<%BANNER%>

Diario de Pernambuco ( Monday, July 13, 1863 )

Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/10137

Material Information

Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Monday, July 13, 1863

Subjects

Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:10137

Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/10137

Material Information

Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Monday, July 13, 1863

Subjects

Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:10137

Full Text
m


r

ajsko xxxix romo 157.
-----------------------.
jk Por4ws mezcs adiantados . $000
Per tres mczes vencida ... 68000
rara**-
SEGUHDA FEIRA 13 DE JULHO DE 1863.
Por anno adiantada..... 198000
Porte franco para o subscriptor.
DE PERNAMBUC0.
E.NCARREGADOS DA SUBSCR1PC-AO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, (i Sr. Antonio Marques da Silva; Ararat) o
8r. A. de Lomos Braga; Cear, o Sr. J. Jos* de
ilivi'ira: Maranhao. o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Sis. Manuel Pinheiro 4 C; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da rosla.
ENCAHREGADOS DA SUBSCll'r.AO NO Sil.
Alagoas, o Sr. Claudino Falrao Dias; Baha, o
Sr. Jos Marlins Alvos; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Mar(iiis & Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda. Cabo e Eseada todos os dias.
Iguarassu'. Goyanna e Parahyba as segundase
sextas-feiras.
Santo Anto, Grvala, Bozerros, Bonito, Caruaru',
Altinho e Garanlums as tetis reirs.
Pan d'Alhn. Nazareth. I.mocro'. Brejn. Pesqueira.
Ingazeira. llores. Villa Bella,Taoaratu', Cabrolm.i
Boa VTstj Ourfeur) c Exu' as anacas feiras.
Sermhem. Itio Forango, Tamandar, Una, Barrci-I
ros, Agua Preta e Pinientoii-as as quintas feiras.
filia de Fernando todas as vezes que para ali Bator
navio.
Todos os estafetas prteni ao ,/- da.
EPHEMER1DES DO MEZ DE JULIIO.
4 La chela as 3 horas, 20 in. e 22 s. da ni.
7 Quarto uiing. as 7 h., 3 m. o 20 s. da t.
lo La nova as 7 h., 28 ni. e 20 . da t.
23 Quarto riese, as 6 h... 7 ni. e 2Vs. da l.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 2 horas, o o minutos da tarde.
Segunda as 3 horas e 18 minutos da manna*.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIHOS.
Paradosttl_al Alagas aS eo; para norteat
a Grana a 7 e 22 de eatla juez para Fernando nos
dias araos mezcs dejan, niarc.. majo, jul, set. enov.
PARTIDA DOS OM.NIBl S.
Para o Recjfe : do Apipueos as G '/ 7, 7 '/, 8 o
8 >/t da m.; do Olinda s 8 da m. e 6 da larde; de
Jahoalao as 6 /, da m.; do Caxang e Vanea s 7
da m.; de Bonifica is 8 da ni.
.. I!1! Re('.l.f'': P*">" Apipueos s 3 '/. 4, 4 '/, 4 'A,
> ' Vj, B.Vj e 0 da tanto; para Olinda as 7da
manhaa o | 'A, fe larde ; para Jaboato s I da lar-
do ; para Pachanga e Varna s 4 >/j da tarde; para
B.Miiliea as 4 da tardo.
AIDIENCIA DOS THIBL'NAES DA CAPITAL.
Triljimal do cominerrio-: segundas e quintas.
Ilelaeo: ti-roas c sahbados s 10 horas.
Fazenda: quimas s Hileras,
Juizo do coininereio: segundas s il huas.
Dito de orphaos-: toreas e ramas i 10 horas.
Primeira vara du civel : torcas e trslas ao gafe
dia.
Segunda vara do civel: quartas-e sabbadWa 1 hora
da tarde.


MAS KA SOLUTA
13. Segunda. S. taartetop.ni,: SaM -Fdr*<
I''"-"!- S;.l!'.-',T',.,!!,,la; S*.orae J.nfmm. '
lo. Quarta. S. Cantillo de Leus Ibndadnr
. Quinta. W. Scnftnra do Carii-; s YaleftV I.
i.". Sexto. S. Manola v.; s. Alerto.
f*. Saldiado. S. Rumio b.; S. "j lawnimju
S: Dominga O Antefrastodto,'
AmuArSt
no Repito, eni a vnrtoMto pina da ioi-iiendemH
ns. (;. dos propricUrios Manuel gueiroa *
Farfa t Klho.

PARTE OFFICIAL.
UIVISTUKKI 1>A JUSTINA.
Rotatorio que S. Ext. o Sr. ministro da jnslira de
*a apresenlar na trnxira sessao da derima-pri-
moira legislatura.
(Continuaron
Tribu nal de Pernmubuco.
11. Igual sorte tveram o cartas testemunhavois,
sendo negado provinienlo na restante.
Tribunal (fe Pernamburo.
Apesar da falla do um dos dezombargadores
adjuntos, o tribunal funecionou rom regularidade,
conforme afflrma o sen presidente.
Foram a presentadas 88 appollacBes, sendo dstri-
bnidas sos eserivics somonte 68, Arando as outras
son distrihuien por falta do prepara. Aos
. fiiratu disuiudu ":' ajos pedidus
243:i9:l*aSl
tes Man. Mar-Greeor & C, e os adminis-
tradores da massa fallida do Astlev Wilson & C. :
por isso que no papel, em que osles se constitui-
rn! devedores jiitrnoratieios, nao havia doclaraeifc)
de quanlia certa ue divida, qualidade e valor rtil
do penhor, o que importava a millidade do uin tr
papel eni frente do arl. 129 9. do rod.
Entonde tamtiem o inesmo presidente que, alm
Aos juizes daquolla nullidade que exclue il>> direitu ile prefe-
orMtk|sjr o|i|a4qne1ledtuoientu, otrae\:
oi contemplada na dwisao, e 6rs sohi
O tribunal proferid 76 aceoftlaus, a saber: 28 cscriptuem questan.
unflo informa o presidente, o tribunal teve7 confirmando as decjsTx>s dojnio Mforior. rontir-
o anu' nlo obstante naver-so au- mando em part-. 13 reformando, 1 ji totuamb>
sentado para iibetra. smoraioria q deptttadg rom- onlieeimonlo, 1 ipando desistencia, 1 annnflan-
i.km JjMmmJufa '-iver illido w o processu, 2.'l .le>|n-:.;,*,, r.;!.r.rgos. '
n0UU...... e .wmmfTTtsi.is. bendo. 1 recrlx>ndo em parte.
Tainhem Juina 1 revista manifestada e ronee-
dida do deeisao do tribunal do eommemo da
corte.
Das dirisoes proferidas manifeslaram-se 9 re-
vista.s
Foram apresentados 171 aggravos e 13 cartas
oOtfmu
Em 17 deTfezembro ultimo foram reeleitos de-
potados para o novo quatrienuio os que se acba-
vain servindo. inclusive os dous supplentes que
estavam subsntuindo os dojiuladus cima nomea-
dus.
Havendo fallecido o ajudanto do portoiro Miguel
Joaquim Machado Freir, fui em sou lugar uomea- tcslemunhavois.
do Manoel Maria de Caldas Brandao. I Dos primein foramjulgados'163. As segundas
Eis os prinripaes arlos do tribunal de Pernam- foram todas decididas. Em 74 smento foi dado
Luco. provimento.
Suspendea um corrector por nao substituir por Tiilmnnl iloMaranMo.
outro o sou fiador exonerado. Esto tribunal iulgou, dorante o auno finjo o rc-
Concedeu licenca a dous correctores para trata- vistas c Iti appeuaeoes, cojos pedidos montaran
rem de sua saude, tendo nomeado propostos para 2ir:.*).'il-')'itHi.
os substituir dorante os seus hnpodiniontos. Foram apresentados 2 aggravos. sendo em um
Quanto aos trapichoiros e administradores de denegado o provimento e em outro concedido em
armazens de deposito, informa o presidente do parte.
tribunal, que, na fprina do art. 89 do cdigo coin-l Qnestes commrincs.
mercial. tem apresenlado os respectivos batneos! Nwa. o presidente do tribunal do cominero o do
rogularmento. Maranhao, nem o de Peruambueo apresontan em
Nomcou : |sousrelaloriosquestoes conunercaes que necossi-
4 Agentes de leiloes para a praea de Pernam- b'in de solucao por part- do poder legislativo, ten-
Luco, denles reforma ou meUnramento da legislaco
Conccdou duas moratorias o revogou cinco a commercial.
requerinenlq dos.respectivos liscaes. em eontormi-1 <( ";1 Balda, porm, aprsenla
dado do art. 902 do rod. commercial.
Mandn passar seis atleslados a embarrariTos
p.ua l'azeiem delenoiiiadas viagens. dei\aii.lo'em
andamento os processos em que solicitaram as
ivsiM-clivas cartas.
5 questues, para
as quaes chama a attoncao do governo.
1.* quosio.-Se um negociante fallido pode em
vista da le, celebrar contrato de sociedade. nao
M leudo rehabilitado us termos dos arts. 893 e
897 do cdigo commercial. embora tenha feito com
Admillio matricula 13 oonmierciantes; sendo wus oledores concrdala.
6 Brasiloiros 08 oslrangeiios. O tribunal do comtnercio da Babia, sustentou
ltrgisiranmi-.se o liaiam carta o embarcacoi-s a negativa fundado no arl. 2. 4." do inesmo co-
sendo 1 vapor, 1 patacho e 3 hiatos com 740 e digoj 1. porque a concordata apenas urna con-
M/m toneladas. cossao dos credores para o fallido liquidar a sua
Recollierani-so as carias de 10 embarcacoes: casa, limitando-so s transaccoes pertencentes li-
sendo 8 por venda, 1 jior innavegavol o l' por quidaco. cessando todas as inierdiccoos lgaos do
naufragio. | fallido com a sua rohabiliiaeao (art. 897) ; 2." por-
Registraram-se 178 documentos, a saber: 35 Que a concordata amiga nao passava de ama mo-
contraios sociaes representando o capital do.....j ratoria, o boje nao importa a mesma cousa, visto
1.128:878-34(10. 1 alleraeu de contrato. 23 distra-1 Ponto depende da declararan da fallencia. nem tem
tos de sociedades. 2 estatutos de eompanhias, 24 o 'licito das antigs industrias rredilorias ; e em
escrlpturas deTixputheca, 4 nediitis maritimos, 1 laes circumstaDCfs au (todo roabilitaro fallido.
oscriptnra d<- adiamntenlo de beranoa. 5 do dote- como oulr^ora aconteca
earrnas, I contrato de fretainento."49'procuraci>es, | A opino adversa sustenta a rehabilitarlo, en-
W nemeaeoes de eaixeiro, 1 de administrador de'endeudo qoe-os efleitos da concordata antga devo
trapiche, 2 de preposU>s de corrotor, 1 de agente de ieprodiizir-se actualmente.
rompanhia, 1 acta de nsemHi gral de accionis-
tas, e 14 documentos nao especificados.
Foram rubricados 178 livros, sendo 104 diarios.
fi4 copiadores de cartas, 7 de entradas o sabidas e :i
le contas corrontes. Foram todos sellados nomosnio
tribunal.
Expediram-se 147 officos.
Anvcadoti-se:
Sello das cartas de cominerciante..
dem dos livros.................
1:C4L5C80
foi rccolhida na rorobedoria das
O consolheiru presidonle do tribunal do rom-
merrio da corte tambeni entende que, vsui dos
arts. 2." 4. e 897 lo cod. com., nentiiiin nego-
ciante fallido pode ro'innereiar senao depois do
rehabilitado na forma prescripla no art. 893, por
ser esto o nico ineio de obter rehabililaeo.
2." qneslao.-O escriptu ordtin passadopof
pesada nao commerciaote sen favor, e aceito por
130^000 outra, tainbom nao cummerciante. com prazo fixo.
l:oI15G80 sem endosso, o letra de Ierra, e como tal litlo
mercantil sol a jurisdieco c competencia do juizo
commercial ?
Esta quantia
leudas geraes.
Arrecadou-se mais:
Emolumentos da secretaria___
Saldo do 1801...............
Despondeu-so...........
Saldo..................
Dcste saldo foi recolhido thesoura-
ria de fazenda a quantia de..... 6445920
Tributad do Manmkio.
Celebrou "il sesses este triliunal.
O sen expediente se acha todo em dia.
Expediram-se 13 cartas de matriculas corn-
il.' -ivanles, sendo 7 da capital do Maranhao. o da
do Para o 1 da do Amazonas.
IHu-se nina patente de agento de leiles.
Registraram-se 158 documentos, a saber: 24
esrripturas de sociedades mercantis. sendo!20 da
capital du Maranhao. :i da do l'ara e I de Piauhy;
h eseripluras de distrato do sociedades. 3 do hypo-
thecas. 13 ttulos de raixeiros, 1 de substituto d
Esta ipiesto foi objMo de urna reprosentaeao
dos eslabelecnienlos bancaros da cidade da Ba-
bia, e que ora se acha sujeita ao examo da 80000
do justica do conseibo de esladu.
2:2695200 O presidente du tribunal da Babia, tanlu nessa
M800 orcasiu cuino agora, opina pela negativa, sosten-
--------------| lando que semelhante titulo de ubrgaco entre
2:5I3700 nao comiiiertfiante, e som designar transc^O al-
l 4315300 pima commercial. nao mercantil, sujeito ao pro-
-------------cosso commercial, em vista das disposicoos dos
1:1705400 arts. 354 o 425 do cod. com., combinadas com as
do art. 247 do mesmo cdigo.
O presidente do tribunal da corte referio-se ao
parecer que den a respeito da represeulacao dus
estalielecimentos bancaros da -dado da Badia.
3.' questan.-Entre os credores bypothecarios
esi comprebendido aoneUo que somonte tver
scnletica ol.tida anterior s datas dos ttulos do ou-
tros credores chirograpbarios como ello ?
Sustenta o presidente do tribunal do commercio
da Babia a negativa. |K>rquo, em vsla do art 890
do cod. com. e 632 do reguiaroento n. 737 de 25
do noveinhro de.1850, sao chirogra|iharios todos os
credores que nao foreni incluidos as classos do
art. 873 o segtiintes, como direilos ignaes para o
rateio pelos renianescentes que liearei'n. depois de
e
interprete, 1 de substituto de agente de leiles, 1 I satsfeitus os credores das ondas elasses, derogada
caria do naturalisaeao, 102 procuracoes, 5 cnnbe- tiesta jiarte a lei de 20 de junbu de ITii iw niar-
rinientosdi' inipustos de agentes de leiloes, I caita jcava gradacao ueste titulo.
imperial de torisacao para a cracao de una
agencia de seguros. I carta de ordena e 2 recibos
l'olillliemaes.
Robricaram-se 29 livros. sendo 23 de casas com-
merciaes, 1 da companhia de illuminaco a gaz na
capital do Maranhao, e 3 para o expediente do
tribunal.
Foram despachados 120 requer montos^
Deram-sc 39 certidoes de differontes registros.
Denegou-sel rliabilitaeo de nina firma roin-
mcrral. por nao estar as eoodicdes da lei.
Arrecadou-se:
Emolumentos da secretaria...... 1:469^300
Despea........................ 4795980
Saldu
9895320
Este saldo o o que firra do anno anterior, foi
recomido thesourara de fazenda.
paryb cosrra%ciosA.
Tribunal da corte.
O tribunal do 2* instancia mostru em sena tra-
Lalhosa mesma exactidao que o administrativo.
Das ih: anpellaedcs que sobbam ao tribunal e
das 21 que ficarain no do anno anteredento, foram
jnlgadas 147.
Foram inlerpostos para o presidente 122 aggra-
vos dos jotaes da corte e 61 das provincias.
Das senteneas appelladas foram confirmadas.88,
reformadas 22 e confirmadas em liarte 5.
Foram annullados 9 processos, em parte gmen-
le 3; nao se tomn conhecimento do 18 appella-
<;es, e foram romotlidos 2 processos para o tribu-
nal da rclacito para o qual haviam sido iterirastos
os recursos'.
Preferirain-so 139 acrordaos sobre embargos,
sendo despresados 116, rerebidos 15, rocebidus em
parle t. e anniilladn 1 proresso
Foram jal gados 193 aggravos.
Manfestou-se revista em 32 processos. Soguiram
30, c no supremo tribunal foram 6 concedidas, 12
negadas, e pendem 12 do julgamento.
O tribunal julgou urna revista nterposta da
deeisao do nibunal du commercio da Babia, decla-
rando 0 proresso nullo em parte.
Tribunal da Bahia.
Tanto romo na parto administrativa funrcionou
o tribunal no contencioso regularmente.
Durante o anno foram-lhe apresentados 49
processos nclundo 14 do anno precedente, nos
paos proferio o tribunal 41 decisdes; Sondo 20 em
appelfasoos, 14 sobre embargos, 1 desistencia c 6
revista*. Os podidos nestas causas mentaram a
348:2165162.
Foram apresentados 57 aggravos o 6 cartas tes-
temunhaveis. Em 23 aggravos bonvo provimento,
em 23 oi negado, e naosetomou conhecimento de
O supremo tribunal de justica julgou de diversas
manchas ostabelerondu preferencia entre os ere-
dures dessea ttulos, anteitondo-os \m sentoncas
que tinham obtido.
O presidente do tribunal do eommercio da Ba-
bia, sustentando sua opinao accresccnta que o me
*e i>de dar a favor do tirador com sentenca c o
proseguimento da execucao nos bens alionados
depois da penbora ou prximamente ella confor-
mo o art. 494 do regiilamento n. 737, operando a
sentenca smente o cQeito do direito real nos bens
do rondemnado, mas nao hypothecas para prefe-
rencia em concursos de credores.
O conselhoiro presidente do tribunal do com-
mercio da corte lamben) sustenta a negativa em
vista dos arts. 873 e segunles do cod. conr o 619
e seguimos do regulamento n. 737 de 25 de no
vembro do 1850, pie, descreyendo e clasificando
s diversas especies do crditos o suas graduacoes,
nao attondendo estas, nao tendo por tanto" tal
credor mais direilos que os simples ehirographa-
rios, com os quaes devo onlrar em rateio confor-
me os arts. 890 do cod. e 632 do regulamento ci-
tado.
. 4. qnestao.Fura dos casos dos arts 302, 303,
387 e 589 do cod. com., indispensavcl a exhib*
ca inicial dos instrumentos do contrato, n;is ac-
gdes que se intentaran ?
O presidente do tribunal da Bahia pronttnoia-se
pola negativa, nao havendo nullidade de processo
por falta dessas exhibicoes senao nos casos res-
trictos dos arts. do referido cdigo.
O supremo tribunal de justica, em urna questao
em que o comprador de nina tetra nao aceita nem
paga, pie exija o seu reemliolso por moio do accao
ordinaria, exmbindo os ttulos as razos do p-
pellacoes, decidio-so pela aflirmalva annullando o
processo.'
O conselhoiro presidente do tribunal do com-
mercio da corte, fundando-so principalmente na
disiKjsieao do art. 673 7. do regulamento n. 737
de 25 de novembro de 1830, conforma-se com o
presidente do tribunal da Bahia.
5." questao.-O escripto commercial, conlcndo
declaradlo de penhor mercantil, nao se adiando
as condicoes dos arts. 27ie272doeod.com..
poder produzir os efTetos do mesmo contrato, e o
privilegio de preferencia no caso de fallencia do
devedor ?
O presidente do tribunal do eommercio da Ba-
bia entende que nesta especie de contrato, deve
haver entre o credor e o devedor dous escripias
to mesmo thoor, de harmona com os arts. 271 e
272 do cod. com., para os casos dos arte- 281 o 282
do^ regulamento n. 737 de 2."i de novembro de
1850, e para o que mais jnterossar. tendo asiim
decidido com o tribunal em urna revista entro par-
sen parecer que essadata rom
rior poca em que foi o escripto junV
nao poda prevalecer contra ter -iros se. .: i J
em que foi junto aos autos, 'conforme o direffo
porque foi desde esta poca que ti vern dola co-
nliecimento. o podiam conlostar-lho os efleitos. nao
liodendo aproveitar aos credores pignoraticio',
escripturarjao mercantil em devida forma anterior
a juntada, e equivalondo as declaracoes do deve-
dor em taes circumstancias confiss'ao de que [ra-
ta o art 171 do n'gulamento n. 737 de 25 de no-
vembro de 1850, cujos efleitos s prejudean aos
conficicntos e aos seus bordeiros, e nunca a tor-
ceiros
O conselheiro'presidente do tribunal do commer-
cio da curto e do mesmo parecer, quanto a noces-
sidade da duplcala dos ttulos, entendendo. porm.
que nao ha neoessidade de seren idnticos na fur-
nia, e de conlerem as mesmas deefaneOea.
Taes s|Q as quesloes aprosentadas pelo presi-
dente do tribunal do coinnu-rco da Bahia. o que
ficam submeitidas vossa Ilustrada considoraeo.
Jury.
O tribunal dos jurados contina em todo o im-
perio no estado sabido.
Pareee que os ridadins anda nao se compepe-
traram da importancia du julgamento petos pares.
da garanta que este tribunal oflerece s socieda-
des e aos individuos.
Muilas decisdes evidentemente injustas c absur-
das sao sem duvida a causa dessa falta do fe na
instituieao do jury ; fenca, porm, coiifossar, co-
mo j se tem dito, que esses factos que eontristam
os borneas justos, nao se do smente no tribunal
dos jurados, o que emparte sao elfo devidos ao
descuido o negligencia com que formada a culpa
entro nos.
0 maior deleito que noto no tribunal, como o te-
inos constituido, a demora.do julgamento. Na
mxima parte das localidades as reunios fazem-
st; de seis em seis mozos : em moito poucas os ju-
rados sao convocados de dous em dous mozos. Fina
priso sem julgamento por seis meses um ve\a-
me que nao tem justticacao possivel, mu gravis-
simo mal naadinintrecad da justica criminal.
JllZO CO.MMF.IICIAL DE PBJME1RA 'INSTANCIA.
CtC.
as duas varas commereiaos da curte foram
instaurados no decurso do auno passado 1.474 cau-
sas, importando os pedidos em 3,A04:006tf40, das
quaes foram migadas 793, estu em andamento iil
o paradas 238.
nrridem-se estas aeros, segundo sua naturesa,
pelo modo segu nte :
minto significativos. Em Pars foram oleitus todos
os candidatos da opposhao, a excepcao do 6. cir-
culo, onde" nao houve maiuria absoluta, e se tem
de proeedeta novo escrutinio. 0 numero total los
deputados da opposicSo de 35; tendo de haver
anda 11 .segundos oscrutinos.
O govertlL_emiM!nh(>u-se mu* na lista, princi-
palmente por combattor a ehicao de Mr. Thires
por Pars, Mr. de Persiguy, ministro do interior
r.jii o pn^.^io de djir um gol|..-d.Tsvo nos can-
dWatos 'ft opnpsirao, fez ajlix^ a:: vapora da,-lei-
oao, orna carta que elle dirigir ao-prefoito do So-
m quedizia:
" *'-^vt3Boj^,c,.iirgaar
umjro,vo c^piiuum,
wslrf *. |U ,;''' l"HiW'a- a ""*"* loma b-s deverao a{If,-senlar-so m esfto ra m
m suas metidas em pre.senra da eventualdade de ser decretada a sua prisw; H'ihJu i L-*u-\
urna guerra ruin as petencus occidentaesv O pavo por lodos m (MMfias
presencia ruin certa i^illf|j u< preparativa n,.
nares que so fazem par Ioila>a parte: Os anoamen-
tos tuj'nain-se geraes: todos os has apnatocea
novas medidas para aii|inontar a.-toreas ithtares
du Hiiporiu.
K'^^mT'11^^^ ?** RV oilarlpedTdao^rn;
rntraoi.ii|H'i.i,l..r as m.-smas I.,- iJade ,iV^i,> a susptMi das ti
recoiitemento den; o todos. obedecndo a um m?
lo combiaaiiu, tem recorrido os meamos mane-
Jos.
O prcfeiU) de Sena, Mr. Ilaussman; fez au mes-
mo lempo atlixar urna proclamabaem que sa a-
preantaram como reaccionarios, o's candidatos da
opposicao.
Aopiniao publica fez prompta e conveniente
justica do todas eslas e.xageraroos, e no Domingo
pela iiranhaa. numerosos grujios investiram rom a
carta de Mr. de Persjgm, e com o-manifest de
Mr. HanSBjnan, arrancando. AlemdSsso-s dis-
posicMS em que se achara Pars, paceciam pouco
tranquihsadoras para o governo, rju- |Mir algum
teiupose ebegou a fallar de um manifest do ini-
Sorador, dirigido diredamente aos efotores. To-
os os consolheiros da cerda, a oxCepco de Mr.
do Persigny, combatteram esla rcsohirau com
tanta enei-gia, que o manifest elcitoral nao' appare-
1 ceu-
No domingo prmero da do escrutinio, foi logo
fcil prever que o governo seria derrotado em Pa-
rs. _
.Nao va olTectivamente enicada nina sedas-
cues senao burguezia c ompregados do iK.licia. O
verdadeiro |kivo nao se eneoulrava alli; obede-
a una ordena que Ihe havia sido dada, para
Os irib-maes nublares %aram o u+lieio *
guernlha :em_(^w torna; appreliemli tes -C
a.-an,u.s unaft fc-rao fu/Jhdoeii r. qi^1r-n.
'jvsub seiciatmas wro vi i Gnfcde parte dea guoi rilW :'i Klia <\umtfm*\
A un. da somobibsaa. os lercoJao-e purtu ba- sahiamdak.de XaU|M"<*" "n
taMiocs da guana, collocahdou em m de go-rra ;! O ^venioiltiaiMCaatpfe. *rolur un ,'-
,ta"il!rl'" S'' J"sll."l';'"1 " 3S martimas de Bal- U.if u.* *""' qnesta^-Oe seguran-1 -i,
i'ieteuuw-se i.i. eju p de guvnat a' qmdla parto *Wlh>vw reino.
Croostad ^ Amjma-si-! IVu-i as-i/nado mu nmvenio n
^i* i ^euui-ra, d<- vi*^.* vrT7>s tovern.*bi Italia e luglalorra para a entra
i .leus i-v dirn dos i la lanos- arrasados nu stnXeni'iadi \*-V<
) '...i nu mar Branca e rimes roiumun piuiicados na Ittfia. O re Vict.
aos ofllciaos. que nVIUrs' Einniantiel assiifli/iu mn decreU no m.'smu sei
gozavam, para coiiTfilelar o*(|padro tanto du exer-1 tido ; cumjiri'beMiJvudu nos crin *# ue dao d
cito de trra, enmu de mariiiba, denimeiam a hv roto a exlradiga* 06 assassinatos, nuLo incemli<
leneao de cotlocar o paiz em estado le dHbza. i estupro, seqm-siro b- b-ns; em su'Miia tu.h. qnan
u poro cunta pouco rom a niedJafM das paflAes lo constitue a serie de aUestados qui rosiumam ira
IKiteiicias,. o considera que aquello acto orna n- licsr as guerrilli;i>.
gerencia illegitima o mesmo una oflensa dign- Foi una medida vantajosissima pm a pacifica
dado nacional da Rossia. cfio daquolla parta da Italia. E' de aiiMor que ,-.
A oxasperacao existe de ambos os lados; os comuusses bourbwiicas uu najHiliLjKis qm- s- d.
combatenlo.s rada vez cunuuettom iiis cruelda- sem organisadas
Oaaijadra de Cr
SaofTa
e imimeA
des.
para o ini-io di
as en, Malla para <-\p.ilir geni
ia 'ki luda. s.'jam tMsMdas ei
A insivrreicao deaenvolve-se em LUliuania, Yol- consequencla de mW pudereiu iujc fiinnimssil li
nymos. Podotia eObrania. Acidado deKaniniec vantagem.
na Podolhv revolloii-se no db 22. o om (jiersun e I O Higsraad d.iuamarqui-z que a represen
Niculaiof, que o u grande arsenal da Hussa no .Mar tacu collecliva do-reinu prnpiiameMe dito > il
.Negru,
Em summa este quadru aprojonta-se cun cores '"a du segoinle discurso :
pouco lisongeiras. Nos Prederico lii, re de Didamamb etc., di.
-1 rigimos as nossas saadacoes ao ligsraad.
i Mana do h-iv-,.i-..m s-.. lina princeza la nussa casa real raswi rom '
Os Mases depois de inceadtoram mu grande nu-'
Brodo povoaijoes na Polonia, o de haverem sa-;
Queado multas casas conseberam um plano finan- berdeiro prosumptivo do ihroou da fin Bn lanhi
celro me-iinba jior lim obrigar a assocLicao do ere- Este aconteeunenlo foliz foi r.-cebido rom a uu:
dito a miratar um oinprestimoruiuhyiitbecadus viva S)mpalbia peloMsao |kvo.
bens da corea. i Estarnos persuadidos de que o Bigsraad .-
Estes bens sao pela maior parte resultado dosppressar a lar o seu assenlmento aorrvditoqu-
royo e espalhados com enthusiasmo.
is reconhecein olpoder de urna opposicao
'....."T- IienaveLs os bens do estado, e prohiba a todo o po- bis da cunlede'raiu germnica, e iiea atlilude d
s parciaes erara obtidos com alvo- toco, quer funeeionarto, uu simaks parcalar, que assembla dos .-.lados provinriaes. do llolsien. vi
d ;-------------------K'm ~ C ! i iia .|--.-^
esse execucao ou apoio a ualqiier prujecto pie
pe- tivosse por lim a transforuiacn do estado actual
mo-iios obligados a tomar urna resuluin SMfr
dasituacao constitucional lo nosso ducado de. Ilul.-
hapoleao se regula, obrando sempre
midade com ella.
E" pois ue es|ierar pie. principios mais
mente Hsttraes passam substituir aquelles a que
em confor-
ampla-
|iela> uran
rmiil'.Mi di i
Decendiarias...... 709
Ordinarias........ 260
Suinniarias....... 106
Arbitraos........ 31
Notilica(;Oos....... 48
Depsitos........ 8
Detona-oes..... 47
Embargos........ 88
Executivos......, 3
Protestos para iuterromper a
prscripcao....... 46
Lquidaees de sociedade. Exhibicoes....... 28
4
Falleiieias....... 96
Passaram em julgadu as senteneas em 677, o fui
interpusta a appella<\o em 73.
Bahia.
Polo juizo especial do eommercio desta provin-
cia foram intentados 218 processos. COJOS iiedidos
montam a 3.072:9915819.
Estes processos sao assim publicados :
Fallencias........16
Ractifleacdes de piwessos. 3
Decendiarias.......123
Ordinarias.......; 43
Suramarias ......19
Deposito -...... 1
otifleaeao....... 1
Ad exhibendiun...... 1
Exectivas....... 4
Seguro......... l
Lqiidaeo.......- i
Embargo........ 1
Pcrn'imbuco.
Julgaram-se em primeira instancia 938 procos-
SOS, coiiiemiilando-so nosto numero processos in-
tentados em 1862 e annos anteriores: Os pedidos
montavam somma de 1,081:3045294.
As acedes classficam-so polo modo segunte
a pruduncia do imperador e a nocessidado de ga-
ranti^giimperio e 0 futuro da dynasiia Xapile.i-
nica.^^. de se sorcoiTer, salvando a Franca ao
iiiesii^B,.in|M, f||U. a olevava ao prnueiro "grao
"i'l'oruli-ia na Europa.
A liherdade nao morro. O governo de Pfapo-
eao modmcando-lhe os impetos no interior da
1"ranea e saliindoa protoge-la na Italia, d segu-
s garantas aos que a amara, o leva a disolacao
_. junbo,
de S. Pelersburgo consta quo as notas do Austria,; . Foi em conformidade '!-! principa que <
Inglaterra o Franca sobre os assumplos polacos fo- cooceberam os projertos de lei. cuja importanto
ram entregues ao principe de Gortschakoff, minis-. urgencia us rosolvou a convocar o nosso Rigsraad
lio dos negocios esh-angeiros. para a prsenle sessao extraordinaria.
O governu francez combinando as pronostas cma- x ,. .
nadas dos gabinetes nglez eaustnaco, elaborou n A''''',nd,,a 'l|'"n;^^vin.. um programma declinado a servir de base a urna ffl 25522ii S'^ '"" 'U"""i'* d"-""Nt'in
conferencia | e dl '""" nlx,rK V,r-M a ler nina orgamsara. in.le-
Bste programma obteve as adbosoes dos dous ESft* "'ISmiT.^1 rV!'"' 0f'*r,m,>.n,"
outras gabuietes iiioinul para as uisiiiiucoes militaros qnepn>viso-
O prime'ro ponto do programma reclama una ; SSS*^!!!11^ a "'' """"SS TMnt',n,
amnystia, na mais vasta o ampia accoiK-ao da pa- u'^,nt,': real'?r Ia ? ,a ^^ |,vra n oxorcito. que hainiulo teiuim Hm posJaoVpart.'. A
Os tros gabinetes mustram asua neoessidade as ?*respeito.trata-s,- de resolver oproldema de m-
luostao subre as bases indicadas.
Decendiarias....... 540
Ordinarias. ....... 71
Summarias....... 24
Arbitraes........ 3
Embargos de torceru .... 8
Ditos do executado..... 9
Arrestos de preferencia . 13
Appellacoes peremplas Habilitroes....... 5 7
Adjudioroes....... 11
Notiliraroes....... 18
Justilicaces....... 26
Arrestos........ 91
Bactilicaroes deprotestosno mar 3
Autoamentos de petieoes. . 18
Protestos diversos..... 16
Fallencias........ 46
Classilicaco do crditos . 7
Homulogaeo de concordatas . 5
Maranliao.
No juizo especial do commercio desta provincia
ntentaram-se durante o anno ultimo 60 processos.
montando os pedidos em 31:9755107.
Estes processos foram classiticados da segunte
lorma :
Decendiarias....... 26
Ordinarias........ 6
Summaria. .... 1
Commnacao. . 1
Arbtraos........ 4
Classilicaco de crditos . 2
Arbitramento....... 1
Arrestos........ 7
Fallecimentos...... 4
Bactilicacoes de protestos . 5
Vistorias........ 2
Arrecadaco....... i
Destos processos estao lindos 27, sondo por com-
posieao 4 e por execucao 23.
- (ContiHiiar-sc-ha.J
DIARIO DE PERNAMBUCO
Hontem j as 3 horas da tarde appareceu no
horisonte o vapor francez Novare, procedente da
Europa, apenas dando a mala s 6:
A hora adiantada e o ser o dia santo, apenas nos
permtem dar o que segu.
As datas sao, de tamburgo 20 de Bruxellas, Pa-
rs e Londres 23, Madrid 25, Porto 26 e Lisboa 28
do passado.
No dia 31 de maio e. 1 de junho, procedeu-se em
Franca s eletces geraes. O resultados foram
Como, u governo secreto, mais obedecido du que missSes quo j us t. em sido dirigidas
u governo visivel, o gabinete deS. Petorsburgu leve des potencias da AUemanha nao nu |.
do recorrer a uulrus meioe para conseguir os fun- i vidar que esse ajuste venha a ser motivo df cunte-
dos pecessarfoi a guerra : tacSes. Todava nao nos deixaremos abalar aw m
Di/, o Jornal no clero grego rosso para excitar os povos ruraes indopondencia e desenvuiviiin-uto livn- dus nusso.-
ilo L\ tbuania contra a nobleza. | territorios, que nao fazem par.' da coufcu
As tolhas ramal aeonaetiiam os |ovos a auxiliar germnica.
por mete de sabMripedes uu j>or (pialqurr outro, us i Qoalquer le adoptada pelo Rigsraad o por n<>>
sacerdotes Imponaos das provincias le oeste. : sancriouada, ha de ser po.-ta em exeeuAt nu r-n..
Aquelles ecclesiaslicos tem sempre espalhado e no ducado de Schlcswig. cun tanto que au. te-
com enlhnsiasmo a sua propaganda anti-tatholica nha sido estipulado nessa mesma le que mua le
o anli-|K.laca. correspondente so vira a dar -mi Itlicamente para
^ animo dos seus inunigos. Asubscnpcaoabrio-see suafreulefigura o grao'o Holstoin. Qual.iiier crdito supplomentar noor-
A sttuacao da tranca e principalmente do Pars duque Nicolao, os seus min
d motivo para largas consideracoes da parte de
alguns correspondentes.
U governo para nianter 18,000 operarios, tem
sillo forjado a adoptar o seguir o systhama das ox-
propriacries; mas oestesystiiema tem resultado urna
enorme duvida para o municipio, que descomen-
te, as classes medias c una parte do povo, que boje
sent a di'firuldade em eneontrar'omle se abrigue
por sso me as suas antigs habilacoes stu trans-
formadas em sumptuosos edificios."
Anda nao milito U-nipo que nem dos bairros
masjiopulosos de Pars houve nina desordem grave
em conseqnencia de urna expropnacao; os func-
conarios da municipalidade foram apedrejados, e
a ordom s se restabeleceu depois de empregada
a forca militar.
O imperador por dar urna satisfaeao as opinioes
publicas que se manifostoo abertamente adver-
sa ao gabinete fcz-lhe importantes modificacoes,
noineando ministro dos negocios oslrangers a
Mr. Billaul, da justica, Mr. Barretas, do interior,
Mr. Baudet; de ins'trucco publica, Mr. Duruy;
de obras publicas, Mr. Bellico; c presidente do
conselbo de estado. Mr. Roiiher.
Diz-se que M. de Persiguy receber
duque, o a nomeaeao de representante i
S. Pelersburgo.
A sahida de Mr. Drotiyn de Lbuys causou gran-
de sensaco em Vienna.
As cortes portuguezas deviam oncerrar-sc no
da 20 do junbo.
El-re D. Fernamlo lnba ehegado aParis, S. M.
a Sra. . Maria do Saboia, esposa de oi-roi D. Luiz I
contava o stimo im-z de sua gravidez.
Fura proposta na cmara dos deputados a
abolicao da pona de morte, que j existia do tonto
em Portugal a 18 annos. Igualmente fura propos-
ta a climinacao do oflicio o salario do carrasco.
as corles leram-se om sessao secreta os docu-
mentes respectivos roclamaco que Portugal diri-
ge Inglaterra pelo insulto feito pelo navio inglez
Torch as agoas de Loanda a um navio jiortuguoz.
A' requorimonto do banco de Portugal fura
declaradn em estado do quebra o commorcante
Tbomaz Maria Bossuno. por setenen do tribunal do
commercio di^ 1* instancia.
_ No da 8 de junbo tinba-Se aberto circula-
cao a seccao da linha forrea do norte de Estarreja
a Villa-Nova de Gaya.
A seccao do camnho do forro de sueste, que deve
ligar Lisboa com Evora e Beja. abrr-so-ha no dia
14 senao livesse occorrido um accidente que inuti-
lisoudoas locomotivas.
Estara prxima a inauguraoao da linha at
Badajoz.
Fra submettido s corles o contrato celebrado
entre o governo portugticz e Mr. Debrousse para a
construeco do camnho de ferro de Cintra* o dokas
no Tejo.
No 1" de junho dera-se um banquete polteo
or parto da opposicao ao ex-depulado Latino Co-
lbo.
Na sessao de 19 do junho do parlamsnto por
I'. -... ni. u... m .(..'-..*.' wmu .i., un.'.-? lilil, .mus. 4 l i i i*. ..
Todo o inleresse existe pois em sabor se a Rus-! A.rcr?rraa legislarao das .Ufamlegas, exigi-
r o titulo do siaaccota ou nao as pnipustas de Inglaterra, de " l; ^ inbM-.v e imperial om Austria e da Franca pelo que respoila a este armis- f^T,u . T ""i;"' Trata?*!! "? eto_-
;,.!,, iMirarao do projecto de le que a este respeitu vai
tirio.
0 segundo |>oiito refero-se a urna representarao
nacional, tendo por attrbuico volar a receita e 008-
pea e as leis para o reino" da Polonia. A Austria
propunha para os polacos urna dieta, semelhanea
da de Gallitria, mas nao foi appruvada peto Franca
o Inglaterra.
res-ei
ser submotlida ao Bigsiaad, tratoii-se essencial-
nienio de altender s vistas o aos desejos jaanun-
ciados pela a assembla, de maihetra que -ualqner
accordo nao podosse oflorecer difiteuli-lades. inda
que osle prowclo tenlia ja nina vez sido siibiuettitK*
as delberacoes dos oslados de llolslein; nos dare-
! mos occasiao para mostrar a sua adheso a essa lei.
O terreno ponto refero-so a almuustracao: as antes de ser pronuilga.la. para nos collucuMs d.
potencias nao seiimitam so a pe.br urna au^no-, maneira que se possam faxer valer as
una administrativa; vao mais longo: qiiereni que posicoes P, mda a oxtencau du terral
a adhiimslracau soja confiada a polacos que tos- alindolas.
sii'iin a ron/ianra dos seus compatriota*.
O piarte i>onto chama a liherdade de conscien-
ca nao como a entonde a Rossia, desde a intil
prmnulgaeo, da concordata de 1847, mas real e
elfectva.
A Austria reeommendava menos a adniissao im-
mediata de um Nuncio Apostlico em S. Petersbur-
go, mas esla estipulaeo foi risrada jior conseibo da
Inglaterra.
O quinto o sexto pontos relativos lingos polaca
e ao modo de fazer o rocrutainonto sao a reptodue-
eio textual das anteriores propostas austracas re-
lativas a este duploDbjectn.
O governo secreto de Varsovia funccoiia, legisla
e decreta como se na Polonia nao houvesse autori-
dade, nem soldados moscovitas.
O governo secreto pelos seos actos mostra-se se-
nhor dos seus direitos c deveres. Dirige as cou-
sas nao s na capital, mas em todo o reino, e
at as margens do Dniosso, c as suas ordena fon
execucao mais prompta du que as do grao-duque
Constantino, que diz governar em Varsovia.
O governo nacional regulou una jurisdioae, em
todos os crculos; cstabeiecondo para esse limos
competentes tribunaes.
Cada um del los deve sereomposto de ui-apresi
:io arrasa
tuguez, publcou o presidente do cnselho, duque dcn.le *" >mzos' nomeados po governo rovo
do Loule, a satisfaeao plena quo lord Russell dora' lueonario em presenea das nforma^ues. dos nos
ao governe de Portugal pelo insulto feito as aguas commiiiissarios.
de Loanda -pelo navio nglez Torch, ao navio portu- Havcra junto uestes tribunaes um procurador
goei Paquete de Mossamedes. A cmara votou lou- vores aos ministros dos cstrangeiros o da marinba' te"*10 a0 'nesnw tempo encarregada da observancia
pelo modo honroso como sehouveram, c applaudfo,da '^ e da ocucao dos jurainonlos prestados,
o procedimento do gabinete britanniro. O* ptaes devorao proceder segundo as disposi-
No dia 29 abrir-se-bia a oxploracao publica ?r>('s d" pod,?,) P6" 1 o governo revolucionaaio
o caminho de ferro de leste fronteira e coajunc- promulgon em materia crimiivil.
lamente a seccao hespanhola da fronteira at Bad-v I A polica russa tem oiuiregado todos os meios
joz. A' 14 abrise clrculacao a seccao do ca-! e esforms para descobrir os niombros do gover-
minho de ferro do norte entre' as Devezas c Villa no secreto, mas at agora nada tem podido con-
Nova de Gaya c Estarreja, na extenrao de 45 kilo- seguir,
metros. Os jomaos italianos desmonten! a noticia do
El-rei D. Fernando, continuara om suadi^ressao licenciamento da logio hngara A Preue publica
pelas cortes da Europa, achando-so em Turim urna correspondencia de Turin, pie afllrma que o
sabida do paquete. governo italiano est rosolvido a nao fazer a con-
Em Braga, no da 7 lanora-so, no monte Samei- cesso de que se trata, comquanto assegure quo O
ro, com toda a solemnidaiiiN a prir^eira pedra para governo francez .elfoctivainento aoonselhra a dis-
o monumento grandioso que .^' se vai erigir ' solucao ao gabinete Italiano, de accordo com a b>
^"geni- glaterra.
El-roi D. Lutz I ceo'.ira a tapada da Ajuda No projecto de le para a repressao da gnerri-
(em usLOa) para um grande jardim zoolgico e de Ihagem propoe-so o estado de sitio as provincias
actlimatacao. ondo ella existir. Urna commissa presidida pela
Era quaato a diplomacia trabaiha para obter preteito, prepara a lista das pessoas suspeitas. Es-! proseataute do Fianj a3o estraobo s reto^oes
Durante a ultima sessao do Rigsraad lizemos-
lho apresenlar projectos relativos a cenas modii-
cacoes na le cunsttuciuual de 2 de uulubro de
1835.
* Recunhocendo quo a situaci croada depois,
tem augmentado os motivos para activar a comple-
ta revisao das prsenles di.sjioscoes la constitu
cao, julgantos a proposito unjrili lii ia novo, na
prxima sessao ordinaria da Higsraad. que a
ultima lo |voriodo electivo, e cuja reunifw lera lu-
gar d'aqui ha |mucos meses.
tOs projectos de lei quo vao sor resolvidos nesta
sossio, sao de nimio pouca imi>onancia. Asna
conchisao, prompta e satisfactoria ha de florecer
um novo apoto aos nossos estoma, alim de po-
der manter, om circumstancias dfliceis e perigo
sas, inabalavc! indt-pendencia da patria.
Asseguramos ao Rigsraad a nossa t*ne ca o graoa n-al.
Queira Dos conservar-nos debaAO de sua
guarda.
O gawrno da Prussia promuljnBt raa derrota
esnituindoque fosse susin-nsa indi-l'aidaoa lempn-
rarianu'ttle a publicaco de todos . i^riodicos que.
tivesscm recbalo duas advortenfi*s.
A. mumcipalidatle decidi oxpe-r a S. M. o trato
elli-ilu causado |m;Io decreto Fijativo impn-n-a. x
dta de um orcamento legal c o conflicto coostitu-
cional que tanto infiue na propriedade indosiria,
crdito o Iranquilhdade d:nar;io. Os nui^sirafcw
que na Prussia h-slao dente das inuni-ipateiade
adber\ram a esta restduga
St'sjornaes que se pronunciarain ahiilimeale
contra o decreto sobeo a imprensa, rereberam a
primeira adverteneitk O governu a*), est decidi-
do a ceder.
O enc^nlroidD rei da Prussia com c imperador
d'Austria em Cjirlsbard ciinsicredu romo acon-
tecimontu publico. Disse-so que o iuiperado-r da
Unssia so eikcontraria taraix-iu ali rom us dous sa
boranos. mas a noticia nao. tem fundamente.
O embaixador francea em Vmnna. Mr. de Granv
moni, parti para Carlsbard. omle permanecer
ouyiuaato durar a entrevista do rei Gujtoerme,
eomOimix-raiter Francisco Jos.
Mr. do Korhborg, ministro dos negocios cstran-
geiros d'Austria, e.Mr- de Bismark. ministro dos
negocios cstrangeiros d'Austria. acompaahara w
seus respectivos sobornaos. Este tacto com a pre-
| sene* do Mr. do Granmeot. faz suppor que o re-
9__o.

ILEGVEL
^





-f
t
telurio de perttiliiico Kegunda telrte i2 de nlho de 188.

3=
t tilicas ue se v,\o eetafaetocer entro as
riemonte e de Berlim.
tublicoexhibi o *M/mcift)S da tcsteuraidus E prestsrain juramento aos Santos Evangelhos.
onflssao do pronrto tev Foi o rt* interrogado e procedeu-sc a lcirura do
propriapessoa 1
"'r^5^"mriwVirotcollodasieBdik!claran- O advocado ib'r.',or. Dr. lose. Roberto da Co- procwwk < .1 8--4 reo tere certeaa do mal que se propoz
,\^^ZZVTS^TSmo no dia tilia SAmn* tomando a pjatevra, altogon,que I os, nr. nrnmoinr nublleo tedio a condemuacao ev.lar ?
i vago
"4 de ma*o ; no dia o
protesetto declarando
Onilhemie para o Ihrono
eterna
'MjSjSr
<) re do Dinamarca di-claron aos**e#tos gre- ^ie o rajuara sens;vclmcntc_ e
do 'eorrente assignou-sc o as ronHiw&esttocorpo de delicto sendo hypothcti-1 do reo no grao medio lo art z57 do cdigo en-|( .-
valida a eloicao do principe cas, nouodiam os ferimentos ser rlassiuendos no minal. inospr
vo-n'ca A Inglaterra de- arli^ TO5,nn que fora o reo pronunciado, e qtiaii- O Sr, Dr. advogado dcdiuindo a deresa, pedio a. 10.-
auc cc*aGrecia as Unas Jantes,visto que do multo no artigo 201; c que, siten disto, nao se
nubcula eclas i.otoncias eloicao do prm- dava miputocaonoro, una vez que tora impellidu
Itiillienne l*Wea do crime por provoeacoes do offendido.
7.O reo coounetteu o cjime em defesa de sua dem cscolha ou restolho ...
dem torrado....... libra
, Caluros......... um
O Sr. Dr. promotor publico tedio .1 condemuacao evitar
sua honra, de
absolvkao do roo.
O reo tete falla absoluta de outro meio me-
vju.licial ?
O reo commetteu o crime nao havendo por
sua liarte provocarlo ou delicio que occasionasse o
Pinds os debates e preenehidas todas as forma- conflicto?
i..,i. i_ .o. n. im nmnnz na i Rccolhido o jury de sentenca a sala secreta das
"os uo* o principe luilhcrme aceitt\* o throno da tundo a obscurecer-lhe a rarao o a leva-lo aquello
Grecia. a(, ftm l**^8" nioralidade do'agente, o anual
principe Christlano aceitando o throno da toe- concluio i*>r dlegar B improcedencia da areusa
ria nao renuncia sua e ronca, mas seos Bines se- cao, pedindo portento a ihsolvicao do amreado.
rao educad'* na religiao grega. | Xa replica o Dr. jiroiiiolor ihiWco traten*! sus-
A lista civil ser lixada no orcamento h Grecia, tentar o libeles impugnaiitto as rates produzidas
e eni ureseaca do rendJnaento das linas J idas dHiiutivameiite jiekt Inglaterra. I na su>iMt|MWW awH'toresaqameatos.
Emqn.tnto esta reaaiocao delngWvrra est de- PnR-edidws os demais 'h-nnns. jiublicada ein
pcadeate de ser rartincalla e caiK+Miada pelas no-1 seguida e na confornwlaoV da dodMO do <"onseltio
tencias signatarias ^lo tratado de Vicua; os hab-' a seuh-ixc*, que condeutua aoro no grao mdiodo
tantes das illias^K-claram que nunca acceitarao a artigo 201 \fa cdigo, i.sto , 6 mezes e (o dias de
sua nniao ao reino da Grecia, se deixar de ser ac-' |irisaoe multa curresjHindente metade do lempo,
coila a sua rgMaeo esiwcbl sobre luiancas e im-i ^n^guida enti em julgauentoo reo l'e postos. i Rwlta PihjiM'iras, pronunciado no artigo 204 4
Os inswrgeutes rhtjniCn foram desalojwtas de x^xllgn rriminal. |>or haver alngado a Luisa San-
dos arrafloMe de Tien-ain. Bspcrava-M que o tina de Albuqucvque. una casa que nao possuia,
vllimatum lo almirauK; Kiqier evitasse um con- flicto. Varias obras 4e ouro e dinhniro.
Em vista das imponentes torcas reunidas pe- O reo fui processado pnale a subdelegara desta
la Fntnra <'pida luriaterra, todas esperan JapaoKuina saiisfacfui aoaiaWrasestropeas, anuos de idade, e exertw a prollssao de guanla-
Em ronsequelioia de ter sido assassignadt t- livros.
presentjmte da li^laiewa no Ja|taa, elige o gaver- 0 Sr. Dr, promotor publico UMiando a palavra,
no iaplez urna indemnisieao de dea ui1Ik>s de desemflve a aeeusaro, baseando-se no libello oiTc-
reakw, a execar/io dos culpadcs iui presenca'* of- reddo pelo sen aaMeeaser, e conclue pm- pt-dir a
Itaueeda le, o Sr. Dr. juiz de direilo propoz os
quesitos secuiites : confercnoias as 2 */t da tarde, voltou as
1_0 r^o Leoncio da Silva Ribeiro, no dia 31 do respondendo pela maneira seguinle :
mareo do crrente auno, tirou liara si e contra a i Ao !.- Sim, por 10 votos,
vontade de seu dono, umaporcao do assucar de um
armazem na estaco das Cinco Puntas ?
."Existeo circunisttneias atlenuantes a favor
do ri'-o ?
Rcculhido o jui y de sentenca a sala secreta das
conferencias ao meio dia, voltou lucia hora depois
respondendo pela maneira seguinle:
Ao 1."Sim, por 0 votos.
Ao 2."Sim, por unanimidade.
4 lloras,
Ao 2. e 3.- Nao, por unanimidade.
Ao 4.- Nao, por 11 votos.
Ao 5.* Sim, por il votos.
Ao 6."Sim, ior unanimidade.
Ao 7." Sim, por 6 votos.
Deixaram de responder aos domis por flcareui
prejudicados.
Lidas as respostas pelo Sr. Dr. Antonio Annes
Jacome Pires, presidente do conselho, o Sr. Dr.
Lillas as respostas pelo Sr. Dr. Jos Mamede ,A|- juiz de direito julgou perempta a aecusacao contra
ves Ferreira. presidente do conselho, o Sr. W. m\i o reo, visto ser particular o crime de olTonsas phy-
de direito publicou sua sentenca, condemnando p sicas, previsto no arl. 200 do cdigo criminal c nao
reo a pena de dous mezes de prisao con traball ter sido o mesino preso em flagrante, e nem sor o
o multa de cinco por eento do valor fiutado e as olTendido pessoa miseravel, condemnando a muni-
' cipalidade as custas, e mandou que Ando o praso
legal fosse o referido reo posto cm liberdade.
Levantou a sessao, addiando-a para o dia se-
cuslas.
2" Julgamcnto.
Presidencia do Sr. Dr. PrsMfcM de Araujo Bar-
ros juiz municipal da 2" vara c 2o suppknte da *
de direito.
Advogailo o Sr. Dr. Americo Netto de Mendonc*.
Feila novamente a chamada dos Srs. jurados,
achaiam-se prsenles 39senliores.
Entra em julgaineHto o reo Jesuino Guilhernic
Dias, acensado por crime de ferimentos graves fiji-
guinte as 10 horas da manhaa.
Cal...........arroba*'
dem branca.......
Carne secca (xarque) ....
Carneiros-........nm
Carvo vegetal......arroba
Cavernas de sicupira .... urna
Cera de carnauba ein bruto. libra
dem ideni em velas ....
Cha..........
Charutos ........ cont
Cevados (porcos)......um
Cocos (seceos).......cont
Colla..........Mra
Couros de boi, salgados ...
dem idem seceos espichados.
dem dem verdes .....
dem -dem cabra curtidos. um
dem idem de onca.....cento
Doces seceos.......libra
dem em gela ou inassa.
dem em calda...... *
, um
COMMUNICADOS.
7*308
310
360
260
300
2*500
3*000
1*600
8*000
200
360
1*400
2*300
15*000
4*000
300
160
230
090
400
10*000
1*000
320
500
4*000
2*000
Pretos......... Para o Canal,
Marei e Rio-Grande
35, para Liverpool a V por
bra.
a
MOVIMENTO DO PORTO.
vajor
Xm-io entrmit ao dia II.
Lisboa-25 dias, brigue pOMogMK Lmm ti, de 2S4
toneladas, capitn Aalaaio MparLten Vieira,
equipagem i2, carga rinho e oatrw genero^ ; a
Euzebio Raphael Rabeilo.
Nao houve sabida
Narku enlradot a* m 11
Bordeanx e portos intermedios -17 dias,
francez Nararrr, de 1,270 t-im-tod,
dante Flix Vdel, equipagem 115, carga dife-
rentes eneros.
Bahia7 das, barca portugneza .\nr0rm, de 277
toneladas, capitSo Jos Fernandas da Silva, equi-
pagem 14, em lastro; a Amonto Inn.it>.
Sucios sabidos no din lt
Lislioa, brigue portuguez Lm leretir*.
Jos Jeronymo da Costa, carga asnear e 1
enndeiiinacan do rt no giao mximo do referido W>s na pessoa de Manoel los Severiano. 1
a- artigo 264 *S 4. uwa vez que concorria a aegraxante Nio i>odeiido o julgamento do reo ser presidido
lie-ialidaili- ItiiUinnica.
Na eaowa iogteza deraac ewWeaowesa- artig
Hsrca do-lirman do sultau. iuinerador da Turqua, da premiditacao.
qiff^irnlilfcina Wgyptn n aaialaa finadn A defeza. iuVinubida ao Sr. Dr. Francisco Jos
frafaaaree dos eaipreaades o mal Lord Ituiiietlon declarou pw offowrno nfrlez crime impntaOo. demonstrando que de va o fac'to'juiz iiiunicipsl da 1" vara, e Io substituto da vara
anwottwa lompffUiiienfc' a deeisw Manda pelo ser rlassitk-ado un artigo 258 ; e assiui coadue fier de direito, da decisao do jury que a
covernp otlMiinano, panwite^ctpi'''cssadeeisan pedir que eedevlarc a' qualiflcaco nesse tip\ rt'w em primeiro julgunento oSr.
nao.p-lia encoatrar o^iosirin, por4ss- que ainde- enm o que sera a conseuniria dos jnaes satisfeie, ros assmaio a presidencia no n miru .1.
neadeiicia da Turqua ertava recemVcida JM-Ias visto como se nao tira o direiu. que rail a p*te O jury de sentenca fot co.n|
-un iioteiiei-w de usar iVis seus ineos de direito. guintes:
_ As cwres^.denci^ de Ceastantinopte diaeai A vista da decisao do consellnv Mg^da ajeen- -Franjeo Ma.u,,le deAJmetda.
";- '._____^_____1-1... ^......,.;..- .1 ,i,u-.......i.. i.,>r i,r.nini.rmiK-< Monten*
-condicoef
otaan
lo atr.i\ess.!vani os Aadn sujeilos ao dominio do ra bil de indnnmdnde, vnRMMI MM a pratica
piimipe. Pela sua .park-a J*irla, renuiH-ia. a ti- de \hs limmreis acues. _
ndo de roiiee9Kl8#*ito qne tiiiia, pelo tratado B* sexia-fena |M.r iliaato. aierf^rior deter-
de paz de levantar MMiaimw no Wirltario Monte- rvinaca,.. e mterromp.d tlll4' entre as estacos daEsrada e ilas Cmco-Pontas; Lmz Undulo terrena.
ue4n.
O governo iraacez pnbticen a participai;aoilo ge-
neral Forey JO* aanuncia a lomada de Puelrfa. O
general Patay diz fjuc o corjio do arcito do com-
mando do geWal iiazaine derrOtou as tropas de
Coaaofbrte quaudo c^te tradtava de socoorrw
1>uel,la-
A artilharia drrtf>ii d porto Tonteinohcan. O
cenend Ortexa offwceu -eauitular. e retirar-se para revista da guarda nacional, aVm de totma- conhe-
olfexiebeanasiittaslrapas, mas Forev nagoa-ae cimento dos rerarsos que nrew>in relaraa cornos
a isas Urtezi aAio d^taiouo seu exercito -diwol- casos do art. 33 das insuuccoes, e bouverem sido
\ido, R'z aneblar < armas ; eneiavar a artHaaria; inlerpostos na conforndade do art. :i8 das meanas
voar'os pairs dejwrrora c depois disto aimun- instniccoes.
ciou qiK" a deSeza baba lerniinado e que se ontre-
rava ilescriic0- Futa; appreseuiarain-e
jikuso de passageiros nao soffrer imorrujicao.
A thesouraria provincial p-tga os juros da-
apoUces da divida publica provincial, que se vens
reram no ultimo de junlm prximo paseada, (tan-
do para isto competentemente JMnaHIO o respe-
tivo tlies.Hireiro.
No da 19 do eorrente ivwae-se o'consellto de
sculiur coui'ijo Pinto de Campos e os scus ad-
versarios.
petos/. Dr. Frenas Senriqoes, visto haver'esto fun- g boaIOS adrede es|ialhados de que o Sr. conc-
5 daotentado a pneiheao inlerposO pelo Sr. Dr. K0 put d<> Campos, provoca os eaplritos agu-
)|Sermogenes Scrates Tavarea de Vasconccllos, roes e desortlem, sao liarlos de urna calunmia atroz
o intuito de tornarem-no suspeito e mal visto do
IHiblico.
Tririlc e ilesgra<;a Nao se deve acreditar que a vulgarisacao de se-
melliantes noticias, provenhaiu de jiessoas serias,
como meio mais fcil c commodo triumphar no
pleito eleitoral,
Poilemos asseverar, que aquello conego, o pri-
meiro a iuteressar-se pela inanutencao da piz pu-
blica ; pois, que, com o pacifico concurso dos
seus amigos e prenles e da numerosa opiniao que
gnu no 5. dislrcto eleitoral, que elle pode e quer
victoriosamente combater cora outros concurren-
tes.
Escrevemos estas linhas para que nao contiuuem
os scus desleaes adversarios a explorar corara a
sua reconhecida dedicacao cauza da ordeni, os
instincuis da ptTturuaca e da arairchia,
Estonios cortos que esses planos insidiosos, serio
sempre, infructiferos diante das provas nerseveran-
tes, que de sdlicjo ha elle exibido em abono do seu
carcter ; sendo que nao se conseguir jamis des-
nortear a ludia de ronduta, que o mesmo la traba-
do na plaina poltica em que gira.
Um amigo.
Decio de Aqnino Fonseca.
Adriano Xavier Pereira de Brito.
Jos Marcelino da Suva Braga.
Francisco Antonio Pereira de Brito.
gava e desrriprao. Entae appresentaram*se i>n-
sioneiios dase mu Iwineas desarmados.
O Monitrnr puhlieea nina caita d.u imperador
dirigida ao genera! Forey ;igradeeendo-lli,' e ao
exercito os seas enfurtas para a tomada de Puebla.
Mea carta e imperador ratitica a-ana amiga
proinessa de^ue osanealsanos podtrio escolner
a forma de escarno quemis Ihe.approirver.
A Finitr'diz ajae Joarez quaiido mubeda eapi-
tulacan dPntdaa, iiiaiidnu que te transfeiisse o
goasrao para S. i.uiz do Pokzi. laares llccnceon,
.Migunilo .*' diz j-xoi cito, convertendo-o em gu.r- anuos; osirioulos'Pe riftnff, Anua de Santo Amaro, ambes.p'ir disturbio-, I
N. m ranarnu o lioaio de taran fgido da es- eos, de :i5 anuos, aeraat de Jas Mara de tal,
Funccionar o conselho no ]iar<> da cmara mu-
nicipal, comii'ando suas sesses pidas II horas da
mauliaa do referido dia.
Hkparticao M polica :
Kxtraeto da parte do dia I i dejjutho de 1863.
Fui ain 1 ecolbidos casa de detrneao no dia 9 do
eorrente :
A" ordein do delegado do :i-distrieto, Tlicopbilo,
cimulo, de 38 anuos, esnavo dos berdeiros de Jo-
s Bitlancourt, iior fugkk.
A' ordem do suhdekgailo ole Santo Antonio.
Francisco Jos dos Santos, sini-branco, de 22
scravo de
; Mar-
por
rolla, eme as eaaiazia ara Vera-Cruz, Ortega e infraccao de posturas ; DelpUna Pereira de An-
outros BTMTim diade. parda de 2(1 aniius. pra ser proi'essada por
Bazan- kMBa posirSe dominando a cidade do crime de ferimenuis (MnaVa Leoncio Tavares.
Mxico. Espna-se que mui brevemente as tropas brauco. de 26 anuos, |ura aar|gnaeoe em crime
/rancezas entran na capital, inaliancavel .
- Noticias de Sova-Tork annnnciam oe Wi- A ordem do da llo;.A i>u. Traiieisco, cnoulo, de
eksbnrao tu grande resistida, e inderado eaanaaadae |mr Zonsten marehava em c*) de posturas.
auxilio la piara. Em Port-Hndson os confedera-1 O chete da -s-reao,
dos rtiM'lliram" es ataques Je Bonks, e calcula-se J A, ,! M^qmln
em 4O00 bmnens a penla dos federaes. I. Movuuiiito da cas; dedetonrM no da 10 de
O ultimo combate enstou a Gravit. dous mil e jnlbo de IWi.l.
qiiiiilientos morios e reliaos em nu-io ilia. que qpi-
zeiam tomar de ass;u!o algUllias oblas de fortili-
caSes.
Dizeui de Xova-Vork que augmenta a exaspera-
r2o no sudueste. ciu conseipiencia da medidas ar-
fiitraruis da aduiuistvacio.
O presMente Liaeoln* conunutou a peai a Wal-
landi^'b.iii.
Durante na ineetiug foram presas cincoenta
pessoas quedavam viva a Uavis.
o M-inland, e a Peusylvania .B0 principie do ve-
rao. a Pensylvania organisam-so milicias.
O general ('iran annnncia ter tomado llavisj
ItlulT. apoderaado-se das obras d>- defeza de \Vicks-|
burgo e di' 11'uina paiiicipncii" quo espera apresionar todas as
torcas que esto em Wicksburgd
Os federaes saHroraiii um r.'vez em Ornease. Os
revesez qin- ltimamente tem experuontado os
exercitos federaes, cuainam as atieneocs para a
questiio amerieaaa.
Diz-seqtasalqp^aterra-est agora doaccorda con
a Frauea as ideas de niediaees, e afllrraa-se que
o gabinete de Paris ja es|iedio iiistruceoes ao seu
ministro Mr. MCTJer. par;i que elle ofk-i eeesse ou-
Ira vez 10 ^abiueW' aiodieauo os bous ollieios da
Frauea \ loas aiveeccula-se i|ue [ior ora se nao.
qoer'dar a este negocJo um-earacter ofllcial.
A Babor :
Existiam..... .38? iresos
Kntraram..... 7
Saliiram..... 16
Existen...... :i8
Xaeionaes..... 264
Estraugciros. 33 1
Mullieres..... 11
Estrangeiras.. :!
Escravos...... 70 >
Escravas...... 4
E prestaran! juramento aos Santo* Evangelhqs.
Foi o feo interrogado e procedeu-sc a Icitura do
prtK'csso.
O Sr. Dr. promotor publico pedio a coademnac:.0
do reo no grao mximo do art. 203 do cdigo cri-
minal.
O Sr. Dr. advogado deduzindo a defesa, pedio a
absolviese do lia.
Rodos os debates e preenehidas as solemnidades
da le, o Sr. Dr. juiz de direito propoz os seguimos
quesitos: J
l.=0 reo Jesuino Guilhenne Das, no da 7 de
jtinlio de 1802, na ra do Sebo dcsla cidade, prati-
cou na pessoa de Manuel Jos Severiano os feri-
inentos constantes docorpo de delicio a folhas 9?
2.Estes ferimentos nroduziram ;io paciente
grave iueonnnodo de saude ?
3.Estes ferimentos produziram ao pacient
inhabilitaeao de servicos por mais de 30 dias 1
4,0o f(Vi romiiM'lteu o facto criminoso noitc
.O n'-o coiniiietteu o facto criminoso ImpeBI-
do |>nr motivo repntvado ou frivido f
6.0 reo eoninietteu o facki criminoso rom sur
perioridadeem anuas, de moilo que o olTendido nao
pede defender-se cora probanradade de repellir a
offensa ?
7." Existem circunistancias attenuantcs'a favor
do reo?
S-'-OnH) commetteu o .facto criminoso cm de-
fesa propria ?*
9._o reo para asaba defendern tere certeza
do iu;U que se pixqwz evitar
10. reo paraasshn defender-se teve falla ab-
soluta de outros meios menos prejudicial ?
II._Orn assim del'endeii-se semipi de sua
parte ou do sua familia boiivenseprovocacao-ou de-
licio que uecasionasse o conllicto ?
RecoHline o jury de sentenca sala secreta das
conferencias s 3 horas da bode, voltou ;' V:
KsnoadendoMsa maneira seguinte :
Ao l. Sim. por 7 votos. #
Ao 2." Nao. por iinaniinida - Deixou (k1 responder por ficar prejudi
PUBLICACOES A PEDIDO.
rana paclistanas.
Ns. i e 2.
Pilulas Paulistanas e salvadoras da vidanos
casos marinea, 6 pilulas n. 1 nqietir cada 3 horas
at solver depois ; 6 doses de noute e de manhaa
segundo o felheto do auctor Ch. P. Etchecoin e auc-
tur da cura da morpba; 230*000 reis-=um caixo-
te eontendo todos os medicamentos nescessarios
para dez mezes, eom o folheto ; o 1.* grao salva-
re! sem que nmgtiem saiba, porm, procuraren!
sem deixar fazer maiores estragos o bem divlara-
do. e recupera a saode. mas lera o vexame de ter
solTrido este mal.
Cada nm pode ser sen prnprio medien, para cu-
ra desta molestia, e com as pilulas n. 1 e n. 2 pm
todas as outras.
Agencia priuripal
119RIA DO" PARTO119
cento lf.^000
arroba 1-5C00
alqueire 35OOO
arroba 5500
i 1,5800
um 5,3000
arroba 1C000
> 1U4U0O
74000
1 33000
una OO
arroba 24OOO
1 255000
cento 250OO
> 115000
ura 85000
caada 200
arroba 15000
um 25300
quintal 550OO
um 55000
urna 840
< 45000
> 15200
molho 120
ou
1110 DE JAXEtno.
De|insito na abantaste do Sr. lana Alexa
Bibeiro, ra do Queimado n. 13, em Peruaml
Alexandre
lUCO.
\o :i."
eadn.
Ao 4."
Ao 5."
A< 16.*
NOTKUftS COUMRRaAES.
fiswifea. :i ie jtuto.
--- O r.SSIH-aj \e;(!..;i-.-e .
Branco.dePeraaiubaco, e.Parahvba, .1 s 6d'
21 s. por fW ; mascarado'Hi s.i s. por ewt. f
por ; dos'.
Coaros saleados 4 d. l'2 a (i d
seceos I 7 d.; r ditos seceos *algadosti l d.
383
Alimentados a cusi dasiefres pblicos.. 153
Moviinonto da enferman;! Jin dia 11 de jullio de
1863.
Tiveram baixa :
Tlicophilo. escravo dos hsrdeiros de Jos Bittan-
coiirl. Anemia.
I.uiz. esi-iavo. seuteneiado.Angina.
Ti've alia :
Antonio Francisco da Croa.
Passageiros do vaporXflrarrr, viudo de Bor-
de,'iii\ e portos intermedie* -Manuel de Barros
Aeeioli l.ins. Manuel Alvi-s JiarlMisa, I.uiz Can r-
Angnsto Gansli, niadame Genoveva Maria Cala e
Ma lillia.
(IHTCAIIIO DO DIA 11 DE fOLHO I
Pl BUCO :
Clemente, escravo, 4 anuos, Boa-Vista ; interite
clironici.
Augusto Tavlau. Pernanibueo, SO anuos, sheiro,
roa-Vista ; cerebrite.
Avelino. Periiainbuco, 24 horas. It.-ia-Vsta;
pasmo;
Pedro Francisco Xavier Quaresina. Pernainbneo,
24 anuos. aolteiiQ, Boa-Vista ; (tastro-interito.
Sim, por 7 votos.
-Nao, por 7 votos.
Niei! por unanimidade.
Ao 7.". 8., 9.". 10 e 11. Sim, por unanimidade.
Lidas as liapastaB pato Sr. Francisco Mainede de
Almeida, presidente do conselho, o Sr. Dr. juiz. de
; direito pnblka siui sentenca, absolvendo o reo e
: eondeiiinando a municipalidde as custas.
Levantou a sessao. addiando-a para o dia seguin-
te s 10 lloras da iiianbaa.
AHtadao de Pernamhueu e
23 d. par .
Cacao43 s. ."i8 s. |Hir ewt.
Joaona Candida Yilella, Pernaiubuco, 48 annos,
Marautiao 21 a. a Santo Antonio ; pbtbysico,
'J.
PERAIBOCO.
liBLSTA IURIA.
TRIBU\AIi I0 .IIKY.
3. SESSAO DIA 9 DE JL'LL'O DE 18C3.
Presidencia do Sr. Dr. Juiio Aulonio de Araujo
Freitas Heurrfnes, juiz de direito .Ja ! vara cri-
minal.
Promotor publico o Sr. Dr. fcancisco Leopoldi-
0s ivpos que cwnecamos sabliadoa einpreerar no no de QnsmSo Lobo.
meoiHarh, sao auaj^mm Xutumutde Lisboa,! Escnvau o Sr. Joaquim Francisco-de Paula Es
OS quaes san tan bemai-ab.idos como 0S QjM me- leves Cleiuejile.
Inores fabricas de omos pases, olTereeendn vaii-
jagens sapcrioFcs, noer nos precos das diversas
qualidailes. quer na regularidade da urganisa^o
idas foutes, como nenfinuia oulra e faz; altn da
pniiiplidao COIU ';v sSv e\.i'did;is as aeluras. < O
gtdne mteresse ojne torna a rospaeUva Ureeeo
de.....-lalH'leeimenlo uaaatistacaode qualquer ]:-
didp.
0 en muito digno adiuinistrador ^tral, o Exnr
: j-liieiro FirmoA. Pui-ra ManVos, coalie-
ederdfl espectefidade, esforca-^eporsatisaziiraos Antonio Leilede Pfnbe.
Adverado o" Sr. Dr. Americo Mi (tu de en-
donen.
A's 10 horas da manliaa feita a chamada acba-
ram-sc presentes 41 senbores.
Foram lispensados do coinpareciiueiito de boje
os Srs.:
Consellieirr. Dr. Pedro Autran da JfcitU AJbuquer-
ijiii*.
Fianeisco Janqnim de Mello Tavares.
Foi dispensado por motivo de molestia-oSc.:
v-cit- Ihe dirigera, ji oamregandoicUyidBde
uo i!ese;}-pi.jiho do trabalua jijiiiiino' :uo v.uila-
gens pAfU.0 seu clienle. lacs uue jilecoscouiniodos
na preoos.de ilesi>eza> de einurajue e (tete.
TandornpSdsdo bem eom a Drnente encommen-
da, juiiiuaiiiu-uos a rccouimeudar aguellc estabele-
riinanto aos.posis collegas du fitasil, cortas de
queftearao.no tu^i> satisfeitos.
Foi dispenaadn da seso a bem iv o Sr. Maned Epbigenio da Silva.
Foram moJtadas eto 205 cada um dos seiiboris
multados nos dias anteriores.
Campa recen a Sr. J)r. Pranelseo de Araujo Mar-
ros. J^.mz municipal *5a 2* vara, e apresealou pre-
parad para ser jul-Ado o prncesso euire partes,
eoraoavtor Arsenfo Antonio Carneiro da Cunba
Satfiado.dosiacaraiii |i;.1 njul'wo som;ico/la Miranda.
guarniei dacapifaf trezentas praeas da guarda Comieireceu tamlienio Sr. Dr. Manoel Gentil da
oaeioual Jm municipio do Iteeie, lirada' em son> Cosa AfW, juiz iiiunicifial snpplenle da 2* rata,
(ingentes nV* batalla*" ns. 1,2e 3 de intantara e e aprsente preparado o peneesao contra Jna 11. I de nrdlharia. Achani-sc aipj.irt'ladas no Amancto de i'reilas Castro, visto nao poder fuw-
ejnartet do carao de polica. otoar esa dit* nroeesso o Sr. Dr. Araujo ftirros,
Ka mnrtalidade, qne pobHcames na Sfita- pir ser testeiinavJia.
feira paasada, nade se t.Henry Tbomas olleiru, Recebidos os rocessos pelo Sr. Dr. juiz de di-
deve Ic'r-secatado. re lo, nrdeneu eafrone Ihe fossean conclusos;
Babbado foram apjn-ebandidos pela pnete, Entra em julgamento o reo Leoncio da Silva Bi-
na estaeaode L'na.-5t) clarinstes, : fegt 3 arrobas de chumbo .cm teneoi. 10 facoen, 0 Sr. Dr. juia de dteejto noroeon e Sr. Dr. Ame-
nma^oreao de papel paneartuchos o algnnias bn> ren Netto de Mendonca, curador do reo, visto ser
torcas. ott" menor.
E*j sua aaaaio de saWifldo rKiuo, entrn em O jury de sentenca foi eoninosto do Srs.se-
julgamenvino jtn > o red AaWio Js Bodrignes. guinies':
pronunciad-i as ponas dartt0J 205 do cdigo pe- Manuel Germano dos Sa.ito* Pereira Bastos,
nal, por tema; fcridograwniaBte a Jus Francisco Dr. Jos Mamede Alves Fcrreiiv.
cU Silva no dW 23 de fererriro pHKmo pausado. Miguel Bernardo Quinteiin.
Oree,cojo pnKesso foi mstaucado pela subde> Francisco Xavier Carneiro Lins.
legacifl de . Jos desta cidade. natural desta |'0- Leopoldo do Bejn Barros.
) incja, tom 21 anuos deidade, casado e exerec a Miguel Archanjo de. Figueiredo.
indostriH de pescador. Frederico Augusto de Lemos.
Tendolugr os debaten, (tede a ministerio publ- Antonio de Moura Roiin.
eondcninaeao doro no grao mximo do refe- Manoel Ephigenio da Silva,
ndo artigo 203,. vi do ter sido o crime ggravado Decio de Aijuino Fonseca.
jwlas eirenmsfaiK-ias 4 e 5 loart. |d. Amonio Joaquim de Oliveira Baduem.
i'ara firmaras suasallegaews, oSr. Dr, pronw- Domingos de Soiu Guimariies.
3/ SESSAO DIA 10 DE JL'LIIO DE 18fi3.
Joao Antonio de Araujo
COMMERCIO.
Bendimento db
dem do da II.
AI fondo;;!
dia 1 a 10. '
Uovtmeuo da alfondrga
Voluines entrada
Vetantes
>
sabidos
eom Cuendas
cun gneros
enm blendas
eom gneros
Presidencia do Sr. Dr.
Freitas Henriqnea.
Promolar publico o Sr. Dr. Francisco Leopuldino
de (usiuao Lobo.
Eserivau o Sr. Joaquim Francisco de Paula Es-
lev.-s Ctowente
Advogado o Sr. Dr. Americo Netto de Meiidonca.
As 10 horas da nanliaa lV-ita a chamada acla-
ram-se nresentes 42 senbores.
Foi dispensado a, toan do servioo publico o Sr.:
Frederico Augusto de Lemos.
Foram dispensados por motivos de molestias os
Srs. :
Antonio dos Sontos Sonta Leo.
Jos Goncalves da PorciuneoJa.
Foram 'multados ein 205 caila 11111 dos scnhorcs
multados nos dias anteriores e mato os senliores
(pie failaram boje.
Achaiido-se presentes os reos Manuel F'rancsco
dos Prazeres, Antonio Francisco da Cruz e Joa-
quim Ferreira do Moura, pronunciados i>or crime
de tarto de cavallos pelo Sr. subdelegado da Var-
een, Francisco Setter de Figueiredo Castro, o Sr.
Dr. Americo Netto de Mendnnca, advogado dos
mesmos, requeren ao Sr. juiz de direito que fosse
a aecuscao jujeada perempta, visto nao se verili-
carem as hvpotbcses do art. 1- do decreto n. 1,090
do Io de setctnhro de I8(), e nem terem sido os
reos presos ein flagrante dcleto.
O Sr. Dr. juiz de direito depois de ouvir u Sr.
Dr. promotor, mandou juntar a CXcepeSd SO res-
pectivo processu. e julgou perempta a aecusacao,
condemnando a municipalidde as cifstas, e or-
denando que fossem postos <'in liberdade os nios.
Entra em julgamento u reo Augusto Caetano
Pacheco, acensado jwr crime de fermentos graves
feitos no pretu Francisco, escravo de . Auna Jo-
senha Pereira dos Santos, tendo por seu advogado
0 Sr. Dr. Americo Netto de Mcndoiipa.
O jury de seanenca Soi conqiosto dos Srs. se-
gundes :
Manoel Gomes dos Santos Pereira Bastos.
Francisco de Paula Correa de Araujo.
Niemnedes Maria Freir.
Joao Moiileiro de Andrade Malvinas.
Antonio Joaquinidc Oliveira Baduem.
Jos Marcelino da Silva Braga.
Angelo Custodio Bodrgues franca.
Domingos da Silva Ciiiiinaraes.
Dr. Antonio Aunes Jacome Pires.
Agostinho Jos de Oliveira.
Miguel Bernardo Qumteim.
Br. Bernardo Pereira do Carmo.
K prestaram jiiraineuto sobre o livpedos Santos agurdente de cana.
^i^i'interrogado procedeu-se a lcitnrad'I,|,m nsiil'''i:i "u do lvhl"
panasasa dem caxaca.....
OSr. Dr. (iromotor pedio acondemnaeao do reo dem genebra.
As cscroplralas privadas do sen
agssilteo.
Fazem trinta annns queasesemplinlas eram nina
enfennilade inciiravel. porm o asnelo das cou-
sas desde entilo para c;, tera mudado de face,
desde o momento ein que a sai.sv paiiiui.ha ni:
BiusToi. foi trinmph.mtemente iirtrodmida no publi-
co.' Desde entan esta liarte nao tem iH-corrido
um s caso por mais virulento que seja. em que a
inesina tenba sido infructuosamente administrada.
A simples enumeracao das curas qne elle lera ef-
foetnado encherte volnmes inteiros. nicamente,
BOla, necessilanios dizer que o sen liso (leve ser
universal ein todos os desarranjos e affeccdes ul-
cerosas t eruptiveis. para que as mesa curar com
tanta facHidade como um arranbao ou um sim-
ples golpe. E' o nielbor de todos os remedios^'o-
iheeidos para o rbeinnatisnio e affeccoes doflgado,
e tambem para qnando a phtjsfea se complica com
as eseropliulxs.
Achar-se-ha venda em todas as princmaes lio-
ticas e lejas de drogas do imperio do Brasil.
Espauadorcs grandes.....
dem pequeos......
Esleirs para forro ou estivas
de navio........
Estopa nacional......
Farinha de mandioca.....
dem de aramia......
Feijo de qualquer qudlidade. .
Frechaes........
Fumo em fullia, bom ....
dem ordinario ou restolho .
dem em rolo boin......
dem ordinario ou restolho .
Gallinlias.......
(omina.........
Ipecacuanha (raz)......
Lenha cm acbas.....
Toros......... ,
Liabas e estckis.......
Mel ou melaco.......
Milho. .".......
Papagaii-s.........
Pao Brasil.......
dem de jangada.....
Pcdras de amolar ....
dem de filtrar.....
dem de rebolo.....
Piassava........
Pontos, ou chifles de vaccas
nortinos........
Pranchoes de amarello de dous
costados........
dem de louro......
Rap..........
Sabiio...........
Sal..........
Salsa pafltnnt.......
Sebo em rama.......
dem era velas.......
Sola em vaqueta.......
Taboas de amarello.....
dem diversas.......
Tapiocas.........
Tatajuba.........
Travs.........
Cunas de bo.......
Vassouras de piassava. .
dem de tindo......
dem de carnauba ....
Vinagre.........
Alfandega de I'ernanViueo, II de julbo le 1863.
(Assignados):
0 1." conferente,
da Silva.
O 2." conferente, Jos Maria Cesar do Amaral.
Approvo. Alfandeg de Pernaiubuco. 11 de jn-
Iho de 1863.Pues de Andrade.
Conformo. Joao dos Santos Porto.
EDIT1ES.
cento
5|060
188:2304129
12:74t:%
17X1:633-5019
.Vi
863
-----017
:;i
132
____ 18.",
Desearregam no dia 13 de jnlbo. .
Patacho InglesSary Bfockmercadoiias.
Brigue inglez -Ojn -carvao.
Patacho inglezfricabaealho.
Brigue |K.iiuguez-Laia II mercadorias.
Brigue pnrtngU''zlti'laupago-id'-ni.
Brigue brasHeiro-Olipda-gneros diversos.
Reccbedrfa de' rendas Internas
geraes de Pernambnco.
Bendimento do dia 1 a 10. :2Sfr
dem do dia 11......... J__
16:839-5608
Consulado provincial.
Bendimento do dia 1 a 10. t:~5fZS
dem do.dia 11.- ..,...- _^l~'^_
49:29:i-5:i7.'l
ALFANDEGA DE PEBNAMBI'(,i.
paita nospmtcndos osonnossijeitosawbbito dk
KXPlinTAC.U. SEMANA dk 13 I 18 DO MEZ
JILllO DE 1863.
Mercadorias.
Abanos.
DB
Unidades. Valores.
cento
caada
no grao mximo do art. 203 do cdigo criminal.
O Sr. Dr. advogado doduziido a defesa, iiedo a
aJisolviewi do reo.
Fiados as debates e precaehjdas todas as solem-
nidades da lei, o Sr. Dr. juiz ito direito propoz os
qaew'tos senaanscs :
i."Oreo Augusto Caetano Pacheeo, no dia 8
de dezeijibro dj> 1862, fez com iuua faca de pona
no preto Fianciwco, escravo de Auna Josepha Pe-
n ira des Santos, a ferimento constante do auto do
corno de 2.Onul eaaandopeto reo, produzio no pa-
ciente grave ivommodo de saude f
.'(."o referido mal sanastonado pelo reo produ-
zio no onViLlido iubabilita'Tio de servicoqior mais
de um niez ?
4. reo pnftieon o crime havendo por sua
paite superioridade gal armas, de modo qne o of-
fendido nao poda se toender com probabilidad!"
de repellir a offensa ?
5.O-reo commetteu o .'rime de noite ?
6.Existen circunstancias atenuantes a favor
do reo?
dem alcool ou espinto de agua-
ardente. ,...,.
Algodao em carneo.....
dem em rama 0H ein tea. .
Arroz com csea. . '. .
dem descascado ou pilailo .
Assucar mascarado.....
dem branro........
dem refinado.......
Aeeile de amendoini ou niendo-
bini.........
Mem de edCO.......
Mein de mantona ......
Batatos alimenticias. .....
. Bolacha ordinaria, propria para
>
arroba
caada
arroba
embarque
dem lina .
Caf bom .
1-5400
800
300
:i2ii
800
HQ
84000
205000
15200
25800
15800
34100
84000
24080
I5iV(
14200
l600
44000
84000
84800
imi 204OOO
1 104000
libra I4OOO
1 120
alqueire 400
amiba 234000
1 84800
i 740OO
urna .'(4000
duzia IIO4OOO
1 7:14000
arrolia 34000
quintal 24OOO
urna 64000
Cento 24OOO
1 104000
85000
1 65000
caada 300
Francisco de Paula Goncalves
fll
Cambios.
PRAGA DO RECITE
ih: .11 mo ni-: in:i.
As 3 horas da larde.
Revista semaual.
...... Saccou-se sobre Londres a 27,
27 '/ e 27 V, d. por 15000. So-
bre Pars a 383 rs. por fr.. e so-
bre Listen de 96 a 98 iir cento
de premio; snbindo a 70,000
os saques ell'eeinados nesta se-
mana.
vlgod.o........ O dest provincia vendeo-se de
204800 a 215000 |M>r airaba, e
ltimamente bouveram olleras
de 204000; o de Macelo posto s
bordo venden-se de W$S80 a
2150OO e o da Parahiha a 225
Assucar........ Obraaco voadeu-se de :1520o a
4400O por airla, o souienos a%?
24600 a 25700. o maseavado
purgado de 15900 a 14300, e o
1 unto-de I56>0 a*5*J0 per ar-
roba.
Agurdente.....Vendeu-se de 684000 a 704000
a pipa.
salgados vend-rani-sc
Couros.........Os seceos
a, 189 rs. a libra.
\rroz..........Opilado da India vendeu-se a
5000, e o do Maranhao a .14200
por arroba.
Azeite doce.....O de Lisboa vendeu-se a 24600
o gateo, eodoKslieilo a reis
25(00.
Baealho....... Betalliou-se de 114500 a 145000.
iKir barrica. Qcando em deposilir
B.100 iprintaes.
Batatas......... Vena^ram-se de 900 a 14000 a
- arroba.
Carne seeea..... A do Bto-Grande vendeu-se de
25000 a 25ioo por arroba, Besa-
do em ser 71,:i(K) arrobas.
Caf........... Vendeu-se* 85300 a arroba.
Cha............ dem de MBOO a 25(00 imr li-
bra
Cerveja......... dem de 45000 a 35600 a duzia
de garrafas.
Farinha de trigo. Betalhou-se de 14-5000 a 175000
a barrica da de Philadelphia e
New-York, de 135000 a 165000
a de Genova, de 164000 a 174 a
rranean, e de 215000 a 2:14000
a de Trieste, licandoem deposito
i.800 barricas da primera, 700
Por ordem do Illm. Sr. Dr. rbefe de
noticia, faro saber ijuelles quent intereanr
pijssa, que pelo delegaik) do termo rto .Nazn-o
reth, fnrain apprehendidos em pmler de PV
licarpo Pereira da Luz, Belsono Kramis.M i
Costa e Joo Ferreira de Araujo, tres cavalbts,
que se supjie (urtados, seinlo um raro,
outro catanlio e oulro preU; rujo* cavaikk
se acltaui all depositados, |>or aquella leto-
gacia.
O secretario
Eduardo de Uarro Fafco de lt%&rda.
0 Dr. Trislao de Alenrar Arar pe. ofllcial da impe-
rial ordem da Bosa, juiz de direito especial .da
commercio da cidade do Becife e sen termo ca-
pital da provincia de Pcrnambuco por S. M. tm-
K'rial e Constitucional o Sr. D. Pedro II, a sjnesn
leus guarde.
Faco saber (pie no dia 13 de julbo do corran', se
ha de arremaiar pir venda a qiicm atis der ean
praea publica depois da audiencia resi>ertiva o es-
cravo de nonio Benedicto. co mais ou menos, avahado cm 5004, o qual per-
tencente a D. Vicencia Ferreira de AII.a4iu.Tnoe
Nascimento, e vai praca por ejecucao qne Ihe
move Marrellinn Jos1 Lopes. E na falta de licitan-
tes ser a arrematara!) feila pelo preeo da adjudi-
raean, cora o abatimento respectivo da leL
E para que ebegne ao conhecimento de lodos
mandei fazer o presente edita! qne ser atesado ao
lugar do costme e publicado pela uipn-n-n.
Dado c paseado nesta cidade do Becife dePer-
nanibncn aos 9 de julhn de 18S3.Eu Manoel de
Carvalho Paes de Andrade escrivan o subscreri.
Tristo de .Menear Xrarimt.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, era cumpriinento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia, manda fazer publico qne ao-
dia 16 do eorrente vai novamente praca para ser
arrematado a quem mais der o imposto de 24500
na comarca de Nazereth. ser rindo de base arra-
matacao o offcrerintente da qnantia d*- 8:i.TI4333
Sir airan, feito pelo licitante Me Pedro de iHivetra
ello. A arreinatacao ser feita por tempo de trr
annos, a miar do l'. de julho eorrente ao flan de
junho de 1866. devendo o arrematante reeeber do
reeneclivo collector o recchimento qne tem ssao-
arrecadadn at o dia da arrematacao.
E para constar se mandn publicar o prestiste
pelo jornal.
Secretaria da thrsouranaprnvinci.il dePerasan-
buco 9 de julho de I8fi:t. O secretario,
A. P. da Ammnciaco.
O Illm. Sr. inspector da thesonraria pravia-
cal manda fazer publico que o Ihesonreiro da mes-
' ma thesouraria esto aulorisado a pagar di dia 1U
de eorrente por diaiile as apolices da x-gumla se-
rie da divida publica provinciaJ.
E para constar se mandou publicar o presento
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de IVrnam-
buco 8 de julho de 1863. O secretario,
A. F. da Annunciaen.
0 Dr. Ti -isln de Alcncar Araripe ofBcial da impe-
rial ordem da Rosne juiz de direito, especial ifc>
coinineicio desta cidade do Recite e seu lermo,
capital da provincia de PiTiiainbucn, por Soa
Magestade liiiperial e Gmtititcional o Senhor
Dom Pedro II. quera Deus Guarde, etc.
Faco saber pelo msente que no dia 6 de julbo
desie auno, se hilo de arrematar jmr venda a quem
mais der em praca publica, depois da audiencia res-
pociiva, osobjectos segiiintes : 6 cadeintsde assen-
to de palinlia, de madeira de faia. avahada cada
uiiiaa:(4000rs.. 184000 rs.. 2 espclhos grandes em-
butidos de preto.a 105. 2!5: 1 mesa redonda de
meio de sala, por 84000 rs.. 2 cadeiras de braco,
de amarello. avahada cada nina una a 641 SKI rs.,
125000 rs.. 1 radeira de braco, de faia |mr 64tW0rt,
1 par de coBsoilos eom laanpode pedra.de madeira
de ra por 285XI0 rs., I mesa de meto de sala de
madeira de fra p.ir 104000 rs.. I espelho grande
cora iiiolilura ilourado par 104000 rs.. 1 hanqni-
nha de amarello (u- 4.J000 rs. Os (pa.- sie ner-
lencentes a Hennque Angosto P.uile. e ria a i>raca
por execiiean que contra o inesra.i encaminlu Joo
da Silva Paria, e na falta de lcitantcs"scian.irreoia-
tados polo proco da adjudicacao enm o abatimento
respeclivn da lei.
E para que chegue a noticia a todos, mandei pas-
sareditaesqiie serio allkados nos lugares do cos-
luine e publicados pala imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Bssafi capital da
provincia de Pernasnbneo aos nvasdteada mh de
junho de mil otea ceios MaJonU e mn. (Ji|alra-
gesiiiMi segundo da independencia e do imperio do
Brasil.
En Manoel de Carvalho Paes de Andrade. es*-ri-
vao o subscrevi.
Trislao de Menear Araripe.
da segunda. 300 da tereeira. 800 ,;a,.,;lll0 Boifies da Silva.
A arreniaia?o .ncima snenrio-
si;ul;i Ocot transferida para
lia 13 do corrate depota da au-
diencia do Illm. sr. Dr. jtaiz de
direito especial do rommrrcfo.
Uecii'c II de julho de IM.
O Dr. Trislao de Alenrar Ai ai qie ofllcial da impe-
rial ni dem da Bosa, juiz de direito. especial do
commercio da cidade do Becife c seu lermo. ca-
pital da provincia de Pernaiubuco. por Sua Ma-
gostado Imperial e Constitucional o S-iiIkh Dmn
Pedro II. quem Des Guarde, etc.
Faco saber, que no dia 3 de agosto do rorrento
annn.se ha de arrematar por venda a quem mais
der. ein praca publica destejuizo depois da audien-
cia respectiva, nina casa de sobrado de daa anda-
res, cita na ra de Hurtas.n. 24, avahada em
5:0005000, menos una parte de dita rasa no
valor de 1:0005, llcaiuto assim a im-sma casa com
o valor de 8:0005, cuja casa perteiiccnte a toas
Pinto da ('.osla, menos a referida parle de 1:0004.
e ao iesino penlioraila por eveucan de Manoel
da quarta e 3,800 da quinta, ao
todo I3.1KK) barricas.
Dila de mandioca Vendeu-se a 65000 a sacca.a de
boa qualidadc.
F.-ijao.......... dem de 6.5IKK) a 75000 a sacca.
Genebra........ Idem de 110 a 3.10 rs. a botija.
Louea.......... A inglesa ordinaria varion de
278 a .'((K) por cento de [in-iuio
sobre a factura.
Manteiga...'.....V franeeza vendeu-se a 370 rs.
a libra, e a ingleza a 800 rs.; fi-
candn em ser 2,200 barris.
Massas......... Veiiderani-se a (5000 a caixa.
Oleo de liiihaea.. Iitoni a 25400 o galao.
Passas___*
Presuntos...
(Jueijos----
dem a 85000 a caixa.
dem a 145000 a arroba.
Os tlamengos nbtiveram de ris
15300 a 15800; nao ha de boa
qualidadc.
labio.......... O amarello vendeu-se de 120 a
180 rs. a libra, c do Mediterr-
neo a 220 rs. a libra.
Tourinho.......O de Lisboa vendeu-se a 74800
|ior arroba.
Vinagre........O de Portugal regulou de 1084
a 1104000 a pipa.
Vinhos.........Os de Lisboa venderara-se de
1004 a 2004 a pipa, e os de ou-
tros paizes de 175*000 a 1804.
Velas..........As de compoefeao venderam-se
a 570 rs. o masso,
Pescnntos....... O rebate de lettrae regaln de
10 por eento ao anuo no bancos,
e de 8 a 9 por fora.
E nao havendo Untantes ser a arrematara
feita pelo preco da ajudicaeio, com e aiaiiui.ii-
to respective da le.
E liara que chegue a noticia a todos mandei fa-
zer o presente edital. qne sera aflivuto nos luga-
res ifo costme e publicados nato inipreiisa.
Dado e passado n'esla cidade do Hecite de Pw-
naniiibuco. aos 0 de julho de 1863.
E> Manoel de Carvalho Paes de Andrade, aaM-
vao o subscrevi.
Tristo de Alenrar Araripe.
Viseondeda Boa-Vista, senador e grande do ienpe-
rio, brigadeiro refonnado do exemto, coaanann-
danle superior da guarda nacional da capital des-
ta provincia, e presidente do conseiba de revista
da sanana guarda, por Sua Magestade o Impera-
dor, etc., etc.
Faco saber que na tereeira dominga do presente
mez, '(19 do crrente) se reunir o conselho de re-
vista da gualda nacional, como determina a se-
gunda parte do art. 28 do decreto 1.130 de.lt dr
inarco de 1833, na sala das sessoes da cmara mu-
nicipal desta cidade, s H horas da manhaa aa eee-
forniidade do art. 44 das inslrntefca n. 72>deS>
de outubro de 1880. afim de lomaT conhecissgsnr
dos recursos, que versaren! sobre os casos anafe
dos no art. 33. e que forera interpostoapetel
ra determinada no art. 38 das ditas
E para constar a quem convier,
pela inpivnsa.
Qnartel general do commando superior da |
da nacional, II de julho de 186.1.
YUconde d Boa- Vista.



?
-*r .?%""
Ufarlo de PtrnaUtluieo ** ftegundn teirtt 19 He ifeiftio de f 8.

Sania Casa da Misericordia do Recie.
Anima, junta administrativa da Santa Casada
r te"? Rocife manda twer publico que no
T>. Leopoldina.
i..'
D. Jesuina.
' D. Joarnia.
D. Camilla.
ni ouiao ; raunna, | (J drama AS MLI.HEKES DE MARMORE, devi-
1 ''"inn^l! Felicia' il,ias celebres dramaturgos francezes, causn em
iii 7005 -, Mana, mu-1 Paris, ein Lisboa e no Rio de Janeiro, um destes
erloiila. S anuos, aliada em 1:0005 ; Fia- HhaJora. cori
Mana, fiuia dos ditos, cabra. :i annos, avlenla Jodia, dita........
em .'100$ Jozmo, filFio dos ditos, cabra, mezes,' Miela, dita............
avahado *m iOOJt; Victorina, crioula, 30 annos,' Madama Didier, mai de
avallada em 600$ ; Mara, lillia da dita, crioula, I Raphael..........J!
3'anuos, avallad em 3004 ; gueda.'filha da Mara, orphaa......!^T7
mezes, avaliada em ISO* ; Fran-1 A accao passa-sc na actualidade, em Paris.
annos, avallado em O nrimeiro acto passa-se no hotel de Madrid,
do dito, nacao, 36 an- nos Campos Elvsos.Neste acto cantase a celebre
Jost\Jilho..(?os ditos' canCneta Polka das modas de ouno.
consumir os collegios de orpltos nos mezes de crioulo, .1 annos, avahado em .00,3 i Felippe, na- O segundoado passa-se no atelier do escultor
agosto e-s*tem*o. concurrentes devem com- cao, 38 annos, avahado em 9004; Rosa, molher Raphael.
parecer rom suas propostas em cartas fechada, e no dito, nacao, 40 annos, avaliada em 6004000; terceiro acto passa-se n'uma casa de campo'
presentar fiador que se resjiusaliili.se pelo intciro ios Ferreiro, nacao, 3o annos, avahado em em S. James, nos arrebaldesde Paris. 1
i: 1004 ; Antonia, mulher do dito, crioula, 50 an- O quarto acto no atelier de lianliael
nos avahada em 5004 ; Pedro, na^ao, 36 annos, ( O seenario novo e pintado pelo scenographo o
avahado em 1:2004 ; Marganda, mulher do dito, i Sr. Durnellas.
nacao, 40 annos, avahada em 8004 ; Paulina, I O drama AS MULHERES DE MARMORE devi-
crioula, 40 annos, avahada
crioula, 22 annos, avaliada e
nacao, 40 annos, avahada em
Iher de Miguel Pedreiro, 27 annos, avahada em fanatismos que raras vezes sao tributados a n -
f$& v'P'n naW' T .a.nnos' -ava'ia(1 em; presentacao de urna obra dramtica, pois que elle
;S nwwT hlvdll' V> ban"l,s em qualquer desses theatros ullrapassou, todas as
a\,ili.da em 0004; Venencia, flllia dos ditos ralas, tocando ao delirio. No Rio de Janeiro este
motila 18 mezes, avahada em 1004. I drama fui scena mais de 80 vezes. eldnda ho e
()s. ii'ii i idos liens pertencom a heranca do fina- recordado com saudade, o que ludo se justifica
Sififffe p vao :l es? !?\9******+ T. ,S n ,,irdt'ira. "iventonanle, depois .morqsased maior alcance moral que se conhe-
de ouvidos o Dr. procurador fiscal da fazenda pro- ce no theatro moderno trance*,
vmcial e os de mais uitoiessados. jiara pagamen-
to das dividas que est sujeita a heranca, de-
vendo seren pagas no acto da arrematacao. afim
de poderem dar a necessaria desoneraco os dons
(redores que lem hypotheea no engenho Pintos.
O escrijito e traslado do edital existem em mao!
do portein do juizo, e os preteudenles que qui-
lorem examinar os referidos engenhos jxxlem ahi
comparecer, que ha pessoa autorisada amstra-
los com todas as suas obras e bemfeitorias ; as-
sim como os que quizerem ver os escravos c pre-
cisarem de qualijuer esclarecimento, podem diri-
g r-se nesia praca mesma herdeira e inventa-
rame, que reside na Soledade, ra de Joao Fer-
naiides VieJra.
LEILAO
cumprihc uto do contrato.
Assucar retoado, libra.
Cha pieto, dem.
Gaf em grao, dem.
Mantciga franceza, idem.
Arroz pilado, dem.
laealho. idem.
Batata, idem.
Carne.verde, idem.
Peixe fresco, idem.
Farinlia da Ierra, alqueire.
Feijo; idem.
Toucintio. libra.
Azeite.duce. garrafa. .
Vinagre de Lisboa, idem.
Sal, cuia.
Lenha; cento.
Aletria, libra.
Secretaria de Santa Casa de Misericordia do Re-
cite 10 de jullio de 1863.
Francisco A. Cavulcanti Coussciro.
Escrivao.
Cqoselho administrativo.
O conselho administrativo, para fornecimento do
arsenal de guerra, tem de comprar os objectos se-
guintes:
Para o corno de guarnigao do Cear.
197 mantas de 13a.
Para o presidio de Fernando.
25 inifieiros de lijlos de al venara de primeira
quaiidade.
Para o arsenal de guerra.
10 quntate de ferro sueco em barra de 2 '/. pul-
legadas de largura e Vj-d.ita de grossnra.
10 ditos de dito dito dito de 3 pollegadas de lar-
gura e '/i do grossnra.
10 ditos de dito dito dito de 4 pollegadas de lar-
gura e lS de grossura.
10 ditos de dito dito dito de 5 '/* de largura e
J i de Lrrossura.
20 ditos de dito inglez redondo de 1 >/j polle-
gadas.
4 lences de ferro de i '/i 2 arrobas.
2 ditos de dito de 22 24 libras.
Qiiem quizer vender taes objectos aprsenle as
suas bropostas em carta fechada, na secretaria do
conselho, as 10 horas da inanliaa do dia 17 do cor-
rente mes.
Sala das sessoes do conselho administrativo, para
fornecimento do arsenal de guerra, 11 de julho
vm\ i %iti.n\ \.
Terfa-feira 11 do corrale s il horas da manha,,
O agente Olimpio tara leilo a requerincnto de i
Jos remandes Lima o mandado do Itlni. Sr. Dr.
juiz municipal da 1.* vara por execucao contra Ma-
nuel Jos d> Limados gneros, armaeao 'e MMei-
hoaexbtontes na tabnrna sita na ra Imperial n. 37
ebemassimdos existentes no deposito geral que
na mttma taberna sero vendidos.
lho de 1869.
Antonio Pnlrn de & Brrelo,
Coronel jiresidente.
Sebastitlo Antonio do Rajo Burros,
Vogal secretario.
mg A thesourara provincial compra os objectos
sejinies. para a enfennaria da casa de detencao:
850 lenc"< de brim com dous pannos e 12 pafmos
9e comprimento, 5o toalhas, 50 guardanapos, 100
ljelas. 50 eopos.
Quem quizer vender taes ohji'Ctos. coni|iareca
na mesma ihesouraria com sua proposta em caria
fechada no ijia 13 do corrente ao meio dia.
Secretaria da thesourara provincial de Pernain-
Luco 9 de julho de 1863.-0 secretario,
A. F. da Annuneiaeao.
Coi'relo geral.
Pela admiiiislraeao do correio dcsta cidade se
faz publico que en virlude da conveneao postal
eetobrada pelos goveraos bransfleiro e trancez,
gerao expedidas malas para a Europa no (lia 15
do corrente pelo vapor ingles Magdalena. As car-
tas seo recebidas at 2 horas antes da que for
mareada para a saluda do vapor, e os torna is 'i
horas astea
Administraeao do correio de Pernamlmco 10 de
julho de 186 i. O adminislradur.
Domingos dos l'assos Miranda.
Cousellio administrativo.
O eonselbo administrativo pan fornecimento do
arsenal de guerra, tem de comprar os objectos se-
gundes :
Para o Befando battfhao de intantaria.
6 resma- de papel almaeo, sendo paulado e >o.
6 cai\as de peonas de-ac. ^v
200 ditas de ave. j
2 caivetes.
6 nrralas de tinta preta para eseft
6 dnzias de lapis de pao.
6 libras de areia para Acripta.
36 colleccoes de cartas para principiantes.
36 taimadas.
12 graniniatieas portogaetas por Montevcrde,
Ultima edicao.
12 conijinilios de arithmetica jior Avilla.
36 traslados.
6 pedras para escripia.
18 lapis para as (lilas.
Para o stimo batalhao de infantaria.
1638 covados de panno azul.
135 ditos de dito cor de caf.
44 e meio ditos de rasemira encarnada.
22 e um quarto ditos de dita amarella.
22 e um quarto ditos de dita branca.
1330 ditos de hollanda de forro.
177 e meia raras de aniagem.
54 varas de galao de prata de una jxilegada de
laMn.
>7 e mata ditas de dito de dita de ineia pole-
gada.
4050 ditas de brim branco.
2977 e meia ditas de algodaozinho.
305 |iares de clcheles iiretos.
884 Im.ucIs.
27 ditos para mdsicos.
41 bandas de lia.
5 pares de charlateiras para msicos.
2 pares de ditas para sargentos ajudautes e qua-
el-mestre.
1209 pares de sapatdes.
562 enxergoi -.
413 mantas de laa.
323 jiares de platinas de |ianno.
Para o dejiosito de artigo bellicos de
Alaf-'oas.
600 varas de brim bramo.
300 \ara> de algodaocinbo.
120 mantas de la.
120 paree de Mpatos.
Paja a aula dos menores do arsenal
de guerra.
12 manuaes encxclojiedicos por Montevcrde.
15 ei'oiioinias da vida humana.
12 carias de a b c.
12 taboadas.
Para o arsenal de guerra.
200 grosae de lmtoes.
10 arrobas de fio de vela.
Queni quizer vender taes objectos aprsente as
suas proppetas em carta fechada na secretaria do
conselho. s 10 horas da niauhaa do dia 15 do cor-
rente mez.
Sala das sessoes do confelho administrativo para
foriieciiuento do arsenal de guerra, 8 de julho de
1863.
Antonio Pedro dg & Bmreto,
(kironel presidenta
Sebastio Antonio do Reg Barros,
Vogal secretario.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo, para fornecimento
do arsenal de guerra, tem de comprar os objectos
segbales :
Para o arsenal guerra.
20 arrollas de estopa de embira.
200 varas de lona da Russia.
500 vassouras de palha.
200 vassouras de junco.
10 arrobas de cali velho.
10. dilas de oleo de bnbaca. /
Para o hospital militar.
60 colchoes de panno de linho coni encliimen-
to de laa com 8 palmos c meio dc/comprido e 4
ditos de largo.
60 Iravesseiros de panno de linho com o mes-
mo enchimento, com tres palmos de compri-
mento.
.Quem quizer vender taes objectos aprsente as
suas propostas em carta fechada na secretaria do
Principiar s 8 horas.
Os senhores assignantes sao convidados entrar
com a terceira prestado da assigualura, at terca-
feira 14 do corrente.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANIIIA PERISAMBUCAXA
< DK
XavegacSo costelra a vapor.
Macci c escalas
Por circumstancias imprevistas
nao pode seguir o vapor Maman-
guape, no dia 4 do corrente, romo
eslava annunciado. Ser substi-
tuido (telo Jugumibe, esperado do norte, e cuja
partida se annunciar ojijiortunamente.
DR
I*redios.
Qiiinfa-ffira, 16 do corrcnlr.
O agente AlmeMa fa leilao dos predios cima
pertencentes a massa fallida de Bastos & Le nos a I
re(|ueninenio dos administradores c mandado do
n*i uk T' >ua l'sl"'''i;i' J" "oiimiercio.
O leilao tera lugar porta da associaco com-
niorcial, as 11 huras il.i dia.
l'm sitio na estrada de S. Jos- do Manguinlio,
com grande sala de sobrado em terreno proprio, co-
xeira, estribarla, senzalla, casa de deposito d'agna
rio encanamento, cosinha ao lado, bai\a para ca-
iun diversos arvnredos, murado na (rente oni'
lorlao e grsdc ,|,. f,.,-,.,,.
; Metade do sitio da Passagem di Magdalena.
temi um bonito sobrado de mu andar, caxcin.
estriliaiia. sensalla. murado com grdame e iiortao
de ferro na frente.
PttOTOGRAPHU ARTISTICl
25 RTJANOVAV&
ES0UR14 DA RA DA CAMBOA M CA8H0
Trabalhnm seja qnaf for o lempo.
AVISOS DIVERSOS.
COMPANHIA BRASELEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
At o dia 20 de julho, espe-
rado dos portos do norte o vapor
Oyapock, rnmmandante o primei-
ro tenentc Antonio Marcelino
Pontes Ribeiro, o qual depois da
do cstume seguir para os jiorlos do
conselho, s 10 horas da anubla
coi rente mez..
Sala das sessoes do conselho administrativo, para
for nec i i uento do arsenal de guerra, 6 de julho de
1863. J
Antonio Pedro de S Brrelo,
Coronel presidente.
Sebastio Antonio do Reg Burros,
Vogal secretario.
O lanzador da mesa do consulado provin-
cial. abai\o assignado, sendo noineado para pro-
ceder aos diversos lancamentos que tem de serem
Cobrados por esta mesma mesa no anno finan-
ceiro vimloiiro de 1863 a 1864, avisa aos senhores
proprietarios de. predios urbanos e outros estabe-
demora
sol.
Desde j recebem-se passageiros e enpija-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
do dia 13 do S(>r embarcada no dia de sua ebegada, encom-
mendas e dinheiro frete at o dia da saluda s 2
horas: agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
, Espera-se dos portOS do sul at
o dia 13 do corrente o vapur Cru-
zeiro do Sal, cominandanlu o ca-
pitn de mar e guerra Gervasio
Mancebo, o qual depois da demo
ASSOClAgAO
TVPOuKAPHlQ PEHMMAPCAXA.
Devondoter lugar domingo 19 do corrente a ses-
sao ordinaria da asseinhla geral de-ta associafo,
pala se proceder a eleieo do conselho que tem'de
(lingi-laem o seu oilaro auno social (1863-1864),
a.-simoseieiitifleoaos Srs. socios effectivos, eonri-
dando-os a coiiqiarecerem s 10 hras da manhaa,
na ra Dircta n. 120. primeiro andar.
Secretaria, 11 de julho de 1863.
O 1 secretario. Silva Lint.
MAI) i .i .LFOitiJ-ICAhO,.. l;\r\Lir\(
XAROPE DE RBANO IODADO
Segundo os itlMiadet dos mdicos dos hospilaes de Pariz, cmisigiuidos no Pfwprdo, r a nmitmam
o' BACALHAO, aoqnal rllereaimenle superior. Cura as molestias de peito, tserntulas. o Ijuipliaiui.f.
pallidcz c mollcia das carnes, *s perdas d' appetite, regenera a iin.-tituic.fti>- pnrilicando o sangue. Kaa
suinnia o maia poderoso depurativo conhecido. EP. nunca canea o estoma:: r-n o> inlestinu* n.nr
ioduro de potassium e o ioduro de ferro; e administra-fe com a maiorefTlcacIdal^ as mntm* sniellJi
ao& humores ou ao enUipimcntodas glndulas. 0 iiouin Cnrnavr, do hospd il ArSan'Luiz de firit.
o recommenda um modo inteiamentc particular as metestias da pelle, conjunctumenle com .i pilalaj-
qne teem seu nome. r
Depsito geral : cni Part, en casa de MM. Grlmanll ve, pliarmasencos, 7r roa de la traillad* i
em uboa, en casa de Rodrigo da Gosta-Carvalh; no Porlo, en casa de Mlax4 Jw dr soaaa-
Fcrrelra; em o Rio-de-Janeiro, vhtva irliot* e Dlnta, ra do Sal4o, 11; em Kakia, en casa de
JoH-Caelano i < rrrlru.r-plnhelr; em kio-Grande, en casa de joa<|ulM e Bda?; era Marn-
Ado,encasade FerrcIracC^emPcrmimiuco, shouue c, roa da fru "7. naiam l mi urlnciaMa
pharmaciasdo Brazil. ,..--..>. r DepoitO "eral om Peinambucu ra da Cruz n. i-i era"casa le Ca.ns Barbuza.
FU^llI^AO DO BOHJIAVRli DO
II111/H ^. 3#.
LOTERA.
Estemuitnacreditado eitabeleeimeDto est prvido dt um compftl' sfHiu>rcto ti-
maoliini.smos proprios do fabrico ib?'assucar, a saber:
MacMnas de vapores as mais moderna e mais acreditadas.
Rodas (lagua de ferro com setts pertetwes.
_;, , ,. Vliieiidas e meias inoeiidas de lodos os laiirntlios.
Sbado 18 do corrente mez se extraht- Rodas dentadas, angulares e de espora:
ra a quuiUi parle da leiveira lotera a beue- Taixas de ferro batido e coado.
Beto do (iymnasio Pernambucano (3* con- boceas de fornaiba pelo novo svstema W.-i.-,,.
cess), no consistorio- da igreja de Nossa Alambiques de ferro fundido.
Senllora do Rosario da freguezia de Santo Fornos para cozer aiinlia.
Antonio. Moinlips para moer mandioca.
Os brinetes emeios bilhetes acbam-sc Arados amerioaoos, etc. etc.
venda na respectiva theso-anria, ra do
Crespo
sendn nomeado para as fregnerias de Santo .\ lohio, S. Jos c Afogados dar conieco pela de
Santo Antonio.
ilesa do consulado provincial, 4 de julho de 1863.
O lancador
Mw Pedro de Jess da Motta.
Quarta-feira 1,'i do corrente. em audiencia do
Sr. lr. juisprovedor dos residaos.escriVao Vs-
COneeUos, Bera vendida en hasta publica, una casa
terrea na ra Vellia. n. 7, na frejtuezia da Boa-
vi-ta. ruin 17 palmos de frente c 56Se fundo, com
i salas, Iqnartos, cosinha fora, quinta!, cacimba,
em chao proprio, avahado em 1:8005, perteneente
a testamentaria da finada Luiza Mdniz, e vai a pra-
ea requerimento do testamentpfro dativo dos Leus
da mesma finada._
CORREIO.
*A mala que (leve conduzir o vapor cosleiro
Mamanguap com deslino ao presidio de Fernan-
do, f.clia-se no dia ii do corrente as 10 hora- da
maiiliaa.
Tendo esla reparli^ao de mandar imprimir di-
versos mappas e outros papis necessarios ao expe-
diente, comida o Sr. director s pessoas que desse.
sl'ivico se quizerem encarregar a coinparecereiu
no di 16 do corrente. pelas 10 horas da manhaa.
para, em vi.-ta dos respectivos modelos, apresen-
larem as suas propostas.
Hospital militar de Periiainliuco 10 de julho de
186:.O escrivao.
Jos Marcelino Alves da Fonseca*.
Crrelo geral.
Pela adniinisuacao do correio desta cidade. se
faz publico que as oalas que tem de conduzir o va-
|Kir francez mmarre, para os portos do sul, serio
fechadas hoje (13) as once horas do dia, os segu-
ros al 10 horas.
Arrematacao.
No dia ii do corrente) depois da audiencia do
lllni. Sr. Dr. juiz municipal da primeira vara, tem
de ir pracapor venda a casa terrea mei-airna na
ra da Ponte Velha n. 35, por execuc/io de Leo-
poldo Ferreira Martina Ribeiro contra os herdeiros
de D. Antonia Maria de Castro, a ultima praga,
escrivao Saraiva.
n. 15, e as casas commissionadas ,.,,
tel, praca| da Independencia n. 22, lojadoHr. ra apresemarem senstitalos de divida aos admi-
Soaies l'inlieiio, ra Direitan. '.\, botica do nistradoresdapleditamassa. na conformidadedo
Cliagas. ruada Ca.leian. 15, loia do Sr. Porto 'lisl"^".'"> artiQ 8j -lo cdigo commercial, para
e em feipucos estabetecimento do Sr. Fran- mJ5? cisco . s. Mendes,
Os premios de 5:000/ at 10$ sero pa-1
gos urna hora depois da extraccSo at as \
lloras (Ja tarde, e os outros no dia seguate,
depois da deslribuico das listas.
O thesoureiro,
Antonio .los Rodrigues de Souza.
De-rja-se limito tallar com os Srs.:
Hanoel de Souia Le3o Jnior.
Horacio de Soma I-eao.
Joao da Silva santos (empregado na estrada de
forro.)
lose Antonio Lopes Jnior (do Hio-Forinoso.)
na rua do Crespo n. 17, loia.
horas, agencia rti da Crur n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
liOTKlftlA.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
IlK
Xavegaco costelra vapor.
iliia uk Abitando.
O vapor Mamangnape seguir
para o presidio de Fernando no
din 14 do con ente,
llccelier carga eeAcommendas
passageiras at <
escriptorio-
_p ate o dia
10 horasda manhaa do (lia
no Forle do Mattos n. 1.
i:i e
da sabida
THEATRO
DE
COMPANHIA
MESSAGERIES IMPERIALES.
At o dia 14 do corrente, espe-
ra-se da Europa o vapor franco/.
Xaracre. conunandante Vedel, o
qual depois da demora do COStU-
me seguir para o Rio de Janeiro
tocando na Hahia. para informneoes e passagens
irata-se na agencia rua do Trapiche n. !>.
Os passageiros de Pernaintnico para os portos
da Europa que queiram segurar as suas passa-
gens a bordo dos paquetes desta enmpanhin. nos
mezes de maior affltiencia. tem a faculdade de as
tomar no dia em que os vapores segueni para o
sul, pagando, porni, como se loase do Rio de Ja-
neiro.
Contina a haver pi de senteio nos dias i|iiar-
I tas e-ahilados de cada semana, na padaria. ero
r. -.i i ii.- Santo Amaro, ao p dafundicao,
O tb'souiviro das loteras desta provm- ,,,.,.. . 2i mido iirum. coi
ca, desejando extralu-Ias em maior capital n. 17, e rua do Rosario 'larga de)
e com menores nten ailos, oflerece a vanta-
a, na (i.ioai la. ro
n, 'e na rua da ku-
mfronte o rlial'ipiz
lepo-ito.n. 36. *
l*ara o Rio de Janeiro.
O brigue Belizurio, segu hrev
gem da dons por cento quem comprar
para negocio, na quantia de 100,-> para cima;
assim como se prrjpDe estabetecer corres-
pondencias para qualcmer locadadeda pro-
vincia, iVUleltcndo liillules. nleios e listas,
sub iiaiiCa id.-iifa; devendo o pagamento
delles set foiiu logo que sejam receidas as
listas e povos bilbetes. icnieltidos. O tbe-
soureiro cerio da conveniencia desse negocio,
convida aos Srs. eommerciantes da Victoria,
Goianna, Rio Formoso, Nazareth, Serinbaem
emais localidades populosas da provincia, e
mesmo o desta capital, que o quizerem. a
entenderem-secom elle, na Uiesouraria das
loteras, rua do Crespn. 15: advertindo
(piereu'iii-r em pagamento e semdescont,
os bilbetes premiados de todas as loteras
da provincia recolbidos Ibesourariti da fa-
zenda provincial.
Tbesotiraria das loteras, 20 de junlio de
1803.
0 thesoureiro,
Antonio Jos Rodrimes de Souza.
De.-eja-se comprar nina peijiic
mesmo meia agna, em urna das ini
cidade. mas que o seu valor'nao K
ou 906#: quem a tiver annuncie
para ser procurado.
vi'*/s
f*
casa, ou
czias desla
a de 8004
este Diario
&. %
ESTRADA DE FEERO
no
BECIFE A SaO FRANCISCO
pida sojiPrintcndencia da m
pi
VI
-'; nlarnr
que ilotia 17 em dianle tirar snpprin zm-
doavisncotreni misto de carga rmenra ftrtr >nw-
eada para lauco Puntas. Os trens oiiliuari4C-4e
pa--.avi-iioscoiitiiiuaiii confu u- a laln'Ua
(Assignado) Urtndn An
StqM'rlItenileMB interino.
rrei-i.-a-se de alugar una nmlhi'i v%m para
cozinhar e estar na companiia de urna prMmi ;
na rua da Imporatriz u. 70.
Aluga-se na rua Imperial, junio faiirra t&
saho. o segundo andar da ca a i. Vi : ; fallir na
rua Direita, casa n. 6.
.'ft-i
Ue novo sao rogados alguns dos Srs. sar-
gentos do: corpo de polica que devem ao
abaixo assjgnado, para satisfazerem os scus
re rom
tiver, e a recebe por qnajqoer frete: a trata-se
com os consignatarios Marques, Barros 4 C, ou
com o capito Manoel Marciano Ferreira.
aiar-aque dbitos; db contrario Verlo seos nomes por
Para o .Warauho e Para
pretende seguir nestes oito dias o veleiro e hem
conhecido brigue escuna Joven Arthnr, tem a
sen bordo parte de seu carregamento : para o res-
to que Ihe falla, trata-so com os seus consiiinata-
tarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & L, no
seu escriptorio rua da Cruz n. 1.
/
Peante o lllm. Sr. Dr. juiz municipal da se-
gunda vara, eserivfui Motta, tem de ir a praca os
bens seguintes :
O engenho Pintos com todas as suas trras c
obras, grande casa de vivenda. nutra denominada
Horta, algumas casas para moradores, grande
senzala de podra e cal, estribara, casa de disti-
lacao com um alambique de valor, ludo avahado
^ni 8:OO00U0.
O engenho Qniaomlm contiguo ao roesmo, com
.todas as suas trras e casa de vivenda, avahado
em 3i:00000.
Os escravos Antonio Caltunlii, crioulo, SO an-
nos, avahado em 8005: Matheus, nacao, 35 an-
nos, avahado em 1:000*; Dent, nacao, 33 an-
nos. avahado em 1:000; Gregorio, nacao, 37
annos, avahado em 7005; Antonio Esparrella.
nacao, 40 mes, avahado em .8004; Jos Borra-
cha, crioulo. 2"i anuos, avahado ciu ;i0 ; Alei-
xo, crioulo. ! anuos, avahado em 1:2005; Luiz
Hortelo. nacao, 40 anuos, avahado em 1:100;
Certi'udos, nacao, Vi annos, avahada em (005;
Luiz Beni. nacao. 40 annos, avahado em 8005 i
Tliereza. nayao, 33 annos, avaliada em 2005000 ;
Mana Voto, crioula. 45 annos, avaliada em 6005;
Bartholoineu. naci, 40 amos, avahado em 3005;
Rita, mulher do dito, nae.'io, 36 anuos, av;UiaUa
em 6005 ; Caetaoo, nacao, 40 anuos, avahado
em 7005; Violanla, mulher do dito, nacao, 33
annos, avaliada em 8005 ; Felippe, cabra, 40 an-
uos, avaliado em 1:2005; Fehppa, mulher do
E91PREZA
DE
A. J. D14RTE COIHBRA.
21.a RECITA DA ASSIGNATURA.
(1.* DA 3' pmstaqIo.)
Qnarla-feira, 13 de Jnlho de 1863.
Primeira represenlaeo do magnifico drama em
quatro actos e um prologo, ornado de msica,
AS MLHERES
Macelo.
Segu para Macei e Pilar no dia 48 do corren-
te a nova e inui veleira barraca Amelia do Sul;
recebe carga-para ambos os portos at o dia de sua
sahida ao-mcio dia : a tratar com o mestre a bor-
do daanesma. no caes da escadinha.
Para oiiacali.
0 hiale Nicolao 1, segu impreterivehnente at o
PKBSOIUOENS DO PROLOCO.
Diogenes.............. Sr. Furtado Cocllia
l.islwa.
fliomaz.
Penante.
Guimaraes.
> Joaquim Cmara.
Porto.
Sr. D. Camilla.
D. Jesuina.
D. Josepha.
D. Leopoldina.
Phidias
Gorgias...............
Alcihiades.............
Um Atheniense.........
Outro dito.............
Strabon.........~......
Tha..................
lils (Estatuas de
Phri'na';,l"arinore--;i
A aeco do prologo passa-se na oifflciua do cs-
cullor iludas, eu Alhenas.
O vestuario novo, e no carcter da poca.
NMEROS DE MSICA.
1." A caneao daeserava.
2. Coro Je Athenienses.
l'KRSONAOENS DA PEgA.
Desgenais, jornalisla.... Sr. Furtado Coelho.
Rapbael Didier, pintor e
escultor.............
0 conde de Frenes, capi-
talista ..............
Juliano.. \ i
Francis..J \
John, groon de Marco...
Marco, cantora do theatro
italiano
LEILOES.
extenso ueste Diario, querendo bir satisfazer
seus dbitos dirijm-se au pateo do Terco n.
l
NB. sao' rogados a pagar os eme esto
devendo.
Aniiwii) Jos Qotipalvs Plttre.
Compra-se urna carroca com os com-
potentes arreiOB propria para cavallo, estando
ludo em bdm oslado: na rua da Senzalla Ve- [
Iba n. 9G, padaria. ____________
Vende-se urna taberna com poneos.
fundos sita no Barro-Vermelho, na entrada
do engenbo Uc-ha: a tratar na mesma.
La fina para bordar.
A aguia branca acalia de receber um coni-
dia 15 do corrente mez ira o" Aracaty, para carga I pleto sortii>ieiito de laa lina para bordar, cu- I
e passageiros trata-se com os consignatarios, rua
da Cadeia n. 57.
RUA DO IMPERADOR
N. 22.
bratiile ariiiazem de tintas.
Este armazem conflim ludo quanto i.
preciso para que a industria de pintura, de (Y1 JSi|
qual lie r genero que seja. desempenhe ij
seu lim. isto, embellezar, conservare Y" 1
reproduzir. ,11 gi
Montado em grande escala e supprido ,T; Jsd
directamente por grandes fabricas de Pa- *=**
ris, Londres e HainburgOs jiode offerecer
productos de conlianija, e satisfazer traal-
qner encommeada grooso trato e a re
lalho.
Os Srs. artistas pintores, e os dimos de B
obnas podeio escolher vvntade. pois 51
ipie ludo estara a vista, as dill'erenles co- ,jNj
res de que tivereiu necessidade. '.X'
lia tintas em massa e em p impalpa- <
vel. e como as obras a envernizar SO se
- : IMi
deve empregar tintas muidas, e nao me- |FJ; Jrr-
para '-v
recendo conliaHcaasquevem de frap,
conunerco, por velhas, o talyez falsifica-
das, ueste armazem se as moer vis-
la do consumidor, que s assim lera tin-
tas frescas e verdadeiras.
Ha~tanihem ouro-verdadeiro, verde em
p eeniliilha. prata em folha. p dehron- v
zear de varias cotos, diamantes para cor- |M|
lar vidros, hurnidores. ncar superfina en- %^ '"
carnada, amarella e verde, tintas vege-
taes. azul. roxa. verde e amarella, inollen-
sivas, nicas que se devem empregar as
confeilarias. colleccoes de pinceis para
fingir madeira. con propriedade, e ootroa
de varias qualidades, vernizos, copal,
graixa, branco ou escuro para o Interior
e exterior, para diquelas e quadros, tin-
tas linas em tubos, em crayies ou pastel,
tollas para quadros. caixiis-de tintas finas
e papel para desenlio.
Kssencias aromatjcas verdadeiras. Iras- ^S
. eos e vidros para vidraca de todos os ta- &g
fl nianhoSj e muilos outros olijcctos, cuja
utilidade e emprdgo s com a vista pode-
rao sei' mostrados.
Joao Pedro das Neves,
Gerente.
''s^lK;-
i:

mm
iisiue de S !'

O Br
in'ia ;i residir na rua il.i Cruz li. .':].
1" e 2? .'indar, onde pode sititotm-
rado para o exereirio de sua Rfufl*
sao medir, e oun espirialid*le
sobre
0 segunde
f molestias
f
3P
d nmos:
de peito :
ilus orgios
urinario.
Km jen escriptorio os ilne
rao exautinados na ordem de
entradas romecando o trabalho cfcw
(lenles di- ollms.
liar consultas lodos os dias i!.'':
0 as 10 du man ifia, menos ajpa
mingos..
l'raticai toda e> qualojner np
cao que juagar co'nvente pan a
prompto restabelecimeno
doenies.
Ii annos. mril
rasa : ipn-oi inrker
llo-piei Aluga-se unimoleqne de
porto e proprio para servieodi
dirija-so do prinnpio da rua do
um anda'vnin uortao do forro ao lado.
Pfeeisa-s de nina ama de i
niasime tenlia.. qumo muib al (i
mean decerridos na criaco U* mj-i
se asna encarregwla: na rua este-'
do IVosaiio n. Ul.l" andar, |i.i
do armazem Jl- tiastes do Sr. flu-
reia.
ENCRltPTORIO
DE
A.frYOC'Al'1.1
5SJi>r:
S
ja variedade de agradaveis cores foram es- ;.;.;.
colindas d'um grande livro (Tamostras que o i
fabricante bffereceu a aguia branca, viudo I O abao assignado, temi fleado a seu cargo
entre ellas lguma mesclada; assim pois onde ft "K ^S^aS^^^AS
Os hachareis CIcih-o Peregrino e NI .ndh *?
HariiS inudaram o seu escriplorm (* :!*'o para a ruado Oucimndon. .'10. r tmi
0 escriptorio (tiredacco da Acmnmk VapaftW,
BmdMMe para a nosma casa.
Lisboa.
Thoinaz.
Penante.
Guimaraes.
Joaquim Cmara.
Porto.
Sr.D. Eugenia Cmara.
DE
Predios.
Como sejam:
Um sobrado de tres andares na rua da Cadeia
n. K
Urna casa terrea na rua do Queimado nume-
ro 23.
l'ma dita dita na rua da Alegra n. 11.
Urna dita dita na mesma rua n. 13.
HOJE.
O agente Pinto, legalmentc aulorisado pelos li-
quidatarios da massa fallida de los Antonio Bas-
tos, levar a leilao no dia 13 do corrente os pre-
dios suppra mencionados, edificados em chitos pro;
prios e perlencentes a mesma massa, ein seu es-
criptorio na rua da Cadeia n. !>. onde poderao os
pretendeutes oblerem qualquer informacao. oucom
os niesinos liquidatarios. Principala s 11 horas
em (ionio.
os pretendent'es mellior se podem sortir des- (];. Ramos* CotWb, pede acosos senhores
se genero, i na alegre e espacosa loja d'a-'
guia branca rua do Qaeittado n. 8.
o >unt oo poMifc
Segunda nlicao mais correcta, (niiailu rtm
ATTENCO.
Ihe estn a dever o favor de Iheirem pagar omais
breve possivel. visto ter tamben) de rumprir one-
rosas olriiaciH's, e pede outro sini que nem quer
chamar a juizo, e mesmoi publicar seus nomes. estampas, e-augmetitaua co 'tfpapiwis
salvo se a tanto o obrigareim Reefe 10 de julho
de 186.T. -Jos Forreini Coelho.
A abaixo assignada, viuva de Manoel dos Antonio Rodrigues Fentnndes Veira, retira-
Santos Pinb), faz ver aos Srs. devedores de,so ')ara Porlu>;al----------------------------------------
seu casal, que estando encarregado da co-
branza de algumas dividas, o Sr. Jeronymo
Piulo de Souza acontece nao ter este Sr. da-
do boas coritas das quantias recebidas, e por r
isso foi pela abaixo assignada, sacados todos
Adas de latan e trancez.
Acham-se, aberlas as aulas de latm e francez do
Antonio Joaquim dbs Passos
na rua da Gloria.
Aluga-se a casa terrea sita na Cidade Ni ra
DE
Fazeudas.
Antonio Gomes da Ctinha e Silva, tendo de mu*
darde negocio, faz leilao e por interrenoSo do cor
retor Pestaa, ibs poucas 'ajeadas que n'stam em
sua loja n. 50 da rua da Cadeia do Red fe : terea-
feira 14 do corrente as 10 horas da manhaa. cons'is-
tndo em roiqias feitas. chapeos, toalhas de mesa,
rjaordaiiapos, corles de coime, sedas, chales, gr-
valas, goftinlKis, manguito.-, lencos, luvas, teqoes,
moias, velludo preto, aberturas para camisa, algu-
mas miudezas, mesas, carteira, e oulros, artigos o
fazendas para liquidacao.
os poderes para nao mrdinuar mais em tal ^S^TX: ^S^USSS, Jdr?
cobranca : mas ronstando-lbe que o dito Sr. .^ a rna do IUlliiri0 ,Ul Baa-Visti, casa n. 4, que
Jeronj'mo Pinto de Souza, contina no rece- achara com quem. tratar,
bimento de taes dividas por menos de sua1
importancia, participa aos ditos 9r*J deveaV
res, que np paguom quantia alguma ao ro>s--
mn Sr. Jernvmo Pinto de Souza, o qual se
piedade dos orpitaos, Ihe tem dado prejaize;
IhmIh do pjiyslca
metria.
Ger Lrandfbv tendo frequenl.-ato o
curso iJi' geometra e o de physica m* Sor-
bonnneniiPars. prqMie-sea ensiii'vs-a-
niatii ias na ril.-t m Queimailo n. 30. pri-
meir-oanilnr. para o ipic pode sei: procura-
dedns 1,0 1 da tarde, c dejiuis; disso em
sibi cn na do Aragu. 3o andar.
i)t texto, CMitenilri: a vida de 5v-j*uSrninr
36susCliris*fabutas o vigaria,.arm Im-
mem Ricardo, (juadntpedes uttis. o profes-
sor primaio, mtvni pmtira. Sw#> de Man-
tua, mximas e sentencas, bv^ur*. nivitas
necessaiias, o BnwT : vewle-sm tirrara ib.
Manuel R^iieirfianle Faria MtlUa, praca da
Independbncia ns. 6 e 8. a fW) rs. o exein-
plar eiat brodwra, e a cst-tonado.
aI.simISo da Bahia |rr*pro |Marav
root]a de escrava c sarros 4$>
aMtcar.
'Sem- pan vender Autciiiu Luiz de dlivei-
ra Azevetlo d V.: no se* escriptork ima. da
Ouz n. i.
e protesta nao-levar em conta qualquer reci-
bo passad pelo dito Sr. Jeronymo Pinto de
Souza desde a data de 5 de mio dr> corren-
te anno, cqmo j foi annunciado pelo. Mario
de 6 do Rec, i de julho de? 18GH.
_______Apm Maria de Catvatho Piulo.
A direroria da secfedarte Unio Commercial Offercce-ae
manda celebrar urna missa )nr alma do finado ex- un criado para casa de punca familia mi de-algum
sin-io Joro Baptista dos Santos Lolm, boje 13 do. mocosolteiro; sabe ben eosinhar e fiwi'i compras;
cmale, pelas 7 horas da ibanhia, na igreja do aluga-se tamliem um usdeque para o servico ex-
Espirto Sanio: pede a todos os socios se dignen) temo e algum interno, de casa de familia : da-
assistir aumtao religioso acta-0 secretario, I quelle quem precisar dirija-so ao becco do Padre
Domingos Ribeiro da Cuaba Ohveira. I n 14, e dcste a esta typograpta.
A sete mil rlau
Saecas grandes caai lapariir f*iiii#a :
vende-se no annaaem do lro tk> iivra-
ment, ou no eseriptnrin d'Oliveira AzeverK rua da Cruz n. I
Cola da Baha
Tem i-ara vender Antunio Luii de OMveira A*Pi
vedo, no seu oscripiorio. rua da Gnu n. 1. ______
viatio ila porto MperHr.
Vendr-sc em eaixas de ttrnfc doa : ao encTifla
rio de Antonio Luiz Oliveira Azevedo & C





-------_
t m Hiali

III FRV/FI Ir -----


mf





V




Mario e Per Aainbuoo Segunda telra 13 de JuUbo de



COMPTABIDADE C0MMERC1AL
*.7i
lclfiff>*.'


AURORA JlRf LIIAXTF.
PELO
DR. WITRUVTO PINTO BANDEIRA
cadcira do Curso Cmnmerrial Ptniambucano.
DOIS BELLOS VOLliTCS EM.8.01WJEZ
OOMWU.1IKNDENDO
O irlntelroPreleccSes theor Ico-prat teas de cscriptu-
rncao mercantil.
O segundoXoces le arltkuiclca coin-
nicretal, adaptadas pratiea das operaeftes com-
mereiacs e elementos do sistema
mtrico com snasayplicaccs
ao commercio.
PKECO DE CADA YOLUME 5&
m 84-LARGO DA SANTA CRUZ-N. 84.
Neste grande estabelecimento de molhados encontrar constantemente o res- >-
peitavei publico um grande sortimento dos melhorcs e mais novos gneros do
nosso mercado, e por presos baratissimos como abaixo demonstramos:
alva
Aluga-se o primeiro andar da casa na tra-
a do CapeUo.n. 4,proprio para houiem soltero,
escriptorio ou puca familia.
MDA3VCA.
Estti i'biiv tpezar de elementar, vem precnclier uma.lacuna, que era sembla entre nos ."*,
onde fallecen) escriptos de cartas especialidades an aceesso a todas as intelligcncias ; e as- 3K
sini o editoi pensa fazor un Servico ilan.lo-llie puhlicidade. tanto mais quanto lioje, que ;is Ka
transar o. s'oommerciaes e industriaos v?o entre nos tomando nolavel dosonvolvimento, deve 2fre
filtrar na thtearao damioltrs que se querein tpphcar a taes ramos da vida o ronheciincnlo \j
dos prineipits da enmptaliflidado administrativa e roinmerrial. fel
Com este intuito, sol) nina forma ossoiirialmente rlassira, reuniu 0 Sr. Dr. Witruvio os T!
principios da eoiiiptabilklatlecoiiiiiioreial no que tcni clips de mais elementar, c coordcnoii- Ij
os de inoil.i a facilitar o mais possivel o seu estudo s pessoas que se destinan) as prfissocs ,5 v
Stas no desenvolv ment respectivo, que po- iyi 8
Saceos com gomma muito
arroba -1- e......
Ditos com fariulia de Mago a. .
Ditos com frinha de Goyanna a
Ditos com milho sem furo e
gratules a.......
Ditos com farelo de Lisboa a.
Ditos com arroz de casca com
32, 26 o 20 cuias a (W00O,
l#5G0e.......
. Manteiga ingleza flor libra 900 e
/Ki Dita propria para bolos, libra
700 e........
$$5 ^ ^',n cm narr's a ^oo e*
W >_ Dita em barris com 20 c 2i li-
2*:>00
7000
0,5500
G#800


s
((iiiiiiKiciaes. sendo tas a concisao e a clareza po:
de-so aprender a materia, chegando-se a escriturar os livros por partidas dohradas e appli
car o denlo s opefft(8es do commercio, sem carecer da intervencao de um mostr.
O pmnoiro volme, formulado "sobre a obra de Bertrand, oceupa-se mais especialmente .;-. |jr-s frollandlza a
da ew-rjouiraco mercantil por partidas dobladas, cojos principios sao desenvolvidos em liar-' tai .*) n ,;' '. '
nimia can a legistoeao'hi'asMoira. contendo alcm disto um iniportantissiirio appcndicc sobre O >._ """-y l'" "l13 ""** *"
as sociedades rommerciaes em todos os sous movimentos, quer pelo lado da escripturacao, %*.! >**j Dita em libra 700 C.....
quer pete da formaeo. existoncia o exncco dolas em face dalei. Xestc appcndice, dupli-taji i>o Dita de tempero. .
radaniento rocoinuiend.rv.et por sua originalidad.' e pelo cunti do esporialisino, tem o com- (' v^? Linffuicas oaios 0 presuntos
mercianie nina guia para sua direceao, qualipior qm soja a forma da soriedade que contraa. >*. *< :
Completa este voluine o-spocimenon resumo de nina oseripluraeao. ficticia verdade, mas cm *j' iA,- muiu) liosos B. .
ludo s-niolbante i de moa casa de comnioivio milnario. olTorocondo nina serio de operacoes ;. ^? (JueiJOS do remo a2;>20 e. .
successivaiiionto mais UiTicois, que assim inicia gradualmente a manoira de cscriptura-las j8*^^' Ditos de prato li bra a
nos deferentes livros de nina casa de comincr "
i) segundo, egnalmonle formulado sobre
rcio'. i i- .. . i }S l >*4 Ditos damanteiga novos a. .
i a o ira de kottinger, oceupa-so particularmente Ci?'"^ ,- i, i i o -i-
problemas polo meio mais simples, fcil e breve M 'M Larne (le Sul d? Scr" a'
StemriHC nenane nn fnnmuinin anmli-nniln > '. !: -if MaSls.n-; liara silln. I 11
mm da arihiiiotica coiniiiotx'al rom oxorcicios c pi__
"j da reara oonjuneta, acerca de todas as operacSes pratieas usnaes no commercio, envolrendo ^j.''/\ Massas para sopa, libra.
S clenlos de cambios de nraca praca e por pracas intermedias, bem cuino negocios de bancos ^^ ; Latas com botacbinbas de vari
2k conwMtragens de cambios, alm do desenrolvimenlo do systema mtrico 'em snas relaedes
^.< con o commercio. illostrado por meio de tabellas de conversao.
O editor nada mais accroscentar oslas lnovos jialavias. que asss domonstram a im-
H poHsacia real desta Abra, devida a inteltigcncia e a appiicaedo aecurada do seu autor, sanio
s que ,--lla do uiilidadcgeral, o que a nenhran commerciante e mesmo a bomem algum de let-
tras lidio doi\ar de possui-la em sua estante ; pois o coinincrcio cm suas variadas evolu-
edes, -ntonde actnabnente com tmlo que se liga a vida.
_\ assignalura toma-se as livrarias des Sis. Gnimaraes \ Oliveira, Xoguoira de Son-
ta, Jniao & Poroira o Geraldo II. de Mira, si mo realisada sua importancia pola quota de cada
fOtaBK ao sabir do prelo, para o qual ora entra o primeiro.
0 EDITOR.

- ..
:

ias
qualidades muito novas a. .
Ditas com ligos de comadre mui-
'". **. ***." **. '*. ."'*, "* "*, >"*< '*'C '*'< *'", ,"*- 'c\ ."*. *'*, ,**-i ^.V/r*

m
m

* <".*
'r V
DE
J. YI6NES.
, ^'. 55. RIA DO I.IIPERADOR X. 55.
Os piases desta amiga fabrica sSoboje assai conhecidos, para que soja nocessario insistir sobro a
sua snperioridade, rantaeens e garantas que oOrecem aos comprauores, qualidades estas noontesta-
veis que ellos tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparocido nosta nraca ; pos-
suindo um teclado e machinisino que obedecemi todas as vontades ecaprichos das pianistas, sem
nunca falhar. por seren fabricados de proposito, eler-so foito ltimamente melhoramontos bnportan-
tissims para o clima deste paiz : quanto s vozes s* melodiosas e llautadas, o por isto muito agrada-
vris aos onrtdos dos apreciadores.
Pazem-se onforme as cncommendas, tanto nesta fabrica como nado Sr. Biondet, de Pars, socio
cndenle de J. Vignes, em cuja capital Toram sempre premiados em todas as exposiedes.
No mesmo estabclecimento se ada sempre um esplendido e variado sortimento de msicas dos
melhores eorapwStores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo ludo vendido
por procos milito razoaveis. .
to novos.......
^ Ditas com ameixas a 4/800,
w 2f5COO e.......
*M Ditascommassa de tomates libra
i\ Ditas com fructas em calda para
P^ diversos prefos.....
**| Amendoas de casca mole, libia.
^ Toucinho de Lisboa muito novo
m arroba 9^500 e libra. .-
\Lf-, Caitas francezas finas a 320 o
yak baralbo e duzia.....
Cartas portuguezasa 240 obara-
lliir.e duzia......
Cenejas cm garrafas, das me-
Ibores marcas a 500, e duzia.
Ditas em meias garrafas e lmti-
jas marca fenent 320 e duzia."
Vinho de Lisboa muito superior
de varias marcas.....
Ditos mais abaixo, a garrafa a
400 e........
Ditos da Figueira das melhores
marcas a........
Ditos do Porto, Chamico e ou-
tros a 640 e. .
Ditos hranoo do Termo e Lisboa
muito lino a'. .
Ditos engarrafados o melhor
que ha neste genero de l& a
Espirito de vinho a garrafa 280
e caada de 38 a 40 graos.
Champagne das melhores mar-
cas e para diversos precos.
Assucar christalisado do Mon-
teiro libra a......
Ditos refinados de 100, 120 a
Milho alpista arroba 5# e libra a
| Passas, a libra 400 c. .
15300 Cordas para pastar a 240, 320 e
! Ditas para andamie cento 3$ e
1;$300 Charutos finos em caixas,de
1 >:J00 a.......
Chas finos e grossos para va-
rios preros, sendo de i #600 a
Dito piolo a 1* 800 e. .
Batatas novas em caixas e gigos,
arroba 2' 500 c libra a. .
Cevada nova libra a.....
360 Sparmacet a libra 700 e. .
jente de carrapato e de coco
3'600l a 320
3,5500
L;)0O0
800
680
800
680
760
3'60
560
24500
720
640
400
480
11&8OO
Francisco Pinto Ozorio contina a col-
locar (lentos artificiaos tanto por meio de
molas como pela presslo do ar, nao re-
i y| cobo pagaralguma soni que as obras nio
Mu Bquem a vontade de seus donos, tem pos
o entras proparacoes as mais acreditadas
para conservaoao da bocea.
Alngam-sc os dons segundos andares dos so-
brados OS. SI e 30, da ra do Imperador, o e pri-
I
240 M
140 m
180^
320
400
4^000

O rival sem segunda njudou o seu esfabe-
lecunento .lo n.^ para o n. 49 da mean
ra s contina a vender em bulas .las toja*
^piadozas abaixo declaradas equeiram
prestar toda attenco:
Sabonetes inglezes mnito finos a
160 e. ........'
Frasco d'agua de colonia peque^
no muito fino......
Dito dito grande muito superior. .
Frascos de macassar peroia a. .
Ditos de macaca oleo a. '. .
Frascos de oleo Barbosa a 240>
3*0e.......*. .
Dito dito muito superior a 500 c .
Dito de banha muito fino a 406 e .
I 'Vascos, le Lavando muito superior.
Garrafas d'agua celeste muito su-
perior a. .
Frascos de chebo muito futos a
500 e.........
Ditos de banha pequeos muito fina.
Dito de opiata pequeos. .
Tbesouras muito linas para unhas.-
Grvalas de soda de corea .
Luvas brancas de algodo .
Caivetes de 2 folhas muito finos .
Caixas de- colxetes francezes e car-
toes .........
ineiro andar do sobrado n. 63 da ra Iinporial.com Grampos de caracol e lisos
BftftTS5KE,ll5 n""ilia' a!(:;,ixa: :,c vi,lr" -, (1";
'$F tratar ;i na do Ini|
i^ Wild & Just mudaran)seuarinazcMi da placa
do Cor|)o Santo n. 13, para a ra da Cadoia n. 14.
Alugam-so as lujas do sobrado n. 44, em a
ra da Aurora : nesta niosma ra n. 10,
dii--i'-lui qiiem aluga.
metal.
dedaesde
Massode palitos lixadospara lentes.
Glosas de botos de ac para calca.
Caixas com 6 frascos de cheii-o.' .
Kscovas para cabello muito finas .
Caik'ii as de marroquim inuiu dinas.
Pecas de tranca lisa encarnada.
- Gustavo Bergen, subdito Prussiano, retn-s Ttoteifos com "tinta muito superior.
:"-a a Europa. -------------^_----------Ditos de vidro com tinta mais in-
1^500
6i0:
400
4000
31000
2>000
100
160

para
Prccisa-so alugar um sobrado de um andar i
na oida.le do Olinda". na ra do Varadouro : quem
o livor dirija-so a ra do Hospicio n. 23._________
Casa.
Aluga-so a casa da senhora viuva Machado, na
estrada nova do Cachang, com grande quintal
ferior.
Cartas de alfinetes francezes .
Cornetas de chifre para meninos
T< mnrado, estribarla e quartos para escravos, etc.:
K! quem pretender, dirija-so ao sitio Retiro no mesmo
a, lugar, que adiar com quem tratar._____________
_ Precisa-se alugar urna negra que soja dili-
gente o de nioia dado para o servico do casa : na
praca da Boa-Vista, toja do cera.____________.
<;>
Nitio para alugar.
Aluga-se um sitio com grande casa, cocheira e
"*< estribara, no lugar dos Remedios, defronte da Igre-
640 ^ ja : a tratar na ra da Cadoia do Recife n. 4.
.%. | Luiz Forro e Luiz Valontini, sbitos italianos,
''vaopareo Maranbao. _____
40f
MI
:;k>
2IH
IfO
420
C4l>
5M
540
IdOOO
800
200
200
4i m
:(W
loo
320
40
4t
/So
X 320
idouo
640
640
20
160
100
49
80
400
a zoe.
f$ tj ,,___^, i Wi A pessoaque annuncionno Diario querer
^ TodOh e>tc> gneros e outros, que d.'ixamosdc expor ao publico, sao das me- *$ I comprar urna casnha de 8005 at 9005, appareca
?M atores qualidades possivel, e emporco Itizer-se-ha grande abatimento. &/, no Campo Verde, ou ruado 9ocegon,t, qne acba-
!" .*."," .' ." .' ." .".',-,',- >-,' >;' ',' .-<~-i'v^**3/vr-*vivv2*vsi5^v^v*.;- r coei qncn Irala.r.
FOGO! FOG0!F0GO_
a fabrica da viuva Rufino continia-se a 11
fazer-se, por precos commodissimos, todos
os artigos tendentes sua arte, como se-
jam : pistolas, buscaps, rodinhas, etc.: a
tratar no oito do armazem do gaz da ra
do Imperador, armazem da bolla amarella.
isT}f3T}?7^r^ f?^t fjyfl fSij ^j^ll^5jl fjSl j !^M? ^!^T^~ll^r ^^T^^t
8.
INTERNATO
DE
wmmm
i
A
ESTABELECIDO NA CEOADE DO RECIFE
Director 0 badiarel ^in inatliemalas
PEREIRA DO
O director do interaato de S. Bernardo, acce.len.lo SOS pedidos de varios paos dos
respectivos collepaos, e deoutras pessoas desta capital, remoren o seu estabelecimento
da Capanga para sta cidade.
Xaotendo evitado i sotcos nem sacriflcioe para proporcionar aos sous alumnos
nina porfoita edtira>;ao physca, moral, intollectual e religiosa, oRbrecendo-lhes nina ha-
bhacao eom bastamvs condi;8esde salubridade, habis professores que sao solcitos em
-prepara-las convenientemente m Qm queso destinam, 'medies [iratico que Ibes taca
eemprenemler os proceitos da hygiene e Ibes curo das aoenras. e finalmente nm sacer-
uio illnstrado e hon.-sio qne Ibes explique os principios da rejigao ehristSa, espora que
asim constituido nao deixara o seu estabelecimento de merecer dos Srs. paes de fami-
at o auxilio e conflaaea com que ja alguns tem honrado: e Ibes raga, bem como
.t,H)o; as pessoas interessadas, que se dignem de-visitar o mesmo seu estabelecimento,
aa 0 eollegki tem a sua sedo no espacoso edificio n. 32 ma da Aurora, contiguo ao
docoiegio .los orphiios.
os estatutos do coljegjo, que estao disposeao de quem os qui/er 1er, se acham
consiiX'idas as indicos -do entrada o matricula" nas diversas aulas do cstalieleci-
IllWtl".
Ao n. 29.
Aiwa lojn dos baratearos, ma do Queiinmlo.
Cirilas fiancozas inuito linas, covado a :t00,
390 e 360; balos do panno, a 35300; uslao de
coros, covado a 320: eassaa t'raiioozas fazonda
mnito fina, a .'WO ris a vara: cambraia Usa de 10
rdas, a 35,'jOO ; ditt lina, poca de 20 jardas, a
las muito linas para vestido, cavado a
300. T
Ao 11. 29.
lrecisa-se do um rapaz portilgucz para cal-
xeiro, proferindo-sc dos ltimos chogados. anda
mesmo nao sabendo lcr : na ra Imperial 11.19.
DENTISTA DE PARS
19Una Nova-19
Frederico Gautier, cirurgiao dentista,
faz todas as oporaeoos de sua arte, e col-
loca .lentos artillcios. ludo com superio-
ridade e perfeicao, que as pessoas enten-
didas lho reconnecem.
Tem agua e pos dentiQco.
Precisa-sc fallar com o Sr. Joao Leoncio Tei-
xera c Silva, otflcial de carapina. para negocio de
son interesse : na ra da Concordia n. 34, sobrado.
Campos & Lima, avisam a seus devedo-
res desta piara que deram procuraco ao Sr.
Melquades Antones d'Almeida, paja receber
0 que Ibes deve amigavelmente; e no caso de
assim nao pagarcm, serena chamados ao jizo
competente, o (pie fazem publico, para depois
de cail.is nao virem queixar-se, anda mes-
mo que a divida seja de tres ou quatro annos,
e exgotadoe todos os meios prudentes, tanto
por nos como pelos caixeiros.
Abra toja io$ barataros, ma Paletots de alpacamesclada, a4JO0O; camisas
inglezasa 14600; brim lona do linbo, varaaO'iO: Wi^lM-^oBtonliHI-
gravatas <\f seda superior, a 300 res r ricas abo-' *l4'-/1-*-' U^j^j1...
SAQVES
Sobre Portugal.
0 abaixo malignado, agente do naneo
Mercantil Portuense, nesta cdade. saca
toa.biras para coleto, a 300.
Ao 11. 29.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da ra
das Cruzes n. 39 : a tratar no segundo andar do
mesmo sobrado.__________
O abaixo assignado, testamenteiro e inventa-
riaste do fallecido Fortunato Cardoso de Gouvois
faz scJente as pessoas credoras de mesmo, que
tendo de fazor inventario, lhe apresentem suaa
cuntas ou documentos para seren descriptas no in-
ventario, islo no pra4) de 8 .lias.
Joaquim Lopes de Alinela.
Os abaixo assignados fazem ver ao respeita-
vel publico o ao commercio, que amigavelmente
dissolveram a 30 de junho prximo passadb a so-
ciedade que tinbain nas senarias sitas na na no-
va de Sania Hita ns. 17 e 35, na razao de Ramos
& C, icando todo o activo e passivo a cargo do
ex-socio Coclho. Recife 10 do junho de 1803.
Antonio da Silva Ramos.
Jos Forro ira Coclho.
COMPRAS.
jVoivi luja ios barataron, ma to Qwimailo.
Xosie estabelecimento vendem-se os artigos se-
gundos por monos de motado do son valor :'franja I ||
do algodo branca peca de 43 varas, a 15000; i^
bicos prtOS de linbo, vara a 120. 100, 240 e 320:!
botos de vellido, de seda e de fuslo, duzia 120 ggf
rris; rondas linas pe^a de 10 varas, a 300; n-
tremelos mnito largos' o muito linos, peca a 45300;
tonejuinhas de vidrilho para eriancs, 500 rois.
Xa ra Ve
hoco conimodo
ina casa para tratar.
ia n. 8, cosinlia-se para lora por
quem pretender drija-se a mes-

v/
CASA DE SALDE
Era Santo Amaro
Do Dr. Uva Ramos.
offectivamente por todos os paquetes so-
bre o mesmo Banco para e Porto e Lisboa,
por qualquer somina, vista o prazo,
pndendo logo os saques prazo sorem
descontados no mesmo Banco na razao de
quatro por cenlo ao anuo aos portadores
que assim II10 convior: nas ruasdo Cres-
po n. 8, ou do Imperador n. 31.
Joaquim da Silva Castro.
r!;Bifei|- |[JQl}@l|lS|-||5{
C'ompra-se
o Diario do Gnw Para de 10 do junho prximo
passado: na na das Cruzes n. 44. segundo andar.
Dionizio Ferreira de Oliveira, Portu-
guez retira-se para-o Rio de Janeiro.
.*i*>\.

JVOVO ISTiBELECIMENTO DE MEDICINA HOMEOPATHICA
RA MOVA * 43.
O Dr. Sajino O. L. i'inho mudou o seu CONSULTORIO para a teja de marmore
roa Nova n.:jf on.leciiitinua a dar consultas lodosos dias utois desde o meio dia at
% lloras.
Os enfermos, que o procurarem logo na invaso da molestia, sem que hajam to-
ntd qualquer rODedio, aem allopatlii.o, nem bomeopathico, pagaro metade dos precos
estatuados. Esta cooeessfo tem por fim facilitar a cara de molestias, que podem tornar-
se complicadas, peto* emprego intempestivo da therapeutica e ao mesmo tempo adquirir
pata a bomeopathia maior.numero de adeptos pela bateza da cura.
m attenco as essoas .pol tres, que nao podem sal ir de dia, o Dr. Sabino resol-
veu daj,Juss consultas por emanas nas tercas e sextas-feiras das seis as sete horas da
noite.
Os llamados para vsitos e .conferencias devem ser drjgidos por escripto ao con-
sultorio desdi' 8 horas do dia at 8 da noite, na certeza de que serio attendidos na ordem
de sua precedencia, salva a ^ircumstancia de eminente pergo,
vvi:iiri:\c 1 %.
O novo -consultorio est prvido dos melhores medicamentos, desde
at a trigsima hiiainirijsacSo.
Ecomo os sdicos bespannes e aemaes n5o cessamde certificara major 'ffi-
Unico estabelecimento- desta natureza
que existe entre nos, montado do modo
que pode com todo o eommodo o zolo tra-
tar qualquer doente, que nella soja recc-
lbido.
O edificio magestoso e conserva-se
em porfoito estado de timpeza c conve
nioiiioinonto mobiado.
Os doentes sao separados,
sexos, natureza das molestias
sociaes.
Ha quartos fortificados para os aliena-
das, e urna enfermara para as partu-
rientes.
O proprietario encarrega-se de qual-
quer operaran.
O estabeleciinonto franqueado qual-
quer |)0S80a.que o queira visitar.
Prmera elasse 35000 diarios.
Segunda dita.... 25300 >
Terceira dita.... 35000
Para que qualquer doente soja ali recc-
bido, basta que se mande o nomo do doen-
te e da pessoa que o remette, com a de-
claracao da morada.
O proprietario afeita contratos annnaes
com qualquer que queira ter um ou mais
leitos sua disposicao.
'I1 ?!fcj3_7y? .
sam"KiPM "^"i
Alnga-se a casa terrea da ma Imperial
- -fifi : os pretendentes dirijam-se Caxa Filial.
h& ** .* -
ALViqARAS A NOVIDADE. M
Sao chegados luja das columnas *lf
p| na ra do Crespo n. 13 de Antonio
,|*) Correa de Vasconsellos & C. riquis-
\t simos cortes de laa muito fina com
>^.< barras estampadas e matisadas Im-
O peratriz Eugenia, cores as mais deli-
>T* cadas como sejam: cor de ganga, de
& lyrio, cinza etc., fazenda fnteiramen-
tc nova e nunca vista em Pcrnam-
Compro-so effectivamente orno e praia pm
obras volhas: na praea da Independencia n. i.
toja de buhlos.
PADARIA.
Compra-se ou aluga-se urna padaria, qoem
quizer fazor este negocio anntincie.
COHPRA-SE
cobre. latao e ebumbo velho: no armazem da bola
amarella da ra do Imperador.
1 poza e conve- l * M $ te nova e nunca vista em I
;s, segundos W, \j buco.
as e condicoes Se .r'^<'%T<'VT^vr<-\;' ya'vr-'viy
' m *flfe*^i* .. ,-- ,v. *: :-
Compras.
Con)pra-se nm cofre forte e cm bom uso
tar na ra da Cruz n. 19.
a Ira-
VENDAS.
VENDE-SE^um elariaeto e um metho-
do para o mesmo: nesta typographia se dir
quem vende
n.
pjimeira
Alugam-so a loja do sobrado n. 193 e armazem
171 da ra Imperial,
n. 171 da ra Imperial, o armazem n. 4 da ra do
aya das oltissimas.dviiaminisac/jes /lo -traumento das molestias ebronicas, o Dr. Sabino se jpok)'._? "Ra " 27 da rua do Burgos: na ma
da Aurora n. 36.
oecwpa agora de elevar os seus medicamentos s potencias mais altas (por ora at 200. ,
aiim de verificar i>.ir 4 meuno a forca d.vnamica, que se lhe attribue.
Gw mediros, que quizerem experimentar consultorio suas receitas, inie serao aviadas gratuitamente para os pobres,
ti$jesmo consuHwjo se .vende a novissma dico do Thesouro homeopathico deto^nSos"? Xde
cu Vadettmnni do Iwmeopatha, ^obra indispensavel a Jos que querern usar da borneo-! A|olo, e por isso proprios para
j)athia.
Tudo o <$e diz respeito oo**a medicina se acha a|iunonteraente neste novo estabe-
lecimento.
Aluga-se o armazem da casa da ma do Apol
lo n i; a tratar na rua do Vigario n. 23, primetro
andar.
AMA.
-3?isa"8e dc uma ama 1" saiba ongommar c
r : a tratar no boceo da'Boia n. % i
ilar.
an-
Aluga-se urna
/-----o- -" u'fiiiin.t ii.irn o serv
ra^ de urna familia ; na rmuda Guia n. 26,
nogrinha para o servico de
Advoga'ia.
Alugatn-sc
Dons armazens pequeos na travessa da Sanzl-
la Veilia, por detraz da loja n. 50 da rua da Ca-
e ao caes do
qualquer fim e
servirem para un) so por terem communicacao:
tratar na sobredita loja com Cunha e Silva.
.CASAS PARA ALUGAR-SE.
Alugam-se o 2o andar da casa n. 51 e 3o
n. 53, ambos no Recife, rua da Cadcia: para
ver se aciiaro as chaves dos mesmos na lo-
ja n. 51, do Sr. Joo da Cunha Magalbes.
10,
Joao da Silva Ramos, medic pela l)m-
versidade de Combra, d consultas em
sua casa, na rua Xova n. 30, das 8 s 10
horas da manbaa, e das 4 s 6 da tardo, e
recebe cgualmente convites para dentro
ou fra da cidade, com o fim de se encar-
regar do qualquer servico de sua prolis-
sao. t
Os chamados devorao vir por escripto.
Fcchiiiclta.
Xa loja do Arantes vendem-sc borzeguins para
homm a 0& o par.
Por 0|fOOO.
Ven.le-se urna casa na povoacao da Gamolera :
a tratar na rua do Queiniado n. 71.
\ iulio do l'orio superior.
Vendc-se em eaixas de uma duzia : no escriptorio
de Antonio Luiz de < Hiveira Azevedo A C.
Vende-se una muJalinba oe 1 i annos : na rua
na da Senzala Velha n. 104.
liortuguez,
Francisco Manoel Alves subdito
retra-5e para fora da provincia.
Procisasa de um caixeiro na rua Direito n.
90, taberna, que seja Portugus.
O bacharel Jos Ladislao PercifS da Silva advo- ( Desappareceu ou furUram no dia 9 de abril
ga nos auditorios desta cdade, e tam';* cncarre- docorrente anno, do engenlio Sibir da Serra, fre-
ga-se de qualquer questao p?ra fra Oh.la; Pode guezia de Ipojuca, um cavallo rodado claro, talha-
ser procurado, em casa de sua residencia, a rua do com dous mal de besta nos pos, tem uma cos-
do Imperador n. 46 4 qualquer hora.
ALUGA-SE
0 sobrado de dous andares da rua do Pilar n.
6, tendo coinmodos para grande familia, cosinha
/Ora, lerraco t qtuptal com cacimba,
Imposto provincial d t^AOO.
O abaixo assignado, arrematante do imposto' de
2<5>00 por cabera de gado varcum que for consu-
mido na comarca do Recife, manda publicar a pri-
meira condieao do termo de arrematacao para co-
nhecimento das pessoas quem possa nteressar.
Primera eondioao.
Que o arrematante poder haver s tudo quan-
to pertence cobrar-se para a fazenda publica
do rondimento do dito imposto, que consiste em
25500 por cabeca de gado vaceum, que for consu-
mido na comarca do Recife, sendo extensivo este
niix)sto ao gado que os prqprietarios e mais pes-
soas matarem para o proprio consumo e de suas
fabricas.Antonio Moreira de Mendonca.
Precisa-se de uma ama que tenha bastante e
bom leite, e que nao tenha filtio; na rua do Mon-
dego, sitio n. i, ounarua daPrals armazem n. 13,
ciijo paga-se bem.
Vendc-se uma mobila do amareilo com pou-
co uso, a tratar na taberna do Pateo de S, Pe-
dro n. I.
AMA DE LEITE.
Aluga-se urna preta escrava com bom leito o
meaos: rogarse, portante, a todas as autoridades -------------------------------,
deoapprehenderem, e levarem-no ao dito engenho'I - Precisa-se de um menino de 14 a 16 annos
a entregar a Antonio Domingos da Cra, nUe gra- para caixerJ de loja de raiudma na rua da Im-
,lflCar* I peratriz n. 78.
f Pentes de aljofares
A loja da aurora da rua larga do Rosario n. 38,
rocebeu riquissimos pentes de aljofares para atar
cabello o marrafa, tamben) receben a verdadeira
tinta franceza que cscrevo azul e depois tica preta,
em frascos de diflerentes tamanbos, resiwnsabili-
sando-se pela qualidade.
lina Nova, casa de modas de madama Theard.
Neste estabelecimento de modas, alem de
muitos objectos de gosto recelieu vestidos" de seda
bordados a retroz, o melhor que se pode encontrar
no mercado para noiva, ditos de blondo, ditos ditos
moreanliquo, ditos preto, ditos de lindas cores,
chancos de palha da Italia de apurados gostos para
senhora, ditos de palha de seda para meninos e
meninas do idade de um mez adez annos. Recc-
be-se figurnos por todos os vapores, e faz-sc tudo
quanto for tendente ao toilet de urna senhora.
Vende-se ou arrenda-se o engenho Taitinga,
sito na freguezia de Serinhem : a tratar na rua
da Cadea n. 39, escriptorio da viuva de Manoel
Goncalves da Silva.
Vendem-se 20 casaes de ponios de boa qua-
lidade, por junto, ou 3 a 4 casaes: na taberna da
rua do oitao da matriz da Boa-Vista n. 27.
Ceblas superiores em resteas, a cinco
mil ris o milheiro no Caes da alfandega n.
I, armazem de Tasso & Irmos.
OSTRAS
em caixas de 2i latinhas de uma libra no ar-
mazem de Tasso 1). 33.
Agua de Veehy natural.
(-Iiega.la ltimamente pelo Solferino: rua
da Cruz n. . armazem de Isidoro, Rea >
&C.___________________________________
CiSAEilOLINJM.
Vende-se on aluga-se por precos comino-
dos, a casa terrea n. 16 de quina, la.lodo
pocote: a tratar na niosma cidade. na .le Ma-
linas Ferreira n. I, com o Sr. Jeat Jaeintlio
PavSo; ou na Boa Vista, Illia dos U,ib>s, riM
do Se ve, n. 16, com Jos Maria Si've.
Burras.
Cofres patentes in^lozes, prov do fe
garantidos pelo fabricante .Milners, .|e Livor-
pool : vendem-se na rua da Cruz n. i, ar-
mazem de Isidoro, Nette A C.
I FLORIDA,
Rua do tueimado n. 33. osqnl-
11 a que volla para a loagrrga-
eo. vende-se:
Cambraia de seda Florida a 800 rs. o
covado.
Lazinhas para vestidos a 400 rs. o covado.
Organdys, sendo a 1# rs. a vara : man-
dem ver as amostras para conliccer a p>
chincha.
Hislampas linas.
Na luja da Aumia, na na larga do Roci-
no i). :18, recbenle vario sortimento !:
estampas de differentes santos.
GELOSIAS.
55Rua da Imperafriz55
Sempre tem gelosiaspara vender, nvx'a
.la Europa, por preco razoavol, tambemcot:-
coi ta, pinta e pc litas nas mesmas.
Vende-se uma taberna na rua do s \i
n. 't'i. suriida o Im'iii afp'gin-zada : a tratar na
SE\I SEGUNDO.
Ruado Queimado n. .".". luja de niiudetas l;
Joso de Azevedo Mala e Silva, est vmoVnio tnAn
as mus iniudezas por precos que a todos
como sejam :
Vana de aspas para fazor halos. .
Caixas com superiores obnMa . .
Paros do botos do piuilios a ....
Pares de snalos de Iranoa milito tinos
a 1*440 e.....'.....
Pecas de litas de velludo recortadas com
lo varas a ..........
Cafx com muito superior |pel ainiza-
de e outros a.........
HassOB com superiores grampos .1. .
Caivetes de aparar |ionas a .
-Agullioiros com agulhas a.....
Duzia do meias brancas para homem,
inuito linas a.........
Duzia de meias para senliora. fazenda
lina a............
Cornetas de obifre para meninos.- .
Kscovas para limpar denles muito linas .
Baralhos de cartas para voltarele muito
linas a...........
Ditas porUigiiezas a 100 e.....
Frascos de agua de Colonia muito boa a
400 e............
Ditos de oleo babosa a 2i0 e.....
Ditos com superior oleo do macar a .
Ditos com superior macaca porol a .
Ditos com superior banha transparente a
Ditos com superior eheiro a.....
Ditos com superior agua celeste para
chero...........
Trancas de algodo brancas e de cores a
Caixas rom superiores obrejas de colla .
Bolsinhas muito bonitas^iara guardar di-
nlieiro a...........
Grvalas de seda de diversos gustos a .
Tintoiros de vidro com superior tima a .
Pares de luvas brancas de algodo a. .
Cairiteis de linha com 100 jardas, llan-
ca a ............
Fitas e conloes para enliar espartilhos a
(Caixas com clcheles francezes superio-
res a............
Cartdcs de clcheles francezes a 40, 60 e
Facas e garfos cabo branco cravado a .
Ditas de cabo branco cravado a. .
Ditas de balanco muito finas a. .
Tesouras para cortar, pequeas c finas
a 200 o...........
Tesouras para cortar unhas muito final a
Admireni as las baratas.
Superiores las de cores de quadrinhos e
lisas, fngindo sedinhas de duas largaras,
pelo baratissimo preco de 50 rs. o cova-
do : na loja das columnas rua do Crespo n.
13, de Antonio Correa Vasconcelos 4 C
SEMIENTES.
Vende-se sementes de hortalicas mnito no-
vas ebegadas no S. Manoel i:rea da
Cadeia do Recife n. 88.___________________
Sementes
muito novas de bortalice : na rua do
numero 47.



120
V
160
IJ800
IjOO
;.>
\o
wi
m
l-VW
34600
-
suo
-r>
V)
.W
a
100
2110
an
O
IV-
so
80
a
500
it>
:t

so
400
80
;-;i
-uso
affli
.1



*
>
Diario de Peiuawlmco segunda feira 13 de Jullio de 188.
.___.___________.___________:_______ *
NOVA EXPOSIQAO
na loja do PaT^^e fazendas bara-
tissima*.
Gom 8 i '2 varas, a 2:o00 rs. vende o Pavo.
Pecas 'l*' cambraia transparente com pal-
Bnhas bordadas de cor, tendo 8 1(2 varas
cada pega, a 2#uOO; ditas mais finas, a
35300 ; pecas de cambraia de salpico bran-
co com 8 1|2 varas, a 45: s na ruada
Neste estabeletimento acha-se Mialfo- imperatriz n. 0, loja e arhazem do Pavao. "
mente um grande sortimento de fazenoas da
de gOSto e de primeira neressidade, sendo Cortes de cachemira d Escocia, a 2:000, aa
tanto proprias para a praea, como para o loja do Pavao.
mato ; de todas as fazendas dao-se livros de Ven(lenvse esta nova fazenda muit0 encor.
amostras, deixando fear penhor nou man- pada a ^o de casemira, tendo padres
dam-se levar em casada^ familia* pelos ca- ^curos e alegres, afiancando-se que nao des-
xeiros da IojjkIo Pavao.
Utas garlfoaldlnas, a HOis.. na
loja do Pavo.
Vendem-se asmis modernas- las garibal-
dinas de quadrinhos transparente, proprias
para vestidos de senhoras e roupiuhas para
meninos, por seremos padres mais moder-
nos que tem chegado de Paris, a 440 rs. o
covado: na loja do Pavao, ra da Impera-
triz n. 60, de Gama A- Silva.
Las transparentes, a 500 rs..
na toja do Pavo.
Vendem-se as mais modernas lazinhas
transparentes com palminbas matisadas e de
cores muito delicadas, a 440 rs. o covado:
ditas enfestadas de urna s cor com quadri-
nhos, fazenda muito fina, a 500 rs. o covado;
ditas matisadas de muito bom gosto, a 5G0 rs.
o covado ; ditas de quadrinhos, a 400 rs. o
covado: s na loja do Pavo, ra da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Las com 8 palmos de largura,
na loja do Pavo.
Vendem-se litazinha enfestada propria para
vestidos, com 8 tilmos de largura, sendo
fazenda mais moderna que tem vindo ao
mercado pelo baratissimo preco de 1)5600 o
covado: s na ra da Imperatriz n. 00, loja
do Pavo.
Las para vestidos, a 'so rs..
s na loja do Pavo.
Vendem-se lazinhas enfestadas proprias
para vestidos, pelo barato preco de 280 rs. o
covado, sendo muito mais barato do que chi-
ta; ditas transparentes, a 240 rs.; ditas la
e seda, a 440 rs. o covado: s na ra da
Imperatriz n. GO, loja do Pavo.
Cassas a O rs. o covado.
Vendem-so cassas francezas de padres
miudinhos e cores fixas pelo barato preco de
200 rs. o covado; ditas finas a 340 e 320
rs. o covado : s na ra da Imperatriz n. 60,
jOja do Pavao.
Organdy, a lo rs. o covado.
na loja do Pavo.
Vendem-se organdy de cores matisado, fa-
' zenda que val muito mais dinheiro, pelo ba-
tato preco de 240 rs. o covado ou 400 rs: a
vara: s na ra da Imperatriz n. 60, loja
do Pavo.
O Pavo vende os modernos ves-'
tldos balo,
com barras Mara Pia, sendo os mais
modernos que que tem vindo ao mercado,
com a saia de um s panno, tendo bastante
fazenda para o corpo, e vende-se pelo barato
pirco de 35300 cada um: esta peehincha
s existe na ra da Imperatriz n. 00, loja e
armazem do Pavo.
Cortes de fantasa, a G#> na
loja do Pavo^
Vendem-se ricos cortes de cambraia fanta-
siadas seda, pelo baratissimo preco de 65;
ditas, a 45; ditas, a 30500: s na ra da
Imperatriz n. 60, loja etarmazem do Pavo.
Cortes de cambraia. a 3$5QO.
na loja do Pavo.
Vendem-se cortes de cambraia brancos com
babados, a 25500; ditos, a 15: ditos COBO
barras ebabados de seda, a 35, 35500 e 10;
s na ra da Imperatriz n. 60, loja e arma-
zem do Pavo.
Cortes de cambraia chineza. a
4#, na loja do Pavo.
Vendem-se ricos cortes de cambraia chine-
za, os mais modernos que tem chegado, sen-
do brancas comlindissimos padres, pelo ba-
rato preco de 4-$ cada cali', tendo bastante
fazenda para um vestido: isto s na ra da
Imperatriz n. 60, loja e armazem do Pavo.
Alpaklm ou gorguro de Ilnho.
a S40 rs., so no Pavo.
Ycndcm-se alpakim ou gorguro de linho
proprio para vestidos e roupas de crianca,
pelo barato prero de 240 re. o covado: s
na ra da Imperatriz n. 60, lujado Pavao.
Balos a :5>\00. s o Pavo.
Vendem-se bales americanos que sao os
melhores, temi 20 arcos, a 35500; ditos
de 30, a 4*500; ditos de 40, a 55; ditos
de bramante, a 35500 e 4; ditos para me-
ninas,, a 25 e'a 3f5: s na ra da Impera-
triz n. 60, loja e armazem do Pavo.
Vestidos para menino, a 'H.
Vendem-se vestidinhos para meninos, sen-
do muito bem feitos, a 2:5 cada um : s na ra
da Imperatriz n. 60, loja e armazem do
Pavo.
bota, a 20 o corte para calca, ou 580 rs. o co-
vado para paletot, colete etc.: s na loja do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60.
Os paletots do Pavo, assobrecasacado a 12:000 rs.
Vendem-se paletots de panno, sobrecasacas
de panno preto muito bom e muito bem
feitas, a 12$: sobrecasacos de dito, a 115:
paletots sacos de dito, a 75; calcas de cache-
mira da Escossia, a 3$ ; ditas de casemira
preta, a 55; ditas de casemira de cor, muito
lina, a 75 e a 55500 ; coletos de casemira de
cor e preta; paletot de casemira de con
a 7?5; tudo isto para apurar dinheiro: s
na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
Chitas largas a 280, s o Pavo.
Vendem-se chitas francesas com toque de
mofo, tendo padres miudinhos, a 280 rs. o
covado, aliancanilo-se sercrfixe e que solta
o mofo logo que se lava: s na ra da Impe-
ratriz n. 60, loja do Pavo.
Pazendas brancas, na loja do
Pavo.
Vendem-se pecas de madapolo enfestado,
francez, com 20 varas, a 8-5; ditas com 12"
jardas, a 45; dito inglez muito fino, a 7$,
7>.j(K) e 85; ditos muito superior, a 105;
ditos de 40 jardas muito fino, a 45800 e a
5^600; algodozinho muito cncorpado, a
45800, 5,5500 e 6;5; bretanha com 4 pal-
mos de largura, muito fina, a 1:5 avara;
pecas de cassa de cordo para babados, com
6 varas, a 3-5500 ; ditas com 12 varas, a 7$:
Os manguitos c gollnhas do
Pavo.
pechinrlia, a 320 c a {00 rs.
Vendem-se golinhas de fil, bordadas, a
400 rs.; ditas de cambraia, a 320 rs.; cal-
cinhas para meninas, a 500 rs.; manguitos,
a 500 rs.; manguitos com golinha, a 800
reis ; manguitos de cambraia, a 320 rs.: s
na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
Chegaran em dircitura a loja
do Pavo.
Vendem-se a 1:600 rs. o covado.
Acaha de cliegar pelo ultimo vapor, um
lindo sortimento de lazinhas transparentes,
tendo urna s cor, lizas e de quadrinhos
miudinhos e mescladas, propria para vesti-
dos de senhoras, capas c zuavo etc. Tendo
esta fazenda 9 palmos de largura, que se
pode fazer um vestido at com 3 covados,
sendo neste artigo a fazenda mais leve que
tem vindo ao mercado, vende-se a 15600 o guante, ra do Crespn! 7.
covado, nicamente : na loja do Pavo, ra
da Imperatriz n. 00, de Gama & Silva.
Arara vende as colxas.
odem-se ricas colxas aveludadas para
a85000, ditas de fusto a 55000, ditas
ita a 25000, briro de linho e algodo
a 800 rs. a v#, ditcB-hnho puro
a 15, 1,5120, 1,5280 e 10600 a vara; na loja
arara ra da Imperatriz n. 56 de Mendes
Guimares.
Bales da arara de * IO
arcos.
Vendem-se os melhores bales que tem
viudo americanos de 20, 25, 30, 35 e
40 arcos, a 4,5, 45300 e 55, ditos de ma-
dapolo bem feitos a 35300 e 45, ditos de
brilbantina a 45500, bales saias de cordo
que faz a vez de balo a 2$; na ra da Impera-
triz arara n. 56.-
Arara vende manguitos a
Vendem-se manguitos c golinhas de linho a
25 o par, golinhas para meninas a 400 rs.,
ditas para senhoras a 400 rs-.; na ra da Impe-
ratriz n. 56.
ntremelos da arara.
Vendem-se pecas de entremeios transparen-
tes a 1(5, tiras bordadas de largura de 3 a 4
dedosal5280 e 10600 a peca, cortes de la
Mara Pia a 4-5, ditas de la chineza com
22 covados a 8$, ditos de organdys com 15
varas a 8,5, ditos com 9 varas a 6,5500; na ra
da Imperatriz n. 5G, arara de Mendes Gui-
mares.
Cb.ilas da arara.
Vendem-se chitas francezas finas a 320,300
e 400 rs. o covado, riscado francez a 280
rs. o covado, aberturas para camisas a 240
rs., ditas de linho brancas a 800 rs. o cova-
do, tarlatana de cores a 400 rs. a vara; na ra
da Imperatriz n. 56."
Cortes de casemira da arara.
Vendem-se cortes de casemira enfestada
escura a 20, cortes de brim para calcas a
1,5 e 10220; na ra da Imperatriz loja da arara
n. 56 de Mendes Guimares.
CHEGADO A VAPOR
s para o vigilante.
At<; que chocaran as lindissimas camizinhas com
rolarinhos, punlios e gravatinhas, todas bordadas,
pois sao de melhor roslo que as senhoras podem
encontrar : s no vigilante, ra do Crespo n. 7.
Capellas para noivas.
Tambcm chegaram as riqnissimas capellas bran-
cas ornadas com nina linda palma para peito, o
melhor gosto que e possivel : s no vigilante, ra
do Crespo n. 7.
Peehincha, a 500 rs. o covado,
s o Pavo.
Vendem-se as mais modernas lazinhas
enfestadas, transparente, tendo 4 palmos de
largura, e sendo lizas e de quadrinhos, de
urna s cor, propria para vestidos e capas,
a 500 rs. o covado: s na loja do Pavo,
ra da Imperatriz n. 00, de Gama & Silva.
Knfeltes Mara Pia.
Tambcm chegaram os novos enfeites Hara Pia,
sendo ultimo gosto de Paris, assiincomo se receben
a nova remessa de conservadores pan cabello de
todas as cores : s no vigilante, ra do Crespo n. 7
Babadinbos e liras bordadas.
Tambcm chegaram os riquissimosjjabadinhos e
iras bordadas de milito lindos padres : s no vi-
Cravatlnhas.
. GRANDE LIQUIDADO
de fazendas papa apurar riinlieiro, por
baratissimo prero na loja e arma-
zem da Arara ra da Impcralriz n.
56 de Lourcnro Pereira lleudes
Guimares.
ALERTA FREGl'EZES, 200 RES.
Tambcm chegou um novo sortimento de gravati-
nhas de todos os gostos, tanto para senhora como
para homem c para menino : s no vigilante, roa
do Crespo n. 7.
Cintos.
TamliMn chegou o novo sortimento de cintos de
laeo < borlota. como sem eUa : s no vigilante, ra
do Crespo n. 7.
Lindos bouquets.
Tambcm chegaram os lindos banqueta de llores,
assim como rosas e camelias, cousa de muito gos-
to : s no vigilante, ra do Crespo n. 7.
.los seuhores consumidores de
gas.
Nos nrmazens do caes do Ramos n. 18, e na ra
do Trapiche Novo (no Recife) n. . se vende gaz li-
quido americano, primeira qualidade, retallio a
\->) a lata de > galoes, assim como latas de 10 e >]>
'i garrafas, e sendo em porco mais barato que era
outra qualquer parte.
Vendem-se lazinhas com pequeo toque de
mofo para vestido "a 200 rs. o covado, meias
liara meninos a 100 rs. o par, ditas para ho-
mens a 10 rs., lencos brancos litios a 200 rs. cada um
ratriz n. 50.
na loja da arara ra da Impe-
C orlos de chita, a '#.~<><>. na
loja do Pavo.
Vendem-se cortea de chita com 12 1)2 co-
vados cada um, a25O0; ditos com 10 cova-
dos, a 2#; cortes de cassa miudinha de co-
res fixas com 10 covados, a 2$; ditos, de
organdy mathisado com 10 covados, a
-2$400 : s na ra da Imperatriz n. 00, loja
do Pavo.
As casemlras do Pavo peehi-
ncha a .#.
Vendem-se cortes de casimira franceza para
calca, fazenda muito lina, padres claros e
escuros, a 58 o corte: s na loja do Pavao,
ra da Imperatriz n. 00.
O Pavo vendo a 9$ e 305OO
ertes de laa, a 30 e 3jlo00; ditos com 22
ovados, a >: s na ra ta Imperatriz n.
GO, loja e armazem do Pavao.
s na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavao.
Instan do Pavo.
Vendem-se fusto com lavr miudinho
para roupa de meninos, a 320 rs. o covado;
brim de linho de quadrinhos para roupa de
meninos, a 560 rs. 0 covado; ganguelim
de urna scr, a 320 rs. o covado; popelina
de la, de quadrinhos encarnados e pretos,
para vestidos de senhoras e roupa de meni-
nos, a 141 o covado: s na ra da Impera-
triz n. 60, loja e armazem do Pavo.
Arara vende vestido de chita a
3#000.
Vendem-se cortes de chitas escuras com to-
que de mofo a 2000, ditas limpas sem
mofo a 2-5500 e 3:5000, cortes de cassa de
cores de barras a 23000, ditas de cassa pin-
tadas a 25000; na ra da Imperatriz n. 50 de
Mendes GunarSes.
Organdys da Arara a 840.
Vendem-se organdys finos para vestidos a
240 rs. o covado, cassas linas a 240 rs. o
eovado, popelina de quadrinhos para vesti-
dos a 280 rs. o covado; na ra da Imperatriz
arara n. 50 de Mendes Guimares.
Arara vende as lazinhas dos
vestidos.
Vendem-se lazinhas muito finas e lindos
dezenhos a -400, 440, 500 e 040 rs. o cova-
do, chaly muito fino a 500 rs. o covado; na
ra da Imperatriz n. 50 arara de Mendes
Guimares.
Os l-asos !
OS MAIS AGRAVANTES
E
D'miia pertinaz ESCRFULAS,
O EEPGGES ESCROFULOSAS,
Ulceras de toda a especie,
SYPIILIS, O MAL VENREO,
TUMORES,
Elnillicocs,
BERTOEJAS,
OFHTHLMiA,
Hydropbia,
EmpigertSg
HERPES,
JDartros,
ERYS1PEL.1S
ESCORBUTO,
Tuhn,
CHACAS ANTIGS,
Rfieltiat?stl ChrQtuco,
DEMLIDAE GERAL,
Nervosidade, Nemlgias,
FLTA DE APPET1TE, F.1STI0,
SPPtESSO DAS REGRAS, ou
AMENORRHEA,
mm i fies Buen
Reeiiclo das Irmas,
EMACIAf;O,
Ou emmriip; ,;>,:, tito geral do corpo,prove-
niente do estado vicioso do saiigue,
EFLAMACGES CIffiONICAS,
Affec9es Chronicas do Figado,
A?31M OOMO TODAS AS MAIS SIMIUIAXTE3 MO-
LESTIAS, l'RINTII'AI.MENTK QCAHDO SAO
0AUSADA8, 0< l'RODl'ZIDAS PELO Mil
hvke v.-o i>o Mekcuiio O
Qounyo,
Assim como l.-tmbrm pelo l'irqBenlr no o AR>
SE>ICO c ouii'a preparadles ^lineraesi
Todas estas Eufermidf.cles prompfa e efficaz-
mente.cedem A benfica, poderoza e
purificantes qualidades da mui
justamente afamada
SMIPIRMIII DE BRISTOL.
venda as boticas de Caors & Barboza,
, ra da Cruz, e Joo da C. Bravo - C, ra
Lazinhas clunezas muito snponorcs a 300 rs. o ju \u,\..a .i0 w,
covado, e outras mutas qualidades de fazendas j "*'"" ut "cu&-
pros muito comiuodos, alim de apurar dinheiro,
dndose de tudo as competentes amostras.
45-RUA DIREITA-46
lA2-n AM3AH
Eia, rapasiada, coragem! parece que j
entregastes os vossos joanetes aos duros sei-
xos do pessimo calcamento da nossa cidade I
S se observa em vossos ps botinas acalca-
nhadas e gastas at a ultima sola; sapatoes
rasgados e quasi sem saltos.... nem tanto !
a quebradeira nao eleve chegar at este pon-
to Vinde ra Direita munir-vos de excel-
lente calcado com 40 e at 60 por cento
menos do seu valor.... atiende!:
Borzeguins, Nantes, bezerro e va-
queta 2 e meia solas .... 8$o00
Borzeguins, Nanics, bezerro, va-
queta e lustre 2 solas. 8$000
Borzeguins, francez e liamburguez,
bezeiTo, lustre e couro de por-
co 7?2e........G#000
Sapatoes, Nantes, bezerro e vaque-
ta 2 e meia solas.....5#*i00
Sapatoes, Nantes, vaqueta, lustre e
bezerro 2 solas......55000
Sapatoes, Nantes, sola e vira. . 44O00
Borzeguins para senbora, inglezes. 4SOOO
Ditos para menina, com taco. . 3,-5-00
Ditos de ditas, de cores. ... 2800
Sapatos para senhora e homem,
tapte......... 800
Sapatos de borracha para senhora. 15400
dem idem para meninas. 15000
ARMAZEM DE MOLHADOS
DE
^Wanoe c^eca c/r
eezo.
se

(a
ce
so
m
5
3

<
Q
w
Q


O
Q
M
3
O
e
o
a
w
w

35
s

IT=
s
I
QllIR.tM 1,12 11.
Tendo o BALIZA dado o seu balanco no ultimo dejunliopassado, e ':> f-
novaro magnifico sortimento de. seu GRANDE ARMAZEM, chama pelo pi
attenco do respeitavel publico para os prefos dos gneros abaixo mencionados,
verdade sao os mais razoaveis que se pdem adiar, atienta a sua Lmw qualidade.
Soldado voluntario do tatathao progresista, o BALIZA o ii ... i-
mento. -Elle pede, pois, aos seos bons camaradas, que too tolos os ir, 'o,n
l'aviir de nao Ibe darem un minuto de descanco obrigando-o a vender ludo i dia.
Desta sorte o BALIZA vivir contente 6-contentar tambem aossew tteg i
do-llies sempre generosamente, e talvez que anda por precos mais razoaveis..
LIQUIDACAO
Iuijteratriz n. 20.
Cambraias adaiiKiscadas com 20 varas a 8^.
Ditas com 8 dilas a i-i.
Ditas lisas com 8 dilas a 2
Fil liso muito fino a 800 rs. a vara.
Chales do merino estampadps a i5.
Maapoiaa cniv-lino com 20 varas a 8,3.
Caseiuiras linas de urna s cor a 1#600 o co
vado.
Algodlo monstro, superior fazenda para toalha
c lenci'ics a 8(X) rs. a vara.
Bramante de 10 palmos de largura a lGO0.
Grvalas de seda a 320 rs.
Oleados de diversas laaras e de ricos desenhosi
para mesas de jantar a 23 o covado.
Flanella branca muito lua a 640 rs. o covado.
Hiscadinlios de linho muito linos para vestuarios;
de criancas a 400 rs. o covado.
Chitas escuras e claras, padres inteiramentei
novos e muito linas a 400 rs. o covado.
Roupa felta da arara.
Vende-se costumescompletosd"urna fazenda
chineza por 125 o costume, paletots de brim
a 25oOO e 350OO, ditos de meia casemira
escura a 45 e 45500, paletots linos a 65500
e 85000, calcas de meia casemira a 35000,: nha de pedrinha branca e de cores:
ditas linas 55500 e 65000, ditas de brim a lan'e >ua do Crespo n. 7.
PENTES j
0 novo gosto de penlinhos chegados ueste ultimo va-
por para a loja do vigilante, ra do Crespo n. 7. i
At nue chegaram os riquissimos pentinhos para!
marrafas. todos com guarnieoes de pedrinhas, tin-
gindo brilhantcs, e sen preco sera muito razoavel :j
s no vigilante, ra do Crespo n. 7.
Voltlnhas.
Tambcm chegaram as voltinhas de perolas de
ivo gosto. com um rico laco de lita e urna ero
novo go
una cruzi
s no vigij
25500 e 35000, ditas de brim branco a 45,
casemiras francezas a 15600 e 25000, ditas
finas a 25300, ditas de linho a 35000, ce-
Voltas piolas.
Tambcm chegaram voltas pretos Mara Pia,
guarnecidas com nina cruzinha preta, e taubem
FAZENDAS BARATAS
27Ra do Queimado27
Custodio, c arvaiho A C.
. Madapolo
enfestado fino, tendo 20 varas cada peca por 85.
Organdvs a 210 rs. -
Cambraias organdys finas a 240 rs. o covado.
A 320 rs. o corte.
Finos cortes de rollete
roupa de meninos, pelo b;
loas a 300.
Fofas ou calcinitas para meninos e senhoras,
sendo de ricos bordados, e pelo baratissimo preco
dc2>00.
Lencos de panno
fusto, proprio* para
to preco de 320 rs.
i e 15000; na loja da arara ra da Impe-
ratriz n. 56 de Mendes Guimares.
Oh? que peehincha a IO i-s.
roulas francezas a 15600, camisas de meia a se vende as erudnhaa em separado:' s no v"- q linlro Qno a 2.
800 e 14000; na loia da arara na da Imne- 'ante, ra do Crespo n. 7.
Tambem chegaram muitos outros objectos do
gosto, assim como :
Meias de seda para criancinhas.
Cordo de borracha de todas as grossuras.
-Vendem-sr- chit.n franrr.7oa ocpnrie enm no Franja branca de seda muito alva.
mipnr? Sin ^''^trancezas escuras (om pe-, llctroz em carritd h
queno toque de mofo a 240 rs. o covado, Dito proprio para bordar.
ditas mglezas com pequeo toi|ue de mofo Escovas muito finas para denles, cabo de marflm.
a 200 rs. o covado, pee as de ditas francezas'Di,as Para u,lhas e ouro.
com pequeo toque de mofo a 85000, pe-|S^.r^e.c!lar"itefrasnli"l,.0'nas-
l'entes de l, 2 o J Taces, de todas as miahdades.
Um grande sortimento de oculos de todas as qua-
lidades, e muitos outros objectos que se vende-
ro por-nrecos baratissimos: s no vigilante,
ra do Cres|to n. 7.
S no vigilante, linas de Jouvia.
cas de ditas inglezas escuras cores fixas com
pequeo toque de mofo com 38 covados a
75500, ellas freguezes antes que se a ca-
bem; na loja da arara ra da Imperatriz n.
56 de Mendes Guimar5es.
Madapolo francez enfestado a
40OOO.
Vendem-se pecas de madapolo francez fi-
no enfestado com 12 jardas a 45 e 45500,
dito inglezes fino de 24 jardas a 75, 85, 95,
e 105000, pecas de aigodio encorpado a ifi
14*500, 3* e 65; na ra da Imperatm n. 56., . W, escriptoria
Cobertas
de chita clu'neza pelo barato proco de 25-
Fil de linho
fino a 700 rs. a vara.
Bramante
de linho com 10 c 11 palmos de largo, preco de
15800 2Jte2200 a Vara.
Grande
sortimento de chitas francezas. e outras umitas
fazendas, bales de 30 arcos a 3,5600.
Chegaram neste ultimo vapor as verdadeiras lu-
vas de Jouvin, tanto para hornero como para se-
nhora a 2&300 o par, assim como choradas mais
antigs a i : s no vigilante, ra doCrespo n. 7.
CAL DE LISBOA
Vende-so cal nova de Lisboa : na ra da Cadeia Pos de unno e de algodo, meias finas de li-
Toalhas, guardanapos, meias
de linho.
Vende-s na ra do Crespo loja n. 8, es-
quina da ra do Imperador, as melhores toa-
dlas de nho para rosto e mesa, guardana-
jnho para homem : por preco commodo.
Amenas em frascos devidro, a 15500.
Ditas em caixinhas com lindas figuras, a
1/200 e.25400.
Ditas em btmbas, a 15100.
Amendoas confeitadas, a 000 rs. a libra.,
dem, a 280 rs. a libra.
Arroz (Carolina), primeira qualidade, a 120
rs. a libra.
Dito do MaranhSo, a 120rs. a libra.
Azeitonas novas do Lisboa c Porto, a-15 e
1/200 a ancorte.
A/.eite doce refinado, a 800 rs. a garrafa.
Dito em barril, a 610 rs. a garrafa.
Dito de carrapato, a 400 rs. a garrafa.
Arroz com casca, a 35 a saca, com 20 caas
e a 240 rs. a cuia.
Ancoretas americanas de 6 e 12 garrafas,
muito bem fabricadas, a 15 cada ama.
Araruta muito fiua, a 320 rs. a libra.
Bolachinhas americanas, a 35 a barrica e
| 240 rs. a libra.
I Biscoutinhos inglezes, em laliuhas, a 15300.
Biscoato lunch e soda, em laUs te a 5 li-
bras, a 25 a lata.
Banlia de porco, a 480 rs. a libra.
Balaios hamburguezes muito lindos, de di-
versos tamanhos e por preco razoavel.
Caf do Rio, a 280 e 300 rs. a libra, em
arroba, a 85200, 85500 e 9/.
Ceblas, a 800 rs. o cento e 15 o ralho.
Cbperola, a 35 a libra.
dem hisson, superior, a 25800 a libra.
dem chombo, a 25600 a libra.
dem hysson, sofirivel, a 25400 a libra.
dem hysson, menos soffrivel, a 25 a libra.
dem preto, magnifico; a 2j| a libra.
dem preto, menos superior, a I5800rs. a
libra.
dem prelo, soffrivel, a 15600 rs. a libra.
dem nacional, a 1/800 a libra (em latas).
dem nacional, a 15600, a libra. '
dem nacional, ordinario, a 15 a libra.
Champagne, marca aguia, de superior qua-
lidade, a 640 rs. a garrafa e 75 o gigo,
com 12 garrafas. Quem deixar de be-
ber champagne por tal preco?
Charutos de militas marcas e a precos bara-
tissimos, sendo que ha de 801) rs. at
45 0 cenlo, viudos do Rio, Babia c de
Hespanha.
Chocolate suisso de Lisboa c francez, a 800
rs. e 15-
Chouricas e salpice, a 640 rs. a libra.
Conservas inglezas, a 800 rs. o frasco.
Ditas fracezas, a 500 rs. o frasco.
Cognac inglez, a 600, rs. a garrafa e em
caada, a 45.
dem engarrafados, a 800 rs.a garrafa.
Doces, em lindos vazos de vidro, das Crac-
tas mais esquisitas da Europa, a 15 o
frasco.
Dito de Lisboa, em latas, a 300 rs. a lata.
Dito de goiaba, a 640 e 800 rs. o caixao.
Dito em latas muito proprio para presente,
garante-s sua duraco innalteravel por
mais de anno.
Farinha de MaranhSo, a 160 rs. a libra.
Dita de trigo, a 140 e 160 rs. a libra.
Fructas francezas de diversas qualidades, em
frascos de vidro, preparadas em alcool,
proprio para podim etc., a 15- o frasco.
Fumo americano, em pastas, a 15280 o
libra.
Gomma do Aracaty, a 100 rs. a libra.
Dita do Aracaty, a 40 rs. a libra.
Graixa em latas, a 120 rs. e a duzia, 1/300.
Genebra laranja, em grandes frascos, a 15-
Genebra ingleza, marca gato, a 15200 o
frasco ou garrafa com rolha de vidro.
Garraloes vazios, de 640 a 15200 cada um.
Kirsck-wasser, bebida esta de um valor inex-
timavel, em vasos esquisitos, a 15300.
Licores inglezes e francezes dos' melhores
fabricantes, a 300 e 800 rs. a garrafa.
Linguas americanas de grande tamaito (em
calda), a 1/.
Linguicas de Portugal, em latinhas de o li-
bras, a 35500 a lata.
Massas para sopa, em caixinhas com 8 libras,
contendo 5 qualidades, por 35500 a canta.
Dilas para sopa, estrelinha e pevide, a 560
rs. a libra.
Dita de tomate, a 640 rs. a libra.
Manteiga ingleza em potes de 10 a 16 libras
a 800 rs. a fibra.
dem dita flor a 15 a libra.
dem de 21 qualidade a 800 rs. a libra.
Mein de 3* qualidade a 640 rs. a libra.
dem para tempeiro a 400 rs. a libra.
dem franceza a 640 rs. a libra, e em bar-
ril por menos.
Marrasquino de Zara a 800 rs. o frasco.
Mortasda ingleza em frascos grandes a 800
rs.
dem franceza em frascos grandes a 500 rs.,
Mlhos inglezes dos melhores fabricantes a
805, 800 e 15 o frasco.
Marmelada excellente a 640 rs. a l
Ostras americanas (excellente petia i.
rs. a late.
Passas a loo rs. a libra, e em 85
Presuntos de Lamego, i 560 rs. i
dem ingtezpara fiambre vindo de en
da, a 800 rs. a libra.
dem americano, a 300 rs. a libra.
Peixe de Lisboa InghHerM e '.
parado conforme a arte de com....i.
las de 2 a 3 libra- de 15300 a I
Phosplloros do gaz, a 2-33O0 a grosa.
Queijns londrinos chegados no ultir.i
a 800 rs. a libra.
dem dem chegados no peaoltimo vapor a
610 rs. a libra,
dem flamengos chegados no u
25100.
dem dem chegados no penltimo vapi r, a
25200.
Sal refinado em vazos de vidro, a 600
dem idem em vazos de loueva 500
Cerveja das melhores marcas q n \
mercado, a l/, 1^500, 5 ,
6/500 a ilnzia.
Sardinhasde Lisboa preparadas de
a 640 rs. a lata il grand :
Idern de Nantes, a 380 rs. a i.
Sabo massade 120, lo, 160, 180, i
240 rs. a libra.
Tinta preta nacional e ingleza, a O-:
garrafa, e 210 rs. o buiao.
Toucin'iM de Lisboa, de mais de mel ; *
por 320 rs. a libra.
dem de Sanios, a 280 rs. a ra.
Idem americano, a 200 rs. a 13 ra.
dem ingle/, secco no fumeiro, m ju-
i dos os presuntos, a 640 rs. a Kb
Vassouras americanas muito Un-- is
a 640 rs. cada nina.
Vellas de Buenos-Ayres em cajxas o o 16
lib'as, por G/.
dem de carnauba e composico, a 360
rs. a libra.
Idem do Aracaty, a 100 rs. a libra.
dem stearinas, a 600 e 610 rs. o m
Idem spermaceto, a 15 a libra.
Vinho Lagrimas do Domo, ueste
melhor qualidade que hoje vem a
mercado em garrafas bramas i i )mu
do autor em alto revi lo no prnpri
previne-se aos apreciadoras tfw i
ero ha boje grande falsificare.
dem engarrafados, \ indo parte di
pria conta de diversas marcas e
Inores adegas do Porto e Lisboa,
cas: Madetra, Caines, Cliamisso, M
sia, CarcaveUos, Duque d>> Porl es*
tros, e espera-se todos os ilias novas
lidades, a 800, l> e 15280 a gan
dem do Porto -Bausa, a 610 is. a
dem de Lisboa e Figueira vindo eaMn
a 26/ ile S a ! ranadas.
dem do Porto em garrames de 1 I 9
garrafas, por 2JS0O.
dem da Figueira em garrafoesde 1 1 i
-arralas, por 24400.
dem de Lisboa e Figueira de 320, iOf, :.00
e 560 rs. a garrafa, e em caala M hit
abatimento.
dem Bordeaux engarrafado, a 640 rf. i
garrafa, em duzia a "5500.
Vinho do Porto muito fino can cabas com \
garrafas, a 85, 105, 125 e 135 das isw-
Ihores marcas que vemao n< lo.
Vinagre de Lisboa em garrafiJes le 1 1/2 a
5 garrafas, a 15200 com o garrafio.
Avelas a 200 rs. a libra.
Arroz da India a 100 rs. a libra.
Biscoutos de. Lisboa ein latas, propios .>:ra
.lenles, a 15300e 35 a lat.
Batatas a 80 rs. a libra.
Copos lapidados [tara agua a 65 a duzia.
Chumbo de todas as grossuras a 65 a arro-
ba.
Caf muido de superior qualidade a 400 rs.
a libra.
Fio de linho muito proprio para amarrar, a
480 rs. a libra.
Farinha de trigo em barricas c meias, d
das as marcas e qualidades.
Genebra' de Hollanda em garrafVs can 2
caadas, por 65300 com o garrafste.
dem idem em frasquoiwi com 12 frascos,
por 6/300.
Manteiga finissima em latas contendo 1 kt-
logramma ou 2 libras e 1 4 lit|uido, por
|,$800 a lata.
Queijo suisso, a 800 rs. a libra.
Rap princezado Rio: grosso, meio gn?sai|
e fino.
Tainhas das Alagas a 125 o cento, e 140
rs. cada una.
Vinho branco de Bordeaux (Santems) a 8J
e 105 a duzia, e 800 a 15 a garrafa.

,.*>,



Diario de Frnamhnro egnnda ffetra f 5* de *flto de l ftttS.
SORTIMENTO DE MOLHADOS.


*
a .1
N
5
a
i
s
e
os
3

w
H
AS


3.
I
o
i
i
B t
a
- i
l
1 a
= a
a o
IB
- -
I
i!
a ** t
% a
f- &
s i i
| J- i
J
es "f
2 s 2
- 5> a
|
o a
9 S
- -
?
V o
2 a
s *
SI
I
9
m
s
I
a

s
c
9
o
B
i
i
9
f i
95
-
ai -
a =
i 3
* 2
s
p I
i. 9

il
-
1.
i.
B
a.
es
-

5
9
a
ti
B
B -

a

a
9
V
9
Vinho em pipa: Porto, Figucira e Lisboa, a 40P,
480 c 560 rs. a garrafa, em caada a 2,5800, 3 e
3.5300 rs., auanca-se este genero conservar-se
perfeito seis oito mezes, o que raro ser outro
qualquer afiancar.
Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto, a i&
a garrafa e 10fi a caixa, o preco nao indica a
qualidade deste precioso vinho, porm tambem
nao com imposicdcs de preco que se prova ao
respeitavel publico a superior qualidade, este
genero de comraun se manda vir de conta pro-
pria, e por isso podemos vender por menos do
que outro qualquer annunciante.
Vinho do Alto Douro, das marcas mais acreditadas
e especialmente escolhidas por pessoas entendi-
das deste genero, como sejam Camcs, Duque do
Porto, D. Luiz, (^arcavellos, Chamisso & Filho,
Madeira secca. Feitoria, a 900 rs. a garrafa c 9$
a caixa com 12 garrafas.
Garrafoes com vinho do Porto, contendo 5 garrafas
por 25500.
Vinho branco de Lisboa, proprio para missa, vindo
j engarrafado de Lisboa, a 640 re. a garrafa,
dito le barril muito superior, a 500 rs. a garrafa
e 35200 a caada.
Amelias francezas em caixinhas de I e meia, 2 e 3
libras, elegantemente enfeitadas com diversas es-
tampas na caixa exterior, 15400,15800, 25500
e35-
Figos de comadre em bauzinhos de folha, muito
proprios para mimo, a 15600.
dem em caixinhas forradas de papel de differentes
molduras, a 15400.
Ameixas francezas em latas de 1 c meia e 3 libras
por 15100 e 25600.
Passas de carnadas as mais novas que ha no merca-
do, caixas de 1 arroba a 65, e a retalho a 400 rs.
a libra. x
Massas para sopa muito nova?: pevide e estrellinha,
a 560 rs. a libra.
dem a mais nova que ha no mercado; talharim e
aletria, a 560 rs. a libra.
Macarrao, a 320 rs. a libra.
dem o mais novo que ha no mercado: talharim e
aletria, a 560 rs. a libra.
Figos de comadre em eaixa de 8 libras muito novos
a 15800 e a retalho a 180 rs. a libra.
i SalmSo em latas ecm postas hermticamente laera-
1 das, a 800 rs.
Lagostinhas em latas grandes, a 15400.
Savel, crvida, cherne, congro, linguado, vezugo,
gors, pescada, peixe espada, preparado pela pri-
meira arte de cozinha, a 15300 a lata.
Queijos flamengos do ultimo vapor, a 25400.
dem do vapor passado, a 25200.
dem prato, o mais superior que tem vindo ao mer-
cado, a 740 rs. a libra. **|
Doce da casca da goaba, caixao grande, a 640 o
I 800 rs. cada um.
Chouricas do reino a mais nova do mereado a 640
I rs. a libra.
Paios de Iombo, vindos do Porto de casa particular;
a 800 rs. a'libra.
Bolachinhas inglezas a mais nova do mercado ai
240 rs. a libra c 35000 a barrica com urna ar-
roba.

dem de soda de diversas qualidades, a 15400, di-
tas grandes proprias para lanch com 5 a 6 li-
bras por 25400.
Marmelada imperial do fabricante Abreu ou de ni-
tros mu i tos eonserveiros de Lisboa, em latas de
1 c meia e 2 libras, a 600 rs. a libra.
Ervilhas francezas, a 500 rs. a lata.
dem portuguezas, a 640 rs. a dita.
Maca de tomates, a 600 rs. a libra.
Manteiga ingleza perfeitamentc flor, a 800 e 15 a
libra, neste genero existe sempre aberto dispo-
sicao dos freguezes dous a tres barris de man-
teiga flor, salvo quando por infelicidade acntela
a factura vir composta de segunda e terceira
qualidade, que para melhor satisfazer aos fre-
guezes torna-se necessario ter mais do eme esta
porcao de barris abertos, porm antes nos lhe
damos a devida applicacao para tempero, rae
venderemos a 320 rs. a libra.
dem franceza a mais nova do mercado, a 680 rs. e
em barril se faz abatimento.
Amendoas confeitadas, a 800 rs. a libra.
Chouricos. mouros vindo de casa particular, a 640
rs. a libra.
Farinha do Maranhao muito alva c clieirosa, a 160
rs. a librar
Avelaas muito novas, a 220 rs. a libra.
Amendoas de casca mole muito novas a 580 rs. a
libra.
Toueinho do. reino a 360 rs. e 105500 rs. a ar-
roba.
Sardinhas de Nantes, a 360 rs. a lata.
Azeitc doce de Lisboa, a 640 rs. a garrafa e 45800
a caada. i?
Vinagre de Lisboa, a 200 rs. a garrafa e 120 >
caada.
Champagne das marcas inais acreditadas a 85000
c 105000 o gigo, e 800 rs. e 15000 a garrafa.
Cerraja preta da marca Tencnt ou XXX, a 45 e
45500 a duzia, e a 400 rs. a garrafa.
dem branca da marca cobrinha ou Tenenl, a 45
e 4J3O0 rs. a duzia, e em porcao se faz abati-
mento.
Genebra de Hollanda em garrafes com 16 garra-
fas, por 65600 rs., atianea-se ser verddeira.
dem em frasqueira, a 65500 e a 560 rs. o frasco.
dem de botija em barricas com 4 duzias a 430 rs.
cada urna.
Idein de laranja em frascos grandes, a 15200, ga-
rante-se ser verddeira da Italia.
Marrasquinho de Zara, a 720 rs. o-fraseo.
Licor francez de todas as qualidades de fabricantes,
em garrafas braueas de vidro, a 720 C 800 rs. a
garrafa.
Vinho Bordeaux as melhores qualidades que tem
vindo ao mercado, a 720 e 800 rs. a garrafa, e
em caixa a 75500,85000 e 85200 rs.
Azeite doce refinado do fabricante Pelanol, a 800 rs.
a garrafa.
Conservas inglezas sortidas ou de nma so qualida-
de c da verddeira, a 800 rs. o frasco.
Araruta verddeira, a 320 rs. a libra.
Gomma de engommar muito alva, a 800 rs. a li-
, bra.
Palitos do gaz, a 25300 rs. a groza c 20 ris a
caixa.
Toueinho de Lisboa, a 320 rs. a libra e 95500 rs.
a arroba.
Sag muito novo, a 200 rs. a libra.
Ccvadinha de Franca, a 160 rs. a libra.
Cevada nova a 120 rs. a libra, e 35300 rs. a ar-
roba.
Macarrao e talharim, a 320 rs. a libra.
Aletria mnito fina, a 400 rs. a libra.
Arroz Carolino, muito alvo e grado, a 120 rs. a
libra e a 35200 rs. a arroba.
Caf do Rio o mais superior me se pxle desejar
neste genero, a 320 rs. a libra.
dem idem de segunda c terceira qualidade, a 280
e 300 rs. a libra, e em arroba ou sacco a 85200
e 85400.
Velas de carnauba refinada, a 320 rs. a libra e
105000 a arroba.
dem de spermacet, a 640 rs. a libra.
Chocolate hespanhol a 15, a libra,
dem francez, a 900 e 15 rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado por ser
vindo de cucommenda propria a 25880 rs.
Cha hyson, melhor que se pode desejar neste ge-
nero; a 255OO rs. a libra. .
dem nacional em latas de 1, 2 e 3 libras a 15400
ris.
dem liiixini. a 25200 rs. a libra.
Cha preto homcepamico o mais excellente que tem
vindo ao mercado, a-25 a libra.
Graixa em latas grandes, a 3fl>300 a duzia, e 120
rs. cada urna.
Presunto vordadeiro de Lamego em calda de azei-
te, a 560 rs. a libra.
Vassouras do Porto arqueadas de ferro, obra de
milita duracSo e utilidade, a 400 rs.
Charutos de S. Flix do fabricante Furtado de Li-
ma ou de outros muitos fabricantes da Bahia, a
25000, 255OO, 35000, 352OO, 35500 c 45OOO rs.
a caixa, ou em meias por metade do pre;o.
dem Mississipes imperiaes, a 35000 rs.
dem Ypiranga ou Flor do Rio, a 35200 rs.
dem Guanabaras ou Havaneiros, a 25800 rs.
dem Flor da Malta ou Regala imperial, a 25500
ris.
dem Flor do Norte ou Londres imperiaes, a 45000
ris.
dem superiores em quantidade e de todos os fa-
bricantes, a 35OOO, 35500 e 45000 rs. a caixa.
i ? > 3
9 f% 5 a
1 1 B r t.
- a. "5 4
H (% 9 - ai
a * 9 a t
9 s 9 9 s m 9 f% * 3
** V riB pk
S 1 9 a a 9 s 9 a 9 0
1 * I a< a 9. 9 f a St 9 m 9 9 a a 0 O 1 a ?
S a s S9 t-a * H
i t 9 a m a M
as 9 3 n | ~- fc s
9 s 9 ce 3 a \ a n 9 fi 4 1 a m a fi 3 2 9 1 * 0 0
% SM 9 9 a p
8 0 1 3
1 0 a
a a
* Si -
B a. 1 >** 1 < a
i s
a a -i 1 1 s r
9 1 m N
9 m. ^
9 Sil 8 3
Polassa lia Russia.
V.iiile-sc em casa de N. 0. Bieber & C,
successores, ra !i Cruz 11. 4.
I 11a da Senxajlajijwrli. 42.
Neste estabdeciraento vendem-se: tachas de
ferro coadb libia a 110 rs., idem de Low
Mnor libra a 120 rs.
liabas mac^e^lHstrosas para ISHiHHISllil
branca, ra do'I IIOH V FEITA
vciiilem-se na luja
Qucinialo n. 8.
d'aguia
GAZ.
Xo aiinazi'iii de loura da porta larga, ra larga
do Rosario n. ~2>>. vondem-so Jalas com 5 galoes di'
1 12). assimcomo latas de 5 garrafas, e em
arralas inuitu em conta ; garanle-se a qualidade.
NO AUilAZEM DE FA/,E.\DAS BARATAS
DE
.%XTOH COISI.UO
Ba lo Quemado n. 19.
Yesic-se o segiiiute :
Toalhas alcuchoadas para mam peto baratas-simo
de 55 ''
fc*cvas i!e bretaulia
de rolo rom 10 varas, propria para saia. pelo barato
preco de 35300 a pega.
I*e largo, pelo baratissimo preco de B '>.
C'hapus de sol
de seda ingl.'zes, polo kirato preco de 10.
CanibE'aias de salpicos
com B e meia varas, pelo baratissimo preco de 15
i ' 'oa.
A AIJIA BRAIC?!
Receben pelo aUimo vapor o
segulute:
Bonitas pulsaras de cabello, coral, e cora-
lina.
Fortes o bonitas ligas de soila para senlioras.
Outras estreitas para meninas, tu manguitos.
C-arteiras com agulhas.
Agulhetas para enliar, o agulhas cantfas.
TrancelDS e litas de borracha.
Carriteis com torca! de todas as cores.
Massosefios de coral.
Esponjas finas para rosto.
Penlcs de tartaroga virados, com lapo e
bailo.
Enfeites de redi; para conservar os cabellos
bem atados.
Asnas e coz para balSo.
Fitas com colxetes para vestidos.
Trancefinp chatos de la para ent'eitar vestidos.
Papel e tolhas para 'usas.
Lamparillas francezas.
Trancelins groases para relogios.
Escovas cabo d'oeso, marfim e madreperola
para denles, unlias, limpar pentes ejoias.
Outras finas para ronpa, chapeo, cabello etc.
(dirs de wUado para chapeos.
Pastas para papis.
Raspadeiras e beas '.'.> marfira paradilas.
Visporas e dminos.
Iaiv;is de eamiirea.
Vcndem-se mu tinas lavas de carmuca
branca e amarella; na ra do Queimado n. 8
ioja d'aguia branca.
Baratissimas bandeijas.
A aguia branca por muitas vezes tem da-
do acontecer que mando acha alguma pe-
Jiinclia, nao quer somente cxim ella encher
o papo, ao contrario deseja que toda sua boa
freguezia e o publico em geral prvem da
mesma, o que agora m^smo acontece com
fssas; baratsimas liandeijas, cuja limitaco
de precos admira, cm relaco aostamanhose
qualidades: avisUi do que convm todos a-
proveitarem-st' ilessa opportuna occasio e
proveem-se d'um traste sempre riecessariq,
e que Ihes costar tjuasi metade do justo va-
lor. Assim, pois, 6 ilirigirem-se com dinhei-
ro alegre e espacosa Ioja d'aguia branca
ra do Queimado n. 8.
Lencos forneos com barras de
cores para Meninos.
A Ioja d'aguia branca rerel>eu um novo
soi'timeuto de lenc/js hrancos com barias de
cores para meninos, e com quanto esses
viessem melliores, maiores e perfeit;unente
quadrados, com ludo continam a ser-ven-
didos pelo ango preco de 1$ a duzia; n.
ra do Queimado na alegre e espafosa Ioja
d'aguia branca n. 8.
enfeites
XoTissimos c bonitos
para cabecas.
Quando o bello sexo senta a falta de bons
enfeites para cabega, eis que a aguia branca j
recebe urna sua encommemla de bonitos e
delicados enfeites, e de inodernissima moda, I
muito servindo isso para sanar aquella falta,'
e fazer com |ue as xmas. apreciadoras da
bella empreza C.oimbra possam melhor real-
sar c mostrarem o apurado gosto que as
guia. Esses enfeites sao d'um tecido bas-
tante fino com conlinbas d'aco, c mui bem
enfeitados com flores, fitas, bicos, plumas
etc., entretanto que sendo obra de muito |^
kos.i custam 5ft, 6?5 e 7# dinhelro vista; >
na espacosa e alegre Ioja d'aguia branca ra do Queimado n. 8.
NO
AiniIXIMl
DF.
3LETREXRO VED.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concor-
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazemlas de todas as qualidades, para
homens e meninos.
senlioras, 4?
li<;ss guarnlcesde pentes e
flvellas para cintos.
A aguia branca recebeu novas e ricas;
guarnieses de pentes dourados, e com pe-
ilras; assim como outras bordadas froco c
com bojas pendentes, novidade essa que s
se acha em dita Ioja, c que na verdade se
tornam mui alegres e bonitas; e bem assim
recebeu lindas fivellas com pedras, e ditas
d'ac com novos e engracados moldes, cintos
dourados e de marroquim; e muitos outros
Casacas de panno preto, 33^! e
)-; Sobrecasaeas idem, 30-> e .
US Paletos idem e de cores, 258,
20:S, 15;> e......
Ditos de casemira, 20-J, l'i-5,
m, 10,5 e......
^ Ditos de alpaca, 5$ e. .
M Ditos ditos pretos, 9r?, 7#,
Gi9 e .......
Ditos- de brim e ganga de ai-
res, 45500, 45, :j$oO0e.
Ditos branco de linho, C3,55 e
obj.xos'de gosto para senhoras serao encon- M Dilors dc|(me,n'' Pret0 de cor-
loja
d'aguia
Irados na alegre e espacosa
branca ra do Queimado n. 8.
Apreciareis extractos.
As Ex mas. senhoras que bem sabana co-
nhecer e apreciar os odorferos extractos, e'
as finas pomadas que se vendem na Ioja d'a-
guia branca, nao se demoran em mandar
! comprar desses ag adaveis c cscolhidos chei-;
ros Georg 4, principe Albertos marecbal,
bouq. il'imperatriz, mil flores, jasmim, ge-
! ranium, vilete, jock club, sndalo etc. etc.
Nessee.finos cheiros nao ha melhoria sym-
pathias, por isso ser bom que urna compre
dessa qualidade, outra d'aquella, e assim por!
liante, mas que reunidas em alegre assem-:
bla faca cada urna com a forra de sua elo- }$r
quencia prevalecer o bom gosto de sua es-
; colba. Isso na verdade ser agradavel e in-
teressante, com tanto porem pie os cheiros se- (|
jam comprados na alegre e espaoisa Ioja da-, $
I guia branca ra lo Queimado n. 8.
Lindas caixinhas com finos extractos, mui proprias !
para prsenles. 12
A aguia branca vende lindas caixinhas,
com espelho e paysagem, ris. emeima, e finos'
| extractos dentro, com as quaes se faz um bello
[ presente, assim pois o pretendente dirija-se
dio, 105, 75 e
Calcas de casemira preta, 125,
105, 85 e......
Ditas de cores, !5, 85 e. .
Ditas de meia casemira de co-
res, 55500 e.....
jH Ditas de prineeza e merino pre-
to de cordao, 55, 45500 c
Ditas de brim branco e de co-
res, 55, 45500, 45 e .
Ditas de ganga de cores,
35500, 35 e.....
Colletas de velludo preto e de
cores, 95 e......
Ditos de casemira preta, 5-5 e
Ditos de ditas de cores 55
45 e........
Ditos de setim preto. ;
Ditos de ditos c seda branco,
65 e.......
Ditos de gorgurao de seda
pretos e de cores, 65, 55 e
35300
35000
45000
55000
75000
45000
45000

305000 GoUeies de fusio e brim bran-
25400$: co,, 35300, 35 e .
I Ser ornas de luim de linlio,
105000. 25400 e ......
; Ditas de aloodao, 15600 e. .
75000 Camisas de peitos de linho,
35500 55, 45, 35 e.....
Ditas de madapolo, 35,
25500, 25 e ._. .
Chapeos de massa, pretos fran-
Cezbs, 105, 95 e. .
Ditos defltro, 55, 45,35300 c
Ditos de sol, de seda, 125,
Hf75e......
Collailinhos de linho fino, ulti-
ma moda.......
75000, Sortimento completo de grava-
' tas.
Toalhas parroslo, duzia, 11 $,
95e........
Atoalhado adamascado de li-
nho ........
25500 j Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....
25300 Lences de linho.....
I Cobertas de chita chineza.. .
75000 Pennas d'aco, as mais superio-
4-5000 res. a grasa......
! Relogios de ouro orizontaes,
35500: 90^, 805 c. .
55000 Ditos de piala,'galvanizado,
patentes e orisontaes, 405 e
55000 Obi asdeouro, adercos, meios
aderecos, pulceiras, rozetas,
4,5000; aneis e cruzes.
m
*&
25000 [m
15400 ^
15300^j
m
15000 p
85.TOO
25000
->500
l#ii
m&F^
RA DO QUEIMADO N. 46
rara?
/
%
45000 m
35000 B
25600 ^
600^
705000 m
finiihvvoii% iKoi;A.
Nesta grande e bem montada fabrica de machinismo, a mais antiga no imperio, con-
om dinheiro f alegre "e espacosa Ioja' d'a- \ tinua-se a executar coma maior presteza e perfeicSo cncommendas de toda a qualidade
guia branca ra do Queimado n. 8, que ser de machinas usadas no paiz, tendo 6empre prompto o seguinte :
Grande sortimento de njoendas de canna de todos os systemas e tamaitos.
Machinas de vapor de diversas qualidades.
Taixas fundidas e batidas.
Crivos e boceas para tomainas.
Bronzes e aguilboes.
Rodas, rodetas e rodas d'agua.
Guindastes fixos e portateis.
Machinas de cylindros para padaria.
Serras de ac para senaria.
Fatechas para barcos, etc., etc., tudo por preco que bem convida.
DE
TODAS AS QUAIIDADES
DE
ANTONIO MllA DE BRITO
CONHECIDA POR FABRICADA VIUVA.
N. 21-^^Antiga ra dos Quarteis de polica N. 21.
Constando ao annunciante; que alguns especuladores de m f, vendo o crdito
, que gosam os meus cigarros, e para poderem dar consumo aos seus andam vendando tanto
[na praca como pelo mato, illudindo os meus freguezes, dizendo que sao meus ; e como to-
satisfactoriamente servido.
Agua da Colonia em garrafas
grandes e pequeas.
A aguia branca recebeu um variado sor-
timento de garrafas grandes e pequeas e "de
! diversos e bonitos moldes, com excellente
agua da Colonia ; assim como frascos de vi-
dro maiores e menores com dita, e como
geralmente sabido a commodidade dos pre-
cos continua a ser observada na espacosa e
alegre Ioja d'aguia branca na do Queimado
n. 8, para onde chama-se a concon-encia dos
freguezes que costumam comprar dinheiro.
' Aromticos pos d'arroz.
A aguia branca acaba de recebar um ex-
plendido sortimento de lindos e agradaveis
vasos de porcellana dourada, crysta e metal
com bonecas, e finos e aromticos poz d'ar-
roz ; assim como pacotes com dito, cuja pro-
veitosa utilidade bem conhecida: os pre-
tendentes pois, dirijam-se com dinheiro ale-
gre e espatjosa Ioja d'aguia branca ra do
Queimadon. 8 que serao servidos e contentes.
Os afamados copos com foanlia, e
boides com Inscripces
Chegaram novamente para a aguia branca'dos" os "meus cigarros sao vendidos na minha fabrica, e nao manilo pessoa alguma veoiler
esses afamados e estimados copos com banha' >or minha conta fra della, faco o presente annuAcio para .evitar quecomprem gato por
fina; assim como os bonitos boies de por- ebre ; e para seguranca dos senhores consumidores deste genero e especialmente os seas
cellana dourada tambem com banha, e novas freguezes, aviso que todos os massos de cigarros que forem vendidos na minha fabrica sao
inscripces maviosas e jocoserias, mui ade-' marcados com um disnctivo que declara o meu nome, o nomo da ra e o numero da
qitado para presentes resta porem que os apre- mesma casa.
ciadores concorram, munidos de dinheiro, Aproveito a occasio',para scientificar aos mesmos senhores, que constantemente
alegre e espacosa Ioja d'aguia branca ra do encontraro um completo sortimento de cigarros de diversas qualidades, e do melhor fumo
Queimado n. 8. escomido, por sua boa qualidade ja. bem conhecida.
DE
FAZEXDAS i: ROITPAS FEITAS.
Sortimento completo de sobrecasacos de panno a 255, 285, 305 e 350,
muito bem feitas a 235, 285, 305 e 33;?, palelots acascados de panno preto de 16-3 at
235, ditos de casemira de cor a 155, 185 e 205, paletots saceos de paaao e case-
mira de 85 at 145, ditos saceos de alpaca, merino e la de 15 u i'.5. sobre de alpaca e
merino de 75 al 105, calcas pretas de casemira le 8#at 14^, lilas di c 155, roupas para menino de txlos os tamaitos, grande sortimento de roupas !' brim,
como sejamcaifas, paletots o cohetes, sortimento de odeles pretos de mt'lim. casimira
e velludo de 45 a 95, ditos para casamento a 50 e 00, paletots bnimos de bramante a i-j
e 50, calcas brancas muito linas a 50, e um grande sortimento de fa/.endas linas f moder-
nas, completo sortimento de casemiras inglezas para liomem, menino e senlwra, ceroulas
de linho e algodo, chapeos de sol de seda, lavas de seda e de Jouvin para homem e se-
nhora. Temos urna grande fabrica de alfaiate, onde recebemos encommendas de :-'i*aaes
obras, que para uso esta sendo administrada por um hbil mestre de semelhante arle e um
pessoal de mais de cincoenta obreiros. escolhidos, por lano executamos qualquer ubra com
promptido e mais barata do que em outra qualquer casa.
FAZENDAS DE BOM GOSTO.
Lindos cortes de la de barra Imperatriz, ditos de la com barra matiza-
da, ditos lisos com palmas de seda, lindas las de cores matisadas a 500 rs. o
(ovado, ditas com palmas de seda a 040, 700 e 800 rs. o covado, curtes le
seda de cor matizada os mais superiores que tem viudo ao mercado, lindos
cortes de mor-antique de cor linda, gorgurao de la e seda de puulrinle i
lisos, fazenda inleiramente nova para vestido.
Superiores cortes de bloml branco para noiva, camisinhas de carohraia
bordadas, brancas e de cores, lindos sautamharqucs de cachemira de cor enfei-
talos e bordados da mesma cor, ultima moda em Paris, superiores dtapoa
de palha da Italia, enfeites de" flores, 'apellas brancas e outras muitas fazemlas
de gosto quesera enfadonbo annunciar: na ra do Crespo n. 13, Ioja das
columnas, de iVntonio Correa de Vasconcellos 4 Comiwnhia.
APPROVA^AO E AlJTORISA^lO,
DA
Academia imperial de medicina
Junta central de hvgiene pnblira
;r
ELECTRO-MAGNTICAS EPISPAST1CVS
DE

RICARDO KIRK
Para sercm appllcadas s partes affectadas, sci
nem Incommodo
Muito conhecidas nesta crt*.' c em todas as pro-
vincias leste imperio, kIos seus infalliveis resul-
tados em tod<*s os casos de inflainmacao, seiam ex-
ternas ou internas (com catuaco e falta ie respi-
rafao) como do estomago, ligado, baco, bofes, rins,
tero, peito, palpitacao de corado, gargantas,
olhos, erysiiiellns. rlit-inatismos, paralysia, e todas
as aflecfdes nervosas, etc., etc.
Igualmente para quaesiraer mchacoes, feridas^
tumores intesUnaes e venreos, scrophulas, lobi-
nhos, papos, etc., etc., sejam qual for o seu tama-
nho e profndela, por meio da supura?ao serao ra-
ilicalmento extirpados.
(Estas chapas nao iK)dem faxer mal de forma al-
guma, ellas tem sido appUeadas aos olhos cota o
melhor successo, vejam-se os attestados de curas
completas que j foram publicados pelos jornaes.)
O uso lejas aconselhado c reo citado por habis e
distiactos facultativos, sua efflcacia incontcsfcivel, e
as innmeras eons cornpletamenf ol^iii..
Versas molestias empie foram aj>()lira4as, r
merecer e eimtwn'ar aronliano (lo ifuftrji
blico, qne j tire a honra de biumw MrS
nos de existencia e- de i>i aiici.
N. If. Nesta curte e de lodte
imperio rt*Hieiu-se participacCes
respeito tas ditas chapas medicinaos.
As encommendas das provDrias devea
rgidas |kh escri|ilo. com todo o cuidado dr
aa necessarias ex^tlicacTies, a t
homem, senlwra, menino ou rrianea.
molestia e em pie parte do rwpo-xiatR.
Para inchagoes, feridas. lobinlH*. papos, etc.
molde disto de sen tamanhoem um pt-rfacodr
pe, a declaraoo onde e\is>. afim doqne a '
soja da Corma tht parte anVclada, e pan trae
ser bem appliesd em seu lagar.
a- a>
T-
;
PODE-SE MANDAR VIR DE QUALQUER PONTO DO IMPERIO
DO BRASIL

As chapas serio acompanhadas das suas com-1 Consulta s pessoas ^ue se ifiuiinaa |__
potentes explicacSes, c tambem de todos os acees- com a sua cimlianca, lodos os das, en i: n pii>.
sorios necessiirios para suas apiilicaces. Idas 9 horas da manhaa as 2 da tarde.
" ESCR1PT0R10
V. 119 RITA DO PARTO M. 1!
E EM PERNAMBCO
Para as encommendas ou informacSes dirijam-so pharmaeia de Im4
ra do Queimado n. to.


Diario e Pernaasbuco -*- guada felra 18 de Julho de 1841S.
i

MM

f
GRANDE ARMAZEM
AE
PROGRESSIVO.
EE
N. 6, KA DAS CROES N. 36
DO
bairro de *anto Antoulo.
0 proprietario do muito acreditado armazem denominado Progrmista lendo
sempre em vista fazer tudo o que for possivel para bem servir aos seus freguezes, tem
deliberado vender os seus ja bem conhecidos gneros de priraeira qualidade pelos presos
abaixo mencionados, e affinnca as pessoas que mandarem comprar por seus criados ou
escravos, serem to bem servidas como vmdopessoalmente; encarrega-se de aviar qualquer
encommenda, ainda mesmo contendo objectos nSo proprios deste estabelecimento. 0
mesmo pede aos senhores que mandarem comprar ncste armazem o favor de mandarem
devolver qualquer objecto que nao agradar, devendo os mesmos senhores ter toda atten-
eo con os seus portadores, fazendo-lhes ver. que s no armazem Progresista da ra das
Cruzes n. 36, que se vendem os melhores gneros por mais barato preco, porque estes
muitas vezes olvidam-se e vo outra parte onde os servem de maneira a desagradar este
estabelecimento.
DE
Eduardo Marques de Oliveira C.
<5 NO
9-LARGO DO CARMO-9.
DE
cr>
a
s
a
i. -
o- 3
a. M
y.
o
O
i
%\\^\% % ^
Os proprietarios deste espacoso e bem sortido armazem de molhados partici-
para aos seus freguezes que acabam de receber de diversos portos da Europa o mais bel-
lo sortiraento de molhados, todos primorosamente eseolhidos, os quaes vendem-se por
muito menos do que outro qualquer annunciante, obrigando-se os proprietarios-a garantir
todos os gneros saludos do seu muito acreditado armazem.
Manteigai ngleza de I.* qualidade, a 900 rs.
a libra,
dem de 2.a qualidade, a 800 rs. a libra.
dem franceza, chegada ltimamente, a CiO
rs. a libra. I
Batatas muito novas, a 20 o gigo de arroba
' e 80 rs. a libra. ,
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor,
de 20 20500.
dem prato, chegado neste ultimo vapor, o
mais fresco que se pode desejar a 700 rs.
a libra.
dem londrino, mandados vir de encommen-
da especial, 900 rs. a libra.
dem suisso, muito fresco, a 800 rs. a libra.
Caf do Rio de 1.a e 2.a qualidade a 80500
e 80800 a arroba, e 280 e 300 rs a libra.
Arroz da India e Maranhao a 120 rs. a libra
e 30200 a arroba.
Avelas as mais novas neste genero a 240
rs. a libra.
Presuntos do Porto muito novos a 500 rs. a
libra.
Legumes francezes para sopa, como seja,
Julienne, mlange dequipage, Choux e
outras qunlidades, a 100 e 500 o masso.
Amendoas de casca mole a 320 rs. a libra, e
em porco ter abatimento.
Garrafoes com 5 garrafas de vinho do Porto
do Alto Douro a 20400 com o garrafo ;
alianra-se que nesse genero o melhor
que vcio ao mercado.
dem cora 5 garrafas de vinho Figueira muito
superior e mais proprio para a nossa esta-
dio por ser mais fresco a 20400.
Cha hysson o mais superior a 2*600 a libra,
afia'nca-se ser egual ao que regularmente
vendemos a 30200.
dem huxim miudinho, o mais superior que
vem ao nosso mercado a 20700 a libra.
dem preto muito fino, a 20000 a libra.
Garrafoes com 5 garrafas de superior vinho
de Lisboa a 20100 cada um.
dem com 5 garrafas de vinagre de Lisboa
a 10100 com o garrafo.
dem com 5 garrafas de vinagre hambur-
guez a 800 rs. cada uin.
Vinhos generosos vindos do Port engarra-
fados das si'guintes marcas: Genuino,
Porto lino, Nctar, Duque do Porto, Fei-
toria, Velbo secco, Chamico, Madeira su-
perior e outros a 900 rs. a garrafa e 90
a duzia.
Vinho Bordeaux das melhores marcas: St
Julien, Medoc e 8. Estepbe c outros a
640 rs. a garrafa e 70500 a caixa com
urna duzia.
Chouricas e paios, o mais novo que se pode
tosejar, a 230 e 600 rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez dos melhores fa-
bricantes a 900 rs. a garrafa c 100500 a
caixa com urna duzia.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
800 rs. cada um.
Licores francezes, muilo finos, das seguintes
marcas: Anizetta de Bordeaux, Plaiserdes
dames, Crme de Noyau, Eau Dantzic,
Crme de Menthe, Ilude de Venus etc. etc.
Passas muito novas e de carnada a 400 rs. a
libra e 00500 a caixa com urna arroba, ba
caixas, meias e quart^s.
Ameixas francezas em frascos de 1112 e 3 li-
bras ile 10400 a 20800, tambem ba latas
de 6 libras.
Marmelada imperial, dos melhores conser-
veiros de Lisboa, a 600rs. a libra, em la-
tas lacradas hermticamente.
Fruetasem caldas de todas asqualidades em
latas muito bem enfeitadas, a 500 rs ca-
da urna.
Bolaclnha ingleza, a mais nova que se pode
desejar, a 30000 a barric a e 240 rs. a
libra.
Farinfia do Maranbo muito alva e cheirosa
a 160 rs. a libra.
Azeite trmi'07. clarificado a 800 rs. a garrafa
e 900(1) a caixa com urna duzia.
Coniervas inglezas dos melhores fabricantes
Mixed Piekles, cenlas simples, e outros
a 760 rs. o frasco.
Farinha verdadera de araruta a 500 rs. a
libra, garante-se a superior qualidade.
Palito* para dentes em eaxinlias douradas
Bren, a 320 a libra e 84 a arroba.
de superior qualidade a 320 rs. cada ca"
xinha.
Mostarda preparada em potes muito nova a
400 rs. cada um.
Milho-alpista a 180 rs. a libra.
Gomma para engommar muito fina e alva a
80 rs. a libra e 2jjl300 a arroba.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Sabo verdadeiro hespanhol, que raras vezes
vem ao nosso mercado, a 300 rs. a libra e
era caixa ter abatimento.
dem massa de superior qualidade de 160,
180, 200, 220 e 240 rs. a libra.
Graixa em latas muito nova a 120 rs. a lata
e 10300 a duzia.
Peixe em latas muito novo: savel, pescada,
- curvina, salmo e outras qualidades, pre-
parado de cscbexe segundo a arte de
cozinha a 10400.
Papel grve pautado e liso a 30800 a resma.
Genebra de Hullanda em botijas de conta a
460 rs. cada urna.
Vinhos em pipa: Lisboa e Figueira das melho-
res marcas a 30200 e 40000 a caada do
melhor e 500 rs. a garrafa, em porco ter
abatimento.
Vinho velho Chamico em barril, muito proprio
para sobremesa, a 640 rs. a garrafa e
50000 a caada.
Vinho hranco o mais superior que possivel
neslc genero a 560 rs. a garrafa e a 40000
a caada.
Vinagre puro de Lisboa a 200 rs. a garrafa
e 10400 a caada.
Azeite doce de Lisboa muito fino, em barril
a 640 rs. a garrafa, e em porco ter
abatimento.
Champagne das mais acreditadas marcas, a
10000 a garrafa, e 100000 o gigo com
urna duzia.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Babia a 30500 a caixa, tambem temos
para 20000, 20500, 30000 e 30200 a
eaixa.
Vellas de spermacete superiores a 600, 640,
e 680 rs. masso.
dem de carnauba e composico a 320, 360,
e 400 rs. a libra e de 100 a 110500 a
aiToba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa, a 10000
a ancoreta do Porto e 10500 a de Lisboa.
Massas para sopa: estrellinha, rodinha e pe-
vide a 400 rs. a libra e 20000 a caixa com
8 libras liquido.
Massas para sopa muito novas: talharim, ma-
carrao e aletria a 400 e 480 rs-a libra.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso das melhores qualidades a 900 rs.
a libra.
*
Doce da casca da goiaba a 800 rs. o caixo.
Cerveja das melhores marcas de 30500 a
60000 a duzia e 540 rs. a garrafa
Biscoutos inglezes de diversas qualidades a
10300 lata.
Bolachinha de soda, especial encommenda,
muito nova em latas grandes a 20000 cada.
urna.
Massa de tomates em latas de 600 a 700 rs.
cada urna.
Sardinhas de Nantes, do fabricante Basset, a
360 rs. a lata.
Toucinho de Lisboa novo a 320 rs. a libra.
Tijolo de limpar facas a 180 rs. cada um.
Cebollas o mlho a 900 rs.
Erva-doce muito nova a 400 rs. a libra.
Cominhos idem idem a 640 rs. a libra.
Garrafoes vasios a 500 rs. cada um.
Ditos com 5 garrafas d gehebra-a 20400,
garante-se ser verdadeira de Hollanda.
Cebollas a granel a 640 rs. o cento.
Canella a mais nova do nosso mercado a
10000 a libra.
Alfazema o que pode haver de melhor neste
' artigo a 280 rs. a libra.
Phosphoros de seguranca individual a 20 rs.
a caixinha.
Papel de embrulho muito superior a 10120
a resma.
Vinho da Figueira,' o que ha de melhor a
40000 a caada.
Copo finos para agua a 60000 a duzia.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de encommenda especial a 8oo rs.
a libra,
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
64o rs. a libra.
dem em potes de 4 16 libras muito fina e
propria para doente a 8oo rs. a libra e o
pote separado,
dem de porco, refinada e muito alva a 5oo
rs. a libra, em barril ter abatimento.
dem ingleza em latas de 2 1/2 libras a 2,ooo
cada urna, garante-se a boa qualidade.
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
de l,6oo, l,8oo, 2,ooo c 2,5oo rs.
dem prato chegados neste ultimo vapor, o
mais fresco que se pode desejar a 66o rs.
a libra.
dem londrino mandados vir de encommen-
da especial a 7oo rs. a libra.
Gaf do Rio de 1* e 2* qualidade de 8,5oo e
8,8oo rs. a arroba, e 28o a 3oo rs. a li-
bra.
Arroz da India e Maranbo a loo rs. a libra
e 3,ooo rs. a arroba.
Caixinhas de ameixas francezas de 1 1/2, 2
e 3 libras, elegantemente enfeitadas com
diversas estampas no exterior da caixa a
l,3oo, l,6oo, 2,ooo, 2,5oo e 3,ooo rs.
Vidros de diversos taraanhos de confeitos,
muito proprios para mimos, de l,ooo a
2,5oo rs. cada um.
Amendoas de casca mole a 28o rs. a libra e
em porco ter abatimento.
Garrafoes eom 5 garrafas de vinho do Porto
do Alto Douro a 2,24o rs. com o garrafo,
aflanca-se que neste genero o melhor
que veio ao mercado.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira mui-
to superior e mais proprio para a nossa
estaco por ser mais fresco a 2,4oo rs.
Cha hysson o mais superior a 2,6oo rs. a
libra, afianca-se ser egual ao que regular-
mente vendemos a 3,ooo e 3,2oo rs.
dem huxim miudinho o mais superior que
vem ao nosso mercado a 2,7oo rs. a libra.
dem preto muito fino a 2,ooo rs. a libra.
dem muito mais baixo, muito proprio para
negocio a l,6oo rs. a libra. .
Presunto inglez para fiambre o mais fresco
que se pode desejar a 8oo rs. a libra.
Garrafoes com 5 garrafas de superior vinho
de Lisboa a 2,2oo rs. cada um.
dem com 5 garrafas de vinagre de Lisboa
a l,2oo rs. com o garrafo.
dem com 5 garrafas de vinagre hamburguez
a 9oo rs. cada um.
Genebra de laranja a 9oo rs., a melhor que
se pode desejar.
Cha perola o melhor neste genero a 3,2oo
. rs. a libra.
Vinhos generosos vindos do Porto engarra-
fados das seguintes marcas: Genuino,
Porto fino, Nctar, Duque do Porto, Fei-
toria, Velho secco, Chamico, Madeira su-
perior e outros a l.ooo rs. a garrafa, e
9,ooo rs. a duzia.
Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto
a l,2oo rs. a garrafa, e lo.ooo rs. a caixa.
Vinho Bordeaux das melhores marcas: St.
Julien, Medoc, S. Estephe e outros a 7oo
rs. a garrafa, e 8,ooo rs. a caixa com urna
duzia.
Chouricas e paios, o mais novo que se^pde
desejar, a 56o rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez dos melhores fa-
bricantes a 9oo rs. a garrafa, e lo,5oo rs.
a caixa cora urna duzia.
Marrasquino de Zara em frascos grandes a
8oo rs. cada um.
Licores francezes muito finos das seguintes
marcas: Anizete de Bordeaux, Plaisir des
Dames, Crme de Noyau, Eau de veede
dant-- c, Creme de menthe, Huile de Ve-
nus, Parfait amour, Eau d'ora l.ooo rs.
a garrafa e-lo.ooo a caixa cora 1 duzia,
Passas muito novas e de carnada a 3oo rs-
a libra e 6,ooo rs. a caixa com 1 arroba
ha caixas, meias e quartos.
Ameixas francezas em frascos de 1 1 '2 e 3
libras de l,4oo a 2,8oo rs.; tambem ha em
latas de diiTerentes precos.
Marmelada imperial dos melhores conservei"
ros de Lisboa a 6oo rs. a libra, em latas
de differentes tannos e lacradas herm-
ticamente.
Fructas em caldas de todas as qualidades em
latas muito bem enfeitadas a 5oo rs. cada
urna.
Bolachinha ingleza a mais nova que se pode
desejar a 2,5oo rs. a barrica, e 24o rs. a
libra.
Azeite francez clarificado a 8oo rs. a garrafa
e 9,5oo rs. a caixa com 1 duzia.
Conservas inglezas dos melhores fabricantes
' Mixed e Pickles, ceblas simples, e outras
a 8oo rs. o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes muito
nova a 4oo rs. cada um.
Mlhos inglezes de todas as qualidades e das
melhores marcas a 5oo rs. cada urna gar-
rafinha.
Sal refinado em frascos de vidro de diversos
modellos a 4oo rs. cada um, s o frasco
vale o dinheiro, tambem ha solt para 8o
rs. a libra.
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de doce, manteiga
ou outro qualquer liquido de 1 ,ooo a 3,ooo
cada um.
Painco a 14o rs. a libra.
Milho alpista a 16o rs. a libra.
Gomma para engommar muito fina e alva a
8o rs. a libra, e 2,3oo rs. a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Sabp verdadeiro hespanhol que raras vezes
vem ao nosso mercado a 3oo rs. a libra o
em caixa ter abatimento.
dem massa de superior qualidade dd 2oo,
22o e 24o rs. a libra.
Graixa em latas muito nova a 12o rs. a lata
e l,3oors a duzia.
Peixe em latas muito novo: svel, pescada,
curvina, salmo e outras qualidades,^pre-
parados de escabexe, segundo a arte* de
cosinha de l,4oo e 2,ooo rs. a lata.
Amendoas confeitadas de diversas cores a
7oo rs. a libra.
Papel grve pautado e Uso a 3,8oo rs. a
resma.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
46o rs. cada urna.
Vinhos em pipa: Lisboa, Porto e Figueira das
melhores marcas a 2,5oo, 2,8oo, 3,ooo e
4,ooo rs. a caada do mais superior e de
32o c 36o rs. a garrafa.
dem velho Chamico em barril, muito proprio
para sobremesa, por ser muito claro e
macio a 64o rs. a garrafa, e 5,ooo rs. a
caada.
Vinho branco o mais superior que possivel
neste genero, a 56o rs. a garrafa e a
3,8oo rs. a caada. \
Vinagre puro de Lisboa, a 2oo rs. a garrafa
e l,4oo rs. a caada. >
Azeite doce de Lisboa muito fino, em barril,
a 64o rs. a garrafa, em porco ter abati-
mento.
Champagne das mais acreditadas marcas, a
l,2oo rs. a garrafa, e 12,ooo rs. o gigo,
com 1 duzia.
Charutos dos mais acreditados fabricantes da
Baliia a 3,5oo rs. a caixa, tambem temos
para 2,ooo, 2,5oo, 3,ooo e 3,2oo rs. a
cixa.
Velas de spermacet superiores, a 6oo 64o,
68o e 7oo rs. o masso.
dem de carnauba e composico, a 32o, 36o
e 4oo rs. a libra, e de lo.ooo a U,5oors.
a arroba.
Azeitonas novas do Porto e Lisboa, a l,ooo
rs. a ancoreta do Porto, e l,5oo rs. a de
Lisboa, estas ultimas raras vezes vem ao
nosso mercado, pela sua boa qualidade.
Massas para sopa: estrellinha, rodinha c pe-
vide a 32o rs. a libra, e 1,6oo rs. a caixa
com 8 libras Iiquino; s no Progressivo.
Massas para sopa muito novas: talharim, ma-
carro e aletria, a 4oo e 48o rs. a libra.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso, das melhores qualidades a 9oo rs.
a libra.
Doce da casca da goiaba a 64o rs. o caixo.
Cerveja das melhores marcas, a 5,5oo e
7,4oo rs. a duzia e 54o rs. a garrafa.
Biscoutos inglezes de diversas qualidades a
l,2oors. a lata.
Bolachinha de soda especial, encommenda
muito nova, em latas grandes a 2,ooo rs.
cada urna.
dem craknel em latas de 5, 7 e 15 libras a
1 4,000, 5,5oo e H,ooo rs. a lata.
Paljtos do gaz, a 2o rs. a caixinha e 2,3oo rs.
a grosa:
Massa de tomates em latas de 6oo a 7oo rs.
cada urna.
Sardinhas de Nantes do fabricante tfasset, a
38o rs. a lata.
Toucinho de Lisboa novo, a 32o rs. a libra.
Tijollo de limpar facas, a 18o rs. cada um.
Cebollas, o mlho a 9oo rs.
Farinha do Maranhao muito alva e cheirosa,
a 14o rs. abra.
N'este novo e grande estabelecimento de molhados, encontrar o rfspeitaycl
publico d'esta cidade, bem como seus numerosos freguezes do centro, expostos venda
todas as qualidades de gneros por menos precos queem quaesquer outros estol* lecmeit-
tos d'esta ordem, pois para isso segu em um dos primeiros paquetes para a Europa um
dos socios para serem vindos todos os gneros de conta propria, para uielhor servir aos
seus freguezes, e desde j encontrar o respeitavel publico sempre osiuelhore I mais
novos gneros do nosso mercado, e por precos baratissiraos, como se ver abaixo.
Amendoas a 320 rs. a libra.
Avelaes a 240 rs. a libra.
Ameixas a 10 a libra.
Ditas em frasco por 20800.
Arroz pilado da India 120 rs. a libra e 305OO
a arroba.
Dito dito do Maranbo 140 rs. a libra c 30600
a arroba.
Azeite doce francez 800 rs. a garrafa.
Dito de Lisboa 680 rs. a garrafa.
Agurdente de canna de cabeca a 240 e 320
rs. a garrafa.
Azeitonas a 400 rs. a garrafa, e 10300 a an-
coreta.
Bolachinha de soda a 10400 a lata.
Banha de porco a 480 rs. a libra.
Bolachinha ingleza a 200 rs. a libra, e a bar-
rica a 30000.
Cha hysson a 20200 a libra.
Dito dit fino a 20600 a libra.
Dito miudinho a 20800 a libra.
Dito do Rio a 10800 a libra.
Dito preto a 10900 a libra.
Charutos de diversas qualidades a 10200,
10500 e.30 a caixa.
Champagne a 10 e 10500 a garrafa.
Chouricas a 560 e 600 rs. a libra.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
Caf em grao a 300 e 320 rs. a libra, e 90 e*
90200 a arroba.
Dito moido a 360 rs. a libra.
Doce de goiaba a 560 rs. o caixo.
Espirito de vinho de 38 graos, a 280 rs. a
garrafa.
Figos a 400 rs. a libra, e em latas de 4 libras
por 10500.
Farinha do Maranhao a 160 rs. a libra.
Genebra de Hollanda a 640 e 720 rs. o frasco,
e 70 a frasqueira com 12 frascos.
Dita hamburgueza a 560 rs. o frasco, e 60500
a frasqueira com 12 frascos.
Dita flor de laranja a 10 o frasco.
Gomma d'araruta a 100 rs. a libra, e 20600
a arroba.
Graixa em latas a 120, e 10300 a duzia.
Genebra em garrafoes de 14 garrafas por
40600.
Batatas inglezas libra a 100 e 120 rs., em gi-
gos de 28 libras por 20500.
Licor fino a 800 rs. a garrafa.
Dito em garrafas grandes de superior quali-
dade a 10500.
Manteiga ingleza flor a 800, 900 e 10 a libra.
Manteiga franceza a 720 e 760 rs. a libra.
Dita hollandeza a 680 rs. a libra.
Mostarda a 640 re. o frasco.
Massa de tomates a 640 rs. a lilira.
Dita estrellinha para sopa a 560 rs. a !bra.
Marrasquino de Zara a 800 rs. o frasco.
Passas a 320 e 400 rs. a libra, e 60 a caixa.
Palitos para denles a 180 rs. o masso.
Phosphoros do gaz a 2:5500 a gn>sa.-
Paios novos a 640 rs. a libra.
Queijos do reino do ultimo vapor a 24 c
20500.
Dito de prato a 720 rs. a libra.
Dito do serto a 560 rs. a libra.
Cervejas de marcas superiores a 500, 560,
600 e 640 rs. a garrafa, e 50500, 64 e
60500 a duzia.
Dita em barril por 40, e 240 rs. a garrafa.
Cevada a 240 rs. a libra.
Sardinha de Nantes a 3O c 400 rs. a uit-
nha.
Sag a 240 rs. a libra.
Sabo massa a 200, 240 e 280 rs. a libra..
Sevadinha a 280 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 560 rs.
Vellas de spermacete a 640 e 680 rs a bfcra.
Ditas do gaz muito boas.
Ditas dito em caixas de 6 libras por 40000.
Ditas de carnauba a 400 rs. a libra.
Ditas de composicao a 360 e 380 rs. a hhra.
Vinho do Porto, caada a 50500, garrafa a
720 rs.
Dito Lisboa, caada a 40 e a garrafa a 500
rs.
Dito Figueira, caada a 30840 e a garrafa a
480 rs.
Dito dita superior, caada a 40 e a garrafa
aSOOrs.
Dito Estreito, caada a 30200 e a garrafa a
400 rs.
Dito Bordeaux a 720 e 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa em garrafoes de 5 pa ra-
fas por 10400.
Dito em' caada a 20, e a 260 rs. a garrafa,
Vinho do Porto em garrafoes de 5 gnalas
por 20500.
Dito dito engarrafado a 10 e 10200.
Dito lagrimas do Douro a 10400 a garrafa.
Vinho branco de Lisboa a 720 rs. a garrato,
e 50 a caada.
Dito do estreito a 600 rs. a garrafa, e a 40560
a caada.
Previne-se ao respeitavel publico que todos os gneros cima sao de l*>a quab-
dade, e para desengao venham ver; assim como outros que deixam de ser annunciadi*.
TODA ATTENQAO
NOS
CONSERVATIVO I ffNS8VIDfitt
DE
KS. 21 E 23LARGO DO TERCO -NS. 21 E 23.
O proprietario destes dous estabelecimentos de molhados. vende os seus g-
neros por menos do que em outra qualquer parte, por isso garante a superior bu-
lidade de qualquer genero sabido dos seus armazens; pode vender por menos por con-
prar dinheiro, e por isso faz vantagem a os compradores.
Batatas as mais novas do mercado, a 80 rs. a libra e 2,ooo rs. aarroab ou caixa.
Toucinho de Lisboa da 1.a quabdade, a 3oo rs. a libra e 9,ooo rs. a arroba.
Caf do Rio da 1.a e 2.a sorte, a 28o e 32o rs. a libra.
Queijos do reino, chegados pelo ultimo vapor, a 1,8oo e 2,ooo rs.
Velas de spermacet, carnauba do Aracaty, as melhores deste genero, a 63o e 4oo rs. a l.ora.
Vinho verdadeiro Figueira das melhores marcas, a 5oo e 4oo rs., em caada se faz aba-
timento, ha porco para escolher.
Bolachinhas americanas, as mais novas neste genero, a 2oo rs. a libra e 3,ooo rs. a barrica.
Palitos do gaz, vindos por cont particular, a 2o rs. a caixinha e 2,4oo rs. a grosa.
Manteiga ingleza M 1.a e 2.a qualidade, a 8oo e 9oo rs. a libra,
dem franceza, especialmente escolhida, a 7oo e 68o rs. a libra.
Cha, o melhor neste genero, a 2,88o rs., tambem ha para mais barato.
Milho alpista, limpo, muito superior, a 16o rs. a libra, a arrroba 5,ooo rs.
Alm destes gneros ha outros muito baratissimos, assim como ceneja das me-
lhores marcas, genebra de Hollanda e de laranja, passas.'doce de goiaba, azeite doce, vi-
nagre, canella, pimenta, cominhos, erva-doce, cebollas, alhos, chouricas. banha de porco e
outros muitos gneros que enfadonho mencionar; dinheiro contado.
Alm dos gneros acima.mencionados, existe um completo sortimento de al-
fazemas, cominhos, pimenta, erva-doce, palitos de dente em macos e caixinhas, enxo-
fre e outros muito gneros, os quaes vendemos pelos preoos mais baratos possiveis.
Em casa de N. 0. Bieber & C, successo-
res, ra da Cruz n. 4, vendem-se:
Machinas para regar hortas e capim.
Ditas para descarocar milho. '
Ditas para cortar capim.
Sellins com pertences a 100 e 200.
Obras de metal principe prateadas.
Alcatro da Suecia.
Verniz de alcatro para .navios.
Salsa parrilha de primeira qualidade do Para.
Vinho Xerez de 1836 em caixa de 1 duzia.
Cognac em caixa de 1 duzia.
\rados e grades.
Brilhantes.
Carrocas pequeas.
AGENCIA
DA
lNDICO DE LOW-MOOR.
Rna da Sfnuil ora n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos. t
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston & C.,
ra da Senzalla Nova a. 42.
108 SRS. CONSUMIDORES DE Gil
Nos armazens do Caes do Ramos n. 18 na ra do Trapiche Novo (no Recife) n. 8, s
vende gaz liquido americano primeira quaft-
dade a retalho a 120 a lata de 3 gales, as-
sim como latas de 10 e de 5 garralas e sendo
em porco mais barato que era outra qual-
quer parte.
Potassa da Rnssia.
Acaba de chegar pelo brigue Itaraliurguez
Otto, muito nova e superior; venle-se so-
mente no antigo e acreditado deposito na na
da Cadeia do Recife, n. 12; onde tambem e
vende cal de Lisboa muito nova e a preejM
comraodos.
Kua da Senzalla 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston A C,
selns e silhes inglezes, candieiros e eart-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de t*.
chicotes para carros e montaria, arreios pM
carros de um e dous cavaHos, ereiofioi
ouro patente inglez.________ .
Assucar do Monteiro.
Roa da Cadeia n. 28 e caes de Apelo .
67, a 200 rs. a lrara, e de 8 ubras para ca*
a 50600 aarroba.


*m
*
Diarfo d TP*Miaml>n#o egnnd fefra tfc te Taillir jle f *i3.







.

1
LITTERATUtA.
A*s Jvens artista Pernambu-
canes.

.. forte* JBpsi- estol
(! !:!'! i'il do- SSOS.
-Ihcaos ps o passaiu rindo ;
,,,,io ante si o desaliain :
i az;.= sobre os ares pairam...
1UUIIH ?
. .! que na fronte aborta e ii>a...
o i iWo de i>> sis se patenteiM
.o ii forcis, uo sentamos.
Pj parar < uigueem cada vea,
H To nmrrer no peito;
.,: presa ",0 saavissima cadeia !
0 Senhor desBrenideu-vos, areolithos,
poj virdes tratar luz de novo torra :
Bp aehas tanta bellesa
as scenas da natu
Yivendo com leu aoSirite
S respira
Sem no prltoHrr eiflmes...
Oh! voemos nesse instante'
Voemos anjo, voemos ...
Dore vida p.s:n.Mi)~
Nessa maga sofldlo
Sos esquecidoe do mundo
Em un entere profunda
Ifossas vidas passarao.
9 de julho 186 3. j
D. P. DE LbOST
ao se teria de reeeiar semelhanto do"sgrara, se dade de Deus a'historia dos imiierios sob o ponto assim como fazer deseer o corarlo at o nivel dos
A" mlulia iiic.
(Xumn hora de tristeza.)
Minha mi' eu sontvi Infladas glorias
A" me sorrir alm ;
Acordei! e p'ra alvorada das victorias
Eu me sorri lambom.
manfla patria f i patria ' sempre ingrata. E bem depressa parii...e o que buscara?...
A a abalhar eos olhos cerra !
redi: aera a senda milito embora
Nj coracao po'.lula a mondado ;
Ue : na extrema encontrareis os loncos.
Veneei a immensidadc'
\ roae, eorre, que teodes animo 1
Sois modernos coHossos!
11 est no cstortegar dos membrcf,
No reehoear dosossos !
IVnamhuon. 0 de julho de 1801.
J. A. o'AlmeidaCi niiv.
I/m jamo!
Ar.jo tara, virgem querida.
;.; i pesada < sta vida
So solo da miltido...!
Nossos peitos comprimidos.
sustidos
as dobras do coraeSo'.'.
Sera goaarmos i vi mura
rtelas a dorara,
s-io pdennos desfrnctav'
o podei mos eom mil beijos
., apar nossos dcsejos
Soasas vidas |-1 fumar!...
. :o-!a...sii adeixarmoa
Grato asilo en ontraremos
treguas da solido.
.a esqoecidosdo mundo
EUxi ara enlevo profundo
N6sas almas viverio.
Que ventara !...Dons amantes
Sos, (solado?; distante?,
iio5os:
para o outro rircndo
Km amor esvaeeendo
Seus singeltos eoracSes "...
Ambos jorens delirosos
Nossos das venturosos
i sorriso
os por beos trocando,
Amor, com amor pagando
meno paraso.
Anda,seremos buzos
1< de jotaes
Que nao ni sa Assim nos amando moito
De amor no ledo encanto
Seremos glorias seno par.
N'.iin bosque nos acbaremos
o s que aqui nao temos
!: virereinos u dr.
E'um tbeatro pomposo
Que is :': nar formoso
0 drama de nos* amor.
L a tarde mais amena
ET a la mais serena
'': inh i 0 arrebol
A natura exhala un hymno
No cortejo matutino
Ou grave baixar do-sol.
Cantilenas maviosas
Re derramam copiosas
los valles rol abantes
. Mil paisai -1 ilorescas
<' Serranas gigantescas
L se elvam elegantes.
ristoMMs
Se i! leiilian das colinas
;. prysmas de cristal
Auras frescas perfumadas
Itomorej.im embaladas
Nos leques dopalmeiral.
. Os prado-; smeraldinos
Os perfume! peregrinos .
as azas da viraeio
A cantiga somnolente
Do riacho que rebenta
Embriaga o coracao.
culos de que acabamos do fallar, se tivesse de vista divino,.*creando, primeiro do totjps, a
del ao metbodo chnstao, ero vez de, em um phitosopha da Mora ? Imniertso pensarnjnto,
lento irrelieetido e insensato, to-lo sacrificado^que s o niaior^enio daantiga egreja pide conee-
netbodo pagao, e so$und^lfc|s se restirassc ber, e s o mam genio da egreja 'ipderna (Bos-
aqnelle sobre as ruinas deste, Has, isto seria, suet) soulie compreheuder e etpor com tanta su-
dizcmj matar a grande 1 i i teralolra, da qual-'os-aiB- |ierioridade o brilbo em seu inimortal discurso so-
toros pagaos sao os mais bem afanados modelos; bre a historia universal.
seria aealiar com a bella latinidade, que tanto t Sulpicio Severo e Osorio nada teem a invejar a
importa conservar no iuteresse da religiiio e da sullustio c a Cesar, e o estro de Tertulliano faz es-
egreja, como no das bellas-letfras. Porqoanto, queccr 0 dc Taci|() E> que somentc cm nSSOl.
esta latinidade nao pode ser aprendida senao au,ores acna.S( a hslora bageada M V(,r(,.(|Ul
. com estudos longos c serios dos^utores pagaos, |Mdo ,TO a emw^ c conio n..sultado a
4 estudos que se tomam nnpossiveis, sa nao sao
i incetados desde a infancia.
vantagem temporal e eterna da humandade ; ao
passo que os historiadores gregos, romo os latinos
Tal objeceao nao tem valor, porque nao tem fun- |heg cxprol,avanii nao M (,05lnpucm senao pela
damcnto;e sustenta-la dar inostras de grande le- 0nsadia da mentirT: (13) sendo que os historiA-
veza, de grande ignorancia e de grande cegucira, 0Tes |alnos n50 sa0 mais vordadeiros. Km uns
qnanto a evidencia dos fados jire*enles o expe- c outros, mosmo o verdadeiro esti Iterado pelas
ao
liuseava a palma avante !
A luta era doida...e eu s pensara
Ka c'ra uiumphanle I
E hitando beindizia os lindos sonhos,
Qual crdula creanea;
E muitos annesjpwsei assim risonhos
Ebrio de esperanca...
Mas ai! veio um dia...e o fado austero
Com sua negra niao
Descarxegou-me um golpe horrendo e fro...
O sonho era Jsao!
E no mcio da vereda que eu seguia
Em ardente romagi-m...
Ai eu vi a niinha estrella, niinha guia
Torna so em negra imagem!
E l sozinbo Tupiei na ionga estrada
Sem alm proseguir:
Ninguem me foi guiar !...foi deslembrada
A voz do mcu sentir!
Vol'ei! e de junto ti, majo querida,
Venbo triste chorar:
Soii lio infeliz !...e tu compadecida
Me queres consolar I
Oh! ningnem lamenta a niinha desventar
Zoinbam do pranto meu!
S tu choras, piedosa creatura.
A dor do lilho ten !
Nao suppliques o mundo, o mundo sardo
Ao grito d'afllieeao;
Pede sij Deus, Deus ouve tudo
E ve leu'ooraeaa
Ai! se eu ao menos no peito inda sentisse
Um ponch d'esperanea...
Com a gorfe inMa lutara, mas ai! j ri-se
Desta loucalembranea.
Si uto que esquecido aqui, qual o proscripto
Que nao v o seu lar.
Morrerei nos teus bracos triste e afilelo
Sem a gloria filar !
Junbo I8G3.
P.VLLO DE A&8B0A F-nol'E.
Discurso do BSviii. padre Venin-
ra de Kaulica. sobre a neeessi-
dade de una reforma do ensi-
llo publico, no Intcresse da
litteratura e da poltica.
Ipsum auVte.
(Ev. da 2' dom. da Quar.)
(Contmaitifw.)
E para que ninguem alegue ignorancia, atten-
dam lodos i que o espirito christiio. que por si s
conserva anda entre nos os restos da-litteratura e
da eivilisaeao que gerou. se enfraquocc mais ao
contacto do espirito pagao, que cada cauto oOere-
ce combate, e bem poderla extinguirle inteiranien-
te, lerano coinsigo tudo quanto flevemos ao chris-
tianisnio, respectivamenti s bellas-lettras, bellas-
artes e eultura social. As niesmas cousas produ-
zem necessariameute os mesmos defeitos. Se. pois,
a Europa moderna obstina-se, como os Gregos, em
immolar o sonso christiio da mocidade pela vanglo-
ria de.conservar as linguas e a litteratura pagaas.
que espere ser fulminada [eomo o foram OS Gregos.
Ella acabar por perder, como se acaba de ver. o
cliristianismo, e nao conservar esta supremaca
as sciencias, as lettras. as artes, na industria e
na poltica, que a constittiein mestra da eivilisaeao,
e arbitro dos destinos do mundo. Gomo foi prdito
por vozes poderosas. (12) cessando a Europa de ser
clnistaa, tor-nar-se-ha cossaca.
A historia de sua apostasia ser a historia de sua
decadencia; c sobre o tmulo de todas as suasgran-
dezas e de todas as suas glorias urna mao terrivel
traiar este epitaplno: Oii! que mu calculo
comprar o temporal com o eterno! o resultado
perder mu e outro TemporaKa antUtere timue-
iimf ct vit'im atenan non corjitarerunt, et sic
utiuinquc amiserunt.
(12) Mr. Donoso Cortes, e Napleo I.
liencia do jiassado. I exagerares da linguagem, pelas aretencoes
Assim como o coraeao do homem nao se eleva espirito."e pelo inleresse da vaidade. Nio peque-
senao pelo sentimeuto da virtude, sua intelligencia naterefa para a critica descubrir ahi a verdade.
nao se desenvolve senao pelo eonhecimento da ver- enrolla e perdida uo meto das nuvens da falsidadc
dade; porque a verdade de alguma sorte a rirtn- e das pequeas paixfies.
de da intelligencia. como a virtude a verdade do o que direi da poesia ? Nao certo, que toda
coraeao. S progredindo no eonhecimento da ver- a )0C(iia paf,aa cmpallidecc perante a poesia dos
dade, a intelligencia forma-se. avulta, consolida-se pr0f>lietas ? As odes de Pndaro e de Horacio, as
e chega ao gru de potencia e perfeicao, necessario quacs a cscon,a jjb palavras e a difflculdade da
para bem julgar das cousas, adquirir novos conhe- pi,raso substitucm milita vez a clevacao do pensa-
mento, tomando-se frepientemente a inchacao por
magestade e a obscuridade por sublime, essas
, seu commentario c seu desenvolvimento. ,'"'" i"^' v* - -"'- >> - i- "........"77" ""'"'""-> -
, pois, asaos os livros mais proprios para for- " s muitos poetas da edade de Augusto ? Os pe- mil vezes uia.s do que Cicero, h
razio christTia, o sao tarabem para formar quenos poemas de S. Boaventur^ que o vosso Ger se pode, se,,, morrer de tedio, po
c montos, e attingir novas verdades.
Nos li\Tos santos e classicos chnstos tudo vir
lude e verdade, ou tudo leva urna e outra, por..H ^igo, sustentan! por um momento a compa-
qne nelles tudo o pensamento de Deus ou o seu ra:50 com os <**** da Ril lia ? Adunde S \ ic-
refiexo. sen commentario c seu desenvolvimento. ,or- &****> V* da cda,lc ,ne('ia> na0 val 1
Sendo,
mar a .
a razio litterari.% e para elevar as inlelligencias " W* fazcr enlrar no mmcro dos ,,vros rlas"
altura da grande litteratura. sicos da mocidade, como os mais proprios para
Extasiam-sc perante os primores da litteratura elevare espiritualisar as almas, naos respiran
pagaa; mas, sem fallar nos magnficos discursos urna verdadeira o deliciosa poesia ? Nao
de Moyses, de Josu, e de outros grandes perso- onteceomesm a respeito dos hyinnos e das
nagens da Biblia, sejamos sinperos : Pde-se ad- prosas de S. Thomaz ? (14) Sei muito bem, que
mirar Dmosmenos, depois dc ter lido as borne- um celebre litterato do sceulo XVII (Scaligero)
lias de S. Joao Chrysostomo, ou admirar Cicero disse : Eu antes quisera ser autor da ode de
depois de ter lido os sermoes de S. Lcio e do S- Horacio Quem tu Melpomene setnel, do que rei da
Fulgencio sobre os mvsterios. os sermoes ou ta- Franca. Mas, era puro fanatismo. Um ontro
tados dc S. Agostinho,'e as homelas de S. Grego- litterato nao menos celebre do mesmo seeulo, e
rio sobre os Evangelhos ? j demais grande latinista c grande poeta (Santenil)
, .,.- .. i disse por sua vez: Eu dara todas as minhas
E, que a eloquencia christaa e sobretudo a elo- ~
. -, _______, , poesas or esta estrophe do poeta Anglico ; be
quencia dos pensamentos, enr quanto que a elo- '
quencia pagaa nao senao a eloquencia das pa
larras.
interesses da materia e do ysmp Daqui a peque-
nhez de espirito e a ausencia de carcter; que tan-
tas vea se deplora nos litteratos modernos, mo-
delados pojo classismo pagao. Em grande numero
destes escriptores ha um falso gosto littcrario, e
um enthusiasino ficticio, offuscando o leitor polo
atrevimenlo o monstruosdade dos tropos, o sacri-
ficando a verdade do pensamento e a importancia
das deas ao OUropel d<' palavras vasias de sentido,
harmona do perodo e oleganria das jib/ases.
Sao. pois, litferatos to poaco serios, quao pobres
chrislaos.
Particularmente o lalim teria, tambem elle, seu
qiiinbao na restauraeao do metbodorliristo.
Primeiro, como victoriosamente acaba de ser de-
monstrado, (17) o latim christo pelo menos tu
puro o tao bello como o latim pagao, accrescendo
ser mais simples, mais claro, mais preciso, mais
substancial e mais gracioso. Que subliinidade e
que pureza de expressoes no latim do lvro de Job!
Que encanto divino no latim dos Evangelhos Mel-
la creaeao do genio de S. Jeronymo, mandado do
alto para dar aos homens nina amostra do estro
de Deus. estylo noqnal a sabodoria de Deus est
occulla sob a simplicidade da lettra, e por isto mes-
mo o nico proprio para expor o grande niystero
do Filho de Deus revestido da fraquoza do homem.
1
O maior latinista do seeulo XVf, Erasmo, de al-
ma e de espirito iiiteiramente pagaos, e por conse-
guinte juiz milito competente, e lestemunho insns-
primeironm Maior nnmero de disctpnlrig appaV
ihla s-riamenle ao estado do Miaa ; em se-
gundo lugar rariam elles em nm amo w p*>-
gresso. do que ran, agora ,.n, ,mtTn imm ^
metbodo que so Ibes imp6c; flnalmonto, ramo aea,
hamos di' observar, -'------r ha mais besa db-
jiostos e mais aptos a a|H>ssarera-se nais Urde das
verdadeiras bellezas dosel.
. pois. evidente, que, longe o*- pr.-jndi.-ar ao
verdadeiro irogresso da bella lalinlUadr, < rmtfco-
do, que sustentamos, seria o meto in.- re lo . inai,
potente de torna-la coinnimu. de |'"|>nl;ir.-a-lae4a
conserva-la, com grande vantagem |;..ra as brlfas-
lettras c para a religo.
Una Irrsteexperiencia nosensina. . ciotrar.
que o nieihodo Mgao longo di- liar M-iiwllK resultados para o.latim classco, Ihe tem sido !
funesto.
Ha ja tres seclos, que urna preocriipaoito tur-
cada |ielos escriptores do seoulo de Perir.-s o i
AiiL'nsto, consegua iiilinilinli s e-eo|a>chri>ta-
o metbodo de ensinaf o latim rom os rlassicos
|i.-igos.
llaj tros seclos, que. sonhor ilo terreno, e
sustentado por toda casia de Tirnifiei, tai metbo-
do reina sem competencia.
Ha j tres seeiilos, linalmonte, que. iraduMas
em todas as linguas, rommeatadiM palavra por -
\\xm como orculos, piiblieados em UnVn os for-
nia'os, os autores pagaos loemsido postos ao al-
cance de todas as aades, de lodos o> sexos, >le lia-
das as fortunas e de todas as intelligeiirias . eri-
gidos em dolos de tudo o que tem espirito, t, n >,.
do propostos ao esludo, meditara* eartonin, a
adiuiraean forrada, e poder-se-hia dMf a adorara
da mocidaoo."
Pois bem : quaes lom sido os resultarlos drw*s
esforcos da |H'dantaria rlassica. das cihii1it.-s fa-
jieito na questao, nao hesita em declarar, com gran- 'voraveis em que se lean adiado, e do poder que.
nascens Aedit socium, convesrens in edulium, se
moriens in pratium, se regnans dat in pramium.
E' puro bom sonso. E tambem eu (porque ca-
Quanto a eloquencia d.daseahca, os livros sa- ^ nm ^ spu g()S?o)) r(inun(.iari;l de bom grado
pionciaes, os tratados moraes deS. Bazilio, a obra {oi^ as dignidad(ls da cgroja> j)o)a honra de ter
que S. Ambrosio escreveu sobre os decaes (De pan|a(]o 0 nascimcill0 leinporal do Verbo Eterno,
o^iru;, para fazer esquecor a qao Cicero baria cmm fpz s An,|jrosi0i (13) c as grandezas da Cruz,
esoripto com o mesmo titulo, e mesmo s o lvro cmQ Q fez 0 vosj0 poeta Frtunat0. (16)
immortal da lmitarao, independentemente da .
substancia, nao priman,, mesmo pela forma tao Por mais iue so diga, e por mais que se faca, o
de escndalo do pedantismo, que no ponto de vista
da bella e elegante latinidade, S. Jeronwno vale
ua verdade, nao
rcorrer v. g. as
Qnestdes Tusculanas, o livro mais elegante do ora-
dor romano, ao passo que o Solitario de Betbleem
lido com inleresse at o fin. As hypotyposes de
-; S. Anmrosio fazem osquecer os mais pittorescos
podaros de Virgilio; (18) o latim dos livros inoraos
de S. Gregorio, e dos coinuientarios de Beda, re-
ne a elegancia, a harmona, a aneinidade o a gra-
ca, a una facilidade maravilhosa de tornar claros
e accessiveis a todas as inlelligencias os mais su-
blimes mysterios, o os mais importantes deveres do
cliristianisino. O que ha de mais conciso e inci-
sivo do que o latim de Tertulliano ? O Que ha de
mais solido c sentencioso, do que o latim de S.
Agostinbo ? O que ha de mais filente e magestoso,
do que o latim dc S. Leao ? O que ha de mais exac-
to, m;ris vivo, mais doce e mais atlractivo, do que
o latim de S. Bernardo ? (19)
Nao , pois, o cim i ii I o da sem razao afirmar,
que entregando aos mancebos semelhantes mode-
los de urna boa c bella latinidade, s sahiriam de-
ploraveis latinistas ? Pelo contrario, os modernos
professores de latim nao se dariain |>or felizes, se
com o metbodo pagao forinassem discpulos capa-
exacta, to philosophica, tao brilhante e to rana- \W* nao sabe, que a poesia christaa a verdadeira Z(,s d(, ov,.rccr 0 iatim dl> s. Bernardo c de S. Je-
da, sobre lodos os mais eloquentes tratados dos P0^'3.ou a lisiado ^usiasmo* do J^ ronyino ? E com tal resultado nao se dariam por
moralistas do paganismo ?
i das cousas, e que a seu lado a poesia dagaa, ou a 1)Pm pagos do gcus pcnosos t,.a|)a|hos 0 ensill
Quanto ao estylo epistolar, a wperioridade dos lesia do onthusiasmo e do sublime das formas,
autores christos sobre os pagaos um facto in- nao passa de brinco de croancas, me nao
A nica colleceao na-'. 1uc I""-'8'1'- e na i)ode tomar a ualaVla
contestavel c incontestado. A nica colleceao pa
gaa, reputada classica n' este genero, a corres-
pondencia de Cicero. Na verdade nada lia dc
mais elegante no ponto de vista da latinidade ;
na pre-
sente questao. ,
Ora, se fossem aproveitados os oito annos, que
a mocidade toreada a consagrar ao estudo dos
mas, tamliem nada) de miis enfadonho no ponto autores pagaos, cm meditar e aprender de cor es-
de vista do gosto; nada de mais vasio no ponto dc sos primores da litteratura christaa, esses perfeitos
vista do inleresse; nada de meaos edificante no moteta do bello o do verdadeiro, nao ha duvida
ponto de vista da moral. Tudo ah respira a luta de que as jovens intelligencias achar-se-hiam, mais
das mais baixas paixoes, sao as expansoes as mais adante, mais aptas para destinguir o ouro do lixo
cynicas de amisades hypocritas, tendo somente o nos autores pagaos ; dc apropriar-se das formas,
egosmo por movel e por base. I despresando os pensamenlee ; de apossar-se das
Assim nao acontece com as Cartas dos padres da elegancias e bellezas, sem atteneao doutrina.
egreja. Queris correspondencia diplomtica ? sem deixar-se contaminar polo balito infernal de
Deixando de parte os padres gregos. S. Leao e seu espirito. Todos sabem, que essas jovens in-
S. Ambrosio sao um perfeito modelo: suas cartas telligencias nao poderao julgar disso inagistralmen-
crearam a diplomacia christaa. As Epstolas de te, isto , nao poderao colber um proveito real no
S. Jeronymo, de S. Agostinho, e S. Gregorio sao ponto dc vista do gosto littorario, sem o menor pc-
lambem typos perfeitos de correspondeacia cutre rigo para sua crenea o para sua virtude. E, pois,
amigos sinceros e sabios christos. Foi na escola de 0 methodo christo, ao mesmo tonino que forma
S. Bernardo, que a vossa Franca bebeu este gosto vordadeiros discpulos de Jess Christo, formara
delicioso o esta perfeicao de estylo epistolar, onde mrfhor c produziria em maior numero verdade-
no tem rifaos. Finalmente, os que conhecem as ros litteratos, fornecendo um novo argumento em
cartas dos autores christos, sabem, que nao ha faVor da verdade deste axioma de S. Paulo : O es-
loitura, que soja ao mesmo tempo mais agrada- \prt0 de piedade vtil a tudo ; Pietas ad omnia
vel. mais eheia de inleresse, mais instructiva, e ufjUt e$t.
mais edificante.
desta lingua ?
Demais. segundo o lidio pensamento de Tertul-
liano, a alma humana naturalmente christaa ; le*-
timoniun anima nuturaliter christiana. Ella tem,
pois, sympathias profundas, invenciveis, jior tudo
quanto christo. Tem um ardente desojo, una
imperiosa necessidade de bem conheeer as gran-
dezas, as bellezas, as razos, as harmonas do ebria,
tianismo. S o estudo dos classicos christos lhe
affianca este resultado; seus livros, consoguinte-
inente. devem interessa-la e na verdade iuteres-
sam-n'a no ull imo ponto.
Attractivos pela substaocia, estes livros tem so-
bre os pagaos a vantagem de ser menos transposi-
tivos, mais lgicos, mais claros, e dc urna intelli-
gencia mais fcil em relacao s suas formas. Eis
razes de mais, para que a mocidade se qncanii-
ntie a esluda-los, a aprende-tos de cor, com o trans-
porte e o entlnisiasmo, que sao as condiyes mais
seguras para d'elles tirar proveito.
Assim, nao ha duvida, e os fados ahi estao para
prova-lo, de que se comeoassem por fazer, com que
as escolas se estudasse o latim por esses livros-
Sei bem, que o fanatismo classico nao ach se-
nao na antiga Alhenas e na antiga Roma os his-
Pelo contrario : nm dos mais cortos resultados
do estudo exclusivo dos autores pagaos, , diga-so
ucerra-la
toriadores mais perfeitos; mas, anda que me quei- V6 se dsser, "villar a intelligencia e eucerra-la
ram mal por isto, julgo-me suficientemente auto- no circulo.cs.reito das ideas naturaes e humanas.
9 suas grandezas no ecclesiastico, a !(
FOLHETIM.
A INCENDIARIA DA CASA VERIELIIA.
(Conl'iiuaifio.)
III
va, porque nunca achara quem lhe pagasse o viuho
preciso para sso nao questtonava eom pessoa al-
guma, porque desdo que amanhecia o dia corria ao
traballio, c lindo este adormeca para proseguir no
dia seguinte a fadiga volunlariainente incessantc.
Este homem tinna coraeao? E muito provavel:
mas esse coraeao nunca s alterou. Era bonito ou
feio? Eis o que niiiruein poderia dizer, senao que
mostrara ter nina edade inuitu superior aquella
que realmente tinna.
Alin disto ora dessas pessoas, cuja phisionomia
nao aprsenla signal algum caracterstico, cajos
Como pouco mais ou menos se pi'nle presumir, olhos sao sem expressao, e os labios sem sorrisos;
era essa a razao porque o propritarto Beanmenii dessas pessoas que so parcrem com todo o mundo,
nao quera para genro o filho do seu amigo de ou-! o de ningueni iinitam exactamente a physiononiia :
t: a : mas, como risse que sua lilha tocara a eda- uunbem por isso que gosam da vantagem de nun-
da do casan,ento, lancou as suas vistas jiara um ca mudareni: assim como os remos da primera
I' oom de trinta o tantos anuos, outro proprietano rez, assim os adiamos quinze anuos depois: nunca
da risinbanoa que possuia um quinbao de torras sao mocos, c pareoem nunca envelhecer.
O leitor comprehender fcilmente, vista do cs-
lioco que acabamos de tracar, que Joao Cousiu nio
qa muito fa/.ia valer, e cuja avareza egualara pe-
no sua.
Joao Cousin (era este o nome do proprietario) es- pouia ser dc forma alguma o ideal sonbado pela
risado para afirmar, que os verdadeiras mestres
do modo de cscrever a historia, sao os historiado-
res sagrados, c os historiadores ecclesiasticos.
As biographias dos patriarchas no Gnesis, e as
apreciaeoes di
historia de Ruth c de Tobas, as historias polticas
dos Livros dos Reis o dos Machabeus, nao sao a
porfeioo do geoero ? Ha nada mais attractivo em
materia d'historia, do que os actos dos martyres c
as vidas dos santos, escripias por santos ? Depois
de sua leitura, tudo quanto teem cscripto os his-
toriadores mais celebres gregos e romanos nao
torna-se insupportavel ?
O que Tito Lirio, esorevendo a historia de
Roma sob o ponto de vista puramente humano,
em face de S. Agostinho, esorevendo era sua Ci-
(13 ) Quid quid Gracia meudax audet in his-
toria (JUVEN.)
(14) Nao mencionamos, aqui S. Paulino, S. Pro-
copio. Sedulio, Boecio, Helpidio, e outros poetas
"os da mesma edade, porque suas poesas,
muito christaas na substancia, nem sempre o sao
na forma. A |ioesia propria e inteirameute chirstaa
a^los hymnos c preMI dos autores citados, onde
o metro jiago totalmente posto margem ; os
versos nao sao medidos por ps, mas poi syllabas,
e sua harmona realzada pela rima : como s
ve, esta poesia gerou a poesia christaa das linguas
modernas.
(lo) No hymno do dia de Natal: Je*, redemp-
tor omniun. quem lucs ante orgenem, paren
paterna glorapater supremus edit..
(1C) No h>mno de sexta-feira santa : Vexilla
regs prodeiit. fuiget Cniris mjftterium, quasita
mortem pertulit, et morte citan protulit.
saaque Be achara seotado, exclamou com tom hitantes da Casa Vermelha lhe tostemunhavam
que nao adinitta replica: desprezo. tambem ella os odiara de coraeao, com
Pois digo-te que has de casar com elle. Irra! especialidade nos ricos que eram insensireis as
que lias de casar com cj
De que te lastimas? Um dos mais ricos proprie-
tarios da Casa Vermelha, um homem quels cuida
uolrabalho! Oque preciso mais para satisfa-
zer-te?
ospi
suas supplicas.
Hara, porm. urna pessoa quem essa rapari-
ga tributara particular affeicao : era Agostinho.
Semclhante afleicao tinha a sua origem n'um
Se Rosa-Mana tivesse animo, bastara pronun- sentimento de gratidao.
ciar um nome para responder a esta ulfitna per- Corlo dia alguns rapazes do paz, excitados pe a
gunta: nao atroveu-so porin a acceder ainda bebida, agarraran Georgeta (era este o nome da
mata a colera do pac, e contentou-se Qbrn baixar rapariga, quem davam reralinente o appelhdo de
Peilinchona em razao da insistencia com que men-
(17) Vede o prefacio fronte das Cartas selec-
tas de 8. Bernardo, publicadas (icios irinaos Gau-
ine. E bello ver nesta sabia pega o terrivel Eras-J
nio, de urna parte, vingando emseu estylo rerda-
deiramente eiceronieo.a legitimidade, pureza o gra-
cas do latim dos escriptores ecclesiasticos; e d ou-
tra parte, fustigando com a vivaeidade caustica de
sua linguagem o pedantismo ridiculo dos eseripio-
res de seu tempo. que clfedavain ter vorgonba do
latim da Biblia e dos padres da egreja, e que eseru-
pulisavan cm pronunciar os nomos de Jess e Ma-
ra, Trindaile e Iiicarniirdo. jior nao se achare,n
em Cicero. ,
(18) Assim parecen ao santo M. M.....inspector
geral da Universidade. Elle sabe bem de cor o
seu Virgilio;entretanto, convidado Diurnamente a
ler comnosco o martyrio de Santa lgnez, de S. Joao
Baptista, de Santo Tioola, dc S. Theodoi'o, etc.. |ior
S. Ambrosio, tere a sinceridade de eonfessar,que lu-
do isto est niuily cima das mais bellas descrip-
cocs virgilianasfo ponto de vista" da poesia e do
estylo. J
(19) Os pedantes, querendo acalmar teus eseru-
pulos sobre OS solecismos do latim christo, podem
consultar com especialidade a bella obra do littera-
to allenio Forst, De latinitale mrito et falso sus-
pecta ; o. com grande sorpresa acharo, que as pa-
lavras e pbrases latinas, que mais os escandalsain
nos escriptores christos, existem com todas as let-
tras nos autores pagaos.
tom (ido sua dis|Hisoo ?
No XVI seoulo viif-se surgir, verdade, romo
por encanto, nina mullido de novos lalm
fazer inveja aos amigos; de imitadores rivali-sintlo
COU os modelos; d" discpulosdispuUiKlo a palma
aos geni mestres, quanto pureza, elefanca e
gra^a do estylo latino: mas. o numero rednziu-se
ejilratirdinariameiite no XVII sean O XVIU por
sua vez soube muito menos o latim do que o ante-
cedente (O); e linalmonte, o nosso seeulo. rim
varias exce|roos.no o salto absolutamente (il i >'o
ser um facto o mais iacowtuUWl, i\\>- immmo
BBlra OS mais fogosos partidista-, o> mais phanati-
cos panojrrrfstas da latinidade i lassica. qiuisi qne
se nao ada urna |iessoa em estado d.....en ver al-
giimas liabas em latim. mn MpM*-M a s.t api--
drejada ? Nio ser um facto incoiiii>iavet,qHe a
mwidade. sahindo dos coilegios e dos seminar*,
depois de ter estudado |xr oito aniKis o-
latinos, o que monos sabe o lalim ? Iti) NV>
serum factoiiioonsleslavel. que a bella latinidad.'
rae-se a olhos vistos, lina-so? E que. a nao havi-r
nm remedio, dentro em ponto se nao encontrara
urna s |icnna capaz de fazer em lom latim o opi-
tap.bio da boa latinidade fallecida I
, jmis, positivo, que o metbodo pafo,aai ojiie-
rem manter, a despeito do bom sonso da antas-
ciencia publica, {i'\) nao una oondico fine wa
non do progresso do latim (las-ico. pois ipie nao
pMe evitar o estado de agona, a que o romos re-
duzido.
lOmtiniiar-se-ka.)
-----------------------------------------------------------------------1--------------------------------------
(40) t Nocomeco do X VIII secuto o |iadreJuda.
Jesuta, dizia, que s regedores de sua companhii
nao eran capases d* fazer m thema mrrftn. ralesse alguna CMM, talco gastando n'ittu rnm
tempd consideracel.
Seus suocessores nao era m matababris. Em
178o Mercierese ovia : Ha dez vollistos em l'ari-,
onde se gastam sote a oito annos para aprender
lingua latina; e. sobre cem discpulos, ntenla e
nove saem sen saln--lu.
t E BMt-sc a coragein de escrever boje, que em
certas casas do educaco os humanistas e os rtielo-
rtoOS teem i,m profundo ronhecimento dos princi-
pios e graeas da lingua lalina Hisum teneafit!
( gai mk ).
(l) No XV seeulo todos comproliendum, tilla-
vam e esereviain o latim, mesmo as inubY,
o latim tornou-so grego, at para academia*, at
para padres. Assim. para estes fazem em lingua
vulgar versees dos autores latinos, e enrw. nao
so (le pliilosophia, nas tambem de thcofcigia dog-
mtica, o, oque nunca se havia visto,at dntocolo-
ga moral!
(ti) Basta interrogar os preparadores ao barba-
rolado, o delles ouvireinos a confasM rom o r-
cenlo do pasmo e da dor. Nao lia muito lempo, tne
sobre mil tnancebos, que so apresontaram algar. s
niesa dos examos, oito contos foram reprov.
por nao saberem fazer a verso. e o resto (m >alvo
pelo sentimento deindnlgenria, que inspiraa mfee-
iloiia.
(t'.\) No XVI serillo esto metbodo de ensinar o
latim aos meninos nos autores pagaos, poda ler. se
nao urna razao, ao monos nina altana ou un pre-
texto nos usos o projiiizos do lempa O latina era
entSo a lingua usada |x>r lodos os .sabios: artos p-
blicos ecornespondeocias particulares, tiidosofazu
em latim. com a pretenclodc s-to no latim li
culo di Augusto; e pois era preciso aprender tal
latinidade. Mas boje. que. cxeepoo feita da- Lu-
las breves pontificios, odas doeises das ongre-
gacos romanas, nadaem par'- alguma -
e, lalim, pcrgunlamospara que fazer rom que.
os mollinos percam oito anno> a aprender por tlie-
nias, que onrontrain o sonso rommnni. a escrever
o latim classico, do qual nao torio do usar urna mi
voz na vida ? Nao sera isto abusar da credulidad
ilos paos, o trahir os vordadeiros adaman dtaatai
lilhos?
Soria muito diverso, se, voltando ao metbodo
christo. so lizosse eom que os meninos romeras-
sem o esludo do latim petos autoies ot'ctosia>tiros.
Km primeiro lugar tornar se bia nata conunun. <
conserrar-se-hi|o latim christo. que p>io mettto-
hdo actual tambem rae-se em segmuansls do pagao,
com grande detrimento da verdadeira setenen* da
verdadeira fe: depois.o espirito dos mancebos ex-
pandir-se-hia polo conhecunenta profundo das sa-
humes verdades dochrislianismo. son coraeao for-
niar-su-hiano gosto e pratiea do Nni. (>r nt r>-
nheoimento das leis do Evangelho, e irari.im i
ao menos para a sooiedade urna inlHUgenria *ria-
nientecultivada, o instruccao coinplda da religiao,
cojo uso tao til o tao neressarta su umUs n
condcese instantes da vida.e me, fazoiuto-o vt
dadeiro christo. faz tamUMii o bom cidado.
il
lava tange de merecer as censuras com que Beau- joven filha de Bcaumenil; e por isso ficou ella do-
l il se comprazia em martyrisar o pobre Agosti- torosamente sorprendida ao dizer-lhe um da sea
n'.. pota nao ora bonioui que procurasse destin-
gnir-se pola mais leve apparenria de elegancia.
Os seus srdidos rostidos annunciavamnao i
desdo logo o seu consenso.
Pobre Rosa-Mara, que at ali se embalara na es-
miseria, jiorni a incuria amata pronunciada; tra- peranca de ser mulher de Agostinho, mais codo ou
pao que aqnelle a pedir cm casameoto, c obtivera
es eternamente a cabeca, quer no esto quer no in-' mata tarde!
remo, nm barrote reino e lodo sebalo, por baixo O que fazer oontra semclhante destino? Lutos?
do qual escapuUam os cabellos cscorridios e mal-: Impossivel; Beauneuil nao era desses homens
l i ailos; servia-lbe de gravatt um pedazo de pan-! que admittem replica, desses paes que se dobram
no arete; os sapatos eram ferrados e oravados jior < as supplicas.
oslados; einlim pareca um novo Diogenesj Era urna natureza obstinada que punlia ooapri-
Irido em trapos com otouco orgulho desses cho uo lugar da resolueao, a crueza ao lugar da
os phjlosopbos, que se gloriam do seu estado energa.
lastimoso, s por terem o direito do dizer: Demais, Rosa-Harta perdendo sua me na mais
Sei que me pareoo com o mendigo mais mi-: tenra edade fra educada n'um sentimento de te-
scrarel; prm na algibeira deste mendigo ha com' mer para com seu pao, que se conserrara ainda
miprar um castalio tao rasto que |ssa con-j tao nvaz na sua mocidade, quanto o fra na si,a
i grande numero daquclles que so lossuem bo- infancia. Nao leve pois outro recurso senao o das
nitas restes. I lagrimas; lagrimas! nica arma defensiva das
Com effHlo Joao Cousin era rico, e nisto consis- mulhcrcs que sobre uus exerce graode poder,
tia o son nico mrito; nao por que fosse um no- n'outros auenas desnerta um sentimento de mofa-
mem malvado, ou porque os seus defeitos exoedes-
s mypuito o numero de suas qualidades: a fallar a
riMVta, Joao Cousin nao tinha defeitos nem qua-
lidaoas. Era urna machina humana executondo
uto nina fimccaoa de revolver a torra e por
meio della adquirir o ouro. Desconhecia todos os
senlimentos que fazem hater o coracao dos outros
homens; era tao incapaz de praticar urna aeeao
m, quanto de praticar urna arcSo boa, pois de
nenhuma teria consciencia. Nunca se embriaga-
dora piedade.
Reparaodo Bcaumenil que sua filha tinha chora-
do, poz-se a rir.
Ah! ah I isto ha de nassar : as moras costu-
mam a chorar quando se hes falla em casamento;
mas no dia seguinte como se nada houvesse 1
Ressentida nos seus mais ntimos s entimentos
Maria-Rosa procurou manifestar a aversao que ti-
nha a Joao Cousin. Bcaumenil dcixou de rir-se;
franziu o sobr'olho, e dando um forte socco na me-
a cabera, e enchugar aovas lagrimas.
Mas o pao Bcaumenil era perspicaz :'sabia mui-
to bom o que se passava no coracao dalfilha, c de-
cidido a dar a conheeer urna rez por todas a sua
irrcrogarcl vontade, caininhou direito no Um.
J sei, replicn elle aps alguns morneutos :
nao este o marido que te conVcm !
Preferas um bello rapagao como Srf Agosti-
nho, nm miseravel que nao possue rbitem, que se
divertira com os "escudos do tea dote, espcrdisau-
do o cabedal que ajunto ha trinta annos !
Porm, meu pao, se Agostinho nao rico,
digara), e queriam obriga-la a beber urna poreao
de vnho ate eiahriaga-la.
Ou jiorque Georgeta estivesse na rerdade indis-
posta naquelle dia, ou por qualquer outro motivo,
recusou obstiaadamente prestar-se essa phanta-
sia dos rapazes : e por isso um delles dirigiu-se
para olla atn de maltrata-la.
Georgeta assustada, deu com os olhos por acaso
em Agortinho, que naquelle momento passava pela
frente da taberna, onde a tinham feilo entrar.
Invocou o seu auxilio com tal grito de desespero.
ganha quanto basta para viver ; alm de que, ac-! que o moeo nao pode deixar de attende-la.
creseentod ella abaixando a voz, elle me ama, c.... Agostinho, dojiois de ter fortementc censurado
E t tambem o amas, nao ? bradou Beau- os rapazes, livrou Georgeta do seu poder, sem que
menil levantando-se furioso. Basto Soja esto a um s daquelles, que poueo antes a tyranuisavam,
ultima vez que te ouco fallar assim. Sers mulher' impedisse a sua intervencao.
de Joao, ou cutao conta comigo... A datar desse dia, Georgeta lhe dedicou absolu-
0 argumento era peremptorio ; Rosa-Maria de- to reconhecimento, c procurou sem cessar os
vera dar-sc jwr convencida, e abandonar a espe- mcios dc testenmoha-lo.
ranea de'perteneer aquello a quem amava. Era o primeiro sigoal de protocelo que recebta
Tiidavia deu parte a Agostinbo da determiuacao na sua rida : nao devia, pois, moslrar-se sensivel
de seu pao, exhortondo-o a resignar-se, j que uao elle ? ....
havia meios de veacer a obstinacao paterna. Por maior que soja o gru de aviltameato a que
Agostinho, porm, amava muilo Rosa-Maria tenha chegado urna creatura humana, e. muito raro
para resolver-so assim a perde-Ia. nao tlcar-lhe no fundo do coraeao urna corda, que
O que'esperava ? Algum milagro da Providen- seu tempo se faca_vibrar.
cia em seu farcr ? Bem raga qup era esta espe-
ranca !
IV
A camponeza, que pedir trabalho a Beaumenil
por occasio da ceifa, c que fra tao grosseira-
mente despedida era, como- dissemos, urna pobre
rapariga muito mal vista no paiz |: vivia, nao se
por isso que Georgeta destioguia Agostinbo
de uaia maneira particular, o nunra o enoontrava
sem experimentar viva satisfac^o. Ergua para
elle os seus grandes olhos pretos, que pareciam ler
at no imo d alma, e enrarava-o com respeito.
Agostinho do sea lado, bom c piedoso por natu-
reza, pouco acreditava ao mal; c depforaodo o
que do irueto de roubos por
eommettldos nos campos, e as herdades em que
consegua iolroduzir-se.
N'uma palavra, era urna infeliz dada preguica
senao affectuosamente, ao menos sem grossena
Nao ousamos dizer que essa rapariga amasse a
Agostiuho ; porque o amor urna paixao muito
e vadiacao. Muito joven ainda, vendo-se entre- nobre, toda cheia de exc[iusita delicadeza para que
gue a si mesma. eedia macbinabnente para bem possa ter entrada n um coraeac, viciado : entre-
duer as suas inclinaefses viciosas: Se todos os ha- tanto, pondo de parte o lodo sublime desse sentt>
ment, diremos que Georgeta, obedocendo ao im-
pulso que, bom ou mu grado, oos inclina para o
que digno de ser "amado, sentia-se attrahida para
o moeo, e se comprazia na muda adiniraeao que
lhe vota va.
Nao tendo em que oecupar os dias, Georgeta
divirtia-se observando o que faziam os outros, ornis
de ama vez notou-se os cncon|ros fortuitos de A-
gostinho o Rosa-Maria : seguia sempre a direecao
dos seus jiassos, at que descobriu os apertos de
mao.
Semolgante descoberta nao lhe despertou ciu-
llies.
Geoi"geto comprehondia por iiistinetos que nao
poda ser amada jior Agostinho, e que seria loucu-
ra della-urna vagabunda querer agradar a asM
moco bravo e honesto.
Mas quera saber a que ponto chegava o amor,
que descobria ; e quando adquiriu a certeza de
que a felicidade de Agostinho dependa exclusiva-
mente do seu casamento com Rosa-Maria, a quem
elle amava com todo o ardor daua alma, disse de si
para si que esse casamento devia fazer-so. Pouco
depois soube que o proprietario uao s recusara
casar a filha com Agostinho, como que a destinara
a Joao Cousin : entoa suaindignaoao, nao teve li-
mites, e exclamou :
Oh Um avaro, um ladrao semelhaoto, que
nunca deu um sold aos pobres I E este o ho-
mem que ousam preferir ao Sr. Agostinho I
Infelizmente o caso estova decidido, c nao havia
goilo a dar-lhc.
Foi alguns dias depois que soube do projeetado
casamento de Rosa-Maria com Joao Cousin, que a
Pedinchona se apresentou na herdade de Beume-
nil para pedir-lhe trabalho,- sendo como vimos
cruelmente despedida.
Nao era a primeira vez que isso lhe sucooda:
mas de ordinario contentava-se em ir pedir ou-
tra parte, sem conservar graode rancor contra a
inhspita easa, em que se apresoutava debaklo.
Naquella occasio auimava um sentimento
odio particular contra Beaumenil, eo leitor ha de
estar lembrado de que, sahindo do limiar da porta,
pronunciara estas palavras:
O pedaeo de pao quo me recusaste te ha de
custar caro!"
E como se nesse dia tudo coneorresee para in-
dispo-la contra o pitiprlotario, de volta choupana.
que habitava, eccontrou Agostinho que, sentado a
beira de um fosso com a cabera entre as maos.
pareca entregue a doloroso pesar.
Absorvido, como estova em seas ponsamentos, o
uroeo nao reparou ein Georgeta que se aproxiraou,
paraodo cm sua frente e litando-o sem dizer pa-
la vi a.
Sbito Agostinho eigueu a cabera e pereebeu-
do-a, estremecen
Ali! s tu, Georgeta ? lhe disse. O que
me queros ?
Eu Nada, respondeu a mendiga pausada-
mente.
Eo que fazos ahi a passefaBC de um la do para
outro?
Ora est! O que quer enlao que eu fara ?
Trabalba.
Trahalhar! Nao por certo na bordado do
Croisillons que se encentra traballio.
Agostinho fez um movimento.
Porque me dizes isio !
Porque venho d^ la. e o proprietario Bean-
menii oricaco nao me quiz aihuettir para arei-
fa. Oh! Essa- Immh feliz, porque de ninguem pre-
cisa.
Agostinho nao respondeu.
Sr. Agostinho. se o Sr. fosse rico, nao tta*a-
ria os infelizes com tanta crueza, nao assim'
Juro-te Georgeta. que se fosse rico. |HorurariaMi-
norar os males daquelles que nfiNanl
Assim o creio; mas o sonhor nao ; ao eon~
trario soffre talvez boje mais do que niugnroi.
O que dizes?
Nao vale a jionaoccullardo mim. Otbc> a fo-
bre Georgeta lhe ama muito. nao da niesioa ma-
neira que niadamoiselle Hosa-Maria.
oh! Cala-tal mm -
E o Sr. tamlM-ni a ama-----e e mawiio nio
Iba quer dar, peron sabe que o Sr. nao ponne
torras romo o tai Joao Cousin. -.
Cala-te I Calato! Nao me talles deste ho-
mn-fl Bem sei qae loueura wu.lra i-us.u mmt
BoUal Mas se ao menos a visse casada rom iau
joven, a quem ella podesse aniar, talvez me ro**-
iasse com a noticia da sua felicidade Rosarfi-
ria detesta a Joao Cousin, chorara bulas asan-
mas de seus olhos antes do despresa-to, c *an
ser infeliz toda a vida.... Oh iiunlia |*d'je eor-
gela, so sonlM'sses quanto si iffro !
B, sasfeito por te* acbado um mnwnie, *
mancebo nao procurou mais constraajer-se : as
lagrimas inundaramsUw os olbos.
Deiiois de alguns momentos acorosooalon,
- Porque titolidaito Rosa-Mana nao e la* po-
bre como. eu!... Sea pao nao ma tena retav
sad0> (Contimm-****.)
PERNAMBUCO.^PVP. DE M. F. DE P. & rTLUO


>iaMrifi|-ri (r
nm