, cozi-
nba fora, quintal lodo murado, coro portao para
.mi sitio ttmbem murado, que tem boas fructeiras
* urna baixa de eapim : -a -tratar na mesma casa.
O-Sr. -bandido Alberto -Sodr da Molla diri-
ja-se > rua (te Imperatriz n. W, a negocio.
Jesea-se muito fallar com os Srs.:
Majiuul.de.Sciiza I.eao Jnior.
HnEaejo de Sai iza Lea o.
Joao .da Silva Santos (empregado jia estrada de
ferro.)
Jos Antonio Lo^es Jnior (do Ro-Formoso.)
na rua do Crespo n. 17, toja.
ciedade que tkdiam as senarias sitas na rua no-
va de Santa Hito os. 17 JS5, na razao de Ramos
^c C, fleand lado aac(iv c passivo a cargo,do
e.\-sucio Cocino. Recife iOde iunho de 1863,
Antonio da ftlva Ramos.
JosSerrejra Coelho.
CASA DE SAUDE
Km Santo Amaro
Do r. %iUa Ramos.
nico estabelccimento desta natureza
que existe entre nos, montado do modo
que pode com todo o eoiuinodo e zelo tra-
tar qualquer doente, que nella "seja jeco-
lbido.
O edificio magestoso e conserva-se
em perfeito estado de limi>eza e conve-
nientemente mobiliado.
Os doentes sao separados, segundo os
sexos, natureza das molestias c condicOes
sociaes.
Ha quartos fortificados para os aliena-
dos, e urna enfermara para as partu-
rientes.
0 proprietario encarrega-se de qual-
quer operacao.
O estabelecimento franqueado qual-
quer pessoa que o queira visitar.
Primeira elasse 35000diarios.
Segunda dita.... 2oOO >
Terceira dita.... 2*000 ^
Para que quakpicr doente sejaali rece-
bdo. basta que se mande o nome do doen-
te e da pessoa que o remelle, com a de-
claracao da morada.
O proprietario aceha contra tos annuaes
enm qualquer que queira tor um ou mais
leitos sua disposi ESCRIPTORIO
SE
ADVOCACIA
Os hachareis Cicero Peregrino e Eduardo de
Barros mudaram o seu escriptorio de advoeaeia
para a rua do Queiinado n. 30, i* andar
O escriptorio da redaeeao da Academia Popular
mudou-se para a mesma easa.
-r Pela terceira vez roga-se ao Sr. padre Fran-
cisco Virissimo BSndeira, que antee de retirar-se
para a sua nova morada de Bonito, digne-*} mandar
arespostauAcarteqocfe Jhe dirigi: a na do
-Vondego olaria n. 13.
O abaixo assignado, tendo fleado a seu cargo
todo o activo e passivo das serraras ns. 17 e 55
da fu nova de Santa Rita, que gyravaw na razao
de Ramos & Coelho, pede a todos os senhores que
lhe est&o a dever o favor de llie rem pagar omais
breve possivel, visto ter tambem de cumplir one-
rosas ohrigaeoes, e pede outro sim que nem quer
chamar a juizo, e mesmo publicar eus nomos,
salvo se a tanto o obrigarem. Recie 10 de jullio
de 1863.-Jos Ferreira Coelho.
Alogam-NC
Dous armazens pequeos na travessa da Sanzal-
la Velha, por delraz da loja n. 50 da rua da Ca-
da. mullo prximos alfandcga e ao caes do
Apollo, e por i*so proprios para qualquer tlm e
m mmmmm\
^ 0 Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na rua da Cruz n. 53,
; Io e 2o andar, onde pode ser procu-
\ rado para o exercicio de sua profis-
\ sao medica, e com especialidade
sobre o seguinte
Io molestias de olhos;
2o de peito :
3o dos orgos geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rao examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias das
| 6 as 10 da manh5a, menos nos do-
m mingos.
^ Praticar toda e qualquer opera-
B cao que julgar conveniente para o
8 prompto restabelecimento dos seus
83 doentes.
Marceline Beaupaire, Franceza, rctira-se pa-
ra a Europa.
ITT|]\C AO
Pcde-scao Sr. Hermllo Jos de Alcntara guar-
da da alfandcga, que em quanto antes'pague a
quem deve.
___________________________Um credor.
Joaquina Rosa de Oliveira subdita portugue-
za rclira-se para o Rio de Janeiro levando um filho
menor em sua compartida.
recentn conliancaasquevem de fra para V2
eommercio, por velhas, e talvez falsifica- j|
das. neste armazem se as moer vis- ftf
ta do consunudor, une s assiiii ter tin-
tas frescas e verdadeiras.
Ha tambem ouro verdaderro, verde em
|i eemfolha, prata em folha. p debron-
zear de varias cores, diamantes para cor- ^
tar vidros, burnidores. ncar superfina en- ";
carnada, aniarella e verde, tintas rage-
lies, azul,roxa,verde e aniarella, iuofln-
.sivas. unicas que se devem empregar as
confeitarias. collectjoes de pinceis liara
fingir niadeira, rom propriedad, e outros
de varias tpialidades. vertiizes, copal,
graixa, branco ou escuro para o interior
e exterior, para etiquetas e quadros, tin-
tas finas em tubos, em crayoes ou pastel,
tollas para quadros, caixasde tintas finas
e papel para desenlio.
Esseneias aromticas verdadeiras. fi'as-
ese ra va para cozinba, e este to motivo por que se IA np
desfaz do dito escravo : a tratar na rua dos Pires '
numero 54.
Vcutlfiu-'C cai\6es vazios pro-
prios para bahuleirosa 1$280, Da rua
das Cruzcs n 44.
Vendem-se \ vareas crioulas todas a parir, o
I novilho de raea tourina, tudo por preco eommo-
do : na travessa das Barreiras n. 10 se dir quem
vende.
Vende-se a taberna
tencao n. IB.
confrunte a casa de de-
Vende-se muito barato por precisad un mu-
lato de meta idade : quem precisar annuncie.
^ eos e vidros para vidraca de todos os ta- |g|
(O) manhos, e niuitos outros objectos, cuja
H ulidade e empre
Attenco!
Existe ainda um resto de borzeguins para me-
ninas, de todos os nmeros, a 25500 o par : na
rua do Imperador n. i. casa Ierren.
\ Iludios para padaria
Xa pdria da rua Direita n. 8i continua a ha-
ver os eonhecidos c\liudn>s americanos para pa-
daria, que se vendein a cominodo preco.
mprego s coin vista pode-
rao ser mostrados.
Joao Pedro das Neves,
Gerente.
*; COMPRAS.
Compra-s o romance Rorhedo dos Amo-
resjnapraejictaBoa-yista^^
(x>mpra-se dous globos de geographia, sendo
um de esphera terrestre o outro da esphera celes-
te : na rua do S. Francisco n. 42.
Compra-se efTectivamente ouro e prata em
obras velhas : na praca da Independencia n. 22 lo-
, ja de bilhetes.
YENDAS.
Vende-se una casa terrea na rua da Impe-
ratriz, com grande quintal murado, rozinha fra,
n. 67, com um terreno que vai at a Ponte Velha,
com 580 palmos de fundo, j aterrado: quem pre-
tender, dirija-se rua do Hospicio n. 58, casa
terrea.
nao vende dase
m.
No atierro da Ria-Visla n. !."?. wutl. M
gaz ta melhor tpialiilaile. rcinatln, pin t-
cado, pelo liando prern de l->. -ai." >
2>.'iU0, garrafas tazendo va/.ia 'A'A) :-.. val
a pena, pois, tliuti [assadas. A H'e .,i \. <
que se acabe: qoeti rpaer em fttfjh Ja-ae
mais barate.
lina da Se ii/.a I la 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston C,
sellins e silhes inglezes. camlieiros e rastr-
eaos bronzeados, lonas inglezas. fn devela,
chicotes para carros e montara, arreos para
, carros de um e dous cavados, e rendios ile
ouro patente inglez.
MUDANCA.
0 rival snii s.'l'ihoIm ininlou o sen e>taN>-
rt % nni mr C1 ra n I. All 1locimcnto (, n- :i:i Para o n. 49 da im^na
-Ti \ r Ti I I r S llr Kll !'a e continua a vemleremltKlas duas |oja*
OH lii jv 'U jas miudezas abaixo declaradas effoeiraia
prestar toda attenean:
Sahonetes inglezes muito finos a
Aloja da Aurora, na rua larga do Rosario n. ICO e.........
38, recebeu ricos enfeites de froco enl'etados com I Frasco d"agua de colonia pequc-
aljofares, obra muito bem feita e da mais moder- no muito fino
naque lein cliegado, a qual se vende barato, assim 'nn^Ti'.^ ...a, 1. -.1 "
como tambem tem um grande sortimento Se miu-: Jltodltogrhde mUitOSOpenOf. .
dezas finas: quem quzer venha ver para verificar I Frascos de macassar petula a. .
a qualidade e preco, pois a vista faz f. I Ditos de macaca oleu a. .
Frascos de oleo Barbosa a 240,
320 e........
i
IM
5)
200
100
sericrda n. 16, esquma, j P!10 dlto muito superior a 500 e .
Casaem Ollnda.
Vende-se ou aluga-se por preco connnodo a casa 1
rrea na ladeira da Misericordia n. 16, esquina,! _
lado do poentc : a tratar na mesma cidade, rua de Dito de banha muito fino a 400 e .
Malinas Ferreira n. 1, com o Sr. Jos. Jacintho Pa- j Frascos de Lavande muito superior,
vaoou na Boa-Vista, ilha dos Hatos, raadoSev Garrafe (Tagua celeste muito su-
n. 16, rom los Mana Seve. | nri(._ c
lili M 4 ti. ......
Frascos de cheiro muito finos
500 e..........
Vende-se um moleque. de 18 anuos de idade,
oxcellenteofncial de podreiro. bom copeiro, e de
conducta atiancada, por 1:500^: na rua Augusta
n. 114.
Ditos de banha pequeos muito fina.
Vehde-se sal de Lisboa por junto e a retalho, j Dito de opiata pequen. >s. .
mais barato do que em outra qualquer parte : na Tbcsouras muito linas para unhas.
rua da Lingoeta n. 14.
Vende-se a arma^ao da loja n. 16 da rua Nova,
invernisada c illiminada a gaz : a tratar na mes-
ma rua n. 40.
~ TINTURA.
Tinta branca de massa muito nova, em la-
tas de 28 libras para casas, para navios, para
a companhia do gaz, a 2oo rs. a libra: rua
larga do Rosario n. 34.
Prccisa-sc de urna ama para cosinhar e
comprar : no pateo do Carmo n. 9.
Aluga-se a casa terrea da rua imperial
66 : os preiendenles dirijam-se Caira Filial.
n.
CASAS PARA ALUGAR-SE.
Alugaovse o 2o andar da casa n. Si e 3"
n. 53, amboa no Recife, rua da Cadeia: para
Z^rm^i T4'Fr'^el^'cUnumS: l ?* **> aa chaves dos mesmos na lo
tratar pa ibredita lojj com Cimba e Silva, >* n. 51, do Sr, Jo^g da Cunba Magalhes,
GUIA LUSO BRASILEIRO
DO
VIAJANTE NA EUROPA.
PELO DOITT0R
Igaaclo Nanucl de l.emos.
Obra muito necessaria para as pessoas que vo
viajar pela Europa, e para aquellas que desejam
ter nocoes do que ha mais curioso e importante no
velho mundo 1 volumc de 5S0 paginas. Vende-se
na livraria econmica junio ao arco de Santo An-
tonio.
TO-S
no armazem da bola aniarella, no oitao do gaz da
rua do Imperador, verniz ou alcatrao do gaz, pelo
preco do gasmetro, adiando os senhores compra-
dores barris que levam de urna caada a vinte e
quatro, por barato preco : no mesmo armazem.
Vende-se
por menos de seu valor nove moradas de casas ter-
reas, novas, ainda por se pintarem abjumas, todas
OSTRAS
em caixas de 24 latinhas de urna libra no ar-
mazem de Tasso & Irmos rua do Amorim
n. 35.____________________________
Agua de Veehy natural.
Chegada ltimamente pelo Solferino : rua
da Cruz ,n. 2. armazem de Isidoro, Netto
AC._____________________________
Ciaz na cidade de Olinda.
Vende-se gaz liquido de primeira qualidade a
640 rs. a garrafa e em porcao mais barato : na ci-
dade de Olinda rua de Mathias Ferreira sobrado em
que morou o Sr. major Salvador._______________
S NO PROGRESSIVO
OLargo do Carmo9
Vende-se latas de 1 V libra de ameixas pelo ba-
ratissimo preco de l-">. assim como tambem caixas
de arrobas de batatas pelo diminuto preco de
2$800acaixa. ^
Vendc-se una escrava que cozinha bem o
diario de "urna casa : na rua de Aguas-Verdes nu-
mero 8.
Vendem-'se tesouras de Gnimarcs para al-
faiate a l& : na rua do Queiinado n. 16.
Vendem-se duzias de facas c garfos brancos
c pretos, cravados, a 3 a duzia : na rua do Quei-
madon. 16.
Retroz! retromi retroz!
, do Porto, preto, azul ferrenlc, e de todas as cores,
ou em separado, chaos proprios, bairro da Roa-Vis- j os mais difficeis de encontrar, vende-se por libras
ta, rua dos Prazeres: a fallar com o Sr. Antonio e a retalho, muito mais barato do que em outra
Carnelro da Cunha, na fabrica Sebastopol nos qualquer parte: na loja de miudeas da rua do
j largo dos Coelhos. fjqcjmado n. 16,
Grvalas de seda de cores
Luvas brancas de algodo .
Caivetes de 2 folhas muito finos.
Caixas de colxetes fraocezes e car-
toes .........
Grampos de caracol e lisos. .
Caixas de vidro com 12 detlaesdo
metal.........
Massode palitos lixadospara tientes.
Grosas de botes tle aro para caifa.
Caixas com 6 frascos de cheiro. .
Escovas para cabello muito linas .
Carteiras de marroquim muito finas.
Pecas de tranca lisa encarnada. .
Tinteiros com tinta muito superior.
Ditos de vidro com tinta mais in-
ferior.....' .
Cartas de alfinetes francezes .
Cornetas de chifre para meninos .
420
GiO
5W
500
1*000
800
20
200
40
509
100
390
40
49
320
1O
320
1*099
640
640
90
160
190
49
80
Gaz liquido 12$.
Vende-se na nova exposico de candiei-
ros a saz, na rua Nova n. 24, latas de gaz
de 1.* qualidade e nao inflammavel, a 12*,
contendo cada lata 27 garrafas, que muito
convem a quem gasta este liquido: na rua
Nova n. 24, loja de Carneiro Vbnna.
Farinha de mandioca
em saccas grandes, e de superior qualida-
de : no armazem de Tasso limaos, roa do
Amorim n. 35.
Lrlnguas Inglezas
em salmouia: no armazem de Tasso Iridiaos,
rua do Amorim n. 35.
/
i
/
/


Diario de PerailMico ~ Sabbaih 18 de JmIIio de 1$M.
'

I
\
\
.
1
\
Com 8 1,2 varas, a 2:300 re. vende o Paa.
Pecas de cambraia transparente com pal-
minlias bordadas de cor", tendo 8 lr2 varas
cada peca* a 203OO; ditas mais finas, a
30500; pecas de cambraia de salpico bran-
co com 8 I [2 varas, a 40: s na ra da
i-cimemo acna-se *."- ^eratriz n ^ do Pav3o_
mente um grande sortimento de fazenoas. ,^T J
de gosto e de primeira necessidade, sendo Cortes de cachemira da Escocia, a 2:000, na
tanto proprias para a praca, como para o loja do Paio.
mato; de todas as fazendas do-se livrosdc y d fMen(la muit0 encor.
amostras, deixando flcar prior, ou.ntn- ^ a Mta^ de CMemira. tendo padroes
NOVA EXPOSIQIO
na H$No Pa>ao, ie fazendas bara-
tissimas.
Jeste estalielec intento acha-se constanto-
escuros e alegres, afianrando-se que naodes-
dam-se levar em casa das familias pelos ca
xeiros da loja do Pavo. ^ a ^ Q -rte para ca,ca> ou 380 rs 0 ^
Las com 8 palmos de largura, vado para paletot, coleto etci^so na loja do
na loja do Pavio.
Vendem-se lazinha entestada propria para
vestidos, com 8 palmos de largura, sendo
Pavo, ra da Imperatriz n. 00.
Os paletots do Pavilo, assobrccasaeado a 12:000 rs.
Vendem-se paletots de panno, sobrecasacas
fazenda mas moderna que tem vm o ao to muilo bm Q muit0 hm
mercado pelo baratsimo proco de 15000 o M{ a ^. sobrecasacos de dit0> a w.
covado: so na ra da Imperatnz n. 00, loja ... --
do Pavao.
Las para vestidos, a 9 SO rs.,
s na loja do Pavo.
Vendem-"se lazinhas entestadas proprias
para vestidos, pelo barato preco de 280 rs. o
covado, sendo muito mais barato do que chi-
ta : ditas transparentes, a 240 rs.; ditas la
e seda, a 440 rs. o covado: s na ra da
Imperatriz n. 60, loja do Pavao.
Cassas a O r. o covado._
Vendem-se cassas francezas de padroes
T>
paletots sacos de dito, a 70; caigas de cache
mira da Escossia, a 30 ; ditas de casemira
preta, a 50; ditas de casemira de cor, muito
fina, a 70 e a 50500; colotos de casemira de
cor e preta; paletot de casemira de cor,
a 70; tudo isto para apurar dinheiro: s
na ra da Imperatriz n. 00, loja do Pavo.
Fazendas brancas, na loja do
Pavo.
Vendem-se pecas de madapolo enfestado,
francez, com 20 varas, a 80; ditas com 12
venoem-se casa* iranrau > 1"""'^= i jardas, a 4,5 ; dito inglez muito lino, a 70,
ygg^^^9afg^^jm^lW e80; ditos muit.
o muito superior, a 100;
.C0VSi 2R522S! I i(Utos de iari,as muito f,no>a w800 e a
50600; algodozinho muito encorpado,
200 rs. o
rs. o covado : S na ra da Imperatriz n. 60,
loja do Pavo,
Organdy, a 40 rs. covado,
na loja do Pavao.
Vendem-se organdy de cores matisado, a-
zenda que val muito mais dinheiro, pelo ba-
rato preco de 240 rs. o covado ou 400 rs. a
vara: s na ra da Imperatriz n. 60, loja
do P5o.
O Pavo vende os modernos ves-
tidos a balo,
com barras Mara Pia, sendo ets mais
modernos que que tem vindo ao mercado,
com a saia de um s panno, tendo bastante
fazenda para o corpo, e vende-se pelo barato
.preco de\305O0 cada um: esta pechincha
s existe na ra da Imperatriz n. 60, loja e
armazem do Pavo..
Cortes de fantasa, a G&, na
loja do Pavo.
Vendem-se ricos -cortes de cambraia fanta-
siadas seda, pelo .baratissimo .preco de 60;
ditas, a 40; ditas, a 30500: s na roa da
Imperatriz n. 60, loja e armazem do Pavo.
Cortes de cambraia, a 2#500.
na loja do Pavo.
Vendem-se cortes de cambraia brancos com
babados, a 20500; ditos, a 40; ditos com
barras chibados de seda, a 30, 30500 e 40;
s na raa da Imperatriz n. 60, loja e arma-
zem do Pavo.
Cortes de cambraia cblneza,
4,*. na loja do Pavo.
Vendem-fce ricos cortes de cambraia chine-
za, os mais modernos que tem chegado, sen-
do brancas comlindissimos padroes, pelo ba-
rato preco de 40 cada corte, tendo bastante
fazenda para um vestido: isto s na ra da
Imperatriz n. 60, loja e armazem do Pavao.
Alpaklm on gorgtiro de linlio,
a lO rs., so no Pavo.
Vendem-se alpakim ou gorguro de linho
proprio para vestidos e roupas pelo barato preco de240rs. o covado: s
na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
Baldes a 3500, so o Pavo.
Vendem-se balos americanos que sao os
memores, tendo 20 arcos, a 30500; ditos
de 30, a 405(10: ditos de 40, a 50 ; ditos
de bramante, a 30500 c 40; ditos para me-
ninas, a 20 e a 30: s na ra da Impera-
nii n. 60, loja e armazem do Pavao.
vestidos para menino, a 2$.
Wendem-se vestidinhos para meninos, sen-
do iruiitobemfeitos. a 20 cada um: s na r.ua
ida Imperatriz n. 60, loja e armazem do
Pavo..
Corteo de chita, a 8&00, na
loja do Pavo.
Vendem-se cortes de chita com 12 1)2 co-
vados cada um, a 20500; ditos com 10 cova-
do, a20j cortes de cassa miudinba de co-
res frxasxom 10 covados, a 20; ditos de
organdy mathisado com 10 covados, a
20400 : s na ra da Imperatriz n. 60, loja
do Pavo.
4s casemiras do Pavo pechin-
cba a 5#.
Vendem-se cortes de casimira franceza para
caten, fazenda muito lina, padroes ciaros e
escaros, a 50 o corte: s na loja do Pavao,
. ra O Pavo vende a3|e 3#500
cortes 4e la, a 30 e 30500; ditos com 22
covados, a 50: s na ra da Imperatriz n.
60, loja .e .armazem do Pavao.
s na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
fuslo do Pavio. j
Vendem-se fusto comjavr raiudinho
para roupa d brin de linho de qnadrinhos para roupa de
meninos, a 560 rs. o covado; ganguelim
de urna s cor, a 320 rs. o covado; popena
de la, de quadrinhou encarnados e pretos,
para vestidos de senhora* e roupa de meni-
nos, alio covado : s na ra da Impera-
triz n. 60, loja c armazem do Pavo.
thegaram em direitura a loja
do Pavo.
Vendem-se a 1:600 rs. o eovado.
Acaba de chegar pelo ultimo vapor, um
lindo sortimento de lazinhas transparentes,
tendo urna s cor, lizas e de quadrinhos
miudinhos e mescladas, propria para vesti-
dos de senhoras, capas e zuavo etc. Tendo
esta fazenda 9 palmos de largura, que se
pode fazer um vestido at com 5 covados,
sendo neste artigo a fazenda mais leve que
tem vindo ao mercado, vende-se a 10600 o
covado, nicamente; na loja do Pavo, ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Araa vende as col xas.
Vendem-se' ricas cotxas aveludadas para
cama a 80000, ditas deftito a 50000, ditas
de chita a 20000, brim de linho e algodo
branco A 800 rs. a vara; dito de'linho puro
a 10,10120, 10280 e 10600 a vara; na loja
da arara ra da Imperatriz n. 56 de Mendes
Guimares.
Baldes da arara de tO 40
arcos.
45-RTJA DIBEITA-45
7A3 iMUl
Eia, rapasiada, coragem! parece que j
entregastes os vossos jeanetes aos duros sei-
xos do pessimo calcamento da nossa cidade f
S se observa em vossos ps botinas acalea-
nhadas e gastas at ultima sola; sapatoes
rasgados e quasi sem saltos___nm tanto
ARMAZEM DE MOLHADOS
DE
Vendem-se os melhores bales que tem' a quebradeira nao deve chegar at este pon-
vindo americanos de 20, 25, 30,. 35 e to Vinde ra Direita munir-vos de excel-
40 arcos, a 40, 40500 e 50, ditos de ma- lcr,ra calcado com 40 e at 60 por cento
dapolo bera Teitos a 30500 e 40, ditos de | menos do seu valor.... attendei :
biilhantina a 40500, balessaias de cordo
que faz a vez de balo a 20; na ra da Impera-
triz arara n. 56.
Arara vende manguitos a
ooo.
Vendem-se manguitos egolinhasdelinhoa
20 o par, golinhas para meninas a 400 rs.,
ditas para senhoras a 400 rs.; na ra da Impe-
ratriz n..56.
ntremelos da arara.
Borzeguinjs, Nantes, bezerro e va-
queta 2 e meia solas ....
Borzeguins, Nantes, bezerro, va-
queta e lustre.2 solas. .
Borzeguins, francez e hamburguez,
bezerro, lustre e couro de por-
co 70 e........
Sapatoes, Nantes, bezerro e vaque-
ta- 2 e meia solas.....
Sapatoes, Nantes, vaqueta, lustre e
bezerro 2 solas. ......
Sapatoes, Nantes, sola e vira. .
Borzeguins para senhora, inglez.
Vendem-se pecas de entremeios transparen-
tes a 10, tiras bordadas de largura de 3 a 4 [ Ditos para menina, comlaco.
dedos a 10280 e 10600 a pega, /orles de la. Ditos de ditas, de cores. .
Mara Pia a 40, ditas del^chineza com'Sapatos para senhora e homcm,
22 covados a 80, ditos de organdys com 151 tapete.........
varas a 80, ditos com 9 varas a 60500; na ra Sapatos de borracha para senhora.
da Imperatriz n. 56, arara do Mendes Gui- dem idem para meninas. .
maraes. Sapatos de lustre para senhora. .
dem de lustre s avessas .
4:>800, 50500 e 60; bretanha com 4 pal-
mos de largura, muito fina, a 10 avara;
pecas de cassa de cordo para babados, com
"6 varas, a 30500; ditas com 12 varas, a 70:
Os manguitos e golinhas do
c Pavo,
pi'i-Wntii, a 320 e a 100 rs.
Vendem>se golinhas de fil, bordadas, a
400 rs.; ditas de cambraia, a 320 rs.; cal-
cinhas para meninas, a 500 rs.; manguitos,
a 500 rs.; manguitos com golinha, a 800
reis^ manguitos de cambraia, a 320 rs.: s
na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
Lazinhas a 200 rs. o covado.
Xa loja do Pavo.
Vende-se lazinhas de eordozinho de urna s
i'"i'. sendo azul claro, azul escuro, ferrete, cor de
ca/c claro e escoro, Mvadio, roxinlias proprias pa-
ra luto, sendo fazenda que val muito mais dinhei-
ro vende-se pelo diminuto procede 200 rs. : sna
loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Pechincha, a 500 rs. o covado,
s o Pavo.
Vendem-se as mais .modernas lazinhas
enfestadas, transparente, tendo 4 palmos de
largura, e sendo lizas ede quadrinhos, de
urna s cor, propria para vestidos e capas,
a 500 rs. o covado: s na loja do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
GRANDE LIQUIDADO
de fazendas para apurar dinheiro, por
baratissimo preco na ioja e arma-
zem da arara rna da Imperatriz n.
56 de Lourenro Pcreira Mendes
Guimares.
ALEKT.l FltEGlEZES, A 200 RES.
Vendom-se nazinhas com pequeo toqne de
mofo para vestido a 200 rs. o covado, meia*
para meninos a 100 rs. o par, ditas para ho-
jnens ai20rs., loncos-brancos finos a 200
,rs. cada um; na toja da arara ua da Imp-
.ratriz n. 50.
Arara vende vestido 30OOO.
Vendem-se cortes de chitas oscuras cora to-
que de mofo a 2000, ditas limpas sea
mofo a 25500 e 3:>000, cortes de cassaVle
cores de barras a 2:>000, dilas do cassa pin-
tadas a 2;>000; na ra da Imperatriz n. 50 de
Mondes Guimares.
Organdvs da Arara a 2 to.
Vendem-se organdys finos pra vestidos a
240 rs. o covado, eassas finas a 240 rs. o
covado, popelina de quadrinhos para vesti-
dos a 280 rs. o covado; na ra da Imperatriz
arara n. 56 de Mendes Guimares.
Arara vende as lazinhas dos
vestidos.
. Vendem-se lazinhas muito finas e lindos
dezonhos a 400, 440, 500 e 640 rs. o cova-
do, ehaly muito fino a 500 rs. o covado; na
ra da Imperatriz n. 56 arara de Mendes
Guimares.
CHEGADO A VAPOR
s para o vigilante.
At que chegaram as lindissimas camizinhas com
colarinhos, punhos e gravatinhas, todas bordadas,
\m& sao de mellior gosto que as senhoras podem
encontrar : s no vigilante, ra do Crespo n. 7.
Capellas para noivas.
Tambem chegaram as riemissimas capellas bran-
cas ornadas com urna linda palma para peito, o
mi'lhor gosto que 6 possivel : s no vigilante, ra
do Crespo n. 7.
Enfeltes liarla Pa.
Tambem chegaram os novos enfeites Maria Pia,
sendo ultimo gosto de Paris, assimeomo se recebeu
a nova remessa de conservadores para cabello de
todas as cores : s no vigilante, ra do Crespo n. 7.
Babadinhos e tiras bordadas.
Tambem chegaram os riquissimos babadinhos e
tiras .bordadas de muito lindos padrSes : s no vi-
gilante, raa do Crespo n. 7.
Gravatinhas.
Tambem chegou um novo sortimento de grav.Mi-
nhas de todos os gostos, tanto para senhora como
para homcm e para menino : s no vigilante, ra
do Crespo h. 7.
Cintos.
Tambem chegou o novo sortimento de cintos de
laco e borlla, como sem ella : s no vigilante, ra
do Crespo n. 7.
Lindos bouqnets.
Tairibem chegaram os lindos bouquets de flores,
assim como rosas e camelias, cousa de muito gos-
to : s no vigilante, ra do Crespo n. 7.
8500
8.0000
6^000
50500
5*000
45000
4,5000
35500
25800
800
15400
15000
15000
' 500
Um Descobrucnlo Espantoso!
0 toado Seicntifiro uaanimamente o approva.
'anoa
c/e ^/feuo.
m
s
w
m
?}
H
<
Q


w
H
O
M

W
>
35
!*

i*
M

W
t<



M -c,
H
B

Tendo o BALIZA dado o seu balanoo no ultimo dojuiiho passado, e desbando re-
nov^ro magnifico sortimento do sou GRANDE ARMAZOI, chama pe! psite a
aKcnco do respeitavel publico para os procos dos gneros abaixo mencionados, que em
verdade sao os mais razoavois que se pdem achar, attonla a sua boa qualidadt.
Soldado voluntario do batalto progressUta, o BALIZA 6 o uomem do D *
monto. Ello pede, pois, aosseus bODS cantaradas, que sao Unios ostnimg h,o
favor de nao lhe darem um minuto do descanco obrigando-o a vender todo o da.
Desta sorteo BALIZA vivir contente e contentar tambem aos seus fregueies, vei ien-
do-lhes sempre generosamente, c talvez (pie anda por procos mais razoavois.
A ('Quiposi?ao Anacahuia
Peitovai de Kemp.
LIQUIDAGAO
(le fazendas baratsimas, na lloa-Visla, roa da|
Imperatriz n. 20.
Cambraiasadamaacadas con 20 varas a 8-3.
Ditas com 8 ditas a -5.
Ditas lisas com 8 ditas i 25.
Fil liso muito fino a 800 rs. a vara.
Chales de merino estampados a 45.
Madapolo entro-lino com 20 varas a 85.
Casemiras linas di? uiua s cor a 15600 o co-
vado.
Algodo monstro, superior fazouda para toalhas
li'nces a 800 rs. a vara.
Bramante de 10 palmos de largura a 15000.
Gravatas de seda a.320 rs.
Oleados de diversas larguras e de ricos desenhos
F.ira mesas de jantar a 25 o covado.
Flanella branca muito lina a 040 rs. o covado.
itiscadinhos de linho milito Baos fgf TBBtMrfoj
de eri incas a" 400 rs. o -covado.
Chitas escuras e claras, padroes inteiramente
novos c muilo linas a 40 rs. o covado.
Lazinhas chinezas muilo superioros a 500 rs. o
covado, e outras muitas qualidaDs de fazendas
prectw muito cmmodos, alim de apurar dinheiro,
dando-se^le tudo as competentes amostras.
Por espaco e mrito tempo se ba raado ex-
tensamente cm Tampico para a cura de
TSICA pulmonar,
CATARRHO, ASTHMA,
E05CHITE, TOSSE COPUISA,
GRUPO O GARROTMO, e
lflajnmapies da Garganta e do Peito,
e isio com um resultado to feliz e verdadei-
raroente assombroso o pao on madeira d'uma
airore que chamo Anacauuita, c qne s
se encentra n Mxico.
A Compos9o Anacahuita Peito-
ral dfi Kemp 4 um Xarope delicioso, intei-
ramente differente na sua composic,ao de
todos os mais Peitoraes e Expectorantes ma-
wActura<'os ie fructos astringente, casca
e raizes, fec, o nesmo nao contem nenhum
Atldo Prussico ou outros qnaesquer ingre- .
dientes vcncno3s.
Todae as molestias e affeccocs da garganta
e-dos pnlmdes-desappareccm como-por un
mgico encanto, mediante a aceao dcste in-
comparavel c irresistivcl remedio.
enda as boticas de Caors A Barlioza..
raa da Cruz, e.Soo da C. Bravo & C, ra
da .Madre de Dos.
Ameixas em frascos de video, a l->.'00.
Ditas cm catatabas com lindas figuras,
1/200 e 24400.
Ditas em latinhas, a li00.
Amendoas confoitadas, a 900 rs. a libra,
dem, a 280 rs. a libra.
| 500,800 e 15 o frasco,
a Marmelada excellenla a GiO rs. a libra,
i Ostras americanas (escellente peteco), tfOO
rs. a lata.
Passas a 400 rs. a libra, o em caas a H-
I Presuntos de Lamego, a GO rs. a libra.
r> o
Arroz (Carolina), primeira qualidade, a 120, dem inglez para fiambro viudo do eiiiuminen-
da, a 800 rs. a libra.
dem americano, a 800 rs. a libra.
Peixe de Lisboa Inglaterra e America, pre-
parado conformo a arto de COSnha, em la-
tas do 2 a 3 libras, de ivioo i !>oo.
Phosphoros do gaz, a 24300*a grasa.
Queijos londrinos ebegados no ultimo vnper
a 800 rs. a libra.
dem dem (bogados no penltimo vapor,
GiO rs. a libra.
dem flamengos chegados no ultimo vapor a
20400.
dem idem chegados no penltimo vapor, a
SEM SEGUNDO.
Ronpa feita da arara.
Vende-se costumescompletosd'umafazenda
chineza por 12l o costume, paletots de brim
2#500 e 3*000, ditos de meia casemira
escura a 4# e 4#500, paletots finos a 65500
8,^000, calcas de meia casemira a 3#000,
ditas finas 35500 e 65000, ditas de brim a
2*5300 e 35000, ditas de brim branco a 45,
casemiras francezas a 15600 e 25000, ditas
finas a 25300, ditas de linho a 35000, ce-
roulas francezas a 15600, camisas de meia a
800 e 15000; na loja da arara ra da Impe-
ratriz n. 36 de Mendes Guimares.
Oh! FAZENDAS.
\ % i csi a he lecl moiii o de Custo-
dio, Carvalbo t C.
27Am do Qnrimafe27
Prcfo barato 200 r*.
Superior fustao francez, proprio para
roupa de senhoras e meninas, de lindos de-
zeishos e pelo barato preco de 260 rs. o co-
vado.
Madapolo
Madapolo fino enfestado, com 20 varas,
a 85 a peca.
6rgaj)d)s.
Finos organdys matizados, a 210 rs. o co-
vado.
cortes
de col lele de fustao fino, para roupa de me-
ninos, a 320 rs.
Bretanha.
de linho fino, pecas, a 55500.
Leflroes
de linho fino, pelo barato preco de 25-
Coberlas
de chita chineza, a prefo de 25.
Calrinbas
de linho para senhoras e meninas, a 600,
800 e 15.
Golinhas.
Calcinitas bordadas para senhoras e meni-
Rna do Quemado n. oo, loja de miudezas de
Jase de Aeevedo Maia e Silva, est vendeudo todas
a- -nas miudezas porpreeos que todos admiram,
; Come sejam :
Varas de asiia.; para fazer Ualoes. .
j Caicas com superiores obrejas ......
Pas de botoes de punhos a .
Pares de sapatos de tranca muMo finos
a 154 iOe.....'.....
Pecas de fitas de vcllndo recortadas com
o varas a..........
Caixas com muito superior papel amiza-
de c outros a.........
Massos com superiores grampos a, .
Caivetes de aparar penas a. ,
Agulheiros com agnlhas a.....
Dizia de meias brancas para homeni,
rs. a libra.
Dito do Maranhao, a J20 rs. a libra.
Azeitonas novas d Lisboa e Porto, a
1/200 aancoreta.
Azeite doce refinado, a 800 rs. a garrafa.
Dito em barril, a 640 rs. a garrafa.
Dito de carrapato, a 460 rs. a garrafa.
Arroz com casca, a 35 a saca, com 20 caas
e a 240 rs. a cuia.
Ancoretas americanas de 6 e 12 garrafas,
muito bem fabricadas, a 15 cada urna.
Araruta muito fina, a 320 rs. a libra.
Bolachinhas americanas, a 35 a barrica 'e
240 rs. a libra.
Biscoutinhos inglezcs. em latinhas, a I300.
Biscouto lunch o suda, cm latas de i a o li
bras, a 25 a lata.
Banlia de porco, a 480 rs. a libra.
Balaios hamburgiiczos muito lindos, o di-
versos tamaitos o por proco razoavel.
Caf do Rio. a 280 o 300 rs. a libra, em
arroba, a 85200, 85500 e 0/.
Ceblas, a 8O0 rs. o cont o 15 o mlho.
Chperola, a 35 a libra.
dem hisson, superior, a 25800 a libra.
Jdem chumbo, a 25600 a libra.
dem hysson, soffiivol, a 2(5(400 a libra.
dem hysson, monos soffriveJ, a 25 a libra.
dem preto, magnifico, a 25 a libra.
dem preto, menos superior, a 15800 rs. a
libra.
dem preto, soffiivol, a 15600 rs. a libra.
dem nacional, a 1/800 a libra (em latas).
dem nacional, a 15600, a libra.
dem nacional, ordinario, a 15 a libra.
Cbampagne, marca aguia, de soperior qua-
lidade, a GiO rs. a garrafa o 75 0 gigo,
com 12 garrafas. Qnem deixar de be-
ber cbampagne por-tal proco?
Charutos de muitas marcas e a procos bara-
tissimos, sendo que ha de 800 rs. at
45 o cento, viudos do Rio, Babia e de
Ilespanjia.
Chocolate skjsso de Lisboa e francez, a 800
| rs. e J 5-
1^500|Chouricas c salpice, a 640 rs. a libra.
700 Conservas inglezas, a 800 rs. o frasco.
40 Ditas fracasas, a 500 rs. o frasco.
80 Cognac inglez, a 000, rs. a garrafa e'em
aada, a 45.
120
40
ItK)
1,5800
80/
muito finas a........ i$600
Vendem-se chitas francezas escuras com pe-
queo toque de mofo a 240 rs. o covado,
ditas inglezas com pequeo toque de mofo
a 200 rs. o covado, pecas de ditas francezas jnas' Pel barat0 Preco de 25500.
com pequeo toque de mofo a 85000, pe-' ... Bramante
eas de ditas inglezas escuras cores fixas com JS'%?%?- 2 palmos de ,arSura>
peqpeno toque de mofo com 38 covados a 15
75500, ellas freguezes antes que se a ca-
bem; na loja da arara ra da Imperatriz n.
56 de Mondes Guimares.
I.a.
Lindas las para vestidos, a 440 rs. o co-
vado.
Lencos de cassa, a 15600 a duzia.
Cortes
de meia casemira para calca, a 25 cada i
Gaitas largas a 280, s o Pavio.
Vendem-se chitas francezas com toque de
mofo, tendo padroes miudinhos, a 280 rs. o
covado, afianf^ndo-seseccorfhe que solta
o mofo logo que se lava: s na roa ta impe-
ratrix n. 60, loja do. Pavo.
Madapolo francez entestado a
40OOO.
Vendem-se pecas de madapolo francez i- corte, propria para a presente estaco.
no enfestado com 42 jardas a 45 e 45500,
dito inglezes fino de 24 jardas a 75, 85, 95,
e 105000, pecas de algodo encorpado a 45
45300, 55 e 65; na ra da Imperatriz n. 56.
Chitas da arara.
Vendem-se chitas francezas finas a 320,300
e 400 rs. o covado, riscado francez a 280
rs. o covado, aberturas para camisas a 240
rs., ditas de linho brancas a 800 rs. o cova-
do, tarlatana de cores a400rs.avara; na ra
da Imperatriz n. 56.
Cortes de casemira da arara.
Vendem-se cortes de casemira enfestada
escura a 25, cortes de brim para calcas a
i ie 15220; naruadaImperatri?lojadaarara
n, 56 de Mendes Guimares.
CAL DE LISBOA
na ra da Cadeia
. Vende-se cal nova de Lisboa :
n. 53, escriptorio.
A ssucar do Monteiro
Ra do Imperador n. 28 e caes.de Apollo n.
67, a 200 rs. a libra, e de 8 libras para cima
a 55600 aarroba.
Duzia de meias para senhora, fazenda
lina a............
Cometas de chifre para meninos a .
Escovaspara limpar dentes muito linas .
Baralhos de ca tas para voltarete muito
linas a...........
Ditas portuguezas a 160 e .... .
Frascos de agua de Colonia mito boa a
400 e............
Ditos de oleo babosa a 240 e.....
Ditos com superior oleo de marac a .
Ditos com superior macaca perol a .
Ditos com superior banha transparente a
Dito6 com superior chelro a. .
Ditos com superior agua celeste para
cheiro...........
Trancas de algodo brancas c de cores a
Caixas com superiores obreias de colla .
Bolsinhas muito bonitas para guardar di-
nheiro a............
Gravatas de seda de diversos gostos a .
Tinteiros de vidro com superior tinta a .
Pares de luvas brancas de algodo a. .
Carriteis de linha com 100 jardas, bran-
ca a ............
Fitas e cord&cs para enfiar espartilhos a
Caixas com clcheles francezes superio-
res a. ...........
Cartoes de colehetes francezes a 40, 60 c
Facas e garlos cabo branco cravado a .
Ditas de cali, branco cravado a. .
Ditas de bataneo muito finas a .
Tesouras para" cortar, pequeas e Anas
a 100 e...........
Tesouras para cortar unhas muito final a
dem engarrafados, a 800 rs.a garrafa.
35000
80
200
15-jOO
80
80
500
500
160
100
30
80
400
' 80
35200
35o00
65000
320
500
Doces, em lindos vazos de vidro, das frac-
tal mais esquisitas da Europa, a 15 o
frasco.
Dito de Lisboa, em latas, a 500 rs. a lata.
320 Dito de goaba, a 640 e 800 rs. o caixo.
300 Dito cm latas muito proprio para presente,
rjOO garante-se sua duraco innalteravel por
}(Oo mais de anno.
oo Farinha de MaranhSo, a 160 rs. a libra.
200 Dita de trigo, a 140 e 160 rs. a libra.
[q Fructas francezas de diversas qualidades, em.
frascos de vidro, preparadas em alcool,
proprio para podim etc., a 1. o frasco.
Fumo americano, em pastas, a 15280 o
libra.
Gomma do Aracaty, a 100 rs. a libra.
Dita do Aracaty, a 40 rs. a libra.
Grata em latas, a 120 rs. e a duzia, 1/300.
Genebra laranja, em grandes frascos, a 15-
Genebra ingleza, marca gato, a 15200 o
frasco ou garrafa com rolha de vidro.
Garrafes vazios, de 640 a 15200 cada um.
Sal refinado em vazos de vidro, a 00O rs*.
-Mein idem em vasos de looca, a 500 rs.
Coneja das memores manas me vemtfi
mercado, a 4/, 4*500, :>;>, 55500, 05 e
6/500 a duzia.
Sardinhas de Lisboa preparadas de escal
a 640 rs. a lata de grande tanwnJio.
Idem* de Nantes, a 386 rs. a latinha.
Sabio massa de 120, 140, 160, 180, i
240 rs. a libra.
Tinta prola nacional e inglesa, a 050 rs. a
garrafa, o 240 rs. 0 boio.
Toucinhode Lisboa, de mais de mu
por 32(r rs. a libia.
dem do Santos, a ->Mr*. a libra.
dem americano, a 200rs. a libra.
dem inglez sem no fumeiro, melbordo
_ lodosos presuntos, a G'iO rs. a libra.'
Vassouras americanas muito lindas e fortes,
a 640 rs. cada nuil.
Vollas de Buenos-Ayrea em caixas com 1G
libras, por (5/.
Idom i\c carnauba o composico, a 360 e 400
rs.'a libra.
Idem do Aracaty; a 400 rs. a libra,
dem stearioas, a 600 o 610 rs. o masso.
idem spermaeete, a 15 a libra..
Vinho Lagrimas do Honro, ueste genero a
melhor qualidade que boje vem aa aodso
mercado em garrafas brancas com o neme
do autor cm alto revelo no proprio vii
previnc-se aos apreciadores que ueste ge-
nero lia boje grande l'alsicarao.
dem engarrafados, vindo parlo deliesdo pro-
pria cotila de -diversas marcas o das mf>-
Ihores adegas do Porto o Lisboa, das mar-
cas: Madeira, Camoes, Chamisso, Mala-
sia, Carcaveos, Duque do Porto a 'li-
tros, e espora-se todos os das novas qua-
lidades, a 800, 15 e 15280 a garrafa.'
dem do Porto Bausas a 640 rs. a garrafa.
dem do Lisboa o Figueira vindo em ancoras,
I a 26/ de 8 a 0 caadas,
dem do Porto em garrafes de 4 1 2 a B
I garrafas, por 25S0O.
dem da Figueira em garrafes de 4 I 2 a ;'>
garrafas, por 25400.
dem de Lisboa c Figueira de 320, 400, "OO
e 360 rs. a garrafa, e em caada se tira
abatimento.
dem Bordame engarrafado, a 640 rs. a
garrafa, em duzia a 7,*>O0.
Vinho do Porto muito lino em caixas ceta 12
garrafas, a 85, 105, 125 e 155 das me-
lhores marcas que vem ao nosso morcado.
Vinagre de Lisboa em garrafes de 4 I 2 a
5 garrafas, a 15200 com o garraao.
Avenas a 200 rs. a libra.
Arroz da India a 10(1 rs. a libra.
Estampas finas.
Na Toja da Aurora, na ra larga do Rosa-
rio n. 38, recebeu-se vario sortimento de
estampas de differentes santos.
Espraves, enchuadas, lieiras, es-
ponjas, tomilhos, sobrecannas, sobre-
nervos, e todas^ e quaesouer enfer-
midades a que sao sujeitos os caval-
los, encontrarlo um remedio mira-
culosona applicaeao do afamado oleo de Merchant
venda no armazem da bola amarella no oitao do
gaz da ra do Imperador tos preco de 640, 1*280
fe 25500.

RCA JVOVA
Casa de modas de madama Tueard.
Xeste estabelecimnto de modas, alem de
muitos objectos de gosto recebeu vestidos de seda
bordados a retroz, o melhor que se pode encontrar
no mercado para noiva, ditos de blonde, ditos ditos
moreantique, dhos pretos, ditos de lindas cores,
chapeos de palha da Italia de apurados gostos para
senhora, ditos de palha de seda para meninos e
meninas de idade de um mez a dez annos. Recc-
be-se flgurinos por todos- os vapores, o faz-se tudo
quanto for tendente ao toilet de urna senhora.
Por eoooo.
Vende-se urna casa na povoaeao da Gameleira :
a tratar na-ra do Queimado n. 71.
Kirsck-wasser, bebida esta de um valor inex-' Biscoutos de Lisboa em latas, propros para
timavel, em vasos esqusitos, a 15300. doentes, a 15300 o 35 a [ata.
Licores inglezes e francezes dos melhores Batatas a 80 rs. a libra.
fabricantes, a 500 e 800 rs. a garrafa. I Copos lapidados para agua a 65 a duzia.
Linguas americanas de grande tamanho (em t Chumbo de todas as grossuras a 65 a ano-
calda), I/.
Linguicas de Portugal, em latinhas de 5 li-
bras, a 35500 a lata.
Massas para sopa, em caixinhas com 8 libras,
contendo 5 qualidades, por 35500 a caixa.
Ditas para sopa, estrelinha e pevide, a 560
rs. a libra.
Dita de tomate, a640rs. a libra.
Manteiga ingleza era potes de 10 a 16 libras
a 800 rs. a libra.
Idem dita flor a 15 a libra.
dem de 2l qualidade a 800 rs. a libra.
dem de 3a qualidade a 640 rs. a libra.
dem para tempeiro a 400 rs. a libra.
Idem franceza a 640 rs. a libra, e em bar-
ril por menos.
Marrasquino de Zara a 800 rs. o frasco.
Mortasda ingleza em Irascos grandes a 800
rs.
dem franceza em frascos grandes a 500 rs.,
Mlhos inglezes dos melhores fabricantes a
ba.
Caf muido de superior, qualidade a 400 rs.
a libra.
Fio de linho muito proprio para amarrar, a
480 rs. a libra.
Farinha de trigo em barricaWmeas, de to-
das as marcas e qualidades.
Genebra de Hollanda em garrafes com 2
caadas, por 65500 com o garraao.
dem idem em frasqueiras com 12 fiascos,
por 0/500.
Manteiga linissima om latas contendo 1 ki-
logramma ou libias e 1/4 liquido, por
15800 a lata.
Queijo suisso, a 800 rs. a libra.
Bap princeza do Bio: grosso, meio groMO
e lino.
Tainhas das Alagas'a 125 o cento, e 140
rs. cada urna.
Vinho branco de Bordeaux (Santeras) a 85
e 105 a duzia, e 800 a 15 a garrafa.






-
_K^i*-
-V--


-----------------------------------------



Mara e Perataasfeiiea -- aMbada l4e Jarilia de 183.
SORTIMENTO DE MOLHADOS.

i 5
3 i
! i
- 4.
es *

31
1 t
1
1
2 *
= g
2
o

sa
e S
^
I 5
o :
0
e iss
dj
- z
6 .
t 'J
t a
s t
Si
p ft
tss
a
dj e
-9 -
e, 5
- -
B
i:
5
r
o
a
S
1
a
V
9
dj
. s.
1 I
es v
I 2
2 I
a. -
a I
i i
i B
i 9
i
I
9 3
48
9 I
3 5
t
1
a
=
s
-~
8
9
a
U
es
la
a
9
-
9
es
>
Vinho em pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a 400, < Lagostiulias em latas grandes, a 1400.
48 e 560 rs. a garrafa, em caada a 2800, 34 e L ___
35500 rs., afianca-sc este genero conservar-se Savel, corvina, cherne, congro, lmguado, vezngo,
perfeito seis oito meres, o que raro ser outro W> pescada, peixe espada preparado pela pn-
qualquer atiancar. metra arte de cozuiha, a 1*300 a lata.
Lagrimas do Douro, especial vinho de Porto, a 1J Quijos flamengos do ultimo vapor, a 8*400.
a garrafa c 10* a caixa, o preco nao indica a Ue d nassado a 14.200
qualidade deste precioso vinho, porm tambera | em ao >apor Pab6att0-a ****>
nao com imposicoes de preco que se prova ao dem prato, o mais superior que tem viudo ao mcr-
respeitavel publico a. superior qualidade, e$te I cado, a 740 rs. a libra,
genero do commum se manda vir de conta pro-1
pria, e por isso podemos vender por menos do Doee da casca da goiaba, caixao grande, a 640 e
que outro qualquer annunciaatc. j 800 rs. cada um.
Vinho do Alto Douro, das marcas mais acreditadas Chouricas do reino a mais nova do mercado a 640
e especialmente escolhidas por pessoas entend-1 rs. a libra.
das deste genero, como seiam Camoes, Duque do' .__. _._*.. -. ,. .
Porto, D. Luiz, Carcavellos, Chamissod, Filho,! Pai0|de Jombo, indos do.Porto de casa particular,
Madeira secta, Feitoria, a 900 rs. a garrafa e 9*, a 8U rs" lima- *
a caixa com 12 garrafas. Bolachinlias inglezas a mais nova do mercado a
Garrafoes com vinho do Porto, contendo 5 garrafas! 240 rs. a libra e 3*000 a barrica com urna ar-
roba.
dem de soda de diversas qualidades, a 1*400, di-
tas grandes proprias para lanch com 5 a 6 li-
bras pof 8*400.
Marmelada imperial do fabricante Abren ou de ou-
tros muitos conserveiros de Lisboa, em latas de
1 e meia e 2 libras, a 600 rs. a libra.
Ervilhas francezas, a 500 rs. a lata.
dem portuguezas, a 640 rs. a dita.
Maca do tomates, a 600 rs. a libra.
Manteiga ingleza perfectamente flor, a 800 e 1* a
libra, neste genero existe sempre aberto dispo-
sieao dos freguezes dous a tres barris de man-
teiga flor, salvo quando por infelicidade aconteca
a actnra vir composta de segunda e terceira
qualidade, que para melhor satisfazer aos fre-
guezes torna-se necessario ter mais do que esta
porgao de barris abortos, porm antes nos llie
damos a devida applcaeao para tempero, que
venderemos a 320 rs. a libra.
dem franceza a mais nova do mercado, a 680 rs. e
em barril se faz abatimento.
Amendoas confeitadas, a 800 rs. a libra.
Amendoas de casca mole multo novas a 280 rs. a | Ovada nova a 120 rs. a libra, e 3*900 rs. a ar-1
libra.
por 2*500.
Vinho branco de Lisboa, proprio para missa, vindo
j engarrafado de Lisboa, a 640 rs. a garrafa,
dito de barril muito superior, a 500 rs. a garrafa
c 3*200 a caada.
Ameixas francezas em caixinhas de 1 e meia, 2 c 3
libras, elegantemente enfeitadas com diversas es-
tampas na caixa exterior, a 1*400,1*800, 2*500
e3*.
Figos de comadre em bauzinhos de follia, muito
proprios para mimo, a 1*600.
dem em caixinhas forradas de papel de differentes
molduras, a 1*400.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia e 3 libras
por 1*400 e 2*600.
Passas de carnadas as mais novas que ha no merca-'
do. caixas de 1 arroba a 6*, c a retalho a 400 rs.
a libra.
Massas para sopa muito novas: pevidee estrellinha,
a 560 rs. a libra.
dem a mais nova que ha no mercado; talharim e
aletria, a 560 rs. a libra.
I Macarrao, a 320 rs. a libra.
1 dem o mais novo que ha no mercado: talharim c
aletria, a 560 rs. a libra.
Figos de comadre em caixa de 8 libras muito novos
a 1*800 e a retalho a 180 rs. a libra.
Salmao em latas c em postas hermticamente lacra-
1 das, a 800 rs.
Chouricos, mouros vindo de casa particular, a 640
re. a libra.
Farinha do Maranhao muito alva e cheirosa, a 160
rs. a libra.
Avelaas muito novas, a 220 rs. a libra.
Toucinho do reino a 360 rs. e 10*500 rs. a ar-
roba.
Sardinhas de Nantes, a 360 rs. a lata.
Azeite dure de Lisboa, a 640 rs. a garrafa e 4*800
a caada.
Vinagre de Lisboa, a 200 rs. a garrafa e 1*200 a
caada.
Campagne das marcas mais acreditadas a 8*000
e 10*000 o gigo, e 800 rs. c 1*000 a garrafa.
Cerveia preta da marca Tenent ou XXX, a 4* e
4*500 a duzia, e a 400 rs. a garrafa.
dem branca da marca cobrinha ou Tenent, a 4*
e 4*300 rs. a duzia, e em porcao se faz abati-
mento.
Gcncbra de Hollanda em garrafoes com 16 garra-
fas, por 6*500 rs., afianca-se ser verdadeira.
dem em frasqneira, a 6*500 e a 560 rs. o frasco,
dem de botija em barricas com 4 duzias a 430 rs.
cada urna.
y
dem de laranja em frascos grandes, a 1*200, ga-
rante-se ser verdadeira da Italia.
Marrasquinho de Zara, a 720 rs. o frasco.
Licor francez de todas as qualidades de fabricantes,
em garrafas brancas de vidro, a 720 e 800 rs. a
garrafa.
Vinho Bordeaux as melliores qualidades que tem
vindo ao mercado, a 720 e 800 rs. a garrafa, e
em caixa a 7*500,8*000 e 8*200 rs.
Azeite doce refinado do fabricante Pelanol, a 800 rs.
a garrafa.
Conservas inglezas sortidas ou de urna s qualida-
de e da verdadeira, a 800 rs. o frasco.
Araruta verdadeira, a 320 rs. a libra.
Gomma de engommar muito alva, a 800 rs. a li-
bia.
Palitos do gaz, a 2*300 rs. a groza c 20 ris a
caixa.
Toucinho de Lisboa, a 320 rs. a libra e 9*500 rs.
a arroba.
Sag muito novo, a 200 rs. a libra.
Cevadinha de Franca, a 160 rs. a libra.
roba.
Macarrao e talharim, a 320 rs. a libra.
Aletria muito fina, a 400 rs. a libra.
Arroz Garolino, muito alvo e grado, a 120 rs. a
libra e a 3*200 rs. a arroba.
Caf do Rio o mais superior que se pode desejar
neste genero, a 320 rs. a libra.
dem idem de segunda c tereeira qualidade, a 280
e 300 rs. a libra, e em arroba ou sacco a 8*200
e 8*400.
Velas de carnauba refinada, a 320 rs. a libra e
10*000 a arroba.
dem de spermacct, a 640 rs. a Ubra.
Chocolate hespanhol a 1*, a libra,
dem francez, a 900 e 1* rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado por ser
vindo de encommenda propria a 2*880 rs.
Cha hyson, melhor que se pode desejar neste ge-
ner, a 2*500 rs. a libra.
dem nacional em latas de 1, 2 e 3 libras a 1*400
ris.
dem huxm, a 2*200 rs. a libra.
Cha preto homcepathico o mais excellente que tem
vindo ao mercado, a 2* a libra.
Graixa em latas grandes, a 3tf300 a duzia, e 120
rs. cada urna.
Presunto verdadeiro de Laniego em calda de azei-
te, a 560 rs. a libra.
Vassouras do Porto arqueadas de ferro, obra de
muita duraeao e utilidad.', a 400 rs.
Charutos de S. Flix do fabricante Fuado de Li-
ma ou de outros muitos fabricantes da Baha, a
2*000, 2*500, 3*000, 35200, 3*500 o 4*000 rs.
a caixa, ou em meas por metade do preco.
dem Mississipes imperiaes, a 3*000 rs.
dem Ypiranga ou Flor do Rio, a 3*200 rs.
dem Guanabaras ou Havaneiros, a 2*800 rs.
dem Flor da Matta ou Regala imperial, a 2*500
ris.
dem Flor do Norte ou Londres imperiaes. a 4*000
ris.
dem superiores em quantdade e de todos os fa-
bricantes, a 3*000, 3*500 o 4*000 rs. a caixa.

1?
=3
* 5?


m
d
a
?
w
H
W
fe
*
O
o
M
s
u
i
Potassa da Russia.
Vende-se em casa de -\. O. Bieber & C,
soccessofes, na da Cruz n. i.
Kua da Senzalla So va l. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
trro coado libra a 110 rs., idemdcLow
Moor libra a 120 rs. .
Admii;cni as litas baratas.
Superiores ISs de cores de quadrinhos e
lisas. Qngiodo sediahas de ditas larguras,
pelo bwratissimo preco de .'00 rs. o cova-
do: na luja das columnas ra do Crespo n.
i:*, de Antonio Correa Vasconcellos A- C.
GAZ.
Ko armazem de tonca da porta larga, ra larga
do Rosario u. 6, vendem-se latas com 5 galoes de
p 12*. assim como latas de 5 garrafas, e em
garrafas muito em conta ; garante-ae ;i qualidade.
Cbolas superiores em resleas, a cinco
mil ris o niillieiro no Caes da auandega n
i, armazem de Tasso & Irados.
A ACUIA BRAICA
fteceheii pelo ultimo vapor o
sei(iiute:
Bonitasftpolseiras de cabello, coral, e cora-
lina.
~ e bonitas Kgas de seda para seulioras.
Outras estreitas para meninas, ou manguitos.
aras com agolbas.
lelas para euliai. agulbas cantfas.
Traneelins e lilas de borracha.
Carriteis com torcal de todas as cores.
se fios de cora!.
Esponjas finas para rosto.
Pentes de tartaruga virados, com laco e
balo.
afeites de rede para conservar os cabellos
bem alados.
Ilspas e coz para balo.
is emn colxetes para vestidos,
icelins chatos d 15a para enfeitar vestidos.
Papel e folhas para rosa-;.
Lamparinas francezas.
ins irrossos para i-elogios.
ms cabo dosso, mnrfm e madreperola
para denles, urdas, limpar pentes.ejoias.
Oniias linas para ronpa, chapeo, cabello etc.
Outras de velludo para chapeos.
:". tas para p:ipeis.
R,-: i leiras a focas de marim para ditas.
VIsporas e dminos.
Luvas de cauurca.
Vendem-se mu finas Invas de carmuca
branca e amarella: na ra do Queimado n. 8
1 >ii d'aguia branca.
Baratlssiiuas bandeljas.
A aguia branca por muitas vezes tem da*
d i a conhecer que quandoacha alguma pe-
ha. nao quer somente com ella encher
i papo, ao contrario deseja que toda sua boa
freguezia e o publico em geral provea da
mesma, o que agora mesmo acontece com
is; baratissimas bar leijas, cuja limitafo
u.1 precos admira, em relaco aos tamaitos e
dualidades: avista do que convm todos a-
pi -v-'ilai-em-se dessa opportuna occasio e
proverem-se d*um traste sempre necessario,
i^ que Ibes costar quasi metade do justo va-
lor. \ssim, pois, dirigirera-se-eom dinhei-
rr alegre, e espacosa loja d'aguia branca
rtaa do Queimado n. 8.
.cuos braacos com barras de
cores para meninos.
A loja d'aguia branca -recebeu um novo
sortimento de lencos brancos com barras de
cores para meninos, e com quanto esses
v,-.i,i melhores, maiores e perfeitamente
Irados, com tudo continam a ser ven-
lielo^antigo preco de
I.iuhas maclas e lustrosas para
bordar
vendem-se na loja- d'aguia branca ra do
Queimado n. 8.
Xovissimos e bonitos enfcites
para cabecas.
Quando o belto sexo sentia a falta de bons
enfeites para cabera, eis que a aguia branca;
recebe urna sua encommenda de bonitos e!
delicados enfeites, e de modernissima moda, |
muito servindo isso para sanar aquella falta,!
e fazer com que as Exmas. ai>reciadoras da'
bella empreza Coimbra possam mellior real-
sar c mostrarem o apurado gosto que as
guia, Esses enfeites sao d'um tecido bas-
(ante fino com continbas d'aco, e mui bem'
enfeitados com flores, fitas, bicos, plumas
etc., entretanto que sendo obra de muito
gosto custam 5$, 6# e 7;5dinheiro vista; \
na espacosa e alegre loja d'aguia branca ra
do Queimado n. 8.
Ricas guarnieres de pentes e |j
flvellas para cintos.
A aguia branca recebeu novas e ricas 0|
guarnices de pentes dourados, e com pe- ffl
das: assim como outras bordadas froco e m
com bolas pendentes, novidade essa qua s H
se acha em dita toja, e. que na verdade se |p
tornam mui alegres e bonitas; e bem assim ^
recebeu lindas livellas com pedras, e ditas ^
d'aco com novos e engranados moldes, cintos |
delirados e de marroquim: e muitos outros!^
objectos de gosto para senhoras sero encon- &|jj
liados na alegre e espacosa loja d'aguia,^
branca ra do Queimado n. 8.
Apreciareis extractos.
As Exmas. senhoras que bem sabem co-
nhecer e apreciar os odorferos extractos, e
as lipas pomadas que se vendem na loja da-
guia branca, nao se demorem em mandar,
comprar desses agradaveis e escolhidos chei-
ros Georg 4, principe Alberto, marechal,; |
bouq. d'imperatriz, mil (lores, jasmim, ge-
raniura, vilete, jock club, sndalo etc. etc.
Nesses finos cheiros nao ha melhoria sym-
pathias, por isso ser bom que urna compre
dessa qualidade, outra d" aquella, e assim por,
diante, mas que reunidas em alegre assem-
bla faca cada urna com a forca de sua elo-
quencia prevalecer o bom gosto de sua es- j
coma. Isso na verdade ser agradavel e in-
teressanle, com tanto porem que os cheiros se-
jam comprados na alegre e espacosa loja d'a-
guia branca ra do Queimado n. 8.
Lindas caixinhas com finos extractos, mi proprias
para presentes.
A aguia branca vende lindas caixinhas
com espelho e paysagem, ns. emeima, e finos
extractos dentro, qoiu as quaes se faz um bello
presente, assim pois o pretendente dirija-se
com dinheiro alegre e espacosa loja d'a-
guia branca ra do Queimado n. 8, que ser
satisfactoriamente servido.
Agna da Colonia em garrafas
grandes e pequeas.
A aguia branca recebeu um variado sor-
timento de garrafas grandes e pequeas e de
diversos e bonitos moldes, com excellente
agua da Colonia ; assim como'frascos de vi-
dro maiores e menores com dita, e como
geralmente sabido a commodidade dos pre-
sos continua a/ser observada na espacosa e
alegre loja d'aguia branca ra do Queimado
n. 8, para onde chama-se a concorrencia dos
freguezes que costumam comprar dinheiro.
Aromticos pos d'arroz.
A aguia branca acaba de receber um ex-
plendido sortimento de lindos e agradaveis
vasos de porcellana dourada, crystal e metal
com bonecas, e finos e aromticos poz .d'ar-
roz ; assim como pacotes com dito, cuja pro-
veitosa utilidade bem conhecida: os pre-
tenderes pois, dirijam-se com dioueiro ale--
gre c espacosa loja d'aguia branca ra do
KOI IM FJEITA
no'
ARMAZEM
DE
.ETRESRO VERDE.
*S>
ti
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de
lodas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, a vonlade dos concur-
rentes, para o que tem um dos melliores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras, ^
homens e meninos.
RA DO QUEIMADO N. 46
mWSBT
Casacas de panno preto, 33;) e
Sobrecasuoas ideni, 30,5 c .
30,->0O0
5&,->O0O
10;)00
Paletos idem e de cores, 2#,
20*, W e......
Ditos de casemira, 20,-J, io-l,
m, 10,5 e......
Ditos de alpaca, 5<5 e. .
Ditos ditos pretos, 9$, 7?5,
5* e. .
Ditos de brim e ganga de co-
res, 4*300, 4*, 3*300 e. .
Ditos branco de linho, 6,->, fi* e
Ditos de merino preto de cor-
do, 10*, 7* e.....5*000
Caigas de casemira preta, 12*,
Golletes de fustao e brim bran-
co, 3*300, 3* e 2*300
Seroulas de brim de linho,
20400 e......2*000 m
| Ditas de algodo, 1*G00 e. 1*400 "
7*000 Camisas de peitos de linho,
3*300 5*, 4*, 3* e.....2*300
'Ditas de madapolo, 3*,
3*300 2*300, 2* e.....1*600
; Chapeos de massa, pretos fran-
3*000 cezes, 10*, 9* e. 8*500
4*000 Ditos de fltro, 5*. 4*, 3*500 e 2*000
Ditos de sol, de seda, 12*,
H*, "*e......
Collarinhos de linho fino, ulli-
*.
10*, 8*e
Ditas de cores, 9*, 8* e.
7*000 ma moda.......
7*000 Sortimento completo de grava-
Ditas de meia casemira de co- tas.
res, 5*500 e.....4*000 Toalhas para rosto, duzia, II*,
4*500
640
*
I
SS Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 5*, 4*500 e
Dilas de brim branco c de co-
res, 5*, 4*500, 4* e .
Ditas de- ganga de cores,
3*500, 3* e.....
Colletes de velludo preto e de
cores, 9* e......
Ditos de casemira preta, 5* e
Ditos de ditas de cores 5*
4* e........
Ditos de setim preto. .
Ditos de ilitos e seda branco,
6* e.......
Ditos de gorguro de seda
pretos e de cores, 6*, 5* e
9* e........6*000
4*000 \ Atoalhado adamascado de li-
nho vara......
2*5001 Chapos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....
2*3001 Lences de linho.....
I Cobertas de chita chineza.. j .
7*000 Pennas d'aco, as mais superio-
4*000 res, a grosa......
I Relogios de ouro orizontaes.
3*300 90*,80*e......
5*000 Ditos de prata, galvanizado,
patentes e orisontaes, 40* e
5*000 Obras de ouro, adercos, meios
aderecos, pulceiras, rozetas,
4*000 aneis e cruzes. *
1*280 2fe

4*000 &!
3*000^
2*000 y
600 #
te
70*000 M
30*000
DE
I \Z 1 \l>\H I. KOIIMS FEITAS.
Sortimento completo de sobrecasacos-de panno a 25*, 28*, 300 e 35*, casacas
muito bem feitas a 23*, 28*, 30* e 33*, paletotS' acasacados de panno preto de I6at<-
25*, ditos de casemira de cor a 15*, 18* e 20*, paletots saceos de panno e i
mira de 8* at 14*, ditos saceos de alpaca, merino e la de 4* at 6*, sobre de alpaca c
merino de 7*-at 10*, calcas pretas de casemira de 8* al.1 14*, ditas de cor de 7* at
15*, roupas para menino de todos os tamaitos, grande sortimento de roupas de brim
como sejamcalcas, paletots e colletes, sortimento de colletes pretos de metim, casemira
e velludo de 4* a 9*, ditos para casamento a 5* e 6*, paletots brancos de bramante a V*
e 5*, caigas brancas muito linas a 5*. e um grande sortimento de fazendas finas e moder-
nas, completo sortimento de casemiras inglezas para bomem, menino e senhora, ceroula-
de linho e algodo, chapeos de sol de seda, luvas de seda e de Jouvin para hornera e se-
nhora. Temos urna grande fabrica de alfaiate, onde recebemos encommendar
obras, que para uso est sendo administrada por um hbil mestre de semelhante arte e um
pessoal de mais de cincoenta obreiros escolhidos, por tanto executamos quakmer obn roa
promptido e mais barata do que em outra qualquer casa.
ATTEM^AOa
FAZENDAS DE BOM GOSTO.
Lindos cortes de la de barra Imperatiiz, ditos de la com baira matisa-
da, ditos lisos com palmas de seda, lindas las decores matisadas a 500rs. >
covado, ditas com palmas de seda a 640, 700 e 800 rs. o covado, cortes de
seda de cor matizada os mais superiores que tem viudo ao mercado, lindos
cortes de mor-antique de cor linda, gorguro de la e seda de quadrinhos e
lisos, fazenda inteiramente nova para vestido.
Superiores cortes de blond branco para noiva, camisiuhas de carabraia
bordadas, brancas e de cores, lindos sautambarques de cachemira de cor enei-
tados e bordados da mesma c6r, ultima moda em Paris, superiores (tapial
de pama da Italia, enfeites de flores, capellas brancas e outras muitas fazendas
de gosto que seria enfadonho annunciar: na ra do Crespo n. 13, loja das
columnas, de Antonio Correa de Vasconcellos Companhia.
)S.
F l Y El I r\ O HA AUROK A.
Nesta grande e bem montada fabrica de machinismo, a mais antiga no imperio, con-
' tinua-se a executar com a maior preste*a e perfeico encommendas de toda a qualidade
de machinas usadas no paiz, tendo sempre promnto o seguinte :
-Grande sortimento de moendas de canna d^todos os systemas e lamanho
Maclnas de vapor de diversas qualidades.
Taixas fundidas e batidas.
Crivos e boceas para fornallias.
Bronzes e aguilhes.
Rodas, rodetas e rodas d'agua.
Guindastes fixos e portateis.
Machinas de cylindros para padaria.
Serras de afo para serrara.
Fatechas para barcos, etc.*, etc., tudo por preco que bem convida.
didos pclo^anfigo preco de 1* a duzia; n.,.
fea do Queimado na alegre c espacosa loja! Queimado n. 8 que serao servidos e contentes
daguia branca n. 8.___________________10s afamados copos eom bauha. e
l.a Una para bordar. Ips com Inscrlpces.
aguia branca acaba de receber um coi
DE
DE -
J. TIGNES.
X. 55. RA DO IHPERADOR M. 55.
Os pianos dosta antiga fabrica sao hoje assaz conhecid0?, i>ara me seja necessario insistir sobro a
ter-se eito ltimamente melhoranientns imposton-
io melodiosas e flautadas, e por isto muito afrrada-
Chegaram novamente para a aguia branca sua superioridade, vaitla^ens e garantios qne offerecem aos compradores,"qualidades estas incontesta-
pleto sortimento de la fina para bordar, cu-! esses at'amados e estimados copos com banlia veis que elles tem definitivamente coiKpstado soltre lodos os que tem appareeido nesta iraca ; pos-
ja variedade de agradaveis cores foram es- fina"; assim como os.bonitos boies de por- frata*'.J ,eclado c mnohnismo que obwteeem todas as vontades ecaprichos das .ianistas,aem
d um grande livro d'amostras que o' rellana dourada tambem com banha, e novas SfpK !SbS!^^^SffSlS^ d
fibricante ollereceu a aguia branca, vindo! inscripces maviosas e jocoserias, mui ade- veis aos ouvidos dos apreciadora-.
entre ellas alguma mesclada; assim pois onde! quado parapresentesrestaporemqueosapre-
os pretendentes mellior se podem sortir des-! dadores concorram, munidos de dinheiro,
ob ....i.nnn A n i,.., ^ ^.... i- j,. i___. i i, i__._________j I i^u iiii-Miiu c.-iauoioi;iiiunini su ai'lia seuipre uiu ciiiicnuiuu t; vanauu auiuiucnw uti msicas aos
^ui l'\ jE0i!L?3!^f J iSS^f?8^ ja 8m ^ melhores compositores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, *endo tudo vendido
branca ra do.Queimado n. 8. I Queimado n. 8. 'por precos muito razoaveis.
FOOKAO 1IO IMniJIAl-Kli INI
BIU1I \. 3S.
Este muito acreditado estal>elecimento est prvido de um completo sorttaKato t
machinismos proprios do fabrico de assucar, a saber:
Machinas de vapores as mais modernas e mais acreditadas.
Rodas d'agua de ferro com seus pertences.
Moendas e meias moendas de todos os tamaitos.
Rodas dentadas, angulares e de espora.
Taixas de ferro batido coado.
Boceas de fornalha pelo novo syslema Wetson.
-Alambiques de ferro fundido.
Fornos pa>a cozer farinha.
Moinhos para moer mandioca.
Arados americanos, etc. etc._________________^______________
PE
TODAS AS QIIAXIDADES
DE
ANTONIO Mili DE BRITO
CONHECuOA POR FABRICADA YIVA.
N. 21Antiga ra dos Quarteis de polica N. 31.
Constando ao annunciante, que alguns especuladores de m f, vendo o erad
que gosam os meus cigarros, e para poderem dar consumo aos seus andam vendendo tmu<
na praca como pelo mato, illudindo os meus freguezes, dizendo que sao meas; e nao %y-
dos os meus cigarros sao vendidos na minha fabrica, e nao mando pessoa alguma eaiiT
por minha eontit fra della, faco o presente annuncio para evitar que compren galo pr
lebre ; e para seguranza dos senhores consumidores deste genero e r -pi i iikmriaV os i
freguezes, aviso que todos os raassos de cigarros que forem vendidos na i
marcados com um distinctivo que declara o meu nome, o nome da ros e a;
mesma casa.
Aproveito a occasio para scientificar aos mesmos senlK)res, que
enconaro um completo sortimento de cigarros de diversas qualidades, e do i
escolhido, por sua boa qualidade j bem conhecida. _______
AOS SRS. CONSUMIDORES DE CAZ. Bmrraa.
, Cofres patentes inglezes, prova de fam,
Nos armazens do Caes do Ramos n. 18 e garantidos pelo fabricante Mnwrs. t Linr-
na ra do Trapiche Novo (no Recife) n. 8, se poo[. vendem-se na roa da Cruza, ar-
vende gaz liquido americano pnmeira quali- ^^^ ue Isidoro, Netto A C.
dade a retalho a 12^1 a lata de 5 galoes, as- --------------------------------------'
sim como latas de tO e de 5 garrafas e sendo VENDE-SE UM GUARDA VESTIDOS
em porcao mais barato que em outra qual-' de cedro novo, de armar e desamar,
quer parte. barato: na ra da Assumpfjk) u. 31.

.


'"~
IHarlo ie Pernanbaco -*- fcabbado 18 de Snlho e i83.
)


mm
GRANDE ARMAZEM
A*
EE
N. 3,M1A MS CRCTES It. 36
DO
bairro de Sanio Antonio.
0 proprietario do rauito acreditado armazem denominado Progressista tendo
sempre em vista fazer tudo o que for possivel para bem servir aos seus freguezes, tena
deliberado vender os seus j bem conhecidos gneros de primeira qualidade pelos precos
abaixo mencionados, e aflianca s pessoas que mandarem comprar por seus criados ou
eseravos, seremto bem servidas como vindopessoalmcnte; encarrega-se de aviar qualquer
encommenda, ainda mesmo contendo objectos nao proprios deste estabelecimento. O
mesmo pede aos senhores que mandarem comprar neste armazem o favor de mandarem
devolver qualquer objecto que nao agradar, devendo os mesmos senhores ter toda atten-
rao.com os seus portadores, fazendo-lhes ver que s no armazem Progressista da ra das
Gran n. 36, que se vendem os melhores gneros por mais barato preco, porque estes
umitas vezes olvidam-sc e vio outra parte onde os serven de maneira a desagradar este
estabelecimento.
Manteigai ngleza de 1.a qualidade, a 900 rs.
a libra,
dem de 2.1 qualidade, a 800 rs. a libra.
Jdem franceza, chegada ltimamente, a 640
rs. a libra.
Batatas muito novas, a 1& o gigo de arroba
e 80 rs. a libra.
Oueijos do reino, chegados pelo ultimo vapor,
de U 2,9500.
dem prato, chegado neste uilimo vapor, o
mais fresco que se pode desejar a 700 rs.
a libra.
dem londrino, mandados vir de encommen-
da especial, a 900 rs. a libra. (
dem suisso, muito fresco, a 800 rs. a libra.
Caf do Rio de 1. e 2.a qualidade a 8500
e 8*800 a arroba, e 280 e 300 rs a libra.
Arroz da India e Maranho a 120 rs. a libra
e 3^200 a arroba.
Avelas as mais novas neste genero a 240
rs. a libra.
Presuntos do Porto muito novos a 560 rs. a
libra.
Legantes francezes para sopa, como seja,
Julienne, mlange d'quipage, Choux e
outras qualidades, a 400 e 500 o masso.
Amendoas de casca mole a 320 rs. a libra, e
em por?3o ter abatimento.
Garrafoes com 5 garrafas de vinlto do Porto
do Alto Douro a 2*400 com o garrafao ;
afianca-se que nesse genero o melhor
que veto ao mercado.
dem com 5 garrafas de vinhoFigueira muito
superior e mais proprio para a nossa esta-
co por ser mais fresco a 2*400.
Cha hysson o mais superior a 2*600 a libra,
afianca-se ser egual ao que regularmente
vendemos a 3*200.
dem huxim miudinho, o mais superior que
vem ao nosso mercado a 2*700 a libra.
dem preto muito fino, a 2*000 a libra.
Garrafoes com 5 garrafas de superior vinho
de Lisboa a 2*100 cada um.
dem com 5 garrafas de vinagre de Lisboa
a 1*100 com o garrafao.
dem com 5 garrafas de vinagre liambur-
guez a 800 rs. cada um.
Vinhos generosos vindos do Porto engarra-
fados das seguintes marcas: Genuino,
Porto fino; Nctar, Duque do Porto, Fei-
toria, Velho secco, Chamico, Madeira su-
perior e outros a 900 rs. a garrafa e 9*
a duzia.
Vinho Bordeaux Jas melhores marcas: St
Julien, Medoc e S. Estephe e outros a
640 rs. a garrafa e 7#500 a caixa com
urna duzia.
Chouricas e paios, o mais novo que se pode
desejar, a 230 e 600 rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez dos melhores fa-
bricantes a 900 rs. a garrafa e 10^500 a
caixa com urna duzia.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
800 rs. cada um.
Licores francezes, muito finos, das seguintes
marcas: Anizetta de Bordeaux, Plaiser des
lames, Crme de Noyau, Eau Dantzic,
Grme de Menthe, Hude de Venus etc. etc.
Passas muito novas e de carnada a 400 rs. a
libra e 6*500 a calva com urna arroba, ha
caixas, meias c quartos4
Ameixas francezas em frascos de 11(2 e 3 li-
bras de 1*400 a 2#800, tamlem ha latas
de 6 libras.
Marmelada imperial, dos melhores conser-
vemos de Lisboa, a 600 rs. a libra, em la-
tas lacradas hermticamente.
Fructas em caldas de todas s qualidades em
latas muito bem enfeitadas, a 500 rs ca-
da urna.
Bolacliinlia ingleza, a mais nova que se pode
desejar, a 3*000 a barric a e 240 rs. a
libra.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
a 160 rs. a libra.
Azeite francez clarificado a 800 rs. a garrafa
e-9fP000 a caixa com urna duzia.
Conservas inglezas dos melhores fabricantes
Mixed Pickles, ceblas simples, e outros
a 760 rs. o frasco.
Farinha verdadeira de araruta a 500 rs. a
libra, garante-se a superior qualidade.
Palitos para dentes em caixinhas douradas
Breu, a 320 a libra e 8* a arroba.

PROGRESSIVO.
SNO
9-LARGO DO CARM0--9.
DE
Os proprietarios deste espacoso e bem sortido armazem de molhados partici-
para aos seus freguezes que acabam de receber de diversos portas da Europa o mais bel-
lo sortimento de molhados, todos primorosamente escolhidos, os quaes vendem-se por
rauito menos do que outro qualquer annunciante, obrigando-se os proprietarios a garantir
todos os gneros sahidos do seu muito acreditado armazem.
DE
Eduardo Marques de Oliveira C.
o


W3
2
o
ss
I^este novo e grande estabelecimento de molbados, encontrar o respriuvet
publico d'esta cidade, bem como seus numerosos freguezes do centro, expostos a vmrta
todas as qualidades de gneros por menos precos que em quaesquer outros estabek < ham-
tos d'esta ordem, pois para isso segu em um dos primeiros paquetes para a Europa un
dos socios para serem vindos todos os gneros de conta propria, para melhor servir aos
seus freguezes, e desde j encontrar o respeitavel publico semprc os melhores t roa
novos gneros do nosso mercado, e por precos baratissimos, como se ver abaixo.
de superior qualidade a 320 rs. cada cai
xinha.
Mostarda preparada em potes muito nova a
400 rs. cada um.
Milho-alpista a 180 rs. a libra.
Gomma para engommar muito fina e alva a
80 rs. a libra e 2*300 a arroba.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Sabo verdadeiro hespanhol, que raras vezes
vem ao nosso mercado, a 300 rs. a libra e
em calva ter abatimento.
dem massa de superior qualidade de 160,
180, 200, 220 e 240 rs. a libra.
Graixa em latas muito nova a 120 rs. a lata
e 1*300 a duzia.
Peixc era latas rauito novo: svel, pescada,
curvina, salmao e outras qualidades, pre-
parado de escabexe segundo a arte de
cozinha a 1*400.
Papel grve pautado e liso a 3*800 a resma.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
460 rs. cada urna.
Vinhos em pipa: Lisboa e Figueira das melho-
res marcas a 3#200 e 4*000 a caada do
melhor e 500 rs. a garrafa, em porcao ter
abatimento.
Vinho velho Chamico em barril, muito proprio
para sobremesa, a 640 rs. a garrafa e
5*000 a caada.
Vinlio branco o mais superior que possivel
neste genero a 560 rs. a garrafa e a 4*000
a caada.
Vinagre puro de Lisboa a 200 rs, a garrafa
e 1*400 a caada.
Azeite doce de Lisboa muito fino, em barril
a 640 rs. a garrafa, e era porcao ter
abatimento.
Champagne das mais acreditadas marcas, a
1*000 a garrafa, e 10*000 o gigo com
urna duzia.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Bahia a 3^300 a caixa, tambem temos
para 2;?000, 2;$500, 3*000 e 3*200 a
caixa.
Vellas de spermacete superiores a 600, 640,
e 680 rs. o masso.
dem de carnauba e composicjlo a 320, 360,
e 400 rs. a libra e de 10* a 11*500 a
arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa, a 1*000
a ancoreta do Porto e 1*500 a de Lisboa.
Massas para sfjpa: estrellinha, rodinha e pe-
vide a 400 rs. a libra c 2,5000 a caixa com
8 libras liquido.
Massas para sopa muito novas: talharim, ma-
carro e aletria a 400 e 480 rs. a libra.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso das melhores qualidades a 900 rs.
a libra.
Doce da casca da goiaba a 800 rs. o caixao.
Ceneja das melhores marcas de 5*500 a
6*000 a duzia c 540 rs. a garrafa
Biscoutos inglezes de diversas qualidades a
14300 a lata.
Bolachinha de soda, especial encommenda,
muito nova em latas grandes a 2*000 cada
urna.
Massa de tomates em latas de 600 a 700 rs.
cada urna.
Sardinhas de Nantes, do fabricante Basset, a
360 rs. a lata.
Toucinho de Lisboa novo a 320 rs. a libra.
Tijolo de limpar facas a 180 rs. cada um.
Cebollas o mlho a 900 rs.
Erva-doce muito nova a 400 rs. a libra.
Cominhos idem idem a 640 rs. a libra.
Garrafas vastos a 500 rs. cada um.
Ditos com 5 garrafas de genebra a 2*400,
garante-se ser verdadeira de Hollanda.
Cebollas a granel a 640 rs. o cento.
Canella a mais nova do nosso mercado a
1*000 a libra.
Alfazema o que pode haver de melhor neste
artigo a 280 rs. a libra.
Phosphoros de seguranca individual a 20 rs.
a caixinha.
Papel de embrlho muito superior a 1*120
a resma.
Vinho da Figueira, o que ha de melbor a
4*000 a caada.
Copos finos, para agua a 6*000 a duzia.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de encommenda especial a 8oo rs.
a libra,
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
64o rs. a libra.
Idem em potes de 4 16 libras muito fina,e
propria para doente a 8oo rs. a libra e o
pote separado,
dem de porco, refinada e muito alva a 5oo
rs. a libra, em barril ter abatimento.
dem ngleza em latas de 2 1/2 libras a 2,ooo
cada urna, garante-se a boa qualidade.
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
de l,6oo, l,8oo, 2,ooo e 2,5oo rs.
Idem prato chegados neste ultimo vapor, o
mais fresco que se pode desejar a 66o rs.
a libra.
dem londrino mandados vir de encommen-
da especial a 7oo rs. a libra.
Caf do Bio de 1 e 2a qualidade de 8,5oo e
8,8oo rs. a arroba, e 28o a 3oo rs. a1i-
bra.
Arroz da India e Maranho a loo rs. a libra
c 3,ooo rs. a arroba.
Caixinhas de ameixas francezas de 1 1/2, 2
e 3 libras, elegantemente enfeitadas com
diversas estampas no exterior da caixa a
l,3oo, l,6oo, 2,ooo, 2,5oo e 3,ooo rs.
Vidros de diversos tamanhos de confeitos,
muito proprios para mimos, de l.ooo a
2,5oo rs. cada um.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra e
em porcao ter abatimento.
Garrafoes com 5 garrafas de vinho do Porto
do Alto Douro a 2,24o rs. com o garrafao,
afianca-se que neste genero o melhor
que veio ao mercado.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira mui-
to superior e mais proprio para a nossa
estaco por ser mais fresco a 2,4oo rs.
Cha hysson o mais superior a 2,6oo rs. a
libra, afianca-se ser egual ao que regular-
mente vendemos a 3,ooo e 3,2oo rs.
dem huxim miudinho o mais superior que
vem ao nosso mercado a 2,7oo rs. a libra.
dem preto muito fino a 2,ooo rs. a libra.
dem muito mais baixo, muito proprio para
negocio a l,6oo rs. a libra.
Presunto inglez para fiambre* o mais fresco
que se pode desejar a 8oo rs. a libra.
Garrafoes com 5 garrafas de superior vinho
de Lisboa a 2,2oo rs. cada um.
dem com 5 garrafas de vinagre de Lisboa
a l,2oo rs. cora o garrafao.
dem com 5 garrafas de vinagre hamburguez
a 9oo rs. cada um.
Genebra de laranja a 9oo rs., a melhor que
se pode desejar.
Cha perola o melhor neste genero a 3,2oo
rs. a libra.
Vinhos generosos vindos do Porto engarra-
fados das seguintes marcas: Genuino,
Porto fino, Nctar, Duque do Porto, Fei-
toria, Velho secco,. Chamico, Madeira su-
perior e outros a l,ooo rs. a garrafa, e
9,ooo rs.' a duzia.
Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto
a l,2oo rs. a garrafa, c lo.ooo rs. a caixa.
Vinho Bordeaux das melhores marcas: St.
Julien, Medoc, S. Estephe e outros a 7oo
rs. a garrafa, e 8,ooo rs. a caixa eom urna
duzia. *
Chouricas e paios, o mais novo que se pode
desejar, a 56o rs. a libra.
Cognac verdadeiro ngiez dos melhores fa-
bricantes a 9oo rs. a garrafa, e lo,5oo rs.
a caixa com urna duzia.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
8oo rs. cada um.
Licores francezes muito finos das seguintes
marcas: Anizete de Bordeaux, Plaisirdes
Dames, Crme de Noyau, Eau de veede
dant- c, Creme de menthe, Huile de Ve-
nus, Parfait amour, Eau dora l.ooo rs.
a garrafa e lo.ooo a caixa com 1 duzia,
Passas muito novas e de carnada a 3oo rs-
a libra e 6,ooo rs. a caixa com 1 arroba
ha caixas, meias e quartos.
Ameixas francezas em frascos de 1 1/2 e 3
libras de l,4oo a 2,8oo rs.; tambera ha em
latas de differentes precos.
Marmelada imperial dos melhores conservei'
ros ""de Lisboa a 6oo rs. a libra, em latas
de differentes tamanhos e lacradas herm-
ticamente.
Fructas em caldas de todas as qualidades em
latas muito bem enfeitadas a 5oo rs. cada
urna.
Bolachinha ingleza a mais nova que se pode
desejar a 2,5oo rs. a barrica, e 24o rs. a
libra.
Azeite francez clarificado a 8oo rs. a garrafa
e 9,5oo rs. a caixa com 1 duzia.
Conservas inglezas dos melhores fabricantes
Mixed e Pickles, ceblas simples, e outras
a 8oo rs. o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes muito
nova a 4oo rs. cada um.
Mlhos inglezes de todas as qualidades e das
melhores marcas a 5oo rs. cada urna gar-
rafinha.
Sal refinado em frascos de vidro de diversos
modellos a 4oo rs. cada um, s o frasco
vale o dinheiro, tambem ha solt para 8o
rs. a libra.
Vasos inglezes vastos de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de doce, manteiga
ou outro qualquer liquido de l,oooa 3,ooo |
cada um.
Painco a 14o rs. a libra.
Milho al [lis la a 16o rs. a libra.
Gomma para engommar muito fina e alva a
8o rs. a libra, e 2,3oo rs. a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Sabo verdadeiro hespanhol que raras vezes
vem ao nosso mercado a 3oo rs. a libra e,
em caixa ter abatimento.
dem massa de superior qualidade dd 2oo, I
22o e 24o rs. a libra.
Graixa em latas muito nova a 12o rs. a lata
e l,3oo rs. a duzia.
Peixe em latas muito novo: svel, pescada,
curvina, salmao e outras qualidades, pre-
parados de escabexe, segundo a arte de
cosinha de l,4oo e 2,ooo rs. a lata.
Amendoas confeitadas de diversas cores a
7oo rs. a libra.
Papel grve pautado e liso a 3,8oo rs. a
resma.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
46o rs. cada urna.
Vinhos em pipa: Lisboa, Porto e Figueira das
melhores marcas a 2,5oo, 2,8oo, 3,ooo o
4,000 rs. a caada do mais superiore de
32o e 36o rs. a garrafa.
dem velho Chamico em barril, muito proprio
para sobremesa, por ser muito claro e
macio a 64o rs. a garrafa, e 5,ooo rs. a
caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero, a 56o rs. a garrafa e a
3,8oo rs. a caada.
Vinagre puro de Lisboa, a 2oo rs. a garrafa
e l,4oo rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa muito fino, em barril,
a 64o rs. a garrafa, em porco ter abati-
mento.
Champagne das mais acreditadas marcas, a
l,2oo rs. a garrafa, e 12,ooors. o gigo,
com 1 duzia.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Bahia a 3,5oo rs. a caixa, tambem temos
para 2,ooo, 2,5oo, *3,ooo e 3,2oo rs. a
caixa.
Velas de spermacet superiores, a 6oo 64o,
68o e 7oo rs. o masso.
dem de carnauba e composjcao, a 32o, 36o
e 4oo rs. a libra, e de lo,ooo a ll,5oors.
a arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa, a l.ooo
rs. a ancoreta do Porto, e l,5oo rs. a de
Lisboa, estas ultimas raras vezes vem ao
nosso mercado, pela sua boa qualidade.
Massas para sopa: estrellinha, rodinha e pe-
vide a 32o rs. libra, c l,6oo rs. a caixa
com 8 libras liquino; s no Progressivo.
Massas para sopa muito novas: talharim, ma-
cirro e aletria, a 4oo e 48o rs. a libra.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso, das melhores qualidades a 9oo rs.
a libra.
Doce da casca da goiaba a 64o rs. o caixo.
Ceneja das melhores marcas, a 5,5oo e
7,4oo rs. a duzia e 54o rs. a garrafa.
Biscoutos inglezes de diversas qualidades a
l,2oors. a lata.
Bolachinha de soda especial, encommenda
muito nova, em latas grandes a 2,ooo rs.
cada urna.
dem craknel em latas de 5, 7 e 15 libras a
4,ooo, 5,5oo e U,ooo rs. a lata.
Palitos do gaz, a 2o rs. a caixinha e 2,3oo rs.
a grosa.
Massa de tomates em latas de 6oo a 7oo rs.
cada urna.
Sardinhas de Nantes do fabricante Basset, a
38o rs. a lata.
Toucinho de Lisboa novo, a 32o rs. a libra.
Tijollo de limpar facas, a 18o rs. cada um.
Cebollas, o mlho a 9oo rs.
Farmha do Maranho muito alva e cheirosa,
a 14o rs. a libra.
Amendoas a 320 rs. a libra.
Avelaes a 2oo rs. a libra.
Ameixas a 1* a libra.
Ditas em frasco por 2*800.
Arroz pilado da India loo rs. a libra e 3*ooo
a arroba.
Dito dito do Maranho 120 rs. a libra e 3*500
a arroba.
Azeite doce francez 800 rs. a garrafa.
Dito de Lisboa 680 rs. a garrafa.
Agurdente de canna de cabeca a 240 e 320
rs. a garrafa.
Azeitonas a 400 rs. a garrafa, e 1*300 a an-
coreta.
Bolachinha de soda a 1*400 a lata.
Banha de-porco a 6oo rs. a libra. .
Bolachinha ingleza a 200 rs. a libra", e a bar-
rica a 3,5000.
Cha hysson a 2*200 a libra-
Dito dito fino a 2#600 a libra.
Dito miudinho a 2#8O0 a libra.
Dito do Rio a 1*800 a libra.
Dito preto a 1*900 a libra.
Carne do serto a 36o rs., e em porcao se
vende por menos
Charutos de diversas qualidades a 1*200,
1*500 e 3* a caixa.
Champagne a 1* e 1*500 a garrafa.
Chouricas a 560 e 600 rs. a libra.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
Caf em grao a 300 e 320 rs. a fibra, e 9* e
9*200 a arroba.
Dito moido a 360 rs. a libra.
Doce de goiaba a 560 rs. o caixo.
Espirito de vinho de 38 graos, a 280 rs. a
garrafa.
Figos a 400 rs. a libra, e em latas de 4 libras
por 1*500.
Farinha do Maranho a 160 rs. a libra.
Genebra de Hollanda a 640 e 720 rs. o frasco,
e 7* a frasqueira com 12 frascos.
Dita hamburgueza a 560 rs. o frasco, e 65500
a frasqueira com 12 frascos.
Dita flor de laranja a 1* o frasco.
Gomma d'araruta a 100 rs. a libra, e 2#600
a arroba.
Graixa em latas a 120, e 1*300 a duzia.
Genebra em garrafoes de 14 garrafas por
4*U0.
Batatas inglezas fibra a 80 rs., e a 2*500 em
arroba.
Licor fino a 800 rs. a garrafa.
Dito em garrafas grandes de superior quali-
dade a 1*500.
Manteiga ingleza flor a 800,900 e 1* a libra.
Manteiga franceza a 080 e 720 rs. a libra.
Dita hollandeza a 72o 8oo rs. a libra.
Mostarda a 640 rs. o frasco.
Massa de tomates a 640 rs. a libra.
Dita estrellinha para sopa a 560 rs. a ibra.
Marrasquino de Zara a 800 rs. o frasco.
Passas a 4oo e 560 rs. a libra, e 8* a i 4
Palitos para (lentes a 180 rs. o masso.
Phosphoros do gaz a 2*500 a grosa.
Paios novos a 640 rs. a libra.
Queijos do reino do ultimo vapor a 2* e
2*500.
Dito de prato a 720 rs. a libra.
Dito do serto a 560 rs. a libra.
Cenejas de marcas superiores a 500, > f>.
600 e 640 rs. a garran, e 5*300, fi* e
6*500 a duzia.
Dita em barril por 45, e 240 rs. a gan ala.
Cevada a 240 rs. a libra.
Sardinha de Nantes a 360 c 400 rs. a !;=n-
nha.
Sag a 240 rs. a libra.
Sabo massa a 200, 240 e 280 rs. a libra.
Sevadinha a 280 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 160 rs.
Vellas de spermacete a 640 e 680 n a! J.ra.
Ditas do gaz muito boas.
Ditas dito em caixas de 6 libras por 46000.
Ditas de carnauba a 400 rs. a libra.
Ditas de composico a 360 e 380 rs. a libra.
Vinho do Porto, caada a 5*500, garran a
720 rs.
Dito Lisboa, caada a 4-5 e a garrafa a 5tft
rs.
Dito Figueira, caada a 3*840 e a parr.-.fa a
480 rs.
Dito dita superior, caada a 4* e a garrafa
a500rs.
Dito Estreito, caada a 3*200 e a garrafa a
400 rs.
Dito Bordeaux a 720 e 800 rs. a ama.
Vinagre de Lisboa em garrafoes de ."> | MO-
fas por 1*400.
Dito em caada a 25, e a 260 rs. a ga; rufa.
Vinho do Porto em garrafoes de I JMRdtal
por 25500.
Dlio dito engarrando a t* e idoo.
Dito lagrimas do Douro a 1*400 a rnrrab
Vinho branco de Lisboa a 720 rs. a garrafa,
e 5* a caada.
Dito do estreito a 600 rs. a garrafa, a 13500
a caada.
Previne-se ao respeitavel publico que todos os gneros cima sao de boa
dade, e para desengao venham ver; assim como outros que deixam de ser annunciad -
TODA ATTEIPO
NOS
CQHSERVTIVQ I CONSERVADOR
DE
NS. 21 E 23LARGO DO TER(;0-NS. 21 E 23.
O proprietario destes dous estabelecimentos de molhados, vende os >cu> | -
eros por menos do que em outra qualquer parte, por isso garante a superior .j,-
lidade de qualquer genero sabido dos seus armazens ; pode vender por m |M .'*-
prar dinheiro, e por isso faz vantagem a os compradores.
Batatas as mais novas do mercado, a 60 rs. a libra e I,6oo rs. aarroab ou caixa.
Toucinho de Lisboa da 1 ,a qualdade, a 3oo rs. a libra e 9,ooo rs. a arroba.
Caf do Bio da 1.a e 2.a sorte, a 28o e 32o rs. a libra.
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor, a l,8oo e 2,ooo rs.
Velas de spermacet, carnauba do Aracaty, as melhores deste genero, a 63o e loo rs. >
Vinho verdadeiro Figueira das melhores marcas, a 5oo eoors.. em canda se
timento, ha porcao para escolher. X
Bolachinhas americanas, as mais novas neste genero, a 2oo rs. a libra e J.ooo rs. al.
Palitos do gaz, vindos por conta particular, a 2o rs. a caixinha e 2,4oo rs. grosa.
Manteiga ingleza da 1.a e 2.a qualidade, a 8oo e 76o rs. a libra,
dem franceza, especialmente escolhida, a 64o e 6oo rs. a libra.
Cha, o melhor neste genero, a 2,88o rs., tambem ha para mais barato.
Milho alpista, limpo, muito superior, a 16o rs. a libra, a arrroba 5,ooo rs.
Alm destes gneros, ha outros muito baratissimos, assim como ceneja das ,-
lhores marcas, genebra de Hollanda e de laranja, passas, doce de goiaba, azeite i i
nagre, canella, pimenta, cominhos, erva-doce, cebollas, albos, chouricas. banha d.
outros muitos gneros que enfadonho mencionar; dinheiro contado.
- Alm dos gneros cima mencionados, existe um completo, sortimento de al-
fazemas, cominhos, pimenta, erva-doce, palitos de dente em macos e caixinhas, enxo-
re e outros muito gneros os quaes vendemos pelos precos mais baratos possiveis.
MACHINAS UIElUCmS-
Em casa de N. 0. Bieber & C, successo-
res, ra da Cruz n. 4, vendem-se:
Machinas para regar hortas e capim.
Ditas para descarocar milho.
Ditas para cortar capim.
Sellins com pertences a 10* e 20*.
Obras de metal principe prateadas.
Alcatro da Suecia.
Verniz de alcatro para navios.
Salsa parrilha de primeira qualidade do Para.
Vinho Xerez de 1836 em caixa de 1 duzia.
Cognac em caixa de 1 duzia.
Axados e grades.
Brilhantes.
Carrocas pequeas.
AGENCIA
DA
FNDiglO DE LOW-MOOR.
tu da Senulli nova n. 43.
Neste estabelecimento contina a havej
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vap^or
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos.__________________
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. JohnstOD 4 C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
Polassa da Hussia.
Acaba de chegar pelo brigue hamburguez
Otto, muito nova e superior: vende-se *>-
mente no antigo e acreditado deposito na nw
da Cadeia do Becife. n. 12; onde tambero
vende cal de Lisboa muito nova e pi
comraodos.
ESCRAVOS FGIDOS.
Fugio du eogeuho Salgadinbo de SuiU*. a
cscravo Caetano, rrioulo, de 40 anoM. pouco uum
ou menos, baixo, pouco cabello na calva
s autoridades poneiiw a apprehen&ao do dito -
cravo, ou a pessoa do povo que o pegar leve-o a*
mesmo engenho ou a ra de Hartas n. 114 a .
toaio Joaquim de Almeida Cruz, que sen m
pensada de seu trabalho.
a uoitc de 14 para 15 do eorn-wle
tou-se da fundirao da Aurora o mulato Flon-nti*,
bastante alto, pes grandes e aud **"
passado e costutna andar tto p*t"^
algumas vezes usa capote de panno, inckjww
forro : roga-sc as autoridades pooriaes e cap.jarv
de campo a captura do mesmo, e lera-k a mrn-
da fundico, onde se gratificar |imiuiiMft
trabalho._______
_ Fugio ao da 15 de junho na muUlo ciar,
grosso do carpo, cabello corrido, pwgn'
feituosos, faces sumidas, de nome
se estar n'um litio na Capuana,
senhora o alugou : qtieai o atar,
de de o levar i tato Amaro das Salinas,
11. C Cintra, m ser gratificado.




ro das Salinas, su ir


------

1
8
Diario de Pernanijiuc fcafchado 18 de Jnlho de 186$.
r-
*
I
I
l

LITTEBATDRA.


Discurso do Uvni. padre Y entu-
ra de Ilanliea. sobre a neeessl-
dade de nma reforma do ensi-
llo gmlilScs?, no luteresse da
ISttcrcnra c da poltica.
ipnm udftt.
(Ev. da V doni. da Quar.)
(Concluido.)
.-. revoluto religiosa, moral, social, queaceu-
mulou sobre a Curopa lautas desgranas, e que nao
nirrvir o dedo de Dous. matares desgracas pro-
dar nimia, tem sua causa exclusiva nesta preoc-
cupacao to ridicula, quanto sacrilega, pela lillo-
ralura pagaa, que desiairou e eorronipeu por tres
secutas as gerafoes cliristaas. c Ibes fez esquecer
Sipos daquelle que a verdade e a vida.
Fui por ler abafado sua voz celeste com o ruido
dessas vozes frivolas e impuras do paganismo,que
assaubam e sustentara todos os mus instinclos da
alma, que se est lio pouco satseito do presente,
e tio assustafiQ do futuro. (12)
A revoluco nao comedn, senao |>orquc o ho-
mem otnro o? ensinos dos fllhos de Satauz, e
nao pode acabar e nao acabar senao pela liber-
dado restituida ao ensino christao, e quando o ho-
mem ouvir o Filho bem ainado de Deus ; Ipsnm
awJiti: Assim seu. (13)
oade so ha virtudes. Sem ostentar ronlieelmentos
geographieos nos vemos sabir do solo desta provin-
cia dous grandes do, cujas aguas se esiJham no
anlverso, um rio de'vidapara regenerar os povos,
c- outro, rio de morte para os corromper. A hita
tewivel entre o liem e o mal. entre a f e a impie-
dade, entre o anjo de salvaeiio, e o espirito do erro.
M onde existe' una lula dfta pWAza, ha forca
no sentiinentn religioso, poder para coniboter o mal
e alternativas de successo para conceber a doce es-
peranza de um futuro mais lisongeiro e feliz ; e se
por um secreto e tremendo conselho dessa 'justica
cierna, que pesa na mesma balanrao bem c o ma
jurias, ensinadas pela poderosa voz do pastor, que para irero visitar os Santos Lugares, a Syria, e a
consagra os redictos de sua mitra a obras uteis Grecia,
religiao, e a humanidade.
Nao para aqui a soliritude do suctasgnr dos-anos.1
tolos ; elle funda aobispadd e ergqv seBrfnarioi
de suas ruinas para dar-lbo urna (preero sabia e
esclarecida ; reslabelcce que linbam declinado em ludas as parodiias de ama
mancha assaisladora; fornece aos parocbos todos
os incios de e profundar a sciencia da salvaeiio, do
intreter o fogo sagrado da disciplina ecclesiastira e
intelra observancia dos seus mandamentos ; e se al
DONELLI.
10 ^Bplheiro tiemontez BoneUi coas|tti um
appareflio, por rneio do qual se pe em movimento
itia crreme elctrica rim eairinho. i|Ae irans-
mitte quasi instantneamente cartas c pequeos
voluntes. -
O ANNIVEIISARIO PONTIFICIO.
Diz a. Correspondencia de Espaa, que tiveram
processo que tero corrido em ftoma eoiuYa F
,al- gum ba que, pouco dedicado eorgufl.oso d>honra jjKJ?""* Su/2 $?* m- d!)S '!a'
los J ? ... i "anos annunciada fusta |>elo annivrsano da cle-
apresentarem no altar fogo cslranlw, e estes sepul- j PLANO IMPERIAL.
O seculo em que vivemos mu propenso a fazer tados m terr* com suas fainilias e duzentos e cin-1 Assegura-sc que o imperador Napoleo traer
jogo da religiao pira aohar os documentos dos seus conta homens seus partidarios, em virtude de se de sua mo um plano para a organisacao de um
xercito indgena no Mxico, e que vae ser ebria-
' do ao general Forey.
caprichos, e descubrir nos seus ministros pretextos rebcllarem contra Ariio supremo saceidote.
para dourar imposturas. Nao cessemos, pois, de lular com coragem e per-
Por loda a parte se levanta o grito' de alarma'severanca- c i"8 submissos e dedicados ao nos-
contra ossocerdotes,que mais iuirepidos sernos- -^ ^ti prelado, que pede ao cu a luz da ver-
tram no cumpriinenlo dos seus deveres ; e a tor- dad' a/aZ U** 0"*,gi |)ura' a **"
rente dos i,,,,,,,,, que sejulgam iluminados, a lor- d* um ft,luro **! "ara a,m do ,umul.0' <*ac ,,re
rente seduciora das familias, e anarquistadas
A luta entre o anjo da paz, e as
luzes dos seculos.
F.niUil '"asi txabft nitjuitiis eorum, eis aqui
a deUnirio, eme o rei David da va aos rebeldes, que
oqcetiam drrubar do tbrono. A maldade. o or-
jftilho a ridicula filancia, que descobre crimes
(12) Disser.uii : A rtiolucfw o orleanimo. E"
amesuinhar demasiadamente ura successo iuimen-
so. A rcvolucio, nao ranearemos de repeti-lo,nao
de bJODteni) dala da renscenca. Ckimerou'pda
ii'-*;iir,ii .lo do paganismo na educacSo em o XV
i, epela invaso, que por ess'e uieio fez o
mesmo paganismo na ftteraiura, paa arles, na
sciencia, na poltica, nos costumos, em toda a so-
Tbtena. Lego : a rcvoltiravf o paganismo.
K a luta actual nao senao entre o paganismo eo
chi anismo. 1 rata-ae de saber, se a Europa de-
vc rollar ao enrislianisnio dos seculos de f. ou se
deve i ontinnar dos caminhos da apostasia, em que
eropeobada, para lornar-se interamente
! daqoi cossaca. Os liomens de ordera e de
reugiao deveram, pois, reunir seus esforcos con-
tra o paganismo, onde quer que esteja : e o ver-
dadeiro mfam, e a veidadeira supersticao que
ronvem esmagur.
(1 Keliciiaino-nos por adiar em urna grave e
mante colleccao ( Le Revbil ) um artigo mui
Doavel de M. (Jranier de Casaagnac, em favor da
mese sustentada dos discursos precedentes* O pu-
blicista eminente dei\a-se levar nesle artigo s
cousideracocs mais elevadas, e e\prime-as com to-
da a forca da eloquoneia, e com o brillio de estylo
que se loe conliece. S deploramos que o remedio,
que propSe, nao esteja na proporco do mal in-
menso "que assignala ; mas isto nada lira forca
dos seos argumentos em favor desta verdade, que,
daocordo eomosco e melhor do que nos, elle pro-
clama bem alto, a saber : Que o mrthodo actual
de entinar a mockUtde falso, absurdo e funesto,
m ponto de vista |olilieo. como no religioso. E'
tnn testemunho a juntar aos graves e numerosos
testemunhos, que vimos de produzir. Decidiua-
mente a grande questio da reforma do ensino em
yin sentido mais christao ganlia terreno todos os
das ; o encaneamento, eom que se a tem com-
batido, s seis lia para tornar mais brilliante o seu
Dho.
Eis aqui um extracto do artigo do honrado M. de
Hassagnac :
. Que i antigudade dassica, vasada as jovens
IntelUgencias, sem reserva e sem correctivos, te-
nha sobre as almas eflitos sempre deploraveis e
n.ma voz corruptores, o que. nao pode ser nega-
do *.;m aggravo do bom senso e da i'videncia.^
. l> )i.,.. rigrri coniu lodos iUnroB, sioos
IhM d'uuiM civilisacao. Assim, reflectem o cs-
i b la soriodade domstica, da sociedade civil, da
dade poltica, da sociedade religiosa, nasduas
pee naedes da antigudade ; e quando se apo-
deram do espirito da morTdade, abandonada sem
la e sem guia, substitnem n'ele os principios
iie tu ia civilisacao d'ordem inferior aosd'umaci-
viltsacao de ordm elevada.
e (is effeitos naturaes do espirito da antiguidade
inm culado na mocidade sem cautela, sao conse-
gniniemente abaixar o nivel moral, em que a man-
pirito christao da familia moderna, e. i>or
dura que seja a expresso, desvaira-la e rorrom-
l ni tal resultado, que a mais ligeira refle-
\."i i fai entrever, e que a experiencia confirma,
alias inherente propria natureza das letras anti-
gs, c nao ba prudencia, por matar que se a suppo-
|ue possa, nao j aestrui-la, mas atlenua-la
consiaeravelmente.
c a verdade, sabemos por experiencia propria.
com que precaufdes sio gerauente cscolbidos e
explicados os livros dos antigos. Nunca professor
aL un i nsatQ*eipoz aos olhos de seus discpulos o
qui ro hediondo, iraeado com siniplicidade em tal
epiframma de .Marcial, em tal gloga de Virgilio ;
mas nao existe do mundo una s compusicao li;-
i:i. que nao conienlia em algunias de suas par-
tes a data dos costones de seu tenqio; e nos oito
annos que dura a wlucacao classka d'um menino,
pga elle sua memoria com as obras de vinte
autores, que Irazem aquella dala em ludas as suas
paginas.
f Olanlos paes de familias nao vemos, mesmo
illitteratos, mas pracos e sensatos, maravlharem-
se, sem eomprehenderem a causa, desse isolamcn-
io d mundo eeal. e dos sentimentos ehrtstos, em
qo edncaeo dassica, dada sem reserva, lauca
e pomo a alma da mocidade ? O collegio
roma s tamil as meninos affectuosos e submissos,
e restitue-lbes phitasopbos pretenciosos e desdenho-
siis. A ra/.ao desta mudanca, multa vez lao perigo-
sae sempre tita triste, que a innoculacao impru-
dente dos principies da antiguidade uiudou o cen-
tro moral, em que a principio expandra-se o cora-
i j do discpulo. Faeram-no ltomano, Atheniense
ou Cretense; ee ja nao ama nstinctivamente o
sen |..iiz. juli-'a-o.
E>ta experiencia tita geral e tao frequente dos
I de familias, que llies f;u desejarem que 8608
fflhos esquecam ao nono auno una boa parle do
qui aprenderaro nos oito antecedentes, recebe da
historia urna muito decisiva e muito terrivel con-
luniacao.
lie feit, o que sao os grandes tratados de so-
cialisnw composlos no 10", 17, 18- e 19 secuta,
. senao ensaios de resiabelechnentos de taes ou taes
liarles das sociedades antigs pintadas nos livros
classicos ?
t A Utopia do chanceller Thomaz Moore nao
um Deflexo das leis e costumes de Esparta t
> A Cidade do Sed, de Campanclla, nao um re-
sumo dos sonbos de Plato ?
Telemaco, na organisago do reino de Salcnto,
nao offerece a imagem da ilh; de Creta, menos
administrada do que embrutecida pelas leis de
MinosJ
c O Telonio, deTechmja, os Tratados de Bri-
nol. o que sao senao o eco dos insultos feitos dig-
mdade humana pelo rgimen das cidades gregas ?
t E o Novo Mundo, de M. Louis Blanc, o que ,
senao a exhumadlo inconsiderada do communismo
'administrativo dos Romanos, consignado no cdigo
do Theodosio ?
A antiguidade |xps, um paiz que nao pode
ser perrorrido senao com mullas precaucoes, n's
3ue os bons espiritos voltam de l assim carregados
o ideas manifestamente. perigosas. E' para trans-
formar a antiguidade, para rectificar suas ideas,
para purificar sua moral, para ennobrecer suas
Brencas, que o chritttanismo foi pregado, e que os
martyres morreram. Impedir, pela educai^ao, o
cuniprimeiito desta obra admiravel e divina, c re-
elevar o que l)us tao manifestamente, e tao util-
mente abateu, nao seria s querer ser impo, co-
mo ebristito, seria tambera querer ser insensato
como homem.
E, pois, o problema grande, c a sua solucao
prende-se a aggravacao ou a eliminadlo desta per-
turbacao morafj que a educacao classica tem pro-
duzido na alma da mocidade. A familia, as institui-
Ses civis, os costumes'" geraes, impellem para
ante as geracoes ; as livros do collegio, como ou-
tros tantos missionarios do paganismo, pregam aos
jovens espiritos, offuscam-n'os, desvairam-n'os, e
muita vez reconduzem-n'os, como a neophytos, a
essa civilisacao do passado, deicaturonisada pelo
christianjtmo....
egrejas capitaneada por algum juiz ignorante e
grosselro, se esforea em romper todos os seus di-
ques. *
E bem trivial vermos" nos seroes, bailes, feslins
e prazeies da mesa tomar-se por texlo os actos dos
parochos, que fiis ao seu ebefe, as leis c aos gritos
d consrien'cia, se mostram menos condescenden-
tes aos homens que tem hoje o seu modo de pensar.
Nio raro ver-se a impiedade jimia a inimoralida-
de, insultar nos Iheatros a religiao, eo sacerdocio
por scenas" sacrilegas; os mscales de obras infa-
vemente encerrar nossos ossos myrrados e nossas
fras cinzas.
O vgarta, joo baptista da iiotta \-ki,lozo.
(Da Estrella do Sul.J
VARIEDADES.
AUGUSTO CONSORCIO.
Tove effectivamente lugar no dia 11 do corrente
o casamento do duque de Chartres com sua augus-
ta prima, como anteriormente arinuncimos. Cele-
RBAL ENTREVISTA.
Parece que o imperador d'Austria Urri\ urna
mes, onde o pudor c a f sao cobertos de despreso, brou-se na capella catholica jimio a Kingston com entrevista com o rei da Prussia, nos bales de
propnjarem o vicio, e a incredulidadc na officina grande apparato e numeroso concurso de pessoas Charlsbad, nos Estados Austracos,* mas que antes
do obreiro, e na cabana do pobre ; os protestantes de destineco.
abnsarem da simplicidade do nosso pbvo, espalhan-
o livrinbos dilfamatorios, onde a beresia lauca
contra o clero a injuria, a salyra e acalmnnia.
rioiisi c outros,do qual j demos noticia aes nossos
leitores.
No acto de inquiridlo a que asslstia o principal
aecusado diz-sc que o presidente do tribunal apre-
sentra urna caria, a cujo respeito o ru nao pode
dar nenliuma explicadio satisfaloria. Essa carta
era dirigida ao conde de Goyon (commandante das
'ropas fraucezas em Roma) e nella se pedia quel-
e general, em nome do comit nacional romano,
aulorisacao para una iiianifestaciio na ra do Cor-
so durante o carnaval, tendo sido a mesma carta de-
volvida a Fausti pelo general Goyon, depois'de nel-
la haver escripto de seu proprio punlio ipie aulori-
sava a manifestado at certa hora, passada a qual
enviara as suas tropas a dispersa-la.
O tribunal, como de suppor, nao uniu ao pro-
cesso nem publicou esta caria para nao comprome-
ter o general Goyon.
Sabc-se tanibeni que em casa de Venanzi forapi
encontrados e se achaiu em jioder da auloridade
romana alguns documentos que provam ijue o du-
que de Griunmont e o marquez de Lavalette, embai-
AN!?PvERSARIODOCNaLIODETRENTO. xadores de Franca em Roma, assim como o refe-
Partiu de Roma para Tiento o cardeal Reisacli, rido general Goyon, eslavam perfeitamente ntei-
acompanhado de dous arcebspos, para ir naquclla. rados de tudo o que fazia o comit romano, e que
mullos dos actos contrarios ao governo pontificio
eram autorisados, ou pelo menos consentidos, petos
representantes francezes, porque a Franca estar
em limitas cousas de accordo com o comit.
RECLAMACAOINGLEZA.
Tendo sido o representante da Inglaterra no Ja-
po assassinado n'uma das eslradas deste pajz, oxi-
ge-lhe o governo inglez urna indenmisa<;o de dez
milhocs de reales ; a execucao dos culpados na pre-
senta da oTicialdade brilaunica ; e tamliem urna
indemnisago familia da victima.
dade de mo indicar como isso poMt ser antes 4>
votar em vos
possi ser anteo
. < e entretanto cootae con a mi t
va oppajjcao da minha |rte e da dos
porque, flcae certo disto, e'u, em logante
exerc.iode Roma, querena que eftealise
f-aJnia TJC nao fosse senao para raspa
Lord ftitmtm. e prevar ro et orhi. qne me
espada da Franra guarda, est besa nar-
dano.
CandidatoMa* senbor cornte, o esnirilo nw-
ilerno. as tendencias modernas, i ineitftiili m>
derna T
CondeNao compreliendo. .
Candiil/itoSinto muito ter-vos im-ommodado,
senhor conde.
CondeEstimo milito ter lio pasto d- vosro-
nhecer, senhor.
Poderiamos nosnenr os per-ionagen*.inas noq-K-
remossi'r indiscretos.>
cidade representar o pontilice na solemnidadc do
. anuiversario secular do famoso Concilio.
IMPERATRIZ DAUSTRIA.
Lomos na Correspondencia de Espaa, que a im-
peralrz d*Austria se demorar em Kissngen at
fms de julho, e que o imperador acompanhar sua
, esposa durante alguns "das, (cando o archiduque
Regnier encarregado dos negocios do governo do
imperio.
1NTERESSES CATHOLICOS.
TREMOR DE TERRA.
disso se espera em Vienna o duque de Saxe-Co- /'cal-Overa, no.vismho remo,st-miu-seno
borgo Gotha, que vae consultar aquella corle so- d,ai1 d" *?""*! ,H,las S*809 "*.
bre os nerigps que dos a^ntecimealos da Prussia ,0 d*,Bartbaa u" crrivel abaltide ierra, quvdufou
Consta que o governofrancez fizera saber ao go- l^Vf ^^ "aia a &*&&** "a Alie- : mars le stns segundos. Manifes.ou-se con, um
4.;s u manha. ruido tao aterrador e um movuicuto tao violento,
verno iiontiflcio, que se entendera com elle sobre i n- i ... .. .
Nemapbilosopbia dosAntoninos, nemocodigo as quesl5es quo lizcm resj> 0 aos nteresses ca. ^^^^T^A.v.tn,. t* CJ^l^J^TJlZ'i^^^S^
de Justiniano, poderia evitar que os embustes e on M ak.
uegras iniquidades- dos que invocam o nomo de ^------
Deus. se despenhem em cima dos sacerdotes, como COMPILAC.O DE LEIS.
Dizem de Londres, que o lord Chanceller no
urna torrente dos Alpes, quando o gelo se descoalha |
em cima dos miseraveis, que estao descuidados mis
suas (radas. Felizmente a machina infernal esl ,
vclha. as molas reaes da virtude consumidas; e
caldudo os intriganles aos pdacqs debaixo dos
seus vicios, piocuram acabar emir tudo, e acabam
comsigo mesmo ; porque os sacerdotes collocados
na altura que Ibes compete, e remontando aospri-
meiros seculos da pgraj para bberem as fonles
lmpidas dos apostlos c dos santos padres as dou-
trinas que ficaram escirrecidas e vicia Jas no secu-
lo dcimo esnnaeqnentes, espaiham o ctaro divi-
no da luz, que cega os catholicos d credo e here-
ges dos inandanientos na sublime phrasi* do in-
mortal padre Viera. Temos demonstrado o em-
prego das miserias humanas revestindo-se de ne-
gros embastes para desconcetnar o otero ; a ver-
dade porm que quando as cidades e aldeas se
veem a bracos com as cpidemias'que derrubam nn-
merosas victimas, c onde o modo que gela os cora-
coes mais animosos, afugenla de sua rasas os ho-
mens que sao inlaligaveiscmissarios da propagan-
da anti-religiosa, os ministros do aliar, liis ao seu
dever, oceupados da desgraca publica, nao cessam
de administrar os soccorros da religiao, reunindo
s esmolas as consolacoes da f.
meara i?ma commisso de deslinctos jurisconsul-
tos encarregados de compilar c coordenar em um
cdigo todas as leis e principios de jurisprudencia
que eonslituem a legislad) vigente de Inglaterra,
que hoje tao difcil de saber.
ESTABELECIMENTOS HESPANHOES DE CRE- (destruido luden
.m DITO. saia toda para a ra* fugndo eni diferentes di-
No fin do passado mez ae mmo, o franco de i ., .
_ .. ..a^-wh reccocs, e nao se ouviam senao gritos- e lamentos,
Barcelona tinha um capital de S,.lll.o3r.C?9 pe- .. c. ^ ,
. ,., ..... n- i n.- principalmente d.-vs- mulhi*res e enancas. I'or for-
sos^deBiMo, tl.MW6W reates c 9- cent'-;luna ^ ,ouve afcwmatnenhuma'*Hgrar;, pCS-
o de Jerez, tt,-)ti,ht7,)7, o de Malaga,
VIDA DE CESAR.
Est-se impriim'ndo em Paris a Vida de Cesar
escripta pelo imperador Napoleiw. (Constar de tres
volumes, e os dous primeiros diz-se que sahirao
mui brevemente do prelo.
HYDROPHORIA.
O conselho de sade de Madrid publicou urnas
instrucciiVs relativas as mordeduras db caes dara-
naos, entre as quacs a que inais directamente -
teressa s pessoas mordidas, a seguirte :
Quando alguem fr mordido por um cao ou
oulro animal damnado, deve-, em quanto nao che-
gar o facultativo, lavar a mordedura eom agua
mos
5'J,605.04(>,33; o de Santender, 88/0)2,932.32 ; o
de Yalladoliid, 29,730,42(7,90 ; o Crdito Mobiliario
Barcelonense 4,2'i8,68t.2l>'l) pesos ; a Companhia
Geral Bilbana de Crdito, 48,323,704 reales c 78
cntimos ; o Crdito Comntcrciul de Jerez......
24,780,038,36; o Crdito Commercial de Ser tita.
43,769,09110; a Socied/ule de Crdito Valencia'
no, 73,134.622,20-, t Sociedade Gulata*, Gtral tic
Crdito, 6,869,2^639 pesos -r- a Socieilade Valen-
ciana de Crdito i Fomnto-, ii,a34,O09 reales e
os cntimos. .
soal.
VCTOR HUGO
Aquella obra, a respein de Vctor Hugo, de pie
ha pouco- fallamos e- cuja publicadta se espara
brevemente, julga-se pie escups-pela esposa do
clebre poeta.
Parece que contera una espeeie/ de memoria
ORGANISACAO ESTAT1SCA.
A Austria acaba de dar nova organisado sua
estatislica oflicial, creando una cominissuo cen-
tral de estatifica com o nresmoobjl'Cto e altrii*lic6es
que tem as commissoes da- Blgica, Hesse, Dwms-
tad, e Hespanha. Havendo-sn dividido as opiuiocs
sobre se -preforivel este sistema, ao das direccoes
de estatislica dp um s encarregado, tem agora os
parlidarlos daqivlle principio- um novo exeuipto
que citar em sen. favor, o exompte de grande ici-
portancia por se ten adoptado ero- urna das naeOes
mais competentes j no assumpto: A referida coni;
misso-fonnur ir^viamente o corrcs|)ondente pia-
da estatislica administrativa do imperio.
, i-, lilteraria dclle, com preciosas noticias'sobre a lu-.
pnma.vmagre.salmo.Fa.our.na, ou algum liquido ^ ^^ romm- fy quc foi chefe ^
adstringenle ; fimer sangrar lem a feno> liga-la
sendo possivel; e cauterisar com fogo ou caute-
rios os pontos ofendidos.
Tratemos agora da administradlo do principe
Jn egtfj Uio Grnnclcn.'c.
Os seus virtuosos actos tem sido diversamente
interpretados, negando-se-lhe, o direito de intervir
as irmandades, divisos de freguezias, confoccao
de regulamenlos, multas penitenciarias., e o que
mais, de chamar aos protestantes hereges I Se-
nao base defeitolgico provar oque ninguemne-
ga, isto aquillo sobre que sao unnimes e accor-
des o sabios de todos os paizes, poderiamos invo-
capem apoio dosdireitus episcopaes, osmaiscele-
bnes canonislas. o concilio Tridentino. a Sinodal do
imperio, as ordenaces do reino que vigoran entre
nos, e 08 avisos do governo. Ninguein ignora que
por forca da jurisdiccSo episcopal no foro externo,
o digno prelado pode fazer leis e e\ecuta-las, e
guintemente additar os conipromissos e an-
nullar as eleieoes das irmandades ; conhecer e jur-
gar dosdelictos epuni-los com penas cannicas. A
seu arbitrio (team as multas dos penitenciados, por-
que a lei nao prescreve quantia fundando-sc no
juizo prudente e esclarecido dos bispos que devem
constranger os ricos formar o thesouro dos po-
bres.
o que lem pralicado o digno prelado, que est
firme em seus principios, e persevera nos senti-
mentos que lhe inspiram doutrinas de que nao o
autor, mas que recebcu do cu em deposito. Ser
isto (rime ? Ser mister, para agradar, que elle
sacrifique suas conviccoes e affeicoes aos prejuizos
do seculo, aos caprichos da fortuna, e aos nteres-
ses de um dia ? Sera mister que para evangelisar
os povos risquedos livros sanios o termo hereges ?
A nossa egreja realmente filha da eterna saliedo-
ria c a crenca dos protestantes e obra da intelligen-
cia humana e da corruiico dos costumes.
A mesma verdade eterna chamou beresia a dou-
trina que contraria va a sua, heresia necessaria para
suj.itar os fiis a provas seguras, e accrescentar-
lhes o mrito da sua f firmada sobre a mystica pe-
dra em que se basca o espiritual edificio, fundado
por Christo. entregue a Pedro eseus successores
poslados naquella cidade eterna, onde Pedro cum-
3ERVIC.0 POSTAL HESPANHOL.
No fra do anno de 1862 hava estabelecidas
em Hispanha 222 casas de pasto para 390 leguas,
muilas poesas inditas; o um drama, cujo as- em cujo sorvico eslavam empregados 32 jxislillioes
snnpto D. Ignez de Castro. e 2016 carallos. A despeza annual do-estado com
este servco foi de 7,808,272 reales.
PRINCIPE DE SAXE-CORURGO.
A hnprensa, jornal de Vienna d'Austria, confir.
na a noticia da c hegada do principe de Saxe-Co-
burgo aquella capital. Attribue-se esla viagem
urna grande importancia poltica, dizendo-se que o
principe vae encarregado de offerecer Austria,
em nome dos outros princi|>es allomaos, o Rigar j Vjj|0l
que o Nationatcerein tinha destinado para a
Prussia.
NAVEGACAO AERIA.
Est-se constriiindo em* Madrid una machina
para navegar no ar com rumo fixo ; o seu autor
1). Jos I'isana e Pinol.
Parece que a machina reue as condices de
barco e de ave, e que por isso se chamar acebar-
co. Espera-se que estoja concluida antes do-mez de
OURO CRIST ALISADO.
Em urna mina da Transitante tora-se desco-
larlo grande quanlidade de ouro cristalisado.
seus exploradores remetieran! ao governo. um pe
MR. GIRARIUN.
Em virtude de una polmica violenta entre o
Coner duDmanche ea Presse. o redactor daqnelte
jornal, Mr. Wiez mandou desaliar o redactor deste,
Mr. Girardin, que #se recusou a acceitar o ducllo.
Os dizendo, que tndo-se batido differentes vezes na
I toa vida nao tinha agora voplade de se linter de
* novo, e que sendo o aggredido, e nao tendo feito
daco que pesa quasi urna libra, e um oulro do peso m^j., 0 qUe defender-se, lhe iierleneia a eseoiha
de quatro oncas acha-se no gabinete do instituto das armas, a escolliia a bengalla. Diz-se me este
geolgico de Vienna d'Austria: I n**0 n5 teve ''onsequencias.
------------ FALLECIMENTOS IMPORTANTES.
REAL ENTREVISTA. As ultimas noticias dos Estados annunciam o tai-
Parece que no prximo mez deve ter lugar.urna lodinenlo do general Jaekson em consequencla das
entrevista dos reis de Succino de Dinamarca. for,idas recebidas na batalha ltimamente ganha
pelos confederados. E urna grande perda para es-
tes, porque Mr. Jackson era um dos seus mais ha-
bis geni-raes, e o mais audaz de todos os do exer-
cito separatista.
IMPERATRIZ D'AUSTRLfe
Parliu para a naviera-a tomar os bembos de Kos.
singen.
SORRE A REAL ENTREVEA,
Diz urna carta de Rerlin, segundo temos na Cor-
respondencia de Espaa; que a entrevista do rei
da Prussia c do imperador dHustria, em lugar de
ser Caiisbad, como primero se disso,- ser em Is-
chl, perto de Solzburgo.
ANDA SORRE 0 MESMO OBJECTO.
Parece que os presidentes dos gabinetes de Prus-
sia e Austria acompanharo os seiis-rospectivos so-
beranos naqnclla entrevista, e que o representante
de Franca nao sera estranho s conferencias. ..
EXCENTRICIDADE INGLEZA.
Depols que comecou a guerra da Polonia, teta
ido mullos Inglezes esparecer o seu tifti* aunar
gens do Vstula ; e deiles rontam o* jarnaes es-
trangeiros differentes excentricidades.
Entre estas, refetom ulliuiamente que um Isgtez,
que se ada va em Cracovia, saira da cidade aatt
bella tarde, iiassra a fronteira de alliuia, e tt-
mira essa noute traiuniillamente ao sereno esa ana
bosque do lado de Sandumir. No oulro dia,
soltado a Cgacovia, responda, com l'xla a
de, aos que o interrogavam sobre aqudte f;irfo
quero ver se me convr a vida de insoryote.
ESTATISTICA CRIMINAL
Desde 1851 at 1861, isto no rpaco de I* an-
nos, i-'-ui os crimes em Franca diminuido 20 por
cenlo; sendo esta diminuicao progres em cujo anno voitou a cifra anterior, peto drrmn-
slancia da annexaco de Niza e Saboia. qne vte-
ram augmenur o numero de crimes subfa*>nH>*
aos tribunaes francezes. (h assassintas e ot nfan-
licidios sao crimes que diminuiram mais, setrqiie
mesmo aquella annexaco proiluzisse neltes w-
nbum augmento; mas. |ior oulro lado, as folsiurv
ces, as quebra fraudulenlas, as viotows, o at-
tentados contra o pudor, augmentaran! na pmpur-
clo de 10 a 23 por cento.
TERREMOTOS.
Tem conlindado a ha^er differentes em Hespa-
nha. Em Cuevas c sua comarca houve doze abalos,
com grande prejuizo dos edificios. Felizmente nao
ha a lamentar desgranas pessoaes.
CORSARIO.
Segimdo noticias dos Acores, tinha aportado
liba de Sania Maria um corsario americano, que se
RATICE IMPERIAL.
Lemos na Correspondencia de Espam. que, se-
gundo dizem de Paris, o imperador Napoleo fra
volar, as ultimas eleieoes, como um simples elei-
tor, e que dra o seu voto a Mr. Thiers.
FALLEC1MENTO.
Acaba de fallecer em Madrid a Sra. finquen fie
S. Carlos, vi uva. Era urna das senhoras de mais
ajioderava sem pagar dos differentes gneros ah-. oxlcnsas n\w.es de parentesco com i grandeza
mentidos que necessita.va.
SITUACAO DA IRLANDA.
Com este titulo l-se no Commereio do Porto o
seguinte :
c Segundo o relatorio do governo inglez, a ri-
queza publica na Irlanda tem declinado considera-
velmente.
t Admittindo que o valor medio da produeco
agrcola da Irlanda durante os quatro annos ante-
riores a 1860 era de 39,437,522 libras esterlinas, e
de Hespanha, da qual fonnava parte.
ANCDOTA ELE1T0RAL.
L-so no Commereio do Porto :
Falla-se em cortos circuios de Paris de um in-
fortunio eleiloral.
PEQUEAS MISERIAS DA VIDA EI.EITORAL.
Com este titulo lemos no jornal francez Le .V.uidc
a ancdota seguinte :
Em um fie nossos departamentos ceaos,
apresentou-se candidato Mr. de B., orleauisla puro;
e j se sabe, senvo carimlio oflicial do prefeito. Por
conseguinte grandes difficuldades!
Para lular, pois, contra a adminisiraciio, leve
Mr. de B, de andar de porta em |iorta, puchando
Kilo braco a unv; pondo a nido no hombro, a mitro;
prometiendo a Pedro a reforma dos imposto* ; a
Paulo um ramal de estrada,- fazendo grandes ziim-
baias ao tabernciro, como grande potencia do da;
e assegurando ao parodio jue o papa pedia contar
com elle para a vida e para a morte.
Esla tanga jornada, que alguns etevam a 140
kilmetros, indo da cidade a aldea, o- de casal em
casal, le00 um dia o aosso homeiu porla de fer-
ro de um velbo palacio, residencia habitual do com-
de ile L,, perfeito cavalheiro, mas que nopassa no
paiz per pertencer aos partidarios do justo me Que lia de fazer? Nao procurar o conde ? Mas
elle influente, e tfispSe de urna porcao de vHOB.
Se elle fosse acctesivel ? Cruel alternativa! tra!
Queni quer os fms, quer os metes, dsse comsigo o
FUNERAL DE MADAMA DK LAMARTINE.
Do jornal francez Le Sicle exiniHtnos -^guin-
tes pormenores.
Sabbado passado, os despojos mortaes de ll-
fmi de Lamartine chesrrvam a Marme. Tu a la.
milia, os funeconarios da tacalidaite rdepoia
de ojierarios esperavain na eslacao a 'Ircuh do
comboy. As 9 horas poc-Moireslilo em-nwrra.
Ao nwmt diante de Montccrm, iiropriedade *le Mr
de bmartine, *m o corte>i fnnebre delid pHj al-
dea eiTi-ps>, que- lhe san ao encontr ron o*per.-
cho a sua frente. A carruagen morluaria *te *r
liarar, lirou-se-lhe ? |anno prel< que a cwbfte. e o
|iaroch>fez ali no caniinho as alwolviees. n*-nii'
das lagrimas de todos os assistenfcs, agrteutt.'
jornaleims, mulheres e crianzas, loda aquella pu-
lir gente, que chamara a Madama de Lmmnrlme a
santa muIner. e sobre quem ella havia feito rr-
ver o cetesie orvalho da sua beneficencia.
Tornen de|>ois a por-se em marrha o cortej.
mas era sempre deudo pin-cada povoaeo pelo pe-
doso reconhecimcnio de seus habitante. Quando o
carro cbegfu vista de Milly. propnedade nato!
do Ilustre rserlptor. e que fra vendida nMaan-
mente, appareceu urna neva mnllido fie povo, qw
eslava |>osla em alas, e que rebenlou em gribts e
punto. Lgubre es|iectaculo, na verdad*, mas con-
solador ao mesmo lempo! A grande dor tiestas po-
pulaces afflif tas era o mai eloquenle lesteninnlio
d'uma vida totl de dedicat-at*. e o supremo tributo
di- um paiz agradecido. Ei-i Betmriltain. aldeaqBK
Ika a urna legua dft Saint-frii, o pavo ajuHnadn
aos lados da estrada, solleiteu e de BoucbaaiU quo acouipaaaavam o corpo, o favor
de entrar o csixao na egr-qa. em quanto se fina
tunainissa |M mo se havia de resistir a- s deSt-jos desta boa gen-
1*7
Entretallo a mnllido ^ugmentava. e ao partir
ile BeauvilhcH, -alcudia-.-" pelas sinnusidad-'S do
cndano que leva a SnMVkN/ urna massa eonv
lcta que oceupava dous kilomelros.
c Quando o cortejo chegou ao valle de Cin
d'onde se descobrem as torres do Satni-Pmnt. (
ve em toda aquella mullido unta esperte de i
moco eterifica, e os si-uipu reitrindos nwn
rana enio de lodos os peites. i>.i- alla< visiaaas
veiu ali uno. como a uiiri-i-tejTo de f.umli i
Mudattu de l/tmnrtine n'ptHisa ln>ji- t-ntre a
mae fie s<*i illusire cs|K>*n siu lilha Julia. w>jx-
zigo onde o illusire csrripU-r ->< ira um dia renair
com aqudles que mai>aniou na vida.
TELEORAPI10 SIUMARINO.
No eongresso IflagrapUca eanpn reun ja em
Paris. t apresenlado pelo i.-ngenneiro Mr. Bale-
trini ma projeeto Ae-eaao nlhmmrm para unir o
novo e oantigocoiujiienie.
Eis aqui a idea quo desse
de lle-panlia
O exame de um projeeto tte cabo sntt-marino
para unir o novo, e anlig continenlc. otta doea-
gengeiro Mr. Rab-strui, consiiiue liij>- r--principal
assimpio do eongresso tetegraaMeo starspaa, rt-n-
nido em Paris.
Aquelle st^ihor propie que sejam Cadix e Lis-
boa os jionios de partida para se separar do' *iti
nenie euro|>eu, no cutio de S. Vicente, inrando m
Maza gao e Mogador na costa occidental tte frica,
o passando pelas i I has da Madeira e Canarias.
D'ali. lomando trra as cosas afrii-ana* **
baha fie- Cintra, Argueu e TonH'mheh. passa per
S. Luiz, Cor e Cabo-Verde para ateanra; *^la*
ilhas. Deste archqK'lagu, a|>oiando-se ea au. est-
cao suhriiiarina do banco de Hannah, na*.
ilhas tta Penedo e de S. Pedro. F-rnando ie/%
nha Rocas, ateanca no cabo de S. Roqaa ai
septentrional do lrasil, onde se divid em tteti-
raiuaes. para ir reunir-se por nm lado, na I
quo desse projeeto d urj jornal
priu seu glorioso martyrlo desle centro de uni- Comparando-a com os tres
Em certo departamento un candidato que se i ,
i dizia liberal, comprehendendo a eleicSo moda candidato; cntrou; c foi rocebido com toda, a po- com a rede brasileira, e pelo oulro por Ararat),
i ingleza, trabalhava pessoalmente, e nao se des- '
> cuidava as suas excursoes ruraes de deprimir
i o seu cpncurrente e naturalmente de fazer pro-
' messas aos cleilores. O mais das vezes fazia a
sua propaganda em cabriole!, inspeccionando os po legislativo terminou a sua carretea.
- ''fes, distribuindo apertos de maos desde-1 Cowte-~Sim, senhor.
o, para se fazer bemquisto do6 donos de | CawliitatoSabis tarabem que a Franca con-
Udez.
CondeA que devo ahoiu-a de vossa. visita,
senhor ?
CandidatoVos sabis, senhor conde, qae o cor-
i ue um-1-""i" ""- *>" '"' oxercicios scgiunjej^ t casa a" ,CqUenas familiaridades e pcqueuos ser- vocada em seus comicios para odia 31 d mato '
dade parlem e dfundem por todo o universo as M. Gladstonc aclia que o dficit foi de 4,500 libras ,
verdadeiras doulrinas e os verdadeiros pastores, esterlinas em 1860, de 10,23,000 libras esterlinas
em 1861, e de 12:000,000 libras esterlinas em
1862, o qual d para a agricultura urna perda
total, nos tres annos, de 26,730,000 libras esterli-
nas, equivalente ao rendimqnto de dous annos de
toda a propriedade rural de Wanda.
Durante este mesmo periodo triennal, a emi-
gracao tirn quelle paiz 226,752 habitantes dos
mais fortes cmais validos.
que dao vida e aiio, norma e seguranca f fe-
cundada com a gloria que nos confere o divino ti-
tulo de catholicos romanos.
Em face destes vnculos indissoluveis tem-sc ag-
gredido com njusca clamorosa o virtuoso dioce-
sano aecusando-o de ultramontano, contrariando
dest'arte os votos dos fiis, dos .amigos da religiao,
dos homens moderados, e de um clero respcitavel,
que reclama em massa contra a injustica irrogada
ao seu hispo.
tempo do clero engrossar as fileteas e desper-
NOVO METHODODE DESENHO.
Invcntou em Rruxellas Mr. leudrecks um novo
methodo de desenho, com cuja applicacao qualquer |
tar da sua lethargia, e urna penna mais hbil do discpulo se torna em pouco tempo um hbil dse- i
que a nossa negrejar sobre o alvor do papel, tor- nhador. O copselho municipal daquella cidade de-
nando Ilesos os direitos do seu chefe, as preroga- terminouTjue todos os professores das escolas ele-
tivas dos sacerdotes, cadefesa do povo que |iorvin-; mentares de instruccao primaria abrissem um
culos divinos e sociaes est confiado a nossos cui- curso normal, onde se podesse aprender o dese-
vicos.
Em cortos das de peregrinaQao noten na sua
passagem alguns signaos, de adt'niraeo, quando,
au sabir de urna casa, onde tinha irritado o zeta
recalcitrante de um eteitor, viu postadas atraz
do seu cabriolet cinco ouseis pessoas na attitude
de curiosos que liam um cartaz.
Olhou e viu com espanto quo era um edital
annunciando, em letras gordas, a candidatura do
seu rival, ao qual tinha servido, a seu peiar de
agente propagandista.
i O asiago cartaz tinha sido posto pela manha
na trazeira do cabriolet por um gracejador, e o
candidato andou, sem o saber, durante sote ho-
ras, a exhibir as communas que percorrera os
ttulos do seu adversario,
t Conheeia-se o homem cartaz, porm o candi-
dato cartaz no inleresse de outro concurrente pa-
rece ser urna variedade nova I
Circuiustancia soteume! senhor conde.
ComisSei-opelo meu jornal. Mas isso importa
me pouco; euuo faco poltica, vivo completamente' da unio americana,
fra do actual sistema. As nimbas saudades o af-
C/eare Parnahiba, e varios- pontos at ctugar a
Cuianna franreza. De Cayena, tecantl'.* aa llpianna
dinamaripieza e ngleza,'em PernaiRbocu Nova-
Amsterdam. vae alcancar as Anllhas.
Atravessa as numerosas ilhas tiesto grupo, pa-
ra cliegar a S. Domingos. Posta emtaaaaaatii/
com Porto-Prncipe e Porto da Pax, eneja ana de
Cuba em Daracoa. Aprovdlando > vas trtegrapni-
cas terrestres, ha de se|virar-se para ir i Niiva-tte-
leans na Luiziana eijacar-sc com a rede decanta
ieieSes sao para outra parte.
CandidatoNao ha nada mais respoilavcl que q
dados.
Nao devemos omittir que o nosso martyr da f sen-
le urna inva alegra no meta das eontradiccSes; mas
se por tremendos juizos de Deus suecumbisse, o
clero em massa amargurado sacudira o p dos
nho segundo este novo sistema, e parece quo o re-
sultado tem sido satisfatorio.
EXCENTRICIDADE LNGLEZA.
Falleceu ha pouco em Inglaterra urna seuhora
seus"saa,to's"p*ra ^irVsabioprelado, dcxan- Que deixou em seu testamento urna somma impor-
. intiln n%tn Havo i>Anuftfllir mil iiin'lrt do-vos s a sem f, sem crenca e sem lei-, porque tanto, que deve constituir um fundo destinado aK M ,ho d.esse uma ^^ ^ documen
costear com o seu rendlmento a despeza necesaria ^ ^^
s a religiao possuc um poder asss forte sobre o
coracao do homem para corrigir os costumes, e
substituir seus excessos por hbitos de ordem, sub-
missao e virtude.
A gloriado martyrta um novo titulo venera-
cao dos povos, que jamis esquecerao as tacantes
palavras de paz, de doenra e esquecintenta das In-
para se comprar cloroformio, c ser applica#b s
rezes que se matam no consumo de Londres, alm
de nao sentrem a morte.
PRNQPE NAPOLEO.
Este principe e sua esposa sahiram do Egypto
ACClO REAL.
Lemos na Correspondencia de Espaa que a uai-
nha Isabel, sabendo os apuros pecuniarios com que
lutava o escriptor hespanhol D. Salvador Constan-
so, para escrever a sua Historia Universal, de que
se publicaram 5 grandes volumes de mil pagi*
as cada um, fez. saber ao autor que desejava ver
concluida a sua obra sem que & miseria lhe op-
primisse as ideas, e determinen que do seubolsinho
m genera O Sr. Constanzo quem
tem feito publico este fado, tao generoso como
delicado.
PORMENORES INTERESSANTES.
O mesmo citado jornal, referindo-se a uma carta
de Londres, traz os seguiates promeaores sobre o
culto do passada
CondeAt jiorquc rarCv nesle tempo. Mas on-
de queris vos chegar comilo seahrT
CanilidatoNao adivinUaes ?
CondeDe certo nao;. seris por ventura candi-
dato?
CandidatoSim, senhor; e venho pedir-vos o
vosso auxilio c a vossa protece;ao.
CondeMas vos sois orleauisla ?
Candidato verdade.
CondePois, meu caro sonhor, para miin, orlea-
nista e republicano, republicano c orleauisla sao a
mesma cousa, e cambato-os em toda a parte ouuo
os encontr.
CandidatoPorm euacpopposicao ao govemo.
Nao me levaes em cont esta prova de energa 1 E
alm disto, ha anda ura campo em quo nos pode-
riamos entender; eu sou catholico, senhor conde;
o poder temporal....
CondeSer catholico uma boa cousa ; mas
desconfio das exagcracjcs, que fazem mais mal
do que bem. Julgaes necossario o poder tem-
poral?
CandidatoEnganaes-ves, senhor conde, eu son
catholico, mas nao desses exaltados que querera
sustentar a todo o custo a oceupaco romana. 0
meu programma conciliacao.
CondeAh! Deveras! Agradeco-vos, senhor,
porque acabaos agora de me esclarecer. Vos sois
orleauisla e ou sou legitimlsta. Apezar disso tena
tal vez feito por vos alguma cousa, se podesse con-
tar comvosco na quostao romana, quo a pnmei-
ra e mais grave de todas. Como, porm, vos nao
sois dos que sustentariam em todo o caso as nossas
tropas em Roma, e jalgaes possivel conciliar o pa-
pa com a revolueSo, esperam que lenhaes a bon-
PITECS UOKEZES.
Ha gostos para tudo, louvado seja Dos. S
na, um bocado de gato cousa de grande
cao. Engorda-sc com arroz o ingrato animal, e Ha-
ta-se s mil maravilhas, nem que ftise e-meaW
per', para pregar tte|iois com elle na barriga. Men-
ino porta das casas, de pasto frequente utarim
gatos d.e|M.-nilurados. esfollados e prnofilea, aats
com a competente cabera e rauda, para saaa ea-
trar em duvida, e fazer melhor nepara na i
dos amadores.
Nao fica, |iorm, s nisto. panana os
um pratinno muito procurado.
Usara, delle tanto frescos como sal
esU-s principalmente deslinados para
E ha criadores de ratos, que. cuidant em
plicar, c ter gordinhoa.com lodo o cuidada
de garrafas de bocea larga, onde Caicas laaaai
quando as suas cacadas fr*(mm vendat
Imagine-se como afira saboroao nm pal
ratos! Conheoemos pessoas que s coca na iaa
fleam enjoadas tres das. Entretanto ta f>-
tus esto na mais alta moda, nao mas jranacc
esla idea chineza, que poden ser approvetpfia.
i
PARA QUEM NAO FOR OflNEZ.
Uma pouca de cal viva bem pisada e
com assucar espalhada nos lugares
pelos ratos, um dos metas menos
os destruir. _____
Comendo essa preparadta, morrem de ama iafi)*-
macao de estomago. Mas neceitarto ana mis-
tura se faca em proporejk) conveniente, aaas aaa
a comen, como ja acoaauatf* aueaa aaa wua aam
cautela. ^,_.,^ *
flvdtaap_______
PERNAMBWX-PYP- DE aV F. DE F. FILMO



\
V


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZSNO7JBE_J9KF4Z INGEST_TIME 2013-08-27T22:15:21Z PACKAGE AA00011611_10142
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES