Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10124


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AflflO XL. HUMERO 22.
Por tres mezes lianhdos 55000
Por tres mezes vencidos jfOl)
Porte ao crrelo por tres mezes. 750

01HTA FE1RA 28 DE JABB1B0 DE 1884.
Por anuo adantado.....19JJ0OO
Porte ao crrelo por um anno 3$00

*N
EMBREGADOS DA Sl'BSCRIPCO .\0 NORTE
Prahyba, o Sr. Antonio Alejandrino de Lima:
Natal, o Sr. Antonio Marques d. Silva; Araran, o
Sr.A. de Lemos Braga: Cear, o Sr. J. Jo- 1'
Oliveira; Maranhn. o Sr. Joarpim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
mazooas, o Sr. Jercnymo da Costa.
KNCARRKGADO? DA SUBSCFIPCAO NO SUL
Alaras, o Sr. Caudino Falcio Das; Bahia, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reir .Martins i Gasparina
EPHEMERDES DO MEZ DE JANEIRO.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olirda, Cabo e Escada todos os dias.
^SSStaS1"e Parahyba nas segundas e -Quarto mi^as 8 h-,8 m-c 2*da *
San o Antao, Gravan, Bezerros, Bonito, Caruara'J 9 Lua nova as 5 n- 2o m. e 00 s. da m.
Altinho e Garntaos nas tercas feiras. 18 Quarto rresc. as 8 h., 45 m. e 4." s. da t
Pao d-Alho, NazareL. Ltamria Brejo, Pesqueira. 23 La cheia as 7 h., 43 m. e 14 s. da t.
Iigazoira, Flores,Villa Bella.Tacarala', Cabrob,1
Boa > ist.i, Ouricury e Exu' nas murtas (airas.
Sen haem, Rio Formse, Tamandar, ('na, Barrei
ros, Agua Preta e Pimenteicas nas quintas feiras.
llha de Fernando todas as vezes que para ali sanir
Di vio.
Todos os estafetas prtem ao '/i dia.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as f> horas e o minutos da raanha.
Segunda as 7 horas e 18 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES C0STE1R0S.
Para o su! at Alagas a 5 e 25; para o norte at
a Granja 7 e 22 de cada mez; para Fernando nos
dias 14 dos mezes dejan, maro., maio, jul, set. enov.
PARTIDA DOS (MNIBCS.
Para o Rerife : do Apipucos s C A, 7, 7 >/i, 8 e
8 >/i da m; ? de Olinda s 8 da m. e 6 da larde; de
Jaboatao s 6'/, da m.; do Caxang e Vanea s 7
da m.; de Bemtiea s 8 da m.
Do Recife : para o Apipucos s 3 '/* 4, 4 /* 4'/?.
5, 5'/- 5 '/: e 6 da larde; para Miada s 7 da
manha e 4 Vi da tarde; para Jaboatao .- 4 da tar-
de ; para Cachang e Vanea s 4'/, da tarde; para
Bemtiea s 4 da urde.
AUDIENCIA DOS TR1BUNAES DA CAPITAL.
Tribunal docommercio: segundas e quintas.
Helaco: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda : quinta* s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tergas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DIAS DA SEMANA.
2.". Segunda. 8. Anaataa s. Juventioo m.
26. Terca. S. Poiycarao b. m.; S. Theegines m.
27. (Juarta. S. Joo Chrysostowo b. doul.
28. Quinta. S. Gonralo de Amarante dorainic.
29. Sexta. S Franciseo de Salles b.: S. Papias m.
30. Sabbado. S. Adelelinoab.: S. Martinha v. m.
31. Domingo. S. Pedio Nolasco: S. C>ro m.
ASSIGNA-SE
no Recife, era a livraria da orara da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietanoj Menoel Fiaueiroa d.
Paria & Filho.

PARTE OFFICIAL.
!WIMSTKRIO A FAZEXDA.
HTIUCCES. A Ql K SE fttRU A CIHC.U.A11 H. Si
llKtTA DATA.
Ministerio dos negocios da fazenda.Rio de Ja-
neiro, era 12 de novembro de 18W.
O marqu de Abrantes, presidente interino do
tribunal do tUesomo nacional. >m deerinienlo
petico da diverso; contribuitks do monte pi
geral dos servidores do estado residentes nis pro-
vincias, e de acrordo com as providencias solicita-
das pela oVecroria daquelle estafo locimento. ordena
se observe o segrate :
Art. l. Os pensionistas do monte pi de econo-
ma dos sorvidores no estado, que residirem fra da
eriee provincia do Rio de Janeiro, poderao rece-
bar d'ora ein diante as suas pensoes nas thesoura-
rias de farenda das piorinrias.
Art. 2.* As pensos sero pagas por trimestres
vencidos, vista de recibos des pensionistas, ou
jde seus procuradores, passados por duas vias. Es-
tes recibos sero opados era um livro que se deno-
minara de peiises. No alto de cada follia destf
insta;,certidao de baplismo e bito do contribu-
inte, do proprio baptismo, de casamento, ou titulo
de si a legitimacao e de declaiaco de herdeiro;
concorrendo com as viuvasalm dos referidos
, docu ncnlos, justificaco authontica julgada por
sentrnfa de qae Viviana em companhia e do ampa-
ro do contribuir fallecido.
0. Os herdeiros lestamenleiros, no caso do
art : o> do decreto de 22 do junlio de 1836,- I
cfi lidao do teslaraento, em que forem instituidos,
de c bilo do contribuinte, e jusufleacao authentica'
julgada por sontenca de que nlo exlstem viuvas,
desnindentes, Scendontes e irmos que devam
prefiri-los na i*nso, nos termos do mesmoart. 7*
do citado decreto.
Ait. 14. As despezas de expediente e as de qual-:
quer outra natureza, relativas ao monte pi, serio '
feita:. por conta deste, e em caso algum abonadas
pela fazenda nacional. Mrquez de Abrantes.
liOvliRM DA HiDVntlV
lipedienle 4 dia 2: de Janeiro de 1861,
Oficio ao brigadeiro cominandante das armas.
Quuira V. Exc mandar apresentar com urgencia
so, c apezar dos melhores desejos que o gorerno
tem de contentar a todos eremos que nao o con-
seguir.
-No principio do anno prximo eomeea a funecio-
nar o novo banco Alliaaa, Ja est de'tinitivaraen-
te constituido.
A mesa da assembla geral compoe-se dos se-
nhores :
Presidente.-Francisco Jos da Silva Torres.
Vice-presidenle. Visronde de Castro e Silva.
Secretarios.Dr. Maximiano Faustino de An-
drade e Antonio Adrio da Rocha.
Para o conselho liscal foram nomeados os se-
nores :
Antonio Ferreira Braga, Eduardo da Costa Cor-
rea Leite, Joaqofan TorquatO Alvares Ribeiro, Dio-
a
i
livro se insemver onome dopessionisla, aimpor-! J? ^nefe de l.,ol!r,a' i l,racas pret para e
taneia da pensao an anual, a dala da aulorisaro do ^'f em m "?noso que tem de ser enviado
monte pi para o pagamento, a em que este tver h J ,wra as,Ala>as "o vaPr Pmalnjbn.Lomnvx-
de potaeeai, o a em que dever t -rminar, se forem \ nT':sei,)r chcfeude P?1""- .
varfles os peasionist.w I l ao niesmo.Remetto por copia a \. Eic.
Art. 3. llavera uai livro para recoita e despea. Sf a dev,da ? Io ^e (,wem'
ou caixa esixcial d> monte pi, e nelle serlo es "l.,,mo. em 1 o *<". Sr. ministro da guerra
rialuradas as imp..rtaoeias das Mas, annuidades, &J&23S!* terem Sld, appnivados os contra-
mates e niacsques quantias recebidas dos contri- 0 &>'obra* e?m o padre Manoel de Sant Anna
buintas, Cjue preferirera satisfaze-las nas provincias, Lui{, oc""urg.ao reformado da armada rrancis-
bem con as dos recibos pagos. Ico fS??0 d Arai,J0 L,",a- P'lla St'rv,rem ]"
Nenhttm anigo de receila se linear ne.-tc livro, h"sl"ul m,ll,;,r "a q'''d-ide de capelln, e o 2*
senao vista de guia ou documento datado e assis- "^ (?rp?s da ?"nic..o, ma.s tambem determina
nado pelas pruprias partes, por dnas ria?, no qual ('"ai;du devem ^ eles despensados desses NT-
esteja declarada, em algarismo e por exteuso, a ?;' ,
auantiaqutse tiver arrwadado, .m designarao d..- r mesmoRemetto incluso por copia o of-
sua provinienria, de tempodo vencimento, 'se fdr llC10 !ue emnd correte, dingio-me o Dr. chefe
aunuidade, e do nome do conlribiinte por conta d e |K llcia amn W* ^ Exc. se sirva do provi-
quem se (er a entrada. liC ar enveaientemente no sentido de seren
Nas cadoraotas dos contribuintes se annotarao su,,sl'"'* por outros como re-piisita aquelle ma-
as ajaantiu. recebidas por conta .lestes, se as apre- e1^". s Iracas de pret do batalhao de in-
^m^fe,^ r latnana que se acham destacadas na cidade de
Art, 4.* Os Uno* da que tratara os rticos ante- Goiaiina.Communicou-se ao Dr. ch-fe de polica,
cedentes sero fornecidos por conla do monte pi,' u,' ao,D'- chefe de polica.Para que eu possa
e rubricados por emnregados da thesouraria, que resol .erdennilivamente acerca do pagameuto da
fantaria, verificou-se nao pertencer a nenhnm dos
corpos em guarnico nest. Communicou-sc ao
bricadeirocommandante das armas.
Dita.O vice-presidenle da provincia confor-
mando-so rom a proposta do Dr. chefe de polica
n. 112 de 23 do corrente, resol ve nomear o baeha-
rel Francolino Bernardo Quintoiro v supplente do
subdelegado da freguezia de Santo Antonio desta
cidade.Communicou-se ao Dr. chefe de polica.
Despichas do dia 25 t janeire de 1801.
Requerimentos.
Antonio Soares de Carvalho. Sasfaca a exi-
gencia constante do parecer fiscal,
lirasiliano de Barros Correa.Passe patente.
Francisco Botelho de Andrade.Em vista da in-
lormaco nao tem lugar o que requer o sa|>pli-
cante. Era preciso na vespera aterrar os 600 e tantos
Jos Herculano Thomaz de Aquino.Informe o eleitores que eram chamados aquella assembla.
Sr. inspector da thesouraria de fazenda. No dia seguinte, dia da eleicao, abre-so a iwrla
Minervino Jos da Cunha.Informe o Sr. com-1 do edificio, que j se achava cheio aquella gente
mandante da canhoneira Itajahy. desconhecda cora os sicarios da auloridade, os
Manoel Pereira das Neves. Pro ve isenco legal, mesmos que na vespera |>crcorriam as mas em ,
Paulina Rita de Barros.Espere que haja vaga, bandos armados, disparando tiros; e apparece, sem 1,600*000 rs., devendo de entre si nomear um que
Thomaz Tavares de Moraes.Nao tem lugar o eleicao, o edital que annunciava j a mesa consti- sirva de secretario, ao qual lear tambem encar
que requer o supplicantc. tuida, toda composta dos principaes agentes de
Umbelina Joaquina dos Praxeres.Aprsenle o tantos horrores !!
menor ao Sr. inspector do arsenal de marrana. | Bebalde os eleitores, a quem a approximaco do
( edificio era vedada por facciosos poslados porta
! e na escada dclle, bradavam no meio das ras con-
! tra semelhanle despotismo, e proteslavam perante
i un Ulieliio, em numero de perto de 300 : a au-
. Joao da Purilicaco Marques Perdigao, conego : ll>ridade sorria-se cynicamente de todos os protes-
regranto do Santo Airostinho, por graca de Dos ^s- Porque tinba phantasiado aquelle simulacro
de eleg.w, apparecendo annunciado o vencimento
da sua lista por 600 votos contra 4 ou 5 I
criados dos atrios para os ospancarem e esbofetea-
rem ; fizeram-se ferunentos graves nas pananas
mormes; interceptaram-se carus; dispararam-se
tiros contra alguns edificios particulares quiz-se
orear a casa da companhia ; collocaram-se forras
militaref nas avenidas das ras, e gvravam patru-
llas de ca vallara junto da casa destinada para a
eleicao,
E frente deslas hordas de barbaros via-se o
administrador do eoncelho pretextando que a op-
posicao tinha 300 Iwmens armados em edificios, e
quo delles dispararan! descargas de tiros; inven-
cao perversa e Inwioralissiraa, por que taes des-
cargas se nao deram ; nem taes hoinens armados
existiam, e s foram inventados pelo corrilho da
auloridade tara pretextaren! as violencias e atro-
cidades de que toda aquella villa oi testemunha.
Era preciso na vespera aterrar os fiOO
go Jos abral, Augusto Pereira ltarbedo, Fruc-
tuoso Jos da Silva A\ res.
Para gerentes sahiram eleitos os senhores :
Antonio Martins do Azevedo, Joaquira Mauricio
Inopes, J. Lrsinus, Manoel Jos de Oliveira CosU,
MaTit fT NaVes' Kni Braa ,raIa governador civil de organisar
J^^T n,tagf^"Lr .fm'n; 90ciedadc *STicola do districto, que a exceptuar-
1 mos os trabalhos para a ex|>osicao que ha pouco
tinuou depois todo este cortejo para Braga. Com-
punha-se de dezesseis carros e qoatro cavaleiros,
que seguiam nesta ordem : Dous cavalleiros na
frente, o carro em que ia Alves Balsos, e aos la-
dos os outros dous cavalleiros; eguiam-se os
dous carros de familia, c os outros nos quaes vi-
nliam os amigos politcese particularesd Ilustre
expatriado.
Ao entrar em Braga deram-se morteiros, e logo
adame do arco da ra Nova atiraram ao carro
em que ia o Sr. Alves Passos com um bouquet, e
pelas outras ras do transito choviara sobre elle
muitos ramos de flores, qm- as damas afiravam
das janellas.
Esta entr-.da tritimphal do Sr. Alves Passos- fcti
preparada pelos seus amigos polticos muitos das
quaes o desapararam cobardemente nos dous dras
amargurosos eai que durou a bernardo, porque
falhando-lhes os planos, desde logo conheceram qu*
o negocio nao levava geito de vingar. O mundo
e assim.
BISP.UNI DE PEBYilBtCO.
No eoncelho de Santa Martba o administrador
do eoncelho, o presidente da cmara e seus agen-
tes, depois de viren ao governo civil receber ins-
e da Santa Se apostlica, bispo de Pernambuco,
do conselho de S. M. o Imperador etc.
a (Convencidos nos dos motivos pelos quaes temos
dispensado a abstinencia da carne nas quaresraas
transadas, e certos de que existera os mesmos
motivos, ha vemos por conveniente conceder igual truccoes, tenlam Iludir o povo, para que, depois
dis|>ensa para a prxima quaresma, para que os de correr plcidamente a eleicao, a urna ficasse
nossos diocesanos possam alimentar-se com o ali- denlro da igreja fechada, porque nesta tinham um
ment camal diariamente, exceptos os dias de ofl'c,a' *. administravo do eoncelho escondido
quarta-feira de cinza, sextas e sabbados, e a sema- parado noite substituir as listas,
na santa, desde domingo de Ramos at sabbado se- Pvo conheee o engao e abraca-se com as ur-
guinte. i nas da sua eleicao, defendendo-se contra a auto-
Palacio da Soledade, 2o de Janeiro de 1864. ridade e seus agentes, que as queriam arrebatar e
regada a direccao da escripturacao, supprimindo
so o lugar de primeiro guarda livros, e tendo este
gerente a maior quantia de 900*000 rs.
No dia 18, requerimento de dez accionistas,
reunio-se a assembla geral do banco Commer-
cial.
Convidados os signatarios do requerimento a
apresentarem as razoes que os demoveram a pe-
dir a reunio extraordinaria dos accionistas, o
Sr. Jos Gaspar da Graca apresentou urna propos-
ta para que fosse alterado o estatuto do banco o o
Mas ludo isto est dependente dos meios que fo-
ram pedidos ao governo, e que nao sabemos se se-
ro concedidos.
Joo, bispo diocesano.
alug el da casa que servio de quartel do destaca-
mento da villa de Barreiros, como V. S. solicitou
em ssu otDcio n. 16.36 datado de 15 de dezembro
A
inspector designar; servirn en quanta, tiverem
espaen em braoco, passaudo d. uns para outros
annos.
QuandD, porm, e encerrar a escripturacao de ul,,,n :. ,az"se necessario que V. S ministr.; os
um dos referidos livro, a do outro nao peder esclarecnnenlof. que exige a thesouraria provincial
coallnnar, e sero ambos remeKidos ao monte pi, nos inclusos papis que me sero devolvidos,
depois de transportadou saldo que existir em caixa! l ao l"*pe<'''>r da thesouraria de fazenda.A
vista da sua ioformaco n. 35, e datada de 23 des-

e as inscripofes da< r*ns6es para novos livr.>.
Alj S-* As ftFas'5,,s sero paga> pela caixa espe-
cial do monte po, cargo do thesoureiro da the-
souraria.
A.m**w' caixa ser supprida pela da thesoura-
ria com as quantias que forem nxessarias para os
pagamentos d cada trimestre.
Art. Non mezes >ie outubro, Janeiro, abril e
jnlho, as thesonrarias sacaro por urna s va. c a
quinze dias de riso, contra o thesoureiro,
ao mente po em favor do thesouro pela i in-
te m z autoriso V. S. a mandar adiantar ao director
da colonia militar de Pimenteiras, a quantia de
!:0( menos das pragas de 1* linha destacaos na mes-
ma calonia c da etapa dos respectivos colonos!
no a hnestre corrente.Coramnnicou-se ao dlrac-!
tor di"e(oniaiiiilitar de Pimenteiras.
Dilo ao mesino Recommendo V. S. que nlo
hayeudo inconveniente, mande pagar ao alferas
Joo Martins Vieira. ou a pessoa por elle autor.sa
desjiedacar aos gritos demorra a opposicao.
| No conreino de Sabrosa forma o governador ci-
vil a sede de una assembla na povoaeao de Gou-
vinhas, na extreimdade do eoncelho, aonde jamis
| houve assembla alguma. Mas ali resiuiam os pa-
i rentes do administrador do eoncelho, para casa
, dos quaes oi a urna repousar nessa noite, porque
homens armados fizeram calar os eleitores que a
isso se oppuuliam, apparecendo no outro dia na
l urna, que foi aberta, maior numero de listas do
3ue as que la tinham entrado na vespera, substi-
as ao sabor da auloridade.
Este acto, assim acabado, foi dignamente prece-
A extenso com que tratamos na ultima carta a' d.id? er *' nao menos violento, qual o da cons-
visita de el-rei o senhor D. Luiz e sua augusta es- 'Ruf da mesa ; porque quando o presidente da
posa esta cidade e capital do Mnho, privou-nos a^mb,,ea. f6 aPr(>sen do lempo preciso para darmos conta.naquolla mi*-1 weM?.'j* a mar.cada ia encontrou a mesa
siva, das cleisi>es raunicipaes que acaba vara de ef- co^''da'lpa *IaSao a C0TAreT
fectuar-se ao norte do reino.
EXTERIOR.
CORRESPOffDEKCIAS 10 DIA
RIO DR PKR^IIIBKO.
PORTO.
26 de dfzembrn de 1*63.
de que esta fosse encarregada a tres gerentes, um
dos quaes servisse de secretario o primeiro guar-
da livros, eleitos pela assembla peral de tres em
tres annos, com o ordenado de 1,3003000 rs. cada Em Guimaraes teve lugar nos dias 16, 17 e 18
um, e urna porcentagem de seis |>or cento sobre o do corrente o julgamento dos reos Jos Aleixo, Jos
liquido a repartir annualmeute pelos accionistas Crespo e mais quatro individuos ndigitados com-
exendente a seis por cenlo ; que a gerencia fosse pees n'um assassinato commettido o anno passa-
assistida por um conselho fiscal composto de cinco 0 na ^ cidade.
membros, eleitos annualmente, o qual devia ser O primeiro foi condemnado pena de morte.e o
consultado em todos os negocios graves, e sem con- segundo degredo perpetuo com trabalhos publi-
senso do qual a gerencia nao podesse fazer opera- eos at completar 60 annos de idade.
cao em que o banco houvesse de melter quantia os quatro restantes foram julgados innocentes e
excedente a quarenta contos de res. postos em liberdade, inclusive a mulher do refe-
l'osta a discusso a admissibidade desta pro- rido Jos Aleixo.
posta foi regeitada por grande maioria. Na (ijvilh diz a IJberdade, peridico de Coim-
A discusso nao correu tio plcidamente como Dra houve um grando incendio e to rpido, que
era para desejar. Inoespacode urna hora rednzio cintas um bom
Um discurso que o Sr. Jos Gaspar da braca ostabeleciraento daquella villa, pertencente ao Sr.
prevendo tal vez a regeico da sua pro|iosla-lra-; Jos Mendes da Graca e outros socios.
na mesa a '
*
portancia elb supprimento que es tiver em divida, e \ ^ai e mforme solicitou o chefe de polica era offlcio,!
remetterao ao secrulario do monte po una das n- 'P3. de 23 do corrente a i|uantia de 42*000pro-!
vias dos documentos, de que tiatam os arts. 2o e veniente doaluguel vencido desde 13 de novem-|
3' numerados seguidamente, tanto os de receita.' Dro 0 anno prximo passadoda casa que servo de
como os de dspota, declarando no offlcio da re- quartel ao destacamento do districto de Baixa-ver-
messa a importancia total delles e a do suppiimen-1de d(l tur,no J, Flores, como se v dos inclusos
to pelo qual se tiver effectuada o saque. i t!9u nentos.Communicou-se ao Dr. chefe de po-
No mesmo offlcio ser incluida urna relaco dr.' uc[a-
quantia que representir cada dex-umento, e "do nu-' D,!o ao mesmo.Remetto incluso o attestado em
mero que Ihe couber. duP1 ca,:i da apprehenso do soldado desertor do
Art. 7. Os recibos pagos em cada trimestre se- io batalho de artilharia api Minoel Procopio do ,
rao numerados seguidamente e lancados em urna; Nascimento, e bem assim copia offlcio do do briga-
so partida da despeza na caixa espe'cial, na data deirc commandante" das armas, datado de 22 do
em que forem remedidos ao rconte pi, de modo corrt nte, para que V. S. mande pagar nao havendo
que se possa verificar o saldo real em dinheiro que inconveniente, a gratincaeao que compete ao sol-
neaff exislindo na niesina caixa. | ^3,^ ^ mesmo batalho Antonio Raymundo por
Art. 8.' segundo w acha determinado pelo aviso nave apprehendido aquelle desertor,
circular do ministerio da fazenda de 12 de julho de! Dito ao mesmo.Em vista do disposto no aviso '
1861, as thesourarias sacaro vista contra o Ihe-1 da reparlicao da guerra de 20 de agosto de 1861,
souro e a favor do nonle pi pela importancia dof.! a qui allude a informaejio de V. S. n. 954, do 26
saldos era dinheiro verificados na caixa especial,; de d sembr ultimo nao pode ser attendido o re-
qnando forem provenientes de renda do estabele-', quer ment em que o tencnU.-coronel Francisco
cimento. i LauwBo Pessoa de Lacerda, secretario docomman-
Os saques sero eflVctuados nas mesmas poca; do d; s armas.reclama que se cont lempo de venci-
declaradas no art. 6, ou inmediatamente, dada menta da cavalgadura de pessoa abonada em 3 de
<]ue seja a arrecad.icao de joia e correspondente maio de 1838 desde 31 Janeiro de 1837 datada ta-
annuidade de algum contribu lie recentemente | bella que aconcedeu ; subsiste por tanto a delibera
admitlido ao monte pi. j cao o'a presidencia constante do offlcio de 10 do ci-
Estes saque?, porrai, nao tero lugar, se duran- tado mez dedezembro, e do conformidade com ella
te o mez era que -e verificar a cstenria de saldos' deve V. S. mandar effectuar o ajuste de contas do
tiverem a> thesourarias de p.-.gar por conta do 'quatititativo receido pelo supplicantc para caval-
monte pi despeza igual ou suprior a somina dos gaduras.
mesmos saldos. I Di o ao mesmo.Participando o juiz municipal
Art. 9. Logo que qiialqner thesouraria recolna do termo de Serinhem, bacharel Guilherme Cor-
por conta de algum empregado recentemente ad- deirc Colho Cintra, ter em 21 deste mez, assumi-
nrittido ao monte pi a contribuico de joia e an-', do o exercicio interino do cargo de juiz de dreito
nnidade correspondente, no caso de nao poder! da comarca do Rio Formoso, por ter o respectivo
sacar immediatameiile na frrm do artigo antece- prop-ictario entrado no gozo da licenca que obtuve:
dente, offlclarnesss senlido ao secretario do moii- assin o communico V. S. para seu conheci-
te pi, para que possa abrir-se assenlamcnto de: men o.
matricula ao contriluinle e expedir-se-lhe titulo. Diu> ao inspector da thesouraria provincial.
Art 10. As pessoas que receaerem pensoes nas! Man le V. S. pagar Simplicio Jos de Mello, nao
thesourariis por coila dos pensionistas, apresen- havindo inconveniente, a quantia de 39 desden-
tarlo no principio de cada semestre, attestaQao de dida durante os mezes de selembro dezembro do
vida dos mesmos pensionistas, e no trimestre de! anno prximo passado, com o sustento dos presos
julho outubro de cada anno procuraco ou titulo! pobies da cada do termo de Cimbres, como se v
- que os haltilitc a receber e dar quitacao. | da inclusa conta que veio annexa ao offlcio do
% {. Nao sero admitldos traslados ou publicas; chef; de polica n. 10!t, de 23 do con ente.Com-
formas d? procara ces, e nenauma procuraco municon-se ao Dr. chefe de |iolicia. I
podei vigorar alm do exercirii em que lr apre- Dito aocapilo do porto.Faco apresentar V. |
sentada. | S. o recruta de mannha Manoel Alfonso de Santa
2.* As procora^iies passadas de proprio punho; Ros;, afim do que Ihe d o conveniente destino de-,
sero reconhecidas por tabelties dos lugares onde pois de inspe-xlonado. Giminunicou-se ao Dr.
Tambem, nessa occaso, anda nao estavam liem
averiguados os acontecimentos graves que se di-
ziam terem occorrido com alguns concelhos.
Por toda a parte foram estas eleicoes uiuito dis-
putadas entre os amigos do governo eosopposicio-
pistas. Em todos os concelhos predorainou mais
ou menos a poltica partidaria, que di razo era
se conservasse cstranha a urna lula, que a dar-se,
s deveria ter por fin o acert na escolha de ad-
ministradores municpaes activos e zelosos que
bem cudassem no governo econmico, progresso
c melhoramentos das municipalidades.
No eoncelho d'Alij, aonde o' governador civil
tinha a exarcer vingancas pessoaes, e aonde seu
pai e irroo eram os principaes corifeus do seu
partido, (j duas vezes all derrotado) o rancor al-
lucinou-lhc a razao.
Quinze dias antes da eleicao dissolvida a c-
mara municipal, para ser substituida por urna
commssoda escolha do governador civil, fren-
te da qual collocou seu proprio pai. Com essa dis-
soluceo governador civil preparou para presiden-
tes das assemblas pessoas suas, para que, usando
da violencia e das armas dos assassinos nas assem-
blas mais numerosas, as mesas fossem suas, e as
Infelizmente olvdou-se a boa urlica dos ltimos : ac,as fincadas, para inutilisar a votaco daquel
" elle nao tinha for^a para esmagar o
dez annos em que as questoes de alu poltica da go-
vernaco do estado tinha sido completamente
alhcias aos comicios que se fonnavam para a con-
feccao das listas dos camaristas municpaes. Es-
quecia-se a poltica para procurar em todos os par-
tidos homens habilitados a bem gerirem os muni-
cipios.
A proximidade das eleicoes para deputados, que
devem ter lugar no prximo anno, e para as quaes
governo e opposicao queriam contar com os bons
ofllcios dos seus adeptos nas cmaras municpaes,
operou a transformaco que vimos de mencionar.
Nos distrctos do Porto, Braga, Vianna e Villa
Real "
conce
parcialidadesgovernamental e opposic
las aonde
povo.
Houve novos que o governador civil com o seu
eoncelho de erabus ada fez ir votar a 13 kilmetros
de distancia.
As assemblas de CarISo, Alij e Villa Verde
presenciaram as scenas do maior terror e violen-
cia.
Os punhaes e bacamarles obrigaram a abando-
nar a urna aos principaes cidados, a quera repug-
nava a lisia da auloridade.
Principalmente em Alij e Carlo, as ameacas,
as injurias e os punhaes e davinas obrigaram a
leal foram as eleicoes municpaes, na maioria dos: fu?f Pa,vndl*' ainda os ",a,s 'nirep.dos.
oncelhos, urna pigna partidaria entre as duas! VQl ma carta euconirada, e que era dirigida a
arcalidades-governamental e opposicionisla. IZ^.T'1 por.?eu propr!0 irT An,umoJ
aogo-
Bar-
deste,
No eoncelho do Porto, onde a eieico camararia ***,de Abr.^u e L,ma- ^"l** ?.11piI2ho,
pareca a principio nao dever resentir-se seno dos *WW ,he annunciou |ra \ illa Beal, que,
aggravos pessoaes entre o Sr. Miguel do Canto (o- ,u,tc f *' ,,aviam ,odavia ve,ncer^
vernador do districto) e o Sr. visconde de Lagoa- i ""culdades, anda espancando os que se Ihcs op-
ea (presidente da cmara) teve por lira urna reico, P?7^sem- com a eB,p I ,lham a ^ d,sP-
poltica devida s desintelliirencias daquelles dous, Slf- .. ,___
cavalleir-r, desinlelligencas que foram habilmen-' ^ Murca na villa e nas suas avenidas, foram
te aproveitadas pelos inimigos do governo, e que os punhaes e bacamarles, levantados contra o pe-
deram en. resultado o ser a eleicao da cmara do todos eleitores que serviram de argumento aau-
Porto urna farea ridicula. I ,ondade. ...
Nao entramos em pormenores porque o aclo Os sino* dobraram a finados : caveiras levanta-
eleitoral correu regularmente e nenhnm interesse das em paus g.ravam em volta da asamblea na
offerecem estas questiunculas portuenses fra da ma?d'fa^afns f *'''B.
propria localidad.- Lma muzlca toca va marchas fnebres. Os elei-
Fcaram, pois, eleitos vereadores para o biennio ,ores aterrados fugiram espavoridos aos gritos de:
capitulo secundo do seu regulamento econmico.
leve lugar na capital do Minho, cuja iniciativa par-
ti daquella auloridade, poneos signaes lem dado
de vida.
O intellgente e activo chefe do districto tem con-
, vidado para fazer parte" da dita sociedade lodos os
agricultores intelligeotes e de certa considera-
cao.
_Os socios conlribuiro com urna mdica presta-
cao mensal, e sero proferidas na distribuido das
sementes, sendo-lhes emprestadas as machinas e
instrumentos agrarios, para a acquisico dos quaes
solicitou S. Exc. do governo 1:0004000 rs.
Trata tambem de establecer urna escola agri-
modilcaudo as suas disposi<;.es noque diz respe- j cola em local aprpriado para o'ensino tecbanco
to a organisa^ao da directora ou gerencia a lm c pratico.
zia de casa ja escriplo, e que foi lido na mesa a j p3ra poderem tra'balhar de noite, tinham os ope-
pedido do dito accionista, levantou acalorado deba- rarjos accend.do una fogueira n'uma parte do es-
te, porque trouxe para a discusso alguns dos ac- tabelecimento onde menos receio hamde incen-
tos da directora. dio.
No seu escriplo dizia o Sr. Jos Gaspar da Gra- Betiraram-se depois, deixando duas criancas ao
ca que o banco nao soube dar mais de seis ou seis p do lume, as quaes, tomadas de somno, so des-
e meio por cento aos accionistas seno depois que : pertaram quando o fogo se tinha commnnicado ao
teve de afrontar a concurrencia de outro banco ;; edificio, e era j to forte, que muito costo se
comecou a dar maior dividendo, quando vio que I conseguio salva-las.
outro banco o dava, e ento exploran o mesmo em-' Os soccorros nao se fizeram esperar, mas fo-
prego, mas at ahi nao sabia seno descontar let- ram baldados, porque quando chegaram s havia
tras, e entenda que nada mais era necessario; quo cinzas.
os accionisus nao sabiam qual foi o resultado das I a fabrica havia mettido machinas novas ha
letras falsas que o banco descontou ha annos, por-: |K)uco tempo, e consta que s a casa estava no se-
que nunca se lite deu conta do procedimento judi
cial que houve a tal respeito ; que se ignorava
tambera se no cofre do banco entrou a importan-
cia de urna letra que a dircrco descontou a quem
nao era seu legitimo portador ; que os accionis-
tas censuravam que ama quantia de vinho que o
banco recebeu de um devedor fallido fosse vendi-
da com grande differenca de preco para menos do
que o proco porque os credores do mesmo fallido
venderam o vinho que Ibes tocou em rateio ; que
os accionistas nao estavam satisfeitos com o pro-
cedimento da direcc,o no descont da letra de cin-
coenta conlos aceita por Thomaz Maria Bessone,
porque urna letra nao se desconta sem duas firmas i
de conceito, anda que de mdica quantia, quanto
mais sendo ella de cincoen'.a contos e que final
unccionareni as th>sourarias.
Art. 11. Nenhnm pensionista ser inscripto no
livro de pensoes das thesourarias, sem eslar com-
petentemente habilitado perante a directora do
mente pi, e sem preceder conmunicaco do res-
pectivo secretario.
Art. ii. O* pensionistas que j esto no gozo de
suas pensoes nao |>oderao receber pelas thesoura-
rias, seno depois de obterem concesso da dires-
toria do monte pi para esse fin.
chef i de polica.
D to ao conselho do compras navaes.Autoriso;
o coasellw de compras navaes a promover nos ter-
mos do seu regulamento a compra dos objectos
raer donados en seu offlcio de 22 do corrente. vis-
to qie sao necessarios para provimento do almoxa-
rifailo do arsenal de marinln.
D to ao juiz de paz presidente da junta de quali-
fica^oda freguezia da Boa-Vista.Representndo-
me os membros da junta de qualilicacao dessa fre-
de 18641863 os Sr. .
Alexandre Soares Pinto de Andrade. 3324
Augusto Pinto Moreira da Costa...... 3313
Dr. Thomaz Antonio de Oliveira Lobo. 2t06
Raymundo Joaquim Martins.......... 2800
Visconde de Lagoaca............... 2691
Viseando de Pereira Machado........ 2482
Antonio Cardoso dos Santos.......... 2243
Visconde de Figueiredo.............. 21%
Antonio Jos do Nascimento Leo..... 2141
Vicente de Souza Dias.............. 1899
Jos i arlos Lopes.................. 1737
No districto de Vilia Real deram-se acontecimen-
tnorra a o>po*icao.
O seu protesto nem mesmo se atraveram a le-
va-lo casa da ;adminstraco : vieram Villa
Real segurado no cjrrio, com destino aquelle ad-
ministrador, e enliegarem un duplicado directa-
mente .o governo civil.
No eoncelho de Villa Pouca dAguiar, altera o
governador civil ultima hora, as assemblas com
o seu faccioso conselho, obrigando os povos a r
votar a dezoilo kilmetros de distancia.
Em una das assemblas, muito antes da hora
marcada, apparece o presidente coma naioria dos
eleitores para a formaco da mesa, e encontra j
*
Art. 13. Os pensionistas, para entrarem no gozogueiia, emofllcio de 21 do corrente, que a referida
as pensoes a que tiverem direito por inerte dos! junti fra ntallada naquella data sem que hou-
coulribuintes, poderao entregai nas thesourarias | vess decorrido o praso de 30 dias, de que trata o
devidamente sellados para seren enviados dirre- art. i' da lei n. 387 de 19 de agosto de 1846, e
toria do monte po, os documen.os com que ho de! instrueces de28 de junho de 1849 s 8, jior isso
habilitar-se, a saber que. edital de sua convocaco foi publicado no
L* As viuvas -certidao de casamento e bito dos dia 29 de dezembro ultimo, como declarou o juiz
contribuintes, e declaraco de herdeiros em invea- de jaz 3* votado, na ioformaco que ministrou em
tario judicial a que procedam. ] 23 no corrente acerca da representaco que a se-
2." As lilhas ou ilhos menorescertidao de ca-1 mel ante respeito fizeram alguns eleitores e sup
smenlo, ou ritulo que prove legitimacao. ceidlo] pler tes dessa freguezia, determino Vmo. que dis-
de bito do contri 'jiiinte. de baptismo proprio, de solva essa junta por ter sido IHegalmenteHnstaUa-
declaraco de herdeiros, e do termo de tutela ou
cratela.
3. Os filhns maiores, no caso do art. 7- ? 1* do
decreto de 22 de junho de 1836. alm dos referi-
dos documentos justificaco lutbentica da inca-
pacidade physica, cu moral, ou exame medico que
a verifique, sendo tanto este exame, como aquella
da, 3 convoquo-a novamenle nos termos da lei para
reunir-se no dia do mareo futuro que para isso
tica designado.
Pwlaria.Os Srs. agentes da companhia brasi-
leir.i de paquetes vapor mandem dar passagem
de i ra para a Bahia por, conta do ministerio da
mannha no vapor qne se e-pera ds norte ao cabo
justificado eitos c julgados per sentenea em juizo: de esquadra do corno de imperiaes marinheiros
competente. l Jesaino Francisco da Silva que vai apresentar-se
4.* as asceL lentes, concn endo como unirs'ao "ommandante do 2" districto.Communicou-se
pensionistascertidao de baptismo e bito do con-1 ao inspector do arsenal de mannha.
tribuinte, ede decliraclnde herdeiros; concorren- Dita.Os Srs. agentes da companhia brasileira
do com as viuvasalm dos referidos documentos de paquetes vapor facam transportar para a Ba-
jo stificaco authentica julgada por sentenea de qae hia, por conta do ministerio da guerra no va|r
vivam em companhia e do amparo do contribuinte que se espera do norte Manoel Francisco dos San-
fallecido, tos que tendo viudo preso daquella provincia na
5.* Ar irnias, concorrendo como nicas pensio- supposico de ser desertor do 2 batalho de Is-
las gravissimos que constara de urna larga repre- I "h^"I^n!!*B^u,to/idade dizendo que eltif5 se
sentaco feita el-rei pela junta geral daquelle ] i J ,,,"' A ,.
districto, da qual tomamos o mais importante. ..maSi*W,1*receu mesT sys,e,."a de a,r,"
Km to.10 o actual eoncelho de Pezo da RegUa'c(dade, roubando-se a urna pelos agentes da auto-
apenas formou tres assemblas, porm de modo ndade- c **> os sicarios do administrador a
que a do Pezo da Regua fosse superior s duas desfechar una arria de fogo contra um dos mem-
restantes bros da n,esa> irmao do proprio administrador, e
O seu'lime o dos seus agentes na localidado era de quera este inimigo pessoal; sendo que, era
falsear a eleicao na primeira assembla, porque 2 dB M*8 Rrcndcr as sass,no de "**~
era o sufflciente mao' e au'oridade era um dos que pelo contra-
Tendo a capital desse eoncelho um espacoso tem- rio ,. Proc,urav* l*,as casas \*Ti ?nde suPPunha
po aonde a eleicao se nodia o eevia fazer, desat- evadido, fugindo a urna morte certa,
tendeu reclaniafAo de cidados eleitores que pe- A e!e,5a0 aPpareceu assim falsificada depois de
diam que a eleicao se fizesse no dito templo, e or-
denot que ella tivesse lugar na sala da casa part
arrumbada a urna.
No eoncelho de Chaves tambem n'uma assem-
cular que a cmara tem alagada para as suas ses- blea fi arronbadf1 urna e SS*2*! :4H f5
e no eoncelho de Boticas a autondade mandou to-
ses, e que apenas lem de comprimento dez metros
e tres e
nas por
urnas esc.,.
raenses. A cmara, disposico da qual estava da a pressao sobre os eleitores.
o edificio, era com o governador civil empenhadis- Na assembla de Bobadella, o proprio filho do
ma na luta. i administrador do (oncelho, ostensivamente arma-
.Naquclla sala que aautoridade mandou reunir do, se collocou boceada urna arrancando lisias,
unta assembla de mais de seis centos eleitores I e dando outra- con ameacas ferocissimas.
Este era o lugar azado para a emboscada elei- A concesso do privilegio do banco hypotecario
toral. Barcos de gente angariada desceram do cen- companhia franesza, causou aqui grande desgos-
tro do Donro Regua, aonde na vespera da eleicao to e descontentara, nto geral.
estove escondida todo o dia, al que de noite foi O numero das aeces da companhia segundo
introduzida naquella sala para a obstruir comple- se diz, de 40,000 905000 rs. cada una. Merade
tamente, e para onde foram levadas armas, vinho e destas aeces foi reservada para ser -tribuida.
agurdenle. | alm de outros pretendemos, pelos subscriptores
Nas ras preparavam-se no entretanto as scenas do banco hypothecario que a companhia l'tilidado
de desolaco e terror. Bandos de homens armados Publica desta cidade, tinha cagaaisado, e requer -
corriam as ras, disparando tiros sobre seus ad- do o monopolio e lem assim para os subscriptores
versarios polticos que se recolham pacficos de outro estabeleci nento da mesma naiureza pro-
suas casas. i jertado pela Assoc acc- industrial Poitnense. A
Yiolou-se a rasa dos cidados arranrando-lhes os distribuieo das at^oes nsfocio MO melindro-
guro.
Cora o titulo l'nia grande nova escreveu o
Jornal do Porto de hoje (H) o seguinle :
A hora a que eserevemos estas linhas est li-
gado o caminho de ferro entre esta cidade e a ca-
pital.
Amanha noite sahem de Lisboa, percorren-
do toda a linha os Srs. Arribas, director geral, e
Abren, chefe da linha de Lisboa ao Porto. Os
dous viajantes pernoilaro nesta cidade na segun-
da-feira.
A pontu de Mcate, essa avallada obra d'arte,
a mais importante que havia a fazer, foi levantada
quasi niaravilhosamente dentro de oito ou dez
dias.
Para se calcular a importancia do trabalho
mente, se ignorava so houve ou nao hypotheca, e em tao curto prazo realisado, basta saber que a
se esta fui feita com as cor dic/ies legaes. ponte de Mcate, que de ferro, consta de quatro
0 director o Sr. viscende de Figuelredo respon-1 tramos de 20 metros cada um, e tem o peso total
deu a todas estas arguces, seno satisfactoria e de setenta toneladas.
plenamente ao menos de frma que a assembla a obra desla ponte foi dirigida pelo hbil en-
se deu por satisfeta. genheiro D. Luiz Zapata, que tem grangeado os
Na vespera do dia de Natal precipilou-se da par- melhores crditos pela sua competencia em traba-
te mais alta do paredo das Virtudes um infeliz |hos desla ordem.
chamado Joo Graca, de uns sessenta aunos de ida- Parece que o Sr. Zapata ser encarregado da
de. Morava na ra do Bom Jardim, e era la- conslrucco da grande ponte sobre o Douro.
vrador. o Conunerch do Parto conta que em Aviles ha-
1 ma carta limito desconnexa e aecusando pro- via, n'um sitio chamado das Agras, um atalho por
fundo desfalleciinenlo das f.iculdades mentaes, es-: uns campos, que dava caminho mais curto para a
lava pregada com um altinete no collete do suici- j igreja.
da e revela o motivo de sua extrema deliberacao. | Os donos dos campos, qne nao queriam a sna
Algumas pessoas que seachavam no passeio das propriedade devanada, decid rain vedar a passa-
Virtudes hora do sinistro tentram intilmente gem coni seDes.
autharo projecto do desgiacado. As mulheres daquella freguezia levaram muito
Um dos concorrenles correu ncrigo de ser tam- a mal que assim se Ihes lolhesse o meio de encur-
beui precipitado naquella conjectura. tarem caminho para a igreja, e abracando sera
Joo Graca morreu in.'tantaneameute, ficando, darem por isso o celebro paradoxo de Proudhon,
em horrivel estado. Era viuvo e tinha una filha alvorotaram-s.^ e em forca de urnas 80 a 100, fo-
e dous lilhos j adultos em sua companhia. ram com enxadas e fouces ao sitio, e fizeram caro-
Gozava de bons crditos e viva sem precises, p0 rM0 de todas as vedaces que os donos dos
pois era um dos melhores no seu offlcio. campos tinham posto passagem.
No dia de Nata! celebrou o Exm. prelado desta Este feito foi acompanhado de um tao terrivel
diocese missa pontifical na igreja catliedral, dando
era seguida absolvicao papal a todas as pessoas de-
vidamenle preparadas para a receber por nielo da
contricro e da penitencia.
lina participaco telegaphica remettida pelo
Sr. ministro da marraba ao intendente do porto
desta cidade, previnindo os martimos de um pro
vozear e gritos de guerra, que os donos dos cam-
pos julgaram prudente nao Ihes opporem resis-
tencia.
Esta victoria sem sangue foi saudada pela cohor-
te lerainina com gritos de viva a Maria Bernar-
da e outros quaes.
Nao ha nisto cousa que seja para se admirar,
ximo e grande temporal nas costas do Portugal, | porque Aviles tena de padira's, e todos saben
mas que anda se nao veri.icou, nem Deus queira' qUe as padeiras portuguezas, desde a famosa Bri-
que se verifique, tem sido assumplo para chacota i tes de Aljubarrota, sabem fazer da p do torno o
nos jornaes da opposicao, que aqui como em toda i niesmo uso que Hercules fazia da sua clava I
a parte, nao perdem occasio de metler a ridculo
os actos das autoridades que por qualquer lado se
prestam a isso.
Trazemos esla noticia a proposito do contar quo
o annuncio oflicial do grande temporal causou em
um dos dias da semana passada to grande susto
a algumas companhias de pescadores de Valbom
que tinham sahido para o mar, os quaes vendo
este a comecar a .agitarse, e julgando ser o prelu-
dio do grande temporal, eutraram barra dentro
deixando no mar as redes que haviam deitado.
Na tarde do dia 19 sentio-se nesta cidade urna
ligeira oscilaco de trra na direceo de leste pa-
ra oeste.
Em Villa Nova de Gaia foi o tremor mais sensi-
Fallecerara
No Porto, no dia H, o Sr. Jos Martins de Aze-
vedo, comuiercante que foi ne?la cidade. Era ho-
rnera prestante e de exemplar honradez. Exerceu
varias coiumissdes de servico publico que desera-
penhou com iutclligencia e leuvor.
Em 18, o commerciante Joo Thomaz. Qullinan.
Em Braga, no dia 13, o bacharel Manoel Justino
Ferreira Cruz, primeiro offlcial do governo civil
daquelle districto, e anteriormente tinha sido ad-
1 ministrador dj eoncelho de Braga.
Em Guimaraes, no dia 16, o conege Jos do Sa-
cramento e S Iva. cora 96 annos de idade.
A respeito de theatros temos no de S. Joo a
companhia de que faz parte a grande actriz Emi-
1 lia das Nevos. Sao poucas as recitas que tem da-
vel. Algumas pessoas chegaram a
alemorisadas. .__...__,__ e do, pois apenas tem' levado scena os dramas
0 lempo lera estado e continua belliss.iuo Se ,Ad'e|ade, Adriana Lecouvreur,. e os Martvres
nao fosse o fro glacial .rae taz poderiaraoa dwer (ta rjermaiia
que estamos em plena primavera. Na primeira representaco da Adriana, quan-
ssevera-se que o Sr. comraendador Jos Fran- do, no 2o acto, a distincta actriz Emilia das Neves
cisco da Cruz Trovisqueira, que hospedou em Vil- fez a sua entrada, recitando os versos sublimes da
la Nova de Famalico a Suas Majestades na sua' Phedra do grande Hacine, sera, como serapre
recente viagem ao Minho, e que igualmente tinha tem sido, saudada com os applausos geraes e un-
recebido no seu palacete o Senhor 1). IV'dro V, foi son de todos os-especladores, se as intrigas de has-
agraciado com o titulo de baro de Trovisqueira.' tidores nao dessem al s cadeiras da platea, e so
O Sr. Alves Passos, ocliefe civil da revolta mi-1
litar que se effectuou em Braga o anno passado '
j reclheu do exHio. Estava em Hespanha, e en-
trou em Portugal1 por Valonea, veio a Vianna, se-
guo para Bareellos, onde o'esiierava a sua fami-
lia e muitos dos seus amigos.
No ponto onde se juntara as estradas do Porto o
Bareellos esperavam-no os estudantes do lyceu e
seminario, em numero de 680, que ao som de ama
msica levaorarara vi v& *> seu arofossor. on-
lodos livesscn a sensatez de ver all a actriz e nao
a mulher I
Cahiram no palco moedas de cobre e estalo.-,
mirados da plateia quando Emilia das Neves pro-
nnnciou as pnmeiras palavras. A maioria do pu-
blico indignou-se cora tal procedimento e applaii-
dio com phrenesi a eximia actriz. Rompou enlo
urna pateada, que foi abafada pelas palmas e pelos
gritos de fra os pateantes e viva Emilia da
Neves ( Era urna anarrhia completa Cada


Alarlo de Pernambneo -- 4|ninta felra *8 de mnelro de t *!.
um taxi:, o que fhenta Ihc pareca, PM respeitar
a dignidado los antros nem s. sua propria. !
Serenada a tmpetlade, Kinilia das News allou
ao publico para explicar'os motivos la pateada c
defender-se das injustas arguices qwj luotharan
aquelles desagrados.
O todo do seu arracoado so percebeu, porque o
esteurar dos estafes e os gritos compassados de
cirtri basta abatatara as palawas ifaactriz. Se
ella se tivesse Imitado a dzor como disse ao rahi-
i< in no palco as priuiuras incedas decobre Se
para os pobres, ai ida pouco! teria lirado
una glande desforra.
No nosso atender anden mal Emilia das Nc-
ves com o sen grand j arrazondo. No palco ostava '
a actriz, qae devia receberas nian. testan-es de
agrado >n desagrado com a oabeca curvad:, por-
que nao" razoavel iwn mesmo permittido ao ac-
tor fallir ao publico scuab ;t'uillo que esUvjr no
seu itl. I
Se a paleada era aoinlosa e mal cabida, t ntan
o publico sensato para desafrontar a actij como
(l'safroatou, porque os sfgnaes de eiesagn.do fo-
ram completamente subordinados pelos de ipnro-
-vacao. Depois diste o espectculo corren ale ti
nal sein incidente at^um, repetiiido'se eitae a
scena t,ue so *inha edo no principo, mas mais
correcta c augmentada, pois (|ue vencendo osen-
ttiusiasas da actriz, lizeram-a vir scena duas ou documentes para Ibes dar o destino que ju-lgar cen-
tres fases para a vretoriarem. i veniente. _
Epor causa destas pec/tiPiun miserias passaram Os documentos sero remettidos commissao de
coBwtiuedegapcrce'jidas as passagens gramlilocas poileres logo que seja nomeada.
da ric;. obra dc-Serib, tao sublimemente irrerpre- O Su. Slvkiha Lobo (para uma reclamaran) :
tadas .por aquelle grande genio-artstico, pila rai- No discurso do Sr. Percira Pinto vem um aparte
libada scon,pertmueza lnU com accrescuno de alguwas palavras que cu
<9ua-ii idntico espectculo repetio-se na primei- nao |>roferi. Fallava o Sr. Pereira Pinto de haver
ra representado do drama do Sr. Jos Komano o t.r. *)r. Benigno pedido um attesudo ao chele de
Os martjros da Gemiana, afora es moedas de polioia da provincia do Eptn robre atiradas ao pilco, talvec poique entei deram dedarasso se elle nao liavia temado uutido alguma
bem, w^ atiradas all, ficavam os bolsos sem intervengao na questo eleiteral da provincia do
jilas. Espirito-Santo; cu disse que nao estavamos mais
Mas erttao a victoria foi mais completa para a nesse tempo.
eximia a:trz, que os pateantes, em numero nao O Sr. Pereira Pinto eoiiiesteu su, ou quiz con-
superor a ii ou 15, tiveram de retirar-se, m vis- trariar o que eu asseverava, e ento eu tive dt di-
ta da ruanifeslacao enthiisiastca com que eram zer nao estemos mais nesse lempo, vai comerar
repellidos. u,||a nova poca em que lia de ser mantida a lber-
De 11 : em cima das cadeiras, a mocidade estu- dade de pensamento a de voto. Alguns Srs. depu-
euiente distribuieao do jornal da casa. Os dela-
ti's destas questes deram em resollado os 12 arti-
is auditivos aos estatutos, sanecionados as ses-
sties de 20 de agosto, 17 de seterabro e Ia de ou-
lubro, e estampados Das Toldas publicas do Recite,
jirante uin mez nao interrompido.
Foram propostos, approvados e recebidos no gre-
io do I astil uto :
Dous socios efectivos.
Nove socios corres|iondentes.
Oito -ocios honorarios.
Dous dos da primeira catbcgoria, era conformi-
cor-
do
menios offerecidos ltimamente pelo Sr. Di". Car-
neiro da Conh>>os quaes por esquocinienio tinha
dei:iado sobre & mesa du meu escriptuiio. Vou
apreseatar esses documentos casa, e segundo os
eslvlos della IVo orna rescalia dos mesmos para
que flqoe consignada. ,
fco quatro documentos relativameat a Jacoca,'
nelosfjuaes se pretende provar uue Manoel Soarcs
Nogueirade Moraes foi qualiticade em 1863, que
insjiecter da instruccao putritea m exereicio, que
nioradorna Jacoca, e que subdelegado em ejer-
cicio no mesni) lugar.
I "m outio i ilativamente aoexame procedido no tyde do argo 10 dos additivos, passaram a
livro das acias da eleico -de Jacoca.
Um outro retatvameMe a urna declarado jurada
de tres siembros que feeram parle da mesa presi-
dii'a pelo Io juta de paz, na qual declaram <|ucaio
(izeram parte da 2" mesa presidida pelo 2* juiz de
pa>t.
i na rertiduo do odital que foi aflixado no da 0
de agosto.
Dous dociiBKimos pelos quaes se qur provar
que Sebastiao Jos Casado e Candido Dodrigues
Bezerra sio moradores ua cidade da Ara.
l'ma ju.Milica^io -tibie o adiamento daeletodc
Alaga-Grande, pela qual se mostra ter-se manda-
do aluzar os editaes.
Dogo V. Exc se digne mandar reoeber estes
Dr. Augusto Frederico Je i'liveira,
Comido Caoimiro Guec s Alcoforado.
P -ovidenciou-se para que sejam tapadas as
portas e janellas do edificio destinado para o Gym-
nasio Pi-ovincial, afiui de evitar-se que all se acoi-
tem, como j tem acontecido, peseoas turbulentas
e escravos fugidos.
Nio se tendo instaliadio no dia competente a
junta di qiialilicacao da frcguezia de S. Lourenco
deTejosupapo, por nao ter a cmara municipal de
Goiaana remellido o livro para o lancamcuto da
acta e mais traballios da mesma junta, declarou-se
ao juiz de paz presidente d.lla que esta falta poda
i.-pendentes, por se baverem mudado da-de do ser suppnda, de conformidade como disposto no
instituto para provine ias diversas. S "' as instruc^oes de de junlio de 1849, c
iD'entre aquelles que como insultadores conta- designou-se o dia (i de marco deste anno para a [
vamos em nosso seto, e que foram comprehendi- reuniao daquella junta, que dever ser convocada,
dos no numero dos effectivos de que o anno pas- guardados os prasos e mais formalidades da lei.
saldoSzmeaeiie, seis recusaran entrar para acam Vai ser contraUdo para o servico do corpo
dd Instituto com a joia a que eram obrigados ; c de polica o paisano Libralo Francisco' de Paula,
per semelbante acto, e decUracao verbal de cada que foi julgado apto para isso.
vn\t deixaram de ser nossos socios; em lugar desses O corouel Hoque Carlos de Alencar Peixoto
"- ao provavelmente receliidos outros que ha muito acha-se nomcado delegado Iliterario do dislricto do
iciiam esta honra O quadro actual do nosso gre- Ex, sendo para isso exonerado desse cargo Ca-
o pos c seguinte : millo Cornelo de Alencar Peixoto.
Socios'eflectivos.......... 32 Foram designados os tenentes coronis com-
Socios honoranos......... II inandantes do 2o batalhao de artilharia, Jos Anto-
Socios correspondentes. ... 36 nio Lopes c do batalhao n. 43 de infamara, Corio-
lao \ tiloso da Silveira, c Io para commandante
79 superior da guarda nacin: I dos municipios do Rio
Formoso e Serinhaem e oS" para chefe do estado-
Acham-se promptos e assignados os diplomas niaor da mesma guarda nacional, visto acliarem-se
dos socios de cada urna das cathegorias, e vo sen- vagos Uespostos.
do entregues a todos que pela thesouraria do Ins- Sob proposta do director geral da instruccao
litulo se aehain habilitados a recel.e-los. publica creou-se mais una caacira de primeifas
Da Revista trimensat do o primeiro numero e o segundo j se acha im- s desta cidade.
presso, e a ponto de ser distribuido.
i lo servijoe ordem queasMretriaexige faltam
dk BT80S movis c objectos indispensaveis, cuja
coi ipra ha sido mister addiar, por falta de prorop-
to lagamentodas joias e mensalidades respecti-
va l A actividade reconhecida do nosso honrado
thtlsoureiro, c o amor de cada um de nos pelas quina, africana, escrava de Francisco Joaqun) da
coosas da patria. farao desappareccr em breve este Rocha Falcao, por fgida,
emlaraco, ordem do Dr. delegad da capital, Carlos, afri-
Para isso, e para que o examinis em rada uina cano, escravo de Luiz Pueeh, por infraccao de pos-
REPARTig\0 DA POLICA
Extracto das partes do dia 27 de Janeiro de
1864.
Foram recolhidos casa de detencao no da 26
do .crrente :
A ordem do lllm. Sr. Dr. chefe de polica, Joa-
Master Rpbul dirige-nos o seguinte
BUHAS VAliAS.
1
Era por urna dessas lardes formosas de janeiro,
em que o sol, dourando com os seus ultimus raios
trmulos o cio dos outeiros, volvia-se as som-
bras do crepsculo.
Cheiresa a bris;i perpassava ao longe, solucando
alinal das harinonias do adeus, que as aves envia-
vam tarde, que i ni desmaios no seio do occeano
ia expirando.
Era .-un por urna dessas urdes lindas, em que
nos (oraeiies ha mais amor, e as virgens mais vi- (
da, mais docura, mais graca e mais encantos, que i
eu csUva a'mirar, absorto em cxUsi, o moreno do
rosto de urna Phidia, me ab>smaudo na- mil I ou-
leroplacoes dos seus primores.
Apeles, ousado tentara debuxa-la, e corregi,
ergueudo ufano a palheta de Bizancio, v-la-ha ca-
liir sem dar un naco.
Ella mimosa como um .-ornso da alvorada,
acordando as llorinlias vicosas das campias, ou
como a natureza a dispertar aos cnticos sagrados
das harpas do Senhor!
Seu sorriso tao lindo como o lyrio do valle
liosa saodava com vivas Emilia das Nevos e pro- lados da opposipM) riiaai-sc e disseram : nao lia de suas verbas, acha-se sobre a mesa, apresentado i turas.
tesUva contra aquelles que perturbavam a ordem duvida, vai comegar uuw vida de ouro. Estas pa-
eom a sua falta de senso eommuin. lavras, sem duvida irnicas, niio foram protenoas
Os-movos desta malquered-a pasa com Emilia por inm, entretanto oo jornal figurara como mi-
das Heves sao desaveucas particulares cutre ella e "has.
alguns actores que se dcsigaraui da sua eompa- E para recUlicar isto, porque eu Talle com toua
nhia. t que, no nos.-o entender, nunca de.eram a sincendade de mrnhas crencas, nem me n, nem
terdes.;ido do palco, pois que saofactos particulares lu quem usei destas expressoes irnicas. Nao
era que o dominio publica nada tem Nao o enteu- quero que passe como opigramma nem urna cousa
deram, porm, assm os amigos dos actores desliga- que nao nem |iodia ser partida de mim. Eu nao
dos.e (uizeraro, nesias raanifesiacoes ruidosas que attnlmo i-io a pessoa al^uwa, c smente a engao
ah vimos repetidas duasoites, "vinga-los Mtip* que Emilia cias Neves Ibes fez. PRIMEIRA PARTE DA ORDEM DO DIA.
A companhia de que faz parte a eximia actriz KtEicv da mks.v.
regular. Mellior fora que este grande genio la sce-' ^ l'rocede-se a eleicao da mesa, e sabem eleitos os
na se delxasse da vita nmade a que se tem entre- Srs. :
gado n;sies ltimos lempos. PresidenU; (68cdulas).
O Uieatro lyrico est nos varosismos da mor te; /adiaras de (oes e \ asconcellos, 04 votos,
nao lhi damos um mez de vida. Vice-pesidette (68 cdulas).
Diz-Fe porahi queogoverno lhe vai retirar o, Thwphilo Benedicto Otloni, 63 votos,
sabsidio, e faz bem. Nunca no Porto vimos com-1 1* secretar* <70 cdulas),
pauhia mais irregular, nom cancar us dilelaui com, Tito Franco de Almeida, 63 votos,
operas wlhas e tantas vozes repelidas. A>mos-j 2" secretm (66 cdulas).
as de desagrado que a empreza e mesmo ts can- Pedro Luiz Pereira de Souza, 5H votos.
teres teem reeebido, izeai bem claro que vida.....3o secretario (68 cdulas).
da actual companhia lyjica est por um fio.
pela commissao respectiva, o orcamento' da rceci-! A ordem do subdelegade de Santo Antonio, Leen-
u e despeca para o anno social de 1864 186o, eio Jos Theophilo, branco.'para averiguajocs pul-
pelo qual se v que a nossa prxima receiU scriciaes; os pardos Francelno Marques Damaceno
de l:4HAfi*t res, e que a despeza oreada, dando- Ferreira, c Jos Sabino de Lima, ambos para cor-
s apenas 22i.">6." para eventuaes, nem por isso reecao.
ser inferior a aquella cifra. Na sessao do 1* de > ft ordem do de S. Jos, Pedro Flix, ci ioulo,
abril se discutirao os seus artigos. disposlco do coronel recrutador.
O nosso distinelo orador interino, em cunformi- ; o chefe da 2' seccao,
dade do que dispoeos estatutus, vos dar conta dos j. e esquita.
lvrus e manuscriptos que foram offerecidos ao >
Instituto, neste segundo auno de sua vida social, Movnnento da casa de detencao no da 26 de
cabendo-me a mim fdzer mencao honrosa de um Je Janeiro 1864 :
lulos que egein a vossa a>sucacau, apreseutando-
vos o relatorio e balanco do anuo que acaben.
O vapor Cumarayihe, nico vaso que a compa-
nhia possue, acha-se com o casco e machinisnio no
mais perfeito estado.
Outro tanto, porm, nao acontece com a caWera
',e segundo as oforinacoes do machinista, deixa
'scapar agua pelo fundo, nao sei se proveniente de
algum cravo que lhe falte, oo se propriamente
deficiencia da chapa
Informa o mesmo machinista, que por occasiio
da obra a que se proceden antes da minlia admi-
nislraeo, licou a caldeira assente sobre as escas,
em cousa alguma, que a protegesse da corroso
(|ue lhe eausava o conucto immediate de qualquer
quantidade de agua no porSo, cujas exalacoes bas-
t.inam para aquelle resuludo.
Ha cerca de 30 das se acha elle parado por essa
causa.
Determinaran esse resultado a falta dedinheiro
em caixa da companhiaqnc contina a ser credora
da Coinmandita em liquidaco pela nuanta de rs.
26 :C 16^202.
1'-mi.Io-iii..' sido necessario ausenur-me por algu-
mas vezes desta cidade deligenriei |>or essa- occa-
sioespas&ar a alguns de vos a admnistracu da
companhia, de que s me encarreguei a instancias
ah indo as pealas as perolas do pranlu matutino, ([e u|gUHS senhores accionistas, que me honram
ou como a idea de nossas aventuras ua primavera i (.om sua amisade : recusando-se porm, aquelles
de nossas esperanzas I I tenhures, licuu sempre a dreccao sob a influencia
Seu olhar e tao temo, Uo langue e inspirador, | ( pruieccau do seu maior accionisu o Exm. Sr. ba-
como em noitt de oulubro em ceo brasiho o dis- jra0 do Livramento, e nada fra do expediente se
pontar preguigoso da la somnolente, ou como a (a sem 0 mesmo Exm. Sr. ser consultado,
prece mystentsa que entreabre os labios da vir- Mandou o Exm. presidente ouvir a directora
gem solnaria ao toque me.laucolieo da Ave-Mana lCt,r(.a je Ulll reqt,erjmenl0 de tms negocian-
Seu nome a pureza revelada na modestia evan-, ,es desU cidade a gerencia fti ^ij^,, em prestar
geltcadesua expressao: e o nome a quera, pelo. ao gxm. Sr. barao sua Informatlo; quantuaftpri-
mysteno de taes contcmplaeoos, oqv-o no calor da | inoro t(,pco com 0 pC1-i,)(|0 ,.u-e se 1(i no (o{Ki ja
dansa ao rebater do coracio da virgem, e couho a pagi>a S rto ^^ reiatorio pagado -nanto ao se-
miuhaalmau) someute, embora o assassraio de gundocom aresolucao por vos tomada na vossa
Marat repita-o pelas pra<;as. ultima reuniao.
Oh eu eslava a mira-la junta a ella, ouvmdo- Fo a recei[a durante os 12 mezes decorridos de
lhe as fallas innocentes, e quaudo beijar-lhe as ne-1,s. t5:3o8A000 e a despeza de rs. 17-274W1
gras trancas, (rfumadas das auras do crepsculo, | A pequea receita foi devida a escassez de re-
qiiando. m.rabde dictw, o somuo das contempla-1 Ikxjuos tendo falhado a dos bateloes da escavaco
Cues me ataca o espirito, e sonhando que a va en- 0 vwl0 a despeza inclue 50 toneladas de carvo
tre llores no meioda lesUnca, retirados nos ambos I i
Quen contina a facer fortuna a comunhia
hespanhola de zarzuela. Nem applausos iimd es-
pecudures lhe escasseiara nunca I E mercec-o a
companhia, por que c a mais regular que tom viu-
do ao Porto e porque aprsenla em scena espectcu-
los muito para se verem.
Poz ltimamente em scona a magnifica zarzu.'la Os
Mayijai cs,a mais app.'iratesa e bonita do seu nporto-
rio. Foi recebdcoui geral agrado e tem dalo en-
dientes ao theatro.
Abiu termo de carga em 12 o briue Saudade,
pira o Rio Grande, pelaf igueira.
Ileuriqne Lirapo de Abreu, 57 votos.
4* secretario (68 cdulas).
Jos Angelo Marcio da Silva, .'5 votos.
MnjnMMa,
J'lia l.eite Ferreira Jnior e Jos Liberato Bar-
roso.
ELElvS*1 **S C0M.MISSF.S.
Procede-se allalo das commisses, e sabem
eleilos :
Resposta falto do throno (66 cdulas.)
Os Srs. Jos Bonifacio, 56 votos Paes Barrete, 52;
Marlinho Campos, 4.
liando a hora para jiassar-se 2* parte da ordem
Entraran):em' a barca FU*- da Maia, do do dia, o Sr. Saldanha Marinho offerece o seguin-
Maranlao, em 43 dias ;-em 19 a barca Silencio, te requerimento, que lido, apoiado e logo appro-
do Rio de Janeiro, pjr Lisboa, em 50 dia. vado :
Sahiram :-em 11 o Lrigue Esinratim, pata Per- Requeiro urgencia para que se proceda clei-
narabu'O, a barca S Jumo para a Bal.'ia, e a barca fSo da commissao de constituicao e poderes.Sa/-
J.jicn E* alinda, para o Ro de Janeiro ;em 13 o dn-uka Maiml,*,.
paUchc .Yuto Lima, para o Rio Grande ;-eia 15 o Procede-se, pois, eleico da referida commissao,
brigu'e Suitdade, pan este ultimo por lo iem 16 a e sabem eleitos.
barca Arminaa, idem ;em 20 o brigue 6. Janoel Constituice e podnes (62 cdulas.)
/, para Pernambuco. Os Srs. Saraiva, 60 votos; FurUdo, 37 Jos Bo-
_------- ni lacio, 50.
O brigue S. llanoel I, de 192 toneladas, lapilu
Carlos Ferreira Soares. sabido para Pernanbueo,!
ianife:>lou o seguinte :
A' orden), 33 bariis cura pregos, 24 dito: com
424 milheiros di dito-, 13 cunlietes com 920 nacha-
dos, foucfs e cnxs, 4d,tos)m 1115 aechaduras, 1
dflo com 270 duzias depentea, 6 barrs com f 06 en-
diadas. 30 cunlielr- c 3 dilus com 1166 fechos Jeiluduras, ditos com
205 duzias de pentes e 236 macos de linha, i ditos:
com 66 J fechos, e i dito com lili a n.eia du:.ias de
pentes, 1 duzias de mantas, e 2'i ni: eos de Imita.
Angelino Jos dos Santas Andrade, 202 (aixoes
com nucarrao.
Antoaio Jos CoimbraGuinaraislOcaiNo'escom
1500 duzias de pomida.
Antoaio Jos Ferreira Alves, 1 barrica oom pre-
suntos > salpicoes, I dita oom 3 milheiros de sardi-
i'.bas, e 0 aurrela.- coui acoitoas.
Antonio Luiz de Olivcira Azovedo & C, 100 an-
rolas com azeitoras, 20 runnetes cora 14i0 du-
i' Hii te.Eulrando em discussao o parecer so-
la as eleic/ies do 3- dislricto da provincia de 8.
Paulo, veo a mesa a segumte emenda que foi lida,
apjiada e posU conjunctamenie em discussao :
Que se annulle a eleico primara da parochia
de Tatuhy, maudanio-se proceder a nova, (jae se
reoonheca valida a eleico primaria da parochia de
Caeonde.Paula Seuza.
V discussao ficou adiada pela hora.
Oraram os Srs. Paula Souza, F. Octaviano e Jos
Bom faci.
l.evantou-se sessio s 4 horas da tarde.
PERNAMBUCO
REVISTA DIARIA.
Ilontem celebrou o Instituto Archrotugicn e (ieo-
ziatda lomada, i eaixo com 200 chajos, e 1 dito gr,i\tkn:o l'enittmbacauo a festa anniversana do
com 201 pares de chnellas. IS''11 *" auno de insUllieEo, presidindo a este acto
Augusto Cezar do Alneu, 2 caixoes com ) inia-! 'o*1 a pornpa e dignidde rnnvenienle.
gens e 7 casticaes. O salao em que o Instituto faz as suas sessocs,
Chri.tovao (i. Breoheiifcld, 1 eaixo com ritroz c achava-se decorado can tropheos e estandartes na-
40 pee; s de cordo. cionaes, tendo ao sul, em escudo d'armas de cores
Cunlia IrmosA C, 100 roas de arcos e 3 eaixus com 237 micos de linha.
Domingos Rodrigues de Andrade. ;K) sacos com
leijfto, 1 uiio com fejo c noces, 3 caixas (om 70
resleas de rebolas, l laU com carne de porco, e i
barrs .-utu 522 cuchadas.
dala da restauradlo de Peniambuco, ao norte, em
escudo d'armas de cores brasileiras, o de-7 de
tettmbro de 1822data da imdependencia do im-
l>.'i ip ao poenio, an eseudos de cores mixtas, as
de3 ieamate it 1C15dala da batalha de Ta-
Francisco Rodrigue-da Silva 2 barrscempei-1twcas, e- 19defevereiro \e, e I caxo com violas e 1 imagem com orna-lmbale dos Guararapes; e do oriente, finalmente,
los de pratt. 1* retratos dos hroes Feruanilu Vieira, Camaro,
Joaqiiim Antonio Pereira, 1 caixao cora zlO vi- vl|:'l de Negreiros e Hemique Das; os quaes
dros pr/a linteiros e lampada-, M '"istiam a urna festa cuja gloria Ibes era
Joaquim da Silva Castro, 1 eaixo I oratorio com ; ,0''a devida.
imageui'C resplandor de prata. mesmo salao achava-se apinhado de ppssoas,
Jos Antonio dos sainos Lessa, 1 eaixo com 180 coovidadas a assistencia do acto, vendo-se ah to-
Jos Antunes Gu maraes, 1 eaixo 12 Iwcelas, represenudos.
as| coa. d'jce. raa banda de msica marcial estendia-se ao
Jos Jtaqum Castro Moura, 2 caixoes iom 20!lon8 da entrada do salao, tocando diferentes pe-
resmas de papel e OO macos de palias. &*' e uma goarta de honra oeeupava o pateo do
Luiz Aatoiiio Viera, 1 barril de uuart) com cdilicio para as conimcnciasdoestvlo.
vqo. A u.n,a Lora annunciada a cfiegada do Exm.
Manoel de Azevedo Andrade, 2 caix&es j:oiii 21 *?r .vice-presidente da provincia )r. Domingos
rai-
duzias de toa Ibas.
Maooel Francisco Marines, 100 rodas d) arcos
de pao
Manuel Joaquim hamos Silva \ Genro,
xoes cem 60 duzias de garrafas com vinho.
Mantel Jos da Cimba Porto, 2 caixes cosa 3
duzias de garrafas com vmho.
Marcelino Jos Goncaives da Fonle, 16 barris de
quarte oom vinlio, e 61 saceos com 305 alqueires
Marque Barros t\ C. .">0 ancoretis cori azei-
ionas.
Palmeira Beltrao, .50 taceos com 250 ilquei-
res de Cbjm.
TIwomiz de Aquino Foneeea Jnior, 50 eaixes
om 50 d'izias de arralas com vinho, e 2 iiaitSes
com 500 azuldjos.
Thoinaz Feruandes da Cunha, 11 eunlietis com
2794 fcehadura, fechos e fouces, 1 dito com 200
duzias de pentes, e 20 larris com 250 milheiros de
giregos.
.. .. ____
INTERIOR.
BIO DE J \KIU4.
ASSEMBLEA GERAL
CMARA DO MMIOItl *
ii-:hi i 4ims.
SESSAO EM i DK JANEIRO DE 1864
MnsnBKlA n i su. 2iCII.\ltl.\S
As onze horas 3 meia da maiihaa, feta a cha-
mada, % achando-se presente numero sofllcii nte de
era, di putados, brese a sessao.
l..!-se e approva-,-e a acta da antecedente.
O Sr 1 seewtarfa declara nao iuver expe-
0-jiite.
O Su PKMiiK.ME convida a prestir jun.mento
a melles manores que ainda o nao tinham feito.
O Su. Pawlova :Sr. presidente, na ullinases-
*ao preparatoria, dando as razoes por que a 2*
commissao de poderes nao tinha apresentado o seu
parecer acerca das eleiefles do 1- distrcto da pro-
vincia da Parahyba, eo disse que todos oii docu-
mentos e o esbocodr p recer se achavam enregues
a um digno depntao pelo Piauhy, o qual os tinha
de Souza Leo, em companhia do seu secretario,
ajanante deordens e do Sr. Dr. ch'fe de polica, e
com as continencia- militaros c ao som das msi-
cas da guarda de honra e da po oeeupava a en-
trada do salao, S. Bxe. nelle inlrnduzido pela
commissao de recepeo composU dos Srs. Drs.
Tenes Bandeira, Figeiroa e Witrnvio Pinto Ban-
deira.
Em seguida chega (rajando vestes episcopaes
o Eim. monsenhor Muniz Tavarcs, presidente do
liutitutn ; i|ite reeebido polos seus consocios ao
teqne da msica do salao, oceupa a cadeira presi-
dencial, donde domina com o seu vulto venoravcl
o amphithealro que se lhe extenda em frente,
eheio de pessoas gradas e notaveis por suas quali-
dades e posic-Vs soeaes.
Declarada'a berta a sessao, S. Exc. pronuncia o
discurso qne damos hoje na8* pagina. Monumento
de patriotismo e silier, cofre de respeiio ao bom
neme brasileiro, que todos (levemos acatar, este
discurso uma prero-idade inostimavel.enja leitura
recommendamos.
A' (i. Esa, seguid-se na palavra o Sr. secretario
perpetuo, que apresontou o relatorio seguinte:
UtlATONl P0 -KCilKTAniO eEBfEri'O do INSTITITO
uichuuigko e onaurnoo peknammcano, li-
Iio K VSSK.MIII.K\ OKUAL DO DA 27 DE /AN'EIHO
de 1864.
Meus senliores.-Em conformidade do que ds-
pie o artigo 28 dos estatuios desta casa, venho
dar-vos coma summnria neste dia solemne de to-
dos os trabalhos da associacao durante o anno aca-
dmico que acaba do passar-se, nao s para que
cuntierais quanto se fez, mas sobre ludo para que
llques saliendo quanto de vos espera o Instituto.
A mesa eleila em 15 de fevereiro tomou posse
no 1" de abril, e tem ate hoje funecionade sem in-
terrupcao, com ozelo e habilidade por que, ex-
cepeo do secretario perpetuo, cada um de seus
membros se distingue.
DaMtWia sessoes ordinarias se celebraram. e
n -.-a- sessiies se di-cutirn), como de eostume,
varias quest5es litterarias e econmicas.
A experiencia de um anno de exereicio aconse-
Ihou a uucessidade de examinar e esclarecer al-
guns dos deveres e direlos dos socios elTeclivos,
correspondentes e honorarios, quanto s joias res-
pectiva* asduas prineiras classes. modo de asre-
ceher, eoaverso de socios de urna cathegoria para
da turba, que a cerca va, eu comece a conversar-
lhe assm:
Morena!
Iloje j nao me possivel deixar de te amar,
lina terca invcncivel me arrasta para ti, e faz
j que por (oda parte eu te siga, como a tua sombra,
ou o sonho mais lindo de tuas esperanzas de don-
zella.
Embora tenl.a eu a sorte du Kuimoer do norte,
quando aro;messa drnkers aos mares tempestuo-
sos, ou a do rajador dos Alpes, correndo atravz
de precipicios espantosos aps seu sonho, que de
levado para sua casa ailm de estudar a que silo, o.outra.casos em que os socios su arriscara a perder
joe ap.mes favam em meu poder algum docu-lsens ttulos c finalmente quanto ao preco o con-
retrato em miniatura do finado' major Jos Muniz
Tavares, ofTerecido por Marcellino Santiago Vas-
concellos Leito de Albuquenjue, e de uma moeda
de prato velha do tempo da invasao hollandeza, of-
ferediLa pelofreverendo padre mestreLino do Mon-
te Carmel lo Luna, nosso digno consocio.
Foram patentes a Sua MagesUde o Imperador
os ardentes votos do Instituto, por occaso do ul-
timo conflicto anglo-brasileiro, apresenudos pelos
commissarios que para este effeito nomeastes, e
foram esses votos recebidos com a cordeal benevo-
lencia que e proverbial em Sua Magestade.
Solicitou-se tambem do mesmo augusto senhor
a nafa de aceitar o titulo de presidente honorario
do Instituto i tomando-o desde logo sob sua alta e
immediata protercao.
A ultima resoluto do Instituto no correte anno
fu uma homenagem prestada a este grande dia :
venceu-se que por intermedio de alguns de vossos
socios, deputados assembla geral legislativa, se
requoresse e oblivesse d'aquelle poder do esUdo a
deelaraco por lei de que o dia 27 de Janeiro ser
de ora em diante um dia de festa nacional para a
provincia de Pernambuco.
Xas desesseis sessoes ordinarias que se celebra-
ram durante o anno, o nnmero de socios qne com-
parecern) a cada uma nao passou de 8 (termo
medio \, indurado os membrus da mesa. Este
tacto nao precisa commentaro. l'ma creacao toda
nossa, consagrada gloria de Pernambuco e a
Iwnrado Brasil, necessiu de muito alent para vi-
ver e de muita dedicacao para sustentar-se : um c
outro dependem do patriotismo de cada um de nos.
Saladas sessoes do Instituto Archeologico cGeo-
graphico Pernambuco, 27 de Janeiro de 1864.
Jos Soares de Azevedo.
Secretario perpetuo.
Oraram em seguida os Srs. padre mestre Lino,
Torres Bandeira e Manoel Jacome Pessoa, nijos
discursos daremos mais de espaco a leitura publi-
ca, pois que ella se reeommendam por suas
ideas.
Terminada a reeitaeo desses discursos, foram
distribuidas as carias" de habiltacao aos alumnos
do Cario ComimrciaJ Pernambueano, que con-
cluiram o estadio Iliterario, e que all se achavam,
pelo Sr. Dr. director geral da instrucejio publi-
ca; o qual por essa oceasio dirigio-lhes algumas
palavras de congratuladlo e conselho, e depois
abi acou a cada um de per si, em nome da junu
dos professores do mesmo Curso, concluindo-se
este aeto de distribuieao por um discurso do habi-
litado Viriato Sergio 'de Moura Mattos em agrade-
cini mo por si e por seus collegas.
Aps esta solemnidade. em que os fructos de
uma instituidlo nascente nesta provincia iamassim
abrigar-se a sombra de reeordaeoes grandiosas
para a mesma provincia, terminou-se o acto festi-
vo, sendo o Exm. Sr. vice-presidento conduzdo
pela commissao at a porta do edificio, onde ainda
receten as honras que lhe eram devidas.
Por ter dado parte de doente o Sr. Joao Pa-
checo de (Jueiroga, acha-se no exereicio de subde-
legado da freguezia da Boa-Visto o 1* supplente o
Sr. Dedo d'Aquiuo Fonceca.
Os Srs. Pereira Rocha & C, acabara de
abrir um grande armazem de molhados na ra do
Queimado n. 45, e Rasera distribuir com o presente
numero um annuncio dos gneros que ahi expdem
a venda e a seguinte circular :
t An publico mustiado e maijnanino.Perein
Rocha & C. acabara de abrir na ra do Queimado
ii. i'i, um magita) armazem de molhados, onde
sempre se encontrar o mais completo sortiinento
de bons gneros, ipie sorao vendidos pelos pregos
mais mdicos que fr possivel. resolvaos como es-
li os seus propriettrios a envidaren) todos os
meios honestos de captivar a benevolencia do pu-
blico.
0ClariinC'iiumercial,nome dstinctivodonovo
armazem, nao procura attrahr concurrencia por
meios de pomposos annuncios, que geralmente s
em considerar-se como urna j cedica arinadilha
boa fe de cada um, verilicando-se que a reaiidade
tica quasi sempre, seno sempre muito ii qutm das
seductoras e fementidas promessas, que commum-
mente se fazem para chamar a attencao. O Clarim
pretende nicamente ser a guarda avancada do
progresso liem entendido, e por isso limta-sc a pe-
dir ao publico Ilustradoque visite o seu arma-
zem para experimentar se nelle nao encontrao
atanor e mais variado sortiinento de /eneros, pre-
vi* nmiio mdicos, muito rasoaceis, extremo aceio
e limpeza, urbanidad/1, n,as vtanejras, e lito desejo
de bem servir as peesoai que se dignaran honru-lo
com a sua benvola protecrao.
Bem convictos os proprietarios do Clarim
Cuiniiiercial de que quem uma vez visitar o seu
excell'Mite armazem, nao deixar de continuar
frequenla-ln, ousam insi-tir tao smente neste seu
pedido, que de certo nao prejudicar pessoa ne-
nhuma, e bem ao contraro ser de mutuo interes-
se para os proprietarios, como para os seus bons
fieguczes.i
Por subsistirem os mesmos motivos, S. Exc.
Hvni. continua a dispensa da abstinencia da carne
durante a presente quaresma, como o tem feto
as anteriores.
A imprensa lisbonense acaba de ser amplia-
da com o semanario poltico e Iliterario oze de
Agoste, com o primeiro numero do qual fomos ob-
sequiados pela Ilustrada redaceao, quem nos
confesamos gratos.
Esta Ihcista-Luso-Brasileira, cuja apparicao
gandamos c.i d'alm-mar, collaborada por hab-
lissimas pennas, e apresenta-se sob os mais bellos
auspicios, promettendo vida c fructos reaes.
Haremos de dar aos nossos conterrneos, diz
elle, noticia circumstanciada de todos os esubele-
cimentos de reerdo, litteraros e de beneficencia,
creados e mantidos no Brasii pelos nossos conci-
dados, residentes uaquelle imperio, j
Havemos de dar aos brasieiros e pertugnezes
residentes no Brasil circunstanciadas noticias do
que houver de melhor ou mais noUvel em Lisboa;
collegios, escolas publicas, sociedades de recreio,
estabnlecmentos commerciaes, de beneficencia,
fcospedarias, cafs, fabricas, arsenaes, artisus
mais considerados, etc. etc.
E" esta uma parte do seu programma, e por ahi
v-seoue duplamente elle inleressante para nos,
qur dando-nos noticias daqnellc reino, qur para
l Iransmittindo as deste imperio; circunstancias
i|ue o recouinieiuh em doblada razo.
Xa relacSo dos qualiflcados jurados, que
houtem cometamos a publicar, foram omittldos os
dous nomc sagidotes por casualidade :
Existiam .
Entraram.
Sahiram
A saber :
Existem.
Nacionaes. .
Estrangeiros .
Muiheres. .
Estrangeiras .
Escravos .
Escraras. .
346 presos.
7
8
345
237 presos.
29 ,
4 >
% l
67
6 >
34o
Alimentados a cusu dos cofres pblicos. 145
Movimento da enfermara no dia 27 do cor-
rente.
Tiveram alu:
Antonio Jos Velloso.
Salvador Pereira Brando.
Pedro Antonio Bibeiro.
Jeronymo Ferreira de Albv.querque.
Andr Fereira da Silva.
Obtiaiuo do da 26 i>e janeiro. no ce.mitkiiio
ouawco.
Rufino, escravo, Pernamburo, 10 annos, Rccifc
turbeculos pulmonares.
Jaquilina, Pernambuco, 6 da?, S. Jos; couvul-
soes.
Antonio, escravo, frica, 50 nanos, soltero, Boa-
Vista ; asphixia por submersao.
Ul POUCO OE TODO.
Donoso Corlez escreveu:
A revoluco, atacando tedos os deveres religio-
sos, poz-se fra de toda a religio: impugnaudo
todas as leis divinas e humanas, poz-se Jora de to-
da a lei; assaltando ao me ;mo tempo todas as na-
fes, nao tem patria; guerreando todos os instinc-
tes moraes do hoinem, collocou-se fra do genero
humano.
A revolncao ou demagogia uma negaco abso-
luta ; a negago do governo na ordem politica da
familia na ordem domestica, da propriedade na or-
dem econmica de Deus, na ordem religiosa, do
bem na ordem moral.
E' ella nao um mal, mas o mal por excellencia;
nao um erro, mas o erro absoluto ; nao um de-
licio qualquer, mas o delicto Do sentido mais ter-
rivel e mais extenso.
A .Vacuo noticia o que segu :
Cousin j fez testamento da sua livrara.
Dexa-a ao estado, e deixa um legado para a crea-
cao de um emprego de conservador especial.
Nao pode supporlar a idea de que lo talla li-
vrara fosse separada por diflerentes mos.
Est avahada em 200,000 francos.
*
Quando a Inglaterra tem j gasto em experien-
cias de novas pecas de artilharia a bagatella de li-
bras 2,700:000, eomeca a ganbar corpo, mesmo en-
tre os homens competentes, a idea de quo nenhu-
ma das pecas de nova invenc.o se avantaja, uas
condiges geraes, a amiga pega de calibre 68.
Tanto dinheiro gasto para matar gente e tanto
descuido nos meios de a instruir!
Extralmos a seguinte poesa, a qual subscrip-
ta por L M.
UiOR llEsVAUUDO.
I
Dize-me, Sopha,
Viste o Scram
Aquelle que mostra
Estar doudo por mira '
Pois hontem aqu
Ao pegar-me a mo,
Levou-a de encontr
Ao seu coracao.
Depois, quando pode,
Mclteu-me na mao
Este and formoso,
Que diz alTeico.
Nem tu deste f
Nem mesmo Thereza;
Pos elle isto fez,
Com gra subtileza !
Agora dizei-i"
Se nao, ou se sin,
Quera isto pratira
Nao morre |wr mira r
J posso dzer-te
Que sinlo alegra;
Pois vou p'ra ddade
Mostrar fidalguia...
Aqui pela roca
S reina-ignorancia ;
Por l reina a moda,
Ha muiU elegancia.
Meu pai mui rico,
Tao rico que elle :
Tem uma fazenda
Com muito caf ?
Mas nada dar
P'ra|o luxo ostentar;
Portento o marido
Terde gostar...
n
E o tal Seralim
Sem dote d'herdade,
Foi victima triste
Do luxo e vadade.'
Mas como era pouco,
Fez com que depois
Caminhasse o carro
Adiante dos bois I
III
A mulher rana rosa
Einquanto nao desfolhada.
Mas desfolhada que seja.
Nao merece uma pitada !
(amparada uma com eutra v-se que o resultado
i ders. 1:914M1.
Acbaodo-se a expirar o praso, ponroe vos dig-
nasteis conferirme o encargo de dirigir os nego-
cios relativos vossa associacao e nao pudendo
continuar nelle por mais tempo, peco-ros a minha
exoiieracao rugando-vus que sejam primeiro exa-
minadas, como cumpre, as conus qne vos apr-
senlo, e que vos digneis nomeiar pessoa a quero
devo entregar os livros e mais papis que perten-
cem a companhia
Peco-vos ainda desculpa dos erros que por ren-

certo o levar ao abysmo, comludu o ardor e a ve- j tara fenha cummettido, certos de hemencia, que os anima, nao vencen a minha no involuntarios.
empenho de adorar-te.
Ninguem, eu te juro, lera sentido seu coracao
rebater mais violente, nem sentido uma paixao lo
estranha como a minha.
Hoje conlioco a minha flaqueza ; hoje vejo que
essa torca de que tanto eu me iifanava, era uma
pretencao sem fundamento, nm orgullw exagerado
que nao poda resistir a magia dos leus olhos! I
Vencesle-me.-e ora me aeraste ao leu carro de
triumpho, como o dignu emulo de Ocuviano aos
eucantes de Cleopatra.
0 meu mundo de fieces recebeu o fiat da sua
exslenda nos raios seductores de la belleza pe-
regrina 1
Todos os meus sonhos, que vagueayam errantes,
confusos e impalledecidos na amplido de minha
fbantasia, aproximain-sc, reuneui-se e formara um
uturo soberbo de douiadas esperanzas.
E com os olhos filos nelle que eu hoje caminbo
sem temor por entre as desciendas da vida, queme
fizeram vagueiar entre os homens desapercebido,
como a voz doce de um anjo nu seu das tempesta-
des, como uma perola perdida nos paramos do,
mares, ou como uma idea santa e geuerosa em nido
do tropel dos vicios.
Hoje, porm, nao sou um eule sem destino I Li-o
nos teus olhos e sent mu de seus raios cscrever-
ine no coracao a siua dos meus amores.
Tudo que seu, meu ser, meus sonhos, meu futu-
ro, meu amor, meu Deus, ludo eulenho concentra-
do em ti.
Ili'i de santificar minha religio em tua alma,
beber- as luinhas crencas nos leus olhos, e uas
chammas do teu peito alimentar o incendio, que
me devora
Hei de fazer por ti o que s o amor pode azer ;
mas o amor ai dente e apaixonado do poeu, capaz
de sacrificios e de todas as dedicaeoefi; o amor do
nadador de Aliydos, all untando as vagas eucapel-
ladas e as trevas medonhas da noite; u araur de
Nally, atravessando u Itrenta para ir ver a sua
querida Guilla, u amor finalmente do rabe du de-
serlo I
Nao te dare, por certo, as moles sedas do Orien-
te, nem os seus preciosos perfumes, que o potenta-
do da ludia compra com a abundancia de seus the-
souros para derrama-Ios com prt fosan aos pl da
sua favorita.
E nem te deves pezar do que te digo.
A captiva do serralho, a victima do despotismo
oriental, sent o coracao aportado no meiode todos
esses deleites da esplendida opulencia, e chora e
suspira pela simples e modesta rondico da mais
humilde creatural
Nao digna de inveja, minha Morena, a vida
de uma sultaua.
Essa misera deve sorrir e prodigalisar carinhos,
quando muitas vezes sua alma se enluta e urna re-
pugnancia nveacivel lhe tem repastado o coracao
de tantas amarguras, que devera ser disfamadas
em toda- as ,-nas accoes, porque enlo, ai della !...
0 amor de um despota lo lascivo e grosseiro,
quanto atroz c sclvagcm seu odio.
Elle passa de um para uutro extremo dessas
duas paixoes eom a mesma promptidao e vehemen-
cia com que se irritaran) seus instinctos teosas.
Seu coracao nio eonhece um >eutimento entre o
odio e o amor, tudo nelle precipitado e rea-
le uto.
Eguisla, s elle lodo, minha Morena: -ua von-
tade soberana deve ser obedecida, ainda quando le-
uha de encontrar diaute de si a liberdade e a terca
de um espirito iudependente e livre.
X vista horrenda das torturas, do ctelo e da
ferocdade de um monstro, mister que a sultana
sorria, e sorna sempre,anda que o seu coracao se
extorca na comprcsso dos senliiiieulos, e ao peso
da dr sua alma se acaba c suecumba.
Ella deve sorrir sempre !... tem ves, minha
.Morena, quanto uic>quiulio e dignu decompaixo
o esUdo de uma sultana.
J pareee-me vr-te enternecida derramar uma
lagrima de pb dade Oh quanto es boa i
Agora sin, meo anjo, vem viver sos cotmgona
paz do meu amor, e a tua vida ha de ser o que tem
-onliado a minha phantasia !
Nesse interiin, loca a msica, disperto, eosdteco
que dorma; e o meu soobo ln*ooe reaiidade,
que acordei-me em SttTi f.
BotSo levauto-me, tiro par, e assisto a festanca
al o lira.
Tudo foi magnifico e esplendido.
Mojas, llores, luzes, cantos, e o prazer transluzia
em cada rosto; enlo disse eu contigo, oh Olinda
um paraizo II!...
O divertimento chegou at bem tarde porque tu-
do era contente e salisfeito.
As mocas arrastam-nos por seus encantos, capti-
vam-uos por seu trato alfavcl, e malain-uus pelos
mus encants.
Trajam elegante e delicadamente, que nos vrti-
ces das dansas, uo parecem muiheres, mas -yl-
phos esvoaear nos ares ; e se por um descuido, ou
abandono, no doudejar da walsa deixa cahir o sa-
patinho, s para notar-se o mimoso do pziuho, e
o chquisnio do sapatinliu de camursa cor do co.
l're.para-se urna (este pomposa para domingo na
capelliiiha dos Arrembdos. gracas aos Ilimitados
esforoos e viva dedicacao dos Srs. Antonio na Me-
deiros Mafra, Jos da Silva Neves e Thomaz Dias
Souto.
Tem havido novenas. A concurrencia, a anima-
Sao eo brilhantismo dolas convidara a todo a mun-
o a iivn assist-ia
Ueune-se toda a noite de cem cento c vinte se-
nhoras; uue logo larde comecam a vir para os
Arrumbados.
E" bello um passeio a larde por all. Cadeiras
por todas as portas; o madainismo era teda a sua
vadade, chiquemente vestido ; conversa-se, toca-
se, brnca-se, dansa-se, e que nelbor diatraanao '..
Aos Arrom hados, rapazeada, que voces custaro
a voltar do l; porque aquillo s esl chique.
A novena eu nao a perco, nem ccete. Unto
mais quanto... ora essa boa !...
J esta tarde ; eu voltarei.
tiooil SJK
Pernambuco, 26 de Janeiro de 1864.
F. F. Borgrs.
s
lactatorio apreseaado a assem-
bla geral companhia Vigilante de Re-
boques.
Senhores accionistas da companhia Vigilante de
Reboque.Lmapn o preceito de art. 13 dos esu-
UKMo.V-TIUCAO DA CONTA
i:u.MPAXHIA VIGILANTE
18W.
, Debito.
Desjiezas.................
Sildu.....................
DE LOCHOS E KftBUS DA
EM (31 OE DUtMBHU DT
Creita.
Saldu du auno de 1862......
Itecebido de calderas velhas ven-
didas ............
Reboques ...........
Quatro vigens do Cumarofi* a
Macei...........
17.-7M3M
8:47#987
2o:80*:i78
10:36*17*
IWIOO
li:39LVIur>
4.tW>#0f>
26:8!#378
Pernambuco, 2 de Janeiro de 1864.O gerente,
/'. F. Borges.
BALANCO DA COMPANHIA VK11LANTE KM 31 BE DB-
Zli.MKIlODE 1863.
Affiro.
Vapor Camaragibe........ 90:0004000
Diversos devedures........ 7.44000
A F. Sanios 4 C........ 26:6164902
Caixa............. 6364*69
Panto.
Capital.........................
Oradoras diversos...............
Lucros e perdas................
18:0464471
10U:OH0400l>
9:44484
8:547487
118:0464471
Pernambuco, 2 de Janeiro de 1964.0 gerente,
/'. /'. Borges.

liiil.-inco da companhia Indemnisadora.
DEBITO.
Accionistas................... 4o0:UU4u0l>
Deas movis................. 904240-
Seguros..................... 16:8964010
Letras descontadas........... 190:9324072
Caixa....................... 16:30689a-
f.7o:33442l7
(JUSD1TO.
Capital...................... 00:0004000
Fundo de reserva............ Io8:0364o8
Accoes em liquidacao........ 2:0964240
Commissao dos directores..... .'i.2014l->9
Dividendo .................. 10:O0OtiUOO
67o::t3l-i217
DEMONSTRACAO DA CONTA D~LCCR0s"~
" EPEHDAS.
Despeas geraes.............. 2:8734368
Segurados fallidos............ 30G455Q
Commissao dos directores..... b 2014359
Dividendos.................. 10:000400
Fundo de reserva............ 21:3934474
l.idemnisacOes............... 6:8544212
46:8284963
Premios de seguros........... 28:7344.'..'..
Apolices.................... 409450
Descontos .................. 17 681468
46:828 963
Pernambuco, :!1 de dezembro de 1863.
Jote" Paulo da Fonseca,
Guarda livros.
C0MMNIC1D0S.
Ha mais de um mez que percorre as mas da
Capunga uma alienada, era estado lastimavd, e
que de porta em porta vai continuamente maltra-
tando a todos de um modo todo offensivo morali-
dade publica.
Cumpre, pois, que a polica du lugar preste se-
ria attencao a isso, para que nao continu a repro-
duzir-se esse facto que tanto depue contra a nossa
civilsaco e moralidade publica. Esperamos nc
ter de oceupar-mc mais oeste assump'to, pois que
se a autoridade competente quizer cuoiprr o seu
dever poder mui fcilmente por um termo a ese
escndalo.
O mmigo do escndalo.
Smente hoje tive eBtre mos o Liberal n. 3 de
19 do eorreute em que, dando-se noticia da kniva-
vel medida, recommendada pelo Exm. Sr. presi-
dente da provincia, qual foi a de nao se exereer o
recrutamento tanto sobre os individuos qne se
i mpregam na lavoura como sobre os qne coadu-
zem para a cidade gneros alimenticios e outros
productos agrcolas e iodustraes, pondera a re-
daceao que essa recomroendaco se deveria esien-
der a abster-se o reerulador de fazer apparato do
for^a no exereicio de suas funeces, constando-
llie que tenlio posto casas em cerco e a propria ri-
lara de farinha.
Nao me sobra o lempo para (responder arpui-
ces que, embora feitas de boa f, asseniam ero
informaces pouco seguras. No exereicio de meu
cargo, que do uecessidade se faz odioso a popula-
eo, sobre a qual se reparte o imposte ternvel do-
gamente, teiiho cumpndo risca meu dever
sen ollensa a le.
Declaro, pois, ao orgo Liberal que menos
i saeta essa informaco, visto que ainda nao aas
casas em cerco nem a rtbeira da farinha. Qoe se
levante ah urna tistemiraha ocular, de que actos
dessa ordem tenham sido postes em pratica.
Quanto medida do Exm. Sr. presidente, to
inn\ emente e til como eu j havia seguido essa
legra de conducta, abstendo-me de recrotar todos
aquelles que se empregajn effectivamente serri-
co da agricultura. Se boatos vogaram esse res-
jieito, em uenhum facto repousa.

- I
*
X


Piarlo lie Pfrn.iiiibii.'fl tilinta feira 'iH de l,iu<>iit> de 1S J.
r
.'


l
^v
/
tas gjnerui
mis ftv a
anj por este mojo tenho -ati;feito a> v -
11 illustrc redactor, que estou certo
jjstics devida.
fi rin lo estas linhas era sen muito conceitua-
di) jornal (ario obsequio a ass;gnante e amigo.
Frut/ciice Joaquim Per/ira Lobo.
lava mo. i> >i> torio lido os docfvnius i fotheto. Oliveira |c homaz Carduzo de Intenta contra o i Francisco Aecioh do Gouveia Lias.
o prirneiro por ca-
para cita-Ios acamara, devia ler encontrado oat- coronel Ernesto e seu corpo ,
tetado doguardiao oSr. Fr. Antonio de Santa Res*, sas polticas, como o tem confesado, a cada can-
loro em seguida ao do Sr. Fr. Molla : porlanlo o lo, c at mesmo no recinto d'assemhla |provin-
: Sr Keilosa dizendo iiue o Sr. Fr. Molla era o guar- cial, onde procurou dcbaide marcar os galoes
' di; o, afim de tirar illacao do I lat o empreada no attestado, so refera ao pre- podido o dito coronel Ernesto occultar-lho por
tal o do Itecifi', nao proceden de boa fe, quiz lan- mais tempo as faltas, e ler tido a le ildado o fran-
eai' cinza nos olhos dos senliores diputados, que so queza de leva-las ao oonliecinionto do poder oorn-
abissem o m.'iicion.ido follieto encontraran! a pa- ptenle para corrigi-lo.
giras 38. em seguida a* attestado do Sr. Fr. Molla, A' vista d'isso quem nao v n'osfcaa Bsnmaofoi
I o do prelado Fr. Santa llosa, cora a declaraeo de do Sr. delegado sobresabir a pareialidade e o odio,
A leitnra do discurso pronun- gnirdio jtinu a assignatura. lano mais, miando elle devera nomear indeclina-
ciado na cmara dos depuUdos pelo Sr. Feitosa. a Se, pois, de una simples analyse de um so ar- velmente oSr. Dr. Jarintho Silvano Santa Rosa
respeito da ei''>o de Ipojuca, me lia causado un- gumeuto do s-r. Feitosa resulla o reconbocimenlo para una dos pedos n'essa vistoria por ler sido o
prassao la'^e nifo posso sunot-ar dentro em mim 30lailUs nexactidoes, o a prova exuberante do pnmeiro medico chamado para examinar o curar
um brado de indigiiaro. qu 3 nao se presura atiendo a questo, o que so do ferimento pela propria familia do offendido ?I
Simples i^riciiltor, c viven Jo mui particular- de er concluir a respeito deouttos pontos cuja Porque motivo assim proceden o Sr. delegado,
CORRESPONDENCIAS.
Srs. reductores-
ment, ntin'3 escrevl para o publico, mas nao
posso agora deixar de fnterromper o raeu silencio ,
em prol da verdade e smente da verdade.
E, de certo, quem nao se revoltar contra o pro-
cedimento de um diputado, que pela prinwira ve/
que sobe tribuna (larlameniar, ousa mistificar os
scus collegas, invorteudo faelos, e allegando falsi-
dades x
8 Sr. Dr. Feitosa, que tanto hasofa de lealdade,'
que tantas fumaras tem de eavalleirismo, segundo
rae informan) p-ssoas que o conhecem bem de
perto, acaba de dar solemne prova de que nem
urna, nem entra cousa possue.
A ter lealdade, a ter cavalleirismo, nao apresen-,
Caria tito acodada e inopportuiiamentej emenda,'
que apreseiitou ai parecer da commissao de pode-
res, emenda que Jenominarei je asadlo de embos-'
cada. Sim : os membros da commissao, vendo que
as eleie^* primarias do 3 dislricto desta pro-
vincia tiuham havido tres duplcalas, em Ipojuca,
Harreiros e Una, e que nao inHuiam ellas no re-
sultado geral da votagao que obtiveram os Srs.
Ignacio de Barros, Herculano e Luiz Fellppe, opi-
naram qne esses senhores fossem reconhecldos
deputados, mas que se adiasse a discussao sobre
taes duplicuas para quando hegassem os docu-
nenlos, e houves-em os esclarecimentos neeessa-
rios.
Era isto oete menos um acto de prudencia. O
qne fez, |iorm, o Sr. Feitosa 1 No proposito de
realisar a promessa que aqu dera, de fazer appro-
var a mo-isiruosa. eleioo da matriz, aproveila a
circumstaneia da falta de ap'csentacao de docu-
mentos, apruwita-se da ausencia de contendores,
anda l nao chocados, o que elle devia temer, por-
que eMavaiii bei.i ao faelo da queslao, o levavam
robustos doi'umentos, e ei-lo em scena, arvorado
em dador de explieacoes engendradas om sna ima-
ginacao, valendo-se insidiosamente de urna occa-
siao que lornou estratgica, n) se importar com
as eleicoes de Una e de Barreiros e faz da de Ipo-
juca o sen c avallo de batalha, i procura um desa-
bafo contra o Sr coronel Costa !
A ter caritlelrisme, aguardarla os contendores,
desejaria disenssio franca, lar^ra eluminosa sobre
essa elei^ao afim de que a verdade appareces-e
nna e crua, para que se honres de eonseguir
triompho, fosse elle solemne c efBcaz, c nao du-
*io, inglorio e falseado.
Ma-. nao : preciso pprovar a eleigao tlama-
Iri? !.... apresente-se a emenda ao parecer da
commisfio, ceMn que nao baja discussao a res-
jieito ?... ofTiireea>se a emenda logo o logo ; fat-se
necessarto desconsiderar o coronel Costa ?... Satis-
facam-se as vistas viugativas de alguem, baja um
discurso de desahafc f
Muitoben! Sr. Feitosa! tem dizia por cao
vosso Kvd. compadre, que vsalii Ihe lavarieis o
peito com ii ma descomponenda ao coronel Costa !
Satislizestes a encommenda, descrevendo esso no-
bre cavallciro como um pretencioso egosta, sem
principios, i sem carcter, nicamente domina-
-do da balor.fa pretendi de predominio local, e da
mama do nepotismo,'qtiereml'i forlion prepon-
derar ne6(a freguezia, e empregar seus prenles.
Hxrlui- de nns o que allribuis a oulros! A in-
fluencia, o prestigio, a geral otima de quo goza o
Sr. Costa, i real e nao ficticia, natural e nao im-
posta.
E disto sabieis vos, Sr. Feitosa, al bem poueo
tempo.
Ao passo qne elle sabe cultivar e apreciar as re-
ia?oe$ do amizade da mainria dos proprietarios
scus paroc liMRM : (o que nao seria custoso de-
moastrar nominalraenle) querido e respeitado
de toda a populacao, a quem trata nao com arro-
gancias e valentas, mas com urbanidade, e com
beneficios, o que tarnbem faci" seria provar com
faelos.
-Nunca procurou fazer frente a nenhum proprio-
fnriodeste lenno : o que nao tem consentido em
deixar-se calcar por quem, seui os recursos de
.que elle dfspfie, tem procurado supplanta-lo, i> m
iesejado sor em Ipojuca o que vos attribuis ao Sr.
coronel Cojta. E nislo obra elle mu tu bem. Qui-
zcraiu afcate-lo ; ergueu so.
E ja desde a legislatura passada den prora do
que valia. Bem me entendis. Mas n.o em pro-
vello de ato propria pastea, nem para emprego de
seus parenies. E o diga o Sr. Sa c Albuquerque.
Coronel ja o era ha muito tempo, commendador
tambem lia muito.
E qoaos sao os prenles que elle procurou ein-
pregar ou emprc;;ou Em todo o termo vemos
um seu lilho feito Io juiz de paz (resultado da elei-
<\o poimlai i e umseu genro 2 suppleule dejuiz
jnunicipal.
Porque nao approuve ao Sr. Feitosa dizer que os
que aqui hwje mais te valem das posic^Vs nmciaes
contra o Sr. Costa sao os mesinos para os quaes
procurou elle essas posicoes, fabricando dest arle
anuas contra si ? Quem nao sabe que os cargos
que boje oceupam os Srs. Theotonio Viera, e An-
tonio Peregrino, le delegado de polica, e 1 sup-
pleule de juiz municipal, de que se valeu para fa-
zer guerra ao Sr. Costa, pedido deste senhor i*
que Ihes furam dados em 1862 pcli vicepresidente
o Sr Dr l'ortella *
Se o Sr. Costa tivesso seguido a regra de Ma-
theus primeiro os leus se fosse qual o pintor do
Sr. Feitoia, procurando s para os seus prenles,
outroteria sido 3 seu proeedmerlo, l'orm nao.
Levado de verdadeiro espirito de tolerancia e mo-
deracio, sem entretanto renegar de seus princi-
pios, procurou para aquello! cargos um liberal e
um conser/ador, conforme se apregoavam.
Eis como elle proceda ; eis como se adiara a
froguezia, antes que apparecese essa liga=/ci/'oa-
culcava ter de estabelecer e manter em todos os
Jos Bapllsla da Funseca Jnior.
Jos Ntmes de Patria.
Antonio Jos de Castro.
Antonio da Silva FeTeira Jnior.
Jos Francisco de S Leito.
Jos dos Santos .Noves.
Luiz Jos Rodrigues de Souza.
Antonio Alves Barbosa.
Joio da Silva Parla.
Manoel Joaijuim Rodrigues de Souza.
Candido Nunes de Mello.
Joaqun] da Silva Lopes.
Gabriel Antonio.
Joao Pinto de Lemos.
Manoel Dnarte Rodrigues.
Vicente Jos de Brite.
Ionio
Manoel
da Silva .Woreira.
ap eciaeao exiga mais rellexao f
S.ui lia misler comineiilarios
tir > a illae.io.
I para que ir alera basta, senhores redar
totes.
Parabens, Sr. Feitosa.
Ipojuca, 2" de Janeiro de 186'.
('/ Ifitjiuann.
depois de alguns das, devendo proceder a dita' Barlholomeu Iraacisco de Souza
quem quizer que. velloria logo que o fado se den no dia seguinte f loaquim Jos da Costa Fajozes.
icla parte, porque Jos Pires Ferreira.
PUBLICARES i PEDIDO.
SOLETO.
D. O. C .
Ao nalalicie da K\iu.' Senbora D. Libania Emilia
Criar de Albiiitnrri|ite, mui digna censerlc do
lllm. Sr. capitn Joaqnim de Albigaerqnr
Mella.
Quj tao grande esplendor e regosijo
N'tste dia resurge magestoso I
De azul se veste o cu pulo e forraos),
O sol fulgura, a trra um paraizo
Libinia, o doce anglico sorriso
Que boje te iifeila o labio gracioso,
Me acorda e incita o ostro fervoroso,
E ateia a chamma ardente do improviso !
Brilbam as virtudes que em leu pero moram !
Ex illa a nalureza de encamada,
An a-te o mundo, os aujos te enamorara !
Lihania, tu sers idolatrada
Pot teus paes e consorte, que le adorara,
Ei'alma a tua imagem teem gravada.
J. Je B. F. de Albuquerqiu Maratiho.
YE1S0S
dedicados Iaiii.1 Seuhora t. tiiiillimiiina Caval-
oanti Pater Criar, per ercasie do baplisa-
M nbi de sua lilhinlia Libania.
Eis do cu o novo archanjo.
Gloria da religiao
De seus paes e santo nievo,
Doce lo de afleiclio.
Fui esta flor tao mimosa
DTeate dia liaplisada,
Para ser nossas delicias,
E de Deus abencoada.
Crcscc, oh anjo de belleza,
De candura e de bondade !
B a estrella de ventura.
Sacrario da honestidade.
S de teus paes carinbosos
O mais mimoso penhor ;
O encanto de sua vida,
Alma e luz de seu amor.
Esta olTrenda de poeta.
Dedicada de improviso,
Ser feliz nierecendo
Teu aneelco sorriso.
J. de F. de Albuqueit Salan de llristol.
As enfermidades externas produzem rautas ve-
zes resultados terrives, e se a massa viciosa do
saiigne, a qual a causa das raasinias nao se pu-
rilica do sen veneno mediante o uso da salsapar-
rillia de Bristol (o absterslvo mais poderoso de
quintos se eonheeam) os doeatea nao s busca-
ra ni allivio em vao, mas sim tambera tran.-miti-
ro suas enfermidades i mu lillios como una be-
rauca maldita. As pessoas de ambos os sexos a-
cb irao em todos os periodos da vida, qne este ad-
miravel o imconparavel remedio vegetal cura
d'i na maneira rpida e radicalmenJe as coagas,
erupQoes, ulceras, inllammacoes glandulares,
rlieumatismo e todas as mais molestias anlogas,
indurado as affeecoes mercuriaes que desfigurara
ou contraliem as feifoes.
Vclia-se-ha a venda era todos os eslabelecimen-
loe |iliarmaceutiei< do Itrasil, e em Pernambuco
po Bravo A ''., e Caors & Barboza.
rai-nliylta.
Ili loria dr espaHrameiiio t os vermclhiis da Ierra.
AIITIO II.
fnteliz da provincia emque um buido de ful
sen mrito e sem principios polticos podeesoreer
a nenor influencia nos seus negoc)s pblicos. E
mais infeliz anda a provincia em que taes pa-
radlas, dominados pelo mesquinlio nleresse da<
|i isicSes, procurara perpetuar essa falsa e cplie-
mer influencia eusta (le tolos n meios, con-
ta ido sempre cora a proteceao ega de urna admi-
rii-ir.irao fro ixa e d '-mora I i -aria.
Esta tem sido nfelizmento a situagao da Para-
laba neites ltimos lempos; c ainda ser por al-
guns das, ai que o horsonte se aclare completa-
mente ; e esses enfatuados vermelbos, descendo
da audacia bajulacao, tlquem eiernamente re-
di sidos nollidade ile onde sa'.iiram bafejados
pi la fortuna i o que nao tardar muito.
Dominando elles In muito, custa da inepcia
drs primeiras autoridades da provincia, fcil Ibes
ten sido enea' re na: posicoes odlciaes a certos
individuos, que nao sao mais do que instrumentos
o os para a realisacao de seus llns.
E' por isso que elles teem tido a maior facilida
de de instaurar processos a seus adversarios pro-
E -f essa vistoria fei requerida pela .
exclnio delta o Sr. Dr. Santa llosa, deveudo ser
pnmeiro nomeado r sim devera-o ser, nao s
por baver elle examinado o ferimento, suas di-
meucoes o gravidade antes de pensa-lo, e cura-lo ;
como tambera por ser um moco intelligonte e in-
capaz de mentir a sua consci neia, visto nao ter
ainda adquirido na Ierra odios, e nem desafei-
?oes que o desviassem do cumprimento de seus
deveres, e finalmente por ser elle estranno aos
nossos interesses e intrigas polticas.
Jos Rodrigues Pereira.
Joao Pinto de Lemos Jnior.
Jos Candido de Barros.
Caetaaa C da Costa Moreira.
Antonio Luiz dos Santo-.
Joao Jos de Carvallio Morae>
Jos Pereira da Cunha.
Lourenco Luiz das Neves.
Candido C. Guedes Alcoforado.
Joaquim Francisco do Espirito Sanio.
Mas estas razoes de preferencia que offerece- Jos Antonio Basto.
o publico, foram as raesraas Augusto Frederico deOliv
eir.
mos a consideracao do publii .
que incompatibibsaram ao Sr. Santa llosa n'essa Antonio de Honra Bolun.
questao no jnizo apaixonado do Sr. Jos Pedro. Jos Francisco Lavra Peuna.
Outro offlcio, meus senhores, mister respeitar; Antonio Ignacio do Reg Medeiro-
a opiniao publica, e proceder cora mais escrupu- Herminio Egidio de Figueiredo.
lo e cautella.afim de salvaras apparencias e mora-' Felisberto Ignacio de Oliveira.
lidade, que deveis ao publico, quando vos achar-'
des revestido do poder.
(Do Pvblicador./
A quem compet r.
Pedo-se a quem competir que nao atienda ape-
tito que se pretende enderecar afim de permiiiir
as casas de negocio estarem abortas a negociaren!
Est- conforme.
Juhe Cuimaraos,
Offlcial-maior.
O chele da secciio, autorizado pelo Sr. ins-
pector interino da alfadega faz publico para co-
nbeci ment dos interessados, iiue noprasode30
dias, contados da dala desle, deverao apresentar
Urna
ferraireiLs.
O agente Pestaa fofa leil.o da loja d f.-rraa -r,~
da ruada Catleia du Reeife n. 61, com o faa*
li>:0Ot),S, vend em um ^ lote ou em pesjw
lotes a vontade dos compradores, n prorondlm
podera examinar o balance em mo do inesmo
agente, o leilo lera lugar'no dia 8 de evereiro
prximo futuro.
AVISOS DIVERSOS.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
rAtftETES A VAPOR.
Dos portes do sul .4nperaa
at o da 30 do corrent um dos
vapores da companhia o qual de-
jioi.- da denjera do costonae se-
gnir.i para osporiosflo norte.
Besde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir,, a qual dever
ser embarcada no dia de sua rhegada. encommen-
das e dinbeiro a frele at o dia da sabida as 2 ho-
ras : agencia, ra da Cruz n. I, escriptorio de An-
tonio Luiz de Oive i, A/.evedo ^ C.__________
Freta-se |ia/a- o Rio da Prata o ptlbabote
portugtiez:&'** /, de lote do 12(1 tonelada- ott
lil.'JO caitas: trata-se rom os seu> consignatarios
Antonio Lnii de Oliveira Azevedo & C-- no seu
escriptorio ra da Cruz n. 1.________________
PARA O RIO DE JANEIRO
pretende sabir ate t de fevereiro o patacho Car-
reta por ter a maior liarle da carga : para o resto
que ihe falta e escravos a frote, trata-se cora os
consignatarios Palmeira A Beltrao, largo do Corpo
Santo n. i, primeiro andar.
Segu em poneos dias atarea ackmal Thereza WniilZOlll X 1*0^1'e.SlSta, Mf-
/, para onde recebe carga a frete a precos baixos: da, a 'tpllilTriO '/IITIO SPTlinr"
trata-se eom Bailar i Oliveira, ra ruada Cadeia UC U tlUJiliav UlllIU tTlliprir
nmneroae.------------------------------proiiipto a (iiiiiniier hora m-
rUPH Hin de Jaiii'it'u. 1
Sahir com brevidade o hrigue nacional Miner-1 *
va, recebe carga e escravos a frele : trata-.-e cora
Manoel Ignacio de Oliveira Filho, largo do Corpo
Santo n. 19.
O cirurgiTo Leal miuou
;i sua residencia da ra do
ueiniado paiai i\ ra das
Cruzes solmufo u. :i6, pri-
iiuciro andar, por rima do
ssao, chamado por escripta.
rara o Hio de Janeiro
sahir com a maior brevidade possivel o palbabo-
te nacional Viamo ; recebe anda alguma carga
a frete e escravos : trala-so com Manoel Ignacio
nesta secciio a arqueaeflo das embarcac/ies do tra-1 de Oliveira Ht Filho, no largo do Corpo Sanio nu-
fego deste porto, sob pena de nao serem admittidas mero 19.
nao importa mais do que urna grande oppressao i -j ^ ^ ,amen|0 fc ,9 de setemliro ue pretende seguir com muita brevidade a barca Afn-
18fi. Nenhuma barca, saveiro, ou outra qualquer f""- pode anda receber alguma carga a frele
porta mais do que urna grande oppres
aos caixeiros e urna viola^o ao preceito divino.
Todos saliem que o dia santificado reservado tia-
ra descatteo do corpo, bem como pana nelle se dar
honra e gloria a Dos, e quem pede para que nelle
so consinta trabalhar, qur opprlmir o seu some-
Ihante com o liabalho forrado, e qur que se nao d
honra a Dos.
Do trabadlo forcado do domingo nada se conse-
guir de augmento, lanto porque os eorpos j can-
dados do trabalho da semana nada poderiio fazer,
como porque esse trabalho nao abeneado por
Dos.
Osproprios paizes protestantes, nao obstante o
lilil 11 ll\l
Acaba tle saliir dos prelt de ->
llifiM oalmaiiak civil, erclesias-lif,
commorrial, fabril e agrcola, contra-
llo todos es empreados, rngeibo* e
embarcaeio, excei.fo as lanchas dos propiios na- ?-se com os seus consignatarios Antonio Luiz ..,:..,,. -Iib^T.. -L mUi*nri^
vios, sera entregada na descarga de mereadorias i J" Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio, ra j ICN lC,lHSI\e M IIMII
A ranalv-
sera qne tenha sido previamente arqueada; e tan- da Lruz n. \.
lo na prOa como na popa traga marcado, pelo es- (
liacoquo mergulha quando receliem carga, o nu-
me'ro corres
conhe^a approximada
da. o peso e quanlidade i
a bordo. algoq,>0-_______________________________
A fiscalisacao deste artigo portenec cumulativa- Para a Babia pretende sabir cun muita bre-
mente aoguarda-mor e ao chele da 1" seceo. vidade o veleiro patacho Thereza, cz\iio Joao Cor-
f^SSSnSUS 7?t% gflf h ou cora o raestre no trapiche do I ^CDK____________
havidas at 31 de dezemhro nltiiM ;
vende-sea 1$000 uucameale na li-
da I adepta-
seu proprio proteslanti.-ino nao deixam de guardar
o con todo o vigor, o dia de domingo por isso um com a multo de zU a Af pela qual sera respon
paiz que so diz eatholico romano nao deve nutrir
taes ideas.
vista disso pede-so tanto a municipalidade,
como ao governo da provincia c at a nssemblea
provincial legislativa se l chegar que nao atienda
a tal pe-tiejo, que filha smente da ambieo.
O amigo da justini.
COMMERCIO.
NOVO BANCO
DE
branca bocea do cofre dos ImpostOS seguintes,
perhiicentes ao anuo fraanceiro de IStU 18C4,
\ 0|0 sobre os estabeleeimentos de fra da cidade,
prensas de algodao, t\|iograpliias. cocheiras, caval-
larins, helis, twteqoins, casas de pasto e fabricas:
dores dasmassas fallidas de Mosquita, A Dutra, t lif|i sobre estabeleeimentos de commercio em
Francisco Antonio Corroa Cardoso a aprsenla-! grosso e a reUlho, arntUMi do recolher, de de-
rem seus ttulos no banco para se proceder a res- psitos o trapiches; 8 0|0 sobre consultorios me-
PERNAMBITCO
O novo banco de Pernambuco convida os cre-
S nico!' A mfracao desta dispo>icao ser punida. rea Lima, por ter a maior parte da carga ; para o' Ouarta feini ^ de fevi-i eiro pruxitno, se
reslo iiue Ihe falta IraU-se com os consignatarios t>vtr.,|lir a nuarta nirh- da nrinwira Inte-
Palmeira Beltrao, largo do Corpo Santo n. 4, 1 eximra> a 'I"'" I 'r" lla primara wie-
anjar. na da matriz de9. Jos, no cnnsistorw la
- Para Lisboa segu com brevidade o hrigue ^f ,,- *" Senbfjra do Rosario da fre-
portuguez Activo, capitao Augusto Wenceslao dos guezia de bafito Antonio.
Santos ; este navio tem parte do carregamento i Os bilhetes e meios achani-SC TOBda na
pron.pto, e para o reato a frote, trata-se com Amo-! respectiv. tl.es, mrat ia rita do Crespo n. 1 -%
e as cas.is commisstonadas ra da Impera-
triz n. 44. loja do Sr. Pintent.l: ra Dirr-ita
: n. 3, botica do Sr. Chacas; ma estrei do
O palhabotc Gartbaldt pretende seguir com bre- '. ... >. J ...
vidade para este porto, temi liarte de seu carre- \ Rosario n. 12, typographia do Sr. Mira erua
a contar os t Meis marcados "para a co- gamenlo, e para o reslo tratase no escriptorio de da Cadeia n. 43, loja do Sr. Porto.
-isso Unaos na ra do Amonio._____________\ Os premios de ;:000iJ000 at I0)010
A barca lima /sabe |ra o Porto em poucos sero pOffOS una liorn depoa da extraccSo
dias, por ter quasi promplo o seu carregaraento :: ai ;,s \ horas da tarde, e OS OUtros 00 dia
savet o dono da embarcacao nao arqueada.
Alfadega i.'i de Janeiro de I8GV. Ochefe de
seceao,
Luis Francisco de Mello Caralcanli.
_ DECLARACOES.
C onsiil:iilo provluclal.
Pela mesa do eensnlado provincial se faz publi-1
co que no dial de Janeiro crlente se principiara
gressistas por qualquer motivo, alona mesmo es-
lugares. g( tem servido de so.orar a intriga, plan-! tranlio s victimas, que procurara sacrificar.
lar a desavenca, e fazer germinar odios e ran- Assim que elles procedem. E n'este cas
avenga, e razer germinar
cures.
Maravillosa lija I etuper.do progressol ludo
ii.pjo corre velozmente I E om que progressiva
locidade docidiu-se a questao da ideifo de Ipo-
juca, queslao importante porque entendecom os
direito> polticos do cidadio I
Levanta se-o Sr. Peitosa, erapunlia o arco, des-
peje settas contra o carcter respeitavel do Sr. co-
ronel Cost, soiihiema como Ihe apraz, e eis ap[>ro-
vada a eltbjao da matriz 1
Uo pensemos que lerem que sou exagralo :
O quo dgc pura verdade. Nao houve examc so-
bre a eleicao de Ipojuca. Alm das multas provas
<]ue evl iti'ria so quizesse euirar em desenvolvida
analyse, b-ista-me apresentar a segrate, que lam-
bem toro', assaz patenta por si s a ba fe do Sr.
Feitosa.
Disse este senhor que entre os documentos que
o Sr. Osla publicara em um l'olbeto rotativo a elei-
oajj doqiit'Te'Iraia, um havia que fornecia armas
oiilra otropro Sr. Costa, e era o attestado do
Jlvd. Sr. Fr. M' tta, que passou a ler :
lllm. Sr. commendador Manoel Jos da Costa.
Em res|sta i sua carta, tenho a afflrmar-lhe
-pie no oa oito do corrent apresentou-se o Sr.
Joaquim Manoel da Costa, primeiro juiz de paz, em
o nosso convento, onde pertiottou, e no din 9 tela
minltaa, is 6 horas, vio-o pastar para a matriz
o$ eUitoret e supplentes, d'orule. voltoa iepoit
le'i horas, como pretenctei. por nao poder funecio-
nar, segundo me consta, diriaindo-se vara o co-
teido, e, precedoulo ttcenca do respectivo prtlaio,
nocedal eleiio na igrrji; do referido contento.
V. S. poder fazer, etc.
E acjresceuta. o Sr. Feitosa :
u C" ev denle que elle se l.avia munido da cen-
a do resiioclivo prelado, a |ual nao poda ter sido
obtuta sotad de vespera, vi-to que a eleico tendo
de ser Wls na lia 9, nao navfn lempo do mandar-
se ao Becife pedir a licenca ao prelado, salnndo-
so que Ipjjuca lira de 12 a 14 leguas distante da
il da provincia.!
Olanla- inexactiddes em to poucas palavras.
c {erante um auditorio que elle devia respeitar I
Primeiranvn e falso que oSr. Costa precisasse
ii.izer pn viaineuie do Itif. licenca para fazer a
eleicao no convento deS. Francisco desta villa de
ica.
(i prelado de cada convento o guardiao : era
<> coiiipet;nte para conceder tal licenca o elle se
va DO referido convento.
C falso que o Sr. Fr. Mofa fosse o guardia i, ce-
rno dsse O Sr. F'-'itosa. O prelado, a que elle se
i seu atteslado era i guardiao \ 9 o juar-
dio aehiiva-se. como ja aJBrotai, no wmvento, o
era o Sr. Fr. Antonio de Santa llosa de Lima, que
loi quem den a licenca. F< o Sr. Feitosa nao gno-
caso ap-
Eirece logo'seit digno orgao, o Jornal da Parahy-
ii, indigilando como delinijuente e criminoso
quem reconhecidamente innocente, fundando
dsfaeadammte a perfidia e a falsidado no ru-
ar publicoou un SWiaw dizer. erabora se-
j; m logo desmentidos e desmascarados era face,
orno falsarios e calumniadores abjectOSa
Nao importa, elles vao por diante cobrndo de
injurias o improperios aquelle, que por ventura
entrega ao despreso as suas diatribe-, da mcMiia
maneira que voltam as cosas aque le quo, levado
por estmulos de honra e digndade, procura jus-
tllcar-se perante o publico illudide e pasmo.
Tal tem sido o cynismo e deshcaroento dos yer-
ntelhos da Ierra ; e tal vai sendo'anda, por isso
nesino que os seus abafas aqu e na corte acham-
se derrotados e perdidos na opiniao publica, e pou-
co tempo de dominaeao Ibes resta para exercer
\ingancas contra os seus generosos adversarios.
A vista do ligeiro esboco que ah deixamos tra-
tado, nao admira, porta nto, que o facte do es-
I ancamonto do Sr. Cesar filho proporcionas.se a
essa pobre gente urna occasio de calumniar o
corpo do guarucao e o seu mui digno e distinelo
eommandanle, a quera votam todos os verinelhos
a tima voz guerra de exterminio E quasi que
lies acho raneo para tamanho odio, umavezque
pectiva verilioacao al o dia 31 do corrent Janei-
ro, depois do qual se proceder o dividendo pelos
ttulos que estiverem verificados.
EM 2b' DE JANEIRO DE lSliV
O banco deseonta na presente semana sete por
cenlo ao anuo alo o prasode qualro mezes.e a nove
por ivnto at o de seis raezes, o faz emprestirao.
sobre ttulos commercaes.
Alfadega
Rendimcnto do dia i a 26.......
dem do dia i7.................
ron unaos, ra da Cruz n. 3, ou con
capitao na praca do commercio.
ara a Baha
para o resto e pnssageiros, trata-se com os con- ,i,,na,. ,\.. ,itrihni4n .la signatarios Carvalbo i Nogueira, na ra de Apollo s
numero 90.
WK:i:t27H>
Descarregam no dia 28 do Janeiro.
Patacho inglezKditt carvao.
Barca inglesaumtfi ijilsmi
Calera francezailile dem.
Barca franceza Adelle cemento e fatnha do
trigo.
Briguc portuguezS.'/;civniopodra lagedo.
Cseuna inglezal//'sc/i/''/'mercaduras
Polaca nacionalMariuhocharque.
Barca franceza -Pijrrho sal.
Escuna ingleza -Stainboulmcrcadoras-
Recebedoria de renda internas
gei'aes de Pernambuco.
Rendimento do da 2 a 26........ 2o:51440f>i
dem do dia 27.................
dieos e cirur-ricos, escrptoros e cartorios ; 305
sobre rasas de modas, billiar, chapeos, roupa es-
trangeira. e commissao de escravost l:0iSOOO
sobre casas de. operacoes bancarias cora emi-.-ao e
privilegios; 3002 sobre as cora emisso e sera
privilegios; 3(K)J sobro companhias anonvmase
agencias ; 2005 sobre rasas de cambio ; !00 so-
bre correctores coniiiierciaes e ag ntes de leilao
iOU rs. sobre as toneladas de alvarengas; 3OJOO0
sobre escravos empregados no servico das raes-
mas ; 10 0|0 sobre os terrenos oceupados com o
470 66IAO"'!) planto de capim, e o imposto de carros, carrosas
tfqmSgtj e mnibus.
Mesa do consulado provincial 1* do Janeiro de
18G4.O administrador,
AntonioCarneiro Machado Ros.
i orreio.
Peb adminstricao do correio desla cidade so
faz publico para fins convenientes que em virtnde :
do dsposlo no artigo 138 do regulainonto geral dos
correios do 21 dedezembro de 1844, e artigo O do
decreto n. IH.'i de 13 de maio de W5I, se procede-
r 6 consumo das cartas exislentes na administra-
Sio pertencentes ao mez de Janeiro de 1863, no dia j
de fevereiro prximo, s II horas da raanhaa, |
na porta do mesmo correio ; e a respectiva lisia se
< >cha desde j exposta aos interessados.
Admustracao do correio de Peruarabuco 12 de
Janeiro de 1864.O administrador,
Domingos dos l'assos Miranda.
Pela recebedoria de rendas internas geraes
se faz publico que se achara promptos os certifica-
LISBOA E PORTO
A galera portugueza A'ora lama, esperada do Bio
de Janeiro, segu cora brevidade para ambos os'
porios, recebe alguma carga e passagoiros, para o >
que tem excellcntes commodos; trata-se com os
consignatarios Marques, Barros i\ ''.. no largo do
Corpo Santo n. >', segundo andar.____________
Para a Bahia pretende sabir com multa bre-
vidade a escuna Curila, capitao Joao Antonio de
Dos e Silva, por lera maior parle da carga trata-
da : para o resto que Ihe falta, trata-se cora os I
consignatarios Palmeira A; Beltrao, largo do Corpo
Santo n. 4, primeiro andar.
O thesoureiro.
Antonio Jos Rodrigues de Sonsa.




.a -3 I g m - rz rr n t = -1
II "i w % o S o 3 9 1 B m M 9 i m a j. -i -J 5 1 = 3 1


LEILOES.
i,i:iiiAo
?5o de
27GJ772
^-oiAav ^os dnjoiatricuia dos escravos do quinquennio de
-''_'__ _. IB634R7C por isso avisarse, para viretn recbelos,
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 26......... 'J:17o&0ol
dem do da 27................. 5:3110616
104:486*667
MOVIMSNTO DO PORTO.
Das 27.
Nao houvcrain entradas nem sabidas.
EDITAES.
O lllm. Sr. Dr. chefe de polica da provincia
manda fazer publico, que nesta data tem recora-
mondado s autoridailes policaes a restricta ob-
servancia das posturas municipaes de 12 de feve-
reiro do anuo prximo passado, cujas disposieoes
sao as seguintes :
Art. !.' Fica prohibido o brinquedo de entrado
com agua, por qualquer maneira que se empre-
gue ; os infractores pagarao a multa de I5J e 8
dias de prisio.
Art l" Fica prohibida a venda de limas de
cheiro : os infractores alm de as perderem, paga-
rao 45 de mulla.
Secretara de polica de Pernambuco. 23 de Ja-
neiro de 1804. O seretario, Eduardo de Barita
Fulco de Lneerdu.
O lllm. Sr. Dr. chefo de polica manda fazer!
publico, para conheoimento de quem possa Inte-1
rosear, qne M neje reeolhida casa de delencao,
como ftigida, a preta Joaquina, que declara ser os-
era va de Francisco Joaquim, morador no lugar
Ponedo de Baixo.
Secretaria de polica de Pernambuco, 2o de Ja-
neiro de 18640 secretario, Eduardo de Bar ro
Falciia de hirerda.
Tribunal do comnicicio.
EDITaL
O tribunal do commercio da provincia de Per-
nambuco convida aos senhores commercianles na-
cionaes matriculados e residentes neste distrcto,
os denos administradores dos referidos escravos.
Recebedoria de Pernambuco 27 de Janeiro de
1804.O administrador,
Mauoel Carneiro de Souza Lacerda.
Consulado provincial.
Pola mesa do consulado provincial se faz publi-
I co que os trinta dias marcados para a cobranca a
bocea do cofre do Io semestre do imposto de 20
0)0 do consumo de agurdente das freguezias des-
ta cidade, dos Alegados, S. Lourenco da Matta,
Santo Amaro do Jaboato. Vanea e Muribeca, per-
leneente ao auuo fraanceiro corrento do 1803
1804 se principiam a contar do dia 13 de Janeiro
corrent.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco
13 de janeiro de 1864. O administrador, .
Antonio Carneiro Machado Bios.
O arscual de guerra precisa contratar a la-
vtigem e engomando da roupa de seus aprendizes
menores, regulando 240 leneoes, 240 fronhas,
1,200 camisas e 960 calcas, e 240 calcas, ISO blu-
sas lavadas e engommadas, alem da roupa da en-
fermara : a quem convier, aprsente proposta at
o fin do mez.
Crrelo geral.
Pela adminislragao do correio desta cidade se
faz publico que em virtudo da convenci postal
rada peusKovernos braslleiro e Irancez, se-
1)E
Movis e de una arinaeao
amarello.
iioji:.
Quitita-f.'ira 8 lo corronte s i I [[i horas.
(em limito)
0 agente Olimpio vender em leilao em seu ar-
mazem ra do Imperador n. 16, o seguinte :
mohilias de Jacaranda, guarda roupas, apparado-
res, santuarios, camas francozas, pianos, marque-
zas. machina para costura, cabides, sotas, conso-
lo?. caixaspara ri'lou'ios de parede. berc,os. relo-
gios de algibeira. ditos de pared.', cadeiras avul-
sas, erystaes e ootros muitos objectes._________
LE LO
1>F.
Urna casa terrea em chaos pro-
prios.
H04i:
Qiiinla-fcira M do Barrate s 11 l|2 horas.
O agento Olimpio acha-se aulorisado a vender
era leilo una casa terrea sita ua travessa da Flu -
dirao n. 4, a qual tem urna sala, um quarto, tendo
a wsma 17 palmos de frente e 21 de fundo e ren-
de naenislnnnntr s",. o leilio tora lugar no dia o
hora cima no arniazem do referido agente ra
do Imperador n. 16. ___________
LEILAO
tu
16 pecas de panno azul para capotes
com laque de varia.
IIOJE.
tiiinta-tcfia 28 de Janeiro s II horas em ponto.
Pliipps Brothers & C. (ario leilao por interven-
cao do agente Pinto e |>or conta e risco de quem
e.-lolirada pelos goyernos brasileo e m"'f, ^- p,rh,ncef serio recebidas at 3 horas antes da que for mar-;de Minuas na l
cada (tara a sabida do vapor; e os jornaes at 4
horas antas.
Administraeai do correio de Pernambuco 22 de
Janeiro de 18oi.0 administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
FOLHINHAS PARA 1864,
>a prai.a da ImJependencia iivraria ns. i>
8, dulidin-oo vonJi 3^ Sf-iriiinles frtll
nuaspara i 804 impressas nesta trpographia
em excedente lypo e bom papel,
Folhinha de porla contendo as mate-
rias do costume, rs.........ItO
Dita de algibeira, sob a epigrapBe
religiosa, contendo alm das materias
do coslutae os sete passos da PaixSe
de Nosso Senhor Jess Christo ; cnti-
cos do mez Mariano; liymnos e jacula-
torias ao Santissimo Sacramenl: ex-
plicacoes de diversas oragoes; coroa
Serapliica ; exercicio ao sagrado cora-
c3o de Miria ; oraco para visitar as
igrejas id dia da Horciunciila : oraco
para escolha dos esladosda vida dita
a Senliora da Conceicao ; e medilaeoes
sobre a reforma da consciencia, rs. 3*)
Dita de dita, sob a epigraptteVa-
riedade, contendo alm das materias do
costume : reccitas uleis e necesanrias
aos diversos mvsterios da vida : pbysi-
ca e recreativa ao alcance de todos:
pidieriase ralices; poesas; charadas:
mximas e pensamentos colligidos por
um curioso..............32
Ditas ecciasiasticM nsj de padre para
resar o offlcio divino, redigida j^l > re-
verendo conego penitenciario da S k
Olinda...........Uts
I hili IVniamltiirano.
A ri'iiiiio i.niiiliiir lo ^rrrmlr
uaez. er lugar no da 99.
Chmanos a attencan dos Srs. so; ios para n se
guinte artigo dos estatuios .
Art. 10 oaaro de tenias as segabas e pnsea-
tempos : 1- os socios e as p.--oa de -na familias,
maiores de liannos. compndiendfndo-MSMSSanV
nominaeo smenle aquelles, qe Icgitianamrasr
as couipoiiercm, vivendo sob o asesino lelo.
das jielo mesmo chefe e *em rt-ndimenlo propr-.o
io:
I IO.- i' ii" loiov |'..| i.mu.mi'' vui-', u... .^ .|w -.....------------------------------- -----------
attribuem a derrota eleitoral que acabara de sof- a compareeerem no dia 17 de fevereiro prosirai
frer a esse coronel, e a esse corpo de guarnico, futuro, as 0 horas da manha, na sala da Associn-
cujo valor a disciplina elles nao poleram illudir, e cao oramercial Benelkcnte, para proceder-se a
imito mems corromper, como o tizeram com a eleicao de um deputado commerciante, que em
[Olicia, creada nicamente para esses lins. substituido do d.qmtado fallecido Jos Goncalves
Si-ja por anto o Sr. alferes Leopoldo Evangelista Malveira. tem de servir at o flu do anno de 18611,
Parahyba proeessado. j que nao possivel fazer o tempo que faltava ao substituido, na forma do ti-
raesmo ao Sr. coronel Ernesto. tulo nico do cdigo commerrial e decreto de 5
O delegado suppleouj em exercicio, que o Sr. do setembro de 18.W. E para constar mandou o
.os Pedro Bodrigues da Silva, foi (adiado a mol- sobredilo tribunal fazer este pie. assignado pe'.i>
de para ser o juiz procesante, visto como obri- seu secretario, ser publicado no Diario de fr
liado c grato esses seus correligionarios verme- nambnco e atusado na piara do ci.mmercio cwua
Ihos, que a tenderara sua petico n'assetnbla lista de qne trata o art. do citado decreta
provincial Secretaria do tribunal do commercie de Pernal -
E esse pobre vellio nimia bem nao leve tempo buco 23 de Janeiro de I86i.
le saborear o perdo que d'ellcs receben, ja se V Joao Ignacio de Medeiros Rcso,
^4v
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos por** do norte espera-
do at o dia t" de fevereiro o
vapor Pwat, eommandanle o
capitao de fragata Santa Barbara,
o qual depois da demora do cos-
tume seguir para os portes do sul
Desde j recebem-se passage8 e engaia-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada ne> dia de sua chesada: encom-
mcailas e dinheire a frete at o dia da sabida s 3
horas, agencia ma da Croa n. 1, escriptorio de
Antonia Luiz de Oliveira Azevedo & C
mtm
Bividas activas de Fajozes Jnniv.
IIO.ll.
Os administradores da massa fallida di' fajozes
Jnior e Fajozes Jnior & Azevedo por despacho
do lllm. Sr. Dr. juiz especial do commercio e in-
torvencao do agente Pestaa faro leilao das divi-
das activas pertencentes a mesma massa : quinta-
MM 28 do corrent pelas 10 horas da manlia na
porta da associaco comjnercial. Os Srs. preten-
ikntes podem examinar a rela^ao em raao do
agente.
LEILO
ioje na obrigacao de pagar-lhes o beuellcio, ser
vindodejnz parcial e violento nos processos do
Sr. alferes Leopoldino, e das outras viclimas pol-
illos denunciadas n'essa queslao de cspancanvutn
lo ex-eadetc Cesar.
E n'essc empenho o Sr. Jos Pedro vai repre-
sentando to a gosto o papel principal do quo lora
encarroado, que at leve o cniJado do nomear
peritos para pponederem corpo de delicio no of-
lndido os dous antees medseos que nesta provin-
cia existem nimigos encarnicados do coronel Er-
nesto e do seu corpo
nguera ignora mais
mm fiotnitian os Drs
LISTA
Jos Jeronyrao Monteiro.
Jos Joaquim Dias Fernajajks.
Luiz Antonio Siqtieira.
Jos Velloso Soarea.
Manoel Ignacio de Oliveira.
Manoel Joaquim llamse Silva
Antonio Jos Leal liis.
Vicente Mendos Wanderlev,
los Marcelino da llosa
; Joao Cardoso Ayrcs,
Joan Ignacio de Sfedetros Bogo
nais holo o Jespelto o a raiva Antonio Valontim da Silv
s. Francisco Antonio Vital de! Elias Bapllsla da Silva.
Iva Barroca.
COMPmi:
DAS
MESSAGERIES IMPERIALES
No dia 30 do
corrent espera-
se dos portes do
sul o vapor fian-
cez GiiirnMi.com-
mandante Bnont,
o qual dnpo8 da
demora do costu-
me. seguir para
Bordoaux tocando em S. Vicente e Lisboa.
(Em S. Vicente ha um vapor em corresponden-
cia com Gore.
Para as condiccoes, (retes e passJl|ens trata-so
na agencia ra do Trapiche n. p.
DE
HnMUB
Ultimo de i ampos V Lima.
Para acabar sua liquidaeo do fazendas farao
hoje seu ultimo leilo a tir de martollo, e em pe-
queos lotes e em attoneae a grande qnantidade
de concorreutes qne tem tido, por intervenco do
agente Pestaa, hoje ao meio dia era ponto.
DE
30 harris t-oiM onciaho.
Spgninta-l'cii'a I" de fpveiMto.
O agente Pestaa vender por conta o risco dfl
quera porloncor 'iO harris com toucinho de Lis-
boa recentemonlo cliogado era ura ou. mais lotes :
segimda-feira 1" do fevereiro. no armazcm do
Annes, s 10 horas da tnannas
llicalin e 4tlta.
SOOEDAUK mUrWmt PEBNAMIICIM.
l'rimrira cspeelacan deste anw.
Subir scena pela priiaeira ves nesta proian
cia o lindo drama em qnatro actos, do Sr. 1 de
Aleucar, denominado MA1
Nos entrevallos do drama a insigne pianista era-
sile-ira joven Angelina Holtioi e\ec atara no pian,
diversos pedamos de BBSJSten
Roga-se aos mahoras sacies A m.iadarem pro-
curar seus bilhetes ao escriptorio do ibeairo at-
amanha ao meio da.
Igualmente convida aos senhores sectas tal-
ladores c subscriptores para que comparecam d
mingo 31 do enrente, as 9 h*>rasda manhaa, alna
de se proceder a discussao dos estatutos, e proee
der-se a eleicao para nova directoria.
Procopio Santiago de Senna.
2- -cr.lirio.
ARTISTAS MECHAMOS E LIKIIiIS
PERNAMBUCO.
De ordem do Sr. director convido a todos os dig-
no- socios desta sociedad'- para quinta-feira #0
corrent, sessao ordinaria, visto ja se lerem araner
do as ferias. .
Sivivlalia da Sociedade do- Ai ti.-la MeClMMCte
e Liberaes de Pernanmco tS de janeirode -
Felis de NaloisCorreia
1.- i r.-iai ) interia
Pr.'cisa-sc de ura eaixeiro de !
rom pratica de taberna, que do um fladaf
conducu : na ra do Rosario da Doa-A ista n. -
Iloga-s ao Sr. brigada do corpo de guarni-
co desa provincia qne hca o especial ttver
apparecerna taberna da ra no Palacio de msp
n U a negocio que nao ignora


laiario le fcroaiuinico iuutu felra 96 de Janeiro de 1M4.
ATTENQAO
Segunda-feir, 8 de fevereiro de 1864.
ABERTURA
DO
HOTEL DE L'UNIVERS
RA DO TRAPICHE N. 2
:> msz n-c i MEDERIC ARNAUD previne ao respeitavel publico que nesta data acha-se aberto este seu novo estabefe-
cmeato. As pessoas que quizerem hoiira-lo com sua presenca acha-lo-ho todo montado de novo. OS QUARTOS sao os mais
decentes possiveis; mpcza e a celeridude no servico, assim como a amnidade e o agrado dos donos e dos empregados nada dei-
xarilo a desejar aos scnhores viajantes.
Teste eataJuelmmcato acham-se n unidos um CAFE e um RESTAURANTE O CAF ser sempre prvido
das bebidas o dos licores de primeira qualidade.
O proprietarin acbando-se relacionado oom os primcuos fabricantes de PARS e de BOREAUX, recebe todos esses gneros
de primeii'a mao, por isso acha-se habilitado para poder vende-loa por preco mais barato do que era qualquer eutra casa. Achar-
se-ha cerveja das marcas as mais afamadas nesta piara; e os amadores do JOGO DE B1LIIAR ho de achar um, novo e muito bom,
ao qual pderao destrabir-se sem muito casto, de modo que os fregueses podero com pouco dinheiro passar o seu tempo agrada-
velineote.
O RESTAURANT achar-se-ha prvido das melhores conservas da Europa, afim de satisfazer o gosto de scus
fregueses qae acharfio sempre comidas mu variadas.
Tomam-se pensionistas e nanda-se comidas para fra por precos razoaveis.
Ai pessoas que quizerem dar jantres em suas casas achara* sempre o MEDERIC ARNAUD as suas disuoslcoes, mediante ^^
Casa,
Aluga-se urna casa nova na ra do Principe n.
8, reguezia da Boa-Vista, com 3 quartos, i talas,
cozinha fra, cacimba c bom quintal : a tratar na
ra Nova n. 3._____________
Precisa-se de ama criada,sondo aceran para
casa de urna familia estrangoira : na ra do Tra-
piclie n. 11_____________________________
I'recisa-se de uina ama para cozinhar : na
ra do Crespo n. 18, segundo andar.
Tendo de ser arrematado de renda com toda
a sua fabrica, animaos e mais pertences, o enge-
nho Roncador, na freguezia de S. Lourenco da Mal-
ta, do coronel Jos Peres Campello, por exccucao
que lhe move los Jeronymo Monleiro pelo juizo
comraercial, cscrivao Paes de Andrade, faz-se cer-
to a qnem convier, que o dilo engenlio tem do ser
arrematado por seis annos, como foi determinado
pelo juizo, no dia Io de fevereiro prximo vindou-
ro, na sala das audiencias, como ja foi publicado
por edital do raesrao juizo,__________________
Aluga-se um preto robusto com pra.tira do
refinacao e de casa de pasto : quem pretender di-
rija-se a ra da Senzala Nova n. 2.
ajo*? previo.
Est |x>r alugar-se o segundo andar e solio
do sobrade n. 6o da ra Nova, que alias tem el-
ocuentes accouwnodacoes : quem os quizer juntos
ou sejorades, dirija-se ao primeiro andar.
Lava-se e eugomma-se roupa de bomem e i e
senhora cora perfeico e preco commodo : na rt a
da Peal n 25, loja._____________________
Ao n. 29.
Mera leja des barateiros na ra do Qurimado.
Ricas saias de fustao a -y&, camisas inglezas pata
senhora a 2.J, 2*300, 3* e VI, coberUs de fusto
M1IF1W
Era quanto o Sr. Jos Joaquim Barbosa nao viea
ou mandar da villa do O' (para onde rhudou-se oc-
cultamente) pagar os alugaeis de perto de dous
annos da casa em que morn, na ra dos Prazeres
da Boa-Vista, ver o seu nome neste jornal para
melhor ser conheeido dos proprietarios._______'
Aluga-se oarmazem n. 4 da ra do Apollo, e.
terceiro andar da casa n. 88 da ra da linpera-
triz ; na ra da Auroran. 3b.________________
brancas a 54, chitas com lustro para coberta cora Aluga-se ou vende-se um sitio na Capunga
b palmos de largura a biO o covado, cambraia de Veina com ^j ,.as, Contendo i quartos. gabine-
"\^ra!nSl iaI^-.T" para VCSl' <> cacimba r,.m boa agua, quartos para pretos,
' estribarla e frncteiras, todo murado : quem o pre-
tender, dirija-se ra do Crespo n. 18, primeiro
i andar.
Awmmwtmmmm
Maques sobre Portugal.
Oabaixo assignado, agente do banco
mercantil Portuense nesta cidade, saca ef-
fectivamente por todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
aualquer somma, vista e a prazo, po-
endo logo os saques a prazo serem des-
contados no mesmo banco, na razio de 4
por cento ao anno aos portadores que as-
sim lhe convier : as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
Aluga-se o 2o andar do sobrado da ra do
Imperador n. 79, bastante fresco, e decente para
urna familia : a tratar com Antonio Jos Rodrigues
de Souza, na ra dn Crespo n. lo.
Manoel Jos de Albuquerque Mello, provisio-
nado pela directoria geral de instrueco publica
desta provincia, para ensinar nesta cidalc as pri-
meiras letras, oflerece o seu presumo todas as
pessoas que lhe quizerem confiar os seus filhos,
prometiendo envidar todos os seus esforcos, alim
de bem cumprir o seu magisterio, tendo aberto a
sua dita aula desde o dia 11 do crreme, no pateo
do Terco, sobrado n. 1.1, segundo andar.______
Os Srs. Rozendo Alvos da Silva e Noberto
Muniz Teixeira Guimares teiiam a bondade de
dirigirem-se ao largo do Paraizo n. 10, a negocio
de interesse.
Bernardina de Sena avisa ao publico desta
que nao se podo arrematar a sua escrava
Luzia, por ordem de seu marido Manoel Nunes da
Cruz, como ella o provar.
Recife, 24 de Janeiro de 1864.
do a 480, 50 e 640 o covado.
Ao n. 2.
Na loja dos harateirot na rna do Qneimad.
Taratanas de todas as cores, fazenda muilo lina
a 720 a vara, cambraia para cortinado, peca de 22
varas, por 10, chales de la por 3, 45, e 8,
camisas inglezas para bomem a 38$, 30 e 60*.
Ao n. 29.
Nava loja dos barateires na ra do Queimado.
Bicos pretos, franjas de todas as qualidade:.
Noeiedade de seguros mutuos
de vida installada pelo Banco
i'iiSo na cidade do Porto.
Os agentes ncsla cidade e provincia Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo & C escriptorio na ra
da Cruz do Recife m. 1, eslao autorisados desde j
m&
A irmandade de N. S. do Bom parto, erecta na
groja de S. Sebastiao da cidade de Olinda, tem de
expor vista dos fiis em procissao a mesma Se-
nhora, as 3 horas da tarde do dia 2 de fevereiro,
percorrendo as mas seguimos : ladeira do Vara-
douro, ra de S. Bcnto, ra de Malhias Forrara,
largo de S. Pedro Apostlo, largo do Carmo, ra
de S. Francisco, largo da S, na Nova, largo do
Amparo, ruado mesmo, ra do Coxo, ra do VI-
jube, ra da bicca de S. Pedro, e recolber-so na
' mesma igreja de S. Sebastiao : pede-se a todos os
moradores dessas ras a bondade de mandaran
1 impar suas testadas, para que o acto so torne mais
brilhante.
a tomar assignaturas e prestar todos os esclarec
trancas de seda, de algodae e de lita, manguitos 3 mentos que forem necessarios, as pessoas que dc-
camisinhas bordadas, collarinhos e punhos, folho,
bordados, botoes de velludo, de seda e de fustao,
bandos de cabello, meias de seda, loques ; cujos
artigos se vendem pormetade do seo valor por ser
para acabar.___________________________
O abaixo assignado contina a leccionar pri -
meiras letras, latim e francez em sua mesma re
kidencia na ra Nova n. 58, terceiro andar. Ad
mitte tamben 8 alumnos internos, nao excedeudc
a idade de 10 annos.
_________Jos Maria Machado de Figuoi rede.
Terrenos de niai'inlia.
O agrimensor dos terrenos de mar ir ha fa:;
sciente ao Sr. Francisco Jos Martins da Costa
|ue desde 20 de agosto de anno prximo passad
so ach, lavrado o termo demedelo do terreno n
169, de que requereu titulo de aforamenlo, qiu
venha assigni-lo no prazo de 1. das da data des
te em (liante, do contraro ser remettido com c
requer ment thesouraria de fazenda para pro-
ceder na fon a das ordens em vigor. Igualmente
convida ao procurador da Sr.' D. Rosa Mana Mag-
dalena Pereira a comparecer na casa de sua resi-
dencia na roa Direita n. 74, afim de se lhe marcar
r. hi <,m o" !m o iJiuiuuer a mertioao do
terreiK n. lo I sito na ra d'Apollo, de que a dita
senhora requereu titulo de aforamenlo. Recife,
25 de jineiro de 1864.
sejarem concorrer para Uto til e benfica empre
zas, egurando um futuro lisongeiro aos associados ,
CALABAR
rJSUjj'A J.iiSTi.JS'iLiiA
Do secuto 19
pon
JOS DA SILVA MMIKS LEAL JIMOR
Acaba de chegar do Rio do Janeiro esta nteres-.
sante obra, e vende-se na livraria econmica ao;
p do arco de Sanio Antonio.________________
' Amonio Jos Rodrigues de Souza aluga a sua
I casa o sitio do Mouteiro, em frente ao oitao da
i igreja de S. Panlaleao, com bastantes commodos :
a tratar na thesouraria das loteras, ra do Cres-!
po n. lo.
l)eseja-so sabor onde reside nesla ci
dado o Rvm. Francisco Raphael Fernan-
dos, da villa do Principe, e ao mesmo se
pedo que annuncie a fu morada.
Prccisa-se de urna ana para casa de pouca fa-
milia; na praca do Corp Santo n. 17_________
Precsa-se de urna ama que cozinhe, engom-
mc e compre, para casa de pernea familia : a en-
tender-sc na ra de Borlas n. 30.
MUDARS
C4RRET0S
No ciao da secretaria de polica, armazem da
bola amarella, ha urna pessoa encarregada da mu-
danza de mobilias de urnas casas para outras, e do
transporte de quaesquer voluraes sol a direceo
da mesma pessoa : a tratar no lugar cima.
Aluga-se um excel
ra da Boia n. 16.
uto moleque: tratar na
A pessea que annuuciou querer comprar 2
ou 3 casinhas sendo que queira comprar 7 moi-
aguas (m chao proprio ou tambera se vendo as
que quizer Jinja-se loja de calcado da ra da
Imperairiz n. 38, que achira com quem tratar.
Han*
Dase dinheiro a juros: na ra ilu
fi\ n. 6.
Precsa-se alugar escravas para vender ou
mesmo pagndose a vendagem : no becco da La-
pa fabrea de velas de Joac da Silva Lopes.
Precsa-se de urna ama que nao tenha lilho :
na na de Apollo n. 88, primeiro andar.
liduard Joscph Carroll subdito brilannico
va ao Rio de Janeiro.
Cirvalho & Nogueira na ra de Apollo n
20, saccam sobre Lisboa, Purto e lha de S. Miguel
I'recisa-se de urna ama para todo o
servico do urna casa de familia: na ra
estreia do Rosario n. 31, terceiro andar. JK
Precsa-se de urna ama de leite, e paga-se
bem : na ra Imperial, se orado n. 87.
Augusto C. de Abreu faz publico que flndou
o engaja ment que ha va celebrado com o seu guar-
da-livro.; o Sr. Jeronymo Joiuiuim Fiuza de Olivei-
ra, a conseguiutoinentc tem tambera cessado suas
funecoe:; de procurador, que era do annunciante
DENTISTA DE PARS
49Roa Nsva-49
Frederico Gautier, cirurgao dentista,
faz todas as operacoes de sua arte, e col-
loca dentcs artificiaes, tudo com sup rio-
ridade e perfeico, que as pessoas enten-
didas lhe reconhceein.
Tem agua e pos dentificio.
No escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo k C, na ra da Cruz n. 1, precisase fal-
lar com O Sr. Luiz Soares Botelho, filho de Jos
Soares Botelho e de Fortnala Candida do Souza
ATTENCAO.
Custodio Jos Alves Guimares avisa ao respei-
tavel publico e aos seus freguezes, que em vistas
de se achar seu estabelecimento em olir.'u alim de
alargar mais o campo para o gallo de novo cantar,
e neto de Francisco Manoel de Souza, naSda' ^m de.melnor poder servir seus bous freguezes,
ilhade S. Miguel, o qual consta ter vindo para es- com ludo em. lant<' durar as ditas obras conti-
ta cidade em 1836, para lhe dar noticias de sua nuara a scrv'r se,us freguezes no seu grande ar-
mai e irraaos que se acham no Rio de Janeiro. '1Ba2em com f'.*?nte, P". ruado aperador ?>
--------------------------------------------------- i entrada pela dita loja do gallo vigilante, ra do
Qunu pretendere segundoan- crespon.7.__________________________
Manoel Luiz dos Santos o C. lem justo e
dar do sobrado n, 44 em a ra
,i.. t....... j;-:: .. .___m. contratado a compra do armazem de cabos no lu>
da AUrOM, airij^-se a roa NO\a, garda ra do Vgario n. o, pertencente Theodo-
zio Maduro da Fonseca : quem se julgar com di-
reito a qualquer reclamagao, dgnar-se-(t-<^-apre-
sentar no espace de lo dias. Recife 13 dVianeiro
de 864.
Quem i|uizor alugar urna escrava para ama
de casa, muito fiel e sem vicios, engorama com a
maior perfeico e delicadeza os mais finos vestidos
de senhora, o muito expedita nesta sua habilitado,
e as mais pelo uso de muitos annos : urna gran-
de cezinheira, cose alguma cousa, ensaba muilo
bem, c faz todo o mais servico, menos o de carre-
gar agua e pesos ; no caso de necessidade compra,
mas nao est acostumada \toz ser escrava de aceio ,
garante-se estas habilidades, porm sao 23*3 por
moz, ijuantia pela qual j esteve alugada por mui-
to lempo, tambera vende-se, se chegarem ao preco,
e o motivo se dir : procure-se na ra do Impera
dor, sobrado n. 43.
O abaixo assignado, encarroado pelos adrninis-
Affonso de Alltuquerquc Mello
ha 19 annos advogadoj ante os auditorios e tribu-
naes desta cidade, j na e6Tfe c em outros lugares
do imperio, emcousequencia de terem-se augmen-
tado aqu seus afazeres, tem transferido sua resi-
dencia da villa do Cabo para esta cidade ra es-
treita do Rosario n. 34, onde tem estabelecido seu
escriptorio, e onde foi o do Dr. Godoy, de cujos
iiabalhos licou encarregado o annuncianle. Ahi
olforece os raisteres de sua profissao s pessoas do
quem mcreca confianca, tamo deste termo como
dos dcmais desta c de outras provincias para os
negocios trabalhos a serem desempenhados aqu,
garantindo o zello, lealdade e actividade que lhe
sao reconhecdos polas pessoas que o conhecem.
Incumbe-se tambera de trabalhos para os termos
prximos, onde tem solicitadores de inteira nm-
lianca. U consultas verbaes e por escripto, o
prestase a ouvirseus consliluintes a todas as lio-
ras, e as sextas-feiras das t) as 4 na villa do Cabo
Do engeuho Jundi, sito na freguezia da la-
cada, do niajor Manoel Antonio Dias, fugio na noito
do dia 23 para 36 do corrente um cabrocha, cujos
signaes sao os soguintes: idade de 18-a 20 annos,
boa figura, baixo, cheo docorpo, falla rouquinha,
pis grandes, sem serem achatados, tem urna cica-
triz em cima de um dos ps de urna ferida que
leve, cabellos muito crespos, marcas velhas de re-
Iho, de nome Tranquelino, mas costuma mudar o
norae, c intitular-se forro, pois nao a primeira
vez que foge, sabio com ceroula e camisa de algo-
do da trra, chapeo de bata ordinario pardo :
roga-sc todas as autoridades, capites de campo
c qualquer outra pessoa a captura do cabrocha ci-
ma dito; e quem o pegar e lvalo ao seu senhor
no engenho Jundi, ou a Albino Jos Ferreira da
Cunha no Rooifc, ser Konerosaraonle ratificado.
O Sr. M. Xavier Paes Barrlo Jnior nao so
pode retirar para a Europa sem que se entonda
com o solicitador Joaquim Cavalcanli de Albu-
querque Mello, na ra do Nogueira n. 19, primei-
ro andar.
Do engenho Campo Alegre, comarca do San-
to Antan, fugio era setembro do anno prximo pas-
sado o escravo de nome Antonio, cabra bem feixa-
do, cabellos crescidos, um ponco baixo, tocador de
viola, prosista, etc., o qual suppoe-se ter sabido era
demanda da cidade de Macei, provincia das Ala-
goas, onde mora a sogra : roga-se a todas as au-
toridades policiaes e capites de campo que o cap-
turen! e o faeam conduzr ao dito engeuho a seu
senhor Joaquim Xavier Carneiro da Cunha, que
pagar cora gonorusidade a quera qner que o leve.
Ama deleite
Precisa-se de urna ama que tenha bstanlo loito:
na ra estreita do Rosario n. 8, segundo andar.
Offerece-se urna mulher para ama de casa
de pouca familia ou hornera soltciro : na ra da
Ponha n. 9.________________________
D-se a quantia de 3:0005 a premio : quem
pretender, dirija-se ra Augusta n. 36.________
Aluga-se o armazem do sobrado da ra da
Praia n. 37: trata-se no Campo Verde, ra do
Deslino n. 20. sobrado do Dr. Miranda.________
Preeisa-se de urna ama para casa de bomem
soltciro : na ra Direita n. 71.
Pede-sc ao lllin. Sr. juiz da irmandade de N.
S. da Boaviagem faca cumprir os artigos 16 e 17
do compromisso, nao admittindo pretextos ou ar-
bitrios era contrario.
Precisase de urna pessoa para trabalhar em
urna fabrica de velas de carnauba : na ra da
Senzala Nova n. 26.
Oabaixo assignado vendo um annuncio do
Sr. Antonio Jos Gomes.dcclarando que paga todas
as suas comas, e como o mesmo abaixo assignado
nao tenha o podido encontrar, roga ao mesmo se-
nhor o favor de se dirigir ra da Guia n. 9 para
ajusfar contas antigs.
_______________Joan Francisco da Silva.
Oabaixo assignado, estabelecido com loja de
selleiro na ra Nova n. 1, faz sciente ao respeita-
vel publico que nao se entende com elle a prisas
constante da parte da polica publicada no Diario
Vende-se para liquidado de coates a laja 4o H>
vros da praca do Pedro II n. O, muitu propria para
qual pier principiante por ter poneos fndate ser
situada na melhor localidade: a tralar na tooa.
Vonde-se uin cavado novo e con basa aada-
res, e urna egoa de muito boa raea o srhi, par
pre^o commodo: na padaria do Cbon iioin
Vende-se um moleque de idade da 7 aaaas r
na na Imperial a. 49._____________________
luatro andares.
Vende-se o grande sobrado de quatro andares
da ra do Trapiche Novo n. 14, o qual se toraa
reeoinmendado pela sua localidade : o* pretaa-
dentes podero obter qualqmr intormacao ares-
peito na ra da Cruz n. 38, ou no Forte do Safios.
armazem n. 20.
Caixas com macaas a i& e a rrtamo para teda o
prego, a 40, 80, 120 c 200 rs. : ao sraniwa da
Aurora Brilhante, largo da Santa Croa a fti.
Taboadlo.
Vendo-se (abordo de pe roba e caadla, da boa
qualidade, e por preco muito em coala : ao trapt-
che do Cunha, no Forte do Mattos.____________
Para o carnaval
Vende-se ou aluga-se urna excedente caaeaira
inteira : na ra Nova n. 13, loja do Antoato Ro-
berto & Filbo.
Vende-se urna
ra do Rangel n. 46.
vacca parida com cha
Vcndcm-se ovas do serto mnilo boas, ebe-
;adas ltimamente no vapor Mamanfua?? : ao
argo do Corpo Santo n. 6, armazem de Pabnnra
_ Beltrao.
Varredaras de (ariaaa e i
por preco commodo : defronte da eseadiaaa, ao
armazem do Aunes n. 7.
Vendem-se 800 barricas
alien.a em Santo Amaro.
vastas : aa padaria
Carraca e bi.
Vende-se urna carroca e um boi por preco miu-
to commodo : na ra da Assumpco n. 34. *_____
Vendem-se 7 meia-aguas aa Soiedade: a
tratar na ra da Imperatriz loja de calcado n_ 38.
Phosphoros gaz.
Contina a estar supprido o deposito de pbospbo-
ros do gaz, na travessa da Madre de Dos as. 9 e
16, armazens de Ferreira & Martins, e veadem-sa
pr grosso e aretalho.
Hasaa phowphorlea
para destruir compleamente ratos e barates : rea-
de-se nos armazens de Ferreira & Manas, .traves-
sa da Madre de Dos ns. 9 e 16, em potes a 300 rs.
cada um, muito fresca por ser receaiemeaie eae-
gada.. __________
Vende-se urna taberna em i
ras do bairro da Boa-Vista, por set
retirar-se para tratar de sua saude
ra da Imperatriz n. 34._______
atetar aa
tradores da massa fallida de Camargo A Silva, laz: de noje 27 de ianeiro do 1864, mas sim com outro
ver a toaos os devedores da mesma massa que o' je gnal nome".
praso que lhe marcou at o fin deste mez, esta fin-1
dando, o por isso espera que todos os devedores!
se emendara com elle, do contrario nao ter alten-
Domingos Jos Ferreira.
cao com devedor, seja elle quem for ; assim como
todos e quaesquer devedores nao podero pagarse*
nao ao abaixo assignado dividas pertenctntes
mesma massa.
Manoel Fernandes da Silva.
Precisa-se de um bom cozinheiro e de dous
criados activos : a tratar no sobrado n. 32 da ra
da Aurora.
Aluga-se urna casa nova muilo fresca e pre-
co commodo, no lugar da Capumra, ra das Criou-
las, com quintal murado, poco d'agua de beber : a
a Europa tratar de, trafar ao p da mesma.
em a loja de Basles k Hagalhes, que
adiar com quem tratar. Assim tam-
bero alugam-sc as lujas do mesmo so-
brado.
Professor de piano.
Jos Coelho da Silva e Araujo, bem conhecdo
nesta cidade, contina leccionar piano e msi-
ca vocal por commodo preco : quem de seus ser-
vicos precisar, dirija-se ra do Livramento n. 21,
segundo andar.
ATTENQAO.
Na ra da Gloria
lente cavallo por 1505.
n 89 vende-se um excel-
Precisa-se de urna ama para cozinhar
comprar : na ra do Quei ruado n. 32.
Precisa-se de urna ama que saiba engommar e
lavar: na ra das Crozes n. 39, taberna.
O abaixo assignado teudo arrematado em
leilo a taberna da ra de 5. Jos n. 2, pertencen-
te ao Sr. Jos Antonio Anselmo Moreira, pede a
quem se julgar credor do dito senhor para apre-
sentar suas contas no praso de oito dias para se-
ren conferidas e pagas em tempo competente, e
lindo esle praso declaro que nao rae responsabiliso
por qualquer debito que possa haver.
de Janeiro de 1864.
_______________Manoel Jos da Silva,
1
Acha-se venda as livrarias desta cidade,
300 rs. em brochura, e a 40 rs. encadernado, o
inleressante livrinho
Opsculo ile moral religiosa
POB A. RENDC.
Approvado para leituradas escolas primarias
desta provincia pelo consellio director da nsiruc-
cao publica, como se v do seguinte parecer:
PARECER
A coramissiio encarroada de dar o seu parecer
acerca do Opiisculv de Moral Keligio.sapam hilan
das escolas primarias, por Mr. Ambrosio Rend,
autonsado pelo conselho de instrueco publica em
Franca, e traduzido em vulgar por'-.-, leu acura-
damente oste formoso livrinho, que tanto lem de
pequeo como de interessante; e quando pela dou-
trina que encerra e pelo primoroso da verso elle
se nao tizesse desde logo recommendavel, bastara
o nome di autor do Codujo L'niceisilmio e a res-
peitevel sancco da autoridade do ensino era Fran-
ca, para (iue a coramissio o propozesse a adopcao
do conselho. Mas alm disso, quizera ella que*as
matada familia em lodo o Brasil tivesscm sempre
mao estas paginasinhas de amor, pelas quaes li-
zessem lr e ensinassem scus filhos no regaco, a
Recife 26 par da historia do povo do Dos e dos imsterios
do chrislianismo.
E por isso a commissao do parecer que nao
un
Precisa-se de urna ama para o servico interno
e externo de urna casa de pouca familia : na ra
da Guia n. 36, primeiro andar.
A pessoa que aununciou precisar de 1:6005 so Opsculo seja adoptado as escolas primarias
a juros com hypotbeca, dirija-se a ra da Praia nu- raas ,Qe -c procure vulgarisa-lo era todo o im-
mero 29.
Proeisa-sode urna ara i para casa de umes-
trangeiro : a tratar na ra da Cadeia do Recife n.
40, loja de relojoeiro.
Alnga-se um sitio na estrada dos Afllictos,
defronte do becco do Espiobeiro, tem boa casa
com bastantes commodos, te rraco, estribara e co-
cheira, cacimba com excellento agua de beber, e
muitos arvoredof de fructo de boas qoalidados : a
tratar na. ra larga do Rosario n. 18, primeiro
andar.
Bernardiuo Lopes de Oliveira retra-se para
buropa cora escala pelas pnvincias do snl.
Offfrece-se urna senhora com bastante e bom
Jeue para criar um menino na ra Nova u. 40
obrado, primeiro andar.
peno.
Sala do conselho director da instrueco publica
de Pernambuco, 18 de setembro de 863.Jos
Soares de Azevedo. Dr. Aprigio Justiniano da
Silva Guimares.
AMA M LEITE
OtTeree'.-so para criar, urna mulher com bom e
abundante lene, e torna-se mais eommodo por ter
morndoo menino : a tratar na ra da Santa Cruz
.olimero 9.
Roga-se ac Sr. R. a. comparecer na ruado
Trapiche n. 12 j*ra iratar do negocio que nao ig-
nora. _____________
Aluga-se um sobrado de um andar com hora
quintal: qnem o pretender, dirija-sd ao Fortu do
Mallos, n.-! prensa do capitio Riboira ; a filiar
coro Joaquim Meades de Souza Ferreira. I
Alugam-sc duas casas terreas sitas na Pausa-
geni da Magdalena ao entrar da ponte pequea,
com os commodos segaintes: 4 quartos, cozinha
fra, quintaes murados e cacimbas : a tratar no
sitio n. 1 na estrada do Hospitai Portuguez, ou no
pateo do Carian, sobrado n. 2.
Precisa-se alugar um moleque at 125 raeu-
>aes : na ra das Larangeiras n. 3.
Saques.
M. J. Ramos e Silva & Genios sacam
vista sobre a praea do Porto: na ra do Vi-
gario n. 10.
(Msa de educaco
Jeronymo Pereira Villar achando-se melhorado
de sua saude, transferio o seu estabelecimento de
instrueco primaria e secundaria para a ra do
Imperador, sobrado de tres andares n. 9, esquina
que vira para a ra do Crespo ; e participa nao
so aos Illms. pas de seus estimaveis alumnos, co-
mo ao rcspeitavel publico, que as aulas estarlo
abenas no dia 8 de Janeiro do correnle anno.
Companhia Ocle!Idade de
seguros martimos e ter-
restres estabeleclda no
Rio de ianeiro.
aflama em pepnambuco
Antonio Luiz de Oliveira Azevedv k C,
comiietentcmente autorisados pela direc-
toria da companhia de seguros Fidelida-
de, tomara seguros de navios, mercado-
ras e predios no seu escriptorio ra da
Cruz n .1.
mmwmmm
Advocada.
O bacharel Jeronymo Salgado do Castro Acco-
ly, advogado do tribunal da relacao e mais audito-
rios desta cidade, continua no exercicio de sua
profissao. ra do Queimado n. 38, primeiro andar,
onde pode ser procurado das 9 horas s 3 da tar-
de, e no caso de urgencia a qualquer hora do dia.
O abaixo assignado vai
sua sauue, e leva em sua companhia sua senhora Precisa-se de 6005 a premio de dous per
e 2 filhos menores, e deixa por seus procuradores: cento, dando-se seguranca em um predio,
nesta praca em primeiro lugar a seu mano Joao iwisa.se de tima ama nara casa de noura
Remira de Souza, e em segundo lugar a seu sogro fami|i tratar a Sa dMraVento nN
i Jos Fernandes de Camino. Recife 26 de',am
Joao
Janeiro de 1864. Domingos
Vasconcellos.
Ferreira de Souza; D-se 145 por aluguel de urna negrinha que
sirva para o servico de casa de familia de duas
pessoas : na ra de lionas n. 128, sobrado.
Pilar os bilheies ns.
lotera a beneficio da
Precisa-se de urna ama para casa de pouca
familia : na ra do Queimado n. 4.___________
O Dr. Casanova pode ser procurado era seu
consultorio especial homeopathico no largo da ma-
triz do Sanio .vntonio n. 2. No mesmo consulto- Precisa-se alugar una preta para o servico
rio ha sempre grande sortimento de medicamentos de urna casa de pouca familia : na ra Velha n.
Pertenccm a E. W. do
2096 e 2397 da 4' parle da l>
igreja de S. Jos do Recife.
em unturas e em glbulos, deixando elogiar os
nossos medicamentos pelas pessoas que os tem ex-
Cerimentado e continuara a servir-se em nossa
tica. Temos tambera obras accommodadas a
inlelligencia do povo.
43, segundo audar.
Aluga-se a casa terrea da ra da Mangueira
n. 9 : a tratar da ra da Cadeia n. 21, loja da Pri-
mavera.
lnslno de tiiglez e fraftcez.
Joaquim Pedro da Rocha Pereira, competente-
mente autorisado pela directoria geral da instrue-
co publica, para ensinar particularmente inglezl3
e francez, leceiona nesses preparatorios tanto de
mauhaa como de tarde, no 1." andar do sobrado da
A ttenedo.
Na ra da Cruz n. 11 fornece-se comidas para
fra e em casa, por commodo preco, com muito
ra Direita n. 93, ond
procurado.
Aluga-se o segundo andar do sobrado da
ra da Cadeia n. 55, com commodos para familia:
a tratar na ra do Queimado n. 7, segundo andar,
Alutam-se os dous sobrados de um andar ns.
.19 c 41 da ra dos Pires, (bairro da Boa-Vista),
lendo cada urna destas casas 3 quartos e 2 salas
no alto, e no audar terreo, alem destes commodos,
<:ozinha e 2 quarios no quintal: quem os preten-
der, dirija-se ra do '.aboga n. 3, loja.
A pessoa que annunciuu comprar lima es-
.:rava de meia idade, dirija-se ra das Aguas
Verdes n. 48.
Precisa-se de urna preta : na ra do Hosiii-
io n. 62.________
Casa para alagar.
Na ra do Crespo n. 13, loja, aluga-se o primei-
ro andar do sobrado da roa do Imperador n. 36.
Precisa-se de urna ama de meia idade que
engorante o cozinhe, e faca o mais servico de urna
casa de pouca familia : na ra dos Pires n. 27.
Club Commerrial.
A reunio familiar do corrente mez ter lugar
na noito do dia 30. ___________
O abaixo assignado, devidamente autorisado
pelos senhoros administradores da massa fallida
de Fana A C, reiterando o annuncio j muitas ve-
zes publicado por este jornal, convida de novo os
devedores da dita sociodado fallida para amigavol-
mente solverem seus dbitos at o da 31 do cor-
rente mez de Janeiro, previnindo-os de que, se as-
sim nao Ozerera, ter de chama-Ios juizo para
obrigar o pagamento, como tem succedido a res
IM'ito do alguns. Oulro sim declara aos mesmos
devedores, tanto desla como de outras provincias,
da capital cmodo centro, que nao podera fazer
pagamento algum se nao ao annunciante ou a pes-
soa por elle autonsada cora procuracao bastante,
o de modo algum podem pagar ao fallido, fgido e
oceulto, Juvino Carneiro Machado Rios, sob pena
de nullidade de pagamento e de terem de repeti-lo
ao annunciante ou aos ditos administradores na ra
do Imperador n, 37. Recife 19 de Janeiro de 1864.
____________________Lino do Faria.
Lonronco deFreitas Guimarao", subdito por-
tuguez, vai a Europa.
COMPRAS.
O Dr. Carolino Francisco de Lima San-
tos, contina a residir na ra do Impe-
rador n. 17, 2. andar, onde pode ser pro-
curado a qualquer hora do dia e da noite
para o exercicio de sua profissao de me-
dico ; sendo que os chamados, depois de
meio dia at inoras da tarde, devem se:
deixados por escripto. O referido Dr.
nao abandonando nunca o estudo das
molestias do interior, prosegue, com o
maior affinco, no das mais diOlceis e deli-
cadas operacoes, como sejara dos orgaes
ourinarios, dos olhos, partos, ele.
avallo para cabrlolet
Compra-seum ca vallo que seja bom para cabrio-
let e j acostumado, novo, sao e manso, e que pos-
; j sa ser garantido, nao se importa que seja um pou-
i co magro : quera o tiver nostas condicoes e o qui-
j zer vender em conta, annuncie para ser procu-
rado.
Coinprara-se as postilas de direito civil pelo
lllm. Sr. Dr. Braz : na livraria da praca da Inde-
pendencia ns. 6 e 8.
Compra-se para cobrir um lelheiro varias fo-
Ihas de ferro galvanisado j usadas : na ra do
| Queimado, loja deferragens n. 14.
MI
Besposta.
O abaixo assignado responde ao Sr. Manoel Jo-
s da Silva, arrematante daf minha taberna sita
ra de S. Jos n. 2. relativamente ao annuncio
por elle assignado o publicado no Diario de hon-
lein fi'j pola forma seguinte : 1." que nenhura
trato boiivo entre mira e o arrematante que o au-
torizarse a chamar pelo Diaria es meus credores
a aprcsenliircm-lhe as contas no prazo de 8 dias,
para serem conferidas e pagas em tempo compe-
tente, e lindo esto prazo que elle nao .e respon sa-
bilisava por qualquer debito que possa havor ; 2.
que a taberna foi arrematada era leilo publico
(agente Pestaa) no dia 21 do corrente por conta
e risco do mesmo abaixo assignado como fez pu-
blico pelo Diaruft 3. que para esse leilo bouve-
rara limites porgarle do referido abaixo assigna-
do sendo um destes o ser o leilo elfoctuado a di-
nheiro, e na falta a prazos com garanta, a esto se
apegou o Sr. Silva a quem lhe foi entregue a ta-
berna pelo respectivo agente. Pergunto eu agora
ao Sr. Silva, o que lhe cumpra fazer logo que o
acto se onsumou T Era fazer lancar no Diario
o annuncio que ora se contesta ? nao Eu lhe di-
go eumpria-lhe aceitar as letras dessa compra e
fazer com que o seu garante as firmasse, mas isto
anda nao fez at hje (28.) Logo que os audito-
rios se abrirem eu liqudarei esse negocio pois
nao tenhoat boje conhocimentos de tutor ou cu-
rador meu. Recife, 28 de Janeiro do 1864. Em
tempo declaro que quando tencionei por em leilo
a minha taberna, foi do accordo com um dos me.us
credores Francisco Alves Mouteiro Jnior, o qual
me afilancou responder pelos demais credores
meus, c com effeito a isso se tem prestado uo
obstante achar algum embarao em um ou mais
credores que negara-so a ajusfar contas, mas espe-
ro se rcalise sem irraos a juizo. Era supra.
Jos Antonio Ancelmo Moreira.
Compra-se urna negra que saiba bem coser
e engommar, e que soja moca e sem vicios, e bom
assim se compra mais um escravo prelo que soja
moco, e bom cozinheiro : a tratar na ra da Ca-
doia do Recife n. 4, primeiro andar.___________
Compra-se elTeclivamente ouro e prata em
obras velhas: na praca da Independencia n. 22
loa de bilhetes.
Compra-se um silho que esteja era bom es
tado : na ra Nova n. 6
Vende-se urna taberna com poneos tundea, pro-
pria para um principiante : a tratar n roa di
Arago n. .12. Vende-se pelo motivo de o do ter
de retirar-se para o mato.__________
Vende-se um piano de armario
estado, forte e de Jacaranda, por preco
modo : na ra dos Pires n. 40. __________
Barras para vestido.
A loja da Aurora, na ra larga do Rosario b.
38, recobou riquissiraas barras para vestido, eke-
gadas pelo ultimo vapor, as quaes sao as mais mo-
dernas que tem rhegado, assim como tambera re-
cobou ricas capellas de differenles gustes e Mate
finas, proprias para qualquer casamento, muilo
boas lavas de Jouvin, tanto para bomem coao pa-
ra senhora : quem quizer, pode mand.tr
amostras, pois dase a qualquer pessoa, i
penhoi.
Carne do sertio.
Chegou ao armazem da Aurora Brilhante ao
largo ca Santa Cruz n. 84, a verdadeira carne do
Sendo a 400 rs. a libra em porfi se tari bati-
mento.___________ __________________
l'anno de algodo tecitlo Je Minas, fa-
i zenda forte e encorpada, apropriada para o
servido da lavonra, quer para saceos, quer
i para roupa de cscra\os: grande deposito
na pnira do Corpo Santo, escriptorio de
Augusto F. de Oliveira.
l.iivas de pelllea.
Chegaram para i loja d aguia branca, rna do
Queimado n. 8.
t'ai'i'inhos de nio a !.
Veudem-se carimbos do mao : no mate mohe-
cido armazem de inadoii as da ra da Concordia u.
33 defronte ao porto das canoas.
Gaz liquido
a ooo r-. a garrafa : no deposito do gaz, roa da
Imperatriz, loja de fazendas n. 28.
XOZKS
Ba da Madre de lieus is. o e 9
Vende-se saceos com oito libras de nozes pelo
barato proco de 15000, aproveitem a pecmafca,
sao novas.
~ATTEMC40.
\ ende-se barato dous terrenos tendo ca-
da um 140 palmos de frente e 200 de tun-
do, um aterrado o prompto para edificacio
com frentes para as roas da Concordia e
JoAlecriui, e outro por benefiear coa
frentes para as ras da Concordia e da de Detea-
cao : quem quizer aproveitar um bom negocie
pode dirigir-so ao Sr. oncalo Jos Atfcmso corre-
tor geral, na ra do Trapiche n. 40, primeiro
andar.
XAROPE
deLABELONYE
COMPRA-SE
No largo do Paraizo n. 20, segundo au-
dar. se dir quem compra duas escravas que
sejam mocas e sadias.
Compra-se urna mulaiinna ou cabrocha de
bonita figura, que tenha de idade 12 15 annos,
com habilidades ou sem ellas, agradando paga-se
b(m: no pateo do Terco n. 2, sobrado de ura
andar.
Compra-se um escravo quo soja moco e ca-
noeiro : na ra da- l'raia.arinazcra de carne n. 7-
- Compra-so papel de Diario a peso : na ra
do Palacio do Rispo n. 40.
YENDAS.
Ven de ni-.e eai\es vas i os a
IJCOO: nesta typographta.
Quera quizer dar 600J a juros dando-se em pe-
nhor urna escrava, cujos serviros fiearo pelos ju-
ros annuncie para ser procurado. ___________
Loja para alugar.
Aluga-se a loja do sobrado sito no largo do Car-
mo n. 18 : tratar no m.-smo sobrado segundo
andar.
Marmore e alabastro.
BRa da imperatriz
J. J. Koller convida ao rcspeitavel publico para
vir visitar a sua loja aonde tem exposio um
muito rico sortimento de objectos de marmreo
alabastro do Sr. Topi, tao elegante e barata sao as
obras que ninguem dei tara de comprar para or-
nar salas, quartos ou copiaes.
da Baha
roupa de escravo; tem
AlgoilO
para saceos de assucar e
para vender Antonio Luiz de Oliveira Azevedo &
C, no seu escriptorio ra da Cruz n. 1.
Papel
de Hume greve 3600, almaco branco e perlina
3#200 : no armazem de Tasso Irmaos.
l'hannaceuco da primeira classr
Km Pars.
Este medicamento empregado ha mais da
20 annos, com successos constantes, pelos
melhores mdicos em lodos os pazes. coa-
tra as niolestias do coraro, as kiftirapisias
e as affecres do peito, acaba de receber
um novo sulTragio por nao ter por ora ap-
parecido outro igual para curar infallivcl-
mente todas as doenras do coraco orgni-
cas ou inorgnicas, palpitaces, hydropisias
geraes ou parciaes. hydrothorax, asininas
chronicas, bronchites nervosas, e Ilusos
clironicos, aphonia (extinc;o da voz i, etc.
As gazetas medicas fallam calorosamente
sobre os efleilos preciosos do Xaropt de
Labelonye, quetem boje adquirido um dos
primeiros lugares no quadro dos medica-
mentos os mais afamados e da therapeutira
universal, como o declaram os celebres m-
dicos francezes: Andral pai e lilho, Beuil-
aud, Coitereau, Desruelles, Fouqoier, Le-
niaiio, Marjolin. Pasquier, Rostan, Rous-
seau, Delaberge, Parmantier, Puche, Ther-
jim, ViJat (de Poiliers), etc., e outros fa-
cltateos dos mais celebres.
Vende-se em garrafinhas de vidro verde,
trazeodo um rolulo, fundo cor de violeta
clara, jaspeado, no qual sobresalte o nome
Labelon;ic, o gargalo da garrafa traz urna
tira azn jaspeada, com a firma de Labe-
loni/c, e a rolha coberta com urna capsula
de mel-'il branco com a inscripcSo Sirop
de Digililale de Labthmfft, pharmacien,
Pars.
Deposito geral: em Paris, ra Bourbon-
Villeneiive, 19.
Em Pernambuco, na casa de Caors A Bar-
baos na ra da Cruz n. 2.
f


Diario de Pernaiubuco Quinta eira 98 de Janeiro de 164.
y
?
*
*
M\K HEVOJLl i
>o
ARMAZEM
4o
CALCADO.
Ra Direita
45
1)0
0 houieiu do moviinento nao estaciona.
AVANTE E SEUPRE
GUERRA AOS INIMIGOS
Nao se admitte a unio coiuiueicial.
Nao se qoer a dialia da allianca.
Nao se trine a furia dos corsarios.
Este anuo ha de ser hlsseito.
Os eanhoes esto preparados.
FOGO! BOX FOGO!' MELHOR FOGO!!!
Abano a I i-; d'asjua nt vinagre
Viva a liga do genuino llicres com o fiambre!
Viva o conservador das conservas inglezas!!
Vivam os liberaes fregwuea do BALIZA!!!
Vivan todos que lereo este aunando.
SENHORES E SENIIORAS.
Aprovciteni eiii qnanto empo!
Borzeguins francezes de lustre pa-
ra homem................. 5,0000
Borzeguins francezes de cores pa-
ra meninas................ 20000
Borzeguins francezes pretos para
meninas.................. 20500
Sapatos de lustre para senhora.. 1$000
Sapatos de lustre s avessas..... 500
IMAO
MERCANTIL
RA B.l CA1EIA UO R13CIFE IV. 53.
NOVO E
G-BAXTDS RUZmU DE MOLHADOS
RA IM (MIIEIA UO RECIFE S. 53.
Ra do Quelmado nnurro*.
49 e 55,
Francisco Fernandes Duarte acaba de abrir na ra da Cadeia do Recifen. 53, um grande e sortido armazem de modados dt-
nominado Lnio Mercantil. Neste grande armazem encontrar sempre o respeilavel publico um completo sortimenlo dos melbores
atfioS&adSnSsU 'par? tf ? odotoiSramodo?6 m M merCado' lant0es'raneir0S' como Mcionaes, os quaes serao vendidos em porgues ou a retalbo por preeos sate
Manteiga ingleza especialmente escolhida Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e Sardinhas deNantesa3i0 rs. oqoarlcsMO
Caixas de obreiasde cola muilo finas a 10 rs.
Varas de franja de lia de todas as cores a 40 rs.
Ditos de tranca de lia de todas as cores a SO rs.
Ditas de trancelim branco tnuito superior a JO rs.
Trancas de algodao brancas e de cores a 80 rs.
Duzias de metas para senhora inuito superiores a
I 3*800.
Grozas de penna de ac muito linas a .'00 rs.
| Caivetes de duas e tres folhas a 500 rs
: Ditos de urna folha a 80 rs.
Caixas para rap, muito bonitas de calungas, a
100 rs.
Capachos redondos e compridos a 500 rs.
Caixas com muito superiores obreias a 40 rs.
. Varas de franjas brancas c de cores, largas, a
Pares de botocs para panho muito benitos a liO rs.
Carreteis de liuha Alexandre com 200 jardas a
' 100 rs.
Cartes de linha Pedro V com 200 jardas a 60 rs.
Ditos de linha de 50 jardas a 20 rs.
Duzia de meias brancas para homem a 1*600.
de primeira qualidade a 800 rs. a libra,
em barril se faz abatimento.
Manteiga franceza a mais superior do mer-
cado a 560 rs. a libra, e 520 rs. em barril
ou meio.
Prezuntos inglezes para fiambre, de superior
qualidade, ebegados neste ultimo vapor, a
720 rs. a libra.
Queijos flamengos ebegados neste ultimo
vapor a 2500.
Queijoprato muito fresco e novo a 640 rs.
a libra.
Castanbas muito novas a 120 rs. a libra e
e 3<000 a arroba.
Cha uxin o melhor que ha neste genero,
mandado vir de conta propria a 25800
rs. a libra.
Cha hyson muito superior a 25560 rs. a li-
bra ; cha hyson proprio para negocio a
15500 rs. a libra.
Cha preto muilo superior a 25 a libra.
Biscoutos inglezes em latas com ditferenles
qualidades, como sejam craknel, victoria,
piquelez, soda, captain, seed, bornez e
outras muitas marcas a 15350.
Bulacliinha de soda em latas grandes a 25.
Figos em caixinhas hermticamente lacra-
das, muito proprias para mimo a 15500.
Caixiohas de 4 e 8 libras de figos de coma-
dre a 15 e 25 cada urna.
Passas muito novas, chegadas neste ultimo
vapor a 500 rs. a libra e 35 um quarto ;
versos taannos a l.ooo, l,5oo e 4,8oo cartas e taboadas para meninos a 60 rs. e em caixa se faz abatimento.
rs. a duzia. | Caixas com superiores iscas para charuto a 40 rs. Ameixas francezas em latas de meia a 3 li-
Alanteiga ingleza flor a 8oo rs. a libra e de ft Carreteis de linha de cores com 200 jardas a 60 rs. I hraq a on/ ...
libras nnra rima Ml4 ahP.tn um h,rri n, L5aralhos muit0 nos para voltarete a280 rs. _." ouu.IS-
SALSAPARRILHA
afl 0 Proprieurio do grande Amazem da Baliza esbefeddo rua do Livramento ns. affl^^^2gSSfiwrs.
38 e38 A, defronte da grade da igreja, acab de redaziros precos de quasi todos os Ditos de barro a 100 rs.
gneros do seu magnifico deposito. Grozas de botoes ae louca pratiados a 160 rs.
A tarifa abaixo publicada attesta bem e.-ta verdade.l Sfa!? mait? finas P*r?, cos,ura! \320 *"
A guerra aos jnimigos, est portanto, assim declarada. tSSSSti SKS?& a 109 rs
As pessoas, anda is mais exigentes, qu>; se dignarem vir a este estabelecimenlo, Ditas para unhas a 800 rs.
(cario por certa muito satisfeitas, nao s quaito s qualidades dos gneros, como com o Laa de todas as cores para bordar a 7* a libra.
tratamento todo attencioso que se Ihes dar. I aixas coin phosphoros de seguranca a 160 rs.
Alm do cumprimento dos deveres da boa educicao, haver d'oraem diante ainda P^Tde pap^mSdTa^s '"
maior capricho em salisfazer todos que honn.rcm esta casa. Caixas com lOO anvelopes muito superiores a
Os geueros* pelas qualidades e precos annunci.'idos, serao offerecidos ao exame sw rs.
dos Srs. compradores. Noreceieo publico que se pratique o contrario, como em outras pernos de papel de cores, grande e pequeo, a
casas, que at annunclam o que nao tem.... O Baliza nao illude.... SilabiS mt^acilts com calungas dt ^ as
Ameixas francesas em caixinhas c em frascos Licores inglezes e francezes em vazos de di- Graxa cm^t^muUo nova a 100 rs
de diversos tamanhos a l,2oo, l.Goo,
2,000,2,5ooe 2,8oo re. e a libra a 8oo rs.
Amendoas novas a 32o rs. a libra.
Azeite doce refinado a 8oo rs. a garrafa.
dem de Lisboa a 6 lo rs. a garrafa e 4,8oo
rs. a caada.
Alpiste a 16o rs. a libra, e 4,8oo rs. a arroba.
Arroz do Maianho, da India, e Java a 8c e
ico rs. a libra.
Aletria branca e amarella a 4oo rs. a 1 bra.
Araruta verdadeira a 32o rs. a libra.
Batitas novas em gigos de 36 a 4o libras por
1 ,ooo rs. e a 4o rs. a libra.
Biscoilos inglezes Lunch a 18oo rs. a lata de
5 libras.
dem de diversas marcas em latas mei oros
a l,3oo rs.
Idera de Lisboa de qnalidade especial em la-
tas grandes e pequeas a 3,ooo e l,5oo rs.
BoU.chinhas americanas, a 3,ooo rs. a barrica
e 2oo rs. a libra.
Banha de porco a 44o rs. a libra, e em barril
a 4oo rs.
Baldes americanos muito pmprios para com-
pras al,ooo rs.
Cha huxym, hysson e perola a 3,ooo, 2,8oo,
2,5oo, 2,ooo e l,6oo rs.
dem preto a 2,ooo, l,6oo e 1 ,ooo rs. alibra.
Chanpagne a melhor do mercado a 12,oooo
gigoe a l,2oo rs. a garrafa.
Chocolate francez primeira qualidade a 1 ,loo
rs. a libra,
dem hespanhol a l,2oo re. a libra.
dem suisso a l.ooo rs. a libra.
Gerveja branca marca Allsopps a 4,5oo rs. a
duzia, e a 4oo rs. a garrafa.
Cognac inglez a 64o rs. a garrafa a 8oo e a
l.ooo rs.
tXmeervas inglezas em frascos grandes a 75o
re. o frasco.
dem francezas de muitas qualidades a 5oo
rs. o fiasco e a 5,5oo rs. a duzia.
Charutos neste genero temos grande sorli-
mento tanto da Bahia^mo do Rio de Ja-
neiro a l,6oo, 2,2oo, 2,5oo, 3,ooo e 4,ooo
rs. a caixa.
Gaf do Cear muito superior a 28o rs. a libra
e 18,ooo rs. a arroba.
dem do Rio a 3oo e 28o rs. a libra.
Ceblas a. Ooo rs. o molho cora mais de loo
ce.iolas.
Chourica e paios a 72o rs. a libra.
Cevaciinha de Franca a 2oo rs. a libra.
Cevada muito nova a 8o re. a libra.
Copof. lapidados a 5 e 6,ooo rs. a duzia.
Doce de joiaba em latas a 4oo rs. a libre,
dem de :aj em latas a 320 re. a libra
Ervlbas francezas e portuguezas a 5oo e 64o
rs. a lata,
dem seceas a 16o re. a libra.
Figos de comadre em caixinhas com 8 libras
por 16oo rs.
Farinlia do Maranhio a 12o rs. a libra.
Farinha de trigo muito superior a 12o rs. a
libra.
Farelo era saceos grandes a 4,ooo re. o sacco
Genebra ingleza marca gato a I,ooo re. a gar-
rafa.
dem verdadeira de Hollanda em frascos muito
grandes a 1,2oo rs. o rasco.
dem de Hollanda em frases pequeos a 5oo
re. o Irasco,
dem de laranja a I,ooo o frasco.
Gomma do Aracaty a 8o rs. a libra.
Graxa a loo r;s. a lata e l.loo a duzia.
Linguas americanas de grande tamaulio
l.ooo cada urna.
15200 a caada. rs. meia lata.
Azeite doce refinado em garrafas brancas a Latas com peixe em posta : savel, corvina,
800 rs. vezugo, cherne, linguado, lagosliiria, a
Azeite doce de Lisboa a GiO rs. a garrafa e i 13300 rs.
45800 a caada. Salmoem latas, preparado pela nova arta
Genebra de Hollanda a 500 rs. o frasco e de cozinha, a 800 rs.
^ 55800 a frasqueira. ^laca de tomates em latas de I libra a 600
Caixinhas com ameixas francezas, ornadas reto.
com ricas estampa^ na caixa exterior, Chouricase paios em latas de 8 e meia libra
muito proprias para mimo, a 1520', 15500 por 75.
e 25- i Toucinho de Lisboa a 320 re. a libra o
Frasco de vidro com tampa do mesmo, con-1 85C00 a arroba.
tendo meia libra de ameixas francezas, a Bolaxitha ingleza a 320 rs a libra e 45 a
15200. barrica.
Marmelada imperial, dos melhores conser-j Sa8 rauil novo a 24 rs- a lbra.
veiros de Lisboa, em latas de 1 e meia a' Ccvadinha de Franga a 200 rs. a libra.
2 libras a 600 rs a libra. j Farinha do Maranbao a 120 rs. a libra.
Fructas em calda das melhores qualidades Araruta verdadeira a 320 rs. a libra.
libras para cima ser aberto um barril na RSass com aIfinetes franeezes a ^ rs.
presenca do comprador. Carus de alfioetes francezes Unos a 40 rs.
dem de 2.a e 3.a qnalidade a 700, 600 e 400 Caivetes de cabo de madreperola de duas folhas
re. a libra. !, a300 rs,
dem franiw.i a 560 rs a lihri p nn harril Luvas ,,ran(*as de algodao finas a 86 rs.
luein iraiHtza a oou rs. a iora, e era barril Miadas de )inha frxa ba^ m
por menos.
dem em latas a 25000 e a 15500 a lato,
:tfassa de tomate em barril a 480 rs. a libra,
dem em lata a 640 rs. a lata.
VIostarda ingleza 400 e 600 ris o pote.
Marmelada imperial dos melhores fabrican-
tes de Lisboa a 600 rs. a libra.
Marrasquino de zara a 800 rs. o frasco e a
85 a duzia.
'tfassas para sopa, talharim e macarrao a
480 rs. a libra,
dem finas, eslrelinha o pevide, caixinha
com 8 libras a 15600.
Nozesa 16o rs. a libra. -^
Peixe preparado de escabeche, da melhor
qualidade que tem vindo ao mercado, a
15 a lata,
resunlo de lamego muito superior a 480
rs. a libra,
dem para fiambre (inglez) a 640 ris a
libra,
dem americano a 400 rs. a libra.
Papel almaco a 35000 a resma.
1 dem de peso a 25 a resma.
[Palitos para dentes a 160 rs. o maco.
Dito dito de flor a 200 rs.
Ditos do gaz a 25200 a groza
Passas novas a 480 rs. a libra e a 15800 a
caixa.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 25500.
Dito londrino a 000 rsi a libra.
Dito prato a 640 re. a libra,
iardinhas de Nantcs a 320 rs. a lata.
Dita de Lisboa a 640 rs. em lata grande.
Sag muito superior a 240 re. a libra.
Sal refinado,em potes de vidro, a 600 rs.
o pole.
iabo massa a 120, 160, 200 e 240 re. a
libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
)ito de Santos e 300 rs. a libra,
"ijolo para limpar facas a 140 rs. cada um.
Vassouras americanas a 64o rs, cada urna.
dem do Porto a 400 rs, cada urna.
Velas de carnauba e composicab a 320 rs. a
libra e a 105 a arroba.
dem stearinas superiores a. 560 rs. o
maco, e em caixa por menos.
Vinho do Porto, neste geneno temos o me-
lhor sortimento possivel, que vendemos
por precos muito haixos a 15 a garrafa e
a 10/ e 12 a duzia.
DE BRISTOL.
As curas milagrosas de
EscnoF r 'x.t,
UIiCBRAS,
CHAttAS A IfTICAS,
ENFERMMDES SYPHILITICAS,
Erysipelas, Rheumatismo,
NevralgiaSj Escorbuto,
etc., de., etc.,
que tein grangeado e dudo o alto re-
lime :i
Salsaparrilha de Bristol
por todas partos do universo, sao tSo
tmente devidas
Tnica Legitima e Original
SALSAPARRILHA DE BRISTOL,
PREPARADA J:\c-li\sIVamknte POR
UIHA1 & MKf DI X0VA YORK,
Mediante a receita do Dr. C. C. Bfitfol,
A venda as boticas de Caors & Barboza,
ra da Cruz, e Jo5o da C. Bravo & C, na
da Madre de Dos.
Champagne da marca mais superior que
tem vindo ao nosso mercado a 185 o gigo,
garante-se a superior qualidade.
Vinho Bordeaux das melhores qualidades
que se pode desejar de 75500 a 85000 a
caixa e 720 a 800 rs. a garrafa.
Caixas com vinho do Porto superior de 05
a 109 a duzia, e OOO a 15a garrafa; deste
genero ha grande porco e de differentes
marcas acreditadas que j se venderam
por 149 e 155 a caixa, como sejam: Duque
do Porto, Lagrimas do Douro, D. Luiz,
Cames, Madeira secco, Carcavellos, Nc-
tar de 1833, Duque Genuino.
Vinho de pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
que ha em Portugal em latas hermtica-
mente lacradas a 500 rs.
Peras seccas muito novas a 640 rs. a libra.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Cevada a 120 rs. a libra e."*5 a arroba.
Alpislaa 160 rs. a libra e 45800 a arroba
Batatas muito novas em gigos com 40 libras
por 15 e a 40 rs. a libra.
Amendoas de casca molle a 400 re. a libra. Cebollas a 15 o molho com mais de 100 ca-
Avelas muito novas a 200 rs a libra.
Amendoas confeitadas de diversas cores a
800 rs. a libra.
Maclas e peras chegadas neste ultimo vapor,
muito perfeitas, s vista se faz o preco.
Conservas inglezas em frascos grandes a 750
rs. cada um.
Ervilhas francezas e portuguezas em latas de
1 libra a 640 re.
Ervilhas seccas muito novas a 160 rs. a
libra.
Chocolale francez, o que ha de melhor neste
genero, a 15200 a libra.
Chocolate hespanhol a 15200 a libra.
Genebra de laranja em frascos grandes a 1>.
Cerveja branca e preta das melhores marcas
que ha no mercado a 500 rs. a garrafa e
5J800 a duzia.
da um.
Caf lavado de primeira qualidade a 300 re.
a libra e 05 a arroba.
Caf do Cear muito superior a 280 re. a li-
bra e 85400 a arroba.
Caf do Rio, proprio para negocio, a 8#.
Arroz do Maranlioa 100 re. a libra e 25800
a artoba.
Arroz de Java a 80 rs. a libra e 29400 a
arroba.
Vellas de spermaceti a 500 rs. a libra
') 10 rs. se for em caixa.
Vellas de carnauba refinada a 320 rs. o mas-
so e a 05 a arroba.
Doce de goiaba a 640 rs. o caixo.
Macarro, talharim e aletria a 480 re. a i-
bra ; em caixa se faz abatimento.
Estrellinha,pevide earroz demassa para sopa
Cognac inglez de superior qualidade a 800' PluX^
l i.wnnii aimt* iPa||tos de dente lixados com fl&r a 200 re.
e idzoo a garrafa. Q m^ ^ |xa(Jos ^ ^ a m n;
Licores francezes das seguintes qualidades : 0 maS80 com 20 massinlios.
Anizete de Bordeaux, Plaisir des Dames Gomma de engommar muito fina a 80re. a.
a na ntilroc tntiiloc mor^oc a I R o niri^fq i 'I.,,-
e de outras muitas marcas a 15 a garrafa
e 105 a caixa.
Marrasquino de Zara a 800 rs. a garrafa e
05 a duzia.
400,480 560 rs. a garrafa, e 35, 35200 Mostarda ingleza em potes j preparada a
e 35500 a caada. 400 rs.
Vinho branco de superior qualidade, vindo Mostarda ingleza em p, em frascos grandes, Presuntas do reino, vindos de conta pi
j engarrafado a 640 rs. a garrafa e a 500 a 15 cada um. de casa particular, a 400 rs. a libra; imei-
rs. de barril. I Sal refinado a 500 rs. o pote. I ro se faz abatimento.
Banha de porco refinada a 480 rs. a libra a
400 rs. em barril pequeo.
Charutos dos melhores fabricantes de S. F-
lix, em caixas inleiras ou em meias, de
15600, 25 e35.
Ossenhores que comprarem de 1005000 para cima, tero o descont de 5 por cenlo, pelo promplo pagamento.
i*- *,' ry'tv^v'ti'-i^V*N
a @g?@@g
m mwm
Duarte & C, receberam de sua propria encommenda pelo brigue
Flor inda, chegado ltimamente de Lisboa os seguintes gneros todos de pri- ,
meira qualidade por seren escolhidos pelo Sr. Duarto chefe de nossa casa SsS
ltimamente chegado daquella praca.
Venda Os liquida (arios da massa fallida de
Jos Antonio Basto vendem a hvpolhe-
IdemCherry.eda Madeira em barris e emkaqoe tem nos engenhos Mallo (irnsso
caixa, a 125 a caixa e o barril conforme o' e Cajabuss no termo de Serinhem j
tamanho. I va|or ,je 3i:835$911 rs.; tratar as
dem de Figueira c Lisboa, em ancoras de f- PM jfl TniirkAi 'l
8 a o caadas, por 285000. i pasamano ira punen. 4.
! Dito em pipa a 35000, 35500 e 45ooo a ca-1
nada
dem do Porto, denomiuado Baliza, a 55
25500,
caada.
dem idem em garrafes a
garrafo.
dem de Bordeaux, das melhores marcas que;
vera ao mercado, a 65 a caixa e a 640 rs.'
a garrafa.
IOVAH
sementes de horta%i.
Chegaram no vapor francei Gukne as" novas se-
uM O mentes de horlalica : na ra da Cadeia do Kecife
n. 36 A, loja de ferragens de Bastos.
Moldaras.
Ricas molduras pretas e douradas, muito pro-
prias para quadros, e assim cordo e borlas para
os mesmos, tudo por precos muito em conta : ua
Vinagre de Lisboa a 15600,158oo e 25000a ruadaSia doHTl, loja da Primavera.
CTIDU i I """
Verdadeiro vinho collares em ancore-
retas de O caadas a 50,000 e 800
rs. a garrafa.
^^ Vinho branco B & Filhos, em barris de
quinto a 60,000 e 560 rs. a gar-
rafa.
Vinagre P R R, em ancoretas de O ca-
adas a 18,000 e 2,000 rs. a ca-
ada.
Passas em caixas, meias e quartas a
8,000 4,000 e 2,000, a 480 a libra.
Peras seceos em caixas de quatro li-
bras o melhor que se pode desejar
a 2,500, e 640 rs. a libra.
Caixjnhas de 4 libras e 2 com ameixas
a 1.500 e 2,500 rs. a caixinha.
Chocolate portuguez, o melhor que
pode haver de bom neste genero
1,000re. alibra.
Marmelada propriamente dito de mar-
mello, a 640 rs. a lata e em caixas
de 100 latas a 600 rs.
TS| Maca de tomates a mais nova que se
pode desejar a 640 rs. a lata e em
caixa de 100 libras a 600 re.
Ervilha portugueza a 700 rs. a lata,
e em caixa de 100 libras a 640 re.
Passas corinthias para pudim a 640
re, a libras, e 400 rs. comprando de
arroba para cima.
Nozes as msis novas que se pode de-
sejar a 160 rs. a libra, e comprando
em barricas a 4,500 rs. a arroba.
Sebollas em caixas as mais novas do
mercado a 6,500 re. a caixa, a 800
rs. o molho, e a 640 rs. o cento.
Batatas em caixas de 2 arrobas muito
novas e grandes a 2.100 rs. a caixa.
Sextinhascom figos proprias para mi-
mos de criancas a 60 rs. cada urna
e comprando em duzia ter grande
abatimento.
Erva doce muito novas a 500 rs. a li-
bra, e comprando em arroba a
10,000 rs.
Cominhos muito novos a 400 rs. a li-
bra e 10,002 a arroba.
Licores portuguezes das marcas mais
acreditadas de Lisboa a 1,000 a gar-
rafa e 10 a 12,000 a duzia, as quali- ~
dades sao as seguintes: ceme de gSi^
violetas, geroflez, rosa, absintho, ves-
RIVAL
SEM SEGUNDO
Riia do inclinado ns. 49 e *4,
loja de miudezas de Jos de Azevedo Maia A C,
principia o novo annoa torrar miudezas pelos pre-
cos que a todos causa admiracao, a saber :
Pares de sapatos de tranca muito tinosa 1*600.
Frascos de oleo babosa dos melhores fabricantes a
2iOrs.
Ditos maiores a 400 e 500 rs.
Frascos d'agua de Colonia muito finos a 400 rs.
Sabonetes muito Anos a 100, 200 e 400 rs.
Frascos grandes de agua de Lubin, o mentor, a
15500.
Lapu de tinta encarnada muilo finos a 40 rs.
Movellos de linha com 800 jardas a 120 rs.
Ditos de dita com 400 jardas a 80 rs.
Frascos de macass, oleo muito superior, a 100 rs.
Duzias de dedaes brancos cm caixas de vidro a
320 rs.
Papis de agulhas a balo Victoria a 60 rs.
! Banha transparente muito superior a 700 rs.
j Dita Japoaeza muito fina a 800 rs.
I Duzia de sabonetes muito finos a 720 rs.
Papis de agulha com toque de fTniR!'m a 10 rs.
Crazas de botoes de madreperola mullo tinos a>
500 rs.
Pecas de fita de cs, estreitas, com 10 varas, a
320 rs.
Novcllos je linha branca do gaz a 30 rs.
Carreteis de linha de cores muilo fortes a 20 r-.
Cartes e caixas de clchete francezes a i1
Botoaduras brancas e de cores para cohetea a
120 rs.
Frascos debauha, pechimlia. a 210 r<.
r > Bonets para meninos, fazendalina, a i.
gj Caixas preparada] para cesiureirasa 1*300,2* r
3JW00.
Massos de grampas lisas e finas a 30 rs.
Caixas de palitos do gaz e de cera linos a 20 ...

peiro, amorperfeito, amendoaamar- Jg!&* facas c ganos de i botao superi
ga, percicot deturin, botefin, moran-
gos. limo, caf, laranja, cidra, gin-
ga, canella, cravo, ortelaa, pimenta
e outros muitos de qualidades menos
superior que sero vendidos por pre-
cos em relaco as suas qualida-
des.
Vinho de caj a 15 a garrafa,
tem dez annos.
11
V
na ra
,. i Vigario u. 10, o seguinte :
Lste vmno RJC0S e eiegaDtes panos.
Algodao da Babia para saceos e roupa de es-
cravos.
Fio de algodao para ceser e pavio de velas.
Cera de Lisboa em velas.
Cera de Lisboa em grume.
i Senhores.
Sois convidadas pelo fruoto das cestas
Barricas de breu com 8 arrobas, de superior I r Ja larga do Rosario deposito de padaria, > ^"^ "^ ,i"\vnT''m ,..iv1 rtp nmi
lalidade na ra da Cadeia do Befe n. i A, pare ah depositardes OS vossos decretos de &"ft"0,1 Vinll FOIl Cm Laixa de uma
" ferragens de Bastos|_________________j 1333 e a vista delles receberdes sem perda
ende-se um excellente piano de Jacaranda I di lempo O que a ai te de COSteirO pode ma-
o dono do retirarse para o mato : a ver e ] n afacturar do vime e da palha. Attendei-me
- Ve
por ter
tratar, na ra do Livramento n. 8.
Vende-sc o emrenho S. Manoel, sito na fre-
gueziadoUioFormoso, e ruargem do rio Seri-
nhem, o qual demarca com os engenhos Cachi)ei-
ra, Chango e G.-imelleira, moe com agua e muito
copeiro, ten capicidade par, safrejar 2,500 pes
annuaes, e se ada quasi todo em mata virgem.
distando de embarque 1|2 legoa: quem pretencer,
dirija-se rea de Vigario n. 5, que achara com
quem tratar.
palli
mbores, atjui vos espera neste pequeo
j recinto temos de bercos econmicos feitos
dj palha, os balaios de crianzas aprenderem i v
a andar, cadeiras para meninos e caixas de do R
carros com assentos para 2 criancas, temos sort
duzia.
I Dito dito em barris de 5",
Colla da Babia.
Optfma acqiiisico de cs-
tabeleclmento.
nde-se a loja de ferragens da ra da Cadeia
ecife n. 64, com pequeo fundo e ainda bem
da, tanto de ferragens como de miudezas, as
c|iia s estiio em bom estado, vende-se s com as
adorias, e garante-se o arrendamento da casa;
(e cestos para roupa suja ditos de condeca, mor ,,
i e de acafates, bandejas e balaios para costu- pr jpria para algum principiante, nao s por ter
] r;\ e outras obras do mesmo vime e de gOS- pouco fundo como por estar j afreguezada c ser
-------'; te aqui se achara vossa djsposicao. I'am- iuma das 'Jas mais bem localisadas desta cidade ;
chegadaul,imamJne;na ra do Vigario n. 19, bom encontrareis O excellente pao quente; nloT^ara^unSrem^Z
primeiro andar. das 5 da tarde em diante. das mercadorias.
Os proprietarios aiiaucam que estes gneros sao muito novos e tudo
de primeira qualidade, tudo isto se vende nicamente no armazem Un So e
Commercio na ra do Queimado n. 7, e largo do Carmo n. O armazem pro-
gressivo.
Qutijos
*
do alemtejo, das ilhas e llamengos, todos ebegados neste ultimo vapor, a
2,500 o. llamengos e 800 ris a libra do alemtejo e das ilhas, nicamen-
te no armazem Uniao e Commercio, ra do Queimodo n. 7 e largo do Car-
mo armazem progresivo,
i'&Qv.&t'iii.tii/.i & : -'- ^',':/' ,^1.' .iSS-So-.
Ra da Senzalla n. 42. FARINHA FONTANA.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston A C, Farinha da mili I o acrcta ;a marca
selhns e silhes inglezes, candieiros e casti- Foulana ocscmbaixada lioje, vende-se
Caes bronzeados, lonas inglezas, fio devela, .....mat.At. J.i' .... ,
chicotes para carros e montara, arreios para i Por Prec mais tommodo do que em
carros de um o dous cvanos, e relogios deqalqe' nutra paite : na rua da (,ruz
ouro patente inglez._________________n. 4 casa de V. 0. Uieber & C. sneces-
ttS sores.
Utas com o gaI5es a 105 : na rua da Senzala ___
Nova n. 42.
Batatas e ceblas.
Cal de Lisboa c potassa da
Rnssla.
Vende-se na rua da Cadeia do Recite n. 26, para
Rua da Madre de lieos ns. 5f9. onde se mudou o antigo e acreditado deposito da
Vendem-se caixas esm duas arrobas de batatas mesma rua n. 12, ambos os gneros sae novse
por 15200, cento de cebla a 500 rs., as mais no- legtimos, e se vendem a preco mais barato do que
vasdo mercado. utra qualquerjparte.
55500.
Duzia de ditas e ditos de 2 botocs finissimos a
6500.
Grozas de palitos do gaz a 2200.
Ara pivti muilo fina a 100 rs.
Caixas de rap com espelho a 100 rs.
C;L M LI8B04
Veudeni-se barris com cal des-
ta procedencia, em pedra, chega-
da boj.-. e nica nova, que ha
mercado, na rna do Trapiche n.
13, armazem de Hanoel Telscl
ra Basto.
Kua da Senzalla Nova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a UO rs., idemdeLow
Moor libra a 120 rs.
mmm
baratas para acabar.
Sedas de quadros ede listras a 320 r
do, lindas Ifias di> qnadrinhos a Hfirt o rovado, su-
periores cssas de cores a 200 rs. n cov
mnito linas a 240 o envad : na loja da* mlnmnas,
na rua do Cn-spon. 13, de Antonio Crrela de Vas-
concollos & C.___________
das, ?ax, gaz, gaz.
ou verdadeiro oleo kerosene, de primeira
de, latas d 1 5, 3, 2 e l galio : vende-se na rua d
Apollo n. 2^____________________
Farinha superior de Santa Calhaiina.
Vende-se em porgao oa a rcialho, a bordo da
barca Iris, atracada ao trapiche do Bari '
vianienlo, ou no cscriptorio de Antonio Luiz de
Olivcira Azevedo & C, rua da Cruz n. 1.


pvw
Diario de pcrnanibuco inlata felra 9H de .Janeiro de 1861.
I

-I
ATTENCAO
? iU.O IIO CABMO
GRANDE SORTIMENTO
ARMAZENS
DO
S
DE
PROGRESSISTA
RITA HAN CRITZES M. 30
PECHDCHA
como tfuw i iioiu:
NO
ARMAZEM
BA DO
E
CRESPO
N. 9
EVe hairro de ftaato Antonio.
Joaquina los Gomes de Movza scientica a sais numerosos fregu
zes e ao publico em geral que acaba de estabeleear ubi novo armazem de molhados
ra do Crespo n 9, aonde se encentrar sempre os saelliores gneros de estiva, que
IO Ji.IKUO DA lK\ll % lO
Francisco Fernandes Duarte
dono deste muito
os
acreditado armazem
ce;
PARA A FESTA.
DUARTE & C.
Participam aos. seus numerosos freguezes e ao publico em geral que acabam de
receber de sua propria encommenda, o mais lindo e completo sortimento de molhados,
o= piaes vendem por grosso e a retalho pir menos 10 por cento do que outro qualquer
anr.uuciante, como vero pela seguinte tabilla que abaixo notamos, garantindo os mes-
naos propietarios nao s o peso mido a qialidade de seus gneros.
aarm.
Todos os senkores que compnrem para negocio ou casa particular de 100 para
cima terao mais 5 a 10 por cento de abatiioento, os proprietarios scientificam mais que
todos os seus gneros sae recebidos de sua propria encommenda, razao esta para pode
vender por muito menos do que outro qualquer estabelecimento.
e vendero retalho e por atacado por menos" dos que se venderem em outra qualquer de molhados, acaba de receber neste ultime vapor os mui desejades gneros escomidos
parte aflianeando-se aquellas pessoas que tomprarem nestes armazens a superior qua por elle na Europa, todos muito propries para a festa os quaes est resulvido a vender por
lidad de gneros, precos commodos e bom acondicionamento. | PreCs baratsimos como vero pela seguinte tabella, e mesmo pede a tedos os Srs. da
O armazem da ra do Crespo situado no raelhor local desta cidade com e as- \ praca, de engenho e lavradores para que mandem suas relacoes para serem despachadas
seio que de necessidade manter-se com estes estabelecimentos, faz crer a seu pro-,no armazem do Progresso do largo da Penha n. 10, afim de verem a grande vantagem
prietario, que ninguem deixai de sortir-se n'um estabelecimento aonde se encontra sin-; que hram, tanto na superioridade dos genero? como nos precos asss resumidos.
ceridade, para r-se comprar aonde se nao offerecem tantas vantagens. i os Srs. que nao poderem vir podero mandar seus portadores ainda que nao tenham pra-
Seode este armazem no verdadeiro ponto de partida para os arrabaldes desta l|ca, cidade, nao ser dtfficil aquellos senliores que tem de partir nos mnibus darem suas O interesse (pie tira o proprietario deste acreditado armazem, j deve ser bea co-
encommendas neste armazem, que sempre lhes offerecer os mais agradaveis gneros. | nhecido pelos seus numerosos freguezes, pois simplesmente consiste em servir bem ega-
Ch perola de especial qualidade a 2,8oo rs.
Manteiga ingleza flor a 8oo rs. a fibra.
Castinhas muito novas: a 2,ooo rs. a caixa, e
a 16o r. a libra.
Bolintio francez e cm caixinhas de 7oo a
i,leo rs. cada urna,
dem franceza a mais nova do mercado a 50o
rs. a libra, e 54o rs. em barril,
dem de porco refinada muito alva 46o rs.
a libra.
Prenoto para fianbre a 8oo rs. a libra.
Cha uxim miudinbo vindo de conta proprh,
0 melhor do mercado a 2,8oo rs. a libri.
idea hyson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra.
Idn perfila o melhor que se pode desejar a
2,7oo rs. a libra.
M in preto muito fino a 2,5oo rs. a libra,
dem mais baixo pouco a ,ooo rs. a libra.
Idean mais baixo a 1,8oo rs. a libra.
Vinoo do Alto Douro vindo do Porto eng;r-
ra&do ^arante-se a superioridade deste' i-
nLo. das seguales marcas : Duque, Go-
ncino, relho secco, especial lagrimas do-
ces de 1819, vintio especial D. Pedro Y.,
vinho vellio, Nctar supi-rior de 1833, D1-
1 i do Porto de 1834, vinho do Porto vj-
Iho superior, madeira secca de superior
qualidade, vinhn do Porto superior D. Lu-
i Iod 1847, lagrimas do Douro esp>-
. al, vi lio do Port i de l.oooa l,2oo rs.
. a gamfa e de lo.ooo a l.ooo rs a caira
mm urna duzia.
Vellas de carnauba e composicSo de 32o a
36o rs. a libra e de lo,ooo a ll,ooo rs. a
arroba.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
440 rs. a botija, e cm duzia ou em barrica
ter abatimento.
Massas para sopa macarro, talharim e aletria
a 48o rs. a libra e em caixa ter abati-
mento.
a Hbra.
dem hvsson muito superior a 2,7oo rs. a
libra.
dem uxim a 2,5oo rs. a libra,
dem hysson a 2,3oo rs. a libra,
dem idem a 2,ooo rs. a libra.
dem preto de qualidade muito especial a
2,000 rs. a libra,
dem idem inferior a l,6oo rs. a libra.
Champagne a melhor neste genero a 1,5oo
rs. a garrafa e 18,ooo rs. o gigo.
dem inferior a lo.ooo rs. o gigo e l.ooe rs.
a garrafa.
Chocolate francez, hespanhol, e portugaez, a
a 9oo e 1,2oo rs. a libra.
Charutos dos melbores fabricantes da Baha
e de qualidades, especialmente escomidos,
de 2,ooo a 4,5oo rs. a caixa.
Farinha doMaranho muito alva a 14o rs. a
hbra
Bolaxinha de soda e lunch em latas grandes! nbar pouco, afim de conseguir a continuacao daquellas pessoas, que a primeira vez se dig-
narem honrar o seu estabelecimento.
a 2,ooo rs. cada lata.
Cognac de superior qualidade 8oo rs. a gar- Queijos flamengos chegados neste ultimo
rafa. I vapor a 2,ooo rs.
4dem muito superior a 1 ,ooo rs. a garrafa dem do vapor passado a 1,8oo rs.
Cafe a 28o e 32o rs. a libra, e a 8,ooo e dem prato muito novos e de superior qua-
9,000 rs. a arroba. lidade a 4oo rs. inteiro, c a 5oo rs. a
Cerveja das melhores marcas do nosso mer- libra,
cado de 5,ooo a 6,ooo rs. a duzia, e Seo Doce de goiaba fino em caixes com 2 /
rs. a garrafa. | libras por 6oo rs.
Conservas inglezas a 7?k> rs. o frasco e 8,6oo Wem mais baixo a 54o rs.
Manteiga ingleza flor a mais superior do
mercado a 72o rs. a libra,
dem de segunda qualidade a 6lo rs. a libra.
Manteiga franceza de primeira qualidade a
56o rs. a libra, e 52o rs. em Larris ou
meios.
tama-
64o a
dem estrellnha, rodiuha epevideem caixi- ^^^^^^l^^J^'
nhas de 8 libras, muito bem enlejiadas de ^J^J^-S^"EL"r? VT
2.5oo a 3,5oo rs. a caixinha e a 6oo rs. a **m escolh.dos, lagrimas do Douro, D. Pe-
rs. a duzia.
Doce em calda a 5oo rs. a lata,
i dem de goiaba em caixas e diversos
nhos e de diversas qualidades de
I l.ooo rs. cada urna.
Ervilhas francezas muito novas de 48o a 64o
rs.
dem portuguesas a 72o rs. a lata.
dem seccas a 2oo rs. a libra.
I Vassouras do porto com arcos de ferro a 32o
rs. cada urna.
Araruta verdadeira a 32o rs. a libra.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
a 12o rs. a libra.
Sag muito novo 24o rs. a libra.
Sevadraha de Franca a 2oo rs. a libra
Sevada muito nova a loo rs. a libra.
Com nhos, ervadoce e pimenta do reino a
30o rs. a libra.
Genebra de Hollanda a 5,5oo re. a frasquei-
ra com 12 frascos, e a retalho a 5oo re.
cada un.
dem em botija hamburgueza a ioo re.
Genebra de laranja a 1 ,ooo re. os frascos
grandes.
Vinho de caj o melhor que ha no mercad
Cha perola neste genero nao ha nada a de- a l.ooo rs. a garrafa.
sejar, e de especial qualidade, mandado Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groia e 2o re.
vir de conta propria a 2,8oo rs. a libra. \ a caixinha.
dem huxim o melhor do mercado a 2,6oo dem de denles lixados a 16o rs. o maco com
rs. a libra. 2o macinhos.
Velas de espermacete da melhor qualidade! Mem de segunda qualidade a
I hbra.
libra.
Doce de goiaba cm caixas de diversos tama-
nhos de 6oo a l.ooo rs. o caixo
Sabo massa de 2oo a 24o rs. o melhor, era
caixa ter abatimento.
dem hespanhol a 28o rs. a libra.
Peixe em latas muito novo ; savel, pescada,
corvina, salmo e outras muitas qualidades
preparada de escabeche 2. a arte de cos-'
una de l,2oo a l,8oo rs. a lata.
Figos em caixas de 1 arroba, V* e 8 libras
a 8.000 4,ooo e 2,ooo rs. a caixinha.
Harris de vinho branco de quinto, marca B
& Filho a 60,ooo rs. o barril.
Marmelada imperial dos m-mores conservei-j
ros de Lisboa a 6lo rs. a 1 .tinliade 1 libra,
ha latas de 1 '/i e 2 libras.
Massa de tomate em latas douradas de 1 libra
a 6 lo rs. a lata.
Ameixas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas de l,5oo a 3,ooo rs. a
a61i-
2,000 rs. a Ervilhas seccas chegadas neste ultimo navio
a 6oo rs. o maco. | Dra- | a 16o rs. a libra, e em porco se bz aba-
dro V, D. Luiz I, Duque genuino,'Nctar Mem de carnauba e composicS a 32o c 36o Mem hysson muito superior a 2,5oo rs. a
superior, Malvasia fina, Baslardo, e ootros
a ll,0oo e 12,ooo rs. a duzia e l.ooo rs.
a garrafa.
dem Cherrv e Madeira a l,5oo rs. a garra-
fa e 16.000 rs. a duzia.
dem Bordeaux de diversas marcas de 8,ooo
a lo.ooo a duzia, e8oo rs. a garrafa.
Bolaxinhas americanas a 3,ooo rs. a barrica,
e 2oo rs. a libra.
Batatas muito novas a l,ooo rs. o gigo, e 6o
rs. a libra.
Banha de porco refinada a 48o rs. a libra, e
em barril a 44o rs.
Vinho em pipa de Lisboa. eFigueira,de3,ooo
a 4.000 rs. a caada, e 5oo rs. a garrafa.
dem de Lisboa em ancoretas de 8 a 9 cana-
das por 27,ooo rs.
dem do Porto muito especial a 5,5oe rs. a
caada e 72o rs. a garrafa.
, j garrafas por
tu
Bo'arhinha de soda especial encommenda e a caixinha, tambem lia latas de I
mis nova que ha no mercado a 2,2oo rs a J brflS de i ,2oo a 4,5oo rs. a lata.
la'a. dem em frascos com tampa de rosca a 1,0oo
Bi coitos inglezes das meHiores marcas em rs. o frase.
iatmhasde 2 libraba l,3oo rs. a lata. Chocolate portuguez. hespanhol, francez e
M ai inglezes craknel em latas de 5 e 7 libr s ( suisso a I,2oo rs. a libra.
de 5,ooo a 6.000 rs. a lata, e em libia ai Conservas inglezas das seguinte? marcase
8i>ors.
Que jos d;i reino chegados pelo ultimo vapor
a 2",5oo rs. cada um.
Id'Sm prato a 7oo rs. a libra.
Vinho em pipa das mais acreditadas marcas
como .sejamBA F., PRR, JAA, outras
militas marcas, Porto, Lisboa e Figuein ;
& 18o. 5oo, 56o, 64o e 8oo, rs., e o do
Porto fino em garrafa, e era cenada a
3,000, 3,5oo, 4,oeo e 6,5oo rs. o mllor
do Porto.
l\ -m Bordoaux das mais acreditadas manas
a 7oo rs. a garrafa, e a 8,ooo rs. a caa.
Gairafites com 5 garrafas de superior vinio
.1 > Porto a 2,2oo rs. com o garrafao.
Id 'ni com 5 garrafa de vinho da Figueira m is
proprio para a nossa estaco por ser m;.is
lresco a 2,4oo rs. com o garrafao.
U di com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
com o garrafao.
Vinho branco o mais superior que vem ao
nosso mercado a 56o rs. a garrafa, e a
4.3oo rs. a caada.
Velas de esparmacate as melhores Reste ge-
nero de 56o a 64o rs. o maco, e em cai-
xr, ter;l grande aliatimento por ba\er
grande porc3o.
Azeile doce em barril muito fino a 64o rs.
a garrafa e,4,8oo a caado,
dem francez refinado a 8oo re. a garra a.
Krviihas francezas epurtuguezas a 6 lo rs a
lata.
Hcelas rom doces soceos de Lisboa de 3do
a 3,5oore. cada urna.
Tuucinlio deLisboa a 3oo rs. a libra, e a
9,000 .is. a arroba.
JN'ozes muito novas a 16o rs. a libra e 4,8 jo
n. a arroba.
Caf de *., 2.1 e 3.1 qualidade de 26o, 3oo
e 36o rs. alibra, doCeari de7,8oo, 8,6co,
e 9.2oo rs. a arroba do-melhor.
Arroz da India, Java eMaranho de 2,8oo a
3,ooo a arroba, e de 8o a loo rs. a libia.
Pastas muito novas a 8,5oo a caixa e5
a libra., ba caixas meias e quartos.
Savadinha de Franca a 24o rs. a libra.
Sag muito novo a 28o rs. a libra.
Mixde-Picles e cebollas simples a 75o rs
o frasco.
Ancoretas de vinho colares a 5o,ooo rs., e
a 72o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 32o rs. a latinha.
Charetos das mais acreditadas marcas de
-1.-'ioo a 4,ooo rs. a caixa.
Champagnhe a melhor do mercado de 12.ooo
a 24,ooo rs. o gigo, e de 1,2oo a 2,ooo rs. a
garrafa.
Papel greve pautado ou liso a 3,."ioo rs. a res-
ma.
dem de peso pautado ou lizo de 3,5oo a
4,ooo rs. a resma.
Gomma muito fina e alva a 8o rs. a libra.
Milho alpista e painso de 10o a 2oo rs. a li-
bra.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a grosa e 2oo rs. a
duzia.
Vasos inglezes de 4 a 16 libras vasios, muito
proprio para deposito de doce manteiga
ou outro qualquer liquido de l.ooo a
3,ooo rs. cada um.
Licores das melhores marcas e mais finos
a l,ooors. a garrafa e em caixa ter abati-
mento.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa
e lo,5oo rs. a caixa.
Chourifas as mais frescas do mercado a 8oo
rs. a libra.
Genebra de laranja em frascos grandes a
I,ooo rs. o frasco.
Serveja das mais acreditadas marcas de
5,5oo a 6,5oo a duzia e de mais a 5oo rs.
a garrafa.
dem em botijas e meias, sendo preta da
muito creditada marca T de 0,5oo a 7,8oo
re. a duzia.
Ceblas em momos grandes a 8ooomolbo
640 o ceuto, e a 6,5oo rs. a caixa
Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
Farinha do Maraiho a 1 lo rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 16o rs. cada um.
Cominho a 4oo rs. a libra.
Erva doce a libra.
Canella a l.ooo rs. a libra.
Batatas a 1 ,ooo rs. o gigo cora 32 libras liqui-
das e 3,ooo rs. a caixa de duas arrobas,
FAZENDAS BARATAS
1--RUA DO 0UEOIADO--S* g
Custodio, Carvolho &C. ag
de 300 rs. o covado ou 1
Finas cambraias organdys indiana? polo baratsimo prero
aOO rs. a vara.
iiado sortimento
dos mais unos balocs de ai eos para senhora e pelo barato preeo de 38 cada um, ditos de ma-
dapol.o para meninas a 25500.
m Kovidade
Os mais lindos e mai^ finos c nindci.nus cortes de liia com ricas barras, tendo cada corte
X) covados e pele baratissimo proco de 205.
Fil de linho vara a 500 rs.
Modernas laazinhas pra vestido o c ivado a 4*1irs.____ ^.v^.^.
dem em garraloes com 4
2,5oo rs. com o garrafao.
Vinagre de Lisboa muito superiqr a 2,ooo
rs. a caada,
dem mais baixo a 1,5oo rs. a caada, e 2oo
rs. a garrafa,
dem em garrafes com 4 j garrafas por
l,2oo rs. com o garrafao.
Manteiga ingleza a 6oo, 7oo, 8oo e 9oors. a
libra de primeira qualidade.
dem franceza a 56o rs. a libra em barril, e
a 6oo rs. a retalho.
Ameixas francezas em caixinhas com ricas
estampas no exterior de l,2oo a 2,ooo re.
cada tima.
Idern. cm frasco de vidro de diversos tama-
nhos a l,5oo e 2,5oo rs.
Idem em latas de 1 1/2 e 3 libra a l,3oo e
2,3oo rs. cada urna, e a 8oo rs. a libra.
Figos de comadre em bazinhos de folln pro-
prios para mimos a 1.600 rs. rada um.
dem em caixinhas de folha a 32o re.
dem em caixas grandes a 2oo rs. a libra,
dem em latas ermeticamente lacradas de
1.6oo a 3,ooo rs.
Arroz da India e Maranhio a 80, loo e 12o
rs. a libra.
Amendoas de casca mole muito novas a 4oo
rs. a libra.
AzeKonas superiores a l,2oors. o barril.
Alpista a 14o re. a libra e 4,6oo a arroba.
Letria a 4oo rs. a libra.
Biscoitos e bolachinhas inglezas as ultimas
chegadas ao nosso mercado a 1,2oo e l,4oo
ns. cada lata.
rs. a libra e lo,ooo rs. a arroba.
Tijolo para limpar facas a 14o rs. cada um.
Toucinho de Lisboa e Santos a 32o rs. a libra.
Sevada muito nova a loo rs. a libra.
Peixe em latas grandes, savel, pescada, cor-
vina, eoutras qualidades a l.ooors. cada
lata.
Papel greve pautado c liso de 3,ooo a l.ooo
rs. a resma.
Passas muito novas a 8,5oo a caixa e 48o rs.
a libra.
Pnlitos lixados para denles a 1 lo rs. o maco.
dem de flor a 2oo rs. o maco.
li-1 timento.
bra. Banha de porco retinada a 48o rs. a libra e
dem preto hemeopathico muito fino a 2,ooo 42o rs. em barril,
rs. a libra. Vtnlio branco de superior quahdaoe proprio
Bolachinha de soda chegada neste ultimo para missa a 64o re. a garrafa.
navio a 1,35o rs. a lata, deste genero ha!Ameixas francezas em caixinhas clcgaale
grande porco e de differentes margas,' mente enfeitadas com ricas estampas a
que se vendem todas pelo mesmo preco a I,2oo, l,5oo e 2,ooo rs. cad urna
vontade dos compradores.
lera em latas grandes a 2,ooo rs.
dem propria para lanche em latas grandes
a l,9oo rs.
Marmelada imperial dos melhores fabrican-
tes de Lisboa a 64o rs. a libra.
Prezunlo para fiambre inglezes e americanos Frutas em calda em latas de l.ooo a 5oo rs.,
a85ors. a libra,
dem do Porto a 48o rs. a libra.
Queijos prato de 18o a 600 rs. a libra,
dem londrinos os melhores que se encontram
neste mercado a 800 rs. a libra,
dem flamengos vindos no ultimo vapor
2,8oo a 3.000 rs.
Sardinhas de Nantes muito novas a 32o n. |_. ^uzia
a lata.
Sag muito novo a 2oo rs. a libra,
dem muito superior a 28o rs. a libra.
Sabo maca de diversas qualidades a 2oo e
24o rs. a libra,
dem inferior de 12o a 18o rs a libra.
Genebra de Hollanda em frasqueiras a 6,5oo
rs.
dem hamburgueza em ditas a.'i,8oo rs.
dem de Hollanda em garrafes grandes a
.'i,.'oo cada um.
dem em botija a loo rs. rs. cada urna.
Garrafes vasios de diversos tamanhos a5oo, |
61o e l,2oo rs.
Gomma do Araeaty a loo rs. a libra.
Graixaa loo rs. a lata, c l,2oo rs. a duzia.
Licores finos francezes em garrafas e fras- \
neste genero ha diversas qualidades a es-
colher.
Champanha superior das marcas mais acre-
ditadas a l,5oo rs. a garrafa e 15,ooo rs.
o gigo.
c]e Serveja das melhores marcas que vem ao
mercado a 5oo rs. a garrafa e a 5,ooo re.
dem francezas em frasco de vidro cea taa-
pa do mesmo contend l ', libra a 1,9
rs. s o frasco val quase o dinheiro.
dem em latas de 2 libras por 4,too re.
a retalho, e a 800 rs. a libra.
Figos de comadre muito novos em bahozi-
nhos muito proprio* para mimo al ,*8o rs.
dem em caixas para retalho a Ido rs. a
1 bra.
Passas de carnada a 48o rs. a libra e em
quarto com 8 libras por 2,5oo re.
Bolaxinhas inglezas de superior qualidade a
2,000 rs. a barrica, ea loo rs. a libra.
Cho:olate francez o melhor que se pode de-
sejar neste genero a 1,00o rs. a libra.
; dem preta superior a 56o rs. a garrafa e a Macas para sopa estrelinha, pevide, arroz de
5,4oo rs. a duzia.
Vinho Bordeaux de differentes marcas, e as
melhores do mercado a 7,000, 7,5oo e
8,000 a caixa com urna duzia, e em gar-
rafas a G4o, 7oo e 800 rs., garante-se a
boa qualidade.
dem Figueira de superior qualidade a 48o
rs. a garrafa e 3,5oo rs. a canada.
dem de Lisboa a 2.8oo rs. a canada e 4oo
rs. a garrafa.
dem do Porto de superior qualidade para .Salmo em latas de I 1 libra a 800 rs.
mesa a 5(30 rs. a garrafa, e 4,000 rs. a ca-
nada.
dem fino do Alto Douro da colheita de 1833,
como sejara: D. Luiz,Feitoria velho. Nc-
tar, Carcavellos e Cames era caixa de
niara a 48o rs. a libra, e em caixa a 2..->
r<. cada urna, macarrao, talherim. e ale-
tria a 4oo rs. alibra.
Amendoas de casca mole a 4oo re. a libra.
Avtlans muito novas a 2oo re. a libra.
Ervilhas francezas muito novas em lats
grandes a 64o re.
Lie. 11 em ditas pequeas a 4oo rs.
Maca de tomate em latas de 1 e 2 libras a
ijlo rs.
eos de diversos tamanhos de 600 a 800 rs.
cada um.
Marmelada imperial de tr dos os conservei-
ros de Lisboa a 64o e 700 rs. a libra.
Massa de tomate muito nova a 64o rs. a
libra.
Marrasquino de Zara a 64o rs. o frasco,
dem em frascos grandes a 800 rs.
Corainhos muito novos a 5oo rs. a libra.
Erva-doce a 2lo rs. a libra.
Pimenta a 36o rs. a libra.
Cravo da India a 64o rs. a libra.
Cannella a l,loo rs. a libra.
Alfazema a 2oo rs. a libra.
Sai retinado em frascos de vidro a 600 rs,
o frasco.
ATTENCAO
O proprietario dos armazens do Progressista jamis deixar de offereeer aos seu
freguezes tudo o que for preciso para (pie sejam bem servidos, e como a festa se aproxi-
ma ptima a occasio dos seus freguezes experimentarem a realidade, que nunca dei-
axr de ser mantida pelo proprietario (lestes armazens.
25 RIA MOV A
DEPOSITO DE
25
urna duzia a 9,ooo rs.
Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto
a l.ooo rs. a garrafa e lo.ooo rs. a caixa.
Duque do Porto, Madeira secco. duque ge-
nuino, lagrimas doces a 9oo rs. a garra-
fa e 9,5oo rs. a duzia.
Garrafes com vinho do Porto a 2,2oo rs.
cada um.
Vinagre de Lisboa de superior qualidade a
2oo re. a garrafa e l,2oo rs. a canada.
Azeite doce refinado em garrafas grandes a
800 rs.
dem de Lisboa a 61o rs. a garrafa, c em
canada a 4.800 rs.
Presuntos inglezes para fiambre a 7oo rs. a
libra,
dem de lamego encommenda particular a
48o rs. a libra, e inteiro se faz abatimento.
Toucinho do reino o melhor do mercado a
320 rs. a libra, e em arroba a 9,000 rs.
Velas de espermacete de 4, 5, a 6 por libra
a 560 rs., e em caixa se faz abatimento.
dem de carnauba refinada a 32o rs. a libra
e 9,noo rs. a arroba,
dem de carnauba pura do Araeaty a 4oo rs.
a libra e lo,5oo re. a arroba.
Gomma muito fina e alva a 80 rs. a libra.
DE
JOAO PEDRO VOGELEY.
Neste acreditado estabelecimento se encontrara urna soberba colleccTio de piauos dos mais cele-
bres fabricantes da Europa premiados na ultima exposigo universal em Londres. Entre estes pianos
existem aliiuns fortes da cauda e novissimo fabricante A. Rord. de Pars, nicos nestt provincia fabri-
cados por ordem do proprietario exprussamente para esto clima. Os senhores amadores sao convida-
dos para vir examinar a perfeicodo trabalho e elegancia do seu formato e as excellentes vozes dos
ditos instrumentos.
No mesmo estabelecimento continua-se a alugar, afinar e concertar pianos e recebem-sc en-
commendas para servir ao respeitavel publico tanto na cidade como nos arrabaldes.
O proprietario responsabilisa-se pela sua excellente qualidade.
KtV DO OIKIMAIKI \. li.
Leja de fazcnila de Augusto Frederico dos Sanl<>> Porto.
ENTE 11! %* PARA SAIAB.
Lagostinho em latas grandes a l,4oo re. ca-
da nma.
Sardinhas de Nantes a 36o rs. a Uta.
Cognhac inglez a 800 rs. a garrafa.
Licor francez das melhores marcas do mer
cado a 800 rs. a garrafa.
Batatas chegadas neste ultimo navio em cai-
xa com duas arrobas por 1,6o re., e 4o
rs. a libra.
Concervas inglezas a 75o rs. o frasco.
Sal refinado era potes a 5oo rs. cada um.
Mos tarda ingle'.a a l.ooo rs. o irasco.
dem franceza a 4oo re. o pote.
Milho alpista a 16o rs. a libra e 4,8oo re. a
arroba.
Graixa muito nova em latas grandes a 120
ris.
Latas com peixe em posta ermeticamente
lacradas das melhores qualidades de pei-
xe que ha em Portugal a l,2oore.
Cafe lavado de Ia qualidade a 32o re., dito
de 2' a 28o rs. a libra e 8,2oo re a arro-
ba, dito de 3* a 26o rs. a libra e 7,8oo
rs. arroba.
.Charutos suspiros dos melhores fabricantes
de S. Eelix a 2,5oo rs. a caixa coa loo
charutos.
dem finos de diversos fabricantes a 1,600.
I.800 e 2,000 rs. a caixa com loo chara-
tos, |o preco nao indica a boa qualidade
porm deera-se ao trabalho de viren oa
mandaren e verJo a realidade.
GAZ GAZ GAZ
por prfo reduzldo.
Vndese gaz da melhor qualid.de
pie o de 10* por lata de 5 galoes: no
rnazem do Caes do Hamos n. 18 e roa
Trapiche Novo n. 8.
Vende-se a rofinarao da ra da Concordia n.
! 8, soflrivelmente montada para o seguinte fabrico:
assurar cnstalisado, dito areado, carvao animal
rel com l'CraVl)S praticos para taes servidos, 2 escra-
'' vas proprias para trricos domsticos, e mais uten-
. cilios propritM de arranjos de casa : a tratar na
do mesma refinaciio <}r- t<> horas da
I yante.
A este oslabelecimonto chegou um ptimo sorlimento de esleirs para sala, sendo de diversas lar
guras ate (i palmos c da mais superior qualidade .que se vendem por precos mats mdicos que em
outra qualquer parte.
SOl'TEMIIARQUES.
Os mais superiores soutembarques de caseoftira de cores ricamente enfeittdos acabam de cliegar a
este pstabelcci ment.
F.NKEITKS PARA IIAII.F. de lindos gostos.
Ll'VAS DE PELLICA DE JOVIN para homens e sentaras.
CHAPEOS DE PALHA DA ITALIA para senhoras, enfeitados com finissimas flores a 145 e 16&.
CHAPEOS DE PALHA para meninas, enfeitados ricamente a 7J.
CAMISXS I.NCLEZAS para homem. colarinbos. peitoa e ptmhos, de linho, a 125000 a duzia.
CAPAS DE SEDA PRETA para senhi ras, bordadas e entortadas de 225 SOSOOO.
Zl'AVOS de seda proios para senhoras. enfeitados com o melhor gosto a 205.
CHAPEOS DE PALHA para homem a 35.*i(H).
CAMISINHAS COM MANGHTOS E GRAVATA para senhoras, bordadas com muito gosto.
ATOALHADO DE LINHO para mesa fazenda -uperior.
Finos chapeos pretos de seda, chales de diversas qualidades, grosdenaple preto a de cores, pannos
pretos finos, casemiras pretas e de totes, brim branco e pardo, finas liiasinhas para vestido; e outras
ianh'i em i muitas faiendas que so vendem por commodos precos. A mesma loja ohegaram os
[ Ricos cortes de 15a de barra majisada.
CONSERVATIVO
DE
JOAQITIM K1JIO DOS SANTO*
23-Lariro do Terco~23.
O proprietario deste armazem de molhados participa ao publico e a todos em geral
que tem um grande sortimento de tudo quanto pertencente a molhados, e que tem
um armazem para somente receber os gneros de maior quantidado. fa? soas especub-
coes em boasquadras, e que sempre piule vender por menos de 10 20 por cento dn
que em outra qualquer parte, garantindo o proprietario qualquer genero sabido do feo
armazem, tanto em peso como em qualidade.
Manteiga ingleza flor mandada vir por conta propria a 800 rs. a libra.
dem franceza, vinda pelo ultimo navio a 560 rs. a libra e 540 rs. em barris.
Banha de porco refinada, propria para pastis a 480 rs. a libra, c em barril a 400 r>.
Velas de espermacete e carnauba do Araeaty a 600 rs. o masso e 400 e 440 rs. a libra.
Caf lavado do Rio e do Cear, o melhor deste .-enero, a 280 rs. a libra e 8|5oo a ar-
roba.
Batatas novas em caixas com 2 arrobas por 2i$000, arretalham-se a 4o rs. a libra.
Toucinho desembarcado ltimamente a 3oo t s. a libra, em barril ou arroba a 81I8OO.
Cha de T, 2a, 3a e 4 sorte a 2:>800, 2,5,500, 2*000, e 1;W00 a libra
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa, e de carrapato a 280 rs. a garrafa, e car
2(Jooo.
Genebra verdadeira de Hollanda, em botijas, de conla certa, marca gallo a 360 rs.
Milho alpista o mais limpo que ha a 160 rs. a libra a 5o000 rs., a arroba.
-
nmkmMummim
/


______& IV-'i'
btarto r Pernnt_hnoo -- Quista felrn t de Janeiro le !*.


>

-
t
*


UNIAO
ib:
COMMERCIO
NO
Defronte da loja do Pregulea.
III ARTE VLlUEID i
acaba de abrir o seu grande e sortido armazem de molilos denominado Unida e Com-
memo. Este grande annazem ura dos mais bem montados que temos em nossa praea,
nao so em Umpeza e aceio, como as qualidades especiaes de seus gneros. 0 propri
ario do Unio e Conuiurcio offerece todos os senliores da praea, senhores de engenho
e lavradores a seguinte tabella, por onde vtro a grande economa que lhe resulta em
comprarem em to til estabelecimento, atiancando o mesmo todo e qualquer genero
sabido de seu armazem.
Bollinbo francez em latas e caixinhas as mais Erva-doce a 5oo rs. a libra.
delicadas que tem vindo ao bosso merca- Cliampanba de 20 a 2_,ooo o gige.
ALLIANCA
%\IME
57 RA DO IMPERADOR 57
Na bein conhecida loja que foi do Sr. Flix alaiate.
Paulo Ferreira da Kllva proprietrio deste novo estabelecimento, tendo
ctiegado da Europa, aonde escolheu um grande'^ variado sortimento de molhades. tem
a honra de os expor ao respeitavel publico desta cidade pelos mais resumidos procos.
Em tao ptima occasio, por estarmos prestes a festa de Natal, o proprietrio do
grande armazem Allianea offerece aos seus amigos e freguezes que o conliecem desde
Jraem el Su^eT8 Pr0gresSV0 e *"*"*** ""es vantagens em com- ,
Boje de novo estabelecido mais precisa da concurrencia de todos estes senliores
LOJA DO PAVAO
Cassas puritanas.
**n Jnndem'Se as.'na,sTderna CitSas Puritanas cem bonitos desennos pelo baraJisMnw _,_ _
?S5no FS' Pr graDdC POr53' peChDcha : na rua da In-Pera'm u *-
Cassas pelvianas a 366 rs. o covado.
__, VedeP,seasma,sbon,la^rassas Persianas a mitacao de 13a transparente rom ot imn.
Cortes de cassas de Mana fia a 4*000
\ endem-se os mais modernos cortes de cassa a Maris fia, t todas as cores com' ___ u~
dadas, c de vanadas cores que garante sea Loa qual.dade contendo 8 varase mel'clfrcaST*
ratissimo preco de 40: na loja do Pavao rua da Imperatriz n. 60. ^^ pe" "^
As percalas do Paviio a 500 rs. o covado.
A endem-se as mais finas percalas que ha no mereado, de desenhos muito roiu.lmhos i= m*
S ?_ Vin,ada3 C0res e Karanle-se wm tizas, rom palmos de largura, fazenda propria mk
tidO de senhora e roupas para meninos, pelo muiio barato proco de ."00 rs o covado na w
vao rna da Imperatriz n. 60. ~' Gorgurao de laa a 500 rs. o covado.
U preco de 500 rs. o covado : na loja do Pavao rua da Imperatriz b i
As colchas do Pavao.
teja doFa-
do de Too 2,5oo rs. a caixinha. Palitos do gaz a 2,3oo rs. a croza e 2o rs a!ao ^F estabelecimento. eertosdeque esta casa jamis deixario de ser cumpridas as lo vYcn,dem"se colchas de linho adamascadas com bonitos lavaros de cor de rosa, aznl tr
caixinha? b grandes vantagens por ella offerecidas. P0'9 no preco de o0 cada urna : na loja do Pavao rua da laperatni n. 6o.
do Alto Douro a 2,2oo rs. com o garrafao.
Hera com 5 garrafas de vinho Figueira, mais
proprio paja a nossa estaco por ser mais
fresco a 2,4oo rs. com o garrafio.
dem cbm 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
o garralao,
Saho massa do superior qualidade a 18o,
2oo, e 22o rs. a liDra do melhor que ba
Graixa em latas muita nova a 12o rs. a lati-
nha, e 1,3oo rs. a duzia.
P fee em litas muito novo : savel, pescada,
curvin, salraao e outras muitas qualidades
preparados de escabexe, segundo a arte de
cozmha, de l,2oo a 2,ooe rs. a lata.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado e escolhido pessoalmente por um
dos socios que se acha em Portugal, das
seguintes marcas : Duque, Genuino, Ve-
lho secco especial. Lagrimas Doces de
1810, vinho especial D. Pedro V, vinlio
vellio. Nctar superior de 1833, Duque do
Porto de 183 i, viuho do Porto velho su-
perior, Madeira Secca de superior quali-
dade, vinho do Porto superior D. Luir. I
de 1847, Lagrimas do Douro, especial vi-
uho do Porto, de l.ooo a 1 2oo rs. a gar-
rafa e de 1 o,ooo a 12,ooo rs. a caixa com
tuna duzia.
V.ssouras americanas .1800rs. cada urna.
Velas de spermacete as melhores que ha no
mercado a 56o e 04 rs. o masso, e em
Mtxa se (r umjgrande abatiment,
W<-m de carnauba e composicao, de -loo a
32o rs. a libra, e de lo,ooo rs, a H,5oo
rs. a arroba,
Cal de F e 2a sorte de 8,3oo a 8,600 rs. a
arroba, c de 28o a 32o rs. a libra do me-
hor,
Arroz da India, Maranho e Carolina a 3,ooo,
2,8oo e 2,4oo rs. a arroba e a 1oo rs. a
libra.
Frasqueira de genebra a 5,8oo rs. e a 5oo
is. o frasco.
Az;ite doce em barril muito fino, a tiio rs.
n garrafa, e em caada tora ahatimento.
Papel greve pautado e liso a 3,5oo rs. a
esma.
Genebra de Hollanda em botija de conta a
a4ors. a botija.
Passas corintcj a 3oo rs. a libra c 12,8oo
"S. a arroba,
Er/ilhas frajiceza e porUtgueza a ti40 rs. a
lata de urna libra.
Chocolate francez. hespanhol, suisso e por-
tuguez a 1,000 rs. a libra, e a 28o rs. ca-
da pao dt urna %
Mauteiga ingleza perfeitamentc flor, mandada
vir de conta propria, a 7oo a 800 rs, a Milho alpista a 16o rs. a libra,
libra. jCominho muito novo a 4oo rs. a libra, e
dem franceza chegada pelo ultimo navio a' comprando de 8 libras para cima a 32o rs.
56o rs. a libra, e em barril lera abatimen- Somma muito alva ])ara engommar a 80 rs.
to.' a libra, e em arruba se far abatimento,
dem mgleza em potes de 4 a 16 libras a 5agi muito novo a 28o rs. a libra.
800 rs, a libra e o pote separado, SaMo verdadeiro hespanhol, que raras vezes \
Cha uxim o melhor neste genero, mandado', ,vem ao nosso mercado a 28o rs. a libra
vir de conta propria a 2,8oo rs, a libra. Vinho brancoo melbor neste genero a 800 rs"
dem hysson, grande, muito bem a 2,0oo rs. a garrafa e 4,3oo rs. a caada.
a libra. 1,,em Bordeaux de difTerentes marcas, garan-
Idem preto muito fino, a 2,Goo rs, a libra, te-se a qualidade, a 8.000 rs. a caixa com
dem preto, mais bakxo, a 2,ooo rs, a libra. uma duzia, e a 7oo rs. a garrafa.
dem, verde, miudinho, mais proprio para, Garrafes com 5 gawafas de vinho do Porte
negocio, a l,5oo rs, a libra.
Banha de poico refinada muito alva a 46o
rs, a libra, e em barril se far abatimento.
Biscoitos ingleses das seguintes marcas;
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travelbes.
Lunch. Cabin, e outras muitas marcas, a
l,4oo rs, a lata.
Bobchintia de sodo, especial eneommenda, a
2,2oo rs, a tata.
Biseoito iaglez Craknel em latas de 5, 7 e 15
ultras a 5,ooo e 6,000 rs, e de l,2oo a
800 rs, a libra.
Queijos do reino pelo baratissimo prefo de
l,6oo, l.Soee 3,ooo rs os do ultimo
vapor.
praw muito fresco a 6io rs, a libra.
i luodrioo uito fresco a 800 rs, a libra.
Vinhos em pi|)ft: Porto. Figueira e Lisboa, a
48o, 060, e '44o rs, a garrafa, e de 3,000 a
4,5oo r, aiauada.
Maruieladi imperial dos melbores cooservei-
ros de Lisboa em latas de 1 e mais libras
a 7oo n, a libra.
Peras secaas em caixinhas de 4,ooo a 2,000
rs. cada unta.
Figos om aixinbas de 1 ','s arroba e de 8 li-
bras a 8,000,4,000, e 2,ooo rs, e a 3eo re.
a libra, taambem ha serinhas para meni^
nos a 60 rs. cada urna.
Ameudoas de casca mole a 36o rs. a libra, e
em arroba ter abatimento.
Sardiubas de Naotos a 32o rs, a latinha.
Toucibo de Lisboa muitc> novo a 3oo rs, a
libra e em airola a 9,000 rs.
Massa de tomates a 6'io rs.- a libra.
Pntenla do reino a 34o rs. a libra.
Farinha do Maranho a 14o rs, a libra.
Ceblas a 8eo rs. o molbo, 6io rs. o cento
e 6,5oo a taixa.
Ti jobo para bmpar facas a 16o rs,
Cerveja das nafc a<;reditadas marcas de 5,000
a 7,5oo a duzia, e de 5oo a 600 rs, a gar-
rafa,
Preznto para fiambre muito fresco e novo
a 800 rs. a libra.
Genebra de laranja a l,ooo rs, o frasco,
Choaricas as mais frescas do mercado a 800
rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa.
e lo,5oo rs. a caixa com urna duzia,
Licores .franeczes e portuguezes de todas as
marcas ile lo.ooo a lo.oco rs. a duzia.
Passas muilo no\as a Boa rs. 1 libra e a 8,5oo
rs. a calta. Ha caixas, meias e qaartos.
Batatas a 1,00o rs. o gigo com 38 libras e
2,oeo a caixa comduas arrobas eadaunia.
Bocetas com dtxs seceos de 3,ooo a 3,5oo
rs. cada urna.
BolachinJia inglezaa 32o rs. a libra,
Azeite francez e porluguez refinado a 800 rs.
a carrafa, e 9,ooo rs. a caixa com urna du-
zia.
Conservas inglezas das seguintes marcas:
Mixed. l'iokes, e ceblas simples a 800
rs. o frasco.
Mostarda Iftgleza preparada em potes a 4oo
rs. o pote.
Nozos muito novas a 160 rs. a libra e ,8oo
rs. a arroba,
Vasos hurtases \;isios de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de manteiga, doce,
e outro qualquer liquido, de 1,00o a 3,00o
rs, cada um.
Maces de lo a 16u rs. cada urna.
Manteiga ingleza a mais superior neste ge-
nero a 800 rs. a libra, e comprando de 8
libras para cima a 72o rs., esta a mais
superior que pode aovar, tambem ha mais dem muito superior a l,ooo rs.
baixas paia menos precos. Caf a 28o e 32o rs. a libra, e
dem franceza muito nova a ."Mo rs. a libra 9,ooo rs. a arroba,
e 54o rs. em barris ou meios. j Cerveja das melbores marcas do nosso mer-
Peras seccas muito novas a 48o rs. a libra. eado de 5,ooo a 6,000 rs. a duzia, e 5oo
Cha perola de especial qualidade a 2,8oo rs. rs. a garrafa.
Orgaiidys a 240 rs. o covado.
a garrafa,
a 8,000 e
muito superior a 2,7oo rs. a
a libra,
dem hysson
libra.
dem uxim a 2,5oe rs. a libra,
dem hysson a 2,3eo rs. a libra,
dem idem a 2,oeo rs. a libra,
dem preto de qualidade muito especial a
2,ooo rs. a bbra.
dem idem inferior a l,6oo rs. a libra.
Chocolate francez, hespanhol e portuguez, a
9ooe l,2oo rs.a libra.
Charutos dos melbores fabricantes da Babia
e de qualidades especialmente eacolhidos,
de 2,ooo a 4,5oo rs. a caixa.
Farinha do Maranho muilo alva a 14o rs. a
libra.
: Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e 8,600
rs. a duzia.
Doce em calda a 64o rs. a lata.
Ervilhas francezas muito novas a 64o rs.
dem portuguesas a 72o rs. a lata,
dem seccas a 2oo rs. a libra.
Bassouras do Porto com arcos de ierro a 3o
rs. cada urna.
Vellas de espermacete da melbor qualidade
a 56o rs. o maco..
dem de carnauba e composicao a 32o e 36o
rs. a libra e 10,000 rs. a arroba.
lijlo jiara lmpar facas a 12o rs. cada um.
Toucinbo de Lisboa e Santos a 320 rs. a
bbra.
Sevada muito nova a loo rs. a libra.
tatou
Bolacbinha de soda e lunch em latas grandes
a 2,000 rs. cada lata. I Vendem-se organdys matisados fazenda muito fina. de. bonitos desenhos pelo LaratisM
Coguae de superior qualidade a 800 rs. a gar- de 2i rs- covado : na l..ja do Pavao rua da Imperad-fe n. oU
As alpacas do Pavao.
\ endem-se alpacas de seda de cores muilo fina propria para vertido de senhora
ques e roupas para meninos e dita branca muito fina propria para vestid paleto* p/r
to conimodo : na loja de Pavao rua da Imperatriz n. W). v
Chitas do Pavao.
Vendem-se chitas escuras e alegres fazenda omito Una padrocs modernos e que nao
pelo barato preco de 320,360 e 400 rs. e covado: na loja do Pavao rua da Imperatriz n. 0.
As laasinhns do Porto.
Vendem-se laasinhas com 9 palmos de largura de urna s cor e de quadrinhos pelo hutimmt
preco de 1*200 o covado, ditas entenadas com 4 palmos de hrgura a 500 rs, diUs niatuadH im*>
fluas de bonitos desenhos a oOO rs., ditas a 320 e 3G0 rs., ditas de quadrinhos a imiueao de sdIX
a tOOrs o covado. ditas a Mara Pa com palminlias de seda a 500 rs, ditas transparentes coa oale-
nhasmatisadas a 440 rs., ditas de quadros grandes a 240 rs. o covado, ditas pretts transrareot^ *
cordaozmho a 200 rs.: na loja do Pavao rua da Imperatriz n. 60. i"*., m
Vestidos soutembarques.
'\ endem-se os mais modernos vestidos a soutombarque com lindas barras e enfeiies rwra nm-
pinho e mangas, pelo baratissimo preco de >J cada um : na loja do Pavao rua da Imperairiz m. CO.
o
dem de araruta verdadeira a 4oo rs. a libra. Peixe em latas grandes, savel, pescada, cor-
Vinho do Alto Douro eEgarrafado, e os mais | vma, e outras qualidades a !,ooo rs. cada
lata.
Passas muito novas a lo.ooo rs. a caixa e
5oo k. a libra.
Palitos lixados para dentes a fio rs. o maco,
dem de flor a 2oo rs. o maco.
bem escomidos, lagrimas do Douro, D. Pe-
dro V, D. Luiz I. Duque genuino, Nctar
superior, Malvasia fina, Bastardo, e outros
a ll,ooo e 12,ooo rs. a duziae l,ooo rs.
a garrafa.
dem Cherry e Madeira a l,5oo rs. a garra-
fa e 16,ooo rs. a duzia.
dem Bordeaux de diversas marcas de 8,000
a 10,000 a duzia e 800 rs. garrafa.
Bolaxinhas americanas a 3,3oo rs. a barrica,
e a 24o rs. a libra.
Batatas muito novas a 1,00o rs. o gigo, e 60
libra.
Cortes de laa com barra.
Vendem-se cortes de laa com barras matisadas e enfeites para roupinho c maneas os t
nos que existem no mercado, pelo baratissimo preco de 1R cada corle : na loja do Paviio rna da Z-
Tainz d. oO.
Os soutembarques do Pavao.
Vemdcm-se os mais modernos soutembarques de grosdenaples preto ricamente enditados ditoi
de cor de um tecido de laa com seda muite bem enfeitados, por preco muito commodo na kna i
Pavao rua da Imperatriz n. 60. i-
Capas do Pavao.
Vendem-se ricas capas pretas de grosdenaple basUnte compridas, fazenda superior e mais nr
derna que ba no mercado, por preco muito em conta : na loja do Pavao rua da Imperatriz n. 60.
Atoalhado de linho.
Vende-se atoalhado de linho com 8 palmos de largura pelo baratissimo preco de 2*500 t,r*-
Presunto para fiambre inglezes e americanos ^le de 1?]15m_i-Palm?s e lar8ura proprio para lenc.- e toalhas muito encorpado a l#5f0f
a 85o rs. a libra,
dem do Porto a 80 rs. a libra.
Queijo prato a 64o rs. a libra,
dem flamengo vindos no ultimo vapor a
2,0000 e 2,3oo rs. cada um.
Sardinhas de Nantes muito novas a 32o rs. triz n"'60.
a lata.
vara : na loja do Pavao rua da Imperatriz n. 0.
Crinolinas ou baloes americanos.
Vendem-se baloes americanos os mais modernos porserem muito fortes e bem armado* arcos a 3, ditos de 30 a 3J500, ditos de 3o a "ti, ditos de madapolao francez de diversos taauato a
3ft dnos de musielina com habado e sem elle podendo-se tirar os arcos pelo barato preco de VI *
00, ditos para menina, de arcos a i5, ditos de mnsselina a 3 : na loja do Pavo rua da Imper*-
rs. a
Banha de porco refinada a 4io rs. a libra o Sag'muito novo a 2oo rs. a libra.
em barril a 4oo rs. I u,m muil0 saperior a 28o rs. a libra.
Vinho empiqa de Lisboa, e Figueira, de 3,ooo Sabo maca de diversas qualidades a2oo
a 4,ooo"rs. a caada, e 5oo rs. a. garrafa. 4o rs. a libra.
Idem de Lisboa em ancoretas de 8 a 9 cana- dem inferior de 12o a 18o rs. a libra.
das por 27,000 rs.
dem do Porto muito especial a 5,oo rs. a res.
caada e 72o rs. a garrafa. dem hamburgueza em frasqueiros a 3,8oo
dem em garrafocs com 4 '/ garrafas por 1 is.
2,ooo rs. com o garrafao. Wem de Hollanda em garrafoes grandes a
Vinagre de Lisboa muito superior a 2,ooo 5,oo rs cada um.
rs. a caada. dem em botija a 4oo rs. cada urna,
dem mais baixo a 1,5o rs. a caada, e 2o Garrafoes vasios de diversos tamanhos a 5oo,
rs. a garrafa. 64o e l,2oo rs.
Chapeos de sol do Pavao. i
Vendem-se chapeos de sol de seda muito encorpada com cabo de cana e basteas de baleia i**
naratissimo prc^o de 65, ~$ e 8,5, ditos marquezinhos para senhora e meninas a 21500; na Iota de Fa-
vao rua da Imperatriz n. 60.
Cortes de laa do Pavao.
Genebra de Hollanda em frasqueiras a 6,5oo M, K.Y^"dtm"se cor,ef dnJ^? matisadas com desenhos moilc lindos contendo 15covados cadac.e
ZIZ. Pcl Baratissimo preco de 75, ditos de cor de cafe com palmas matisadas contendo 15
corte pelo barato preco de 65 : na loja do Pavao rua da Imperatriz n. 60.
dem em garrafoes com 4 '/i garrafas por GommadoAracaty a 80 rs. a libra muito alva
l,2oo rs. com o garralao. Graixa a loo rs. lata, e l,2oo rs. a duzia.
Ameixas francezas em caixinhas com ricas Licores finos francezes em garrafas e frascos
estanpas no exterior de l,2oo a 2,000 rs. de diversos tamanhos de 600 a 800 rs. ca-
cada urna. da um.
dem em frasco de vidro de diversos tama- Marmelada imperial de todos os conserveiros
ribos a 1,5eo e 2,5oo rs. de Lisboa a 600 e 7oo rs. a libra.
dem em latas de I 1 2 e 3 libras a l,3oo e Massa de tomate muito nova a 64o rs. a li-
2,3oors. cada urna, e a 800 rs. a libra, bra.
Figos de comadre em eaixinhas de 4, 8 e 16 Marrasquino de Zara a 640 rs. o frasco,
librrs a 1,3oo, 2,5oo e 5,ooo rs. cada dem em frascos grandes a 800 rs.
urna caixa. Cominhos muito novos a 5oo rs. a libra.
dem em caixinhas de folha a 32o rs Erva-doce a 24o rs. a libra.
dem em caixas grandes a 2oo rs. a libra. | Pimenta a 36o rs. a libra.
Idem em latas ermetimente lacradas de l,6oo Cravo da India a 64o rs. a libra,
a 3,ooo rs. Cannella a l.loo rs. a libra.
Arroz da India e Maranho a 80, 100 e 12o Alfazema a 2oo rs. a libra,
rs. a libra, e 2,000 e 2,8oo rs. a arroba. Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs. o
KOITPA FEIT %
NO
ABRAzen
DE
UETREXRO VERDE.
Neste estabelecimento ha sempre uui sortimento completo de roupa feta de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, voutade dos coocor-
rentes, para o que tem um dos melhores professorc-, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
homens e meninos.
Aneixas francezas em caxiilias elegante- Amendoas d casca mole murro novas a 4oo fraco.
mente enfeitadas. com diversas estampas; rs. a libra. Copos finos para agoa a 5,ooo rs.
rio extenor da caixa de l,o00 a 3,ooo rs. Ceblas novas a l,ooo rs. os molhos gran- Chouricas novas a 72o rs. a libra,
cada urna; tambem ha frascos e latas de des e a 7oo rs. o cento.
(Iitlerenles tamanhos que se vendem por Alpieti a 1 i rs. a libra e 4,6oo rs. a arroba,
mdico preco. manto, talharim c aleti-ia muito nova a
4oo e 48o rs. a libra.
Biscoitos e bolachinhas inglesas as ultimas
chegadas ao nosso mercado a l,2oo e
Uoo rs. cada lata.
a duzia.
Ma.isas para sopa: macarrao, talharim e ale-
tra a 48o rs. a libra, e em caixa se far
abatimento.
Gairafoes com 14 garrafas de genebra de
Hollanda a ;i,5oo cada um.
Charutos de todas as marcas c dos melho-
res fabricantes da Bahia de 3,ooo a 4,eoo
rs. a caixa.
Mostarda franceza preparada e muito nova
a 32o rs. cada um frasco.
Gonscrvas francezas de superior qualidade a
640 rs, o frasco e 7,ooo rs. a duzia.
Azeite doce a 64o rs. a garrafa.
Sevadinha de Franca muito nova a 2oo rs. a
libra.
ATTENCAO.
ATTEpAO
Todos os senhores que comprarem para negocio ou casa particular JOS para
cima terao mais 5 a 10 por u. de abatimento; o proprietrio scientifica n?sis que todos
os seus gneros sao recebidos de sua propria encommeada, razao esta para poder veB-
der por muito menos do que em outro qualquer ostabelecimento.
Neste grande armazem de molbados vehde-se em grandes porc&es e a retalho,
fazendo-se dilferensa consideravel a quem comprar de 1005 para cima.
SO > f g" CO T! H 2
SP Q O <
isCOO? ara, a" -
osgf |&-si z^-5-s g |M'
Q
S-3
ce

J.
O
v. -
o
o a
8f a^jSj
S = 5
3 3 g
12
Be.,
3 3
5- B"
DE

2 o w =3 _
2 w -j c-5"
Si
DE
J. VI6NES.
W. 55. Rll DO IIIPRADOR K 55.
Os pianoK dest antipa fabrica silo hoje assaz eonhwidos para que seja necessario insistir sobre a
"O
o
.5
T.' S" O =
55 n
oB 2^
T ^ 2 t?
- o w
o
B
0*56 ~ 3
3 S 1.
& 2.'
o S5
O. CD -

=

3.
i
3*
06 ^ I 3
a, o ce p
-i
o
2.K2 C
ai n>

O as'
&g
z
0)
O-'
o *
%:
o
**
T3 fB
-I
3a?
9*
33"
st
f
s
tisslmw para clima deste paiz: quanfo svozs "sao" meloflossTrnattad^^
veis aos ouvidos dos apreciadores
00
'fffZSSSZZ^assim "SpTrK;Tb^o^^^tuTJSSffi
e
r
s
s
AGENCIA
DA
i
M
38-RUAD0IMPERAD0R-38 : cl0 DE LOW-MOOR.
Roa da Sennlla aara 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
_ e tachas de ferro batido e coado, de todos os
preco tamanhos para ditos.________
acido carbonice.' hije^ao Brou, (i^a ~drtichd/m\zh\\>le'igL %ax^L^ad^Jo ~ Arados americanos e machinas para
ie zum, muito recomiaendada na gonorrheas. L-noy francez verdadeiro ; na iresma casa tem lavar "Oupa: em casa de S. P. Johnston d C.
algumas caisas de intramentos ci-urgicos para op^raede: de Matieti e Charriere. rua da Senzalla Nova n 42
Agna natural de ondular.
OLEO
DE
Merchant
para as molestias externas dos animaes domsticos
e com especialidad dos cavallos.
K Casacas de panno preto, 35# e 305000
I Sohrccasacas idem, 30^ e 25^000
Paletos idem e de cores, 2oS,
200, lad e...... 100009
Ditos de casemira, 20$, 150,
120, 100 c...... 70000
Ditos de alpaca, $ e. 3300
Ditos ditos pretos, 90, 70,
50 e........ 30500
Ditos de brim c ganga de co-
res, 40500, 40, 30500 e.. 30000
Ditos branco de buho, 60, 50 e 4000
Ditos de merino preto de cor-
do, 100, 70 e..... 50000
Calcas de casemira preta, 120,
100, 80 e......70000
Ditas de cores, 90, 80 e. 70000
Ditas de meia casemira de co-
res, 50500 e.....40000
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 50, 40500 e 4000
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40500, 40 e 20500
Ditas de ganga de cores,
30500, 30 e.....20500
Cohetes de velludo preto e de
Colletes de fustao e brim bran-
co, 30500, 30 e 20500
Seroulas de brim de bobo,
204O e......20OOj
, Ditas de algudao, 10600 e. 10400
Camisas de peitos de buho,
30, W, 30 e.....2500
Ditas de madapolao, 30,
20500, U e.....10600
Chapeos de massa, pretos fran-
cezes, m, 90 e. 80500
Ditos defltro, 50, 40,30500 e 20080
Ditos de sol, de seda, 120,
Hd, 70 e......4#MK>
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda....... 640
Sortimento completo de grava-
tas. 0
Toalhas parroslo, duzia, 110,
90 e........6000
Atoalhado adamascado de li-
nho vara......10280
Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....40000
Lenoes de linho..... 30000
Cuberas de chita chineza.. 20000
cores, 90 e......70008 Pennasd'ac.0, as mais superio-
40000
30500
50000
de primeira qnalidade, fabricadas com o maior
esmero, as quaes pelo modo eflicaz que matara as
formigas, realisam nma economa de 90 0|0 sobre
as fabricadas pelo antigo systema.
VEKMZ 01 ALCATIFO
do gaz, cujas multplices applicacoes sao por dc-
Ditos de casemira preta, 50 e
Ditos de ditas de cores 50
40 e........
Ditos de setim preto. .
Ditos de ditos e seda branco,
60 e.......50000 Obrasdeouro,adercos, meios
Ditos de gorgurao de seda adereces, pulceiras, rozetas,
pretos e de cores, 60, 50 c 40000 aneis e cruzes.
600
res, a grosa......
Relogios tle ouro orizontaes,
9O0,8Oe......700000
Ditos de prata, galvanizado, '^5
patentes e orisontaes, 400 e 300000
pisen iwciiA
mais conhecidas : vende-se "ao preco da fabrica no! Cli oitao da secretaria de polica, armazem da bola ^"**010 i^arVaillO LOlipa-
amarella.
F.4BIMI\
nhia.
2 7Rua do Inclinado21.
i o o *acco, e baratissimo : no armazem da Au- v rera Brilhante, largo da Santa Cruz n. 84.
pelas
Mello Lobo A C, na rua da Cruz n. C3, tem para
vender o seguinte:
Vinho Bordeaux S. Julien.
Dito Medc.
Cognac.
Kirsch.
Folha de (landres do melhor fabricante.
Salitre refinado ---------------------------------------______
GoSS___ a ~ FuS' o a 19 do corrente mez, o mulato
pnmn m n= 1>01 p,eocommodo'taDtoP{,rJunl0 i@ n9me x^o, baixo, ctieio do corpo, idade l
como em pequeas porches. a H annos, barba pequea e conservabigode bai-
xo, ollios abocados, alguma cousa carrancudo
cor de laranja, cabellos cacheadas; quem o apre-
hender leve no engenho Palheta, ou caes do Ra-
mos n. 4, que ser bem recompensado.
------------
No dia !0 do corrente fugio do engenho San-
to Antonio do termo de l'o d'.^lho, fregoezia
Novas laazinhas escossezas muito lindas, fazen- Luz, um escravo de nome Christovo, de idade le
da encorpada, propria para vestidos de senhora o, 18 a 20 annos, cor fula, baixo, grosso, denles li-
mados, sem barba, cabellos meio soltos, com ana
ferida em un a perna, levou camisa branca, cha-
peo de bata, calca de rucado arrollado : roga-ie
a quem o pegar leve-o ao dito engenho a sen se-
nhor Antonio Vicente Ferreira Chaves, ou a rna
da Praia 11. S!t, armazem do Sr Francisco Mar-
ques da Silva, que ser bem recom
de ja protesta se contra quem o acontar por per
das e damnos, e as penas da lei.
vado.
co-
Em casa de Mills Latliam & C., na rua d-
Cruz n. 38, vende-se ferro galvanisado de um doa
melhores fabricantes Inglezes, proprio para cobers
tas de casas.
Mucaas.
Na travessa da Madre de Dos n. 3, vendera-es
caixas com maguas a 30.
ESCRAYOS FGIDOS.
Fugio no da 1 i do corrente, da ea
desemnarpader Motta, onde estava alngnda. a es-
crava Joanna,cor preta.ede estura ragabr, per-
tonrrnio a Luiz Solano de Mello : r i-, a
quem a appreaender, de a levar a e
nhor em Santo Amaro de Jaboatao, on rna do
ll pido, casa do Sr. Dr. Fernando, onde -
r urna gratitcacao.

-


8
Diario de Peraaatbaeo tilinta felra 8 de lanelro de i iHI.
LITTERATRA.
km ai de
instituto Arrhcologico e *co
graplilco Vernuuilmeano.
SNiVKl
lANfclUO DE 19C'.
jVritcNi lewfiwoe
[>r. Muni: V*
.V um;. hora eh lard >, depois d i fet
uneicia pela gjarda lionr*. postada na trente
acompai "
i marcial rolloeada entrada do -a-
i.io, i que Ihe rid o estando
^resontes o Ex m. Sr. viseomlc de Snassuaa, Dr.
chele fl< polica, outras autoridade?, rariosofflciaeg
dos differentcs carpos do exercito; urna romo
or partt do Gabinete Porluguez de Leitura, pes-
soas gradas, e um grande numero de ridadaos de
odas as rlasscs. verifica-se lonalmente presen
dos seguules memhros do Instituto, os Srs. Drs.
faado Portrlh. Aprigio tuimaraes, Rodrigues
Campcllo. Soaies de Azevcdo. Eduardo de lluros,
rauia Salles, Peregrino da Silva. Torres Bandoira,
1...,: dos Anlos, Wilruvio Pinto Banieira e Figue-i-
roa, e os Srs. coronel Jos Mara Ildefonso, major
Salvadoi Henrque, radre Liuo do Monte e hran-
risco de Bario-. ..
O Sr. presidente declara alerta a sessao,e le
um discurso anlogo ao ol'jerto.
O Sr. secretario perpetuo faz a leitura do seure-
latorio sobre o movinienlo do auno social lindo.
O Sr. padre Lino do Monte, romo orador interi-
no I o seu discurso, o em seguida o Sr. Dr. Tor-
re.-, ltandeira enuncia ontro discurso anlogo ao
objecto. ,
O Sr. Manoel da Silva Jacome Pessoa. obtendo_a
ecssaria licenca, faz a leiura de urna ohettacao
ao Instituto.
Terminado .ssm o acto, recebida de seus paes, a' mais pacficos contam legendas do palz, jogam car-
tas ou loto ; os mais graves, como faquires india -
liinalmente
carbnculos.
crenca universal. "J tas ou loto ; os mais graves, como faquir
A villa de Iguarassit a elle deveua su* salva- f ., h
cao, quando o general Wandenburg ooscu ata-
ca-la : reeobrou Goiamn pratirando prdigos de ere < dedos rosarios de alambre e cari
precipitadamente concluirn! a ausencia de toda a constantes na crenca
rienda sen relledirem ue la una distancia mi- crenca universal.
mensa entre o atbeu e o deisla ; aquelle cahe no
absurdo, esle caininba cm busca das verdades ter- {.
as reveladas pela sabedoria infinita. ca-la : reeobrou Goiamn praticando prodig.
Se ao menos se dessem ao trabalbo de examinar valor, e quando alinal. por >".' de auxilio, julgou !>e algum cantor de fama assiste a festa, ccrcam-
n vocabulario, de que aquelle povo simples osara, baldados os seus esfoi eos, retirase em bOa ordem n0 para ouvir-lbe cantar em voz alta um desses ro-
ilescobriram fcilmente ,. vocabulo Tupan, que com toda a guarneo e habitante?. N eta retira- fl guerra-on amor que exprime tao fiel a
m responde ao Teoft dos Mevicano-. ao Tbeus dos da assombrosa por entre espesaos bosques, e cir- ? .
Jreao.', aolieusdo" Latinos, o Verbo, que ludo cu.ndado de quasi todo o exercito l.ollandez, quan- a'"va melancola propna do carcter georgiano,
reou, ludo conserva, e pode aniquilar tudo. Os tos pavimentos, mas quanta constancia em afron-, esle por exemplo :
Srasileiros tinham como os amigos Romanos, e ou- ta-bs
ros BOTOS das primitivas edades, e seus Arnypius, para i
i rujos ronsellu<> recorriam em cireumstancias
.'xtraordinarias. Quando em materias transecn-
lentes um bomeiu drigc-se a outro para explicar-: e a defesa jnstissima dos nossos malaventurados
llie um mystero. ou livra-lo de eminente calami- \ Indios tao perseguidos e tao vilipendiados. Con-
dade, presupde n'aqaclle intelligencia summa, um cluirci dizendo que, se nao fura Lamarao rom a
espirito superior rm contacto com algum poder oc- sua corajosa e ineansavel tribu, o sol do dia 27 de
culto, eisto o forra a prestar-I lie (piando nao ado-' Janeiro de 1664 alo raiaria com tanto esplendor.
racao, ao menos homenagem profunda. Ave, dia glorioso I Anda este anuo nao reali-
A luz evanglica ainda nao Ibes bavia disipado sou-se o mea presentimenlo Anda na santa ca-
as trevasclo entendin.ento; a voz dos apostlos nao thedral de Olinda uo se enloaram boje solcmne-
tinlia chegado al elles mas seus coracoos esta- mente, como emoutros lempos, liymnos de louvor
vam disposlos. Ao priineiro sacrificio incruento,' ao cus os exercitos, que tao misericordioso
que no memoravet da :i do mato celebrou-se em mostrou-se para comnosco : mas, onde estSo cora-
sen terrilorio, elles por um impulso sobrenatural
alientos assistiram, e ^rostrados adoraram o Ente,
que os seus primeiros hospedes talvez mais impu-
ros reconheciam. Nos altos designios da Provi-
dencia eslava decretado .jue (piando do gremio da
egreja romana affastavam-se algnmas nacoes do ve-
llio continente desvairadas pela insensata reforma
do desventurado monge Agosliniano, apparcresse
um novo mundo extensissime c mmensamentc po-
voado, que abracando a verd.idcira doutrina, rom-
pensasse com usura fatal p;rda.
Ja quando o alfange do Arr.be Musulmano fazia
do conlinuo novos marlyres, aneando por trra os
altares, que encontrava" no Oriente, urna parte ao
norte da luropa vinha substituir as falanges des-
baratadas. O mar arrasta as arcias para deposi-
A Providencia Divina o hava destinad Toda. ,,, debaixo ,,0 ma 6((|7i7, ,,,,.
sa var a Bu na com os intrpidos que o .. .
acompanhavara. l'01''). durmo sem despertar ate o nascer da eslrel-
Nq o panegyrico deste beroc que aqui trajo, la d'alva.
t Tres vises do paraizo veem ter comigo, vejo
cm sonlio ires maravilbosas bellezas.
t Os olhos da primeira leem tanto brilho, rraej
offascam as estrellas da noute ;
Os da segunda teem a penelracao do olhar da
serpente;
Jamis a noute, as niontanbas, tao sombra
como o preto profundo dos da lerceira.
E quando despert, ao apparecmento da au-
coes puros, esta o templo do Senhor; aqu mes- T\ r
mo podemos render-lhe graeas; elle nos ouvir, ra, anda na cama, olho para o vacuo do firma-
mento.
nao abandonar Pernambuco.
Assim seja
a.s
ta-las em outro local. A pr>
da aos socios para a sessao especial jle eleicao no dador do Chrislianismo verificar-se-ha at a con-
dia 15 de fcvercro, e levarla a sessao actual. summacao dos seculos.
Irlor.senhor Francisco Bluniz Tavares. presidente. inerte I Eis a outra calumnia alrz, com que se
MMfiMi
Sceas da >ida georyiana.
A Pasclioa a mais solemne festa do auno para
os chrislaos de Oriente, e com especialidade para
os Georgianos. Longo e severo foi o jejum da qiia-: n0* s^
resma,e seo dia paseboal commemora o aniversa-
rio da resurreico de Christo, parece que tambern
o da resurreifSo dos christaos, que denominara
A promessa do"Divino fun-:no festa das festas triumpho dos triumphos.
Na vespera, um pouco antes de meia noute, as
trinta torres de Tiflls poem-so em movimento, e
t Olho sem eessar, o sonho cm silencio : se ti-
vesse dinheiro, dinheiro, construira urna casa ;
t Cerca-la-lua de altos muros, e nella me encer-
rara com as minhas visSes.
f De manliaa bem cedo, cantara em seu lou-
vor ; de urna aurora outra filara os meus olhos
A paisagem que se descobre do alto da Monla-
nha-Vermelha muito occidental e de formosura
\ selvagem, como as ondas que clevam-se urnas aps
outras, as maretas fortes, a montanha que succe-
de montanha; e os olhos encantados descobrem
longes maravilhosos onde eonfundem-se, em es-
tranha desordem, as luzes e as grandes sombras,
ioum^ll'^'^'^^m^ ,cm Pretendido degradar a raca miseranda dos alegres repiques, interrompcndo o silencio da nou- uda|n de posierio, encolbem-sc c extendem-
Dr. Apr.gio Jusliniano da i>ilva Guimaraes, w presidente.
J. Soares d? Azevedo. secretario perpetuo.
Salvador Heariqoe de All.uquerquc, 2" secretario.
#r. Gervasio Rodrigues Campello, thesoureiro.
Catire Lino do Monte tarmello Luna, orador in-
terine.
Dismrso do fresulrnte effedivo monsenhor
Francisco Mumz Tatures.
Senhobfs.l'm anno mais de existencia conla
0 Instituto ArchcologicoGeographicoPernambuca-
bo mais una pagina honrosa para a historia desta
{rovincia. O Ilustrado secretario perpetuo expo-
a ijuaes os tratemos, que no decurso deste perio-
do i.iveram lugar: a mim compete entreter-vos so-
*re alguns pentos relativos aos primitivos habitan-
tes do iiosso |iz.
No secuto XV partiu da praia occidental de Lis-
%fc: un navegante feliz: impellido por ventos m-
certos descobriu por acaso urna grande parte do
ovo continente, que pouco antes o pensador guno-
vez ftirca de estudos aturados, e outade tenaz,
com assomhro geral desembrenbra.
Vassallo dr re de Portugal, e a seu servico,
1 I :ou-ie aut>)risado, segundo os principios err-
neos entao dominantes, a declarar boa preza para
aquelle soberano todo o territorio descoberto, a
uum deu-se depois o nome Brasil. Os ingenuos
abitadores, qne ahi viviam desfructando o dom,
a i o Supreno Artista do Universo Ihes havia au-
orgado, recebem com candura e em boa f os re-
cem-chogados, repartem com elles seus vveres e
os deixara rctirar-se sem inqnctacao.
.Votos hospedes, ou para melhor dizer, novos
yvnlureiros, seguindo o mesmo trilho, para ali se
(ncaminham rom o proposito firme de lixarem
ui residencia. Nao Ihes baslava o terreno usur-
eado, recessitavam de bracos para o coltivarem :
es proj rietarios legtimos foram para este lim re
drzidos a mais dura escravidao.
Nao meu intento descrever agora os horrores
tplaticados para com aqnelles infelizes; hslori:
k Ihes tem feito devida justica, limitar-me-hci
?rresenlar algumas reflcxoes sobre as calumnia:
atrozes. que contra elles M propalaram.
Com efleito, senliores desde os mais remotos lem
ios o vencido sempre ouv iu o grito feroz do impo
ante Gaulez : tratamento brbaro, sevicias mull-
llicad;ts,'ultrajes, devaslaco, incendios, tem sido
luito communs: porm calumniado como foij)
[ivo Americano, e era particular o Brasileiro, nao
irordo-me de ter lulo. Os invasores ousaram as-
everar que laviam encontrado no Brasil urna ra-
c; de atheus, gente inerte e cobarde I Assim con-
Waba-lhes para occuliar o perverso designio, qii
putnain, e ter um pretexto para exercerem a mais
dtcslavel tvrannia. Era regra quando a cubici
dilla, virtude desapparece.
Enlre esses desarreozados defamadores avulta i
viorentino Araerico Vespucio, que ha vendo con
T'.uito custo oceupado um posto subalterno as
CDmmissoes de exploracao, que osgovernosde Por-
lugai. e de lles|ianha xpeoiram, e nao |assando
Jamis de piloto desenhsla de cartas geographica,
a fortuna caprichosa mimoseou com o sen nome o
ovo continente descoberto, defraudando dest'arle
a) immortal Colombo, quem de direito perten-
ca.
Povo athru, inerte e cobarde I E at onde poce
ebegar o insulto Ilepilamo-lo rom energa ce
que somos rapases: demonstremos com tactos in-
ontetaveis a enormidade de tal alternado.
Senhores, o homem de qualquer paiz, ainda ro
estado a mus rude nunca deixa de ser impressio-
e ado pelos grandes phenomenos da na tu reza. O
l'rrr, qne Ihe inspira o trovao, o raio, aerui>c;io
te um vulciio, o terremoto, urna cruel cwdemiv
toia-o nali ramente a conceber a existencia i a
;rca, que motiva taes actos; e nao tendo moios
Kara resistr-lhes, e era sabendo dar a razao do
ue vi, retrata a si mesmo com toda a amplilici-
p), que Ihe suggere o espanto, e a ignorancia,
bre estas duas bases alca tremendo o throno, em
Ijue :az senlar-se o seu. Deus. Quando porm o
ten, debaixo do qnal vive, resplandece d>: clarica-
de salutar sera tempestades, qne o perlnrbera, e
om urna ordem alternaila das uteis produccoesla
irra, elle er ver naquelle ceu o seu bemfeitor, e
( necr Jo tudo o qne Ihe conserva, e tornalhe 'i-
da alegre, fio para elle ou o emblema do benfico
poder, que admira, ou aquelle mesmissimo poder.
tiesto caso penetrado de admiracao, e de grato ani-
mo, alca reverente os olhos, e o adora con inteira
confianca.
Es'-es'pncnomenos manifestavam-sc no Brasil,
Como por toda parte ; e poderiam por ventura os
4eus habitantes sublrahir-se as impressoes descrip-
las? Afllrmar seria rediui-los baixa condifo do
fcruto, comlicao, que moralmente caberia antes a
aqnelles, qne fiara inipio lim Ihes imputa vam.
Nao eneonlraram templos, nem altares, e d'nhi
vel sempre procurou subterfrgos para eicobrir-se. I misturando sem res=ir os sen, sons conornlc ca^ do sol ou o capricho das nu-
Os invasores do Brasil apoderando-sede todo o ter-!se,0' n,,slurando scra ces?ar sea3 sons i vens ligeiras e alvacentas impedidas pelo vento,
rilorio, ereduzindo a mais dura escravidao os que | estrepitosos, trocassem entre s. mysteriosas sup-.^ a cordilheira do Cacauso, coroada de
SS'W^-S PcSf Uan,,eC,sobrbn^dale rom l i P'CaS" JikmaS r'.SCarfi dl,embnn?1 a mp:e5Sa, neves eternas refresca os olhos queimados pelo sol;
dita exigiam que estes o regassem nao so com o qUe Causou-me este estranho concert, quando ou-
suor, mas cc>m o proprio sangue sem que se Ihes
desse a menor parte do trabalho. Na impossibili-
dade da continuacao de tao barliaro tratamento
por arharem-se ja exhaustas as torcas vitaes, nao
se pejavam de atribuir a inersia o que era effeito
proprio da nalureza animal.
Paraos contestar surge entre outros oSr. Hum-
pelia A iuiiiium ^acldiiieiuai ujiimu icsuvi-
boldt, autoridade respeilavel, e a quem nada esca-
pou em suas observacSes. () indgena Americano
(diz elle) depois de urna penosa viagem entre
mil tropecos de rios caudalosos desembarca,
carrega sobre os seus hombros a pesada carga,
leva-a na distancia de duas ou mais leguas para
onde se Ihe manda, recebe o pequeo salario, e nao
repousa, volta immediatamente para a sua canoa
com dirercao a pobre choupana que o abriga.
Toctos nos conhecemos, senhores, pela trista ex-
periencia que o trabalbo escravo pouco im-
perfeito : logo que ao espirito fallece a esperanca
de gozar, o corpo subiranc-se ao desenvolvimento
dos mnsculos: a violencia pode fazer marchar,
mas tropecando.
Alm .listo o homem no estado natural nao se
afadiga seno para conseguir o que absoluta-
mente indispensavel a satisfacao das suas impe-
riosas necessidades : conseguidas estas sem susto,
a deligencia cessa. Creae necessidades, e creareis
esforcos. Em um paiz ameno, onde nunca se di-
visa o excesso insuportavel do fri, ou do calor;
onde a trra espontneamente offerece saborosos
froctos para a nutricao da vida, como pretender
que o homem da nalureza ahi habitando se sobre-
carregue de vestimentas, e curve-sc ao arado para
arrancar do seio da trra productos muitas vezes
lacertos ;' Assim nao procedendo, se ha vicio, este
congvcito ao homem; querer arranca-lo de re-
pente a esse estado primitivo sem fazer-lhc sa-
borear gradualmente as docuras de vida melhor,
insensatez, violenta-lo barbaridade; o recalci-
trante merecer compaixao, nunca desprezo,e mui-
to meiiO) sevicias. Os povos do universe, que ho-
je mais blasonam de cvilisados, foram no princi-
pio sem exceppfao selvagens.e errantes : neste es-
tado predomina a inercia, e o ocio. O menino
nao nasce saltando.
Cobaides 1 Ultrage mximo! Cusa a crcr que
houvesso quem em seu perfeito juizo ousasse ati-
rar contra os nossos indgenas lio degradante vi-
lipendio I Poder-se-hia imputar-lhes o n'rfifs ferox,
cobarda jamis. Em suas deploraveis excursoes
contra os seus proprios irmaos; aquelles que tlca-
vam prisioneiros nunca se aviltaram, pelo contra-
rio provocavam os vencedores. Solta-nos (repe-
llara ufanos) e veraes que te taremos o mesme
que j por vezes fizemos aos teus eguaes.
Ai dos primeiros colonisadores desta provincia,
se por > entura nao se Ihes tivesse unido a nume-
rosa tribu dos Tabuiares, a cuja testa achaya-se o
chefe Tabira, guerreiro impvido Por mu fado
era elle o terror de todos os seus conterrneos,
aos quaes nunca deixa va tranquillos, nem seguros;
a victoria o acompanhava em seus repetidos con-
flictos, l'ma flexa disparada por mito certeira
traspassa-lhc um olho: sem perturbar-sc elle a
arranca, e voltando-se para os que o rodeavam,
gritacom um s olho vejo bastante para bater os
inimigos.
Quando essas nacOes Europeas, que boje mais
adiantadas se achara em civilisaco, tinham por
priineiro. e mais til industria a infame pirataria
e que vnham exercita-la tambera em nossas cos-
tas, encontraram para os repellir sempre firmes
dous campeoes famosos, llagaze, ou braco de ferro,
e Piragibe, braco de peixe. Este tanto se distin-
gua nessas lulas, que mereceu em recompensa
sor amado cavalheiro da ordem de Chrsto.
Maior vulto ainda se levanta para confundir os
impudentes calumniadores dos nossos indgenas;
o nclito Pony, ou Gamarao, a quera a fama de
heroicos feitos por elle platicados com assomhro
geral conservar intacta a sua memoria. O gene-
ral ArrJiejosk no excesso de sua dr exclama va.
Ha mais de quarenta annos, que milito na Polonia,
Allemanha, e Flandres, m copando sem interrup
cao paitos honrosos, e s o indio brasileiro Cama-
rao veto aba ter-me o orgulho.
Ninuem .mais do que elle assgualou-se nos
rentados combates que ira vraos contra os Bata-
vos em todo o decurso do teinpo, que oceuparara
esta provincia. Tendo obtido a Rrara de entrar no
gremio da egreja romana, a pratica severa dos
precei'os religiosa, que ella impoe, mais lbc ac-
cendia o peito, e robusteca o brafo para debellar
os inimigos desta mesma egreja, que, por fanatis-
mo peculiar s novas seitas, estorcavam-sc por
derrubar os nossos trnipl >s, tancar fogo s ima-
gens {agradas, martyrisar os que mostravam-se
,! o koura, o anligo Cvrus, sussurrando como o mar,
vi-o pela primeira vez. Pidalgos e servos sahiam, .' ,
a L** Kk,.xo n ..n L..u .. ., extende atraves de Tiflis a sna larga fita de praia.
das suas nabitaces; o povo corra pora as egre-1 r
Jas, onde os sacerdotes benziam os pcs e viandas! Ao sul> desenha-se no firmamento o monte do S.
que Ihes eram apresentadas. Todos aproxlmavam-'av'd- onde, a semelhanca d'um mnhe daguia,
se, alegres c risonhos, abracam-se, e cada um re-' eleva-se nma egreja velha quasi em ruinas, chara
a formula sacramental: Christo resusci- aos peregrinos. Por entre as casas da cidadc.col-
tou. Na mauha do da seguiote, domingo de ; locadas sobre as collinas ou edificadas a pique jun-
Paschoa, quasi cem mil cordeiros sao mortos em! o a ribanceira escarpada do Koura, separam-se
memoria do cordeiro divino. Ha mesas permanen- ^ massas verdejantes dos ardins, os cyprestes
tes em todas as casas, e aquelle que ncllas entra,' pontudos maneira de flechas em direceao para o
recebe as honras de convidado. ClU fulgurante do luz, e as cpulas bysanlinas das
egrejas brancas, verdes ou dou radas. Ao por-se o
sol, hora em eme urna cerracao de cor azul vi-
lete cobre as montanhas, os festeiros retiram-se.
Jungcin-se os bfalos aos carros, scllam-se os ca-
Segunda-feira de Paschoa, urna outra festa ex-
travagante c barbara attrahe os bons Georgianos l
Montanha-Vermelha, ao norte de Tifus, a qual
serve-lhe annualraente de theatro. De madrugada, '^7ccT^m7e^ml\\ol
os camponezes de dez leguas em redor chegam, l Ao sQm Jq8s jfanos e ,amboris a mu|tjdIo qno
uns a cavallo, espingarda s costas, kindjal (pu- ^ da cidadC r a as suas cabanas de
nhal) no cinto ; outros em arbas (carretas), puxa-
das por bfalos. O povo traz provisoes para o bro-
cho, carne de porco salgada, cordeiros assados,
quejos, pepinos, odres cheios de vinho. Na fralda
da montanha extende-se um
madeira, afim de continuar em libacoes a portas
fechadas ; os camponezes dispersam-se pela cam-
pia. A' noute, Tiflis offerece um espectculo cu-
rioso : cm todas as dukant (tabernas), allumiadas
vasto descampado, j uma vela de sobo ou um arcnotc de rcsi.
e i na, ha de novo cantigas e algazarras. Nos terrados
as raparigas dansam cora phrenes, animadas pe-
tos applausos dos homeus. a meia noute, apagani-
se as luzes, as portas fecham-se, e o magestoso s-
levantam tondas de diversas cores e arranjam co-
xins c tpeles. Os cavallos pcados pastam a herva I
curta c rara ; es camellos e bfalos, deitados so-
bre o venlre, rumiuam voluptuosamente.
Logo que concluem-sc os preparativos, antes do
Icncio das noutes orientaes reina ao longe sobre a
\ planicie,
banquete, a festa, isto a batalba comeca. A mu-1 Estando, la alguns mezes, em Tiflis, eu tinha
tidao divide-so era dous campos, em dous bandos ^^n^ a festa da Montanha-Vermelha com uma
que empenham-se n'uma luta seria de pedradas cnrosidade mui0 natural. Admirava-me da do-
arremessadas pela mao ou pela funda. Ao redor ?urae se|vajaria que esU fesU me revelara, e ain-
da arena principal teem lugar duelos particulares, da achava-me sob a impressao que semelhantes
com que lerminam-se as querelas do anno : ora scenas deixam inevitavelraente no espirito de um
ataque de homem homem, de pugilato. Cada com- guropeu, quando fui convidado para assistir a um
batonte traz n'um dos dedos da mao direita um anel' casamento armenio, que ofTerecia-rae a opporluni-
grosso de prata,com a forma de serpentee cuja cauda \ dade de observar os cesturaes do paiz sob um ou-
ericada causa algumas vezes feridas graves : in- \ tr0 ponto de vista. os Asiticos aproveitam-se de
evitavel o derramaracnto de sangue, e frequenle- qUaiquer pretexto para divertir-se, todo o casa-
mente carregam-se mortos. Os feridos nao odiam | ment0 armenio de pessoas ricas celebrado com
os seus vencedores; ir no dia segainte quelmar grande poinpai e 0 dos pobres quasi com luxo. As
um cirio na egreja, onde curar-se-ho applicando ^^ horas ^ noutei fui jnlroduii(]0 nos sa|5es de
sobre as suas chagas imagens bentas e reliquias. | um Armenio distincto de Tiflis, chamado Pitzurhan,
Quasi sempre, ainda cora o rosto todo ensaognen-
tado, voncedores e vencidos abracam-se jurando
por todos os santos da curte do cea amzade
eterna.
r
Esta batalba selvagem, estas Iutas estranhas du-
que casa va a sua filha Tmara. Em qualquer can-
to brilhavain bugias perfumadas e lustres dou-
rados.
A maior parte dos homens traziara os vestuarios
pintorescos do paiz; as mulheres com os seus
rara perto de duas horas, e terminam um signal j ^1,^ eafeites de cores vivas, e carregadas de pe-
do chefe da festa, eleito pelos Georgianos. A' sua dras prCctosas, despediam raios de luz. Comecou a
voz, muda repentinamente a scena. A mtiltido dansa.
forma-se em grupos deseguaes na planicie ardente,
os mais ricos debaixo de teadas, os outro debaixo
A desposada (os homens na Asia nao dansam)
avancou ao centro do circulo de numerosos es-
de largos chapus de sol de linho cr : homens e pectadores, escorregou brandamente sobre o pello
mulheres acocoram-se em torno de pequeas rae- j|das alcatifas da Persia, abaixando e levantando os
sas baixas, c o banquete principia. A msica orien-
jou-a na fronte e fez um signal ao desposado. Ins-
tantneamente este approximou-se, pegou n'uma
das mos de Tmara e tirou-lhe o anel de espon-
saes, que snbstituio pelo anel conjugal. No mes-
mo instante chegou o sacerdote, e osjfuturos con-
mges, depois do ter recebido as heneaos, drgi-
ram-se, seguidos dos convidados, egreja vsinha,
onde coneluiram-Sl os ritos sagrados do hymineo
ao toque de sinos.
Passadauma hora, o padrinho fo o primei-
ro que voliou, tlrou da bainha um compri-
(1' -abre recurvo e jmeostou-o em cima da
porta de entrada, por onde passaram os dous es-
posos a quem deu os parabens e abracou. O acotii-
panliamento, leudo laiubem voltado da egreja, in-
vadi as salas resplanjlecenAs, as quaes disper-
sou-se do um lado as mulheres, do outro os ho-
mens. Passou-sc alegremente a sotive em dansas,
canloria e msica ; circulavam com profusao mas-
sas, doces e licores. As damas pozerara-se a con-
versar todas ao mesmo tempo, e o ruido das suas
VOzes imitava o zumbido das abelhas ao redor de
um cortco, emquanto os homens fumavam, como
costume asitico, diante das mesas de jogo.
Eu eslava assentado no fundo do jardim com o
principe Aleixo Ivanovitch, que se me offerecera
obsequiosamente para ser o meu cicerone em Ti-
flis. Os ramos de pltanos agitavam-se por cima
das nossas cabegas semelhanca de leques.
Meu amigo, dsse eu ao principe, o* vossos
Georgianos um povo singular Aqu acho-os es-
pirituosos, brandos e engranados : pois bem o ou-
tro dia, assisti festa da Monlanha-Vcrmellia, onde
vi-os matar-se como selvagens.
E' um antigo costume do paiz ; consent que
sejamos selvagens uma ou duas vezes no anno....
Mas, eis aqui o banqueiro Ivan Mnaevilch Mizzof
que vera consolar-se no meto dos jasmins do ter
perdido mil rublos (WOO francos) na preferencia
(jogo russo). Elle vos reforcria a este respeito
una historia asss curiosa so soubesse um pouco
de francez ; porm procurarei ubslitui-to.
Esta historia, que o principe rae contou, vou ver
so posso reproduzi-la, porque contm verijadeiras
revelacdes acerca do carcter dos camponezes
georgianos, entre os quaes eu me sentia extasiado
nao obstante a sumptuosidade que me crcava e o
ruido da msica que a nos chegava atraves dos
perfumes do jardim, urnas vezes triste e outras
alegre.
I
Uma segunda-fera de Paschoa, em 1*5..., dous
habitantes de Tiflis, dous homens do povo, Nicolao
e Miguel, desiguaram lugar certo na Moulauha-
Vermelha para satisfazer antigo odio. Ambos Mn-
grelianos e livres, eram alm disto visinhos.
pouca distancia de Tiflis, cada um possuia uma
cabana e un cercado. Ha mezes, tinham elles
brigado por causa de ama maceira cujas raizes
baviain-se extendido alera da linha divisoria de
suas pequeas propriedades, que eram contiguas.
Sabendo quanto intil e at mesmo duvidoso o
pedir justica n'um paiz, onde sao precisos peto
menos dez annos para decidir da sortede uma ar-
vore, rcsolverara, afim de acabar com a sua diffe-
renca, appellar corajosamente para esse duello de
festa, urna especie de julgamenlo de Deus. Com o
semblante sereno, como se cumprissem ura dever
religioso, procuraram ura lugar parte.
O sentimculo de vinganca um dos mais vivos
emeertos paites do Oriente, onde o christianismo,
alterado pelas superstiejoes da egreja grega, apenas
pode reagir fracamente contra a severidade dos
costumes primitivos.
Tens o teu anel de combate ? perguntou
Miguel.
Sim, respondeu Nicolao.
Apressemo-nos, se nao queremos ficar para
o anno vindouro.
Derribas a maceira?
Nao, nao, exclamou Miguel. Deus nos julga-
ra : vencido, curta re a maceira; se o teu san-
gue corre priineiro que o meu, pertence-me a ar-
vore I
Nao vejo o meu filho Herakl, disse Ni-
colao.
Nao tem nada que fazer aqui : est l em
baixo, no jogo da funda.
Alguns espectadores a quera o combate geral
pouco interessava, tinham-se afastado do theatro
da grande batalba, e cercavam curiosamente as
diversas parelhas de duelistas, Os nossos campeSes
passavam por lutadores vigorosos, fortes de per-
nas ; e nao sabiam recuar. Um circulo asss nu-
tal, ruidosa e alegre, despena os chos da Monta-
nha-Vermelha. As mulheres, ataviadas de seus
mais vistosos trajos, com os ps descalcos ou com
chinellas de talos altos tirara os seus lektidras (i);
e, afastados os vus, deixam ver rostos frescos co-
mo essas rosas queridas do poeta Hafiz. A planicie,
enfeitada pela variedade de vestuarios scintillan-
tes, parece-so de longe com um vasto campo de
trigo movedico todo estrellado de margaritas, cen-
taureas e dormideiras.
As raparigas dansam ao som da zourna (pfano)
meroso se formava ao redor dos dous Mingrelia-
uma msica alegre, arrojou-se e torvelinhou mais
ligeira que a gazella : dir-se-hia que ella quera
ugir e desafiar em sua fuga cadenciada os ataques
de um amante invisivel, e de vez em quando olha-
va s escondidas para o futuro esposo. Urnas vezes
a msica era branda e terna como uma caricia,
outras precipitava-sc cora novo transporte. As ma-
dcixas pardas da dansarina embalacavam-se ao
redor do seu vestido de seda ; um comprdo veo
de renda fluctuava por cima dos hombros, e as
suas maos, eguaes a dous passaros cor de ne
o da dahira (tamboril), e as cantigas populares no \ ye gyravam voluptuosamente sobre a sua cabera,
Cacauso cruzam-se no ar, semelhanca de fogos' guarnecida de uma cora de setim. Divisava-se a
de artificio. As dansas e as caetes revezam-se. j alegra em todos os semblantes, e os homens ap-
As azarpeches, as koulas (vasos de beber), as pon-1 p|audara estrondosamente.
tas de bfalo circulara roda, e os odres esgotam- i parou a dansa.
se entre grites e gracolas de uns para outros. Os I rapariga foi collocar-se em p enlre sua mae
e seu padrinho de casamento (2). O padrinlm bei-
FOLHETIM.
O AWMEI BTAlff ASS.
IV
(CONTUNLAQO.)
Quanto mais o conde cuidava nisso, tanto menos
sua entrevista com o chefe arabo Ihe pareca fle-
rer ser clissficada entre os factos corlo ou mesmo.
gmmveis. Para confirma-lo em suas recordaces,
jior mais[recisas que fossem, o testemunho de jm
terceiro Una sido necessario ; e inda, ao encoi tro
dessu testemunho se etistisse, a mosrai nalureza
pareda querer oppor o seu. Tudo cm volta du t mi-
plo de Amnion, e principalmente nos lugares em
jue a apparico Uvera lugar, uma rea abundante
t fina cobiia o solo. O mais leve peso se imprima
cessa ar subtil, e ne nhum traco com tudo acru-
sava passagem do clicfe rabe. D'ah mil duvi-
das, mil escrpulos. Nao poda darse juc aiia-
f inacao do joven conde, sobrescitada pelo assi luo
esluio dos symbolos pintados que Ihe mostrava o
papyro, tivesse evocado esse phantasm;., vndo ex-
pressamei te para resolver o enigma, at ento im-
pen?travel ?
Restava. verdade, a interprctaciio do anuel;
cas essa interpretaba seria real ? Nao poc'eria
ella ter nascido de un cerebro como a mesma ap-
rarijao?
E a amethisla ? Fara explicar como se acliava
cm sua mo som ter eonsciencia de o haver tirado
do dedo di mumla, era preciso adiar uma bypo-
Ihese satisfactoria. Acaso nao acontece que, ob o
imperio de urna preoecupacao ideal, osentnento
darealidadese oblitera em nos? Havian'issi um'
verdadein) mystcrio que o espirito do oven Alle-
tr\M se cancava de indagar. Descorocoado pela
inutilidade de seos es orcos, deixou este fado inex-
|i!ieavel as regiSes crepusculares da duvda de
mais o lempo atlenuara a vivacidade cas imagens
conservadas por uma lembranca cada vez mais
vaga e a apparico do chefe Kabyla, pela continua-
cao expulsa dos factos externos, tornou-se pouco
pouco uma simples idea.
s olhos de Edmundo, os olhos do seu corpo,
nunca talvez tivesscm contemplado o rosto do chefe
rabe; mas poder-sc-hia dizer quo egualmente
diante de sna vista intell 'ctual. anle os olhos do
espirito, se tal podemos dizer, nao tivesse passado
a alma de Sethos, o Egypcto ?
V
Ha nessa parte uma h.cuna no diario do ronde
Edmundo, pois o vamos de novo adiar na Siberia,
(I) Peca de estofo de algodo, de la ou seda,
em que as Georgianas envolvem-se da cabera at
os ps.
(S) Segundo nm antigo uso, o nome que tem
a nica testemunha de um casamento armenio.
ros da visinhanca vieram elevar entre as arcadas arauletto, um tal Unan nao verdade ?... Vede
diagonae? pilastras e capiteis egypcios. Pedestaes os maravilhosos caracteres que estao aqu grava-
e estatuas, sarcophagos e papyros, escaravolhos, i dos I... Desojava bem saber o qne elles signi-
crocodilos empalhados, aniraaes e pedras preciosas, | licain.
sem fallar era algumas bellas sphinges de mera
bros de granito pulido, com os olhos espantados, en-
chem diversas cmaras, onde Edmundo e Julietta
trabalham accordes classificar e dispor em uma
ordem harmoniosa essas riquezas tindas do ex-
tremo do Oriente e para assim dizer da mais re-
mota edade.
Bello annel, exclamou um dia Julietta, tiran-
do de seu involtorio de algodo e levando para
no velho castello de seus paes, cercado da mesma junto de uma alta janella, para examinar a vonta-
ternura e dos me-smos respeitos que faziam delle de, uma soberba amethista de reflexos de pur-
outr'ora uma especie de i loto. Julietta, nessa edade pura.
encantadora era que se opera a transformarlo que O estudo profunda de um papyro lacerado em
reve-'.e a moca dos mais bellos privilegios da mu- muitos lugares absorvia na occasio toda a atten-
Iher. nada v no mundo que seja mais seductor e ciio do joven conde.
respeilavel que este amigo de infancia, tao intelli- Muito me alegro, disse elle distrahido, que
gente, tao estudioso e grave. Bastava-lhe querer tenhaes achadoalguma colisa de vosso agrado en-
para tornar-se arbitro de seus destinos. Uma s tre essas curiosidad'-s bsarras.
dessas palavras que a palxiio inspira, despertara E m'a offereceis, Edmundo ? Mil vezes ohri-1
fcilmente nesse joven coracao as pnmeiras e de- gado I... Vede como me tica bem este
Edmundo, para quem a moca, se inclinava, c
que comecava a temer pelo seu frgil papyro, to-
cado aqui e ali pelos bellos anneis de cabellos cas-
tanbos, o poz cuidadosamente debaixo do vidro an-
tes de se decidir a levantar a cabeca; e ento uma
sensacao encommoda, uma especio de calafrio o
attacou lego, por que o antigo annel que va no
dedo de Julietta nao era se nao o de Seb-Chronos,
ou para melhor dizer o de Amasis.
Um abalo violento, sbitamente dado sua
iraaginacao, o Iransportou s minas de Thebas em
face do templo de Ammn. Tornou a ver junto
si o joven chefe Kabyla sentiu-se sob sua vista
falseando de odio ; ao mesmo tempo os caracteres
gravados flamraejaram no fundo luminoso da ame-
thista e seus ratos luminosos se mesclou ura fra-
co ruido, viudo, pareca, de uma incalculavel dis-
tancia.
Este estranho som, penetrando os laios arroxea-
dos e Ihe emprestando, por assim dizer, urna al-
para o
homens do
pensatn
cu onde vao ter todos os sonhos dos
Oriente.
Ola, Miguel! gritava um dos espectadores,
que olho te vasaro ?
.Vico, dizia ura outro, o teu nariz est muito
comprdo e vermelho ; um bom talho tirar-te-ha
um pedaco delle.
Os antagonistas, calados, desembarafaram-so dos
seus kindjals, que conliaram a um amigo.
Conhcro Martha, a filha de Miguel, dizia
meia voz uma Georgina ; ella amada de Hera-
kl, porque formosa como es junqulhos de
abril; o bello rapaz perdeu a caca.
E' verdade, respondeu outra mulher, faz las-
tima I Ella esl madura, pelo outono completar
quatorze annos.
Pobre Herakl I
Diz-se que elles eram desposados.
Oh ha dous annos.
O uraco recurso que tem Herakl, lan
o seu coi aeao ao rio.
Ao passo que as mulheres diziam estas cousa-,
os dous adversarios preparavam as suas arma-
Elles enrolavam no bra^o esquerdo uma pera de
de la maneira de escudo, e passavam ao tercei-
ro dedo da mao direita o anel georgtao, com a ti
gura de uma serpente. Depois de tor-se cortejado
e recommendado a Deas, elles pfecipilaram se
um contra o outro. Rude foi o ataque, egual a dex
treza de ambas as prrtes. Corra-Ibes o suor, e a
violencia obliqua dos raios do sol cegav.vos. Pa--
gados dez minutos de luta, Miguel estolou a face
de Nicolao, cujo sangue tngiu-lhe de encarnado
as barbas pardas. Os cariosos applaudam ; un-
queriam que o combate nao fosse adianto; outros.
excitados pela habilidadc e foreja dos contendore-.
gritavan que dous bravos de Karthli Jno podan
separar-se assim.
Nao morri, dis.se fleugraatcamente Nicol
Vamos, Miguel, adianle !
Itecomccaram os murros, e quando o chefe da
festa deu signal para flndar-se a luta, Miguel nada
tinha, ertretanto que.'o sangue corra de cinco ou
sei> (bridas de Nicolao, cuje braco esquerdo e ve>-
uario estavam em pedacos.
Deus ouviu-te, disse a victima. A ti pertence
a maceira.
Abracenio-nos e continuemos a ser bons
amigos, disse Miguel.
Elles rctirarem-se de braco dado, depois de ter
cortezmento trocado seus aunis, deixando os cir-
cumstaiiles entregues s suas discussoes.
Miguel, sabes que Herakl ama Martha f
Sim, j que Deus uniu-os, pois que s3o de-
posados, nada impedo que se casein para o anno.
Ambos rtossuimos bens. Na verdade, de Gori a
Bak nao se achara um tao bello par. Brevemente
seremos avs, .Vico mas tenbo fome e sede S
vamos l para baixo deitar-nos na herva.onde con-
versaremos mais vontade. Emquanto preparo a
festa, vae lavar-te no rio : a agua fresca curar-te-
ha melhor do que essas endiubradas drogas que
os Armenios nos vendem para furtar o nosso di-
nheiro.
Nicolao Mineo se demorou. Abrigados debaixo
de ura largo chapeo de sol, cruzadas as nernas
turca, assentaram-se parte sobre tapetes trta-
ros. Elles acarinhavam com os olhos as suas pro-
visoes eo odre repleto de vinho branco, e enchiam
alternadamente um vaso de madeira chamado kula,
com a forma de uma retorta. Herakl nao assistia
ao brodio, mas isto nao inquietava-os, e pelo con-
trario conversavam alegremente.
Terminada a comida, accenderam os mu ca-
chimbos ornados de correntes deprata, econttana-
ram a conversar fumando. Os Georgianos fumam
muito o ropetem de boa vontade o axioma persa :
< So o fumo faz alegrar o coracao. >
Ao por-se o sol, a multidao regressou, formando
grupos precedidos de uma msica insurdecente,
para o centro da cidade ; dirigindo-se egualmente
Nicolao e Miguel para as suas habitacoes, com a
promessa recproca de ceiarem as suas familias
juntas, para terminar dignamente aquelle dia.
Martha, que licara em casa por causa da sua ju-
ventud';, conhecendo os costumes, n3o se eonser-
vou ociosa : ella tinha preparado para a comida
da noute ovos, peixe salpreso, ovas de solho frescas
e um tolo chamado tchurtehrta, de que muito gos-
lam o Georgianos.
Em quanto Martha e a mulher de Nicolao (Mi-
guel era viuvo) prepram a cea, qual nao fal-
tou Herakl, procuremos descrever em poucas pa-
lavras a habilacao de ambas as familias. As chou-
panas de Kakhetia sao da altura de um andar ; a
Sakli do cainponez georgiano, cujas duas terca
partes esto enterradas no solo, um verdadetro
buraco de toupeira ; a cabana raingrelana, que
nao tem seno ura quarto rez do chao, edificada
sobre estacas por causa da numidade c das chu-
vas frequentes, parece-se com a arca de No : gen-
te e ammaes moram juntos, e a noute vivem em
completa inlimidade, de sorte que cabras, porco-.
cabrios, bois, etc., esto separados smente por
uma divisao de madeira, e Ihes assenta muito
bem o nome de animaes domsticos : realmente
fazem parte da familia. No centro existe continua-
mente um fogo em uma vasta e nica sala, ao re-
dor da qual, sobre bancos pouco elevados e ferra-
dos de grosseiros tapetes, deitam-se os moradores
da cabana raingrelana. Miguel e Nicolao, posto
que Miugrelianos, tinham adoptado os costumes da
Georgia, excepeo da crenca religiosa. Os seus
pequeos dominios estavam situados junto s mar-
geos pintorescas do rio. Os cercados eram vastos
e bem cultivados. D'ali descobriam-se os tectos de
Titlis, a rainha indofenle, perdidos n'uma cerra-
cao dourada.
Herakl chegou antes da ceia, a sua physiono-
mia era triste e pensativa.
Que tens ? perguntou-lho o pae.
Ah I uma grande desgraca ameaca a nossa
familia, c alguem morrer no anno vindouro.
Ests muito alegre para um dia de festa !
De que tens medo ? Nao sabes que, quando nas-
ceste, foste lavado era vinho e borri fado de sal para
que tivesses coragera e forra ?
Nao o ignoro, meu pae, mas... eis o faci.
Eu roltava costeando o rio, e, accrescentou elle
persignando-se, claridade da la no concavo
de um rochedo vi cinco ramos de bnxo em forma
de cruz, com uma feia podra preta ao lado. Estou
certo de que nos succeder uma grande desgraca.
Pensei em vos, em minha me, em Martha, e fi-
quei triste.
Vamos, alegra-te, nao refiras a tua historia
para nao assustar os outros, e vem ceiar.
Conheco um remedio, replicou em voz baixa
Herakl ; trarei sobre o peito uma pelle de vi-
liora.
Durante a ceia, fallou-se da festa da Montanha-
Vermelha, e Herakl, debaixo da impressae do
sortilegio que tinha visto sobre o rochedo de Hou-
ra, a|ienas abandonen a tristeza para contar as
facanhas de uns e de outros, e as oceurrencias do
dia. Finalmente separaram-se ; mas Nicolao e
Miguel continuaran! a comer, afim de achar me-
lhor o vinho.
(Contimar-te-ha.)
.... e de- gaoo i... vene como me uea nein esie anne
liciosas vibracoes do amor; mas Edmundo nada Te-lo-heis encommendado expressamente para mira ma, urna linguagem, tornou-se pouco a pouco em
tem de apaixonado, cada paginado seu diario no-lo em casa de algum ourives de Sarastro. i palavras distinctas. l-onw em um sonho, a luz se
moslra concentrado era si mesmo, eremita ou antes Julietta nao era instruida. Suas noodes sobre o j tornava voz, a lluminacao se fazia orculo. As
prisioneiro na morada parte que Ihe faz sua ha- Egvpte antigo limtavam-se, segundo se v, al- palavras sabidas da chamma erara precisamente
bilinl reserva. Ninguem sabe o que ali se passa, gutnas ideas confusas do livreto de Zaitber flote. aquellas de Seb-Chronos -o destruidor eterno : -
e os sentimentos de ternura que ali podera pene- Agora, tornou ella cora alegre petulancia fazendo Dom e tiro aos tnortaes sua fehcuMe ephemera.
trar nao se exhalara delle. Dir-se-nia urna dessasscinlillar ao sol a joiade que acabara de se apo- SSo vonhaes obstculo a mao da sorte- Bonaparte -sea Ibem tial
sombras egrejas em que tudo silencio c maces- derar, que venhara disputar mnba conquista I I Entao I quando acabareis de traduzu-me es- que esta sobn ella lancad
tade Elle entre lano est mudado; em relacao a' Eu defende-la-hei de econtra lodos...Sentido qtum tes hiercgliphos?.. Era a doce voz de Juliet a
Julietta ; sua altitude nao a mesma. Sua voz foc qnardo Ihe falla, tem um accento mais penetrante Reflecti, replicn Edmundo sem levantar a ca- (do talismn e chamar hdm
e doce; se porm elle a ama, esto amor feroz, em beca, quo tomaos nisso, sem cuidar, ura empenho, vida,
vez de se altcstar, se orailta em vez de sahir solemne em relacao aquello a quem vos entregar-; c
campo, com bandeira despregada,
desejo de conquista, engaa a s proprio, t
vag: mente na rcgio do! sonhos esbocados das in- elle comprehender o valor do duplo presente que bracSes long.nquas que ha pouco se meselavam rao ; Edmundo cada vez ?lc ^^P;
comnletas asniracSes assim Ihe flzerdes t ao brilho radioso do amethista. Que se acceite tehx mais impetuoso e tuiblenlo, o pnmoiro
Dpois da volldeEdmundo, o velho castello si- Seja, respondeu Julietta rindo-se ser este meu ou nao essa hypothese, urna carruagem de posta partilha a sua vida entre os estudos favoritos c.os
lesif.no se transformen n-uma'espede de musen annel e nupcias; nao terei de certo outro, e es-!arabava de parar deba xo da ;anella perto da qual cuidados do seu d'.9tt ^^J6.^:
arrrcologico. as salas abobodadas os pedrei- tou certa de que me trar ventura, por que um Edmundo e Julietta estavam em pe ; vozes confu- gou cm parte ; o ontro fuma e caca tote o oa ,
sas se elevaram de todos os lados; um passo gil,
um ruido de esporas e de uma espada arrastando
se fez ouvir na escada, a porta da galera egvpcia
foi bruscamente empurrada, c um joven oflicial,
turbulento e jovial, se precipitou nos bracos do
Edmundo. Era seu irrao Pelix.
Se viam pela primeira vez depois da volta do
joven conde. Flix de facto ni tinha podido dei-
xar a escola militar de M"*, onde o retinha a ap-
nroximacao dos exames; mas felizmente para el-
le porque sua applcaco nunca fura notavel a
marcha rpida dos acontecimentos, a imperiosa
necessidade das cireumstancias acabaram de abre-
viar seus estudos, e facilitar singularmente suaad-
missao as fileiras do exercito prussano. Kstata-
se entao no mez de marco de 1813, no dia segura-
te derrota do general York.
A Prussia inleira corra ao appello do seu rei.
Universidades e lycus povoavam porfa os re-
gimentos; as escolas militares naturalmente mar-
chavam na frente, e foi assim que, depois de um
simulado exame, o ardente, o estouvado Flix po-
de fazer-se adraitlir como oflicial no famoso corpo
franco dos hussares de Luisn.
Mas nao ainda tudo, juntou elle apenando
a mao de seu irrao ; sois, sera n'islo pensar, meu
conipanbeiro d'armas e meu collega; tenho l em
baixo, em minha mala, vossa comraissao sellada...
Vamos, Edmundi), a caca comeca, os sabujos esto
soltos de todas as partes, e essa velha raposa
Bonaparte ser bem hbil, se escapar matlha
ada...
VI
Fragmento dr nma carta de Julietta.
L.... H de junho de 1814.
Ambos escaparam
! vida. Envergonhado de si e de suas visos, bus- Voltaram, chara Thereza !
explica-tos Julieta, quando a corneta ae raorte I Que d.) cuidados nao nos causarara i
11 des um dia inteframente... O annel Ihe penen- um postilhao fez reunir no pateo do castello suas Quantos perigos corridos I Que de adigas soffri-
e paira cera por direito segundo nossas palavras... Possa agudas notas. Era esse talvez o segredo das vi- das!
elle comprehender e
assim Ihe flzerdes t
mas, por isso, nao pensis que seia um rustico
egoisia. Una palavra de Edmundo basta para
suspender na mais viva de suas loucuras esle af-
fectujso estouvado. Edmundo para elle como
ura segundo pae. E quanto nao Ihe deve elle com
effeito Sem esle prudente e zeloso protector, no
curso dessa campanha que acabam de fazer jun-
tos, nosso ardente irmao mais moco teria morrido
tinte vezes. Que raro mancebo nao este Ed-
mundo I Que alma sublime 1 Que intelligencia
profunda t O que me entristece quo estes dons
extraordinarios nao do felicidade Flix feliz ;
a ambicao nao o devora, e em sua esphera infe-
rior, mais prxima de nos, derrama em torno de
si thesouros de uma inalteravel alegra. Quem de-
vemos iuvejar ? Quem preciso lamentar i
Outro fragmento.
21 de julho de 181V
Quantos prudentes conselhos perdidos, minha
Thereza I Nao tendes idea exacta de nossas rela-
ces. Cada um delles separadamente poderia per-
turbar o meu repouso ; reunidos, por assim dizer,
se cquilibram e neutralisam. Entre ambos estou
em paz, porque estou no meu verdadeiro lugar,
rainha vida o complemento necessario dos del-
les. Nos tres nao fazemos mais do que um ser.
Dous d'entre nos, sem o terceiro, nao forma vivo
mais do que una entidade mutilada. Absoluta-
mente separados um do outro, nao posso conceber
como qualquer do nos poderia viver. Edmundo
entretanto, em rigor, nos despensaria talvez. Ed-
mupido nossa regra, nosso apoto, o centro para
o qual gravitamos. Nunca encontr! um carcter
mais completo.
Era Flix c em mim. a felicidade de algum
modo um instlncto. Nos nos deixamos ir n ella
sera calculo, sera esforcar-nos para alcanca-la, co-
mo dous cysnes, que se deixam ir vagando ao la-
do um do utro vontade da correte... -
(Coniinvar-se-ha.)
PERNAMBUCO. TYP. UK M. F. F. 4. FILHO.

/ 1



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EICE6U4R7_0SQOXZ INGEST_TIME 2013-08-27T21:00:19Z PACKAGE AA00011611_10124
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES