Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10114


This item is only available as the following downloads:


Full Text
r
s
ARHO XL. HUMERO 12.
Por Ircs niezes allantados 8$000
Por lies mezes v*ncidns 6$M)i)
Porte aocorieio por tres mezes. 0750
f
SABBADO 16 DE JANEIRO DE 1*64.
Por auno abantado.....19fAO0
Porte ao torreio por um anuo 3$0U
KNCABREGADOS DA SUBSCBIPCAO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexahdrino de Lima'
Natal, g Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, <
Sr. ^- de Lentos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Ifarqnes Ro-
drigues; Par.i. os Srs. Manoel Pioheiro & C.; A-
rnazonis, o Sr. Jeronymo da Costa.
KNC.V-IRKGA&OS, DA Sl'BSCRIPCAO NO SOL
Alagos, o Sr. Claudino Falcao Das; Baha, o
Sr. Jos bruna Aives; Itio di- Janeiro, os Srs. Pe-
r'ira Martins a Gasparino.
_ PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Oln.U, Cabo e Estada todos os dias.
Igua mssu', Goyanna e Parahyba as segundas e
settas-feiras.
Santi Anta. Gravati, Bezerro?, Bonito, Caruaru',
Allinho c (iaranlmns as tenas feiras.
Pao i'Alho, Nazareth, Liraoeiro, Brejo, Pesqueira,
fornzeira, Plores, Villa Bella, Tcaratu', Cabrob,
Boa Vista, Ooricorj e Exn Das quartas feiras.
Seni lem. Itio Pormoso, Tamandar, Una, Barroi-
ro:, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
ilha le Fernando todas as vetes que para ali sahir
na iio.
Todo os estafetas partem ao /, dia.
EPHEMEKIDES DO MEZ DE JANEIRO
2 Quarto ming. as 5 h... 18 m. e 20 s. da m.
9 La nova as 5 h., 2.\ ra. e .NO s. da m.
13 Quarto creso, as 8 h., 43 ni. e 45 s. da t.
23 La cheia as 7 h., 43 m. e 14 s. da t.
PREAMAR DE HOJK.
Primeira as horas e 18 minutos da manha
Segunda as 9 horas e 42 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTE1ROS.
Para o sul at Alagoas a 5 e 15; para o norte at
a Granja a 7e22 de oda mez; para Fernando nos
dias 14 dos mezes dejan, man-.. maio,iul, seu euov.
PABTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipucos as ti '/?. 7, 7 '/, 8 e
8 /i da m.; de Olinda as 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao as 6 '/, da ni.; do Caxanga o Vanea s 7
da m.; de BemfieiisS dam.
Do Recife : para o Apiparos s 3 '/i. 4- 4'/. 4 '/,,
5, 5 '/i, 5 '/i e 6 da tarde; para Olinda s 7 da
malinas e 4 Vi da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
de : para Cachang c Vanea s 4 '/i da tarde; para
Bemfica s 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TRIBUAES DA CAPITAL.
Tribunal docommereio: segundas e quintas.
Bolaceo: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda : quintas as 10 horas.
Juizo do commercn : segunda s 11 horas.
Dito de orphos : tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DIAS DA SEMANA.
II. Segunda. S. Hygino p. m.: S. Salvio m
l. Terca. Saiyro m.;Ss. ajtadto /jiiituom.
13. Quarto. Ss riermillo e Slraroaio mm.
I i. Quinta. S. Flix ni.; S. MarriH
15. Sexta, s. Amaro ab.; s s.. ondina v. m.
ll>. Saldado. Ss. Berardo, Aeurcio. (nhon mm.
17. Domingo S. Agatino ao.; s. BtaHiff* m.
ASS1GNA-SE
no Recife, em a Irvraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, des proprietar/os Manoel Figaeiroa d
Faria & Filho.
PARTE OFFICIAL.
"IMMIHIO JA l\/l\IM
HCItn n. 3,203 e 24 m DKZEiiuno de 1863.
Vesigna a ordem segundo a pial devem ser extra-
hidat as lotera* no anuo de 1864.
Hei por Ik ni, em conformidade do artigo 2" da
le n. '.,099 ele 18 de selembro de 1860, que a res-
pailo das loteras, cuja extmecao deve ter lugar
duran.e o prximo anno de 1804. se observe a or-
dem marrada na tabella que rom este baixa, assig-
cada pelo marquez de Abrantes, conselbeiro de
estado, senador do imperio, ministro e secretario
da fazenda e presidente do tribunal do thesouro
nacional, que assini o tenha entendido e faca exe-
cutar.
Palacio do Rio de Janeiro, em 24 de dezembro
de 1863, quadragesimo-segundo da independencia
e do imperio. Coma rubrica de S. M. o Impera-
dor. Mrquez de branles.
.____
Tabella das loteras que na conformidade do decreto
des'a data tem de ser extraliidas durante o aune
de 1864.
1.* A 19* para as obras do novo hospital da san
la casa da Misericordia da corle.Decreto n. 1,009
de 23 de setembro de 1858.
2." A 57* para as obras da casa de correceo
Decreto de 29 de outubro de 1833.
3.* A 30a para a obra e patrimonio do recolh-
mento de Santa Thereza. Decreto n. 875 de 10 de
setembro de 1856.
i." A Si-, cujo beneficio deve ser repartido pela
santa rasa da Misericordia, expostos, rerolhniento
Jas orphas, collegio de Pedro II e seminario de S.
Jos.-Decreto de 23 de maio do 1821.
">.' A 24' a favor da academia de msica e ope-
ra nacional. -Decreto n. 979 de 15 de setembro de
1858.
6.* A 20* para as obras do novo hospital da san-
ta ea*a da Misericordia da corte.Decreto n. 1,009
de 23 de setembro de 1858.
7.* A 25* a favor da academia de msica e ope-
ra nacional. Decreto n. 979 de 13 de setembro da
1858.
8." A 1* a favor da irmandade de S. Pedro da
cidade de Marianna rm Minas.-Decreto n. 915de
2(i de agosto de 1857.
9. A 26* a favor da academia de msica o ope-
ra nacional. Decreto d. 979 de 15 de setembro de
1*38.
10.* A 91* a favor do monte pi dos servidores
di otado.-Decreto de 17 de novembro de 1841.
11." A 2* para as obras das matrizes da provin-
cia do Piauhj.Decreto n. 956 de 14 de julho de
1836.
12.* A 27* a favbr da academia de msica c ope-
ra nacional.-Decreto n. 979 de 15 de setembro de
1858.
13.* A 6* a favor do estatxlecimento dos produc-
tos chimicQs de Ezequiel Carreta dos Santos.-De-
creto n. 955 de 7 de jullio de 1858.
IV* A 21* para as obras do novo hospital da
santa casa da Misericordia da corte.Decreto n.
i,009 de 22 de setembro de ir38.
13.* A 3* a favor do hospital da Misericordia da
cidade de S. Joao de el-rei.-Decreto n. 99i de 22
de setembro de 1838.
16." A 28" a favor da academia de msica e ope-
ra nacional Decreto n. 979 de 15 de setembro de
lr->8.
17.* A 41 para o melhoramento do estado sani-
tarioDecreto de 14 de setembro de 1830.
18.* A 14" a fvor do conservatorio de msica
diMa corte.-Decreto de 27 de novembro de 1841.
1!.* A 22* para as obras do novo hospital da
sania casa da Misericordia da corte. Decreto n.
1,009 de 25 de setembro de 1858.
20* A 29* a favor da academia de msica e ope-
ra nacional. Decreto n. 979 de 13 de setembro de
1838.
21.' A 92* a favor do monte-pio dos servidoras
do estadoDecreto de 17 de novembro de 1841.
22.* A 82*, cujo beneficio deve ser re|iarlido pe-
la santa casa da Misericordia, expostos, recol -
mento das orphas, collegio de Pedro II, e semina-
rio de S. Jos.-. Decreto de 21 de maio de 1821.
23.* A 3* a favor do imperial sociedade auxilia-
dora das arles mechanicas e liberaos e benefieenle,
Decreto n. 916 de 2t de agosto de 1851
24.* A 30" a favor da academia de msica e ope-
ra nacional.-Decreto n. 979 de 15 de setembro de
1858.
23.* A 14* a favor do hospicio de Pedro II,-De-
creto de 10 de julho de 1850.
26." A 2* a favor da santa casa da Misericordia
d3 cidade de Sabara. Decreto n. 915 de 26 de
ajusto de 1857.
27.* A 5* para patrimonio do hospicio de Pedro
II.-Decreto n. 875 de 10 de setembro de 1856.
28.* A 6* para as obras da irmandade do Santis-
simo Sacramento da antiga S. Decreto n. 964 de
4 de agosto de 1838.
29.* A 58* para as obras da casa de correccao.
Decretode 2!) de outubro de 18.13.
30.* A 31* a favor da academia de msica e ope-
ra nacional. -Decreto n. 979 de 15 de setembro de
1838.
31.* A 15" a favor do conservatorio de msica
desta corte. -Decreto de 27 de novembro de 1841.
32.* A 93" a favor do monte-pio dos servidores
da estadoDecreto de 17 de. novembro de 1841.
33." A 32' a favor la academia le msica e ope-
ra nacional.-Decreto n. 979 de 15 de setembro de
18S8.
34.* A 23' para as obras do novo hospital da sae-
ta casa da Misericordia da corte.Decreto n. 1,009
de 25 de seUmbro de 1858.
.** A V*" ? IT. '" "P'tol da santa casa da
Misericordia da corte decreto de 25 de outubro
de 18.!''. j+
AJvor ao conservatorio de msica
desta (wrjr^eftecreta de 27 de novembro de 1841.
ira o patrimonio do hospicio de Pe-
dro II. Decrete n. 875 de 10 de setembro de 1856.
38." A 59- para as obras da rasa de correccao.
Decreto de 29 de outubro de 1835.
:)'.'." A 33* a favor da academia de mostea e op--
ra nacional. Decreto n. 979 de 15 de setembro de
1858.
40.* A 7* para o patrimonio do hospicio de Pe-
dro II. Decreto n. 876 de 10 de setembro de
1856.
41." A 1* pora as obras da matriz da lloa-Visla
na cidade do Recife em Per namljuco.- Decreto n.
tOSde 12 de agosto le 1837.
4i." A 21* pan ;.s obras do novo hospital da
santa casa da Misericordia da norte. Decreto n.
1,009 de 25 de etembro de 1858.
43. A 34" a favor da academia de musir e ope-
ra nacional. Decreto n. >79 de 15 de setembro de
IH58.
44. A 91- a lavar do monte-pio des servidores
do estado. Decreto de 17 de novembro de 1841.
15. A 42' para o inelhorament do esiado sani-
tario. Decreto de 14 de setembro de 1850.
46. A 83* cujo beneficio deve ner repartido pola
santa rasa Ai Misericordia, expostos, recollmen-
tos i\ is orphias, collegio de Pedro II e seminario
deS. Jos. Decreto de 23 de maio de 1811.
47. A 35' a favor da academia de msica e
opera nacional. Decreto n. 979 de 15 de setem-
bro de 1N58.
'is \ 8* para o patrimonio do hospicio de Pe-
dro II. DeMUlo n. 875 de 10 de setembro de
1856.
49. A 't1 a favor da academia de mosici eope-
ra nacional. Decreto p. 979 de 15 de setembro
de 1838.
50. A 43* para o niellioi amento do estado sani-
tario. Decreto de I i de setembro de 185o.
M. A 1* para fundaeao de nina casa de canda-
de na villa do Curvello em Minas. Decreto n. 854
de 7 de julho de 1858.
32. A 1' a favor da Aseociacao Tvpographica
Fluminense. Decreto n. 908 de'l do' agosto de
1857,
53. A 1* para as obras do hospital de Misericor-
dia d'- Jacareln. na provincia de S. Paulo. De-
creto n. 1,015 de 6 de julho de 1859.
3. a 2* para o hospital de raridade da cidade
de Macei. Decreto n. 886 de 22 de setembro de
1858.
53. A 1* e nica para conclusao da reja de S.
Francisca da cidade de Pitangoi, em Minas. De-
creto n 854 de 7 de julho de 1858.
56. A 2' para as obras das grojas matrizes da
villa de Oliveira e freguezia do Passa Tempo, em
Minas. Decreto n. 1,0.14 de 30 de agosto de 1859.
57. a I* para a paroctlia das Sete Lagas. em
Minas. Decreto n. 954 de 7 de julho de 1858.
58. A 2' para as obras da igreja de Nossa Se-
ihorada Couccicao da cidade do Aracajii, em
Seigi io. Decreto n. 933 de 22 do setembro do
1838.
59. A 1* e nica para conclusao das obras da
matrido Espirito Sanio do Mar de Hespanha, em
Mina;. Decreto n. 1,052 de 9 de julho de 1860.
60. A 1* para a eonsiroecao da igreja matriz de
State Antonio da cidade Diamantina.Decreto n.
064 ce 7 de julho de 1858.
Itio de Janeiro, em 24 de dezembro de 1863.
Marfiles de branles.
DKi: 1ET0 N. 3,212 DB 28 DE DUKMBBO E 1863.
Permittt a butallagio na corte da campanki bn-
carta < Brastkm and ['mingese Uank dc6o-
xo de certas condicoes.
Atlcndendo ao que me representaran! Joao Jos
dos Reis e Rodrigo Pereira Felicio, directores da
companhia bancaria cncorporada em Inglaterra
sob a deaominaco le t Brasilian and Portugtiese
Bank, a qual foi all organisada de conformida-
de com a legislar-So por que se regem os estabele-
cimenlos bucanos na raa-Bretanha na categora
de sociedade anonyma, e de accordo com a minha
imperial resoluco de ti do crreme mez, tomada
sobre parecer das seccoes reunidas do imperio e
fazenda do conselho de estado :
Hei [wr beni permittir que seja installada nesta
corte o dito c Brasilian and Portuguese Bank,
cujos estatuios vio abaixo publicados, sujeiUndo-se
a com laidiia s seguintes condicoes :
1.* Que este banco, alem das operacoes de cam-
bios, se limitar a fazer nicamente aquellas que
forem permittidas aos bancos de deseonlos e dep-
sitos, creados no imperio do Brasil por autorisago
do poder execulivo, e actualmente sao as constan-
tes do J. art. I.* do decreto n. 2,711 de 19 de
dezembro de 1860, (cando o niesrnoobrigado a pu-
blicar pela imprensa, dentro dos prinieiros oito dias
de caca mez, o bataneo explicado das operagdes e-
fectuada!. no mez anterior.
2/ Que a companhia do < Brasilian and Portu-
guese Bank submetter administracao deste es-
tabeleeimento as leis e regulamentos que regem no
Brasil, ou regerem no futuro os outros estabeleci-
inenlo: da niesina natureza fundado por socieda-
des an>nj mas.
3.* Que as questoes suscitadas no Brasil entre
terceims, e a administracao desse banco oude suas
agencias, serao subrneltidas a deciso dos tribu-
naes b asileiros.
3.* (le o mesino banca nao dar comeco as suas
operares antes de ter em eaixa vinte e cinco por
cento de seu capital, e de haver precnehido -por
outra liarle as formalidades exigidas pelo art. 4.
do referido decreto n. 2,711 de 19 de dezembro de
1800, lasendo, outrosim, publicar nos jornaes de
palor rirculacao desla capital as instrucc/ies regu-
lamen ares que o conselho director, eslabelecido
em Inglaterra, livor dado ao.- directores no Rio de
Janeir, repetindo-se essapublicaeao todas as vezes
que taes inslrucees forem alteradas ou modifica-
das.
5.* Que aduracao do t Brasilian and Portugue-
se liar k no pleno exercicio de suas funcees
sera d : 20 anuos, se o governo imperial uao aulo-
risar (ppoitiinaniente a prorogacaodeste prazo,du-
rante o qual nenhuma alteracao dos actuaes esta-
tutos i oder ter e*Mea**8o no' Brasil sem a previa
pproiaeac do mesmo governo.
t." Jue o governo imperial poder nomrar,
quand i julgar conveniente, un ou mais commissa-
nos,pira o lim de examinaren) os livros, e o es-
tado d)s negocios do referido banco ; tendo o di-
reito de ordenar a liquidaeao deste estabeiecimen-
to, c d:clarir dissolvida a assoriac,ao a que elle
pertenre, quando for provada a violacao de urna
ou ma s clausulas cima indicadas.
O marquez de Abrantes, ronselheiro de estado,
senador do imperio, ministro e secretario do es-
tado dos negocios estrangeiros e interino dos da
latenta, asturn o tenha entendido e faca executar.
Palaeio do Rio de Janeiro, em 28 de dezembro de
1863, 42 da independencia e do Imperio.Com a
rubrica de S. M. o Imperador.Marquez de bran-
les.
mmm da prowcia.
Etprdienle do dia 13 de Janeiro de 1861.
Ofllrto ao brigadeiro rotnmandante das armas.
Sirra-se Y. Exc. de design ir urna pessoa para
condiizir a qnantia de 2:1:000$ <;ue o Inspector da
thes'Miraria de fazenda tem de remetter ao almo-
xarife do presidio de Fernando para occorrer s
despetas com a respectiva guarnicao c senten-
ciado;..
Dito ao mesmo.Queira V. Exc. mandar por
em liiierdade os recrulas Jos Luiz, lzidoro de tal
e Manoel Alexandre, os quacs sao trabalhadores
da esirada de ferro, como adlrmou o respectivo
engerheiro fiscal.
Di tuao Dr. chefe de polica. Autorise V. S. o
admii istrador da casa de detoncao a comprar pelo
proco de 12$ as tres chapas de ferro de que pre-
cisa o fogio daquelle estabelecimento, e a que se
refere o seu ofilcio de 11 deste mez.Communi-
cuii-sc ao inspector da thesouraria provincial.
Dito ao nusmo.Inleirado pelo seu offlciode 12
do cocrenle, de ter sido assassinado em Aguas-
Bellat, Zacharias de Almeida Lima.recommendo
V. S. .. expeea as mais terminantes ordens para
a cap ni .t i.'os autores desse attenlado.
Din ao inspector da Ibesojrana de fazenda.
Mande V. S. pagar ao padre Vicente Maria Ferrer
de Alliuqiierque, capello da colonia militar de
Pimenteiras, os seus venciniiiitos correspondentes
ao lempo decorrido de 24 de outubro 24 de de-
zembro prximos lindos, em que se achara a ser-
vido nesta eapilal.
Dito ao mesmo. -Transmiti V. S. para o lim
conveniente, o incluso aviso de letra, na impor-
tanci. de 1:000$, sacada pela thesouraria de ren-
das c'a provincia do Rio (rinde do Norte, sobre
essa i a favor de Manoel Rodrigues dos Santos
Moma.-Coiiiinuuicou-se ao Exm. presidente do
Rio drande do Norte.
Dito ao inspector da Ihesonraria provincial.
Mande V. 8, entregar a quem para ssse 8m se
mostrar autorisado, osSOOJ votados pelo art 26
da b i do orcamento vigente para o hospital de Mi-
serir irdia de Goianna.
Dilo ao mesmo.Em vista do competente cer-
tificado, mande v. s. pagar ao arrematante dos re-
paros da ponto do Guerra, sobre 0 rio Gttria, a
quantia a que tiver direlto, proveniente da primei-
ra prestafao do sea contrato por haver feito me-
tade de laes reparos, segundo consta de oflicio do
director das ulnas publicas, datado de hontem e
sob n. 11.Communicou-se ao director das obras
publicas.
Dilo ao mesmo.Recommend a V. S., que na
havendo inconveniente, mande pagar a Jos Car-
los Augusto da Silva a quantia de 1:331$166, des-
pendida com o sustento e dietas para os presos po-
bres da casa de detengan no mez de dezembro ul-
timo, como se v dos inclusas documentos, que
para esse lim me foram enviados pelo chefe de |hj-
neta com oflicio de nonlem, sob n. 42.Comtnuni-
cou-se ao Dr. chefe de polica.
! Dito ao presidente da direccao da Associacao
Commercial Benelicente Inleirado do coniedo
do oflicio que V. S. me dirigi em 11 do crlenle,
tenho a dizer em resposta, que approvo a delibe-
rado que tomou essa direccao de fazer retirar da
caixa Filial do Banco do Brasil nesta capital, alim
de ser convertida em apobces da divida publica a
quantia de 61:2495174 que se achaalli depositada,
proveniente da subscripto agenciada para a cons-
truccao de um asylo de mendicidade nesta cidade,
visto ter annunciado aquelle estabelecimento que
do 1* do correnle mez em diante nao paga mais ju-
ros dos dinheiros nelle depositados.
Dito ao presidente da cmara municipal do Re-
cife. Communicando-mo o Exm. Sr. Dr. Domin-
gos de Souza Lelo achar-se melhor dos seus in-
commodos de sade e poder assumir hoje admi-
: nislraco desta provincia na qualidade de 4* vice-
presidente, assim o declaro V. S., afim de que
rena boje ao meio dia a cmara municipal para
Ihe deferir o juramento do estylo.
Dito ao conselho administrativo.Autoriso o
conselho administrativo a comprar para fornec-
mento do almoxarifado do presidio de Femando
800 alqueires de farinha de mandioca (medida ve-
Iba), como requisitou o respectivo commandante
em oflicio de 14 de dezembro ultimo. Communi-
j cou-se ao inspector da thesouraria de fazenda e ao
: commandante do presidio. i
Dito ao engenheiro fiscal Domingos Jos Rodri-
i gues.Inleirado do contedo do seu oflicio de
hontem tenho a dizer que ronvenho na alteracao
que Vme. propoe na obra da ponte nova do lleci-
, fe dndose mais 2 ps de altura as respectivas
cabeceiras, visto assim Cunvir ao ajierfeicoament
' daquella obra e ser indispensavel a navegaco de
: petjuenas embarcacoes que por all transilam, e
I nao exigirem os empreileiros indemnisaco alguma
pelo excesso de trabalho que d'ahi resulto, segun-
do declararam em oflicio da mesma data : o que
Vine, far constar aos referidos empreiteiros.
Dito ao alferes i oiistantino Martins Fernandes.
- Recominendo Vmc. que entregue ao alferes
commandante do destacamento da villa do Ouri-
cury. Pedro de Alcntara Tiberio Capistrano, a
quantia de 1:700$ que Vmc. recebeu da thesoura-
ria de fazenda com destino collectoria das villas
da Boa-Vista e Cabrob, ficando sem effeilo a or-
dem que Ihe dirig em 9 do correte para entre-
gar ao commandante do destacamento da ultima
das referidas villas.Fizeram-se as communica-
?oes. ,
Portara.Os Srs. agentes da companhia Bra-
I silcira de paquetes vapor mandem dar transpor-
j le para a corte, por conta do ministerio da guerra,
; no vapor que se espera do norte ao tenate do 9o
: batalho de infamara Joao Paulo de Miranda, que
I segu para a provincia de Santa Camarina, eal
sua mulher.
Dita.O presidente da provincia resolve conce-
der ao chefe da 2* seccao do consulado provincial
\ iheodoro Machado Freir Pereira da Silva 3 me-
zes de licenca com veneimenios que solicita para
tratar de sua sade.
Dita.Os Srs. agentes da companhia Brasileira i
de paquetes mandem dar transporte para Macei
por conta do ministerto da guerra, no va|>or que
se espera do norte ao 2o sargento Felippe Benicio
Ferreira e 4 soldados que destacam para a filia de
Cabrob.
Dita. -0 presidente da provincia, attendendo ao
que requereram os professores pblicos de instruc-:
gao elementar do primeiro grao das pnvoai'es de
S. Vicente Joao Fernandes Vianna, e de Tamanda-
r Virgilio Vieira da osla Pinto, c tendo em vis-
ta informaco do director geral interino da ns- i
truccao publica de 12 do corrente sob n. 4. resol-
ve conceder-Ibes licenca que pediram para per-
mutaren! entro si as respectivas cadeiras.-Com-
muiicou-se ao director geral interino da instruc-'
cao publica.
Dita. O Sr. gerente da companhia IVri.amliu-1
rana, mande dar urna passagem at o presidio de
Fernando no vapor Mamunguape, em lugar de proa
destinado a passageiro de estado a Antonio da Sil-
veira S Barreto, que consta ser desvalido. Por
portara da mesma data mandou-se dar transporte
por conta do ministerio da guerra a Jos Antonio
de Moraes, a 14 pracas, ao segundo cirurgiao Dr.
Gustavo Baldoino de Moura Cmara, e 3 caixoes
com diversos objeclos.
Mandou-se mais por outra portara da mesma
data dar transporte Jos Antonio do Carva-
II... M.
Expediente do secretaria do governo.
ulBcio aos gerentes da Iluminado agaz.De
ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
declaro Vmcs. que se faz preciso para illumi-
nacao interna do palacio do governo os objectos
seguintes: urna hacia, alguns pngeutes c diver-
sos bicos, os quaes devem ser entregues ao machi-
nista John Fish.
Despachos do dia 15 de Janeiro de 1861.
Hequerimentus.
Antonio da Silvera S Barreto. Dse de proa.
Antonio Flix Teixeira.-Informe o Sr. Dr. che-,
fe de polica.
Francisco Botelho d'Andrade. Informe o Sr. di-
rector das obras publicas.
Joao Fernandes Vianna. Passe portara na for-
ma requerida.
Manoel Jorge Vellozo.A' vista do disposto no
aviso de 3 de fevereiro de 1862, o supplicante s !
pode ser pago do meio sold na corle.
Minervno Jos da Cunha.Informe o Sr. ns-
pectordo arsenal demariiiha.
Manoel Martins Pires. -Rametlido ao Sr. ins-
pector do arsenal de marnha para atlender ao,
supplicante seuao houver inconveniente.
Rufina Maria da Paixao.Informe o Sr. director
do arsenal de guerra.
Rufino Manoel da Cruz Cousseiro.Espere que
venha crdito j solicitado.
Umbelina Joaquina dos Prazeres.Informe oSr.
inspector do arsenal de marinha.
Padre Vicente Maria Ferrer de Albuquerque.
Fica expedida conveniente ordem no sentido
em que requer o suppliconle.
(OMWIiO I)iS ARMAS.
Quarlel general do ciiinmaiido das armas de Per-
nambiico, na cidade dn Recife, 13 de Janeiro
de 1861.
Ordi'ni do da n. 285.
O general commandante das anuas faz certo
para os lins convenientes, que approvon*os engaja-
mentos que contraliirain para servir por nuis seis
annos nos tormos do decreto e regulamento do lu
de maio de 1858, precedendo inspreco de sade,
OS cabos de es.piadras Joao Alves da 2' companhia
e Francisco Antonio da Sil va, da 8a, ambos do ha-
tllenle infantaria; eo soblado da i' companhia dd
7" balalho da meiiia arma Vespasiano do Nasei-
menlo, esiea 12, eaquellesa 13tudo do corrente do I- regiment de cavallaria ligeira, Alexandre
norme pariinparam os respectivos com- Henrnpies de Escragnolle, para matncolarem-sfl
em ollicios datados de 13 sob ns. 44 no 1" anuo da osela militar, salisfazendo as coudi-
, coes para tal tbn exigidas.
Asignado.w/idomo Jos Antonio Pereira do Segundo cadete Jos Pedro de Oliveira Galvo
ao primeiro sargento Wenceslao
mandauti
e 45.
Conforme.Jos Ignacio de Medeiros liego Mon
taro, catftao encarregado do delalbe.
A com mi.isa portanlo, de parecer :
1. Que ..jan) aaprovadas todas as eb-ic.y,
primarias e secundarias do 'I. dictrtelo, excepta
das as de t'na, BarrHros e 'pojara.
2. Que fique adiada a deciso relativa a sU-.
e Freir de Car- ""es mencin; 'las freguezias.
IWTERIOR.
Uio i i: JiMinu.
28 de dezembro.
Celebrou-se hontem a primeira sesso prepara-
toria do senado, na qual se verificou haver na cor-
te numero intflcieutes de senadores para abrir-se
a assemblca geral legislativa.
29
A cmara dos depalados approvou hontem, um
valho, aos soldados Joao Henriques de Lentos e ao- -f Que sejam reonnecidos e declarado> d-
lonio Cassiano Brayner, todos do 1" bataHio dein- pntados |velo 3. di^tricloda provincia ile P.-rnam
fantaria, para matricularem se na escola prepara- buco os Drs. i.niz PeKppv de Souza Leo, Ignaii-
tona da corte. de Barros Barreto e Antonio Ifcrculano de Souza
Aos soldados do dilo batalh.o Jos Luiz Collaco Bandeira.
e Manoel Luiz Collaco, para matricularem-se na Pa^o da (.amara dos nVpulados, 30 de ilezem
mesma escola. bro de 1863- Barbota de tlfrreira.l). A. Rauot.-
Condei-cninio. Foi nomeado cavalleiro da ordem Pamplona.F, J, Fialho. F. J. Furtado.
de S. liento de Avii o Sr. canitao commandante da -----------
companhia de cavallaria do Paran, Jos Maria Ante-hontem Suas Majestades e Altezas Impe-
Barreto Falcao riaes deram um longo pa-seio at o Jardim Bota-
Biuiis dn servirn militar.- Ao msico de segn- nico, onde che?aram S. M. a Imperalriz e as Prin-
da classe do 4o balalho de arlilharia p, Luiz da Cesas s 7 3/ horas da manlwa, e S. M. o Impera
tranca Monteiro de Azevedo, por haver concluido dur s 9 .', horas da mauba.
o lempo de servim a que era obrigado. S. M. a Imperatnz foi com as Augustas Princesa
Ao soldado do Io batalho de infamara. Laurin- de carro e S. M. o Imperador com os ramar
. do Alves IVcanlia, por incapacidad phyaica.
foram a cavallo desde a escola de applicai,o, con-
Ao 1 sargento da companhia de enfermeiros tornando a praia da Copa-Cabana al o Jardim,
c,a "e Jos Rodrigues Soares e aos soldadas
apos ouiro.os pareceres das coinmissoes de |wderes
sobre as eleiees do 4* districlo da provincia de i
Pernambucoe Mato-Grosso; este sem discussao e JuselKol,lr|g|lps Soares e aos soldadas do 1 regi- onde, depois de almocarem, foram ver os traba-
aquelle depois de alaunus observacdes dos Srs nlt0,ud,; cavallaria ligeira Calisto Nunes da Cruz, Ihos a-alorios da Fazenda Normal, acompanhado-
Epaminottdas, Paes Brrelo e Barbosa de Oliveira' !l"''"nw de arlifieo .la corte Raymundo Antonio do director fiscal e do Dr. Glasl director agro-
sendo reconhecidos depulados nela' primeira tiro- Ve e'.-d. ,0 ba,aJha0 do 'nfantaria Francisco Jos noino.
vincia os Srs. Jos Leandro de Godov c Vasconeel- haiU.Anna' Athanasio Antonio de Souza, Ray- Seguiram depois Suas Magestades e Altezas ate
los e Antonio Epaminondas de Mello,' e pela segn- ",,,n. Ifa-S0el dt SantAnna, Joao Alves Pereira, a chcara n. 14, que precorrrara at os seus fun-
da -
no
C
sobre
fi(
rem os Srs. Silva Nunes e Souto. .
Foram offerecidas as seguintes emendas :
s concluses do parecer da com
Emenda
missao :
A' 3." Que seja approvada a eteicSo
casa da caaara municipal, presidida pelo 1 juiz
de paz, e nnlla a da matriz, presidida por um sup-
plente dos juizesde paz.
A' 4.* Que se conten os votos validos que ob-
tiveram os diversos candidatos nos dous collegios
que se reuiram na igreja dos jesutas.
Em lugar da 3* couimissao:
5." Qoe se julgue milla a eieicfio a que se pro-
cedeu na parorhia de Santa Cruz, mandando-se
respnneahilinr os mesarios que nao admitiiraui o
protesto apresentado pelos msanos em minora.
6.* Que se julguem igualmente millas as elei-
ees das parochias de Nova Almeida e Queimado,
mandando-se responsabilisar os mesarios em maio-
ra desla ultima que, apezar dos esclarecimenlos e
ordens da presidencia, procedern illegalmente na '< -
formaco da mesa. j
7.* Que seja declarado deputado o Dr. L. A. da
Silva Nunes, piocedeudo-se a sorleio entre os que
se segueiu com igual numero de votos : desem-
bargado!' J. F. Souto, Dr. Jos Feliciano Horta de
Araujo e Dr. Antonio Pereira Pinto.A. da Costa
Pinto Silof. >
No SP'" supprima-se a palavra liaperairim.
A cmara dos depulados approvou hontem suc- nal para a cidade, deixando a todos pennorad*.
cessiyamenle sem debate os pareceres das com- pela sua extrema urbandade.
'; inisses de poderes sobre as eleiees do 1.*, 2." e i -----------
fei,a <." distncto da provincia da Baha, e 1.* de Per-' A cmara iiunicpal da cidade do Serr, na
nambuco, reconhecendo depulados pelo!.0 dis- provincia de Minas Geraes, noneoo urna commis-
tricto da Babia os Srs. Salustiano Ferreira Souto e sao composta dos Srs. conselbeiro Sergio Teixeira
Joao Jos Barbosa de Oliveira ; pelo 2." os Srs. Pe- de Macdo e Dr. Luiz Francisco da Veiga, para
dro Muniz Barreto de Aragao, Francisco Xavier de dirigir ao conde de Malmesbury urna mensagetm
Pinto Lima e Jos Augusto Chaves; pelo Sos Srs. de agradecimento, pela mancara porque defendea
Joao Jos de Oliveira Junqueira Jnior, Antonio a poltica brasileira no parlamento nglox.
de Souza Espinla e Frederco Augusto de Almei- L* de Janeiro de 1864. =
da; c pelo i. de Pernambuco os Srs. Francisco I A cmara dos depulados approvou hontem os
Xavier l'aes Brrelo, Antonio Vicente do Nasei- pareceres das rnmmisses de poderes sobre as elei-
mento Feitosa e Urbano Sabino Pessoa de Mello. I fes do 2 e 4." dislriclos da provincia do Rio de
Continuou em ultimo lugar a discussao do pa- Janeiro, e 3. de Pernambuco, reconhecendo de-
recer sobre as eleiees da provincia do Espi- putados pelo 2." do Rio de Janeiro os Srs. Eduar-
rito Santo. Oraram os Srs. Pereira Pinto, Aris- do de andrade Pinto, Pedro Luiz Pereira de Souza
lides I^ibo e Horta, ficando a discussao adiada e Manuel de Jess Valdetaro; pelo 4.* dutricto
i pela hora. da mesma provincia, os Srs. Manoel Joaquira da
Foi presente o segutnte parecer de commis- Silva, Pedro de Alcntara Bellegarde e Antonio de
Araujo Ferreira Jac.bina; e pelo 3.* de Pernam-
ELKigXo do amazonas. buco, os Srs. Luiz Felippe de Souza Leao. Ignacio
Forma esta provincia um districlo eleitoral, de Barros Barreto e Antonio Ilerculano de Souza
: e d dous depulados assenibla geral. Bandeira. Sobre o primeiro parecer honve um
' O corpo eleitoral compe.-se de quatro colle- debate em que tomaram parte os Srs. Pedro Luiz.
giosasaber: Manos, com seis freguezias; Bar- Arislides Lobo e Paes Brrelo; sobre o segundo.
cellos, quatro; Teff quatro; e Imperatriz com entre os Srs. Jacobina, Pae> lUirrelo e Manoel Ja-
tres; e todas com 108 eleitores, dos quaes falta- quii; e sobre o terceiro, entre os Srs. Feitosa e
ram dous, um ao collegio da Imperatriz o um ao Barbosa de Oliveira.
2
SESSO IMPERIAL DA llltunRl
ism tiitii: i 1.1: n% i
EM 1 DE JANEIRO 1>E 1864.
e accrescente-se e bein assim as fetas na ma- A, T,.
triz da Victoria. do Tetttti- ,
Em lugar do 2, o seguinte : A "Puracao da cmara deu o segumle resul-
| 2.- Que se julguem millas ambas as eleiees ,0;ft!ue Cl""blaa perfeitamente com a'volacao
eilas na freguezia de Canacica 6 as da Victoria ?,i\" ?'"; r n
que se zeram na casa da cmara, e as da fregu- *' Dr nciro Carios de Araujo Brus-
ziadeItape.iir.m.-So../o. t L, n 'jae..... ........... 70 votos
_______ ; 2." Dr. Antonio Jos Moreira.......... 65
Da ordem do dia n. 380 extrahmos o seguinte :! Dr. Francisco da Serra Carneiro... 39 imksidknch do sb. vi seos de de abaetk
Hemoruo.- Do Sr. 1 cirurgiao do corpo de sa- ur- J!*,,:el 'dementino tarneiro da Ao meio-dia, reunidos os senhores deputado e
de, Dr. "fheophilo Clemente Jobim, da provincia do I P <-unlia...................... 38 senadores no paco do senado, sao Horneados para
Rio-Grande do Sul para a de Malo-Grosso. I Fora"' r-fc'''l:res oS trabalhos do> collegies de a depntacao que deve receber a Sua Mageslade o
Transferencias. -Do Sr. alferes do corpo de guar-1 Ma"a()s- "arcellos e Imperalriz, e nao ha a menor lm|erador os senhores depulados bario deporto
nielo do Maranhao, Carlos Manoel de Lima, para r'rl:ll^> contra essa eleigao, nem as das paro- Alegre, Bayol, Leite Ribeiro, Fonseca V.anna, Um-
o cor|)o de guarnico do Pauhy, como requeren.
Do soldado do 1 batalho d infamara, alumno
da escola militar, Ctirislovo Paes d Mello llollan-
da Cavalcanli, para o 4 batalho de arlilharia
p, como requereu.
Do soldado do mesmo balalho Avelno Rodri-
gues dos Santos, para o corpo policial da corte.
Do cabo de esquadra Lucio Jos de Lima e dos
soldados Domingos Jos Antonio Lisboa e Theoto-, 0
no Jos da Silvera, este do 4 batalho de infanta- i **?; ^'ITaLarDeiro e ,'ll!"";nt'"0.
ria, e aquelles do i* da mesma arma, para o corpo
de guarnico de Pernambuco.
Ncry, Junqueira Jnior,
Flores, Manoel Joaqun).
Dos soldados do 13 batalho de infamara, Anlo- fijU? Mailaos' B;,rcell:i e lM>crati iz. e
no Pereira dos Santos, para a companhia de inva-!
lidos de Porto-Alet;re.
cbtas, cujas acias nao foram remettidas.
legio de Tell |
coiidemna-lo,
Como, porin,
collegio, que argido de falsidade, nao inllue
absolulamenle sobre a legitmidade dos eleitos, e Silva Pereira, Venal.) c Pamplona, e os seuhores
aos quaes a cmara ..pedio diploma, visto como senadores marquez de Casias, Siqueira e Mello.
a suplosla ou real votacao de Telle recaluo em Mondes dos Santos, Teixeira de Souza, Penna, Sil-
i nos dous cidados menos volados, os veira da Motta, Souza e Mello, Souza Queiroz, Dias
. eaeommissao de Carvalho, Araujo Ribeiro, Paranlios e bario de
S perecer: Pirapama ; e para a deputaco que deve receber a
. que sejam approvadas as eleic5es dos col- Sua Mageslade a Imperatriz os senhores deludo-
suas
Do 1 batalho de infamara Joo da Silva Caval-
canli, para o 8" batalho da mesma arma, engajau-
do-se por mais seis anuos, como requereu.
Do 12" balalho de infamara, Pedro Jacntho,
Antonio Estolanio, Jos da Silva e Venancio Borges
Carvalho, para a colonia militar de Santa Thereza,
como requereram.
liccncH concedidas. -Aos Srs. capito do i i* ba-
talho de nfantaria, Manoel Joaquira Bello, tres
mezes com sold e elape, para tratar de sua sade
na provincia do Para, onde se acha ou na de Per-
nambuco.
Tenento do 5 regiment de cavallaria ligeira
Luiz Jos da Fonceea Ramos, tres mezes com sol-
do simples, para tralar de negocios de"sua fa-
milia.
Tenenle de cavallaria Gaspar Jos Menna Barre-
to, tres mezes com sold c elape, para tratar de sua
sade.
1" cadete do 1 batalho de nfantaria Candido
AITonso Monteiro de Lima, tres mezes de favor para
tralar de negocios de seu interesse na provincia do
Rio de Janeiro.
Do particular 2" sargento do 1- regiment de ca-
vallaria ligeira Jos Antonio Pereira de Noronba e
Silva, dous meses com sold e elape, para tratar de
sua sade na provincia de Minas-Geraes.
Ao 2 sargento do 5" batalho de nfantaria,
alumno da escola militar, Manoel Jos Fernandes
Ribeiro, Ires mezes de favor, para quando apreseu-
tar-se ao corpo a que pertenre, depcis de lindos os
exerccios pralicos da dita escola, tratar do nego-
cios de sua familia na provincia do Maranhao.
Aos rabos de esquadra :
Do I* regiment de cavallaria ligeira Sebasliao
de Souza Rodrigues, tres mezes de favor, para ir
a cidade de Campos tratar de negocios do seu u-
teresse.
Do 1* batalho de nfantaria Raphael Gomes da
Silva Barres, dous mezes, para tratar de negocios
de seu interesse na provincia do Rio de Janeiro.
Sao approvadas:
A de tres mezes, concedida pela presidencia da
provincia do Piauhy, era 22 de outubro lindo, ao
Sr. tenenle do corpo de estado-maior de primeira
classe Jos Pompeo de Albuquerque Cavalcanli,
para tratar de sua sade, sendo a dita licenca com
soluo simples.
A de tres mezes, concedida pela presidencia da
provincia de Maranhao, em 4 de novembro ultimo,
ao soldado do respectivo corpo de guarnirn. Be-
nedicto Ferreira dos Santos, para tratar de sua
Sade na mesma provincia.
2 Que Qquem adiadas at virem as actas das
eleiees do collegio e frej-uezias de Teff.
3.u Que sejam reconhecidos deputados
asserabla geral os Sis.: Francisco Carlos de
Araujo Itrusquc, e Br. Antonio Jos Moreira.
Paco da cmara dos deoutados, 29 de dezem-
bro de 1863. J. Madureiia.Sada*ka Marinho.
Fernandes Moreira.C. B. Ottoni.A Celso.
31 -
A cmara dos deputados approvou hontem suc-
cessivainente os pareceres das euiiimissoes de pn-
Souto, Moreira, Dantas e Frederco, e os senhores
senadores visconde de Sapucahy e Souza Franco.
A' urna hora da tarde, annunciando-se a chega
da de Suas Magestades Imperia.s, sahein asdepu-
tacoes a espera los na porta do edificio.
Entrando Sua Magestada o Imperador na sala
e alu recebido pelos senhores presidente e secre-
lanos, os quaes, unindo-se a deputaco, acompa-
uham o mesmo augusto senhor at o inrono.
Logo que Sua Mageslade o Imperada* toma as-
sento e manda que se assentem os senhores depu-
tados e senadores, l a seguinte falla :
Augustos e dignissimos senhores represenian-
deres sobre as eleiees da provincia do Espirito tes da naco.E'sempro com siamtro jubilo que
Santo, 5.* districlo le'Minas-Geraes, do Amazonas,
4.* districlo da habla e I. do Rio Grande do Sul,
sendo reconhecidos depulados os Srs.: pelo Es-
pirito Santo, Jos Ferreira Souto e Jos Feliciano
Horta de Araujo; pelo 5." districlo de Minas, Joa-
qun Delfino Ribeiro da Luz, Agostinho Jos Fer-
reira Brtas e Evaristo Ferreira da Veiga: pelo do
vejo reunida a issembla geral legislativa.
Aiiuuncio-vos com o maior prazer que a tran-
quillidade publica contina a manter-se coi t
as provincias, e que abundam, gra>;as ao Todo Po-
deroso, os gneros alimenticios.
Com igual prazer posso assegorar-vos que a
estado de sade publica em geral satislactono.
I Amazonas, Francisco Carlos de Araujo Bresque e tendo cessado a epidemia que reinou em diversos
Antonio Jos Moreira; pelo 4.' districlo da Babia,
Jos Antonio Saraiva, Manoel Pinto de Souza llan-
tas e Joo Ferreira de Honra; e pelo l." do Rio
Grande do Sul, Luiz da Silva Flores, Felippe Be-
Ribete de Oliveira Nery e barode Porto-Aregre.
Foi apresentado o seguinte parecer :
KLKICAO DE 1'EllNAMBir.O. (3." districlo.)
' A segunda coinmisso de poderes, havendo
examinado as actas e papis relativos a eleigao dos CO nesta corte.
tres deputados asseinbla geral que d o 3.* dis- Sua Mageslade 0 Hei dos Belgas, a cujo arla-
IriclO de Pernambuco, submelte-vos o resultado do trmenlo foi submettida urna das questoes desse
seu Ira alho. conflicto, heuve |K>r bem decidir que, na maneira
Compoe-se o districlo de 6 collegios, 9 fregu- |>orque as leis brasiteiras foram applicadas aos of-
lugares de aljamias das provincias do norte.
Sinto di-ver communicar-vos que acham -1
interrompidas is nossas relacoes diplomticas com
a Gra Brelanba.
i O governo brasileiro foi com pezar forjado a
esta resoluco por tei -e recusado o da Gra-Bre-
tanlia a dar-nos a satisfarn e indemnisaco que
reclamamos por causa do conflicto com a sua lega
tas e 401 eleitores, a saber:
Collegios. Freguezias.
Victoria..... Victoria (Santo Anlo da)
Escada...... Nossa Senliora da E>cada.
Serinheni... Seriiiheni.............
pho (Santo Antonio do Cabo.
,,aD0........\ S. Miguel do Ipojuca...
S. Jos do llio-Formoso.
Nossa Senhora daPinili-
cacaoeS. Goncak) de Una
__. | S. Jos de Bareiros-----
Uarre,ros----|S.J..sdaAgua-Preta..
Os votos se distiibiiiran pelos Drs.:
Luiz Felippe de Souza Leo........
Ignacio de Barros Barreto ......
Antonio Ilerculano de Souza Bandeira
Jos Dent da Cunha Figueiredo....
alin de outros menos votados. I
t Toinaram-se em separado, nos respectivos col-
legios, os votos das duas turmas eleitoiaes de l'na
e do S. Miguel de B irreiros. e mais os de nina [o
Eleitores.
74
41
48
61
38
41
33
32
33
327
326
316
81
Dispensa do serrini uira estiidnr. E' concedida snieiite das duas de Ipojuca, nao dando o tola
aos Srs. lente" do corpo de estado-maior de pri-
meira classe Manoel Corroa da Silva, prlmeiros
lenentos de artilhar i Francisco Jos Teixeira J-
nior e Domingos Francisco dos Santos, 11* dito do
3* batalho de arlilharia a p Floriano Vieira Pei-
KOto, para esiiiilarein o curso de engeoharia mi-
litar.
Segundos lenles do 1" regiment de arlilharia
a cavallo, Joaquim Xavier de Oliveira Pimentel e
Luiz Antonio Vieira da Silva (ai pieiro, para matii-
culai ein-se no 4 anuo do curso normal da escola
central.
Segundo tenenle do I" batalho de arlilharia a
p, Paulino Francisco Paes Barreto t o 1" cadete
delles reunidos na apuracao geral mais que 67 so-
tos de materia, que recabiram aaqueRes tres cida-
dos mais votados.
. A coinmisso verificou que as eleiees prima-
ria-; e secundarias, segundo os documentos que
tem a vista, corrtram regularmente, salvas as du-
plcala-.pie se deram Das freguezias de Una, Bar*
reros e ipojuca. das quaes deixa a.pii de oceupar-
so pnri|ue nao tem presente, luanlo primeira
dellas, genio nina SO acia parochial; e i planto as
nutras duas. faltarara-lhe esclareclmeiitos e infor-
inacoes niiispensaveis pa formular um julio
seguro, juizo que alias nao inllue no julgamente da rereis equilibrar
eleico totaloa dos diplomas. blica.
liciaes da fragata Forte, nao honre preimnlii
de piensa, nem olTensa inarinha britanmea.
t O governo de Sua Mageslade Fulelissuna ode-
receu a sua ni. .liarn para renovarem-se as rela-
coes diplomticas entre o governo brasileiro e o
da Gra-llreiauha.
c Bem que milito desejasse, e deseje o bom Hi-
to de t.io benvolo tesiemunho de ainuade e inte
reste. 0 governo brasileiro, entendeodo nao ter
havido anda explcita aceitaco da mesma ofterta
pelo governo britannico, jlgou que nao p
, aproveilar esse nobree valioso concurso senilo de-
poisde venlicala aquella aceilaco
Subsisten Hlteradas as boas retardes entre o
j imperio e demais potoneias.
| t Bstao ratificadas eent vigor as conven
consulares celebradas com os govaraoa de Ssa Ma-
!gestada Fidelissioaa e de Sua Mae.-iade l'.atle-
liea.
. Lavra degracadanwnu a guerra civil na re
publica di lenial do l'ruguay, e licam esSnaaeeSftu
a- relacoes de paz entre ella ea C.onfe.l. r,e;.i Ar-
gentina.
O governo brasileiro. continuando a permane-
cer na mais estricta neutradade, (ara respeilar os
compromissos nternaeionaes rclativoa Mepea-
deneia daquella primeira rapnbMea. bem con.
direiios e legil roo* interesses dos Ura-ii iras aos
otados do Pra a.
. \s repblicas, posto .pie se avantojassea rnal*
no segundo semestre qoe no primeiro doeaerctete
lindo, comtudi nao r helara ni a igul.ir ll
total arrecadada no anterior.
Conlte do vosso patriotismo e 7.-lo qoe pi
a receila rom i pu-


filarlo de l'cruaeabncn S:tl>l>a
  • tu de Uaiieiro de I8M.
    ile brga 1 N", hj
    Vtores do 8 i italhao de infamara Manoel Go-
    O ver ulri os preceitos i! ir* .i" posto do eirorgtio-mor
    CCOOMBia. |quedeferir
    . Augustos e dignissimos senhoies representan-
    les la nacao. mes da Silva Jnior, pedindo que se Ihe entregue
    U r". rondo i vos* iedaesjead pela a usa pu- orna cerlido deexamea que apresentou, no anuo
    Mica < svossai mase, esperoqueosoccipareis de 1860,ao 13* batalhao de infamara, ao qual
    mu esmero da melBOramenle da leglslaci* rctati- entio pcrtejicia.- Deferido, presidencia da pro-
    va no cxerelte e armada, aasirn ci mo dos nieos de vineiado Rio Grande do Sal.
    cewmunicacio, da Introduccio de lirados ivres e 1 cadete I' sargento do esquadrio
    do apioveiamento dos que ja existem entre nos. da provincia da Balria Francisco
    n.hi menos urgente que trauis da reforma Silva, pedindo a capital da mesma provincia
    nienagcni.Nio lem lugar.
    A cmara dos di potadi s clrgcu bOBlcm a mesa
    que tem de foneeionar durante o mea do Janeiro,
    a qual Bcod eonslituida da mesma mancira, so-
    mente bavendo alteradlo no lugar de vke-presi-,
    dente, que passou a oceupar o Sr. TheophitoOt-|
    tull.
    Jo. ravallaria
    Salustiano da
    por
    judii-i.ina, da que relania :i guarda i acmnal, da
    ueRior organisaeao das adi iinistrac,es pr ivincial
    e ii unicipal. e dasmodlflcacocs do regin ein hvpo-
    il><. ai io, exigidas peto desenvolviniento d.t nossa
    lavonra.
    Sao medidas indtepensaveis par o entrande-
    cimento de Urasil, alvo dosnossos constan SS des-
    velos.
    . Est aborta a sessao.
    Ti rmioado este acto, retiraram-so ss HM. im-
    prtaos rom o mesmo ceremonial com que laviam
    sido receblos, o immedialamente > Sr. presidente
    tovant t a sessio.
    I'or decreto de 39 de d aembro lindo b con-
    cedida ao 1* lenle da aunada Joaquim Maria de
    Almcida Portugal demissio do servido, cenforme
    pedir.
    Reamara dos deputados elesjeu hniitcni a
    (V commissio de ore, miento o tonta* d [ensao
    o ordeados o a do fazenda, sendo nuimoados para
    a primeira os Sr. Uarlinha Campos, C. Madureira
    e Gomes de Souxa para a segunda os Srs. Brus-I
    quo, Paula Souza o Salustiano Sonto para a ter-
    ceira os Srs. Valdetaro Silveira, Lobo p Luii Felhv
    pe e para a ultimaos Srs. Canio, bario de Mau
    o Paos Barrlo.
    Gontiauou depois a disenssio do pafej er sobre o
    ilii.-irioto da provincia de Sergipe. Orramos
    Si-. Portada e Silveira Lobo, Osando a disenssio
    adiada pela hora.
    ni"'' Lniz Carlos Mariano da Silva, El
    lo da i ainiia .Maito- e Ftoriano Vieira Peixoto.
    Arma de cavallaria.Para alfares, o 1 argn-
    los Jorge, Domiciano, '.llagas Lobato, Ribeiro da lo da companhla de Goyaz, Gregorio Antonio da
    Luz, Brotas, Evaristo, Rabeilo, Pelictodos Sanios, Silva; o i* sargento do v regiment. Antonio Jo-
    Cesar, Aflonto Celso, i.niipo de Abreu, Garri, sDias Goetho ; o particular i* sargento da com-
    DIARIO DE PERNAM3UC0
    Pelo vapor brasileiro Cruzeiro do Sul. recebemos
    Elegeu lambem as commissfles de resposta a M- cartas e |ornaes do noria do imperio, com datas. do
    la do throno e de ronstituicao e poderes, sendo Amazona- ale i, do Para al 7, do Maranbie al
    eleilos para a primeira os Srs. Jos Bonifacio, Paos m do i ear al 12. do Rio-Grande al e da Pa-
    Brrelo e Martin!... Campos e para a segunda os ranyba al lo do crrenle. Bit o que comemos de
    Srs. s.naiva. Purtadoo Jos Bonifacio
    Oceupou-sc depois com o p irecer da commissio
    1 de poderes sobre as eleipij do lerceiro districto
    .1 s. Paula Oraram os Srs. Paula Souza, F. Ocla-
    viano e Jos Bonifacio, tirando a diseussio adiada
    pela hora.
    Por dacn lo le 30 de dezembro lindo foram
    transferidos para a aula de desenho da escola mi-
    litan professor de desenho da escela central Dr.
    Jos Francisco de Castro Leal c o adjnnto da mes-
    oa bacharel l-'i anei.-co Xavier Lo| os de Araujo,
    ambo- capities do corno de engenheiros.
    uns e outros.
    Amazonat .Nada occorreu que mereea menean.
    Para.- Encerraram-se a 2 do corrente, os iraba-
    llio- da assembla provincial, tendo ella realisado
    mullo para as poucas sessdes que fez.
    o Etm. diocesano e o Dr. chefe de polica
    regressaram capital, aquello de Sonre e oie de
    Camela.
    Fallecen 5, o major Jos Mariano Pereira
    Suas magcslades c aluzas mperiaes, acompa-
    nhadas dos neos semanarios, das damas de honor,
    c dos Srs. ministros da niarinha oda guerra, tas- de Cbermont, sobrino do Exm. bario do Ararj;
    pretor do arsenal de mariiha e chefe do qoartel ,. membro daassembla provincial,
    general, embarearam bontem a- 7 horas no vapor \ polica ra capital Consegnio prender nm
    nus, e dlrigiram-se liba Rasa, onde vui- uil Mauoel dos Beis, que fazia do quintal, da casa
    Por poriaria i esnia dala ti nonieado ilumno! taram o pharol. Seguindo depois para a fortaleza m ,,,, morava, c. imierio pi ivado para os iiiem-
    pensionista de cnirgia do hospital militar da cor-; de Santa Cruz, all demoraram-se em percorre-la, \tr<. de sua familia, per fallarem-lbe os iiuio- de
    io Mareos de OHveira Amida Jnior. e regressaram as duaa horas da tarde ao arsenal sepulta-loa ein s logar roropekute.
    Da orden do dian. 381, publicada ante-hontem de marinha, de onde reUraranvse. Gorria como certa a inaugoraoje de orna
    pela repariicao do apidante-geocral, consta ase- 3 linha de vaporea entre oa Estados-Unidos e a capi-
    guinle relacao dos Srs l." lenles de ar baria e A ramara dos depntailos elegeu hontem a pn- tai, e a naregacio do rio Uadoira pola companhia
    lenles de cavallaria e infantaria promovidos por meira e segn* eumnissio de orcamento e con- do Amazonas.
    decreto de do novembro ultimo, o que -ao dis-! t.-.s. sendo nomeados para a primeira os Srs. C. Tinbasidoi
    nlio. Orla viano, Jos CaeUno, T. Ot'.-.ni, Marlinbo,
    l"n-" 'a \ i.iiiua, Silveif i Lobo, Paula Santo
    Frane >, lama liiiarip, C. Olloni, tinao de Prados,
    1 1 ge, Domician
    Luz
    Cejar
    Jos Bonifacio, Paulo S>>za, Guimaraes, Sanio- nanbiade S. Paulo, Jos Lauriano de V'asconeel-
    Lopes, Marlim Francisco, Fleury, Rodrigues de tos; o Ia aargento do 4* regiment, Joiu Rodrij
    Moraen, Lamare. Silva Pereira, Abelardo, Mareon- Bemftra;o l sari ato do 3, regiment, Manm-I
    des, Alvim, Silveira de Souza. Flores, Nery, bario l'inlieirode Oiiveira;o particular 2" sargento,
    de Porto Alegre, bario de Mam e Alfonso Alvos, dol* regiment Francisco Mauoel AzevedoJu-
    Ho quaes esta vara iu corte 69. nior; o 1" sargento do a> regunenio, Antonio
    Fui reformado, na confbrmidade do I." do Braz de Carrillio : o i: sargento do esiinadrio da
    art '.i-, da le n. 648 de l de agosto de l-'2. o Babia, Podro Perreira do Magalhiea ; o sargMi-
    trtcnie-eoronel do corpo da engenheiros Manuel t quarlel-mestre do 8* regiment, Antonio Jiico-.
    de Fn.is e Vasconcellos, visto solfrer molestias in- lio Cansul; o 1* sargento do 2* regiment, Ma-
    eoraveis que o tornara incapaz do sorvico. hocl Roberto Ferrelra.
    Coi cedi-u-se ao major do mesrao corpo Antonio Armad.' ii fauaria.Para alteres, n 1 sai
    Podro de Camino liorges, a demissio que pedio to do corpo de guaanicio do Piauhy, Clanndo Gar-
    do se Meo do exercito. er/. de Souza : o i" sargento do ">" batalbio,. Joan
    Baptisla Correa ; o particular sargento ajudantc
    do corpo deguarnicae de Piauhy, Itaymundo L
    i Cabral Teive o Io sargento do batalbio do i
    j sito, Ivo Ani'.nio da Trtndade Tahua ; e i" cadete
    I sargento do corpa de guarnilo de Miuas-Ge-
    raes, Miguel Antonio Duarle ; o i* cadete 1 sar-
    gento do 9* stalha i, J laquim looNonei de Bei-
    xas: o i" cadete sargento do batalbio, Ber-
    nanliuo Vi. ira Rabeilo ; o i' cadete sargento ju-
    daote do M' batalhSo, Bruno Candida da Silva ; a
    sargento-njudante do li' batalhio, Mauoel Rodri-
    gues Chaves i < cadete do 8* batalhio, Mauoel
    \. torino le Meira Lima -. o Io sarpento do "i" ba-
    talbio, Antonio Francisco de Modeiros : o 1" sai -
    genio do l' batalbio, Tihun-io Valeriano de Ar-
    ni la i o particular sargento-ajudante do corpo de
    guarnieio de S. Paulo, Francisco Ignacio Coolho ;
    o 1* sargento do 12* batalhio, Jos Joaqoun Al-
    ves ; e -' cadete do 9" batalhio, Jos Marta lien-
    jamiju de sale ; o sargento quartel-meslre do ba-
    A Attocuiiflo Tgpog,-(uhica Fluminense pro-
    ceden, .", do eorreiilo, a eeico da nova mesa,
    que assim fieou organisadi:
    Presidente, (darlos Guilherme Having.
    Vire-dito, Jos de Souza Maia.
    L* Secretario, LuizJos de Carvalhd Chavy,
    2'dilo, Joaquim da Silva Castra
    Tbesoureiro, Francisco Luizda Silva Brum
    Foram transferidos para a aula de desenlio
    da escola militar : o professor de desenho da >.-
    eola central Dr. Jos Franc seo de I aslro Leal, e o
    sen sjodantfl Dr. Francisco Xavier Lopes de
    Araujo.
    A junta de corretores da praca no correte
    auna compde-se dos Srs.:
    Presidente, Droclecianu Braee.
    Secretario, Antonio Jos de < ampos Porto.
    Tbesoureiro, Diogo Mr. Hoinnel Gracie.
    Adjuntos, Francisco Anloniude Faria.
    Jonaunei Vt'eigL
    tribuidos petos dmVrentes corpoe do exercito.
    Arma de rlMaiia.l^ n gimenl i. l" lente
    Domingos Francisco dos S.intns.
    I" l alalhao.! lenles, Antonio TiboreiO Fer-
    reira de Souza < Francisco Jas Teixeira Jnior.
    (xirpo de ailiflces da curte.1" enle, Joao
    Nepomuceno de Medeiros Mallei.
    Arma dr earamiria.2" regiment.Trnentes,
    Manocl Jacinlho Osorio e Jos Pereira Dia.-.
    :i regiment.Tenentes, Dionisio Jos de Oli-
    viir.i e ('.aspar Jos Molina nrrelo.
    4 regiment.Tenente, Placido l'iallio c Oii-
    veira Ramos.
    .v regiment.Tenente Jos Mendos Jacqucs.
    _tllMil deiiifaiili'ia.1" batalhio. Tencnle, Li-
    bralo Jos Feliciano da Silva Krlly.
    t*batalhio.Tenentes, Joio Pedro Cona, Ma-
    no I Joaquim de Ohveira ( urchatuz e Julii Pom-
    peo de Barros Lima.
    8 bataHiao.Tenente, Severiano Rabelk da Sil-
    va Pereira.
    7" batalhio.Tenentes, Jos Ubamo de Souza e
    Jos Alcibiades Carneir.
    lf batalhio.Tenente, Roberto, Ferrcirada Cos-
    ta Saiupaio.
    11 batalhao. Tenente, Joao de SaatAnna
    Meira.
    12* batalhao.- Tenente,Francisco Victor de Mal-
    lo e Attiuquerque. .
    Batalhao de tajadores de Mato-tiro -so .-Tenen-
    te Coriolano de Castro e Silva.
    Batalhao de catadores de Goyaz.Tononies. M-
    talas Barbosa dos Santos, e Joao Paulino Lpes de
    Seixas.
    Corno de guarnieio de Minas.Tenente, Pedro
    Francisco do Toledo Ribas.
    Corito de guarnieio da Parahyba. Tenentes,
    Francisco Antonio Nogueira de laumann c fose
    Vii ira do Souza.
    Corpo de guarnieio do Cear.Tenente, Anto-
    nio Mauricio da Fcnseca I.ossa.
    Corpo de guaniyio do Amazonas.Tenente,
    Lauriano L'ldarico de Oliveira Lima.
    A'oaiir*.DoSr, 2"cirurgiaodo corpo desa-
    de Dr. Joa.piim da Silva Gusmao, para ir s< rvir na
    provincia de Mato-Grosso.
    Rtmores.Dos Srs.: Io cirurgiao do (orpode
    ande Dr. Antonio Luiz de Souza Seixas, da pro-
    vincia da Bahia para esta corte.
    2~ rirurgioes do inesmo corpo : Drs. Joaquim
    de Maltes Tellesdil Menezes, Francisco lloinem de
    Carvalho c Mauoel Ribeiro Gomes da Silva os pri-
    meiros da provincia de Malo-Crosso para a corle,
    e o ultimo dista corte para a provincia da Bahia.
    Traiuffivncius.Dos Srs. lenenlees:
    Do 5" regiment de cavallaria hgeira, Luiz Ma-
    nool das Chagas, para o Io regiment da mesma
    arma.
    Do batalhio de infantaria. Joaquim Roberto
    da Silva Rangel, para o 'r halalliao da mesma
    arma.
    Do 4 batalhio de infantaria. Domingo- Alves
    Brrelo Loile, para o :t batalbio da mesrra arma.
    Do corpo de guarnirn da Parahyba, teciano
    Jos lcnriques Jnior e Manocl Joaquim Ribeiro,
    eslepara o 11 batalhio de infantaria e aquello pa-
    ts o da mesma arma.
    LJN$s concedidas Aos Srs.: major cMirman-
    danle doesquadrao de cavallaria da Bahia Carlos
    Betbz de Oliveira Nery, tres mezes, com sold e
    elape. para ir provincia do Rio-Grande d) Sul.
    2 cirurgiao do corpo de sadde do excreto, Dr.
    Jos Paulo de Gonva, dous mezea, com sold c
    elape, para iralar de sua sade fora da citlade.
    Desuh*cia de licenca. O Sr. 2* cirurgiao do
    corpo de sade Dr. Joao Ignacio Botclho ce Maga-
    Hiaes desisti da licenca de tres mezes, que Ihe foi
    concedida pela ordem do dia n. 370, pan ir ci-
    t-idadeda Parahyba, na provincia do Piauhy.
    Coiiunirtoco ilr j'rna.S. M. o Impcrac r, por
    leereto de 23 do corrente mez, houvo jor Im'iii
    coinmutar emcarrinbo perpetuo a |iena de morte
    imposta ao soldado do asylo de invlidos la curte
    Antonio Jos Loite. por senlenca do cnr.si'lhode
    guerra, e confirmoslo do consellio supremo militar
    de Justina de 17 de outHbro de 1863.
    Dispensa Ai micirn para esliulur.Ao Sr. 1
    cadete do 1 halalliu de infantaria Antonio Lopes
    Ostello-Braneo e Silva Sobrinho, para concluir o
    curso de artilharir.
    Ao Sr. 1 cadete 2 sargento do 2 batulhao de
    amlliaria p, a< dido ao I" batalhao di mesma
    arma, Bernardo Xavier Pinto de Sonza Ju:iior, pa-
    ra niatrirnlar-sena escola preparatoria da corle. -
    Era 29 de dezembro.
    Ao soldado do 1 regiment de cavallarii Hgeira
    Carlos Miguel de Lima e Silva, para matrcular-se
    na mesma escola.Em 28 de dezembro.
    Resultado dos ciamos pratiros feilos i a forma
    do art. 28 do reginamento de 31 de marr;n Je 18S9:
    Arma He cavaUria.1 regiment.Ar provado
    plenamente : 2* cadete Albano Luiz da Fonseca
    JA amos.
    Auno de artilharui. 8" batalhao.Ar provado
    siniplesinriile : 2o cadete 2" sargento Neho Celso
    BorgesdeAssis.
    Codecoraces. Foi Borneado cavalleiro da ordem
    e S. Bentode Avi;>. oSr. capitn do 12 batalhao
    de infamara Antonio Pedro de Oliveira.Decreto
    le i 1 e diploma do IK de novembro do anro lindo.
    HaUn do srniru ntilHnr.Ao Sr. 1 cadete do
    l'ialalhio de infamara Trajano Belsario Cesar
    UufJamai|lle, por incapa. .daile physica.
    A* soldado do 5" batallo de infantari? Fran-
    cisco -Bibiano de Oliveira, pelo mesmo motivo.
    A* particular do 2 regituent de cavallaria li-
    geira ja.piiin liaplisla Barbosa.
    Aosoldados, addidos ao { batalhao de nfanta-
    ria, Gregorio Anloniu, Anlonto Jos da Costa, Joa-
    quim Jos Hermogenes e Rai.-ur Rispo dos Santos,
    por incapaeidade physira.
    FalItetmemlOi. Dos Srs. : capitao do corpo de
    estado-rueiar de I* ciaste Jos fcicardo de Albu-
    querque, txn 25 do corrente mez, nesta erle ;
    ^harmaciuUco alferes do corpo de saiid Bento
    Chrispinaoo de. Fn.ias, em 18 de novemLro ulti-
    mo, na provincia da Rio Grande, doSut.
    Uerisrt proferidas sobre pareceres de anxelhus
    de direcrao e me aterigvaco.Foram julga los ha-
    biliados para sewm priiiieims cadetes, v inanda-
    jtt'mento deariilharia cava I lo iebaatiio Avelino
    Fernand-s Chagas, per baver provadoter rilbo le-
    gitiino do Sr. leiienle-eoronel do corpo do estado
    nkr de clas.s.' gettaato Francisco de ClweJn
    <;bari. Ein 29 do mee lindo.
    Do batalhao de artimaria i p- Manoel Paulo
    de Mello Brralo, por liavar provado ser n oco li-
    dalgo da casa imperial, e liJho legitimo do Bxm.
    r. maretiLil do exercito reformado Joio Paulo
    das s.uit h BrrelaEm 30 do mez lindo.
    Foram julnados habilitados para seren se; nudos
    cadii.--, e mandados reconhecer como taes: os
    soldados do 1* batalhao de infantaria Jo-'- Luiz
    Coli.ieo e Manoel i. iz Cnllaoo, porhatarem pravo
    do ser IIIk legitim m do Sr. Luiz Marline Collaeo,
    capiao d i guarda nacional da provincia d Santa
    Camarina, nomeadi pm virtude da lei n. 602 de
    i'. de sei -mora de (850.- Em -> tntot detpachadoi.Qo* &n.: Io c-
    riM' exercito r Pulv-
    carpo Osario de Barros, pedindo ser preaovto
    ; e liara a segunda
    Silveira do Souza e
    Ottoni, Carvalho II. is e Raiol
    os Srs. Saldanha Mariuho,
    Dantas.
    Continuou depois a disenssao do parecer sobre
    as elcicoes do lerceiro districto de S. Paulo Ora-
    ram os Srs. Costa Pinto, Jos Bonifacio e >'ebias,
    (cando a discussae adiada pela hora.
    6
    A cmara dos deputados elegeu hontem a Mr-
    aberta urna tssignatora para .--
    No decurso do anno lindo foram approvados lalliio de cacador. de Goyaz, Joaquim Doartc
    machinistas dos vapores de commercio pela coro- Teixeira;o 1" cadete l* sargento do corpo de
    missao do arsenal de mar nha da corle : irnicio de Minas-Geraes, Estevio Ribeirodos
    Para primeiros machinistas. Francisco Smilh, Santos Mouteiro ; o 9 lo H bala""
    liao. J.
    .-o. da companhia de caminhos de ierro da pro-
    vincia ifii Minlio, em PoiliiHal, sendo ja tiOO o
    numero das accoe- suben ipta.-.
    A alfandega rendeu, durante o mez de de-
    zembro. Hi:i:tV5(J8.
    Picaran a carga os navio; Graciosa, tabella,
    Jolianna e Flix Ventura.
    Sablram : a 3, o briguez portngoez iVajtmte,
    para Lisboa; e II, a barca franceza Havre, para
    Samuel ltoii-an, \v. Azekh, inglezes; Janses Ekal- l
    lay norte americano, e Jos Joaquim Cocino Jnior, S- batalhio, Candido Augusto Ribeiro ; o 1
    brasil.-iro.
    I mh.'lino de Azevcd i: o T cadete 2' sargento do
    5 batalhao, Candido Augusto Ribeiro ; o i ar-
    gento do cipo de guarnieio de Paran, Manoel
    ceira e quarta eommissoes de orcamento e rontas, 0 naVre.
    sendo nomeados para oslas os Srs. Tavares Bastos, irViraaAa.Entrn em exei ricio de tbesoureiro
    Silvino Cavalcanti e Felicio dos Santos, e para| da thesouraria de fazenda o Sr. Jos Gomes de
    aquella os Srs. Eduardo de Andrade, Affonso U-lso oaa q:)OSOi uUimamenle nomi-ado.
    e Leitio da Cunta. Peta presidencia da provincia foram exped-
    Approvou-se em seguida, depois de algumas das as ordens para as eleic.Vs de senador, sondo a
    ohservaeoes dos Srs. Pereira da Silva, Furtado e
    Tavares Rastos, o parecer da commissio de pode-
    res sobre ae eleieoes do lerceiro districto da pro-
    vincia do Rio de Janeiro, declarando deputados os
    Srs. Joaquim Manoel de Macedo e Jos Fernandos
    Moreira.
    Approvon tambem'n parecer da mesma commis-
    sio sobre as elcicScs da lerceiro districto da pro-
    vincia de S. Paulo, declarando deputados os Srs.
    Antonio da Costa Pinto Silva, bario de S. Joao do
    llio-Claro e Joaquim Octavio Nenias. .
    Occupou-se em ultimo lugar com o parecer da
    primara para 10 de abril "e a secundaria para 10
    de maio.
    0 partido progressista aprsenla como can-
    didatos os Srs. : conselbero Francisco Jos Fua-
    do, Dr. A. M. X. Goneahres e coronel Izidoro Jan-
    sen Pereira.
    O algodio eslava colado do 20^200 tl:m
    por arroba.
    O cambio sobre Londres regulou 28 d. por
    1,5000, e sobre Portugal 95 %
    L-se no Publicador Marauhense:
    O artista Sr. Duarte Coiinbra fez hontem (17)
    ro, no papel do car
    referida commissao sobre as eleicoea do prinieiro sua reeulrada no nosso tbeal
    districto de Sergipe. Orou o Sr. Silveira Ia>bo, h- pnltiro joaqairn Bjpeiro, do -Poder douro. Na
    cando a disenssao adiada pela hora. comprehensao e execuoao desta parle oSr. C..1111-
    s srs. ministros da guerra e marinha, leram Lra a|iar Jo btll ,.,,,.,,-, arll>iC( ,-evelou o gran-
    as propostas hxando as tonas do Ierra e naval de progressoquetem feitonaarte que professa:
    para o auno Imancciro de 186i a 186o. impossivel qualquer ontro dar um passo alm do
    OSr.Junqueiraannunciou as seguinles nter- scu ,ratalho ,.m semelhanle pa(-l, no qual recc-
    pellacoes, que terao lugar no da 12 do corrente a |)Cll frenticos applausos, sendo |K.r ultimo chama-
    l hora da larde. d0 a scena onjc rt bastante victoriado. >
    na forma do regiment peco que se marque
    da c hora para que os Sis. ministros da fazenda
    e das obras publicas se dignem responder s se-
    guinles inlerpella^oes : Joma
    t 1." A que descont se realisou o empreslimo itilro
    contrahido em Londres ltimamente, ou qual a
    differenca entre o capital nominal eo que real-,
    mente se recebeu ?
    l> Qual a razio da preferencia da praca de Os jomaos irazidos pelo vapor inglez Magdalena,
    Ixindres nesta c.injunclura sobre as de Paris, entrado ante-hontem do Rio e Bahia, alcaneam : do
    Frauefort ou Anisterdam ? pnmeiro 8 e da secunda 12 do crrante. -VI-
    Que correlagem Be pagou e quem ? tos encontramos as noticias ahaixd, alm das que
    t i." Que roiacau linhain na praca desla capital o sob as rubricas Porta Ofliciul, Estertor e Jn-
    as apolires da divida publica quando se fez a trr}or- _
    Cear.-Falleceu, victima de lebre amarella, o
    capitn Levesque, do brigue francez Cear.
    Rio-Grande e Parahyba. Nada adianlam os
    s noticias que livemos pelo vapor cos-
    emissio de *,o00 contos desses tiiuios a 90 1|2. e
    ene ratfies leve o governo para fazer easa dupla e
    simulianea operario derredilo r
    5.' Em que dispo icio legislativa se fundou o
    governo para emeapar, toas vesperas da abertura
    14mns-Giraes. Entre^on-se prisao na Diaman-
    tina I). Landelina andida Robim d'Aimcida, a
    qual em n do agosto passado assassinira a seu
    marido Joao Joaquim da Cimba Vianna.f
    S. Paulo.Iliiuve, na nonio de 27 passado,
    da as-.-iiihla geral. a companhia da estrada l'niio nm grande incendio na roa do CommernoT do qual
    o Industria, cencedendo aoscessionarios, alm dos d assim cunta a Rrrista Commercixl:
    subsidios passados, mais :t,">00 contos de apolices,
    estando 0 negocio airelo ao corpo legislativo ?
    Paco da cmara, em > de Janeiro de 18tii.
    Entrou hontem do Rio da Prata o patinete nglez
    .Wc; sci/com datas de Buenos-Ajres at 29 e de
    Monlevidco 31 do pas.-ado.
    Na noule de 19 do passado, hoiive na rdade
    do S. Paulo um incendio na casa de sobrado n. 10
    ra do Commercio, propriedade do Sr. Joio Ri-
    beiro dos Sanios Ca margo, tendo por locatorios, no
    pavimento terreo o Sr. F'rancisco de Sampaio Mo-
    reira, negociante de ferragem, e no superior o
    Para segundos macbinislas. Eduardo Lemclle, Emilio; o 1 cadete sargento aiudante do corpo de
    -Manbtl Jos da Bocha (lampos, Feliciano Nunes guarnieio da Parahyba, Joaquim Rodrigues Vian-
    Ayres Victorino Augusto liorges, Francisco Fran- na : o I" ead.-Ie I*sargento do eorpO de giiarm-
    code.Siqneira, bra ncano, lyolo Rohson e Thomaz Charles Cooper, sargento do corpo de guarnlfSo de Espirito Santo, I
    inglezes : Gustavo t'rliach. belga Joaquim Alves Antonio dos Santos Cosa : o 2' sargeHt do o" ba-
    Calna de Vascoucellos, JosGoneaivesBorges, An- talbio, Manoel Jos Fernandos Ribeiro ; o 1 sar-!
    Ionio Moreira Louzada e Joaquim do Almeida, genio do 1" batalhao Manoel de Paula Rodrigues:
    portugnezes. I o 2* cadete 1* sargento do 6* batalbio, Anreliano
    Para terceiros machinistas. Agostioho Luiz de Pires de Alhtiquerque; o 2 cadete do 1" batalhao,
    Almeida Jnior, Manoel Fenwa Dias. Manoel Manoel da Silva Rosa Jnior; o sargento ajudan-
    K.hvi. es da Silva, Jos Antonio de Oliveira e Luiz te do 6- batalhio, 1'irmino Luiz de Vascoucellos
    Cardase do Aaevedo, brasleiros-, Pahamn Gearj Ferreira; os primeiros cadetes do Io batalhio Ti--
    Claus.-en. allemio Giacomo Nicolao da Cosa, ila-1 heno Olegario Cesar Hu lamaque. e Antonio Lopes
    H| i
    ce-
    C
    iano ; Joao Cabral de Vasroncellos, Joao Anlunes,
    Luiz Crysostomo de Oliveira, Manoel Antonio Mar-
    ques, Antonio Rodrigues c Henrinue Jos Gas|iar,
    IKirtuguezes ; Jeronymo da Silva Jnior (ignora-se
    a nacionalidade.)
    Para quartos machinislss.Ignacio Joa Perei-
    ra, Joaquim Simplicio, Amaro Daniel Clemente e
    Targino Jos dos Anjos, biasileiros ; Felippe Long,
    montevideano ; Barlholomeu Joaquim Lobio, Ma-
    noel Pereira de Carvalho o Jos Augusto de Frei-
    tas, porluguezes.
    Te ve merc da medalha de segunda rlassedo
    2.^co art. 1 do decreto n l.dSDde li de marco de
    1838, a praca de bomb;iros Joaquim Antonio
    Camarinha.
    dem do titulo de bario de Itapotinga, em
    sua vida, Joaquim Jos dos Santos Silva, de S.
    Paulo.
    Concedeu-se Constancio da Silva Heves,
    pratiro da barra de Pe.-nambuco, as honras de se-
    gundo tenente daarniai.a .
    -"ni reformado, a seu uodido, o capitio de fra-
    gata Flix Lourenco de Siqueira, no plisto de ca-
    pitio de mar e guerra, raneante o respectivo sol-
    do, por estar impoesibilitadode servir.
    Pan preenebimento da vaga deixada por esse
    oflkial foram promovidos : capitio de fragata, o
    rapiao-tenentc Thomaz da Cunta Vasconcellos,
    por antiguidade ; capltao tenente, o primeiro te-
    nente Francisco Leopoldo tabral do Canto e Teive;
    e a primeiro tenente, o segundo dito Oetaviano An-
    tonio Vital de. Oliveira, por antiguidade.
    Por portaras de data-, diversas foram nomea-
    dos :
    Inspector da pagadora das tropas da corle, o
    inspector Domingos Jos Alvaros da Fonceca ;
    Castello ltranco Silva Sobrinho : o 2o cadete 2
    sargento do 3o batalhio, Honorato Candido Ferrei-
    ra Caldas.
    Foi exonerado seu pedido, de secretario da
    presidencia .11 Rio Glande do Norte, o Dr. Adelino
    Antonio de Luna Freir.
    -1- Foram naturalisados cdadios brasileiros :
    os subditos porluguezes Trisiaoila Cunta Cmara,
    Antonio Jos Garca e Joio da Costa Silva, e o sub-
    dito trance! Jos Gondrau.
    L-se no Cumio Mercantil:
    Reunidos hontem (28 do passado) em asscm-1
    Mea geral os instituidores do monle-pio geral, o j
    presidente, o Sr. Dr. Manoel de Oliveira Fausto,,
    leu o respectivo relalorio, que por falta de es|aco!
    nao publicamos.
    Km seguida apresentou o Sr. conselheiro
    Bernardo Eubeiro de CaiValho urna indicacio, pa-1
    raque a directora e ronselljo eliminen) doregu-!
    lamento interno algumas disposcoos que parecein
    envolver reforma de estatutos.
    Depois de larga diseussio, foi essa indicacio
    approvada.
    < Passando-se eleicao dos seis membros que
    devem compr a nova directora, foram eleilos os
    Srs. : Andr Sleele, Dr. Mauoel de Oliveira Faus-
    to, Antonio Ferreira Brandio, Manoel Marques de
    Si, Jos Machado Coolho o Dr. Joaquim Alexau-
    dre de Siqueira.
    No dia 18 (do passado) loi lancado o caito
    submarino entre as fortalezas de Sania Cruz e S.
    Joao.
    O cabo contm tres conductores solados para
    servicos independenles, e como oulros do DWSUM
    genero, os conductores sao solados e cobertos por
    nina carnada de gula-pereha, involvdaem um in-
    Primeiros ollicaes, o pr im-ro oficial da mesma I vulnero de tos de ferro, retorcado anda por ouln
    Juan ,ucto de Souza Valcnie e o amanuense do involucro de aramos mais grossos; tem duas ma-
    quartel ntcstrNgeneral Ltuz Francisco Leal;
    A sluavo enlre a repblica Argentina e a Ban- francez Sauvage, com caf e buhare
    da Oriental era ainda a mesma. Buenus-Ayrcs con-' O irmao c caixeiro do Sr. Sampaio Moreira
    servava os sens navios dr guerra junio da Iha de deixou raliir urna vela acesa sobre um barril de
    Martim Garcia, justificada e guarnecida, c aperce- plvora decampado, o qual fez explosio, foi o au-
    bida para guerra, mas ueulium acto de bostilidade tr involuntario do incendio. O infeliz, arrancado
    pralirra contra o estado vizinoa Pelo contrario s chammas, falleceu poucas horas Aenois, reconv
    havia esperanzas de que tudo se arranjara sem o mondando que cuidassem de seus Olhos depois de
    smpre deplorare! recurso para as armas, empe- sua morte.
    nhando o ministro inglez os seus bons oficios para Peuces instantes depois da primeira explosio,
    approximar os dous governos, a ponto de poderem seguiram-se mais duas de outros barris de polvo-
    dios mesnios depoisaju.-tar delinilivameiitc a ron- ra, e ecrude.-ceram entio as rbamnias, que devo-
    tenda por meios pacficos. | raram mais de melado do predio. A's 3 horas da
    Se, porm, como muitos acredilam, o governo de noute foi comtudo dominado o incendio, tendo sido
    Mitre tem eflectivameule a neito fazer triumphar. abafado por urna grossa parede que deaabou.
    na repblica de Uruguay a fac^-io de Flores, o an- Nao honve a lamentar senao a morte doirmao
    (lamento deste negocio, para arranjar, o t|ual has- do Sr. Sampaio Moreira. Foram comtudo grave-
    la baver boa ventado, depender raJve da marcha menle feridos Jos Antonio Gaspar, a inulher do
    que levar a revolu^ao capitaneada por aquello ge- francez Sauvage, e Jos Joaquim da Silva Pal-
    neral. va. Bouve mais varias pessoas feridas, porcm
    Na repblica Argentina era grande a agilaeio sem gravidez. >
    em que andavam os nimos por causa das ceiedes.! Descobrira-se em Yporanga urna rica c abun-
    Com effeito, eleiedes municipaes, eleiedes provin-, danto mina de chumbo, da qual um explorador
    ciaes, eleieoes nacionaes, desde novembro at mar- extrado S arrobas.
    po, isto cinco mezes de vida eloitoral, parece que Na neute de 21 do passado foi aceommottido em
    lia, como diz a Naci Argentina, can\ que conten- sua propria casa o Dr. Bernardino Jos de (2am-
    lar ainda os mais exigentes. Infelizmente a lula pos, por dous faccnoras, um dos quaes disparoo
    nem sempre pacfica, e em Buenos-Ayres e Cor- \ um tiro ferindo ao referido Dr. com alguns cora-
    dova correu sanguo e sacrilicaram-se vidas. Sos de chumbo na cabera.
    Nem 6 este o nico suene aso triste. Em Cata- Corra leree perdido, na barra de Cansada,
    marca houve um motim, que terminou pela prisao urna barca ingleza com carregamento de ca vio de
    de vanos individuos e execucio militar do chefe pedra.
    Puclieta, me foi passado pelas armas; e na pro- Rio de Janeiro.Pelos diversos ministerios bai-
    viuria de Entrc-Rioo coronel Be ron, pronunciando- xa raro os seguintes decretos : n. 3211, oreando a
    se contra o governo central e apoderando-se da po- recelta e fixauds a despesa da cmara municipal
    voaeao de-----assassinou o conunandante Velas- da corte ; 3,216, mandando executar o regulamen-
    quez, e commetleu outros excessos. O general Ur- to para a navegacao do rio Amazonas por embar-
    quiza, passandoo governo da provincia ao general capes brasileiras e peruanas ; 3,214, ahrindo ao
    Lpez Jordn, marchen inmediatamente a sulTo- ministerio da fazenda um crdito de 280:0O0
    car em pessoa o movimenlo. A' simples noticia da para occorrer a desperas com alfandegas ; 3.203,
    vinda do governador fugio Bcron para o Chaco. | designando a ordem em que devem ser extrahidas
    A imprensa niontevideana relerindo este acn- as loteras no corrente anno ; 3,212, itermiiindo
    teclmento, de opiniao que as numerosas tropas a installacao na corte do Brasian and Porluguese
    reunidas por Crquiza, nio podem ler por nico Bank; 3,213, mandando applicar as sobras da
    fim sulfurar o insignificante pronunciamento da ] verbaobras publicas do municipio neutro,na
    paz, e queoulro deslino Ibes qur dar aquello cau- somina de 493;10i342, s desposa! com juros de
    dilho. estradas de ferro e de rodagem etc.; 3,194, crean-
    As follias de Buenos-Ayres dio a noticia de ter do mais duas companhias no primeiro batalhao do
    Puebla e o resto dos caudilheles de guerrlha refu- reserva da guarda nacional do Espirito Santo ;
    giados no deserto cabido em poder das forjas que 3,195, elevando esquadrio avulsa, a secfio de
    os perseguan!. rompanhia de cavallaria da mesma da villa do
    Na Banda Oriental nenhnm feilo de armas veto Principe, no Paran ; 3,196, idem idem a dita do
    mudar a situaeSo dos combalentes. O novo general Rio-Negro, no Paran ; 3,197, creando urna seccio
    das tropas do governo, Servando Gmez, parece de batalhao de infantaria na freguezia de Phila-
    com ludo condemnado a nada poder emprehender i delpliia em Minas-Genes ; e 3,202, approvandoo
    pido desfalque que levo as suas torcas com a re- regulamento para a pagadora das (ropas da corte,
    tirada de grande parte da guarda nacional desgos- Falleceu, no dia l. do corrente, o capitio de
    tosa pela ausencia de Medina. mar e guerra reformado Joio Mara Pereira de La-
    Eotretanto, Flores, senhor da campanha ao or- cerda, superintendente da companhia brasileira
    le do Rio-Negro, com excepcao do algnmas villas j de paquetes a vapor.
    Sej lindos ditos, os segundo-" ofilciaes da mesma,
    Joio (Metano da Silva Go ees e Jos Apolinario de'
    Mallos;
    Tciceiros ditos, os amanuenses da mesma Theo-
    tonio Nery da Silva Jnior, Jos Maria de Paiva e
    Silva e Candido Pires de Vasconcellos e o agente
    da fabrica da plvora Lui. Marcos Duarle Nunes.
    Pagador Antonio Eulalio de Oliveira Pinlo ;
    Amanuenses, os addidos mesma Francisco de
    Araujo Potreara Coulo, Antonio Jos da Silva Gui-
    mariis, Benjamim Martim de Almeida, e o liel do
    pagador Antonio Jos Alvares da Fonceca
    Clit-fe de secoio da rbeeouraria de fazenda doS.
    Pedro do Sul, o primeiro ocrijttuario Joio Liuds-
    Iron Jnior;
    Primeiroescripturario, o segundo Manoel Ro-
    drigues Teixcira.
    Segundos ditos, o lerceiro Bernardo de Castilho
    Maia o o dito da de Pernambuco, Manoel da (^osta
    Ribeiro ;
    Fiel do almoxarifado de marinha da corle Fran-
    cisco Xavier de Macelo;
    Cavalleiros da ordem da Rosa Dr. Eurico Wa>
    wra, primeiros teoentea da armada (birlos Bracon-
    not e Joaolcnacio dos Sanios ; segundo dito Anto-
    nio Luiz Bastos dos Beis, e Carlos Guilherme
    Cross ;
    Officiaes da mesma oidnn, major de engenhei-
    ros Jos de Souza Mello e Avim, capitio de fraga-
    ta Luiz Antonio de Freitas. capitio lente hono-
    rario Napoleio JoioBaptisia Level, e ex-director de
    ofiiciiias de machinas do arsenal de marinha da
    corle Antonio Gomes de Mallos;
    Dignatario da mesma, chefe de esquadra Diogo
    Ignacio Tavares;
    Ten nte coronel commsndanle do 4." batalhio
    de infantaria da guarda nacional do Maranhao, An-
    tonio Francisco de S Ribeiro ;
    Praiicanie porleiro do rorrean de S. Pedro do
    Sul, Jos Mara de Fouioura Brito;
    Fiel de armazem da alfandegada corte, Candido
    Augmto do Ainar.il
    Ibas c pesa 26 toneladas.
    Dirigi o trabalho o Sr. Dr.Baptisla Caetano de
    Almeida Nojucira, e o cncarregado das linhas
    Sohusterschulz. Servio no laneamenlo do cabo o,
    vapor de reboque LtBo construido nos tstaleiros
    do Sr. Maytor.
    Dentro de poucosdias seresiahelecida acora-
    municacio enlre a fortaleza de Sauta Cruz o a pia-
    fa do commercio.
    Al boje o cabo tem funceionado perfeitamen-
    te bem, e esperase que assim continuara por lon-
    gos anuos. >
    Sob o titulo de Barlaridade l-se no Mercantil
    de Porto Alegre .
    Deu-se em Sepe um duplo homicidio perpetra-
    do por um escravo do Sr. Silverio Jos dos Sanios j
    e precedido de circunstancias airona. Instru-
    mento de urna vinganca apparentemeute inexpli-1
    cavel, aquello escravo procurou uina mulherag-|
    gregada de seu senhor, e com um cacle de larau-
    gera aeabou-a pauladas, frac.turando-llie o lado
    esquerdo desde a cabecaate i cintura.
    Consumado esse primeiro atlentado, agarrn',
    em um menino de tres anuos, lillio da victima e o
    matn, esmagaodo-lhe o crneo.
    Felizmente loi preso ; confessou o delicio com
    a maior Beugma, dizendo que recebera urna on^-a
    de urna mulh.-r para perpetrar o delicio.
    O escravo eslava preso em una casa particu-
    lar em S. Sapo, e ia ser remellido para a cadeia
    de Cacapava.i
    No termo de S. Leopoldo diz o Mercantil de
    Porto Alegre, deu-se no dia li um horroroso as-
    sassinato :
    . Maria Fausta, filha do capitio Antonio Fran-
    cisco, achava-se em casa S com duas mulheres,
    por ler partido para a serra seu pai, quando Car-
    los Antonio de Oliveira, seu cunhado, que a todo o
    transe quera casar com a desditosa, aseassmou-a
    de urna maueira atroz e barbara. Deu-lhe lio tre-
    mendo golpe na caneca com o cano de una pisto-
    la, que quebrou-llie o crneo, rasgando-lbe as
    membranas sulijacentes que deixaraui o cerebro
    Manoel Mendes Pereira para o lugar de prati-j vista, sectindando-lhe a atroz le ida com mais 21
    cante, servindo de porleiro da adimninstracao do tocadas, sendo 3 pela fenle, 9 pelas costas,'ido
    correio da provincia do P ir, vago por demissio lado direilo e 4 do esquerdo !
    concecida Joao Luiz Peleja, e Antonio Juliao da
    Costa Leite, para o lugar de ajudanle do de Tu-
    rvass, na provincia do Maraubio, vago por de-
    missio concedida Antonio Manoel Cantoso de
    Souza ;
    i orr.elio Anastacio Loj es para agente do cor-
    reio d;- Cachueira, na provincia do Rio de Janeiro,
    vago par demissio concedida Carlos Kuensi .
    Francisco de Paula Mena Brrelo r'ilho para agen-
    te do de S. Gabriel na provincia de S. Pedro, vago
    por exoneraeio de Sergio da Silva Maia Calillo -,
    Joaquim Manoel de Castro i'houx para ajudante do
    de Santo Antonio da Pairt Iha, da mesma provin-
    cia de S. Pedro, vago por fallecimento de Polycar-
    Aos gritos da; assusladas mulheres acudirn!
    dous individuos, que ainda o viran dar as ultimas
    tocadas, ganttaado depois o mano, por onde eonse-
    gulo escapar-so.
    O inuito digno e enrgico delegado de polica,
    o Sr. major Joao Cocino Brralo, logo que leve co-
    nhecimento do erime transporlou-sc ao lugar, e
    procedendo ao corpo de debelo na vctima 000 as
    providencias a seu alcance para a captura do cri-
    minoso.
    Espirito Santo.X assembla provincial encer-
    rou seus trabaihos no dia 22 do passado.
    A cmara municipal da Barrado S. Matheus
    nomeou una commissio para felicitar o BMI pre-
    po Antonio de Jess; e Joaquim da Costa Pereira sidenle da provincia, pela sua prudente e sabia ad-
    para igual lugar no correio da villa de Miranda. ministradlo.
    na provincia de Mallo Gro-so, vago por exonerarlo | Rahia. Fallecen, na capital, o Dr. Francisco
    de Beiiedicto Pedroso Duarte ; Antonio Ribeiro, que esteve entre nos como presi-
    Daniel Pedro Muller i bagas, conductor das denle da provincia.
    guarnecidas por toreas do governo, eslava tranquil
    lo em Fray Denlos orgausando e retorcando a sua
    gente para passar oulra vez ao sul, segundo lodas
    as probabilidades, e marchar sobre a capital onde
    so encnuam os elementos de defeza.
    Alm d blanco rom ouiro nao menos temivel, a discordia
    no proprio seio.
    O senado Iracio, e o presidente da repblica repugnava to-
    mar medidas violentas que a gravidade das cir-
    cumstancias e a satracao do estado talvez exi-
    gissera.
    A cmara dos deputados marcou o ultimo domin-
    go de Janeiro para as novas eleieoes, mas a condi-
    ciio do paiz difiiriliruMjte permillia o exercicio des-
    ta grande prerogativa do cidanao. Entretanto apro-
    x lava-se o termo do periodo geral das autorida-
    des constituidas, e o futuro apparecia coberto de da Cunha, Raiol, Nnes Goneaives, Fabio, Fernn-
    dtividas e incertezas. do Ribeiro, Fnrtado, Gomes de Souza, Viriato,
    Do Paraguay nada temos que referir. Paranagu, Fialho, Burlamaque, Pinto de Men-
    tios porlosdo -ul entrou o vapor Brasil com da- doea, Pamplina, Liberato, Joao Lene, Aragio c
    tai-tic Porto Alegre al 29, lliy Grande. 31 do pas- Mello, Paes Brrelo, Feitosa, Urbano, Souza Car-
    - A mesa do senado ficou composta dos Srs. :
    Presidente, Vsconde de Abaet, cora 30 votos.
    Vice-dito, Gabriel Meades dos Santos, com 24
    ditos.
    !. secretario Jos da Silva Mafra, com 28 ditos.
    2. dito, Jos Marti ns da Cruz Jubn, com 29
    ditos.
    A da cmara dos deputados romp5e-se dos Srs. :
    Presdeme, ronsellieiro Zacharias de Goes, com
    64 votos.
    Vice-dito, dito Oltoni, com 63 ditos.
    1." secretario, Dr. Franco d'Almeida, com 63
    ditos.
    2 dito Pr. Pedro Luiz, com 59 ditos.
    3." c ditos, Drs. Limpo de Abreu, com
    Jos Angelo com SS.
    Acham-se reronhrcidos deputados os Srs.
    Ilrusqiie, Moreira, Franco de Almoida, Leilo
    37 e
    obras publicas, com os ve acnenlos dos conduc-
    tores de primeira classe, a que s> refere o decreto
    n. 2922 de 10 de maio de 1862
    Mareos de Oliveira Anuda Jnior, alumno pen-
    sionista de cirurgia do ho-pilal militar da corte ;
    Commutou-se em carrinbo perp.-nm a pena
    de moite imposta, ao soldado do asylo de invalido,
    da corte, Antonio Jos Leite, peio consellio de
    guerra, e confirmada pelo consellio supremo mi-
    litar.
    Foram aposentados :
    Vicente de Araujo Lima, no lugar de porleiro
    da pagadora das tropas dr. corle ,
    Jos- Francisco de Siqueira, no lugar de rom-
    missario pagador da exmela pagadura de Minas-
    Ceiaes. dependendoos sen- rencimentos deappro-
    vacio da assembla geral.
    Foi reformado no posto de major da guarda
    nacional, o capitio do 6." esquadrio de S. Paulo
    Jos de Aginar Villariin.
    NOTICIAS COMMERC1AF.S E MARTIMAS.
    Buenos-Ayres. 29 de dezembro.
    Cambio.Londres, 80 i'|8aol d. ; Franca. 5, 31
    a B34 frs. ; Genova, o, 31 frs. Rio de Janeiro.
    S9J00; Montevideo. l|40|0desc.
    Hescontos.Itegulam na praca a I 0|0.
    Pesos fortes.Ultima venda a diuheiro 28, lo
    cntimos.
    Freles.Inglaterra, 40 sb. couros salgados, e
    fardos 40a 50 sb. com oOirjde capa; Havre. 90a
    40 fr. couros salgados, 100 frs. ditos seceos, 8 7>
    frs. os fardos com 10 0*9 de cata-i Mar-.-lha, 20
    frs. couros salgados. 80 frs. ditos seceos, a 60 frs|
    es fardos com 10 0|0 de capa ; Bstados-Unidos
    l|i ote. couros seceos, o 12 a 14 pata, os fardo?
    com 'i 0,0 de capa.
    Brssil, nomina, s.
    Montee ideo, 31 de dezembro.
    Cambio.Inglaterra, B3 i|2 d. Franca, 83 l|2 a
    84 frs. lien,.va, nominal. Rio de Janeiro, 294400
    sailo, i^ Sania Calharina 3 do corrente.
    As noticias ajo destituidas de importancia.
    8
    O senado, elegeu bontem o resto da suas com-
    ni--r.es, e oceupou-so depois com a diseussio de
    tres pareceres da mesa que i-slavam na ord.-rn do
    B0M velado oMiaelO da sessu que (Ul-
    UieaoiM no lugar competente.
    ralbo, Sa u Albuqui-rquc, Silvino, Godoy Vascon-
    cellos, E|tamiondae. eraliro, Brandio, Ambrosio
    Maebado, Tavares Bastos, Spiridiio, A. Lobo. Jos
    Angelo, Barres Pimenlel, Barbo-a de Almeida.
    S. Sanio- Barbosa de Oliveira, Pedro Muniz, Piu-
    lo Lima, Chaves, faenaras, J. Madurelra, C. Madn-
    reir, Saraiva, Denlas, Moura, Juoqoeira, Spiuola,
    Fred rii id ^Ferreira Souto,iIorU,SaJdanhaM.
    l'erniiliio-se ao 1" lenle reformado da ar- lluenos-A\es, ao par.
    ruada Manuel Luiz da Silv. Sonto que rommande Seanmam os saques da quiniena, sobre Inglater-
    nm dos vapores da conq-anhia de navegacao do ra 60,(K)0, Franca, V80.000 frs. Rio do Janeiro.
    Alto Paiaguav. 1.600, ouc.is do Buenos-Ayres i,000 ditas.
    Por sentenca do Dr. Paiva Teizeira, juiz de Divida publica.Consolidada90rht, exigvel i".
    direilo da Ia vara ei ime da corle foram despeo- novostlulos 75 OjO do valor ;interna k2 0(0 dem,
    iiiiiiciailos os vereadores da cmara municipal, anelo-franceza SU 0|0 i lem ; gonnouilhouS a '>
    suspensos emandados processar pelo ministerio l|2 0fOWom.
    do imperio.
    Foram pronunciados, por decreto de
    passadi. pela ministerio da guerra :
    Aun.- da artilharia.Pa a primeiros teaenlef,
    os segundo^ iin-'ntes Bernardo /os Vaaqnei Ju-
    Desconios.O hinco Commercial omprosta a ?
    30 do e recebe a 60|0 aoanm. 0 banco Mana ein
    i: a 12 n robe a 8 i presta a 10 o recebe a 8 OjO idem.
    , Fretes,Inglaterra iOsb, couros sabjadoa; 90
    tu. ditos seceos, e MI >b. os iu-i- .,>
    capa, nominal. Havre i.'> fi -
    100 a lio U-. ditos -
    dot ."in IDii|ii de cap i, nominal.
    I l|8 el cou
    )|0 de rapa em navio amerirann Br
    ieeca, 'i rls. para e Ra i a B.-
    tiia e 6 para Pernamboco a
    Rio-Grand? u !
    Estamos em lio- de anno
    desl i eircumstani-i i, que m
    transarcoes qne honve no decurso dtale i
    de imporlacao.
    Esta nneiuanlo n'.io ruin poncis
    iortiiiK-nlos que -
    tuimoua procura, por serera
    gneros exitool im-tu.
    Baino de mellior qualida
    marcas.
    O m.-rcado ipe. le-a I -n -imu roa
    taita da mesma ag
    nenio- que lioiiv.- -oppnmi a- pi
    i ser procurado o aleati
    lante nacional corno straruter
    pialida.l.-s ha existencia
    .--.i; au ha azeilon
    cabos de todas as qualidades
    inii- de ca van em mi .1"- .h-.i
    i- fazi \',.i-, mrmente os arlefai I o
    ibundam os importadores csii
    sonidos, e exig ndo r aagam-
    pii- lem : ha falla di- mauleipa -ii|
    -Ico, tiua-
    :ie de Portugal e ilo \I diten
    l.:o-, porm deste i,-mos ache^ar \i
    importantes; .- os i
    falta de vai 11- miudt tas.
    Be Beneros na< i mai si '
    rasmios o fumoc goiabada, i
    artigos devem .-er as remessas in-xb-rad.
    mente da goiabada. porque o r talbo por e|U3BU>
    -la supprido.
    I'm nossa nllima revista .l.-rn i
    lisongeira da situacio do hh-i ado, paraoai
    sal; as entradas que tivenMM, ipaa em pi
    ores nio oceupanam a al
    ueste auno reto encontrar urna
    judicial e diftlcil, alm da circu
    alta de depsitos para o raeolhtr, por
    upados cun o in-mo enero entrado aa sa-
    l a paseada.
    Os procos ficam nominaes | ht.ntem s<> vcnaleraia
    4,000 altpieires de sal do Cabo-Verde, a MO rs. n
    ilqueire.
    is vinhos ficam com procura um pooro frouxa :
    dous carragameatol que enlraram tiveraaa d-
    :nazenar-se, e alias sendo (Moa de boM qoalid
    eaqnerereoa ieapo-los na actualidad*-, sna n
    sacio nao ser tovoravei, e desea liquido salo >e*
    consta que se esporem nevos suppnmeiuos.
    O mercado tica regularmente aha-l-eulode fari-
    ana de trigo e suas cotacSaa eom tendencia para a
    oaixa.
    Prinripiou a safra, e nao se drscnvolveu para oa
    producios bovinos maior animaeio.
    As transargtes anterior-' rodocto*. c>-
    servava a conserva ainda a maior parle dos especu-
    ladores fros.
    Cnmludo pela novidade compraram-se logo i
    de 100 mil arrobas de xarqne, dan-e aeto aae-
    hor genero e e-colhido de 3^ at.- :t2''
    tunda qmnzena compraram-se unas lia 1'
    arrobas, o melnor de 25O0 a 2TOii a airnto. e o
    desparelho e magro aobteve 139110: 2.409 ai
    bas de Jaguarao de regular gordura 24UO a ar-
    roba.
    As noiicias que depois se receberam dos ra-
    los do norte coliocirara o nos-o merradu apathic
    e nao se encontrando genero que sai
    cora a tcrrivel secca que tem conliouado --
    es no geral leetn entrado moito Iracas par falta
    de pastos e agua, tambera desmoralisou o compra-
    dores.
    As entradas de gados as charqueadas de Pe-
    lotas e Canudos, monlam ja quarenta mil re-
    tes.
    Fizeram-se alguns tratos em gorduras na pri-
    meira quinzena a : o --'-rio,
    genero prompto a receber-se.
    (^omo os gados nao tenham prmluz
    Jade devida, era consequenea do sen mi e-taito.
    iiioiivou aos charqueador.-s a eb-varena soa* p
    leueoes, pi-tlindo e eremos tpie algumas vendas
    lisaram, a 3*700 e 3*800 a graxa. i-5 -
    i sebo; pormeaandaos raeenaanu vn-ram prcau-
    dicar eslas inieuco.-s.
    Nio houve grande movimenlo na primeira inia-
    tcna de couros vaceuaa xaueau, anea por nao ha-
    ver maores precseos, como por se lornarem mais
    exigentes os barranqueiros. e ap-1
    rain transacfoea em seis mil pecas de i." j. VC*
    ris.
    .Nesta segunda dsenvolveu-so mais pr -ura.
    para suppnr novas atrtH, a compraram-se "raaUU
    Je dez mil couros, de 2.30 a 2.1-"> rs. incuinilo ubi
    transaccio reservada de dous mil para o- K
    Unidos.
    As entradas da campanha para Pelotas tet-m
    ganseado por tolla atoeoadacajlan; e auanaaan .- \
    istencias em poucas osan snaunasann em
    das preleneoes. e-tiniando-se ellas em .:...
    couros.
    Por oitocenlos a mil couros, regulando
    de 10 libras, se deu 200 rs. |Kir libra
    nanlo aos couros salgado*, nio ha anida i
    nitivamente um aceordoeaai -as rota.
    charquea lores e compradores, que tizrram lili!
    lamentos.
    Eutrou um especulador no mercado q
    vanas compras a 128 ei30n> iiovIIki, e dtxom
    que 138 rs.; baixo peso 1 |."i I lll r<. IMBB, tm
    vista do que qoiseram os posso ver oas
    neajanaaelea ne.-te aanaMe, ajH nio no* aaaw
    davia que fossem aceitas, .- i.-ui
    ver dispo-icoes em annuir, a aadraaoaae i vista a
    aviaos que tiveram da reuNaaajia iaala artigo nos
    mercados da Kuropa.
    EBafonao um trato com as charqueadas do
    Jaguarao para toda a safra 191 rs. novila e 96
    rs. vacca com os adiantaineotos em lempo compe-
    lente.
    i arabios.-As operacSea sobre landres teem si-
    do a 26 d. Pars M ,. |ff a Bio de Janeiro :ei
    por cenlo de premio a !H) di i-
    A moeda nacional papel regulou na primeira
    quinzena de 7 a" i'2*'. de firemio e ne.t.i
    guma ti I i a "., de premio.
    Fretes..No decurso de-te mez honve ana
    fretaim-nto para .New-York a 8-"i chs a "> para,
    couros seceos saldados e varios genrros.
    Para o imperto2 navios, aaanaa ura a barra w
    aman, a 540 r<. por arroba, para Pernarnbi
    brigue Imperial Morinlieiro. para o mesmo aus-
    tino, nio se leudo ainda lixaito e preeo.
    - :w -
    Cambios.-Sohre Londres, 26 a 26 I \ d.: Pa-
    rs, 365 rs.; llambiirgo, nominal: Rio de laen,
    i e II W dias; Baha. 3 /. 90 dias ; Piniamam
    eo, nominal, moeda nacional. pap<-l de pre-
    mio.
    Fretes.Rio de Janeiro. *0 n.; Baha. :*-
    Pernambuco, 460 rs.; Inglaterra, easaraa alorados
    50 -li. 5 / P^ira o (anal ; cinza, Wi sb. e 5 *\, pa-
    ra o Canal.
    lio de Janeiro, 7 de jan-
    Cambas. -Masaras, i" e 27 t|t J. a 90 ira im
    da .'i e bote) ; Paris, 350 rs. a 90 d|v ; Havre 310
    e 3Wa90d|v.
    Descontos.8 3|i "|..
    Apolices.1).- li |. ao par.
    Frotes.New-York. W sh. e 51.. v' 5h ^ da
    i; Canal, 17 sh. 6 d. no da 5 CMflkaUi
    sh. 6 d. no dia 5.
    Generas.Cervito para vapores, do Duo I7d5t0 por tonelada ingleza; aspirar branc la
    Campos a3700 |tr arroba no da .">.
    Pelo Magdalena exportou-se para a Furepa
    Destinos. lluro. Especie*
    P. Moeda. Prata em i
    moeda. nnMa
    Soulhamp-
    100,.. 39:3005600 V95000
    LI aben e
    Porto.. 2 .'.385070 65.^>
    Pabia.... *tii5
    Pe r n am-
    buee... iiiW^io
    Bu e nos-
    Ayres. 26:70O5O00
    Total. 39:3065000 3t7:M7|l9l o^alSiaMaV
    Sabiram para Pernambncn. alem da harea
    portnguosa Corf , lii iChegaram, aroredentea de Paraaaajfeaj
    16, a barca nflela Ti ard, r. rom 8 das ; a '&.
    ina Cnasp meza, ein 13 ; e a .",
    mirante, com K).
    Ach .' i pira I' .
    I i ignes Voto- nte e H
    zas .4/
    O vapor Paran itevia partir a l"
    Ha'iol. 1 I e Jim-
    Camino. -Regutoo sobre Pan*de l li
    porfi
    | i I5OO0 Portugal de 93 a IDO
    Frates.Para Bremen a ilaiuburio U i




    Diarlo de It'ni:uu;iur Naba 1,2 s-h: para Gtbrattar 7'! frs. o 10 [.; para o| Bu son o Mn'.rario de Voltaire: diante do inli
    iflii Inglez 42 \[i 43 sen.
    Continente 47 i c 52 t|i
    sch. fpiassava) 5 |.; para
    para o j Wto e que pcuso.
    73 83 frs. e tO "|,; para o Mediterrneo at<>
    Trieste B H fr*. e 10 *|; e para Londres 65
    sen. (piassava) e 5 |..
    - Salra n para Peniambueo : 23, a polaca
    hespanhota Elegancia; 26, os briguis inglezes
    Lt'tiniK.'S'irnK: iT, o hri?io portinmez Mon-
    de; 1 a .58, o brigue iuglez Flio-itt : 2'.*, a escu-
    na Carlota ; a 9, a barca sueca Princtss Louis \
    a 10. o brigue liespsnb >l Tiiimotco, e a barca in-
    giera Jaran Scofi
    para Liverpool 53 Pens, porque pensando M hornera pens era
    Marselha e Genova Deus: linito e nlmilo, lio Idea?, que se
    PERHAMBOCO
    REVISTA DIARIA.
    acaba
    ciain.
    Vejo a creica i e me arroab, e na ereaeJk) >i
    reotypa-seincisivo, profundoo trace luminoso
    di cinzel do Creador.
    Pensando em ininino individuon'aquillo une
    a philosophia cbaiaa ulm iemlwra me rermiheca
    a I raqueta propria00 me extaso, porqtio a uii-
    nh i fraqueza nao to exigua, qe me escape a
    Brinden do Aliissuno.
    Ifonhor, quando t me dsto una alma, afeaste-
    mi mi) homein, o quando me oreaste un horneo),
    eslaboleecste entre inim e ti um lo tal de liga-
    cao, que eu me considero feliz por ser obra
    tu.u
    tola que lenhas-me fcito accessivel a idea do
    innito para que cu te comprelienda no leu proprio
    inlliiito, Senhor I
    V'oltaire nao disse bem n'nquellas palavras, co-
    m em uutras muitas que disse : rom os olhos fi-
    t em Deus que o homem se conbece homein.
    I) que se estende entre Deus c o homein eu nao
    PeloSr administrador do nisso corroio
    Um. Sr. Dr. manoel ile F'uyiciroa Furia. Dg
    ne-se V. S. declarar saj) emite de 14 do corrate, sei nem alguem o saliera precisar, de ceno,
    por oceasi.ii da chegada do vapor Magdalena, dos lias o que cerlamente nao me parece difHcil de
    portos do sul, estuve 00 nao, como um dos pro- precisar que o homem, tentando voar at Deu*
    prietanos do Diaria de Pernambneo, no correio e si Dtiudo-se opprimido e desapontado na sua pro-
    esperadas matas, at que horas, so efeoiivamente teneao sob o |ieso tremendo'do infinitotem-n'o
    ellas vienen para trra, e se I lie consta queso por Itse meMiio conhecido e romprchendido.
    dsse jornal algum ou qualquer outra correspon- P o mister que eu veja e fugo, para que o per-
    donen pessoa alguma. ceba; o calor dame at idea inais segura da sua
    t Pela negativa permita o redactor do Progres- existencia. Para que o homem comprenenda Deus
    sista que o crrelo nao concede inmunidades nao Deoeuario penetrar-lhe nos advtos santissi
    rao
    O tribunal decidlo q l'izarro perience de dlrelto a duquza de Conoca-
    la, actiialiiieiii! Dwrnueza do Dourn, esposa de
    general Concha ; a vinculo ere,.lo por Goocaio
    Pitarra (bi dado maraera da Conquista ; e o
    ,,"riin.io sdoradoarc o asna* fr.granca nanea
    minia n"tenfradtteoa, como aronu.'r'e eem osmais
    perfumesextftMdM nceinpostos i!e aun matis.
    As mnhoras asqUMs geratoiente sulTrem de do-
    res nervosas da cbeca Un1 do a | retereneia lo-
    Idem do da 1.1.........itr.m. i97l*oH
    ii.7:i:iSW
    BOLETIM COMMERCIAI.
    iens de l'.-i liando l'izarro, irmaa do conquistador, da e qualquer nina outra appllcaeao local, eomo Liverpool, 23de deatmhro de 1863.
    eem qoa-' (Precos livres de dirritos para o tendedor).
    um doenie AUod.o, de Pernambneo, por ii
    foram distribuidos aos estabelecimenios de benefi-
    cencia de Madrid.
    um cvcllente m.'io de aluvial' as dores;
    lidade de um perfume para o quarto de
    elle por sem duvida eminentemente MtYigerante Bom
    i e agradaveL j Mediano.
    l iti'ferinio-nns ijo somonte quanto a aoi a non- Ordinario
    na i'K siniiui A i.ANHAn. Quanto a i imitacS a sao Bs'jia ;
    e nao niereeeni a inais lev-'
    giKMii quor que soja, que todos serve rom a mes-
    ma igualdade, o que nao distingue parcialidades.
    (jjm a iiiserco destas linhas muito obrigar ao
    seu constante leitorDomingos dos Pastos Miran-
    da. .
    Afeadla ao pedido que nos feito na carta,
    que deUamos exarada, cumpre-nos declarar que ef-
    fectivamenle eslivemos no correio at 9 horas e
    um (piarlo da non te, quando all chegou o agente
    do mar alim de ibclaiar que as malasi nao vinham I cipii os.
    para Ierra, acrescentando que elle oblitera bordo | _Ora, que Yol taire nao poda voar at Deusa
    do vapor un nnmeros truncados do Jornal do uao obstante haver dito que a sua entrada em
    Cammereio, dos qoaes ia oxtrahir noticias para o Franca fra mais gloriosa do que a de Christo era
    sen jornal.
    Tmo sido o que ah fica notado
    basta no poder fazer essa penetraste.
    K porque o infinito embaracava o pensamentear
    deVoltaire?
    TU vez porque Yol taire nunca leu a Biblia. Ahi
    esl escripto. no Ecclesi.istes, que nao se deve
    ser mais sabio do que necessario, para que nao
    se venha a ser estupido.
    Tasso disse :
    Aos grandes vos succedem-se os grandes pre-
    o que se Jen,
    panec-nos que com a sua maniCeslacao liaremos
    salisfi'ilo ao que de nos solicita o Sr. commenda-
    dor Pasaos MirandaJ
    Amanhaa ha lugar-a festa de Nossa Senhora
    do Monte, em Olinda.
    Achamo-nos autorisados competentemente a
    declarar, <|ue uo ha sido nesta cidade, nem na de
    linJa, recrutado almocreve ou conductor algum
    de genera ele qualquer qualidade; bem como que
    o nao lia sido tambein earvoeiro nem carregador
    de lenha para ser exposta venda em ambas estas
    cidades, como se lera falsamente propalado.
    .au ha moiivo, pos, para aterrorisarem-sc taes
    ndividuns, mesad porque at ,'igora nem preso
    Jerusalem -istw verdade que prescinde de de-
    momtraco, por ser intuitiva.
    D' illi a queda cm Yol tai re -o pobre CUrislo sem
    e cujo evangelho sao as tragedias que
    a pos oos,
    escriveu.
    A um espirito, porm, como o de Voltaire. o in-
    finite devia com elleito nao s embaracar, mas
    tanitem confundir.
    Psil aquella eabeca nao comprehendia que o es-
    criptor de tragedlas esta va lao distante do escrio-
    tor d j livro eterno, como o abysmo est distante
    do cu?
    Ali xandre Herculano um sabio. Escreveu es-
    ta grjmde verdade em um des seos preciosissimos
    livros :
    Segundo diz um Jornal Inglez, calcula-se (|uc pa-
    ra o consumlo das fabricas de lecidos e liaed de
    a Igndao na Inglaterra, se preetsom para o anuo de
    186'i 2:.'(K>:0n0saccas d'esia materi.i prima.
    Esta enorme cifra podera dar nma idea h ira-
    mensa qoandade de productos de algodio qtfe fa-
    brica annoalmcnte a Inglaterra, e que exporta al
    os paizes inais remotos, innundando com ellos lo-
    dos os mercados do mundo, oes quaes nao tanto por
    sua bondade intrnseca, eomo por suabarateza, nao
    enciitram comjietidores.

    O imperador Napoleo clevou a dignldade de
    prnrijies ou duques do imperio a 33 dos seus rom-
    panlieiios de armas.
    D'estes ttulos de nobreca, onze exlngtiiram-se'
    j por falla desuccessores, esao os seguidles:
    o titulo de principe Eeknthl (Davotisl) exlin-
    guio-se em I8,vt, o de duque de Casligllone (.au-
    gereau) en. 1816, o de dtue de Dalmacia (Soull) rom seuj ttulos no banco para se proceder a r,-s-
    i i r*J*iE? Chl?i em 18.1S, pectiva verilicagao at o dia 31 do cerrante janei-
    o de duque de Fnould (Duroei era I8IJ, o de du- ro, depois do qual se proceder o div deudo oelos
    qno de baeta (Gaudm) em 1841, o de duque de ls- (lulos que estiverem verificados
    tria (Hessieres) em 1856, o de duque d'Otranto
    (Foubr) em 1863, o de duque de rugosa (Mar-
    mont) em 1852, o de duque de Dantzick (l.efebre)
    em 1820, e o de duque de branles (Junut.i cm
    28 l/, d a M d
    26 '/id
    26 d
    ellas despresivei
    menco.
    Acha-MOia todas as lejas de perfomaria
    COMHEBCIO.
    NOVO BANCO
    DE
    O novo banco de Pernamburo convida
    'lo||i. :..
    Mediano. ; .
    Ordinario......
    Maranho:
    Alcntara .... ; ,
    Uaplcbnl......
    Canu.......
    (Maquina) :
    Bpni,.........8da28d '/i
    27 d
    28 ", d
    15 d
    SI d a 2.i'/, d
    28 d a 28 /, d
    27 '/, d
    os ere-
    dores das massas fallidas de Mesquila .x Dutra, e
    Francisco Antonio Corre ia Cardoso a aprsenla-
    CAIXA F.LIAL
    du
    B1\(0 I O Hit % SI I,
    KM l'KRNAMBUCO.
    .-.os senhores arcionistas declara a directuria
    desta caixa, que o respectivo thesoureiro esl au-
    1859.
    At agora N'apoleaa III s conferio cinco ttulos
    de duque, um dos quaes se extinguiu j com a
    morte do duque de Montmorot, filho primognito
    da raiulia Cliri-tina de Hespanha.
    Osquatro queexistem sao os duques deMalakuff torisadoa pagar o dividendo relativo ao semestre
    de Magenta, de Moray e de Persigny. fmdo em 30 de novembro prximo passado, na ra-
    | zilo de 9 (ior accao.
    Deu-se cm Glasgow um facto que desmento o
    proverbio de que :
    > Ningucm propheta em sua asara.
    O doulor Jogn Sirang, autor de um livro intitula-
    do Glasgow e seus clubs receben ltimamente
    dos seus concidadaos um presente que consisto aos senhores accionistas, que o praso marcado pa-
    n'uma baixella avahada em 200 libras st., e nina ra as entradas da 8' e O" prrstacoes de 10 0|0 ou
    bolsa com 4:300 libras st. 205 por socio, termina a 23 ao corrate. Recife
    , 15 de Janeiro de 1864. O secretario,
    Jos Mamede Alvos Ferreiea.
    Recife 15 de Janeiro de 1864.
    Jos Mamede Alvos Fcrreira.
    Secretario.
    Por ordeai d.i directora desta caixa se lembra
    Mediana
    Ordinario......
    A.v-tiear, do Itio, por III t
    llranco........
    Loara.........
    Maseavado.......
    Pernambneo:
    tranco.........16/0 a
    Lnuro..........
    Maseavado........
    Babia e RaeeM :
    llranco.........
    Lonro..........
    Maseavado........
    Melaco..........
    Agurdenle cachaca, por gal :
    Bniaaaao de copama, |or
    Claro..........)
    Turvo.........)
    Borracha, por S :
    Fina.....(Nominal)
    Mediana.........
    Ordinaria........
    Cabeca de negro.....
    Sernamby........
    Do Ceara. peta.....
    Sornamhy......
    Cacao, por 112 } :
    Par, liom.......54/0 a SS 1)
    43/0 a 44/0
    COMMNICADOS.
    Alf;in Rendimcnto do dia 2 a 14........
    213:2234363
    22:6544501
    () correspondente desta provincia para oConsfi- dem do dia 15
    lurional o Rio de Janeiro, em dencia de 9 de dezembro ultimo, tratando da 110-
    meagao de delegado do primeiro districto desta ci-
    dade, falo de mu modo que. nio devo deixar pas- TEovIuicilto la alf;inil'"U
    3:8774864
    sar sem resposta alguna tpicos dessa narraco Vninmm ^imiir. -'"-*--
    Orgoll homano, qual s t mais feroz, es- despresando outros porque julgo-os dignos disto. en,rat* rJJ 'J^J""';
    com
    com
    fazendas..
    gneros..
    lem >do conductor algum de taes gneros parase- tupido ou ridiculo? Diz o correspondente "que < en na qualidade de'
    ini'lhante lim. Pov Sepulta I Deixemos o Icaro, que cabio ao juiz de pal da freguezia da Roa-Vista (eleito pelos Yolumes saludos
    No dia 14 do corrento, incendiou-se, prximo1 bater das azas. Inditosti Icaro! I conservadores) tomara pacta muio conspicua as ,
    ostaco do Prazeros, na va learca, um naggon < ni vejara o que |iensar I ultimas eleicoes, satisfazendo a todas as exigencias
    do li .in de carga que viuha com assucar do inte- Di;lralndo ern tudo o que aqu fica expendido, do Sr. Paos tarlo dequem son particular amfgo, tasSKraiSBsa no da Iftibi harilm
    rior par.i esta cidade. nem i me lembra va de que boje mesnio devo dei-- embura nunca houvesse reeebido dello o menor Brigue iaftlez- llni
    SuppCw-sequo este accidento foi motivado por I xar esta Olinda, O OS meas leilores, para correr emprego, nem mesmo quando fez parle dominis- Brigue n'loz
    algooia fusca desprendida da chamin da locomo-1 de vento em p|ia- por esses mares do sul em f-1 lerio : de modo que o nnico emprego que tenho Britru
    34
    641
    126
    288
    675
    108
    ti va ; no entretanto, segundo nos consta, tao sor
    indciM :> el h iis doaos das mercadorias destruidas
    p >r tal -inistro.
    Por.ichar-se incapazdo servigo.como declarou
    o cirurgia 1 etcatregado da respectiva enfermara,
    fui illiiiiiiiadd da eompanhia de aprend'.es do ar-
    senal de guerra,o menor Muioel Peraira Algarve.
    M idnUtl r. piando liouver vaga, no
    collegio dos orpi.aos, o menor Joo Honriques Eu-
    genio Amos, lilhode Mara Francisca Soares Brau-
    d.io.
    Foi prorogada por um mez, com veneiineii-
    tos a nneodida em I" de novembro ulti-
    mo, para tratar de na ^a^^ue, ao 1* eonferente da
    alfaadega Domingos da Silva Guimaraos.
    Mjese exlrahir a 9* parte da 3' lotera dn
    GymnasM Peruambui-ano (3* eoiicessio).
    RePABTIQAO DA POLICA :
    (Extracto da parte do dia 15 de Janeiro de 1864).
    Foram rerolhides a casa do deloncao do dia 14
    di. eorranle :
    A' ordem do subdelegado de S. Jos, JosAlexan-
    dre Pl reir I raneo, sem declaraco de motivo ;
    Miguel ioao, Alexandre Antonio Peraira, brancos.
    os paidos liarlos da Silva, e Antonio Francisco de
    Paula todos por disturbios.
    A* ordem do da Capunga, Podro Alvo?, branco,
    tambein por disturbii s.
    A' ordem do do Peres, loito Francisco da Cunta,
    pardo, igualmente por disturbios.
    O chefe da 2* seeoSo,
    J. G. le M'fiiuita.
    BorimontO da casa i'j dotenefej do dia 14 do
    aneiio de 1864.
    ra-a semellianca do gaivota em una barcada me fra dado pelos conservadores, a queffl lenlio
    morosa como tartaruga. | pago temerosamente I
    15 1 offavel o pezar que me lacera, como garras Nao soi a qual emprego alinde o corresneniaole
    de aco.nesU occasio lao iuopporluna. Mas creiam do Constitucional, parque o nico que occopo, o
    que si) deveres de alta valia a tal me impellinani. de administrador do theatro de Santa Isabel, que
    Um as pragas das beatas de Olinda nao acaoi me foi dado em 1853, poca em que dominava a-
    anega'-rae i por essas profundezas oceanas- elusivamente nesta provincia o partido conserva-
    arv.i 1
    tiebe i'/ tke Ex.-f.irinha de trigo.
    i ingloz.!///*/pudra, carvao o banilba.
    o que nos meus credos o magnificis hei deprecado
    Liei-nos recolhos da alma-com vordadeira
    contiiecao de eoraco.
    V. tiein intempestiva essa ida. Tambera nao bao
    de ser inais que uns quinze dias de ausencia.
    Que saudades nao vou sentir all do Sr, notas
    notaseu que gostei tanto dclle !
    At I, meu amigo.
    de la Loirc publica o
    Barca fraocea Paran parveo.
    Brigue portugusKs/uranca mercaduras.
    Impir(a^ilo.
    Itarca ROTtngueza GrtriidSo, entrada de Lisboa,
    consignada, a Antonio Luiz de Oliveira & C,
    ! man festn o segniMa :
    68 caixas reas de cera, 6 barricas ceras em gru-
    mo, 100 aaixas cunetas e 1 sacra com 670 pata-
    co : a Ibomaz de Aqiiino Fonceca.
    lii larris cal em peora, lo ditos azeile doce, 9
    pipas e 2meia- vinho, 4 caixas bolacha; a Tho-
    e es.0,1 rararao corlo que tenl.a entrado u "f *?? f^? Junior- ^ A.
    alias nunca me dis,o cusa ,,, V '' .n ''' ,' l,:r1r'* vinagre, 20 ditos azei-
    le, .u unos sardinhas, 10 harneas nozes, o ,>0 cat-
    dor, e do qual fazia parte moito importante o Sr.
    I'aes Itarreto.
    Por esso teni|io, alguns amigos, eonsdos da in-
    justifa i|ue eu haviasullnd', solicitaram e obti ve-
    rn) para miui esse lagar, a nesse numero muito
    provave
    Sr. Paes Brrelo, ejne 1
    Talgoma a tal respe 1 lo.
    A saber
    Existiara......
    Eotranm.....
    Sabio........
    Exislem......
    Na 'ioiiaos.....
    Esirangeiros...
    Mtlllieio-......
    Cstrangoiras...
    Bsrravos......
    Eerravat......
    329
    8
    1
    330
    232
    :u
    3
    i
    til
    8
    3:hs
    presos
    ^*^TBTtl:
    r
    Alimentados i cusa dos cofres pblicos. 144
    Miviinento da enfermara no dia 15 de Ja-
    neiro :
    Teve baxa:
    Joaqoim (africano livre); rheumatismo.
    Passagoiros do vapor nacional Cruzeiro do
    indo dos portos do norte:Major Joaqoim
    il 1 Rocha Moretra e sua escrava, Hypnelito tis-
    siano E. Maia, Ra> inundo Joaqun) E. Maia, e 1
    eserara, Maneel do NascimeDlo Pacheco Medeiros,
    Antonio de Moura Itolin e 1 lilho, Manoel dos Res.
    Ant mi da Motta e Silva,Francis< oCabral de Medei-
    ros, Jos Antonio de Medeiros, Alborto Nadel, Vi-
    cente Augusto de Magalbaes, Domingos S. do Aze-
    reili., Ricardo L Antonio de Faria Couto, cominen-
    ilador Franei-co Alvos de Souza Carvalho, i preso
    de juslica e pmca que o escolta, 5 pracas para o
    exercito.
    Seguran para o sul :Capitao Francisco Xavier
    ia da Conceico, e sua familia, 1 lalas
    Candido Jos Cuerno Moura, e Jarintno F. M. Paos
    Lomea e sua familia, Jos Francisco Martius de Al-
    im-: la, Ignacio Jos Cactano da Silva, Dr. Antonio
    Luiz de Almeida, 40 pracas para o exercito e 20
    eseraws i antragar.
    Passagoiros do vapor nacional PnriAuha vindo
    do portos dn sul : Manoel Joaquim da Silva Lefio,
    o 1 escrava, JoSo Taiieira Machado, Brax Cend,
    Kaphael F. Porto, Jos C. Lima Parangaba, Ballha-
    tar Jos de M. Bastos. Jos J. Pereira de Carvalho,
    e I esrruvo, Anlonio Jes Borges, Jas Joaquim de
    Oiiveira.
    Passageiros do vapor inglez Madaglcna viudo
    dos Dertos do ral :Francisco F. de Cantalico, O.
    L. P Koshblave, F. M. de CerqueiraJJoaquim de O.
    Santos,
    Passageiros do vapor inglez Magdalena, sa-
    bido para Soutnampton e portos intermedios :
    William F. Dati'nn. Bernardo ntonio, Manoel
    Joao Secun -Medeiros Souza, Francisco Cabral de Me-
    \iitonio Perreira das Neves, Eugenio Hio,
    Domingos da Silva Guimares e Tilo da Silva Gui-
    maraos.
    Obituahio bo da 14 dr Janeiro no cp.mitp.rio
    resana
    Jos, Pernamburo, 6 mezes, S. Jos ; espasmo.
    Marta do Rosario de Faria, Pernamhuco, 46 annos
    casada, Boa-Vista ; inflammaco nos intestino.
    Amnelo Clemente dos Santas, Portug.il |57 annos,
    casado Boa-Vista; (ignora-se).
    Ull POUCO CE TODO.
    O Sr. Armaado remaste ana suas
    KOTAS UM,
    VIII
    Censar I
    < 1) homem
    piando esta so
    nota.
    Porque f
    Porque pensa.
    Nao ha iiiiigiiem, |>or menos pensador que seja,
    1 tizo de pensar, em se acbando s.
    H 1 isolameiito elle sent as commofes e palpi-
    11 ;<".;. do mundo alimenta cun as suas ida> a
    vida ntima, pie a verdad>ira vi la -coinmuiihao
    firufunda e doce, a combinar.a discutir, a analysar,
    . -cionarem asseraWeasno gabinetefallan-
    di aos anlorassUstnnindo-se com os amigos--
    :e-.|v-ndo problemas- -perante o mundudiante
    da creaeiiiom lace do iiilinilo.
    Voltaire disse:
    N ponsaik 0 infinito me embara-
    za
    Nao sei pos quae>|-ao aaeonservadoras dequefal-
    0 Memorial de Vi Loirc publica o seguate la o correspondente, e aos quaes devo o lugar que
    facto : oeeupo. o que sei, porm, que anuos depois, al-
    No sabbado pelas 3 horas da tarde apresentou- guns dos intitulados boje conservadores Yrme-
    se um mancebo na entapo central da polica, di- Utos, e quando nem so sonhara anda em liga, ti/..-
    zondo que viuha enlregar-se primo, porque ara- ram quandes esl'.ircos para me tirarem 0 dito lu-
    bava do malar um dos seus lilhos. I gar e se o nao conseguirn! foi por lerem outros
    A su 1 pliysinioiia trana gran le ratnmofao. esfert;ado-se polo contrario.
    Em seguida o procndor Hnperial e o jais eran- S i de muitos annos e continuo a sor particular
    ptente dingirara-se ca Bouebirto, n> 8, para venfleerem a existencia do del le reeebido o menor emprego paando seja exac-
    eniiie e em um pequen 1 gabinete contiguo a um to, eren que nao desaroso aran a miro, nem a
    quarto do terceiro andar, a sobra ama misorarel aquello senhor.
    eiixerg, eslava o cadver d um menino ib-seis O Sr. Paes Itarreto mr>stra rom i-to que nao se
    annos. cuja jugular tinha sido cortada at co- trra dos logares que oceupa para pagar amisades
    lumna vertebral, achando-se por detraz d) cadver Com empregos pu'ihcos; e eu, ano nao sou amigo
    a face; ensanguentada, que o assassino declarou s com o lim do receber taes pagas,
    ser o 1 slrumeuto com o qual perpetrara o cricae. Diz mais o correspondente que -a liga perder
    0 lili cdi, nimia vi tienta agitacJo, reeusou ver muito em desgostar-mo muito inais o Sr. Silvoira
    o cada\er da victima, exclamando : de Souza, que nao sabe agora aonde ir tomar cha
    E intil, fui eu que o malei. a noito, visto nao ter relceos aqu com aotras peo-
    Depo s desatou a chorar. soas, etc.
    1 Minoel Joaquim llamse Silva v
    22 pjpal e 75 barris viudos, 20 ditos e 20 pipas
    lugre, flO barcis loucinho, 100 ditos cal, 20 o
    bracos de balanca a Jos M. da
    Os magistrados aproveitaram oslas disposicoes
    paraob ordo MonUleras,
    no, a
    flsso
    Kste trecho de patntente c o correspondente :
    nunca sata
    M
    do naje
    de um eMTptor do
    Mandei
    ruin
    sencia nncionavaeu malar o meu limo mais veino, (ira, nao ve o rorresp
    depois osoutros, o. quando minlia mulhor voltasse, outra causa sao acredita veis? E que |>r esta as-
    matala- lia tambein. Minha mulher parti para Tal- sercao tan absurda, deve-se juagar tudo o mais
    landire,c na ausenra dola malei o met filho inais quanto diz em suas correspondencias ?
    volho; lorai, ipiando chogava a vez dos outros, Desnecessaijp julgo demostrar a falsidade da \
    fallou-ine o animo, e nao tive forjas. Sahi ento assercao do rnrrespondente, bem como a exactdao:
    para mi entregar a joatHj 1. Foi olla que me acn- da conseoQMeJa que so devo tirar delta.
    selhou que dsse rabo de minha mulher e de j 0 que entendo. porm, sor necessario declarar ]
    meus lilhos. ao correspondente que engana-se completamente
    Monil oras reeusou por algum tempo descobrr quando figurando no facto da nomea^ie do domji
    o noine dasuacumphee; porm alinal ceden. do, circiimstancias que n nao deram, li.-ura igual- \
    - E' mea rapariga joven arada, mas de m nota, mente a minha soparacao da liga, a a SXiteeeo da
    que tin ia ai'ompanhado a mulher do assassino o ainisade e relacoes existentes desdo muitos anuos
    que no ntgresso foi presa. entre mm eo Sr. Silveira de Souza : pois era
    Dopeil das conlissoes as mais explcitas. Este- urna nem outra cousa.
    rao Moiilleras foi condolido a prisao, onde a sua O correspondente que desta torra deveeonhe-
    exiraorLinaria exaltacao exige a maior vigilancia, cer-me, e por conseguale saber que por causa da
    -------- falia do po-do-l nao mudo de partido quando
    O robn da Dinamarca, propiamente dito, conta mesmo a pretendesse, e nem lo poneo por desgos-
    1.000:5.'i0 habitamos. tos havidos entre mim o algumi pessoa mais mi
    A Islandia, a Groenlandia e as ilhas Feroes, que menos importante do mesmo partido, quando os
    sao sua; colonias, contara ao todo 124:000 hab- houvesse.
    bMrtaa. k fique emBm saneado que fui, son, e sorel am-
    0 ducido de Schleswig tera 410:000 habitantes, hodo Sr. Silveira de Suiza, e que nossas relacis
    o ducado de llolstein544:000 e o ducado de Lauen- continuara como d'antes, e nem para o contrario
    burgo 50:200. honveram motivos.
    Assiii, os ducados contara todos uraa populaco Finalmante, direi ao correspondente, que quan-
    de 1:004:000 habitantes, ao passo que a Dinamar- do eu dexasse de perlencer ao partido progres-
    ca, com as suas colonias, nao excede de 1.791:400. sista, e de ser amizo do Sr. Silvoira de Souza, nem
    A massa total da populaco no reino e nos du- um era oulro perderan) con-a alguina, porque
    cados lutherana na sua grande inaioria, pois s nao rte julgo com a importancia que o correspon-
    dente mequr dar, anda que e>tou bem persuadi-
    conlam :!l:00() cpio professam entrasrellgibus.
    No Schleswig falla-se o dinamarquoz u'uma ter-
    ca parte do ducado e o allemo no resto.
    A inarinha mercante dinamarqueza tem 2:800
    navios, a.de Schleswig 1:869 e a do llolstein 1:113.
    Foram recebidos em Lisboa osquatro primeiros
    nnmeros do Ta-ssi-uang-kiw, jornal publicado en)
    Maco. E" um semanario do interessos pblicos
    locaes, a'm de noticioso e lilierario : e, segundo
    o Jornal lo Commercio, de Lisboa, traz no primei-
    ro numoio, e loga em seguida ao arligo principal,
    um oulro em que a redaecao explica aos leitores a
    significara* do titulo dado ao jornal, dotas modo .
    As qual 1 o palavras Ta ssi yang knt dzeni ao p
    da letira -Grande reino du mar de oeste. Quando,
    no 38" anuo do 71* eyelo da enretela chineza
    (l6tN) da nossa era) o "padre Malheus Ricci, p'iie-
    trou era Pekn com s seus eoinpanlieirns, o Chin-
    tsuiig-hiei-ti Ibes pergunlou de que pas linliam
    viudo I bina, foi com essas palavras que elles
    resn tdeinm ao imperador.
    Como s sabe, a provincia da eompanhia de Je-
    ss, ipie, nesse tempo, dava inissoes a China, e
    a quasi to la Asia, era nicamente a de l'orlugal.
    Os nos sus raissionarios manliveram sompre a
    deiioranaeo de naeioiahdade adoptada pelos seus
    predocessores, e, q lando mais tarde os estrangei-
    ros com.^irain a entrar no imperio, es-a exprs-
    sao /'< ssi yang kiw, u, como tambein so usa
    mais abre' ia lamente, tti yang (mar d'oesle), qur
    fosse em principia genrico para indicar '.oda a
    Europa, como alguns preteudem, qur sempre nos
    de-igna-s, espamlmente, como nos parece inais
    certo, a verdade que nunca os Chinezes a appli-
    caram eis'ouCMa estrangeiros para cujas nacio-
    nalidades tivoram de crear outros nomos, os inais
    (files imilativos, como /; sze-ptme-a, para a Hes-
    panha ; / -lang-lcli, para a moca ; Kta-le-a, pa-
    ra a Italia
    L-se no Commercio 1I1 Psfrtt o ipio segu :
    Os iribiiuars hospaiiliiM-s julgaram ullimamente
    um pleito |oe durava ha 240 anuos !
    Tratavase di herancida Francisco Pizarro.de
    do que so o faz para nielhormenle ferir i ter-
    ceiro.
    Recife, 15de Janeiro de 1864.
    Gustavo bul do Reg.
    CORRESPONDENCIAS.
    xas ceblas; a Jos da Costa Amnrim.
    30 caixas volas de cera, 30 barris vinho, 2 far-
    dos relallio de pellica, e I caixa, pinceis, brocha e
    merca I
    Genro. ,
    vi
    85 meii)s.sardinhas, 100 saceos fareio : a E. H. Ka-
    bello.
    13 larr as gesso a Joaquim Ignacio Uibeiro J-
    nior.
    1 caixi
    Rosa.
    2 caixas mercurio ; a Prente Vanna & C.
    I caixa imagem ; a Jos da Silva Loyo c C.
    25 caixas cera em velas : a Domingos Rodrigues
    de Anillado.
    25 ditas azeile de oliveira ; a Duarte & C.
    100 sarcos fareio ; a Jos F. Lima.
    1 barril vinho a Jos Dias da Silva Guima-
    raos.
    20 saceos semea ; a Jos Joaquim da Silva Gu-
    illes.
    28 volumes obras de vime ; a Fructuoso Mar-
    de tmalos ; 1
    a Antonio Hen-
    Jos da Silva.
    60 pipas e 100 barris vinho, 90 caixas ceblas.
    20 muios do sal granel, 900 varas de lagedo; a
    Antonio Luiz de Oliveira Azevedo vx C.
    1 caixa drogas mediciiiaos ; a B. Francisco de
    Souza.
    16 caixas erara ; a Anlonio Jos Arantes.
    20 caixas e 14 meias poras seccas : a ordem.
    100 caixas ceblas, {toditas hlalas: a Manoel
    Ignacio de Oliveira & Pililo.
    1 caixas dragas e medicamentos, graos de podra
    com uiaos de buxo a Jos Haplista da Fonceca Ju-
    nior.
    4 caixa 1 barrica e I fardo, brochas, campeche,
    drogas e medicamentos-, a Jos Alexandre Ri-
    btfiro.
    4 caixas drogas medicinaes e vidros ; a Vaz &
    Leal
    1 caixa vidros ; a Caors e Barbosa.
    ti caixas e 6 barricas carbonato, therebontina,
    mercurio, limalha de ferro, drogas medicinaes er
    a gz bramo ; a Joo da Silva Pana.
    4 barricas 6 caixas, 2 fardos e I sacco drogas
    medicamentos, leos, pedra pomos, pos preto e ro-
    Ihas de cortica a Joaquim d'Almeida Pinto.
    2 caixas vinho inadeira e inusealol, brochas, pj
    es o queijos do Alnlojo ; a Joaquim Mouteiroda
    Cruz I orrota
    2 sacros cuininhos, 2 ditos natduct, 5 barris,
    15 fardos, tos, brochas, alvaiade de zinco, leos epeneiras: a
    Dtuker & Barroso.
    Arcresrime ao manifest.
    101 caixinhase f caixos passas, 20 ancorlas
    clmuricas, 3 barris vinho, 2 caixas vidros, 1 sacco
    alfazema, S barris carvao animal, 1 sacco patacoes,
    I e.ijxo ii.'jrgioii de Santo Antonio, 2 ditos 1 barril
    tantas, 1 capoeira com 2 galinhas e 1 gallo, t
    varea cora cria.
    Hiate naciuoal Sallo, entrado do Rio de Ja-
    neiro consignado, a Bailar i Oliveira, luaniestou,
    o seguidle :
    9,200 arrobas de charque, 195 ditas de graxa,
    42 barricas cun 273 arrobas de stbe e 25 courus
    vaceuns seceos de refngo : a ordem.
    Vapor nacional Parahyba entrado do Aracaju
    inauifestuu o seguale :
    De Penedo.
    200 meios de sola ; a erdoaa.
    De Villa Nova.
    123 saccoi feju ; a ordem.
    De Macei.
    Genero estrangeiro ja despacho para censurao,
    o 1 fardo fazendas ; a ordem.
    ESTRADA DE FERRO 1)0 RECIFE A S. FRAN-
    CISCO.
    anr-aangs) nscu.
    Recife 13 de Janeiro ile 1864.
    Um. Sr. redactor.- us dous ullimus nmeros
    do Diario de Pernambuco so. deu pnhlicaco a duas
    reeeitaa diversas deaia estrada du forro no mez de
    dezembro prximo findo, ambas sob a assignatura
    do respectivo superintendente.
    Para que nao parecara irrbgulares os dados-por
    mim enviados ao governo.eomparadoscora aijuelles
    que siio publicados sol a responsabilidade da com-! 1 caixo
    panhia, julgo ceda |hm" inim liquidada no inez de dezembro, | tos do norte manifestou o seguale :
    em presenca dos documentos quooxaminei, foi de
    48:065.5854\ afora a que proveio do thelegrapho
    elctrico e dos transportes por conta do estado,
    que reunida aquella prefaz o total do 48:M36A!I08.
    De V. S. amigo i- criado,
    Buarqiie do Macado.
    PUBLICARES A PEDIDO.
    O perfume do heiuis|herIo oeci-
    lental.
    (Extraliidoda*Gazrta ilensalda Molas.)
    Exisle por certo urna qualidade altamente Sani-
    tario suave c deleiiavel na deliciosa ,.,grancia des- Kecebedoria de rondas Intera.xs
    la agua popular que de lao grande ornamontu ser- _. .
    Do Maranli.io.
    1 caixo cora reiks para dormir de fio do al-
    godo.
    Do Tara.
    4 finios com 1728 chapeos doChily e :f5 rollos
    com 1" arrobas de salsa ; a urdeiii.
    Bncommendas.
    I eucapada ; a Joo M. Fernandes.
    3 vuluiiios; a Antonio llenocb do Itois.
    I iiic.ipado ; a Df. Manuel Joaquim da Silveira.
    1 dito: a Tasso Irmos e mais 4 latiahas ao mes-
    mo, o 4 cantes com rap perteneentes a J. J. de
    Lima Baiio, que deixaram de ser descarregados
    na viagem do Ro de Janeiro, para o norte em 31
    de dezembro passado.
    Ve ao loiieador.
    Ella como por encanto nos faz lembrar odulcis-
    sinio incens florido du vorao ou a iuiilaclo de um
    um vincul i croado por (incalo Pizarro, irmo do'favorito tom de msica antigo, o qual por ventura
    celebre co iqnistador.
    O cundo da Concelada, o du que de Noblejas e
    a marqiiezi da Conquista reviiidicavam todo- tres
    a propricdndi- desles bens.
    nos faz recordar aquellas M-euas j passadas. du-
    rante os quaes ouviuiu-lo pila vez prlmeira. es-
    pritualisante o delieado como o aromada genuina
    agua de Colonia, e com ludo o seu perfume mais
    geraes de l*ern;iahtico.
    Rendimento do dia 2 a 14........ 7:2604117
    dem do dia 15................. 1:8005768
    Mtatm
    Coagulado provincial.
    tendimeutodo dia 2 a t\........> 59:7^J747
    27 Vi d
    26 /. d a 27 d
    26/0a:WH
    25/0
    ii o 1 18 0
    JO/0
    25/6 a 26/6
    22/0 a 15, B
    26/0 a 30/0
    25/6 a 26 '6
    22/0 a 25/6
    10/0 a 13/0
    1/8 a 5/0
    1/3 i/, a 1/4 V*
    1/10'/i a 1/U Vi
    i/6 Vi a 1/8 /,
    1/3 V, a 1/5 V
    i/2 a 1/2 V,
    Nonhuma.
    68/0 a 72/0
    64/0 a 66'0
    74/0 a 78/0
    68 o a 66/0
    BO/0 a 63/0
    68/0 a 72/0
    70/0
    Babia, bom
    Caf, por 112 :
    Rio. 1' sor.
    2 t
    Escolhido .
    Babia, 1' sorte
    2'
    Escolhido .
    <>ar........64/0 a
    Castanha, por HS>t}
    Do Para nova.....17/6
    Solio do Rio Grande, por 112 Ibs. :
    Rom e duro......41/0 a 41/6
    Mediano.......40/0 a 40/6
    Batan.......38/0 a 39/0
    Gen da carnauba, por 112 ii. 65/0 70/0
    13u fres, por 123:
    De vaeca........ 12/0 a 13/0
    Do boi......... 25/0 a 30/0
    Cinza de ossos, por tonelada, 70 :
    Branca......... S 4 10/
    Frota.......... US
    '.lina, por if :
    De caraira...... 10 d a 14 d
    De vana....... !l d a 12 d
    1.011 ros. |>or O :
    Rio. soceos do 30 a 35 %?. 6 Vi d a8 d
    20 a 24 }. 6 Vt d a 7 d
    de lame, 36 a M S. 6 '/i d a 7 d
    Ro Orando, por ;,. .--al','ados
    de 05 a 70 a'.....
    Hilos de 4o a 50 1S. .
    Salgados de wm, 10a 48 1
    de cavallo soceos. 10 a 13 l
    salgados, 23 a 117
    > 16 a 20 ii
    dem de Pernambneo, Baha.
    Maranbao o Para, por ri :
    Seceos salgados. 26 a 30 t
    esniehados. Illa 2i> t
    Curtidos'de 7 a 9 t......
    Molhados salgados,40 a 46 t
    dem do Ceara, Parahyba o
    Maivi. Mf t :
    a salgados, 30 a 32 S : 6 d a 6
    Molhados 45 a 50 ii : 4 V4 d a
    Cuinarii. iH)rH? :
    iam.....Nominal 1/7
    Ordinario. I :i
    Familia de mandioca :
    Haa, por 112 t. Nominal 2" 0 a 19 0
    domina ou buche de peixo. por i
    5 V.
    4 Vs
    d a 5 VS d
    il a I d
    d a 5 Vt d
    6/0 a 6/6
    9 0 a 9/6
    8 11 a 6/6
    5 Vi d a 5 V4 d
    5 a 5 V, d
    V
    l Vs
    3/3 a 3/9
    2 9 a 3/0
    2/6 a 2/9
    3/9 a 4/0
    3/4 a: 7
    2'6 a 3'i)
    i a 3/0
    2'4 a 2/6
    l;aS/0
    1 '7 a 2/0
    7/6
    Gurujuba 1* qualidade
    2* ...
    :t- ...
    Poscada i' .
    2 ...
    3* ...
    Pirahvba. i* ...
    2' ...
    3-
    Bagre. i' .)
    2- ...
    Ipoeaeuanha, por t .
    Jacaranda, por tonelada :
    Ro.........
    Babia.....
    Jerzelim. por q.. .
    Piassava. ix>r 2.240 t :
    Para .....Nominal
    Babia'.....
    Pxuriin. por 3, bom .
    Salsa-pan Iba. por t :
    Boa.........)
    Inferior.......)
    Tapioca, por 112'i :
    Rio, superior.....34/0 a 38/0
    ordinaria ..... 22/ a 44/0
    Uruc. por t Para bom 3 d a 7 d
    Fundos e cambias.
    Fundos ngiexes.
    Banco do Inglaterra (Arcos) \ 235 a 237
    9 a 16
    <8 a fctO
    4". 'Da:51 0
    25 0/
    U0
    1/6
    Neuhuma.
    Consolidados
    Roduzidos .
    Fundos Novos.
    3
    .... 3
    .... 3
    Estrangeiros.
    . fl/j
    ... 5
    ''a9lVi
    V*a9l/s
    '/a 91'/,
    Dnainarquezes .
    Despalillos....
    DifTendos
    Passivos
    Hollandezos. .
    ....
    Mexicanos ....
    Porluguezes. .
    Belgas. .
    Brasiloiro6
    4V
    3
    3
    3
    3
    t/s
    . 4
    . 3
    1853 3
    1856 3
    t ... 1857 3
    ... 1859 3
    t ... 1860 3
    . 1862 3
    t Scrip (Camellas) 3
    Russns......5
    .......4 Vi
    Hinco de Franca (Acciics) frs.
    Fumlus Aranceles. 4 '/i
    . 3
    Metaos preciosos.
    Ouro em barra. .Por onoa 77/9
    nortugan em moeda
    do Brasil .....
    Onos hespanholas
    americanas.
    Prata era barra ...
    Patacas brasleiras
    Pesos columnarios hes-
    panliocs......
    Carolas.......
    Ferdinand......
    Ditos das repblicashaa<
    panholas e mexicanas
    Mondas de 5 francos.
    Cruzados novas. ....
    ('.arabios.
    Lisboa........90d.d
    Porto.....
    Hiode Janeiro (Nominal)60d.v
    llahia e Pernambuco.
    Arasterdam......3 ra.d
    Hamburgo......
    Par.........
    3d.v.
    99 a 100
    87 a 88
    53 V a 53 /
    47 '/i a 47 Vi
    33 a 33 V4
    64 Vi a 63 Vi
    101 a 104 Vi
    36 a 36 Vi
    48 Vi a 49
    48 / *8 Vi
    Vi i Pr-
    90 a 92
    87 a 89
    3350
    94.5
    66.35
    77/5
    777
    76/0 a 76/fl
    75/0 a 75/6
    8/i Vi
    Vil Vi
    4/11 Vi a 5/0'/i
    4/11 Vi a 5/1 V,
    4/tiVi a 4/11 Vi
    4/11 Vi a 5/0
    52 Vt 51 Vi
    52 '/, a 52 Vi
    25 vi a 96 '/i
    12.0 a 12. '/,
    13.7 ", a 13.8 i/,
    25,67 a 25,72'/i
    25.25 a 25.35
    NAVIOS A CARGA PARA 0 NORTE DO BRASIL.
    Ceara -Hetricrer -2 de Janeiro.
    fuiOnnutless -24 de dezembro.
    dem -Cupil 24.
    dem AcucatytO de Janeiro.
    I lem nn>- M'illiains'M) de dezembro.
    Pernamliiioohvpontis 24.
    MeinItarimton 6 do jamiro,
    liloraChanrt 27 de diwrabro.
    IVmlkmiJota '.W.
    hiera -Artonravs% d>? praairo.
    dem (kteen of tlu- Plymll.
    bletu -SinsontetL
    Numerario. A lau de juro conieiia-M a i
    por ron lo : i di>
    co de Inglaterra sao de um ranmkT ntai>
    J1"- ni o coosideravH augmnm>
    la vorace, -rao futuro ri moiwtn-
    de manto. Pon.,.. < tanto recri,
    rio ao nrit-Miipladn L... '110113 na inestaa.
    Manehesler. O mercado ...
    Compras minos aalirai. *"*
    Algotio. -Devido an elevada aatada da tata ^
    d .-cont i. o mercado durante >n niijina
    tem-se conservado desanimado ; os especuladores
    tom iiM.traJ, pone,! di-
    ,qoanto qi,. ;i |.rcuia tanto para eonsame con*.
    enai;ao lem sido limitada. A
    rhi'ga las iuiil.1"1 '>''"' cetn o d -sejo > alg in
    suidores do iicquono ntrli para I .vn-
    das,n'um ana lem causado a 'rauaotao i irw-
    gularidade nos precos .\ baix i n-;- feeos m> da
    America Id. no do Egypto l i ii, Snran n
    rior :i 4 d. e o mediano i l/4d par bi.ra. o do
    Brasil tem sido mni ponen procurado, soffrendo
    nina baiza do 3/4 d por libra, a os arasna cima
    colados deven) ser considerados nom'inaes. As
    transaccScs do algodao em viagem tem sido muito
    diminutas. O Mal du algodocn s,.r do todas as
    qualidades i 2l6.:ioo fardas contra 341,491 fard no mesmo perodo de 1862; aemraaai do da
    luda 153,000 fardos contra I78.IKX) i.lem idem.
    As vendas i ojo sao .'1,000 fardos.
    Assoear.A grande procura por e^pocnlacao
    que havia para ete arligo e qno ojnaai tinha era
    cluido quan lo publicamos a nossa ultima, nao fu
    renovada coi) grande extensao e a subida que
    houvo de 1/ a 1/6 de novo baixou : os preces |.r-
    taolo licam seiu altrracaa A quanlidad* rin -*r
    em Londres el.iveriioil esta muito redunda. As
    v.ndas montara a 1443 caixas e 73,985 sarco ao*
    precos seguales de 23/9 a 26/6 polo da Baha,*/
    pelo da Paralaba, 25/9 pelo to Oar, 25'6 pelo
    de Pernambuco, e 2:1/6 |>olo de Macei.
    Borracha.O mercado contina muito frouxo,
    e os piceos lem declinado um poueo. causado pela
    pouca prm-ura e a antecpai-aode aovas chocadas.
    As vendas montara smente a 30 toneladas aos
    procos do |/io V a l/M ', pala lina, e 1/2 Vi pela
    i rabeca de oeizro. a ipiantnlade em ser, boje, eru
    Liverpool, anda por 435 toneladas. Desde a nossa
    ultima oao tem havido (bogada-.
    Cacao. As vendas desdo a nossa ultima sao 30
    saceos do de Guayaquil a 81/ c 95 sacros do da
    Babia a 45/por 112 Ibs.
    Caf.-Sem aJtera^ao;e as vendas sio mu in-
    signilicantis. a saber : 3 Prjncipe de f.'/fi a 67/, "(I saceos do do Ro de 70/
    a 72 ii o SOsaccos do da Costa Itira. Em Londres
    nao lem havido vendas por falta de compradores.
    Loaros. Sjm alleracao nos preens. A quanl:da-
    de em ser dos do Brasil lauto Mecos como salgados
    minio pequ -na. Mercado frouxo.
    Gomma de peixe. Ha mu pouca, offerecida n<
    mercado.
    MOYIMENTO LO PORTO.
    A'irios entrados no dia 15.
    | Para o portos intermedioj 9 das e 7 horas, va-
    por oaciood Cruzeiro do Sul, de 1:100 I mela-
    das, comm; Hilante G. Mancebo, equipagem 60.
    Sergipe e portos intermedios 5 dias, vapor nacio-
    nal Paruhgba, de 102 toneladas, ouioo>andaote
    Joaquim Jos Martins, eqoipageaa 20.
    Rio de Janeiro e Babia 6 dias. rapar inglez Mag-
    dalena, de 1617 toneladas, cmmandante Woo-
    Iward, equipagem I2s.
    Lisboa93 das, barca portugneta Gratulan, de
    257 toneladas, capitao Antoni i Pereira Borges
    Pestaa, eqi ipagem 18, carpa varios p-neros ;
    Anlonio Lu.! de Oliveira Azevedo A C.
    Cdiz 28 dias, higre hamburguez Cari, de 957
    toneladas, capitao Thomaz Scbaw, equipagem
    12, carga vinho ; a ordem.
    Terra-Nova .indias, hripue inglez Balclutha, de
    212 toneladas, capitao Henry Bowd-n, equpa-
    gom li. carga 2870 barricas com baealbao;
    Saunders Brjthers & C Segu o para a Babia.
    Liverpool 65 dias, barca ingloza Manjircte, de
    254 toneladas, capitao George Avery. equipa-
    gem II, carga varios genero- S.iundera Bro-
    thers & C.
    Navios saludos no mesmo dia.
    Barcelona-Polaca hespanhola India, capitao Juan
    Pas, carga algodao.
    Soutliampton e portos intermedios Vapor inglez
    magdalena, < immandaate \Vyolward.
    DECLAAfOES.
    Consuliilo provincial.
    Pela mesado eonnoiado provincial se faz publi-
    co que no dia lo de Janeiro corrate se principiara
    1 a contar os triiita das otis marrados para a ro-
    : branca bocea do cofre dos Impostas seguales,
    pertenoeiites ao anuo linanceiro do 1863 1864,
    4 0i0 sobre os eslabelecimentoa de fura da cMaate,
    firensas de algo lao, typographias, aebeiras, caval-
    ancos, botis, hoteipins. casas de pasto e fabricas;
    126|0 sobre estabcteciiiieiiliis de commercio ora
    grosso e a rotaPio, armazens de recolher, de de-
    psitos e trapiches : 8 (l|il sobre consultorios m-
    dicos e cirurgicos, escriptorios c cartorios ; .">O
    sobre casas de modas, buhar, chap is, roana os-
    traogeira, e rommissao de escravos; 1:0004000
    sobre casas do oporai;3es banca ras com erarssioe
    privilegios ; 3005 sobre as cun emtale o sera
    privilegios; :i(K)4 sobre eompantiias anewvmaoe
    agencias; 2004 sobre casas de cambio ; lOOft so-
    bre correctoros cominerciai's e agentes do leiln ;
    500 rs. sobre as toneladas do alvarengas ; .<0UOO
    sobre escravos empregados oo servbjo das ano-
    nas; 10 0(0 sobro os terrenos uceupados com o
    planto de capin, e o imposto de carros, carrosas
    e oraoihns
    j Mesa do consulado prwvocial 13 de Janeiro de
    1864.O admin strador,
    Anlonio Carneiro Machado Rio.
    Consiliario proihiri.il.
    Pela mesado .Mu-ulado provacial se faz publi-
    co que os Iriuta dias marcados para a cobranca
    bocea do cofre do semestre do saanslo a 20
    0|0 do consumo de agurdente das freguezias des-
    ta cidade, dos afogara, S. Loureoeo da Malla,
    Santo Amaro \c Jalioatao. Vanea e Muribcea, |>er-
    teoceote ao aono linanceiro correntn de ISKI a
    1864 se principian a contar do da 13 dojauciru
    corrate.
    Mesa do consulado provincial de Pernambuco
    i3 de Janeiro de 1864. O admiiistrador,
    Autonio Carneiro Machado Rios.
    \'xt\rt\<*.
    Pela adminstr icao do correio desta cidade so
    faz puldico para fias convenientes que em viado
    do dspslo M artigo 138dn regnlament jeral dos
    corroios de 21 dedezemnru de 1844. e arligo 9 do
    decreto n. 185 do 13 de naaio de 1831, se prorene-
    r o censumo da.- cartas existentes na admiiu-tra-
    ;cio pertencentes 10 mez de Janeiro de 1863, no da
    : 3 de fevereiro prximo, as 11 h.nas da manhaa,
    ' na porta dn mesmo correio ; e a respectiva lista se
    acha desde j exposta aos rateressados.
    Adniinstracao Jo correio de Poruambuco 12 de
    Janeiro de 1864.-O administrador,
    Domingos dos Passos Miranda.
    C'onselho :xliiiiiisii'.itivt.
    O conselho administrativo para fornecimento do
    arsenal de guerra tem do comprar os objectos te-
    guales :
    Para o corpo da guaral^ao do Cear.
    Caseirara verde 34 novados.
    Para a eompanhia do Rio Grande do Norie
    Casemira verde 23 covados.
    Uufin quizer vender taes objectos aprosentoai as
    suas prapettas em caria fechada aa secretaria ia
    coiiselho as 10 horas da manhaa do dia 18 do cor-
    rente.
    Sala das commissoos do conselho adniioi.straiivu
    para forneeimento do arsenal do guerra, 13 de
    Janeiro de 1864,
    raatonia Pedro de S arreto,
    Coruuel inosidcnte.
    Scbastiw Antnitin do llego tarros,
    Vog.d secretario.
    QftHHO j;kh1
    Rclaco das carias safnna viudas do sul e norte
    pelos vapores inglez tMagdalena eiCnueiro do
    Sul para os senhores abano declarados:
    Antonio de Castro Al ves.
    Antonio lasa Duar e Braga.
    Dmaso Melchiades Barata.
    Firminodos Santos Vieira.
    Dr. Kabio Al. xandriuo de Carvalho Ro-.
    Francisco Gomes de Oliveira Gaspar.
    Jos de Miranda.
    Julio da Silveira Lobo.
    Joaquim Cabral d>' Mello.
    Joaquim Perreira llamos.
    Joaipiim fos de Oliveira Mosquita.
    Jos Joaquim (j malves Bastos.
    Alteres Manoel de Parias Lentos.
    ii r o i ii r i


    Bli de ffltrtilfciii -~ Mnbado i# l Janeiro de IN4.
    DE
    APOLLO.
    Segunda-[eir 18 de Janeiro
    de 18ti4.
    trata-se eom os teas consignatarios Palmeta* respectiva thesourai a ruado Crespo 11.15
    Beltrio, largo de Corpo Bulo n. 4, rn"H',ro e nas casas coinm _!_--------------------------p--------,-7-7-; ti i/, d. i i, loja do Sp. Mnente!; ra iretta
    Para a Baha pretende sabir cora mniubre- J. ph_r_s- ra estrella do
    vidade o wteiro patacho Tft*roa,faDiaoJoao<.or- n. boina do sr. uia
    rcia Lima, por ter a maior liarlo da carga ; para o Rosana n. 12, typograpnta o S>r. .Mira t ra
    .. a ____ -------- nnilnriA i-\ 1 1 _. I -. _7 m Ti. I .
    resto
    Palm
    andar.
    AOS 5:<)00,000
    C\S\ l)\ FOKTUYl
    Ullhetes garantidos
    IIO.Ii:
    V ra do Crespo n. 23 e casas do cnstiiine
    Sabbaoo 16 do correBte se exlrabir a nona par-
    i daiereeira lotera do Gymnasio Pernambueano
    (terecira eaneenSo.)
    ti abaixo assignado, recommendando ao respei-
    tavol piibliro a compra dos seus mui felizes buhe-
    tes garantidos, letnbra-lhe a vantagem que ha em
    receher os premios por inteiro, por qoanto quem
    \0
    DI
    PARTIDAS DOBRADAS
    OmtRICIDAl
    \ ASSOCIACO COUtERCUL ItENEFlCEME
    DI
    PERMAHM (O
    roR
    >. /m> rondeca e/e ^WeaeiroJ
    Terceiro escrilurai io da tuesouraria
    ll'esa da M c 11 lio ra do Monte.
    S. Exc.8r. I), aiibade le 1 Keno
    d>accor removido a fesla da Snihoia do Monte
    do dia 11 d concille mez, para 17 de
    JaneiroTl4otft)' ulinda, i de de-
    leiiiUro de 1S<>;>.
    __________Manoel Luiz Vires.
    0 aliaivo assiyuado lem as llaves de qualr
    casas no oitcir da Senbora do Monte, que as cede,
    por perniissao de S. he, o Sr. D. Abbade, a que
    CONCERT
    DE
    eom a coadjuvaco da sociedade Melpomene.
    ricot.it \u %.
    reeeber .rnente 4:2005, em virtude dosdescon-
    yXriH.i os garios da C;1(U.ia n. 4,; loja (lo SrJ>orto. g** to83 que S_7__ YdSol
    ira & Beltrao, largo do Corpo banto n. t. 1 Qs premos de 5:0005000 ate 106000 1^,5 0 mais 8005 que pagar o abaixo assigna-
    serao pais uma hora depois da extraeco [ do, importancia de ditos dcscontos. Os premios
    at as i lioras da tarde, e os outros no dia serio pagos como de costume.
    tirar a a sorte de 5:0005 em bilhete garantido nao je fazenda de Pe nambttco c conipctcnleiiiciile au- cwi oircr rom alguma quanlia para ajuda da mes-
    0 brigue portaguez Esprraiwa, capitao I-onren-
    co Fernandes do Carino, segu com hrevidade : ^
    l recebe carga e passageiroi : trata-se com os con-
    i signatarios Marques, Barros & O, largo do Corpo
    Sanio n. 6._________________________________'
    Para o Rio de Janeiro
    segu com brevidade o brigue nacional Castro l :
    para carga e passageiros, trata-se na ra do Tra-
    Logo que a orcheslra tiver executado urna de \ piche n. 4._______________________________________ \
    suas cscolhidas averiaras, represenlar-se-ha > li p:lra o Rio brande do ul
    acto do drama do Sr. Firmino Candido de Figuei- ^w fm |irevi)1.iue 0 pal;u.ho nacional Sa sipue-'
    redo I fa : ,,ara ca,ga e passageiros, trata-se na ra do!
    seguinte depois da distribui(fo das listas.
    O thesoureiro,
    Antonio Jos Rodrigues de Souza.
    ,___"jj
    \.-
    Primeim parte.
    .2 13
    2.
    = I:, 5 71
    3
    A
    = 0 a 3 -i rC
    -1 3 y .
    t i/ p ri t Bi -
    -1 -1
    0 0 P
    =. O 3- B I -1
    a -1 a -n -i -1 0 v C
    o
    o*
    * I
    sal
    O MENDIGO NEGRO.
    Segunda parte.
    Grande phantasia sobre motivos da operaO!
    Trovadorcomposta o execulada por Arthur Na-
    p3leo.
    Terceira parte.
    ' 2 acto do drama.
    Quarta parte.
    Phantasia Vencziana, coaiposU e executada por
    Arthur N'apoleao.
    Quinta parte.
    3 acto do drama.
    Sexta parte.
    Grande phantasia sobre motivos da opera-l'm
    Hallo in Maschera composta c executada por Ar-
    thur Napoleao.
    Stima parte.
    Representarse ha a comedia em um acto
    ROifA VIVA.
    lOTorbilhao segundo galope de concert :em-
    jxtsto e executada por Arthur Napoleao.
    Principiar s 8 horas.
    Trapiche n. 4.
    \
    l'ata L'snoa.
    V| sabir no da 18 do corren-
    te o veleiro e bem conhecido bri-
    //, capitao I
    ira, apenas I
    Precos.
    Bilhetes inteiros..... CfiOOO
    Meios bilhetes...... 3*000
    Para as pessoas que comprarera
    de 1003 para cima.
    Bilhetes........ o3."W0
    Meios.......... 2*750
    Manoel Martins Fiuza.
    torisado para exerrer o pro-
    ressorato parlirnlar de arillinielica na inesina
    pro*liria.
    Acha-se e=ta obra nos prelo da typographia
    Commercial, d'onde em breve sahir luz da pu-
    blicidade em ntida impressao e sob o formato de
    8o jportuguez.
    Compoe-se esta obra de um volume, dividido em
    na (esta. Olanla, 2 de Janeiro de UM.
    Manoel l.ni; Vires.
    Alujase
    a leja n. 50 da ra da Cadeia, esquina di fronte da
    ra da Madre de Dos, propria para qualqaer eatn-
    beleciinento, Icndo annazem no fundo da mesma
    loja com communicacao por dentro e portas para
    uma parte theorica e outra pratica, d fcil alean- **r** da Senzala, >J08>f04a'*" *+
    ce s pessoas que se queiram dedicar ao estudo da meiro?ni!ar da mesma casa, e ah r.charao escritura^o.
    A respectiva assignatara acha-se aberta em to-
    as as livrarias desta cidade, ao piejo de 54000
    " or volume.
    qin ni tratar.
    19
    Consultares cii'iirgicas.
    g\io ^'"'i'tuguez'"L/.""//."capitao. (>0, Ra Nova, 60.
    Antonio Francisco Vieira, alienas I q gr 0^ prancisco Pmto Cuimara-'s, cirurgiao
    pode receber alguma carga muida 'pc|aesc0|a real de cirurgia de Lisboa, asss co-
    e passageilW, para o que se, trata i nhl.c(1o nesia cidr '
    n. '"i on com o capitao.
    LE1L0ES.
    . ..lade, onde a lao numero-as quao
    com o consignatario E. II. Rabello, ra da Cadeia | |>rihaiiles curas, como a boin numero de opera-
    1 joes at entao desconhecidas na pratica da eirur-
    ' gia Pernambucana (lalha, erfomia, nterotona, re-
    secano de todo o masillar superior, d'amelaAe do
    maxtllar inferior, enuclearao de um corpo fibroso
    uterino com o peso de 20 ticas, ele), une longo
    excrcicio de trinta e tantos aanua, que letem o re-
    ! conhecimento de tao relevamos Services prestados
    humanidade solTredora, e exprimem o glorioso
    impulso por elle dado a arle de curar, em nosso
    paiz; sendo o primeiro que nelle tem empregado
    os aneslhesicos tetlier, cliloroformio. amena' pa-
    ra facilitar a execucao dellas, nem um fallecendo
    Qualquer cncommenda de camarotes ou caduiras
    se podem fazer at quarta-feira no hotel d'Et ropa
    e no dia do concert 00 theatro.
    LEILAO
    DE
    Queijos pralo e flamengo do vapor
    roii:.
    Ser effectuado pelo agento Pestaa o leilao por n uma serie de 40 operados da segunda operacao,
    ata c risco de qaem pertencer do queijos ta- ^ d'entre as outras, algumas s por elle tem sido
    mengoo prato em um ou mais lotes a vontade no praicauas nesta provincia, e latvez fossem as pri-
    armasemdoAnncs. s 10 horas da manhaa de meiras que uveram lugar mesmo no Imperio, se-
    hoje, podendo-se assegurar que foram desembar- p,,n(|0 se deprehende das estatisticas da obra de
    cados hontem e vindo> pelo vapor francez e por sigaudDu Climat et Des Maladies Da Brsil
    isso os mais super.ore< que existem no mercado. jmpressa em Paris em 1844: transferio o seu con- ca!,a e sjtj0 ,j0 Monteiro, em frente ao oilao da
    O abalxo assignado, devidamente auto- s
    risado pelos Srs. administradores da mas- %%,
    sa fallida de Faria C, reiterando 0 an- Jjjgl
    nuncio j militas vetes publicado por este ^
    jornal, convida de novo os devedores da }
    dila sociedade fallida para amigavelmen- n
    te solverem seus dbitos ale o dia 31 do j^
    corrento nnz de Janeiro, prevenindo-os !@i
    de que, se assim nao lizerem,terde cha- ^
    malos juizo para ubrigar o pagamento, ffl
    como lem succedido a respeito ile al^'iins. SI
    Outro .-111 declara aos mesmos deveuores, S
    tanto d'esla romo de outras provincias,
    da capital como do centro, quenao po- fi
    I dem fazer pagamento algum senao aoan-
    i nunciante ou a pessoa por elle aulorisada
    i com procuraran bastante, e de modo al-
    ; guin podem pagar ao fallido, fgido e oc-
    ! culto, Juvino Cameiro Machado Ros, sob
    i pena de nnllidadc do pagamento, e de te-
    rea de re|ieti-lo ao annunciante ou aos
    ditos administradores.
    Recite 4 de Janeiro de 1864.
    Limo de Faria.
    Aluga-st um sitio na Capunga Vclha, com
    boa casa, contendo V quartos, gabinete, cacimba
    com boa agua, quartos para pretos, estribarla e
    fruetoiras, todo murado : quem pretender dirja-
    se ra do Crespo n. 18, primeiro andar._______
    "Antonio Jos Rodrigues de Souza aluga a sua
    Naque .sobre Portiiga
    O abaixo assignado, agente do banco
    mercantil Portuense nesta eidade, saca ef-
    fectivamente [>or todos os paquetes solne
    o mesmo banco para o Portoe Lisboa, por
    qualquer souima, vista e a prazo, po-
    dendo logo os sa<)ues a prazo serem des-
    contados no mesmo banco, na razo de 4
    por cento ao anno aos portadores que as-
    sim Ihe eonrier : as ras do Crespo n.
    8 ou do Imperador n. 51.
    Joaquim da Silva Castro.
    -- Preiisa-se de um caixeii'o que
    calenda alituma ceusa de pharmacia '
    na liotir < da ra do ll;i \\zi\ n. I 1.
    - Precisa-sc de um Lom cosiniieiro e de uma
    urna que saiba engommar c lavar : tratar no
    sobrado n. 32, da ra da Aurora.
    t usa de educa cao
    Jeron\moPereira Villar arhando-se melliorado
    de sua saude, transferio o seu estabelecim;nto de
    instrnecio primaria e secundaria para I ra do
    Imperador, sobrado de nos andares n. I, es'juina
    que. vira para a ra do Crespo ; c participa nao
    saos lllms pais de seus estimaveis alumnos, co-
    mo ao respeitavel publico, que as aulas estaro
    abt ras no dia 8 de Janeiro do rorrenle anno.
    DENTISTA DE PARS
    19Ra Nova-19
    Frederico Gautier, cirurgiao dentista,
    faz todas as oporacoos de sua arte, e col-
    loca denles ai tiliciiies, tudo com superio-
    ridade e perfeicao, que as pessoas enten-
    didas Ihe reconbecem.
    Tem agua e pos dentificio.
    LEILAO
    DE
    l'm (envino com olaria no lugar dos Cec-
    ilios n. 1.
    Wegunda-feira do correte
    O agente Pestaa ameritado legalmcnte vender
    por conta e risco de quem pertencer um terreno
    murado com olaria dentro sito na travessa dos Coc-
    Iho n. 1 onde pode ser examinado pelos Srs. pre-
    tendentes : ser vendido segnnda-feira 19 do cor
    sullorio para a ra Nova n. 60, primeiro andar,
    em que pode ser consultado todos os dias uteis,
    das 7 s 10 horas da manha, acerca das doencas
    denominadas cirurgicas ou externas, coai especia-
    lidade daquellas.cmcujo tratamenlo mais frequen-
    temente intcrveni a medicina operatoria.__________
    O abalxo assignado, liquidalario da eitincta fir-
    ma de Silva, Bastos & C, faz publico que nada
    deve tiesta praga e nem mesmo fra della, das
    transacci>es feitas em nome da referida firma, as-
    greja de S. Pantaleo, eom bastantes commodos:
    a"tratar na thesouraria das loteras, ra do Cres-
    po n. 15. _________________________
    Precisa-se de uma ama de leite para uma
    crianca de 6 a 7 metes : na ra estreila do Rosa-
    rio n. 31, terceiro andar.
    i
    Aluga-sc o 2. e 3 andar do sobrado da ra!
    Nova, com excellenles commodos para familia : a
    tratar na ra da Cadeia n. 62, 2 andar.
    Companuia fldelidade de
    seguros martimos e ter-
    restres cstabeleclda no
    Rio de Janeiro.
    AGKNTKS EM MHUMBDO
    Antonio Luiz de Oliveira Azevcdo i C,
    competentemente autorisados pela direc-
    tora da companhia de seguros Fidelida-
    de, tomam seguros de navios, mercado-
    rias e predios no seu escriptorio ra da
    (:ruzngffisinnnHitt
    Aluga-sc oarmazem n. 4 da ra do Apollo, e
    o terceiro andar da casa n. 88 da ra da Impera-
    trii.; na ra da Aurora n. 36. _______________
    ~._ Carvalho A Nogueira na ra de Apollo n
    20, saccam sobre Lisboa, Porto e tina de S. MigueL
    Ensino primario.
    Xa ra das Criizes n. 2, primeiro andar, tem
    au a sob a dire cao de Pino da Silva Onitinho.
    _ Angelo Lacorle, Lino Pasqual, subditos ita-
    lianos, reliram-se para lora da provincia._________
    _ ll-se dinheiro a premio em pequeas e
    grandes quantias : na ra Augusta n. 45.________
    A'I'TK
    -- Ka livaria da prara da |n*le|ien- Custodio Jbs Altea Goimaraes avisa ao respei-
    ilpnci n l' i- S so ilini "(inpiii enmura tavel publico e aos >eu- rregnetes, que em vistas
    aemia n. o es se ana quiiu louipiu de e a(.h;il. M.u 0.lab,|P(.im,lll0 em obrai afiindc
    lllll solil' 11(1 de, UU1 OU dOUS andares .alargar mais o campo para o gallo de novo cantar,
    em hom estado c em lioi ra.
    rente lelas 10 horas da manhaa no largo do Corpo sim como declara mais que a dita Arma senao
    Santo junto ao armazem dos Srs. Palmeira & Bel- acha comprometida em transaeco alguma; toda-
    trao.
    r
    AYISOS MARTIMOS.
    COMPANHIA BRASELEIRA
    DE
    PAQUETES A VAPOR.
    Dos portos do norte esperado
    at o dia 16 do corrate o '-apor
    (.'/ice/rodo Sttl, commandante o
    capitao de mar e guerra Gervasio
    Mancebo, o qual depois da djmo-
    ra do costume seguir para os portos do sul.
    Desde j recebem-se passageiros e engajase a
    carga que o vapor poder conduzir, a qual djver 1 accos com assiuar'de diversas quilidades apre- I Na ra da Cruz n. 5, precisase j6 uma ama
    ser emh.mada no dia de sua chegada, encon men-, |H.n,|,]0S a Prancisco Santiago llamos, os quaes para o servico interno de urna casa do.pouea fa-
    das e dinheiro a frete at o dia da sabida as 2 ho- M acham em poder do sr. Joo Velloso Soares e triilia._______________________________________
    ras : agencia, ra da Cruz n. 1, escriptorio de An- exilenieS ein s,. trapiche ao largo do Corpo San-1 i>reci-a-se de uma ama para casa de familia:
    _ to n. l9,onde se eflectuara o leil as 11 horas do do A oMo n 28 primeiro andar_________
    Bernardinode Senna Almeida Lisboa faz pu-
    .. ,''m11,^ blico que tendo comprado por conta do Sr. major
    v,a se alguem se julgar credor por qualquer titulo ^g Jo.. dQs s/n|QS nh(J Arj|lil) na
    appareca na ra Novan 35 para ser pago. Reci- ,jado Sr;Fiuza 0 bi|ne,e n. 1999 (garantido) da
    fe 14 de Janeiro de 18b4 nona da terceira |leria do Gymnasio Per-
    __________________Sebastiao Jos da Siha. nambeano (pie deve correr no dia 1( do presente
    - No dia 12 do crrente mez do lugar ra da mez ..crdra dito bilhete razo porque previne ao contratado a compra do armazem oe canos no iu
    Esperance no Ca.ninho Novo, pelas 6 horas da Sr. thesoureiro das loteras da provincia para nao gar da ra do \ igano n. a
    afim de melhor poder servir seus bous freguetetj
    com tudo em quanto durar as ditas obras conti-
    nuara a servir seus freguezes no seu grande ar-
    mazem com frente para a ra do Imperador com
    entrada pela dita loja do gallo vigilante, ra do
    Crespo a. 7.
    Manoel Luiz dos Santos & C. tem justo e
    contratado a compra do armazem de cabos no Iu-
    ioco mai ;l^ quVen 'dito"b'niee^ssT sabir Maduro da Fonseca : quem se m*.
    .-.nom. ^oalulegiLodon._________'_____ r^rX^^Sltll^
    .L 1 ...., Aluga-sc o armazem da casa n. 37, e o pn- rt ,86-.
    loaqu
    lllm. Sr. Dr. juiz especial do coramercio
    Aluga-s
    meiro andar da casa n. IS da ra da Cruz do Ite-
    ife : a tratar na loja da bandeira.
    de 186't.
    Precisa-se de uma ama quecoznhe o en-
    gomme perfeitamente : na ra do Imperador n.
    171, segando andar. _________________
    Prof8*or de pian
    Jos Coelho da Silva e Araujo. l.em conhecido! O bilhete n. 1270 da nona parlo da terceira
    nesta cidade, contina leccionar piano e musi- i lotera do Gymnasio Pornanilmcano, que coi n
    COMPANHIA PERNAMBUCANA
    DE
    XavegacSo costelra a vapor.
    Parabyba, Natal, Maco, Aracaly, e Crin.
    O vapor Mamanguape, com rn-
    danle Martins, seguir no d a 22
    do correte as S horas da arde,
    par, os portos cima indhados.
    Receben carga al o dia 21 n-
    dia cima marcado.
    LEILAO
    Uma lahein- na (lasa Fe1 le.
    Terea-feira I do eorreute.
    Biaze Embrodo e Nicolau Pilone, subditos
    italianos vao para o Aracaty.__________________
    Precisa-sedeumcaixeiro.de lia 16 annos
    com pratica de taberna e cpie d fiader a sua con-
    ducta : a tratar na ra da Moeda n. 29.________
    Precisa-se de 6003 a premio de 2 por cento
    O agente Pestaa autorisado pelo lllm. Sr. con- Pr 8 metes, dndose hypotheca em mu predio :
    sul de S. M. ndelissima fara leilao da taberna e qnc.ni tiver annuncie._____________________________
    commendas, passageiros e dinheiro a frele at o mais pertences que fazem parle do expolio do fl-l Precisa-sede 700-5 a juros sobre hypotheca
    da da saloda as 2 horas da tarde : escriptorio no nado subdito portuguez Luiz Jos de Magalliaes era um escravo : quem pretender annuncie.
    Forte do Mallos n. 1.
    ca vocal por commodo |>reco : quem de sena ser
    vicos precisar, dirija-se ra doLivramento n. 21,
    segundo andar.__________________
    16 do corrente, pertence ao Sr. Joaquim Jo A
    ves, do Porto.
    Desemearainhou-se do poder do abaixo assig-
    Quem precisar de uma ama para cozinhar, I nado uma |0|ra da quantia de 22^000 rs. vencida
    dirija-se ra de S. Francisco n. 2(i._____________ : em 21 de outul.ro do anno passado, saccada por
    la ra do Mangueira! Joaquim Goncalves Ferreira e aceita por Jos An-
    gla do Recite n. 21. Ionio Ferreira c Silva, assim cerno o competente
    protesto, dentro do qual se achata dita letra : j
    se acham prevenidos o sacador n aceitante da mes-
    :~nado,
    em a
    da ra
    Aluga-se a casa terrea d
    n. 9 : a tratar na ra da Cadeia
    loja da primavera.
    Alugam-se o pnraeiro e segundo andares do ma n-0 ar se nJo ,10 Bba|X0 ^p,
    solo..do da ra da lima n. 00 : a Halar na relina- a qup|n ea M a(.ha jnd0:isada; pede-se a que
    cao da Senzala Nova n. i.__________________ achOU o favor oe entrega-la no escriptorio da
    1 -A
    fPftl
    COMPANHIA PKRNAMBUCANA
    DE
    \avesav"o eostelra a vapor.
    Macet e escalas.
    O vapor I'arai/bn, con man-
    dante Moura, seguir para OS
    portos cima indicados n> dia
    Vi do corrente as 5 horis da
    tanie. Reeeber carga at o dia
    23. Eiicotntnendas, passageiros e dinheiro 1 Iretc
    at o dia da sahida as 3 horas da tarde : escrip-
    torio no Forte do Mallos n. I. _______
    1 ompanliia 1'ernamliucaiM
    DE
    Xavegaeo costeira a vapor.
    liba de Fernando.
    Nao podendo seguir boje, (15)
    o vapor Maiiiangimpe, sera subs-
    tituido pelo l'aralnjba, logo que
    regresse do sul.
    muito propria para qualquer principiante por ter 1 olla Cont N
    poneos fundos, em pre-eoca do lllm. Sr. cnsul : i i_iaonB vao' 11.1
    terca-feira 19 do crreme no mesmo lugar Ja reno- B^_"__
    terca
    Casa Porteas 11 horas la manhla.
    Os Srs. pretendenles podem pedir qualquer es-;
    elarecimentoem mo do agento ou no consulado ;
    de Portugal.__________________^_________j
    DE
    lima taberna na ra do Rosario *1 *
    lloa-iisia n. 54.
    O agente Pestaa legalmcnte autorisado fara
    Narde Nicola, Prospre aiiic-
    para o Cear.
    Antonio Jos de Catiro.
    TINTURARA.
    TinRC-se com perfeicao para qualquer
    cor, e o mais barato possivel: na ra do
    Ransel n. 38, segundo andar. _________
    Antonio Monteiro de Siqueira relira-se para
    o Bio de Janeiro.
    'hKiro A YBIMIB.
    Luiz da Costa Leite, abaixo assignado, faz do Viga no n. 41.
    publico para quem Ihe convier ou Interessar pos- Recite, 13 do Janeiro de 186*.
    sa, que elle annunciante nao autorisou nem den
    poderos a pessoa alguma para vender a casado -
    anHunciante sita na ra Imperial n. 117, nem o' __.WJl.-mO
    lerreno nos fundos da mesma casa que fo occapa- Precisa-se de uma ama forra ou eserava de boa
    do pela estrada de ferro; e que qualquer papel de conducta que saiba eng immar e cosinhar : na roa
    venda ou antorisaeao p.ua ella m nome do annun- dasCiuzes n. 36, primeiro andar. Pagase bom
    cianlc que appareca nao verdadeiro, mas sim ordenado.________________
    falso. Becife 13 de Janeiro do 1864.
    Luiz dafOosta Leito.
    O Dr. Casanova pode ser procurado em seu
    consultorio especial homeopaihico no largo da ma-
    triz de Santo .Antonio n. K No mesmo consulto-
    rio ha sempro grande sortimento de medicamentos :
    Precisa-se de uma ama para easa de pouca fa-
    Pelo presente atiesto, e juro se preciso for que e|n ti*imiI.as ,',,,, glbulos, deixando elogiar os milia; na praea do Gerpo Santo n. 17.
    Para o io deJaaeir.
    Saldr eom brevidade o brigue nacional luvr-
    ra, recebe carga e ftscraves a frete : trata-se com
    Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, largo do Corpo
    Santo n. 19.________________________________
    l*:ira o Rio de faneiro.
    O patacho nacional Capuam, pretende ;eguir
    com muita hrevidade, tem parte de seu carrega-
    mento engajado, para o resto que Ihe falla e es-
    cravos a frete para os quaes tem bons comnolo-
    trata-so com os seus consignatarios Antonio Luiz
    de Oliveira Azeredo & C, no seu eseriptor o ra
    daGruz n. 1.
    rara O liio de Janeiro
    sahir com a maior brevidade possivel o palhabo-
    te nacional Vianuio ; recebe anda alguma carga
    a frete e escravos : trala-se cem Manoel linacio
    de Oliveira & Filho, no largo do Corpo Santo nu-
    mero 19. ____________
    iracty
    O hiate Santa Rita tem parte da carga prempta:
    para o resto, trata-se com Tasso Irmos, ra do
    berna.
    DE
    I ma taberna sita na ra de H.
    nMos n. 9.
    Quinta fcira 21 do correnle.
    Jos Antonio Anselmo Moreira fara leilao por
    intervenco do agente P'stana.e por conta e ritCO
    de quem pertencer da armacao, gaz e gneros
    existentes na taberna da ra de S. Jos n. 2, mui-
    to propria para qualquer principiante, por ter pau-
    eos fundse garntese acasa : o leilao ter lu-
    gar quinta-feira 21 do cprrente pelas 10 horas da
    manhaa na mesma taberna.
    Remiendo este preito verdade, e aunuindo ao jifa roa Nova a. 26
    pedido ile esc rever tal declaracao, crcio tambem companhia do Deberibe
    fazer um servico aos (pie por desventura sollrerem po. muito razoavel. ______________________
    *OiXtt'+mmt redactor do jornal -c dinlielro a Juros: na
    Vao do s,u. ra do Itangel n. .
    Rio Grande do Sul 12 de agosto de 1863
    Reconbeco verdadeira a assignatara sapra. Bio
    Grande do Sul 17 do agosto de 186 I.
    fazem-se encanameatos da zem n. 7 da ra da Gnu, o anal acha livre de I ong ospac de aonee, m
    ; muito bem l'eilus por pie- qsaiOjaer imposto; i tr.itar-se na ra do Impera- 0liier inelhras ; feizmenie.
    Em lestemunho da verdadeO tahelliao,
    Manoel dos Santos do Naflcimenlo.
    i*KUuKVNi
    dor 11. 8:1.
    Aluga-se o primeiro andar do sobrado da roa
    Imperial com excellenles commodos para una fa-
    milia nmeros.-. : a tratar na ra do Imperador,
    armazem de kraca n. II.
    DA
    ( Extrahido do Jornal dt Commrr.io, Correio T7pcf. (1a rrlovlOSO lllll't\T S.
    MeVcant e Diariodo Rio de Janeiro de 30 do agos- *J-l UU pJlUI IW IlltU. I .> 1 kJ.
    to o 2 de setembro de 1863. )_________________j geblStlUO lll Villa UO CilO.
    ri TIIIX 1 llk _' l l.fc I I T A mcsa regedora da irmandade do glorioso
    r \ 11 li 1 \ Iu ii\n\l LI "'"i>rs SL',,a-s,iri>.,,ri,i'ia ";i.ign'j.a ".'.'""da
    Manoel Xavier l'aes
    Portugal. ______^^
    Brrelo Jnior va i
    mi
    AVISOS DIVERSOS.
    llua da Aurora n. SO
    Este esiabelecimento de inslmecao primaria,
    secundariae recreativa recebe alumnos externos
    para todos os preparatorios. O preeo do cada ma-
    teria 'afi mensaes pagos adianlados no priqcipio
    Amorun n. 35, ou cora o mestre no trapiche do, Qp^gg goblUdOll. 36, pi*-
    algodo.
    villa do Cabo, faz saber ao rcspeilavel publico que
    tem de Festejar seu excelso padroeirono dia 24 de
    Janeiro do corrente, tendo porm, principio no dia
    lias novenas com toda a pumpa e brilhantismo.
    Na noile do dia 11 ter lugar o levantamento da
    bandeira com a effigie do glorioso S. Sebastilo, ao
    AviivmSn _.al 11 de cada mez; aqoelie estudante, porm. (pie esta- som de urna bella um-ia marcial c ao eslrepiloso
    cuuigiao Leal mudou *.++U_*h_ i-t-m.* ^&TSS&tt!iV^
    aquella decencia o ceremonial devido al 10 excelso
    Seubor, bem assim o Te-Deum, as 7 horas da
    noile.
    Na tarde do dia da fesla, assim come na do dia
    23, haverao grandese elegantes cavalhada.-, aehan-
    A barca mo i sahe para o Porto cm | mucos
    dias, porterquasi prompto o seu carregamento :
    para o resto e passageiros, trala-se com os con-
    signatarios Carvalhc 4 Nogueira, na ra de Apollo
    numero 20.
    Para Lisboa segu com brevidade o origue
    portiigiie/. Activo, capitao Augusto Wence-lio dos
    Santos ; este navio lem parle do carregamento
    prompto, e para o resto a frete, trata-se com A mo-
    r m Irmos, ra da Cruz n. 3, ou com o 1 esmo
    capitao na praca do commercio.
    I'ira Posto Alegre pelo Rio Grande lo Sul
    segu o patacho nacional Dotu de Dezembro; este
    navio re elie carga para oa don- mencionad! s por-
    to- a um frete commodo : quem quizer carroar,
    pede entenderse no escriptorio Amorim limaos,
    ra da Cruz n. 3, oi com o capitao Joo Clinsoslo-
    rao Jnior.
    Segu eom muita brevidade para Lish ia, por
    ter prompla a maior parte do carregamento, o hri-
    guc portuguez Ftortnia, o qual recebe o rjsto da
    carga a frote : paro tratar, no escriptorio 11. 3 da
    ruada Cruz,** cora o capitao Joaquim Augusto
    de Souza na praca do rommereio.____________
    Para a Bahia
    O palhabote Garduldi pretende seguir con bre-
    vidade para esto porlo, tendo parle de seu carre-
    gamento, e para o resto trata-se no escriptorio de
    Tasso limaos na ra do Amwim.
    lin VPll'HPn r|*l rilO ti MUI 1 uMUtill-tl Utl I lu UU ensino so far pelos compendios adoptados as
    OuninnHn nava 1 iiti (l.c: aulas publicas. As matriculas esa'abenas ateo
    VUv-l-J.uuU pclUl ti lllit utl'^ ni,no de Janeiro : porianto as pessoas que qui-
    zerem seguir qualquer curso, |iodnm procurar o
    i director na ra da Imperalriz n. 39, terceiro an-
    de o ackarao como sempre-
    ni/ATYinfr\ o niiolAiirii. \\e\vn no HypolitoGadaull, professor titulado do francez, ao som da ine.-ma mu-ii a
    pi'OmptO a qiiaiqiiei llOia pa- njrionmcarsopratico para aspesnas do com- Para maior commodidade
    queimar-se-ha um vanado e lindo fogo de artificio
    e concurrencia dos
    _&H_j7f?_ dT__inrrto^SPo'r "eisdo Becife a es-a s......mudado, a companhia da
    ra o exercicio de sua pre- 5SEooo ^^ 2oc..r.,xspor estraila (l fl,.ru r,lv,,1 lli;uill;M. ,,,.,,,-,-
    j .l J ___!-----------------------------_---------------_- cjji (;i,lro Pomas no referido da _, alun de
    TlSSaO. liailiatlO UOr eSCrita, I .*rece-*? ra m,? sol,,'iro, lra criado, COniuxroSnSs_gelroso^esede_Mromairpre-
    ____________________L_________L___:!cozmheiro ou dispenseiro de casa de familia : na SlMieia-ia. Convem mencionar que esse trem le-
    Precisa-se de mna ama para raa da Lapa, casa de pasto do Sanios.
    cozinliar para duas pessoas, pa-
    ra lavar e engommar : na ra
    da Cadeia n. 91, primeiro andar
    Hseravo fgido.
    No dia 4 do corrente fugio o escravo Bazilio,
    crioulo, estatura regular, secro do corpo, cor ama
    mA HE um
    Precisase de urna ama me tenha hom leite o
    sera filho : na ra da Sen/ala Velha n. 22, segun-
    do andar.
    vara a musir, para volla vir deleitando 09 pas-
    sageiros com as suas harmonio-as peca-.
    Resposta, c resposta mnito eabegoriea, h dar
    a o anniiRCio que (\r<:\i\ sabbailo 8 at 12 lem sido
    Precisa-se de um caixeito para taberna : a tra-
    tar na ra Imperial n. 37. ___________
    OITerece-se uma mulher ilo meta idade para
    ama de casa de bornea solteiro ou de pouca fa-
    milia : na ra da (loria n. 13.
    Da-se 5005 por hypotneca de uma eserava
    boa, ou escravo. sendo o servico pelo juros : quem
    quizer dirija-se loja do Lyra, ruado Qoeimade
    n. 59.___________________________________________
    Bogase a quera a|ianhou um canarinhe do
    imperio, com o corpo de una s cor e a cabera
    piulada, o favor de o restituir, pagndose o vaior
    do dito canario generosamente, e licando-se muito
    agradecido a quem entrgalo na ra da Aurora n.
    86, segundo andar.______________________________
    Aloga-se 0 segundo andar do sobrado n. 6
    da ra da Lapa, rom bo_cenles commodos epor
    avt'l: a fallar na ra Velha nT57.
    00
    preco razoa
    Aloga-se o S" andar do sobrade da ra do
    Imperador n. 79, bstanle fraseo, e decente para
    uma familia : a tratar rom Antonio Jos Rodrigues
    de Souza, na ra do (ropo n. 15. ___________
    EO
    CVRISETOS
    meiro andar, que ser gratificado.____________ /TPI^
    Precisase de 350 cohi gaia nlia n'iinia by- m #_ - potheea de dousescravos : na roa daViraconJ Na ra estrella do Rosarte.. 43, primeiro an-
    13, das 6s8 horas la manhfia, odas 4 da tarde, dar, precisa-se de uma ama we tentia borne
    em dianle. abundante leite.
    - Precisa-se de 7005 a juros dando-se por
    aluguel um escravo : quem pretender annuncie.
    Prensa-se de uma ai,.a que saiba cositihar
    e engommar : na ra da Coucordia n. G-j.
    No i iiao ila secretaria de polica, armazem da
    hola amarella.ha uma pessoa enearrega_ da mu-
    danca de mobilias de unas casas para outra-. e de
    transporte de qaaoaqner volumea sob a direcelo
    da mesma pessoa : a tratar no lugar cima.
    Prancisco ntonio Coelho, antigo proprieta-
    rio do hotel Prancisco, tendo-se mudado para a ra
    da Florentina n 20, avisa ao res|ieiiavel publico,
    que contina I encarrecar-se nao .-6 de janlan -
    para fra como de apromptarecias o cha para bai-
    les, casamenlos. etc. ; igualmente se ineumhe de
    qualquer eneommenda em escala peqaena ; an-
    ouiiciaiite sendo liem conhecido nesla provincia,
    pilga de>nece-aiio ualquer expliraoao tendente
    ao desempeoho daquillo do que se incumbe. Tam-
    Ih'iu recebo escravos para ensinar a cozinhar.
    IfUJMAMCA
    DE
    ESTABELECIHEMO.
    Francisco Maestra I i
    esiahelecido na ra da Imperatriz n.S4rom fabrica
    de Chapeos de sol, mudou-se para na do Queima-
    do n. 22, aonde se cobre e se faz toda qualidade de
    concert pertencenle a e>la arle, e avisa a todos os
    seas freguezes desta cidade e de fra, que est
    revolvido a vender mais barato do que em nutra
    qualquer parte, e pede que Ihe dera preferencia,
    e todas as pessoas que lem chapeos nesta fabrica
    para concertar, tenham a lindado de sa viren
    buscar alaopraso de s dias-. ansmnii > praso
    sern vendidos para pagamento dos dito* eoo-
    i-crtos._________________________________________
    O padre Francisco Joo de Azcvedo, habilitado
    pela directora geral de instrueco publica, t<-m
    resolvido abrir um curso de geometra, para o que
    cenvida aos senbores estod_alei ea quem ro-vier,
    promeltcnuo-lhes empregar todos os ranfaa aiim
    di uua possam tirar o desejado proveite ii sus
    litoes : a tratar com o mesmo, na ra do RaafH
    n. 43, primeiro andar. __^^^^__^_^_^____
    Koelcdadc de seguros mutuos
    de vida insttillada pelo Uaneo
    4 L'nlo na cidade do Porto.
    Os agentes nesla cidade e provincia Antonio
    Luiz de Oliveira Atevedo dj i;-, -seript ri aarea
    da Cruz aoRecife a. I. estao autoriss
    a lomar assignatoras e prestar
    modos ejoe foremneeessarios, as p. -
    sejarer, coueorrer para lo uttl e lienelie .
    Mirando um futuro lisoii--iro aos ami 11. <
    ~ No escriptorio de Antonio Luiz de Otivetra
    Azevedo 4 C, na ra da Cruz n. I, prcem-.-e fal-
    lar com o Sr. Luiz S
    Soares Bolelho e de Fortunata Candida de Suuza,
    e uelo de Francisco Manoel le SOO, nal1
    ilhade S. Miguel, q qual consia ter vindo par i
    la cidade em 1836, para Ihe dar iinlicias sua
    miii e irmos que se acham no Bio de Janeiro.
    Precisa-se alujar urna pes-oa eserava ou li-
    vre que saiba comprar, engommar e cozinhar na
    ra do Itangel, sobrado n. 33.
    XdECO PCBLI AMENT.
    lorie in_aihmaco e erisipela
    as duas pernas.
    Sendo do meu maior dever ir por i f'-
    Iba agradecer publicaiiienle a. Sr. Ricardo k
    senptorio na ruado Parto h. 119, o m
    as
    tica-
    -..r.i di
    eorpu : : cnterniiuaue esia i|ue
    m que |i.i--i\el f--e
    para
    cardo rk se eearregoa do eorab' -1 Rm
    resuliou qaasi perfeilo res_bleeiBm_ ean aap-
    plieac i de -ua> chapas niedicinaes tu cuil I a| I
    eo de'u m anno.
    r.om quanio o dito senlior licasse
    o diminuto eatipon-ki que raebea_ sen M
    en seria fallo de reconliecioienlo se nio cooftftsas-
    se o grande beneficio de que Ihe
    Hl'A I' (CATTBTB Y Ifl
    ItlO de Janeiro.
    Francisco Joaquim Nogueira
    Reconheeda verdadeira a asMguai
    Ir tahelliao Pedro Jos de Ca-tro.
    No dia 28 Je dezembro do anuo uruiHBH saa-
    sado fugirara do enjenho Massarepe duas
    do mosteiro de S. Denlo de OHnda, i J._>
    Uamasieno. pardo, estatura i > ifc>
    corpo, cabello crespo, barba lo, im.it i nos
    f dios, e alvejando no alto dacabeca, Made de :W
    anuos, pouco mais ou menos: I lieuoJielo. rii
    |i. -.mi barba, vista meta espantada, rosto la
    falla ineio tato, constantemente fuma cae
    estatura regular, nlade :i() ai....... leu sid
    encontrados e vistos em di' V"'
    Becife, qiiiT em Oond.i. e nuil principalmente _s
    ficguezias da Boa-Vista, nos lugires Treape e
    Monteiro, e em Oliuda no V.n
    autoridades policiaes e capit.-s decampo a rapta-
    ra desloa esrravos. e sua M upa em iMinda ao
    Bvm. padre I). Abbade. no lle.ie Sf.____i
    il i S. Isabel, ra dos Tauoeiro-n. I, ou no enfe-
    udo Mussuriqie, ao seu administrador, que serio
    generosamente recompensados.___________________
    Manoel Jos de Albu pierque Mello. ;
    nado pela directora geral de instnirrn pa
    provincia para eii-inar nesla culade as priiiM>ir_
    letras, tem iberio i raa aula dia II do
    correnle. no paleo do 5Vr lo n IVI
    gundo andar, onde pode ser procurad i
    ;.s pessoas que Ihe qm/eiein confiar os seus
    prometteodoenvidar lodos os seas nbnjwamn
    de bem cumplir o sen magisterio. Assuu romo
    recebe tambera pensionistas
    Wh.
    O mesoareiroda Irmandadea N. s. _
    gem loiimii o arbitrio de mudara festadapadr
    ra para domingo 24 do enrentd._________________
    Os abaixo assignados srienlilicam a>i c
    do commercio desta praea que i
    velmente no lia 31 de dezembro protimo pas-iatle>
    a sociedade que liaban _kw_ -Ha na na do
    Vinario ii. 33, que gyrava moa d^ I ages
    enloma. Orando o socio Laga. reaaamsavH p-h>
    aeiivo e passiv o da mesma soeiedade. I i .; i,
    de Janeiro le 1864.- -JuSj Jo_ da Cuaba Lig *.
    Antonio Raymundo l'aes de Lima.


    Diarlo le Pernamlmco afoliado 1 le Jauelro de is:4.
    i
    Ama deleite
    Prerisa-so de urna ama d; leito : na ra da Con-
    lia n. 71 junio ao sobrado do Sr. Manool Kir-
    ihmo.________________________.
    Augusto C>ellio l-''ii<' declara ao corpo do
    commercio o a quem intero-isar possa, que rao data
    do 1 do coiTrnta u-i fa soekwade com Francis-
    co Antonio do Albuquerquo Mello em sua prensa
    de algodao sita no Forte do Mallos n. *>, gyrando
    d'ora'cm diante sobro a Urina de Augusto Leite
    & Allmqiienpie, podendo qaalquer dos dous usa-
    rem da dita firma._________________
    Domingos Jos Marques faz sciente nos seos
    conslitiiintes, que durante o teni|io que estiwr fura,
    podem-se entender com c Sr. Joaquim Pinto do
    Barros, que lea encarregado do fazer suas vezes
    nos nigocios do foro.
    Aluga-se um sitio na ra de S. Miguel dos
    Afogados, com boa casa, estribara e quarlos para
    . prelo:-, muitos arvoredos de fructo e. baixa de ea-
    P pim : a tratar na mesma na com Manuel (.rillo.
    Aluga-sc o primeiro ; miar dVSOBrado da ra
    estrei:a do Rosario n. 6 : a tratar na ra Dircita
    numero 2._________________________
    Alupa-so a casa n. ** da ra dos Praxores
    hairro da l.a-Vista : para tratar, no primeiro an-
    dar do sobrado n. 8 da ra do Queimado.______
    A possoa que annunnou precisar de G004 a
    premio, dando por hypoihera um predio, dirija-se
    a ra da Paz n. 38, ra outr'ora do Cano.______
    l'recisa-se de um menino de 12 li annos
    para eaixeit'o de taberna, rom alguma pratica :
    na ru> da Scnzala Nova n. 9. ____________
    Quem annunciou precisar do 7005 a juros,
    dando um escravo por aluguel, dirija-sc ra de
    Cotovello n. 31._________________________
    Precisase alugar um molcque : na ra da
    lmperatriz n. 75._________________________
    Manool da SUva Ferreira muda seu nome
    para Manool Ferreira Mattoslnhos por havor ou-
    tros nomes iguaes ao dcllc.________________
    Precisa-se alugar urna escrava para o serv-
    co interno e externo de urna casa de nouca fami-
    lia : na ra do Caldeireiro n. 60 se dir quem pre-
    cisa. ___________
    Qu-tn pretaide st-giiml* n
    dar do sobrado n, 44 em a ra
    da Aurora, diij se ra Nova,
    em a toja de Basles JUgalses, que
    achara com quem tratar. Assim tam-
    be ii a'ugara-se as lujas da inesnio so-
    brad^__________________________
    FJEITOR
    Prfcisa-se de um feitor trae seja entendido para
    formar um jardim, e tambem arverejar um sitio.
    sendo entendido paga-se btm ; adverte-se, porm.
    a essa chusma de quadrupedes que nfeslam as
    estradas, intitulando-so feilores, e que nem para
    cariweros servem, que nao se proponham a oc-
    cupar o lugar que nao sabem preencher : a tra-
    tar no Manguioho, sitio que foi do Bastos, de ma
    nliaa at as 8 horas, de tarde depois das 6 horas.
    COMPRAS.
    Comprase anta mobilia de Jacaranda: na
    ra do Crespo n. 2:J se dir quem trata.
    Compram-se escravos
    de ambos os sexos, e pagam-se bem : no cscriplo-
    rio da ra da Madre de Dos n. 3, primeiro andar.
    Comprase effectivaniente ouro e piala em
    obras velhas: na praca di Independencia n. 2
    loa te bilheles. _________________
    Conipram-se constantemente garrafas vasias:
    na fabrica de espiritos na ra Direita n. 17.
    YENDAS.
    Vendem-se 26 jardas de inecrado de superior
    qoalidade e de muilo bum gosio para forro de sa-
    la, pelo barato proco de 3$ a jarda ingleza : quem
    o pretender dirjase ra do lm|>erador, casa do
    retratista americano.________________
    l.mvas Chegaram para a luja d'aguia branca, ra de
    Queimado n. B.
    IIILIIO
    0 sarco, e a cuia a 160 rs. : no armazein da es-
    Helia, largo do Paraizo n. \\.____________
    M timas.

    Na trave.ssa da Madro le Dos n. 5, vendem-si
    eafat is com nacaag a ._. RH
    Vndese mantei/a ingleza tlor a 960 e 7(
    rs., ditahollandeza muito fina a 800 rs., dita fran-
    a 060 e 600 rs., quecos llamingos novos ;
    2-5'KK), dito de pralo a 560, Hg03 nuvos a 2i0, alo
    tria'8 matarrao a 480, sabo preto muito secco ;
    200 ra, a libra, e em caixa a 180, oleo de ricino ;
    -rs. a libra, amendoas novas a 200 rs., nozes;
    _io, presualo a 160, gomma a 60 e 120 rs.. bola
    rhinha de araruta a 280, dita ingleza a 280, dit;
    de soda a 1M) e 2-5 a lata, assuear em caroco
    muito alvo proprio para doce de caj a (4300 i
    arrota : no largo do Carino, esquina da ra do
    1 tortas n. 2.
    2.19
    Barricas de breu com 8 arrobas, de superior
    qnalidade : na ra da Cadeia do Recife n. 56 A,
    loja de ferragens de Basl .__________
    MTflSi
    Vndese pedra de alvenariaTiruta de muilo
    boa qualidade, mui propria para edificacoes e
    principalmente para al cerces, que tornam os
    edificios mudo mais solidos, se ornece qualqwr
    quantidade com presteza e posta no lugar preciso
    com vin'te por cento menos do que o preco do li
    jlo geralmente usado. Hecebem-se as encotnnicii-
    das na fabrica da travessa do Carioca n. 2, tais
    do Ramos.__________________
    Cal de Lisboa e potassa ta
    Rnssla.
    Vende-se na ra da Cadeia do Recife n. 26, para
    onde se mudou o antigo e acreditado deposito da
    mesma ra n. 12, ambos os gneros sao novos e
    legilimos, e se vendem a preco mais barato do qie
    utraqualpu Taparte.
    Vende-se urna taberna sita na ra de Moras
    106 : a tntar na mesma.
    _/1
    No armazem de matemos da ra da Conconlii
    n. 73 jcbegou pixe para fabrico ilas embarcaede,
    e se vende palo mesmo preco do cosime.______
    ~%8PH % l/T
    O fabricante de asphalto da ra da Concordia n
    73 receben agora novo material para Iadrilho, ele
    os'pretend ente; podem procralo que serao pronij
    lament' -. e por preco commodo.
    ~-Vende-se a taberna .Ma no mercado da Kibeira
    da {UavVUta, 'om pouco fundo propria para urna
    pessoa principiante; a tratar na mesma n. 47.
    fiTMVA
    No armazem do Avilla no Forte do Mattos es-
    quina do buceo da Itoia vendese ral de Lisboa a
    mais nova que ha no mercado a .15300 o barril.
    Fariuha de mandioca,
    ie boa qualidade. ensacada, a preco commodo )
    no trapiche do Cunha iroximo do ancoradour.
    dos vapori s la conipanhia Pernambucana.
    ~f ARINHA FONTANA.
    Fariuha >la muito acre uta a marca
    Fontana cscmliara la lioje, vende-se
    por prero mais commodo do que en
    qualquer outra parte : na rua da (rn'
    i. 4 rasa de N. 0. liieber & C. succes-
    |H twn
    Kua tu e .>..
    esla disposto a continuar a vender pelos pMfOl
    abaixo declarados, pois para principar o novo
    anuo.
    Caixas de obreias de cola muilo linas a 40 rs.
    Varas de franja de lia de todas as cores a 40 rs.
    Ditas de tranca de laa de todas as cores a 20 rs.
    Ditas de Irancelim branco muito superior a 20 rs.
    Trancas de algodao brancas o de cores a 80 rs.
    Dnaias de metas para senhora muilo superiores a
    31800.
    Crozas de pennade ac muilo finas a *>00 rs.
    ("aniveles de duas e tres folhas a 500 rs. j
    Dilos de urna folha a 80 rs.
    Caixas para rap, muilo bonitas de ealungas, a
    100 rs.
    uniio
    MERCANTIL
    OL)
    DE
    Me relian!
    para as molestias externas dos animaos domsticos
    e com ivpccialidado dos cavallos.
    VAS MIXTAS
    de primeira qualidade, fabricadas com o maior
    esmero, as quaes pelo modo elflcaz que malam as
    formigas, realisam urna economa do 9 0|0 sobre
    as fabricadas pelo antigo systema.
    VEKMZ OL ALttlmOiaTCaaw,^'^- rua _%. cabieia mt iijbctfi: m. 53.
    do gaz, cujas multplices apphcacoes sao por de-i Caixas para rape, muilo bonitas do calungas, a--------
    mais condecidas: vende-se ao preco da fabrica no I 100 rs. __._* i_
    oiao da secretaria de noticia, armazem da bola' Capachos redondos e compridosa 500 rs. Francisco Fernnntlcs Diiarle acaba de abrir na na da Cadeia do Recifen. o-l. um gratule c sortido armazem de molhadr.s ife-
    aniarella. Caixas com muilo superiores obreias a 40 rs. nominado L'nio Mercantil. Neste grande armazem uncoiiliai sempie u respeilatel publico uiji completo sorlimeiilo d< aielliorea
    60 rs6 *** brancas e de cores, largas, a gneros que vem ao mercado, lauto esuangeiios, como nacionaes, os quacs serio vendidos em poices ou a retallio por presos asss
    RUA IIA TAREIA IlO KKCIFK 53.
    NOVO E
    GHUITDB ASMJZm DB UOLHADCS
    LIOliHAIVII.
    Pares de boiocs para punho muito bonitos a 120 rs. COnimodos.
    Carreteis de liniia Alexandre com oo jardas a Manieiga ingleza especialmente esco.hi.la; Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e Saidinbas dcNantesa 3'0 rs. oauaitoe "'>1
    J. Falque querendo acabar eom lodos os artigos m m de nrimeira nualidade a H00 rs a libra I t/5-*00 a cmad' r< ___!__
    mena- o artigo chapeos de sol exi-lenles no seu V_rr.es de Ih.hi IV,tro V <-nm 00 i-ir.l fin rs T allUia,) 1_UU a Callnil. | Is. iea lata.
    stabeieci.nenio, coniina a vfender ditos ariigos nS_A4|nh_d w UimV__m* em barril se faz abatimento. jAzeiledoce retinado em garrafas brancas a La las com peixe em posta : iviaa,
    Manleiga fr.inceza a mais superior do mer-' 800 rs. I vezugo, cherne. linguado, lagoMinl.a, a
    cado a 5i0 rs. a libia, c _0 rs. em barril Azeite doce de Lisboa a G10 rs. a garrafa e, I 5300 rs.
    ou meio.
    rsiaoeiecimemo, cominua a venuer ua arara l)t0s de linha de oO jard...
    por procos baral.sstmos. as [,e;snas econontcas de- 1)uzia dc m(.ias bra|ir;is |i:ila,U)im.in a ,t00
    vem aproveilar a occasiao de se proverem de mu- (-,K 1S ,.onl >uu,hl< ,k, rluim|, a ,0 ra.
    tos objeclos rmns e por pouco dinheiro, amaneando
    que nao ilhar a sacrificio, para acabar mais bre-
    ve, .-iiiiii desortir do novo i sud antiga fabrica de
    chapeos le sol. roa do Crespo n. 4.
    Vendem-se ferros para fazer hostias: na rua
    Direita o. 73.
    Tintelros de vi.lio com superior tinta a 1G0 rs.
    Ditos de barro a 100 rs.
    Grozas de botSes de looca praiiados a 160 rs.
    Tesouras muito linas para costura a 3_0 rs.
    Hilas ditas niaiores e ni. Ihores a 400 rs.
    Escovas para limpar denles muilo linas a 200 rs
    Ditas |iara unhas a 800 rs.
    Vende-se a casa terrea n. _t da rua da Ale- Laa de todasas cores para bordar a 7,5 a libra.
    gria : a tratar na rua da Impt ratriz n. 40.
    Botica e armazem de
    drogas
    lina do C'al>3i; ii. II.
    DE
    Joaquim Uarlinlio da Cruz Corroa.
    Vende so o seguinle :
    Salsa parraba do BrisloL
    Pastilfaas assiicaradas de Kemp.
    I'asiillas vermfugas de Kcmp.
    Elixir de cilio lclalo de ferro do Dr. Thermes.
    Robda Lalecteur.
    Xarepe i epuralivo d'odoreto de ferro de Guy.
    Xarope peitoral sedativo de Cuy.
    Pastilhas pciloraes balsmicas do Guy.
    Filulas da vida.
    Buiel franciscano (mcsclado) para imagens.
    Dijeccao lirow.
    Xarope dc citrato de ferro do Chable.
    Pilulas contra sesocs.
    Salsa parrilha de Sands.
    Extracto Huido do salsa parrilha do Bailys.
    Xarope alcoolico de vellanie.
    Alm desias drogas ha constantemente um com-
    pleto sorlimento de titilas, verniz, ouro para dou-
    rar, preparados chimicos e pharmaceuticos que se
    vendem [ior commodos procos.
    bWal
    sem segundo
    Rua do Queimado ns -19 e 55,
    loja dc miudezas de Jos de Azevcdo Maia 4 i...
    principia o novo annoa torrar miudezas pelos pre-
    ?ds que a todos causa admiracao, a saber :
    'ares dc sapatos de tranca muito finos a l(iG0.
    Frascos do oleo babosa d"s melhores fabricantes a
    -Wr-.
    Ditos maiores a 400 e 800 rs.
    Frascos d'agua dc Colonia muito finos a 400 rs.
    Sabonetes muito finos a 100, 200 e 400 rs.
    Frascos grandes de agua de Lubin, o melhor, a
    U900.
    Lapis dt tinta encarnada muito finos a 40 rs.
    Novellos de linha com 800 jardas a 120 rs.
    Ditos de dila rom 400 jardas a 80 rs.
    Frascos Jo macass, oleo muito superior, a 100 rs.
    Duzias de dedacs brancos era caixas do vidro a
    320 rs.
    Papis de agnlhas a balao Victoria a 00 rs.
    Banha transparente muilo superior a 700 rs.
    Dita Japoneza muilo fina a 800 rs.
    Duzia do sabonetes muilo finos a 720 rs.
    Papis de agullia com loque de ferrugem a 10 rs.
    Grozas de botos de madrcperola muito finos a
    560 rs.
    Pecas de fita de eos, estreitas, com 10 varas, a
    320 rs.
    Novellos de linha branca do gaz a 30 rs.
    Carreteis de linha de cores muilo fortes a 20 rs.
    Cartdes o caixas de clcheles francezes a 10 rs.
    Uotoaduras brancas o de cores para cohetes a
    120 rs.
    Frascos de banha, pechincha, a 240 rs.
    Donis para meninos, fazenda lina, a 2?5-
    Caixas preparadas para costureirasa IfioOO, 2,5 e
    31000.
    Masaos de grampaa lisas e linas a 30 rs.
    Caixas de palitos do gaz e de cera finos a 20 rs.
    Duzia de lacas e garlos de 1 bolao superiores a i
    sjoao.
    Duzia ile ditas e dilos de 2 bolocs linissimos a
    aoa }
    GrotBS de palitos do gaz a 25200.
    rea preta muito lina a 100 rs.
    Qaixas do rap com espclho a loo rs.
    l'ede-se toda alieiicao.
    Custodio Jos Alves Cuimaraes, dono da loja in-
    titulada Gallo Vigilante, rua do Crespo n. 7, avisa
    aos seos numerosos frognezes o ao respeitavel pu-
    blico, qae tendjode reformar no flm de&te anno sen
    estaheleeinienlo, e querendo iipudar grande quan-
    tidade de diversos objectM, estroaomdoa vender
    tudo por precos baralissimos, como sejam :
    Pecas cuto IS varas de franjas de liuho a 3.
    Hilas com U varas de palaode linho a 3.
    Laa sortida para bordar, libra a 4.
    Froco i e cores sonidos, peca a 160 rs.
    Manguitos para sehhora, o par 800 rs.
    Golinhiis de bonitos goslosa 400, 500 e 1.
    Salvas de metal principe a l^.'iOO, 25 c _5C0.
    Ditas com copos de metal proprio para meninos a
    15200.
    Facas e garfos para sobre-mesa a 45 a duzia.
    Hilas e ditos dila com cabo de inailini a 5.
    Bandcjr.s de lodos os taamos muilo finas a 15,
    1520), 1400, 15600, 25f.OO, 35o00 e 5.
    Ditas redondas para copo de 500 rs. para 25800.
    Tesouras em carleiras, a
    800 rs.
    I'eitos para camisas, a duzia a 25.
    Cainisirihas bordadas para senhora a 15500 e
    Caixas com phosphoros de seguranca a 160 rs.
    Cadernos do papel branco e azul a 20 ra.
    Pacote de |iapel amizado a 600 rs.
    Caixas com 100 auvclopcs muito superiores a
    800 rs.
    Cadernos de papel dc cores, grande e pequeo, a
    40 rs.
    Silabarios portuguezes com calungas de todas as
    qualidadesa320 rs.
    Graxa em latas muito nova a 100 rs.
    Cartas c taboadas para meninos a 60 rs.
    Caixas com superiores iscas para charuto a 40 rs.
    Carreteis de linha de cores com 200 jardas a 60 rs.
    , Ilaralhos muito finos para rotrete a 280 rs.
    | Rodinhas com alfinetes francezes a 20 rs.
    Cartas de alfineles francezes finos a 40 rs.
    i Caivetes de cabo do madreperola de duas folhas
    a 500 rs,
    j I.uvas brancas de algodao finas a 80 rs.
    ; Miadas de linha frxa para bordar a 60 rs.
    0 Perfume da Moda.
    hM&Jf

    ifJ800 a caad
    Presuntos inglezes para fiambre, de superior (enebra de Hollanda a 500 rs. o frasco e
    qualidade, chegados neste ultimo vapor, a | 55800 a Irasqaeira.
    7_0 rs. a libra. Caixinhas com ameixas francezas, ornadas
    Queijos llamengos chegados neste ultimo com ricas estampas na caixa exterior.
    vapor a _(5t'.tK).
    Queijoprato muilo fresco e novo a GiOrs.
    a bina.
    Castanhas muito novas a l_0 rs. a libra e
    e 3(5000 a arroba.
    Cha uxin o meihor que ha neste genero,
    mandado vir de conta propria a 25800
    rs. a libia.
    2 libras a 600 rs a libra.
    Cha hyson mu.to superior a 2 0 rs. a li- Fruct3S m callla d3S mt;|hores (]|ialili3ues
    que ha em Portugal em latas hermtica-
    mente lacradas a 800 rs.
    Salmo em latas, preparado pela 0jva arte
    de co/inha, a 800 is.
    Maca Je tomates em latas de I libra a C00
    ris.
    Ohoimcase paiosem latas de 8 enieia libra
    muito proprias para mimo, a !:}_() 1^500 l0r 7^.
    e 2(5. Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra e
    Frasco de vidro com tampa do mesmo, con- 8<">00 a arroba,
    tendo meia libra de ameixas francezas, a Bolaxinha ingleza a 320 rs a libra e 4 a
    1,5200. barrica.
    Marmelada imperial, dos melhores conser- Sag muito novo a 240 rs. a libra,
    veiros de Lisboa, em latas de I e meia a Cevad llha de *ranCa a 2W) r:! a l,,,ra-
    Peras seccas muito novas a GiO rs. a libra.
    Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
    Amendoas de casca mi
    AGUA FLORIDA
    De Munav & LanniuiL
    Este raro qofto doliendo perfume
    quasi qno incrtingnivel o Ioeheio iuimo6a fragrancia o fresi:iir^_bino o
    delicado ebeiro das proprias, verdecen-
    tes flores. Durante <>s me_es caloren-
    toa do verSo o sen nao torna-ee iminen-
    temente aprazivel u deaejaveJ em con-
    sequetui:; da uflueneia refrigirante c
    sunve que ella produz sobre a pello;
    ena quanto que azada no banho ella
    imparte o corpo lnguido e etUapado
    urna certa elasiicidade de vigor e forca
    /'/'i imjkirte tran*p4uvncia atftigdet,
    e riiit'ir,:pannotf sania*'- herioejas di
    vire a pette.
    0 TOSCO OKEm DE KEMP
    PARA OS CABELLOS,
    ama preparacao admiravel para lim-
    par, afbrmoeear, conservar e restabelc-
    ccr os cabellos.
    venda as boticas de Caors A Barboza,
    rua da Cruz, e Joao da C. Bravo & C, rua
    da Madre de Dos.
    bra ; cha hyson proprio para negocio a
    i5500 rs. a libra.
    Cha preto milito superior a 2:5 a libra.
    Biscoulos ingiezes em latas com diferenles
    qualidades, como sejam crakbel, victoria,
    piquelez, soda, captain, seed, bornez e Avelaas muito novas a 200 rs a libra.
    outras minias marcas a lo.ioO. ...
    Bolachinha de soda em latas grandes a 23. Am"doas onfe.tadas de diven
    Figos em caixinhas hermticamente lacra- rs-a ll,,ra-
    das, muito proprias para mimo a 1500. Macaase peras chapadas neste ultimo vapor,
    Caixinhas de i e 8 libras de ligos de coma- r rau,t0 Prrf1,iis- Sl> f v,sla se faz, rreco.
    dre a I $ e 23 cada urna. Conservas inglesas em frascos grandes a 3 00
    Passas muito novas, chegadas neste ultimo rs- ca"a um-
    vapor a iOO rs. a libra e U um quarto ; Ervilhas francezas e porluguezas em latas de
    e em caixa se faz abatimento. j libra a 640 rs.
    Ameixas francezas em latas de meia a 3 li-!Ervilhas seccas muito novas a IGO rs. a
    bras a 800 rs. | llbra-
    Champagne da marca mais superior que! Chocolate francez o que ha dc melhor neste
    tem vindo aonosso mercado a IS^ogigoJ *rt> Ka ,f,1a ,,,ra- ...
    garante-se a superior qualidade. I Chocolate hespanbol a 13200 a hbra.
    Vinho Bordeaux das melhores qualidades Genebra de laranja em frascos grandes a I.
    que se pode desejar de 70300 a 83000 a, Cerveja branca e preta das melhores marcas
    Farinba do Maranbao a 120 rs. a libra.
    Aramia verdadeira a 320 rs. a libra.
    Cevada a 120 rs. a libra e 03 a arroba.
    caixa e ''-20 a80O rs a garrafa.
    Caixas com vinho do Porto superior de 96
    Alpislaa 160 rs. a libra e _|_00a arre*.
    Hlala; muilo novas em gigos Com 40 libras
    por 13 e a 40 rs. a libra,
    i 400 rs.a libra. Cebollas a 13 o molho com mais de 100 ca-
    da um.
    Caf lavado de primeira qualidade a 3i0rs.
    a libra e 93 a arroba.
    Caf dD Cear muito superior a 280 rs. a li-
    bra e 8->i00 a arroba.
    Caf do Bio, proprio para negocio, a 85.
    Arroz do Maranbao a 100 rs. a libra e*VS O
    a arroba.
    Arroz de Java a 80 rs. a libra c 2400 a
    arroba.
    Vellas de spermaceti a 560 rs. a libra e
    540 rs. se for em caixa.
    Vellas de carnauba refinada a 320 rs. o mas-
    so e a i),S a ai roba.
    Doce de goiaha a 640 rs. o caiv
    Hacarrio, talbarim e aletria a 4t' rs. a li-
    bra ; em caixa se faz abatnenlo.
    Eslrellinha.pevide earroz demat -opa
    a 400 rs. a libra e 23 a caixa rom 0
    que haiiomeicado a 500 rs a garrafa e v
    55800 a duzia.
    a 10 a duzia, e 90Oa!a garrafa; destej Cognac inglez de superior qualidade a 800 pan^e'deVirr.x'ados com flor a _0
    genero ha grande porgane de differentesj e l(5_nuagrrala. Q niass0j ^ |xaJos!em fl,-,r ,,,,, IS
    marcas acreditadas que j se venderara Licores francezes das seguintes qualidades: omassocom20 maatinl
    por 149e 153 a caixa, como sejam: Duque j Anizete de Bordeaux, Plaisir des Dames Gomma de engommar muito fina a 80rs. a
    do Porto, Lagrimas do Douro, D. Luiz,' e de outras muilas marcas a 13 a garrafa |ra
    Cambes, Madeira secco, Carcavellos, Nec- e 103 a caixa.
    itar de 1833, Duque Genuino. Marrasquino de Zara a 800 rs. a garrafa e
    Vinho de pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a W a duzia.
    "MOO, 480 e 560 rs.a. garrafa, e 33, 33200 Mostarda ingleza em potes j preparada a
    33500 a caada. 400 rs.
    Vhho branco de superior qualidade, vindo Moslarda ingleza emp, em frascos grandes,
    ' j engar-afado a 640 rs. a garrafa e a 500 a 13 cada um.
    rs. de barril. Sal refinado a 500 rs. o pote.
    Banha de porco refinada a 4H0 rs. a i ra e
    400 rs. em barril pequeo.
    Charutos dos melhores fabricantes de S. F-
    lix, em caixas Inleiras ou un unas, da)
    1*600, 23e33.
    Presuntos do reino, vindos de con la propria
    ile 'asa pafliailar.a 400 rs. a libra
    rose faz abatimento.
    Os scnliores que comprarem de 1003000 para cima, tero o descont de 5 por cento, pelo prompto pagamento.

    Duartc A- C, receberam de sua propria enconxmenda pelo brigue
    Fohnda, chegado ltimamente de Lisboa os seguintes gneros lodos de pri-
    meira qualidade por screm escolbidos pelo Sr. Duarto cfaefe de nossa casa
    ltimamente chegado daquella [iraca.


    ptima a< ifiiisiv-io de vs-
    tabelecliuento.
    Vende-se a loja de ferragens da rua da Cadeia
    do Recite n. 6i, rom pequeo fundo e anda bem
    sorlidti, lano de ferrageni como de miudezas, as
    quaes eslo em liom csiado, vende-se h> rom as
    mercaderas, e garante-se o arreiid-mento da casa;
    propria para algum principiante, nao s por ter
    pouco fundo como por estar j afreguezada c ser
    urna das lojas mais bem loC-iisadas desta cidade :
    os pretendenles podem dirigir-se mtsma loja,
    nao s para examinaren] o balinro como o estado
    das mereadorias.
    A Henea o hqmdaeo.
    Na rua Imperial defronte do rhafariz n. 30, ven-
    !dem-separa acabar as Kguintes mereadorias, pe-
    e los preeM abaixo declarados, os quaes nierecera
    alguma alten^o : ocias eruas para homem, duzia
    a l^'OO, dita' para senhora a 2(J_O0, niarro<|uim
    surtido, duzia a 16V3, bezerro a 3C50O0, cartas por-
    Uiapeiinas* para senhora a 3#. I logueras Anas a l*W00, ditas francezas a 25800,
    Uilas para menina a __ I sa|iatos de tranca escoce.es a 1*800, pentes para
    (.hapeo/.inlio para meninas de escola ou passeio a. alar cabello em masso a 1_GC0, ditos em caixinba
    i e 3$. -'800, escovas muito finas para roupa a 65 a
    Plores francezas, caixos grandes, a COO rs. duiia, chapeos pintados sonidos a 1-5 a duzia,
    Luvas de seda com pequeo toque de moto a 300 ditos muito linos a 205, facas c garfos, ditas de
    rs. o par. poma, bot5es para rollete e calca, perfumara, gaz,
    Toucas Je laa para meninos a oOO rs., filo a uOO e |jn|ia do gaz, colcbetes, e muilas mais cousas que
    600 rs., de seda a 800 rs. u MR. |0rn;l rnfadouho estar apresenlando : as
    Sapatmhos de merino a 800 rs., e de laa a 500 rs. pessoas que precisarem appareram, que farao ne-
    Holsinhas de missauga para meninas de escola a I g0(.0 vjsl0 a vontade qne o dono tem de acabar.
    800 rs. ----------
    Roldes iiourados para punho a 200 rs. o par.
    Tinteiros de metal a 320 rs.
    Trancelins para relogio a 100 rs.
    Ditos de lita cbamalote a 200 rs.
    Escriviininlias de metal a 35500.
    Collien s de metal para cha a 200 rs. a duzia.
    Ditas de dito para sopa a 25 a duzia.
    BotSes de (luraquepretos a 400 rs. agroza.
    Carlas hespanholas para jogos a 15200 a duzia.
    Castceles brancos e amarcllos de metal a 15-
    Carleiras para tlgibalra a 5C0, 600, 800 e 15-
    Saljoneles muilo linos a 45200,15600 o 25 a duzia.
    Fivelas para calca a 300 rs. a duzia.
    Botdes de ac para calca a 320 a groza.
    Caixinhas rom allineteSj'grampus e clcheles a 320,
    400 e 500 rs.
    Filas de borracha pretas e de cor a 120 e 160 rs.
    a vara,
    batas com dons massos de ugulhas por 800 rs.
    Ditas para sinleiro a 300 c 400 rs. a vara.
    Caixinhas para costura de senhora a 15500,25.
    3,4, ScW.
    Compotriras de vidro com pratos de metal a 35 e
    45000.
    Franja de laa para debrunhar tapetes a 25 a peca.
    I'.ililus de fogo, prova d'agua, a 15 a groza ou 120
    rs. a duzia.
    Assim como tem grande sorlimento de muitos
    mais otijectos que se lornarii enfadonho mencio-
    na-los, 'qne tudo se vender muito barato nara li-
    Suidar: na ruado Crespo n 7, e rua do Impera-
    orn. 50, junto ao passo, c tasa da liquidacao.

    | Sen /ores lu ma> Na rua Imperial n. 35 vende-se marroquim a
    165 a duzia, tilas de laa sortida* a 160 rs. a per;a,
    bezerro idem idem a 365 a duzia.
    I >L llrNlh
    Vendem-se barris com cal des-
    ta procedencia, cm pedra, chega-
    da boje, e nica nova, qne ha no
    mercado, na rua do Trapichen.
    13, armazein dc llanoel Teixel-
    ra iBa.sio.
    FAZEMIVS
    baratas para acabar.
    Sedas do quadros e de lisiras a 320 rs. o cova-
    do, lindas laas de quailrinlios a 360 o covado, su-
    pariorM cassas de cores a 200 rs. o covado, ditas
    muito linas a 240 o covado : na loja das columnas.
    na rua do Crespn. 13, de Antonio Concia de Vas
    concollos & C.___________________________
    Kua da Senzalla Nova n. 42.
    Neste estabi'li'riu tent vendem-se: tachas d-
    ferro coado libra a i 10 rs., idem de Lo*
    Moor libra a 120 rs.
    Ven adeiro vinho collares emancore-
    retas de 9 caadas a 30,00 e 800
    rs. a garrafa.
    fe) Vinho branco B A Filhos, em harria de
    quinto a 00,000 o 500 tf. a gar-
    rafa.
    Vinagre P B R, em amoratas de 9 ca-
    adas a 18,000 c 2,000 rs. a ca-
    ada.
    l'ass is em caixas, mt as e quarlas a
    8,000 4.000 0 2,001, a 480 a libra.
    tH Peras seceos em cai> as dc quatro li-
    bras o melhor (juc se pode desejar
    a 2,500, e 040 rs. a libra.
    i'/jr Caix nhas de 4 libras e 2 com ameixas
    \ a 1.500 e 2,500 rs. a caixinha.
    |g| Chin oale poiluguez, o melhor que
    pi e haver de eom neste genero a
    i.OOO.rs. a libra.
    ,/,,, .Marmelada propriamenle dito de mar-
    iffe mello, a (iiti rs. a lata e em caixas
    de 100 latas a 00 rs.
    Maca de tomates a mns nova que se
    9|?* pode desejar a GiO rs. a lata c em
    $Wg caixa de 100 libras a 000 rs.
    i^ Ervilha portuguesa a 700 rs. a lata,
    e cm caixa de 100 libras a 640 rs.
    Passas corinthias para pudim a 040
    rs, a libras, e 100 rs. comprando de
    arroba para cima.
    Nozes as msis novas que se pdi de-
    sejar a 100 rs. a libra, e comprando N\/
    em barricas a 1,500 re. a arroba.
    Sebollas em caixas as mais novas do
    mercado a 0,500 rs. a caixa, 800
    rs. o molho, c a 040 rs. o cento.
    Batatas em caixas di' arrobas muito i
    novas e grandes a 2.400 rs. a caixa. ;^|
    Bext.nbascom figos proprias para mi-
    mos de crianeas a 00 rs. cada urna

    4GENCI
    M
    FNDICiO DE LOW-MOOH.
    lina da Senzalla iimj n. __,
    Neste estabelecimento contina a haver
    um completo sortimento di i >'as
    moendas para engenho, maehfa por
    e tachas de Ierro balido e coado. de todos o
    tamanhos para ditos.
    Arados americanos e maihmas
    lavar roupa: em casa de S. P. Johnston S
    rua da Senzalla Nova n. 42.
    F\UMI\
    Sarros com farinha nova e iirual a '! Moril
    a'-Vil O'- no armazein da aurora br__U_
    la Cruz n. 84.
    Venda lie urna hyyothrc*.
    Os lii|uiila(ai'ios da massa fa'i'da *!e
    e comprando em duzia ter grande >gj>:Jos Antomo llaslo \ehdem a h}pone-
    ra que lem nos PUiteulios )l. lio Gr
    abatimento. $?/
    Erva doce muito novas a 500 rs. a li- ^Q
    bra, e compVando em arroba a y'il
    10,000 rs. ->-:
    Corninhos muito novos a 400 rs. a li- /
    bra e 10,002 a arroba.
    Li
    ac
    rafa e tu a ix,uwa uuza, as ijiiu- ^g
    dadi's sao as seguintes : creme de y.
    violetas, geroflez, rosa, absintho, ves- -\-
    pciro. amor per .Vilo, amendoa amar- \
    ga, percicot deturin. bptefin, moran-
    gos. limao, caf, laranja, cidra, "in-
    ga, canella, cravo, ortelaa. pimenta
    e outros muitos de qualidades menos
    superior que serao vendidos por pro-
    cos em relacao as suas qualida-
    Dra c l.utiz a tirona.
    cres portugue/.es das marcas mais
    acreditadas de Lisboa a 1,000 agar-
    rafa c 10 a 12,000 a duzia, as quali- *&


    des.
    Os proprietarios afiaacam que estes gneros sao muito novos e ludo .
    de primeira qualidade, todo isto se vende nicamente no armazem Unio e
    Commercio na rua do Queimado n. 7, e largo do Carmo n. 9 armazem pro-
    gressivo.
    Queijos
    do alemlejo, das ilhas e llamengos, todos chegados neste ultimo vapor, a g^
    2,500 os Damengos e 8(io ris a libra do alemtejo e das ilhas, unicamen- <^
    te no armazem Uniin e Commercio, rua do Queimodo i. 7 e largo do Car- "//$
    mo armazem progressivo, K^
    GRANGEIASkNTIBLENNORRHAGICAS ()E DUNAND
    ex INI oo HOSR ooi VENREOS de PARS H PREMI01854
    Superiores a to.i
    Bffeito segn e pr
    is as prep.'tracOes ronhecidas al hj contra ns Oonoirtaa_ e Ble^.norrhagtas s nviis Intensas ( rebeldes.'
    impto. DMNUMn clicas, era iremor. Faccis a tonar em se* tda ttaj tisana.
    Injecgo curativa e preservativa
    Infa)Uvl, 111ra com rnpil.'z rm dores 03 escorrimentos coniapions d ambos sexos. riores brancas. Adslringenla a
    Wlsamicaim silllIMi. fnQlIri os legumcnloaa os preserva de qualquer alteraco. PARS, i, rae rf Harche-St-nmort:
    Deposito geral em Pernambuco rua da Cruz n. 22 em casa de Caros & Barboza
    C'nl le I.sli.i>;t
    I Em casa dc Mills I.alham & C, na rua J-
    . Cruz ii.ms, rende-M terro galTanisado d um ii";>
    chepada ulliinamente *, na rua do Vigario n. 19, melhores fabricantes inglczcs, proprio para coberf
    primeiro antar. tas de casas. r
    eCajaboss no 'orino de Serinhaem no
    valor dc 3t:335Sdl1 n.; Iratar i i
    casas a rua do irniiirhfii. 3 i._______
    _ l>FP no
    dc rap riaceN (iasse, iln RW df Ja-
    neiro, na rtM da iru/. n. 18, e-nip-
    loio ile J' s .InaqiiiD Lima Ra
    Arh.f-8<3 o depolo sapprid
    meiocrosso c lino, assim comu de Paniu Cnrd*iro ;
    nos nllimos vapores ricram wi
    nadas, as qnacs se faiem rccoinnii-inbr Mi scM
    a|irecidores.______________________
    Vende-se a taberna da i
    junto a pad-ria, mao bem atrcfiia "u-
    eos fundos propria para quem njoer prinripiar,a
    localidade a mellior |iossivel, a dinheiro a "i i
    se faz todo o negocio, ou mesmo i '.y
    rantido: quem pretender, dirija-se i.
    ('.armo n. i, que a. liara coa qoeV Iratar. H a lia-
    tai" na mesma. _______________________
    Vende-se uincylindrn usado : a i.-idiria .la
    rua Real du Manguinhon. 38, t n i mesa i i re-
    cisa alugar um preto : qoem iiv.r. (irij.i-se a
    mesma.
    ara quem quizer pnin-ipiar.
    Vende-se aluja de miudezas -
    perial n. 35, com ponfos fondos e l em
    pnr presos bastante favoraveis ao n i-ra
    mais a sen favor a loja lerarm
    obrgado o eompradoc Bear rom Hj
    ao alugael eommode ; o dono mi
    qae tem a secnir outra c.irrem.
    Vende-se o eneenho s. v .
    goezin do Rio Pormoto, margen do
    D__eni,o qnal demarea com os
    ra, Ghaagoa e Gamelleira, i
    .o eiro, lem caparidade para
    aonoaes, e se aeha quasi todo em mal.
    distamtodo embarae Irl legos: qnem p<
    dirija v a rua do VigaiM B. o, t\i'x adiara coa
    quem tratar.
    _W. SE.
    RP!
    Vcndo-se a YcHai' ira ffffl n. \)7
    emjltanicas: na iM do Iraairhc n. !.',
    esn-iplorio dc tdaarJo l-'eatou.


    Diarlo de Pernanifonco ttnbbndo 16 de Janeiro de 1S ALA
    GRANDE
    PECHINCHA
    KO
    57 RA DO IMPERADOR 57
    Najbeni conhecida loja que foi do Sr. Eelix alfaiate.
    Paulo Ferrelra da Silva pioprietario deste novo estabelecimento, tendo
    chegido da Europa, aonde escolheu um gnnde e vanado sortimento de molhades, tem
    a honra de os expor ao respeitavel publico desta cidadc pelos mais resumidos precos.
    Em tao ptima occasio, por estarme s prestes a testa de Natal, o proprietario do
    grande armazem Allianra offerece aos seus amigos e freguezes que o conhecem desde
    quanlo foi socio dos armazens Progressivo e Progresista as maiores vantagens ero com-
    rarem em seu armazem.
    Hoje de novo establecido mais precisa da concurrencia de todos estes senhores
    ao seu estabelecimento. certos de que esta casa jamis deixarao de ser cumpridas as
    grandes vantagens por ella offerecidas.
    ARMAZEM
    UNIO
    -:
    COMMERCIO.

    Manteiga ingleza a mais superior neste ge-
    nero a 800 rs. a libra, e comprando de 8
    libias para cima a 72o rs., esta a mais Idem mu|0 superior a ,,000 rs. a garrafa.
    Cognac de superior qualidade a 800 rs. a gar-
    rafa.
    superior que pode haver, tambem ha mais
    baixas para menos precos.
    dem franco/a mnito nova a 600 rs. a libra
    e 56o rs. em barris ou meios.
    Peras sectas muito novas a 48o rs. a libra.
    Cha perola de especial qualidade a 2,8oo rs.
    a libra.
    Idum hysson muito superior a 2,7oo rs. a
    libra.
    dem uxim a 2,5oe rs. a libra.
    dem hysson a 2,3eo rs. a libra.
    dem idem a 2,000 rs. a libra.
    Id^m preto de qualidade muito especial a
    5,00 rs. a libra.
    dem idem inferior a l,6oo rs. a libra.
    Chocolate francez, hespanhol e portuguez, a
    9oo e l,2oo rs. a libra.
    Charutos dos melhores fabricantes da Babia
    e de qualidades especialmente escolhidos,
    de 2,ooo a 4,5oo rs. a caixa.
    Farinha do Maranhao muito alva a 14o rs. a
    libra.
    ld*m de araruta verdadeira a 4oo rs. a libra.
    Vinho do Alto Honro engarrafado, e os mais
    bem escolhidos, lagrimas do Douro, D. Pe-
    dro V, D. Luiz I. Baque genuino, Nctar
    superior, Malvasia fina, Bastardo, eoutros
    a ll.ono e 12,000 rs. aduziae l,ooo rs.
    a garrafa.
    ld;m Cherry e Madeira a 1,5oo rs. a garra-
    fa e l,ooo rs. a duzia.
    Iil MB Bordeaux de diversas marcas de 8,000
    a lo.ooo a duzia e 800 rs. garrafa.
    Bolaxinbas americanas a 4,000 rs. a barrica.
    a 3oo rs. a libra.
    Balitas muito novas a l.ooors. o gigo, e 60
    rs. a libra.
    Banha de porco refinada a 44o rs. a libra o
    em barril a 4oo rs.
    Viaflo em piqa de Lisboa, e Figueira, de 3,ooo
    a 4,000 rs. a caada, e 5oo rs. a garrafa.
    dem de Lisboa em ancoretas de 8 a 9 cana-
    das por 27,ooo rs.
    Idarn do Porto muito especial a 5,5oo rs. a
    caada e 72o rs. a garrafa.
    I Jim em garrafoes com 4 ''_> garrafas por
    2,5oo rs. como garrafao.
    Vinagre de Lisboa muito superior a 2,ooo
    rs. a caada.
    Idem mais baixo a 1,5o rs. a caada, e 2oo
    rs. a garrafa.
    Uem em garrafoes com 4 r/i garrafas por
    l,2o3 rs. com o garrafao.
    Ara<'ixa*francezas em ixinhas com ricas
    as Lupas no exterior de l,2oo a 2,ooo rs.
    cada urna.
    dem em frasco de vidro de diversos tama-
    nlos a l.iwo e 2,5oo rs.
    dem era latas de 1 1/2 e 3 libras a l,3oo e
    2,3oc rs. cada urna, e a 800 rs. a libra.
    Fi;;os de comadre em caixiahas de 4, 8 e 1G
    iibrrs a l,3oo, 2,5oe e 5,ooo rs. cada
    urna caixa.
    dem an caixinhas de folha a 32o rs.
    hk-rn em caixas grandes a 2oo rs. a libra.
    dem em latas ermetimente lacradas de l,6oo
    a 3,000 rs.
    Arroz da India e Maranhao a 80, 100 e lio
    rs. a libra, e 2,5oo e 2,8oo rs. a arroba.
    Amendoag de casca mole murro novas a 4oo
    rs. a libra.
    Ceblas novas a i,2oo rs. os moihos gran-
    des e a 1,000 rs. ocento.
    Alpista a 1 te rs. a libra e 4,6qo rs. a arroba.
    Mi sarria, lall arira e aletria muito nova a
    ioo t 48o rs. a libra.
    Biscottos e bolacbfnhaa inglesas as altimas
    1 nosso mercado a 4,ioo e
    ,4oo rs. cada lata.
    Caf a 28o e 32o rs. a libra, e a 8,000 e
    9,000 rs. a arroba.
    Cerveja das melhores marcas do nosso mer-
    cado de 5,ooo a G.ooo rs. a duzia, e 5oo
    rs. a garrafa.
    Consenas inglezas a 75o rs. o frasco e8,600
    rs. a duzia.
    Doce em calda a 64o rs. a lata.
    Ervilbas francezas muito novas a 64o rs.
    dem portuguezas a 72o rs. a lata.
    Idemseccas a2oo rs. a libra.
    Bassouras do Porto com arcos de ferro a 32o
    rs. cada urna.
    Vellas de espermacete da melhor qualidade
    a 600 rs. o maco.
    dem de carnauba e composico a 32o e 36o
    rs. a libra e 10,000 rs. a arroba.
    lijlo para I impar facas a lio rs. cada um.
    Toucinho de Lisboa c Santos a 320 rs. a
    libra.
    Sevada muito nova a loo rs. a libra.
    Peixe em latas grandes, savel, pescada, cor-
    vina, e outras qualidades a l,ooo rs. cada
    lata.
    Passas muito novas a lo,ooo rs. a caixa c
    5oo rs. a libra.
    Palitos lixados para dentes a 14o rs. o maco,
    dem de flor a 2oo rs. o maco.
    Presunto para fiambre inglezes e americanos
    a 85o rs. a libra.
    dem do Porto a 48o rs. a libra.
    (lueijo prato a 64o rs. a libra.
    Idem flamengo viudos no ultimo vapor a
    2,5oo rs.
    Saivlinhas de Nantes muito novas a 32o rs.
    a lata.
    Sag muito novo a 2oo rs. a libra.
    dem muito superior a 28o rs. a libra.
    Sabo ma^a de diversas qualidades a2oo e
    24o rs. a libra.
    Mena inferior de 12o a 18o rs. a libra.
    Genehra de Hollanda em frasqueiras a 0,5oo
    ris.
    dem hamburgueza em frasqueiros a 5,8oo
    ris.
    I'lem de Hollanda em garrafoes grandes a
    5,5oo rs cada um.
    I lem em botija a 4oo rs. cada urna.
    C arrafoes vasios de diversos tamanhos a 5oo,
    64o e 1.2oo rs
    Gomraa do Aracaty a 80 rs. alibra muito afra
    Graixa a loo rs. a lata, e l,2oo rs. a duzia.
    Licores finos francesas em garrafas e frascos
    de diversos tamanhos de 600 a 800 rs. ca-
    da um.
    Marmelada imperial de todos os conserveiros
    de Lisboa a 600 e 7oo rs. a libra.
    .Massa de tomate muito nova a 64o rs. a li-
    bra.
    Marrasquino de Zara a 610 rs. o frasco,
    It em em frascos grandes a 800 rs.
    Cominhos rauito novos a 5oo rs. a libra.
    Ei va-doce a 24o rs. a libra.
    Pimenta a 36o rs. a libra.
    Ciavo da India a 64o rs. a libra.
    C;nnellaa I,loors. a libra.
    Alfazema a 2oo rs. a libra.
    Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs. o
    fraco.
    Copos finos para agoa a 5,ooo rs. a duzia.
    Chouricasnovas a 72o rs. alibra. .
    Mcstarda franceza preparada e muito nova
    a 32o rs. cada um fraseo.
    tic nservas francezas de s iperlor qualidade a
    640 rs, o frasco e 7,ooo rs. a duzia.
    A?eite doce a 6io rs. a garrafa.
    O LARGO DA PJGNHA 10
    Francisco Peraandes Diiarte dono deste muito acreditado armazem
    de molhados, acaba de receher neste- ultimo vapor os mu desejados ger eros escolhidos
    por elle na Europa, todos muito propries para a festa os quaes est resulvido a vender por
    precos baratissimos como verao pela seguinte tabella, e mesmo pede a todos os Srs. da
    praca, de engenhe e lavradores para que mandem suas relaces para serem despachadas
    no armazem do Progresso do largo da Penha n. 10, afim de veren a grande vantagem
    que tiram, tanto na superioridade dos gneros como nos precos asss resumidos,
    os Srs. que nao poderem vir podero mandar-seus portadores anda que nao tenham pra.
    i tica, que sero tao bem servidos como se'viessem pessoalmente.
    O interesse que tira o proprietario deste acreditado armazem, j deve ser bem co-
    nbecido pelos seus numerozos freguezes, pois simplesmente consiste em servir bem e ga-
    nhar pouco, afim de conseguir a continuaeo daquellas pessoas, qne a primeira vez se dig-
    narem honrar o seu estabelecimento.
    'Queijos flamengos chegados neste ultimo
    vapor a 2,oeo rs.
    dem do vapor passado a l,8oo rs.
    dem prate muito novos e de superior qua-
    lidade a 4oo rs. inteiro, e a 5oo rs. a
    libra.
    Doce de goiaba fino em caixes com 2 3
    libras por 600 rs.
    dem mais baixo a 54o rs.
    Manteiga ingleza flor a mais superior do
    mercado a 72o rs. a libra.
    dem de segunda qualidade a 64o rs. a libra.
    Manteiga franceza de primeira qualidade a
    56o rs. a libra, e 52o rs. em barris ou
    meios.
    Cha perola neste genero nao ha nada a de-
    sojar, c de especial qualidade, mandado
    vir de cunta propria a 2,8oo rs. a libra.
    dem huxim o melhor do mercado a 2,6ao
    rs. a libra.
    dem de segunda qualidade a 2,ooo rs. a
    libra.
    dem hysson muito superior a 2,5oo rs. a li-
    bra.
    dem preto hemeopathico muito fino a2,ooo
    rs. a libra. '
    Bolachinaa de soda e lunch em latas grasdes, Sevadinha de Franca muito nova a 2oa rs. a
    k 2,000 rs. cada lata. I libra.
    ATTENCO.
    Neste grande armazem de mollmlos vende-se om grandes poreoes e a retalho,
    fazendo s-3 difcrensa coniKl-jravcl a qui*m comprar de 1003 pira cima.
    Sevadinlia de Franca a 2oo rs. a libra
    Sevada muito nova a loo rs. a libra.
    Cominhos, crvadoce e pimenta do reino a
    36o rs. a libra.
    Genebra de Hollanda a 5,5oo rs. a frasquei-
    ra com 12 frascos, e a retalho a 5oo rs.
    cada um.
    dem em botija hamburgueza a 4oo rs.
    Genebra de laranja a l.ooo rs. os frascos
    grandes.
    Vinho de caj o melhor que lia no mercado
    a l.ooo rs. agarrafa.
    Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groza e 2o rs.
    a caixinha.
    dem de dentes lixados a 16o rs. o maco com
    2o macinhos.
    Ervilbas seccas chegadas neste ultimo navio
    a 16o rs. a libra, e em porfo se faz aba-
    timento.
    Banha de porco refinada a 48o rs. a libra e
    42o rs. em barril.
    Vinho brando de superior quahdade proprio
    para njfca a 64o rs. a garrafa.
    Ameixas francezas em caixiahas clesantc-
    a
    Bolachinha de soda chegada neste ultra* menle enfeiUldas cum ricas'estampas
    navio a l,3.>o rs. a lata, deste genero I, 2 ^ e 2 fg cada uma
    grande porcao e de dilferentes maioas. 1
    que se vendem todas pelo mesmo prectr* I(]cm francczas f d ,
    vontade dos compradores. pa ^ mesmo conlendo { ^ ,jbra a f ^
    lem em latas grandes a 2,oeo rs.
    rs. s o frasco val quase o dinheiro.
    dem propria para lanche em latas grandes dem em latas de 2 libras por l,4oo rs.
    a l,9oo rs. a retalho, e a 800 rs. a libra.
    Marmelada imperial dos melhores fabrican- Pl. -_. ., ,
    tes de I isba a 64o rs a libra Fl?os de com;,(1", muito novos em bahuz-
    tes de Lisboa a 040 r. a Hura. n[m mQ[Q propros para mmo a| 28o ps
    Frutas em calda em latas de 1,000 a 5oo rs., .,_ nm M ,, ,
    neste genero ha diversas qualidades a es- Id em ca,sas Para reta,ho a iGo rs- a
    colher. ilDia-
    Champanha superior das marcas mais acre- Passas ,llc cam,,a,a 48 a ,ibra e em
    ditadas a 1,5oo rs. a garrafa e 15,000 rs. ^uart0 am 8 l,bras Pr 2-5o
    o gigo.
    _.. Bolaxiiilias inglezas de superior qualidade a
    Serveja das melhores marcas que vem ao 2)000 r3. a barrica, e a 2oo rs. a libra
    mercado a 3oo rs. a garrafa e a 5,ooo rs.
    a duzia Chocolate francez o melhor que se pode de-
    ,, -I sejar neste genero a l.ooo rs. alibra.
    dem preta superior a 56o rs. a garrafa e a
    5,4oo rs. a duzia. j Macas para sopa estrelinha, pevide, arroz de
    Vinho Bordeaux de difTerentes marcas, e as ma^a a 48 rs- a llDra. e em caixa a 2.000
    melhoys do mercado a 7,ooo, 7,5oo e rs; ^'J3 uma' macarraao, talherim, e ale-
    8,000 a caixa com uma duzia, e em gar-! tria a '* cs- a 'IDra
    rafas a 64o. 7oo e 800 rs., garante-se a Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra
    boa qualidade.
    ...... ------ I Avelans muito novas a 2oo rs. a libra.
    dem t igueira de superior qualidade a 48o
    rs. a garrafa e 3,5oo rs. a caada. Ervilbas francezas muito novas em tatas
    .. t. J grandes a 64o rs.
    dem de Lisboa a 2.800 rs. a caada e 4oo 1
    rs. a garrafa. dem em ditas pequeas a 4oo rs.
    dem do Porto de superior qualidade para M de tomale em |alas d 2 ,b
    mesa a 5i>0 rs. a garrafa, e 4,000 rs. a ca- p}!k0 rs
    nada.
    . Salmo em latas de 1 '/s libra a 800 rs.
    ,dem fino do Alto Douro da colheita de 1833, Lagoslinho em talas grandes a l,4oors"ca-
    cme sejam: Luiz, b eitoria velho, Nec-; da uma 8 '
    tar, Carcavellos e Camoes em caixa de;
    uma duzia a 9,ooo rs. i Sardinhas de Nantes a 36o rs. a lata.
    Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto Cognhac inglez a 800 rs. a garrafa.
    Licor francez das melhores marcas do mer
    a l.ooo rs. a garrafa e lo.ooo rs. a caixa.
    Duque do Porto, Madeira sarco, duque ge-
    nuino, lagrimas doces a Ooo rs. a garra-
    fa e 9,5uo rs. a duzia.
    Garrafoes com vinho do Porto a 2,2oo rs.
    cada um.
    Vinagre de Lisboa de superior qualidade a
    2oo rs. a garrafa e l,2oo rs. a caada.
    Az'ite doce refinado em garrafas grandes a
    80b rs.
    dem de Lisboa a 64o rs. agarrafa, e em
    caada a 4,8oo rs.
    Presuntos inglezes para fiambre a 7oo rs. a
    libra,
    dem de lamego encommenda particular a
    48o rs. a libra, e inteiro se faz abatimento.
    Toucinho do reino o melhor do mercado a
    320 rs. a libra, e em arroba a 9,ooo rs.
    Velas de espermacete de 4, 5, e 6 por libra
    a 560 rs., e em caixa se faz abatimento.
    dem de carnauba refinada a 32o rs. a libra
    e 9,ooo rs. a arroba.
    dem de carnauba pura do Aracaty a 4oo rs.
    a libra e lo,5oo rs. a arroba.
    Gomma muito lina e alva a 80 rs. a libra.
    Araruta verdadera a 32o rs. a libra.
    Farinha do Maranhao muito alva e cheirosa
    a 12o rs. a libra.
    'Sag muito novo 2lo rs. a libra.
    cado a 800 rs. a garrafa.
    Batatas chegadas neste ultimo navio em cai-
    xa com duas arrobas por l,6oo rs., e 4o
    rs. a libra.
    Coneervas inglezas a 75o rs. o frasco.
    Sal refinado em potes a 5oo rs. cada um.
    Mostarda ingle:a a l.ooo rs. o irasco.
    dem franceza a 4oo rs. o pote.
    Milho alpista a 160 rs. a libra e 4,8oo rs. a
    arroba.
    Graixa muito nova em latas grandes a 120
    ris.
    Latas com peixe em posta ermeticamente
    lacradas das melhores qualidades de pei-
    xe que ha em Portugal a l,2oo rs.
    Caf lavado de 1* qualidade a 32o rs., dito
    de 2* a 28o rs. a libra e 8,oo rs a arro-
    ba, dito de 3* a 26o rs. a libra e 7,8oo
    rs. arroba.
    Charutos suspiros dos melhores fabricantes
    de S. Eelix a 2,5oo rs. a caixa com loo
    charutos.
    dem finos de diversos fabricantes a 1,600.
    l,8oo e 2,000 rs. a caixa c^m loo charu-
    Defroote da loja do Prcgnlea.
    DUABTE ALMEIDA
    acaba de abrir o seu grande e sortido armazem de molhados denominado Unt $ Cm-
    memo. Este gninde armazem um dos mais bem montados que temos em nossa praca.
    nao s em limpe e aceio, como as qualidades especiaes de seus gneros. O proprie
    tario do Unio e Commercio offerece todos os senhores da praca, senhores de engenho
    e lavradores a seguinte tabella, por onde verao a grande economa que lhe resulta a
    comprarem em tao til estabeleciment, ananeando o mesmo iodo e quakpier geacro
    sabido de seu armazem.
    cHIinho francez em latas e caixinhas asmis Erva-doce a 5oo rs. a libra.
    delicadas que tem vindo ao nosso merca-1
    do de 7oo a 2,5oo rs. a caixinha. Lhampanna de 20 a 22,ooo o gigo.
    Manteiga ingleza perfeitamente fir. mandada Palitos do gaz a 2,3oo rs a m-oza *
    vir de conta propria, a 7oo a 8on rs. a i;fcB
    libra.
    1 7oo a 800 rs, a! eaixinha;
    Milho alpista a 16o rs. a libra.
    dem franceza chegada pelo ultimo navio a
    56o rs. a libra, e era barril ter abatimen- cmnho muito novo a 400 rs. a libra, e
    to. comprando de 8 libras para cima a 32o rs.
    dem ingleza em potes de 4 a 16 libras a Gomma muito alva para engommar a 80 rs.
    800 rs, a libra e o pote separado, a libra< e em arroba se far abatimento
    Cha uxim o melhor neste genero, mandado ^ ^ "" a 28 re- a ,ibra-
    v,r de conta propria a 2,8oo rs, a libra. Saba0 verdadeiro hespanM ^ ^ ^
    dem hysson, grande, muito bom a 2,6oo rs. Vem a nSS mra> a 28 a .
    a libra.
    Idem preto muRo fino, a 2,6oo rs, a libra.
    dem preto, mais Lauco, a 2,ooo rs, a libra.
    dem, verde, miudinho, mais proprio para
    negocio, a l,5oo rs, a libra.
    Banha de porco refinada muito alva a 46o
    rs, a libra, e em barril se far abatimento.
    Biscoitos inglezes das seguintes marcas;
    Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travellies.
    Lunch, Cabio, e outras muitas marcas, a
    1,4oo rs, a lata.
    Bolachinha de sudo, especial encommenda, a
    2,2oo rs, a lata.
    Biscoito inglez Craknel em latas de 5, 7 e 15
    libras a 5,ooo e 6,000 rs, e de l,2oo a
    800 rs, a libra.
    Queijos do reino pelo baratissimo prego de
    l,6oo, 18oae 3,ooo rs,, os do ultimo
    vapor.
    Idem prato muito fresco a 64o rs, a libra.
    Idem londrino muito fresco a 800 rs, a libra.
    Vinhos em pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
    48o, 56o, e 64o rs, a garrafa, e de 3,000 a
    4,5oo rs, a caada.
    Marmelada imperial dos melhores conservei-
    ros de Lisboa em latas de 1 e mais libras
    a 7oo rs, a libra.
    Peras secaas em caixinhas de 4,ooo a 2,ooo
    rs. cada uma.
    Figos em caixinhas de 1 V* arroba e de 8 li-
    bras a 8,000,4,000, e 2,000 rs, e a 3oo rs.
    a libra, taambem ha serinhas para men
    nos a 60 rs. cada uma.
    Amendoas de casca mole a 36o rs, a libra, e
    em arroba ter abatimento.
    Sardinhas de Nantes a 32o rs, a latinha.
    Toucinho de Lisboa muito novo a 3oo rs,
    libra e em arroba a 9,ooo rs.
    Massa de tomates a 64o rs, a libra.
    Pimenta do reino a 34o rs. a libra,
    Farinha do Maranhao a 14o rs, a libra.
    Ceblas a 800 rs. o inolho, 6io rs. o cont
    e 6,5oo a caixa.
    Tijollo para lunpar facas a 16o rs,
    Cerveja das mais acreditadas marcas de 5,ooo
    a 7,5oo a duzia, e de 5oo a 600 rs, a gar-
    rafa,
    Prezunto para fiambre muito fresco e novo
    a 800 rs. a libra,
    Genebra de laranja a l.ooo rs, o frasco,
    ChoHricas as mais frescas do mercado a 800
    rs. a libra.
    Cognac, verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa.
    e lo,5oo rs. a caixa com uma duzia,

    Licores francezes e portuguezes ie todas as
    marcas de lo.ooo a lo.ooo rs. a duzia.
    Passas muito novas a 5oo rs. a libra e a 8.5oo
    rs. a caixa. Ha caixas, meias e quartos.
    Batatas a l.ooo rs. o gigo com 38 libras e
    2,oeo a caixa com duas arrobas cadauma.
    Bocetas com doces seceos de 3,oeo a 3,5oo
    rs. cada uma.
    Bolachinha ingleza a 32o rs. a libra,
    Azeite francez e portuguez refinado a 800 rs.
    a garrafa, e 9,ooo rs. a caixa com uma du-
    zia.
    Conservas inglezas das seguintes marcas:
    Mixed, Pirkes, e ceblas simples a 800
    rs. o frasco.
    Mostarda ingleza preparada em potes a 4oo
    rs. o pote.
    Nozqs muito novas a 160 rs. a libra e 4,800
    rs. a arroba,
    Vasos inglezes vasios de 4 a 16 libras, muito
    proprios para deposito de manteiga, doce,
    .e outro qualquer liquido, de 1,00o a 3,ooo
    rs. cada um,
    Vinho hranco o melhor neste genero a 800 r.
    a garrafa e 4,3oo rs. a caada.
    dem Bordeaux de difTerentes marcas, garan-
    te-se a qualidade, a 8.000 rs. a caixa unta
    uma duzia, e a 7oo rs. a garrafa.
    Garrafoes com 5 garrafas de vinho do Porto
    do Alto Douro a 2,2oo rs. com o garrafao.
    dem com 5 garrafas de vinho Figueira. mais
    proprio para a nossa estaco por ser mais
    fresco a 2,4oo rs. com o garrafao.
    Idm>m5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
    o garrafao,
    Sabo massa de superior qualidade a 18o.
    2oo, e 22o rs. a libra do melhor qne ha
    Graixa em latas muita nova a 12o rs. a lati-
    nha, u l,3oo rs. a duzia.
    Peixe ero latas muito novo : savel, pescada,
    curvin, salnfto e outras muitas qualidades
    preparados de escahexe, segundo a arte de
    cozmba, de l,2ooa 2,000 rs. a lata.
    dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
    rafado e escolhido pessoalaunu* por um
    dos socios que se acba em Portugal, das
    seguintes marcas : Duque, Genuino, Ve-
    lho sueco especial, Lagrimas Doces de
    1819, vinho especial D. Pedro V, vinho
    velho. Nctar superior de 1833, Duque do
    Porto de 1834, vinho do Porto velho su-
    perior, Madeira Secca de superior quali-
    dade, vinho do Porto superior D. Luiz I
    de 1847, Lagrimas do Douro, especial vi-
    nho do Porto, de l.ooo a i 2oo rs. a gar-
    rafa e de lo.ooo a 12,ooo rs. a caixa com
    uma duzia.
    Vassouros americanas a8oors. cada uma.
    Velas de sperraacete as melhores que ha no
    mercado a 56o e 64o rs. o masso, e em
    caixa se far umjgrande abatimento,
    dem de carnauba e composico, de 4oo a
    32o rs. a libra, e de lo.ooo rs, a H,5oo
    rs. a arroba,
    Caf de e 2a sorte de 8,3oo a 8,600 rs. a
    arroba, e de 28o a 32o rs. a libra do me-
    lhor,
    Arroz da India, Maranhao e Carolina a 3,ooo,
    2,8oo e 2,4oo rs. a arroba e a loo rs a
    libra.
    Frasqueira de genebra a 5,8oo rs. e a 5oo
    rs. o frasco.
    Azeite doce em barril muito fino, a 64o rs.
    a garrafa, e em caada ter abatimento.
    Papel greve pautado e liso a 3,5o rs. a
    resma.
    Genebra de Hollanda era botija de conta a
    44o rs. a botija.
    Passas coriateas a 5oo rs. a libra e !2.8oa
    rs. a arroba,
    E
    ErvHhas franceza e portugueza a 640 rs 1
    lata de uma libra.
    Chocolate francez, hespanhol, suisso e por-
    tuguez a l.ooo rs a libra, e a 28o rs. ca-
    da pao de uma '/t.
    Ameixas francezas em caixinhas elegante-
    mente enfeitadas, com diversas estampas
    no exterior da caixa de 1,500 a 3,ooo rs.
    cada urna; tambem ha frascos e latas de
    differe tes tamanhos que se vendem por
    mdico proco.
    Massas para sopa: macarro, talharim e ale-
    tria a 48o rs. a libra, e em caixa se farir'
    abatimento.
    Garraloes com 14 garrafas de genebra de
    Hollanda a 5,5oo cada um.
    Charutos de todas as marcas e dos melho-
    res fabricantes da Baha de 3,ooo a 4,oo
    rs- a caixa.
    ATTfiV^iiO
    t
    Todos os senhores que comprarem para negocio ou casa paiticular de 1005 para
    tos, 'o preco nao indica a boa qualidade cima terao mais 5 a 10 por / de abatimento; o proprietario scientitica mais que todos
    porm deem-se ao trabalho de virem ou os seus generes sao recebido3 de sua propria encommenda, razio esta para poder va-
    mandarera e verao a realidade. der por muito menos do que em outro qualquer estabelecimento.


    Diarlo de Pernambueo Sabbado le de Janeiro de 18 4.
    r
    i
    t -
    ATTENCAO
    9 LARGO W> CHIMO
    GRANDE SORTIMENTO
    DE
    PARA A FESTA.
    DUARTE & C.
    Partieipam aos seus numerosos freguezes e ao publico em geral (jue acabam de
    receher de sua propria encommenda, o mais lindo e completo sortimento de molhados,
    os quaes vendem por grosso e a retalho por menos 10 por cento do que outro qualqucr
    annunciante, como vero pelaseguinte tabella que abaiv.0 notamos, garantindo os mes-
    mos proprietarios nao s o peso como a qualidade de seus gneros.
    AVISO.
    Todos os senhores que comprarem par negocio ou casa particular de lOOd para
    cima tero mais 5 a 10 por cento de abatiment), os proprietarios scientificam mais que
    lodos os seus gneros s recebidos de sua pro aria encommenda, razo esta para pode
    vender por muito menos do que outro qualqutr estabelecimento.
    ARMAZENS
    DO
    Manteiga ingleza flor a 8oo rs. a /ibra.
    Castanhas muito novas a 2,ooo rs. a caixa, e
    a 16o rs. a libra.
    Bolinho francez e em caixinhas de 7oo a
    l.ioo rs. cada urna,
    dem francesa a mais nova do mercado a 56o
    rs. a libra, e 54o rs. em barril.
    dem de porco refinada muito alva 46o rs.
    a libra.
    Prezunto para fianbre a 8oo rs. a libra.
    Cha uxim miudinho viudo de conta propria,
    o nielhur do mercado a 2,8oo rs. a libra.
    dem hyson de superior qualidade a 2,6oo rs.
    a libra.
    dem perola o melhor que se pode desejar a
    2,7o rs. a libra.
    Id un preto muito fino a 2,5oo rs. a libra.
    dem mais baixo pouco a 2,ooo rs. a libra.
    dem mais baixo a l,8oo rs. a libra.
    Vinho do Alto Douro viudo do Porto engar-
    rafado gar.inte-se a superioi idade deste vi-
    nho, das seguintes marcas : Duque, Ge-
    nuino, velho secco, especial lagrimas, do-
    ces de 1819, vinho especial D. Pedro V.,
    vinho velho, Nctar superior de 1833, Du-
    que do Porto de 1834, vinho do Porto ve-
    lho superior, maderra secca de superior
    qualidade, vinho do Porto superior D. Lu-
    izl de 1847, lagrimas do Douro espe-
    cial, vinho do Porto de l.oooa l,2oo rs.
    a garrafa e de lo.ooo a 1 i.ooo rs. a caixa
    rom uiaa duzia.
    Bolachinha de soda especial encommenda e a
    mais nova que ba no mercado a 2,2oo rs. a
    lata.
    Biscoitos inglezes das melhores marcas em
    latinhaide 2 libras a i,too rs. a lata.
    klem inglezes craknel era latas de 5 e 7 libras
    de 5,ooo a 6.000 rs. a lata, e em libra a
    8oors.
    Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
    a 2,5oo rs. cada un.
    dem prato a Too rs. a libra.
    Vinho em pipa das mais acreditadas marcas
    como sejamBA F., PRIt, JAA, outras
    militas marcas, Porto, Lisboa e Figueira ;
    de 48o 5oo, 56o, 64o e 8oo, rs., e o do
    Porto lino em garrafa, e em nada a
    3,ooo, 3,5oo, 4,000 e B,5oo rs. o melhor
    do Porto.
    dem Bordoaux das mais acreditadas marcas
    a 7oo rs. a garrafa, e a 8,ooo rs. a caixa.
    Garrafes com 5 garrafas de superior vinho
    do Porto a 2,2oo rs. com o garrafao.
    klem com 5 garrafa de vinho da Figueira mais
    proprio para a nossa estaco por ser mais
    fresco a 2,4oo rs. com o garrafao.
    dem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
    com o garrafao.
    Vinho branco o mais superior que vem ao
    nosso mercado a 56ors. agarrafa, e a
    4,3oo rs. a caada.
    Velas de esparmacate as melhores aeste ge-
    nero de 56o a 64o rs. o maco, e em cai-
    \a ter grande abatimento por haver
    grande porclo.
    A/.nie dore em barril muito fino a 64o rs.
    a garrafa e 4,8oo a caada.
    dem taera refinado a 8oo rs. a garrafa.
    Ei vilhas francezas e purtuguezas a 64o rs. a
    lata.
    Bocctas eom doces seceos de Lisboa de 3oo
    a 3,5oo rs. cada urna.
    Toucinho deLisboa a3oors. a libra, e a
    9,ooo .is. a arroba.
    Noara muito novas a 16o rs. a libra e 4,8oo
    rs. a arroba.
    Caf de 1.a, 2.* e 3.a qualidade de 26o, 3oo
    < 36o rs. a libra, do Cear de 7,8oo, 8,6oo,
    e 9.2oo rs. a arroba do melhor.
    Arroz da India, Java eMararblo de 2,8oo a
    3,000 a arroba, e de 8o a loo rs. a libra.
    Pastas muito novas a 8,5oo a caixa e 5oo
    a libra, ha caixas meias e quartos.
    Sevadinha de Franca a 2io rs. a libra.
    V( Has de carnauba e composico de 32o a
    36o rs. a libra e de lo.ooo a H.ooo rs. a
    arroba.
    Gcnebra de Hollanda em botijas de conta a
    440 rs. a botija, e em duzia ou em barrica
    ter abatimento.
    M;issas para sopa macarrao, talharim e aletria
    a 48o rs. a libra e em caixa ter abati-
    mento.
    dem estrellinha, rodinha e pevide em caixi-
    nhas de 8 libras, muito bem enfeitadas de
    ,5ooa 3,5oo rs. a caixinha e a 6oo rs. a
    ibra.
    Bo:e de goiaba em caixas de diversos tama-
    nhos de foo a l.ooo rs. o caixao.
    Sabo massa d 2oo a 24o rs. o melhor, em
    Biza ter abatimento.
    dem hespanhol a 28o rs. a libra.
    Peixe em latas muito novo; savel, pescada,
    irvina, salmo e outras muitas qualidades
    preparada de escabeche 2." a arte de cosi-
    nha de l,2oo a l,8oo rs. a lata.
    Fifjos em caixas de 1 arroba, e 8 libras
    a 8,000 4,ooo e 2,ooo rs. a caixinha.
    Bairis de vinho branco de quinto, marca B
    Marmelada imperial dos ra.; Inores conservei-
    ios de Lisboa a 64o rs. a I tinbade 1 bra,
    lia latas de 1 '/ e i libras.
    Massa de tomate em latas douradas de 1 libra
    a 64o rs. a lata.
    Ameixas francezas em caixinhas elegante-
    tiente enfeitadas de l,5oo a 3,ooo rs. a
    caixinha, tambera ha latas de 1 '/i a 6 li-
    bras de l,2oo a 4,.5oors. a lata.
    dem em frascos com lampa de rosca a l,6oo
    rs. o frasco.
    Che colate portuguea, hespanhol, francez e
    .suisso a l,2oo rs. a libra.
    Conservas inlezas das seguinWs marcase
    Mixde-Picles e cebollas simples a 75o rs
    o frasco.
    Ancoretas de vinho colares a 5o,ooo rs., e
    a 72o rs. a garrafa.
    Sariinhas de Nantes a 32o rs. a latinha.
    Charutos dss mais acreditadas marcas de
    2,5oo a 4,ooo rs. a caixa.
    Champagnhe a melhor do mercado de 12.ooo
    a 24,000 rs. o gigo, ede 4,2oo a 2,ooors. a
    garrafa.
    Papjl greve paulado ou liso a 3,5oo rs. a res-
    n,a.
    Idea de peso pautado ou lizo de 3,5oo a
    4,ooo rs. a resma.
    Gomma muilo fina e alva a 8o rs. a libra.
    Mili o alpista e painso de 16o a 2oo rs. a li-
    bra.
    Pablos do ga:s a 2,2oo rs. a grosa e 2oo rs. a
    duzia.
    OGRESSISTA
    RA DAN CltlTZES M. 3C
    E
    |
    RTJA DO CRESPO N. 9
    No balrro de Manto Antonio.
    loaqiilm los Gomes de Mouza scientifica a seos numerosos fregu
    zes c ao publico em geral que acaba de estabelecer um novo armazem de molhados a
    do Crespo n 9, aonde se encentrar sempre os melhores gneros de estiva, que
    se venderao a retalho e por atacado, por menos dos que se venderem em outra qualquer
    parte, affiancando-sc aquellas pessoas que comprarem nestes armazens a superior qua-
    lidade de gneros, precos commodos e bom acondicionamento.
    O armazem da ra do Crespo situado no melhor local desta cidade eom as-
    seio que de necessidade manter-se com estes eslabelecimentos, faz crer a seu pro-
    prietario, que ninguem deixar de sortir-se n'um estabelecimento aonde se eneontra sin-
    ceridade, para ir-se comprar aonde se nao offerecem tantas vantagens.
    Sendo este armazem no verdadeiro pento de partida para os arrabaldes desta
    cidade, nao ser difficil quelles senhores que tem de partir nos mnibus darem suas
    encomraendas neste armazem, que sempre lhes offerecer os mais agradaveis gneros'
    CONSERVATIVO
    DE
    JO lOl BTB .1M AO IIOS SASTOft
    23Largo do Terco23.
    O proprietario deste armazem de molhados participa ao publico ea todos i
    que tem um grande sortinienlo de ludo quanto pertencente a mulliadt.s, c q
    um armazem para someule receber os gneros demaior qaaatidade, faz mas especula-
    ces emboasquadras, e que sempre pode vender por menos de 10 20 per i nto da
    que em outra qualquer parte, garantilo 0 proprietario qualquer genero saludo di
    armazem, tanto em peso como em qualidade.
    Manteiga ingleza fli niandada vir por conta propria a 800 rs. a libra,
    dem franceza, vinda pelo ultimo navio a 560 rs. a litra e 540 rs. em barris.
    Banha de porco refinada, propria para pastis a 480 rs. a libia, eein barril l 101
    Velas de espermaceti! e carnauba do Aracaty a COO rs. o masso e 400 e 440 rs a li
    Caf lavado do Rio e do Cear, o melhor deste genero, a 280 rs. a libra e 8 i ar-
    roba.
    Batatas novas em caixas com 2 arrohas por 2f$000, arretalham-se a 4o rs. n bra.
    Toucinho desembarcado ltimamente a 3oo rs. a libra, em barril ou arroba a 8 Cha de Ia, 2a, 3a e 4a sorte a 25800, 20300, 20000, e 100 l libra.
    Azeite doce de Lisboa a 000 rs a garrafa, e de carrapato a 280 rs. a garrafa, c ca
    2(5ooo.
    Genebra verdadeira de Hollanda. em botijas, de COQta certa, marra pallo a
    Milho alpista o mais limpo que ha a 160 rs. a libra a 56000 rs., a arroba.
    3C0 r*.
    ZZ*'
    I m'
    O PAVAO
    Cassas puritanas.
    Cha perola de especial qualidade a 2,8oo rs.
    a libra.
    dem hysson multo superior a 2,7oo rs. a
    libra.
    Mem uxim a 2,5oo rs. a libra.
    dem hysson a 2,3oo rs. a libra.
    dem idem a 2,ooo rs. a libra.
    dem preto de qualidade muilo especial a
    2,ooo rs. a bra.
    dem idem inferior a l,6oo rs. a libra.
    Champagne a melhor neste genero a 1.5oo
    rs. a garrafa e 18,ooo rs. o gigo.
    ,damg?[afa!r ,0,00 gg ,,00 "* Ervi,has francezas rauit0 novas de i8 64o
    dem muito superior a l.ooo rs. a garrafa
    Caf a 28o e 32o rs. a libra, e a 8,ooo e
    5),ooo rs. a arroba.
    Cei-veja das melhores marcas do nosso mer-
    cado de 5,ooo a 6,ooo rs. a duzia, e Seo
    rs. a garrafa.
    Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e 8,6oo
    rs. a duzia.
    Doce em calda a 5oo rs. a lata.
    dem de goiaba em caixas e diversos tama-
    nhos e de diversas qualidades de 64o a
    l.ooo rs. cada urna.
    rs.
    Chocolate francez, hespanhol, e portuguez, a Idem porluguezas a 72o ^ a lala
    a9oo el,2oo rs. a libra.
    dem seccas a 2oo rs. a libra.
    Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
    e de qualidades, especialmente escomidos,
    de 2,ooo a 4,5eo rs. a caixa.
    Farinha do Maranho muito alva a 14o rs. a
    libra
    dem de araruta verdadeira a 4oo rs. a libra.
    Vassouras do, porto com arcos de ferro a 32o
    rs. cada urna.
    Velas de espermacetc da melhor qualidade
    a oo rs. o maco.
    Sag muito novo a 28o rs. a libra.
    Vasos inglezes de 4 a 16 libras vasios, muito
    proprio para deposito de doce manteiga
    o outro qualquer liquido de l.ooo a
    3,000 rs. cada um.
    Licores das melhores marcas e mais finos
    a l.ooors. a garrafa o em caixa ter abati-
    mento.
    Cogaac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa
    e lo,5oo rs. a caixa.
    Cho lricas as mais frescas do mercado a 8oo
    rs. a libra.
    Gen&ra de laranja em frascos grandes a
    1: ooo rs. o frasco.
    Seneja das mais acreditadas marcas de
    5 5oo a 6,5oo a duzia e de mais a 5oo rs.
    a garrafa.
    dem em botijas e meias, sendo preta d
    muito creditada marca T de 6,5oo a 7,8oo
    tu. a duzia.
    Ceblas em molaos grandes a 8ooomolho
    60 o cento, e a C,5oo rs. a caixa
    Pim ;nta do reino a 34o rs. a libra.
    Farinha do Maranho a 14o rs. a libra.
    Tijolo para limpar facas a 16o rs. cadaum.
    CoDiinho a 4oo rs. a libra.
    Erva doce a libra.
    Canella a l.ooe rs. a libra.
    dem de carnauba e cmposic' a 32o e 36o
    Vinhe do Alto Douro engarrafado, e os mais i rs- a bbra e lo,ooo rs. a arroba.
    superior, Salvasia fina, Bastardo, e outros Tojicinho de Lisboa e Santos a 32o rs. a libra.
    a ll,eoo e 12,ooo rs. a duzb-e l.ooo rs.L-1 ..
    a garrafa. Sevada uito nova a loo rs. a libra.
    3m Cherrv e Madeira al' ; a carra Peixe em latas granles, savel, pescada, cor- nius matisadas a vio rs., dins d
    fa e 16.000 rs. a duzia *-"-> *^"a' nutras qualidades a l.ooo rs. cada wwffiarinan a 200 rs.: na loja do
    V estidos soutembarques.
    a 4.000
    Idem
    dem Bordeaux de diversas marcas de 8,000
    a lo.ooo a duzia, e 800 rs. a garrafa.
    m Vendem-se as mais modernas p.issa; puriUnas rom bunilns desenhos pelo baratissimo preco tic
    Oe S80 rs. o covado, por haver graude ir^o, 6 pechiocha : na ra da Imperatriz n. 00, le.
    Cassas persianas a 3G0 rs. o covado.
    Vendem-se as mais bonitas cassas persianas a imitarao de laa transparente rom os desenh*
    leeidos e luleiramente novos, polo baralissirna prego de 360 rs. o covado e nao desboiam : na toja do
    Pavao ra da Imperatriz n. 60. '
    Cortes de cassas de Mara Pia a 4^000.
    Vendem-se os mais modernos corles de casta a Harta Pia, de todas as cores, com paaow Lar-
    dadas o de variadas cores que garante se a boa qualidade contendo 8 varas c mela cada corta pelo ba-
    ratissimo prego de 4# : na luja do Pavo ra da Imperatriz n. 60.
    As percalas do Pavao a 500 rs. o covado.
    Vendem-se as mais linas percalas que ha no mercado, de desenhos muito miudinhos e das m:ns
    lindas e vanadas cores egarate-se serein lixas.com 4 palmos de largura, fazenda propria para ve-
    ndos de seohora e roupas para meninos, pelo muito barata preco de 300 rs. o cevado : na loia do Pa-
    vao ra da Imperatriz n. 60.
    Gorgurao de laa a 500 rs. o covado.
    Vende-sc gorgurao de laa de cor escura propria para vestido de senhora, paletot para bomom t
    roupa para menino, pelo barato preco de 500 rs. o covado : na loja do Pavo rna da Imperatriz n. 60
    As colchas do Pavao.
    Vendem-se colchas de linlio adamascadas com bonitos lavilres de cor de rosa, azul e branco,
    pelo baratissimo preco de 35 cada urna : ua loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60.
    Org-andys a 240 rs. o covado.
    Vendem-se orgaudys malisados fazenda muito Tina, de benitos desenhos, pelo baratissimo preoo
    de O rs. o covado : na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60.
    As alpacas do Pavao.
    Vendem-se alpacas de seda de cores muito fina propria nara vestido de senhora, soutembaiv
    ques e roupas para meninos e dita branca muilo fina propria para vestidos e paletots, p)r preco mili-
    te commodo : na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60.
    Chitas do Pavao.
    Vendem-se chitas escuras e alegres fazenda muito fina, padroes modernos e que nao desbotam
    pelo barato prego de 320,360 e 400 rs. e covado: na loja do Pavo rna da Imperatriz n. 60.
    As laasiiihas do Pavao.
    Vendem-se lasinhas com 9 palmos do largura de urna s cor e de quadrinhos pelo baratissimc
    proco de i300 o covado, ditas enfeitadas com 4 palmos de largura a 500 rs, ditas matis.tdas muit.*
    fiuas de bonitos desenhos a 360 rs., ditas a 3*0 o 360 rs., ditas de quadrinhos a imitagao de sedinha
    a 400 rs. o covado. ditas a Mara Pa com palininhas de seda a 530 rs., ditas transparentes com palnrf-
    "; quadros fraudes a O rs. o covado, ditas pretas transparentes dt
    Pari ron da Imperatriz. n. 60.
    lata.
    Bolaxiiihas americanas a 3,ooo rs. a barrica,
    e 2oo rs. a libra.
    Batatas muito novas a l.ooo rs. o gigo, e 6o
    rs. a libra.
    Papel greve pautado e liso de 3,ooo
    rs. a resma.
    Passas muito novas a 8,5oo a caixa e 48o rs.
    a hbra.
    Vendem-se os mais modernos vestidos a soutembarque com lindas barras e enfeites para roa-
    pinho e mangas, pelo baratissimo prego de $ cada um : na luja, do Pavo ra da Imperatriz n. 60.
    Cortes de laa com barra.
    Vendem-se cortes de laa com barras matisadas e enfeites para roupinho e mangas, c
    bos que existem no mercado, pelo baratissimo prego de 18 cada corte : na loja do Pavo roa da Iro*
    ratriz n. 60.
    Os soutembarques do Pavlo.
    Vemdem-se os mais modernos soutembarques de grosdenaples preto ricamente enfeitados, dito*
    de cor de um tecido de laa com seda muito bem enfeitados, por prego muito commodo : na loja do
    Prezunto para fiambre inglezes e americanos Pavao ra da imperatriz n. 60.
    Vinho em pipa de Lisboa, e Figueira. de3,ooo a 8So rs- a libra- CapaS do PaV0.
    a 4,000 rs. a caada, e 5oo rs. a garrafa. jjera 0 poriQ a 4^ ^ a jjjra Vendem-se ricas capas pretas de grosdenaple bastante coupridas, fazenda superior e mais ar
    dem de Lisboa em ancoretas de 8 a 9 cana- QUeijos prato de 48o a 600
    Palitos lixados para dentes a 14o rs. o maco.
    Banha de porco refinada a 48o rs. a libra, e Idem de flor a 2o rs- mafO-
    era barril a iio rs.
    das por 27,ooo rs. *~l" "~ "v ~" """ re' a ,ibra'
    Mam an t>n*n :. i f t- dem londrinos os melhores que se encontram
    Me em garraCoes com 4 '/, garnte por, "t^Ts8!^ "^ "*" **
    2,5oo rs. com o garrafao. i ,. ,
    Sardinhas de Nantes muito novas a 32o rs.
    Vinagre de Lisboa muito superior a 2,ooo a lata,
    rs. a caada. I .
    Sag muito novo a 2oo rs. a libra,
    dem mais baixo a l,3oors. a caada, e 2oo
    dem muito superior a 28o rs. a libra.
    Batatas a 1 ,ooo rs. o gigo com 32 libras liqui-
    ~dB-e 3,ooo rs. a caixa de duas arrobas,
    rs. a garrafa.
    dem em garrafes com 4 '/* garrafas por
    l,2oo rs. com o garrafao.
    Manteiga ingleza a 6oo, 7oo, 8oo e 9oors.a
    libra de primeira qualidade.
    dem franceza a 56o rs. a libra em barril, e
    a 6o rs. a retalho.
    Ameixas francezas em caixinhas com ricas
    estampas no exterior de l,2oo a 2,ooo rs,
    cada urna.
    dem em frasco de vidro de diversos taa-
    nnos a l,5oo e 2,5oo rs.
    Idem em latas de i 1/2 e 3 libra a 1.3oo e
    2,3oo rs. cada urna, e a 8oo rs. a libra.
    Figos de comadre em bazinhos de folha pro-
    prios para mimos a l,6oo rs. cada um.
    dem em caixinhas de folha a 32o rs.
    dem em caixas grandes a 2oo rs. a libra.
    dem em latas ermeticamente lacradas de
    1,6o a 3,ooo rs.
    Arroz da India e Maranho a 8o, loo e 12o
    rs. a libra.
    Amendoas de casca mole maito novas a 4oo
    rs. a libra.
    Azekonas superiores a l,2oo rs. o barril.
    Alpista a 14o rs. a libra e 4,6oo a arroba.
    Letria a loo rs. a libra.
    Biscoitos e bolachinhas inglezas as ultimas
    chegadas ao nosso mercado a 1,2oo o l,4oo
    s. cada lata.
    Bolaxinha de soda e lunch em latas grandes
    a 2,ooo rs. cada lata.
    Cognac de superior qualidade 8oo rs. a gar-
    rafa.
    Sabo maca de diversas qualidades a 2oo e
    24o rs. a libra.
    dem inferior de 12o a 18o rs. a libra
    Atoalhado de linho.
    Vende-se atoalhado de linho com 8 palmos de largura peh baratissimo preco de 2#500, bra
    manto de linho com 10 palmos de largura proprio para lenges o toalhas muito encorpado a oOO a
    vara : na loja do Pavao ra da Imperatriz n 60.
    Crinolinas ou baldes americanos,
    Vendem-se baldes americanos os mais modernos por serein muito fortes e bem armados d V
    arcos a 3, ditos de 30 a 33500, ditos de 35 a 4-5, ditos de madapolo francez de diversos lmannos a
    3, ditos de musselina com babado e sem ele podendo-se tirar os arcos pelo barato prego de 4J o
    45<)0, ditos para menina, de arcos a iS, ditos de musselina a 3> : na loja do Pavo rna da Impera-
    triz n. 60.
    Chapeos de sol do Pavo.
    Vendem-se chapos de sol de seda muito encornada com cabo de cana e basteas de balis pelo
    baratissimo prego de 6, 75 e 85, ditos marqtieznhos para senhora o meninas a 25500: na loja do Pa-
    vo roa da Imperatriz n. 60.
    Cortes de lila do Pvilo.
    Vendem-se cortes de las matisadas com desenhos muito lindos contendo 15 covados cada corl*'
    i i ii ii i t o l pelo baratissimo prego de 75, ditos de edr de saf com palmas mitisadas contendo 15 covados cada
    Genebra de Hollanda em frasqueiras a 6,5oo corte pelo barato prego de 65 : na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60.
    rs.
    dem hamburgueza em ditas a5,8oo rs.
    dem de Hollanda em garrafes grandes a
    5,5oo cada um.
    dem em botija a loo rs. rs. cada ama.
    Garrafes vasios de diversos tamaohos a5oo,
    64 e l,2oo rs.
    Gomma do Aracaty a loo rs. a libra.
    Graixa a loo rs. a lata, e l,2oo rs. a duzia.
    Licores finos francezes em garrafas e fras-
    cos de diversos tamanhos de 6oo a 8oo rs.
    cada um.
    Marmelada imperial de V dos os conservei-
    ros de Lisboa a 64o e 700 rs. a libra.
    Massa de tomate mnito nova a 64o rs. a
    libra.
    Marrasquino de Zara a 64o rs. o frasco,
    dem em frascos grandes a 8oo rs.
    Cominhos muito novos a 5oo rs. a libra.
    Erva-doce a 24o rs. a libra.
    Pimenta a 36o rs. a libra.
    Cravo da India a 64o re. a libra.
    Ca niel la a 1,1 oo rs. a libra.
    Alfazema a 2oo rs. a libra.
    Sal refinado em frascos de vidro a 6oo rs.
    o frasco.
    ATTENCAO
    i
    O proprietario dos armazens do Progressista jamis deixar de offereeer aos seu
    freguezes tudo o que for preciso para que sejaui bem servidos, e como a festa se aproxi-
    ma ptima a occasio dos seus freguezes experimentarem a realidade, que nunca dei-
    ' axr de ser mantida pelo proprietario destes armazens.
    1$ A -i'LOI:S
    de panel fino de seda todo variado de cores de diversos tamanhos. proprios para as festas de ipre)a
    etc., ricas lanteruas de papel para illuminacdes e velas de permneete, tudo muito barato; n. 60 ra
    da Cadeia do Recife no grande armazem da etposigo de Londres.
    Josepha fnglo.
    Ausenton-se da casa do Maranho, na ra da
    Aurora, aonde se achara para ser vendida, no dial
    Kua da Senzalla n. 42.
    Vende-se, em casa de S. P.JohnstonAC.,
    sellins e silhes inglezes, candieiros e easti-
    caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela, 8 do crreme, a prea Josepha, erioula, de ida
    chicnlPS nara carras p montara arrpios nara laarenta e lanlos annoit' ,eT0 ves'!do *? ca"a
    cnicotes para tarros e montana, arreos para cha|e ()U aiu| esc dl) amla |U rax
    carros de um e dous cavallos, erelOglOS de tem por costume fallarse, tem o andar aprestado,
    estatura regular e secca do corpo, andava outr'o-
    ra vendendo tolos todas as tardes : quem a pega*
    pode leva-la a seu senhor H. de Aquinu Fuoset a u^
    ouro patente inglez.
    a
    ESCRAYOS FGIDOS.
    Fngio do engenho Pirau da comarca ca ci-
    dade de Nazareth em 20 do mez de maio do cor
    ra do Vigano n. 19, tereeiro andar, que se re
    compensar.
    Fugio do abaho aasignado, o da *> de cor-
    rente anno a sua escrava Clara, cabra fula, idad#
    . 18 annos, estatura baixa ebeia do corpo, roe
    rente anno 186J, um mulalinho de nome Manoel, re(jondo bocea regular eom falta de dous deatta,
    de idade 15 annos, levou vestido camisa e ceroula na frenl'e ,,a parle ^ cirot us e ps pequeos
    de algodaozmho azul, um tanto descorado di cor, e rossos foi comprada a Sra. D. Franci-ca r.nU
    tem os pes feos e os dedos delles arrebitdos, os I Homana moradora no engento Santa Crin do ter-
    ps adame hrgos e os calcanhares finos, tem o mo da g^^ qnem a p^^,. ou der ml)n Cf[U>
    costume de andar rom a cabega baixa, cabellos I em Apipucos ao abaixo assignado, ou M Recife na
    estirados, de cahocolo : q um rlitu >nrnnh(\ curi roprininuncinfi rom 7HL& a ti ... ti
    em dito engenho ser recompensado com 200^.
    Mm&QA
    Joao Machado ilraudo.
    Fugio no da 6 de Janeiro crreme o escravo
    pardo Geraldo, de idade de 29 30 annos. baixo.
    i grosso, cor clara e desbolada, cabeea grande e re-^
    donda, cabellos crespos boos, rotto lar-1. "**
    Fugio nodia 28 de dezomhro a escrava erioula grandes e um lamo amarellus, urna pequea mar-
    de nome Anna, com os signa*s seguintes: baixa, ca de ferida no braco, diversas rarra> de taawa
    seca do or[Ki, bragos curios, inos pequeas e um travessando a barriga, pernas grno fjw,
    pouco groasas, anda de \agar, levoa vestid de eos tu ma trazar barba e bigode. (ne rites
    palmas encarnadas e de prevencaoum de laa com de fugir : quera oapprehender l.veo ao engento
    lisira verde debruado com lita de velludo prela e Pitada, comarca de Nazareth da Malta, ao ei
    um chales preto com palmas encarnadas : portan- do mesmo, Feliciano Gomes Percira r.aiao. m a
    lo quem a |iegar leve-a roa Velha n. 5o ou de- ra do Queimado, loja de ferraffen" n. I :
    traz da matriz sobrado u. 33 em frente ra da S. Oliveira & C, que ser recuii. i
    Gloria. smente.


    8
    >I;i Jo de Pernimbiico fcahliatlo IA de Janeiro de 1464.
    LITTERATORA.
    Kauricii Treuil.
    acerca do ment relativo de cada urna das raras Verdade qae nunca o ex-coramerciante dosca-j se; ora, parere-me que procurara um mu cami-
    eanHares, e depois la iam encontrar-se nos pas-, brira amis leve sombra desseviverextravagante: r ""' dl's*
    si-ios ou no club, porque o Sr. de Tronit, para
    condescender com os seus novo* amigos, navia en-
    trado pan socio de un club, onde enlSo se reuna
    a Horda Qdslguia francesa.
    SEGt'NDA PAffl'
    (Contiaa n
    Vil
    A tflki lauricio mandara proparar em
    um d palacete estava prompta.
    i i, pal n -, ni:uie<|iiii:>,
    untas luda rinanto hoovera na ofcina da rtit
    | lado |.ai-a a da ra Go- '.."^ *
    dnt-de-Maoroy. So faltara que o artista lancasse
    V., em quanto elle assim vivia, o que era feilo
    da arle Nem am dia por semana lite sacrifica-
    ra I Mauricio bem conhecia que caminhan em
    un plana inclinado, que podia di -penha-lo n'um
    precipicio, c a ennscencia speramente o osatura-
    ' nho de enmprir .1 iinba promesst, se me
    para correr 1 venturas com Mimi-Soleil.
    e desordenado no v.ver laborioso e regular do seu quc b\;ioerisia I responden o cancisneiro
    joven amigo, porm linlia de si para si que era por do HavrePorm basta por boje ; outra vez ser
    nao possuir a soa perfidia ronlianca que elle I he ma's franco.
    Ao ootro da sabio Mauricio lo^o de manha,
    i,: dos pinceis, 1-1 > faltan 1 essencial. Fcrra-
    lenta harta, e umita, mas falleca a libordade de
    espirito e a libordade de acolo.
    O 1 ira totalmente ao artista. Soa s
    esua mulher ti tnavam-lh'o todo, lalvez sem ms
    inteoedes, mas, emflm, tio llie deixavam urna
    li: Tyrannisavaia o pobre homem rom
    l leios, visitas e reoniees. As exigencias coni-
    noas a que as relaces incites o obrigavam, sub-
    rahiam-lbe toda a liberdade de pcnsainenlo e de
    anejo,
    As palestras que todos os das era obrgaJo .
    ouvir, arrantavam-lhe os ouvitlos como um cnxa.
    inc de mosquitos trombeteiros. J antecipadamen.
    t -ilna as pliraset, as palavras eat as exclama
    Ces com que tinlia de ser flagellado, e militas ve
    aea, ao levantar da cama, nrodian elle diante di
    mulher as que o baviam de torturar durante o
    di.i, parodias que Sophia esrula va com riso 011
    lia a reforma que projeelara.
    De mandan dan quatro ou doro paswloi em ro-
    da do bosque de Bolonha; a noata la apara a
    Opera ou para o Ihe.itm lyrlco, e nenlmm dos ami-
    [ue .ces sitios encostran modista nem urna
    SO palavra que tiveaae relaeao eoni a pintura.
    O seu gosto pelo luxo demonstrava-sc eqi todas
    asoteasioes. Imaginan comprar a sua mulber
    una nu. 'iba, cuja elegancia c riqueza nunca sua
    sogra piulera phaatasiar as horas de niais doura-
    dos sonhos, e, para adiar elementos que o satisli-
    111, Visitan os estabelcci tientos de todos os
    mercaderes de modernices da cidade de Pars.
    J se v que scmclbantes excursoes cada vez o
    affastav,. mais dos pinceis e da? tintas.
    Felippe encontrou-o um dia nos Campos Elysios
    a cavallo, em eompubit de ilous mancebos, que
    i nao couliecia. Mauricio, apenas viu o seu amigo,
    aproxiniou-se delle.
    Que ktM tu montado nesse bucfalo ?Ihe
    perguntou Felippe.
    con; enfado, segundo a sua predisposicao de espi-
    lato, mas nem assim escapan o desgranad' H "Z Es|)t. inil!Il,
    flagellus do ouvir o metano ruido de patarras eii bario ,r VcnUcr
    mes us hon s. Era a mesma cantiga com o mes-
    mssimo estnbilho. E livrasee-se elle de preten-
    der escapar i estes supplicios diarios Como bi-
    lla de so eximir de acoinpaiibar a mullier a mais
    de Uinta casas, onie a sogra quera ostentar a su
    vak'osa octosidadfl 1 Gomo deixar de assisir s
    reunioes de familia ?
    Q jando a familia estiva s, nao podia Agatha
    soior que o genro nao tomaste parte as mil a
    urna uinharias de que ella (razia sempre preocci -
    padu o espirito ; nao podia habituarse ao silencio
    do genro. em quanto estavam lamosa, nem velo
    pegar n'um lio, quando so rcunlam a noute jtili-
    lo do fogao. Quaudo o pobre artista eslava minti-
    1 -.diado, Dordia ella os beioot e laucan filha
    olbares significativos.
    O Sr. de Treuil, dizia ella, lalvez se enfade
    con: a nossa csinpanhia, e tem raziio ; nos, humil-
    des burguezes,^ somos acaso dignos das atk-ncSus fluencias domesticas, que o iam perseguir"na"
    Ce um artista f cina) niJ sa)0) a casa ejaillar quar,u ^
    Quando Mauricio, as horas do descanco, se n-
    colbia ao quarto, nem aM escapava as admeesl 1-
    {8es de Sophia. Qual era a razio porque elle n;.o
    conversava ? O seu silencio nao significara cerlo
    desdem, do anal com justa razao seus paes deviam
    possuir a sos perfidia conlianca que
    oecnltava as suas toncaras. Porm agora, que elle
    o m ;i protegido a cobertoda necessidade de
    Irubalhar, 1 ropuaba-ye a tiver a mesma vida que
    elle, correr as inesmas aventaras, embrfagar-atj
    innundar-se cndini, em lodos os prazeres dessa
    phalango de artistas extravagantes. O padrinho
    d Sophia linlu desmedida voeaclfl pira a sensua-
    lidade ; pinlav.i-lh ajnnginacao gosos bovoi c
    nunca sonhados, logo que conseguiste ser admil-
    tido no circu. dos artistas, comanlo, Dorm, quo
    nao soffresse despezas extraordinarias para nao al-
    terar a economa qne se havia imposto.
    Mas por este lado nao tinha que temer. Essa
    Asilando dito que s n tute vubara casa.
    Agatha Sorbier, que havia contado com o genro
    para snompanhara um Roacerto para qne for.i con-
    vidada pela senborade V'ittoaox, quando ao al moco
    nao o yin, diese a lillia :
    Ten marido queixou se bonietn da Falla de
    lempo para trabalbar....... boje .' que elle ha de
    trabalbar muilo .... Sabes aonde elle foi .'
    Nao, responden Sophia.
    Ob! rnuito Insto I o scnbor de Treuil
    artista, e arti-tas nao teem de que dar sati-fac' -
    a bnrgnezesl....... Sabia multo cedo, e.'em
    cumpeiisaeo, ha de recolber-se bem tarde I
    Km qnaau Agatha, com estas calculadas obscr-
    vafoes, ia si idando o genio de Sophia, caminhava
    Mauricio para casa de Lamben Este e Mimi-So-
    I- il estavam tomar saf, com sua lata de liam-
    uova roda de que pretenda razar parte nao era ri-
    ca, de modo que uns poucos de luies despendidos bre, quando enliou um amigo reforcaram o al-
    comtinodar-lho-iamas apparenei.isdeiicj predi- Bl^f0ld duus ovo<' Que mandaram aquecori
    go e todos os privilegios de um novo Inpiter. P Chegoa depe ootro e mais ontro dous pintores,
    Aqu. tem o le, or dada a raiaa das frequentes p01. ,,. 5, uro| |j(I((is_ refureou.sel ainda 0'
    e tongas visitas de Ooseau du Tal I. iofllcina de .,, ,., ,,.,,,, nVi,; ;
    Maur.co, e tambem a dessas conbssoes que fa- Bi(|os ,,., ,,,, ..... ,;on.|nn|ino
    a ao mancebo con. cerlo ar de franqueza, pare-1 eslava ,,,., ;, ^^ *l ^onsljo U loi-
    ento Mimi-Soleil declarou que nao podia dis-
    Ah o senborque esl de luueta asscstada
    teu amigo?... Don-te os parbaos.
    Mauricio, um tanto perturbado, morda o casto
    do chicote.
    E o teus pinceis ?conlinuou Felippe ousa-
    damenb;.
    Mauricio fez-se niuito corado c respondeu, bal-
    buciando :
    Ando a pensar n'um quadro... Amanha
    vou conicca-lo.
    Felippe encolheu os hombros, replicando :
    O Sr. bario est tua espera.
    E conlinuou o seu camiuho.
    .No segniule dia nao inandou Mauricio appare-
    Ibar o cavallo : envergonhou-se de si mesmoe to-
    niou a resolugao de tiabalhar com affan; mas, se
    por um supremo esforco Ihe era dado debcllar as
    suas 11: cttnacder, nao Ibe era fcil escapar s in-
    ofli-
    dor-
    mir, em toda a parte onde a sua familia pudesse
    por p E sob que variadas formas o impoi luna-
    va 111!
    Entre o grande numero da flagellos que o torlu-
    ravatn desde que vullara a i'aris, havia dous que
    queixar-sc e resentir-se ? Que era o que Ihe ej i- ina,s o niiliticavain. Era um delles o albura o
    sjiam ? I ma pouca de condecendencia. E, se : I-
    guma cousa o preoecupava, nao era dever delle
    cendo dixer-lhe : Conio-te as minhas extrava-
    gancias, conta-me igualmente :is toas; nada
    receies, porque fallas com qnem tem sido dos
    teus...
    0 eaneioneiro do Havrecomo du Tailli se
    chaman a si momo as suas horas de estudada
    franqueza apoquciiiava Mauricio rom tanta ami-|
    ade ; mas, se a sua preseoea o contrariava. peior
    era anula com os amigos do pintor, porque esses
    nao podiam solTrer-lbe lo ruido>a loucura e OS
    seus modos um tanto inconvenientes e descome-1
    didos.
    A niaior parle delles deserlavam apenas se
    enconirassem com elle tres ou quairo vexes. Al-
    guns 'lentaram conservar o campo e faz-lo re-
    tirar a elle, a torca de sarcasmos, porm estes
    projeclis embolavam-se na dura armadura da
    ba opiniao que o ex-cotnmercianle loruiava da
    sui pessoa.
    coramunica-lc a sua familia Haviam de fazer lo-
    do o possivel por consla-lo ou aconselha-lo.
    Masdizia Mauricioo meu silencio nao in-
    dica amclaeao nem desdem. Callme porque na la
    Serbo que dizer.
    Que importa 1 Deve se fallar sempre.
    E, deiuais, eu tambem careen de pensar.
    Em que ?
    No quadro que nao posso fazer.
    Porque o nao faz 1
    Porque me falta o lempo.
    Gracas Deus, nao sou eu que lh'o roubo !...
    Anda huntem esteve s das duas as emeo horas.
    Estive eu em casa da Sra. de Vitteaux, aonde se
    aecusou acompaabar-ms, e, em lugar de trabalbar,
    saluu, e adeus quadro I
    Caroco antes de pensar alguma cousa...
    Ora I qual pensar I lia dous mezes quo re-
    CClhemos e ainda nao pensou ? O quadro que in-
    loata pintar algum monumento maravilhoso I
    Estas sltereacbes, renovadas ceios de vezes e
    todos os propsitos, acabavam sempre do merino
    snoJo : Sophia era linda, mister era dar-Ihe
    razio.
    Manricie confessara que nao fazia bem, protnel-
    aeuieuda, mas nao poda amoldar-se a vivir e
    conversar com os paes de sua mulher.
    Quando o Sr. de Treuil casou, entendeu que a
    ,'ia officina era um retiro seguro, onde |>oda vi-
    w'i s coinsigo e com a arte. Os Sorbier, para fa-
    erem publica a gencrosdade quo tiveram | ara
    com o genro,a oifleina e snas dependencias ha-
    via cusuo uns quairo mil francoslevavam
    qaaulos amigos ecoobecidos tinuam, qur na ,iro-
    vincia, qujr em Parts.
    Tanto sis jovens amigas deSepbia como as da
    &ra. de Vitteaux l iam, levadas pela curosicade
    de ver cuno era a hibitaco do animal bipece, i
    iam
    sa; eniao Himi-soien 1
    pensar-se una grande fritada de ovos.
    Estn o almoco no terceiro acto, quando chegou
    Hautirio de Treuil
    Foi acolbi lo com estrepitosos pilos de alegra.
    - Ja almocaste 1 perauotou Lamben.
    Anda nao. respondan Mauricio.
    Eniao venham costelletas, u umitas! excla-
    mou Mimi-Soleil.
    Tal vez eu os incommode, replicn Mauricio.
    incommodar-nos I...... Est doudofl...... Mas,
    nieu pobre Mauricio, quando nao ha nada para
    dous, ebega muito bem para oito, replicn Miuii
    Soleil
    Bidois agiloa a cabecil com ares trgicos.
    _ Um dito desses nao pode deixar-se passar,
    disse elle, sem ser denunciado ringanea publi-
    ca : annuncia que o ru que o proferu soflxe viva
    pertnrbacao as suas Ideas moraes E' signal n-
    O eaneioneiro nao os entenda ou f.ngia nao en- Sbltavede decadencia ou corrupcio !.....'..
    tender; ria-se, desearregava-lhcs duas ou tres n,,u..,,, ,Ja a severidade d'as Icisconlra o
    ru! exclamou Conslautino, interrompendo o
    bordadas de calemhurgos ; canlava-lhes urna du- t
    zia de coplas do seu lempo o (cava senhur do ora()or
    campo. E eu lavro a sentenca contra mm, replicou
    O senhor de Treuil era a victima de seme- Mauricio. Ordeno que Mim-Soleil, a qnem vou
    litantes victorias, que o expunham, sem arma al- e|(!Var as hl)nras J eXrtJUtora dt. a|,a jus,ra e
    gama defen.-iva, aos ataques lyrannicos do c
    protector.
    e esculpieres uns naaslcos oulros que se reonkm sn (1 nteiramenie ,, .em Ihe I
    en casi de l,,,|,,r:, e que pertencam mais ou ll} a ln,(1r ..;,,, ,,.,,
    menos.a repblica movel e distmcla p.-la sua un- d,.Vl.P 1,)|1,,ir.,r m |,,ar ,,,..
    ' .m IrV r'r'-, 1 1 lmnanlll, .AleentiolinbaM,lodema,,ado fraco ,,., ,,-M
    I. u.be rl, oche e do bando iwss.ua un .peque; ,uvar que era homem, e Sophia, que .,. duvrf..
    rendimenlo de mile qninhentoj a nu .^ito.en.o, |rot,J |i;-, w h ^ o ;p
    francos, o que Ihe davaares de capitohsU entre os u^0 ,., fc m.iM[T
    I"'"1'" '-,"" aJu,ljva ""f. A pendencia e dignidade de amsm.
    "'ll"r~ l"":'.....lerendiroentoconsumiaaclleeni Mauhcio havia tomado o cami nho
    almocosejantares.emque os seus amigos toma- afilll ,, ter mais lempo e i^nsar na saa mi.).... .
    "fL*??,, .. e quandoenlrou em casa, foi coma firme i .
    Amielles que nao inham com ir o par- fa0 de cumi,,ir ,, .
    co jantar as mais srdidas taberna- am bater a Jen plano de reformsj
    Porta do artista, e ai havam-na sempre ibertt. Encontrou a lainiua reontde no saB
    Gasto o rendimento la se resolva Lamberla pe- cussi-,n ,ve s|,ro asMimp|0 ue ,.
    gar no barro e n > poli lor para fuer alguma es- 0 iere' Y '
    latuasinha, que elle tinha 1 certeza de vender com
    facilidade, porque as suas obras eram sempre bem
    aceitas, gracas a sua raridade e sarnosa par-
    'i,'"; ,, ,. ... sentada n'uma poltrona, com as mios descanra-
    Muitas vezes Mauricio e Felippe haviam feto das nos joclhos, linha os o ramma'do
    quanto podiam por oi.^inr que elle irahalhasse, f, -,0 ,. (:, .;.,,,,,
    l,rid,z,',,,l-.......'" Irilhante futuro, se elle mines- nasscaya ,.,,, sala (,,m M .m .
    linha o rosto austero e a meditativa aiiitnde ajae a
    nossa imaginadlo presta os pbilo-o|.bos. A Se-
    lle Viu aun, encostada poltrona de Sophia. pare-
    ca querer consola-la com o gesto e cora a pa-
    lavra.
    Ah!-disse eila, vendo entrar Maaricio
    IX
    Agatha Sorbier, em p dianie do figio
    nava urna carta luz do pina. a>-
    se applicar o seu muilo tlenlo obras de mala
    vulto : Lamber! eslava por ludo quai lo ellos Ihe
    aconselhavam ; porm, apenaso eonselheiro volta-
    va costas, accendis elle o seo cachimbo, deilava-ss
    de barriga para o ar e nem mais se lumbrera do
    que havia promeltido.
    Osnossos esforeos sao innteis, dizia um dia Eisoclpado!
    Felippe Mauricio. Lamberte um lazzaroni nasci-
    do em Pars por um acaso. Se en acreditasse na
    motempsyeose, afllrmava que elle ja foi passaro.
    Lembra-se que o fui e est smpolcirado na vida
    comoo leotilhao no ramo da arvore. EncoBlrou-se
    com Mimi-Soleil no mol de maio, lizeram o seu
    ninbo : nao os desarraujemos.
    Quando Maurciu se despediu de Lamben, leva- n^, ,],., a Mla
    I- u culpado !exclamou Mauricio.
    A Sr.* de Vitteaux levantou-se, c, passaado ra-
    pidaim nte por junto delle, dtaso-lbe a meta voz
    Accusam-no de inliel se fal-o. necue :
    se e verdade, negu ainda mais.
    Mauricio olhou para ella pasnuiki c dirigio-se
    para Sopbia, a quem estendeu a Bao. Ella ao
    va o coraco eo es| hito rjuvenescidos. Scmelha-
    va o preso, que, depois de longo c estreilo capti-
    veiro. se v no meio de vastas campias.
    K. comparando a sua existencia com a dos seu*
    amigos, pergoatava s si mesan se Lamben, viven-
    do era I'aris como i esqoiilo na Dorosta, dormindo
    aqui, correndo por acola, semine livre e senhor
    das suas acedes, nao tinha tomado este mundo |ielo
    seu mais agradavel la_do.
    Mas, dizia corasgo, elle s tem mil e oito-
    eentos francos de renda I
    E devia acrescentar :
    Mil c oitocenlos francos Ibe ba-tam 1
    Como espirito assim praoecopado, chegou
    casa de Felippe, que
    Bruyre, em um anda
    O mando quiz beija-la na fronte ; a espesa des-
    viou a cabeca,
    ijueqiir dizer isto ?-prgunlou o mancebo
    Agatha ilobrou o papel que tinha na nio e met-
    teu-o na algibeira. Tinha ella o SjtatS in-i-. po-
    rra por entre a sua Irsteza rosnossas irn-;
    cia nm corto ar de satfayift BeaSsa-i
    da filha e fez signal ao genro para collucar-v jun-
    to delh.
    Sr. de Treuildisse ella que O senhor deixe
    a sua familia para jantar nao sei onde, nem com
    quem. tasando deate modo da minlia rasa orna
    hospedara, nao bonito, mas, cuitan, pas se porcia
    de fazer
    suppuz nasa
    posso
    Agatha, acabando o exordio, fez pausa e ssav
    .....-------: nospeuaria, uau e uonno, mas, euiiun, pas
    fUO pwoeeupado, chegou a que se esqueca dos seus deveies.a i->nto
    viva entao naraadeu sna moMier infe|i7 0 nunca
    r, cujas janellas, viradas ao poss POnenir
    scu nossa mord una, d as suas orden- para Campgne' e corou
    em grande abundancia e um ou dous enormissimos vaulou
    OscnhorduTa.lb, depo.s de ter hito desertar pasteles de caca venham fazer companhia s cos-
    os mancebos que frequentavam a ofOrina do se- te||,.|as |
    nhor de Treuil. projeclou suhstitui-los por to- Uma estrepi,osa e pro|0ngada salva de palmas
    dos os seus amigos e condecidos ou dependen- aco|neu a lentenca mm Maoriei., aeabava de pro-
    manhaa mandou l ir ler o seu tape-
    oulro a Sr. Closseau du Talli, que nao cessava de
    o persaguir.
    Os primeros sympiomas do lbum acommetle-
    ram-n i na Italia, mas odesenvolviment) da moles-
    tia foi em I'aris.
    O lbum, tomando o carcter de tvranno, aras-
    satou-lhe toda a officina. Nao se passava dia sem
    que Ihe apresentasseui uma ou mais paginas bran-
    cas para as elle cncher com o craao ou colorir
    com os pinceis.
    Que o que Ihe pediam ? Pouco mais de nada :
    um desenlio, uma aquarella, um esboco, um re-
    busco ; emflm, qualquer cousa. Pedidos assim mo-
    destos dirigiam-lh'os lodos os conhecidos da fami-
    lia Sorbier ; e se, |r acaso, alguma linda visitan-
    te, depois de militas insinuaces apropositadas, re-
    celosa de se tornar importuna, nao arrisca va um
    pedido directo, encarregava-se a sogra de Ihe inter-
    pretar o desejo junio do genio.
    As vetes tambem Sopbia ajudava a mae neslas
    exigencias, parccendo-lhe que tiesta especie de
    trabalho nao podia dar-se fadipa nem tedio: quan-
    do o marido desenliara Junto delladizia Sophia
    corra o craiao com lana ligeireza! Os improvisos
    succediam-se uns aos outroscom tanta rapidez I
    Eslas fugitivas compesices como que Ihe ca-
    liiaui dos dedos : apenas perdia uma hora ; e quo
    urna hora na vida do artista?
    Mauricio, depois de t< r tomado a firme resolu-
    to de se entregar ao trabalho, lentou por duasou
    tres vezes fazer comprehender sogra que aquel-
    les redidos para desenliar em albuns, embora ca-
    da um delles s gastasse sete ou oito minutos, sem-
    pre lie tomavam lempo e o fatigaran) ; que, alm
    dioso, Ihe consuminam a imaginacao em puerilida-
    des, do modo que havia de ressentir-se quando t-
    vesse de se oceupar do composicoes mais gran-
    diosas.
    Todas estas razos do artista eram perdidas : a
    sogra entenda-as tanto como se ello Ihe tivesse
    sjue damos o nome de artista. Ali iam ter cora fallado em hebraico, e, quando elle lindara as suas
    Mauricio a toda e qualquer hora, e os visitantes, observac5es, acotovellava ella a filha, e, logo quo
    laminando debuxos e esboces, nao poupavam eslivesse a sos com ella, dzia-lhe :
    conselbos ao pintor. Os mais espirituosos rliega vam | _. Tudo quanto teu marido disse, traduzido em
    indicar motivos para composises, empenhat do-o francez correnle, quer dizer que elle nada quer fa-
    que os executasse. j rer de ,udo quanl0 eu |ne ^p ( Sempre for-
    gatba. quando eslava prsenle, nao deixara de; ^ de ma vonlade I... Gastar tantas palavras por
    causa de tres toscos osbocos I...
    tes.
    lima
    ceiro.
    E verdade que desta vez aiuda pediu desculpa ons y Mauriciu FaMa VL.rdaae ,u mta
    ao dono da casa. I morto ?
    No dia segrate mandou ir l o alfaiate, do- ls.s0 nao confessa elle; mas, para Ihe fazer
    pms. o sapate.ro, depo.s um locatario que pre- concetier 0 ,.s,ado da sua po^ao,devenios cha-
    tend.a reparos na casa, depois um amigo do mar.,e 0 ,,efunl0 Maurj(.8 f" *
    ^re; j ___.... *'{ ''' elle. um phantasma que se cscapou
    E, de cada vez que apparecia uma cara nova, d cefniterio,...... ^ lardam ^ ahi os vam.
    dizia o eaneioneiro ao artista : piros a vir pr0cura-lo!
    - Nao se incommode ; trabalhe a sua vonlade,, Quo dp noyo | ,Q 0UtrQ mun(] Qa rua
    que nos ca vamos conversando. Godot-de-.Vauroy ?
    Esperava (.hiseau du Ta.b. ganbar a confianea Wa^-M que tu tens por l bellissimos tape-
    do seu protegido dando-lhe destes teslemunbos les r
    de familiaridade, acrescenlando-lhes certas insi- E ,ras, d selim.rosa a |odos os can.
    nuacoes_ sobre a necessidade de procurar alguma |os
    dislraccao.
    Em seguida ao primeiro amigo que introdu-
    zira na oinrina, sefzuiu-se a apresenlacao de
    muitos oulros, e tinha sempre o cuidado de os
    elogiar como pessoas de bom gosto e genio fol-
    gazao.
    Estes senhores como lhes chama va o Mece-
    E sedaras a rodo!
    E quatro criados do pu tao bem articulados
    que andan e roubam como se fossem de carne e
    osso !
    Ora vejam I Quera tal dira !......
    Em quanto por c andn, nao foi mu moco I
    Anda me lembro do jantar que me deu em
    as do joven artistaopprimiam a Mauricio com Enghen os pe^igstos eram duros mas o vinho
    cumprimenlos, que Ihe pesavara tanto como se era CX(.e||,nte
    fossem de chumbo. Que pena que a morle lue botasse tSo cdo 0
    Alguns d elles, elevndose a d.gnidade de jui- rratjaDho'
    zes, dayam-lhe cousclhos cora ares de benvola c ._ iU'.mM% de iovanlar.||ie um monumento
    proteccao e do mesmo modo que o far.a uma ca- com am (.plapn0 que transmuta aos evos as suas
    fila de Paiagoes que entre si dividisse a mimosa virtudes!
    msica de Rossini. I .\ Vamos nos beber sade do infeliz man-
    Como estes senhores sao amaveis! orna ^^ T
    Closeau du Tailli. __ ya |e
    O armador do Havre, impaciente por aspirar] Encherai -hampagne os copos e esvasia-
    os eftluvios dos testins noelurnos, a que a_sua ram.nos de -o
    phanus.osa imaginacao una uma phalange de Meus amigos," disse entao Bidois, parenme
    cmicas e de dancarraas, torou ura da com ar que eslamos procedendo anarchicamente. Visto
    que a alma do defunlo Mauricio fez uma fgida
    sol, davam sobre jardins.
    Achou Laura n'um quarlo a bordar, pcrlo do pr0y"
    .f0- i, .... .-,' Com qnem falla, senhora ?perguntou Maa
    Quando ella o viu, nao pode reter um leve grito ncjo CQm fri(,za
    " j um pouco ; mas, dominando a emocao, le- 0)ll)sjgo |lrespondeu a Sr." Istbisr, mlg
    se e estendeu-lhe a mao. nada com lania fleugmaPense que lenh
    helippe esta a trabalbar, disse ella, mas a sua genro e 0 ue i,0e Vjm
    i'senca nao o incommoda. e resentido ficaria, se eu dt'gracas a dcus
    pre
    que tenno so nm
    a descobrir f.u com que
    por nao ter mais que uma
    gas.
    Que raparigas .'
    Boa pergunla I Com os modelos, com as
    actrizes, com as cantoras; erafim, com as amigas
    de Mimi-Soleil.
    Mauricio encolheu os hombros.
    pretextando ter a tratar de
    pegou no chapit e sabio.
    excla
    F" iTava vil lioso
    E acer, secuta va qUe seu genro nao deixaria de
    aproveiiar-se de to uteis lembrancas.
    Quando Mauricio soflra desles flagicios du s ou
    res vezes por tlia, exasperava-se ponto de cus-
    tar-the a eonter-s9 para nao quebrar os cavsletes
    as rostas dos importunos visitantes.
    Occasies haviam em que o pobre homem nem
    de si sab a dar cenia : segundo uma sua ene-gica
    xpresso, elle nao habilava o seu corpo, e mulas
    vezes diz a Felippe :
    Ah I Quando viverei eu comigo e em mim
    nesmo I .
    lleve, ;iorm, confessar-se que Mauricio ceden
    mais du que devra i influencia da nova poico
    ni que o casamento o collocra. A natural nel-
    uavo do artista para o luxo e gosos da vida, n que
    Felippe Duvernay alludira na conversa que com
    elle teve antes de se apresentar na Colombire,
    despertaia-se-lhe vivamente, apenas se vij em
    dreamstaaeias de a satisfazer. Resista freuxa-
    mente sos prazeres, o quasi sempre ada va o tra-
    balho que poderia fazer as poucas horas que a
    sogra e a mulher Ihe deixavam livres.
    Mauricio tinha um lindo cavallo inglez, qus So-
    phia comprara, quando voltou de Italia, e sma-
    te delie sesapro que podia. Os seus passeios ca-
    vallo abriram-lbe retajos com a mocidade iciosa
    que mais 'requema os Campos Elysios, e poico
    gHHiro o levara,ii a lomar parle em corridas, apos-
    tas e militas antres uralianas estranhas estr; nbas
    absoluta mate A pintura. Pouco prazer enecutra-
    Va ne-qe; eutretemmentos; mas, arraslado pelos
    Culro>, la os ia segurado ; e Sophia, qu mi a
    Sra. ce iiieaux havia introduzdo o gosto di p-
    selos a (avado, tambem acompanbava s vites o
    mando ims suas excurses. Em lugar de u u ca-
    vallo de .sella, liouve dous desde enle.
    SIuiio dos cavalleiros coin quem Mauricio tra-
    tara rebojos na porta Maillot iam v-los, e Mau-
    ricio un ib ni slguraas vezes ia passar revista as
    Tica ca val,aricas do bairro de Saint-llonort.
    n I liam-se uns dos outros, depois de :erem
    fumado amitos charutos o conversado largamente
    Agatha fallan naturalmente assim, porquo se-
    melliava a mor parte das pessoas que, acostumadas
    a pedir sempre, esquecein-se do numero e valor
    dos pedidos feitos e s se lembram do ultimo. So-
    phia, nao sendo melhor avaliadra do trabalho in-
    telltctual, peusava como a me, tomara o partido
    delli e ralba va com Mauricio.
    O pouco lempo que a sogra, mulher e as amgas
    das duas deixavam livre a Mauricio ia lomar-lb'o
    o Sr. du Tailli Desde que tratara do casamento
    de Mauricio, entendeu que gauhra direitos sobre
    elle, e, acostumado, como eslava, a especular era
    tudo, quiz que o beneficio feilo Ibe produzisso al-
    gum raieresse. Itaro era passar-se um dia sem ir
    palestrear e fumar o seu charuto na officina de
    Mauricio, ao qual uo deixava de dizer que se
    nao ineoinmoJasse por causa delle :
    Trabalhe, tiaballm,dizia ellee, no enllan-
    to, vamos conversando.
    acolheu a sentenca que Mauricio aeabava
    ferir contra si mesmo; porm. ainda assim, em
    quanto pncuravam uma cadeira para Ihe dar lu-
    gar mesa, assaltaram-no de chufas.
    Ah! s t, Mauricio ? Bns das, meu ami-
    go, disse elle, pondo a penna de lado.
    E, ohservando-o cousa de um minuto, aceres-
    centou :
    A felicidade nao te fez mudanca no pbvsieo,
    mas sempre ests um puuce mais nutrido.. Tem
    caulella.
    A felicidade I oh a felicidade exclamou
    Mauricio com um meio sorrso. Nao a calumnie-
    mos. .. Pens que ella nao a culpada da ininlia
    nutricio...
    Entao lancemos a carga s costas da fortu-
    na... Tu enfarruscas poucos pannos e comes mu-
    las viandas.
    Mauricio, a quem um sentimento de delicadeza
    fizera arrepender do que havia dito, aproveitou a
    estrada que o seu amigo Ibe abria e replicou :
    Com effeilo. eu nao trabalho muilo.
    Trabalbas tu alguma cousa ?
    Pouco mais de "nada.
    E' pouco de mais.
    Filippe levantou-se, chegou-se ao fogao e eome-
    Cou a avivar o lume.
    Mauricio, que conhecia o seu amigo bem a fun-
    do, sorriu-se, replicando :
    Vamos, Felippe ; tu queros diz;r-me alguma
    cousa e hesitas...
    E razo tenho. Quando se falla com o rico
    morador da aristocrtica rua Godol-de-Mauroy, que
    pouco antes era um pobre rapaz na rua Duuai, for-
    zosamente se na ele tituhiar.
    Hesitacao e titubiaraento de ti para mm
    tolice chapada.
    Pos ento, meu charo, ahi vae : tu sabes o
    anligo dialogo : Sobrrzn obriga... Ora riqueza
    tambem. Quando aceitaste bens da fortuna, obri-
    gaste-te a produzir uma obra prima...
    Safa I E er. s isso f
    Nem mais nem menos ; mister vencer ou
    morrer.
    Mauricio nao desconhecia a verdaJe que encer-
    raran) as piltorescas expressoes de Felippe.
    Forcejarei por cumprr, respor.deu elle.
    E, a pesar .vu. pensou em Closesm du Tailli.
    Jantas comnosco ? perguntou Felippe.
    Sim. respondeu Mauricio, mas deixa-me es-
    crever duas palavras Sophia, e preveni-la que
    jan lo foca.
    Melhor dzer-lhe que veoha jantar com
    tigo.
    Esqueces-te da mae que ella tem Sophia
    ainda que quizesse, nao viaha.
    Emquanto Mauricio escrevia, carreu a vista erh
    volla de s.
    O gahinete do seu amigo, innundado pelo sol, era
    mobilhado de trastes de carvalho, lodos limpos e
    luzdos como vdro os livros collocados em or-
    no te fez conceber a idea de infligir ao dem ; e gozava-se all nao sei que atmosphera de
    , i ridiculo capitalista algum horrvel supplicio, lento soreg e bem estar que fortificara o espirito.
    que deu oraem e cnje| ;io mesmo lempo; pcrcxemplo: a inlro- Naquelle recinlho nennum ruido, nos quartos
    h duccao de uma boa quantid;.de de insectos vene- adjacentes nenliuma voz desagradavel.
    nosos dentro da sua gravata? Oo exterior entravam pelas vidragas os brilhan-
    I'ensarei nisso. | tes e vividos ratos solares e alegres vozes de rri-
    E-isa phrase, lo sentida, v-se que emana de ancas, brincando nos jardins. Emfim, a boa ordeni
    um coraco que a morle rio conseguiu ainda e suavidade daquella estancia hannonsavain per-
    corroer! Dz-me: visto que tens pennssao de feitaraeute cora a belleza do cu puro e anuil-
    errar alguma vez por entre o vivos, porque que lado,
    nao appareces nunca ? A banca, coberta de livros e papis sollos, parc-
    rfem eu o sei, respondeu Mauricio, am tanto cia convidar ao rabalho.
    perturbado. Tudo ali pareca indicar quanto Felippe era res-
    Sei-o eu, alalhou Bidois. Mauricio lem entre peilado, amado e feliz,
    mos alguma obra prima....... Trabalha. Laura, assenlada na sua cadeira, perto do fogao.
    Ento est perdido! respondeu Constantino, com OS olhos filos na cainbraia que eslava bordan-
    eu o pnvasse da occaslio de o ver. |n,a i
    D.zendo islo, conduziu Mauricio a um gabinete yaHrSe|o> como lisemo$j nha resolvulo ara-
    cheio de livros, e no meio do qual havia urna ban- har uma V(,7 ,.(m ,vrannia da $opra ,->.
    ca coberta de papis, s a qual eslava PeUppe es- vejlou a weiso (|||e St"|ne a|IJ^ntava de podVr
    i ter com ella uma explicacao catbegurica, e assia
    redarga :
    de
    tocou um da com ar
    risonho, no hombro' de Mauricio dizendo-lhe :
    Ora vamos a saber : quando e que havemos s0 n03 vjsjt ,.i|vM ft):}( convenienl(. "pe.
    de rea r ?
    Ceiar
    Com quem ha de ser ? Com as rapan
    __ dir-lhe inlormacoes acerca do iue elle faz l pelo
    exclamou Mauricio Com quem f oulro muado v v
    Mas, antes de tudo, carecemos de saber se o
    espirito que vemos dame de nos se lembra anda
    do idioma materno......... Triste sombra, ainda
    fallas o fi tatos
    AJguma cousa, respondeu Mauricio.
    V-se que que modesto; replicou Mimi-So-
    leil, nada de o intimidar Eu me incumbo de Ihe
    A sua exasperagao hav.a chegado ao estado fazcr ((r,,llnIai Dz_mei meroso phantasma,
    emque (icaria um homem aos ouv.dos do qual aquell hediondo e enamorarte velho, que tem per-
    t.vessem tono locar durante seis horas o com nas de (lanwrno e olhog dl, fuinha contina a
    loda a torca um carnlhao de sinos radiados. es,ar de ,an|o na offl(,Jna ?
    Lonheceu que nao podia reprimir a colera, e (^,nlin,ia_
    ura negocio urgente,
    O coraco que elle quiz offertar-me em cerlo
    da, em que o dono eslava predigo, arde anda nos
    No dia seguinte deu ordem.para nao deixarein. m,.;mS senlimentos c aquece- anda o mesmo
    entrar pessoa alguma no officina, mas uma Hora c0||ele
    depois de dada esta ordem abria-se a porta es-
    treptnsamente e entrava por ella dentro o senhor
    Anda.
    suspirando.
    Na la, nada; Mauricio nao trabalha: o tra-
    balho o primeiro gru de enfraqueciniento nas
    E a lemhranca do que dorias nossa antiga
    du Tailh, soltando altas gargalhadas e gnUndo an,sade -
    quanto podia.
    Eu bpm se disse elle
    para que nao entrasse aqui pessoa alguma, po
    rm isto nao se entende eoutfgo: eu nao sou
    pessoa, sou... Oh I eslava esbocando a figura de
    Ituth ua tecao de respirar nos campos de.....
    de.....Como diabo se chama o tal rendero ju-
    deu?... Nose esqueca do pastor anamorar a
    ceifeira, conforme Ihe aconselhou o meu amigo do
    Havre...isso dar mais vida paisagem......
    Pode continuar a trabalbar, que eu c vou leudo a
    gazeta.
    O effeto produzdo por aquellas palavras fui
    estragar o quadro na )da do autor ; Mauricio
    julgava-o deteslavel.
    A proposito : conlinou du Talli, em quanto
    Mauricio acoutava o panno ainda branco com o
    tentdeu orden para a ceia de que hontem fal-
    lamos f........ Mmi-Soleil tambem assiste a
    ella?
    Mimi-Soleil ausentou-se com Jacques Lam-
    ben.
    Sempre o Jacques Lamben I E' uma pre-
    ga I... Aonde foi un elles?
    A' China ou S. Dinil; nao sei aonde.
    Evollaro breve ds to tonga viagem?
    Amanha ou talvez nunca,
    floseau du Tailli sorriu-se, e, piscando os olhos,
    replicou:
    Sabe uma causa, meu bom amigo ?
    Nao, nao sei.
    E' que o meu caro Mauricio lem zelos de
    Mimi-Soleil.
    O artista quebrou o tent que tinha na mao,
    exclamando :
    Eu Eu zeloso de Mimi Soleil 1......De
    que?
    Oh finja-se innocente I Eu bem o tenho
    desconfiado, ao notar a perseveranca com que o
    Espreitava a occasio era que havia modelos, os raeu "? m*a <*ronJ>:
    ' Parece-lhe ?!...
    quaes o encantarara quando vestidos de anjo ou de Pareee-me que est perdido de amores por
    naiade; dizia-lhes duzias de insulsas facecias acora- ella Eu c sou muilo perspicaz Nao sei para
    pauladas de risadas estpidas e estridentes capa
    zes de fazer perder a paciencia a ura santo.
    Os chistes du velho coinmerciaute, de comprdis-
    simas suissas grisallas, data vam do annu de I82H,
    poca em que havia composto as suas melhores
    coplas. Tinha prelencoes espirituoso, fundadas
    na sua voz estridente e atroadra, e julgava-se ido-
    latra das bollas-artes por ler em casa quatro gra-
    vuras, copias de Uavid.
    Closeau du Tailli eslava ntiinamente convencido
    tSSim como mudas postoas, de que nao ha verda-
    dtdeirs artista sem grande dsc de extravagancias,
    e que elles passam a mor parte das noutes em
    coias e orgias. Entenda que a orgia descabellada,
    tal como a pintara certas narraedos excntricas
    forman parte integrante da existencia artstica, e
    tinhat convieco de quo essas comedias e vaude-
    villes, que tanto o exlasiavam, s sobre uma mesa
    innundada de Champagne e no mais vivo referver
    de loucas e calorosas conversas que podiam ter
    sido escripias. E, come elle se arrogara o titulo de
    protector de um artista, quera tambem tomar
    parre na vida artstica.
    que que mo nega '... Por vida mnba 1 en nao
    sou nenhum palerma! Olhe que lambem tenho
    sido dos bous I-----Vamos, faca como os eutros;
    gose.
    E Sophia ?
    Que lera Sophia ? Nada sabe nem devo sa-
    ber. Bem sei que casado ; mas porque casou
    deixou de ser mancebo ?... Ah! que pecas que
    nao preguci a minha defunta mulher !... Toda a
    questo esta em se nao saber ; e, debaixo d'esle
    ponto de vista, nao censuro, antes, sim, louvo a
    sua discrico -, mas entro amigos c'os diabos!
    fallase claramente. Era caso de aperto, pode
    contar ^comigo. E bem sabe o proverbio .. .sem
    boineui ninguem homem. Acceitenie por confi-
    dente e nao ha do arrepender-se-----Vamos a sa-
    ber : isso j dura ha inuito J E' de antes do seu
    casamento ou ComoCOU depois que vem da la-
    lia ? Lambert sabe alguma cousa ? E Mimi-Soleil
    nao lo linda cora os cabellos Trizados aos la-
    dos?... Oh quanto o meu amigo e Lambert
    sao le I i zes I...
    Mauricio ouvii pasmado o ex-negociante e aflli-
    gia-se SO ver o charco ininiundo em que aquella
    asma andan atogada.
    Aproveitou-se de um momento em que elle to-
    mou folego |iara u interromper, dizendo-lhe :
    Quando me rereb com Sophia, ful com a
    firme bracio de faze-lafeliz,quanlo em mim coobes-
    faculdadds moraes; tem-se, porm, visto homens e sahiu.
    do, semelhava o anjo protector de lar domestico.
    Quando Mauricio acabou de esciever, levantou-
    se ella para entregar a carta a quem devia leva-la
    Apenas ella sahiu, perguntou Mauricio Fe-
    lippe :.
    Es feliz?
    Feliz! respondeu Felippe. Feliz! Noconhe-
    Co nome que condignamente possa exprimir a fe-
    licidade que gozo com minha querida mulher !
    Ambos tomos vizinhos della, nunca ella nos occul-
    lou cousa alguma do seu viver honesto, e, todava,
    nenhum de nos a conhecia. Cerca-a uma aureola
    laboriosos reabilitarem-se, e, por um potente e
    momenlanco esforco, entraem no alcacar da
    preguica. Mauricio, ah I esse muilo mais culpa-
    do : da lces ao Sr. Closeau du Tailli; Closeau
    du Tailli com prelencoes a artista I
    Manda-rao, Mauricio, b eu Ihe ensinare a
    pintar monos, dando-me elle rinte e ciuco luzes
    por minuto!
    Eu sou mais generoso; tomo-o para apren-
    diz : tem de radiar lenha, acarretar carvao, esfre- de ternura e castidade ; bondosa, ingenua, hem-
    gar a officina, e exigirei por ludo isso uma indem- fazeja e meiga. S a resa e a resignacto podiam
    nisacao rasoavel. dar-lhe tantas e to anglicas virtudes. Derrama a
    pal em volla deda e faz-nos amar os nossos deve-
    Conlir.uaratn com esla conversa extravagante res. To laboriosa como a abelha, dir-se-ha que o
    anda por nitrito lempo. Epi frailunas, paradoxos, trabalho Ihe d descanse. A msica a sua dis-
    historieus, succediam-se se :i nterrupco: chas- traccao, a sua alegria, a sua melhor festa. Seria
    queavai.i-se uns aos outros e ninguem se offendia ; ap0ntada romo uma summidade artstica, se a sua
    cbonam e resaluvam os chistes, cerno sarai va nas n,n|a modestia lh'o nao vedasse. Seu coraco pos-
    teljas. sue a maluridade dos mais bem sazonados fructos
    Este rogo de artificio do palavra entro mancebos j0 outomno, seu espirito toda a frescura de uma
    amigos, que gosavam em co nmum imprevisao e manha de abril. E que inexgolavel thesouro de
    alegra, como que refrescav.i o coraco de Maun- indulgencia e compaixo Esla sempre prompla a
    co. Hespirn novo ar fra do rido circulo em consolar os que soffrem, e, quando os meios de
    que viva com a familia Sorbier e suas estpidas consolar Ihe tallecem, junla as suas as lagrimas
    palestras. delles... Foi, sem duvida, o meu anjo bom que
    Maurcio poda comparaise ao doente, que, reServou Laura pare minha esposa,
    depois i'e longa o perigosa molestia, vae refazer-se
    de torc s. aspirando o ar natal. Tanto enthusiasmo na bocea de um homem pou-
    0 coraco, o peilo, dlatavam-se e desoppri- co dad a louvore* espantou a Mauricio e fez-lhe
    iniam-se. conceber anda melnor opiniao d3 Laura do que
    Ali nao havia discussoes acerca de mesquinhos aquella quo elle j formara.
    inleress 'S, maledicencias hai rdas em vistas estul- Quando ella ontrou, olhou-a com gesto entrne-
    las e tediosas, murmuracoe; nascidas de mesqui- cido c notou-lhe grecas novas, e pelas quaes al
    nhas pa xes. ento nao havia dado.
    Nao queremos dizer que os amigos de Lambert Ah I-disse elle comsigoSe nao fra Aga-
    ponpassem maJedeeoneias, mas ao menos tinham tha Sorbier, a minha Sophia mute havia de paro-
    dias o mrito de ser bancadas como flexas e espi- cer-se com ella.
    rituosanienle pronunciadas : Iravavam-se na con- Em quanto jantaram conversaram era assump-
    veisaco semelhanca de relmpagos, e, se alguma tos alegres, singoHose nlelligentes, como convi-
    dellas feria, a dr era momentnea. i nha a pes-oas de bom gesto. Tralaram motivos
    Mauricio, antes de sahir d.i officina de Lambert, que Ibes eram famibarese proprios a sustentar o
    fez prome>sa de voltar l mais vezes. Ametcaram- pensamento em regios elevadas.
    no.no caso que elle bJtassB i sua prumessa de Mauricio visitan de novo as margeos que ootf*
    irem loi os execular urna razzia no seu pavilho, ora lano percoirera e que desde milito havia alian-
    do entrar violentamente, de anear mao do chama- donad .
    do Closeau du Tailli, submelte-lo a uma looga se- E, quando sahiu de casa do amigo, onde pastoo
    re de mus natos, empala-lo e entregar-Ule os duas borts lio agradavelmente, sem nte amato-
    despoos nas parras vingatvasde algum mcrcador dcencia hoovesse perturbado a franqueza e ami-
    de curiosidades. Blde que se fez parecer fugitivos momento-, nao
    J dissomos que Mauricio nunca fizera parle do pode deixar de lazer eomparecSes entre o viver ta
    circulo desses artistas, cujo viver desregrado os rua de La Brujiere e o da rua (todut-de-Mlnroy.
    loros despiesiveis e desgreetidos, mas ora oonhe- Mas pergoDianasi mesmo se nao era culpado
    cido e estimado em um grupo de artistas, pintores em ter curado to pouco do seu futuro, ilixando-
    Muilo estimo, senhora, ouvir o que acaba de
    ter a bondade de me dizer, porque mais BB I 'i-
    venco de que ha pontos, acerca dos quaes nunca
    poderemes estar de accordo. Se eu nao tenho di-
    reto a fazer da sua casa hospedara, creio que
    laude in a senhora nao lera direito a converte-U
    em prso!
    Em prso ? !exclamou Agatha.
    E por isso que, se at hoje poucas vetas
    tenho sabido s e uma nica janlei com os mea*
    amigos, de boje em diante tomarei es>a bhb
    mas liberdades tantas vezes quantas nv aprou-
    ver I
    Qur dizer que vae viver tora !
    Quero dizer que hei de viver como ea ea-
    tender, sem me esquecor do que Ihe den, tabo-
    ra I Se minha mulher julgar m esta rrsotaee,
    tonto que poucas palavras hio de bastar para fa-
    zer cora que ella a approve. Carcho de certa in-
    dependencia, senhora, c lo somente o que re-
    clamo.
    Sabe-se muilo bem o uso que qur fazer
    della.
    Mauricio inclinou levemente a eabeea Sr.'
    Sorbier e conlinuou :
    Um uso til ou agradavel, segando as efr-
    eum tancias. A senhora lem os sea* eoneertw.
    bailes, passeios e as suas visitas : gose de loaV
    esses prazeres quanto Ihe appniuver, mas nao leve
    a mal que eu procure disiraccVs fra desse cir-
    culo Tem amisades em grande numero : d
    me as nimbas. Tem a sua casa e o seu sali ; eu
    de mim s peco que os romances, as polkas e as
    palestras respeilem a minha officina.
    Qur dizer com isso que Ihe somos sopor
    lunos?
    De modo nenhum S desejare que ma ato
    mure separasse a vida mundana da vida iateer-
    tual. Caieco de receber militas pessoas que toe
    procuran) para negocios relativos minha arlo e
    desejo possuir uma officina deque s eu postadis-
    por, sem ser interrompido por importuaee, tase a
    seu grado disponham de mim e dos aaeas pin-
    ceis I
    Entao chama importunos aos nossos ami-
    gos ? Iexclamou a sogra.
    Mauricio, sem Ihe respouder. voltou-se para o
    sogro, dizendo-lhe :
    Creio que o Sr. Sorbier rae comprenende e
    approva o meu desejo.
    Sera duvida, sera duvida... respondeu o ve-
    lho, algum tanto embaracadoQuando estou no
    mei gabinete a tirar a cunta de algum devedor,
    se abjuem La entra, tos-me perder o algari-mo das
    son:mas e tenho t\> sommar de novo, portante,
    nao censuro o seu desejo de o deixarem estar rm
    socego ; mas nao essa a queslo.
    Entao qual ella?-pergualou Mauricio
    Apesar de lodo o respeito que tenho pelaSr.' Sor
    bier, uo posso tomar a serio a aceusaro, anas ella
    me laen, de que eu faco sua filha infeliz
    ~ I'ois faz mal! respondeu Agatha sueca-
    mente.
    Ento devras trala-se de Sopbia ?
    ~ verdade!
    Mauricio virou-sc para Sophia ; ella. ,
    baixou os olhos e eobrn-se de lacrimas, dizendo
    Ah nao islo o que me havia prosnef
    tido I
    E lapou o rosto com as n
    A Sr." de Viileaux, que ate ento estima sen-
    tadi cora ares de indifferenca ao p d> Maui
    chegou-lhe os labios ao ouvido, em quanto Agalha
    corra para a filha, e disse com emphase ao ar-
    tista :
    A bomba vae arrebentar | negu, e aegue
    bem 1
    Dito isto, lerantoa-se e acercoa-se de Sophia.
    que pareca ameacada de uma crise astwiut e
    eslava sulfocada era solugos.
    Minha chara senhora de Vitteaux Ihe dwse
    Agatharogo-lhe que conduza Svphia ao quarto ,
    minha infeliz lilha nao est em eszado de assistir a
    uma explicacao deslas !
    A Sr.' de Vitteaux levantou sjphia e levoa-a
    comsigo.
    Venha, minha boa amiga, venha ;dizia ella
    a Sophia, laucando olbares de intclligeaciaa Mau-
    ricioou persisto i'tn crer que, apelar das appa-
    rencias, o Sr. de Treuil nao culpado.
    Dito islo, sahiu e deixuu a Sr.* Sorbier frente a
    freite com o genro.
    Agatha levou o lenco aos olhos e disse a Mauri-
    cio com voz commovida :
    Ah I senhor I que scena, que scoaa nata ao
    lim de poucos mezes de casados I
    Estou ainda espera da explicacaor spoo-
    deu Mauricio framente, por que bem va que a so-
    gra tinha os olhos seceos.
    Vae te-la I replicou ella.
    E sentou-se, fingiu limpar os olhos, sua parea, e
    depois. olbando pareo genro, disse-lbe :
    U senhor sahiu lioje logo de raaahaa
    e juinu fra...
    verdadedisse o artista, uiierrompeads-a
    Se eu eslivesse dianie de um juiz criminal, tal
    vez deixasse de responder ; mas estou dame d i
    nbura, quero ser siucero : almocei em ca>a de
    La nUert e jantei em casa de Felippe. Parce- u
    que eomineili algum crime ?
    Oh eu nao Ihe pco miudas
    Os juizes criminaos, romo lhes chama,
    to bem que nao podcui contar com a sinceridad*
    d'aquelles a quem saoobritjadas a interrogar.
    Stja assim, senhora. Mas entao fcilmente
    pode comprebander que, nao querendo eu, de bm>-
    dc nenhum, descer a jusiiDcar-uie. leudo lodo o di-
    reito de me callar.
    Com ludo, para lamentar que o tal abnoro
    em casa de bnsnbert I o jantar em casa de Felipa*
    coincidam com uma carta >em -iiIim-npto. tJB
    ei eoutrou a jiorla da sua oflkiua, e que fm mU
    ptr minha Una.
    Fez muito mal em a ter, visto que au ere
    dirigida a ella.
    (0>ntinwtr-te-kJ
    PERNAMBim- l'YP. i'E M F F 4 III


  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID E3CE486BE_TD78GL INGEST_TIME 2013-08-28T02:51:02Z PACKAGE AA00011611_10114
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES