Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10118


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO XL. HOMERO 16.
Por tres mem diantados 5J0OO
Por tres mezes vnculos 6$O0
Porte aoconeio por tres uiczcs. 0 750
QUINTA FEIRA 21 DE JANEIRO DE 1864.
Por anno adiantado.....9$000
Porte ao corrcio por hid anuo 3$O0u
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPgAO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrioo de Lima'
Natal, o Sr. Antonio Margues da Silva; Araraty,
Sr. A. de Lomos Braga; Cear, o Sr. J. Jos d
Oliveira; Maranho. o Sr. Joaquim Marques Ro-
drgaos; Par.i. os Srs. Manoel l'inh.'iro & C; A-
mazor-as, o Sr. Jeronym da Costa.
ENCARREGADOS DA SBSCRPCAO NO Sl"L
Alagoas, o Sr. dandi ao Falco Das; Baha, o
Sr. Jos Martins Al ves; Rio de Jaueiro, os Srs. Pe-
reira Martins ,\ Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Encada todos os das.
Iguarassi', Goyanua. e Parahyba as segundas e
sextas- eiras.
Santo Anio, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruarn1,
Allinho e Garanhuns as trras feiras. '
Pao d'AUi3, Nazareth, Lknoeiro', Orejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tararatu', Cabrob,
Loa Vis u, Oarcar)' o Exu' as quartas feiras.
Sennliaeni, Rio Forraoso, Tamandar, (na, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
Ilha de Fernando tocias as veaes que para aii sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao Vj dia.
EPHEMERIDES DO MEZ DE JANEIRO
2 Qnarto raing. as 5 h., 18 m. e 50 s. da m.
9 La nova as 5 h., 25 m. e 50 s. da m.
IS Quarto cresc. as 8 h., 45 m. e 45 s. da t.
23 La cheia as 7 h., 43 m. e 14 s. da t.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 1 horas e 18 minutos da urde.
Segunda as 1 horas e 42 minutos da maunaa.
PAHT1DA DOS VAPORES GOSTEIRO.
Para o sal at Alagas a 5 e 25; para o norte at
a Granja 7 e 22 de cada mez; para Fernando nos
das 14dosmezesdejan, marc, maio,jul, set. euov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Rerife : do Apipucos as 6 '/ 7, 7 y,, 8 e
8 >/t da m.; de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboato s 6 '/* da ni.; do Cxang e Vanea s 7
da m.; de Bemlira s 8 da m.
Do Rerife : para o Apipucos s 3 Vjb Vi.
5, 5 if, 6 Vi e 6 da tarde para Olinda as 7 da
manha e 4 '/j da tarde; para Jaboato s 4 da tar-
de ; para Cachang e Varzea s 4 '.., da tarde; para
Bemfira s 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal docommercio: segundas e quintas.
Relacio: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quinta s 10 horas.
Juizo do commercio: segunda; s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercs e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DAS DA SEMANA.
18. gegnnds. S. Leobaldo b.; S. Athenogenes m.
19. Terca. S. Canuto rei ni.; S. Policiano m.
20. Quarta. Ss. Plido p. e Sebastin nun.
21. Quinta, s. Ignei v. m.: s. humala m.
22. Sexta. S<. vrenle a Amistado mm.
23. Satinada, s. Ildctonanarc.; s. Eejaraaefav. ra.
2*. Domingo. S. Tetnolheo b.: S. Metello m.
ASSIGNA-SE
no Recife. em a livrara da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Figueiroa d
Faria & Filho.
PARTE QFFICIAL.
GO.E&W DA PK0UM1A.
Relatorio com qne o i:viu. Hr.
presidente Dr. Jo fio Milvelra
de Kouia entregou a .idiniuis-
traco tiesta provincia ao Eiai.
Sr. Tlee-presldente Dr. i>o-
tu lagos de Souza Leo.
(Conrluao.J
ajnioin puuvinciars.
A receita verificada do exercicio prximo lindo
foi de 1,307:9664793. Deduzindo-se, porm, o sal-
do de 2:76:15136 rs. do exercicio anterior, ris...
7:8264.950 de restituices, e 64:2360720 rs. de
inoviineiilo de fundos, foi a renda propria desse
exercicio de 1,233:139987 rs., maior que a orga-
da 51:1624967 rs., e menor que a do anterior rs.
95:37^4784 rs.
Cuneorreram para essa differenca, entre outros
o imposto de escravos e gneros exportados, cuja
renda foi menor 74:068833 rs.; nao obstante o
accrescimo de 43:6134931 rs. dos direitos do al-
godo.
A despeza desse exercicio foi de 1,280:5224412
rs
Abalendo-se 48:1264080 rs. de movimento de
fundos, resta para a despeza feita de cotiformidadc
com a respectiva le do orcamento 1,232:3964332
rs., menor que a decretada 98:1994668 rs., lican-
do por pagar 5:9654300 rs.
O saldo transportado do exercicio passado para
O crrente foi Ue 27:4444.181 rs., ou de 74:4444381
rs., ccntaudo-se com o emprestimo de 47:0004000
rs., fe,to caixa deste renda daquelle.
Algunas consignaces de despeza, que por se-
ren e .'eiituaes, loceras ou dviciosas, nao pode-
ro ser oreadas com exactido, foram excedidas
na importancia de 21:6634285 rt
A receiu do torrente exercicio foide532:7874337
rs. al n ultimo de deze.nbro prximo lindo.
Deduztodose 27:444*381 rs. saldo do exercicio
passado, 1:583*940 rs. de restimiees, 98:0074320
de movimento de fundos e 5584559 rs. de deposi-
to daquelle exercicio, clasificado no crreme, res-
ta como renda propria do actual exercicio rs.
405:1834137.
A despeza at aquello dia (ultimo de dezembro)
montou em 497:4484300 rs., (cando a dever-se
113:1294820 rs., sendo 21:0004000 caixa de de-
posito e 92:1294820 rs., a uiais vintis e quatro
credores.
Em vista da importante arrecadaco, que se tem
Jeito ltimamente de esperar que essa divida fi-
que reduzida a om terco no um do crrente mez
de Janeiro.
O saldo no ultimo de dezembro foi de rs.......
35:3394037.
A este saldo deve-se addicionar o de '9634560 rs.
verificado na caixa de amorlisaco o juros das
apolires, sujeitas esta despeza.
Em depositoexistiam naquelladata 465:4914870
rs., sendo em letras 381:7554387 rs., em acedes
de divida provincial e da estrada de ferro rs.
62:1334600 rs., e em dinlieiro 21:6024883 rs.
Destas letras urnas venrem-se no correnle exer-
cicio na im|iortancia de 83:7854149 rs., c as ou-
tras perteucem aos seguintes al o de 1866
1867.
Odinheiro em deposito procede de saldos de di-
versas loteras nao proscriptas, de beneficios de
algumas pertencentes a concessionarios, que an-
da nao requereram.
As acedes garaniem a responsabilidade do arre-
matante do calcamento desta cidade, e o eniprego
da quantia entregue paja a obra da matriz de S.
Lourenco da Matla, de conformidade com o dis-
posto no 8 do art. 13 da lei do orcamento vi-
gente.
Arrecadou-se no'exercicio prximo lindo de di-
vidas activaba quantia de 108:0615265, rs., e adia-
se liquidada e em juizo para ser cobrada na im-
portancia de 378:3874418 rs. nao so a que licou
por ser paga, mas tambein a do corrente exercicio
al o ultimo de dezembro.
A divida Masiva, liquidada at aquella data, ele-
varse a 376:2784212 rs., dos quaes pertencem
fazenda geral 327:1384219 rs., a saber : rs......
313:6914839 rs. dos juros de 2 por rento garanti-
dos pela provincia a companliia da estrada de fer-
ro e 13:4644900 rs. de oulras despezas, que lem
sidq pagas pelos cofres geraes.
Das apolices emitlidas por autorsacao da lei n.
488 no valor de 232:3504000 rs., acham-sc amor-
tisadas as da Ia e 2* series na quantia de 112:2505
rs., restando por pagar 7:7504 rs. que anda nao
foi exigida, e a de 2:9904850 rs. de juros ven-
cidos.
Por falta de renda para occorrer as despezas
mais urgentes do semestre lindo, aulorisei tlie-
sonraria a coulraliir com a caixa lih.it do banco
do Brasil, um emprestimo de 30.0004 rs. com o
prazo de 4 mezes e ao juro de 10 por cento.
A letra, que para esse fim aceitn aquella re-
parlico para veucer-se no 1 do corrente mez de
Janeiro foi paga no dia do seu vencimiento.
Tendo a thesourara da fazenda geral supprimi-
do a inspeceo olllcial do algodo, por nao ser au-
torisarto pelo regulamento das alfandepas, mandei
que fosse extinda a espalarla que existia para o
servicio de inspeccao, e que cessasse a cohranca
do imposto de 320 rs. decretada para a despeza da
predi la capatazia.
OBlU.s ri'BI.ICAS GERAES.
Melhommenio do porta.
As obras qne para isso concorrem sao : o dique
da ilha do Nogueira, os caes, e as escavares de
Jeito do rio.
A do dique acha-su feita na extenso de 460
hfacas, sendo 28 destas execuladas no anno passa-
do. Faltam apenas 165 para a sua concluso.
Acham-se construidas 40 bracas do caes ao norte
do arsenal de m.irinha, e faltam 105 para chegar
ao limite marcado.
Estn igualmente feitas 160 bracas corrente* do
caes e aterro entre o theatro de Santa Isabel e a
amiga ponte da Boa-Vista, e em breve estaro con-
cluidas as 27 que faltam.
Contratei depoisde ou>ir as reparticoes compe-
tentes o seguimenlo desse caes desde a referida
r>nte at a casa de detenco, na extensas de 150
racas ao preco de 5504 rs. por cada urna.
O servico da escavacao do leto do rio teve o
anno passado pouco adiantamento, por ter estado
em onceno a nova barca, que a maior e de
mais (orea.
Ponte do Recife.
Esta obra foi contratada em 23 de marco do an-
no passado com os ernpreiteiros baro do Livra-
weiito e engenheiro William Martineau pela quan-
tia de 450:0004 rs.
Os trabalhoe do desobstrurcao do rio no lugar
da amiga ponte, e em que se tem de construir a
nova, liveram romeen lo de agosto prximo pas-
sado, e vo em grande adiatitamenlo : tendo-se
j extrahido de dentro do rio para mais de oilo mil
toneladas de pedra.
Segundo me informa o engenheiro fiscal, devem
estes trabalbos licar rom luidos, o mais tardar, at
lins de marco prximo vindouro, o conecar no cor-
rente mez de janpiro os de assentament da ponte
e de construccao dos respectivos enostosnos lu-
gares j desobstruidos.
OBRAS MBUCAS PROVINUAIS.
O estado pouco lisongeim dos cofresprovinriaes
j sobrecarregados de pesados coinproniissos, nao
tem permitlido que es trabalhos pblicos da pro-
vincia caminhem com o impulso, que fora para de-
sejar.
Nenhumi obra nova foi emprehendida nos me-
zes decorrilos do anno passado, que abrange o se-
gundo semastre do exercicio passado, c o primeiro
do correntia, alm do calcamenio das mas desta
capital, externado pur empreitada peb baro do
Livramento, o qual aeeJtea as modiricaces que a
lei provine I n. 558 Je 4 de maio do anno passado
fez ao sen 'emirato.
Os traba; los do ciilcamento j comtcaram pela
ra da Autora, na parte camprehendida entre as
duas pontcs, e com elles w tem despendido rs...
40:4024700 por conta da consignacSo de rs...
120:0004 'otados na lei do orcamento vigente, e
da rontrituicao dos particulares ordenada pela lei
j n. 350 de 12 de maio de 1854.
Tambeni mandou-sc calcar com o respectivo ca-
' no de eagtta a travessa dos Canoeiros no caes do
, Apello, cujo mo estado, na poca da safra, era
pardemati sen.ivel. e causa va grandes inconve-
nientes ao transito dus vehicalos, que transnortam
assucar pira esse imporlaiite mercado daquelle
! genero.
Sob consulta do director das obras publicas e
depois de ouvir a cmara municipal, resolv em
18 de setembro iilim o. que os passeos das casas
deviam ser feilos pelos proprictaros na forma das
posluras nunicpaes, e que a reparlico das obras
publicas s devia relatar ou construir aquelles
que, estando as devidas condicoes, se tivessem de
desmnchar por causa do nivelaniento do calca-
ment das ras.
O emprciteiro do calcamento da cidade reclamou
contra est;. decisao, allegando que pelo plano das
obras, que assignou, a construccao dos passeos es-
lava comp -ehendida no seu contrato: que sempre
foi essa a na inteni;.o, e que a nio ser assim,
grande pn-juizo ter de soffrer.
Nao me julguei competente para attender aquel-
la reclamadlo ; reconheco, porm, que a execuco
desse trabalno s ter a presteza, regularidade e
systema que ronvm, se for feitopelo referido em-
prcilciro de harmona com as obras do calca-
IlleillO.
To contraro abandonada obrigacao imposta
aos proprietarios pelas iiosturas muncipaes, nada
se conseguir, como lem acontecido at aqu, nao
obstantes os esforcos. e desejos da ramara muni-
\ cipal.
Parecia-me, entretanto, conveniente ou que a
| cmara Ib marcasse para a construccao dos pas-
seos um \ razo razoavel, lindo o qual, mandara o
governo fajer os que anda nao eslvessem feilos,
cobrando-; e dos proprietarios e por intermedio da
thesouraru a respectiva importancia, ou que a
i assembla provincial, attendendo rerlamacofei-
ta pelohaiao, auginenlasse a contribuico imposta
aos proprietarios com mais 15 por cento do um
anno de renda de seus predio<, o que anda assim
i corresponde a um valor muito menor do que a-
3uelleem me importam os passeos de lagem, como
evem ser todos.
As modillcaces, que a lei n. 558 fez ao contrato
i do baro do Livramento, deram lugar a omissoes
1 e lacunas, que a execuco dos trabalhos tem de-
monstrado, e a que tem sido preciso atlender.
Entre outros mencionarei a dos caaos de esgto
de segund i classe que aulorisei, reelamaco do
director das obras publicas, nao s por ser impos-
svel a construccao (ios de primeira classe em cer-
tas ras e Iravessas, como porque sao aquelles suf-
icientes ao fim, a que ests se destinam, resultan-
do do seu emprego vanlagens para os cofres da
provmcia, proveniente da differenca de custo entre
elles.
Tiye de. autorisar tambem e representac;ao do
1 referido d redor a conslrqccao do muro de encos-
t, Indispensavel para proteger e segurar a lnha
de esgto do calcamento, o qual, estando compre-
hendido no contrato sob a designa ;o de obras
accessorias deixou todava de ser previsto com
a suppres:ao destas feita pela j citada lei n.
558.
Finalmente acerca do calcamento desta cidade
devo anda mencionar a reelamaco, que fez o res-
pectivo empreileiro para empregar pedras de di-
menses rienores do queaslixadas pela supracita-
da le n. 558, e com uuanto me pareca rasoavel a
! sua preterco, todava s pode ser altendida pela
assembla legislativa provincial.
A obra da ponte de S. Joao sobro o Capbaribe,
| na estrad;. de Pao d'Alho, tem tido regular anda-
mento, e dentro do presente verao deve flear cou-
, cluida.
A ponto do Ilrumzinlio acabada e entregue
provisoria liento en 31 de agosto prximo findo,
soflreu ltimamente ama grande ruina no pavi-
mento.
Tendo c director das obras publicas verificado
que seinelliante accidente era devido a defeito de
execuco, determinc que os concertos necessarios
corressem por conta do respectivo arremtame, o
qual foi pira isto devidamente intimado.
A' requ sicao daquella directora permilli que o
arrematante dos reparos da ponte sobre o rio
Una en Jaboato, collocasse na mesma, sob as
condicoes do seu contrato, mais vinte estivas, alm
das que fe rain primitivamente flxadas.
j Mandei por em hasta publica a factura dos repa-
ros, de_qu; necessum as seguintes pontes : a da
povoaco le Beberibe; as denominadas doGuer-
ra-e doBicopebaesta na estrada do Pao d'A-
lho, e aquella no ter.-eiro lanco da ramilicaco da
estrada de sul para a villa do < abo; a do Anjo so-
bre o rio Serinhein : a da povoaco dos Afogados ;
a de Jalxi lo na estrada da Escada ; sendo os da-
; quella avaliados em 8904000 e os desta em.......
! 1:i.'104001, e aulori.-ci o juiz de direito do Brejo, a
contratar is obras do acude de Pesqueira, e da co-
marca de Flores a mandar fazer os rncenos de
que precisa o acude all existente, para os quaes
' delermnei thesourara que Ihe entregasse a quan-
tia de 4004000.
Alm d -ses acham-se ji arrematados os seguin-
tes repares : de empedrainenlo da estrada da Vic-
toria, das ponlcsMamucabinliana estrada pro-
vis ira de Tamandar, Remedios, Jaboato; a re-
conslrucco de urna bomba, que desabou na estra-
da do Pao d'Alho, c empedramento de 493 brajas
da estrada de Jaboato.
i Por administraco acham-se em execuco a pin-
i tura e alc.ilroamento da ponte pensil do Cachang
e da ponti de ferro entre o theatro de Santa Isabel
e a ra da Aurora.
A dospe /.a de todos os concertos e reparos exe-
cutados a aqu, tanto por administrarlo como por
arremalaco, tem corrido por conta das consigna-
(Oes dos 5 1 o 2* do art. 13 da lei do orcamento
, vigente; sendo que por conta do $ 1" correram os
reparos u gentes do raes da ra da Aurora na im-
i portancia de 5:2254000, por nao haver na lei espe-
ciflcaco para tal obra, que alias nao poda ser
adiada.
Cumpro notar qu urna grande parte desse caes,
desde a punte de Sr na Isabel at Santo Amaro,
acha-se u oilo arrimado e reclama reparos urgen-
tes, de tal modo que tendo desabado 22 bracas, em
frente fundicao Siarr, foram os concertos neces-
sarios ore idos e parios em praca ua importancia de
1:1785000, tambem por conta do mencionado pa-
rairrapho, que pela geaeradade de sua disposicio
comporta a classilicajo daquella despeza, para a
qual, como disse, nao ha quota especial na lei.
Pez-se io paco da asamblea provincial, requ-
ti(ao da reapectiva secretaria, um reparo geral as
decorar^ s, no que se despendeu a quantia de....
1:15040(0.
rendo os habitan les da cidade de Olinda pedido
em um aiaixo asaignado, c|ue fosse tapado o rio
Beberibo no lugar denominado Arrumbados
como medida para prover d'agua potavel aquella
cidade, pedido que tambem foi feito pela provedo
na da Santa Casa de Misericordia, em relaco ao
collegio das orphas, lioje estabelecido no convenio
de Santa Thereza, foi por acto desta presidencia de
18 de julho ultimo nonieada urna commisso, com-
posta do director das obras publicas, engenheiro
Jos Mainede Alves Ferreira e inspector da sade
publica, para esludar a materia e dar o seu pare-
cer, indicando os meios adecuados para chegar-se
auuelle fim.
A commisso em um extenso relatorio, oppondo-
se a que fosse o rio tapado, indcou como medida
proficua, e livre dos inconvenientes, que encherga-
va na providencia solicitada pelos peticionarios, a
canaiisacao por tubos de ferro das aguas do men-
cionado rio at o Varadquro, ou a concluso e con-
servado cuidadosa da valla, que foi aberta no pan-
tano com o fim de trazer as raesmas aguas a essa
ponto.
Pronuncindose ella pela preferencia do primei-
ro meio mandei a directora das obras publicas es-
tudar a canaiisacao e organisar o respectivo orca-
mento.
Ponderando-me, porm, este engenheiro, que se-
gundo o rebultado de suas observaces e esludos,
era dilcl a canaiisacao por meio de tubos por
falla do declive necessaro, acced ao alvitre por
elle proiiosto de se concluir a valla, em cujos tra-
balhos se poderam despender de oito nove coa-
tos de ris.
_ lleco ni m endei-l he, pois, que quanto antes orga-
nsasse o orcamento aim de se mandar por em has-
la publica a execuco dessa obra.
Em 10 de novembro prximo findo, depois de ser
ouvida a reparlico das obras publicas, contratei
com Manoel Gonyalves Nunes Machado, a factura
da estrada cemprehendida entre a ponte do Bujary
o a cidade de Goianna.
Pelo contrato, que existe no archivo da secreta-
ria do governo, ver V. Exc. as condicoes, cora que
foi elle effectuado.
Com quanto reronheea a necessidade urgente
dessa estrada, como de oulras muitas cuja cons-
truccao fra para desejar que se emprehendesse
desde logo, todava attendendo ao estado dos rofres
provmciaes estpulei a clausula de ficar o referido
contrato inleramente dependente de approvaco da
assembla legislativa provincial, e o contraanle
sem direito algum para pedir indemnisaco pela
obra, que quizer fazer antes disto, como Ihe per-
mitlido se por acaso nao for approvado o referido
conttalo.
KOHQA DO BXKRC1TO.
A forca de primeira linha em servico na provin-
cia consta dos batalhoes 4' de artilharia p, 2,
7*e 9* de infanUna, do corpo de guamico e das
companhias de cavallara e de artfices.
Todos estes corpos, com excepcao Ulvez do 2*
batalho, acham-se to desfalcados, que dfflcil-
meote satisfazem" as necessidades do servico da
guarnico.'
QulcTuer emergencia, em que seja preciso des-
taca? maior forca de linha, torna-se indispensavel
recorrer-se guarda nacional.
Durante as eleicoes, que acabam de ter lugar, e
em que fot necessaro acautelar a ordem publica e
a seguranca individual dos cidados as diferen-
tes localidades da provincia, foi aquella guarda
chamada servico de destacamento de que j foi
ni. ramete dispensada.
0 rerrutamenio para o exercito contina a dar o
contingente, que deve prestar esta provincia.
Tendo Horneado o coronel da guarda nacional
Francisco Joaquim Pereira Lobo, para recrutador
nos municipios do Recife e Olinda, foi essa nomea-
co approvada pelo governo imperial, segundo me
foi coiumunicado por aviso de 5 de novembro ul-
timo.
01 ARDA NACIONAL.
Por decretos de 18 e 27 de maio e de 3 de julho
ludo do anno passado, mandn o governo imperial
crear um ominando superior da guarda nacional
nos municipios de Cabrob e Ex, e outro nos de
Barreiros e Agua-Preta; para estes foi transferido
o commandante superior do distncto do Rio For-
moso, Paulo de Amorim Salgado, e para aquello
nomeeu-se o cidado Roque Carlos de Aleucar Pe-
xoto, os quaes j se acbam em exercicio.
Por portaras datadas de 9 e 23 de oulubro ulti-
mo, foram privados dos postos o commandante su-
perior do districlo do Brejo e Cimbres Francisco
Alves Cavalcanti Caiuboim e tenente-coronel do
batalho n. 46 de infamara do municipio de Agua
Preta Tliomaz Alves Maciel.
nutras alteracdes se deram na guarda nacional
da provincia e entre ellas figurara a creaco de
tres balalhoes de infamara, sendo um na fregue-
zia da Luzpertencenteao municipio do Pao d'Alho,
outro no municipio de S. Bentoda comarca deGa-
ranhuns e o terceiro ne municipio do Ex, onde
se tem de crear tambem urna coinpanhia avulsa
de reserva. Acham-se vagos os quatro comman-
dos superiores de Villa Bella, Ingazeira e Flores;
do Brejo e Cimbres, de Tararatu, e do Rio Formo-
so e Serinhiem e anda nao entrou em exercicio
o do Cabo e Ipojuca.
F0BC.A POLICIAL.
a mesma de 400 pracas lixada pelas leis pro-
vinciaes n. 507 de 29 do maio de 1861 e 546 de 9
de abril do anno passado. Esta ulUma revogou as
disposices finaes dos JS 2 e 6 do art. 2 daquella,
tornando iminediatameute subordinada ao com-
mandante do corpo a seceo urbana, que at en-
tao eslava disposico do chele de polica.
Sendo insufflciente essa forca para as necessi-
dades do servico da capital e do interior da pro-
vincia, tenho lancado mao da tropa do linha e da
guarda nacional, cjuandoas urgencias do servico
publico assim o bao exigido.
Anda assim as pracas do corpo de polica nao
teem um dia de olga : e esse atropello os priva
da necessaria instrueco. Isto mesmo j fiz sentir
assembla legislativa provincial em meu relato-
rio do anuo passado, no qual apresente oulras re-
flexes, que offereco Ilustrada consideracao de
V. Exc. Desta forca acham-se em destacamento
214 pracas distribuidas por dlferentes localidades
do interior.
ARSKNAL 08 el KHH \.
Este estabelecimeolo contina regularmente em
seus trabalhos.
A rompanlua de aprendizes de menores acha-se
em estado completo e inteiramente preenehida, o
que ha dado lugar a negar-se admisso quo mili-
to* tem solicitado.
Oacanhado local em que se acha o arsenal, e
que nao Ihe ermte maior espaco nao offerece as
necessarias accommodacoes qur para o alojamen-
to dessa companhia, qur mesmo para as necessi-
dades e desenvolvimento de suas ofDciuas.
D'ahi resulta os inconvenientes que nao deixam
de influir sobre a boa ordem e desembarazo do
servico.
Alm disto, limitndole por um lado com edi-
ficios particulares, asuadefesa torna-se difnVil em '
caso de necessidade.
Seri, porlanto, muito conveniente a sua mudan-
ca para outro lugar mais appropriado.
OBRAS MILITARES.
Tendo-se determinado por aviso de 14 de ou ta-
bre prximo passado, que do crdito votado no
correnle exercicio para a rubricaobras milita-
resfosse tirada a quantia de 8:0005 para occor-
rer as despezas a fazer-se com a con um cano peral de escoto desde a Soledade at a
praia do Hospicio e das latrinas que rom este se
commimiqnem nos qnarteis (10 2 e 9 batalho de
infamara, corpo de guarnico e hospital militar,
licou reduzkk) a quantia de 7:00040 0 rs., que j
se arha excedida pelas despezas feilas com as
c liras anteriormente autorisadas, c que por amella
motivo nao poderara ser pagaa,
Bepresentei ao governo imperial sobre a defi-
ciencia do credi o, pedindo providencias nao s
quanlo ao pagamento das despezas j autorizadas,
mas lainbem acerca das que se tem de fazer cora
os raparas e concertos ja reclamados e dos que ne*
cessarianienie o lerao de ser durante o segundo se-
mestre do exercicio correnle.
Pelo 2' lente do corpo de engenheiros Jos
Tilmrcio Pereira de Magalhes foi levantada a
plaa do terreno de servido da fortaleza delta-
marac, na parle que confina com o silio do co-
nego Placido Antonio da Silva Santos como foi de-
terminado por aviso de 8 de maio do anno pas-
sado.
Exigindo a seguranca desta capilal a remecaodo
paiol da plvora do lugar, em que actualmente se
acha, para outro, que a ponha a salvo dos perigos
de una cataslrophe, noraeei urna commisso en-
carregada de escolher o local conveniente para essa
remocho e de confeccionar a planta e o orcainenlo
das despezas a fazer-se com as obras necessarias.
A commisso ja meapresentou o seu trabalno,
que em 22 de julho do anno passado submelti a
aprcciaco do governo imperial, que anda nada
resolveu a semelhanle respeito.
O lugar escolhido em um dos arrabaldes desta
cidade denominado-Torre,e o custo das obras,
inclusive o do terreno, esl calculado era.......
38:2274744 rs.
ARSENAL DK MARINHA.
Por falta de madeira necessaria, nao obstante as
diligencias, que ha feito o chefe deste estabe.leci-
meuto para consegu-las, tem tido pouco andamen-
to a construccao do transporto de guerra ordena-
do per aviso de 26 de marco do anno passado.
As ofDcinas deste eslabelecimenlo funecionam
regularmente sendo que a de carpinleiros segundo
informa o inspector trabalha com pericia, zelo e
actividade.
Fizeram-se dlferentes obras novas, e reparos em
diversos navios da armada, o fabrico da barca de
escavacao n. 2 e de alguns dos seus bateles e
acham-se em construccao urna lancha grande para
suspender os ferros dos navios de guerra, um es-
caler salva vidas e varios concertos de embarca-
ces milicias, etc.
Entretanto o arsenal precisa para as suas cons-
trueces de muios meihoramentos entre os quaes
urna serrara de convenientes proporcoes, dlferen-
tes lelheiros. reforma de macluas e acquisico
de oulras, ele.
Nao esl anda completo oquadro da companhia
de aprendizes marinheiros, e a de aprendizes ar-
tfices conta actualmente 101 menores, dos quaes
44 sao avulsos.
ESTRADA DE FERRO.
As suas obras, acham-se em boas condicoes.
Execularam-se durante o anno alguns trabalhos
ini|K>rtantes de conservaco, laes como o lastro de
toda a linha e a substituido de um grande nume-
ro de dormentes de madeira do paiz as tres ulti-
mas secces.
Com excepcao de um pequeo viaducto na 2*
seceo, que vai ser reformado, todas as obras de
arle esto, como informa o engenheiro fiscal, com
perfeita solidez.
Resta, porm, anda por construir a estaco ter-
minal e central desta capital e todas as suas de-
pendencias.
A falta de um edificio, que offereca accommo-
dacoes aos viajantes, e as mercaderas nesta cicla-
de, tem sido bastante prejudicial aosinieressesda
companhia e do publico, por nao ser jiossivel sem
elle dar ao Irafego da estrada a necessaria regula-
ridade, sobretodo no que diz respeilo o transpor-
te das mercaduras daquella estaco para o burro
commercial.o qual lem sido feito al aqu sem ins-
peccao de especie alguma.
Para evitar este inconveniente a companhia pro-
poe o prolongamenlo da linha al o centro da ci-
dade. O governo imperial, a quera foi submeltido
esse projecto, anda nada resol veu.
declamando o projecto de tarifas e regulamen-
to era vigor na estrada de ferro algumas modilica-
ces aconselbadas pela experiencia, o engenheiro
fiscal organisou um novo projecto, que foi por mim
approvado provisoriamente em 10 de novembro
prximo lindo e posto era execuco no 1" de de-
zembro.
As novas tarifas foram calculadas sobre bases
mais liberaes e classilicaram melhor do que as
precedentes os eneros offerecidos ao transporte
pela estrada de ferro.
A instancias do engenheiro fiscal, apoiado pelo
geverue, fez a companhia algumas reformas no
seu pessoal e na contabilidade do trafego.
Da primeira deslas medidas resultou grande
economa as despezas do costeio e conseguinte-
uienie para os cofres que pagara a garanta dos
juros.
Com a segunda lucrou o servico da fiscalisaeo
que encontrava al enlo os mais serios embara-
ces no exame das diversas verbas da respectiva
receita.
Deram-se no movimento dos trens algumas ir-
regularidades, sendo a mais sensivel oecasionada
pelo desenrarrilhamento havido na 3* seceo o qual
obstruid a iinha e determinou una interrupean do
trafego por dousdias naquella parte da estrada e
da 4' seceo. Do ullimo relatorio annual.ipresen-
tado |ielo engenheiro fiscal em 30 de oulubro ulti-
mo v-se que a estrada produzo de Janeiro se-
tembro lindos 281:4905361 rs., e despenden cem
o costeio no mesmo espaco de tempo 308:1955987
rs. ou 109, 5 por cento daquella somma.
Releva notar que estes algarismos exlrahidos dos
documentos fornecidos pela companhia, foram glo-
sados pelo engenheiro do governo, que reprovou
na verba de des|ieza urna somma superior a
16:0004000 reis.
Foi prolongada aleo bairro do Recife alinda le-
legraphica.
Cora a reduecoque approvei da tarifa lelegra-
pbiea, lucrou a receita da estrada, que augmentou
cora o desenvolvunento daquelle servico.
O tretn rodante empreado pela companhia in-
sufflciente ; resulta d'ahi que as mercadonas nao
sao transportadas do interior cora a desejavel
promptido na poca em que affluem ao mercado.
Por aviso de 5 de junho ultimo concedeu o go-
verno imperial a somma de 10,000 como auxilio
a companhia para a acquisico de maior numero di
vehculos *, mas anda assim estar bem longe de
salisfazeras necessidades do trafego, o material,
que se ronseguio com essa quantia.
A commisso encarre|:ada de liquidar i garanta
de juros concedida a estrada, proceden ao ajuste de
cuntas dos semestres de agosto de 1862 Janeiro
do auno passado e de fevereiro julho ultimo.
Pela primeira destas liquidacoes pagou o governo
geral por conta dos 2 |x>r cento addicionaes da
provincia a quantia de 103:3984455 reis, e pela
segunda a somma de 105:8804600 reis.
No resumo que liz das ocieracoes da thesourara
provincial ver V. Exc. a quanto se eleva a divida
da provincia pelos juros que garanti companhia,
e nos relatoros mensaes e animal do engenheiro
fiscal, existentes na secretaria encontrar mais in-
formaees sobre a estrada de ferro.
CAMINHO DE FERRO DESTA CIDADE A POVOACO DE
APIITCOS.
Em virtude da anturisae^o concedida pela lei
provincial n. 518 de 21 de junho de 1861, contra-
le com o baro do Livr.uncnto, Dr. Jos Bernardo
Galvo Almforado e Antonio l.uiz dos Santos, a
conslrncco do eaminho de ferro ou trilitos urba-
nos, do que trata a rilada ley desde estaeidade at
a povoaco rte Apipucos
No archivo da secrcucix desta prestenci en-
contrar V. Exc. o contrato, que foi realisado, de-
pois de lerem sido ouvidas a cmara municipal
desta cidade e a reparlico das obras publicas, so-
bre a proposta apresenta'da pelos contratantes.
Nao tendo sido julgada conveniente a direceo
qne davam ao eaminho de ferro ao entrar no bairro
da Boa-Vista pelo caes do Gapilanbe, ra Vellia
segurado pela ra do Sebo at o Mondego por se-
ren ras de grande movimento algumas dellas,
alm disto, estreitas, foi modificada no sentido de
serem os Iridios collocados pela ra Formoa em
direuura pelas que so acham projectadas na plan-
la da cidade, a sabir na ra da Esperanca.
Sendo precisa, porm, proeoder-se a desapropra-
ces do terreno necessaro para a abertura das no-
vas ras, deelararam os contraanles, que desisti-
ran] da emprezn, se por acaso devessem correr
por corita clelles as despezas a fazerem-se com taes
desapropriaces, para as quaes todava concorre-
riam coma quantia de 4:00040000 reis.
Attendendo-se as vanlagens c beneficios que re-
sultara para o publico, nao s d.i construccao do
eaminho de ferro, mas tambem da abertura das
referidas ras, que mais cedo o. raas larde tero
de Ihe ser sempre franqueadas, convenconou-se
que o contrato s leria execuco, depois que os co-
rres provinriaes ou munieipaes fossem habilitados
para emelhante despeza pela assembla legislativa
provincial que em seu patritico desejo pelo adian-
lamenloda provincia nao dexari porcerto de con-
ceder-lhe este beneficio.
SANT\ CASA DE MISERICORDIA.
Anda contina a deflteienri* de recursos da
Santa Casa para que possa ella aitender a todas as !
suas necessidades c prodfgalisar todos os beneli-
eioa de caridade, (pie exige de sua instituico.
Por esta razo tem-se visto tila forcada a re-
cusar abrigo a muitas orphas desvalidas, que cons-
tantemente procurara o seu amparo e proteceo.
E por igual motivo, nao polendo concluir as
obras do hospital de misericordia da cidade de Olin-
da, alim depara all serem removidos os alienados,
acham-se estes infehzes em um edificio tal que a
Sania Casa chamou de-matadouro quande ulti- '
mmeme trazendo ao meu conheciinenlo o estado
em que se achavam aquelles infehzes, solicilou era i
seu beneficio o auxilio desta presidencia.
Nao hesilei em coadjuva-la en promover o me-
Ihoramento d'aquelles desventurados mandando
por offirio de 28 de oulubro ultimo adianlar-lhe
sem oaus de indemnisaco a quantia de 6:000400
de reis para concluso das obras do referido hospi-
tal de misericordia de Olinda, tanto mais.que appa-
recein frequentemenle loucos que se nao sabe onde
recolher
Quanto desvalidas a que mais cima me re-
fer, chamo mui particularmente a attenee de V.
Exc. para o que a seu respeito expend em meu j
citado relatorio.
Por acto de 30 de abril e nos lermos do artigo
7." do compromisso, conced autorsacao para ex-'
ceder-secomo solicitou, o prevtor da Sania Casa,!
o crdito j esgotado de 1:2005000 reis para as
igrejas e capelln dos estabolecimentos carge da
aaaaa Sama > asa.
Tambera era 5 de maio aulorisei a despeza ne-
cessaria com o lombamenlo dos bens movis da
Sania Casa, visto nao haver ere lito no orcamento
do corrente anno nanceiro.
Era 30 de junho attendendo a representaco, que i
fez aquelle provedor mandei transferir as orphas '
para >i collego de Santa Thereza em Olinda, e as
orphas que all se achavam para o edificio, quo
ellas deixarara desoecupado.
Finalmente |r portara de 21 de junho, 26 de \
dezembro e autorsacao da le r.. 563 de 6 de maio
ultimo aposente por "assim o aavaram requerido, o j
cirurgio e o medico do hospital Pedro II e nomeei'
para o substituir ao primeiro o Dr. Luciano Xa-
vier d Moraes Sarment e ao legando o Dr. Joo
da Silva Ramos.
SECRETARIA DO GOVERNO.
Por decreto de 8 de julho do anno passado foi
nomeado secretario do governo desta provincia o
Dr. Francisco de Paula Salles, que exercia o luar
de chefe de seceo da secretaria da presidencia.
A sua vaga foi preencluda por accesso entre os
empregados da mesma secretaria, e pela nomea-
c.'o de um amanuense para substituir ao que leve
de ser premovido.
O pessoal desta reparlico qu? quasi o mesmo
que linha em 1836 quando os d fferentes ramos do
servico publico ne eram tantos nem to desenvol-
vidos como hoje insnfliciente para o pesado tra-
balho do seu avullado expediente diario.
D'ahi tem resultado que o registro se acha bas-
tantemente atrasado, que ha falla de quadros esta-
tistcos, d iradieco escripta da marcha dos neg-1
cios, de compilaban, decises e ordens do governo, j
cousas indispensaveii que moflo facilitara os ira-
balboa, e sera os quaes nao possivel que sejara '
feilos com a conveniente prostesa e regularidade.'
V. Exc.no deixar por cerlo de prestar sua s-1
ra attenco a estas e oulras necessidades que j
alguns de meus antecessores o reconheceram e le-j
varara ao conhecimento da assembla provincial.,
Pede a juslica que eu recemra?nde a considera-1
cao de V. Exc. os empregados la secretaria pelo
modo por que tem procurado cumprr os seus de-'
res.
Termino aqu estasuccnta exposicao da marcha'
dos negocios pblicos durante i- minlia adminis-
traen.
as informaeoes, que exige para a confeceo do .
relatorio que a presidencia tem de apresentar as-
sembla provincial era sua prxima reunio, en- ]
(entrara V. Exc. dados e es -lar cimeiilos mais m- |
nucosos.
A consideracao de ser V. Exc filho desta pro-1
vincia, e um dos que mais vivamente se interes-
sain pela sua prosperidade, dis[nsa-me de repe-
tir aquillo de que V. Exc. tem perfeito conheci-
mento.
Fazendo votos para que a adninistraco de V.
Exc. seja fecunda em beneficios para a provincia,
prevaleco-me da occasio para reiterar V. Exe-
as prolestaces de m-ms sentimentos de verdadeira
estima e distraeta consideracao.
Palacio do governo de Pernambuco 13 de janoiro
de 1864. Joo Silvtira de Souza.
Expediente do dia IS de Janeiro de iS6i.
flicio ao Dr. chefe de polica.Em resposta ao
ofllcio de V. S., n. 1705 de 30 te dezembro ultimo,
tenho dizer-lhe que ficain expedidas as conve-
nientes ordens para que a thesourara provincial
forneca os enjerto requisilados para o servico da
radeia de Agua-Preta, menos o lampead compre-
hendido na relaco annexa ao citado ofllcio, que
deve ser ministrado pela cmara municipal da
mesma villa, como se Ihe ordenou nesta data.
Fez-se o necessarie expediente.
Dim ao mesmo.Tendo de regressarem hoje no
vapor Pamir os anspecadas Lelarmino Ferreira
da Silva e Melcbiades Francisco da Silva, que vie-
rain da Parahyba guardando presos, convin apro-
veita-los para escollareui o criminoso que tem V.
S. de remelter para aquella pro.incia, como deca-
rou em seuodlcio n. 65 de 14 di corrente : o que
Ihe declaro para ter execuco.Expedio-se ordem
aos agentes da companhia de vapores para dar
transporte aos referidos anspecadas e ao predito
criminoso, e communicou-se ao brigadeiro com-
mandante das armas.
Dito ao inspector da thesourara de fazenda.
Participando o supplcnto Jos Joaquim Rezerra de
Mello ter em 5 do correnle deixado o exercicio in-
terino do cargo de juiz municipal e de orphas do
lermo do Bouito, por se ter apreseniado o proprie-
lario, bacbarel Francisco Jos Fernn les Gitrana.
assim o comiuuiiico V. S. para seu conheci-
mento.
Dito ao mesmo. Coramunico V. S. que o lo-
cha re Francisco Jos Fernandos Giliraaa euirou
ero 5 do crreme no exercicio do cargo de juiz mu-
nicipal e de orphos do termo do Bonito, para o
qual havia sido nomeado.
Dito ao mesmo Participando o primeiro ap-
ente, baclwrel ChrisUvo dos Sanios Cavalcanti.
ter em 29 de dezembro prximo lindo assumido o
exercicio do cargo de juiz municipal e de orphos
do termo do Pao d'Alho, por ler o bartarel Eravg-
uio Manpies Santiago entrado no goso da bcenca
que oble ve : assim o coininunico V. S. para seo
conhecimento.
Dito ao provedor inlerino da Santa Casa de Mi-
sericordia.Nos termos de sua infurraaco de 15
do corrente, mande V. S. asee revea no quadrn res-
pectivo alim de ser opBorlunamenle adroitlida no
collego das orphas a menor Emilia, alunada de
bacbarel Francisco Jos Pernandes Gitrana.
Uilo ao director do arsenal de guerra.Concedo
*in"i"ri.e'g,lu {,lle VS' solicilou em seu ofllcio n.
-10 de 16 do corrente, para mandar fazer do l.rnu
pardo existente no almoxarifado desse arsenal,
calcas e blusas para as pracas da respectiva seceo
de bombeiros. Commumcou->e ao lusneeior da
Inesottrariade fazenda.
Dilo ao mesmo. Mande V. S. fornecer ao Dr.
chefe de polica urna craveira, apresentaodo a res-
pectiva cunta para ser satisfeita por aquelle magis-
trado.
Dito ao coronel recrutador.Constando-me que
se vao afugeniando dos mercados desta cidade, por
causa do recrulamento, as pessoas que para ah
trazem gneros alimenticios e outros productos
agrcolas e induslriaes, e com quanto me parecam
infundados es boatos que a este respeito se tem
espalhado, ju|o todava conveniente recoromea-
dar-lbe que nao recrule taes pessoas, qur ellas
se empreguem na lavoura, qur smente na con-
duccao dos seus productos para esta capital.
Dito ao commandante da ranhoneira Itnjakg.
A vista do que expoz Vine, era sua iiiformacio n.
13, datada de li do corrente, com referencia ao
ofllcio do cnsul do Portugal nesta provincia, fir-
mado em 12 deste mez, o autonso mandar as-
u"'arPr""'a na armada por um anno ao menor
Manoel Jos Martins Pereira, como solicilou o mes-
mo cnsul pedido do to do prediio menor.
Lommunicou-se ao cnsul de Pottugal.
Dito ao commissario vaccinador.Mande Vmc.
apresentar com brevdade ao Dr. chefe de polica,
algumas lamiuas de puz vaccinieo para serem en-
viadas ao delegado do termo de Samo Anto.oode
reina a vanla.t.omniunicou-se ao Dr. chefe de
polica.
Ditoo Dr. curador de africanos livres.>oa>-
momco Vmc. para seu conhecimento, que se-
gundo constou de parcipaco do Dr. chefe de po-
lica, o africano Thom, indo banhar-se no rio Ca-
pibaribe, perecen afogado no lugar do Poco da Pa-
nella.Igual communicaco se fez ao director de
arsenal de guerra.
Dito ao juiz municipal de Ipojuca.Communi-
co a Vmc. para seu conhecimento e para qne o fa-
ca constar ao agraciado, alim de que solicite em
tempo o seu titulo, que per decreto de 15 de de-
zembro prximo lindo Sua Magestade o Imperador
liouve por bem fazer merc Porfirio Alves da Sil-
va da serventa vitalicia dos oftieios de partidor e
distribuidor desse termo. Fizeram-se as oulras
comniunicaces. "
Dilo ao juiz de paz da freguezia de S. Jos do Re-
cite Jos Antonio Piolo.Resumiendo ao seu offl-
ci desta dala, tenho dizer-lhe que nao constando
oflicialmente a approvaco dos novos eleilores, de-
ve Vmc, em vista do que esclarece o aviso n 13
de 27 de fevereiro de l-.'iO g 2, orfanisar a junta
de qualificaco des cionar amanha, com os eleilores e supplentes da
cmara dissolvida, que para isso se acham convo-
cados, cumprindo que a referida junta contine
em seus trabalhos anda mesmo depois de appro-
vados pelo poder, competente os novos eleilores, ro-
mo declara o aviso n. 601 de 30 de dezembro de
1861.
Dilo aos agentes da companhia brasileira de pa-
quetes a vapor.Podem Vmcs. fazer seguir para
os porlos do norte o vapor Paran hoje a hora in-
dicada era seu ofllcio de bontem.
Dito ao gerente da companhia Pernamnucana.
Attendendo ao que Vine, ponderou em seu oficio
de 5 do corrente, annuo a que seja transferida pa-
ra o mez de fevereiro vindouro a sabida do vapor
que acompanhia Pernamburana pretende mandar
ao presidio de Fernando.
Dilo cmara municipal de Goianna.Tendo a
cmara dos depulados, segundo me foi declarado
por aviso expedido pela reparlico do imperio em
9 do correle, approvado as eleicoes primarias e
secundarias para a dcima-segunda legislatura, fei-
las no segundo districlo eleitoral desta provincia
cora as inodilicaces constantes do ofllcio da mes-
ma cmara de 7 daquelle mez, junio por copia :
assim o communico cmara municipal de Goian-
na para seu conhecimento e alim de que o faca
constar aos respectivos jnizes de paz.Igual s c-
maras munieipaes de Olinda, Iguarass, Nazareth
e Limoeire.
Dito ao conselho administrativo.Autoriso o con-
selho administrativo comprar para previ ment
do almoxarifado do arsenal de guerra os objectos
mencionados no incluso pedido. Communicou-se
ao inspector da thesourara de fazenda.
Dilo ao mesmo.Autoriso o conseibo adminis-
trativo a comprar 100 pares de sapatos de lona pa-
ra seren destribuidos seceo de bombeiros e
aprendizes do arsenal de guerra, dedicados gyra-
nastica. Communicou-se thesourara de fa-
zenda.
Dito ao mesmo.Approvo a deliberaco que to-
mou o conselho administrativo, como participou
em seu offlcio n. 2 de 11 do corrente, de exigir
que os livres encommendados para o presidio de
Fernando sejam de onze e meia polegada de lar-
gura e nao de oito, como deelarou o almoxarife da
mesmo presidio em seu pedido.
Expediente da secretaria da gaveraa.
Ofllcio ao commandante superior da guarda na-
cional do Recife.0 Exin. Sr. vice-presidenle da
provincia manda communicar a V. Exc, em les-
posta ao seu ofllcio n. 7 de 14 do correnle, que an-
torisou-se o inspector da thesourara de fazenda i
mandar abrir assentament de praca aos cornetas
Feliciano Gomes, Jos Canuto dos Reis Cavalcanti,
Jos Francisco de Mendonca e Sebastio Bezerra
Cavalcanti, que se contraiaram para servir no
quinto batalho do infamara da guarda nacional
deste municipio por tempo de dous annos.
Despachos do dia 18 de janeirade 1841.
Requerimenlas.
Barharel Francisco Jos Fernandes Gitrana.
Mandou-se inscrever a alilhada do supplicaole para
ser opp Tainamente admitila.
Bacbarel Manoel Galdino da Cruz.Passe porta-
ra concedendo a bcenca que pede.
Manoel Aecioli Santiago Barros.Estando preen-
chidas as pasagens de r de que dispoe o governo
no vapor Cruzeiro do Sal, nao pode o supplicante
ser attendido no que pede.
Theodora Maria do Espirito Santo. Nao tem
lugar.



triarlo de Pernambueo Quinta Iclr* 91 de Janeiro de 1884.
mimm m huas.
y
Quarlcl general do coiiuaanlo das anuas e Per-
Mambuco, na eidade it Reeife, I de Janeiro
de 1861.
On/m O general commamlanio das aripas tai ca lo fiara
os lins en\vnieiit''s,i|ii!i approvou os engaj mentes
que conlrahiram pan servir por mais seis anuos,
uos termos do decret e regulamenlo do Io de
nato do 1838, preeodeiido iuspeccao de sade, os
cabos da os.pudra Joao Alvos da 2a compi.nhia, e
Francisco Antonio da Silva da 8", ambos d> 2* ba-
talho do infantaria ; e o soldado da 4* companhla
7o liaUltiao da niosma anua Vespasiano do as-
cimento, esle a 12 o aquellos a 13, tudo do cor-
nnta mea, conforme participaran! s res lectivos
Srs. eommandantes, en ofllcms datados de 13, sob
os ns. 44 o 45.
asignado SoUikmki Oti Antonio Ptrra do
iMj/O.
Conforme.Jos Ignacio de Metros linj i Mon-
tetro, capilao encanijado do dclall.c.
f6
Ordem do da n. 286.
O general comniandante das armas cm cumpri-
nicnto da ordem da vico-presidencia, ccmmuni-
cadacm offkMo de hontew datado, mandando qne
urna brigada de om corpa da guarda naci tal des-
ta eidade reunido a oulre de tropa de linl a, for-
mem na tarda do lia 17 do correle para aier as
honras llovidas ao Exin. Sr. presidente desta pro-
vincia Dr. Juo Silvcrra de Soma, ror ocrjsnw de
seu embarque para arrte do Kio ele Janeiro.onde
val tomar Bsenle na cmara temporaria orno de-
potado pela provincia de Santa Catharina, deter-
mina que o7 bataltiiio de infamara reunido ao
corno da guarda nacional que fr designa Jo pelo
Exm. Sr. general rommandanle superior, forman-
do urna brigada sob o commando do Sr. coronel
LuizJos Ferreira. esieja postada no caes de pa-
lacio as 4 horas da tarde do referido da pira o in-
dicado fim.
O Sr. eommandante da brigada esoelher os Srs.
*fBokes que lem de servir sol) suas arde*}.
O mesmo general faz puhlico quo a presidencia
xeneron por portara do I- de derembre ultimo
do cargo de delegado do polica do ternn de S.
ajenio, o Sr. tenenle do 2* batalhao de infantaria
Felin Jusiiniane de Albuque|M, que consten
de officio de hontem ; o ijnr luye se apiescntot
vinde da provincia do Cear, o Sr. major do
Polis exames, mn << ptocodeo, W v
' eado Mr\u) Manuel lYanetaft dos Santos nao i de-
c assim c\pedio-sc ordem para
si*>r do exordio,
ser elle posto em liberdade.
Dando-sc soluco consulta, que fe* o juii
de paz, presidente da Junta de (jualilicacSo da fre-
gnezia de S. Jos desta eidade, I clarou S. E\e. o
Sr. presidente, que oa eidadaos Vicente Licinio da
Costa Campello e Dr. Joao Itiheiro da losla Macha-
do, que foram cleilos por parte dos supplenles de
eleitores para meinbros daqoetta junta, nao po-
diam, em vista do exposto nos avisos de 28 de Ja-
neiro e de II de dezembro de 1861.continuar no
exereicio de suas fune^des, depois que verilicou-se
iaocstarem qualiOcailos e por isso deviam ser sub-
ssimidos de conformidade com o arl. 8 das ins-
I-uceos que liaixaram com o decreto n. 1812, de
23 do agost de I8.'i6, e em visla do que preceita j
o aviso di; B de setenara do 1860.
Foi concedida ao Sr. tcnente-ooronel Joaquim
de Almeida Caianho, sobre proposta do Sr. direc-
tor peral da instrucoao publica, a exoneracao que
e mesmo pedio do lugar de delegado litierario do
ilisiiirio de Cimbres.
Acha-se nomeado delegado Iliterario de Cim-
bres o Sr. tcnentc-coronel Candido Xavier Pereira
de Brido.
Reparticao da polica :
(Extracto da parte do dia 20 de Janeiro de
1864).
Foram recolhidos & casa de detcncao no dia 19
do corrento :
a' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de pelMa, Ho-
norato Antonio Manoel, pardo, serrl declaraciio do
motivo; Malheus, criculo, escravo de Miguel Fe-
lippe de Souza l.e;io, a disposieo deste.
A' ordem do Dr. juiz municipal da primeira va-
ra, Bellarmino Alves Haptisla de Carvalho, branca,
vindo de Santo Antao, sem declarado do motivo.
A'ordem do subdelegado do Kecife, Abraham
Anduson, inglez, requisico do respectivo con-
sul; Antonio, crioulo, e Joao, pardo, escravos de
Antonio Luir de Azevodo, i requerlmento deste.
A' ordem do de Santo Antonio, Manoel Carneiro
Pinto, branro, por desobediencia.
A' ordem do de S. Jos, Jos, crioulo. escravo da
llosa Maria da Conceirao, ruquerimento desta.
A' ordem do de Jaboalao, Maria Francisca de
Salles, parda, para ser processada por crime do in-
fanlecidio.
O chefe da 2* seccao,
/. C. de Mesquita.
Passageiros do vapor Paran, sahido para os
tratalhao de infantaria Joaquim da Hecha .'(loreira, portos do norte :
que e reuni ao res|ieclivo eorpo. Bernardino Marques da Silva, Jos Maria G. Ri-
Finalmente, declara, o general eommandante das beiro, Sabino Leite Ribeiro, M. Gracomo, Francisco
ina, para conhecimento da guaraicao n devido Lniz Martins Bibeiro, Manoel M. Camacho, 2 solda-
eito. que desde o dia 15 do correle o I'.xm. Sr. dos e i desertor, D. Juan Busson, Francisco Anto-
. Domingos de Souza Leao se acha na adminis- nio Aguiar e Souza, Antonio Paulino de Souza
cao desta provincia na qtialidade de siu4' vi- Uchoa, Primo Pacheco Borges, Jos Arthur Pinto
mu
eff.
r
lrac
e-prosidente.
Asslgnado.Snlidonie Jo.v Antonio te-rira do
Conforme.Jos Ignacio de Medtiro Ri'go Mon-
tro, capitao encarregado do detalhe.
- 18
Ordem do dia n. *87.
O general eommandante das armas faz publico
fiara os fins convenientes, que segundo constou de
flfcio da vice-presidencia desta pnvinrii de 16,
eomreforeoei ao aviso do ministerio da guerra
de 5, tudo deste mez, o governo concedeu ao Sr.
i cirurgio do corpo de saude do exer -ito Dr.
Joao Honorio Bezerra de Menezes, de.-ign.-.do para
servir na guarnir-So ilo Amazonas, tres irezcs de
iicenea eom o sold simples.
O rnesmo general rectifica o engaiw qni se dea
na sua ordem do dia de 16 do corn-nte, s)b o n.
*86, relativamente a exoneracao do delegado de
polica do termo de S. Bento, declarando que o Sr.
ffioial exonerado do dito cargo o Sr, alferes
Francisco Genuino Simoes, e nio o Sr. tenente
Flix Jnstinlano de Albuqaerque.
AssignadoSoitonio Jote Antonio Pereira do
ConformeJote" Iputeto de Medeirot Rejo .Won-
teiro, capitao encarregado do detalke.
- 19-
Oi'drM do dia n. 2*<*
lo Almeida e sna senhor, Antonio Pedro de Al-
meida, P. Walker, 2 pracas e 1 preso, Jos Fran-
cisco de Oliveira Petisco e Antonio Jos Pereira do
Bego.
Movimento da casa de detencao no dia 19 de
de Janeiro 1864:
A saber
Existiam Entraram. Sabiram . 335 presos. 10 11
Existem .... 334
Nacionaes. Estrangeires. Mulheres Estrangeiras. Escravos Escravas . 215 preses. 32 6 > 1 65 > S
334
Alimentados a custa dos cofres pblicos. 143
Movimento da enfermara no dia 20 do cor-
rente.
Teve baixa:
Bellarmino Alves Baptista de Carvalho, sarnas.
Obituario m da 20 os jankiro no cuiuterio
publico :
Alfredo, Pernambueo, 6 niezes, Santo Antonio ;
syphiles.
O general eommandante das arreas d(termina Manoel. frica, 80annos, solteiro, escravo, Reeife;
roe os Srs. !lcias promovidos por decreto de 30
de dezembro do antw prximo lindo, para carpos
que estejam fra desta provincia, fiquem addidos
a aquelles em que presentemente serven, at se-
gnirem para os seas destinos.
O mesmo general faz eertopara que tenlia o de-
vido elTeito, que nesw data contralo nos termos
da imperial provisao de 11 de Janeiro de (1853,
repentinamente.
Joanna, Pernambueo, 64 annos, soltcira, Santo An-
tonio ; gastro bepatite.
nrecedendo inspectao de saude, 'o mnsico paisano ESra*ggSJLgg? J
SSaTS^nticXTMaS
de eon^midade com o decreto e regolam.n.o So, ^s^TeSatovel este boato, aecrescenta urna
UM POUCO DE TODt.
A Preste publica que corre rom probabilidade o
loato de negociacoes, em bom andamento, com o
governo portuguez, para a ce.-sao de urna lha des-
pial diz-se ser
que um navio
partir para iquella ilha
1* de maio de 1818.
Assignado.SoHsbnio Jos Antonio
Lago.
Conforme Jos Ignacio dcMiednros Me\>o
tetro, capitao eca#regado do detalbe.
boato,
Pe yira do ''na I),r,u?UMa- mas "inda assim 6 demasiado
grave, para que possa pussar sem o desmentido of-
Mon- ^ ('ue (leve rtes,ru'r a desagradavel impressao,
; que naturalmente deve causar neste paiz.
Extrahimos o que segu :
FECHADA K ARMABA.
Mo?a donzella e frmela, nao s deve estar bem
uardada na casa paterna ou fechada no claustro,
- como tambem preciso que se arme de grande
j vigor e de fortes razoes contra os invisiveis, e vi-
1 si veis inimigos, que arnain citadas sna pureza,
Hcje reune-sc can sessao ordinaria o Instituto ou rm mimos e donativos proenram expugnar a
fortaleza da sua pudicicia.
PERIUMBUCO
UvlSTA MAMA
Archrologko r tooqraphioo Pernamtbueano.
Depois d'amanhaa se extrahir a 5* parte da
3" lotera da Santa Gatada Misericordia.
- Ka ra Foraiosa, em frente, da travessa da-
quella dos Ferrelros, eeoi-se feito urna completa
esterqueira, de nodo que tal estado ja inuttom-
commoda aos moradores como nao |>ara desejar, fcrevemente Inara .iinpe-1 jugo do seu estado a sua clausura.
dido o transito tlaspessoas, que coMumam passar
por aquelle local.
E pois, nao devendo tolerar-so
ANDA K PASSK1A, MAS NCNCA SAHE.
0 mesmo snecede as religiosas; aodam pelas
ofcinas do seu convento, passam da celia para o
coto, do coro para o capitulo, do capitulo para o
i-efeitorio, mas nunca sahem ; levara em certo
nodo o convento s costas, porque o mais pesado
sf rae Ib; nte coli-
sa, qaeira o Sr. fiscal laucar suas vistas i roviden-
tes para all, fazendo cessar o abuso notado.
Aeha-se no exereicio de commando unenior
da guarda nacional deste municipio o Sr. coronel
Domingos Alfonso Sc y Ferreira, por t*r ido lo-
mar assento no senado o Exm. Sr. Visomde da
fioa-Vista.
A Caita Filial aesta provincia pag; o divi-
dendo relativo ao semestre Godo em nove moro p.
patsado.
Na lat. 4* e 40" N.* long. t" 40" C. foi en-
contrado pelo briguenamburgoec A'u7, a galera
ingleza Ann Buekle ; a qual ia em viajem para
.Kurrachee, tendo parUdo de Londres ,iavia 32
dias.
Jnformam-nos que, por ter-se de preceder a
reparos urgentes no leiteda ponte da B.-Vista,
ter de ser interrompido o transit por ahi, por
espayo de 15 dias, a contar de seguiidadeii a prxi-
ma, 25 do correte, para oa sarros e caviillos, de-
veudo estes seguirero pela ra d' Aurora e wnte de
>Sauta Isabel, durante esse lempo.
O estado em que se acha actualmente ^*sarua,
depois do bello calcamenlo, ijue j est concluido
aiha, nao turna incommodo seelhanle de vio, que
lias de Douca duracao.
iloje pelas 7 horas da noite lem lu?ar o le-
atuaraento da bandeira de NossaSenhor; dosRe-
aoedios, cuja fasta celebrar-se-ba no dia.31 do
.torrente tnez tm sua capella, erecta no povoado
4t igual deiioiniucao, com a magnificencia pre-
iiria do culto eatorno, qne a nossii igrej.i iota i
Mae do Redempte"
A bandeira sabe do paleo do Sobrado-gi ande na
Passageni da Magdalena, levada por doce meninas
uniformemente trajadas, e com acompanitament
de seuhoras, que cautarao no decurso de l-ajoclo a
apella versos era louvor da excelsa Senliora dos
*uiedios, ao so.n de msica marcial ; e aWi rhe-
flado oprcatit, ser elevada a bandeira, dando fim
2 este acto o subir ao ar um magestoso b. lio.
As novenas eniecaro amanhaa e n'el as toea-
r.i urna banda de msica marcial, cmaosla de
\arws moeos curiosos das ircumvismhancae: os
quaes {prestara a lata, levados pelo imptdso lou-
vavel de darem matar brboa esto acte de devo-
<;o, que tanto mobiuaa o hornea.
No dia da festa pelas S horas da manhSa, depois
do toque da aorada, a que ser snnunciado por
uma girndola de fogu-te* do tova invenco,
romper em ascencao o ar am balDo de beljas for-
mas ; e larda baveri cava Nuda, eorr das por
ptfssoas da Varzea e Cacbang terminand)-se to-
dos os artos festivos por excellenle e varis dissimo
ogo arilicial, qne aera queimado noitj do da
saguitite, de feverelro.
Por determinaco do governo imper.al sobre
requeriraento de B. I Garnier foi ado|iu da para
uso das classes de leilura as escolas do menores
l. s arsenaes de guerra a obra intitulada Lcdcs
maraes e religiosas.
.S. Exe. o Sr. presidente da provincia antori-
sou a admissao na companhla de apre d/.es uo
arwnal de gtierra, quando bou ver vaga, rio menor
Augu.-to o|.os da Assumpciio, sobrinho d.i Rufina
m.u ia da Paixao depois queesla satisfizei as ilis-
posicoas do ar|. 4 do respectivo reg lament.
Ml'lTA LIZ, POICA SOMBRA.
Cavalheiro de sangue Ilustre, com grande casa,
inuito luzimento e resplendor na corte, oceupa
nina grande rea ou lugar na repblica ; mas em
iodo aquelle iuzidissimo espaco, muitas vezes nao
lia donde um pobre hornera honrado, perseguido
da fortuna, so possa acolhcr, e por a sombra do
seu amparo; grande osteutaco, pouco ou nenliura
patrecinia
O QCI ron DRNTRO TKU, MOSTRA-0 NO ROSTO.
0 rosto do hornera sincero o mostrador do seu
coraco; amor, averso, alegra, tristeza, outras
jiaixes e movimentos d'alma, que adiantara, sus-
pendem ou atrazam as operacoes humanas naqucl-
le frontespicio estao todas patentes vista.
iRemette-nos a seguinte poesa o Sr. Lessa (ana-
grarama do propno nome.)
escuta !
Virgem, ped-te que os meus versos lesses,
Quando ao meu lado te sent flamante,
Porque inspirei-me, arrebatado em xtasi,
Nos teus encantos divinaes, radiantes.
Vi-te na sala, no calor da festa,
i '.orno ras bella a palpitar d'amor 11
Eras um sylpho a esvoacar nos arca
Da dansa ardenle no febril calor.
Tuas longat fimbrias do gentil vestido,
Que fluctuavan com primor, com iraca,
l.onra de amores, arrastavam a turba
S |ior beijadas no tremer da walsa.
J fui poeta, *. l bem sabes, virgem;
Mas hoje morlo (inha o coraco ;
S de teas olhos um ollar tao santo,
Trar-me-hia aocranco tanta inspiracSo.
Ku te amo, virgem, como a aurora s flores,
Que aos beijos dola desabrocbam rindo,
J'ois faz de amores se morrer cantando
'Jobs rubros labios um sorriso abrindo.
Queui c que te rendo tiu meiga e faccira,
Podera na dansa cuingo dansar,
Sem que nos volteios da walsa rasteira,
Unido ao teu seio, quizesse-o beijar? 1
Tu eras da festa, meu anjo, a sultana,
A flor entre flores, nascida em vergel,
Demores na corte gentil soberana,
A quem os mancebos seguiam ern tropel. i
Teusolbos sd pretos, tao pretos, brilhantes,
(>imo o astro do dia surgindo do mar,
I3e amor dominados sao tao deslumbrantes,
Qne eu os vendo e te amando, temi-os litar.
Tuas trancas clieirosas, cahindo-te aos hombros,
Que as auras com mdo beijavam subtis,
Sao bellas, tao bellas, que causara assombros
A' mais feiticeira das nymphas genlis.
Ten ledo sorriso, tao puro o lao lindo,
Qual lyrio do valle, que se abre ao luar,
Que rise de encanto as folhassenlndo
O prauto da noite quo os vera roiejar.
E quando sos e pensativo noite,
Solitario em scismar co'a Ita fra
lntao do doce perpassar dos sonhos
Os teus amores lembrarei ness'hora :
E aqnl liem longe daa uwanas turbas
Na soldad dos palmares, no retiro,
Possa leu peilo do silencio em nieio,
Exhalarme ara bem lnguido suspiro.
E de tuas saudades aos queixumes,
Do meu peilo a gemer na solidad,
No silencio de ininhas aventuras,
Canlarei tanto amor, tanta paixio.
E quando eu triste, do crepsculo sombra,
Rccordar-me que cedo te oVixei;
Ouve a brisa, suspira aos seus suspiros,
E chora, que eu cborei I
Os jornaes d>; Londres conlinuam dando noticias
circunistanciadas da famosa lula de pugilato enlre
King e Heenan.
(iirao os mil e tantos espectatlores que tram du
Londres ao sitio do combate erain todos gente rica,
e muitns do elevada gerarchia, pois deram 3 libras
esterlinas por cada lugar no Irem, que nos oulros
dias custava apenas alguns schellings, o povo nao
pode gozar do espectculo.
Era per isso tao grande a sua curiosidade e im-
paciencia de ver e acclamar o vencedor King, que
no di seguinte ao da lula a circulacao em Sirand-
Slreenl, que un* das ras mais largas do Lon-
dres, esleve rompidamente interrompida durante
algumas horas por urna imincnsa raultidao agglo-
merada em fronte da casa onde se achava o gran-
de pugilisia. Quando esle apparereu, foi phreneli-
camente vicloriado pela grande multido que en-
chia a i ua.
Bato athloia, que tem 6 pea de altura, tioha j
recebido as 2,000 libras si. (1:000,5), que era o
premio destinado ao vencedor.
Dizia-se que tenconava, cora esle dinheiro com-
prar una taberna o renunciar s glorias do pu-
gilato.
Por algumas horas depois de terminada a lula,
receiou-se pela vida do vencido, porm as ultimas
noticias dizem que linha j algumas melhoras.
O Commercio do Porto escreve :
ltimamente decidio-se n'um tribunal inglez,
urna querella |>or dilTamacao dada por Mr. Ilaw-
kins proprietario do reslaranle da cstae,o do ca-
rninho de ferro, em Peterborough, contra o Daily
Telegraph.
Na sua ultima excurso ao Norte, o principe
de Galles, vallando de llalifax, parou na esia-
ciio de Peterborough, onde loraou tima colla
ao.
O informador especial que o Daily Telegraph
trazia ligado aos passos de S. A., para dar noticia
dos menores aoontecimontos da viagem, nao doixou
de mencionar o faeto, acrescentando: E' de crer
que a sopa servida a S. A. nao fosse o horrivel
caldo de feijdes, que se ventte a 1 sliilbng o prato,
na estacao de Peterborough, aos leaos subditos de
S. M.
O dono do restaurante encolericou-se, e escre-
veu carta sobre caria ao jornal, propondo, em ar
de desafio, que se lizesse analisar a sua sopa por
um ch\ lineo.
Depois tomou oulro partido, chamando o pro-
prielario respousavel do < Daily Thelegraph > ao
tribunal.
Este defentlen-se invocando o direito que no
theatro se compra com a entrada, e que se paga
muilo caro no restaurante de M. Hawkins; porm
apezar deste liumoristiro pleitear do advogado da
defeza, o jornal foi eondemnado 25 libras por
perdas e damnos.

A quanlidade de ferro forjado que produz a Es-
cossia, augmenta de anno para anno.
No corrente anno calcula um peridico inglez
que nao baxar de 1,150:000 tonsliadas, que re-
presentara nm valor de 3,162:00* libras ester-
linas.
E' um augmento de 70:000 tonelladas com rela-
cao ao anno anterior.

Durante a sua estada era Berln, S|ontini, o ce-
lebre anlor da Vestal >, cedendo ao contagio da
poca, corapoz urna opera de grande barullio mu-
sical.
0 rei da Prussia, quo assistia represenlacao
d'esta opera, eslava espantado do numero inralcu-
lavel de trombetas, tambores, bombos e outros ins-
trumentos ruidosos de que eslava elieia a compo-
sico.
Depois de algumas horas de urna audicao lao
desagradavel, o rei sabio do theatro, e como
sua sabida tocaran) os tambores da guarda, ex-
clamou.
At que finalmente ouco urna ponca de me-
loda !

Em Londres eslao-se elaborando nada meaos
que trinia quarenta nnvos projectos de eaminhos
de ferro para cruzar a eidade em todas as di-
rceces por baixo da trra e por cin das suas
ras e edificios.
Ao norte d'aquella grande povoacao, residencia
de opulentos capitalistas, estao j formadas doze
companhias que projectam a constroccao de qua-
iro linbas ousadamenle gigantescas e colossaes as
obras e no custo d'estas.

A sociedade nacional ingleza de lanchas de sal-
vaoo tem, desde o seu estabelecimento, prestado
grandes ser vicos humanidade.
Durante os ultimes e lerriveis lemporaes, que
tantos naufragios causaram, as lanchas de salvacao
da sociedade iivrarara 15 navios de urna perda
certa o salvarara da morte 23o niarinheiros.
Era lodo o anno de 1863 salvarain 462 pes-
soas.
A sociedade nacional ingleza, desde a sua fun-
daofio. tem salvado 14:000 pessoas aproximida-
mente.
As lanchas da sociedade, que actualmente sao
em numero de 125, eslo nos pontos mais perigo-
1 sos das cosas britannicas, em todas as partes oo-
', de podem prestar auxilios eflkazes.
A conservaoao de cada urna d'estas lanchas
custa, ponco mais ou menos, ninas 50 libras
(2255000 rs.) por anno.
punir os criminosos i N ngneni o dir quo vira,
prim mo por que a lei lito nao faculta entrar em
districio alheio para premier criminosos, salvo em
seguiraento de algum criminoso que vai fugindo,'
segundo^por que o delegado de Ipojuca. e subdele-
gado ne sao os mais atados para prenderem cri-
mnesos por que se o fossetn procuranain prender (
os de seus districlos pois ahi os ha .
Era todo esle |irocedira"nlo para comigo lodo o
mundo sabe, que nao desojo de punir crimi-
nosos, sim o Sr. Peregrino que se presta a ins-
trumento de vinganca, usando da autoridado que
infelizmente boje oceupa : todo o mundo sabe, que
o subdelegado Loureneo Bezerra Alves da Silva
paro no do Sr. Domingos de Souza Leao, que por
causa de um (eligi de Ierras procura vingar-se ou
ante! amedroiitar-me com as suas autoridades para
ver se as>im me prueipita, mas engana-se
nao me Intimida, e nem me precipita ; recorro aos
meios legaes e pretendo aebar justica, e se por ven-1
tura nao adiar, o que nao de esperar nos tri-.
bunaes do meu paiz, que tantas vezes em casos'
idnticos tem mostrado a independencia e alia
posicio que oceupa na so.'edade, eolio levantando
as mos para o co pedicoj Dos misericordia
para que se lemhre de nos.
Nao devo concluir esta; toscas lindas sem per-
guntar ao Sr. Jos da SUrra Cysneiro actual dele-
gado d'esla freguezia do Cabo, que papel faz S. S.
neste negocio, se o delegado do Ipojuca enlrou em
seu i istricto sem ser por ordem de autoridade su-'
perior o Sr. Cysneiro dev; pedir pnnicao d'aquellas
autoridades; se porm foi |ior ordem superior o
Sr. Cysneiro deve pedir a sua demissao se nao
quize'r pas=ar por prevaricador.
Por ora aqu lico, o voltarei imprensa se for
para isso abrigado como 'ui na exposioao qne aca-
bo ilo referir nico meio que boje nos resta para
desaliafode insultos iguses.
Engenho Jasmim, 16 di Janeiro de 1R64.
Joaquim Hanoel do llego Brrelo.
pelo chefe, que em tu.lo se acha, e ludo move,
a lim de se Jar proleccao aos mandantes conheci-
dos, alferes Leopoldino Evangelista Parahya,
praca do rpo de guarnicao Antonio Francklim, e
ex-praca Silverio, criado do mesmo alferes, visto
como e preciso salvir-se a lodo transe por esta e
outras scenas de escndalo e audacia, o Sr. coro-,
nel Ernesto qne lao bous servicos prestou na ul-
tima eleicac I
Veja o geverno imperial, em que maos se acha
a forca publica regular desia provincia.
(Do Jornal da Parahyba.)
SaIsaparriIlla (le Ili'islol.
A salsaparnlha de.Brisiol exeice suas proprie-|
dades purificantes por todo o systema nervoso,
nculralisando o ctrm produzido e accuraulado
pelas nlcerr.s, escrfulas, abscessos e tumores, o
escorbulo assim como todas as mais molestias das
glndulas da carne e da pello.
A historia dosla preparaeao tem sido pelo es-
paco de trinla annos urna sene nao inlerrompida
de curas as mais admiraveis e felizes. Todo o
mundo medico admiti que o melhor antisptico
regata! e anti-escorhutico al hoje contiendo e
pode-se com toda a certeza amanear que um re-
medio especial para a cura do rhenmaiismo e de
todas as afteccoes dos msculos,tendes e cenjunc-
turas.
En contra-se venda as boticas de Bravo & C.
e Caors & Harbosa.
COMMERCIO.
PUBLICARES i PEDIDO.
Fslleceu em Serinhaem o digno e prestante ci-
dadoo coronel Jos Venceslu Alfonso Rigueira Pe-
; reir Bastos I
Aconleciroento foi esse muito sensivel 1
Ai. raras qualidades, que orna va m o Ilustre fi-
nado, o haviain elevado a oceupar lugar muito dis-
. tiuclo na sociedade.
Cidadio prestante jamis se negou a fazer ser-
vico de muito subido mrito, qur na adminislra-
cao policial, de que por muito lempo foi agente,
i qur na guarda nacional, de que era chefe de es-
! lado-maior, e qur na cmara municipal, da qual
foi por mais de tima vei seu presidente.
as controversiasfde seus conterrneos Jos Ven-
: ceslau era considerado o genio da paz ; suas ma-
neir.is Ihanas ecortezes. sempre conseguiam acal-
mar os nimos quando i rilados, e deixar o socego
aonde ha va encontrado a desarmonia.
Honrado sem affectaciio, virtuoso sera calculo,
respeilavel sem orgulho, prestavel sem inleresse
caritativo em extremo, {osa va de um nome vene-
rancio no termo de sua esidencia.
Sempre attencioso, serapre solicito, nao s pres-
tavaseus valiosos servicos ao rico, como ao pobre
com quem alera disso reparta o pao da caridade,
e o remedio para o enfermo I
Entretanto esses servicos foram olvidados, e mor-
reu sem ao menos ter a satisfacao de ve-Ios apre-
ciados t
que a modestia, qur tanto caraclerisava Jos
Venceslu,naolhe permitlioalardea-los e encarece-
loa! v
que o sentimento q w os dictou era nobre, e
nao buha mira ~-lias Innras, e as remunera-
ces I '
Morrende, pois, nao legou i sua numerosa c il-
lustre familia fortuna, que seu genio bemfazejo
nao permitlio aerumular, mas legpu-lhe um nome
puro, rico de tradicocs Honrosas; pila que guar-
de ao menos essa grala recordacao, como um leni-
tivo a ddr que experimenta pela perda de seu dig-
no parento.
A ierra lhe seja leve.
Por um amigo.
PRAGA DO RECIPE 20 DE JANEIRO DE 1864.
Cota^dcs officlaes.
s 3 horas da tarde.
Assucar soneno 35100 por arroba.
> mascavado purgado25800 por arroba.
Cambios sobre Londres 90 d| de visla 27 3|4 d.
por 15000 (lionlem) 27 o|8 d. por 15000.
Dubourcq Jnior, presidente.
Guimares, secretario.
novo'banco
DE
PERNAiflBlTCO
O novo banco de Pernambueo convida os ere-
dores das massas fallidas de Mesquila & Dutra, e
Francisco Antonio Correia Cardoso a apresenla-
rem seus ttulos no banco para se proceder a res-
pectiva veriBcacao al o dia 31 do corrente Janei-
ro, depois do qual se proceder o dividendo peles
ttulos que ,'siivei era verificados.
Alfandega
Rendiment do dia 1 a 19.......
dem do dia 20.................
3l3:2823oll
24:66357>4
337:946531
Hoi inien(o da alfandega
Volumes erirados com fazendas...
< com gneros.
Volumes sabidos
com
cora
fazendas..
gneros..
143
207
65
1,550
350
1,615
CORRESPONDENCIAS.
Senkores redactores. ()Nenhum citlado se p
de julgar seguro era sua honra, vida e propriedade
na poca presente, e o facto que acaba de dar-se
comigo prova sem replica essa assercao : eis o
faci.
Na noute do dia 12 para 13 do corrente, a urna
bora da manha, fura a mlnha propriedade Jasmim
cercada e varejada pela delegado de Ipojuca, Anto-
nio Peregrino Cavalcanti de Albuquerque e subde-
legado Loureneo Bezerra Alves da Silva e Manoel
Erasmo de Carvalho Maura, platicando estas auto-
ridades ns maiores violencias, quo imaginar se
pode.
Cercado meu engenho, casa de vivencia, senzalla
etc., fra naquellas mesnias horas corridas as ra-
sas de senzallas, lancando-se portas dentro, e fra
igualmente varejada a casa do engenho e quartos
reservados, prendendo-se um meu escravo pardo
de nome Febppe e espaldeirado, depois de que, o
amarraram desapiedadamente, e as 4 horas da ma-
nha, um hornera que se dizia oftlcial de jnstira me
apresentou um mandado no qual se exiga um es-
cravo de Joaquim da Silva Costa, qne se dizia cri-
minoso, respond, que nao tinha escravos de Joa-
quim da Silva, Costa, em meu poder, e mnilo me-
nos criminoso, exigiram que mandasse abrir a
casa de purgar, respond que aquellas horas o nao
faria, se quizessem podiam deitar a porta dentro
como fizeram com as senzallas dos escravos, diri-
giram-me insultos etc., reunida a forca que se
ronipiinha de mais de cenlo e sessenla pracas diri-
gidas pelo dito Moura, retiraram-se levando o refe-
rido meu escravo Pelipiie, tocado a ronce d'armas
de passo pasco at que o recolheram cadea da
villa de Nossa Senhera do O' de Ipojuca aonde s
4 oras da tarde do mesmo dia 13 foi posto em
lber dado.
Ora, senhores redactores, vista deste facto fiel
que acabo de expor bavera seguranca em nenhum
cidadio, que livor a desventura de nao periencer
a poltica dominante, e mais que tudo ser desafec-
to doSr. Domingos de Souza Leao? O delegado e sub-
delegados de Ipojuca entrando era districto alheio
para prender criminosos easo houvesse criminoso,
o que neg, seria levado pelo desejo de noticiar, e
() Daudo espaco presente correspondencia, da-
mosigualracnte copia da franqueza e imparcialida-
decom que dirigimos o nosso jornal rom relacao
s piihlieaeos, que nos sao solicitadas.
A insertad com cffeito desta correspondencia
cararierisa aquellas circuoistancias, porquanlo te-
mos a persuasao de que o Sr. Antonio Peregrino
Civalcanti de Albuquerque incapaz do platicar a
violencia de que se queixa o Sr. Manoel Joaquim
du Rogo Barroto, e muito menos de fazo-lo som-
bra da pretendida influencia do Exm. Sr. Dr. Do-
mingos de Souza Leao, cuja posse seno linha anda
ventado por occasiao do faci, e mesmo poderia
nao realisar-se; visto achar-se S. Exc. doente, como
era sabido.
(A Redacto.)
neclira^So.
O abaxo assignado lendo, como outros prestado
a sua assignatura a um papel, que so dizia ser,
abonar a conducta do vigano Trajano de Figuei-
redo Lima, e constando-lhe agora que esse papel,
on alaixo assignado lem por fim desvirtuar o meu
amigo o Sr. vigario Joaquim da Cunha Cavalcante,
declaro que a minha assignatura nao se presta a
um jmzo desta ordem, pouco digno de homens que
se presam, e nao risque a minha assignatura
quando disso fui sabedor, por j ler aquelle papel
partido para Bezerros.
Benito, 7 de Janeiro de 1864.
Antonio Gomes da Silva Vogro.
Des?arregam no dia 21 de Janeiro.
Patacho inglez Bellote Crestfazendas.
Brigue portuguez Esperanca pedra de calca-
ment.
Barca ingieraIsabella Raidbacalho.
Barca ingieraMargarettmercadorias.
Barca franceza-PyrWiodiversos gneros.
Barca portu?uezaGri/i/ovarios generes.
Patacho inglezErfi'Hcarvao.
Barca ingle 13. -Constance bacalho.
Patacho inglezScott bacalho.
Brigue portuguezSoberanodiversos gneros.
Brigue portuguezS. Manoel /diversos gneros.
Patacho inglezAun Ardecemento.
Importaba.
Brigue escuna inglez Scout, entrado de Terra-
Nova, consignado, a Johnslon Pater & C. manifes-
tou o seguinte :
2001 barricas de bacalho ; aos mesmos.
Brigue nacional Pedro V, entrado do Bio Gran-
de do Sul pela Baha, consignado, a Rodrigues &
N'unes, raaoifestou o seguinte :
Do Bio Grande do Snl.
11,490 arrobas de carne do charque ; a ordem.
Da Baha.
7 barricas eom sebo a ordem.
Ivvporiaviio.
Brigue inijlez UHam, carregou para Liverpool,
pelo Cear:
1,200 saceos com 0,080 arrobas de assucar mas-
cavado e 400 toneladas de ossos.
Patacho nicional Joboato, carregou para Phila-
delphia pelo Rio Grandevo Norte.
212 sacras com 1,092 arrobas e 30 libras de algo-
dao, 1474 couros salgados com 144,150 libras e 10
amarrados com 10 duzias de courinhos de cabra.
Reeebeilorla de rendas Internas
geraes de Pernambueo.
Rendimento do dia 2 a 19........ 16:1275935
dem do da 20................. 582539:1


I
m:\ia
offerecldaao meu primo e
amigo loso Joaquina i'rr-
nandes, pela senlldisslma
morte de seu extremoso
pal.
Vitt: summa brevis spem
nos ce til inchoare engam.
HoltACJO.
Nada no mundo tem ao menos constancia,
a la nasce quando o sol desapparece, a
esirella brilha como a nuvem nebulosa e
cora o soffrer a gotta da esperanca se esvae.
Assim romo o longo sulco que na superficie
plana fende a barquinha que ligeira passa e
a ardente proco qoe o nauta soletra quando
invoca agracadoSenhor, assimohoraenf....
na mauhaa da vida quando se lhe nutre o
peito de sonhos, vai perde-los todos de en-
contr a campa, e alfim descamba no fue
reo leito. Cruel verdudc I Era leu pai in-
finitamente misericordioso, infinitamente
justo, sempre activo, serapre quieto, amava
desapaixonado e sem turvacao a sua cara
familia...
Era amavel, frano, tinha um carcter
temo, e caridade Ilimitada. Ah I A conso-
lado sobre tudo, balsamo para as nossas
feridas, quando as dores, agitadas em nosso
seio, comecam a serenar pelo infortunio ou
pela duracao.
Ella adormenta a de r, fortifica a reselu-
co vacilante, previne o perigoso poder das
rt cordaces; cerca-nos de paz e luz, e res-
ta belece em nos aquella harmona das es-
piaras celestes.
Que direi eu mais ? Se tudo expira com-
nosco t Perdeste um pai querida Sim elle
desceu ha 7 mozos, ao sepulcro, jaz no alca-
car da immortalidade, e heje deve gozar da
inelLivel presenca de Oeos. A nica offren-
da de alTecto purissirao, que hoje lhe posso
prestar na intensa saudade que rae estimula
e coraco, como diz o grandeLamartine -
um triste ai, um pensamento, um suspiro,
una lagrima, ura gemido amargurado.
O seminarista, J. J. M. da Silva.
Seminario de Olinda 14 de Janeiro de 1864.
16:7105328
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 19......... 73:419580
dem dodii20................. 5:1925954
78:6125834
Processo.
Fra desta eidade nao te acredila o desfacatnen-
, to 0 audacia, que ha chegado certas teslemu-
nhas no processo instaurado perante delegara
de polica deste termo, em virtude do alternado
inaudito e escandaloso, praticado nesla capital,
contri o tillio do Sr. Jos Maria de Carvalho
Cesar.
Aqjellas mesmas pessoas, que fra do juizo
contavam publicamente o que sabia, e era notorio
nesla capital, all unas se modiflearam, outras se
desdisseram, e Miras alo liverain o arrojo de d-
zer, que carfcl sor o digno delegado de polica,
insiaurador do processo, o autor do referido at-
teolado I
Tudo isto vai sendo promovido, e dirigido pelo
coronel Ernesto Emiliano de Medeiros, padre Edu-
ardo Mareos de Araujo, auxiliados sem duvida
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 20.
Rabia34 das, brigue nac-anal Pedro V, de 222
toneladas, capitao Francisco dos Santos Lomba,
eqoipagem II, carga 11,498 arrobas de carne
secca ; a Rodrigues & Nunes.
Gaspe31 cias, patacho inglez Sanie Anne, de 150
toneladas, capitao Jean A. Vibert, equipagem 8,
carga 1,717 barricas com bacalho ; a ordem.
Seguio para o Rio de Janeiro.
Habor-Grace21 dias, barca ingleza Ftceltcing, de
249 toneladas, capilo Francis Pyke, equipagem
10, carga 1,413 barricas com bacalho ; a Johns-
lon Pater A C. Seguio para a Babia.
Rabia11 dias, barra sueca Princessen Louiza. de
409 tunela las, capitao Halling 111, equipagem 12,
em lastro 1 a ordem.
Londres28 dias, galera hanoveriana Fanntf. de
1,641 toneladas, capitao J. W. Garitn, equipa-
gem 28, era lastro ; ao eapitd. Veio refrescar
e seguio para Akyab.
A'ivM sahidos no mesmo dia.
LisboaBrigue portuguez Joven Amelia, capitao
Rodrigo Antonio Branco, carga assucar e agur-
dente.
Liverpool por MaranhaoGalera nacional MiiubUo,
capild Minoei Antonio de Souza Bellro, carga
assucar.
BarcelonaUrigue hespanbol Toro, capitao Jos
Ferreira B aixes, carga algodao e couros._
Liverpixilbarra ingleza Sharston, capitao King,
carga assucar e algodao.
CearaBrigue inglez l.ilian, capitao J. Evans, em
lastro.
Observacd.
Suspenden do lamaro para os portos do sul o
patacho inglez Ida. capitaoH. Roper, cm amesma
carga que trouxe de Terra-Nova.
dem para S. Francisco (na California), lugre
hamburguei Cari, capitao H. Chaw, com a mesma
carga que lionxe deCadix.
dem par; Macei barca ingleza Mettor, capitao
Mari, com a mesma carga que trouxe de Terra-
Nova.
EDITAES.
0 Dr. Trst3o de Alencar Araripe official
da imperial ordem da llosa, e juiz de di-
reito especial do commercio desta ei-
dade do Reeife e seu termo, capital da
provincia de Pernambueo, por Sua Ma-
geslade Imperial e Constitucional o Se-
nhor ). Pedro II, quem Dos guar-
de, ect-
l';ii,ii saber pelo presente que Guimares
& Rucha me dirigiram a peticao do theor se-
guinte : .
Illm. SrDizem Guimares A Rocha que
estando a fidar-se o praso dentro de que
pi'esereve a letra de quatro Motos MBsenta
B solr mil lii'scntos e oitenta ris, qtii' Ibffi
acceitou Jos Manoel Fernandes, e qoereo-
do os suplicantes iuteiTumper semelbaoto
presenpeao, vai prutestar contra ella, pHo
que requer, que se tome por teimo <> am
protesto, e seja intimado ao supplicado d'-
vorlnr sendo [irut'-m a intimacao feita por
edital, por quanto o suppli. .i a<-h;i au-
sente e em lugar incerto e nao sabido como
provaro os supplicautes.
Pedem V. S. Ilha. Sr. Dr. juiz espe-
cial do commercio assim lhe detira. E.
R. M.Guimares Rocha.
V. mais seno conlitiha nem outra alguma
cousa se declarava em dita peticao aqu
verbo advcrhiim iransrripla e copiada : na
qual dei e profer o liespncho do theor
seguinte:
Sim; justificando a ausencia para o que
marco o dia da manha a urna hora da tar-
de.Reeife, II de d.v.embro de 186.1.
Alencar Araripe.
E mais seno cunlinha em dito despacho
aqui verbo adverbio trans-ripto, em ciim-
pi iiiienlo do qual produzindo os sapfdica-
tesassuas teslemunlus que iloposeram cot>-
venientemente acerca d ausencia lo sn|>-
plicado Jos Manoel Firnandes, e sena
competentemente.sellados e preparad
autos subiiam minha ci.im lusn, fl tHI*s
dei e pruferi a sentenca do iheor se-
guinte :
Julgo precedente a jusGcaco, o ttmm
mando, que o juslilioado seja citado por
editos de trinla dias para o lim requerido.
Reeife, 18 de dezembro de I8G.Trislao
de Alencar Araripe.
Nada mais se con linha em dita senlenca
aqui transcripta, un observancia da qual o
respectivo escrivio Manoel de Carvalho Kaes
de Andrade, que este subscreveu, fez pas-
sar editaes de trinla dias, pelo qual e sem
theor intimo e hei por intimado ao justifica-
do ausente Jos Manuel Fernandes, por lodo
o contedo na petico cima transcripta,
pelo qual, qualquer prente e amigo oa <-o-
nhecido du mencionado supplicado ausente
palera fazer riente de todo o espendido.
U presente ser afinado nos lagares do
costume, e publicado pela imprensa.
Dado e passado nesla eidade do Reeife
capital da provincia de Pernambueo, aos 19
de dezembro de 1843, quadragesimo se-
gundo da independencia e do imperio do-
brasil.
Eu, Manoel de Carvalho Paes de Andrade,
escrivao, o subscrevi.
Tristo de Alencar Araripe.
Os fiscaes das quatro fregnetias esta eidade
etc., ele., ele.
Fazem publico, de conformidade com a reeola-
cao tomada pela Illm* cmara mnmciaal, srs-
so de 11 do corrente, qoe artiyo.iei m poa-
lura addicional de 9 de julnode 1858, abaixo trans-
cripto, est em perfeito vigor, eamphaAa a hules,
a quera sua disposicio locar, a Sel otaerraocia,.
alim de nao incorrer as penas fBlmiaaaa.
Artigo UMCo.
< Nenhum carro, carretea, eu qualquer oare vr-
hiculo de conduzir gneros para es essassscieaen-
tos e casas desta eidade, oa para (era, *Hb, anee
r levar mais de 40 arrobas, seas** a 4 ratas e
conduzido por um boi, e de JO se leade ei'Si
numero de rodas for cwnduzide per am cavallo:
se o vehculo for conduzido por mais de ti Uh im
cavallo, levar soraente mais om tarro do p*-> es-
tabelecido em razio de cada asa animal; se pors
e vehculo for de duas redas sao poderi conduzir
mais do que dous tercos da quanlidade estabeleri-
da para os de 4 rodas. No caso de eontnrrtirin^
os ilonus de qualquer vehculo ser mellado esa
104, e no duplo aa reincidencia, fieando pratiini
sob as mesmas penas o costume de seresa os mea-
cionados vehculos impedidos ou auxiliados ese-
sen movimento por escravos oa pessoas livrev >
E para rae conste, e nao appareca ignorancia,
fazem publicar o presente pelo Dinr.
Cidade do Recite 14 de jaieiro de 1864.
Os fiscaes
Manel lf naci de Oliveira lj*ho.
Manoel Joaquim da Silva Riheirn.
Joao Xavier da Fosseea 1 Apilar it*
Thomaz Augusto de Vasconeellos A. Marantaao
DECLARlfOES.

Consulado provloelal.
Pela mesado rensulado provincial se faz publi-
co que no dia 15 de Janeiro corrente se principian*
a contar os trinta dias otis marrados para a ro-
hranca a bocea do cofre dos impostos seguintes,
pertencentes ao anuo financeiro de 186.1 16V,
4 0|0 sobre os estalwleeiiTientos de fra da cidade,
prensas de algodo, typographias, cocheiras. caval-
lances, holeis, boleijuins, casas de pasto e fabrican
12 0|0 sobre estabclecimentos de commercio em
grosso e a retalho, armazens de recohVr, dr de-
psitos e trapiches ; 8 OjO sofcre consultorio* me-
dicas e eirurgicos, f?scriptorios e carinos; r>04>
sobre casas de modas, bilhar, chapeos, rena es-
trangeira, e commissio de escravos; IrOOSOOO
sobre casas de oporarSes banrarias com emi>ao e
privilegios ; 300JJ sobre as cora emissao e em
privilegios ; 3004 sobre companhias anonymas e
agencias ; S005 sobre casas de cambio 100.5 se-
bre correctores commerciaes e agentes de Icillo j
500 rs. sobre as toneladas de alvarengas ; 304*100
sobre escravos empregados no crvico das mes-
mas ; 10 0|fl sobre os terrenos ooenpados com o-
planta de capim, e o imposto de carros, rarrocas
e mnibus.
Mesa do consulado provincial 13 de Janeiro de
1864.O administrador,
Antonio Carneiro Machado Rios.
Companhla it malaria t Penam-
buce.
A companhia de cavallaria compra cavallo ro-
vos, grandes e saos.
Quartel ne campo das Princezas 16 de janeir
de 1864.
Manoel Porfirio de Castro Araujo,
Capitao eommandante.
Consulado provincial.
Pela mesa do consulado provincial se faz publi-
co que os trinta dias marrados para a robraoca a
bocea do cofre do 1 semestre do imposta de tO
OfO do consumo de agurdente das freguezia des-
ta cidade, dos Afogados, S. Loureneo da Matia,
Santo Amaro de Jaboatan. Varzea e Moribera. per-
tencenle ao anno Hnanceiro correte de 1863
1864 se principiam a contar do dia 15 de Janeiro
corrente.
Mesa do consulado provincial de Peraambuqp
13 de Janeiro de 1864.-0 administrador.
Antoaio Carneiro Machado Rios.
Companhia Pcrnamlincana.
S3o convidados, de ordem do conselho de dh-ec-
^5o. os Srs. accionistas, para se rennirem em as-
sembla geral, no salao da Assoeia^ao Commet
cial, no dia 25 do corrente ao meio da.
Peroambuco, 15 de Janeiro de 1864.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo para forneeimento do>
arsenal de guerra tem de comprar os objeetts
segtiintes :
Para e presidio de Fernando de Noronha.
800 alqueires de farinha de mandioca, medida
velha.
Para aula do 9" batalhao de infantaria.
Papel alinaco, resmas 2, pennas de ac, raizas
2, caivete 1, tinta preta para escrever, garrafas
2, lapis de pao, duzia 1, taboadas 11 grammaticas
portuguezat 7, compendie de aritlimolica I, paulas
7, lapis de ardera 12, compendios de doutrina
clirislaa 7, ditos de metrologa 7, lapis de pao p.-ira
desenlio, duzias 2, estojo para desenho linear I,
papel para desenlio linear, resmas 2, esqoadros. pa-
ra desenho linear 7, canelas, duzias!, gis 1 libra.
Quem quizer vender laes objertos apre>entem as
suas propostas em carta fechada na secretaria do
conselho as 10 horas da manhaa do da 22 do cor-
rente.
Sala das sessoes do conselho administrativo pa-
ra forneeimento do arsenal de guerra H de Ja-
neiro de 184.
Antonio Pedro de Si Brrelo,
Coronel presidente.
S. A. do R. Barro:',
Jdajor vogal e secretario.


Diarto de Pernambnco Quinto felra II de Janeiro de f 4.
Insppcco da arsenal > ma rinda.
Faz-se publico que a coinmissao de peritos exa-
minando, na forma determinada no regulamento
annexo ao decreto n. Uii de 5 de fevereiro de
1854, o Bawo, Machina, caldoiras, apparelho, inas-
treauao, veame, amarras e anearas do vapor Mo-
tmwgttape ila companhia Pernambucana de nave-
gara.) cosleira, achou lodos esses objetaos em re-
gular astado.
hispen i do arsenal de niarinua de Peruam-
bueo 19 de Janeiro de 1864.
II. h. Barbosa de Atmeida.
Insjuclro.
Consrlhe administrativo. .
O conseibo administrativo, para forneciment) do
arsenal de guerra, tem de comprar os objectos se-
guales :
Para o presidio de Fernando.
50oicesde rocar.
Para o arsenal de guerra.
300 caadas de azeite de carrapato.
509 vassouras de palha de carnauba.
500 paros de sapatos de lona.
Quem quizer vender taes objectos apresentem as
sua* propoMas em carta fechada na secretaria do
consellio, as 10 lioras da manha no dia 27 do cor-
rente Uli'Z.
Sala das sesso-js do censelho administrativo para
foroecimcn ;e do arsenal de guerra 20 de Janeiro
de 1864.
Antonio Pedro de S Brrelo,
Coronel, presidente.
Sei/iutio A, do Rege Barros,
vogol secretario.
ftrreio.
Pela adrniustracao do correio desta cidade se
faz publico para fins convenientes que em virtude
lo di.spoe.io no artigo 138 do regulanieutu geral dos
enrreios de 21 de dezembro de 1844, e artigo 9 do
decreto n. 185 de 15 de maio de 18&1, se procede-
r o consumo das cartas existentes na administra-
r"o pertecentes ao mei de Janeiro de latid, no dia
de fevereiro prximo, s II horas da manha,
na porta de mesmo correio ; e a respectiva lista se
acha desde j exposta aos interessados.
Admiuislraco do correio de Peruambuco 12 de
Janeiro de 1864.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
LEILOES.
DE
(ma taberna alta na ra de S.
s u. 9.
HOJLE.
Jos Antonio Anselmo Moreira far lcilo por
ntervencao do ageute Pestaare por coma e risro
le qem pjrtencer da armario, gaz e gneros
existentes na taberna da ra de S. Jos n. 2, mui-
to prepria para qualquer principiante, por ter pou-
(os fundos egaranle-se a casa : o leilao ter lu-
{ar quinia-fein 21 do corrente pelas 10 horas da
nanhaa na uii'sma taberna.
IifilliAO
DE
Jlobillas, crystaes, ca val los pu-
ra sella e cano, relogio de
oiiro e prata, charutos e ou-
tro inultos artigos.
IIOJK.
QoiiU-ffira 31 do corrate as 11 hars.
O agente Olimpio em seu armazem ra do
Imperador n. 16, vender em leilao diversas mo-
l lias, bonitos cavalk e varios trastee avulsos
| n (vos e usados, urna armario de amartllo propria
I para qualquer estabelecimento, bombas para jar-
dim, relogios de ouro e prata para algibeira, can-
di labros, lanlet ras e outros amitos artigos.
25
mmm
RIJA KOVA
IPaSTff DE
25
DE
JOA PEDRO VOGELEY.
Ueste arredilado
bres fabricantes da E
ido estabelecimento se encontrar urna soberba collecrao de pianos dos
Europa premiados na ultima exposiro universal em Londres. Entre e:
s mais cele-
stes pianos
&&$
y%P%&%t il ~ SOCIEDADE
c. a^SSa!* UN,A0 BEjJfEFICaENTK
Sabbado, 23 do corrente mez, se extra- JufilTIM A
hir, a quinta parte da segunda lotera da ^ ordem do Sr. prealdanto sdeatMco pela se-
Santa Casa, no consistorio da greta di fJn1,?1v.?1^B0 *****'r,,rre",P'1 7 n*-
Nossa Senhora do Rosario da fregu,* de ^T^^&^^^l
banto Antonio. ro marcado conforme oart. 51 dos estatutos.
Os bilhetes e m OS acham-se venda na Secretaria da Sociedade Urtiio Beiieficenle Ma-
respectiva thesouraria ra do Crespo n. 15 r"""a 1H de >iaaroJ*. .
Ualthazar Joa dos Reis.
e as casas commissionadas ra da Impera-
1 secretario.
existen) alguns fortes do laudo e novissimo fabricante A. Bord, de Paris, nicos nesta provincia fabri-1 "* "**' 'Oja 10 5>r. Pimentei; ra Uireita -^t. .,.,:,.:
eados por ordem do propietario expressamenle para esto clima. Os senhores amadores sio convida- n. 3, botica do Sr. Cbagas; ra estreita do fojo no ,r *2 '*. '" .,"', f^T?,'0 ''" ,,rr'
los para vir examinar a perfeicao do trabalho e elegancia do seu formato e as excellentes vozes dos Rosara n. i 2, typoRraphia do Sr. Mira e ra cibo'de um relogk. pe>K,.ui j"^ Gomes da'
da Cadeia n. 45, loja do Sr. Porto. Suri, morador na villa do Bonito, rujo recibo velo
ditos instrumentos.
No mesmo estabelecimento eontinua-se a alugar, aliar e concertar pianos e recebem-se en-
commendas para servir ae respeitavel publico tanto na cidade como nos arrabaides.
proprelario responsabilisa-se pela sua excellente qualidade.
INTERNATO
:oe
LEb10
DE
Fazendas para llquidacio.
Seiti-feira 2i da carrate.
hampos & Lima querendo liquidar sna loja da
faiendas farao leilao por intervencao do agente
, Pestaa, de todas as fazendas existentes na loja da
na do Crespo n. 16, era lates a vonlade dos com-
pridores : Sexta-feira 22 do corrente pelas 10
ho'as da maidiaa.
Os premios de 5:000,5000 at 10,5000
AVISOS MiBITIMOS.
COMPANIIIA PERTAMBCANA
DI
TVavegacio eostelra a vapor.
Parahjba, Natal, Hacia, Ararat;, e Cear.
O vapor Mamangvape, romman-
danle Moura, seguir no dia 22
do corrente s 5 horas da tarde,
para os portos cima indicados,
cebera carga al o dia 21. n-
ommendaa, passageiros e dinneiro a frcle at o
dia da sahida s 2 horas da tarde : escriptorio no
Forte do IIaltos m. 1.
COMPANHIA PERNAJIlUUdVNA
DE
^iave^a^o eostelra vapor.
Macis c f se alas.
O vapor Parnyba, comman-
daute Manes, seguir para os
portos cima indicados no dia
25 do corrente as 5 horas da
tarde. Rcceber carga at o dia
2:t. Encoinmondas, passageiros c dinheiro a trete
at o dia da sahida as .1 Imras da tardo : escrip-
torio no Porte do Mattos n. 1.
~llo rande do mu.
Segu em poucos das a barca nacional Tkereza
I, para onde recebo rarga a fretc a precos baixos :
tratase eora Dallar & Oliveira, ra ra da Cadeia
numero 26.
Fura 9 ftio tle Jaueim.
Sahir com brevidade o bri^ue nacional Uiner-
-1, recebe carga e ftscravos a frete : trata-se com
Manoel Ignacio de Oliveira 4 Filho, largo do Carpo
Sanio n. 19.________________________________
Para o Rio de Janeiro.
O patacho nacional Gapuam, pretende seguir
com muita brevidade, letn parte de seu carrega--
ment engajado, para o resto que lite falta e es-
< ravos i frcle para os quaes tem bons commodos
trata-se eom os seus consignatarios Antonio Luiz
da Cruz n. 1.
Har o Hio de Janeiro
sahir com a maior brevidade possivel o palhabo-
le nacional Kiamao ; recebe anda alguma carga
a frer e escravos : trata-se cem Manoel Ignacio
tnero 19.__________________________
Para o Rio Grande do Sol
pretende seguir com muita brevidade a barca Afn-
, ma. pode anda recebr alguma carga a fretc :
nala-se com os seus consignatarios Antonio Luiz
do Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio, ra
da Cruz n. 1.
LiEllAt
DE
Lsichas, bules, mastarr.os, vergus, cr-
i eiilr-, ancoras, velas, lenas, cabos,
torrentes, t oros objectos salva-
dos da bsirca iuleza c\drien.
Snla-feira 22 de jaafira, aa alfamleya armaicn
numero 11.
John Duncan capitn da barca ingleza Atrien,
nat tragada pe rio da cosa de Maria Farinha fara
leil io por conta e risco de quem pertencer, com
auturisarao do cnsul de S. M. Britannica, com
' licenjado Sr. inspector da alfandega, em presenea
I de um empregado da mesma reparlicao e por in-
tervencao do agente Pinto, dos objectos cima
mencionados salvados da referida barca e exis-
tenics na alfandega, armazem n. 11, onde se ef-
fectaar o leilao no dia cima designado.
Principiar ;is 10 horas em ponte.
KsUbrlffido na ddade da Rrcife
sol> a Protccco do *timnio Poutllcc Po IX.
Director0 liat-hai-el em malheinaticas
BERNARDO PEREIRIl P*-CARM0 JNIOR.
O director do intrnalo de S. Bernardo, nae ,i evitado esforcos nem sacrificios
para proporcionar aos seus alumnos urna perfeita e. .;t^o physica, moral, intellectual e
religiosa, offerecendo-lhes urna habitaco com bastantes condi(oes de salubridade, habis
professores que sao solcitos em prepara-los convenientemente ao flm que se destinam,
medico pratico que Ihes faca comprehender os preceitos da hygiene e Ibes cure das doen-
eas, e liualmente um sacerdote Ilustrado e honesto que Ihes explique os principios da re-
iigiao thrlsta, espera que assim constituido nao drizara o seu estabelecimento de mere-
cer dos Srs. paes de familias o auxilio e runrunea com que j alguns o lem honrado; e
Ibes rog. bem como todas as pessoas ialeressadas, que se dignem de visitar o mesnie
seu estabelecimento, onde sempre enconlraro franco ingresso.
Cadeiras de ensino :Primeiras lettras dividida em duas classes, tendo cada urna o
seu professor, latim, fraacez, inglez, aritbmetica, algebra e geometra, geographia, pbilo-
so p liia, rhetorica, desenho e msica.
Q collegio tem a sua sede no e.-pacusc edificio n. 32 ra d'Aurora contiguo ao de
collegio dos orphaos.
Nos estatutos do collegio, que estao a disposiciio de quem os qulzer ler, se acham
consignadas as cendicoes de entrada e matricula as diversas aulas do estabeleci-
mento.


11111 fifi* ?' 1 1 S $ o. a O w v v S o 1 3 > f o 3 3 H 1 9 -i O f o cr i i> i i 1


LEILAO
: l ma taberna no largo do Trro n. 11.
Sexta-feira 22 do corrale.
O agente Olimpio legalmente aulorisado far
leila j da armago, gneros e mais utencilios exis-
irMii na referida taberna por coma e risco de
quem perteueer em um ou mais lotes a voutade
dos 'oiiipradores. Ser elTectuado o leilao na mes-
, ma taberna ao meio dia em poni.
Arnaco do deposito da roa \ova n. i8
Mabbado fA lo correte.
liento JosPereira de Macedo, fir leilao por
intervencao ^o agente Snnes da armario de
amaiello envidracada, caixoes para assucar etc.,
ludo existente no deposito cima mencionado, acu-
de ser efferluado o leilao ao dia cima dito s
11 Ik ras em |K)nlo.
EiIIiAO
de Joa- j
Fajor.es !
Sr. Dr.
Araeity
O biate Sania Rila tem parte da rarga prompta: cao commercial.
para o resto, trata-se com Tasso Irmos, ra do
Amorim u. 3o, ou com o mestre no trapiche do
aigodao.
Para Lislxia pretende sahir coki muita brevi-
dade o patacho Jareo, capitao Jos Marques Coe-
lli i S'-hrinho, por ter parte de seu carregamento
tratado : para o resto que Ihe falla, e passageiros
*rata-se com os .eus consignatarios Palmeira t
ifc'lirio, largo do Corpo Santo n. i, primeiro
miar.
h
Sabbado 23 do corrate.
Os administradores da massa fallida
\ quim Jos da Costa Faj07.es Jnior e de
I Jnior te Azevedo por despacho do Illra.
juiz especial do coramercio levarao a leilao por
intervencao do agente Pestaa, todas as dividas
perte cenles a mesma massa no valor de........
,16:531*5371 rs. algumas documentadas, a rela-
: gao o documentos existem em otao do agente pa-
ra sei examinada a quem iuteressar e o leilao le-
i r lugar sabbado 23 do corrente s 10 horas da
manha no largo do Corpo Santo junto a associa-
FOLHINHAS PARA 1864,
Na praca da Independencia livraria ns. (5
e 8, acbam-se venda as seguintes fulhi-
nbaspara 186 i impressas nesta typograpbia
eta excellente typo e botn papel,
Fulhinba de porta coulendu as mate-
rias do costurue, rs.........460
Dita de algibeira, sob a epigraphe
religiosa, conlendo alm das materias
do costume os sele passos da I'aixo
de Nosso Senhor Jess Cbristo ; cnti-
cos do mez Mariano; livianos e jacula-
torias ao Santissimo Sacramento; ex-
(ilicagoes de diversas oraces; cora
Serapbica ; exercicio ao sagrado cora-
co de Mara; oracHo para visitar as
igrejas no dia da Porciuncula ; oraco
para escolha dos eslados da vida ; dita
a Senhora da Concedo ; e meditavoes
sobre a reforma da consciencia, rs. 30
Dita de dita, sob a epigrapheVa-
riedade, contendo alm das materias de
costume : receitas uteis e necessarias
aos diversos mysterios da vida ; physi-
ca e recreativa ao alcance de todos:
; pilherias e ratices; poesas; charadas;
mximas e pensamentos coligidos por
um curioso..............320
Ditas ecclesiasticas ou de padre para
resar o oflkio divino, redigida pelo re-
verendo conego penitenciario da S de
Olinda...........640
ESTRADA DE FERRO
lecife a Silo Francisco.
Grandes testas na Boa-Viagem e
Tilla do Cabo.
Uomiiino, 24 de jsalrtie 1864.
TRENS ESFKCIAES
para rom elle ser entregue o relogio do poder do
serao,^ urna hora dep d, extrajo '^^^4,ZS?i SSiS
ate as \ oras da tarde, e OS OOtros no da que seja ao seu legitimo dono mencionado no mes-
seguinte depois da distribuido das listas. mo bilbete ou recibo. ______________
0 thesoureiro, Aluga-sa o priioeiro e segundo andar do s*-
Antonio Jos Rodrigues de Souza. Lr;ido da roa Jo Jfogneira : a tratar na ra Direi-
ta, loja de fmagens n. 73.
A pessoa que anminciou querer 6004 a pre-
mio de 2 por rento rom hypothera em um predio-
dirija-se loja da Lyra o. 59, ra do Queimade.
Offerece-se urna pessoa para caixeiro de ra ou
robranra de qualqwr rasa eommercial, dando fia-
dor a sua conduca ; a tratar na ra da Praia nu-
! mero 44._____________
Precisase de ama ama para o serviea de
urna casa de pouca faaarha : na roa da Gloria nu-
; mero 3C.
Offerece-se um menino brasileiro de 14 aa-
j nos para praticar em loja sV mradezas ou Miro
| eslalietecimento de igual aatnreza: trata-se ua ra
do Forte n. 20.
Aluga-se urna casa grande no Campo Verde,
roa do Soreg n. 22: a trafar na mesma casa.
C. Paferson, 2 criancas e 3 criadas, retiram-
se para a I labia. _______________
FANDANGOS.
Segunda-feira 25 ha ver na freguezia do Peres
no pateo da igreja esle bello divertiineirto sendo
composUi tambein com um corda *> bello sexo
feminino.
i Precisa-se (te 1:600* sobre hvpotheca dan-
Os pramios sero pagos co- do-se por seguranr-a bo pro.irleJade : quem qui-
zer annuncie para ser procurado.
Saques,
M. J. Ramos e Silva AGenn sacam
vista sobre a praca do Porto: na roa do Vi-
gario n. 10.
ATTENQAO.
Offerece-se urna pessoa rom todas as haritiees
qnr para cortar obras de alfaiale para qualquer
loja ou mesmo para conlra-mestrc, ou mestre de
qualquer casa que precise para esse tim : na roa
Nova n. 10 se dir qnem ess pessoa.
Fara
Pontas
Del-1 e Fdaaw.
Baa-Viageia partida das Cinco
AOS 5:000,000
GASA UA FHIILU
Bilhetes garantidos
A' ra do Crespo n. 23 e casas da rnstine
Depois d'amanbaa 21 do corrente, se extrahiri
a quinta parte da segunda lotera da Santa Casa
de Misericordia do Kecifr,
O abaixo assignado, recornmendando ao respei-
' tavel publico a compra dos seus mui felizes bilha-
te.s garantidos, lembra-lhe a vaniagum que lia em
1 receber es premios por iiHeiro, por quanto quem
tirar a serte de 5:0003 em billieie garantido nao
: receber somente 4:2005, em virtude dos descon-
tos de 16 "|.que Ihe farlo em vista das lela, mas
I sirn os S:0O03 que vem a ser os ditos 4:2004 e
mais 8005 que pagar o abaixo assignado, impor-
1 tancia de ditos descontos, aconteceudo o mesmo
! com as mitras sortes.
mo de costume.
Prctjos.
Bilhetes inteiros..... 65000
Meios bilhetes...... .15000
Para as pessoas que compraren!
de IOO5 para cima.
Bilhetes........ 33500
Meios......... 23750
_________________Mimool Martin Fiuza.______
Constando ao abaixo assignado, que. pelo
juizo municipal e do commercio do termo de Se-
rinhaem, se val proceder arrematarlo em hasta
publica de urna parte da propriedade Gamella,
sita no referido termo, e de parte de urna casa
terrea de tama no mesmo lugar, a pretexto de se-
rem t.ies bens pe tencentes massa fallida de
Bento Paulo Zindanes, declara o mesmo abaixo
assignado que taes bens nao pertencem referida
massa e sirn ao abaixo assignado. que os houve
por compra folla a Zindanes em 24 de mareo de
da
I.* ao meio dia.
. as 2 horas da larde.
lioa-Via:em as II horas
da
Volta
noile.
Para Villa do Cabo partida das Cinco
Pontas s '.l horas da tarde.
Volla da Villa do Cabo as
rite.
Alm destes treus haver o trem ordina-
rio de passageiros que partir
costume.
AiriTBUVAO
1862, do que se lavrou eseriptora publica em no- "^ "SJfft e,uiule da uberna B!be'-
as do sAbeM* Joao BapsU de Sa. O abaixo ".fBunte Guima^umcava ^^
BSUfaldo praleMa pob desde j contra semelhan- !^'" ,UIBf bran"' ^ *r;'nco* errado no
te arremataco e previne que fara valer os seos 'l"a.lo .li vil, com as letras S UB e no esquerdo
direitos contra qnem o pretender esbull.ar d., p" "^' i;'por ser cr,a_ do serrao, denominado
mansa e parifica nosse dos bem supra indicados. 1,
Kecife, 18 dejaneirn de 1H54.
AVISOS DIVERSOS.
Para Lisboa segu com brevidade o brigue
oortuguez Aciru, capitao Augusto Wenceslao dos
Sanios ; este navio lem parte do carregamento
prumpto, e para o resto a frete, trata-se com Amo-
rim Irmiios, ra da Cruz n. 3, ou com o mesmo
apitao na praca do commercio.
Segu com muita brevidade para Lisboa, por
ter prompta a maior parte do carregamento, o bri-
gue portugnez Ftohmla, o qual recebe o resto da
carga a frete : para tratar, no escriptorio n. 3 da
ra da Cruz, ou com o capitn Joaquim Augusto
di- Souza na praca do commercio.
Para a Baltia
O palhabote Garibuldi pretende seguir com bre-
vi.lade para este porto, tendo parte de seu carre-
ga uento, e para o re-lo trata-se no escriptorio de
Tasso Irmiios na ra 1)0 Amorim.
A barca Lima 1 sabe para o Porto em poneos
dias, por terquasi prompto o seu carregamento :
para a resto e passageiros, tratase rom os ron-
siynatarios Carvalho & Nogueira, na ra de Apollo
numero 20.________________________________
Para Babia pretende sahir com nimia bre-
vidade o veleiro patacho Tliereza, capillo Joao (Por-
reta Lima, por ter ; maior parle da carga ; para e
resto que Ihe falta trata-se com os consignatarios
**almeira & Beliro, largo de Corpo Santo n. 4, !
andar.
Instituto Archeologico e Geo-
grapliiv*) Pemaibucano.
Haver sesso ordinaria quinla-fcira
21 diciii- e le, > 11 hora>da 111 nhat.
Secretaria du Instituto, 19 de jniciro
de ,$154.
J. Soares de Azevedo,
Secretario perpetuo.
0 c'iirgiao Leal mudou
a sua resideucia da ra do
Queimado paca a ra das
Cruces sobrado n. 36, pri-
mereo andar, por cima do
armazem Progressista, aon-
de o acharo como, sempre
prompto a qualquer hora pa-
ra o exercicio de sua pre-
fissiio, chamado por escripia.
Antonio Jos Bodrigues de Souza aluga a sua
casa e sitio do Monteiro, em frente ao oitao da
igreja de S. Pantaleo, com bastantes commodos :
a tratar na thesouraria das loteras, ra do Cres-
po n. 13.
9 horas da
Joaquim Copes Machado.
t asa de edueaco
Jeronymo Pereira Villar achando-se melborado
de sua >aude, transferio o seu estabeleciinenlode
instruegao primaria e secundaria para a ra do
1_ iirTpi" ibi latperador, sobrado de tres andares n. d, esquina
que vira para a ra do Crespo ; e participa nao
saos films, pais deseos eslimaveis alumnos, co-
Os bilhetes rendidos para oa trens espe-' mo ao respeitavel publico, que as aulas estar;
ciaes nao serviro para os trens ordinarios aortas no dia 8 de Janeiro do corrente anno.
nem os destes para aquel les.
R. Austin.
Superintendente interino.
Precisa-se de urna ama para rasa de familia:
na ra do Apollo n. 28, priraeiro andar.
eP*rto
Precisase de urna ama de leite para una
crianca de 6 a 7 mezes : na ra eslreila do Rosa-
rio n. 31, terceiro andar.
luga-se o armazem da casa n. .'(7, e o pri-1
meiro andar da casa u. 43 da ra da Cruz do Be-
cife : a tratar na loja da bandeira. I
Profssor de piano.
Jos Coelho da Silva e Araujo, bem conhecido
nesta cidade, contina leccionar piano e msi-
ca vocal por commodo preco : quem de seus ser-
vios precisar, dirija-se ra do Livramento n. 21,
segundo andar.
0 Dr. Casanova |ide ser procurado em seu
consultorio especial homeopathico no largo da ma-
triz de Santo Antonio n. 2. No mesmo consulto-
rio ha sempre grande sortiroento de medicamentos
em tinturas e em glbulos, deixando elogiar os
nossos medicamentos pelas pessoas que os tem ex-
perimentado e continuara a servir-se em nossa
hotira. Temos tambein obras accoramodadas a
intelligencia do povo.
-#* Eocananieatos para agua.
Na roa Nova n. 26 fazem-se encanamentos da
companhia do Bebcribc muito bem l'eitos por pre-
co muito razoavel.
Ao n. 29.
Nova loja das baraleiros na ra do Qurimado.
Ricas saias de fu.-iaoa 5, camisas Inglczas para
senhora a i&, 25500, 35 e 45, coberlas de fustao
brancas a 55, chitas com lustro para coberta com
6 palmos de largura a GiO o covado, cambraia de
cores para volido a 320 o covado, laas para vesti-
do a 480, 560 e 640 o corada.
Ao n. 2.
Xova loja dos baraleiros na ra do Qurimado.
Tarlalauas de todas as cores, fazenda muito tina
a 720 a vara, cambraia para cortinada, joca de 22
varas, por 105, chales de 15a |>or
camisas inglezas para homem a 3H5
Ao n. 29.
Nora loja dos baratiros na ra da Queimado.
Bicos pretos, franjas de todas as quididades.
Precisase de um caixeiro de 14 a 16 annos
com pratica de taberna e que de liader a sua con-
duela : a tratar na ra da Moeda n. 29._________
OITerere-se um mofo solteiro para criado, \
cozinheiro ou dispensuiro de casa de familia : na
j ra da Lapa, casa de pasto do Santo
T
No dia 15 da corrente por volta do meio dia,
subi um larapio ao segundo andar do sobrado n.
29 ao largo do Paraizo, e aproveitando-se da au-
sencia do dono da casa, surrupiou um relogio de
caiva dourada enfiado em um trancelim de ouro,
o signal mais saliente do relogio e adiantar-se
muilo, e o trancelim compridede enliar ao pes-
coro, fino, redondo, rom um botiio marchetado de
verde, sabe-se qual foi a nica pessoa que ahi
subi e este foi provavelmente o Mercurio. Nao
se Ihe pede restituirn, para se Ihe nao dar moti-
vo de riso, adver-le-se-lhe somente que mais cedo
ou mais tarde cantar-se-lhe-ha urna epopa para
que lenha mais cautela, quando lizer outro furto.
Os signaes do tal cavalleiro muito breve serio
modulados em prosa e verso para que a sua pes-
soa seja bem couhecida. Cuidado com os lara-
pios I !_________________________________
CoinpaDhia fldelldade de
seguros niaritinios e ter-
restres cstabelcclda no
Rio de Janeiro.
AOtftTH FM l'EI'NAMBUCO
Antonio Luiz de Oliveira Azrvedo & C,
competentemente aulorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, toniam seguros de navios, mercado-
rias e predios no seu escriptorio ra da
n .1.
Panema, idade de 10 12 annos, pouco mais oa
menos, andador de carrego bailo, e eslava com
rangalha : quem delle quizer dar noticia ou o ap-
prehender, dirija-se ra pireila n. 2, segundo
andar, que se pagar) todas as desperas e se gra-
tificara.
Bernardo Pereira da Costa mudou o nomo
para Bernardo los Pereira da Costa por ha ver
igual nome, e vai ao Para a neirocio.
ATtlf|iO
H VpyjM
C^3~
(iiEuos m
a' ItCA NuVA N. 8.
Aluga-se o armazem n. 4 da ra do Apollo, e
o terceiro andar da casa n. 88 da ra da Impera-
triz ; na ra da Aurora u. 36.
Carvalho \ Nogueira na ra de Apollo n
20, saccam sobre Lisboa, Porto e ilha de S. Miguel
Precisa-se de urna ama para cosinhar : na ra
arga do Bosario n. 12, segundo andar.
i brigae porluguez Esperanza, capitao Louren-
ro Feruandes do Carao, segu com brevidade : j
recebe carga e passageiros : trata-so com os con-
sigaatarios Marques, Barros i C, larga do Corpo
Santo n. 6.
Para o Rio Grande do Mu
segas com brevidade o patacho nacional Susipue-
'Os : para carga e passageiros, trata-se na ra do
Trapiche n. 4.
Fara L sbou.
Vai sahir no da 18 do corren-1
te o veleiro e bem conliccido bri-1
gue porluguez lAia II, rapilao
, Antonio Francisco Vieira, apenas
.pode receher alguma rarga miuda
e passageiros, para e que se traa
ron a consignatario E. R. Rabello, ra da Cadeia
n. 53 ou'c(m o capito.
Para Usboa.
Pretende sefiiir rom muita brevidade a veleira
n condecida barca prtugueza Gratido, tem
parle de seu earregamoato prompto, para o r.->to
que Ibe falta tratase com oj sous consignatarios
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no sen ,
, .ri ".;i! to ra da Cruz n. 1 ou eun o capillo Au-'
Ionio Pereira Borges Pestaa na praca.
Aeuha di sahir dos prclos de no'sa
ollicii i n ilmaii A civil, ccrlrsialico,
MWreia4, fabril e agrieoh, conten-
ro tolos es empreados, engenhos e
iie^ociaotes, inclusive as uiodilicaries
havidus at 31 de dezerauro ultimo ;
vende-se a -I $000 u.iiramente na li
vraria n. 6 e 8 da praca da Indepen-
dencia.
Attencao.
Offerece-se urna pessoa competente-
mente habilitada pela directora da ins-
truccao publica para ensiuar tora desta
capital e em qualquer outra provincia, as
primeiras letlras, lingua nacional, piano
e msica : a tomar informacao na ra
da 6 Ion a n. 18.
Offerece-se urna ama de leite, quem liver ur-
Aluga-se ou veude-se um sitio na Capunga
: Velha, com boa casa, conlendo 4 quartos. gabine
le, carimba com boa agua, quartos para pretos,
, estribara e fructeiras, todo murado : quem o pre-
tender, dirija-se ra do Crespo n. 18, primeiro
andar._______________________________^___
Ama asador.
Precisase de um araassador : na padaria da ra
da Senzala Velha n. 96^______________________
Quem liver para alugar urna eecrava perfeita
cozinheira e engommadeira, dirija-se a serrana do
Paulo Jos Gomes, ra nova de Santa Bita n. 13
Bemjamin Franklin da Cunha Forriao nego-
cia duas letras vencidas, urna da quanlia de 5005.
e outra de 1:2805, que garanta e pagou pelo Sr.
. Joaquim Coelho Cintra.
Ensino primario.
Na ma das Cruzes n. 2, primeiro andar, lera
aula sob a direceo de Dio da Silva Coutinho.
Sociedade de seguros mutuos
de vida installada pelo Banco
i uifto na cidade do Porto.
Os agentes nesta dado e provincia Antonio
Luiz de Oliveira Azeve lo & C escriptorio na ra
35. 45, 55 e 85, gente nec.s.dade dirija-se a Camaragibe em casa : -^Q.Ce ^*ZZSZto* M
K5, 505 e 605- I ^ "insco de Miranda Cavalcanl. de Albuquer- y d(|S os esclar^.
2"f ,^!,SZ2JLT*0 'ne'mU0' U an"UU- toemos que forn ^cs^irios, as pessoas que de-
ci por esta mesma folha.
O abaixo assignado, devidamente aulorisado
pelos senhores administradores da massa fallida
trancas de seda, do algoda e de laa, manguitos e de Fana & C, reiterando o annuncio j multas ve-
caunsinhas bordadas, collarinhos e punhos, folhos res publicado por este jornal, convida de novos
bordados, botes de velludo, de seda e de fustao, devedores da dita sociedade fallida paraamigavol-
bands de cabello, meias de seda, leques ; cujos mente solverem seus dbitos at o dia 31 do cor-
arligos se veiidem por metade do seu valor por ser rente mez de Janeiro, previnindo-os de que,
para acabar. sin nao Qzerem, ter de chama-Ios juizo para
. obrigar o pagamento, como lem succedido a res-
* lU^a-SC. peilu de alguns. Outro sirn declara aos inesmos
a loja da esquina da ra de Hortas n. 39, cam devedores, unto desta como de uutras provincias,
urna boa armaco e mais pertences para taberna, da capital cmodo centro, que nao podem fazer
bem localisada, j desembarazada dos impostos pagamento algum se nao ao annunriante ou a pes-
que se achava a dever o que intimidava os pre- soa por elle autorisada com procuracao basiante,
tendentes que queriam arrendar para conlinuarem e de modo algum podem pagar ao fallido, fgido e
i que
sejarem oenrorrer para to til e benfica empre-
j za, segurando um futuro lisongeiro aos associados
No escriptorio de Antonio Luia de Oliveira
I Azevedo 4 C.. na ra da Cruz n. 1, precisase fal-
' lar com o Sr. Luiz Soares Botelho, lilho de Jos
l Soares Botelho e de Fortunata Candida de Souza,
1 e neto de Francisco Manoel aa Souza, natural da
as"! ilhade S. Miguel, o qual consta ter vindo para es-
ta cidade em 1856, para Ibe dar noticias de sua
mai e irmos que se acham no Bio de Janeiro.
lluniina^ao a gaz hydro-
Quinteiros i Agrarugaina todas as pessoas que
Irm penhores em seu poder, que os venbam resga-
tar nestes eilo dias, ao contrario os vender i-ara
seu embolso, sendo esta a terceira vez que faz este
annuncio, noadmiiiindo mais dttfffwJBf. visto ter
tambem de satisfazerem aos seus rredores; igual-
mente pede aos demais devedores que venbam al
o fim do crrante mez saldar seus dbitos, e nao
fazendo sero suas emitas entregues ao procurador
para cobrar judicialmente, visto j estarem os eai-
xeiros caneados de lanto os procurar.
Aviso aos consumidores da
ceneja branca leBassatC.
Constando a iblers & Bell, de Liverpool, que a
sua marra dislinctiva c etiqueta teem *tdo conlra-
fetas e usadas para cerveja espuria m*' teem sido
importada e vendida nos mercados do Brasil, pelo
pnrsente arautelam aos consumidores-c roga-lhes
de examinarem a capsula metlica que robre a ro-
Iha de cada garrafa de cerveja engarrafada por
elles, e que leva a inscripcao que appareee na eti-
queta, sem a qual nao a cerveja genuina.
Cada garrafa leva tambem a etiqueta com s>
triangulo encarnado emittida pelos Sr. Base & C,
conlendo o nome de
_____________IHLEBS & BELL._____________
Precisase alugar srvenles esrnwos para
trabalharem na olaria da ra da Gloria n. 5, junto
ao Dr. Mocoso : a tratar na mesma.____________
AMA
Precisa-so de urna ama para servico de pouca
familia : na na da Cadeia do Becif n. 4&______
Lemos (\ C. avisam ao publico e ao commer-
cio que dissolveram amigavehnenle a sociedade
que linham na taberna do pateo do Paraizo n. 30
sobre o titulo do Barateiro. (irando o socio Lemos
res{>onsavel por todo o activo e passivo da mesma
casa. Kecife 19 de Janeiro de 1864*
Francisco Pinto de Lemos.
Gaudeucio Lapas de Oliveira.
O Dr. Carolino Francisco de Lima San-
tos, contina a residir na na do Impe-
rador n. 17, 2* andan onde pode ser pro-
curado a quabpjer hora do dia e da nmle
para o exercicio de sua proissao. de me-
dico ; sendo que os chamados, depois de
meio dia al 4 horas da larde, devem ser
deixados pr esriiptn. O referido Dr.
nao aliandonando nunca o estudo das
molestias do iniirinr, prnseg.nr, com o
maior afflnco, no .Ir.s mais diffc'eis edeli-
esdas operaedes. como sejan dos orgaos
oiirinarios, dos oihos, partos, ele.
- Ko hotel d'Eurojie ma dO rapi- ra do Imperador n. 44.
rom aquelle estabelecimento de maneira que hoje
nao tem mais do que sorli-la, assim como aluga-sc
tambem urna excellente casa na travessa da Treins
pe n. 9 para o Mondgo muito fresca e roinmodu-
para graude familia ; no I' andar do sobrado da
Na ra da Cruz n. I
para o servico interno de
milla.
precisase de urna ama
uiim casa de pouca fa-
Pteelsa'SOde um menino de 12 a IV annos
doMilumos chegados da Porto para caixeiro : na
ra Direita b. 141.____________
4Hta-Be
rhc ii. i 2, precis-se de um lnuu eo-
pei'-o, qnr sej livre u cscr iva.
Leopoldina ilo Carino Sanios, Antonia Cuiza
Guedes, Maria Celestina Gurdos da Silva, Man os
J.isda:5ilva, Manoel Maxiiniano Guedes summa-
mente peulmrados agradecem a tolas as pessoas
queso dignaraiu levar sepultura o corpo do seu
sempre chorado m.irido, sobrinbo, eunnade n pri-
mo o in'eliz Amani'i-> Clemente dos Santos a honra ra da Madre de Dos, propria para qualquer esta
que Ihe i fizeram O OS favores que reeeberam ; ss- lieleeimenlo, tendo an:em no fundo da mesma lie'" a'Ugam-SC M l>jaS
sirn como allrmain ao lllms Srs. Heni y Korst.-r A loja com ewnwaMeafio por dentro e portas para bk>Ja
C que loria sempre roconhecilos pelo ouswpiio a Iramasa da Senaala, alugnudo-se tamben o pri- _________________ _,
ae Ihe. eoii,dei. un tanto em vida como laaadaa- meiro andar da mesma casa, e ahi acharo com Precisa -se de um copeiro
9 fazar todas as desbezas do cemiterio. quem tratar. do Trapiche n. 11.
gema
O proprietario da nova exposiro de candielros
occulto, Juvino Carneiro Machailo Rios, sob pena a gaz avisa a todos seus freguer.es que tem rere-
de iillidade ile pagamento e de lerem de repet-lo bidonovanienle riquissimo sorlimeoto ,-io annunriante ou aos ditos administradores na ra ros a outros pertences para os niesmos, que ludo
do Imperador n.S7. Becife 19 de Janeiro de 1864. wnde por menos precos do que em outra qual-
Lino de l'aria. qtwr |wrte : na ma Nova loja deCarnciro Vian a.
Aluga-se nina pidaria rom grandes com- tkT'S^ KWC 4 a^a
modos o todos ns pertences : a tratar na ruada: .**,, 7w ^- .
i oncordia u 62 aestecstabeleriniHito se alaga candieiros de to-
' _____________________________! da a especie, principalmente para bailes ou ou-
Qliem pretender Sequilo r, | ii luminado a gaz hvdrogeuio, affianeando-se ruis
flar lo SOliradO ll, 44 em a ra pretendeotea que acharoseapro grande quanti-
da Aurora, drij -se ra Nova,
toja n. 50 da ra da Cadeia, esquina defronte da echar rom qilCIU tratar. AsSlU taUI-
pretendenle> que acharo sempre grande qu
Hade que prtvi-arem para asta fim : na ra Nova
n. 24. nova eximsico de caudieiros a gaz loja de
en a loja de Basles k agalhaes, que carmi.o v.ana. s
Preaisa-se alugar urna ama portugue que
do BJeslUO SO- cozinhe- eengonime : na ra do Imperador, n. /I
segundo andar.
no hotel da ra
= Da-se dinheiro a jnros :
ra do llangel n. H,
na
M\\\
Em quanto o :->. Jos Joaquim Barbosa nao vier
ou mandar da v.lla doO! (para onde mudoa>sa-oc~
culumente) pagar os akigwiis de perla dn bous,
annos da casa em que motwu, na ra dos Prazeres.
da Boa-Vista, aera, o se* nonte neste jornal para,
melhor ser conhecido. dos proprielarios^ _____
Jos Munti iro Peveira da Cunta draou des-
de o dia 20 dt jaaeicodk> ser caixeiro do Sr. Manoel
Luiz Gonjalves. O nksmo agradece as manetras
delicadas com que t tratad pelo mesmo senhor,
assim como por si Eui.' mW a Sr." I), llosa ott-
c ai ves c Jess, e amia a sna Exm. familia.
Jo* Perei.ra dos Santos, anlo, o.'liria* de pe-
dreirrv lilh legitimo do finado Mnnoel rVreira Du-
na e de Francisca B^zerra, moradora ein Santo
nina) de Jaboato, arlia-sc hoje no Brejo da Ma-
dre dp. Dos trakilliando peto "fhVio na obra da
casa, do caplaJos Antonio. Pereira,* declara quo
nunca foi praca de primea-a linlia, como andam,
riizendo._____________
Ansentou-sc da ca>sa S sen senhor desV o
dia 18 o preio Miguel, repieseuta ter 45 iiOan-
nos. usa de meias siussa.s j tem cabellos bran-
cas bastante rogrista e inlitula-se forro, consta
que elle anda nesta cidade (>..r j trr sl irado nao s na ha Tro do Beeifo como no da Boa-
Vista, ha sosaaitoa da qoa etle se naalto san rasa
de sua imam na nomo M.iria. parda, e que diz> m
estar morando ha piucos dias m Camin Vei-de :
3uem o jiegar lev..-o ead e seu senhor na ra
a Cruz n. 2, que sera recompensado. ,
AaB^a*k^rfaaaaBaa4ntlabJ^


l>larla de fcrBuuibuco tilinta ielra 91 de Jaaeiro de IS-1.
/
mm^w w^> w^*
\ovoi;s
DE
1010 ESTABELECIMENTO HE MEDICINA HOMEOPATHICA PARTIDAS DOBRADAS
RIJA NO VA & 4.
O Dr. Sabino O. L. Pinho mudon o s< u CONSULTORIO para aloja de marmori
na Nova n. 43, onde continua a dar consultas todos os das uteis desde o meio dia ate
"2 horas.
Os enfermos, que o procurarem logo la nvaso da molestia, sem que hajam to-
mado qualquer remedio, nem allopathtco, m-m homcopathico, pagarlo metade dos precoi
estipulados. Esta concesso tem por lim facilitar a cura de molestias, que podem tornar
se complicadas pelos emprego intempestivo da therapcutica e ao mesmo tempo adquirii
para a homeopathia maior numero de adeptas pela bateza da cura.
Em attenca as pessoas pobres, que nao podem sahir de dia, o Dr. Sabino resol-
ver dar duss consultas por semanas as tencas e sextas-feiras das seis as sete horas di
noite.
Os chamados para visitos e conferenci; s devem ser dirjgidos por escripto ao con-
sultorio desde 8 horas do dia at 8 da noite, na certeza de que serao attendidos na orden,
de sua precedencia, salva a circunstancia d( eminente perigo.
ai)vi:ki:\(ia.
O novo consultorio est prvido dos melhores medicamentos, desde a tirimeir
at a trigsima dynaminjsacao.
E como os mdicos hespanhes e allemes nao cessam de certificar a major effi-
cacia das ultissimas dynaminisaces do tratamento das molestias chronicas, o Dr. Sibino st
oocopa agora de elevar ns seus medicamcnti)s as potencias mais altas ( por ora at 200.a).
aflm de verificar por si mesmo a forca dynainica, que se Ihe attribue.
Os mdicos, que quizerem experimentar taes dynaminisac5es podero dirigir ac
consultorio suas receitas, que serao aviada i gratuitamente para os pobres.
No mesmo consultorio se vende a rovissima edico do Thesouro homeopathia
ou Vademcum do homeopatha, obra indispensavel a dos que querem usar da {homeo-
pathia.
Tudo o que diz respeito nova medie na se acha abundantemente neste novo estabe-
aecimento.
!H8EHl
PROTEJA! PROTEJA
EXCELLENTISSIMAS SENHORAS,
|Vt. Exch. sSo as protectoras do Importante estabelecl-1
ment a ra lo Crespo n. 19
DE
JOS GOMES VILLAR.
Vende-se por preco< admiravris a dinheiro.
Las para vestidos a -280 r$. o covado.
Cassas organdys a 240 e 280 rs. o ctvado.
5,000 bales viudos de encomraenda de New-York, e vende-se a 3 I Sendo de 20 ar-
cos rauito superiores.
Capas pretas bordadas, manteletes bordados, soutembarques pretos e de cores.
Manteletes e chales de guip prelo oque h;i de mais gosto vindo de Franca.
Chapelinas de palha para senhora ricamenie entenados.-
Vestidos de blonde com manta, capella e setim para sombra, para noivas.
Cortes de cambraia branca bordados.
Bramantes de linho de 10 palmos, esguies selecias de linbo, cambraias lisas pecas de
8 1|2 varas a 35, 43. 55, 63, 73, 83 e9.
Madapoles finos a peca de 20 varas..a 63, ?3, 83, 95. 105, 125 al 203.
Chitas de variados gostos a 120, 400 (t 500 -s. o covado.
Outras muitas fazendas de milito gosto.
sopo) uiufe;o.id o o^na^u poj uiajsao^
mmmmrnmmmmmmmmmmmMWjmmMmm
ROUPA FEITA |
NO
1BI&IBI
DE

*
3LCTREK.O VERDE.
Neste estabelecimento ha sernpre um sortirnento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se matul i fazer por medida, vontade dos concur-
rentes, para o que tem um dos melhore > professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortirnento de fazend; s de todas as qualidades, para senhoras,
bomens e meninos.
OKFF.HKCinAS
A ASSOCI.lC.iO COMERCIAL BEXEFICENTE
DE
l'IHMtlIHiO
POR
Terceiro escriturai o da thesouraria
de fazenda de Pernambuco e conipclculcnimlc an-
lorisado para ejercer o pro-
fessorato particular de arbiiietira uamesma
provincia.
Acha-se esta obra nos prelo da typographia
Cemmercial, d'onde em breve sahir luz da pu-
blicidade t-m ntida impressao e sob o formato de
8o portuguez.
Compoe-se esta obra de um volume, dividido em
urna parte theorica e outra pratica, de fcil alcan-
ce s pessoas que se queirara dedicar ao estudo da
escrituracao.
A respectiva assignatura acha-se aborta em to-
das as livrarias desta cidade, ao preco de 55000
por volume.
Maques sobre Portugal.
O abaixo assignado, agente do banco
mercantil Portuense nesta cidade, saca ef-
fectivamente por todos os paquetes sobre
o mesmo banco pan o Porto c Lisboa, por
Jualquer soinrna, vista e a prazo, po-
endo logo os saques a prazo seren des-
contados no mesmo banco, na razio de 4
por cento ao anno aos portadores que as-
simlhe convier : as ras do Cre
8 ou do imperador n. 51. r^
Jumiuim da Silva Ca.
Loja d beija-fler.
Velas ernas para bouen.
Vendem-se im-ias cruas paia homem a 25 a da-
lia : na ra do Queimado, loja do beija-flor nume-
ro 63.
Meias para seiiliora.
_ Vendem-se meias para senhora a 35200, 45 e
*35O0 a duzia : na ra do Queimado, loja do bei-
ja-llor n. (53.
ROSARIO -3
Francisco Pinto Ozorio contina a col-
locar dentes artificiaos tanto por meio de
molas como pela presso do ar, nao re-
Cebe paga alguma sem que as obras nao
fiquem a vontade de seus donos, tem pos
e outras prepararles as mais acreditadas
para conservaco da bocea.
d'aguia branca.
A aguia branca dirige seus sincros ciimpri-
mentos toda sua boa freguezia, estimando que.
tivessem boas testas e entrada do novo anno, el
que este bissexto^eja para todos (inc usivetlla) de'
muitas prosperidades, com fartura de dinheiro etc.,'
para assim continuar a afuir, e satisfactoriamen-
te proverem-se dos variados e difiere nles objectos Laa para bordar,
de gosto que constantemente se acham no ninhe Vndese laa para bordar, de diversas cores, as
d'aguia branca, pagando-os de prompto como brio- mais lindas que se pode encontrar, a 6*300 : so
smenle costumam. Em quanto porm a Iwa fre- quem vende por este preco na loja do beija-flor
guezla assim louvavelinente procede, alguns mos da ra do Mimado n 63.
freguezes diirerentemente praticam, acanhando-se Traneinua para enfeilrs
' inteiramente em satisfazerem suas contas, passan-1 Vende-se trancinha para enfeites de vestidos ou
do ate aprosadamente pelo lado opposto e C3m o r0Upa de meninos, que tambero serve para enfeitar
chapeo de slaborto r inclinado para o lado dagma, cami-inha de senh'ra ; vende-se trinca branca
nestes maos freguezes a aguia branca bota-lhe os CU1I1 w varasa mr, a com ^ ^ ^
; pnnl.nhos n com ,0 varas a m fs J quem u.m na
r lelas de neo e com pe- loja ^^-^^ rua do Quemado n. ex
* lesouras unas para unlia e costura.
flffl Vendem-se tesouras linas para unha e costura a
**' MO' 400, .JO e 640 rs., ditas para costura a 500 rs.:
Saibam todas as boas freguezias, e apreciadoras na ra do Queimado, loja do beija-flor n. 63.
do bom, que a loja d'aguia branca recebeu as bo-
nitas e delicadas flvelas de acoe compridas, e que
Facas t garlos.
Vendem-se facas e garios oitavados a 2*800,
en-
nu-
Precisa-se de urna ama para casa de pouca fa-
milia ; na praca do Corpo Santo n. 17.
Aluga-sc o 2 andar do sobrade da ra do
Imperador n. 7'J, bastante fresco, e decente para
urna familia : a tratar com Antonio Jos Rodrigues
de Souza, na ra do Crespo n. 15.
tambem cstao se acabando ; assim pois dirijarn-se d.tascravadas a 3, ditas de cates pretos a 3*200!
PERFUMARAS NOVAS ,'*\mt,nlf.t,.
Wortlmento do bom. |. Vendem-se e>covas para dentes muito finas a
E cousa j mu sabida, que a loja dagui branca 120, 240, e 500 rs. : na ra do Queimado, loja do
e o deposito de Unas perfumaras, e alem do cons-, beija-Qor n. 63.
tante sortirnento que nella sernpre se acha, nota-se i Cahiihas com qratupas
I mSSI rCber PLila har.Ca fra,nc"a.u|-1 Vendem-se eaixmhas'de grampas a 40 rs. : na
t mmente chegada um grande sortirnento de l.n- rua do QueiIDado ,uja do u.^ n. 63.
. dos e agrada veis objectos propnos e exccllenles v ri,i,M i. .
Aluga-sc o segundo andar o sotao do sobra- para presentes, senda bonitas caixinhas envernisa-! toiannnos para nomem.
do da rua larga do Rosario n. 29, com bons com- das com fechadura, espelhoe perfumaras, outras ,. >enuei-se colannhos de linho para nemem, de
modos : a fallar na rua do flrum arroazcm n. 74. | toda de vidro tambem com perfumaras, lindos i diversos gostos, a 560 e 6*0 rs. : na rua do Quei-
Aluga-sc um negro excellente copeiro e mu! b0'01* de porcelana dourada com maviosas e joco- mado' loJa do beija-fljr n. 13.
bom bolitiro : a tratar na rua estreita do Rosario *ems inscripcoes, oulros igualmonte bonitos c de (.matas para sennora.
n. 25, segundo andar. diverso moldes sem inscripcao, mas todos elles; veadem-se grvalas para senhora, de diversas
com fina banha para cabellos.' Xesse especial sor- cores, a 500 rs., 800 e 1* : na rua do Queimado,
: tmenlo vieram os bem conbecidos leos philoco- loja do beija-flor n. 63.
' i me, de Lubm, ebabosa; assim como pomadas, eos-; Bolcs de ponho para manguitos de senhora.
metiques, sabonetes, opiata, linos extractos de agr- j Vendem-i-e botoes de punho para manguitos de
D-se a quantia de 20* mensaes pelo alu- dayeis cheiroe, etc. etc. Assim, pois, concorram
Precisa-se de orna ama que saiba coser e
gommar para,w*a de familia : na rua .Nova
mero 47^^"^
Precisa-se alugar um escravo para o servico
de urna casa : na rua da Cadeia do Recife n.
armazem.
Casacas de panno preto, 35^ e 3O50OO
Sobrecasacas idem, 30i e 255000
Paletos idem e de cores, 255,
205, 155 e......105000
Ditos de caseraira, 205, 155,
125, 105 e...... 7500
Ditos de alpaca, 55 e. 3550C
Ditos ditos pretos, 95, 75,
55 e........ 35500
| Ditos de brim e ganga de co-
res, 45500, 45, 35500 e. 35000
Ditos branco de linho, 65,55 e 45000
Ditos de merino preto de cor-
dao, 105, 75 e..... 55000
Calcas de casemira preta, 125,
105, 85 e...... 75000
Ditas de cores, 95, 85 e. 75000
Ditas de meia casemira de co-
res, 55500 e.....45000
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordao, 55, 45500 e 45000
Ditas de brim branco e de co-
res, 55, 45500, 45 e 25500
Ditas de ganga de cores,
35500, 35 e : 25500
Colletes de velludo preto e de
cores, 95 e......75000
Ditos de casemira preta, 55 e 45000
Ditos de ditas de cores 55
45 e........35500
Ditos de setim preto. 55000
Ditos de ditos e seda branco,
65 e.......5500('
Ditos de gorgurao de seda
pretos e de cores, 65, 55 e
Colletes de fusto e brim bran-
co, 35500, 35 e 25500
Seroulas de brim de linho,
I 25*00 e......25000
Ditas de algodo, 15600 e. 15400
Camisas de pettos de nho,
; 55, 45, 35 e.....25500
Ditas de madapolo, 35,
CASA DE SAUDE
Em Sanio Amaro
Do Dr. silva Ramos.
nico estabelecimento desta natureza
que existe entre nos, montado do modo
que pode com tedo o cemmodo e zelo tra-
tar qualquer doente*, que nella seja reco-
Ihido.
O edificio magestoso e conserva-se
em perfeito estado de limpeza e conve-
nientemente mobiliado.
Os doentes sao separados, segundo os
sexos, natureza das molestias e coudices
seeiaes. #
Ha quartos fortificados para os aliena-
dos, e urna enfermara para as partu-
rientes.
O proprietario encarrega-se de qual-
quer operacao.
O estabelecimento franqueado qual-
quer pessoa que o queira visitar.
Primeira classe 3*000diarios.
Segunda dita.... 2*500
Terceira dita.... 2*000
Para que qualquer doente s?jaali rece-
bido, basta que se mande o norne do doen-
te o da pessoa que o remelle, com a de-
claracao da morada.
O proprietario aceita contratos annuaes
com qualquer que queira ter um ou mais
leitos sua disposico.
JIMA*r.tN
cartos
No i tan da secretaria de polica, armazem da
bola amarella, ha urna pessoa encarregada da mu-
danca de mobihas de urnas casas para outras, e do
trans|iorte de quaesquer volumes sob a dirercao
da mesma pessoa : a tratar no lugi.r cima.
Prccisa-se de urna preta boa qnitandeira, pa-
ga-se 205 mensaes: quem a tiver, duija-se rua
de Hortas n. 106, que se dir quem quur.
Aluga-se urna casa com 3 grandes quartos,
i salas, cozinha fra, cacimba eporlaocom peque-
no quintal, naSoledade, rua da Conquista : a tra-
tar na rua da Cadeia do Recife n. 3.
gnel de urna escrava robusta, el e diligente para os bons freguezes para a loja d'aguia branca, rua
o servico interno o externo de casa de familia : a do Queimado n. 18.
rua dos Gnararapes n. 26, sobrado de um andar, m? V %'E.' HP flfe A O abaixo assipnadecontina a lercionar pri-, Ki "-< w K< llitlnUl.l
meiras letras, latim e francez em sua mesma re- uVCLY'd
sidencia na rua Nova n. 58, terceiro andar. Ad-'
mitte tambem 8 alumnos internos, nao excedeudo scientificar sua boa freguezia sernpre que recebe
a idade de lOannos. "ovos e apreciaveis objectos, porm os seus afaze-
Jos Maria Machado de Figueirede. ; res durante o mez passado a privaram dessa satis-
. faco, e mesmo agora sendo-lhe impossivel des-
crevor minuciosamente a infinidade dos novos e
differentes objectos que ha recebido por todos os
vapores, limita-se apenas a dzer que o ninho d'a-
guia acha-se constantemente mui bem sonido, e
porconseguinte o ponto mais acertado para nelle
se achar que de novidade e de bom se deseje ;
assim, pois, continu a sua boa freguezia a dirigir
se munida de dinlairo rua do Queimado,
na
Precisa-se de um amassador que
perfeitamente do fabrico de pao e bolacha: a tra-
tar na rua larga do Rosario n. 16.____________
t 41(111 I KO
Precisase de mn bom cocheiro para fra da
provincia, proporrienando-se-lhe bom ordenado e
condicoes favoraveis : quem quizer contratar, di-
rija-se rua da Cruz n. 19, primeiro andar.
a rua do Queimado, loja
d'aguia branca n. 8, que acharo explendido e va-
Est para alugar-se o segundo andar do so- r'a^ sortirnento de finas perfumaras, galanteras, i que tambem servem para
brado da ruadas Aguas-Verdes : quem pretender elc.. etc->,udo isso vendido com barateza, agrado i K) rs. a ahatoadura : s
falle na rua das Cruzes, sobrado n. 9, lado direito, e Sl
quem vai da rua do Queimado para S. Francisco.
No mesmo sobrado ha para vender-se duas soleiras
de pedra de Lisboa, e as obras em francez, como
sejam : Chateaubriand, Balzac, Vctor Hugo, Mis-
terios de Paris, Guizet, Historia moderna, Cantu,
Historia Universal, Historia do Consulado e do Im-
perio por Thiers.
IIMUS
sem
= Precisa-so alugar urna preta ou um moleque
para o servico interne e externo de urna casa de
familia : na rua do Imperador n. 71, segundo
andar.
COMPRAS.
costurarlas com musicas e
ellas.
A aguia branca acaba de receher lindas e deli-
cadas caixinhas com msicas e sem ellas, proprias
e excellentes para um bom presente : como de seu
louvavel costme, a aguia branca da rua do Quei-
mado n. 8, vende-as por preces razoaveis.
FITAS BRANCAS FINAS
para debrunhar colMcs, paldols c ves-
tidos.
Acham-se venda na rua do Queimado, loja da
aguia branca n. S.
PIVVIS HE AC
ioglezas.
A aguia branca recebeu as superiores penoaa.de
ac inglezas, do afamado labricante i'erry, sendo
o sortirnento grande, e das qualidades que mais se
apreciam, inclusive a amanlaca a balao etc. etc.;
cada caixatraz urna groza : os pretendentes, pois,
dirijam-se com dinheiro rua do Queimado, loja
d'aguia branca n. 8.
Compra-se urna mobilia de Jacaranda: na
rua do Crespo n. 23 se dir quem trata.________
Compram-se escravos
de ambos os sexos, e pagam-se bem : no escrito-
rio da rua da Madre de Dos n. 3, primeiro andar:
Compra-se um cofre francez em bom estado:
na loja da rua Direita n. 82.________________
Comprase um negro que seja perfeito cozi-
nheiro e assim um bonito mulato: no escriptorio littt,.n,t./ ,in s/v/mv
de Antonio Luiz de Oliveira Azcvedo & C, rua da i OOWlKlf.U (IS llC L 01 lili"
Cruz n. 1.______________________________
Compra-se effectivamente ouro e prala em
obras velhas: na praca da Independencia n. 22
loa de bilhetes.__________________________
Compram-se constantemente garrafas vasias.
na fabrica de espiritos na rua bireita n. 17.
Compra se em bom estado o diccionario me-'
dicina de Chernovis, com o seu formulario ou sem
elle: na raa do Cabttg, loja n. 18.___________\
Compra-se um boi novo que esleja acoslu-
mado andar em carrosa : na rua da Cruz n. 42,
primeiro andar.
linas para col leles
Quem quizer botar em seu rllele urna bonita
aboloadura oval, de fina cornalina, ha de chegar-
se com 2* loja d'aguia branca, rua do Queimado
numero 8.
45000
25500, 25 e.....15600
Chapeos de massa, pretos fran-
cezes, 105, 95 e 85500
Ditos de fltro, 55, 45,35500 e 25000
Ditos de sol, de seda, 125,
115, 75 e......45500
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda....... 640
Sortirnento completo de grava-
tas. 5
Toalhas parroslo, duzia, 115,
95 e........65000
Atoathado adamascado de li-
nho vara......15280
Chapeos deso, dealpaca, pre-
tos e de cores.....45000
Lences de linho.....35000 ^
Cobertas de chita chineza.. 25000 J
Pennas d'aco, as mais superio-
res, a grosa...... 600
Relogios de ouro orizontaes,
905,805 e......705000
Ditos de prata, galvanizado,
patentes e orisontaes, 405 e 305000
Obras aderecos, pulceiras, rozetas,
aneis e cruzes. A
J{
DENTISTA DE PARS
19Rua Nova -19
Frederico Gautier, cirurgo dentista,
faz todas as operacoes de sua arte, e col-
loca dentes articiaes, tudo com superio-
ridade e perfeico, que as pessjas enten-
didas Ihe reconliecem.
Tem agua e pos dentifu o.
YENDAS.
Vende-se a taberna sita no pateo da ribeira
n. 13 : tratar com seu proprietario na rua do
Livramento n. 24.
Vende-se na loja de miudezas, calcados e funi-
leiro, rua da Imperalriz n. 78 :
Bcos de linho, vara a 200, 280 e 320 rs.
Hendas de algodo, vara a 60 e 80 rs.
Ditas lisas, vara a 40 e 60 rs.
Papel de peso, 40 cadernos, resmas 3*.
Linhas de cores em carreleis, 30 D. a 320.
Ditas pretas c cor de caf, libra a 1*120.
Cartees com clcheles a 40 rs.
Ditos em caixinhas a 60 rs.
Aluga-se o 2. e 3 andar do sobrado da rua
Nova, com excellentes commodos para familia : a
tratar na rua da Cadeia n. 62, 2o andar.
TWpr
Panno de algodo tecido de Minas, fa-
zenda forte e encorpada, apropriada para 0 Ca7tas^d"e"afinete"s de ferr a 100 rs.
servico da lavonra, quer para saceos, quer Caira de (landres com palitos a 40 rs.
para roupa de escravos : grande deposito frascos regulares com tinta ingleza a 120.
xuwimn^in .la Uuvas de cores par;, homem, e par 160 rs.
Duzia de botoesinhos de louca euvernsados
na praca do Corpo Santo,
Augusto F. de Oliveira.
escriptorio de
M. J. Ramos e Silva i Genros, tem
i para vender em seu escriptorio na rua do
I Vigario u. 10, o seguinte :
I Ricos e elegantes pianos.
Custodio Jos AI vea Ouimaraes avisa ao respe- ,on,r.n ,,', |,ha [w.r, cacen* e rorma de es-
tavel pub co e aos seus freguezes, .ue em vistas Algodo ta Uania para saiCOs o roupa ac es
de se achar seu estabelecimento em obras afim de cravos.
alargar mais o campo para o gallo de novo cantar, Fio de algodo para ceser C pavio de velas. Fio para sapateiro, novell a 40 rs.
20 rs.
Caixas grandes com obreia a 60 rs.
Botoes de metal para calca, duzia 20rs.
Ditos de osso para ealea, groza a 180 rs.
Tesouras a 60 e 80 rs.
Canelas a 10 rs.
Retrozazul ferrete com um toque de mofo.oitava
a80rs.
Borracha-para horzeguim, vara a 2*600.
alim de melhor poder servir seus bons freguezes, cora de Lisboa em velas
com tudo em quanto durar as ditas obras conti- f "
nuara a servir seus freguezes no seu grande ar- Kjtl L,ls""d "' B,UUM'-
mazem com frente para a rua do Imperador com Superior vinllO do Porto em caixa de uma
entrada pela dita loja do gallo vigilante, rua do i duzia.
Cresi' "7- Dito dito em barris de 5o.
A luga-se
urna boa propriedade de sobrado no lugar da Tor-
re, em muito bom local, muito fresca, com umn
linda vista por ser perto do rio, e esta forrada do
papel, com bastantes commodos para grande fami
lia, tendo banheiro, eocheira, estribara para 6 ca tana), que o mesmo ieilao por coma'do'ann'un-
vallos, cacimba com bomba, muitos arvor -dos no- ciante e nao por conta e risco de quem pertenec-
vos, uma grande baixa de capim bem tratada, cu- como so acha no annuncio dos Diarios de 16 18 e'
ja prepriedade perto do Sr. Francisco Gomes de 19 do corrente mez, e bem assim, que o referido
Oliveira, ficando a mesma propriedade confronte a leilo tem limites, os quaessorao apresentados em
1 tiuinn'i Vavk ...M ...i.___l___!______ ___ ____..... :_
Attencdo
Jos Antonio Anselmo Mreira faz sciente s pes-
soas que pretenderen! arrematar em leilao a sua
taberna n. 2 sita na rua de S. Jos, que se acha
annunciado para o dia 21 do corrente (agente Pes
Capunga Nova : quem a pretender, poder procu
rar a chave na rua da Scnzala Velha n. 100, no
primeiro andar, das 10 horas da manhaa as 3 da
tarde, ou na Gapuuga Nova, estrada do Jacobina,
fracasa do Amaral Jnior, antes ou depois das
horas marcadas, aonde poder emaarcar para vi
a meiinacasa ; e aluga-se por preco commodo.
Alugnm se
tres casas terreas no fundo da casa da rua da Fio
rentina n. 14, sendo a entrada pelo porlo junto
ao armazn* de carros de 1. Grosjean : quem o:
pretender, dirija-se rua da Senzala Velha n. 100,
no primeiro asdar, das 10 horas da nianh.a s .'
da larde.
Attencfio!
Pele-se encareciaioente a pessoa que no dia 1;
do crreme levou por esfiane do botequim do Sr
Pinto, na rua da Iinperatr, um romance, o favor
do entregar %> taesujo sealior que se Ihe car as-
as agradecido.
occasiao opportuna.
Manoel Luiz dos Santos ev C. lem justo e
contratado a compra do armazem de cabos no lu-!
gar da rua do Vigario n. o, pertencente Theodo-1
zio Maduro da Fonseca : quem se julgar com di-'
reito a qualquer reclamacao, dignar-sc-ha apre-,
sentar no espace de 15 dias. Recife 13 de Janeiro
de 1864.
Joao da Silva Hamos, medico pela uni-
versidade do Coimbra d consultas em
sua casa na rua Nova n. 50, daf 8 s 10
horas da manhaa e das 4 s 6 da tarde e
recebe igualmente conviles para dentro
ou fora da cidade com o lim de se en-
carregar de qualquer servico de sua pro-
fisso.
Os chamados deverao vir por escripto.
mmm mmmmm wmr
ANA.
Precisa-se de uma ama forra ou escrava de boa
conducta que saiba engommar e cosinhar : na rua
das Cruzes n. 36, primeiro andar. Pagase bom
ordenado.
Alugam-se duas casas terreas tas na estra-
Colla da Baliia.
Vende-se
urna vacca parida de poucocom cria, boa de leite,
para ver e tratar na taberna defronte da capella
de S. Jos do Manguinho.
GAZ GAZ GAZ
por preco rcluzldo.
Vende-se gaz da melhor qtialid.de pelo
pre.o de 105 por lata d "> galoes : no ar-
mazem do Caes do Ramos d. 18 c rua do
Trapiche Novo n. 8._________________
Dedaes para meninas a 10 rs.
Vidrilho preto, libr a 13.
Laa de cores, libra a 63.
Canecas e espumadeiras de Uandres para engenhe
a 13000.
Cocos e candieiro 140 rs.
Chaleiras para 8 chicaras d'agua a 400 rs.
Ditas pequeas a 2-'i0. -
Flandres para 10 libras de doce a 700 rs., para 8
libras a 500 rs., para 6 libra a 400 rs.
Marmitas peqnenas a 500 rs.
Bacas, regadores, bules e outros muitos objectos
que se torna enfadonho mencionar, que vista do
comprador que irouxer dinheiro se Ihe dar por
diminuto preco.
. 'H
Vende-se um apparelhode serrara, constan-
do de 1 serra bracal, 1 serrote grande, 2 cabos de
linho, 2 moitocs e 1 corrente, tudo em perfeito es-
tado : na rua da Imperatriz n. 23, taberna.
az.
Latas com 5 galoes a 103 :
Nova n. 42._____________________________
Fariulia superior de Santa Cathai na.
Vende-se em porco ou a retalho, a bordo da
barca Iris, atracada ao trapicho do Baro do Li-
vramento, ou no escriptorio de Antonio Luiz de
na rua da Senzala
PEC HINCHA
Custodio Carvalho a Compa-
nh ia
* J Rua lo |urim:ulo J7.
Novas laznhas escossezas muito lindas, fazen-
da encorpada, propria para vestidos de senhora e ,
cnancinhas, pelo barato preco de 240 cada co- inho.a e 2p : .na rtu da Imp.eratnz
v*dn loja da Arara de Mendes & Cuimaraes.
Um advegado que tem de ir ao Rio Grande da do Chora-menino ao entrar da ponte pequea, Olivara Azevedo & C, rua da Cruz n. 1.
do Norte tratar de urna causa commercial.encarre-
ga-se de qualquer eobranca amgavel ou judicial
naquella provincia : a fallar na rua da nio nu-
mero 39.
Attencdo.
O abaixo assignado est morando na rua da
Praia n. 59, terceiro andar, aonde nao s recebe
sanear, madeiras e escravos para vender, como
tamben convites para demarcaco de terrenos,
tanto para o sul como para o norte, ou sertao : to-
do aquel le que o honrar com seu convite ou in-
cumbencia de seus negocios nesta ptaca, sero
pontualmente servidos.
__________Thomaz de Figueiredo.
com os seguintes commodos: 2 salas, 4 quartos,
cosinha fora, quintaes murados e cacimbas, sao
proprias para morada de urna grande familia ou
de duas intimamente relacionadas, por serem jim-
ias e terem no interior portas de eommonicacao :
a tratar no sitio n. 1 na estrada do hospital Portu-
guez ou no pateo do Carino sobrado n. 2.
Aula tic I lim.
Na rua Nova n. 65, segundo andar, acha-se aber-
ta a aula particular de latim do padre J. M. Ma-
ciel.
Vende-se uma taberna muito afreguezrda
para a trra, com poucos fundos, lioa para um prin-
cipiante, e tem commodos para pequea familia :
a tratar no ampo Verde n. 49.
vado.
Em casa de Mills Latham C, na rua d-
Cruz n. 38, vende-se ferro galvanisado de um doa
senhora, de diversos gostos, a 200 rs. o par
rua do Queimado, toja do beija-fler n. 63.
Filas para debrum de vestidos.
Vendem-se fitas para debrum de vestido de laa
pretas bordadas, com 10 varas, a 13100, dita de
seda preta a 13200, dita de cor adamascada a
13200, dita branca de laa com 11 varas a 400 rs.:
'. na rua do Queimado, loja do beija-flor n. 63.
Pentes lravessos para meninas
Vendem-se pentes travessos de borracha para
menina a 400e 500 rs.: na rua do Queimado, loja
do beija-flor n. 63.
Papel de diversas qualidades.
Vende-se papel amizade a 640 e 700 rs., dito de
cores a 600 rs., dito adamascado a 13, dito branco
a 900 rs., dito boira dourada a 13200 : na rua do
Queimado, loja do beija-flor n. 63.
Botoes de madrrperola.
Vendem-se botoes de madreperola para collete,
casacos de senhora a
quera vende por este
dreco na rua do Queimado, loja do beija-flor nu-
mero 63.
Luvas de Jouvin.
Vendem-se luvas de Jouvin para homem e se-
nhora, chegadas no ultimo vapor : na rua do
Queimado, loja do beija-flor n. 63.
Grande liquidaca* de fazeettas at a
Testa, part se lindar cuntas, a pro ei-
Yrilcm qne desta* pe hinchas n ha
sernpre : na roa da Imneralriz, loja
e armazem d > Arara n. 56, d loa-
renco Pereira Mendes Gaimares.
Cobertores da Arara a 10.
Vende-se cobertores de pellos a 13 e 13600,
cobertas de chita a 23 ; na rua da Imperatriz n.
56, loja de Mendes Guiarles.
A Arara vende as laznhas de 9 pal-
mos a 1 $200.
Vende-se laznhas de uma s cor e quadrinhas
proprios para capas, com 9 palmos de largura a
1,200 o covado, dilas para vestido a 280, 320 e
400 rs. o covado : na rua da Imperatriz, loja da
Arara n. 56, de Mendes Guimares,
iirim da Arara a 400 ris o
covado.
Vende-se brim pardo de linho com pequeo to-
que de mofo, que depois de molhado larga, proprio
para calcas e palitots, a 400 rs. rs. o covado ;
brim branco de linho a 13 e 13200 a vara, fusto
de cores para calcas, coletes e palitots a 500 rs.
o covado : na ru da Imperatriz, loja da Arara n.
56, de Mendes Guimares.
Lazlnha Maria Pa da Arara.
Vende-se laznhas a Maria Pia muito finas, com
qoadros e palmas de seda, para vestidos a 560 o
covado, sedinhas finas a 500 rs. o covado ; na rua
da Imperatriz n. 56
A Arara vende as capas a 8,000 rs.
Vende-se ricas capas para senhora a 83, chales
de merino estampado a 23500, ditos finos matisa-
dos de novo gosto a 53, dito de ponta redonda e
borlota a 73500 : na rua da Imperatriz n. 56,
loja da Arara de Mendes Guimares.
Oh que pecuineha, laznhas a 2S0 rs.
Vende-se liazinhas linas para vestidos a 280
e 320 rs. o covado, lencos brancos com barras de
cores a 200 rs., meias finas para senhora a 400 e
500 rs., ditas cruas a 400 rs., ditas para homem a
160 e 200 rs.; na rua da Imperatriz n. 56, loja da
Arara.
A Arara vende as cassas a 200 rs. o corado.
Vende-se cassas de quadrinhos a 200 rs, o cova-
do, ditas finas a 250 e 280 o covado, organdys finos
a 240 e 280 o covado : na rua da Imperatriz n.
56, loja da Arara.
Prrhinclia, sedinhas da Arara a 800 rs. o covado.
Vende-se sedinhas com quadrose lisas, escuras,
proprias para quem esta de luto, por ter uma s
cora 800 rs. o covado, ditas da mesma qualidade
de cores para vestidos a 800 rs. e ditas de listi-
nhas a 500 rs. o covado: na rua da Imperatriz n.
56, loja da Arara de Mendes Guimares.
I'ci'liiiicha na Arara, cortes de chita a rj.'iUO.
Vende-se cortes de chita franceza com pequen
toque de mofo a 25500, corles de riscado francez
com 14 covados a 33, corles de cassas francezas
pintadas a 23 o corte, ditos de barras a 23, 33 e
43 : na rua da Imperatriz n. 56, loja da Arara de
Mendos Guimares.
Case miras a 1 GOO e covado.
Vende-se casemiras de cores para calcas, cole-
tes e paletots, infestada, a 13600 o covado, cortes
de casemira infestada a 13600 e 23, c em covado a
13 : na rua da Imperatriz n. 56, loja da Arara de
Mendes Guimares.
A Arara vende roupa frita t btala.
Vende-so palitots de casemira a 43500, 63 e
83, calcas de 33-500 a 53, palitots de panno a 103,
ditos linos de 123 e 143, palitots de brim de cor
a 23500 e 33, ditos de meia casemira a 33500,
calcas de brim de cores a 23 c 23500, ditas bran-
cas de linho a 33500 e 43, ditas de meia casemira
a 23. coletes a 25500 e 33, camisas francezas a
15600, ditas finas a 23 e 23500, ditas de linho
prega larga a 33, seroulas finas a 13600, ditas de
n. 56,
llalors da Arara a 3,5. 3,9500 e .1,5.
Vende-se baldes americanos, os melhores que
melhores fabricantes inglezes, proprio para cobers tem vindo, de 20, 30, 35, 40 arcos a 33, 33500,
tas de casas.
Aluga-se a casa terrea n. 36 na rua da Ma-
triz, lado da sombra, com 4 quartos, grandes sa-
las, cozinha fra, quintal murado e cacimba pro-
pria, per barato preco : a tratar na mesma cas.
TINTLHAHIA.
Tinge-se com perfeigo para qualquer
cor, e o mais barato possivel: na rua do
Rango:! n. 38, segundo andar.
Bernardo Jos l'ereira da Cosa >egue nestes
das para o Para.
Vendem-se oilo moradas de casas na cidade
do 01 inda, todas em boas ras : a tratar na mesma
cha le com l.ni/. Jos Gonzaza.
Atlciicao.
Vende-se urna casa terrea sita no Mondego n.
28, uma preta da Costa muito sadia, sem vicio al-
giim : a tratar na rua da Soledade n. 60.
Na bem conhecida loja da Victoria na rua de
Queimado n. 75, ha um completo sortirnento de
trancas lisas de laa pretas e de corea, chegadas ha
pouco neste mercado, e vende-se a 100 rs. a peca.
Vendem-se 12 pipas de mel de furo em bar-
ris, prompto a embarcar : na rua Nova de Santa
Rita, ou ribeira do peixe n. 19.
Cal de Lisboa
chegada ltimamente ; na rua do Vigario n. 19,
primeiro andar._______________________
l.nvas de pellica.
Chegaram para a loja d'aguia branca, rua do
Queimado n. 8.
Sal
Vende-se sal muito grado e por preco comino-
do : a tratar na rua da Madre de Dos n. 2-_____
- Vende-se uma taberna sita na rua de Hortas
n. 106, a tratar na mesma.
IVijfio.
Vende-sc feijao en saceos : para ver no trapi-
che do Cuaba.
SAL.
43 e 45500, ditos de brilbantina a 45, ditos de
madapolo a 33600 : na rua da Imperatriz n. 56,
loja da Arara.
Chitas da Arara a 210 rs.
Vende-se chitas a 240 rs. o covado, ditas fran-
cezas com pequeo toque de mofo a 280 rs., dilas
limpas a 320, 360 e 400 rs. o covado : na rua da
Imueratriz n. 56, loja da Arara.
A Arara recebeu pelo vapor um sortirnento de ro-
meiras para senhora, dos melhores gostos que
teut vindo, a preco de 1(5, 16600 e 2&.
Vende-se romeiras para senhoras de cambraia
de salpicos brancos e de cores e bordados a 15,
l.")600 e 25, golinhas com Imtozinho a 5*80 i-.,
dilas com peitos e botozinho a 15, camizinhas
para senhora a 13,13600 e 25, aventaos e corpi-
nho para meninas a 500 rs. : na rua da Impera-
triz n. 56, leja da Arara.
Vende-se sal do Ass superior
deia do Recife n. 3.
Vende-se nina escrava africana de idade,
propria para vender na rua oceupacao esta a que
est acostiimada : a tratar no caes 22 de Novem-
na rua da Ca- bro n. 30, oseada junto ao caf dos arcos, segundo
J andar, entrada a esquerda.
l^^^hhh^i
a a


Diario de Pernaubtico Quinta fcira SI de Janeiro de l*til.
GR1IDE REVOLU^O
NO
ARMAZEM
DO
-m

0 hornera, do mo\imento nao estaciona.
AVANTE E SEMPRE
GUERRA AOS INIMIGOS
Nao se admilte a uniao comniercial;
Nao se quer a diaba da allianca.
Nao se teme loria dos corsarios.
Este anno ha de ser bissexto.
Os eanhes esto preparados.
FOGO! BOM FOGOI! MELHOR FOGOI
CALCADO.
45 Ra Direita 45
A|ti'ovc Borzeguins francezes de lustre pa-
ra homem................. 50OO
Borzeguins laneezes de cores pa-
ra meninas................ 2$000
Borzeguins francezes pretos para
meninas.................. 25500
Sapalos de lustre para senhora.. 1)5000
Sapatosde lustre savessas.___ 500
UNIAO
MERCANTIL
RA DA CAREIIA DO R2CTFE &3.
NOVO E
G-52.HBB $M2$U DE MOLEADOS
RA DA i \DE A DO RECIFE I. 53.
M
Abaixo a liga d'agua no vinagre
Viva a liga do genuin Cltcrcscom o fiambre!
Viva o conservador das conservas inglczas!!
Vivan os liberaes freguezes do BALIZA !!!
Vivam todos que lerein este turnando.
JkTtm
SENHORES E SEyOfiAS.
0 propietario do grande Armazem do Baliza estabelecido raa do Livramento ns.
38 e 38 A, defronte da grade da igreja, tcaba de reduzir os precos de quasi todos os
gneros do seu magnifico deposito.
A tarifa abaixo publicada atiesta bem esta verdade.
A guerra aos nimigos, est portanto, assim declarada.
As pessoas, ainda as mais exigentes que se dignarem vir este eslabelecimento,
ficarao por certa muito satisfeitas, nao s quanto as qualidades dos gneros, como com o
tratamento todo alteacioso que se Ihes dar.
Alm do cumprimento dos deveres da boa edueaco, haver dora em diante ainda
raaior capricho em satisfazer lodos que honrarem esta casa.
Os gneros, pelas qualidades e precos annunciados, serao offerecidos ao exame
dos Srs. compradores. Naoreceieo publico que se praliqueo contrario, como em oulras
casis, que at annunciam o que nao tem___O Baliza alo Ilude___
Ameixas francezas em caixinhas e em frascos Licores inglezes e francezes em vazos de di-
de diversos tamanhos a i,2oo, l,6oo,
2,000,2,5ooe2,8oo rs. e a libra a 800 rs.
Amendoas novas a 32o rs. a libra.
Azeite doce refinado a 800 rs. a garrafa,
dem de Lisboa a 64o rs. a garrafa e i,8oo
rs. a caada.
Alpiste a 16o rs. a libra, e 4,8oo rs. a arroba.
Arroz do Maranhao, da India, e Java a 8c e
loo rs. a libra.
Aletria branca e amarella a 4oo rs. a libn.
Araruta verdadeira a 32o rs. a libra.
versos tamanhos a
rs. a duzia.
I.ooo, l,5oo e 4,8oo
Ilua do Qiicimado unmeros
19 e ...
est disposlo a cooiinuar a vender pelos precos
abaixo declarados, pois para principar o novo
anno.
Caixas de obreias de cola muito finas a 40 rs.
Varas de franja de laa do todas as cores a 40 rs.
Ditas de tranca de laa de todas as. cores a 20 rs.
Ditas de trancelim branco muito superior a 20 rs.
' Trancas de algodao brancas e de rnres a 80 rs.
Duzias de metas para senliora muito superiores a
3*800.
'".rozas de pennade ac muito finas a 500 rs.
Caivetes de duas e tres folhas a 500 r>.
Ditos de urna folha a 80 rs.
Caixas para rap, rauito bonitas de calungas, a
100 rs.
Capachos redondos e compridosa 500 rs.
Caixas com muito superiores obreias a 40 rs.
Varas de franjas brancas e de cores, larcas, a
160 rs.
Tares de botoes para punho muito bonitos a 120 rs.
Carreteis de linba Alexandre cim 200 jardas a
100 rs.
Carloes de linha Pedro V rom 200 jardas a 60 rs.
Ditos de linba de 50 jardas a Mr.-.
Duzia de meias brancas para homem a 1*600.
Caixas rom soldados de chumbo a 120 rs.
Tinteiros de vidro com superior tinta a 160 rs.
Ditos de barro a 100 rs.
Grozas de botoes de louea pratiades a 160 rs.
Tesouras muito finas para costura 1 320 rs.
Ditas ditas maiores e melhores a 400 rs.
Escovas para limpar dentes muito finas a 200 rs
Ditas para unhas a 800 rs.
Laa de todas as cores para bordar a 7 a libra.
Caixas com phosphoros de seguranza a 160 rs.
Cadernos do papel branco e azul a 20 rs.
Pacote de papel amizade a 600 rs.
Caixas com 100 anvelopes muito superiores a
800 rs.
Cadernos de papel de cores, grande e peqneno, a
40 rs.
Silabarios portuguezes com calungas de todas as
qualidades a 320 rs.
Graxa em latas muito nova a 100 rs.
Cartas e laboadas para meninos a 60 rs.
Caixas com superiores iscas para charuto a 40 rs.
Carreteis de linha de cores com 200 jardas a 60 rs.
Itaralhos muito finos para voltarete a 280 rs.
Rodinhas com alfinetes francezes a 20 rs.
Cartas de alfinetes francezes finos a 40 rs.
Caivetes de cabo de raadreperola de duas folhas
a 500 rs,
Luvas brancas de algodao finas a 80 rs.
Miadas de linha froxa para bordar a 60 rs.
Manteiga ingleza flor a 800 rs. a libra e de 8
libras para cima ser aberto um barril na
presenca do comprador.
dem de 2.1 e 3.a qnalidade a 7oo, 600 e ioo
rs. a iibra.
dem franjela a 560 rs. a libra, eem barril
por menos.
dem em latas a 200 e a 1300 a lala.
Massa de tomate em barril a 480 rs. a libra.
Batatas novas em gigos de 36 a 4o libras por,Itlcm em ,ata a 6i0 ls- *
l.ooo rs. e a 4o rs. a libra. j Moslarda ingleza 400 e 600 ris o pote.
Biscoitos inglezes Lunch a I800 rs. a lata de (Marmelada imperial dos melhores fabrican-
5 libras. I tes de Lisboa a 600 rs. a libra.
dem de diversas marcas em latas menores Marrasquino de zara a 800 rs. o frasco e a
a 4,3oo rs. 85 a duzia.
dem de Lisboa de qnalidade especial em h- Massas P* .S0Pa> talharim e macarrio a
tas grandese pequeas a 3,ooo e I,5oo r;.'
Bolachinhas americanas, a 3,ooo rs. a barril
e 2oo rs. a libra.
Banhade porco a 44o rs. a libra, c em bail
a 4oo rs.
Baldes americanos muito proprios para com-
pras a 1,000 rs.
pevide, caixinlia
dem finas, eslrelinha e
com 8 libras a 15600.
Nozes a 16o rs. a libra.
Peixe preparado de escabeche, da mclhor
qualidade que tem vindo ao mercado, a
U a lata.
Cha huxvm, hvsson e perola a 3,ooo, 2,8oo, Presunto de lamego muito superior a 480
2,5oo, 2,ooo e 1,60o rs. ,,rs' a llbrd; L ,
Ideaipretoaa,ooo. 1.6ooe l.ooon.alibr.1. P> fibra(inglei) a 640
^ZTAXoll^t**'0000 ^m americano a 4(X)r, a fibra.
Chocolate francez primeira qualidade a I,Ico ,P?peI ,alm;r'-0 a 3 a nisma-
~, i;k.-, dem de peso a 20 a resma.
SALSAPARRILHA
Francisco Fernandes Duarte acaba de abrir na ra da Cadeia do Reciten. 53, um grande e sortido armazem de molliados de-
nomtnaco i'nio Mercantil. Neste grande armazem encontrar sempre o respeitavel publico um completo sorlimenlo dos melhores
gneros que vem ao mercado, lano estrangeiros, como nacionaes, os quaes serao vendidos em porces ou a retaiho por precos as commodos.
Manteiga ingleza especialmente escolhida; Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa
res a
rs. a libra,
dem hespanhol a I,2oo rs. a libra,
dem suisso a l.ooo rs. a libra.
Cerveja branca marca Allsopps a 4,5oo rs. a
duzia.. e a 4oo rs. agarrafa.
Cognac inglez a 64o rs. a garrafa a 800 e a
1,000 rs.
Concervas inglezas em frascos grandes a 71 o
rs. o frasco.
Palitos para dentes a 160 rs. o maro.
Dito dito de flor a 200 rs.
Ditos Jo gaz a 2,3200 a groza
Passas novas a 480 rs. a libra e a 10800
eaia.
dem francezas de militas qualidades
rs. o frasco e a 5,5oo rs. a duzia.
a 5 c o
Sardinhas de Nantes a 320 rs. a lata.
Dita A* Lisboa a 640 rs. em lata grande.
Charutos neste genero temos grande sorti-.Sag muito superior a 240 rs. a libra,
ment tanto da Babia como do RiodeJ- Sal relina lo, em potes de vidro, a 600 rs.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 20500.
Dito londrino a 900 rs. a libra.
Dito ftato a640rs. a libra.
DE BRISTOL.
As curas milagrosas de
ESCRFULAS,
ULCERAS,
CHALIS AXTIGAS,
ENFERMDABES SYPHLTICAS,
Erysipelas, heumatismo,
Nevralgias, Escorbuto,
etc., ce, etc.,
que tem graagaado e dado o alto re-
lime :i
Salsaparrilha de Bristol
por todas partes do universo, gfto to
gmente devidas
nica Legitima c Original
SALSAPARRILHA DE BRISTOL,
1-itKl'AlUiA BXCLUBIVAIMKTS POR
LAMAN ti KEMP PE VOTA VORK,
Mediante a raoetia do Dr. C. C. SHttoL
A venda as boticas de Caors Barboza,
ra da Cruz, e Joo da C. Bravo & C, ra
da Madre de Dos.
neiro a 1,600, 2,2oo, 2,5oo, 3,000 e 4,ooo
rs. a caixa.
Caf do Cear muito superior a 28o rs. a libra
e a 8,000 rs. a arroba.
dem do Rio a 3oo e 28o rs. a libra.
Ceblas a Uoc rs. o molho com mais de loo
ceblas.
Chouricas a paios a 72o rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 2oo rs. a libra.
Cevada muito nova a 80 rs. a libra.
Copos lapidados a 5 e 6,000 rs. a duzia.
Doce de goiaba em latas a loo rs. a libra,
dem de caj em latas a 320 rs. a libra.
Ervilhas francezas e portuguezas a 5oo e 64o
rs. a lata.
dem seccas a 16o rs. a libra.
Figos de comadre em caixinhas com 8 libras
por I600 rs.
Farinha do MaranhSo a 12o rs. a libra.
Farinha de trigo muito superior a 12o rs. a
libra.
Farelo em saceos grandes a 4,000 rs. o saca
Genebra ingleza marca gato a 1,000 rs. a gar-
rafa.
dem verdadeira de Hollanda em frascos muito
grandes a 1,2oo rs. o frasco.
dem de Hollanda em fiascos pequeos a 5oo
rs. o frasco.
dem de laranja a 1,000 o frasco.
Gomma do Aracaty a 80 rs. a libra.
Graxa a loo rs. a lata e l.loo a duzia.
Linguas americanas de grande tamaito a
1,000 cada urna.
o pote.
Sabo massa a 120,
libra.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Dito dt! Santos c 300 rs. a libra.
Tijolopara limpar facas a 140 rs. cada um.
ptima acqiiisico de es-
tabeleciniento.
Vende-se a loja de ferragens da ra da Cadeia
1 do Recife n. 64, com pequeo fundo e ainda bem
160, 200 e240rs. a sortida, tanto de ferragens como de miudezas, as
quaes estilo em bom estado, vende-se s com as
mercaduras, e garntese o arrendamento da casa;
propria para algum principiante, nao s por ter
pouco fundo como por estar j afreguezada e ser
urna das lajas mais bem localisadas desta cidade :
os pretendentes podem dirigir-se mesma loja,
nao s para exaininarem o balinco como o estado
das mercadorias.
Vassouras americanas a 64o rs, cada urna,
dem do Porto a 400 rs, cada urna.
Velas de carnauba c composico a 320 rs.
libra e a 100 a arroba,
dem stearinas superiores a 560 rs.
maco, e em caixa por menos.
CtL M UMIlh
Vendera-se barrls com cal des-
ta procedencia, eni pedra, chega-
da lioje, e iinlca nova, qne ha no
mercado, na ra do Trapichen.
18, armazem de Manoel Tcixel-
Vinho do Porto, neste geneno temos o me- ra iinmto.
lhor sortimento possivel, que vendemos -------- ------r------------------
por precos muito haixos a 10 a garrafa e a !'>cnzal,a l'*^* n- **
a 10/ e 12 a duzia. Neste estabelecimentovendem-se: tachas de
de pi imeira qualidade a 800 rs. a libra,
em barril se faz abaiimento.
Manteig; ftanceza a mais superior do mer-
cado ;i 5ti0 rs. a libra, e 520 rs. em barril
ou meto.
Prezunljs inglezes para fiambre, de superior
qualidade, chegados neste ultimo vapor, a
70 rs. a libra.
Queijos flamengos chegados neste ultimo
vapor a 20HOO.
Queijoprato muito fresco e novo a 640 rs.
libra.
Castanbas muito novas a 120 rs. a libra e
e 30O()O a arroba.
Cha uxir o melhor que ha neste genero, Marmelada
manddo vir de conta propria a 20800 '
rs. a iibra.
Cha hyson muito superior a 20560 rs. a fi-
bra ; cha hyson proprio para negocio a
10500 rs. a iibra.
Cha preio muito superior a 20 a libra.
Biscoulos inglezes em latas com difierenles
qualidades, como sejam craknel, victoria,
piquelez, soda, captain, seed, bornez e
oulras muitas marcas a 10350.
Bolachinha de soda em latas grandes a 20.
Figos em caixinhas hermticamente lacra-
das, muito proprias para mimo a 10500.
Caixinhas de 4 e 8 libras de figos de coma-
dre a 10 e 20 cada urna.
Passas muito novas, chegadas neste ultimo
vapor a 500 rs. a libra e 30 um quarto;
e em caixa se faz abatimento.
Ameixas francezas em latas de meia a 3 li-
bras a 800 rs.
Champagne da marca mais superior que
tem vindo ao nosso mercado a 180 o gigo,
garante-se a superior qualidade.
Vinho Bordeaux das melhores qualidades
que se pode desejar de 75500 a 80000 a
caixa e 70 a 800 rs. a garrafa.
Caixas com vinho do Porto superior de 90
a 10* a duzia, e 900 a 10 a garrafa; deste
genero ha grande porcoe de differentes
marcas, acreditadas que j se venderam
por 140 e 150 a caixa, como sejam: Duque
do Porto, Lagrimas do Douro, D. Lat,
Cames, Madeira secco, Carcavellos, Nc-
tar de 1833, Duque Genuino.
Vinbo de pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
e Sardinhas de Nantes a 340 rs. o quarto c 560
i rs. meia lata.
10200 a cariada.
Azeite doce refinado em garrafas brancas a Latas com peixe em posta : savel, corvina,
800 rs. 1 vezugo, cherne, linguado, lagoslinha, a
Azeite doce de Lisboa a 640 rs. a garrafa e, 103OO rs.
40800 a carada. Salmo em latas, preparado pela nova arte
Genebra de Hollanda a 500 rs. o frasco e de cozinha, a 800 rs.
50800 a frasqueira. Maca de tomates em latas de 1 libra a 600
Caixinhas core, ameixas francezas, ornadas ris.
com ricas estampas na caixa exterior, Chourigas e paios em latas de 8 e meia libra
muito proprias para mimo, a 1020", 10500 P01" 70.
e 20. i Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra e
; Frasco de vidn com lampa do mesrao, con- 80600 a arroba.
tendo meia libra de ameixas francezas, a Bolaxinha ingleza a 320 rs a libra e 40 a
10200. 1 barrica.
imperial, dos melhores conser- SaKu muit0 novo a 2i0 rs- a libra-
reiros de Lisboa, em latas de 1 e meia a Cevadinha de Franca a 200 rs. a libra.
2 libras a 600 rs a libra. Farinha do Maranhao a 120 rs. a libra.
Fructas em ca da das melhores qualidades' Ararota verdadeira a 320 rs. a libra.
que haem Portugal em latas hermtica- Cevada a 120 rs. a libra e 20 a arroba.
mente lacradas a 500 rs. | Alpistaa 160 rs. a libra e 40800 a arroba
Peras seccas muito novas a 640 rs. a fibra. 1 Btalas muito novas em gigos com 40 libras
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Amendoas de casca molle a 400 rs. a libra.
Avelas muilo novas a 200 rs a libra.
Amendoas confeiladas de diversas cores a
800 rs. a libra.
por 10 e a 40 rs. a liba.
Cebollas a 10 o molho com mais de 100 ca-
da um.
Caf lavado de primeira qualidade a 3C0 rs.
a libra e 90 a arroba.
Matfas e peras chegadas neste ultimo vapor, Ca[ do Cear muit0 superior a 280 rs. a li-
muito perfeitas, s vista se faz o preco.
Conservas inglezas em frascos grandes a 750
rs. cada um.
Ervilhas francesas e portuguezas em latas de
1 libra a 640 rs.
Ervilhas seccas muito novas a 160 rs. a
libra.
Chocolate francez, o que ha de melhor neste
genero, a 10200 a libra.
Chocolate hespanhol a 10200 a libra.
Genebra de laranja em frascos grandes a 10.
Cerveja branca e preta das melhores marcas
que ha no mercado a 500 rs. a garrafa e
5800 a duzia.
bra e 80400 a arroba.
Caf do Rio, proprio para negocio, a 80.
Arroz do Maranhao a 100 rs. a libra e 800
a arroba.
Arroz de Java a 80 rs. a libra e 20400 a
arroba.
Vellas de spermaceti a 560 rs. a fibra e
540 rs. se for em caixa.
Vellas de carnauba refinada a 320 rs. o mas-
so e a 90 a arroba.
Doce de goiaba a 640 rs. o caixo.
Macarr3o, talharim e aietria a 480 rs. a li-
bra ; em caixa se faz abatimento.
Estrellinha,pevideearrozdemassapara sopa
toi7wr^perior qralidade a8>^:r^ \r. fe
e I0'uagarraa. o masso, ditos lixadossem flor a ICO
Licores francezes das segumtes qualidades: | 0 masso com 20 massinhos.
Anizete de Eordeaox, Plaisir des Dames Gomma de engommar muito fina a 80rs.
e de oulras muilas marcas a 10 a garrafa I |Dra
Banha de porco refinada a 480 rs. a libra e
400 rs. em barril pequeo.
Charutos dos melhores fabricantes de S. F-
lix, em caixas inleiras ou em metas, de
rs.
3.
a garrafa e I
e 100 a caixa.
Marrasquino de Zara a 800 rs.
90 a duzia.
400,480 e 560 rs. a garrafa, e 30, 30200 Moslarda ingleza era potes j preparada a'
e 30500 a caada. | 400 rs.
Vioho btanco de superior qualidade, vindo Mostarda ingleza em p, em frascos grandes, Presuntos do reino, vindos de cenia propria
j engarrafado a 640 rs. a garrafa e a 500 a 10 cada un. de casa particular, a 400 rs. a libra; intei-
rs. deoarril. i Sal refinado a 500 rs. o pole. rose faz abatimento.
10600, 20 e 30.
Os senhores que comprarem de 1000000 para cima, terao o descont de 5 por cento, pelo prompto pagamento.
af.
. r"
V ,' -

Duarte A C, receberam de sua propria encommenda pelo brigue
Flo-iiuln, chegado ltimamente de Lisboa os seguintes gneros todos de pri-
meira qualidade por serem escolhidos pelo Sr. Duarto chefe de nossa casa
ulti mente chegado daquella praca.
:/'..
Verdadeiro vinho collares em ancore-
ras de 9 caadas a 50,000 e 800
rs. a garrafa.
Vinho branco B A- Filhos, em barris de
en i uto a 60,000 e 560 rs. a gar-
rafa.
i Vinagre P R R, em arcoretas de 9 ca-
adas a 18,000 e 2,000 rs. a ca-
ada.
Paasaa em caixas, meias e quartas a
8,000 4.00O e 2,000, a 480 a libra.
Peras seceos em caixas de quatro li-
bras o melhor que se pode desejar
a 2,500, e 640 rs. a libra.
A?; Caixinhas de 4 libras e 2 com amei:
tS a 1.500 e 2,500 rs. a caixinha.
r-i \> Chocolate portuguez, o melhor que
(m pode haver de bom neste genero
; 1,000 rs. a libra.
gaga Marmelada propriamente dito de mar-
7;^j mello, a 640 rs. a lata e em caixas
^}7n de 100 latas a 600 rs.
r.<;> Maca de tomates a mais nova que se
pode desejar a 640 rs. a lata eem
caixa de 100 libras a 600 rs.
Ei vi ha portugueza a 700 rs. a lata,
e em caixa de 100 libras a 640 rs.
Passas corinthias para pudim a 640
rs, a libras, e 400 rs. comprando de
Nozes as msis novas que se pode de-
sejar a 160 rs. a libra, e comprando g|j
em barricas a 4,500 rs. a arroba. @-i
Sebollas em caixas as mais novas do
mercado a 6,500 rs. a caixa, a 800
rs. o molho, o a 640 rs. o cento.
Batatas em caix is de 2 arrobas muito
novas e grandes a 2.400 rs. a caixa.
bextinhas com figos proprias para mi-
mos de crianzas a tiO rs. cada urna
e comprando em duzia ter grande
abatimento.
Erva doce muito novas a 500 rs. a li-
bra, e comprando em arroba a
10,000 rs.
AGENCIA
DA
FUNDICO BE L0W-M00B.
Ruada Seuialla noia 11. 12.
Neste cstabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston A C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
FAKIMIA
Sarcos com farinha nova e igual a de Marttioca
a ."00 : no armazem da aurora brilliantu, largo
da Santa Cruz n. 84.______________________
Venda de una hypothtm.
Os liqnidalarios da massa fa'l;da de
Jos Antonio (tasto venden! a hypolrc-
ca qne tem nos engenho* 1Mlo'(r-so
|p e Cajabnss no ermo de Seriuhaem no
iSgl valor de 3I:S35$9H rs.; a trinar as
&
Cominhos muito novos a 400 rs. a li- ^^1 casas a ra do 'trapiche n. 'M.
bra e 10,002 a arroba.
Licores portuguezes das marcas mais
acreditadas de Lisboa a 1,000 a gar-
rafa e 10 a 12,000 a duzia, as quali-
dades sao as seguintes : reme de
violetas, gerofle/., rosa, absintho, ves-
peiio, amor perfeito, amendoa amar-
ga, percicot deturin. botetin, moran-
gos. limo, cate, laranja, cidra, gin-
ga, canella, cravo, ortclaa, pimenta
e outros muitos de qualidades menos
superior que se"o vendidos por pre-
cos cm telar3 as suas qualida-
des.
-".
,v^ anoba para cima.
de primeira qualidade, ludo isto se vende unrramente no armazem Unifio e
<" Commercio na ra do Queimado n. 7, e largo do Carmo n 9 armazem pro-
3$ gressivo.
Queijos
IdemCheiry, eda Madeira em barris e em
. caixa, a 120 a caixa e o barril conforme o
(amanbo
dem de Figueira e Lisboa, em ancoras de
8 a 9 caadas, por 280000.
Dito em pipa a 30000, 30500 e 40ooo a ca-'
nada
dem do Porto, denomiuado Baliza, a 50 a
caada,
dem idem em garrames a 20500, com o
garra (ao.
dem de Bordeaux, das melhores marcas que
yem ao mercado, a 6:5 a caixa e a OO rs.
a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 10600,108oo e 20000 a
caada.
ferro coado libra a
Moor fibra a 120 rs.
110 rs., idemdeLow
FAZKXDVS
baratas para acabar.
Sedas de quadros e de listras a 320 rs. o cova-
do, lindas laas de quadrinhos a 360 o covado, su-
periores cassas de cores a 200 rs. o royado, ditas
muito linas a 240 o covadt*: na loja das columnas,
na ra do Crespn. 13, de Antonio Correia de Vas-
concollos Vende-se podra de alvenariaTruta de muito
boa qualidade, mui propria para ediQeacfios e
principalmente para alicorees, que tonwm os
edificios muito mais solidos, se fornece uualuuer
Ichm idem.em garrafTies com o garrafas, por quantidado com preste e posta m &pr'pS
10 com o garralao. sota Tinte por cento monos do que o preco do ti-
Vinho dr> r-ii a IK -i oarraf-i Pila vinhn J*'o gTalnu;nlo usado. Recehem-se as encommen-
lera dez anos. '" '' '""^ *** "^ t?Z** '* M* d Carica "' *"
GRAGEAS
deGELISe CONT
Ao lclate de ferro
Approvadas da academia imperial de medicina
de Paris.
Segundo o relatorio feilo na academia em
4 de fevereiro de 1840 pelos Srs. profes-
sores Bouillaud, Fnnquier e Bally, esle fer-
ruginoso reconhecido superior a lodos os
outros para curar : a chlorosis (pilles cou-
leurs), e leucoriha (portesManches), a
anemia (fraque/a de temperamento r s J( ua
sexos), difflcuidade de menstroacio sobre
ludo as mofas, incontinencia de uri-
nas, etc.
E' o mais agradavel de lomar por fu
forma de pilulas assucaradas, e essencial-
mente mais efficaz do que as oulras prepa-
do alemlejo, las Ibas e flamengos, todos chegados neste ultimo vapor,
2,500 os lamcngose 800 ris a libra do alemtejo e das ilhas, unicamen- |^ racoes etc., por ser mmto soluvelo'sueco
te nc armazem Unio o Commercio, ra do Queimodo 1. 7 e largo do Car-
ino armazem progresivo.

Ilua da Senzalla a. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston & C,
sellins e silhoes inglezes, candieiros e casti-
eaes bronceados, lonas inglezas, lio de vela,
chicotes pata carros e montara, arreios para,
carros de um e dous cavallos, e relogios de flua,(IUCr ou,ra Pa,lc : na rua a
itente inglez. I n. 4 casa de N. 0. lieber & f. si
ouro iiatente ingle
S'i
YAXOTEA FONTANA.
Farinha da muilo acre'il a marca
Fontana csemliarca'ia lioje, vende-se
por preco mais commoilu do que em
Cruz
succes-
sores.
Barricas do bren com 8 arrobas, de superior
qualidade : ni ra da Cadeia do Recito n. 86 A,
loja de ferragons de Bastos.
Vende-sij urna canoa de rarreira
Hoda n. 48.
Cal de Lisboa e potassa da
Itnssla.
Vende-se na ra di Cadeia do Recife n. 26, para
onde se mudou o ant go e acreditado deposito da
----------- mesma ra n. 12, ambos os gneros sao novos e
na ra da 1 lepirimos, e se vendein a preco mais barato do que
1 Utra qualqueri parte.
gstrico, como consta do relatorio ido re-
cntenteme na academia de medicina de
Paris pelo Sr. Flix Boudet. em neme de
urna commissfo composla dos Sis. Velpeau,
Depeau, Boiichardat, Trousseau, ele, to-
cando as experiencias feilas sobre os prli -';-
paes seres ferruginosos com um sueco gs-
trico fresco no laboratorio do Sr. Boudaut,
pelos Srs. Drs. Corvizart e lianeswil, que
o lclalo de ferro o mais soluvel e j ur
consecuencia o mais efficaz.
Deposito geratt em Pari, roa Boorbon-
Villeneuve. I!)
Em Pernamhuco, na casa de Caors A Bar-
bsoa, ra da Cruz n. 22.
Uuita altfiifao.
Vende-se a taberna conbecida por Favorita, co-
locada na p'wca) do Mouti'iro. ja muito afrt'giKj-
zada, tendo ponros fundos, e propria para auaT-
quer principiante : dirija-sem ao raesmo estele-
cimento.


Diario de Pernaubuc Quinta letra SI de Janeiro de l 8(1-1.
ARMAZENS
DO
PROGRESISTA
ALLIANCA
GRAWDE
RITA HAN CJRUXES V. 3G

RA DO CRESPO N. 9
Xa halrro de Uanto latonlo.
Joaquina los ames de ftionza soientifica aseus numerosos fregu
es e ao publico em geral que acaba de es abelecer um novo armazem de molhados
do Crespo n 9, aonde se encontrar S3mpre os melhores gneros de estiva, que
se venderlo a retalho e por atacado, por me ios dos que se venderem em outra qualquer quando foi socio dos armazcns Progressivo e Progressista as maiores vantagens em com-
parte, afliancando-se aquellas pessnas que comprarem nestes armazens a superior qua prarem em seu armazem.
lidade de gneros, precos commodos e bom acondicionamento. Hoje de novo estabelecido mais precisa da concurrencia de todos estes senhores
O armazem da ra do Crespo situado no melhor local desta cidade com a as- ao seu estabelecimento. certos de que esta casa jamis deixaro de ser cumpridas as
seio que de necessidade manter-se prietario, que ninguem deixar de sortir-se a'um estabelecimento aonde se encortra sia-
ceridade, para ir-se comprar aonde se nao efferecem tantas vantagens.
57 RA DO IMPERADOR 57
Na'Jbeo conhecida loja que foi do Sr. Flix alfaiate.
Panlo Ferrelra da Silva proprietario deste novo estabelecimento, tendo
chegado da Europa, aonde escolheu um grande e variado sortimento de molhados, tem
a honra de os expor ao respeitavel publico desta cidade pelos mais resumidos precos.
Em to ptima occasio, por estannos prestes a festa de Natal, o proprietario do
grande armazem Allianca offerece aos seus amigos e freguezes que o conhecem desde
UNIAO
COMMERCIO
,itj
Sendii este armazem no verdadeiro ponto do partida para os arrabaldes desta
cidade, nao ser dtffieri aquellos senhores q te tem do partir nos mnibus darera suas
encomraendas neste armazem, que sempre lhes offerecer os mais agradareis gneros.
Macees de 4o a 16u rs. cada urna.
Manteiga ingleza a mais superior neste ge-
nero a 800 rs. a libra, e comprando de 8
libras para cima a 72o rs., esta a mais
superior que pode haver, tambem ha mais
baixas para menos precos.
. i dem franceza muito nova a 56o rs. a libra
Cha perola de especial qualidade a 2,800 rs. dem muito superior a 1,000 rs. a garrafa e gj0 ^ em barrs 0u meios.
a libra. I
dem hysson muito superior a 2,7oo rs. tiCaf a 28o e 32o rs. a libra, e a 8,ooo e peras seccas muito novas a 48o rs. a libra.
libra,
dem uxim a 2,5oo rs. a libra.
dem hysson a 2,3oo rs. a libra.
dem idem a 2,000 rs. a libra.
dem preto de qualidade muito especial a
2,000 rs. a libra.
dem dem interior a I,00 rs. a libra.
Champagne a melhor neste genero a 1.5oo
rs. a garrafa e 18,000 rs. o gigo.
dem inferior a lo.ooo rs. o gigo el,000 rs.
a garrafa.
Chocolate francez, hespanhol, e portuguez, a
a )oo e l,2oo rs. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Babia
ede quididades, especialmente escolhidos,
de 2,000 a 4,5eo rs. a caixa.
9,000 rs. a arroba.
Cerreja das melhores marcas do nosso mer-
cado de 5,000 a 6,000 rs. a duzia, e 5ee .. _. ,%n^n ,?
_. carrafa (*em hys800 muito superior a z,7oo rs. a
Cha perola de especial qualidade a 2,8oo rs.
a libra.
rs. a garrafa.
Conserva:; inglezas a 75o rs. o frasco e 8.6o
rs. a duzia.
Doce em calda a 5oo rs. a lata.
dem de goiaba em caifas e diversos tama-
Cognac de superior qualidade a 800 rs. a gar-
rafa.
libra.
dem uxim a 2,5oe rs. a libra,
dem hysson a 2,3oo rs. a libra,
dem idem a 2,000 rs. a libra.
nhos e de diversas qualidades de 64o a dem preto de qualidade muito especial a
l.ooo rs. cada urna. 2#0ee rs. a bra.
Ervilhas francezas muito novas de 48o a 4o dem idem inferior a l,6oo rs. a libra,
rs.
dem portuguezas a 72o rs. a lata.
dem seccas a 2oo rs. a libra.
Vassouras do porto com arcos de ferro a 32o
rs. cada urna.
Chocolate francez, hespanhol e portuguez, a
Ooo e I,2oo rs. a bra.
dem muito superior a l.ooo rs. a garrafa.
Caf a 28o e 32o rs. a libra, e a 8,000 e
9,000 rs. a arroba.
Orveja das melhores marcas do nosso mer-
cado de 5,ooo a 6,000 rs. a duzia, e 5oo
rs. a garrafa.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e 8,600
rs. a duzia.
Doce em calda a 64o rs. a lata.
Ervilhas francezas muito novas a 64o rs.
i dem portuguezas a 72o rs. a lata.
dem seecas a 2oo rs. a libra.
Bassonras do Porto com arcos de ferro a 32o
rs. cada urna.
Vellas de espermacete da melhor qualidade
a 56o rs. o maco.
dem de carnauba e composicao a 32o e 36o
rs. a libra e 10,000 rs. a arroba.
i Ti jlo para limpar facas a 12o rs. cada um.
Charutos dos melhores fabricantes da Babia
e de qualidades especialmente escolhidos, To^ de L,sboa e Santos a 32 rs- a
de 2,ooo a 4,5oo rs. a caixa.
Sevada muito nova a loo rs. a libra.
Farinha do Maranho muito alva a 14o rs. a Velas de espermacete da melhor quadade Farinha do Maranho muito alva a 14o rs. a .. nm. mmm. __la.
lihra a Bon rs o mam i*r ileixe em ,aldS gi ancles, sa*ei, pescada, eor-
libra
dem de aramia veradeira a 4oo rs. a libra
a 600 rs. o mago,
dem de carnauba e composic) a 32o e 36o
Vinho do Alto Douro engarrafado, e os mais rs. a libra e 10,000 rs. a arroba,
bem escolhidos, lagrimas do Douro, D. Pe- T
libra.
dem de araruta verdadeira a 4oo rs. a libra.
visa, e outras qualidades a l.ooo rs. cada
lata.
rn ,^,'. n v 'f'jolo Para ''"apar &cas a 1 io rs. cada um.' *>em escomidos, lagrimas do Douro, D
dro V, D. Luiz I, Duque genuino, Nctar J v dro V, D. Luiz I. Duque genuino, N
superior, Malvasia ftna. Bastardo, e outros Toucinho de Lisboa e Sanios a 32o rs. a Kfora. superior, Malvasia fina, Bastardo, e 01
a H.ooo e 12,ooo rs. a duzia e l.ooo rs. ,
a garrafa. :>cvada muito nova a loo rs. a libra.
'dem Chprrv e Madeira a l,5oo rs. a pura- ?eixe em latas f'randes, savel, pescada, cor-
la e 16 000 rs a duzia v,na- eoulras qualidades a l.ooo rs. cada
lata.
dem Bordeaux de diversas marcas de 8,000
a lo.ooo a duzia, e 800 rs. a garrafa. paPeI 8reve pautado e liso de 3,ooa a 4.000
Bolaxinhas americanas a 3,ooo rs. a barrica,
e 2oo rs. a libra.
rs. a resma.
Batatas muito novas a l.ooo rs. o gigo, e 60
rs. a libra.
l'assas muito novas a 8,5oo a caixa e 48o rs.
a libra.
Palitos lixados para dentes a 14o rs. o maco.
Banlia de porco refinada a 48o rs. a libra, e iaem de ,,0r a 2o rs- raaC0.
em barril a 44o rs. Prczunto para fiambre inglezes e americanos
Vinho em pipa de Lisboa, e Figueira, de3,ooo a 85 r5- a libra.
a 4,000 rs. a caada, e 5oo rs. a garrafa. ltlem do Porto a i8o rs a li|)ra
Mam de Lisboa em aucoretas de 8 a 9 cana- oueijos prato de 48o a 600 rs. a libra.
Gas por s/.ooo rs.
.. m n ., dem londrinos os melhores que se encootram
dem do Porto raudo especial a 5,5oe rs. a Bflsta mm,ailn a ^ 2 nhn
caada e i2o rs. a garrafa.
Wem em garrafes com 4 / gamtopor/^^0^^ no ullimo v^ de
2,5oo rs. com o garrafo.
, ... 2 Sardmhas de Nantes muito novas a 32o rs.
Vinagre de Lisboa muito superior a 2,ooo a lata,
rs. a caada. L _.
Sag muito novo a 2oo rs. a libra.
Idein maisbaixoa l.Soors. a caada, e 2oo
rs. a garrafa. m mnit0 suPer'or a 28o rs. a libra.
dem em garrafes com 4 / garrafas por laMo m9^ (,e diversas qualidades a So e
24o rs. a libra.
l,2oo rs*. com o garrafo.
Manteiga ingktza a 600, 700, 800 e 9oors.a
libra de primeira qualidade.
Mem franceza a 56o rs a libra em barril, e
a 600 rs. a retalho.
dem inferior de 12o a 18o rs a libra,
Cenebra de Hollanda em frasqueiras a 6,5oo
rs.
Mem hamburgueza em ditas a5,8oo rs.
Ameixas frani*zas em caixinhas com ricas Hem de Hollanda em garrafes grande a
estampas ao exterior de I,2oo a 2,ooo rs.
cada urna.
dem era frasco de viaWo de diversos taina-
nhos a l,5oo e 2,5oo rs.
Men ein latas de 1 1/2 e 3 libra a l,3oo e
2,3oo rs. ca:la urna, e a 800 rs. a libra.
EigM de comadre em bazinhos de folha pro-
prios para mimos a l,6oo rs. cada um.
dem em caixinhas de folha a 32o rs.
dem era caixas grandes a 2oo rs. a libra.
dem em latas ermecamente lacradas de
1,6oo a 3.000 rs.
Arroz da India e Miranh3o a 80, loo e 12o
rs. a libra.
Amendeas de i asea mole muito novas a 4oo
rs. a libra.
AzekonjB superiores a l,2oors. o barril.
Alpista a 14o rs. a libra e 4,6oo a arroba.
Latra a 4oo rs. a libra. %
Biscoitos e bolachinuas inglezas as ultimas
chegadas ao nosso mercado a l,2oo e l,4oo
n. cada lata.
Bolaxinha de soda e lunch era latas grandes
a 2,ooo rs. cada lata.
Coguac de superior qualidade 800 rs. a gar-
rafa.
5,5oo cada um.
Mem em Inrtija a 4oo rs. rs. cada urna.
C arrafoes vasios de diversos tamanhos a5oa,
64 e l,2oo rs.
Gomma do Aracaty a loo rs. a libra.
Graixa a loo rs. a lata, e l,2oo rs. a duzia.
Licores finos francezes em garrafas e fras-
cos de diversos taannos de 600 a 800 rs.
cada um.
Marmelada imperial de t' dos os conservei-
ros de Lisboa a 64o e 700 rs. a bra.
Massa de tomate muito nova a 64o rs. a
libra.
Marrasquino de Zara a 64o rs. o frasca,
dem em frascos grandes a 800 rs.
Cominhos rauito novos a 5oo rs. a libra.
Ei-va-doce 1 24o rs. a libra.
Pi menta a 36o rs. a libra.
Ciavo da India a 64o rs. a libra.
Cmnella a l.loo rs. a libra.
Alfazema a 2oo rs. a libra.
S il refinado em frascos de vidro a 6oa rs.
o frasco.
ATTE]>CA0
O proprietario dos armazens do Progresista jamis deixar deofferecer aos seu
freguezes ludo o que for preciso para que sejam bem servidos, e como a festa se aproxi-
ma ptima a occasio dos seus freguezes experimentaren! a realidade, que nunca dei-
asra de ser mantida pelo proprietario destes armazens.
Vinho do Alto Douro engarrafado, e os mais Passas muito novas a lo.ooo rs. a caixa e
bem escolhidos, lagrimas do Douro, D. Pe- 5oo ps. a libra.
Nctar
outros Palitos lixados para dentes a i4o rs. o maco,
a H,ooo e 12,ooo rs. a duzia e l.ooo. rs.
a garrafa. dem de flor a 2oo rs. o maro.
dem Cherry e Madeira a 1,5oo rs. a garra- Presunto para fiambre inglezes e americanos
fa e 16,000 rs. a duzia. i a 85o rs. a libra.
dem Bordeaux de diversas marcas de 8,000 H do porto 4go 1bn.
a lo.ooo a duzia e 800 rs. garrafa.
Bolaxinhas americanas a 3,5oo rs. a barrica, QnoiJ Prat0 a G4 rs' a libra'
e a 24o rs. a libra. dem flamengo vindos no ultimo vapora
2,0000 e 2,3oo rs. cada um:
Batatas muito novas a 1,00o rs. o gigo, e 60 _.... oa
re a |jbra e 6 Sardmhas de Nantes muito novas a 32o rs.
a lata.
Banha de porco refinada a 44o rs. a libra o c .. __. ,n anr ....
em barril a 4oo rs. SaEu rauit0 novo a 2o re- a llbra-
Vinho em piqa de Lisboa, e Figueira, de 3,ooo Idem muit0 suPerior a 28 rs" a ,ibra-
a 4,ooo'rs. a caada, e 5oo rs. a garrafa. ... .... a n n
Sabo mar de diversas qualidades a 2oo e
dem de Lisboa em ancoretas de 8 a 9 cana- 24 re' a hbra*
das por 27,00o rs. dem inferior de 12o a 18o rs. a libra.
dem do Porto muito especial a 5,5oo rs. a Gencbra de Hollanda em frasqueiras a 6,5oo
caada e 72o rs. a garrafa.
Idam em garrafes com 4 '/j garrafas por
2,5oo rs. com o garrafo.
Vinagre de Lisboa muito superior a 2,ooo
rs. a caada.
Idem mais baixo a I,5oe rs. a caada, e 2oo
rs. a garrafa.
dem em garrafes com 4 V* garrafas por
l,2oo rs. com o garrafo.
Ameixas francezas em caixinhas com ricas
estanpas no exterior de l,2oo a 2,000 rs.
cada urna.
dem em frasco de vidro de diversos tama-
nhos a 1,5eo e 2,5oo rs.
dem em latas de i 1/2 e 3 libras a l,3oo e
2,3oo rs. cada urna, e a 800 rs. a libra.
Figos de comadre em caixinhas de 4, 8 e 16
librrs a l,3oo, 2,5oo e 5,ooo rs. cada
urna caixa.
Idem em caixinhas de folha a 32o rs.
Idam em caixas grandes a 2oo rs. a libra.
Idem em latas ermetimente lacradas de 1,6oe
a 3,ooo rs.
Arroz da India e Maranho a 80, 100 e 12o
rs. a libra, e 2,5oo e 2,8oo rs. a arroba.
Amendoas de casca mole muifo novas a 4oo
rs. a libra.
Ceblas novas a l.ooo rs. os molhos gran-
des e a 700 rs. o cento.
Alpista a 14e rs. a libra e 4,6oo rs. a arroba.
Macarro, talharim e aletria muito nova a
4oo e 48o rs. a libra.
Biscoitos e bolarliilias inglesas as ultimas
chegadas ao nosso mercado a l,2oo e
l,4oo rs. cada lata.
Bolachinha de soda e lunch em latas grandes
a 2,000 rs. cada lata.
res.
dem hamburgueza em frasqueiros a 5,8oo
ris.
*
Idem de Hollanda em garrafes grandes a
5,5oo rs cada um.
dem em botija a 4oo rs. cada urna.
Garrafes vasios de diversos tamaitos a 5oo,
64o e l,2oo rs.
Gomma do Aracaty a 80 rs. alibra muito alva
Graixa a loo rs. a lata, e l,2oo rs. a duzia.
Licores finos francezes em garrafas e frascos
de diversos tamanhos de 600 a 800 rs. ca-
da um.
Marmelada imperial de todos os conserveiros
de Lisboa a 600 e 7oo rs. a libra.
Massa de tomate muito nova a 64o rs. a li-
bra.
Marrasquino de Zara a 640 rs. o frasco,
dem em frascos grandes a 800 rs.
Cominhos muito novos a 5oo rs. a libra.
Erva-doce a 24o rs. a libra.
Pimenta a 36o rs. a libra.
Cravo da India a 64o rs. a libra.
Cannella a l,leors. a libra.
Alfazema a 2oo rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 6o# rs. o
fraco.
Copos finos para agoa a 5,000 rs. a duzia.
Chouricasnovas a 72o rs. alibra.
Mostarda franceza preparada e muito nova
a 32o rs. cada um frasco.
Conservas francezas de superior qualidade a
640 rs, o frasco e 7,ooo rs. a duzia.
Azeite doce a 64o rs. a garrafa.
Se\adinha de Franca muito nova a 2o# rs. a
libra.
ATTENCAO.
Neste grande armazem de molhados vende-se em grandes porces o a retalho,
fazendo so differensa considoravel a quem comprar de 100$ para cima.
Defronte da loja de Prgales.
HITARTE AliWEIHA
acaba de abrir o seu grande e sortido armazem de molhados denominado Unit e Om-
memo. Este grcjide armazem um des mais bem montados que temos em aossa praca,
nao so em limpeza e aeeio, como as qualidades especiaes de seas genero*. O proprie
tario do Unido e Commercio offerece todos os senhores da pra$a, senhores de engenho
e lavradores a seguirte tabella, por onde verao a grande economk que lae resulta em
comprarem em to til estabelecimento, afianeando o mesmo todo e qualquer genero
sabido de seu armazem.
Erva-doce a 5oo rs. a bra.
Champanha de 20 a 22,ooe o rige.
Bollinho francez era latas e caixinhas as mais
deliradas que tem vindo ao aasso merca*
do de 7oo a 2,Eoo rs. a caixinha.
Manteiga ingleza pjrfeitamente flor, mandada
vr de corta propria, a 7oo a 800 rs, a
libra.
Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groza e 2o rs. a
caixinha.
Milho alpista a 16o rs. a bra.
to.
dem ingleza em potes de 4 a 16 libras a
800 rs, a libra e o pote separado,
(dem franceza chegada pelo ultimo navio a
56o rs. a libra, e em barril ter abatimea- Cominno muito novo a loo rs. a libra e
comprando de 81ibris para cima a 32o'rs.
Gomma muito alva para engommar a 80 rs.
a libra, e em arroba se fara abatimento
Sag muito novo a 28o rs. a libra
Cha uxim o melhor neste genero, mandado
vir de corta propria a 2,8oo rs, a libra. ^ verdadero hespanhol> ^^ ^
dem hysson, grande, muito bem a 2,6oo rs. Vem nSS merca Vinho branco o melhor nerte genero a 800 rs,
dem preto muito fino, a 2,6oo rs, a libra. a garrafa e 4,3oo rs. a caada.
Idem preto, mais bata, a 2,ooo rs, a libra. dem Bordeaux de differentes marcas, garan-
dem, verde, miudinho, maisproprio para
negocio, a l,5oo rs, a libra.
Banha de porco refinada muito alva a 46o --- .__K ,
rs. a libra, e em barril br ah uimpn.n Gar/a^es *m 5 arrate de o Porto
rs, a libra, e em barril se far abitimento.
Biscoitos inglezes das seguintes marcas; H._ .^_,,. _, _,.
Craknel. Soda. Ceede. Cantain. TraveUies. Idem ** 5 arrafas ^ vinho Figueira. mais
Craknel, Soda, Ceede, Captain, TraveUies.
Lunch, Cabin, e outras mudas marcas, a
l,4oo rs, a lata.
Bolachinha de sdo:, especial encommenda, a Mem com 5 garrafas de vinagre a 1 2oo rs
9 'tnn re o lili r, n.>_nfs
2,2oo rs, a lata.
Biscoito inglez Craknel em latas de 5, 7 e 15 Sabo massa de superior qualidade a 18o
rs. o pote.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra e 4,800
rs. a arroba,
e outro qualquer liquido, de 1,000 a 3,000
rs, cada um.
te-se a qualidade, a 8.000 rs. a caixa coa
ama duzia, e a 7oo r"s. a garrafa.
do Alto Douro a 2,2oo rs. com o garrafio.
proprio para a nossa estaco por ser mais
fresco a 2,4oo rs. com o garrafo.
o garrafo,
libras a 5,ooo e 6,000 rs, e de l,2oo a
800 rs, a libra.
Queijos do reino pelo baratissimo preco de
l,6oo, 1.8od e 3,ooo rs os o ultimo
vapor.
dem prato muito fresco a 64o rs, a libra.
dem londrino muito fresco a 800 rs, a libra.
Vinhos empipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
48o, 56o, e 64o rs, a garrafa, e de 3,ooo a
4,5oo rs, a caada.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa em latas de 1 e mais libras
a 7oo rs, a libra.
Peras secaas em caixinhas de 4,ooo a 2,000
rs. cada urna.
Figos em caixinhas de 1 f/ arroba tf de 8 li-
bras a 8,000,4,000, e 2,000 rs, e 13eo rs.
a libra, taambem ha serinhas para men
nos a 60 rs. cada urna.
Amendoas de casca mole a 36o rs, a libra, e
em arroba ter abatimento.
Sardinhas de Nantes a 32o rs, a latinha.
Toucinho de Lisboa muito novo a 3oo rs, a
libra c em arroba a 9,ooo rs.
Massa de tomates a 64o rs, a libra.
Pimenta do reino a 34o rs. a libra,
Farinha do Maranho a 14o rs, a libra,
Cbelas a 800 rs. o molho, 64o rs. o cento
c 6,5oo a caixa.
Tijollo para lanpar facas a 16o rs,
Cerveja das mais acreditadas marcas de 5,000
a 7,5oo a duzia, e de 5oo a 600 rs, a gar-
rafa,
Prezunto para fiambre muito fresco e novo
a 800 rs. a libra,
Genebra de laranja a l.ooo rs, o frasco,
Chouricas as mais frescas do mercado a 800
rs. a libra,
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa,
e i o.Soo rs. a caixa com urna duzia.
Licores francezes e portugueses de todas as
marcas de lo.ooo a 15,ooo rs. a duzia.
Passas muito novas a 5oo rs. a libra e a 8,5oo
rs. a caixa. Ha caixas, meias e quartos
Batatas a 1,000 rs. o gigo com 38 libras e
2,oeo a caixa com duas arrobas cadauma.
Bocetas com doces seceos de 3,oeo a 3,5oo
rs. cada urna.
Bolachinha ingleza a 32o rs. a libra,
Azeite francez e portuguez refinado a 800 rs.
a garrafa; e 9,ooo rs. a caixa com urna du-
zia.
Conservas inglezas das seguintes marcas:
Mixed, Pickes, e ceblas simples a 800
rs. o frasco.
yHM.isipnpnd..pM.. "araT.arwasitt
IV f I lilil'
2oo, e 22o rs. a Mbra do mellior que ha*
Grfixa em latas muita nova a i 2o rs. a lati-
nha, e l,3oo rs. a duzia.
Peixe em latas muito novo: savel, pescada,
curvin, saimo e outras militas qualidade*
preparados de escabexe, segundo a arte de
cozinha, de l,2ooa 2,ooo rs. a lata.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado e escolhido pessoalraente por um
des socios que se acha em Portural, das
seguintes marcas : Duque, Genuino, Ve-
llio secco especial, Lagrimas Doces de
1819. vinho especial D. Pedro V, vinho
velho. Nctar superior de 1833, Duque do
Porto de 1834, vinho do Porto velho su-
perior, Madeira Secca de superior quali-
dade, vinho do Porto superior D. Lai* I
de 1647, Lagrimas do Douro, especial vi-
nho do Porto, de l,ooo a 1 2oo rs. a gar-
rafa e de lo.ooo a 12,ooo rs. a caixa com
urna duzia.
Vassouras americanas a 800 rs. cada
Velas de spermacete as melhores que ha no
mercado a 56o e 64o rs. masso, e em
caixa se far umjgrande abamerto,
dem de carnauba e composico, de ivo a
32o rs. a libra, e de lo.ooo rs, a lI,5oo
rs. a arroba,
Caf de 1 e 2* sorte de 8.3oo a 8,600 rs. a
arroba, e de 28o a 32o rs. a libra do me-
lhor,
Arroz da India, Maranho e Carolina a 3,ooo,
2,8eo e 2,4oo rs. a arroba e a loo rs
libra.
Frasqueira de genebra a 5,8oo rs. e a 5oo
rs. o frasco.
Azeite doce em barril muito fino, a 64o rs.
a garrafa, e em caada ter abatimento.
Papel greve pautado e liso a 3,5oe rs. a
resma.
Genebra de Hollanda em botija de coata a
44o rs. a botija.
l'assas rorinteas a 5oo rs. a libra e 12,8o*
rs. a arroba,
Ervilhas franceza e portugueza a 640 rs a
lata de urna libra.
Chocolate francez, hespanhol, saiso a por-
tuguez a l.ooo rs. a libra, a 28o n. ca-
da pao de urna Vi.
Ameixas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas, com diversas estampa*
no exterior da caixa de 1,500 a 3,ooo r.
cada urna; tambem ha frascos e latas a
differenles tamanhos que se vendem par
mdico preco.
abatimento.
Garrafes com 14 garrafas de genebra a
Hollanda a 5,5oo cada um.
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de manteiga, doce, ^ A< ^ as man.as e ^ m^
res fabricantes da Babia de 3,ooo a 4,e*a
rs. a caixa.
ATTEX^AO
Todos os senhores que comprarem para negocio ou casa particular JO para
cima tero mais 5 a 10 por /o de abamerto ; o proprietario identifica vas que todas
os seus gneros sao recebidos de sua propria encommenda, razSo esta para poder lea-
der por muito menos do que em outro qualquer estabelecimento.
&=-';! -. :-*:< v


liarlo de Pernamhuco Quinta fe Ira ti de Janeiro de tsai.
^
!


ATTENCAO
9 LARGO DO CUtHO 9
GRANDE SORTIMENTO
LOJA DO PAVAO
sS
A FESTA.
DUARTE & C.
Cassas puritanas.
Vendem-se as mais modernas cassas puritanas com bonitos desenhos pelo baratissimo preco de
240 e 280 rs. o covado, por lia ver grande perciio, pechineha : na na da Imperatrii n. 60, loia do
Pavao. '
Cansas persianas a 360 rs. o covado.
Vendem-se as mais bonitas cassas persianas a imitacao de laa transparente com os desenhos
tecidos e inleiramente novos, pelo baratissimo preco de 360 rs. o covado e nao desbotam : na loia do
Pavao ra da Imperatriz n. 60.
Cortes de cassas de Mana Pia a 40000.
Vendenf-sc os mais modernos cortes de cassa a Mara Pia, de todas as cores, corn palmas bor-
dadas e de variadas cores que garante se a boa qualidade contendo 8 varas e meia cada corte pelo ba-
ratissimo preco de \& : na loja do Pavao ra da Imperatriz n.>60.
As percalas do Pavao a 500 rs. o covado.
Vendem-se as mais linas percalas que ha no mercado, de desenhos muito mindinhos e das mais
lindas e vanadas cores e garante-s serem Uvas, com i palmos de largura, fazenda propria para ves-
tidos de seohora e roupas para meninos, pelo muito barato preco de 500 rs. o covado : na loia do Pa-
vao ra da Imperatriz n. 60.
Gorgurto de laa a 500 rs. o covado.
Vende-se gorgur.io de laa de cr escura propria para vestido desenhora, paletot para homem c
ronpa para menino, pelo barato prego de 500 rs. o covado : na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60.
As colchas do Pavao.
Vendem-se colchas de linho adamascadas com bonitos lavres de cor de rosa, azul e branco,
pele baratissimo prego de 53 cada urna : na loia do Pavao ra da Imperatriz n. 60.
Organdys a 240 rs. o covado.
Vendem-se organdys matisados fazenda muito fina, de bonitos desenhos, pelo baratissimo preco
de 240 rs. o covado : na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60.
Participam aos seus numerosos freguezes e ao publico cm geral que acabam de |
receber de sua propria encommenda, o inais lindo e completo sortimento de molhados,
os quaes vendem por grosso e a retalho por menos 10 por cont do que outro qualquer
annunciante, como vero pela seguinte tabella que abaixo notamos, garantindo os mes-
raos proprietarios nao s o peso como a qualidade de seus gneros.
AWISO.
Vs alpacas do Pavilo.
Vendem-se alpacas de seda de cores muito fina propria para vestido de senhora, soutembar-
ques e roupas para meninos o dita branca muito fina propria para vestidos e paletots, p>r preco mui-
to commodo : na loja de Pavao ra da Imperatriz n. 60.
Chitas do Pavao.
Vcndem-se chitas escoras e alegres fazenda muito fina, padrdes modernos e que nao desbotam
peto barato prego de 320,360 e 400 rs. o covado: na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60.
As laasinhas do Pavilo.
Vendem-se laasinhas com 9 palmos de largura de urna s cor e de quadrinhos pelo baratissimo
prego de 1*200 o covado, ditas enfeitadas com 4 palmos de largura a 500 rs, ditas matisadas muito
fiuas de bonitos desenhos a 560 rs., ditas a 320 e 360 rs., ditas de quadrinhos a imitacao de sedinha
_ .rtH [a 400 rs. o covado. ditas a Mara Iha com palminhas de seda a 500 rs., ditos transparentes com palmi-
TOdOS OS SennOTCS que compraren para negocio OU casa particular de 100? para nhas matisadas a 440 rs., ditas de quadros grandes a 240 rs. o covado, ditas pretas transparentes de
i_m-mmm ... ... cordozinho a 200 rs.: na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60.
cima terao mais 5 a (O por rento de abatimento, os proprietarios scientificam mais que
todos os seus gneros s3 recebidos de sita propria encommenda, razo esta para
vender por muito menos do que outro qialquer estabelecimento.
pode
Manteiga ingleza flor a 8oo rs. a fibra.
Caslanhas muitu novas a 2,ooo rs. a caixa, e
a 16o rs. a libra.
Bolinbo francez e em caixinhas de 7oo a
l,5o rs. cada urna.
dem Iran eza a mais ora do mercado a 5
rs. a libra, e 54o rs. em barril.
dem de porco refinada muito alva 46o r.
a libra.
Prezunto para fianbre a 8oo rs. a libra.
Cha uxim miudinho vindo de conta propriii,
o melhor do mercado a 2,8oo rs. a libr;.
dem byson de superior qualidade a 2,6oo n,
a libra.
dem perola o melhor que se pode desojar a
2,7oe rs. a libra.
dem preto muito fino a 2,5oo rs. a libra.
dem mais baixo pouco a 2,ooo rs. a libra.
dem mais baixo a l,8oo rs. a libra.
Vinbo do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado garante-se a superioridade deste vi-
uno, das seguintes marcas : Duque, Ge-
nuino, velho secco, especial lagrimas do-
ces de 1819, vinho especial D. Pedro V.,
vinho velbo, Nctar superior de 1833, Du-
que do Porto de 1834, vinho do Porto ve-
lbo superior, madeira secca de superior
qualidade, vinbo do Porto superior Lu-
iz l.8de 1847, lagrimas do Douro espe-
cial, vinho do Porto de l.oooa l,2oo rs.
a garrafa e de lo.ooo a i.ooo rs. a caixa
com urna duzia.
Bolacliinba de soda especial encommenda e a
mais nova que ha no mercado a 2,2oo rs. a
lata.
Biscoitos inglezes das memores marcas em
latinhasde 2 libras a l,3oo rs. a lata.
Mera inglwes craknel em latas de 5 e 7 libras
de 5,ooo a 6.000 rs. a lata, e em libra a
800 rs.
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
a 2,5oo rs. cada ura.
dem prato a 7oo rs. a libra.
Violto em pipa das mais acreditadas marcas
, como sejamBA F., PR.R, JAA, outras
militas marcas. Porto, Lisboa e Figueira ;
de 48o, 5oo, 56o, 64o e 800, rs., e o do
Porto fino em garrafa, e em o nada a
3,000, 3,5oo, 4,oeo e 6,5oo rs. o melhor
do Porto.
dem Rordoaux das mais acreditadas marcas
a 7oo rs. a garrafa, e a 8,000 rs. a caixa.
Vellas de carnauba e composiclo de 32o a
36o rs. a libra a de 10,000 a 11,000 rs. a
arroba.
Genehra de Hollanda em botijas de conta a
440 rs. a botija, e em duzia ou em barrica
lera batimento.
Massas para sopa macarraD, talharira e aletria
a 48o rs. a libra e em caixa ter abat-
ment.
dem estrellinha, rodinha e pevide em caixi-
nhas de 8 libras, muito bem enfeitadas de
2,5oo a 3,Soo rs. a caixinha e a 600 rs. a
libra.
Boce de goiaba em eaixas de diversos tama-
nhos de 600 a l.ooo rs. o caixSo.
SabSo raassa de 2oo a 24o rs. o melhor, em
caixa ter abatimento.
dem hespanhol a 28o rs. a libra.
Peixe em latas muito novo ; savel, pescada,
corvina, salmao e outras muitas qualidades
preparada de escarche 2. a arte de cosi-
nha de l,2oo a l,8oo rs. a lata.
Figos em eaixas de 1 arroba, V* 8 libras
a 8,000 4,000 e 2,000 rs. a caixinha.
Barris de vinho branco de quinto, marca B
A Filho a 60,ooo rs. o barril.
Marmelada imperial dos m-> Ihores conservei-
ros de Lisboa a 6lo rs. a l.tinhade 1 libra,
ha latas de 1 /i 2 libras.
Massa de tomate em latas douradas de 1 libra
a 64o rs. a lata.
Ameixas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas de l,5oo a 3,ooo r|. a
caixinha, tambem ha latas de 1 A a 6 -
bras de l,2eo a 4,5oo rs. a lata.
Vestidos soutembarques.
Vcndem-se os mais modernos vestidos a soutembarque com lindas barras e enfeites para rou-
plnho e mangas, pelo baratissimo preco de 55 cada um : na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60.
Coi-tes de laa com barra,
Vendem-se cortes de laa com barras matisadas e enfeites para roupinho e mangas, os mais fi-
nos que existem no mercado, pelo baratissimo preco de 185 cada cort : na loia do Pavao ra da Im-
ratriz n. 60.
Os soutembarques do Pavita
Vemdem-se os mais modernos soutembarques de grosdenaples preto ricamente enfeitados, ditos
de cor de um tecido de laa com seda muito bem enfeitados, por preco muito commodo : na loja do
Pavao roa da Imperatriz n. 60.
Capas do Pavao.
Vendem-se ricas capas pretas de grosdenaple bastante compridas, fazenda superior* mais roo
derna que ha no mercado, por preco muito em conta : na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60.
Atoalhado de linho.
Vende-se atoalhado de linho com 8 palmos de largura pelo baratissimo preco de 24500, bra-
mante de linho com 10 palmos de largura proprio para lences e toalhas muito encornado a 24500 a
vara : na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60.
Crinolinas ou bales americanos.
Vendem-se baloes americanos os mais modernos por serem muito fortes e bem armados de 20
arcos a 32, ditos de 30 a 34500, ditos de 35 a 44 ditos de madapolo francez de diversos tamanhos a
34, ditos de musselina com liabado e sem elle podendo-se tirar os arcos pelo barato preco de 44 e
45500, ditos para menina, de arcos a 25, ditos de musselina a 34 : na loja do Pavo ra da Impera-
triz n. 60.
wmmuwmxm mmmm
AURORA BRILHAKTE
LARGO
DA SANTA CRUZ N. 84.
Amigos do bom e barato.
A Aurora Brilhante este magnifico estabelecimento est na Boa Vista
primazia, j pelo grande sortimento dos seus gneros de boa qualidade, j pela eoanwN&t
de presos e por isso o sen propietario roga aos seus freguezes e amigos e ao r
geral que mandem comprar para melhor sereiliicarem de aniiunrio.
Queijos do reino novos a 14400 e 24600 Copos lapidados para agua e violto du-
zia 45 e ......(;.>0
Molhos de grande sebolas a tJM
Barricas com bolai hnha nova a i ,
6 libra a........>,)
Ditas ie soda de 5 libras para lunch*
ou doeute a 25 e libra ttiO
Ditas com biscoutos inglezes muito li-
nos a .......UM
Manteiga ingleza flor a 800 e uo
Dito franceza a 560 e 600 rs. e em
barris c meioa 20 o
Dita hollandeza muito nova a
Banha de porco a
Sal retinado o pote ....
'jigos cem batatos bollandezas a .
'lia hyssrn o melhor que na a
Dito miudinho a .
Dito verde a 25, 25500 e .
Dito preto a 15-00, 25 e ttoo a .
Caf de moca arroba 95 e libra.
Dito lavado arroba 85 e libra .
Vinlios finos do Porto caada 54 e
garrafa 640 e .
Ditos de Lisboa e Figueira 34200 a
caada e garrafa ....
Dito bramo proprio para mesa a 560e
Dito torea e outros linos a
Caixa com vinho Bordeaos a5 e V-J
e garrafa a.....
Serveja de boas marras a duzia a 55 e
Gomma muito fina arroba24500,240
Enxofre arrota 34200 o libra .
lanada de azeito de carraaato a 24 e
garrafa a......
Dito de coco a 34300 e garrafa a
Massos com palitos lixados pon den-
te a .......
Tijolo para limpar facas a .
Ervilhas em latas a .
Latas com ostras americanas a .
Vinhos engarrafados fino* a garrafa
Tapioca nova arroba 34800 o libra .
Boiao com graxa n. 97 a ..
OLEO
DE
MiTchaiit
14000
Ditos de prato idein, a libra. 640
Ditos do sertao novos, libra a 72u
Chouricas novas, libra a 720
Linguicas verdadeiras do sertao, libra 400
PreMintos novos de Lamego, libra a 500
Macarra, talliarim e aletria, libra a
400 e.......480
Caixas com 8 libras de estrellinha e
pevide nova a 25300 e libra 480
Sevadinlia de Frasea c sag a libra. 240
Ervilhas c grao de bico a libra 120
Marmelada nova das melhores marcas
a libra.......720
Caixinhas com ameixas com bonitas
estampas a 15600 o.....24000
Latinhas com ditas a 15400, 25400 e 450OU
Ditas com figos novos de comadre a
15400 e......25000
Ditas com fruetas em calda a 040 e 500
Ditas com peixe em posta ensopado
a 5000 e......15S00
Ditos com sardinhas de ames no
vas a.......J60
Caixinhas com 4 libras de farinlia de
aramia a libra.....640
Nozes e amendoa arroba 65 'e libra.. 240
Garrafas com refrescos de varias
fruetas a......fOO
Azeite doce a 640 rs. a garrafa e refi-
nado a......800
Potes com mustarda a 380
Frascos com conservas novas a 800
Ditos com genebra de laranja e de
Hollanda a 640 e 15000
Chocolate de varios autores a libra 15200
Toucinho de Lisboa arroba 95000 e
libra.......320
Charutos finos a 25, 24,K)0, 35, 45,
55 e 65 a caixa de 100.
Saceos grandes cotn milho, farello e
farinha fina a 45, 45500 e 55000
Alpista arroba 44500 e libra 160
Espermacete superior a 600, 640 c 720
hapos de sol do Pavilo.
RIVAL
SEM SEGUNDO
Ba do inclinado us e 55,
hija de miudezas de Jos de Azevedo Maia 4 C,
principia o novo annoa torrar miudezas pelos pre-
cos que a todos causa admiracao, a saber :
Pnis de sapatosde tranca muito finos a 15600.
Frascoe de oleo babosa dos melhores fabricantes a
240 rs.
Ditos maiores a 400 e 500 rs.
Frascos d'agua de Colonia muito finos a 400 rs.
Sabonetes muito finos a 160, 200 e 4(0 rs.
Frascos grandes de agua de Lubin, o melhor, a
14500.
Lapis de tinta encarnada muito finos a 40 rs.
Vendem-se chapeos de sol de seda mnito encornada com eaho de cana e hasteas de baleia pelo ] Norellos de linha rom 800 jardas a 120 rs.
baratissimo preco de 65,75 e 85, ditos marquezinhos para senhora e meninas a 24500: na toja do Pa- Ditos de dita com 400 jardas a 80 rs.
para as molestias exlernas dos aniouen doaestic*
e com especialidade dos (avallo*.
vo ra da Imperatriz n. 60.
Cortes de lfm do Pavao.
Vendem-se corles de lias matisadas com desenhos muito lindos contendo 15 corados cada corte
pelo baratissimo preco de 75, ditos de cr do caf com palmas matisadas contendo 15 corados cada
corte pelo barato preco de 65 : na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60.
DE
DE
J. VIGNES.
\. ftft. RA DO IMPERADOR l. 55.
Frascos de macass, oleo muito superior, a 100 rs.
Duzias de dedaes (trancos em caixas de vidro a
320 rs.
Popis de agulhas a balao Victoria a 60 rs.
Banha transparente muito superior a 700 rs.
Dita Japoneza muito fiua a 800 rs.
Dazia de sabonetes muito finos a 720 rs.
toque de ferrugem a 10 rs.
madreperola muito finos a
Pnpeis de agulha com
(irotas de botoes de
560 rs.
Pecas de fita de cs, estreitas, com 10 varas, a
320 rs.
Novellos de linha branca do gaz a 30 rs.
Carreteis de linha de cores muito fortes a 20 rs.
Candes e caixas de clcheles francezes a 40 rs.
Botoaduras brancas e de cores para colletes a
120 rs.
Frascos de banha, pechineha, a 240 rs.
Bonets para meninos, fazenda fina, a 25-
Caixas preparadas para costureirasa 15500,25 e
34OOO.
Massos de grampas lisas e finas a 30 rs.
de primeira qualidade, fabricadas com o maior
i esmero, as quaes peto modo enVaz que mota
frmicas, realisam orna economa de 90 OJO
as fabricadas pelo amigo svslema.
\HIIMZ OU ALCATR\<>
do gaz, cujas multplices applicacr- s sao por de-
mais (onhecidas : tende-se ao preco da fabrica no
oilao da secretoria de noticia, amnoem da nota,
amarelto.
IIEPOSITO
de rap princeza Gasse, do rti. de h-%
ntiio, na ra da Cruz a. 18, e>cnp-
tot-io de Jos Joaqaim Lina la ira*.
Arha-se o deposito sopando de rap grom,
meiogrosso e fino, assim como de Paulo Cordeird -.
Os pianos desta amiga fabrica sao boje assaz eonhecidos para que seja necessario insistir sobre a
sua superioridade, vantagens e garantas que oflerecem aos compradores, qualidades estas ineontesU-' Caixas de plilios' do gaz e de cera finos a 20 rs.
veis querelles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; pos- Duzia de facas e garfos de 1 bolo superiores a
suindo ura teclado e machinismo que oliedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem; 55500.
nunca 'alhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito idlimamente raelhoramentos importan- Duzia de ditas e ditos de 2 botoes finissimos a
65500.
dem eni frascos com tampa de rosca a l,6oo tissimos para o clima deste paiz ; quauio as vozes sao melodiosas e flautadas, e por isto muito agrada-
rs. o frasco. veis aos ouvidos dos apreciadores.
Faiem-se conforme as cncommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Paris, socio
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposi^des.
suisso a I.Soo rs. a libra.
Conservas inglezas das segninUs marcase
Mixde-Picles e cebollas simples a 75o rs
o frasco.
Ancoretas de vinho colares a 5o,ooo rs., e
a 72o rs. a garrafa.
Sardinh.is de Nantes a 32o rs. a latinha.
Charutos das mais acreditadas marcas de
2,5oo a 4,ooo rs. a caixa.
Champagnhe a melhor do mercado de 12,ooo
a 24,ooo rs. o gigo, e de i,2oo a 2,ooo rs. a
garrafa.
Papel greve pautado ou liso a 3,5oo rs. a res-
ma.
No nii-smo estabelecimento se acba sempre um explendido e variado sortimento de masieos dos
melhores compositores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo ludo vendido
por procos muito razoaveis.
Crozas de palitos do gaz a 25200.
rea preta muito fina a 100 rs.
Caixas de rap com cspelho a 100 rs.
ou lizo de 3,5oo a
Garraf5es.com 5 garrafas de superior tinho Idem de ud
do Porto a 2,2oo rs.com o garrafio. 4f000 a roma.
Wem com 5 garrafa de vinho da Figueira mais Gomma muito fina e alva a 8o rs.
CONSERVATIVO
DE
JOAQUOI MW.tfl IION SANTOS
23Largo do Terco-23.
proprio para a nossa estacSo por str mais
(rosco a 2,4oo rs. com o garrafo.
klm com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
com o garrafio.
Vinho branco o mais superior que veno ao
nosso mercado a 50o rs. a garrafa, e a
4,3oo rs. a caada.
Velai deesparmacate as melhores leste ge-
nero de 56o a 64o rs. o maco, e em cai-
xa ter grande abatimento por feaver
grande porcao.
Azeite doce em barril muito fino a 64o rs.
a garrafa e 4,Roo a caada.
Ideal francez refinado a 8oo rs. a garrafa.
Ervilhas francezas e purtuguezas a 64o rs. a
lata.
Bocetas eom doces saceos de Lisboa de 3oo
a 3,5oors. cada urna.
Toucinho deLisboa a 3oo rs. a libra, e a
9,ooo js. a arroba.
Nozes muito novas a i6o rs. a libra e 4,8oo
rs. a arroba.
Caf de i-., 2." e 3.1 qualidade de 26o, 3oo
e 36o rs. a libra, doCear de 7,8oo, 8,6oo,
e 9.2oo rs. a arroba do melhor.
Arroz da India, Java eMaranho de 2,8oo a
3,ooo a arroba, edeSoaioors. al.bra.
0 proprietario deste armazem de molhados participa ao publico e a todos em geral
lihra ^ue tem um 8rande sortimento de tudo quanto pertencente a molhados, t que tem
i rs a li' l,m armazem Para somonte receber os gneros de maior quantidade, faz suas especula-
jjra> F ces emboas quadras, e que sempre pode vender por menos de 10 a 20 por ten to da
que em outra qualquer parte, garantindo o proprietario qualquer genero sahido do seo
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a grosa e 2oo rs. a armazem, tanto em peso como em qualidade.
duzia. i Manteiga ingleza flor mandada vir por conta propria a 800 rs. a libra.
v/ ;Mu1M j.i.i,. iu_. .. dem franceza, vinda pelo ultimo navio a 560 rs. a libra e 540 rs. em barris.
Sn am a T ^"^ de Porco re,inada. propria para pastis a 480 rs. a libra, c em barril a 400 rs.
KiJ? mialSr V.L^L ?a^,ga Velas de pcrmacete e carnauba do Aracaty a 600 rs. o masso e 400 e 440 rs. a abra,
?o2 cSdaum q Caf lavado do Rio e do Cear, o melhor deste genero, a 280 rs. a libra e 8A5oo ar-
Licores das melhores marcas e mais fiaos ^toias novas em caixas com 2 arrobas por 2i$000, arretalham-se a 4o rs. a libra,
i l.ooors. a garrafa e em caixa ter abat- Toucinho desembarcado ltimamente a 3oo rs. a libra, em barril ou arroba a 84800.
Pedc-se toda alteoco.
Custodio Jos Alves Guimaraes, dono da loja in-
titulada Gallo Vigilante, ra do Crespo n. 7, avisa
aos seus numerosos freguezes e ao respeitavel pu-
blico, que teudo de reformar no fim deste anno seu
estabelecimento, e querendo liquidar grande quan-
tidade de diversos objeelos, est rosolvido a vender
tudo por precos baralissimos, como sejam :
Pecas com 45 varas de franjas de linho a 35-
Ditas com 45 varas de galao de linho a 35-
Laa surtida para bordar, libra a 45-
Froco de cores sonidos, peca a ICO rs.
Manguitos para sehbora, o par 800 rs.
Golinhas de bonitos gostos a 400,500 e 15-
Salvas de metal principe a 15500, 25 e 25500.
Ditas com copos de metal proprio para meninos a
15200.
Facas e garfos para sobre-mesa a 45 a duzia.
Ditas e ditos dita com cabo de mariim a 05.
Bandejas de lodos os tamanhos muito fiuas a !<
15200, t$400, 150*0, 25500, 35500 e 55-
Ditas redondas para copo de 500 rs. para 25800.
Tesouras em carteiras, a duzia a 500 rs., 640 e
00 rs.
Pekos para camisas, a duzia a 25.
CauMsinhas bordadas para senhora a 15600 e 25-
nos ltimos vapores vieram as qnal
nadas, as quaes se fazem reeommendar aos sea*
apreciadores.
Vende-se o eoeenho S. Mamn-1. mu> na tre-
gueza do Itio Formoao, e margrm do rio Seri-
nhaem, o qual demarca eom os engenh.is Cachoei-
ra, Chango e Gamelleira, moe rom agua e muito
copeiro, tem raparidade para afrrjar 2,500 fita
annuaes, e se acha quasi todo em mala, virgen,
distando do embarque 1|2 legoa: quem preteoder,
dirjase ra do Vigano n. 5, me ai han roar
quem tratar. I
Macaos.
#
Na travessa da Madre de Dos n. 5, vendem-esi
caixas com macu a 30.
Vende-se un terreno com 9 pequeas casas-
terreas sitas na ra da Esperanza, negocio van-
tajoso nao s pelo rendimento como per passar a
estrada de ferro de Api pocos na frente do lerreao
a tratar na ra da Soledade n. 72.
sementes de hortalica.
Chegaram no vapor francez Guirue as novas fe-
mentes de hortalica : na roa da Cadma do Rer i fe
n. 56 A, loja de ferragens de Bastos.
ESCRAVOS FGIDOS.
ment.
Cha de 1*. 2, 3* e 4* sorte a 2*800, 2500, 2*000, e 1*600 a libra.
a 280 rs. a garrafa, e caada
... Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa, e de carrapato
Cognac verdadeiro mglez a 9oo rs. a garrafa, 2*ooo.
e le,5oo rs. a caixa.
Chouricas as mais frescas do mercado a 8oo
rs. a libra.
Genebra de laranja em frascos grandes a
i.ooo rs. o frasco.
Serveja das mais acreditadas marcas de
5,5oo a 6,5oo a duzia e de mais a 5oo rs.
a garrafa.
dem em botijas e meias, sendo preta da
Genebra verdadeira de Hollanda, em botijas, de conta certa, marca gallo a 360 rs.
Milho alpista o mais limpo que ha a 160 rs. a libra a 5000 rs., a arroba.
ni\ do Qimivno \. ii.
Laja de fazenda de Augusto Frederico dos Santos Porto.
KSTKIK AS PARA HAM* \S.
A esto estabelecimento chegou nm ptimo sortimento de esleirs para sala, sendo de diversas lar
Ditas para menina a 25.
Chapeozinho para meninas de escola ou passeio a
25e35.
Flores francezas, caixos grandes, a 600 rs.
Lavas de seda com pequeo toque de mofo a 300
rs. o par.
Twicas de laa para meninos a 500 rs., fil a 500 e
600 rs., de seda a 800 rs.
Sapatinhos de merino a 800 rs., e de laa a 500 rs.
Bowmhas de missauga para meninas de escola a
80 r*.
Botoes dourados para punlio a 200 rs. o par.
Tinteiros de metal a 320 rs.
Trancelins para relogio a 100 rs.
Ditos de fila chamalote a 200 rs.
Escrivaniohas de metal a 35500.
Coiheres de metal para cha a 200 rs. a duzia.
Ditas de dito para sopa a 25 a duzia.
Botoes de duraque pi etos a 400 rs. a groza.
Carias nespanholas para jogos a 15200 a duzia.
Caslicaes brancos e amarellos de metal a 15.
Carteiras para algibeira a 500, 600, 800 e 1*.
Sabonetes muito tinos a 15200,15600 e 25 a duzia
Fivelas para caira a 300 rs. a duzia.
Botoes de ac para calca a 320 a groza.
Caixinhas com alfmetes.grampos e eolebetos a 320,
44(0 e 500 rs.
Fitas de borracha pretas e de cor a 120 e 160 rs.
a vara.
Latas com dons massos de agulhas por 800 rs.
Pa>sas muito novas a 8,foo a caixa e
i libra, ha caixas meias e quartos.
Sevadinha de Franca a 2io rs. a libra.
Sa muito novo a 28o rs. a libra.
5oo
muito creditada marca T de 6,500 a 7,8oo guras at 6 palmos e da mais superior qualidade .que se vendem por precos mais mdicos que em Ditas para sinteiro a 300 e 400 rs. a vara.
rs. a duzia.
Ceblas emmelhos grandes a 8ooomolho
640 o cento, e a C,5oo rs. a caixa
Pimenta do reino a 34o rs. a fibra.
Farinha do MaranhSo a 14o rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 16o rs. cada ura.
Cominho a 4oo rs. a libra.
Erva doce a libra.
Canella a l.ooers. a libra.
latatas a 1 ,ooo rs. o gigo com 32 libras liqui-
das e 3,ooo rs. a caixa de duas arrobas,
outra qualquer parte.
SOUTEMBARQUES.
Os mais superiores soutembarques de casemira de cores ricamente enfeitados acabam de negar a
este estabelecimento.
ENFEITES PAH\ BAILE de lindos gostos.
LUVAS BE PELLICA DE JOVIN para homens e senheras.
CHAPEOS DE PALIIA DA ITALIA para senhoras, enfeitados com flm'ssimas flores a 145 e 1(5.
CHAPEOS DE PALIIA para meninas, enfeitados ricamente a 75-
CAMISAS INGLEZAS para homem, colirinhos, peitos e punhos, de linho, a 425000 a duzia.
CAPAS DE SEDA PRETA para senhoras, bordadas e enfeitadas de 225 a 505000.
ZUAVOS de seda pretos para senhoras, enfeitados com o melhor gosto a 205-
CHAPEOS DE PALIIA para homem a 35500.
CAM1SINHAS COM MANGUITOS E GKAVATA para senhoras, bordadas com muito gosto.
ATOAI.HVDO DE LINHO para mesa fazenda superior.
Finos chapeos pretos de seda, chales de diversas qualidades, grosdenaple preto e de cores, pannos
pretos finos, casemiras pretas e de cores, brim branco e pardo, linas laasinhas para vestidos e ontras
muitas fazeodas que se vendem por commodos precos. A mesnia loja chegaram os
Reos cortes de la de barra niatlsada.
Caixinhas para costura de senhora a 15500,25.
3,4,5e65.
Compoteiras de vidro com pratos de metal a 35 e
Franja de la para debrunhar tapetes a 25 a peca.
Palitos de fogo, prova d'agua, a 15 a groza ou 120
rs. a duzia.
Assim como tem grande sortimento de muitos
mais ebjectos que se tornara enfadonho mencio-
na-los, que tudo se vender muito barato para li-
Jnidar : na ra do Crespo n. 7, e ra do Impera-
orn. 59, junto ao passo, e casa da liqdaeao.
All GiO I I Alt I <>
Milho bom em sarcos de 23 cuias a 35500, e a
160 rs. a cua, farelo a 35200 c 35800 o sarco :
na taberna pintada de aniarello do pateo do Paral-
zo n. 16, oifao para a ra da Florentina.
Kscravo fgido.
No dia 4 do corrente fbgio o escravo Baziho,
crioulo, estatura regular, secco do corpo, ror ama-
relia, soffre de frialdade, tem falto de ttoaox tm
frente, ps apalhetados, tem calos nos ralcaaaarrc.
pisa muilo de vagar, levou caica de trun pardo,
camisa branca, chapeo de massa preto mmlo nsa
do: que o pegar, leve-o a roa Dircita n. 30 pri-
meiro andar, que ser gratificado.
fcsm> finido.
Fagio do engenho Maneauba, comarca do Li>
moeiro, a esrrava parda de nome Anlor:.i, iiJade
36 annes pouco maisou menos, corpu serr, altura
regular, urna oreilia murcaa, deotes itinaoos, cota
cicatruea pelo corpa Esta escrava tem estado ja
nesta cidade, est fgida deste o i* de novembro i
anno passado. Quem a apprehender leve-a nrsia
praca, na do Queimado toja de ferragens a 13 en
no mesmo engenho que ser gratificado.
De bordo da barca Africmna, fugiram doa*
escravos, u.n crioulo de nome Anioni", represen-
ta ter 40 annos, cara feia, cheio do corpo, estatu-
ra regular, outro mulato de nome Joao, ropresea-
ta ter 30 annos, estatura regalar ; quem os pegar
ou lidies der noticia no escriptorio de Aim.uk>
Luiz dcOliveira Azevedo 4 C. ou a bordo da dit#
barca ser bem recompensado.
Fugio no dia 17 do corrente a escrava Mana
do Rosario, crionla, ten o dedo grande da mao>
esquerda de menos por causa de um pananr*
levou vestido de escumilha cor de caf, chals ea-
carnado ja velho, arplas de ouro as orelbas. U*
escrava do Sr. Joao Manoel senhor do engenfcr*
Sant'Anna e ltimamente da Sr. Bernardo 9-*
drigues Pinheiro, tem irmaos em Santo Amaro da,
iaboalao para onde se descoma M M roga-se,
s autoridades policiaes e caailiei de campo \
captura e quem a pegar leve-a ra da Seazatt*
Velha n. 94, que ser gratificado.________ >
- Do sitio inliiulado Mangmira. Ierras do a-
genho do Meio, freguezia da Varzea, togi ata
mulata de nome Rosa, com os sgnacs scuuMles :
idade 30 a 35 annos, altura regular, i
des, que sempre trazla ella ou rom trai
bandos, olhos pequeos um pouco veaos, couea
esta quo s se conhtci.i a muii" olfiar. a rata
rosto com manchas muilo de lew. e omos fu
de zoes como aspeetai de sarda* : rogare, poi.*.
a quem a apprehender, traze-la nn mc-mn
ou nesta praca, na ra Direila n. i" pa
Jos Luiz de Souza Ferreira. que sera gralaVado.



Mario de Pernambnco Quinta felra *1 de Janeiro de I Sttl.
^LUTERATORA.
OQUEVAE PELO MUNDO.
O isr-irfo do procurador geral Dupi". u.i sos-
od nade francoz, 18 do correal, dlgno
; por in.iis de um titulo. Saturado de
n, a de bom sonso, provocou os apa
dos p opriiM adversarios. Pode diier-se que
rain o governo a correr aventuras, esperando que
-c lauca-a imprudentemente no pcrigo.
* Era urna queslio europea. Nao podamos pro-
,,'jder scs. Quando de lies potencias convidadas
a tratar a quesillo duas so relraram. a l'ranca
nao devh nein pocha obrar 86, ecoflocar-ee inu-
lmenle entre dous focos.
Cinjaino-nos pois, ao que vcrdadeiro, ao que
sensato. Sim, as nossas swnpatliias, as nossas
sympathias cordones nao falham i cansa da Polo-
nia. Sim, os nossos esforcos deven leader a pro-
curar para esse paif melhor rgimen; mas las-
car-nos u'uma guerra desastrosa, extenuar a fran-
ca ero proveilo da Potoaia, arriscar a Franca, o
lama.
O gi procurador gtrnl upin Ha no de
Me, que o'enpa o senado, daaseouaos, qoe cum-
j,ie nio confundir : a sympalhia pela Polonia. c
a questao poltica, a questao do bom accordo a se"
guir.
A svmpallia pela Polonia partilhada |>or
salvo Ulve urna excepcao, urna
tiui -a, qupalo sea clmenlo nao deve entrar
MU liona deconta.
< Tudo o que contrario moralidade, a hi
ao
imperio e o imperador, isso de modo algom. (bra-
O i apelador adopten cnlao una grande re* tos,applaut
Eotendeo que se quera comprometter i Senhores. Concorri para a rdatelo do pro-
Vnta-lo-liei, porque exprime ao
ras, l isse : os tratados do 1815 acham-se abo- mcsinn ,,,,,, as nos#as svni|,alhia5 pani a M,mA
Hitos, \ssim acontece em varias disposic5es.no e plena adheso i politica do imperador mas nada
qne imitara de doloroso para n-, o que omito m;us
estima Foi para assegurar urna base ao direito
usti dos mais brilhantes d'aquello veterano da ln- arranc, e qoii turnar todaj a. potencias solida- j(.(.lrt (k. r,..,,,,,,,.,
publico europeo, que o imperador fez um no-
ble np, tollo a todos os soberanos. i Milito bem.)
Allegase que ha aventuras cm que se de-
ye Mltr.ir. -Nao la dunda. Quando o manijo al-
fronta una morte certa, um soldado o toga do
iuimig porbem do pan, todos se assocam aua
dodteacio, c relebra-se depois a sua morte plo-
riosa. Quando o DOSSO exordio faz Magcnla, Sol-
manidade, i boa administrar, ao bom J0*6 ferino, Puebla, cobre-se de loiros porque lia urna
dos povos, nos o deploramos. Deplorantes os in- a ledarad
formaros lndlvidu.es. Osfae.es rmanosos os: ^ MJ &q ^ ffT
rigores excntricos sao rondeumados pelo sen L,^ nossos sodados. Mas, pretender quede-
ntenlo geral da populado trancen. (Appro. V(,mo. ^ ^ ^^ ^ ^ *
vacio.)
. lf., mitro senlimenio nao menos reeomnieiula-
ve1. E* o da confraternidade militar. E' um scu-
li mato heroico, cavalhotresco, que eu compre-
ticndo. Mas, senhores, se tivesse de pronunciar-
nio na causa de um companheiro de collegio, por
i- isso : que consiste a aventura, o a loucura. E
Be se admiti qoe a sympalhia pela causa polaca
'popul ir em Franca, eu afflrmo que urna guer-
ra n'estas condieoes seria impopular. (Muito
bem.')
Examinemos, pois o lado poltico da questao. E,
mullas sympa.uias que lite vo.asse.tora dojalgyo | (le ^ |om para cer,as s ^
Munroeeawseguudo a le.. Ass.m, recounecemio ^^ um dp|ori)a d(1 po|0nis.,10 Mas antes dl>
tu,Uo que ha do elevado no senilmente da con fua a Klierra fela folonia, preciso saber cm
frav.r.ii.lade ilitar,noo toso umi razao, se naona prjmej .q ^^ ^ ^ Vo1mU h lUerrogaej a
oulra, para precipitar a patria em embarazos e Ingla[(,.rai diz mi m |ra|a ||o du(,.1(Jo de Varso.
diliculdados.
A Polonia cathc-lira, dizem e por esse
va. (. resto mtKirla-lhe pouco. Se consultaos as
duas potencias visinlias do ducado de Varsovia, a
titulo, quo se, pede a Franca a defesa da sua cau- Ausiri e a Prassia, ser anda peior, porque se ha
sa. &>te seir.meuto MU respeilavel pode man, una qiestao polaca para a Hussia ha lambem urna
feslar-se sb differentes formas ; mas nao pens auestic polaca para a Prussa, o oulra para a
que de va ser na catliegona de cruzada, de urna Auslrir.
espacie de guerra religiosa. stpponha-se que entra em Varsovia nm exer-
. [la aecu-acoes contra a Polonia I E quem c(0 fn.cex. A Austria e a Prussa veriam logo a
so lembrar de as apresentar? Quem querer nipos;bihdade de conter a Gallicia e o ducado de
acabrunbar um paiz desgraciado 1 Podemos lasti- pus,,n Nao nos denariam cl.egar a Varseva sem
ma-lo, mas nunca accusa-lo. Todo formara votos cumu;u(!. Seria urna guerra lerrivel, mas nacio-
en. favor da Polonia: descja-se-lhe um melhor na| pira a Austria, c para a Prussa. Seria para
rgimen social, um melhor rgimen de propne- [odus Jma guena d(J mer,e
da'e Eis a respoita ao quisita de que Polonia se
Mas, se a Polonia participa d vicios da or- ,ra(a E> precs0 reConstilu-la toda inleira. E'
gamsaco moscovita, nfio os partilha todava cotn- prociso fazer a Polonia de I77i. E' ella que recla-
pletamente : o Ahom existe na ltussia como ins- ma es>Cg0verno 0eculto com quem se communica
tiluico (Hiso) : mas, nao existe na Polonia. Ou" n5o se ^ qna( ^^^ acilsl;(. (Rso) So faIt,is
lio; paizes visinhostainhemo tem, mas com outr menos do que isso, ninguem vo-lo agradece, a
nomo.
t Na Prussa nao ha o knout, mas ha a schla-
gtte; n"ouiros paizes loiu outro nome.
Cima voz : Em Inglaterra sao as disciplinas
para os soldados.
questai fica como d'antes.
i-Mcula-se quantos exforoos sao precisos para
altingi-bom resultado? N*j me mello era plano
de campanha, r.rom quero usurpar as altribuicoos
mililaies. Julgo com tudo que cumpre expender
alguina cousa para fazer ver que o commettimento
0 orador Fallou-so de intolerancia religio- nao bagatclla,
sa para com os Polacos, por parte do goveroo rus- Quando \a|oleao I fez a guerra Russia, ba-
so mas parece esquocer-se, que os Polacos sem- vja s ,bjugado r Europa. Tin|,a u^^ os nl(.is
pie foram de grande iotoleraucia para com as ,,ara (0||igir as margens do Vstula ornis forml-
Otilras senas religiosas. So poupavam os Judeus. davd mntl0 uu*m Mr. Thiers osseus prepa-
0 que fez d.zer da Polonia, que era o para.zo dos ^.^. ^ um j^y,, d(, mjm .lMgaM
Judeus. (Kiso.) 'com tidos os aprovisonamentos, eurna reservado
t O que cumpre apetecer Polonia, o que ( 200,0(0 homens. Demais todos os raminhos esla-
preciso desejar-lhe, um melhor rgimen de pro- vam abertos para elle. A Allemanha nao se atro-
jieJado, urna melhor adminislracao pessoal, uina va a murmurar, fornecia-lhe contingentes, havia
-.idili'lado mais Ilustrada nos seus baroes, me- Uavaros e Wurlemburguezcs. Erara elles que fa-
llos edade media em seus costumes. 0 que cum- ziara a ala direila quando fomos; e que fizeram
re desejar-llie, antes um mellioramento social, a ala esquerda, ajudando a fazer-nos retirar. (Muito
) quo urna traosformacio poltica. bem, .ipplausosj
E1 preeso que toaba uina admnistracao me- ( Uo ,ennore$ his,orh dessa cani(iauha cm
Ihor que a de um governo occulto, presidido por
una especie de ettte da monlanha ; urna admi- "'PPe de Sezur; lde-a stbre tudo no bello e
Distraa que possa carantir ao paiz'as vanlagens patritico livro do duque de Fezensac. Ah encon-
aque t;m jus, em lugar de impelli-lo a urna luc. trareis urna ancdota, que xou a minha atten-
|a desesperada; porque de jarte parte, como So.
Oisse o imperador no seu discurso, ha excessos () duque de FtiensaP) qu(( parljU como cons.
que a huuianidade deve deplorar. cripl, foi feito sargento. Um da, por occasiiio de
t Sim. senhores, deploramos as desgracas da umpasseio malinal destinado a exercitar as tropas,
1 j' ijiia, e nao de agora. Quem deixa de recor- o sei leuente u'uma linguagem ijue nao quero al-
iarse do favor quo a emigracao polaca acliou em iMW| diz :confesse sargento que fazemos (que
l'ranca no" nno de 1830 ? oiis fvns, lo.-ucao viciosa) um lindo passeio. O
. 0 offleaes foram recebidos com os postos que sargento responde no mesnio estylo: sim.masacho
Mdoraiu autos de passar a fronteira. Ninguem 'lU(! '"" f ron, milacao do erro supra)
liM regaleou os subsidios. Lembra-me que um demasiado longe. (Ihlandade geral.) Pois bem
la o inin.stro da faceada d'Argout julgaudo de- scnlures, nao admittis que haja mu tos casos em
tr responder na cmara aos que o ceusuravam que se comete por fazer um liado passeio, e que
or tratar os olliciaes polacos lio bem ou melln r enlao, sobre tudo ns Francezes, vamos (con) de
o que os francezes, foi logo interrompido por mas.'ado longe t (Huios)
algumas wzes Uh l d'Argout: basta, basta- Para fazer a guerra sera rasler pelo menos,
(Hisoe applauso.) qUC tVesseis sobre o Hbeno um exercto egual ao
< O respetavel principe de Czarlorinski foi re- da nperador Napoieao L Julgaes que a Franca
ccbiJo na curte, na residencia dos ministros, e nao se assustaria de todo o seu exercto mettido na
sea domicilio do hotem Lamben considerado o guerra da Polonia E depois maginam, que a
saactuario da honra e do infortunio. Allemanha formarla alas para ver passar os nossos
( Istonaoquer dizer que as ultimas fileiras soldados aposentando as armas,e bradando : viva
aio houvesse ma gente, a cauda da emigracao a IVIona? Pelo que me toca nao o creio. Creio
(Lodos os partidos twm cabera e cauda) sempre antes que a guerra seria aproveilada como cnsejo
flisposU aseguir iu^tinctos de desordem. Alguas de rhegar a essa unidade germnica, que se pro-
ff*>sas entraram as sociedades secretas, e exci- cur' organisar, nao no interesse da Allemanha,
lados pelo.-, jornaes hostis, fornecerara o seu con- "*' a *V- (Muito bem)
ingente para as rcvoltas. Outros reconhecendo a impossbilidade de
* Em 1848 apresentavam-se na tribuna da as" atn.vessar a Allemanha, propoem fazer passar o
acmbla legislativa para lr petices em favor da n0Si exercit0 Pe1 ** E pensaranosnavos
Polonia, incitando os legisladores a declarar guer- 1ue ^"^ para transportar 100,000 ho-
a Polonia, tentando persuadir cora arguraen- "er"s? ,E ^ tendes vos como Napoieao I
Z Blanqi, com a bagoneta na bocea da espin- J^J^T^ ? J1*" "ue Bi,Uc0
, e-la 8e|ado seis raezes no anno; e que essa va
*a'da> lcaria fechada para o abaslecimento das tropas?
Eis como o paiz foi recompensado do acoln-1 Em m m ^ de de ^
meuto que fez a essa parte da empacan pola- prevef ,ud0j n5o temcjs ,,U3 0s Inglezes cora os
ca j o que prova que se as boas accoes eem o se|JS namatl).m navi,)S construei|, ^ C)Ssar
umerito. tambera teem o seu pengo. (Appro un can)Cnle para qs ^ em ^^ ^ ^ ^
*afao' talecan do nosso revs para atacar-nos pela rela-
< Encaremos agora o lado poltico da ques- guirda? Parece-me ijue nunca encontraran me-
tao. Seo Ilustre sonadorBonjean disse a venia- Ihor occasiao. (Apptausos)
de, pode concluir-so que a Russia to infeliz: N5o nos deixemos mim(]ar pe|a apprehensao
como a Polonia; e para ser consequente, cumpre de que a Europa seja uin dia cosaca) se 0 for
4amliem pelr qne no Interesse dos Russos so de- republicana. No Memorial de Santa Helena ha
clare Russia urna guerra de amisade. (Riso) m, iu cousa que nao deve tomar-se aopdale-
c Vejamos as cousas como sao. Quando sur- tra. Veem-sc ali rauitos rasgos de genio do irape-
gin a questao nao se qniz proceder como d'antes, rador; mas tambera muitas allegaces destinadas
o fez-se bera. O imperador entendeu que devia a desculpar erros. E' preciso nao o considerar
pedir a cooperario das outras potencias. cono o tesiamento do Cesar, onde se encontrava
. tu lo. (Muito bem)
A Inglaterra avan^ou logo ; mas tambera foi
i Mu,tos affUmto)
OMonitcttr Universal, pubiicou urna corres-
pendencia do Mxico, que da informacoes sobre a
partida do general Porej, c outros detalhes que
vamos referir :
A regencia prosegue nos S(^us trabalhos de
reorganlsacSo geral, c formou nina guarda nacio-
nal composta de cidadaos que olferecem todas as
garantas possiveis pela sua moderacao forlnna, ou
posicio social. Esta milicia n.o fara porm, ser-
vico ordinario, e s ser convocada ao caso de dis-
turbios e para manler a orJeui na cidade. A con-
serviieao das estradas, o preparo de cerlos quarteis
a melhor reparticao dos impostes, os soecorros da-
dos aos pensionarios civs o militares do estado, a
restauracao da academia de S. Carlos, a fundaco
dos res de llespanlia, sao suicente testeniuuho da
actividade e zelo do governo.
Entre as numerosas adhesoes que se tem ve-
rificado, preciso notar a da cidade da Perole,
provocada pelo coronel Carrillo. A posicio de Pe-
role 6 muito imprtame, em consecuencia da sua
' fortaleza, que domina a estrada norte de Veraeruz
no Mxico. Foi naquella fortaleza que o exorcito
americano encontrou, em 1847, mais de 5,000 es-
pingardas e 6G pe^as de artilhera. A adhesio de
Perote, produz furiosamente a reoecupacao da ci-
dade de Jalap.-, resgalada pelo chefe juarista Prieto,
que, naquella parte, interceptou sempre as com-
municaedes com a costa.
No interior c para o sul, as tropas do governo
alcancaram importantes xitos contra os bandos de
Jurez. O general Vicario, destruiu es de Puizon
e de Jimnez, no rio Mextcala; o general Liceaga,
e o coronel Miranda podem armar 4,000 indios,
contra Negrete, e em Mascota, no estado de Jalis-
co, o general (ovar, com 1,200 homens, dispersoo
guerrilhas de Rojas que liiou gravemente ferdo no
combale, lina columna franceza comma'ndada
pelo coronel Aginar, do 62" acabou de pacilicar a
Serra de Tulancingo e o estado de Tiascala.
f As provincias anda sujeitas a Jurez sao vic-
timas das maiores desordeus; em eonsequencia do
alistameato Jorcado e das exageraeoes sem nume-
ro. Valladolido da Michoacan acabou de pagar um
novo subsidio de 50.000 piastras fortes, e o propro
coiiiriicrcio esta paralysado em consequencia das
exurbitantes contrbucoes. Foi deste moiJo que
urna ordera de Jurez, publicada em 18 de setem-
bro, pelo governador de S. I.uiz de Petori, deter-
mina que se transporte para o interior, pagando
consideraveis direilos, todo o algodo que existe
naquella cidade e prescreve que se queime o que
nio poder ser conduzido no praso do 8 das.
Para bem se comprehender quanto esta medi-
da lera de cruel, 6 uecessario lembrar que as mu-
Iheres indianas li.uu e tecem mo os eslofos de
algodao, que serveui para as roupas da populacho
indiana.
Os proprietarios das minas e das grandes her-
dades sao to mal tratados como os habitantes das
cidades, e estao constantemente a verem arrebatar
pelos guerrilhas, os seus muars, carros, gados, e
al os proprios irabalhadores.
Na Nova Calosa acaba de se passar um facto,
que ajuda a conhecer qual a orgaoisao das tro-
pas, que se conservaran) liis a Jurez. Os nego-
ciantes eslrangeiros, e especialmente as casas alie
mies e nglezas de Guauajuata e de Cuadalajara,
tinhatn expedido, a 7 do mez passado, para Colima,
a tira de ser embarcado para Munzanillo, um com-
blo do |irala com 211,000 piastras. U comboio
foi confiado ao Sr. Puga, lliho, e a escolta, formada
de tropos IIguiares, era commandada pelo coronel
Montenegro. Quando chegou a frente de dlima,
a quebrada que se chama Barranca de Beltram,
uina partida de soldados revollou-se assassinou
coronel e mullos olliciaes, e fugiu com um cello
numero de malas que levavara 92,000 piastras,
Sr. higa, coin'alguns olliciaes e soldados, que nao
estavam na conspiradlo, couseguiu depois de um
sanguinolento cmbale, por era segurancia o resto
do dinheiro.
t As noticias de S. Luz Potos sao muito ms
para Jurez, queein vio lentou reunir uina e>pe
ce de congres.-o ; atiesar do engodo do pagamento
das desposas de jornada e de residencia, apenas al
guns depulados responderam ao appello. A dis
coi da contina a reinar entre os chefes ; Comon-
fort, Lerdo, Craga e Doblado nao tem podido enten-
der-se, e as correspondencias conlirinain o boato,
ja muito acreditado, de que algunsd'elles esli dis-
liostos a recouhecer o governo da regencia. F.s-
neraimts i|ue estes personageus se hao de decidir
chegaram a volia de Kanasacra, a milha e meia quadro est representado o coronel Colineau, em-
d'aqui, e a viuto jardas pouco mais ou menos alm punbando com energa a espada, lendo na esquer-
da ponte que ha sobre o canal, virara atravez du ea- da a bandeira franceza e cami libando pranos
uto, o rotpo norrivelmente mutilado de Mr. Ca- aira vez do po do fumo.
js, alferes do 11 batalho de cacadores d'frica. Este intrpida militar, romo protagoni^la da ae-
t E' diflicil descrecer o estado do cadver, que fio, sobre quem repousa avisto do espectador,
tiulia uns viole ferimentos, dos quaes s um has- nio obstante acharem-se em volta delle mais de o-
lava para matar. Um braco eslava anmaduzia tenia lguras. Paludo, ferdo na cabeca e no vea-
de passos do cuipo. ten lo lida na mi urna parle tu-, com o.- ullio- pareeeodo sallar-lhe fra das ur-
das redeas do cavado que moutava. bit*', lixa os seos soldados, chama-os ao combate.
t Os habitantes da povoacao al) ciam a mais e elles.segurado com egual valor, saltara por cima
profunda ignorancia do faca lias segundo sediz, dos cadveres que juncain a Ierra. -Que vigor (pie
notaram tres eslrangeiros (dous armados cora es- nao tero a cabera do sapador Montn! qne valen-
padas); urna velha declaran que temi ouvuln gri- ta de toque, que colorido tao brilbante -Quera
ios tiuba cliegado porta e vira passar rapidamon- niu dir imparcialmente que esta Qgoraqnasi
te os dous hamen*, leudo nm d'ulles o falo tinto de tao boa como as mclhores que Paulo Veronese pa-
sangne. tara no sen sublime quadre das -Bodas de Ca-
t As autoridades declarara que nao teem o rae- Moa ? Este distlncto zuavo tem seus ps um con-
nor indicio a respeito doassassioa trarioeesli oa accio de Ihe cranfr a bayoneta,
t Mr. amus, sabia depois de meto dia, segn- as costas. Nao fcil m ralo a sangue fri
do o seu cosime, para fazer um passeio a cavado porque a cobra esl vivamente esculpida naquella ;
Nao levou arma alguma, nem mesmo a pequea
pistola de algibeira que alguas trazeni.
Escrevem de Varsovia pie Ladislao lta-
wiex morreu com muita tranquilldade e resig-
oacao.
Na vespera da sua morle, escreveu urna carta
a seus paes, na qual convidava-osa que nao per-
eam as esperancas, conflaa una miela sua joven
esposa e seos Ulhos.
Entregando o seu anel c o seu relogio ao pa-
dre quo passou a neute junio delle ero oracao,
disse a esse ecclesiastice : Entregas estes objec-
tos a meu filho : que ame a sua patria lio since-
ramente como eu a adorei al aos ltimos mo-
mentos.
O Czar pubiicou o seguale :
Temos alguns pormenores muito caracters-
ticos a respeito da execoeao de Ladislu Rawiez,
enforcado em Siediee. limitas pes-oas influentes
Rzerara diligencias poderosas junio do general
Berg, que aliiial ceden promelteado o perdao do
condemnado, Uanioukine, procnsul u> Siediee,
persumido do pie setramava em Varsovia escre-
physionomia
'm dos episodios maisnotaveis deste quadro, em
que abusdam bellezas deestito earrotos de imagi-
naeao, o seguinte : -a ilireila ilo espectador se v
no primetro plano um ollleial ru Com o paito cuberto de comecoracoes. Este IIII-
cial agarra pela gola da farda um soldado, que i os-
suido de terror pnico, da as costas ao iniraigo.
Aquello parece dizer a este : < Nao fojas, cobar-
de I mas o desgracado, jroni a face direila en-
.-anguentada, conirauava a fugir.
Mal pensava o intrpido oficial que na sua re-
taguarda vuba um zuavo de bayoneta calada I -
Prximo a esta luta, em que a borrivel verdade es-
t finalmente traduzida, pin'.ou Mr. Vvon um ou-
tro soldado, que ferido na cabeca, vem no ar como
cabindofra da tlal... 0 escorco destt figura
honrara o autor de Juizo final : dilliculdades
taes fazein de Mr. Yvono pnuieiro deseuhadordos
nossos das..Nesla parte ilo quadro os contrastes
de luz e sombra parecem inspirados : a Musi
completa. Para OOBtrabalaricar a parte direila do
quadro com a esquerda, 0artista enri |Ueceu-a com
veu logo ao general llerz que nos interrogatorios o seguiute episodio, que ingenliosainentc de en
de Rawiez seempretravara meios enrgicos para volvido : \e-.-e ali iim ar ilheiro russoque,em
llie arrancar conlis-oes rpie a .-ua soltura s ser-'. ultimo recnrso,eslcobria(M oouvidoda peca para
viria para comprometter o governo susso, e dar que o iuimigo que j corre para ella de prego na
assumplo a novas dilfamacOes. j mi esquerda e tercado na direila, a nao ecrave.
Heconheceu-se enlio .pie era preciso oceul. A colera ijue exprime aquella pbysionoraia, a
tar es meios e as consequeucias do interrogatorio | raivosa prccipilacao de um seu cantarada, que a
moscovita ; o perdi foi expedido de Varsovia na seu lado tem erguido o soquete para descarregar
una pancada na cabeca do corajoso artilhero
rancez, asMiu como o zuavo que lio plano supe-
rior, em cima da triucbeira, alna s mios ambas
cora um caco de granada sobre o artlheiro russo
que defenda cora valor o seu ultimo posto, a ata-
lude guarnir de todas estas figuras, o movmeu-
to enrgico de cada uina en particular e o grupo
nm geral, formariam de per si um s quadro ad-
mira vel. Mr. Yvon sabe prender o espectador as
suas obras do um molomcrivel IAs batalhas do
Lebruu sao sem duvida as raais nolaves da esco-
la franceza, e na verdade aquelle grande talento
tiuba, como Mr. Yvon, o dol de uina iuiagiuaeio
fertilissima junio ao de saber desenliar bera. As
cabec'as dos seus guerreiros romanos imprento-
nam e as lulas parece lereui sido copiadas de re-
pente pelo natural, porem o claro-escuro e a cor
ileixam muilo a desejar ; nem grandes amas de
cando Ihe que perniillisse que ella podesse ver ; |Uz e sombra, nem vanedade, de colorido era vi-
sen esposo pela ultima vez ; a resposta barbara |g0r ; o lora geral montono. E coratuda Laureo
foi a seguale : Tendes muito tempo de o ver, i fj 0 maior piulor daquelbi genero que a Franca
t durante quatro horas, quando estver enfor-, teve.
cado. Continuemos a analysar as bellezas artis'.icas
Terminada a execucio, madama Raviei ajoe- daTomada de Malakojf.
Ihou junto da forea, e orou durante hora e meia.. Alm de todo e.te conjuncto de horrores da
Quando a arrancaran] daquelle doloroso especta- guerra, se v la no alto do grande quadro um
culo, a infeliz senhora eslava sem sentidos.
tarde do dia em que de manliia se verificara a
execucio de Rawiez.
A mulber de Rawiez, que se dirigir i Sie-
diee, ignorou at ao fun a carta lerrivel que se
escreveu a s.u marido. Yendo levantar urna for-
ea em frente das suas janellas perguntou a una
pessoa das suas retocos que entrevaera casa,
quem era o infeliz que ia ser enforcado.
l'm gendarme nacional respondeu elle.
Oree, senhora, por que assiin conseguiris
adquirir torcas, dando-as ao mesmo lempo a-
t queito que vae morrer A desgracada senho-
ra ajoelhou. e por muito tempo orou pela alma do
condemnado, ignorando quo orara por seu es-
poso.
Quando soube a dura e triste verdade da
bocea de pessoa que a acompanhava, madama
Rawiez dirigu-se casa de Manioukine, suppli-
BELLAS AKTES.
Oa quadro* de batalhas de Mr.
Adolphe Vvon, collocadoa no
palacio de fersalbea.
i
Tendo visto o anno passado na exposico univer-
sal de Londres as copias destes quadros fintas em
ponto |tequeno por Mr. Yvon, de que darei lambem
unta idea ao leitor quando continuar a escrever a
nimba aualyse sotre bellas arles principiada na-
quella capital, conrei a impresso que rae ze-
raui os originaos, q ie tanta Humeada teem, e dos
quaes a Ukistiacau franceza solriveis gravuras
uos mostrara.
Sah de Londres no i de dezembro s 9 ho-
ras da manba. l),rig-me d'ali a Folksione, atra-
vessando em seguida o canal da Mancha, e depois
part de Bolonha para J'aris, onde chegue no mes-
rao dia noule, lendo feito uina viageiu de 100 le-
guas, |KMlco mais ou menos. Teria ido lugo visi-
tar meu amigo mestre, porque deveres de gratidao
e respeito me obrigavam a isso, se nio chegasse
tarde e um pouco cansado, porm no dia seguate
fui fazer-lhe os raeus curaprimentos. Mr. Yvon li-
cou surprehendido com a ininba chegada inespera-
da, recebendo-me com toda a sua benevolencia. O
eminente pintor eslava trabalhando n'uin quadro
de grandes dimensoes, do qual fallarei depois.
Tendo depois pass.do alguns inslautesa ouvir os
conselh '> de to grande mestre, conselhos de ver-
dadeiro amigo, como era Augusto Roquemont, re-
tirei-ine sasfeitissimo para ir a Versalhes. Como
distancia de 10 leguas, se me uio engao, nio deve
o artista descuidarse ura s momento. A nature-
za e arte rivalisam em belleza. Aldeias, villas,
casas de caui|io, castellos, parques,campiuas ior-
a satisfazer este primero acto de patriotismo, ua tadas pelo Sena, que serpenleia por entre ellas,
conformidade ilos desejos do povo. poutos do vista sempre vanados, acacias verdejan-
O Scutsman obteve e pubiicou o seguinte do-! tes de um e outro lado em toda a extensao da via
comento, esenpto por ordem de Mikado, ou irape- frrea, tornara aquello passeio um dos melhores,
rador espiritual doJapio, e publicado era Kioto ou seiiio o mais piltoresco, dos suburbiqs de Pars.
inagnilico grupo, do qual formara centro o general
Mak-Mahon e o porta-baud .'ra rdponi/ Libeaux.
Todos estes guerreiros pas-aram a brecha aberla
na trincheira, e uns saltara, outros correm, outros
esto parados era cima dola espera das ordens
do seu ebefe, que, impassivel, envolto no fumo da
fuzilana, segura com urna mao as redeas do ca-
vailo, ecoin a oulra aponta para o iniraigo, que
parece fugir pelo quadro lora I No plano infe-
rior passa-se unta luta lerrivel. Entre urna parte
destruida da trincheira, tao larga romo uina porta
regular, einpolgara dous zuavos, dous Russos, ten-
do ao mesmo tempo os toreados erguidos como
para os assassinar. Adiniravel a arle cora que
est pintado este grupo, quo sombra s recebe
um raiode sol, que contorna as faces enraivecdas
dos hitad res L'm pouco mais abaixo e mais
perto de nos esl o grana Jen o Laureuce fazendo
pontana para quera o observa.
A espuigardi e os bracos, vistos de frente, sao
de urna illuso completa. O estudo da ptica e da
perspectiva linear esto to rigorosamente calcula-
dos, que eu mesmo, sendo pintor, sent o desojo de
me approximar do quadro e tocar-lhe para desfa-
zer o engao era que eu me achava.
A mesina execucio se v em lodos os accesso-
ros representados nos quadros de Mr. Yvon. Isto
que cunto nao como aqu lia ancdota do quadro
de Zeuxis ,e outros, a verdade. O fuudo desia
batalha representa um cu claro ; na linha do ho-
risonte contornam-se moi tanlias ridas, pouco al-
tas, que pela mulla distancia se resentem da cor
ultramarina do ar, e se separara bem do plano
iminediato de muas montanhas que se achara
aquem, onde nao bulla o sol, porque urna nuvem
que passa se melteu de permeo.
I ni pouco mais para c se destingue anda o
me nao lembrava bem^'daqueires'sTos," con'fesso I combate as campias, e o fuino dos canhes e da
quo rao encanlou quanto vira at l. Naquella! fuzilana levado pelo vento ; isto, porem, e lio
Maco, cidade sagrada
No 24 da do stimo raez encontrou se a cabe-
Mas vamos aoassumpto da minha vagein. Ter-
se-bia passado uina hora quando o comboio parou
Ca de ura homem (que pareca cortada de pouco na eslaco de Versalhes. Mais de duzentas pessoas
tempo), e que esta va espeUda em ura poste na ex- j de arabos os sexos sabiram das carruagens e todas
tremidade occidental da ponte Sanjo ; era a cabe- ellas se dirigiam ao nicsrao ponto, notando-se, po-
Ca de Yawalaya Wokei, ura dos principaes neg
ciantesile Kioto. Ao p lia-se o seguinte : Ginjivo,
Hikotarvo, Dcbijirvo eSliowby. Estos quatro per-
sonageus estavam ausentes, mas o Mikado ha de
dentro em pouco apphcar-lhes o castigo que mere-
cein. Eis as razes porque merecen) o castigo da
parle do Mikado :
t Ha alguns annos concluiu o Taicoan tratados
com os eslrangeiros sem o consentimento do seu
rm, que nao era ha santilicado. Nos paizes onde
impera a eivisace sempre extraordinario o nu-
mero dos visilauti s aos musus e galeras de bel-
las artes.
Nesla minha noticia nio tratarei das magnficas
estatuas colossaes de alguns hroes de Franca es-
culpidas era marniore de Carrara, que se encon-
trara a direila e esquerda at entrada do sump-
tuoso palacio, nem da de Uliz XIV, soberba esta-
superior (o Mikado), e os personagens cima indi- tua oqueslre fundida em brouze, que esta quas no
cados lucrara grandes inleresses no seu coninier-i lira, como formando simetra, naquella especie de
co com os eslrangeiros, sem attenderem aos pre- parallelograramu. U queme layara a Versalhes
juizos que causavam ao paiz ; lizerara trauco com | era a irresistivel 'ontade de ver os quadros de meu
mestre.
O palacio parece um labynntho pela continu icio
inoeda de cobre, seda, azeile, cera, sal,e, linalmen-
te, compraram e mandaram para Yokoharaa e >a-
gasak lodosos productos mais importantes do paiz
para os vender aos eslrangeiros, e assra lizerara
subir de tal raaneira os procos, que todos soflrera gnde interior, cm cujas paredes estao pendura-, dos, e no alto i
com isso. Para ura grande numero de familias po- dos quatro iral quadros, que se nao venara cora al-1 ogeneral Mnoy
bera calculado, quo nao interrompe de modo l-
bum qualquer dos episodios pintados nos pnmei-
ros planos do quadro e do; quaes o leitor j est ao
faci.
Esta c pouco mais o menos a impresso que
rae causou a Tomada da ture de Malakof, e tenho
a consciencia da snceridade cora que a descrevi
No seguinte artigo fallarei dos outros quadros.
II
Garganta rfV Malakoff.
Este quadro, de egual niereciiiienlo artstico ao
que descrevi, preudeu-uu sobremodo a attencao,
porque os episodios, a viua, o effeto de luz que ha
nellesio admiraves. Na parte alta para o centro
do quadro representou .Mr. Y ven o coronel Douay,
que, avancaudo a frente dos seus, entra na gar-
ganta, ou parte desmoronada no reducto. A pall-
dez, o valor cora que anima e chama os corajosos
soldados, olhande para elles, e com a espada em
punho Ibes apona para o iniraigo, que est logo
adianto, sao de urna perleita execucio. Mu prxi-
mo v-se o alferes De Boyne desfechando duas
pistolas cara do capitao russo que Ihe faz fren-
te ; no seu nteio perfil triduz se claramente a im-
paciencia e o desojo de C matar ; na sua attitude,
atirando-se sobre o adversario, urna nica ideaa
da victoria. Por cima e mais ura pouco a direila,
P-ir onde grandes matsaa de fumo de fuzilana,
precipla-se nagarganta -em volta da bandeira
bres foi como se o paiz solTresse uina grande foiue.
J nio podem, como oul'ora, virar juntas ; sao
(.brigadas a separarem-se para procurarera a sua
subsistencia ; e, todava, depois de todos estos sof-
frimentos, morrea de foine. Nio podemos pois
fechar os olhos a tanta miseria.
c Mas podem-nos perguntar a razo porque que-
remos punir pessoas que fizeram o coininercio com
a permisfio do Taicoun.
E' porOM eNee esquecerara as suasobrigacoes
de sales, corredores e galeras que formara o seu i franceza, ja esfarrapada, unta inultidio de solda-
e no alto do reducto, a peito descoberto, esl
eral Vlnoy com a iinpassibilidade de urna os-
guia rcexo MI moncVde um anno ignorando Uua, que conlempla aquella horrivel tragedia, cu-
eu em que parto estavam os de Mr. Yvon, diriga
me a cada um dos guardas que encontrava a en-
trada das (tortas alim de que me guisse. Final-
mente, depois de milito andar, perdendo-me, en-
ganando-me aqu e alm, cousegui anegar ao lugar
cotejado.
Pudra ter analysado algumas pinturas quo en-
contrei de passagem depois que dexei a Franca
era 1855, poieu era-ine necessario econoraisar
epiimcira a retirar (Vozes: E verdade) asme-
rando-so era guardar, por assim dizer, a prtoh-
daJe dos lempos. (Hiso.) Depois do retirar a In-
glaterra, retirou % Austria. Ficou pois a Franca
Pretende-sc refazer urna Polonia para conter
a Hitencia russa ; mas para nos, pie nao somos
se s visnhos, vede os obstculos que teremos.
Achar-uos-hemos desde logo era frente de nina
para com o paiz c para com o Mikado, e porque os tompo. Limttar-me-hei, pois, a dar uina copia ene-
los soffr- ta ** >,inP|es aponlainentos que escrevi era Ver-
sa, excitada por aquelles que a abandonavam a n; cao animada de ardente patriotismo, dirigida por
fczer s, e em grande escala, o que izera em uina abase muito Ilustrada, generaes habis, e
gioulo pequeo no Mxico. E'bastante. (Mov-1 di dicada toda ao principio de urna doble orthodo-
ooento.) O imperador julgoi,, que se quando se x;a: a orthodoxia imperial e.a religiosa, depois ao
gsaU da sua honra o dos seus. inleresses particu-1 |;,do todos os povos sero contra nos. (Jfui'fo bem;
lares, :\ Franca nao hesita em tomar de per si a apptausos)
Competente rcsoiii<;o, nao (leve faz-lo em (odas
asoi-ca>iSes. Traiando-se de inleresses alheios,
sci a abusar de SUai faeuldades
sera conralta-U e contra vontade
guerra cstiaugeii a.
Fallarei na Italia. A' Italia fomos como liber-
compromeue-la', 'dores; levantou-se ella, para nos sustentar? Ga-
ade d'ella u'uma ,Da'd' anda boje falla no ralhao de espingardas;
seus projectos egostas nao altenderam
meatos dos outros ; porque consentirn) em tratar
com funecionarios, o empregados do governo, assim
como com eslrangeiros que sao mais ineptos do que
um quadrupede ; e o mal que lizerara maior do
que se pode, dizer. Nos na notsa pessoa, represen-
tamos os solTriinentos do povojapomz, e em seu no-
mo votamos a morte Yawalaya Wokei.
i No dia 2:|. da do siti no mez. >
Em Osoca, Nagasaki, Johsm, Ida, Nagathama,
libjee, Yokaina, e aludas as uutras pracas e pro
vine
os
aba
oacaoi
salhes diante dos quadros a i|ue rae retiro.
O salo era que elles se achara ten, so me nio
engano, 30 metros de compndo, e cada uina das
lelas 10 11 metros : tres oecupam uina das pa-
je assumplo sao homens nataudo homens !
O sol, Iluminando bera perfis e feees, dese-
nliando as physionoraiai dos Russos e Francezes,
tyjios sabiamente caractensados por Mr. Yvon,
vem da esquerda em sentido diagonal, einostra ao
espectadora raiva daqiu lies que querein, mas nio
podem, irauspr de la para ca, a estreita gargan-
ta, |iara onde ura granee numero de fuzs est
voltado, diminuindo as vidas, raas nio fazendo re-
cuar os eombatentes.
A pliysi iiiouiia de Ahined Renkadour, caporal,
no momento em que couduz s cosas para a gar-
gantaum miho do lenha, e que nem v, no seu
altan, os cadveres do seus iruios, que va ecal-
caudo, bem como o raovmeuto que representa.
redes lateraes e a ultima esta era frente. Os as- dio bem a conhecer que a historia daquelles feitos
ampios destes admiraves primores d'arle da es- de armas dsso a Mr. Yvou que este zuavo fra ura
cola moderna sao os seguimos: =- Tui iada da torre dos valentes do sangui uleuto combate. Tasso nio
de Malukir=Garganta de Milako/f=A cortina ile piotou de certo tanto ao vivo as suas batalhas, uao
MaUkoff'A batalha de Solferino. ^Havend > oh- ibes imprimi um cokrido to briliante, nao ca-
servado escrupalosamenle o primeiro quadro, II- ractensou lio bem os seus hroes, nem concebeu
tal modo que o leitor o podesse ver
lee, itiKama, e era lonas as unirs iracas e pro- .- -----r-......----- -,..........,.....,.. ._---.---_---------------_---.
cas d-Esto e Oeste, nos (os Jomus) inlerrogalnos l",; ''""vencido de que o seu autor, rondo de par- ludo isto do tal modo que o leitor
que lizerara negocio cora o eslrangeiros, ou te- ,eJ,urace \^',lt- bmexcedido .p.anlos teem pin- assim de um so lauee de v sla
ara no seu con.raercio mostrado por elles indi- art" ?T,le K"?Bro t,'sJe T t'" Sf"5?! '' "S" ,. "*.Kfa^SSST^LES n
..:... cola de bellas artes. Para este grande artista nao ragein dos riancezes, e veniosalu o
no phffletro plano, como ao p do visitante, que
sccnas de dr e atllee.'u i.io tocantes se nao pas-
sara I Entristece conl implarse um pouco a phy-
siouoinia do coronel .V.ain, que, agumsante e com
e O que occorreu entao ? Os jornaes da oppo-
SlCao, os que nao pretenden! sustentar o governo,
ii a sua coma. (Hisoj
admiramos a co-
tie o homem
ha difliculdades (juc se nao veacam. Maravilha I envolto no fumo do miiiigo, impellido jor uina
Aqindles que deverem dinheiro aos individuos ver como as figuras parecem desiacar-se datla, forca maior i|ue ja o dj.niua, logoniais vni baxo
cima indicados, nao lera obrigaco de o pagar, e untas era inassa escura, sobrepondo era claro, ou
se o governador (o Miaco) so lembrar de por al- por ineio de re'exos,outras toilas ilk niadas, op-
gura embaraco, ou lixar alguin aviso a este respei- pondo-se aaque las.
to, nos o trataremos como boatos aYawatara] Perto ou longo que os objectosestejam teem sem-
Wokei. pre em torno du si mu ambiente que nos faz per- os olhos vollados para os seus cantaradas, est ca-
Yokoharaa, lideotitubro. Moje pelas qua- suadir qoe podemos passar por al n delles. As ludo por Ierra, encostado aos bracos delles I
tro horas da tarde, foram inhumados todos os ion- carnes, era todas as figuras, teem a morbidez que Bem prximo tambera se encentra prostrado e fe-
sules do que se bavia de.-coberto o rorpo de ames- Ihe propria, OS fardamenlos a grossura das fa- rdo raortalineule 0 desgracado b-nenle-coroiiel Ro-
trangeiro na povoacao de Nodonhaynh, que gca a zondas de que sio fabricados e os metaos o brdbo quet, a quem o atirador Takar Bou-Marouf segura
timas tres mimas e meia d'aqui. Mr. VOU Urandt, que os caractorisa. O terror, a raiva. a mpacJen nos bracos, revelando i.eiitiinntos de huiiiamdade
cnsul da Russia partu inunediatamente com o te- ca, o valor e a cobarda sao paixes |ue bem pou- o compatxio diiliceis du untar.
nenie Applin, e uina escolta militar n.i indieadadi- eos piBtores teem eompirliendido como Mr. Ivon, Esta sobre ae.xtrcmi, do lado esquerdo do (|ua-
Mas quantos voluuUnos roci. Seguios uina escolla franceza. Assim, por exei iplo, vede como o zuavo Somveler, dro.o capitao fraucez Mr.de Mutrecy, que se tor-
ieuniu elle cm 1859? Manobron a cuberto do
i osso exercto com uns G.OuO homens. Mas acha-
ia-se ro'itc de outro exenito, que nao me atre-
ado pouparam pan nos arraslar luU. Part-1 -o a qualiflear, quando foi ferdo com essa bala de pU'n's offlciaes japnezes a eirala Todos se dir- lal ferimeuto e da cadavrica pallidez das faces.
dos, que nao ornara arvorur a sua divisa, incita-1 que olivroit um cirurgio fraucez. (Applausos) girara para o mesmo ponto Nudongajab ; quando cheio anda de uwbre orgulbo!... No centro do
t M. Uiecckman, da legacio franceza, acompa- quo uoprmein. plano, brido e por larra, snslen'a
nhado do dous cacadores. lomarain pela estrada o braco esquenlo levantado, empun'iaudo a ban-
consular, e encontraraiii no caminho O roroOrl Kis- deira, que tem abaste partida, e que toman ao
her, cnsul dos Bulados Unidos, o Dr. Jenkios e al- iniraigo, como i lio a musir, apozar do seu lior-
na noiavel pela in|iassibilidade cora que lixa o
iniraigo, que est pello. Ao lado dos seus solda-
dos liussares; elle est vergaiplo a espada que lera
atrarassada diaute de si, e, em quanto nio recebe
orden do entrar era fcjto, v rauitos dos seus ca-
inaradVu calurera fcrdis, eoutros, quaji sem vida,
prestes a deixarem o combat. DestMgao-os lam-
bem por entre os combtanles um soldado russo,
que, cahindo ferido, aperta as Olios no momento
de expirar, e tem a cabega e os olboa erguida
para o cu.
Confesso quo o mgico poder da arte me domi
nava completan! me i medida que se me apresen-
tavam senas lio tocantes imitadas comanla va
dado.
Sobre a rea nao se rom seoio cadav
exprossao das physooomiaa imprcssiona quem a>
analysa, e os estorbos, quas impossivois de desb-
abar, era que Mr. Yvon collocou cada um do-
inorlos, pinlando-os com um cstjto tan original,
elevara o seu merccirai-nto quasi altura das obras
clsticas, senio rivalisa com algumas delta
horror nio inspira a guerra quando representa-
da desle modo !
Esto quadro, assignado, assim como todos os ou-
tros, por Mr. Yvon, tem a data de 185'J.
Cortina de Malakoff.
O fundo desto quadro reproseaol urna grande
distancia. Muilo ao longe, quasi prximo ao bori-
sonte, vem-se era ponto muito pequeo o eom-
batentes as planicies e o fumo de artilbaria oVs-
lacar-se na superficie escura dos terrenos, e d'ali
at ao espectador a guerra fazendo vctimas aos
militares.Sobre a cortina pratou Mr. Yvon o ge-
neral Mellinet ao lado do porta bandeira, caraete-
risando-o com urna sereuidade de animo iinpossi-
vel de descrever-se, anda que se Ihe de-imgua a
pallidez que assoma as faces diaute do lerrivel as-
pecto dos Combates
Mellinel, voltado para o espectador, manda avan-
car es soldados, e estes, romo impedidos pi-la glo-
ria de sua patria, nada os conten na carreira.sal
lando por cuna de tudo quanto se oppoe sna tu
ria ; uns gaigam a cortina, outros esto ja em ci-
ma della, outros linalraeiile, mais nfehzes do qoe
aquelles, cabera lendoe ao lado do seu general,
vendo pela ultima vez a luz do da !
E' para notar que enlre o grande numero de fi-
guras ipie o_ quadro tora nao se encontra urna na
mesina postean de oulra, sendo alera disso sujeita<
a ura deseuuocorrecssimo.
As extremidades, parle mais dillicil do corpo
humano, tambem sao adntravelraente execuiadas,
qualquer que seja a sua posicao. Paulo Veroneza
nao as desenlia va melhor, nem Ihe procurava for-
mas mais bellas.
O grupo mais destnete que forma o primeiro
plano aquelle que se v quasi no centro, onde
esta expirante, sobre urna maca, o general Bos-
quet.To joven anda, esl ferido no peile es-
querdo o sympathico militar, e, prestrado na posi-
cao mais nobre e mais natural que iniagmar-se
pode, tera a fronte erguida e os olhos tristemente
vollados para o cirurgio, que ihe sonda as palpi-
tacoes.
Ao lado deste bravo est nm seu rmo de ar-
mas, anda que inferior no posto, tambera cabido
por ierra : e ura zuavo que, quasi moribundo,
beija a mo ao seu coramandante, como despedin-
do-se delle naquella hora extrema. Mais cinco ou
seis ofliciaes estao, uns de jolbo em ierra, outros
curvados, em torno de Usquet, e em qualquer
delles to expressivo o senilmente de dr mwral
e affeico que os uno ao seu chefe, que eu nao
pude deixar de me sentir aneciado de melancola
diaute desta scena to tocante e tao verdadeira.
lembrando rae da desdlosa sorte daquelles que,
com os pedos ornados de eondecorac&es, reeebem
por lira, em recompensa da sua dedicafo pela pa-
tria, a bala mortifera, que lhcs atravessa o cora-
cio, enterrando dentro esmigalhads os desliocti-
vosde valor qne encontrara primeiro.O que a
guerra !... Tal pois, o effeilo deste episodio.
que rivalisa, ,-enao excede, quantos piotou o autor
da .libada..
L'm |wuco mais sobre a esquerda do quadro
marchara os tambores hussares, e estes, vendo
quasi raorto o seu general, vo tristes a \ollar as
cabecas, odiando saudosos para aquelle que pouco
antes Ibes fallara l do alto da cortina. Cas e ou-
tros tiiihara, porem, a morte diaute de si.Se a
composico desta batalha nao to vasta como a
do quadro de que tratei no artigo antecedente, se
niu ha nella tantos episodios para descrever, toda-
va rivalisa com ella pelo modo como cada um
desenvolvido, pela illuso que produzem os apres-
tos de guerra, cnidos, quebrados aqu e alm oo
campo da batalha, e sobretudo pela magia de luz,
que estando Uio concentrada no grupo que descre-
vi, nos faz parecer que um raio de sol, entrando
pelo tocio do sali, que quasi todo de crystal, f-
ra ali projectar-so como para olharmos s para
elle o depois para o resto da composico.J se
pode ter orgulbo quando se pensa, se calcula e se
pinta assim 1
in
Batalha de Solferino.
Foi diante desta obra prima da escola franceza
que conclu a minha aiialyse aos quadros de Mr.
Vvon. A pintura, diz Polai'nino, um idioma uni-
versal, que se estende era todas as naees, mas en
pens quo este idioma tao coinprehensivel na for-
ma, na composico, na cor, nos efeilos de luz, co-
mo na expressio, que nos possantos familiarisar
rom elle, sera que necessitemes cansar o espirito,
como nos succede por \eia, leudo o sublime poe-
ma de Dante.
No centro desto quadro, egual em dimensoes ao
que descrevi, se v representado cavalto e de
grandeza natural, na posicao mais nobre, o impe-
rador Napoieao III, daudo ordem ao general Ca-
mn de se apoderar da posicao de Solferino. A at-
titude do moiureha vista quasi de meiu>pertU :
esta segurando com urna mo as redeas, eu quan-
to que com a oulra aponta para Solferino. O rosto
rene qualidades que o loruam distinclo, que sao
as de uina piutura magisiralmeule execuuda re-
unida a de urna seraelbaoca quasi photograpuiea.
O cavado era que inoula, tendo purameuto dese-
nliadas as termas da raea arabo, esta linae como
uina estatua, tera a caneca erguida e u'ella esto
caracterisados signaos evidentes de grande impa-
ciencia ; a sua cor loura lio trauspareule e tao
Pella, que se distrague de todos os ca vallas eia que
esto montados os generaes. A anatoma do far-
inoso animal rigorosamente estudada, o que da
a entender que Mr. Yvou a couhece to bem como
deu pravas de que couhecia a do carpo humano,
quando, na exposico que fez no seu sali de esta-
dos em 1M.V, u na universal de 1855, apreseulou
ao publico os seus eptiraos deseuhos carvau ve-
getal, represenlaudo us seto neceados uiortaes,
lirados do lufcruo de Daule.
Mr. Yvon, sempre eminente era todas as sceuas
de seotimenio, eui todas essas occasjoes em que a
a arle para o piulor o mais acerbo dos espanos,
que quando se lala de representar a llora do
passaiiienlo. a hora era que a alma deixa cum an-
gustia extrema o corpo e o mundo, lerabrou-se de
piular logo adianto do imperador, prostrado por
ierra, mu infeliz soldado austraco, que, quasi mo-
ribundo, anda implora ao vencedor que nao passe
por cima delle.
Para conirabalancar este episodie com outro,
piutou Mr. Yvou, ua direila do quadro, um grupo
de soldados fraucezes, que conduzein preso um
Austraco, e, como estao todos vistos de tres guar-
ios, pde-so a vontade admirar a dr mural repre-
sentada u'aquelle que, vencido, seu patria e sera
familia, rae tal vez eui ierra ostrauha viver vida de
desterrado, loriuraudo-se, dcliuhaodo-ae cum a ma-
gua de uio ver mais una mao, urna esposa, ou,
antes, uuia iillia querida que, ua t-dado infantil,
lautas VeZOS tlie t-rguena os braciutios c lite pedi-
ra ura beijo ao alvorecer da inaulia. K' ime o
grande artista tera lambn um dimano que ado-
ra, e quera Ion Ulll Coraeao de pao aSsim formado
posse o principal elemento para a subliuidade
das paladea d'alraa.
No primeiro piano e parto inferior do quadro
vetu-se, maiores que o natural, soldados de m-
fautara franceza. alguus at a cinta, uulrus ape-
nas as cabecas, os quaes, trepando pela encosla,
avaucam para o eeatra em que eslo, era torno de
.Saputeao, alguus ajudautes, alientos, ou viudo as
suas ordeus.
Estos militares, uns de frente, oulros de lado,
outros de tres quartos, formara grupos to bellos,
lao vanados e lio destacados, como se os viramos
realmente diaute de nos.
As dilliculdades de escreos nos cavalleiros e
nos cavallos ests acuna de teda a narraco possi
vel. Egual opiuio (orino eu a respeito dos cada-
veres cabidos era posces extravagantes eu lodo
o piano era que so v o imperador. Sobre a es-
querda do quadro esta, visto de costas, general
llamn, a quem falla .Napoieao 111 ; o fogoso ani-
mal em que monta esta na aeco de partir, e o ca-
valleiro, com o cbapu ua mo, escuta as ordens
que Ihe sio dadas.
O celebre lloraco Veruel nao era, de cerio, su-
perior a Mr. Yvon em cousas desia nalureza.
Finalmente, esta vasta composico, o claro ao
longe nos suburbios da torre o era volla dclla o
reunido combate, e, anda mais alera, a eslender
se uina pilloresca paisageni, que se contorna har-
raouiosauento no ar, aneaos iiiterroinpida, era ura
ou outro ponto, pelo fumo do combate, formara
ootre si ura cunjuuclo de belleza> artsticas, que
parece nao podetu exceder-.-e
(Continuar-se-ha).
PEP.NAMUCO.- IYP. DE M. F. r\ A FILHO.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQZXN0ZO9_F36JV9 INGEST_TIME 2013-08-27T20:51:20Z PACKAGE AA00011611_10118
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES