Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10139


This item is only available as the following downloads:


Full Text



\
'
.

AMO XXXIX HUMERO 159.
Pop tres mczcs aflautado 5$([j)0
Por tres mezes vencidos .
0ARTA FEIRA 15 DE JDLHO DE 1863.
Por anuo adiantao..... 19$00O
Porte franco para o subscriptor.
DIARIO DE PERNAMBUCO
ENCARREGADOS DA Sl'BSCRlPQAO NO NORTE
Parahvba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o"Sr. Antonio Marques da Silva; Araoatv, o
Sr.A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Olivcira; Maranhao. o Sr. Joaqtiim Marques Ro-
drigues; Par, os Srs. Mano.-! Pinheiro & C.; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SL
Alagoas, o Sr. Claudino Falco Dias; Baha, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Po-
reir Martins & Gasiarino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda. Caln> e Escada todos os dias.
Iguarassu*, Goyanna e Parahvba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Antao. Gravat, Bezerros, Bonito. Caruaru',
Altinho e Garanhuns as trras feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro. Brejo, Pesqueira.
Ingazcira, Flores, Villa Bella,Tacarat', Cabrob,
Boa Vista, Ouricnry e Exu' as quartas feiras.
Serinhaem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrea-
ras, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
Ilha de Fernando todas as vezcs que par ali sabir
navio.
Todos os estafetas partem ao '/* dia.
EPIIEMERIDES DO MEZ DE JULHO.
4 La cheia as 3 horas, 20 m. e SU s. da ui.
7 Quarto ming. as 7 h., 3 m. o 20 s. da t. *
15 La nova-as 7 h., 28 m. e 20 s. da t.
23 Quarto crese. as 6 h., 7 m. e Vs. da t.
PREAMARDE HOJE.
Priraeira as 4 horas e 30 minutos da tarde.
Segundabas 4 horas c 54 minutos da manhaa.
-------------------------------------
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o su! at Alagas a o e 25; para o norte at
a Grama a 7e22 dcada mez; para Fernando nos
das 14 dos mezes de-jan. marc, maio. jul, set. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Paran Recife : do Apipueos as 6'/, 7, 7 /2, 8 e
8 Vj da-m ; de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatito as 6 '/2 da m.; do Caxang e Varzea s 7
da m^i> Bcmflea s 8 dam.
, ^,W!U\: I''"''1" Apipueos as :'/,. V 4 i/,. 4 i/2,
> 5JWV/2 e 6 da tarde' I)ara (,lin,la as 7 tla
manhaa e 4 /2 da tarde; para Jaboatao s 4 da lar-
ir PW'-^'^ng e Varzea s 4 '/, da tarde; para
Bemfieajte 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commcreio: segundas e quintas.
Relacao tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do eommercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DIAS DA SEMANAL
13. Segunda. S. Adelo p. m.; Ss\ JoeJ e. Esdras.
14. Terca. S. Boa ventura; Ss. Flora e Justa man.
15. Quarta. S. Gamillo de Lcls fundador.
ll>. Quinta. N. Senhora do Ca m<>: 8. Valente Ir
17. Sexta. S. Marinha v.; S. Aleixo.
18. Sal.liado. S. Rufino b.; S. Swnphorosa m.
19. Domingo. O Anjo Custodio.'
ASSIGNA-SE
no Recife, em a livraria da praea da Independencia
ns. 6 e 8. dos proprietarios Manoel Figneiroa V
Faria & Filho.
PARTE OFFICIAL.
MINISTERIO 1>0 IMPERIO.
3.* Meato. Rio de Janeiro. Ministerio dos
negocios do imperio, em 29 de maio de IN63. -Illm.
e Exm. Sr. Tenho presente o aviso desse minis-
terio de 2 do corrente mez. Iraiismittindo-mc o re-
qnerfanento en que o bacliarel Carlos Augusto da
Silveira Lolio reclama contra a ordem do tliesouro
expedida thesouraria de fazenda da provincia das
Alagas, em 14 de agosto de 1861. em virlude da
qual ol.rigado a restituir mesan thesouraria a
quantia de 5005. que recebeu de ajuda de rusto
como deputado assembla gend legislativa, visto
nao ter sido approvada a sua eleicao pela respectiva
amara.
No dito requerimento allega o supplicante o
seguinte: Io, o facto de ter-se declarado no aviso
tleste ministerio de 12 de junho de 1850 que nao
IKMlia ter lugar a reslituMo da ajuda de cusi re-
cebida pelo deputado Flix Ribciro da Rocha, por
isso que elle fallecer durante os|ireparativos jara
a sita viagem; 2", ter pedido e recebido a ajuda de
cusi na plena conviccao de ser mu dos depilados
jtelo Io districto eleitoral da referida provincia, vis-
to ter-llie sido remetu'do pela cmara municipal da
capital o competente diploma, revestido de todas as
formalidades logaes, a respeito de cuja legitimda-
de nao se suscitava duvida alguina.
Em resposta declaro V. Exc, para que baja de
o fazer constar ao supplicante, que nao pode ser
attendida a sua rcclamacao, pelas seguintes ra-
ides :
1." Referindo-se o citado aviso de 12 de junho
de 1830 a urna bypothese muito diversa, goal a
de noserem obngarios a restituir a ajuda de costo
os deputados que nao tiverem feito a viagem por
motivos iadanendetes da sua vontade, lorna-se
evidente que a sua doutrina nao pode ser appliea-
da ao caso actual, visto que agora trata-se de um
deputado cuja eleicao nao foi-approvada pela res-
pectiva cmara.
2/ A conviccao da legtinnilade do diploma, com
quanto sirva para provar qu.....leputadn receben
em boa f a ajuda de costo, na pode obstar a que
esta seja restituida aos cofres pblicos, urna vez
que tai legltimidade nao lenha sido reennhecida
pela cmara eompetente, |)ois que por esse facto o
|>ortador do diploma perde o carcter de deputado.
c conseguintemente a qualidade legal que llie da
ilu cito a indemnisacao para as despezas da viagem
de viuda e volta.
Deus guarde V.Eic.~|fnrftet de 0U*.Sr.
ministro e secretario de estado dos negocies da
fazenda.
3.' seccao. Rio de Janeiro. Ministerio dos
negocios do imperio, em 2 de junho de 1863. -Illm.
c Exm. Sr.Foi presente Sua Magestade o Im-
perador o eMm de V. Exc. n. 13, de 19 de feve-
reiro ultimo, submettendo approvacao dogover-
no imperial a deciso, pela qual decjarou ao juiz
de-paz. presiden* cina dessa capital, que o supplcnt de eleilor que
se recusara a votar para formaban da dita junta
nao devia assigoar a respectiva acta" nem ser con-
siderado como laz.n.lo parte da turma dos stipplcn-
tes, iHxleitdo ser multado pela mesma ra/.o poique
o o eleitor ou snpplenie que. comparecendo no
collegio el.itoial ou na assembla parorbial, reti-
ra-se sem aatignara acta da sua fonnaeSo.
Eo mesmo augusto senhor, tendo-se conformado
por sua inmediata resoluclo de 6 de maio prximo
lindo, com o parecer da seccao dos negocios do im-
perio do conselho de estado, exarado em consulla
de 11 ile abril antecedente, ha por bem approvar
a deeisao de V. Exc., por ser ella conforme dou-
trina c-labe lecida na legislacao cleiloral.
Deus guarde V. Exc. Mrquez de lilimln. Sr.
presidente da provincia de Sergipe.
MINISTERIO DA JISTI^A.
2.1 seccao. Ministerio dos negocios da justi-
ea. Rio de Janeiro. 26 de junho de 1863. A Sua
Magestade o Iiiqierador foi presente 0 officio em
ne Vine, consullou se, tendo fallecido em julho de
861 o 1" juiz do paz desse districto. bacbarcl Vi-
ente Joaquim Torres, passou Vmc.que bavia sido
eleilo em 4" lugar, para o 3", e se Iba compele ser-
vir neste anno, que o 3* da legislatura, ou se deve
continuar COm a vara l.eon.H'do Antonio Pinheiro.
que foni ekito em 3 lugar, e. passando a 2" pela
alteracao que houve, esteve em exercicio durante
o anno panado.
O mesmo augusto senhor. tendo em vista a con-
.sultada seccao de justica do conselho de estado de
6 de julho de 1856, c a sua imperial resolucjide
l'.i do mesmo mez e auno, houve por bem mandar
ii. clarar que por morte do i juiz de pazo 2' eleilo
jpassou para aquelle lugar e o exerceu como pro-
j.iirtaiio e nao como substituto, sul.indo por tanto
para o 2o lugar o 3o eleito,para o 3"oi", e para o4-
u suBoiente mais votado, juramentado pela cmara
municipal, na forma do art. 6* das instruceoes da-
da- pelo decreto de 13 dcdezenibrode 183oqual
ron os outros tem o direito de servir um anno,
correspondente ordem de sua votacao. Cumpre
[mis, que Vmc. entre em exercicio, e' sirva no cor-
rente anno o lugar, que lhe compete, de 3o juiz de
paz do Io districto da freguezia deSant'Anna.
Deus guarde Vmc.Ao Liii.t Vitira Cuntan-
sao do Sinii. Sr. Joao Val Guedes.
ser promovidos aos lugares immediatamente supe-
riores, sem dependencia de novo concurso. (Ait 18
da lei de 9 de setembro de 1862 n. 1,177.)
Art. 3. Os empregados das reparticoef da fazen-
da, cuja promoco a lugares de 2 entrampa dejien-
der ainda de concurso, serao examinados no segun-
do em todas as materias de que nao tenham dado
prova, sendo a approvacao ou reprovacao regulada
pelos preceitos da legisfaco vigente.
O marquea de Alirantes, conselbeiro de estado,
senador do imperio, ministro e secretario de estado
dos negocios estrangeiros e interino dos da fazen-
da, e presidente interino do tribunal do thesonro
nacional, assim tenha entendido e faca ejecu-
tar. Palacio do Rio de Janeiro. 26 de junho de 1863,
42 da independencia e do imperio. Om a ru-
brica de Sua Magestade o Imperador. Mrquez
de Abrantes.
Ministerio dos negocios da fazenda. Rio de
Janeiro, em 30 de junho de 1863. Tendo resolvi-
do dar por lindos os trabalhos da commissao per-
manente dessa all'andega. creada por aviso de o do
dezenlbro do anno passado, a datar do *1* de julho
prximo futuro, assim o communico V. S., para
seu conhecimento e devidos efleitos; cumprindo
3ne regressem para o tbesouro tanto os emprega-
os que fazem parte dola, como os quo actualmente
coadjuvain os respectivas trabalhos, que nao per-
tencerem nesma alfandega.
Outrosim, recommendo V. S., qne augmente
convenientemente, com empregados habilitados, o
pessoal da 3" seccao dessa repartieao, de modo que
consiga fazer a veri I ira cao dos despacho dentro das
primearas 48 horas, ou o mais tardar 72, envian-
do-me V. S. a relacao nominal dos empregados a
quena incumbir diste importante trahalho.
Deus guarde a V. S.Mrquez de ittraftfetVSr.
conselbeiro inspector da alfandega da corte.
MINISTERIO DA AGRKll.TI-
RA COMMERflO
E ORRAS PlRTilCAS.
DECHETO N. 3,115 DE 27 DEJIMIO DE 1863.
Axioma a inrorporarao da comjwnhia Pelotease
de Crlame.
Attendendo ao que me requeren Joao de Souza
Magalhies, e de conformidade com a minba imme-
diata resolucao de 19 do corrente mez, tomada so-
bre o parecer da seccao dos negocios do imperio do
conselho de estado, exarado em consulta de 27 de
abril ultimo, hei por bem conceder-lhea necessaria
antorisacao para incorporar urna sociedade anony-
ma com o fuu de curtir couro na cidadede Pelotas,
da provincia de S. Pedro do Rio-Grande do Sul,
sob as seguintes bases: a sociedade se denominar
compan Pelotcnse de Corfume; ser organisada
dentro do praso de quatro mezes, contados desta i
data; c lera o capital de 2(X):0005. divididos em '
mil accoes. de 2003 cada urna.
Pedro de Alcntara Bellegarde.domeu conselho.
ministro e secretorio de cstodo dos negocios d
agricultura, eommercio e obras publicas, assim o
tenha entendido e faca exacular. Palacio do Rio de
Janeiro, em 27 de junho de 1863, 42 da indepen-
dencia e do inqierio. Com a rubrica de Sua Ma-
gestade o Imperador. Pedro de Alcntara Belle-
garde.
Alho, assim o communico V. S. para seu conhe-
cimento e direccao.Communieou-se ao brigadeiro
colunia n< la ule das armas.
Dito ao mesmo. Attendendo ao que requereu
Manoel Jos Ferreira Machado, resolv prorogar
por seis mezes o prazo que lhe foi marcado por
edital dessa thesouraria para aterrar o terreno ala-
gado de marinha que possue no alinhamento da
ra da Aurora : o que declaro V. S. para seu
conhecimento e direccao.
Dito ao mesmo. Transmittindo V. S., para o
fin conveniente, a inclusa copia do contrato que
nesta data approvei celebrado pelo director do ar-
senal de guerra com os mestres pedreiros Januario
Fernandes da Silva e Antonio Moreira da Silva, pa-
ra irem prestar as servicos de sua arte no presidio ,,.
de Fernando, recommendo V. S. que me informe! ",,t', a cmara municipal do Buiqne.S. Exc.
com urgencia sobre* que propoe o mesmo director *"" P'dent na segunda parte do offleio desta data, n. 18, junto |na.ra municipal do quatriennio lindo da villa do
em original, que nic ser devolvido, com relacao j j.,Ui'la* ue pelo seu offleio de 27 de junho ultimo,
aos operarios da offleina de
S^'x^iJ^P*" .d.U- ""ZC d0 ('"UX **""> satisfacoes ao governo de Mon-
rovia hl?,^, *"*.da '',,ani ira ','v"1''"' ^ conflo ao Sr- D- Andrs Lama.- esta
1 iiSSn Maranhao buscar sua familia. negociacao. ,
OD?rSSrenrSld/nISrd STft*' ?>t,naenlo1ao' *a<>>'' "'ndo este chegado razio, ordenou o
en3KB>!!^^f5^ governo argentino que a sua esquadra usasse de
assim foi delido o vapor de guerra
' Ugas, ao passar pela ilha de Mar-
uuoe disto em Montevideo organi-
S2i3?i? $*Z*Sg&L 59 I1" Pr '? demonstracao popular na noilc de 23,
parte do coininandante do mesmo'presidio, se pro-
ceda a eiame, alim de se verificar se ha agurdente
ou outra qualquer bebida espirituosa.
Iipediente do secretario do governo.
em original, que me ser devolvido, .
c espingardeiros dqoel- lll"u,Jirado de haver essa cmara naquella data
e estobelecimento Manoel Nunes Vianna e Vicen- reun|do os seus membros e reassumido o exercicio
de suas funceyes, visto ter tido annullada a eleicao
a
em o ue Janeiro de 1861, como'constou de aviso "do
imperio de 29 de majo ultimo.
Despachos do dia 14 de julho de 1863.
te Nunes de Abreu, que tambem vao prestar seus
servicos no referido presidio.
Dito ao mesmo.Estando em termos a conta jun-
: ta em duplicata, que me foi remettida pelo presi-
| dente do conselho administrativo do arsenal de
guerra, com offleio de hontem. sob n. 67, mande V.
i S. pagar a Manoel Figueira de Faria & Filho a
I quantia de 92&130, proveniente de annuncios que
fez publicar o mesmo conselho na tvpographia do
; Diario dePernamlmco durante os mezes de abril
| juuho deste anno.Communicou-se ao presidente
- do conselho administrativo.
I Dito ao inspector da thesouraria provincial.Ao
pharmaceutico Manoel Joaquim das Trevas Mari-
nho, mande V. S. pagar, se nao hotivcr inconve-
niente, a quantia le 1393200, em que importaram
os medicamentos jw elle fornecidos para o trata-
nientodos presos pobres da cadeia de Santo Antao
que foram atacados do cholera-morbus, como se v
da conta junta em duplicata, que me remetteu o
chefe de |iolicia com offleio de 9 do corrente, sob
n. 1064.
Dito ao mesmo.V- Se nao houver inconveniente
mande V. S. pagar a Manoel Fernandes da Cruz,
conforme sohcitou o chefe de polica, em offleio de
9 do corrente, sob n. 1063, a quantia de 305000 va! Prolongando demasiadamente no interior da:
e, depois de ler percorrido as ras dando vivas e
gurdente morras, foi um magote de povo casa do cnsul
argentino, apedrejando-lhe as armas, quebraudo-
lhe os triaros c dirigindo-lhe toda a casta de insul-
tos pessoaes.
Este escndalo tinha sido consentido pela auto-
ndade, e, o que c |)eior, levava frente pessoas
3uc oceupam altos postos offlciaes e capitaes
a guarda nacional seguidos das suas compa-
nhias.
O fin deliberado do partido blanco provocar
a guerra com a Repblica Argentina, a ver se
que se procede nesse municipio para vereadores l destc PKxl 'esperta o espirito nacional, mascreio
n 5 de Janeiro de 1861. como conston de rbn ,i/. I1".' nao !era psse gosto.
Requerimento.
Carlos Eduardo Reidel.Passe portara conce-
dendo a licenca pedida.
Jos Rodrigues da Silva MelloPasse noriaria
deconformidSdecomasordenstem vgor ^ |!\^5^,^^nml ^ Cm a EKS
Baokarel Jos do Patrocinio Pereira da Silva.-! -a' "2*1 dn1 eI'l"l.';a. Argentina pois, embora
este povo tenha contribuido com alguns recursos
particulares, o governo a tem hostihsado.
gosto.
A revolucao capitaneada pelo general Flores es-
t j demasiadamente adiantada liara lhe convi-
reni complicacoes diplomticas, de modo que se
ha de procurar evitar una declarado de guerra
buscada com tanto empenho na chimerica espe-
ranca de que o Brasil tornar a prestar o seu
auxilio, com chimes dos l'ortenhos. Felizmente
sbem os estadistas do imperio iierfeitamente que
Passe portaria concedendo a prorogae-io pedida.
Paulina Maria da Conceicao.Como reouer.
EXTERIOR.
im i:\os WHIS.
28 de junho de 18G3.
Depois das derrotas soffridas pela reaecao que se
Se a revolucao tem feito progressos, e se acham
j desbaratados sem peleja os exercitos do gover-
no de Montevideo, porque tem encontrado s\m-
patnias no territorio por onde larra.
Segundo as noticia- qne temos do general Flores,
conta o seu exercito cerca de 3,000 homens em
varias divisos, que trazem desconcertados os ini-
migos.
O general Medina ficou reduzido a 600 ho-
mens, sem cavallos para mover-se.
O general Lamas est sem gente, e v-se hostilisa-
Dito ao mesmo.Afatoriso V. S., nos termos de
sua informacao de hontem, sob n. 327. mandar
pagar a Manoel Mathens Cavalcanti, conforme so-
licitou o juiz municipal e de orphaos do termo de
Ipojura. em offleio de 7 de maio ultimo, a quantia
de 8^260, despendida com o sustento de seis pre-
sos pobres que foram all responder ao jurv como
se v dos inclusos papis.
salvo aos primeiros signaes da revolucao de t0" as ,)rCas do seu commando, se pronunciarain
modo que triuniphou esta sem obstculos, orea- a fil\or (1a, revolucao, vista do que Dionysio Co-
nisando um governo provisorio entregue a nessoas [. -".''"ecla'-ou em derrota, retirando-se para
obscuras. i Montevideo. A ultima data licava aquelle depar-
0 general Penalosa, que vinha em debandada ailR,|ll weiipi"lo ir forras do general Flores,
com 70 homens, son be do occorrido, e refugiou- Deni ,1','""0 de Ta,larcmbo c todo o coracao da
i se naquella capital de provincia, laneando urna pesa-1 repblica. ....
; da contribuicao, c commettendo toda a casta de de-' A J,,llta revolucionaria esUbelecida no Salto es-
! nredacffeo Icreve mie no norle do Rio-Negro estao promptos a
offlcial da oceupa-1 M>n'L'Vdco.
io daqui o ministro Gumpre, porem, ter presente que se nao |ide
.^.ando coinsigo lres- rc|>etir o episodio do cerco dos dez annos, porque,
companhias de tropa de linha, e boje embarcou um! "f"1 I,arud ,i1"'' domina goza do prestigio que ti-
do servico da guarda naciona'l dos mumeipios "sob batalho para segui-ln. Indica islo que alguma I ,am os "'Tensores de Montevideo, nem o general
MINISTERIO DA FAZENDA.
HECBETO K. 3,114 BE 17 DE JIN110 DE 1863.
Regula os concursos para os eutpreijos do thesonro,
Ibcannrarias, alfandega*e rerebedorias. listado
ilisposto no art. i'da lei n. 1,177 de9 de setembro
de 1862. ,
Convindo harmonisar a doutrina do art. 18 da
lei de 9 de setembro de 1862 n. 1,177, que aboli o
terceiro concurso exigido pelo decreto de 11 de
mareo de 1860 n. 2.549 ]iara a promoco dos luga-
res de 3" entrela das repartios da fazenda, com
as dos arts. 5 e 6o do mesmo decreto, e 47 do de
19 de setembro do dito anno n. 2,647, ainda nao
Tevogada, hei por bem decretar o seguinte :
Art. 1." As materias exigidas pelos arts. 5* do
decreto de 14 de mareo de 1860 n. 2,549. e 71. do
de 19 de setembro do mesmo anno n. 2,647, para a
adinissao e promoco dos empregos do thesonro,
thesourarias de fazehda, alfandegas e rerebedorias,
serao divididas por dous concursos pola seguinte
forma:
g i." Versar 6 primeiro concurso sobre as se-
guintes materias: leitura, analjse grammatieal e
o thographia, arithmelica e suas applieacoes ao
eommercio, com especialidade 'reduceao de moe-
das, ilesos e medidas, calculo de descont, juros
simples e compostas, theoria de cambios e suas
applieacoes.
| 2. Tarao objecto do exame no segundo as se-
guintes : theoria da cscripturacao mercantil por
partidas simples e dobradas, c suas applicafdes ao
eommercio e ao thesouro. iraduccao correcta das'
linguas inglezas e franceza, ou pel menos da ulti-1
na, principios geracs de geographia e historia do
BrasU, algebra at equacoes do 2* grao, e pratica !
do servico da repartieao em que o empregado esti-
ver servindo.
Neste segnnloj;'onrurso para empreg das al-
fandegas o exame Tersar tambem sobre cstatistica
rommeraial.
Art. 2." Osactuaes 4" escripturario? do thesouro
entpregados da classe correspondente das the-
sourarias c oijtras repartieses de fazeada podem
imam da provi>civ.
Expediente do dia 11 de julho de 1863.
Offleio ao Exm. presidente da provincia das Ala-
gas.Transmiti V. Exc. coberto com a infor-
marn do inspector do arsenal de marinha, datada
de hontem, e sob n. 546, o requerimento documen-
tado em que a africana livre Porcina Maria da
Conceicao pede que se lhe mande passar carta de
onianriparao, alim de qne depois de ouvir o cura-
dor dos africanos e as mais autoridades dessa ca-
pital que jnlgar conveniente, sirva-se de informar
se exacto ter essa africana, como allega, presta-
do servicos ao particular Manoel Ribeiro da Silva,
ah residente.
Dilo ao brigadeiro eommandante das armas.'
Tendo de partir para o presidio de Fernando, no'
dia 14 do corrente. o vapor Mamangnape, da com-'
panhia Pernanibueana, recommendo V. Exc. que '
providencie para que os objectos, pregas e senten-
ciados militares, que se'destinam aquelle presidio.'
embaraen) com a necessaria antecedencia.
Dito ao mesmo. Deferindo o requerimento de
Thomaz Jos da Costa e S. sobre o qual versa a
inforinaeo de V. Exc, de 4 do corrente, sob n.
1 is.', o antoriso mandar dar baixa do servico
militar ao soldado filho do supplicante, l'lisse.s
Franklin da Costa e S, visto ter elle se alistado
voluntariamente no segundo batolbo de infantaria
sem o consentimento paterno e ser de menor iilade,
segundo se v do documento annexo ao citado re-1
queriinento.
Dito ao mesmo.Pode V. Exc. mandar passar
escusa do servico ao soldado do quarto batalho de
arlilharia a p Manoel Theotonio Guedes Madurei-
ra, aceitando o paisano Sebastio Joaquim Barbosa
que elle oflerereu para flnalisar o lempo de servi- \
co que lhe falla, visto estar o substituto as con-
dicoea do regulamento de 28 de setembro de 1859,
segundo V. Exc. declarou em seu offleio n. 1227,
de 10 do corrente.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. Exc. de expedir as
suas ardeos para que a disposico do eommandan-
te do corno de polica seja posto um outro calceta,
alim de substituir o de nome Joao Marinho de
Mello, que achando-se empregado no servico da
limpeza do quartel daquelle eorpo foi posto em li-
berdade por ter linalisado a sua sentenra, segundo
consto de offleio do eommandante do m'esmo corpo.
datado 8b hontem, e sob n. 272.Communicou-se
ao eommandante do eorpo de polica.
Dito ao mesmo.D V. Exc. as suas ordens pa-
ra que sejam recebidos no hospital militar, c con-
venientemente examinados, os medicamentos que
serao para alli remettidos no dia 13 do corrente
|ior Luiz Leopoldo dos Guimaraes Peixoto. a quem
foram elle- comprados pelo conselho administrati-
vo, com destino pnarmacia do mesmo hospital.
Dilo ao desembargador provedor da Santa Casa
da Misericordia do Recife.Attendendo ao que re-
quereu D. Maria Balme de Moura Mattos, antori-
so V. S. mandar entregar a supplicante, nos ter-
mos de sua informacao de 10 do correte, a sua
aflibada de nome Joanna Florencia Sarment, edu-
canda do collegio das orph.as.
Dito ao Dr. chefe de polica. Tendo de partir
para o presidio de Fernando no dia 14 do corrente
o vapor Mamanguaqe, da companhia Pernambuca-
na, recommendo V. S. que providencie para que
os sentenciados que se destinam aquelle presidio
embarquem com a necessaria antecedencia.Offl-
ciou-se neste sentido ao juiz municipal da primeira
vara.
Dito ao inspector da Ihesooraria de fazenda.
Recommendo a V. S. que, se nao houver inconve-
niente, mande pagar ao pharmaceutido Manoel
Joaquim das Trevas Marinho a quantia de 31^200
despendida com o tratamento do rabo Antonio
Jos Guedes e soldado Antonio Francisco Castrioto,
que falleceram do cholera-morbus na eidade de
Santo Antao, segundo consta da conta junta em du-
plicata, que para esse fim me foi remettida pelo
chefe de polica, com offleio de 9 do corrente, sob
n. 1064.
Dito ao mesmo. Autorisando nesta data o bri-
gadeiro eommandante das armas faaer a despeza
necessaria com o transporto de urna, ambulancia
preparada para o destacamento da villa (Jo Pao do
cao a gaz, provideni
concertado o canno
guarda do hospital mil
luz precisa.
Dito ao eommandante superior da guarda naci-1 Apenas se teve conhecimento
nal de Olinda e Iguarassu. Parecend plausiveis cao de Cordova pelo Chacho, salii
as ponderantes feitas por V. S. em seu offleio de 7 "n toem para o Rosario, leva
do corrente, a bem da disciplina e reglaridade
do servico da guarda nacional dos municipios sob ua-
seu commando superior, acabo de reconimendar cousa niais s,1ra receia.o governo, apesar de! '"rc>rep resenla o que representa va o general Oribe
ao capilao do porto, nao s que se presto a minis- andarcm mais de 3.1X10 homens a perseguir a!a \m}u'. "'''!'" exercito argentino. Apesar de tudo,
trar a V. S. as nrormacoes exigidas em o citado gnerrilha : se devenios estar pelas participarles do' l'"nci|ou ja a Reforma Pacifica a escrever gran-
general Paunero, devem a esta data have-la exter- fles art'gos para demonstrar que se trata de por
minado. t'111 execucao a idea dos Estados-t'nidos do Sul, mas
Os peridicos publicaran! a correspondencia lo- ''u,; se Pdc asegurar que. a existir esta idea na
cabeca de alguns Orientaos, nao sao estes por certo
dos que maiiejaiii a revolucao.
O governo de Montevideo expedio a seguinte re-
solucao com data de 23 de junho :
Tendo chegado esta manhaa ao conhecimento
do governo da repblica. |ior participaco dos seus
agentes em Buenos-A y res. que o vapor de guerra
nacional General Artigas foi detido as aguas do
Uruguay pela esquadra argentina, e considerando
Promettem-se aijni nomeacoes mandadas pel<
governo. e bem assim deinissdcs ; mas quem livt-i
lido as repetidas circulares publicadas obre libpr-
dade de voto, nao peder acreditar que o miale-
rio desminta por actos seus pala^Tas suas too repe-
tidas.
No meio da lula, porm, devo dizer-lhe. tem con-
servado completa neutralidad'.' o presidente e o
cnife de polica da provincia, o que se tem agrada-
do a uns, desgosta a outros que estao arustuna-
dos a ter as autoridades instrumento- de sua vuo-
todc.
Se continuarem como al aqu, a provincia ka ie.
fazer justica s duas autoridades, qoe lo bem
cuinprem seus deveres ; assim iiiiilassero setfexem-
plo certos commandantes de corpos e rhefes de re-
partifoes, que |wuco se lem embancado com as
ordens do governo.
Basto de eleicoes c passemos a outros (actos.
Apezar de todas as pesquizas e diligencias feitas
|ielo chefe de Milicia, nao foi p.-ivel oVsrobrir o-
autores dos ferimentos feilos no major Jardiin. qu.-
est felizmente livre de perigo.
Venancio de Oliveira, acensado por ter mor..
aquellas innocentes erianras no Rolante, nao en-
trn em julgamento no jury de Santo Antonio,
porque o juiz. enlendeu que eram precisas nova-
diligencias. Venancio adiase recolbido cadeia
desta capital.
A cantora Manzini. que aqni se achava, aea-
liou o seu contrato c ficou a('iias urna outra 4e
nome Bedei, com a qual continuamosc.iperlanuV
ricos, que tem tido ilimimiii-.-ima cimcnrrearia,
o que dar em resultado a reliraila d.-sies artistas,
entre os qnaes ha alguns bons, especWMgfej o ie-
nor Balarmi.
O tempo tem corrido nessimo, militas chavas e
muito fri, o que vem atrazar anda mais o estad"
Bnanceiro da provincia. iui|iediiido o movimen'o
commercial, que j era |hiiico.
Reeominenio ao Sr. ministro da justica algun-
artigoi publicados no Corren, I,, Sil pelo ex-juiz
inuuicipal da Cruz-Alta, panana sao dignos ib- -.
rem apreciados, quando se tratar de recondiai-l.
Nada ha mais que mereca dizer-lhe. e |>r i
at o segunde vapor.
_ em o citado
ollicio. relativas as alteracoes qne se lenha feito na
relacao dos matriculados naquella repartieao, an-
nexa ao offleio do mesmo capilao de porto," de o de
novemhro do anno prximo passado, desde esta
data at o presente, por se ter concedido ou ras-
gado matriculas aos individuos moradores nos re-
feridos municipios, mas tambem que contine a
conimnnicar directamente a esse commando supe-
rior quaesquer alteraeoes dessa natureza, sempre
que ellas tiverem lugar : o que declaro V. S.
para seu conhecimento. e em resposta ao seu su-
pracitado offleio.Offlciou-sc nesle sentido ao ca-
pilao do |iorto.
Dito cmara municipal do Recife.Recommen-
do a cmara municipal do Recife, que tomando em
considerarlo o que representa o brigadeiro com-'
mandante das
mada a um offlcial que o general Penalosa enviare
junto do general L'rquiza, e nella diz o caudilho da
reaecao'que tem 1,000 homens de infantaria e 500
de cavallaria. e lhe |iede armas, o que deixa presu-
mir que exisie a inteligencia que a opiniao publica
attribue aos dous.
Em Mendoza houve um pequeo motim da guar-
da nacional qne guarneca o forte de S. Raphael.
mas foi inmediatamente sulfocado pela forra de
linha.
as demais provincias reina a maior Iranquilli-
dade.
A questao econmica Iraz preordinados os espi-
js as regidos offlciaes e fra debas. O gover-
armas, em offleio de 9 do corrente, rito
sob n. 1.214, providencie como for conveniente, para no nacional subnietten ao congresso um projecto
que se d eseoamento s aguas lluvaes que exis- chamado de bancos livres. com o (ni de dar valor
lem estagnadas as ras dos Pires, Destino e Fia- aos ''lulos da divida nacional, Foi este projecto
cao, as proximidades do hospital militar. .assumpto de calorosas discussOes na imprensa
Dito ao juiz de paz mais volado da freguezia de e n0 parlamento, mas infelizmente passou em
Garanhuns. Ficando inteirado pelo offleio que geral> (lue fea Que as oncas subissem a
\ me me dirigi em 15 de junho ultimo, de se haver, *>9-
concluido lodos os traballios da junta de qualilica-1 governo provincial pela sua parte submetteu
cao dessa freguezia, tanto da primeira como da se- ja consideracao da assembla provincial um projec-
gunda reuniao, no prazo marcado na le regula- to 1ue ,cni merecido a geral aeeitaeao do commer-
meiitarile 19 de agosto de 1846, tenho a dizer-lhe ; rio Iflo seu alcance moral. Considerando-o de
imiwrtancia, aqui o transcrevo para poder ser devi-
que me remella com a possivel hrevidade a copia de
que trata o art. 21 da referida lei.
Dito ao juiz de.paz mais votado da freguezia do
Ex.Podcndo acontecer que na occasiao de ir-se
proceder a eleicao dessa freguezia no dia 9 de agos-
to vmdouro, scnopossa fazer a-chamada dos ci-
dadaos quahicados votantes, por qualquer circuns-
tancia que se d, em relacao a sua qualificaco, re-
mello de prevenco Vmc. urna copia autfientica,
exlrahida da que existe na secretaria do governo,
alim de servir na referida elcigao, se por ventura
vier ella a ser necessaria.
Dito ao delegado de polica do Limoeiro.Pelo
offleio que Vmc. me dirigi em 7 do corrente, fi-
quei inteirado de que a epidemia do cholera-morbus
tem declinado nessa comarca.
Dito ao delegado de polica de Nazareth.Intei-
rado do contedo do seu offleio de 6 do corrente,
tenho a dizer em resposta, que approvo a delibera-
cao que Vmc. tomou, de chamar a servico de desta-
camento, seis guardas naeionaes do batalho n. 18
de infantaria desse municipio, alim de coadjuvar as
pracas de primeira linha ah existentes, por se acha-
ren quasi todas doentes.-Communicou-sc ao ins-
pector da thesouraria de fazenda.
damente apreciado.
i Art. 1. A provincia de Bucnos-Avres reco-
nhece como divida publica exigivel o papel moeda
toncado circulacao |ielo banco e casa da moeda,
e pagar una on^a de ouro do peso de 27 graos 875
millesimos e de lei de 21 quilates por 400 pesos da-
quelles bilhetes.
Art. 2. Renuncia a mesma provincia solem-
ninlente o direito de fazer novas emissoes deste
papel; e fica absolutamente prohibida a circulacao
dentro da provincia de toda a especie de notas "de
outros bancos pagaveis ao portador e visto em-
quanto nao estiver retirado da circulacao o papel
moeda.
t Art. 3.# Fieam especialmente afi*ectos,ao paga-
mento do papel-moeda de Buenos-Ayres :
1." O capital do banco.
2. Os lucros.
3. Os direitos addicionaes e 10 % sobre os
direilos ordinarios da alfandega, que o gover-
no da nacao, em virtude de leii* preexistentes,
entrega effectivamente ao banco para amortisacao
do papel.
4. O producto da venda das trras publi-
cas.
t Art. 4." As sommas destinadas queima seeao
recebidas em ouro e destinam-se a augmentar o ca-
autorisado a emittir
que tal acto injuslilicavel conslilue um attentado
contra os direilos e dignidade da bandera da na-
cao; tendo este estado sobruvindo quando o gover-
no da repblica discuta com o argentino, liado em
que nem a honra nem odeverdeste lhe permittiain
apnenar para as vias de fado antes de esgotada
a discussao, e sem preencher os preliminares quo
sempre devem preceder os actos de hostilidadc en-
tre povos e governos christaos e civilisados; o da
repblica em conselho de ministros resolve : Fieam
interrompidas emquanto se nao reptuerem as coli-
sas no estado m que estavam antes do referido
faeto, as relacoes olliciaes entre o governo da rep-
blica e o da confederaco argentina. Com a rubri-
ca de S. Exc.Joao Jos Herrera.Silvestre Sien-
za.Luiz de Herrera.Joao J. Blanco.
A demonstracao de 23 encheu de consternacao
a popularan de Montevideo, que nao eslava acos'tu-
RIO DE JtMIBO.
26 de jnnhii de 18S3.
S. M. olinperailor, acouqianhado dos sens sema-
nario.-, dos srs. ministros da marinlia e da guerra,
bario de Tamandar, general Cabral e inspector d
arsenal de marinha, embarcou hunteiii. as 9 ''; ho-
ras da inanba, naquelle ai-, nal. e visitn as for
lalexas de Gragoat, Armaeoe Viltogaignon. assis-
tindonesla ultima, ao exercicio de ar.filiara *>
alvo.
As 3 horas e 10 minutos da tarde regressoo. Sua
Magestade ao arsenal, de onde logo retirou-sc.
Por decretos datados de 30 de maio foram r.'im>-
yidos:
Oencarregado de negocios do imperio no r>io
de Italia. Folippe lote Penara Leal, no ranrier
de ministro residente para a repblica Argen-
tina.
U addido de 1- classe Icgacio na Prussia. An-
tonio Rodrigues Fernandes Braga, no mcanwrarac-
ter para a repblica Argentina.
O secretorio da legaran imperial na Austria. Cae-
tano Maria da Paiva Lopes Gama, no rararier I
encarregado de negocios pan a republii-a d.. Para-
guas.
Demittidos:
O addido de i1 classe legaco nqierial era lflB>
dres, Eduardo Gallado.
O addido de 1* classe a I.L'aio imperial na Gm-
l'ederacao Helvtica e oulro- EslMH da AJhsnsaftn
Manoel Joaquim deAzevedo Avellar.
Exonerado :
A seu ]>edido, conservanilo as lionras <\>- iinttl
rio da legacao, o addido de 1* classe lev'.ni.im-
perial na Prussia. Rodrigo l)el|>him Perrira.'
Na puhliracao dos despachos deste mmtte
l'eila no dia 1(1 do mez lindo. saMpaa a declararan
de que licava supprimida a l.-^a.;,i.. iin^Tial no-
reiuos da Suecia e Dinamarca.
Por decreto de 6 do corrente foi nornead i" r-
rergiao do corno de sadde daanuada Dr. Amonio
Duarte da Silva.
Entrou hontem arrilwda, com agua alierto a ter-
ca ingleza Mane llenzelle, que saliira de Shhl.l-
coin destino para l'oint Galle. Vieram a sm bonto
as tri|Kilaces dos seguintes navios apristonadu-
lielo vapor confederado Alabunu :
Capilao Salsbury e 11 homens da barra ameri-
cana Conrad. que foi lomada a 19 do corrente. i
armada em guerra, indo de Montevideo para Nova-
York, e achando-se em lat. 25" 44 S. e long. 3951.
Capilao lioward, 21 |iessoas de bordo e 5 paasa-
inada a essa- elfervescencias populares, que prepa- geiros da galera norte-ainerica ^-f mi ni. im.-inia.to
raram a sanguinolenta tyrannia de Rosas. a5do corrente em lat. 14" 4 sul c Ion-. :i4- 7. se-
O mmistro da guerra expedio una circular aos guindo com varios geueros de Nova-Y.rk para
'Pili. li'n, Ill'.lllt lllll.lil -L I..HI. OL ,1,,.. m.tn.t ,l,i.. .ll.1 ..1
peridicos prohibndo a censura dos aetos doselie-
fes militares, e recordando aos editores que o povo
se acha debaixo do imperio da lei marcial.
(Jornal do Commercio, do Ria)
INTERIOR.
Dito ao gerente da companhia Pcrnamburana.
Pode Vmc. fazer seguir para o presidio de Fernan-
do o vapor Mamangnape, no dia 14 do corrente, fi- -
cando certo de que nesta data providencio no sent-' pital do banco,
do do seu offleio de 4 deste mez. Art 5. Pica o banco .
Portara.Os Srs. agentes da companhia brasi- notas ao portador e visto por urna importan-.
letra de paquetes a vapor, mandem dar transporte cia igual sua. reserva metalliea em caixa, nao'
ate a corte, em lugar de proa, se houver vaga, para podendo ellas ser de valor inferior a una onea de! fluencias que em 1860 se empcnlkiram pelo Dr.
passageiros de estado, no primeiro vapor que seguir ouro. Cunha.
para o sul, a preta Thereza Maria de Jess Rodri-1 Art. 6. Apenas o banco reunir o capital suffl-1 Quem val bem A Dr. Amaro, que nesta poca
gues, que consta ser desvalida. | cente far a conversjko do papel-moeda em bilhetes tem a rara felicidade de ser querido por todos :
Dita.Os Srs. agentes da companhia brasileira pagaveis em metal ao portador e visto, a r&zao de: verdade que S. S. liberal, e que todos ahi o sao,
de paquetes a vapor, mandem dar transporte at 400 pesos por onca de ouro, operando sobre a base! apezar de se guerrearen!, e de tal modo que ainda
S. PEDRO DO SIL.
Porto-Alegre, Io de julho de 1S63.
Pobre, muito pobre de noticias como esta ultima
quinzena, a nao ser a eleicao, nenhum facto impor-
tante se deu que mereca ser noticiada
Como, porem, nao quero deixar passar vapor sen
escrever-lhe, dir-lhe-hei alguma cousa, ainda que
ponen,
O barao de Porto-Alegre chegou anle-honten a
esta capital depois de ter-.-v demorado em Rio-
tirande, Pellas, Jaguarao e Norte. S. Exe. ahi
esteve combinando com os seus amigos a chapa,
que ficou composta do baro de Man e dos Drs.
Amaro e Pinheiro Machado, a mitra ser composta
do mesmo Dr. Amaro e dos Drs. Silveira Martins e
Flix da Cunha, chapa esta sustentada pela- in
Macei, por conta do ministerio da guerra, no vapor de urna reserva em caixa de um terco ao menos da
que se ^espera do norte, ao cabo de esquadra do 7o sua circulacao.
batalho de infantaria, Faustino Joaquim da Rocha I Art. 7. Fica o governo da provincia autorisa-
Lima, que segu para Tacarat por aquella provin- do a negociar fra do paiz um emprestimo, cons-
cia.Communicou-sc ao brigadeiro eommandante tituindo principal devedor o banco, com a condicao
das armas. ; de submetter o contrato approvacao da legisla-
Dita.OSr. gerente da companhia Pernambuca- tura. Ter este emprestimo por im nico exclu-
na, mande dar transporte para o presidio de Fer-: sivo augmentar o capital do banco para fazer a Mi-
nando de Noronha, por conta do ministerio da guer-1 versao do papel-moeda.
Art 8. CommuniquG-se, etc.
O governo nacional, que, segundo parece, se pro-
punha usar do crdito da provincia *> Buenos-Ay-
res com fins mui diversos, fez no eongresso alg-
mas declaracoes, pelo orgaQ do seu ministro da fa-
zenda, que provaveiniehtMtfflcultaram a operacao,
o que veio interrompe um tanto a entente cordiate
que exista entre $ duas autoridades, nacional e
provincial.
I"'- do aprisionamento do vapor argentino
ra, ao contra-mestre da offleina de espingardeiro
Manoel Nunes Vianna, c ao soldado da companhia
de artillos, Vicente Nunes do Abreu.
Dita.O presidente da provincia, attendendo ao
que requereu Carlos Augusto Carneiro Monteiro,
resolve conceder-llw licenca' para ir ao presidio de
Fernando, tratar de negocio de seu particular inte-
resse, no hiato nacional Seiyipano, que para alli
segu.
Dita,0 presidente da provincia, tendo em vista
o que requereu. o guarda-mr da alfandega desta
Salto e
do sequestro de algumas armas, entre as
bbangay.
. 28
t Sr. ministro da fazenda visitou hontem de n*
vo a repartieao da alfandega. e depois de otar rom o
Sr. conselbeiro ins|K'ctor no seu gabinete. |wmnvu
S. Exc. a sala do expediente, demorando-se na tel-
ceira seccao e no archivo.
Consta-nos que S. Exc. va i dar por linda a rcm-
niisso permanente que alli funeciona.
Sabio hontem para Montevideo o vapor de |
Jequitinhonha, que vai fazer |>artc da nossa ei
no Rio da Prata.
l.evou a seu bordo o Sr. Joao Alves Loarn,
nomeado por decreto de 30 do passado miaslro
residente do Brasil na Repblica Oriental do Uru-
guay.
29
Por cartas imperiaes de 26 do crvente (orara
naturalisados culailn- hrasileiros os sahriMos por-
tuguezes Manoel Marque- as News. Loto e Jos.
Francisco, de Castro.
Por decretos do mesmo dia fot nnmeadtt cora-
mendador da ordem de S. Bento. de Avia, era con-
formidade do decreto n. 2.77M ite ) de abril de MM
o clk'fe dedivisio da armada nint-elbciro Joaimim
Ray mundo de Lamare. e concedida a merr do ti-
tulo do conselho aos drscmbargailurt-s Joo Joaqn
da Silvae D. Francisco Uallhaar da Silveira. entr,-
inesideiite da relacao d Pernambnro, e aqnelle 4b,
da Babia.
ha dias esrrovou no Mercantil o Dr. Cunha um
grande artigo contra o barao do Porto-Alegre, sus-
tqgftyjda que elle nao. tinha habilitocoes para chefe
de par ido.
Em todo o caso, venen quem "vencer, ganham
sempre os liberaos, anda quo cada um delles seja
a seu modo.
Quanto ao primeiro districto, o trabalho acti-
vissimo, de um lado o Dr. Flores, o barao de Porto
Alegre e o tenente-coronel Felippc Nory, de outro
os Drs. Bello, Mendonca e Sayo.
Aqui felizmente a guerra nao ontre os liberaes.
porque os principios dos tres ltimos sao muito co-
nhecidos.
Tudo est em campo, empenham-se tis ltimos
esforcos, esquecem-se antigs odiosidades o con-
gregam-se todos para conseguir o desojado resul-
tado.
Seria loucure aventurar juizo sobre o resultado
da eleicao ; mas a julgar pelos clculos feitos. de
Por decretos de i* e 26 do corrente :
Foi nomeado o baclwrel Manoel da Silva llnlra.
juiz de direito da comarca de Tacarat, d Ia en-
trancia. na provincia de Pernainbnro.
Foi declarado sera eueito o derroto ib? de man
deste anno, pelo imal foi nomeado o barbare! Hen
rique de Souza Lima juiz municipal e de orphaos.
do termo de Maracas, na provincia da Babia.
Foi designado o cstado-maior comraaSMn sn-
leror da guarda nacional do municipio d Mar d.-
Hospanha, da provincia de Minas-Orraes, para ser
aggregado o capilao secretario geral do eeraantad
superior do municipio de Itabire, da asnean pro-
vincia. Jos Pereira Lopes 'uimaries.
Foi reformado Fraaeisco Beaerra Caralcaate P>>-
cha Maracaja. major da antiga guarda nacional da
provincia do Rjo Grande do Norte, s meraaa
posto.
Portara nomeando Carlos Damasceno Machado
para ajudante da agencia do corre de Arax, ni
capital, Carlos Eduardo Reidel, e bem ajsinioqne opjdes foram tomados as que este governo mandara um e outro lado, ambos sahirao victorioso* o que Minas.
esle respeto inforraaram os ehefes das repartie,oes, ^n M capijani^ 0 i]torai) ,j0 que to(j0 ^ dei! lhe assepro nao ha de acontecer. J dem nomeando Joao Loureno Ae










^
w
V
tara o lugar de judantc da agencia de Qaeliu, em
Mam
dem nomeando Theodor* Honorato fttmealves
para o lugar de ajudante da agencia do Patrocinio
em Minas. ^^
dem orneando Mclchiades Ignacio da Simpare
o lugar de agente do correio do Joazciro, ua Balita,
por exoneragao de Jos Ignacio de Alhernai.
dem nomeando Joao Evangelista de Me para o
lugar de ajudante da agencia ^'eiroi B*a'
vago por demissao dad a Maaoel Alfonso dos
"Tdm mandando. restateterer aagenc'a do cor-
reio das Cachoeiras, no Espirito San.
S M o Imperador, prevalido o distincto artista
Doriuiiiox Ranhael Jos Croner o prego que daao
sec reeonltecido merecimento, mimoseou-o com um
rteoalliiietc de brilhante.
Este mimo, que sera duplamente grato ao i>r.
Croner pela augusta mao que o enva e por ser a
expressao mais favoravel de un juizo esclarecido,
foi acompanhado da seguinte carta, datada de 27 do
correnti': -M
. S. M. o Imperador, querendo que o Sr. Croner,
conserve urna tembranca do aprego que o mesmo
augusto senhor fe* do seu merecimento artstico,
difiuon-sc ordenar-me que lhe cntregasse o alfinetc
de brilhante que acompanha esta carta.
Cumprindo esta imperial ordem, dou-lhe os pa-
rabens por esta distinego.C- eonselheiro mordo-
mo da casa imperial, Paulo Barbosa da Silva.
A corveta NUherohy novo vaso de nossa marinha
de guerra fez taontem a primeira viagem de expe-
riencia.
Ao meio da, depois da missa, sahio do fundea-
douro dos navios desarmados e seguio para o poco,
passando pelas ilhas do Governador, Mncangue e
Bom Jess. Experiinontando-se a velocidade da
corveta movida pelo vapor, achou-se que era de 7
at 8 milhas no mximo.
Estivcrana bordo os Srs. ministros da marmita,
vico-almirante bariio de Tanvandar, inspector do
arsenal de marmita, encarregado do quartel general,
(befe de dfrlsao Valle e sitas familias.
A corveta fundeon no poco, Anda a experiencia,
1 V, hora da tarde, sendo cnto offerecida pelo
respectivo commandante urna refeieo s pessoas
prsenles.
O Sr. D. Juan Blanco del Valle, ministro de S.
M. M. Cathelica nesta corte, entregou no sabbado
27 docorrente S. M. o Imperador as insignias ta
real ordem de Damas Nobles de Mara Luza, que
a rainlta de Hespanha confei o S. A. Imperial a
Srarprmceza D. Leopoldina.
O distincto artista portuguez Artltur Napolco
meixveu tambem do S. M. o Imperador un pro-
va de apreco Igual i conferida ao seu irmao de
arte Baphael Jos Croner. Este presente, cujo va-
lor intrnseco fica a perder de vista do que deriva
da augusta mao d'onde vom, foi acompanhado de
una carta em tudo igual que hontem publi-
camos.
1 de julbo.
L--sc no Minas Geraes do Ouro-Prcto de 2o do
passado :
No municipio do Grao-Mogol acaba de dar-sc
um tacto da maior gxavidade.
Eis como refere o Dr. juiz dedreito :
Nodia 20 do corrente mez parti para essaca-
pitalo sargento Joao Jos Pedrosa, ex-collector
das rendas jtrovncaes, levando em sua compa-
. nbia um cantarada de nome Justino, e mais urna
nnillier com um menino, e o soldado Candido,
que ltimamente veio com o sargento Branilao.
Na distancia de una legua desta cidade a dita
mitlher rom as pessoas referidas tomou o cami-
rio do ('alho, e Pedrosa seguio a sua viagem
com o cantarada Justino.
i No dia 24 do dito mez chegou Pedrosa a esta
cidade, seriam 5 horas da tarde, procurando lo-
go o delegado c subdelegado de polica, eontou
que o seucamarada Justino tinha sido assassina-
do por um hoincn desconhecido, tendo elle m-
lagrosamente escapado de morrer. Passando a
narrar o acontecimento, disse Pedrosa que, cs-
lando arranchado no mato, appareceu-llie um
honient desconhecido, armado com unta pistn
de dous canos, pedindo-lhc alguma cousa para
comer, c dizendo que eslava em viagem para
' Itacambira ; que elle e o seu cantarada deila-
ram-se, depois do terem conversado com o das-
conbecido, licando este sentado junto ao fogo.
Disse mais que alguns momentos depois, ouvm-
- do a detouaco de um tiro, e lovantando-se. vio
que o deseoiiheeido tinha disparado a pistola em
seu camarada; que elle Pedrosa, aterrado pelo
assallo, |toz-se acorrer polo mato para |tedir soc-
" corro a un vsinho, tondo levado pelas cosas
um tiro, que lite foi disparado pelo dcsconlicci-
do. porm que nao chegou a offende-lo.
Finalmente disse que no outro dia vollando
pela nianhaa ao lugar do acontecimento com o
inspector de quartero c mais pessoas, encon-
i irou o seu cantarada morto com urna bala na
- cabeca, e as sitas satos arrombadas, taltando-
lite a'quantia do tros contos e tanto, que levava
para entregar mesa das rendas.
. Pelas fi horas da larde tive noticia do aeonte-
' cimento, e parecendo-me inverosmil o modo por
- que Pedrosa referia o facto, e vendo tambem
que elle nao tinha necessidade de arranchar-se
no mato, porque havia rasas em pequea ds
tanda, e jior oulras eonsideraooes suspeilei logo
. que lalvez fosse elle o proprio autor do ssassi-
- talo, simulando um roubo para justificar-so pe-
ranlc a mesa das rendas por algum extravio dos
dmheiros a ^w earge
i Como en sabia que o delegado acliava-se in-
ooinnuxlado. entendi-me com o subdelegada com
que Pedrosa tinha estado, e determiMMne qoe
- quanto antes mandasae prende-lo, proeedendo as
- iiiiiiMimiin u.lagacOes para deseobrimento da
verdade.
Xessa inesina noile foi cercada a casa em qua
uinte pela

Alario de fternaatbu** QfmUrt Vira i t Jnlho de isas.
- -i r. i
-' r1..
9(^rWltrlT
lezadaPraiaV
ronnbto, o
^fcjBililaida (orla-
cliegou s 9 horas da
lelo Sr. ministro da
guerra, commanahte CoBEiaes da fortaleza, as-
sislio aula de primeira cadeira do 2 anno e as
de naihemauc elementar e de grammalica por-
tugueza do novo curso preparatorio. Depois diri-
gio-se Sua Magcstade i batera, onde os alumnos
e pracas do balalhao de engonheiros flzeram exer-
ciclo de artilharia ao alvo, sob a direccao dos res-
pectivos instructores, passando entio a aula de es-
grima, onde exercilram-sc ne jogo de espada.
A i V bora da tarde retirou-se Sua Magosta-
de, depois de ter oovido a nina praca do balalhao
de engenheiros, presa para ser sentenciada polo
crime de desercao.e que invocou em sou auxilio a
clemencia imperial, allegando servics prestados
durante a epidemia docholcra-morbus.
Por decretos de 30 do corrente mez prximo
lindo foi demittido o capitao de fragata Rodrigo
Jos Fcrreira do lugar de capitao do porto da pro-
vincia das Alagoas, e nomeado nara o substituir
o capitao tenente Ludgero de Salles o Oliveira.
O chefe de divisao Feliupe Jos Ferreira, mem-
bro da commisso incumbida do exaine das der-
rotas, foi em 3 do corrente nomeado presidente da
mesma commissao, em lugar do fallecido almirau-
le reformado Frederico Mariath.
I\r decretos do Io do corrente foram aprsenla-
dos os padres Thomaz Innocencio Lustosa na egre-
ja parochial de S. Bernardo, e o padre AntonioTe-
reira Bicudo na de Santa Isabel, ambas da diocese
e provincia de S. Paulo.
Pelo ministerio da agricultura, commercio c
obras publicas, foram remettidas aos presidentes
das provincias as circulares seguintes :
< Mandou S. M. o Imperador, por sua imperial
e immediata resolucao de 30 de junho de 1800,
tomada sobro consulta da seccao dos negocios do
imperio do consclho de estado, que as disitosicoes
do regulamenlo do 30 de Janeiro de 185v sejam
obrigalorias desde sua data, c que, portanto, de-
vem ser consideradas nullas as posses de trras
em cuja transferencia de dominio se houvcr pago
o imposto da siza posteriormente aquella data. O
Tcreis iuBciadn, aem duvida, que um con-
gresso, compos dos iiunistros pfempotenciarlos
das diversas potencias mteressadJi nessa obra,
Franca, Hespanha, Portugal, Brasil, etc., e presidi-
do pelo Sr. Druyn do Luys, ministro dos negocios
esirangelros de Franca, reunia-sc em Pars aftm
de examinar o meu proiecto de telegrphia sub-
marina para a junecao dos don* mundos, e tomar
as resol ugiJes que a sua exeeuoo exigisse.
Aps importantes discuBsoes e um serio exa-
me feito sob as visias de urna cotomissao presidida
pelo Sr. principe Poniato>vsky, no qual foram apo-
sentados e flguraram com grande distinegao os
trabalhos que executou o Sr. liis por ordem do
governo brasileiro, acaba o copgresso de approvar
a declaracao solemne que, coricWendo-ml? as sub-
oue communico V. Exc. para sua intclligenciae
aevidos effeitos.
c Convindo aue os posseiros, cujas posses tc-
nham sido annulladas, em virtudc das disposcocs
de leis e regulamentos em vigor, sejam preferi-
dos, qnando em concurrencia pretendan a compra
dessas mesmas trras, fica V. Exc. autorisado a
proceder nesta conformidade, salvos os casos em
qtu laes posses seacharem comprebendidas na cir-
ciimscripgo territorial de alguma das colonias do
estallo, visto corno esta nao pode soffrer desfal-
que sera ordem expressa do governo imperial.
A galera nortg-americana Somantan, entrada
hontem de Cardff, foi de encontr ao brigue no-
rueguensc GnriboMi, que estava fundeado em
frente de Villegaignon, quobrando-lhe o gnrups
enxarcias, mastaros do joanetc, e fazendo-llie
mitras avarias. O GnrnMi tinha entrado ante-
tonteni de Barcelona.
elle estava arranchado, e no dia sf _
manhaa, dando-so busca, conheceu-se que elk
t tinha dormido cni oulra casa.
Vendo cu que Pedrosa lalvez nao tivesse tem-
po de saln'r da ridado. locoumiondoi ao siiIkIo-
legado Jos Ignacio Eulalio da Silva Campas c
ao cidadao Daniel Casimiro Pinto Coollto ila Cu-
- nba quo proeoraasem saber o lugar onde elle t-
i nia-so escondido.
Petas .*i horas da lardo do mesmo da, avisan-
- dt-inc o dito Daniel quo ja saba onde elle esta-
Ma. disso-lhe que procurasse o subdelegado eque
eom pessoas do |iovo fossem baer a praao. !>o-
. gftdenois foi Pedrosa preso em una gruta vzi-
i Mha oidado eacha-se rocolhido cadoia.
2
Pm-.decreto de 27 de junlio do con-ento anno.
nosermos do 8 Io do art.!." da le n. 618 de 18
de apata de 1832, coneedeu-se reforma ao tenen-
le ionmel do corno de eslado-maior de segunda
clama Jos Joaquini da Silva Santiago, e ao capi-
tao da Silva/visto solTrereni molestias incuraveis, que
os turnam incapazes do servico.
Por omro decreto de igual dala f< Uansferido
pata a 8*-conipanhia do 10 batalhao de infamara
11 BsaMfeada 4" da mesma arma Constantino Jos
da Costa.
3
Por decfitos de 26 de junho prximo Indo foi
aprcscntadO'O padre Joaquim (los Reis MeneteS
na igreja imroeiial de S. Joao Nepomuceno do Rio
Wovo, (trovincia e bispado do Rio de Janeiro.
Fallerou bantem s 3 horas da nianhaa, o Sr.
almirante Wwdorico Mariath, venerando meinbro
da armada hriairiri, e distincto ebefe que ligara o
mane maior parte de noesos IViios inaiimos.
Era o finado gro-cruz da ordem de S. Bento de
Aviz, olliciaJ da .ordem imperial do Ouzeiru, con-
decorado .con a modalha da Campanba Cisplatina
-ein Montevitlo de 1817 a 1822, e itreskk*le da
lommissao de 4
Por decretos de -t de junho ultimo foram no-
M>:ados; offlciat ancbivista da secretaria de estado
los negocios da marrulla o 2o ofllcial Apiiark-jo
Leocadio Soares, e 2"oftial da mesma repurtieao,
o amanuense Aluino Borges Monteiro.
A Regetteraro, de Campos, de 28 do passado,
descreve do niodo seguinte o naufragio do vaH)i
Mu/alense, de que j demos noticia :
t No da 19 do corrente, pelas 3 horas c 20
minutos da madrugada, debaixo de grande cerra-
cao, teteu o vapor .Mncahense, em viagem do por-
to de S. Joao da Barra para o do Ro de Janeiro,
em unta pedra das ilhas da Aucora, 3 leguas dis-
tante da terr.
Manifeslou-se logo bstanle agua : e urna
hora depois deu-sc exptosao as caldeiras, que
apagn as l'omalhas e impossibilitou a machina de
funecionar.
Todos os esforcos empregados foram inuteis ;
e forcoso foi abandonar o vapor, salvando-sc em
botes"todos os passageiros com sitas bagagens, que
ao amanhecer foram aportar praia do Moroba.
Arrastado pelo mar e corrente, foi o casco do
vapor laneado na praia do Tueum, onde duas ho-
ras depois despedacou-sc.
t Gragas a Providencia, se deploramos os pre-
juzos que vcem aggravar a triste situacao do nos-
so commercio, nao temos que lamentar a perda
de alguma vida.
Por decrotos de 30 do passado c l" do corrente:
Concedeu-se ao bacharel Luiz Felippe de Sam-
paio Viamia a demissao que iedio do lugar de juiz
municipal e de orpliaos do termo de Mngy das Cre-
ma, na provincia de S. Paulo.
Foram nomeados:
O bacharel Astolpbo Po da Silva, juiz municipal
e de orphos do termo de Christina, na provincia
de Minas-Geraes:
O bacharel Francisco Antonio da Luz, juiz mu-
nicipal e de orphos do termo de Ilajuh. na mesma
provincia';
O bacharel Felzardo Pnheiro de Cam|ios Mul-
ler, juiz nniiticipal e de orphos do termo de Ja-
guar), na dita provincia:
Olympio Manoel ilos Sanios Vital, juiz municipal
e de orphos do termo de Passo-Fundo, na provin-
cia de S. Pedro do Rio-Grande do Sul;
Jos Eugenio Teixeira Leite, coronel comnian-
da.tle superior da guarda nacional dos municipios
de Vassouras o Iguasi, na provincia do Rio de
Janeiro;
Jos Antonio Barroso, tonente-coroiiol cominan-
danlc do 3" hatalho de infantaria da guarda na-
cional da dita provincia;
O caplo Francisco Jos Soares Filbo, tenente-
coronel coniniainlaiito do batalhao de infantaria n.
i\ da mesma guarda nacional e provincia;
Maaoel Antonio Gorjo Cutrim, tenente-eoronel
conmiandante do 3o corno de cavallaria da guarda
nacional da provincia deS. Paulo ;
Antonio Carlos de Anuda Bolelho, lenenle-co-
ronol coniniandanto do batalhao de infantaria n. 29
da guarda nacional da mesma provincia ;
l.uiz Tavares Guerra Sobrinho e Antonio de Pau-
la Sanios, alferes porta-estandarte do corno de ca-
vallaria da guarda nacional da corte.
Foi reformado Antonio Corroa e Castro, coronel
commandante sujierior da guarda nacional dos mu-
nicipios de Vassouras c Iguasst't, da provincia do
Itiode Janeiro, no mesmo posto, com as honras do
lugar quo overee.
Concedeu-se melhoramento de reforma, no posto
de capitao, aFidencio Jos Saldanha. tenenle refor-
mado da guarda nacional da provincia de S. Pedro
do Sul.
Teve jiassagem como aggregado para o Io bata-
lhao do servico da reserva da guarda nacional da
corte o lente do 2" batalhao do servico activo'
Deolino Francisco de Paula.
l'oz-so niere a Hyppolito de Arauio Castro Ra-
ntallio da serventa vitalicia do offieio de 2o partidor
do juizo municipal o de orphos do termo de Pe-
lotas, na provincia' de S. Pedro do Rio Grande do
Sul.
6
Suas Magestades e Altezas Imperiaes visitaran
hontem o passeio publico s 3 horas da tarde. A
afluencia de povo era extraordinaria. A augusta
familia, depois de percorrer alguinas aleas do jar-
dim relirou-se s 6 lloras.
Sob a rubrica Jaguarol-se no Mercantil
eli:
Chegou hontem o vapor Rio-Grandnue, e por
elle recebemos a Atalaia do Sul at 21 do cor-
rente.
c Em referencia a noticia que demos de ter o ca-
fitio D. Francisco Martins adherido causa de
Idrnjfc W-9e o seguinte no mesmo jornal :
. Ane-honteni (16 de jtmho) chegou S tilla de
Artigas ulna pequea forga do partido collorado ao
mando do capitao D. Francisco Martins.
O Sr. Martins, que se achara na villa de Cer-
ro-Largo, epmmandando um piquete das torgas le-
gues daquella repblica, teve ordem de encorpo-
rar-se s torgas do Sr. Diontzio Coronel, e, de mo-
do algum querendo servir debaixo das ordens dos^
veiites o' concessdes privilegiadas para a col loca- Srs. Coronis, por serem inimigos flgadaes, desli-
co do cabo telegraphico, poe a tinha sul transa- gou-se das flleiras governistas, e dando utn brado
tlantica sob a proteecao commam da potencias viva o general Flores !com elle segniram de
nella interessadas. i Cerro-Largo quarenta e tantos homens.
Faltavam nicamente os poderos bastantes a | Ao chegar este official em Artigas, com modc-
alguns dos ministros plenipotenciarios; e entre on- racao e ordem, fez-te espalhar urna proclaniagao
tros a S. Exc. o Sr. Marques Lisboa, que repre- convidando os Orientacs existentes nesta cidade.
sentava dignamente o Brasil para flxarem de um O procedimento do Sr. Martins bem deixa c-
modo formal e difinitivo os compromissos dos seus nhecer as pomas sympathias de que gozam os Srs.
ovemos. Por isto s pode ser approvada a base Coronis no departamento, onde se chamamos
a subvencao. primelros !
Decidio-sc que a sorama precisa e a forma do De certo que se o governo oriental nao hou-
pagamento desta subvencao seriam, depois do n- vesse tomado o expediente de chamar capital o
goegoes particulares, indicadas em um protocolo Sr. Dr. Palomeque, talvez por satlsfazer exigencias
especial, que, sendo aberto no mesmo ara, ficar inconvenientes ordem publica dos Srs. Coronis,
annexo a declaracao. que nao se daria o facto que acabamos de observar,
Tenho actualmente immenso interesse na ter- praticado pelo Sr. Martins, e que ronito breve
minacao deslas negociagoes, allm de poder orga- talvez tenhamos de registrar outros idnticos,
nisar'o mais cedo possivcl a nossa associago, cu-1 Consta-nos que mnitos Orientacs n5o foram
jos elementos financeiros estao promptos, mas que surdos ao chamado do Sr. Martins, e que reuni-
se pode estobelecer-se sobre compromissos deter-' do-se elle um numero superior emeoenta, ja
minados e definitivo. I conta hoje com mais de cem homens, que seriam
Urge o tempo actualmente, porque as circums-1 do governo se outro chefe commandasse as torgas
tandas favoraveis em que estamos podem modifi- de Cerro-Largo.
car-se sob o choque do novas oceurrencias, dos Dos illumine ao governo oriental, de forma
accidentes possiveis da poli tica e dos negocios. que salve o seu paiz do abysmo que seapresenta
Nao duvdo que o governo do Brasil, que j na conjectura actual.
tanto avaliou o alcance da nossa empresa, com-1 Chamamos a attencao das autoridades poli-
prehenda tambem a Importancia de urna iprompta ciaes, para que haian de laucar suas vistas sobre
soluco das questoes ainda pendentes, e responda o grande numero de emigrados orientaes. que sem
s nssas instancias com una decisao rpida e s mesmas se apresentarem percorrera toda a hora
favoravel, visto que o vosSo governo s pode de- do dia e da noite as ras desta cidade.
seiar sustentar-se pelo movimento da opinio pu-
blica -*
Caberia ao vosso jornal, cuja autoridade
com bom direito tao vasta, esclarecer essa opi-
nio e convencer a todos da importancia da] -------------1
nossa empreza, chamando a attengSo sobre o Por decretos de 30 de junho e Io do corrente,
mdico algarismo da subvencao que pedimos,! concedeu-se a demissao que pedio o bacharel Bal-
tres milhoes, e sobre as vantagens incaeulaveis' bino Cesar de Mello, do lugar de juiz municipal e
que para o seu commercio, sua navegarn e suas' de orphos do termo do Buique, na provincia de
relagOes polticas industriaos e moraes, Brasil ti-: Pernambuco.
rara de urna linha que ligar todos os portos im- Foi reconduzid o o bacharel Gretuliano Jos da
portantes de suas costas, e atravez da hacia mcri- Silva Porto, no lugar de juiz municipal e de orphos
dional do Atlntico o ligar por um lado Euro-, dos termos reuni dos de Vigia e Cintra, na provin-
pa, e por outro as Antilhas e a America do Norte, cia do Para.
A companhia que se propunlia a estabelccer Foram nomeados :
una linha tclegraphica entre os portos do Rio e I O major Nicolao Carneiro da Rocha Filho, tenen-
do Natal, [tedia urna subvencao animal do 600,000. te-coronel commandante do Io batalhao de infanta-
francos, o que equivale a ni capital de dore mi- ria do servico activo da guarda narional da pro-
llics. Ora, com urna subvencao de tres milhoes, I vincia da Baha.
isto impondo ao Brasil um tributo animal de Joao Machado de Novaes Mello, capitao cirur-
130,000 francos, damos-lite eommunicagdes entro gio-mr do commando superior da guarda nacio-
o Rio c cidade do Natal, entre esta e o Amazonas, nal dos municipios do Porto da Folha, Pao de As-
collocando em relagao directa com as Americas sucar e Mata-Grande da provincia de Alagoas.
Central e do Norte, com todas as ccalas commer- O Dr. Joaquim Antonio Alves Rjbeiro, capitao
ciaes e martimas da hacia meridional do Atlan-, cirurgio-mor do commando superior da guarda
tico, com mnitos portos do Pacifico, c emflm com nacional da capital da provlncfa do Cear.
A evaso deu-sarrumbando.os preSoS'lini xa-
drez de pao que o detinha.
a noticia se-
data
0 Taubatcnte di na mesma
guinte :
O Sr. Joao Gomes Monteiro de Araujo tinha em
um quarto de sua casa urna grande quantidade de
fogos para o festejo de S. Jlo; a porta deste
quarto estava lechada, ms infelizmente urna das
tonas, tanjo de Portugal como de Serilha, obteado
estas pteeos vantatoaoe.
Attendendo ao alto prego que exigen, fica en ser
urna partida de gaa raz, apezar dafalm m ha no
mercado, e-venderam-te de pronas 19 tenis de
Nos dizem que fazem elles grande ajuntamen
tono mercado, e seria bom que as autoridades tra-
tan quanto antes de prohibir taes rennioes, que
nuncatrazem bom resultado.
rem moderadas, sustentara anda favoraveis eof>
g&es.
A tenha de porco americana fui wm> m m da,
realisando-se cerca de 900 barris de 230 a 340 r4
alcatrao, vindos por cabotamm,TI
a ter boa procura.
Fizeram-se boas vendas de
arroz estrangeiro, cono tana* _
janellas para o lado do quintal estava aberta, o que vantajosos as soperiores quaMdades d
sendo visto por urna menina de 8 a 9 annos, lillta do rando em deposito na maior
Sr. Araujo, tomn esta Hm tic3o, e, formando urna rforeg.
escada de mesa e cadeira, galgn a janella e saHou | o bacaHio continua a ter boa aceitario
dentro, lancou fogo em um foguete de que se havia dendo-se por bom preeo (324 a lina) urna
rasgado a cabeca e entornado o incendio, e logo o partida rinda por cabotagem. Se as
restante dos fogos ardeu, e a infeliz menina foi
victima do sua travessora, faHecendo instantnea-
mente.
OPrnlista de Tanbat refere em 28 do passado
os desastres seguintes:
Consta-nos que por occasio das' festas de S.
Joao, para o lado do Ribeiro das Almas, morrra
queimada urna crianga, que brincava com fogo da
China era um quarto onde havia urna porgao de fo-
go artificial, que incendiou-se; e nobairro do Pao-
linho ficou um individuo ferido por urna roqueira
que arrebentou.
Recrndescera em Santos o mal das bexigas.
L-se no Correio Pautistano de 2 do corrente :
i Consta-nos que no dia 28 do mez Ando evadi-
ram-sedacadia do Rio Claro, arrombando-a, tres
presos, umdellesrccrotae o oatro desertor.
De Sorocate nos escrerem :
No dia 24 do mez passado procedeu-sc a corno
de delietoem um escravo do cidadao Bento Jos Ri-
beiro, que falleceu de acoites.
O senhor do escravo foi processado e pronun-
ciado.
Da mesma cidade nos communicam o se-
guinte :
Nos terrenos de Manoel Monteiro de Carvalho
foi encontrado o cadver de urna prota e o de urna
mulher branca, suppondo-se que foram enfor-
cadas. t
DIARIO DE PERNAMBUCO
Europa.
O vosso governo e o vosso parlamento tcm
milito alta idea das necesidades e dos interesses
do paiz, para nao attenderem as consideraefles que
o vosso jornal poderia emittir to utilmente para o
esclarecimento de lodos.
i Entao promptos todos os nossos meios de exe-
cugo, e garantem-nos com seguranca um comple-
to resultado. Apenas forem decididas as questSes
inda pendentes que indiquei, organisaremos urna
associago que, slidamente apoiada em poderosas
casas bncarias, ter por si os nomes mais consi-
derados na potra e na sciencia
t Os linanceiros, os engenheiros e os fabrican-
tes s esperara pela concluso destas negocia-
goes.
Consent portanto que, para prompto desfecho
dos ajustes que entabolei cora o governo do Brasil,
eu cont cora o poderoso concurso daopiniaopu-
bliea, fiel e completaracnle esclarecida por vosso
generoso jornal.
Desde j peco-vos que accedis o meu vivo re-
conhecimento com a segurangn da minba alta
consideraoao.Petro Alberto Balestrini.
i
i
Por cartas imperiaes do Io do corrente mez fo-
ram natura usados cidados brasilc.iros Frederico
GiiillieriNu Widclestaedt, subdito prussiano, eAdol-
pho Cortes, subdito hamburguez e soldado do Io
regiment de cavallaria ligeira do exercito.
Por decreto n. 3,117 da mesma data, foi conce-
dida autorisagSb companhia tjmprczaria do tliea-
ta da cidade de Cuy aba para oontiuuar aexercer
snas funegoes, e approvago dos respectivos-esta-
tutos com alguma* alteragoes. -
Por decreto do l" do corrente, na eonformidade
do 1 do artigo 9 da lei n. 648 de 18 de agosto
ile 1832, _concedeu-sc reforma ao alferes do corno
4b estado^ maior de 2* clase, Antonio Pereira do
Lago, visto soffrer molestias curaveis tjp*o tor-
nara incapaz do ktvco.
-5-
St Magestade o Imperador,acompanhado dos seus
Corra hontem noute que o Sr. Eliot, encar-
tvgado da legaco ingleza nesta corle, mal recebe-
ra os despachos* do seu governo, ofliciara ao Sr.
ministro dos negocios cstrangeiros pedindo os seus
paesaportes.
Noticiam-nos que o Sr. conselheiro Carvalho
Moroira, ministro do Brasil em Londres, e resi-
dente lioje em Pars, subscreveu com 4:0004 para
o arinaniento do paiz.
A conferencia internacional reunida em Paris-
Entrou hontem da Babia o vapor de guerra fede-
ral Mohiran. Veio caga dos corsarios confedera-
dos que nao encontrn e" seguir viagem logo que
se ti ver supprido de carvo.
7
Enlrou hontem do Rio da Prata o paquete iuglez
Merse/, com dalas de Buenos-Avres at 28 c Mon-
tevideo 30 do passado. Desta ultima cidade, coin-
tudo, apeuas lia folhas at 28.
.Como se nao bastassem as guerras intesliuas
que assolam a Confederacao Argentina e a Rep-
blica do Uruguay, veio anda urna ameaga de guer-
ra i nternacionalentre os dous estados aggravar a
situacao de ambos. Como saliera os leitores, o go-
verno oriental apprebeudeu o vapor argentino
Salto, por trazer armamento entre a sua carga,
quando o commercio de armas nao havia ainda
sido prohibido. O governo argentino exigi una
satisfago ; parecendo-lhe, porm, lenta de mais a
marcha das negoeiagocs, corlou o n a moda de
lord Palmerslon, ordenando sua esquadra que
lomasse represalias, caplurando "qualquer navio
com bandeira oriental que passasse pelailhade Mar-
tim Garca. Aconlcceu o primeiro irac passou ser
o vapor de guerra General Artigas, que nem por
isso foi respeitado, mas antes oltrigailo a dar fundo
debaixo da artilharia da esquadra argentina
O governo de Montevideo, apenas teve noticia
do occorrido, declarou suspensas as relagoes offi-
ciaes entre os dous paizes at que as cousas se rc-
pozessem no estado em que anteriormente se acha-
vani. lnfelizinente, |K>rm, commetteram-se na
mesma noite contra o consulado argentino em
Montevideo alguns desacatos populares, que o go-
verno lastiniou offlcahnente, contentando-se cora
recommendar medidas preventivas para que laes
actos se nao repetissem.
Neste estado ficavam os negocios entre os dous
governos. O argentino prepara* se para dar ao
congresso conta do occorrido, mas sabida do pa-
quete nao apresentra ainda a sua mensagem.
A cidade de Cordova linha cabido ein poder de
Penaloza, successo de (pie a carta do nosso cor-
respondente refere os pormenores. Nella eneon-
Iraro lanibem os leitores una versad sobre os
progressos da revolucocapitaneada por Floresno
Estado Oriental. As folhas de Montevideo pintara a
reaego na tonfoderago Argentina a bater j s
porls de Buenos-Ayres e a revoluco de Flores
quasi anniquillada. Os peridicos de Buenos-Ay-
res vem o contrario : Flores s portas de
Montevideo, o Chacho encurralado era Cordo-
va,. onde ser exterminado com lodos os ini-
migos da causa nacional. No meio disto, difficil
achar a verdade. Na carta do nosso corresponden-
te verlo os leitores o que em Buenos-Ayres se
pensaenv Flores; em Montevideo dizla, por exem-
plo, El-Sialo :
Na Revista* anterior dcixainos o general Flo-
res na Florida, d'onde parti para Minas e Moldo-
nado, tomando em seguida para o departamento de
Cerro-Largo, onde se snppe a esta data'porto da
divisad do governo naqnelle departamento s or-
dens do coronel D. Dionizio Coronel.
Da capital sabio o batalhao n. 2 de cagadores
a encorporar-se divisao do general Medina, que
est as immediagdes da Florida.
De ludo isto o que podemos concluir que a si-
tuacao grave e ameaga protrahir-se, parecendo
Foram transferidos o tenente-eoronel Raymundo
Francisco de Macedo Magaro, do commando do
1 batalhao de artilharia da guarda nacional da
provincia da Baha, para o 2o de infantaria da mes-
ma guarda, e o tenente-eoronel Manoel Jos de Ma-
galhaes do Io desta arma para o Io de artilharia.
Tiveram merc da serventa vitalicia :
Guilherme Augusto de Athayde, do offieio de es-
crivo do civel e crime dos juizos de direito e mu-
nicipal da 2* vara do termo da capital da provin-
cia de Pernambuco.
Jos Balsalimo Gencalves Lima, dos ofiicios de
partidor c contador do termo da Villa-Bella da
raesma provincia
- O governo imperial resolveu conceder ao Sr.
Eliot, encarregado de negocios da Inglaterra nesta
corte, os passaportes por elle pedidos para si e paro
todo o pessoal da legaco britannica.
A sabida do vapor Cruzeiro do Ful para os por-
tos do norte foi transferida para hoje as 4 horas da
tarde.
L-se no S. Joaneiro da Barra de S. Joao do Io do
corrente :
A epidemia das bexigas vai felizmente decli-
nando.
c Dizem-uos que os principaes influentes do
partido conservador nesla villa formaran urna reu
nio poltica no dia 24.
Foi sepultado no dia 4 do corrente, na capella
da sua fazenda do Pao-Grande, na freguezia do
Paty do Alferes, o Sr, baro de Capivary.
Consta que deixou toda a sua grande fortuna a
seu lillio, o Sr. Joaquim Ribeiro de Avellar.
L-se no Mercantil de Porto-Alegre de 18 do
passado :
No ProteccCto parti o Sr. von Eichmann, mi-
nistro da Prussia.
Em um vapor da companhia Jacuhy foram
muito Allemaes com urna banda de msica acom-
panhar So Exc.
t Temos inforuiacoes de que este distincto cava-
lheiro leva boas mpressoes das suas visitas s co-
lonias. S. Exc. reconbece as condgdes naturaes
do paiz como as mais favoraveis para a emgraco;
suas instiluicoes livre tambera lhe parecerant urna
feliz vantagen de quo os colonos gosam sem altera-
cao ; este o lado ltom ; o lado mo S. Kxc. encon-
trou na divisao territorial, que como j temos
feito sentir, a mais iraperfela em relagao aos ins-
trumentos legaes da propriedade. Segundo ouvi-
mos a S. Exc, difficil encontrar urna colonia cujo
proprietario possua os seus ttulos em regra e isen-
tos de contestacoes, Sobre esle ponto o Ilustre di-
plmate entend: que preciso da parte do gover-
no urna medid;, prompta e resoluta para estabelc-
cer a propried. le territorial das colonias em seus
devidos termo: de legalidade e limites.
As quesir i religiosas quo ltimamente tm
agitado os nimos as colonias de S. Leopoldo, ain-
da que reconhecidas por S. Exc. como perniciosas,
nao as reputou to extremadas que nao seja possi-
vel dar-lhes remedio com tempo.
A visita do Sr. von Eichmann deve trazer be-
neficios colonia allcma na provincia S. Exc.
ser um orgo respeitavel da verdade* na Europa,
onde precisamos ser condecidos pelo que somos e
nao pelo que nos querem fazer.
Sob o titulode voto martimo diz o Cominer-
cial do Rio-Grande do Sul do Io do corrente :
Ha pouco mais ou menos un. mez que as ras
principaes desta cidade via-se a equipagem do bri-
gue Ugeiro carregando unta vela, cantando aegoes
de gragas ao Altissimo por t-la salvado de emi-
nentes perigos, e dirigndo-se aos ps dos altares,
onde devia eficazmente cumprir seu religioso
voto.
c Nao menos tocante romana apresentou no do-
mingo 28 do corrente a triiwlago do brigue D.
Pelo vapor nacional Cruzeiro do Sul, recebemos
cartas e jornaes do Rio at 7, da Bahia at 11 e de
Alagoas at 13 do corrente.
Sob as rubricasParte oficial, Exterior e Inte-
rior, vai publicado tudo quanto ha da corte, pro-
vincias do sul e Rio da Prata, alm do que s en-
contramos o seguinte daquella, no Correio Mer-
cantil :
O patacho nacional Elvira, entrado no Rio
Grande no dia 13 do corrente, com procedencia de
Peniambuco, encontrn o Alal>ama s 11 horas da
noite do dia 5 do corrente na latitude 29 S. e lon-
gitude 45* O.
< O vapor acompauhou o Elvira durante a noite,
e ao amanhecer passou-lhe falla, rctirando-se
depois de haver reconhocido a nacionalidade do
patacho.
No dia 15 das 7 s 9 horas da noite aviston-se
fra da barra ao snl urna luz de pharol que se jul-
gou pertencer a algum vapor ; de manhaa, porm,
nao havia vista embarcago alguma.
Bahia.O vapor inglez Magdalena conduz para
a Europa, desta provincia, 1.454 oitavas de dia-
mantes.
O banco da Babia den 10*5000 de dividendo
por acgo aos seus accionistas, correspondente a
% do seu capital realisado.
Naufragara, no porto de Inhambupe, o pata-
cho Calado, por haver ganado ; perdera-sc tudo,
Estava seguro.
Chegara, procedente do Ro, a curveta ingle-
za a vapor de guerra Sattelite.
No dia, 8 lizera, a curveta de guerra nacional
Mag, exercicio de fogo, que correu bem.
Acerca dos festejos do 2 de jullw, encontra-
mos o seguinte, no Jornal:
O bando annunciador dos festeios do2 de
julhoapezar da chova,percorreutodas as ras
indicadas no programma, e com lioa ordem. Teve
mascaras interessantcs, merecendomencao especial
os tres acrbatas, que parando em certos lugares,
descrapenhavam jogos gyannasticos cora applau-
sos. ,
t Ante-hontem (2) celebrou-se com a pompa do
costume e que convm ao grande da 2 de julbo, a
esta da entrada do exercito pacificador em 1823.
c Na vespera noile, nao obstante a grande
chota, bandos com msica percorreram a cidade,
uns em mero passeio c folganga, outros para de-
positar em casas de amigos as bandeiras, que de-
Vcm servir em batalkocs patriticos.
f Ao amanhecer dodia 2utna banda de mu-
sica tocou lindas pecas, despertando a populacao
girndolas de foguetes que atroavam os ares.
< s 7 '/2 por diante comecaram as tropas a
marchar para Lapinha para formar no acompanba-
menlo dos carros triumnhaes.
c Concorreu quasi toda a guarda nacional, me-
nos o batalhao de Piraj, que ha muito nao visto.
t O 8o de Pass apresentou grande numero de
pragas sem nenhum armamento,
a Poucas bandas de msica A guarda nacional,
quasi toda, desorganisou as que tinha.
< s 2 horas, pouco mais on menos, fez-se a en-
trada solemne no Terreiro de Jess entre repiques
de sinos e foguetes.
i Os carros na frente, acompanhados pelos cai-
xeiros nacionaes formados era esquadroe balalhao
a p.
Ao Te-Deum compareceram as autoridades e
muito novo. Pregou ao Evangelho o Rvd. padre
Villas-Boas, cujo discurso agradou por suas ideas
de harmona e uniao.
t Consta, que os ligueiros exaltados censuram-o
por nao ter prodigafisado elogios ao actual go-
verno.
< Findo o Te-Deum houveram os vivas no pa-
lanque e a continencia das tropas, sendo depois os
carros conduzidos para os pavilhoes na praca da
Piedade.
A noute houve brilhante illuminagao no pa-
lanque e na casa da cmara municipal.
Tem sido inmensa a concurrencia, e felizmen-
te, como sempre, tem reinado a maior ordem.
A commissao directora dos festejos do dia 2 de
julho de 1864 comnostados Srs.


c

f
c
<
<
t

c

<
a
f
c
<
a
t
Presidente. Conde de Passo.
Membros.Desemoargador A. G.Marlins.
Dito A. J. da Silva Gomes.
Dr. Luiz B. Dulra Rocha.
Dr. Garca Das Pires de C. o A.
Francisco Ferreira V. Bandeira.
Fructuoso Gomes Moncorvo.
Nicolao Carneiro Filho.
Vigario L. Borges de Lemos.
Dr. A. Janearlo de Faria.
Dr! A. Jos Alves.
Antonio Jos Teixeira.
F. J. de Castro Rebello.
Joaquim Jos Rodrigues.
A. Jos Teixeira Jnior.
Porphirio Teixeira Lopes.
Joo Jos Leite.
Joao Alves Portella.
Manoel Lopes da Costa Pinto.
Malaohias A. J. Coelho.
Ainda o /orno/d mais outro navio, (pie o
seguinte:
a do paiz prejudica-a a eslagao em qoe nos
mos ascuas vendas, |>or conservar-se melhor me
no verao.
De carvo de podra s se fez em lerna ma ven-
da de cerca de 100 toneladas, sendo 74 imnMas
de carvo da provincia, a 16*, e p rstame de
New-Castle, a 204; ainda difficil o dispr de fljoaJ-
quer rarrogamenlo, por terem os iniwmnbiM to-
dos regulares existencias.
Alguns possuidores de farinha de trigo ..
rara concluir com os depsitos quo tinten da
remetiendo varias panidas para o interior. Foi
urna boa resoiugo, ponrue alliviou muito este ner-
cado e o colloca em melhor posigao para que se
possain desenvolver as transarrdes.
De genebra s nao ha em primeira mao fras-
queras e garrames; de manspiga fica-w muir..
abastecido; as massas, com regular densnm aa
boas qualidades; oleo de I inbaca. Ara-** sopprwV-,
mas sem existencias; os queijos flmfgw nna
os bons; de sal, abundante e com grande Hnfctias
para a baixa; de vinagre de Portugal sem depo-
sito.
De vnhos fizeram-se boas vendas dos
realisando-se o carregamento do Elisn, de
na, e cerca de 80 i pipas do deposito.
O de Lisboa teve pouca sabida
Nos assucares nao houve grande mnviiitnMa e
parece-nos que occasionaram esta inancio as dhr-
sas cargas que vieran para Porto-Alegre e Printas,
sendo a maior parte de conta propria; tanitem *-
gu i rain cerca de 250 pipas de cachara, na nesna
conformidade.
De fumo fica o mercado muito abundante.
Nos productos da provincia flzerain-se importan-
tes transaegoes.
Venderan-se neste mez aciraa de 200.000 arro-
bas de xarque aos pregos de l**iO a 1*709 as car-
nes gordas, e despareltes de 900 a 14400 por aira-
ba, segundo sua qualidade.
A procura deste genero foi devida nao s a tev navios a froto, como a terem de rarregar algos de
conta propria.
Esta diminuicu que tiveram as xarqueadas Mr-
naran osxarqueadores mais pretenciosos, porm
al hoje nao houve compra alguma superior as ce-
tacoes citadas.
safra est concluida, e mais una rircnm
tai te i a para os xarqueadores elevaren os proco de
seus gneros.
Foi ara [H-ipienos os negocios de gorduras, e es-
tes entre 3V>00 a 34800 a graxa e 4JH0 4#f0 )
sebo.
Calcula-se a existencia deste artigo en printias
raaos e especuladores de 60,000 arrutes para ria
e difficil fazerem-se compras, porque |pvdom___
35*00 a U. a graxa e 45800 a 3* o sebo; todava
os compradores nao se teem animado.
Os couros vaceuns seceos resentiram-se da ai-
raagao quo houve logo na primeira qninzem, em
que se venderam para os Estados-ldos nm
6,000 couros a 215 rs. a libra, limpos nunpsus,
5,000 a210 rs., e2,000 de 200 a 206ra,ararrer.
Nesta segunda fizeram-se tamln-m important***
transaegoes, comprando s urna casa cerca de 8 a
9,000 couros para o Porto, para onde se actem
carga o iYoto Lima, Saudade e Mmenm.
As qualidades proprias ara este destino se ven-
deram escolhdas de 215 a 220 rs., e nos rasan ter-
se dado iT um lote especial 225 rs.. a Hhra.
Os 1117.0111 ps oscoihkltts vendenm-se a 200 rs. a
libra /
Al o presente naoTicam completas as nepps>i-
dades, tendo-se feito encommendas para Porf Ale-
gre, porque este mercado e o-de Pelotas estao sem
existencias.
Para os Estados-Unidos compraran no principio
daquinzena uns 2,000 a 3,000 conrns a2l5r->.
venda esta iruc hoje nao a fariam, exigindo maior
preco.
Foram tambera procurados os raecnns salgadn*,
e comprarain-se cerca de 50,000 no decurso desie
mez, sendo na primeira quinzena uns 4.000 a 113
rs. novilho c 73 rs. vacca mitra* panillas de 6*> a
70 libras de 118 a 120 rs a libra.
Nesla segunda quinzena elevaran os xarqneadtv
res os procos, vendendo-os de 120 a 125 rs. os de
novilho e 90 rs. os de vacca, eneste sentido se fize-
ram duas compras ltimamente, sendo ama de
4,000 couros a 120 rs. novilho e 90 rs. os de vac-
ca, o oulra de 5,000 a 125 rs. novno c a 90 rr.
vacca.
Por utna partida de vacca para o Porto se den
90 rs. por libra.
Frelarain-so durante o mez para o canal de In-
glaterra 7 navios, sendo :
4 a 70 seb. e 5 % capa, i a 70 sclu, 1 a 75 3 / i
1 a 72 '/i 3 %.
Paraomporionoprincipio do mez alranraran
ainda os navios 500 rs. para o Kio e os domis por-
tos em proporgo. Fretou-se dejiois um en direi-
tura para Pernambuco a 600 rs., por arrota, mas
ltimamente os frotes licam fronxos, pois nos infor-
mara ter,-se ja frotado um para o Rio de Janeiro a
400 rs. por anoba.
Cambios.Sobre Londres tizeram-se operaeies a
25 e 241/2 d.: sobre Paris, 300 rs.; e Rio de Janeiro
6 /o, 90 i';*-
Moeda nacional papel conservon-se entre 8 e 8
V2 % de premio.
2 de julho.
Cambios.Sobre Londres, 25 Vj e 25 d.: sobre
Paris, 380 a 390 rs.; sobro llainlturgn. 705 rs.: so-
bre o Rio, 5 e 6 % a 90 das; sobre Babia, par !W
(Has; sobre Pernambuco. par 90 das.
Fretes.Para o Rio do Janoiro. 430 rs.. e para a
Babia, 550 rs., ultimo fretamonto ; Pemaintam,
700 rs.; e fretou-se a escuna Emilia, fechada, >
rs.; para os Bstados-l nidos. J/i cent*.
O ultimo fretamonto para o Canal foi o da escu-
na ingleza Victoria, por 70 sch. e 3 %, pan conrw
vaceuns salados.
Metaos.tingas 325, pesos 25- pataces 25- pe-
Alfonso, que tao maltratada lora na sua viagem do,"","A ealerainirleza Oreqon, que tinha idaCama-
rra a mu (o^ru,,, carregamiito de Jacaranda ~c pias-
A sava, quando sahia, no dia 29 do passado, calando
Mli-- I o ,,l..,.,., ,r...rii Ri de Janeiro at esta cidade, vendo na
morte de tao perto.
Era urna vela enfeitada de flores e filas que de- Jg" ^lmos d'agua, bateu as pedras, que ficam
votamente levavam aquelles homens, de cujos olhos anteS ja barrados Carvalhos, e submergio-se im-
brotavam lagrimas de reconheeinieuto e de com- me(jatamente* salvando-se, porm. toda a tripola-
i ii 11 ii*,-"~ ?- n ....... i.. ....i>.. .i...
como j disseinos, para examinar o projecto de te, | amuos os parlidos cmno que receiosoS de se medi-
legraphia transatlntica, encerrou ja os seus tra- rei enl campo.
hlitos, tendo approvado um projecto de conwn- Do paraguay nada lia de importancia.
cao formulado pela sub-comuiissao, e que ia ser _______
submettido aos ovemos interessados.
Refenem-nos, e temos a maior satisfago em fa- Entrou hontem- dos portos do sul o vapor Geren-
ze-lo saber, que na importante tarefa que lhe esta- te, trazendo-nos datas de Porto-Alegre at 1, Rio-
va confiada, de alguma cousa serviram corarais-. Grande 2, e Santa Camarina 4 do corrente.
o dos trabalhos de sonda executados pela corveta A' caria do nosso correspondente da capital da
Bebcribe, s ordens do -capitao Alvioi, e a Memoria rovncia de S. Pedro, carta que vai transcripta no
apresentada pelo Sr. Liis ao ministro da mari- lugar competente, s temos que accrescentar os se-
nha, o que tudo hvia sido publicado na nossa gintes exl relos das folhas do Rio-Grande :
folha, I J>ii o Diario de 23 do passado :
A respeito desta projeetada nha teJegraphica, I A parte da barra do dia 20 conta o seguinte,
que to importantes resultados promette, escreve- a resjiejto do brigue D. Affonso, recem-entrado do
nos Sr. Balesuini :
Pars, 7 de junho de 183.Conservo fiel e
grata lerabranga do apoio, tao generoso como es-
clarecido, que os meus projeetos de telegrphia
submarina obtiveram outr'ora no jornal que diri-
ga. a este anoto que em parte devo as svaipa-
tias com que fui honrado em vosso bello paiz.
Penniii, pois, que de novo appeUe para a
vossa benevolencia, agora que a minna empreza,
eugramlecida, vai realisar-se. Dirijo este appello
con tanta mais conuanga, visto que solicitar vossa
publica eoadjuvagao e proporeionar-vos mais um
ensejo de servir conjunctamente aos interesses de
vosso paiz c a grande causa da civilisacao geral.
Rio de Janeiro.
O 'brigue nacional D. Affonso, navegando na
volta de torra at s 9 horas da noite, quando foi a
virar de bordo mento, pelo que o capitao teve de
dar fundo prumando em cinco bracas ; porm fal-
tando o I o lo, teve de largar outro, e nao obstante
garrou at o cafoeco de E, onde bateu.
< Hoje achava-se dentro do banco, e de uanha
quando a catraia o chamou foi mister largar por
mao o ferro que o segurava.
t Esta declaracao, bem como a de ter cabillo iu>
mar fra da barra do Rio de Janeiro umreto, sao
foilas verbaluiente pelo capitao do dito D. Af-
fonso.'
sol
gem
to
profunda piedade.
Nos seus cantos nao havia meloda era atta-
vios, mas cada nota sahia do coracao.
Aquelles labios nao Ibastavam para manifestar
o que aquellas almas agradecidas sentiam.
t A mao que esteudia para obter a esmola pro-
mettida nao trema, como a do vadio, que antes
quer importunar o andante do que trabalhar.
Havia nella urna firmeza que a audacia nao
reveste ; urna linguagem muda quo convidava para
.__._!_____________. Sg----* J_------*m*n foti-i n'm
NOTICIAS C0MMERCIAES
Montevideo, 28 de junho.
CambioInglaterra 511/4 por peso corrente ;
Franca 82 frs. por onca ; Genova nominal; Rio de
Janeiro sem transaegoes; Buenos-Avres par.
Divida publicaxigivel 52 a 54 rls., consoli-
dada a 66 e interna a 40 %.
Descontos.Os bancos Coramercial c Mau em-
prestara a 12 e recebem a 8 /je
Freles. Inglaterra : 35 a 40 sh. couros saiga-
contribuir ao eumprimento de um voto feito 'um dos, sh. ditos seceos e 25 sh. os fardos com 5 ,/>.
momento supremo, e a cuja eloquencia poucos re- Havre : 50 frs. couros salgados, 90 frs. ditos seceos
sistem. e 40 frs. os fardos com 10 /o. Marselha : 40 fran-
Reconhece-se com prazer muelles actos a eos couros salgados, 90 frs. ditos seceos c 40 frs.
consolago que prodigalisa nossa religiao, as espe- os fardos com 10 %. Estados-Unidos : 1 >/4 ct.
rangas que deixa entrever c que nunca nega aos couros salgados, 1 ct. ditos seceos e 9 pats. os far-
que seguem seus preceitos. do* com 59/ em navio estrangeiro. Brasil : 4, 5 e
Diremos como Lacordaire : Se aquelle que 6 rls., e 3 ,/> por quintal de carne secca
estabeleceu ueste religiao nao era o proprio Deus, Rio-Grande, 30 de junho.
torca conessar que era mais que um homem. No decurso deste mez tivemos ura movimento
----------- commercial muito regular. As importantes entra-
L-se na Revista Commercial de Santos de 27 do das de gneros collocaram o mercado em boa si-
passado. tuago e desenvolveram a procura, mormente nos
Urna carta de Campias, datada de 21 do cor- artigos de maior consumo, cujas boas quaiiaaues
rente, noticia a fuga de seis presos da cadoia dessa se escoraram fcilmente,
cidade, sendo dous reos o quatro escravo* fu- O azeite de Lisboa conservou-se em apattua por
(ridos. estar o retalho muito supprido, e realisou:se urna
Const-nos que naqueUa cidade acha-e ura partida de 40 barris do Mediterrneo, por ir incluido
destacamento regular, ao commando do .Sr. capitao no total da venda do carregamento de vmhos do
Baumann, ofQcial activo e InteUigente. Elisa. Entretanto tiveram regular sanida as axei-
cas americanas de 5 dlrs. KM, ditas dito de 2 'f2
55, um peso boliviano 15. meios pesos holivian-H
800 rs., '/i liospanlies 500 rs.,'/; de palacao dilo 440 rs. e
moeda nacional papel 8 o/o-
Rio de Janeiro, 6 de julho.
Cambios.At ultima dala realisaram-se: so-
bre Londres de 26 Vi a 27 d. por 14; sotar Par
c Antuerpia 333 jtor fr., e sobre Hamborgo a HS
por 111. b.
Apolices. Negocaram-se : as de 6% a 10 e4
/o de premio, e a 88 e 89 % ex-dmdendo.
Fretcs.Os qne se fizeran foram : para Havre
50 frs. e 10 %, ojiara o Canal ordem a 30 fr.
Aegoes.As do Banco do Brasil foram vemniu
a 435i'de premio, dividendo ao comprador.
Metaos.As ongas da patria venderam-se a ris
29^200.
Sahiram; para Pernambuco, i 3, a tarea I-No
(/' Janeiro, e 5, a barca portogueza Lniza; e para
o Marahhao, a 28, a barca portngiieza Alfredo.
Chegaram, procedentes de Pernamboro: a
28, o palhabote Subtil, com 14 das; e a 3, o pata-
cho Correa, com 12
Achavam-se carga para Pernambuco:
brigue Mello I, que devia sabir 12, o patacbe Ca-
nimu. c o lugre Julio.
Bahia, 9 de julho.
Cambios.Regularan : sobre Londres a td V
27 d. por 1-3; sobre Paris 353 por fr.jjnbrajfan-
burgo 653 por m. b.; e sobre Lisboa W 1 MI %
de premio. ,._
Assucar Vendeu-se o mascavado de 1#7W a
15800 por arroba.
Moedas.As oncas hespanholas c mexiraaus ro-
ram vendidas de 295 a 305-
Chegaram, procedentes de Pernamboeo. a 9,
a barea ingleza O/inda, e o patacho inglez fWfea, a
primeira com 2 e o segundo com 3 das.
Alm das galeras Saudade e Auroru, ja <
das em nosso porto, nenhum outro navio :
ticra carga para Pernambuco.
PERNAMBUCO
REVISTA DIAILL
0 Sr. Dr. Manoel da Slva Marra foi
de direito da comarca de Tacarat.
Chegou Iwntem da edrte o nost
ciano o Sr. Dr. Urbano Sabino Pesaos ie
Foi prvido no oflelo de eserrrao i eml e
*
f



'
-----

-c
Alarlo de Peraanbnco -* f|aai'i4llni ** t Hlfco r f **.

gSgto de A manga aborta desde^aotovello e guarne-
. cida de ama ruche.
ca^HHhceluo' < A mofle sobre a saia parta de cada lado e guar-
destoroia l .. ti;il- nece-a. peto parte de traj.
t A charpa guarnecida de ama rtu-ln o ternii-
portiiguez Arthur Xapoleo, cuto na por urna bella franja de seda brai
gerafineuiei-ei onJuscida, foi manoseado Traje de vastm. Chapeo de talle bordado;
sendo esto prova de apreeo' guarnecido de fitas formando o laca e as bridas.
~ue Tufos de paponlas e de trigo por bako e por
cima da aba com tartas ruches de tulle.
Toncado de tulle guarnecido de blonde.
< Vestido de taet de cor guarnecido de bandas
recortadas e de nicdallides de tafet branco, eolio-
cados sob enfeites de renda escura enmadrados
por urna espiguillia levemente encrespada.
c. Sobre o corpo que unido quasi ao p da cin-
tura, os enfeites dos medalhocs forman um cabe-
cao e um peitilho.
yot S- M. o Imperador,
acompanhada'e urna carta em tud a seguinteque
foi dirigida ao artista portugaez Raphael Jos Cro-
ner, da parte do mcsmo Augusto Senhor:
S. M. o Imferador, quercndo que o Sr. Croner
conserte nma lembranra do apreeo qne o mesmo
Augusto Senhor fez do'seu morecimento artstico,
dignou-se ordenar-nw que Ihe entregasse oaluete
de brilhantes, que acompanha esta carta.
(Smiprindo esu unpenal ordem, dou-lhe os
parabens por esta distinecao. O commendador
mordomo da casa imperial. Paulo Barbosa da
&lva- A I
Em sua sessao de bontem, entrou cmjulga-
mento no jury Joaquim Amancio de Freitas Castro,
pronunciado as penas do art. 164 4 do cod. pe-
nal, em consouucncia de haver recebido de Marce-
lino Jos Go'ncalves Fontes a quantia de 1055 em
nome de Beato Joaquim Gomes, por quem se apre-
sentou como antorisado para csse fim.
O processo foi instaurado na subdelegada de S.
Frei Pedro Goncalves.
O reo tem 17 nnos de idade, braseiro, solteiro
e vive de ser caixeiro.
Onsmtaterio publico sustenta o lbello qfferecido
pelo sen antecessor, pedindo a condemnacao do reo
no grao medio, em consecuencia de dar-se a aggra-
Maria -Lnlza, Pernambuc.o. 45 annos, cacada,
Santo Antouiu ; eulerite chrouica.
Joaquim, escravo, 25 annos, solteiro, Boa-Vista;
cholera.
Catarina, escrava, frica, 36 annos, solteira
Santo Antonio ; ase i te.
Antonio Jos de Araujo, Peraambueo, 60 annos.
viuvo, Santo Amonio ; hypetrophia no eoragfc.
Joaqnim, Pernambueo, 14 mezes, 8. Jos; con-
vulgoes.
COMMUNICAOS.
A disselucio da cmara e a nova stuacio poltica.
A vida da patria 6 a prosperidade, e a nossa vida
Mangas abertos, bordadas de renda escara so- a liberdade; nao podemos ser livres sem patria
bre bandas de tafet branco c seguras por um cor
dosinho entrancado com glandas pendentes.
c Medalndes, graduados em tamaito e anlogos
aos do corpo, ornam a frente da saia.
l'ina banda com tafet e'composta pela forma
que acuna presereveinos. circunda a saia a 10 cen-
tmetros de altura da borda.
Durante a Ia sessao do jury, do termo de
Agua-Preta foram julgados oito processos abran-
gendo nove reos, deixando de seren apreciados tres
e nem a patria pode prosperar sem a nossa lilier-
dade.
Quando a patria prospera, o povo risse, o quando
o povo.geme, a patria chora ; a patria encarna no
povo a firme esperanca de seu engrandecimento, e
o povo a facilita pela* sua liberdade.
A idea de prosperidade de urna naci exprime a
idea de um povo livre, e urna e outra'cousa assegu-^
ra o precioso consistente na torga, na ordem e no
trabalho.
procedemosempregadosdaestocao das Cinco Pon-
tas. Aqui damo-Ia em seguida :
t Estrada de ferro do Recife a S. Francisco.
Reparticao fiscal.Recife, 14 de julho de 1863.
. Sr. redactor do Diarto de Pernambuco.E in-
fundada a censura que faz o jornal Ordem aos em-
pregados da estacao de Cinco Pontas desta estrada
de ferro. A pereepeo das taxas de transportes
feita de conformidade com o respectivo regulamen-
to, que assim se exprime, quando trata de objeetos
que tem de percorrer alguma fraego de legua ou
cujo peso comprehende fraego de arroba :
Art. 28. As fraccoes de legua ou arroba, se
excederem de '/* serao contadas por anidados, e
por meias unidades se forem inferiores aquello li-
mite.
xo
a verde niontanha.
Rep.vbtiqao da policu :
Extracto das partes dos das 12 e 13 de julho de
18C3.
Foram recolhidos casa dodetenco no dia 11
do corrente :
A* ordeni do Illm. Sr. Dr. ebefe de polica, Tlio-
m Francisco da Silva, branco, de 30 annos, como
sentenciado, vindo do termo do Rio Foruioso.
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio, An-
na Maria Francisca, cnoula, de 22 aunos; Mara,
parda, de igual idade, escrava de Maria Joaqui-
na de Souza Racellar, ambas por disturbios.
A" ordem do da Capunga, Antonio, crioulo, de
26 annos, escravo de Antonio Botelho Pinto de
Mesquita ; iior suspeito de andar fgido.
12
A' ordem do subdelegado do Reci e, Francisco
Barboza Pinheiro; pardo, de 21 annos; por
briga.
A' ordem do de Santo Antonio, Joao Manoel de
Resende, branco, de 24 aunos e Jos Luiz da Silva,
llardo, de 2o aunos; ambos por suspeitos de sc-
rem desertores.
A' ordem do daJBoa-Vista, Joaquim Jos de Olf-
vera, pardo, de 22 annos; Juviniauo Jos Antu-
nes, branco, de 2o annos; ambos para avergua-
goos pohciaes.
A' ordem do da Capunga, Feliciano, crioulo, de
32 annos; por suspeito de ser escravo e andar fu-
gido. ^ _
n ordem do snbdJegado'do Santo Antonio, An-
tonio Juvenal de Souza, branco, de 11 aunoc para
averiguagocs em crime inaliaugavel.
A ordem do de S. Jos, Francisco da Cruz,
lo, de 61 annos; por ferimentos.
O cliefe da 2* seccao,
/. G. de Mesquita.
Movimento da casa de detengo no dia
julho de 1863.
Existiani.
cnou-
13 de
A saber
vante da premeditacao contrabalancada pela alte-1 tres homicidios, fres olTeusas e ferimentos physicos,
nuante da menoridade; mas declinada a dmissao da dous roos, um estelionato, um fuga de presos,
aggravante de fraude consignada no mesmo libello I Pela subdelegada de Altlnbo An preso Joa-
por ser e odicao constitutiva do crinie, e nao moti-' quim Francisco da Silva, por laflrao de cavallos.
vo de aggrava-lo. Ainda urna nova carta vmofde recober do
A defeza de que se encarregou o Sr. Dr. Lcvino mui digno Sr. Dr. Buarque de Macede, engenlitjiro
Pinto Bandeira, que foi dado por curador ao reo,
visto ser este menor, admittindo a existencia do cri-
me, fez valer a circunstancia da menoridade como
attenuacao do mesmo crime; e depois de varias
considerables tendentes a demonstrar a rreflexao
e a ausencia da mente criminosa no aecusado, fecha
a sua defeza, pedindo a condemnacao do mesmo no
grao mnimo do referido art. 264 i 4, temperada
peta auplicacao do prudente arbitrio do art 18 10.
deixadoao juizo.
A vista da dwisao do conselho, o reo condein-
nado no grao mnimo do referido art. 264 4 do
cod. crim. seudo-llie applicadas porui as penas da
complicidade, conforme o art. 18 10 do mesmo
cod.
O destnelo artista e dramaturgo portugnez
A. Cezar de Lcenla, passou aqui no vapor francez
Navtart. Instado pelos Srs. Furtado Coelho e
Gmnbra para dar aos Pernambucanos o prazer de
o admirar, foi com magua que elle nao pode acce-
der a Ue Instancias, visto que esperado inces-
s.nilcmente no Rio do Janeiro, aonde val expressa-
nifiite por em scena o seu ultimo drama Os lo-
men* do Mar. que acaba de ter em Lisboa um suc-
MN extraordinario.
Xo entonto o Ilustre hospede, cavalleiro distinc-
to a mais de um ttulo, asseverou a seu collega e
antigo amigo oSr. Furtado Coelho, que na sua vol-
ta. aqui se demorara alguns das, e por essa occa-
iao apparceeria no palco pernambucano.
Impacientes esperamos esse momento.
Anianhaa lera lugar no convento de Nossa
S. do Carino ein Olnda, a festividade da mesma
Senbon feita jior alguns devotos, depois d>' tor
pteredido nove das de novena ; as dez horas ter
principio a fasto, sondo orador to Rvd. dicono
Francisco Xavier da Rocha ; as seis e meto horas
da tarde eomefar o Te Deum, sendo orador o Rvd.
dicono Luii Ferreira Nobre l'eliuca. A banda de
iniisica do 4o batalho deartilharia tocar lindas e
variadas pocas em toda a festividade.
Da Baha nos escreve pessoa de inteira con-
fianza nossa :
O Exm. Sr. arcebspo de Athenas, na sua pas-
sagem por esta provincia, coudecorou ao distincto
Sr. Dr. Francisco Manoel Raposo de Almeda, com
tuna medallia do prata, commemorativa da defini-
ao do dogma da Immaculada Conceicao, por S. S.
o IX. acoinpanhaudo esta dadiva com expressoes
de considoracao e reconhecimeato aos servicos que,
como jornalista e escriptoK tem elle prestado
retigtts e as letras no Brasil.
Associamo-nos aos seniimentos do Ilustrado in-
ternuucjo e delegado do Summo I'ontilice, no tes-
temunho de apreeo quo deu ao jornalista, cujos
.-! ripios por mais de urna vez temos transcripto
as nossas columnas.
Ficando na idade de 15 annos orphao Ju-
liao B., l-se na Presse, foi arrumado em urna casa
i'oinmercial de Paiis: onde aos 20 annos tornoa-se
activo e intellifentissiino caixeiro volante.
. Nossa protissao conseguio economisar alguns
milhares de francos, com os quaes resolveu ir ao
Brasil tentar fortuna; e efectivamente para 1a em
barcou-se conduziudo objeetos, que veudeu com
yantamos.
Era em 1838.
t 0 governo brasiloiro, para facilitar o arrotea-
aneato das trras incultas, conceda trrenos com
avoraveis condicoes; de iacxlo que Juliao R. obteve
urna data de trra, que transformou de vugens
em um dominio productivo; eno fin de alguns an-
nos tinha elle ein sua propriedade para mais de
soiscentos Africanos comprados aos navios negrei-
' Xo poder de Juliao nao lasiiniavam estes a
perda de sua liberdade, visto que, em lugar de um
senhor, avalento o nraimico. tiuhain um tutor que
os considerava como caseiros ou trabalhadores vo-
luntarios. Com elTeilo, Juliao |irocurou-lhes os be-
neficios da instruccao, e retribuio os seus trabalhos
iior meo da cessao de porgOes de terrenos, para el-
los cultivarein para si; e permittindo-lhes o casa-
monio, que Ihes augmentava o bem estar e desen-
volvia-lhes o crescimento. teve dobrado trabalho;
de modo que a producgfw dos seus dominios exce-
di das mais importantes planlagoes do patz.
c Juliao possuia um negro de Congo, de nome
Joaquim, que comprara iiiuito novo ainda, e a
quem se inclinando alfeigoadamento teve por isso
mais liberdade em sua educagao. Ora Joaquim,
de rapaz, tornou-se um homem muito intelligente
e dedicado; e Juliao f-lo administrador de suas
propriedades, no que se baria elle perreitamente.
No entretanto, com o correr dos tempos Juliao teve
saudades da patria, para onde parti, tendo antes
vendido suas plantacoes e forrado a Joaquim, a
quem doou um terreno, dinheiro e os meios de em-
iireheiider uuia exploragao agrcola por sua conta
Em Pars quiz Juliao vi ver alegremente e recu-
perar o tempo perdido para o fazer; mas f-lo tao
desenvolvidamente, que a sua fortuna se ressentio
em pouco tempo. Neste ponto appellou para o jo-
go da Bofa, porm essas operagoes, que a princi-
pio foram felizes, acabaram por apresentar perdas
toes, que em urna bella manhaa acordou elle com-
pletamente arruinado, de modo que vendendo a
mobilia, apenas apurou dez mil francos.
O seu pensamento voltou-se ento para o Bra-
sil, berco de sua fortuna; escreveu para logo a
Joaquim no sentido de saber se poderia recomega-
la no caso de voltar para ahi. Mas, em quanto es-
perara a resposta, resolveu viver o mais modesta-
mente possivel, alim de nao esgotar o pouco que
lhe restava; e assim foi habitar um pequeo quarto
do 5." andar de urna casa na ra de Santo Antonio.
Passaram-sc mezes sein resposta, o que come-
-cou a inquietar a Juliao, c chegou a ponto de, no
seu desespero, reunir do quanto lhe restava, e ir
ainda outra vez aventurar-se no jogo da Bolsa :
quinze dias depois, nao tinha um obulo de seu I
Ante-hodtem (17) pelas 2 horas da tardemos
visinhos viram-no entrar em casa, com as feigoes
todas alteradas; e, um quarto de hora depois, um
cheiro forte de carbnico espalhou-se pelo predio.
Os visinhos foram bater-lhe a porta, c como elle
nao respondesse, forgaram'na; e a esse tempo um
negro subi a escada : era Joaquim.
c Juliao comecava j a exprimentar a influen-
cia das emanagoes do carbnico, mas alguns cui-
dados fizefm-no recuperar os sentidos; e mal
abri os olhos, vio junto a si Joaquim, que lhe
c Eis-me, bom .senhor; nao vos affiijais mais.
Sou rico por vossa bondade: ahi tendes.
E abrindo a mato que trazia, apresentou a Ju-
liao trezentos mil francos (105:000*000) em ouro e
notas.
Quando Juliao ergueu-se, o negro propoz-lhe
on ficar com o dinheiro que elle lhe trouxera, ou
.egui-lo nara O Brasil:
* Eu vou comtlgo.
i Foi a resposta de Juliao.
Os dous amigos vao seguir para o Brasil, que
iea felizmente grande distancia da Bolsa
as nossas ama veis leitoras ofTerecemos a des-
cripgo seguinte do trajar ultimo na Europa, segun-
do os figurinos que temos vista:
Traje de campo.Chapeo de tafet de aba direita
unida copa. la frente da copa ha um tufo de pen-
eas brancas postas em forma de leque. Do chapeo
cabe um vea de tulle unide.
f Vestido e charpa de tafet de cor com goarni-
co de tafet branco.
Corpo afogadeponteagudo na cultura,eabo-
toaaW ao meio. \ ,,..*
* A guarniclo, composta de urna ruche de taieta
branco, finge cabogao e canutes.
processos com qnatro reos, por baverem prescrevi- ] Se nao temos forca, por que nao temos ordem,
do oscrimes. Foram condemnadostres gales, e se nao temos ordem, por que nao tomos traba-
dous priso simples, um dita com trabalho e lho; o trabalho fortalece a nagao, e um povo forta-
seis foram absolvidos. lecido comprehende perfeltamcntc os seus dircitos
Os crimes porque foram os reos aeousados, slo : c os defende pela liberdade.
mili digno Sr. Ur. uaraueae maceae, engHiuMum a nossa siiuaeao pumica se aau v c^ta, muimviu
fiscal da via frrea, explicando a_ msneira porque j nada tem s. invejar, e se nao est muito prxima,
Quando em urna naci o povo retira a connanca
dos homens de estado, nao tarda em desapparer.er
tambein a confiauga de homem, para homem, e nes-
te estado deploravel, nada mais resta de naglo se
nao o esqueleto, e de liberdade, os fragmentos I
A nossa situacao poltica se nao esta, tambeni
tambem nao esta muito distante: a descenfianga
do menos pensante contra o mais pensante, e a falta
do trabalho j marcuam em guarda a vaneada an-
nunciando a nossa miseria publica.
Com fel na bocea e dr no coragao vemos a olhos
nsos nossos filhoschorarera dase dias inteiros a
falta de um pao, e a miseria publica conquistando
largamente o nosso socego e paz de espirito.
Nao consintamos que esta miseria funde neste
bello patz o seu imperio desastroso, temos filhos
que nos ha de succeder no direito de langar sobre
nossas cabegas a mais negra e tremenda maldigo!
Sim, se os homens de estado j nao nos inspira
confianca, se os destinos de um paiz novo como o
nosso, se acham em grave perigo; e se nos j ex-
perimentamos as andas da miseria ; tempo de
Esta disposigao, alias recente, a que tem si- tomarmos urna posicao esclarecida c segura contra
do applicada pelos empregados daquella estaco. este estado miserando.
< Ignoro quaes sejam as outras irregularidades Tomemos por assumpto de nosso melhoramcnto
que allude aqiielle jornal, por isso que nao as te- a dissolugao da cmara temporaria, veneranda por
nho encontrado nos meus exames, nem por ellas te- sua magnanimidade e veneranda pelo seu fim.
nho recebido reclamagos.Do Vine, amigo obri-1 Urna legitima e sincera interpfetagao poltica nos
gado e criado=B > As cores inais preferidas para o campo sao ro- luz, de prudencia c da mais tocante philantropia.
e cor de flor de alecrim. Para passeio preferida A dissolugao nao manifesta odio contra esta ou
aquella opinio poltica, pelo contrario um acto
Entraram
Sahiranr.....
Existcm.....
Nacionaes
Eslrangeiros..
Mulheres.....
Estrangeiras..
Escravos.....
Escravas.....
388 presos
2
7
383
263 i
34
13
3
68
2
*383
Alimentados a custa dos cofres publicas.; 154
Movimento da enfermara no dia 14 de julho de
1863.
Teve baixa :
Bento, escravo do desembargador D. Francisco;
ophtamiia.
Passageiros do vapor nacional Cruzeiro ao
Sul, viudo do Rio de Janeiro :
Commendador Caetano Pinto de Veras, Dr. Ur-
bano Sabino Pessoa de Mello e 1 escravo, Dr. Ma-
noel da Silva Mafra c 1 criado, capito Claudio
Marques de Souza, tenente Manoel Joaquim da
Silva S, alferes Antonio Francisco Machado, sua
senhora e 1 filho, Marcelino de Carvalho Rapozo,
D. Manan Lauoth, Jacintho d'Almeida Torres, Anto-
nio Teixeira Pinto, Manoel Ferreira Passos, Clau-
dino Falco Dias e 1 filho, Rvm. frei Durulho de
Lureda e seu sachrista, frei Felippe de S. Luiz Pai-
va, Jos Luiz Cardozo de Salles Filho, Antonio
Jos Antones de Souza, Jos Jacintho Silveira Net-
lo, Dr. Miguel Valles, Joao B. de Souza Uchoa,
Alexandre Gomes da Silva, Joaquim de Souza Tei
xeira, Manoel Antonio da Rocha Jnior, sua se-
nhora e 1 escravo, africano vre Pedro Joao \ i-
cente, Wiil Leopold, 1 praca do exercito c 1 de
marinha, e 2 escravos a entregar.
Segueui para o norte :
Tenente Alexandre Rodrigues Pereira, alferes
Joao Antonio Pereira do Lago, Francisco Augusto
Pereira de Mattos, sua senhora, 1 filho e 1 escra-
vo, Americo Vesperiano Quadro, Joaquim Honora-
to Teixeira, fiel de segunda classe Sebastio Jos
de Souza, Marcos Claud e sua mulher, D. Aldgend
Jans, Pedro Francisco de Oliveira Guimares, 1
praga de polica e 1 escravo.
Passageiros do vapor nacional Mamanguape,
sahido para Fernando :
Januario Fernandes da Silva, Antonio Moreira
da Silva, Manoel Nunes Vieira, Vicente Nunes de
Abreu, Joao Fernandes de Souza, Jos da Silva
Loyo Jnior, D. Maria Jos dos Passos Leal, Joan-
aa, parda livre, 3 escravos do coronel Leal.
Passageiros do palhabote nacional Santa
Cruz, sahido para o Penedo -.Joaquim Pedro da
Costa Moreira e Joao Pereira da Silva.
ObtuaMO no da 12 dk jumo no cmitebio
publico :
Alfredo, Pernambuco, 4 mezes, Santo Antonio ;
convulgoes.
Marta Marcelina da Silva Pereira, Pernambu-
co, 30 annos, solteira, Recife; phtyzica toringea.
Deledina Francisca da Annunciago, Pernam-
buco, 9 annos, Recife ; bexigas.
Maria Maximina de Jess, Paraliyba, 34 annos,
solteira, Boa-Vista ; gastro interitc.
Thereza Francisca de Oliveira 30 annos, soltei-
ra, Boa-Vista; phtyzica pulmonar.
UinbeUna Maria do Espirito Santo, Pernambuco,
43 annos, solteira, Recife ; tubrculo pulmonar.
Antonio, Pernambuco, 5 mezes, Sauto Antonio ;
convulgoes.
Joaquim Theophilo da Boa-morte, Pernambuco,
50 aunos, S. Jos ; peritomto.
13
Libania, Pernambuco, 28 annos, solteira, Boa-
Vista ; tubrculo pulmonar.
Benedicta, escrava, 40 annos, solteira Boa-
Vst ; cholera-morbos.
' Joao, Pernambuco, 15 dias, Sanio Antonio ; es-
pasmo.
Henrique, Pernaubuco
nlo; phtysica. .
Joao, Pernambuco, 1 mez, t>. *ose;
"iaria,Pernambuco, 1 dia, Boa-Vista; espas-
Josefa Maria da Conceigao, Penuunboco, 80 an-
uos, solteira, S. Jos ; gota.
de attribuicao do livre excrcicio do poder modera
dor conferido peto nossa constituicao.
O paiz estova em pleno socego, e isto basta para
convencer que nao houvo o menor irritante a de-
terminar a vontade do throno a manifestar-sc por
una dissolugao odiosa.
Os males pblicos reclamavam imperiosamente
a dissolugao, ella appareceu na infallivcl opportu-
nidade, sem irritar nem aggravar.
O paiz a definhar progressivamente em suas fon-
tes vitaes, os altos funecionarios gastos em suas ac-
tividades, a tristeza e apatliia poltica a manifes-
tar-so em todo o imperio, nao poda deixar dea colo-
rar a necessidade de um novo movimento poltico.
A presenca destes motivos ainda nao foi bastan-
te para deliberaran a vontade do throno a dar o
golpe e appellar para o nosso movimento poltico ;
era mister ainda a opportunidadc de modo, quo so
nao aggravasse mais a causa publica.
A questao inglesa trouxe esta opportunidade, e a
dissolugao se manifestou na feliz occasio em que o
decoro e honra nacional haviam unido as diversas
opiriioes polticas do paiz, a um so pensamento.
contra a causa aggrcssora.
O appello est feito da cora para a nacao. e se
nao nos faltar a sabedora do assumpto magnnimo,
desde j podemos contar com o alivio de nossos
males, em triumpho da causa publica.
Ninguem mais c juiz nesta causa, se nao nos
mestnos; os podares do estado linilaram nella a sua
missao, e ospmmuaaeio-os pe., juizo delinitivo de
a legitima sUCRfirta. .""
_ nosau jui^i vai pois ser proferido em desag-
gravo dcsia causa, nu i.c vemos portento prepara-lo de modo, que, nem a
malicia, nem o odio poltico e nem suggestdes es-
trahas possamde leve assombrar o livre exercicio
de cada mu de nos neste sagrado direilo.
Se eu mesmo j vos nao inspiro confianca, tendo
figurado nesta ou naquella esphera jiolitica a custa
de vossos suffragios, por haver sacrificado os nte-
resses da patria contra vossa intengo i alwrrecei-
me como immigo da patria; por que nao ha patria
sem prosperidade, e nem se concebe povo sem li-
berdade.
E' o direito de escolha que nos est escripto as
maos e que marca os seres livres sobre a trra, e os
poe em relagao com Dos, e fra da feroz irracio-
nalidade da criagao.
este direito que symbolisa o nosso futuro, e por
isso mesmo deve ser manejado de modo a attingii
0 lim a contento da magnnima iutencao que para
elle appellou na firme esperauga de encontrar no
juizo soberano da nagao os meios de salvagao pu-
blica.
justosUt
de conelno.que a morte-lbc
mulo deucomeijo a existau-
beati.
CoTlsolemo-nos, pois, nem mais un grito de dr
4 nos ouga. ncn um suspiro, elle foi rrnii feliz, o
nos devenios continuar estado tlieologico, para vir-
mos a ser ministros juntos, dando nisso prazer aos
nossos todos.
A. F. da Silva.
Seminario, M de junbo de 1863.
9
quenotu- Costae JoaoJ^n^lriA Lratijn(trWcavaflos,JMrti Can 4a
Reelfe.
A lim* junta admfaistrr.tiva da
As eriaifas hmlladas por alffCffs ve miosas,
sao proniptomentonlli viadas mediante urna s dse
das pashlhas vermfugas de Kemp, cujo aspecto
tao tentador, e seu sabor tao gostoso, que as crian-
gas nunca chegau a recusa-las jior mais que forem
offerecidas. Estas admiraveis paslilhas sao gran-
demente procuradas por quatro razdes ; ,
Nao conten mineral algum ;
Nao exigeui ao depois ajierientes ;
Produzeiii o ohjecto desojado sem causar a m-
nima dr ou iiicommodo;
As criangas geralmente se acham inclinadas a
tomar mais do que aquelle numero indicado.
Nenhuma mai que dolas tenl.a feito uso urna s
vez nae admittira neiihuiu outro vermfugo em sua
casa.
A' venda em todas as boticas e lojas de drogas
do Brasil.
Opera Italiana.
Desejosos e apreciadores, como somos, de urna
boa companhia de canto, convidamos o cavalleiro
Ramouda para que se proponha para tomar a em-
preza da nossa opera lyrica: o esmero, o bom
.oslo que elle tem, a prattra (fue possue de seme-
hante4arjsfa,e as provas inequivocas que nos tem
dado pelo paseado, sao garantas para nos dilettan-
tis e afra o governo para ter a certeza de possuir
urna boa companhia, um excedente guarda-roupa
c urna escolha Ipurada das melhores operas, faze-
mos votos para que este senhor, attendendo ao
nosso pedido e que o governo convencido como
nos rewse os nossos desejos.
* Varios dilettantis.
que so suppSe urtaoW sendo ara rugo,
outro CfRMfe e outro preto; cujos crtvalo ,
.e acham a rdepositauos, por a-mella dele- JW^!!!^^
gacia.
O secretario
Eduardo de Barros Falco de Lacerda.
O Dr. Trislio de Alencar Araripe, offlcial da im-
perial ordem da Rosa c juiz especial do com-
merrio desta cidade do Recife de Pernambuco e
seu termo, por S. M. Imperial e Constitucional,
o Sr. D. Pedro II, a quem Deus guardo, etc.
Fago saber aos que o presente edita) viran o
especialmente aos credores do commerciante Ga-
briel Antonio, que tendo este requerido moratoria
ao meretissimo tribunal do commercio, sao pelo
presente convocados para comparecercni perante
este juizo, no dia ti do corrente mez as 12 horas
da mandan, afim de observar-so e dar-se inleiro
cumplimento ao dsposto no art. 900 do cod. do
commercio, e de conformidade com o que dispde o
artigo 899 do mesmo cdigo.
E para que o presente chegue ao conhecimento
de lodos os credores do referido impelanle, nian-
dei passar este edital, que ser publicado na forma
do estylo.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimento, es-
crivo o subscrevi.
Recife 11 de julho de 1863. Tristao de Alencar
Araripe.
llora. da larri na
.
orara das ninfas 4k
toma Ir rama irrs
DECLARARES.
COMMERCIO.
CAIXA FILIAL
DO
BANCO DO BRASIL
EM PERNAMBUCO.
A ihrcctoria da Caixa Filial do Banco do Brasil
declara aos senhores accionistas da mesma est autorisado a pagar o dividendo re-
lativo ao semestre lindo em 31 de maio prximo
passado a razio de 105000 por aego. Recite 11
de julho do 1863.
Jos- Mamede Alvos Ferreira.
secretario.
NOVOMNCO
DE
PERNAMBUCO
EM 14 DE JlLllO DI 1863.
O Banco descoma na presente semana a dez por
cont ao anno at o praso de quatro mezes, e a
doze por cento at o de seis mezes.
Alfandega
Rcndiuiento do dia 1 a 13. 185:909*131
Idemdodiali........11:389*6*8
C onsrllio admialstrallvo.
O conselho administrativo, para fornecimento do
arsenal de guerra, tem de comprar os objeetos se-
guimos :
Para o corno de guamigo do Cear.
197 mantos de la.
Para o presidio de Fernando.
23 mllheiros de lijlos d alvenaria de primeira
qualidade.
Para o arsenal de guerra.
10 quintaos de ferro sueco em barra de 2 '/i pol-
legadas de largura e 1/2 dito de grasara.
10 ditos de dito dito dito de 3 pol legadas do lar-
gura e >/j de grossura
10 ditos de dito dito dito de 4 pollegadas de lar-
gura e '/z de grossura
10 ditos de dito dito dito de 3 '/? de largura e
'/i de grossura.
20 ditos do dito inglez redondo de 1 '/? polle-
gadas.
4 lences de ferro do 1 1/2 2 arrobas.
2 ditos de dito do 22 24 libras.
Quem quizer vender taea objeetos aprsente as
suas propostas em carta fechada, na secretaria do
conselho, s 10 horas da manlia do dia 17 do cor-
rente mez.
Sato dassessoes do conselho administrativo, para
fornecimento do arsenal do guerra, 11 do julho
lho de 1869.
Antonio Pedro de S Bnrreto,
Coronel presidente.
Sebastio Antonio do lego Barros,
Vosa) secretario.
A arremata^o constante do
anniinclo que abalxo segne-se,
tanto dos engenhos como dos
escravos. de ver ter lugar no
dia 95 do eorrente. depois da
audiencia do lllm. *r. Dr. juiz
municipal da segunda vara.
Perante o Illm. Sr. Dr. juiz municipal da se-
gunda vara, scrivao Motla,. tem de ir a praca os :
bens seguales :
O engenho Pintos com todas as suas trras e
! obras grande casa de vivenda, outra denominada
moradores, grande i
de suas sessoes continua a
casas aballa declaradas por
annos.
Os pretndanles devem compar*eer
dos de seus fiadores ou munidos de rulas dtrs
EslabHcrinnilas df caridatV.
Roa Direito.
X. 4 particular e 33 publico um andar.
N. 82 particular e S publico tres an-
dares...............
N. 83 particular e 7 publico tres an-
dares.. ...... ......
Ra do Padre Floriano.
N. 6 particular c 47 publico casa terrea.
N. 7 particular e 45 publico caa terrea.
N. 66 particular c 63 publico casa ter-
rea ........*.......
N. 90 particular e 13 publico casa tor-
rea................ 181*001
BeccodaCanrzdha.
N. 10 particular c 5puWico casa torrea.
Ra dos Pescadores.
N. 16 particular e 11 publico casa tor-
rea.................
Ba da Calcada.
N. 17 particular e 30 publico casa ter-
rea...............
N. 19 particular e 84 publico casa Ut-
roa.................
X. 21 particular e 38 publico casa ter-
rea.................
Rua da Virario.
N. 27 iiartieular e 19 publico casa ter-
rea.................
Rita do Borlas.
N. 29 |>arlicular e 41 publico dous anda-
res.................
Rua de Sania Thereza.
X. 31 particular e 7 poblico casa terrea.
X. 32 particular c 5 publico casa torrea,
Rua da Boda.
X. :13 particular e 3 publico casa terrea.
X. 36 particular e 5 publico catea terrea.
N. 37 particular o 7 publico casa torrea.
X. 99 particular e 1 publico casa terna.
luaXova.
X. 43 particular e 41 publico casa ter-
rea. ...............
X. 46 particular e 48 publico um andar.
Ba da Impcralriz.
X. 47 particular e 68 publico casa ter-
rea.................
Ba da Gloria.
X. U particular e 68 publico casa ter-
! l
Ba do Enea 11 tantalo.
X. 52 irliculr c 3 publico 3 andares.
Ba do Azoito de Peiv.
X. 53 particulare 1 publico i andar.-.
Ba do Anioriiii.
X. 54 particular e 31 publico um andar.
Ba da Lapa.
X. 56 particular o 8 publico um andar.
X. 73 particular e 5 publico um andar.
Ba do Pilar.
X. 59 particular o 73 pubiieo eM ter-
rea................. 183*000
5654M
Ototm
nmm
mitm
1HJM
I40O)
IW4O0H
235*000
I7UM
!49t>)
156401)
*3J9>>
553* 1
IWiOt)
KtaiOu
ni*
l*ft|0O
75z*i 1
I 312*09
3M*9
144*Or>
4-tfOi
6O0*
150*00
144*01)
42Q*0>>
Rua do Sao Bom lesos das Crioala*.
iq7.anoS7-q Horta. algumas casas para
_____ senzala d<' ['dra o cal, estribara, casa de dis
__ Mm _______. ~ rtacao com um alambique d'
Movimento da alfandega. eiu 5:Uooooo.
Voluines entrada com fazendas q engcnho Quiaombo contiguo ao mesmo, com
com gneros __| j0(jas as SU;IS t,,rras c Pasa ^ vivenda, avahado
em 22:000*00.
Os escravos Antonio Caltimbi, crioulo. 50 an-
nos, avahado em 8(M>,5; Matheus. nacao, 35 an-
X. filparticular e 8 publico casa torrea.
Ba 1I0 Xogiieira.
X. 62 particular o 17 publico cas ter-
rea. .. -
Ba dal'ruz.
X. 68 particular e 15 publico 3 ailares.
Ba daCadeiado Recife.
N. 72 particular e SO publico 3 andares.
Boceo da I-aina.
X. 75 particular e 30 publico casa tor-
rea.................
Travessa doCarcereiro.
vaiori tudo avahado X. 85 particular e 11 publico casa ler-
-60*Wt
1:200*000
-iJOiOOU
SI*
Volunios sabidos
com fazendas
com gneros
532
------532
35
410
-----US
Doscarrogam no dia 15 de julho.
Patacho bespanhoRicardovlnhos.
Briguo i,iasloiro-linila-iiiercadorias.
Itriam port^oez -It.-lninpagid.-m
Stii'3'-' nespanhota Esmeralda baldoacao de Xl>^ crioulo, 2.1
carne do oliarque
lmportacao
Vapor braseiro Cruzeiro do Sul, procedente do
Rio de Janeiro e Bahia, manifestou o
Do Rio de Janeiro.
seguinte
a Jos Leopoldo Bour-
a Francisco Goncalves Fcr-
Para nao desmerecermos de nossa liberdade,
uo desviarmo-nos da intengo do throno que com
tanta sabedoria procurou zelar os dreitos da patria
em occasio tao opportuna e to necessaria ; deye-
mos desterrar de nosso pensamento as mistilicagoes
da intriga e de resentimentos particulares, que ain-
da possam pesar em nossos nimos, afim de que
recaiam os nossos suffragios em cidados conspi-
cuos e probos, sem olharmos para cor poltica.
Antes de concluir ainda lembro que o prograni-
ma do tlirono o voto livre; ime o voto livre a
razo de decidir a bem da patria; e que a razao
de decidir a bem da patria, dever de um novo
Uvre.
Joao da Silveira Borges Tavora.
PUBLICACOES 4 PEDIDO.
2 caixoes charutos
gard.
2 ditos chapeo;
reir. "
40 saceos farinha de mandioca; a vellozo.
2 ditos fijo, 1 dito cangica, 42 rollos fumo, 1
callao cha|)os, 1 pacote elsticos; a ordem.
Da Babia.
1 caixo charutos a Jos Leojioldo Bourgard.
1 toldo e 1 embrulho ditos; a Joo Baptista
Ramos. _. ,
1 pacote charutos ; a Lima & (.., e mais 1 cai-
xo com papel.
1 caixao brinquedos a Rabe Schmniettau
&C.
Emcomtnendas.
1 volume ; a Marques Barros & C.
1 pacote ; a Jos Leopoldo Bourgard.
1 volume ; a Palmeira & Belto.
1 dito ; a Manoel Alvos de Moura.
1 dito i a Prente Vianna.
1 dito ; para o correio.
1 dito; a H. Francisco de Souza.
1 dito; a Jos Alvos Ribciro.
Recebedorla de rendas Internas
geraes de Pernambuco.
Sent do dia 1 a 13. IbMNBn
Rendnio
dem do dia 14.
3:512*379
23:855*731
L.ACRIMA
a nru amigo e collega Jos Joa-
quim Fernandes iunlor. pela
sentldlsslma morte de seu pre-
sado pal.
I)irum Sed lvius fUpalientia
Quidquid corrigere est nefas.
Horacio.
Inda hontem te assomava no horisonte refulgan-
te estrella, ainda hontem miravas urna estrada ju-
cada inda de fragantes flores e j hoje a rouca voz
do sino to annuncia, que o ser a quem na vida mais
amavasteu pai, baixou a sepultura, a regio dos
manes! Dura sentenga I... oh Dos Eterno I que
coragao de fllho pode haver na trra qne, sem n
Consulado P^v,nc,la,,^n.Ani
Rendimento do dia 1 a 13. 5?:*_??}
dem do dia 14......... 1:808*1
55:017*402
nos, avahado ein 1:000*-, Bento. nacao, 33 an-
nos, avahado ein 1:000; Gregorio, nagao, 37
anuos, avahado en 700-3; Antonio F.sparrolla.
nagao, 40 annos. avallado em 8005; load Borra-
cha, eriooto. ** anuos, avahado em 3005; Alei-
xo, crioulo, 23 annos, avahado em i raaos i j_
Hortolao. naean M annos. avahado ein 1:100;
' lioriiudo.., niVao. 45 TimT~ r laiaill em 6IMI* i
Luiz Boni, nacao, 40 annos, avaliauo o_ ouiia
Thereza, nacao, 35 annos, avahada em 2005000 ;
Mana Vov,* criolita, 45 annos, avahada em 6005 ;
Bartholomeu, nagao, 40 annos, avahado em 5005;
Rita, mulher do dito, nacao, 36 annos, avahada
em 6005 i Caetano, nacao, 40 annos, avahado
em 7005: Violanla. mullior do dito, naco, 35
I annos. avahada em 8005 ; Felippe, cabra, 40 an-
;nos, avahado em 1:200*; Felippa, mulher do
:dito, crioula, 35 annos. avahada em 1:000* ; Fla-
viana, filha dos ditos, cabra. 3 annos, avahada
1 em 300* ; Jozino, filho dos ditos, cabra, mezes,
avahado em 11)0* ; Victorina, crioula, 30 annos,
avahada em 600* ; Mana, filha da dita, crioula,
3 annos, avahada em 300* ; gueda, filha da
dita, crioula. 18 meses, avahada em 150* ; Fran-
ciseo Segando, nacao, 45 annos, avahado em
700*: Perpetua, mulher do dito, nagao, 36 an-
nos, avahada em 6005 ; Jos, filho dos ditos,
crioulo, 3 annos, avahado em 3005 ; Felippe, na-
gao, 38 annos, avahado em 900* ; Rosa, mulher
do dito, nago, 40 annos, avahada em 600*000 ;
Jos Ferreiro, nagao, 35 annos, avahado em
1:100* ; Antonia, mulher do dito, crioula, 50 au-
nos. avahada em 500* ; Pedro, nago, 36 annos,
avahado em 1:200* ; Margarida, mulher do dito,
naci, 40 annos, avahada em 800*; Paulina,
crioula, 40 annos, avahada em 1:000* ; Clara
crioula, 22 annos, avahada em 1:0005; relicta,
nacao, 40 annos. avahada oni 7005 Maria, mu-
lher de Miguel Pedreiro, 27 annos, avahada em
900*; Miguel, naco, 42 annos, avahado em
1:000*; Maria, mulher do dito, nagao, 36 annos,
avahada 0111 600* ; Venancia, filha dos ditos
crioula, 18 mezes, avahada em 100*.
Os referidos bens perteneem heranga do fina-
do Jos Fernando da Cruz, e vao praga re-
uerimento da herdeira e inventarame, depois
125*0
211-5*
tMitm
rea............... loo*
X. 87 particular e 17 publico casa tor-
rea.................
Rua de Santa Ocilia.
N. 89 particular e 18 pubiieo casa tor-
rea. ................
Patrimonio *> M-pies.
Rua d*Cadeta lerife
X. 17 particular e 59 publico dous an-
dares ...............
Rua da Madre de Dos.
X. 23 particular e 1 i-uimeo dou*
rtares............ 800501
N, 24-particular ,. 26 nublico dou* > ___^
dares................ wi>w
Becco das Botas.
N. 33 particular e 16 publico doos an-
dares .............. 402*
X. 39 particular e 18 nublico dous an-
dares........ ........ 100*000
Rua da Mocda.
X. 44 iiarticular c 21 publico casa ter-
rea ................
Rua do Amorini.
N. 54 particular e 21 publico 3 andaros. 300*
X. 56 particular e 26 publico casa ter-
rea ................
Rua do Buraos-
X. 69 particular e 21 publico casa ter-
rea ...............
Rua da Senzala Velha.
N. 78 particular e 136 publico dous an-
daros ................
Sitio do Parnameiriin.
X. 1 particular...........-
Secretaria da Santa Casa da Misencord
rife 13 de julho de 1863.
Oesorivao.
F. A. Cnvalcanti Comseiro.
rotii'iMiit
23 !->
725
72-3"
752-3'
3005
doB.
No escriplorio da mesma comiwnitia >
ttibue-se com os Srs. accionistas os fIMis
impressos contendo os traballios da m .
110 semestre Ando em 30 de abril ultim. e
gerat iiCtde
MOVIMENTO DO PORTO.
JVneto entrado no dia 14.
Rio de Janeiro7 dias e 14 horas, vapor nacional,
Cruzeiro do Su/, commandante Mancebo, de lote
de 1,100 toneladas, e 63 pessoas de tnpolagao.
Navios sabidos o mesmo dia.
PenedoPalhabote nacional Sonta Cruz, capitao
Jos Victoriano das Neves, carga differentes ga-
neros.
Ilha de FernandoVapor nacional Mamanguape
' commandante Manoel Joaquim Lobato.
Obserracao.
Fundiou no lamarao um patacho italiano, mas
nao teve commuuicagao com a trra.
ED1TAES.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, offlcial da impe-
rial ordem da Rosa, e juiz de direito especial do
commercio desta cidadn o Recite e seu termo
capital da provincia de Pernambuco, por Sua Ma-
gostado Imperial e constitucional o Sr. D. Pedro
II, que Dos guarde, etc. _.
Faco saber pelo presente que no da 3 de agosto
dores sentir em calma, ouga articular os sons que \ annQ sc n-0 ^ ammatar por venda a quem
lheannunciamamorledeseupai?! Neuhuni.por Aef^em praca publica, depois da audiencia
corto, seto embora elle um ente despresivel; o amor ^.ya as tres petiuenas casas no Apipucos, ten-
filial exise prantos e seesse pai e -qual o de meu ^ cosinha m e jam!lla ^ frente, urna
collega, cbeio de virtudes, se enoerra as qijalidades ^ m f| uma ^m^inha c urna salinha
que esse nome exige, sc dos filhos so cuida, se e tm mmm cosinna fra e quintal em aborto
bondoso e obre, que pranto bastara para chora:to, ma ^^^ ate o agude, avahada cada uma em
para do fllho exprimir a dor pungente ^ 1 Aao poue gyQsoOQ as quaes o pertencentes a Jos Affonso
a natureza responder taes cousas, autos horronsa- perreira' e vao -a praca por execugo que contra o.
da de lato se cobre e mmudooe I mesm0 encaunha Manoel Joaquihi Baptista, e na
Sim, chora amigo e collega permitn que comti- falte de icilaBtes ^o arromaudas pelo prego da
go una meu pranto, que soffra o que tu soBres, e adjudicaiC0 eom o altatimento respectivo da le.
que te diga qne Dos somonte e grande ;pois so -^ |iara'(jU(, eHegoe a noticia a quem convier u_n-
dei passar editaes que seroafflxados nos lugaresdo
Bt-t.TI>; IV
do ouvidos o Dr. procurador fiscal da fazenda pro- ^^ m sesso da assembla
vincial e os de mais interessados, para l^samon- d mmn{( v.
to das dividas a que esta sujeita a heranga, de- v 'nmini a do
vendo seren pagas no acto da arrematagao, aftm Ehi.riptono da Lompanina no
depoderem dar a necessaria desoneragao os dou de julio ue lood.
credores que tem hvpotheca no cngcnlio Pintos.. O escripturarH.
O escripto e traslado do edital existem em mao, Marcolino Jo* PuiH'-
do porleiro do juizo, e os prelendenWs que qui-
zerem examinar os referidos engenhos podem atn |^gy fa caflas seguras Tildas de sol peta a-
comivarecer, que ha pessoa autorisada a mostra- tSnltn j, snl> para es aenhares
los com todas as suas obras e bemfeitonas ; as- por wiwrini u wi p
sim como os que quizerem ver os escravos e pre- deetarades.
cisarem de qualquer ^'^'Sv^KS"- Antonio Jos Lopes Filho.
IV
gir-se nesta praca a mesma
rante, que reside na Solcdade, rua de Joao fer-
nandes Vieira. ,
O lancador da mesa do consulado provin-
cial, abaixo* assignado, sendo nomeado para pro-
ceder aos diversos langamentos que tem dc-scrcm
cobrados por .esta mesma mesa no anno finan-
ceiro vindoorode 1863 1864, avisa aos senhores
prprietarios de predios urbanos e oulros-estabe-
Fccimentos que tenliam preparados os competen-
tes recibos ou outros documentos atan de que
possao mesmo abaixo fazer os langamentos en
regra sem \-exames das partes interessadas. Ou-
tro sim, declara o mesmo abaixo assignado, que
sendo nomeado para as Ireguezias de Sanio An-
tonio, S. Jos e Afogados dar comego peto de
Santo Antonio. ......____- ,_.,
Mesa doconsutodo provincial, 4 de-julho dciWW.
Olangador
Joao Pedro de Jess da Malta.
Ernesto Ignacio Cardim.
Francisco Moreira da Costa.
Francisco Rodrigues Soares (J)
Joauuim Leo|K)ldino Brrelo Macu I.
Dr. Joo Pcdreira de Cerqucira.
Jee Gomes Ferreira.
Jos Joaquim Alves de Almeida-
Marceliuo Jos Ixipes.
Manoel Martins Fiuza.
Manoel da Fonseca Lima Jumo*
Tribunal dt ctm-erco.
feto secretaria do tribunal do comatnr
Peniambuco se faz publico qne ein 10 ik
so reiiistrou o contrato de dueokuca da a
de Antonio Joaquim de MeUo. e _anuA Pwlt A-
Mello, que exista oesta cidade sob a tana do I
l C.; ficando em virtade do mesmo contrato .
ex-sorio A. J. de Mello, encarregado to bquwl
Quarta-feira 15 do corrente em audiencia.do vo ^ ^j^^ sociedade,e i(W"
Sr. Dr. juizprovedor dos residnos esenvao Vas-1 M ^^^^1, dos fundos qne tinha em dito -
com a quantia de 5:047*965 em dividis
tra de l:040&assignada peto prtax-H"
7 mezes, Santo Anto-
espas-
nelle se encontra sabedoria, amor, justiga, bondade
em summa: daqui est claro que nao pratica o
mal, que nosso arrimo, muito embora o contrario
nos parega. esta a voz da nossa religiao santa e
sublime.
Morreu teu pai, corto, mas nao sabes que ne-
cessario morrer, para viver, e que a vida so e tal,
quando eterna, l na patria dos anjos, onde tuao
e vontura, tudo gloria.... Pelos Santos se beijam
os altares, pelos filhos se avaliaii os pai* : so pi'i
tu choras amigo, s christo puuo, se te adornam
virtudes, se honra e mrito tens,-so,
Btanme e publicados pela imprensa
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambueo, aos 13 de julbo de 1863.
Ku Manoel de Carvalho Pacs de Andrade, esen-
vao o subscrevi.
Trisulo de Alencar Araripe.
Por ordem do lllm. Sr. Dr. chefe de
pokGia, foco saber aquellos quem interesar
pofln, que pelo delegado do termo da Naza-
., refl!; foram apprehendidos em poder de Po-
^ti5Si3perffi ?dou-1 Ucwpo Pereira da Luz, Besar Francisco da
era mu hoawi igual a
t salas, 1 quartos, cosinha fora, quintal, cacimba,
em chao proprio, avahado em l:800ft, porlencente
a testamentaria da finada Luiza Muniz, e vai a pra-
ca requerimento do testameateiro dativo dos bens
da iiH-siua tinada.
CORREIO
Pela admimstrago do correio desta cidade se
fazpubroquehoje(15)as 2 horas da tarde fe-
char-se-lao as malas que tem do conduzir o vapor
Cruzeiro db Sul, com destino aos portes do norte.
Osjornaesat ao molo dia, e os seguros at uma
hora da tarde.
Arrematado.
No dia 14 do corrente, depois da audiencia do
Hlm. Sr. Dr. jux municipal da primeira vara, tem
de Ir praga por venda a casa terreajnei-agua na
rua da Ponte Velha n. 35, por eteeltaio de Leo-
poldo Ferreira Martins Ribeiro coutra os herdeiros
deD. Antonia Maria de Castro, a uWma praga,
escrivo Saraiva.

4ii rcv/ri

Santo Ca
\

/
Secretaria do tribunal do commercio e tVr-
naiubuco 13 de julho de 1863. ^.^
Julio Goaaerae*,
OOciaNutior.
uiapeccta#
Faz-se publico que a mmisso de p.TIM>ta-
__ 'na fona dctormtada -o npp_
annevo ao decreto n. 1391 de 1~
1854. o casco, maclna, ddesraa, apparetaa, mp-
treagao, amarras o ancora do -y J
da ciminanhta PemnrtmBW a> navep;* w>-
teira, achon todos essos iafoeM emiifear **-
InsieccSo do arsenal de marinha de 1


ligarlo de Pea-aambuto nvi.\ tetra 13 c Julho de 1SSS.






i Jo esta rcparti<5 itiw papis ne?essario5&
vida o Sr. directoras pessoa <
o se quizerem encarroar a comparecereni. SEH MjIMITB'
ho ilos respectivos modelos, apresen- Jb_taro c uiais utensis existentes na casa n. 43 a
.--afir?*' ___
tarom as suas propostas.
Hospital militar de Pcrnambuco 10 de julho de
186I).0 escrivo,
Jos Marcelino Alvcs da Fonseca.
THEATBO
ra de Hortas, onde outr'ora foi falrka.de cha-
rulos. \
IIO.ll.
Quarta-fi'ira la do torrente as 11 Iroras.
0 agente Olympio n dia e hora cima far lei-
113o da armaeao cima que se presta a qulquer
genero de negocio.
1.WPR1.ZI
DF.
A. .1. DIARTE C611INU.
' gi. RECITA DA ASIGNATURA.
(!. DA 3" PRGSTACjAO.)
Nao havendo sido possivel, apeznr de todos os es-
forcos, conseguir acabarse o scenario pan boje,
fica transferido para amanhaa
Quinta-feira, 16 He Julho de 1863.
Primeira ropreseiitacao do magnifico drama om
quatro actos e um prologo, ornado de msica,
AS MULIIERES
PBRSO.VAGE.VS DO PROLOGO.
Diogencs............. Sr. Fnrtado Coelho.
I'liidias
(orgas...............
Alciliiados.............
Um Atheniense.........
Outro dito.............
Strabon...............
Tha.................
M^'a-(Estatuas de
] imarmore....
Lisboa.
Thoinaz.
Penante.
Guimaraes.
> Joaquim tramara.
Porto.
Sr.11). Camilla.
1). Jesuina.
D. Josepha. I
D. Li-opoldina.
da
l'hrina
A aeeio do prologo passa-se na olieina
cultor I'liidias. em Alhenas.
O vestuario e novo, o no carcter da poca.
I'S-
Nl-GROS DE MSICA.
1." A eaneao daeserava.
1" Curo de Athenienses.
PBnSON'AGE.VS DA PECA*
Sr. Furtado Coelho.
Lisboa.
. Sr.
Desceis, iornista
Raphael Didier. pintor e
eseultor.............
O conde de Frenes, capi-
talisUi..............
Juliano., j j
Quicen: ^wls:;';
Francis..; I
John, grooii de Marco...
Marco, cantora do tlieatro
italiano..........
PtMBdora, corista........
Josepha, dita...........
Julieta, dita............
Madama Didier, mili de
Raphael.............
Maria, orphia..........
A aceao passa-sc na aetualidade,em l'aris.
O primeiro acto passa-se no hotel de Madrid,
nos Campos Elysios.Neste acto eanta-se a celebre
ranconeta Polka das modas de ocho.
O' segundo acto passa-se no atelier do escultor
Raphael
O terceiio acto passa-se n'uma casa de campo,
em S. James, nos arrebaesde Pars. ,
o qnarto acto no atolier de Raphael.
o scenario novoe pintado pelo seenographo o
Sr. DorneHas.
O drama AS MDLHERES DE MARMORE, devi-
do penna fecunda de Theodon
lebres dramaturgos francezes. rausoirem
Tliomaz.
Penante.
Gumiarars.
Joaipiim Cmara.
Porto.
T>. Eugenia Cmara.
D. Leopoldina.
D. Josepha.
D. Jesuina.
D. Joanna.
I). Camilla.
IiEIIAO
DE
I.HA TAKi:it\X.
JosJoaquiniIVreira rom autorisaeao de BOU
credores far leilao por intervencao do agente Pes-
taa de tsua taberna sita na ra Direita n. 2o:
quarta-feira 15 do frrente pelas 12 horas da ma-
ulla:'..
PHOTOGRAPHIA ARTSTICA
NOTICIA NOTICIA NOTICIA.
A. W. Osborne retratista americano na ra
do Imperador partecipa ao respeitavel publi-
co que elle acaba de receber dos Estados-Uni-
jdos o novo e valioso processo- da photogra-
. I phiaha pouco descolarlo nos Estados-Unidos,
a;sendo este novo systeraa superior a tudo
25 R VA NO VA 23
ESQUINADA RUADA CAMBO A DO G ARMO
Trabalhan seja qual fr o lempo.
Leilao (jninta-reira 16 do torrente ao uieio dia
porta da assooiaco cuiiimcrtial de predios as! qnanto at o presente se tem descoberto;
.vi'ipiitiies'Vnas da massa fallida de Bastos &
I.cmos.
101 Direita. casa terrea.
47 Agnas-verdes, dita.
1) CoUivello, dita.
53 Imperatriz parte do sobrado.
14 Tone, (Marta, parte do sobrado.
Por intervencao do agente Euzebio se vender
em leilao a requerimento dos administradores da
massa fallida-de Bastos Lemos e despacho do
lllni. Sr. Dr. juk especial.do commercio, os pre-
dios cima descrilos ; sao convidados os preien-
endo o annunciante ouniro em todo o impe-
rio do Brasil, que possue o dito systema
photographico. O Sr. Osborne pode apresen-
tar as mais bellas pinturas sobre o papel
debaixo de uin estylo nunca experimentado
nem conhecido at ioje neste paiz, os precos
dos barloes serio os mesmos; A. W. Osbor-
ne na ra do Imperador; olhem para a ban-
deira americana.
NB. A s;da onde est collocada a clara boia
dentesao previo ame. sendo presente os docu- f0 \ pouco toda retiicada de novo, e acha-
menms no acto do leilao e_eiiis("guida irao mais j ge (.()m (,Sj),,,,() suyiccnte para acomjuodar
Tmurado, "i' qulquer familia por mais numerosa que seja
iin ifi".-- irn .i- "' v_> *_*_* %> .-.. .-,,...
por conta e ordem de outros um terreno jia t
vessa dos Kerreiros com alircrecs i
palillos de frente e 150 ditos de fundo; una c
terrea n. 4 na ra do Jasmim, quasi nova.
Precisa-se de dous trabalbadores na
padaria da ra dos Pescadores n. 13.
. Grgorio Bilta, subdido hespanhol re-
t ra-se para Europa.
Herique Bernardes de Oliveira, cida- \ fra, terraco equjntal com cacimba,
do brasileiro, vai Europa.
jLEIIAO
DE
Predios.
Quinta-feira, 18 do torrente.
O agente Almeida far leilao dos predios cima
pertencentes a massa fallida de Bastos & Lemos a
requerimento dos administradores e
Illiu. Sr. Dr. juiz especial do commercio.
O leilao ter hipar porta da associaeo
mercial, s 11 horas do dia.
Um sitio na estrada de S. Jos do Manguinho,
com grande sala de sobrado em terreno proprio, cm-
xeira, estribara, scnzalla, casa de deposito d'agua
do encanamento, cosinha ao lado, baila para ca
pim. diversos arvoredos, murado na frente com,
porte e grade de ferro. i ra do Imperador sobrado n. 2, entrada pela
Metade do sitio da Passagem da Magdalena,; ma de S. Francisco.
tendo um bonito sobrado de um andar, caxeira. I
estribara, sensalla. murado com grdame e poMol
de ferro na frente.
i Alagase urna preta escraTa, propra pan
servico caseiios, e vender na ra : miar aa
, ra nova de Sjinta Rita n. 1.
| .-No Mbndegv n.95 corlanwepapen finei-
fetar pral |>or preco^SoaTeT
Lava-ae e engoinma-se com perfeicao e preco
; commodo : na ra Din-ita n. TO. "*m'**"V
Aluga-se, um quario proprio pan or an-
. leiro, proco commodo : na nu do **"Ifil7j|[.
AMA DE LEITE
Precisa-sc de nina ama de leite que aa
fllho : no becce da Beia n. 14.
Primo Luciano dos Santos| vai a Alague a
. negocio.
O Sr. Americio Jos dos Santos tem una car-
ta \ inda da Europa, na ra do Rangel n. bi, \y
tica.
Vicente Perreira dos Santos subdito norto-
guezvai a Europa, levando eni sua companna a
I sua prima Antonia Francisca More ira.
INJECCO E CAPSULAS
VEGETAES ao MATICO.
GRIMAULT E CLA PHARMAGEUTICOS EM PARS
Novo tratamento preparado com as olkos de Muieo.rvere do Pcru, para cura rpida c infaltivcl
da Gonorrhea sem recelo algum da contracco do canal ou da inllanimacao dos intestinos. O clebre
doutor Ricord, de Pars, ter renonciado, Besdc sua apparicao, ao emprgo de qulquer outro tratamento.
Emprega-sc mjrrr&o no comQo do fluxo. as capsulas cm'todos os casos ebronicos e Inveterados, que
resistirte s prcparac&e do copaho, cuboha e s lnjec(;6es com base metatlica.
Depsito geral: em Par, em casa de. MM. Grimault e c, pharmacutios, 7, ra de la Feuillade;
em Lisboa, Joa-Asastlnho da Coata-Carvalho Jnior )0 Porto, Miguel io* de Sour.a Frr-
reir; em o Rio-de-Janeiro, Geataa, 102, ra S. Pedro; eiu Dakia, Jow-Catnuo Ferrelra-EHplu-
kelra; em Rio-Grande, Joaqun de Godo; em aranhb, Ferrelra e O; em l'ernambuco,
siioiiiii c C*, ra da Cruz, 22; souca, e as principaes pharmaclas do llrazil.
COMPRAS.
Compra-se
cobre, lat jo e chuinlio viHbo : no arinazeiu da bob
amarella da ra do ImpiTador.
Compra-se um cofre forte
tratar na ra da Cruz n. 19.
e em bon uso : a
Deposito geral em Pernamljuco ra da Cruz n. 22 em casa de Caors & Barboza.
Jinpia-se effectivameiHc oaro e nrata em
obras velhas : na praca da IndeiM-ndencia a. SI la-
ja de bilhetes.
Aitc-ra.

Coni|irnm-e- gan-afas vasias
muen i i i.
na roa Direita
VENDAS.
ALUGA-SE
0 sobrado de dous andares da ra do Pilar
6, tendo commodos para grande familia, cosinha
n. ^ .
m
i> > V
r., <
Aluga-se o armazem ratificado de no-; F()G0 FOfiO FOG !
, vo na ra da Praia n. 33, proprio para carne, v V IVUV. i v U v .
mandado do.secca on para 0ntro qulquer negocio: quem! Na fabrica da viuva Rufino conlina-se a
com- P1'cteuer dirija-se no segundo andar do ^ fazer-se, por pregos commodissimos, todos
mesmo. os artigos tendentes i sua arte, como se-
-----------------------------------------r-------- jam : pistolas, buscaps, rodinhas, etc.: a
Lsta para alugar-sc um sobrado de um tralar n0 0u0 do armazem do gaz da ra
ALVK?ARAS A NOVIDADE. j
Sao chegados loja das columnas W<
na ra do Crespo n. 13 de Antonio %<
Correa de Vasconsellos A C. riquis- Ijm
simos cortes de la muito fina com |jg
barras estampadas e matisadas a fm- v<
peratriz Eugenia, cores as mais deli- pd
cadas como sejam: cor de ganga, de B | -
11 ailar com tres quartos, quintal, cacimbae (l imn0rador, annazem da bolla amarella.
terraco, na ra dos Copiares n. 3, a tratar na
Vndese um cameiro muilo manso cooi ra-
eambas e cangalla, por preco commodo : ao ua-
teo d.i S. Pedro n. 4. _______________^
Casa em Ollaida.
Vende-seou aluga-se i>or preco commodo a raa
ter rea na ladeira da Misericordia n. 16. s.piina,
lado do p.jeute : a tratar na mesnu ci.lad.-, na dn
Matlnas Perreira n. I. com o Sr. Jos Jarinth Pa-
vao. ou na lloa-Visla. ilha dos Hatos, ra df> Seve
n. lfi. com Jos Maria Ser.
torio, cinza etc., fazenda fntejramcn- Wi'7^m&l'^'t'T.^ 'f!. mSESt'
.J y?*? za a'w e 00 rs., franceza a 6iO, clu h\ssun a
te nova e nunca vista em Pernam- i#fc io: no armazem da oiiviia. mmrtmm*
buco. }M numero 14.

IjEIIAO
DE
Acha-se justa e contratada por venda a taber-
na da ra do Rangel n. 49 : se alguem se julgar
' com direito mesina, appareca uestes tres dias.
Precisa-se fallar com o Sr. Joarrtiiin Jos de
Almeida Pinto, a negocio de sen interesse : na ra
da Cadeia do Recife armazem de Vaz & Leal.
Escravos, cabriolcts, cofres de ferro, trastes, pia-
nos, camas do ferro de I|2jioIlcijada e outros
niuilns olijertos.
Quinta-feira, -IG do torrente s II horas da nia-
nlia.
O agente Olympio far leilao no seu armazem na
ma do Imperador n. 1C.
LEILAO
DE
mais, celen
Par.-, em
l'm sitio e lian sobrado.
Scxta-fcira 17 do corrcnle.
NA ASSOCIACAO COMMERCIAL.
Por despacho do lllni. Sr. Dr. juiz do commercio
s por intervencao do agente Pestaa irao a leilao
e pertencentes a massa fallida de Manuel deAie-
veiloPontesasduas tercas parles do sobrado
andares e sotan da roa da Cruz n. 33 e
Banice, um dos Pass^em da Magdalena a. w, :is.jlu ,,mi t0l|as as ,((..(S a Uw nau M acIul em (,imi|U.
dividas activas no valor do cerca de 160:000-3. par- |aiir;J ^ precise laucar mao fe tal nieio. Red-
''"''.'".VI" mformaeao 1(. 1:i cll, j|!lo ,|,. iStit,
Pharniaceutieo.
Tin pharmaceutico habilitado, offerece-sc para
ailniiuislrar una botica : ijuem dellc necessitar,
dirija-se a na do liriiiii n. .Vi._______________
Luiz Perreira de Almeida declara ao eorpo
do commercio que comprou a taberna da ra do
Itanyel n. til, pertencente a Octavio da Cunha
Goianna c Irmo, livre e desenibaracada.
Aluga-se a loja de tres portas na ra do Ca-
bug n. 2 : quem pretender, dirija-se a mesma ra,
loja de. iniudezas n. 3. __________^^
.',
Precisa-se de urna ama de leite sem lillio : a
datar na ra Direita n. 4, sobrado, segundo andar.
Para evitar equvocos declaro que a casa aiiniin-
' ,,u; f'"'I Ciada |iara ir em leilao no dia 14 do corrente pelo
ado de 2 Duru fa pemambuco de boje, a casa n. 35 e nao
o sitio na ;\-, ,|a na imperial, perteneente ao abaixo assig-"
Lisboa e no Rio de Janeiro, um destes tes com documentos : para
fanatismos trae vezes sao trilmtaao.-,.; ... pmieui iliriuir-sc ao agente e o feilao ter* lugar
presculacao uc nina obra Mian,.,ii,a. pois que elle sexta-Mra 17 do torrente lelas II horas da ma-
fiii qualipier desses theatros ultrapaceon aa, ohaa na associaco* auimerciaL
ralas, locando ao delirio- -N" ,," dfl Janeiro esti
(Irania l'oi scena mais de 80 vezes. cabida boje
recordado com saudade, oque tudo se justifica
pea exceilencia da composicSo, urna das mais pri-
morosas e de maior akance moral que se eonhe-
ce no Iheatromoderno frane,/.
Pi incipiar s S horas.
Os sennores assignantes sao convidados entrar
com a teii-eira prestaeaoda assigiialura. ate terca-
felra 14 do correqtc.
Manoel Antonio ta Silva MoiwA
' -Joaquim da Costa HaniOS, casado, subdito
porttigtiez, vai para Portugal tralar de sua saude.
CASA DE SAUDE
Em Santo Amaro
no Di*. filva Ramos.
l'nico estabelecimento desta natnreza
que existe entre nos, montado do modo
que pode com todo o commodo e zelo Ira-
tar qulquer doente, que nella seja reco- is
lhido.
0 edificio magestso e conserva-se
em jierfeito estado de limpeza c conve-
nientemente mobiliado.
Os doentes sao separados, segundo os
sexos, natnreza das molestias e condicoes (JtK
sociaes. ;.;
Ha quartos fortificados para os aliena-
dos, c urna enfermarla para as partu-
rientes.
0 proprietario encarrega-se de qul-
quer operacao.
O estabelecimento franqueado qul-
quer pessoa que o queira visitar.
Primeira classe 35000diarios.
Segunda dita.... 25500
Tereeira dita.... .5000
Para que qulquer doente sejaali rece- bb
bido, basta (pie se mande onome do doen-
te e da pessoa que o remelle, com a de-
elaiai;o da morada.
O proprietario accm contratos anmiaes
coin qnalaaer que queira ter um ou mais
Ieitos a sua disposicao.
Os abaixo assignados fazem ver ao respeila.
vel publico e ao commercio, que aniigavelmente
dissolveram a 30 de junho prximo passado a so-
Yendem-se !) Ixiis mansos, gordos a de bota
tamanho. proprios para carrira. e I cavado eaatt-
nho de bom andar c beni gordo : a tratar na roa
nova de Sania Rila n. 1.
_ Vendem-se ti'irenos com 33 palmos de
ciedade que tiiiham as serraras silas na ra no- ''j'^P ''' fundo, na ra do Itrum. junto a fanal
va de Santa Rita n& 1" e 55, na razio de Ramos y/10 ngt'za, 4 carros novos de carregar gneros a
& C, licando todo o activo e passivo a cargo do 305 P>'a liquidar, bracos grandes de balanras de
ex-socio Coelho.
Recife 10 de junho de 1803.
Antonio da Silva Ramos.
Jos Ferreira Coelho.
Casa.
Aluga-se a casa da senhora viuva Machado, na
estrada nova do Cachang, com grande quintal
murado, estribara e quartos para escravos, etc. :
quem pretender, dirija-se ao sitio Retiro DO mesino
fugar, que adiar com quem tratar.
' Precisa-se alugar una negra que seja dili-
gente c de meia idade para o servico de casa : na
praca da Boa-Vista, loja de cera. ____________
Sitio para alugar.
Aluga-se um sitio com grande casa, cocheira e
estribara, no lugar dos Remedios, defronte da igre-
ja : a tratar na ra da Cadeia do Recife n. i.
R.....ao, conchas c correntes :
Gnararaaea n. 38.
ti ata-se na ra dan
ESCKIPTORIO
DE
ADVOCACI.l
/?
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
At o dia 20 de julho, espe-
i. do dos portos do norte o vapor
Oyapock, conmiandante o prime-
id lente Antonio Marcelino
jP Pontee Ribeire, o qual depois da
demora do costume seguir para os portos do
sul.
Desde ja recelieni-se pa carga que o vapor poder conduair, a qual devera
ser embarcada no dia de sua chegada, encoui-
inenilas e dinheiro fete at 'i dia da sabida as 2
horas: acenciarua da Cruz n. 1. escriptoriode
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo C.
CaMPANjHA PCRNAMBUCANA
DE
Xavesaro eosteira a vapor.
Paralaba, Natal, Maro, Aracalj e Ceara.
O vapor Jiujiiuribf, comhiandante
Moma, seguir para os portos do
norte at o Cear no da 22 do
coi rente as 8 horas da tarde. Re-
cebe earga at o da 21, encom-
roendas, passageirosedinneiroa freteat odiada
sabida as 3 horas : escriptorio no Forte do Mal-
lo- n. |.
AVISOS DIVERSOS.
ASSOCIACAO
TVPOGIIAPHICA PEUNAMAUCAXA.
- Aluga-se a rasa terrea da ra Imperial
os prelendentes drijain-se Caxa Filial.
Devendo ter lugar domingo 19 do corrente a ses-! gocio que os mesmos linbaiii. Recife i
sao ordinaria da assembla geral des associae.ao. de IHC.3.-Rernardino Corroa de Reze
pan se proceder a eleielofdo conselho que tem" de Jost' Francisco Comes dos Santos. ____
para se proceder
dirigida em o seu oilav
assinioscieiitilicoaos S
dando-os a comparecencia s 10 horas da manlia
na ra Direita n. 120,drimeiro andar.
Secretaria, 11 de inflo de 18t3.
01secretario. Silva UM,
- Os abaixo assignados nuera publico, comes- ^^
' pecialidade ao carpo do commercio, que no ultimo
de inaiodo corrente anuo coinpraran aos Sis. Cor- 6(1
na & Irmos gen* estabelecimento de molhados,
sito na na do l.iviaineiito n. 20, no qual desde o Ahigam-se a loja do sobrado n. 193 e armazem
11.-de junho prximo passado gyra a tirina de Cor- n. 171 da ra Imperial, o armazem n. 4 da na do
i reia Sanios, continuando o mesmo ramo de ne- Apollo, e a casa n. 27 da ra do Burgos : na rna
13 de julho ,|a Aurora n. 36.
nde Reg, ---------------------------------------------____________
Aligan-ge
Dous rmaseos pequeos na travessa da Santal-
la Velha. por detraz da loja n. 50 da ra da Ca-
anno social (1863-1864), [ Os abaixo assiynados fazem publico, com es-
s. Bocios elf.'ctivos, convi- pecialidade ao eorpo do commercio, que de com-
mum accordo dissolveram a sociedade que (inham
nesta praca. que (rvrava sob a razio de Corma _
Irinao, licndoa inesnja tirina emliquidacao do
activo e passivo desde 30 de maio'do corre
auno. Recife de Pernainbuco 11 de julho de
Joaquim Correia de Rexende Reg.
BernardinoCorreia de Rezende llego.
Os hachareis Cicero Peregrino e Eduardo de
Barros inudaram o seu escriptorio de advocada
para a ruado Queimado n. 30, Io andar.
(i escriptoria da redapcao da Academia Popular,
mudou-se prk a mesma casa.
USBii- SHMl?" $W^ 01'
@| Precisa-so tle una ama tle leite, 5||
gji mas que tenlia, quatido milito at 6 a
fe mrzes tlecorridos na criafo de que SS
J| se acheencarregaila: na na estrella ^
P| ilu Ilosario n. 31,3" andar, por cima W
^j, do annazem de trastes do Sr. .Mo-
O abaixo asslgnado, tendo Qcado a sen cargo
todo o activo e passivo das serraras ns. 17 e SS
ao
Venile-se um preto criimlii, htxii de camp",
com idade de 24 anuos, muilo robusto s._i arba-
ques : na ra Imperial n. 33. padaria.
Vende-M'um inoleipn- de 1 aimos hIoiI*,
excellenle ollicial de |icdreiio. bom copeiro. > conducta aliancada. por 1:3004: na ra Angust
n. 114.
Vndese a armaeao da fabrica de rtuirul.H
da ra de Hortas n. lo : a tratar com o asente
Olyni|iio.
Vendc-se una benito aawain parda, de ita-
de 14 anuos, lida peca |>ara prendar urna noiva :
na ra da Senzala Veha n. 104.
Vende-se sal de l.islma |N>r junte e a rdalh,
mais barato do que ein outra qulquer parte' : na
rna da Lingoeto-a 14.
Pccbiuch-.
Xa loja do Arantes wndcm-si- borze^uins para
homem a 34 o par.
l*or mS0SSk
Vende-se nina easa na |Hiv..aeao da ti_nn-l< ,
a tralar na roa do (Juciin.ido n.' 71.
Vendem-se 20 casaes de |>iuIh> d- l>a qua-
I idade. por junio, ou 3 a 4 ca>ae> : na i
rna do oilo da matriz da Roa-Vista n. 27.
Olilas superiores era resteas, ariatr >
mil ris o milheiro no Caes da alfaiidega n.
1, armazem ile Tassn t Innioei.

STMS
LOTERA.
Sallado 18 do corrente mez se extialii-
r a quinta liarte da tereeira lotera a bene-
ficio do Gymnasio Pernambacano (3* con-
cessao), no consistorio da igreja de Nossa
Senhora do Rosario da reguezia de Santo
Antonio.
Os bilhetes e meios bilhetes acham-se
venda na respectiva thcsotiraria, rna do
Crespo n. 15, e as casas commissionadas
rna da Imperatriz n. 14, loja do Sr. Pimen-
tel, praca da Independencia n. 2_, loja do Sr.
Soares Pinheiro, ra Direita n. 3, botica do
, deia, ipuito prximos auandega e ao caes do jj" l,l:i "ov;l ll(' Sallla Wto, que gyravam na rai3
losen Apollo, e por isso proprios para qnalqner im e ^ Ramos 4 Coelho, pede a todos os senhoresque
rrenle servirem para um so por terem coinmiinicacao: '"eestao a dever o favor de Iheirem pagar omais
1803 *ratar na sobredlta loja com Cunha e Silva. i Drcv,! possivel, visto ter tambera de cumplir one-
--------__--------------------------------------- rosas obrigacoes, e pede outro siu\ que nem ipier
.. ,, chamar a juizo, e mesmo publicar, seus nomes.
Alngam-sc as lojas do sobrado n. 44, em a salvo se a tanto o obrigarem Recilo 10 de julho
ra da Aurora : nesta mesma ra n. 10,
dir-se-ha quem aluga.
Aluga-se a loja do sobrado sito na rna Nova
n. 37 : a tratar com Amaro Concalves dos Sanios,
no Passeio publico, ou na ra Nova u. 33, loja de
ierragons._______________-----------------------i Campos Lima, avisam seus devedo-
Preeisa-se alugar um sobrado de um andar res AQsta prafa que deram procuracrio ao Sr.
nacidade de Olinda, na ra do Varadouro : quem xIpi(Illa(ip<. in(linw A'khJiA,. ..", rwmhM-
o tiver dirija-se a ra do Hospicio n. 23. eiqumues Antuneb o Almeida, para receer
--------------------------j-----;-----r- o que Ibes deve amiiave mente: e no caso de
Aluga-se o segundo andar do sobrado da rna
do Aiiioriin
mesmo.
de 1863.-Jos Ferreira Coelho.
em caixas de latinhas de urna libra no ar-
mazem de Tasso irnioa rna do __w_i
ii. 88.
Atina tle Vechy matiaral.
Chegada ultmaroecite pelo Sttfermo : rna
da Cruz
C.
n. i. annazem de Isidoro, .Vito
llurra.
Cofres patentes nglezes, prova de fo - Antonio Rodrigues Fernandes Vieira, relira- {,'arantidos pelo l'abiicante .Miln.i-. de Liver-
pool : vendem-se na ra da Cruz n. _, ar-
mazem de Isidoro, Netlo C.
se para Portugal.
Aulas de latini c franecz.
Acham-se abortas as aulas de latn c francez de
Antonio Joaquim dos Passos: na ra da Gloria
mueco 18.
O SC^OIIOO .OlUl OU -UUIUW" lia l lia T_ I "imn(U 1(J.
.1.315: para tratar, na taberna do assim nao pagarem seren chamados ao jmzo, -_ Alllg-^ f-s .,,m,- ________: competente, o que fazem publico, para depois dc s^j^T^S^Z^S, w
A USO-
Brender a Rrandis & C. mudaran! seu escripto-
rio e armazem para a ra da Cadeia do Recife n.
Chavas,ruada Cadeian. 45, loja do Sr. Porto 38, perto do arco da Conceieao.______________
e em Apipucos estabelecimento do Sr. Fran-
cisco M. S. Mendcs.
Attenco
por ik'is como pelos caixeiros.
CASAS PARA ALUGAR-SE.
Alugam-se o andar da casa n. 51 e 3o
n. 53, ambos no Recife, rita da Cadeia: para
horas da tarde, eos outros no dia seguinte, Na noite de 7 para 8 do crreme furuiram *f** aKa,,'f f !Si*JE!vES
depois da destribuico das listas. i da casa n. 4 da roa do Mondego urna hacia dc co- Ja
a
de citados naovirem queixar-se, ainda mes- j maVimerosa familia "queiiTa preHmder! diri-
mo que a divida seja de tres OU quatro annos, j ja-se a ra do Rosario da Boa-Vista, casa n. 4, que
e cxgotados todos os meios prudentes, tanto acliani c
J)-se dinheiro a juros sobre penhores de ouro :
Us premios uc:U00/ate lO serao pa- na ruado Rangeln. 54, das 10 horas damanhia
gos urna hora depois da extraceao at as 4, s 3 da tarde,
0 thesoureiro,
bre, de banho, redonda, amacada de um lado, com
"i palmos de bocea; grtilica-se generosamente a s
Antonio Jos Rodrigues de Souza. ama aproscniar dita hacia.
ara o Itlo dc laneiro.
O brigue Brlizario, segu breve com acargaque
tiver, e a recebe por qulquer fete: a trata-se
com os consignatarios Marques, Rarros C, ou
com o ca^itao Manuel Marciano Ferreira.
Para o Haranho e Para
ptciende seguir nestes oito dias o velciro e bem
4'Ottliecido brigue escuna Joren Arhitr, tem a
seu bordo parte de sen carregainentu ; para o res-
to qpe llie falta, trata-se com os seus consignata-
tarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo C, no
simi esc,iiptoriora da Cruz n. 1.
Macelo.
Segu para Macei e Pilar no dia 18 do corren-
fe a nova c mui veleira barcaca Amelia do StU;
Decebe eaip para ambos os portos at o dia de sua
.sabida ao.insto dia : a tratar com o mostr a bor-
-o da mesma. no caes da escadinha.
Para i.iMioa
he com a maior brevidade o brigue portuguez
fctnmpuqo por ter maior parte da carga promp-
: qneui no mesme /juizer carregar ou ir de pas-
LOTER] A.
0 thesoureiro das loteras desta provin-
cia, desejando extrahi-las em maior capital!
Carlos Luiz Cainbrone, subdito francez, vai a
Europa a negocio.
Aluga-se o armazem da casa da ra do A|m>1
lo n 1; a tratar na ra do Vigario n. 23, primeiro
andar.
safara, para o que tena Jjons commodos, trate eom
o consignatario Thomaz de Aqnino Fonseca, ra
do Vigario n, 19, priineirc ^ndar, ou com o capi-
tao na praca.
LEILOES.
Alujsa-se
um preto escravo com ortica de refinacSo, e tam-
e com menores intervalos, offerece a varita-! I*"1 sc,a'u8a I_" quaUraer outro servico :.a tra-!
m a .inn, _-_ : !; i tr na taberna da ra larga do Rosario, esquina do '
gem de dous por cento a quem comprar bera> do Peixe Frito, defronte da botica do SvJ
para negocio, na quantia de 1005 para cima;, Rartholomen.
assim como se prope a estabelecer corres-
pondencias para qulquer localidade da pro-
vincia, remettendo bilhetes, meios e listas,
sob fianca idnea; devendo o pagamento
delles ser feito logo que sejam recbalas as
listas e novos bilhetes remettidos. 0 the-
soureiro certo da conveniencia desse negocio,
convida aos Srs. eommercianes da Victoria,
Goianna, Rio Formoso, Nazareth, Serinliem
e mais localidades populosas da provincia, e
mesmo os desta capital, que o quizerem, a
entenderem-se com elle, na thesouxaria das
loteras, ra do Crespo n. 15: advertindo
que receber em pagamento e sem descont,
os bilhetes premiados de todas as loteras
Joao da Silva Ramos, medico jiela l'm- gj
versidade de Coimbra, da consultas em p^j
sua casa, na ra Nova n. 50, das 8 s 10 {
horas da manhaa, e das 4 s 6 da tarde, e
recebe egualmento convites para dentro
ou fra da cidade, com o lim de se encar-
regar de qulquer servico de sua prolis-
sao. y
Os chamados deverao vir por escripto.
^f^}5{ fig||orijje| [igj}j5}?ljij W$B
B.usiito le physlca e geo-
metra.
Gelim Brandan, leudo frequentado o
curso de geometra e o de jihysica na Sor-
bonna Paris. propde-ae a ensinar etmt
materias na ra do (jucimado n. 30, pri-
meiro andar, para o que pode ser procura-
;5 do das 10 1 da tarde, e depois disso em
B sua casa praca da Boa-Vista, esquina da
< ra do Arag'o. 3o andar.
Admiren! as las barata*.
Superiores las de cores de qiiadriuhos e
lisas, fingindo sedinhas m im laiL-uras,
pelo liaratissimn preco de 500 rs. n cnva-
do: na loja das (uliiiunas ra ioOmj$ n.
13, de Antonio Correa Vasconcellos C.
Vende-se urna tatema com |>ucos fumh>st
sita no Barro Vermelho. na entrada do engenhu
L'cha : a tratar na mesma.

^mmmjmmmma
Contina a haver pao dc centeio nos dias quar-
tas e sabbados de cada semana, na padaria, em
Santo Amaro, ao pe da fundicao, "e na ra da Im-
peratriz n. 22, ra do Bru, confronte ao chafariz
n. 47, e ra do Rosario larga deposito n. 36.
Ao n. 29.
Nova loja dos barateiros, ra do Queimado.
Chitas francezas muito Anas, covado a 300,
320 c 360; baloes de panno, a 3500; fusio de
cores, covado a 320; cassas francezas fazenda
muito fina, a 500 ris a vara j cambraia lisa de 10
jardas, a 3500 ; dita fina, peca de 20 jardas, a
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da ra
das Cruzes n. 39 : a tratar no segundo andar do
mesmo sobrado.
Os senhores credores da massa fallida de
Camargo Silva, sao convidados pelo presente pa-
ra apresentarem seus ttulos de divida aos admi-
nistradores da predita massa. na ronformidade do
disposto no artigo 839 do cdigo commcrcial, para
Deseja-se comprar urna pequea casa,
mesmo meia agua, em urna das freguezias desta' em seguida se proceder o rateio."
cidade, mas que o seu valor nao exceda de 8004
ou 90041: quem a tiver annuncie por este Diario
para ser procurado.
oOO.
LEILAO
DE
300 calas eoui ceblas.
IIOJI.
O agente Pestaa vender por conta e risco de
quem pertencer 300 caixas com ceblas as'me-
llwres e mais novas que existem neste mercado
vmuas no Laya II e desembarcadas hontem e se.
rao vendidas em um ou mais lotes a vontade
quarta-felra lo do corrente pelas 10 horas em pon-
i o armazem do Annes deronte da alfandega.

da provincia recomidos thesouraria da fa- S?000^ las muitofinas para vestido, covado a
zenda provincial.
TI j eso maria das loteras, 20 de junho de
1863.
^0 thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Km tributo de gratidio.
InflammafSo no fijado e peritoneiim.
Tendo urna nflammacio no flgadoe pc^riloneum,
havia muito tempo, nao podia occujiar-me na mi-
nha profissao de livreiro desdo dou* annos ; mas,
appheando as chapas niedicinaes do 8r. Ricardo
Kirk, escriptorio na ra do Parto n. 119, em tres
semanas flquei perfeiuunente curado, e agora e$-
tou trabalhando pelo meu offlcio, ra do Cano n.
23,--Carlos Ernesto da Silva.
Reconhecda verdadeira a assignatura supra
pelo tftbellio Pedro Jos de Castro.

Ao n. 29.
Nota loja dos barateiros, ra do Queimado.
Paletots de alpaca mesdada^a 4,8000; camisas
inglezas a 1*600; brim lona delinho, vara a 640;
gravalss de seda superior, a 500 reis; ricas abo-
toaduras para colete, a 500.___________
Ao b. 29.
A'oca loja dos barateiros, ra do Queimado.
NesUv estabelecimento vendem-se os artigos se-
guintes por menos de metade do seu valor : franja
de algixlao branca peca de 45 varas, a 1*600;
bicos pretos dc linho, vara a 120, 160, 240 e 320;
botijos de veludo, de seda o de fustSo, duiia i0
rois; rendas finas peca de varas, a 500; en.
tremoios muito |argo e muito finos, peca a 4*M0
touquinhas de vdrlllio pfa criancas, a 500 res.
HAMO I \I O
ESTABELECIDO NA CIDADE DO PORTO
Agentes em Pernanibuco
Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.
Sacam por todos os paquetes sobre o
mesmo lianco prazo ou vista, sobre a
caixa filial em Lisboa, e agencias em Fi-
gueira, Coimbra, Aveiro, Vizeu, Villa-
Real, Regoa, Vianna de Caslello, Guima-
raes, Barcellos, Lamego, Covilha, Braga,
Penafiel, Braganca, Amarante, Angra,
Ilha da Tereeira, Una de Faias, Ilha da
Madeira, Villa do Conde, Valenca, Bastos,
Oliveira de Azemeis, Chaves e Fafe, a
oito dias vista ou ao prazo que se conven-
conar, no seu escriptorio ra da Cruz
n. 1.
Deseja-se muilo fallar com os Srs. :
Manoel de Souza Leao Jnior.
Horacio de Souza Leao.
Joao da Silva Santos (empregado na estrada de
ferro.)
Jos Antonio Lopes Jnior (do Rio-Formoso.)
na ra do Cresiio n. 17, loja._________________
Precisa-se muito de um sacerdote para
MUDAXCA.
O rival sem segundo mudou o seu eslabe-
| lecimento do n. o' para o n. 49 da mesma
ra e contina a vender em todas duas lejas
as miudezas abaixo tleclaradas e ipieiram
prestar toda atteiH'o:
Sabonetes inglezes muito finos a
100 e......... !
Frasco d'agua de colonix peque-
no muito lino...... 4*9
Dito dito grande muito superior. 5M
Frascos de macassar perola a. O
Ditos de macaca oleo a. 100
Frascos de oleo Barbosa a 240,
320 e......... 4iO
Dito dito muito superior a 500 e 610
Dito de banda muito fino a 400 c 5#a
Frascos de Lavande muito superior. 5to
Garrafas d'agua celeste muito su-
perior a........1,5000
Frascos de cheiro muito finos
500 e
capello neste districto da freguezia do Bonito; o n.tv?\K '.
reverendissimo padre que estver disposto K?__e,!h.a PPm'
' para ajustar a capell
erendssimo padre que estver disposto l^^'^t. na pequeos n
ra aiustar a capellana tratar com o abaixo S,it0 de Piata .Pequeos.
Thesouras muito finas para unhas.
Gravatas de seda de cores .
assignado, escrevendo-lhe com brevidade.
Povoaco de Campias, 2 de julho de 1863.
Gald'mo Alves Barbosa.
ANNUNCIO.
Aluga-se na ra da Matriz da Boa Vista n.
21 um moleque para todo o servico de casa.
^^ATuja^s^^asaTeTrelnl^u^TniospiTioTr
27, propna para estabelecimento de taberna ou ou-
tro qulquer negocio, por ser lugar de esquina c ter
commodos para familia : a tratar na ra do Coto-
vello n. 47, padaria.
0 abaixo assignado declara, que Ihe est
hypothecada por Josfi Pinto da Costa a casa
^m*
Precisa-se de urna mulher para fazer o servico
terrea com a numeraco hoje de 20, no lugar [de casa de quatro rapazes solteiros : para tratar,
da Soledade estrada de Fernandes Vieira; p "a ma. da Cruz n. 8, segundo andar.
que por isso nenhum outro credor poder
haver seu pagamento pelo producto della.
Vicente fferculam de lemos Duarte.
Offercce-se um moco portuguez para caixeiro
de cobrancas, annazem, ou para leccin!ir primei-
ras letras em algum engenho perto da praca : a
tratar na ra do Rangel a 6.
Luvas brancas de algodo .
Caivetes de 2 folhas muito finos .
Caixas de colxetes francezes e car-
toes .........
Grampos de caracol e lisos. .
Caixas de vidro com 12 dedaesde
metal.........
Masso de palitos lixadospara denles.
Grosas de botoes de aro para calca.
Caixas com 6 frascos de cheiro. .
Escovas para cabello muito finas .
Carleiras de man (K|uimmuitofinas.
Pecas de tranca lisa encarnada. .
Tinteiros com tinta muito superior.
Ditos de vidro com tinta mais in-
ferior. ........
Cartas de alfinetes francezes .
Cornetas de cbifre para meninos .
800
200
200
iOt
50t
100
3-0
if
320
160
320
itom
640
610
20
160
140


---------
-------------T-
lorio t PeraaaiJmeo Cuarta tetra 1* e lulho de ISAS.
I


na
UAUA PYPfKIPIfl c#m 8 2 ?arM> 8 2:50 M-Tende **>
HUWH tArUOI^HU P.\ys de cambraia transparente com pal-
Ui. d Paria d* faii.iiil Wn minhas bordadas do cor, tendo 8 ij varas
Ioja do laito, ( j lazendas bara- ca(la pecA a 2lW00; dHas ma^Vinas, a
lissimas. 00; pecas de cambraia de salpico bran-
Nest estabelecimento acha-se constante- ftSSt? .1!^' Wf s* na a- mente um grande sortimento de fazendas toP^atriz n. 60, loja e arraazera do Pavao.
de gosto e de primeira necessidade^, sendo Cortes de cachemir* da Escocia, a 2:000, na
loja do Pavo.
tanto proprias para a praca, como para o
mato ; de todas as fazendas da"o-se livros de
amostras, deixando ficar penhor, ou man-
dam-se levar em casa das familias pelos ca-
xeiros da loja do Pavo.
Las garlbaldinas a 440 rs.. 1
loja do Pavo.
Vendem-se as mais modernas laas garibal-
dinas de quadrinhos. transparente, proprias
para vestidos de senboras e roupinhas para
meninos, por serem os padres raais moder-
nos que tem chegado de- Pars, a 440 rs. o
covado : na loja do Pavo, ra da Impera-
iz n.'GO, de Gama d Silva.
Las transparentes, a .00 rs.,
na loja do Pavo.
Vendem-se as mais modernas lazinhas
transparentes com palinodias matisadas e de
cores nraito delicadas, a 4i0 rs..o covado;
ditas enfestadas denma sror com quadri-
nhos. fazenda muito flna, a 500 rs. o covado ;
ditas matisadas de muito bom gosto, a 500 rs.
o covado ; ditas de quadrinlios, a 400 rs. o
covado: so na loja do Pavao, ra da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Las com 8 palmos de largura,
na loja do Pavo.
Vendem-se lazinha entestada propria para
vestidos, com 8 palmos de largura, sendo
fazenda mais moderna que tem vindo ao
mercado pelo baratissimo preco de 1(5600 o
covado: s 11a ra da Imperatriz n. 60, loja
do Pavao.
Las para vestidos, a 280 rs..
so na loja do Pavo.
Vendem-se lazinhas enfestadas proprias
para vestidos, pelo barato preco de 280 rs. o
covado, sendo muito mais barato do que chi-
ta ; ditas transparentes, a 240 rs. ; ditas lia
e seda, a 440 rs. o covado: s na ra da
Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
Cassas a 2O rs. o covado.
Vendem-se cassas francezas de padres
miudinhose cores ixaspelo barato preco de
200 rs. o covado; ditas finas a 340 e 320
rs. o covado : s na ra da Imperatriz n. 60,
loja do Pavo.
Organdy, a 9 JO rs. o covado.
na loja do Pavo.
Vendem-se organdy fle cores matisado, fa-
zenda que val muito mais dinheiro, pelo ba-]
rato preco de 240 rs. o covado ou 400 rs. a
vara : s na ra da Imperatriz n. 60, loja
do Pavo.
O Pavo vende os modernos ves-
tidos a balo,
com barras Mara Pia, sendo os mais
modernos que que tem vindo ao mercado,
com a saia de um s panno, tendo bastante
fazenda para o corpo, e vende-se pelo barato
preco de 33500 cada um: esta pechincha
s existe na ra da Imperatriz n. 60, loja e
armazcm du Pavo.
Cortes de fantasa, a G#. na
loja do Pavo.
Vendem-se ricos cortes de cambraia fanta-
siadas seda, pelo baratissimo preco de 6$;
ditas, a j: litas, a 31500: s na ra da
Imperatriz n. 60, loja e armazeiu do Pavo.
Cortes de cambraia. a '&500.
na loja do Pavo.
Vendem-se cortes de canil iraia brancoscom
bahados, a 21500; ditos, 1 40 ; ditos com
barras e bahados de seda, a 34, 30500 e 10;
s na ra da Imperatriz n. 60, loja e arma-
zem do Pavo.
Cortes de cambraia chineza, a
l *. na loja do Pavo.
Vendem-se ricos corts de cambraia chine-
za, os mais modernos que tem chegado, sen-
do brancas com lindissimos padres, pelo ba-
rato preco de 40 cada corle, tendo bastante
fazenda para um vestido: isto s na ra da
Imperatriz n. 60, loja e armazcm do Pavo.
Alpakim oh gorgnro de Hubo,
a 8 4 rs., so no Pavo.
Vendcm-se alpakim ou gorguro de linho
proprio para vestidos e roupas de enanca,
pelo barato preco de240rs. o.covado: s
na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
Baldes a 3#500, sO o Pavo.
Vendem-se bales americanos que sao os
memores, tendo 20 arcos, a 30500: ditos
de 30, a 40500 ; ditos de 40, a 50 ; ditos
de bramante, a 33300 e 40; ditos para me-
ninas, a 25 e a 30: s na ra da Impera-
triz n. 60, loja e armazem do Pavo.
Vestidos para menino, a 2ff.
Vendem-se vestidinhos para meninos, sen-
do muito bem feitos, a 20 cada um: s na ra
da Imperatriz n. 60, loja e armazem do
Pavo.
Cortes de chita, a 9500, na
loja do Pavo.
Vendem-se cortes de rhita*com i 2 i |2 co-
vados cada um, a 20500; ditos com 10 cova-
dos, a 20; cortes de cass miudinha de co-
res fixas com 10 covados, a 20; ditos de
organdy mathisado com 10 covados, a
20400: snarua da Imperatriz n. 60, loja
do Pavo.
As casemiras do Pavo pechi-
ncha a 59.
Vendem-se cortes de casimira franceza para
calca, fazenda muito fina, padres claros e
escuras, a 50 o corte: s na loja do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60.
O Pavo vende a :*. cortes de 15a, a 30 e 30500; ditos com 22
covados, a 50: s na ra da Imperatriz n.
Vendem-se esta nova fazenda muito encor-
pada imitaco de casemira, tendo padres
escuros e alegres, afiancando-se que nao des-
bota, a 20 o corte para calca, ou 580 rs. o co-
vado para paletot, colete etc.: s na loja do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60.
Os paletots do Pavo, assobrecasacado a 12:000 rs.
Vendem-se paletots de panno, sobrecasacas
de panno preto- muito bom e muito bem
feitas, a 120: sobrecasacos de dito, a 140;
paletots sacos de dito, a 70; calcas de cache-
mira da Escossia, a 30 ; ditas de casemira
preta, a 5$; ditas de casemira de cor, muito
lina, a 7?? e a 50500; coletes de casemira de
cor e preta; paletot de casemira de cor,
a 70; tudo isto para apurar dinheiro: s
na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
Chitas largas a 280, s o Pavo.
Vendem-se chitas francezas com toque de
mofo, tendo padres miudinhos, a 280 rs. o
covado, afiancando-se ser cor fixe e que solta
o mofo logo que se lava: s na ra da-Impe-
ratriz n. 60, luja do Pavo.
Fazendas brancas, na loja do
Pavo.
Vendem-se pecas de madapolo entestado,
francs, com 20 varas, a 8-3; ditas com 12
jardas, a 43 ; dito inglez muito fino, a 73,
7:>00 e83; ditos muito superior, a 103;
ditos de 40 jardas muito fino, a 40800 e a
53600; algodozinho muito encorpado, a
43800, 53500 e 63; bretanha com 4 pal-
mos de largura, muito fina, a 13 avara;
pecas de cassa de cordo para babados, com
6 varas, a 33500 ; ditas com 12 varas, a 73:
Os manguitos e golinhas do
Pavo.
pechincha, a 320 c a 100 rs.
Vendem-se golinhas de fil, bordadas, a
400 rs.; ditas de cambraia, a 320 rs.; cal-
cinhas para meninas, a 500 rs.; manguitos,
a 500 rs.; manguitos com golinha, a 800
reis ; manguitos de cambraia, a 320 rs.: s
na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
Chegaram em direltura a loja
do Pavo.
Vendem-se a 1:600 rs. o covado.
Acaba de chegar pelo ultimo vapor, um
lindo sortimento de lazinhas transparentes,
tendo urna s cor, lizas e de quadrinhos
miudinhos e mescladas, propria para vesti-
dos de senboras, capas e zuavo etc. Tendo
esta fazenda 9 palmos de largura, que se
pode fazer um vestido at com 5 covados,
sendo neste artigo a fazenda mais leve que
tem vindo ao mercado, vende-se a 13600 o
covado, nicamente : na loja do Pavo, ra
da Imperatriz n. 60, de Gama Silva.
Arara vende as col xas.
Vendem-se ricas colxas aveludndas para
cama a 83000, ditas de fusto a 53000, ditas
'le chita a 2J000, brim de linho e algodo
branco a 800 rs. a vara, dito de Hnlw puro
a 10, 13120, 13280 e 13000a vara; na loja
da arara ra da Imperatriz n. 56 de Mendes
Guimaraes.
Bales da arara de O IO
arcos.
1
Vendem-se os melhores
vindo americanos
45-EUA DIREITA-45
Eia, rapasiada, coragem I parece que j
entregastes os vossos joanetes aos duros sei-
xos do pessimo calcamento da nossa cidade !
S se observa em vossos ps botinas acalca-
ntadas e gastas at ultima sola; sapates
rasgados e quasi sem saltos.... bem tinto I
lhores bales que tem] a quebradeira nao deve chegar at este pon-
do 20, 25, 30, 35 e to I Vinde ra Direita munir-vos de exce-
lente calcado com 40 e at 60 por cento
menos do seu valor.... attendei:
Borzeguins, Nantes, bezerro e va-
queta 2 e meia solas .... 83500
Borzeguins, Nantes, bezerro, va-
queta e lustre 2 solas. 83000
Borzeguins, francez e hamburguez,
bezerro, lustre e couro de por-
co 73 e........63000
Sapates, Nantes, bezerro e vaque-
ta 2 e meia solas...... 53500
Sapates, Nantes, vaqueta, lustre e
bezerro 2 solas......53000
Sapates, Nantes, sola e vira. 43000
Borzeguins para serthora, inglezes. 43000
Ditos para menina; com laco. 33500
Ditos de ditas, de cores. 23800
Sapatos para senhora c homem,
tapete......... goo
Sapatos de borracha para senhora. 13 400
dem idem para meninas.. i 3000
ARMAZEM DE MOLHADOS
DE
Pechincha. a 500 rs. o covado,
so o Pavo.
40 arcos, a 43, 43500 e 53, ditos de ma-
dapolo bem feitos a 33500 e 43, ditos de
brilbantina a 43300, bales saias de cordo
que faz a vez de balo a 23; na ra da Impera-
triz arara n. 50.
Arara vende manguitos a
Vendem-se manguitos e golinhas de linho a
23 o par, golinhas para meninas 400 rs.,
ditas para senhoras a 400 rs.; na ruada Impe-
ratriz n. 56.
ntremelos da arara.
Vendem-se pecas de entremeios transparen-'
tes a 13, tiras bordadas de largura de 3 a 4
dedos a 13280 e 13600 a peca, cortes dela
Maria Pia a 43, ditas de la chineza com
1 covados a 83,'ditos de organdys com 15
varas a 83, ditos com 9 varas a 63500; na ra
da Imperatriz n. 56, arara de Mendes Gui-
maraes.
Chitas da arara.
Vendem-se chitas francezas finas a 320,300
e 400 rs. o covado, riscado francez a 280
rs. o covado, aberturas para camisas a 240
rs., ditas de linho brancas a 800 rs. o cova-
do, tarlatana de cores a400rs.avara; na ra
da Imperatriz n. 56.
Cortes de casemira da'arara.
Vendem-se cortes de casemira enfestada
escura a 23, cortes fie brim para calcas a
13 e 13220; na ra da Imperatriz loja da arara
n. 56 de Mendes Guimaraes.
CHEGADO A VAPOR
s para o vigilante.
At que chegaram as lindissimas camizinhas eom
colarinhos, punhos c xavatinhas, todas bordadas,
pois sao de melhor roslo que as senhoras podan
encontrar : s no vigilante, ra do Crespo n. 7.
Capel las para noivas.
Tambem chegaram as riqusimas capellas bran-
cas ornadas com urna linda palma para peito, o
melhor gosto que possivel : s no vigilante, ra
do Crespo n. 7.
EnfeKcs Mara Pa.
Tambem chegaram os novos enfeites Maria Pia,
sendo ultimo gosto de Pars, assimeomo se receben
a nova remeasa de conservadores para cabello de
todas as cores : s no vigilante, ra do Crespo n. 7
Ksfancet c^cc/to de tymeuo.
Um confeito e especifico para
expellir os "Vermes,
Babadinlios c tiras bordadas.
Tambem chegaram os riquissimos babadinhos e
tiras bordadas de muito lindos padres : s no vi-
gilante, ra do Crespo n. 7.
ftravatinhas.
Vendem-se as mais modernas lazinhas
enfestadas, transparente, tem., \ palmos de
largura, e sendo lizas e de quadrinhos, de
urna s cor, propria para vestidos e capas,
a 50 rs. o covado: s na loja do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60, de Gama A- Silva.
GRANDE LIQUIDAQAO
de fazendas para apurar diiilieiro, por
baratissimo preco 11a loja e arma-
zcm da Aran ra da Imperalriz 11.
5G de Loiirenro Pereira Hiendes
Guimaraes.
AtEUT.l FHEGIEZES, i 200 US.
Tambem chegou um novo sortimento de grnvati-
nhas de todos os gustos, tanto para senhora coi no
para homem e para menino : s no vigilante, ra
do Crespo u. 7.
Cintos.
Tniiibrin cueguu ono\o sortimento de cintos ae
laco c borlote, como sem ella : s no vigilante roa
do Crespo n. 7.
Lindos honquets.
Tambem che assim como rosas e camelias, cousa de tnoito gos-
lo : s no vigilante, ra do Crespo n. 7.
Aos senhores consuniidorcs de
gas.
Tus annazens do caes do Ramos n. 18. e na ra
astllsas Vcrmif&gas
DE KEMP.
Oa meninos s pedem gritos, porque
ellas sao de cheiro, sabor e cor agrada
veis. A elegancia, a segundado de ac-
co, o inotfensivo das
Pastilhas Vermfugas de Kemp
A PAR DA SITA
Composirao exclusivamente Vegetal,
sao estas pois as su as melhores e mais
completas de todas as recoinmendaees
que se poasa fazer e com justa razQ as
colloco na categora d'uiu favorito uni-
versal.
A snperioridade das
Pastilhas de Kemp
Eobre todas as preparaces destinadas
para o mesnio fin devido stia sim-
ples composicao o seu aroma agrada-
vel e rapidez e nfallibilidado com
que alcanca a destruic.no total das
LOMBHIQAS.
venda as boticas de Caore & Barboza,
roa da Cruz, e Joao da C. Bravo & C, ra
ta Madre de Dexts.
^a
tfc* <
te w
3) 1 (S
M w
*i f. fi
m
s
i * (a w
(C9 m i
re
-cX A
-J
3
I
s
1?^
a
I
m s: I El A II LBR.
Tendo o BALIZA dado o sen balanro nouUimfl de jimln". pasa' e des
novaro magnifice sortimento de seu GRANDE ARMAZEM, chama plo pre
attenciio do respeitavel publico para os preoos dos gaseros al.
venladesao os mais razoaveis que se pdem adiar, attenl a soa boa mi;
Soldado voluntario do batalliao progressista, o BALIZA 6 o l
ment. Elle pede, pois, aos seos 4Kms camaradat, que to todos os inirnig
favor de nao llie darem um minuto de descanso obrigando-o a vender t
Desta sorte o BALIZA vivir contente e conli-ntar tambem aos seus fregnezes, \
do-lhes sempre generosamente, elalvezque anda por procos nais razoav
Ameixasem frascos devidro, a I;>.'jO0.
Ditas em caixinhas com lindas joras,
I/OO e 2400.
Ditas em latinhas, a 15400.
Amendoas conll-iadas, a 900 rs. a libra,
dem, a 280 rs. a libra.
Arroz (Carolina), primeira qualidade, a 120
rs. a libra.
Dito do Maranhao, a 120 rs. a libra.
Azeitunas novas de Lisboa e Porto, a IS o
1/200 a ancoreta.
A/.eite doce refinado, a 800 rs. a garrafa.
Dito em barril, a GiO rs. a garrafa.
Dito de Garrapato, a 400 rs. a garrala.
Arroz com casca, a 3-3 a saca, com 20 euias
e a 240 rs. a cia.
Ancoretas americanas de G e 12 garrafas,
muito bem fabricadas, a 1 cada urna.
Araruta muito liua, a 320 rs. a libra.
Bolacbinbas americanas, a 3.$ a barrica e
240 rs. a libra.
Biscuulinhos inglezes, em latinhas, a 14300.
SEU SEGUNDO.
Jos
LIQLIDACAO
Vendem-se lazinlias com pequeo toque de
mofo para vestido a 200 rs. o covado, meias
para meninos a 100 rs. o par, ditas para ho-
mens al20rs., lencos brancos linos a 200 de fazendas haralisshnas, na Boa-Viste, ra da C;i!,*as C"1 "mit." sI'rior papel amiza-
rc COln um no Inio'.lo mm mi ,1o Imna. luillCralliz II. 20 u e 0Utr0S a .........
! _u. Mssos com superiores grampos a.
Cainliraias adainaseailas coa 20
rs. cada um ; na loja da arara ra da Impe
ratriz n. 56,
60, loja e armazem do Pavao.
s na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
Fusto do Pavao.
Vendem-se fusto com layr miudinho
para roupa de meninos, a 320 rs. o covado;
brim de linho de quadrinhos para roupa de
meninos, a 560 rs. o covado; ganguelim
de urna s cor, a 320 rs. o covado; popelina
de 15a, de quadrinhos encarnados e pretos,
para vestidos de senhoras e roupa de meni-
nos, a i& o covado: s na ra da Impera-
triz n. 60, loja e armazen do Pavao.-
Arara vendo vestido de chita a
30OOO.
Vendem-se cortes de chitas escuras cointo-
que de mofo a 2000, ditas limpas sem
mofo a 2$o00 e 3;>000, cortes de cassa de
cores de barras a 2*000, ditas de cassa pin-
tadas a 2-5000; na ra da Imperatriz n. 50 de
Mendes Guimaraes.
Organdys da Arara a 40.
Vendem-se organdys finos para vestidos a
240 rs. o covado, cassas finas a 240 rs. o
covado, popelina de quadrinhos para vesti-
dos a 280 rs. o covado; na ra da Imperatriz
arara n. 5G de Mendes Guimaraes.
Arara vende as lazinhas dos
vestidos.
Vendem-se lazinhas muito finas e lindos
dezenbos a 400, 440, 50(le G40 rs. o cova-
do, chaly muito fino a 500 rs. o covado; na
ra da Imperatriz n. 5G arara de Mendes
Guimaraes.
Roupa feita da arara.
Vende-se costumescompletosd'Hma fazenda
chineza por 120 o costume, paletots de brim
a 2500 e 3000, ditos de meia casemira
escura a 40 e 40500, paletots finos a 60500
e 80000, calcas de meia casemira a 30000.
ditas linas 5,0500 e 60000, ditas de brim a
20500 e 30000, ditas de brim branco a 40,
casemiras francezas a 10600 e 20000, ditas
finas a 20500, ditas de linho a 30000, ce-
roulas francezas a 10600, camisas de meia a
800 e 10000; na loja da arara ra da Impe-
ratriz n. 56 de Mendes Guimaraes.
Oh! que pechincha a IO rs.
Vendem-se chitas francezas escuras com pe-
queo toque de mofo a 240 rs. o covado,
ditas mglezas com pequeo toque de mofo
a 200 rs. o covado, pecas de ditas francezas
com pequeo toque de mofo a 80000, pe-
cas de ditas ingiezas escuras cores fixas com
pequeo toque de mofo com 38 covados a
70500, ellas freguezes antes que se a ca-
bem; na loja da arara ra da Imperatriz n.
56 de Mendes Guimaraes.
Madapolo francez entestado a
40OOO.
Vendem-se pecas de madapolo francez fi-
no enfestado com 12 jardas a 40 e 40500,
dito inglezes fino de 24 jardas a 70, '80, 90,
e 100000, pecas de algodao encorpado a 40
40500, 50 e 60; na ra da Imperatriz n. 5Q.
varas a 83.
Ditas com 8 ditas a 25.
Ditas lisas com 8 ditas 2.
Fil liso limito fino a 800 rs. a vara.
Chata de inclin estampados a i.
Madapolo entre-tino c.....n varas a 83.
Casemiras tinas de una scor a l^tlO o co-
vado.
AJ<;odao monstro, superior fazenda para toalhas
e lencoes a 800 rs. a vara.
Bramante de 10 palmos de largura a l^COO.
Gravatas de seda a 320 rs.
Oleados de diversas buvaras e de ricos desenhos
para mesas de jautar a 23 o covado.
Flanella branca muito lina a 6i0 rs. o covado.
Riscadinhos de linho muito finos para vestuarios
de enancas a 400 rs. o covado.
Chitas escuras c claras, padres inteiramente Ditos com superior cheiro a.
novos c muito linas a 400 rs. o covado. Ditos com superior agua celeste para
Lazinhas chinezas muito superiores a 300 rs. o cheiro...........
Covado, c outras maltas qualidadcs de fazendas Trancas de algodao brancas e de cores a
precos muito eommodos, afim de apurar dinheiro, Galxas com superiores bralas de colla .
dando-se de tudo as competentes amostras. Bolsinhas inuitobonitas para guardar di-
nheiro a...........
Grvalas de seda de diversos gostos a .
Tinteiros de vidro cora superior tinta a.
Pares de luvas brancas de algodao a. .
Carriteis de linha com 100 jardas, bran-
ca a............
Fitas e cordoes para enfiar espartilhos a
Caixas cora clcheles francezes superio-
res a. .. ........
lia i loes de clcheles francezes a 40, 60 c
Facas e garfos cabo branco rravado a .
Dilas de cabo branco cravado a. .
Ditas de balaneo muito finas a .
Tesouras para^cortar, pequeas e finas
a 200 e. .......
Tesouras para cortar unhas muito final a
Biscouto lunch e suda, em latas de 4 a;i li-
bras, a 20 a lata.
Baulia de porco, a 180 rs. a libra.
Balaios hamburcoezes muito lindos, de di-
versos lmannos e por preco razoavel.
Cale do Rio, a fljtTe 3()l) rs. r libra, em
arroba, a 80200, 80500 e 9/.
(".chulas, a 8(>!) rs. o cento e 10 o mllio.
Ghperola, a 30 a libra.
dem bisson, superior, a -^800 a libra.
dem chumbo, a 20600 a libra.
[demhysson, soflrivel, a 20100 a libra.
dem bysson, menos soffrivel, a 20 a libra.
dem preto, magnifico, a 20 a libra.
Ruado Queimado n. 58, loja de miudezas de dem preto, menos Superior, a i0800 rs. a
sdoAieteao Maia e Silva, esta ventiendo todas| libra.
a 10600 rs. a libra.
/8oo a libra (em latas).
dem nacional, a 10600, a libra,
dem nacional, ordinario; a 10 a libra.
Champagne, marea aguia, de superior qua-
lidade, a 610 rs. a garrafa e 70 o gigo,
com 12 garrafas. Quem deixar de i>'-
ber champagne por tal preco?
tharatos de umitas marcas e a precos bara-
tissimos, sendo que ha de 8()() rs. at
10 o cento, viudos do Rio, Babia e de
Hespanha.
Chocolate suisso de Lisboa c francez, a 800
rs. e 10.
80' Chousicas e salpicoe, a 640 rs. a libra.
200 Conservas ingiezas, a 800 rs.. o frasco.
3M Ditas fracezas, a 500 rs. o frasco.
600; Cognac inglez, a 600,
do I rapiche .Novo (no Recit) n. 8. se vende gas li- as soas paraderas por precos (|ue lodos admirara, i.i...^ ,.,.,,., c,.iri-vni
qmdo americano, brimeira qnalidade, i retamo a comoseiam : luwupiciu, suurive,
123 a lata de 51 galoes, assim como hilas de 10 e de Varas de aspas para azer bales. j*o M' nacional, a l/h
<'i garrafas, e sendo era poreao mais barato que em Cal** ,om superiores obrejas .
entra amuquer parte. | Paras de bornes de punhos a .
punhos
Pares de sapatos de tranca muito finos
a 43140 e..........
Pecas de litas de velludo recortadas eom
lo varas a ..........
Caivetes de aparar penas a.
Agnlheiros eom agulhas a.....
Duzia de meias brancas para hornera,
muito finas a.........
Duzia de meias para senhora, fazenda
lina a............
Cornetas de chifre para meninos a .
K-r ivas |iara limpar denles muito finas .
Baralhos de cartas para voltarete muito
linas a...........
Dilas portuguezas a 160 c.....
Fraseos de agua de Colonia muito boa a
400 e............
Ditos de oleo babosa a 240 e.....
Ditos com superior oleo de macaca a .
Ditos com superior macaca perol a .
Ditos com superior banlia'transparente a
40
160
13800
llffQO
700
40
80
80
13600
33600
rs.
a garrafa c em
canaila, a 40.
jjoodem engarrafados, a 800 rs.a garrafa.
Doces, em lindos varos de vidro, das fruc-
tas mais esquisitas da Europa, al^u
PENTES
0 novo gosto de pentinlios rhegados neste ultimo va-
por para a loja do vigilante, ra do Crespo a. 7.
At que chegaram os riquissimos pentinhos para
marrafas, todos cora guarnicoes de pedrinhas, fin-
gmdo brilhantes, e seu preco ser muito razoavel:
so no vigilante, ra do Crespo n. 7.
Volliuhas.
Tambem chegaram as voltinhas de perolas de
novo gosto, com um rico laco de lita c urna cruzi-
nha de pedrinha branca e de cores : s no vigi-
lante, ra do Crespo n. 7.
Voltas pretas.
Tambem chegaram voltas pretas Maria Pia
guarnecidas com urna cruzinha preta, e tambem
se vendo *
lanle, ra
100
200
800 frasco.
500 Dito de Lisboa, em latas, a .*>00 rs. a lata.
4300 Dito de goiaba, a 610 e 800 rs. o caixlo.
80 Dito em atas muito proprio para presente,
garante-se sua duracao innalteravel por
mais de anno.
Faiinha de Maranhao, a 160 rs. a libra.
Dita de trigo, a 110 e 160 rs. a libra.
Fructas francezas de diversas qualidades, em
frascos de vidro, preparadas em alcool,
proprio para podim etc., a l^.o fiasen.
80
300
500
160
100
30
80
400
80
33200
33300
63000
320
500
as cruziuhas era separado : s no vivi-
do Crespo n. 7.
Estampas Unas.
Na loja da Aurora, na ra larga do Rosa-
rio n. 38, recebeu-se vario sortimento de
estampas de dillerentes santos.
Vende-se urna mobilia de araarelio com pou-
dro n. 1.
Tambem chegaram inuitos outros obiectos de co us0' a lratar na tal,crna do Patco de s Pt-
Sisto. assim como:
eias de seda para criancinhas.
Cordo de liorracha de todas as grossuras.
Franja branca de seda muito alva.
Retroz em carrilel proprio para machina.
Dito profiri para bordar.
Escovas muito linas para denles, cabo de marOm.
Ditas para unhas c ouro.
Carteiras e charuteiras muito finas.
Penles de 1, i e 3 faces, de todas as qualidades.
Dm grande sortimento de oculos de todas as qua-
lidades, e muilos outros objectos que se vende-
rlo por precos baratissimos: s no vigilante,
ra do Crespo n. 7.
S no vigilante, luvas de Jouvin.
Chegaram neste ultimo vapor as verdadeiras lu-
vas de Jouvin, tanto para homem como para se-
nhora a 23500 o par, assim como chegadas mais
antigs a 13 : s no vigilante, ra do Crespo n. 7.
CAL DE LISBOA
Vende-se cal nova do Lisboa; na ra da Cadeia
n, ao, esenptfio.
RA IOVA
Casa de modas de madama Tlieard.
Neste estabelecimento do modas, alem de
muitos objectos de gosto recebeu vestidos de seda
bordados a relroz, o melhor que se pode encontrar
no mercado para noiva, ditos de blonde, ditos ditos
moreantique, ditos pretos, ditos de lindas cores,
chapeos de palha da Italia de apurados gostos para
senhora, ditos de palha de seda para meninos e
meninas de idade de un mezadez airaos. Rece-
be-se ligurinos por todos os vapores, e faz-se tudo
quanlo for tendente ao toilet de urna senhora.
| 500, Sin) e !-mi fraseo,
a Marmelada excellente aCIOrs. a libra.
I Ostras americanas (excellente p M
rs. a lata.
Passas a iOO rs. a lil.ra, eema
|Presunto de Lamego, a 860 rs. a fibra,
dem ingle/, para fiambre*vindo di
da, a 800 rs. a libra.
Mi m americano, a 506 rs. a libra.
Peixe de Lisboa Inglaterra e hmm
parado conforme a ai le
tas de '2 a 3 libras, de I
Pnosphoros do gaz, a 2^300 a -
QuijQg londrinos ciu
a 800 rs. a libra,
dem ulemchegadoe no penltimo \ por, a
6(i rs. a libra.
dem Qamcngos chegados no ullini" vai ra
-100.
Idean idem chegados no penidti
Sal refinado em vazos de vidn M
Idem idem em vazos de loura, a 300 rs.
.Ceneja das melhores marcas i|ii.
mercado, a \l, 1?300, !
6/."i0il a duzia.
Sardinbas de Lisboa preparadas de es< al .
a 640 rs. ,i lata
Idem de Nantes, a 380 rs. a latinha.
i lo. 160, '
210 rs. a Uta.
Tinta preta na 'fonal e inglesa, i .a
garrafa, e 240 rs. o
Toueinho de Lisl o i, de ... lis le rfa
r 320 rs..' l ra.
dem de Santos, a 28rs. a lita!
dem am< i cano, a 200 rs. a li
io fum
lodosos presuntos, a 640 r i
fassouras americanas muil i i
a fiO rs. cada ni*, i.
Vellas de Bnenos-Ayres em eaoai
libras, por ('/.
dem de carnarma e conrj ''w. i 860 i tOfl
rs. a libra,
dem do tacaty, a IOO rs. a Hora,
dem stearinas, a 600 e 640 r
dem spermacote, a l| a lita.
Vinlio Lagrimas do Dowo, ne
meilini cmalidade que boje wb
mercado em garrafas \>v.<. n
do autor em alto revelo no
prvine-se aos apreciadores qoe o
doto ha boje grande falsificarSo.
dem engarrafados, vindo parte ti
pria (i uta de diversas marcas e i
lliorcs adegas do Porto e Lisboa, di
cas: Madeira, Camoes, chai;:, -
sia. Carcavetlos, Doqoe do i'^ni
tros, e espera-se todos os din
lidades, a 800, l;> e 1^280 a gari
dem do Porto Balisa. a 6SOr a
dem de Lisboa e Figoeira vindo era .
a 6/ de 8 a 9 candas.
dem do Piulo em ganamos de 412
garrafas, por IJB60. ^j
dem da rigneia ni g.irrafTN's de i I AW
garrafas, por diOO.
dem de Lisboa efgoeira de 326, Mi, 501
c *i(iO rs. a garrala. i em >.
abatimento.
Fumo americano, em pastas, a 45280 o dem Bordeaux engarrafado, a 6i0 ra.
libra.
Gomma do Aracaty, a 100 rs. a libra.
Dita do Aracaty, a 40 rs. a libra.
Graixa em latas, a 120 rs. e a duzia, 1/300.
Genebr laranja, em grandes frascos, a 1$.
Genebra ingleza, marca gato, a l^OO o
frasco ou garrafa com roma de vidro.
Garrafoes vazios, de 640" a 1$200 cada um.
Kirsck-wasser, bebida esta de um valor inex-
garrafa, em duzia a 7$50t.
Vinho do Porto muito "lino em cabas com 12
garrafas, a 8#, 10A. I2.e l'.if das me-
mores marcas ipie vem ao nosM erad .
Vinagre de Lisboa cm garraloaa de 4 1 S a
."i garrafas, a l;>00 onn > garraflk.
Avens a 200 rs. a libra.
Arroz da India a 100 rs. a libra.
Biscoutos de Lisboa em latas, pruprioi | an
doeuies, a l|506e3|a lata.
timavel, em vasos esquisitos, a lf5300.
Licores inglezes e francezes dos melhores Batatas a 80 rs. a libra,
fabricantes, a 500 e 800 rs. a garrafa. I Copos lapidados para agua a 6 a duzia.
- Vende-se ou arrenda-se o engenho Tam'nga.
silo na fregueiia de Serinhaem : a tratar na roa
da Cadeia n. 39, escriptorio da viuva de Manocl
Concalves da Silva.
SEMENTES.
Vende-se stoentes de hortalicas muito no-
vas chegadas no S. Manoel Io: na ra da
Cadeia do Recife n. 2f.
Linguas americanas, de grande tamanho (em
calda), al/.
Linguicas de Portugal, em latinhas de 3 li-
bras, a 3#500 a lata.
Massas para sopa, em caixinlias com 8 libras,
contendo 5 qualidades, por 3500 a caixa.
Ditas para sopa, estrelinha e pevide, a 560
rs. a libra.
Dita de tomate, a 640 rs. a libra.
Manteiga ingleza em potes de 10 a 16 libras
a 800 rs. a libra.
dem dita flor a 10 a libra.
dem de 2a qualidade a 800 rs. a libra.
dem de 3a qualidade a 640 rs. a libra.
Idem para tempeiro a 400 rs. a libra.
Idem franceza a 640 rs. a libra, e em bar-
ril por menos.
Marrasquino de Zara a 800 rs. o frasco.
Mortasda ingleza em frascos grandes a 800
rs.
dem franceza em frascos grandes a 500 rs.,
Mlhos inglezes dos melhores fabric
*
Chumbo de todas as grossuras a 03 a
ha.
Caf muido de superior qualidade a 400 rs.
a libra.
Fio de linho muito proprio para amarrar, a
480 rs. a fita.
Faiinha de trigo em barricas e meias, do tu-
das as marcas e qualidades.
Genebra de Hoilanda em garrames com 2
aadas, por 65500 com o garrafa.i.
dem idem em frasqueiras com 12 fras
por 6/500.
Manteiga finissim em latas contendo I k-
logramma ou 2 libras .; 1 '4 bqu
1^800 a lata.
Queijo suisso, a 800 rs. ;i libra.
Rap princeza do Rio: gros, meii gi
e fino.
Tainhas das Alagas a 1 ty o cento, e .40
rs. cada urna.
Vinho branco de Bordeaux (Sauterns) a 8
e 100 a duzia, c 800 a 10 a
T


Diarlo e P*rnaino Marta felra i t nllin t !.
- -y -
SORTIMENTO DE MOLHADOS.



Q
i*
1 .s
a '2
8

- i
p i
1
11
a e
m
E
v
i 2 1
I ?
2
a
0
I
a
(8
9
s
t a
s -
1
.i
9 fl
1 2
e s
V
1 I
v e
1 *'
= =
i :
s
II
<8
* -
s
i
H n *
l 2 t
g "
es
j.
e| 9
S 1
I 5
* &
2 E 2
* 5
= %
B 9
m
Vinho em pipa: Porto, Figueira e Lisboa, -a 400,
480 e 560 rs. a garrafa, em caada a 26800,3 e
34500 rs., a llanca-se este genero conservar-se
perfeito seis oito mezes, o que raro ser outro
qualquer afiancar.
Lagrimas do Dooro, especial vinho do Porto, a 1*
a garrafa e 106 a caixa, o preco nao indica a
qualidade desto precioso vinho, porm tambem
nao com imposicoes de preco qne se prova ao
respeitavel -publico a superior qualidade, este
genero de commum se manda vir de conta pro-
pria, e por isso podemos vender por menos do
que outro qualquer annunciantc.
Vinho do Alto Douro, das marcas mais acreditadas
e especialmente escomidas por pessoas entendi-
das deste genero, como sejam Camoes, Duque do
Porto, D. Luir, Carcavellos, Chamisso dr Pilho,
Madeira secca, Feitoria, a 900 rs. a garrafa e 96
a caixa com 12 garrafas.
Garrafoes com vinho do Porto, contendo 5 garrafas
por 26500.
Vinho branco de Lisboa, proprio para missa, vindo
j engarrafado de Lisboa, a 640 rs. a garrafa,
dito de larri 1 muito superior, a 300 rs. a garrafa
e 36200 a caada.
Ameixas francezas em caixinhas de 1 e meia, 2 e 3
libras, elegantemente enfeitadas com diversas es-
tampas na caixa exterior, a 16400,16800, 26500
Figos de comadre em bauzinhos de folha, muito
proprios para mimo, a 16600.
dem em caixinhas forradas de papel de differentes
molduras, a 16400.
Ameixas francezas em latas de 1 o meia e 3 libras
por 16400 e 26600.
Passas de carnadas as mais novas que ha no merca-
do, raixas de 1 arroba a 66, e a retalho a 400 rs.
a libra.
Massas para sopa muito novas: pevidce estrellinha,
a560rs. a libra.
Tdem a mais nova que ha no mercado; talharim e
aletria, a 560 rs. a libra.
Macarrao, a 320 rs. a libra.
dem o mais novo que ha no mercado: talliarim e>
aktria, a 560 rs. a libra.
Figos de comadre em caixa de 8 libras muito novos
a 16800 c a retalho a 180 rs. a libra.
Salmao em latas e em postas hermticamente lacra-
das, a 800 rs.
Lagosnhas en latas grandes, a 16400.
Savel, corvina, cheme, congro, linguado, vezugo,
gors, pescada, peixe espada, preparado pela pri-
meira arte de cozinha, a 16300 a lata.
Quoijos flamengos do ultimo vapor, a 26400.
dem do vapor passado, a 26200.
dem prato, o mais superior que tem vindo ao mer-
cado, a 740 rs. a libra.
Doce da casca da goiaba, caixio grande, a 640 e
800 rs. radaum.
Chouricas do reino a mais nova do mercado a 640
rs. a libra.
Palos de lombo, vindos do Porto de casa particular,
a 800 rs. a libra.
Bolachinhas inglezas a mais nova do mercado a
240 rs. a libra e 36000 a barrica com urna ar-
roba.
dem de soda de diversas qualidades, a 16400, di-
tas grandes proprias para lanch com 5 a 6 li-
bras por -26400.
Marmelada.imperial do fabricante Abren ou de ou-
tros inultos conserveiros de, Lisboa, m latas de
1 e meia e 2 libras, a 600 rs. a libra.
Ervilhas francezas, a 500 rs. a lata.
dem portuguezas,-a 640 rs. a dita.
Mac,a de tomates, a 600 rs. a libra.
Manteiga ingleza pcrfeitamente flor, a 800 e 15 a
libra, neste genero existe sempre aberto dispo-
sicao dos freguezes dous a tres barrs de man-
teiga flor, salvo quando por infelicidade aconteca
a factura vir composta de segunda e terceira
qualidade, que para melhor satisfazer aos fre-
guezes torna-se necessario ter mais do que esta
porcao de barris abertos, jwrm antes nos lhe
damos a devida applicacao para tempero, que
venderemos a 320 rs. a libra.
dem franceza a mais nova do mercado, a 680 rs. e
em barril se faz abatimento.
Amendoas confeitadas, a 800 rs. a libra.
Chouricos, mouros vindo de casa particular, a 640
rs. a libra.
Farinha do Maranhao muito alva e cheirosa, a 160
rs. a libra.
Avelaas muito novas, a 220 rs. a libra.
Amendoas de casca mole muito novas a 280 rs. a
libra.
Toucinho do reino a 360 rs. c 106500 rs. a ar-
roba.
Sardinhas de liantes, a 360 rs. a lata.
Azeite doce de Lisboa, a 640 rs. a garrafa e 46800
a caada.
Vinagre de Lisboa, a 200 rs. a garrafa c 16200 a
caada.
Campagnc das marcas mais acreditadas a 86000
e 106000 o gigo, e 800 rs. e 16000 a garrafa.
Cerveia preta da marca Tenent ou XXX, a 46 c
46500 a duzia, e a 400 rs. a garrafa.
dem branca da marca cobrinha ou Tenent, a 46
e 46300 rs. a duzia, e em porcao se faz abati-
mento. y
Genebra de Hollanda em garrafoes com 16 garra-
fas, por 66500 rs., ananca-se ser verdadeira.
dem em frasqueira, a 66500 e a 560 rs. o frasco.
dem de botija em barricas com 4 duzias a 430 rs.
cada urna.
dem de laranja em frascos grandes, a 15200, ga-
rante-se ser verdadeira da Italia.
Marrasquinho de Zara, a 720 rs. o frasco.
Licor francez de todas as qualidades de fabricantes,
em garrafas branca de,vidro, a 720 e 800 rs. a
garrafa.
Vinho Bordeaux as melhores qualidades que tem
vindo ao mercado, a 720 e 800 rs. a garrafa, e
em caixa a 75500,85000 e 85200 rs.
Azeite doce refinado do fabricante Pclanol, a800 rs.
a garrafa.
Conservas inglezas sortidas ou de urna s qualida-
de e da verdadeira, a 800 rs. o frasco.
Araruta verdadeira, a 320 rs. a libra.
Gomma de engommar muito alva, a 800 rs. a li-
bra.
Palitos do gaz, a 25300 rs. a groza e 20 ris a
caixa.
Toucinho de Lisboa, a 320 rs. a libra e 95500 rs.
a arroba.
Sag muito novo, a 200 rs. a libra.
Cevadinha de Franca, a 160 rs. a libra.
Cerada nova a 120 rs. a libra, e 36500 rs. a ar-1
roba.
Macatro c talharim, a 320 rs. libra.
Aletria muito fina, a 400 rs. a libra.
Arroz Carolino, muito alvo e grado, a 120 rs. a
libra e a 36200 rs. a arroba.
Caf do Rio o mais superior que se pode desejar
neste genero, a 320 rs. a libra.
dem idem de segunda e tereeira qualidade, a 280
e 300 rs. a libra, e em arroba ou sacco a 86200
e 85400.
Velas de carnauba refinada, a 320 rs. a libra e
105000 a arroba.
dem de spermacet, a 640 rs. a libra.
Chocolate hespanhol a 15, a libra,
dem francez, a 900 e 16 rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado por ser
viudo de encommenda propria a 26880 rs.
Cha hyson, melhor que se pode desejar neste ge-
nero, a 26500 rs. a libra.
dem nacional em latas de 1, 2 e 3 libras a 16400
ruis.
dem huxim, a 25200 rs. a libra.
Cha preto homcepathico o mais excellente que tem
vindo -ao mercado, a 25 a libra.
Graixa em latas grandes, a 3ff300 a duzia, e 120
rs. cada urna.
Presunto verdadeiro de Lamego em calda de azei-
te, a 560 rs. a libra.
Vassouras do Porto arqueadas de ferro, obra de
umita durarao c utilidade, a 400 rs.
Charutos de S. Flix do fabricante Furtado de Li-
ma ou de outros muitos fabricantes da Baha, a
25000, 25500, 36000, 35200, 36500 c 46000 rs.
a caixa, ou em meias por metade do preco.
dem Mississipes mperiaes, a 35000 rs.
dem Ypiranga ou Flor do Rio, a 36200 rs.
dem Guanabaras ou Havaneiros, a 25800 rs.
dem Flor da Malta ou Regaba imperial, a 25500
ris.
dem Flor do Norte ou Londres imperiaes, a 46000
ris.
dem superiores em quantidade e de todos os fa-
bricantes, a 35000, 35500 e 45000 rs. a caixa.
A
I
!
9
a

s
!



Folassa da Russia.
Vendse em casa de N. 0. Bieber & C,
successores, ra da Cruz n. 4.
Kua ila Senzalla Nova n. 42.
Neste estalielerimento vendem-se: tachas de
ferro ttndo libra a 110 rs., idem de Low
Meor libra a 120 rs.
GAZ.
No annazem de loura da porta larga, ra larga
du Rosario n. 26, vendem-se latas com 5 galoes de
i 125. assim como latas de 5 garrafas, e em
ifas multo em conta ; garante-s a qualidade.
Vende-se urna taberna com poucos
lindos sita no Barro-Vermelho, na entrada
Dgenho Ucli6n:-a tratar na mesma.
A At 1/1.1 BRANCA
Receben pelo ultimo vapor o
seguate:
Bonitas pulseiras de cabello, coral, e cora-
lina.
Foiles e bonitas ligas de seda para senhoras.
Outras estreitas para meninas, ou manguitos.
Garteiras com agulhas.
Agulhetas para eniar, c agulhas cantfas.
Trancetios e fitas de borracha.
GarriteM com torca! de todas as cores.
Massos e fios de coral.
Esponjas finas para rosto.
Pentes de tartaruga virados, com laco e
balan.
E:.Hites de rede para conservar os cabellos
bem atados.
Aspas e coz para balo.
Filas com coetes para vestidos.
Trancelins chatos de la paraenfeitar vestidos.
Papel e folhas para rosas.
Lamparillas francezas.
. vi 1 iis grossos para relogios.
Escotas cabo d"osso, marfim e madreperola
para lenles, unhas, limpar pentes e joias.
Outras linas para roupa, chapeo, cabello etc.
Outras de velludo para chapos.
P tatas para papis.
i! ispadeiras e facas de marfim para ditas.
Vispoias e dminos.
.uvas de camnrea.
Wndem-se mu finas luvas de carmuca
brinca e amarella: na ra do Queimado n. 8
loja daguia branca.
Raratlssimas bandeljas.
A aguia branca por muitas vezes tem da-
do a conhecer que quando acha alguma pe-
chincha, nao quer somente com ella encher
freguezia e o publico em geral provena da
mesma, o que agora mesmo acontece com
esaat; Itaratissimas handeijas, cuja limitacSo
ile precos admira, em relacSoaostamanhose
qualidades: avista do que convm todos a-
]iiiiv.:itarem-se, dessa opportuna occasiSo e
proverem-se dura traste sempre necessario,
e que lites custar quasi "metade do justo va-
lor. Assim, pois, dirigirem-se com dinhei-
ro alegre e espacosa loja d'aguia branca
ru.i do Queimado n. 8.
Leos brancos com barras de
eores para meninos.
A loja d'aguia branca recebeu um novo
sortimento de lencos brancos com barras de
cores para meninos, e com quanto esses
viessem melhores, maiores e perfeitamente
quadrados, com tudo continam a ser ven-
didos pelo antigo preco de l& a duzia; n.
ra do Queimado na alegre e espacosa loja
d'aguia branca n. 8.
Lia fina para bordar.
A aguia branca acaba de receber um com-
pleto sortimento de la fina para bordar, cu-
ja variedade de agradaveis cores foram es-
cocidas d'm grande livro d'amostras que o
fabricante oflereeeu a aguia branca, vindo
entre ellas alguma mesclada; assim pois onde
os pretendentes melhor se podem sortir des-
se genero, na alegre e espacosa loja d'a-
jjuia branca roa do Queimado n. 8.
Pentes de aljofares
A loja da aurora da ra larga do Rosario n. 38,
ngebeu riquissimos pentes de aljofares para atar
cahello e marrafa, tambos recebeu a verdadeira
tinta francera que escreve azul e depois fica preta,
em frascos de difltssnlM tanuiihos, respousabili-
sando-se pela quahad.
Linhas maclas e lustrosas para
bordar
vendem-se na loja d'aguia branca ra do
Queimado n. 8.
Xovlssimos e bonitos enfeltes
para cabecas.
Quando o bello sexo senta a falta de bons
enfeites para cabeca, eis que a aguia branca
recebe urna sua encommenda de bonitos e
delicados enfeites, e de modernissima moda,
muito servindo isso para sanar aquella falta,
e fazer com que as Exmas. apreciadoras da
bella empreza Coimbra possam melhor real-
sar e mostrarem o apurado gosto que as
guia. Esses enfeites sao d'um tecido bas-
tante fino com connhas d'aco, e mui bem
enfeitados com flores, fitas, bicos, plumas
etc., entretanto que sendo obra de muito
gosto custam 5$, 6$ e 7# dinheiro vista;
na espacosa e alegre loja d'aguia branca ra
do Queimado n. 8.
nica guarulcOcs de pentes e
llvellas para cintos.
A aguia branca recebeu novas e ricas
guarnicoes de pentes dourados, e com pe-
chas ; assim como outras bordadas froco e
com bolas pendentes, novidade essa que s
se acha em dita loja, e que na verdade se
tornam mui alegres e bonitas; e bem assim
recebeu lindas fivellas com pedras, e ditas
d'ag.0 com novos e engranados moldes, cintos
dourados e de marroquim; e muitos outros
objectos de gosto para senhoras sero encon-
trados na alegre e espacosa loja daguia
branca ra do Queimado n. 8.
Apreciareis extractos.
As Exmas. senhoras que bem sabem co-
nhecer e apreciar os odorferos extractos, e
as finas pomadas que se vendem na loja d'a-
guia branca, nao se demorem em mandar
comprar desses agradaveis e escolhidos chei-
ros Georg 4o, principe Alberto, marechal,
bouq. d'imperatriz, mil flores, jasmm, ge-
ranium, vilete, jock club, sndalo etc. etc.
Nesses finos cheiros nao ha melhoria sym-
pathas, por isso ser bom qu urna compre
dessa qualidade, outra d'aquella, e assim por
diante, mas que retradas em alegre assem-
bla faca cada urna com a forca de sua elo-
quencia prevalecer o bom gosto de sua es-
colha. Isso na verdade ser agradavel e in-
teressante, com tanto porem que os cheiros se-
jam comprados na alegre e espacosa loja d'a-
guia branca ra do Queimado n. 8.
Lindas caixinhas com finos extractos, mui proprias
para presentes.
A aguia branca vende lindas caixinhas
com espelho e paysagem, ns. emcima, e finos
extractos dentro, com as quaes se faz um bello
presente, assim pois o pretendente dirija-se
cora dinheiro alegre e espacosa loja d'a-
guia branca ra do Queimado n. 8, que ser
satisfactoriamente servido.
Agna da Colonia em garrafas
grandes e pequeas.
A aguia branca recebeu um variado sor-
timento de garrafas grandes e pequeas e de
diversos e bonitos moldes, com excellente
agua da Colonia ; assim como frascos de vi-
dro maiores e menores com dita, e como
geralmente sabido a commodidade dos pre-
cos continua a ser observada na espacosa e
alegre loja d'aguia branca ra do Queimado
n. 8, para onde chama-se a concorrencia dos
freguezes que costumam comprar dinheiro.
Aromticos pos d'arroz.
A aguia branca acaba d receber um ex-
plendido sortimento de lindos e agradaveis
vasos de porcellana dourada, crystal e metal
com bonecas, e finos e aromticos poz d'ar-
roz ; assim como pacotes com dito, cuja pro-
ve tosa utilidade bem conhecida: os pre-
tesdentes pois, dirijam-se com dinheiro ale-
gre e espacosa loja d'aguia branca ra do
Queimado d. 8 que sero servidos e contentes.
Os afamados copos com banha. e
boldes com Inscrlpees.
Chegaram novameote para a aguia branca
esses afamados e estimados copos com banha
fina; assim como os bonitos boioes de por-
cellana dourada tambem com banlta, e novas
inseripcSes maviosas e jocoserias, mui ade-
quado para presentes restaporem que os apre-
ciadores concorram, munidos de dinheiro,
alegre e espacosa loja d'aguia branca ra do
Queimado n. 8.
FAZENDAS.
Xovo estabeleclmento de Costo-
dio, C aivalho A: C.
. 27Roa do Queimado27
Preco barato 260 rs.
Superior fustao francez, proprio para
roupa de senhoras e meninas, de lindos de-
zenhos e pelo barato preco de 26p rs. o co-
vado.
Madapolo
Madapolo fino enfestado, com 20 varas,
a 8r5 a peca.
Organdvs.
Finos organdys matizados, a 240 rs. o co-
vado.
cortes
de collete de fusto fino, para roupa de me-
ninos, a 320 rs.
Dretanha.
de linho fino, pe?as, a 5)300.
Lences
de Multo luo, pelo baratu (>ivru de -'.
Cobertas
de chita chineza, a preco de 2#,
QattM
I de linho para senhoras e meninas, a 600'
, 800 e 141.
Golinhas.
Calcinitas bordadas para senhoras e meni-
nas, pelo barato preco de 2#300.
Bramante
de linho com 10 e 12 palmos de largura, a
25800, 2 e 20500.
La.
Lindas las para vestidos, a 440 rs. o co-
vado.
Lencos de cassa, a 1 ,->G00 a duzia.
Cortes
de meia casemira para calca, a 2$ cada um
corte, propria para a presente estaco.
!
NO ARMAZEM DE FAZENDAS BARATAS
DE
SANTOS < Ol IH>
Ra do Queimado n. 19.
Vende-se o segulnte:
Cobertas
de chita da India, a 2:ooo rs.
Lences de panno
de linho, a 2:ooo rs.
Lences de bramante
de linho, de um panno s, a 2:8oo rs.
Toalhas alcochoadas
para mo, pelo baratissimo preco de 5:ooo
rs. a duzia.
RiCOS YCStidiIlOS
de seda para meninas, pelo baratissimo pre-
co de 4:ooo rs.
Lencos de seda
pelo barato preco de l:ooo rs.
Saias de fusta*
pelo baratissimo preco de 5:5oo rs.
Lencos de cambraia
brancos finos, proprios para algibeira, duzia
a 1:80o e 2:ooo rs.
Lenros de cassa
finissimos, proprios para algibeira, pelo ba-
ratissimo preco de 2:4oo rs. a duzia.
Cortes de calca
de ganga mesclada, de listas e de quadros,
fazenda superior, pelo baratissimo preco de
l:2oo rs. o corte.
Pecas de madapolSo
largo superior, pelo baratissimo preco de
8:000 rs.
Pecas de bretanha
de rolo com lo varas, pelo barato preco de
3:2oo rs.
Pecas de cambraia
de salpicos, fina, com 8 1/2 varas, pelo ba-
rato preco de 4:ooo rs.
Atealhaios de linho
com 8 palmos de largura proprio para toa-
lha de meza, a 2:5oo rs. a vara.
Toalhas
de linho para meza, a 3:ooo rs.
Barege
de lindos gostos, pelo barato preco de 48o
rs. o covado.
Esleir da India
propria para forro de sala, de 4, 5 e 6 pal-
mos de largura.
mmm imum
SO NO Vll.il.AMt
II 11a do Crespo n. .
Tudo ser vendido por precos baratissi-
mos, como seja:
Chapelinas, a 4:ooo e S:ooo rs., as que se
vendiam a lo e 16:ooo rs.
Touquinhas para criancas, a 5oo rs.
Ditas de linho, a 600 rs.
Ditas de fil de seda, a l:ooo rs.
Ditas de merino com algum defeito, a 4oo,
800 e l:ooo rs.
Ditas de seda, a 2, 3 e 4:ooo rs.
Ditas de la, a 34o, 4oo e 5oo rs.
Enfeites de retroz para meninas, a 800 rs.
Meias de cores para menino a 2:ooo a duzia.
Manguitos para senhoras, a i:000 o par.
Golliiihas bordadas, a 4oo, uoo, 800 e 1:00o rs.
Trancas de linho, la e seda, a 000, 800, loo
e 12o rs. a vara.
Franja de linho, de la e de seda, a 60, 80,
loo, 120 e 2oo rs. u vara.
Leqiie*.
Leques de sndalo e madreperola muito fi-
nos aloe 12:ooo rs.
Ditos chinezes, a 6 e 8;ooo rs.
Ditos charo, a 4:ooo rs.
Frco de seda.
Frco de todas as cores, a 16o rs. a peca.
Dito de la, proprio de botar em tapete, a
2:ooo rs. com 10 varas.
Franjas preta*.
Franjas largas pretas, proprias para enfeites
de capa ou mantelete, a 2:ooo rs. a vara
da que se vende a G:ooo re.
Ra do Crespo n. 7.
Isto s no Vigilante, que quer diminuir
o grande deposito que tem, por isso a sua
boa freguezia deve-se sortir antes que se
acabe, pois, aflianca servir a vontade do
comprador^_______________________^^^
J se nao vende da-se
JL
No atterro da Boa-Vista n. 65, vende-se
gaz da melhor qualidade, refinado, purifi-
cado, pelo barato preco de 125, galo
2&500, garrafas trazendo vazia 560 rs., val
a pena, pois, duas passadas. A elle antes
que se acabe: quem quizer em porco da-se
mais barato.
BOM NEGOCIO.
Vende-se urna taberna em muito bom lu-
gar no Recife com pouco fundos illuminada a
gaz, a dinheiro o praso, e tambem se vende
a armaco s com seus pertences, o motivse
dir ao comprador: a tratar na ra da Seo-
zaa velha n. 46, deposito.
Gaz liquido 12$.
Vende-se na nova exposico de cancliei-
ros a gaz, na ra Nova n. 24, latas de gaz
de l.1 qualidade e nao inflammavel, a 12$,
contendo cada lata 27 garrafas, que muito
convem a quem gasta este liquido : na ra
Nova n. 24, loja de Carneiro Viann^______
Farinha de mandioca
em saccas grandes, e de superior qualida-
de : no annazem de Tasso Irmos, ra do
Amor ira d, 35._________________________
Lingiias Inglezas
em salmoura: no armazem de Tasso Irmos,
ra do Amorim n. 35.
VENDE-SE UM GUARDA VESTIDOS
de cedro novo, de armar e desarmar, muito
barato: na ra da Assumpco u. 34._______
MN1LHA
Sao chegados os chapeos de manilha, os melho-
res e mais Unos que tem vindo a este mercado:
na loja de Maia Irmos no arco de Santo Antonio.
Vende-se um sitio com casa perto do ebe-
dro, da estrada nova do Cacnamj, e da munici-
pal para a Vanea, com boa baixa para capim,
verduras, etc., e terreno para outras lavouras, j
em parte ptantadas, com muitos e diversos arvo-
redos de boas frucias, tem boa agua de befcer e
para banhos no fundo do sitio do dito riacho Be-
bedro, o qual corrente todo o anno; ou troea-se
por urna escrava tornando-sc o excedente do valor
em dinheiro : quem pretender, dirija-se ao dito
sitio, ou na Estrada Nova, a fallar com o seu dono
Jos Paulino de Almeida Catanho, ou annuncie a
inorada para ser procurado. ^^^^^
Vende-se um terreno com 300 palmos de
frente e 50 de fundo, na ra da Amizade na Ca-
punga Nova, os quaes se.retalham, havendo con-
currentes : a tratar na Soledade, ra da Esperan-
za n, 16, ou- roa do Imperador n. 81, pnmeiro
andar.
Taberna.
Vende-se a taberna da roa do Codorniz n. 3
com poucos fundos, e a casa tem cotnmodos para
morada, e o aiuguel barate ; o motivo de se ven-
der seu dono estar doeote e precisar sair para
o mato para le tratar.______________
RA DO QUEIMADO N. 46
Dswro
Vende-se sal de Lisboa a COfs a cuia : aa
roa da Lingoeta n, ii
DE
FAZE1VDAS E ROITPAS FEITAS.
Sortimento completo de sobrecasacos de panno a 25$, 28)5, 300 e 35d, casaca*
muito bem feitas a 25$, 2&fl, 30$ e 35$, paletots acasacados de panno preto de 166 at
25l, ditos de casemira de cor a 154, 18$ e 20#, paletots saceos de panno e case-
mira de k-s at 14$, ditos saceos de alpaca, merino e la de 4d at lio. sobre de alpaca e
merino de 7?? at 10)5, calcas pretas de casemira de 8$ at 14, ditas de cor de 76 al
156, roupas para menino de todos os tamaitos, grande sortimento de roupas de brim.
como sejamcalcas, paletots e cohetes, sortimento de cohetes pretos de metim, casemira
e velludo de 45 a 90, ditos para casamento a 50 e 60, paletots brancos de bramante a 44
e 50, calcas brancas muito finas a 50, e um grande sortimento de fazendas finas e moder-
nas, completo sortimento d casemiras inglezas para homcm, menino e senhora, ceroulas
de linho e algodo, chapeos de sol de seda, luvas de seda e de Jouvin para hompm e se-
nhora. Temos urna grande fabrica de alfaiate, onde recebemos encommendas de grandes
obras, que para uso est sendo administrada por um hbil mestre de sementante arte e um
pessoal de mais de cincoenta obreiros escolhidos, por tanto executamos qualquer obra com
promptido e mais barata do que em outra qualquer casa.
FAZENDAS DE BOM GOSTO.
Lindos cortes de la de barra Imperatriz, ditos de la com barra matisa-
da, ditos lisos com palmas de seda, lindas las de cores matisadas a 500 rs. o
covado, ditas com palmas de seda a 640, 700 e 800 rs. o covado, cirtes de
seda de cor matizada os mais superiores que tem vindo ao mercado, lindos
cortes de mor-antique de cor linda, gorguro de la e seda de quadrinbos e
lisos, fazenda inteiramente nova para vestido.
Superiores cortes de blond branco para noiva, camisinhas de cambraia
bordadas, brancas e de cores, lindos sautambarques de cachemira de edr enla-
tados e bordados da mesma cor, ultima moda em Paris, superiores chapeos
de palha da Italia, enfeites de flores, capellas brancas e outras muitas fazendas
de gosto que seria?, enfadonho annunciar: na ra do Crespo n. 13, loja das
columnas, de Antonio Correa de Vasconcellos & Companhia.
F1 \III AO 1HI IHIA1 HA \-II1 A IMI
KIUHV.:i.
Este muito acreditado estabelecimento est prvido de um completo sortimento de
machinismos proprios do fabrico de assucar, a saber:
Machinas de vapores as mais modernas e mais acreditadas.
Rodas d'agua de ferro com seus pertences.
Moendas e meias moendas de todos os tamaitos.
Rodas dentadas, angulares e de espora.
Taixas de ferro batido e coado.
Boceas de fornalha pelo novo systema Wetson.
Alambiques de ferro fundido.
Fornos para cozer farinha.
Moinhos para moer mandioca.
Arados americanos, etc. etc.
DE

TODAS AS QITJLIDADES
DE
ANTONIO MAIA DE BKITO
CONHECIDA POR FABRICA DA V1UVA.
N. 21Antiga ra dos Quarteis de policaN. 21.
Constando ao annunciante, que alguns especuladores de m f, vendo o
que gosam os meus cigarros, e para poderem dar consumo aos seus andam vndentela
na praca como pelo mato, illudindo os meus freguezes, dizendo que sao meus ; e cot
dos os meus cigarros sao vendidos na minha fabrica, e nao mando P6830* ^gu*Ba
por minha conta fra della, faco o presente annuncio para evitar que compremga*o
lebre ; e para seguranca dos senhores consumidores deste genero e uspectaimenteoai
freguezes, aviso que todos os massos de cigarros que forem vendidos na minha I
marcados com um distinctivo que declara o meu nome, o nome da ra e o
mesma casa.
Aproveito a oceasio para scientificar aos mesmos senlioreS, qne
encontrarSo um completo sortimento de cigarros de diversas qualidades, e do netor
escolhido, por sua boa qualidade j bem conhecida.______________________________
to-
san
CHAPEOS DE MANILHA
Vaadem-se por preco commodo : na roa Nova
numero 44.
fiaa* 400 rs.
Vende-se gaz americano de superior ouaudade a
400 rs. a garrafa, garante-se a qualidade : no pa-
teo do Carino n. lo.
Espravoes, enchuadas, frieiras,
milhos, sobrecamas, sobrenerrw. e
quer enfermidades a que a anjitl
eneontrario um tenano auracalMi
do afamado oleo de Bkrchant: i wia a
xem da bola amarella no oitio dojm
Imperador, aos precos de 6*0,1M
frascos, meies e quartos.
to-
lva*
Vende-se urna mulatinha de 14 auos
ra da Seozala Velha n, 104.
ntnu
ni






m





I

t
J

\
-\
I
1
Diarlo de Peraambuc Qnara felra 15 de Jnltao de 1843.
f
GRANDE ARMAZEM
AB
mmmmymmommmmiummate
PROGRESSIVO.
N. 3C, RA MS CRCZES N. W
. DO
balrro de Antonio.
0 proprietario do muito acreditado armazem denominado Progressista tendo
sempre em vista fazer tudo o que fbr possivel para bem senir aos seus freguezes, tem
deliberado vender os seus j bem conhecidos gneros de primeira qualidade pelos precos
abaixo mencionados, e aflianoa s pessoas que mandarem comprar por seus criados ou
escravos, serem to bem sen idas como vindopessoalmente; encarrega-se de aviar qualquer
encommenda, ainda mesmo contendo objeclos n3o proprios deste estabelecimentp. O
mesmo pede aos senhores que mandarem comprar neste armazem o favor de mandarem
devolver qualquer objecto que nao agradar, devendo os mesmos senhores ter toda atten-
co com os seus portadores, fazendo-lhes ver que s no armazem Progressista da ra das
Cruzes n. 36, que se vendem os memores gneros por mais barato preco, porque estes
muitas vezes olvidam-se e vo outra parte onde os servem de maneira a desagradar este
estabelecimento.
?, v.
h
*>
\ a ,
tt Q
i o s

g t 1
S NO
9-LARGO DO CARMO-9.
DE
a
mw^> fc ^
Os proprietarios deste espacoso e bem sortido armazem de molhados partici-
pam aos seus freguezes que acabam de receber de diversos portos da Europa o mais bel-
lo sortimento de molhados, todos primorosamente escolhidos, os quaes vendem-se por
muito menos do que outro qualquer annunciante, obrigando-se os proprietarios a garantir
todos os gneros sahidos do seu muito acreditado armazem.
Manteigai ngleza de 1.a qualidade, a 900 rs.
a libra.
dem de 2.a qualidade, a 800 rs. a libra,
dem franceza, chegada ltimamente, a 640 j
rs. a libra.
Batatas muito novas, a 20 o gigo de arroba
e 80 rs. a libra.
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor,
de 24 2,5500.
Jdem prato, chegado neste ultimo vapor, o
mais fresco que se pode desejar a 700 rs.
a libra.
dem londrino, mandados vir de encommen-
da especial, a 900 rs. a libra.
dem suisso, muito fresco, a 800 rs. a libra.
Caf do Rio de 1.a e 2.a qualidade a 8,5500
e 8*800 a arroba, e 280 e 300 rs a libra.
Arroz da India e Maranho a 420 rs. a libra
e 35200 a arroba.
Avetas as mais novas neste genero a 240
rs. a libra.
Presuntos do Porto muito novos a 560 rs. a
libra.
Legumes francezes para sopa, como seja,
Julienne, mlange d'quipage, Choux e
outras qualidades, a 400 e 500 o masso.
Amendoas de casca mole a 320 rs. a libra, c
em porco ter abatimento.
Garrafes com 5 garrafas de vinho do Porto
do Alto Douro a 24400 com o garrafo ;
aflanca-se que nesse genero o melhor
que veio ao mercado.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira muito
superior e mais proprio para a nossa esta-
co por ser mais fresco a 2/51400.
Cha bvsson o mais superior a 25600 a libra,
afianca-se ser egual ao que regularmente
vendemos a 34200.
dem huxim miudinho, o mais superior que
vem ao nosso mercado a 25700 a libra.
dem preto muito fino, a 25000 a libra.
Garrafes com 5 garrafas de superior vinho
de Lisboa a 2*100 cada um.
Jdem com 5 garrafas de vinagre de Lisboa
a 15100 com o garrafo.
dem com 5 garrafas de vinagre hambur-
guez a 800 rs. cada um.
Vinbos generosos vindos do Porto engarra-
fados das seguintes marcas: Genuino,
Porto fino, Nctar, Duque do Porto, Fei-
toria, Velbo secco, Chamico, Madeira su-
perior e outros a 900 rs. a garrafa e 95
a duzia.
Vinho Bordeaux das melhores marcas: St
Julien, Medoc e S. Esterille e outros a
640 rs. a garrafa c 75500 a caixa com
urna duzia.
Chouricas e paios, o mais novo que se pode
desejar, a 250 e 000 rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez dos melhores fa-
luicantes a 900 rs. a garrafa c 105300 a
caxa com urna duzia.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
800 rs. cada um.
Licores francezes, muito finos, das seguintes
marcas: Anizetta de Bordeaux,.Plaiser des
dames, Crme de Noyau, Eau Dantzic,
Crme de Menthe, Ilude de Venus etc. etc.
de superior qualidade a 320 rs. cada cai"
xinha.
Mostarda preparada
400 rs. cada um.
em potes muito nova a
Milho-alpista a 180 rs. a libra.
Gomma para engommar muito fina e alva a
80 rs. a libra e 2300 a arroba.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Sabao verdadeiro hespanhol, que raras vezes
vem ao nosso mercado, a 300 rs. a libra e
em caixa ter abatimento.
dem massa de superior qualidade de 160,
180, 200, 220 e 240 rs. a libra.
Graixa em latas muito nova a 120 rs. a lata
e 15300 a duzia.
Peixe em latas muito novo: svel, pescada,
curvina, salmo e outras qualidades, pre-
parado de escabcxe segundo a arte de
cozinhaa 15400.
Papel grve pautado e liso a 35800 a resma.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
460 rs. cada urna.
Passas muito novas e de carnada a 400 rs. a
libra e 6B00 a caixa com urna arroba, lia
caixas, meias e quartos.
Ameixas francezas em frascos de 11 [2 e 3 li-
bras de 15400 a 25800, tambem ha latas
de 6 libras.
Marmelada imperial, dos melhores conser-
veiros de Lisboa, a 600 rs. a libra, em la-
tas lacradas hei-meticamente.
Fructas em caldas de todas as qualidades em
latas muito bem enfeitadas, a 500 rs ca-
da urna.
Bolachinha ingleza, a mais nova que se pode
desejar, a 35000 a barric a e 240 rs. a
libra.
Vinhos em pipa: Lisboa e Figueira das melho-
res marcas a 35200 e 44000 a caada do
melhor e 500 rs. a garrafa, em porcao ter
abatimento.
Vinho velho Chamico em barril, muito proprio
para sobremesa, a 640 rs. a garrafa c
54000 a caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero a 560 rs. a garrafa e a 44000
a caada.
Vinagre puro de Lisboa a 200 rs. a garrafa
e 15400 a caada.
Azeite doce de Lisboa muito fino, em barril
a 640 rs. a garrafa, c em porco ter
abatimento.
Champagne das mais acreditadas marcas, a
14000 a garrafa, e 104000 o gigo com
urna duzia.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Babia a 35500 a caixa, tambem temos
para 25000, 25500, 35000 e 35200 a
caixa.
Vellas de spermacetc superiores a 600, 640,
e 680 rs. o masso.
dem de carnauba e composicao a 320, 360,
e 400 rs. a libra e de 105 a 114500 a
arroba.
Azeilonas novas do Prtele Lisboa, a 14000
a ancoreta do Porto c 15500 a de Lisboa.
Massas para sopa: estrellinha, rodinha e pe-
vide a 400 rs. a libra e 25000 a caixa com
8 libras liquido.
Massas para sopa muito novas: talharim, ma-
carro e aletria a 400 e 480 rs. a libra.
Chocolate portugus hespanhol, francez e
suisso das melhores qualidades a 900 rs.
a libra.
Doce da casca da goiaba a 800 rs. o caixo.
Cerveja das melhores marcas de 54500 a
65000 a duzia e 540 rs. a garrafa
Biscoutos inglezes de diversas qualidades a
15300 a lata.
Bolachinha de soda, especial encommenda,
muito nova em latas grandes a 24000 cada
urna.
Massa de tomates em latas de GOO a 700 rs.
cada urna.
Sardinhas de Nantes, do fabricante Basset, a
360 rs. a lata.
Toucinho de Lisboa novo a 320 rs. a libra.
Tijolo de limpar facas a 180 rs. cada um.
Cebollas o mlho a 900 rs.
Erva-doce muito nova a 400 rs. a libra.
Cominhos idem idem a 640 rs. a libra.
Garrafes vasios a 500 rs. cada um.
Ditos com 5 garrafas de genebra a 24400,
garante-se ser verdadeira de Hollanda.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de encommenda especial a 8oo rs.
a libra,
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
Glo rs. a libra.
dem em potes de 4 16 libras muito fina e
propria para doente a 8oo rs. a libra e o
pote separado,
dem de porco, refinada e muito alva a 5oo
rs. a libra, em barril ter abatimento.
dem ingleza em latas de 2 1/2 libras a 2,ooo
cada urna, garante-se a boa qualidade.
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
de l,6oo, i,8oo, 2,ooo e 2,5oo rs.
dem prato chegados neste ultimo vapor, o
mais fresco que se pode desejar a 66o rs.
a libra.
dem londrino mandados vir de encommen-
da especial a 7oo rs. a libra.
Caf do Rio de 1* e 2a qualidade de 8,5oo e
8,8oo rs! a arroba, e 28o a 3oo rs. a li-
bra. *
Arroz da India e Maranho a loo rs. a libra
e 3,ooo rs. a arroba.
Caixinhas de ameixas francezas de 1 1/2, 2
e 3 libras, elegantemente enfeitadas com
diversas estampas no exterior da caixa a
l,3oo, l,6oo, 2,ooo, 2,5oo e 3,ooo rs.
Vidros de diversos tamanhos de confeitos,
muito proprios para mimos, de l,ooo a
2,5oo rs. cada um.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra e
em porco ter abatimento.
Garrafes com 5 garrafas" de vinho do Porto
do Alto Douro a 2,24o rs. com o garrafo,
afianca-se que neste genero o melhor
que veio ao mercado.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira mui-
to superior e mais proprio para a nossa
estaco por ser mais fresco a 2,4oo rs.
Cha hysson o mais superior a 2,6oo rs. a
libra, afianca-se ser egual ao que regular-
mente vendemos a 3,ooo e 3,2oo rs.
Azeite francez clarificado a 8oo rs. a garrafa
e 9,5oo rs. a caixa com 1 duzia.
Conservas inglezas dos melhores fabricantes
Mixed e Pickles, ceblas simples, e outras
a 8oo rs. o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes muito
nova a 4oo rs. cada um.
Mlhos inglezes de todas as qualidades e das
melhores marcas a 5oo rs. cada urna gar-
rafinha.
Sal refinado em frascos devidro de diversos
modellos a 4oo rs. cada um, s o frasco
vale o dinheiro, tambem ha solt para 8o
rs. a libra.
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de doce, manteiga
ou outro qualquer liquido de 1 ,ooo a 3,ooo
cada um.
Painco a 14o rs. a libra.
Milho alpista a 16o rs. a libra.
Gomma para engommar muito fina e alva a
8o rs. a libra, e 2,3oo rs. a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Sabo verdadeiro hespanhol que raras vezes
Eduardo Marques de Oliveira C.
t/3
o
o
2
.'

o
m

i
2
O
c
U.
N'este novo e grande estabelecimento de molhados, encontrar o respeMMaT
publico d'esta cidade, bem como seus numerosos freguezes do centro, expostos venda
todas as qualidades de gneros por menos precos que em quaesquer outros estahelecinHf-
tos desta ordem, pois para isso segu em um dos primeiros paquetes para a Europa um
dos socios para serem vindos todos os gneros de conta propria, para melhor servir aos
seus freguezes, e desde j encontrar o respeitavel publico senipre oamelhon
novos gneros do nosso mercado, e por precos baratissimos, como se ver abaixo.
Amendoas a 320 rs. a libra.
Aveles a 2oo rs. a libra.
Ameixas "a 14 a libra.
Ditas em frasco por 24800.
Arroz pilado da India loo rs. a libra e 35ooo
a arroba.
Dito dito do Maranho 120 rs. a libra e 35500
a arroba.
Azeite doce francez 800 rs. a garrafa.
Dito de Lisboa 680 rs. a garrafa.
Agurdente de canna de cabeca a 240 0320
rs. a garrafa.
Azeitonas a 400 rs. a garrafa, e 15300 a an-
coreta.
Bolachinha de soda a 15400 a lata.
Banha de porco a 6oo rs. a libra.
Bolachinha ingleza a 200 rs. a libra, e a bar-
rica a 35000.
Cha hvsson a 25200 a libra.
Dito, dito fino a 25600 a libra.
Dito miudinho a 25800 a libra.
Dito do Rio a 14800 a libra.
Dito preto a 15900 a libra.
Carne do serto a 36o rs., e em porco se
vende por menos.
Charutos de diversas qualidades a 15200,
15500 e 35 a caixa.
Champagne a 14 e 14500 a garrafa.
Chouricas a 560 e 600 rs. a libra.
vem ao nosso mercado a 3oo rs. a libra e Consenas inglezas a 800 rs. o frasco.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
a 160 rs. a libra.
Azeite francez clarificado a 800 rs. a garrafa
c 94000 a caixa com urna duzia.
Conservas inglezas dos melhores fabricantes
Mixed Pickles, ceblas simples, e outros
a 760 rs. o frasco.
Farinha verdadeira de araruta a 500 rs. a
libra, garante-^e a. superior qualidade.
Palitos para dentes em caixinhas domadas
Breu, a 320 a libra e 84 a arrota.
Cebollas a granel a 640 rs. o'cento.
Canella a mais nova do nosso mercado a
14000 a libra.
Alfozema o que pode haver de melhor neste
artigo a 280 rs. a libra.
Phosphoros de seguranca individual a 20 rs.
a caixinha.
dem huxim miudinho o mais superior que
vem ao nosso mercado a 2,7oo rs. a libra.
dem preto muito fino a 2,ooo rs. a libra.
dem muito mais baixo, muito proprio para
negocio a l,Goo rs. a libra.
Presunto inglez para fiambre o mais fresco
que se pode desejar a 8oo rs. a libra.
Garrafes com 5 garrafas de superior vinho
de Lisboa a 2,2oo rs, jada um.
dem com 5 garrafas de vinagre de Lisboa
a l,2oo rs. com o garrafo.
dem com 5 garrafas de vinagre hamburguez
a 9oo rs. cada um.
Genebra de laranja a 9oo rs., a melhor que
se pode desejar.
Cha perola o melhor neste genero a 3,2oo
rs. a libra.
Vinhos generosos vindos do Porto engarra-
fados das seguintes marcas: Genuino,
Porto fino, Nctar, Duque do Porto, Fei-
toria, Velho secco, Chamico, Madeira su-
perior e outros a l.ooo rs. a garrafa, e
9,ooo rs. a duzia.
Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto
a l,2oo rs. a garrafa, e lo,ooo rs. a caixa.
Vinho Bordeaux das melhores marcas: St.
Julien, Medoc, S. Estephe e outros a 7oo
rs. a garrafa, e 8,ooo rs. a caixa com-urna
duzia.
Chouricas e paios, o mais novo que se pode
desejar, a 56o rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez dos melhores fa-
bricantes a 9oo rs. a garrafa, e lo,5oo rs.
a caixa com urna duzia.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
<3oo rs. cada um.
Licores francezes muito finos das seguintes
marcas: Anizete de Bordeaux, Plaisir des
Dames, Crme de Noyau, Eau de veede
dant-- c, Creme de menthe, Huile de Ve-
nus, Parfait amour, Eau dora l,ooo rs.
a garrafa e lo,ooo a caixa com 1 duzia,
Passas muito novas e de carnada a 3oo rs'
a libra e 6,ooo rs. a caixa com 1 arroba'
ha caixas, meias e quartos.
Ameixas francezas em frascos de 1 1/2 e 3
libras de l,4oo a 2,8oo rs.; tambem ha em
latas de differentes precos.
Marmelada imperial dos melhores conservei"
ros de Lisboa a 6oo rs. a libra, em latas
de differentes tamanhos e lacradas herm-
ticamente.
Fructas enr caldas de todas as qualidades em
latas muito bem enfeitadas a 5oo rs. cada
urna.
em caixa ter abatimento.
dem massa de superior qualidade dd 2oo,
22o e 24o rs. a libra.
Graixa em latas muito nova a 12o rs. a lata
e l,3oors. a duzia.
Peixe em latas muito novo: svel, pescada,
curvina, salmo e outras qualidades, pre-
parados de escabexe, segundo a arte de
cosinha de 1,400 e 2,ooo rs. a lata.
Amendoas confeitadas de diversas cores a
7oo rs. a libra.
Papel grve pautado e liso a 3,8oo rs. a
resma.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
46o rs. cada urna.
Vinhos em pipa: Lisboa, Porto e Figueira das
melhores marcas a 2,5oo, 2,8oo, 3,ooo ft
4,ooo rs. a caada do mais superior e de
32o e 36o rs. a garrafa.
dem velho Chamico em barril, muito proprio
para sobremesa, por ser muito claro e
macio a 64o rs. a garrafa, e 5,ooo rs. a
caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero, a 56o rs. a garrafa e a
3,8oo rs. a caada.
Vinagre puro de Lisboa, a 2oo rs. a garrafa
e l,4oo rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa muito fino, em barril,
a 64o rs. a garrafa, em porco ter abati-
mento.
Manteiga ingleza flor a 800,900 e15 a libra.
Manteiga franceza a 680 e 720 rs. a libra.
Dita hollandeza a 72o 8oo rs. a libra.
Mostarda a 640 rs. o frasco.
Massa de tomates a 640 rs. a libra.
Dita estrellinha para sopa a 560 rs. a libra.
Marrasquino de Zara a 800 rs. o frasco.
Passas a 4oo e 560 rs. a libra, e 84 a caa.
Palitos para dentes a 180 rs. o masso.
Phosphoros do gaz a 25500 a grosa.
Paios novos a 640 rs. a libra.
Queijos do reino do ultimo vapor a 24 e
25500.
Dito de prato a 720 rs. a libra.
Dito do serto a 560 rs. a libra.
Cenejas de marcas superiores a 500, .'M.
600 e 640 rs. a garrafa, e 55500, 64
65500 a duzia.
Dita em barril por 45, e 240 rs. a garrafa.
Cevada a 240 rs. a libra.
Sardinha de Nantes a 360 e 400 rs. ;i Wi-
nha.
Sag a 240 rs. a libra.
Sabo massa a 200, 240 e 280 rs. a libra.
Sevadinha a 280 rs. a libra.
Toucinho de Lislxia a 320 rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 160 rs.
Vellas de spermacetc a 640 e 680 rs a lil.ra.
Ditas do gaz muito boas.
Ditas dito em caixas de 6 libras por 4*>JO.
Ditas de carnauba a 400 rs. a libra.
Ditas de composicao a 360 e 380 rs. a libra.
Vinho do Porto, caada a 55500, grrula i
720 rs.
Dito Lisboa, caada a 45 e a garrafa a 'iOO
rs.
Dito Figueira, caada a 35840 e a gamfa a
480 rs.
Dito dita superior, caada a 45 e i garrafa
a500rs.
Dito Estreito, caada a 34200 e a garrafa a
400 rs.
Dito Bordeaux a 720 e-800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa em garrafes de 5 gai r*-
fas por 14400.
Dito em caada a 25, e a 260 rs. a ganla,
Vinho do Porto em garrafes de 5 garufas
por 25500.
Dito dito engarrafado a 15 e 15200.
Dito lagrimas do Douro a 15400 a ga
Vinho branco de Lisboa a 720 rs. a garrafa.
e 54 a caada.
Dito do estreito a 600 rs. a garrafa, e a iiiitb
a caada.
Caf em grao a 300 e 320 rs. a libra, e 94 8
95200 a arroba.
Dito moido a 360 rs. a libra.
Doce de goiaba a 560 rs. o caixo.
Espirito de vinho de 38 graos, a 280 rs. a
garrafa.
Figos a 400 rs. a libra, e em latas de 4 fibras
por 15500.
Farinha do Maranho a 160 rs. a libra.
Genebra de Hollanda a 640 e 720 rs. o frasco,
e 75 a frasqueira com 12 frascos.
Dita hamburgueza a 560 rs. o frasco, e 65500
a frasqueira com 12 frascos.
Dita flor de laranja a 15 o frasco.
Gomma d'araruta a 100 rs. a libra, e 25600
a arroba.
Graixa em latas a 120, e 15300 a duzia.
Genebra em garrafes de 14 garrafas por
45600.
Batatas inglezas libra a 80 rs., e a 25500 em
arroba.
Licor fino a 800 rs. a garrafa.
Dito em garrafas grandes de superior quali-
dade a 15500.
Previne-se ao respeitavel publico que todos os gneros cima sao de boa p#
dade, e para desengao venham ver; assim como outros que dcixam de ser annunciad- <.
TODA ATTENCflO
NOS
Papel de embrulho muito superior a 14120
a resma. )
Vinho da Figueira, o que ha de melhor a
45000 a caada.
Copos finos para agua a 64000 a duzia.
Bolachinha ingleza a mais nova que se pode
desejar a 2,5oo rs. a barrica, e 24o rs. a
libra.
Champagne das mais acreditadas marcas, a
l,2oo rs. a garrafa, e 12,ooo rs. o gigo,
com 1 duzia.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Bahia a 3,5oo rs. a caixa, tambem temos
para 2,ooo, 2,5oo, 3,ooo e 3,2oo rs. a
caixa.
Velas de spermacet superiores, a 6oo 64o,
68o e 7oo rs. o masso.
dem de carnauba e composicao, a 32o, 36o
e 4oo rs. a libra, e de lo,ooo a 11,Seo rs.
a arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa, a l.ooo
rs. a ancoreta do Porto, e l,5oo rs. a de
Lisboa, estas ultimas raras vezes vem ao
nosso mercado, pela sua boa qualidade.
Massas para sopa: estrellinha, rodinha e pe-
vide a 32o rs. a libra, e l,6oo rs. a caixa
com 8 libras liquino; s no Progressivo.
Massas para sopa muito novas: talharim, ma-
carro e aletria, a 4oo e 48o rs. a libra.
Clwcolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso, das melhores qualidades a 9oo rs.
a libra.
Doce da casca da goiaba a 64o rs. o caixo.
Ceneja das melhores marcas, a 5,5oo e
7,4oo rs. a duzia e 54o rs. a garrafa.
Biscoutos inglezes de diversas qualidades a
l,2oors. lata.
Bolachinha de soda especial, encommenda
muito nova, em latas grandes a 2,ooo rs.
cada urna.
dem craknel em latas de 5, 7 e 15 libras a
4,ooo, 5,5oo e ll.ooo rs. a lata.
Palitos do gaz, a 2o rs. a caixinha e 2,3oo rs.
a grosa.
Massa de tomates em latas de 6oo a 7oo rs.
cada urna.
Sardinhas de Nantes do fabricante Basset, a
38o rs. a lata.
Toucinho de Lisboa novo, a 32o rs. a fibra.
Tijollo de impar facas, a 18o rs. cada um.
Cebollas, o mlho a 9oo rs.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa,
a 14o rs. a libra.
ARMAZEXS
GOMSRVlfIVff I CQSifilDfiR
DE
NS. 2t E 23UMI DO TERCO -NS. 24 E 23.
O proprietario destes dous estabelecimentos de molhados, vende os mi ??*-
eros por menos do que em outra qualquer parte, por isso garante a superior 'io-
Jidade de qualquer genero saludo dos seus armazens; pode vender por menos por com-
prar dinheiro, e por isso faz vantagem a os compradores.
Batatas as mais novas do mercado, a 80 rs. a libra e 2,ooo rs. aarroab ou caixa.
Toucinho de Lisboa da 1.a qual dade, a 3oo rs. a libra e 9,ooo rs. a arroba.
Caf do Bio da 1 .a e 2.a sorte, a 28o e 32o rs. a libra.
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor, a l,8oo e 2,ooo rs.
Velas de spermacet, carnauba do Aracaty, as melhores deste genero, a 63o c loo rs. a .ra.
Vinho verdadeiro Figueira das melhores marcas, a 5oo e4oors.. em cariada H Ibj-
timento, ha porco para escolher.
Bolachinhas americanas, as mais novas neste genero, a 2oo rs. a libra e 3,ooo rs. a bar. ra.
Palitos do gaz, vindos por conta particular, a 2o rs. a caixinha e 2,4oo rs. a grosa.
Manteiga ingleza da 1.a e 2.a qualidade, a 8oo e 9oo rs. a libra.
dem franceza, especialmente escolhida, a 7oo e 68o rs. a libra.
Cha, o melhor neste genero, a 2,88o rs., tambem ha para mais barato.
Milho alpista, limpo, muito superior, a 16o rs. a libra, a arrroba 5,ooo rs.
Alm destes gneros ha outros muito baratissimos, assim como ceneja das
lhores marcas, genebra de Hollanda e de laranja, passas, doce de goiaba. azeite i! .i-
nagre, canella, pimenta, cominhos, erva-doce, cebollas, alhos, chouricas. banha de pa e
outros muitos gneros que enfadonho mencionar; dinheiro contado.
FNDigO BE LOW-MOOR.
Ana da Senulla nova i. 42.
Neste estabelecimento contina
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos
Alm dos gneros cima mencionados, existe um completo sortimento de al- Arados americanos e machinas para
fazemas, cominhos, pimenta, erva-doce, palitos de. tiente em macos e caixinhas, enxo- lavar roupa: em casa de S. P. JonnstoD & t.,
fre e outros muito gneros, os quaes vendemos pelos precos mais baratos possjveis, I ra da Seozalla Nova n. 42,
MACHINAS AMERICANAS-
Em casa de N. 0. Bieber & C, successo-
res, ra da Cruz n. 4, vendem-se:
Machinas para regar hortas e capim.
Ditas para descarocar milho.
Ditas para cortar capim.
Sellins com pertences a 105 e 205.
Obras de metal principe prateadas.
Alcatr5o da Suecia. \
Verniz de alcaho para navios.
Salsa parrilha de primeira qualidade do Para.
Vinho Xerez de 1836 em caixa de 1 duzia.
Cognac em caixa de 1 duzia.
Arados e grades.
Brilhantes.
Carrocas pequeas.
AGENCIA
DA
AOS SRS. COMMMIDORES DE UL
Nos armazens do Caes do Ramos n.
na ra do Trapiche Novo (no Reeifei n. 9
vende gaz liquido americano primeira nualn
dade a retalho a 125 a lata de 5 grifes, *-
sim como latas de 10 e de 5 garrafas c > -;ilo
em porco mais barato que em outra quat-
quer parte. ___________
Potassa da Russia.
Acaba de chegar pelo brigue hamburgus
Olio, muito nova e superior: vende-*
mente no antigo e acreditado deposito na nu
da Cadeia do Recife, n. 12: onde tamU-m se
vende cal de Lisboa muito nova e i pn*fos
commodos.
Ra da Seuzall 42.
Vende-se, em casa de S. P. JoMrinA f^-
sellins e silhes inglezes. candieiros e cartt-
caes bronzeados, lonas inglesas, node^-a.
I chicotes para carros e montaa, arreio para
a haver carros de um e dous cavados, eretopt*
ouro patente inglez.
Assucar do Monteiro.
Ra da Cadeia p. e caes de Apolo .
67, a 200 rs. a tibra, e de 8 libras para can
a 55600 aarruba.


.. .-
rTrf J*







,----------------------,----------

V
8
Diario de Pernnnibmo Miara ftr*'J ilho le t
^____________-____________*______--------------=-------
LITTERATBRA.
THEATRft tl SANTA ISABEL
Trabalho c Hoiira.Dorio esflaarfanlc.---Conde de
Pargar.Mria liora HiiuVrrs dc mainiorc.
Quando no nosso numero passado Faltamos do
oonriTiaiit do piano e violino sobro diversos moti-
vos da opeln Trovador executado pelos artis-
urfado Goellio e Pedro Justino, com toda
a maestra de que sao dotados. A empreza qoix de-
leitar por esse nieio os ouviilos e a imaginaran dos
reportadores, 13o imprpssiondos pela acrao do dra-
ma. fazendii-l!ies,ouvir as otas melodiosas de Ver-
di i.io tan interpretadpor don* mestres, e a.-sim
. tuguez, nao dos esqueeemos de nomear IMPara* I';ii;i (media CetaU de Parapara -
asmis vigorosos cultores i ontempora- ** ,,e I1!l mt0 sensivel a transieaoj
no de Cesar nVkacerda ja- bastante A l'on,C(llft por si mc.-nia nao tnn umita im-
-ido. Ainda qtie nao rompo/., asSceumt l""'l:ill,1:l a nao ser a ridicula figura do Burilo,
de fttmiliti, a Ditplice existencia, os Filhos dos ra-
lo honrado conde Russellvirtnalmente, bloquea- fazmaN !-"joe .igravar. se pes?vel a offensa fe-! ftin3J|s
i e ondas, bastava-lhe a Probidaie e o Traba-
II t Honra para oiar-llie urna tan merecida re-
Pll'flO'lll.
O Ti-fiballweHonra unj'drama lindissimo e de
1) m alis e provetosas licQes. O sen autor deixa
bem patentes os embates do coracao humano e ca-
racteres pcrleilaineiue desenliados. Aqui mu lilho
prodigo, menos-presando todos os sarrificios feitos
po;- seus paes para sua educaoao c cali-ando aos
-#9 todos os sentimcnlos de dignidade, tonto de
falsificar a firma de seu propino pae depois porm
que ludo se descobre, vem o sen arrependimento.
p Sr. Lisboa cenajMlendeu perfeitamente o papel
A comed i a
portaneja a nao
homem estpido, ambicioso, cuja lingiiagcm aqui
o acola dotaa ver o son primeiro lempo de bnteilor
de sola. O Sr. Coimbra foi perfeitamente neste pa-
pel e nos seus gestos, no olbar, e modo de fallar
trana a personagom que representava. Atada nao
o titulamos visto representar nesse carcter, pas-
ara alm da nossa espeerativa e eonfirmou-nOB nos
recursos de que dotado. Muito bem ; receba os
nossos sinceros parabens.
A Sra. D. Eugenia, no papel de Adelaide, {>'
bem ; era um pajtel fraco, mas o ti talento sou-
be iuspirar-llie interesse e dar-lhe greca.
Fernando de Almeida foi executado pelo Sr. Pe-
nante. Exceptuando duas sienas, tae* como na
i)e Carlos Martin*. <* rompenetron-se tanto da dr conferencia com Jos iUi Silra e depois eem Ade-
qoe sofTria sen pae por sua cansa e da dr que sen-! Mee, no mais poderia trabalhar mellior. Tem, po-
JKM separar-se de sua me que vimo-loderramar rm, nma desculpa. Eslava caneado do drama e
preparava-se para a outra comedia.
O Sr. Lisboa um artista que sempre que quei-; O Sr. Lessa nao trabalhou bein-no papel d Jos
lera -ni muito trabalho representar bem os '<'" Silra. Muila fraqueza c mesuro tibieza ira exe-
is de que fr incumbido. Se no outro dia nie-
a nossa censura, boje merece os nossos elo-
gios.
cuco. Parece nao tomar interesse pelos papis-'
que llic sao confiados, e para exeuiplo basta a
Hrtate.
Os demais artistas foram menos mal. princinal-
Depois iVesse fdho desencaimnhado dcslara-se men|e ^^ ^ demu ])()uca mnomncM> SCH(lo
do runo o pae traballiador c honrado, que consu- 0 (jue Inais sobresaiu o Sr. Gil no tapcl de Jou-
miu urna boa parte de sua vida ajuntar por meto qnm I10 qual fo excelentemente. Santa bom que-
do suor do seu rosto una pequea fortuna que as-; a ^^ Q ^^m m 0UtrS |)ipeis U,,1I0S
segurasse um futuro bnlliante a seu lilho, e V c;i para nos qiu> m aipims d(.lk.s sahir-sc-hia bem
descaneo na velhice a si e a sua mulher. Chnsto-, ^^ I ttlin, assim se cliamava, esse provinciano, WS)IW> c|cgaute (Juadro de cosUlIlll.s acadmicos'
ni de uma hora para outra ve as cslravagancias Trn,,lle ,-. 0 1Vp del do ealouro, sempre eufatua-
,i, ,u llllio engoliran o seu pequeo ihjcuI.o; sua d() pd;is pivsU(lnfoes c gra(,e (,stadiinte> s,in|,.
divisa lora sempreBwh-W e Uonra-mo ihe fallamIo naligura })rilhante .|ue ten. feito, nos seus
costoso mudar de eoiwVao. O Sr. Tliomaz provou ,-0or,-essos acadmicos, c mais que tudo em una
mals urna vez o sen talento artstico; as suas^ fei- ceieomma c brillmutissimu subbatim. A Sra\ D.
55es O OS seus gestos deixavam v.'r a adliccao do Eugcnia foi porfeitauente ueste papel A seena da
pac e ailJpa^iit do christao; a scena linal do LuSnafft c a da cabelleira foram bellamente.de'
ro arto e a penltima do terceiro bastariam S(,n^.n'iiaaas.
para reconhecermo-lo como actor.
A Sra. D. Joanna nada deixou desojar no pa-
Xogueira o typo do bon riranl acadmico. T
dos^por um cruzeiro Inglez. Eraqtranto*fpeT) na* ta
vio almirante se achava fondeado no porto, e que
Segundo a roKMnfiidenria presentada ao parla-
mento, estavapmpeditado o descmbarqutfajkpiella
capital, dos soididos de marinja. outro naJBde va-
por ilav.i caca, fra da barra, aos navios do rom-
merclo brasileiros as aguas territoriatt do im-
perio. -
Cinconavios nestas crrnmstancias foram re-
vistados, c vigiados por um navio de guerra, a pou-
ca distancia daTeapital, na baha de Palmas, a qoal
deste modo ficon convertida eni deposito de presas.
t Estes factos, taes como se teein passadOjUao
sao nem podem ser considerados sennn como actos
V guerra, contrarios a natureza das r^resahas cm
temp de paz, contrarias mesmo s preclamafSes
dos agentes britannicos, os quaes se limitaui a an-
mncr represalias dentro dos limites uV ubi esta-
do de paz. Constituem rmafinente una ofinsa gra-
tuita, artendendoa que, segundo a notado Ministro
dos negocios estrangeiros do Brasil, datada de 27 de
dezembro,a"menor demoiistracio deforca, fwa da
soberana do imperio, bastara, para assegurar, sol
protesto, aogoverno inglr o resultado qne tiha
cm vista obtcp.
As cirenmstancias que acompanharam o*ac-
tos a que o gevorno britannico julgou dever reeor-
ror, imprimiram-lhe o caractei de uma aggrcsao
de guena, que nao podia deixar de ferir protun-
daraente as- legitimas susceptittlidados da naco
lna}leira,exeiu:dasnor umainvasao tao ines]tera-
da da scif territorio; o de provocar da liarte do go-
verno de Sua MagesUide o 11 nperador. um justo pe-
dido ein reparaeao do attentado feito soberania
nacional.
Por outro lad&j os subditos brasileiros, coma
execucTio desses actos, soffreram na sua proprieda
de, cm ronsequencia da aprehensode cinco navios
em que se verfiraram as represalias. Sem recor-
rer a oufms argiuBcntos, o baixo assgnado apena*]
se refere a correspondencia apresentada ao parla-
mento.
t 0 despacho do muito honrado conde Raphael
9 ofllciaos ressam
esl momento, e
a govenMJJBB-flraoil. I de Ihe pedir queira eiiTiar-lha 03 necesaros naf-
H^^BUo assgnado, expongas quei- saportes para si, sua familia, e para todo o pessoaf
xas^P| Orer^-niperial, na Slia dita nota de 5 do
corrate, prole*tava ao mesmo tempo. como notou
o muito honrado conde Russell, cen qualquer in-
tJencaO de renovar as'qaestoos que prrdeiara as
represalias, uo tinha por isso mais do qtw facili-
tar a solucao das divergencias, circumscrevendo a
reclamaeo a limites bem definidos, recordando
apenas fados simples c preciso?, suficientes em si
para as justificar, e separando-a de tudo quanto ti-
nha feifttobjecto das anteriores disMssoe*.
FoiDm o mesmo espirito de civilisarfio que
aDudiu ao desejo manifestado pelo* dous irovmios,
de conservar koa retoques em termo ltonroso pa-
ra ambos ellos. Todava o muito honrado ronde
Russe nao encontrou da declaracao daipiellas di-
posicoe,ena.expossao-da(piell.;s* senthuentos, sc-
nio um motivo para se recusar ao exame dos hO
tos que Ha foram siibmettidw, e para aftastarsmn-
aiariamentc odireito que o govirno imperial, se ti-
nha formalmente iv>.servado, quando se vio Arcado-
a pagar, sob protesto, a sonmia qu o goveri- bri-
taniiico tinha exigido pelb naufragio do Prinee of
Wules (nota de 28 de fe>-reirode 186:1); e agora
que* governo imperial prosegue no exercicit do
seu direito daquelie modo reservado, o governo de
sua raagestade britannica recusa entrar em dis-
cussao-sobre a conveniencia on exerur,ao das re-
presaras, allegando a impo.*iil)ilidade leo fazer
sem renovar as quesrtoes que susrit.lran as sdriav
desintefligeneias entre os dous novemos.
da sua legacao.
O abaixo asignado,
ele.
C.
-W ell ao Sr.
O abaixo assignadw, principal secretario d*es-
tanto quanto podemos jtllgar, o telo qoe rita-
mos uo foi contestado na sua geHeradade,
Ha rclawrto da rommissi doregnlamio, nem ite-
rante as delbera^des fda primeira sessta De%-e-
mos daqu d.duzr a conseqnencia de qne I presi-
dencia, segnrndo o protedimenlo qne adoptoo. par-
t u do principio que posraia um poder discipfinar
N. 'i.Xota de lord Hussell ao Sr. C. Morera. ,
, sobre os ministros durante as amates, e esta b.t
lado de S. M.narepar!ieao te negociosealranJ*?**** *"^.gf^ -
geiros; ten, a honra de acensar a reeeKao da no- gnlamen, a fZ "*"** W** no .
datado de 8 de novembro de 18tf2, declara que os
navios detidos serao restituidos sem prejuizo. A
niesnia deelracao se encontra as instruceoes da-
das para a execucao das represaUairnclo almraate
Warren, a-3L de dezembro de 162. Estes dou-
mentos sao sufficLentes para justificar o pedidode
reparaba*, jtor que conteem imr^icitaniente o direi-
to que as partes lezaBas conserva ni para jH'dir a> di-
ta rrparacam
i O abaix,aassignadoconlieoeniulo bem a idea
pre assim o julgou) e em uma carreira bellissima.; nl|0U.0 flelbiente.
En o corncao de mae sondando o brlhante futuro ^ Q Sr Cilllbra no pai>ei de Nev expressou o
deseufilhft O final do primeiro acto foi por ella caraeter de um cvnico acadmico. O seu andar,
aueotado com maestra o assim tambem o reco- j o)1)ar^ n)0)]o de faar (])0r m0I10;;>i|a|^S) pde-se
ahecimento do filho no terceiro acto. Soube ser as;;iin jZ(T) retmavaa esse fiel sectario do culto
actriz perfeita eompenetrando-se aH da ddr siifTo- do nfnm0 (acadmico j se sabe).
risirel em toda a parte menos na academia. Mas elevada que os homens de estide do Inglaterra tcem
dignidade e da honra nacional,
momento, que o governo de
pci de Gesmtva. Era a mae que nao contentava- |a|)lbem 0 amjg0 sinroro q(lc gaiva a ^iaceiJo de sobre exigencias dadign
.-^ de admirar o llio, que julgava tfio bom (e s>m- uma vprgonlia 0 Sr> Fur|ado Coelho desempe- para duvida'r por um me
cada que opprime o coracao de uma mae ao sepa-
rar-so de son fillio e aqui a sua expansfio de prazer
eutrecortaaVA' lagrimas.
Muredo pelo Sr. Lisboa foi bem representado
Soube exprimir em sua phvsionomia a seriedade
de um quarto-annista, que, j vendo de mais porto
Amelia ( a orphaa criada c habiluada em uma 0 t)Tmo (le seils ,,stud,iSj envcrgoiiha-se e vexa-se
atamosphera de honestidade; a filln adoptiva re- IK)r ao podor satisfazer sitas dividas.
ronhocida e como tal renegando tudo quanto por .
,,, trabalho Uaha podido ajuntar para que Corta ^'o Fredenro> exprime en. seu todo um
i kmga vagem nao solT.esse privaeoes; e o '. *&> de dele,xo dos ** e Preparatorios e con
typo da candara e do coracao bem formado, de quo
s brotavam accoes grandes e generosa;
D. Camilla estove em sen carcter. O toni do sua
yo: e simpiicidade de suas maneiras revelavam o
typo fiel da ingeBDJdade de Amelia.
A' par dos affectos de familia e dos lacos de san-
gue, appareee nm outro sentimento bem nobre ;
o typo da amisade. Dizia Aristteles que a amsa-
de una alma em dous coritos: Seabra uma
p iva d'esaa asaercaa Comnanheiro as dissipa-
em suas horas de
templa com placidez a successao dasgeracoes ac-
j"sL. demicas; o verdadeiro cascabulho chronico c na
nossa gyria do Recife. O Sr. Penante executou
tan este paitel.
lado rommendador Moreda, enviado extraordina-
rio e ministro plenipotenciario de S. M. o Impera-
dor do Brasil, datada de 2o deM mee
O aljaxo assignado ente qw o minrtro de S.
M. I. se nao* dsse por satisn'ito ron as expiieacoes
que o abaixo assignado lhfdeu j.
O abaixo assignado deve declarar' denovo
que, tanto na ordtm positiva das represalias cuino
na execucao dessa ardem, o governo de S. S. nao
teve em vista mais rloqueobter a reparaeao, que
kup pande alcanear por ineio rfer represenCacoes
amgaveis, por actos ipre na opniaodo governwdi!
S. M. tornava necessari una reparaeao, c que
aquella ordem nao foi dictada com o desejo de fe-
rir a dignidade nem de exercer urna aggressfi'.'
contra o territorio do Imperador do Rrasil.
O que justificou as ordens do governo de S.
M. justificou tanlM'm, na sua*opiniao, as medidas
tomadas, rm execucao dessas erdens.
Cojno porem o ministro do Imperador, do Bra-
sil parece ter instruceoes positivas para pedir os
O abaiKO assignado trahirift o seu dever se- seus passapor>s, o abaixo assignado nao pd> dei-
sacrficasse assim o ireito do eu governo, admit.; xar de lamentar, em consequencm de um seme-
lhapte [K'dido, esta iaterrupeao iT*sneeessarii# das
wlacoes diplomticas.
O abaixo assignado, etc.
Rusaell.
O duqnn d Moma', presidente do corno Sr
gislativo em Franca, pronunciou o seguiute di^
curso, no enrerramrnlo da sessao :
Sonhoresv
lindo a Wentidade de-factos que-pela sua nauresa
nao forraam uma qneao indiri^vel.
A resea conciliadora da nota de S do cor-
rente, no que diz resucito s questoes anteriores
is represalias, nao pde de mancira alguma justi-
ficar a recusa de un exame sobre as quei xas
apresentadas com o fin de seren reparadas, e que
resultaram ulteriormente das medidas adoptadas
ha execBCio dessas represaliasduHS pontos com-
pletamente distinctos. .
As piestocs anteriores s represalias assen"
tam soIifc- os factos ifrt naufragio da barca Primee
of Wates, da prisao de* officiaes d> Fort, e sobre
apreciacao das circonistancias destes dous acon-
tecimento, qne separm profundamente os dous
governos e den lugar volumosa eaneepOdencu
apresenada ao parlamento.
neeessario repetir que os procedimentos que
acompanharam a esecucao di^sta medida, sao, o
Depois dessas physiononiias ncadeniicas, e que
sao eonhocidas tanto entre nos como em S. Paulo,
vem urna toda local e pertencente a esta cidade.
Jfoi um typo que nao pode ser bem apreciado
entre DOS; nao temos (ior c desses excelsos vina-
griies. O Sr. Joaquim Cmara, poim, leve a habili-
dade de desenhar-nos fielmente esse typo bastante
de Carlos; ao lado d'elle
pi aer e pocas de felicidade resulve-se salvado apreciavel ; tendo vindo de S. Paulo ha pouco tem.
sgraw i t'alliam-llie porm os meios e decide- po e conhecendo perfeitamente essa classe de in-
s i morrer. E" o typo do verdadeiro amigo. Es- dustriosos, foi-llie acil trabalhar b.ra nesse papel
el i re e-lha a luz da razo e a religio fa-lo conhe-1 p,^ estc 0 bellissimo o variado espectculo que
cer a eaorinidade do crime que prateade perpetrar.' deu-nos a empreza do theatro de Santa Isabel, as-
Para inda ha tempe e <> trabalho o caminho que gjm dando urna prova cabal de seu interesse cm
i fre, j agradar. Apezar ckts tropeos o obstculos que a
cada passo se Ihe anddliam, ella caniinha sempre
ovante, deslnteressada c cega para os sacrificios-
Se, quando lia pouco tempo fez subir scena as
Primeiras proezas de Richelieu e a Esmeralda com
todo o apparato que requeriam, foram por nos ad-
mirados os seus constantes empenhos ein cumplir
a missao elevada que se deve mpor toda a em-
preza dramtica, que coniprehender a natureza de
Al i pouco 0 amigo derotado; agora o coracao
i formado e j livre do veo espesso do erro. Di-
r. como foi interpretado este papel, seria nao co-
nhecer e 8r. Purtado Coema A oaturalidado com
tfas pisa em scena. osen andar, os gestos, tudo
emfim n'olle denota um artista de nao pequeo mo-
nto.
Ao p reate grupo ainda vemos uma persona- sua insti.uicao e de seu fin., e nunca tendo em vis-
em que nao dei de ler alguma importancia. F i ta lucrar para si o s,m fai-lo ao publico que a
un amigo reconhecido. O capitn Silva, que to- \ acompanha em sua jornada ; muito mais sera para
,i. raasoicargoofilho deCbristovao para faier extasiar a representacao das-ifeaVrM de nktr-
ni a vigem Australia e assim ir expiar os seus "-p.
sua magestade britannica, temando em eonsidera-
cjxo as queixas assim expostas, nao sinta a necessi-
dade nem esteja disposto a reconhecer a jaIIlaja da
dupla reclamaeo que fazioobjectoespeciil da pre-
sente nota.
i O governo imperial deseja a contiauaro das
suas relacoes amiga veis com o governo britannico,
mas em termos honrosos para os dous paites. Pela
sua parte, n'uma das suas precedentes notas, o
muito honrado conde Russell manvstou da parte
do governo de sua magestade brirannica agraes
desejos de cultivar essas mesmas retacites. Estn
do os dous governos animados de idnticos senti-
mentos, o abaixo assignado em nonie do governo de
Sua Magestade o Imperador, tem a honra de sub-
metter a apreciado do governo de sua magestade
britannica o que poderia ser uma solucao satisfac-
toria da presente divergencia:
i O governo de sua magestade britannica mani-
festara o pesar que deu dos factos que acompanha-
ram as represalias, e declarara que nao teve inten-
sao de offcnder a dignidade nom de violar a sobe-
rana territorial do imperio.
t Quanto aos prejuizos que .resultaram da apre-
hensaodos navios, consistira em fazer justira
reclamaeo apresentada a favor dos interessados,
mediante uma lqudacao arbitral.
Tendo o abaixo assignaao cumprido deste mo-
do as ordens que receben, espera com eonfianca a
resposta de V. Exc." o muito honrado conde Rus-
sell. Julgar-se-hia bastante feliz de poder annun-
ciar ao governo imperial a solucao favoravel de
urna situacao ta prejudicial aos interesses c s re-
lacoes dos dous paites.
O abaixo assignado, etc.C. Moreira.
t X. 2.>'ota do lord Russell ao Sr. Carvalho
Moreira.
t Ministerio dos negocios estrangeiros cm 19 de
maio de 1863.
nacional n'aquelle porto, desde 31 de -dezembro de
1862 at 6 de Janeiro de 1863, a attitude aieaca-
dora do navio almirante no interior do porto, o
desembarque premeditado dos soldados de mari-
nha na propria capital; o ernaelra feito as aguas
terrtoriaes do imperio; c a apnehenso de citoco
navios mercante-*, conservados, sob a guarda de
Vamos separar-nos, porque est terminada a
egislatura. Faltara a todos os deveresde reconhe-
pimento se nao vos agradecesse siiverainentc a
eftiifianca (jue-no haveis deixado de me testemu-
nhar. E' ella qne en devoter jmxIUIo dirigir os
trabalhos. Foi a vossa benevolencia quo me jier-
mittiii sstisfazer esta tarefa. Tambem desejo que
rada um de vos se digno ronservar uma'parte dos
neus sentimentos de gratidao. (Siguaes do appro-
vacao geral.)
t Ignoro o que a luta eleitoftd vae produzir, e a*
hloqucio do porto do Rio de Janeiro, e do pavilhi modlicacoes que sahiiiio da urna -T mas oque
posso afliruifli' que o attual corito legislativo, uo
fez mais do que desenvoiwr os sentimentos dojiaiz
para com o.imperador, dando o exemplo de urna
dedicacao esclarecida; contribuir para pacificar os
espiritos pela sua conducta liberal e sabia, e final-
mente fortalecer a conanoa publica pela pruden-
cia c lealdode do seu exame: (Motimento prolin-
m navio de guerra da marinha ingleza, a piuca; gado.)
distancia da capital na baha de Palmas, .tam-j ^ nQ ^ cxame y scm critica, o
bem convenida em deposito depresos. .^ qm! um ario sm hsir A falIa de eon.
Foi esta serie de actos de guerra praricados trariodade desvaiia algumas vezes o |ioder, nao
em perfeita paz, actos taa inolTensivos como su- nampiillisa o pafe, As nossas dscussoi's toem for-
perfluos; foram essas prendidas represlas pa- talceidomais a.sogm-anca do tpe o teria feito um
cificas, cem as quaes se encerrou a discussao ^n- silencio engaador. (Muito bem, muito benn)
tre os dtus governos, que estahclererai* o direito
do governo imperial reparaeao pedida na nota
de do corrente, direito que nao podia diminuir.
fossem quaes fossem, as rasoes que podessem levar
o governo brtanaieo a recorrer ao exitedente da
torea.
Recusando fazer justica a reclamaeo do, go-
verno imperial, o muito honrado conde Russell
regeita, verdade, em nome do governo britanni-
co, toda a intenco de offeoder o imperador do
Brasil, e toda a idea de aajretsao do territorio de
S. M. I. no momento cm que se expediu a ordem
para se recorrer s represalias; mas somelhjyites
disposiciJes tomadas enlo pelo governo britannico,
mpoem-lhe boje a obrigacao de ittender s justas
queixas do governo imperial, quando este Ihe de-
monstre que a maneira por que essas ordrns foram
executadas constitue una grave offensa sua dig-
nidade nacional e soberana territorial do impe-
rio. Foi porm o qne o muito honrado conde Rus-
sell parece nao ter querido admittir.
i O governo imperial nao vem reclamar contra
as intencoes que tinha o governo britannico (man-
do redigiu os despachos em que ordenava as re-
presalias ; o que deseja obter una reparaeao pe-
los actos que a nota de 18 do corrente prova esta-
rci de desaccordo com os sentimentos c ideas do
O abaixo assignado, principal secretario de es- Soverno britannico.
desvarios, deveinlo-lhe a propria vida e a salvacao
do navio em sua volta para Portugal; d urna pro-
vs
drama um dos mais bellos floros da llte-
ratura dramtica franreza, e tem merecido elogios
de todos os crticos. una bella thse moral sus-
e
,.t de seu recon hecunoii o. alcancando queCmta. .... .-.-".,,.f.;io
,..'.' tentada no theatro ; e una obra artstica perleiia
entrasse como -ocio em metade dos fundos da casa1 ... ,.
. rt -u, conten em si um grande itensainento ptulOBOpmco
qual o navio vmha consignado. O Sr. Guma- A> ^ fc ^ J draina csta 0 mod d(,
tado de sua magestade na i'oparticao dos negocios
estrangeiros, teve a honra de recebar a nota que o
Sr. Moreira, enviado extraordinario e ministro ple-
nipotenciario de Sua Magestade o Imperador do Bra-
sil, Ihe dirigu cm deste mez.
t O abaixo assgnado admitle que as ordens do
governo britannico, como S. Exc. declarou, nao
iam at ao ponto de violar o territorio brasileiro,
nem de praticar mu ataque contra a dignidade na-
cional ; mas incontestavel, nem o contesta o
O Sr. Moreira, comer a sua nota, declarando muito honrado conde, que este duplo facto teve lu-
que o governo brasileiro nao tem a intencao de re-, gar na execucao dessas mesmas ordens.
novar una questao que provocou divergencia de j f Q governo mperial levou ao conhecmento d
Mas deixomos o que j passou, c olheaios para
o- futuro. As institucoes iiaperiaes sao desenvolvi-
das pelo imperador no servido da lilterdade ; a ri-
queza publica augmenta com a paz e com o traba-
lho ; o jaren principe cresce, e forma-se sob a egi-
da paternal, as novas geracoes, calendo s sas
aspiraces naturaes, isolam cada vez mais os ho-
mens de partido; os .povos, satfisfeitos nos seus
sentimentos de orgulho nacional e no seu ltcm-es-
tar, entregain o seu destino ao governo que esco-
lheram. No prximo periodo decisivo, uma nova
cmara, intelligente, liel, e que saiba como esta,
conhecer a harmona entre os grandes poderes
pblicos, ha de assegurar o futuro da dynastla e a
felicdade da Franca. (Vivos siguaes de appro-
vac,o.)
O ipie mais posso desojar, que o corno eleito-
ral, no seu patriotismo, tenha o bom senso de con
servar cmara futura os elementos que deram a
(brea cmara actual, e que coinprehenda, que es-
tes seis annos que vilo deeorrer, sao da mais alta
importancia para o futuro do paz.

' Asconstituieoes devem sempre conter garantas
publicas absolutas; o artigo que dssolve o corpo
legislativo dopiis de seis annos de exercicio, una
dessas garantas. Exige que este corpo electivo se
refaca no coracao do paiz. Compreheiido-o c sin*
to-o debaixo de outro ponto de vista, contacto
poltico, diario, o estado dos negocios em comnuun
tem ensillado a conhecer-vos c a estimar-vos ana
aos outros.
Pois bem, a despeto das mais vivas diseussoos'
devoremos concordar que as opinoes mais afasta-
das, se tem modificado, o approximado alguma
cousa. Quantas prevenees dos primeros dias se
relatara
Resnha da natureza das consas, diz a rnoans-
sao. quo o incidente de 11 do rorwitea, fnmm
de facto que o poder do presidente ae catearle
egnaimente ao banco dos ministros, e ana o di-
reil^ concedido m presidente prto | 4 aVregar
lamento para nterrompeT o orador, comprehe-
t de os proprios minaros, para or> fazer entra*-m
questc ou mesmo para censurar de qaikaa*r
t maneira o S.-U procedWnento nao jtarlamenUr I
tambem paraos chamar oroVm.
Protestaramos da mancira ma* absointa .-011-
traesta opini'y, st^ a cmara revndeasse anira-
inente esse direito. Mas com quanto a presideona
applicasse esta interpretaco. somos oV opinio epe
as disposces expressas da constituicao> t o direito
que ella nos concedu foram violados, tanto mais
pie a injuncciio reiterada, dirigida pelo pvesiaVa*,
a um-ministro liara guardar silemio. aaaotirta-
ineiit- ontraria ao art 60 da conotiiuirao, neptnn
o ipuil os iniiistros, (piando o desejazn, de ouvidos em todas as oecasioes.
No- evidente, como a comniitsao prclimli,
que o n-au.amento, que a propria cmara se-en,
seja urna le, a que cada ont s*1 deva snboaMter **.-
de qne entra'em relacSo com a ranura, e ao sen
recinto.
t Ante- *verdade que ^-regulamenta- emif sa-
nenle jiara os membros da cmara. An>-h>s qa-
se collocani.ro/HH/tir/nmnNV em relara-coaa ara-
niara, no recinto dell;i, suUnetteu-se tir im sul-
metlidas a elle ; e cm quanto as dis|to*iros 60 re-
gulamimto servirem s para assegurar 1. regular -
dado da disnissito, mpaalaa que devem ntrar re
relacoes QflWaes com a cmara snbmeRit-^.i-bi)
tamltem a elle voluntariantenle. Ma>. bwjr ibm o
regulamento invesliu o presidenta d<: um poder dir-
oiplinar, em virtude do qual tem o dircite-Je iarr-
romper um orador, para censurar a sita-aUitud -,
impor-lhe silencio, chama-lo ordem o para H*
retirar a patevra, semelhante iKsposiriio- pale
ser applicada senSo ipslaa de cujas fcBMgaW
e voto sahiu esse regulam-.-nto; nao poda; em anw
algum ser applicado aos nJnistros do rei que nao
fundam o (finrilo que tem de assistir s sesaes da
cmara, e de ser ouvidos sempre que o.riesfjapi
nem no exame das suas pretene>< e na admisW
destas tela cmara, nem no regulaiwnm-deste ol-
limo, mas, sim na constitmeo.
A adopcao da,proposta da rommissaO r-rta ri-
mara dos deputailos. ai ala assim nao npilca rana
adhesao aos motivos dessa decisao. Na proposta
volada nao se inauifesuramas-iilasdaciinimssao,
como cima se indica. A|tenas se dc^idiu segumlo
I opinklo da cmara, que a presidencia, |tara diri-
gir .is-delilteracijes e manter a ordein, Um dirvilo d5
inlerioin|ier os oradores, assim como.os nianbtP*-
Mas-destamanciranau.se tocua a parte essenriil,
ila questao que julgamos dever suscitar, ao inv-
resse da poeisio 4110 pertence aos conseSwiru6 -b
corea.
par
sua execucao. As suas personagens foram
buidas pela inao sabia domestre incansave
rk:-s foi bem ueste pape
Temos ontro grupo no drama. Qlympia. danea
ria do theatro, qne jora por'seos deas arruinar '.Fuado'Coelho tem trabalhado iwr meio
amocHade e que sempre que qualquer de seus' para loVl.Io com toda a pej-feiro, eosseui
admiradores ella se dirige com uma palavra de ; d-arte todos os dias redobram os seus esforcos pa"
galante, ella responde-lbe tambem com pergun-: ra aCompanha-Io em seu empenho.
Alm disso o scenario todo novo e a empreza
para isso nao tem poupado despezas. No prologo
que passado no seculo da Pericles na Grecia, os
n laes como : Que da pnlseira, que do annel
etc. etc.
A Sra. D. Eugenia, como sempre, desempenhou
com talento e greca ose papel esummamenteagra- personagens vao todos vestidos a carcter e a scc-
dou-nos no dialogo do primeiro acto com o Jos 1 na representa a oflicina do csculptor Phydas com
p nemet Otgmaia acaba por casar com esse usu- todos os seus pertences.
rario, enfadada porm do seu rheumatsmo, prepa-
ra as canaslras e abala-s-, senhora de uma inmen-
sa fortuna, na occasiao em qne o seu Romen tonia-
va banho.
O Sr. Penante 110 papel d'esse velho usurario
me arrastava om lilho um crime, que fizera a
(I -maca de urna familia honrada, foi inimitavel;
Parabens aos Srs. Furlado Coelho e Coimbra.
Avante e sempre o que deseja o rabe
Aroum Al-Hanganes.
O que rae pelo mundo.
no britannico cm termos honrosos para os dous a menor expresso de sentimento, a menor dispo-
paizes. I sicao para se querer dar satisfcelo por uma offen-
Sendo este o desejo dos dous paizes, o governo ^ a que 0 governo imperial nao quer nem deve
de sua magestade deve recusar-se a renovar em' submetter-se.
qualquer das suas partes, as questocs que provoca-
ran! serias desintelligencias entre a Graa-Bretanha
Tendo tambem em conta as intencoes mani-
festadas pelo muito honrado conde Russell, na sua
tem nm dialogo com lympia e em que elle esprei-
ta zeloso todos os movimentos d*estes. O seuSr.
t >'n-a! inimitavel. Continu Sr. Penante e
t,-in diante de s um bello futuro.
Os demais personagens teem pouca importancia
cretariode estado de sua magestade britannica na
repartico dos negocios estrangeiros, julgo dever
comecar, declarando que o governo imperial nao
tenciona renovar uma questao que deu motivo a urna
scnsivel differenca de opinioes entre os dous gover-
tade Imperial.
O abaixo assignado aconselha, pois, ao Sr. Mo
Eis a correspondencia diplomtica, trocada entre
seus gistes, no andar, no modo de rir, nos' 0 ministro brasileiro em Londres, e o ministro dos | tava animado do menor sentimento de inimsade
rumprimenos c no adocicado de suas palavras dei-1 negocios estrangeiros da Inglaterra :
xava lro tigre de Jos Fernandes.m&s coberto pela 1 R 1.Nota do Sr. Canalho Moreira lord
macia palle de um innocente cordeirnho. Para- Russell.
bens ao Sr. Penante. Na terceira scena do pri- i Legacao hnperial do Brasil, Londres, 5 de maio
meiro acto foi o mellior possivel e assim tambem no' dt! 13(53 '
lii .al do terceiro acto, quando entra tremendo de, o abaixo assignado, enviado extraordinario c
fri pelo banho (pie acaba de tomar c vem salier, ministro plenipotenciario de Sua Magestade o lin-
que a sua Julietta bateu as asas, levando toda a sua !peradordo Brasil, ao passo que ein cumpnmcnto
fortuna, que estava em nome d'clla. Nao foi me- j das ordens do seu augusto soberano, dirige esta no-
nos bella a scena do terceiro acto em que Reabra ta a0 muto honrado conde Russell, principal se-
c o Brasil, e formalmente de opinao que sena ^ d(J J8 do corrente) 0 auaixo assignado v-se
ini|iossivel deixar de provocar de novo serias de- i na necessdade do declarar que essa nota deixa
sintellgencias, agitando novamente a questao da su)):.slir completamente uma olTensa, cuja gravi-
conveniencia e da execucao das represalias a que ^^ parece desconhecer. Nao iMxlia pois acceitar
o governo de sua magestade julgou neeessario re-, a*SHgr(!St5o apresentada por S. Exc. para que a
Porrer- I dita nota fosse comraumeada ao governo imperial.
O Um do governo de sua magestade, dando or-1 -
dem para as represalias, foi simplesmentc obtera' O governo imperial esperava que o governo
satisfac5oaquejulgavaque tinha direito, enaoes- britannico, mais completmene tornudo, se
'_..A L I.J ;:!.,a mostrara disposto a fazer justica, absteno-se ue
cu uu >..> .,..... ratificar o nrocedimento exorbitante que teve a sua
para com o Imperador do Bras.1 nom do menor de- r r ^ desva.
sejo de aggressao contra o territorio de Sua Mages- (^^^ nSo ^^ y(.v rCcusar a repara-
1 cjio que tinha fundamento para pedir, pelos actos
de violencia gratuita contra'urna naco amiga, ac-
reira, a transmittir ao seu governo a expresso des- ^ ^ ^^ dc
tes sentimentos para como Brasil, como umasuf- ...__,_........ ..
ficientc c satisfatoria resposta nota que o Sr. Mo-
reira foi encarregado dc apresentar.
c O abaixo assgnado, etc.Russell.
t K. 3.Nota do Sr. Moreira 'lord Russell :
,"*t Lcga^o do Brasil, Londres,.25 do maio de
1863.
maneira alguma da parte de qualquer outra 1-
tencia. A imperiosidade de forjas nao poderia
constituir um privilegio fra do direito e da jus
tica.
t No entretanto, em presenta da nota do muito
honrado conde Russell, o abaixo assgnado deve
ou mesma nenhuma no enredo do drama. Para- nos, quanto respectiva apreriacao das circums-
Jbens a todos os artistas que desempenharam o Ira- tandas que precederam as represalias, mas quer
balhoe Honra. Todos apostaran! entre si primar chamar 4attencao do governo de sua magestade
e o conseguiram. Quando se v em scena um dra- britannica para a maneira porque essas represalias
na d'estes, uma das melhores concepcoes do tem
*po moderno e em que se vecm debuxados tao bellos
x.emplos,demais a mais desouipenhado por uma
companhia tao conscia de sua missao -elevada,
admiravel que nao naja concurrencia e qe nm po-
sl^Bastrado nao procure assistir essas scenas,
que bem se podem dar todos os dias entre nos e
que deizam edificantes exempfos.
foram exercidas, e para o cffeilo natural desse im
previsto emprego da for^a naval.
Sao notorios os factos em que se funda a pre-
sente reclamaeo. 1
Desde 31 de dezembro at 6 de Janeiro ultimo,
o porto do Rio de Janeiro e o pavilhao nacional da-
quelie porto, estiveram para empregar os proprios
termos do relatorio dirigido a este rspeito ao mui-
t O abaixo assignado, enviado extraordinario c considerar como tim facto consumado a recusa
ministro plenipotenciario de Sua Magestade o Im- formal do governo britannico em fazer justica s
perador do Brasil, tem a honra de aecusar a recep- reclamacoes formuladas na conformidade das ins-
cao da nota que o muito honrado conde Russell, trucQoes do seu governo, instruceoes |o alcance
principal secretario de estado na repartico dos ne-. teve a honra de fazer conhecer ao muito honrado
godos estrangeiros de sua magestade a rainha da conde Russell, na conferencia em que Ihe entre-
gou a nota de 5 do corrente.
Na situacao em que esse recurso o collocou,
s Ihe resta declarar ao muito honrado conde Rus-
sell, em obediencia s ordens de S. M. o Impera-
dor, que o governo imperial, nao podendo consen-
tir em permanecer sob o peso de uma offensa ir-
reparavel, cede necessidade de interromper as
suas relacoes com o governo de S. M. B. Tem
pois a honra, de informar \ S. Exc. Gra-Bretanha e Irlanda, Ihe dirigu em data de 18
do corrente e v-se obrigado a declarar desde j
que a nota de S. Exc." nao contm a reparaeao quo
o governo imperial, julga ter direito a esperar do
governo britannico; que nao pode ser aceit como
sufBciente e satisfatoria resposta aos pedidos da no-
ta de 5 deste mez, e que a recusa peremptoria, nao
s em se fazer justica s reclamacoes ali annuncia-
das, mas mestno emas tomar em considerarlo, nao
deferencia, e desejo que
coes que conservo dc vos. Despcdmdo-mc do to-
dos, deseja va dizer a todos at nova reunio (mo-
vimento geral, acclamacese applausos prolonga-
dos.)
O Moniteur Prussiano publica a seguinte car
ta, que foi dirigida pelo ministerio presidencia
da cmara dos depulados, e de que se fez leitura
na sessao de 17 de maio :
A presidencia da cmara dos deputados deu-
nos conhecmento, pela sua honrada carta de lo do
corrente, da resolucao que nsse dia tomara a mes-
ma cmara.. Fundando-se nessa resolucao, recusou
fazer-nos saber a declaracao que haviamos solicita-
do na nossa caria de 11 deste mez.
t Julgamos nao poder encontrar nessa resolucao
motivo sufllciente para se recusar a declaracao que
pedimos.
t Os dous primeros paragraphos prctendem, in-
vocando a constituyo c o regulamento da ordem,
que o presidente tenha o direito exclusivo dc di-
rigir as deliberac/es e de manter a ordem da c-
mara.
t Nesses paragraphos dedut-se daquelie direito
a faculdade do presidente para interromper os ora-
dores, assim como os ministros e os seus represen-
tantes, sem que em semelhante interrupcSo se veja
um ataque ao direito constitucional que os minis-
tros teem de seren ouvidos em todas as oeca-
sioes.
O pedido que dirigimos presidencia nao ten-
da a fazer com que esta doclarassc que nao pre-
tenda ter o direito de interromper os ministros, e
menos ainda que renunciasse a esse direito para o
futuro. Somente mostramos, que na sessao da c-
mara dos deputados de 11 do corrente, a presiden-
cia, invocando a competencia disciplinar que pre-
tenda ter, intenompeu um ministro impondo-lhe
silencio, e entao solicitamos a declaracao de que se
nao tornara a repetir aquella attitude para a quaj
falta o fundamento legal.



t Desejamos ouvir uma dedaraejio positiva. >o-
bre a questao de saber se a presidencia revimlira,
para com os membros do gabinete, poderes dis>i
plinares, principalmente, os ipie, segundo o regula
ment. Ihe perteneca a resucita du> lueutros da
cmara.
Tomamos a liberdade de solicitar umita r.i-
peitosamente esta declamaco.
t Declarando o terceiro paragrapho da
da cmara dos deputados ser contrario 1
cao que os ministros facam arbitrariameate-
(ler a sua presenea na cmara, dc certas erdseles,
devenios observar mu respetosamente, m.- um
dever garantir os direito constitucin <>. e qne
pelo contrario seria arbitrario renunciar a elk-^
Em quanto nao tivermos a certeza de qoe o dnrit,
qne se attribne |>elo art. 6) da amstitnjrao. lanto-a
nos, cuino aos futuros ministres, se maate anmetn,
nao poderemos tomar parte as defiheraron da c-
mara dos doputado.-. e o ministro da. guerra, espe-
cialmente nao pode aiinuir ao conviie ajnj RV
foi dirigido em 18 do corrente, [ra a-.-*jr i
sessao.
e Borlin, 16 de maio de Han)
t O ministerio de abada.
De Copenhague escrevem o seguate :
A deputacao grega deixou Cupeoliagiie rst\
manha (11) lo meio dasaoclaiiKjo.-. ,\- uma noil
tido consideravel. que allluiu ao |tooo.
Na vospera tinlia feito as suas des|>ilida> a.^
Dioamaripiezes com a seguinte nota, que foi repr-
duzida em todos os jornaes :
f Antes dc deixar a capital da Dinamarca, a A -
|iulaco hellenira cede a uma necessidad' iiep.--
riosa, manifestando O sen profundo reconherino-nl"
SOS bous s nobres habitantes de CotN-nhague
A recordaran do acolhimento sympatlweo qn>-
reeeben, e os teatemonhosde affeiooqiu \\>: foram
prodigalisados. nunca serio esquiados. A depu-
tacao parte cheia de alegra cimvi-ncida de qw; df
futuro 11111 laco fraternal unir o nolire -^ iliao-
marqnet Grecia.
t Esta allocuco produziu uma impresiau mui
favoravel.
Em seguida damos a traducciio das cartas pa-
tentes (telas quaes S. M. el-rei la IHnamarra ac-
ceitou para o principe Guilbenne a cora da
Grecia:
t Nos Frederico VII. pela graca de Den?, rri da
Dinamarca, etc., fazemos salier :
t Visto o decreto da assembla nacional da Gra-
cia, datado de 18/30 de maio deste anno. pe (pial
S. A. R. o principe Chrsliano Gnilhenne Kernintto
Adolpho Jorge, filho *ais novo de S. A. R o princi-
pe Christiano de Dinamarca, foi eleito e pnula
do rei constitucional dos hellenicos, decreta qoe as
foi entregue por uma deputac.io mandada a Co-
penhague pela dita assembla, e consideran* fne
as cortes dc Franca, Gra-Bretanha e da Knssia. na
sua qualidade de potencias protectoras da Grea.
deram a sua adhesao unidla eleiru por mekt dan
seus representantes reunidos em* eonWenria em
Londres.
Tomos acivilado e acceitamos. pek pres*ntt-.
em nome de S. A. R. o principe- Christiano Gmlltec-
ine Fernando Adolplto Jorge, a soU^rania heredita-
ria do reino da Grecia, rom a condicat'de ilhas Jonias serao annexadas ao reino da bruna.
t Dado no paco do Christiansborg, a 10 o> junan
do anno da gra<;a de 1863, e derimo-aoxto do noss.>
reinado; assignada com o nosso proprio panno c
sellado com o nosso sello real.
Frederico R.
(Referendado Hall.,
c El-rei Jorge I dirigi ao mesan M
carta assembla, para llie manifestaros
timentos de gratidao e o ardente desejo najo
de trabalhar para a felicdade do seo poro.
1 Como rei da Grecia j fez a soa primearaiviat-
taaS. M. Frederico VU, qne osr~
satisfaQo, o com a mais aflectoosa
PE^AMBW--PVP. PE N- Fv F
*nu
IVEL
MI)


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EWDJQA6M5_6SMC46 INGEST_TIME 2013-08-27T20:49:11Z PACKAGE AA00011611_10139
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES