Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10119


This item is only available as the following downloads:


Full Text

I-
l

-1
r
AKWO XI. HOMERO 17.
Por tres niezes ada litados 5$000
Por tres niezes vencidos GJioOn
Porte aoconeio por tres niezes. #750
SEXTA FEIRA 22 DE JANEIRO D 1864.
Por anno adantado.....19j)00O
Porte ao comi por mn anno 3$00U
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO NORTE
Parahvb, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima'
Natal, o Sr. Antonio Maraes da Silva; Araratv.
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranho. o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
mazonas, o Sr. Jeronytno da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL
Alagas, o Sr. Claudino F;.lco Dias; Bahia, o
Sr. Jos Martins Aires; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins & Gasparrao.
EPHEMERIDES DO MEZ DE JANEIRO
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cato e Eseada todos os dias.
Igsems-;,;?.a,ma 6 PiU'ahyba nSS SegUndaS H 2 Quart0 minK- s K 18 m. e SO s. da m.
Santo Anlo. Gravat, Bezerros, Bonito, Caruaru'J 9 Lua nova as 5 n 2' ra- e ,fi0 da rn.
Altinho e Garanhuns as tercas feiras. 15 Quarto cresc. as 8 h., 45 m. e 45 s. da t
Pao d'Alho, Nazareth Limodro Brojo, Pesqueira, 43 Lua cheia as 7 h., 43 m. e 14 s. da t.
Ingazeira, Floros, \ illa Helia, Tacaratu', Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu as quartas feiras.
Sermhaem, llio Fonnoso, Ts mandar. Una, Barrei-
ros, Agua PreU e Pineuteiras as quintas feiras.
II ha de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
T )dos os estafetas partem ao '/i da.
PBEAMAR DE HOJE.
Primeira as 2 horas e 6 minutos da tarde.
Segunda as 2 horas e 30 minutos da manha.
PARTIDA DOS VAPORES COSTE1ROS.
Para o sul at Alagas a 5 e 25; para o norte at
a Granja 7 e 22 de cada inez; pa a Fernando nos
dias 14 dos metes do jan. marc., maio, jui, set. euov.
PARTIDA DOS OMNIHUS.
Para o Recife : do Apipncos s 6 >/,, 7, 7 V. 8 e
8 '/, da n^; do Olinda s 8 da m. 1 6 da larde; do
Jaboalao V 6 '/2 da m.; do Caxang e Varzea s 7
da m.; di- BemhYa as 8 da m.
Do Recife : para o Api pucos as 3 V2,4, 4 Vi. 4 V,
5, 51/* V e fi da farde; para Olinda s 7 da
manha e 4 '/j da tarde; para Jaboalao s 4 da tar-
de ; para Cachan e Varzea s 4/, da larde; para
Bemfica s 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS 1BIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do cotnmercio: segundas e quintas.
Relaco: torcas e sabbados s 10 horas
Fazenda : quinta s 10 horas.
Juizo do cotnmercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do cive : tercas e sextas ao meio
da.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DIAS DA SEMASA.
18. Segunda. S. faobaldo b.; 8. Athonocenes m.
19. Terja. S. Canufo rrr m.: S. policiano m.
20. QuarU. Ss. PabHb p o Sebastiio mm.
SI. Quinta. S. fonal v. rrr.; S. I'atrorolo m.
22. Sexta. Ss. Vicente e AnastacM mm.
t',. Salihado. 9. Ildefonso are.: S. Emcrenciar. m.
2. Domingo. S. Tomutheo b.; S. Meello m.
ASSIGNA-SE
no Rece. em a livraria da praca da Independencia
ns. 6 ? 3, dos propietarios Manoel Figueiroa d
Faria & 9ilho.
PARTE QFFICIAL.
GOYERKO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 19 de Janeiro de 1861.
Offlcio ao brigadeiro commar.daute das armas.
Para cumprimeiito do aviso da repartico da guer-
ra de 5 do correnle, convm e,ue V. Exc. me de-
clare o destino que leve e tambor do terceiro bala-
lho de infantaria Amaro Pereira do Nascimenlo,
miltido, come V. S, melhor ver do aviso da re-
partico da guarn de 31 de dezembro ultimo,
constante da copia inclusa, q ie soj adoptada pa-
ra uso das citases de leiturs. as escolas de me-
nires dos ananaes de guerra a obra intitulada
Ufaos moraoj e religiosas, romo maerea B. L.
G.riiier.baja V. S. de deejarar-me quantos exem-
pl.ires sao precisos para uso da escola desse arse-
nal, alim de sereui requisilados ao mesmo go-
ve -no.
Rito ao commandante superior de Santo Anlo.
- Expeca V. S. s suas ordens, para que o bata-
lli.io n. 23 de infanlaria da guarda nacional do
da, marquez de Itambaen, visconde de Marangua-
pe, visconde da Boa-Vista e visconde de Uruguay
e sem partieipaoo os Srs. Ferraz, Cunha Vascon-
celos, bario de Anlonina, baro de Maroim, ba-
rio de Cotigipe, Frederico, Fonsera, visconde de
Jequitinhonha e visconde de Suassuna.
Verillcando-se nao haver numero suffleic nte de
Srs. senadores para formar casa, o Sr. presidente
declara que nao podia haver sessao, c convida os
Srs. senadores presentes para trabalharcm as
commisses.
A ordem do dia da sessao seguinte a mesma
ja designada.
provincia.
Dito ao mesmo.Cotn copia da neta da secreta-
ria de esladu dos negocios da guerra de 8 do cor-
rele,' remello V. Exc. para os fins convenientes
as relaces de alteraoes occorridas com os milita*
res da guarnicao desla provincia, que se acham lo-
ra dola.
-honra para assistir aos arios da fosia de S. Sobas
ta), que se lein de celebrar na igreja matriz .da
cidade da Victoria no da 31 do correnle.
Jilo ao lente coronel commandanto do segun-
do balalhao de artilharia da guarda nacional do
Ri) Formoso.Mande V S. prestar urna guarda
de honra do balalhao sob seu romniando paraas'
Dito ao mesmo. Estando esgotado o crdito sistir aos aclos da festa de S. Sebastio, que tem
concedido para a^ despezas da rubrica obras mi
litares no corrente exercicio, como informoo o
inspector da ihesouraria de fazenda em offlcio de
18 do corrente, nao pode por ora fazerem-se os
melhoramenlos do que necessita o hospital militar
segundo V. Exc. declarou em seu offlcio n. 80, a
que respondo.
Dito ao mesmo.Informe V. Exc. conforme exi
ge o aviso da repartico da guerra de 7 do corren-
te, acerca do incluso requerimjnto do alferes se-
cretario do balalhao de cacadores da Bahia Firiiii-
tio Correia de Moraes.
Dito ao mesmo.Remello por copia V. Exc.
para ter a devida exeeucao o aviso circular da
groja ma-
de celebrar-se no dia 20 do cerrente na
tri: da cidade do Rio Formoso,
)to a cam.ira municipal de NazarethPara sa-
tis zer o disposto no aviso da repartico do impe-
ric de 9 do corrente, remetame a cmara muni-
ci|al de Nazareth com toda a urgencia urna copia
> das actas de todo o processo da elcicio de eleito-
res para depulados geraes a que se procedeu nessa
frejuezia no dia 9 de agosto do anno passado.
Igiaes as cmaras municipoes do Limoeiro e
Go anna.
Ditoaoengenheiro fiscal da estrada de ferro.
Com o aviso incluso por copia expedido pelo mi-
nis rio da agricultura, commercio e obras publi-
guerra de 5 do corrente, desfazendo o engao que cas em 30 de dezembro ultimo, sob n. 53, irans
se deu na circular de 16 de abril do anno passado,; millo Vmc. una collecco de modelos de map-
acerca do numero de amanuenses que permitu-! pa; de n. i 10, em vista dos quaes serao organi-
do empregar as secretarias dos commandos das sacos os Irabalhos, que na ronformidade das ins-
armasIgual remessa fez-se ao inspector da the- truceoes de 22 de agosto de 1861 deve Vmc.
souraria de fazenda.
Dito ao mesmo.Sendo-me declarado em aviso
do ministerio da guerra de 8 do corrente, junto
por copia, que n'aquella data se expedirn) ordo 11
ao ajudaole general para mandar por em liberda-
fie o soldado desertor do segundo balalhao de in-
fantaria Jos Henriquc de Souza, que se acha na
corlo, visto estar elle compreliendido no indulto
de 17 de Janeiro do anno prximo passado; assim
o communico V. Exc. para seu conhecimenlo,
rorommendando-lhe que, observe ao commandan-
t do sobredito batalho a discordancia de que
trata o citado aviso encontrada as suas duas 111-
formacoes dadas com referencia ao referido sol-
dado.
Dito ao mesmo.Queira V. Exc. mandar por
em liberdade Manoel Francisco dos Santos, vis-
to que procedidos os exames necessarios, nao se
veriticou ser desertor de algum dos corpos do ex-
ercito, segundo V. Exc. declarou em sua nforiua-
cao o. 91 de 15 do cerrente.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
en-
viar por intermedio desla pre>idencia aquello mi-
nisterio, prev;nindo-o de que os mappas de ns. 1
a 4, devem ser remeltidos meosalmente, de 1 8
sei estralmenle e de 1 a 10 annualmente.
Dito ao gerente dacompanhia Pernambucaua.
P le Vmc. fa.ier seguir para os portos de seus
de: tinos os vapores Mamtingunpe e l'nrahiba nos
dia? e horas indicados em seu offlcio de hoje.
loriara.O vice-presidento da provincia, leu-
do em vista a proposta do director geral interino
dainstrueco publica datado de 15 do corrente sob
n. '1, resolve nomear o lenle coronel Candido
Xaier Pereira de Brilo delegado luterano do dis-
tricto de Cimtres. Uando exonerado desse lugar,
por assim o haver pedido o lente coronel Joa-
qui j) de Almeida Catanho. -Communicou-se ao di-
rec.or geral da instruc^o publica.
Eipedirnte do secretario do goTcmo.
f|fflcio ao inspector da thesouraria de fazenda.
O Uxm. Sr. vicepresidente da provincia manda
tra ismittir V. S. as duas inclusas ordens do the-
rsouro nacional, sob ns. 3
do
, seja pgo a Jos Bernardo de Torres I *?". ****Vl*r*i '"Pf?? da ordem
ortancia do aluguel Vencido desde ja- "ca"n8:. ,!,xPfd,da pela repartico do ajudante
- 1 gen -i al em 5 deste mez.
Expeca V. S. as suas ordens, para que, nohaven-^u,,V "^L"'"; "s- J e 4: bem .mo ",n .fflcl
do SiToon veniente e esiando em termos os inclusa I da. 1,rect" Bal das rendas publ.cas de I
decementos.
Bar, a iinportaoc
neiro do anno prximo passado al 18 do correle
mez da casa que na povoacao de Villa Bella ser-
ve de quarlel ao destacamento de primeira liona
all ;xsiente, como solicitou o rhefe de polica em
offlcio sob n. 85, mandando V. S. no caso de ser
preciso processar a parte relativa ao exercicio j
encirado de 1862 1863,para ser satisfeilaquau-
do louvcr crdito. (kimmunicou-se ao Dr. chefe
de polica.
Dito ao mesmo Transmuto V. S. para es
convenientes exames a inclusa copia da acta do
conselho administrativo do arsenal de guerra data-
da de 18 do corrente.
Dito ao mesmo. Remello incluso por copia o
aviso da repartico da marinha de 5 do correnle,
Leu como o offlcio da respectiva contadura e a
nota a qne elle se refjre, aflm de que V. S. proce-
da fe conformidad com o parecer da mesma cor -
tadoria acerca dos ofliciaes aquem cssa thesoura-
ria itbonou diversa? importancias a Ululo de i men.-
isacao por differeuca de pfeco de races, dando
V. S. oppcirtunamento parte do resultado.
D lo ao mesmo.Em deferimento a inclusa pe-
ticii do major reformado do exercito Jos Antonio
de Carvalho Dantas, sobre que versa sua infor-
mado n. 28 de 18 deste mez, autoriso V. S a man-
dar abonar a casa coinmercial de Manoel Joaquim
Katros e Silra & Genro, a consignaco de 255000
mensaes, que o mesmo major pretende deixar-lhe
de sfu suido nesta provincia por 12 mozos conta-
dos de Janeiro corrente dezembro vindouro, bem
orno passar guia de soccorrimento ao supplican-
te, visto que vai residir na provincia da Baha.
Dito ao mesmo.Em vista do que expoe o bri-
.gadt iro commandanto das armas no ofurio junto
por '-epia, datado de hontern e sob n. 109, recom-
xnendo V. S., que nao havendo inconveniente
man Je entregar ao cabo de esquadra Manoel An-
tonio Alves importancia do incluso prel em du-
plcala para pagamento dos venrimentos relativos
a primeira quinzena deste mez, das nracas de pri-
meira linha, deslacadas na villa do Bonito.Com-
mun cou-se ao brigadeiro commandante das ar
mas.
Dito ao mesmo.- Remelto V. S. para seu co-
nhecimenlo o mappa nominal do movimenlo havi-
do no pessoal dos emprrgados tas enfermaras do
hospital militar na primeira quinzena do mez cor-
rente.
Di o ao mesmo. Beeommendo V. S. a expe-
-dicao de suas ordens, para que, de conformidade
com o disposto no aviso do ministerio da'fazenda,
expedido em 31 de dezembro do auno prximo
passado, com referencia ao do imperio datado do
dia antecedente, cesse contar do ultimo d'aquel-
Ic mrz em diante, a arrecadaeo do auxilio offere-
cido pelos empreados pblicos para as urgencias
do estado por occasio do conflicto, que se dou en-
tie o governo imperial e a legaeo brilannica na-
juella corte. Offlciou-se no mesmo sentido acerca
alferes e pravas do exercito.
Dito ao mesmo.Communico V. S. que em of-
flcio de 16 do corrente, parlicipou-me o brigadeiro
commandante superior da guarda nacional deste
municipio, que n'aquella data passava o respecti-
vo exercicio ao coronel Domingos Alfonso Nery
Ferrcira, por ter de seguir para corte a tomar
senlo na cmara vitalicia.
Dito ao mesmo Participndome o Exm. Sr.
ministro da agricultura, commercio c obras pu-
blicas, em aviso de 21 de dezembro ultimo, que
jiar portara dessa data se prorogou por 30 dias a
cenoa de dous meses concedida para tratar de
sua saiide, ao hachare! Eugenio Adriano Pereira
da Cunha e Mello, primeiro tenenie do rorpo de
mgeoheiros e ajudante do engenheiro fiscal da es-
trada de ferro desla provincia; assim o communi-
co V. S. para seu conhecimenlo.
Dito ae director do arsenal de guerra. Deferin-
bre que ver>a sua informarn n. 212 de 18 do
correnle, autoriso V. S. a mandar admitlr nacom-
panhia de aprendiz.es desse arsenal quando houver
vaca, o menor Augusto Lopes d'Assumpeo, so-
brinbo da supplicanie, urna vez que esta sati>faea
as disposic,5es do art. V de rgulamcnlo de 3 de
Janeiro de 18'i2.
Dito ao mesmo.rontrate V. S. com o dono ou
mestre du biaie Sergipnno a conducraodo capitio
do exerena Antonio Murena de Castro Delgado,
jiif desUM para o presidio de Fernando, bem ro-
mo da familia do mesmo capilo coinposta de mu-
llier e quatro lilhos, dos quaes dous sao meno-
res.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.De or-
dem de S. Exc. o Sr. vice-presidente da provincia,
renetto incluso o decreto peloqual foi promovido
c icrivo de lerceira classe o escrivao extranu-
mei ano Augusto Jos Goncalves Lessa, afim de
que V. S. se sirva de mandar entregar-lh'o.
Despachos do dia 19 de Janeiro de 1864.
Requerimentes.
Elisario Gomes de Mello.Informe o Sr. juiz
municipal do lermo de Cimbres.
Felismina Claudimira de Mello Lins.-Remetlido
ao ir. director geral interino da inslruccao publica
para altender a supplicanie nos termos de sua in-
formaco de 18 do corrento, sob n. 9.
Flippe Jos Raimundo.-Informe o Sr. capilo
do t orlo.
Tinento Guilhermino Paes Barrete Dirija-seaa
Sr. "ommandante superior da guarda nacional de
San o Anlo c Eseada.
Hsliodoro Ffrnandes da Cruz.-Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Jcaquim Pedro da Rocha Pereira.-Remetlido
ao f r. director goral interino da inslruccao publica
para altender ao supplicanie nos termos de sua n-
forntacao de 18 do corrente, sob. n. 11.
Jis Joaquim Dias Fernandes. A vista da in-
forniaco do commandanto da canhoneira datada
de hoje, nao tem lugar o que requer o supplicante.
Luiz Antonio Duarte e outro. -Dirija-se ao Sr.
tenente coronel commandante do 2." balalhao de
artilharia da guarda nacional do Rio Formoso.
Manoel Pereira das Neves. -8 supplicante pode
pro\ar a isenco legal de seu fllho dentro do prazo
de 2 niezes de que Iratao artigo 23 do regulamento
do l.'demaio de 1858.
Minoel Francisco Machado de Araujo c outros.
Informe o Sr. juiz de paz do primeiro districto
da f-eguezia do Pao d'Alho.
li; charol Pergentino Sarava de Araujo Galvao.
-Rimetlido ao Sr. director geral interino da ins-
truei o publica para atlender ao supplicante nos
termos de sua informacao de 18 do corrente, sob
n. 10.
Rutina Maria da Paixao.Espere que haja vaga.
TIlereza Alves da Silva.Informe o Sr. prove-
dor ila Sania Casa de Misericordia.
Virgilio Vieira da Costo Pinto.Nao tem lugar.
Virgilino Jos de Almeida Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
UOMMASDe DAS ARMAS:
Quarlel general do comioando das armas de Per-
imbueo, na cidade do Recife, 21 de Janeiro
de 1801.
Ordem do da n. 289.
O general commandanto das armas, faz certo
para os flns convenientes, que se apreseniou no
dia 19 do correnle, vindo da corte, e licou reunido
ao 9o balalhao de infamara, a que pertence, o Sr.
tenente Roberto Ferreira da Costa Sampaio ; e que
appn vou o engajamento que no referido da 19
contrahio para servir por mais seis annos, nos ter-
mos lo decreto e regulamento do ldeniaio de
1858, precedendo nspeceo de saiide, o soldado da
1* co npanhia do 7 balalhao da mosma arma, Joao
Francisco da Cruz, conforme participou o Sr. com-
mandante interino, em offlcio n. 65.
asignado.Solidonio Jos Antonio Pereira do
Lago.
Conforme.Jos Ignacio de iledeiros Reg Mon-
tero, capito oncarregado do detalhe.
Rio ii: JVMIIIO.
ASSEIBLEA GERAL
SEI\AD0.
ACTA DE Si OE JANEIRO DE I8I.
Presidencia do Sr. visconde de Abaet.
As II huras da manha, felfa a chamada arha-
ram-io presentes 20 Srs. senadores, faltando rom
raus:. partiripada os Srs. barao de S. Lourenro, ba-
rao te Quaraim, Candido Baplist.n, Candido* llor-
;
I ges, '.arneiro de Campos, Dias Vieira, Fernandes
Torrts, Souza Queiroz.Vianna.Sininb, Prannos,
Dito ao mesmo.Tendo o governo imperial per-' Nabu?o, marquez de branles, marquez de Olin-
TERCEIHA SESSAO EM 7 DE JANEIRO DE 1864.
Presidencia do Sr. visconde de Abael.
As 11 horas da manha, romecandose a fazer a
chamada e anles de (indar a mesma, arham-se pre-
sentes 30 Srs. senadores, c o Sr. presidente abre a
sessao.
Lidas as actas de 4 e 5 do mez corrente, sao ap-
provadas. Comparecem no decurso da sessao
mais dous Srs. senadores.
O Sr. secretario d conta do seguinte
EXPED KNTK.
Un requerimento do Sr. senador barao de Qua-
raim, pedindo prorogaeao de licenra por mais um
anno, para tratar de sua sado na Europa.
Outro do Sr. senador Ferraz, pedindo brenca
para continuar a estar na Europa al abril do an-
no correnle, por nao terem anda cessado es seus
incommodos.
Outro do Sr. bario de Maroim, pedindo licenea
para conservar-se na Europa por causa de seu
estado de saiide, qu*e o inhibe de comparecer s
sessoes do corrente anno.
Outro do Sr. visconde de Jequitnhonha, conten-
do igual pedido.
Outro do Sr. visconde de Maranguape, pedindo
lirenca por um anno para ir tratar de sua sade
na Europa.
Vo todos commissode constituicao.
Tres offlcios do ministerio do imperio, acompa-
nhando um dos aulographos de cada urna das re-
solucoes da assembla geral, que approvam as se-
guintes pensos annuaes: de 8005 a D. Mariana
Ricarda de Menezes Daltro e Castro, viuva do juiz
de direilo Claudio Manoel de Castro; de 300 ao
3 escripturano da alfandega da corte Luir. Gon-
zaga de Andrade e Almada; e de 504 a D. En-
gracia Alves Pereira Titara, viu/a do major do
corpo de estado-maior de 2* classe Ladislao dos
Santos Titara, sera prejuizo do meio sold, que ja
percebe : as quaes S. M. o Imperador consenie.
Vao a archivar-se, participando-se cmara dos
Srs. depulados.
Um offlcio do ministerio da guerra, acompanhan-
do um dos autographos do decreto da assembla
geral que concede ao dito ministerio o crdito sup-
plemeniar de 410:000,8 para o exercicio de 1861
1862, no qual decreto S. M. o Imperador consen-
te.Tem o mesmo destino.
Dous offlcios do ministerio da fazenda, acompa-
nhando um dos autographos de cada um dos de-
cretos da assembla geral, o que abre ndito mi-
nisterio o crdito supplementar de 637:7035455
para o exercicio de 1861 1862 ; e o que orea a
receila e lixa a despeza do imperio para o exerci-
cio de 1863 1864 : nos quaes decretos S. M. o
Imperador cnsente.Tem o mesmo destino.
Tres offlcios do ministerio do imperio, declaran-
do licar inteirado S. M. o Imperador das pessoas
I eleilas para a mesa do senado em maio de 1863 ;
| e assim o governo do fallecimento do conselheiro
conego Geraldo Lete Bastos, ofllcial maior da se-
cretaria do senado; bem como de haver a dita
mesa nomeado a Angelo Thomaz do maral para
o substituir, entrando inmediatamente em exer-
cicio.-Fica o senado inleirado.
Dous offlcios do ministerio da fazenda, arompa-
nhando o mappa n. 654 das operarles de substi-
tuido do papel moeda no mez de abril da 1863 ;
e fazendo observar o modo de se calcular o ven-
cimento de cada memoro do senado.A' comrais-
sn de fazenda.
Dous offlcios do ministerio da guerra, acompa*
' nhando um exemplar da proposta de flxacao de
j torcas de erra para o anno de 1864 1865; e um
do relatorio da dita repartico, lido na cmara dos
Srs. depulados em 1863.A' commisso de mari-
nha o guerra.
Um oflcio do Sr. Antonio Manoel de Mello, par-
ticipando que por decreto de 12 de maio do anno
prximo passado bouve por bem S. M. o Impera-
dor noinca-lo ministro e secretario de estaco dos
negorios da guerra, em substituirlo do Sr. briga-
deiro Polydoroda Fonseca Quinlanilha Jordn, que
por decreto de igual data fra exonerado da judie
cargo. Inleirado.
Um olllrio do ministerio da guerra,acomjianhan-
do um exemplar da proposta da Duelo das torcas
de trra para o anno finanreiro de 1864 1865.
A' commisso de marinha e guerra.
Um offlcio do 1* secretario da cmara dos Srs.
depulados, arompanhando a proposicao da mesma
cmara que approva o contrato celebrado pelo mi-
nisterio do imperio com Joo Carlos Pinto, em
data de 4 de abril de 1859, para a navegarn por
vapor entre o porto de Montevideo e o do Sallo, e
I entre o da Constituipao e o de Uruguayana, na
provincia do Rio Grande do Sul.A imprimir pa-
ra entrar na ordem dos trabalbos.
Um requerimento de varios cidados morado-
! res em Uruguayana, da provincia do Rio Grande
do Sul, pedindo ao senado que adopte a dila pro-
I posic,o ; outro no'mesmo sentido dos moradores
I da nova povoacao do Rosario, na cidade de Ale-
i grete, na dita provincia. Tres rejiresentacSes no
i mesmo sentido, das cmaras muniripaes de Iraqu,
Uruguayana e Algrete, da mesma provincia ; e
iguaes representarles das cmaras municipaes de
Sanl'Anna do Livramento, do Passo Fundo e da
villa da Cruz Alta, e das cmaras municipaes de
Bag e S. Borja, da dita provincia.A' commisso
de emprezas |>rivilegiadas.
Um offlcio do secretario da cmara dos Srs.
depulados, communicando quaes os membros elei-
tos jiara a mesa da dita cmara em maio de 1863.
Inleirado.
Oulro do mesmo secretario, fazendo igual com-
municaco dos membros eleilos para a mesa que
deve servir no presente mez.Inleirado.
ORDEM DU DIA.
Continuando a nomeafo das enmmissoes, corre
o escrutinio, e sao eleilos para as de
Estatistica, catechese e clunisac.ao.
Os Srs. Jos de Araujo Ribeiro com 17 votos,
I). Manoel de Assis Mascronlas rom 10, e Ma-
noel Teixeira de Souza com 10.
Aisembtas provmciaes.
Os Srs. visconde de Uruguay com 22 votos, Jo-
s Thomaz Naburo de Araujo com 20, e Antonio
Luiz Dantas de Barros Leite com 19.
Segne-se a 1* discusso do parecer n. 1 da me-
sa, expondo e justificando a nomeacao de Angelo
Thomaz do Amaral para o lugar de offlcial-maior
da serrelaria do senado, na vaga do conselheiro
Geraldo Lette Bastos.
O Sn. Dantas pede que se Ihe mande a proposi-
cao que passouem 1862, autonsando a mesa para
organisar, distribuir e flscalisar o serviec da se-
cretaria ; e eimjuanto nao salisfeito faz algumas
observarnos.
Enlende que o regulamento quo resullou dessa
auloi sarao envolve reforma de alguns (ionios do
regiment, e altera a pratira de quarenla annos,
segundo a qual a mesa, no raso de vaga de algum
emprego da secretaria, propoe a pessoa que julga
mais apta para preenrhe-lo, e ao senado cab ap-
provar ou nao.
O Sr. Presidente :Como acontece agora.
O Su. Dantas calende que >o, jorijoe a mesa
nomoou o olllrial-maior, mandou-o entrar en
exerririo e incluir em folha ; e tsto poe o senado
em embarazos, porque nao est Je ;iccordo com o
que sojipre se tem jiraticado.
Julga, porianto, mais conveniente que se adi o
parecer sobre a nomeacao do ofiicialmaior, e que
se trale de preferencia do que relativo ro regu-
lamento da secretaria.
Al agora ouvia dizer que o senado era a mesa,
a mesa era o presidente, e o presidente era o go-
verno. Sempre pensou que islo era satyra ou
epigramma ; mas hojevque verdade. Depois
de novo regulanunlo, o senado o presidente t o
offlcial-maiur.
O senado,linha um regiment liberal; era a de-
mocracia na aristocracia; por pouco que as cou-
sas continen) como vo, e em vista ila condescen-
dencia do senado, as suas attribiiicoes iro Ma-
sando todas para a mesa, e elle fleark reduiido a
urna caricatura.
O que o senade approvou em 1862 foi o se-
guinte :
A mesa autorisada :
1. Para organisar, distribuir e fiscalisar,
por meio de regulamenlos especiaes, que peder
expedir e mandar executar desde logo, o servico
da secretara, archivo e bibliotheca do senado, bem
como o do salo e galeras, mantilla a disposigo
do art. 50 do regiment, dependende, porm, de
previa approvaco do senado qualquer alterado
no numero dos empregados enos seus vencimenlos.
1* Para conceder, no intervalto da sessao,
licenea aos empegados que requen rem, com a
totalidade ou urna parte smente dos vencimentos.
g 3. Para, no intervallo da sesso, tornar ef-
fectivas, antes da deliberaco do senado, as pro-
posias a que se refere o art. 147 do regmeuto, e
durante a sessao, nos rasos de urgenria.que deve-
r ser motivada as niesmas propostas.
Entendeu-se que,urna vez que a mesa nao alte-
rava o numero e os vencimentos do empregados
estova autorisada |>ara fazer a nomearao de qual-
quer delles no intervalto da sessao ; mas se assim
fosse nao teria Jugar o 2, que julgou indispen-
savel autorisacao expressa para que a mesa dsse
llcenfa aos empregados no intervailo das sessoes,
O que mais? O direito de nomear o emprega-
do ou o de dar-lhe licenea ? Do certo que o direi-
to de nomear : ora, se para as licencas foi preciso
auionsago expressa, como se pode concluir que
para a uomtacao nao haver necessidade de auto-
risacao alguma ?
Na sua opinio o senado nao poder ser bem
servido desde que os empregados souberem que s
da mesa dependen).
Nada diz sobre o individuo nomeado offlcial-
maior. A queslo para o orador nao de pessoa,
de principios; isto saberse se a mesa tem a
attrihuicao de nomear o empregado, manda-lo
entrar logo em exercicio e iucluir em folha, e s
depois de ludo isto frito perguntar ao senado,
quando mais tarde se rene, se approva a no-
meacao.
Esta maneira de proceder poe os senadores em
coaeco.
Sent 1er de fazer estas considcracfcs a respeito
de actos do Sr. presidente. Urna das maiores hon-
ras que tem ser membro de urna cmara a que
pertence o Sr. presidente; mas desejava que quan-
do S. Exc. deixasse a presidencia pudesse dizer
aqui vos entrego a cadeira, com todas as vossas
alirbuicoes.
Em concluse, acha melhor que primeramente
se trate da discusso do regulamento da secreta-
ria ; se este for approvado, como o orador suppoe
que ser, estar resolvida a queslo da nomeacao
do offlcial-maior, que foi feila de accordo com esse
regulamento.
lido, apoiado e posto em discusso, o segrale
requerimento :
Requeiro que se discuta o regulamento da se-
cretoria apresentado pela mesa, anles da approva-
co do offlrial-maior.
Paco do senado, 7 de Janeiro de 1864.-Dan-
tas. >
O Sr. Sii.vf.iiu da Motta acompanha o nobre
senador em al urnas das observarles que fez em
apoio do adiamenio ; mas discorda da concluso
que tirou.
A mesa, sujeitando approvaco do senado o
seu acto que deu lutrar aos reparos do nobre se-
nador, reduzio-se a fazer aquillo mesmo que eslava
obrigada a fazer independentemenle do novo re-
gulamento.
No intervailo da sessao fez a nomeacao do offl-
cial-maior ; deu parto da nomeacao ao senado, e
espera a sua approvaco. Quo differenca ha, em
rigor, entre este procedimento c o que o nobre se-
nador approva? O orador nao v nenhuma.
Disse o nobre senador que o nomeado entrou em
exornan e em folha. O que se segu que a no-
meacao foi interina.
Mas accresce que a mesa, pela proposicao que
passou, eslava aulurisada para mais alguma cousa
do que o regiment a aulorisava antes disso ; as
restriccoes postas forain s quanto ao numero e
vencimenlos dos emjiregados ; pelo que respeita
maneira da nomeacao destes, eslava autorisada
para resolver o que fosse melhor, e por logo em
execuco.
sx vista di -lo, torca concluir que digno de
approvaco o acto da mesa, e, por tanto, que nao
lera lugar o adiaraento.
Nada lera a nomeacao feita pela mesa com o que
por ventura se possa legislar de agora em dianle
sobre nomeaces de entregados da casa. A lei
que su tem de fazer nao tem nada com o caso an-
terior ; nao pode ser retroactiva, o o sena se vin-
gasse a idea do nobre senador.
Se alguma cousa se tivesse de remediar, cm lu-
gar de conseKuir-se isso com o adiamento, este s
jiodia conduzir a alguma incoherencia. Acha, pois,
que o nico meio regular de decidir esta queslo
tratar-se primeramente do parecer sobre a no-
meacao do ofllcial-maior, e depois discutir-se o re-
gulamento da secretaria.
Assim, vola contra o adiamento.
U Su. Dantas diz que o nobre senador nao est
ao faci da queslo, e que esta le principios ;
do que se trata de sabor se a mesa podia, em
virtude da aulorisaco que leve, nomear um em-
pregado, manda-la incluir em folha e entrar em
exeroirio, e s dejwis disto perguntar ao senado se
dava a sua approvaco ?
O regiment da rasa nao trata da nomeacao de
empregados ; mas pela pralica de 40 annos tem-se
enteudido que ludo aquillo que o senado nao dele-
gou mesa reservou para si. A mesa faltou a
esta pratira; noraeou o offlcial-maior, mandou-o
entrar em exercicio e incluir era folha, e s depois
sujeiion o seu arto approvarao do senado.
Para isto flrmou-se era prinripio consagrado no
regulamento que deu para a secretoria ; jor tanto,
parece mais rasoavel que anles de ludo se trata da
discusso desto regulamento. Approvado ello, es-
taro arahadas todas as duvidas. Mas nao se diga
neni que o regiment, era que a autorisacao quo
passou habilitaran) a mesa para proceder como
procedeu.
At hoje, para fazer-se a reforma de qualquer
artigo do regiment, era queslo que punha em
campo os partidos, o a que se ligava grande im-
portancia ; o orador julga, por tanto, que tem razu
para admirar-sc de sor a sua voz a unir que so
ergue rontra rsto regulamenlo, que altera em lau-
tos pontos o regulamento do senado !
Posto o requerimento a votos, rejeitado.
Sem mais debate o parecer approvado para
passar a segunda disrusso.
Eutra era discusso o parecer n. da mesa, cx>
pondo os motivos por q.ie rontralou com a em-
prea do Corren UerantU* puMieacSo dos deba-
es o a improssao dos annaes do senado as sessoes
do rorrete anuo.
E approvado.
Entra finalmente cm discusso o parecer n. 3 da
mesa, expondo como proceden na ortanisacSo do
regulamento de 15 de dizembro de l6i para o
servido da secretaria do senado.
O Su. Fauna Pena emende que, por tor sido
a mesa autorisada a por Jesde logo em execuco a
parto do regulamenlo que nao entendesse com o
numero e vencimentos dos empregados, era por
isso licou o mesrno regulamento isento de depender
de approvaco do senado.
De mais, imjiorlando nlguns arligos do regula-
monto a alteraco de oulros do regiment da casa,
fra de duvida, vista do ultimo artigo do mes-
rao regiment, que o regulamenlo deve passar por
tres discussocs
Assim, nao se conformindo com a concluso do
parecer, que manda archivar o regulamento, offe-
rece um requerimento para qne se proceda na for-
ma da disposico linal do regiment.
E lido, apoiado, e sem debate approvado, o se-
guinte requerimento :
Requeiro que o novo regulamento organisado
pela mesa seja discutido na fnna do artigo linal
do regiment interino do senado, 7 de Janeiro de
1864. Ferreira Pena.
Continua a discusso do parecer e regulamento.
O Sr. Dantas sabe que este regulamento ha de
ser approvado ; mas por desencargo do conscien-
ca, e mesmo para despertar a attengo de alguns
nobres senadores que ainJa nao tveram lempo de
o ler, far breves observacoes.
Acha inexequivel as disposicoes relativas ape
sentadoria dos empregados da casa. O senado
nunca se julgou cora o direitodo dar aposentado-
nas por acto seu para isto precisa a interven-
co do jioder legislativo.
Ouira diposicao que nao estaas attnbuiroesda
casa a que jiassa para o Ihesouro os emolumen-
tos cobrados na secretaria do senado. Duviia que
sejam ali recebidos sem q ne haja lei que assim e
ordene, e isto causar embaraeos s partes que
precisarem de cerlidos.
Acha m a orearn de varias classes de empre-
gados, como primeiros e segundos ofliciaes e ama-
nuenses. Entende que convera que continuo a
existir urna s classe de ofliciaes, e que o offlcial-
maior disiribua o servico como melhor convier.
Tambera aeha innvemete que as vagas de
segundos ofliciaes se possam admiltir pessoas de
fra em concurrencia com es amanuenses ; isto ha
de desgostar os emprrgacos.
Considera insignificante o vencimento de 900J
para os amanuenses. Nao haver quem esteja as
circumsiancias de desempenhar esse lugar, e que
possua principios e habih aces para depois rhe-
gar a offlcial e offlcial-maior, que queira prestar-
se a servir um emprrgoque d 753 por mez, come
ganha ahi qualquer cocheiro de tilbury.
O orador faz anda algumas observacoes sobre
outros pontos do regulamenlo.
Nao bavendo mais quem lenha a palavra, e nao
podendo-se votar por falta de numero sufllcente
de senhores senadores para formar casa, llca a
discusso encerrada.
O Su. Presidente d para ordem do dia :
Votaco sobre o parecer, cuja discusso fieou
encerrada ; ultima discusso da emenda do Sr. Fer.
raz, oflerecida na terceira discusso do projeclo
cerca dos vencimenlos des empregados da caixa
da amortisaco, cora o parecer da commisso de
fazenda e tabellas respectivas.
Le vantou-se sessao una hora da tarde.
CMARA DON SEXHORES
DKPUT1DOS.
NONA SESSAO 1'REPARATOIIA EM 23 DE DEZEM-
BRO DE 1863.
Presidencia do Sr. Zacaras.
s 11 horas da manha, i'eiaa chamada, achan-
do-se presente numero sullicieute de membros,
abre-so a sessao.
L se e approva-se a acia da antecedente.
O Su. I Secretario declara que se acha sobre a
mesa, e vo s respectivas coininisses, os diplo-
mas dos Srs. Joaquim Dellino Ribeiro da Luz, Eva-
risto Ferreira da Veiga e Agostinno Jos Ferreira
Brotas, depulados eleilos pelo 5 districto da pro-
vincia de Minas-Geraes; e o de Manoel Joaquim
da Silva, peto 4" do Rio de Janeiro.
ORDEM DO DIA.
KLElg\0 DE MINAS-GERAES (Io districto.)
Enlra em disrusso, e approvado sem debate
em todas as su is coucluses, o parecer da 4* com-
misso de poderes sobre as eleieas do 1 districto
da provincia de Minas-Geraes.
O Sr. Presidente declara depulados pelo referi-
do districto e provincia os Srs. Francisco de Paula
da Silveira Lobo, Francisco do Paula Santos e Ma-
noel de Mello Franco.
eleiqAo de rERNAMBi<:o. (2a districto).
Entra em seguida era discusso, e igualmente
approvado sem debato em todas as suas conciu-
sdes, o parecer da 2* commisso de poderes sobre
as elfioes do 2 districto di. provincia de Pernara-
buco.
O Sr. Presidente declara deputados pelo dito
districto e provincia os Srs. Antonio Alves de Sou-
za Carvalho, Antonio Coellio de S Albuquequer
e Silviuo Cavalcanli de Albuquerque.
Ki.EigAO da baha. (3 districto.)
Entra tamban era disrussn o|iarecer da 3" com-
misso de poderes sobre a eleiyo do 3 districto da
provincia da Babia,
O Sr. Tavahes Bastos levantase para requerer
o adiamento da deciso das eleiees de ayr, Je-
quirica e Jaguaripe. Hecorda os precedentes da
casa, segundo os quaes licito demorar o conheci-
inento definitivo do processo eleitoral de uina fiv-
guezia ou collegio, que, nao elfeetando ao resulta-
do geral do districto sejam impugnadas. Diz que
isto da-so a respeito das parochias mencionadas ;
que o fundamento invocado pela Ilustre commis-
so, para a anniillaeoda primeira poder ser con-
trariado por documentos, que se bao de exhibir op-
porlunaraente ; o observa que alealidade das duas
outras freguezias dependo de se conhecer melhor
o modo por que se organisain as respectivas mesas
eleitoraes. Pondera, tinalimnte, que a preoipitaco
dos surcessos eleitoraes nao pernullia aos inleres-
sados colherem com rapidez as provas indispensa-
veis, que eram offerecidas cmara depois da en-
trada do primeiro paquete do norte. Assim, pois,
ousa rogar cmara o adiaraento a que se re-
fere.
Vera mesa, lida, apoiada, o entra conjur, M-
mente cm discusso a seguinte emenda :
< Que se ade a deciso sobre o julgamento das
eleicoes das freguezias de Cayr, Jaguaripe e Je-
quirica. Tarares Bastos.
O Su. AitisTioEs Louo :Sr. presidente, eu de-
claro anles do tudo, que ora materia duvidosa,
quando ha complicaco em qualquer oloirao, a mi-
aba opinio sempre pelo adiaraento.
Pona proMOtea varios documentos 3 com-
misso de poderos, e ella examinando-os, nao podia
doixar de proferir era o seu jiarecer o juizo que
proferio.
O Su. Justiniaso Maditreira :Apoiado.
1) Su. Aiiistides Lobo : A eleicodo Cayr,apre-
ciada om faro itosdomnenlos unlla.eevidentemen-
te milla porque desses documentos consta que era
inqiossivel que se tivesse eito a 3'chamada dos
otantes. O collegio 'eleijoral achor-se era eslado
de sitio e perianto ga iniposibildade de concluir
os sU trabalhos.
Lm virtud* disto a commwso opinou, eomo de-
via opinar, peta1 nulbdade drrto roltog. Ma po-
dan haver outros documentos- que mai oo meas*
contraran a evidencia deste r rnta vaeiUar e jui-
zo da cmara. OOOMrHM OSHfVCfO ornea BobfT
collega o Sr. lavares Bastos, e- OOSM isso taivez
possa inlluir milito ne resultado testa etesrjla
alias em nada prejudia o reconhc:ini-i !
I didatos dalos, eu nao duvido afeitar a emenda
ou requerimento de adiamento do aaeu nobre eol-
lap.
O mesmo se d a respeito da eleiro de Jequr-
rf .
Consto que bouve mpugaaro de ura dos eleilo-
j res por liarte de um dos membros da mesa, e essa
impugnado baseava-se era que um do eleit
nao eraijualilicado ; entretanto foram [.rsenles
commisso de poderes documentos dos quaes se da-
duz quo esse elettor se achava incluido na lista
| dos votantes.
Em vala pois, destes documentos, a comnusso-
^ entendeu quedevia ser considerado valido este elei-
j tor, legitimo em seu couceito.
Tadavia a respeito desla eleica prevalecen) a
mesinas razos que ua de Cayr, e eu nao duvida-
! re aceitar tambera a segunda parte da emenda de
adiamento do mea nobre collega, jiorquu entendo
que em materia duvidosa devo-su decidir depois do
mais maduro exame para que a juskea nao seja
prejudicada.
O Su. Casimiro Madireir :Sr. presidente, en-
! tendo que ua verilicaco de jiodorcs a uullidade das
eleiees primarias inllue na nulbdade das secunda-
rias, iullue na legiliraidade dos diplomas que rece-
j bemos.
Pela minia parle declaro que nao aceito o des-
pacho de depuladopelo raeu districto, dado pela ca-
' mar ; aceito o mandato dos eleitores se ella reco-
nheoer que a niinlia ehcao c inleiramente legi-
! tima
Nao vejo, pois, necessidade de se adiar a appro-
I vaco das eleiaoM, apressando-se o reconbecirnen-
, to dos depulados ; nao quero ser roconhecido de-
i pulado sera que o paiz esteja convencido plena-
mente de que fui legitima, espontanea e Uvremente
eleito.
Uma Voz :A sua eleico nao depende da vota-
yo desta freguezia.
O Sn. Casimiro Madcreiha :Mas eu acho tam-
bera que a casa nao tem rauta necessidade de mi-
rilla presenca aqui com um diploma duvidoso.
Pois a cmara que nestes dias tem reprovado
duplcalas, e as tem tambera approvado, tem neces-
sidade de adiar a discusso da ulilidade da eleico
de uma freguezia que a mesma commisso diz que
da propria acia dessa eleico clandestina se conhe-
ce a falsida,: e e uullidade del la 1
Tan acamara necessidade de adiar a approva-
co ou discusso da eleico primaria da Ara, do
rollegio de Jequric, quando a commisso diz que
a falta que se impula ao tenenie coronel Jos Duar-
te, subdelegado da freguezia, de nao ter sido in-
cluido pola junta de qualilirac.no na lista de volan-
tes que organisou, nao se deu, e que mesmo quan-
do isso assim fosse, em nada influira na verdade
da eleiro, porque o voto de uma nica pessoa que
entrou na roinposico da mesa, nada influa T
Se anda ante-honlem, a respeito da eleiro do
collegio de Pianc da Parahyba, lendo 15 elei lores
protestado contra a eleico da freguezia da Con-
cejero, por ter Jeito parle da mesa parochial um in-
dividuo que nao eslava qtialicado, a commisso
declarou que isto em nada influa na eleico, e a
casa approvou esse parecer, como que hoje a res-
peito da eleico de Jeqniric porque o tenente-co-
ronel e subdelegado da freguezia entrou na mesa
parochial ha de se considerar nulla, se elle apre-
sentou a propria acta do conselho municipal de re-
curso que no raez de abril o mandou qualiicar e
ajiresentou a certido do livro daqualiiirae) e da
lista supplementar onde se acha contemplado cora
o numero de 1,500 e tantos, sendo o ultimo quabti-
cado votante J
Pois crivel que relativamente a uma eleico
primaria feila em agosto e a secundaria em setera-
bro, estando nos em dezembro, os seus impugna-
dores, e iinpnguadures que sao da maioria offlcial,
nao tenhaui arada at agora apresentado documen-
to algum que prove a sua nullidade 1
Eu respeito o parecer da commisso e por qne -
rer respeita-lo quenooppuz duvida alguma.
era adiamento; mas tambera tendo-se requerido
adiamento da eleico de urna freguezia que nao foi
contestada, observo que a cmara nao pode appro-
var a eleico de lbeos, igualmente clandestina e
falsa como a de Cayr, coutra a qual o povo todo
daquella villa protestou e jiola imprensa publica,
os seus protestos, e represenlou ao Sr. presidente
da provincia, cujo tcsierauuho eu invoco para que
i diga se nao recebeu essa reprosentai;o, e se at
nao mandou chamar capital o juiz municipal eo
juiz de direito para Ihe darn ntorinaces a este
respeito.
{teste raso pedirei ao Sr. prssidente da cmara
que admita um adiamento para approvaco das
eleiees de todas as freguezias que foram contesta-
' das, adiada por consegrante a verilicaco dos po-
: deres, porque eu nao tenho interesse, nem mesmo
desojo serdeputado, havendo duvidas a respeito da
i minha eleico, nao oslando verificada como deve
! ser, porque a imjiortante vanlageiii do systema re-
presentativo que nos apresentemos aqui com os
, diplomas limpos de toda a susjieita, de toda a
; duvida.
Tamban a respeito da eleico da freguezia de
; Sainaren) o Sr. presidente da provincia mandou
fazer um exame no livro da qualificaco, por ler
' denuncia do juiz de paz de que elle eslava falslli-
' cado. Nao sei que resultado houve.
Quanto freguezia de Nazareth, ha om protesto
na acta que tambera se publicou na imprensa, do
! major Antonio Leite Ribeiro, que senda membeo
da mesa, o tendo-se retirado d'ahi por incommoda-
do em virtude de ura barulho proveniente da con-
testarn que o delegado c juiz municipal tveram
dentro da igreja cora um cidado, e vollando no
dia seguinte a tomar assenio na mesa, a minora
nao o quiz mais receber.
Eis aqu um elcilor eleito para a mesa parochial
repollido de fazer parte dessa mesa, por violencia
da maioria.
Eu aeiiava melhor que todas estas questoes fos-
sem discutidas hoje; mas se ha uma poca pela
qual se espora, por ser isto conveniente a uma
certa hypothese, ento sejam adiadas todas as elei-
coes para essa occasio.
Por consequencia, se passar algum adiamento,.
proponho que sejam adiadas todas as eleiees con-
testadas deste districto, porque nao considero leg-
timos as diplomas sem e-taran todas as eleicoes
apuradas; e ueste sentido vouofferecer uma emen-
da ao adiamento.
Vera a mesa, jida, apoiada, e entra conjuncta-
mente em disrusso a seguinte emenda :
Se passar o adiamento proposto sobre a eleico
da freguezia de Cayr, fique adiada a approvaco
do collegio de llhos e das freguezia rosj>eclvas, do
collegio de Nazareth e das freguezias respectivas,
e da freguezia de Santarm.-C. Madttreira.
O Sn. Tavares Bastos : Sr. presdeme, as pon-
derac,drs que acaba de fazer o honrado mimbro
pela Baha nao me parecen) to conrludentes como
a elle se afiguraram; se a cmara nao tivesse ob-
servado com inuilo senso a regra de adiar a deci-
1 sao do urna ou outra frogoezia, que nao inllue no
resultado total; se a regra adimilida nao fosse
demorar o julgamento de eleicos que, pareeeodo
defeituosas, nao estojara sufJlcientoniento esclareci-
das ; eu acreditara que a proposicao do honrado
depu lado livosse cabimento.
Mas siuila ha pouco, a proposito das eleicoes da


s
Otarlo de Penrantbnc Sexta felra ZZ de Janeiro de me i.
tarificados* npprovauoa a o ii Miembro) [kmt is-
mesado collegiou8o atienden a seiuelhanM
[HUiufto, porque reconueecu que a impuiagito
ran era vordadeira.
Porm. se por essas fliagraimas as eleicoes des-
sas duas (reguezias tlcam adiadas, com limito maior
razio deve tambera litar as das freguezias de Na-
ureth, cujo collegio e de ") eleitorea de Mhos,
que formou un bo logio do 21 eleitores, c a da
Santarm.
E eu rito actos oflciaes que impugnan essas
provincia do Hartnhao, se resallen adiar nlga-
Meato ih umaolelcao sera Influencia no iv-Utado
i do districto. Quando a cantara rolend i que
nao pode deliberar acerca de corlas duvida.- e vi-
cios allegados, isso inuito razoavei.
Basta Hr o milito bem elaborado parecer da
honrada eommissao, para se vef te o fuudMnon-
to invocado para a r.iillidade daclera i do < ayru.
consiste em nao se julgar verosmil a tercern. cha-
mada as condigSes do atropelloecerco em qoc se
diz ler-se adiado a assemblcsi paroehial. Est: Tac-
to, porm, nao 6 lao positivo como lia de i e de- eleicoes, como soja a acia do Nazarcth, onde so
monstrar. E, pois, quando um nombro desn rasa'dcu um |>roteslo de un membroda mesa que foi
lera a honra de affirmar-lhe que documentos I ao da repellide dola forca, o officio do presidente da
appareeeresotarecende a tuesta, nao sai nua rao- provincia, que pode informacoa respeta da falsi-
livo pdc aceiiselhar a iuiraediata apprvncax. lioagao de Sanario, e a representaste des eleito-
AYerea das nutras duas freguwias, acunara res e oOlcins des juas de lbeos.
r>dc ler visto os protestos que se fizerira contra a Agora dcscotsrio-se urna razio para ?e espera-
mnwaofto da nos, por viiiitde *i falta d_- ido- rem <>s eotros depotados da provincia, por estarem
moblado dos mesar: liicios a materia os depurados eleitos pela capital
8 Su. ('.. Mai'i i* ira :Esli engaada da mesma provincia, que alias considerara betn
O Su. Twaius Bastos :Se documentos vierem informados por estarem mais prximos ao mea dis-
catun acerea destesoutros pontos, nao ai por (rielo. Pela presenca destes se espera, segando a
que rano nave ios de pree-i:ar una v..lacio, da doolaraco de um nobTe depulado das .Maguas, que
pial nao depende o ruconltoennento dos deputados disse estar em davina, e que as informagos (|ue
do districto. ulTercccu se lundan no que Iho disseram as pefl-
Portanlo, r-tous sensores, sendo manifestada a soas que lite pedram que toiuasse a si este as-
paridade de -n cumstanci;;:-, nao sei porque : ao se sun pi, e em cujo eavalhoii .-mo se conlia.
ha de applicar ao3distrir.to da Babia o pret 'den- Bu julgava que os deputados de minha provincia
te ainda afora confirmado a proposito das ekicoes se eiicarrogarian desse tralialho ; mas, como se-
llo Maranho. mente os de|iutados do se; lao pedem toma-lo, Ik-o
As nalesadduzidas pelo honrado depulado, para espera dalles, porque son tertanejo e quero ver
que. em vez de um ariamente parcial, seja votado a Yranqucza com que se bao de baver OSSOS cava-
o adiamento total d is elcicoes do districto nao iheiros.
procedem, c sao re-pedidas pelos preceden es da O Su. Aiiistihp- Lobo :Sr. presidente, parece-
tasa, nem teem o rundo do juizo qupanlo (listn- me que devo dar ezpeagoos casa, e ao nobre
gue o honrado denotado; porquanto, dexar le re- menbrn acerca do proco '
conhecer legitimes os diplomas dos enhena de- e sustentando os ediamer
pillados, s porque nina impugnarse se fez a urna,
duas un tres elevos que nao unuem no resulta- do afastando-medo parecer aceei a emenda pro-
do final, nao e expediente ao menos plausitel. 'Fi- posta para ademento da elcieao. Foram presen
nalmente, ea acredito que o honrado membrude tes commissio varios dnrutncntos; e ella adis-
ser lao eom-escndenle a respeito do adamei lo da trida a ellos tinha de proferir um juho une nao se
eleieao do Cayr, como de esperar da sua cx\he- pod a afastar daprova funecida. Mas ha grande
cida' henevoleneia. dilRrenfa entre um parecer que se lavra em face
O nobre deputado sabe que os mais nteresvados de documentos e allegaeoes que se far.em na casa,
naquestaonao se achara presentes ; os horados as qjaes poden) dar motivo a vacila^au do juizo
-memhros deputados pelo circulo da capital nao es- sobre a materia. .
lio presentemente habilitados com documentos I Foi levado por este pensamento que assenti a
acerca
deputad
dous
escrupulosa intenclo de s julgar quande perfeita- tricto da provincia da Bahia ; porque sobre taes
mente esclarecida. I eleicoes nao foram presentes eommissao docu-
Xao ha muita condescendencia da pane do hon- memos de qualquer especie que as pudessera ta-
rado depulado era querer .precipitar jo julgrmen- validar. Era abslrarcao dellese sera que a com-
i da cmara acerca de ires freguezms que nuda missao tivesse noticia de irregulandadc alguma,
influem no resultado peFal, havendo demais nm nao poda propr nem adiamento, nem annullagao
seu collega, que se presa de nao falttrr veriade, dessas eleicoes.
aOirmado que bao de appareeer documento que i O tionrado membro, antes de ter a eommissao
esclarecam essas questoes. (Appoiados) elaborado o sen parecer, pedio-lheuma audiencia,
Por estes motivos, pois, que sem duvida nao entila declaren que a elcieao de libos tinha algu-
oseapara* ao criterio do honrado deputado, creio mas irregularidades, mas que nao eram taes que
que elle sera o primeiro a acompanhar-me na mereressem a pena de seren tomadas em consi-
-onvenieocia de consentirse um adiamentc lao deracao.
razoavei. C Sk. C. Madi-iikira :Que eu nao me eucarre-
llesumindo, pois, Su. presidente, insisto no meu gsva de acensa-las.
requerimento, mas r^;o V. Ec. que permit .i-me i O Sn. Aristides Libo :O nobre membro profe
en 1861, depeU de espererquea caan estivessa
uvada j.i i'.s iilliiim- diasda sessao, fallando com
estudada braudura na presenca d>- amigos que ro-
0 Sn. J. Madi NKiiiA :Proponba o adiamenlo
que nos aceitamos.
O Su. Franco dk Ai.mkida :Para chegar a um
conbeco como muilo lees, fura calar na tribuna e accordo vou apresentar o requerimento de adia-
guardar as injurias c as calumnias para ara-las ment pelo lempo que a nebro eommissao quizer.
sobre mim era forma de nefas ou dorumetitos an- O Sr. J. Madiukiua : Pode designa-lo.
O Sr. Fiian
ttMF evitar prempla e viva respo-ia
No discurso nao ou.-ra, era presenca dos amigos
que tinha nesta cmara, dizercousa alguma que
podosse Herir a minha repulacao.
O Sn. Haioi. :Muito bem.
O Sr. Franco de Almkida :Enlretanto, esse
instrumento de perseguieio, manejando a arma da
pe lidia e da iraicao, contina, segundo me eonsta,
ico i'K Ai Mi-.inv : Al que cheguem
os documentos que se requisilaram, e que cu mes-
mo por mim mandare! buscar.
Releve-me a digna eommissao de poderes estas
observacocs...
O Sn. J. M\ni iiiaiiv : Pois nao.
O Sr. Franco dk Ai.mkida : ... nascida nica-
mente do desojo de nao deitar que as eleicoes do
Para se vao inoculando vicios que poden) ao futuro
do nesme modo que as notas ao sen ja ciuidodis- transtorna-la oompletamonle. (Apoiados.)
curso, a aboranhar quem nao se lembra delle, sal- Vera mesa, lida e apoiada, e entra conjunc-
vo para esmaga lo com o lacio da Iwla. lamente em discussao a seguinte emenda :
Sn. Prisidexte : Peco ao honrado mombro Proponho a anuullacao da freguesa de Capiui
que se limite discussao do parecer. e o adiamenlo da disenssao' sobre a freguezia de
O Sn. Franco db Aluhoa :-Se V. Ese, com- Melgaeo. Franco pii'hendcsse perfeilamente a minha posieo de re- O Sn. J. Maoi iikira :-Levanlo-me, Sr. piesi-
eeniemente aggrcdido com bruladade, reconhece- dente, em defeza do parecer da primeira cominis-
i nao podia deixar de esrolher a primeira sao de poderes que acaba de ser irapugn
na que
imenio que tive votando
utos propostos.
Nao tomei o nobre membro do sorpreza, quan-
presenleraente Habilitados cora uocum mos ro levaoo por esie pcnsamenio que assenu *
rea dos detalhos desta quosl.o ; os senbores emenda proposta pora o vidiamento das eleicoes.
miados da Baha, que devem chegar por sstes Nao entrare! na tonga apreciacio que fez o no-
lis ou tres das, bao de satisfa/.er a casa na sua bre membro acerca de varias eleicoes do 3o dia-
na addiamenio. vilo como est revifreguezias rio um pensamento bem ezpresso acerca da elci-
*le Jequiric e Jaguai ipe era vez >e eottogion, cao de lbeos, no sentido de ser approvada. Por-
Esses collegios tera numero diminuto do eleito- (tanlo parece-me que desde o momento em que o
ros, e poucas freguezias cada um. 'nobre membro lem acerca dessa eleieao seme-
Eu nao posso precisar agora quaes das fri gue- harte opinio, nao devia apresentar a idea do seu
zias delles sao as inpugnadas; peco o adianiento adiamento.
0 meu requerimento, pois, que se adi o jul- bre membro razia um epigramma. Votando pelo
gamento acerca da eleieao da parochia de CajTO e adiamenlo, Sr. presidente, eu era levado por tima
acerca dos collegios de Jaquaripe e Jequirici, ada razao, e nao por um capricho ou fantasa,
ment que no iuflue no resultado liual da el -icae Por conscguinle, se a eleieao eslava regular, e
do districto. tanto que o nobre membro reconheceu que devia
Vm mesa, lida, apoiada e entra tambera em ser aceita, requerer o adiamento deoulras era cir-
Jiscussao a seguinte sub-eraeada: cumstancias diversas nao tinha explicac,ao senao
Diga-secollegiosem vez de freguezi.is de como um epigramma.
Jaguaripe e Jequirie. Tacares Bastot. O Sr. (". Madihkiiia Nunca reconheci; mos-
O Sr. Casimiro Madcrbira : Sr. presidente, trei at \o nobre membro urna representado qus
aao sendo eu um dos vogaes da commissac que veio impressa.
apresentou o parecer; e espirando que ella difen- OSn. AnisTiDEsLoBo :Mas preferio esse juizo-
desse o seu trabalho, nia eslava disposlo para coa- acerca dessa eleieao.
tinuar esta discussao. Mas, como ouvi daqjetle O Sr. C Madureiha :Sempre a tive por falsa ;
banco urna voz dizer que eu lancava um epigram- a esta opiniao eu manifestei ao Sr. presidente da
oa, devo explicar que s se eu tivesse requerido provincia.
adiamento da eleicae oV alguma freguozi;. nfw O Sn. Aristides Loro :Eu tenho bem presen-
contesiada faria um epigramma. tes as palavras do nobre membro, que muito ex-
J dei a razio porque requer o adiamenlo Se pressamente declarou a commissio a sua opiniao
o nobre membro, que julgou ver um epigramma a respeito das eleicoes do 3* districto, especial-
m minhas palavras n3o me ouvio, eu repetrei o mente acerca da eleieao de lbeos, sobro a qual
o que ponderei atim de que ouoa. dJsse que se faziam raputaeoes, mas sem valor ..
Ao Sr. presidente da pnrahMia da Bahia fui di-1 o Sn. C Madlreira :u nao tinha obrigacao
rgida urna representacaa contra a falsidade e clan-1 de acensar, mas deixei em mao da eommissao o
destinidade da eleieao da villa de libos. 'jornal que contlnha ossa representacao.
U Sr._Aristides Lobo : Mas nao foi presente! Sn. Aiustides Lobo:. .. entretanto, Sr. pre-
eonimissao. | sidente, cu nao duvidarei volar pelo adiamento
O Sr. C. Madureira : O Sr. presidente man- proposto pelo nobre deputado, urna vez que ello
iou chamar capital o juizde dircito e o juj mu- assevera existirem irregularidades, porque, como
nieipal do termo, talvez para informaren) acerca j disse cmara, era materia de duvida eu nao
dessa imputacau me se fazia aquella eleieao, bem trepido em votar pelos adiamentos. J tenho vo-
como da aeuuaneio apresenlada contra o juiz d> tado varias vezes ueste sentido, e sempre minha
paz, de baver adiado o acto sem marcar dia para opiniao tem sido que em caso incerto a cmara nio
isuaeontinuacao.com o intuito de faze-k em deve resolver senao muito cautelosamente.
impugnado em
occasiio como propria para tancar ao verdugo dos duas de suas conolu.-oes pelo Ilustrado collega, e
liberaei do Para o mais formal cartel de desalio, Sinlo divergir de sua opiniao, pois desojara poder
com o proposito de obriga-lo a sor fram-- e expli- concordar con os seos desejos.
cito, e nao eakiiiiiiiador as llevas, | u*a que os A eommissao examinou eoin cuidado e atten^ao
Sis. deputados da uaeo brasilein nqnen na cor- escrupulosa que be merece a grave trela da re-
ten de que entre elles se nao seuta ipiem nao soja i ilicaeao de poderes a eleieao do Para, e nao poda
digno de-tas cadeiras. eraiUirjuizo diverso do qu proferio sobre as elei-
Provoco-o, iwrtanto, a que aprsenle agora, que eSes das nacocbJas de Csfin e Melgaeo, nicas en
tenho a palavra no parlamento brastlciro, ludo que o nobre deputado diverge da commissio.
quanlo possa ter preparado e urdido para ferir-rao Na segunda freguezia impugnada, na de Capim,
e aos mciis amigos no Para. s se di acircunwlaneia de nao acnar-se a acia da
Eulrarei na aprociacao do parecer. formaeao da mesa paroehial assignada pelos iiua-
Concordo com a digna eommissao de poderes cu tro niosarios eleitos pelos eleitorcs e supplentes.
1 annullar a eleico da fregnezfa de Chavos, como Est, porm, assignada pelo juiz de paz que a pre-
tamhem a da freguezia de Biijar. sidio, e por todos os eleitores o supplentes que a
Concordo anda con ella quando despreza i* I- orgausaiam, em numero de seis, accresceinlu que
minto protesto que fon apresentado pidos* venci- nao hae n todo o processo da eleieao incidente ai-
dos a mesa paroehial da freguezia de Camela. Nio gura que a pnjudique, e estar a acia da apuracao
1 era de esperar menos da digna commissio de po- llnal, nica que a lei obliga a remetter-se para a
deres senao que aquilaiasse pelo sen verdadeiro vcriQcaco de poderes, assignada pela masa. Ora,
mereeimento esse protesto, anlogos a onlros que sea acta da formaeao da mea est assignada pelo
ja do costme apresentarem sempre aquellos que juiz de paz e por lodos os eleitores e suppleuies que
nao contara com a opinio, e qu: sao derrotados, organisarain a mesa paroehial me perece e pare-
completamente derrolados no campo legal da bala- ceu a eommissao que por esse facto a eleieao des-
Iha eleitoral. la parochia nao podia ser annullada, visto como
Enlretanto, pcrmilla-me a'digna eommissao de essa falla est supprida pulas assignaturas das pes-
i poderes que nao concorde na approvaco das elei- soas competentes que organisaram a mesa, e em
des das freguezias do Capim e Melgaeo. numero superior aos mesarios. Creio ter assim
A eleieao de Capim nao me parece regular, por- justificado commissio e patenteado o acert de
que a acia da formaeao da mesa nao est assigna- seu juizo sobre osla ijuestio, que nio carece de
da pelos mesarios est lmente assignada pelo largas considerandos.
juiz de paz, pelos eleitores e peles supplentes, quan- O Su. Franco" de Ai.meida :Nao insisto mais.
do os quatro mesarios nao pe tenoain era tur- O Sn. J. Madi reir : Se o nobre deputado, ra-
ma dos eleitores, nem dos supplentes. zoavel romo nao insisto mais sobre este ponto,
Parecc-mc, pois, que por este motivo devia tam- passa-ei ao outroque igualmenteimpuguou naelei-
bem ser annullada. ci da freguezia de Melgaeo.
Quanto. porm, freguezia de Melgaeo. insiste Queria o meu honrado amigo que fosse annulla-
em que ella nao pode ser approvada, porque, per- da a eleicio de Melgaeo, fundando-se para isso no
mitta-me a digna commissio de poderes dizer-lhe, protesto inserido na acta daapurafao, e a coinmis-
os fundamentos do seu parecer nao combinan) cora sao fundada nesse mosmo documento, nao podia
os documentos que Ihe foram apresentados. aconselhar senao a sua approvagao, pois, almdes-
Peco a annullaeo da eleieao primaria de Melga- se protesto, nem um doeumeuto existo quo possa
co, porque votaram muitos cidadaos indevidamen- fazer vacillar o juizo enntlido pela eommissao.
le, porque foram excluidos muitos outros de votar, Esse protesto, assignado por Si individuos, ac-
estando qnalitlcados, porque se commeueram ootros cusa a eleieao de vicios, abusos, irregularidades e
j abusos e irregularidades. O protesto a esteres- excessos; mas nio define, neur parlicuiarisa a na-
' peito apresentado mesa paroehial, diz a digna turen dessas iinutitacoes.
; commissio, foi impugnado pela maioria da mesa. Foi alera disso conlraprotestado o protesto, e fo-
Aqui est o seu engao : o protesto ao contrario ram negados os factos que o protesto denuncia co-
foi sustentado como passo provar. mo existentes, salvo quanto ao facto de nio com-
Tratando 0 protesto de varios pontos, neluio um binar o numero das cdulas recebidas com o nu-
que consista em estarem ausentes durante os tra- mero dos volantes que faltaran) a lerceira cha-
balhos tres membros da mesa, funecionando ella nada.
smente com os outros dous. Estes tres membros Verificada essa falta, reconheceu-se que o ex-
da mesa, que constiluiam portanto a sua maioria, cesso era smente de tres listas, numero que nao
declaran), respondendo ao protesto este ponto nao altera o resultado da eleieao, visto baver entre o
verdade, ludo mais sim 1 ultimo elritor e o primeiro supplentc a dilTerenca
O Sr. Ferwandes Moreira : S ha differenca de mais de 30 votos.
| entre o numero de cdulas e o dos votantes. As oulras allegaees negadas pelo protesto da
O Sr. Franco de Almeida,:Isto outro argu- mesa nio podiam uilluir no animo da commissio,
ment; por ora procuro mostrar o engao da dig- por nio baver prova alguma dessas mpulacies, e
na eommissao de poderes. merecer a acta a fe jurdica que a lei Ihe da, e que
O Sr. J. Marrkira : Eu responderei. s pode ser destruida cora documentos, e nao cora
O Sr. Franco de Almeida : -O protesto indivi- allegaees negadas.
dualisa muitos factos, como os do nomos dos que O honrado membro que inpugna a validado des-
foram votar nao estando qualilicados, dos que dei- sa eleieao engaoa-se aQlrmando que o contra pro-
| xaram de votar estando qualifieados, e outros abu- testo da mesa confirma o protesto; Bega-o pelo
! sos e irregularidades, e depois conclue desta ma- contrario em todos os seus pontos, salvo na dilfe-
neira : t Assim foram chamados outros muitos no- renca apuntada de ires cdulas recebidas, como
mes imaginarios, incluidos na lista geral dos cida- pode verificar, afirmando tambera o contraproteslo
daos qualifieaos votantes, do que se aproveitou o que os nasarins descouheceni a maior parte das
membro da mesa paroehial, Seraphim dos Anjos assignaturas do protesto.
Pantoja, mandando votar os seus criados de servir Entretanto, Sr. presidente, como o honrado de-
Mauoel Antonio, Joaqun) Antonio Francisco e Si- putado afllrma terem-se apresentado no collegio
mao, que representaran) os nomos imaginarios, o
outros muitos contra o espirito litteral das disposi-
ees do arl. 18 | 2 e 3o da lei regulamentar das
eleicoes, etc. Mas nao diz quantos cidadaos dei-
sua casa, como se praticou tambera em Cayrt, por
se ter reeonheeido que a maioria dos habitantes
era contraria, e nao se poder abler J resultado
desojado senao elfeetuando a eleijao dentro de
uina casa particular.
Os docuineatos e attestados do juiz de dir 'ito e
do juiz municipal, bem como a qneixa dos deito-
res que eram membros da mesa na occasiso de
I-" i i para isto qne pedi a palavra; eu devia dar
esta explicaeo, porque pelo que dsse o nobre
membro pareca que eu Ihe tiuha feto urna ver-
dad eir sorpreza.
O Sn. C. Madliouia : Eu nao disse isso, disse
que ojntnn hjh a njmiiiwin vlnsaa era defesa do
seu trabalho.
Encerrada a discussao, o Sr. presidente deixa a
adiar-se a eleieao. e de|tois de lerem cun sor treza eadeira ao Sr. vico-presidente.
ao Diario Oficial da Bahia urna lisia de eleitores; Posto a votos o parecer, approvada a I" con-
progressistas da villa de llhos, foram presentes. clusao, salvas as emendas do Sr. Tavarcs Bastos,
ao Sr. presideirte daquella provincia, que, creio, qBe foram depois approvadas, sendo rejeitadaa
tora mandado proceder as necessarias nformicen o Sr. C. Madureira. A 2* e a 3" conclusoes sao
visto quo n'uui olco publicado nesse diario S. julpadas prejudicadas, sendo approvadas a 4, 3*
Kxc. declarou que o juiz municipal tinha viudo a' 6*.
apital a m-u chamado para ser pago de seus ven- o Sr. Vicb-Presidente declara deputados poto
eiinentus, circuinsuancia esto, repito, que me fez referido districto o provincia os Srs. Zacharias de
supporque se pretenda colher esclarecim :ntos ^Joes o Vasconceilos, Casimiro de Sena Madureira
sobre esse caso grave e difcil de averiguar->o. e Justiniano Baptisto Madureira.
Nos Jomaos appareceram protestos.; corre qion-1 (O Sr. presidente toma de novo a eadeira.)
delicias, leve um delles ao conheciraento da com-! ei.ricaodo piaohy.
missao, mas sem me encarregar de impugnai essa Enlra em discussao o parecer da I* commissio
eleieao, porque me ora indifTereote levanur aqu de poderes sobre as eleices da provincia do
Jebre quanto a eleicoes verdadetras ou falsas que Pauhy.
nio eram de minha coala : os interestados lizessem G Sr. Affo.nso Celso :A commissio de pode-
o que entendessera. Porm vend< combatido o pa- res, como V. Exc. ver do parecer publicado no
recer, vendo o relator da commissio concordar Jornul do Conunercio, propoz que fosse approvada
-con) o adiamento, lembrei tamhem o adiamento a eloico de Oeiras, concluida pelo 2* juizde paz e
de todas essas oulras eleicoes, porque se nui ca se annullada a duplcala fe i la pelo lna sachnstia da
apresentou rcclamacjio algumaeontra as de Jequi- matriz. Foi pelo exama acurado dos documentos
rica e F.sva, nem nos jrnaes do directorio, nem que me foram presentes quo a commissio chegou
nos collegios respectivos, nem por qualquer outra a formular esta conclusao ; entretanto neste mo-
mineira, como pode declarar a commisno, para ment pela Ilustre depulacio do Pauhy Ihe foram
quom appello, nio me era possivel prescind des- apresentados varios documentos que na sua opi-
tas observac,es. nii>) padem talvez alterar o juizo da commissio a
Se houve protesto smente contra a eleicio de I respeito dessa duplcala.
Cayr, onde so derara nullidades iiisanaves e ral-1 A commissio emende que tendo examinado os
sidades reeonheoidas no collegio eleitoral, cu jopa- documentos em contrario, procedera menos leal-
reeer nao^ licito desprezar ; se contra a da I heos mente rejeitando n Omine os que agora Ihe foram
nao se fez tambera protesto no collegio, conpre- presentes, e por isso deliberou que olTerecesse eu
bende-si; esta omissao, porque todos os eleitores i eonsderacao da casa o seguinte requerimento :
eian da jaeciahdado dos apocrjphos ; mai pela Vera mesa, lido, apoiado e sem debate ap-
iniprensa juiz de direito, o uiz municipal e os provado o seguinte requerimento.
dous ineras-ros que eslavam em minora na mesa | Koqueiro o adiamento do parecer sobreaelei-
protestarara .contra a falsidade e candestir idade cao do Pauhy por 4 horas.Celso Afronto.
da eleieio dssa treguezia, no que foram aompa-1 Ei.Eig.io de cotaz.
libados por-ouiros eleitores esuptenles que assis-1 Entra era discussao, e approvado sem debate
ra.m..*.8n8*eB9o'e ad>amento da eleieao no diaSJ em suas conclusoes o parecer da 5* eommissao de
documentos contra essa eleieao de Melgado, docu
memos que a commissio nio vio, |ior nao terem
vindonera se inserido na acta do collegio, aceito o
adiamento dessa elegao, alim de ser melhor aqui-
xarn de votar, nem lio poucbquantos phosphoros hilada na presenca desees documentos que se exi-
votaram indevdamente. giram.
Ora, o que diz a maioria da mesa no contra-pro- A commissio pois aceita o adiamento da eleieao
, testo citado pela digna eommissao de poderos Diz de Melgago, mas sent nio poder concordar, pelos
o qne vou ler: Nos abaixo assignados, membros motivos expostos, com a nullidade da eleieao do j
da mesa paroehial, declaramos que nos conforma- Capim que julga legitima e merecedora de appro-
| mos com o protesto supra transcripto, nicamente vagao.
na parte qne diz respeito votagao, por nio termos | Nada mais direi, porque o nobre depulado nada
conhecimento exacto de alguns cidadaos votantes, mais dsse contra o parecer.
I inseridos no protesto-.. ( Minguen mais pedindo a palavra, c pondo-se a
O Sn. Fer>asdes Moreira :E' a differenca que 'votos o parecer, approvado era todas as suas |
ha poueo non-i. consideraces, sendo rejeitada a primeira parte da
O Sr. Franco de Almeida :Dividirn) o pro-'emenda do Sr. Franco de Almeida o approvada a
j testo em duas partes, a que diz respeito votagao,! segunda.
e a que diz respeito a nao estarem prsenles. Quan-' OSr. Prcsidente declara deputados pela referi-
| to primeira parte, dizem tres membros da mesa da proviuria os Srs. Tito Franco de Almeida, De-
que nio contra-protestam, e proseguem assim : mingos Antonio Raiol e Ambrosio Leitio da Cunta.
Quanto nossa ausencia nio verdade.
Impugnara portanto a parte do protesto relativo
a se terem elles da mesa retirado. Conseguinte-
mente, sobre os que votaram mal, nao impugnaran),
esta provado.
OSn. J. Madlreira :Est completamente im-
pugnado.
O Sa. Franco de Almeida :Pode ser, ser falta
de intelligeneia minha.
O Sr. Affonso Celso : Qual foi o numero de
votantes excluidos ?
O Sr. Franco de Almeida : Nao o diz o pro-
jecto
fConlinuar--a.J
REVISTA DIARIA.
Reunio-se hontem em sessio ordinaria o Instituto
Avcheuloyico e Geograpliico Pernambucano, cora
assistencia do Exm. monsenhor Muniz Tavares, dos
O Sr. Aitonso Celso : Referese ao projeclo Srs. Drs. Joaquin Portella, Soares de Azevedo, Ro-
drigues Campello, W'itruvio Pinto Bandeira, e Fi
tueira, major Salvador Henriques, padre mostr
ino e Francisco de Barros Falcao.
O Sr. secretario perpetuo declara nio baver
expediente.
O mesino senhor, aprsenla urna Memoria, es-
cripia pelo finado visconde de Goianna acerca das
do agesto.
A commissio que examinou
a .eleigao d; fre-
poderes sobre as eleigoes da provincia de Goyaz.
O Sr. Presumcnte declara deputados pela mesma
guczia de Nacareth, pois que a apnsovou, ha-ia de provincia os Srs. Andr Auuustode Padua Fleury
vor o proteste do majar A. Leite Rtueiro, que foi Theodoro Rodrigues de Moraes.
violentamente expellido da mesa pela maioria, HLEigAo do para.
peto delegado de polica e juiz municipal, q le di- Entra lambem em discussao o parecer da l-com-
jigia e governava a eleigao e tinha fosga armada' rm*sao de poderes sobre as eleigSesda provinciado
dentro da matriz e em soda da mesa, como consta Para.
da propria acta pelos protestos e das puklkages, u Sn. Franco de Almeida :Sr. presidente, per-
dauuprer.sa local. | mitta-me V. Exc. e a cmara que na primeira vez
Qia.uo a Sanurera, expedio o Sr. presidente da quo-tomo a palavra sirva ella para expressar um
provincia um olfieio a cmara municipal para exa- voto de gralidao (irovincia do Para, que pela ter-
minar o livro da quahlicacao, que o juiz de jaz ceira vez acaba de hoitrar-sno com a nomeagao de
di>claro i que eslava viciado, entretanto |>or esta: sen representante.
qualihc vao se fez a el, cao. j)jR0 terceb-a vez apezar de nao ter tomado
!>e a litigraniia e-quadrinnadae nao provada na assento na legislatura pausada, porque ainda nao
fcsliva, oji Jequirig, de nao estar qualilkado, babituei-me a curvar, nom lan poueo a provincia
.como se arguio alsaoieate e foi .eom provas refu- do Pan, aos factos quo fra preciso consummar
ado um do membros da mesa paroehial, moti- para a nossa xclusao do parlamento. Entretanto
vo para se adiar a approvagaoda respectiva eleicio, consola-me ler observado que a provincia do Para
-quando era toda esti sessio preparatoria tem pas- acaba de respouder a essa exclusao, Jilha da perll-
Ud0 aqu o axioma estabetocido pela* commissoes dia e da traigao jiraiicadas |>or um verdadeiro ea-
*ie que a existencia de um membro da mesa paro- maieo poltico eum a quasi unaoimidade da elei-
ctiUt nao qualilieado nao afToeta a verdade di elei- gao ultima, secundada pela completa eteluso do
an, qu! incssida-le ha do adiamento, vito que o sen nome em todo o valle do Amazonas.
aetone nao ter ido quablieado o mesario Jos! i nopulagoamazoniense, quer a do Para, que
re, mo importa urna iiullUute, anda (fiando se tinha visto acabrunbada sob o jugo deseo ins-
xuo.ua w* renamacao, ioi a ,m ,|e abril ns- bara pois de abr.iear-se para o mesmo flm, a pr-
a-iptii ii i lista tuppl inentar para a ileigo a que mera respondendo e.-U ondosamente com a ultima
se nrw i oeu em ago.-to. eleigao, a segunda votando ao nuis complete, ab.-o-
ua nullidade da deigao de Jequirig smente luto e unnime esqueciraento o seu nome de nii-
aqm se eomeea a fallar na provincia nune: nella nosa eele.'.ridade.....
M fallou, Beabuma duvida se pdl a el 'icio la Es-! Conramm-me ambos estes resultados, mas >ni0
ma ./liando funcemnou o collegio i 8 o 9 de se- grande pozar f m nao me encontrar frente a frente
lemnro; pan a eleieao provincial por m divos com o tenebroso agente da vinganca alheiapan
nimio sabidos na Babia, foi que apparecei a 30 ai rancar-lbe a mascara nesta mesma rasa, mos-
witubi essa arguiyo conira o eleltor de poderes Irando quo o ultimo aco desse cumulco potlico
que cita o nome de 5 ou 6 individuos.
O Sr. Frasco de Almeida .-Referese a nove
casos individualmente, mas accrescento : eassim
| outros mnitos.
O protesto, pois, robustecido pela maioria da
masa, prova que a eleigao uao carainhou regnlar-
| mente.
I Ainda mais. nao sendo o protesto impugnado na; prucipaos causas porque deve o Rio de Janeiro
freguezia de Meluaco, quando se tratou da questao conservar a umio com Pernambueo, a qual oler-
, o respectivo collegio entendeu que se tomassem os ^a M is,tuto pelo Sr. Manoel Pinto Dmaso.
votos desses eleitores em separado, porque os con- ^r intermedio do padre meslreLinoRecebida
siderava nullos. om agrado, manda-se archivar.
Este parecer do collegio, onde votaram os elet- j 0 Sr. Dr. Witruvio Pinto Bandeira, relatando a
toros de Melgago era separado, anda nao re ira-1 eommissao de fundos e orgamentos, aprsenla o
pugnado... parecer desta sobre as comas prestadas pelo ino-
remos, pou, o protesto da mesa paroehial, temos soureiro.Fica sobre a mesa para ser opportuna-
a conlinnagio delle pela mesa paroehial, a sua re- j mente discutido.
produegao sem impugnagao no collegio, e temos mesmo Sr.Dr. Witruvio Pinto Bandeira rela-
ainda mais a declaragao que fez o mesmo collegio | ,amj0 a commissio de admissio de socies, l em
de Breves em peso de que foram ajrresentados do-1 parecer em que esta requer, para poder interpr
cimentas sobre a incnpaadade dos rotados em Sltl-' seu parecer definitivo, que se iuforme se ha vaga
aafj> para eleitores h de socios uectivos e quan tas sao ellas.
E verdade que a torga da declaragao do collegio I Entrando em discussao, o Sr. major Salvador
esta apenas na combinacao do protesto da fregu- Henriques, faz differenles considerages, concluin-
zia, na sua reproduegao sem impugnagao no pare- do e0m o asserto. de que existem vagas; as quaes
cer do mesmo collegio ; masfnoto que um collegio sa0 at do conhecimento de membros da mesma
compostn de grande numero de eleitores, cujo pa- commissio, segundo o declarou o orador. O Sr.
recer nao < impugnado, que declara que o seu pre- Di. Witruvio Pinto Bandeira, porm, lomando a
sidente apresentora um documento em que prova- palavra, sustenta o parecer, notando que a scienca
va que taes eleitores nao tinham capacidade para individual desleou daquelle membro sobre alguma
serem eleitos. vaga, nio bastava para que, sem o pedido esclare-
O bu. Affoxso Celso :-Onde esli esse docu- cimento, nterpozesse eommissao o seu pnroear
m*' a respeito de varios senbores propostos, cujo nu-,
Sr. Franco de Almeida : Infelizmente nao int.ro poderia ser al superior s vagas existen-
mi remedido, pois nao encontr entre os docu- tes; e que assim tinha aquellc podido um tonda-
mentos que cnmpnlsnu a digna eommissao. niento rasoavel para ser approvado em sua materia,
S Mi. Aitonso Celso :-A eommissao nao deve Ulna vez que eommissao, alera do dever de apre-
subordinar sen juizo a opiniao do collegio, porque ciar as condgoos de admissio dos propostos, de
o collegio pode proceder mal. conformidade com os estatutos, corra a obrigacao
OSr. Franco dk Almeida :- Aceito o argumen- de verificar previamente a existencia de vagas,'
lo do nobre depulado. Como condigao iodispensavel para firmar o seu pa-
O collegio pode proceder mal; mas desde que recer.
diz-pode proceder mal -ha de ceneordar tambera Encerrada a discussao, poo-se votos, e appro-!
que pode proceder bem. va.se 0 parecer.
O Su. Affonso Celso :Mas se ha duvida como! Pelo mesmo Sr. Dr. Witruvio Pinto Bandeira,
aceitar a deliberagao do collegio 1 lido outro parecer da mesma eommissao com rea-
O Sb. Franco de Almeida : Se ha duvida, co- gao s propostas de socios honorarios e eorrespon-
mo aceitar a validado da eleigao 1 Nao tem sido denles; o segnindo-se a votagao nominal dos pro-
pratica sempre adiar o juizo sobre qualquer elei- poslos, sao approvados e acclamados socios bono-
gao, quando ella aprsente duvidaT rarios os Exms. Srs. hispo de Chrysopolis, viscon-,
A nobre commissio disse que o protesto con- de de Sapuoahy, Manoel Hygno de Figueirdo, |
traprotestado... : Jos .Bernardo de Rgueirdo e Flelcber o socios
O Sn. J. Maouhe'.a : Mas isso sao s tres correspondentes o Exm. Sr. prelado domestico de
TOt.
O Sn. Franco de Almeida : Onde esli
ellos ?
O Sn. Madi iii.iha : Esli ah declarados.
O Sn. Fhanco de Almeida : Espero que mo
mostr.
S. S. coflego Joaquim Piulo de Campos, e Drs. Car-
los lloncrio de Fgueirdo o Ovidio da Gama
Lolio.
Vem mosa e l-se a seguinte indicaeo :
Indico que o hutIMo, |r nieio do una re-
presentagio se dirija a assembla geral pedin-
i'oilauto, pelo menos razosvel que fique ada- do-lho a decretagao je urna lei, qne declare de (I
da a d. ci.jo da eleigao de Melgaeo. para sor resol- Cesto nacional para a provincia de Pernambueo o
vida .lepois. quanto mais que gmenle volaram dia 27 de Janeiro, anoivernario da restauracao do
eloilores, e nos obtivemos quasi a unaniiiidade do poder iI.ir Hullandezes,
corpa eleitorel da provincia. i Sala das sessdes do Instituto Archeplogico .
e Geoiiraphko Perntuiiliucnno, 'Jl de Janeiro de
1804.
O t secretario,
Salvador Henrique de Albuqucn/ur.
O autor da mdlcagao pede uigencia para ella
entrar em discussao sem dependencia de ir urna
commissio, segundo o estatuido, visto ser a sua
materia de condecida importancia ; e sendo votada
a urgencia, de|wis de varias com iderages do pro-
prio autor, encerrase o debate, e approvada a
indicagio, sendo pelo Exm. presidente incumbida
a redaccao da represenlagao a mesmo autor.
Em seguida o Sr. Dr. Witruvio Pinto Bandeira
l o seguinte requerimento :
A eommissao de fundos e orgamentos, para
confeegio do projeclo deste relativamente ao futu-
ro anno social, precisa que se Ihe fornega o seguin-
te esclarecimealo :
Quanto est anda receber-se de mensalidades
com relacio ao anuo social vigente?
Witruvio Pinto Bandeira.
Francisco de Danos Falcao.
Depois de algumas consideraeSes du Sr. Dr. Ro-
drigues (.'ampollo em impugnagao ao requerimen-
to, por llie parecer constar da ronta correte do
lliesoureiro o esclarecimeiito pedido; e de oulras
do Sr. Dr. Witruvio Pinto Bande ra em sustenta-
cao do mesmo requerimento, visto que da referida
conla crrente nao se podia tirar coro eiactido
os dados de que careca a eommissao de fundos e
orgamentos para o seu trabalho ; posto votos e
approvado.
O Sr. Dr. Figuora, lomando n palavra, obser-
va que nao podendo a Revota do Insiiiuto dar a
lempo o resultado dos trabalhos da prxima sessl i
annversaria, elle continuava em seu nome e do
Sr. commendad ir Piguoirda o offereeimento da H4
pagiua du Diario para ossa publicagao; o que
aceito eom agradociinelito.
Bn ultimacao dos trabadlos da sessio, escolde o
Exm. presidente os Srs. padre-mestre Lino, Barros
Falcao e Dr. Witruvio Piulo amleira para com-
poreni a eommissao. quo deve convidar ao Exm.
Sr. presdeme da provincia para assistir ao acto do
da 27 : e levanta a sessao.
Tennina-se no dia 2:1 do crrente o prazo
mareado aos accionistas da CatM Filial para en-
traren! com as duas preataaooa quo Ibes foram exi-
gidas pela drecgao ceulral na razio de 20 /0 so-
bre cada accao.
A sociedade recreativa Coryfnintina d ama-
nhaa a sua partida mensal.
Levautou-se houleni a bandeira de N. S. dos
Remedios com a solemnidade que j noticiamos
uesla Revista, compondo-se o prestito de grande
numero de pessoas, e sendo o acto mais abrillan-
tado ainda pelo bello luar.
Depois deste acto, houve um serio recreativo,
no qual, alera de notavel cordialidade, concorreram
todas as circumstanciaspara tornarera apraziveis
algumas horas da vida.
Dizem-noso segrate :
Segundo o artigo das posturas municipaes pu-
blicado nesle Diario, pelos Srs. fiscaes, o numero de
arrobas, que podera levar um carro do i rodas,
conduzdo por um cavado, de 13 e 10 arrobas,
poueo mais ou menos ; entretanto os carros dessa
uatureza continuara a conduzir 5 saceos cora as-
sucar, sendo que, cada ura delles nao pesa menos
de o arrobas e 10 libras -, engenhos que s man-
dara saceos cora assucar, pesando 10 arrobas.
Se a publicagao daquelle artigo teve por lira
evitar qualquer sinistro resultante de grande nu-
mero de arrobas, que conduzem os cirros de pou-
ca torga, pode-se asseverar que nada se consegue,
porque o abuso contina, tonto que hontem a tar-
de, 20 do crrente, um carro conduzdo por um
cavado, foi abaixo, maltratando o animal, sera du-
vida pelo enorme peso que coiuluza.
< Isto consta quo livera lugar junto a igreja de
S. Pedro.
Amanhia se extrahir a 3* parte da 2* lotera
da Santo Casa da Misericordia.
Ao Sr. Miguel Candido de Medeiros Pinto,
concedeu-se a licenca, que pedio para dar bailes
de mascaras no theatro de Santa Isabel, por t
das. Esto concessie porm, ha subordinada as
condicoes que foram propostos pela respectiva
directora.
Foi mandado abrir concurso para os silicios
de escrives privativos do jury e execugoes crimi-
naes das termos de Sanio Autio e Escada; visto
appareceretn concurreutes ao respectivo previ-
monto.
Ao hachare! Manoel Galdino da Cruz, promo-
tor do Urejw, foram concedidos M mezo de licen-
ca, com vencimento, para tratar de sua sade, onde
Ihe convier.
Esli em coiicurso os ofllcios de partidores
do termo de Cimbres, devendo accumular um as
fanceoes de destribudor, e o ou'.ro as de con-
tador.
Por molestia nio foi admiltido, na corapanhia
de apreudizes menores do arsenal de guerra o me-
nor Manoel Luz Comes Ferreira, segundo as
ordens expendidas.
Foi mandado por em li bordado, por ter pro-
vado isengio legal, o recruta Gabriel da Cunha
Cavalcanli.
Ficou transferido para o dia ttrga-feira 26 do
crrente, o leilio dos salvados da barca ingleza
Adrien, annunciado paralioje.
Autes de huntera levantou-se a bandeira de
Nossa Senhora das Necessidades a freute de sua
capelliiiha, erecta nos Arrombados.
O acto esleve magestoso e explendido.
A bandeira foi conduzida por quatro meninas
uniforme e elegantemente vestidas, precedidas de
urna comitiva tambera de meninas (rajadas todas
de bianco, com (tos roseas na cintura, e seguidas
de um cortejo de quasi setenta senhoras igualmen-
te trajadas de blanco, e regularmente uniforrai-
sadas.
Era bello e sublime verse ura Lando de cysnes
a nadaron) era um lago de prato, porque a la
desprenda-se era torrentes do luz por toda a
parte.
A esse esquadrio portentoso, quo era seus cnti-
cos dubos exaltavam |om Uironos sagrados c T-
llenles a gloria de Mara, acompanhava ura sober-
bo prestito de cavalleiros, enlre os quaes nouvam-
se as autoridades, iutlueucias c pessoas mais gra-
das de Olinda, e que era ((Jinda passam a (esto.
A bandeira sabio do pateo de S. Pedro da casa
da juiza a Exma. Sra. D. Mara Iguaria de Gusmio
Villela, acompauliada pela banda marcial do 4 de
artilharia ; sendo os versos e a msica da bandei-
ra de coinposigo do Sr. Dr. Jos Roberto da nha Salles, que com o mais vivo inleresse e subi-
da dedicacio, tomou sob sua direcgiO o cusaio e
orgauisagao da bandeira, cujo acumpanharaciito
andava por certa de oilocentas pessoas.
Hontem tiverara coraeco as novenas, acompa-
nhadas por bella e atinada orcheslra sob a drec-
gao do Sr. professor Trajano.
s versos e a msica ainda sao de composigio
do Sr. Dr. Cunha Salles, cautodos pelas mogas, que
acompanharam a bandeira e acompanhadas pia-
no pelo uiusrao Sr. Dr. Salles.
A festa ser cora pompa, o ao approximar-se o
dia, serio publicados os seus pormenores.
Acaba de chegar de Boma um ornamento
completo de fes'.vidade religiosa, que all foi en-
commendado pelo Rvra. capuchiu >o fr. Seraphim,
para a igreja que seus esforecs evanglicos se
ronstrue em Pedras do Fogo.
Compoe-so esse ornamento de casula, tmalas,
veo dos hombros e capa de asperges de Ihama de
prata, sendo ludo ricamente bordado miro.
Polo Dr. delegado do Io districto foram mul-
tados os proplanos de cuchen as abaixo mencio-
nados, por nfraegoes de posturas, as segumos
quantias :
O proprietario da cochein n. 25 da ra do Im-
perador em .'03 rs.
Dito da dito n. 13 em 203 rs.
Dito da dita i>. Vi em 105 rs.
Dito da dita da na de Santo Amaro em 203 rs.
Dito da dita da na Nova n. 39 cm 303.
Dito da dita da ra das Flores n. '.'i cm 303
Dito da dita da ra do Sol n. 38 em 603-
Dito da dita da ra da Paz n. i era 303.
Dito da dita do largo do Arsenal de marinha n.
4 em 903
Dito da dita do dito n. 6 em 503.
Todas estas mulLis sao em total de M03000.
lufiirmam-nos que hontem um meslre MI
tetro da ra da Pcnba, desojando dar um castigo
tortea utn seu aprendiz, polo ora completo estado
de nudez na perla da oITloiiia, desde 9 da manla
at I da tarde, sem que ao menos bonvase appn
reculo mu agente policial que BlABM co.-ar a im-
moralidade.
llojo fazem os Sr. Campos & Lima, ra do
Crespo o. 12, um leilio das fazondas existentes em
sua luja, as quaes sao boas e proprias do mer-
cado.
Chamamos a atlongao dos leitores para o ro-
maneo II Anwl d'Aiiuisis, cuja pablicagao anoeta-
mos liouloui como fulbotim, em a nossa oitava pa-
gina.
Rkpartiqvo da polica :
(Batracio da parta do da 21 de Janeiro de
186.
Foram rncolhidos casa de detoneao no da 20
do corrente :
A" ordein do illm. Sr. Dr. chefe de polica, Ma-
nuel Jos de Lemos Barros e Candido D, da
(iosia blancos, sem declaragao do motivo ; os
[tardos Manoel Joaquim de Sanl'Anna, Joao Aires
Pereira, como desertores; Justino Regio da Silva,
crioulo, para recruta.
A' orden) do sub.legado do Recife, Jorge Estou-
ber, bramo, por briga.
A' ordem do de Santo Antonio, Caetano Marinho
de Souza, branco, por insultos, os pardos Manoel
Galdino da Luz, Honorio Jos da Rocha, Senliori-
nha Marinha da Conceigio, todos para averigua-
ges policiaes.
A' ordem do da Boa-Vista, Manoel, pardo, escra-
vo de Francisco Antones Ferreira, a requerimento
deste.
O chefe da 2* secgao,
/. G. de Mesnuta.
Passageiro do patacho nacional Jaboata so-
nido para o Rio Grande do Norte : William
Sufl.
Passageiro do brigue portagOfll fina //. sa-
bido para Lslwa :-Joaquim de Oliveira santos.
- Passageiro do hiate nacional fmtmiml, sa-
bido para o Aracaty : Jos da Silva Capella.
Movi ment da casa de detengao no dia 20 de
do Janeiro I8t ;
Existiam 334 presos.
Entraran. 17
Salurara 10
A saber :
Existera. .
Naconaes. .
Estrangeiros .
Mulheres. .
Estrangeiras .
Esc ra vos .
Escravas .
341
229 presos.
32
S >
1
60 .
341
Alimentados a cusa dos cofres pblicos. I3
Wovimento da enfermara no dia 21 do cr-
rante.
Tiveram alto :
Nemezio da Encarnabas Vilella.
Joaquim, africano livre.
Flix ifit Rodrigues.
Joaquim escravo de Alexandre Barbosa,
Manuel, escravo de D. Francisca.
Ul POUCO DE TOOO.
Traduziraos do Diogne o seguinte :
Mr. Emilio deGirardn, era um recente artigo
da J'rcjf, dirigido a Mr. J. Labb, da Opinin Ra-
cinale, aunuiicia :
Que elle pardeo a sua tusceptibilidade !
A pessoa que a encontrar, queira leva-la a Mr.
Gregorio, gerente responsavel do Diogne, na ra
Geoffroi-Marid, n. 7, que est cncarregado de ou-
trega-la ao respectivo dono.
Di-se urna recompensa razoavei.

E digam-me que Dorigny nio poeta 1
Sim, poeta at a exlreraidade..... dos deutes.
Exjraln de sua obra Causeries sor les denls a se-
guinte pluase, a qual, por ser em prosa, uao
menos potica que os mais bellos versos de mada-
ma Luiza Hevoil, oulr'ora Colet :
Um dente que cae, urna folha que desta-
carse da arvere da mocidade.
Em verdade madama Colet Revol, utr'ora Lui-
za, nao tena dito melbor.
Mais adianto :
^ Cora esses syslemas preparam-se as ndigos-
toe; ; despede-se a sade ; expe-se a encontrar o
invern antes do outono.
Esi clare, Dorigny um dentista da escola ro-
mntica.
Alera de que, se exacto que me dizem, nao
haveria nisio cousa alguma de admirar.
Ailiimain-ine que Doroguy nao existe ; que este
nome simplesmeute o pseudonyme de Vacquerie,
que, em seus momentos perdidos, divorte-se eiu fa-
zer dentaduras vulcamte.
Nunca eu supporia que Vacquerie comessa ein
seiaelhante manjadoura.
Traduziraos da Recue des Deux Mondes o seguin-
te facto histrico :
O joven Beethoven chegando Vienna pela pri-
meira vez, apresenlou-se em casa de Mozart com
urna carta de rocommendago.
Mozart que nio tinha comsigo entao mais que
uir amigo e sua mulher, recebeu o joven com bon-
dade, e disse-lhe depois de ter lido a caria ;
Muito bem I vejamos o que sabes fazer. To-
ca-me alguma cousa, improvisa sobre qualquer
theraa o que quizeres.
O mogo obedeceu, dirigindo-se para a cmara
visinha onde estova o piano de Mozart
Admirado este do que ouvia, levantou-se da ea-
deira com precaugio ; e depois de se ter assegu-
rado com um odiar furtivo que Beelhoveu mpro-
visava, disse baixinho :
Escutai bem a este menino ; elle far com
que fallera a seu respeito.
Diz a Revoluqao de Setembro o seguinte :
O Ilustre eugenheiro hespanhol, o Sr. Artbui
Marcoartu, projerla levar aefleitoa grande empre-
za Ja linba telegraphica Ibero-Americana, que vi-
vamente interessa a todos os povos da pennsula
lio? pnica, e mu pailtcularmeiite ipraga de Lis-
bon.
.'vio temos a expor as vaatagens de una com-
municacao entre os dous bemispberios pela va te-
legraphica.
A este respeito disse-se Indo por occasiio da ce-
lebre tentativa de 1856 1858.
A 16 de agosto deste ultimo anno dous telegram-
mas erara trocados entre a Europa e a America. O
cabo submarino fora coliocado entre Valencia e a,
Terra-Nova-
Oesgragadamente no t* de setembro o telegra-
pbo submarino deixava de funecionar, desastre es-
te atlribuido a varias causas, entre as quaes linha
primeiro lugar a m conslrucgio do caito.
A idea dessa erapreza susritou umitas criticas e
algunas appreheusoes polticas por Ihe faltar o ca-
rcter cosmopolita que devia ler ; todava mito
bo nens distinctos, apezar dos inconvenientes pol-
ticos e scieniiticos que ella offerecia nao doixarara
de nutrir esperangas de a levar a cabo.
Varios pnijectos se tizeram, os quaes apresen-
lavan todos mais ou meaos inconvenientes tech-
nicos.
O Sr. Marcoartu concebeu torabem ura projeclo
qu; parece reunir as raelhores condigoes de raali-
sa^ao o nio apresentar nenhum dos inconvenientes
technicos e polticos que os hornera compeleutes-
assignalarara a todos os oulros.
0 Sr. Marcoartu, partindo dos dados praticos
experimeutalmente demonstrados, nao deixa em
problema urna unir circumsiaiicia das que po-
den contribuir para a realisagio da sua idea. Von-
cendo a principal objecgo oppesta realisago
dos demais projectos, que era a extengio do cabor
o i Ilustre engenheiro prupoe-se como condigio do
seu tragado nao ter nenhuma seegio .da linha sub-
marina qne nao seja inferior em extensan s quo
funeeioiiam regularraeute na lioha de Malta e Alo-
xa )d ra.
Como cima dissemos, a linha projertoda polo-
Sr. Marcoartu tem a denoininago de Ibero-Ameri-
cana.
A iramersio do cabo comega em Brdeos para
ga aliar o cabo Finisterra, depois Lisboa e o cabo
de S. Vrenle.
D'aqui segu a direccao da Madeira, depois as
Canarias e o cal Rrauco, as ilhas de Cabo-Verde,
as lliasde S. Paulo ou Penedo de S. Pedro, Fer-
nando- Noronba, e einlini chega ao continente aine-
i u .ni no cabo de S. Hoque.
D'.illi parlera as coinmumcagoes com o Brasil o
as repblicas da America do sul.
Ocabo dirige-so. em seguida para a Guyanna o
as Pequeas Aulilhas para ganhar as Grandes An-
tillas, o golphodo Mxico ato Vera-Cruz, por uiua
bi ureagao que se dirige Nova-York.
De Cuba parte um cabo que se dirige para o
isihino de Panam para eslabelecer acommuni-
cagao entro o ocano Atlntico e o ocano Paci-
fico.
A empreza grandiosa e deve raercer a alten-
g.o de todos.

No Bolelim Ofpcial da provincia de Cabo-Verde
encontramos as segniutes participaees de dojs si-
nistros martimos, o segundo dos quaes ja aqu no-
li ciamos :
Por partioipagao do director da alfandega da ilha
de S. Vicente, consta que so incendiara no porto
daquella Ida, no ida 18 do lilez de setembro ulti-
mo, a barca ngliv.a Elisa, capMao John Heyward,
qne ao mesiiio porto cngara no dia i do referido
mea, procedente deCarddT, com caiga do rarvao
de podra oonsiguaeo da casa Wirgor Aj Miller.
0 incendio foi uroduitile por euudHistSo esi.on-
t.'illea do carvao, o inaiiifeslou-se ila- tres pan as
quatro horas da larde do referido da 18.
lina grande parle da le-p.eliva carga jase
i nava dewarregada antes daquelle desastre, a
que nao !oi po-sivel ub-iar apezar dos gnndos
torcos pata =so emprogados.



\
/
Diario de lern.%buco Menta feirs 99 de J.inclro de 1891.
a maii-r parle da inastreneuo e ve-
teas manivella-.. focara prtanlo presos salda los
do c rpo do guarnico o un criado do Sr. alferes
Leopoldino, os quaes esto sendo proccssados as
sm como esse disiinclo offlcial.
Ai mira vero eviterno e destacamento coui que
essa pobre gente oidciboe os papis que cada im
de s(us manive las ieni de representaren! sena.
Apreciaremos esses caracteres.
Salvou-se
/ lame.
1 Por participacao do director da alfandega da
i ha da Boa-Vista consta trae no dia 5 do crreme
roer, pelas 4 horas da manhaa, naufragara no Illieu
do Cascalbo, na costa do norte da referida illia, a
barca italiana Sicilia, procedente de Genova, enm
roa feral na importancia de 80,000 pesos, pouco
mais ou menos.
Era seu destino Montevideo, Bnenos-Ayres, Val-
paraso e Lina ; coatava 4o dias de viagem quan-
do nuufragou.
Tinha de trpulaeo 19 pessoas, econduzia H*
I lingo iros ; foram victimas de tal desastre 72
pesioaa.
0 ana se faz publico em virtude do artigo 1594
do cdigo cummcrcial para conliecimento dos iu-
tere.-sados.

No dia 1 do presente mez, deu entrada no por lo ,.
de Angra o hiate americano A. S. Kels, capitao form.l de u,n jarope delicioso, etc.: un poderoso
George C. Berr, procedente de New-Yurk, deca- e effl ra remedio para imlaQao dos pulmoes, angi-
rando o capitn baver tocado no referido porto s, tarrho, tt*so, resfriamento, rouquidao, affec-
com o tim nicamente de desembarcar 3* pessoas f^^^^J^J'^L^S^h e_toda_s,as tal
de tripolagaoe II passigcros, que salvou de bor
PUBLICARES A PEDIDO.
Anacahuite peitoral de Kemp.
A :elebre anarahuila peitoral deKemp, do cujas
rirtules especilicas tantos annuncios appareceram
em n)ssos jornaes, urna eomposico de vegetaes
peito'aes e nao conten nenlium astringente vene-
noso ou morlalmento narctico, e preparada em
I"
co i
BECLABlfQES.
de do vapor inglez /'en, de 919 toneladas, de que
era capitn Edward Hixon, o qual, tendo s un Jo
das West Indias com carga de diversos gneros
Eara Liverpool, e communicaiido com o referido
lata no dia 7 de novembro nttimo, fura a pique
no dia 8 na lalitudo N. 38- 33' e longiludc O.
33* 59'.
Extrahimos o que segu :
Eslas perguntas tonas aos Gj mnosophistas da
India, sao atlribuidas Alexandro Magno.
Quaes sao em maior numoro,os vivos ou
os mortos T
Os vivos, porque os mortos j nao sao.
(Jual dos dous fui o primeiro,o dia, ou a
noite ?
O dia mais velho de um da.
Qual mais ralete,a vida ou a morte .'
A vida, que tantos males soffre.
Qul ti o mais sagaz dos auimaes T
Aquel le que al agora au se deixou ver ao lio-
mem.

Mas obras de Philoxeno,
do banqueta dos sabios, conta-se que dous philo'so-
l'lios questioaavam, impugnando o segundo ao pri-
meiro na forma seguinte :
Qual a eousa mais amiga
O tempo, dizia um ; lieot, dizia o oulro. por- j
que Dos existe antes do lempo.
Qual de udas as cousas a maior ?
O mundo, dizia um ; o tajar, dizia o outro, por- j
que (segundo a sua supposicao} o lugar abarca o i
inundo
Qual a cousa de todas a mais commum ? I
A
numera veis molestias que affectam os orgos da
respiaco. Cuidadosa e scienliliramente prepara-
da per Laman 5; Kemp. Nova-York, acha-se i venda
as lojas de Caors & Barbosa, ra da Cruz, e Joao ', planto de capim, e o imposto de carros, carreras
Consulado provincial.
'la mesado cansulado provincial se faz pnbfi-
M no dia 15 de Janeiro corrente* se principiam
a contar os trinta das uteis marrados para a ro-
lii'.mru a bocea do cofre dos impostos seguintes,
Itertencentes ao anno flnanceiro de 1863 1864,
4 0| sobre os estabelecimentos de fra da cidade,
prensas dealgodao, Upograplnas, coeheiras, caval-
lane.-s, hoteis, boteqiiins, casas de pasto e fabricas;
ii 0)0 sobre estabelecimentos de commercio em
grosso e a retalho, armazens de recolber, de de-
positse trapiches : 8 0|0 sobro consultorios m-
dicos cirurgicos, escrlpterioo e cartorios ; 50
sobre
Irangeira.
sobre
pri
pri
agencias
bre
500 rs. sobre as toneladas de alvarengas ; 30,5000
sobre escravos empregados no servido das mes-
mas ; 10 0|0 sobre os terrenos oceupados com o
Arae.tv
O hiate tonta Hita l para o resto, trata-se com Tasso Inanes, ruado j'
ou com o mestre no trapirV do
Amoi un n. 3o,
1 algodo.
0 cirurgio Leal mudoii
sua residme da ra do
Queimado pa^i a ra das
pri-
Ti..
Corre anianhia.
Sabhado. 2.'l do cortante mez, se extra-
n$2JSSSS^ABC Croa sobrado n. 36, pri- n&U^oEiUrt1 3a
Santos; este navio leni pune do carregamento 3 Fj \t /' 'nai!,,,,ie, da '8rfiJa dft
prompto.eparaorestoafrekMrata-s. rom Amo- IHeirO aiKlflr, DOl* dlUa QO *" Seniora do Rosario da frngoezia de
nm Irraaos, ra da Cruz n. 3, na com o mesmo l j. Santo Antonio.
capitao na prara do commercio.___________armazeiTi JTOgreSSLSta, aOn- Os Mlbetas e meios aclimi-se renda na
- Segu com multa brevidade para Lisboa, por <1n 0 ap}|oj4n pfmf SPlfirH'P resPecliva teesouraria ra k) Crespo n. f \i
te> pnnni.ia a maior parte do carrean, mo, o bri- U U WUiMWJ L-JIIU t?Jli|U C e eommW8OnadaS PKl da Imnera-
|W portuguez RsrMto, o qual recebe o Meto da nivnniltn 't nifllunar Iiapo ivi trir n kk l^i-, vCr iVL ,a Ud ""P .?
carga afrete: para tratar, no escriploiio n % ,la ]OIU|UU 1 (]U(U<|U6r 1101 U |)l- "" n- **. "P oSr. Ptmeiltel \ na tretta
da C. Bravo & C, ra da Madre de Deus.
HPB
COMMERCIO.
PRACA LX) RECIFE 21 DE JANEIRO DE 1861.
Cotares offlelaes.
As 3 horas da tarde.
Assuiar mascavadpurgado8800por arroba.
Dubourcq Jnior, presidente.
Guimaraes, secretario.
NOVOBANCO
DE
PERMA1UBUCO
O novo banco de Pernambuco convida os ere-
das massas faidas de Mesquita S Dutra, e
a apresenta-
rem :.eus ttulos no banco para se proceder a res-
pecti'-a verilicacao at o dia 31 do frrenle Janei-
ro, dnpois do qual se proceder o dividendo pelos
ttulos que estiverem verificados.
aonde se faz mencao jgj^
e mnibus.
Mesa do consulado provincial 13 de Janeiro de
1864.O administrador,
Antonio Carneiro Machado Ros.
Consulado provincial.
Pela mesa do consulado provincial se faz pnbli
A barra Urna /sahe para o Porto em pMcs
dias, porterquasi promplo o seu carregamento :
para o resto e passageiros, tratase com os con-
signatarios Carvalho & Nogueira, na rui. de Apollo
numeroso.
i*4>rto
Para Babia pretende sahir com muila bre-
vidade o veleiro patacho 'Dureza, rapito Joo Cor-
reia Lima, por ter a maior parte da carga ; para o
resto que Ihe falta trata-se com os consignatarios
co que os trinta dias marcados para a eobranea Palmeira & Reltrao, largo do Corpo Santo n. 4, Io
bocea do cofre do 1 semestre do imposte d fO andar.
0|0 do consumo de agurdente das freguezias des-.
ta cidade, dos Afogados, S. Lonrenr;o da Mana,
Santo Amaro de Jaboato, Varzea e Muribeca.per-
tenrente ao anno finanreiro Berrete de 1863
1864 so principiam a contar do dia 15 de Janeiro
P0e",eu O IjriRHn nortuguez Etpmutcm, capitao I.wiren-
Made consulado provincial de Pernambuco co Fernandos do Carino, segu com brevidade :
13 de janeiro de 18t4. -O administrador, recebe carga e passageiros : trata-se com os con-
Antonio Carneiro Machado Ros. signatarios Marques, Uarros & C, largo do Corpo
(ompanhia reriiambui-ana. Santo n. 6. __________________________
Sao convidados, de ordem do conselho de direc- |*ara O Rio Grande do ni
cao os Srs. accionistas, para se reun.rem em as- wpilcco,n brevidad 0 ualarho nirion'^^
semblea geral. no salao oa Associacao Cooamer-
cial, no dia 5 do corrente ao meio da.
C.41XA FiLIAL
DO
I! \\< O IIO la VSI |.
EM PERNAMBUCO.
no; senhores accionistas declara a directora
morfe, dizia um ; a cs/ierancu, dizia o outro
porque a tudo que nos falta suppre a esperanca.
desla caixa, que o respectivo thesoureiro est au-
.Va vida de S. Parono, escripia por Surio, faz o torisadoa pagar o dividendo relativo ao semestre
dito santo ao seu discpulo Theodoro, tres pergun- findo em 30 de novembro prximo passado, na ra-
lis enigmticas, a salir r :
Qual dos homens morreu c nao nasceu ?
Adao,
Qual delles nasceu, e nao morreu f
Enoch.
Qual nascen e morreu, e nao padecen cer-
n prao ?
A Diulher de Ixith cevertida em Sol.
Qual a trra, que desde a rreacao do mun-
do o sol niio vio mais que urna so vez ?
Aquella parte do Mar Vermelho, que fieon des-
coberta, e se tormu a cebrir d'agua depois do
transito dos Israelita; perseguidos por Phara.
zao de 94 por ac<;o.
Re lito 1 de Janeiro de 1864.
Jos Mamede AI ves Ferreira.
Secretario.
Alfandega
Rendimento do dia 1 a 20........ 337:946&30o
dem do dia 21................. 30:733*116
368:679*621
Morlmento da alfandega
CORRESPONDENCIAS.
Sr*. rsdndarn. Qi mimig* do distincto e hon-
j-ado coronel Ernesti Emiliano de Medeiros, meu
particular aiiii^o, e digno commandante do corpo
de guarnicao da provincia da Parahyba, nao satis-
feitos com a publicaco all de calumnias contra
( sea veterano do exercito, procuraram as paginas
ce vosso jornal, as quaes, uestes ltimos das,
teem sido transcriptos artigos do Jornal da Para-
ryba, para maior circulara,) elcituradessas calum-
nias, com o caleulailo Um de marear a reputado
de um distincto servdor do estado.
Durante (res anBOSque estire na Parahyba, sen-
do dous e meio no exercicio do cargo de secretario
Jo governo, pude avahar da firmeza de carcter,
honradez, disciplina e extensao Jos servicos do meu
(Ijsiinclo amigo, cuja fe de ofllcio a mais brilhan-
lonnal eoeleeMi;lo as apreciacSda despeiudas
de ioimigos d.sleaes e pequeninos.
Volunes entrados com fazendas.
com gneros..
Voluntes sahidos com fazendas..
t com gneros..
133
213
73
2S16
346
369
Pernambuco, 15 de Janeiro de 1864.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra tera de comprar os objcctds
seguintes :
Para o presidio de Fernando de Noronha.
800 alqueires de farinha de mandioca, medida
vellia.
Para aula do 9" batalho de infamara.
Papel almaco, resmas 2, pennas de ac, caixas
2, caivete 1, tinta preta para escrever, garrafas
2, lapis de pao, duzia 1, taboadas 12, grammatiras
(>ortugueza.> 7, compendio de arilhmetica I, paulas
7. lapis de ardoria 12, compendios de doutrina
christaa 7, ditos de metrologa 7, lapis de pao para
desenho, duzias 2, estojo para desenho linear 1,
papel para desenho linear, resmas 2, esquadros pa-
ra desenho linear 7, caetas, duzias 2, gis 1 libra.
des : para carga e passageiros.
Trapiche n. 4.
trata-se na sua do
Para L'sbaa.
Val sahir no da iScio corren-
te o veleiro e bem ronhecido br-
gue nortuguez Ixiia II, capitao
Antonio Francisco Vieira, apenas
pode rereher alguma carga muda
e passageiros, para o que se trat*
com o consignatario E. R. Rabello, ra da Cadeia
n. 5.S ou rom o capitao.
Para Lisboa.
Pretende seguir com muita brevidade a veleira
e beaacenbeeida barca portugueza Gra'tio, tena
parte de seu carregamento prompto, para o resto
que Ibe falla iraiase com os seus consignatarios
Acaba d sahir des prelos de wmm
elliciii ealmanak civil, ecclcsia^ico/
coinraerci^l, fabril cagricol;, conlcn-
Hot mos h> empresa Jos, fnjr,enhns ej
ucgocianlfs, inclusive as moil i (iranio
lia vidas ale .JI alo uezemiiio ullimo ;
vende-sea 1$00 nicamente na li-
vraria n. 6 e 8 da praca da Indepen-
dencia.
seguole depois da distribuico das lisfis.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Sois?.
*<--------- X
I
3
c
n
-
3 2.
a
2.
a.
v '->
"1*3
-9 1-
m | B, o.
a o
1
S
3
S
8 3

3 3
?^
pa-
ja-
LEILOES.
Descarregam no dia 22 de Janeiro.
SuimcanacionalC(ir/o/'i^diversos gneros.
Barc;. portugueza Grtidiio varios gneros.
Patacho inglezEditlcarvao.
Rrigie nortuguezSoberano diversos gneros.
Barca inglczaMargantt mercadoras.
Brigt e nortuguez S. Uanoel /diversos gneros.
Polaca nacional -Marinho charque.
liare; inglcza -Constanre bacalho e ferro.
Patacho inglezZcott bacalho.
Patacho inglez- bellote Crestfazendas.
Exportado.
Briguc nortuguez Laia l, para Lisboa, carre-
gou :
1,7(M) sarcos com 8,i00 arrobas de assnear mas-
tavad>, 1,100 ditos com 5:300 ditas de dito brauco
e 200 meios de sola.
Amonio Luiz de Oliveira Azevedo & C no sen
esenptorio ra da Cruz u. 1 ou com o capillo An-
Quem quizer vendeVtaes bjectos apresentei al lonio Pereira Rorges Pestaa na praca.
suas propostas em carta fechada na secretaria do
conselho as 10 horas da manhaa do da 22 do cor-
rente.
Sala das sessoes do conselho administrativo
ra fornecimento do arsenal de guerra 15 de
neiro de 1864.
Antonio Pedro de S Brrelo,
Coronel presidente.
S. A. do H. Barros,
Majorvogal e secretario.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo, para fornecimento do Campos A Lima querendo liquidar sua loja de
arsenal de guerra, tem de comprar os ohjectos se- fazendas farao leilao iwr intervencao do agente
guintes:
Para presidio de Fernando.
LEIUO
DE
Fazendas para llquldaco.
mu-:.
Pestaa, de tudas as fazendas existentes na loja da
ra do Crespo n. I ti. em Imes a vontade dos com-
pradores : Sexta-feira 22 do corrente pelas 10
horas da manhaa.*
LEILAO
Rogo-vos, Srs. redactores, a publicacao destas e
a )s co.nmuncados aiii escriptos c dados estampa I Recebedorla de rendas Internas
no Publicado); os quaes explica ti, a toda luz, a tor-
pitude dos meios empregados, para que corra por
canta do coronel Ernesto o espaneamento de um
moco que tai praca do dito corpo.
VOM0 leilor e amigo obrigado,
l.iii: d' Mb'.iqiierqiie Martins Pereira.
Recite, 21 de janeiro de 186i
Historia do espaneamento e os
vermelhos da trra.
Artigo 1."
No dia 29 de novembro do annj passado foi es-
I aneado pelas nove e meia hora:, da noite no bec-
co da Companllia o ex cadete do corpo de guarni-
cao Jos de Carvalho Cesar.
Este fac., cabio no dominio publico, assim como
os motivos que o occasonaram, e quaes os agen-
tes do delicio. E mnguem mclhor que o paciente
-abede onde Ihe reio a dose ; no entanto, ou por
vergonha e desaire, ou por malicia, o olendido
jirocurou logo occult.ir os seus verdugos, assim co-
mo os motivos,justos ou nao, que tiveiam para in-
'ama-lo publicamente,
lamentamos profundamente, que no seio desta
eapital se dsse um tacto dessa ordem, poisenten-
deaw que por mais vergonhosa e infamante que
alean a aeoie pratieada pelo ex cadete Cesar, ja-
mis se devena ter tuneado mi> de ccete para
puni-lo, a corrigi-lo, pois sendo esse moco dbil
i; mal (irgansado, naopassadeuinacovardiae bar-
Iwndade mesmo da parle de que n qur que pra- ]
licou ou mandou pralicar o criioe.
Lamenlainos igualmente que i polica distraa-
da, ora com o empreije de todos o.; meios e as ijlorio-
ai lecordaroes de suas compaas eleiloraes, ora .
com appreliensiiu dos :scravos|alheios para surra
ios contra a vontade dos seus senhores, nao cuido
no desempenho de seus deveres, deixando esta ci '
dade eulregue pratiea de taes escndalos e cri-
mes por falla de |>olicia.
Entremos agora na analyse do enredo poltico 11
grotesco, que esse facto du lugar, visto como o
pobre do Jornal da Parahyba del I? se oceupa espe- >
culando com a ttmpticHade da familia do oiTendi-'
do, alm de lancar a odiosidade sobre os seus ini-
migos politicos. Esses pobres de espirito, rabisca-
dores do Jornal da Parahyba e seus satlites, que
indam cata de qualquer motivo, por mais frivo-
lo e inverosimel que seja, para se lancarem sobre
o corpo de guarnirn, e especialmente sobre o seu.
mni brioso e digno commandante, tocaraui a reba-
t' em seu acampamer.lu, julgamlo a occasiio azu-
la. Ei-los, pota, em grita, lateadodesse espanea-
mento urna quesio piilitica, servindo o ex-cadete
>Sr. Cesar pai de instrumentos doris a seus
planos desconcertados.
D'ahi nasceu a comedia ridicula c burlesca que
io representando em publico esses pobres ver-
naHaaa, de quem o povo escarnece e ri por couhe-
oi -Ih.'s o iilioiisnio e us manbas.
No dia seguinte ao m que fru espancado o ex-
te, varias versoes circularan! os ngulos des-
ta cidade. E como o paciente, rom quanto enan-
cla ainda, j eootasM com muitasdesafeicoes.por
suas leviandades, a noticia corrompeu-se, e varias
rainna pessoas indipiladas com> autoras do de-
i pralicado na Nena do Sr. Cenar. Uns di-
Bian ter sidooSr. Hr. Hardman. outros que foram
at Srs. Drs. Tertuliano e s, u mano padre Leonar-
do, por motivos muitD sabidos, mas que oi.iiimos
por decencia. Outri- rumores corriam contra o
Sr. Joa Pedro o ma^alguem cono mandatarios do
mcanante; mas os vtmwlhoa da tena ennabi-
a lanearam oerinte para o corpo de guarni-
e fuzium girar paetanto a aotkia de lar sMo
o Sr. alferes LeopoUino, antorisado pelo ana com-
mandante o coronel Imiic-i,, Em.lanodu Medeiros,
i reodo-se de aleives e calumnias contra i
distinti! aflknei que oadesBrecanalM e pode-
rosamente.
Julgando assim os vermelhos vingarem-se do
icl Ernesto, quo houvera commettido o rime
c-.i'/'il da liopr .'i'-i.is naelei*ao paseada,* pela
contrari de ler Me parte degisade partido pro-
isista, sendo por i la cleito | residente do colle-
gio eieitoral desta eafdtol; pozeiam em pratiea os
-sus <|ue ora wrvem de irriso publi
ralla de pr iras o legalidades.
Disponda eilesaiuda p officiaesdesta infeliz terr;, pozeram
Mnenlo as autoridades comas juaes coulavan
geraes de Pernambuco.
Rendimento do dia 2 a 20........ 16:7105328
dem lo dia 21................. 79i5'il2
50 foices de rooar.
Para'o arsenal de guerra.
500 caadas de azeite de carrapato.
oOO vassouras de palha de carnauba.
500 pares de sapatos de lona.
Quem quizer vender taes ohjectos apresentem as
suas propostas em cana fechada r\ secretaria do
conselho, as 10 horas da manhaa no dia 27 do cor-
rente mez.
Sala das sessoes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra 20 de Janeiro
de 186t.
Antonio Pedro de Sfi Barreto,
Coronel, presidente.
Sebastian A. do llego Barros,
vogol secretario.
rn'e,>- ^? tflkW
Pela administrtco do correio desta cidade so ia lal >(}>(*
faz publico para fins convenientes que em virtude Xe^i Vs3tO i
do disposlo no artigo 1.18do regulamento geral dos UK
correios de 21 dedezembro de 1844, e artigo 9 do ll.msu.ft d iIimiikIo il i i iii lan n "iS
I decreto n. 185 de lo de maio de 1851, se procede- dl "''"., 0 pOMUl U.t I Ua Mi \.III. .)N
ra o consumo das cartas existentes na administra- 43 to corrente.
aat
Urna taberna no Imi-o do Terco n. 11.
IIOJE.
O agente Olimpio legalmente autorisado far
leilo da arinacao. gneros e mais ulenc los exis-
teHte na referida taberna por cunta e risco de
quem perlencer em um ou mais lotes a vontade
dos compradores. Sera effectuado o leilao na mes-
uta labtnia ao meio dia em poni.
Consolado provincial.
Rend ment do dial a 20......... 78:6125120
dem do da 21................. 7:0565801
.____*_' cao pertcncentcs ao mez de Janeiro de 1803, no dia
3 de fevereiro prximo, s 11 horas da manhaa,
liento Jos Pereira de Maeedo, far leilao por
niervencao do agente Simoes da armacao de
na porta do mesmo correio ; e a respectiva lisia se amarello envidracada, caixocs para a>sucar etc.,
85:6685921
10VIMENT0 DO PORTO.
Navios entrados no dia 21.
Havr. 33 dias. galera franceza Adele, de 372 to-
-^nelidas, capilao Galler, equipagem 17, carga
diflerentes mercadorias ; a Tisset-freres & C.
Liverpool 38 dias. escuna ingleza Meschief, de 140
toneladas, capitao Clemente Baker, cquipagem i
9, :arga fazendas ; a J. Paler A C.
Navios sahidos no mesmo dia.
Araciily Hiate nacional Invenciiel, capitao Jos!
Jo.iquim Alvos da Silva, carga varios gneros.
Rio Grande do Norte Patacho nacional Jaboato,]
capitn Jos A. Carvalho da Cunha, em lastro.
MaranhaoBarca portugueza Despique II, capitao
Faistino Jos de Carvalho: em lastro.
Lisboa -Brgue portuguez Laia II, capitao Antonio
Francisco Vieira, carga assucar.
Rio da Prata Patacho nacional Bom Jess, capitao
Joao Goncalves Iteis, carga assucar.
Uha de CubaPatacho inglez Dash, capilao Henry
Co e, em lastro.
Observacao.
Ap parece a leste duas embarcares, e ao sul
urna.
acha desde ja exposta aos interessados.
Administracao do correio de Peruambuco 11 de
Janeiro de 1864.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Crrelo geral.
Pela administracao do correio se faz publico que
as malas que devo conduzr o vapor costeiro tn-
mitii'iunpe com destino s provioeias da Parahiba,
Rio Grande do Nortee Cear, fecham-se hoje (22)
s 3 horas da tarde em ponto. Os jornaes sero
reo bidoa al 1 hora, e as cartas admitndas a se-
guro at 2 horas.
tudo existente no deposito cima mencionado, aon-
de ser eITcctuado o leilao no dia cima dito s
11 horas em ponto.
jKIIAO
EDITAES.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERXAMBUCANA
DK
^'ave^aco costeira a vapor.
Parakvba, \alal, liarn. Aracatv, e Ceari.
O vapor Slamanguape, comman-
dante Moura, seguir no dia 22
do corrente s 5 horas da larde,
para os portos cima indicados.
Receben carga al o dia 21. n-
commendas, passageiros e dinheiro a frele at o
dia da sabida s 2 horas da tarde : cscriptorio no
Forte do Maltes n. 1.
Sabbado 23 de rerrente.
Os administradores da massa fallida de Joa-
uim Jos da Costa Fajozes Jnior e de Fajozes
iinor & Azevedo por despacho do Illm. Sr. Dr.
juiz especial do commercio levarao a leilo por
intervencao do agente Pestaa, todas as dividas
nerteneentes a raesma massa no valor de........
16:53155371 rs. algumas documentadas, a rela-
co e documentos exislem em mi do agente pa-
ra ser examinada a quera inieressar e o leilao to-
ra lugar sabhado 2.) do corrente s 10 horas da
manhaa no largo do Corpo Samo junto a assoca-
ciio commercal.
Joao da Silva Hamos, medico pela Ini
versidadede Coimbra, d consultas em
sua casa das 9 s 11 horas da manhaa, u
das 4 as 6 da larde. Visita os deentes
en suas casas regularmente as horas
para isse designadas, salvo os casos ur-
gentes, que aario sociorridos em qual-
quer ocrasio. D coisultas aos pobres
que o procurarom no hospital Pedro h,
aonde encontrado 6 ariamente das 6
s 8 horas da manhaa.
Trm sua casa de saide regularmente
montada para reeeber qualquer doente,
ainda mesmo os alinalos, para o que
tem commodos apropriados c nolla
tica qualquer operaeao cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 35000diarios.
Segunda dita... IJ500
Terceira dita.... $5000
Este esiabelecimenti j bem acredi-
tado pelos bons servias que tem pros-
udo.
O propietario espera que elle conti-
nu a merecer a eonfianca de que sem-
pre tem gozado.
pra-
Aviso ao publico.
As prime-iras e unirs transaeces com-
merciaesque |)oral Sr. Joao Baplsta da Rocha, foram somonte
AOS 5:000,000
C\S\ 1)4 FORTUNA.
Bllbetes garantidos
A" rna de Crespo n. Ti t rasas de eaatnnie
Amanhaa 23 do corrente, se extrahir a
quinta parle da segunda Meria da Sania Casa
de Misericordia do Kecife,
O abaixo assignado, recommendando ao respei-
lavel publico a compra dos seus mu feliaea biibe-
tes garantidos, lembra-lhe a vantagem que ba em
receber es premios por inteiro, por quanlo quem
tirar a sorte de 5:0005 em bilhete garantido nao
recebera somente 4:2005, em virtude dos descon-
tos de 16 |. que Ihe far em vista das Jis, mas
sim os 3:0005 que vem a ser os ditos 4:2004 e
mais 8005que pagar o abaixo assignado, impor-
tancia de ditos descontos, arontecendo o mesmn
com as ontras sortes. Os premios serao pagos co-
mo de costume.
Precos.
Bilhetes inteiros..... 65000
Meios bilhetes...... 35000
Para as pessoas que eomprarem
do 1005 para cima.
Bilhetes........ 35500
Meios......... 257;0
_________________ManoA Martins Fiuza.______
tasa de eduvaco
Jeronymo Pereira Villar arhando-se melhorado'
me lliefi? ib MmwM 1 de sua saude, Iransfeno o sen estabelecimentodo
b^r r? n .geni.ios na suata- lastroccSopriisariae secundaria para a roa do
Derna II. ya da ra Diretla, no Recite. Al- Imperador, sobrado de tres andares n. 9, esquina
gumas vozes Ih'os compra a dinheiro vis- V* vira para a ra do Crespo; e participa nao
ta, sem exigir recibos e ontras vezes ora- s aos ,llms ',ais de seus estimareis ainmuos, co-
fo pitando asidamente as respetivas ZZIZ^^t^ ^Jt^^JS^
lettras, das quaes apenas me falta retirar
duas que importam etn 7^G00 rs. por
cuja contapaguei ao mismo senhor imh va-
rias dalas diversas quantias, as quaes tai-
vez o dito senhor nao mennonasse no verso
dessas duas lettras, visto que passou os re-
cibos existentes em seu poder. Tendo. en-
ttvlanto o Sr. Biptisli l'allecido ha poneos
dias, fago a presente declararlo ao publico
para que ninguem negocie com as referidas
lettras, as quaes appareit-:mente podem es-
tar flgurando-me devedor de toda sua tMa-
lidade, quando assim o nao visto j ter
eupagoa maior parte de sua importancia
da forma que cima expjnho.
Jtamarac, 18 de Janeiro de 4804.
Fortunato Vieira da Silva.
Conip.-inh.la Ddclldadc de
seguros martimos e ter-
restres estabeleclda no
Rio de l;iuciro.
AHKNTES EM PRPNAMHUCO
Antonio Luiz de Oliveira Azevrdo C,
conipeienlemente autorisados pela direc-
tora da ompanhia de seguros Fidebda-
de, tomam seguros de navios, mercado-
ras e predios no seu escriptorio ra da
Cruz n .1.
r
OtEIJOS DE MINAS
a Rl'A NtiVA N. 8.
Aluga-se oarmazem n. 4 da ra do Apollo, e
oterceiroandar dacasa n. 88 da ra da Impera-
triz ; na ra d. Aurora n. 36.
Sinceros agTiidechiieiitos. ,
l nnammaco do Qgado e forte Aluga-se ou vende se 1
iullaiumacono tillio esquerdo ^ Velha, rom boa casa, contendo 4 qmrtBr, gabine-
Por dous motivos, eu abaixo assignado faco pu- te, cacimba com boa agua, quartos para pretes,
blico o que se segu : estribarla e frurteiras, iodo murado : quemo pre-
8 I" para coulessar os meus mais sinceros tender, dirija-:>e ra do Crespo n. 18, primeiro
agradecimentos ao Sr. Kiciirdo Kirk, escripiorio andar.________________________________^^_
ra do Parlo 11. 119, pela cura que fez em meu ti- Quem tiver paraalngar urna eerrava perfeHa
Iho Benigno Ienrique da Silva. cozinheira e engommadeira, dirija sr serrina de
126
IKIIAO
UE
saceos com
fejo
Segundali-ira 2 de Janeiro.
O agente Pinto le-ramente autorisado far leilao
de cerca de 126 sac-es com feijio existentes no
trapiche do Cunha i ra da Moeda n. 1, onde se
effectuar o leilo ; 10horas do dia cima dito.
Os scaes das quatro freguezias desla cidade
etc., etc., etc.
Faiem publico, de conformidade com a rcsolu-
co tomada pela Illm* cmara municipal, em ses-
sao de 11 do corrente, que o artigo nico da pos-
tura iddicional de 0 de julho de 188, abaixo trans-
cripto, est em perfeito vigor, cumprindo a lodos,
aqmm sua disposicao tocar, a tiel observancia,
aliin de nao incurrer as penas fulminadas.
Artigo nico,
t Kenhum carro, carroca, ou qualquer oulro ve-
hculo de conduzir gneros para os estabelecimen-
tos e casas desla cidade, ou para fra della, pode-
r le .-ar mais de 40 arrobas, sendo de 4 rodas e
cond zido por um boi, e de 20 se tendo o mesmo
numero de rodas for conduzido por um cavado :
se o /ehiculo for conduzido por mais de um boi ou
cavado, levar somente mais um terco do peso Be-
tabel -eido em razao de cada um animal; se porm
o ve! culo for de duas rodas nao poder conduzir
mais do que dous tergos da quantidade estabeleci-
da p< ra os de 4 rodas. No caso de contravenco,
os demos de qualquer vehculo ser mullado'em
105, c no duplo na reincidencia, licando prohibido
sob as mesmas penas o costume de serem os men-
cionados vehculos impelilos 011 auxiliados em
seu riovimento por escravosou pessoas livres. i
E para que conste, e nao appareca ignorancia,'
fazem publicar o presente pelo Diaru.
Cinade do Kecife 14 de janeiro de 1864.
Os liscaes
Maneel Ignacio de Oliveira Lobo.
Manoel Joaquim da Silva Riheiro.
Joao Xavier da PoOSOCa Capibaribe.
Tbomaz Augusto de Vasconcellos A. Maranhao
I)e ordem do Sr. inspector interino de alfan-
dega serio arrematadas em hasta publica, a porta
da nesma, no dia 2a" do corrente ao meio dia. 17
lone adas de rarvo de pedia perteMente ao car-
regenlo da barca inflen Adnmt, naufragada
em Mana Farinlia, abandonado por Wilson &
Ilelt,
COMPANHIA PERNAMBUCANA
I)E
.HavegacSo costeira vapor.
Man ni e escalas.
O vapor l'aiayba. comman-
dante Martins, seguir para os
portos cima indicados no da Lillicll.lS, hilll'S, lliaslai'l'OS, \ Ol'l-K, COI'-
1S:i,ao
DE
2"i do corrente as i horas da
tarde. Receber carga al o dia
23. Eneommendas. passageiros e dinheiro a Irete
at o dia da sabida s .1 horas da tarde : escrip-
torio no Forte do Mallos n. 1.
rentes anconis, velas, lonas, calins,
coirenlps, e ouiros olijeclos salva-
los da barcaii|ku tAdiien.
Terca-feira, 26 de frrenle.
, *raude lo Nnl. Swla-feira 22 de juieiro, na alfandega annazem
Segu em poucos das a barca nacional Thereza ., *
I, para onde recebe carga a (rel a precos bainos: i n ,? 7V 1
tratase eom Bailar 4 Oliveira, ra ra da Cadeia Jobn Uuncan cap to da barca ingleza Adru-n,
numero 26. naiuragada perto d 1 costa de Mara Farinha fara
-*-' 1 leilao por conla e risco d quem perlencer, com
rara O Hio (le Janeiro. !antorisado do consol de8. M. Rritanrca, com
Sahir com brevidade o brigue nacional Miner- bcencado Sr. insptetorda alfandega, era presenca
M, recebe carga e escravos a fete : tratase com (lt! UI" 'pregado Ja mesma reparlico e por in-
i do Corpo 'Tvenco do agonle Pinto, dos ohjectos cima
mencionados salvados da referida barca e exis-
tentes na alfandega, armazem n. 11, onde se ef-
fectuar o leilao no dia cima designado.
Principiar s 10 horas em ponto.
Manoel Ignacio de Oliveira A Filho, largo
Santo n. 19.
Para o Iliode Janeiro.
O patacho nacional Capuam, pretende seguir
cora muita brevidade, tem parto de seu carrega-
mento engajado, para o resto que Ihe falla e es-
cravos frete para os quaes tem bons commodos
Transferencia de leilao.
O leilao dos salvidos da barra inglea Air en,
tratase com os seus consignatarios Antonio I.uiz '"'^ transferido pan o dia terca-feira do cor-
de Oliveira Azevedo <"., no seu escriptorio ra ren,e- em. eonsoqm ncia de nao terem chegado lo
da Cruz n. 1. dos os ohjectos saldados pertencentes mesma
fara o Hi de Janeiro
sahir com a maior brevidade possivel o palhabo-
te nacional Vinmo recebe anda alguma carga
a frete e escravos : traase cen Manoel Ignacio
de Oliveira & Filho, no largo do Corpo Santo nu-
mero 19.
Para o Rio Grandr do Sol
pretende seguir eom umita brevidade a barca Afri-
cana, pode ainda receber alguma carga a frete :
trata-se com o Feos consignatarios Antonio Luiz^
de Oliveira Azevedo & C, no .-eu e.-criptorio, ra
da Cruz n. i.
dos os ohjectos salvados
barca.
AVISOS DIVERSOS,_____
N-i hotel d'Eurooe rna d chen. 12, piccisa-se de um Imn co-
pei' o, qner sej \ livre u e*cravo.
O 2 para fazer conheeer ji publico as militas
o extraordinarias viciadas das hopas medicimus,
as quaes, mesmo depois dele ter sido curado com
ellas, multas pessoas nao pi diam acreditar, ap;zar
de terem sido disso testenumbas. A sua moles-
lia era urna tn/tuMMeSo do fajado, hara seis an-
nos, aqual Ihe causav.i grande dr, a ponto de
baver j u" anuos que nao podia trabalhar pelo seu
offlcio. O olho ttantro atete forintenle infam-
Mads por 12 omos, e quast ceg, e o oulro j prin-
cipiara a infinmmar-se. C>m o favor de lieos,
s com a simples applicacau das chapas, a qual
em nada o iiicommodou, ro espaco de um mez
meu filho ficou perfeilamentc curado de ambas as
molestias ; o que declaro ser verdade, e assigno.
Kud da l'edreira da Glorian. 70. -Anna Hara da
Concrieao.
Paulo Jos Gomes, ra nova de Santa Rita n. 13.
- Dcmjainin Franklin da Cunba Forro m'go-
cia duas letras vencidas, urna da quanlia de 500.).
eoutra de 1:280,5, que garant e pagou pelo Sr.
Joaipnm Cocino Cintra._______________^___^
Eiisino primario.
Na rna das Cruzcs n. 2, primeiro andar, ten
aula sob a (breccao de Dio da Silva CoutTnko.
Mociedade de seguros mutuos
de vida installada pelo Banco
Unlao na cidade do Porto.
Os agentes nesla cidade e provincia Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo &_ C eseriptorio na ra,
da Cruz do Kecife a. 1, eslao autorisados desde j.
Fugio do e:igenho Bomfim comarca do Li- a tomar assignaturas e prestar todo os esclareci-
nioeiro provincia ade Pernambuco no da 28 de mentes que forem necessarios, as pessoas qne de-
junho de 1803, um casal dt escravos pertencentes
ao capitao Silvano Antonio Gano, os quaes tem os
signaes seguintes : Itogeri >. mulato, idade de 30
anuos, altura regular, grosso, rosto largo, cabel-
los pretos a anchados, baraa preta, s bigode e
por baixo do queiso, olhos amarellos, nao tem
falla de denles, falla moderado, carreiro c mui-
to jogador de carias, masca fumo e bebe agur-
dente : sua inullier de neme Joanna, crioula e
bem preta, com idade de 38 annos, alta e sceca,
feicoes miadas, olbos b. m vivos, nao tem falta de
denles e tem urnas cicatrizas pelas costas e pei- 1 llllllYUl'lPnO
los, masca fumo e bebe agurdente: roga-se as --lll*,*"*4l*Vuv'
autoridades policiaes e capilaes de campo e qual-
quer pessoa em particular a apprehensao dos
meamos e leva-Ios ao seu senhor no referido en-
genho que ser bem gratit'cado.
sejarera concorrer para to til e benfica empre-
za, segurando um futuro lisowteiroaos associado*
No-escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
AzevedoA C., na ra da Cria m 1, precisa-se fal-
lar cera o Sr. Luiz Soarcs Botelho, lilbo de los
Soares Botelho e de Fortunata Candkla de Souza.
e neto de Francisco Manoel le Souza, natural da
ilhado S. Miguel, o qual consta ter vtndo para es-
ta cidade em 18o6, para Ihe dar noticias de sua
roa i e irraaos que se achara no Rio de Janeiro.
a
hvdro-
1
h?
Ui^lO
do engenbo Tima, freguozia de S. Lourenco da
gaz
geniov
O proprietario da nova exposi^ui> d candieiros
a g-az avisa a ledos seus tregete que tem rece-
Indo novamente riquissimo sorliment de candiei-
ros e outros pertenecs para os mesoios. quo ludo
vende-por menos precos do que em oulra qual-
quer parte : na ra Nova loja iteCarneiro Vianna.
Neste estabeleciiuento se aWga caodie'iros de to-
Malta, no dia 18 de dezembro de 63, o escravo da a especie, principalmente para baes on ou-
Cosme, que representa ler 1K) 22 annos de idade, tro qualquer divertimento-qne seje ricamente il-
pouco mais ou menos, estatura e corpo regulares,
cor bem preta, rara redonda, sem barba, olhos
grandes e embranquicados, pernas regulares, pea
pequeos,jiedos arrebiladcs de mam-ira que quan-
lo anda nao toca coni elles no chao, e parece estar
maneo, gesta milito de batucar e cantar. Este es-
cravo foi do Sr. Joaquim .los de Souza, morador
no engenbo Lameiro, na provincia da Parahiba.
Quando fugio levara em s*u poder um cavallo alu-
K
na
luminad a gaz hydrogewe, afllancondo-se aos
pretendentes juo acharan sempre grande quanti-
dade que precisarem para este tim : na ra Nova
n. 2i, nova expesieao de eandieirosa gaz loja de
Carneiro Vianna.________________________________
= D-se dinheiro a joros : n.-t
ra do Ifcansel n. a.
Lemos & C. avi.jm ao publico e aocomnvr-
ao, castrado esem habilidades, c fora encontrado f0 que dissolveram amigavelmente a sociedade
la villa do Limoeiro, onde, sendo perguntado, dis- quc tinham na.taberi do pateo do Paraizo o. 30
AVISO.
Para Lisboa pretende sabir cora muita brevi-
0 agente Pestaa avisa ao respeitarel corpo do
commercio que o S-. Ravmundo Remigio de M.llo
io
Sr.
janeiro
sera que andar compran Jo galinhas a mandado
de seu senhor, de serle que soppoe-ee que elle tora
seguido para S. Joo, na provincia ua Parahiba.
onde mora um irmao do senhor qiM o vemleu.
Depois que oeomprei ja s.:u> com esta tres I
que lein feiio. na aegoda foi praao para as partes
de Goianna, que la com d )slino a procurar c Sr.
Joaquim Jos de Souza. Pnrtunto roga-se s au-
toridades policiaes e capitos de eampo so o virem
o Bandea pegar, levando no engenho Tima. ou
noRecife, casa do raen correspondente, na rna do
Imperador n. Vi. qne serao liem recompensados.
I). Yillaca.
Eu abaixo assignado, morador na (regueain
do Bonito, nerante o pablieo declaro que ia a mi-
niia aaaigaatura prestada i. nm papd que se dizia
ser nina informaeao a res[ eito da conducta do vi-
gario de Barreiros, da algama maneira etfende
ao meu amigo o Si. vigan > Joaquim da Cunba Ca-
valcant, segundo a me. alirmain, de nada valora,
e a nao risquei quando disto soube, por j ter se-
guido para Beferros, dizei i, qne para ser-eotregna
ao Sr. vigario Ti ajano daquella fragueaia.
lionilu 8 de janeiro da ISiii.
Antonio Esteres de Albuqucrque.
Fi:cal desta villa
que
sobre o litado do lVarateiro, fieando o socio^Lem-is
responsav/l por l o Jo o activo o passiro da mesma.
casa. Racife 19 de janeiro d 1864.
Francisco "Pinto de Lemas.
Candencio Lopes de Oliveira.
'"-.i'SkssSv^^&s .'-'^S,S3aaBH|
O Dr. Carolino Francisco de Lina San- k5
tus. emuiuiia a residir na ra do Impe- jfi
rador n. 17. 2 andar, onde pode ser pro- l^$
curado r. qualquer hora do dia e da noile \\
para o exercicio de sua proOssae de me-
dico; sendo me os chamados, depois de
nwio dia al 'i horas da larde, deven ser
deiados por escripia o referido Dr.
nao abandonando nunca o estudo das
molestias do interior, piesegoe, com o
maior allinco, no das mw dilticeis e ileli-
eadae operaoiies, como aojan dos orgos
ourinarios, dos olhos, partos, etc.
Precisa-se alngar males escravos para
i trabalharem na olana da tua da Gloria n. 5, junto
ao Dr. Mescosu : a tratar ua mesma.


Diario de l'ernanibuco MexU felrn St de inudro de iS4.
ICO
320
320
FOLHINHAS PARA 1864,
Na praca da Independencia hvraria n;. 6
e 8, acliarn-se venda as seguimos fi Ihi-
nhaspara 1861 impressas nesia lypogmhia
em excollente iypo e bont papel,
Folhiilia do porta contendo as mate-
rias do costume, rs. .....
Dita do algibeira, sob a epigiaphe
religiosa, contendo alm das materias
do costume os sete passos da Paixl
de Nosso Senlior Jess Christo ; cnti-
cos do mez Mariano; hymnos c jacula-
torias ao Santissimo Sacramento; ex-
plicacocs de diversas oracoes-, cora
Serapliica ; exercicio ao sagrado cora-
cao de Maria; oracJo para visitar as
igrejas no dia da Perciuncula ; oracio
para escolha dos estados da vida ; dita
a Senhora da Conceicao ; e meditatoes
sobre a reforma da consciencia, rs. .
Dita de dita, sob a epigrapheVa-
riedade, contendo alm das materias de
costume : receitas uteis e necessarias
aos diversos mysterios da vida ; physi-
ca e recreativa ao alcance de todos:
ilherias e ratices; poesas ; charadas;
mximas pensamenlos coliigidos por
um curioso. .......
Dita<. clesiasttcas eu de padre para
Jesar o oflQcio divino, redigida pelo re-
erendi) conego penitenciario da S de
Olinda........'. 640
Constando ao abaixo assignado que i seu
gcnro Domingos Jos Ribeiro Goivim preten le fa-
zer negocio com a parle da casa da na do Rosa-
rio da freguezia da boa-Vista n. 48, que per enca
toa lllha Maria Theophila de Paula Carneito, ho-
je fallecida, declara omesmo abaixo assignad3 que
mnguem faca negocio com o dito seu genro sobre
a dita parle da casa, por quanto sendo elle hjrdei-
ro de sua mulher na meiacao, todava a nao pode
dispor sem proceder inventario, e satsfaz-r ou-
ttos eni|ienhos a que eslsujeita urna lao diminuta
taerauca. Recite 21 de Janeiro de 186.
Francisco Jos de Paula arnciro.
Precisase alujar urna preta para o srvi^o
de urna casa : a tratar na ra do Imperador, ar-
mazem de louea n. 41. No mesmo armazcn ha
para alugar-se um excellente cozinheiro.
Alagase una casa com 4 qaartos, gabinete
ao lado o rozinha fra, eaiada e pintada de novo,
com banho na frente, e bastante fresca : qiem a
pretender, dirija-se ao largo do Paraiion. 2C.__
~ No becco dos Ajouguinhos, rasa n. 25, rece-
bem se discpulos pira empalhador.
Aluga-se urna casa nova com bons coinmo-
dos para familia e por preco multo commodi, no
principio da estrada dos Afflictos : a tratan a pa-
daria do Chora-menino.______________________
E>l por alagar-se o segundo andar e sotao
do sobri.de n. 65 da ra Nova, que alias te n ex-
celentes accommoda<;oes : quem os quizer juntos
oa separados, dirija-se ao primeiro andar.
o sobrado n. 33 da ra de Hospicio ha para
alugar-s* um quarto ou saleta que tem op irnos
commodos : quem o pretender, dirija-se ao mesmo
sobrado. ___________
O abaixo assignado anda tem paravnder
algans pedacos do terreno de marinha n. 18:! que
possue na ra da Concordia e nos fundos da mes-
ma, nunca menos de 150 palmos de fundo cem 30
de frente, aterrados e beneficiados e confi ontes
para qualquer dos rumos que agradar ao compra-
dor: quem os pretender, dirija-se ra larga do
Rosario n. 16, que achara com quem tratar.
Manoel Antonio de Jess.
ESTRADA DE FERRO
Recife a Sao Francisco.
(raudos lentas na Boa-Viagem e
villa do Cano.
Ironiinjso, 24 de j*mvrode 1864.
TRGNS ESPECIAES
De t* e r classe.
Boa-Viagem partida das Cinco
Para
Pontas
1.a ao meio dia.
i. as lioras da tardo.
Volla da Boa-Viagem as II horas da
noite.
Para Villa do Cabo partida das Cinco
, Pontas ;is 3 horas da tardo.
Volta da Villa do Cabo as 9 horas da
noite.
Alm destestreus havera o trem ordina-
rio de passage/ros que partir as horas do
costume.
Os bilhetes vendidos para oa trens espe-
ciaes nao serviro para os trens erdinarios
era os destes para aquellos.
R. Austin,
Superintendente interino.
Naques sobre Portugal.
O abaixo assignado, agente do banco
mercantil Por ltense nesta cidade, saca ef-
fectivamente por todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
qualquer soturna, vista e a prasu, po-
dendo logo os saques a prazo seren des-
contados oo mesmo banco, na razio de 4
por cenlo ao anno aos portadores que as-
sim I he convier : as ras do Crespo n.
8 ou da Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
Ma
Precisase de urna ama que saiba coser c en-
gommai pan casa de familia : na ra Nova nu-
mero 4?.
Prccsa-se de ama ama para rasa do pouca fa-
milia ; na praca do Corpo Santo n. 17
INDEMNISADORA
A directora da coinpanhia de Seguros Marti-
mos Indemnisadora convida os senhores accionis-
tas a reunirem-se em assembla geral no escripto-
rio da mesma compaiihia, no da 25 do con ente,
pelas 11 lioras da manhaa, para os (ins deten lina
dos no artigo 40 dos respectivos estatutos, e pre-
cederse a approvaco das transferencias d< ac
roes ltimamente rea usadas.
Recfe 21 de Janeiro He 1864.Os directores,
Francisco Joao de Barros.
Miguel Jos AI ves.
Joao da Silva Regadas.
O abaixo assignado, tendo sociedade em seu
estabelerment sito ni ra do Trapiche n. 2i sob
a firma de Manoel Amonio Pires & C, u dexindo
de ser s<>cir> Manoel Antonio Pires, ficou o mesmo
abaixo assignado obriitado pelo activo e passito da
mesma sociedade, slo desde fevereiro do anuo
prximo passado, c por isso declara a quem for
redor da referida firma, que se aprsente no pra
so de lo das da data do presente, findo os quaes
nao se obriza mais por qtialquer debito quiln
seja exigido. Recife 22 de Janeiro de 1864.
Jos Rodrigues de Ar drade.
Tendo dissolvido os abaixo assignados i so
ciedade que tinhamem seu eslahelcci mente sitD na
ra do Trapiche n. 28, firou cargo o activo e
passivo sobre a responsabilidade de Jos Rodri-
gues de Andrade. Recire 21 de Janeiro de 1864.
Manoel Antonio Pires.
Jo^ Rodrigues deAndradi.
Offt recese urna mulher com bastante e
lete para criar nm menino : na ra
sobrado, primeiro andar _____
Dom
Nova n 10,
Off.recc-se um rapaz com 12 13 anno.-. de
idade para caixeiro do taberna, padariaou lo. a de
calfadodo que tempratica, affianea o bom iom-
portamento, brasileiro e desoja ser arrnnado
em negocio : quem quizer dirjase ra Diicita
n. 63, casa Je urna so rotula.
Fogo do ar
Na fabrica da viava Rufino, da estrada de oao
de Barro?, rerebem-se encomraendas de quali|uer
artigo tendente a esta arte, assegurai do-se boa
execuco e modicidade nos precos : a trata/ no
oitao da secretaria de polica, armazem da Ma
amarella.
Ausenuiu-se uma preta do abaixo assigna
do, no da 20 do corrente, de nome Benedicta, cri-
ula, idade 24 annos, piuco mais ou menos, l( vou
vestido de edita j velho e panno da Costa tam lem
velho, ptu la e bonita figura : roga-s 3 po ca
capitaes de campo a apprehensSo delh e leva-la
riu de [tintas n. 114. Assiin como so protesta
contra quem a tiver acontada por percas edamnos.
Antonio Joaquim de Almeida Cru:.
Domingos Pereim, subdito portugtez, retra-
se para a Europa.
Aluga-se um pr<*o e urna preta (rasadas),
muito robustos, fleis e de bons costumes: para
ratar, na ra da Cruz n. 34, primeiro andar.
Na ra da Palma n. 94 se dir quem d di-
aheiro a prejnio sobre hypotheca em bens de raz
ou mesmo lettras por tres mezes.
Precisa-se de doiii canoeiros forros ou cap-
tivos paracouduzirera lijle da olaria de Maroel
Antonio de Jesun, na caraboa do Retiro pan. o
ecife._______________________________
Offerece-se urna senhora para criar urna
Manca com bom Jeite : quem quizer dirija-si a
raa do Sana Kta o. 45, que se dir quem quer ou
annuneie. para ser procurado.
Lava-so e engomma-se roupa de liomem ede
seahora com perfeicao n preeo colimado : na i ua
da Peona n. 23. loja
Offerece-se um moco solteiro para criado,
cozinheiro ou dispenseiro de casa de familia : na
ra da Lapa, casa de pasto do Santos.
FURTO
No dia 15 do corrento por volta do meio dia,
subi um larapio ao segundo andar do sobrado n.
29 ao largo do Paraizo, e aproreitando-so da au-
sencia do dono da casa, siirrupiou um relogio de
caixadourada eniado em ura trancelim de ouro,
o signal mais saliente do relogio adiantar-se
muito, e o trancelim compride de enfiar ao pes-
clo, fino, redondo, com um botao marchetado de
verde, sbesequal foi i nica pessoa que ah
subi e este foi provavelmente o Mercurio. Nao
se llie pede reslituicao, para se Ihe nao dar moti-
vo de riso, adver-te-se-lho somente que mais cedo
ou mais tarde cantar-se-lhe-ha urna epopa para
que tenha mais cautela, quando lizer outro furto.
Os signaes do tal cavallero muito breve serao
modulados em prosa e verso para que a sua pes-
soa seja bem conhecida. Cuidado com os lara-
pios 11 I ___________^^_____
na ra
Aluga-se o 2* andar do sobrade da ra do
imperador n. 79, bastante fresco, e decente para
urna familia : a tratar com Antonio Jos Rodrigues
de Souza, na ra do Crespo n. 15.____________^^
MUDANZAS
No otao da secretaria de polica, armazem da
bola amarella, ha urna pessoa encarregada da mu
daiiea de moblias de urnas casas para outras, e de
transporte de quaesquer voluntes sob a dirercao
da mesma pessoa : a tratar no lugar cima.______
Precsa-se de urna preta boa qnitandeira, pa-
ga-se 20$ mensaes: quem a tiver, dihja-se ra
de Hortas n. 106, que se dir quem quor.
Aluga-se urna casa com 3 grandes quartos,
2 salas, Ciizinha fra, cacimba e portan com peque-
no quintal, naSoledade, ra da (Conquista : a tra-
tar na ra da CaJeia do Recfe n. '.i.
Aluga-se o segundo andar o soto do sobra-
do da ra larga do Rosario n. 29, com bons com-
modos : a fallar na ra do Brum armazem n. 74.
Dase a quantia de 2o S mensaes pelo alu-
guel de urna escrava robus.a. fiel e diligente para
o servico interno o externo de casa de familia : a
ra dos Guararapes n. 26, sobrado de um andar.
CWIPl!HENTOS
d'agnia branca.
A agnia branca dirige seus sinceros cumpri-
mentos toda sua boa freguezia, estimando que
tivessem boas feslas e entrada do novo anno, e
que este bissexto.seja para todos iinclusiveella) de
muitas prosperidades, com farturadedinheiro etc.,
para assm continuar a afTJuir, e satisfactoriamen-
te proverem-sc dos variados e dilTerentes objectos
de gosto que constantemente se acham no lioha
d'aguia branca, pagando-os de prompto como brio-
samente co-iiii i.iin. Em quanto pomo a boa fre-
guezia assm louvavelmente procede, alguns mos
freguezes differentemente praticam, aranhando-se
inteiramente em satisfazerem suas contas, passan-
do at aprosadamente pelo lado opposto e cim o
0 abaixo assignade ce ntina a lecconar pri-
mearas letras, latim e francez em sua mesma re-
sidencia na ra Nova n. 58, terceiro andar. Ad-
miti tambem 8 alumnos memos, nao excedeudo *f ue slaberto e inclinado para o lado d agu.a
a dado de 10 anuos. i n^.maos freguezes a agu.a branca
________Jos Maria Machado de Figueiredn.
P-ecisa-se de um armssador que entenda
perfeitamente do fabrico de paoe bolacha: a tra-
tar na ra larga do Rosario n. 16.______________
bota-lhe os
pontinhos.
nivelas de ac e com pe-
eras
Saibam toda > as boas freguezias, e apreciadoras
do bom, que a loja d'aguia branca recebeu as bo-
Precisa-se de um bom corheiro para fora da nlas e delicadas livelas de ac e compridas, c que
provincia, |.roporcinando-s>lhc bom ordenado e ,a,nbem estao condieues fav-orayeis : quem quizer contratar, di- ,ogo rua(lu ()ucmaao |0ja d-a?uia branca n.8,
rja-se ra da Cruz n. 19, primeiro andar.
E>t para alugar-se o segundo andar do so-
brado da ruadas Aguas-Vrdes : quem pretender
falle na ra das Cruzes, sobrado n. 9, lado direto,
quem va da ra do Queimado para S. Francisco.
Nomesno sobrado ha para vender-se duas soleiras
depedrade Lislioa, e as obras em francez, como
sejam : Chateaubriand, Bab'.ac, Vctor Hugo, Mis-
terios de Pars, Guizet, Historia moderna, Cantu,
Historia Universal, Historia do Consulado e do Im-
para nao ficarem sem essas bonitas fivelas.
PERFUMARAS novas
Suritiuciiio do bom.
cousa j mu sabida, que a loja d'agu branca
o deposito de linas perfumaras, e alem do cons-
tante .-omnenlo que nella sempre se acha, nota-se
mais que acaba de receber pela barca franceza l-
timamente cbe.'ada. um grande sottmenlo de lu
para o -ervieo interne e exierno
familia : na ra do Imperador
andar.
de urna casa de
n. 71, segundo
Precsa-se de urna ama para cosinhar
arga do Rosario n. 12, secundo andar.
Itteucio.
Offerece-se una pessoa competente-
mente habilitada pela directora da ins-
imeeao publica para ensinar fora desta
capital e em qualquer outra provincia, as
prinieiras Ultras, ling la nacional, piano
e msica : a tomar informaco na ra
da Gloria n. 18.
Offerece-se urna ama de lete, quem tiver ur-
gente necessidade dirija-se a Camaragibe em casa
de Francisco de Miranda Cavalcanti do Albuqucr-
que administrador do mesmo engenho, ou annuu-
cio por esta mesma folha. _____________________
O abaixo assignado, devidamente autorisado I
pelos senhores administradores da massa fallida
de Fana & i'.., reiterando o annuncio j muitas ve-
zcs publicado por este jornal, convida de novos
devedores da dita sociedade fallida paraamigavel-
mente solvereni seus dbitos at o dia 31 do cor-
rente mez de Janeiro, previnindo-os de que, se as-
sm nao fizerem, ter de chama-Ios juizo para
obrigar o pagamento, como tem succedido a res-
pailo de alguns. Outro sm declara aos mesmos
devedores, tanto desta como de outras provincias,
da capital cmodo centro, que nao podem fazer i
pagamento algum se nao ao annunciante ou a pes-1
soa por elle autonsada com procuraco bastante,!
e de modo algum podem pagar ao fallido, fgido e
occullo, Juvino Carneiro Mac.iado Rios, sob pena
de nullidade de pagamento e de terem de repeti-lo
ao annunciante ou aos ditos administradores na ra
do Imperador n, 57. Recife 19 de Janeiro de 1864.
Lino de Faria.
Aluga-se urna padaria com grandes eom-
modos e todos os pertences : a tratar na ra da
onrordia n. 62.
Quem pretendere st-guntlo til-
dar do sobrado 11, 44 em a mu
da Aurora, d iij -sea ra Nova,
em a loja de Basles A ib gal luios, que
chara hc
lirado
DENTISTA DE PARS
19Ra No>a -19
Frederico Gautier, cirurgio dentista,
faz todas as operacoes de sua arte, e col-
loca denles artiiciaes, tudo com superio-
ridade e perfeicao, que as pessoas enten-
didas Ihe reeonliecein.
Tem agua e pos dentificio.
Custodio Jos Alvcs Gumaraes avisa aorespei-
tavel publico e aos seus freguezes, >iue em vistas
de se achar seu estabelecimento em obras afim de
alargar mais o campo para o gallo de novo cantar,
afim de melhor poder servir seus bons freguezes,
com tudo em quanto durar as ditas obras conti-
nuar a servir seus freguezes no seu grande ar-
mazem com frente para a ra do Imperador com
entrada pela dita loja do gallo vigilante, ra do
Crespo o.7. ________
Manoel Luiz dos Santos & C. tero justo e
contratado a compra do armazem de cabos no lu-
gar da ra do Vigario n. o, pertenrentc Theodo-
zio Maduro da Fonseca : quem se julgar com di-
reto a qualquer reclamacao, dignar-se-ha apre-
sentar no espace de 15 das. Recite 13 de Janeiro
de 1864._______________________________________
AMA.
Precsa-se de urna ama forra ou escrava de boa
conducta que saiba engommar e cosinhar : na ra
das Cruzes n. 36, primeiro andar. Paga-se bom
ordenado.
uu """ dos e agradaveis objectos proprios e exccllenles
peno por inicrs._______________________________i para presenU;s ^j,, fruas caixinhas envernisa-
= Precisa-se alagar urna preta ou um moleque das com fechadura, espelhoe perfumaras, outras
toda de vidro tambem com perlumarias, lindos
boioes de porcelana dourada com maviosas e joco-
serias nscripcf*s, outros igualmente bonitos e de
diversos mobles sem inscripciio, mas todos elles
com fina banha para cabellos. Nesse especial sor-
tmenlo veram os bem eooheeidos leos philoco-
me, de Lubm, e babosa; assim como pomadas, cos-
: metiques, sabonetes, opiata, Unos extractos de agra-
! daveis cheiros, etc. etc. Assim, i-os, concorram
! os bons fregu; es para a loja d'aguia branca, ra
do Queimado n. 18.
IIEVI-JIt D AGU A
Un advogado que tero de ir ao Rio Grande
do Norli tratar de urna cau^ commercial.encarre-
ga-se df qualquer cobranca amigavel ou judicial
naquella provincia : a faltar na ra da Unio nu-
mero 39.
O abaixo assignado est morandona ra da
Praia n. 59, terceiro andar, aonde nao s recebe
assncar, madeiras e escravos para vender, como UMnm un
tambem convites para demarcacao de terrenos, I Oitlflttt
tanto para o sul como para ..norte, ou serto, : lo- scienliflcar ^ fr recebe
do aquello que o honrar co n seu convite ou m- nQV0S ibWii ^ porcm- os s'eus afaze-
cumben:.as de seas negnos nesta praCa, serao res duraJu-0 IlltZ |iasJsado aVrvaramdessa salis-
pontualmente servidos.^^^ ^ mmmtM^t fecao, e mesmo agora sendo-lhe impossivel dcs-
crever minucissamente a infinidade dos novos e
Alagase a casa terrea n. 36 na ra da Ma- dilTerentes objectos que ha receido por lodosos
triz, lad) da sombra, com 4 quartos, 2 grandes sa- vapores, limitase apenas a dizer que o ninho d'a-
las, cozinha fra, quin tal murado e cacimba pro- guia acha-sc constantemente mui bem sonido, e
pria, poi barato preco : a tratar na mesma casa. porcouseguinte o ponto mais acertado para nelle
-------------------------~~j ; se achar que de novidade e de bom se deseje ;
A ItlCJil-liC i assim, pois,continu a sua boa freguezia a dirigir-
urna boa propriedade do sobrado no lugar da Tor- se munida de dinhero ra do Queimado, loja
re, em muito bom local, muito fresca, com urna d'aguia branca n. 8, que acharao explendido e va-
linda vista por ser perto do rio, e est forrada de riado sorlimento de finas perfumaras, galanteras,
papel, com bastantes commodos para grande fami- etc., etc., tudo sso vendido com barateza, agrado
lia, tendo banheiro, cocheira, estribara para 6 ca- e sinceridade.
vallos, cacimba com bomba, muitos arvoredos no-
vos, umii grande baixa de capim bem tratada, cu-
ja propriedade periodo Sr. Francisco Gomes de
Olivera, tirando a mesma propriedade confronte a
Capunga Nova : quem a pretender, poder procu-
rar a chave na ra da Senzala Velha n. 100, no
primeiro andar, das 10 horas da manhaa s 3 da
tarde, ou na Gapunga Nova, estrada do Jacobina exceUente8 paraum bom presente
emcasadoAmaral Jnior antes ou depo.s da ,0 costl aaguia branca da ra do Quei
horas mercadas, aonde pode-a emsarcar para >r mado g Venc;e-as plr precos raroavets.
il\l)\S
sena
costurarlas com msicas e
ellas.
A aguia branca araba de receber lindas c deli-
cadas caixinhas com msicas e sem ellas, proprlas
como de seu
TINTURARA.
Tinge-se com perfeicao para qualquer
cor, e o mais barato possivel: oa ra do
Rangel n. 38, segundo amlar.___________
Bernardo Jos Pereira da Costa segu nestes
das para o Para.______________________________
Aluga-se o primeiro e segundo andar do so-
brado da ra do Nogueira : a tratar na na Direi-
ta, loja de ferragens n. 73.
a mesma casa; o aluga-se por prec,o commodo.
Atlcnco!
Pede-si encarecidamente a pessoa que no dia 11
do corrente levou por engaa do botequlm do Sr.
Pinto, na ra da Imperatriz, um romance, o favor
do entregar ao mesmo senhor que se Ihe ticar as-
ss agrar ecido.
Aluga-se
a loja n. 50 da ra da Cadeia, esquina defronte da
ra da Madre de Dos, propria para qualquer esta- ac glezas, do afamado fabricante Perry, sendo
FITAS BRANCAS FINAS
para debrualiar coll- tes, palelots e ves-
tidos.
Arham-se v;nda na ra do Queimado, loja da
aguia branca n. 8.
PEfifllAA KACO
inglezas.
A aguia branca recebeu as superiores pennas de
sW\l
m
quem tratar.
Offerece-se urna pessoa para caixeiro de ra ou
cobranca de qualquer casa commercial, liando fia-
dor a sua conducta : a tratar na ra da Praia nu-
mero 44.
Precisa-se de urna ama para o servico de
urna casa de pouca familia : na ra da Glora au-
mero 36______________________________________
Offerece-se um menino brasileiro de )4 an-
nos para pratirar em loja de mudezas ou outro
estabelecimento de igual natureza: tratase ca ra
do Forte n. 20.
Aluga-se urna casa grande no Campo Verde,
ra do Socego n. 22: a tratar na mesma casa.
belecimento, tendo armazem no fundo da mesma 0 sortimento grande, e das qualidades que mais se
loja com cemmunicacao por dentro e portas para aprecam( inclusivo a amanlaca a balito etc. etc.;
atravest da Senzala, alagaodo-se tambein o pn- cada caixa traz urna groza : os preteridentes, pois,
meiro andar da mesma ca -a, e ah acharao cora dirijam-se com dinhero ra do Queimado, loja
d'aguia branca r. 8.
dOotoaduras de corna-
linas para col leles
Quem quizer intar era seu rollete urna bonita
abotoadura oval, de fina cornalina, ha de ehegar-
se com 2-5 a loja d'aguia branca, ra do Queimado
numero 8.
Precisa-se de um menino de 12 a 14 annos
dos ltimos chegados do Port3 para caixeiro : na
ra Dir ta n. 141.
COMPBAS.
C. Paterson, 2 crianeas e 3 criadas, retiram-
alifMHe atlejts i mimso-,1E!29!:
F.\l\iD4NflOS.
Jos Pereira dos Santos, pardo, oSRcial de pe-
dreiro, filho legtimo do finado Manoel Pereira Du- Segunda-feira 2o havera na freguezia do Peres
trae de Francisca Bezerra, moradura em Santo no pateo da igreja este bello djvertimei.to sendo
maro de Jaboatao, acha-sc hoje no Brejo da Ma- jomposto tambem com um cordao do bello sexo
dre de Dos trabalhando pelo offlcio na obra da remmino.______________________________________
casa do capilao Jos Antonio Pereira, e declara que Precisa-se de 1:6005 sobre hypotheca dan-
nunca foi praca de primeira lnha, como andam do-se por seguranra to propriedade : quem qui-
dizendo._______________ _____________________i zer annuneie para'ser procurado.
Conpra-se una mobilia de Jacaranda: ua
ruz do Crespo n. 23 se dir quem trata._________
Compram-se escravos
de ambos os sexos, e pagam-se liem : no escripto-
rio da rui da Madre de Dos n. 3, primeiro andar:
Compra-se um cofre francez em bom estado:
na loja di ra Direitan. 82.______________
Compra-se efiectivamente ouro e prata em
obras velias: na praija da Independencia n. 22
loa de bilhetes^________________________________
Compram-se constantemente garrafas vastas.
na fabrica de espritus na ra Direita n. 17.
IE<1 1I1M II %
Custodio Canmlho Cumpa-
nhia
99Ruado fciielmatlo*J.
Novas laazinhas esrossezas muito lindas, fazen-
da enrorpada, propria para vestidos de senhora e
cnancnhas, jielo barato prego de 240 cada co-
vado.
Em casa de Mills Latham & C, na ra J-
Cruz n. 38, vende-se ferro galvansado de um doa
,__,j. ^inninnnrin me. melhores fabricantes inglezes, proprio para cobers
Comprase em bom estado o diccionario me- r r t~
dcina de Chernovis, com o seu formulario ou sem
elle : na ra do Cabug, loja n. 18.
Conpra-se um boi novo ,
mado andar em carroca : na ra da Cruz n. 42, primeiro andar.
Cal de Lisboa
que esteja acostu-' chegada ltimamente ; na ra do Vigario n. 19,
Saques.
M. J. Ramos e Silva & Genros sacam
Alujase.
a loja da esquina da ra de Hortas n. 39, cera
urna boa armaco e mais pertences para taberna,
bem localisada, j desembarcada dos impostos vista sobre a pra{a O Porto: na ra do Vi-
que se achava a dever o que intimidava os pre- gario n 10.
teudentesque ijueriain arrendar para continuarem---------'-----'-----------------------------------------.
com aquelle estabelecimento de maneira que hoje A TTP VP A O
nao tem mais do que sorti-la, assiin como aluga-se AJjil yil\J.
tambem urna excellente casa na travessa da Trems Offerece-se urna pessoa com todas as liabilitcoes
pe n. 9 para o Mondge muito fresca e commodo- qur para cortar obras de alfaiate para qualquer
para grande familia ; no 3" andar do sobrado da loja ou mesmo para contra-mestre, ou mestre de
ruado Imperadora. 44.______ qualquer casa que precise para esse tira: na ru
- Na ra da Cruz n. o, precisa-se de urna ama Nova O se dir quem essa pessoa.
para o servico interno de urna casa de pouca fa-1
primeiro andar.
Conpra-se
Santa Hita n. 27.
una escraa idosa : na ra do
Corapram-se as postilas de direilo civil pelo
Illm. Sr. Dr. Braz : na livraria da praca da Inde-
pendencia ns. 6 e 8.
i.iitas de pellica.
Chegaram pan a luja d'aguia brauca, ra do
Queimado n. 8.
Feijo.
Vende-sc feijo em saceos : para ver no trapi-
che doCunha.
- Compra-se u.nsilho que esteja embornes-: Ven(k.se uma laberna muit0 afre,u,;,^
------------- para a trra, com pouros fundos, boa para um prin-
cipiante, e tem commodos para pequea familia
Compra-se uma
qncm tv?r annuneie.
escrava de meia idade:
a tratar no ampo Verde n. 49.
mili; .
AH
Precisa-so de uma ama par servico de pouca
fmula : na ra da Cadeia do llecfo n. 43.
iFM
Em quanto o Sr. Jos Joaquim Barbosa nao vier
Furtaram do largo da Penha desta rdade no dia
16 do corrente, defronte da taberna de Jos Ribei-
ro da Cunha Guimaraes, um cavallo ruco pedrez,
tem uma mo branca, bebe em branco, ferrado no
quarto direilo com as letras S G B c no esquerdo
com a letra P por ser cria do sertiio, denominado
ou mandar da villa doO' (para onde mudou-se oc-1Panema- "Jade de 10 12 annos, pouco mais on
cultamente) pagar os alaguis de perto de dous men0R. andador de carrego baixo, e eslava com
annos da casa em que morou, na ra dos Prazeres ^"galha : quem delle quizer dar noticia ou o ap-
da Boa-Vista, ver o seu nome neste jornal para Prender, dirija-se a ra Direita n. 2, segundo
melhor ser conhecido dos proprietarios. andar, que se pagarao todas as despezas e se gra-
tificar.
Bernardo Pereira da Costa mudou o nome
para Bernardo Jos Pereira da Costa por haver
igual nome, e va ao Para a neimcio.
YENDAS.
Ceblas
Vendem-se oito moradas de casas na cidade
de Olinda, todas em boas ras: a tratar na mesma
cidade com Luiz JosGouzaia.__________________
Atiincao.
Vende-se tima casa terrea sita no Mondego b.
28, uma preta da Costa muito sadia, sem vicio al-
gum : a tratar ni ra da Suledade n. 60.
Jos Antonio Pereira da Cunha deixou des-
de o dia 20 do Janeiro de ser caixeiro do Sr. Manoel
Luiz Goncalves. 0 mesmo agradece as maneiras
delicadas com que foi tratad* pelo mesmo senhor.
assim como por sua Exm.' mai a Sr.* D. Rosa Gon-
calves de Jess, e toda a sua Exm." familia.
- Antonio Jos Rodrigues dn Souzaalugaasua
casa e sitio do Monteiro, em frente ao oitao da
igreja de S. Pantaleao, com bastantes commodos
a 640rs. ocento, vinho Figueira a 400 rs. a gar
rafa, man :eiga ingleza a 740, 800 e 960 a libra
na na larga do Rosario n. 30, esquina da estreita i fa bem conhecida loja da Victoria na ra do
do Rosario. ^^_^_____________________ Queimado n. 75, ha um completo sortimento de
Papel de Fiu.ne e grove a 33GO0, almaco trancas lisas de la pretas e de core^chegadas ha
branco e perlina a 3J200 : no armazem de Tasso pouco neste mercado, e vende-se a 100 rs. a pega.
Irmos. Vende-se a taberna sita no paleo da ribeira
- Venle-se um boi crioulo e manso para carro "-. : tratar com seu proprietario na ra do
ou carroca : na padaria do Chora-meninos.
Aigwo da Hall i a
Panno de algoilfio tecido de Minas, ta-
para saceos de acucar e nmpade'escravo^em zenda forte e encorpada, aprnpriada para o
para vender Antonio Luiz de Oliveira Azevedo tN servico da lavonra, quer para saceos, quer
ATTENQQ
Quinteiros & Agrarogama todas as pessoas que
tm penhores em seu poder, que os venham resga-
lar nestes eto dias, ao contrario os vender para
a tratar na thesouraria das loteras, ra do Cres- seu embolso, sendo esta a terceira vez que faz este
pon. 15. annuncio, nao admittindo mais desculpas, visto ter
- Precisa-se de uma ama de lete para uma U,nb,em *> satisfazerem aos seus credores; igual-
uriana de 6 a 7 mezes : na ra estreita do Rosa- i i0i demais devedores que venham aje
rio n. 31, terceiro andar. ? fl,nJdo co-rrente mez saldar seus (le,,,los. e "a0
para roupa de escravos: grande deposito
Na ra larga do Rosarij n. 16 ha para ven- na praca do Corpo Santo, escriptorio de
C, no seu escriptorio ra da Cruz n. 1.
der-se200 a
bom estado.
300 barricas vastas de familia, em Augusto F. de Oliveira.
M. J. Hamos e Silva de Genros,
No largo do Carmo, esquina da ra de Hor-
tem
do
*^XS&tt**ZSl para vender em seu escriptorio na ra
fa, e sement de coentro nov;i a 240 rs. a garrafa. Vigario u. 10. o seguinte :
Caz, gaz,ga:e,gai, Ricos e elegante pianos,
ou verdadeiro ole', kerosee, de primeira qualda Algodao da Bal ta para saceos e roupa de es-
Prufssor de piano
Jos Coelho da Silva e Araujo, bem conhecido
nesta cidade, contina lecconar piano c musi-
- A |k*so que ton^i petas 4 huras da larde" "^al |M)r conn?,do P.reC : nuem de seus ser-
.ap'o do Chyli, lino, m ^rS^^ ruadoL,vramcnt n" il'
levou por tngano um chai
ser o seu que mandou concertar, teh a bondade
vir destruea-lo na praca da Independencia ns. H e
16. se nao ver o seu nome publicado neste inr o.
Na rita da Madre de Dos n. 16, j
4ir quem precisa de uma pessoa com a
4evida prati;a para cobrar dividas pelos ar-
ratialdes d -sta cidade. dando conheciment).
segundo andar.
O Dr. Casanova pode ser procurado em seu
consultorio especial homeopathico no largo da ma-
triz de Santo Antonio n. 2. No mesmo consulto-
rio ha sempre grande sortimento de medicamentos
fazendo serao suas contas entregues ao procurador
para cobrar judicialmente, visto j estarem os cai-
xeiros caneados de tanto os procurar.
Aviso aos consumidores da
ceneja branca de Bass & (].
Constando a Ihlers & Bell, de Liverpool, que a
sua marra distincliva e etiqueta teem sido contra-
fetas e asadas para cerveja espuria que teem sido
importada e vendida nos mercados do Ilrasil, pelo
presente acautelara aos consumidores e roga-lhes
de examinaren! a capsula metlica que cobre a ro-
d, latas de 5, 3, 2e t galio : vende-se na ra do
Apollo n. i.________________
Venle-se una escrava sadia, de bonita (gu-
ra, com habilidades : a tratar as Cinco Pontas
numero 74._________________________________
Vende-se um excellente piano de Jacaranda
por tero dono de retirar-se p.va o mato : a ver e
tratar, na rua do Livramento i. 8.
em tinturas e 21 glbulos, deixando elogiar os
nossos medicamentos pelas pessoas que os tem ex-; Iha de cada garrafa de cerveja engarrafada por
perimentado e continuara a servir-se em nossa elles, ie que leva a inscripciio que apparece na eti-
_1 botica. Tomos tambera obras accommodadas a
ipuem precisar de uma pessoa habi i- intelligencia do povo.
tada para ensinar primeiras lettras, latim e
francez. dirija-se ao p.iteo da Santa Cruz em
i-mt dosaeri.stV?, das 9 lioras da njailiaa ,ts A <-adeiadu ,,t(if "
h da larde, joeVitar com quem trat,' *"' ***** de u'"a ""
pessoas.
AMA.
%1, primeiro an-
para fasa de duas
queta, sem a qual nao a cerveja geuuina.
Cada garrafa leva tambem a etiqueta com o
triangulo cuna ruado emiltida pelos Sr*. Bass & C,
conteodo o nome de
____________111LF.RS A BELL._________
Carvalho Nogueira na rua de Apollo n
20, saccatn sobre Lisboa, Porto e Una de S. Miguel
Carne do serto.
Chegou ao ar nazem da Aurora Brilhante ao
largo da Santa Cruz n. 84, a verdadeira carne do
Sendo a 400 rs. a libra em porcao se far bati-
mento.
RELOGIOS,
Vende-se em casa de Jolmston Paler &
C rua do Vigario, n. 3. ura bello sorti-
mento de relogios de ouro patele in-
glez, de um dos mais afamados fabricantes
de Liverpool, e tambem uma variedade de
bonitos trancellins para os mesmos.
cravos.
Fio de algorlo para cnser e pavio de velas.
Cera de Lisboa em velas.
Cera de Lisboa em prume.
Superior vinho do Porto em caixa de uma
du/ia.
Dito dito em barris de *>'.
Colla da Babia._____________________
Haz.
Latas com 5 galocs a 10 :
Nova n. 42.
na rua da Senzala
Superior finrinha le niaudloea.
Vende-se brinda de mandlora de Santa Catha-
rna, da melhor que ha no mercado, a borde do
brigoe oriental Protegido, fundeado confronte ao
ao trapiche Bario do Livramento : para ver e tra-
tar, na rua da Cn 1 n. 22, primeiro andar, escrip-
torio de Antonio d^ Almeida Gomes.__________
- Gaz liquido a 300 rs. a garrafa : no deposito
do gaz, rua da Imperatriz, loja de fazendas n. 28.1
Loja h beija-Ur.
Mcias cruas para bouiem.
Vendem-se metas cruas para homem a ii a du-
zi i : na rua do Queimado, loja do beija-flor nume-
ro 63.
Metas para senhora.
Vendem-se meias para senhora a 33200, 4J> e
5.5500 a docta : na rua do Queimado, loja do bei-
ja-flor n. 63.
Lia para bordar.
Vende-se lia para bordar, de diversas cores, as
mais lindas que se pode encontrar, a 6500 : s
quem vende por este preco na loja do beija-flor
da rua do Queimado n 03.
Traacinha para (afeites.
Vende-se traneiuha para enfeites de vestidos oa
roupa de meuinus, que tambem serve para enfeitar
camisinha de senhnra; vende-se tranca branca
com 40 varas a 800 rs. a peca, com 20 varas a 500
rs., com 10 varas a 260 rs. : s quem tem na
loja do beija-flor da rua do Queimado n. 63.
Tesituras Gnas para unlia e costura.
Vendem-se tesouras unas para unha e costura a
400, 500 e 640 rs., ditas para costura a 500 rs.:
na rua do Queimado, loja do beija-flor n. 63.
Facas e garios.
Vendem-se facas e garfos oitavados a 24800,
ditascravadas a i, ditas de cabos pretos a 32Q0,
ditas de cabos de balanco com 2 boles para mesa
a 6.5200 a duzia : na rua do Queimado, loja do
b.'ija-floir n. 63.
Estovas para destes.
Vendem-se escovas para dentes muito lina? a
120, 240, e 500 rs. : na rua do Queimado, loja do
beija-flor n. 63.
Caiiinhas com yrampas.
Vendem-se caixinhas de grampas a 40 rs. : na
rua do Queimado, loja de beija-flor n. 63.
Colarinhos para homem.
Vendem-se colaruhos de linho para hemem, de
diversos gostos, a 560 e 6V) rs. : na rua do Quei-
mado, loja do beija-fljr n. 63.
('.rautas para senhora.
Vendem-so grvalas para senhora, de diversas
cores, a 500 rs., 800 e 1J> : na rua do Queimado,
loja do beija-Qor n. 63.
Boles de pnnho para manguitas de senhora.
Vendem-se botes de punho para manguitos de
senhora, de diversos gostos, a 200 rs. o par : na
rua do Queimado, loja do beija-flor n. 63.
Fitas para de brum de vestidos.
Vendem-se litas para debrum de vestido de lia
pretas bordadas, com 10 varas, a 15I00, dita do
soda preta a 1200, dita de cor adamascada a
1,8200, dita branca de la com 11 varas a 400 rs. :
n t rua do Queimado, loja do beija-Qor n. 63.
Pentes travessos para meninas
Vendem-se pentes travessos de borracha para
menua a 4O0e 500 rs.: na rua do Queimado, loja
do beija-flor n. 63.
Papel de diversas qualidades.
Vende-se papel araizade a 640 e 700 rs., dito de
! c I a 900 rs., dito beira dourada a 15200 : na rua do
Queimado, loja do beija-flor n. 63.
Boles de madreperola.
Vendem-se botes de madreperola para rollete,
que tambem servem para casacos de senhora a
400 rs. a adamadura : s quem vende por este
dreeo na rua de Queimado, loja do beija-flor nu-
mero 63.
Lavas de Jomiu.
Vendem-so luvas de Jouvin para homem e se-
nhora, chegadas no ultimo vapor : na rua Jo
Queimado, loja do beija-flor n. 03.
Grande liquidara de fazeadas al a
ft-sta, para se Curiar contas, aro ei-
veilcm que destas pe hinchas nao ha
sempre : na roa da Imperalriz, loja
e armazem d Arara n. iili, de l ou-
reato Pcrrira Heniles Gmniarrs.
Cobertores da Arara a 1$.
Vende-se cobertores de pellos a 15 e 15600,
roberas de chita a 25 ; na rua da Imperatriz n.
56, loja de .Vendes Guimaraes.
Arara vende as laazinhas de 9 pal-
mos a 1 $200.
Vende-se laazinhas de ume s cor c qoadrinhos
proprios para capas, com 9 palmos de largura a
1,200 0 covado, ditas para vestido a 280, 320 e
400 rs. o covado : na rua da Imperatriz, loja da
Arara n. 56, de Vendes Guimaraes,
llriiu da Arara a I O ris o
covado.
Vende-se, brim pardo de linho com pequeo to-
que de mofo, que depos de molhado larga, proprio
para calcas e palitots, a 400 rs. rs. o covado ;
brim branco de linho a 15 e 15200 a vara, fustao
de cores para calcas, colotes e palitots a 300 rs.
o covado : na rua da Imperatriz, loja da Arara n.
36, de Vendes Guimaraes.
Lazlulia .Hara Pa da Arara.
Vende-se laazinhas a Varia Pa muito finas, com
quadros e palmas de seda, para vestidos a 360 o
covado, sedinhas linas a 500 rs. o covado ; na rua
da Imperatriz n. 56
A Arara vende as capas a 8,000 rs.
Vende-se ricas capas para senhora a 85, chales
: de merino estampado a 25300, ditos finos matisa-
dos de novo gosto a 55, dito de pona redonda e
borlla a 75300 : na rua da Imperatriz n. 56,
loja da Arara de Vendes Guimaraes.
Oh que pnliinrlia. laazinhas a 2S0 rs.
Vende-se laazinhas finas para vestidos a 280
e 320 rs. o covado, lencos brancos com barras de
cores a 200 rs., meias tinas para senhora a 400 e
300 rs., ditas cruas a 400 rs., ditas para homem a
160 e 200 rs.; na rua da Imperatriz n. 56, loja da
Arara.
A Arara vende as cassas a 200 rs. o corado.
Vende-se, cassas de quadrinhos a 200 rs, o cova-
do, ditas finas a 230 e 280 o covado, organdys finos
a 240 e 280 o covado : na rua da Imperatriz n.
56, loja da Arara.
Pichincha, sediauas da Arara a 800 rs. o covado.
Vende-se sedinhas com quadros e lisas, escuras,
proprias para quem est de luto, por ter uma s
cor a 800 rs. o covado, ditas da mesma qualidade
de cores para vestidos a 800 rs. e ditas do listi-
nhas a 500 rs. o covado: na rua da Imperatriz n.
56, loja da Arara de Vendes Guimaraes.
Petiiincha na Arara, corles de chita a 2&>00.
Vende-se cortes de chita franceza com pequeo
toque de mofo a 25300, cortes de riscado francez
com 14 covados a 35, cortes de cassas francezas
pintadas a 25 o corte, ditos de barras a 25, 35 e
45 : na rua da Imperatriz n. 56, loja da Arara do
Vendos Guimaraes.
Casemiras a 1:5600 o corado.
Vende-so casemiras de cores para calcas, cole-
tos e palelots. infestada, a 15600 o covado, cortes
de casemra infestada a 15600 e 25, e em covado a
15 : na rua da Imperatriz n. 36, loja da Arara de
Vendes Guimaraes.
A Arara vende roupa frita e batata.
Vende-se palitots de casemra a 45300, 65 e
85, calcas de 35300 a 55, palitots de panno a 105,
ditos finos de 125 e 145, palitots de brim de cor
a 25500 e 35, ditos de mea casemra a 35300,
calcas do brim do cores a 25 e 25500, ditas bran-
cas de linho a 35300 e 45, ditas de meia casemra
a 25, coletes a 25500 e 35, camisas francezas a
15600, ditas finas a 25 e 25300, ditas de linho
prega larga a 35, sern as finas a 15600, ditas de
linho a 25 e 25MX) : na rua da Imperatriz n. 56,
loja da Arara de Vendes Guimaraes.
lalcs da Arara a 3-5, ;i.-)."ifi0 e i-x
Vende-se baldes americanos, os melhores que
tem vin.lo, de 20, 30, 35, 40 arcos a 35, 35500,
45 e 45500, ditos de brilhantina a 45, ditos de
inailatnilao a 35600 : na rua da Imperatriz n. 36,
loja da Arara.
Chitas da Arara a 240 rs.
Vende-se chitas a 240 rs. o covado. ditas fran-
cezas com pequeo toque de mofo a 280 rs., ditas
linipas a 320, 360 e 400 rs. o covado : na rua da
Imperatriz n. 56, loja da Arara.
A Arara rrceheu pelo vapor um sortimento de ro-
meiras para senhnra, dos mrlhnrrs gostos que
tem vindo, a preco de 1, 15600 e 25.
V nde-se romeiras para srnhoras de cambraia
de salpicas brancos e de cores e bordados a 15,
1600 e 25, golinhas com botaozinho a 580 rs.,
ditas rom pellos e botaozinho a 15. ramizinhas
liara senhora a 15,15600 e25, aventaes e eorpi-
nho para meninas a 300rs. : na ruada Impera-
triz n. 56, loja da Arara.
SAL.
i
A
(
r
/
\
r
w.
Vende-se sal do Ass superior : na rua da Ca-
deia do Recife n. 3.


Diarlo le Pci*Otttbuo Sexta fe Ira 'i'i de Jaueho de 1881.
4

CUltAXIlE UKVOil'VO
NO
ARMAZEM
DO
0 komem do movimento nao estaciona.
AVANTE E SENPBE
GUERRA AOS INIMIGOS
Nao se admittc a unio commercial:
Nao se quer a diaba I allianca.
Nao se lemc a furia dos corsarios.
Este anno ha de sci* blssexto.
Os eanhdes esto preparados.
FOGO! BOM FOGO11 MELHOR FOGO!!!
\bai\o a liga d'agua do vinagre
Viva a liga do genainn Chcres com o fiambre!
Viva o conservador das conservas inglezas!!
Yivaui os liberaes freguezes do BALIZA !!!
Vivan lodos que lerc:u este an turnio.
CALCADO.
45 Ra Direita 45
Aprovellem etn qnanto lempo!
Borzeguins francezes de lustre pa-
ra homom................. 5fjOOO
Borzeguins franceses de cores pa-
ra meninas................ 24000
Bor/eguins francezes pretos para
meninas.................. 21500
Sapatos de lustre para senhora.. I/J000
Sapatos de lustre as avessas..... 500
uni
CANTIL
RUA DA CADEIA DO RXIFR M. 53.
NOVO E
se i\ non es
SEN III) HAS.
Q proprietario do grande Armazem de Baliza estabeleeido rea do Livramento ns.
38 e 38 A, defronte da grade da igreja, acaba de reduzir os precos de quasi lodos os
gneros do seu magnifico deposito.
A tarifa abaixo publicada atiesta bem A gHerra aos inimigos, est portanto, issim declarada.
As pessoas, ainda as mais exigentes, que se dignarem vir esto cstabelecimento,
fccaro por certa omito satisfeitas, nao s quinto s qualidades dos gneros, como com o
tratamento lodo alteocioso que se Ibes dar.
Alm documprirnento dos deveres da boa educado, haver dora em diante ainda
maior capricho em salisfazer todos que honraren esta casa.
Os gneros, pelas qualidades e precos annunciados, serao offerecidos ao same
dos Srs. compradores. Nao receieo publico que se pratiquc o contrario, como cm oulras Cartas de aifinett-s francezes linos a 40 rs.
Rua do Qiielmado nnmeros
1 e ...
est disposto a continuar a vender pelos precos
abaixo declarados, pois para principar o novo
anno.
Caixas de obreias de cola muilo finas a 40 rs.
Varas de franja de laa de todas as cores a 40 rs.
Ditas de tranca de laa de todas as cores a 20 rs.
Dilas de tranceln) branco muilo superior a 20 rs.
Trancas de algodao brancas e de cores a 80 rs.
Duzas de meias para senhora muilo superiores a
35800.
Grasas de penna de ac muilo linas a 300 rs.
Caivetes de duas e Ires lolhas a 500rs.
Hilos de urna folha a 80 rs.
Caixas para rap, muilo bonitas de caluneas, a
100 rs.
Capachos redondos e compridos a 300 rs.
Caixas com muito superiores obreias a 40 rs.
Varas de franjas brancas e de cores, largas, a
160 rs.
Pares de botos para punho muito bonitos a 150 rs.
Cairelis de linha Alexandre com 200 jardas a
100 rs.
Candes de linha Pedro V com 200 jardas a 60 rs.
Ditos de linha 4o 50 jardas a 26 rs.
Uuzia de meias brancas para homem a 15600.
Caixas com soldados de chumbo a 120 rs.
Tinleiros de vidro com superior tinta a 160 rs.
Ditos de barro a 100 rs.
Grozas de botoes ae louca pratiados a 160 rs.
Tesouras muito finas para costura a 320 rs.
Ditas ditas maiores e melhores a 400 rs.
Escovas para limpar denles muito finas a 200 rs
Ditas para unlias a 800 rs.
Laa de todas as cores para bordar a 75 a libra.
Caixas com phosphoros de seguranea a 160 rs.
Cadernos de papel branco e azul a 20 rs.
Pacote de papel amtzade a 600 rs.
Caixas com 100 anvelopes muito superwres a
800 rs.
Cadernos de papel de cores, grande c pequeo, a
40 rs.
Silabarios portnguezcs com calungas de todas as
qualidades a 320 rs.
Graxa em latas muito nova a 100 rs.
Cartas e taboadas para meninos a 60 rs.
Caixas oom superiores iscas para charuto a 40 rs.
Carreteis de linha de cores com 200 jardas a 60 rs.
Haralhos muilo finos para voltarete a 280 rs.
Rodintas com alfinetes francezes a 20 rs.
GEA1TDB ASMAZ&U DE 1COLEADOS
RUA 1A i A DfilA DO JLtECBFK V. .:.
Francisco Fernandes Duarle acaba de abrir na rua da Cadeia do Recife n. 53, um grande esortido armazem de molhadrs de-
nominado l'iiio Mercantil. Neste grande armazem encontrar sempre o respeilavel publico um completo sortimenio dos mellioies
gneros que vem ao mercado, tanto esirangeiros, como nacionaes, os quaes serao vendidos em porgues ou a retallio por precos asss
commodos.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e.Sardinhas deNantesa340rs. oquartoeSGO
10200 a caada. rs. meia lata.
Azeite doce refinado em garrafas brancas a Latas com peixe em posta: savel, cervina,
800 rs. I vezugo, cherne, linguado, lagosiiuba, a
Azeite doce de Lisboa a 640 rs. a garrafae; 1iJ3O rs.
40800 a caada. Salmoem latas, preparado pela nova arte
Genebra de Holianda a 500 rs. o frasco e! de cozinha, a 800 rs.
casas, que al annunciam o que nao tem------O aliza nao Ilude.
dem de Lisbw a 6io rs. a garrafa e i.8oo
rs. a caada.
Alpiste a 16o rs. a libra, e 4,8oo rs. a arroba.
Arroz do Maranhao, da India, e Java a 8c e
loo rs. a libra. !
Aletria branca e amarella a 4oo rs. a libra.
Araruta verdadeira a 3o rs. a libra.
Bolachinhas americanas, a 3,ooo rs. a barrica
e 2oo rs. a libra.
Banhade porco a 44o rs. a libra, e em barril
a 4oo rs.
Baldes americanos muito proprios para com-
pras a I.ooo rs.
pevide, caixinba
Mem finas, eslrelinha e
com 8 libras a 10000.
Nozes a 10o rs. a libra.
Peixe preparado de escabeche, da, melhor
quali.lade que tem vindo ao mercado, a
10 a lata.
Presunto de lamego muito superior a 480
rs. a libra.
kem para fiambre (inglez) a 640
libra.
Miadas de linla froxa para bordar a 60 rs.
Um Descobriuiento Espantoso!
0 Hondo Srifiitifico uuauimniciUc o upprova.
Caivetes de cabo de madreperola de duas olhas
a JO rs,
Amelxas francezas emeaixinhas eem frascos Licores inglezes e francezes em vaina de di- M^^"nLdrr^^"I?,fi^s/ 80 a
de diversos tamanbos a l,2oo, l,0oo, versos tamanbos a l.ooo, l,5oo e 4,8oo
2,ooo, 2,5ooc2,8oo rs. e a libra a 8oo rs. rs. a duzia.
Amendoas novas a 32o rs. a libra. *
Azeite doce refinado a 8oo rs. a garrafa. Manteiga ingleza flor a 8oo rs. a libra e de 8
libras para cima ser aberto um barril na
presenca do comprador,
dem de 2.a e 3.a qnalidade a Too, 600 e 4oo
rs. a libia,
dem francesa a 560 rs. a libra, e em barril
por menesr-.
dem em latas a ijfiQQ e a 10500 a lala.
IkfaSM de tomate em barril a 480 rs. a libra.
Batatas novas em gigos de 36 a 4o libras por l,lem em l;,ta 6M) rs- a ll,a-
l.ooo rs. e a 4o rs. a libra. f lostarda ingleza 400 e (00 res o pote.
Biscoitos inglezes Lunch a 18oo rs. a lata de Marmelada imperial dos melhores fabricon-
5 libras. tes de Lisboa a 600 rs. a libra,
dem de diversas marcas em latas menores Marrasquino de zara a 8oo rs. o frasco e a
a l,3oors. 80 a duzia.
dem de Lisboa de qnalidade especial em la- ""J I*ra sopa, lalharim e macarro a
las grandes e pequeas a 3,ooo e l,5oo rs. rs- a '""'*
Cha huxym, hysson e perola a 3,ooo, 2,8oo,
2,5oo, 2,ooo e l,6oo rs.
dem preto a 2.ooo, l,6oo e l.ooo rs. alibra.
C~ J.SS.?5?" "M0.-i*- O* ,ibr.
Chocolate francez pnmeira qualidade a I,loo f;lPcI a,maf a 3*wo a resma,
rs. a libra. lem de l)eso a ~# a resma.
dem hespanhol a l,2oo rs. a libra,
dem suisso a l,ooo rs. a libra.
res a
i
P; litos para dentes a 160 rs. o maco. -
Dito dito de flor a 200 rs.
Ditos do gaz a 20200 a groza
Passas novas a 480 rs. a libra e a 10800 a
caixa.
Cerveja branca marca Allsopps a 4,5oo rs.
duzia, e a 4oo rs. a garrafa.
Cognac inglez a 64o rs. agarrafa a 8oo e
l.ooo rs.
Coacervas inglezas em frascos grandes a 75o Di o londrino a 900 rs. a libra.'
Qieijos flamengos do ultimo vapora 20500.
rs. o frasco.
Idea francezas le muitas qualidades a
r&. o frasco e a 5,5oo rs. a duzia.
5oo
Ditoprato a640rs. a libra.
Sardinhas de Nantcs a 320 rs. a lata.
Di a de Lisboa a 640 rs. em lata grande.
Charutos neste genero temos grande sorti- Saj muito superior a 240 rs. a libra,
meato tanto da Babia como do Biode Ja- Sai refinado, em potes de vidro, a 600 rs.
o pote.
Saliomassa a 120, 160, 200 e240rs. a
libra.
ikwe a 1,6oo, 2,2oo, 2,5oo, 3,ooo e 4,ooo
rs. a .caixa.
Caf daCear muito superior a 28o rs. a libra
e a 8,000 rs. a arroba,
dem do Rio a 3oo e 28o rs. a libra.
Ceblas a 9oo rs. o molho com mais de loo
ceblas.
Ckouricas e paios a 72o rs. a libra.
Cevtdfnba de Franca a 2oo rs. a libra,
evada muito nova a 8o rs. a libra.
Copos lapidados a 5 e 6,ooo rs. a duzia.
D)ce de goiaba em latas a 4oo rs. a libra,
dem de caj era latas a 320 rs. a libra.
Ervilhas francezas e portuguezas a 5oo e 64o
rs. a lata,
dem seecas a 16o rs. a libra.
Figos de comadre em caixinhas com 8 libras
por 16oo rs.
Farinha do Maranhao a 12o rs. a libra.
Farinha de trigo muito superior a 12o rs. a
libra.
Farelo em saceos grandes a 4,ooo rs. o sacco
Genebra ingleza marca gato a 1 ,ooo rs. a gar-
rafa.
dem verdadeira de Hollanda em frascos muito
grandes a l,2oo rs. o frasco.
Mem de Hollanda em frascos pequeos a 5oo
rs. o frasco.
dem de laranja a l,ooo o frasco.
(omina do Aracaty a 8o rs. a libra.
Graxa a loo rs. a lata e l,Ioo a duzia.
A ('oinposieao Anarahnita
Pcoral de komp.
Tor espado de milito tempo se ha uzado ex-
tenmmente cm Tampico para a cura >lc
TSICA pulmonar,
CATARBHO, ASTHMA,
BRONCHITE, TOSSE CONVULSA,
CRUPO OU GARROTERO, o
Inflarama9es da Garganta e do Peito,
c itto com um resultado tao feliz e verdadei-
ramente ;is arvorc que chaino Anacaulita, c que s
se cncontra no Mxico.
A Composic/o Anacahuita Peito-
ral de Kemp uuj Xarojm delicioso, integ-
ramente ditTcrentc na sua coinposi^o de
toilos os mnis l'eitoiaes c Expectorantes ma-
nufacturados de fructos astringentes, cascas
e raizes, c, o niesmo nao contem nenhnm
Acido Prmuico ou outros quaesquer ingre-
dientes venenosos.
Todas as molestias e aflecciies da garganta
e dos pulmcs desappareccm como por um
mgico encante, mediante a acr.ao deste in
rompanrel o irresLstivel remedio.
A venda as boticas de Caors & Barboza,
rua da Cruz, e Joao da C. Bravo 4 C, rua
da Madre de Dos.
ptima acqiiisleo de es-
tabeleclmenfo.
Vende-se a loja de ferragens da rua da Cadeia
do Recife n. 64, com pequeo fundo e ainda bem
sortida, tanto de ferragens como de miudezas, as
quaes estiio era bom estado, vend-se s com as
mercaderas, e garntese o arrendamento da casa;
propria para algum princi|iante, nao s por ter
pouco fundo como |r eslar j afreguezada e ser
urna das lojas mais bem Iocalisadas desta ridade
os pretendeotes podern dirigir-se nisma loja,
nao s para examinaren) o balinco como o eslado
das mercadorias.
Manteiga ingleza especialmente escolhida
de primeira qualidade a 800 rs. a libia,
em barril se faz abatimento.
Manteiga franceza a mais superior do mer-
cado a 560 rs. a libra, e 520 rs. cm barril
ou meio.
Prezuntos inglezes para fiambre, de superior
qualidade, chegados neste ultimo vapor, a
720 rs. a libra.
Queijos flamengos ebegados neste ultimo
vapor a 20tOO.
Queijo pralo muilo fresco e novo a 640 rs.
a libra.
Caslatihas muito novas a 120 rs. a libra e
e 30000 a arroba.
Cha uxin o melhor que ha neste genero,
mandado vir de conla propria a 20800
rs. a libra.
Cha hyson muito superior a 20560 rs. a li-
bra ; cha hyson proprio para negocio a
10500 rs. a 'ibra.
Cha preto muito superior a 20 a libra.
Biscoutos inglezes em latas com differentes
qualidades, como sejam craknel, victoria,
piquelez, soda, captain, seed, bornez e
ondas muitas marcas a 10350.
Bolachinha de soda em latas grandes a 20.
Figos em caixinhas hermticamente lacra-
das, muito propria& para mimo a 10500.
Caixinhas de 4 e 8 libras de figos de coma-
dre a 10 e 20 cada urna.
Passas muito novas, chegadas neste ultimo
vapora 500rs. a librae 30 umquarto;
e em caixa se faz abalimento.
Ameixas francezas em latas de meia a 3 li-
bras a 800 rs.
Champagne da marca mais superior que
tem vindo ao nosso mercado a 180 o gigo,
garante-se a superior qualidade.
V'ittho Bordeaux das melhores qualidades
que se pode desejar de 70500 a 80000 a
caixa e 720 a 800 rs a garrafa.
Caixas com vinho do Porto superior de 90
a 100 a duzia, e 900 a 10 a garrafa; deste
genero ha grande porgo e de differentes
marcas acreditadas que j se venderam
por 142> e 150 a caixa, como sejam: Duque
do Porto, Lagrimas do Douro, 1). Luiz,
Cames, Madeira secco, Carcavellos, Nc-
tar de 1833, Duque Genuine.
"Vinho de pipa: Porte, Figue'rra Lisboa, a
50800 a frasqueira.
Caixinhas com 3meixas francezas, ornadas
com ricas estampas na caixa exterior,
muitopropriasparamirao,a 1020", 10500
e20.
Frasco de vidro com lampa do mesmo, con-
tendo meia libra de ameixas francezas. a
10200.
Marmelada imperial, dos melhores conser-
veiros de Lisboa, em latas de 1 e meia a
2 libras a 600 rs a libra.
Frucias em calda das melhores qualidades
Maga de tomates em latas de 1 libra a GOO
ris.
Chouricasc paios em latas de 8 emeia libra
por 70.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra e
80IJOO a arroba.
Bolaxinha ingleza a 320 rs a libra c 40 a
barrica.
Sag muito novo a 240 rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 200 rs. a libra.
Farinha do Maranhao a 120 rs. a libra,
Araruta verdadeira a 320 rs. a libra
que ha em Portugal em latas hermtica- cv?da a !! rs' a '!ra e H. t *.***
mente lacradas a 500 rs. A1l"sla a ,6 rs- a lll,ra e k^ 10 a arroba
Pecas seccas muito novas a 640 rs. a libra. | Batatas muito novas emgiROs Com 40 hj.r3S
por 10 e a 41) rs. a libr
<<.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Amendoas de casca mulle a 400 rs. a
Avelaas muito novas a 200 rs a libra.
Amendoas confeiladas de diversas cores a Caflawdode prime' (ra quaidade a 3(0 rs.
800 rs. a libra.
libra_ Cebollas a 10 o molho cr /m ffia3 de 100 ca-
da um.
a libra e 90 a arr ^
Caf do Ceara m. ^ nefm a 280 rs. a li-
bra e 80400 imbl
Cafe do Rio, piy^pjo para negocio, a 80.
Arroz do M -Jrant,5ea 100 rs. a librae 20800
a arror A
Arroz ''M }ava a 80 rs> a ,ibra e 21C a
. afr oba.
Ve'ja; de spermaceli a 560 rs. a libra e
j ^ 540 rs. se for em caixa.
Vellas de carnauba refinada a 320 rs. o mas-
so e a 90 a arroba.
Doce de goiaba a 640 rs. o caixo.
Macarro, lalharim e aletria a 48u rs. a li-
bra ; em caixa se faz abalimento.
Macaas e peras chegadas neste ultimo vapor,
muilo perfeilas, s avista se faz o prego.
Conservas inglezas em frascos grandes a 750
rs. cada um.
Ervilhas francezas e portuguezas em latas de
1 libra a 640 rs.
Ervilhas seccas muito novas a ICO rs. a
libra.
Chocolate francez, oque ha de melhor este
genero, a 10200 a libra.
Chocolate hespanhol a 10200 a libra.
Genebra de laranja em frascos grandes a 1.
Cerveja branca e preta das m.elbores marcas
que ha no mercado a 500 rs. a garrafa e ,
5800 a duzia Estrellmha,pevide e arroz demassa para sopa
Cognac inglez de superior qj I i da de a 800 .L*?0/? ,* 'brS e e1"" bras.
I iiM,,n .^r. Palitos de dente lixados com Afir a iOo rs.
rs.
a 1G0
e 10200 a garrafa.
.. r a s ... o masso, ditos bxados sem flor
Licores francezes das segantes qualidades : | 0 masso com 20 massinhos.
Anwete de Bordeaux, Pla.sir des Dames Gomma de engommar muito lina a 80rs.
e de oulras muitas marcas a 10 a garrafa iii,r.,
e 100 a caixa.
Marrasquino de Zara a 800 rs.
90 a duzia.
a.
garraia ibr;i.
Banha de porco refinada a 480 rs. a litrae
a garrafa e | 4qo rs. em barril pequeo.
Charutos dos melhores fabricantes de S. F-
lix, em caixas inteiras ou
0600, 20 e 30.
em meias, ce
400,480560 rs. a garrafa, e 30, 30200 Mostarda ingleza em potes j preparada a
e 30500 a caada. i 400 rs.
"Viliho branco de superior qualidade, vindo Mostarda ingleza em p,em frascos grandes, Presunlos do reino] vindos de conta p
j engarrafado a 640 rs. a garrafa e a 500 a 10 cada um. do caa particular, a 400 rs. a libra iulei-
i Sal refinado a 500 rs. o pote. I ro se faz abatimento.
rs. de barril.
^
Oescnhores qne comprarera de OO^JOOO para cima, terao o descont de 5 por cenlo, pelo promplo pagamento.
m mmMsm.

km
.;'n Duarte A C, receberam de sua propria encommenda pelo briguc
V^ Floreada, clwgado ltimamente de Lisboa os seguintes gneros todos de pri- j
iscolhidis pelo Sr. Duarto chefe de nossa casa i
Linguas americanas
l.ooo cada urna.
de gran le tamanho a
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Dio de Santos e 300 rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 140 rs. cada um.
Vassouras americanas a 64o rs, cada urna,
dem do Porto a 400 rs, cada urna.
Velas de carnauba e composicao a 320 rs. a
I bra e a 100 a arroba,
dem stearinas superiores a 560 rs. o
maco, e em caixa por menos.
Vin'io do Porto, neste geneno temos o me-
lhor sortimento possivel, que vendemos
pr>r precos muito baixos a 10 a garrafa e
a 10/ e 12 a duzia.
dem Cherry, e da Madeira em barris e em
caixa, a 120 a caixa e o barril conforme o
k man lio
dem de Figueira e Lisboa, em ancoras de
8 a 9 caadas, por 286000.
Dito em pipa a 30000, 30500 c40ooo a c-
nida
dem do Porto, donomiuado Baliza, a 50
caada.
Idea. dem emgarrafes a 20500, com o baraas para acahar.
garraOO. sedas de quadrns e de listras a 320 rs. o eova-
dem de Bordala, das melhores manas que do, lindas lau de quadrinhos a 3C0 ocovado, sa-
fen ao mercado, a 60 a caixa e a 640 rs Per.i"n's ca8W! (le t,,)res a 20(, rs- covado, ditas
a "arrifa rnu"" "nas a 2W <'ova('1* na loJ das eolnmnas,
'' na rua do Crespn. 13, de Antonio Curreia de Vas-
Vinagre de Lisboa a 10600,108oo e 20000 a concollns c-__________________________
caiada. -^ mt tsaiTffT
dem idem.em garrafes com 5 garrafas, por
1)5 com o garramo.
C L m UMIIIl
Vendem-se barris com cal des-
ta procedencia, rm pedia, chega-
da hoje, e iinica nova, que ha no
mercado, na rua do Trapichen.
13, armazem de .Uanoel Telxel-
ra Basto.
ma da Sen/alia Aova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a 110 rs., idemdeLow
Moor libra a 120 rs.
meira qualidade por serem escc
te/%, ltimamente chegado daquella praca.
ij^ Verdadeiro vinho collares em ancore-
g/ji* retas de 9 caadas a 50,0u0 e 800
rs. a garrafa.
{fr?, Vinho branco B & Filhos, em barris de
quinto a 60,000 e 560 rs. a gar-
rafa.
Vinagre P B B, em ancoretas de 9 ca-
lladas a 18,000 e 2,000 rs. a ca-
ada.
Passas em caixas, meias e quartas a
8,000 4.000 e 2,000, a 480 a libra.
Peras seceos em caixas de quatro li-
bras o melhor que se pode desejar
a 2,500, e 640 rs. a libra.
{i/* Caixinhas de 4 libras e 2 com ameixas
II a 1.500 e 2,500 rs. a caixinba.
^4S Chocolate portuguez, o melhor que
^ pode haver de bom neste genero
1,000 rs. a libra.
:, Marmelada propriamente dito de mar-
\ nle"> a t4 rs- a 'a,a e em caixas
},,, de 100 latas a 600 rs.
Y\v- Maca de tomates a mais nova que se
| pode desejar a 640 rs. a lata e em
caixa de 100 libras a 600 rs.
Ervilha portugue/.a a 700 rs. a lata,
e em caixa de 100 libras a 640 rs.
Passas corinthias para pudim a 640
rs, a libras, e 400 rs. comprando de
arroba para cima.
Nozes as msis novas que se pode de-
sejar a 160 rs. a libra, e comprand i
em barricas a 4,500 rs. a arroba.
Sebollas em caixas as mais novas do
mercado a 6,500 rs. a caixa, a 800
rs. o molho, e a 640 rs. o cento.
Batatas em caixas de 2 arrobas muito
novas e grandes a 2.400 rs. a caixa.
Scxtinhas com figos proprias para mi-
mos de criancas a (JO rs. cada urna
e comprando em duzia ter grande
abatimento.
irva doce muito novas a 500 rs. a li-
bra, e comprando em arroba a
10,000 rs.
Cominhos muito novos a 400 rs. a li-
bra e 10,002 a arroba.
Licores portuguezes das marcas mais Si^
acreditadas de Lisboa a i .000 a gar- :
rafa e 10 a 12,000 a'duzia, as quali-
dades sao as seguintes : creme de
violetas, gerofiez, r'>sa, absintho, ves-
peiro, amor perfeito, amendoa amar-
ga, percicot lelurin. boletn, inoran-
gos. limao, caf, laranja, cidra, gin- y?
ga, canella, cravo, ortelaa, pimenta (j@
e outros muitos de qualidades menos %*
superior que serao vendidos por pro-
cos em relacao as suas qualida- ^p
des. ^S
AGENCIA
nA
FNDICiO DE L0W-M00R.
Rua da Senzalla uu?a n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de mocadas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
lmannos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: cm casa de S. P. Jobuston & C,
rua da Senzalla Nova n. 42.
FAMMU
Sarcos c.im farinha nova e igual a de MuriLeca
a 500 : no armazem da aurora brilhante, laro
da Santa Cruz n. 8i.
,,...,. v....... uro.
Os proprietarios afiancam qne estes gneros sao muito novos e ludo f$$@
eir qualidade, tudo isto se vende nicamente no armazem Uniao e Eg|
.<:, de prime
Commercio na rua do Queimado n. 7, e largo do Carmo n. 9 armazem pro-
gressivo.

Qujos
'i& do ali'inlejo, das ilhas e flamengos, todos chegados neste ultimo
SoUo UH uihiuu vapor, a
< ; 2,500 os flamengos e 800 ris a libra do alemtejo e das ibas, unicamen-
te no armazem Unio e Commercio, rua do Queimodo n. 7 e largo do Car-
mo armazem progresivo.
'S&i.S S^M^S &.U$ M@&S m 8."eS! !ifo
Venda de urna hyfxithtrn
Os liqoidalarios da masra Ta'l dade
Jos Antonio Hasto vexdcoj a livpoli c-
ca qoc lem nos engenhos Hxttt (r s e Cajabussii nn termo de Scrinhrm no
valor de 31:835S911 rs.; iraiar na
casas a rua do trapiche a. 34.
F4ZKMI1S
Vinlndecaj a 10 a garrafa,
tem dez anuos.
m
Ftp vnhn rt:,rri('as de breu com 8 arrobas, de superior
1 qnalidade : na rua da Cad.'ja. do Recife n. 66 A,
oja lde ferragens de baslos|
Rua da Senzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P.JohnstonAC,
sellins e silhocs inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,'
FARINHA FONTANA.
Farinha da muilo acredita a marca
Fontana > e-emliai ca ia hoje, vende-se
carros de um e dous cavallos. e relogios de, nalquer outra parte : na na da Cruz
ouro patente inglez.
Muita atlcofo.
Wnde-sp a taberna eonhaeida por Favorita, co-
lorada na povoacao do Monteiro, ja muilo afregue-
zada, tendo poucos fundos, e propria para qual-
qner principiante : dirija-scm ao mesino estabele-
cimento.
n. 4 asa de N. 0. Bieber & V.. succes-
sores.
Cal de Lisboa c potassa da
Rnssla.
Vende-se na rua da Cadeia do Recife n. 26, par
onde se mudou o antigo e acreditado deposito da
mesma rua n. 12, ambos os gneros sae novos e
Vendem-sc 12 pipas de mel de furo em bar-
ris, prompto a embarcar : na rua Nova de Santa legtimos, e se vendem a preco mais barato do que
Rita, ou riheira do peixe n. 19. utra qualquer.parte.
Vende-se na loja de miudezas, calcados e fe.'ti-
leiro, rua da Imperatriz n. 78 :
Bicos de linlio, vara a 200, 280 e :i20 rs.
Rendas de algodao, vara a 60 e 80 rs.
Dilas lisas, vara a 40 e 60 rs.
Papel de peso, 40 cadernos, resmas 35.
Linbas de cores em carreleis, 30 D. a 320.
Dilas prelas e cor de caf, libra a 15120.
Carios com clcheles a 40 rs.
Ditos em raitinhasa 60 rs.
Cartas de allineles de ferro a 100 rs.
Caixas de flandres com palitos i 40 rs.
Frascos regulares com tinta ingleza a 120.
Lavas de cores para homem, e par 160 rs.
Duzia de boloesinhos de louca envernisados a
20 rs.
Caixas grandes com obreia a 60 rs.
Botoes de metal para calca, duzia 20 rs.
Dites de osso para calca, groza a 180 rs.
Tesouras a 60 e 80 rs.
Canelas a 10 rs.
Itctroz azul ferrete com um loque de mofo, oilava
a8flrs.
Borracha para borzeguim, vara a 2,5600.
Fio para sapaleiro, novello a 40 rs.
Dedaes para meninas a 10 rs.
Vidrilho preto, libra a 15.
Laa de cores, libra a 65.
Canecas e espumaderas de flandres para engenho
a 15000.
Cocos e candiiro a 140 rs.
Chaleiras para 8 chicaras d'agua a 400 rs.
Dilas pequen,'-s I 240.
Flandres para 10 libras de doce a 700 rs., para 8
libras a 300 rs., para 6 libra a 400 rs.
Marmitas pequeas a 500 rs.
Bacas, regadores, bules e outros muilos objeclos
que se torna enfadonho mencionar, que a v>ud-
comprador que irouxer dinheiro se loe da por
diminuto preco.
Farinha superior di Sania Calharina.
Vende-se em porcao ou a relalho. a burdo da
barca Iris, atracada ao trapiche do liaran do I.-
vramento, ou no esoriptorio do Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo & C, rua da Cruz n. 1.
4M .


Diario de Pernanibueo Sexta felra 92 de Vnneiro de 184.
DO
PROGRESSISTA
RA II %S CllUZES W. 30
E
BA DO CRESPO N. 9
No balrro de Mamto Antoulo.
ALLIANQA
Cltt\l>K
Joaqiilm los Cromes de fitonza scientifca a seus numerosos fregu
es e ao publico em geral que acaba de estabeiecer um novo armazem de molhados
57 RA DO IMPERADOR 57
NaVbem coiiecida loja que foi do Sr. Flix alfuiate.
Paulo Ferrelra da Silva proprielario deste novo estabelecimento, tendo
PECHINCHA
COMO MITACA IIOLVE
KO
ARMAZEM
O L t im;o DA PfiMA lO
Franelseo Fernandes Duarte dono deste muito acreditado armazem
de molhados, acaba de receber neste ultime vapor os mu desejados gneros escolhidos
por elle na Europa, todos muito proprios para a festa os quaes est resulvido a vender por
chegado da Europa, aonde escollieu um grande e variado sortimento de molhados, tem
a honra de os expor ao respeitavel publico desta cidade pelos mais resumidos precos.
Em to ptima occasio, por estarmos prestes a festa de Natal, o proprietario do
do"Crespn 9, wnde'se encentrar semj. re os melhores gneros de esva, que grande armazem Allianca offerece aos seus amigos e freguezes que o conhecem desde' P5" baratissimos como vario pela seguinte abella. e mesmo pede a todos- os Sre. da
se vendern a retalho e por atacado, por menos dos que se vendern cm outra qualquer quando foi socio dos armazens Progressive e Progressista as maiores vantagens em com- Praca, de engenhe e lavradores para que mandem suas relaces para serem despachadas
parte, affiancando-se aquellas pessoas que comprarem uestes armazens a superior qua I prarem em seu armazem. no armazem do Proresso do ,ar"> da Penha n' 10- alim de 'ere a *de Tanta*em
lidade de gneros, procos commodos e bom acondicionamento. Hoje de novo establecido mais precisa da concurrencia de todos estes senhores^e t.ram, tanto na superioridade dos gneros como nos precos asss resumidos,
O armazem da ra do Crespo situado na melhor local desU cidade com as- j ao seu estabelecimento. certos de pie esta casa jamis deixaro de ser cumpridas as os Sra. que nao poderem vir podero mandar seus port.dores anda que nao teoh pra-
scio que de necessidade manter-se com estes estabelecimentos, faz crer a seu pro-i grandes vantagens por ella offerecidas.
prietario, que ninguem deixar de sortir-se n'um estabelecimento aonde se encontra sio-
ceridade, para ir-se comprar aonde se nao offerecem tantas vantagens.
Sende este armazem no verdadeiro potito de partida para os arrabaldes desta
cidade, nao ser difficil quelles senhores que lem de partir nos mnibus darem suas
encommendas neste armazem, que sempre lhe. offerecer os mais agradaveis gneros.
MacSes de 4o a 16u rs. cada uma.
Manieiga ingleza a mais superior neste ge-
nero a 800 rs. a libra, e comprando de 8
libras para cima a 72o rs., esta a mais
superior que pode haver, tambem ha mais
baixas para menos precos.
dem franceza muito nova a 56o rs. a libra
e 54o rs. em barris ou meios.
Cha pecla de especial qualidade a 2,800 rs. dem muito superior a l,ooo rs. a garrafa
dem hys'son muito superior a 2,7oo rs. a ^ a 28 e 32 rs- a libra' e a 8,00 e Peras seccas muito novas a 48o rs. a libra.
libra,
dem uxim a 2,3oo rs. a Hbra.
dem hysson a 2,3oo rs. a libra.
dem idem a 2,000 rs> a libra.
dem preto de qualidade muito especial a
2,ooo rs. a libra.
dem idem inferior a i,600 rs* a libra.
Ghampagne a melhor neste genero a 1,5oo
rs. a garrafa e 18,ooo rs. o gigo.
dem inferior a lo,ooo rs. o gigo e l.ooo rs.
a garrafa.
Chocolate francez, hespanhol, e portuguez, a
a 9oo e 1,2oo rs. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Baha
ede quididades, especialmente escolhidos,
de 2,000 a 4,5eo rs. a caixa.
.ooo rs. a arroba.
Cerveja das melhores marcas do nosso mer-
cado de 5,000 a 6,000 rs. a duzia, e 5ee
"S. a garrafa.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e8,600
rs. a duzia.
De ce em calda a 5oo rs. a lata.
dem de goiaba em caixas e diversos tama-
nhos e de diversas qualidades de 6 lo a
l.ooo rs. cada uma.
Ervilhas francezas muito novas de 48o a 64o
rs.
Idtra portuguezas a 72o rs. a lata.
Idi'tn seccas a 2oo rs. a libra.
Vssouras do porto com arcos de ferro a 32o|
rs. cada uma.
Facinha do Maranho jnuito alva a 14o rs. a Volas de espermacete da melhor qualidade
libra a 600 rs. o maco.
dem de araruta verdadeira a 4oo rs. a libra Idm de carnauba e compota i a 32o e 36o
Vinhe do Alto Douro engarrafado, e os mais rs. a libra e lo,ooo rs. a arroba.
5rvTlhi^i1TmaS(l0aD0-Ur0,E- '.^Tiiolo para limpar facas a 14o rs. cada um.
dro v, I). Luiz I, Duque genuino, Nctar 1
superior, Malvasia fina, Bastardo, e outros T( ucinho de Lisboa o Santos a 32o rs. a libra,
a ll.ooo e 12,ooo rs. a duzia e l.ooo rs.' ., ...
a garrafa. 1 S(vada muito nova a loo rs. a libra.
'dem Cherrv e Madeira a l,5oo rs. a garra-! P,!xe em latas randes'savel- Pescada, cor-
fa e 16 000 rs a duzia Vina' eou,ras qualidades a l,ooo rs. cada
lata.
dem Bonleaux de diversas marcas de 8,000 n
a lo,ooo a duzia, e 800 re. a garrafa. l ;il)el ?ri-ve Pautado e liso de 3,ooe a 4.000
tica, que serio to bem servidos como se viessem pessoalmente.
O interesse que tira o proprietario deste acreditado armazem, j deve ser bem eo-
Cognac de superior qualidade a 800 rs. a gar-! ... ...
rafa ntoeciao pelos seus numerozos freguezes, pois simplesmente consiste em servir bem e ga-
Idem muito superior a 1,00o rs. a garrafa. nbar Pouco> afim de conseguir a continuaco daquellas pessoas, que a primeira vez se dig-
Caf a 28o e 32o rs. a libra, e a 8,000 e narem honrar seu estabelecimento.
9,000 rs. a arroba. L .. ,
Quenos flamengos chegados neste ultimo
Cerveja das melhores marcas do nosso mer- vapor a 2,000 rs.
cado de 5,ooo a 6,000 rs. a duzia, e 5oo
Sevadinha de Franca a 2oo rs. a libra.
Sevada muito nova a loo rs. a libra.
Cha perola de especial qualidade a 2,8oo rs.
a libra.
Idem hysson muito superior a 2,7oo rs. a
libra.
dem uxim a 2,5o.rs. a libra.
dem hysson a 2,3oo rs. a libra.
dem idem a 2,000 rs. a libra.
dem prelo de qualidade muito especial a',
2,oee rs. a libra.
dem idem inferior a l,6oo rs. a libra.
Chocolate francez, hespanhol e portuguez, a
9oo e l,2oo rs. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Baha
e de qualidades especialmente escolhidos,
de 2,ooo a 4,5oo rs. a caixa.
Farinha do Maranho muilo alva a 14ots. a
libra.
rs. a garrafa.
Consenas inglezas a 75o rs. o frasco e8,600
rs. a duzia.
Doce em calda a 64o rs. a lata.
Ervilhas francezas muito novas a 64o rs.
dem portuguezas a 72o rs. a lata.
dem seccas a 2oo rs. a libra.
Bassouras do Porto com arcos de ferro a 32o
rs. cada uma.
dem de segunda qualidade a 6io rs. a libra.
Vellas de espermacete da melhor qualidade Mante franceM dft meira U(|ade a
a 56o rs. o maco.
dem de carnauba e composico- a 32o e 36o
rs. a libra e lo.ooo rs. a arroba. ch- perola negte gener0 n3o ha nada a de_
I Tijolo para limpar facas a 12o rs. cada um. sejar, e de especial qualidade, mandado
vir de conta propria a 2,800 rs. a libra.
dem do vapor passado a l,8oo rs.
dem prato muite novos e de superior qua-
lidade a 4oo rs. inteiro, e a 5oo rs. a
libra.
Doce de goiaba fino em caixes com 2 li
libras por 600 rs.
dem mais baixo a 54o rs.
Manteiga ingleza flor a mais superior do
mercado a 72o rs. a libra.
56o rs. a libra, e 52o rs. em barris ou
meios.
Toucinho de Lisboa e Santos a 320 rs. a
libra.
Sevada muito nova a loo rs. a libra.
dem huxim o melhor do mercado a 2,6oo
rs. a libra.
dem de segunda qualidade a 2,ooo rs. a
Peixe em latas grandes, savel, pescada, cor- y^ra
vina, e outras qualidades a l.ooo rs. cada
Bolaxinhas americanas a 3,000 rs. a barrica,
e 2oo rs. a libra.
Batatas muito novas a l.ooo rs. o gigo, e 60
rs. a libra.
rs. a resma.
Pissas muito novas a 8,5oo a caixa e 48o rs.
a libra.
Pililos lixados para denles a 1 io rs. o maco.
Banha de porco refinada a 48o rs. a libra, e i,|em de nor a 2o rs- mac0-
em barril a 44o rs. prezUnto para fiambra inglezes e americanos
Vinlio em pipa de Lisboa, e Figueira, de3,ooo' a 8,5> rs- a IDra-
a 4,000 rs. a caada, e 5oo rs. a garrafa. i(lem do Porto a 48o rs a ,bra
dem de Lisboa em ancoretas de 8 a 9 cana- qUeijos prato de 48o a 600 rs. a libra.
das por 27,000 rs.
nflmj, n,rfn'.____ -i f tf dem londrinos os melhores que se encontrara
dem do Porto muito esp.jc.al a o,hoo rs. a fleste merCado a 800 rs. a libra,
.caada e 72o rs. a garrafa. |
.,__. __ ... dem flamengos viudos no ultimo vapor de
dem em garrafoes com 4 /i garrafas por 2,800a 3?ooo rs.
2,5oo rs. com o garrafo. I r '
Sardinhas de Nantes muito novas a 32ors.
Vinagre de Lisboa muito superior a 2,000 a lata,
rs. a caada. I
Sag muito novo a 2oo rs. a libra,
dem mais baixo a l,5oors. a caada, e 2oo ..
rs a "arrafa. muit0 suPenor a 28 rs- a nDra-
Idem em garrafes com 4 '/i garrafas por Sab5 maca de ai versas qualidades a 2eo e
24o rs. a libra.
l,2oo rs. aim o garrafo.
Manteiga ingleza a 600, "00, 800 e 9oors.a
libra de primeira qualidade.
dem franceza a 56o rs. a libra em barril, e
a 600 rs. a rttallio.
Amcixas francezas em caixinhas com ricas
estampas no exterior de l,2oo a2,ooo rs.
cada uma.
dem em frasco de vidro de diversos tama-
nhosa l,5ooe 2,5oors.
dem em latas de 1 1/2 e 3 libra a l,3oo e
2,3oo rs. cada uma, e a 800 rs. a Hbra.
Figos de enmadre em baiizinhos de folha pro-
prios para mimos a l,6oo rs. cada um.
dem em caixinhas de folha a 32o rs.
dem ern caixas grandes a 2oo rs. a libia.
dem em lats ermeticamente lacradas de
1,60o a 3,ooo' rs.
Arroz da India e Maranho a 80, loo e 12o
rs. a* libra.
I lem inferior de 12o a 18o rs a libra.
Cenebra de Hollanda em frasqueiras a 6,5oo
rs.
dem hamburgueza em ditas a5,8oo rs.
dem de Hollanda em garrafoes grandes a
5,5oo cada um.
idem em botija a 4oo rs. rs. cada uma.
'Sarrafoes vasios de diversos tamanhos'aSeo,
64e e l,2oors.
(omma do Aracaty a loo rs. a libra.
Jraixa a loo rs. a lata, e l,2oo rs. a duzia.
Licores finos francezes em garrafas e fras-
cos de diversos tamanhos de 600 a 800 rs.
cada um.
Marmelada imperial de ti dos os conaervei-
ros de Lisboa a 64o e 700 rs. a libra.
Massa de tomate muito nova a 64o rs. a
libra.
Marrasquino de Zara a 64o rs. o frasee.
Idem em frascos grandes a 800 rs.
Gominhos muito novos a 5oo rs. a libra.
Erva-doce a 24o rs. a libra.
tos e Kilachinhas. inglezas as uljinas P'menta a 36o rs. a libra.
Amendoas de casca mole muito novas a 4oo
rs. a libra.
Azertonas superiores a l,2oo rs. o barril.
Alpisla a 14o rs. a hbra e 4,6oo a arro.ia.
Lutria a 4oo rs. a libra.
chegada mercado a l,2oo e l,4oo
bs. cada la .a.
Bolaxinha de soda e lunch em latas grandes
a 2,ooo rs. jada lata.
Cognac de superior qualidade800 rs. a gar-
rafa.
AITENCAO
Gravo da India a 64o rs. a libra.
Cannella a 1,100 rs. a libra.
Alfazema a 2oo rs. a libra.
Sal refinado em frascos de. vidro a 600 rs,
o frasco.
O proprietario dos armazens do Progressista jamis deixar deofferecer aos seu
Ireguezs tudo o que for preciso para que sejam bem servidos, e como a festa se aproxi-
ma optim 1 a occasio dos seus fregaezes experimentaren! a realidade, que nunca dei-
,xr de ser mmlida pelo proprietario deste; armazens.
dem de araruta verdadeira a 4oo rs. a libra. lata.
Vinho do Alto Douro engarrafado, e os mais Passas muito novas a lo,ooo rs. a caixa e
bem escolhidos, lagrimas do Douro, D. Pe- 5oo rs. a libra,
dro Y, D. Luiz I. Duque genuino, Nctar
superior, Malvasia fina, Bastardo, e outros Palitos lixados para dentcs a 14o rs. o maco.
a ll.ooo e 12,ooo rs. a duzia e l,ooo rs.
a garrafa. dem de flor a 2oo rs. o maco.
dem Cherry e Madeira a l,5oo rs. a ^rra- Presunto para fiambre inglezes e americanos
fa e 16,000 rs. a duzia. a 8So"rs. a libra.
I
dem Bordeaux de diversas marcas de 8,000 Wm do porto 48o ,bra>
a lo.ooo a duzia e 800 rs. garrafa.
_ .,.. ^ Quejo prato a 64o rs. a libra.
Bolaxinhas americanas a 3,ooo rs. a barrica, v v
e a 24o rs. a libra. dem flamengo vindos no ultimo vapora
2,0000 e2,3oo rs. cada um.
"'fa ib!? D0VaS 3 l ,00 rS' gg' 6 6 Sardinhas de Nantes mui, novaS a 32 re-
a lata.
Ba2m barriU^c re'*13 ^ ^ "^ Sa8u rauit0 novo a 2o rs" a libra-
Vinho em piqa de Lisboa, e Figueira, de 3,ooo ,dera muit0 suPerior a 28 rS" a h'
a 4,ooo'rs. a caada, e 5oo rs. a garrafa. c ... ....... 9nn .
8 Sabo maca de diversas qualidades a 2oo e
41a
dem de Lisboa em ancoretas de 8 a 9 cana-
das por 27,ooo rs.
dem do Porto muito especial a 5,5oo rs. a' Genebra de Hollanda em frasqueiras a 6,5oo
caada e 72o rs. a garrafa.
24o rs. a libra,
dem inferior de 12o a 18o rs. a libra.
dem em garrafoes com 4 lj% gsrrafas por
2,5oo rs. com o garrafo.
Vinagre de Lisboa muito superior a 2,ooo
rs. a caada.
dem mais baixo a l,5oo rs. a caada, e 2o
rs. a garrafa.
dem em garrafoes com 4 /* garrafas por
l,2oo rs. com o garrafo.
Ameixas francezas em caixinhas com ricas
estanpas no exterior de l,2oo a 2,000 rs.
cada uma.
(dem em frasco de vidro de diversos tama-
nhos a l,5eo e 2,5oo rs.
dem em latas de 1 1/2 e 3 libras a l,3oo e
2,3oo rs. cada uma, e a 800 rs. a libra.
Figos de comadre em caixinhas de 4, 8 e 16 ,
lihrrsa l,3oo, 2,5oo e 5,ooo rs."cada Marrasquino de Zara a 640 rs. o frasco,
urna caixa.
dem em caixinhas de folha a 32o rs.
dem em caixas grandes a 2oo rs. a libra.
dem em latas ermetimente lacradas de 1,60o
a 3,ooo rs.
Arroz da India e Maranho a 80, 100 e 12o
rs. a libra, e 2,5oo e 2,8oo rs. a arroba.
Amondoas de casca mole murfo novas a 4oo
re. a libra.
Ceblas novas a 1,000 rs. os molbos gran-
des e a 7oo rs. o cento.
AlpisU a 14e rs. a libra e 4,6oo rs. a arroba.
Macarro, talharim e aletria muito nova a
4oo e 48o rs. a libra.
Biscoitos e bolachinhas inglesas as ultimas
chegadas ao nosso mercado a l,2oo e
l,4oo rs. cada lata.
Bolachinha de soda e lunch em latas grandes
a 2,000 rs. cada lata.
res.
dem hamburgueza era frasqueiros a 5,8oo
ris.
dem de Hollanda em garrafoes grandes a
5,5oo rs cada um.
dem em botija a 4oo rs. cada uma.
Garrafoes vasios de diversos tamanhos a 5oo,
64o e l,2oo rs.
Gomma do Aracaty a 80 rs. alibra muito alva
Graixa a loo rs. a lata, e l,2oo rs. a duzia.
Licores finos francezes era garrafas e frascos
de diversos tamanhos de 600 a 800 rs. ca-
da um.
Marmelada imperial de todos os conserveiros
de Lisboa a 600 e 7oo rs. a libra.
Massa de tomate muito nova a 64o rs. a li-
bra.
dem cm frascos grandes a 800 rs.
Cominhos muito novos a 5oo rs. a libra.
Erva-doce a 24o rs. a libra.
Pimenta a 36o rs. a libra.
Cravo da India a 64o rs. a libra.
Cannella a l.loo re. alibra.
Alfazema a 2oo re. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs. o
fraco.
Copos fines para agoa a 5,ooo re. a duzia.
Chouricas novas a 72o rs. a libra.
Mostarda franceza preparada e muito nova
a 32o rs. cada um frasco.
Conservas francezas de superior qualidade a
640 rs, o frasco e 7,oeo rs. a duzia.
Azeite doce a 64o rs. a garrafa.
Sevadinha de Franca muito ora a 2oo rs. a
libra.
ATTENQ&O.
Neste grande armazem de molhados vende-se em grandes porces e a retalho,
fazendo se differeasa consideravel a quem comprar de 100)5 para cima.
dem hysson muito superior a 2,5oo rs. a li-
bra.
dem preto hemeopathico muito fino a 2,ooo
rs. a libra.
Bolachinha de soda chegada neste ultimo
navio a 1,35o rs. a lata, deste genero ha
grande porco e de differentes marcas,
que se vendem todas pelo mesmo preco a
vontade dos compradores.
lem em latas grandes a 2,ooo rs.
dem propria para lanche em latas grandes
a l,9oo rs.
Marmelada imperial dos melhores fabrican-
tes de Lisboa a 64o rs. a libra.
Frutas em calda em latas de l,ooo a 5oo rs.,
neste genero ha diversas qualidades a es-
colher.
Champanha superior das marcas mais acre-
ditadas a l,5oo rs. a garrafa e 15,ooo rs.
o gigo.
Serveja das melhores marcas que vem ao
mercado a 5oo rs. a garrafa e a 5,ooo rs.
a duzia
dem preta superior a 56o rs. a garrafa e a
5,4oo rs. a duzia.
Vinho Bordeaux de dilTerentes marcas, e as
melhores do mercado a 7,ooo, 7,5oo e
8,000 a caixa eom uma duzia, e em gar-
rafas a 64o, 7oo e 800 rs., garante-se a
boa qualidade.
dem Figueira de superior qualidade a 48o
rs. a garrafa e 3,5oo rs. a caada.
dem de Lisboa a 2.800 rs. a caada e 4oo
rs. a garrafa.
dem do Porto de superior qualidade para
mesa a 560 rs. a garrafa, e 4,ooo rs. a ca-
ada.
'dem fino do Alto Douro da colheita de 1833,
como sejam: D. Luiz, Feitoria velho. Nc-
tar, Ca iva ve I los e Carnees em caixa de
uma duzia a 9,ooo rs.
Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto
a l,ooo rs. a garrafa e 10,000 rs. a caixa.
Duque do Porto, Madeira secco, duque ge-
nuino, lagrimas doces a 9oo rs. a garra-
fa e 9,5oo rs. a duzia.
Garrafoes com vinho do Porto a 2,2oo rs.
cada um.
Vinagre de Lisboa de superior qualidade a
2oo rs. a garrafa e l,2oo rs. a caada.
Azeite doce refinado em garrafas grandes a
800 rs.
dem de Lisboa a 64o rs, a garrafa, e em
caada a 4,8oo rs.
Presuntos inglezes para fiambre a 7oo rs. a
libra,
dem de lamego encommenda particular a
48o rs. a libra, e inteiro se faz abatimento.
Toucinho do reino o melhor do mercado a
320 rs. a libra, e em arroba a 9,ooo rs.
Velas de espermacete de 4, 5, e 6 por libra
a 560 rs., e em caixa se faz abatim.'nto.
dem de carnauba refinada a 32o rs. a bra
e 9,ooo rs. a arroba.
dem de carnauba pura do Aracaty a 4oo rs.
a libra e lo,5oo rs. a arroba.
Gomma muito fina e alva a 80 rs. a libra.
Araruta verdadeira a 32o rs. a libra.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
a 12o rs. alibri.
Sag muito novo 24o rs. a libra.
Cominhos. ervadoce e pimenta do reino a
36o rs. a libra.
Genebra de Hollanda a 5,5oo re. a frasquei-
ra com 12 frascos, e a retalho a Soo rs.
cada um.
dem em liotija hamburgueza a 4oo rs.
Genebra de laranja a l.ooors. os frascos
grandes.
Vinho de caj o melhor que ha no mercado
a l,ooo rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,3eo rs. a grozaj; 2o rs.
a caixinha.
dem de dentes lixados a 16o rs. o maco com
2o macinhos.
Ervilhas seccas chegadas neste ultimo navio
a 16o rs. a libra, e em porco se faz aba-
t ment.
Banha de porco refinada a 48o rs. a libra e
42o rs. em barril.
Vmho branco de superior qualidade proprio
para missa a 64o rs. a garrafa.
Ameixas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas com ricas eslampas a
l,2oo, l,5oo e 2,000 rs. cada uma.
dem francezas em frasco de ridre com lam-
pa do mesmo contendo 1 */i libra a 1,2eo
rs. s o frasco val quase o dinheiro.
dem em latas de 2 libras por l,4oore.
a retalho, e a 800 rs. a libra.
Figos de comadre muito novos em bahuzi-
nhosmuito proprios para mimo al ,28o rs.
dem em caixas para retalho a 16o rs. a
libra.
Passas de carnada a 48o re. a libra e em
quarto com 8 libras por 2,5oo rs.
Bolaxinhas inglezas de superior qualidade a
2,ooo rs. a barrica, e a 2oo rs. a libra.
Chocolate francez o melhor que se pode de-
sejar ueste genero a l.ooo rs. a hbra.
Macas para sopa estrelinha, pevide, arroz de
maca a 48o rs. a libra, e em caixa a 2,ooo
rs. cada uma, macarrao, talherim, e ale-
tria a 4oo rs. alibra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a Ubra.
Avelans muito novas a 2oo rs. a libra i
Ervilhas francezas muito novas em totas
grandes a 64o rs.
dem em ditas pequeas a 4oo rs.
Maca de tomate em latas de 1 e 2 Kbras a
64o rs.
Snlmo em latas de 1 "i libra a 800 re.
Lagostinho em latas grandes a l,4oo re. ca-
da uma.
Sardinhas de Nantes a 36o rs. a lata.
Cognhac inglez a 800 rs. a garrafa.
Licor francez das melhores marcas do me r
cado a 800 rs. a garrafa.
Batatas chegadas neste ultimo navio em cai-
xa com duas arrobas por l,Coo re., e 4a
rs. a libra.
Concervas inglezas a 75o rs. o frasco.
Sal refinado em potes a 5oo rs. cada um.
Mostarda ingle'.a a l,ooo re. o Irasco.
dem franceza a 4oo rs. o pote.
Milho alpista a 16o rs. a libra e 4,8oo rs. a
arroba.
Graixa muito nova em latas grandes a 120
ris.
Latas com peixc cm posta emticamente
lacradas das melhores qualidades de pei-
xe que ha em Portugal a l,2oo rs.
Caf lavado de 1* qualidade a 32o rs., dito
de 2* a 28o rs. a libra e 8.oo rs a arro-
ba, dito de 3* a 26o rs. a libra e 7,8oo
rs. arroba.
Charutos suspiros dos melhores fabricantes
de S. Eelix a 2,5oo rs. a caixa com loo
charutos.
dem finos de diversos fabricantes a l,6oo.
l,8oo e 2,ooo rs. a caixa com loo charu-
tos, jo preco nao indica a boa qualidade
porin deem-se ao trabalhe de virem ou
mandarem e vero a realidade.


Diarlo de Peruaiubueo Nexta fclra 29 de Janeiro de tGJ.

1
t
l
r
4




ATTENCAO
% liARGO 1IO tlKHO 9
GRANDE SORTIMENTO
LO JA DO P AVAO
Cissas puritanas.
DE
Vendem-se as mais modernas eas-sas puritanas rom bonitos desenhos (telo baratissimo preco de
210 e 280 rs. o covado, por lia ver grande paralo, pcchincha : na ra da Impera tria a. 60, loia do
Pavo.
Cassas pelvianas a 360 rs. o covado.
Vcndemse as mais bonitas cassas persianas a imitcao de laa transparente com os desenhos
teridos e inleiramente novos, pelo baratissimo preco de 360 rs. o covado e nao desbotam : na loia do
Pavo ra da Imperatriz n. 00.
Cortes de cassas de Maria Pia a 4$000.
Vendem-se os mais modernos con es de cassa a Maria Pia, de todas as cores, com palmas bor-
dadas e de variadas cores r
PCi
i|uc garante se a boa qualidade contendo 8 varas emeia cada corto pelo ba-
ratissimo preco de 45 : na leja do Pav.o ra da Imperatriz n. (0.
is percalas do Pavao a 500 rs. o covado.
Vendem-se as mais Anas percalas que ha no mercado, de desenhos muito miudinhos e das mais
lindas e variadas cores egarate-se seren lkas,com i palmos de larpura, fazenda propria para ves-
tidos de senhora e roupas para meninos, pelo muito baratopre^o de 500 rs. o covado : na loia do Pa-
vao ra da Imperatriz n. 60.
Gorgurao de laa a 500 ra o covado.
Vende-se gorgurao de laa de cor escura propria para vestido de senhora, paletot para homem e
i roupa para menino, pelo barato preco de 500 rs. o covado : na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60.
As colchas do Pavao.
Vendem-se eolehas de linho adamascadas com bonitos lavrcs de cor de rosa, azul e branco,
pele baratissimo prego de 55 cada urna : na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60.
Orgaudys a 240 rs. o covado.
Vendem-se organdys matisados fazenda muito fina, de bonitos dsenhos, pelo baratissimo preco
de 240 rs. o covado : na loja do Pavao roa da Imperatriz n. 60. *
As alpacas do Pavao.
Vendem-se alpacas de seda de rres muito lina propria para vestido de senhora, soutembar-
... Ques e roupas para meninos e dita branca muito lina propria para vestidos e paletols, ojr oreco uiui-
Pannpam aos seus numerosos freiruezes c ao publico em (feral que acabara de l# commodo : na loja d Pavao ra da imperatriz n.60/
recaer de sua propria encommenda, o ni; s lindo e completo sortimento de molhados,
os quaes vcndera por grosso e a retalbo por menos 10 por cento do que outro qualquer
annunciant, como vero pela seguinle tabella que abaixo notamos, garantitulo os mes-
mos propietarios nao s o peso como a qualidade de seus gneros.
PARA Jl FESTA.
DUARTE & C.
AVISO.
Todos os senhores que comprarem para negocio ou casa particular de 100r? para
cima ter5o mais 5 a 10 por cento de abatimento, os proprietarios scientificam mais que
todos os seus gneros s5t recebidos de sua propria encommenda, razio esta para p ode
vender por muito menos do que outro qu; lquer estabelecinienlo.
Manteiga ingleza flor a 8oo rs. a libra.
Castanhas ramio nova? a 2,ooo rs. a caixa, u
a 16o rs. a libra.
liolinho francez e em caixinhas de 7oo .
I.Hho rs. cada urna,
dem francesa a mais nova do mercado a 56o
rs. a libra, e 54o rs. em barril.
dem de porco refinada muito alva i6o rs
a Fibra.
Prezunto pan fianbre a 8oo rs. a libra.
Cha uxim miudinho viado de conta propria,
o melbor do mercado a 2,8oo rs. a libra
dem flyson de superior qualidade a % oo rs
a libra.
dem perola o memor que se pede desojar ;i
2,7oe rs. a libra.
dem preto muito fino a 2,5oo rs. a libra.
dem mais baixo poucc a 2,ooo rs. a libra.
dem mais baiio a l,8oo rs. a libra.
Vinho do Alto Douro vindodo Porto engar
rafado ga.".mte-se a superioridade deste vi-
nao, das seguintes marcas : Duque, Ge-
nuino, veItio secco, especial lagrimas do
ees de 181!), vinho especial D. Pedro V.
vinho veltic, Nctar superior de 1833, Du-
que do Porto de 1834, vinho do Porto ve-
lbo superior, madeira secca de superior
qualidade, vinho do Porto superior 13. Lu-
iz 1 "de 1847, lagricaas do Douro espe-
cial, vinbo do Porto de l,oooa l,2oo rs.
a garrafa e de 10,000 a 14,000 rs. a caixa
com urna duzia.
Bolachinha le soda especial encommenda e a
mais nova que ha no mercado a 2,2oo rs. a
lata.
fiiscoitos inizlezes das methores marcas em
latiuhasde 2 libras a l,3oo rs. a lata.
dem ingleses eraknel en latas de 5 e 7 libras
de 5,ooo a 6.000 rs a lata, e em libra a
800 rs.
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
a 2,5oors. cada uw.
dem prato a- 7oo rs. ;i libra.
Vinho em pipa das mais acreditadas marcas
como sejainBA F., PR.R, JAA, outras
muitas marcas, Porto, Lisboa e Figueira ;
de 48o, 5oo, 56o, 64o e 800, rs., e o de
Porto fino em garrafa, e em uarla ;>
3,000, 3.5oo, 4,oeo e 6,5oo rs. o inelhor
do Porto.
dem Bordoaox das mais acreditadas marcas
a "00 rs. a garrafa, b a 8,000 rs. a caixa.
Garrames com 5 garrafas de superior vinh
do Porto a 2,2oo rs. com o garrafo.
dem com5 garrafa de vinho da Figueira mai;
proprio para a nossa estacao por ser mai
fresco a 2,4oo rs. com o garrafo.
. dem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
com o garraiao.
Vinho branco o mais superior que vena x
nosso mercado a Seo rs. agarrafa, e a
4,3oo rs. a caada.
Velas de esprmacate as melhores ueste ge-
ero de 56o a 64o rs. o maco, e em cai-
xa ter grande abstimento por haver
grande porcSo.
Azeite doce em barril muito fino a 64o rs.
a garrafa e 4,800 a caada.
dem francez refinado a 800 rs. a garrafa.
Ervilhas franeczas epurtuguezas a 64o rs. a
lata.
Vellas de carnauba e composicao de 32o a
36o rs. a libra e de lo,ooo a 11,000 rs. a
arroba.
Genebra de Hollanda em botijas de conta a
440 rs. a botija, e em duzia ou em barrica
ter abatimento.
.Massas para sopa macarrao, talharira esrtetria
a 48o rs. a libra e em caixa ter abati-
mento.
dem estrellinha, rodinha epevideem caixi-
nhas de 8 libras, muito bem enfeitadas de
2,5ooa 3,5oo rs. a caixinha e a 600 rs. a
libra.
Boce de goiaba em caixas de diversos taa-
nnos de 600 a 1,00o rs. o caixo.
Sabo massa de 2oo a 24o rs. o melhor, em
caixa ter abatimento.
dem hespanhol a 28o rs. a libra.
Peixe em latas muito novo; savel, pescada,
corvina, salmo e outras muitas qualidades
preparada de escabeche 2.8a arte de cosi-
nha de l,2oo a l,8oo rs. a lata.
Figos em caixas de I arroba, '/i e 8 libras
a 8,000 4,ooo e 2,000 rs. a caixinha.
Barris de vinho branco de quinto, marca B
Filho a 0,000 rs. o barril.
Marmelada imperial dos m- Ihores conservei-
ros de Lisboa a 64o rs. a 1 .tinhade 1 libra,
ha latas de 1 y* e 2 libras.
Massa de tomate em latas douradas de 1 libra
a 64o rs. a lata.
Ameixas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas de l,5oo a 3,ooo rs. a
Chitas do Pavao.
Vendem-se chitas escurase alegres fazenda muito (rea, padroes modernos e f|ue nao desbotam
pelo barato pre^o de 320,360 e 100 rs. e covado: na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60.
As laasinjias do Pavao.
Vendem-se laslnhas com 9 palmos de largura de urna s cor e dequadrinhos pelo baratissimo
preco de 15200 o covado, ditas entenadas com 4 palmos de largura a 500 rs, ditas matisadas muito
liuas de bonitos desenhos a 560 rs., ditas a 320 e 368 rs., ditas de quadrinhos a imitcao de sedinha
a 400 rs. o covado. ditas a Maria Pa com palminhas de seda a 500 rs., ditas transparentes cem palmi-
nhas matisadas a 440 rs., ditas de quadros grandes a 240 rs. o covado, ditas pretas transparentes de
cordaozinhea 200 rs.: na loja do Pavo ruada Imperatrizn. 60.
Vestidos soutembarques.
Vendem-se os mais modernos vestidos a soutembarque com lindas barras e enfeites para rou-
pinho emangas, pelo baratissimo preco de 5 cada um : na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60.
Cortes de lui com barra,
Vendem-se cortes de laa com barras matisadas e enfeites para roupinho e mangas, os mais fi-
nos que existem no mercado, pelo baratissimo preco de 18,5 cada corte : na loja do Pavo na da Itn-
ratriz n. 60.
Os soutembarques do Pavlo.
Vemdem-se os mais modernos soutembarques de grosdenaples preto ricamente enfeitados, ditos
de er de um teeido de laa com seda muite bem enfeitados, por preco muito commodo : na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60.
Capas do Pavao.
Vendem-se ricas capas pretas de irosdenaple bastme cempridas, fazenda superior e mais mo*
derna que ba no mercado, por preco muUe em conta : na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60.
Atoalhado de liulio.
Vende-se atoalhado de linho com 8 palmos de largura pelo baratissimo preco de 500, bra-
mante de linho com 10 palmos de largura proprio para lenges e toalhas muito encorpado a 2500 a
rara : na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60.
Crinolinas ou baloes americanos.
DA SANTA CRUZ N. 84.
Amigos do bom e barato.
A_ Aurora Brillante este magnifico estabelecimento est na loa-Vista d^^!u!l^,.^.
pnmazia, ja pilo grande sortimento dos ?eus eneros de boa qualidade, j pela con.mod
de precosc per isso o seu proprictarioroga aos seus freguezes e amigos e ao
geral quemandemcomprar para uielor secciiilicarein do annuncio.
pUlilii
2f600
640
720
no
400
300
480
480
240
120
720
25000
45000
25000
500
Queijos do reiao novos a 2i0 e
{g Ditos de prato dem, a libra. .
UJ Ditos do sertao novos, libra a .
Chouricas iuv is, libra a .
Linguicas verdadeiras do serto, libra
0 PreUHOa novos de Lamego, libra a .
;j. Macana.!, lalliarim e aletria, libra a
M 400 e...... .
<0 Caixas com 8 libras de estrellinha e
v^g Jievide DOVa a 2.'O0 e libra .
Sg Sevadinha de "rauca e aag a libra.
Ervilhas e grao de bico a libra .
Marmelada uo (a das melhores marcas
a libra.......
Caixinhas coir ameixas com bonitas
estampas a 15600 e.....
S9S Laiinhas mi ditas a 15400, 25400 e
S Ditas rom ligos novos Uu comadre a
15400 c ......
M Ditas com fru tas em calda a 640 e .
*4 Ditas com puixe em posta ensopado
S a 15000 e......12U0
2U Ditas com sardinhas de Nantes no-
vas a .....
Caixinhas con: 4 libras do farinha de
aramia a libra
Nozcs c aun'iiLoa arroba 65 c libra..
Garrafas com refrescos de varias
fruiras a......
Azeitc doce a 640 rs. a garrafa e refi-
nado a......
Potes com mistrda a
Frascos com conservas novas a
Ditos com genebra de laranja e de
Hollanda a (40 e .
Chocolate de varios autores a libra .
Toucinho de Lisboa arroba 95000 e
libra.......
Charutos finos a 25, 25500, 35, 45,
55 e 65 a caixa de 100.
Saceos grandes com milho, farello e
fariuha lina a 45, 45500 o .
Alpisla arroba 45500 e lihra .
Espermacete superior a 600, 640 o .
" ~3&sxr
360
640
240
500
800
320
800
15000
15200
320
55000
Copos lapidados para agua c vinho du-
,zia 4-5 e...... C..5000 #<
Molhos de grande scbolas a 15000 ..'J
Barricas com bolachinha nova a 15 -jx
e libra a...... :o -""R
Ditas lo soda de 5 libras para lunclic '<*
ou doente a 25 o libra 610 ijg
Ditas com biscoulos inglezcs muito II- R
Si........ W400 '-*'
Manteiga ingleza flor a 800 e 360 y
DiU fiauceza a 560 e 600 rs. e em &<
barris e meio a 520 c 540 ^
Dita hollandeza muito nova a 800 *Q
Uanha de porco a :i2K *4
Sal refinado o pote .... ..oo '.
Gigos com batatas bollaudeas a 15ioo ^
(.lia li.ssi n o melhor que ha a i.MKJ |*
Dito miudiuho a..... 25NO0 %
Dito verde a 25, 25500 e .
Dilo preto a 15' 00, 25 e lino a .
Caf de moca arroba 95 e libra.
Dito lavado arroba 85 e libra .
Vinhos finos do Porto caada 55 e
garrafa 640 e.....
Ditos de Lisboa e Figueira 35200 a
caada e garrafa .
Dito branco proprio para mesa a 560 e
Dito X'.-rez e oulros lino a
Caixa com vinho Bordeaux a85 e 95
e garrafa a.....
Scrveja de boas marcas a dnzia a 55 e
Gomma muito fina arroba 25500,25e
Enxorre arroba 35200 e libra .
Canad de azeite de carrapato a 25 e
garrafa a......
Dito de coco a 35500 e garrafa a
Massos com palitos lixadas pan den-
tes a .......
Tijolo para lirapar facas a .
Ervilhas em latas a .
Latas com ostras americanas a .
Vinhos engarrafados finos a garrafa
320
284
800
65000
120
280
480
160 Tapioca nova arroba 35800 e libra
720
Boio com graxa n. 97
- -a -
Vendem-se baloes americanos os mais modernos porserem muito fortese bem armados de 20 240 rs.
RIVAL
SEM SEGUNDO
lina do |nrhuado ns 49 e ...
loja de miudezas de Jos de Azevedo Maia A; C,
principia o novo anuo a torrarmiudezas pelos prc-
! eos qno a todos cama admirado, a saber :
! Pares de sapatos de tranca muito finos a 15600.
Fraseos de oleo babisa dos melhores fabricantes a
arcos a 35, ditos de 30 a 35500, ditos de 35 a 45. ditos de madapoln franrez de diversos tamaitos a
35, ditos do rausjelina com babado e sem elle podendo-se tirar os arcos pelo barato prego de 45 e
45500, ditos para menina, de arcos a 25, ditos de musselina a 35 : na loja do Pavo roa da Impera-
triz n. 60.
hapos de sol do Pavao.
Ditos maiores a 40C e 500 rs.
Fraseos d'agua de Colonia muito finos a 400 rs.
Sabonetes muito finos a 160, 200 e 400 rs.
Frascos grandes de agua de Lubin, o melhor,
15500.
I-api de tinta enramada muito finos a 40 rs.
Novelice de linha com 800 jardas a 120 rs.
Ditos de dita com 400 jardas a 80 rs.
OLEO
DS
Merchant
para as molestias externas dos animaes domsticos
e com especiahdade dos eavallos.
Vendem-se chapeo de sol de seda muito encorpada rom -abo de cana e hasleas de baleia pelo
baratissimo prego de 65,75 e 85, ditos marquezinhos para senhora e meninas a 255(|0: na loja do Pa-
vo rtia da Imperatriz n. 60.
Cortes de la do Pavao.
Vendem-se cortes de laas matisadas com desenhos muito lindos contendo 15 covados cada corte P*f>eis de agulhas a balo Victoria a 60 rs.
pelo baratissimo prego de 75, ditos de cor de rafe com palmas matisadas contendo 15 covados cada
corte pelo barato prego de 65 : na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60.
de primeira qualidade, fabricadas
I esmero, as quaes pelo modo efficaz
com o maior
que inalam as
Frascos de macassa, oeo muito superior, a 100 rs. foranga, realisam urna economa de 90 00 sobre
Dnzias de dedaes irancos em caixas de vidro a as fabricadas pelo amigo systema.
320 rs.
J. VIGNES.
-V A5. lili DO IMPERADOR M. &J.
caixinha, tambero ha latas de 1 '/< a 6 li-
bras de l,2oo a 4,5oo rs. a lata.
Os pianos desta amiga fabrica sao hoje assaz mheeidos p?.ra que seja necessario insistir sobre a
sua suiierioridade, vantgens e garantas une effereeem aes compradores, qualidades estes ineonteste-
veis qu e.elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praga ; pos-
suindo um teclado e machinismo que obedecem todas as vontdes e caprichos das pianistas, sem
nunca tlhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ultimamente melhoramentos importan-
Item em frascos com tampa de rosca a l,6oo tissimos para o clima deste paiz; quanto s vozes sao melodiosas e flautadas, e por isto muito agrada-
TS. 0 frasco. veis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encemmendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Pars, socio
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e co'TesPond,;nle de i- Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposiedes.
VERNIZ 01 ALCATR\0
sukso a 1,200 rs. a libra.
Conservas inglezas das seguintes marcase
Mixde-Picles e cebollas simples a 75o rs
o frasco.
Ancoretas de vinho colares, a 5o,ooors., e
a 72o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 32o rs. a latinha.
Charutos das mais acreditadas marcas de
2,5oo a 4,000 rs. a caixa.
Champagnhe a melhor do mercado de 12.000
a 24,ooo rs. o gigo, e de 1,2oo a 2,000 rs. a
garrafa.
Papel greve pautado ou liso a 3,5oo rs. a res-
ma.
No mesmo estabelecimento se acha sempre um explendidj e variado sortimento d rausioas dos
melhores compositores da Europa, assim como harmnicos e lanos harmnicos, sendo todo vendido
por pregos muito razoaveis.
Buretas eom doces seceos de Lisboa de 3oo
a 3,5oo rs. cada urna.
Toucinho deLisboa a 3oo rs. a Kbra. e a
9,ooo js. a arroba.
dem de peso pautado
4,000 rs. a resma.
ou lizo de 3,5oo a
CONSERVATIVO
Hanha transparente muito superior a 700 rs.
Dita Japoncza muit) fina a 800 rs. do gai, cujas multplices applicacoes sao por de-
Dnzia de sabonetes muito finos a 720 rs. mais conhecidas: vende-se ao prego da fabrica no
Papis de agulha com toqne de ferrugem a lOrs.! O'o da secretaria de potieia, annazcm da bola
Crozas de botoes de madrepcrola muito tinos a amarella.
560 rs.
Pecas de fita de ees, estreits, com 10 varas, a
Novellos de llnha branca do paz a 30 rs.
Carreteis de linha de cores muito fortes a 20 rs.
Candes e caixas de clcheles francezes a 40 rs.
Botoaduras brancas e de cores para colletes
Frascos debanha, rechincha, a 240 rs. Acha-se o deposito snpprido de
Bonets para meninos, fazenda fina, a 25. melProsso e ftno- ass,m eomo (ie l>a"10 <^'deiro ;
Caixas preparadas para costuraras a 15500,25 e nos ltimos vapores vieram as quahda.les mencio-
;)000. I nadas, as quaes se faiem recommendar aos seos
Massos de grampas lisas e finas a 30 rs. 1 apreciadores.______________________________
Caixas de palitos do gaz e de cera finos a 20 rs. Vende-se o entrenho S. Manuel, sito na fre-
Duzia de facas e (arfos de 1 boto superiores a guezia. do RioFormoso, e margtiu do rio Ser-
55500. ', nhem, o qual demarca com os engenhos Cachoei-
Duzia de ditas e ditos de 2 botoes finissinwsa: ra, Chango e Gamelleira, me com agua 1-muito
leiNi
de rap princeza fiasse, do Ha de Ja-
neiro, na ra da Crnz n. 18, enrip-
io* io de J- s Jonquin Lima Ilah-it.
Acha-se o deposito snpprido de rap grosso.
65500.
Crozas de palitos do gaz a 25200.
Ara preta muito fina a 100 rs.
Caixas de rap com espelho a 100 rs.
DE
JOAQUIM SIJJlAO II US SANTOS
23-Largo do Terco--23.
Gomma muito fina e alva a 8o rs. a libra.
0 proprietario este armazem de molhados participa ao publico e a todos em geral
que tem um grande sortimento de tudo quanto perlencenle a molhados, e que tem
Milho alpista e painso de IGo a 2oo rs. a u-m arnTm para.somente receber 0S- fnero! de maior (luanti/ladf' f"*8 espwula-
jjrju r r coes emboas quadras, e que sempre pode vender por menos de 10 20 por cento du
que em outra qualquer parte, garantindo o proprietario qualquer genero sabido do seo
Palitos do gaza 2,2oo rs. a grosa e 2oo rs. a armazem, tanto em peso como em qualidade.
duzia. Manteiga ingleza flor mandada vir por conta propria a 800 rs. a libra.
v ;_i^,, j t ,c i. -. lflm franceza, vinda pelo ultimo navio a 500 rs. a libra e 540 rs. em barris.
^SXStH^ aa VaSWS' T,t0 Banha de porco retinada, propria para pastis a 480 rs,
ffffi? aJSr r \A0C5 T?ante'ga Velas de espermacete e carnauba do Aracaty a 600 rs.
,uu "PST q ,00 a, Caf lavado do Rio e do Cear, o melhor deste genero, a
o,UUU rs Calla UQ1, rnh
Licores das melhores marcas e mais finos tetis novas em caixas cora 2 arrobas por 2K)00, arretalham-se a 4o rs. a libra.
a 1 ooo rs a garrafa e em caixa ter abat- Toucinho desembarcado ltimamente a 3oo r s. a libra, em barril ou arroba a 85800.
ment. Cha de i*, 2*. 3l e 4 sorte a 20800, 20300, 25000, e 15000 a libra.
' Azeite doce de Lisboa a 600 rs a garrafa, e de carrapato a 280 rs. a garrafa, e aada
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa 25ooo.
e le,5oo rs. a caixa. Genebra verdadeira de Hollanda, em btijas, de conta certa, marca galle a 3G0 rs,
Chouricas as mais frescas do mercado a 8oo Milho alpista o mais limpo que ha a 160 rs. a libra* a 5000 rs., a arroba.
rs. a libra. ---- ... ----------------
a 480 rs. a libra, e em barril a 400 rs.
o masso e 400 e 440 rs. a libra,
genero, a 280 rs. a libra e 85oo a ar-
Genehra de laranja em
I.ooo rs. o frasco.
frascos grandes a
Serveja das mais acreditadas marcas de
5,5oo a C.iioo a duzia e de mais a 5oo rs.
a garrafa.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra e 4,8oo
rs. a arroba.
Cafe de i.', 2.a e 3/ qualidade de 26o, 3oo
e 36o rs. a libra, doQiar de 7,8oo, 8,6oo,
e 9.2oo rs. a arroba do melhor.
Arroz da India. Java e.\aranhao de 2,8oo a
3,ooo a arroba, e de 8o a loo rs. a libra.
Passas muito novas a 8,5oo a caixa e
a libra, lu caixas meias e quartos.
Sevadinha de franca a 2io rs. a libra.
Sag muito novo a 28o r. a libra.
dem em botijas e meias, sendo preta da
muito creditada marca T de 6,5oo a 7,8oo
rs. a duzia.
Ceblas emmelhos grandes a 8ooomolho
640 o cento, e a f?,5oo rs. a caixa
Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
Farinha do Maranh5o a 14o rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 16o rs. cada ura.
Cominho a 4oo rs. a libra.
5oo Erva doce a libra.
, Canella a 1 ,ooe rs. a libra.
GR ANGEI AS antiblennorrhagicas de DUNAND
ex-INT oo HOSP. oos VENREOS de PARS -1? PREM 01854
Superiores ii*4m preparB^es coafatcidasalt boje contra as onorrht t n)atorrhaciaaas mata internase rabUS.'
E/teile segure apromplo, acto nauseas, nem clicas, neta tremor. Faeeia a lomar i m aegredo sera Uaana.
Injecgo curativa e preserva ti va
Infal-reJ, cura com rapidn em atrn os escorriraeotos contagloaoa He ambos seim. Fterea brancas Arlstrlnarerilo
Wasaastee ata |ual^uer alteracio. l'AIUS, i, rae u k'arckt-St-noiMr*
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22 em casa de Caros 4 Barboza
38RA DO IMPERADOR38
Agua natural de Condllae,
Pede-st! toda altenco.
Custodio Jas Aires Guimaraes, dono da loja in-
litalada (Jallo Vigilante, ra do Crespo n. 7, avisa
aos seus numerosos freguezes e ao respeitavel pu-
blico, que lendo de reformar no lim deste auno sen
.'suU'.Irmiiit'iito, equerendo liquidar grande quan-
tidade de diversos c>bjectos, est rosolvido a vender
tudo por precos ba atissimos, romo sejam :
tv^as com 46 varas de franjas de linho a 3f.
Ditas com 45 varas de galo de linho a 3S.
Laa sortida para bordar, libra a '>&.
Froco de cores sortidos, pefa a 160 rs. -
Manguitos para setilwra, o par 800 rs.
Golinhas de bonitos gustos a 400,500 e 1*.
Salvas de meUl priacipe a iASOO, i e 500.
Ditas rom copos de metal proprio para meninos a
I1M0.
Facas e garfos para sobre-mesa a 4S a duzia.
Ditas e ditos dita com cabo de marrim a 6S.
Bandejas de todos t* tamanhos mnilo finas a il,
t#J0, i 400, lAiiftO, i&SOO. :t500 e 5.
Ditas redondas para copo de 500 rs. para 800.
Tesouras em carteiras, a duzia a 500 rs., 640 e
MO rs.
Petos para camisas, a duzia a 25.
Camisinhas bordada; para senhora a 15500 e 21.
Ghapetinas para senliora a 35.
Ditas para menina a 25.
Chapewxinho para n eninas de escola ou passeio a
*535.
Flores francesas, caixos grandes, a 606 rs.
LHvas de seda com feqneno toque de mofo a 300
rs. par.
Tcmras de lia para meninos a 500 rs., fil a 500 e
600 rs., de seda a 800 rs.
Sapaohr* de merino a 800 rs., e de laa a 500 rs.
fiotsnnas de missauza para meninas de escota a
88 rs.
BotSM deurados pan pnntto a 200 rs. o par.
Tinteiros de metal a 320 rs.
Traaeelios para relo/rio a 100 rs.
Ditos de fita chamalole a 200 rs.
F.sfrivaninlias de metal a 35500.
Colheres de metal pura cha a 200 rs. a dazia.
Ditas de dito para se pa a 25 a iluzia.
Bolees de duraque pratw a 40U rs. a groia.
Cartas hespanliolas para jopos a 15200 a dnzia.
Casticaes brancos e amarellos de metal a 15-
Carteiras para algibeira a 500, 600. 800 e 15-
Sabonetes muito linis a 15200,15600 e 25 a duzia.
Fivelas para calca a 300 rs. a duzia.
Botoes de ac para calca a 320 a groza.
Caixinhas com allineles.grampos e clcheles a 320,
400e500rs.
Filas de borracha pr;tas e de cor a 120 e 160 rs.
avara.
Latas com dous massos de agulhas por 800 rs.
Ditas para sinteiro a 300 e 400 rs. a vara.
Caixinhas para costura de senhora a 15500. -5.
3,4,5e65.
Compoteiras de vidro com pratos de metal a 35 e
45000.
Franja de la para dobronhar tapetes a 55 a peca.
Palitos de fogo, provr. d'agua, a 15 a groza ou 120
rs. a duzia.
Assim como tem grande sortimento demuitos
mais objoclos me se tornara enfadonho mencio-
na-los, que ludo se vender muito barato nara li-
Juidar : na ruado Crespo n. 1-, o roa de Impera-
orn. 59, junio ao passo, e casa da liquilacao.
copeiro, lera capacidade para safrejar 2,500 pes
annuaes, e se acha quasi todo em mata virgem,
distando do embarque 1(2 legoa: qiiem preiender
dirija-se ra do Vigario n. 5, que achara coa
quem tratar._________________________ _
Mnctis.
Na travessa da Madre de Dos n. 5, vendem-e
caixas com macaas a 35-
\fl\AJS
gementes de hortalica-,
Che.;aram no vapor francez Guirne as novas se-
ment* de hortalica : na roa da Cadea do Kerite
n. 56 A, loja de ferragens de Bastos.
i no i: f vid i o
muito rpcommendada as affecroes do tubo pastro-intestinal, nos dosrin?, e bexica ourinaria, pelas
suas propriedades alcalinas, e o rido carbnico que naturalmente contm em suspensao, de preco'
mais commodo que a sgna de Virlii/, e de profrtenades lalvcz superiores pela grande quanlidade de i Milho bom em et"M de 23 cuia a 35800, e a
R .,.,, | trido carbnico. Injrrco Krm, m/ua 4t l Chreleu. cupahiba d>; Mege, njrc^ao Fuga e tanato 160 rs. a cuia. Tardo a 35200 e 35800 o Mero r
oawtas a l ,000 rs. o giffO com .Jz linras liqui- f zinoo, muito reronniteodsdi mi ponen ans. Le rtvg francez verdadeiro ; na r esma casa tem na taberna piulada de amarello do pateo do Parai-
das e 3,000 rs. a caixa de duas arrobas, j algumas caixas de inutrumentos eirurgicos para operaocs de Matieu e Charriere. | zo n. 16, oito para a ra da Florentina.
GAZ GAZ GAZ
por pre^o reduzido.
Vende-se gaz da mclher qnalid de pelo
pre o de i O por lata de 5 galoes: no ar-
mazem do Caes do Ramos n. 18 e ra do
Trapee Novo n. 8.
ESCRAYOS FGIDOS.
Eseraro fngido.
No dia 4 do corrente fngio o escravo Bazilio,
crionlc, estatura regular, secco do corpa, cor ama-
relia, offre de frialdade, tem falta de denles na
frente, ps apallutados, tem calos nos calianharesv
pisa muito de vagar, levou calca de l.nni pardo,
camisa branca, chapeo de massa preto minio usa-
do : quem o pegar, leve-o ra Direila n. 30, |,i 1-
meiro andar, que ser gratificado.
bscravo fujtid.
Fugio doengenfao Maxicauba, comarra do L-.
moeiro, a escrava parda, de nome Antonia, idade*
36 anuos pouco maisou meaos, corpo secco. altura*
regular, urna orelha murena, denle* miados, cr 111
cicalrizes pelo corpo. Esta escrava tem estado ja
nesta cidade, est fgida deste o l'de nevembro do-
auno passado. Quem a apprehend. r leve-a nes
praca, ra do Queimado loja de ferragens n. 13 oo."
no mesmo engenlio que ser graiilicudo.
- De bordo da barca Africana, fngiram dous"
escnrvns, um crioalo de nome Antonio, represen-
ta ter 40 annos, cara feia, cheio do cor|io, estatu-
ra regnlar, oulro mulato de nome Joan, reprsen-
la ter 30 annos, estatura regular : quem os pegar
ou delles der noticia no esrriptorio de Antonio'
Lniz deOliveira Azevedo & C. ou a borlo da dita
barca :er bem recompensado.
Do sitio intitulado Mangu-ira, trras do en-
genho do Meio, freguezia da Varzea, fugio nina,
muala de nome Bosa, com os signa* > seguintes :,
idade 30 a 35 annos, altura regnlar, cabello- eran-,
des, que sempre trazia ella ou com tranca, ou com.
bandos, olhos pequeos um pouro vesgos, cousa,
esta que s se condeca a muito olhar, a culis de,
rosto com manchas muito de leve, e muas pintas
de azui's como especies de sardas : robase, poiSj
a quem a apprehender, traze-la no merina sitio,
ou Resta praja, na ra Direila n. 40. padaria de
Jas l.uiz do Souza Ferreira, que sei-a ura'iHrado.
AasenUHi-se da casa de seo seiilmr d'-.-ilcr 0*
dia 18 o preto Miguel, repiesenia ter 45 aSA-M-
nos, usa de meias suidas, j Icio rsnutto* brau-
cos, I asante regrisla e intitula->e fono. MMS
que elle anda nesta cidade por j ler sido encon-
trado nao so no bairro do Recife e 1 1 di Hoa-
Vista, la suspeilas de que elle m aroils Mi raM
de -un amazia de nome Maria. parda, s tur dizi m
estar morando ha poneos das m Campo \
quem o pegar leve-o a casa de seo scohor na ra
da Cruz n. 2, que sera recompensado.
'


Dlitrl de Pernambneo Hcxt.x lelra ** de Janeiro de 1 *#4.
LITTERATRA.
O mrnillgo.
( IMITVCVO. )
Bat "teste mundo
Est muito vez o abysmo cavo, profundo.
I
Por urna lin la larde de (remar amena
i: i. tortees d Indo vida,
a .1 u la lurba tj t'aloitre fassa,
Aos iras souu una voz dunda.
t -me i) p i'.i esas vocqueitou
Oii'1 no ange da drtr dira : smolaao pobre !
Eeiiu-merom i s i fosee penetrante sella,
finados o merencorio dobro.
Q n fui .. quem.... quem ser, nao sei
a-sim em andrajos, sem abrigo,
1 ,\ turba a narpasMr, qual meteoro,
( i n nao dina : un mendigo 1
Coi le I que extorrendo-s n'ngonia da dr
Qi.c Ihe n'alma a desgraga pulsa,
Mu .lulo pi a do poderoso a noria,
T, randa cIk ii aeruel repulsa !...
E, soerfueado o macilento rosto,
! i retrato do desespero inmenso
Que mi intimo -bein la8 eonsome,
Lb o peito rala eo'um golpj intenso...
La vae ramiii'io a implorar alm
O pequeo olilo do chrisio bondoso;
O'i -. p 'i ser pequeo, mate tenar-a,
Lomo reliquia dura c'rago donoso.
Camin .. raminhacurvo mas garboso,
Tal voz pensando as delicias idas ;
Di lu (quem sabe I ) aquelle olbar placido
No i.ii velinho de recordages sentidas I
II
Ei-!o que vera I... diga-nas elle quera
El manto ao tmulo nao desee...
Em consol do seus lerrivcis pozares,
Tii un amigo a quem os eonfesso.
111
Este, por eerto, nao o quererlo.
Dme, pnis. Dens speranga na desgraga.
pe, na outra vida, alliviu adiar 1...
.............. Disse I...
Era bello de ver-so o potan vellio
A chorar assim o passado,
Arrimado ao baslaoeurvoO joellio I
Quem, n'essa attitude, o visse,
Kespeilaria o nobre dosgragado.
Sim Quem fui grande na prosperidade
Tambern o i na adversidrte !...
Rccfe, l-'S de Janeiro de 1864
ientu M. da Siha.
Mr.
no
ta; eu brilliante, cu azul como o de Portugal, e ornando-lhe tambero o peito a bein merecida con-
easaa que lembram as nossas de lia ura seculo pa- decorago da Lego de Honra.
ra r. Infelizmente, nos os artistas no 'tagoetes nao nos
As JaMllas se vem os Auslriacos fazendo fogo podemos anda vangloriar de postmir um talento e
de desesperados aos Francezes, que carregaodo so- um espinto tao cultivado que riv; Use cora o do Sr.
bre clles, e passando por cima de irritaos e contra-' Alcxandre Herculano.
rios, quo eahem por ierra, uns ja trepara s janel-
B de esperar que mais tarde, quando a educagao
las, outros arrombam as portas a bayoneta calada, artstica se enraizar e identificar bein cora esla ge.
c assim deslrnem o inimigo. (Teste assntnpto pa- raeo nova, qoe vemos erescer dj dia para da, ai
rece que Mr. Yvon cap
dades de escreos.
ichou era vencer dileul-
A
T que me faxes vibrar as cordas
i De una lj raque esquecer podera,
t I'.si uia-me agora o segredo
Da niinba vida que a niogueraeu dera.
t H E-se passado bello, fulgoioso,
Em que me embalava esqueeido
Das urzes de um presente pavoroso.
Mas ab I... desfallece-mo o alent
< Ao recordar o qoadro d'essa vida
t Que se i as aias do tem|K)
t 0 >al fumo de nina illuso perdida !
t Ai I... Dir-te-het s o quanto baste
Para ao menos cborar comtigo
i A desventura d'esse speclro,
A triste historia d'um mendigo.
IV
Descendente de nobres, grandes senhores,
Cuja vida se linou sera mancha, ou macula,
-t Riese d ouro, ede virtudes tambern ;
Deixei-me, ainda na primavera dos annos,
Impedir pela torrente caudalosa
Aneditei nos seos encantos, que p'ra mira
Erara urna ;iarle da existencia
Mus ludo esvaiii-se, qual sondo querido,
< Ao despertar um dia pela manha.
Outr'ora rico e poderoso
Que o mundo trazia aos ps bumilhado,
orno vaasaUo junto ao senhor,
c Hoje... do aludo e prostrado
Arraslo a vida pelo p informe,
Sem abrigo, sem compaixao, ou do :
E no desespero da dr e desventura,
Prajroejando ia tristemente.....
Ah que digo t. Nao... nao pede I
Oh I mundo I leus assim le fez,
Pilis Deus grande e nao so engaa.
Vergontea esgnlhada d'ura Ironco
< De >eiva avigorado, nao Moho mais forjas ;
< Rmibar.un-m'as os prazeres meus
4 A que sera do me entregaran! us amigos I
Sun I... Tive. amigos o tantos
Que recordar nao psso agora
t Quantos, na poca da juvenil flicidade,
< A minlia un sa s'assentaram descuidosos,
t A queimar seus perfumes que aspirava...
Poreni perfumes de absintliio, de negro el '
Perdi-me!... Nao I perderam-me os amigos!....
Como a serpeda Esrri iti.ra, foram
Para mira outros demonios inaldiclos
Kaea venenosa eperversa
ELLAS ARTF.S.
O qiiadros de baialha de
\ilol|lio Yod, eollocados
palacio de Versal lies.
(Conclusao).
Quanto ao colorido, o deste quadro julgo-o supe,
rior ao de alguns dos outros.
Em sunima, Mr. Yvon parece ser o Salvador
Rosa dos nosaoa dia?, mas excedendo muilo aquel,
le noque diz respeilo s physionoinias e a*dese.
nho, porque Salvador Rosa cancaturava militas
vezes a expresso dos seus guerreiros e apresen-
tava em qua-i todos o mesino typo, descuidando"
se oulras tantas as figuras, qur de horaons, qur
de homens, ijur de auimaes.
A prova de que nio exagero o mereciraento dos
quadros do meu amigo raestre que, quando eu
eslava tirando os' meus apontameutos n'aquolle
esplendido earistoeralic# salo de Versalhes, pas-
sava limita gente, que ali concorre de todas as
classes da soeiedade, e notei que o raesmo novo
rude, leudo visto ni aitas pinturas, alias de iucon-
11--.- bellas artes vendara a orcupar um lugar
distincfO entre as naeoes cultas. E nao devemos
Ha lisuras por tena que parece terem os ps pe- desanimar, porque a nossa escola do pintura est
lo quadro fra, e oulras, ao contrario, que parece na infancia, emquanto que a da I'Yanfa, por exem-
eslarera cora cabera para nos, conhecendo-se po, conla talvez dous seculos.
exactamente qual seria o coraprimento de cada ho-. Aguari]c|no s> os n()SSOS prno
mem, se o collocassem de lado. iml;t(.-0 dos t|fl ^^ lnglaterri c A,leinanha> a,
Eu j disse, quando tralei dos quadros expostos prolejam, que esta soeiedade nao lardar a regu-
era Versalhes, que para Mr. Yvon nao ha diflicul- nerar-se, approximando-a as vias frreas das na.
dades, c allirmo-o ainda vista dos prodigios d'ar- cues Ilustradas.
teira de viagora ; ahi os deixo publicados para as notavels condc5es para brilhar na tribuna, era,
pessoas a que n poderem aproveitar. I quando fallava, conciso e enrgico, e sempreouvido
Sera quo me ceue n a a:nis i U e gratido. devo com attonco.
dizer francamente qu; o mea antigo raestre junta nn^10^uas f m'ni*'ro da guerra em 1837 era
;,.., unu poca dillicil e dolorosa, em que a rebelliao
asquahdades artsticas que o tornara o pnmeirs la|;,va (.amp,,s do H|0 Urande do i> e erguia 0
pintor de batallias, as de um hornera honrado e colle em oulras provincias, e em 1859, quando
cavalleiro era t da a extensas da palavra, porque certanienle ja as mais solidas garantas no espirito
foi sempre para o seus discpulos um juiz recto e *a"C"'^ de l-dus 0SJ?lr'sileiruS' ,nas aind(a
, ,. .\ gravisslmas questoes se dbatiam na arena da
o melhor dos amigos. economa poltica. Poi tambera presidente da pro-
Concluo a muilia humilde tarefa dizendo que o vincia Jo Para desde 1853 al 1836, o tanto no
te creado ltimamente por este Miguel Angelo da
pintura moderna.
Vasta batalla distingue-se perfectamente o typo
allemo do typo francez, assim como as ootras
que vi se distinguem bein os Francezes dos llussos,
o que d muito valor historia. Este quadro em
meia execiifo sera bastante para fazer acreditar
que o tea autor boje considerado o primeiro pin-
tor de batalhas.

Fazendo eu varias perguntas a Mr. Yvon relati-
vamente arle, me respondeu que o movmento
das figuras, a expresso e os episodios nao socou-
I sas que so ensinem, que isso esta na natureza dos
individuos; assim. Quantos quercrlam sern-'
ginaes como Mr. Yvon e nao podem ? quantos Ra-
phaes lera havido? quantos Rubcns? quantos Ti-
cianos ?
Quem ensinou Veronese o scu estylo, sua vi-
museudo Havre tem alm da galera de pinturas,
que oceupa o centro do edille i, urna boa cullec-
(,-o de aves, peixes, auimaes, inernstac^es, ludo
classlicado e na melhor ordem c accio.
Porto 21 de dezembro de I8C3.
F. 1. Rezemle.
Lente-substituto de pintura histrica da Academia
Portuense de Bellas-Artei.
ICommercio do Porto).
V
Pta aomustw do Aw re.
Esta cidade, supposto nao seja to populosa nem
tao grande como Marselha. possuo ura muscu cora
melhores condi^es. Era Marselbi.ha urna mag-
nifica colleccao de quadros, e entre ellos alguns
notaveis de autores classicos, ma- pouco ou nada
aju lados pela luz que receblara quando entrei na-
quelle edilicio era 18-3 ; no llave poucos quadros
de mereciraento, mas um bello edilicio construido
expressaraente para o Qm a que fora destinado. A
sua entrada elegante e grandiosa. De ura lado'
antes de entrar o prtico, est Bernardin de Saint-
I'ierre e do oulro Cazimire de Lavigne, ambos re-
presentados em estatuas um pouco maiores que o
natural, rujas esculpturas nao sendo das de pri-
meira ordem, sao comtudo bem cesenhadas o sof-
rivelraente esculpidas. Logo que o viajante en-
tra, "encontra no pavimento urna boa colleccao de
tcstavel ment, era especialmente dianto dos qua- gorosa cor, e o movmento gracioso, nobre, ele-! estatuas, algumas dellas de extraordinarias dimen-
dros de Mr. Yvon e dos do eminente Horace Ver- gante e dislincto de quasi todos os personagens
net que se demorava mais lempo, explicando en- lue pmlou, ainda que alguma vez exaggerado?
tre si os assuraptos de que se cuuipuiiliain e mos- \ Quera ensinou a Rubens poesa que se v em
trando varios militares ainda conhecidos em Pars todas as suas allegorias, o colorido harmoeioso e
os quacs Mr. Yvon retratou com fidelidade. encantador de quasi todos os seus quadros, e, enl-
isto nao oerece duvida, porque o artista tem no; ,im> aquelle estylo tao seu ?
seu gabinete, contiguo ao salao de estudo, as cabe-1 Mr. Yvon nafta principiado a sua obra ha dous
jas pintadas oleo, em diversas attitudes, de todas! mezes e centava conclui-la em cinco, e de feilo a
as personagens mais distinctas dos seus quadros, acabou, tendo-a o leitor provavelmenle visto gra-
que copiara do natural.
Resta-rae dar ai) leitor urna idea do grande qua-
dro, que Mr. Yvon tinba no seu salo de estudo, o
qual representa t A entrada em Magenta eapro-
vada era urna das paginas da
ra. >
Illuslraco franco-
.Nao me limitarei a dizer que o Ilustre pintor se
| tem tornado somonte dislinclo nos quadros de ba.
reliara a occasio para fallar tambera de um seu ulnas' porque os de tne, e biblicos 'hesaoegual-
quadro bblico que fui ver expressamente ao mu- B
seu do Havre.
rv
Entrada em Magenta.
Ao lado do grande quadro estava em um cava-
lto um outro de pequeas diraensdes que repre-
sentava o transporte dos feriaos de Solferino. Con*
Entao, eu era hom, rico, estimado...
Hoje I ti I desgraca I sou um reprobo
Que. traz na fronte estampillo
0 si nete do nlcouce... da maldade I
Por sso fogem de mim, como da peste,
Ou romo do animal fero, leproso.
Abandonado, sem familia, nem amor,
S fnruntro pretor as lagrimas;
Estas ramo, vs ?j se m'estancam..
Tamanho o meu solTriinenlo
Agora, de toda flicidade passada,
S tenho o sacco e o baslao do mendigo :
0 coronel do dcimo segundo regiment dos za- duzidos em um carro, debaixo de um sol ardente,
vos no centro do quadro, cora a espada era punho uns cahdos, outros encostados ou sentados, na lan-
e o braco erguido, visto era escorco, voltado para guidez produzida pelos feriineiilos ; aquellos em
o espectador, cora a bandeira franceza na mao es- escuro e releaos, estes cora algum toque de luz_
querda, passando por cima dos cadveres em ac- 1ue ^ eiCaP por entre um ramo de arvore, met-
cao de caminhar ao combale, Tikec. Ao seu la- iiio D0 carro, nico tecto que cobre os iufelizes,
do a luta dos zuavos cora os austracos lerrivel e el'tiS ahi vio, alguns quasi moribundos, exprimin-
encarnizada. ido claramente o estado em que os deixra a guer-
O soldado que cahe erido uo primeiro plano do /^ **"! bellsie0'na 0i loquero que se
grande quadro urna figura maior que o natural,' **"'* p'^mo ^ UlUm Ad,ante d elles
cheia de sontiraento, e com o braco no ar. agarran- ^"nT ^ ,TT f .' '^f P"'
do o gorro, parece implorar aoseu comnundanle ^ c ume da bar ,a. ***b*
que nao passe ad.ante, porque vae morrer, A di- t0s quaSI dt "* perfil' uo na acSa de cam'-
reila do espectador os tres cornetas, que dio o to-
que de avancar, parecem realmeute despegar-se da
lela e soprarem cora luda a furca dos pulmoes : os
msculos do pestx^'o e as arterias parecem de tal
modo, contratados que basta ve-Ios assim pintados
para se julgar du valor d'aquelles bellos soldados,
que sao a gloria do exercilo francez. Mais distan-
nhar, e 6 por isso que o quadro, reunindo Oguras
era movmento e repouso, altitudes variadas, senti-
menlo era todas ellas, pureza na forma, verdade
nos lons da cor, tem tanto mereciraento como os
que representara batalhas.
Disse-me Mr. Yvon que este quadro, de metro e
meio, pouco mais ou menos, de largo, I he seriaba-
te um pouco, por entre o fumo da fuzilaria, se v ^ por UUS mi, francos Quant0 val(J ,er um
em ura plano superior o general Mak-Mahon dando dc nome en, Ulll pajz U9trado|
as ordens aos ouiciaes de estado-maior, e era volta
d'elle vae uraa confuso de espiugardas incnvel,
emquanto que o?, zuavos avaneam com uraa cora-
gem que enlhusiasma.
A esquerda do csjieclador um soldado francez
sustenta no brac,o o quasi cadver do seu capillo,
Mr. Yvon e Viclor Hugo sao na actualidade duas
imaginages gigantes que se elevam a mesma al-
tura.
O escriptor dos Miseraveis c pintor tao sublime
nos seus quadros como o pintor Mr. Yvon poeta
as batalhas que acabo de descrever. E innega-
FOLHETIM.
0 A YEI, U'AHf ASS.
e o general Espinace, tambera nos paroxismos da ve, que a Kranya tem siJo a palna de dej ho.
morte, apenando a mao a este, como ultimo adeus mens morren(lo genios como VerM|f ou De.
de cantaradas moribundos, exhalara de medo tao ,acryiX( ou DccaiDpg> ou De|aroche> que ,egaram
verdadeiro o seu ultimo alent, que chega a incom- j 9mleridido nomes immorredouroSi poder_nos.hiI.
modar quera os conlempla um pouco. | mos ^^ qae aq|1(,||a grando ^ Qnde as
maravilhoamente traduzida tristeza dos bellas arles sao respeiladas como o foram na Italia
soldados, que seguram o corpo quasi inerte do seu e Grecia na sua edade de ouro, ficaria orpha de
ebefe. artistas, mas nao succedeu assim.
Decididamente, Mr. Yvon tao distinelo pintan- Desappareceram astros brilitantes, mas surgem
do batalhas, como o fra o celebre E. Delacroix outros que nao fulgein menos. 0 primeiro vulto
pintando allegorias. O ultimo plano do quadro a artstico que vemos premiado no eapiloliodos nos-
que me retiro tem a vista de urna ra de Magen- sos das com a grande medalha de ouro Mr. Yvon
II
separar logo, as duas ordens de faculdades que nada conheco que seja mais fatigante para o corpo
constiiuem nossa natureza. Para que dissimu- e mais intil para a lerabraiica.
la-lo ? | Succedeu que n'nma bella nonte, querendo ree-
Nem a iiitelligencia, nem o corno podem ser con- lisaro programma estabelecido priori poresses
siderados isoladaniente. De balde coinbaloremos a officiosos esturdios, penetraste foi a primeira
febre for^a do quinino, se nao acharmos um vez na minha vida em urna das (anotamos que
calmante para o cerebro sobrescitado. Do ine.ino a niunicipalidade parisiense tolerava anda naquel-
I modo em vao derramaramos um balsamo moral la poca. O quadro que me offereceu principio
I sobre una chaga d espirito, ke nao pdennos, cur- nao foi exactamente aquello que esperava ali achar.
vando o corpo, dar volitado a energa propria e Hm nenhnm desses rostos lvidos e dos-corados que
os esteios que Ihe faltar. Dahi, una necossniado va se grupar em torno das mesas do ogo. nao se
Nao sei porque um successo to insignifl- imperiosa, a de ostudar a fundo as condifoes d'al- traduzia por signaes externos essa monomana fe-
cantocomoo de que acabo de dar o* detalhes, se banca que permltein equilibrar as diversas fuuc- bril quo se exalta infinitamente, quanto mim,
tinba al esse ponto apoderado de minha imagina- ces da vida ; alterius sic altera poscit opem. quando se a elasaiBca entre as piifcs ; mas essa
a i. Que tmha visto em summa ? Urna barca sos- Vejo, porm, que me deixo dominar das preoc- calma de encommenda, esta affectada frieza, essa
sobrada e um iapazinho salvo de um naufragio por cupacoes prolssionaes que occuparain em Pars fronte impassivel que o jogador qur offerecer aos
um nobre Silesiano que parecia asss perito na ar- dous annos do minha mocidade. Durante estes caprichos da sorle, pordem todo seu prestigio,
dous. anuos consagrados a estudar os meares da quando nos lembraraos da rapidez que o domina,
soiencia, visitei muitosasylos de alienados, sentei- Nada ha mais repugnante para um espirito sao do
me umitas vezes ao travesseiro de doentes tortura- que essas ostentacoes de herosmo a proposito de
dos pela febre, buscando sorpiender os segredos um chorrlho de ouro ou prala, essas presumpees
de seu delirio. Fu ura estudo assiduo de rainbas vista de grandes sommas.
proprias sensaces, nao obstante as diflculdades, i n ,uH:. :. ..,. A 1. .,-
i u wmmmL de observadores, como eu, reunidos em volta de
Assim, seja-me permittido dar disso urna idea ; urna banca. Eram ellas motivadas pela singular
do um jogador, que deixando sempre
te de uataco casado com urna mulher de belle-
za nolavel, mas sem que a felicidade pareca presi-
dir ao seu hjuiiueu. Nada de maravilhoso em lu-
do isto.
Os barcos mal dirigidos vo fcilmente ao fun-
do ; as pessoas que sabem nadar fazem o que po-
dem para salvar una charca que se afoga, e nao
ta muita necossidade de urna intervencao espe-
cial do destino para que urna bella mulher viva
Ciii ni, harmona com seu marido ; mas em des-
forra ha na vola momentos era que, sem nenhum
soes. Urna larga c bem construida escadaria, em
dous lances, me conduzio ao primeiro andar, e de
um lado coutro, por entre as grossas columnas
que suslenlam o segundo lance, estajo tambern
bustos extrahidos de formas tiradas das estatuas
antigs que representam os hroes daquelle
tempo.
Logo que se chega ao patamar, est em frente o
grande salo ou galera de quadros, o qual ter
cerca de 14 metros. Este salo quadrado e rece-
be a luz pelo tecto, que, dihgndo-se em raios
obliquos para as quatro paredes produz sobre os
quadros de que esta toda ornado, to bello effeito,
que alguns delles, de pouco mrito, parecem pti-
mos primeira vista.
O quadro mais notavel, a obra prima da escola
flamenga que encontrei naquella galera, um S.
Sobastio de Van-Dyk. A figura do tamanho na-
tural. O martyr, encostado, quasi do frente, a um
tronco de arvore, soffre com resignaco evangli-
ca as dores dos seus ferimentos, emquanto que um
cherubim Ihe tira com cuidado extremo una das
sellas.
Poupe-me a fazer urna minuciosa analyse deste
quadro, porque, tendo dito que de Van-Dyk. o
discpulo amado de Rubens. est classlficado. Mu
prximo, sobre a porta principal, so acha o quadro
de Mr. Yvon, nica perola da escola moderna que
enriquece aquella galena.
O assumpto bblico o segrate : Remorto de
Judas Scariote no inferno. Judas, representado do
tamanho natural, deilado sobre um rochedo esca-
broso, esconde com o braco direito, que tem er-
guido, o rosto quasi ledo, para nao ver o sudario
que Ihe mostra Satanaz ; o braco esquerdo est
estendido no chao, ura pouco em escorio, tendo o
punbo fechado em signal de clera concentrada ;
urna das pernas estendida, birla, a outra dobrada
e o p como pregado.
Nesta attitude em que a natureza est subordi-
nada esthetica, se v caracterisado o desespero
do malvado, emquanto que pela parte superior est
Satanaz cora ura riso infernal, mostrando-I he sem-
pre a cabeca ensanguentada de Jess Christo.
Aquella figura nua do Jadas, na qual se v o
systeina muscular era todo o seu dosenvolvmen-
o, basta va para mostrar que Mr. Yvon conhece
bem a organisaco do corpo humano. E', pois, esta
urna obra d'arte, que, estando collocada bem porto
de urna outra, que pensada c pintada cem aquel-
la philosophia e reflexo quo dislinguia os pintores
classicos, nem assim mosmo offtiscada por ella.
Fallo do S. Sebastiao de Van-Dyk.
Mr. Adolphe Yvon, de quem ti ve a honra de ser
discpulo, coma hoje 40 annos, pois nasceti em fe-
vererode 1817. E' filho de urna Ilustre familia
da Rrelanlta e natural dc Eschviller, Hosette.
Devo-lhe a elle proprio estes apontamentos bio-
graphicos, escriptos pelo seu punho na minha car-
na uotenria invisivel alias- meu crftail "nna or,lem de dispertarme diversas persistencia
V^TiXSui!^S^StSZ Tese, durante, noute, para me por uo estado so, entrada
lada, porque desta vez foi o vcrmellio que perdeu,
ee- negro qae ganhon. Pi urna deesasinspiraedes
instantneas que nada potera explicar, o jogador
de quem a boa sorle era ja ebjerto de tanta admi-
ra^o acabara pela dcima sexta vez dc domar a
fortuna, e este ultimo guipe puuha a mesa inlei-
ramele exhausta.
A estu|H*farC;o se lia sobre todos os rostos. Eu,
porm. que nao linha perdido de vista un s ns-
tame esta estraulia scena, nao podia coraprehen-
der o que acaba va de sueceder. Meus olhos nao
linham se affastado do conde um segundo sequer,
tambera aehava-me confuso, parausado, pelo lea-
temuuho coutraditorio do meus seutnlos. De ura
lado, me afnrmavam que o jogo linda mudado de
lugar, e do outro, com nao menos certeza, que o
jogador sobre quem minlia attenco se lixava to
furteraenle quanto era possivel, nao tinba deixado
fosse sequer por um instante, a posico em que o
va anda ter, assontado e com os bracos cruza-
dos, mostrando nao. ligar a menor importancia ao
Pareca impossivel que ello houvesse tocado sua
entrada, sem que disso me livosse apercebido. E
cora ludo, nao tendo sido elle, quera tena mudado
instituto Histrico e eogra-
phlco Braslleiro.
Disci'nso do oitAi) iii o sn. joaqi:i.m manoel de
MACEDO.
Nao raro ver-so disfarcada no panogyrlco_ dos
morios a lisonja incensadora dos vivos; enlo o
thuribulo se colloea nobre o tmulo ; mas o fumo
odorfero se langa para longe do jazigo. A adula-
gao sacrilega ; den ama o seu veneno at no p
das sepulturas.
Todava, ninguem ousar confundir com os lou-
voros tecldos pelo c.lculo do lisongeiro o elogio
que, nascendo da cjn-ciencia e lrmando-so na
verdade, o cumprimeiito de um duver de honra
que se desempenha i ora honra.
0 elogio acadmico do um finado nao pode ser
urna biographia escripia com toda a severidade
dos proceitos da historia, por que nesta deve fo-
mente fallar a {ostiCJ. e naquella podem desafogar-1
se a estima e a saudade ; era unta a imparcialida-
de sentencia, no outro a gratido paga um tributo;
sentenea e tributo perm que sao egualinento ge-
nerosos e nobres quandonascem da consciencia e
linnara-se na verdade.
Os ergios justos, diz Voltaire, sao um perfume
que se reserva para embalsamar os morios.
A familia que em vestes de luto visita a sepul-
tura onde um dos seus descansa dormindo o somno
da morte, lembra saudosa os dotes e o merecimen-
to do prente perdido, e, ou nao recorda seus
erros, ou, se os recor Ja, desculpa-os; a familia nao
julga, louva.
E como a familia, o Instituto Histrico e Geogra-
phico Rrasileiro, commemorando animalmente a-
quelles dos seus raenibros que passaram eterni-
dade, paga urna divida sagrada de recnnhecimento
na recordaco das virtudes o dos servicos desses
benemritos, e nem pudera erigir-se em presumi-
do Minos de homens vivos ainda hontem, tentando
invadir a aleada dos vindouros que baviam de an-
uo lar-I lies as senten;as. No grande tribunal da
historia os contemporneos dos varoes notaveis sao
apenas tesleraunhas, e o juiz somentc a posten-
dade.
Aquelles que cora rigor desabrido tem visto s
parcialidade e lisonja nestas honras modestas que
prestamos aos nossos consocios finados, j talvez
plantaram cypresles junto de alguns tmulos, co-
brem de saudades o perpetuas, e tambera j escre-
veram na eloquente conciso de alguns epitaphios
o elogio dos seus parmtes e amigos morios.
Couimemoreuios pois os nossos finados. Falle
a verdade no elogio delles, e basta.
No aono de 1863 perdemos seis dos nossos con-
socios.
Desappareceram da afadigosa c ardente scena
poltica dous vultos notaveis, os conseiheiros Se-
bastiao do Rogo Barros e Francisco Diogo Pereira
de Yasconcellos, ambos distinctos membros do
nosso instituto.
Sebastiao do Rogo Barros, filho legitimo do coro-
nel Francisco do Reg) Barros e de D. Mara Anna
Francisca de Paula Cavalcauti de Albuquerque,
nasceu na provincia de Pernambuco a 18 de agos-
to de 1803.
Destinado a carreira militar, leve praga de ca-
dete era seterabrode 1817 : aosouvidosde menino
soldado linham acabado de soar os lirados de uraa
revolugo que rebenra, basteando urna bandeira
de nacionalismo e de hberdade, e a seus olhos cor-
ra entao a jorros oanafne dos vencidos. Quatro
annos depois, joven de 18 annos, pagou um nobre
trbulo s ideas liberaes excitadas pela revolugo
de Portugal, sendo pelo governador ImU do Reg
mandado preso para Lisboa, onde, sollo em breve,
pedio e leve licenga para seguir na Universidadc
de Coi m br a o curso de se encas raatlioraaticas e
philosophicas ; mas a independencia do Brasil ac-
ceirdeu em 18i3 pengosos ciumes entre os estu-
danles brasleiros e Bortuguezes da celebre L'ni-
versidade, c Sebastiao do Reg passou a concluir
os seus estudos em Franca ; no anuo de 1825 fez
urna viagem Allemanha, c era 82f> recebeu o
grao de banharel em mathematicas na Unvorsida-
de de Goltingue, e em dezembro do mesmo sada
a trra da patria, cujas auras respira de novo.
Vindo ao Rio de Janeiro, Sebastiao do Reg Bar-
ros obtem passagem do corpo de cagadores a que
pertencia para o de engenheiros, e com a patente
de cap tu volta a sua provincia que altamente o
distingue, elegendo-o seu deputado assenibla
feral.
Tomando assento na cmara temporaria em
1830, o nosso digno consocio comega entao a sua
vida poltica, que s terminou no dia da sua
morte.
A' excepeo da legislatura de 1845 e da de
1848, alias dissolvda no inesmo anno, Sebastiao do
Reg Barros leve serapre uraa cadeira no parla-
mento brasileiru, e nelle foi um dos mais inltuen-
tes dos doputados de Pernambuco. Sem possuir
niiiiisierios como no governo provincial eonquistou
bem merecida reputago de administrador activo,
zoloso e probo.
Desempenbou ainda com esmero importantes
coinuii.-ses, que o recouiniendaram gratido do
paiz. Em 1831 foi nomeado coramandanle geral
dos guardas municipaes da corte : assustadoras,
criticas eram entao as circumstancias : ao dia 7
de abril suecudra o que o eloquente conde Louis
Carn chama o tormento das grandes perplcxida-
des c das longas incertezas : a nobre e gloriosa
abdicaco do primeiro imperador, e a gloriosa e
nobre dedicago do partido liberal victorioso pode-
riaui nio ser suflieienies para salvar a mouarctia
constitucional e a integridade do Imperio ; ellas o
foram i mas huuve horas e das dos mais profun-
dos abalos : o exercito indisciplinado fra mila-
grosamente dissolvido sera consequencias desas-
trosas : a guarda nacional, que devia tornarse
admiravel pela sua lidelidade e pelo scu patriotis-
mo, ainda nao estava creada. Os guardas muuici-
paas da corte foram chamados a cumplir a mais
honrosa, brilhante e arriscada tarefa na capital do
imperio : a escolla do coraman lame deste corpo
foi um ttulo de gloria para o nomeado.
Era 1850 annunciava-se prxima a guerra a que
por tanto tempo nos provoca va de Palermo o dicta-
dor de Buenos-Ayres, e o governo imperial incum-
bi ao nosso digno consocio a dillicil commit-o de
contratar na Europa as tropas e.-lrangeiras que
effectivamente vierara ganltar com os nossos bra-
vos os louros de urna campanba libertadora de
povos opprimides, e demonstra lora do desinlereese,
da cvilisago e da honra do Brasil.
Depois de tantes trabalhos e servigos relevantes,
o nosso destnelo consocio, agraciado pelo impera-
dor, sempre considerado pems seus comprovincia-
nos, e justamente apreciado por ledos o seus
compatriotas quando se preparava para prestar
novos tributos de civismo e amor a patria,- vigoroso
anda, apezar do labor e dos annos, teve de doOrar
a cervis ao golpe da morte, e l descansa na tetra
nobre de Pernambuco.
Sebastiio do Reg Barros foi um cidadao pres-
tante, e administrador desvelado: sohrelude orna
nica e simple palavra faz o seu mais bell elo-
gio, exprimindo nina verdade, que nunca le eon-
testada, nem pelos seus adversarlos polticos ees
mais ai denles lulas das paixes des- partidos. So-
bre a campa que cobre os resto mortaes desse
hornera, ninguem talvez escreveu anda essa pa-
lavra, mas todos a Ierra sem que estoja- escripia :
essa palavra -probidade.
Francisco Diogo Pereira de Vascoucelkis, fllho
legitimo do Dr. Diogo Pereira Ribeiro dw Yascon-
cellos, e de D. Mara do Carmo Barradas, nasceu a
28 de dezembro de 1812 em Villa-Rica, ulterior-
mente cidade do Ouro-Prelo, e na sna provincia
natal fez com destinego os seus estudos de Huma-
nidades.
Era 1831 o esperangoso estelante matrienlea-
se na academia jurdica de S. Paulo, e ahi rece-
beu o pru de hachare I formado em sciencia-so-
ciaes e jurdicas em 1835, tendo perianto perlonci-
do essa pleiade brilhante de jovens talentoso*,
muitos dos quaes tiverara como elle de subir s
mais altas posiges do estado.
De volta sua provincia, e entrando logo na vida=
publica. Francisco Diogo nao descansou mais um
da. Obreiro mfaiigavel e dedicado, trabalhou no
monumento da patria desde 1836 al 1063, pres-
tando importantes servigos na magistratura, na ad-
minstrago e na poltica.
Nomeado juiz municipal e do orphos do lermo
do Ouro-Prelo, passa logo a exercer > tugar de
juiz de direito substituto da comarca da Parah;-
buna, e em 1839 despachado juiz de direito da
comarca do Rio das Mortes.
No auno seguate o voto dos seus comprovincia-
no o leva assemblaprovincial de Minas-Geraes,
na qual, em diversas legislaturas, oceupa digna-
mente a cadeira da presidencia.
Eu> 1812 Francisco Diogo pela sua proviaeia
eleito deputado a assembla geral legislativa, sen-
do depois constantemente reeleito, menos em 1444
e 18 4#, em que alias Ihe coube a supplencia prcii-
ma, tendo por isso sempre assenio na cmara tem-
poraria, apenas com interrupeo de anno de I84&
Em 1843 nomeado segundo, e posteriormente
primeiro vite-presidente da provincia de Minas-
Geraes.
Em 1844 removido para juiz de direito da se-
gunda vara crime do Para.
Duas vezes chefe de polica da sua provincia
natal, de 1842 a 1844, e em 1849. passando a s-lo
do municipio da corte no anno segrate.
Presidente de Minas-Geraes de 185} a 1856, vao
neste anno presidir a provincia de S. Paulo; e no
soguint, tendo sido eleito deputado pelo primeiro
districto de Minas-Geraes, toma assento oa canta-
ra a 3 da maio, e no dia inmediato merece a hon-
ra de ser enfunado aos conselho da corea, e mi-
nistro da justigaal quasi, o lira de 1868-: non an-
no anlos sua provincia o apreseolra em usea lista
sxtupla para senadores, e Sua Magestade o Impe-
rador o elevara cmara vitalicia por decreto de 4
de nove libro de 18o7.
Em 1361 nomeado juie dos feilos da fazenda
nacional de primeira instancia, e no anno segnrate
outra vez presidente do provincia de Minas-Ge-
raes, torna a ver e a saudar a torra do berco, da
infancia, da juvenlude, a trra dos seoltee Mura-
dos, e do amor, a Ierra de corago; torna averia,
d-he o ultimo sorrr da .vida e morra.
(Continuar-sr-u).
antes do quo o resultado de qualquer esforco. A
proporgo que o contemplava assim mergulliado
era um somno to pacifico como aquelle de unta
creanga, seutiu prevalecer em mim cada vez
mais um senmenlo de respeiiosa coraiserago.
L'm profundo suspiro, um fraco movmento, me
Indinaran que o doente voltava seus sentidos.
AITastei-me brandauenie ; o silencio que noscer-
cava me pareca augusto a cortos respeitos o eu
nao ousava inlerrompe-lo.
A pos urna curta pausa, levantando o braco-que
as ligaduras nao relinham captivo, o conde rae
tez signal para que m'aproxiiuasse. Obedec no
raesmo instante. Tomou raiia mao na sua e me
lixou tongamente com alguma melancola. Fosse
qual fosse o objeeto, esse exame Ihe deu sem du-
vida resultados satisfactorios, por que um fraco
sorriso acclarou suas feiges e sem affectar era-
barago, sera pronunciada cordiabdade, fallou-me
nestes termos :
Creio, nao ser esta a primeira vez quo nos
avistamos; cerlos present mentos me adveriem
que osle eocoulro nao ser o ultimo. Nao vos
agradego eousa alguma : a observancia do uraa
va etiqueta seria uraa banalidade entro nos, e
mundo obscuramente inlrevisto. A viso interna
loma entao faculdades jobrenaturaes. Os limites
do tempo c do espago sao .nniquillados. O que o
telescopio nos revea do universo externo, essa
Vista ora que a alma se concentra, no-lo revela por
&ua vez esse oulro universo que o hornera Iraz em
Si niesino.
Os poias em suas horas de nspirago, os aman-
tes quando a paixao os domina, tem dessas pene-
traces instantneas. Com um s oihar Rumeu l
todos os segredos do coraco de Julieta ; Shaks-
peare, com a mesma vista de olhos, penetra aquel-
es da alma universal. Todava esses relmpagos
de intuicao nio sao a partilha exclusiva do amor
e do genio, pois que sobre a coberta do Loreley (e
sem que nunca podesse saber como) o destino in-
timo de dous seres humanos me foi sbitamente re-
volado por urna simples vista langada sobre am-
itos. Li no intimo de seu ser, descobri sem esforgo
seus sentimenjoa os mais occultos, nao precise!,
I>nr.i me guiar nosse obscuro labynntho, de nenhu-
fna revelacio sobre os successos de sua vida. Pres-
soiiiia, va iim pensamento commum que os sepa-
rava para sempre, um pensamento inconcliavol
com toda a Idea de unao e harmona. Que se
Dte dernlpe o vago das expresses de quo me sir-
vo : corresponde bem ou mal a indefinivel con-
cepgao que rae esforgo po' pintar.
Detnais, esie phenomeno me linha grandemente
locad*. Eslou convencido que elle tem dado urna
direcgo especial meus pensamenlos ulteriores, ti
Sue .X'Teeii nina grande iiifluenrja sobre os estu--
ue mediros a que ia me entregar. Desde entao
tile.- tivoram por lira procurar-mo essas alavancas
coni tntilin das quaes se forgaria o accesso da
inysiiriosa ofliiina em que se elabora o pensa-
iiienlo humano : se concentraran! sobre esse pon-
sorpreuder a marcha furtiva de meus proprios so- te quinze vezes.
nhos. Introduzi-me no grupo afira de contemplar tam-
Queria, verificando minhas impressoes em toda bem vontade o feliz catrqiea que va tao magni-
sua vivacidade, comparar a influencia das difieren- ticamente recompensada sua maravilhosa fidelida-
les horas e das diversas condiges s quaes o cor- de a essa cor. Doscobr-o pelo monto de pegas do
po estsuecessivamer.te snjeiio. Essas ebservages ouro, cariuchos de dinheiro, e notas do banco ae-
deviam rornecer-me materia para um tratado de cumulados sua frente, e mal pude reter um gri-
psychologia que pretenda completar com vagar na to de sorpreza, roconhecendo nosse favorito da for-
forga e niadureza da edade. tuna o conde de R...
Nao era, porm, menos visitado urna vez por ;,.;:__.,. -. j
outra pela embrnga da misteriosa personagera m VmpL" "^ ",a v produzu em mim
de une tenho filiado l'ma esnorio de tema hi- nu! ruC,rdeu vivamente o que tmha sentido oulr'o
intima, como elle mesmo havia entrado na minha.
menor objecgo, e os socios que passara por ter
como Argos cera olhos, nao se lembraram de con-
testar a lealdade desta manobra to funesta aos
interesses que elles representavam. Para dizer
ludo, devo juntar que eu estava to oecupado a
contemplar o rosto do conde, que dava pouca at-
lengo ao que se passava na mesa. Lembro-me
smente do raio de luz arroxeado misturado ao
redexo do ureo metal e que se tena lomado pelo
raio de alguma joia rpidamente agitada na visi-
nhanga do monto d'ouro.
O tormento que iollingia a minha curiosidade se
transfurmava a meus olhos em um direito legitimo
sobre todos os segredos de sua vida, e como dispu-
nlia de lempo e recursos pecuniarios, encarreguoi-
me de buscar no mundo parisiense, que inicua-
mente me nao era defezo, os vestigios do conde e
da condessa R... Minhas pesquizas, entretanto, fo-
ram vas. Infermei-me em todas as embaixadas,
indagu
tod
guei
licia.
GerUmente nao poderei dar exacta conla das
impressoes confusas que me assaltaram nesse mo-
mo e fro o rolo espumoso das aguas tumultuosas, ment, por que logo depois houve um grande tu-
rra contraste anlogo se dava entao entre a fleug- piullo. Us banqueiros se levantaran) a prensa, os-j
ma impcrturbavel estampado uo rosto desse ho- jugadores descontentes, que j so afiastavam da
moni, e a tempestado de paxcs que se desenca- mesa, para rain mi hitamente, e lodos dirigirain
deava nessas vagas humanas de que linha cercado Para o Silesiano vistas em que se pintava o espan-
o inaudito successo do sua insolente comhinago. to o mais vivo. Seu rosto i oberlo de urna palli-
Arabava-so de baralliar as cartas para uraa nova dez ti .ida nao era mais reconhecivel, seus gran-
parada. des olhos abortos paroeiam prestes a sar das or-
Convenceos de que a fortuna nao podia divor- bitas, seus labios azulados linham um aspecto hor-
rivel. Vi seu corpo, em um estado do rigidez ca-
anienle e deixar, por ura
por diante, a cadeira em
ggggg^"**"'*""*""
resiabol 'rmenlo que elle so obstina va a dizei fue
me devia, convinha inteiramento, me dizia as
necessidades de sua situag.io presente, que exifia
sua partida immediata para a Silesia ; sentio-M
assaz forte para nao receiar o encommodo da via-
gem e so poria a carainlio naquella mesma Mo-
te... Ante porm tinlta um pedido a fazer-me...
Estas ultimas palavras me lucrara prestar ouwdo
atiento, por que podiaui ser o ponto de partida
dessa intimidade crescenle que talvez pela ronti-
nuago me lornasse senhor um dia do segredo
cuja poss se tmha tornado paulatinamente, a pe-
sar meu, um dos Uns principaes de minhaeus-
tencia. A minha esperanga piirna foi illudda.
Sabis, rae disse o conde, que dispuz de voaea
vontade hontem a noute sem os pedir kcenca
para isso.u que hoje vos de veis aprvsentar <
do banqneiro da ra de
para receber
que inda poss
casa, trata memo que tendes to bem principiado.
Estou, nao o credos, em estado de caminhar ?
Um aporto de rao foi entre nos trocado e eu o
deixoi sera juntar nenhuma outra palavra para fa-
zer chegar um carro de aluguel. No momento ora
quo sub para adverti-to que o carro estava promp.
to, o banqueiro suspendeu-me no poial mesmo da
cmara onde estava o conde : < Perdo, doutor,
desculpao-me ; mas o dinheiro... Que ha vemos de
fazer do doutor ?
Airaros da pona, cntr'aberla, o conde sem du-
vida linha ouvdo a porgunta, por que appareceu
logo e depois de se haver pulidamente descuitado
a respeilo da perlurbaga que poderla ter causa-
do na casa : disse : Dignae-vos conservar
"tm vossas mos a importancia do que ganhei___
Este senhor, ajunlou mostrando-me, vira amanha
receber melado desse dinheiro para dispor delle
segundo as ordens quo Ihe darei ; o restante, snp-
plico-vos quo o desinliuaes pelo pessoal do vosso
oslabelociinouto como compensagao do embarace
e suslo que tenho podido causar.
Sub naturalmente com o conde, que acompa-
nhei at o seu palacio, situado no bairro de St.
Germano. Era uraa magnifica casa mobilhada,
segundo depois, jaza da qual elle oceupava todo o primeiro andar, e no
mes que havia sido al entao to estranhamonlo nossos ps privado de lodos os sentidos. | luiniar do qual veio rocebo-lo o raesmo creado
Todas as tentativas mallograram-se interamen- favorecido pela sorto, mas do repente, no inflante Se conduzio o conde para uraa cmara visinha, grave do cabellos grisalhos quo me lemhrava ter
to, o tive de renunciar a esperanga do lomar a ver mesmo em que o banqueiro diza : Est feita a aonde o segu logo. Apenas liz valor minha qua-'. vislo ua coberta do vapor. Deixoi o ronde onlre-
o viajante misterioso, que sem duvida j havia banca ; nao se admiti mais a pilha de ouro c lidade de medie, cada qual se aprossou a dar-inc gue aos cuidados delle cora todas as necessarias
deixado Paris muito tempo. Quando tiquei disso bilhetes que por uraa especie de attrargo irresis- lugar. Pareca quo havia a reeeiava urna apoplexia, reeoininendagos, e a proinessa formal do o ir ver
convencido, eslava na vespera de nimba partida, o tivol, linha chamado sobro o vermolho as entradas e entend que urna sangra devia sor foita iinuie- da novo no din segrale. Quanto a condessa, nao
como succede ora laos circtimstancias, meus ami- de quasi todos os jugadores prsenles, so transpor- diataniente. Folizraenle minha lanceta nunca sa- appaivceu n'essa noute, o una especie di'pro
gos iiistavain comigo para quo pela ultima voz ton por um mo> miento iinperceplivol, lo rpido hiade meu lado, o a operago pode ser foila sera sentiinenlo intimo me adverlu quo nao tornara corlar,
passasso revista a todas as curiosidades desta ci- foi, |iara o lado opposlo. demora. Quando acaboi, noa deixaram a sos, o mais a ver suas nobres fefe&es, e sua physiono-
dade, a que ia dizer adeus para sempre. Nao sei Sorprendidos por essa brusca mudanga, os outros doente o eu. Sua physionoraia so tiulia tornado ma iniplaoavel. A Lorcloy tiuha desapparmdo
come me deixoi levar do seus consollios, e a passar que aponlavain deixaram escapar o lisiante deci- calina; MU rosto, embuta tuda ostivesso paludo, para sonipre.
durante alguns das a absurda existencia de sig- sivo em que tehaiii jiodido seguir a bandeira tinha readquirido su cor natural, e essa nobre O conde, na nossa segunda entrevista, me rece-
somraa toja importancia ignoro qual seja rueta-
menie j nao devo deixar de ser assai impor-
tante.
Esse i'inheiro cuja origem me envergooJia, me
seria penoso tocar. Nao sou um jogador. senhor.
laxei-me a honra de accredita-lo. A curiosidade
soraento me attrahiu, como vos taWec, nessa
cesa era que nos encontrames. Pareceo-eae con-
veniente pagar minha admissao por meio de nnu
entrada insignificante,e noadeixava sobre a mesa
seno para chegar a esse tira. Sabis ceno as cou-
sas sucederam...
Aqu o conde se inlerrompeu, Parece-me qne
sua visU. evitavaa niiiiha, e que seus labios tre-
iniain levemente ; elle porm depressa knmoa>
senhor de si, e abreviando o que traba a dizer-
me : Vosso nome, proseguiu, nao me eslra-
nlio ; tem side mais de urna vez pronunciado em
minha presenga por amigos da familia de vosh.
mao, cora os quaos o acaso me por om relaeoes.
Sei a que nobre tarefa tendes consagrado vossa
vida, e|ior vezes tenho lido ciumes do devota-
meulo q.ie se tem tornado vosso primeiro mov!.
Pcrmitti pois, que a elle me assorie, c aceita* a
somuia era ijuesto, que pode tornar-se, dostribui-
da por vos, o til auxiliar' dos cuidados que pro-
digali-ais a lautas miserias oceulta*. Quando a
tiverdes gasto lembrai-vos que tendes um ban-
queiro ra Allemanha. Duas linhas escripia., par
vos cora dixocgo ao cas tollo de L.....pecio, do
Brcslu, o as quaes terois cuidado de juntar o
nomo da pessoa, quo julgardes digna dc alguns
soccorros, ali acharo sempre um favoravel aco-
llo meato... Agora, adeus I-----
Torntir-nos-heuios a ver um da, estou disso con-
vencido, bem quo ignoro como e em que poca a
sorle nos queira ivunir.
Foi assim que nos despedimos, um do outro, e
que o enigma cuja soluco parocia-me ir locar,
nula tima vez e-capuii a minha impaciente curio-
sidade. Era descont porm, senta que um lago
novo arabava do se formar, entre ra ira e esso ho-
iin-ra, ta.'u ipioo teniiki e a distancia podenam
eatrquoeor, mas do modo algum eouseguinam
->>
('Con/inuar-w-AaJ
to do organismo vital em que se reunem, para sel thseer, dc pesquizador de curiosidades, porquanlo, victoriosa sobro o novo tei roo em que ia ser plan- expresso jue uvllo pareca sor um don) natural beu com uraa apurada benevolencia.. promnte PERNAMBUCO. IYP. uE H.F. P. 4 KlLilO.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EGMUDR47N_CLHVT2 INGEST_TIME 2013-08-27T21:13:55Z PACKAGE AA00011611_10119
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES