Diario de Pernambuco

Mrde, se verirou, na sal das sessoes da (amara
lectiva, a sessao real de abertura das cortes ge-
ntes extraordinarias, com as formalidades desig-
nadas no espectivo progr.imma.
Sua magestade a rainba lomou assento no tbro-
no ao lado de el-rei.
As (ajerias da cmara estavam che las de espec-
tadores e ornadas de senhoras. as ras circum-
visinhas ao palacio de S. Bento era grande a con-
.urreiicia do |*tvo. ciar V. M. Imperial que adhiro, sem hesitar, a para o terreno onde se la tancar o alicerce aas
As alas eram feitas pelos cornos existentes cm 8ua pr0posla conciliadora, e que me associo de fortilicacOes, c no qual estavam postados os sapa
-lsba. O sequilo real era seguido do regiment l0(|0 0 COracao aos sentimentos que a inspi- *
Pela meia hora da larde, achando-se reunidos 0s congressos, depois da guerra, sao ordinaria-
dora co'mmandados pelo brigadeiro Guerra direc-
tor das fbrtiticacoes.
S. M. < l-rei D. Luiz, recebeudo a p de pi ala,
frica, com o quelle imporUnte districto. O governador civil ,:o|heu o mareclial Wranget, em vez do principe
, j < n foi chamado a Lisboa. Prederico itrios, para o commando das torcas da
nde de S. Bar- hl-re o Senhor D. Luiz houve por bem de- coofederacao, no caso de resistencia da parte dos
[uim Lobo, do clarar-se protector do banco Uniao. Dinamarquezes.
pugnancia estas medidas, que em muitos paizes ja
nao sao novidades.
Os theatros em Lisboa esli agora dando es-
pert os luminosos, especie d* pvfl ijup la fura foi
bem acolhido, mas a que o publico nao tem aqui
dado grande apreco.
A junt gerl do districto de Villa Heal di- j o^ esmagar depois.
rigi una representado el-rei, por intervencao E' necessario, diz o artigo, descontiar das no-
do Sr. presidente do conselho de ministros, contra tas diplomticas da Inglaterra.
. os excessos e Ilegalidades com que foram feitas; pt|0 que escrevm e jj^ij,, Mr d(, jfMmi
por haver tracado urna planta dydrographica da as eleicoes municipaes em todos s concelhos da- lomando delioitivamenle o partido
costa dos dominios portuguuzes na '
habito da Conceicao.
Foi conferido o titulo de visconde
tholomeu ao consellieiro Jos Joaquim lodo, ao ciarar-se protector do naneo tniao. Uinamarquezea.
tribunal de contas. Falleceu ha poneos diaso pai do actual mi- Dizem de Praga que o doque de Coburo en-
Foi nomeado par do reino o couselheiro Cus- : nistro da fazenda o Sr. Lobo de Avila. Era em coinineudou a um grande pstaljeleciroontft iraiwi-l-
todio Kebello de Carvalho. | geral muito estimado por seu carcter c opinies ia cidade de 30UG uniformes para o exercito to
Falleceu a Sea. condessa da Figueira, D. Ma- liberaes.
ria Amalia Machado de Mendonca Eca Castro e i Collocou-se na muralha de S. Pedro de Al-
Vasconcellos, 1 i' senhora de Entre 1 lometa e Ca- cantara em Lisboa a grade que a cmara munici-
vado, senhora do Morgado de Mendonca Ave Ma- pal mandou fazer para prevenir os suicidios. Dos proclamarlo de el-rei dirigida i
ria, e da Alcaidaria mor de Mourao, Grande deijornaes da capital uns applaudem, outros censu- licenciados temporariamente no Holsteio e na qual
Hespanha, de primeira classe como marqueza de ram como pueril esta medida. st lhe ordena que se reunam immediatmente aos
Para a presidencia da cmara dos depulados, teus amigos balalhdes, e qoe se preparem para
foi nomeado o Sr. Dr. Cesario Augusto de Azeve- iUsti,'iiUr a honra e a independencia da monarchia
do Pereira, lente da Umversidadc ua faculdade de dinamarqueza, produzio grave impre^ao Nao se
medicina. O Sr. Oliveira Baptista, juiz da rea- pje jjwr at que ^^ os so|dados bolsteme
C-ao de Lisboa, e antigo depulado foi o escolhido respouderao ao chamamento enthusiasiico do so-
para vice-presidente. berano, para irem combatter as tropas federaes de
Foi publicada no Diario de Lislioa a reorga- qUC su dizem compatriotas,
nisacao da bibliotheca nacional de Lisboa, para 0s ministros da Russia e da Austria tiveram or-
dein de sabir de Copenhague se no dia 31 de de-
duque de Augustemburgo.
A Dinamarca desenvolve a maktr aclividade pa-
ra por as suas fronteiras em estado de defcza. A
T
aberta a sessao, noaieou i grande deputayao que (oreadas, cujo resultado este mal estar geral,
mpanhar a suas magestades na en- q,K. d;^ origem a proteste
cts armadas.
protestos violentos e a reclama-
um cedrd c um pinl
S. MM. vollaram depois harnea, o el-rei pro-
bavia de acompa
Irada e saluda do p: lacio.
Pela urna hora da tarde cntraram suas mages- u,n congresso antes da guerra, como intuito de
tades e o Sr. infante D. Augusto, acompanliados a prenilrtf, m minha opiniao, um nobre pensa- ferio um | pequeo discurso, anlogo a inaugu-
ra gnnde deputacao e da corte, seguinde-se em m,.ni0 de progresso. rata
ludo o que estav;. marcado no respectivo pro- seja qual fr o seu resultado, cabera sempre a Em seguida assignaram SS. MM. e AA. c
{Tamn a. Franca a glr
Tcnrlo-se sentado suas magostados as ci deiras t0., d'este novo
situadas no tbrono, e perrnittiado el-rei que se phico.
scatasnn os pares e deputados, leu o respetivo Convencido comoestou.da utilidade de um con-
discur>. gresso Internacional n'esla conjunctura, nao dei- sentes.
Findo o discurso, relirai un-se da sala suas ma- xar,, de a||j mandar os meus representantes, e de Foi denois examinada ..
jesUdts com as n.esmas formalidades da mira- & mumr com as neces a; e tendo regressado sala a grande deputacao. Pelo que me respeita pessoalmente' mui sensi- da fortaleza, reUrando-se SS. MM. e AA. as 2 '/*. timbrou. Ameno no trato, era muito festejada a
O presidente decl.rou fechada a sessao. Ve| no obsequioso e delicado offerecimento de horas da]arde. Isua.companbia por versado em littcratura, nao s
A talla do throno do theor seguinu; : V. M. Imperial, com muito gosto lhe asseguro que. Terminada a ceremonia, qual concorreram al- nacional, como eslrangeira, principalmente i
Manara, de Olias e de Zarria!, fillia do general D.
Luiz Machado, senhor de Entre-Homcm e Cavado.
Era casada com D. Jos de Castello-Uranco, con-
de da Figueira, brigadeiro reformado, grao-cruz
de varias ordens, e filho segundo do marquez de
Bellas.
A Sra. condessa tinha nascfdo a II de fevereiro
de 1803, e casado em igual dia do annode 1822.
No dia 31 do mez passado fallecen, em con- que governo flcava autorisado por lei votada na
sequeneia de urna apoplexia, D. Antonio Jos de ultima sessao.
Mello, mareclial de cainjto, commaudantu da seti- Publicou-se em Lisboa o Rhadamante, ro-
ma divisao militar. manee original da Sra. D. Maria Peregrina de Sou-
No mesmo dia falleceu o desembargador za. Esta dama, de quem na Revista Contempora-
Nogueira, juiz da relacao de Lisboa. | mea tscreveu com grande louvor uSr. Antonio Fe
lani-oii a primeira porcao de cimento, seguindo-se-
Ihe el-rei D. Fernando, o Sr. infante D. Augusto,
os generaes e commandantes dos cornos, os pares
e deputados etc mesmo titulo em outubro de 1862, senhor da casa
Forami depois plantados na deraarcayaodas obras de Laborim, nafreguezia de Padrao, viee presiden-1 Heuniram-se ha dias no Pj
n cedro c um ninlieiro do Lbano. te da cmara dos pares, conselheiro de estado o de algumas associaedes, e da ass
conselhciro
tica. Era
naes e eslrangeira ,
Santiago de Espada, commeudador da fonceico em favor do hospital da sociedade Portugneza de
e de Cbristo ; grao-cruz de Carlos III de Hespanha beneficencia do Kio de Janeiro, e que de ve ser fci-
e conimendador de Isaltel a Catholica tambem de lo no primeiro anniversario natalicio de S. A. K. o
Hespanha. prncipe D. Carlos.
Nascera o conde ;i 2i de setembro do 1781. del A commissao de artistas que mandaram edi-
t-se- Na noite de 3 do crreme falleceu o Sr. Jos; liciano de (^astilho ventajosamente conhecida no o re passoa revista ao
isto, j Joaquim Gerardo de Sampaio, primeiro visconde mundo lilterario. Os seus primeiros escriptos, na Jei ickstad.
ares \ de Saborim em I de ontubro de 1835, e conde do Revista i'nitersal Lisbonense, eram firmados pelo Clagou a Ileudsbour
i.embro noite nao estirase resolvida a consti-
luicao.
A Gaseta de Hantbnroe de i annuucia qoc a guar-
nicao da ilha Famern foi reforjada para poder
obrar sobre o flanco esquerdo das"tropas alltmies.
ao exercito e pardo pora Frt-
pseudonsmode obscura portuente.
Iteuniram-se ha dias no Purto as direccoes
isociacao Commer
Hresidente do supremo tribunal de jus- eial, e a do monumento do Senhor D. Pedro V, pa-
eondecorado com varias ordens nado- ra auxiliarem a acijuisicao de prendas para o jei-
rangeiras, e entre ellas grao-cruz de S. lo que promove o Sr. Jos Bento Ramos Pereira,
'V 1.a^A.l.& ^m____h __& a__.J^J-^ba iln Artitntfll, r\ rt ni it ah 1 *\ lif.tihtlnl *1 n -..Atrl i, ABAVA % A
na de haver lancado os fundamen- autos da nauguracao, seguindo-se-lhes o mareclial
principio to altamente philoso- conde do Santa Maria, o almirante Castro Carva-
Iho, o presideule da cmara de Belem, os gene-
raes e ofilciaes militares e as domis pessoas pre-1
| sorte que conlava 82 annes, e alguns mezes. Bear o monumento a D. Pedro V no largo da
a planta da fortificac,ao j Era homein muito querido e diguo pela rectidao | Batalha, ficou encarregada de renvidar todas a*'
" associaedes do Porto para coadjuvarem o Sr. Ra-
mos Pereira.
Foi antes de hontem apresentalo na cmara dos,
deputados pelo Sr. Jos Bernardo da Silva Cabral,
um projecto de lei para que S. A. R, o principe
digo fundamental os "chaina aos exeicicios das: arriisade com que sou.Seohor meu irmao.-De de 1863. ; ras devidas a alu posicao que oceupava.
altas tuneces, que Ibes commetteu e reparti v. m. Imperial Bom irmao-Uu. Segundo este plano, a forca do estado-maior ge-, A cmara dos pares tomou nojo por tres das.
a eonfianca publica e a le do estado. Iuii ando, (>a|ar0 d'Ajuda 18 de novembro de 1863. neral e dos corpos das dilTerentes armas sera Falleceu tambem ha poucos das o Sr. Itarao da
pais, os trabalhos legislativos a sessao que ya- Duque de Lonk 31,490 homens, 2,924 cavallos, 320 muars e 4* Silveira. Era ja muito idoso e gozava da eslima
abrir-se, aflectuosamenle sado os mandatarios \ folha offlcial publica mais o seguinte extra- boceas du logo em lempo de paz; e 32,066 lio- publica. Era medico do paco,
da naci, cordealmenle associo os mem votes hi(|0 da PrfSSe sobrc 0 assumpl0. | mens, ',378 cavallos, 1,424 muars e 72 boceas oe Por noticias da India, amsta que o arcebispo
ao desempenho de suas graves obrigaefies. i Kaltava-nos conhecer, no seu texto offlcial, as, fogo em teni|to de guerra. !? V*> de|ois_ da esta de S. Francisco Xauer, la
No periodo de seis mezes que tem decorride carlas dirigidas; ao imperador pelo rei de Portugal I A Torca da compaubia de saude, guardas mum- visitar as missoes do sul do Indostao, indo a Lrau-
desde o encerrameoto da sessao anterior, prou- e pelo sulto Abdul ^ris em respostt ao convite cipaes, corpo lelegraphico ecorpo de veteranos ganor, Lochin, e passando depois a Madrasta, q
------1 a a i iid i ---- mu _____II---->.>Ia ..i,i 1 .ni,. 11. i 14 AykitA ii.. i*..i iManJ!
para o congresso.
go um corpo de engenhei-
ros honorario* que levantou inlrincheiramentos.
Os Dinamarquezes traum de destruir ponte*, eons
t specialidade a do Esclusa, que cooduz M forte
Corona.
Corra o boato de que brevemente se acharara
em Copenhague as esquadras franceza e ngleza.
Damos em seguida alguns documentos sobre es-
sa queslao :
!. Solla Inglaterra ConfeHeraro Grrma-
itica.O altaixo assisnado tora a honra, em virtn-
de de instruccoes que recebeu do governo de soa
nagestade brilanniea, de eommunicar a 5. Exe. o
Sr. baro de Kubeck, presidente da dieta federal,
urna copia do tratado de Londres, de 8 de makt do
1861
O abaixo assignado tem a honra derogar
S. Eac. o presidente de api esentar a referida eon-
eneau dieta federal. 0 abaixo assigua.in t.i.
D. Carlos seja, segundo a carta constitucional, re-1 }l0 mesmo tempo encarregado de observar me a
conhecido pelo parlamento o herdeirodothrono de su[USla agsembia federal deven notar que a
Portugal. Franca, a Gra-Brutanha. a Rsela e a Soeeia, es-
'- tao de aecrdo para reeonhecerem por esse trata-
^a^^iMaaa l c.o el-rei Cliristiano IX como successor em Mas
as possessoes que pertencerem ao finado ni da
Dinamarca. Tal reconhecimeulo ja se veriti -ou
com elfeito por parte d'aquellas potencias.
O abaixo assignado est por conseqnerwia en-
0 vapor nglez Onetda, chegado hontem % >- i carregado de fazer sentir qoe, se a assemblea fe-
: ropa, foi portador de noticias com dalas: de liara- c eral se arricasse por urna resotoeao precipitada
DIARIO DE PERNAMBUCO
burgo o, de Londres 8, de Pars 7, do Porto 11 e
de Lisboa 13 do corrente.
A questao dinamarqueza absorve quasi comple-
oe re, loram sniireraooo reatcaoos pea uemaua perador esta adhesao tao claramente tormuiaua, nenie:
sorpnsa e inopinada visita da augusta imperatriz mas ^ esta(|0 ,-. um dagUe||Cs que directa ou e 1 ai
des Fr.ncezes, bem como pela presenca do.- ser- indirectamente, pelas suas alliancas, ou pela ex- O c
nissimes principes da casa real de Italia, sua al-' ton sao das suas relacoes e.oloniaes, muitas vezes tado-r
um ma- a pretencao dos operarios das fabricas, arbitrando-1 tamcnte as attencoes da Europa.
>, 10 te- Ibes urna gratificarlo annual de 4:0004, paga em ; As tlt(nas da con[e,ieracao occ
i quatro preslacoes. de Holstein.
-1 Diz-se que SS. MM. iam brevemente fazer ] No dia 24 as 8 noras d;i m^h-..
|. urna visiu as princi|es trras da provincia do Ioua 0 regiment do principo real, do contingente
, Alemlejo. Em Evora j grande o alvoroco. saxonio.
oceuparam o ducado
entrou em Al-
commissanos civis reuniram-se na munici-
onde se levantou tambem urna bandeira
allemaa.
as sao pretas, abotoadas a e A assemblea popular convocada por alguns no-
prata ou a ouro, segundo tavein, e om que lomaram parte milhares de pes-
bordados representam ra- saSj proclamou com o matar entliusiasiuo o prin-
cipe Augustemburgo, duque de Schleswig-Holstein
aram-se as decla-
magfstrado (autoridade
as mesmas dispo-
ph Ca, qu n'ca se acna, do pensameuto un-* em tempq'de paz" e 294 officiaes, 4,875 pracas de. cao aberta no Rio de Janeiro ja se eksvava a som-
perial. pret, 470 favallos e 1,424 muars em p de guerra. ma de 12:0004.
O governo de Lisboa talla do congresso de- a arma de cavallaria eompoe-se de oito reg-1 O primeiro wagn ja percorreu toda a
muiros de lanc;:- Em ierres, que liga Lisltoa e Porto. A vis
pois da guerra como nos querertamos
moderna para
uniros a
Bal- meutos, sendo os dous primei
inlia
iagem de ex-'
madas. 26,208 pracas de pret e 144 cavallos em p de
Esta linguagem honra tanto mais o governo guerra. Ds 12 batalhoes em p de p?z terao :i00
de Lisboa qnanto que Portugal nenhum interesse olficiaes, 7.236 pracas de pret c 37 cavallos, e era
tem n!lc ""o, i Mcntrar ^> naila Iwni a ner- l.i' ile pneiri.i illS nllieians 4:1.032 ItracaS de Ul'et e
questoes a resolver, be nana leni a pei-
der, nada tem a ganbar com o resultado do con-
gresso; e, desojando que o projecto da Franca
so realise, mostra que :.e prooecupa primeiro que
tudo dos inleresses da Europa, e isto com urna
lealdade que o gabinete de S. James podena ter
imitado.
72 cavallos.
Toda a forca do infamara formar
21,171 hoinous em p do paz,
guerra
um total de
Em urna palavra, a carta do rei D. Luiz coroa nina de sudc ser de tfS homens.
dignamente a serie do adnesoes recebidas pelo a orgafisacao das guardas municipaes continua
imperador, adhesdes que devoran excrcer se nao
por agora, ao menos pas o fuluro,urna influencia
real sobre a .-ituacao poltica do conliuente.
No dia 24 do mez passado, pelo meio dia,
dignou-so S. M. el-rei dar a primeira audiencia, no
paco da Ajuda, ao Sr. Christiano Frodorieo l'allie.
ministro residente de S. M. l-rei do Dinamarca,
acliando-sc presentes a esto acto os ofilciaes mores
da real casa, os gentis-homens da real cmara, os
miniles de estado honorarios, e mais pessoas que
cosUMiam ser convidados para laes solemnidades.
O Sr. Falbo, ao depositar as roaos roas de S.
M. as carlas de que era portador, e a sua creden-
cial, pronunciou o seguinte discurso :
guerra de
o,606 cav
Os aqu;
os seguin
Estado-
gimeotos
txtremoz
rom; 5
lello-Bran
3, Vianua
Si/r.Le ro, mon auguste sonverain, m'a
charg de la haute missiou de rcmettre entre vos gos;
ve a Divina Provileneia completar as ininhas: Mri'o congresso. sor de 3,493 homens e 228 cavallos, unto em tem- tica na costa de Coromandel.
alegras domesticas, assegurando ao mesmo tem-1 rma destas cartas vm publicada esta manhaa' po de paz como em p de guerra. Ds caixas do contrato do tabaco, d
po patria c as in.ttu$3a> una eperanc3 e um no nionteuti e n-0 podemos deixar de assignalar, o esladp-maor general compoe-se
estelo. Os jbilos, que o nascimento do principe toda a leatdadi; e franqueza que se releva na adhc- rechai general, 2 marechaes do exercito,
real O. Carlos suscitou na unana casa e no paiz, sa0 df, re de Portugal ao projecto imperial. nenies generaes, 24 niajores generaes. Total 37. i quatro prestaectes. de Holstein.
na aMiiha ramilia de hoiuera e na minha f imilia, E' um estado secundario quem manda ao im- o corpo de estado-maior ter 3 coronis, te-1 Diz-se que SS. MM. iam brevemente later So dia ^ as g noras da maniiaa
de rei, foram sobremodo realzados pela delicada perador esta adhesao tao claramente formulada, nentescoronois, 4 majores, 16 capitaes, 8 lente*
1 archivista. Total 36.
corpo de engenheiros compor-se-na de 1 es- O ramal da linha frrea do sueste das ven- q^ Dinamarquezes s retiraram quando as tropas
maor com 6 coronis, 7 tencntcs-coroneis, 7 das Novas a Beja est concluida Brevemente a h- federaos all entrai ain.
tica o pri'ncipe'de Cagiun e sua alloza o duque | lern occpado um7u"'"ar importante' no mundo po- majoros, 28 capitaes, 28 tenonles, 1 secretario, l nha ser inspeccionada pelos tecbnicos para poder ^' proporcao que retiravam os Dinamarquezes
de Ao- juico. archivista;; c de l baUlbo de engenheiros, que abnr-se a circulacao. Dizem que esta seccao esta as ruas enchiam-se de bandeiras allomas o hols
Na i linha recent-; digressiio urna paite das
provincias do norte, as eipressvas o constantes
pravas de amor com que em toda a parte as po-
pilacoos me acolberam, e a rainha minha muito
preuda esposa, encltondo-tne a alma da mais
pura satisfaccao, fizeram-e sentir que em disvel-
ios continuos me cumpre agradecer to leaos sen-
t uentos. Isso peco Deus ; para isso couiio que
a suprema sabedoria me inspire, e a suprema for-
<;a me vigore, na esptwra dos meus cleveres como
rei constitucional.
Dos soberanos meus aiiiados contino a r jceber
oces provas de boa intelligencia e amizale, es-
trelande-se cada vez mais ptxtvtitosanieiiu. as re-
laoSes de Portugal com as respectiras poieneias
Por sua magostado o aperador dos Francezes
me 1Y> enviado convite para que o uosso paiz tome
i*rte i.'um congresso euro|ieu, destinado a prev- asso era
mr a 1,'ucna, principio noven nobilissimi<, que, Ha n'esta ph
,-cja qual fr jtor agora o seu xito, inquestiena-
volmcnle inaugura uui grande progresso r a poli-
iica internacional.
< noiprindo-rae respond' graciosa e roncei-
Juosa carta do imperador, ouvido previan ente o
< onsolho de oslado om escrupulosa observancia da
censMtuicao, sem hesitar acoeiiei, certo de '|U0. se
o direito da forca pode couvir as nagos pradomi-
i.autos, s a loica do direito convoui as nagoos
<|ue menos iirimain om potestaie.
Com aclividade e pe -ev ranea teem cont miado
os traLalhos uecossiirios soquencia das vi is fr-
reas emprelieiididas ao norte e ae sul, achaado-se
ledamente prxima a sua coaclusao.
Para roalisar esta, para adiaular as estradas or-
dinarias, augmeutar as coastrueces navao.-, eac-
celerar oulras obras de incoiiquistavel ul lidade
publica ; para satisfazer emliiu lanos e fio pe-
sados, posto que productivos eucargos, foi levanta-
do na iraca de Londres um eraprestimo de libras
1.500:1100 nominaos, em mais avant.ijadas oondi-
c.5es, lo que outra qualquer anterior operacao de
iuaUenero, certificando lace condicocs e a af-
flueiioia do capital a eUecuva mellioria'do (rdito.
'l\egularsou-se a contatiJidado geral do istado,
rome na assencial, para taroar i ssivel a liscali-
sacao da gerencia hnautoira dj governo o que
mo ennito.
CndiUcou-se toda a legislafo relativa a venda
lo bens naciouaes, remihsio e venda de I'iros, e
dest'arte de capitaes.
Dect elou-so a o ganisaco do exercito, admi-
nistracao da fazenda mi itar, o esUbeleciinenlos
de instrueciio dependente.-, do uiuisterio di puer-
ta, seguuJo a respectiva lutorisaco,
Effr ct'iou-se na serra de Monsanto, no dia 30
de deiembro, a inauguraco dos trabalhos para as
lortilii ages de Lisboa.
Org uii&ta-sc o 10,'isio criminal om todo ( ultra-
mar, oslabeleceu-so o registo parochial, o refor-
inou-s eui Angola o servigo de arreeadacau e ad-
ininislracao dos bens dos defuoctos o ai sontos.
Con.nuam assiduamente os Irabalhos ti a com-
missac nomcaua para rever o projecto de regula-
inento geral da lei h>polhecaria, trabalh cuja
;iiij.oilanciaealcance pedoin nucessaiiamente mul-
lo estudo e tempo.
Pelo meu governo vos sera aprese , mento da recoita e despoza do eslaclo, con as n-
novacies advertidas pela experieoa, o com a
traordinarias |tara maior clareza e meluo- apre-
ciaeao nao se doixando ni nhuma iiidelioid i auto-
isago do levantar fundos, e su jei lando ao .-oto do
parlan ionio a lixaco das rocoitas e despezas de
toda ordem.
Des c orgamento veris que. nao cbstanto a di-
minuido d 10 |>or eento as dedurce* djs ven-
c menius dos emprigados, a receila ordin.-.ria co-
bre a despeza ordinaria, attestando considora-
vel trlhoramenlo uac randices nanceiras do
paiz.
O crcamcnlo das pro\ncias ultramarinas, or-
ganisado yuanlo possivel jielu mosrao syttoma e
princijios, achar-st-ha tambem em breve praso
ultimsdo, para o que somonte dependo dos traba-
dlos ilas -juntas da fazeuda, que as distancias
.itrazam.
Alin dos graves assumplos, que da anterior ses-
:iao Ularam.pendentes, e esyoeialmente os que se
.oforen publica instruccao,.admiiiistraco e po-
icia, nos quaes todos a vossa -iliu-strada so ieitude
iiiionhara ou zelosamtnte.cooperar, pelos mi-
ristro;das diversa:; reparticoes vos sero submet-
das, entre outras importantes providencias, as
liropontas para abeUoao e substituico da pena de
anorte, e correspoiKlento modificacao no cdigo
onal ; jiara reforma do cdigo comaen jal cm
jarte respectiva a foiaia do processo e ca com-
Itetencia.; para abolicto do monopolio do Uibaco,
stabe.e leino, e a de cultura na., i Ibas da Madeira e Aco-
res ; para melborainonto as coudices san (arias;
para r .-forma de Mjto rateos de iiiVftucgc ; para
reorganigacao da boeflceneia public. i pai'a reor-
tjanisa;ao dos confitados o jmpeo do Brasil',
para r?forma da [t!$&i$a, 4m minas; pars reduc-
;ao nt servico policial dos portos e 6)*l >s, para
inodiii-jacaojdp recrutamejito njaritirno jV tprova-
<;ao de iun Kaco nacional; uara regular ^aposen-
j'ar as eondje/Jes destes no servigo ac;ivo para\il-
versas reormas enneernentes me horia lo^V
vico i) insiruccio publica fl'aquellt.- pos!s*Se9;
A msica do regiment saxonio locou o hxruno
Schleswig-Holstein.
A' noite houve em Aliona illuminacao geral; nu-
merosos grupos poicoiroraiii as ras cantando o
b\ muo pati'iotico do ducados.
O principo de Augustumburgo chogou liel. Se-
gundo escrevem de Haiuburgo para alli constiluio
o seu governo.
l'oi i ocobido com euthusiasmo.
nuncio do Sua Santidade en- ()s ,uagstrados da cidade proclamaram o prin-
da igreja do Loreto ao emi- cipe da janena da municipalidade, como soberauo
riareba de Lisboa. lanora-se |og|iBa dos ducados.
ansa a osla rosolucao. A ^ae i|iuininou-se, e o povo deu todas as de
icio do hontem encela, em IU0Slraces de contenlamento.
folhctim, a publicago d'um novo trabalho littora- A vanguarda das tropas federaes acbava-se pro-
rio do nosso festejado romancista o Sr. Camillo xmas a HohensladL
Castollo-Branco. s coinmissarios federaos no Holstein teem sus-
Foram ante-hontem publicadas na folha do go- pendido 0 exeretcio de algumas municipalidades.
vento as condiedes para a arromalaoao, por espa- e lonwdo UU.as medidas tendentes sustentar a
go do 30 annos da fabrica da Marinha-rando, no aulorjaje a 0 que os dolegou.
c 40,461 om p de districto de Leiria, em conformidade com a lei vo-1 >jas priacipaes cidades da Noruega teem havido
tada em corles na ullima sessao legislativa. A im- nieetiags para pedir ao governo sueco que apoie
O quadl-o dos mdicos miliures de 104 om p prensa imparcial, avallando este acto de adminis-
do paz e Km om p do guerra. A forca da corapa- Iranio, lamenta que o piazo do concurso seja ape-
i as de 30 das, por excluir capitaes c nptides de pclu gaIiiiiete presidido por Mr. Kall. 1
f ora do paiz, nao pudendo, por isso, a concurren-; gad de foriua, 0 novo ministerio Mr. I
ser a Mesma. ca ser mais efllcaz o proveiiosa ao oslado. era ministro dos cultos.
\ forca total do exercito ser, pois, em p de paz Foram ltimamente Horneados dous junes do
1,614 olliqiaos, 33,368 pracas de pret, 3,212 caval- um mrito incontostavol para o supremo tribunal
los, 320 muars e 48 boceas de fogo ; em lempo de de justiea, os Drs. Antonio Luiz de Seabra e Joao
2,902 officiaes, 33^38 pracas de pret,'Mara Al ves de Si, para preenoherein as vaga-
illos, 1,424 muars e 72 boceas de fogo. turas deixadas naqnellc tribunal polos Sis. Silva
rtelamentos ordinarias dos corpos sero Fcrro (aposentado} o polo Sr. conde de Laborim,
es fallecido ha dias.
naior, corpo de engenhara eos tres re- ( Foi despachado presidente do mesmo trtlm-
do artilharia om Lisboa Cavullaui: 1, nal o Sr. Manoel Antonio Telles Caldoira Castello-
; 2, Bclm; 3, Villa-Vigosa ; 4, Sauta- Branco.
Evora ; 6, Chaves ; 7, Braganga; 8, Cas-, Diz-se que depois de discutido c votado o
50.Infantaria : 1, Belm; 2, Lisboa; projecto de resposta falla do Ihrono, vai entrar
,..; 4, El vas; o. Porto; 6, Poeatiel; 7,I,is-.em discussao o projecto de reforma da nstrncem
boa; 8, B aga; 9, Laniego; 19,Lusboa; II, Abran- primaria, que o governo apresentou ao corpo lo-
tes ; 12, Uuarda; 13, Chaves; 14, Vzeu; lo, La- gislativo na anterior sessao.
16, Lisboa; 17, Beja; 18,Porto.Cacadores :' <>s orgamenlos do estado foram distribuidos as
a Dinamarca.
El-rei da Dinamarca aceitou a demissao pedida
Foi encare-
Mouzad que
Couslituido o govui-no licou este com presiden-
cia da adnfuiislracao.
Os partidarias do movimemo da Allcmanha des-
confiam da mocao apresoutada pela Austria e llus-
sia favor da oceupagao eventual do Schloswig.
l'aroco-lhos que esta proposta tem lius occullos, o
por isso fazera espalhar que contraria cousti-
tuigo federal.
A Cotil'edoiaco Germnica em virtude do voto
final do congresso de Vionna, e urna liga de osla-
dos soberanos constituida para um lim exclusiva-
ment defensivo, e nao pode taar guerra lora
das suas fronteiras para defina ou conquista de
territorios estranhos aos seus proprios limites.
Foi esta a razo que apresentou por occasio das
guerras da Crimea e da Italia. Enlo nao linha o
i-ovales mains les ledros par los quelles il notilie i, Setubal; 2, Lisboa ; 3, Braganca; 4, Tavira, 5, cmaras nos primeirosdias da sessao actual, cutn-1 drejl0 je cotubalter para sustentar Lombardia,
Votrc Magost la prto rruellc que vent d'eproa- Lisboa; 6, Loiria ; 7, Valonea; 8, Elvas; 9, Porto; prmdo assirn o governo com este preceito consti-
ver l famille royale ot le pouple danois par la
mort de notte bien aim roi Frdrik VII, et en
consquonce, son avencment au Ihrono de l mo-
n; reine danoise. Mon auguste matre esporo reii-
contrer aunrs de Votre Magost toute la sytnpa-
tlile ct i'intrl i|uo moritent eos veneinons. L'a-
miti que Votre Magost a porteo au roi dfunt, les
10. Augra
Hontem
. 11, Poma-Delgada 12, Funchal.
a cmara dos deputados foi apresonta-
do um pr >jecto de lei pelo depulado Cmara Lima,
alim do suspender este decreto.
Sabio Uo dia 3 para Londres, para metter a ma-
china, a c wvela Infante D. Joo. Este vaso nao
sabio do 1 ojo einquanto nao houve noticia de es-
anclennes et bonnes rolations qui existenl entre tar promu la a machina em Inglaterra, que para
les detix tats, Ini en son los gages procieux. elle se mandara fazer.
Dsireux de eultiveret de resserver ceslien dei ., .. 1. ,__f___,_. .___^.----^*_ .
3'J-taK,SBf%VTa*:*j-a^
Pe.'mette.-moi done, src, de prsenter a Volre ra dess Corvetas, ser immed.ataniente posta^a
quilha de um vaso da lolagao da .Tfoitri Auna, e no
estaleivo na sopunda a quilha de una fragata.
E' sobrfc maneira notavel o espirito de iniciativa
que tem presidido nestes ltimos tempos s nossas
cousas na va es; as oonstrnccoes snceedem-se sem
interrupgSo; o estado da mrnha, assaz esperan-
eoso j hoje, assegura um fuluro prospero, garau-
findo ao mesmo lempo s nossas colonias muito
maor prestigio.
Magost les lettres qn m'accrdltent om coito
qualit, ct de me rendre l'interprete des voeoz qui
fait lo roi pour le bonheur personnel do Votre Ma-
gost et pour l prosperit de la natiou por tu-
gase.
Je m'ostimorais henreux, sire, si le zele' cons-
tant, uue je vouerai a racomplissnient de l'ho-
norabie rnission qui m'est confie, parvint ma
concilior la bicnvillonce e l'ostime de Votrc Ma-
gost.
S. M. dignou-se responder:
Partagoant la juste dotileur que toute la fa-
mille royale ct le pimple danois vienneut de re-
No mez do dezembro ultimo celebraram-sc na
igreja dos terooiros do (Jimio, da cidade do Porto,
os tullanlos que a Sociedade Cutliolka Promotora
da iloral Evaiujelica rustuma fazer por alma des
M Bflr par la deplorable perte de sa mageste Fre- seus OCoS Qados. ^U ,a0 til sociedade reli-
de.rik MI, la forme des voeux ardents pour que lo josa a quein se devemi aillda que .MUC0 fallados,
Ciel les preserve pour long temps de si cruelles bons servigos, tem desdo o seu comeco lutado cons-
epreuvos. tantemento com um sem numero de difilculdades. I
En vons prianf done, monsienr de le ministro, e ., nao se} 0 ., e constancia de alguns de seus I 2f. principiando nesio invern a tali
da voulor bien tre aupres du ro, sou digne suc-1 m,.mbros, por certo ja tor.adoixado de existir. E! PJosa dcP9,s 'lo d,a dt Rel8- -Na0 ha
cossour, I interprete de mes sentimeots, veuiller ,0davia dovem-se-lhe bons sorvieos, pois que em
transuietue om memo temps a sa magoste mes CCasio da grande carencia de sacerdotes para as
cordiales iilicitaltuns a I occasicn de son evene-; jgrcas ,|a /;osta 'frica acudi ella mandando
moni au trine, en I assurant de mon desir sincere | para aMj aUns mancebos, educados expensas
nicamente suas, os quaes consta por testemunhos
muito insuspeite-s alli prestaran! importantes serv-
eos. Por exemplo o primeiro cura d'alinas que
consta ter apparecido em Mossamedes foi um da-
. quelles mancebos que a Sociedade Catholica arran-
nia cour, et queje vous anoonce que le choix de : C0H d;ls Karra< da miseria, cobrindo-lhos a nudez
votre personne pour cetto honorable mission ne mandando-os educar, at finalmente os tornar c-
peut que m tre agreable. > : dadnos nteis; u tanto quo, a um destes j o gover-
Foi instituida por decreto, urna distinccao no reconbeceu e galardoou seus bons sarvkos. No
destinada a commwnorar os servaos prestados a enunto como tudo que bom o til solre contra-
causa das inslituioes liberaes e da dynastia rei-; dire8eg. eIu soc,tdade nao poda ser isen desta,
asme em Hespanha, pelos militares que constitu- por'asirn liztr, regia geral.
ram a divisao auxiliar portugueza que no anno de I
1833 a 1837 servio naquelle reino. Foi agraciado com o titulo de marquez de
Esta distnegao consiste em urna medalha circu-' Vagos D. Jo Mara de Menezes Corte Real, fillio
lar, de 3 eentimetros de dimetro, que ter de um da quarta marqueza de Vagos e eondeesa de Oei-
lado a efieaiHespanhatendo por baixo as da- ras, a Exmn. D. Maria los da Apresentaco Pedro
fias1835 t837e no reverso a outra legenda Regalado Bahazar do P a Cruz da Silva Tello de
do cultiver ot de resserver les rolations d'amitic
el de bofine intellgcnoe qui subsistent si heureu-
somout entre nos deux nays.
C'est avec plaisir que je regois les lettres qui
vous aeei'ditent em qualit de ministre rsMM a
tuoional.
Foi lido pelo Sr. ministro da justiea, na sessao
de hontem, um longo rentorio e o projecto de lei
para a abolico da pona de morie, substituicao
por trabalhos pblicos por toda a vida, o alterago
de varios artigos no cdigo penal.
O mesmo ministro leu ainda outra proposta
acerca das licencas concedidas aos juizes da au-
sencia dos seus lugares, poca da posse, quando
sao transferidos, e outros objoctos disciplinares.
Algumas vezes j, na cmara se tem levantado
contra os arrozaes, mas por ora osla questao nao
tem tido alli seguimento.
Vai sor apresentado ao governo o risco e o
orcamenro para a reedilicaco dos pagos do conse-
lho de Lisboa, ltimamente devorados pelas obam-
mas. () risco do Sr. Pzorat, e o orgamenlo est
calculado em I8." ron tos de ris fra as oxpro-
priacoes que so bao do fazer do lado da ra dos
Capellistas. O banco accommoda-se no mesmo
quarteiro. No risco do Dr. Pgerat aprovoitam-se
as paredes existentes e as abobadas.
Est em Lisboa um cgo, por nome Jos
Picco, que tem dado vanos concertos uo thoatro do
S. Carlos. E' prodigioso o modo por que tira as
mais deliciosas harmonas de um instrumento
grosseiro como a pequea e tosca flauta rustica
deque usam os pastores Italianos. Espera-se outro
cgo prodigioso, Giovaui Vailati, e toca una pe-
quea guitarra ou bandolim, desem|tenhando pe-
cas de muita difhculdade n'uma s corda.
- Esqoecia-me dizer-lho que vieran as chu-
calor muito en
memoria de
tao aturada secca.
As trras bem o procsavam. J se l'aziam pre-
ces em todas as grojas ad pretendtm pltaiam. Os
lavradores estao ja mais animados pois as semeu-
tes que se tinham lancado torra estavam em ris-
c de perder-se, e os gados iam definhando por
falta de pasto. O proco da carne de vacca em
Lisboa snbira a 135 rs* o arratel.
Comecou em Lisboa a publicacao do Diario
Commercia. Esperam-sc outros peridicos novos,
de modo, que tendo tambem alguns ampliado o seu
formato, tal a caresta de typographos, que os
editores se teem visto em serios embaraces.
Tcve lugar effectivamente o recenseamonto
geral da populaoo, referido ao dia 31 de dezera-
bro findo. Esta'tentativa estilstica nao ser em
toda6 as localidades urna exprossao verdadeira,
Sorque em geral, o povo miudo o pouco illustra-
o teme-ce de novas alcavallas e reago pela iner-
cia, i subministrar os elementos da estausliea. O
tempo e a persevnranca dos governos 6 que lia de
a Austria, e agora tambein o nao tem para con
quislar ou oceupar o Schloswig, alim do ennslran-
gu a Dinamarca ao cumplimento dos seus compro-
missos.
Estas ideas sao apresentadas por-aquelles que
suslonlam que a mogo prusso-.iusiiiaca desti-
nada a suspender o movimouto precipitado que
ameacava arraetar dicta.
A (juzeta da Colunia publicou um longo coinmu-
nicado sobre urna soluoo a favor da qual jou-
tr'ora o governo iuplez'mostrou piando prediloc-
e.iu. e i|iie tambom nao deixaria de certo de ter o
apoio da Franga, em presen*a ta poltica que se-
gu a favor das nacionalidades.
Aquella solugo consiste em consultar a opiniao
dos povos do Schloswig. Unta modo o mestre do
ducado habilitado por povos do origem dinamar-
queza, doveria pronunciar-so pola sua incorpora-
gao ao reino da Dinamarca, omquanto que o.sul,
cuja populago essenoialmouto allemaa, pedira
para se unir ao Holstein, e por eonsequencia an-
nexado ao territorio da confederago. Dosle modo,
porin, licariam sem elleito todos os tratados ante-
riores que estabelecem a inlegridade e a indivisi-
bilidade do ducado do Schleswig.
O duque Fredericu de Augustemburgo escroveu
a muitos governos allomes para Ibes pedir que
conceda liconea a lodos os seus soldados que qu-
zerom entrar iio sou exercito. Muitos pequeos go-
vernos annuiram a este pedido.
Ten sido umitas as conjecturas que se tem foi-
to sobro a lesolugo que o rei Christiano tomara
sobre o pedido para a revogagao da constitugao.
Na conjunctura aciual a hesitaco do governo
dinamarquez poderia complicar a questao, maso
governo parece lomar urna attitude grave.
Sao poucas as probabilidades de paz, e o mi-
nisterio esta resolvido a seguir urna poltica cons-
titucional, o exercito outra vez concentrado as
margons do Eilder.
Todos os dias narecem diminuir os partidarios
de una transaegao que linha por base o tratado
de Londres.
Os soberanos dos pequeos estados da Allcma-
nha reoeiando de um tratado em que as cinco gran-
des potencias toraariam determinadas resolugfios.
pronunc.iaram-se favor do principe de Augus-
temburgo, apesar das estipulagoes d'aquelle tra-
tado.
F'oi a cansa do duque de Augustemburgo que
mantisa lurta entre o principe da Prussia e o
presidente do conselho Mr. de Rismark, o tiesta
parte allirma-se que o rei Guilherme est de ae-
crdo com as ideas do principe real.
A Inglaterra proteslou contra a proposta austro
ir dispondo a opiniao publica a abracar sem re-1 prussiana para r^.uipar oWeswig. Se os Alie
om caiiimho contrario ao tratado de Londres, re-
sultan d'ahi graves complicaroes.
< 0 abaixo assignado est igualmente encarre-
gado de declarar S. fixe. o presidente da dieta
tederal que o governo d soa magestade britanni-
om urna conferencia que se reunisse em nmlqaer
sitio que se acordasse, e na qual tomaran re-
iodos os signatarios do tratado de Londres, bem
como um representante da Confederago Onna-
lica.
Fazondo a presente commnniraro S. Exc.
c presidente da augusta assemblea federal, o abai-
i.o|assignado, etc.
Francfort, 27 de dezembro de 18*3. MhM.
2." Proclamaco dos commusariot feernes.
Na nossa pruciarriago datada de Bochen. 23 de
dezembro de 1863, manifestamos com inteira con-
liaucaaesperanca de que a populago dos dorados
e Ilolsteui e do Lauenburgo te abstera de todos os
polos tendentes a perturbar a ordem e a tranquili-
dade publica, e se onporia com energa, mesmo
para interesse do paiz. a quaesquer tentativas ins-
piradas pelo espirito de partido, com o Im de ser
prejudieada por actos individuaes e violentos a de-
i-1 sao da alta asscmbbia federal.
Por occasio da nossa primeira entrada |no paiz e nesta cidade nao ficou maltograda a n a
esparanen. Porm agora recebemos de diversa
partes do Holstein noticias sobre desorden que
sao para lamentar, por que alterara a ordem o a
tranquilidade publica.
Nao s se chegon a fazer proelmar em as-
lantUan o principe Frederico de Angostenburpo
como duque de Holstein, em vez de se esperar pela
cecisao da alta dieta germnica, mas at foram ral-
cadas aos ps as lets do paiz, pretendendo-se pri-
var do exorcicio de suas funeces as autorid;nl-s
I gahneiile instituidas ecoilocadas sob a nossa pro-
i, o prejudicar as nossas resolocSes na parte
relativa omisso dos empregados qiie nio pozam
da eonfianca do paiz, afastando-se de urna man-ira
violenta.
Ainda que nao devamos oppor-nos a manife
tag'es dededicago e deaffeico pela causa de Au-
f;ustenhurgo, quando se proceda nos limites kgaee
tambom por outra re nao podemos tolerar em
ponto algum excessos aincacadores de tal ordem,
(raticados contra a autoridade da dieta germnica
e contra funecionarios solados e jolgamos por
isso cumpnr un dever evitando com toda a eUVa-
cia das lets a ropetieao de taes desorden a fazvr
punir os criminosos,' em harmona com as mesaras
lea.
t Esperamos que e9le aviso sera suficiente para
iiianler a populago nos limites da legalidade. Para
teta coiitainos com o apoio das pesooas sensatas,
assim se conseguir nianter a ordem ea tranqmli-
i ade. alim de que os commissarios se n:io vejnan
ra nedessidade do adoptar providenciar que teriam
as consoquciicias, posando a r-sponsabilidade
i ollas sobre o |iaiz.
3." Carta do principe Frederico ao imperador .\t-
fuleiio.Senhor. Acabando de titmar |"
pois do obilo de soa mage Vil, do governo dos ducados de Schlesvig-tM*teia,
mu virtude da obrigaco que me era imperta aa
minha qualidade de hrdeiro legitimo, ooso reraet-
ler alta jusliga de vossa magestade alguma-
servages relativas aos diroMos ane de meo inm f
reclamar em nome de minha casa, e mono masa
ainda em nomo do meu paiz.
Os pontos essenciaes desta grave questao nio-
escaparo do ceno a elevada illustraro de voasa.
nagestade ; mas o espirito le partido e as paixea
excitadas por inleresses cstianhos a questao de di-
reito trataran de obscurecer esta causa tao sim-
I les em si, que vossa magestade me pardeara a
urgencia com que menciono socntanener, na>
presento carta, as bases, segundo as uuaea devrria
ser resolvida, ao que me parece. Josta ir anta
llena a causa ana son okanaia doenevr. ao de-
vera de corlo receiar o julgamen de nentnm tri-
bunal imparcial. Basta que seja examiaada atea
prevengao.
t Facain ata abstrareao de qualqih-r sympatbia.
que a de>gi'.-u-ada posu-o do meu paiz pama ins-
pirar o que s pedimos face do eco nm -sa-
mo rigorosamente imparcial dos nossos dire;
dos nossos qucixuraes. ET esta exame rgwaaav
mas imparclal mas independenio de qualquer
luovencio e principalmente da parte de vt*a
magestade, do seu espirito de alta jusliga ta na-
vetes manifestado de um modo tao maganaia.
que ouso espera-lo com inteira conlianca.
Senhor, hmitaudo-rac a pedir justiea para o
i ion paiz. nao |m^so aafafMV as circnaaataaeas
f|ue estabelecerain um dever para num. e ame e-
lo sem duvida de grande valor aos oaos de urna
(.raudo equidade.
a Xa causa dos ducados o direito positiva hist-
rico cncontra-se de aecrdo cora os votos do
numerosa o leal populaoo cora os interesan* mais
raros c ao mesmo tempo mais sagradoscom os
iuteresses da sua iiaeeuialidade. Nunca vanan ma-
gostado foi iudilferente a voz dos povo> oppnun-i-;
testomunlia-o a Europa inteira.
Compadcei-vos anda, senhor, dos sol men-
tes c da injusta oppresso que oe habiiautes d.
i,losvig Holstein lom padecido, por que ellas ajue-
ren! conservar-so liis s Iradigos de sua patria,
lingua e os costuros de seus pais. K de mtm a
do xito das minhas reclamaces que esperara o
i orino de seus males, c atrevo-me a dize-te; por
oste titulo fundado cm taes esperangas que eu na
posso subtrahir-me ao dever de fazer valer os on-
mitos hereditarios que me tao restituido*.
Xo pode tambem negar que os negocios to-
discutidos dos ducados tem hojo, por mais de ntn
oonceilo, grandissimo alcance, que vai muMo atoa
Jos inleresses malenaos iminediaianante rinna-
uhados. Excita um interesse Matan apaiauaa*,
Ul emliin que pode lalvez ter graves iacamvanian
les se nao se apreciaren) os efleilos pelo ejna vate-
A Alleriuiiba inteira esta comnKtviOa. Basto
observar todos os paizes allemes, desde as mar-


s
Mario i* rVrnaaabnto Ht\U letra t* de J.n^rrt de lP4.

i
1
v
*
s
tens doRhio atlas margeos ilo Bltico, parase
car c n acido i j que o Minios nao esto satis-
fetos do i|ui:a na,: e a traaqui i Jale publica nao
se restablecern em basa solida, c que emflm o
foco da revolucao nao so aenn cxtincto, se porven-
tura a q instan dos ducados nao for rosolvida con-
forme ixn as le.- da ustcaecom os interesses
da nacionalidad!'; so acuelle paiz nao for subtra-
hido ao dominio ) estrangeiro o restituido ao seu
gitimo soberano.
Mono- Iludimos: qualijudr d;ciso em sen-
tido opposto sena anonas provisoria aos olhos do
qiiarenta tmlhaes de alternaos. Anda quando te
tontas*!! rcvisir iemeluante decisao das frmis
ruis njimnea a aco vera nclla novo principio
do lua. E' pois intil alargar mo-na a respeiio
dos pongos de tal situaco. Essrs perigos sao mui-
to evidentes.
E j'juelle que pudo juslica cni norae de un
direilo par tantos ilulos veneranloo sagrado, em
norae de importantes interesscs de que a Providen-
cia o tornou depositario, nao peder acreditar que
procede segundo >s intuitos de vossa magestade,
que a Mate iba ftfMM occasio do auxiliar a no-
le empresa que ,. Europa lite i llovedora ? Este;
generosos esforcos tem por flu prestrr tiomenagem
aos interesses das uacionaldadi s evitando os pe-
rigos que coi ipreh indeui as suas roelamac.oes, as-
sim como .loquen os palavras recentcmente pro
claran) ante a Eur )pa inteira.
< Suhuieltondo nui couliauca a questlo de di-
reilo esclarecida ipreciaco de vossa magestade,
espero, senhor, qu; a nohre causa que me esta
confiada encontrar mellior auxilio nos ole vados
intuitos e nos generosos sciitimenlos que auniaiu
vossa magestade.
t Na historia da minlia vida passada encontr
dotorosas racordacfcs, Tambem eu tive que latar
rontrn urna .(irte tosil, tambein supportei lastimo
sas provacfies, e se um impulso de orgulho me pe- j
imttisse, juntara : tambein nunca perd a cora- i
gr-m, neni renuuriei a esporanca nem o dever.
Praza Providsncia eoucodci -m tambein, em |
re**?* mais modesta, o feliz pxitn de que um dnsj
wtenm mato attunre da Euro* nena das- e-
roa mais poderosa', offerece ao mundo to glmv-
1SO i'Xi.Mlipkl.
()u:iudo rao r*ori,i dos beitosrKas f|Ue n>e ftli ,
gieraiitli pausar un Franca na corte de vossa
magestade, qcando all fui para lhe apresenlar a
iiomeivigRui dos se anllenlos que II ie sao devidos
Jwrtantos r..-s| -ito-, a leuibi anea doulerese niag- ,
lianirao que vossa i lagestade se ditiiou testcmu- ,
liliar-ine, as p ilavn s benvolas que fez a honra de ,
airigir-nie, apreseniam-se vivas a minha memoria,,
< anrazivw pensnr que a bella rerordarSo do,
passado lia *> ser lenlior seguro do futuro.
Espero, portanio, sem receio, a decisao que,
vos mayesijule liojver por bein adojitar con re- |
lacio miaba boa justa causa. Coin plena con-
lianca espero que iv sa decisao nio sera contraria
a revndarncAj de dircitos ruja iegitimidade iiin-
.'ueiu contestara ; n que autos se dignar anolher
as miabas rclamaides cou genero.-a benevolencia
e coneeder-lhes o i'iodcroso apoio do suffragio da
Franca.
Tenlio a bpnra de ser ele(Assigiudo)Fie-
JrtICO.
i." &-4JMU--Jii.-Meu prioto.Li com vivo int>-
resse ararla que um escreveu : e apresso-nie ares-
jMiuder. .Nada julgo mais honro* do que ser reare-
sentaute de una cai>a que se fuuda na indepen-
dencia o nacionalid: de de uui povo. Por este titulo
pdecmitar com a ninlia >>inpaihia, |ior que eu
serei sempre cousoquouie nos meusactos,
Se pelejei pala indepeudeueia dos Italianos, se
l4v;uili'i a voz em rol da naroiialidade polaca,
nao posto na Alleinanha, ter ou'.ros sentiineutos,
nem obedecer a outr > pi luctpios
Mas as fraude. potencias acham-se ligadas,
ji-'ia convenci de l.on,lre-; e sd.a sua reuuiao,
puderia resolver se u difficuldades a qnestao que
o intersea. Deploio pois muito: a este resuelto,
como acerca de oufos assomplos. que a Inglaterra
recosasse assi-lir a" cougresso que propuz.
E'para la-tiiu ir, ijue a dieta nao tenha sido
eoiisultada sobre o direltos de um ducado, que
da, parie da (ioiilod, racioGeniua.ca: a Uiuamar-
iiianiia ; mas por ui i lado sinto, que a Confedera-
cao julyasse dever iutervir no llolstein, antes de
decidida a guestao da successio, |ior que a nter-
v inoB, <]*< pile aeearretar eoinpcaJJes asss
trrave tsm ataa sjuestio: e se se visse op-
priiiiida por viifihos poderosos, a Minti publica
en Kran-a pro mnei r.--hia a seu favor.
Faro pois votos sinceros para que os seiis de-
sojra ex imiiia 1k "'la dieta germnica, para
I-ie a deliberarn seja sabtMUida aos signatario^
.ua convencao de Londres; para i]ue desle modo o
sentiiiK-nlo na i,mal que se manif.'sia tao energi- j
-<:uiientena Allemanha, possa recelier de um com-
i.mu aecrde urna -.alisfacao legitima. ,
Aproveiio com >razer o ensejo de offerecer-lhe
ifurancas de minha estima e ? minha cons-
ante benevolencia. Rogo Deas, senhor meu pri- [
mo, o tenha sob su;, santa e divina guarda. -Na-
jieieiio.Compiegue, 10 de dezemt-ro de 1863.
_ 0 Invalido rumo d ronta de urna apprehen-
feita -'iii \ arsov a no gabinete do secretarie de ;
4ivisao lechini'-a no caminho de Ierro de Varsovia
i Vienna.
Entre os objetos apprehendidos figura um gran-
de pacote contundo tima parte de correspondencias
do governo nacional, e 7 sobrecscriptos com as
seguiotes diree^oes:
Ao coinmissario plenipotenciaric as provincias
pjlacas porlencentes -j. Austria ; a commissao ad-
tnmisiravada divida nacional em l'aris; ao com-1
iiiissario extraordinario das proviacias pertencen
(,-s a Hussia : ao conego K...; ao agente diploma-1
tico em Pars ; ao chefe militar em Ruthinia ; ao
agente diplomtico un Hinca. |
o paoote continha tambein una earta da seccao
militar do governo nacional de Varsovia, tresexem-
jdares do proclamai; io ao povo, e um numero do
.\irpo(Ufgotu\
Todos estes papis foram entregues ao general
Trepoud. Outro jrnil russo, fez notar que os so-
brescriptos ba#4ain para dar urna idea de extenso
da correspondncia do governo nacional e para
mostrar como se desenvolve por meio dos scus
agentes diplomticos e dos seus commissarios a
accio daquelle roverno invisivel. que nao possue ,
um nico palmo de Ierra. |
O abbade Mack.iewcz um dos chafes da insur-
jeicao no Litliuauia foi prisiomiro em Kowoo, e
coiidemuado a murta por un triuunal do guerra.
Diz a Gaztta denara que fossem transportados para a Siberia 2'i
subditos prussianos que astavam presos. 0 chele
dos insurgentes Demski que taii.biin era subdito
prussiano fui iuziladi. Para a Siberia continuara
a ser espedidos novo combotos de deportado*.
O exercito reunido na Russia meridional as or-
densdo sjenerul Luder> calcula-se era 150,000 ho-
mens. 0 exercito di Moscow da forja de 100,000
ioraens forma a le-rrva das turcas daquelle ge-
neral.
Em Odessa tem-se sumido grande quanlidade
de mantimentos e todos os das parlera transportes'
com provisoes para Nicolaieff e outros pontos.
Do lado dos turcos, o quartel general do 5* corpo
loi transferido de Schmila para Widdin deram-
ordens paca re>tabelecer-se fortilicacoes nos
danrllos, onde .',0 trata de completar as obras
4 -i defeza.
A attrtadc do exercito russo as fronteiras
do Oriente cansa serios cuidados nao s ao gover-
no ottomano, que toma as suas medidas preventi-
eas, mas aos gabinetes europeus.
tito i que o suliSo pensa em ir a Franca no
.principio do auno, nao encontrando a sua viagem
a menor onposicau ua parto do gabinete ottomano.
Narecepcao que houvc as Tulherias, no i"
do Janeiro, o nuncio de S. Santidadu usou da pa-
ivra em norot- do ccrpodiplomaticj. O imperador
Napoleo respowleu a^radecendo o desejos mani-
j atados pele nuncio, considerndoos como presa
ira a paz em jue vamos entrar, apocar das
iliculdados que alizuus aCouWKimentos tem pro-
vocado em diversos paizes da Europa.
Espero, diz o imperador, que sero considera-
dos polo Mirit.ocou( mador qiK':uuma os sobera-
nos o que a paz so ba de mantee
0 Tempt act rosee tta que o imperador dirigindo
- a I ta y i on bianifustoa a esperanra de que o au-
no de 1861 ser para os Estad i luidos um anne
ilo paze de conciliario.
O imperador rooobeo a re*posta do senado
ao discurso di throno, e, remiondendo. insisti no
pensamento o cougresso para asegurar a paz,
sperando que o senado eom m seus esforeos a
coadjnvar na rcalisarao (kste |iciisamento. Kui-
nto |iohtica hif'rna o im|erador nao disse
i algnma.
A opposlran val apresentar ni corpo legislativo
urna emenda ao nareeor da Cnmmissao sobre o
empretKimo, limitando a 100,0JO,0i)0 francos a
emissSo de bondsdo thesouro no ao.no de 186't.
- A recente (UrotlamajSii da commissao nacio-
nal veneziana que os jomaos italianos pubbcaram
rpren.leu vivamente a opinio pti-
Idira na Italia.
AqttfHle documento nao produzio ornos impres-
,i \nstria. As cartas particulares de Vienna
dio a entender que o governo austraco se preoc-
cii|ou bstanle i esi I f-speilo, po asando na coii
ceutrajao ik_aovas trocas era Veuoza, onde tanl-
beni se Iraiav.i de augmentar os tncios de defeza-
Ima circula do ministro da guerra italiano
chamou s amias toda* as pracas de priraeira e
scgjnda classc. Afflruia-se tambera que um alto
perionagemqiie se diz ser o general La Marmora.
reeebera um tetegramma cuja concluso se pode
resumir ao seyuinle--; ronsolai-vos que dentro
em pouco tereis occasiio de vos distinguir.
Sobre este assuinpto Ic^se o seguinte no Crner
dn Diinnnrhe :
Parece Aira de duvidaque na Italia se prepa-
ra jm li'vantamonlo da tropa^ para os primeiros
me es do prximo auno, u que est tomada a ro-
soli cao de so lentarem novas ope^acoes decisivas
contra Vneta.
Temos occasio de suppor ue o gabinete das
Tulherias est perfeltamente ai> 'acto deste pro-
ject i, ao qual parece nao estraJiar a misso do
coiib' Pasolini.
A Opinin NatioHoJe |>ela sua parte escreve o
seguinte:
A ooBvieciio do que est prxima dTTa guerra
dosenvolveu-se era todos os nimos. Assegura-se
que o ministro da guerra expedlo urna Gircular
ordmando que se suspendessem todas as licmeas.
Accicscenta-so que se trata de chamar s armas
a reserva.
A Gazeta que o proprio ministerio, passou ultimameute da
urna linguagem de paz para urna hostil. Ganbaldi
nao est raeno.- hostil do que a Gazeta pelo que
toca a Veneza.
Esta transformajao foi muito notavel. AfBr-
ma-.-e que i se tem entabolado negociaces com
os amigos de (iaribaldi, para conseguir que este
M aproxime das ideas do ministerio. >
Segundo is ultimas noticias do Mxico, o ge-
neral Bazaine linha emprehendido as suas opera-
goes para o interior do paiz, que so estende desdn
o Mxico at ao Pacilico. Parece que o general
pensiva em substituir a guarnirn franceza de
Vera-Crin o_ ouirnj cidads das trras quentes por
trop: s auxiliares mexicanas. Assim pretende Ba-
zaim augmentar a forja doexercilo de que preci-
sa dispor para o seu mov ment.
muvr.i de curiosos que toca a entrla c uni ir o Era 1.(77 .,,, exdpd a 3^000 almas : no rema- Mt o Dr. da Seraflna me se auer ^Mn ari-
A fesld aimt,^- wni todo o esplende nao 1746 a 731,811 almas em 1801 conlava 8ti(,8U vedar as feriasinl.as l^Bn1!?d! &Ve
de esperar menW eoutM* antecedentes e enlram babilanle?, ,,uo ocrnnavam Ixl,9 casas.
nos elementos dejfl espiVw'lor urna partida que Actualmente o ndniufd de casas i de ;)60,i;i*
deve dar-se noule, oVp)i do^ actos festivos, de cobrindo una superficie do 78\0Jt acres-
que j litemos meneo de 0U(D< vez.
A reunlo da unta, que cm ultima instancia te? e
ton de julgar o soldado do corpo de polica Fran-! de *.
Ha sessenti anuos, o numero medio da lialiilan-
te em cada casa era de 7 ; boje cs!e numero 6
cisco Jos de Sant'Anna. foi espacada para boje.
Foi approvado ummovo plano para a flttonjjfo | L-sd no Mt Jo Pacifico :
das loteras exlraordinaiios da proviucia. L'tBa carroagem carregada de wUus e de fran-
Por acnar-se comprehendido as disposieoe te chegou s minas de Boiso (California), havo-
dos arls. f'i da le n HOi de 1! de setembro de r.ttm mcz.
1830 o*) do decreto n. l,:i.*lde 6 de abril de 1S34,1 Esii|Wrluo dixer que este c.irregimento achou
foi privado do posto de teoente da 8* compaiibia boa e rpida sabida ; basta referir seguinte : Os
do balalhio n. 1 i de nualaria da guarda nacional. gatos vender.im-se a razio di! M patosa) (1-iOOO) '
do commando superior de tloanna, o Sr. Francis- por caheoa. o os frangos a claco pafacae cada um
co Gomes Pessoa de Ariuijo. | no principio ; mas aliual liearaiii a 'W patacas a
Montera de 3 para i \ horas da tanle, rondo- j duzia.
ziam as carrocas puxadjis por cavallos 6 e 7 sacos ( Era quanto para o> volateis a baixa se (alia sen-
de assucar, e as puxadas |or bois 9 e 10, pesando' tir, a rara felina, ao contrario, tinha f'.>rte tenden-
cada um 5 e 6 arrobas, |le modo que com tal car-' cia para a alta.
ga os cavallos apenas polliam andar, j nao fallan-,1 Os esquito* eos ratos do campo soemt
do na gordura delles, que os assemelliava a ener-, grande quantidade all, que todos os gatos da cos-
mos sugeitos dieta de Broussas! fado Pacilico nao bastaram!para os exterminar.
Se a municipalidad'' modillcou a respectiva pos- Quanto, porm, aos caes, esto completamente da-
tura, parece que se devia esperar a sua publicaco : preciados na praca.
nenhum tolo, tambem j val assucarando bem.
Tudo vai a mil maravilhas.
Eu que, louvadoaDeus.tenhofeiio um Ikuro
entre ellos lodos"
A proclamaban do presidente Lincoln, quo
acompanha a sua mensajera, nao s concede urna' offlcial de "descarga Jos Herculao Thomaz de
amn stia, mas tambem nra perdo pleno e completo Aquino, que ceduu em favor do hospital de carida-
aflm de ser executada; mas se nao houvo modfl-
cacao, em peior estamos, porque entao aquillo um
abuso, que deve sor seguramente punido.
Chamamos a attencio para o seguinte :
f Meu caro redactor da Rerista Diaria.
c Acuda-nos com uina das suas roclamacoes.
O viveiro do Muniz serve de deposito a toda
especie~~*e iniraudicias, e os habitantes das suas
circuravi-inhancas vivera ompestados. Para >to
nao ollu o scal da freguezia de S. Jos.;, e muito Assim que sou, sou dengosa e faceira
menos para este olha a cmara, quo pouco cuida Sou hbil no jogo de mil coraeftes ;
da salubridad.? publica.
.Nao n,ij deixo niorrer asphyxiado com os
perfumes do vtV'iro, meu caro redactor clame,
clame, que nos bemdiron os deste servico. Qu' importa que digam as mocas solleiras,
foram Julgadas apprehendidas pelo inspector. 0" eu sou vetha e feia, que sotro das cujas '.....
da alfandega as 39o arrobas de carne secca, que; E que ellas pretendem os meus namorados ;
conduza a barcaja CoHCtqao Brasileira, por con- Que a todas desprezam, chamando-as curujas '
trabando, da sumaca hespanhola Amelia, consigna-
das Marques, Barros A C-. O apprehensor o
O Sr. P. Jnior, reiuetto-nos a seguinte possia
O C.\SAMK.\T0 DA VIXIIA.
Sou rica, oh mui rica, e sen hora do tom ;
aman a iiumensos mancebos janotas ;
Aos vellws desprezo. que asco me causam,
j Aos anuos curvados sera f, idiotas !
Sou anjo dos mocos, cupidos, dandys,
Que aos meus ps curvades me fazem aades.
Torga feira houvo dansa uo itnavel Arrombado,
P jmenle- ,ls malvadas das cuseiras far-ine-biam
nao lomar |8fle aaasa bello passalempo, em que,
quando menos, filare o aniavcl ftacufeiUo!
Como soldado que son, mindas
dlflerentes; e creio que c por isso que eu nunca
mais posso compreheuder as novenas que assisto.
E pro va de que a rosa de soldado nao a ales-
na, e nem rosada tela mesma cirtilha que os
paisanos rosara, qaeaai os meus nandamentos :
1 DcUicaras mocas sobro todas as cousas.
- Nao perder com ellas o rau tempo em vo.
I' A/eilar nos domingos e dias santos de guar-
das.
4-
*- '" Sem mudanra.
Lauta* "lV('ni'0concluido o anuo rom un V-
P*.fe limitsd* :* T^ZiS*e-M f,n^11
O A. N. que foi para
hil-
unico navio a saber a flavu.
Pernambuco.
G$mtm%
Sobre Lond es,:! nrexos, data Jlmafeiie li*.^
Im^s ior St.
prazo curto 13 3 l|i.
rezas sa j todas Sobre Pars. 3 me/.es, data 194 rancfl* por k*T
marcos ianro.
prazo curto 191.
Sobre Lisboa, 3 uiezcs, data i. 7|8 scbillings por
1 mil reis.
Descont '. i|X 0|ii.
o"
li'
7
Nao rae importar que ellas se amollem.
Nao deixar de enralistrar velhas c mocas.
Guardar segredo do autor dos meus debiques.
Nao furlar um beijinho assim nao o possa.
Nao levantar cousas que nao as tragara tor-
turadas.
9" Nao passar eupor beata podendo desluca-
las todas.
10 Nao cubicar... creio cu que o amigo com-
pre Itendo.
Ora, em vista do exposto, quera quizer que so en-
gae a meu respeito, que eu heide terminar este
esrtptinho, com as mlnhas tres virtudes, nao sei se
theologaes :Comer, brincar e deucar as mocas.
E al logo...
i'rirjdfKUbii;! -li d> jaaelri
Ir I stil.
Preros covrentes dos yenerot de imporlarao.
I*4\AA .1.. *f..... I. .p > ""
PUBLICARES 1 PEDIDO.
e a restituico de todos os dircitos de propriedades
(excepto a oscravos) a todo aquelle que prestar o
juramento de que trata a proclaraa^o
de Petlro II, qualquer beneficio pecuniario que lhe
pertencesse pelo regularaento de fazenda.
Folgamos era registrar toctos de desinteresse no
0 despaclios de Nova-York dlzera que all se cumprimento de seus deveres como o deste erapre-
falla vagamente em paz, mas accrescenta que por j gado.
emquanto muito duvidosoque se teuham ontalw-1 Foi tambera julgada anprehensao, doze pecas de
lado negociaces: todava os boatos que se espa-, lona presas pelo guarda da alandega Ricardo Fer-
Ihanra, teem urna cena influencia sobre o raer- j reir,
cado O vapor francez, conductor da mala do Bor-
Os federaes cessaram o fogo contra o forte deaux, no corrente mez, o Beam, que devia par-
Sutu|iter; Longstreot relirou-se para Morristown \ tr 2o.
onde se ha defender.
O renado da Georgia ordenou o alistamento de
todos os cidados maiores de 13 annos
Os dous exercitos na Virginia entraram nos quar-
tis ne invern.
Os federaes oceuparam o forte Esperanza no
golplio de Matagorda.
O general Riusatravessou oRio-Vermelho, c en-
trou no Texas.
O .ongresso federal rejeitou urna proposla de
Slr. ^Vood (|ue tnha por fim mandar urna commis-
sao a Richmonc, para entabolar negociaces para
a pai.
0 cougresso c'eu ura banquete a ofUcialidade da
csqu;.dra russa em Washington. A siluacao miliur
nao t mu sido alterada.
Corra era New-York o boato de que os federaes
havia tomado muir artilharia ao general Longs-
treet. Todava parece que a retaguarda das torcas
deste general destrocou os federaes.
Bunside foi substituido por Foster, que est no-
neada cuimnaudante das forjas federac uo Ten-
aasta e Oriental.
Ua a brigada federal, coramandada por Wisten,
alrav ;ssou as buhas confederadas, e avancou at
Charltfs-City-Const-H'Xise, que fica a 18 milhas de
RiciMiond.
O lelatoro do raini.-lio da fazenda de Richraond
aprsenla a situaco finauceira do sul como jiouco
favorsvel.
Em Portugal abriram-se as cmaras legisla-
tivas a 21 de Janeiro.
El-re D. Luiz pronunciou a falla do throno em
qne >e proinetteui inultas medidas importantes
para i admiiiislrajo e llnancas de Portugal.
do deminio publico a impetra do uiesiui ~in>rano
ao convite do imperador dos Francezes para o*.
congr:sso poltico. v _^
No parlamento lu proposla urna In para sei
reconliecido o htrdeiro do throno portiisuez.
Desde 7 do Janeiro que prlncipiou a chuver li-
vrando-se daquelle modo a populajo do gravis-i-
rao receio de um anno de fome.
Of/ocra intensisimo em todo o reino. O es-
tado sanitario porni coutinuava a ser satisfac-
torio.
Quanto ao mais referiuio-aos a carta de uosso
correspondente.
ultima hora communica-nos nosso corres-
pondtnte de Lisjoa :
S. V a pruiceza de Galles deu a luz um robusto
prinepe, no di&8 s9horas danoitej
ro noraeado ministro da guerra na Grecia o
major de engen ieiro; Patmessas. As guarnijoes
do Duas-grajas zeram reconbecer os seus novos
chefes.
G ministro das linancas teve de pedir 44,000
frann s ao Oanro de Alheas para satisfazer as ne-
eessidades mais argeales.
^ Cs Inglezes esto demolindo as fortiQcajoes de
Corf com grande descontentaraento das popula-
joes jnicas
cu-se hoje na cmara electiva o projecto do
respo;ta ao discurso da cora.
Durante a sessiio recebeu-se um offlcio do Sr.
ministro da guerra, visconde de S da Bandeira,
deca-ando que tinha pedido a sua demissao.
Este facto foi inesperado. O motivo desta de-
missao parece ter sido a votaco de urgencia da
cama a electiva acerca do projecto do Sr. deputa-
do D. Luiz da (Junara para que se suspendesse a
exea cao da relorma do exercito.
l'erguntando-se ao governo quem substitua o
ministro da guerra, doclarou o Sr. ministro da ma-
rraba que mais tarde dara explicajo a cmara.
< (> Sr. ministro da marraba apresentou a c-
mara o relatoro do seu ministerio, e prometleu
apresenlar brevemente o relatorio do ultramar.
Do Havre sabio para o Cear, i. do passa-
do, o brigue trance/. Beafijeu.
Achavam-so carga uo Havre : para o Mara-
nho e Cear, o brigue I francez FernanJ; e para
Pernambuco, a barca frapceza Coliguy.
Passageiros do vapor inglez Pacida, entrado
de Southainpton e portos interraedios:Joaquim
Alcoforado, Emil Bidoulac, Maurice Lehmann, Al-
bert Brown Ghewy, Dav(d H. Bowinan, Alexandre
F. Wdson ,' sua seniiora. Barbara Coniorie. Struter
Lamben, Richard Whitltker Breggo, Jos Rodri-
gues lavares.
Passageiros do vappr inglez Omirfn, sahido
para o Rio de Janeiro
labia: A Sra. Peterson,
i lilhos e 3 criados, Jocj Ferrara de Souza, Joa-
quim Franrisco do E poldo Jos da Silva, Fra icisco Ferreira Borges e 1
criado, I). O. Borges c X iguel de Miranda Vianna*
Ul'AIITIi; VJ da polica :
Extracto das partes do dia 28 de Janeiro de
180'i.
Foram recolhidos
do corrente:
A' orduin do lllui. Sr.
a cusa de detenco no dia 27
Dr. chefe de polica. Ge
raido Francisco Lopes Braga, branco, vindo de Na
zareth, sem declaracao do motivo.
A' ordem do subdelegado do Recife, os Inglezes
Tboinaz Luiz, Joo Esn ou, e Jos Francisco dos
Aojos, pardo, todos por briga; Jose.rrioulo. escra-
vo de Silva <} Reg, a equenmento destes.
A' ordem do da Boa-Vista, Francisco Lopes de
Souza, pardo, para averjiguaroes policae-.
A'ordem do da Capiinga," Mariano, pardo, es-
cravo de Francisco Augusto de Oliveira, por se
adiar pronunciado.
A' ordem do do Pojo(, Joaquira Pedro da Silva,
coronel recrutador.
) chefe da 2" seccao,
i. G. de Mesquffc.
pardo, disposico do
PERHAMBDCO
HIVISTA DIARIA
Damos na oitiva pagina o discurso do orador do
Instituto Archrotogico Geographico Pemambucaiio,
s? =r 0 g o
v." 1 W 1 >
2 3 -3 5 3 m >
: : kO f
w" -!

: : 3
a i 2
SI 1 5 Mnsciilinn. z ^
^l i s o
i
81 -1 OS 9: I'emiiiino. ' i

1 i v
1 M'Hiuliiio. v. to
SI 1 - s 8 ^55 ^
1 ^
1 i FeiioiHu.
- 1 * A f~
i 1 1 aa.
II .V'if/
-1 i - m OC
1 | i m
t 1 i F'iiifiu'iin. ' 'j
. i - m ... i
1 m\ 1-
Musculino. 1 ~, 2
** f ^ w ~r.
* i - * ( i


Fru mino. 1 ? 3
^
w M | * 14 -1
1 9
s1 1 S 1 . . 8 Musmlino. | >\
y.
m ; w j
/minino. '
*J *
X, 4
-! 1 M, f TOTAL.
SI 1 . -
* m
ADVERTENCIA.
Na totalidade dos| doentcs existem 178, sendo
alienados 8 homens 27 mulheres.
Foram visitadas as enfermaras estes dias :
Pelo Dr. Ramos as G 1|2, 6 hi, t L i. t 1|2, Z
i|2, 6 i|2, 6 :ili horas da inanha
Pelo Dr. Sarmenjo s 8 1(4, 8. 8 10, 0 3(4, 7
3|4. 7 1|2, 7 2o.
Falleceram :
Joanna Francisca B"relre Lobato ; phtysica pul-
monar.
Belarmino Patricio P'reira ; dem ideni.
Manoi'l Nazareth d j Carino ; hepatite chronica
com anaiarta.
Joo Maria dos Santos (lndioi absorco purulenta.
Movimento da casa de detenco no dia 27 de
de Janeiro 1864:
Existiam .
Entraram.
Saturan. .
Existem
A saber :
Nacuma es. .
Estrangpiros
Mulherts .
Estranaeiras
Escrav^s .
Escravs ,
recit; do na sesso dj 27 ; epor ora deixamos de
publi -ar os domis, \1sto nao nos terera sido en-
viados anda.
O Oncida. trouxe para este imperio 102 pas-
sageiros, sendo 11 para esta provincia, e os de
mais em transito para o sul.
Hoje tem logar no Apollo o prioiiiro espec-
tculo no corrente anno da sociedade thcatra!
Melptnene Penamlmcana.
0 drama que vai scena, a bella composijo
a JMoidevida penna do sr. conselheiro Jos
de A encar; e os intervalhos sero preonchldos
pela oven Angelina Boltlni, que por suas grajas,
idade e pericia no piano se recommenda aos en-
tend los, o boma este paiz em que vio ella a luz
do dia.
Domingo 31 do corrente, de ver ter lugar a
festlvidade da Senbora das Necesidades na sua
capellinha. nos Arrorabados.
A espeito nos informara o seguinte :
< re sabbado haver vespera cora todo o appa-
rato e esplendor, sendo a frente loda da igreia
Iluminada, assim cerno a testada das casal de
todo o povoado.
c Por cssa occasio, tocaro uoute duas ban-
das de msica marcial as mais bellas e escolhidas y(,ve (
pecas de scus repertorios; e subiro tres baloes de: Jos Satno de Lila ch
nova invenjao c gusto especial e anda nao eoulie-'
cida, a que acompanharao soberbas giraudolas do
mais bem preparado fogo do ar.
c lio dia haver grande festi pela manha, sen-
do pregador o muito Ilustrado e distincto Exm.
D. abbade do raosteiro de S. Bento deOlinda Rvm.
fre I'elippe de Sao Luiz Paira, que para essa occa-
sio i trepara um soberbo e olegaute discurso sa-
grad i.
Tros bandas de musica marcial tocaro todo
o dia ; o tarde subiro tros baloes. e oulros tan-
Ios a noute, a lirada la bandera, que ser rondu-
zida casa da juiza do anno vindouro a Exm. Sra.
D. I.eonida Pires nlvcs Ferreira CoeMho, mulber
do r. coronel Hjgii.o Jos Corlho.
No dia da lesia tarde haver cavalhadas, e
oasgunda-feira ooale fogo Be artificio.
Vo mesn da SI lora tambem lugar a festa
de vossa Senhcira dos Remedios, em sua cape I la.
As novenas que alli se tem feilo, lem sido bri-
, 346 preso-.
8 .
. i:
. 338
, 2i- preso.-.
31
3
2 .
67 .
t
;i;8
Alimentados a custa dos cofres pblicos. 142
Movimento da enfermara no dia 27 do cor-
rente.
Teve baixa
s Sabino d
Teve atta:
Joo. scravo de Luiz de Franca
manes e mui eoncarridas principalmente pela sessenta anuos.
01 POUCO DE TOBO.
L-sc no Jornal do Commercio de Lisboa :
No dia 1 do cbrente entrou qm Angra o hiate
americano A. S. Jiels, capitn Gcorge Berr. prr>-
cedendo de New York, declarando o dito capito.
ha ver tocado no referido porto, com o fim d" des-
embarcar 34 pesaot de tripolacio e 11 passagei
ros sabidos de bordo do vapor iuglcz ficta, j 0.19
toneladas, capito Edward Bixou, o qua! tendo sa-
bido de West Imjies com diversos eneroi jara
Liverpool, tora-a pique no dia 28 do correato, na
latilude N. :W," c longilude l 33," 39.'
A cidade de Londres cenia 2;803,O0O habitantes.
A nopulacSo da netropol-.1 iagleza tnplieou en
J urna atrevida, me adiando eu n'um baile,
Fallando d'aniores corto mancho ;
La disse sorrindo :Que vjjllia gaiteira.
Que caixa de ossos, que vela de sebo I
E a outra sorrio-se, de cumio mordida,
E disse : -Coitada Ja nao se conbece,
Releinbra seu tenipode es|wraucas perdida>.
Nutrindo a loucura, que amores* padece.
Colladas 1 Delirara, que d tenho deltas.
Estorcem-se todas era guarda avanjada ;
E eu conquistando mil louros d"amores,
A's settas me curvo na doce emboscada.
Sou grande era farafas, era mil galanteios,
Impero em meu throno, son urna raintra :
Lacaios eu lenbo, prosistas, ptjetap,
Que eleva ni-me s nuveas, cpial luna andorinha.
E ellas, coitadas I sem ouro o que valora 1
Nao mais que materia capricho* sujeila :
Seus das > rosas as veaej entreuam
A'uina alma loucura e virios alTeita.
Sessenla janeiros j tenho, que'iinporta.
Se o nobre mancebo pedio minha mo ?
I".' j quarta vez que rae meti na dansa
Com tal felicidade, que eu fico, e elles vo!
Dos tacs meus maridos umteve negocio,
Porm o segundo foi procurador ;
O outro era bello, alinal escrlvo,
O quarto i mancebo, oh cos doutor!
Louca velha, coitada I s tu a arvore
Km que abriga-seo hornera calculista,
E n'ella awaM ura thesouro precioso
P"ra cora outra gastar tua vista,
Levando-le por dote to sement ;
E s.-guindo o destino em que m/nisca
Esquecc aMarai Evapenitente !
O abaixo assignado vem por raeio deste agrade-
cer aos seus irmos ministro e membros da mesa
regedora da veneravel ordem terueia de S. Fran-
i cisco a livre e expontanca nomeajo, eapprova-
' rio do supplicante para cirurgio do hospital da
j mesma ordem. (telo fallecimento do seu collega e
I amigo Miguel Felicio da Silva. Farei por conli-
, nnar a merecer a mesma estima e eonflanja qno
sempre em mira depositaran) durante todo o lem-
po que serv interinamente pelo grave estado de
saud.' em que se achava a referido meu coltega
cirurgiodo mesmo hospital.
Recife 28 de Janeiro de 1864.
Francisco Jos Cvrillo Leal.
Algodo do Marauho e Para.
Dito de Ansola.....
Atascar de IVrnaubiico, b. (S
"ilo masca vado.......
Dito do Rio de Janeiro ...
Dito da Baha b......
Dito inascavado......
Ditodo Maranho b.....a
DiiO iiiascavnlo. ..,-.
Dito do Para bruto.....
Agurdenla d cnn do Btail P
Arrozd Marinhj Pati bom.
Inglez...........
Caf do Rio priraeira norte $
Dito dito segunda dita. ... a
Difo dito ter. eir dita ....
Cacao do Pur.i.......I.
Dlloda Bahii..........
Cairo da ludia 162............. A
Cti ,'iiiinratu da Angula
I) la dita da Henauela .... a
Cravo do Maranho.......d
Dito do fiiriafa........,
Caslanhasdo Marauho
! Chifres......j|.
Cou ro ihcm da Rio .... A
C -uros rerdae do Para ...
Ditos e.tpich
l).lo< Jila lia Haba.....a
Dilot lalfada do Maraitltla k
Paruambuc*
Babia ... .a
0 ^
i
i
2d.a
IdoO
1-540
14850
I4VNI
14800
14400
i 415U
4H0U
24400
I750
IJi'->
2401
14*."
id.*
14*"
14550
in;irnhni(:i pelioral de ktiap.
A academia medica de Berln, leve perfeta-
tnente. razan, em seu judicioso julgaraento em pro-
'.240O434I
64800 74O0O
lS:W) XitUt
84700 848o'
V1V00 V45m
4 i4l<>
:i4:i00 :t?Vit
4 :I4H
'4000 94001
txm xa
4 ni
160 JO
4 lo lio
14100 Ida
'.I5H00 V-V>
Ditos dito de
Ditos ditos d
Cominho .
Kr>* doce........
lioinmaeopal......
Dila amartilla *
Dlla branca ....
Dita do Bra.il ....".
M'laco.........,
Olao ropahibi .
Pioienla da India .
j Salsa parnlh.i aupeno.
4li
4080
41W
*m
100
34000
nunciar o sueco da balsmica anacahuita mexi-
cana com um especifico positivo c infallivel |ara
todas as irritacoes ou inflammac5es da garganta,
e dos vasos bronchios.
Nao ha nenhum caso de rouquido, tosse, ca-1 Dita dita remitir,
tarrho, escoraco da garganta ou irritaco dos Dita dita ordiiir bronchios que possa resistir as suas adiiiraveis "
qualidades ante-irritantes. Ella rcstilue a voz
quando perdida ou enfraquecida, produzdo petos
allectoes ou sensaedes de aspereza no palalo -, faz
cessara expertoraeo sanguiueae iinpede a aecu-
mulao de mocosidades nos orgos da respira-
cao que parlera dos pulmes.
Interamente differente na sua composicao de
todos os mais peiloraes manufacturados de frutas
adstringentes, cascase raizes, etc ; o mesmo nao
coutm em sua composicao nenhum acido prus-
sico ou outros quaesquer ingredientes veneno-
so-.
Acha-sc venda as Iotas de Caors & Barboza,
eJ. daC. Bravo & C.
COMMERCIO.
lapioca raa..........
Uruc.............
Vaqueta do Maranho. .
Olla do Para......,
Dita da Pen.ainbu.-o.....
Cambio*.
Lontlres .
Pars .
iruova. .
Iliwahmia.
Aineterdnm
Madrid .
Porto


I
k
af
(ai
L
uina
15
IK",
Ifi
110
Ii5
li
liu
I4*m
:ido>
54*1
14*
54W
vo
14100
14100 140
4 :tt4"0
:i7i:w'i>
101 10-.
iftieoo 1841
.. HiUOUlAioni
84000 SaVMMl
I450B i4W"
14 14
144W ad*
lAato i-*'
14800 4'K
NOVO BANCO
DE
1'EirVVJIKlTCO
0 novo banco de Pernambuco convida os ere- ..
dores dasmassas fallidas de Mesquila & Dutra, elPrata portugueza!
( I*'l II 1 I ... 1 \ lll.ilii.i '. t ,!.i f 'un I >-.i A 1. *.n 1 111 n a i
O Sr. K...Vallo remette-nos as suas
NOTAS S MITAS.
111
Rttetlentissimat senhoras.
Deus louvado, multo bom da.
Foi tonga a minha ausencia e o tardamente, po- r-rancisco Antonio Correia Cardoso a apresenia-
rein, quanto i mun, mas vale larde do que nunca. rtm seus |i||lios no |)anc>1 para se procedl.r a res.
Ja nos estafamos fazendo sentir je Xy,. Excs. 1 pectiva verillcaco at o dia 31 do corrente janei-
mesaaas, nuo, uaU v^lessem mettef o rhicore m r0) pois do u?.l se uroerder o dividendo pelos
K....VU*, se agellas que quando nao me veem t,ulog qae estiverem verificados.
tudo -istao tristes e auciosas pelas no Alfandega
Rendimento do dia 1 a 27........ 498:13*4716
dem do da 28................. 25:1384115
Pecas de s-inoo .
lincas hopaiiiioli-.
una- moacanas .
Afilias das Batadoi
dos........
Soberanos.....
Ouro Ceirrailo .
Patacas aespa iholai
Ditas brasitoitas .
bitas.....ueasat .
VBta frauros .
Canco francos
90 *l*
100 'I* .
: -/J
4-pr -
3 -/' .
ItaV* .
8 d/v .
Metate.
84010 a
a
a
a
a
a
a
a
BV.
4i3,4
lar.
84* > a ouru-
lui-
144880 a 144960 a
144300 a 144400 a
no
como fra.le com fome, esperando o refeiterio.
Eu que sinto isso nie.-mo, e que gracas a Deus,
nao sou I nenhuma asneira, tratei logo de por-me
de regresso, para de novo amolar Ss. Excs.
Desrulpciii-iiie as excellentissiinas, este meu mo-
do tumultuario de me tratar na priraeira pessoa,
jado singular e jado plural, porque isso effeito;
do gosto com que cscrevo.
E quem tiver raiva que se morda! Na 1
sim
No meu artigo precedente, tratemos agora de
cousas serias, me oceapei das mocas feias, e hisso
razo tive, porque eu s gosto das bonita?, mostrei
a grande e recrudescento inconveniencia de con-
tinuarem em Olinda; por que lembrei-rae das pra-,
gas do Euvpto, ecom quanto o Sr. deBeaumanoir, : Patacho inglezfc'rf/fi-earvo.
ad seu, se viesse mostrando padecer de \ 'rea mglezaCi.c//(?=idem.
oi:i::j7058ol
Morliuento la alfandega
5 as-1 Voluraes entrados com fazendas... 313
com generas... 642

Volumes sabidos
t
com
com
fazendas...
gneros...
73
llii
953
Ocsearregnm no dia 29 de Janeiro.
237
mu grad
ataques de ternura pelas tejas, ah diabo pelas
sympatlheas. lo lavia nao neroli os assucaramentos,
que era Olinda j vao-se rrlinando
Nao sabis f rabarara-se os presepes I!
Que pena .'!!
J ne se ouve depois de meta noute, com voz
roqueuha e cava :
As pambas
J se queimou.
Adeus, meu menino.
Adeus, que eu rae vou.
llera boas e entretidas nontes que passei, onvin-
do umaorebestra de lagoa
Era urna verdadeira sapiacao !!
Coaxmum lo bem as palomillas, que al o me-
nino Deut se encoinmodava com a lal amolaco.
Agora a quadra outra : o scenario mudou de
bnstidoies, a cusa tomou novo aspecto, mas era
por iso est menos agradavel.
Ed c sou o amigo da verdade, s realo o que
Vejo, e eufSo para que possa ser mclhor compreeu-
ddo por VV. Excs., e algura tolo, ou son tentara,
nao me cham,' de pedante, e por nao saber com-
prehender a forra dos pastis de nata, esereverei
de boje em diante ueste estylo, que nao deizando
de ser tambera bonito, nao sa rondiz tanto, com-
tudo, com o espirito da poca, onde a liga e a anar-
e*to prmtounan.
Asmiii t;uiibeiii euquizligare auarchisar ao mes-
mo lempo.
Agora, Ja vai obra '.'...
Os assucaramontos em Olinda, j vio se retinan-
do; e se MContrain 011 nos Iheatros, ende para
mamr comraodidade dos dindons lizerara-se pd-
Iheiros para as mocas; ou se os sentem as gro-
jas, onde titulo de ircm ouvir novenas, se encon-
trara em polotoes os mens laes azeitadores.
AS novenas teera estado exeellentes. muito con-
corrldas, divinamente cantadas e debaixo de gos-
to c de harmona, e anda raelliores estariam se
nao fotsem essa caterva de soldadosnovoneiros
que logo tarde se encontrara assentados pelas
portas do Arrombado.
Essa rica inslenle de pollroes, que depois das
fachinas suspiran pela noute para darem s largas
seu genio infernal de amoladores, podra uina s
au ront-tos to.los e o piloto fosse eu : triumpho
eterno Ilivre o Arrombado, vingadosas meninas,
desejos seos meus, e viva a patria !!!
Vai muito grande a azeitaco pelo Arrombado !
SatalM
Nao ha doutor, estudanle e ate soldado, qne nao
queira assuc^rard
Comtudo, teda disso me admira ; porfn o que
mais me enoafistra ver as mocas Biostrarem-se
orgulhosas, e entretanto fervor a ateacao.
Isso d'.qujr se chaina verdadeira amolaco !!
No iniu de ludo isso, ha llancas, brinquedos e
oulros debiques dessa ordem.
Eujne tenho regalado, isso que verdade I!
E-airevo meas arligiiinlios ; def.ico as mocas to-
das, flauteio a uuinanidadc do Arrombado; sou
chamado s partidas, apresento-me serio como ura
cenege, eoutros pobres diabos que vo levando
,1 culpa.
Eu ramhemja dei inglez, e portante pssso citar
um verso de Virgilio, que eiiconlrei uo Sadler :
Ego versculos toci,
Tulit alter honores.
O papagaio come o milho e o perequito leva a
f.. na.
E que tal da azeilaco ?
Agora, minlias senbora-, respondan], ^^ sao
grandes nessa arte, c se a tanto lhe ebegou o ou-
genho ea artel!
Por faltar em aeetaco : o nesso medico- do 4o,
nao obslanto andar to encalislrado eom tanta
amolaco, n!lo delxa comtudo de apresantar symp-
temas de urna seria azeitaco'!
Os assucaradores esto divididos, l'ns ataolim
em Olinda. oulros areilam n >s A^rombadoi,
Calera francezaf.7i/fidem.
Barca franceza A/lelle mercadorias.
Kseona loclexa.tf/scA/pedra de calcaraento.
Polaca nacionalMarianocharque.
Escuna ingleza Stumboulmereadorias-
UK|ior(aeSo.
Barca rnirtugueza Lima I, carregou para o Porte,
o N'gumle : .... to de mior vilto procede 4M
2 pipas com ,k>8 medidas de agurdente, 2 rucias milj,0 ,.(r,-Iliad., '
ditas e 96 barris com 3,693 medidas de mel, 2 bar-'
ricas coin 10 arrobas de caf, 12 ditas com 75 ar-
robas e 3 libras de assucar branco, 1,780 saceos
com 8,900 arrobas de assucar branco, 320 ditos
cem 1.600 arrobas de dito e masravado, 100 ditos
com^olN) arrobas de dilo branco e macavodo 150
ditos com 580 arrobas de gomma de mandioca, e !'
molhos com 321 quiris.
Reecbedorla de rendas Infernas
geraes de Pernambuco.
Rendimento do dia 2 a 27........ 2o:7'.M)4836
dem do dia 28................. 4784500
243:269*336
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 27......... 104:4864228
Idera do da 28................. 3:28:1465:)
107:7694881
llaiuliui t|, i de Janeiro de 186 i.
Relatorio Commeral.
Como sempro nesia esiaco do anno as transac-
roes foram limitadas. En consequencia do gelo a 1 mellior preco
184>'i0a 184600 a oor.
44490 a 44500 a prai.
24000 a 24>Ht> a our.
94 a 4030 a
4950 a 4M0 a -
49:U) a 4940 a
:14560 a :14300 a
4875 a 4S*0 a
7tWte a 84000 Marro
Fundos t accoes.
3 p. r. de ass.utaweui. 4*>^r 4#l 4
Coupous........49 Va a VJ I V
Banco de Portugal.....8534000 a Xtitu
Cmimeiiial a Porto 2644*'a 26fi4a
Mercantil 268500" a 274i>
Estes proco dos bancos cora o dividendo pa-
go do l* semestre de 1863.
I EVISTA COalMERUAL.
Da 13 k Daoaaawa Ultc ja.nkiho.
Como disserans no nosso ultimo numero, a con-
forme ao que anuunciamos do Jornal do Commer-
cio de 30 de dezembro ultimo e de 9 do eurreite.
encelamos o presente anno publicando asta revis-
ta nos dias 12 e 27 de cada mez.
Epar isso une anda nesle numero se compre-
hende o movimento reramercial da aosaa praca na
quiuzena anleor a sabida do ultimo paquete para
0 Brasil, mas dora avante terao es nosso* aasig-
nantes o estado do mercado, o precos correntc>.
as embarcaro.'s despachadas, o o naovimsetn an-
1 limo para'asduas carreiras de vapores.
Em quanto ao estad" do nosso mercado, toi atte
nos primeiros quinze dias de bem poces atooaa-
ro, concorreado essencialinenie para esaa para-
1 y saco o ser a poca em que o nosoo ceaaa
se costuma dedicar confccco dos balaiaOM.
Depois da sabida do paquete fraucex tainltam a-
transacees tem sido limiladas. e algum OTiaarn-
que se bavtaaa ka
ado
No mercadc\le fundo as transaccoes, sem qu
todava sejam de grande vulto, foram coaitutto re-
I guiares.
Assucar. Nesle artigo aa Iransacroes para
i reexportacao .iniitaram-se a cerca de ijeWaeeo
elTectuando-se algumas vendas para ceeHaaaaa a
j precos cheios. sendo em raaior escala es a>aca-
1 vados.
A importaco desde a nossa ulliana revista U
I de 7()'i sacras do Maranho, #7 barricas e CS tet-
cas da Madeira. 116 caixas 3 barricas IO sacras
, da Bahia, e 100 barris de Demerara.
A existencia hoje de :
Caixas 2463.
Feixes 46!.
Barricas 2710.
Higos 42.
Saceos 394V.
Algodo.i) de Angola soffreu aiguata redurc
I nos precos as poucas vendas realisaoa.th
saceos chegaclos do Para licam a descarga.
Agurdente do Brasil.Nao se tem eBectua.V.
vendas, porqte esta exmelo o deposito.
Caf.O do Brasil suCrM algutua rataaean rus
COtacdes, e apenas as qualidades superiores obten
A grande impurlaco que tive

navegacao acha-se fechadJ.
Caf. As ultimas noticias do Rinde principios
de dezembro, oxerceram urna iulluencia favoravel,
e uestes primeiros das do anno j se mostrou me-
lhor disposico para comprar. Desde o nosso ul-
timo s entraram 3,800 saccas de caf brasileiro, a
saber da Bahia. O caf regular ordinario do Rio
vale 6 7|87 l|8schillings.
Importaco geral de caf durante todo o anno.
1859 78,500,000 niilhes de libras.
1860 77,500,000
1861 100,000,000
18(12 80,800,000
18G3 85,300,000
Era ser era fins de dezembro :
1859 6.500,000 milhes de libras.
1860 3,750,000
1861 21,000,000
1802 11,600,000
1863 11,500,000
Assucar.O assucar tomou posico firme desde
a semana passada, e ha esperanzas de subida de
precos.
Importaco geral de assucar durante lodo o rano.
1859 53,000,000 milhoes de ttbrt*
186(1 46,000,000
1861 56,000,000
1862 60,000,000
1863 66,000,000
Em ser era fins de dezembro :
1859 12,500.000 milhoes de libras.
1860 9.000,000
1861 13,000,000
1862 10,000,000
1863 2,000,000
Tabaco. Continua a prevalecer a opinio favo-
ravel do tabaco do Brasil, em dezembro vende-
ram-se cerca 2,800 bollas, b as transaegors tetiam
sido bastante eonsideraveis, se os possuidores uo .
tivessem elevado as suas preten^ocs. 0 deposito
actale de 5,001>hallas.
Algodo.Sem deposite notavel, as inMisarccs nagae, 76 barris c 3 latas de aaeue, 10 turnea
sao muito limitadas. Acabara do mndar-se, a en- ,d carne ensacada. 85 de t.ucuiho, 2 de clioun-
tregar, 128. bailas de algodo do Aitranhao 28 eos, 1 caixa de iiaio.-, 26 mona le sal, 17 amarra-
schillngs e 184 batas de dllo de Cear a 26,1[2 1 dos. 49 cau.s, 100 meias ditas e 196 quarios de
W scblltujc. fpassas, lOYirricas e Wcaijias de bacalho, 100
de Angola frouxo o mercado para o cad* Jala
procedencia, e s o de S. Thom e Cabo Verde se
sustenta com firmeza na situaeau que liana.
Os suppriraentos furara de 100 saceos da Rio.
2061 de Loan Ja, 29 do Arabriz.e 103 de S- Tnonto.
A existencia hoje de 10575 saccas e li nietas
barricas do Brasil e Colonias.
Cacao.Nao procurado.
Couro.Tem havido regular movimento nesle
genero, ainda que os precos un ten obtdowe-
Ihora. Est em ajuste ua venda dos da Mina*
os precos de 142 a 157 rs., mas nao podemos asse-
gurar que uHeclivamenle se realise.Para o Ha-
vre embarcar un ltimamente 23.000.
Gomma cnpal.Frouxo.
Gomma do Brasil.Algumas vendas. Os pre-
cos 1nell10rar.ini alguma eousa.
Melaco.Tera-sc realisado transaccoescommai*
resularidade.
Oembarqoede 400 cascos, 28 meias pipas, e
251 barris para Londres, foi traasacfes etfoclua-
das ha dous niezes.
Salsa parri I ha.Contina despresada.
EMBaRCACOB despachadas.
PernambucoBella Figueirense (bng. poriaf. >
com 147 pipa; e 370 barris de vhIk, 18 pinas t-
50 barris de vinagre, 85 barris de azeite, 1 de car-
ne de vacca, 1 de dita de porco, 50 de ebonrcae.
336 de toucitiho, 20 meios de. sal, 20 caixa
cha, 1 de dore, 49 de cera, 250 de baUUs, !
de cebollas, 20 saceos de cravnho. 6 barnca> e
10 saceos de grao, 4 ditas de salitre, 2 barril
68 caixas de r -tanhas, 25 barricas de alan!,
de araendo- i|_ aataa! 7 da noaw. 5
caixoles < rris de aardianaa, 8 bar-
1 'cae e 3v^ olios, 5 volumes de dro-
gas e 10 vo!u,.,i^___
Maranho. Saudade (liare, port.) eom 20 rae
xas, 29 pipa.., lo meias ditas e 285 barris de vi-
I nho. ',S pipas 74 mataa .litas o 5 barris de vi-
a



1
DUttet c r^ctkawlMM *e\i* lelra 8 de Janeiro de tSH*.
caixas le bal atas, 10 barreas c 32 caixas >\- eerc. sera qae tetina ido previamente arnaoad*? tan-
'0 caixas a S W molhos de cebollas, 7 a,ras do 1 to na pr)\ como na pipa traga marcado, pelo es-
cli, 15 do e-mella, 11 de doce, 3 de. wwsSKtle lo Ipaooquc mergalha quando receban carga, e nu-
mates, 90 ancoretas deazcitoiiar-, i saceos -de cas [moro correspondente de quintaos; di? modo >|c
tanhas, 2 de notes, 286 lai.",_S) votamos de dro : conheca appreximadamtnlc |eJa jarte mergulha-
gas e hervas mcdK'ina'j, 'i sacco rom Jiiihein> da.opesj e quaiitiilade do mctxadorias que Uver
ileiro no valor ''.c 37(15, urna vaccae urna cu;,
e 2o volumes diversos.
Mara Luza < bare. iiort-1 cor, 20 caixas II
pipas* meia; i'as, 4(53 barris c ancorlas vi-
nko, 32 pipa? 28 meias-dilas eW barris do vina-
tere, 3* barris de azeite, M carcas do agurdente,
3 cariles dovinho do Verle, 3 inoios de sal, 4i
liHTis toucit ho, 128 caixas de cora em vellas, 4
barrica de algodao. 11 volsoies de drogas, 4 caixo-
js de genetra, 1 de cognac,|i,000 ^arralos emp.i-
'jnados, 100 xas de baonlho, 7; de btalas +'
de queijos, 2"0caixas e 4,200 mitos de cebe-Wa:,
2 caixas do doce, 3 de ferragens, 2 de massa do u -
netos, Salaros, 2 caixas W meias ditas e 80 euar-'
los depaasa*, II caixas de ligos, ti pedias de ca
taria, 40 aurorlas do aztitonas, 2 caixas de rapi,
.'I de chouriras, 10 saccas do seineas, 8 caixoles do
peixe e doce e 20 volumos diversos.
Para.flor do Vez ( Uro. port.) com : pipas,
!0 meias ditas, 40 caixas e 170 barris de vinho, 8")
de vinagre, 1.0 de azeite, (53 de toucinhe, 115 moios
de tal, 10 b; incas e 80 caixas de bacallte, 34 vo-
luroes de fe rageirs, 60 labres, 150 caixas de batata-,
14 caixas e 1,534 inoios de celiollas, 6 caixas di
vidro, 33 velumes de drogas e hervas, 16 caixas
de doce, Id; crvilhas, 5'.1 de cera cm vellas, 2 de
sardinias, .' batius com ilez duzias de garrafas i e
vinho musc.ilel, 55 caixas e25 meias ditas de mae-
sas, 20 barricas e 13 barriquinhas de cominhos. i O
saceos de fejo, 72 de eastanhas, 220 ancoretas ( o
awitocas. II
a lierdo.
A flsealisacao-deste artigo perlence cumiilativa-
nn-nle ao guarda-inor o 10 cholo da secoo.
S Bnieo.Ainfrac3e dista dispo.-ioo sera punida
cem a multa de 20 ;i 2005, pela qual ser respon-
savol o dono da emharraeo nao arqueada.
Alfandega 2'i de Janeiro de 1804. O chefe de
asocio,
I.uiz Francisro de Mello Cavalcanii.
Para o Rio de Janeiro
s.ihia com a maior brevidade imssivel o paihaho-
le nacional Viuouio recebe anda alguma carga
a fretq e oscravos : tratase com Manoel Ignacio
de Oliveira di Filho, no largo do Corpo Santo nu-
mero |19.
DECLARARES.
Tribunal do coiumcrcio.
Pela secretaria do tribunal do commercio de
Pernambuco se faz publico que, por despacho do
mesmo Tribunal do 25 do correte, exarado na po-
licio do Augusto C. do Abren, fica de nenhum e-
feito a procuradlo dada |ior este a Jerouymo Joa-
qun) Plaza de Oliveira e Jos Joaqun) da Silva.
Secretaria do tribunal do coiimioi co de Pernam-
buco 26 de Janeiro de 1864.
Julio Guimaro,
Ollicial-inaior.
Quarta-fuha 3 do fevereiro prximo, se
extrahira, a qorta parto da primera loo-
na da matriz de S. Jos, no comMoriti da
reja de Nossa Senliora do Rosario da fre-
guezia de Santo Antonio.
Os bilhetes e meios acham-se venda na
respectiva thesouraria ra do Crespo n. 15
e as casas commissionadas ra da Jmpera-
triz n. 44, loja do Sr. Pimentel; ra Direita
Ara cal)" & botio '1 Sr. Cliagas; ra estreita do
O ate Santo Hita tem parte da carga prompia: Rosario n. i2, typngraphia do Sr. Mira e ra
para o resto, tratase com Tasso Irmios, ra do da Cadeia n. 45, loja do Sr. Porto.
Amo-mi n. 35, ou com o mestre no trapiche do 0s premios de ;:ooo00 at IOAOOO
0( -------------------;----------------- serao pagos urna liora depois da extraeco
Para Itahia pretende sabir com nimia bre- nil|m- nfl a:.
i o veloiro patacho TUraa, capilio Joao Cor- ** ''? '
Para o Riu (iraHdc du Sul
pretende seguir com omita brevdadea barca Af>\-
runa,pckle aioda receber alguma carga afrete :
trata- e com os feos consignatarios Antonio Luiz
de Oljveira Azevedo & C, no seu escriptorio, ra
da Cruz n. 1.
vidado
reialLima, por ter a maior parto'da carga ; jara o' seguinte depois da distribuido das listas.
I'ola raesma secretara se faz igualmente publi-
co om nestt dala lica registrado o contrato de so-
ciedade do Antonio Iternardo (juinteiro, Miguel
i Bernardo Ouinteiro e Luiz doiiealves Agr, esta-
,,arrT.,nA,:ld.0^^^^^ a loma Quinteiros &
vadoce, S vrlumes 40 caixas, 75 meias ditas o
<|uarloi de passas e l'.l volumes diversos.
118
E.NTllADAS.
Dczembro ID Bom Succsso,'Alnieida, Maranha).
Janeiro i Tamisa, Ferreira, Para.
SAIHDAS.
De^embro 10 Cniao, M. do O', Para.
I i Cralido, Pestaa, Pernamluco.
15 Saudade, lleiro, Maranliiio.
!!0 Maria Luir, Caetano, Maranhao.
c 2 Flor do Vez, Santos, Para.
:l B<>lla Figuerense, Lessa.Pcraambuoo
ISMBARCACOES A CARGA.
Pernambitc >.lingue Constante II Corimba.
Maranhao.--Brigue Bom Snccesso.
Para.Baa Amazona, e Linda, e brigue Tamc(a.
MOVIMENTO DO POETO.
Sucios filtrados no da 28.
Soulharoploii e portos entermedios19dias, vapjr
ioglez On-nda, de 2284 toneladas, commandante
J. A. bV-iis, equipagem 130.
Lisboa27 das, brigue rtuguez Bella Figneireii-
te, de 44' toneladas, capito Jos Ferreira Les*
sa, eqaipigun 12, carga vicho e outros genero-:
a Eusebii > Haphael Rabello.
A carac14 das, hiate brasileiro Sobralense, le
97 tonel idas, capitao Antonio Gomes Pereira,
equipagem 8, carga sjla e outros geoeros; a C.
C. da Co Nuvios sahidos no iiwsmo dia.
Paral'alhtbole nacional Lindo Paquete, cap ao
Antonio Maria da (.esta e Silva, carga assm ar
e carne cea.
LisboaB i rea lima I, capitao Jos Francisco da
Cunha, carga assucar e outros gneros.
Rio de Janeiro e Bah aVapor inglez Onei.la,
coramandante Btris.
Agr, r!a qual s pode usar o 1 socio; devendo
dita sociedade durar por espaco do tres annos,
contadas do 1* do corralo, com o capital de
15.0005 fornecido por todos em partes gOMS.
Secretaria 27 de Janeiro de 1864;.
Julio Gnimaraes
llicial-maior.
C'oDMilado pro (acial.
Pela mesado consulado provincial so faz publi-
co que no dia 15 de Janeiro corrente se principiam
a contar os trinta das uleis marcados para a co-
bianea bocea do cofre dos .iiniiostosseguintes,
perie'ncentes ao anuo lin&nceiro de 1863 1864,
4 0| s,)bre os estabelecimentos de fra da cidade,
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
I ln airo de Apollo.
SOCIEDADE IMlim PEIlNAiBlCAXA.
Priiueiro espectculo dcsle auno.
h.
Subir scena pela primeira voz nesta provin
cia o lindo drama em ifuatro actos, do Sr. J. de
Alencar, denominado MAl-
Nos enirevallos do drama a insigne pianista bra-
silera joven Angelina Bottini executai. no piano
diversos peda eos de msica.
Bogase aos senhores socios de mandaren) pro-
A barca Urna /sahe |ara o Porto om poucos curar seus bi||leles no escriptorio do theatro at
dias, porterquasi prompto o *u carregamento : amanhaa ao meio dia.
para o resto e passageiros, trata-se com os con- iBuaimente convida aos senhores socios insial-
resto que Ihe falta trata-se com os consignatarios j
Palmeira & Beltrao, largo de Coi|o Sauto n. 4, 1*|
ailar._________________________________i
-i- Para Lisboa segu com brevidade o brigue
porluguez rtiro, capilio Augusto Wenceslao dos
Santos ; este navio lem parte do carregamento
| prompto. e para o resto a frete, trata-se rom Amo-
' rmi Irinaos, ra da Cruz n. 3, ou com o mesmo
capitao na praca do commercio._______
Parat a Baha
O palhabote Garibaldi pretende seguir com bre-
vidade para este porto, tendo parte de seu carre-1
amento, e para o resto trata-se no escriptorio de
Tasso Irmaos na ra do Amorim.
Naques sobre Portugal.
Oabaixo assignado, agent do banco
mercantil Portuense nesta cidade, saca ef-
feetivamentepor lodosos paquetes sobre
o mesmo banco [para o Portoe Usbo, por
qualquor sonima, vista e a prazo, po-
dendologoos RapM! a pfzo serem des-
contados no mesmo banco, na razao de 4
por cont ao anno aog portadores que as-
sim Ihe convier: Q& mas do Crespo n.
8ou do Imperad.,i p 51.
Joaipiim da Silva Castro.
in
ESTRADA DE FERRO
00
ni
inoro 20.
, .- Igualmente
signatarios Carvalbo & ISogueira, na ra de Apollo, |adores c subscriptores para que fomparecam do-
mingo 31 do corrente, as !l horas da manha. aflm
de se proceder a discussao dos estatutos, o i >
der-se a eleie.ao para nova directora.
Procopio Santiago de Senna.
2" secretario.
Prccisa-se de urna ama para casa de pouca fa
milia; na praca do Corpo Santo n. 17
CAKTOS
-' No oito da secretaria de polica, armazcm da
bola amarella, ha urna pessoa encarregada da mu-
danca de mobilias de urnas casas para oulras, e do
transporte de quaosquer volumes sob a direccao
da mesma pessoa : a tratar no lugar cima.
Recife a Sao FrancMu
i mu especial.
Vi> loiuingo 31 do eorremte.
Haver um Irem especial para facilitar a
volta das pessoas que roncorrem as cava-
I litadas da villa do Cabo no dia cima indica-
do ;s 8 horas da imito partindo da estafo
daquella villa para a de Cinco Ponas.
Osliilhi'tcs comprados p.na e trera ordi-
nario desse dia serviro para o especial.
R. Auslin.
Siiperinlerolenle interino.
lio rande do Wul.
Segu em poucos dias a barca nacional Thereza
/.para onde recebe carga a frete a presos liaixos :
i rala-so eom Hallar & Oliveira, ra ra da Cadeia
numero 26._________________________^
Para o Hio de Jaueiro.
DENTISTA DE PARS
19Ra Nova-1
Frederico Gautier, cirurgiao. dentista,
faz todas as operacoes de sua arte, e col-
loca denlos artificiaos, tudo com superio-
ridailo o pe foirao. que as pesSOU llten-
didas llio rei-onli.'t om.
. i e i".- denfick
Precisa-se de um caixeiro de 14 l annos,
com pratica de taberna, que de um (ador a sua
conducta : na ra do Rosario da Boa-Vista n. 2.
Sahir com brevidade o brigue nacional Miner-
prensas dealgodao, typograpluas, cocheiras caval- ( receDe carga e (.,;Cravos a frete : trati-se com
lrices, botis, botequins, casas de pasto e fabricas;: Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, largo do Corpo: cao desta provincia que faca o especial favor de
12 8|0 sobre estabelecimeotos de commercio em i <;ant0 \a, apparecerna taberna da ra do Palacio do Bispo
Rogase ao Sr. brigada do corpo de guarni-
11*111 .Ij. ti.l I' ]
Htttt-tt9rSI9l
ATTEN(!aO.
Frederico Alvos Pereira Pinto e Antonio
de Souza Leal Flores, mandam celebrar ama
missa |>or alma do seu tinado ex-soein Ma-
nuel Ferreira de S na Igreja matriz do Cor-
po Santo no dia 1* de ferereiro as t horas da
m.inhaa; rogam aos amigos do fallecido a
asistencia a este acto de caridade e religiao
[ylo que llies Ucain summamente grato*.
EDITAES.
H
7
^
O Illm. Sr. Dr. cln fo de polica da provincia
manda miar publico, que nesta data Hmrccon-
memlado ts autoridades policiaes a restricta ob-
servancia Jas posturas municipacs de 12 de fe\e-
reiro do ai ao prximo passado, cujas disposiejies
sao as sop linios :
Ar. 1." Pica prohibido o brinquedo do entrudo
com agua, por qualquor maneira que se ero tre-
me ; os ,n!'ractorcs pagaro a multa de l$ i 8
dias de pri o.
Art 2. Fica prohibida a venda de limas de
ebeiM : os infractores ilmde as perderem, pa a-
rao 44 de inulta.
Secretar a de polica de Pe/nambuco, 2o de ja-
^-^aiifo do 1^64. O seretarJo, Eduardo de Bar os
Falcaode Licrnm.
O lllw. Sr. Dr. clicfo do polica manda fa :or
publico, para couhecinHiiito de quem possa in e-
ressar, que foi hoje re&>lhida casa dt detone, o,
como fugi< a, a preta Joaquina, que declara ser es-
crava de francisco Joat|uim, morador no lu ;ar
Penedo de Baixo.
Secretar ia de polica de Pornambuco, 23 de Ja-
neiro de H4.O secretario, Eduardo de Baos
Falcao de Isicerda.
Tribunal do eommerelo.
BDrTnL.
O tribu al do commercio da provincia de l'er-
nambuco i lvida aos senhores commeroianles na-
cionacsm:vinculados o residentes neslo distri:1o,
a compare-'Tem no dia 17 de fevereiro prximo
futuro, as ) horas da manhaa, na sala da Asso ia-
jio commercial Bene cente, para proceder-se a
eleicao de um deputido roramercianle, que em
substituifio do deputado fallecido Jos Gonca ves
Malveira. em de servir at o lim do anno de*HI66,
tempo qut faluva ao substituido, na forma do ti-
tulo uni do cdigo rommercial o decreto ce 3
de setembro de 1830. E para constar mande u o
sobredrto r'bunal fazer este que, assiinado pelo
seu secretnio, ser publicado no Uimio de Vr-
fiomAmco afflxado na praca do commercio cem a
lista de qi trata o ar:. 3o do citado decreto.
Sceret*xa do tribunal do commercio de Pornam-
buco 25 di Janeiro de 1864.
Joao Ignacio de Medeiros Reg.
LISTA.
Jos Jeron nao Monteiro.
fos Joaquni Dias Fernandes.
I.uiz Antenio fiiqueira
("se Vollc^o Soarcs.
Manoel Ignacio de Oliveira.
Manoel Joaquim Ramoi e Silva.
Antonio Jiisc. Leal Reis
Vicente M mdes Wanderley.
Jos Marc :liuo da Kosa.
Joao CardisoAjres.
Joao Ignaoio de Medeiios Reg.
Antonio Valentn da Silva Barroca-
Elias Baptisia da Silva.
Francisco Accioly de Gouveia Llns.
Jos Bapti iti da Fonseca Jnior.
Jos .\uiics de Paula.
Amonio J< s de Castre.
Antonio di Silva Ferrtira Jnior.
Jos Fran :sco de S Leito.
los dos tantos Nevos.
Luiz Jos Rodrigues de Souza.
Antonio A ves Barbosa.
Joao da Si Iva Faria.
Mauoel Jo iquim Rodrigues de Souza.
Candido >unes de Mello.
Joaqun) da Silva Lopes.
Gabriel A Honio.
Joao Pinto de Lomos.
Manoel Di arte Rodrigues.
Vicente Jcs de Brito.
Manoel At Ionio da Silva .Voreir.
Bartholom ;u francisco de Souza.
Joaquim J iso da Costa Fajozes.
Jos Pires Ferreira.
Jos Rodrigues Pereira,
Joao Pinto do Lemos Jnior,
los Cand do de Barros.
Caetano C da Costa Moreira.
Antonio Luz dos Santos.
Joao Jos de Carvalho Moraes.
Jos Pereira da Cunha.
Louieneo .uiz das Nevos.
Candido C Guedes Alcaforado.
Joaquirn Francisco do Espirito Santo.
Jos Antonio Basto.
Augusto Frederico de Oliveira.
Antonio d. Moura Holi n.
Jos Fram Isco Lavra Peona.
Antonio Ij naci do Reg Medeiros.
Herminio ligidio do Figueiredo.
Kelisberto Ignacio de Oliveira.
Jvti coi forme.
Julio Guimaraes,
Oillcial-maio;-.
Ochofe da I* seccao, autoris*' nelo Sr. ins-
pector iut' rio da alfaiideg? para co-
nliooimono dos interessad' so di :K)
dias, contid/is da dala d presentar
nesta secc o a arqueagaNiu uiuurracjoes do ;ra-
fego ileste porto, sob pina de nao serem idmitt das
para lesca-ga, e Imposia a multa do arto ab; ixo
transcripto
Artigo 4'i-8 do regulamento de 19 de Bfr.embta de
1860. Nerluma barca, savejro, ou outra qnalqner
embiircaea", excepto as lanchas dos pnprios na-
vios, er empreada u. descarga de mocador, as
grosso e a retalho, armazens de recolhcr, de de
psitos e trapiches; 8 0|0 sobre consultorios m-
dicos ii cii urgicos, escriptorios, e cartorios; 30.3
sobre casas do modas, buhar, chapos, roupa es-
trangeira, e enmmissao de escravos; l:0tK)50o0
sobre casas de operacoes tunearas com emissao e
privilegios ; .100 j sobre as com emissao e sem
privilegios :J ageneiis : (!05 sobro' casas do cambio; KJ05_so-
bro corredores coniiiicrciaes e agentes de leilao ;
300 r* sobre as toneladas do alvarengas; ;M)5000
sobre escravos empregados no servido das mes-
mas ; 10 0|0 sobre os torrnos oceupados com o
planto de capim, e o imposto de carros, carrosas
e mnibus.
Mesa do consulado provincial 13 do Janeiro de
1804.O administrador,
Antonio Carnciro Machado Rio*.
i'orrei.
Pela aduiiiiisti icao do correio desta cidade so
faz publico para lios convenientes que em virtude
do di.-poslo no artigo 138do regulamento geral dos
corrcios de 21 do dezembro de 1844, e artigo 9 do
decreio n. 183 do 13 de maio de 1831, se procede-
r o consumo das cartas existentes na administra-
ao pirtcncentes ao mez de Janeiro de I8C3, no dia
do fi.'vorciro prximo, as 11 horas da manhaa,
na porta do mesmo correio ; e a respectiva lista se
acha desde j exposta aos interessadi.s.
Administracao do correio de Peruambuco 12 de
Janeiro de 1804.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Consulado provincial.
Pela mesado consulado provincia
co que os trinta dias marcados
Para a Babia pretendo sahir com inulta bre-
vidade a escuna Carlota, capitao Joao Antonio de
n. 40 a negocio que nao ignora.
AHonso de AlbiiHiicrtiuc Mello
Dos e Silva, por lera manir parte da carga trata- ha ,9 ann0sadvogadojante os auditorios e tribu-
da : para o resto que Ihe falta, trata-se com os
consignatarios Palmeira & Beltro, largo do Corpo
Santo n. 4, primeiro andar.
1
LEILOES.
Custodio Jos Alves Guimaraes avisa ao respei-
tavel publico c aos seus freguezes, que em vistas
de se achar seu estabelecimento em obras aflm de!
alargar mais o campo para o gallo de novo cantar,'
afim de melhor poder servir seus bens freguezes, j
com tudo cm quanto durar as ditas obras conti-
nuar a servir seus freguezes no mu grande ar-
mazem com frente para a ra do Imperador com
entrada pela dita loja do gallo vigilante, ra do
Crespo u. 7.
Antonio Bernardo Vaz |de Larvalho. grasn
a todos os seus amigos jac se dignaran as-
siflir aos ulltmos su5rr.fioa de toa wii pre-
sada sopra I). Mara -.cao, de ao-
vo ruga-ibes do ouvirem unu missa qsM per
alma da mesma finada se tem de dizer aata-
nlia sabbado s 8 horas da manhaa na ma-
iri; da Boa-Vista, pelo que eternamente gra-
to lies ficar.
naesdesu cidade, j na corto e em outros lugares
do imperio, emeonsequencia de terem-se augmen-
tado aqu seus afazeres, tem transferido sua rosi- M Luz dos San(os & c tcm jus,0 e
dencia da v.lla do Cabo para esta cidade a ua es- ron|ralado compra do armazen) de e,^,,,, )u.
treta lo Rosarm n 34, onde em estabclecido sen da rua Jo y^ crleu(.enle Tlleodo.
oscriptorioeondefoi o do Dr. MkIs cutos gj jb^ ^ p^ ^ J JQ, di.
; trabalhos -.cou encarregado o aimunc.ante. Al. reiUj |f recla ra* dignai-se-l.a aprc-
ollerece os nucieres de sua i.rol.ssao as pmottde; sentar ^W de l3 ^ Re*fo 13 de Janeiro
Fazeudas em liquidacae da loja de
Campos k Lima.
HOJE.
Por incommodo do agente nao pode ter lugar
hontem o leilao dos restos das fazendas de Campos
A Lima, o que lera lugar boje em lotes |iequenos
a tiro de marlello, s 11 horas da manhaa.
LEILAO
DE
:iO barricas con sardiahas.
HoJE.
O agente Pestaa vender |ior conta e risco de
quem pertencer 30 barricas com exccllentes sardi-
nhas de Lisboa desembarcadas ltimamente, as
quaes serio vendidas em um ou mais lotes a von-
se faz publi- tade dos compradores: hoje 29 do correle pelas
para a cobranca 10 horas da manhaa em ponto no armazem do
Anncs.
<;itt\BH
bocea do cofre do 1" semestre do imposto do 20
0)0 do consumo do agurdente das freguezias des-
ta ciiade, dos Alegados, S. Lourenco da Malta.
Santo Amaro de Jaboatao, Varzea e Muribeca.)n i
lancate ao anno financoiro corrente do 1808
(664 so priscipiam I contar do dia 13 de Janeiro
corre.tte. ~ \
Mesa do eonmlaoV) provincial de Pernambuco
13 de janoiro do 1804. O administrador,
Antonio Carneiro Machado Rios.
Oarseual de guerra precisa ecutratar a la-
vtigem ecngomrnado da roupa do seus aprond zes
menores, regulando 240 Icncocs, 240 fronpas,
1,200 camisas e 900 calcas, o 210 caigas, 120 du
sas lavadas e engommadas alom da roupa da en
formara : a quem convier, aprsenlo propostq au'
o lim do moz.
Crrelo geral.
Pe a administracao do correio dosta cida
faz p ibliro que em virtude da convenci
celebrada pelos ovemos brasileiro e franco
rao expedidas malas para Europa no dia
corrente rajo vapor francez Guieuu. As .,...... couvida aos seus fregueies e amigos aproveitarem
serao roecbdas ale 3 horas antes da que for'mar-; 5 d pro"VOrem de mullos arligos ne-
cada para a sabida do vapor; e os jurnaesjat.- '*, rcsSariose outros prtprios para presentes de fes,
nOirtS iinlt'>. ._ _.^.._ ai..&...:
Administracao do correio Je Pernambuco 122 de
Janeiro de 1864.0 administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
LEILAO
Em coDlinuaco.
J. F'alque, querendo liquidar, far leilao f de to-
das as fazendas existentes no seu armazem da rua
do Crespo n. 4, constando de urna grande porcao
de roupa feita do todas as qualidades, calcado,
perfumaras, bengalas finas, chapeos para homens
e senhoras, nina immensidado de arligos de luxo,
sondo tudo vendido sem limites e em lotes a von-
tade dos compradores.
llojc s IO horas da manhaa.
O agente .iLMElDA competentemente autorisa-
do far leilao das fazendas cima declaradas, e
quem uiereca confianca, tanto deste termo como
dos domis desta c de outras provincias para os
negocios e trabalhos a serem desempenhados aqu,
garantind o zello, lealdade e actividade que Ihe
sao reconhecidos pelas pessoas que o conbecem. |
Incumbe-M tambem de trabalhos para os termos
prximos, onde tem solicitadores de inteira con-
fianca. Da consultas verbaos e por escripto, e
presta-se a ouvir seus constituintes a todas as ho-
ras, e as sextas-feiras das 9 as 4 na villa do Cali"
de 1864.
ama deleite
Precisa-se de urna ama que tenha bastante leite:
na rua estreita do Rosario n. 8, segundo andar.
Offerece-se urna mulher para ama de casa
de pouca Familia ou homem solteiro : na rua da
Penha n. 9.
D-se a quantia de 3:0003 a premio
pretender, dirija-se rua Augusta n. 36.
quem
Aluga-se o armazem do sobrado da rua da
Praia n. 37 : trata-se no Campo Verde, rua do
Destino n. 20, sobrado do Dr. Miranda.________
Precisa-se de una pessoa para trabalhar em
urna fabrica de velas de carnauba : na rua da
Senzala Nova n. 26. ____
Oalaixo assignado vendo um annuncio do
Sr. Antn.o Jos Gomes,declarando que paga todas
as suas centas, e como o mesmo abaixo assignado
nao tenha o podido encontrar, roga ao mesmo se-
j ulior o favor do so dirigir a rua da Guia n 9 par,1
ajusfar amas antigs.
Joio Francisco de Souza.
Saques.
M. J. Ramos e Silva & Genios sacam
vista sobre a praca do Porto: na rua do Vi-
gario n. 10.
AVISOS MARTIMOS.
COMFANHIA BRASILEIRA
DE
cuja acquisicao faro por pouco dinheiro.
PAQUETES A. VAPOR. STfB ho^dS.no
DE
30 harrls com touclnho.
Scguda-fcira Io de fevereiro.
O agente Pestaa vender por conta e risco de
' quem portoncer 30 barris com toucinho de Lis-
I boa recentemente chegado em um ou mais lotes :
armazem do
Dos portos do norte e espera-
do at o dia Io de fevereiro o
vapor 'aran, coramandante o
capitao de fragata Santa barbara,
o qual depois da demora do cos-
tume seguir para os portos do sul.
Desde j reeebem-sc passageiros c engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
Uina loju de ferragens.
O agente Pestaa far leilao da loja de ferragens
ser^mbarcatia^no' da de""sua chegadaTTncom" da rua.da Caaeia do Recife n. 64, com o fundo de
mendas e dinheiro a frete al o dia da sahida s 3
horas, agencia rua da Cruz n. 1, escriptorio de
Antcuio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
~ COJIPAMHIA
MESSAGERIES IMPERIALES
No da 30 do
corrente espera-
se dos portos do
sul o vapor fran-
'<-4m*tM unLuJ^J mandante'Enont,
o qual depois da
demora do eos tu-
rne, seguir para
Bordeaux tocando cm S. Vicente e L sha.
(Em S. Vicente ha um vapor em corresponden-
cia c om Gore.
Para as condicedes, fretes e passagens trata-se
na a i:oucia rua do Trapiche n. 9.
"COMPANHAr^RASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do sul esperado
at o dia 30 do corrente um dos
vapores da coiupanhia o qual de-
\tols da demora do costume se-
gu para os portos do norte.
D carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser barcada no dia de sua chegada, encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sahida as 2 ho-
ras : agencia, rua da Cruz n. 1, escriptorio de An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
16:0005, vende em um s lote ou em pequeos
lotes a vontade dos compradores, os pretendenles
podein examinar o bataneo cm me do mesmo
agente, o leilao ter.i lugar" no dia 8 de fevereiro
prximo futuro.
AVISOS DIVERSOS.
0 cirurgiao Leal mudou
a sua residencia da rua do
ueimado paca a rua das
Cruzes sobrado n. 36, pri-
meiro audar, por cima do
armazem Progressista, aon-
de o achanto como sempre
prompto a qualquer hora pa-
ra o exercicio de sua pre-
fissao, chamado por escripia.
(asa de educacao

Jeronymo Pereira Villar achando-.se melhorado
de sua note, transferio o seu estabelecimento de
instruccao primaria e secundaria para a rua do
Imperador, sobrado de tres andares n. ti, esquina
que vira para a rua do Crespo; e participa nao
s aos Illms. pas de seus estimaveis alumnos, co-
mo ao respeitavel publico, que as aulas estarao
abortas no dia 8 de Janeiro do corrente anno.
SBHMWrSnl
Companhta fldelldadc de jj
seguros martimos e ter-
restres estabeleclda no
Itlo de Janeiro.
MOBIUS EM FEPNAMBl'CO
Antonio Luiz de Olivrira Azevedo k ('...
competentemente autorisados pela direc-
tora da coiupanhia de seguros Fidelida-
m-, tomam seguros de navios, merrado-
rias e predios no seu escriptorio rua da
uz n A,\
Precisa-se de um bom coznheiro
criados activos : a tralar no sobrado n.
da Aurora.
e de dous
32 da rua
Aluga-se urna casa nova rauito fresca e pre-
co commido, no lugar da Capunga, rua das Criou-
las, com quintal murado, poco d agua de beber : a
tratar ao p da mesma.
Preeisa-se de 600i5 a premio de dous
cento, dando-se seguranza em um predio.____
por
l'reoisa-se de una ama para casa de pouca
familia : a tratar na rua do Livramento n. 29.
Advocacia.
O bacharel Jeronymo Salgado de Castro Accio
ly, advogado db tribunal da relacao o mais audto
rios desta cidade, contina no exercicio de sua
profissao, rua (do Queimado n. 38, primeiro andar,
onde pode serprocurado das 9 horas s 3 da tar-
de, e no caso ifc urgencia a qualquer hora do dia.
Club Commrrrial.
A reunio familiar do corrente mez ter lugar
na noite do din 30.
D-se 115 por aluguol do urna negrinha que
sirva par o servico de casa de familia de duas
pessoas : na rua de Hurlas n. 128, sobrado.
Preeisa-se alugar urna preta para o servido
de urna casa de pouca familia : na rua Vena D.
43, segundo andar.
Aluga-se a casa torrea da rua da Mangueira
n. 9 : a tratar da rua da Cadeia n. 21, loja da Pri-
mavera.
A ttenedo.
Na rua da Cruz n. 1 i fornece-sc comidas para
fra e em casa, por commodo preco, com rauito
aceio.
Pre:isa-se alugar um inoleque at 125 meo-
saos : na rua das Larangeiras n. o.
Casa.
Aluga-se nina casa nova na rua do Principe n.
8, freguezia da Boa-Vista, com 3 qnartos, 2 salas,
cozinha fra, cacimba e bom quintal : a tratar ua
rua Nova n. 3.
Aluga-se o segundo ; ndar do sobrado da
rua da Cidoia n. 3". com corr modos para familia :
a tratar na rua do Queimado n. 7, segundo andar,
Alugam-seos dous sobrados de um andar ns.
39 e 41 tendo cada urna dostas casas o quartos e 2 salas
Tendo de ser arrematado de renda com toda
a sua fabrica, animaos e mais pertences, o enge-
nho Roncador, na freguezia de S. Louren;o da Mat-
ta, do coronel Jos Peres Campcllo, por execu^o
que Ihe move Jos Jeronymo Monteiro polo juizo
commercial, escrivao Paes de Andrade, faz-se cer-
to a quem convier, que o dito engenho tem de ser
arrematado por seis annos, como foi determinado
pelo juizo, no dia Io de fevereiro prximo vindou-
ro, na sala das audiencias, como j foi publicado
por edital do mesmo juizo,
Aluga-se o 2" andar do sobrado da rua do
Imperador n. 79, bastante fresco, e decente para
urna familia : a tratar com Antonio Jos Rodrigues
de Souza, na rua do Crespo n. lo.
Manoel Jos de Albuquorque Mello, provisio-
oado pela directora geral de instruccao publica
desta provincia, para ensinar nesta cidaie as pri
no alto, e no andar terreo, alcm destes commodos, \ meiras letras, offerece o seu prestimo todas as
cozinha e 2 quartos no quintal: quem os preten-
der, dirija-se rua do Cabugi n. 3, loja.
Casa para alugar.
Na rua do Crespo n. 13, loja, aluga-se o primei-
ro andar do sobrado da rua do Imperador n. 36.
pessoas que Ihe quizerem conliar os seos filhos,
prometiendo envidar todos os seus esorcos, alim
de bom cumprir o seu magisterio, tendo aberlo a
sua dita aula desde o dia II do crreme, no pateo
do Terco, sobrado n. 141. segundo andar.
T
AOS 5:000,000
CASA DA FORTUNA.
Bilhetes garantidos
V rua de Cresos n. 23 e casas e rstame
Quarta-eira, 3 de fevereiro prximo, se exlra-
bir a quarta parle da primeira lotera beneficio
da matriz de S. Jos.
O abaixo assignado, recommendando ao resnei-
tavel publico a compra dos seus niui fesizes bne-
les garantidos, lembra-llie a vantagem qae ha em
receber os premios por inteirn, por quanto quena
tirar a sorte de 5:0004 em bilhete garantido na
rcceler somente 4:2004, em virtude dos deseos-
tos de 16 "| que Ihe faro em vista das leis, mas
-m os 5:0004 que vem a ser os ditos 1:1004 e
mais 800 que pagar o abaixo assignado, impor-
tancia de ditos descontos, acontecendo o mesmo
com as outras sortes. Os premios serio pagos ce-
rno de costume.
I r ecos.
Bilhetes inteiros.....
Meios bilhetes. \ .
Para as pessoas que compraren)
de IOO4 para cima.
Bilhetes........ ::m
Meios......... 24750
_______________Manott Martins Fiuza.
GRANDES CAYALNADAS
Xa villa do Cabo.
Domingo 31 do corrente.
AVISO DO HOTEL
O proprietario do hotel da villa do Cabo apro-
veilando a occasiao de obsequiar a luzida rapaza-
da do Recife, a qual Ihe consta ter de vir em peso,
acorapanhada da famosa msica particular da oiedado L'nio Commercial, assistir a sen diverti-
iini lo que Ibes especialmente offerecido pan*
garbosos cavalleiros callistas que tem de correr,
resol veu reduzir os oreos de estada e nvsa do
seu estabelecimento no dia cima aos nrplsi:
Almo^o, jantar) 1MW
Evinhoafartar) ***"""
Por todas as mais rommedidades, laes como ca-
ma para deseasen, um alpendre para goaar *
fresco, banho do Pirapama no lanheiro do hotel
etc., etc., declara positivamente que nada levar.
Pensa pois o proprietario do hotel da etUrio
ter escolhido a occasiao mais apta para mostrar
seui boas desejos e tendo se premunido com toda
a profusao ospera ter a mais brilliante concur-
rencia.
OLIVUA.
O padre Jos Estoves Vianna tendo ob-
tido licenca do director geral da inslrnc-
o publica para ensinar particularmen-
te primeras letras, lalim e francez. tem
determinado dar principio ao cnsino das
ditas materias no dia 15 de fevereiro,
para o que convida a todos os Srs. pas
de familia que quizerem confiar seus fi-
lhos as seu cuidado a compareeerem des-
do j em casa de sua residencia na roa
de S. Bento, assim como se presta tam-
il 111 a dar lices em casas particulares.
Resposta.
MfMEM
O abaixo assignado responde ao Sr. Manoel Jo-: a irmandade de N. S. do Bom parto, erecta na
Freta-se para o Bio da l'rata o palhabote
portuguez Sara I, de lote de 120 toneladas ou
10,060 caixas : trata-se com os mus consignatarios
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu
escriptorio rua da Cruz n. 1.
PARA 0 RIO DE JANETRF
pretende sahir at 6 de fevereiro o patacho Cor-
teta por ter a maior parte da carga : para o resto
que Ihe falta e escravos a rete, trata-se eom os
consignatarios Palmeira <5 fieitrao, largo do Corpo
Santn. 4, primeiro andar.
LISBOA E PORTO
A galera portugueza Nova Fama, esperada do Rio
de Janeiro, segu com brevidad-s para ambos os
porto;, recebe alguma carga e passaguiros, para o
que r.em excellentes commodos; tra-a-se com os
consignatarios Marque*, Batros 4 C, do largo do
Corpo Sanio a. 6, segundo andar.
Acaba de sahir dos prelos de notsa
ollicin oaliuanak civil, ecclesiastico,
commercial, fabril e agrcola, conten-
do todos os empregados, engeuhos e
negociantes, inclHsive as modificaees
havidas at 31 de dezemuro ultimo ;
vende-sea 1$000 nuicamente na li-
vcai-ia n. 6 e 8 da praca da Indepen-
dencia.
Prccisa-se de urna criada, sendo eserava para
casa de urna htiettia estrangeira : na rua do Tra-
piche n. II
Jos Fortunato .los Santos Portojulga nada de-
ver presentemente por.meio de letras, noentanto ro-
ga a alguem que se poss'a juJgar seu credor ueste
sentido, do apresentar se'is ututos, t o lim do
presente.
s da Silva, arrematante da r linha taberna sita
rua de S. Jos n. 2. relativamente ao annuncio
por elle assignado e publicado no Diario de hon-
tem .7/ pula forma seguinte : 1." que nenbum
trato bou ve entre miin e o arrematante que o au-
torizasse a chamar pelo Diaria es meus credores
a apresentarcm-lhe as cuntas no prazo de 8 das,
para serem conferidas e paga; em lempo compe-
tente, o lindo este prazo que elle nao se responsa-
bilisava por qualquer debito que possa haver; 2."
que a taberna foi arrematada cm leilao publico
(agente Pestaa) no dia 21 do corrente por conta
e risco do mesmo abaixo assignado como fez pu-
blico pelo Diario; 3. que para esse leilao houve-
ram limites por parle do referido abaixo assigna-
do sendo um destes o ser o lwlao elTectuado a di-
nheiro, e na falta a prazos com garanta, a este se
apegou o Sr. Silva a quem Ihe foi entregue a ta-
berna pelo respectivo agente. Pergunto eu agora
ao Sr. Silva, o que Ihe cumpr a fazer logo que o
acto se onsumou ? Era fazer laucar no Diario
o annuncio que ora se contesta ? nao Eu Ihe di-
go cunipi a-lhe aceitar as letras dessa compra e
fazer com que o seu garante as firmasse, mas isto
ainda nao fez at boje (28.) Logo que os audito-
rios se abrirem eu liquidarei esse negocio ; pois
nao tenh i at hoje conhecimeutos de tutor ou cu-
rador meu. Recife, 28 de janoiro de 1864. Em
tempo declaro que quando tencionei por em leilao
a minha taberna, foi de accordo com um dos nous
eredores Francisco Alves Monteiro Jnior, o qual
mo afflancou responder pelos demais credores
meus, e com effeito a isso so tem prestado nao
obstante achar algum e ni liara o em um ou mais
credores pie nogam-so a ajus.ar con tas. mas espe-
ro se rcalise sera irmos a juizo. Era supra.
Jos Antonio Ancelmo Moreira.
cooooo
Quem quizer dar 000$ a juros dando-se em pe-
nhor urna eserava, cujos servicos ficarao pelos ju-
ros annuncie para ser procurado._____________
Loja para alugar.
Aluga-se a loja do sobrado sito no largo do Car-
ino a. 18 tralar no memo sobrado segundo
andar.
igreja de S. Sebastio da cidade de Olinda, tem de
expr vista dos Seis era procssao a mesma Se-
nhora, as 3 horas da tarde do dia 2 de fevereiro,
percorreudo as ras seguintes : ladeira do Vara-
douro, rua de S. Bento, rua de Mathias Ferreira,
largo de S. Pedro Apostlo, largo do .Carino, rua
de S. Francisco, largo da S, rua Nova, largo do
Amparo, ruado mesmo, rua do Coxo, rua do Al-
jubo, rua da bicca de S. Pedro, e recolher-se na
mesma igreja de S. Sebastio : pede-se a todos os
moradores dessas ras a bondade de mandarcm
limpar suas testadas, para que o acto se torne mais
brilhante.
0 Dr. Carolino Francisco de Lima San-
tos, contina a residir na rua do Impe-
rador n. 17, 2. andar, onde pode sor pro-
curado a qualquer hora do dia e da noite
para o exercicio de sua profissao de me-
dico ; sendo que os chamados, depois de
meio dia at 4 horas da tarde, devem ser
deixados por escripto. 0 referido Dr.
nao abandonando nunca o estudo das
molestias do interior, prosegue, com o
maior affinco, no das mais difflceis e deli-
cadas operacoes, como sejam dos orgaos
ourinarios, dos olhos, partos, etc.
O Dr. Casanova pode ser procurado em seu
consultorio especial homeopathico no largo da ma-
triz de Santo entonto n. 2. No mesmo consulto-
rio ha sempre grande sortimento de medicamentos
em tinturas e em glbulos, deixando elogiar os
nossos medicamentos pelas pessoas que os tem ex-
perimentado e continuam a servir-se em nossa
botica. Temos tambera obras accommodadas a
inleliigeiicia do povo.
9OO0 de gratleaeio.
Desoppareceu desde o de mato) de 186.1, do
poder de seu senhor o lente coronel Jos Vien-
te ce Medeiros proprietario do engenho Pindoba
na comarca do Penedo provincia das Abasas, o
escravo Jeremas, de cor cabra, estatura alia, es-
padaudo, desdentado do um lado mais que de Uro,
mu to pouca barba, ps grandes e tem alcuns ea-
rocos de carne sobre o peito, bom sapateiro e lena
na miado do Recife nina irmaa enoula de arme
Joaquina, liberta, para junto a qual dizem que se>
evadir : quem o capturare entregar .'iii Pernam-
buco ao Sr. Jos Augusto do Aaje cidade do
Recife)en Maeeso-aa Dr. Mariano Joaqun da
Silva, rocobora a quantia cima declarada.
tivinnasio provincial.
At o dia lo de fevereiro estarao aberUs as ma-
trnulasdas seguintes aulas do gwnnasio provin-
cial : lalim. francez, inglez. greco, allemo, ma-
thematicas, geographia e historia, elocuencia e
potica, philosophia, lingua e litteratura nacional,
sciencias naturaes e msica.
Nesse estabelecirnento, mediante a mdica
quantia de H diarios, tem os alumnos interno* -T
roupa lavada e engommad;i, medico, botica, liu,
pon na, papel, tinta e criados para o servico.
Os iiu'ios-peiisioni>las pagara motado dessaquan-
tia, e os externos K5 por trimestre, pudendo (re-
quemar as aulas que quizerem. O secretario.
Cal ral.
i.'iisiiio de Inglez e francez.
Joaquim Pedro da Rocha Pereira, competente-
mente autorisado pela directora geral da instruc-
cao publica, para ensinar particularmente mglez
e francez, lecciona nossos preparatorios tanto de
manhaa como de tarde, no 1. andar do sobrado da
rua Direita u. 93, onde pode ser procurado.
A padaria n. 1 no pateo da Santa Cruz, aca-
ba de fazer um novo torno e mait arranjos pro-
prios destes estabelecimontos, tudo para poder con-
tinuar com aceio e Iimpeza a fabricar pao bola-
cha e mais objeclos proprios, para o que nao poa-
pou sacrificio, como bem se v no exterior, o prs-
prietario deste novo ou quasi novo esuheiocunen-
to que 50 annos lida neste uso de vida, como
bem sabido de todos, agora recorre a seus antifros
e lindemos freguezes e aquellas pemoas qae o
queirain obsequiar em mandarem seus portadores
alim de compraren) o pao e bolacha, que pretende
podor servir bem, como sempre foi seu costme.
e segunda-feira s 6 horas da manhaa do dia I do
fevereoo de 1864 pretende ter exposto o melhor
po que Ihe seja possivel, qne para isso se muaio
das memores farinhas que ha no mercado, e asma
espera ter de agradecer aos seus bons fregueses a
sua proteccao.
Pergunta-se ao Sr. Jos Thenorio de Mello
AILuquerque com que autoridad!- fez retirar da
cap -lia dos Homedios, na noite do 27 do corrate.
os devotos que se achavam nella oque i atorre
com suas esmolas para a referida festividad*, pa-
ra < ntrarem oulras que talvez nada lenham dado,
e quando dessom j.i eslava o lunar orenpado *
Pergunta-se tambem ao Sr. Campeilo n a porta da
ton po lugar proprio para dixotes e palavrdes,
como se deu na noite do dia 27 ? a.-siracninoquaat
deu. de esmola para a festividade para ter mais di-
reilos que os outros, e quem Ihe conferio a aolori-
dade de censor ?
0 que assise a novena.



litarlo de reruaaibiuo St \* clra 99 le lancho de 184.4.
Em >\hiMo o Sr. Jos loaquim Barbosa nao viej
ou mandir da villa do O' (para onde miidou-s) oc-
cultamsite) pagar o pe lo de lou*
anuos d; casa em que morou, ia ra dos l^a; eres
da Boa A ista, ver o s> u nome neste jornal para
ielhor : er conhecido dos proprietarios.
Al ga-se o armazem n. 4 da ra do Apo lo, e
o ttTceir > andar da cas;i n. 88 da ra da Im| era-
triz ; na -na da Aurora n. 36.__________
Moeedade de seguros miitiiios
de 11da Insta liada pelo Banco
Inio na cidade do Porto.
Os a^e ites nesla cidade e provincia Ant mi
Luiz dt HivciraAievede & C escriptorio na ra
di Crin loltecife 1, estao autorisados desdi j
aKfliai' issiinaturas e presur lodos os esclaieci-
meatos iw forem neet ssarios, as nessoas que de-
sejarem oneorrer pan tao til e benfica em >re-
zas, egaiando um futuro lisongeiro aos associ; dos
Lava-se e engomma-se roupa de luniem de
hora i om perfeico e preco eommodo : na ra
d\ Penaa n. 23, loja. __________
0 ajaixo assignado contina a leceionar irf-
meiras le ras, latim e franeei em sua mesuia re-
sidencia na ra Nova n. 58, lereeiro andar. Ad-
rante tambera 8 alumnos internos, nao excede ido
a idade d 110 annos.
__________Jos Mari t Machado de Figjeired.
Terrenos de mariiiha.
0 agrimensor dos terrenos de marmita faz
sciente ai i Sr. Francisco Jos Marlins da Ceta
que desdi t de agosto do anno prximo passad
se ach, lavrado o termo de medicao do terreno n.
Ifi9, df que requereu titulo de aforamento, me
ventia assigna-lo no prazo de 1"> dias da data < es-
te en tuaiile, do contrario ser remettido com e
requermtntothesouraria de fazenda para pro-
ceder na faria das ordms cm vigor. Igualmente
convida a> procurador da Sr/ D. RosaMaria Mag-
dalena Pe reir a comprrecer na casa de sua resi-
dencia, ni ra Dircita n.71,afimde sellie marcar
o dia em qne tem de m proceder a medicao do
terreao n 151 sito na ra dApollo, de que a dita
sentara roquercu titulo de aforamento. Recife,
25 de Janeiro de 1864.________________
Da se dinheir* a juras: n ra do
Rangcl u. 6.___________
Precisase do urna ama que nao tenha ll o :
na ra de Apollo n. 28. jrimeiro andar._______
Canalho & Nogueira na ra de Apollo u
20, sacian sobre Lisboa, Porto e tina de S. Miguel
rncisa-se de uma ama para todo o'
servil, o do urna casa de familia: na ra
ilreta do Rosario n. 31, terceiro andar.
'
Na na da Gloria n. 80 vende-se um exi cl-
iente cavado por 180JL
%&%*
Precisa-se de urna ana que saiba engommar e
lavar: na ra das Crnzes n. 39, taberna.
O a jaixo assignado tendo arrematado 'ni
leilao a taberna da ra Je S. Jos n. 2, pertencen-
teaoSr. Jos Antonio Anselmo Moreira, pede a
quem se julgarcredor di dito senhor para apo-
sentar suas contas no praso de oito dias para ;o-
rem conferidas e pagas em lempo competente, e
findo este praso declaro me nao me responsahiliso
por qualquer debito que possa haver. Recife 26
de Janeiro de 1861.
Manoel Jos da Silva,
A pessoa que annunciou precisar de 1:60 )
a juros com hvpotheca, ilirija-se a ra da l'raia r u-
mero 29._____________________________
- Precisa-se de urna ama para casa de um (s-
traogeiro : a tratar na ma da Cadeia do Recife n.
40, loja de relojoeiro.
Bernrrdioo Lopes le liveira retira-se para
Europa con escala pela.' provincias do sul.
OtTeroce-se urna senhora com tostante e lx m
leite |taracriar um menino : na ra Nova n. '0,
sobrado, primeiro andai. ______
~1mTelrite
Offrrece- -:c para criar, urna mulher com hora c
abundante leite, e tornase mais eommodo por ter
morrido o menino : a tratar na ra da Santa Gru
numero 9._____________________________
Roga-se ao Sr. R. A. comparecer na ruado
Trapiche n. 12 para tratar do negocio que nao ig-
nora._________________________________
CALABAR
1333 Do seenlo 19
fOR
JOS DA SILVA Mr MU S LEAL .11 Alo i
Acaba di chegar do Rio de Janeiro esta intens-
sante obra, e vende-se na livraria econmica p do arco de Santo Antonio.______________
Antonio Jos Rodrigues de Souza altiva a s ja
casa e sitio do Monteiro, em frente ao oitao la
igreja de S. Pantaleao, com bastantes eommodo: i:
a tratar na thesouraria das loteras, ra do Cri s-
po n. 15'.
Deseja-se saber onde reside nesta ci-
ilade o Rvm. Frandsco Raphael Fernn-
des, da villa do Principe, e ao mesmo se
l>ede que annuncie a sua morada.
No escriptorio de Antonio Luiz do Oliveira
Azevedot C, na ra da Cruz n. 1, precisase fil-
iar com o Sr. Luiz Soares Botelho, filho de Jos
Soares Botelho e de Fonunata Candida do Soma,
e neto de Francisco Manoel de Souza, natural da
ilha de S. Miguel, o qual consta ter vindo para t s-
ta cidade em 1856, para Ihe dar noticias de sia
mai e irmaos que se acham no Rio de Janeiro.
Que ni pretender e seguiido an-
dar do sobmdo n. 44 cm a ra
4a Aurora, dirjase ra Nova,
en a loja de Bastos k Magalhes, qie
aclara com quem I talar. Assim tam-
ben alugani-se as lujas do mesmo si-
brido._____________________________
Prof&sor de piano.
Jos Coelho da Silva t Araujo, bem conhecido
nesta cidade, contina leceionar piano e mu. i-
ca vocal por eommodo prego : quem de seos ser-
vicos precisar, dirija-se radoLivramenio n. 21,
-egjndo andar.
~~Alugam-se duas casas terreas sitas na Passt-
geni da Magdalena ao entrar da ponte pequea,
com oscommodos seguintes : 4 quartos, cozinla
fra, quintaes murados e cacimbas : a tratar r o
sitio n. 1 na estrada do Rospital Porluguez, ou ro
pateo do Carino, sobrado n. 2.____________
~~^ A viuva de Manoel Joaquim Soares roga en-
carecidamente aos credores de scu finado marido
terem a bendade de comparecer no Varadouro
(cidide de Olinda) em c.sa de sua residencia, n)
dialll de Janeiro do corrate, afim de deliberaren
sobre os negocios que veram com o mesmo fal -
lecido.________________________________
O abaixo assignado socio gerente da Irma so-
cial nesta praca Maia A Espirito Santo, segu ho-
je para os portos do sul. e durante sua curta au-
sencia flea na gerencia dacasaoguarda livroso Sr.
Manoel Jos Goncalves Braga.
Recife 28 de Janeiro di 1864.
Joaqun Francisco do Espirito Santo.
- Prccisa-so de offlciaes de alfaiate : na ra da
Cadeia do Recife n. 38, primeiro andar.
Aluguel.
Aluga-se a casa terrea n. 22 na ra Yelha : a
tratar na ra do Sebo n. 24.____________ ^
Na padaria n. 1 no paleo da Santa Cruz, de
novo reformada precisa (te urna pessoa para ca -
xeiro, que entenda perfe lamente do traLalbo de
padiri* para tomar conu. por balance, afancando
uacapacidade e bous costuraos. ____
Aluga-seum grando arraazum proprij paial
arte do fogo ou outro qualquer estabelecimenio
por ter grandes fundos e um grande quintal, de-
fronte da fabrica de sabio que foi dos Santos na
rus de Brurn : tratar m. ra da Guia padari.i
n. 56.
(relo,gelo, gelo.
Ci ni a chegada da nova machina nao se expe-
rimenta mais falta de gelo fabricado com agua de
Prala, lodos os dias a qualquer hora, para por-
i andes ou encgnimeiidas para ra da pro-
vincia devora haver aviso com antecedeucia : ra
da Aurora junto a fundico onde tem a bandeira.
Quem precisar de unta pessoa habilitada pa-
ra el sisas o francez, dirjase ra do Imperador
numero 35.
Precisase de una ama que cozinlie, engom-
me e compre, para casa de ponca familia : a en-
tenderse na ra de Hortas n. 30.
CALCADO.
Desappareceu hontem (26) pelas II horas da
uianhaa, no caes 22 de novembro, um cavado
casianho, com os signaos seguintes : tem o p es-
querdo desde o peiador at em baixo branoc, tem
mesmo p torio, inteiro, levoucangalha e quatro
saceos vasios melados de assucar, e mais urna an-
coreta de mel : quemo pegar pode levar cochei-
ra do Sr. Malveira, que ser generosamente recom-
pensado. |_______
O abaixo assignado faz seiente ao respeita-
vel pablico que o annuncio publicado em seu uo-
me nos Diarios de 26 e 27 do correte falso, e
feito sem seu consentimento e scienria ; que tem
bous desejos, c pretende com preslcza cumprir
com os seus deveres.
Antonio Jos Gomes.
Mansa fallida de Amoriiu. Fra-
goso. Mantos & i .
Aos senhores credores que ainda nao apresen-
laram seus ttulos roga-se queiram faze-|o no pra-
so de 8 das, contados desta data, sem o que dei-
xarae de ser contemplados como taes._________
Aluga-sc a loja do sobrado n. .'>2 da rea do
llngel. com excedente armacao para qualquer es-
tabelecimento : a tratar no mesmo sobrado.
Offercce-se urna ama para coziuhar e engoni-
mar em casa de hornera solteiro, a qual j de
idade: na ra da Senzala Nova n. 32.
Aluga-se um bom cozinheiro o urna escrava
boa eozinhcira e engommadeira : a tratar na rita
da Senzala Velha n. 116. -
45 Ra Direita 45
AproTekem em qnanto c tempo!
Borzeguins francezes de lustre pa-
ra homem................. 5000
Borzegains francezes de cores pa-
ra meninas................ 20000
Borzeguins francezes pretos para
meninas.................. 2500
Sapatos de lustre para senhora.. 1)5000
Sapatos de lustre s avessas..... 500
UNIO
MERCANTIL
RA 111 CADEIA IIO RECIFE ^T. 53.
NOVO E
n muero*
Precisa-se alujar urna ama forra ou captiva:
na ra das Trinche-iras n. 48.
AMA.
Offerece-se urna ama que engomma e cose per-
feitamente para alguma casa de familia, que se
queira autorisar do seu presumo : a i ratar na ra
do Ta'libia n. 18.
_____________________________________________________________________________.----------------------------4-------------------------------
Aluga-se urna casa na ra Imperial propria
para armazem de sal e rancho, ou outro qulquer
em Olinda, na ra de S. Pedro Martyr.muto fresca
e exeellente vista, por preco eommodo: | no largo
do Pa raizo n. 14.
COMPRAS.
Compra-so para cobrir um telheiro varias fo-
llias de ferro galvanisado j usadas : na ra do
Qaeimado, loja deferragens n. 14.
ixmpra-se urna negra que saiba bem coser
e engommar, e que seja moca e sem vicios, e bem
assim se compra mais um escravo preto que seja
moco, e bom cozinheiro : a tratar na ra da Ca-
deia di) Recife n. 4, primeiro andar. _____^^
Comprase ellectivameiite ouro e prata em
obras velhas : na praca da Independencia n. 22
loa de bilhetes. ______________
C0MPRVSE
No largo do Paraizo n. 2(5, segundo au-
dar, se dir quem compra duas escravas que
sejam mocas e sadias.
Compr.vse urna mulatnha ou eabrocha de
bonita llgura, que tenha de idade 12 la annos,
cora habilidades ou sem ellas, agradando paga-se
bem: no pateo do Terco n. 2, sobrado de um
andar.
---------------------------------------------------------------------------------------------- i
(>onipra-se um escravo que seja moco e ca-
noeiro : na ra da Praia,armazem de carne n. 7-
Compra-se papel de Diario a peso : na ra
do Palacio do Rispo n. 40.
iu;i do 4|nelniado
4 e %.
est disposto a continuar a vender
abaixo declarados, pois para principar o novo
anno.
Caixas de obreiasde cola mnilo finas a 40 rs.
Varas de franja de la de todas as cores a 40 rs.
Ditas de tranca de la de todas as cores a 20 rs.
Ditas de trancelim branco muito superior a 20 rs.
Trai as de algodo brancas e de cores a 80 rs.
' Duzias de metas para senhora muito superiores a
i 35800.
Crozas de penna de a?o muito Tinas a 00 rs.
('.aniveles de duas e tres folhas a 600rs.
Hilos de una folhaa 80 rs.
Caixas para rape, muito bonitas de calungas, a
100 rs.
Capachos redondos e compridos a 500 rs.
Caixas com muito superiores obreias a 40 rs.
Varas de franjas brancas e de cores, largas, a
1 160 rs.
Pares de botoes para punho muito bonitos a 120 rs.
Carreleis de liuha Aiexandre com 200 jardas a
100 rs.
CartSes de linha Pedro V com 200 jardas a 6) rs.
Ditos de linha de 30 jardas a 20 rs.
uzia de meias brancas para homem a l600.
Caixas com soldados de chumbo a 120 rs.
Tinteiros de vidro com superior tinta a ICO rs.
Ditos de barro a 100 rs.
Crozas de botoes oe louca pratiados a 160 rs.
Tesouras muito finas para costura a 320 rs.
Ditas ditas maiores e melhores a 400 rs.
Escovas para limpar dentes muito finas a 200 rs
Ditas para unhas a 800 rs.
La de todas as cores para bordar a 7J a libra.
Caixas com phosphoros de seguranca a 160 rs.
Caderuos de papel branco e azul a 20 rs.
Pacote de papel amizade a 600 rs.
Caixas com 100 anvelopes muito superiores a
800 rs.
Cadernos de papel de cores, grande c pequeo, a
40 rs.
Silabarios portuguezes com calungas de todas as
qualidadesa320 rs.
Graxa em latas muito nova a 100 rs.
Cartas e taimadas para meninos a 60 rs.
GEA1VE AE1C4ZBM DE 1COLEADOS
RIJA IIA C A lili A DO RECIFE A. 53.
I rancisco Fernandes Duarte acaba de abrir na ra da Cadeia do Iiecifen. i3, um grande e sorlido armazem t t hitta je
nominado l'nio Mercantil. Neste grande ammem encontrar sempre o respeitavel publico um completo sortimenlo dos mtllujci
j gneros que vem ao mercado, Unto esirangeiros, como nacionaes, os quaes sero vendidos em porgues ou a retamo noi nu
commodos.
pelos precos Manleiga ngleza especialmente escolhida, Vinag_re._de Lisboa a -2fX) re. a garrafa e Sardiiihas deNantesa340 rs. orjoartoe^O
de primeira qualidade a 800 rs. a libra,
em barril se faz abatirnento.
Manteiga franceza a mais superior do mer-
cado a 560 rs. a libra, e 520 rs. cm barril
ou meio.
Prezuntos inglezes para fiambre, de superior Genebra de Hollanda a
qualidade, chegados ne;te ultimo vapor, a 5^800 a frasqueira.
720 rs. a libra.
Queijos flamengos chegados neste
vapor a 20*500.
Queijo prato muito fresco e novo
a libra.
Caslanhas muito novas a 120 rs. a libra e
e 30000 a arroba.
Cha uxin o melhor que ha neste genero,
mandado vir de conti propria a 2800
rs. a libra.
Cha hyson muito superior a 20560 rs. a li-
bra ; cha hyson proprio para negocio a
10500 rs. a libra.
Chi preto muito superior a 20 a libra.
Biscoutos inglezes em latis com differenles
qualidades, como sejam craknel, victoria,
piquelez, soda, captain, seed, bornez e
oulras muitas marcas e 10350.
Bolachinha de soda em latas grandes a 20.
Figos em caixinhas hermticamente lacra-
das, muito proprias para mimo a 10500.
10200 a caada. rs. nieia lata.
Azeite doce refinado em garrafas brancas a Lalas com peixe em posta : sarel, corniu.
800.1?. I vezugo, cherne, linguado, lago&liADa, a
Azeite doce de Lisboa a GlO rs. a garrafa e; 10300 rs.
5800 a canaria. Salmo em latas, preparado pela nova Me
500 rs. o frasco e j Je cozinha, a 800 rs.
! Maga de tomates em latas de i libra a 600
Caixinhas com ameixas fraucezas, ornadas I res,
ultimo, com ricas estampas na caixa exterior,.Chouricase paiosem latas de 8 e meia libra
muito proprias para mimo, a I02O-'1,10500' por 70.
aOiOrs. e 20. 'Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra
Frasco de vidro com tampa do mesmo, con-! 80600 a arroba,
tendo meia libra de ameixas francezas, a Bolaxinha ingleza a 320 rs a libra e 40 a
10200. I barrica.
Marmelada imperial, do melhores conser-, ^' m"it0. T a ii0Jl a libr,a:
veiros de Lisboa, em latas de 1 e meia a' ?vmh? d,e, Fra"aa 2M's- a '"I"-
2 libras a 600 rs a libra. j Fannha do Maranhao a 120 rs. a tibn.
Frucias em calda das melhores qualidades' Anruta verdadeira a 320 rs. a libra,
que haem Portugal em latas hermtica- U-adaa 120 ** libra e 3o
mente lacradas a 500 rs.
Peras seccas muito novas a GO rs. a libra.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Amendoasde casca molle a 400 rs. a libra.
Avelaas muito novas a 200 rs a libra.
Amendoas confeiladas de diversas cores a.
800 rs. a libra.
Mar5as e peras chegadas neste ultimo vapor,
muito perfeitas, s vista se faz o preco.
Caixinhas de 4 e 8 libras de figos de coma-L, '
dre a 10 e 20 cada urna Conservas ingleza* em frascos grandes a / 50
Passas muito novas, chegadas neste ultimo
vapor a 500 rs. a libra e 30 um quarto ;
e em caixa se faz abat ment.
Ameixas francezas em lats de meia a 3 li-
bras a 800 rs.
Caixas com superiores iscas para charuto a 40 rs. I rk...Bn j ^o,n >.;* o.,nAr;nn .,
Carreleis de linha de cores com 200 jardas a 60 rs. CnamPa?ne da marca maIS superior que
i jarda
Haralhos muito finos para voltarete a 280 r
Rodinhas com allinetes francezes a 20 rs.
Cartas de allinetes francezes linos a 40 rs.
Caivetes de cabo de madreperola de duas folhas
a 300 rs,
Luvas brancas de algod.o linas a 80 rs.
Miadas de linha frxa para bordar a 60 rs.
lTm Deseobrimcnto Espantoso!
0 Hundo Sfienlifico nnauimamtnle o appreta.
Comprani-se acedes do novo Lamo :
i Cadeia escriptorio n. 47.
ia ra
YENDAS.
Veadeui-se caixdes asilos a
l#ttOO: nesta Algodo da Bahia
para saceos de assucar e roupa de escravoc tem
para vender Antonio Luiz de Oliveira Azevedo &
C, no scu escriptorio ra da Cruz n. 1. j
l'apcl
de fiuine greve 30600, aTmaco branco e perlina
:ifi200 : no armazem de Tasso Irmaos.
Vendem-se bOO barricas vasias : na palaria
allemaa em Santo Amaro.
( ai-ruca e boi.
Vende-se una carroc e um boi por prego Inul-
to eommodo : na ra da Assumpcao n. 34. j
Vende-se uma taberna em urna das melltores
ras do bairro da Boa-Vista, por seu dono tejr de
retirarse para tratar de sua sande : a fallar na
ra da Imperatriz n. 34.
Vende-se um piano de armario em perfjeito
estado, tortee de Jacaranda, por preco muito cora-
modo : na ra dos Pires n. 40. _______
Barras para vestido
A loja da Aurora, na ra larga do Rosario n.
38, recebcu riquissimas barras para vestido, che-
gadas pelo ultimo vapor, as quaes sao as mais mo-
dernas que tem chegado, attim como tambem re-
cebcu ricas capellas de differenles gostos e multo
finas, proprias para qualquer casamento, muito
boas luvas de Jouvin, tanto para homem como pa-
ra senhora : quem quizer, pode mandar buscar
amostras, pois dase a qualquer pessoa, deixando
penhor.
Panno de algodo tecido de Minas, fa-
zenda forte e encorpada, apropriada para o
servico da lavonra, quer para saceos, quer
para roupa de esrravos: grande deposito
na praca do Corpo Santo, escriptorio de
Augusto F. de Oliveira.
Luvas de pellica.
Chegaram para a loja d aguia branca, ra do
Queimado n. 8.
< arrluhos de mo a 1O0.
Vendem-se carrinhos de inao : no muito conhe-
cidoarmazem de madeiras da ruada Concordia n.
33 defronte ao porto das canoas.
Gaz liquido
a 300 rs. a garrafa : no deposito do gaz, ra da
Imperalriz, loja de fazendas n. 28.
ATTEMCAO.
Vende-se barato dous terrenos tendo ca-
da um 140 palmos dt frente e 200 de fun-
do, um aterrado e prompto para edilicacao
com frentes para as ras da Concordia e
doAlecrim, e outro por beneficar com
frentes para as ras da Concordia e da de Deten-
gao : quem quizer aproveitir um lioni negocio
pode dirigir-se ao Sr. Gonca'o Jos Alfonso corre-
tor geral, na ra do Trapiche n. 40, primeiro
andar.________________
Vende-se a loja de louca da ra do Rangel
n. 17, propria para qualquer estabeleciiuento por
seu dono achar-se doente, e desejar tratar de sua
saude : a tratar na mesma, ou na ra Dircita nu-
mero 58.
HAIA TAS
Vendem-se caixas com duis arrobas de batatas
a 1JM00 : no armazem de nolhados, ra do Im-
[itrador n. 83, quina defronte da igroja do Col-
egia_________________________________
Rico santuario de Jacaranda.
Vende-se um santuario de Jacaranda obra novo
bem acabada, de gosto superior : na ra da Cadeia
n. 53, ai mazem do agente Eusebio.
Vende-se a loja de calculo da ra do Livra-
mento n. 33, com armacao' envidracada, propria
para o mesmo negocio e*para qualquer progresso:
a tratar na ra do Vigario n. 8 a 13.
A (om|Misi Peitoral de kemp.
} Tor espaco tensamente cm Tampico para a cura de
TSICA pulmonar,
CATABRHO, ASTHMA,
BR0NCH1TE, TOSSE CONVULSA,
CRPO O GARROTMO, e
Inflamma9es da Garganta e do Felto,
o isto com um resultado to feliz c verdade-
ramente assombroso o pao ou madeira c'uma
arvorc que chaimo Anacaihita, c que s
se encentra no Mxico.
A Composisao Anacahuita Poito-
ral de Kemp 6 uui Xarope delicioso, iutei-
ramente diflerente na sua composisao do
todos oa mais Pe i to raes c Expectorantes nia-
mifaeturados de fruetos astringentes, cascas
e raiaca, itc, o mesmo nao conten nenhum
rido l'ritssico ou outros quaesquer ingre-
dientes venenosos.
Todas as molestias e affcceoc da garganta
e dos pnlmocs dcsapparecem como por um
mgico encanto, mediante a accao dcste n
.(Hiiparavcl c irrcsistivel remedio.
A venda as boticas de Caors 4 Barboza,
' ra da Cruz, e Joo da C. Bravo & C, ra
da Madre de Dos._____________________
Venda de uma hypothtca.
Os liqnidatarios da massa fallida de
Jos Antonio Basto veedem a hvpothe-
ca que tem nos engenhos Natto lirnsso
e Cajabuss no termo de Serinbem no
valor de 31:835$911 rs.; a tratar as
casas a ra do Trapiche n. 34.
Molduras.
llieas molduras pretas e douradas, muito pro-
prias para quadros, e assim cordao e bor.as para
os tnesmos, tudo por precos muito em conta : na
ruada Cadeia do Itecife n. It, loja da Primavera.
M. J. Ramos e Silva & Genros, tem
para vender em seu escriptorio na ra do
Vigario u. 10, o seguinte :
Ricos e elegantes pianos.
Algodo da Bahia para saceos e roupa de es-
cravos.
Fio de algodo para ceser e pavio de velas.
Cera de Lisboa em velas.
Con de Lisboa em grume.
Superior vinlio do Porto em caixa de uma
duzia.
Dito dito em barr de 5.
Colla da Bahia.
ptima acquisieio de es-
tabeleciniento.
Vende-se a loja de ferragens da ra da Cadeia
do Recife n. 64, com pequeo fundo e ainda bem
| sortida, tanto de ferragens como de miudezas, as
quaes estao em bom estado, vende-se s com as
mercadorias, e garante-so o arrendamento da casa;
propria para algum principiante, nao s por ter
pouco fundo como por estar j afreguezada e sor
una das lujas mais bem localisadas desta cidade :
os pretendentes podem dirigir-se mesma loja,
nao s para examinaren) o balinco como o estado
1 das mercadorias.

rs. cada um.
Er vi Inas francezas e portuguezas em latas de
1 libra a 640 rs. >
Ervilhas seccas muito novas a 160 rs. a
libra.
Chocolate francez, o que ha de melhor neste
genero, a 15200 a libra.
Chocolate hespanliol a I ,-5200 a libra.
Genebra de laranja em frascos grandes a It.
Cerveja branca epreta dasmelliores marcas
que ha no mercado a 500 rs. a garrafa e
5*800 a duzia.
Cognac inglez de superior qualidade a 800
e 1(3200 a garrafa.
Licores francezes das seguintes qualidades:
tem vindo ao nosso mercado a 18(3 o gigo,
garante-se a superior qualidade.
Vinltu Bordeaos das melhores qualidades
que se pode desejar de 70500 a 8)5000 a
caixa e 720 a 800 rs. a garrafa.
Caixas com vinho do Porto superior de 0t
a 109 a duzia, e 900 a 10 a garrafa; deste
genero ha grande porcjto e de differentes
marcas acreditadas que j se venderam
por 149 e 15 a caixa, como sejam: Duque
do Porto, Lagrimas do Douro, D. Luiz, e de oulras muitas marcas a 1$ a garrafa] nura
Cames, Madeira secco, Carcavellos, Nec-' e 10i5 a caixa.
tar de 1833, Duque Genuino. Marrasquino de Zara a 800 rs. a garrafa e
Vinho de pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a & a d"2'3-
400,480 e 560 rs. a garrafa, e 30, 30200 Moslarda ingleza em potes j preparada a
e 30500 a caada. | 400 rs.
Vinho branco de superior qualidade, vindo Moslarda ingleza em p, em frascos grandes,
j engarrafado a 640 rs. a garrafa e a 500 a 10 cada um.
rs. de barril. I Sal refinado a OO rs. o pote.
Ca
a arroba.
Alpislaa 160 rs. a libra e 40800 a arroba
Batatas muito novas em gigos com 40 l.bnt
por 10 e a 40 rs. a libra.
Cebollas a 10 o molho com mais ue i00 ca-
lla um.
Caf lavado de primeira qualidade a 3CO rs,
a libra e 90 a arroba.
Caf do Cear muito superior o 280 rr. a li-
li ra e 80400 a arroba.
Caf'; do Rio, proprio para negocio, a 8.
Arroz do Maranhao a 100 rs. a libra e 20800
a arroba.
Arroz de Java a 80 rs. a libra e 9400 a
arroba.
Vellas de spermaceli a 560 rs. a itbra e
540 rs. se for em caixa.
Vellas de carnauba refinada a 320 rs. o Mi-
so e a 90 a arroba.
Doce de goiaba a 640 rs. o caixo.
Macarro, talharim e alel a a 480 rs. a li-
bra ; em caixa se faz abaiiment'T
Eslrellinha,pevide earroz demassa para snpa
a 400 rs. a libra e 20 a caixa com 6 libras.
Palitos de denle lixados com flor a 20f> rs.
o masso, ditos lixados sem flor a 160 rs:
o masso com 20 massinhos.
Anizele de Bordeaux, Plaisir des Dames Gornma de engommar muito fina a 80rs. a:
libra.
Banha de porco refinada a 480 rs. a libra a
400 rs. em barril pequeo.
Charutos dos melhores fabricantes de S. F-
lix, em caixas inteiras ou em meias, de
0600, 20 e 3d.
Presuntos do reino, vindos de coma prop.ru
de casa particulada 400 rs. a libra; mtei-
ro se faz abatirnento.
Os senhores que comprarem de 1000000 para cima, tero o descont de 5 por cento, pelo prompto pagamento.
CLUU1I
COIIMERCIAL
mw
RA DO QCEIMAlia \. 15,
Passando o beceo da Congregacao segunda casa.
NO VII) ABE.
Pereira Rocha & C. acabam de abrir na ra do Queimado n. i."i um armazem de moldados denominado Clarn Commei
onde o respeitavel publico encontrar sempre um completo sorfimento dos melhores gneros que vem ao nosso mercado, osquats
serao vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencionada ; gatante-se o rom pe*)
e boa qualidade dos gneros comprados neste^armazem.
Arroz do Maranhao, da India e Java a 80 e
100 rs. a libra e 2*400 a 20800 rs. a ar-
roba.
Ameixas francezas em latas e em frascos a
10200 e 10600.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpista a 160 rs. a libra e a 40600 rs. a ar-
.roba.
Azeite doce francez muito fino em garrafas
grandes a 900 rs. a garrafa.
dem de Lisboa a 640 rs. a garrafa.
Aramia verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
Avelaas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Batatas muito novas a 40 rs.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
10300 ris.
Bolachinhas de soda, lalas grandes, a 20 rs.
a lata.
Ditas oglezas muito novas a 30000 a barri-
quinha e a 200 rs. a libra.
Banha de poico refinada a 110 rs. a libra e
eembarrila 4lQ rs.
Cha hysson, huchin e perola a 10600, 20,
20500, 20800 e 30000 a libra.
dem preto muito superior a 20000 rs. a li-
bra.
Cerveja preta e branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
c O08UO a duzia.
Cognac inglez fino a 900 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco.
dem, s de pepino, a 720 rs.
dem, s de azeitonas. ;i 790 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Babia
e especialmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa, a 10800,
20000, 20200, 20500, 20800, 30000 c
30500 a caixa.
Chouricas e paios muito hoyos a 800 rs. a Palitos de dentes a 120 rs.
libra. dem de llr a 200 rs.
Cevadinha de Franca muito superior a 220 Palitos do gaz a 20200 rs. a grosa.
rs. a libra.
Cevada a 80 rs. a libra.
Ervilhas portuguezas a 040 rs. a lata.
dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
Figos de comadre c do Douro era caixinhas
de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a
10800, 50500 e 280 rs. a libra.
Farinhadi) Maranhao a 120 rs. a libra.
Farinha de trigo a 120 rs. a libra.
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD
a 560 rs. o frasco e 60200 rs. a frasquei-
ra.
dem em garrafes de 3 e 5 galocs a 50500
e 70500 cada um com o garrafao.
Gomma do Atccaty a 80 rs. a libra.
Graixa a 100 rs. a lata e 10100 rs, a duzia.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa.
dem, qualidade especial c garrafas muito
grandes, a 10800 rs. a garrafa.
dem garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, garrafa forma de pera e rolha de vi-
dro, a 10000 rs., s a garrafa vale o di-
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamenle flor, desem-
barcada de pouco a 800 rs a libra, e de 8
libras para cima se far uma di Hertica.
dem franceza muito nova a 560 rs. a libra,
c em barril ter abatirnento.
.Massa de tomates em barril a 480 rs. a li-
br;i.
dem em lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 600 rs. a lata.
Marrasquinho de Zara, frascos grandes, a
800 rs.
dem regular a 500 rs.
Massas para sopa : mcarrao, talharim e ale-
tria a 480 rs.
Noaw muito nov.is a 160 rs. a libra.
Caf do Kio muito superior a 260, 280 e,Pcixe em latas preparado pela primeira arte
300 rs. a libra e 70500, 80 e 80500 rs. a I de cozmlw a 10 rs. a lata,
arroba. I Palitos de dentes a 160 rs. o masso.
libra.
Passas muito novas a 480 rs. a libra.
Peras seccas muito novas a 600 i
Painco a 200 rs. a libra.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 24400
ris.
dem prato a OH) rs. a libra.
Sardinhas de Nanles a 32' rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a li-
bra.
dem stearinas muito superiores a 000 rs. a
libra.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha ueste genero e de varias marcas, como
sejam : Velho de 1815, Duque do Porto.
Madeira, D. Pedro, D. Luiz I, Mara Pia.
Bocagc, Chamisso e outros a 800, 900 c
10000 a garrafa, e em caixa com uma du-
zia ;t 90000 e 100000.
dem em pipa, Porto, Lisboa e Figuem a
480, 500 e SAO rs. a garrafa e 30, 30500
e 40 a caada.
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa,
dem de. Bordeaux, Medoc e S. Jtib>n a 700
e 800 rs. a garrafa, c 70000 e 70500 rs.
a duzia.
IdcnriMorgauxeChatoauluminide 1854, a 1
a garrafa,
dem moscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs, a garrafa e
10200 rsr>r*pda.
Kirsk garrafas mufcgjrandes a 10800 rs.
Alm dos gtd's cima mencionados te-
mos grande por$o de outros que deixaaos
de mencionar, e que tudo ser vendido por
pecas e carnadas, tanto em porcoes como
retalho.
Quem comprar de 1000000 para jm.i te-
r o abate de 5 por cento.



DUrlo e t*era*mhac9 ... Hf \i* le Ira de Jnnrlro de !!-
ts
ATTENCAO
9 Ii Alt CO 1IO (ARMA 9
GRANDE SRTIMENTO
ARMAZENS
C/3
va
DZ

PARA A FESTA.
DUARTE & C.
=a
Participam aos sens numerosos fregueses e ao publico em geral que acaban de
recebar de sua propria eiicoramenda, o mais indo e completo sortimento de molhados,
os quaes vendem por groiao e a retalho por nenos 10 por cento do que outro qualquer
anunciante, como verao pela seguinte tabella que abaixo notamos, garantindo os mes-
saos proprietarios nao s o peso como a quaiiilade de s?us gneros.
AVIISO.
Todos os senhores que comprarem par negocio ou casa particular de 1004 par*
orna terao mais 5 !0 por cento de abalimenio, os proprietarios scientificam mais que
todos os seus gneros sao raebidos de suapnpria encommenda, razSo esta para pode
tender por muito menos do que outro qualquer estabelecimento.
Slanteiga ingleza flor a 8oo rs. a fibra.
Oaitanhas rauitfl novas a 2,ooo rs. a caixa, c
a 16o rs. a libra.
Boiinno francoz c em caixinhas de 7oo a
1.5eo rs. cada urna.
dem franceza a mais nova do mercado a 56o
rs. a libra, e 54o rs. em barril.
dem de porco refinada muito alva 46o rs.
a libra,
fr unto para Oanbre a 8oo rs. a libra.
Ca uxim miudinbo vindo de conta propria,
o mellior do mercado a 2,8oo rs. a libra.
dem hyson de superior qualidade a 2,6oo rs.
m.
dem perola o melhor que se pode desojar a
2,700 r?. a libra.
ldsm preto muito fino a 2,3oo rs. a libra.
M-m mais baixo pouco a i,ooo rs. a lrbra.
dem mais baixo a i,8oo n. a libra.
Vinho do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado garante-se a suporioridade desle vi-
nho, dan seguintes marcas : Duque, Ge-
o, volho secco, especial lagrimas do-
l; 1619, vinho especial D. Pedro V.,
vtnto vnlho, Nctar superior de 1833, Du-
que do Porto de 1834, vinho do Porlo ve-
.lo superior, madeira sueca de superior
t niidade, vinho do Porto superior D. Lu-
iz 1.a de 1817, lagrimas do Douro espe-
c.i i, vinho do Porto do l.oooa l,2oo rs.
. ;i garrafa e de lo.ooo a li.ooo rs. a caixa
D urna duzia.
Blndiinha de soda especia1 encommenda e a
PROGRESSISTA
RITA IIAS CRCZE) V. 34.
K
RA DO CRESPO N. 9
H fealrro de Hnuto Amonio
Fonquliu los tome de Nonza scientifica a seus numerosos fregu
es e ao publico em geral que acaba de estabelecer un novo arraazem de molhados
ra do Crespo n 9, aonde se encentrar sempre os melhores gneros de estiva, que
se vendert a retalho e per atacado, por menos dos que se venderom em outra qualquer
{arte, afliancand o-se aquellas pessoas que aomprarem nestes armazens a superior qua
Idade de gneros, precos commodos e.bm acondicionamento.
O armazem da ra do Crespo situado no melhor local desta cidade com o as-
seio que de necessidade. manter-se com estes estabelecimentos, faz crer a seu pro-
prietario, que ninguem deixar de sortir-se n'um estabelecimenlo aonde se encontra sin-
ceridad!, para ir-se comprar aonde se nSo offerecem tantas vantagens.
Sendo este armazem u<> verdadeiro ponto de partida para os arrabaldes desta
cidade, nao ser difbV.il quelles senhores qoe tem de partir nos mnibus darem suas
encommendas neste armazem, que sempre Ibes oflferecer os mais agradaveis gneros.
Cha perola de especial qualidade a 2,8o rs.! Bolaxinha de soda e lunch em latas grandes
a fibra. a 2,ooo rs. cada lata.
dem hysson muito superior a 2,7oo rs. a Cognac de superior qualidade 8oo rs. a gar-
UR A MU Kl VOLI ( O
NO
ARMAZEM
libra,
dem uxim a ,:ro rs. a libra,
dem hysson a 2,3oo rs. a libra,
dem idem a .ooo rs. a libra.
V ellas de carnauba e composicSo de 32o a
36o rs. a libra e de lo,ooo a ll.ooo rs. a
arroba.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
440 rs. a botija, e em duzia ou em barrica
ter abatimento.
Massas pan sopa macarro, talharim e aletria
a 48o rs. a libra e em caixa ter abati-
mento.
Ic.em estrellinha, rodinha epevideem caixi-
nhas de 3 libras, muito bem enfeitadas de
2.5oo a 3.5oo rs. a caixinha e a 6oo rs. a
libra.
Boce de goiaba em caixas de diversos tama-
nhos de (k>o a l.ooo rs. o caixao.
Simio massa de 2oo a 24o rs. o melhor, em
caixa ter abatimento.
dem hcspanhol a 28o rs. a libra.
Plaxe em latas muito novo ; savel, pescada,
corvina, salmfio e outras muitas qualidades
preparada de escabeche 2." a arte de cosi-
nha de !,2oo a l,8oo rs. a lata.
ftgoS em caixas de 1 arroba, "i e 8 libras
a 8,ooo 'i,ooo e 2,ooo rs. a caixinha.
B; rris de vinlio branco de quinto, marca B
A Filho a 00,000 rs. o barril.
Mtrmeladi imperial dos m-Inores conservei-
ros de Lisboa a Oio rs. a Utinhade 1 libra,
hn Intas de I" Vi e 2 libras.
Massa de tomate em latas douradas de 1 libra
a 64o rs. a lata. <
Ameixas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas de l,5oo a 3,ooo rs. a
caixinha, tambem ha latas de 1 '/ai li-
rafa.
dem muito superior a 1 ,ooo rs. a garrafa
Caf a 28o e 32o rs. a libra, e a 8,ooo e
9,ooo rs. a arroba,
dem preto de qualidade muito esjiecial a Cerveja das melhores marcas do nosso mer-
2,000 rs. a libra. cado de 5,ooo a 6,ooo rs. a duzia, e Seo
dem idem inferior a l,6oo rs. a libra. rs. a garrafa.
Champagne a melhor neste genero a 1,5oo Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e 8.600
rs. a garrafa e 18.000 rs. o gigo. rs. a duzia.
dem inferior a 10,000 rs. o gigo e l.ooe rs.! Doce em calda a 5oo rs. a lata.
a garrafa. j dem de goiaba em caixas e diversos tama-
Chocolate francez, hespanhol, e portuguez, a 1 olios e de diversas qualidades de 64o a
a 9oo e l,2oo rs. a libra. l.ooo rs. cada urna.
Charutos dos melhores fabricantes da Babia Emilias francezas muito novas de 48o a 64o
ede qualidades, especialmente escolhidos, rs.
de 2,ooo a i.irto rs. a caixa. ; dem portuguezas a 72o rs. a lata.
Farinha do Maranho muito alva a 14o rs. a dem seccas a 2eo rs. a libra.
libra Vassouras do porto com arcos de ferro a 32o
dem de araruta verdadeira a 4oo rs. a libra. rs- cada urna.
Vinho do AHo Douro engarrafado, p os mais Velas de espermacete da melhor qualidade
bem escolhidos, lagrimas do Douro, D. Pe-: a Q00 rs. o mago.
dro V, D. Luiz I, Duque genuino. Nctar *dem de carnauba e composicSi a 32o e 36o
superior, Malvasia fina, Bastardo, e outros rs- a bbra e lo,ooo rs. a arroba.
bras de 1,2oo a 4,J5oo rs. a lata.
mais nova que ha no mercado a 2,2oo rs. a
,Jta- [Idmi em frascos com Lampa de rosca a l,6oo
Bis -oitos inglezes das melhores marcas era rs. o frao.
latinhasde 2 libras a 1,300 rs. a lata. [cocolate nortuguez, hespanhol, francez e
Hem inglezes craknel em latas de 5 e 7 libras susso a 1,2,^ rs. a ijbra.
de 5.000 a 6.000 rs. a lata, c em libra aConservas inglezas das seuintfs marcase
800 rs.
Villijos do reino chegados pelo ultimo vapor
a 2,Roo rs. cada um.
dem prato a 7oo rs. a libra.
Yinbo em pipa das mais acreditadas marcas
como SBjamBA F., PRR, JAA, outias
las marcas, Porto, Lisboa e Figueini;
de 48o, 5oo, fiGo, 64o e 800, rs., e o do
P.j-to fino em garrafa, e em caada a
3,000, 3,5oo, 4,ooo e 6,5oo rs. o melhor
do Porto.
dem Bordoaux das mais acreditadas marcas
a 7oo rs. a garrafa, e a 8,000 rs. a caixa.
Garrafes com 5 garrafas de superior vinho
do Porto a 2.2oo rs. com o garraSo.
Idem com i garrafa de vinho da Figueira mais
proprio para a nossa estacSo por ser mais
fresco a 2,4oo rs. com o garralao.
dem com fi garrafas de vinagre a 1,2oo rs.
com o garrafao.
Vinho branco o mais superior que vem ao
nosso mercado a filio rs. a garrafa, e a
t,3oo re. a caada.
Volas de esparmacale as melhores neste ge-
nero de 56o a 64a rs. o maco, cem cai-
ta ter grande abatimento por haver
grande por$io.
Azeit: doce em barril muito fino a 6o rs.
a garrafa e 4,8oo a cana la.
Wem francez refinado a 800 rs. a garrafa.
rvilhas francezas e portuguezas a 64o rs. a
lita,
lelas eom doces sftecos de Lisboa de 3oo
a 3,5oors. cada urna.
Toucinho deLisboa a 3oo is. a libra, e a
3,000 J& a arroba.
N 17.es muito novas a 16o rs. a libra e 4,8oo
r-. a arroba.
Caf de !*, 2.* e 3. qualidade de 26o, 3oo
' e 36o rs. alibra, doCeari de 7,8oo, 8,600,
e 9.2oo rs. a arroba do melhor.
Arroz, da India, Java eMaranho de 2,800 a
3,000 a arroba, e de 80 a loo rs. alibra.
Padhas muito novas a 8,5oo a caixa c 5oo
_ a libra, ha caixas meias e quartos.
evadinha de Franca a 24o rs. a libra.
Sag muito novo a 28o rs. a libra.
Mixde-l'icics e cebollas simples a 75o rs
o frase 1.
Ancorelas de vinho colares a fio.ooo rs., e
a 72o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 32o rs. a latinha.
Charutos das mais acreditadas marcas de
2,500 a 4,000 rs. a caixa.
Cbampagnhe a melhor do mercado de 12.000
a 24,000 rs. o gigo, e de l,2oo a 2,ooo rs. a
garrafa.
Papelgreve piulado ojliso a3,5oo rs. a res-
ma.
Id?m de peso pautado ou lizo de 3,5oo a
4,000 rs. a resma.
Gomma muito fina e alva a 80 rs. a libra.
Milho alpista e painso de 10o a oo rs. a li-
bra.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a grosa e 2oo rs. a
duzia.
Viisos inglezes de 4 a 16 libras vasios, muito
proprio para deposito de doce manteiga
ou outro qualquer liquido de i,000 a
3.000 rs. cada um.
Licores dai; melhores marcas e mais finos
a 1.000 rs. a garrafa e em caixa ter abati-
mento.
Ccgnac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa
e lo,5oo rs. a caixa.
Cliourieas as mais frescas do mercado-a 800
rs a libra.
Genebra de aranja em frascos grandes a
1,000 r. o frasco.
Serveja da; mais acreditadas marcas de
5.5oo a 6,5oo a duzia e de mais a 5oo rs.
a garrafa.
Id;m embotijas e meias, sendo frc*a da
muito creditada marca T de 6,5oo a 7,8oo
re. a duzia.
Ceblas em molhos grandes a 800 o molbo
. 640 o cento, e a 6,5eo rs. a caixa
Pi nenta do reino a 34o rs. a libra.
Farinha do Maranlino a 14o rs. a libra.
Tijolo pan [impar facas a 16o rs. cada um.
Corainho a 4oo rs. a libra.
Erva doce alibra.
Canella a 1,000 rs.a libra.
Batatas a 1,00o rs. o gigo com 32 libras liqui-
das e 3,000 rs. a caixa dedoas arrobas.
FAZENDAS BARATAS
9--AU1 IIO Q11TEIMA.DO*
Cusoslo, Car -alho A C.
s
s
a ll.ooo e 12,ooo rs. a duzia e l.ooo rs.
a garrafa.
Idem Cherry e Madeira a l,5oo rs. a garra-
fa e 16,ooo rs. a duzia.
dem Bordeaux de diversas marcas de 8.000
a lo.ooo a duzia, e 800 rs. a garrafa.
Bolaxinhas americanas a 3,ooo rs. a barrica,
e 2oo ns. a libra.
Batatas muito novas a l.ooo rs. o gigo, e 60
rs. a libra.
Banha de porco refinada a 48o rs. a libra, e
em barril a 44o rs.
Vinho em pipa de Lisboa, e Figueira, de3,ooo
a 4,000 rs. a caada, e 5oo rs. a garrafa,
dem de Lisboa em ancoretas de 8 a 9 cana-
das por,27.000 rs.
dem do plorto muito especial a 5,5oo rs. a
caada 72ors. a garrafa.
dem em garrafes com 4 i garrafas por
2.5oo rs. com o garrafao.
Vinagre de Lisboa muito superior a 2.000
rs. a cahada.
dem mais baixo a l,5oo rs. a caada, e 2oo
rs. a gai rafa,
dem em garrafes com 4 / garrafas por
l,2oo rs. com o garrafao!
Manteiga ingleza a 600, 7oo, 800 e 9oo rs. a
libra de primeira qualidade.
dem franceza a 56o rs a libra em barril, e
a Roo rs a retalho.
Ameixas francezas em caixinhas com ricas
estampas, no exterior de l,2oo a 2.000 rs.
cada nina.
dem em frasco de vidro de diversos tama-
nhoea lJSoo e 2,5oo rs.
Idem em lajas de 1 1 '2 e 3 libra a l,3oo e
2,3oo rs.lcada urna, e a 800 rs. a libra.
Figos de comadre em bazinhos de folha pro-
prios pafa mimos a l,6oo rs. cada um.
dem em caixinhas de folha a 32o rs.
dem em caixas grandes a 2oo rs. a libra,
dem em latas emticamente lacradas de
1.600 a 3.000 rs.
Arroz da India e Maranho a 80. loo e 12o
rs. alibri.
Amendoas < e casca mole muito novas a 4oo
rs. a libra.
Ar.ttenas superiores a l,2oo rs. o barril.
Alpista a 14o rs. a libra e 4.600 a arroba.
Letria a 4oo rs. a libra.
Biscoitos e bolacbinhas inglezas as ultimas
Tijolo para limpar facas a 14o rs. cada um.
Toucinho de Lislia e Santos a 32o rs. a libra.
Sevada muito nova a loo rs. a libra.
Peixe em latas grandes, savel, pescada, cor-
vina, eoutras qualidades a l,ooors. cada
lata.
Papel greve pautado e liso de 3,ooo a 4.000
rs. a resma.
Passas muito novas a 8,5oo a caixa e 48o rs.
a libra.
Palitos lixados para dentes a lio rs. o maco,
dem de flor a 2oo rs. o maco.
Prezunto para fiambre inglezes e americanos
a85ors. a libra,
dem do Porto a 48o rs. a libra.
Queijos prato de 48o a 600 rs. a libra.
dem londrinos os melhores que se encontram
neste mercado a 800 rs. a libra.
dem flamengos vindos no ultimo vapor de
2.800 a 3,000 rs.
Sardinhas de Nantes muito novas a 32o rs.
a lata.
Sag muito novo a 2oo rs. a libra,
dem muito superior a 28o rs. a libra.
Sabo maca de diversas qualidades a 2oo e
24o rs. a libra.
dem inferior de 12o a 18o rs a libra.
Genebra de Hollanda em frasqueiras a 6,5oo
rs.
dem hamburgueza em ditas a5.8oo rs.
dem de Hollanda em garrafes grandes a
5,8oo cada um.
dem em botija a 4oo rs. rs. cada urna.
Garrafes vasios de diversos tamanhos a 5oo,
64o e l,2oo rs.
Gomma do Aracaty a loo rs. a libra.
Graixaa loo rs. a lata, e l,2oo rs. a duzia.
Licores tinos franrezes em garrafas e fras-
cos de diversos tamanhos de 600 a 800 rs.
cada um.
Marmelada imperial de b dos os conservei-
ros de Lisboa a 64o e 700 rs. a bra.
Massa de tomate muilo nova a 6o rs. a
libra.
Marrasquino de Zara a 64o rs. o frasco.
dem em frascos grandes a 800 rs
Cominhos muito novos a 5oo rs. a libra.
Erva-doce a 24o rs. a libra.
l'imenta a 36o rs. a libra.
Gravo da India a 64o rs. a libra.
Cannella a l.loo rs. a libra.
Alfazema a 2oo rs. a libra.
chegadas ao nosso mercado a l,2ooel,4oo Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs.
6. cada lata. 0 frasco.
ATTENCAO
O proprietario dos armazens do Progressista jamis deixar de offereer aos seu
freguezes tudo o que for preciso para que sejam bem servidos, e como a festa se aproxi-
ma ptima a occasio dos seus freguezes experimentarem a realidade, que nunca dei-
axr de ser mantida pelo proprietario destes armazens.
95 RITA AOVA 25
GRAHD. DlPQSITQ II PIA#$
JOAO PEDRO VOGELEY.
Neste acreditado esUbetecimento s encontrar urna soberfaa coHeec5o de pianos dos mais cele-
bres fabricantes da Europa premiados na ultima exposicio universal etn Londres. Eutre estes pianos
existen) algn fortes da cauda e norissimo fabricante A. Bord, de Pars, nicos nesta provincia fabri-
cados por orddm do proprietario expresamente para este clima. Os senhores amadores sao convida-
dos para vir examinar a perfeico do trabaltio e elegancia do seu formato e as excellentes vozes dos
ditos instrumentos.
No mesmo estabelecimento continua-se a alugar, afinar e concertar pianos e recebem-se en-
commendas para servir ao respeilavel publico tanto na cidade como nos arrabaldes.
O propr otario responsabisa-se pela sua encllente qualidade.
Finas cambraias orj-andys indianas pelo baratissimo preco de 300 rs. o covado on
fiOO rs. a vara.
Cii'ande Mriimenii)
dos mais finos balos de arcos par, senhora c pele barato preco de 35 cada um, ditos de ma-
dapotao para meninas a HXQ.
\ o villa le
Os mais linio c w*. finos e modemus cortes de la com ricas barras, lendo cada corte,
20 covridos c polo baralisimo preco de Hit>.
Fil do finho vara 00 rs.
k ny
GAZ GAZ GAZ
par prefo rrdaztdo.
V tnde-ie gaz da mellior qualidade
1 Vende-i* a refinacao da roa da Concordia n.
18, soffrivelmente montada para o seguinte fabrico :
ucar eryslalisado. dito areado, carvao animal
p,i0 can escravos praticos para taes servicos, 2 cscra-
'tT"infM .T- aitT l / r v^proP HaTpS a seibos domst^os^ mais at
pi*:o de 10d por lata de a gaioes : no ar-1 Jjj & ^ri^ ,]e arrjns de MRa .' Xn[Rr
Ra da Senzulln n. 42.
Vende-se. em casa de S. P. Johnston & C,
sellins e silbes inglezes, candieirose casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, o de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavallos, e relogios de
ouro patente inglez.
Familia superior de Santa Catbarjiu.
Vende-se em porco ou a retalho, a bordo da
barca fri$, atracada ao trapiche do Barao do L-
vramento, ou no escriptorio de Antonio Luiz de
Oliveira Ate vedo & C, ra da Gruzn. 1.
uazem do Caes do Ramo? n.
trapiche Novo n. 8.
do usna rofitacao das 10 horas da
I va ate.
na
manhaa en
faz. l.v- gaz* gaz,
ou verdadeiro oleo kerosene, de primeira qualida
do. latas fle 5, 3, 2 e t galao : vende-se na roa de
Apollo n. 2. _______________________
Batatas e ceblas.
Ra la Madre le Oros ns. p .
Vendem-s'.' taixaa esm duas arrobas de batatas
por 1520U, cento de cebla a 300 i>., as mais no-
vasdo mercailc'.__________________________
Cal de Lisboa e potassa la
Rnssla.
Vende-se na ra daCadeia do ReeB n. 26. para
ono so mudon o amigo o acreditado deposito da
1 mesma roa n. 12, ambos os Reneros sao novos e
egilimos, e se vendem a preco mai= barato do que
I utra qualquer parte.
Vende-se para liquidacao de contas a loja de li-
tros da praca de PedroII n. 6, muito propria para
qualquer principiante por ter pouros fundse ser
situada na melhor localidade: a tratar na mesma.
(i\L ie i\m\
Vendem-se barr eom cal de.*-
taproeelenefa. empedra. ehega-
da boje, e uulianoia. que ha no
mercado, na i-ua lo Trapichen.
13, armazcni de Manoel TcKel-
ra Basto.
Caz.
Latas com 5 crnlo><: a to* :
Nova n. 42.
na ra da Seozala
O homem do monmento nV) estaciona.
AVANTE E SEMPRE
GUERRA AOS INIMIGOS
Nf se admitte a iiniao rommerrial.
K seqier diaba da allianc\.
Ilo se leme a furia des corsarios.
Este anno ha de ser blsseio.
Os canhes esto preparados.
FOGO! BOM FOGO!! MELHOR FOGO! 11
Abaixo a lip d'agoa oa viaagre
Viva a liga geaiiiis Cheres can fiambre!
Viva o caaservader das cuservas inglezas!!
Vivan as liberis fregaezes dt BALIZA !!!
Vivan todos qoe leren este aaiancio.
! SENHORES E SEXHORAS.
O proprietario do grande Armazem do Baliza establecido ma do Livramento ns.
138 e 38 A, defronte da grade da igreja, acaba de reduziros precos de quasi todos os
gneros do seu magnifico deposito.
A tarifa abaixo publicada attesla bem esta verdade.|
A guerra aos inimigos, esl portanto, assim deilarada.
As pessoas, anda as mais exigentes, que se dignaren vir este estabelecimento,
GcarSo por certa muito satisfeitas, nao s quanto as qualidades dos gneros, como cota o
tratamento todo altencioso que se Ihi-s dar.
Alm documprimenlodos dtveres da boa edocaco, haver dora em diante aiada
maior capricho em satisfazer todos que honrarem esta casa.
Os gneros, pelas qualidades e precos annunciidos, sero offerecidos ao exame
idos Srs. compradores. Xoreceieo publico que se pratique o contrario, como em oulras
casas, que at annunciam o que nao tem___0 Baliza nao Ilude....
Licores inglezes e franceses era vazos de di-
versos tamaitos a l.ooo, l,5oo e 4,8oo
rs. a duzia.
Manteiga ingleza flu- a 8oo rs. a libra e de g
libras para cima ser aberto um barril na
presenca do comprador.
dem de 2.* e 3.* qualidade a 7oo, 6oo e ioo
rs. a libra.
dem franceza a 560 rs. a libra, e em barril
por menos.
Idemem latas a 20000 e a 10500 a lala.
Massa d( tomate em barril a 480 rs. a libra.
dem em lata a 610 rs. a lata.
Mostarda ingleza 400 e 600 ris o pote.
Marmelada imperial dos melhores fabrican-
tes de Lisboa a 600 rs. a libra.
Marrasquino de zara a 8oo rs. o fraseo e a
S-S a duzia.
Massas para sopa, talharim e macarro a
480 rs.a libra.
dem finas, eslrelinha e pevide, caixinha
com 8 libras a 10000.
Nozes a 10o rs. a libra.
Peixe preparado de escabeche, da melhor
qualidade que tem vindo ao mercado, a
10 a hita.
Presunto de lamego muito superior a 480
rs. a libra.
dem para fiambre (inglez) a 640 ris a
libra.
Idem americano a 400 rs. a libra.
Papel almaco a 30000 a resma.
dem de peso a 20 a resma.
Palitos pera dentes a 160 rs. o maco.
Dito dito de flor a 200 rs.
Ditos do ?az a 20200 a groza
Passas novas a 480 rs. a libra e a 10800 a
caixa.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 20500.
Dito londrino a 900 rs. a libra.
Dito prato a 640 rs. a libra.
Sardinhas de Nantes a 320 rs. a lata.
Dita de Lisboa a 640 rs. em lata grande.
Sag muito superior a 240 rs. a libra.
Sal retinado,em potes de vidro, a 600 rs.
o pote.
i Ameixas francezas em caixinhas e em frascos
de diversos tamanhos a l,2oo, l,6oo,
2,ooo, 2,5ooe2,8oo rs. e a libra a 8oo rs.
, Amendoas novas a 32o rs. a libra.
Azeite doce refinado a 8oo rs. a garrafa,
i dem de Lisboa a 64o rs. a garrafa e 4,8oo
rs. a caada.
Alpiste a 16o rs. alibra, e i,8oo rs. a arroba.
Arroz do Maranho, da India, e Java a 8c. e
loo rs. a libra.
Aletria branca e amarella a 4oo rs. a libra.
Araruta verdadeira a 32o rs. a libra.
Batatas novas em gigos de 36 a 4o libras por
l.ooo rs. e a 4o rs. a libra.
Biscoitos inglezes Lunch a IBoo rs. a lata de
5 libras.
dem de diversas marcas em latas menores
a l,3oo rs.
dem de Lisboa de qnalidade especial em la-
tas grandes e pequeas a 3,ooo e l,5oo rs.
Bolacbinhas americanas, a 3,ooo rs. a barrica
e 2oo rs. a libra.
Banha de porco a 44o rs. a libra, e em barril
a 4oo rs.
Baldes americanos muito proprios para com-
pras a l.ooo rs.
Cha huxym, hysson e perola a 3.ooo. 2,8oo.
2,5oo, 2,000 e l,6oo rs.
dem preto a 2,ooo, l,6oo c l.ooo rs. alibra.
Chanpagne a melhor do mercado a 12,ooo o
gigo e a l,2oo rs. a garrafa.
Chocolate francez primeira qualidade a t,loo
rs. a libra,
dem hespanhol a l,2oo rs. a libra.
Idem suisso a l.ooo rs. a libra.
Cerveja branca marca AUsopps a 4,5oo rs. a
duzia, e a 4oo rs. a garrafa.
Cognac inglez a 64o rs. a garrafa a 8oo e a
l.ooo rs.
Concervas inglezas em frascos grandes a 75o
rs. o frasco.
dem francezas de muitas qualidades a 5oo
rs. o frasco e a 5,5oo rs. a duzia.
Charutos neste genero temos grande sorti-
mento tanto da Babia como do Bio de Ja-; ^30 massa a 120, 160. 200 e 240 rs.
neiro a l,6oo, 2,2oo, 2,5oo. 3.000 e4,ooo lii(;_
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
rs. a caixa.
Caf do Cear muito superior a 28o rs. a libra
e a 8,000 rs. a arroba,
dem do Rio a 3oo e 28o rs. a libra.
Ceblas a 9oo rs. o raolho com mais de loo
ceblas.
Chouricas e paios a 72o rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 2oo rs. a libra.
Cevada muito nova a 80 rs. a libra.
Copos lapidados a 5 e 6,000 rs. a torta.
Doce de goiaba em latas a 4oo rs. a libra,
dem de caj em Utas a 320 rs. a lilra.
rvilhas francezas e portuguezas a 5oo e 64o
rs. a lata,
dem seccas a 16o rs. a libra.
Figos de comadre em caixinhas com 8 libras
por I600 rs.
Farinha do Maranho a 12o rs. a libra.
Farinha de trigo nftto superior a 12t rs. a
libra.
Farelo em saceos grandes a 4,000 rs. o sacco
Genebra ingleza marca gato a 1.000 rs. a gar-
rafa.
Dito de Santos e 300 rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 140 rs. cada um.
Vassoura; americanas a 64o rs, cada urna.
dem do Porto a 400 rs, cada urna.
Velas de carnauba e composico a 320 rs. a
libra e a 100 a arroba,
dem stearinas superiores a 560 rs. o
maco, ? em caixa por menos.
Vinho do Porto, neste geneno temos o me-
lhor stirtimento possivd. que vendemos
por pivcos muito baixos a 10 a garrafa o
a 10/ t li a duzia.
dem Cherry, eda Madeira em barris e em
caixa, a 120 a caixa e o barril conforme o
tamanho
dem de Figueira e Lisboa, em ancoras de
8 a O caadas, por 285000.
Dito em [tipa a 30000, 30300 e 40ooo a Ca-
nad
MiMii do Porto, denomiuado Baliza, a 50 a
caada.
dem idem em garrafes a 20500, com o
dem verdadeira de Ilollaiidaem fraseos muito ;ijem de jiur(]eaux, das raelliores marcas que
vem ao mercado, a 60 a caixa e a 040 rs.
grandes a 1,2oo rs. o frasco.
dem de Hollanda em frascos pequeos a 5oo
rs. o frasco.
dem de laranja a l,ooo o frasco.
Gomma do Aracaty a 80 rs. a libra.
Graxa a loo rs. a lata e 1,100 a duzia.
Linguas americanas de grande bOMoho a
l,ooo cada urna.
a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 10600,108oo e 20000 a
caada,
dem idem.em garrafes com 5 garrafas, por
10 com o garrafao.
Vinho de caj a 10 a garrafa. Este viimo
tem dei: annos.
Barridas do bren com 8 arrobas, de superior
qnalidade : na rna da Cadcia do Recife n 5i A,
oja Ide ferragens de Bastos},
Vende-se o eneenho 8. Manoel. sito na fre-
puezia do Rio Formom, c a margen do rio Seri
nhaem.o qual demarca com os engenhos Oachoei-
ra, Chango e Gamelleira. m> com agua o mute
Mfnre, tem rapacidade para safrejar 2,500 pSef
Mus, e se acha quasi todo em mata virgem.
distando do embarque 1|2 legoa: quera pretender,
dirija-se ra de Vigarm n. :>. sjw achara com
quero tratar.
Cal de Usboa
chegada ltimamente ; na ra do Vigario n. 19,
primeiro andar.
Vende-'se um cavallo novo e com bons anda-
res, e urna egoa de muito boa ra^i e prenne. por
prega eommodo: oa padarta do Cbora-meni\
Senhores.
Sois convidadas pelo fructo das cestas
ra larga do Rosario deposito de partera,
para abi depositadles os vossos decretos do
1833 e a vista delles receberdes sen peda
de tempo o que a arte de cesteiro pode ma-
nufacturar do vime c da palha. Attendei-me
senhores, aqui vos espera neste pequenu
recinto tettros de horcos econmicos teitos
de palha, as hualos de enancas aprendi-iem
a andar, (adairas para meninos e caixas e
I carros com assenlos para 2 enancas, lernos
i de cestos para roupa su ja, ditos de condva
e de aparates, bandejas e balaios para costu-
ra e outras obras do mesmo vime e de gus-
to aqui se achum vossa disposico. Tjo-
bem encontrareis o excellente pifo qtiento
das 5 da tarde em dtante.


Hurlo de
buce ex
-
ir

*
V

UNIAO
C0MM1ERCI0.
^ BB.VLT^k. JDMC9 ^LIMESMUMB.^J S'
Defronte da loja d Fregnlea.
III IRT: UilIEIDA
acaba de abrir o seu grande e sortido armaz* m de molhados denominado Unido e Com-
memo. Este grande armazem um dos mais bem montados que temos em nossa praca,
nao s em limpeza e aceio, como as qualidides especiaes deseus gneros. 0 proprie
ario do Unido e Commercio offerece todos os senhores da praca, senhores de engenho
e lavraores a seguinte tabeHa, por onde va'5o a grande economa que lie resulta era
comprarem em lio til estabelecimento, afi meando o mesmo todo e qualquer genero
sabido de seu armazem.
Bollinbo francez em latas e caixinhas asmis Erva-doce a ooo rs. a libra.
delicadas que tem vindo ao hosso merca- Champanha de 20 a 22,ooo o gigo.
do de 7oo a 2,5oo rs. a caixinha. I Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groza e 2o rs. a
Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada! caixinha.
vir de coota propria, a 7oo a 8oo rs, a Milfao alpista a 16o rs. a libra.
libra. Cominho muito novo a 4oo rs. a libra, e
dem franceza chegada pelo oltimo navio a ^ comprando de 8 libres para cima a 32o rs.
56o rs. a libra, e em barril ter abatimen- jomma muito alva para engomraar a 8o rs.
^ a libra, e era airaba se far abatimento,
dem ingleza em potes de 4 a 16 libras a >ag" milito novo a28ors. a libra.
8o rs, a libra e o pote separado, iaba0 verdadeiro hespanhol, que raras vezes
Cha uxim o raelhor neste genero, mandado | vem ao nosso mercado a 28o rs. a libra
vir de conta propria i 2,8oo rs, a libra. \ Vmho branco o meibor ueste genero a 8oo rs*
dem hysson, grande, muito bem a 2,6oo rs. I a garrafa e 4,3oo rs. a caada.
a librsu I'dem Bordeaux de differentes marcas, garan-
Idem preto muito fino, a 2,6oo rs, a libra. te-se a qualidade, a 8.000 rs. a caixa com
dem preto, mais baixo, 1 2,ooo re, a libra. I "na duzia, e a 7oo rs. a garrafa,
dem, verde. miudinlM), mais proprio oara Garrafes com o garrafas de vintao do Porte
ALLIANCA
GRANDE
57
57
RA DO IMPERADOR
Na beui coiiheeida loja que bi do Sr. Flix alaiate.
Paulo Ferreira da Silva proprietaho deste novo estabelecimento, teudo
chegado da Europa, aonde escolheu um grandeve variado sortimento de molhades, tem
a honra de os expor ao respeitavel publico desta cidade pelos mais resumidos precos.
Em to ptima occasKo, por estarmos prestes a fesla de Natal, o proprietario do
grande armazem Allianca offerece aos seus amigos e fregueses que o conhecem desde
quando foi socio dos armazens Progressivo e Pmgressista as maiores vantagens em com-
prarem em seu armazem.
Hoje de novo estabelecido mais precisa da concurrencia de todos estes senhores
ao seu estabelecimento. certos de qne esta casa jamis deixaro de ser cumpridas as ffe. |^,""
grandes vantagens por ella offerecidas.
MacSes de 4o a 16u rs. cada urna. ] Bolachinha de soda e lunch em latas grandes
Manteiga ingleza a mais superior neste ge-1 a 2,ooo rs. cada lata,
ero a 800 rs. a libra, e comprando de 8 Cognac de superior qualidade a 800 rs. agar-
LOJA DO PAVAO
Cassas puritanas.
Vendem-se as mais modernas cassas puritanas eem bonitos desenhos pelo barassimo Dreco de
rs. o do. ni haver rrandeporcao, pcchincla na *"'H'' '"'"' -
240 e 280 rs. o covado, por haver
Pavao.
na ra da Imperatriz 11. 60, loja 4o
negocio, a 1,000 rs, i. libra.
Bauba de poico refinada muilo alva a 46o
rs, a libra, e em barril se far abatimento.
Biscoitos inglezes das seguinte* marcas:
Craknel, Soda, Ceede, CapUin,Travellies.
Lunch, Cabin, e ouira;> uuitas marcas, a
i,loo rs, a lata.
Bolachinha de sdo, especial encommenda, a
2,2oo rs, a lata.
Biseoito inglez Craknel em latas de 7 e 45
libras a 5,ooo e 6,00c rs, e de l,2oo a
800 rs, a libra.
Queijos do reino pelo baratissimo preco de
1,6oo, 1 80 e 3,ooo rs os do ultimo
vapor,
dem prato muito fresco a 64o rs, a libra,
dem lonlrino muito fresco a 800 rs, a libra.
Vinhos em pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
48o, 56o, e 64o rs, a garrafa, e de 3,ooo a
4,000 rs, a caada.
MarmelaJa imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa em latas de 1 e mais lil>ras
a 7oo rs, a libra.
Peras secaas em caixinhas de 4,ooo a 2..000
rs. cada urna.
Figo em caixinhas de I '/< arroba e de 8 ll-
oras a 8,000, 4,ooo, e 2,ooo rs, e a 3oo rs.
a libra, taambem ha s-rinhas para m nos a 60 rs. cada urna.
Amendois de casca mole a 36o rs, a libia, e
em arroba ter abatimento.
SardinhM de Nantee a 32o rs, a latinha.
Toucmho de Lisboa muito novo a 3oo rv a
libra ( em arroba a 9,000 rs.
Massa de tomates a 64o rs, a libra.
Piraenta de reino a 34o n. a libra,
Farinha do Maranhao a 1 lo rs, a libra.
Ceblas a 800 rs. o inolho, 64o rs. o ceoto
e ,5oo a caixa.
Tijollo para Intimar facas a 16o rs,
Cerveja das mais acreditadas marcas de 5,000
a 7,5oo a duzia, e de Soo a 600 rs, a gar-
rafa,
' Prezftntc para fiambre muito fresco e novo
a 800 rs. a libra,
Genebra de laranja a l,ooo rs, o frasco,
Choaricas as mais frescas do mercado a 800
rs. a libra,
Cognac verdadeiro inglez a Ooo rs. a garrafa,
v. lo,5oo rs. a caixa com urna duzia.
Licores .francezes e portugueses de todas as
marcas de lo,ooo a 15,ooo rs. a duzia.
Passas muito novas a Soo rs. a libra c a 8,5oo
rs. a caixa. Ha caixas, meias e quartos.
Balitas a l,ooors. o gigo com 38 libras e
.oeo a caixa com duas arrobas cadauma.
Binetas ixim doces secis de 3,000 a 3.5oo
rs. cada urna.
Bolachinha ingleza a 32o rs. a libra,
Azeite francez e portuguez refinado a 800 rs.
a garrafa, c 9,000 rs. a caixa com urna du-
zia.
Conservas inglesas das seguintes marcas:
Mixefl, Pickes, e ceblas simples a 800
i;-, o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes a loo
rs. o pote.
Nozes milito novas a 160 rs. a libra e 4,8oo
rs. a arroba,
Vasts in^lezes va6ios de i a 16 libras, muito
proprios para deposite' de manteiga, doce,
e outro qualquer liquido, de 1,000 a 3,ooo
rs, cada um.
do Alto Douro a 2,2oo rs. com o garrafio,
'dem com 5 garrafas de vmho Figueira, mais
proprio para a nossa estaco por ser mais
fresco a 2,loo rs. com o garrafao.
dem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
o garraf5o,
Sabo massa de superior qualidade a 18o,
Soo, e 22o rs. a libra do meihor que ha
Craixa em latas umita nova a 12o re. a lati-
nha, e 1,3oo rs. a duzia.
Pme em latas muito novo: savol, pescada,
curvin, salmo e outras muflas quadades
preparados de escabexe, segundo a arte de
cozraha, de l,2oo a 2,ooe rs. a lata.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado e escolhido pessoalmente por um
des socios que se acha em Portugal, das
seguintes marcas : Duque, Genuino, Ve-
Iho secco especial, Lagrimas Doces de
1819, vinho especial D. Pedro V, vinhfl
velho. Nctar superior de 1833, Duque do
Porto de 1831, vinho do Porto velho su-
perior, Madeira Seeca de superior quali-
dade. vinho do Porto superior D. Luiz 1
de 1817, Lagrimas do Douro, especial vi-
nho do Porto, de l,ooo a 1,200 rs. a gar-
rafa ede lo,ooo a 12,ooo rs. a caixa com
urna duzia.
7assoura.s americanas a 800 rs. cada urna.
Velas de spermacete as melhores que ba no
mercado a 56o e 6io rs. o masso, e em
caixa se far umjgrande abatimento,
dem de carnauba e composico, de loo a
32o rs. a libra, e de 10,000 rs, a H,5oo
rs. a arroba,
Caf de l1 e 2* sorte de 8,3oo a 8,600 rs. a
arroba, e de 28o a 32o rs. a libra, do me-
lhor,
Arroz da India, Maranhao e Carolina a 3,000,
2,8eo e 2,4oo rs. a arroba e a loo rs. a
libra.
Frasqueira de genebra a 5,8oo rs.'ea 5oo
rs. o frasco.
Azeite doce em barril muito fino, a 64o rs.
a garrafa, e em cauada ter abatimento.
?apel greve pautado e liso a 3,5oo re. a
resma.
Genebra de Hollanda em botija de conta a
41o rs. a botija.
,'assas corinteas a 5oo rs. a libra e 12,8oo
rs. a arroba,
iSrvHbas franceza e portugueza a 640 rs. a
lata de urna libra.
Chocolate francez, hespanhol, suisso e por-
tuguez a I.ooo rs. a libra, e a 28o rs. ca-
da pao de urna l%.
\meixas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas, com diversas estampas
no exterior da caixa de 1,500 a 3,ooo rs.
cada urna; tambera ba frascos e latas de
differeiiles tamaiibos que se vertdem jior
mdico preco.
Massas para sopa: macarrao, talharim e ale-
tria a 48o rs. a libra, e era caixa se far
abatimento.
Garrafoes com 14 garrafas de genebra de
HoHanda a 5,5oo cada um.
Charutos de todas as marcas e dos melho-
res fabricantes da Babia de 3,ooo a 4,oo
rs. a caixa.
ATTEV^AO
Todos os senhores que comprarem para negocio ou casa particular M& para
cima teo mais 5 a 10 por % de abatimento; o proprietario scientifica mais que todos
os seus gneros sao recebidos de sua propria encommenda, razad esta para poder ven-
der pT omito menos do que em outro qualquer estabelecimento.
rafa.
dem muito superior a 1,00o rs. a garrafa.
Caf a 28o e 32o rs. a libra, e a 8,000 e
9,000 rs. a arroba.
Cerveja das melhores marcas do nosso mer-
cado de 5,000 a 6,000 rs. a duzia, e 5oo
rs. a garrafa.
Ciuisenan inglezas a 75o rs. o frasco e8,6ee
rs. a duzia.
Doce em calda a 61o rs. a lata.
Emilias fraucezas muito novas a 64o rs.
dem portuguesas a 72o rs. a lata.
dem sectas a2oo rs. a libra.
Bassouras do Porto com arcos de ferro a 32o
rs. cada urna.
Vellas de espermacete da meihor qualidade
a 56o rs. o maco.
dem de carnauba c composico a 32o e 36o
rs. a bbra e Io,ooo rs. a arroba.
lijlo para I impar facas a 12o re. cada um.
Toucinbo de Lisboa e Santos a 920 rs. a
libra.
Sevada muito nova a loo rs. a libra.
Peixe em latas grandes, savel, pescada, cor-
vina, e outras quadades a l.ooo rs. cada
lata.
Passas muito novas a lo,ooo re. a caixa e
Soo ps. a libra.
Palitos lixados para (lentes a 14o rs. o maco.
dem de flor a 2oo rs. o maco
libras para cima a 72o rs., esta a mais
superior que pode haver, tambem ba mais
baixas para menos precos.
dem franceza muito nova a 56o rs. a libra
e 54o rs. em barris ou meios.
Peras seccas muito novas a 48o rs. a bbra.
Cha perola de especial qualidade a 2,800 re.
a libra,
dem hysson muito superior a 2,7oo rs. a
libra,
dem uxim a 2,5oe rs. a libra,
dem hysson a 2,3oo rs. a libra.
dem idem a 2,000 rs. a libra,
dem preto de qualidade muito especial a
2,o rs. a libra,
dem idem inferior a l,6oo rs. a libra.
Chocolate francez, hespanhol e portuguez, a
9oo e l,2oo rs. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Babia
e de quadades especialmente (comidos,
de 2,ooo a 4,5oo rs. a caixa.
Farinha do Maranhao muito alva a 14o rs. a
libra.
Idem de araruta verdadeira a 4oo rs. a libra.
Vinbo do Arto Douro engarrafado, e os mais
bem escolhidos, lagrimas do Douro, D. Pe-
dro V, D. Luiz I. Buque genuino, Nctar
superior, Malvasia fina, Bastardo, e outros
a ll.ooo e I2,ooo rs. a duzia e 1,000 rs.
a garrafa,
dem Cherry e Madeira a 1,5oo re. a garra-
fa e 16,ooo rs. a duzia.
dem Bordeaux de diversa! marcas de 8,000
a lo.ooo a duzia c 800 rs. garrafa.
Bolaxinhas americanas a 3,5oo rs. a barrica, j dem Ikmengo vindos no ultimo
e a 24o rs. a libra. 2,0000 e 2,3o rs. cada um.
Batatas muito novas a 1,000 rs. o gigo, e60 Sardinhas de Nantes muito novas a 32o re.
re. a libra. a lata.
Banha de poico refinada a 44o rs. a libra u Sag muito novo a 2oo rs. a libra.
Cassas persianas a 360 rs. o covado.
Vendem-se as mais bonitas cassa.s persianas a imitacao de laa transparente com os desenlio',
tecidos e inleiramente novos, pelo baratissimo preco de 360 is. o covado e nao desbotam na loia do
Pavao ra da Imperatriz n. 60.
Cortes de cassas de Mara Pia a 4#000.
Vendem-se os mais modernos corles de cassa a Hara Pa, de todas as cores, com palme bor-
dadas e de variadas cores que garante se a Loa qualidade cotitendo 8 varas e meta eada corte pelo ba-
ratissimo preoo de i : na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60.
As percalas do Pavfto a 500 rs. o covado.
Vendem-se as mais finas percalas que ha no mercado, de desenhos muito mudinhos e das ais
lindas e variadas cores egarante-se serem fixas, com 4 palmos de largura, fazenda propria par;,
tidos de senhora e roupas para meninos, pelo muito barato prego de ;*>00 rs. o cevado : na loja du i'a-
vao ra da Imperatriz n. 60.
Gorgurao de laa a 500 rs. o covado.
Vende-se gorgurao de laa de cor escura propria para resudo de senhora, paletot para boirien e
roupa para menino, pelo barato preco de 300 rs. o covado : na loja do Pavao roa da Imperatriz a. 60.
As colchas do Pav3o.
Vendem-se colchas de linho adamascadas com bonitos lavres de cor de rosa, azul e braceo,
preco de 5 cada urna : na loja do Pavao roa da Imperatriz n. 60.
Organdys a 240 re. o covado.
Vendem-se organdys matisados fazenda muito fina, di bonitos desenhos, pele Laratissimo prreo
de 240 rs. o covado : na loja do Pavao i ua da Imperatriz n. 60.
As alpacas do PavSlo.
Vendem-se alpacas de seda de cores muito fina propria para vestido de senhera, miliMtliil1
qwa e roopas para meninos e dita branca muito fina propria para vestidos e paletote, pir preco mui-
to commodo : na loja de Pavao roa da Imperatriz n. 60.
Chitas do Pavao.
Vendem-se chitas escuras e alegres fazenda muito fina, padres modernas e que nao desbaa
pelo barato preco de iO, 360 e 400 rs. o covado: na loja do Pavao roa da Imperatriz n. 60-
As lasinhas do Pavo.
Vendem-se liasinhas com 9 palmos de largura de unu. so cor e dequadrinbo pelo baratissimo
preco de I 200 o covado, ditas enfeitadas com 4 palmos de largura a 500 rs, ditas malisadas mono
tinas de bonitos desenhos a 360 rs., ditas a 320 e 360 rs., ditas de quadrinuos a nnitaco do r-edinha
a 400 rs. n covado. ditas a Maria Pa com palminhas do seda a 300 rs., ditas transparentes eom paln.t-
nlias matisadas a 440 rs., ditas de quadros grandes a 240 rs. o covado, ditas pretas transparentes *
cordaozinho a 200 rs.: na loja de Pavao n;a da Imperatriz n. 60.
Vestidos soutembarques.
odernos vestidos a soutembarqi.e com lindas
simo preco de cada um : na loja do Pavao
Cortes de laa com barra.
Vendem-se os mais modernos vestidos a soutembarqi.e com lindas barras e enfeite* 'para ro-
pinbo e mangas, pelo baratissimo preco de rada um : na loja do Pavao ra da Imperatriz r. 10.
Vendem-se cortes de laa com barras matisadas o enfeites pararoupinho e mangas, os mais*
nos qae existem no mercado, pelo baratissimo preco de 18 cada corte : na loja do Pavo ra da lov
ratriz n. 60.
Os soutembarques do Pavo.
Vemdem-se os mais modernos soutembarques de grosdenaples preto ricamente enfullados, ditaa*
de cor de um tecido de laa com seda muito bem enfeiados. por preco muito commodo : na loja do
Pavao ra da Imperatriz n. 60.
Capas do Pavao.
Vendem-se ricas capas preu de grosdenaple bastante compridas, fazenda superior e mais mo
terna que ha no mercado, por preco mu. lo em conta : na loj;> do Pavao i ua da imperatriz n. 80.
Atodhado de linho.
Vende-se aloalltado de linho com B palmos de largura pelo baratissimo preco de 2SO0, tira--
Presunto para fiambre ingleses e amertanos manie de linho cora 10 palmos de largura proprio para lences e toalhas muito encorpado a &oO at
a 85o rs a libra TlUi 'M lo^a io ,av5r?* ^ lmParatmD- 60-
dem do porto a 48o rs. a libra. Crinolinas ou baloes miericauos.
Queijo prato a 04o rs. a libia. Vendem-se baloes americanos os mais modernos por serem muito fortes o bem armados de 20*
vapor a ai cos a 3> ditos de 30 a 3OO, ditos de 3o a ditos de madapo''o francez de diversos tamanhos a
34 ditos de musselina com bauado e sem elle podondo-se tirar os .reos pelo barato preco de 44 *
44300, ditos para menina, de arcos a 24, ditos de musselina a 34 : na loja de Pavao ra da Impera-
triz n. 60.
Chapeos de sol do Pavao.
em barril a 4oo rs.
dem muito superior a 28o rs. a libra.
Vendem-se chapeos de sol de sedi muilo encornada com cabo de cana e basteas de haleia pelo
baratissimo prego de 64,74 e 84, ditos marquezinhos para senhora e meninas a 24300: ua loja do Pa-
s cerniendo locovados cada corto .
canteado lo covados caite
caada e 72o rs. a garrafa,
(dem em garraoes com 4 '/*
2,5oo r. com o garrafao.
Vinagre de Lisboa muito superior
rs. a caada. >
Leja da beija-fler.
Meias rruas para homem.
Vendem-se meias cruas para homem s. 24 a du-
zia : na ra do Queimado, loja do beija-or nuine
ro 63.
Meias para senhora.
Vendem-se meias para senhora a 34200, 44 c
4o0a duzia : na ra do Uueimado, toja do bei-
Idem bamburgueza em frasqueiros a o,8oo
garrjfas pon rs.
Idem de Hollanda em garrafes grandes a
a 2,ooo o.ooo rs cada um.
M*?m em botija a 4oo rs. cada urna.
Idem mais baixo a l.ooo rs. a cauada, e 2oo arraloes vasius de diversos tamaitos a 3oo,
rs. a garrafa. 64o e l,2oo re.
dem em garrafoes com 4 'agarrafas por GommadoAracntyaSo rs. alibra muito alva
l,2oo rs. com o garrafao. Graixa a loo rs. a lata, e l,2oo rs. a duzia.
Ameixas francezas em caixinhas com ricas Licores tinos franceses em garrafas e frascos ja-flor n. 63
estanpas no exterior de l,2oo a 2,ooo rs.; de diversos tamaitos de 6oo a 8oo rs. ca-
cada urna. da um.
dem em frasco de vidro de diversos tama- Marmelada imperial de todos os conserveiros
nbos a l.ooo e 2,Soo rs. de .Lisboa a Goo e 7oo rs. a libra.
dem em latas de i 1,2 e 3 libras a l,3oo e Massa de tomate muito nova a 64o rs. a li-
. 2,3oo rs. cada urna, e a 8oo rs. a libra. bra.
Figos de comadre em caixinhas de 4, 8 e 10 Marrasquino de Zara a 640 rs. o frasco,
libirs a. I,3oo, 2,5oo e o.ooo rs. cada dem em frascos grandes a 8oo rs.
urna caixa. I Cominhos muito novos a 5oo rs. a libra,
dem em caixinhas de folha a 32o rs Erva-doce a 24o rs. a libra,
dem em caixas grandes a 2oo rs. a libra. > Pimcnta a 3Go rs. a libra,
blem em latas ermetimente larra das de 1 ,tioe Cravo da India a 64o rs. a libra.
a 3,ooo rs. Cannella a I,loo rs. a libra.
Arroz da India e Maranhao a 80, 100 e i2o, Alfazema a 2oo rs. a libra.
rs. a libra, e .ooo e 2,8oo rs. a arroba. Sal refinado em frascos de vidro a 6oo rs. o
Aiiicinloas de casca mole muifo novas a 4oo, fraco.
,;,... Pin.ic fin.!c n-jn mtni a K rtnn r a lluvia i,,llas "e ca0S ue balanco rom i boioes para mesa
lltiril- inp)S liai a-la 64200 a duzia: ua ra do Queimado, loja do
lia para bordar.
Vende-se laa para bordar, de diversas cores, as
mais lindas que se pode encontrar, a 64300 s
quem vende por este preco na loja do beija-flor
da ra do Queimado n 63.
Tranrinha para enfeites.
Vende-se trancinha para enfeites de vestidos ou
roupa de meninos, qne tambem serve para enfeitar |
i-aniisinha^de senhera; vende-se tranca branca
com 40 varas a 800 rs.
rs., com 10 varas a 260
loja de beija-flor da ra do Queimado n. 63.
Tesouras linas para unlia e costura.
Vendem-se tesouras finas para unha e costura a
100, 500 e 640 rs., ditas para costura a oOO rs. :
na rna do Queimado, loja do Leija-flor n. 63.
Facas e garios.
Vendem-se facas c garfos oilavados a 24&O0,
i ib tas Clavadas a 34, ditas de cabos pretcs a 3420O,
: Custodio Carvalho i Campa-'
nhia.
91 -Hitado aiieiuiado 36 3.
Novas laazinhas escossezas muilo linda
da encoi pada, propria para vestidos de awiora o
cnancin as, pelo barato prego de 240 rada eo-
vado. 4
RIVAL
SEM SEGUNDO
Rna ilo tiioimarfo ns
r
loja de rniudezas de Jos de
4e e
Azevedo Maia o
a peca, com 20 varas a 500 P"nc'P> o novo annoa torrar rniudezas pe
50 r s qaem tcm na s 1ue a ,odos causa admiraeao, a saber :
a (n Onpimario n f,'! Pares de sapatos de tranca muito Unos a 15600.
"?'
rs. a
Ceblas novas a
:Copos finos para agoa a .'i.ooo rs.
l.ooo rs. os molhos gran- Cbouricasnovas a 72o rs. alibra.
des e a "oo rs. o cento.
Alpista a 14o rs. a libra g 4,Coo rs. a arroba.
Macarrao, talharim e aletria muito nova a
loo e 48o rs. a bina.
Biscoitos c bolachinhas inglesas as ultimas
ebegadas ao nosso mercado a l,2oo e
l,4oo rs. cada lata.
Mostarda franceza preparada e muito nova
a 32o rs. cada um frasco.
Gonservas rancezas de superior qualidade a
640 rs, o frasco e 7,ooo rs. a duzia.
Azeite doce a 64o rs. a garrafa.
Sevadinha de Franga muito nova a 2oo rs. a
libra.
apatos de tranca muito linos a 45600.
Frascos de oleo babosa dos melhores fabricantes a
240 rs.
Ditos maiores a 400 e 300 rs.
Frascos d'agua de Colonia muito finos a 400 rs.
Sabonetes muito finos a t60, 200 e 400 rs.
Frascos grandes de agna de Lubin, o meihor,
14500.
Lapis de tinta encarnada muito finos a 40 rs.
Novellos de linha eom 800 jardas a 120 rs.
Ditos de dita com 400 jardas a 80 rs.
Frascos de macass, oleo muito superior, a !00r
t
beija-flor n. 63. : Fraseos de macass, oeo muito superior, a lOOr
Ksfovas para denles. j Duzias tic dudaes brancos em caixas de vidro
Vendem-se oscovas para denles muito finas a | 320 rs.
130, 240, e 500 rs. : na ra do Queimado, loja do} Papis de agulhas a balo Victoria a_ 60 rs.
ATTEIPO.
Neste grande armazem de molhados vende-se em grandes porces e a retalho,
fazendo-se differensa consideravel a quem comprar de 1005 para cima.
GRANULOS e XAROPE
D'HYDROCOTYLE ASITICA
de J. LEPINE
NOZIES
Rita ia Madre de licus ns. 5 c 9
\>nde-se saceos com mto libras de nozes pelo
barato pre^o de 14000, aproveitem a {chincha,
-ao no^as.________________________
Vende-se um moleque de idade de 7 anaos :
na ra Imperial b. 49.________________
4|Ha(r andares.
Vendo-5e o grande sbralo de quatro andares
da ra do Trapiche Novo n. 14, o qual se torna
ri'commendado pela sua localidade : os pretcn-
ilentes podero obter qualquer intormacao a res-
peito na ra da Cruz n. 38, ou no Forte do Mallos,
armazem n. 20.
IMiosphorofi do gaz.
Con'inua a esur iuppndo o deposito de phospho-
ro* do pu, na Iravessa da Madre de Dos na. 9 e
ii, arimuens de Ferreira & Martins, e vendem-se
por grosso e a retalho.
Massa phouphorlea
para destruir completamente ratos e baratas : ven-
.de-se nos armazens de Ferreira Martins, tiaves-
sa ila Macire de Dos ns. 9 e 16, em potes a 5D0 rs.
ida um, muito fresca por ner recenteraente che-
gada.
Para o carnaval
Yende-se ou aluga-se um:. excedente cabelleira
inteira : ia ra Nova n. 13, loja do Antonio Ro-
berto Fitno.
"nde-se urna vacca parida com cria : na
ra do Ritngel n. 46.______
Ycdvm ovas do sertao muilo boas, che-
gadaa ul imamente no vapor Mamanyuape : no
largo do (^rpo Santo u. 6, irmazem do Palmeira
A Bellriit. ________
l'arreduras de farinha e milho,
l i prec* commodo : defroate da escadinha, no
arnazcm do Acns n. 7.
MOVAS
gementes de hortalica.
Cbegaram no vapor framrez Gniene as novas se-
nenics de hortalica : na na da Cadea do Recife
a. 06 A, loja de fefragens de Bastos.
"farinha fontana.
Farinha da mrjito acredita ia marca
Fontana desembarcada hoje, vende-se
por preco mais commodo do que em
|ualquei'oulra parte : na ra da Cruz
n. i casa de N. 0. Bieber k C. sneces-
>ores.
Kua da Seazalla Kova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
Ierro coado libra a 110 rs., idemdeLow
tfoor libra a 120 rs.
Merchant
para as molestias exlernas dos animaes domsticos
e com especialidade dos cavallos.
11
ftiaratas para acabar.
Sedas de quadros e de listras a 320 rs. o cova-
do, lindas ias de quadrinhos a 360 o covado, su-
periores cassas de cores a OO rs. o covado, ditas
muito fina-; a 240 o covade : na loja daseolnmnas,
na ra do Crespn. 13, de Antonio Correia de Vas-
concelos d C.
Uav'as. .
Caixas cora macaas a 24 e a retalho para todo o
preco, a 40, 80, 120 e 200 rs. : no armazem da
Aurora Bnlhante, largo da Santa Croa n. 84.
Tboiulo.
Vendo-se tabordo do peroba e canella, de boa
ijualidade, e por preco muito em conta : no trapi-
che do Cuuha, no Forto do Slattos.
Das experiencias feitas na India, e em
Franca, resulta que as allocces da pelle, e
todas as que resultam d'um vicio orgnico
siio promptamente curadas por este noro
medicamento. Segundo um relatorio feito
na academia imperial de medicina de l'aris,
elle foi julgado ulil e eficaz nao smenle
as afl'eccdcs leprosas e em algunas outras
molestias da pelle rebeldes, mas tambem' de primeira qualidade, fabricadas com o maior
nos escrfulas e a sijphilis. E enlira, al-' esmero, as qnaes pelo modo efllcaz qne matam as
guns pralicos distinclos, e especialmente 08,fo'KM,^^^^n^adc90 ***
5 ,', n ,,-n > as fabr radas pelo antigo systema.
Srs. Uevergic, Cazenave e Uillairet, med- *
eos do hospital de San Luiz, do Pars, if-, 111!\|/ Al \\ i \ \\\\(\
fectados ao tratamenlo das molestias cu- *HliIi^ Vli lU\J*IHrlv
taneas, empregaram as preparaces d'Hy-'do?* JasmultipHs apphcacoes sao porde-
, i .i niais conhecidas: vende-se ao preco da fabrica no
drocotyle com um noUvel successo contra 0,a0 da secretaria de polica, armazem da bola
os eczemas, o pieriasis, o impeiigo e as di- amareiia.
versas.variedades de dartros, contra as af-
fecfoes syphilecticas recentes ou antigs,
a lepra, as ulceras, escrofulosas e outras,
os rlieumatisraos chronicos, etc.
Deposito geral em Paris: E. Fourniet
6 Labelonye, pharraaceuticos, rna Bourbon-
Villeneuve, 19.
Em Pernambuco deposito geral : na casa
de Caors A Barbosa, ra de Cruz n. 22.
F4HIMIV
Est se acabando a farinha igual a de Muribeca
a oi o sacro, baratissimo : no armazem da Au-
rora Drilhante, largo da Santa Cruz n. Si.
Mello Lobo & C, na ra da Cruz n. 63, tem para
vender o seguinte:
Vinho Bordeaux S. Julien.
Dito Medc.
Cognac.
Marmore e alabastro.
Rna da Imperatrizn
i. 3. Keller convida ao respeitavel publico para I Kirsch.
vir visitar a sua loja aonde tem exposto um Folha de (landres du meihor fabricante,
muito rico sortimento de objectos de marmore e < Salitre refinado
alabastro do Sr. Topl, lao elegante e barata sao as Gomma lacre.
obras que ninguera deixar de comprar para or-1 Tudo se vende por preco commodo,tanto por junto
nar salas, quartos ou copiaes. I como em pequeas porcSes.
beija-flor n. 63.
Cahunas com grampas.
Vendem-sc caixinhas de grampas a 40 rs. :
ra do Uuemado, loja do beija-flor n. (3.
* Cuiariulios para lioiuciu.
Vendem-se colarinhos de linho para bemem, de
divursos gustos, a ')d o tivo rs. : na ra do quei-
mado, loja do beija-llji u. Ii3.
Grvalas para senhora.
Vendem-se grvalas para senhora, de diversas
cores, a tO rs., 800 e i : na ra do Queimado,
loja do beija-llor n. 63.
Baloes de pnnlio para manguitos de sentara.
Vendem-se botoes de punho para manguitos de
-eiihora. de diversos gostos, a 200 rs. o par : na
ra do Queimado, loja do beija-flor n. B8.
Filas para dcbrmu de veslidos.
Vendem-se lilas para debrum de vestido de laa
pretas bordadas, com 10 varas, a 15100, dita de
teda preta a 15-00. dita de cor adamascada a
1200, dita branca de laa com 11 varas a 400 rs.:
na ra do Queimado, loja do beija-flor n 63.
Peales Iravessos para metnas
Vendem-se pentes travessos de borracha para
meniua a 400e 500 rs.: na ra do Queimado, loja
do beija-flor n..63.
Papel de diversas quadades.
Vende-se papel nmizade a OiO e 700 rs., dito de
cores a 600 rs., dito adamascado a 1.3. dito branco
a 900 rs., dito boira dnurada a l200 : na ra do
Queimado, loja do beija-flor n. 63.
Botoes de niadreperola.
Vendem-se botos tle madreperola para collete,
que tambem servem para casacos de senhora a
400 rs. a abatoadura : s quem vende por este
dreco na ra do Queimado, loja do beija-flor nu-
mero 63.
Luvas de Joavin.
Vendem-sc luvas de Jouvin para hornera e se-
nhora, chegadas no ultimo vapor : na ra do
Queimado, loja do beia-flor n. 63.___________
Banha transparente muito superior a 700 rs.
Dita Japoneza muito fina a 800 rs.
Duzia do sabonetes multo finos a 720 r_-.
Papis de agulha cora toque de ferrugem a 10 rs.,
Crozas de botoes de madreperola muito nu*
S60 rs.
Pecas de fita de cs, cstreitas, com 10 varas, a
320 rs.
Xovellos de linha branca do gai a 30 rs.
Carretehi de linha de cores muito fortes a 20 rs.
Cartoes e caixas de colchetes francezes a 40 rs.
Botoaduras brancas e de cores para col! etes a
120 rs.
Frascos le banha, pechincha, a 240 rs.
Bonets para meninos, fazenda lina, a 2$.
Caixas preparadas para costureirasa 15500,25e.
3*000.
Vassos de grampas lisas e finas a 30 rs.
Caixas de palitos do gaz c de cera finos a 20 rs.
Duzia de facas e garfos de 1 botao superiores a f
.5500.
Duzia de ditas e ditos de 2 botflcs flnissimos a
6*800.
Crozas de palitos do gaz a 2*200.
rea preta muito fina a 100 rs.
Caixas de rap com espelho a 100 rs.

i
Mamas.
Na travessa da Madre de Dos n. o, vendem-es
caixas com macaas a 3.
ESCRAVOS FGIDOS.
AGENCIA
DA
FNDICAO DE LOW-MOGR.
Ra da Sentada nova n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenbo, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
lmannos para ditos. ______
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston A C.
ra da Senzalla Nova n. 42.
_________________________________
Do engenho Jundi, sito na freguezia da Es-
cada, do major Manoel Antonio Dias, fugio na noite
do dia 2f para 36 do corrente um cabrocha, cojns
signaos sao os seguintes : idade de 18 a 20 annos, .
boa figura, baixo, cheio do oerpo, falla rouquiaha, !
ps grandes, sem serem achatados, tem urna :.
triz em tima de um dos ps de urna ferida que
teve, cabellos muito crespos, marcas veihas de ra-
lba, de norae Tranquelino, mas costuma mudar o }
nome,e intitularse forro, pois nSo a primeira ,
vez que foge, sahio com ceroula e camisa de algo-
do da Ierra, chapeo de bata ordinario pardo !
roga-se i todas as autoridades, cr.pilaes de (ampo
e qualquer outra pessoa a captura do cabrocha ai i-
ma dito i e quem o pegar e leva-lo ao sen senhor
no engenho Jundi, ou a Albino Jos Ferreira da
Cunta no Recife, ser generosamente gratlficado-
Em casado Mills Latham & C, na ruad-
Cruz n. 38, vende-se ferro galvanisado de um dos ..
melhores fabricantes inglezes, proprio pexa erters senhor Joaquim Xavier Larneiro ua cunta, que
tas de casas. pagar com generosidade a quem quer que o Jev.
Do engenho Canuio Alegre, comarca de San-
to Antao, fugio em setaabro do anDo prximo pas-
sado o eseravo de nomeaotonio, cabra bem fexa-
do, cabellos crescidos, um ueo baixo, tocador de
viola, prosista, etc., o qual suppe-se ler sabido ein
demanda da cidade de Macei, provincia das Ala- .
goas, onde mera a sogra : roga-se a todas as au- <
toridades policiaes e capilaes de campo que o i
turem e o facam conduzr ao dito engenho a seu


...
rio de Femamfeiito ftnia tolra Janeiro de i 44 i.
LITTERATURA.
r ILTO ARCHEOLOGICO E (tOGRAPHICO
PERaAMBI'HXU.
MAGNA DO i.VMVKIl.-Ai.li'.
) H podre Ijttodo Monte Caimello
.una.
De ignao para substituir ao digno orador des-
te laste to Ar^lieologiro e eographioi Peinara-
basa", no seu legitimo inireduiento, 11 rreraie o
dnerde alfar miaba, deliil roz eui sessao la
plenddi, para tambem d.pisitar meu ram;.lhete
sol-re i mesa do fostim Iliterario, e unir mcu re-
gotffo aa&tTgos jos don disi netos membros, que
h ij- i pa pilar de jubilo, |uan-
to para o hrilliantismo do an ni versa rio da fundarlo
deste Instituto.
Urna uuefa alias lio importante, deveria por
sera duvida, ser incumbida a quera, dotado de iu-
tclligencia mais aclarecida fosse v.rdadfirsmen-
te capaz de fallar como orgio de urna assooiacao
tito Ilustre, que se desvanece de ser presidida por i
una das glorias de Pcrnamlmco, por um vulto as-
ss recommendavel pelo sen saber, pilas suas vir-
tudes sociaes, o pelos seus honrosos precedentes.
Entretanto, faltouavozd?, obediencia, sobrestou
qualqaer consideraeo, que servisse de obstculo,
e rae imiioz o devcr.de aceitar o mandatum : acei-
te i o, na verdade, porque o desejo tambem de pres-
t.-.bilidada ao Instituto, a que me glorio de perten-
cer, estoidcu sen imperio sobre o vacuo do cora-
cao fechou as portas s r 'flexoos poderosas, que
rallassem em meu favor. A resi>onsabldade, pois,
da insuficiencia do orador, cae de certo mtdo ao
proprio Instituto, que o escolheu. e que de outra
ver mcllior peder reparar o seu engaa
Diffici senbores, a raisso do orador. Quan-
do outroi membros prestrnosos em virlude lo lu-
gar dislineto, iiue ocenpam, teera a liberdade de
apresent ir discursos animadores, enriquecidos de
futrases douradas, de bellcias de rhetorica, e cujos
pedneos de cloquencia arrebatara, prenden) a at-
teucao do auditorio com otom elaborado histrico
da assodacao de snas bases, ulilidade a progresso,
que ha sleancado no terrero percorrido ; o orador
porm, cireumscreve-se, corla os vos de suj. ima-
giaaco, prende os seus desejos letli a dos esta-
tutos, que apenas permitte-lhe commemorar as vir-
tudes e servicos dos membros que passaram desta
vida a vida eterna.
Seu discurso nao 6, por anlo congratulatorio ;
nao um epinicio de triumphos.porm um epicidio
acompanhado de saudosos thronos. E o quadro
com relevos de ouro, ecoberto do crc[ luctuoso ;
6 o bouquet de fragrants rusas, cercado de sau-
dades e perpetuas ; mas nao importa, que na sala
recamada de ricos festes, nppareca o crep negro
da melancola, que no meio de gratos regosijos se
deslizem lagrimas de saudivsas recordaedes; nao
importa, si ni, que na effusao de tanta alegra se
levante o cypreste da morto ; porque isto, senho-
res, nao indica se nao a oblata sincera de gratido
acrisolara, que se deposita sobre o tmulo simi-
aborto dos pergrnos das lettras, que nos legaran)
acedes hanrosas, fulgurantes rasgos d* patriotismo,
feerpisino inimitavei de suas conquistas.
corr cfTeilo bello, e sol re maneira precioso,
(disse o Dradordo Instituto Histrico Brasilero) o
degado que os varoes benemritos deixam patria
quem, depois de haverer servido com verdadci-
ra dedicicio durante sua vida, alm da inorie, eu-
rljueceri com o thesouro iuapreciavel de seus fa-
osos nomes.
Cumpre, pois, que registrndose nos archivos
respectivos os acontecimentos de lauta transcen-
dencia a magnitude da nossa poca, e os fcitos no-
tres dos nossos maiores ss vi colher nos livros
dos tmulos as paginas solas da vida dos homens
otaveis e que se nao esqueca de iorjar a chave
com que se possa abrir para eiles as ponas do
panlheon da posterdade.
0 Institato Archeologico eGeographico Pernaiu- ,
tucano, ja niais pode esquei-er os homens iilustrcs, j
que tocando extrema do fio da vida, desappare-
eeramjlo scio immenso da eterradade, deixando os'
seus ve.'ligios na trra marcados por accoes me-
ritorias.
Elle reconboco que un de seus maiores deve-
les, o pagamento desse generoso tributo a qu>;teem
inauferivel direlto os vares preclaros, que amor-
te vac ceifando ao paiz.
Confeccionando e publicando ensaios biographi-
cos de cida uro delles, vae desta arte recoinmen-
dando ai tribunal da posterdade os nomes, e fei-
*os nobres desses benemritos; c-sse tribunal, di-
ga, que deve marcar o lugar qne Ibes rompste na
galera da historia. A morto abre porta fama
eficha a da inveja.
E, poi?, o Instituto Archtologco eGeographico
rVrnambucano, conscio desta estricta verdade, re-
conhece anda, que esse dever torna-se imperioso
Kara cotn aquellos que mais estrictamente elle
gados, faziam parte de sus. familia social c as-
sim determinou e determinou mui acertadamente
que na solemnidade de suas sessiies anniversaras
urna bota fosse dada samlade dos que entre nos
separarr.-se para sempre.
liicumbiu ao seu orador o encargo de oonsa-
grar-lhes um elogio necrolgico, coma si nples
arracao de suas virtudes o trabalhos preciosos,
acedes meritorias, com quo souberam conquistar
orne, estima e tambera recomraendar-se grati-
do do Instituto.
Senhcres, cheio de maur jubilo, com o [irazer
o coraco e o riso nos latios que, eu oceupando
mmcrecidamcnte a cadeira de orador, venho an-
unciar vos, que durante o amor de nossos craba-
flhor, acadmicos, o an]o da morto nao agilou suas
flumagens negras, nao bsixou aoseio donosso
islitutc, nao por. sua mao gelada no corceo ar-
gente de algum dos nossos consocios. Nao temos,
tracas a Providencia, qne aenlir profundas sauda-
des do passado na recordarlo dos nossos benem-
ritos, que no correr do anni social tocassem mo-
rada funrea.
por certo, senhores, |randioso favor da om-
nipotencia I O favor reclama gratido, e a grali-
flio o sentimento dos coracoes generosos. Um
sproito ce sincero agradecimento rendamos a Di-
vindadt Suprema por tao assignalado benecio.
Tenho desta sorte cumprido a leltra das esta-
tutos. Porm, senhores, ser possivel que em dia
tao festivo em sessao tao esplendida, em que vejo
cintilar o riso dos semblantes do tantos vultos
cespeitaveis da nossa provincia, que concurren)
Sara abrilhantar este acto memoravel -, em dia que
az lemorar factos asss gloriosos, e de grande
transcendencia, o orador d por Anda sua missao,
nao possa expandir seus desejos, s porque feliz-
mente rao leve de imitar a Jeremas de,as ina-
goas exprimir com mil lamentos ?
Nao, senhores, esta mesraa razao a mas pode-
rosa, que oaotorsa a apartarse desta vez do c-
digo que rege o Instituto, para dirigir alguraas pa-
lvras em louvor do mesmo, em louvor do dia, em
louvor dos grandes feitos de armas, das faranhas
{rodigiosas, que cora tanto afn ostentaram os
itrepdos hroes da antiga Maurica.
O instituto Archeologico e Geographico Per-
ambucano conta hoje o segundo anno da sua fun-
daj.ao A semclhanca da columna, que noEgypto
marcav.-. a altura do trasbordainento do Nilo para
d'ahi presagiar a abundancia da colheita futura,as-
sim os dignos membros deste Instituto no dia do
eu anni versarlo sereunem em sessao magna para
annunciar a nacao o as poros o gru de diffusao
das luzes, para d'ahi calcularem-se os esperaneo-
so fructosde civilsagaoo de moralidade.
E' mister, porm, lembrar que o dia 27 de Ja-
neiro, nao s o dia do anniversario do Instituto
Archeologico e Geographico Pernambucano. A fes-
Ivel solemnidade, que, seus membros offerecem
fconsiileracao publica, nao i consagrada smente
sua ijauguracao.
0 da 37 de Janeiro, serihores, rompendo com
acus raios as densas nevoas do iorsonte brasileiro,
6 um da glorioso para o Brasil; glorioso para os
Srasileiros, e glorioso especialmente para Pernam-
aco : elle revela um pemaraenlo mais elevado e
grandioso, elle raove as fibras do coragao patriti-
co ; inspira um sentimenio de honrosa recorda-
Siio; disperu urna idea ce facauhas portentosas,
o, victorias afamadas, de trumphos assignalado-,
victorias, e trumphos da rostauracao de Prnam-
Yi j do jugo tyranno dos Mollandezes, e do ani-
quilamento do execrando e infernal cortejo das
atrocidades ferina, dos ferinos batavos.
E logo devo dizer, senho-es, sem receio de errar,
quo oda anniversario di. rreacao dosle Instituto,
tem um carcter dnplo; urna festvdade de glo-
ria Titterara, e nacional:
De gloria litteraria por<]U? tomando o Instituto
por base de sua fundajaoar^'fertibilidade da his-
toria patria, e mui especialcente na parte que con-
cerne provincia de Pernimbttco, para a ronsecu
$o de t.iolouvaveldesidenitum.vaeelleempregando
a maioi solicitode em pesquizjr e adquerir docu>
lientos importantissimos, memorias inestimaveis
que se icham esparsas, e pouco apreciadas, ou an-
tes enterradas no p de differentes archivos; em
coligir, verificar e publka-Ios 5 em descobrir mo-
numentos, tradiccoes.e pairos honrosos; em jun-
tar, analmente, todas essas preciosidades histricas,
que jazem occultas, entregues ao bratro do esque-
nment pila mao do indiferentismo, Incuria, eat
mesmo ignorancia :
De gloria nacional, porqje, ao passoqne, o mes-
mo Instituto selemnisa o dia de seu anniversario,
:oneorro simultneamente para tirar do completo
olvido os feitos nobres, as accoes heroicas, que, em
pocas remotas souberam ilesomponhar denodados
ullios da antiga Maurica; faz lembrar poster-
dade ososforcos inauditos, as forcas hercleas em-
preadas por esses intrpidos guerreiros que no
anno de 1654, anos prodigios de valor, o de gacri-
lcios immensos, esgrimirn! as armas no Totoral.
e por ultimo no monte de Gttararapes expetiiram
por urna vez do solo patrio o dominio do hollandez
audaz, e entraram triumphantes naci.lade doReci-
fe, inprinaldados dos vrenles louros de seus cm-
bale-.
E pois o Instituto Archeologico e Geographico
Pernambucano, commemorando hoje lamUmi essa
assignalada victoria, que cobro de glorias immor-
redoras c solo pernambucano, nao esqueceu-se
egualmente de consagrar urna saudade memoria
desses impvidos armgeros, que, verdaderamente
cada um cellos era
Xas palestras de Marter
Raio ardenle,
(Jue i|uanto encontrara
Fzera estrage ingente.
Desses famosos athletas do Deus da guerra, que
era conflicto tao encarnicado, para o complemento
de suas heroicas faranhas. nao trepidarain em sa-
crificar bens, forlun'as perder sangue e vida pela
do novo pernambucano.
O sacrificio incruento, ha pouco, oflerecido sobre
a ara sacrosanta ao Deus das batalhas, pelo repou-
so eterno desses denodados combalenles, falla alta-
mente em favor dos sentimenios orlhodoxos que
animam nos membros deste Instituto, que no meio
de tantos regosijos sabem tambem derramar urna
lagrima de saudade por quem tantos sacrificios
empregaram para perpetuar a gloria, e ventura
de Pernatnbuco.
Pernambueo. sim, Pernambuco guardar no sa-
crario da gratido a memoria de tao decantados
belligeros, que foram da heroicidade potente esti-
mulo, e que por seus feitos immortaes merecen),
anda hoje immortal cora : Pernambuco, repito,
guardar como rebqua os nomes de tao val en tes
guerreiras cujas proezas asss temidas, fazem a
fama no Brasil, como j fizeram no mundo as beju-
cas emprezas de Alexandre.Themistocles, Lenidas,
Scipao e o dictador romano.
A' elle cabe justamente o que j canlou a lyra
do poeta
Das edades rail beccas pregoeiras
Publicam de leas feitos altas glorias,
Quando vencendo as barbaras bandeiras,
A pal ria coroastes de victorias.
EtTi-ctvamente. os nomes dos inclytos Viera,
Negreiros, Camarao e Henriqne Dias, sero sempre
lidos com admiracao e enthusiasmo nos fastos da
historia, e a posterdade sempre que litar os olhos
para as suas effigies e retratos necessariamente, im-
pellidos |wr urna forga superior.a forca de gratido,
devera dizer, apontando para elles: aquelles fo-
ram os restauradores de Pernambuco; aquelles
foram os anjos tutelares, que nos libertaran) do
jugo hollandez; como outr'era, exclamara o povo
de Bethulia, entoando hosannas valorosa Judith,
que o livrra do furor de Holofernes : benedicta
es tu filia a Domino Deo excelso..........que te
dtrexit iarulnei-a caquis vrincipis inimicornm
nostrorum.
Senhores. em todos os temos, entre as mais
cultas nac,5es da Europa, alm dos collegios, aca-
demias, universidades, para todos os gneros de
sciencias, e fondadas pela munificencia de princi-
pes eminentemente amantes das lettras, houve
tambera em toda a parto congressos de homens
doulos, a que deram o nome de academias.
Nellas se tratavam ahincadamente das materias,
qur philosophicas. e geographicas, qur mesmo
daquellasj que, eram concernentes historia, e
archeologia.
Descrever as vantagens e beneficios grandiosos,
que se colheram dessas sociedades, que se espa-
lliaram como raios de luz por toda a parte do glo-
bo : aponiar os nomes dos hroes abalisados, que
figuraran) nesses ncleos de illustracao ede scien-
cias ; fazer a resenha da utlidade, que elles presta-
ran! s lettras, p humanidade com suas observa-
c3os admiraves, corn noticias sobremaneira inte-
ressantes, que em cada da apresenlavam em vo-
lumes difl'erentes, dados luz publica, sera por
demais enfadonho, improprio do lugar, e cuja nar-
racao cahira no desagrado pela sua prolixi-
dade.
Direi, todava, senhores, que no seio desses con-
gressos scientificos, dessas associacSes, e institutos
que, homens devotados s lettras, e ao estudo das
antguidades, no centro de seu recolhmento, e no
zeoith do sua contcmplacao revolvem livros desen-
rolam pergaminhos cobertos do p, e das cinzas
do lempo. A' sua perspicacia nada se encobre; e
o desejo ardenle de honrar a sua patria, e dar no-
rae naeao, tudo alcanca; porque, a patria o
cu dos coracoes dos bons, assim como o cu a
patria das almas justas.
Escript jras gothicas tao difflcultosas de enten-
der-se, como hierogliphicos do Egypto; inscripces
abortas em marmore escondidas na trra; ou em-
iregadas ;m edificios; arcos triumphaes, e outros
amosos monumentos, restos e vestigios de antigs
grandezas e de glorias summas; actos da corte,
contratos de grande apreco, guerras apregoadas,
pazes celebradas e outras mil noticias sobremanei-
ra interesantes, porm desterradas da memoria do*
mortaes, e at agora inaccessiveis ao nosso conhe-
ci ment, com o estudo, porm dos compositores, c
pelo ministerio dos prelos, apesar da edacidade
dos lempos, se farao tao publicas e conhecidas,
que por ellas descobrir, admirara a posterdade
as glorias mais recnditas da sua nacao.
Pernambuco, senhores, que, (como j sedisse)
urna das glorias brasileiras, urna provincia, que
tem urna historia particularmente sua, nem urna
como ella offerece assumptos mais transcedentes, e
de importancia singular para encher as paginas
da histeria da nacao; nem urna como ella tem
campos inmensos a explorar, trras virgens a ro-
tear, tradiegoes famosas a verificar, documentos
inapreciaveis a pesquizar, em summa, thesouros
o glorias i descobrir.
Effectivamente, nao se pode calentar os bene-
ficios ingentes, as vanlagens grandiosas que se co-
Ihem de labores desla ordem ; por qne, senhores,
incontestavelmente sabido, que pesquisndose
descobre-se, descobrindo se ajunta ; juntando-se
methodisase, methodisando-se leva-se luz da
publicidade ; e entao publicando-se todas essas
tradireoes gloriosas, todos esses documentos con-
cernentes historia, archeologia, e geographia de
imperio, estabelece-se um laco de unidade, e de
continuidade entre o nosso ser de hontem, e o nos-
so ser de hoje ; na phrase do Lamartine ; prepa-
ra-se o lo mgico, que deyo unir a actualdade,
ea posterdade ; o finalmente, dndose conhe-
cimentodos grandes fei tes d'armas, do herosmo
sem par, da intrepidez e coragem, com que os
nossos hroes souberam sustentar no campo bel-
lcoso a nobre causa de honra e patriotismo, faz
lembrar a gloria immorredora da nacao, e o pa-
dro do nome e fama indelevois de Pernam-
buco.
E es, senhores, os nobres o pttroticos dese-
jos, que presidirn a inauguracao deste Instituto ;
eis a missao sobre modo importante, que cumpre
deserapenhar; eU o pensamento grandioso, o an-
helo ardente com que os membros deste Instituto,
superando alguns bices e difliculdades, vo toda-
va, proseguindo na senda do encargo, que espon-
tneamente receberam, por amor do solo em que
nasceram, por que, senhores, frca confessar, Jet-
les muiu presam e presam de coraran o titulo
honroso, o nome distiocto de Pernambucanos!
O Instituto Archeologico recebeu durante o anno
social alguns donativos de obras c manuscriptos-,
os quaes passarei a mencionar como me incumbe
o estatutos.
Hemetieu-nos o Sr. Dr. Luz Antonio Vieira da
Silva, um exemplar da Historia da Independencia
do Maranhao ; otra de mrito, por elle escripia
em estillo pomposo, que revela o seu esclarecido
engenlio.
O Exm. Sr. Dr. Joao Silveira de Souza, em qua-
' lidade de presidente desta provincia, fez presente
ao Instituto do authographo do odital, que em 16
de maio de 1812 inandou publicar o Dr. ouvidor
geral c corregedor da comarca de Pernambuco,
Clemente Ferreira Franja, para a solemne inau-
guracao da villa de Limoeiro, creada por alvar re-
gio do 7 de julho do 1811.
Offereeeu-nos o nosso consocio, o Sr. Dr. Jos
Liberato Barroso, um manuscripto incompleto da
defesa do finado carmelita Fr. Joamiim do Amor
Divino Caneca, rerante commissao militar de
Pernambuco, cuja lettra se suppSe ser d'aquclle
martyr.
Egual offrrecimento fez ao Instituto, o nosso rol-
lega, o Sr. Dr. Antonio Witruvio Pinto Bandeira
beatarao pedras as tuas arvores como fructos do
inferno. Vae, t'o digo eu, queimir um cirio S.
David.
Accyole de Vasconcellos, de um manuscripto inti-
mo do mesmo finado, Fr. 1; meca.
O Instituto acollieu com (irazer as rerae.ssas do
Sr Dr. Joao Francisco Duarte, Diario da Nace
garao de Pedro tones d<< Souza 1W0. 153 ; e as. icolao, assustodo com esta prediccao, nao rev
Memorias diarias aa guerra do Brasil, desde 1630, pondeu sua mulher, deu-lhe as costas, e dirigiu-
e 16, escripias pelo Dr. Alexandre Jos do Mel- se para a cabana de Miguel, que a nda dorma,
lo Moraes, e Ignacio Accyole de Sequeira e Silva: 5 '
obras na verdade de summa importancia e mili- Ola, Miguel, o sol est fra ; em p !
dado, ecoin as quaes se enriquecer o nosso ar-
chivo.
O Sr. Dr. Manoel de Figueroa Faria nosso con- porta. Que rae queres tao teda 1
Ah
es t, respondeu o outro abrndo a
Esqueoeste a nossa aposta de hontem f
Nao, disse Miguel esfregando os 01I10-.
Entraram ambos na cabana. Al!, na presenca
do seu adversario, Nicolao devorou urna duzia de
ovos duros; depois, son a obsessao do sonho da
socio, oflercccu um exemplar do Diario de Pernam-
buco, era que vemo eilracto de urna carta do his-
po de Pernambuco, e depois de Elvas, em Portu-
gal, D. Jos Joairomi da l.unha Azeredo Coutinho,
ao principo regente de Portugal, sobre negocios
de Pernambuco.
O iioso socio honorario, o Sr. Cezar Augusto
Marques, tambem offereecu os nmeros 8, e 229 Stguiu coascllll> u ">ull.er, correu a
do Kcclesiastiro, jornal catholico do Maranhao, c,uaue o escalou a estreita vereda que conduz
onde se acha una memoria que tem por titulo : egreja de S. David, e que por suas asperezas pare-
Cimideraroes sbreos interessescathohcm do Bra- ce.S6 com o caminho do cu. Accendeu cirios
sil, pelo reverendo Dr. Jos Baymundo da t.u- *ttiljttlMh.i ,. ...
n|,a aiante aas santas imagens, al mesmo diante da li-
Fez prezente ao Instituto, o Sr. Dr. Pergcntno Sura do diabo, porque nao ha egreja na Georgia
Saraiva de Aranjo Galvfio, de tres impressos, con- que nao tenha um quadro do inferno. Perguntael
tendoa apologa dos bens dos religiosos deste um Georgiano porque ajoelha-se e dirige sui.pl-
irapeno, no lempo dos Hollandezes, e o inventario s ,,,,,.,.,.:, "lv
dwpredios queos mesmos Hollandezes edifica- ca* a, t,e,'">"'0. e elle vos responder : ..Nao se
rara ou repararan) at o anno de 1654, e das ar- ia'-,e du (luein *e pode precisar.
mase petrerlios bellicos, que elles deixaram nesta \cnl'in Hanoi .i., ,. 1 1 j u ,
provincia, quando a evacuaram. Impressos estes, :>lcoUo' W>de lur *& todas as reliquias1
na verdade, bao curiosos que muito serviro para 1*eiJuo umbral de pedra da egreja e sahiu com o
esclarecer a verdade dos factos, quando se susc- coracao alliviaio, como se estivesse certo da pro-'
tem duvidas a respeito do que constitua o patri- teceo divina,
monio dos batavos, quando dominaram a antiga
Maurica. | Herakl anda ignorava a aposta que seu pae
O mesmo Sr. Dr. Pergentno, offertoit urna c- prometiera solemnemente cuinnrir, e, entretanto
pa da carta patente d;s que costuma passar o nilfl w.-ni.-... f.,,.. ... u. .. .-
negro fantico conhecido pelo nome de Divino qUe $,Cda dZ,a s,"s devocoes, elle corra a
Mestre ; e una poesa das que em seu antro se vei *nn*> sua bella desposada. Se o amor no
reciavam. Oriente nao esl sujeilo s violencias europeas,
O Instiiuto recebeu com agrado as oferlas do ,ambem nao conhece o temor nem o disfarce. Os
Sr. Dr. Manoel da Costa Honorato ; exemplar da .,_,
Folhinha cathohea para o anno de 186i, de sua aous a|na"es. que tinham crescido juntos, acha-
composico, eoseu Diccionario Topographico fc'<- varase ligados um ao oulro pela conllanea e espe-
tatistico Histrico da provincia de Pernambuco. Nanea : Martha sabia que Herakl seria un dia o
" inconteslavel a ulilidade de semelhantes traba- m ^^ estaya saUsfeiu tfa n3o ficar ^^
A facilidade com que em rpido olhar so pode de espos" um bello rapaz. Quantas vezes elle
conhecer as localidades, posicSes, distancias, 1 Uie offerecera fructos, una pulseira, chinellas bor-
mites, edificios, e outros monumentos, e curiosi- dadas I Ella aceilava sempre estes presentes com
dades de urna provincia, dispensando longas, e ,i-pi, ,,.,,;, ______ "
enradouhas invesgac..-s, tudo falla em favor do a,ena mUaUi; Priue as Georgianas sao mu.to
atrado trabalho do seu autor, e faz anda lembrar coquettes: vaidosas, gostam de adornos, e para
o zelo, paciencia, e gosio pronunciado de ser til ellas o melhor presente um ospelho diante do
a provincia, que Ihe den toreo. qual passariara de muito boa voutade'toda a sua
0 Sr. Marcelino Santiago Vasconcellos Leitao de .. 7 ,uu" a su<*
Albuquerque, remetteu-nos urna biographia ma-,UQa- anha era conhectda no ptiz por sua gra-
ntlscripta do finado major Jos Muniz Tavares. ca, e mais de um Georgiano invejava a sorte de
O Sr. Dr. Francisco Antonio Filgueiras Sobrinho, Herakl, o feliz desposado. Quando Miguel en-
??"'**" ,U eXemplar suasPezias-A,"'or,1contrava-os conversando debaixo das arvores do
p Sr. Jos Avelino Gurgel do Amaral, enviou ao J^dim, finga que nada va e escapava-se. Que
Instituto um exemplar de seu discurso recitado, mal havia nisto ? pensava o pae. Nao eram des-
almo orador da associaeao Onze de Agosto, na ses- ^^^ ; j nio ,in|iam trocado em ^ ^ ,
sao solemne da posse da prtmeira mesa admiras-; rk .
trativa deste Instituto. I de Chnst0 .anel dos Ponsaes ? Portante am-
U reverendo Sr. Fr. Pedro da Purificaco Paz e os gozavam livremenlc da sua fraternal felcida-
Paiva, remetteu um exemplar do elogio fnebre,' de, sem pensar que neste mundo nada estavel
por elle pronunciado, em qualidade de vice-direc-1 e que talvez j a desgraca abrisse por cima delle-
hSS orp 'H0 IIS suas soa,brias a"s"
Diversos nmeros do Ensaio Jurdico daFacul- A mu|ner de Nico|a ^ d d
dade de Direito, e da Revista Mental do Instituto _.________,____ *
Scientifko, de S. Paulo, foram offertados pela* res- n um canI sua *" os seus funestos presen-
peclivas redaeges. tiroentos; mas o filho nao alterou-sc com.a impru-
0 Sr. Dr. Antonio Joaquim de Passos, oilereceu dente aposta do seu pae.
o prinielro numero do jornal A Primavera, de I
que redactor. Ambas as familias viviam em paz ; os homens
Os nmeros 1 10 do peridico O Brasil, fo- eultivavam os seus pequeos dominios, c as mu-
^i^^ssrxi!tiS^o a asa-r 7 ^ dorico- ir
offeru do Sr. Manoel Pinto Dmaso, da interessan- > "el ao seu juramento, com 1a todas as manhaas
te Memoria, escripta pelo desembargador Bernar- os seus ovos duros na presenca do visinho. Os das
do Jos da Gama, que morreu visconde de Goi-' correram, depois os mezes; emflm o outono che-
s5m8, 1: tiuiL^ u^'ao: ***a rbel,a es,a55;da Geor-
om Pernambuco. g,a- /ou,ono traz a febre nas Pregas do seu ves.
Esta obra j pelo assumpto raportantissimo de tido. O estio tem cortado o curso dos ros, d'onde
que ella trata, e j pela illuslrada penna, que a escapan) vapores insalubres; as inmundicias do
escreveo. a todos os respeitos uin donativo de ridade asia( deseccadas por um sol p ingente
subido va or, e que veio enriquecer o nosoar- ____* Lv y^^mv
ctljV0 4 H derraraam no ar as suas exhalaces. A gente po-
Tenho concluido a pesada tarefa, que me foi bre, quem enfraquece urna m comida, nao
encumbida pelos estatutos. O trabalho nao por pode resistir ao flagello que todos os annos faz
certo digno do objecto, e era tambem digno do niuitas victimas.
Instituto.
Conheco a imperfeicao delle, por que, na ver-1 A' medida que a estaco adiantava-se, Nicolao
dade, subrepujou esfera do orador. i raostrava-se mais triste e abatido : pareca indif-
A benevolencia, porm, do Instituto e do illus- fi,ponlo ...________ e ,
terente a tuuo, ate mesino ao seu cercado e ao vi-
e do Ilus-
trado auditorio, para inim a maior garanta e o
verdadero baptsmo para purificar as nodoas e os nho de Kakhetia. \via quasi sempre assentado
defeitos de que necessariamente se resente o dis- no batate da sua porta, com o cachimbo apagado
na mi ; silencioso, e cora o olhar sombro, como
se o seu corpo estivesse comprimido pelos re-
morsos. O bravo s devia queixar-se da sua in-
Sala das sessoes do Instituto Archeologico e Geo-
graphico Pernambucano, 27 de Janeiro de 186V
Padre Uno do Monte Carmello Luna.
iiiit titi.i:.
Sernas da vida greryiaia.
I
teinperanca dos dias passados. Nao importa, os
passageiros zombavam delle.
n cara do Nicolao, cocliichava um. est ama-
relia como um limaoda Trebizonda.
Amarella I prosegua outro, dze antes mais
(Conclusao.)
Aposto, dsse Miguel provando um ovo, que' verde que as diversas azetonas do seu jardm.
todas as manhaas, pelo espaco de um anno, nao j Elle ouvia estes dicterios, mas desprezava-os,
engoles sem beber doze ovos duros. e nem ao menos levantava a cabeca. Alguraas
Eu o farel. tao certo, como me estelaste hoje vees PUi dar que f*1"" s maos emmagreci-
0 rosto. das> "ava a sombra da sua cabana, (i)
Aposto que nao.
Que pararemos?
O meu bo branco.
Ests cacoando.
Todas as uvas da minha vinha, ou a colheita
do anno ?
E' pouco.
Elle nao fia ouro na sua roca, dsse alguma
m liogua.
Se isto contina, brevemente a sua roca trans-
formar -se-ha em urna tocha.
Nicolao, perguntava-lhe um amigo, estaes
doente ?
Nao, responda elle seccamente sacudindo a
Pois beui I A tua propriedade contra a "toca. E mesraa perguuta dava sempre a mes-
minha. jma resposta.
- Aceito, exclamen Nicolao balendo na mo do! J* T'^ "" f"h d9Sf ^avam, *"* P-
seu companheiro e que Deus te defenda I ""f6? ?e, C0In,,n" sfPultado no seu en,orPeci"
1 ment habitual. Martha, a quem muito amava e
Depois de ler bebido muito vnho, juraram, um que vira nascer, j tinha perdido para elle a sua
por S. Jorge, e outro por Santa Nina (3) cumprir gentileza e alTabilidade.
as seguintes condices : se Nicolao morresse no QQeres que vos cante urna bella cantiga tar-
correr do anno ou renunciasse a aposta, Miguel \ tara t dizia ella.
apossar-se-hia dos seus bens. Um signal da cruz __Nao.
corou as suas convnceos, o cada um foi para \
a sua casa extender-se sobre a prancha que Ihe!
servia de cama.
Vou frisar o vosso Koud, nao ?
Nao.
lde caca, isto vos distrahira.
Nao.
Algumas vezes Herakl conduzia-o terca a
Tiflis; mas, passado um mez, j muito pouco an-
da va.
Passou-se a noule sem que Nicolao podesse fe-'
char os olhos ; elle vira-se de um lado para o ou-
tro sobre o seu miseravel tapete, pensando na des-
graca ou fortuna que esperava-o n'um futuro mui-
to prximo. Finalmente adormecen, e teve um so- ....
,T _. 1 A sua magreza tornava-se mais visive de dia
nho que na manhaa segrate referiu a sua mu- am A .. j.
,.,,.. em da, e alguns (los de prata appareeiam na sua
llwr. Parecia-lhe ouvir no seu cercado cacareja- .. ., ... Jl
^. _,,- .. ,. barba preta. Herakl e sua mao estavam muito
rom as gallmhas que alternadamente pozeram ._.___r ._______ ,. '
., An j. .. tristes ; chamaran) um medico armenio, o qual de-
ovos de diamantes ; estes inudaram-se em esme- ,,._______, .. ,,' '
radas, ouro, prata, cobre; depois todas as galli- ^ < f* "na febre ou outra
nbas pozeram ovos de pedra, que arremessados f a"Jue/"usa- Em pouco. elle nao comprehen-
, por pernos demonios negros lataram-n'as, Ti^..^-' 0*"' Tf ^ *?
\* 1 todas as manaas .Nicolao engoia doze ovos coz-
caudo ellas sepultadas debaixo dessas iiedras, co- A m .. .^____ m .
I 1 dos no borralho, clamou e declarou que esta co-
I mida era mortal. O medico, a mulher, e o filhoi
Ao crepsculo, levanlou-sc Nicolao, bandada a debalde pediram ao obstinado Mingreliano que po-
fronle de suor, atorineiilado o espirito dessas vi- zesse termo a este funesto rgimen. O doente re-
soes nocturnas: mil ideas supersticiosas agitaran)- cusou, dizendo que nao quera perder a sua casa*
se no seu cerebro, mas o sol dissipou um pouco os O proprio Miguel se Ihe offereceu para desfazer a
seus terrores. A sua mulher, ouvindo-o, persig- aposta; elle recusou: Eu o jurei, exclamou,
nou-se devotamente e disse-lhe : ; prefiro antes morrer que violar o meu jura-
Vae hoje queunar um cirio S. David, ou'men '
succeder-te-ha mal. ~* Resltuo-te a tuapalavra.interrompia Miguel,
! entretanto que a sua lilba rhorava.
Tu, respondeu elle, est bom, mas Deus ?
Irei, mulher, mas nao nada. Pelo contra-
ro, n'um auno a pequea propriedade de Miguel
me pertencer.
Ests doudo 1 Faltam-te os meios para com-
pra-la.
O medico voltava iodos os dias, e todos os dias o
mal empeiorava. Oh I pensava Herakl, eu bem
o saba, esses malditos ramos de buxo que, na se-
gtinda-feira de Paschoa, vi sobro um rochedo do
rio, presagiavam urna desgraca, e eis-que o desti-
no tere o chefe da familia. De sua parte, a velha
Gala a bocea : sei o que digo.
Sim, sim, murmurou a velha ; sonhas com
diamantes, e s ters pedras. Hontem, quando es-
Uvas na testa, os ciganos passaram pela frente da mnlhCr reV'm es.p,r" as sPerstlC5es !*
nossa casa, e a ranha do bando, encarando-me, e ^T* ,pr ^ C,ga-
lUncou-me urna sortee rae disse: 0 leu jardim
est verde e florido ; mas no outono vindouro re-
com o seu grasno secco !
suas azas negras I
Eis a morte sobre as
(3) S. Jorge e Santa Nina sao os dous padroetros' (4) E' uso muito em voga entre os lavradores
da Georgia. 'georgianos.
Emfim Nicolao cahlu de cama e morreu. Hou-
ve em sua casa um grande senltraenro, Miguel,
generoso diante da morte, disse ao Albo de Nico-
lao que Ihe deixana a casa paterna; Herakl re-
cusou. Ella perjence-te, rcspondeu-lhc, guar-
da-a. Respeito a vonlade e o juramento de meu
pac.
K preciso ter vivido na Asia para se fater ulna
idea exacta das lamentarSes, gritos e solaros que
cercara um morto. Todos os visinlios. todos os
amigos do defunto, eliegsm e entregam se s mais
vivas uianifestacesde dr. A mulher de Nicolao
arrancava as eaas, c de minuto em minuto urrava
a botar a baixo a cabana; Herakl vociferava e
bata repelidas vezes nos petos. Na manlia se-
grate, preparou-se o pobre Nicolao com os seus
mais bellos tajos, uepuzeram-n'o, com o rosto
descoberto, em um esquife extravagantemente pin-
tado, c conduzirara-n o para o cemiterio.
Este resoou de sofocos c gritos.
Dez ou doze pessoas, que tinham carrejado o
cor| Pata o campo de repouso, ajoelhadas, car-
piam a morte, como se diz na Georgia. As iiiulhe-
res arrancavam os cabellos, davam no rosto e fe-
rian) o seio repetndo em voz baixa o elogio do fi-
nado. Linas ciikvavtm em nota grave quo suba
pouco pouco a lons mais agudos, e perguntavam
a morte : t Porque nos deixastes 1 Outras pro-
seguan) na unisonancia, espancavam-se mais,
ajuntando novos peiisainentos ao panegyrico f-
nebre.
Quanlo aos honens, davam urros desesperados,
e batiara na nuca com largos chiclas de couro.,
Herakl raisturava a sua verdadeira dr com
esla lamentavel comeda, e quando, coherta a co-
va, o acompanharaento dispersou-se, o rapaz, fican-
do s, lancou-se de joelhos sobre a trra que oc-
cultava os restos do seu pae, orou, chorou e pro-
nuncou em voz baixa estas palavras amea^adoras :
Oh meu pae, elle maloli-le, mas eu vngar-
te-hei I
II
Ao sabir do cemiterio, Herakl nao sentu-se
com forcas do ir em continente ver a sua me e
consola-la : assentou-se sobre um tmulo prximo
estrada. A sua mo arripiada apertava o sen
ktndjal.
Mata-lo-hei! repeta elle com voz abafada.
Gomtudo, pouco pouco, a calma estranba que
acompanba as grandes dores. apossou-s triste sonho Ihe fez esquecer tudo, e elle abracou
com um golpe de vista tanta felicidade perdida em
um momento. Que mal Ihe fazia a pobreza 1 Mas
a sua velha me tao respeitada I mas Martha tao
lernamente querida I A desgraca de um s golpe,
arrancava fructos e llores da arvore da sua vida.
Elle nao chorava mas : os seus olhos estavam
seceos, ardentes, porm as lagrimas inundavam o
seu coracao.
E' ueste torpor, consequencia inevilavel de um
excesso de soffrimento, que Herakl ti<:ou mergu-
Ihado at a approximacao da noule. Refrescado
pelo orvalho, levantou-se o voltou para a sua casa,
que j nao Ihe perteitca, e de que Ihe en preciso
fuglr como um escravo.
Na sua volla, achou fechada a cabana de Miguelf
que, por modestia, tinlia-se retirado em face de
uiua dupla miseria. Herakl abracou a sua me,
que diriga supplicas Virgem pela alma de Ni-
colu, c disse-lhe :
Me, deila-te ; eu vou ao cercado respirar
urna ultima vez essas bellas flores que de hoje em
diante pertencem a outro. Nao tenhas medo, me,
esteu al, son animoso. Ua noule, vae dormir;
amanha nos tornaremos a ver.
A boa mulher obedeceu, e o lilho foi passear no
jardim.
A noule possue blsamos maravlhosos para as
chagas do coracao. Herakl sentiu-s; um pouco
alliviado com essa vigilia em urna noute de outono.
Havia apenas mea hora que elle errava atravs
das veredas do cercado, quando urna vo: doce, urna
voz de moca, pronuncou o seu nome. Elle tremeu,
escutou, e a mesma voz repetiu :
Herakl I
Martha I exclamou Herakl apenando a sua
joven desposada contra o coracao. Obrigado!-----
Mas tudo est perdido I
Nao, respondeu ella, eu te amo.
Que fazer I Eis-me pobre, e o teu pae dar-
te-ha a outro.
Nunca I Deus unu as nossas maos e os nos-
sos corac5es ; s a elle restitu re o nosso anne'
de esponsaes.
Passados alguns Justantes, Martha, com os ps
descalcos, recolbia-se ao sakli de Miguel; e no dia
seguate, ao amanheeer, Herakl ia bater porta
do seu visinho.
Adeus, Miguel I dsse elle. J nao tenho des-
posada. Parto I Pertonce-te a nossa casa, nosso
jardim, tudo, excepto a minha roupa, a minha es-
pingarda e o meu kindjal.
Herakl entrou na antiga habilaco de Nicolu.
Pouco depois retirava-se chorando om sua mae.
A velha caminhava calada e triste. A um ngulo
da estrada que ss couduzia para Tiflis, ambos, por
um accordo tcito, voltaram a cabeca para a chara
morada, que verdejava ao longe, e onde elles ti-
nham passado tao felizes annos. A me solucava ;
o filho, para oceultar as lagrimas, enterrou o seu
koudi at os olhos e tomn a mo de sua me, cu-
jos joelhos trmulos curvavam-se a cada passa
Envolvida desde os ps at a cabeca com a sua
tchadra bordada de preto em signal de loto, pare-
cale cora a imagem symbolica da dr e do exilio.
A viagem, posto que muito curta, Ihes foi penosa-
Finalmente chegaram a Tiflis, e Herakl dirigiu-se
para a Perspectiva-Golovraa, onde morava Ivan
Mirzof, o Armenio mais rico e generoso da Geor-
gia, o banqueiro de que me fallara o principe Alei-
xo Ivanovitch.
Reeriu-lhc as suas miserias, e o Armenio res-
pondeu-lhe:
Para que Deus bemdiga os meusfilhos e toda
a minha familia, que a tua velha me aceite om
minha casa a hospitalidade de pao e sal I Quanto
a li, moco e forte, ir; baldaras, ou em urna das mi-
nhas aldeias, ou aqui. Escollie. Comprehendo a
la dr, e dou-te oito dias para chorares teu pae.
A viuva de Nicolu foi recommendada s cria-
das, que tiveram para com ella as atlencoes devi.
das sua edade e desgraca, em quanto Herakl.
depois de ter beijado a mao de Mirzof, sahiu da
casa prometiendo voliar ao meio-dia. Elle mar-
chou para o Oriente, e alcancou a sua antiga habi-
taco. Quera tornar a ver a sua desasada ; mas
descobriudo a Miguel no batente de sua porta, re-
trocedeu, e de novo foi ter a Tiflis, onde em sua
passagera recebia de uns e de outros pezames que
irritavam-no em lugar de consola-lo.
Na Georgia as mu heres sao precoces, pois que
casam-nas aos onze annos ; mas em ccrapensacao
envelhecem muito ct de, como essas opulentas flo-
res d'Asia que definham tao depressa sob os raios
ardentes do sol. Toda a mulher georgiana, tendo
filhos, torna-se inconsolavel com a perd do mari-
do, seu senhor, que Ihe traz os prazeres da vida
por suas riquezas, ou a abastanca por seu tra-
balho.
A morte de Nicolu, sobretodo depois da sua es.
tranha aventura, tinha sepultado na miseria a sna
viuva, que muito soffria por tor de comer o pao
amargo de um estrauho. Ella pouco vveu. O co-
racao de Herakl, esta segunda perda, encheu-
se de novo odie*, e, esquecendo al mesmo o seu
amor por Martha, desprezando os molejos dos seos
camaratlas, juroa vngar-sede Miguel, que carava
tantas sepulturas ao redor de si.
Urna noute assentado sobre um outeirnho perlo
de Tiflis, com os olhos fixos no poente, elle ceiava
exposto ao ar; morda um grande pedaco de p*o
negro que oecupava a sua mo direia, e na es-
qoerda liuha uma rasa que respirara a cada boca-
do, como para perfumar a sua frugal comida. Pen-
sava em Martlia, nos seus paes morios, em Miguel.
Na sua alma, apezar dos mezes dtorridos, a pie-
dale filial impuuha silencio ao amor. Impaciente
de vingar-se, encarava alternadamente a sua espin-
garda c o seu punlial cora olhar feroz. Goratudo
o patbulo auiedroniava-o um pouco, e o bravo ra-
paz linha, como todos os seus compatriotas, ternvel
modo do inferno.
Term nada a ceia, desamarrou de uma arvore
o seu ca vallo, cOnlou os cobres do seu surro, e foi
matar a sede uma taverna, chamada /JvAvtn de
lagrimar, onde os amigos que lera de ausentarse
costumam banhar os seus adeuses. Ali elle pedu
mea caada de vnho, assentou-se sobre um ban-
quinho, acondeu o seu cachimbo e ouvia a conver-
sarlo dos que Iwbiam seguindo com um olhar dis-
trahido ovojucundo das andorinhas. l'm refe-
ria que, sem causa justa, o sen senhor Ihe havia
dado prancliadas na estrada real, perguniando-lhe
se ella Iae pertencia. Outro queixava-se do aug-
mento da sua familia ; este gabava a belleza das
espigas quasi maduras, aquelle perdia-se em dis-
cursos sobre a excellencia do seu cavallo que can-
cn na vespera.
A conversaco animou-se, c, depois de rauita
friolera, tomou um interesse serio para o rapaz,
que nenhura dos presentes conhecia. Fallava-se
da filha de Miguel, de um bello Imerithiano, Ver-
linr, e de um principe muito rico, Nuzan, cada
um dos quaes vanglonava-se de oter, aquello pe-
la astucia, este pelo seu ouro, as boas gracas da
desposada de Herakl. Depois tratou-s de outros
objectos.
D'aqoi i uma semana, disse aquelle que che-
gra por ultimo, c a testa da Montanba-Vermelha.
[ras ella, Ivan ?
Nao, respondeu o camponez, minha mulher
esl doente, e fleo em casa.
Este bom Ivan replicn o oulro, partir o
qneijo, quando morrer.
Herakl pagou, sahiu arrebatadamente da dukan
e saltou na sella.
Senhor Deus, misericordia I exclamou elle
acarinhando o pescoco do seu cavallo. Meu pae
ser Tingado, esposarei Marlha, e Miguel me res-
tituir a sua heranra, ou morrerei !
Que idea sbita fizera surrir a Herakl, e por-
que sentase elle alliviado como por encantamen-
to ? Tinha a intenso de urtar a sua desposada e
de fug.r com ella para alguma aldeia do Cau-
caso T
Kakur, dizia elle ao seu cavallo, se Deus nos
protege, tudo ir tora !
E voltou para Tiflis mais tranquillo. Parou as
portas da cidade, e tobeu em uma venda novo can-
taro de vinho.
Gomo ests alegre hoje, Herakl diziam-
Ihe ; teu pae resuscitou 1 Vaes esposar Mar-
tha ? ^^
Esle, gracejos cravavam-se no seu coracao co-
mo espinhos ; mas, logo que o ar puro da noute
afagou o sea rosto, elle acalmou-se um pouco e
consenta era vver. Nao ha dr que urna noute
asitica nao aplaque. Quem resistira doce in-
ffoenci;. dessa magnifica natureza ? A loa brilla
e surr no azul lmpido ; o firmamento resplandece
de estrellas que parecen) maiores do que na Eu-
ropa ; dir-se-hia que no Oriente se est mais perto
do amcr e da belleza.
J milito tarde, Herakl tornou a ganhar a sua
habitado, deitou-sc sobre ura dos balcdes interio-
res, e sonhos dourados vieram encantar o seu
somno.
No da seguinte, muito cedo, frisou o seu koudi,
pozo cinto de. prata, c, ligeiro como um hornera
feliz, dirigiu os seus passos para o lado da antiga
morada de Nicolu. Em caminho, o seu semblan-
te annu viou-se om pouco, quando passoa diante
do cemiterio onde repousava seu pae ; elle persig-
nou-se umitas vezes, e continuou e seu caminho.
la tornar a ver Marlha, sua querida Martha Co-
mo o coracao ihe batial Havia muito que rio go-
za va de semelhante alegra. Apenas bateu na por-
ta de Miguel, Martha veio abr-la.
C legaste t disse ella.
Aonde est teu pae ?
Elle corta as arvores do jardim.
Vou procralo : quero falla r-lhe.
Ao menos nao alterquis.
Nao tenhaes receio.
Logo que viu o filho de Nicolu, Miguel excla-
mou :Bom da, Herakli I
Bom dia, Miguel.
Queres beber comigo uma koula de vinlio pa-
ra refrescar ?
De muito boa vonlade, responden o rapaz
apertando-lhe a mao ; depois convesaremos.
Miguel, coinsigo eslava satisfeito de ver que o
rapaz nao Ihe tinha mais odio. Entraram na chou-
pana e acocoraram-se diante de uma mesa baixa
em que Martha poz pao negro, queijo, ceblas e
vinho. Primero entretiveram-se com coasas in-
diflerer.les e frivolas ; depois Herakl interrompeu
arrebatadamente o seu hospede.
Estamos na semana sania, disse-lhe elle.
Ah sem duvida vens na vespera de quinta-
feira santa para queimar junto comigo as nossas
diabluras ?
Na noute de qainta-feira santa, na Georgia, os
christos accendem em diversos lugares ioguciras
de palha as ras, ou no pateo das suas casas pa-
ra queimar o diabo, que por sua vez tambem quei
ma|outtos, como dizem elles; e mulheres e crian-
cas danzara em circulo ao redor da labareda para
purificar-se dos seus peccados velhos, era quanto
os homens dao para o ar tiros de espingarda. Se-
gundo a tradieco, Satansz amedrentado foge pa-
ra uma montanha da visnhanca ; mas torna a en-
trar na cidade segunda-feira de Paschoa, da da
resta da Montanha-Vermelha, e as mulheres ve-
Ibas afllrraam que elle se embebeda com os cam-
ponezes e toca pfano.
Bem, accresccntou Miguel, quando chegar a
noule,_ asearemos os nossos peccadinhos do anno
Nao vim para isto, interrompeu o rapaz, mas
para pedir-te desforra da partida que meu pae
perdeu o anno passado.
Que queres dizer com isto 1
D'aqui a cinco dias, a testa da Monlanha-
Vermelba, eu te desafio para combate singular.
Ests doudo 1 Sou mais alto do que tu, tenho
a terca do um bfalo, derribar-te-bei do primero
murro. Nao, nao, nao quero malar toda a tua fa-
milia. Nao culpa minha, se Nicolu morreu :
elle obstinou-se.
Tornase preciso, replicou Herakl, cujos
olhos inflammaram-se de colera. Sabes o que se
diz de li na cidade? O Imerithiano Verlineri, o
principo georgiano Nuzan, disputara entre si a
posse de Martha, minha desposada, e o ouro do
principe...
Para que estes insultos ? exclamou Miguel.
O que me dizes, eu o ignorava. Seja bater-nos-he-
mos; mas qual ser a aposta? Tu nada tens a nao
sera tu 1 pessoa e a tua juventude, e isto nao c
sufflcieute.
.\ io importa I Sou lvre : offereco-tea minha
liberdade, se perder, em troca da casa de meu pae
e da tua.
Assim o queres ; amigo, commetleste uma
loucura! Faca-se a tua vonlade t Irei ao teu en-
terro e mandarei celebrar missas pela tua alma.
Para firmar o contrato, ambos pronunciaran) ju-
ramentos solemnes, tomando um ao archanjo Ga-
briel por testemunha, e o outro Santa Martha.
Tens sede perguntou Miguel.
Nao disse o rapaz, e relirou-se se sem despe-
dir-se de Martha, que tinha ouvido ludo e que cho-
rava em um canto do cercado. O que certa
que Miguel acceitou constrangidamente esta apos-
ta. Quanto ao filho de Nicolu, caminhando, lelici-
lava-se comsigo, sem que Ihe fosse oceulto que ar-
riscava contra o seu gigantesco adversario a sua
liberdade, o seu amor, talvez a propria vida.
(Continuar-se-ha.)
PERNAMBUCO-TYP. DE M. F. P. fli ?TLrKK
V
V
t.
i
t




j#aw?ijBB


MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10125


This item is only available as the following downloads:


Full Text

/
i
t
)
r
i

\
AHHO XL. HOMERO 23.
Per tres mezes adianiados SSOOO
Por tres mties vencidos 6JO0O
Porte ao correio por tres mezes.' 5750
k I'"* i V
-.
SEXTA FEIRA 29 DE JANEIRO DE 1864.
Por anno adiautado.....19$000
Porte 90 correio por um anno 3J000
jeneii
DIARIO
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Ale tandrino de Lima
Natal, o Sr. Antonio Marques d.t Silva Aracatv. o
Sr. A. de Lomos Braga; Cear. o Sr. J. Joc
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pindciro & C; A-
wazonas, o Sr. Jermymo da Costa.
8NCARR8GADOS DA SITOCRIPCAO NO SUL
Alagas, o Sr. (laudino Falco Das; Bahia, o
Sr. Jos Martins Al.es; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
raira Martins dt Ga.parina
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Ignirassu', Giyanna e Parahyba as segundas e
S'?xtas-f,'ir; s.
Santo Antio, Gravat, Bczerros, Bonito, Caruarn',
Jltinho e Garanhuns as toread feiras.
Pao d'Alho, Nazareth. Umoeire, Brejo, Pesqueira
Iiigazeira, Flores, Villa Bella. Tararatu', Cabrob,
loa Vista, Ouricury eExu' as quarlas eiras.
Sennhliem. Rio Formoso, Tamandaiv, Una, Barrei
ros, Agua Preta e Plmenteiras nas quintas feiras.
Ilha de Fernando todas as vezes que para ali sahir
n i rio.
Tod >s os estafetas partem ao '/i da.
EPHEMERIDES DO MEZ DE JANEIRO
5 Quarto ming. as fi h., 18 m. e 20 s. da m.
9 La nova as ,r h., 2.'' m. e 50 s. da m.
tff Quarto cresc. as 8 h., 43 m. e 45 s. da t.
2.1 La cheia as 7 h., 43 m. e 14 s. da t.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 7 horas e 42 minutos da manhaa.
Segunda as 8 horas e 6 minutos da urde.
i PARTIDA f'OS VAPORES COSTEIROS.
| Para o sul_ at Alagas a 5 e 25; p;.ra o norte at
a Granja 7 e 22 de rada mra; para Fernando nos
dias 14 dos mezes dejan, mare., maro, ful, set. enov.
PARTIDA DOS OMMBt'S.
Para o Reeife : do Apiparos as 6 A 7, 7 >/* 8 e
8 ,'2 da m.; de 01 inda s 9 da m. e ti da tarde ; de
laboatio s 61/. da m.; do- Catanga .3 Tama as 7
da m.; de Bemlica s 8 da rr.
Do Recita : par; o Apipncoi s 3 */,, 4, 4 /,. 4'/?.
5, S '/,, 3 Vj e 6 da tarde; para Olinda s 7 iki
manhaa e 4 '/j da tarde ; para JaSoato s 4 da tar-
de ; para Cachanga e Vanea s 4 "/, da tarde: para I
Bemliras4datarde.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relacao: tercas e sabbados s 10 horaj.
Fazeuda : quinta s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s II horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meic
da.
Segunda vara do civel: qnarta? e sabbsdos a 1 hora
da arde.
DIAS DA SEMANA.
2.'i. Segunda. f. Ananias; S. Juventrao m.
20. Terca. S. Polyrarpo h. m.; S. Toeogines m.
27. Quarta. S. Joo Cjirysoslomo b. dout.
28. Quinta. S. GooeatVaw Amarante deminic.
29. Sexta. S Francisco1 de Salles b.; S. Papias m.
'0. Sabbado. S. Adelelmcab.: S. Marlinharv. m.
31. Domingo. S. Pedro Nofftsto; S. Cyro m
ASSIGNA-SE
neBerife, em a livraria da pr.-rjda Iiii1n|iiiii>n 1
lis. e 8, dos proprietanos Manoel Figuein 4
Farsa, Filho.
PARTE OFFICIAL.
fiOYIHiW DA PROVINCIA.
,ift4ini* de da 26 de Janeiro de 1861,
ilieiu .10 brigade ro romnianilanttt das armas.
Queira V. Eic. e xpedir suas ordens, para que
amanha a urna hora da tarde esteja postad em
frente do convento do Carmo, una guarda de hon-
ra para assistir ssao annivetsara do Instituto
Axcheologieo e.eog raphico l'erniraburano.
Dito ao inspector la thesouraria de fazenda.
Oiiiiiiunieando-me o brigadeiro commandanta das
armas em oflkio n. 134 de 23 do correte, que
forain entregues ao capitao Antonio Cabial de
Mello Leoncio e alie es Francisco de Freitas Mo-
reno, as somatas qi.e essa thesouraria remetteu
pelo alteres Constantino Martins Fernandes, para
pagamento dos vene mentos das pracas destacadas
nas villas de Ouricury e Exii, sendo ao primeiro
dos orneados a quanlia de 4:500,1 rs. e ao segun-
do a de 1:3004 rs. : assini o declaro V. S. para
seu conhecinunto.
luto ao mesmo. Com copias dos oflkios do
brigadeiro commancaote das armis ns. 140 e 152,
datados de 23 do cor rente, remeti inclusos os do-
cumentos comprobatorios da deslea de 85100 rs.
eita pelo alteres Francisco de Freitas Moreno.
con aluguel da casa que serve de quartel ao des-
tacamento do Granito nojtermo do Ex e illumi-
nacao do mesmo qu artel, para que, mande V. S.
credita-lo por aquelle quantia, urna vez que aste-
j.ua nos termos lgaos os referidos documentos.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Tendo o arrematante dos reparos da cadeia de Se-
rinhem, feito melar e das obras de seu contrato,
segundo consta de ot.ie.io do director das obras pu-
blicas, datado de ho[ tero, sob n. 10, recommendo
V. S. que, em vist 1 do competente certificado,
mande pagar a impo -tanda da 1" prestaco, a que I
te.111 elle direito.
Dito ao mesmo. Communico V. S. que nesta |
data autorise a compra do ^material preciso para
os cem pares de algeinas requisitadas pelo adini- i
nistrador da casa de delen^ao, sobre que infor-
mou V. S. em data de 22 do crreme, pela quantia
do 234 rs.
Dito ao commandaile do corpo de policia.Po-
do V. S. contratar para o servieo do corpo sob
eucommando, o pacano Liberato Francisco de
Paula, que foi julgado apto para i;so em inspec-
ta data, a que respomlo.
Ditoao oomniaoda te do presidio de Fernando.
Pelo mestre do hiale Sergipano, serio entregues
ao almoxarife dosse presidio os ibjectos de que
trata a relacao por c pia inclusa, remettidos pelo
arsenal de guerra.
Dito ao inspector d) arsenal de marinha. Re-
metia-me V. S. i alta da enfermara desse arsenal
relativamente ao soldado do exercito Jos Francis-
co da Silva, que ah falleceu, segundo consta do
seu cilicio n. 614 de '..!! do correte, informando
V. S. ao mesmo lempo a que corpo pertencia essa
praca.
Dito camar. mun cipal de Nastreth.Bemet-
to por copia enmara municipal da cidade de Na-
jaretb, a pelieo, que me inderecou o bacharel Jos
Joaquim do Souto Lima, para que, nao bavendo
inconvenieote, c jrrija o equivoco, que seu acerca
o nome do peticionario, no diploma que Ihe en-
vi 1, como deputado provincial pelo 2* districto
cleitoral.
Dito ao director da. obras publicas. Mande
Vmc. tapar as portas e janellas do edificio que |
esta destinado para o Gymnasio, como solicitou o
Br. ehefe de policia em offlcio n 114 de 23 do j
urrente, alim de evil ir que alli se acoitem, como I
tem acontecido, iR'Ssoa turbulentas c escravos fu- i
gidos.Cominunicou-s; ao Dr. ehefe de polica.
Dito ao engenheiro fiscal da estrs.da de ferro.:
DeA'olvo Vmc. as coutas, que acompanliaram o
seu offlcio de 23 do corrente, sob 11. 166, afim d
que as fara incluir na conta geral, 1 que allude o
sufierintendenle da estrada de ferro 110 que Ihe di-1
rigi naquella data, e veio por copia annexo ao!
seu de 25 deste mesmo mez, sob n. 167, e Ihe re-1
commendo, que a preclila conta geral seja trans-
miiiida por seu intermedie, depoi de verificada
e competentemente rubricada por Vmc, devendo
ella alm disto conter a descriminacao de suas
ilitlerentes verbas de dtspezas em relaeo aos mi-
ni.-ifrios erepaiticoes provinciaes, a que perten- i
Dito ao juiz de paz oais votado do i* districto
da freguezia de S. Lourmeo Je Tejuiupapo.Res-
pondendo .to offlcio d; 18 do crtente, em que,
Vmc. me declara que deiira de instaurar a juuta :
de qualillcacao dessa feguezia, por noteraca-'
mar muni :ipal de Goi inna remettico o livro para
o lancamento da acta e mais trabadlos da mesina'
junta, tenbc a dizer-lhe que a falta de semelhante;
livro, podia ser supprda de conformidade com o
que preceilua o 16 da instruc;5e de 28 de ju- j
oho de 184!, entretanto tica designado o da 6 de
marco vindouro para a reunio da referida junta,
que dever ser couvocada, guardados os prazos
e mais formalidades da lei, tirando Vmc. certo de
que nesta d;ta mi; dirijo aquella cmara, atimde
que Ihe seja enviado o livro de que se trata.Ofll-
ciou-se cmara municipal de Goianna para re-
metter-se opn-dito lina
Ditoao juiz de paz mais votado do 1* districto
da freguezia de Ipojuca Tendo deixado de ser
iie.ialiada no dia marrado pela lei, a junta de qua-
.liuca(o dess freguezia, pelos motivos declarados
110 ofncio incluso por cr pa, que me dirigi em 21
do torrente, o 2 juir.de paz Antorio Peregrino
-Cavalcanti de Aluquerque, recommendo Vmc.
3ue fazendo 1 convocaran de que trata o art. 4"
a lei regulainentarde 19 de agosto je 1846, re-
na a referida juma nodia 6 de marco prximo vin-
doure, que pira esse li n Oca designado, e prosiga
nos de mais termos, de conformidade com as leis
c disposiedes. (>)mmuicou-se ao 2* juiz de paz
do mesmo distririo.
Dito ao comniissario "aceinador.iiemetla Vme.
com urgencia, ao brigadeiro commandante das ar-
mas, algumas laminas 01 tubos de puz vaccinieo,
para ser appli :ado s pracas existentes no hospital
mili'ar, que anda nao t veram bexigas.Commu-
nicouse ao brigadeiro (ominandante das armas.
Portara.O vice-prebidente da provincia resoi-
ve nomear o coronel Ro |ue Carlos de Alencar Pei-
xoto delegado litterario lo districto do Ex, tiran-
do exonerado dess; cari Cornelo Carlos de Alen-
car Peixoto.-Communieou-se ao director geral in-
terino da instrucciio pulliea.
Dita.O vicepresidente da provincia em obser-
vancia do disposto nos arts. 3* e 7* do decreto n.
1,354 de 6 de abril de 1*54. resolve designar os
teneriles-coronais do 2* batalho de artilharia Jos
Antonio Lopes, e dio batalho n. 43 de infantaria
Curiolano Velloso ;la Sileira, para exercercm in-
terinamente, o primeiro as funeeoes de comman-
dante superior da gnard nacional dos municipio*
do Hio-Formoso e Seriniem, e o segundo as de
ehefe do respective estar o-maior, visio se acliarem
vages esses postos. Co nrnunicou-sf aos nomca-
dos.
Dita. O vicepresidente da provincia conforman-
do-se com a prepesta d; directora geral da ins-
truc<,'So publica, cuntida em offlcio de 13 de agosto
ultimo, sob n 144, tendo em vista a tnformaeaodo
director geral interino 1 atada de 23 do corrente.
sob n. 16, resolve crear nais nma cadeira de pri-
meir is lettras par, o seo feminino na fre?uczia
de 8. Jos desta cidade, e ordena que tiesto sentido.
seezpe{am as convenientes ordeus. Fizcrairiso
as necessarias cominunicacoes.
Ikspachos do dia 26 de janeir e 1861.
Rei/ufrimrntot.
Antonio Fernandes Guedes.Espere pelo crdi-
to pe lido.
Candido ;zerra de Salles.Informe o Sr. juiz
muui.-ipal da 1 vara desta cidade.
Firmino Ahes Pimoatel.-iade/erido.
Francisco do Reg Barros.Alm do seu bora
comportamenlo, nao prova o supplicante com 01
documentos apresootados achar-so em neohuma
outra das condiedes a que se reeram os i i; 2e
3" d0?r'- M du decreto 11. 722 de 23 de outubro
de 1830, pelo que nao julgo com direito ao que
reouer.
Jos Felicio Borgcs Uchoa. -se.
Marta Rodrigues de Oliveira.Informe o Sr. pro-
vedoi da Santa Casa de Misericordia.
Manoel Thomazdos Santos. Passe portara con-
ceden do a licenea que pede o suppiicante.
Ma loel Joaquim Fernandes de Azevedo.Infor-
me o Sr. inspecior da thesouraria provincial.
Cirurgiao Simplicio Lins do Souu Fontes.In-
forme o Sr. inspector da thosourana de fazenda.
Vaico, Africano livre.Nao pode ter lugar por
ora o que requer o supplicante.
HISPANO DE PERY4HB11C0.
D. Joo da Puritlcaco Marques Perdigan, conego
regante de Santo Agostinho, por grara de Dos
e do (onselho de S. M. o Imperador etc.
ion .eneidos njs dos motivos pelos quaes temos
dispensado a abstinencia da carne nas quaresmas
transa ;tas, e certos de que existem os mesmos
motive s, bavemos por conveniente conceder igual
dispensa para a prxima quaresma, para que os
006301 diocesanos possaru alimenUr-se com o ali-
mento carnal diariamente, exceptos os dias de
quarta-feira de cinza, sextas e sabbados, e a sema-
na sana, desde domingo de Ramos at sabbado se-
guinte
Palacio da Soledade, 23 de Janeiro de 1864.
Joao, bispo diocesano.
EXTERIOR.
OHIlKSIM>\l>K\< I Vi OO I IV
mo ve per vvnnrt o.
iimuiHU).
'> de Janeiro de l.si; 1
O negocio Schkswig-IIolsteinczdomina tao com-
pleta e exclusivamente o interesse do dia, que, ao
menos a Allemanha apenas se fall.. de outra cou-
sa, e tolas as outras queslfles sao inteiramente es-
queridas.
A insurreico poloneza nao se acha ainda sup-
frimida, o goveruo nacional occnHo desaOa ainda
o poder russo; mas ningoem dsso se importa, e
as gazelas que teni de consagrar qaasi todo o seu
espaco ,ios negocios relativos ao| Schleswg-Hols-
Hin, co itentam-se com as noticias as mais insufll-
cientes cerca dis:.
Em B;rlin achoi-se reunida at pouco antes das
festas do natal a conferencia geral dos estados do
Zjlleversin, adiando-se no dia 21 de dezembro at
4 de Janeiro, e oc?upou-se dos interesses vtaes
nacionat s da Allemanha os mais importantes, da
continuacao ou dissoluco do Zoliverein. Dedi-
cou-se-ILe quando muito, a mais ligeira conside -
racao.
Na Austria, a crise ministerial no gabinete Sch-
merling-Rcchberg, que desde muito lempo se tor-
nara permanente, tomou do novo um carcter r-
deme, e tambem at hoje ainda conservou o mes-
mo. A< mesmo lempo a propaganda de Kossuth,
ni lluii} ria, deu signaos de vida, os quaes causa-
rain em Vienna ni o pequea conslernacao; a at-
tencao lublica, entretanto, nao se preoecupou
disso.
Na Hrsse Eleitoral ameaoou de novo romper um
conflicto contitucional entre o governo e a dieta.
Apenas bouve lempo para tomar-se nota disso. To-
dos os [ensarnemos e aecTies engolpharam-se no
negocio dos ducados.
J denos parte da resolucao federal de 7 de de- i
zembro, elativaao cumpnmento daexecucao con-1
tra a Diramarca, pendente desde o 1 de outubro I
do auno Ando, e acerca do modo porque fra le-1
vada a e leito pelas grandes potencias, assim como '
da indiguaco geral com que lora acolhida nos cir-
cuios da naeo. Apezar disso foi ainda duvidoso
por um momento se essa resolucao fraca e frouxa
aaria efTcctuada realmente.
Em Copenhague ameacava-se de considerar
como caso de guerra o seu curnpriment, e o con-
de Russell pensava de ver aproveitar a oceasiao, I
para fazer lodosos esforcos possveis em Berlin e
Vienna.; lini de conseguir, quaodo nao a abroga- j
cao positiva da resolucao, em todo o caso a dila-
lamnm nao ion. falta d vontade doSr.de
Bi smark e do conde de Rechberg, se essa presso,
para beni da qual lord Woodbouse apparecra em
missao ettraordinaria em Berlin e Vienna, nao. ti-
sera sucoesso. Mesmo com a melhor vontade de
parte dos ministros prussianos e austracos a cou-
sa era impossivel. Smenk sob grande pena ti-
nham ellos feito passar na assembla da dieta fe-
deral a resolucao de execucao contra as propostas
mais exigentes de Hade, Saxouia, Hesse-Darmstadt
e Oldemlurgo.
Se os mesmos ministros insistissem agora na
aiinullae; o ou dilag.io do cumprirnento da execu-
cao, riles arriscariam de tirar completamente so-
lados na liria, sem voto algum do seu lado, c de
provocar ao mesmo lempo a indignarn da naeo
da maneira a mais perigosa.
Lord V'oodhouse parti, pois, sem haver conse-
guido cousa alguuia, o emquanto que agora se es-
forcava en Copenhague para ohter alli prompta
coadescer.dencia, a execucao noHolstein c Lanem-
burgo, ti ve seu princip'io em 23 de dezembro.
As ainraras da Dinamarca, porm, nao se verili-
caram. Juasi al o ultimo momento ella tentou
por suas medidas militares conservar a apparencia
que se opporiacom forca s tropas da confedera-
cao ; ma; quando ella se convencen que a execu-
cao ia ser cumprida despeito disso, ella mudou
de tom, e as suas tropa.- se retiraram tranquilla-
mente rhegada das (ropas federaes, s.111 dar um
tiro, evac lando urna cidade e urna poscao apoz
da outra 10 ilolslein.
Smenle a fortaleza de Rcndsburg, ainda sobre
territorio Holsteinez, e a testa da ponte de Friedri-
chstadt, tambem pertcncente ao Holstein, cujas for-
lidcacoes custaram grandes sommas, elles diziam
querer su tentar.
Mas tambem isso nao se realisou. Tambem
Rendsburg foi evacuado, de mesmo a tesla de
ponte de Friedriclutadt, depois de demolida. As
primeiras tropas federaes, infantaria e artilharia
da Saxon a, entraram no territorio de Lanemhur-
go |or via da pequea estaeo do caminho de fer-
ro em Buchen, e d'alli para a parle oriental do
Ilolslein.
No dia 23 de dezembro comejou a entrada de
tropas por via de llimhtirgo, primeramente para
Aliona, e d'alli nos dias seguintes por via de Ueter-
seri, Pinneberg e Neumunster, de um lado para
Gkakatadl Ilzeho?, e do oulro lado para Ploen,
KJ( I e Rendsburg. Um caso singular teve logar,
enretante. Em conformidade da respectiva re-
solucao federal, as tropas da Saxonia e do llano-
ver deviam dar principio execucao, (cando ao
mesmo lempo enllocados 6,000 Austracos e outros
tantos Prussianos como reserva nas fronleiras do
Ilolslein.
Em contrario a essa resolucao, o general conde
de Gondrecouit, commandante do corpo de reser-
va austraco em Hamburgo, preparou-se de repen-
te no da 24 de dezembro para entrar em Aliona,
depois de ter havido no dia anterior urna confe-
rencia com o commandante das tropas dinamar-
que/as nesta cidade. Mas antes de haver elle rea-
lisado a sua intenco. o aebando-se as suas tropas
ja em marcha para Aliona, elle recebeu do com-
mandante em ehefe das trapas de execucao, o ge-
neral saxonio de Ilaake a ordem cathegorica de
nao deixar Hamburgo sem ordem sua.
O general conde do Gondrecourt vio-se, pois,
obrigado a voltar, e em seu lugar enlrou em Alio-
na um batalho saxonio. Geralmente suppoe-se,
que o conde Gondrecourt proceder segundo ins-
trueces do seu governo, e que o plano fra deixar
as trojas austracas tomar o lugar das saxonia- a
hanoverianas, cujo espirito nacional e dedicado
causa do Scbleswg-Holstein, causav.i em Berln e
\ienna a duvida, se no caso dado, ellas se deixa-
nam empregar tambem contra os ducados.
O que deu motivo para essa suspeita, foi princi-
palmente o procedimento do general austraco em
Hamburgo.
No arrebalde desta cidade, chamado S Paulo,!
tiveram lugar no edificio para exercicios gymnas-
ticos, tambem exercicios militares de mocos resol-
vidosa entrar no exercito Scnleswig-Holsteinez,
evenlualmente a formar pelo duque de Ilolslein.
Apenas chegara em Hamburgo o general Gon-
drecourt, que, ameacando de faxer cessar esses
exercicios com forca pelas suas tropas, elle fez
com que asaulondades hamburguezasprohibissem
os mesmos.
Em todo o caso esse procedimento mostrava in-
lencoes devidamente bostis aos ducados, e era f-
cil de por emeonnexao cora isso a tentativa dj
dar execucao no Holstein a mesma direccao.
Com tanto maior jubilo foi por isso saudada a n-
tervenco em lempo devido do general saxonio, e
em breve as consqucucias favoraveis so encon-
trario.
J antes da entrada das tropas federaes os mem-
bros da dieta do Holstein, em urna reunio em
Hamburgo no dia 21 de dezembro, nham resolv-
do com grande maiora o reconhecimento do du-
que Frederico de Augustemburge como duque do
Schleswig-Holstein. De igual maneira, o concilio
da Universidade de Kiel, ainda em quanto alli so
achavam as tropas dinamarquezas, pronunciara
esse reconhecimento por um endereco de adhesao
ao duque, que enviara ao mesmo para Gotha por
um dos seus decanos.
Agora que os Dinamarquezes deixavamo paiz, o
mesmo, se a direccao da execucao se nao oppu-
nha, ganhava a liberdade de manifestar publica e
expressamenle a sua vontade. E nesle caso veri- i
ficou-se o favor da destinacao, que os Saxonios e
Harioverianos se achavam testa da execur;.
Os seus corumissarios, o conselheiro intimo de
Konncritz, de parle da Saxonia, e o conselheiro
Nieper, de parte hanoveriana, nao pensaran) de
fazer opposioao alguma livre manifestacao da von-
tade do povo holsteinez, e este nao perdeu um mo-
mento de aproveitar o favor da situacao. O primei-
ro lugar, que os Dinamarquezes evacuaran no dia
13 de dezembro, foi a villa de Waadsbeck, distan-
te de Hamburgo urna meia legua, e os seus habi-
tantes immodiatamente se reunram em urna as-
sembla, j desde lempos preparada secretamente,
na qual proclamaram o duque Frederico como so-
berano legitimo.
Em poucos dias o que acontecer em Wands-
beck, se lomara urna aeco de todo o paiz.
apenas os Dinamarquezes deixavam um lugar,
3ue a populayo proclamava em assembla publica
o povo o seu legitimo duque, ao mesmo tempo
que as tropas federaes se conservavam tranquillas,
ou ao menos manifestaram claramente a sua ap-
provacao sympalbica.
Dessa mesma maneira o duque Frederico foi pro-
clamado em Aliona, Netersen, Pinneberg, Elms-
born, Neumuenster, Glueckstadt, Itzehoe, Brams- '
t>;dt, Heide, Oldesioe, Segeberg, Lutjenburg, Plaen,'
Kiel, Horst, etc. ele, ou em urna palavra em todas
as cidades e villas do paiz, tomando sempre parteas '
povoacesvisinhascomamaiorunanimidade. Alm '
disso no dia 26 de dezembro bouve urna grandeassera-'
ble de representantes de todo o |>aiz, em Elrasborn ]
achando-se presentes nao menos de 20 mil pessoas,
as quaes cumpriram a proclamaeao do duque em
nome de lodo o paiz, e no endereco de lidelulade
que ao mesmo dirigiram, elle foi convidado a com-
parecer era pesso, no Holstein para receber a ho-
raenageni.
0 duque Frederico deu seguimento a esse convi-'
te no dia 30 de dezembro, vindo de Gotha por via
de Hamburgo,onde tomou um vapor, que o condu-
zio a (iluek.-ia.lt, elle desembarcou nesse lugar ao
meio dia, e d'alu conlinuou a sua viagem cora um
trem expresso do caminho de ferro at Kiel. Com
immenso jubilo elle fra saudado em Glucksladt
pelo povo e pelas autoridades, mas atada mais iu-
commensuravel fura ojubilo em Kiel. Ninguera
tinha sabido da chegada do duque; a noticia cor-
reu como um raio por toda a cidade, e n'um ins-
tante cahio urna chuva de flores e coras sobre o
carro do duque, que da estaeo do caminho de fer-
ro entrava na cidade; as autoridades, os odlciaes,
toda a cidade foi ao seu encontr, para Ihe apre-
sentar as mais vivas ovacoes.
O duque informou inmediatamente aos comrais-
sarios federaes residentes em Aliona da sua che-
gada dando-Ibes ao mesmo tempo.adeclaracao.que
nao tinha vindo para tomar immediatamenle de
facto o governo do paiz, e fazer ditTiculdades ge-
rencia provisoria do mesmo pelos comraissarios
federaes, mas sim que viera para apresenlar-se era
pessoa ao paiz, que o condeca pouco, e ligar por
relacao pessoal entre principe e povo, mais estrei-
tamente os laeos de direito coinraum que una
amlios. E que isso pode j ser considerado como
realisado, acha-se garantido pela impresso exces-
ivamente favoravel que em toda a parte lizera a
pessoa e apparencia franca e popular do duque. A
presenca do duque raciiticou a liga entre Holstein
e o seu principe legitimo, oppondo as intrigas dos
adversarios um gravissimo facto coiisummado
moral.
Entretanto, o movimento nacional |iela causa dos
ducados na outra parte da Allemanha fortificou-se
cada da mais.
No dja 21 de dezembro reuniram-so em Franc-
fort 496 membros de dietas allemaas, representan-
do todos os partidos parlamentares, e lomaram urna
resolucao na qual pronunciaran! o reconhecimen-
to sera reserva do direito de successao do duque
Frederico, obrigando-se expressamente, cada um
dentro da sua respectiva cmara, de esforcar-se
por todos os meios constitucionaes pela execucao
desse direito de successao. Ao mesmo tempo a "as-
sembla noineou urna commissao de 36 raeabfoe,
para dar ao movimento nacional pelo Schleswig-
Holstein um centro proprio reunindo em si todos
os partidos, e formar a mediago entre a naeo al-
lemaa e o governo do duque Frederico e especial-
mente para concentrar ascootribucoes monetarias
para os ducados.
Alguns membros do partido conservador pensa-
?am nao devr approvar a crcacao de semelhanle
orgao centtal, por causa de urna illegalidadc even-
tual, mas sses votos fiearam corupletamenle isa-
lados.
Emauanto que dessa man*irao movimento na-
cicaal se coaceatftQa mai> intimameuie para m
lado, elle conrinuou de oulro ladoa esleader-se sem
mais.
Tambem nos mais pequeos lugares lormaram-
se sociedades locaes pelo Schleswig-Hclslcin, para
reunir dmheiro e voluntarios, e os h.-.bitanlus do
camin nao flcaram atrazda populae.ao urbana. De
oulro lado as dietas, em tanto que reunidas, nao se
cinsaram de dar novo impulso ao movimento por
meto de propostas, interpellaroes e advertencias
aos gvernos.
Sobre as duas grandes potencias allemaas isso
ludo, e verdade, s fez pouca impresso. Tambem
o endereco da cmara dos deputados prussiaua
(que os nossos leitores ja conhecem) o qual por
motivo da exigench de um emprcslimo de parle
do governo recommendara a el-rei da maneira a
mais urgente a necessidade de urna poltica deci-
didamente nacional, nio teve a impresso dose-
jada.
O rei tinha recebido o endereco por escriplo, e
a resposia que dera a casa em 23 de dezembro,
bem que dest. vez de forma mais suave, fora nem
por isso urna recusa nao menos clara. Dos oulros
governos, porm, que no dia 7 de dezembro vota-
ram juntamente com a Prussiae Austria pela exe-
cucao, mais de um tornou-se varillante, e simult-
neamente os oulros governos acharara no procedi-
mento do povo alenlo a animaeo de continuar
sempre eotn maior energa a aeco pela causa do
Schleswig-Holstein.
Assim se realisou entre a naviera, Saxonia, Wur-
temberg e os estados da Thuringa urna conveucao
acerca de urna aeeio coinmum na dieta para bem
do reconhecimento da successao do duque Frederi-
co, e em consoquencia a Bavira no da 23 de de-
zembro apresentou na dieta federal a proposta de
se resolverprompiarnente aquestaode successao.
bomente Mecklernburgo e Luxemburgo votaram
com as duas grandes potencias divergentes, em
quanto que todos os oulros foram em favor da pro-
posta da Bavira, elevando o mesmo inmediata-
mente a urna resolufao. Em urna das sesses se-
grales, Hesse-Darmstadt jo mais adiante, fazendo
a proposta de immediata *ccupaco do Schleswig,
e a propria Prussia e Austria pensaram agora de-
ver proceder a novas propostas, verdade que s-
mente no intuito de desviar o movimento nacional
dos seus verdadeiros lins, entrando nos mesmos
apparentemente. Ellas appresentaram na mesma
sessao da dieta federal do dia 28 de dezembro a
proposta que a confederacao convidara a Dinamar-
ca a revogar a constituido Dano-Schteswigueza de
18 de novembro ultimo, debaixo dadeclaracaoque
n outro caso a confederarn se adiara obrigada a
tomar Schleswig como penhor al cumprida a sua
exigencia.
Na mesma sessao foi tambem mais apresentada
urna nota ingleza, na qual lord Hussell reclama a
obtrvacao do tratado de Londres de 8 de maio de
18>2, convidando finalmente para urna conferen-
cia cora os assignantes desse tratado alim de ac-
commodar o conflicto com a Dinamarca. A Prus-
sia e a Austria j antes tinham-se declarado em
favor de semelhanle conferencia, e a sua proposta
communV '*, lomar em penhor o Schleswig, apenas
tuiba oulro Bm do que, com o auxili daingerencia
das grandes potencias estrangeiras contra isso ac-
celerar a conferencia.
A maneira decidida com que continuavam a op-
poscao contra os planos da naeo, mostrou-se com
toda a clareza na sessao da dieta federal em 2 de
Janeiro.
0sJJ;om,nissa'*os federaes no Holstein, por mo-
iY? aPPar'Cao pessoal do duque Frederico no
Holstein, pediram instrueces da dieta acerca do
modo por que tinharn de proceder vista desse
facto. E a Austria e a Prussia nao propuzetam
nada menos, do que o banimento do duque do seu
paiz hereditario I Ellas fiearam porm na mino-
ra; a maioria da dieta federal nada quiz saber de
semelhante acto de violencia !
Besla-nos finalmente dar um golpe do vista sobre
o procedimento das potencias estrangeiras, e sobre
os negocios na Dinamarca ; j fallamos dos esfor-
cos de lord Woodhouse para impedir a execucao,
assim como dos esforcos da Inglaterra tendentes
urna conferencia sobre a questao dano-allema. A
Inglaterra deseja conservar a paz a todo o preco,
e para esse llm ameaca ora para o lado allernao,
ora para o lado Dinamarquez, porm s se desa-
credita com isso para ambos os lados. A Prussia
conserva-sc mais reservada em frente da Allema-
nha, mas por isso est exereendo urna pressao
tanto mais forte sobre a dinamarca, fiara sob base
de concesses da mesma aos ducados, poder apoiar
tanto mais efflcazineiite o tratado de Londres c a
integridade da monarchia dinamarqueza no seu
estado actual era frente da Allemanha. A Franca,
parea, v no conflicto dano-allemo um momento,
que favorece os seus planos de congresso, c nao
tem nada a dizer contra que o conflicto se compli-
que cada vez rnais ; as changas para o seu con-
gresso sempre crescera com isso. Ao mesmo tem-
po ella enterra urna posicio completamente affavtl
s exigencias da nacionalidade allema em frente
da Dinamarca, eem urna carta ao duque Frederi-
co, respondendo urna carta aulographa do mesmo
acerca da tomada do governo, o imperador Napo-
leao exprime mui claramente que acha justificada
a sua successao.
Quanto Dinamarca finalmente, o rei Christano
IX tem a melhor vonlade de seguir os conselhos
da Prussia e da Inglaterra, e de dar a mo para
urna conciliacao com os durados. Mas elle nao
acha ministros para isso. El-rei quera a retirada
da conslitueo de 18 de novembro fundada na en-
corporaeo do Schleswig; mas o ministerio Hall
recusou, e tomou a sua demtsso. Enlre tanto la-
se aproximando o termo da entrada era vida da nova
constiluigo, o 1* de Janeiro, e nao foi possivel for-
mar-se um novo gabinete. Finalmente nada res-
ten ao re se nao um ministerio de igual opimo
do que acabava de demiltir, e de encarregar ao
rnembro do ultimo ministerio Hall, o bispo Mowad,
da nova formacao do gabinete. O mesmo cumprio
a sua tarefa, tomando anda alguns outros uieni-
bros do reino ministerio para o seu, oceupando os
outros postos com possoas pouco conhecidas. De
urna revogaco da consttuico, naturalmente era
lao pouco questao com o Sr. Mowad como cora o
Sr. Hall.
0 primeiro de Janeiro decorreu, e a consttuico
Dano-Schleswigueza licou em vigor. Entre tanto
o re parti para o exercito no Schleswig como se
suppe, de um lado para livrar-se da presso da
populaco de Copenhague no decurso da crise, e do
outro lado para inquirir-se, e quanto, na eventuali-
dade de um golpe de estado poderla elle contar
com ella.
adiamos rom a Inglaterra parece dever prolongar;, nc
nesta
i u n iJv r-"}'>,r a" P0910 no reCL'io *;s*a eventualidad?, ops
S2JM2ES2! d" !?? I"4"*8 W jar a sua conservaco no poder.
que elle devera agora explicar-se cm o conde tas-
Mil acerca daj to fallada nndiaeao de Porlugal
entre o Brasil e a CrM-Bretaaha.
A crise monetaria, |ior que tem pas-sado este
mercado
Demaw se lioriver nma guerra europea, lord
-rtuaco ; e
paiz parece dese-
sua coneerraeio no poder.
O gabineirrhprtannico qne regeitou i^rcmptoria-
menle a proposda de um congresso eure frita
pelo imperador Nafudeo, parece agora lieidido a
r ao !xpediBle de um congresso ifmilado
, nao se acha por em quanto regulada, com para a oue^lo do ducados no anal
s entr.iil.-n o,n Hnhu;..,.iu,.h.i ...,,,.1,1.., ,.; !;..._.*. u u "wc*0". no qi ai
quanto as entradas em dinliei.o tenteoT considera- ST^3gSl KS'nSSS^
laterra ten regulado de o Jf4 a 7 |o, e sentante da dieta do Francfort
0l0 sobro ura Woodhouse lew conseguido em Ccnpe-
fora desse cstabelerimenl y
Stock xchauge.
90 1(4 a r
o U|(| tuu., J3 vira n|V(,j a
ultimo empreslimo acha-se a I 11,2 de de. Entretanto Td&$SL pareCP oppr-se e*
aocuerendo neniar i5n hni .u-eic-in
cont. Portuguezes 3 Ojq 47 1|2. Hespanhcs 3
0|0 :>- 1|2. Peruanos 4 Ii2 Oi(>86. Russos 4 1|2
Dio 87. Italianos 5 0n> 67 li2. E Venezuela 6
0|n lio.
O algodo de Pernambuco tem mantido boa pro-
cura, e Dea colado a 29 d. por libra; o da Bahia
Percwt'TaR,; (.^f?.!1'tannico ?5 eit3 ^i*** "> W* TuU
Cafe de quahdade 72 s. 80 s per c* erre a Dinamarca e a Omfederaco (iermanica.
recurso, nao querendo perder (ao boa oceasiao para
o desniembraniento da Dinamarca e nem por isso
a Oraa-Bretanha se mostra deeedida a apoiar pela
forra aquillo i|ue ella considera ser o direito da
nac.10 dinamarqueza.
At ao presente tudo indica que o gabinete bri-
* Hiri Ho o a V5"T"3 "1 i" r. '",' .""c """"'"arca e a t.onederaco i>ermamca.
M.A pe cw;.dJlira^70 1^'^ t 2? ^*> ***> V& -asr *** P-
nelad. Assucar branco de-pVnambuco-e^Pa- TJS^^gS^SSl
6 32 X& dC i VS 1 6Hd> ^ Ubra-' ra 'im ,,,C0a '-'rmrdeLa'concessao' ni
1,1,1 m, I..S, Bi/,A acaba deannunciarsubmetler-se s violencias da dieta de Pra
um prximo divideudo de o 0i0, conservando urna
reserva de vinte mil libras. Os directores affian-
gam no relatorio que brevemente apresentaro
assembla um estado prospero para a empreza,
comquauto indiquem que as filiaes estabelecidas
em Portugal nao hajam produzdo por cmquaulo
o efleito desejado.
No dia II do correte lera lagar a assembla ge-
ral dessa companhia, peranlc a qual ser lido esse
relatorio, cujo resumo foi j publicado.
, Na ultima quinzena chegaram do Brasil varios
portos da Inglaterra os seguintes navios :
Da Parahyba Onward (23 de dezembro) a Que
enslown
da 1
Rio Grande Mara (i) a Ransgate.
De Inglaterra para diversos portos do Brasil se-
mas aao-
no pode
Francfort,
porque isso seria perder no paiz toda influencia
comprometiendo assim a causa publica e com esta
a sua dynastia
Est pois disposto a defender o Schleswig, e pera
rsso tem tomado posg,oes fortes em Rendsburg e
rrederichstadt. onde espera ser em breve ataca-
do pelas tropas federaes, visto come j fot intima-
do para evacuar esses pontos.
O exercito federal oceupa Aliona, Kiel e outros
pontos, onde o Juque Frederico d Augustemburgo
temj sido proclamado soberano em detrimento
dos direilos de el-rei Christano.
Os commissarios federaes nao se lem opposto a
que
_ em
favor do pretndeme.
nZZ I'' u 'a Ej ,c aeraT a "Sr commissarios federaes nao se tem oppoi
a'p-lhw!^ Rzi0.?raS?.e *?2tt,utn(7) a,Falraouth, este movimento, pelo contrario tem declarado
Lrrtl"'"'^1^ aQueeQstowaiedoifenaoopporao a inanifeslages svmpathicas
De InS (3,.,a- Ran5ate", c.. M <"<" do pretndeme. E pois bem fcil de ver que
ff,iiram -Para dlve,r^s Prto.dd "f'/A", Ia execugo federal leva outras vistas do que as as-
nara n^UI?t0,S-: d L^-rJ>M\ Ma'% Blf W signaladas. e que a nao ser que as grandes poten-
SZ. M-l m ,' ii.Ch^VeJP%1 V CJ?^J,"'n' Clas "'-venham em prol da Dinamarca, soouVra
it(Vr? a a ah,ade uy\Le*,?urdliy Para mu a hora de ser repell.da iiela AJIenianna pan
KIO Grande: ft d,i Tartmonlh Wi.i *^ p
e da Dartmouth Elisa (o) para o
10 Grande
Para.
Sua mageslade a rainha contina
em Osborne com a sua real familia.
a Intlaod o Zealand.
I Ninguem desconhece o alcance dos successos qne
a permanecer a dieta esU pre|>arando contra a Dinamarca, mas
ihjbTf? a"!rea Um 1 ulmed0iue todos ,eem duma *a*rn 8eri
Galles de^,nU,rrenu pr".,C'P? ea pr,nSS d? curo^ 1UB nenhu' eabinet^ importante se atre-
\V dsar ^ u a lUtA resl en,cia- r,cgreb.sand:,Ka I w a desenliar bem sua uuliiica para manter o equi-
STS Se acha,n at:tuaImenUj- / ralha librio da Europa, que alias sera violado pela des-
n^rraarap^rmUI,0,CmpoaSUaf1ei'd,en^aKn nembraco da!l)iiamarc ^
?or O rei d ,'tnL?ag-'^ 'VnlfV. K -Tal a Mvo geral que offerece a famosa qnes-
sor. u re aos Belgas e aqu esperado ale o hu do |0 dos ducados
nns't,.m?, n? TaSf'-'i 'f,'01011? reSd|r \ veniente m espera aqu a noticia das hostili-
gumas semanasnaIba de Wh.ght, onde vai hab^^ades entre o exercito dinamarquez e o federal, a
Londres, 8 de Janeiro de 1861.
Recebemos aqui a mala do Brasil no dia 2 do
corrente, havendo chegado o paquete Oiuida nesse
mesmo dia a Southampton.
As fidlias desta capital annunciaram; por noti-
cias xtrahidas do nosso jornal Brsit que Sua Ma-
gostado o Imperador deixra o porto do Rio de Ja-
| neiro no dia 5 de dezembro ultimo, a bordo da
I corveta a vapor Nicterohi/ seguida da fragata a va-
| por Amazonas, afim de inspeccionar varias obras
le defeza mandadas execntar na costa do Brasil
! prximo do porto da capital. Tambem publicaram
I que a subscrincao nacional fora encerrada com a \
somma de mil e eem cont?, a fra as poreenta-
gens com que eoncorreram os empregados publi-
! eos. Estas noticias despertam aqui cada vez mais
i o desejo do ama conciliacao entre oslo governo e o
I do Brasil? mas o gabinete Palmerston nada lera!
I adiantado por em qnanto-na questao daconcliaca,!
le por.-qonseguinte o estado, excepcional em quenose
lar casa de Sir Augustus ClilTord.
No dia 4 do prximo mez ter lugar a abertura
do parlamento britannico. A falla do ihrono
aguardada com anciedade, porque o publico inglez
deseja orientarse nas grandes questes do dia. E'
assim que se espera ver claramente desenhada na-
quelle documento a poltica do governo britannico
em relacao questao da Dinamarca com a Confe-
derado Germanica.questo que hoje est pondo em
grave perigo a paz da Europa
Em todas as grandes questes de poltica exte-
rior a Inglaterra tem ltimamente (ilubiado, por-
que qur conservar a paz da Europa a todo o cus-
i : mas esta tctica nao tem impedido de que os
grandes successos polticos que tem tido lugar re-
centeraente no voltio mundo, vo segundoseu cur-
so natural, sem que todava este gabinete luja po-
dido dar-lhes uma direccao conveniente. Ora este
o inconveniente que muitos homons polticos re-
conhecem nossa poltica do gabinete Palmerston, e
pelo que ha muito quera preveja grande erabara-
co para a Gra-Bretanha, era consequencia do iso-
lameuto era que se vai col locando.
A falla do throno alarmar provavelmente que
o governo britannico mantera o tratado de Londres
de 1832 em relacao successao do throno dina-
marquez na pessoa do re Cluistiauo. Mas que fa-
ra a Inglaterra, caso a dieta de Francfort llzer oc-
cupar o Schleswig, o o exercito dinamarquez resis-
tir a essa oceupaco como parece estar disposto a
isso? O equilibrio europeu inipe a este governo
o dever de oppr-se desmeiiiiiraeo do reino da
Dinamarca, e para isso cone.orrer'por certo se es-
ta vier a perder aquelle ducado, sem fallar nos do
Ilolslein o do Lanenburgo ; mas a impreusa se in-
clina a crr que mesmo nesse caso o governo inglez
nada far em favor da Dinamarca, ou que se limi-
tar a mandar para Compeubague uma esquadra
de observaeo. Esta total abstencao d'uma to im-
portante potencia na poltica da Europa tem-lhe
acarretado muitas odiosidades, e a propria Dina-
marca se mestra altamente descontente com a ac-
tual poltica do ministerio Palmerston Russell.
Quanto questao polaca, ninguem espera de-
monstraco alguma no discurso da cora : segundo
teniio sempre useverado, o goveruo da rainha to-
mou por base da sua aeco contra a Russa a res-
peito daquella questao o campo da diplomacia.
Nesse documento se alludir novamente as instan-
cias, feilas por este governo em favor daqucllepo-
ve heroico; mas ludo se resumir nessa menco.
O ministerio presidido por lord Palmerston aca-
ba de passar por uma modificaoo pela sabida do
duque de New-Castlo, que resiguou a pasta dos ne-
gocios das Colonias por motivo de sade. Tem-se
dito que lord Palmerston deixar tambera o poder
pelo mesmo motivo, e que ser substituido pelo
conde de Clarendou, alias do mesmo partido da-
quelle ministro. E' verdade que o vellio Palmers-
ton se ada actualmente enfermo com um ataque
de gotta ; mas isso nao ser motivo para que sua
enfermidade se prolongue durante muito tempo.
Nao por emquanto conhecdo o successor do du-
que de New-Castle, o at se diz que at ao presen-
te o primeiro ministro nao conseguir adiar era
estadista importante que queira aceitar aquelle to
alio posto de conlianca real.
O rumor espalhado acerca da retirada de lord
Palmerston tambem fundado na constante diver-
gencia que parece existir entre esse ministro e
lord Russell quanto s questes de poltica exte-
rior.
O reconhecimento da confederacao do sul por
este governo, advogado em tempo pela folha de
lord Palmerston, foi causa da primeira divergen-
cia entre esses dous estadistas ; mais larde a pol-
tica nimiamente prudente de lord Russell em leta-
<;ao aos successos da Polonia provocou nova desu-
nio neste gabinete, havendo sido muito fallada .1
retirada do ministro dos negocio- estrangeiros. Ora
nestas rrireumslaneas se acredita que um tal esta-
do do cousas permanente hade netessar mente tra-
zer a dissoluco do gabinele ; e por isso se attnbue
a esta c outras causas a crise em que se suppde
adiarse o ministerio inglez. Parece-me porm
quo prematura ess^, predic$o, e que mesmo
quando Inl Palmerston venda a receiar a cmara,
Nle a dUsaheri de.preferencia, a deixar ogover-
menos que leuha lugar o congresso que a Gria-
Bretanlia parece haver proposto para nelle ser dis-
cutida aquella diliculdade.
Muitas potencias secundarias da Allemanha, i
testa das quaes se aciia a Bavira, tem sollicitado
da dieta o reconhecimento do principe Frederico;
mas a Prussia e a Austria, que sao signatarias do
tratado de Londres de 1852, tem resistido at ao
presente a esse expediento, consegurado pelo con-
traro resalvara quesiaoda successao federal pelos
motivos bem sabidos.
Entretanto a influencia de toda a Allemanha em
favor desse principe pretndeme tal que se re-
ceia que a dieta de Francfort reconsidere esse
ponto e venham alinal a reconhecer o direito do
principe d'Augustemburgo aos ducados. Neste ea-
so a Inglaterra protestara contra a violaco de
tratado de Londres de 18o2.
A resposta que no dia 1* deste mez dirigi em
Turiu el-rei Vctor Emmanoel depulacao das c-
maras encarregada de comprimenta-lo, tem causa-
do no publico vivasensacao ; porque aquelle sobe-
rano, alludindo s complicacoes existentes na Eu-
ropa, parece indicar que chegado o momento
para a Italia de entrar em aeco.
Nas regies oflQciaes se assevera, porm, que
aquella linguagem nao tem esse alcance, levando
someule em vista animar a opinio na Italia com
uma tenue esperanca da final soluco da questao
nacional.
Os fundos pblicos italianos solTreram todava
grave tui xa, e essa circunstancia pode at certo
pouto considerar-se como um barmetro poltico.
A Italia geme hoje sob o peso de um dficit enor-
me, causado pelos extraordinarios armamentos, e
por isso anhela que venha o momento para por *m
aeco os seus tres-ratos mil soldados.
Tal tentativa seria porm nas actuaes circums-
tancias uma loucura, ao menos que o gabinete do
Tumi contasse com a Franca, o que todava nao
provavel.
Annunciam algumas folhas que sua alteza im-
perial o archiduque Maximiliano brevemente es-
jierado em Parts, onde vai conferenciar com o im-
perador Napoleo acerca dos successos do Mxico.
Aluanca-se que esse principe seguir para o M-
xico antes do tira Je marco, levando com sigo uma
legio estrangeira de doze mil homens destinada a
substituir a oceupacao franceza, que dever ces-
sar.
A expedcao contra o Mxico fot sempre muito
impopular em Franca, e agora que o corpo legis-
lativo reclama contra os 250 milhdes gastos com
essa mesma expedcao, o imperador Napoleo pa-
rece desejar acabar* com esse motivo de descon-
tentamenio. Por esse motivo que se falla nessa
legio estrangeira, que permitteria ao governo im-
perial fazer entrar em Franca o corpo expedicio-
naria.
As nolicasdo Mxico sao desla vez. menos ani-
madoras para a causa da ordem, sendo que o pau
se acha novamente infestado pelas guerrilhas de
Jurez. Entretanto o general Bazaine prosegua na
sua expedcao contra aquelle ehefe repubheano,
na esperanca de em breve fazer triumphar per to-
do o pa,/. a causa monarchica.
A insuneico que rebentra em S. Domingos
contra a dominarn hespanhola subsiste ainda,
apezar das vantagens obtidas pelo general Santa
Anua, contra os insurgentes. 0 governador Var-
gas annuneia constantemente a supprcssao da re-
volta, mas a expedcao de novos reforcos, que o
governo hespandol faz da ilha de Cuba indica as-
saz que esse movimento nao est totalmente com-
primido. A rcvolucao foi geral ; e de mais as
tropas reaes teem engantrado la ta a especie do dif-
flculdades, proveniente al reno emque tem
de combater ef^ insorreicio ejClonaL
As noticias os Estado- l'nffos r^egam at 26
de dezembro gimen. As tnipas^federana tnaa-
nham-se em Knoxville 6 CrTTtanoga, i'epos do
encontr que haviam tido coi-i o general Long-
slrcet, alias perseguido por ellas. As communica-
r5cs entre o corno de exercito deste offlcial e a ca-
pital da Confederacao haviam sido interrompidas
pelo gnneral federal A veril!, que conseguir des-
truir o caminho de ferro da Virginia e do Ten-
rtesse em varios pontos. Entretanto este general
1


filarlo de Pernaaihara Se\a felra de Janeiro de i ft i.

/
t,^ral-ncolrrx riiiitencia da parte des oote- par rogular a procuratura em Macan, e boiras -faitio ** ludo disposto symetrica- Menews Corte Real o doD.Francisco Antunio No-
^M ftSJSfTScitcoK- ar"vos-ha tambera con.a o governo do uso que \ e de cobre para' L pracas de" pre.V ser eolio- lo de 1838
radnd i Tennnu houVt'r fil as Tem antorisagoes que Ihe fo-t cada do lado esquerdo do neilo, pendente de fila
As policas do' circo de Charlesloo nao )lTerc- rain confiadas e submetter vossa approvacao os da cor encarnada e branca b.-partida.
i;iiii
i noortancia nova. O fugo dos federaes con- decretos relativos ao ultramar expedidos em vir-
ira a cidade contfnuava da balara Pulnam, com- luUe do aclo addictonal.
Espero que s publicas necessidades, e ao exa- na mesma divisao auxiliar, eram oflioiaes
^Tn^dS^dSte nabatalha do Beau- elaTjpvoa%e1* de moa* e"adnii"nb>Iimam hoaWejacial quandoa mesma divisao
suMi a uiiira oitocemos morios e I ridos, tracio que importa esclarecer e decidir, com o di- regressou a Portugal.
es es re- vino auxilio proporcionareis todo o vosso cuidado As pessoas que, fazendo parte do exercito, se
e patriotismo para honrada nago. para crdito das acharem comprohendidas cm algum dos dous ar-
e enarandecimento da tigos antecedentes, faro valer o seu direito, re-
. ^ .. .* ._______a.___. _______.....* .I* alnielarli i
Foram agraciados tambem : Antonio dos San-
tos, tbesourciro do asylo da mendicidade do Porto
Teem direito a usar da med'alha de prala todos' com a commenda de Christo, Joao Tavares de Al-
ee individuos que, lendo servido sem ola alguma meida com a commenda de Avia, juiz da relacao
ou ti- Sonza Amado com o titulo do conselho de S. M.
Pedro Carlos Craveiro Lopes, offlcial da armada,
por es
_ subir a
Aquella que soffreram os federaes
rutad; inferior.
npeneral MTdellan anre^entado pela Associa- instituicoes, para utiliaade ....-------------
oioCo" ervXa d'Vma.Nacional como candi- patria, Vara gloria e prosperidade d'este povo, tao querendo pelas *nWeaM
dita rara a urnxim cMco de presidente. diurno de lodos os desvelos I da guerra; e aquellas que ja nao fo cm militares,
O i Km rnvaem Nova York 51 3/4. Est abert:, a sess .. o farao directamente a este ministerio.
K j do dominio publico a resposla de S. M. el-1 Procedeu-se no dia 30 do dezembro_ nlluno
rei o Sr. O. Lniz I ao convite de S. M. o imperador Inauguraco dos trabalhes de fortificagao c ol.-
dos Francezes para um congresso. fea de Lisboa ordenada na carta de lei de 11 uo
Ei-la : si umbro de 1861.
Senhor mu irmao: No Alto da Serra de Monsanto, no sitio da Cruz
A carta que V. M. Imperal se servio dirigir-me da Olivcira eslava armada urna barraca de cam-
eni i do crreme digna pelo seu objecto das mais pauha ornada de tropheus militares.
serias refloxes. cbamou naturalmente toda a mi- Contingentes de todos os coritos da guaruigae
nba attencao- de Lisboa formando um baialhao com urna banda
i A franqueza da linguagem de V. M. Imperial de msica all estavam pastados sob o commando
sobre as difficuldades e peritos, que toda a Europa do mareclial Mirauda, bem como urna torga de ar-
tera interesse em prevenir, urna evidente prova tunara. u
- do desejo que V. M. Imperial tem de estreitar os SS. MU. el-rei D. Luiz e D. Fernando, e S. M.__o
laeos de amisade que tao felizmente subsistem 1 Sr. infante D. Augusto precedidos d'um esquadrao
', entre os nossos dous paizes. de lance ros dirigiram-se, seguidos de todas as
Tonlio pois como um agradavel dever o annun- pes&oas (jue liaviam ido assistir a esta ceremonia
ne paetejein o Eilder, a Inglaterra seria toreada
a prestar auxilio a Dinamarca.
Em Dinamarca extrema a indis|>OMco contra
i Inglaterra. Um artigo recente lembra'va aos li-
namarquezes que o governo inglcz impellia os Po-
lacos contra a Russia para os abandonar, dtixan-
ia guerra, es-
L.IKBOA.
1-3 de janeira de iMil.
No da S de correte, |
Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJTYZVW2Z_CH7W9Y INGEST_TIME 2013-08-27T22:21:46Z PACKAGE AA00011611_10125
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES