Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10111


This item is only available as the following downloads:


Full Text
.
1 -
i*
f
f

k
AHHO XL. ROMERO 9.
Por tres oiezes .idi.-uii.-idus SJOOO
Pop Ires Bit-zes 'uncidos 6$o00
Porte ao correio por tres raczes. 750
DIARIO
QARTA FEIRA 13 DE JANEIRO DE 1864.
Pir anno adiantado.....i9$00O
P.rlc ao correio por uin anno 3$00U
fc.NCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Aleandrino de Lima'
Natal, o Sr. Antonio Marques Sr. A. Je Luraos Uraga; Ccart, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinhero mazonas, o Sr. Jeronymo da Cusa.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
01 nda, Cabo e Esrada todos os dias.
Iguarassu", Goyanna e Parahyba as segundas el
>extas-feiras.
Saito Anlao. Grvala, Bezcrros, Bonito, Caruaru'J
AHinho e Garanhuns as tercas
EPHEMERIDES
JANEIRO.
2 Quarto ming. as 5 h., 18 m. e 20 s. da m.
9 La nova as i h., 25 m. e 50 s. da m.
ENCARREGADOS DA SIBSRRIPCAO
Alagas, o Sr. Claudino Falco Dias; Baha, o
Sr. Jos.' M.irtins Al ves; Rio de Jaueiro, os Srs. Pe-
reira Martins J, G.isparino.
i Li T. wanhuns as tercas feiras. 15 Quarto cresc. as 8 h., 45 m e 45 s da t
; A- Pao d Albo, Nazareth, L.moeiro, Brejo, Pesqueira, ?\ La cheia as 7 h M m Til a .
pgazetra, Plores, Villa Relia, Tacaratu", Cabrob M 7 "' W m- e ,4 s' da l
Boa Vista, Ouncury e Exu' as quartas feiras.
-_...-------, quartas
NO SUL |berinhacm. Rio Formoso, Tamandar. Ina, Barrei-
nwr,j A?ua PreU e ''""''"'''iras as quintal feiras.
lina de Fernando todas as ve/es que para ali sahir
n mo.
Todis os estafetas partem ao y, dia.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 6 horas e 54 minutos da manhaa
Segunda as 7 horas e 18 minutos da Urde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o su! at Alagoas a 5 e?S; para o norte1 at
a Granja a 7 e 22 de cada mez para Fernando nos
dias 11 dos mezes dejan, marc., ruaio. jal, sel. enov.
PARTIDA DOS OMNIBl
Para o Recife : do Apfpncos as 8'/ 7, 7 % 8 e
8 Vi da m.; de Olinda s 8 da ni. e 6 da tardo ; de
Jaboatao s 6 >/j da m.: do Caxange Varzeaas 7
da m.; de Bemflca s 8 da m.
Do Recife : para o Apipuros s 3 y,, 4. '/,. V?.
. 5'/., 5 '/2 e 6 da tarde; para Olinda as 7 da
manhaa e 4 '/2 da tard.' para Jaboatao s 4 da tar-
de ; |iara Cachang e Varzea s 4 '/j da larde; para
Bemfica s 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TMBINAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relacao: tercas e sabbedos s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizu do commercio: segundas s II horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 hons.
Primeira vara do civel tercas e sextas ao meio
da.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a I hora
da tarde.
b.'AS DA l EMANA.
11. Segunda. 8. Hygino p. m.; S. Salrio m.
12. Terca. S. Safjro m. :Ss-, Arcadio c Zoticomav
13. Quarta. Ss. Hermilloe Siraronio mm.
14. Quinfa. S. Fex m.: S. Marrina v.
15. Sexta. \ Amaro ab ; S. Scrundina v. m.
lli. Sabbado. Ss. Brardo, Arurcio, Othon mm.
17. Domingo. S. Agatbo ab.; S. Elcosippo m.
ASSIGNA-SE
no Rerife, em a livraria da praca- 4a Indepeodotia
ns. 6 e 8, dos proprieterios Manoel Figatvoa 4.
Faria & Filho.
P A RTF FFIf T 4 T A"'oni,a Maria ,la Conceicau.-Deferide.
i l\ i Jj \jl f UIAL. nrado w Ges Passe portara coi
tiOYERM DA PK0VI1GU.
licanya pedida.
portara coucodendo
certido
timo.
de telo fcito
Domingos da Silva Giiiuiaraes. -
iuspoctor da Ihesouraria de
I**** J. di. 9 *, ja.eir. de 186!. JSSLSTSS^ST
Circular aos Extns. prosidentes das provincias Olinla e Iguarass.
do sul e norte.Solicilando-me o director geral da **fi Marcelline da Costa.
instruceao publica, em officio de 30 de dezembro cedendo a licenca pedida,
njtimo. para a bibliotbeca provincial, urna collec-1 Joio Jos Barroso da Sil
cao das leis c relatnos densa provincia, dos annos Sr. ispeetor da Ihesouraria provincial,
ue 1800 a 1863, rogo V. Exc. que no caso de os | Mguel Caudido de Medeiros Pinto.
Iiaver duponiveis, no archivo da secretaria desse diretoriado tlu-atro de Santa Isabel,
([overno, m digne de euviar-me pa/a aquelle I M.iria Januaria da Conceicao.JJirija-se ao Sr.
i provsdor interino da Santa Casa de Miser-
jnlho ul- Bellas, do termo |iolrial de Ruique, foi assassinado
com una tiro e vinte nove lacadas Sacharlas de
lo, e por elle nos foi dito
tador sen
t-Ios remeiiido por por-
Informe a
(la para os lubaroes nao a rxrrrfar para es baixo*
du Kraiieez, e esta ludo feilo : o vell Dea moco r
gentil, a velha traz da branc esruma de mar j
belleza daquella Venus, que S-^inrno engcidrun
aellas, e as lloras arrubataram-n'a eom pompa par
o ceo, onde infelizmente foi encontrar nra marido
que os deose asss znmbaram delle
Consta que os boticarios pretaBdeA Meraww
aos poderes competentes urna enrgica- representa
&PtAxxnsx SSIII:^^ IISSSS tettfttoas

-Passe por-
tiui.
Olllcio ao Exm. presidente do Rio-Grande do
Norte. Solicito de V. Exc. a expediccao das con-
venientes rdeas, para que eesse, como pede o al-
teres Joao Barbosa Cordeiro Feilosa, no incluso re-
|uenmento,oalionoda consignacao mensalde 184,
<|tie elle deixou de seu sold nessa provincia, en-
viando-se para aqu una guia ou eertido, eui vista
ria qual se possa regular o pagamento dos respec-!. Major Sebasti.o Jos Bazilio Pyrrhe.Avista da
livos vencimentos.Communicou-so ao brigadeiro informacao nao ha que deferir,
commandante das armas. Tlioinaz Antonio Ramos Zany Passe portara
Dito ao brigadeiro cominandanle das armas. conejdendo tres mezes de licenca com venci-
(^mmunico i V. Exc. que por despacho desta da- menlos.
ta, conced a Rosa Manada Conceicao, o prazo de Virginio Felippe Nery. Requeira ao governo
cord a.
Manoel Saturnino dos Santos Ncves.
taria no forma do estilo.
Rufino Manoel da Cruz Cousseiro. Dirija-se
thosouraria provincial.
Risa Mara da Conceicao. Concedo o praso que Braga.Negu-se a rev
N. 6438.Recurrentes Manoel
Aracajd.Deferiram-se.
A'ruo.tif(io das revistas.
N. 6468 pelo Sr. baro de Pirapama.
N. 6470 pelo Sr. Silva Ta vares.
JtXC.AllEWTOS.
v ei-n Rrvittas citis.
N. 6434.Recorrentes Joo Evangelista de S
t .harem e otitros, recorrido Joo Peixoto da Costa
No lugar Tabatinga, do termo policial de
Goyanna, houve um grande desaguisado na
e resta, -provocado |>or Antonio dos Santos
deiros de Aguiar e outros contra a polica, rcsul-
yapor A/x.
Nao sei se elles procedem avisadamente: on se
ial de A respeito da rectificarlo ella tao satisfactoria seria melhor fazerem noi.to
noute quanto exacta a assercao primeira. Tal vez ""tV^mdo =>7v r fw.
se n
commerciante.
arsrtado
?ndo ojetento ,e valias ,^s CTiVS ;edremJra,ire^JtsoC^a^ S.Tdo'S horneo leXa?roDdanD0,SeS^2'S
das quaes gravemente. Nenhum dos turbulentos seus regulamenlos ; cair. porm tijelinhas cu l>r. i.T".'. ev_f luPr_em ,nda- destacado foi
Mi preso. deiam ali' 'o-,,iii.>....r x irt..i.ii. .
_, .,_-.. r-------..,--------------ibor
iinanliecer. ^o enlrelante o comman- ( instantes de vidi
estaqueado em um anno morreo no outro com pon
Nao tem razio portaato
pede.
quioze dias, para provar a isencao do recrulamen
to a bem de seu filho Mathias Antonio da Hora.
Dito ao iriesmo.Sirva-se V. Exc. de mandar '
por em lilierdade, dando-lho baixa, se j estiver
com praca, o recruta Hermino Manoel da Assump-
cao, que provou isencao legal.Communicou-se ao
coronel recrutador.
Dito ao mesmo.Responderlo ao officio de V. I
Exc, sol n. 30 e data de 8 do corrente, tenho a '
uizer-lne que, a quantia de 1:1004000, enviada ao
collector da: villas da Boa-Vista e Cabrob, pelo
alferes Constantino Martins Fernandes, para occor-
rer aos pagamentos do destacamento existente na
segunda das referidas
imperial.
INTERIOR.
WPREnO THIUI V\L Dfi
MHSA0 KM 9 DE DEZEMBRO DE 1863.
Pr,!$Ueneia do Sr. coiuelkciro bar Co dt Mont-
serrote.
. Thomaz de Mi-
randa e outros, herdeiros de I. Mara Joaquina
Serra, recorrido Domingos Jos Alpoim.Necou-se
a revista.
N. 6435.Recrreme Vicente Ferreira da Silva
Louto, recorrido Joio Antonio Fernandes de Miran-
VfiiT.,u"suearev!i,a-. ,
corridos Jo^i fn?rG?iLr Fci* (;.ye- o ultimo alistado na companhia de artfices.
corrios Joaquim Manoel Lardoso c Clementino
Jos Lobo. Negou-se a revista.
N. 6461.Recorrente Joo Pedro Soarcs dos
Res, recorrido Manoel Ferreira Pinto. Negou-se
a revista.
ro manoo desligar da companhia de apren- dante do vapor.lixi, que tarece tinha nressa den Mni
d.zes do arsenal de guerra, por acharem-se com- um Uro e co lijerinbt de^nd lteSdTde X?ohal^^tirm, Alh-q"-d#d,STq!?!
. ehendidos as dl*posic3s do art. 10 do regula- luz; e vendo que nao be ia" pratico, deu segn- g"?K?b* 1?*^flrm-a*"P"nn?w pmdiade
do tiro com intervallo, sil(tnal e'sse quo serve para '
avisar que ha navio em porigo, e que levou a for-
Sla" alerta"'" ^ "'" U,r e'" Pr0Va qU61 "S eS^' e < ^
Qoaoto a sensacao que produz.o semelhan.e 'r-SV^TLts^^ "**" "* "**
ma da proceder so.o Sr. Dr. Alcoforado filho, dan-1 r^tS da 2c'*
bacalho._ Em Olinda nao se guardou o preceilo,
o anno nao deve ser to tno...
Desejo-vos, compadre, bas saludas e melho
vos livrardes das
ment do J de Janeiro de 1842, os menores Emilio
(.ornes, Jos Izidoro da Silva, Jos Antonio de Pa-
na, Prudencio Francisco de Assis, Pedro Ferreira
Luna e Fortunato Jos de Mello, sendo os cinco
primeiros apresentados ao brigadeiro commandan-
te das armas para lerem o conveniente destino, e
IM^S"-0 ."a C,n,l)anhia dt artfices. do-se ao trabalio de ir inf irmr-sdos" mordoes xtrarl0 Darlp
- Foi ordenada a soltura dos remitas Manoel do bairro do Recife, poder avahar qual ella foi, e Pnram rVhEEli i de Janeiro).
; Francisco Duarte. Jos Bernardo da Q.sla Lyra, nao querer conhecerdos tffei.os de'um faci' pk deSo detencaono d.a II
Alcxandre, visto sado no porto, la do riolce amiente do seu sitio.
Jos i.uiz, Izidoro'de tal e Manoel
S m" i ref"''das villas, dove ser entregue ao (S^retario interino o Sr. escrivo Asss Araujo.)
otlcial que immanda o mosmo destacamento, vis-! As 9 l|i horas da manhaa abrio-se aaoBO,
'"ou Pri'diio collector: licando esse achando-se presentes os Srs. conselheiro baro de
.....--,--------------------------------presentes
uncial oDriyado a prestar conlas Ihesouraria de Montserrate (presidente,) Almeida Siqueira, Veiga,
lazeuda.Lommunicou-se ao inspector da thesou- Cornelio Franca, baro de Pirapama, Pantoja, Bri-
raria de fazenda, lo, SilvaTavares, Ernesto Franca, Chichorro, Ma-
ullo ao inspector da Ihesouraria de fazenda. rian, Simoes, Machado e Messiasde Leo.
'evolvo a V. S. o requeriraento sobre que versa a I^u-se e approvou-.se a acta da antecedente,
sua informacao de hontem, sob n. 10, aflm de que, expediente.
mande pagar ao porloiro do hospital militar desta Oficios.
capital, Joao Joaquim Rabello Pessoa, a gratifica- Da secretara de estado dos negocios da justica,
cm que deiiuu de perceber. relativa ao mez de de-: do 1 do corrente, communicando que S. M. o Im-
zembro ultimo, em que por doente nao exerceu as perador houve por bem :
funeyoes de seu emprego, considerando V. S. assim | Conceder (portara de 19 de novembro findo) li-
abona.las as fallas que em lodo aquello mez deu o cenca por tres metes, com ordenado, ao Sr. iuiz de
stipplieaalo. direit) Dr. Vicente Ferreira Gomes, da comarca de
Mito ao inipectur da Ihesouraria provincial. Aracalv.Rogistre-see averbe-se.
Constando dj officio do director da repartico das Das presidencias das proviucias :
obras publicas, datado do hontem, e sob n. 68, que Da Parahyba, de 20 de novembro lindo, eoramu-
jn se ada concluida amelado da obra do empedra- nicanlo o fallecimento do Sr. juiz de direto Dr
niento da estrada da Victoria, entre a ponte de Ja- Manool Correa Lima.
laoatao e o engento Bulhoes, e por Uso o respeeti-' Do Rio Grande do Sul, de 26 de novembro findo,
vo arrematante com direito a primeira prestaco communicando ter prorogado a licenca concedida
di seu contrato, recommendo a V. S. que mande ao Sr iuiz de direito Dr. Antonio Francisco de
pagar em vista do competente certificado.Com-' Azevedo, da comarca do Rio Grande,
iminieou-se im director das obras publicas. Do Rio Grande do Norte, de 16 o 17 denovern-
Uilo ao mesoio.Annuindo ao que solicitou o bre fi ido, communicando ter entrado em gozo de
enere de polica em ofBcio de 7 do corrente, sob n. licenca o Sr. chele de polica Dr. Severino Alves
2-, recommendo a \. S. que, nao ha vendo incon-. de Carvalho e no interino exercicio do mesmo car-
yemente, mande pagar ao lente quarlel-meslre go o !r. juiz de direito Dr. Joaquim Pedro da Cos-
Luizde tranoa Mello Jnior, a quantia de 7*360 ta Lol a 16 do referido mez, e ter concedido ti-
ris despendida nos mezes de jullio dezembro do cenca ao Sr. juiz de direito Dr. Vicente Alve de
asno prximo passado, com o forneeimento d'agua Paula Pessoa, da comarca de Mipib. Averbe-se.
aos presos roeolhidos ao quartel d'aquelle corpo, Do Sr.juiz de direito Dr. Joao Ladislao Japi-As-
t-inno se ve da Melosa folha Gommunicou-se ao su Fij ueiredo e Mello, do do corrente, enviando
l'r. e.liefe de polica. certidio de exercicio na comarca do Bananal, des-
Uitoao mesma-Pode V. S., como indica em de 26 de fevereiro ultimo.Averbe-se.
sua informacao de hontem sob n. 6. mandar entre- Exposiciio das revistas
g u ao tbesonreiro da s-ie dameos e Liberaos, Rufino Manoel da rtiz Cous-; N. 6466 pelo Sr. Veiga.
seiro, o cont de res, com que foi subvencionada N. J468 pch Sr. Clucliorro
aquella sociedade pelo artigo 9. da le de orcamen- N. 1781 pelo Sr. Cornelio Franca,
to vmgente.
Dito ao pDvedor interino da Santa Casa de Mi-
sericordia.Respondendo ao seu
corrente, tenho a dizer
JtUiAMENTOS.
Revista criminal.
Pastagem das mistas.
N. 6448 ao Sr. Siqueira.
N. 64o0 ao Sr. Cornelio Franca.
N. 6468 ao Sr. Pantoja.
N. 6470 ao Sr. Ernesto Franca.
N. 6460 ao Sr. Messias de Leo.
N. 1782 ao Sr. Brito.
Concluido das revistas.
Ns. 1786 e 6471 ao Sr. Ernesto Franca.
N. 6470 ao Sr. Chichorro.
N. 673 ao Sr. Mariani.
Da.
Ficaram com dia para julgamento :
A revista criminal.
N. 1785, relator o Sr. Silva Tavares.
As revistas civeis.
N. 6421, relator o Sr. Siqueira.
N. 6426, relator o Sr. Brito.
N. 6439, relator o Sr. Pantoja.
N. 6446, relator o Sr. Machado Nunes.
N. 6448, relator o Sr. baro de Pirapama.
N. 6449, relator o Sr. Almeida.
N. 6462, relator o Sr. Messias de Leo.
Levanlou-se a sessio 1 hora da tarde.
SKSSAO EM 16 DE DEZEMBRO DK 1863.
Presiittncia do Sr. conselheiro bardo dt Mont-
serrate.
(Secretario o Sr. Dr. Pcdreira.)
A 9.' horas da manhaa abrise a 'sessad,
do-se presentes os Srs
; queira, Veiga, Cornelio
I Pantoja, Brito. Silva Ta
chorro, Mariani, SimSes
sias de Leo, faltand
Leu-se e approvou-se a acta da antecedente.
EXPEDIENTE.
Oficios.
Ias presidencias das provincias :
De Minas, de 10 do corrente, communicando ter
enviado as portaras dcsle tribunal aos Srs. juizes
de direito, Dr. Luiz Carlos da Rocha e Dr. Joaquim
Bernardes da Cimba. Internado.
Do Rio, de 12 do corrente, communicando ter o
Sr. juiz de direito, Dr. Manoel de Araujo da Cunha,
da comarca de S. Joao do Principe, entrado em goso
de licenca.Averbe-se.
Do Sr. juiz de direito Dr. Francisco Soarcs Ber-
nardos de Gouvea, de 9 do corrente, enviando cer-
tido de seu exercicio na comarca de Itaborahy, a
datar daquelle dia, e das inlerrupcoes que ti vera
que os 3 ullimos sao Iraball,adores'"da"'csTrada"de ^t^^f^l^lZZ^rS^ I rin'dTs? ^ ^k^0 d L" dSlrCl0- ^
erro, e os oulros 2 anteriores apresentaram iscn- que se a defeza de prenles tem alguma cousa de de ronho
a0 k^1 ; obngatoria, nao deve ella ir comtudo Tirmn I .'. "I":
I rio da Silva Lima, branco, por suspeito em crime
aquelles de <|uem
ao extremo
mereceu attenco
da ra da
agenle Pinto,
a sua carta :
as azas, c caotaram os
repetirem aquillo que
Transferio-se para o dia 19 do corrente a reu- de offender
niao da junta que em ultima instancia tem de jul- o advogado.
par o soldado do corpo de policia Francisco Jos Iloje (13) elfectuar s-i-ha o loilao
de Santa Anna. Trompe n. 1, jwr interven.;o do
ro ordenado o alistamento; na companhia ra da Cruz n. 38.
de aprendizes do arsenal de guerra, dos menores O nosso collaborador rerielte-nos
Manoel (ornes Teixeira da Silva e Flix Gomes Compadre. Bateram
Pereira da Silva, filhos de Maria Frencisca Ramos, grous no dia de anno bom
urna vez que sejam por esla satisfeitas as disposi- todos sabem ; isto : que da existencia do mundo
caes do art. 4 do respectivo regulamento e hajam foi tirado mais um naco de 365 dias, e quo outro
V*KaSi.-. a- principiou para logo se acbar. Nao faltarara ain-
r.xpediram-se a reparticao das obras publi- da desta vez as pavorosas irapulhetas largaren!
cas ontens para confeccionar o orcamento da obra o seu ultimo grao de ara -, nem as infalliveis ro-
o encanamentod agua potavel at o Varadouro das do tempo sacudirem ludo para o vacuo in-
te Ulinda, atiui do ser ella posta em arremataco. j supprivel do passado. Sao andantinos cachimonio-
Ao professor de instrneco elementar da sos, que fazem muita vez i gente perder os botoes
tregtiezia ONossa tenhora doO" de Goianna, Jos das caifas pelo riso despregado que provoca.
Marcei no da Cosa, foraa) concedidos dous me- \ Ha apenas um anno quo um daquelles animaes
| m de licenca com vencimentos, para tratar de ao tremelicar de poleiro o seguinte, poz todos
desabonados
sua saude.
Tendo S. Exc. o Sr.
dente em consido-. O asno de l8Cpensando que omundodei-
A' ordem do subdelegado de S. Jos, Lzaro,
crioulo, esrravo de Antonio Jos Dantas, por sos-
peito de estar fgido.
A' ordem do da Boa-Vista, Urbano Cypriano
Leoncio, pardo, para correccao; Ignacia, parda,
escrava de Jos Ignacio Machado, por fgida.
O chefe da 1* seeea*,
_________^_ J. G de Mtanla.
pj
5:

o I k
Masculino.
2
Feminino.
x
3
Masculino.
pectivo contrato, acia contado da data
vincial n.~55i de 20 de abril do
da
anno
lei pro- e o globo inosirou todas ;is suas faces ao astro
prximo dourado, at que S, Silvestre veio por termo s
loucado anno.t
Hado para o inle-
Ihar o systema de
despertara da
chegasse a folhi-
- que exigem tra-, nna calholic.a do anno passado.
balboa dessa natureza, e que o seriara em seu pre- ( E na verdade um anno tresloucado a pensar era 1
: juizo se fosse derlarado permissivo e nao obrga- reler o mundo por Ihe ter passado a mo na pen-! u 1
tono o serviyo contratado ; e nao dever alm disto dula, cuja desproporcionada grandeza pelos seus | '
prejudirar a referida empresa a demora havida, multiplicados mostradores o aslro dourado pode
l nao so a este respeito, romo tambem em relacao a attestar; c o globo a preg;.r-llie o logro de se sa-
isengao de direilosdos objectos importados para far da ampulheta escorrer ; pedacinlio que me-
essefim, visto nao tir bavido de sua parte negli- rece ser reproduzido em lettras d'ouro, e conser-
gencia em promove-la. vado com zelo do fogo sagndo para honra de pai
Na mulo de natal deu-so nesta cidade um ro facto bom escandaloso, o deflora ment de Maria toars. Em quanto. poru isto nao succede, vou
Bernarda da Concei.jo, moradora na Cabanga, e remett-lo ao poeta illustre, ao divino traductor de
consta qne assim litera lugar esse aclo repro- Barlhelemy, para conser\a-lo salpreso ao lado
daquelle
insrparavcl teu cachimbo.
Feminino.
H
8 a
Masculino.
Feminino.
Masculino.
juvir mis-
ffleio .le 7 rtn \ i74 u """"? cnminai. por molestia c por licenca.Averbe-se.
ont( 10 de 7 do ?,. 1784.Recrreme o padre Vicente Mega, ex- Certida de ererciem
que, pode V. S. fazer re- vtgario do Inficionado, recorrida a justica.- .n-. b() *. :..-., 1!"'" ,,i /oi, Manoel de Ara-
To^tK^
Dito ao mesmo. Em vista do sua informacao' ^'^"S^ f%1^aZ*' ***'""^ U,"m '
de 7 do corrente dada com referencia ao requer- N. J4.-Hecorrente Justino Pereira Gallo, re- aa'-Jumo.-AvtrDe-su
S^m^e'bmrvagno^S crr,C0MaS de Mel.o Montenegro Pessoa.-Ne-. 0 Sr. d !mbargadS" ^ioAecWI de
' da SU,p,Can" "renles Luiz Vinho.o e sua mu- JST^t^^jTKXSST-
Guilliernuna. Iher, recorridos Manoel Jos de Mascarenhas e sua
A re(|ueriinento de Jos Alvos Barbosa, informa- mulher.Negou-se a revista
do pelo proyedor da Sania Casa de Misericordia, ff. 5451 Recrreme Manoel Joaquim de Castro
iuanduu-sa inscrever no respentivo quadro para Jnior, recorrido Jos Antonio Elvas.Nao conhe-
ser opportonamepu- admittida no collegio das or-! ceu-s< da revista por caber a causa na aleada da
jiliaas a menor Rosa relacio.
Dito ao mesmo.Nos termos de sua informacao
du do corrente, mande V S. entregar o educan-
dodo collegio das orphos de nome Francisco
Vieira de Aun la, Antonio Pereira de Souza, quo
o socilMa no requeriuieiiio quo devolvo para dedi-
ca-le ao commercio.Mandou-se entrenar tambem
o tutellado 'r.uiceliuo Rodrigues de Moura re-
q ii lmenlo do lulor.
Dito ao inspector do arsenal de raarinha.Man-
de V. S. alistar na companhia de aprendizes artfi-
ces, o menoi Leonardo que Ihe ser apresenlado
por Jos Alves Barliosa, visto estar as condcoes
i traes como V. S. declarou em sua informacao n.
<09 de H do correle, com
ncoloque devolvo.
N.
Passagem das revista^.
i'&o ao Sr. Veiga
.Y (466 ao Sr. Cornelio Franca.
Ns. 1780 e 1781 ao Sr. baro do Pirapama.
N. i458 ao Sr. Mariani.
OffiTBUWICAO.
Revistas civen.
N. i17!.Parahybuna.Tribunal do commercio
do Rh.Escrivo Biltencourt. Recorrente Jos
Pereira Milheiro. recorridos Leo & Athayde.Ae
Sr. Ernesto Franca.
N. )472.Jaguaro. Tribunal do commercio
do Rio.EScrivo Brando. liecorrentes Frau-
1 aa requer- nihfeUt & C. e francisco Jos de Macedo e outros,
reconido o curador lineal da massa fallida de Sal-
Dilo ao capilaodo portoMande V. S. por em vador Robira & C Ao Sr. Chic-horro,
liberdadeo recruta Manoel Rodrigues de Souza,! N. iI73.Porto Alegre.Rclaco do Rio.Es-
vislo ter provado Isoncio legal. crivc A. Araujo. Rccorrentes Manoel Jnior de
Dito ao )inz muuieipal da Villa Bella.De con- Freitas e sua mulher, recorrido Antonio Jos de
furiHidade coma requisico do brigadeiro comman- Araujj Bastos.Ao Sr. Mariani.
d m'e das ar as constante do oficio por copia in-, Hensta criminal.
cUisa, recommendo Vmc. que laja entregar ao N.
Begislre-se.
E.rposicio din revistas.
N. 6467, pelo Sr. Cornelio Franca.
Ns. 1783 e 6457, pelo Sr. Pantoja.
Ns. 1786 e 6171, pelo Sr. Ernesto Franja.
JTLOAMESTOS.
Revistas civ eis.
N. 6449. Recorrente Jos Pita Maeiel, recorri-
dos Alexandre Joaquim Dias e sua mulher.Con-
cedeu-sea revista e designou se a relacao de Per-
nambuco para julgar novamente a causa.
N. 6126.
oulros, reco
tros.Negou
Passagem das revistas.
N. 0465 ao Sr. Cornelio Franca.
N. 6467 ao Sr. baro de Pirapama.
Ns. 1783 e 6457 ao Sr. Brito.
Ns. 1786, 6470 e 6471 ao Sr. Chichorro.
DISTIUBncoKS.
Revista civel.
N. 6474Christina.Tribunal do commercio do
Rio.Escrivo Brando.Recorrentes D. Luciana
Ignacia Villela e outros, recorrido Joaquim Ribeiro
Lopes da Silva.Ao Sr. Simoes.
N. 6475S. Jos. Rclaco do Rio.Escrivo
^asrsRiSi, oca e! jfF* rr* r
.rrnios Manoe. Iternlrdes Migue, e ou-1 ggy- *
iu-m a re\ista, lim ..:
. ... i Nunes.Recorrentes Francisco Antonio Caetano e
alferes Jos Lngulobe da Cosa Lete, afim de ao-|Ho.-SESSrttaK da Silva Kanl0s e ou-
rem rcmettidosao 7." Iiatalho de infantaria os ob- reir da Silva (preso e condeu.nado a morte.) re- ,ro.s.- -.^5r-_rnad? 'N,,nes-
j. irlos pcrleiiieoies a fazenda nacional, o que foram corrida a justica.Ao Sr. Ernesto Franca,
coiiipreliendidos nosequestroa que se procedeu noj p,lm
espolio do finado secundo sargento do mesmo ba-
t.Jlio Vicente Ferr.nra Lojies.Communiceu-se
aj brigadeiro commandante das armas.
Hilo ao |,f supplente do juiz de paz do !. dis-
ti icio da freguczia do Poco da Panella, Joo Paulo
Ferreira. Scienle do que communica-me Vmc. era
officio de 21 do corrente, tenho a dizer-lhe que de-1
ve sem perda de tempo, o com a antecedencia da |
le convocar para a oriianisaco da junta de quali-
Acacio dessa freguezia os eleitores que elegnram
os eputados da cmara ltimamente dissoivida. 1
os quaes nn< termos do art. 112 da lei de 19 de
a;;oslo de 1846, e dos avisos de 9 de marco de
1849 o 27 de fevereiro de 1850, sao as pessnas,
quo devem ser convocadas e fiinccionar na refe-
rda junta, que deve continuar em seus trabaIhos I
a. nda mesmo depois de approredos pelo poder.
competente os novos eleilores, em. vista do que de-
clara o avias m. 601 de 30 de dezembro de 186!. 1
Ficaram com dia para julgamcnto :
A revista criminal.
N. 1785, relator oSr. Silva Tavaros.
As revistas civeis.
N. i 126, relator o Sr. Brito.
N >i'i4, relator o Sr. Almeida.
N. >435, relator o Sr. Siqueira.
N. 5439, relator oSr. Panloja.
N. 6441, relator o Sr. Silva Tavares.
N. 5446, relator o Sr. Machado Nunes.
N. i448, relator o Sr. baro de Pirapama.
N. 1461, relator o Sr. Machado Nunes.
N. 'i462, relator o Sr. Messias de Leo.
Levjutou-se a sesso 1 hora da larde.
SESS\0 EM 12 DE 1IEZEMUHO DE 1863.
Pre.dcncia do Si: conselheiro liarlo de Mont-
serrat/:
(Secretario o Sr. Dr. Pedreira.)
As 112 horas abrio-se a sesso, achando-se pre-
N. 6476.Capital da Babia.Relacao da mesma
provincia.Escrivo Caraeiro.Recorrente o Dr.
Domingos Jos oncalves Ponce de Leo, recorri-
do Pedro Martins Bastos.Ao Sr. Messias de Leo.
Dia.
Ficaram com dia para julgamenlo .
As revistas rriminaes.
N. 1780, relator o Sr. Vei^a.
N. 1785, relator o Sr. Silva Tavares.
As revistas cireis.
N. 6421, relator oSr. Siqueira.
N. 6433, relator o Sr. Sim. s.
N. 6439, relator o Sr. Pantoja.
N. 6416, relator o Sr. Machado Nunes.
N. 6450, relator o Sr. Siqueira.
N. 6460, relator o Sr. Simoes.
N. 6462, relator o Sr. Messias de Leo.
Levanlou-se a sesso s 3 1|2 horas da tarde.
PortaraO presidente da provincia atienden-
dj ao que requereu ocapcllo lenenteref.rmado|sentes ," srs. conselheiro baro do Montsorrate
da repat ticao eccle-iastica do exercilo Fr. David (presidente), Almeida Siqueira, Veiga, Cornelio i
.la .Nativulade de Nossa Senhora, resol ve conceder- Franca, baro de Pirapama, Pantoja, Brito, Silva |
PERNAMBUCO
da Pa-
llie 3 mezes de licenca para ir a provincia
rabyba tratar de negocios de seu interesse.
Dita. 0 presidente da provincia lomando cm
ronsiilc racii o que requereu o secretario da re-
1 o lii o das obras publicas, Thomaz Antonio Ra-
mos Zany, resolve conceder-llie 3 mezes de licenca
com vcnciineiiios para tratar de sua sade.
Despacios do dia 9 de Janeiro de 1864.
Requer nwnt os.
Tavans, Ernesto Franca, Chichorro, Mariani, Si-
moes, Machad Nunes, e Messias de Leo, faltando
com (ausa o Sr. Azevedo.
Le -se e approvou-se a acta da antecedente.
EXPEDIENTE.
Requrrimentof:.
Dos Sr. jnizes de direilo Dr. Jos NicolaoRigtiei-
ra Co to reinovendo-o para a comarca de Olinda ; dos
ollici s da presidencia de Pernambuco, certifican-
Antonio Murcira de Mendonca. Dirija-se ao Sr. do-se de ter elle aceitado a mesma comarca c mar-
provedoc da Santa Casa de Misericordia. candolhc prazo para ir entrar cm exercicio, e da
REVISTA DIARIA.
Nao comparecen hontem cmara municipal
Kira prestar juramento, o Sr. commendador Dr.
oiningos de Souza Leo, na qualidade de 4. vice-
presidente.
Foi demitlido, por portara de 9 do corrente,
de subdelegado da freguezia de S. Jos desta cida-
de, o Sr. Braz Antonio da Cunha Albuquerque.
Para substiliii-lo foi Horneado o 1." supplente
Jos Francisco de Souza Lima, c para este cargo
Joo Pacheco Alves.
No dia 13 do corrente. tn districlo d"Aguas
vado :
Maria, veio em companhia de um tio
sa na igreja da Penda, onde chegados, encontrara-1 Q'ao grao re arreblar fez i gria penca.
na fechada e p.iss.ira:n-se para a do Lvramento, o do clebre Munier, que
no atrio da qual separou-se Maria do tio, nao so Aonlrarte volviesen saga: disvello,
saliendo se de proposito ounio ;o que M sabe, po- ; Melhor qu'a hoatens cmiiim'jos pendilhaca.
rem, que Maria en-introu um li .miera a quera : E entao ?... una cousa deve estar de senlinel-
conhecia de rista, o qual rendo-a soinlia olfere- la aoutra para eterna pasmacera dos presentes e
ceu-se para con luzi-la casa, favor quo aceilou futuros.
Maria- I Findou o anno do 1863, n fallar verdade nao
0 coaluicido di Miria a conduzia por beccos o ifoi ,'10 tJsll'"il em aconlecmenlos como a prova do
ras desconliecidas, g era caminho dirigioihe pa- j seu^ numero,
lavras amorosas edisso ser solleiro e at fez-lhe
promessas de cas irnento, entretanto que chegados '
a lugar apropriado, eonseguio aquelle deflorar a I ',ad .
esta, o que realisou-seera tunas madeiras proxi- l'ruve" dos seus numerosos freguezes, por quera
mas a urna das serraras que austera no caes do 1,0'na; c.umo sabis, o mais vivo inleresse.
Ramos. Infelizmente, iwrm, a prova nao sahio coniple-
0 facipassou-se em silencio, sem repulsa da ,a- Esqueceu-se, nio sei porque falalidado, de
parte de Mana, que nao podendo por mais tem|>o ril"signar os dous mais importantes tactos, que o
! esperar a volta de seu offensor. pedio em gritos an"o.defunto legou a posleridade, alm de outras
um socorra, sendo que inmediatamente appare- ,ill"biragens, que peco-lbe venia para addicionar
ceu a soccorre-la um pardo de idade, que mora na Pr"seBte aliin de que nao llijue incompleto
as proximidades. i aquelle importante trabalho.
Logo dejiois estovo presente o subdelegado da '. f"''1?.5 :
ndtiztr a ofrendla para a casa ** vosso compadre alrivessou os doze mezes
ndo ficado em casa de {"quelle anno sao, a escorreilo como um pero ; e
um seu lio. boje, desta outra margem, pode dizer de boebe-
Procederam-se as diligencias pela subdelegada ^,las ** a dura Parca, ou como melhor nome
deS. Jos e no juizo da delezacia, tem lugar a vis- naj;1, 'I11'' Pr mais Jacos qu; arme nao o hade ra-
toria da offen lida, que perante aquella o esla de-
clara ter sido seu offensor urna praca da seceo
urbana da forca de policia de nome FYancisco de
Barros Luna.
Consta-nos que a olfendida descnlirio seu offen-
sor entre outi.is praxis quo llio foram presentes,
havendo a circurasla icia de ach ir-so Luna desta-
cado na rilieira do S. Jos, donde seguia a tarrico
para o matadouro.
Feminino.
r.
2 a
& . . 1 S 1 Masculino. 1^1
~- m * 1 ^i 1 Feminino. 1 1
I I
I

TOTAL.
X
ADVERTENCIA.
Na totalidade dos doentes exislem 176, send"
alienados 9 homens e 27 mulheres.
Foram visitadas as enfermaras estes dias :
Pelo Dr. Ramos as 6, 6 IrS, 6 1|2, 6 i|. 6 l|l 6
20,6 1|2 horas da manhaa.
Pelo Dr. Sarment s 8. 61tl6 40, 8, 7 3ii
8, 8 horas.
Falleceram :
Manoel Pereira de Souza, infeceo pulente.
r> ; j i mnuuc re eir ue coliza, inieccao ou eme.
ae!a ? d,,,nonslrou' fafnd0 sua P*?0: Joanna Maria da Conceicao, gas.rite intero
.a f no /, d. Tll0> 'uJtrela,ono <*tm-1 Movimento da casa de etenco no dia 11 d,
iado no Diario de 2 do corrente para sciencia e, ancro ,je lu,;* ^
Janeiro de 1864.
Existiam.
Entraran]
Sahiram .
A saber
Exislem......
Nacionaes.....
Eslrangeiros...
Mulheres......
Esirangeiras...
Escravos......
Escrava......
340
II
16
338
238
29
3
1
99
8
338
presos
par iiaquelle periodo.
2." Passou-se o da 6 de outubro sem a repro-;
dueco daquelle hediondo ficto referido pelo esta-
tisiico e topographico auljr da referida [olhinha
catholica as bernardices appensas com laivos
de chronica de 1862, o qual
Alimentados cnsta dos cofres pblicos.. IJ
Movimento da enfermara no dia 12 de Ja-
neiro:
Teve baixa:
Sebaslio Simoes de Araujo, intermitente.
Tiveram alta
e val conferido e concerladc sem cousa que duvida
faca :
Na matriz do Corpo Ssnto baptisaram-$e cin-
Somos informados que nao houve tomona do co ''""* ll Sr- Antonio de l.-'reitas Barbosa, mora-
processo porque a mi da offendida anda nao se dur no uecco das Boias, que os tinha em sua com-
apresenlou com a certido de idade e prova de l,anh'a >*sse estado de paganismo : sendo um de
ser pessoa mserav I. i *' anuos, outro de 15, outro do 13, outro de 8, ou-
- Na madrugada de 10 do correle leve lugar ,ro de 6 ; o gur foi executado pelo subdelegado
o roubo da quantia le 800.5, na taberna de Joa- j *"l'l',e'ite, que dis.so leve noticia.
quim Simoes dos Sanios, ra do Terco n. 23, ra quando se acaba di consignar que Po IX
sendo urna nota de 200,5, Ires de 1004 duas do, ri'alisa as promessas de Chrislo Pedro, mostran-
505, 1505 em prata moedas nacionaes e cstran- d) 1ue as Paixoes humanas nao prevalecem cm-
geiras e 50cm colre. tr;4 sua obra divina ; foi esquecimeuto notavel nao
Procedidas as devidas indagacoes, levara estas ,e commemorar o brilhante triumpho queso aca-
juppr-se foram autores do roubo um caixeiroj ba d? conseguir, arrancando a igreja das talos da
da mesma taberna de nome Victorino da Silva lwl."''a o usurpado poder d'e cecutur Imptisados, re-
Lnia e um hornera do matlo, que pcnioilou no f''rindo-?e alias aquellas patarras deoosco do
eslabelecimenlo ; visto como, consta saliirara Li-; l",u"r 'emporal do papa no interesse dos reis.
i i i i.tni mi i .
-Jfn^-iu M',^ia es.rr*v do padre Agoslnho.
Innocencio, escravo de Manoel Olimpio ("amen
Passageiro do hiate nacional tncencivel, mn
do do AraratyJos Antonio Nunes.
Obituario bo da 8 de Janeiro to
publico :
Manoel Joaquim dos Santos, Pernambuco, 23
nos, solleiro, Boa-Vista hydropezia.
Pastora, Pernambuco, 10 anuos, Recife; broo-
c lii le.
duninuo
an-
ia, o matulo e um outro caixeiro, para a ra,
Pois nao foi mais brilhante victoria o tirar-so
Un fOUCO DE TOO!.
Pede-nos a seguinte publicacao o Sr.
(nwTAgXo.)
Ai adeus ? j sao idos os lempos
Dessa vida passada em folias
Moje triste, nem mais alegras
Amem.>am meu acre viver.
T. S
afim de asMslirem divertimenlos e ouvirem a jd'* hombros,da policia a sobrcpeliz dos baptisados, i q prazer se resiente de tedio,
missa da madrugad \.
Lima e o malulo separaram-se do outro caixei-
ro. oslando a chave do estabelcciment em poder
doprimeiro, que se arha preso, visto como, cons-
ta, fura verificado que o arronibamento da parede,
feilo provaveluienle para illudir, da irdicios de
Iiaver sido pralicado de dentro para fra, aceros-
rendo que a altura em que tizeram o rombo nao
peruiillia fcil entrada, e antes parece inipratica-
vel a entrada pelo mesmo.
Foram abortas duas portas que do entrada
para o corredor da aseada ; talvez para fazer crer
fra por all a entra lae saluda dos ladrOes, (pian-
do melliormente podara ser a saluda |>or qual-
quer das portas do oito ou frente do estabeleci-
meulo, que estavain fcchailas com trancas.
Tendo nos no inez lindo dado nesta Revista
do que cont-la com seus adherentes no inlromel-
UmentO dos dous poderes que a corte de Roma
exerce desde tOBOOS remotos.
Oh I sm, foi um fatal esquecimento...
Agora as larabiragens :
Os banhos salgados de Olinda inercciain um lu-
gar distincto na chronica. A medicina siinplificou-
se, depois da sua desco'ierta, e os tactos acabara
de demonstrar que os collutjrios, os vomitivos, as
chapas medicinaes, as cataplasmas, e todas essas
OUtraa rombinacoes seccas jii inolhadas, irritantes Tal hoje o desejo fugaz
ou adslringentes, cram de nenliuin efieito para as Sem sombra de leve esperanza.
coiuh lomas, amollecimenlo dos ossos, catarrhos
vesicaes, rheumatisiiios, enrliiuicntos de estomago,
bobas seccas, maculo e outras affercoes, que af-
fligem a misera liumanidade ; c s, pura e siin-
plesmonte os banhos do Caro de Olinda sao utna
poderosa medicina contra aquellas enfermidades,
i Para mira j sao murenas as llores,
Esse temo viver s de amores
P'ra martyrio nem posso es<|uecer.
Olho em roda o escuro honsonle
Que prediz tempestade funesta
E da vida passada o que resta
Dc-Kilada j fria lemhraiica.
Tudo triste, nevado, e deserto
Ficara, nem um sonho fallaz.
urna noticia acerca do vapor Apa, fomos procura-
dos pelo Sr. Dr. loM Bernardo GaJvo Alcoforado romo mesmo para a velhice, orna da belloza, agu-
ilillo, para que reeiiiicasseuio-la, licando ento este gnenlo d'espirito c urna qu asi eteruidade I
senhor de enviar-nos uns a|onlaraenlos para esse
fim. Ora, certos diwo, esperamos dous dias, e na-
da tondo reeebido, suppozeraos nao Ihe convir a
reiUilicaco. teneiro diA porm curonlramo-
Mio sei mesmo se o fado adverso
Que le veja conceda outra vez?
Quera me diz que da sorte o revez.
Entre nos se colloca no meio?
Um do outro distante, perdidos
Tendo em m.-io o espac dos mares
I.nulo sonho de doces folgares
Me far acordar cm leu seio.
qu
Basta urnas foufas encarnadas, um colele azul,
una carapuca am.vella, wsiimenta commutn I
ambos os sexos, um homem assim trajado seguran-: Mas deixemos cruel pensamento
do aa.* raaos v'n urna mulhec IMfaa tambera traja-1 Q'enlutece esta amarga existencia.


Diario tic lemambnco ----- Quarfa fclrai i de Janeiro de f 884.
passou que se cncarregasseao procurador de tratar
coin os donos dos terrenos terebrados para acons-
truccio do pa{o municipal.
OSr Seve, votando contra, declama queo fa-
zia porque a cunara derla mandar levantar a plan-
' ta do '.'dilirio e on-a-lo.
LeXi-seo soguinl
EXPEDIENTO :
Un inicio do Exm. presidenta da pr< vincia, con-
deudo a aniorisaeo pedid* pela cmara em offl-
de.-ta fota muc du ao primei...-------,..... .......------,......-,........------.......
jiii dia fi.'uintei rime de MkhI l'nutoxv. O de Ufa ra Forniosa, at presente anda nenhum pm- lembra a cmara que proponh* ao corpo legislan- adoptar nos templos sanios, das senhoras alu com-: Brevemente, 1", rae me parece pouco airoso e dig-
nao tere aMusi-i di- yrieiario deu excenco as obrigacSes -pie llie n- vo provincial, na sua prxima reunrao, nma med- parecern de ohapelinas,
Vera flr recia (tta'dc 3 lo m*w e parece queorinspi- cnrrrm, em i wfimwiialli'i do disposto as posturas
radoao illusire navegante pela sua partioutar do- munieipaes, relaffoameate tos pea*
voc n<> mamriu donosso DivinoItatompior. Ha Que a deanalto da oommuiiicario que acamara
portante,-senstvel confosao nessas datas : im es
crek) que- |K>ssivcr icilia-las, comparando en-
tre si o Kaleudario jufrtno que regulava no'ie upo
de'tamnha, e a coit*$o gregoriana, deiweaos
servimos gura.
lie dirigi em data de ?h de seleiifbro, permaneem aendo-as.
da qtialqui'r que seja para augmentar a sua renda aclos sacrosantos da
visto romo sao tantas as obrigacSes, queella tema costume importa urna
son cargo, quo s deata loma' pdera ir satisfa- raagestadq desses mesa
e do assistirem aaslra ana no d6
igreja : que tal pratiea ou tcm
estes no iiiesino estado, seni se Ihes dar a devida
largan e arveJa-tos convenientemente, e tiem se
quc se Ion reparado os que desde milito se
.'icham arruinados e esbnracad-is. pelo nue de no-
eopeharam-se as petieoes de Antonio Moreira forem reehaeadosos nossos argumentas com robas- pria, se assim posso dizer, e o carcter de naci
rifles, Agostintio Jase dos Crazeres, Albino las provas exhibidas doshvvos santos, e dos pa- nadade. (pinos deve destinguir, enaosaberemoi
O pnmeiro tinha grave defeito de consid rar vo solicita as nocossarias.providencias ieaccordu
anmrsolar composto de 3t>:> das e horas, (fian- com a dccrsad da prcsiddnoia de 18 de setemliro
do na-roalidade-eoc durar de 36o dias.-'-dx ras, nltimo.4jtKse oedenasse ac liseal para providen-
*i miutos, 47 segvndjs, 5. mr.
I' :l;i resoluta urna dilferenea, que, iMif Bit- Outro deengimticiro cordoador. informando a po-
unte am appnreocia, por ser apenas doM-! nu- tico, na qual Manoel AIKOOM de t'.arvallio, pro|irie-
tos e-12 .segundos > por aui^ ialedovir. cresren- tarn do sobrado de dotis andares n. 24 da ra do
'do'ccm o andar dos lempos, lauto que i?.o pinli- Queiinado, |iode psra que >lhe aeja eoneedido Itoer
Uado de lregoi'K) XIII, o a partir do concilio de no incsmo sobrado urna Irapeira corrida ; declara
fr, ooi aS3 d|ioi.- de JessCbristo, ostava an- (|ue o dito sobrado JoUgBl as dioiensocs das |>os- Francisco da Silva Ferrcira,
to civil adiaularfj de 10 das do aune solar. Este | turas, entrctaiito como a cmara tcm concedido a Amorim, Manoel Jos Danta;
iponttfiee, depois de ter ouvido o parecer
-astrnomos, Mfcctaojl a famosa c#rncr na, c niandoujuie do dia i de ouiuliri d .
wstssfl imnoxiiatainente ao dia ludo mesmoincz. \ Outre do mesmo. informando o requerimento, no lose, Thomar. Cavalcante da Silveira Lins, Dr. \i- as sennoras cobertasde cbapeos e assim conserva-
- cenle Pereira do Reg, e levantou se a sosao. rem-se turante os actos divinos, at mesmo quan-
Eti, Francisco Canuto da Boa-Viagem, secretan, do se prosta adoracao ao Deo sacramentado ? Tal-
a cscrevi. Reg o Albuquerque, pro presidente. vez que ) monarcha da trra, no pensar de alguein
enrrpies da Sifvn. Rarata de Almeida. llego, mereca tiais veneracao e culto do que O Monarcha
Paco da cmara rmmicipal do Itccife, MO de no- "eos, ipn habita no santuario, que esla presente
wmh'ro de l(i:|. Manuel Joaquim do Reg e Al- essaa fm cedes raljgiosas.
uquerqne.Angelo Henriques da Silva. Pciisamus pnrtonlo desta maneira em'|uanto nao
De
Rod
Jos<'' FiH-rcira da Cunha. Al.xandre Jos da Silva, dres da igreja ou de autoridades legtimamente
Domingos de Hollanda Cavalcante, defJMnbagador constituidas.
conselheiro Firinino Antonio de Souia (1), Pran- Se a sjciedade ha considerado como falla de
chc8 Pinto Moreira, Firmino los de Hollanda, ha- respeito fallar-se ao imperanle.ou mesmo alguma
chnrel Francisco Leopoldino de tlusmao Ubo, alta pers magein sem aquella etiqueta da corte; se
:Francisco de Hollanda Cliaom. iluilherme Augusto a civillsaijao nao tem autorisado a urna senlmia
Je Alhayde, Jos Marcelino Goncalves Salgado, apresent-ir-se em um baile, tu reuniao profana de
J'i- Antonio de Atevdo, Joo f'.ardoso Ayres, certa ordem cobertas de ebanellnas; se anda >
Lu7. Jos da Costa nliiiuia dolas ousou apparecer diante do monarcha
Manoel de Souia assiiu aliviada, porque isto se reputara grande
um povo, despir-se de seus antigos osos que
por si tao veneraveis ttulos, s pelo gosto de
falla de respeiio derido adoptar o que ren de outros paizes. Ja somos
nios actos; eque Dnalmenle quasi ostrangeirae na mesa, nos venidos, e na lia-
um desacato que se ulerece irrefleciidaineuii' guageas; q leraremoa tambem abdicar nossos cos-
tumes religiosos, porque os dos Franceses e Italia-
nos sao diHerontcs Se continuadnos nesse pro-
gresso, em breve perderemos a | hsonomia pro-
cer de bj bci> oatrea as mesmas condicoes fazerem a obra que o Tavares, Manoel Jos Guedes Magalhaes, Manoel falta de reverencala pessoa do chefe da naci, por
crie grn> lid- peticionario pede, resolver o que achar mais ra-', Pereira Lemos, Marcelino Alvos Monyao, Mills (pue se nao deve reputar falla de respeito, de vene-
rro de 1582 se loavel. A'-commiMT>n de edlflearScs. Laiham k C. Pedrode Alcntara doNasornontOvc- raco, c decoro casa de, Dos, apparecerem Bella
loando perianto supprimido os IG estro o amigo e o novu estvki.
provavel que a diflereea de data que so ol>-
serva em alguns documentos relr.tivos a laclo:, an-
'ierioros'aoanno de ioli, |roveli;: de se serv tetu
Jgcus escnpUMVs do kaleudark) juliano, lal e i|ual
o enpregavain us chroniMas daiioelles lempos en-
trclauo que oulros reduzem as datas acornecao
urtiguriana, como acontece por ejemplo, qu.uii.. a
falle imonlo do pa[ia A leva nd re VI impeli
- rores de IxJa jjola.
A-admititr-se esta liypotheae,Tiuanlodesciiber-
la doMJrasil, fcil explicar ainsistencia da juel-
4es que adoptam i dala de 3 de-malo, para aas gna-
lar aeuelle acoittecimento. Etn verdade, assOn co-
mo Gregorio Xlsupprimio osl'l das entre 4 e 15
dao'j|ubro, pode, mu bem aocntecer que a gum
tilHWlogisia ttfBsse tido idea de fazer nutro
aaMo la res;ieito da data da dcscoberUi do B*asil.
N*le caso, como fcil verificar, o dia 2i de bril
passa a ser II d<- maio. (tosi que (faco de passiigom
pie Ihe seja permitlido d-molir o oitao de seu se-
brado da Tundas Cinco Punas at a altura doas-
soamq, a construi-lo de novo dah para cima, viste
que M alii se aeha elle em bom oslado; diz que
nada tom-a oppor pretencao do peticionario, vis-
to lerj decidido-a cmara que una vez que nao
se tora de novo a tVente do edicio, nao ha reedi-
lii ac;i-i, e por conseguinte nao ha necessidade de
cordtacao, nein de levar o mesmo edificio a altura
e Nuionsoes, das posturas em vigor. Conce-
den-se.
Leal Seve.Uanieiro.
COMMUNICiDOS.
do reo I I I
Oala que Tanjas e diaem que os pais de fami-
lia,, comoenelraiido-se da sulilunidado da nossa re
i ligiao, e conliecendo a inaueii a respeilosa com que
se deve ir ao templo santo o assisiir.as funecoes re-
ligiosas, sejain os primeiros a acorselbareni assuas
Nao pretendiamos v.dur questao das senlwras; es|wsas, e lilhas que, deixando esses atavos de lu-
_.....-. j .____i:i____- ____i, ^* ~~_ XOS nriinri.inicnle iireanr:nliK n.ira ac psnt*rLicl1 av
entrarem de
Ouiro do contador, informando o requer mente jss0 ,|Ue com
de Francisco Joao Honorato Serra Grande, em que
|tcde -se Ihe mande pagar os seus vencimentos na
qualidade deporteirodo tribunal do jury desta ci-
dad, declara qin as leis provincial'.- em uns anuos
deu ao peticionario o titulo do progoeiro do jury e
oUcial dejustica, vmeendo o ordenado de 9005
rs. nos nnnosde 1858 at 4639, e receben cssa im-
portancia at dez do mesmo mez de julho, dia em
que a cmara dhqionsou os seus sel vicos. Que
esta ibeemeso) em l.'i, iHH, 82 annos antesda i fusse ouvido o advorado.
\rao yrnjvi iiui'i, a difltvt.nca entre o anro so- Outro do procurador, eonimunicamloqiic alguns
lar e w auno civil nao era osadamente de 10 au< predios da cmara precisan) de ser reparados, taes
(aliando anda algn as becas para os completar corno o da na da Florentina, e os da praca da lu-
eonsideracao a que, sem .du*ida por inadvertencia dependencia no se aitiiidou. sario, Qneimado e Cruzes, roga mesma cmara
Pondo em paralelloos Calendarios juliano i-gre- que d -suas ordens parase effectuarem taes re-
gorian., i ap que reduieo as datas dos aonle- paros,
cimenins mencionados na carta de Pero Yaz de Aproveiundo a oceasiao ainda coiniuuniea o
'Caninba.
Calendario ju
Aconlecimentos. liaoc.
:Parti(ki do-Lisboa... ti demarco
Chegada as Caaarias 14 de arco
< licuada s i I has de
Can)-Verde.....ti demarco
ffixiraTiodano Va*-
ai de Alhaydr... 23 demarro
Primoiros vestigios
de ierra desco-
nhecida.........21 dea! ril
iLescoberta do Bra-
sil............. 22 de abril
Entrada em Porto-
Seguro ....... 25deaiirl
ifrrnieira missa no
illn o da ora
Vermelba...... 26 de abril
rPrimelra descida
ierra firme----- i7 de abril
Inau guracao da
< Cruz. Segunda
missa..........
Partida da arma-
da para a India 2 de. naio 13 de maii
W.-se, portanto, que, se pe'o calendario
fo a dcsuoborta do lliasil em Si de abr
Correoso
gregoriana.
20 de ma-cjo
23 de ma "00
2 de abril
3 de abril
2 de maii
3 de mai)
6deraai)
7 de mai o
8 de mai i
12 de maio
na raa do llruai n. 30, diz que Ihe parece justa a
pr-eleneao do snpplicante.Mandou-se devolver a
pelio. -ao liseal para declarar se o lugar, onde
qner Diniz estaieleeer a oftleina marcado pelas
posturas para estabelecimenlos desla erdem.
(lulro do liseal de Santo Antonio, communicando
que o omprezrio das limpezas e escoainento das
aguas servidas das casas, Carlos Luiz Combronne,
tendode proredera canalisacao, na travessa darua
dasl'lores.mandou arrumbare cano doaqoeducto do
pateo do Carmo.-pcrtenccntc a cmara, e como au
n juliano 'tenlia receido coinmun-acao alguma da mesma,
de 1300, dando aquelle empresario 'semellianie faeuldade,
taubetn certo (|ue, redutinde essa dala a c )irec- sede esclarecimentos alim de deliberar como deve
^gregoriana, nao erraai aquellos que a eolio- |>roceder em tal caso.Que se respondesse ao fis-
cam no dia 3 de maio ; e sabemos que fo pira cal, que poda o emprezario iitilisar-sc do cano,
memorar tao plausivel aconteimeulo, que a coiis-1 tuna vez que o re|Haesse no seu primitivo estado.
tilnifao poltica do imiierio c escolheu |ari o da miro do mesmo, informando favoravelmente a
procurador que preciso tomar-so alguma provi-
oV'ncia.corca do predio da ra da Florentina, que
por sur dividido em pequeos quartos, onde s pa-
dem babiiar |tessoas da nfima classeda sociedade,
acere-re que alatli de nao pagarem, daniiiificaiii o
predio, o que tem dado lugar a nao liav.r quem o
amara arrumatar.Quanto i priincira part', man-
dmi-se ardan para serem feitos os eoncert"- ne-
MMrfjOt, e quanlo k segunda, que o procurador
am a engonbeiro proeorasse a melhor maneira
de i eiluzr a casa da Florentina a urna rasa re-
gular.
i chapolinhas no temido sagrado, por \xos propriamenle preparados para os espectculos,
ios dous cominunicados, que publica- jPParecim all trajadas simplesmente sobresalim-
do-lhe ,i modestia, gravidaile, e veneracao, como
reeommeoda S. Paulo; u enlao nao teamos o des-
prazer te ver os nossos templos quaoi rediuidos a
um pon:o de reuniao, e de verddeira palestra
mas sim perfetamente casa Je oracao em toda sua
magesiade.
Damos portanto a quesla.i, por terminada, e Pi-
caremos, de ora avante, suidos a qualquer outro
mos julgavainos ter exhibido provas sullicieules
para suslenlac.o da doutrina da igreja, nesse pon-
to, e da ordem prohibitiva do Exin. prelado dioce-
sano. Mostramos rom os textos das epi-lolas de S.
Paulo, com a decretal do papa S. Lino, que a-: mu-
Ihercs nao pediarn ir igreja, cobertas de cuap.es,
e sim com o veo sobre a cabeca ; palote capite:
Apresenlamos o testemuiihe de padres respeittwia
da igreja, e analmente aauloridade do Sr. D. Ro-
mualdo arcebispo da Rabia, de saudosa reeorda-
cao ; o qual em sua resposla dada a um dos para-
dlos do arcebspado em idntico caso susteniara
de maneira concludenle, a doutrina,, que ora nos
oceupa.
reclamo.
Entre anto.coino oprimeiio bom calliolico avan-
C'iu a dizer, que leudo n.- chamado em favor a
autoridade do Sr. D. Romualdo, e occulieraos, no-
rm, aciiciimstaHcia, (|ue llera lugar de assim
elle prjeeder; que fra s jmenle para manier a
mal, a que nacao pertencemos: 2", que na Italia
tambem se tolera, segundo me informam, que os
propios homens, a pretexto da inteiisidade do fro
assistam a missa cobi-rios de bonetes, ou de cha-
peos, que s tir.im no momento da consagrarlo .
bem este que parece incrivel, e muito mais grave
do que o abuso altamente reprovado pelo papa Ni-
colao I, na sua re-posta a consulta dos Rulgaros,
os ojones pretendan! entrar na groja com as cabe-
cai ciagida de urna banda de lela, sendo o prin-
cipal argumento do pontfice a doutrina de S. Pau-
lo. Ora, poJer-se-liia soffrer, que semelhante ros-
lume do ouvirmn missa os liumons da chapeo na
caneca se transplaniasse entre nos? Quantos
usos nao tem a Franca (outro paiz modelo que se
nos inculca para todas as cousas) que nos revolta-
riam se algutu lenlasse inlrodiui-los e.inuossa
ierra ? Quem se nao escandalisaria, por exemplo
de- ver um baMihao ou outro corpo militar, entrar
por urna igreja e assistir missa com as barretinas
na cabera, ou assim cobertos fazer as continencias
ao SS. Sacramento ? l'ois isto osado em Franca
nao sei se em \irtude de seus antigos reglamen-
os, sedas mud.incas, que nesta parte, como em Ju-
do o mais, pro. uzio a revolucao. Deixemos, pois,
os outros povos com os seus usos e eostumes, e
conservemos os que heamos de nossos pas, urna
vez que nada lennam de contrario, nem aos pre-
ceitos da religiao de Jess Christo, nem as leis,
que regem o raz; 3", (pie to longe est a igreja
de reprovar at usos ou insliluices peculiares de
cada provincia,ou docese.que ao contraro em seu
decretos ou consliluioes, os deixa sempre salvos
sem nenhum receto de (jue esta variedade acciden-
tal prejudique a sua unidade. Todos sabem que
ella oonsa'Tou entre os seus caones esta mxima
luminosa de Santo Agostinbo, que s bastira para
eonter qualquer tentativa da invocaeiio, aquillo
que nao ha coi ira a f, nem contra os bons eostu-
mes, pode ter-se por indilTerente, mas deve obser-
varse por causa da sociedade daquelles cem quem
Pormoprimerobomoatholco,queloiuauapeit *)rea ,n:,ral il6 u.'u St" aro, desrespeilado em se vive. (5) Proceder de oulra maneira oeeasro
delTonder a'questao pelo lado favoravel as senlwras, sua propna matriz; e nnalmeute, lamenta que as
contra lodo o direito da igreja, contra as palavras ruoos e argumentos, que temos expendido nem de
consagradas nos lvros sanios, e coutea iiwsuo leye l,m 'a alalado a sua eonviccao; nos o acredi-
a prescripcaodo vicario de Jess Christo, na ierra la,nt,s s nceramente, e enlao sera assas convenien-
e doutrinas dos sanios padres, nos coagio de novo ,c 'llie l'Pareca agora o mesmo Sr. i). Romualdo,
apparecer no campo'da discussao, que ja linhamas cssu- V1|U,) respenavel e esclarecido; ven ha elle
ile-pie-ado por quanlo depois de um serio estudo coin su;, respusia cheia de erudieao (abaixo trans-
que ein|)regou na materia, nao podeudo poroindes- 'ipta); eon suas palavras saeraineiiUies, abalar
cobrir urna s opiniao autorisada para escu.lar-se, e ^S"^f a, l""'mcu;o bom ealliolico.
afinal ergue-se de sua lelhargia para responder y'0 l Ja fraco Levita, quem falla, falla .agora o
francamente ao nosso communicado publicado ueste SA['l" !',''lr''!,"a ,l u%lA""; ,,
da 10 do mez pastada RflB,w it( de dezembro de 180.1.
(lutro do Paral do Hecife, informando a pctiejio,
na qual Diniz Antonio Ferreira Marque, pede li- bom cathoco de laucar sobreiTiiosso
cenca para se eslabelecer com olTiena de ferreiro ] qUando, principalmente, diz que Ihe e
coiirciluado jornal do da 10 do mez paj
Conservara-nos em silencio se por matura nao
deparessemos nesse seu escripto um chuveiro de
palavras acres c ferinas, urna torrente de pin ases
virulentas e rediculas, que su dignou o primeiro
trabalho,
causara as-
abertura annua, do corpo legis! mivo.
O que segu extrahido :
S-.M CIXTl'IIA A MKMiaiSSt. FAZ Hll.WA.
Para as sciencias nao hasta ter bom eng mho
lia
xercit
esla
divi
tes
ca
paos de agua doce, acuito doirtornadouio, e muito
.sabio inciuaie.

ESPAJCHIDA, llKS lf K.
Ha no mur.do espunjas dos 1>zu alheios, ipie
attrabem, e embeber em si quauli Ihe vsin s
mos ; rouber, enipi estimo-, negocios cavilisos e
-muirs tracas,-cao os poros por ende metiere e so-
pelico de Jos Antonio de Brilo Bastos, noe pede
para enllocar urna pedra no passeio^le sua casa da
ra Nova, alim de eviiar que os carros o damnifi-
quen!.<'.onceileu-se
tanate
Tenlk) pnaaote o oflicio de Ymc. com data de 6
do corronte, particpando-n:e os tactos desagrada-
veis occorridos nesga mal z por oceasiao de as-
sistirem duas Manaras cobtrtas de chapelinhos de
pallia missa paroehial nos domingos 30 do pas-
sado, e 0 deste inesino de ;,bnl, a despeito da ad-
vertencia, que Ymc. mandara fazer ao marido de
untadas ditas senhoras, Francisco Alberto dos Sa-
co a leitura do in>ulsoaraiuel ; que pregamos fal-
sidades ; que manifestamos louco pensar em se-
guir-mos a doutrina do apostlo.
Se um escripto que olTerece provas eoncludentes
a favor do
docod
romano
da igrej.
do de insulso aranzel, mais aseo deve causar, por
sem duvida, a bulare de um communicado que.
resseutindo-se da falta de provas, ostenta somonte
argumentos sdicos e ja conculcados, escuda-so
apenas na lgica do seu autos e na perspicacia de
seus raciocinios ; nao podendo, entretanto, com
elles destruir as verdades
riquece esse aranzel, como ...
Diremos somonte, que pregar falsidade, e quan- com afumas breves-consideracoes quanlo pe uni-
do se quer sustentar umaquesto eclesistica, sem ,,r o encoimnodo, que actualmente soffro na amiba
ter o seu apoio um s testemunho dos litros san-1 sau,Jt':
tos, urna s opinio dos padres da igreia : quan-1 ,'re10 n;, Sl'r necessano mostrar e quo todos
de se quer implantar no corac.oda mooidade inex- coiioordam que segundo as mximas da rcligiao
perieule seulimenios controversos, doutrinas erro-i"" as mullieies estar na igreja com
Deploro vivamente que taos scenas se apresentem
no neto de um povo lo distucto por sua piedade
e supposto eu conde, que o suppradito seu paro-
chiano melhor aconselhado nao persistir em ar-
restar imprudentemente a opinio religiosa dos
habitantes desla motropole; cu passo com tudo,
estrictas de que se eu- l'ara P't'venir novas coutesiaros, a resolver do-
o Ihe ciama. v't'a' 'l"e ^ n,c- Prll0Ci motivando minha resposla
... prevaleca
cessao para construir em seu terreno do Hospicio nio, a desfilo mesmo da sa doutrina, quem
ti. K* ^. duzentos palmes de aheeree, e bem assim ((Uer que se abrace antes os usos e eostumes de ou-
levamar no centro do mesmo um lelheiro proviso- tros paizes do que seguir o eqnselbo e recommen-
no para recolher malenaes, declara que acha nao daeoes dos orculos divino.-.das sentincllas vigilan-
havr inconveniente que possa obstar a pretencao es da igreja.
do sup^icanle, urna jvez ue obtenha elle cordea- j Deleito, quaudoo pleiteante nao encontra em seu
favor um ai ligo de le, guando conhece a impossi-
pedindo faeuldade bilidade absoluta de apresentar urna doutriua au-
i;an.Mandou-se cordear.
Oatro do liseal de S. los,
lier oraos, ai pia>hclans non reala iiqulc, ditiir-
pat capul suim; nnum cnim est ac si vt'lur.
Esta doutrina do apostlo continuou a ser onsi-
nadae platicada em todas as igrejas ebristas des-
de os te tipos apostlicos at os nossos das. Ter-
tuliano om um liara que intitulou derdamUs rV-
jhtiliusinsiste sobre e>ie-preceito do apostlo e
mem em si asi^zendas da gente can queliatam. (para admrttir mais um servente na limpeza tas | torisada que iaslifloae a sua ooinlao uoaudo em reprova como um abuso reprehensvel, o appare
:fce nao apertaj:e.T) com elles, nao rsJiuirao o que ras, visto nao ser sufTiciente o numero de dous summa, v-se baldo de todos os meis de defeza ('''IVI." Si:lu vo ao? bmjntw, as niulheres, assim
. li^iirii^f^i i ri i i 4 .,ik\ j^ ma a*^ a alu vi ________.______ x* ?_____ \ v. i ni*] ti. aii%t
.usurparam.
(pie ten enpregados
callea.
i.mn iiarjai.
:BSisAO E\TKA(iTDrMARIA AOS30 DE SOVKM
IR0 DE 1803.
I'residmcu: do Si: Barros Bego.
Crecente* os Srs. ilego e Albuquerque, ilwiu-i-
-iuus da Silva, Sere.ilJarata de Almoida, Guasdw
do.Rejje, fallando om causa participada i.- Srs.
Mullo (amero, e sem.ella o Sr. llego Maia, brio-
e a scsso, e fui (ida -t,approvada a acta da aste-
madente.
O Sr..presidente Barree llego declara <|ue arra-
zio de,coDt'Ocar reum'ao.da cmara fiara hqje,:foi
ter de soientilioa-la i|u* leudse enti-udidooom o
Exat. presidente da proviuoia acera do lerr no no
camp da,rincezas,aode a mesma cmara Uavia
asseorado iihimamenie esustruir o seu juco, -S.
Exo. ILo tinha declarado nmt ser possivel iloiis-
truir-se all emelliante edibeio, pois que viulia
essa obra tornar mais eslreto c -campo, que .ra
um pouco acanbado em vista do que, nio u bien-
do a cmara o terreno, lembravaiO mesmo Sr Bar-
ros Reg os terrenos que lieavaia ao sul do Ihea-
Aro, os quaestiohau o esiiaco softeente pira o
dilicio que se pretenda fazer, e ouvesse a ea-
anat'a de deliberar.
O Rarata pede a paiavra, e diz que Ihe rarece
ouo a-i tenenos nao leai tanta largura, oono>a
sapnee, mas como a cmara nada dev<^ deliberar
.oin que tenlia a planta do terreno, e da obra, requor qoo se jC'ie neste senlico'a i res-
fierti.vo eogeiihoiro.
i) >r. Keo, tendo i paiavia, faz aor me o lugar
apealado len espaes sullirienu? para o flmque se
qiiei peto que nao v razo para se deixar tar logo deste negoc o.
O Sr. Barros Rogo, prope que se ncarreime ao
proenrador de indagar qaem sao ni proprii{artes
dos mencionados te/renos, o rjoanln deve ser o
proco dellcs.
O Sr. 'evo, depois de pedir a palana, oppe-se
que H d j ordem ao procurador, sem quu seja
nesse -cervco.Nao se con- 0 meio mais aecess
mu, o da ebjeana
:essivel, que descobre como sautel- MlM como casadas nao obstante jualquc
ma. OarrasMdg de sua causa, li- 'Ul,,.c1el1' outrario. O mesmo ensiua s. (Je
uer cos-
uaenle
GOMMERCIO.
Hara a planta e ornamento da obra a later- nada- .los ompregad >-, logo nos prira tiro* das de tentando o ose de chapos das senhoras Intro-luzi- severo rigor, que segn lo refere Valeri Maxim>, 0 melliur aWivo geraJ; o nico ninedio anas
- i i a remara levo ter em vi-ta primeiro, mez de notubra do eorrento atino, na ImporlanAia do rus nossas igrejas, soinenb com tus palavras C. Sulpecio Galio, despoflio, ou repudiou sua mu- oleoso que se'pode conseguir nor ness ou eaa
para d-es tratar d* levar a ilcito a compra do ida 2:999f703 rs, e outras desposas jadeada- nugetraes,com sua lgica e raciocinio de peso, sem Iher, s por saber que ella audra fra do casa uuaiquer ubi ontro pai/. 'Em conseno <
terreno. das. E' por tanto a commsso de parecer que se- com ludo i xbibir em seu favor um s texio dos li- sem veo. se ac|iarem acondU-ionada- em frasquinhos ,:
Jnlgiivlo.se a materia discutida, e posta volos, jam approvadas as cotilas do procurador, dan- vros santos, urna s opinio eclesistica, urna so ^Nem se diga que, o apostlo, iinpondo s mulhc- iai 0 temoo nio altera as suas pmpiedadea.
do-se-lhe a respectiva quitac) at 30 do setembro letra, que lulverisc os argumentos e provas incon- res o preccilo de robrirem a cabeca, na igreja, nao vcn,ja Hn\ estabelecimemos phirmarrntirn '
prximo passada eaaeu, qus havemos aprcsonUido ; eousando antes especifica a mam ira porque devem esiar cuberas, ,^ors H;,,^^ rua da (> j. da C Bravo & C
A commisMo aotes de canchlll o s.-n parecer, a dizer que, nio recuaiido sai s passo do campo, se com o vto, com chapeo, ou por qualquer outro rua da Madre de Daos
occiine-llie anula urna circumsiancia que enteiile soube repellir, com a torca do sua argumenlaco modo; porquanto, sendo o veo geralmetite COnsi- ____________
ser conveniente poademr i esta amar, e que (reconheoemos sua oscl irecida inieligicia) os nos- derado, segundo, ha pouco, mostrei, como o arna-
deve ter ella mu lo em eons leraci nao ordenar sos golpes, ferio-nos uortalrneilta : nos pono) pe- ment mais decente, e appropriado a este sexo,
despejas em lo grande escala, visto cuno o esta- dimus-llie venia para declarar que o jogo de suas nenhum outro podia O aposlolo ter en) vistas, quau-
do actual do --eu cofre nao muito hsongeiro; a armas, a icio serem do ridiculo, (ora mui desacor- do lio expresmnente exige, nue as mulheres se
despeza tem aresflido, e a receita diminuido, de lado o inspida.nenie manejado, rae nem de leve cubram na igreja, em sgual de pudor, e de res-
maneira rae para nio atrepellar, A necessartolo- nos ferire eu nos causara mrbidos eneommodos peito.
ci de 0 do correte,' ssb n.' <'. para cffcctuar o, mar-se una providencia. qao fosee ni-ter recorrer aos emuelhos de Revio-1 E' esla a obvia iutelligeiicia que A commissao na conferencu que acaba de fazer. re, Dessauli, ou ainda procutar una receita no ral sgnifieacao das palavrasvealo capitfe que
obserrou que ha nina despesa sempre pontinua formalario de M. Bouchardat, na guia medica do ,a cada passo se oi.-ontia no- scrii ios do- padres,
com os r-initerins lora da cidade, e mesm i com o bem ronli ;cido Cbernoviz. i e expositores, que as enlenderam do mesmo modo,
desla capital, entretanto que o Modimeolo dos Appareca ialarpretanda (son estar .pare tato aa-. ou recommendaiido o uso do veo, ou estraobando,
primeiros nada adianta cin relacio a despeza de terisano) o sentido das Bscripturas, de queo pre- que elle fosse to raro e trau-pai ente, ipie mais
sen eosMto, que uiuitissiino elevado; o do desla ceto dos -anlos padres para que as seabocas nao servia de incentivo humana curiosidad* libidi-
aos liscacs da ti-! cidade, podia ehejmr ara o sea eosteto, assim nao entrem deseobertas nos templos, mas nao para que nosa, do quede recato e cautella. 11)
>iimeiroe iaio deTo'iO para nos convencen n.s dado, soecede, porque em cense i o eia do conlinaada entrem de veo mi chapeos porque a palavra i.huo | Sem duvida, ja innilo ames de S. Paulo, era eo-
'le que h descoberta do Brasil leve lugar -m 2i de Ou^ro do mesmo, remetiendo cmara os mo-' atmso (pue se tem adoptado de se obter atiesudos e posta al i de preferencia, parque naqnelto lempo nhecida urna eaperie de chapeos braneos, de que
abril da-iuelle atino. iettos di que trata o art, 39 4a tai a. Itt de 30 de j-de pobreta, (maltas votes para aquellos que nao era com veos que as seuhtras aromo a- ca- asavam as mulheres, como se v em Sophore- ta-
Nio>bstante porm, tao dioso docomento. ao junta de anro pausado, recoman ende one me re-1 preeisam), taz que o numere das guias gratis se te- becas. ItonaViapparecoriameaeornadadeamiaometJiano,
nenio do quaL segimdo a phrasc do illus- mena at Q *! r r.iinaivl Deiiis. dcAKs-o Brasil oter tido uinlwcamenioo coalas que devem ser annaalmente aboso ja tem esta cmara representado aOterida- (sem duvida porque ritamos mallos lexlosdasa- son pal esn Albinas; mas este uso s6 tinha lugar
fjhteriador noniesam dftasoadesoberia, ge- apresenianai assemblia tegislatrva provine tal, e de competente, mas sem resaltado. grada Escriptora, o dos santos padres) com que quasi como entre nos, em viageos, ou passcios, e
ral entre nos a erenoa de que aqueta import uto bem assim urna exposicio das nocessMades do-son ; Ja ijue a commissao trata de despetas secresta- procura mos justificar a orden pr jhibitiva do Exm. nao em ouiras oceasics. (i)
acontecimnN' f vtfeotnwra a 3 de maio. E, en- jmuuicip- o, alim do serem levadas aeconlieciiii'.nio; das, releva ponderar anda, que tende fetto a a- dieeesano; confesse, era sun ma, confesse solem-j Parece portan o inquestiotiavel, que a doutrina
dd esto dia o da Onvenr" ito Stntn'Cruz,entemlcm da mesma assembla. Quanlo primeira
que d'ahi proveto ao Brasil o neme de Ibmi daipn* parto, que -e communcasse ao proco
Jaato-Ci'ws, aantimeaw alias pavtUbado par nt- |e 4aanto i terceira, inteirada.
o aris escrieores pertngaes, e entre elles e -sa-1 Otsro do Sr. venador Mello
tio l). Luiz Oaelanodc Lima. Sada, porm. me-' por-incommodo de saiidc deixava de comparecer, e | sica etc. ou reverencia, .pie re deve guardar no templa de sanente observada em todos os lempos? Assim
nos exacto. ',te?P 'l'ie melhorasBe e faria. Inteirada. AMm de tndo qn*nto Rea expesto, ainda esla Dos: nos, pnrein, aotemneimnle declaramos, que se diz, o afllrma-se que entre as cultas naeoes ca-
rudro Atoaron raftnal o oel bre dosooUikia-do Vulrodo director da repartidlo das obras publi- cmara abrigada a satisfater a im:neu>idade de avista das epstolas de S. Paulo, da decretal do tholicas da Euiopa, sem exceptuar a Italia, c a
Brasil, hueve osiprimeiros tjtnaes Ue Ierra w se-'eas, trazendo ao ceanecimeOto da cmara, que, cusas de precesses deedhidos pelajostica publica, papa S. Lino, e das opinies dos santos padres nao mesma capital do mundo chrislo, se permute o
cunda ufci-va dcqtasehoa e t> i em comunmoricio achando-se tmicluld* a parte do calcamcnto da rua [ inclu-ives es dos fallidos. se pode admittir, por ser improprio, indecente e ( uso dos chapelirhos.
rieaiirn mimlr fj"''***" da Aurora, are a pele da Boa-Vista, e a eaqalna | Em vista de taes eonsiderac^es, a commissao indecortto i religiao da croi, o use, que se qner ] Sem contcsiar estaasseceo rosponderei mu XJ6
E do crneo esTiltenlsfre a demencia
Kspanqnemos com extorco seguro.
D-ine anda un relance lgueiro
Desees Ibos gentis. matadores
(Jue p'ra iiiiui desabrocliaiu as flores
E s i torna sereno o futuro.
Has se as llores faadas licarem
Sem que n'alma simas conforto.
Chora aquello que glido morto
Se linou mui distante dos seus,
E no mez que a gentil primavera
Abrandar da e-taco os rigores;
Lembra aquelle pie em castos amores
Te legou o son ultimo adeus.
-------- co ac '< no corren io, seo n. i ,
O Jornal rfo Comnenh do Ro, publica o segnin- contrato da venda do terreno, que alinde o citado
te sob o titulo de liriir ciuats A-oii"''/' i cilicio.- Que se communcasse aoprocure)
o da Vuwaii'ta aa Itomil, send. EObscaiifloJ Outro da meomu, trensmittindo per capta ayer-
esle Iralalho pelo Sr. Henriquc Beanropaire '..o- taria de 21|dc novemkrn ultimo, pela qual approvar i
h-n. provisoriawnte esartigotde postaras pronestos
ta leManj carta que Pedro Vaz de Gfaiuha I pola cmara em 9 do mesmo mes. Jue se pa-
di rigi deporto Seguro ael-ieil". Manmfl em o blicasse-, c se re* ict toase copia
NOVO BANCO
DE
|]K\AHKKO
O novo banco de Pernainbiioo convida os ere-
dores dasmassas fallidas de llesonila & Duira. e
Francisco Antonio Gorma Gardoso a aprescirta-
rem seus ttulos no banco para f 11
pectiva verificaco al o dia :il do nei-
ro, depois do qual se proeeder dividendo
ttulos que estverem veritloado-.
EM 12 DE JANEIRO DE Ut*.
banco desconia na pres.-nie semana a oit
cento ao anuo ata 0 preso do qualro mam
por cento at o de sois mczes
.4lfiodfga
Rendimento do dia 2 a I!........
Ido n do dia 12.................
li:3:
21:581
ISI-.W,
tioviiiieufo da alfaadce.1
Volumes entrados
com rateadas.
com genero*..
lili
182
Volumes sahidos
< c
com
com
fazends...
gneros...
32
WO
MI
nescarregam no dia 13 de Janeiro.
Ungue nglez Liliancarvio
Barca franceza On-an carvio.
Barca ingleza -Aerofution-carvio.
Patacho niglez(iftiruuv mercadorias.
Brigtte inglezAittxticdem.
Hrigue inglez Suihl Jorgeferro.
Rarca porlugueza-Corsa diversos generes de oa-
lolagem.
Polaca nacionalMminliocharque.
Sumaca hespanholaAmelia charque.
Urigue inglezHete o\ the Ex.farinha.
Recebedoria de readas laieraas
geraes de PernatMbuem.
Rendimento do dia 2 a 11........ 5:tHHAi:;t
dem do dia 12................. 604:KK>
5:7\8-5mJ
Comsmlado provlmelal.
Rendimento do dia 2 a 11......... 50:1105627
dem do da 12................. 3:V5UJ272
83:561K99
nar dissenees, que podein trazer funestas Bflssr-
dens; 4 nnalmeute. Me nao permiltndo os nossos
eostumes c us) dos referidos chapelinhos as pro
prias reunios profanas, Be sor te que nenhuma se-
ntiora se animara a comparecer deste modo em
um baile, ou em urna visita mais solemne, como
poderam permilti-lo a face dos sacrosantos mis-
terios nesse logar tremendo, que s. Joo Ornos-
tomo chama o retiro dos anjos, o palacio de Deus,
e o mesmo oi 1 Xinguom julgue de pouca im-
portunla este respeito as conveniencias e opines
religiosas de um povo, ou de urna sociedade. O
famoso Frodenco, re da Prussia, protestante e
philosopho como era, den nesla materia una im-
portante ligio, pois, que costumado a entrar com seu
chapeo na cabeca nos templos dos protestantes,
apro>sou-se a hra-lo, e se conservou em urna pos-
tura rospeitosa, quando entrou na greja dos catho-
lcos de Berln: e perguntado sobro esta differenca
responden,que arredilndoos catholicos na presen-
ga real de Jess Christo, sobre os aliares elle devia
respailar esta trenca; masque nao pensando assim
os protestantes entenda nao haver nos seus tem-
plos um senhor maior do que elle.
Eis aqu o que muito a pressa tenho de respon-
der \ me, concluindo que fez o seu dever em
nio consentir que na sua matriz se introduzisse
urna novidade contrara ao espirito da igreja, e aos
eostumes religiosos desla dioeese, esperaudo eu
igualmente da sua prudencia, que procure acalmar
a agilacio causada por este arontecmenlo entre
seus parochanos, e que esteve a ponto de pertur-
bar a paz do templo, e a cejebraoao da missa pa-
roehial, fazendi-lbes ver, quo devem descansar na
vigilancia das autoridades.
E para que seja conseqnente o zelo pastoral,
cumpre tambem que Vine, se nao descuide de ex-
hortar, e bradar da cadeira evanglica contra a
mmodestfa que infelizmente se observa em as
nossas igreja-, vendse militas inullieres com as
cabeeas iuteiramenle descobei tas, como se viess. ni,
diz o mesmo S. Chrysostomo, lestemunhar ao gran-
de Paulo, que, ainda quando elle repetisse mil te-
tes seus ensinos, ellas esli di-qiostas a nio se-
gui-los, e a nio mudar de conducta; alm de
outras nudozas o indecencias summamenle offensi-
vas do pudor, e que s servein de accender chara-
mas impuras ante os altares do Deus de pureza c
santidade.
Deus guardo Vme. Rahia, 10 de abril de
I8V5.Romualdo, arcebispo da BabiaMuito re-
verendo Sr. vgario collado da freguezia do Pilar.
Jos Joaquim da Fonseca Lima.
MOYIMENTO DO PORTO.
JVcipio* entrados no dia 12.
Porto-Alegre2o dias, barca portugueza ///., de
215 toneladas, capitao Malheus de Souza Maciel,
eijuipagem 10, carga 11000 alqueres de fari-
nha de mandioca; Antonio Luiz de Oliveua
Azevedo & C.
Aracaty 9 dias, hiato nacional Inrencnel, de 35
toneladas, capitao Jos Joaquim Alves da Silva,
equipagem 5, carga sola e couros salgados ao
mesmo capitao.
Rio de Janeiro 22 dias, briguc portnguez Mtr-
inrilu, de 305 toneladas, capitao Jos Emygdio
iUbeiro, c|uipagem 13, carga caf c barricas
vasas ; Amorim Irmao.
Sabido no mesmo dia.
Rio da PrataBrigne portnguez Improviso, capi-
tao Jos Goncalves Luna, carga assnear.
Observado.
Suspendeu do lamario para Londres a barra
ingleza Annr. tapale Collee, com a mesma carga
que trouxe de Adelaide Australia).
EDITAES.
Outro do administrador do cemitorio publico da mia-se apenas na profusao de argumentos frivolos de Alexandria no terceiro livro de seu pedagogo,
[regaeato do foro, remettendo o mapna dos enter- c patarras saldadas; liuaijiieule com a censura u,zendo que, quando os borneas, c as mulheres vio I pessoas ipie me auxiliram ajudando
ramentos feitos no mesmo estaiclecimeiito desde o
dia 1* i i do crreme.Ao procurador.
se nossas
merdaz, aero, e ferina, uera (jue depoe as armas,
desampara a arena do combate. Escriplos desse
Outros (dous do administrador do cemiteno de jaez, sao os que mereeem ser Crismados de insulso
b. I .i lureneo da taatta, remettendo tambem os map-' aranzel.
pasdos enleernraentos leitos naquelle estabeleci-l Perde-uos o primeiro bom cathoco
ment desde Jl> alo 29 do crrante.O mesmo! expresses o offendeui
deslino.
Mandou-se .remetler coinmisso de petiee:
(Seve o llenrii|iiesda Silva)o requeriBU'iito, no qua
o arremtame das pracas da farinha das fregu- irrefragav lias de & latee Boa-Vista, reprsenla acamara desneeessana, e intil nos sera analsar se c, ou
solire alguns obstculos que mu! se oppoe que' nao decente e honesto, respeitoso, ou rediculo um
possa elle facer urna exacta arrecadatho, e pede tal uso : o que convem saber, porm, c, se podein
qne sojam tomadas duas providencias, a primeira ou nao as senhoras ir a rasa de Deus, cobertas de
que os atrawssadores, ou vendetlnrec de fari-' chapeliuha6; se ou nao proliibido.; por quem
a greja devem r vestidos modestamente, com um
passo grave, guardando silencio, e dispostos para
bem orar.
As mulheres, accrescenla elle, devem ir cober-
tas imitando o poder da mulher de Eneas, que nao
descobrio seu rosto durante a tomada de Troya, e
Noe sendo o nosso lim se nio sustentar por amor ne,n aiada quaudo procura\a salvar-sc das ohain-
tiee- religiao do crucilicado, a doutrina da igreja, nos- ma!5 do mcemlio desta desgracada cidade. Outros
> qual se ponto, e provar a verdade cora os teslemunhos mmtos padres, e espcrialmtnte S. Joo Chrysosto-
mo, Theopbilato, Theodoroto, S. Anselmo e S. Tbo-
maz ex|iondo o citado captulo da caria deS. Paulo
sao unr..rmes ueste panto de disciplina.
Tal pois, a regra fundada na Escriptora, o
tradieoe formulada no canon ou decreto attribui-
doao pipa S. Lino, inmediato MCCessor de S. Pe-
nha nao facam da dita praca um deposito ou arma- qiial a autoridade, que assim prescreve.' Isto," (lro "* '/"" ",m/"'''. ''' twlnla capite, in Ecclesiam
lin, e sejam obrjgados ledas as tardes a retirarem \ por de mais, j temos provado, e demonstrado *
da praca suas farinbas; a segunda providencia luz da evideneia
qu fixe a cmara o mximo das cuas de fariuha I Senao fosse este o nosso propasito, leriamus sem
que deve eonter eada sacca, trazida ao mercado duvida de tocar em cada um dos pontos do com-
sem ser em costas oV animaos. momeado do primeiro bom catholico e mostrar as
Estere em praca. e foi arrematada por Beato alleraces, e outros eominentos, que quiz fazer s
Juaquim Gomes, e |>ela qnanlia de 215.5000 a obra nossas palavras ; pas-jriamos a repellir algamas
da iiontetiiiba denominada doLwaca. isserres inexactas que nos emprestou ; pagaramos
A coniiisso de polica apreseatou um parecer na mesma moeda lo esmerado trabalho porm ""''ha, pie ah deve reinar mo itbrt nuer potes-
dando por conferidas as cintas tomadas ao proeu- nao ; nao este o nosso intento ; nosso intento '"''','" ndnir tiippratirpitt troptrr Amjetos. (li
radar, relativas ao tremeefm de Jomo setembra pardoar-lhe de corac&o a exempla do Salvador, 10-
ultmi*;, o lembra alguma* providencias queeouvi- das as palavras acres, e ferinas, (jue sobre nos se
nha seivm tomadas.Pol approvadq, muid uido-se digucu de focar.
ou motivos prinripalniente moveram oa|os-
tolo quando em termos lio enrgicos detenuinou,
que as mulheres livessem as tabocas cobertas na
igreja : o primeiro o pudor e o recato lo pro-
prio da jucUc sexo; o o segundo a reverencia e
veneraeo devida aos anjos. que estn presentes
as asseuiblas chri>las e sao testi inunbas da mo-
Sis. redactores.Permita-me que por meio do
seu jornal eu agradeca cordalente a todas as
a salvar os
objortos de uiinlia casa, por oceasiao do incendio
que se manifestou no predio om que moro rua da
Cadeia, na manha de 30 de dezembro ultimo, e ao
mesmo lempo rogo as que por inadvertencia le-
iiliam conduzido comsigo alguns dos objectos que
me fallam, (aos como lencoes, camisas de liomem
e de mulher, calcas de ra.-emira, sotrecasacas, cha-
peos de horneo) e de senhora, quatro corles de ves-
tidos, tres paros de borseguins, um bracelete, na-
valhas, e differentes vidros de extractos e porfu-
mos, o obsequio de os mandaron) levar ou de me
dizerem aondr os poderei ir buscar, afllancando a
todos desde j o meo sincero reconhecimento.
lilsima llfii'lin, oabelleireiro, rua da Cadeia
n. 27, primeiro andar.
PUBLICARES 1 PEDIDO.
requerimenlo do Sr. Gastara do Rogo, que (osse
trenwmptu na prvenle arla, e (i seguate;
A eoinniissio de polica, a quem oram pie.-,le-
os lialanceles da ineia o deapeta desla eaMiara,
relativamente ao irminafre de julho a setembra do
Brrenle auno, tendo-as vorilicado, i vista dos H'
ma e respwiivos doc linalos, conheceu sor a re-
ceita do mencionado trimestre de rs. 30:230tf338,
t* aiiostolos (piando pregavam a verdade
eram perseguidos luiquamente. Os ministros da
religiao quando deflendemas doutrinas, o preroga-
livas dejl.i.sii censurados e esearoeerdos. Cabe-nos
buje a mesma sorte ede torrero mesmo calx I
Mas nao importa; abracando o oonselh) doprophe-
ta Clama nc eram fallaremos em materia de
religo sempre que tivermos como agonfas Escrip-
E com effeito. o aposlolo nao fez se nio eonfor-
marse com as ideas de iod.s os pavos e civilisa-
SSes en tio conhecidas, que olhavaiu o veo diz Mr.
Crenoude, como nina pule da decencia das
mulheres.
Este uso remontava-se inesnio aos tompos heroi-
cos, corno se v na ealegia de Heatado, e Ha odvs-
sa de Homero, (2) e a se acbava adoptado entre
os Hebreos, rabes, Gregos e Romanos, e cien fio
(l) .i palavra petestas no sentido do apostlo, e
e a despeza de 3:O0CbJ671 rs., existiildo o redo turas santas, por baluarte os decretos dos jiimmos conforme D commum dos expositores, signilica nes-
rs. .":l3tl4fi*>7em 30di's"temhro prximo passado, 'pootrflees, porcdlaroaa, B as oplnioes dot tantos le lagar o red.
il pessoa a facer late as desperas do presente padres poi escodo. (ij Vide diccionariodas.i rigens por Mr. M. Noel
U nu 're. sendo delle salisleila a folha dos orde- i Appareca embota o primeira bom catholico sus- el Carp>mter na palavra' oiie.
O lllui. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial em ciunprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia, manda fazer publico que no
da 28 do crrente, perante a junta da fazenda da
mesma thesouraria, se na de arrematar a quem
por menos lizer, a obra dos concertos de que pro-
nisa a bomba contigua ao rio Caulista, na estrada
do norte avahada em i:231o49 rs.
arrematarlo ser feila na forma da lei pro-
vincial n. 313 de lo de maio de 185i, e sob as
clausulas especiaes abaixo copiadas.
As pessoas quo se propozerera a essa arremaia-
eio oomparecamna sala das sessoes da meema
junta, no dia cima mencionado, pelo meio dia e
competentemente habilitados.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretara da thesouraria provincial de Pcrnam-
Luco 8 de Janeiro de 1864
O secretario,
A. V. d'Annunciacio.
Clausulas especiaes para a arrematarn
1^ A obra ser executada de conformidade com
o orcamento e planta approvados pelo conselho da
directora na importancia do I:231ft549 rs.
2.- O prazo para principiar a obra ser de I >
dias. contados da data da arrematado, e o prazo
para concluir de 2 mezes contados da data em que
lindar o prazo para principiar.
3." O pagamento effeciuar-se-ha em dnas pres-
tiices iguaes. correspondentes cada urna a meta-
de de servico feto.
li* Para tudo o mais que nao se achar especi-
ficado as presentes clausulas nem no orcamento
eegoir-se-na o que dispoe a le provincial' n. 2Htf.
Conforme,
A. F. d'Annunciacio.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial manda fazer publico que o thesonreiro da
mesma thesouraria est autorisado a fazer do dia
11 do corronte por diante, o pagamento dos juros
das a pol ices da divida publica provincial, venci-
dos al o ultimo de dezembro prximo lindo.
E para constar se mandou publicar e presente
pt-lo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pern.im-
buco 8 de Janeiro de 1864.
O secretario,
A. F. d'Annunciacio.
0 lllm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial em cumprimento da resolucio da juma da fa-
zenda, manda fazer publico que o contrato da ron-
servacao do terceiro termo da estrada do sol fui
transiendo para o dia 28 do corronte.
E para coustar se mandou publicar o presento
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 8 de Janeiro de 1854.
O secretario,
\, f. d'Annunciacio.
Pela thesouraria provincial se faz publico
que a arrema lacio dos concertos das pontos de
Taearuna. Santo Amaro e Varadonro foi transferi-
da para o dia 28 do corrente.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 8 de Janeiro de 1864.
0 secretario,
A. F. d'Annunciacio.
O major Francisco Duarte Colho, oavalleiro da
ordem de Christo, e juiz de paz, segundo votado
do distrieto da freguezia de Nossa Senhora da
Sade do Poqo da Panella, em virtude da lei,
ole.
Faco saber que, nio tendo sido feita na poca
que a le determina a eonvoeacio dos eleilores, e
supplentes desta paroohia, em virtudes de cir-
cunstancias que ocrorreram, convoco agora, de
conformidade com a deliberacao do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia, datada de 9 deste mez, e se-
gundo o que preceita a le regulanionlar das elei-
oes, e mais di-q>osires em vigor, os eleitnr
snppleatss desta parochia, que vio abaixo declara-
dos por lean nomos, para que comparer,am no
Minias vogetae assucaradas le
kcnip.
Pillas vegettos assuearaaas de Kemp, agrada-
veis a vista, isemptas de lodo 0 sabor repugnante,
tio suaves quo efllrae*;, tnicas o purgativas
estas lamosas ulila- possue |iois ludas as inap-
pieeiaveis qualidades perlencenles a urn remedio
calharlico, all ralivo e restaurante. Tal o juizn ron^istori* da igreja matriz desta freguezia.' no dia
medico conliri'iado pela experiencia de militares de 14 de fevereiro prximo futura, as 9 horas di nia-
doeutes. nlia, alim de organisar-sea juma (|nalilicadora,
Quando as funecoes do ligado o do ventre se < ue tem de rever a qnaliflraeao do anoo ant
acliaui |Hir ipialipier forma dosarranjados devem (lente, e organisar a lista dos el dadles que teem
ser resutudos boa ordem e regularidade com es- dieeito de votar as eleiodes de eleReres, jai
tas pillas un Sistivofs. lillas sao lo Infalliveis paz o venadoras da cmara municipal ; Brando
quanto sao agradave-e sem coniroversia alguma Bcieoles os referidos etettoraf a onpplantM, qoo
lucorrem as penas da lei os que deixarem de
comparecer -em motivo justitic-ido.
Eleilores.
' senhores :
Tenente Jorge Vctor Ferreira Inopes.
C.apiio Jos Cesario de Mello.
(31 Vide Terlu
citadas.
i i i Vide diccionario
vacha pea ux
(5) Aug. ad Januanum episl. 118 cap. 1.
e S. Cem. Aiex. as obra- ja
das origenns na pala-
-"'.
\


Maris,' de Prmqnhufo tnorra Mi i3 re rfftoefro de i*\

w
A
Dr. Antonio Joa Major Joo Francisco do Mego Maia.
(oroiieJ Joo UaptKln Pereira Lobo.
Major Francisco Duarte Collio.
tapito Manoel Peres Campallo d Almeida
Teoenle llenriquo de Miranda llenriqucs.
Alferes Jos Afionso do llego Barro**.
lenlecoronel Jos Francisco Pires.
i niin.Tiiuntij Joaquim Ignacio da Costa.
l'roprielario Ai iudes Duarte Carneiro da Ctinha
Gama.
Capillo Francisco do Paula do Rogo Barros.
Capitn Jos Luiz Vii* r (Juintciro.
1. nenia Sebastian Afionso do Reg Barros.
Coinmeicianle Amador de Araujo Pessoa.
Pronrietarfe Leopoldo do Reg Barros.
Suplientes.
Os seuliores:
Alferes Jos Goucalves da Poreiuncula.
Major Jos Theodoro de Senua.
Nogofiana Antonio Luiz dos Santos.
Eserivio Joao Facundo da Silva Guimaraes.
Canino Fraiiiisco Jo-e Vianua.
Dr. Jos Bernardo Oalvio Aleo/orado.
Tmente Joao Francisco Carneiro Monteiro.
Propretario Antonio Jos Gomes do Correio.
Ti'ueuie Jos Francisco do Reg Barros.
Artista Ludgero Francisco de Assiz.
Negociante Jos Margues de Amorim.
i'.< inmerrnte Gervasio Pires Ferreira.
dem Francisco Augusto Pires.
Alferes Francisco Jos Alves Gama.
Oginmereiante Manoel Jos Martins.
Mora Juvencio Correa Lima Wanderiey.
K> navio Joao N'epomueeno Ribeiro.
dem Galdino Temistocles Cabral de Vasconcelos.
1S para constar mande i passar o prsenle cdital,
afflxa-lo nos lugares mais pblicos desta fregae ia,
H (. ublica-lo. pela imprensa
I* distrelo da freguezia do Poco da Panella, 13
de Janeiro de tSCV. Eu Joao N'epomueeno Ribeiro.
csi rivo, o escrevi.
Francisco Duarte Cotho.
suissas, fi-.'uuvzasu ingle/as *"u pntMPns ddsta
mercado: quarla-feira 13 do crrente pelas 10
horas da maaha era seu arinazem (3 rua da
Cruz.
LEIO
H
lua casa de campo.
HOJK.
O agente Ptntn far leil* as H horas do dia
LEILO
DE
DECLARARES.
COMPANHIA BSASUJIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte espi htdo
at o da 1 t do correle o vapor
Qnittirodt Sul, cominandante o
capitn de mare guerra Gervasio '
Mancebo, o qual depois da demo-j
i ra do costme seguir para os portos do sul.
Desde ja recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser ambareada no dia de toa chegada, eiuommen-! a
das.e dinheiro a frete at o dia da sabida as 2 ho-
ras : agencia, rua da Cruz n. I, escritorio de An-
tonio I.uizde Oliveira Azevedo & C.________
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR-
Dos portos do sul e espesado
at o dia I \ do crtenle o vapor
A", eonmandante Alcanforado,
o qual depois da demora do eos-;
lome, seguir para os portos do
nn&e j recehem-se passageiros e engaja-se a' Um grande SbltldO (le Ulli
carga que o vapor poder conduzir, a mal dever
ser embarrada ni dia de sua chegada : encom-
mendas e dinheiro a frete at o dia da sahida s 3
horas, agencia rua da Craz n. i, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C_________I
COMPANHIA PEnXAMBL'CAXA
DE
\avc5aefio eos I eir a vajor.
Parahtba, Natal, Vari, AraeaD, a Cear.
O
dante
do
para
K
coramendas, passageiros e dinheiro a frete al o
dia da saluda s i horas da tarde : escriptorio no
Forte do Mattos a. 1._________________________
COMPANHIA PERN'AMBUCANA
DE
XavegaeSo costeira vapor.
arri e escalas.
O vapor Mrmanguapr, com-
mandante Moma, seguir para
--"',1
0 ('iludirlo Leal mudou \
a sua residenci:) da rua do
ueimudo pai?i a rua das
Cruzes sobrado n.
ineiro andar,
M'i
mi
b, pn-
|>or cima do
armazem Progrette, jion-
ule una casa edificada na estrada do.rln (\ tplioiMn imhiui oomnav
Monteiro perto da povennoo. lobn piltai oh- i "' U M lliU iX0 IWW) Seilipre
cenes de (ledra e cal com duas salas e stis quar- l,l'(Hni)tO ;l (IllilllinOT" lwn-l li'l-
t-.s e mais qoarlos para prefsa e estrliaj para H pi^UJ^tU il UlUU^UVl IWld )d-
ravallos, cacimba com boa agua e baixa de raj p. f\ oviii/in fia fitna hh
pim. O referido leilo sera eTerluado no dia e ll U CACIlltlU C MIrt pi
hora cima dito na ruada Cruz n. 38, onde pode- {con. 11)>iiii*w1a iat V/-n'nto
rio os pretendentes obter qualquer iuormaao a iy>*l{' ^lUUlUUU) [H)l eM n\nd,
Sabbailo, 16 do corrente mez, st? extrs-
liita, a nona parte ta terecira lotera do
Symnasio Pertiambucano (3* coaecsiSo1) no
consistorio ra sjteja de Nossa Senhor* do
andar com sotao edinca- o'*" ;> "Kuezia de santo Antonio.
Os bifedn 9 meios acham-se venda na-
respectiv.i thesouraria rua do Crespo n. f w da
0 abalm assi^nado. dr,. ,,;illl|,l'' amo-
ldado polo, Srs. .i.|[iiinistrad.irO ^ Ulas"
sa fallida de Furia i <.., rellefaddo 8 a
iuncioj militas vezes publicado por e*.'
Joroal, convida de novo os devedores da
dita sociodsde fallida para amigavelmen-
fc solverem seus dbitos ale o dia :il do
correte ui de Janeiro, prevenindo-os
de que, se fssim nao llzerem, ter de cha-
ma-Ios ajo-zo para nferigar o pagaaento,
como tem sajbadMfi 3 respeitu de abtvm.
Outro sim i.Vclara ar,s BwsMBa deveo
tanto d'est; rmno de oulras provincias,
da capital como do centro, que nao po-
dem faier pa-aiaento algum seaSoaoan-
nuni'iante 01 a pcMM por eBe aoforisada
prsciiraeao l.a^'anle, e de modo al- :
gwn podem pagar ao llido, fgido e w- i
culto, Juviiui Carneiro techado Itios, sob ;
I" na de nullidade do pa.ramento, e dlo- !
rem de repeli-lo ao annuncianle ou a J
ditos administradores.
Kecife \ di) Janeiro de 1.S6.
Lino Je F<>y*t.
m
do em chaos proprios na
rua da Trempe.
fFOLHINHAS PARA I8S4,
Va praga da Independencia Imana ns.
e S, aciatn-se venda as seoninles folhi-
nhaspaia I86i impressa* tiesta tvpograpliia
eui excellenle typo e bom papel,
fplbinlia de porta conlendv au mate-
riaado wsiume, rs.........ico
Diia de algiheira, sob a epigrapfi
religiosa, contendo alm das materiM
do costume os sete ptmt da tunla
de NosM Senlior Jesus Clnisln ; ratili-
eos di mez Mariano1; hymnos c jactila-
Iwias ao Santissimo Sacramento; ex-
pticacoea de diversas oragoe*; cora
Se/ apiiea ; exercicio ai sagrado cora-
gao de Mara ; oragao par .iailar as
igrejas no dia da Forciuncula oragao
para escolte dos esladosda vrda ; dita
a Senhora da Conceigo ; e medrtagoea
obre a reforma da conseiencia, n. 3i0
Dita de dita, 9ob a epigrapieVa
ridade, contendo alm das materia.-'do
O agente Pinto far leilao com autorisago do
e as casis conimksinnadiis rua da Impera- rr-ifr
triz n. i i loja o Sr. Pimentel; rua Direita ~zTa
..lu^a-9; o '> andar do sobrado da na do
D. 4, Duina (lo 5r. Ua^as; rua estrcita do Imperador 19, tostante fresco, e decenrr para
Rosaii r>. 1 tv]H>grapliia do Sr. Mira e rua um* familia ; a toHM- com Antonio Jos Kodrl.ues
de 8ouza, rw ron do Crespo n. 15.
costme : rectrtas olis e necessari
Aiuga-w o >egund> andar do sobrado n. t a diverso* mWlefMa da vida ; pJjwi-
a da Lapa, com Millicientes coinm-dos fpor ^ .. ^ ,' *"/"
razo9ve:a fallar na rua Velha d. 57. ca. fecreava ao akance de lodos :
pilliTiase ratices; powias: charadas;
maxiwsB e pensasoewft colligidos por
utn curioso............
Ditas ecdesiasttcaa>sa ft padre para
KSar O efficio divino, j>edifrjda pelo re-
verendo ti>oego peiiilMiar4r da S de
Olinda.......
Inda sua locahdade; o leilao ser enVcluado as 11
loras do dia cima dito, no escriptorio do mesnio
agente, rua da Cruz n. 38.
" >.
H;iint;i Casa da Misericordia do
Qimlfn
O'Sr. thesoureiro interino da Santa Casa de X-
Isriaard d* Recifu, tenlo coronel Justino l-e-
reira de Faria, manda far.er publico que no dia 9
do corrente pelas 9 horas da manhaa na casa dos
(postus paga as mentalidades vencidas as ama,
reentocin cooi as creangas, que ll.es 2:, Encomieodas, passageiros c dinheiro arete engos os melhores que existen no mercado, os
at o dia da sahida s :t horas da tarde : escrip- quaes sero vendidos em lotes :i vontade dos eom-
"i.'i cjiivas cotn queijos flamengos.
oTportosai'ima i'ndicadosno (i 5 do corrente as o horas da '' agente Pestaa vender por eonta de quem
tarde. IlecelM-ra carga at o dia perleneer 25 eaixas com excellentes queijos fla-
0 thesoureiro,
Alugaseora sitio na Capunga Velha, e*m
asa, eonleaido quartos, gabinete, cacirrOa
agOO, qoarlos para pretos, estribara e
;. todo mirado : quem pretender dirija
do-Crespo i. iH, primeiro andar.
.-
Antonio-Jos Rodrigues de Souza aluga a sua
Antonio Jos-Rodrigues de Souza. casa e si0'do .McfUtnro, em frente ao uito da
grejade *. PSntal^rio, rom bastantes eommodos :
3S0
640
iran confiadas.
Secretaria da Sania Cosa de Misericordia da It !-
cife, 11 de jaucirode ISiii.
O escrivao,
F. A. Cavalcante Coasseiro.
Consclho admlulstrativA.
O C'iB-ellio administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra tem de compraros objeoto>
seguales :
Para a 2 baUllo de iuXantaria.
M.uilas de laa 500.
Pan o corp-j da guarnigao da Paralaba do Norte.
Mantas de La Bu.
P.ira o batalho do Cear.
Mantas de laa IOT.
Par o 7 batalb de infamara.
Mantas de laa i Paj o di'po.>ito bellico da provincia de Alagoas
Maulas de la. 120.
Para o '.0" batalho de uifantaria.
Mantas de la 5.
giueta quizer vender tae.- objeetos apresentem a
suas nropBSlas em carta fechada na secretaria de
conselho as 10 horas daraanha do da 13 do cor-
rate.
Sala das sessdes do e msulb i a Imtnistratfro pa-1
ra lornecimento do arsenal de guerra 3 de ja-'
oeiro de l**tii.
.tufme Peifro de S Bnrreto,
Coronel presidente.
Jos Antonio Pinto.
Tuncnte-careuel vogal.
rrein.
Poli administrico do correio desta cidade so
faz publico para fnis convenientes que em virtude
lorio no Forte do Mallos n. 1.
COHlA\lll t
MESSAGEBKSAS IMPERIALES
At o dia 14
do corrente es-
pera-se da Eu-
ropa o vapor
francez 8000*04
commandante
Knout, o qual
dopois da demora
do cosiumo se-
guir para o Hiode Janeiro tocando na Baha, pa-
ra posngens etc., trala-so na agencia rua do Tra-
piche n. 1).
t tini|i;uiliii l'criiiiiiiliinaii
01
Xavega^o eosielr; a vapor.
liba de temando.
O vapor oomnwpo, com-
mandante Moura, seguir no dia
15 do corrente para o presidio
de Fernando de Noronha as H ho-
ras da manhaa Recebe carga
at o da 14. Bncoinmendas. passageiros e di-
nheiro a frete at as l horas da manhaa do dia da
sahida : escriptorio no Forte do Mattos 11. 1.
pelas 10
defronte
pradores : qninta-feira 14 do corrente
horas da manhaa 110 armazein do Aunes
da alfaadega.
De nina padaria e uiu eawcravo.
Domingos Caldas Pires Ferreira far leilao
poi interveaeo do agente Pinto de saa padaria
com todos os seus utenrilios. e de prime,ra qunli-
dade; assim como de um esclavo moco de loa
couducta.
Sexla-feira lo do (trente,
na esquina da rua Imperial, defronte d 1 viveir.
do Mnniz, onde se eirectuar o leilao, s II lloras
do dia cima mencionada
LE
ni:
Mebilias completas, pianos de tlilereii-
les autores, cabriolis, ravallas, vac-
ias ti1 crias, relogios de algibeica e
paretlc etc.. ele.
Si'va-I'elra 1.1b de Janeiro s II
koras.
O agente Olimpio em seu armazeni rua do
Imperador n. Iii. vender o segukUe : una riea
m iliilia de Jacaranda nova chegada direel linate
da fabrica e despachada ltimamente na alfaode-
E 0 0 1 3 s 3 -1 - d laf -- -1 i s 9 O 5>
^ O 'J* =r - p a s - =r
a p a a 0 Bu -1 5 0 se m -i z -1 3 i
B 5 0 0 en 'r- 0 9 - 91 4
* r. 9.
Uva loja Ys barateirns a. na J> Quemad*.
Hicas saias da fustoa o,S. ami- .s :^l.i.is para
y-nhora a 2J, 2.B00, e 4, ei.lierta de fuslo
iajramr^m^utanadas.ob.rias, rua do Cres- ^ jj 2n?o?e p?TSCn"S
! MIHA]IA
no
EST\BELECIHE\TO.
Franciiwo Maestra ti
estbelccido na rua da linperafnz n.24 com fabrica
de chapeos de sol. mudoii-se |xira rua do Queiina-
. do n. 22. aonde se cobre e se fa* toda quahdade de
7Ji Ir i Bnu,c-es!>etwwsroni Mnb concert pertenece esta arte,eavisaa lodosos
ia casa n. 21. da rua dos i.uararapo desta edade, g,,,,, fl, ,,,,,, de>ra (.i(,.1(|L, t. de fra, que esta
em contratado com Joaqun. Ferreira da Silva jysolvido a vender mais barato .lo ,,ue em ontra
Para o lllo de .laaeiro.
O patacho nacional Capmim, pretende seguir
do disposto iio artigo l."N do regnlamento geral dos com nuiila brevidade, tem parte de seu carrega ga composta de 18 cadeiras Je guarnicn i Je bra-
correios de 21 dodctemSro de U44. e artigo 9 do monto engajado, para o resto que lhe falta e es- en, 2 de bataneo, 1 sof, i consolas 'e MU mesa
doent) n. b$&de lo de maio de 1831, se procede- cravos frete para os quaes tem bous aonmodos j meio desala com lampos de pedia, nina molii-
11 e i-i.-iim 1 das carus existentes na administra- trata-serom os seus consignatarios Antonio Luiz lia de dito cota 18 cadeiras de guaruicio. 4 di)
1 ;io 1 nrinnonlnn :w tnezdojaneiro de 1863,110 dia de Oliveira Azevedo & (1, 110 seu escriptorio rua braco, l sof, 2 consolos e urna mesa de' meio de
it do f'viviro prximo, s II horas da manlia, da Cruzo. 1.
na porta do mesnio correio ; e a respectiva lista s<
acha 1 es le j expona aoi iateressados.
Aduuistraco Jo correio de Peruainbuco 12 do
Janeiro de 1864. O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Crrelo seral.
sala com tampos do pedia, l mobilia de Jacaran-
da composta de 12 cadeiras de giiarnic.au. 2 de
braco. 2 delialaiieo. 1 sof. 2 consolos e 11111 mess
de meio de sala com podra, 2 pianos de Jacaranda,
(de armario), 1 dito de loogno fde mesa), lavatorio
com pedra, pares de 1,-tiiiernas em pingeotes,
cainlelahros, pares de jarros para llores, espelhos
Poli' administragao do correio desta cidade so A barca Limo I sabe para o Porto em poucos com molduras douradas, mesas para jantar, com-
az p iliiicu que em virtude da convenci postal, das, por terquasi prompto o eu carregamento : modas de Jacaranda e amarello, quadros sortidos,
<-eleb-aI-i netos governos brasileiro c franre7, se- para o resto e passageiros, trata-se com os con- cabidos, berara para neniaos, eovalloa de sella,
c;ieJida> malas para a Europa no dia 15 do siguatarins Carvalho & Nogueira, na rua de Apollo relogios de algibeira. de ouro e prata, guarda lou-
AraC'l)
O hiate SaaJJa Rita tem parte da carga prompta:
para o resto, trata-se com Tasso Irmos, rua do
Amorim n. lo, ou com o mestre no trapiche do
algodo.
corrate pelo vapor Igtez Magdalena. As cartas numero 20.
S-'rao reeeliidas at 2 horas antes da que for mar-
cada liara a sabida do vapor, e osjornaes at 4 ho-.
ras atices.
AduiiuistracSo do correio de Pernambuco 11 de
j ldn de 1864.O atminis.rador, 1
biiniiL'osdos Passos Miranda.
THEATKO
di
APOLLO.
Setjuniia-feira 18 de Janeiro
de 1804.
rara o Itio de Janeiro
salar com i rnaior brevidade possivel o palhabo-
te nacional Viitmao ; recebe anda alguma carga
I frete e oseravos ; trata-se cen Manoel Ignacio
de Oliveira Filho.no largo do Corpo 9anty nu-
mero 19.
Para Lisboa segu com brevidade o brigue
portuguez Arliro, ea|iilo Augusto Wenceslao dos
Santos: este navio tem parte do r.-.rregamento
ca, cadeiras avulsas, bidets, 1 vacca com cria. 1
novilha, 1 garrota, espingardas de caca, registros
e randieiros para paz, I fardameuiode guarda do
esquadrao de cavallaria. paletots e calcas de brim,
urna clarintn. bombas para agOOT jardins coulros
muitos artigas que. se tornain eufadonho men-
cionar.
HaSSSaA^
DO
prompto, e para o resto a frete. trata-se rom Amo- i-, > .-
ran Irmos, r.ia da Cruz n. :t. ou com o mesnio 27 CalUS CIU ptllllus (le dt'nles e 22,>
capito na praca do cnmmercio._________ (|jt;\S (m sallO.
Para Mentevide, recebe passageiros o bri-
gue portuguez Improviso : a tratar com o capitao
a bordo.
MeMta-felra 15 de Janeiro.
O agente Pinto far leilao |uir ronla e risco do
quem pertencer de 27 rai\as con palitos de den
i.OM'.KIl 10
DE
com a oadjuvaco da sociedade Melpomene.
PROHAHMi.
Prmeira parto.
Logo que a oreheslr ti ver executado urna de
soas es;oihidas ouverturas, representar-se-ha o Io
acto do drama do Sr. Firmiuo Candido de Figuei-
0 HEMHU NEGRO.
Segunda parte.
Orante pbantasia sobre uwiivos da opera0
Trovadorcomposta e eseculada por Artliur Na-
(luleao.
Terceira parte.
2 acto do drama.
Quarta parte.
Plianlisia Veneziana, coaipjsta e executada por
Artliur \apolcan.
Quinta parte.
!"act" do drama.
Sexta parte.
Orando phantasia sobre motivos da opera-l'm
Hallo in Msrhera -composta e executada por Ar-
ihur apaban.
Stima parte.
Jlepreseotar-se ha a comedia em um acto
no I A VIVA.
Oitava e ultima parto.
OTorbilbi segunilo galope de. concert com-
posto e-secutado por Artliur .Xapoleo.
Principiara s 8 horas.
ijualq icr cucomuienda de camarotes ou cadeiras
odeo lazer at ipiartafidra no hotel d'Europa
e no diado concert no tlieatro.
Para Porto Alegre pelo ISio (rancie do Sul les. 200 ditas com sabo aiaaivllo e 2o ditas com
segu o patacho nacional Ornu de Urzembro; este sabio oastalnano, islo s 11 horasdo diaaeima di-
navio recebe carga para os dous m'eneioaados por- h) >'i porta do ariaazem de Sr. Anuos era frenle a
tos a um frete commodo : quem qaizer carrepar, alfandega-
pde entender-se no escriptorio Amorim Irmos,
rua da Cruz n. 3, ou com o capitao Joo Chrisosto-
ino Jnior.
IEIIAO
M
Segu, com muita brevidade para Lisboa, por
:er prompta a maior parte do earregamenlo, o bri-
?ue portuguez Florinda, o qual recebe o resto da
earga a frete : para tratar, no escriptorio n. 3 da lecido Joao Evangelista da Cosa, vender em lei-
,ua da Cruz, ou com o capitn Joaquim Augusto lio um grande sitio ao logar da Capunga Velha,
1 sitio na Capunga.
O agento Almeida auturisado pela viava do bi-
lis Souza na praca do commereio.
can ama ba casa de pedra e cal, contendo J sa-
las e 8 quartos, cosinha fra, rasa para escravos
e eitor, 2 tanques, viveiro margeui do rio,
militas arvores de diversas/rucias.
Sexta-feira l."i do correle porta da associacSo
i'omuiereial s 11 horas do dia.
IEIIjAO
Para Lislwa pretende sabir com muita brevi-
dade o patacho Juico, capitao Jos Marques Coe-
lho Solirinho, por ter parte de seu earregamenlo
tratado : para o resto que Iho falta, ie passageiros,'
trata-se com os feos consignatarios Palmeira A
Iteltro, largo do Corpo Santo n. 4, primeiro
iidar.
PARA 0 RIO EE JANEIRO i
pretende sabir com muita brevidade o patacho
Correa por ter a maior parto da carga tratada :
[ara o resto que lhe falta e escravos a frete, tra-
ti-se com es consignatarios Palmeira 4 Heltro, &C."e mandado do Illn Sr. r. uil esoeeal do
I irgo do Corpo Santo n. 4, primeiro andar. ; commereio, de mu sobrado da um andar com :t.'
Para J Rio de Janeiro pahnos de largo lMdo3jaoeflas na frente, na rua
Atodia:tt) do corrente pretende seguir m.: ^ Flores da cidade do Araiaty em chaos foni-
ireteriveliaente o patacho nacional Beberibe, para iros a camara municipal de dita cidade.
o resto da carga que lhe falta e escravos a frete |. Swta-feirat.i de Janeiro dr tR6t
porta da issocbfio conimerrial s 11 horas ; os
na
t
comprir-lhe todos os ntencilios e mais perteoces
que possne no estabelecimeoto nialmcufe de re-
linaeio, silo na easa n. 42 da dita rua; pw isio
fazem publico, e especialmente Sos (redores do
dit Joaqnim Ferreira da Silva ou do-referid seu
estabelcciinenlo, para que no praso de tres das
oppoaham o i|ue tiverem contra dita venda.
Imperial Instituto de .V o. do
liona Consclho. na da> Aro-
ra n. 5o.
Lista dos professores desle Instituto que fui sucra-
dido na direee.io pelo abaixo assignadO)
ailtigo viee-ibreelor ,to mma
Aula primaria.
Pi imeira cadeira o Illiu. Sr. Vicloriuo- AjUoiu'o
Martina
aobonaa dita o Illin. Sr. Viriato Sergio de Mou-
ra Matfos.
Latn.
O IIkm. e Rvui. |iadre mestre Flix Carreto-de
v'asceoteltos.
Francez.
Olllm. Sr. Dr. AyresGama.
togb.
0 Illia Sr.,Carlos Alkorne.
eograpliia.
ii lllin. Sr. Dr. Antonio Kang
deira.
Gcometria.
0 tilia Sr. Dr. Bemviudo Pinto Lobao.
I* tu 'tnica.
,0 lllm. Sr. !>r. Manoel da Costa Honorato-.
Philosophia.
O lllm. Sr. Dr. Jos Soares de Azevedo.
Koi esieo pessoai que o director, de acrordo-com
o lllm. Sr. Dr. Jos Soares de Azevedo, escolheu
para. leccionar no Instituto, e cajo ment preflssio-
nal por tolos reconheeido-, as pessoas. peas, que
se noberem preparar em qualquer das disi-iplinas
cima, podem vir dar seus nones matricula.
Recebem-se alumnos ioteroos, eitemo e meio
pensteoistas : o eoKegtn franqueado a todas as
penoenonie o ipibaoan visitar.
Ibejfe 11 de Janeiro de lHii.
Antonio Augusto Ferreira Lima.
(> palmos de l.inruia cor para volido a M o cova* |:w para vesti-
do a 480, 560 e 6i>v cu vado.
Ao n. .
\r.a luja ibis bar-Virus na ru.itoDOinadi.
TartatMns de todas as eom faaoodb moito lina
a 720 a vara, eambrah para cortil*, pen de 22
j varas, por 10, chales ,k- la por ii, VL r 8*,
camisas piezas para bfirneui a :* -'.e 80*.
Ao p>. 29.
Nova lija des haratrirnoaroa dH}orinad..
Iti'-is pretos, franjas de todas as qaalidades,
trancas de seda, de algOdSe e de laa, niangjjim e
camisinhas bordadas, eollariiihos e jiuarios, Mb*s
bordados, botos de velludo de seda e dt fusi.o,
bandos d. eaOoUo, nena de serta, le qualquer |iarte, e peda que lhe (Ken prefereona,
e todas as pessoas inarrom rbapeni nesta fabrica
para concertar, roobom a bombde de o- viren, I ar,g0. se ,.,.,,,., |ue|a4<. uo ^ varno-
uscar ate ao prase oVffdns; psmaode o pon Boro acabar
seram vendidos para Br.gr.inenlo dos ditos con-'__.-----n,.,,' ___^_ .___,
GKOJUET Hl.% I
O padre Francisco Joao de A/cvedu, habilitado I
pela direeioi i,( geral de insarnoajto publica, tem
resolvido abrir um curso de geomotri, para o que
convida aos senliores estinl-ntos e a quem eonvnr,
proiiiettendo-lhes empre.aar lodosos Mforcns afim
deque tensan tirar o desojado- proveiio de suas
roes : a tratar com o nMlQQa ua rua do Rangel ,
n. l.'l, primeiro andar.
Sociedade de seguros mutuos ;
de vida Installada pelo Unuco
l*nio ua cidade du> Porto.
Os agenna nesta cidade e provincia Antonio
Luiz de Olive ra Azevedo A; C., escriptorio na rua
da Cruz do Recite a. 1, estao autorisados desde j
a ti>mar assignaturas e prestar lodos o* esclareci-
mentos que foreni necessarios, as pessoas que de-
sejarem eoneorrer para to til e henefira empre-
de Torres, tan- za, segurando um futuro lisongeim aos asaocJados
0 Dr. Carotino- Prancisro-dc LimaSao-
los, contini'w a residir n;'. roa do Impe-
rador n. I", 2- andar, omI- p fr ser pr.
ei railo a ipaalqiinr hora do dhe ih noil*
para o exewieio de sua proM. de
dico; send que os chamad"-. tVf*iide'!
ni 'o dia am 4 horas da tan.-, ilen-m xer
deixados p*r ewriplo. O roferdi Dr
nao abnononnoM nunca o- enlodo n>
mole.siias d. interior, prsp)ne, poro o
maior aunen no das mais dWtoM edHi-,
radas operantes; como sejam laa* orgias
ourinarios, dos olhos, partos, etc.
Xo escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
1 Aztrredo & I'., na rua da Cruz n. 1, irerisa-se fal-
lar m O Sr. Luiz Soares Botelhoj Qlno de Jos
Soares Botelho e de Fortunata Candida do Souza,
e acto de Francisco Manoel ie Seuza, natural da
tnodto 9. Miguel, o ipial consta ter viudo para 0B-
ta cidade em 182W, para lhe dar noticias de sua
mi e irmos que se acham no Rio-de Janeiro.
> SOCIEDADE
UNLiO BlVFiCEi\T
MARTIMA
De ordem do Sr. presidente seieniificoaos senbo-
. res socios cffiTiivos que no dia sello aba lo do
| corrente haver sessaoda assomblogovl a nego-
cio de alia monta.
Secretaria da Sociedade Lrni3o Beiiefcentc Ma-
Precisa-sede uuia ama que saiba perJno>
mente cosiuhare engommar : na rua da Contar- rtiu 9 d'jatMru\e' 804."
dia "* __________________________! Dalthazar Jos dos Rek
Precisa-se de iiima ama de leite para urna Io secretario.
chanca de ti a 7 mezes : na rua estrella do Rosa-, Alug.a-se urna casa terrea rem sotfvo e eom-
1 modos para grande familia. qnarJDS para criados.
Quem li ver para vender um esenvo preto estriliana, quintal bastante gi ande -com. fructviras.
ejne smba eninbar, dirija-se rua do Vlgrio n. 9 sin nos Abgados no pateo da Paz-: a tratar as
Cinco Ponas a. 44. ou nos Alegados com o Sr.
tone Lucio Lias.
A vitiva o Ribos do tinado Miguel Felicio
da Silva, agradecen cordialmente a todas
as pessoas que se di[0aram a-si>lir os suf-
fragios e anonpaohnmenio dos restos mor-
tacs do seu presado e sempre chorado ma-
rido e pai; e ao inesmo tempo deelaram quo
no dia LI de correule pelas li horas da ma-
nhaa, lera logar na ordem terceir de S.
Fia m- i seo, uma missa por alma do fallecido.
a
OITeri'ce-se nina pessoa para leccionar em
qualquer engenho pri neiras leitras. urammatica
portuguesa e arithmelica : quem pretender diri-
ja-se rua Augusta n. 65, deixando carta fechada
com as Iniciaes R. J., Indicando. SOO morada para
ser procurado.
O abaixo assignado faz ver ao respeilavel
publico, que a fabrica de tamaueos da rua Direita
d. i'M, pertence Joaquim Alves de Castro._____
A inmincrcio.
!fc^ Attenro tio pnaollen.
0 abaixo assignado ruga aquellos ijae se jnt
garemseas credorM-de viren recebar seno dbi-
tos afim de evita? que ms lingnas espalhem e-
conlinuem a espanar que o abaixo assirnado so
declaro i roubad-i pura nao pagar ; a peliria fez o
exame e contina em >uas in para pro-
var a inocencia eiamprir com seo dever.
Jo.-.qnini Si ni a o dos iaMOS.
m-mmimm ***zgm
rja Na rua da Aurora junto an oaanie
-j2 Porfirio, entre .i ponte Slarr e I mira es-
J& 'a por alagar-oe uma >ieeita.n no
"^ terrea com sotao e noOm eonan
% com agua potavl da eomnanab do- Be- ^
^ beribe. pelo prepo de .'I0 mensa.
Precisa-se de una ama para n nihar para
duas paseaos, lavar e engoauaar : ua. rua da Ca-
deia n. 27, primeii-o audar. ___________
Alberto Cohn, subdito francez. v.-i para fra
da provincia.
Precisa-se de urna ama :
Rosario a. 18, prinaiM andar.
na ru~ esifeia do
AVirifi<6oaO
O oflicial de jiutica, Albino de JesasBa.dri.->-
obrigado da necessidde de mei pnoa sooodrs,
pezas vitaos e ootaos empenhos, por ^ncratrar pro-
tectores desalmado.* que ao se moten a privrio
de um anuo, e non 40 dia de finas; todava re-
corre ao lllm. Sr. solicitador Ansnob "hito-de nar-
ros, por ser ama das almas huinaial.ir.is, qui" por
eerto nao eixar i de o soceorrer, atfenh> ao d.in>
>toque existe | i torea maior.
Quem precisar de uma rasa h-erea pan?a<
saro resto da festa, com bastantes oonnedm a
muito iMim estado para urna familia, e por prreo
milito commodo, na ilba do Retir., alie na r j. oo
Imperador n. 4J, loja de marcineirc.
Precisa-sede nm caixeiro de. 14 J-anws
1 de idade para taberna ; na nift da Aurora a. 54,
dando liadur a sua coniiucia.__________________
ose p lia fi&jdn.
Ausenlon-se da rasa do Mnranbao, na rua da
Aurora, aonde se achava para ssr vendnb, no da
S do corren!^, a prela Josepha, nieJita, idale
i ni grande sobrado de una an-
dar na cidade do Aracaty.
O agente Almeida far leilao requerimento dos
administradores da massa fallida de Se ve Filhos
Preeisa se de urna ama para urna easa de
pouca familia : na rua do Qoeimado, loja do bei-
Onerece-se uma pessoa para escrqiturarem ca- a-flor o. (if
sas coiiumiciars, lauto em partidas simples como i______'_______________________________,
dobrada : quem qaizr Ulillsar-se de seus servi- Alugain-se duas casas terrea* sitas na estra-
dos, dirija-se em carta fechada na rua do Livra- da do Chora-menino ao entrar da ponte pequea,
ment n. 7. loja. ; cornos segantes cemmodos 2 salas. 4 quartos.
'esl'-i d-i rnhori tu nnua 'cozinlia fol":'' qamiaes murados e cacimbas, sao
ZuTl B ii i il V ii t)r"l,rias l,:,r:* "'rada de urna gran.* familia ou K do corren^, a prela Josepha, rrioola, He i.lai.-
9. EIC Br. V. ihlltllie de S. lieilltt de duas inleiramenle relacionadas. |H>r seren jan- |Uarenta e tantos anuos, levon, vestido d* casso e
JeacCOnlof.OlU oall.ii.voassiitailoleill n terom no interior portas de eomniomcacao : rha|t 1>ri,,0 ou azul escuro, qvondo andana
.. ... a Tu a tratar no sitio n. 1 na estrada do Hospital l'ortu- (..n por cosame fallai -. tem.andar aprestad.
I'IMIWIMHO a ICSia (Ja >PII!l0ra HO IIOIIlK guez, ou no pateo do Carino, sobrado n. 2._______ estatura regular e sorra do c^rpo, andnva oair'o-
(lo (lia 3 I ll COrrCIlli? UICZ, fiara 1 7 (e Preoinooe de urna ama para cozinhar em i ra vendendo bolos todas as sairics : ipaem a r*i{ar
is.f ira Tiadnaro lllintl-i i'% di dik. cas-ule pouca familia : a tratar na reliiiafao da pode leva-to a seu s,mhor II de Atpiim>rM-a i
J.dieirO 4I11II0UIO llllDUa, 10 de Oe- Sc.izala Nova n. 4. ________________ i rua do Vinario n. 19, terceiro anda., ojue s. re-
^"'>- Alugam-se o primeii>e segando andares do
.MaiKH'l Llliz Vil'Aes. sobrado da rua da Onia n. 5J: a tratar na relina-
cao da Senzala Nova n. 4.
Offerece-se uma uuilher lioae.-la para ama
de casa de homem solleiro, para servido interno :
na rua da Gloria n. Mi
AVISOS MARTIMOS.
I*ara Ushn.i
v ii sabir at o dia 14 do corrente o brigue Cnnflan-
rn : para alguma carga que ainda precisa e pas-
iros, tran-se com os consignatarios Carvalho
ueira, na rua de Apollo n. 20.
pira os quaes tem excellentes eommodos tratase
com os seus consignatarios Antonio Luiz de Oli-
v jira Azevedo A; C, no seu escriptorio rua da
Cruz n. 1.
Para a Rabia pretendo sabir com muita bre-
vidade o veleiro patacho Thereza, capitn Joao
Corroa Lima, por ter a maior parte da carga :
liara o resto que lhe falta, trata-se com os consig-
nitaries Palmeira o Heltro, largo do Corpo Santo
n 4, primeiro andar.
Para a llohla
O palhabote unlmUi pretende seguir com bre-
pretundentes podem obter qualquer nformacao do
agente cima.
v\
I)K
na taberna e metade de nniii
rasa ierren.
Sexla-lei'a lo de ,r;inei'0
O agente Pinto autorisado pelo Sr. Manoel Jos
UnaOpara Mis porto, nnb parte de sen ca re- Carneiro far leilao a urna hora da tarde do dia
g: ment, e para o resto trata-se no escriptorio de; arima djto, da taberna do pateo do Tere, n. II e
1 nsso Irmos na rua do Amorim.______________ da metade da casa terrea n. edibjeada na rua
Rio de Janeiro
Segu com brevidade o palhabote Piedat, cap-
lio Marques Vianna : recebe carga a frete : a
tr tar com Caclano Cyriaeo da C. Morcira c\ Ir-
miio, no lado do Corpo Santo n. 2.1, ou com o ca-
pitao,
0 abaivii assiipiado lew as cliavrs de quatro
rasas ne oileiro da Senhora do Monte, que as rede,
par prrniissii de S. E\c. o Sr. D. Abbadr, a quem
eoncorrrr com alyunia quaulia para ojuda da es-
ai a fesla. Olinda, 2 dr Janeiro de 1864.
Manoel l.uii Vres.
A\i*o.
Precisa-se de um homem para tomar conta de
urna taberna nos arrabal le> jesta cidade, a quem
se dar uileresse : a tratar no ornasen da Auro-
ra Rrilbante, largo da Sania Cruz n. 84.
(IR tTIVO
pelas nllulas pauliotaaas.
rloieira.s lettraM. graminatica
iiiii-.iii l. I.ii i ni e francez.
Joae Jos Rodrigues, proessor publico primario
\ do collegio dos orphos, devidamente titulado pela
directoria geral, continua* leccionar as su|iraei-
tadas materias tanto.emcuilegios e casas particu-
lares como nado sua residenieia a rua da Palma
o 2'l, nade |ide ser procurado.
Attenvao.
Quem njntgni acodar da lirma sociiUi
(aimaraes & Heda, inesmo por titulo a
vencer ou de Joao da Itocha o Silva, ge-
rente da masaoa Urina anooroea na rua
dr> Qin imadn n. ."13 A para ne pags. He-
cife, II de Janeiro ib 1SI54.
Hidropisia.
I'or ter eonbeeiaiento de um curativo de bydro-
pisia, obtido por Carlos Pedro Klchecoia, de S. Pau-
lo, proeurei o nu-siao iratamenlo para uia nornoe
llieil, luchado este desde o. p.'. :kl a cabeca COm
as allln\'oes da niurte; logo que tomn as plalas
paabslauas a os HOSOpes, as alttieioe.s for.ua iliiai-
naiado, e em menos de .'i das o titeo eseravo sa-
Yellia frOfOOtia da Boo'VStt, o leilao ser effec- rou perfeitainente ; nao se pode chamar curativo, \t\\ ||-| j-jm (|q F^-^siO II 7 8HM MTl
tuado na referida taberna paleo do Terco n. 11 mas sim um milagre. (J sabido que a hydro- r "r r
pista molestia curatoL)
compensani.
- Aiviava de Joo Daptisla da Bwha r
todas as pessoas que se juJ.jarcm tura dr *eu
casal a apieseiitarem asm tuilos-a pras.!* oio
dias eso casa do SU resji>nca, na rt Din-ila n.
94, aiua de ser.'in dcscri| bM no :wenlari<> a que
vai proceder com audiencia do cvusul de S. M. Fi
delissima. Itecife 12 de Janeiro ib IH64.
O abaixo assignado faz scisnb ao respeitavel
puhlic e principal menta a corno 'b> rommercbx
que deixou de ser rai-'ctro do Sr Valeniim do Vli-
le Lobo desde o da tt- de jniiwro dr 1H64.
JnnVJaer tben.
^\;
Maqueo.
Custodio Jos 4lves Gnt stares tm
AVISOS DIYEBSOS.
LEILOES.
LEILAO
I)K
Fazenihtsallcracs, suissas, fiancezas
c injdetao.
IOJE.
Theodoro Christiansem far leilao para fecha-
mi nlo de facturas de diversas fazendas allemes.
Domingo io do eorrente
desemeaiiiinhoii-Ke da ponte no-
va para a eldade de Olinda. unta
eadella preta. bastante gorda.
eom una miren brauea abai-
xo do peoeoeo, eom a cauda ffro-
eada e algun* cabellos branco .
a qual aeode pelo noine de crio;;; -
la : quem a aelion tra%eudo es-
ta typographia ser recompen-
sado.
Lisboa.
Km losleaiaiibo da verdodo ansjgnai o prsenlo
para Wf eonhoeido de totb- o publieo e a .loria ao
see.iiov do liaban inlalttwtcorauvu Freguojia
do, 0' 21) de dezembro do i80D.
JoVo Luiz de Barros,
AGENCI.V PRINCIPAL
na rua de laoeiro, na do parto n. 119,
DEPOSITO EM PERNAMBUCO
ua phannacia do Sr. Jos AfeaadfO Ribeiro, rua
do Queimado n. 15.__________________________
Preeloa-se de nina ama que
salba comprar, cM*inhar e en-
gommar para cav de homem
solteiro: no largo do Paraizo n.
99, segundo andar, prefere-se
escrava.
Alnga-se a casa n. S da rua dos Prazeres,
burra da Roa-Vista : para tratar, no primeiro an-
dar do sobrado a. 8 da rua do Qoeundo.
Eufro/ina Mara das Dores previne ao publi-
co que o Sr. Manoel Francisco ila Silva nao pode
contratara venda do sito na Varzoa de seu tinado
sobrinhe Luiz Kirniino,Oonca|ves da Silva, cajo -i-
lio se acha un litigio pnn paejanenlo do quanlo,
era devedor 0 mes^w tinado osla senhora.
TrOeam-SO b;is telhas por lijlos de alve-
naria grossa: a tratar rua do Mondegvvolaria
n. 1.1.
Precisa-se de urna ama (**ra comprar e t>.tnnf
mi rua da Cruz n. ;i, prinnro amlar.
Eugene llios, cidaifio In-lga, rei.ra-.-e pono
Europa.___________________________________
Ataga-so0 armazvm da casa iv if'. i pri-
iro andar ta oasa ti. 4.' da rua ilx Cruz d lle-
ta
cife :
a iral.v na loja .la bandeira.
0 absp a>si la praca, rondo no Karid dr Pnmmlnic* de 9 do
correte orno ptbto feta penSB subnabfnbdt
Santo Antiuio em um individua, com ijtial nonc
do aun liaran te. declara nosttiOcnMh> SJH para.
evitar bsjj 'ivocos anigoarse bod'ora en diam pi.
Joo Paulo d. Itepnmnreno Snenv IWrife tt -j>
Janeiro de lSt>4.Joao Pact de Suma.
Ni larg) da Assenii.ii'a n. 1(>. casa de |.
procoran da um moa i njnobs a roadmir
taboieiros a fazer o man Mielen i na mesou si^
precisa de um cai\rao qm anda pnana da,
atona. _______
Prnfi&Qr de pian*
Jos Coeibo da Silva e Araujo, bt*i eonb
nesta cidade, eonlina berionar a piano e I
ca vocal por commoilo prei^o : quem ite seos ssc-
vieos precisar, dirija sea. rua do t.ivramenki n. SI,
swgnn'a andar,_____________________________
Preeisa-sede orna ama pr ne
f.'.nalia : na rua do Sol n, 15.
Preeisa n de nina tima forra oo enonva para
linio o servico do urna easa de powa familia, t
pana-si' bein na nu da Cadeia do, Recite n. 19, i ijuein proeisar de uma ana para cuuooar.
primeiro andar. I dirija-se rua de S. t'raucijct u. 2t.


tlr!o de Pernambueo Cuarta elra i 3 de Janeiro de 1864.
aM
Prensil-**''"e urna ama para linio o servido
lie urna casa de potan familia, inclusivo en-
gommatio; na ra da l'cuha n. 16, primeir-
andar.
Eduardo (edmU proponhe-se a leccio-
nar desenlio em parlicular, as partas
que qdirercm recrearem-sc ou professa-
riin MU "Tic, tenliam a bandado de dei-
sarem o numero du sua residencia no
aterro da Roa-Vista loja do Sr. Duliari y.
As lices serio as quarlas e sabbados,
mcnsadado 154 pagos adiantados.
f.hrislian Haas, Elise Haas, Henriqo Casse ,
ChritUn CmmI, Gonradine Galtmeyr, Conradini
(reae, Chnstiane Frieders, subditos allemaes re-
tirarm-se para fora da provincia._______________
Precisa-se de um bom cosinheim ede urna
rnu que saiba engommar e lavar : a tratar no
t obrado n. 32, da ra da Aurora.
! DENTISTA DE PARS I
49Rua Neva-19
Frederico Gautier, cirurgiao dentista, %
faz todas as operaeoes de sua arte, e col- fig
loca denles arlilici'acs, tudo com superi- 5
ridade e perfeicio, que as pessoas enten- jj
didas Ihe recomieren.
Tem agua e pos denuncio.
NOCHES
s
M
PARTIDAS DOBRAMS
afKIUUUOAJ
A ISSOCIAfO COUMEItCIAl. WWHBK'R
DE
n:it\ tuui'co
POR
/$> xfndecet >/e ^AVeaetrod
rrreiro escriturario da tbesouraria
df fasenda de Pernambiire e coni|irtentpmcnle au-
torisado para atarear o pro-
fessimitc, particular ilc aril huid ira nainesma
provincia.
Acha-se esta obra nos prelo da typographia
Commerrial, donde em breve gair luz. da pu-
blictdade en nitida impressao e sob o formato de
% imrtuguez.
CotnpOO-M esta obra de um volume, dividido em
una parle tbeorca e outra pirtica, de fcil alcan-
ce as pessMl qus se queiram dedicar ao estudo da
escrituracao.
A respectiva assigaatara acha-se aborta em to-
das as livrarias desta cidade, ao preco de 54000
dor volunte
Desejase saber se Antonio Aflonso Visnn:.
fallecido em 7 de maio de 1861, deixou aqu l'am -
lia, e negocia deinteresse da mesma: no escripU-
rio de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
Presisase de urna ama de leite sen lilbos :
as Cinco Puntas n. 74.______________________
A pessoa (|ue annunciou precisar de 7004
sobre hrpotheea de nmaescrava, dirjase ra do
Hospicio n. 61_____________________________
Precisa-se de urna ama para cozinhar e com-
piar : na ra Imperial n. 13.__________________
- Precisa-se de um preto ou moleque escravo
ou livre para alugar, pagase bem : na casa de
banbos no pateo do Carnio._________________
Aluga-se o 2o e 3 andar do sobrado da ru
Nova, com excellentes commodos para familia : i
tratar na ra da Cadeia n. 62, 2o andar.
Agencia de passaporte.
Claudino do llego Lima despchame de passa-
porte, tira-os para dentre e fra do imperio no*-
commodo preco e presteza : na ra da Praia pri-
meiro andar n. 47.__________________________
ATTEI\(!&0.
Custodio Jos Alves Guimaraps avisa ao respec-
ta ve' publico e aos seus freguezes, iue em vistas
de M achar seu estabelccimento em obras afim de
alargar mate o campo para o gallo de novo cantar,
afim de melhor poder servir ?eus bons freguezes,
com tudo em quanto durar as ditas obras conti-
nuar a servir seus freguezes no sen grande ar-
mazem com frente para a ra do Imperador com
entrada pela dita loja do gallo vigilante, ra do
Crespo u. 7.
MCVMPOE\ACID\DE.
Aluga-se a casa da ra da Esperanza (Caminho
Maques sohre Portugal
O abaizo assignado, agente do banco
mercantil Parlense insta cidade, saca ef-
fectivaniente |ir todos os paquetes sobw
o inesmo banco para O Porto e Lislxia, por
Sualqner soturna, vista e a prazo, po-
endo logo os saques a prazo serem des-
contados no mesmo banco, na razao de 4
por cento ao anno aos portadores que. as-
sim lhe ronvier : as ras do Crespo n.
8ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
Prccba-sc de uiu raixeiro que
Ciitcnda adunia cousa de pharniacia '
na liolic i da na du (la) una n. 11.
mmmmmm mwsmmm
1$ Instruccio secundaria. P<
'8* O hastian-I A. H. de Torres Bandeira, t;
;5p p'ofessor catbedratico de geogrophia e "
historia no Gymnasio desta provincia, con-
SlS tina no ensino parlicular do ambas estas
jig. disciplinas, e bem assim no de pbiloso-
i^ phia c rhetorica.
g|8 A pratica de mais de liannos, adque-
\ rida pelo annunriante no magisterio a que
^S se ha dedicado, ollerece-a elle como ga- ^
'0 ranlia sufliciente, quanto ao pontual des- 1
Jk empenba de saas obrigacocs no excrcicio J^'
^ de lao importante ministerio. (j
y^l Igualmente se acha disposio a ensinar 'fPS
Vi, estas mesmas disciplinas em qualquer )f
^3 collegio assim como a habilitar con ve- ^
2j| nientemente aqoelles e>tudantes que, j j^
tfgi tendo nocoes geraes e elcnicntaris sobre ^k*
3& qaalqoer destas materias preparatorias, ^J
fK quizerem recorda-las, com antecedencia JT
^f aos exames na Faculdade de Direito, em jj
*$ os mezes de fevereiro o marco.
35 Quem de seu presumo pretender utili- W
v sar-se pode procura- o na casa de sua re- )
i$ sideneia, ra estreita do Rosario n. M, Q
terceiro andar, das 3 as 6 horas da tarde.
CASA DE SAUDE
Em Sanio Amaro
Do Dr. Nllva llamos.
Caico csiahelccimcnto desta natureza
que existe entre nos, montado du modo
que pode com Indo o commodo e zelo tra-
tar qualquer doente, que nella seja reco-
mido.
O edificio magestoso e conserva-M
em perfeita estado de limpeu e eoBW-
nientemente mobiliado.
Os doenti's sao separados, segundo os
sexos, natoreza das molestias e condicoes
sociaes. 'm
Ha quartos torturados para es aliena-
d>. e urna enfermarla para a> partu-
rientes.
O proprietario encarrega-se de qual-
quer operacio.
O eslabelecimento franqueado qual-
quer pessoa ijue o queira visitar.
Piimcira classe HfiOOOdiarios.
Segunda dita..- 24500
Tercein .lita... 24000
Para qoe qualquer doente sejaali rece-
bido, basta qne se mande onome do doen-
te e da pessoa me e remelle, com a de-
claracao da morada.
O proprietario aceita contratos sannaes
com qualquer que queira ter um ou mais
leitos sua disposicao.
Alunase
a loja n. .'O da na da Cadeia, esquina defronte da
ra da Madre de Dos, propria para qualquer esta-
bdrcimenlo, tendo armazem no fundo da mesma
loja rom rommunicaeao por dentro c portas para
a lrave meiro andar da mesma casa, e ahi senario com
MU tratar.
~^ Joao da Silva llamos, medico pefa un- Si
^ versidade de Coimbra d consultas em #;
jj sua casa na ra Nova n. 50, das 8 as 10 ,T,
W horas da manhaa e das 1 as 6 da tarde e j;
^ recebe igualmente convites para dentro
JK ou fon da cidade eom o lim de se en- J^
'"ja/ ca regar de qualquer trrico de sua pro- j[
^J lisso. ra
Os chamados deverao rir-nor escripto. %fl
Gab nele medit o cirurgico ra dos
Flores n. 37.
O Dr. Estevao Cavalcanti de Alhu(|iterque d
consullas medico cirurgicas em seu gabinete das
8 s 11 horas da manhaa o das 11 at s 3 horas
da tarde, os chamados deverao ser por escripto e
dessa horawm diante dever ser procurado na ca-
sa de sua residencia no Chora-Menino.
1. Partos.
2. Molestias de pelle.
3." dem dosollms.
4. dem dos orgos genilaes.
Praticar toda e qualquer operacao em seu ga-
binete ou em casa dos doentes conforme Ibes fr
mais conveniente.
GlMPHIMEiMOS
D-se dinhe'.vo a premio em pequeas e
grandes quanlias ; aa ra Augusta ti. 45.______
Jos loa^uim dos Res tendo justo e centra-,
tado a sua loja de calcado sita na ra do I.ivra-1 I agllla branca.
ment n. 33, por isso pede aos seus credoroa (|ue A aguia branca dirige seos sinceros compri
lhe apresentem os seus dcliitos pata'seren pagos meatos a toda sua boa freguezia, estimando que
vista, e aquello pie nao lhe apresentar ficar fra. tivessem boas feslas e entrada do novo anno. e
de qualquer respoiisabilidade a dita venda.
COMPRAS.
que esto bissexlo.seja para todos (indnsiveella) de
umitas prosperidades, com farturadedinheiro etc.,
para assim continuar a affluir, e satisfaclorlanien-
le proverem-sc dos variados e dilferenles objectos
de gosto que constantemente se acham no ninh*
--------- d'aguia branca, pagando-os de promplo como brio-
Na ra daSenzala Nova n. M comprase um smente costumam. Em quanto |wrm a boa fre-
mulalinho ou nmleque de bonita figura, de 14 at guezla assim loiivavelmente procede, alguns mos
18 annos. freguezes dillerentemente praticam, acanhando-se
inteiramente em saiisfasern suas contas, passan-
... .- j, _. IIIHllilllll IHG I III >.l'|-.|.l/.l I III ."-U.l> l 'MU. I*. Urt^^rtll"
(.o.npra-se una i.iob.l a de jacaianda : na do atapressadamente |,elo lado oppotto eTcaoTo
do Crespo n. 23 se dir quem trata.________ ,.ha|M.0 |o .()| J^ ,inr|inado para o lado d'aguia,
f
wmmmmmmwMmm
ALIGllL
AlHga->c a casa Ierre da ra
da
i)a-sp liiiheii o a juros : na
rna do Kangel n. O.____________
Na rna da Cruz n. 16, segundo andar, preci-
sa-se de urna ama para cozinhar e comprar, e ou-
tra para o servico interno de una casa de pouca
familia.
Precisase de urna ana para comprar e cozi-
nhar : no becco da Uoia h. 2, primeiro andar.
Aiiiga-se a cas* u.i u.i u.i r.-(iei.mea iuhiiiuiiu Aluga-se o segundo andar 1I0 sobrado n. 6 da
Novo) n.2, com 4 quartos, 2 salas, corredor sppa- C'l.'ada II. 4o J 3 trotar na TU3 Qtt ra da Lapa com suflicientes commodos e por pro-
co razoavel : a fallar na ra Velha n. 57.
rado, cosinha fra, cacimba o quintal murado .
a tratar na botica da ra do Cabug n. II.______
Aluga-se um sobrado em caixao com bot
Ir ja para qualquer estabeleciinento, por ter grand;
terreno no fundo, porto de desembarque per,
todo i'om portas seguras : a tratar ra do Mor -
dego, olaria n. 13. ____________________
- A luga se a casa terrea da ra do Manguinh <
n. 9 : a tratar na ra da Cadeia do Recife n. 31.
loja da primavera.
St'lio n. 2i.
Precisa-se de urna mulher idosa para ama
de rasa de pouca familia, na ra da Senzalla Ni va
n. 39, na taberna da esquina voltando para o be-
co I^rgo. ______________________________
Quem precisar de urna mulher de meia ida-
de para o servico interno de qualquer casa de fa-
milia, dirija-sc ao Forte do Mallos, ra do Cordo-
niz n. 9.
Alnga-se una casa terrea com commodos
para familia, na ra da Mangueira n. 8 : a tratar
na ra do Queiniado n. 38.
(
.
le educaco
ADMIREM-SE DOS PRECOS
Das mimosas las que o barateiro est vendendu a 400 e 500 rs. o cuvado, fazenda
sta de milito boa qnalidade.e de lindos palries, muito apnqiriadas para vestidos de se- T$fJ
nhoras e menina-
Antonio.
dao-sc amostras na loja do barateiro
arco

k.. .,-^.^^..y^-
VESTIDOS JAPONESES
Muito bem viudos estes vestidos para a loja do barateiro que garante nao os haver
em outra loja, tendo muita fazenda, lacos, jarras c muilos ene-iles, i fazenda de primor,
raaadam-se em amostras : na rna do Crespo n. 1, junto ao arco de Santo Antonio.
Proprios para a testa do Poco.
AURORA BRUJANTE
LARGO DA SANTA CRUZ N. 84.
Amigos do bom e barato.
A Aurora ltrilliante este magnifico eslabelecimento esta na lloa-Vista disputando a
primaria, j pelo grande sortimento dos seis gneros de. boa qiialiilade, j pela cummodidade
de precos e por teso o son proprietario rog.\ aos seus freguezes e amigos e ao publico em
geral que mandem comprar para melhor se certificarem do annuncio.
Manteiga ingleza flor primeira qualidade. Scrvejas de boas marcas c militas.
Dita mais abaixo segunda dita. Queijos novos do vapor e do panado.
Dita franceza nava segunda dita. Ditos de prato.
Cha superior preto, verde, hysson.uxim e p- Ditos de manteiga novos.
rola. Caixinhas enfeitadas com ameixas franeczas.
Doces de goiaba caixoes de varios lamanlus. Latinhas com ditas.
Amendnas de csea dura e mel.
Azeitonas novas em harris e garrafas.
Presuntos para panillac fiambre.
Bolachinlias ingieus novas.
Cbouricas, paios e .inguicas.
Cognac verdadeiro.
Licores e champan! e.
Charutos finos, ha finos em tudo.
Selllas grandes em resteas.
Copos lapidados e lisos para agua e rinho.
lasas novas e figos tambem.
Massas para sopa sao das novas.
Nozes j deste anno.
Latinhas rom fructas.
Latintias com biscoutinhos de muitas qnali-
da'les.
Latas rom bolachinha de soda.
Latas com peixe ensopado.
Latas com inarmelada nova.
I^tas rom massa de tomate.
Frascos com conservas.
Ditos com musanla.
Ditos com genebra de liollanda e de laranja.
Ditos com sal refinado.
Vinhos puros da Kigneira, nao ha melhor.
Ditos de Lisboa, nao ha melhor.
Farinha, milho, farello c arroz de casca cm Dito do Porto, nao ha melhor.
saceos grandes.
Tourinho de Lisboa novo.
Chocolate j felto que bello almoco.
Azeite doce temos refinado tambem.
Peras seccas cm eaias e a retalho.
Castaahas novas.
i.iguros hespanhe; dos melhores fabricantes
Capils para refrescos de diversas frutas.
Sabo de todas as dualidades.
Dito branro, nao ha melhor.
Dito engarrafado em caixa de urna duzia.
Ditos genuinos em caixa e a retalho. ^
Ervilhas seccas. '.j
Latas com ditas
Presuntos novos de lamego e para fiambre. j|
Palitos finos para denles. Si
Caixinhas com 4 arrobas de farinha da venia- '.
deira ararula e a retalho. ji
usa
Jeronymo l'ereira Villar achando-se melhorado
de sua saude, Iransferio o seu estabeleeimento/de
instrueco primaria e secundaria para a ra do
[mperader, sobrado de tres andares n. 9, esquina
que vira para a ra do Graspo ; c participa nao
saos lllins pais de seus estimareis alumnos, co-
mo ao respeitavcl publico, que as aulas estarn
abortas no dia 8 de Janeiro do corrente anno.
H9R 9M3 Mi HillS
^ Compauliia fldelidade de g
seguros marii irnos e ter- g
i-estros cstabelecida no |
Rio de .lancho.
AT.KNTKS KM PEI'NAMIUCO }^
Antonia Luiz de Oliveira Azevrdo k C, p^
competentemente autorisados pela direc- ^
toria da companhia de seguros Fidelida- g
de. tomam seguros de navios, mercado- figj
ras predios no seu escriptorio ra da S
Cruz n I.
18111 WMM Mffl& MWMWM
Aluga-se o armazem n. 4 da ra do Apollo, e
o terceiro andar da casa n. 88 da ra da Impera-
triz ; na ra da Aurora n. 36._____________^__
Carvalho t Nogueira na ra de Apollo n.
JO, saecam sobre Lisboa, Porto e ilha de S. Miguel
Caixa filialt Londoue BrHliai Itank
(limitted cm ci-iiambuco.)
A caixa filial de Lndon e Rrasilian Itank em
Pcrnanibuco, faz seiente ao publico c mais espe-
cialmente aos seus dpposltadores em conta cor-
rente que se ve na rigorosa obrigacao de alterar
as RUS i'iiii'.liecoes de-te modo de deposito, nao
smenle pelos proprios interesses da caixa, como
anibem peia conveniencia do publico, como a ex-
periencia o tem mostrado.
Portanto liqueni as ditas condiccoes desde o Io
de Janeiro prximo futuro em diante, modificadas
como segu:
Sement se recebem quantias de 505 para
cima.
Nao sao contados juros sobre quanlias deposita-
das por menos de 7 dias.
Os juros liquem reduzidos a razao de 2 por cen-
to ao anno capitaneados como d'antes.
As retiradas do dinheiro podem ser effectuadas
a vista sein distineco de quanlias e sen previa
parlicipaco oblgala e sim obsequiosa se isto fr
possivel.
Os depsitos a tempe fixo as condiccoes sao as
seguintes :
Pelo tempode 30 dias vencern juros a
razao de 4 OpQ ao anno
60 5 0|0 >
90 6 0|0
> > 180 e al.-m 7 0|0 >
TINTURARA.
Tinge-se com perfeico para qualquer
cor, e o mais barato possivel: na ra do
Itangel n. 38, segundo andar.
ne>les mos freguezes a aguia branca bota-lhe os
pontiuhos.
Fivelas de ac e com pe
aras
Saibam ludas as boas freguezias, c apreciad.ras
Comprase urna escrava que seja boa cozinheira,
sadia e de loa figura : na ra do yueimado n. 39,
loja._____________________________^^^ :
Compra-.se urna escrava que tenha habili- do bom, que a loja d'aguia branca'recebeu as bo
dades e de boa conducta : na ra da Cadeia n. 35. nilas e delicadas fivelas de aeoe compridas, e que
/ y tambem esli se acabando ; .assim pois dirijam-se
L-Ollipraill-Se eSCraVOS logo ra do Queimado, loja d'aguia branca n. 8,
de ambos os sexos. enM-H liem : no escripto- para nJiojicaiem_scm cssas bonita
rio da ra da Madre de Dos n. 3, primeiro andar.
Compra-se efectivamente ouro e pala em
obras reinas: na praca da Independencia n. 22
loa de bilhetes. _________ _____
Compram-se constantemente garrafas vasias:
na fabrica de espiritos na ra Direita n. 17.
Compram-se Diarios para embrulho : no bec-
co Larga n. I A, deposito.
Comprase urna escrava de boa conducta :
quem liver annunrie ou dirija-se ao sobrado u. 21,
na rna de Aguas-Verdes.
Compram-se Diarios : na ra Nova n. 5.
VENDAS.
PERFUMARAS novas
Sorliiii rulo do Imuii.
E cousa j mu sabida, que a loja d'agui branca
o deposito de finas perfumaras, t alem do cons-
tante sortimento qoe nella satupre se acha, nota-se
mais que acaba de receber pela barca franceza l-
timamente c llegada, um grande sol tmenlo de lin-
dos c agradaveis objertos proprios e excellentes
para presentes, sendo bonitas caixinhas envemsa-
das com fechadura, espelho e perfumaras, outras
toda de vidro tambem com perfumaras, lindos
boioes de porcelana dourada com maviosas e joco-
serias inseripeees, nitros igualmente Iwnitos e de
diversos moldes sera insenpeo, mas todos elle-
com fina banha para cabellos. Nesse especial sor-
timento viciain os liem conhecidos leos philoco-
me, de Lubui, ebabosa; assim como pomadas, cos-
metiqoes, sabouetes. opiata, finos extrari s de agra-
daveis cheros, etc. etc. Assim, pois, <-oncorram
os bons freguezes para a loja d'aguia le .rica, ra
LIOIIDV(1\0.
J. Falque juerendo acabar com lodos os artigos do,Qlleimado n- *
branca
(menos o artigo chapeos de sol) existentes no seu
eslabelecimento, contina a vender ditos artigos
por precos l.aratissimos. as pessoas econoncas de-!
vem aproveitar a occasio de se proverem de mu-.
losobieetos bons c por pouco dinheiro, amaneando nientiflear a sua b.:a freguezia sempre que recebe
que nao olhrir a sacrificio, para acabar mais bre- "ovos e apreciareis objertos, porm os seus afaze-
ve afim de sortir de novo a sua antiga fabrica de res durante o mez passado a privaram dessa salis-
rhapos de sol, ra do Crespo n. 4.
Vende-se urna armacao rom balaustres e
porta de amarello.para escriptorio: a tratar ra
do Mondego, olaria n. 13.
I.IMHS
faco, e mesmo ag ra sendn-lhe ImpOMiraJ des-
crever minuciosatuente a inlinidade dos novos e
dilferenles objeclos que ha recebido por Iodos o^
vapores, limiU-se apenas a dizer que o ninho d'a-
guia acha-se constantemente mu bem sortido, e
Yemle-se a taberna sita no mercado da Itibeira por consegu ule o ponto mais acertado para nelle
da Ba-Vista, com pouco fundo propria para urna se adiar o que de novidade e de bom se deseje ;
pessoa principiante; a tratar na mesma n. 41. assim, pois,coniinue a sua boa freguezia a dirigir-
-----------------" se munida de dinheiro ra do Queimado, loja
\W Vi I \ I III d'aguia branca n. 8, que acharo explendido c va-
|f|j|\f.*||\| rado sortimento de finas perfumaras, galanteras,
j j. i... r .i o:. .i i etc., etc., tudo isso vendido com baraleza, agrado
de rape pruiceza dasse, do md de Ja- e Jnwridade.
neiit), na ra da Cru 18, escrip-
ld io de J< s Joaquim Lima rair.
Acha-se o deposito supprido de rap grosso,
meio grosso e fino, assim como de Paulo Cordeiro;
nos ltimos vapores vieram as qualidades mencio-
nadas, as quaes se fazein recommendar aos seus
apreciadores.
Vendcin-se os utenelios da primeira gara-
pera, na estrada do Chora-menino : a tratar na
mesma a qualquer hora do dia.______________
Vende se a taberna da povoacaode Apipucos para dclirunliai* COlletCS, palclots C VCS-
juntoa padaria, muito bem afreguezada, compou-, lidns
eos fundos, propria para quem quer principiar, a w' __. ...
loealidade a melhor possivel, a dinheiro vista Acham-se a venda na ra do Queimado, loja da
se faz todo o negocio, ou mesmo a praso bem ga- aguia branca n. 8.
rantido : quem pretender, dirija-se no pateo do I^iWilMk fia Btt|-! ,%C10
Carmon. 4, que achara com quem tratar, ou a ira- m i i mwm mV,r
lar na mesma. IilglesEas.
A aguia branca r ."ceben as superiores pennas de
costurarlas com imisicas e seno
ellas.
A aguia branca araba de receber lindas e deli-
cadas caixinhas com msicas e sem ellas, proprias
e excellentes parat.m bom presente : como de seu
louvavel costume, aguia branca da ra do Quei-
mado n. 8, vende-a> por preces razoavris.
FITAS BRANCAS FINAS
= Vndese um excellenle cozinheiro sem vi-
aeo inglezas, do afamado fabricante Perrv, sendo
c.os nem ac nqoes, Plo e mof.o, ma is so :se ven- 0^nfmml d das ialidam,s u-e'mais se
de a quem o queira exportar para o R,o de Jaiiei- amanl.(.a a ^ ,,,, etP
ro.:inan>r P M-^8^ 7-a cada caixa Iraz ....., groza : OS pretendentes. p,s.
--------------- dirijam-se com din iciro ra do Queimado, loja
Se nitores tamanq ueiros. 'y b"l,ca n.H t ,
Na ra Imperial n. 35 vende-se marroquim a A OlOailliraS U6 COriltt
linas para co lie tes
lt>5 a duzia. litas de laa sortidas a 100 rs. a peca
bezerro idem dem a 365 a duzia.
.1
, 'i i Quem quizer botar e
l t(cn<;ao a v(iu\aacao. abnoadon oval, de on
Na ra Imperial defronte, do chafariz n. 38, ven- *"*? a loJa d',ni
i Imp
dem-se para acabar as seguintes mercadorias, pe-1
los precos abaixo declarados, os quaes merecen.
lignina attei.eao : meias cruas para homem, duzia
a 1400, di'a" para senhora a 24200, marroquim
sortdo, duzia a 104, bezerro a 303000, cartas por-
tuguesas Anas a 14800, ditas francesas a 24800,^
Quem quizer botar em seu rollete una bonita
"! fina cornalina, ha de chegar
aguia branca, ra do Queimado
numero 8.
Loja de heija-flor.
Veas cruas para lioiiinii.
Vendein-se ffleias cruas para homem a 24 a du-
sapatos de tranca escoceses a 14800, pontos para'" i-M do Uu.imado, loja dobeija-llor nume-
llr cabello em masso a 14600, ditos em caixinha
a 34800, escoras muito linas para roupa a 64 a
ro u"J.
Meias para senhora.
Vendem-se meia- para senhora a 34200, 14 8
ra do Queimado, loja do Lei-
duzia, chapeos pintados sorullos a 124 a duzia, \endem-se meia- ps
ditos muito finos aS0#, facas e garfos, ditas de 4oOa duzia: narui
pona, botots para coilete e calca, perfumara, gaz, ja-llor n. 63.
linha do gas, clcheles, e militas mais colisas que | Un para bordar.
se me torna enfadonho estar apresentando : as Vende-se laa para bordar, de diversas cores, as
pessoas aue precisaran apparecam, que fario ne- mais lindas que se pode encontrar, a (OO : s
gocio, visto a vontade que o dono tem de acabar. [ quem vende por e:le prego ua loja do beijallor
-----H----------------------' I ^TTTII da ra do Queimado n 63.
Para quem quizer principiar. rra.tr U|.a para enfeites.
Vendes.; aloja de miiidezas sita na ra Im-1 Vendc-se trancii.ha para enfeites de vestidos ou
perial n. 35, com poneos fundos e bem s-irlirta, o a de mellimiS (.ue lan,BC, MrTe para enfeitar
por precos nastanle favoraveis aoj-omprailor.jem camisinha de seniora; vende-se tranca branca
mais a seu favor a leja ter armacao, porm nao e com w Vi)1.(S ,( ,,rs a co|n 20 varas ,
obligado o comprador car com ella; em quanto com nm m rs f uem tcm ,. M
ao aluguel e commodo o dono las negocio por- |oja da uejja.nor di ra do Queimado o. 63.
que tem a seguir outra carrera._______________ Tesouras linas uara iinia e costura.
Vende-se o enieulio S. Mauoel, sito na fre- Vendem-se tesouras linas para unha e costura a
gueziado Kio Kormoso, e a margem do no Sen- 400, 3uu c 640 rs., ditas para costura a :ih) rs. :
i.l.aeni,o qual demarca com os engenhos Cachoei- na rua a0 QUl.mado, loja do beija-llor n. 63.
ra,Changos e Gamelleira, moe com agua e muito yas f ,.ai|(is
copciro, ten. eapacidade para safriyar 2^500. paes Vt.ndt,m.se facas e garfos 0itovadog a i5800,
annuaes, e se acha quasl todo em mala virgem, dltascrav;l(ias a y, i& de ca|l0S prelos a 3^00
distando do embarque |2 legoa: quem retender, d fc ^ *' ^Jg Jg
dirjase arua do Vigario n. 5, que achara com ...^.,. .,.._ ^. ,,.,__.,.: ;.
RIVAL
SEM SKGi:\I)0
in r *3.
quem tratar.
.1 64200 a duzia : na rua do Queimado,
I beija-llor n. 63.
he 'vas para denles.
Vendem-se esa vas para denles muito linas a
i20, 240, e 500 rs. : na rua do Queimado, loja do
, beija-flor n. 63.
Vende se a vcnladeira gra\a n. 9/ Cahnan rom grampas.
eill barricas : lia i la do I ranicllC II. it),l Vendem-se can nhas de grampas a 40 rs. : na
1 : .i L" iu....i L....I.. rua do Queimado, loja do beija-llor n. 63.
escripto. io de Eduardo renton. y Colaras lwa hmm_
Vende-se a padaria periencente a Costa q Vendem-se colarinlios de linho para hemem, de
Carvalho, sita na Cidade Nova de Santo Amaro diversos gostos,a 500 e OU) rs. : na ruado Quei-
travessa do Lima : trata-se na mesma._________ ; mado, loja do beija-lbr n. 13.
Vndese um si.io com casa, quarte paral Cratlias para senhora.
venda, rancho novo, no lugar do Barro Vermelho : | Vendem-se gravitas para senhora, de diversas
quem quizer, dirija-se casa de Joaquim de Al- cores, a 500rs, 800 e 14 : na rua do Queimado,
meida Queiroz, passando a entrada do esgenbo loja do beija-llor n 63.
Aluga-se o segundo andar do sobrado da rua
larga Ho Kosario n. 48, com muitos bons commodos
para familia grande : a tratar na loja do mesmo.
Ensillo primario.
Na rua das Crasas n. 2, primeiro andar, tem
aula sob a dirercao de Dio da Silva Coutinho.
L'ha.
ATIilM AO.
Vende-se a taberna n. 26 na Sondado, rua de
Joo Fernandos Vieira, com |ioucos fundos, pro-
pria para qualquer principiante : quem pretender
dirija-se mesma.
Precisa-sede urna ama
n. 74.
na rua da Aurora
ATTENQAO.
Vendem-se duas rasas terreas, urna no Mondego "a rua do Queuna lo, loja do beija-llor n. 03.
Ilntoes de pnnliii para manyuilos de senhora.
Vendem-se bolees de punho para manguitos de
senhora, de di ve. sos gustos, a 200 rs o par : na
rua do Queimado, loja do beija-llor n. 63.
Fitas para debrum de vestidos.
Vendem-se litas para debrum de vestido de laa
pretas bordadas, com 10 varas, a 14100, dita de
seda preta a 142lO, dita do cor adamascada a
14200, dila branca de l.ia com 11 varas a 400 is. :
lina do <|iiciini(lo as
luja de mitiilezas de m de Azevedo Man \
principia o novo annoa turrar Rstflfeaa sHns pre-
cm que a todos cansa admirarao, a sabes
Pares de sapalnsde tranca nmito tinosa l|.
Frascos de oleo babosa Jos mclbori l.ibrimnies a
240.-.
Ditos autora a 400 e 500 rs
Frascos dagua de Colonia muito timwa irt)rs.
Saboneta muito linos S 160, SOO e 4"
Fraseos grandes de agua de l.ubn, o snrnnr, a
14500.
Lapis de tinta encarnan min Ion 1 II r?.
Novel os de linha rom 800 jardas a 120 rs.'
Dilos de dita coa 400 jamas a 80 rs.
Frascos de maca muito supr?r, a 100 m.
Dorias de dedaa branca em raixa* de ridroa
320 rs.
Papis de ag.ill.as a bal.io .1 Wtorta S fi<> rs.
Itaiiha transparente muito superior a 7iiu rs.
Dita Japoneza muito Una a 800 1-
Duzia de sabnnefes muito finos a 72rt r.
Papis de ngulha com toque ,|. o a Mrs.
1 rozas de botes de madreperola muito fna a
MO rs.
Pecas de fila de eos, cstreitas, com 10 raras, a
320 rs.
Novellos de linha branca do gaz a 30 t<.
Carreteis de linha de cores muito fortes a 20 rs.
Cartoes e caisasde clcheles franreze* a 10 r.
Domaduras brancas e de cores para roi-Hea a
120 rs.
Frascos de banha, pechincha, a 240 rs
Itunets para menin-is, fazenda fina, a 24.
i'.aixa-preparadas para costuraras a 14-VO, 24 ;
34000.
Masaos de grampas lisas e finas a 30 rs.
CaiUM de palitos do gaz e de cera l'rao* a 20 r.
Duzia de facas e garfos de 1 botio superiores a
54500.
Duzia de ditas e ditos de 2 botes linissimas a
64S00.
Grosas de palitos do gaz a 24200.
Ai-a treta muito fina a 100 r-.
Grande liquidar- de Tazeidas al a
fe si a, para se lindar cantas, aara ei-
vcilcm que destas \m hinchas aa la
sempre : ua rua da Inperatriz, laja
c armazem d Arara n. oi), t I ai-
renco Percira Vendes nmaraes.
Cobertores da .rara a 10.
Vendc-se cobertores de pellos a 14 e 14609,
roberas de chita a 24 ; na rua da Imperalns a.
50, loja de Mendes Guimai
A Arara vende as lazinhas de 9 pal-
mos al $200.
Vende-se lazinhas de urna cor e quadrinhos
proprios para capas, com 9 palmos do largura a
1,200 o covado, ditas para vestido a 200, 310 e
400 rs. o covado : na rua da Imperatnz, toja da
Arara n. 56, de Mendes Guimares,
Krlm da Arara a -& rcla
corado.
Vende-se brim pardo de linho rom pequeo te-
nue de mofo, que depois de molhado larga, prnprio
para raleas e palilots, a 400 rs. rs. o covado;
brim branco de linho a 14 e 14200 a vara, insta
de cores para calcas, cole.es e palilots a 500 rs.
o covado : na rua da Imperalris, loja da Arara n.
56, de Mendes Guimares.
i.fuiviuli Mara Pia da Arara.
Vende-se lazinhas a Mara Pia muito fina*, coa
quadros e palmas de seda, para vestidos a 580 o
covado, sedinhas linas a 500 rs. o covado ; na roa
da Imperatriz n. M
i Arara vende as capas a 8,000 rs.
Vende-se ricas capas para senhora a 84. chales
de merino estampado a 24500, ditos finos matiza-
dos de novo gosto a 54. dito de pona redonda e
borlla a 7-VIimi : na rua da Imperatriz n. 5S,
loja da Arara de Mendes Guimai
Oh que perhinrha, lazinhas a 284 ra.
Vende-se lazinhas linas para vestidos a 2S0
e 320 rs. o covado, lencos braocos com barras de
cores a 200 rs., meias linas para senhora a 400 e
'iiK) rs., ditas cruas a 400 rs., dita para hemesa a
160e 200 rs.; na rua da Imperatriz n. 56, luja da
Arara.
\ 'rara vende as rassas a 200 rs. cavado.
Vende-se eassasde ip.adrinbos a 200 r*. ocora-
do, ditas linas a 250 e 280 o covado, organdvs nana
a 240 e 280 o covado : na roa da Imperatriz n.
56, loja da Arara.
Peihiiirlia, snliuliasda Arara a 800 rs. rva*.
Vende-se sedinhas cora qnadi
proprias para quem est de luto, por ter orna *
cor a 800 rs. o covado, ditas da mesma
n para vestidos a 800 rs. editas de listi-
nbas a 500 rs. o covado: na rua da l z a.
56, loja da Arara de Mendes Cuimaraes.
Pfiiiarlia na Arara, torlrs de chita a .-nOO.
Vende-se cortes de chita franceza r >m pequeo
toque de mofo a 24500, rortes de risrado francs
com 14 rovados a 34, cortes de cata I francesas
pintadas a 24 o corte, du > H lian s i. -14 *
44 : na ruada Imperatriz n. 56, loja da Ai ara de
McihIjs (uimariies.
('.asentirs a 15600 cavad*.
Vende-se casemiras de cores para calcas, coat-
es e paletots, infestada, a !46 de easemira infestada a 14600 e 24. e tm corada a
14 : na rua da Impefatrtt n. 56, leja da Arara de
Meada Guinaria.
A Arara vende roujia frita t btala.
Vende-so palilots de easemira a 44500, 64 e
B4, calcas de 34500 a -'i-}, palilots de panno a 104,
ditos til.US de 12-e lio palil.N de i i m
a 24500 e 34, ditos de uiei.i easemira a 1450,
raleas de brim de cores a 24 e 24500. ditas bran-
cas de linho a 34500 e 'i", dita de oto easemira
a 2o. coleles a 24500 a 34, camisas francesas a
14600, ditas linas a 24 e 24?00, M' ile linho
prega lan;a a 34. seroulas linas a I4t'x'<>. ditas de
linho a 24 e 24MM) : na rua da Imperatriz n. 56,
loja da Arara de Mendes & Cuimarev
Baldes da Arara a H, VPM I 14-
Vende-se bales americanos, os nvlh
lera nodo, de 20, 30. 35, 40 arcos a 34. 34500.
oja do j 44 e 44500, ditos de brilhantina a 44. ditos de
madapoln a 34600 : na rua da Imperatriz n. 56,
loja da Arara.
Chitas da Arara a 210 rs.
Vende-se chitas a 240 rs. o covado. ditas t
cezas com pequeo toque de moto a 280 rs., ditas
limpas a 320, 360 e 400 rs. o covado : na rua da
Imperalris n. 56, loja da Arara.
A Arara reatan pelo vapor um sarliracal* de re-
meiras para sruhora, das ssclheres fastos qae
tem riada, a prec* de 13. 1.-S6O0 e 24.
Vende-se romeiras para senhoras de camfcraia
de salpica brenea e de cores c bordados a 14,
l?600 e 24, ({olinhascom bataorinho a 500 rs.,
ditas com pellos c boiaozinho a 14. caaiiiinhas
para senhora a 14,14000 e 2-3. aventaes eorpi-
nbo para meninas a 500rs. : na ruada bnoera-
triz n. 56, laja da Arara.
Cominhos, erv idoee, folhas de louro, pimenta do reino, canda, tupida e cm easca, e cra-
|i vo tudo nove.
0 armazem ila Aurora Hrilriantc :em grande sortimonto e vende por precos
\ muito commodos, tanto em poroes itrio a retalho.
b v-loi:s
do papel fino de seda lodo variado de cores de d i'ersos tatnanlios, proprios para as festas de iirtvias
etc ricas lanternas do papel para illumioaooes u volas de spermaoele, tudo muile iiarato; n. 0 iru
da Cadeia do Recife no grande armazem da y4eo d Londres.
. ,. i-------------7 n. 28, outra na rua Imperial n. 53, e nm armazem
- Precisa se de dous trabalhadores de padaria: dosa|nanwsnw casa da rua Imperial, a tralar
na rua do Itangel n. 9.
Os abaixo asignados arium ao rorpo do
commercio que dissolveram nesta dala a sociedade
que linbam nesta praca sob a firma de Wild \
Just, teaada a cargo'de Daniel Pancracio Wild
todo o activo e passivo da mesma, e Theodoro Just
desonerado de qualquer responsabilidade, tanto
para com os credores da firma extinela como para
com a sociedade. Recife 31 dedezemhro de 1863.
Daniel Pancracio Wild.
________________Theodoro Just.____________
Precisa-se, fallar rom o Sr. Fortnalo Jos
Dias Satnpaio : na praca da Independencia n. 4.
na mesma.
L-nde-se pedia de alvenariaTrula de muito j a 900 rs., dilo. beti a.dourada a 14100 :
qualidade, mui propria para edificacoes c Queimado, loja di beija-llor n. M.
O senhor que deixou um penhor de ouro na
praca da Independencia n. 4, tenha a bondade de
o vir buscar, do contrario ser vendido para sen
paamenio. isto no praso de 8 dias.________
Ve
boa qualidade, mui propria para
principalmente para alioerces, que tornara os
edificios muito mais solidos, se fornece qualquer
quanlidade com presteza e posta no lugar preciso,
cora rinte (>or rento menos do que o preco do li-
jlo geralrrente usado. Rccebem-so as encommen-
das na fabrica da trave>sa do Carioca n. 2, caes
do Ramos.
Peala trivessos para meninas
Vendem-se pentes travessos de Imrrachapara
menina a 400 e 50) rs.: na rua do Queimado, loja
do beija-llor n. 63.
Papel de diversas qualidades.
Vende-se papel inusado a 640 e 700 rs., dito de
cores a 000 rs., dno adamascado a 14, dilo branco
na rua do
mem
KELOGIOS,
Vende-se em casa tle Johnston l'ater A
C rua do Vigario, n. 3, um bello sorti-
Precisa-sede urna ama para eozinha do ho- menU) de rf\0f,\os de ouro patente in-
solle.ro : na rua do Quemado n. I | ^ de m ^ ^ afainados fahricanles
segundo andar. bonitos Ir.'incullins para os mesmos.
Ihilfies de madreperola.
Vendem-se botOa de nuriraporola para rollete.
que tambem serv mu para cauca de senhora a
400 rs. a abatoadira : so quera vende por este
dreco e na rua do Queimado, loja do beija-flor nu-
mero 63.
I.uvas de Juivin.
Vendem-se lavas de Joarin para homem c se-
nhora, ebegadas no ultimo vapor : na rua do
Queimado, loja do beija-flor n. 63._____________
Vende-se una taberna sita na rua de Hortas
n. 106 : a tratar na mesma.
Vendem-se eaibros, travessoes e curdas pro-
prios para andaimos, tudo muito barato : no largo
do Corpo Santo n. 25.
bm iiim ii %
Custodio Carvalho (,'omm-
nhiti
91 Kna do liirlmatlo>.
Novas lazinhas escossezas muito lindas, fazen-
da encorpada, propria para vestidos de senhora o
cnancinhas, pelo barato preco de 240 cada co-
vado.
FARINHA FONTANA.
Farinha da mui lo acrelita a narra
Pontana cpsoinliarcada hojp, veadr-sr-
por proco mais roiiuno.lo do que fia
(|iial(|iior outra patn : na rna da Craz
n. 4 casa de \. 0. bieber i r. sneers-
s0l'(>.
CAL M\\
Xo armazem do Avilla, no Forte do M:' -es-
quina do boceo da Bota rende- >
mais nova que ha no mercado a 34500 o barril.
Farelo le i.islo;i.
Na rua do Amorun n. 80 ha fardo daan proce-
dencia, muito novo e das melhores marcas, que >
veande precos commodos.
>
-i


Diario de I*ci nanihuco tiiarta fclra 13 de Pancho de 1864.
<-ici\km: icz \ oi.m v<>
NO
ARMAZEM
45
CALCADO.
Ra Direita
45
0 homem do movimonto mo estaciona.
AVANTE E SEHPRE
GUERRA AOS 1NIMIGOS
Xo se admiti a unio comnierciil.
\o sequer a da ha la al auca.
Aprovcltciu oiii qnauto C tetupo!
Borzeguins francezes de lustre pa-
ra hornera................. 5,5000
Borzeguins francezes de cores pa-
ra meninas................ 20OOO
Borzeguins francezes pretos para
anias.................. 25500
Sapatos de lustre para senhora.. 10000
Sapatos ile lustre as avessas..... 500
rija. 11 v ra 111:1a i>o iuxiii: ar. 53.
NOVO E
O&ettTpB S1CAZB1I DS lfOLSAD
HA I A t A13 ES A UO ItJXIIi: X. 53.
s
Nao se teme a furia dos corsario*.
Esteanno ha de ser blssexto.
Os canhes estao preparador.
FOGO i --- BOM FOGO!! MELHOR FOGO.'.' I
ULilll U1J
Ra do tiielmado nmeros < Francisco Fernandos Duartc acaba de abrir
*'* nomimdo Unido Mercantil. Neste grande armazem v
Caixas de otaeiasde cola muilo finas a 40 rs.
Varas de rralfa do lia de todas as cores a 40 rs.
Ditas de tranca de l.ia de todas as cores a 20 rs.
i5 8SMKUS5 S Srs- ** *>a m** ^ mer-, soo rs.
cad. a o(i0 rs. a libra, e 520 rs. era barril: Azeile doce de Lisboa a 610 rs. a garrafa e
lluzias de meias para senhora muilo superiores a
3#9UO.
commidos.
!AZSCe relina,]o em ?airafas brancas a Lalas com peixe em posta savel, omina,
vezugo, cherne, linguado, lagosiiuba.
13300 rs.
ero barril se faz abaiimenlo.
ll>
.rozas de pennade ac milito tinas a iOO rs.
(.aniveles de duas e tres folhas a 300 rs.
Ditos de nina tulla a HO rs.
Caixas para rap, muito bonitas de ralungas, a
,. .'"w..'!:. iMuina e compridos a 500 rs.
(Caixas com muito superiores obreias a 40 rs.
Varas de franjas lirancas e de coros, largas, a
100 rs.
Pares Se botos para punho muito bonitos a 120 rs.
Carreteis de linha Alexandre com SOO jardas a
100 rs.
Candes de liaba Pedro V com 200 jardas a 00 rs.
Ditos do linha de 50 jardas a 20 rs.
Duzia de meias brancas para homem a 15000.
Caixas com soldados de chumbo a 120 rs.
Tinloiros de vidro com superior tinta a 100 rs.
Ditos de barro a 100 rs.
Grozas de botos ae louca pratiados a 100 rs.
Tesouras muito linas para costura a .120 rs.
Ditas ditas maiores e melhores a 400 rs.
Cscovas para limpar denles muilo finas a 200 rs
0 proprietario do grande Armazem do Baliza estabelecido ra do Livraraento ns. ouas para unhas a 800 rs.
O 4 I .i*., .. t I ..... 1 J. ^a^B ...I.. I a.I.. !..... MautaMa .1 .. 1 I > Ii tilil'l. 1 O 1*111*11 IV 1"
Viva a liga do genuino Cliercs com o fiambre!
Viva o conservador das conservas ingleza!!
Vivant os liberaes Ircguezjs do BALIZA !!!
Vivam todos que lerein esle annuncio.
SE y IW RES E SEN HORAS.
.18 e 38 A, defronte da grade da igreja, acaba de reduzir os precos de quasi todos osi Laa de todas as cores para bordar a 7,5 a libra.
gneros do seu magnifico deposito. i *****com Phsphoros de seguranza a 160 rs.
A tarifa abaixo publicada atiesta bom esta verdade.
A guerra aos inimigos, est portanlo, assim declarada.
] Cadernos de papel branco e azul a 20 rs.
Picote de papel amizadc a 600 rs.
Caixas rom 100 anvelopes muito superiores a
800 rs.
, Cadernos de papel de cores, grande e pequeo, a
As pessoas, anda as mais exigente;, que :.e dignarera vir este cstabelecimento, 40 rs.
ficaro por certa muito salisfeilas, nao sm quanlo as qualidades dos gneros, como com o S"ia')arios portogaezes com -catangas de todas as
tratamento todo attencioso que se Ibes dar. | JgSSS nova a ioo rs.
Alera do curaprimento dos deveres da boa educado, haver d'oraem diante anda j gf^ ^^^^^ jTcaTpara3 Saniu. a W rs.
maior capricho em saltsfazer a todos que honrar *n esta casa. I Carreteis de linha de cores com 200 jardas a 00 rs.
Os gneros, pelas qualidades e pnces a inundados, sero offerecidos ao examc E^^
dos Srs. compradores. Xaoreceieo publico qu3 se pralique o contrario, como em outras Cartas de aliinetos franceaes Anos a M rs.
casas, que at annunciam o que nao lem___0 Baliza nao illude.... Caivetes do cabo de madreporola de duas folhas
a 500 rs,
Amebas francezas em caixinhas e em frascos L cores inglezes e francezes em vazos de di- Lavas brancas de algodao finas a 80 rs.
de diversos tamaitos a i,2oo, i.Goo,
2,ooo, 2,5oo e2,8oo rs. e a libra a 8oo rs.
_ ou nei; 4,5800 a caada.
I rezuitos inglezes para fiambre, le superior Genebra de llollanda
quadade, c legados nesle ultimo vapor, a
^ 720 rs. a libra.
vapor a 20GOO. '*"" "' "''mo
Queijo pialo muito fresco e novo a tHOrs.
a libra.
Castanhas muito novas a 120 rs. a libra e
e 30000 a arroba.
Cha uxin o melhor que ha ne;te genero,
mandado vir de conta propra a 2-5800
rs. a libra.
Salmo em latas, preparado pela nova arte
a oOO rs. o frasco e I de cozinha, a 800 rs.
, 5mo a 'qowra. Maca de tomates em latas de I libra a OOO
Caixinhas com ameixas francezas, ornadas rita
flm.r'icas^ eslampas na caixa exterior, i-houiicase paiosem latas de 8 c meia Lira
e d- '*"- Jm por 70.
Frascn de vidro com lampa do mesmo, con-' 8$tiuu rnMtk** > ion rs, a lif,ra e
tendo meia libra de ameixas francezas, a Bolaxinha ingleza a 320 rs a libra c la *
Avelas muilo novas a 00 rs a libra.
versos tamaitos a i.ooo, i,Soo e 4,8oo Miadas dc linha Mx* i,an bordar a ^
rs. a duzia.
Amendoas novas a 32o rs. a libra.
Azeile doce refinado a 8oo rs. a garrafa.
dem do Lisboa a 64o rs. a garrafa e 4,8oo
rs. a caada.
Alpiste a 16o rs. a libra, e 4,8oo rs. a arroba.
Arroz do Maranho, da India, e Java a 8c e
ioo rs. a libra.
Aletria branca e amarella a 4oo rs. a libra. Idemem latas a 2*000 e a lflOO a tala.
Araruta verdadeira a 32o-rs. a libra. ... ,__.
Massa de tomate em barril a 480 rs. a libra.
Batatas novas em gigos de 36 a 4o libras por ^f'f ?* '* lilta/
l.ooo t>. t. 4o rs. a mira. :w"'Vb T",-------.*J'" Z
18oo rs. a lata de Marmelada imperial dos melhores fabrican-
tes dc Lisboa a 600 rs. a libra.
Manteiga ingleza flor a 8oo rs. a libra 8 de 8
libras para cima ser aberto um barril na
presenca do comprador.
Ii em dc 2.a e 3.'1 qnalidade a 7oo, (too e 4oo
rs. a libia.
Ii em fraturza a 560 rs. a libra, e emlwrril
por menos.
Hiscoitos inglezes Lunch a
5 libras,
dem de diversas marcas era latas menores
a i,3oo rs. t
dem de Lisboa de qinlidadc
tas g mu Irse pequeas a
Bolachinhas americanas, a 3,ooo rs. a barrica
e 2oo rs. a libra.
Banhade porco a 44o rs. a libra, e em barril
a lo i rs.
Baldes americanos muito proprios para com-
pras a i,ooo rs.
V arrasquino de zara a 800 rs. o frasco e a
86 a duzia.
talharim c macarrio a
.Looo e l.-ioo rs. ,, .. .
Hem linas, eslrehnl
a e
com 8 libras a 1*600.
Nozes a 16o rs. a libra.
jirvide-, caixinba
A tiRM GDRA
PAEM TttDAS AS H9LESTIA8 DO
bu ira e as mm
800 rs. a libra.
Mafias e peras chegadas neste ultimo vapor,
muilo perfeitas, s visla se faz o preco.
Conservas ingle/as em frascos grandes a 750
rs. cada um.
Ervilhas francezas e portuguezas em latas de
I libra a 640 rs.
1^200.
Marmelada imperial, dos melhores conser-
vemos de Lisboa, em lalas de I e meia a
2 libras a 600 rs a libra.
Cha hyson mu.lo superior a 2*!>60 rs. a It- Fruclas em ,a d;)S ,h qiia|id3des
bra ; cha hyson proprto para negocio a
1^500 rs. a libra.
Cha prelo mu,lo superior a 2:5 a libra.
Biscoutos inglezes em lalas com dille-rentes
qualidades, como sejam crakrel, victoria,
piquelez, soda, caplain, see.l, bornez c
outras muilas marcas a i 0350. '
Bolachinha de soda em latas grandes a 20.
Figos em caixinhas hermeticaniente lacra-
das, muito proprias para mimo a 10500.
Caixinhas de h e 8 libras de figis de coma-
dre a 10 e 20 cada urna.
Passas muilo novas, chegadas neste ultimo
vapor a 500 rs. a libra e 30 um quarlo ;
e em.caixa se faz abaiimenlo.
Ameixas francezas em latas de meia a 3 li-
bras a 800 rs.
Champagne da marca mais superior que
tem vindo ao hosso mercado a 180 o gigo,
garanle-sea superior qualidade.
Vinho Bordeaux das melhores qualidades
que se pode desejar de 70500 a 80000 a
caixa e 7C a 800 rs a garrafa.
Caixas com viriho do Porlo superior de 90
a i03> a duz a, e 900 a 10 a g: rrafa; deste
genero ha grande pon;o e do differentes
marcas acreditadas que ja sa venderam
por i 49 e i 50 a caixa, como se jam: Duque
do Porto, Lagrimas do Douro, D. Luiz,
Camoes, Madeira secco, Carcavellos, Nc-
tar de I83;, Duque Genuino.
Vinho de pipa: Porto, Figneira e Lisboa, a
400,480 e 560 rs. a garrafa, ii
e 30500 a ornada.
barrica.
Sag muito novo a 240 rs. 1 hl-i a,
Cevadinha de Franca a 200 rs. a libra.
Farinha do Maranho a 120 rs. a libra.
Araruta verdadeira a 320 rs. a libra,
que haem Portafal em'atas hermtica- levada a 120 rs. a libra e :>& a arruto.
mente lacradas a 500 rs. AIP'slaa 160 rs- a l,bra e 4^(0 '" '
Peras seccas muilo novas a 640 rs. a libra.' Ba,alas tr'uit0 novas em P'K"S Cotn M llI>ras
Nozes muito novas a 160 rs. a libra. I P0"" ** a i0 a "
Amendoas de casca mulle a 400 rs. a libra. Cebonas a 10 o molho com mais de i On-
da um.
Amendoas confeiladas dc diversas c,esa;Caf,!ava'3oAe pnmeira qualiln^ a 3(0rs.
Ervilhas
libra.
seccas muito novas a 160 rs. a
a libra e90a arroba.
Caf do Ceari muito superior a 28 rs. a li-
bra e 80400 a arroba.
Caf do Hio, propriopara negocio, a 8-5.
Arroz do Maranho a 100 rs a libra e 20SCO
a arroba.
Arroz de Java a 80 rs. a libra c 29400 a
arroba.
Vellas de spermaceti a 560 rs. a libra e
540 rs. se for em caixa.
Ch^nLle "?S&r? qn !,D dG me"10r "eSte i VelUs de" c
genero, a 10200 a libra.
Chocolale hespanhol a 10200 a libra.
Genebra de laranja em frascos grandes a i
Cerveja branca e prcta das melhores marcas
que ha nometcado a 500 rs. a garrafa e
5*800 a duzia.
so e a 90 a arroba.
Doce de goiaba a 640 rs. o cal\
Macarrio, talharim e aielria | 480 is. a li-
bra : 1111 caixa se faz abaliuici.lo.
Eslrellinha.pevide e arroz de massa para opa
a 400 rs. a libra e 20 a caixa c-in (i
Cognac .nglez de superior qualutade a 800 Pa1Uos de den|e ,-JJ con, flr a s0o J
e 10-iu agrrala. o mas.so, ditos lixados sem flr a ICO is.
Licores francezes das segrales qualidades : | 0 masso com 20 massinbos.
Ani/ele de Bordeaux, Plaisir des Pames Gomma de engommar muito lina a 80rs. a
e de outras muilas marcas a 10 a garrafa iDra
e 100 a caixa.
Marrasquino de Zara a 800 rs. a garrafa e
90 a duzia.
30, 30200 Mostarda ingleza em potes j preparada a
400 rs.
Batdia de porco refinada a 4r.O rs. a lilrac
400 rs. em barril pequeo.
Charutos dos melhores fabricantes .o -' Fe-
lix, em caixas inlei
10600, 20 e 30.
ras ou oa mei;
VinUsl branco de superior qualidade, vindo Moslarda ingleza emp, em frascos grandes, Presuntos do reino, vindos deconla prafrii
j enearrafadoa 640 rs.agarrafa e a 300 a I0cada inn. 1 Je L"c:' '"" t'.'^L'.'.:f."*v-------
Feixe preparado ile escabeche, da melhor
qualidade que tem vindo ao mercado, a
10 a lata.
Presunto de lamego muito superior a 480 r:
rs. a libra.
Uem para fiambre (nglez) a 640 ris a
libra.
I b-ra americano a 400 rs. .1 libra.
AS
Plalas Vegetas Assiiraradas
De Kemp
Conpostu do dois hoyos resiooides chaina-
dos PODOPRIUSA O I.KPTANIIRINA, 0 lltl'ir.1-
mente livrea di Mercurio ou ontros venenos
luioeraes oa mctAllicon, sao do grande uti-
dade dos pases 'io* em cazos de
Cha buxyin, livsson e pcrola a 3,ooo, 2,8oo.
2,-"ioo," 2,oob el, 6oo rs.
dem preto a 2,ooo, 1,600 e i ,00o rs. alibra.
GtonpatjM 1 melhor do mercado a I2,oooo
,-igo e a i,2oo rs. a garrafa ;| 3^ a ^^
Chocolate francez pnmeira qualidade a I,loo ,dcm de |)|;S0 a ^ a resma
rs. a libra.
I lem hespanhol a i,2oo rs. a libra.
dem sitisso a 1,000 rs. a libra.
Cerveja branca marca Allsopps a 4,5oo rs. a
du/.ia, e a 4oo rs. a garrafa.
Cognac nglez a 6io rs. agarrafa a 800 e a
i.ooo rs.
Concorvas inglesas em frascos grandes a 75o
rs. 0 frasco.
dem francezas de militas qualidades a Soo
rs. o frasco e a 5,5oo rs. a duzia.
Os scnltores que compraren, de 1000000 para cima, tero o descont de 5 por cenlo, pelo prompto pagamento.
pese a 0
Palitos para denles a 160 rs. o maco.
Dito dito de flor a 200 rs.
Ditos do gaz a 20:200 a groza
Passas novas a 480 rs. a libra e a 10800 a
caixa.
(Jueijos flamengos do ultimo vapor a 20500.
Dito londrino a 900 rs. a libra.
Dito prato a 640 rs. a libra.
Sardinhas de Nantes a 320 rs. a lata.
Dita de Lisboa a 640 rs. em lata grande.
Clin
OM
utis oeste genero temos grande sorti- ^'p muilo superior a 240 rs a libra
Uto tanto da Babia como do Rio de Ja- ;';d ivlmado, em potes de vidro, a 000
i 60, 200 nato re.
nein a I too, 2,2oo, 2.5oo, 3,ooo e 4,ooo ^P^ a
rs. d ta.xa. ,bix
DYSPEPSIA, ENCEQECA,
ronMipaciio 011 Prizilo do Vcntre,
PADECIMENTOS DO nGADO,
Afli'cfOes Biliisas.
HEMRRHODAS, CLICA,
Ictericia,
FEBRE GASTRO-HEPATICA,
i oiints enfrrmiilailfs anlota?.
Eli:. rio rapidamciitc sul.stituindo os ant'gos
(migantes drsticos.
A venda as boticas de Caors & Barboza,
ra da Cruz, e Joo da C. Bravo & C, ra
da Madre de Dos.____________
Botica e armazem de
drogas
Iliia do Cabiig n. II.
D
da l'ru/. Concia.
Duarte A- C. rec iberam de sua prbpria encommenda pelo brigue
Florimlc; chegado ltimamente de Lisboa os seguintes gneros todos de pri-
y^ meira qualidade por serera escomidos pelo Sr. Duarto chefe dc nossa casa
ltimamente chegado daquetb praca.
Verdadeiro vinho collares em ancore*
retas di 9 caadas a 50,090 e 800
- rs. a garrafa.
: Vinho branco B & Filhos, embarrisde
ipiinto a 60,000 e 560 rs. a gar-
rafa.
Vinagre P B B, era ancorcas le 9 ca-
adas a 18,000 e 2,o:i0 rs. a ca-
ada.
Passas em caixas, meias e quartas a
8,000 4.000 e 2,000, a 480 a libra.
Peras soceos em caixas de qoatro li-
bras o melhor que se pode desejai
a 2,503, e 640 rs. a libra.
Caf do Cear muito superior a 28o rs. a libra
e a 8,000 rs. a arroba. "oucinho de Lisboa a 320 rs. a libra,
dem d) Bio a 3oo e 28o rs. a libra. |)to de Santos e 300 rs. a libra.
Cebla; a 9oo rs. o molho com mais dc ioo
cbelas.
Chourias e paios a 72o rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 2oo rs. a libra,
(levada muito nova a 80 rs. a libra.
Copos lapidados a 5 e 6,000 rs. a duzia.
al Joaquitn Marlinliu
Vende-se o segninte :
Salsa parrilha de Kristol.
l'astilhas 1 icaradas de Ketnp.
Paslhas vermfugas de Kemp.
Elixir de citro lactiito de ferro do Dr. Therincs.
Rob do Lafectenr.
Tijolo para limpar facas a 140 rs. cada um. Xarope depuratvo d'odoreto de ferro de Gny.
Xaro|iepeitoral sedativo de Guy.
Vassouras americanas a 64o rs, cada urna.
deui do Porlo a 400 rs, cada urna.
ir
sr-V7
Doce de goiaba em latas a 4oo rs. a libra,
dem ce caj em latas a 320 rs. a libra.
Ervilhas francezas e portuguezas a Soo e 64o
rs. a lata,
dem seccas a 16o rs. a libra.
Figos de comadre em caixinhas com 8 libras
por 1600 rs.
Farinha do Maranho a i2o rs. a libra.
Farinha de trigo muito superior a 12o rs. a
libra.
Farelo 'jm saceos grandes a 4,ooo rs. o sacro
Genebra ingleza marca gato a I.ooo rs. a gar-
rafa.
dem verdadeira de llollanda em frascos muito
grandes a 1,2oo rs. o frasco,
dem de llollanda em Irascos pequeos a 5oo
rs. o fraseo.
dem de laranja a i,000 o frasco.
Gomma do Aracaty a 80 rs. a libra.
Graxa a loo rs. a latae i,loo a duzia.
Velas de carnauba e composico a 320 rs.
libra c a 100 a arroba,
dem stearias superiores a 560 rs.
maco, e era caixa por menos.
l'astilhas peiforacs balsmicas de Cuy.
, Plalas da vida.
Burel franciscano (mesclado) para Imagen*.
I Injcceao lliuw.
a Xarope de citrato de ferro de Chahle.
l'ilulas contra SesSeS.
O Salsa parrilha de Sands.
Extracto fluido de salsa parrilha de Haihs.
Xarope alroolieo de vcllame.
Alin destas drogas ha constantemente um com-
pleto sortimento de Untas, verniz, ouro para dou-
rar, preparados chmeos e pharmaceutiros que se
vendem poreommodos precos.____________
ptima acqiii.Ic,o de es-
tabeleciinento.
Vende-se a loja de ferrageus da ra da Caceia
do Recit n. 64, com pequeo fundo e ainda tem
sortida, tanto de lerragons como de miodezas, as
quaes esli em bom estado, vende-se s com as
mercadorias, e garante-se o arrendamento da casa:
Vinho do Porto, neste geneno temos o me-
lhor sortimento posinvel, que vendemos
por precos muilo btaos a 10 a garrafa o
a 10/ e 12 a duzia.
dem Cherry, c da Madeira em Larris c em
caixa, a 120 a caixa e o barril conforme o
tamanho
dem1 de Figueira e Lisboa, em ancoras de
8 a 9 caadas, por 280000.
hit.i ni mm 1 t.VWKl l.ViOO e i*in i fa- e l""Pria l,ara a'um principiante, nao so por ter
uno era pip.i .1.10UUU, -*,).jou t-t^x a ta pouro f(in(|() niM|() piir es(ar j afr,,gU(.7ada ,. m
nada ^ I ama das lojas mais bem localisadas desta cittade :
dera do l'orto, denoraiuado Baliza, a 50 a os preiendenles podem dirigir-se mtsma loja,
Canad. 'nao o P*" examinaren! o bal inco como o estado
ldeinideraeragarrafr.es a 20500, com n! das mercadorias._________________________
garrafao. Charutos finos.
dem de Bordeaux, das melhores marcas que armazom da aurora brillante ha grande sor-
. 1 vera ao mercado, a 60 a caixa e a 040 ib. nwUmi, fabricles da Babia a 2*. 3, fc c 5* a
a garrafa. caixa, tem caixas com 100 rharalos com furo a
... .. BO, attru\t\n 300 rs. : no largo da Sania Cruz n. 8t.
Vinagre de Lisboa a 10600, 108oo e 20000 a |
cariada.
<>/>^ Caixinhas de 4libras e 2 com ameixas
! v- a 1.500 e 2,500 rs. a caixinba.
c^; Chocolate portugus, o melhor que
t pode baver de bom neste genero a
'/y< i.OOOrs. a libra.
.['/; Marmelada propriamente dito de mar-
jjfim mello, a 640 rs. a lata e em caixas
"/); de 100 lalas a 600 rs.
_v- Maca de tomates a mais nova que se
jj$| pode desejar a 640 rs. a lata e em
\v- caixa de i 00 libras a 600 rs.
|pi Ervilha porlugueza a 7'.K) rs. a lata,
S|| em caixa de IOO libras a 640 rs.
i Passas nrinthias para iiidim a 640
rs, a libras, e 400 rs. comprando de
arroba, para cima.
Nozes as msis novas que se pode de-
sejar 1 160 rs. a libra, e comprando
em barricas a 1,500 rs. a arroba.
Sebollas em caixas as mais novas do
mercado a 6,500 rs. a caixa. a 800
rs. o molho, e a 640 rs. o cont.
Batatas em caixas de 2 arrobas muilo
novas e grandes a .400 rs. a caixa. |eS
sextinhas com figos proprias para mi- |^
naos de enancas a 60 rs. cada urna
e comprando em duzia ter grande ,.,\.
abatimento. /.
F.rva doce muito novas a 500 rs. a li-
bra, e comprando em arroba a ">/.:
10,000 rs.
tominhos muilo novos a 400 rs. a li- -/:
bra e 10,002 a arroba.
Licores portugoezes das macas mais
acreditadas de Usbfta a 1,000 a gal-
rala e |0a 12,000 a duzia, as quali-
dades sao as seguintes : reme de
vilelas, geroflez, r >sa, absintho, ves- -a-
peiro, amor perfeilo, amendoa amar-
ga, percicol deturin. botefio, moran-
gos. limao, caf, laranja, cidra, gin- %/?
AGENCIA
FNDICiO BE LOW-MOB.
Una i Scnialla aova 11. 12.
Neste cstabelecimento contina a bava
' S| um completo sortimento de moeod
j*& moendas para engenho, machinas de -
- e tachas de ferro balido e coado, de todos OS
tamanhos para ditos.
Arados americanos e macb
lavarroupa: em casa do 8. P. J 1 C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
FAIIMIV
ga, canella, cravo, ortelaa, pimenta
c ootros niuitos de qualidades menos
superior que serao vendidos por |ie-
Ciis em relaco as suas qualida- ^v,
des.
Os propiietarios aiancam que estes gneros sao muito novos e ludo
de primeira qualidade, tudo tato se vende nicamente no armazem Uniaoe
Commcrcio na ra do Queimado n. 7, e largo do Carino n 9 armazem pro-
gresivo.
Queijos
m

do alemtejo, das Ibas e llamengos, todos chegados neste ultimo vapor, a jj/f)
j/r, 2,500 os llamengos e 810 ris a libra do alemtejo c das ilhas, uuicamen- -
te no armazem Uniao e Commereio, ra do Qucimodo 11. 7 e la
rao armazem progressivo.
do Car-
Bi
Idtm idein.em garrafoes com 5 garrafas, por
10 cora o garrafao.
Linguas americanas de grande tamanho a i Vinho de caj a 10 a garrafa. Este vinho
I.oooc\daurna. I tem dez airaos.
.'1551
Barricas de breu com 8 arrobas, de superior
qualidade : na ra da Cadeia do Recife n. 56 A,
' loja de ferragens de Bastos.
FAZKMI4S
l:ir:vt:i' para acabar.
Sedas de ipiadros e de listras a 390 rs. o cova-
.lo, lindas laas le ipiadrinhos a H6(i o covado, su-
periores cassns de cores a 200 rs. o rondo, ditas
muilo Anas a HO o eovade : na loja das colnmnas,
na ra do Cresion. 13, de Antonio Inrreia de Vas-
concollos & C
Vende-se farello de Lisboa, cal lti-
mamente chegada e carvo animal: na ra
do Vigario ic 19, priraeiro andar.________
Vende-se um cjrlidro usado : na padaria da
ra Real do IbDgaiMio n. 38, e na mesmase pre-
cisa- alugar um preto : quem liver, dirija-se
i:\IJIE USBIU
Vendeui-sc barrlseoin cal les-
ta procedencia, ciu pedra, chega-
da hoje. e nnlca nova, que ha no
mercado, na i-isa do Trapichen.
13, arinazcni de Hauocl Teixel-
ra Hasto.____________
Em ca
Cruz n. :\x. vende-se f Tro garunisado de um doa
melhores fabricantes i iplo7.es, proprio para cobers
tas de casas. _________________
Cal de Usboa
ehegada ltimamente na ra do Vigario n. 19,
mesma.
j primeiro andar.
Saceos eom farinha nova e Igual a de M r ra
a5->00'. no armazem da aurora brilhanie. ;.i
da Santa Cruz n. Hl________________
Venda deuma lnj>tdlmu
Os liqidalaries da massa fal'dade
Jos Antonio Basto venden! a Inpolbe
ta que tem nos engenhos lio (ir Kt
e Cajabuss no termo it Sei iultriu nu
valor dc 31:83oS9^ rs.; limar m
casasamado trapicheh. 34.______
%o armazem de fazenda bara-
tan decanto Cocllio
RA DO QUEMADO N. I9VEMH-.
GUINTE .
Esleir da Kkfia
propria para torro de sala, r!e i. 5
largura, por menos preco do que ,n '-
qoer parte.
Len(rs
de panno de linho pelo barato preeu de AfiOt*.
Lenccs
de bramante de linho too de wn
barato preco de 34000.
Cobrrus de chita da India
pelo barato pre<;o de 2,5000.
Itramanlc dc linho
com dez palmos de largura, pelo harr.--
co dc WO a vara.
Krrtanha dr rolo
Pecas de breten* de roto, propria
com 10 varas, polo baratsimo prego J.; .1*000
Peras do rambraia
adamascada com 20 varas, propria para rfirtinsdn
de cama, pelo baraUssimo preeo de loOJh
Peas dr rambraia
de salpicus. com 8 1/2 varas, hueada Mpatt I
pelo baranssimo preco de v5
fil Uso fino
pelo barato preCO dc CSO r<. a vara.
Curtes dc caira
de ranga amarella de listNtf ( d !' : '-
ratissimo preco de li2(M) e ou le.
I'oalhas alrorttoadas
paramaos, pelo baratissim pn i
Vlealbailo adamasrailo
propriopara toalliadc im-i, pala sstfalM
eo de i$ a vara.
lencos dr cassa
bra tiros linos proprids para tlgibrira, pe" lar i-
lissimo preco de 2 e 2i00 a >Iiit.:i.___________
~iKua da seoialia Nova n. NestC eStalieleeiiiieiito\eiicleili -'?
ferro coado libra a 110 rs., Lo
Moor libra a HO rs.____________________
Vende-se um cabriole! wn bi
commodo preco : nacoehen loSr. 1
do Aragio.
MSN

rV


Diarlo de Pernambue (luira felra I a de Janeiro te i 84.
ALLIANCA
f
< MI MUMCA HOll'B
ARMAZEM
57 RA DO IMPERADOR 57
Na jbem coiiecida loja que M do Sr. Flix alfaiate.
Paulo Ferrelra da Slfoi proprietario deste novo estabelecimento, tendo
UN1O
-:
OMMERCIO
wiu
LJ
I
lO LARGO O A PEIHA M
Defronte da loja do Prrguira.
BHiliTl] AUMI %
acaba de abrir o seu grande e sortido armazem de molLados denominado Uni e Ctm-
merao. Este grande armazem um des m.iis bem montados que temos em nossa praca.
Pranelseo Pemande* Dnarlo dono deste muito acreditado armazem
de molhados, acaba de receber neste ultimo vapor os mui desejados gneros escolhidos' ao s em liimeza e aeeio, como as qualidades especiaos de seas gneros. O proprio
offereee todos os seuhores da prafa, senhores de rngrabo
,u *. a, Rumia aonde escomen um grande e variado sortimento de molbades. tem
cnegado aa uiropa. mw *> de molhados, acaba de receber neste ultimo vapor os mui desejados gneros escomaos Bao so em nmoeza e aceto, cora
, honra de os expor ao respeitavel publ co ^"^^^^^^^ do! por lie na Europa, todos moo propie. para a festa M quaes est resulvido a vender por tario do Vniao e Comercio o
Em tao ptima occasiao, por esteraos prest a hecem desde' presos baratissimos como vero pelaseguinte tabella, e mesmo pede a todos os Srs. da e lavradores a seguirte tabeHa, por onde vero a grande eeonomie que lhe resalta eoa
grande armazem Allianca offerece aos eus amigo e regu zt vanUlpns cm com- praca, de engenhe e lavradores para que mandem suas relacespara serem despachadas comprarem era to til estabelecimento, afianeando o mesmo todo e qualquer genero
quando foi socio dos armazens Progressivo e Prog essis a as maioi u armaZem do Progresso do largo la Penha n. 10, afim de verem a grande vantagem: sabido de seu armazem.
quando foi socio
rarem em seu armazem
Hoje de novp establecido mais precisa da concui
ao seu estabelecimento. certos de que
^'qne tiram, tarto na superioridade dos gneros como nos preco asss resumidos, nllmho francez em latas e caixinhas asmaos Erva-doce a aoors. a libra.
rencia de todos estes sennorcs w v _____ delicadas que tem vmdo ao nosso merca- rl .
do de Too a 2.5oo rs. a cauinha. 1 Ctapaiiha de 20 a 22,ooo a gi
i,recisa da concurrencia ae louos e&ies soihiwi>_- delicadas que tem vindo ao ao*
,8 casa jamis deixarao de ser cumpridas as os s- 1U0 *> Poderem j0** "g** portadores anda que nao teoham pra. ^ de 7oo a %5qq f$ t yg^
grandes vantagens por ella offerecidas.
batoio* i.'.* iiwa. e comprando de 8
libras para cima a 72o rs., esta a mais
superior que pode baver, tambera ha a ais
baixas para menos precos.
lean franceza mnito nova a6oo rs. alilira
e 56o rs. em barris ou meios.
Puras seccas muito novas a 48o rs. a libra.
Cha perola de especial qualidade a 2,8oo rs.
a libra.
dem hysson muito superior a 2,7oo rs. a r)0ce em calda a 64o rs. a lata,
libra.
Ervilhas francezas muito novas a 64o rs.
dem uxim a 2,5oe rs. a libra.
dem portuguezas a 72o rs. a lata,
dem hvsson a 2,3eo rs. a libra.
!tCa. OH en-"" -
interesse que tira o proprietario deste acreditado armazem, j deve ser bem co-
_._.__to superior qualidade a 8oo rs. a gar- ...
rafa i nnecwo pelos seus numerozos freguezes, pois simplesmente consiste em servir bem e ga-
Idem muito superior a l,ooo rs. a garrafa. nnar pouco, am de conseguir a cortinuaco daquellas pessoas, que a primeira vez se dig-
Caf a 28o e 32o rs. a fibra, e a 8,ooo e Barem nonrar seu estabelecimento.
9,000 rs. a arroba.
Cerveja das melhores marcas do nosso mer-
cado de 5,ooo a 6,ooo rs. a duzia, e 5oo
rs. a garrafa.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e8,6oo
rs. a duzia.
dem idem a 2,ooo rs. a libra.
dem preto de qualidade muito especial a
2,ooe rs. a libra.
I-lom idem inferior a l.Ooo rs. a libra.
Chocolate francez, hespanhol c portuguez, a
Oooe l,2oo rs. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da M ia
a Je quulidades especialmente escolhidos,
de 2,ooo a 4,5oo rs. a caixa.
Farinha do Maranho muilo alva a 14o rs. a
ibra.
dem de araruta verdadeira a 4oo rs. a libn.
Viuho do Alio Douro engarrafado, e os mais
bem escolhidos, lagrimas do Douro, D. Pe-
dro V, I). Luiz I. Duque genuino, Nectf r
U superior, MMvnsia fina, Bastardo, e onlrciS
11 .ooo e 12,ooo rs. a duzia e l,ooo r>.
a garrafa,
dem Cherry o Madeira a I,5oo rs. a garni:
WWTforiTeaux de diversas marcas de 8,ooo
a lo.ooo a duzia e 8oo rs. garrafa.
BoUxinhas americanas a 4,ooo rs. a barrica,
e a 3oo rs. a libra.
Batatas muito novas a l.ooors. o gigo, eGo
rs. a libra.
Banlia de porco refinada a 44o rs. a libra
em barril a ioo rs.
Vinho em piqa de Lisboa, e Figueira, de 3,000
'j.ooo'is. a caada, e 5oo rs. a garrafa.
Idem de Lisboa em ancoretas de 8 a 9 cana
da< por 27,ooo rs.
Idea do Porto muito especial a 5,5oo rs. a
caada e 72o rs. a garrafa.
dem seccas a2oo rs. a libra.
Bassouras do Porto com arcos de ferro a 82o
rs. cada urna.
Vellas de espermacete da mellior qualidade
a (loo rs. o maco.
dem de carnauba e composico a 32o e 36o
rs. a libra e lo.ooo rs. a arroba.
Tijolopara limpar facas a 12o rs. cada um.
Toucinho de Lisboa c Santos a 320 rs. a
libra.
Sesada muito nova a loo rs. a libra.
Peixe oni latas grandes, savel, pescada, cor-
vina, e outraa ymditlaiim a l.ooo rs. cada
lata.
Passas muito novas1 a lo.ooo rs. a caixa e
5oo rs. a libra.
Palitos lixados para dentes a lio rs. o maco.
dem de flor a 2oo rs. o maco.
dem do Porto a '(8o rs. a libra.
Queijo prato a 8oo rs. a libra.
dem flamengo viudos no ultimo vapora
2,5oo rs.
Sanlinlias de Nantes muio novas a 32o rs.
a lata.
Sag muito novo a 2oo rs. a libra.
dem muito superior a 28o rs. a libra.
Sabio mnra de diversas qualidades a2oo e
24o rs. a libra.
dem inferior de 12o a 18o rs. a libra.
Genebra de Hollanda cm frasqueiras a 6,5oo
res.
dem em garrafoes com 4 / garrafas por | Wem hamburguesa em frasqueiros a 5t8oo
Queijos flamengos chegados neste ultimo
vapor a 2,ooo rs.
dem do vapor passado a 1,8oo rs.
Idem prato muito novos e de superior qua-
lidade a ioo rs. irteiro, e a 5oo rs. a
libra.
Doce de goiaba fino em caixes com 2 */
libras por Ooo rs.
dem mais baixo a 54o rs.
Manteiga ingleza flor a mais superior do
mercado a 72o rs. a libra.
dem de segunda qualidade a 64o rs. a libra.
Manteiga franceza de primeira qualidade a
5Qo rs. a libra, e 52o rs. em barris ou
meios.
Cha perola neste genero nao ha nada a de-
sejar, e de especial qualidade, mandado
vir de conla propria a 2,8oo rs. a libra.
dem huxim o melhor do mercado a 2,6oo
rs. a libra.
dem de segunda qualidade a 2,ooo rs. a
libra.
dem hysson muito superior a 2,5oo rs. a li-
bra.
dem preto homeopathico muito fino a 2,ooo
rs. a libra.
Boiachinba de soda chegada neste ultimo
navio a 1,35o rs. a lata, desle genero.ha
ide ptelo e de diflerentes nrcas,
pa
Iem em latas grandes a 2,ooo rs. rs. s o frasco val quase o dinheiro.
dem propria para lanche em latas grandes dem em latas de 2 libras porl,4oors.
a l,9oo rs. a retalho, e a 8oo rs. a libra.
Mannelada imperial dos melhores fabrican- P. .
tes de Lisboa a 64o rs. a libra. tl"(?s de comadre muito novos em baboa-
nhos mHito proprios para mimo al .28o rs.
Frutas em calda em latas de l.ooo a 5oo rs., ,
neste genero ha diversas qualidades a es- ,m em caixas Para retalho a 16o rs. a
coll.er. Ilbra-
Passas de carnada a 48o rs. a libra e em
quarto com 8 libras por 2,5oo rs.
Scvadinhi de Franca a 2oo rs. a libra
Sevada muito nova a loo rs. a libra.
Ceminhos, ervadoce e pimenta do reino a
36o rs. a libra.
Genebra de Hollanda a 5,5oo rs. a frasquei-
ra com 12 frascos, e a retalho a 5oo rs.
cada um.
dem em botija hamburguesa a 4oo rs.
Genebra de laranja a 1 ,ooo rs. os frascos
grandes. .
Vinho de caj o melhor que ha no mercado
a 1 ,ooo rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groza e 2o rs.
a caixiuha.
dem de dentes lixados a 16o rs. o maco com
2o macinhos.
Ervilhas seccas chegadas neste ultimo navio
a 16o rs. a libra, e em porco se faz aba-
timento.
Banha de porco refinada a 48o rs. a libra e
42o rs. em barril.
Vinho branco de superior qualidade proprio
para missa a 64o rs. a garrafa.
Ameixas francezas em caixinhas elegante-
mente eneitadas com ricas estampas a
l,2oo, l,5oo e 2,ooo rs. cada urna.
a groza e 2o rs. a
""!n'"v> udail nerfeitameiue flor, mandada Palitos do gaz a 2,3oo rs.
vir de conti propria, a Too a oo rs, a eaixinnaf
libra. I
Milho alpista a 16o rs. a libra.
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
56o rs. a libra, e em barril lera abatimen- Cominho muito novo a loo rs. a libra, e
to. comprando de 8 bri s para cima a 3to'rs.
dem ingleza em potes de 4 a 16 libras a Gomma muito alva para engommar a 8o rs.
8oo rs, a libra e o pote separado, i a ^^ra> e em arr"ba se far abatimento
nul. Sag muilo novo a 28o rs. a libra
Cha uxim o melhor neste genero, mandado
vir de corta propria a 2,8oo rs, a libra. ^ verdadeiro hespanb,^. qoeraraavam,
dem hysson, grande, muito bom a 2,Goo rs. vem 3 DSS merCao a *
a libra.
dem preto muito fino, a 2,6oo rs, a libra.
dem preto, mais bawo, a 2,ooo rs, a libra.
dem, verde, miudinho, mais proprio para
negocio, a l,5oo rs, a libra.
Vinho branco o melhor neite genero a 8o rs,
a garrafa e 4,3oo rs. a caada.
dem Burdeaux de diflerentes marcas, garan-
te-se a qualidade, a 8.000 rs. a caixa 1
urna duzia, e a 7oo rs. a garrafa.
Banlia de porec refinada muito alva a 46o r.-^,^. nr.n _
rs. a lihrn. om h.irril m hr .haiim.n.n Ga? i0m 5 Par"fa8 de ^^ do **&
do Alto Douro a 2.2oo rs. com o garrafio.
n
do mesmo corteado 1 1 libra al,2o
+
2,500 rs. com o garrafo.
Vinagre de Lisboa muito superior a 2,ooo
rs. a caada.
I dan mais baixo a l.5oers. a caada, e 2oo
rs. a garrafa.
dem 3m garraf5es com 4 l i garrafas por
i ,800 rs. com o garrafo.
Ameixas fraacezas em caixiakas com ricas
tst.mpasno exterior de l,2eo a 2,000 rs.
i' una.
Mem em frasco d vidm de diversos tama-
Bbosa I,5uo e 2,000 rs.
dem em latas de 11/2 e 3 libras a l,3oo e
2,3oo rs. cada urna, e a 800 rs. a libra.
Figos de comadre em caixinhas de 4, 8 e 16
librrs a l,3oo, 2,3oe e 5,ooo rs. cada
una caixa.
dem em caixinhas de folha a 32o rs.
dem em caixas grandes a 2oo rs. a libra.
Idea era latas ermetimente lacradas de 1,600
a 3,ooo rs.
Arroz da India e Maranho a 80, IOO c 12o
rs. a libra, e 2,5oo e 2,8oo rs. a arroba.
Idem de Hollanda em garrafoes grandes a
5,5oo rs cada um.
dem em botija a 4oo rs. cada urna.
Garrafoes vasios de diversos tamanhos a 5oo,
61o e l.2oo rs
Gomma do Aracaty a 80 rs. alibra muito ala
Graixa a loo rs. a lata, e l,2oo rs. a duzia.
,icores finos franceses em garrafas e frascos
de diversos tamanhos de 600 a 800 rs. ca-
da um.
i.Iarmelada imperial de todos os conserveiros
de Lisboa a 600 e 7oo rs. a libra.
Massa de tomate muito nova a 64o rs. a li-
bra.
Marrasquino de Zara a 640 rs. o frasco,
dem em frascos grandes a 800 rs.
Cominbos muito novos a 5oo rs. a libra.
Erva-doce a 24o rs. alibra.
Pimenta a 36o rs. a libra.
Cravo da India a 64o rs. a libra.
Cinnella a l.loors. a libra.
A fazema a 2oo rs. a libra.
Champanha superior das marcas mais acre-
ditadas a l,5oo rs. a garrafa e lo.ooo rs.
o gigo.
Serveja das melhores marcas que vern ao ^'^^"fS^IX^'ri^
mercado a 000 rs. a garrafa e a 5,ooo rs. J bd'nCa* e a 20 rs" a llbra-
a duzia Chocolate francez o melhor que se pode de-
dem preta snperior a 56o rs. a garrafa e a! ^ "*'8enero a *' rs" a libra:
5,4oo rs. a duzia. Ma(;as para gopa eslrelinha; ^^y^ ^ ^
Vinho Betdeain de diflerentes marcas, 0 as maca a 48" rs. a libra, e em caixa a 2.000
melhores do mercado a 7.000, 7,5oo e I rs: ca,l;l u,na- macarraao, talherim, e ale-
8,000 a caixa com urna duzia, e em gar- tria a rs- a libra.
oa qual'iade.700 ^ *" l"-H | A'"ento de I- .'
dem Figueira de superior qualidade a 48o Ave,ans ,uuit0 novas a 2oo rs. a libra,
rs. a garrafa e 3,5oo rs. a caada. Ervilhas francezas muito novas cm latas
dem de Lisboa a 2.8oo rs. a caada e 4oo j grand"S a 6i" IB*
rs. 1 garrafa. dem em ditas pequeas a 4oo rs.
dem do Porto de superior qualidade para ,
mesa a oO rs. a garafa, e 4,000 rs. a ca- "ag do t,,mate era latas lIe c 2 ras a
nada. n'
Salmao em latas de 1 4 libra a 800 rs.
|dem fino do Alto Douro da colheita de 1833, i .
como sejam: D. Luiz,Feitoria velho. Nec-.,Laoostllino0,n '> grandes a l.loors. ca-
tar, Carcavellos e Camoes em caixa de ,ima'
urna duzia a 9,ooo rs. I Sardinhas de Nantes a 36o rs. a lata.
Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto Cognhac inglez a 800 rs. a garrafa,
a l.ooo rs. a garrafa e lo.ooo rs. a caixa. .
Licor francs das melhores marcas do mer
rs, a libra, e cm barril se far abatimento.
Biscoitos. inglezas das seguintes marcas;
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travellies.
Lunch, Cabin. e outras muitas marcas, a
l,4oo rs, a lata.
Mm hinha de sdo, especial encommenda, a
2,2oo rs, a lata.
Biscoilo inglez Craknel em latas de 5, 7 e 15
libras a 5,ooo e 6,000 rs, e de l,2oo a
800 rs, a libra.
Queijos do reino pelo baratissimo preco de
l,6oo, 1 803 e 3,ooo rs os do ultimo
vapor.
dem prato muito fresco a 64o rs, a libra.
Idem londrino muito fresco a 800 rs, a libra.
Viudos em pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
,oo rs, a caada.
Vlarmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa em latas de 1 e mais libras
a 7oo rs, a libra.
Peras secaas em caixinhas de 4,000 a 2,000
rs. cada urna.
Figos em caixinhas de 1 '/ arroba e de 8 li-
bras a 8,000,4,000, e 2,ooo rs, e a 3eo rs.
a libra, taambem ha serinhas para men
nos a 60 rs. cada urna.
Amendoas de casca mole a 36o rs, a libra, e
em arroba ter abatimento.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira. man
proprio para a nossa estacio por ser ms
fresco a 2,4oo rs. com o garran...
dem tem 5 garrafas de vinagre a I 2uo rs.
o garrafo,
Sabo massa de superior qualidade a I8n.
2oo, e 22o rs. a libra do nwttior qe ka
Graixa em latas muita nova a 12o rs. a la-
nba, e l,3oo rs. a duzia.
Peixe em latas muito novo : savel. pescada.
curvin, salmao e outras murtas qnaKriarfes
preparados da aemftmm, segundo a arte de
cozinha, de l,2ooa 2,ooe rs. a lata.
1.....'/,u rtUU r'"u"' * rafado e escolbido pesoalmem> iH.r ora
des socios que se acha em Portugal. dat
seguintes narcas : Duque, Genuino. Ve-
lho secco especial, Lagrimas Doces de
1819, inho especial D. Pedro V, mmm
vello. .-Sedar superior de 1833, Duque ,1o
Porto de 1834, vinho do Porto velho su-
perior, Madeira Secca de superior quali-
T iiVn.h0 dn Porto superior D. La I
k ,; La^nmas (I ^ouro, espe.-i.il vi-
nho do Porto, de I,ooo a I 2oo rs. a car-
rafa e de lo.ooo a 12.000 rs. a caixa com
urna duzia.
Duque do Porto, Madeira secco, duque ge-
nuino, lagrimas doces a Ooo rs. a garra-
fa e 9,5oo rs. a duzia.
Garrafoes com vinho do Porto a 2,2oo rs.
cada um.
cado a 800 rs. a garrafa.
Batatas chegadas neste ultimo navio em cai-
xa com duas arrobas por l,6oo rs., e 4o
rs. a libra.
Coacervas inglezas a 75o rs. o frasco.
Vinagre de Lisboa de superior qualidade a
2oo rs. a garrafa e l,2oo rs. a caada. i
I Sal refinado em potes a 5oo rs. cada um.
Azeite doce refinado em garrafas grandes al ,
800 rSt 6 Mostarda ingle:a a l.ooo rs. o frasco.
Sardinhas de Nantes a 32o rs, a latirtia.
Toucinho de Lisboa muito novo a 3oo rs, a
libra e em arroba a 9,ooo rs.
Massa de tomates a 64o rs, a libra.
Pimenta do reino a 34o rs. a libra,
Farinha do Maranho a 14o rs, a libra.
Cbelas a 800 rs. omolho, 64o rs. o cento
e 6,5oo a caixa.
Tijollo para Impar facas a 16o rs,
Cerveja das mais acreditadas marcas de 5,ooo
a 7,5oo a duzia, e de 5oo a 600 rs, a gar-
rafa,
Prezunto para fiambre muito fresco e novo
a 800 rs. a libra,
Genebra de laranja a l.ooo rs, o frasco,
ChoHricas as mais frescas do mercado a 800
rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa,
e lo,5oo rs. a caixa com urna duzia.
una.
Amendoas de casca mole muifo novas a 4oo
rs. a libra.
Cholas aovas a l,2oo rs. os molhos gran-
des e a l.ooo rs. o cento.
Alpista a 14o rs. a libra e 4,600 rs. a arroba.
Macardki, toibarim a aletria muito nova a
4oo e 48o rs. a libra.
Biscoitos e bolachmhas inglesas as ultimas
chegadas ao nosso mercado a l,2oo e
I.ioo rs. cada lata.
Btmoi? c? laTh ^laUS gra""eS! Se,"ia *'e Fra"fa m"', a 2o a
I refinado em frascos de vidro a 600 rs. o
fraco.
Cepos finos para agoa a 5,ooo rs. a duzia.
Cliouricasnovas a 72o rs. alibra.
Mostarda franceza preparada e muito nova
a 32o rs. cada um frasco.
Conservas francezas de superior qualidade a
i'ii) rs, o frasco e 7,ooo rs. a duzia.
Az?ite doce a G4o rs. a garrafa.
ATTENfSO.
h^ni.SUrfai,l,e armaz1em ,i,; moi'!'"ins v,n(le-so m grandes porces e a retalho
fazendo se d^loiensa consideravel a quem comprar de IOO,!. pira cima.'
dem da Lisboa a 6io rs, a garrafa, e em
caada a 4,800 rs.
Presuntos inglezes para fiambre a 7oo rs. a
libra,
dem de lamego encommenda particular a
48o rs. a libra, e irteiro se faz abatimento.
Toucinho do reino o melhor do mercado a
320 rs. a libra, e em arroba a 9,ooo rs.
Velas de espermacete de 4, 5, e 6 por libra
a 560 rs e em caixa se faz abatimento.
dem de carnauba refinada a 32o rs. a libra
e 9,ooo rs. a arroba.
dem de carnauba pura do Aracaty a 4ou rs.
a libra e lo,5oo rs. a arroba.
Gomma muito fina e alva a 80 rs. a libra.
Araruta verdadera a 32o rs. a libra.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
a 12o rs. a libra.
Sag muito novo 24o rs. a libra.
dem franceza a ioo rs. o pote,
Milho alpista a 16o rs. a libra e 4,800 rs. a
arroba.
Graixa muito nova em latas grandes a 120
ris.
Latas com peixe em posta ermeticamente
lacradas das melhores qualidades de pei-
xe que ha em Portugal a l.2oo rs.
Licores franre/es e portugtie/.es de todas as
mareas de lo.ooo a I5,ooors. a duzia.
Passas muito novas a 5oo rs. a libra e a 8,5oo
rs. a caixa. Ha caixas, meias e quartos.
Batatas a l.ooors. o gigo com 38 libras e
2,00o a caixa com duas arrobas radauma
Bocetas com doces seceos de 3,ooo a 3,5oo
rs. cada urna.
Boiachinba ingleza a 32o rs. a libra,
Azeite francez e portuguez refinado a 800 rs.
a garrafa. e9.ooo rs. a caixa com urna du-
zia.
Conservas inglezas das seguintes marras
.Mixed. trates, e ceblas simples a 800
rs. o frasco.
Mostarda inglesa preparada em potes a 4oo
rs. o pote.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra e 4,800
rs. a arroba,
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de manteiga. .luce.
e outro qualquer liquido, de l.ooo a 3,000
rs, cada um.
Vassouras americanas a 800 rs. cada
Velas de spermacete as melhores que ha no
mercado a 56o e 64o rs. o mas e em
caixa se fara um^rande abatimento,
dem de carnauba e composico, de 4oo a
32o rs. a libra, e de lo.ooo rs, a li,5oo
rs. a arroba,
Caf de 1 sorte de 8.3oo a 8,600 rs. a
arroba, e de 28o a 32o rs. a libra dome-
Arroz da India, Maranho e Carolina a 3,ooo.
2,800 e 2,4oo rs. a arroba e a loo rs. a
Frasqueira de genebra a 5.8oo rs. e a 5oo
rs. o frasco.
Azeite doce em barril muito flno. a 61o rs.
a garrafa, e em caada tari abatimento.
Papel greve pautado e liso a 3,5oo rs a
resma.
Genebra de Hollanda em botija de conta a
ors. a botija.
Passas curinteas a 000 rs. a hbra e 12,8o
rs. a arroba,
Ervilhas franceza e portugueza a 640 rs a
lata de urna libra.
Chocolate francez, hespanhol. soisso e por-
tuguez a 1,000 rs a libra, e a 28o rs. ra-
da pao de urna ',i.
Ameixas francesas era caixinhas elegante-
mente eufeitadas, cora diversas estampa*
no exterior da caixa de 1.500 a 3,ooo rs
cada una; tambera \a frascos e latas do
difiere! tes tamanhos que se vendan por
mdico preco.
Maesas para sopa: macarro, taiharim e ale-
tria a 48o rs. a bra, e em caixa se fcra
abatimento.
Garrafoes com I i garrafas de genebra do
Hollanda a 5,5oo cada um.
Charutos de todas as marcas e dos memo-
res fabricantes da Babia de 3,ooo a 4.eoo
rs. a caixa.
Caf la-ado de Ia qualidade a 32o rs., dito
de 2a a 28o rs. a libra e S.oo rs a arro-
ba dito de V a 26o rs. a libra e 7,8oo
rs. arroba.
Charutos suspiros dos melhores fabricantes
de S. Flix a 2,5oo rs. a caixa com loo
charutos.
dem fiaos de diversos fabricantes a 1,600.
l,8oo c 2,oix> rs. a eaixa com loo chara- Todos os saibores que compraren) para negocio ou casa particular de 100-3 para
tos, {o preco nao indica a boa qualidade cima tero mais 5 a 10 por % de abatimento; o proprietario seientifica mais que fa
porem deera-se ao trabalho de virem ou os seus gneros san recebidos do sua propria encommenda, razio esta para poder vea-
maudarem e vero a realidade. der por muito menas do que em oulro qualquer estalielecnerto.
ATTEtf^A

f
-


Diario de Pernambueo Qnnrtfa felra 13 de Janeiro de 184.

i V
4

4
i-
J


ATTENCAO
9 IARGO 110 GRANDE SORTIMENTO
MIARTE 4 C
Participan: aos seus numerosos freguezes e ao publico em peral que acaban de
receber de sua propria encommenda, o mais lindo e completo sortimento de molhados,
os quaes vendem por grosso e a retalho por me ios 10 por cento do que outro qualquer
annunciante, como rerao pela seguinte tabella que abaixo notamos, garantindo os nies-
dms proprietarios nao so o peso como a qualidade de seus gneros.
AVIMK
Todos os senhores que comprarem para negocio ou casa particular de 100-> para
cima torito mais 5 a 40 por cento de batimento, os proprietarios scientifieam mais que
todos os seus gneros sao recebidos de sua propa encommenda, razo esta para pode
vender por muilo menos do que outro qualquer estabelecimento.
Maiiteiga ingleza flor a 8oo rs. a /ibra.
Castanhas muito novas a 2,ooo rs. a caixa, e
a 10o rs. a libra.
Bonho francez c em caixinhas de 7oo a
|f8ao rs. cada urna.
Iilein fiaaceza a mais nova do mercado a 56o
rs. a libra, e 54o rs. em barril.
dem de porco refinada muito a Iva 4Go rs.
a libra.
Prczunto para Oanbre a 8oo rs. a libra.
Cha uxim iniudinho vindo de conta propria,
o melhor do mercado a 2.8oo rs. a libra.
dem hysonoe superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra.
dem perola o melhor que se pode desejar a
2,7oe rs. a libra.
Idoio pre'io muito fino a J,So rs. a libra.
dem mais baixo pouco a %itoo rs. a libra.
dem maii baixo a l,8oo rs. a libra.
VinUo do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado gar.mte-se a superioridade deste vi-
nho, das seguales marcas : Duque, Ge-
nuino, velho secco, especial lagrimas do-
a 181, vlnho especial D. Pedro V.,
vinho vefrio, Nctar superior de 1833, Du-
i|ue do Porto de 1834, vinho do Porto ve-
Uio superior, madeira sea de superior
qualidade. vinho do Porto superior D. Lu-
iz 1 ed18i7, lagrimas do Douro espe-
i i;il, vinho do Porto de l.oooa l,2oo rs.
a garrafa e de lo.ooo a 1 4,ooo rs. a caixa
com urna duzia.
Bolaobnha de soda especial encommenda e a
mais nova que ha no mercado a 2,2oo rs. a
lata.
Discoitos inglezcs das memores marcas em
laiiidiasde 2 libras a l,3oo rs. a lata.
klem ngfases craknel em latas de 5 e 7 libras
ile ."i.ojo a 6.000 rs. a lat, e em libra a
Hoo rs
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
a 2,5oo rs. cada um.
dem pnito a 7oo rs. a libra.
Vinho era pipa das mais acreditadas marcas
i orno sejam B F., PBK, JAA, outras
militar, marcas. Porto, Lisboa e Figueira ;
de 48o, 5oo, S(to, 64o e 8oo, rs., e o do
Porto fino em garrafa, e em o nada a
3,ooo, 3,5oo, 4,ooo e 6,5oo rs. o melhor
do Pollo.
dem Bordoaux das mais acreditadas marcas
a 7oo rs. a garrafa, e a 8,ooo rs. a caixa.
Garrafoes com > garrafas de superior vinho
do Porto a 2,2oo rs. com o garrafao.
Vellas de carnauba e composico de 32o a
36o rs. a libra e de 10,000 a 11,000 rs. a
arroba.
Ger ebra de Hollanda em botijas de conta a
4 40 rs. a botija, e em duzia ou em barrica
tira abatimento.
Maesas para sopa macarrao, talharim e aietria
a 48o rs. a libra e em caixa ter abati-
mento.
dem eslrellinlia, rodinha e pevide em caixi-
nhas de 8 libras, muito bem enfeitadas de
2,5oo a 3,5oo rs. a caixinha e a 600 rs. a
libra.
Ho(e de guiaba em caixas de, diversos tama-
nhos de Ooo a 1,000 rs. o caixao.
Sabio massa de 2oo a 24o rs. o melhor, em
ciixa ter abatimento.
dem hespanhol a 28o rs. a libra.
IVnc em latas muito novo ; savel, pescada,
corvina, salmo e outras militas qualidades
preparada de escabeche 2." a arte de cosi-
nha de l,2oo a l,8oo rs. a lata.
Figos em caixas de 1 arroba, 'j e 8 libras
a 8,000 4,ooo e 2,ooo rs. a caixinha.
Barris de vinho branco de quinto, marca B
-. Filho a GO.ooo rs. o barril.
Maimelada imperial dos ra lhores conservei-
ros de Lisboa a 64o rs. a 1 .liuhade 1 libra,
1 a latas de 1 -2 e 2 libras.
Massa de tomate em latas douradas de 1 libra
a C4o rs. a lata.
Am?ixas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas de 1,00o a 3,ooo rs. a
c lixinha, tambem ha latas de 1 '/* a G li-
bras de l,2oo a 4,5oo rs. a lata.
Mein em frascos com tampa de rosca a l,6oo
rs. o frasco.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso a l,2oo rs.a libra.
Conservas nglezas das seguintfs marcase
Mixde-Picles e cebollas simples a 75o rs
o frasco.
Arelas de vinho colares a 5o,ooo rs., e
.1 72o rs. agarrafa.
Sardinhas de Nantes a 32o rs. a latinlia.
Charutos das mais acreditadas marcas de
!,5oo a 4,000 rs. a caixa.
Cbampagnhea melhor do mercado de 12.000
1124,000 rs. o gigo, e de 1,2oo a 2,000 rs. a
garrafa.
Pa wl greve paulado ou liso a 3,5oo rs. a res-
na.
Idtm de peso pautado ou lizo de 3,5oo a
4,000 rs. a resma.
dem com 5 garrafa de vinho da Figueira mais, Gomma muito fina e alva a 80 rs. a libra.
proprio para a nossa estaco por su- mais
fresco a 2,4oo rs. com o garrafao.
dem com 5 gai 1 a fas de vinagre a l,2oo rs.
com o garrafao.
Vinho branco o mais superior que vem ao
nosso mercado a 5Go rs. a garrafa, e a
4,3oo rs. a caada.
Velas de esparmacate as melhores neste ge-
nero de 56o a 64o rs. o maco, e em cai-
xa ter grande, abatimento por haver
grande poroto.
A/cite doce em barril muito fino a 64o rs.
a garrafa e 4.800 a caada.
dem francez refinado a 800 rs. a garrafa.
Ervifhas francezas e purtuguezas a 64o rs. a
lato,
Bmetas eom doces soceos de Lisboa de 3oo
a 3,5oo rs. cada urna.
Toucioho deLisboa a 3oo rs. a libra, e a
9,000 js. a arroba.
Nzes muito novas a 16o rs. a libra e 4,8oo
rs. a arroba.
Caf de 1.', 2.* e 3. qualidade de 26o, 3oo
e 36o rs. alibra, doCear de 7,8oo, 8,600,
e II.2oo rs. a arroba do melhor.
Arroz da India, Java e Maranhao de 2.2oo a
3. ooo a arroba, edeSoaloors. alibra.
Panal muito novas a 8,000 a caixa o 5oo
1 lili! a. ha canas meias e quartos.
Sevadirdia de Franca a 24o rs. a libra.
Sag trifilo novo a 28o rs. a libra.
Milho alpista e painso de 10o a 2oo rs. a li-
bra.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a grosa e 2oo rs. a
duzia.
Vasos inglezes de 4 a 16 libras vastos, muito
proprio para deposito de doce manteiga
ou outro qualquer liquido de 1,000 a
3,ooo rs. cada um.
ARMAZENS
DO
OGRESSISTA
RIJA HAS CKUZES A. 3G
E
RA DO CRESPO N. 9
Xo bairro de Maulo Antonio.
Joaquina rfos Gomes de ftouza scientifica a seus numerosos fregu
zes e ao publico em geral que acaba de eslabelecer um novo armazem de molhados
do Crespo n 9, aonde se encentrar sempre os melhores gneros de estiva, que
se vendero a retalho e por atacado, por menos dos que se venderem em oulra irml|aar
parte, afliancando-sc aquellas pessoas que comprarem nestes armazens a superior qua-
lidade de gneros, precos commodos e bom acondicionamento.
O armazem da ra do Crespo situado no melhor local desta cidade com o as-
seio que de necessidade raanter-se com estes estabolecinieiitos, faz crer a seu pro-
prietario, que ninguem deixar de sortir-se n'um estabelecimento aonde se encontra sin-
ccridade, para ir-se comprar aonde se nao offerecem tantas vantagens.
Sendo este armazem no verdadeiro ponto de partida para os arrabaldes desta
cidade, nao ser difficil quelles senhores que tem de partir nos mnibus darem suas
encommendas neste armazem, que sempre Ihcs offerecer os mais agradaveis gneros.
CONSERVATIVO
DE
.IO tOl I H SIMO DON S1ATOS
23Largo do Terco2o.
O proprietario este armazem de molhados participa ao pul.lico cai>.
que lem um grande sortimento de ludo quanto pertoucente a moibad -.
um armazem para somonte receber os gneros demaior quantidade, faz
etfes emboas quadras, eqne sempre pode vender por menos de 10 i 20 por i ni
que em oulra qualquer parte, garantindo o proprietario qualquer genero sal
armazem, tanto em peso como em qualidade.
Manteiga ingleza llr mandada vir por conta propria a 800 rs. a libra,
dem franceza, vinda pelo ultimo navio a 560 rs. a libra e 540rs. em barris.
Banha de porco refinada, propria para pastis a 480 rs. a libia, e em barril a *(... .
Velas de espermacete e carnauba do Aracaty a COO rs. o maaao e 400 e 14' n i
Caf lavado do Rio e do Cear, o melhor desie genero, a 280 rs. a libra i -
roba.
Batatas novas em caixas com 2 arrobas por 2j$000, airetoibaa-M a 4o rs. i
Toucinho desembarcado ltimamente a 3oo is. a libra, em barril ou arroba a W^ki.
Cha de Ia, 2a, 3a e 4a sorte a 2*800, 20300, 2000, e 1)4000 a libra
Azeite doce de Lisboa a 600 rs a garrafa, e de (arrpalo a 280 rs. a garrafa, i
2#ooo.
Genebra verdadeira de Hollanda, em batijas, de conta certa, marca pallo a Mt -.
Milho alpista o mais limpo (|ue ha a 160 rs. a libra a 5000 rs., a arrolo.
Cha perola de especial qualidade i 2,8oo rs.
a libra,
dem hysson muito superior a 2,7oo rs. a
libra,
dem uxim a 2,5oo rs. a libra.
dem hysson a 2,3oo rs. a libra.
dem idem a 2,ooo rs. a libra.
dem preto de qualidade muito especial a
2,ooo rs. a libra.
.dem idem inferior a l,6oo rs. a libra.
Champagne a melhor neste genero a 1.3oo
rs. a garrafa e 18,ooo rs. o gigo.
dem muito superior a l,ooo rs. a garrafa
Caf a 28o e 32o rs. a libra, e a 8,ooo e
9,ooo rs. a arroba.
Cerveja das melhores marcas do nosso mer-
cado de 5,ooo a 6,ooo rs. a duzia, e Seo
rs. a garrafa.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e 8.600
rs. a duzia.
Doce em calda a 5oo rs. a lata.
dem de goiaba em caixas e diversos taa-
nnos e de diversas qualidades de 64o a
l.ooo rs. cada urna.
"rgarra ,0,00 ^ l,0 ^ **N fle ui* **> a 04o
Chocolate francez, hespanhol, e portuguez, a Wem portug(ieMS a 72o rs. a ,ala
a Ooo e i ,2oo rs. a libra.
r. .. ... .. dem seceas a 2oo rs. a libra.
Charutos dos melliores fabricantes da Babia 1
e de qualidades, especialmente escolhidos, i Vassouras do porto com arcos de ferro a 32o
de 2,ooo a 4,5eo rs. a caixa.
Farinha do.Maranho muito alva a 14o rs. a
libra
dem de araruta verdadeira a 4oo rs. a libra.
Vinho do Alto Douro engarrafado, e os mais
bem escolhidos. lagrimas do Douro, D. Pe- Tiirt,(. nara ,:.._ *Z.
dio V, D. Lu/. I, Duque genuino, Nctar,Ty0,para ,imp,,r fatas
LIQUIDACAO
de fazeodas e roupas feius, per presos baraiissiraos : u ra do Crespo n. 4.
38RA DO IMPERADOR38
Agua natural de c'ondllae,
nito recommendada as afferroes do tabo Kastro-inteslinal, nos dosrinf, e beiica ourinaria pelas
suas propriedades alcalinas, e o acido cartionico que naturalmente conten em suspendi, d .p>
mais commodo que a agua de I'i'cAy, ede propriedades talvez superiores pela grande quaatidi
acido carbomco. Injecrao llrou, agua d le Chceleu, cupahiba de Mege, ^jirll Ft^ms de l.tmU
it ztnoo, muito recomraendada as gonorrheas. Lerroy francez verdadeiro ; na iue-ma cas* #m
algumas caixas de instrumentos cirurgicos para opera^oes de Matieu e Charriere.
Pcdc-se loda atteoco.
Custodio Jos Alves Guimaraes, dono da loja in-1
titulada Gallo Vigilante, ra do Crespo n. 7, avisa
aos seus numerosos Ireguezes e ao respetare! pu-
blico, que Mds de reformar no flm deste anno seu
estabeleciiiunlo, equerendo liquidar grande quan-
tidade de diversos objeetns, est rosolvldo a vender
tudo por precos baralissimos, como sejam :
Pecas com 45 varas de franjas de linho a :i.
Oitas com 45 varas de gal.io de linho a 3$.
Laa surtida para bordar, libra a 4.
Froco de cores sorlidos, peca a ICO rs.
rs. cada urna. i MnS"i'os para senhora, a par 800 rs.
tiotinhas de bonitos gostos a 400. 500 e l&.
Velas de espermacete da melhor qualidade ^lvas de metal \ a 6oo rs. o maco coin CD0S de raelal proprio para meninos a
dem de carnauba e composica* a 32o e 36o S?8 eFJtosJ*n S*1^?^ 4 a da-
... v ^ Ditas e ditos dita com cabo de martim a 65.
rs. a libra e O.OOO rs. a arroba. ; Bandejas de todos os tamaitos muito finas a 14.
4*00, 1S400, 14WH), 'J^oOO, 34500 e 54-
a 14o rs. cada um. Ditas redondas para copo de 500 rs. para 24800.
1 Tesouras em carteiras, a duzia a 500 rs., 640 e
supcnoi, Malvasia fina, Bastardo, e outros; TouTinho de Lislioa e Santos a 32o re. a libra. | 800 rs.
a 11,000 e 12,000 rs. a duzia e 1.000 rs.' Pp"os para camisas, a duzia a 24.
a garrafa. I aev^la multo nova a loo rs. a libra. Camisinhas bordadas pari senhora a 14500 c 24.
: Cbapclinas para senhora a 34.
XAROPE
deLABELONYE
Idem Cherry e Madeira a 1,5oo rs. a garra-
fa e 16.ooo rs. a duzia.
dem Bordeaux de diversas marcas de 8,000
a 10,000 a duzia, e 800 rs. a garrafa. 1
Bolaxinhas americanas a 3,ooo rs. a barrica, <
e 2oo rs. a libra.
Batatas muito novas a 1,000 rs. o gigo, e 60
, uiapcuiK^ para ^elIllora
Peixe^Cm latas grandes, savel, pescada, cor- Ditas para menina a 2f
l'lmiina culica da nt-imeira elasse
Km Pars.
Este medicamento empregado ha mais da
20 annos, com successos constantes, p
melhores mdicos em lodi
ta aa molestias e as a/feiioes lo ptlo, acaba de
um novo suTragio por nSo ter sor ora ap-
parecido nutro igual para COrac hdriKid-
menle ludas as doenfa> do coraro orgni-
cas ou inorgnicas, palpitares, liydrupisiaa
geraes 011 parciaes. hydrolhorax. asihmas
chronicas, bronchites nervosas, e fluxos
chronicos, aphonia (exlincco da na ), 1
As gazelas medicas fallam cal(>rosamer?e
sobre os effeitos preciosos do Xarope de
Labelonije, quelem hoje adquirido um dos
vina, e outras qualidades a l,000rs. cada Chapeozinho para menm.is de escola ou passeio a pnmeiros lugares no quaJio
lata. I **e 3*-
Flores francezas, caixos grandes, a 600 rs.
Papel greve pautado e liso de 3,ooo a
rs. a resma.
4.000
Luvas de seda com pequeo toque de mofo a 300
rs. o par. ?
Toncas de lila para meniros a 500 rs., fil a 500 e
e2oors.a libra. Passas muito novas a 8,5oo a caixa e48o rs.! s^^t^l^ ^ e de 15a a ;i00 rs.
a libra.
rs. a libra.
Bolsinlias de missauga para meninas de escola a
Palitos lixados jiara denles a 14o rs. o maco. Botws dourados para paiho a 200 rs. o par.
_ u a- j. 1 Tinteirosde metal a 320 rs.
Banha de porco refinada a 48o rs. a libra, c Idem de "or a no Th maco. Trancelins para relogio r. 100 rs.
em barril a 44o rs. d,..-.^..~ c.mi__ __ Ditos de flta chamalote a 200 rs.
Pre/unto [ara fiambre ingteros e americanos Kscrivaninhas de metal \ 34500.
Vinho em pipa de Lisboa, e Figueira, de3 000 a *'?' rs- a ''Dra- Colheres de metal para cha a 200 rs. a duzia.
a 4,000 rs. a caada, e 5oo rs. a garrafa. ,dem do Porto a 4n .ih.a ^Vd^^.^rSaro...
Tartas hespanholas para jocos a 14200 a duzia.
Cast7esJ>rancos e amarellos de metal a 14.
Carteiras paw-akilieira a 500, 600, 800 e 14.
dem londrmos os melhores que se encontrara Sabonetas muit7TmsjiJ4200,14600 e 24 a duzia.
neste mercado a 800 rs. a libra. Fivclas para calca a 900 r& ajluzia.
Botoes de a^o para calca a 32(>-groza.
dem flamengos vindos no ultimo vapor de Caixinhas com attnetes,grainpos c corchetes a 320,
2,800 a 3,000 rs. 400 e 500 rs.
Filas de iKirraeha prelas e de cor a 120 e 160 rs.
Sardinhas de >antes muito novas a 32o rs. a vara- ,
a IjIi, Latas com dous massos de asulhas por 800 rs.
dem do Porto a 48o rs. a libra.
1,1 Is^or ^3ooZna>relS dG 8 3 9 Can3' QueijOS prat0 de 48 a ~ re- a ,ibra-
dem do Porto muito especial a vio* rs. a
caada e 72o rs. a garrafa.
dem em garrafoes com 4
2,5oo rs. com o garrafao.
garrafas por
Li ;ores das melhores marcas e mais finos
a 1,00o rs. a garrafa e em caixa ter abati-
Vmagre de Lisboa muito superior a 2,ooo
rs. a caada.
dem mais baixo a l,3oo rs. a caada, e 2oo
rs. a garrafa.
dem em garrafoes com 4 '/a garrafas por
l,2oo rs. com o garrafao.
Manteiga ingleza a 600, 7oo, 800 e Ooors. a
libra de primeira qualidade.
dem franceza a 56o rs. a libra em barril, e
a 600 rs. a retalho.
Ameixas francezas em caixinhas com ricas
estampas no exterior de l,2oo a 2,ooo rs.
cada urna.
dem em frasco de vidro de diversos tama-
nhosa l,5ooe 2,5oors.
dem em latas de 1 1/2e 3 libra a l,3oo e
2,3oo rs. cada ma, e a 800 rs. a libra.
Figos de comadre em bazinhos de folha pro-
prios para mimos a l,6oo rs. cada um.
! dem em caixinhas de folha a 32o rs.
Sag muilo novo a 2oo rs. a libra.
dem muito superior a 28o rs. a libra.
Sabo maca de diversas qualidades a 2oo
24o rs. a libra.
dem inferior do 12o a 18o rs a libra.
Hilas para sinteiro a 300 e 400 rs. a vara.
Caixinhas para costura de senhora a 14500,24.
3, i, 5 e 64.
Compoteiras de vidro com pratos de metal a 34 e
44000.
Franja de laa para debnnhar tapetes a 24 a peca.
Palitos de fogo, prova d agua, a 14 a groza ou 120
rs. a duzia.
Assim como tem grande sortimento de muilos
mais ebjeclos que se turnara enfadonho ineario-
1
ment. dem em caixas grandes a 2oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a Ooo rs. a garrafa dem em latas ermeticamente lacradas de
1 ,Goo a 3,000 rs.
Arroz da India e Maranhao a 80, loo e 12o
rs. a libra.
Amendoas de casca mole muito novas a 4oo
rs. a tibia.
Azekonas superiores a l,2oo rs. o barril.
e lo,5oo rs. a caixa.
Cbouricas as mais frescas do mercado a 800
rs. a libra.
Genebra de laranja em frascos grandes a
l.ooo rs. o frasco.
Serveja das mais acreditadas marcas de
5,5oo a 6,5oo a duzia e de mais a 5oo rs.
a ^rra a' I Alpista a 14o rs. a libra e 4,6oo a arroba.
dem em botijas e meias, sendo preta da Letria a loo rs. a libra.
muito creditada marca T de 6,5oo a 7,8oo ,- k 1 1 1 1
rs a,ju>a ,wu, Biscoitos e bolacbmbas inglezas as ultimas
.., ,. cbegadasaonossomercadoal,2ooel,4oo
ceblas em momos grandes a 800 o molho cada lata.
S40 o cento, e a f,5eo rs. a caixa
Bolaxinha de soda e lunch em latas grandes
a 2,ooo rs. cada lata.
Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
Farinha do Maranhao a 14o rs. a libra.
I Cognac de superior qualidade 800 rs. a gar-
Ti olo para limpar facas a 16o rs. cada um.' rafa.
Ccminho a 4oo rs. a libra.
Erva doce alibra.
Canella a l.ooors. a libra.
o <
2 "a
IfiH&Hi!
S tB u> = "^ ,-, OS
!.. gil ,
-
M-p
H
~
8 5 i.|g
302.ii
a
9
fi 03
5 3 a._oT=
. B3 3 _
2 5 S: o T t a. g ^
8gg- -irS.
31 i
j 3 B I
n CP 6)

=
B
_ e:o
3 es.a>
t f" -n
i i 3
Q. "I -I
-O B! o
o
S' B (1 ?
3^"
c S
P j a
a
re
r

Genebra de Holanda em frasqueiras a 6,5oo "ri08 que tudo se vender muito barato para li-
pa mudar : na ra do Crespo n. 7, e ra do Impera-
dora. 59,junto ao passo, e casa da liquidacao.
dem hamburgeeza em ditas ao,8oo rs.
dem de Hollanda em garrafoes grandes a
5,5oo cada um.
dem em botija a 4oo rs. rs. cada urna.
Garrafoes vasio; de diversos tamanhos a5oo,
64e e l,2oo rs.
Gomma do Ara Graixa a loo rs. a lata, e l,2oo rs. a duzia.
Licores finos fi ancezes em garrafas e fras-
cos de diversos tamanhos de 600 a 800 rs.
cada um.
Marmelada imperial de t dos os conservei-
ros de Lisbra a 64o e 760 rs. a libra.
Massa de tomace muito nova a 64o rs. a
libra.
Marrasquino de Zara a 64o rs. o frasco,
dem em frasees grandes a 800 rs.
Cominhos muilo novos a 5oo rs. a libra.
Erva-doce a 24 o rs. a libra.
Pimenta a 36o rs. a libra.
Cravo da India a 64o rs. a libra.
Cannella a l.lco rs. a libra.
Alfazema a 2oo rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs,
o frasco.
dos mi
menlos os mais afamados e da tberapeulka
universal, como o declaram os c int-
dicos francezes: Andral pai e filho, Dooil-
aud, Collereau, esruelles, Fotn|uiei", Le-
maire, Marjolin, Pasipiiei. Birlan. I(
seau, Delaberge, Parmantter. Puche. Tb r-
.tim, Vidal (de Poiliers), ele, e oulros ta-
cultaticos dos inais celebre?.
Vende-se em garrafinbas de vidro verde,
trazendo um rotulo, fundo cor de finan
clara, jaspeado, no qual sobresahe e nome
Labelonye, o gargalo da garrafa traz urna
tira azul jaspeada, com a lirma de Labe-
lonye, e a rolha coberta com orna capsata
de metal branco com a inscripi.Tio S p
ile Digilitale de Labelvnye, pbarmacitn,
Pars.
Deposito geral: em Paris, ra It>uiI r.-
Villeneuve, 19.
Em Pernambueo, na casa de Caors A Bar-
baos na ra da Cruz n. 22.
Cal de Lisboa e polas* da
ItussLi.
Vende-se na ra daCadeia do Bmak n. M, 1..
onde se mudou o antiiro e acreditado deposito da
mesina ra n. 12, ambos os gneros sm tw
legtimos, e se vendem a preco mais barato do f|ot
utra quali|uerparte.
09
5??
03 T
o> J>
o" 5"
EL-
2
5
o
f
"
2
a
i

P
el
K
A :t,(ooo.
Caixas com ceblas de Lisboa
hontem ; vendem-so nn arrnazem
desembarcadas
de Jos Rodri-
ESCBAYOS FGIDOS.
Fugio do engenho Pirau da comarca da 1 *-
-dade de .\a?.arelh em 20 do mez de maio do cor-
rente anno 1863, um mulatinho de nome Maooel,
de idade 15 annos, levou vestido camisa e (tola
de algodoiinho azul, um unto descorono da cor,
tem os ps feios e s dedo delles arrebitados, os
pea adiante largos e os cab-anliare-i Ciws. ti m o
costume de andar com a cabera lana, cal
estirados, de rabocolo : queui o pegar e tr<
em dito engenho ser recompensado com 2004.
Nodia 4 do corrate fugio o esrravu l'a:i-
lio, crioulo, estatura regular, secco do rorpo. r.'.r
amarella, sclTre ile frialdade, lem falla tmtt
na frente, ps apalhetados, tem callos dos calca-
nhares, pisa muito devagar, levou calca de brim
pardo, camisa branca, chapeo de masta prcto
muito usado : quem o pegar leve-o roa Direita
n. 30, primeiro andar, qae sera gratificad".
Escravo fgido.
Alexandrc, nreto, crioulo, natural de Grvala, de
iS annos de idade, pouco mais ou menos, com bas-
tantes cabellos brancos na cabeca e laiI
reforcadodo corpo, treme-lhe muito a raicea e l-1-
j {os qando falla por ter tido ja o ar de vento icom
vulgarmente cbaukam); desappareceu da casa de
seu senhor no dia 4 do correte, levando calca de
algodao azul e camisa de algodo branco rega-M
a quem o pegar queira leva-loa ra do Quei:
o. 37, que se Ihe pagar o seu irabalho : Mzppe-
se que elle foi para o lunar do seu na-chiieni*..
Fugio do abaixo assignado, no dia !i d cor-
rente anno a sua escrava Clara, cabra fula, idade
18 annos, estatura baixa r cheia do corpo. rn>!n
redondo, bneca regular, com falta de doos denles
na frente da parte de cima, maos e ps aeajwi
egrossos, foi comprada a Sra. I. Fi
Romana, moradora no engenho Sania <".ru2 do
mo da Esciila : quem a pegar ou der noticia certa
em Apipucos ao abaixo assignado, ou nosVrife na
1 A l 1 ii 1 1 it u I ^"* gues de (Jrvallio, lrave;sa da Madre de Dos n. 5, lrua larga ,,0 Rosnrio piaran o! sera gratili
e avulsa a 640 rs. o cen'x). Jnao Machaflo Rran
I(d da Senzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. JohnstOn A C,
Fugio no dia 6 de janeii >
pardo Gemido, de idade de 29 30 annos, na
ATTENCAO
O proprietario dos armazens do Progressista jamis deixar de offereeer aos seu
| freguezes tudo o que for preciso para que sejam bem servidos, e como a festa se aproxi-
j Batatas a l.ooors. o gigo com 32 libras liqui- ma optbna aoccasiaodos seus freguezes cxp.i mentaran a realidade, que nunca dei-
1 jas e 2,yuo rs. a caixa de duas arrobas, | axr de ser mantida pelo proprietario destes armazens.
sellins e sillines iniM >y r"r c,ara e desbotada, cabeca gran
seuins e siuioeb ingles, unuitirosecasti- fa^ eabeHos crean* bons, rosto Urgo, oHm
caes bronzeados, lonas inglezas, O de vela, [ grandes e om lauto aman los, urna pequea nar-
chicotes para carros o montara, arreios para ea de ferida nonrafo, dlnanm i
carros de um e dous cavallos, e relogios de travessan lo i barriga, nerui groms, i
oiiro natente infrie/ eortama traiei barba e bigode. que nMgM aM
ouro patente ingii.z._____________________jde fup|. qiiein oap|irelu.nii,.r,,.,
FsllMllll'i iImu-iihIiw'I iPiUda,comarca de.N'azarethd
1<11 Illlld U^III de boa qualidade, ensacada, a preco enmmodo : roa do Qocimado, loja de ferragau n. 13
no trapiche do Cunha prximo d ancoradoure S. Oliveira \ <".., que ser recompensado fiiero-
dos vapores da companhia Peruambucana. sanente.

-



.lite

s
t>lurlo ile IVrnamhtir -
LTTERTOR.
Sanies
Henil rsos.
i
ilf; dada tquella her,
Malf.ulado aqu-lle lisiante
Em que cw lu scinlllaute
ol '
Oh notite maldita aquella
Em ii' .1 r."|i'iaiii;.i engaadora
se de neroem mi !
r.i i que todo nii'ii ser prendest
E .1 meu ooracio sujeito
Ao ten poder tu Atesto 1
Km que ao frvido palpite
Deste mea trbido pello
Etranho caloi troulxeate I
Maldita a hora em que vi-te !
Km qoe cu perd-me p'ra amar-te
K aiiiti-U' pira me perder '
Em que da ierra esquecido,
Quiz insensato, atrevido
Ao Armamento me erguer !
li
Era urna tarde, ao sol-posto,
A iiouto vinlia j perto ;
Im tenue rao de lu
Dava tmido em leu rosto
O sitio esta va deserto;
Coiriain nuvens flux ;
Brando o paludo fulgor
Da la, que despontava.
Das aguas bata flor !
E aquella doce harmona
Que iuvolve os restos do dia
Ja no crepusc'lo expirava I
Passavaa parei !... Iremi !...
Poi ento, fui nesse instante.
Bella, divina, radiante
Que a vez primeira te vi!
Nossos olhos encontramos
Nao sel porque... mas coramos !.
Tu eaniinhavas ao templo
Ku seguindo o teu exemplo
Tamhem quiz l penetrar :
Vi que ao fulgido rlarao
Dos ryrios do sanctuario
Mais e mais o teu olhar
Da luz celeste lirilhava!...
Vi que toda se engolphava ,
A tua vista no altar !
K um jubilo inlinito
Me dizia ao rjracio
Que este alTecto era bemdito
No ardor da tua orarlo !
III
Mas depois o encantamento
Todo, todo se desfez...
Ku ergui-me sobranceiro,
E tu rahiste a meus ps !
Da paixao rompeu-se o taro!
(i sonho foi passageiro '
Tornou-se o pozo cancaco,
O prazer um flngimenlo
Que eu nao sabia oceultar.
Padeceste muito entao I
Pois bem me lias no olhar
Todo oborrivel da traicio '.
Que de lagrimas sulcaram
Por tuas faces queiraadas I
Qoantas, quantas se filtraram
Nos leus olhos abrasadas I
Oh I quanto, quanto choraste '
Quanta lagrima sentida
Deasas lagrimas de fogo.
tanto mais tiram vida
Quanto mais alma nos do
Verteste por mim em vio I
E como o orvalho gelado,
Quo em fria noute invernosa
Cade sobro um cerro infezado.
Bftor, leeeo, maninho
Km que s borbulha espinho,
Assim teu pranto em meu seio
Nem dbil baste gerou!...
IV
Um da tu me disseste :
Porque leu rosto celeste
Tio severo se tornou
Quando ests ao n de mim ?...
Se preciso onrsacrificie
wn que le prove este amor,
V se inventas um supplicio
Que me faga eterna a dor ;
Mas nio me trates assim !...
En de ti me desprendendo,
Eu, sem ouvir-te, parti-rae I...
Foi o epilogo tremendo
Domis deshonrado crime !
Desde entio ai! que martyrios
Nao me tem varado esta alma !
< orno em l a gloria, o crime
Vejo em mim sempre crescendo
Quanto mais o mal me opprime,
Tanto mais santa vaes sendo !
Tu buscas do justo a palma,
En do precito os delirios i
Nos somos dous navegantes
Perdidos no mesmo mar,
Entre as ondas reluctantes,
Praia praia a bracejar.
n ti roube-le o deslino
De ver no claro horisonte
Entre as verduras do monte
O porto da sal vacio;
A mim que vago sem tino,
Sem d'uma estrella o clario,
Medonba surge-me aos olhos,
No dorse dos mil escolhos,
A morte em cada escarcen!
Tu. anjo resignado.
Tena s ten lugar marcado
Na tua patria, no cn,
Eu porm mais desgranado
Sititoj o fogo eterno
Das laaaredas do inferno !
VI
Inda assim se um leu sorriso
Me trouxesse o leu perdi,
Talvez anda podesse
Outra vez o amor sentir ;
Talvez anda se crguesse
uas cinzas o coracao I
Talvez anda sentisse,
Regenerado por ti,
Os snnbos do paraizo
Queja de ha muito perd I
Entre novera carregada
Driza a la um ra* brando,
as horas da trovoada,
Vir o octano banhar ;
Assim poda o teu riso
No mar da minha existencia
Vir-me a procella dourar___
Mas oh I nao lenhasVclemencia !
Podia a inda perder-te I
Desprer.ar-te I escarnecer-le I
Sangra anda em mim a chaga
Da pe dcio que me alaga
Deste rorpo as veias todas I
Da deshonra a lava ardente
Tanto em mim funda lavrou,
Que at a propria sement
Dos bons instinctos queimou !
VII
Agora esqueee-me I adeus I
Nao ha bonanca nos eus
P'ra qoem nasceu desgranado I
Devo seguir meu fado :
Sou como o arbusto curvado
Aos choques do lurbilhio,
Elevo a fronle tremente
Mas lugo vein a torrente
E bejo de njvo o chao.
VIH
Adeus 1 esquece-me I adeus '
Nao mais a ninha kmbranca
Oecupe um sonho dos leus I
O destino se nao cansa
De fazer-me padecer:
Eu bem devia saber
Que nao pode haver ventura
P'ra quem sorveu amargura
J desde o berco ao nascer.
Se eu na.-ci desventurado
He i de rumprir o meu fado,
Em matroas sempre viver I
IX
Oh I maldita foi a hora,
Esa hora em que nos vimos,
Em que a cbamma abrasadora
Da paixao em nos sentimos !
Maldito o instante fatal
Em que eu te vi por meu mal I
O talento.
dos. As molestias se reduzirio evaporacos do que a agu i em um caldeira. Depois o deas inte-1 Quando nos ul limos anuos leudes votado trihues.
Se elle se manfestadeMle a infancia, .era mais P* P ^a-.as, baslava encher do novo o rior, se ap.acou, a joven .eu f*.as costas da mo ^0*^0!^
***, B menos espirito. Muito talento em certa bala0' |,udo quan M |UU l,ue ella tesse' J0g.ou carttS' Uua'' comtazis a urna de vossas egrejas um
ment
espccialidade admilte a applicario a outras muitas,
e al mesmo a sua superioridade.
O espirito, principalmente o bailo espirito, quasl
sempre negligente, insensato e simples; o talento,
nunca. O talento superior iuseparavel do genio,
e esle as di a conbecer no mais insignificante dc-
talhe da mate fcil encocla; porque imitando,
invena. Alas a natureza, que se compraz em man-
ter o equilibrio dos seus dous em lodos as cousas,
concede ordinariamente a qnem nao inventa, ou
inventa com difllculdade, a perfeieio de excrucao, I decorativos nessa especie de negocio. Asaca-
que naga > quem produz muito. Porm quantos I demias fulmnaram. urnas aps oulras, sntencas
recursos agradante e Otate na cultura de um ta- contra mesmer ; nem por isso Mesiner deixou de
lento que nosoceupa, encanta, captiva, eao mesmo continuar a fazer suas seccoes de feiticeria, em
tempo prov s fallas, aos desejos dos que nos sao' toruo da fonte da Joventude.
charos! Seosoincos dio sustento, as artes dio | EslabclefCU uma fabripa de du.dos para toda,
abas.anca; e overdade.ro talento, tanto nes.as uaMUt #l0 ,:, M (.0rpos desbabados
como naqoeiles, procura essa satisfacao.
Mesmer eollucava seus doent.s em vulia d'uma 'c conto correnlemenle todos os botes das ca- reino de setenta 5 cincoaonos e Una moca de de-
..,, ,.,,.____,J sacas. zesseis, unindo as maos de ambos, lomaes vossos
ceiba e os encina de fluido, absolutamente como se ^^ abl (.( dg0 (.jv|| B ^ cm y(a nasa, .
soche os odres de vlota novo, e quando sites fi> I Desta v;z Mr. Geni y tinha de coofessar-se ven- Jurae amar-vu- e clfeciivamenle o homem de
cavam chelos a ponto de arrebentar, desse bem-1 cido. Maieisqae por uma i'erdadeira leimade setenta e cinco annos e a moea de dezesseis aca-
aventurado Huido, elle os sohsva em uma sata medico, elle se lembra de por algodao cardado so- '"'"''J'"1 sainar porque o bornea tem etocoeott
, ,. l. 11 iu 1 mil libras de renJa, e a mocabel eza :i|ue sera
acolcboada, onde piilavain. saltavam, cambalho. bre as palpebras, se deixou deaom trabalhar pelo gso |)a|a Inj|||i 'Vij ,o Jg^ & Q he|0 ^.^ ex.
deus intimo, levantar as sobraucelhas c fazer caro- traordinaxid do magnetismo !
la.-como a joven maguetisada. (lonseguiu destn- E qnaodo para mellmrar algUU tobre diabo,
gur a luz das irovas, e ler, elle tambem, atravs "J P1""*' ";i roa se literlembradode appliear
do ak'odaj.
lavain, c rolavam romo epilpticos. Depois se le
vantavain tranquillos como llaplsla, e perfelanien-
te carados.
As curas lizeram barulbo. Nunca bouve falta
Um grande pergo que devem infelizmente evi-
tar o.s espirtos dolados de vasta inteligencia, a
ambicio de experimentar ludo.
No esludo das artes como no Irabalbo do espiri-
to, um prejudica o outro. Pararnos pnmeiro urna
escoma e percorramos depois, porm ligeiramenle
e com ordem, o circulo dos conhecimeutos que po-
dem eoneorrer para aperfeicoar e impellr, tanto
quanto for possvel, os progressos da arle favorita.
sob a iroteccao das bellas damas e das joven- >c
nbores qoe muito gostavam naquelle lempo das
cambalhotas em commum.
Bmfint, Mesmer, n'um momento de generosida-
de, quiz associar a humanidade inteira no co-
nhecimenlo de sua descoberta. Pediu ao re qua-
tro miHioes por seu segredo. Por guante, se o
magnetismo o primeiro fluido da vida, o ouro,
entre os ma^netsadores sempre o segundo. O
re nao deu os (nilhues, mas alguns philantropos
a socapa, na alg beira de um vizinlio, alyunia sa-
bia theoria do eu e do ni 1 eu -o mandaes s ga-
0 magretismo leve de affligir-sc ainda por este Ws, onde ira perder necesariamente o resto (pie
11 uro .no ('.ilimcnlc Ul-is 'uleviiihis ,. >'v>-'l" de bous lil-;inctos, nao llavera OlSSO porven-
11 pro q io. U.umtnto su.is aoeriniias oaoi. tllra magnelisme ? Por acaso nao esse um fado
qui
nham visto com a mesma vista que nos atravs da
sua venda. Era possvel porm que isso se suspei-
tasse. Esta suspeila convinlia i issipar o mais breve
possvel.
O lafel; eslava fura
que excedo as leis da razio ?
E quando Mr. Domas, o sabio, por sua vez nos
diz e prova, o que peor, que a creac.io inteira
nao passa de ar solidilicado, que a herva, gaz
convertido em Mitas; a carne, herva convertida
da ciculaeao o algodio I em fhylo, e que a vida universal nio mais que
desconsiderado O magnet.smo teVe de recorrer g & ft-jg PSSrLS
a um gerero de chapeleta qu? nao desse lugar a
menor velleidadc de suspeita. Se foi bnscar o bar
tocam atravs dos espacos, se desfarcam sob mil
formas, e acabam sempre por soltar no estado de
completa cegueira.
moisella Prudencia. Se llie infunda o fluido em
dse sufllciente para adormec-la. Foi-lhe ap-
r piteado fin primeiro lugat o tafet gomma-
do, depois uma carnada de Ierra argilosa, que
cobria os olhos, a fronte e as laces, por cima dessa
Nao nos sempre permitiida esta escolha, nio so-
mos sempre senhores do emprego lio decisivo dos' algumas centenas de mil fraucos
primeros aonos da juventude I... Mas, neste caso, | Infelizmente o segredo de Mesmer, sahiodo de cainada t e lerrai uraa vcnda acgra; e por cima da
sa.bamos_ esperar; o da da independencia loiira: guas maos, se fez em pedacos, e o incomparavel: Vtllda nera> 0Ulra camada ,e barrj. Seria mais
Miu uso que fuer-. elixir se volatisou no espaco. .Nao bouve outro fcil ver Uravs de um muro do que de mielhan-
emfim sobre a nossa vontade
mos desta vontade para recuperar o tempo perdido remedio senio renunciar "s" cambalhotas, 1
dependero simullaneamenle a nossa celcbndade tanto as curas I
presente e a honra da nossa memoria. I -,___. .
Depois da ausencia de alguns annos, o magoe-
Pessoas que pensam e que escrevem egualmente' ,smo reappareceu, sob a forma de somnambulis-
bem, teem dito que a msica uma arte maispre- mo. Era a mesma creanca, mas singularmente
tenci jsa que a pintura, e que portanto as nossas fi- tendo mudado de ama de leite.
Ibas correm menos risco em desenliar no silencio. U|n fldalg0 da Picardia) Mr. de pUVSegur, aehou
do gabinete do que em ir procurar no mundo ap-jo me0 d(J fazer adl>rinecer, segundo sua vontade,
plausos de eoncerlos, os quaes passam com a bellc-. un, |erma Pexard0i que era seu creado> 0 ,ual
za,e apenas se tolerara quando ajudados pelo pres- sedeixava 1 anear, com um piparole no mais pro,
te appanlho. Madamoisella Prudencia viu, leu e
jogou uma partida de ecarte I
Entio ? disse o magnetisador aos dous medi-
sio; estaes convencidos agora da cfOeaciedade do
magnetismo ?
Mr. Peisa quiz experimentar sobre si mesmo es-
te novo .pparelho de oculos.
ligio desta.
Concedemos esle ultimo ponto, mas s o conce-
demos aos curiosos, e ainda assim aos curiosos fra-
cos. Um verdadeiro tlenlo nio envelhece, o deve,
tanto quanlo as suas forras o permitiera, prestrar-
se ao recreio de quera o posse como aos prazeres
da sua familia, feliz de goza-lo e orgulhosa de telo
visto nascer.
Se a musir nio fosse a mais innocente das ar-
tes, Deus a escolheria para distracrio dos anjos ? E-
innegavel que ella falla aos sentidos; mas quando
os sentidos estio desencaminhados, nio se necessi-
ta de msica para desencaminha-los mais. E' pre-
ciso que uma imaginario de dezeseis annos esteja! conductores de sensaedes. O magnetismo trans-
limito viciada para usar sob uma apparencia terna ; poz essas barreiras, apagou esses trilitos, fez do
de palavras seductoras; e, como j tivemos occa-corpo humano o grande caminho onde todas as
siao de dizer: t o perigo da msica est inteira-'. sensacoes podem egualmente passar, o longo e a
msals na imaginacao de quem a ouve. atravs, cm todas as direccoes. Provou que se
D-se o mesmo na pintura. Encarregada de re- P0"1'3 tao,bem vr pelos ouvidos, e comer pelas
produzir aos olhos todos os objectos reaes ou pnao- ven,as- bem como ouvir Pelas palpebns, escotar
Usticos, o seu estado, ebeio de escolhos para a in- P"5'0 dedo grande do p, e olhar pelo tornozello.
Fez suas experiencias conjunrtaraentecomo Dr.
fundosomnoe urna vez comas palpebras fechadas DecharaLre; e provaramqu; este apparclho nos
via, conversava, fallava, responda, passeava coms impedia jue se visse, e que a luz podesse facil-
sc tivesse olhos por toda parle, ouvidos em todos
os seus merabros, urna Linterna em cada mi, e
dez mil espirtos s suas ordens.
O mundo transtornou se. Um velho proverbio
diz, que o bem nao chega dormindo. Provou-se
ao contraro que sciencia, presciencia, oranipre-
senfa, tudo podia vr durante o sorano. Demons,
trou-se que o estado de vigilia era imperfeito, e
que se podia chegar, roncando, a perfeieio do ar-
chanjo I
A philosopha tinlia assignado tres ou quatre
noceucia, iraz conjunclamenle mais gastos mais ^ homem todo se tornou um cerebro. A alma t- o mysterio, de balde corris o f errolho, fechaes as
perigo e maior perda de lempo... a menos que a rada de sua ***i se tinha palhado por lodo "
discipula nio se limite a copiar flores, plantas, pay- epiderme.
sagens, grupos de homens ou de antmaes. Nao foi ludo ainda ; cra-se at entao, na f dos
Quanto aos retratos, at mesmo os de familia, Ihe [ psyecologistas, que o espirito era um mundosinho
devem ser prohibidos : que raie providente pode- ')ar,e' 1ue cosinhava pequeas ferraras cm
ra autorsar a familiaridade nseparavel de uma uma marmi,a hem tapada, e produsia, se prolongada e frequente conlguidade entre a sua rando' as idas- As ideas erara l,das Pr i iusas
fllha de dezoito annos de edade e o bello primo de Pessoaes invisiveis, impalpaveis, inacessiveis,
tata e dous a vinte e Ires ? i perpetuamente inscriptas em segredo. *
Pde-se velar sobro a escolha de Unos, e dirigir i O magnetismo veo provar que nada era mais
o curso e o progresso da leitura. Portanto, uma lacl que s'ir passear n'alraa de outrem saber sem
joven pode ter lido muito, ter-se enriquecido com \*T aPrendido fallar perfetamenle o hebreo, o
uma inslrue$io sem eiva, e possuir o talento de 'D6'ez. allemio, como um Judeu, am Inglez, e
escrever, nao s com pureza, mas ainda com ele-', um Uavaro-
gant a, sem que nada custasse nem a seus costu- Podemos todos pensar no pensamento uns dos
mes, nem a seu repouso. Porm este ultimo the-, outros. As individualidades sio repartimentos,
souro Ihe ser mais cedo rottbado, se o gosto dos Se podesseraos adormecer nosomnomagnelico.es
versos se misturou com os seus estudos moraes e rcparlimentos cariam, a faterndade se realisara
historeos. j Na,, havera sobre a trra mais do que um s
O mais irreprehensvel poeta (exceptuando-se os homem, e esse homem se chamaraa humani-
objeetos sagrados) nio Imprimir dez paginas sen- dade.
las de pasamentos de amor ; e das suas dez pagi- Como, a primeira vista, a dea de vr pelo joe-
nas a nica que nio se devia ler ou sobre aue era
- uwiitipBii.ii ho, e farejar pelo cotoveilo desarranjava soffn-
mats prudente passar por alto, precisamente a .
que se leu mais eses. Perlence s boas mestras, vel,uenle ,deas recebdas, esle ser completo que
estas substituas das boas mies, o previnir esses *c compoe agora do magnetisador e magnetisado,
perigos tio entnenles, deve-se dize-lo I entre os se creu obrgado a provar essa verdade, mxime
poetas do bello sexo como entre os traductores ou a,s mdicos, os mais incrdulos sabios de todas as
imitadores dos antgos elegiacos. 1 academias.
E.ngeral,aspoet,zascompnceis menos gran- | Para que a experiencia fosse bem feita, seria
diosos, porem egualraenle abrasadores, fallara mais precis0Hque os'n)edcos tvessera coraecado por
d.rectaraentea.mag.nacao das mulheres. Eslas, vendar 0i olhos> e dormissem o mais profanda-
tremendo de si mesmas, tomam um inleresse tao
J. QumiNo dos Sakto .
ro. Por certo que isto nio d jphano 0 susceplivel nuido (lu "is desla doulrina ? Nio o infl-
.,.,.,.. mto posto era magnetismo f
do ser fac.lmente levantado por um movimenlo fe- 0 lmagnetisnK, t,o tem por nada que deva es-
bril das ralpebras. l'm hemem que tem o rosto co- pautar nossa imaginario. Nsdevcmos estar com
berto de ;reda, est evidentemente no estado de elle habituados. Se mesmo tivessemos voto deli-
Aehado ao, se trouxe mada- berativo no conselho,pederamos que se elevasse
o somnambulismo a altura de urna funecao social.
Oulr'ora papas, res, mperadores,bares, generaes,
senhores nio andavam senio cercados de seus as-
trlogos. Porque se nio dara um somnmbulo
ae ministro dos estrangeiros para lr mais correcta-
mente no pensamento do vizinho ? Porque se nao
substituira o gabinete negro por uma coininissao
de magnetsadoies ? Porque mesmo, em caso de
guerra em lugar de enviar duzentos mil plitloso-
phos humanitarios encarregados de levar aos ou-
tros povos argumentos de alta Hililica na extremi-
dade de longos funis alongados ainda por suas
bayonetas, com todo um apparelho de canhoes,
obuzes e balas, nos se enva uma centena de mag-
nelisadores determinados, estofados de Huido at
eos, Mrs. Peisa e ecltambre que asststiam a ses- 1 a Docca> eosndos, eleetrisados, a ponto de suspen-
derem um planeta, que de um s gesto deitem por
trra todos os exercitos inimigos e os adorraecam
no sorano da innocencia, s os despertando quan-
do por qiiitaeio se lites tivesse tomado quatro ou
cinco provincias ?
O magnetismo nos parece pois chamado a altos
destinos. OS. Paulo dadoutrina phalaustenana,
Mr. Hugh Dobeity, acaba de eleva-lo ao estado de
aroma, e de faz;r delle o fluido dos Huidos, e ap-
plica-Io de uma cxlremidade a outra do mechani-
co celeste, a vida mundana, snpermundana, am-
phimudana de todos os seres, qnaesquer que dan-
sam nos planetas. Xs estamos incerles sobre o
destino de nossos defunlos, oulr'ora ignoravamos
a que inferno eram elles atirados. Todas as gera-
Soes mortas ha 1 sido rearhdas agora ; nadara,
uciiian, passam no casco alhmospherico da trra.
Nio podemos mais respirar, lossir.espirrar, sem
que respiremos, lussamos, espirramos a alma de
algura defunto I
Entretanto devenios fazer nossas reservas. O
somnambulismo oulr'ora era uma religiio que ti-
nha somente sacerdotisas. Era todos os lempos o
dircito de advinhar perlencem as mulheres pordi-
reilo de familia. Mas a alguns annos se busca
substituirs advinltadoras pelos advinhos, e nos
protestamos, porque nestas surtes de cousas, se
ama sempre mais os bellos olhos, ainda que venda-
dos sejam. Nada ajuda tanto uma f recalcitran-
te come uma linda figura.
O magnetismo nos arraslou, ah t e lem adorme-
cido, e ora despertando, vemos que temos esque-
cido Mr. Teste e sua obra. Mr. Teste escreveu um
dythirambo em honra do somnambulismo. Plei-
teen a causa com calor, com talento, fazendo valer
todas as razoes bas ou masque Ihe aecudiam ao
espirito, caminbando bravamente para diante, sem
vollar a cabeca para a dreta, ou para a esquerda,
com uma venda, uma verdadeira venda nos olhos;
aecusando, por exemplo. Spnoza de haver atlri-
huido, de parceria cora Broussaspensamento
materia.
Se Mr. Teste tivesse tido a precaucao de ador-
mecer prior um de seus somnmbulos que ludo
sabem, no estado magnticoat a mesma philo-
sopha de Spnoza, tera sabido que Spnoza, Ion-
ge de attribuir o pensamento \ materia, nao reco-
nhecia, ao contrario, senio a existencia do pensa-
mento sob o neme depensamentosob o noine
desubstancia. O spinosismo, em boa lgica, ten-
de precisamente a nega^io da materia, o que jus-
tamente o contrario da doutrina de Broussais.
Mas por ser um individuo magnetisador nio se se-
gu que soja egualmente philosopho.
(PiARTAK.Presse.)
mente cnegar aos olhos, era muitas diversoes, e
por mutos modos. Estas experiencias foram pu-
blicas. Vr. Kropport era o grande apostlo do mag-
netismo, as executou sobre s e se eiecutou de
boaraeme.
Assim, puro effeito do acaso que os thauraa-
turgos do magnetismo nio acharam anda senio
um sytema de venda q.m permitte a todos
ver seja despert, seja adormecido.
E que importa, demais, urna venda mais ou me-
nos contistavel, mais ou menos impermeavel aos
raos luminosos ? O magnetismo se reduz a isso ?
Acaso rao v elle atravs dos espacos, das monta-
nhas, da- paredes, do mesmo planeta, o que se
passneite momento na Chira, no Japio, no Cana-
d, em nossa cmara, por tola a parte ? Nao tem
elle provado isso vnle, cem, mil vezes?
Sim; r-s murallas cem diante dos magnetisa-
dos, e vis todos, gente de bom gosto, que boscaes
cortinas, apagaes vossas lampadas, sim, neste mo
ment, senhores e senhoras, iia dous olhos abertos,
quero di;er vendados, que vos escutam, dous ouvi-
dos que vos vem 1 Ah ah I os muros oulr'ora s
linham ouvidos, agora lem tambem olhos. Cada um
de nos r de'ter uma testemunha que morando cm
Strasbur.'o, Xanies, Toulon, e dormindo a somno
solt, ple entreunto passear em nossa alcova I
O sonho do velho romano realisou-se : nossas casas
sao de vidro!
venlade que por roubar ao magnetismo o pri-
vilegio do ter a vista mais subtil que o fogo, mais
rpida que a electricidade, Mr. Durdin,ainda um
medicooffereceu um premio de tres mil francos
ao primeiro somnmbulo que podesse ler uma s
palavra atravs de um corpo opaco de uma bocc-
ta de curti, por exemplo, hermticamente fe-
chada.
temo por essas infelizes, sempre promptas a rn-
lar o seu corarao aos contemporneos I Choiam de
lio lioa f sobre fallas oceultas com o soccorro da
rima, e sobre infelicidades quas sempre merec-
mente possvel, por que smente no estado de som-
nmbulo se pode bem julgar do magnetismo.
Entretanto, os mdicos quizeram ser conven-
cidos do i'Hi'ler do magnetismo conservndose des-
das I E' bem raro quo uma mullter muilo oceupa- per,os' Nao houve remed, senao satisfaz-los. A
da era inscrever no templo da memoria a lembran- PrinciPio oi ,razida uma ma- C" Ires partes,
ca das suas affeicoes nao supprima de bom grado ei'la d via8em reS'a0 dos sonhos. Se Ihe era-
os accessorios a cargo de sua razio, e nio exagere P,as,ou as palpebras com tafel gommado. Foi pos*
egualmente os aggravos do seu ingrato e os de uma ta horisontalnicnle, perpendicular, e transversal-
rival. 1 mente. S com m f insigne se pedera dizer
At hoje apenas se menciona duas mulheres que,'qUe n,adamoisca 0limPin no es,ava sePu,l;'da na
uma em sua prosa severa c a outra em seus ver- noUte etern*- ^ so1 em ^^ se apresenUsse
sos deleuveis, tenhara dexado de fallar de si ou n01uar,' ma,s su,,1,l de seus raios nao pde-
se o tenham (ello com as Precautoes de ama 'mo- fa P''ne,rar **'*' deSSa WOd*-
desla lio real como os seus talentos : taes autoras l/>g0 a ,oven P^'h^nissa fot lomada do espirito
tera a certeza de ser lidas uma e muitas vezes, o
de oecupar um dos primetros lugares na biblothe-
ca das nossas jevens recolbidas.
l'm grande numero de pequeos talentos, gra-
maligno, islo trabalhado pelo fluido magntico :
seus seios tremeram, sua fronte curvou-se, o chaos
inda indeterminado e confuso que nadava ante
seu pensamento, se adelgacoo, e se illummou.....
Fiat lux. Ella fallou, viu, leu, (o livro aberto) pa-
ciosos, infantis como o sexo que habitam, p'rdu- >>'in:,s inl,;'ra;. c J'^o" perfeitamente uraa partida
aem essa mullidlo de obras primas em miniatura doJu das carlas-
que instruem a metade da populacao. Mulheres, Quem cou esnfusa ? A medicina. Os mdicos
alias dtstinctas por suas admiraveis facilidades in- levantaram vergonhosarnente esses pedaros de la-
teltectuaes, nao desprezaram a cultura desses tra- fet vollaram-no e tornaram-no a vollar; com
balhos Inferiores; ellas tomaram-n'os por seu pas- um ar lastimoso, diante de seus raos Titanes, e em noss) espirito. Fosse elle expulso do mundo e
satempo, e dest'arte provarara peremptoriamente nenhum pode vr atravs dellcs. ainda assim Ihe daramos hospitalidade.
qoe os mais felizes successos luteranos, ou outros Entretanto, Mr. fiord* leve um pouco de nac-
quaesquer, nao excluem o espirito de industria, ^.e a?bou i^ v?r- *1 ^eum emplasto mjnha niu|nL.r dJ2Ja u ^^ ^ .^
Muitos somnmbulos veram farejar o premio
Burdin, a nenhum consegua ganha-lo.
Mas q te importa? Para o magnetismo, como pa-
ra a relgo, a f indisrensavel. A primeira
necessdade para crr nelle comecar por crr.
preciso ah chegar, como elle procede, com os olhos
fechados
Logo ru se o suspeita d( embusto, oh fatali-
dade I fljido, como elle cencebe uma viva indig-
nacin como o paviode ButTon, oceulta seus the-
souros a >s que nio sabem admira-lo. Quando ps-
rm vs) cm corapanhia de amigos, de gentes
bem dispostas, sympaihicas a par dos negocios, en-
tio q ^lle se mostra generoso, complceme,
inspirado, inexaurivel Prolgalisa milagres, cura
cegos, o faz andar aos aleijados, v tudo, sabe tu-
do, l ludo, e vos leva a cavallo sobre sua perna
dreta sem dobrar o joelho (
Lembrae-vos da legonda das eguas daThessalia?
Engendrivam aspirando as auras matinaes smen-
te I Pois bem, o magnetismo tem o mesmo poder.
Que a egua T Nio; mas que o sopro da manhaa.
Um am; o nosso conliecia uma mulher que se fa-
zendo utagnetisar, sabiu peijada do filho de uma
outra, que eslava seu lado.lpariu perfeitamente em
vez de sua visinha, e compro neste momento, por
este bello feito, quinze annos de gales.
Como descrer do magnetismo depois do que Oca
dito ? Pela nossa parte eremos nelle com todas as
forcas, por que para nos o magnetismo tio velho
como o mundo, tio inexgotavel como o espirito
Lhumano. Depois da era chrislaa se tem chamado
successivamente demonio, alchimlsta, feiticeiro ;
no XVII seculo eslava as Cevenas; no XVIII so-
bre a ca upa do dicono de Pars, no XVII .tubero
leve a insigne honra deatinr-lhe olinteiroa cara.
o Judeu errante sempre nanea visto, e que reap-
parece sempre.
Como negar-se o magnetismof Elle est por to-
da a parte, no ar, ao redor de nos; existe mesmo
Quadro da dmsf n poltica e iditiinislratita das re-
publicas do Eqnador, \oTa-6ranada t Vene-
zuela.
Equador.k antiga presidencia de Quito findou
em zi de maio de 1822, pida capitulacSo de seu
ultimo presidente D. Melchor de Aymeric, cujas
forjas foram pe as ndependentes, vencidas em Pe-
chincha, junto a Quito, no dia 22 desse mez.Os
povos que faziam parte dossa presidencia se reu-
n rain logo a Venezuela e Nova-Granada, adoptan-
do a constiluicao de Ccuta ; dejulbode 1821, com
o que cou organisada a l'niio Colombiana, que
assim subsisti 7 annos.
Separando-se Venezuela da l'niio em ftns de
1829, o distncto do Sul, formado dos departamen-
tos do Ei/uador, Guayaquil c Iasuay, se declarou
tambem indepcndenle de Nova-Granada, com o
nome de Repblica do Equador em 13 de-maio de
1830, e a morte de Bolvar em 17 de dezerabro des-
se mesmo anno, vera a sanecionar as duas separa-
ces. Os povos de Popayan, Boaventura e Pasto
chegarara tambem a sparar-se do dominio de
Nova-Granada, unindo-sc ao Equador; porm, por
um tratado de dezerabro de 1832, volverara a Nova-
Granada, declarando-se o Carchi limite entre as
duas na^es, que ainda questionam a respeito dos
seus limites, mas a leste oeste rio, pretendendo a
Nova-Granada as duas margens do Agurieo e a
esquerda do Coca.
Do lado do sul e sueste, os limites da repblica
estio anda mais indeterminados, a nio ser sobre
o mar, onde no termo septentrional da villa de
Tumbez, se conclue a posse do Per. Esta ullima
repblica, apoiada as bedulas de 1802, pretende
o dircito a quas todos os terrenos de aguas ver-
tenles aos afluentes raargem esquerda do Ama-
zonas, desde o Cbinchipe, ou ro de Jan, at o
apo ; e est de posse das povuaces de Jan, San-
tiago, Borja, Nauta o Loreto, margem esquerda
do Amazouas. O Equador leva as suas prelences
nio s a recuperar essas povoacoes, como ate os
terrenos de Minas, margem direta do Ama-
zonas.
A maior parle dessa extensao de trras, quasi
exclusivamente habitadas de indios bravos, e com-
prehendendo os terrenos de vertentes aos ros en-
tre o Morona e o Napxj, incluindo as de ambos,
consliluera a provincia chamada do Oriente, que
antes um simples territorio; pois at nem d para
os eort>os legislativos representante algtim.
Afora este territorio, a repblica consta de onze
provincias, que se subdividem em cantes, e estes
em paroebias. O archipelago do Gualpagos faz
parte do Equador ; mas est quasi despovoad. A
povoaco da repblica toda se orea em um milltio
t O d abo se deita mais .unto de mim do que de habitantes, dos quaes apenas uma vigsima
**---- %Stm i*ja^JKg^s^5MFS ss
parle sao procedentes da Afriea, isto negros e
tos sorcorros: a condessa de Genlis deve ser n- non,e de familia.
dicada como a primeira entre essas mulheres un- O magnetismo viu-se pois obrgado a renunciar
versaes e dignas de todo o respeito pela sua
vidade generosa e constante, pelas suas gracas
luzm, pela sua pericia e talentos.
Mmk. Simons Candeillk.
(sVodorrdo de A. de Mendonra.
uui- vm^umiuv .iu-.-ic ,k.i hu ig.iuu i iviiuncidi rriari t rilu>i> il inini<
a(.,. aotaeta; fracon. toda lealdade que elle ota- SJ Fl?lSl^ esjta|iWmm.
mar ao principio, ignorando que a colla de pe- ------'--------_-----:____'.______.________________
xe, nina vez destempornda, deixava passar a luz 5 (l) P, |lelau ,,,, rarno> e se ,jvesse estado 0
elle tomara suas precaucoes para que nao p v-sa
ser aecusado no futuro de velhaeara.
Se recomecou a experiencia com materias novas'
e mudando-se de pythonissa. Foi conduzida uma
joven somnmbula, madamoisella Amanda, nao se
de que. Ella recebeu em cheio no peito toda a car-
ga do fluido, ella se abateu ao toque da invisiud
Irentilya, se enlorpccen, iitclinon a cabeca c fo-se
por os espacos imaginarios. Aproveilon-se o ense-
netisrao ; Mr. Teste um medico, quo pode lor- J Para se ,lu P*1" n01* ol,,os uina ro,ha que se
nar-se celebre, e er no magnetismo. O que prendeu em um lonco, e mais outro lenco. Dever-
pois o magnetismo que d lugar a tantas contro-
versias ?
No fim do seculo desoito, um homem veo
Franca, envolto n'um nevoetro da Allemanha. Elle Pr 'l'"! ,; vfAl da venda fazer vcr no estado
Ponlor Teste.
MAGNETISMO ANIMAL.
Galiano diz sim, Hypocrales diz nio : M.
Geni y um medico celebre, e nio er no raag-
se-hia ver atravs disso como atravs de um manto.
Apenas sentiu ,1 pressao da venda, a joven Py-
thia tremen, e leve a vaga percepcao dos objectos:
tinha e grande arcano do universo. Tinha deseo-
berto que a vida era um fluido. Chamava o gaz
vitalmagnetismo. Eramos baloes entumesci-
raagnelico.
A cabeca, insuflada do fluido magntico, cabio
jtgnetismo I (1) Coinecando do norle fleam s bre a costa do Pa-
Quando se escreveu na ka O re nio pode fa- cifico as provincias de
Esmeraldas.
Manab\.
Guayaquil.
A 1" se eslende desde o rio Mira al o Daule, na
Brasil e que reeoiihecena ipi.mo o magnetismo latitode de dez minutos, ao norte da lnha, e nao
aqui usado e poderoso Vea eleces, sem que consta talvez dez mil almas; seguindo a 2" at
Ao sul e snejie da ultima, se achara as provin-
cia 4e Leja e Cuenca, que tem por rapHaes as ci-
rtades (,. egual nomo, e ambos confinan) com o
PeniA 1-vfn mais de 70 mil almas, e al* mai-.
de 170 mil.
Seguem-se para norte as provincias de Rkts.
ltimamente desannex,da da de Cuavaqntl, por
conveniencias eleiloraes. >v formado petos cante-
de Babahoye, Vinosa e Guarando
Cbimbomo, em redor do ceiM deste nome,'
l 'ii prebeiidendo os mu povoados o heos canto.-
luobombas, Alaosi e Guano.
Ambalo, com os canles de Arabato e l-JUr.
I.eon, com as duas notareis villas de Lata&ooga
e Pufll que sao caberas de dous cantees.
1' ichincha, assim cliamada pelo nome do rak-
que domina a capital (Quilo;, que forma um can-
lao desta provincia, sendo Caz.imbe o segonda A
sua povoaco sobe a 151 mil almas.
lmbahiua, assim chamada do nome de ootroasto
cerro. K a mais septenlrional da repblica:
la dos rantes de Ibarra e (avalo.
A sua povoaco passa de 131) mil almas.
.\ eslende-se sobre o Pacifico desde o golfo de Ded-
eo, no isthrao de Panam, foz d Mira, a quasi
dous gratis de lat lude norte, e, sobre o mar das
Anlilhas, desde a foz occidental do rio Dorares no
dito islhmo, at o rabo Chchivaca, junto ao golfo
de Haracaibo : correndo d'aqui pela lnha da se-
pa rario das aguas, que vio ao lago de Mar acamo
e rio Apure ; as quaes sao de Venezuela, compre-
hendendo quasi* todas as vei tente do Meta ; e es-
tand por limitar definitivamente desle para o sol
com Venezuela e o Brasil.
Tem um territorio prximamente egual ao de
Venezuela, com uma imvoarao mais que dupla :
pojs, segundo o censo de 1851, excede a dous m-
Ihfics e quinhentas mil almas.
Sanccionado o acto addicional de 27 de ferereiro
de 1855, que fundn o estado de Panam, foi se-
guido pelo de 11 de junho de 1856, creando o es-
tado de Antioquia, e pela le de 13 de maio de
1857, fundando o estado de Santander. Por tnn
pela le de 15 dejunho do mesmo anno, a naci
passou toda a ser federativa, cercando-se no res-
tante delta mais cinco estados, os quaes pela nova
forma comecaram a ser regidos tres mezes depois
em 15 de setembro.
Os oito estados Acarara nessa data, sondo os se
gu ntes :
Panam.Estendendo-se at o cabo de Tubario.
na entrada do golpho de Darien, com 1,950 leguas
quadradas.
Couca.Abrangendo para o sul toda a costa do
Pac tico, perteucenle federarao e rol vendo-a tam-
bera por toda a sua parte meridional. |ior orna ri-
ten sio de 19 leguas qiiadradas; comprehendendo
as ctdades e villas de Cal, Palmira, Cuibid, Po-
pa yau, Barbacoas, Pasto, Tuquirres, etc.
Bolvar.Sobre a costa, desde o golfo de Da-
rien s bocas do Magdalena, abrangendo, em 2,280
leguas quadradas de extensao, as cidades da Car-
tagena, Barrauquilla, Momps, etc.
Magdalena,Desde as bocas do ro deste nome,
Jjmi,,ar"se 0tSte com Venezuela nortsndn
1.860 leguas quadradas, e abrangendo as povoa-
co.s de Santa Mara e rio Hacha. Ao sul desta se-
gue-se o estado de Santander, com 1.400 leguas
quadradas, e comprehendendo as importantes cida-
des do Soccorro, Velez, Pudecuesla, San-Gil, Boca-
ramanga, Pamblona, Ocana, ele. A' leste limita
com Venezuela ; e o rio Magdalena o separa ao
(tente do estado de
Antioquia. -Com 2.210 leguas quadradas, de ex-
tensao, e comprehendendo a cdade do mesmo no-
rae, e a de Modelina, Soasan, ele
~o sul do anterior ( de Santander ) segno-se o
Boyac.Com 2.300 leguas quadradas, e as po-
voicoes de Junja, Santa Bosa, Moniquira, Soal.
Chiquinquira, Bamiriqui, Garogo, Jsayaity^. Gua-
teque, Leiro e outras menos considerareis. Ao sul
destas duas ultimas fica o estado, em qoe se acna
Bigot, isto o de
Tottma.Cujos lmites desconheceroos, porm
ju gamos dever comprehender, alm de Nevvasua
capital, e outros terrenos deCondnamarra' altun^
qi.e eram do Cauca.
Cada estado d tres senadores ao congresso fe-
deral, e um deputado por cada 40 mil almas : e
secundo a populacao, as assemblas legislativa*
dos estados conlam 20, 25, 30 ou 35membros. So
Panam conta 31 : e os 30 de Antioquia se divi-
dem em duas salas, sendo 15 deputados e 15 sena-
deres.Alm disso, tambem as municipalidades ou
(abtldos sao eleitos, lendo de 5 13 individuos, ha-
v ndo ao lodo na repblica 5.600 legisladores de
escalas dtfferenles.
Venezueta.~k repblica de Venezuela compre-
hende urna extensao territorial qnasi egnal de
Nova-Granada, mas a sua populacao menos que
metate ; pois nio chega contar um rnilhao de
habitantes.
Depois que a provincia do Amazonas foi suppri-
mida, no anno passado, e annexa de novo da
Cuayana, conta Venezuela vinte provincias in-
durado neste numero a ilha Margarida e adjacen-
tes, com perto de vinte mil almas, em uraa exten-
sa a de 30 leguas quadradas.
A provincia Guayana, mais extensa de territo-
rio, dava Coddazzi 56.471 habitantes, e 20.149 le-
guas quadradas.
E' a nica de Venezuela que hoje confronta
eomnosco, e Tica situada em geral a margem dire-
ta do Orinoco, na sua parle inferior, isto da foz
de Meta para baixo.
As outras provincias, comecando desde o Delta
do Amazonas para o oesie, de onze qoe erara,
quando (.oddazzi publicou o seu importante traba-
nte, fcrain no lempo de Monagas, levadas ao nu-
mero de dezoito. Os seus nomes, derivados era ce-
ra das cidades capitaes, sio :
Cuman.
Maturin.
Harcelona.
Caracas.
A ragua.
Quarir.
Carabolo.
Cojdes.
Xaracuy.
Barquisimeto.
Pertuquesa.
Barinas.
Apure, junto do rio deste nome.
Maracaybo.
Coro, comprehendendo a pennsula paraguana.
Mema,
lchira.
Estas provincias se dvidera em canles, e estes
em paroebias ; porm tudo na arlualdade esta
alterado, em virtude da guerra civil.
o poro csse reto masad libas do magnetismo.
Ayarape, era 1" iO' S, e lera uns 40 mil habitantes;
Lentes, engenheiros, ele. creados pelo influa mag- e a 3" d'ahi at perto de Tumbezquasi cora egual
netico de unta portara. Individuos de tal forma povoaco.
ricos do magnetismo que ailrahein por meio deac- j-----------------------------------------------------1-------
cumular/tes no funcionalismo, 11111a boa parle das nos presidios se vende e faz o que prohibe as leis
rendas do estado. Estran'geroseinpregados cont do lisco o as dis|tosires do governo. Oraras a
brasileinsgracas ao magnetismo. A lei nter- ellee s por elle -o servilismo se tornou o' rae-
prelada uveramente segando as crrenles mag- rilo constitucional, c a venalidade, a virtude digna
Deliras que dominara. Furreionario publico re- de premio. Gracas 10 magnetismo vemosopovo
ceber vinte contos de res para ajuda de eusto de estenuado e pbbre, em quanto os felizes maimetisa-
viagein, [tolos no banco, deinorar-se um mez na dores viajara pela Europa e abracara o eslrange-
cemmtesao, e vir e roltar em navio deguerra sem ro O Brasil o ini|ierio do magnetismo, e se Mes-
gaslar um rinten. ArrenuiUr-se arraamente inu- raer ca vtesse estudarm mais nos gabinetes minis-
tii do etercitu, e ser esse armamento de no- teriacs em um mez que em toda sua vida, e alinal
vo comprado, gracas ao magnetismo, a uma casa reconbecera que unta fe-Iba de papel e a penna
ingleza (ara o mesmo exercito. Gracas ao mag- na mi do senhores do poder mais poderosa
nelisino-v-sea rada instante individuos que s o forte que todas as ceibas e pilhas, que lodos os
tinhant te seu a luz do sol e 9 arcrearera gran passes e fluidos magnticos que imaginar se pos-
des riquezas e se tornaren) opulentos fldalgos. fi
o magnetismo que faz que as obras publicas slr
sobre as raaos, e se poz agitar do mesmo modo I vara a fe rtuna cobras particulares. Gracas a elle,
sam I Feliz povo que vive magnetisado I Feliz
paiz que posstie taes magnetisadores !
(O Traductor.)
(Diario Offieial.J
OQUEVaE PELO RUNDO.
Julio Cesar Machado, o talentoso folhetinista da
ftero/Mfdo de Setembro, lendo assislido represen-
lacao da Semiramis, no tlioatro de S. Carlos, como
costaras assislir todas as mais, escreveu um gra-
cioso folhetm em que n.o s conta o enredo des-
ta magnifica opera de Bossini, como o desempe-
nhj das diversas partes pelos afamados artistas,
qus ora cantara naquelle Ihealro.
Colhemos pois. do citado folhelim estas phrases
por nos parecerem inleressantes :
Os franeezes e os italianos adoran) Bossini, e
s adorara uma cousa cima do Bossini,a sua
opera da Senuramis. Ninguemporl the chama pe-
lo sen nome; chamam-lhe i7 dio delta msica, o di-
vino maestro, o cysne de Pesaro, etc.
A Semiramis foi a Inspiracio dos seus mclhores
das: casou-se com a Cnlbrand,cantora celebre, fez
uma viagem triiimpbal Allemanha, depois deu a
Semiramis em Veneza, como quem diz adeus pa-
tria, e foi viver em Paris.
l'm italiano disse Mry, segundo elle conta no
sen admiravel prologo do lihrelto desta opera :
Se o grande S. Pedro, porteiro celeste, me an-
nunciar que nao se canta a Semiramis no paraso,
nio ponho l o meu p.
PKKNAMBim- TYP. DE M. F. F. FIL*J>.
4

i

*


1
1
-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E2HOUEJDI_3B6KJN INGEST_TIME 2013-08-27T21:49:01Z PACKAGE AA00011611_10111
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES