Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10110


This item is only available as the following downloads:


Full Text
v
4
*
#
t
i
1
AMO XL. HUMERO 8.
Por tres mezes di a litados 5$000
Pr Ires mezes vencidos goOO
Porte so con ci por tres mezes. 6750

I.._) -_
TERCA FEIRA 12 DE JANEIRO DE 1864
Por anno ad'antado.....19$00O
Porte ao correio por Hin auno 3$00U
DIARIO
KNCARREGADOS DA Sl'BSCRIPgO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima'
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Araran. 0
Sr. A. do Lemns Braga; Cear, e Sr. J. Jos d
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & 0.; A-
mazonas, o Sr Jeronymo da Coda.
ENCARREGADOS DA SCBSCRIPCAO NO BUL
Alagas, o Sr. Claudino Falco Dias; Babia, o
Sr. Jos.- Marlins Airas; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins .V Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
iiroarassa', Goyanna e Parahyba as segundas e
sexias-teiras.
Sinto Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruaru',
Altinho e Garanhuns as toreas feiras.
Pi d'Alho, Nazarelh, Limoeiro, Brejo, Pesqueira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tarara tu", Cabrob,'
Boa Vista, Onricary e Exn' as quartas feiras.
Scrinhrm, Rio Formoso, Tamandar. Cna, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
Illa de Fernando todas as Tetes que para ali sahir
navio.
Te dos os estafetas parten) ao '/, da.
EPHEMER1DES DO MEZ DE JANEIRO
2 Quarto ming. as 5 h., 18 m. e 20 s. da m.
9 La nova as 5 h., H m. e ;>0 s. da m.
18 Quarto rese, as 8 h., 45 m. e 45 s. da t.
23 La ehoia as 7 h., 43 m. e 14 s. da t.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 6 horas e 6 minutos da manhaa
Segunda as 6 horas e 30 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEJROS.
i ,?ara. "B *t Alagdas a 5 e 25; para o norte ate
Granja 7 e 2i de cada mez; para Fernando dos
da* 14 dos metes dejan, marc., majo. jal. sel enov.
PAC TI DA DOS OMNIBCS.
Para o Recife : do Apipuoos s 6 i/3, 7, 7 '/z. 8 e
8 '/2 da m.; de Alinda s 8 da m. e 6 da tarde ; de
Jaboateo as 6 >/. da m.j do Casanga e Vanea s 7
da m.; de Bemfj a s 8 da m.
Do Recife : para o Apiparos s 3 C, 5'/j. Vj e o da tarde: para Olinda s 7dn
manhaa e 4 ", da tarde ; para Jaboalo 'i da tar-
de; para pachanga e Vanea s ',',', i urde; para
Bemfira s 4 da Ur.ie.
I AIDIENCIA DOS TBIBL'NAES DA CAPITAL.
Tribunal do eommereio: segundas e quintas.
Relace: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda : qnitrtas as 10 horas.
Juizo do eommereio : ;>egundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel ; tercas e sextas ao meio
da.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DAS DA SEMANA.
11. Segunda. S. Hvgino p. m.;-8. Sal vio m.
12. Terra. S. Satyro m.: Ss. Arcadio e Zoticomm.
13. Quarta. Ss. Hermillo e SlraeoDio mm.
14. Quinta. S. Flix m.; S. Marrina v,
j.'i. Sexta. S. Amaro ab.; S.Secundina r. m.
jfi. Sabbado. Ss. Berardo, Acnreo, Othon mm.
{1. Domingo. S. Agathao ab.; S, Elcusippo- m.
ASSIGNA-SE
no Recife, em a livraria da praea da tadepeadenm
ns. 0 e 8. dos proprietanos Manoel Pigueiroa *
Faria & Filho.
PARTE OFFICIAL.
(OVEftilO DA PROVINCIA.
Etpedienlr di. lia 8 de Janeiro de 1861.
Offlcio ao rigadero commandante das armas.
Quoira V. Exc. expedir as suas ordene, para que,
c destacamento de primeira liulia existente Das vil-
las Bella o Flores, sejam commandados pelo capi-
llo Aurelio Joaquim Pinto, que foi nomcado dele-
gado de poliria da primeira dessas villas, como
communi que V. Exc. em offlcio de 2 do cor-
rente.
Dito aq mesmo. Sirva-sc V. Exc. de mandar
por em liberdade dando baixa, se j estiver com
praca o rccrula Pedro Coelho da Silva, que provou
iseneo legal.
Dito ao Dr. chefe de polica. Com copia da
informara ministrada em 7 do rorrente do prove-
dor da Santa (Jasa da Misericordia desta cidade,
respondo ao offlcio de V. S. de 24 do dezembro
prximo flndo, com referencia ao alienado Flix
Ferreira de Carvalho Siqueira.
Dito ao mesmo.Inteirado pelo seu offlcio de 4
do correte do homicidio praticado na nessa de
Manoel Joao do termo da Encada, em 29 do mez
lindo, recomraendo V. S. que reitere suas or-
dens para a captura do autor de semelhante alten-
tado.
Dito ao inspector da tliesouraria de lateada.
Oommuuico V. S. para seu eonhecimento que o
bacharei Antonio Lopes da Silva Barros entrou em
7 de dezembro prximo flndo, no exercicio do
cargo de promotor publico da comarca de Ca-
brob.
Dito ao mesmo.Reslituo V. S. os documen-
tos que vieram aniiexo- a sua nlormacao, que de
conformidade com ella mande pagar ao gerente da
lluminacao publica desta capital a quanlia de___
27.J300 rs., em que importou o gaz consumido nos
dias ti e 7 de setembro do anno prximo passado,
com a illuminacao externa do palacio da presi-
dencia.
Dito ao inspector da thesuuraria provincial.
Respondcndo ao offlcio de hontem sob u. 4, em
que V. S. me participou haver Jos Soares do A-
tnaral, dando por fiador Amonio Jacinto Borges, ar-
rematado com e abate de 23 por ceolo no prego do
respectivo orcamento obra dos reparos do caes
entre a ponte sobre canal de Santo Amaro e da
fundicio do Starr & C, tenho a dizer em res|M>sta
que approvo essa arrematacao.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Olinda e Iguarass.Expega V. S. s suas
ordens para que o batalhao n. 10 de infamara da
guarda nacional da villa de Iguarass preste urna
guarda de honra para assistir festa e acoinpa-
iihar a procissao do glorioso martvr S. Sebastiao,
que dever ter lugar n'aquella villa no da 24 do
torrente.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Palmares. Por nao satisfazerem as iela-
6es dos offlciaes da guarda nacional sob seu com-
inando superior que vieram juntas ao seu oficio
de 3 de dezembro prximo flndo, remetto-lre o
incluso modelo para por elle V. S. as mandar or-
ganisar de novo, e mas enviar com toda a brevi-
dade possivel.
Coovin dizer-lhe que o commandante do bata-
ililo n. 46, Thomaz Al ves Maciel, foi privado do
posto conforme Ihe communiquei em data de 13 de
oovembro ultimo.
Quan'.o aos livros (tertencentes ao archivo des-
ee romraando suprior, que se arham na secreta-
Tia do governo, deve V. S. os mandar receber.
Dito ao director das obras militares.Mande V.
& fazer com urgencia os eoncertos de que neres-
sita a coberta da casa da guarda do hospital mili-
tar, como requisitou o brigadeiro commandante
das arma? no olllrio de 7 do rorrente.Communi-
cou-se ao brigadriro commandante das armas e ao
inspector da thesouraria de fazenda.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.Man-
d V. S alistar na companhia de aprendizes ma-
rinheires se for considerado apto para isso, Manoel
Ltiiz Gomes Ferreira, de que trata a sua informa-
CM> n. ti2 de 4 do crrente.
Diio ao commandante de corpo de polica.Em
dtferimento ao que requereram os soldados Joa-
quim Jos de Sant'Anna e Urbano Barbosa de Sou-
za, que terrainaram seus engajamenlos, como cons-
za de Ma informacao n. 13 desla data, mande V.
.S. dar-i bes baixa.
Dilo ao juiz de direito de Garanhuns.Minis-
tre Vme. com a inaior brevidade a iuformac,oque
exig em26 de novembro ultimo acerca do nu-
mero de jurados ltimamente qualiOcados nos ter-
iiins de S. Rento e Bom Conselho dessa comarca.
Dito ;io 3 juiz de paz do 1* dislricto da fregue-
zia de Santo Anto. Nao poiendu ser iustallada
na 3' dominga do crreme mez a junta de qualili
cario dessa freguezia pelas razos ponderadas em
seti offleio de 5 deste mez, recommendo a Vi.ic.
flU') tazando a convocacao de que trata o artigo 4
da le de 19 de agosto de 1846 rena a referida
jnr t.i no dia 21 de fevereiro vindouro que para is-
so desigae, e prosiga nos demais termos da revisio,
tudo na forma das luis e disposicSes em vigor.
Portara.O presidente da provincia conforman-
do e com a proposta do Dr. chefe de polica n. 19
de 5 do crrente, resol ve conceder ao tenente
Francisco Paulo de Souza Malagueta a exoneracao
qne pedio do cargo de delegado de (Milicia do ter-
mo de Carnar, e para o substituir nomea o ba-
charei Miguel dosAnjos Veirade Amurm.Com-
municon-se ao Dr. chefe de polica.
Despachos dn dia 8 de janeirode 1861.
Rrqurrtmeritos.
Anna Joaijuna do Sarranu-nto.Informe o Sr.
inspector do arsenal de marinha.
I). Arma Espinla Cavalcanli.Prove a suppli-
canteo seu estado de viuvez ea idade de sen lilho.
Joao dos Santos Ferreira Barros.Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Joaquim Jos de Santa Anna.Dirija-se ao seu
enmma rulante.
los Alfonso do Reg Barros.Passe patente.
Pedro Joaquim de Sant'Anna.Informe o Sr. juiz
muir|tal da vara.
i'rtiano Barbosa de Souza.Dirija-se ao seu
omman-lante.
INTERIOR.
RIO DE J \ \KlHO.
ASSEMBLEA GERAL
l 4 II til \ nos stMioiti:s
ii:ii TUMIS.
flITAVA SESSAO PREPARATORIA EM 22 DE
DEZEMBRO DE 186;.
PRESIDENCIA DO Sil. ZACARAS
Ai f me horas da manhaa, fria a chamada, e
arhando-se presente numero sufflciente de senho-
res depotadoe, abre-eea ses-ao.
L-se r a|i|irova-se a acta da antecedente.
O Su. Io Ski;iiktaiiio da conta doseguinte
KXrKIKMK.
l'm offlrio do ministerio do imperio, enviando a
representaco em que a mesa parocbial e os eM-
loresda frfUetia dr S. Benedicto da cidade de
Gaxias se apeixam de violencias pratieadas pela
forra publica contra a mesma mesa quando se
proceda eleieio primaria.A' !. commisso de
poderes.
Outro do mesmo ministerio, enviando um offlcio
da presidencia da provincia do Maranhao, apresrn-
tando o seu relatorio acerca das oeeorreneias que
tiv.-ram lugar durante o processo eleiloral, e man-
dando copia de que Ihe dirigi o chefe de polica
da mesma provincia, sobre os lacios occortidos na
cidade de \ lamia por oerasiao da reuniaodo col-
lej-io eleitoral, e outro da presidencia de Pernam-
buco, em que aprsenla o seu relatoro sobre o
aja se deu de mas nolavel na mesma provincia.
\ 1." e 2. commssoesdc poderes.
Outro do mesmo ministerio enviando o offlcio do
1. juiz de paz presidente da mesa parochial da
frtgueziade S.LuizGonzaga do Alto-Mearim,acom-
pauhado da copia de outro que drieio a presidencia
da provincia do Maranhao, dando conta dos moti-
vos pelos quaes adiou a eleicao primaria que devia
ter lugar no dia 9 do refei ido mez.A' 1." com-
miisao de poderes.
Outro do mesmo ministerio, enviando o offlrio
acompanliado de varios documentos em que a pre-
sidencia da provincia de Sergipe d conta das oc-
cu Teadas que tiveram lugar na villa do Curral de
Pe iras, por occasiao das eleicoes primarias.A'
2.' commisso de poderes.
3utro do mesmo ministerio, enviando o offlcio do-
cumentado em que a presidencia da mesma pro-
vincia de Sergipe d conta das oceurrencias nue
se deram nos coilegiee eleitoraes durante a eleiro
secundaria.A' mesma commisso.
')ulro do mesmo ministerio, enviando o offlcio da
presidencia da provincia de S. Paulo, acompanha-
do de urna representaco documentada em que o
tenente coronel Rento Manoel de Almeida Paes, e
o :lferes Luiz Jos Cardoso, membros da mesa pa-
rochial na eleicao a que so procedeu em agosto do
corrente anno na cidade de Sorocaha, arcusam a
ma tona da mesma mesa de violencias por ella pra-
ticdas.A' 4." commisso de poderes.
)utro do inesino ministerio, enviando o oflicio
da presidencia da provincia de S. Paulo, acompa-
nl ado de urna representaco documentada de Fran-
cisco Xavier Pacheco 6 sobre as eliees pri-
marias que tiveram lugar em agosto do corrente
anno na cidade doTatuhyA' mesma commisso.
i utro do mesmo ministerio, enviando o oflicio
da presidencia da provincia de Miuas-Geraes, trans-
i ttindo as copias das eleicoes que tiveram lugar
em agosto ultimo as fregaezlas de Paracat, do
Burity e de Sania Anna dos Alegres, de que se
compoe o collegio da referida cidade de Paracat,
pertencente ao 7. dislricto eleitoral. -A' mesma
commisso.
Outro do mesmo ministerio, enviando o offlcio
da presidencia da mesma provincia de Minas-Ge-
raes acompaiihado das actas das eleicoes primarias
3i e tiveram lugar no corrente anno as parochias
: cidade do Serr, Rio do Peixe, Milho-Verde, Pe-
canha e Bio-Vermelho, as quaes fazem parte do 6.'
di uricto eleitoral.A' mesma coinmissi.
Outro do mesmo ministerio, communicando que
oa existen) na respectiva Mentarla as actas das
el ;roes primarias das parochias de Malo-Grosso,
S.nta Anna da Parnahiba, Albuquerque e Miranda
e que vai-se expedir ordem presidencia daquella
piovincia para que sem demora as remella Intei-
r;da.
Outro do mesmo ministerio, communicando que
v i-se ex|iedir ordem presidencia da provincia
da Babia para a prompta remessa das actas das
eleicoes primarias das parochias de S. Pedro do
M o-Fundo, Nossa Senhora da Punficacao, S. Gon-
Cjlo, Cat, Monte, S. Sebaslio, S. Bartbolomeu de
Miragogipe. S. Felippe das Rossas, villa da Tape-
ra, Nossa Senhora das Dores do Monte-Alegre,
Nossa Senhora da Conreicao do Gaviao, S. Flix,
S. Pedro, M.iritiba, Nossa Senhora do Desterro do
0 iteiro Redondo, Nossa Senhora do Bom Successo,
Nosea Senhora da Cruz das Almas, Nossa Senlwra
Oa Conreicao da Petra, Senhora do Regente das
Linburanas, e Santo Eslevo de JacuipeIntei-
rada.
Acham-se sobre a mesa c sao remetalos 5.'
commisso de |K>deres, os diplomas dos Srs. bario
dj Porto-Alegre, Felippe Rctbez do Oliveira Nery
e Luiz da Silva Flores, deputados eleitos pelo 1.*
dislricto da provincia do Rio-Grande do Sul; barao
de Maua e Antonio Pinheiro Machado, pelo 2.' da
mesma provincia ; Joaquim Raimundo de Lamare
e Laetano Xavier da Silva Pereira Filho, pela pro-
v neia de Mato-Grosso.
OSr. Ei-AMiNONDAsapresenta documentos a res-
p;ilo das eleicoes do 8.a disinti da provincia do
Cear, que sao remedidos 1.* commisso de po-
d ires.
0 Sk. Apfohm Cklso( pela ordem ) :Sr. pre-|
sidente, em urna das sessoes passadas, a que nao
p jde roncorrer, foi approvado um parecer da Ilus-
tre commisso de poderes acerca do 7." dislricto da
1 rovmcia de Minas, no qual se propoz que lirasse
adiada a rerifeaclo das eleicoes das fregurzias de
Santo Antonio dos Palos, Morrinhos, S. Romo e
Montes-Claros, do ".- dislricto de Minas.
Nao desejo combatero parecer da Ilustre com-
misso, ale por que nao o poderia fazer, visto ser
negocio vencido ; mas como pode resultar desse
a lumento grave prejuizo para essa parlo do cir-
crlo que represento, por isso que.a eleicao provin-
c al lera lugar em Janeiro prximo futuro; requei-
r* a V. Exc. para que expeya suas ordens aliinde
q Je sejam reineltidas a esta cmara as actas da-
quellas eleigoes primarias que existen) na secreta-
r a do governo daquella provincia.
O Sr. hutsmam : 0 nobre deputado pode a-
tresentar o seu requerimenlo e a cmara decidir.
O Sn. Aifonso Cklso : Vou faz-lo.
Vem mesa, lido, apoiado e approvado sem
cbate o seguinte requerimento.
Requeiro que se |K'cam as acias das eleicoes
primarias das parochias de S. Romo, Morrinhos,
l'Uaiacuhy e Palos, pertencentes ao ".' dislricto
eleitoral da provincia de Minas.
. Sala das sessoes, do dezembro de 1863.
j.ffonso Celso.
Lem-se c vao a imprimir para entrar na ordem
dos trabalhos os seguimos pareceres ;
Ki.Rig.AO dk uiNAsr.KiiAKS (1." districlo. )
A 4.* commisso de poderes examinou as ac-
tis dos 5 collejfios c das parochias de que se coin-
fe o 1. dislricto eleitoral de Minas-Geraos, assim
como os diplomas dos deputados eleitos pelo mesmo
d istricto, e passa a dar conta do resultado do seu
t xame.
No collegio de Ouro-Preto e as 11 parochias
f ne o constituem a eleicao correu com toda a regu-
laridade, sem reclamacao nem (irotesto.
No collegio de Mananta, formada por 14 pa-
rochias, apenas bouvs um protesto relativamente
eleicao de Rarra I^nira, feitopor um supplente de
deitor, o quai allcgou que a dous membros da res-
pectiva janta do qualilicace faltavam as qnalida-
clcs de eleitor e que a mesma junta pratirara n-
justicas na qualicacie dos votantes. Esle pro-
testo fui cabalmente refutado pela mesa parochial
(i pela romrniss.no do collegio encarregada de veri-
ficar os diplomas dos eleitores.
No collegio de Queluz, para o qual conrorrem
l parochias, hoiivc na apuraco da de Calas Alias
ile Noruega umexresso de 12 votos, que nao vi-
(:am o resultado da eleicao, por que Je 66 votos
i diflerenra que vai do ultimo eleitor ao supplente
mais votado.
Na parorhia de Queluz, (inda a terceira cha-
nada, ao contarem-se as cdulas, Francisco Neme-
sio Nery le l'adna lanoou um masso deslas sobre
as que se iam contar.
i A mesa vorilieou, pelo numero de votantes qne
nao comparecern!, terem sido 37 as cdulas lan-
eadaspor Nemesio. A dilTcrcnca de voios ntreos
eleitores o sapoteles desta parochia tal, que as
17 cdulas fraudulentas annullam irremediavcl-
.nente a oleir^o, nao deixando conhecer qual seria
aor hver ^%ZLV<%&$ 1 -^ *"' *?$. da cmara um s delles, para a ea da cmara, e ahicomecou urna eleiro.
e ,tr ^Jo^^u^ainTSr^SS! ^^'^ ''" *" E",re,anl0' a S dos
- .-... _,.. apuraco.
Ora, se lodos estes actos ficaram terminados
dos eleito- na manhaa de 13, como allega o i- juiz de paz, e
: Q^sSocSS^^^ \Zi^*^fi5^*-v KaKTsasr
ieoconhec.men.oda eleicao da pa- essa freguezia nao l"iciente, no entender da Benedicta Goncalves Villarinho, nao subsistem os escndalosqu denunciaran,
rochia de S. Sebaslio dos Afflictos.
2 Que se annullem as eleicoes das parochias
de s. Jos do Chopoi, da Oliveira e Queluz, man-
na matriz se havia realisado as tropelas e
dndose proceder novas.
,io i ,i-,r?., pp;ovem lodas as ou,ras ele,C0,!S lamento, porque esse eidadao acba-se mclu
, 4- ttai ilna.$- a !Iisla sPP'e'"enl .r da qualificacao dessa fre
distrir.nUos fr Hr k***0* fT*?"* P-- S? S 1mn*> aSSm ,,ao fusse. a ""**^ a
niMncio o Sr5. Dr. francisco de Pan a da Si veira lectiva
commisso par;, determinar a sua nullidade. motivos em (|u"e se procurou justifica-la. Se a tui'lo isto arcrescentar-se nne o si
i ^r,'.,te?,le;Sec4"t kf^ do tenente-coronel J'r,iI/(^I.-Tambem nesta parochia honve gado de poliria ferno^
Jos Duarte dos Santos e milla por nao ser elle duplcala. Depois de nomeados pelos eleitores os pwedimento comTltestdos .Jm TtoridJAfe
uiialificado, mas essa arguico destituida de fun-; dous msanos, e quando se ia receber os votos dos gaes: que a opTnf 2*^durida mui vahosa do
lao acba-se incluido na supplen.es, o cidado Francisco Rodrigues da Silva presidente da provincia qu^as acUs da 2^1lei
TwF u^nn^r ,Um pru,eS, .as?itfnad0 Per el'e e T ,Se *" copiadas de minutas posteriormente re-
- r. Francisco de Paula da "Sil veira fecYiva"" "........~ """' "..........* e I lW ?HrarnM aPos lsso Para a sac"slia da meltMas da caniUl. reconherer-se-ha nue a com-
MM[ Cranci8c0 de Paula Santos r- Mnw' J Boipebi.-hssa, eleicao argida
Mello Franco. regularidades pela cmara iniinirin
Sala das rommissoes, 22 de dezembro de 1863. mas a eemmissao nenhum d- ruine
risratr--11 z cunhn ^!^^rif ^^^^ jstsss
Bata nmZm a JUrf.i ravot. ca0, de accordo com as prescripcoes legaes.
.a^TflBMMSSe*. c*>. SBS3Z*.*! !8>' '^ S 3K52 m
de P, rna'mhnc,~~* rV"iii""..-".s'""'fiir" i j TT" -uariwww.na eieicao oesse coi- lemavei. As allegac5es do protesto forati) ca bal-
da a^MwlS^^^Ti^ -2,n' f'u de-M ," limeo incidente que em nada ; mente refutadas no contra-protesto da primeira
H. 5*? pilrocn,as>.IV:uar';tn com las, Goian- altera o resultado da eleicao. O eleitor Joaquim
I, no facto de fazer parte
que diziam ter-se mudado do
I ?racsm CnC'Iguarassd com duas e *"* n T'burcio '^^ttGoi^mvaJ^Vf^eMS- i "'^Gonsistiram ellas:
. iw M.hM.u .i 5' !'or n* t,s,ar qualilirado ; e foi chamado em 'da mesa um eleitor
tinos eleitoraes a jp se procedeu seu lugar o prinieiro supplente Felippe Benicio do municipio; 2-, no receio que nutram os piotesian- dos os sVus Sto^Tjui, de paz conviden o 2- a
tes etc que ossem repellldos os votos desuaparcia- j tomar a presidencia da mesa para continuar os
I trabalhos, e retirando-se para a sacrista com al-
s tCl! em v,r,ude d0 decret0 ^^ d,e Livramento, cujj voto, tomado em separado, reca-
li;An^"-,docorrentea?no'*Denas ,cem s,d0 o nos Srs. conselheiro /adiaras de Gees e Vas-
a afmr,*rt.comin,ssao. de 10?"?* com. fi* conce"os, Casimiro de Senna Madureira e Justi-
ua apuraco geral dos cinco collegios, feta (tela mano de Senna Madureira
fm',|ma,?rn?'Clp:l1 d.f Nazare,h. as Prciaes dos ,. Nenhum documento ha do qual conste a lega-
N,E "T e aSdaS ,,'ar10r',,,asJdc ,,dade da exolu;ao dess eleitor ; mas foi tOttOf-
Trarh^m T,iK? Maran8uaP, do de Olinda; nado pelo collegio, que sem duvida verificou nj
Ofrrnn^'iM K>alar,elh; Nos? t^0 ^rlualificado, o assim entende a comn.is-
do df r,I miLe LmrT? de T,,JlJcuyal!0' *? ao ae oianna ; Ramaraca e Iguarass do deste collegio.
!lTcoL!,Mai,'l,Ur''rgf d011d,:.Li""jeir; atondo Cm,ru- -E^so collegio tomou em separado os
KrtS^fflSf v dCtte.KC",>r?K? SUaf """"i8 pa" V?,os-da lr>*a* do Cavr, per julgar aulla essa
rocma.N, e as de Nazarelh e Goianna dos collegios elessao.
' Sobre esse ponto a commisso ja fez ouvir a
suaopinio. Bein procedeu o collegio de Cayr lo-
mando eip separado essa votafo.
* Em vista, (os, do que tica expendido, passa
a commisso a estahelecer as seguales conclu-
os dias 9 e 10, recolhendo-se
urna para mais de 900 cdulas.
No dia II, porm, esse juiz de paz quizapode-
rar-se do livro das acias que pretendeu subtrahir,
sendo nisso obstado pelos mesarios, pelo povo,
delegado de polica e commandante do destaca-
mento.
Depois de urna luta prolongada, sendo burla-
No aecurado exame a que foram pela com-
misso submeliidas as actas que leve presente, e II-
cain mencionadas, nao encontrou facto que ponha
em duvida a curialidade desla eleicao.
umeo protesto que apparece o da parle sdes :
da mesa parochial de Tracunhein, quando estava i. QUe sejam approvadas
concluida a apuraco de votos, tendo grande fun- guezas de Illids. Nazarelh Sa
damento o abuso de autoridade do respectivo pre- sus,
sidente, ,|ue foi acoirnado de restringir a I"
de de discusso, e contra o delegado de pol
cusado do ter taita tres prisoes. Aquell
protestan negando a veracidade da censura,
julgou lilha do despeilo de vencidos, e quanto s
prisoes tiveram por cau.-a, duas o eslarem com ar-
mas prohihidas os |iacientes, e urna o facto de ler
quem a soffreu volado duas vezes; porm nao ten-
do mes censuras peso algum contra a validado da
eleicao, entende a commisso nao dever dar-Ih'o.
Nos qua.ro collcgios de Olinda, Nazarelh,
S. Miguel, Victoria,
as eleicoes das fre-
Santo Antonio de Je-
S. Migue: da Villa da
Goianna e Iguarass ohtiveram os Srs. Dr. Auto- coes do
nio Alves de Souza Carvalho 359 votos, conselhei- tomado
ro Antonio Coelho de S o Albuquerque 334, e Dr.] tor Fel
Ca, eqairca, Camama, Harn', Porto-Seguro,
llheos, (.annavieiras e VictMiia.
2." Que se annullem as eleicoes da freguezia
de Cayru".
3.' Que sejam approvadas as eleicoes das fre-
guezias de Aras e Boipeba.
4." Que sejam igualmente approvadas as eloi-
collegio de Caravellas a approvado o voto
em separado do primero supplente de ele
< lippe Benicio do Livramento, annullando-se
i 1 Albuimerque 337. | o diploma do eleitor Joaqun) Tiburcio Ferreira
A cmara ajiuradora lendo treseme a acta de Gomes
a?SS CT' i4" dtSteS senhores 4G votos- Que seja approvado o colleaio de Cavru'
. ..L. i .> i cm excluso da votacao tomada em separado da
K. port.into evidente que anda quando h)da a freguezia desse neme
!l.ei?,a,Uvd(,''-",,g'd? Liu,oeiro 'i ""lia o" ; 6.-' Que sejam reconhecidos deputados os Srs.
o i ar\ ^ Ca ld. lUlV0S ca"dl,a"!s' pre- conselheiro Zaeharias de Ges e Vasioneollos, Ca-
1 ','|U! Ja ""ha,n IH:,lna al)snlula dns si,niro d Senna Madureira e Justiriano Baplista
votos do dislricto. Madureira.
. hsias consideracSes aconselham a commisso ^h das sessoes" das commissoe* de verifica-
SgSSg d,e ",a'? larS eMmc- l'roi'ondo-vos o f0 de poderes da cmara dos Srs. deputados, 22
noiiliecmenlo dos tres suprartomeados senhores, de dezembro de ISOX-Aitbt ia Silveira Lobo.
aos i|uaes confeno diploma a cmara municipal
^tpunddra.
A estes mesmos eleitos foi dado, porm toma-
do em separado, o voto de Firmiiio Correa Pessoa
Quanto ao l, Oca fra de duvida, em vista de guns eleitores e supplcnles, nstallou nova mesa e
vanos documentos remedidos presidencia da deu comeco a ouira eleicao
provincia, que o eleitor a que se refere jamis Desta simples exposico, baseada nosem
transferir d all a sua residencia, tendo apenas se nformacdes offlciaes (em cujo numero figura a do
ausentado temporariamente a negocio seu. : promotor publico da comarca, que consta ser cor-
Pelo que toca ao receio de injustas tas deci-; religionario poltico do juiz de paz), como tambem
soes da mesa contra o partido que se donomina em urna justilicacao a que, com ctacao delie, pro-
all progressisla, julga a commisso que nao deve, cedeu o cidado Coriolano Cesar Burlamaque, re-
perder lempo em demonstrar sua improcedencia. sulta evidentemente a illegitimidade de urna tal
/iincipc/mprii//.Aindaumaduplcala. Pre-. duplcala,
sidio a urna eleicao o 2 juiz de paz, na falla do E, pois, a este respeito limitar-se-ha a commis-
pnmeiro correntio para a organisacao da mesa to- sao a accrescentar que as actas da eleicao que
dos os eleitores e supplente*. concluo o 2 juiz de paz nao apresentam vicio
ro presidida a outra por um supphnte que algum.
posteriormente sua eleicao aceitn o cargo de Juico:.Tentaram alguns individnos expellii
promotor publico da comarca. Para formar a da presidencia da mesa ao juiz de paz, aflm de
mesa recorreu ao expediente autorisado pelos que fosse a eleicao dirigida pele 2*. Como, porm,
arts. 8 e 10 da tai de 18 de agosto de 1816. Pare- enconlrassem resistencia, retraram-se para forjar
ce a commisso que esta duplicata nao pode pre- urna duplcala, que procuraram justificar prelex-
valece,r- 'ando nullidades nos trabalhos iniciados sob a pre-
bm primero lugar nao sao admssiveis as ra- sjdencia do i* juiz de paz.
zes que a determinaran). Allega aquelle supplen- A commisso, tendo presentes, alm de outros
te que o povo o convidara a presidir a eleicao, em documentos, una informacao prestada a respeito
consequencia do arbitrio com que o juiz de paz Ma- pelo promotor publico da comarca, e urna juslifi-
noel de Paiva Bezcrra Cavalcanli e os 4 mesarios cacao feta pelo capilo Belisario Jos da Silva
o receber os votos de cidados devida- Conrado, deixa de parle essa duplcala, para decla-
rar que as actas da legitima eleicao, a que presi-
dio o tenente-coronel Arnaldo Mendes de Carva-
lho, nao accusain vicio nem nullidade alguina, e
passar
EUiro secundaria.
1" collegio. Coin|>osto das parochias de The-
mente quahficados.
Quando fosse isso exacto, nao era motivo que
autorisasse o procedimontH havido; porquanto ha
para caso laes recursos establecidos na lei, e es-
tes nao consistan cortamente na nsiallaco de
urna nova assembla parochial, presidida ror quem
resina, Campo-Maior e'liniio, as quaes foi regular
a eleicao, a votaco foi a seguinte :
Os Srs. : Paranagu 40, Fialho 40, Buriama-
q ue 40.
2 collegio.Composto das parochias de Oei-
ras, Piauliy e S. Gonoalo. Houve duplicata. Sob a
presidencia interina de juiz de paz Raymundo de
refo. Fehcio dui Santos.
HJBOSq DO liAlllY.
de Mello, como eleitor do collegio da villa do Li-
moeiro, illegalmente eleito, visto nao estar qualili-
cado..
A vista do exposto a commisso do parecer :
i" Que sejam approvadas as eleicoes primarias
das parochias de S. Pedro Martvr ,S e Marangua-
pe do collegio de Olinda ; Tracuhem, do de Na-
zarelh ; Nossa Senhora do O', Cruangy, [lambe e
S. Lourenco, de Tejucupapo, do de Goianna ; lia-
marac e Iguarass, do deste nomo, e Taquarilin-
ga, do de Limoeiro.
2" Que se peca ao governo as actas das e'.e-
edes primarias das parochias de Nazarelh, Goian-
na, Bom-Jardim e Limoeiro, e a da apuraco deste
collegio, cuja verifieaco fica adiada.
3" Que se annulle o voto do eleitor do collegio l""ochia. bnecntrando-se ah
de Limoeiro Firmino Pessoa Correa de Mello, que "rofoexla, exigiram que mandas
nao eslava qualifieado, sendo substituido pelo iui- r
mediato em votos.
4* Que sejam declarados deputados pelo 2*
distrctu eleitoral da provincia de Pornamliueo os
Srs. Drs. Antonio Alves de Souza Carvalho, conse-
lheiro Antonio Coelho de S e Albuquerque, e Sil-
vino Cavalcanli de Albuquerque.
Sala das commissoes. 22 de dezembro de 1863.
-F. J. Fialho.- Furtado.-Pamplona. D, A. !,an,0s;,
Haiol. A hora competente, reunido o "ovo o presen-
ELRigAO da baha. f> districlo) tos II dos 14 supplentes da parorhia. foi convida-
dlo primero juiz de paz para iniciar os trabalhos,
A 3* commisso de poderes, examinando os di- ao que se recusou, declarando que j;. estava laxen-
(lomas, acias e mais documentos relativos ao 3* do a eleicao no paco da cmara. Per parle do se-
que escolltam os que se julgam oflendidos em seus
diretos.
Asreasmea.Das respectivas actas reconhe-
co-se que nao houve irregularidade nesta eleicao,
presidida pelo juiz de paz Francisco da Costa Car-
valho.
Do relatoro da presidencia da provincia, po-
rm, consta que se fez urna duplicata, da qual nao Araujo Costa reuniram-s os eleitores da parochia
toin conhecimenlo a commisso. | de Piauhy, os de Oeiras, da duplicata presidida
c Mtpnneia. Presidida pelo 2* juiz de paz pelo Io juiz de paz, na sacrista, e os de S. Gon-
Jacintho Jos do S -uta Pimental, no impedimento cato, da que te ve lugar na casa da cmara, func-
do l-, esta eleicao correu sem embaraeo at a donando o juiz de paz Henriques Lopes dos
chamada, que tefe lugar no dia 9. | Reis.
t No da seguinte, deixando de comparecer o Foi esta a votaco :
f^t^SrAi.0. *"**--' X-Po"Bar- juiz de paz e os mesarios, assumio a presidencia c Os Srs. : Paranagu 46, Fialho 45, Servio I.
o 4" supplL-nte, por nao compareeerem igualmente Basson 1.
os tres nutres juizes e primeiros supplen.es. Organisou-se o 2* collegio sob a presidencia
Organisada a nova mesa fez-se a 2" o 3" cha- tambem interina do 2 juiz de paz Jesuino Luiz da
'orreram regularmente as eleicoes primaras i madas no mesmo dia, contra a expressa determi- Silva Moura, ao qual concorreram 25 eleitores de
as freguezias seguimos da provincia do Piauhy :, nacao da lei. | Oeiras e 12 de S. Gonealo.
t Theresna, Campo-Maior, l'nio, Valen^-a, San-' Nesleinlerm, 2" juiz de paz mando j afilxar A votaco da 1* recahio nos
ta-Pliilomena, Paranagu, Senhor Bom Jess da' "m edital adiando a eleicao para o dia II- de se- Srs. : Paranagu 2o, Fialho 23, Burlamaque
Cargueia, Pic, Piracunea, Batalha, Barras, S. Rav- lembro, allegando que nao s a elle como aos 21, Aureliano 4.
mundo Nonato : Piauhv. i demais mesarios fra tolhido o ingresso n matriz A da 2* nos
Em outras, porm,"foi viciado o processo ele- Pr urna tersa ao mando do delegado de policia. Srs.: Paranagu 12, Burlamaque 12, Fialho
toral, e em algnmas doram-se mesmo fados de As actas desta eleicao eslo regulares. Entre- 11, Aureliano i.
mui.a gravidade. como a eonimissao passa a tanl. "5 pode a commisso formar sobre ella 30 coifg0 _r)C urna s parochia a da Parna-
expr: |juia> seguro. as reteridas actas vem transcripto hyba. Outra duplicata. A turma dos eleitores da
Pedro seguido.Antes das 9 lio-as da manhaa do juiz de paz designando o da de se- cleico presidida pele 4 juiz de paz Jos Francisco
do dia 9 de agesto, apresentaram-se s portas da lembro para a nova reuniao da assembla paro-
igreja matriz, que anda estavam fichadas, o pri- i chial, assim como a certdo do oflloial de justica
meiro juiz de piiz o varios eleitores supplcnles da que o apregou e alflxou. Foi-lhe, porm, presen-
com o vgario da ,0_,,m outro edital, que parece o orignal, no qual
sso abri-las.atim de nao M designoou n dia, antes deixou-se isso depen-
comeeareai a eietaao: ao que respondeu que s dente da presidencia da provincia. Cumpre ad-
aguardava para isso a viuda do sacrista, o qual venir que esse documento est talado ndala;
pomo se demorara. i mas aconfrontaeio da assignatora que nelle se v confiicio que susdlmHM, retiranoi-sepana reja
Kctiraraav.se Mies entio para a rasa da cama- Ctea a OM CtoJ mostra serem do mesmo indi- do Rosario, onde votaram nos
ra municipal, onde presidio esse juiz de paz urna i viduo. ... Srs. : Paranagu 36, Fialho 36, Burlama-
eleir-io, de que tepois tratar a commisso, dando 1 Occorro anda que o presidente da provincia,: que y0.
preferencia que leve lugar na matriz, sob a pre-! em -*''u relatoro, parece duvdar da existencia de Gonvm notar que do relatoro da presidencia
sidencia do quarto juiz de paz Luiz Pereira dos!,a' Jeicao, havendo a esse respeito exigido infor- '
Vieira de Aguiar reunio-se na igreja matriz, e ah
concluo a eleicao por este modo :
Os Srs. : Paranagu 36, Fialho 36, Burlama-
que 36.
Os da outra turma (cleico presidida pelo !
juiz de paz) reunram-se ao principie na mesma
matriz, mas em consequencia de um dcsagraJavel
da provincia consta que depois desse conflicto a 1
macos ao juiz de direito da remarca, que a com- turma de eleitores retrou-se igualmente da m.v
missao sent nao Ihe terem sido enviadas. triz, e foi terminar a elec.v> em urna casa par-
Ifurruo.(.orno em tantas outras ja mencio- ticular, o que nao consta entretanto da acta rei-
nadas lein a commisso de examinar mais um du- pectiva.
plicala nesla paraenia, aeompaakada de eiremM-; 4. collegio.fe duas parachias, Independencia
tandas muito mais graves do que as relendas ale 0 Principe Imperial. Comparecern) 25 eleitores,
sendo da Independencia os da eleicao de agosto, c
do Princi|,e Imperial os da eleicao presidida pelo
2- juiz de paz Manoel de Paiva Bezerra Magalhaes.
parle
districlo eleitoral da provincia da Baha, arhou gundo e terceiro houve a mesma rer usa. aqu
que essa eleicao correu regularmente, sendo guar-' Em consecuencia levo de presidir a assem- Foi organisada a mesa com individuos perten
dadas as disposicos da lei, as freguezias de bla parochial u quarto, que, na falla de lodos os : rentes a uina s parcialidad,-, o que todava nao
Uhos, Nazarelh, Santo Antonio de Jess, S. Mi- eleitores, ofuciou ao seu immediato na votar i prejudieou a regularidad,! dos trabalhos. que cor-
guol, S. Miguel da Villa da Barra do Rio de Cintas, para comparectr e nomear dous dos membros da reram |ierfei.amenle bem nos das 9, 10. 11 e 12
Victoria, Mara, Alcobaca, Bareellos, Villa-Verde, mesa, a qual ficou completa com outros dous escc- de a|io>io.
Pirajuhyba, Sanlarem, I na, l.aparica, Cannavioi- Ihidos pelos supplentos. Na madrugada desse da tentn-se violar a
ras e Belmonte ; e bem assim os collcgios de Na- Iustallada a assembla parochial, dirigio-se o urn* ao que obstou a a.lilude enrgica da torca em cwllegio os
zarelh, Jaguaribe, Itaparica, Valonea, Jequiric, Juil de paz ao presidente da cam ira exigindo ai publica Iguaes tentativas foram tambem frustra- desta parochia.
Camamii, Marab, Porto Seguro, Ilhos, Ciunaviei- remessa dos livros da qualificacao e das artas das: das pelo mesmo modo. | 5. collegto.Piracunea, Pedro II, Batalha.
ras e Victoria. eleicoes primarias. So no dia >egiiinle (10) res- i Ate as 12 horas da manhaa de 13 naj
A votaco divdie-se desta forma
t Os Srs. : Paranagu 25, Fialho 23, Burlama-
que 25.
Ignora a commisso se reuniram-se tambem
eleitores das outras duas lumias
as freguezias, porm, de Aras, Cayr e ponleu elle, dizendo que nao podia : atisfazor essa
Boipeba doram-se irregularidades constantes das exigencia, por se acharen) taes livros em poder do
acias e outros documentos que foram oflVreeidos a primoir juiz d.- paz.
consideraeao da commisso, e que ella passa aj Pona suppridos por um liv -o especial, na
apreciar. forma da lei, e por urna copia MHhentiea da ana-
t Freguezia de Cnyr.--Dos documentos que fo : Haeticao, passada polo secretario da cmara. D'ahi
ram presentes commisso, relativos a essa fre- i |>or (liante corren a cleico sem incidente nolavel e
guezia, consta que, formada a mesa parochial no terminou regularmente
dia 9 de agosto, o alteres load Nones Sarniento Nao foram presentes commisso as actas fe
compa- (>)mparoceram da | parochia 8 eleitores, 14
sanos na matriz, pelo que foram da (eleicao do juiz de paz), e da 3* 5.
; convocados petos cidados presen- Coinpareceram mais 13 eleitores de Pedro II.
que foram os da eleicao presidida pelo 4* juiz de
paz.
O collegio resolveu que estes votassem em
separado, e aquolles englobada mente com es de-
mais. contra a expressa determinaco do art. 71
da lei.
t Eis o resultado :
Os Srs.: Paranagu 27, Fialho 26, Aureliano
26, Castcllo-Branco 1, Almendra 1.
receram as mesa
successivamento
les o 2", 3o e 4 juizes de paz, aflm de terminaren)
os trabalhos, aos quaes a final presidio o ultimo.
< A nova mesa reclamnu daantiga as chaves da
urna e cofre, que Ihe foram entregues por um
oflieial de justica. Proseguid o processo eleitoral,
e eonel11Uv.se de accordo com a leL
Entretanto, o juiz de paz Ludgero Alves Lima
exilio que se proeodesse a chamada pelo livro de eleicao presiddi pelo primero juiz de paz ; e ane- tandoa affixar editaos convocando o |iovo para
(|ualificaco e nao pela copia aiitbentica, corno as consla-lhe pola do collegio respectivo, quo con- "'"* ,wva eleicao, altasaadaque Kua invadida a
quera o juiz de paz, motivando esse procedimento corrern) ello os 14 cdadaos que obliwram igceja pelo 4, Izidoro (omi-s Corroa, pelo subdelo- Km separado
a ;uspenso dns irabathOf eleitoraes. I maioria do votos nessa duplicata. | gado de polica, commandante do destacamento e Os Srs. r Paranagu 13, Fialho 13, Burlama-
t A mesa doclarouse coacta, e resolveu recor- t Nao obstante, porm, a falta deseas dominen -' outros, n que fra violada a urna, inlroduzindo-se' qUe t3.
ror au que fosse de direiloede justica aii.orida- tos, uniros que bem podiam esrlan <" a a respo- 'lla grande nuia-ro, de etdaiae, e que a 3* cha-1 f, collegio. Jeromenha. Comparecoram M
de competente, marcando novo dia, que seria pu- lo, a commisso nao duvida negar ie o carador da e a annncao estavam terminadas antes dn leleitorc-s eobtiverm votan:
Mleado, 0que tudo COOSta de urna acta especial, de legadade ; lorquanto, sobre ser isso o que se 9 horas, lempo em q,u ja se achava evacuada a] Os Srs. : Paranagu 13. Fialho 13, Burlama-
i>e frito, em acta datada de II vem WB edital do deve concluir dos helos que finan) mencionados, matriz, na qual se iaallara entao a nova mesa. qQS>i&
adiameiitoe convocacao dos votantes para o dia 10 acoresre que o propri juiz ,^ paz 1 lX em olueio ; 1 Aceueaedes V tanla importancia, e que nunca 7* collegio.Pc o Jaicoz.Concorreram o~
do referido moz. marcanloo paro di municipali-1 que posteriormente dirigi i presciencia da pr*- se dovmm formular seno acompanhadas da com-1 ttoitores das duas termas de la R--"1




Diario de ivrnamhnco Ter$a felr I i follfpin qtle f'"-'i!i lomudos em s los eleilores da duplcala do |uiz de |Hi appa]
rece
. Os Srs. : Paranagu 31, Builamaque 31, Fta-
Iho.TO, Castclto-Branco 1.
Km k| arate :
Os Srs, : Paranagu 12, Fiallio i. Auroli-
M 11
8o aiifajio.Carguatra, 17 elote res :
Os Srs.; Paranagu 17, Hurlaniaque 17, l-'i;.-
lho 17.
'.'' coUepo.S. liaymundo Nonato, elei-
lores
Dr. Jos<5 Ferreira Cintao l'i, c 13 cm sopa*
> Km i'naciu-.'iii, do parecer comin
' 1" Quesejim annulladas as eleicoes das fre-
gnetias O Chaves e Bajar, e mande-se proceder a
novas1 ehucoes nostat paroehias.
8o Que ee conten aos votados os votos toma-
dos em separado da:, freguezias de Melgaco e Ca-
pTm.
')' Que so approvem. as eloieOes de todas as ou-
' iras freguezias da provincia.
k* finalmente, qne sejam declaradM e reeo-
Nhecidus deputados pela provincia do Para os Sis.
Os Srs. Paranagui '.', Aureliano '.>, liassoii '.>, Drs. Tito Frasco de Almeida, Domingos Antonio
Fiallio i. Itaiol e Ambrosio I. inao da Cunha.
id- coilegio. Paranagu e Santa Piule- Paco da cmara doc depntadog, W de deusn-
mera : Ijro de 18ti.'l.J.Miuluieiio.Affotto Celso Sal-
Os Srs. I'.iranagua 36, Fialho 36, Bortalnt- dinha Marinko.Fenuidrs Morcira.C. II. Ot-
que 'M- '"'i'-
H-riM-ijio. -Marvao e Valenea.Comparee;- blkicao ao maranno (2* dtefrirfo).
rain os eleitores liquido-de Valenea e os das dins Foram presentes commissie as actas das
anuas de Marvao. De Iherou-se tomar lodos eteteSet primarias le 47 paroehias, fallando sumen-
i ni separado, e estt foi o resoltado: le a de s. Pedro d. Afcanira, coilegio de Carolina.
Vale ca : Da eleieo secundaria vieram actas completas de
Os Srs Paranagu 16, Fialho 16, Buriata*- rlcolleglos, fallan lo a di Imperante, c leodo o de
que 10. Carolina mandado smenle a acta da apuracao de
Marvao (eteiiores da presidencia do i" juiz de votos para denotadas.
paz.) A commisso nao encomia irregularidades
Os Srs. Paranagu 18, Fialho 18, Rurlamt- as freguezias que compOeni os coilegio'* de Itam-
Km reparado dosupplentc Antonio Manoel U>- Dos outros > llegn s dar sonta separadamente.
sa, que fui chamado para substituir DO eleilor CoUegio de Coartas, Constadas qtiairo paro-
que participial ler-ee ausentado para provincia (i- chas, Conceicao e s. Jos, S. Benedicto TrbideBa 8
versa Codo. As eteicSes das duas ultimas sao regulares,
Os Srs. Paranagu 1, Fialho I, Burlami- c nao ron:estadas. Xas duas primeir.is houvc du-
que I. | plicatas, sendo tito parecidas as historias de ambas
4* lumia (eleicao presidida pelo 1'juiz le qoenodeui referir-eo conjuntamente.
paz.j Eid ambos o Io juiz de paz organisou a mesa e
1 Os Srs. Paranagu 19, Builamaque 19, Fa- nstalluii aassemhla parochial no da 9, na matriz,
Iho 19. com toda a regularidade. Um 6 nutro deixam de
Km separado4e uin supplenle lambem couvo- comparecer no da 10, e vo fazer duplcalas, se
cado para sulisliluir a um cleitor : que nao as simulaiam, o da prinieira parochia na
e Si, Paranagu 1, Fialho 1, llurlanii- igreja dos Remedios, o da segunda na do Rosario.
que i. Ainiios allegan) como motivo, sem prova-lo, que fo-
lu niiieyta.Bvn: ram repellidos pela (orea publica de batoneta cala-
Os Srs. Paranagu 23, Burlamaque 23, Ka- ca. O da Conceicao e S. Jos Fanslino Fernandos
"Iho 23. 'la Silva, ao cncerrar-se a sessao 9 (constada
Do que vemcxposlo. COnclue-ie que a volar ioi acia per elle assiguada), pedio para guaidar aurna
" ividfS a resulvor-si una pairulha, que promplamente foi posta s suas
doscolleg;osem que nao ha duv
esta:
< Os Srs. Paranagu 1U, Fialho 13o, Burla V-
qw 132, Aureliano 9, Basson o.
A cummisso nao se oecupar da apuracio
feila pelo coilegio da capital, cujo exame iiinhu ia
luz traria sobre a materia, o tenui uando de pan-
cer e prope :
1." Que sejam approvadas as BteioSes das 13
paroduas cni principio mcnrionailas e as da paio-
chia de Pedro II, presidida pelo i" juiz de. paz U iz
Peieira dos Santas; de S. Goo^allo, presidida pela
4, Haj-njundo Camillo dos BeU: de Pamahyha,
|J I', Quiftliuo Cherobim de MuaiuU dzorin;
ordes. mas na inanlia geguJata as baionetas Ihc
feeharam a igi cja !
O de S. Bonudkto, Dmiingos Jos da Silva
Viauna, j|mhantr repellide ; mas convoca os
Otantes para o dia 10 no osario, publicando odi-
taes no dia 9 as 3(4 horas da tarde, e as baione-
tas que o repellem da matriz niio o podan alcancar
no Kosario I A pro.-idoucia teve informacoes em
coulrar o do juiz do direito, auilripnl, vigario, e
coiiimaudantB do destacamento.
t E.-.as duas eleicoes nao passam de fraudes
puniveis ; aflirma inesmo o coinmandaite Ucamenlo que uem fotam fetas as rejas men-
rrincipe Imperial, polo i", Manuel de Paiva Beur- j donadas as actas, mas una em casa d; fos Hon-
ra Magathes; Jeromenlia, pelo 1. Francisco la, rii|ues .lo Naseimcnto, outra na de Pretxtalo Jos
Cosa Carvalhu; de Marvao, concluida pelo i*, l
don Gomes Correa; de Oeiras, concluida pelo :i,
Jesuioo Linz da Silva Moura, e aunulladas as ce-
rnis, com excepcjto, potm, da da IndepenJenoa,
prcsiilida pelo u juiz de paz Jacinlho Joo de So li-
za Pimentel, no 1" de selumbro, cuja verilia-
^ao liea adiada al virem nuis completas mfonra-
{Oe?.
< 2.* Que sejaui contados os solos dos eollegi >s
em que a eleicao correu regularmenuv, como [ioud
demonstrado, e as de Oeiras, presidida por Jusliuo
Jes da Silva Moura; da Parnah)ba, pir Jos Fia 1-
ciM' de Miranda O/.orto ; de 1'iiaciiuca, tomados
em separado aos eleitores de Pedro II; de Jeroraj-
nha ; do Pie, que foram touudos englobadame-
te; de Marvao, as da lurma eleiu sol a presidea-
a do V juiz de paz, assim como os de Valemja, e
annullatk os demais.
3. Que sejam reumUecidus preyincia do Piauiy os Srs. conselbeiro Joo Lia-
tosa da Cunt Paranagu com 3U7 vwtos, Francisco
Jos Fiallio com 299 e r. Polydoro Cesar Bura-
maque com 293.
I." Que se recomincnde aogovernoa respin-
sabilidade dos autores das duplcalas.
Pago da cmara, l de dezemurc di 1863.
Aff'jitso Celso.FernamUs Morara. }. Mtultirema.
C. B. OttonLSaldoulia ilurinko.
KLKl(.AO UE i.K'XkL.
A o' conunbso de poderes foram prsenles
as actas dos t2 collegios que liriiiaiu o di.-irii lo
eleloral de Goyaz,, bem como as das eleigoes p; i-
niariasda dlffurenles paiochias da provincia.
Km todas observou a commisso que as eli i-
cOts curri-ram com loda a regularidade < perfeilo
accordo com as leis.
.No coilegio de S. Jos do Tocautiiis foram o-
mados em separado os votos de < eleitores da i a-
rocliia de Trahiras, porque leudo comparecido t
cidados volantes, e seudo II o iiunvro de eleito-
res, a soturna total dos votos devia ser 93o e nio
933 como se verilicou; a niesma commisso pj-
rm que propoz amella resoluc encarregouse
de mostrar que snmolbante dilTerenga de dous Mi-
tos prjviiilia seguramenlo de qualqtier dos vut;n-
tes na cleico primaria ter votado em 9 eleitoies
suieute.
Fallam as acias da eleicao primaria das paio-
chias de (rixs e S. Flix que do 3 eleitores cala
urna, e por eoiisequencia nao podem influir no le-
sultadoda eleicao; porquanto o Hr. Andr Augi.s-
to le Padua Heury lem 319 votos, Dr. Thcodoro
Rodrigues de Muraus 306, F. Cardoso Santa Cr iz
2', Dr. (^ itano Alves de Souza Filguclras 12 e
Jos Marlins Pereira de Aleneastre i.
Km consequencia do que, a commissai) lie
parecer que sejam approvadas as eleic/ies prima-
rias e secundarias da provincia de Goyaz.
Que se declarem d.putados |r aquella pro-
vincia os Srs. Dr. Andr Augusto de l'adua Kleurv
e Dr. Theoluio Rodrigues de Muraos.
Sala das commiiso. d.i dezembro de IWu'l.
Meih fV'inc). -Isitiiu 4aCunlm.J. J. JfsWdlo.
Martiuho Campo*. T. i. OtUmi i
einii;.\o ui MtaL
> I 1." commisso de poderes, tendoexaminado
todos os papis ledenles a eJeiro da provincia do
Para, que conslituem um so uislriclo eleitoral, vtm
dar Cena do seu irabalho.
Folga a coiiiHiisso nao tor encontrado em o-
do o processo oleitoral desta proviaeia nenhur la
duplcala, por ter corrido o pleito no terreno leg.il,
e por isso se limitar a per o occorrido na-
poucas reguezias conlesudas o que carecem Je
exame.
f)~eyuezia do Capim.Nesta freguezia que l
6 eleitores, a acta da formarao -da mesa paroch al
nao esla assignada pelos 4 niesarios, o sim pilo
juiz de paz, eleitores e suppleules que concorje
rara [tara sua formacao, accreMando nio tarea os
eleiios iwra a mesa do numero dos eleilor
supplentes.
8ymt.fiesta fregnezia que lambem d;i .0
eleitores, lendo-se recebido 2;i\ cdulas leve cada
um dos eleitores 254 votos, havendo smenle 2y>4
volantes flnalfftcados I
K manifesla a nullidade desta eleigio.
Chute.'.A commisso s foi presente dela
elecao a acta da apuracao para os 5 eleitores que
da a parenla, e observa que nao foram preenebi-
das todas as U*malidades legaes acerca da veri fi-
cacao e leilura das cdulas na apuracii, e porisjo
persa quedeve ser annullada. principalmente pir
nao eonler ooccorrido, a comeear dan Jo conta da
oncltiso daleicao.
Na freguatia de Melgaco ha um protesto na
acta da apurado final assignado por j'individuos
.allegaado falta .de regularidade e abuso* na ehi-
cao, taes como a repulsa de alguns votantes conU-
cidos, aceilaco de oulros nao quajilicadoe, e cr a-
dos de servir, ter a mesa funcciooadj com dous
atetamos.
Me protesto porm.desacompanluolo depio-
vas.jfoi roniraprotestado e negado pela mesa pajo-
clual, e por isso, e porque, quando Munmados os
volas dos admillidos ^ recusados de volar ram os
Ote qtwobtivcram os suplientes desta paroch a,
aio alleraria o resultado da eleicao, pensaa com-
mifsao qee deve serapprovada a eleicao de Mcha-
^o Unata em separada no coilegio.
Km Camela bou ve tambein um prolesto, qie
fui centraprotestado, e convence da rcgularida le
que presidio a osla eleicao, a m.us imimrutnu la
previ acia pelo numero de eleilores.
* Os eoHegfos raunirani-se regularmenie, ere-
niium vicio ouirregularidadeewconlraa eomminSa
em saos Irabajbos, noiai do apenas setena tomado
Bqjar.
A cmara aparadora, procedepdo aporaain.
deu e seguate resoldado real :
Dr. Tito Franco de Almeida, 502 e 18 em ;;e-
parado.
Dr. Doiningoii Antonio Haiol 195*. a 1S om
parado.
. Dr. Ambrosio Leifto da Cunha 478, e 18
SCp nado.
Dr. Joiquim Pedro Correia de Preitas >, 13
em M-parado.
"'> Manoel Jos de Siqucira afendee IL
le.
m
da Silva.
A eleicao comecada na Conceicao e S. los
pelo 1 juiz, e acabada pelo Augusto Jos da Vei-
ga, notoriamente valida.
Do inesmo modo peusa a commisso acerca da
de S. Benedicto acabada pelo 3" juiz do disiricio vi-
zinlio Joo Francisco da Silva Ikiva, visto constar
da acia que nenham dos do disti icio se aehava pre-
sente ; nao quiz a le que 3 ou 4 individuos lenham
a facul'iade de inlerromper o irabalho das elei-
i_r.es, o veda-la |ieki afeito da propria inercia.
< U coilegio lambem duplicado; mas o presi-
dido por Joo E Ramada, em quo se reuniram os
lilhos ta duas fraudes precedemos, merece a mes-
iiuaquaJica\-o, seudo uotavul quo alllrma a acia
foi-lhes vedada |k-U forca publica a entrada da c-
mara municipal,e pouco depois que os conslitucio-
naes semprc couseguiram entrar.
E' legal o coilegio presidido pele onego Anto-
nio Juliao Soares, ruja votaco foi unnime e re-
caliio nos cidados \ irialo, Dr. S.Niza e Furtado.
t Co'legio do Brrjo,Compoese de tras fregue-
zias, Canceicia do Baejo, Saut*Anua do Iturity, e
S. Bernardo da Pa nahyba, leudo sido a eleicao da
ultima regatee e nao rontaslnda. dando se porm
duplcalas nas duas primeinis.
Na C^inceieo do llrejo, o i* juiz de paz, major
BeoicioFerreira deSampaio. preudio a eleicao no
da e lugar competente i e da leilura da acta no
se ten I ic... vicio a gum. Kiitrelanlo o i". J. C. Ho-
norio Ferreira, celebra a sua duplcala na mesma
igreja allegando : I", o oinprego de forea contra
setMI vwianles, o que riiliculo. leudo a sua mesa
funcciwudo livremente, e at bafejada pelo juiz de
direito, que negou ao presidente legitimo todo o au-
xilio para mandar dissolver um ajunlamonlo ma-
nir.stamente illicilo ; 2 nullidade da 1* eleicao,
procedente de fazer-se a chamada pela qualllcacSo
de I86, segundo concluida a de 1863 : o contra-
rio porm oonsia da acia, que nao sendo destruida
cem provas meroee f.
A duplcala do Burily teve oulro pretexto. A
Sede da freguezia se tinha-'dc mudar ou eslava mu-
dada nara Curralinlio. pur le provincial ; mas o
presidente, attendondo as represcutaces das auto-
rUaea locaes, e por motivos que tongamente e poz ao governe imperial, mandou que na mesma
igreja de Burity se lizesse a eleicao ; para alli fo-
ram convocados os otantes, e presidida a eleicao
pelo 1' juiz de par. Francisco Mano.'l da Costa
Piulo. Tomando por pretexto a decretarn da mu-
danca da freguezia, o 2 juiz, Benedicto'Goncalves
Machadu, ehamou a sua iiarcialidade para a igreja
do Curralinlio, onde c.elebrou urna duplcala insns-
tentavel, sem um eleilor nem supplenle, e tendo
despendido i horas para adiar dous cidados que
elegessem os mesarios.
Da eleicao secundaria s possue a commisso
a acia do coilegio nullo, presidida por A. L. do l>a-
vor Paes, eeomposla com os frucios las duas elri-
Cdea fraudulenUs; mas, constando da acia da apu-
racao peral, que foram ambas presentes cmara
apuradora, e aproveitada a que conipreheiidia as
eleicoes legitimas, pode ser aprnveitado este col-
lotuo.
Calleijio de S. Jos dos Mates. Da nica fre-
guezia s coilegio ajipareoem duas eleic.oos.
Da primeira, que se diz convocada pelo Io juiz
de paz Joaquim Jos Bilieiro, no dia 9, veio s-
menle a acia da apuracao dos votos; e entre os
documentos produzidos jiolo hachare I Severino Al-
ves de Carvalho se enconira a da formacao da me-
sa, fallando anda s da votaco. O coilegio cor-
respondente, presidido por Joo Rodrigues da Sil-
veira, remelle tambein suniente a da apuracao.
Da outra elerio, comecada no dia 16 pelo 4o
juiz de paz Therolino Franco d'Assumpcao, veio a
acia completa, da qual consta que o 3 juiz em
exercicio. devintamente autorisado, llzera a convo-
caco i 16 de julho, marcando o dia 16 de agosto;
que nesta, esperatMe-ae al mais de ID horas, nao
appareceram o 1", 2 e 3* juizes, e que o 4* tomn
a presidencia mformado, diz a acia, de que ou ott-
fraa de proposito se kaviam retirado depois da mit-
sa. Estes eleilores se reuniram soh a presidencia
de Manuel Antonio de Carvalho, nao appareivndo
na acta secundaria irregularidade ai-urna. Na ac-
ta da apuraeo geral, diz a amara municipal que
preferio a segunda, porque a primeirra foi feila
a 9, sem os 30 das de convoeaco, e porque veio
com sobrescripto por letlra de Carlos Frederico Hi-
beiro, que ao lempo daquella eleicio runccionara
como cleitor na cidade de Caxias. Sendo claro que
a primeira eleicao faltn o requisito essenclal dos
30 dias de couvocae.io, c que para asegnnda.no
da li, era competente o 4* juiz de paz, em falta
dos tres aifis votados, entende a commisso que
bem prneedou a cmara apuradora.
Ciillegm de l'assaijem-Fraura. Na parochia
da Cnnceico veio a acia de eleicao pelo 1" juiz
Antonio Reglen de Carvalho na matriz, com regula-
rulade. notando se apenas a falta de se mencionar
o numero, e nao os Domes dos volantes qoe nao
acudirn chamada. O 2* juiz de paz Francisco
(l. Avelinarolcbrou ou simnlnu em sua casa outra
eleicao, pelo simples motivo oe contestaren) os
seus, sem prova alguma, a aiithenticidade da lisia
de quahficacjo, de que se servir o 1". Duplcala
punivel.
t a freguezia da Manga veio a aria de eleicao
feila na matriz, no dia aprazado, pelo 2" juiz de
paz, na qual se transcrevem attestadot do tabdele-
giulo e do vicario. a>severando a ausencia do !
jiiit tgautriode Levla Vieira e Silva. Bate, porm,
aneeaenta a acta de ouira eleicao, que diz ter ce-
ielrado na mesma matriz, sem eleitores, sem sup-
plentes, sem os papis legaes. os motivos que
allega Reaten swwniataaente rislvers, se nao etel-
tasas indignaeao lo indecente fraude.
Chagm igreja. vio dous ped slres armados ao
p da mesa, e bem certa de que alli estavam para
coagi-lo, collocnu outra mesa ao lado ra primeira,
i? celeiiion a sua eleicao livre de coaceao. A com-
Dissao esta persuadida que 0 escndalo desta e se
nieihautes dupiic.itas proeedem da impunidade,
que nao deve conlinuar.
O unieo defeito que a eomminfio BOtotl na
eleicao do 2" juiz de paz a falta des Domes dos
volantes qne nao comparceeiam
Ojiaetiare s. \. de Carvalho, em sua repre.
tenaos .. fnlia de outra eleicao qne uppOe feila
18 pelo 3*jttil de paz ; na- tal tleieao nao existi.
0 coilegio em que m renniran o eleitores
da I" juil da C.onceii o 0 do do Mollia eVldell- '
legal.
t Croata. Duas lio as paroehias, l'iedade, S.
l.uiz, Gonzaga.
A eleicao da pi uncir nao solfre contestaco ;'
equanto i segunda, contesta o hachare! S. A. le'
Carvalho a legitimidad.' do I juiz de paz que a
presidie, Jos Carlee Bulhao.
Ksta contestaco, porm, sorprondn a com-
. porque consta da acta que o Io juit nao
compaiiM'u : mas que no mosmo di a '.', saliendo
I mesa de sua ehegada villa, olliei ui-liie, e, nao
leodo resposta, requeren que o juiz municipal o
nundasse intimar, o qoe se fes, transcrevenoo-se
na acta a cerlido da iiitiinaeao.
_ Ao presidenta da provincia disse o primeiro
juiz de paz, que nao podra presidir a eleicao por
11 mas nao apparecc prova alguma do tal
eeeeej
Coilegio de Croata, no entender da eommis-
so, nao soffire duvida.
Mearim.Xossa Senhora de Xazarcth, Santa
Anua de Aunajaiiiha e Graca de Aravy. Nao se
aontasta i validade das duas primeras. sendo a ul-
tima laxada de milla e escandalosa pelo bacharel
S. A. de Carvalho. Esta eleicao foi feta pelo 2"
juiz na ausencia do l". afflrmando-se por parte
desle. que dias antes a aiitornlade llie invadir a
casa rom forca armada para extorquir os papis
concerneiites a eleieo. (I presidente communica
ao governo, que, tendo em si o ni? os livros mais
da um mez antes da cleico, B con-: nido prelendia
elle fazer Ma eleicao claude>iina, o delegado, a
pedido da cmara municipal, houve a si os livros
sem violencia, para os apresenlar cmara muni-
cipal no dia da eleicao ; o juiz, porm, nao com-
parecen; falla elle de violencias e e mas, sendo do sen partido o 1 supplenle do juiz
municipal em exercicio e o subdelegado, nio deu
qucixa. uem fez coi|>o de delicio. A commisso ap-
prova este coilegio.
Foi^aa-bVnmoV. A parcialidade vencida nao
reclama contra a eleicao da parocbte de Sebas-
Ij.io da Villa, e o bachan-l S. A. de"Carvalho em
ISUa repre-eiilaeo. a ree.inh"ce reiiular : entre-
tan o con.-ta da acta que leve e-sa eleieo de ser
iaterrompida por w i assalte de gente armada, que
t ferio vanas pessoai eommetted os maforet dosn-
! linos. Pde-se, pois. jnlgar de que tudo vinha a
periurbacao da ord. m.
A eleicao da Chapadlnha foi frita na igreja (
pelo 2 juiz de paz por impedimento do 1", e a sua
vali.lade involuntariamente confirma la pelo ba-
charel S. A. de Carvalho, o qual, saliendo da mo-
lestia do Io juiz de paz, que. suppondo por mal in-
formado fosse por elle presida a eleicao. represen-
la a esta cmara que o Io juiz estava gravemente
enfermo, authentieando assim a legitimidade da
presidencia do 2. 0 coilegio deve ser approvado.
TalayaCompoe-se das freguezias deTutoya,
Barreirinhas e Arraiozes. A ultima, que d tres
I eleitores, sata presente a acia da eleicao presidida
| pelo 1" juiz de paz com corpo eleitoral, comeca-
da na igreja matriz e acabada em urna casa proxi-
' ma. Consta da acta que o 3* Juiz de paz Joaquim
Antonio da Fonseca. prelendendo expellir o 1^,
provocou luta material, em que houve varios feri-
meatos, declarando enlao o parodio que a igreja
tan interdicta, sendo este o motivo da mudan-
ft. Foi presente commisso um documenlo flr-
\ mado pelo 3 juiz, chafe da desordem, qne nao dei-
xa duvida sobre o que lira exposio.
- A commisso julga valida esta eleicao c a do
coilegio respectivo.
A eleieo do tereeiro juiz de paz Joaquim An-
nio da Fonceca, perianto nulla
Pastos fons. A eleieo da parochia de S.
Benlo de Pastos Bons nao solfre conlestacao al-
guma.
Na segunda frcguer.ia S. Flix de Balsas, o
primeiro juiz de paz Francisco Pereira da Silva co-
mecou a eleieo na mairiz e no dia aprazado; Ira-,
' balhou asse'mbla parochial a 16 e 17, mas no dia
1C faltando os dous inembros Colho e llotelho, e
j sendo convo-ados, responderam que estavam aj
, trabalhar em outra mesa inslallada pelo tereeiro
1 juiz, Joaquim Bispo de Salles. Na acta (leste se
confessa virtual mas clarissimamenie que o juiz
competente organisou a mesa no dia 16; e qne s
depois de coniecados os trabalhos, e sob pretexto
de irregularidades, o segundo juiz de paz resolveu
adiar para 18 a eleicao a que nao presidia, e alle-
' gando impussiliilidade physica transmiitio ao ter-
eeiro juiz os poderes que arbitrariamente assumlra;
esla duplcala s dinere das mais escandalosas em
ser da mais visivel ingenuidade.
Mas quailto eleieo do juiz competen! ) a
commisso enconira na verilicaco dos poderes pe-
lo coilegio eleitoral imputarlo de algninas irregu-
laridades de mais o menos alcance, mas alm el-
la a seguinle que gravis.-ima :
Constando do lempo de encerramenro lelto pe-
lo priineiro juiz de paz Francisco Pereira da Silva,
no livroem que estavam escripias as acias quees-
I te tinta 21 folhas numeradas e rubricadas por el-
| le, alteraram acta da lerceira e ultima chamada,
metiendo una pagina de permeio entre as folhas
e 7. Este faci, constante da acta do coilegio, e
que se deve aceitar como averiguado e*n falta de
prova em contrario, junio a notoria irregularidade
1 com que foram eleilos os mesarios, decide a com-
missao a prouor a annullacao das duas turmas de
eleilores; ambas ellas votaram em separado na
eleicao secundaria.
t A apuraeo dos votos reconhecidos validos,
nao incluidos os pnucos lomados em separado, ,
con.-elheiro Furtado 415, Dr. Souza 389, r. Viria-
to 385, S.-veiino Alves de Carvalho 19.
Cimrhtso.De lodo o exposto concluc a com-
misso.
!. Sejam approvadas todas as eleicoes prima-
ria- e secundarias do segundo nho, exceptuadas as seguintes, que scrao declara-1
das nullas :
Duplcala quo se diz feila pelo primeiro juiz
de paz na igreja dos Remedios, parochia da Con-
ceicao e S. Jo, coilegio de Caxias.
Dita pelo primeiro dito na igreja do Rosa-'
rio, na parochia de S. Benedicto, do inesmo coile-
gio.
Eleieo secundaria, resultado das duas prece-1
dentes.
Dita do primeiro juiz de paz de S. Jos de Ma-
loes e a secundaria respectiva.
< Dita do segundo juiz de paz da Conceicao da
villa de Passagem Franca, coilegio do inesmo
nome.
< Dita do primeiro juiz de paz da freguezia da
Manga, do inesmo coilegio.
t Secundaria correspondente as duas ultimas.
< Ambas as eleicoes primarias da parochia de S.
Flix de Balsas, do Coilegio de Paslos Bons.
t E finalmente duplcala do tereeiro juiz de
paz de Arraiozes, Joaquim Antonio da Fonceca.
t 2. Adie-se a deci-o sobre o coilegio e fre-
: guezia da Carotina, al qoe venham as respectivas
acias.
3." Sejam reconhecidos deputados os Srs. con-
selbeiro Francisco Jos Portado, Dr. Joaquim Go-
mes de Souza e Virialo Bandeira Duarle.
4. Sejam res[nsabilisados os autores das du-
plcalas condeinnadas.
t Sala das BOaamisedes da cmara dos deputa-:
dos, em 22 de dezembro de 1803. C. II, Ottoui. >.
A/fonso Celso.Saldanin MarinMo. Fenmtules Mo-1
reir.J. Madureira.
OllDEM DO DA.
KI.KIC.AO 1)0 HA11A.N.
Entra em discusso e approvado sem debate
' em todas as Mas coneliisoes o paraonr da quinta
| commisso de poderes sobre as eleicoes da provin-
! cia do Paran.
O Su. PuKsmENTR declara depoiados pela referi-
da provincia os Srs. Laurindo Abelardo de Brito o
Jesuino Mareoudus de Olveira e Sa.
sunglo aaa tjafiOAa.
2" dislriclo.
Entra em dscusso, e da mesma sorte appro-
vado sem dbale em todas as suas concluses, o i
parecer da segunda commisso de poderes sobre1
as eleicoes do segundo dislriclo da provincia dasi
1 A lago as.
O Su. Presioemtb declara deputados pelo refe-1
ri.lo dislriclo e provincia os Srs. Jos Angelo Mar-
co da Silva e Arislides da Silveira Lobo.
Nada mais havendo tralar, o Sr. presidente '
levanta a sesso una hora e um quarto da tarde'
mandado Mitres i Francisc i Vieira de Anula,
o mea ir Ai laaioPereira, educando do co
oipliao-.
Concederam-se liceneas : ao capello refor-
mado do exereko Fre David da Natividade de
i Senhora, tres mezes para ir a Paralaba ; e
eretaria da repartirlo das obras publicas An-
tonio llamo ZaniiN, tres nsezes para tratar de sua
sa.le.
Damos em seguida a carta que nos acaba de
dirigir o Sr. Dr. Buarque de Uacoo, reapondendo
ixa ip e nos remellerame que puMieamos em
Dossa BMcfa de hontem :
Estrada de ferro do Recite S. Francisco.
Beparltcio fiscaLCajo, II di Janeiro de 1864.
lllm. Sr. redactor do Diario le Pernomoui o. E
sem fundamento a qneixa qi.e se le na Revista
Diana do.orual destamanhi. contra a irregula-
ridade que se diz ter liavido na partida do Irem
P ira i na m dia 9 do calvante
EReefivamente o trem, qoe se dirige aquello
ponto da estrada parti s 7'', .la manhaa d i refe-
rido dia, mas assim aconteced por ser essa i hora
IKada na nova tabella, que desdo o dia I-do cr-
reme regula o nioviiiionto dos irens da mesma es-
trada, e qne foi publicada com aneceasaria ante-
cedencia nos principaes jornaes desta capital.
Nao le iho idea de que lenlia o trem, .pie se
dirige p,|a manhaa para o inle ior, partido um s
dia as 8 lj horas, como se diz na citada qucixa ;
as nicas demoras havdas ltimamente na parti-
da dos irens da estarn de Cinca Ponas teem sido
apenas de alguns minotaS, e Bto se lem dado a
lar le, o que se explica pela ne'essidade em que se
Cha a coi ipanbia de transportar inutas vezes
merca.lorias nos trensde passageiros que exigein
por este fado mais lempo para o seu cairegamen-
to e para a; suas manobras.
Son can respeto e consideraco de V. S. ami-
go venerador c criado,
< Buarinc de Uactio.
Fnndcou hontem em nosso porto o vapor In-
gles Patean, de.3(U toneladas, procedente de.Ncw-
Vork com escala pelo Maranh io, com 'O das da-
quelle e 5 desta. Vete tomar Barrio e segu para
Sliangai, na China.
Iloniem seguiram para a povoaco da Gante-
letra os Itv.ls. missiouarioscaf. ichinhos Fre Pide-
lis de Avila e Prei < asemiro de Mitelo, alim de
disfiensareri aqaelles povos a palavra divina.
One Dan abencoe suas prdicas e Ibes d fruc-
tos vanlajotos para a nossa rel.gio.
A barca portugueza Carra, entrada domin-
go do Bio de Janeiro, sabio d'aII no dia 23 do pas-
sado, e por isso nao irouxe jornacs.
Em sua > iagero onconlrou ella : 1 do corrente,
as 6 horas da tarde, na lal. S, 25" 07' e long. 31
WO.de lireenwieh, a tarca ingleza Patriol Kimj,
de Liverpool para Mantilla ; 7, s 6 horas da
manhaa, ni lat. R. 13 2T e long. 33 23' 0. de
lireenwieh, a galera ingleza Mjnarchy.
Em dias do rnez prximo passado, no quar-
leirao de Mucampos, da fregoetia de Aguas-Bellas,
foi gravemente ferido com um golpe de machado
sobre o olhodireilo Valentim Bezerra de Barros
por Melquades Jos de Sania Anta, em coosequeu-
cia de urna aliercaco reciproca.
O ortenso- foi preso em aganle pelo respectivo
inspector de quarleiro, sendo recolhido prisao
da freguezh,; e a subdelegado tendo sciencia do
facto, proceden a competente vistoria, e trata do
instaurar o processo.
De Caruar nos escrevem em data de 3 do
correnle o seguinte :
Com aquellas expressries, quo me pode dictar
a grandeza da minha obrigacao, agradeeo Vmc.
a honra, queme h>m |irporchinado al boje, fran-
qiieando-me as columnas da sua Relista para od-
ia terem pt bhcadas as occorrencias mais notaveis
que se do nesta boa trra. Peco a contjnuacao da
me*ma honra, e prometi na transmisso das no-
ticias ser regular de modo que mereca n seu as-
sentimenlo, visto como tudo quanto Ihc disser ser
mui simples e verdadeiro por ter a meu favor a
vantagem de viver alheio s quesloes polticas.
Recebi o seu Diario de II do mez passado, e
nelle deparet com urna correspondencia, em forma
de defeza, ineonlesiavelmente bella, do Sr. J. Bap-
lista exhorlando o publico que nao d crdito ao
trecho de minha ultima itrissiva em referencia ao
Sr. Dr. Joaquim do llego Barros, promotor publico
desta comarca.
Se o posto c a attencao com que a li, bas-
tante para um a^radeeimento, assas eslou desem-
penhado. Em additamento porm a este agrade-
cimento repetirei os seguintes versinhos :
los, c Bento J u i, crioolo, lodos para
i'ecr.as, viudos do di-niciu de Duas Barra-.
I A' ordein do subdelegado do It irife, Thomaz
Losnar, americano, reqnisicaa do respectivo cn-
sul.
A' ordem do de Santo Antonio, Alexandre Jos
de Paula Moke, indio, por desordem ; Paulino,
pardo, escravo de Marcelino & C., por fgido.
A'ordem do da Boa-Vista, os africanos Jos do
i', imum, para averign Jes pnliciaea, e Funcisco,
escravo de Jos Thojnai de C. Quaronna, iwr f-
gido.
A' ordem do da Vanea, Fortunato Jo-de Jess,
pardo, por .rime de furto
No dia 10 do m miio mez :
-a' ordem do subdelegado de Saut. Antonio, Pe-
dro Alexandrino Vieira de Mello, branco, por in-
sultos.
l ordem do de S. (os, Alexandre Manoel do
Espirito Santo, pardo, por embriaguez; l'ufino,
crioulo, escravo de Rila de tal, por disturbios.
A' ordem do da Magdalena, Francisco Antonio
das Chagas, crioulo, sem declaiaco do motivo.
A' ordem do de Jaboato, Francisco Antonio Se-
' vero Bispo, semi-branco, para ser jirocessado por
crime de damno.
Ochefe da 2'se
/. G. Movim.'nto da casa de detone} no dia '.( do
Janeiro de 18(ii.
Extetiam...... 391 presos
Entraram..... II
Sahirain...... 10
A saber
Existem
332
Nacioiiaes------ m
Estrangeiros.. .30
Mull.-les..... 3
Bstraageiras.. 1
Kseraso-..... st
Esclava:..... 8
REVISTA MARA.
Consta-nos que hje prestar htrantento, peran-
le a cmara municipal, o tereeiro vicepresidente
commendador Dr. Domingos de Soasa Lelo.
Pela presidencia da provincia mandou-se por
em liBerdade os reerntas Hermino Manoel da A--
suiipco e Manoel Rodrigues de Souza, por isencao
1 legal,
Ao collecio das o phas maudoii-se admittir
as menores Cesara e Gurtbermina, enteadas de
darla Januaria da Conenfeao, e Rosa, tutelada le
Uve- Barbosa, quando houver vaga,
i Alim de empregar-so na vida eommercia!, foi
C por esta velha Ierra
Ficou tudo asbabarado,
P' a nao dizer espantado,
I).; una lal eleicao,
E da qual j lu'mencto. >
Fique a Sr. J. Bapiisla com a suaopnio, que
eu licarei com a miuha, mxime depois que o Sr.
Antonio Ferreira Cavatanti Badega, de Buique,
disse no Dioico de 22 do mesmo mez, que o me-
Ihore nico cidado desta cidnile o Sr. Maunel
Cursiiio de Villa yuca I
Sirva apenas, o que tica dito, de replica bem
elaborada defeza quo oSr. J. Bautista fez ao seu
predilecto, visto como resposta cabal nao Ihe (ios-
so dar depois que a redaccao desle jornal antecipa-
damente o fez na. sua ola a mesma correspon-
dencia.
t Dou-lhe porle que quasi tenho a sorte de Cri-
sippo, que morreu de riso por ver a um jumento
comer figos, quando me disseraa que ceno Ado-
im, que por c temos, soffrera urna decep^o au-
ijusta... C mi effeito o caso ia tornaudo-se serio,
se a inexperiencia dos rapazes... Felizmente nao
passou de um brinco,... um pequeo lembrele...
E ludo, porque 1 Por alleicoes...
i Factos se tein dado sol) a sombra de certa /-
metra, que a seren exactos, cumpre a quem com-
pele tomar dclles coubeeimento ; por exemplo :
Apresenlon-se em juno um individuo para
pagar a quaiKia de seis mil res, constando poreui,
ou por conliecimenti. proprio, ou |Kir informagoes
que aquelle, o devedor, era vermeUto, ipso fado foi
condemnado nao bMm capital, mas lambem nas
custas, para o que se lomou um eavallo, e at bo-
je nem principal, nem custas, nem eavallo I
Allegando um oulro o son direito sobre una
prop iedade, do valor de 105800 exibinde Deesa
occasio os seus ttulos etc. fni decidido do modo
seguinle : nao me importa com ttulos, condemno-
o nas cusas, a parte conlrari. fique na posse da
propriedade mansa e pacificamente, pois deste jui-
zo nao ha recurso, e uem quem me obrigue a des-
pachar a favor de guabir I
E que tal, meu amigo f Se com elleito sao
exactas essas informacoes, nao sel onde ir esbar-
rar asse bpede da pos,
Mais alguma cousa sobre lal assumplo pode-
ria dizer-lhe, mas nao o faco agora a espera de
ver se appareee algum thuriferario, perquo ento
Ihe conlarei a historia do pedreiro Sales...
Tera-se vendido a carne verde a 4000 a ar-
roba.
O tastana a 5I20 rs.
0 feijo a 680 rs. a cuia.
< A tartana a t>iO rs.
t Observase pouca animaeo no inovimento
commercial.
A salubridade publica satisfactoria.
Dessa capital lem viudo algunas noticias
acerca de iomeacoes. reraiK'oes, demissoes, e tudo
quanto acaba em oes, mas i:...... eu siga a doutri-
na de S Tl.om, nao pude dar ainda crdito, mor-
mente conheceudo o quanto se acham a.pii cau-
ros os genuinos.
t Au reatar.
Dando publicidade a seguinte communieaejio,
que nos indereca um assignaute, em seus propnos
termos, deixanios de f.izer-lhea menor apreciaco.
pois o que poderamos dizer a respeito, o que ob-
serva o mesmo assignanle, sendo no entretanto pa-
ra sentir r.ue se di'eui taes fados, cuja absleneo
de conveniencia.
Scuhor redactor.- -Sendo a pagina da Iteatate
Diarta do seu conceituado jemal o vehculo por
onde muilas vezes se tcm otiido correctivo aos
abusos ou mesmo as mcriacoi s. peco-lhe que cha-
me a attencao da polica la Boa-vista para ama
sucia de vadlos malcriados, que, reunidos la para
os lados da Soledade, pateiam as pessoas (jue por
alli passam.
Ainda na tarde de um desses dias santificados
do presente mez, foi apupado um sacerdote, que
inerme por alli passava, com gritos fafeajor-
mtgo. e ouiras gentilezas de urna 6oa criaciio.
E' vei.lade qne j paseando como praxe rldi-
cularisar-se o clrigo e o sacerdote, ludo que len-
de avilta-lo indilTerenie que aconleca; mas, co-
mo felizmente ha borneas sensato.-, que lamentara
taes progressos de boa criaciio, in.-ta pela publica-
do deslas linhas
Umseu assignanle.
Refaiticao da polica :
(Extracto das partes dos dias 10 e 11 de Ja-
neiro).
Foram recollndos caa do detenco no dia 0
de Janeiro :
y ordem do lllm. Sr. Dr. chela de polica, os
IroJoaqolm., Manuel Alexandre da Fon-
seca, Jos Luiz da Cimba, Antonio Arante dos San-
332
Alimentados cusa dos cofres publicas.. 132
Movimento da casa de delenco do dia 10 de
Janeiro de IKoi.
Exist un 333 presos.
Entramas. 8
Sahrain 22
Existem . 340
A saber :
Naeionaes. . 239 presos.
Estrangeiros . 30
Mu Hieres . :i >
Estran geiras . l
Escravus . 59 .
Escravas . 8
340
Alimentados a cusa dos cofres pblicos. 136
Movimento da enfermara no dia 11 de Ja-
neiro :
Teveram baixa :
Pedro Celestino Magno da Silva, glndulas.
Pedro Antonio Ribeiro, diarrhea.
Manoel N'emezo da Kncarnaeo, intermitente.
Joaquim, escravo de Alexandre Barbosa, lumbago.
Tiveram alia :
Jos Henrique de Santa Anna.
Manoel Francisco Pereira.
UM POUCO DE TUDO.
Do.Vuiii Jaune Iraduzimos :
Em geral quando se nao presta para nada, pode
a gente fazer-se :
igante,
Phoiographo,
Professor de inglez.
Gigante, basta ler o talhe regulam jniar, isto ,
cinco ps e seis polegadas.
Phoiographo, trulla francos e algum crdito na !
casa do droguista.
Professor de ingle*, a grammatca de Spiers, a
qual custa viute cunlosimes nos armarinhos.
Fatigado de ennegrecer os colovellos e de lavar
as lanas, um vand. villisla desempregado acaba de
anuuuciar em todos os joi naes. que ensina a lingua
de Byron preoo f.ibuiosaraenle moderado.
Demais, nao ha nisto risco algum I
0 professor nao conhece a primeira palavra do
idioma brilaunico.
Um de seus discpulos dizia-lbe, hr. pouco lem-
po depois de Irintalicajaat infructuosas :
Eu nao sei mais do que sabia no primeiro
dia em que comecei I
A islo respondeu-lhe o vaudevillista :
Eu eiisino o inglez, senhor ; a vos compele
aprndelo.
Ora, ludo nao flores nesta profissao impro-
visada.
Tem a gente algunas vezes que liaver-se eom
garotos, relour de/jjadres, que se rao iniporlam
de divulgar o'negocio, sendo preciso pois saber
fareja-los.
De ordinario, quando elles appataataa, respon-
de-se-lhes qoe ) passaram da idade em que se
aprende as lingui-
Islo corta loda a discussao.
Mas ha casos ospeciaee.
A' semana linda, rece! o meu vaudevillista um
confrade que pareca pelo talhe rapa i do recitar
pinamente um discurso inteiro do Canning.
Que idade tem Vine. 1 diz o uosso homem
embarazado.
Trinta annos, responde o confrade,
Trinta annos... mulo, senhor I Vmc. pas-
sou da idade...
Em que se aprende as lnguas ? Ol nao.
senhor, eu tinha dous annos de mais quando pnn-
cipiei o allemo.

Quem o acreditara f
Dumas economisa, tendo posto de parte mais
de 200,000 frs. do -apital.
Mas ei-lo bem e nbaracado !
O que fazer desle monlao de ou ro *
Como empregar esta fortuna ?
A' forca de cuidar nislo, embrarqueceram-se-
lhes os cabellos.
Ora, tudo bem pensado, dizia elle outro da,
tenho assentado de comprar os fundos franrezes... I
quando esliverem abaten de zero.
leste dia Mr. Bthschild estar en.lvidado !
OSr. Tobas B. e M. pede-nos a seguinle pu-
blicaeo :
MI'URSSOKS HA MOHTE DK I M MOgo.
Olhai... um cadver de bracos cruzados
Nos iiiinho- cerrados, nos olhos cerrados.
Nos labios cerrados que a morte deixou,
Com as toreas ciernesguardando o segredo
Da luz eu (la sombra Meu Daos, tenho medo
Morrer lo depressa, quem foi que mandou 1
To joven De joven no seu devana io
Dissera esneranca : que irates no s.o ?
Dissera ao rutare : que fechas na nio ?
Do seto da louca voou-lbc a mentira
E a mo do phantasma que larga se abrir,
Foi l um rejiouso dos monos no chao.
To vivo Bata Ihc o pcito ancioso,
Senlia nas libras o harpejo mimoso,
E os cantosao longodas glorias irniaas.
Mas equeDeus julga- Que assopra e apaga o olbar destinado
Que o leito devassa de suas manhaa-.
E morra quem sonlia, quem ama, quem sent
Fallarem Ihe as nmite*', quem ouvo a torrente
Das eras que desceidos cimosaziies.
E morra quem tenia, padece, e aspira.
Quem sua, bebende seus prantat I Mentira.
Minha alma, nao temas ; Deusnao recues.
Sim, meu Deuse mais um dia
Que mal VOS lazem as natn I
Nos.as coras mimosas
Porque mandis desniancliar ?
Nao leudes la tanta estrella,
Cujo sao cheiro OS fulgen-.
Precisis das nosaas llores.
Das perolas do nosso mar 1
Era um menino. Contente
De seu intimo thesouro.
Diziaconquisto um louro
Para leva-lo meu pai.
0 coraco idlantado
Baten-lna a ultima hora.
labio. E sobre elle agora
S una lagrima cabe.
Lagrima seria, pesada,
Grossa lagrima de chumbo
Oue l se afondaretumbo
Dos abysmoj epulchraes ;
Mais rica, mais preciosa
Oue as joias de vojsa aurora,
PoiS .' um pal qiiein-na chora,
Senhor nae nunca choris
Pensar na morte ana os lamis desfolha,
Pensar na piarle que nao tem porvir,
Obi na | ropria caveira que se antolha
Tropccar e cahir !
Emquanto Deus emboba na acej I
Sen< ihesom isde luz, a mora rem,
E a noute sopra um cntico pungente
Pela tibia de algueiu.
J vem o verme lalvez beijar-lhe as i
E elle nao pode perguntarqnem
L... no lago dos tmulos ron
Que nao lambeai-ll
Porm em sua alma em divina
Junta s espherasreapiron anflm.
l'ois bem : a gotla que por tlH
Seja prece por mim
O Journal it Suint-Sazaire nan .
Mr. B. que ora guarda-livro> n'uma i
comraerrm, falleceu a semana paitada
mera era mutilado e linda nma pern
Alguns das depois de estar eaiaurraao
de Nantes nina Minia do tinado I lomar
pequea heraaea venden i ps [o Ma,
alguna fato e tres pernas de pao a um adelo de
Pan-.
Depeil da venda feta M H pa-
pis, e ulgoe-te qual seria i sua admirar
do encontrn entre enes a segoinie d<
feila havia i annos
Na miuha perna d.'pao gu un..-, i
i meu- papis, procurando-
em-. nlrai a sornma de 8 mil franco-, .
A henleira correu immeojtelamente a dar
ao commissario, eom -egoida se pra
busca do adelo, que felizinenta aneantrai
momento em qne ia com I atar
o caiiiuiiio de ferro, depois de breves eipak
as peina- -., i cedidas a berd
porm nenhnma guarne, na I eooro
de-se a novas lavestgacoes, -, ,-n-
fermeira liona daiBaao ao l lad na
se enterrar a poma de pao que hbilmente Irazia.
Faz-se o requeiimeulo aata aar d.....B0 n
a autoridad.' concede, e o d. >. Hierro toan
o commissario assiste, edo caixn se lira :,
daver a qnarta perna, qne enVctivamenie -tava
guarnecida de eooro, e n'um i
Dilmente feiio, se encootrou a quaatia d i 080 ir.
em ouro.
Quanto ao resto por emquanto nada se a-
Na Recue Slnstrution Publique, acba-. o se-
guinte :
Mr. de Sauley, membro do instituto de Ti
embarcou para Jerusalem no mez pa?
archeologo ral esludar de novo os monumento-* da
Juda, e partteularmente os dos aues
alm do Jordao, e cuja exploraciio ata boje i.m
do incomplela. Tem esperancas de l achar a on-
firmaco das suas ideas sobre' a arte judaica.
Vo em sua companhia os Srs. Salzmonn, o hbil
e eliz explorador de Camiro? o Sr. abbadc Mi-
chon.j de ha milito iniciado nas antige!,' .ia
trra santa, e o Sr. rapito do estado-maior li
a que se deve o mappa d'uina parle da Siria.
Esla miado patrocinada e subsidiada pela in-
fluencia do Sr. Dnrny, ministro de htstrurc
blica.
Pelo pessoal, que a compSe, deveaios esperar-Ihe
os melhores resudados.
Mr. Sauley n3o est de accordo com muitos eo>
tros sabios anliquarios sobre as aolteuidad.
muros, anda em pC, do templo de -
gundo a opinio de Mr. Sauley, estes muro- per-
tencem aos alicerces do anligo templo, e sao qali-
llcados |mr elle deste modo Salomaneaiie.-. Mr.
Vagu e entras pessoas que visitaran Jerosatem e
Ihe estudaram as antigudades, attrihoem a estes
muros origens mais recentes.
Extractamos o que segu :
a Aun.u.t.
Thetes e Vulrano me formaram,
E mea primeiro pai Marlc,
Son sella que comsigo
l^eva corda c arco.
E com nohrc arthVta
Obrigo as damas mais esquivas
A quem esliniem meus primores.
Tudo eom ferdas concert,
E obro tudo com agudeza.
De mil lecidos labirinthns
Com a iraca de Arcadnc me retiro;
Em breve espaco dou omitas rollas
Sem passar pelo mesmo caminho.
Nas ponas dos dedos tenho
O deasempenbo do meu saber.
Perodo paso, passando ajumo,
Ajuman lo adorno, adornando acabo.
Ji lliryges e nos Lldos grandes meslres li
Sem voz e sem lingua sei
A arle de fallar por figuras,
Que tambem por minha industria
Cada dia vem nascendo de mil ferdas.

viw nno vida, non* non vida.
O avalento vbora to venenosa, que em ,
to vive todos mala; mala os criados de f
xa morrer defome aos pobres; matar aos ; iren-
les, se ihes nao dsse atentos a esperanca de os
her.lar : a melhur cousa que elle faz na
morrer, porque eom o que deixam, tornam lodosa
viver e levar boa vida.

O alvo de lodos o negro.
As linguas dos detractores sao setta?, rom as
quaes descobrindo qualquer macula no candido da
mais pura innocencia, ou no apurado da obra i
perfeita, deste negro, ou desta macula, fazem ni-
camente o alvo dos seus tiros.
Nas mentiras que se costumam salgar, se derri-
te o sal em agua para as poder penetrar, e a
as conservara incorruptas, e me compete esta
letlra :
Para apiorettai-me derreto :
Esta propriedade lem todo o homem wrvieal
zeloso do bem alheio. Nao repara era (let-
aecommodar para servir; tr.iballi.-i. solfre, e *s re-
es com a pena de no tirar para o amigo ou .ara
o amo o fructo, qne dceja, se amotina ou (como c
dizemos) se derrele.
PBLICACOES A PEDIDO.
1'aslilhas ver mi fugas de Keup.
As pastilbas vermfugas de Kemj sao >or -. m
duvida alguma inlinitamenle mais efficazes e
do que todos os mais remedios perigo-os r nau-
seabundos que existem para a cxpulsu da* I
brgas. Ellas nao suieute expoleme destroc.
ses incommodos parsitas mas tatabam rasaantai a
mucosidade em que elles se engendram impedindo
por esta forma a sua reproduccao.
Ainda nao se encentra um > caso em que
tenham dexado de produzr o desojado ellou
una maneira satisfactoria.
Em vii lude de se acharem exempta- de
dientes irritantes, nao causam ellas dr uu u.
modo de qualidade alguma e por meto da sua ac-
eito balsmica suavisam o venlre e o deiiam no es-
tado de urna salubridad.' per feila. As cria
confunden! fcilmente rom oulros eonfeilos ordina-
rios em razo da sua apimreiicia e sabor, e gu
dellas tanto qnanto gostam de propros ,1
A venda nas boticas de Bravo cv C e Cnors >*>
Barbosa.
E11 MATA
Na caria do Sr. Joo Rodrigues Tentante,
cada no Diario de houtem, onde diz : Ma.lnnha,
deve Idr-se :Madrasta.
CQMMERCIQ.
NOVO BANCO
DE
PEii\A HIIVi O
O novo Itanco de Pernambuco convida os ere-
dores das massa-fallidas de Mesquiia (\ Dotra. e
Francisco Antonio Corveta Cardoso a pre; ata-
ren seus ttulos no banco para se prareder a res-
pectiva verilicaco al o dia 31 do rom ati
ro. depois do qual se proceder o dividendo patas
ttulos que esveraes veriiicados.
PRACA DO UIIWI II M JANKIlin ;
CotiH--s offlelac.
M 1 lloras da tarde.
Assnear mascavado Canal- -i. 11 tu.
Cambos sobre Londres 7 M d
90 .11'.
Cambio -obre Paris- I M
Frele de asacar para o CanalVil acafS 5 t|"


%lf:tn Uendimenlo do dia lat ........
dem dofdia II.................

I


\
r -
Diario de PMmIM --- Tcrea felra t de Janeiro de tN4.
~r.n laical da alfamlcza
\ iKB fazendas...
ton gneros...
i:l
179
------- 31o
\ ,.i nos sonidos
com fazendas...
:om gneros...
U
1!
ttt
nesearrogam no dia 12de jaooiro
II i rea franeeza -Orean earvio.
llrigue inglez filan anulin
Barca ingleza l.-n,lntion -carvao.
i: i s ei Lrfufito fazen 11-
11 ingle!' flffrwaerealirias.
Brigue inglez-San/ Joroedem.
Importar.
Marca portugueza Curen, viada do Iliode Janei-
ro em II do rorrente. consignada i Thomaz do
Ai|uino Ponsera, manifestou os segoiotM :
Gneros estengeiros, ja despachados para con-
sumo.
22S pipas, MSI barricas e 73t> nefas ditas va-
si as; a orden.
Gneros naejonaes.
171 neeos con caf; orden.
IIecebelori;l le rendas Interna*
geraes le l*eruauibueo.
ftendanento do diaia9 ........ i iliiHUO
dem do dia II................. e7J*:Jj2
o:ttW2:l
c ensillado provincial.
RenJJnMHtodOdttl a 9......... il:7fi*'QV
dem do da II................. 8::t*)4oil
Jnlzo los fellos da fazenda.
l'Al'-arl do iiiuV'iliPiito da sereno do
eonteneioso da llusonrana do fazen-
da de Pernombuco no semestre de
jullioa tlezemuro de i 863.
('. irrespondencia com directora OlTlcio
gend do contencioso....... 63
Dita rom presidencia da provin-
cia.............. 5
Bita eom esta thesouraria..... 27 >
Dita eom as procuraduras Aseses.. 28
Dila com diversas aoloridades. 8
i Bita com as collectorias da provin-
cia.............. 129
261
Scntencas mandadas e precatorias
rapedidas para dentro e (Ma da
provincia........... 112
Termos de tuneas........ 17
Ditos do contratos e arrematacCes 5
Dios de aforamentos de terrenos de
narinhas........... 27
Di os de aforamenlos de terrenos
laciouaes........... 6
Ii os de transferencias de apoliees
da divida publica mlerua fun-
dada.............
Paccercs............
Guias.............
Copias.............
Cei'iidScs............
C0M1AM1I\ BEKNAMBUCANA
DE
!\'avegaeo cestelra vapor.
Macci e escalas.
O vapor Miimangunpe, rom-
maudantc Moma, seguir para
M portes cima indicados no dia
2o do correte as 5 huras da
tarde. Iteceber carpa ate D dia
23. Enroinineudas, passageiros e dinheiro a Ircte
at o dia da sahida s 3 huras da tarde : esrrip-
lorio un Fui le do Mallos n. 1.
tiim. O referido leiiio lera eflofil indo no dia e
Mira cima dito na na da Cruz n. 38, onde pode-
rao os pretendentes obter qualquer iofoiniacSo a
respeito.
Sk
m&&
Arlimellea. algebra e geo-
mtrin.
LEILAO
(
LTm grande sobrado de mu
COJO
reguezia de Sanio Antonio.
80.103*115
3
317
51
62
9
608
1526
ai. r i .ww_
da Crin n. 1.
MQVIMENTO DO PORTO.
Ator tntrmlot no din II.
Nova-York por Maranho 50 dias de primeiro
ixtrto, 5 do segundo, vapor inglez Yukan, de 366
toneladas, capillo Charles (i. Branker, equipa-
ren 17, em lastro: a Kdnardo Fenton.
Liverpool -42 dias, brigue inglez Arlistir, de 125
toneladas, eapito \V. Gamn, equipasen 8, car-
ga ilitTi rentes gneros; a Southal MetiorsA; C.
Adlofcle i uistrnlia) 7ti das, barca ingleza Asslnir,
de kil (.Mudadas, capitao George Col lie, equipa-
em 15. carga la e cobre : ao capitao. Veio re-
frescar.
Mana saludo na mesmo dia.
Matanzas i na Ilha de Cuba)Patacho inglez Mory
-'/. cai*tio K. C. Knegnt; em lastro.
Tiveram andamento (processos.).
Pagamentos effertuados...... 509
Cohranca, ris 17:4665.576.
Sloccio do contencioso da thesouraria de fazenda AraC't>"
de IVrnambuco, 7 .le Janeiro de 1864. o hiate Suntn Rila tem parte da carga prompta:
O procurador fiscal o dos leitos interino. Jos para o resio. tratase com Tasso Irmaos. ruado
l.vilislno Perrtra da Srra. | Aaiorim n. 35, ou con o mostr no trapiche do
Cmara municipal. algodao.
I"ela secretaria da cmara municipal desta cida-
de :;e faz publico que a mesma cmara principia
a sita primeira sossio ordinaria deste anno no dia|
11 Jo correte e seguintes.
Secretaria da cmara municipal doRerife8de^
jan :iro de 1861.-0 secretario,
Francisco Canuto da Boaviagcm.
Crrelo geral.
Pela administrarlo do correio desta cidade se
I faz publico que em virtude da convencao postal,
DAS
MESSAGERIES IMPERIALES
At o dia l'i
do rorrente es-
pera-ae da En-
rppa o vapor
franrez ffkiamc,
rommandante
Eaonl, o qual
dopoisa demora
_ do costume se-
guir para o Rio de Janeiro tocando na Itahia, pa-
ra passagens ele, trata-se na agencia ra do Tra-
piche n. 9._________________________________
Para o Ro de Janeiro.
O patacho nacional Capuam, pretende seguir
eom umita brevidade, tem parte de seu campa-
mento engajado, para o resto que I he falta t es->
eravos a frete para os quaes lew bous coromodos Qnlnl:i-f(*ii"i lo eorreilte
traU-M'coinos sews consignatarios Antonio Luiz a p^ ^w fc '
doOlivoiralaooodo&UBO seu esenptono ra ^n,.lv.ri:i (,ljx.,s ,.0(n excellentes queijos fla-
m,
j BU
wKnmi
iiilicienies malricnlados. a
aberta al esse dia, depois .1
Os mneles t tnms afitem-se a venda na rio alonaos que (a Nwhaa
Andar com OAtftn iMfci- res>ectx'a tbesonrarii ra do Crespo n. 13 scien.-ia-
Hutiii mmh M.u.iu tuni (lo em chaos prODriOS lia Wzn.4l,lojadoSr. Wmentetjraa Direta
aiii n. .1. bobeado Se. Cbagaa; ra estreitado
a LT611ipe. ReMrw n. 14, typotjrapUi do Sr. Mira e ra
i|iarla-i'i>ira :< 8'.'Janeiro. d'i Cadria n. 45, k>ja do Sr. Porto.
O agente Pinto rara leiiio rom autorisacio do' 9S I"*em'os ,1(* 5^001080 ;it tOtfOOO
D. Joauna Mara da Conceieao do aobrado do taja sero pagos nina hora depois da extrac^au
andar e s[ao, e,|,lirado cm cl.a.is prop ios na ra al ;|S i |,iw,(,n ,|a larde, e OS OUtrOS no dia
qtzaTH,:;,,,1; W^^JM&'St S^Ul',e *W* da ***** daslis,as.
matriruh ri.nl
qual s -
i'lii'lado as riK-s
rodos, com !MN) palmos de fundo, e cerca de 1,000
de frente, o qual predio torna-se recommendado
pela su i localidad*; o leiiio sera eHectuado s 11
horas do dia cima do. no escriplorio do mesmo
Mente, ra da Cruz n. 38.
CJ
C
i o:
2'i (ai\tseem imjos llamingos.
(empanliia ,prnam"bucana
m
engos os nelhorns que existem no mercado, os
i|iiaes -eran vendidiN em lotes :i vontade doscom-
naVaOM : quinu-i'eira 14 do eoircnte pelas 10
lioras da mannia no arantooi do Aunes defroote
Domingos Caldas Pires Penetra far
pot '
I*
dad.
couducta.
Quinla-ftira 14 do corrate,
0 lliesoureiro,
Anloniu Jo*J Rodrigiies de Suuza.
-!!____ g
-a -c
5 &
5. i a
? I.
P 2. ^
-41
c u c
v r> ,..
o
co>
r. -. 5- '' s
S 3 ^
Z -!
3 O
* 3 ?
Sil
i3
b n a.
\.
>
HabelloA BnMo,cstat*iecidoa eom lefioaolo
na casa n. i6 da ra los fiuararapes desta ehlade,
tem contratado Com Joaqum Ferreira di Silva
comprar-lhe bulos os ulencilios e mais pertenee
Dominiros Calila-. I'in-s Keneiri fari leilao :w'"'" "">''' ui.-ni-nius e mai- pcrience- ,|;i roa da Lapa, Ci
ku interveiM.ao no ageirte i mto n.. sol panana (oaao, silo na casa n. 42 da dita ra: por iste ~~-.------1^^-
,. i-.d..s os seos atenciHos, e de primetraVuk- n-ein pah|co> p especialmente aos credores 4o "T K"n,nrH p""
lade; assiin como de um escravo miMjo de boa dite Jo;ilJlljIll Kerreira .ia Silva ou do referid seu OeKiahrormi
i) abaii
risado pelos Sra.adiiiiiii>trniri-s da ma-
sa Miida n Paria t\ i... ratoanado an-
Ronoioj mnttas vasos pnniinaOa toroafj
jornal, cunsi.la de no\o n- ib-vedom da
dita sociedade fallida para amtgareHiie*-
te solvern sen.-, debito ale o din 31 do
rorrente nei de Janeiro, preveoioio-os
de me, se atain nao Iberem, lera de cha-
ma-Ios jnizo para nbrigai n pa
como tem succedido a respeito de al;:
Ouiro .-un decan aos meamos deven
tanto desta como de outras provincias,
da capital como do rentrn que nao po-
dem fazer pagunenlo algum x-naoaoan-
nuacianle ou a |iessoa por elle autorizada
ruin procuracao bastante, e da modo al-
guin podem pairar ao fallido, rugido e or-
culto, Juvino Carneiro Machado Ks, sob
pena de aolHdade do pogMienla, e efet-
rem de npeti-lo ao annum-iaiib- ou aos
dilOS aduimislradores.
Recife h de Janeiro de IH6i.
Iaho dt y n
m.
Aluga-se u segundo andar do .sobrado n. 6
da ra da Lapa, com suflleientes euaaaaodM "por
fallar na ra Velha n '>T
celebrada pelos gocemos hrasileiro e franecz.^ se- atenda IV Kncommendas, passajeiros e di-
rao expelidas malas para a Europa no dia 13 do ain>ro a rele tas t horas da manhaa do dia da i
Xavegaeo eostoira a vapor.
Ilha de raande.
O vapor Matnanguape, eom- naesi]inada roa liiqierial, ilefronte do metro
mandante Muura, seguir no dia do Miiniz, onde se elleeiuara leilo. s 11 horas
ISdo correte para o presidio 4o dia cima menrionado.
de Fernando de Noronha as II ho-'-----------------'j ---------------
ras da manha Recebe carga aaeaaanaw
Piulo i r.. declaraui que deade 31
mopoMadoM wKi i-\nne(i a
referida lirina n oue lira a cargo !. sori Kj l
ra Piulo o l,il"-lecimento pert-nc-iit- a mr-uu
exlinrta lirma.-Kecife, 7 de Janeiro oV 1N4L
Joaqum Ferreira Pinto de Campos.Irtaoa Ja-
uuario de Oliveira.
EDITAES.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial em cuinpriaonlo da erdem do Etm. Sr. pre-
side il da nivincia, manila fazer publico que no
dia W do crrenle, erante a junta da fazenda da
esnta thesouraria, se hade arrematara quem
pr menos fizer, a obra dns concertos de que pre-
cisa a bomba congua so rio Paulisia, na estrada
o norte avahada em |."23!jBM rs.
.v ai-remalaoio ser fiita na forma da le pro-
vincial n. .141 d* l-i.de uuio de 183>, e sob as
clausulas especiaes abafxo copiadas.
As pessoas que se propoierem a essa arrenata-
eio eomjiarecain na sala das sessoes da mesma
junta, no dia cima mencionado, pelo meio dia e
competentemente habilitados.
K pan constar se inanduu publicar o presente
pelo jornal.
Soeretarta da ihesourana provincial dePernam-
I de Janeiro de 18S7
O secretario,
A. V. d Annunriaeao.
Clausulas especiaes para a arrematacao.
P' A ulna sera Meetrtadavdo conformidade com
l mto plaa approvados pe i i inselho da
loria na importancia de l:i:tl5*ii'.' rs.
i.' 0 prazo pan principiar a obra sera de l-"i
contados da data da arrematacao. e o prazo
para concluir de 2 mezes coalados da data em que
indar o prazo para principiar.
'!.' ti pagamento enectuar-se-ha em duas pres-
11 correspondentes rada urna a meta-
de de ierviro eito.
5 l'.ira ludo o mais que nao e ai-bar especi-
lo as presentes clausulas nem no ornamento
lir-se-h o que dispoo a lid provincial n. 286.
Conforme,
A. t. d'Annuncincao.
- 0 lllm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial manda faier publico que o lliesoureiro da
mesma toesoorara est aulorisado a fazer d-i dia
11 do .'.irr :nte |ur di inte, o pagamento dos juros
das apoliees da divida publica provincial, venci-
dos ar o ultimo dedezembro prolimo lindo.
E para constar .' mandou publicar o presente
pelo Jornal.
uria da thesouraria provincial de Pernam-
bnea 9dejanetro de IR'k
O secretario,
A. F. d'Annunc'racao.
0 lllm. Sr. inspector da thesouraria provin-
; em cumplimento da resoloeio da j rita da fa-
(00 la, maula fazer publico que o contrato da con-
du terceiro termo da estrada do sul foi
ido para o da 28 do corrente.
B para constar se mandou publicar o prsenle,
pelo jornal
Secretariado thesouraria provincial de Pernam-
huco 8 de Janeiro de 18."ii.
O a. V. d'Annunciac,ao.
Pela Ibesouraria provincial se f.u publico
-que a arremalafo dos concertos das pontos de
a ania, Santo Amaro e Varadouro foi transferi-
li |.ara o dia 28 do corrente.
ilariada thesooraria provincial do Pernam-
buco 8 aajaaeiro de 1864.
0 secretario.
A. F. d'Annunciacao.
corrente pelo vapor inglez Maydaiena. As cartas
serio recebidas at 2 horas antes da que for mar-
cada para a sabida do vapor, e os jornaes at 4 ho-
ras ntes.
Administracao do correio de Pernambuco 11 de
Janeiro de 1861.0 aJininislraJor,
Domingos dos Passos Miranda.
THEATRO
di:
sabida : escriplorio no Porte do Mallos n. 1.
u'(iT'U O /{O (le JlWiiil'O Jlobilins complcias, pianos ile Aferoo-
les olores, cabriolis, ravallos, var-
eas con crias, relo^iosdenlgikeirl e
parede etc.. ele.
Sevla-elra 15 le Janeiro s II
- Para Lisboa segu com brevi.lade o brigue hora*.
portugnez Artioo, eajiitao Augusto Wenceslao dos 0 agente Olimpio em sen armazem ra do
Santos ; este navio tem parte do campamento Impera lor n. Id, vender o seguinte : urna rica
prompto, e para o resto a frete, trata-se com Amo- mobilia de Jacaranda non chegada directamente '
rim Irmos, ra da Cruz n. 3, ou com o mesmo da fabrica e despachada altimamente na alfande-
sahir com a maior brevidade possivel o palbabo-
te nacional Vinnuio ; recebe anda algutna carga
a frete e escravus : trala-se ram Nanoel Ignacio
de Oliveira ti Filho, no largo do Carpo Santo nu-
mero l'.l.
estabelecimonto, pan que no preso de tres dias
opponham o que livcrem contra dita venda.
Imperial Instiluto de \. S. lo
llum t on.s, tlm. na la Auro-
ra n. AO. Aluga-se o 2" andar do sobrado da rea do
Usta dos professores il,-s:-Instituto que foi sueco- Imperador n. ":, bastante fresco, e decente para
dulo na direceo lelo abaixo assignado, U|||a familia : a tratar cun Antonio Jos Rmlrigws
antigo vice-diiveior do mesmo. | de Souza, na ra do Cre.-jio n. l.'i.
__. Aula primaria. Antonio Jacintho Cesar, lendo de ir ao Rio
Pnmeira cadeira o lllm. 8r. Victorino Antonio 6naaV do Sul deixa enrarregado ilo.nego.-r
I j j.. ,,, ... .____ sua casa a seu socio Antonio Joaoiiim de Car va-
!ra Mao S> MoU" M MenMC8, H"-- HA''_J,l'l,0^:m-
Alnga-se um sitio na Captinga Velha, rom
lx casa, contemlo 4 iwaiWoi, gabinete, cacimla
com boa agoa, quartos ira proloa, onManria o
[cuil.-ias. todo murailo : quem (ireteader dirja-
se ra do Crespo n. 18, pnmeiro andar.
capitao na pnca do commercio.
Para Hentevldeo, recebe passageiros o br-
gue portQguei Impioriso : a tratar com o canitio ^.e
a bonlo.
co, 2 de bataneo, 1 sof, i eonsolos e urna mesa
ae meio de sala com lampos le podra, urna mobi-
j lia de dito com 18 i-adeiras de guarnieSo. 4 de
^ttfs----------;-----;r~t~, braco. 1 sof, 2 eonsolos e urna mesa de meio de
Para Porto Alegre pelo Ijio Grande do Sul iM|a,!oni UmpOS4opodra, 1 mobilia de jacaraa-
s.-cue o patacho nacional Ut>m de tnmhro; este d composto ] (i ,.,,|.i,as de guarnicao, 2 del
navio aceto carga para os do mencionados por- br 2 ,,, |Kl|;1,1(., {S(,f;i consolos e urna mess
los a um frote commodo : qMi"
pedo eiiieinlci-se no escriplo
ra da Cruz n. 3, ou rom
ido Jnior.
APOLLO.
Segunda- feir a |g de Janeiro
de 184.
CONCERT
BE
/r//ttr 9&a/ieao.
com a coadjuvarjio da s<*iedade Melpomene.
I'IMH.H ttlH t.
Primeira parte.
l.ogo que a orclieslra livor execuiado nm.i de
suat eooolbidas ou vertirs, repn-enlar-se-ha o 1
acto do drama do Sr. Firmino Candido de Figuei- tratado : para'o resto'que Ibe falta, e passageiros,
O MEMH(0 ^EfiRO.
Segndn paite.
- phantasia sobre motivos d .,
Trovador-composta e exeeutadt por Arthur .Va- Para rcsl I1-' '? e eseravos a fre,- ira-J
iioleio. ta-se com os consignatarios Palmeira .V Beltrao, I
largo do Corpo Santo n. 4, primen o andar.
lempira parte.
-- acto do drama.
Luto.
O lllm. e Hrm. padre mestre Flix Bar.vio do
\ a-concellos.
Frailee?
O lllm. Sr. Dr. Ajes Gama.
Inglez. Antonio Jos Rodrigues de Souza alupaasna
O lllm. Sr. Carlos Alkorne. rasa e sitio do Monteiro, cm frente ao oilo da
Geog_raphla. ignjo de S. Pantaleo, com bstanlo romanodos :
garomposla de 18 cadeiras da guarnico, 2 de bra- deira.
V lllm. Sr. Dr. Antonio liangel de Torres Dan- a tratar na thesouraria das loteras, ra do Cres-
' eometria.
O lllm. Sr. Dr. H.-mvindo Hnto Lobo.
nhctorioa,
O lllm. Sr. Dr. Manoel da Costa Honorato.
Phlosophia.
O lllm. Sr. Dr. Jos Soares de Azevedo.
Km etlfl 9 pessoal que o director, de accordo com
po n. lo.
HU1.-%]1XM
ESTAIELECIUEM.
te : quera quizer carroar, ^ meio do na iom podra, pianos de Jacaranda, o lllm. Sr. Dr. Jos Boares de Azevedo, eonoMa FrfitP
>cnptoin) Ainoiim irmaos, (ekrnttil^t [ ,,,, demegno(de mesa i. lavatorio para eccionar no Instituto, e cujo mrito prolissio- ***
>m o capitao Joao Clin-'..~!n- ,.om podra, pares da laniernas com piogenteo, nal por lodos reconhecido; as pessoas, pois, que estabelecido na ruj
i-,i..1,I l,r... ume ib- irrnc oir.i flores estiellios Se (lllizerem nreoarar em iiiinbioer fia* ibceiulin^c de. ebaniK de SI.
Francisco Muestrali
ra dalmperatnz n. 94 eom tabre i
candelabros, pares de jarros para flores, eapolhOB se quiaerem preparar era qualooer das disciplinas de diapos de sol, nwdon-ni para na do neinu-
Segu cun muita bn-vfdade para Lisboa, por i aom molduras douridas, mesas para jantar, com- i cima, podem vir dar seos noines mairicula. do n. 2i. aonde se cobre e se faz toda quahdade (te
ter prompta a maior parte do carreganento, o lui-' modas de Jacaranda e amarello, quaoros surtidos, Recebem-se alumnos internos, enteraos o meio concert porteronte esta arte, e avisa t i-do os
gue portugnez Florindn, o qual recebe o reato da cabidos, befos pan meninos, cavalkM de sella, pensionistas: ocoilofia e franqueado a tolas as sooo ffef notel de*ta cidade e de fon. ojo* esij
carga a frote : para tratar, no escriplorio n. :i da retoglos de alftiboira, de miro e prata, guarda lou- pnfsoas que o qnisorem visitar. vido a vender mais barato do que esa otr i
ipial|uei- norte, e ixik- onc Ihe d.'-.-m preOr
ra da Cre.z, ou com o capitao Joaqum Angosto
de Souza na praca do commercio.
Para l.i-boa pretendo sabir com muita brevi-
dade O patacho Jaren, capitao Jos Marque- Coe-
Iho Sobrinho, por ter parte de seu carreganienlo
noviiba. i garrota, espingardas de cari, registros
o candiel ros para gaz, I fardamentode guarda do
-estpndraodc eanflara, pateloR e calcas de brim,
redi
trata-se com os .hus consignatarios I'almcira 4
Beltno, largo do Gorfe Santo n. 4, pnineiro
miar.
PARA O RO EE JANEIRO
pretende sahff rom muita brevidade o patarho
rtl i i,i i .i no ni li".-, i-lino.- ni .--. (iii j-w... .....wmm viviiv^i" iiuii
retogiot de ak'ibejra. de onro e prata. guarda lou- P'ssoas que o quizei.-n visitar,
ra, cadeiras avnlsas, bidets, I voceo com cria, l Recife II de Janeiro de 1801.
Antonio Aogualo Ferreira Lima.
Precisase de urna ama que sorba pe feita-
inenv cosinbare engoininar : na ra da Concor-
uma clannet.i. bombas para agoar jardins eoulros (|j., M ^
miiitos Ortigos que se lornam eufadonho men- ---------'----------r-----------------------------------
(.|lin.,r Precisa-so de rama ama de leite para nma
crianca de 6 a 7 mezes: na ra estrella do Rosa-
e lodas as pessoas qu.- b'in chapeos n.-ta f.ibnc
para cmceitu-, lenham a Imndad- ia .- vir-in
buscar at aopraso de8 dios; pausando oprasn
seram vendidos para aoaaawnle dw dato* roo-
C.-Itlis.
Iiileeiro : na evenei-
mB*&
rio n. 31, terceiro andar.

ra d
l'ri eisa-se ile mais um
. Varadonro. em Ollmla.
DO
Primeira tettrns, grammatica
nacional. I itim c franerz.
joasJos Rodrigues, professor publico primario
amasia sobra motivos d-i onenn Correa por ter a mofo pineda carga miada: 7 i;*ii\;is i"?in Bajitos de (1 nles P 225 docollagJo dosorphaiMJdevidainatotituiadipela
olivos aop. n.....in >acl^ ,,, ,,,,r .,,..,:, f,,.. .,.. .. |directorageral, continua b-ecionar as snpraci-
uiui i oh saaaa. Isaas materias un era coilegloi b easaopartieu-
*i*xa-fcira l.'i le Janeiro. lares como na do sua residencia ra da Palma
O agente Piulo far leilao por conta e risco de n.23, onde pode ser procurado.
l;r;i o II i o le laneiro
At odia 30 do corrente pretende seguir
un-
quem perlencer da 17 cai\as cun palitos de den-
tes, 20i) ditas com sabio amarello e 2"j ditas com
preterivelmente o patachei nacional AeftcrnV, para Slhflij casl,.|baiio. ista s II horas do da cima di-
, o resto da carga que Ihe falla e eseravos a frete to a porto do armazom do Sr. Amos em fenle a
Quarta parte.
1 para os quaes tem excellentes commodos trata-se I alfnti*lt*ira-
Pbantasla Vonezana, coaiposta e executada por eom os seus consignatarios Antonio Luiz de Ol-1'
Arthur Napoleao. veira Azevedo i C, no seu esniptoro ra da
Cruz n. 1.

2ECLARAC0ES.
(hiinta parte.
3" acto do drama.
Sexta parte.
Grande nhantasia sobre motivos; da opera -lTm
Bailo in Mschera composta e executada por Ar-
thur .Napoleao.
Stima parte.
Ib presentarse ha a comedia em um acto
RO!U VIVA.
Hitara e ultima parte.
IdKIiiAO
I>E
1 sitio na Capulina.
O agente Alinela autnrisado pela viuva do fal-
lecido Joo ivangeliaM da Costa, vender era lei-
Para a Babia pretende sabir rom muita bre-
vidade o veleiro patacho Thnizn. capitao Joao
Correia Limo, por ter a maior parte da carga :
para o resto que Ihe falta, traase com os con
a/ar!.l!.-..Pa:l.'"e!!'.a1* n,,|triU)' '"fado '-orpo Santo | g OT aanad'lISi no^ognTda Capnnga Vofti,
com urna boa casa de pedra e cal, contundo sa-
las e K quarlos, cosinha fra, rasa para eseravos
e feitor, 2 lauques, riveiro margein do rio,
muitas arvores de diversas frnelas.
Scxta-feira l.'i do concille porta da assocaco
commcrcial s II horas do da.
n. 4, primeiro andar.
Para a Baha
O palhabote Gnribuhli pretendo seguir com bre-
vidade para este porto, tendo parte de seu carro-
gamenlo, c para o resto trata-se no escriplorio de
Tasso Irmaos na ra do Amorm.
Rio de Japoiro
Segu com brevidade o pathabol ftedae, capi-
tao Marqti-s Vianna : recebe rarga a (rete : I
lOTurbilho. segundo galope de concert cum- tratar com Caetano Cyriaro da C. Morcira s Ir-
poski e executade por Arthur Napoleao. nio, no lado do Corpo Santo n. 23, ou com o ca-
"oa fJasa da Mlscrieordla do
Recite.
O Sr. lliesoureiro interino da Santa Casa de Mi-
sericordia do Roo/e, lenle coronel Justino Pe-
vi: i ile Para, manda fazer publico que no da 19
lo curente pelas 9 horas da maiiha na casa dos
-ios paga as meusalidades vencidas s amas,
que ae aprsenlaroaa eom as creoocao, que Ibes
'nram con I adas.
(aria ila Santa Casa de Misericordia da Re-
11 de Janeiro de 18b'.
O escrvao.
F. A. Cavalcanle Coasseiro.
ooscllio administrativo.
O consetho administrativo para fornecimento do
i rsenal de guerra tem de comprar os objectos
gimos:
l'.ira o 2" batalho de iufanUria.
Mantas de la o.
Para o rorpo da guarnro da Parahiba do Norte.
>l uitas de la 50.
Para o batalho do Cear.
Mantas de la 1(.7.
Para o 7> batalho de infantaria.
Mantas de la i.l.
Pai-a o deposito bellico da provincia de Alagoas.
Mantas de la 110.
Para o > O* batalho de infantaria.
Mantas de lia ".
Qneiu quizer vender toes objectos apresentem as
i is propoetas em carta fechada na secretaria do
lene ai 10 horas damanha do da 1 do cor-
Sala das MssS a do c msera i a Iminislrativo pa-
ra fornecimento do arsenal de guerra 5 de ja-
I de 18tii.
Anionw Polio de S Barrete,
Coronel presidente.
los Antonio Pinto.
TVnente-rronrl vogal.
O lllm. Sr. Inspector da ihecoararta de fa-
i dOSto provincia, inania fazer publico que,
ni virtude da ordifin do tbesouro nacional de 10
de n.iveinl-ni do anuo prximo passado. (lea mar-
.; Mara Colerina da Gonce ao, Anu Joaipu-
l'nncipiar s 8 horas.
Qi.alquer encommenda de camarotes ou cadeiras
M i" dem fazer at quarla-feira no hotel d'Europa
e no dia do concert uo tbealro.
pilao,
LEILOES.
AVISOS MARTIMOS.
DOMPANHIA BRAS1XEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
k
DK
Fazcndas francozas c oiiudezas
IIO.IB .
Cals Irmaos querendo liquidar s ;u negocio de
Dos portos do norte esperado, fazendas farioleilao de todas as mercadorl In-
atenda lli do correte O vapor i elusiva miudezas existentes em seq armazem as
Cruzeiro do Snl, rommandante o quaes serio vendidas sen limite algum. em seu
capitao de mar e guerra Gervasio armazem da ra da Cruz, na terja-feira 12 do
Mancebo, o qual depois da demo- corrente pelas 10 horas da manha, onde desde
ra di costume seguir para os portos do sul. i jj POnfa que os seus amigos e freguezes eompare-
Di sde j recebem-se passageiros e engaja-se a conoe paira o qoooa convida.
carga que o var poder conrluzir. a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegai a, encommen-
da- i dinheiro a frete at o dia da sabida as 3 ho-
ras : agencia, ra da Cruz n. I, escriplorio de Au-
topie Luiz de Oliveira Azevedo \ ('.
COMPANilIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR
Dos porlos do sul 6 esperado
at o da (1 do corrente o vapor
Apa, coinniandante Alcanforado,
o qual depois da di inora do cos-
tume, seguir para os porlos do
norte.
Di sde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carg i nue o vapor poder conduzir, a qual Severa
ser embarrada no dia de sua chegada : encom-
io.m las e dinheiro a frete at o dia da saluda s 3
hora-, agencia ra da Cruz n. 1, eseriptoro de
Anti ubi l.uiz de Oliveira Azevedo A- C.
&
OiyiupiavOe Suuza Raogel, Mar Isabel i Souza
I l e Mara <" Bopinto Santo de Sooaa liangel,
o praso contado desia data al l"i 'i' fbvoreiropr-
ximo vindouro, para salisfazorem a certas forma-
lidados que fallaran) nos processos de justificaco
;'. prodipraiM pira a percopcao de seus meios
1 -ol peno de Ibes ser so|ionso o pagamento
! is inc-mus meius sidos, e de proceder-se execu-
tnents contra ellas para restiluico do que j li-
i eoU 11.
taris da thesouraria de fazenda de Fernn-
ni | de ja:,.no de 1W.
Servindo de offlcial maior,
JWflW"'/ J' l'into.
COMPANHIW PKRNAMIitCANA
DK
^;i o-javio eo.steira a vapor.
Paraliiha. Natal, Maro, Aratalv. e Cear.
O vapor 'urmpiit. 'romman-
dante Marlins. seguir no dia 22
do corrente s .'i horas da tarde,
para os portos cima indiclos.
Roooben carga al o dia 21. Kn-
passagniros e dinheiro a frete al "
dia i a sahida as 2 b iras da tarde : escriplorio no
Fort! do Matlws n. 1.
DO
Cseo, apparelho e naais por-
teares da rscnaa naefnaal
Emilia.
0 agente Simoes levar de novo a leilo o casco
forrado a cobre, um boto novo, lancha e mais
pertonres da mesma escuna, ludo existente no por-
to do Maco, como consta do inventario em poder
do mesmo agente.
aio.ii:.
as II horas da manhaa no armazem dos Srs.
Palmeira cv Beltrao defronte da assocheo com-
merclal.
de
Atcoeo.
Quem sejulgar credor da Urina social
1^ uniares \ llocha. mesmo por titulo a
5{ vencer ou de fce da Rocha e Silva, g(-
n redte da mesma lirma apparoca na ra
jiSu do Qnoimado n. 3:i A para ser "pago. Re- fi
Sjgi rife. || do Janeiro de 1841
mmm mmm mmm mmmmm
^aqnos.
Custodio Jase llf Guiiiai'cs com
laja na ra do Cie<|>o o. 7, sata para
Lisboa.
Prersa-se de urna ama : na ra do Apollo
n. 28, armazem.
GEOMETRA
O padre Francisco Jone de Azevedo. habiltalo
pela directora geral de instrtircSo panuro, tem
resolvido abrir um eorsode ge mirtrfa, pot .
convida aos -cnliores estodntes i ipiem mvrvr.
promettendo-llu-s emprogar todos os rxfore, aura
deque ponara tirar o desejado pr
lcoes: a iraiar eom o mesmo, na roa I
n. 43, primeiro andar.___________________^^^__
Aula particular de instrnrro primaria na roa da
fionreirao n. 6.
O professor abaixo assignado pretende reabrir
sua aula no da 11 'I" corrente.
Francisco Deodato Lana.
Noeiedade le seguros uantuos
le vida lostallailn polo Raneo
I'nio na oidade lo Porto.
Os agentes nosta cidade e provincia Air
Luiz de Oliveira Azevedo A; C.. escriplorio na roa
da Cruz do Recife h. I. esli auloris
a tomar assi-naturas e prootar todos o* eaenrect-
mentes qne forem necesanrios, as j- de-
sejarera concorrer pan So til a boaola coapre-
za. segurando um futuro Usongein voV-.
" O
1>K
ladre Flix Barrete de Vascoe
Alugase a casa n. 8 da ra dos Praaereo, 1 (essor particular do latn o franeez. OMOton *na
bairro da Boa-Vista : para tratar, no primeiro au- residencia para o pateo do Panizo n. 2''. segundo
andar. Kutra la pela Iravessa do Onvidor._____
i dar do sobrado n. 8 da ra do (Jucimado.
- Eufrozina Mara das Dores previne ao pnbli- O1"'111 |iw l vender um wri
fin raudo sobrado de um an-
dnr a eidade do .traeaty. leo que o 3r. Manoel Francisco da Silva nao pode q"" --"'''a .-ozinlnr. dirija-se ra do Vi-.-irio n :
O agente Almcida fara leilo reqoerheoato dos contratar a venda do sitio na Varzea de seu Uado' No escriplorio (te Antonio Un de OHvcon
administradores da m..-si fallida de Seve Filftes r sobrinho Luiz Firmino Goocalvea da Silva, cujo si- Azevedo & C. na ra da Cruz n. 1. pro-,
\ C e mandado 4o lllm. Sr. Dr. juiz especial do tio se ocha cm litigio para pagamento do quanto lar com o Sr. Luiz Soares Butelho, lino de
commercio. de um sobrado de um andar com 3o era deve lor o mesmo finado esta senhora. _____ Soares Botono o de Fortunata Candida de 5
palmos de largo leiulo :i janellas na frente, na ra | __ Puni no dia (i de Janeiro eorrente o escravo p "do de Fraiici-c-> Manoel le Soma, nal
das Flores da cidade do Aracaty em chaos forei- pardo Geraldo da dado de 29 a .'!0 anuos, baixo, ha de S. Miguel, o qual consta tor vind i
rus a cmara municipal de dita cidade. grosse, cor clara e desbotada, cabera grande e re- ,a cidade em 1836, para Ihe dar noliri
Srxla-frira 1S de Janeiro oo48M don.la. cabellos crespos nona, rosto largo, olhos mai e irmos que se acbaui no Hio de J-o.iro.
Ensino primario.
porta da assocaco commcrcial as II horas; os
pretiMidentes poilcn obler quahiuer informaran do
agente cima.
AVISOS DIVERSOS.
grandes e um tanto amarados, urna pequea mar-
ca de ferida no braco, diversas marcas de lalhos
atr.ive-sando a barriga, pernas grossas, ps 1,-rgos, Na ra das Cruzes n. 2, primeiro andar, lem
co.-turna trazer barba e ligode, que raspn antes aula sob a direceo de Nnoda Silva G.;irimV
de futrr : quem oaporebeader leve-o ao engenho
Pilada, comarca do Nazaretli da Malla, ao senhor
do.....smo, Feliciano Gomes Pereira Gaiao, ou
i ra do Qiiejmad, teja de ferragens n. 13, de A. de
o rom luja oV
Imperador n. 71. decOira a e*n
Trocamse boas lell as por lijlos de alve- praca que nada deve a pes.-ua algunu. ipir n.-fa
...... ATTO/ICiu
O dnirrio Leal mudou ;saien.flA'c'q,1 s,'ri re('omPensa',,>enero- o*** assignad, <***%
.', l"'1"-"'"-_______________________________________balnis na ra do Imperador n. 71. I
a sua resn Inicia da ra do
Uueiniado paisi a ra das
Gruzed sobrado l 36, pri-
meiro andar, por cima do
anuazem Progressista, aon-
de o acharao como sempi*e
prompto a qualquer hora pa-
ra o exercicio de sua pr-
fissao. Chamado por escripia,
LEiLAO
coiinnend.i
A barca l.imo /sabe para o Porto em poneos
dias por terquasi prompto o bou earregamonio:
para o resto a passageiros, tratase com os ron-
signitarios Camino 4 Nogueira, na ra de Apollo
numero 20.
l*arn Usboa
vai sabir ate a dia l'i do corrente o brigue Confian-
en: para algtima carga que anda precisa e pas-
sageiros, traia-se com os consignatarios Carvalha
neira, na ra de Apollo n. 20,
DF.
Fazendus iillenes, sniss.is, frau'pzas
e RglazaK
Quarla-feira i:i do frrenle.
Tbeodoro Chrisiiansem fara b-ilo pon fecha-
menio de facturas de diversas fazenda- allemies,
suissas, francezase inglezas todas proprias deste
mercado: (piarla-feira 19 do eorrente pelas 10
horas da manhaa em seu armazem da ra da
Cruz.
Damiogo 5> do rorrenle
desrineaniiuhou-se l.i poulc no-
va liara a cilale de Oliatla. una
e;tdella preta. Justante gorila.
eom iinii ni i rea nranea abai-
xo do peseoeo, eom a eauda fro-
eada ealguns cabellos braneos.
a |iial aeode prlonome de^riun-
la : quem a aeliuii trayendo es-
a adtt.
jsa^ iwiwianMliin i' i ssra^yHTgBiBEr
nana gros n. 13.
Offerere-se una pessoa. para leccionar em
qualquer engmlio primeiras b-itras, gramnallfca
portugueza e arithmeiica: quera pretender din-
ja-se a ra Augusta n. 65. deisando carta fechada
com as niciaes II. J., indi.-ando sua morada para
ser procurado.
a tratar ra do Mondego. olaria u nutra praca, porm'se alguem se >ilgar --ti
credor. podera apresealar Mas MOOM no (t .
30 dias para serem> pagas. O mesmo conim e
ter sempre um completo sormenlo de b:thiis
malas. I.cm como >< nearrrga lodosos tamaitos e teiiios. bem como garante ser
bem feius e seguras todas as suas obras, e por
precos razoaveis. Cbnnna na masan casa a rom.
praf sola, couros seceos e caiaii va
O aoaixo assignado laz ver ao rcsjpeiUvel Man el Joaqum da Silva Vasa,
publico, que a fabrica de lan.ancos da ra lreila! -_ 1Vwifl^j-~mi ama na nia ^ ABrora
n. MI, pertenee a Joaqum AI ves de Lastro. '___ I _.
Hi1',ir;^!' Ira a.pn.v.nria de Alago,; o ci-, lnMlmtolw de nadara
dadao hras.leiro F-zegmel dos Santos Aginar.____, M ^ J ^^ %
Precisa se de nina ama para urna casa de
ponca familia : na ra do Queimado, teje do bei-
ja-flor n. 6:i
Alugam-se duas casas terreas sitas na estra- -
da do Chora-menino ao ei tnr da ponte pequea, tedo o aehvoe P-ismvo da iti'-sma, ^J*0**
comos seguintes cc.mmoi os
cozinba fra. quintaos murados c cacimbas, sao
proprias para morada de una grande familia ou
de duas intcramcnle rela-ionadas, por serena jun-
tas c lerem no interior portas de coiemnnic.H-o :
a tratar no sitio n. I na estrada do Hospital Portu-
gnez, ou no pal 'o ib Caro sobnoo n. 2.
coziohar em
ii- a igna los rorr-' do
commercio 'i dissolveram nesta data a sorieilaoV
que linham nesta praca sob a tirina de WHd v\
Jusl, tic.ni.'.o a cargo de Daniel Paneracio \
todo ,. a.-vo c passivo da mesma, e Theodor-
2 salas, V quarlos, desonenulo de qualquer rosponsahdHiaOe, lann
para cen os credores da 8rmi
com a soctedade. Recife :;i do* zemon le IW
rtaniel Pamelo fH
Iheodoro u-i.
Precisase de una
rosa In |.ourl familia
Senzala Nova n. \.
_ Preeisa f ;: com u Sr. Fortw
r-,as Samnaio : na naca dolnaV >
O senhor que deixou un |-n!vr de noi
a iratar na relaacao da, prj>w da ,ndeD( ,,.,,,,., ,
o vir buscar, do contrario ser ven-li-l- \
una para
LEIIIO
DE
I ma rasa le campo.
Qii' la-fc ra 13 tic jnnciio.
O agente l'into far leilo s II horas do dia
cimo dito de ama casa edificada no estrada do
Monteiro porto da ooveacSo, sobre pilares e ali-
cerecs de pedra e cal com duas salas e seis quar-
A vinva e. Olhos do linado Miguel Felicio
da Silva, afradecem cordialmenle a tedas
as pessoas que se dlgnanm assistir os suf-
e acompanhamento dos restos mor-
laesdo seu presado n seinpre chorado ma-
rido e pa; oao mesmo lempo deelonm que
no da 13 do corrente pelas o horas da ma-
nha, lera lugai na ordem terceira de S^
Francisco, urna missa por alma do fallecido.
Alugam-se o pnmeiro e segundo andaros do pagamento, oto oo praso de 8 dias.
sub .ido da ma da (lua n. 55 : a tratar n:< refino-
| cao da Senzala Nova n. 1.
wssm&m
Precisase de urna ama forra OU captiva pon
todo o servico de una casa ile pouca familia, e
tos c mais quartos para pretos e estribara para 8 paga-so bom na ra da CUdoia (\q Recife n. 10,
cavallos, cacimba com boa agua e baiza de ca- primeiro andar.
Offerece-se oma inulher honesta para ama
de casi do homem solleiro, para servico interno :
na ra da filora n III.
I'reci-as'' alugar urna ama que saib imz-
nhar: na ra das Cruzes en Santo Antonio n. U,
segundo andar.
Alupim-sc
Tres casas larreas no hmde
Florentina n. Mu son 111 eali i la pelo pon
ao armazem do carros do J Grosjean, por i
razoavel : quem as oretender dirija-se a ma i .
Senzalla Velha n. H, no primeiro andar, da
horas da manha s :i l|2 horas
  • Precisa-si
    Aluga-s.- urna can lema com snno e eom- n**** '"f J '
    m i i|?a, ale familn, quartos pan criados, '",l"l!,";';^!"
    nao BXce 11 de I i Da ni i do l.ivram uto n r>.
    se dir.
    estribara, quintal bastante grande com fructeiras,
    sita nos Afogados no pat o da Paz : a Miar as
    Cinco Ponas n. U. pn nos Afogados rom o Sr.
    1 Lorio Lias.
    Precisa-sc de urna
    mem solleiro : no ra do Qoennni n


    UUrkV 4c i-truauiM^u Hi\n lelra I de Janeiro de 184.
    -a:ia.
    Precisa-seda tima ana paro todo o serv o
    de urna a de poaea familia, inclusive en-
    gommado; na ra da Penhan. -*, primeiro
    andar.
    Eduardo Gadault proponhe-se a leccin-
    nar desenho em particular, as |>cssoas
    que quizerem recrea rom se OU professa-
    j| rem esta arle, teiiham a bendade do dei-
    a xarem < numero de sua residencia no g
    8 atorro da Boa-Vista toja do Sr. Dubarry. 8
    j| As Motea sero as qunrtas e sabhados, I
    mensaudade 155 pagos adiantados.
    Chrislian Haas, Elise Haas, Henriqo Caafel
    HO4OES
    DE
    PARTIDAS DOBRADAS
    OFFEBECIOAS
    A ISSOGUQiO ClHUIEKCIiL UFAEFICENTE
    DR
    ii:n\Atiui *o
    POR
    IViieiio escriturario da thesouraria
    de fazenda de lVruaiiiburo c compclenteincnlc aii-
    torisadu para exercer o pro-
    fessorato particular de arillimelica nantesma
    provinria.
    Acha-se esta obra nos pelo da typographia
    Commercial, donde em breve saldr luz da pu-
    ChrisJian Cassel, Coradine atzmevr, Comadme Wicidade em ntida impressao e sob D formato de
    (irebe, Chnstiane Frieders, subditos alUinaes i-e-; ^l'01"111!-'1"7- ,,.,__
    iin,',-A ,r, fr, H-, .vin..in Qoaanoo-se este obrado um volume, dividido em
    una parte llioorica e outra pratica, de fcil alean-
    tiram-se para fora da provincia.
    Furlaram em lieberibe um cavallo, na no te ce as pessou qoe se queiram dedicar ao esludo da
    do dia 8 do correte, com os signaes wgamle>:' esCrituraro
    mellado, das dinas e cauda brancas, com um ftr- A r<. J.eVtiVa assignatura adiase aberta em to-
    ro no uuarto direiio, imitando um H, com calos ms das as uvrarias desta eidade, ao preco de 51000
    ptzes, est descarnado, bastante pesado : quem (|or Volume.
    doli der noticia, pode ir Beberibe entender-;e
    com o abaixo assignado.
    Luciano Eugenio de Mello.
    Deseja-se saber se Antonio Affonso Vianra
    fallecido em 7 de maio de 1861, deixou aqui fami-
    lia, negocio deinteresse da mesiiia : no escriplo-
    rio de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo \ C.
    Precisase alugarurnapretaescrava quesai-
    ba vender na ra : quem tiver, dirija-se ra la
    Gloria n. 16.______________________________
    Presisa-se do urna ama de leite sem lillio.; :
    as Cinco ponas w. 74._______________________
    A sociedade Pbil'artistica contina nos seis
    trabalhos quintas e domingo noite, para o q e
    sao convidados todos os socios e mais artistas.
    O Io secretario,
    ________________________Thom J. M.
    A pessoa que annunciou precisar do 70C 5
    sobre hjpotheca de urna escrava, dirija-se ra Hospicio n. 62.________ _______'
    Precisa-se de tuna ama para cozinhar e com-
    prar : na rua Imperial n. 13.__________________
    Precisa-se de um preto ou moleque escra '
    ou livre para alugar, paga-se bem : na casa de
    banhos no pateo do Carino.__________________ j
    Bernardino Lopes de Oliveira julga nada de-1
    ver, mais se alguem se julgarscu credor apresen-
    te sua conta no prazo de 30 das para depois de
    ser conferida ser incontinente paga. liecife, 8 le
    Janeiro de 1864. ________^_^____
    Aluga-sc o 20 e 3" andar do sobrado da rua
    Nova, com excedentes eommodos para familia : a
    tratar na rua da Cadeian. 62, 2" andar.
    Agencia de passaporte.
    Claudino do Reg Lima despachante de pass-
    porle, tira-os para dentro e fra do imperio por
    commodo preco e presteza : na rua da Praia pri-
    meiro andar n. 47.
    Joao Guilherme Romer subdito
    tira-se para fora da provincia.
    - l'recisa-se de um bom cosinlieiro e do urna
    ema que saiba engommar e lavar : tratar no
    sobrado n. 32, da rua da Aurora.
    DENTISTA DE PARS
    19Rua Nova-19
    Frederico liautier, cirurgio dentista,
    faz todas as operaces de sua arte, e col-
    lora denles artificiaos, tudo com superio-
    ridade e perfeico, que as pessoas enten-
    didas Ihe reconhecem.
    Tem agua e pos dentifick).
    CASA DE SAUDE
    Em Sanio Amaro
    Do Dr. Nllva liamos.
    nico estabelecimento desta oaloreza
    que existe entre nos, montado do modo
    que pode com todo o commodn e zelo tra-
    tar qualquer doente, que nella soja reco-
    Ihido.
    O edificio magosteeo e conservado
    em perfeito estado de Umpeza e conve-
    nientemente mobiliado.
    Os doentes sao separados, segundo os
    sexos, nalurexa das molestias e condicSes
    sociacs.
    Ha quartos fortificados para os alina-
    los, e una enfermara para as partu-
    rientes.
    O proprietario enearrega-se de qual-
    quer operacao.
    O estabelecimento franqueado qual-
    quer peSBOa que 0 queir.l visitar.
    Primeira elasse 35000diarios.
    Segunda dita.... 25500
    Terceira dita.... 25000
    Para que qualquer doete sejaali rece-
    bido, basta que se mande onome do doen-
    te e da pessoa que o remelle, com a de-
    claraco da morada.
    O proprietario aceita contratos annuaes
    com qualquer que uncir ter um ou mais
    leitos sua disposidio.
    Festa da feentiora do Monte.
    S. Re, Sr. D. Miibade de S. liento
    draceordo com o aliaixo assignado leiu
    removido a fesla da Senhora do Monle
    d
    j
    ze
    Jlauoel Luiz Yiracs.
    CUKPHIMENTOS
    i guia branca.
    A aguia branca dirige seus sinceros cumpri-
    RIVAL
    sem sEf.rxno
    tita do 4|uoiiuado u* 1 r ...
    le proverem-sc dos variados e differentes objectO!
    de gosto que constantemente se acliam no ninho
    Aluga-se urna casa terrea na Capanga, com
    bons eommodos para familia a tratar na rua das
    Larangeiras n. 12.
    Maques sobre Portugal
    O abaixo assignado, agente do banco
    mercantil Portuense nesta eidade, saca ef-
    fectivamente por todos os paquetes sobre
    o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
    Jualquer somma, vista e a prazo, po-
    endo logo os saques a prazo seren des-
    contados no mesmo banco, na razio de 4
    por rento ao anno aos portadores quo as-
    sim lhe convier : nas ras do Crespo n.
    8 ou do Imperador n. 51.
    Joaquim da Silva Ca.stro.
    wmmmkm
    Pi-pci calenda al a nina cousa de pkii'inaeia *
    na ludir i da rua do Camn n. 11.

    aiiemo -M Iiisticcilo secundaria. ^
    Alujase
    a loja n. SO da rua da Cadeia, esquina defronte da
    i na da Madre de Dos, propria para qualquer esta-
    belecimento, tendo arinazeiii no fundo da ine.-ma
    loja com commiinicacao por dentro e portas para
    a traviesa da Senzala, alugando-se tambem o pri
    meiro andar da mesma casa, e ahi acliaro cora
    quem tratar.
    .y*mmsmmmm
    Joao da Silva llamos, medico pela uni- ^a>*
    versidade de (timbra d consultas em
    sua casa na rua Nova n. tiO das 8 s 10
    horas da manla e das 4 s 6 da tarde e
    recebe igualmente convites para dentro
    ou fora da eidade com o fim de se en-
    carregar de qualquer servico de sua pro-
    fissao. ^
    Os chamados devero vir por escripto.
    mam mmmm mmmm
    Gab nele medico cii urgico rua dos
    Flores n. 37.
    0 Dr. Estevo Cavalcanti de Albuquerque d
    consultas medico cirurgicas em sen gabinete das
    8 s 11 horas da manhaa e das 11 at s 3 horas
    da tarde, os chamados deverao ser por escripto e
    dessa husa>*m diante dever ser procurado na ca-
    sa de sua residencia no Chora-Menino.
    1." Partos.
    2. Molestias de pelle.
    ."!. dem dos olhos.
    4. dem dos orgos genilaes.
    Praticar toda e qualquer operago em seu ga-
    binete ou em casa dos doentes conforme Ihes fr
    mais conveniente.
    AT
    tavel publico e aos seus freguezes, que em vistis
    de se achar seu estabelecimento em obras adra le i
    alargar mais o campo para o gallo de novo cant:.r,
    afim de melhor poder servir seus bons freguezes,
    com tudo em quanto durar as ditas obras conti-
    nuar a servir seus freguezes no seu grande ar-.
    mazem com frente para a rua do Imperador cora
    entrada pda dita loja do gallo vigilante, rua do'
    Crespo o. 7.
    = U-se dinheiroa Juros : na
    rua do Hangcl n. O.____________
    Na rua da Cruz n. 16, segundo andar, preci-
    familia.
    Precisase de urna ama para comprar e cozi-
    nhar : no becco da Boia r. 2, primeiro andar.
    O baharel A. B. de Torres Bandeira, <3
    p-ofessor cathedratico de geogrophia e
    historia no Gymnasit* desta provinria, con- C<
    timia no ensino particular de ambas estas JR
    ,__...,. irt^i^-Tw-iLJTg.T' ...; IS5 disciplinas, e bem assim no de philoso- sa-se de urna ama para cozinhar e comprar, e ou-
    custodio Jos Alvos Gu.maraes z^sa ao respe.- phiac The'mic:k || Ira |iara 0 serv0 mterno de uma cas/ dc' p^
    K A pratica de mais do 14annos, adque-
    b rida pelo annuncianteno magisterio a que
    3 se ha dedicado, offerecc-a elle como ga-
    f rantia suffleicnte, quanto ao pontuil des- JPS;
    K empenho de suas obrigacoes no exercicio *p
    g de. tao importante ministerio. t-'J
    K Igualmente se ada disposto a msinar ^,_
    I.'* estas Momas disciplinas em qualquer |T~
    Ji collegio ; assim como a habilitar conve- t
    , nieiitcniente aquelles estudantes que, j Jr;
    VA 1 I UNA V X I nil I iV ''M lCM(|,) al^6es ncraes e elemeulares sobre v \\f lilil {lid \ \ lillPMPf/. w ,|"all|""r ''""'as ma,erias Preparaiorias, y
    . vy Tilia y mj .n. V4iijr.unjr_a.#. (g|| quixerem recorda-las, com antecedencia m
    \luga-se a casa da rua da Esperanra (CaraiD io aos exames na Faculdade de Direilo, em r
    Novo) n.2, com 4 quartos, 2 salas, corredor sera
    rado, eosinha fra, cacimba e quintal murad);
    a tratar na botica da ma do Cabng n. 11.
    Aluga-se um sobrado em caixo com boa
    leja pan qualquer estabelecimento, por ter grande
    le reno no fundo, porto de desembarque per'.o,
    todo com portas seguras : a tratar rua do Mcn-
    dego, olaria n. 13.
    Pede-se cmara municipal desta eidade
    que lance suas vistas para um sobrado na travessa
    das Cruzes, que escndalo desta ordem nao se
    pode aturar dentro de uma eidade como esta, que
    deve cumprir rom seus deveres e nao abusar e
    fazero que entende para beneficio de alguem ; as-
    sim como pcrgunta-si; cmara se nao existe fis-
    cal neste bairro que rumpra com seus deveres :
    roga-se mesma cmara que mande fazer uma
    revista no dito sobrado.
    Precisa-se de uma escrava para vender na
    rua : a tratar na rua das Flores n. 23. Na mes-
    ma casa vende-se doce de calda de todas as quali-
    dades, o melhor e mais bem l'eito que uossivej.
    igS os mezes de fevereiro e marco.
    jR Quem de seu prestimo pretender utili-
    )K sar-se pode procora-lo na rasa de suare-
    ^J sidencia, rua estreita do Bosario n. 31,
    aR lerceiro andar, das 3 s 6 horas da larde. *
    >&&Lm^y&r*.v&.>m*!X&*K:>M!.+3s!M\ Joao Jos Pinto de Olm-ira convida a seus
    MmmMWmmMmM'S^mmlcreores ^ reanircm-^ quarta-fe.ra 13 do cor-
    - O abaixo assignado declara quem possa in-' renle, pelas 10 horas da manhaa em casa do Sr.
    teressar que associou a sua prensa de algodao sita : Antonio Jos B.tancourt, no caes do Hamos, serra-
    no Forte do Mallos n. 21, seu filho Manod Izi-, na n. 34, afim de trataren de seus interesses.
    0(Terece-se uma pessoa para escripturar em < a- doro de Oliveira Lobo, o qual fica na gestao dos Precisa-se de um caixeiro para taberna : na
    sa; commerciars, lanto em partidas simples como negocios da dita prensa, qual girar d'ora em rua de Santa Cecilia n. 27, ou na rua do Queima-
    do, loja do beija-finr n. 63.
    Ao commercio.
    dohrada : quem qutzer utilisarse de seus serfi- diante soba tirina de Lobo & C.
    eos, dirija-se em carta fediada na rua do Livi a- j Becife, 2 de. Janeiro de IHIi.
    ment n. 7, loja. Manoel Ignacio dc Oliveira Lobo.

    ADMIREMSE DOS PRECOS
    o
    Das mimosas laas que o barateiro esl vendendo a 400 e 500 rs. o covado, fazenda
    esta de muito boa qnalidade e de lindos padrees, muito apropriadas para vestidos de se-
    nhoras e meninas, dao-sc amostras na loj; do barateiro n. 1, junto ao arco de Santo
    Antonio.
    "M
    :>.<
    0
    VESTIDOS JAPONEZES
    Muito bem viudos estes vestidos para a loja do barateiro que garante nao os haver
    em outra loja, tendo muita fazenJa, laoos, barras e inuitos enfeiles, fazenda de primor,
    mandam-se em amostras : na rua do Crespo n. 1, junto ao arco de Santo Antonio.
    Proprios para a festa do Poco.
    ;>,*:
    I WMmmmmwmm
    AURORA BRILHANTE
    Aluga-se o segundo andar do sobrado n. 6 da
    rua da Lapa com sullicientes eommodos e por pre-
    co razoavel : a fallar na rua Ve;ha n. 57._______
    - Aluga-se uma casa terrea com eommodos
    para familia, na rua da Manguen a n. 8 : a tratar
    na rua do Queiraado n. 38.
    Precisa-se de urna preta quitandeira : quem
    a tiver dirija-se rua de Hortas n. 106, que se
    dir quem a quer.
    i asa de educa cao

    Jeronymo Pereira Villar achando-se melhorado
    de sua laude, tran>fero o seu estabelecimento de
    instruccao primaria e secundaria para a rua do
    Imperador, sobrado de tres andares n. 9, esquina
    que vira para a rua do Crespo a participa nao
    Roaos Illms. pais de seus estimaveis alumnos, co-
    mo ao rcspeitavd publico, que as aulas estaro
    abertas no dia 8 de Janeiro do correte anno.
    mmm mmwm wm mamm*
    gg C'oieipauhia fldclldade de |
    seguros martimos e ter-
    restres estabelecida no
    B Rio de Janeiro.
    AGENTES EM FEIWAMIICCQ
    a Antonio Luiz de Oliveira Azevedo k C,
    competentemente autorisados pela direc-
    (|^ loria da companhia de seguros Fidelida-
    j=5j de, tomara seguros de navios, mercado-
    3& ras e predios no sea escriptorio rua da
    H Cruz n 1.
    LARGO
    DA SANTA CRUZ N. 84.
    Amigos do bom e barato.
    Aluga-se oarmazem n. 4 da rua do Apollo, e
    oterceiroandar da casa n. 88 da rua da Irapera-
    triz ; na rua da Aurora n. 3fi.__________________
    Carvalho & Nogueira na rua de Apollo n.
    20, saccam sobre Lisboa, Porto e ilha de, S. Miguel
    \.} Caixa filial de London e Bruslliai Hank
    (limtled em e> nambuco.)
    A caixa filial de London e Brasiiian Bank em
    Pcrnambuco, faz sciente ao publico e mais espe-
    0 ;liai\u assiijuailo Irm as cltave.s dc quatro d'aguia branca, pagando-os deprunipto como brio
    rasas un ileiro da Senhora do Monte, que as rede, smente eostnmam. F.m quanto porm a boa fre-
    por perinissao dc
    eonrorrer om aly
    ma festa. Olinda
    Manuel Luiz Vircs. chapeo de gol aborto o inclinado paran lado d'aguia,
    ---------------------_ ..-..., .. ..---------------------- nestes mos freguezes a aguia branca
    SOUhDADh pontinboa.
    NIAO BENEFICENTE Fcelas de ac e com,
    MARTIMA dras
    De orden do Sr. presidente scienti (ico aos senho- ..__... _.
    res socios effectivos que no dia sexta-feira lo do ,,^a,l)am ,oda? ?' $ frcfuezias. preciadoras
    crreme haver sessaoda asserablea geral a neg- dobom- W *-k*'-d **** ""c* "cobeu as
    ci de alta monta.
    Secretaria da Sociedade Unio Beneficente Ma
    ritima 9 d.) Janeiro de 1864.
    Balthazar JW: dos Beis.
    Io secretario.
    Avi>o.
    Precisa-se de um homem para tomar conta de
    nitas e delicadas Ivelas de acoe corapridas, e que
    tambem esto se acabando ; assim pois dirijam-so
    logo rua do Queiraado, loja d'aguia branca n. 8,
    para nao licaretn em essas bonitas (velas.
    PERFUMARAS novas
    or Intento do bom.
    E cousa j raui sabida, que a loja d'agui branca
    uma taberna nos arrabaldes desta eidade, a quem o deposito de linas perfumaras, e alera do cons-
    se dar mteresse : a tratar no armazem da Auro- tanto sortimento que nella sempre se ada, notase
    ra llnlhante, largo da banta Cruz n. 84.________ mais que acaba de ruceber pela barca franceza al-
    Alupa-se o segundo andar do sobrado da rua -'"lamente chegada, um grande sot ti ment de lin-
    larga do Bjsarion. 48, cem muitos bous eommodos dos e agrada veis objectos proprios e excellenles
    para familia grande : a tratar na loja do mesmo. Para presentes, sendo bonitas caixinlias enveniisa-
    u___ .., ,i-------;------------------r.------------- das com fechadura, espellio e perfumaras, outras
    corTnhar^ '^lr ^ fa ,:i comr' toda de vi.lro ta.nbera cora perfunaria lindos
    ^rSSLMSS^.'?^^. d? T0"1 "'S* ^^ d Porcda ,a dourada cora maviusas o joco-
    MnT^r : n lart' d Fara,Z 29' arostoscripcfes, outros igualmente bonitos e de
    fe r'_____________________________ ', diversos moldes sera nscripeao, mas todos elles
    Preciu-se de urna raullier idosa para ama com fina banda para cabellos. Xesso especial sor-
    de casa de pouca familia, na rua da senzalla Nova limento vierara os bem couliecidos leos philoco-
    n. 39, na taberna da esquina rollando para o be- me, de Lubm, ebabosa; assim como pomadas, cos-
    co Largo.
    COMPRAS.
    Na rua da Senzala Nova n. 38 compra-se um |
    mulatinho ou moleque de bonita figura, de 14 at
    18 annos.
    (.ompra-se um pequeo silio
    que st-ja ptrio do lianho e nos
    sfiiiinles logares: Poco, Caldei-
    reiru ou Moxleiro : a'tratar na
    rua "iova n. H9, pr meiro andr.
    Com.ira-se nma mobilia de Jacaranda : na
    rua do Crespo n. 23 se. dir quem trata.
    Compra se uma escrava que eja boa cozinheira, 1
    i metiques, jabonetes, opiata, finos extractos de agr
    Idaveis cbeiros.elc etc. Assim, pois, coneorram
    , os bons freguezes para a loja d'aguia branca, rua
    do Queimado n. 18.
    i ni va h dvi.ma
    branca
    scientificar sua boa freguezia serapre que recebe
    novos e apreciaveis objectos, porm os seos afaze-
    res durante o mez passado a pri vara m dessa salis-
    fa^o, e mesmo agora sendo-lhe impossivel des-
    crever minuciosamente a infinidade dos novos e
    differentes objectos que ha recebido por lodos os
    vapores, limila-se apenas a dlzer que o ninho d'a-
    guia acha-se constantemente mui bem sonido, e
    porconseguinte o ponto mais acertado para nelle
    se achar o que de novidade e de bom se deseje ;
    assim, pois, continu a sua boa freguezia a dirigir-
    se munida de dinheiro rua do Queimado, loja
    d'aguia branca n. 8, que acharo explendido e va-
    riado sortimento de finas perfumaras, galanteras,
    ; etc., etc., tudo isso vendido com barateza, agrado
    , e sinceridade.
    1I\IS
    sadia e de boa llgura : na rua do Queimado n. 39,
    loja.
    Compra-sc uma escrava que tenha habili-]
    dades e de boa conducta : na rua da Cadeia n. 35..
    costurarlas com msicas e sem
    ellas.
    A aguia branca acaba de reecber lindas e deli-
    cadas caixinhas com msicas e sem ollas, proprias
    e excellenles para um bom presente : como de seu
    louvavel costuine, a aguia branca da rua do Quei-
    mado n. 8, vende-as por preces razoaveis.
    de amitos os sexos, e pagam-sc hem : no escripto-; -.;_ c -mj vr'* o vTwr a c
    rio da rua da Madre de Dos n. 3, primeiro andar.: AXAO AKAflVAS ilMAO
    para debrunhar coll-les, paleols e ves-
    Compram-se escravos
    Compra-se effectivamente ouro e prata em
    obras veihiis: na praca da Inc.ependencia n. 22
    loa de billietes.
    Compram-se constanlenienle garrafas vasias:
    na fabrica de espiritos na rua l>ireita n. 17.
    Com[.ram-se Diarios para embrulho : no bec-
    co Largn n. 1 A, deposito.
    Compra-se uma escrava de boa conducta :
    quem tiver annuneie ou dirija-s? ao sobrado n. 21,
    na rua de Aguas-Verdes.
    lidos.
    Acham-se venda na rua do Queimado, loja da
    aguia branca n. 8.
    1'E.VYtS mi ac
    Inglezas.
    A aguia branca receben, as superiores peonas de
    ac inglezas, do afamado fabricante Perry, sendo
    2i0 rs.
    Ditos maioresa 400 e 300 rs.
    Frascos d'agua de Colonia muito unos a 4i*> rs.
    Sabonetes muito linos a 160. 200 e 400 rs.
    Frascos grandes de agua de Lubm, o melhor, a
    liSoOO.
    I.apis de tinta encarnada milito linos a 40 r.
    Novellos de buha com 800 jardas a 120 rs.
    Ditos de dita cora 40o jamas i M r-
    Prascos de naeaas, oleo muit Dozias de d-.-daes brancos m eauas devMroa
    330 rs.
    Papis de agulhas a balio i \fielori a M r-
    Banha transparente muito superior a 7o r-.
    Jita Japoneaa muito (na a 80o r-
    a de sabonetes miiilo finos a 720 rs.
    Papis de agulha com loque de ferrngtn a 10 rs.
    Crozas de botes de madreperola muito no* a
    500 rs.
    Pecas de lila de cs, estreitas, com 10 varas, a
    J rs.
    Novellos de linha branca do gaz a 30 rs.
    Carreteis de linha de cores mnito (orles a 20 rs.
    Cartes e caixas de clcheles Iraman .i M n.
    Bitoaduras brancas e de cores para cul eles a
    120 rs.
    Frascos de banlia, pechmcha. a 240 rs.
    Bonets para meninos, fazenda lina, a 25.
    Caixas preparadas para costuraras a l-ViOO.
    34000.
    Ifasoot de grampas lisas e linas a 30 ra.
    Catna de palitos do paz e de cera lino* a ra.
    Duzia de facas e garfos de 1 bolao MMfiara a
    3*300.
    Duzia de ditas e ditos de 2 botes tinissim* a
    C&^OO.
    Crozas de palitos do gaz a 2200.
    Ara preta muilo tina a loo rs.
    Caixas de rap com espelho a 100 rs.
    Grande liquidar de Tazenlas al a
    Testa, para se lindar canias, aprt ei-
    veilem que destas pechinchas nao ka
    sempre : na rua da Imperairi/., loja
    e armazem d Arra n. 56, de l to-
    rento Penira Vendes Guimarars.
    Cobertores da Arara a I.
    Vende-se cobertores de pellos a l e lt>00,
    cobertas de chita a ti ; na rua da lmperatria n.
    56, loja de Mendes Cuimai
    A Arara vende as laziahas de 9 pal-
    mos al $200.
    Vende-se lazinhas dc uma s cor e quadrinlios
    proprios para capas, com 9 palmos de largura a
    1,200 o covado, ditas para ve.-tido a 280, 320 e
    400 rs. o covado : na rua da Imperatriz, luja da
    Arara n. 36, de Mendes Cuimares,
    Brim da Arara a 400 rl*
    corado.
    Vende-se brim pardo de linho com pequeo lo-
    que de mofo, que depois de molhado larga, proprio
    para calcas e palitots, a 400 rs. rs. o cuvadu ;
    brira branco de linho a 15 e l<{200 a vara, fiisto
    de cores para calcas, coleles e palitots a .OU rs.
    o covado : na rua da Imperatriz, loja da Arara n.
    36, de Mendes (uimares.
    Lazlnha Mara Pa da Arara.
    Vende-se lazinhas a Mara Pa muito finas, com
    quadros e palmas de seda, para vestidos a 360 o
    covado, sedinhas finas a 300 rs. o covado ; na rua
    da Imperatriz n. M
    A Arara vende as capas a 8,000 rs.
    Vende-se ricas rapas para senhora a 85, rh
    de merino estampado a 25300, ditos finos mafjsa-
    dos de novo gosio a 35, dito de ponta redonda e
    borlla a 75300 : na ma da Imperatriz n. 36,
    loja da Arara de Mead) s ('itiiuiarae-.
    Ob que nrdiinclia, lazinhas a 280 rs.
    Vende-se lazinhas finas para vestidos a 2x0
    l e 320 rs. o covado. lencos brancos com barras de
    VENDAS.
    LIQUIDADO.
    J. Falque querendo acabar com todos os artigos
    d'aguia branca n. 8. v lrar| ,,,,, ^s Mssas m n ( r A OOOadnraS de COnia- Vende-se casi** onadrialm a 200rs. i
    do. intas linas a 2J0 e 280 o covado, organdvs linos
    linas para col leles tfSiJFmST*: na rua da ,mperair,z -
    Quem quizer botar em seu colletr urna bonita Pnliinrlia sedinhas da (rara a SIN) rs a ratad*
    (menos o artigo chapeos de sol) existentes no seu alzadura oval, de fina cornalina, ha de cl.egar-; VS^SETcUTa^L c2aT
    estabelecren.o continua a vender ditos artigos se com loja d'aguia branca, rua do Qduido LriHaTptraliem e^defote rte?' Zz
    nnr nreeos har issnnos as nes-oas eennonicas de- ______>o pio[iiu> p.ii.i qutiii im.i ut iuio, por ur
    por precos baratissimos. as pes-oas econonicas de-
    vem aprov.iitar a occasiao de se provercm de mui-
    tos objectos bons c por pouco dhheiro, afllancando
    que nao odiar a sacrificio, para acabar mais bre-
    ve, afim de sortir de novo a sua amiga fabrica de
    chapeos de sol, rua do Crespo n. 4.________
    Vende-se uma armaeo com balaustres e
    porta de amare!lo,para escriptorio: a tratar rua
    do Mondeg i, olaria n. 13. ____________
    Vende-se a verdadeira
    grava
    n. 97
    Vende-se a taberna sita no mercado da Bibeira
    da Ba-Vis a, com pouco fundo propria para urna
    pessoa prircipiante; a tratar na mesma n. 41.
    IIEPONil)
    ' rraSOOrs. o ovado, dita* da mesma qu.ii
    de cores para vestidos i 00 rs. e ditas de lisii-
    nhas a 900 rs. o covado: na rua da Imperatriz n.
    56, loja da Arara de Mondes Goimat
    Perhinrlia na Arara, corles dr rhila a ;>00.
    Vende-se cortes dc chita franceza coa pequeo
    | eiU harneas : lia ra dO Irai'ICllC ll. l'J, toque de mofo a 253OO, cortes e rimdo francej
    , cora 14 covados a 35, cortes de cassas fnaeaae
    pntalas a 25 o corte, ditos de barras a 25, -f5 c
    45 : na ruada Imperatriz n. 36, toja da Arara de
    Mendos Cuimares.
    Case miras a I >.oo o rovade.
    Vende-so caseiniras de cores para calcas, cole-
    les e paletots, infestada, a 15600 o evado, cortes
    escriptorio dc t-Mnardo Fciilou.
    liria- crias para liouiriii.
    Vendeni-se meias croas para homem a 25 a du
    zia : na rua do Queimado, loja do beija-fior nume
    ro 63.
    Meias para senhora.
    Vendera-se meias para senhora a 35200, 45 e de casemira infestada a 15600 e 2-5. e ii rvado a
    de la jrinceza GaSSe (lo Hl< de Ja- i*300a duzia : na rua do Queimado, loja do bei- 15 : na rua da Imperatriz n. 36, loja da Arara de
    _' i ..__?. o _' ;_ ja-llor n. 63. Mendes Guimaracs.
    Lia para bordar.
    Vndese laa para bordar, de diversas cores, as
    A Arara vende roupa frita e
    Vende-se palitots de rasemira a
    haiata.
    45-*iOO.
    65 e
    neiro, na rua da t:ruz n. 18, cscrip-
    lo'io de J'SC Joaqnim Lima llair'.
    Acha-se o deposito supprido de rap grosso, | mais lindas que se podo encontrar, a 65300 : s W, calcas de MOTO iiS*. palrtols de panan Wft
    meiogrosso e lino, assim como de Paulo Cordeiro quera vende por este preco na loja do bei ja-flor ditos linos de 125 e 15, palitots ades mencio- ila ruadoQueimao n 63. a *|500 e 35, ditos de meia casemira a 35-idO,
    Trancinha para enfeitcs. 0i,K'f do brim de cores a 25. o 253uo, ditas bran-
    Vende-setraucinlia para enfeites de vestidos ou e d,! ""ho a 3*300 e 45, dnas de raen rasem.ra
    nos ullimos vapores vierain as qtialidades meneio
    nadas, as quaes se fazem reconimendar aos seus
    apreciadors.
    Familia de mandioca
    deboa quabdade, ensacada, a preco commodo:
    no trapiche do Cunha prximo do ancoradouro
    dos vapores da companhia Pornambucana.
    Prelo de Lisboa.
    Na rua do Amorim n. 30 ha fardo dessa proce-
    dencia, mui o uovo e das mctboros marcas, que se
    veande precos eommodos.
    Sen hores la manq neiros.
    roupa d
    cainisinha
    com 40 v
    rs., com 10 varas a ZOO rs. : s que
    loja du beija-fior da rua do Queimado n. 63.
    Teseuras finas para uulia c costura.
    V'endcin-se lesouras linas para unha e costura a
    400, 500 e 640 rs., ditas para costura a 500 rs. :
    na rua do Queimado, loja do beija-lkr n. 63.
    Facas e garfos.
    Vendem-se facas e garlos oitavados a 25800,
    ditas eravadas a 35 dilas de cabos pretos a .1-5200,
    ! ditas do cabos de balanco cora 2 boldes pan mesa
    loja da Arara de Mendes iV Cninarai
    llalcs da Arara a 3>. 300 l i:>.
    Vende-se baldes americanos, os melliores qm
    tem vindo, de 20. .10. 38. 40 arros a .35. :i5-'0.
    45 e 45300, ditos de brilhantina a 45. IM de
    madapolo a 35600 : na rua da Imperatriz n. '*>.
    loja da Arara.
    Chitas da Arara a 240 rv
    Vende-se chitas a 240 rs. o covado. ditas fran-
    mofo a 280 rs.. ditas
    Xa rua Imperial n. 33 vende-se marroquim a; a 65200 a duzia : ua rua do Queimado, loja do |^!? K''!m!.S m
    165 a duzia, titas de la sortidas a 160 rs. a peca, beija llor n. 63. !"npa> a l0' :"'0 e *" r>- 'osa
    bezerro ideni dem a 365 a duzia.
    AUcw;o Iquidacao.
    Na rua Imierial defronte do d afariz n. 35, ven-
    dem-se para acabar as scginnte? raercadorias, pe-
    los precos abaixo declarados, os quaes merecera
    Esnivas para denles.
    Vendem-se escovas para denles muito linas a
    120, 240, e 300 rs. : na rua do Queimado, loja do
    beija-fior u. 63.
    Caixinhas com grampas.
    Vendem-se caixinhas de grampas a 40 rs.
    A Aurora Brilhante este magnifico estJibelecimenlo est na Boa-Vista disputando a
    primazia, j pelo grande sortimento dos -cus gneros de boa qnalidade, j pela crame
    de precos e por isso d seu proprietario roga aos seus freguezes e amigos e ao publi
    geral que mandem comprar para melhor sec^rlilicarem do annuncio.
    Maateiga ingleza flor primeira qualidade. Servejas de boas marcas e muitas.
    , Dita mais abaixo segunda dita. Queijos novos do vapor e do passado.
    "t Dita franceza nova segunda dita. Ditos de prato.
    2 Cha superior preto, verde, hyssi n.uxim e pe Ditos de manteiga novos.
    rola. Caixinhas enfeitadas com ameixas franeczas.
    Doces de goiaba caixoes de varios tamanho. Latinhas cora ditas.
    cialmente aos seus deiwsitadores em conta cor- aigunia'atterieo : meias cruas para lioinem, duzia rua do Queimado, loja do beija-fior n. 63.
    rente que se v na rigorosa obrigacao de alterar I a l5(m dita. para senhora a 25200, marroquim j Colarintios para homem.
    llliillUl A a j i zw^x', mili- 'i'iu < iiic-i ..--.
    modidado ? as suas condiccoes doste modo de deposito, nao Srli()o duz1 a blico em m SOm.entC '"', S l'ropnos inleresses da caixa, como: ,ull(,7.as til,ls a ,800, ditas ranceza
    tambem pela conveniencia do publico, como a ex-: sapa,os dt ti anca escocezes a 1JS00, pee
    m
    muitas quali- g
    k
    Latinhas com fruetas.
    Latinhas rom biscoutinhos de
    dades.
    Latas com bolachiuba de soda.
    - Latas com peixe ensopado.
    Latas ce ni marnielada nova.
    Latas com massa de tomate.
    Frascos com conservas.
    Ditos com mustarda.
    Ditos com gt-nobra de Hollanda e de laranja.
    Ditos com sal refinado.
    Vinhos puros da Pigueira, nao ha melhor.
    Ditos de Lisboa, nao ha melhor.
    Dito do Porto, nao ha melhor.
    Dito branco, nao ha melhor.
    Dito engarrafado era caixa de uma duzia.
    Ditos gen linos era caixa e a relalhe.
    Emilias (ocras.
    Latas com dilas
    Presuntos novos de lamego e para fiambre.
    Palitos linos para denles.
    Caixinhas com 4 arrobas de farinha da verda-
    deira ararula e a retalho.
    Cominos, ervdoee, folhas de louro, pini ,'iia do reino, canda, muida c era casca, e era-
    ra tudo nove.
    0 annazenfda Aurora Brilhante ten ^raoilo sortimonto e vende por pre^oe
    muito coranaodos, tanto -m porfes com a relaio.
    I^^Amemteas de casca dura e mole.
    Tlfc Azeitonas novas em barris e garrafas.
    \tt Presuntos para panella e fiambre.
    ^ Bolacliinhas inglezas aovas.
    ,3R Cliouricas, paios e linguicas.
    i'dj Cognac verdadeiro.
    '.j^ envites c ebampanhe.
    ,w Charutos linos, ha lieos em tudo.
    <|iT .Seliolan grandes em resteas.
    y^ Copoa lapidados e lisos para agua e vinho.
    ^ Passas novas e figos tambera.
    yJ& Hanus para sopa sao das novas.
    * A Noies j deste anno.
    >5R, Karinba, milho, farello e arroz de casca em
    '^\ saceos grandes.
    '*S Toacinlio de Lisboa novo.
    |S Chocolate j felto que bello alindo.
    jj,', A/.i'ite doce temos refinado tambera.
    ^ Peras seeeai em caixas e a retalho.
    jfe Castanbas novas.
    '' agarros bespanbes dos mdhores fabricantes
    ^5 Capils para i'aOmi.ua de diversas frutas.
    .4fc. SaLio de todas as qualidades.
    marroquim
    cartas por- j Vendem-se colarinhos de linho liara hemero, de
    a 25H0O, diversos gostos, a 560 e tiW) rs. : na rua do Quei-
    , rjntes para mado, loja do beija-11 >r n. 63.
    penencia o lera mostrado. ..... atar cabello em masso a 15600, lites em caixinha Cravalas para senhora.
    Perianto liquemas ditas condiccSes desde o 1 a ^&mi csoovas mili[ finas pa.a r0llpa a 6& a J""J a'a n de diversas
    de Janeiro prximo futuro em diante, modificadas Aa! -.,.c nintados nrtMoi a 1*5 a duzia venaem-se grvalas paia s. iinora, ut urursas
    ..mncaiml- auza, cnapiob pmuuoM sonido< a i-d a ciuria, cores, a 6(K) rs., 800 e 15 : na rua do Queimado,
    SmTe se recebem uantias dc 505 para ^ T2"* ^ hf2 ^r US Na do beija-fior n. 33.
    bomente se receocra guarnas ai oti para n0lUa, botes para collete e calca, perfumara, gaz, lunirs de i.nnlm nara inaiiauilos de scnltora
    -'"a. nnha do ,|chetes, e muitas mais cousas que '.wl01e!, de l'nl" P?ra "'"'S"110^ "f "canora.
    se me torna enfadonho estar apresenlando :'as Vendem-se botes de pnnho para manguitos de
    pessoas que precisaren apparecam, que fa.o ne-, senhora de dlrars \S gostos. a 200 rs o par : na
    godo, visto a vontade .pie o dono tem de acabar. rua u" Queimado, loja do be.ja-llor n. 6
    ovado
    Imperatriz n. 56. loja da Arara.
    A Arara recebeu pelo vapor um sortimcnle de re-
    lucirs para senhora, dos melhorcs goslus que
    tem vWo, a prrro dr 15, lr>600 t t.
    Venile-se romeiras para senhoras de r.imbraia
    na do salpico* brancos e de cores e brdalos a 15,
    I-600 a 25. golinhas com leitaozinlM a M r-.,
    ditas com peitos o botiocinho a 15. nanhMm
    liara senhora a 15, 14600 e 2-5. aventai-s e lOfBt
    nlm para meninas a 300 rs. : na ruada Impera-
    triz n. 36, loja da Arara.
    Rao sao contados juros sobre quantias deposita-
    das por menos de 7 dias.
    Os juros liquem reduzidos a razio de 2 por ren-
    to ao anno capItalUados como d'antes.
    As retiradas do dinheiro podem ser iffectuadas
    a vista sera distineco de quantias o sem previa
    Para queiu quizer pi iiicipiar.
    Vende-se a loja de miudezas sita na rua Ira- r
    pariicipac.io obligada c sim obsequiosa se isto for peria| n. 3^ ,.ora pU(.0S f,lndS e liem serlida, e seda preta a 15200, dita
    possivel.
    Os depsitos a lempo fixa as condiccoes sao as
    seguinles :
    Pelo lempo de 30 dias vencerao juros a
    razo de 4 0|0 ao anno
    60 3 0|0
    > o 6 0|0
    > 180 a alem 7 0[0
    TINTURARA.
    Tinge-se com perfeico para qualquer
    cor, e o mais barato possivel: na 1 na do
    Rangel n. 'S, segundo andar.
    Fitas para delirum dcveslidos.
    Vendem-se litas para debrum de vestido de la criancinbas, pelo barato
    pretas bordadas, com 10 varas, a 15130, dita do vado._________________
    de cor adamascada a
    Custodio Carvalho a Compa-
    nhia
    9 9Rua do tueiiuado J.
    Novas lazinhas eseus.-ezas muilo lindas, faxes-
    da encornada, propria para vestidos de x-nlwra e
    ire^o de 240 ead 1
    ALIGIIL
    Alwga-.-e a casa Ierre da rua da
    Calcada h. 48; a tratar na rua do
    Sebo n. i\.
    por precos baante favoraveis ao comprador, tem
    mais a seu fa"or a loja ter armaeo, porm nao .'
    obrigado o coiniirador ficarcoin i la: em quanto
    ao aluguel cjimnodo ; o dono faz negocio por-
    que tem a seguir outra carreira.
    Vende-se o emrenlio S. Manoel, sito na fre-
    guezia do llio Konnoso, e marg -n do rio Seri-
    nhem,o qual demarca cora os engenhos Qacboei*
    ra, Cliango e Garaelleira, me com agua e muito
    copeiro, lera capaetdade para safrejar 2,000 paos a annuaes, e se ictia quasi todo era mata virgem.
    distando do embarque l|2 legoa : quem pretender,
    dirija se a rua do Vigario n. 3, que adiar com
    quem tratar. ^^^^^ ____________
    "arrio r milho.
    15200, dita branca.de a com II varas a 400 is. : ^ tfmmmdaa(lrora |,n|haIll(,. i.1rt.. ,|,
    na rua do Queimado. loja do be.ja-llo. n. 0.1. ,a ^ n n ha s1iV(K ,., nijlt|(, (|a ,,.,. a
    Peales imraaaa para neoinas :^-m f;l|V|(), ,5,S(K) .l5 ,. 't.yMK mnl a a
    \ endem-se pentes travessos de bol racha para 45,^10 g 35.
    menina a 400 e 300 1 s.: na rua do One mado, loja -------------' ---------------------------------
    do beija-ilor n. 63. FARINHA FONTANA.
    1-ipei de diversas mialidades. Farinha da moilo arre-ijt a marra
    \ende-se paiiel aunzade a O i0 e 700 rs., dito de .
    cores a 600 rs., dito damascado a 15. dito branco l'OIltaiia OSI'lIlbaiCada llOje, fCMMI
    Queimado, loja do bcija-llor n 63.
    Humes de inadreperula.
    Vendera-se botos ce madreperola para collete,
    que lambom servem para casacos de senhora a
    loo rs. a abaleadura : so quem vende por este
    dreco i na rua do Queimado, loja do lieija-fior nu-
    mx Vende-se um escolente cotinheiro sem vi- mero 63.
    rios nem achaques, preto e moco, mais s se ven- Luvas de Jouvtu.
    de a quem o qiieira exportar para o Kio de Jane- Vendem-se luvas de Jouvin para hornera c sc-
    - Quem quizer dar 7005 a juros cora liypolhe- ro : na rua da Imperatriz, na Bo;.Vista, n. 7, a j nhora, Chegadas no ultimo vapoi
    ca era uma escrava, annuocie por este Diario. qualquer hora. I Queimado. loja do bei a-flor n. 63.
    Vende-se uma taberna sita 1:1 ruado Hortas
    n. 106 : a tratar na mesma.
    por preco mais eiiiiimod d que em
    q nalquer oulra pa:le : M roa da frux
    n. 4 rasa de X. 0. Bielier k f. surres-
    sore>.
    barato pe admira !
    Vende-se ara bom piano por preco commodo,
    na rua do quem o pretender dirija-se a esta lypogr:,
    dir quem vende.


    Diario de Pernaiubuco Torva felra I! de anclio de iscti.
    ~~\
    GRANDE i;i VOlil V^O
    NO
    ARMAZEM
    45
    CALCADO.
    Ra Dirata
    45
    1)0
    O homom do movimeiito nao estaciona.
    AVANTE E SEXPRE
    GUERRA AOS INIMIGOS
    Sao se admitte a uno cniuiiier ial.
    Nao seqacr a ditba da allianca.
    Nao se Irme a furia dos corsarios.
    Este auno ha de ser blssexlo.
    Os canhdes esto preparados.
    FOGOI BOM FOGO! I MELHOR
    Aprovcilciu eiu qnanlo c (chipo !
    Borzeguins francezes de lustre pa-
    ra h.nnem................. 5#0()0
    Borzeguins francezes de cores pa-
    ra meninas................ 2000
    Borzeguins francezes pelos para
    meninas.................. 25500
    Sapatos de lustre para senhora.. 1#000
    Sap.itos de lustre s avessas..... 500
    OBIiO
    MERCANTIL
    RA 111 C % OKS\ 1IO RIXIFE T. .%:*.
    NOVO E
    '3
    Ra do inclinado nnmeros
    4 e ..-.
    est disposto a continuar a vender pelos probos gene
    abaixo declarados, pois para principar o novo: com
    2 A'BKJLZ'&U DE HOLHAD
    Rll A C AIIFI 1 1IO HU IFK W. 53.
    Francisco Fernandez Durte acaba de abrir na ra da Cadeia do Recife n. 53. um grande e sortido armazem de | 1 de-
    ntado l.uao Menanul Neste grande armazem encontrar sempre o respeilavcl publico um completo sorlimeolo dos mt-ll eres
    ros (pie reno ao mercado, tanto esirangeiros, como nacionaes, os quaes seriio vendidos em porgues ou a relallio por Mecos ass>
    commodos.
    FOGO!! I
    Abai\o a li^a Tagua no vinagre
    Viva a liga do gcuuH!> Clierescom o fiambre!
    Viva o conservado,' das conservas inglezas!!
    Vivan osliberaes fregexzca do BALIZA !!!
    Vivara todos que lerera este animado.
    SENHOHES E SEN HORAS.
    CaixM de obrejas de cola muilo linas a 40 rs.
    Varas de franja de lita de todas as cores a 40 rs.
    Ditas de tranca de lita de todas as cores a 20 rs.
    Ditas de trancelim branco milito superior a 20 rs.
    Trancas de algodao brancas e de cores a 80 rs.
    . Donas de meias para senhora amito superiores a
    3800.
    Grasas de penna de ac muito finas a 500 rs.
    Caivetes de doas e tres folhas a 500 rs.
    Ditos de urna fulha a 80 rs.
    Caixas para rap, muito bonitas de calungas, a
    100 rs. 8
    Capachos redondos e compridosa 500 rs.
    Caixas coni muito superiores obreias a 40 rs.
    Varas de franjas brancas e de cores, larcas, a
    160 rs.
    Pares de botoes para punho muito bonitos a 120 rs.
    Carretela de liuha Alexandre coni 200 jardas a
    100 rs.
    Cartoes de linha Pedro V com 200 jardas a 60 rs.
    i Ditos de linha de 50 jardas a 20 rs.
    Duzia de meias brancas para homem a 1600.
    Caixas com soldados de chumbo a 120 rs.
    Tinteiros de vidro com superior tinta a 160 rs.
    Ditos de barro a 100 rs.
    Grozas de betoes ue louca pratiados a 160 rs.
    Tesouras muito finas para costura a 120 rs.
    Ditas ditas maiores e mclhorcs a 400 rs.
    ; Escovas para limpar denles muito linas a 200 rs
    O propnetano do grande Armazem do baliza estabeleeido ra do Livramento ns. Ditas para unhas a 800 rs.
    18 e 38 A, defronle da grade da igreja, acata de reduzir os precos de quasi lodos os t-aa dc Masas cores para bordar a 7$a libra,
    gneros do seu magnifico deposito. Cas com phosphoros de seguranca a 160 rs.
    r Cadernos de papel branco e azul a 20 rs.
    A tarifa abaixo publicada attesta bera esi,a verdade. Pacole d Paiel amizade a 600 rs.
    ..... Caixas com 100 anvelopes muito superiores
    A guerra aosmtmigos, esta portanto, aisim declarada. 800rs.
    , .... ,. Cadernos de papel de cores, grande e pequeo, a
    As pessoas, anda as mais exigentes, que se dignarem vir a este eslabelectmento,, 40 rs.
    ficaro por certa muito satisfeilas, nao so quauto s qualidades dos gneros, como com o Silabarios portugueses com calungas de todas as
    tratamento todo attencioso que se Ihes dar. i i"aiidades a 320 rs.
    * Graxa em latas muito nova a 100 rs.
    Alm do cumpriraento dos deveres da toa educar*), haver d'ora em diante ainda artas e taboadas para meninos a 00 rs.
    maior capricho em salisfazer lodos que honrara esta casa. j 'BttmiEU jSS18
    Os gneros, pelas qualidades e precos anunciados, serao oTerecidos ao exame R^^a{^^jSf "
    dos Srs. compradores. Nao receic o publico que se praiiquc o contrario, como em oulras Cartas de alflnete* francezes linos a 40 rs
    casas, que at annunciam o que nao lem----0 Baliza nao illude.... Caivetes de cabo de madreperola de duas folhas
    . a 500 rs,
    Ameixas francezas emeaixinhas eem frascos, Licores inglezes e francezes em vazos de di- Lavas brancas de algodao finas a 80 rs.
    de diversos tamaitos a l,2oo, l,Goo, | versos tamaitos a 4,000, l,5oo e 4,8uo Miadas de lillha frxa para lardar a 60 rs.
    2,ooo, 2,5oo e 2,8oo rs. e a libra a 800 rs. i rs. a duzia.
    Amendoas novas a 32o rs. a libra.
    Azeite doce refinado a 800 rs. a garrafa. N anteiga mgleza flor a 800 rs. a libra e de 8
    dem de Lisboa a 64o rs. a garrafa e 4,800 lll,ras Para nm scra abert0 um barril na
    rs. a caada. P'esenra do comprador.
    i I lem de 2.a e 3.* qnalidade a 7oo, 600 e 4oo
    Alpiste a 16o rs. a libra, e 4,8oo rs. a arroba. rs. a libia.
    Arroz do Maranhao, da India, c Java a 8c e dem franceza a 360 rs. a libra, e em barril
    loo rs. a libra. l por menos.
    Aletria branca e amarella a 4oo rs. a libra. I.lemem latas a aOOo e a 1,5300 a lala.
    Araruta verdadeira a 32o rs. a libra. '., ..
    Massa de tomate em barril a 480 rs. a libra.
    Balitas novas em gigos de 36 a lo libras por Il'em em lala a 6i0 rs- lala-
    l.ooo n. e a 4o.rs. a libra. Moslarda mgleza 400 e 600 ris o pote.
    Biseoitos inglezes Lunch a I800 rs. a lata de Marmelada imperial dos melhores fabrican-1
    5 libras. tes de Lisboa a 600 rs. a libra,
    dem de diversas marcas em latas menores Marrasquino de ara a 800 rs. o frasco e a
    a l,3oo rs. 8 a duzia.
    dem de Lisboa de qnalidade especial em la- Yassas Pard .SoPa> talharim c macarrao a
    tas-grandes e pequeas a 3,000 e 1,5oo rs. 480 rs. a libra.
    _ .. dem finas, estrelinha c pevide, cakinha
    Bolachmhas americanas, a :i,ooo rs. a barrica com 8 libras a I 600.
    e 2oo rs. a libra. !
    Banhade porco a 44o rs. a libra,c em barril N)zes a *( rs- a libra,
    a 'too rs.
    Um confeito e especifico para
    expellir os Vermes.

    DE
    1?S
    Ym.iifii'as
    Baldes americanos muito proprios para com-
    pras a 1,00o rs.
    I'cixe preparado de escabeche, da melhor
    qualidade i|ue tem viudo ao mercado, a
    Ha lata.
    Cha huxym, hyssoa e perola a 3,ooo, 2,8oo,
    2,500, 2,ooo e l,6oo rs.
    dem pretoa 2,ooo, 1,60o e l.ooo rs. alibra.
    *lEZ \SSZgS!108 42,OO0 W3^ano a 400 rs. a libra.
    Chocolate francez pnmeira qualidade a I,loo ,pipd f**0 a \SP a rcsma-
    ~ iihr, dem de peso a 25 a resma.
    li rs. a libra.
    dem para fiambre (inglez) a 640
    libra.
    480
    res a
    1
    rs. a libra.
    dem hespanhol a l,2oo rs. a libra.
    Idan soaso a 1,000 rs. a libra.
    Palitos para denles a 160 rs. o maco.
    Dilo dito de flor a 200 rs.
    Di'.os do gaz a 20200 a groza
    O'i-wja .ranea marca Allsopps a 4,5oo rs. a Dn.,. ,OA ...
    duzia. e a 4oo rs. a garrafa. *"? novas a 8 a '^ c a 10800 a
    0 i cai\;i.
    Cognac inglez a 64o rs. a garrafa a 800 e a
    1,00o rs. Qi.eijos llamengos do ultimo vapor a 20300.
    Coacervas inglesas em frascos grandes a 73o D'^ kmdrino a 900 rs. a libra.
    rs. o frasco. Dito prato a 640 rs. a libra.
    dem francezas de muitas qualidades a 3oo
    rs. o frasco e a 3,3oo rs. a duzia.
    KEMP.
    Os menino* ;'.- pedm .-i gritot, porque
    ellas pfio de uheim, sabor o or agnkla-
    vi'i>. A svo das
    Pastilhas Vermfugas de Kemp
    Cempesifio exrlusivauente Vegetal,
    fio e^tas poia M suas melhores e inais
    completas de todas as nacommendaces
    ijue se possa faker o e un juste razio as
    eolloco na categora d\tm faforto nni-
    versal.
    A superioridad* das
    Pastilhas de Kemp
    eobm todas as preparafdse deatinada
    para o inesmo tim (1 devido & eua sim-
    ples coui|M)sco ;io buu aroma agrada-
    vel < rapidez c iifallibilidade com
    que alcanca a deetrniea* total das .
    LOMBRIGAS.
    A venda as boticas de Caors 4 Barboza,
    ra da Cruz, e Joao da C. Bravo 4 C, ra
    da Madre de Dos.
    Sardinhas de Nantcs a 320 rs. a lata.
    Dita de Lisboa a 640 rs. em lata grande.
    Charutos neste genero temos grande sorti- S;,?u muito superior a 240 rs. a libra. ptima acqulsl^o de es-
    mento tanto da Babia como do Rio de Ja- S;'1 refina lo, em potes de vidro, a 600 rs. tabeleidinento.
    neiro a 1,60o, 2,2oo, 2,300, 3,000 e 4,000 Pole- Vende-se a loja de ferrapens da ra da Cadeia
    rs. a caLxa. Sabao massa a 120, 160, 200 e240rs. a'do I?,'cife ,5i>com De'lueno fundo e ainda bem
    libra. ; sor,id3. tanto de ferragens como de miudezas, as
    I quaes esto em bom estado, vende-se s com as
    ! mcrcadorias, e garante-se o arrendamento da casa;
    propria para algum principiante, nao s por ter
    pouco fundo como por estar j afreguezada e ser
    urna das lujas mais bem localisadtt desta cidade :
    Tijolopara limpar facas a 140 rs. cada um. pretendentes podem dirigir-so mrsma loja,
    nao s para examinarem o balinco como o estado
    Vassouras americanas a 64o rs, cada urna. '""'m(irCa n*l-------3-----s---------
    dem do Porto a 400 rs, cada urna. Charutos Irnos.
    Caf do Cear.4 muito superior a 28o rs. a libra
    e a 8,000 rs. a arroba.
    dem do Rio a 3oo e 28o rs. a libra.
    Ceblas a9oo rs. o molho com mais de loo
    ceblas.
    Choiiricas e paios a 72o rs. a libra.
    Cevadioba de Franca a 2oo rs. a libra.
    (levada muilo nova a 80 rs. a libra.
    Copos lapidados a 3 e 6,000 rs. a duzia.
    To jeinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
    Dilo de Santos e 300 rs. a libra.
    Manleiga ingleza especialmente escolhida
    de primeira qualidade a 800 rs. a libra,
    em barril se faz abatimento.
    Manteig franceza a mais superior do mer-
    cado a 36C rs. a libra, e 520 rs. em barril
    ou meio.
    Prezuntos inglezes para fiambre, de superior
    qualidade, chegados neste iltimo vapor, a
    720 rs. a ibra.
    Queljos llamengos chegados neste ultimo
    vapor a 2^lii00.
    Queijo prato muilo fresco e novo a 640 rs.
    a libra.
    Castanhas muito novas a 120 rs. a libra e
    e 30000 a arroba.
    Cha uxin o melhor que ha neste genero,
    mandado vir de conta propria a 20800
    rs. a libra.
    Cha hyson muito superior a 20360 rs. a li-
    bra ; cha hyson proprio para negocio a
    10300 rs. a fibra.
    Cha preto muito superior a 20 a libra.
    Biscoutos inglezes em latas com difierenles
    qualidades, como sejam crakoel, victoria,
    piquelez, soda, caplain, seed, bornez e
    oulras muilas marcas a 10350.
    Bolachinha d soda em latas grandes a 20.
    Figos em caixinhas hermticamente lacra-
    das, muito proprias para mimo a 10500.
    Caixinhas de 4 e 8 libras de figos de coma-
    dre a 10 e 20 cada urna.
    Passas muito novas, chegadas neste ultimo
    vapor a 500 rs. a libra e 30 um quarto ;
    eem caixa se faz abatimento.
    Ameixas franc r/.as em latas de meia a 3 li-
    bras a 800 rs.
    Champagne da marca mais superior que
    tem viudo ao nosso mercado a 180o gigo,
    garanie-se a superior qualidade.
    Vinho Bordea ux das melhorts qualidades
    que se pode desejar de 70500 a 80000 a
    caixa e 720 a 800 rs. a garrida.
    Caixas com vinho do Porto superior de 90
    por pitaos astas
    Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e Sardinhas de Nanles a 340 rs. o quarto e 360
    10200 a caada. rs. ,neia lata.
    AzeJ* doce re,ina,l em garrafas brancas a Latas com peixe em posta : savel, con
    800 rs. vezugo, cherne, linguado, l.u'oslinl.a. a
    Azeite doce de Lisboa a OJO rs. a garrafa e 10300 rs.
    , 40800 acanada. Salmaoem latas, preparado pela nova arte
    Genebra de Hollanda a 300 rs. o frasco e de cozinha, a 800 rs.
    ^ 50800 a frasqueira. Maca de tomates em latas de I libra 1 600
    Caixinhas com ameixas francezas, ornadas ris.
    com ricas estampas na caixa exterior, Chouricase paios em latas de 8 e meia Iitra
    muilopropriasparamimo,a 1020 ', 10500 por 70.
    e 20. ; Toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra c
    Frasco de vidro com lampa do mesmo, con- 80600 a arroba.
    tendo meia libra de ameixas francezas. a Bolaxinha ingleza a 320 rs a libra e i a
    10200. I barrica.
    Marmelada imperial, dos melhores conser- ^ m,lit0 n0T0 a 240 rs- a iibra-
    veiros de Lisboa, em latas de 1 e meia a r,'vaihnha de Franca a 200 rs. a libra.
    2 libras a 600 rs a libra. Farinha do Maranhao a 120 rs. a libra.
    Fructas em calda das melhores qualidades Aramia verdadeira a 320 rs. a libra.
    que haem Portugal em (atas hermtica- Cevada a ,2 rs- a !,bra e 0 a arroba.
    mente lacradas a 300 rs.
    Peras seccas muito novas a 640 rs. a libra.
    Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
    Amendoas de casca molle a 400 rs. a libra.
    Avelaas muito novas a 200 rs a libra.
    Amendoas confeiladas de diversas cores a
    800 rs. a libra.
    MacSas e peras chegadas neste ultimo vapor, Caf do Ceara muil superior a 280 rs. a h-
    muilo perfeitas, s vista se faz o preco. bra e 804 0 a arroba.
    Alpistaa ICO rs. a libra e 4fc(0a arroba.
    Batatas muito novas em gigos com 40 libras
    por 10 e a 40 rs. a libra.
    Cebollas a 10 o molho com mais de 100 ca-
    da um.
    Caf lavado de primeira qualidade a 3(0 rs.
    a libra e 00 a arroba.
    Conservas inglezas em frascos grandes a 750
    rs. cada um.
    Ervilhas francezas e portuguezas em latas de
    1 libra a 640 rs.
    Ervilhas seccas muito novas a 160 rs. a
    libra.
    Chocolate francez, o que ha de melhor neste
    genero, a 10200 a libra.
    Chocolate hespanhol a 10200 a libra.
    Genebra de laranja em frascos grandes a IJ*.
    Cerveja branca eprela das melhores marcas
    que ha no mercado a 500 rs. a garrafa e
    5J800 a duzia.
    a 109a duzia, e 900 a 10a garrafa; destejCognac inglez de superior qualidade a 800
    genero ha grande porco e de differentes i e 10200 a garrafa.
    Caf do Rio, proprio para nepo.-io, 180.
    Arroz do Maranhao a 100 rs a libra c ?08CO
    a arroba.
    Arroz de Java a 80 rs. a libra e 2*100 a
    arroba.
    Vellas de spermaceti a 560 rs. a libra e
    540 rs. se for em caixa.
    Vellas de carnauba refinada a 320 rs. o mas-
    so e a 90 a arroba.
    Doce de goiaba a 640 rs. o caixo.
    Macarra., talharim e aletria a 48' rs. a li-
    bra ; em caixa se faz abaliuieu
    Estrellinha,pevide earroz demassa para sopa
    a 400 rs. a libra e 20 a caixa c m libras.
    Palitos de denle lixados com flor a -.Oo rs.
    o masso, ditos lixados sem flm a 160 rs.
    marcas acreditadas que ja se venderam Licores francezes das seguintes qual.dades : 0 masso com 20 massinhos
    SnV^(fV?n?ma'MrhMamrDiaq-ae A"zele de Bordeaux, Plaisir des Dames Gomma'de engommarmuito lina a 80rs. a
    do Porto, Lagrimas do Douro, D. Lmz, e de oulras muitas marcas a 10 a garrafa |Dra
    ?rmrS8?,ea SeCCr Carcavellos' Nec" e m a cai1xav onn Rar.ha'de porco refinada a 480 rs. 'un,
    tar de 1 13, Duque Genuino. Marrasquino de Zara a 800 rs. a garrafa e iOOrs. em barril pequeo.
    (Jftnho de pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a 95 a duzia.
    400,480 e 5(50 rs. a garrafa, e 30, 30200 Moslarda ingleza em potes j preparada a
    e 30500 a caada. ',00 rs.
    Charutos dos melhores fabrica; F-
    lix, em caixas inteiras ou an mn
    10600. 2-> e 30.
    Vinho branco de superior qualidade, vindo Moslarda ingleza em p, em frascos grandes, Presuntos do reino, vindos decana pn
    ja engarrafado a 640 rs. a garrafa e a 300 a 10 cada um.
    rs. de barril. Sal refinado a 500 rs. o pote.
    2
    de casa particular, a 400 rs. a libra; Met-
    ro se f.i7. abatimento.
    Os senhores que comprarem de 1000000 para cima, ter5o o descont de 5 por cenlo, pelo promplo pagamento.

    v^
    i
    Duarte 4 C, receheram de sua propria encoinmenda pelo brigue
    Florhula, chegado ltimamente de Lisboa os segu otes gneros todos depri- ^
    meira qualidade por serem cscolhidos pelo Sr. Duarto chele de nossa casa
    ullimamente chegado daquella prafa.
    Verdadeiro vinho collares em ancore-
    ras de 9 caadas a 30,000 e 800
    rs. a garrafa.
    Vinho branco B 4 Filhos, em barrisde
    quinto a 60,000 c 560 rs. a gar-
    rafa.
    Vinagre P R R, em aneoretas de 9 ca-
    adas a 18,000 e 2,000 rs. a ca-
    ada.
    Passas em caixas, meias e quartas a
    8,000 4.000 e 2,000, a 480 a libra.
    Peras seceos em caixas de quatro li-
    bras o melhor que se pode desejar
    bra, e comprando em arroba a
    10,000 rs.
    Cominhos muito novos a 100 rs. a li-
    bra e 10,002 a arroba.
    Licores portuguezes das marcas mais
    acreditadas de Lisboa a 1,000 a gar- "i
    rafa e 10 a 12,000 a duzia, as quali-
    dades sao as seguintes : creme de
    violetas, gerolli'/.. rosa, absintho, ves- Xs
    pairo, amorperfeito, amendoaamar- ./.
    Doce de goiaba em latas a 4oo rs. a libra,
    dem de oaj em latas a 320 rs. a libra.
    Ervilhas francezas e portuguezas a 3oo e 64o
    rs. a lata,
    dem seccas a 16o rs. a libra.
    Figos de comadre em caixinhas com 8 libras
    por 16oo rs.
    Farinha do Maranhao a 12o rs. a libra.
    Farinha d: trigo muito superior a 12o rs. a
    libra.
    No armazem da aurora brilhante ha grande sor- ">sS
    Velas de carnauba o composico a 320 rs. a tmnto de, charutos finos em caixas e meias, dos y
    ihraa l.t arrnha melhores fabricantes da Baha a U, 3, 4 e o a
    iui.icd io j .inoiid, caixa, tem caixas com 100 charutos com furo a
    ltkm Steannas superiores a ;i60 rs. O 300 rs. : no large da Santa Cruz n. 84.
    maco, e em caixa por menos.
    Vinho do Porto, ne&te geneno temos o me-
    Ibor sortimento possivel, que vendemos'
    por precos muito haixos a 10 a garrafa e
    10/ e 12 a duzia.
    Barricas de breu com 8 arrobas, de superior
    qualidade: ni ra da Cadeia do Recife n. 86 A,
    loja de ferragens de Bastos.
    Fareo em sacros grandes a 4,ooo rs. o sacco! Dit(>em P'i>a a 30000, 30500 e40ooo a
    r ada
    IdemCheirv, eda Madeira em barris e em1, r Veade-se na ra do Crespo, loja de Campos
    (aixa a <2,1a c-iivap n hirril mnfumn n Luna n. 16, tres pares de fronhas de labynntho,
    lamaDhO COOfcPme O ojnaisjicopossivel, proprias para casamento,
    dem de Figueira e Lisboa, em ancoras de
    t a 9 caadas, por 280000.
    CU, NOVA
    c,i_ No armazem do Avilla, no Forte do Mallos es-
    quina dobecco da lloia vende-se cal de Lisboa a
    i;,n..bra,I,gl,zamarcagatoal,ooors.aga,-'We'''^to, denominado Baliza, a 30 a '"-^ ""^-,ue ha no mercado a 3SU0 o barnl.
    rafa. cinada.
    Vende-se urna taberna sita na ra da Sole-
    dade n. 8. eom poucos fundos, propria tiara ipjal-
    : dem Hh'm em garrales a 20oOO, com o quer principiante mu nueira se estabelecer ven-
    idera verdadeira de Hollanda em frascos muito allTafrio. >3e-seporqJeo dono quer acabar com diione-
    gnodes a l,2oo rs. o Irasco. Idci i de Bordeaux, das melhores marcas que eoeio.
    dem de Hollanda em frascos pequeos a 5oo
    rs. o frasco.
    dem deliranja a l,ooo o frasco.
    Gomrna do Areaty a So rs. a libra.
    Graxa a loo rs. a lata e l,loo a duzia.
    Linguas americanas de grande tamanho a
    i ,ooo cada urna.
    v 'in ao mercado, a 60 a caixa e a OJO rs.
    a garrafa.
    Vinagre de Lisboa a 10600.108oo e 20000 a
    caada.
    dem idem.em garrales com 5 garrafas, por
    10 com o garrafao.
    Vinho de caj a 10 a garrafa. Esle vinho
    tem dez annos. I
    a 2,500, e 040 rs. a libra.
    Caixinhas de 4 libras e 2 com ameixas
    a 1.500 e 2,500 rs. a caixinha.
    Chocolate portuguez, o melhor que
    pode haver de bom neste genero a
    1,000 rs. a libra.
    Marmelad i propriamente dito de mar-
    mello, a (540 rs. a lata e em caixas
    de 100 latas a (00 rs.
    ;V> Maca de tomates a mais nova que, se
    6g& pode desejar a OO rs. a lala eem
    caixa de 100 libras a 600 rs.
    Ervilha portugueza a 700 rs. a lata,
    e em caixa de 100 libras a 640 rs.
    Passas corinthias para pudim a 040
    rs, a libras, e 400 rs. comprando de
    arroba para cima.
    PAMMIA
    Nozes as msis novas que se pode de-
    sejar a 160 rs. a libra, e comprando
    em barricas a 4,300 rs. a arroba. gg
    Sebollas em caixas as mais novas do
    mercado a 6,500 rs. a caixa, a 80(1
    rs. o molho, e a 640 rs. o cento. ft^
    Batatas em caixas de i arrobas muilo '/
    novas e grandes a 2. OO rs. a caixa.
    Sextiiihas com figos proprias [tara mi-
    mos de enancas a (50 rs. cada urna
    e comprando em duzia lera grande gj
    abatimento. ^.; |)0S eDgCDh0s Malta Erva doce muito novas a ;00 rs. ai \- H. < .- .
    o iiiHksii mi iiM'ino i e Neriiih.iciii i"

    GENCIA
    FNBGAO DE L0W-M00B.
    Una da Sczalla nma n. 12.
    Neste estabelecimento continua a haver
    um completo sortimento de Bceodaa in
    moendas para engenhe, machinas de fap
    e tachas de ferro batido e eoadt, tle todos os
    tamaitos para ditos.
    Arados americanos e machinas
    lavar roupa: em casa de S. P. Jotmstoa >v C,
    ra da Senzalla Nova n. 42.
    Sarcos ivm farinha nova e igual a Moril
    a i-S.MHi : no armazem da aurora brilbai-
    da Santa Cruz n. 8'i.
    Venda ile urna hyjn4ht-a
    Os liquidalai-iosda massa fa'lilde
    Jos Antonio Basto veHdem a hjMtl r

    ga, percicol deturin, botefin, moran-
    gas. lim3o, caf, laranja, cidra, gin-
    ga, caoella, cravo, ortelaa, pimenta ^iJ
    e outros muitos de qualidades menos ;^.''_.
    superior que serao vendidos por pre- f*^
    eos em reJaeSo as suas qualida- ~'s,\
    des. |s^
    Os proprietarios afiancam que estes gneros sao mui*o novos e ludo _v\-
    de primeira qualidade, ludo isto se vende nicamente no armazem niftoe
    i/g Commercio na ra do Queimado n. 7, e largo do Caimo n. 9 armazem pro- ->\-'
    gressivo.
    Q arijos
    do alemlejo, das ilhas e llamengos, lodos chegados ueste u timo vapor.
    2,500 os llamengos c 800 ris a libra do alemlejo e das ilhas, unicamen- ^>
    te no armazem Unio e Commercio, ra do Queimodo n.
    mo armazem pi ogressivo.
    e largo
    do Car- W
    :

    FAZEMIAS
    h.sr.il.i^ para acahar.
    Sedas de quadros e de listras a H0 rs. o cova-
    io, Hadas lias de qnadrinlios a .'160 o covado, su-
    periores cassas de cores a OO rs. o covado. ditas
    muito Unas a 210 o covado : na loja das colnmnas,
    j -------------. ....* <>.. i* w.f .....>" - \endem-seos ui.-nciiios da pnmeira para- na roa do Crespn. 13, de Antonio Crrela de Va*
    pera, na estrada do Chora-menino
    inesma a qualquer hora do da.
    a tratar na
    Cal de Lisboa e potassa da
    Itn.vsia.
    Vende-se na ra da Cadeia do Recife n. 26, para
    onde se mudon o autipo e acreditado deposito da
    Desmaraa. 12, ambos os eneros gtn novse
    legitimos, e ge venden a preco mais barato do que
    utra qualipuT, parle.
    conrollos v '*..
    CAL HE LISIKIt
    Vendpin-sc barra com cal dea-
    la procedencia, cni pedra. chega-
    da boje, e uniea nova, que ha no
    mercado, ama do Trapichen.
    13, armazem de llanoel Tcivei
    ra Basto.
    Vende-se farello de Lisboa, cal lti-
    mamente ebegada e carvSo animal
    do Vigario n. 19. primeiro andar.
    - KR1 casa de Mills l.atham Si C., na i na d-
    na ra ^nn n- 30, vende-se rerra alvanisado de um doa
    melh'ires fabricantes inglezes, proprio para cobers
    tas de casas.
    Vende-se umnlindro usado : na padaria da
    ra Real do Mangulnho n. 35, e na raesma se pre- [ C'al de I ,I>!oa
    risa alugar um preto : quem liver. dirija-so ehepada ltimamente : na na do Vigario n. 19,
    ntesma. I primero andar.
    e Cajabuss no ermo le Seriiihrw m
    valor de 31:8359911 rs.; Iraitr !; s
    casas a ra do trapiche it. 34.
    .\'o armazem de fazeudas ba
    tasdeWanlos CoeSbo
    RA DOQl'KIMADON. 19VE
    GUI.YTH :
    Ksliira da ludia
    propria para forro de sala, de i, 6 i ii
    largura, por menos pre^o do que esa osra "u >l-
    qner parte.
    Lcncfs
    ite panno de linho pelo barato prec,o de 000.
    iMfkH
    de bramante de linho lino de un. la p^rTno,
    barato ptecoe :t<>00.
    (.olleras de chita da India
    pelo barato preco de SfOOO.
    (tramante de linbfl
    com dez palmos de largura, pelo baratsimo pro-
    jo de 200 a vara.
    lirciaulia de rolo
    Pecas de bretanha de rolo, pxipria para aia
    rom 10 varas, pelo baralissimo proco de .1*000
    Pecas do cambraia
    adamascada com 20 varas, propria i
    de cama, pelo baratfletmo preco de NP
    Peras de cambraia
    de salpico, com s i/2 varas, lanada tapnri r
    pelo baratissimo preco de \&.
    Kilo liso nao
    pe' barato pr c, i de WO rs. a vara.
    Cortes de calca
    de panga amarella de liatra* ai i a-
    rali.-simo preco de l200 o coi le.
    Tnalhas aieecBBada
    para maos, pelo baratissimo \ i
    \liialliadn adamascle
    proprio para loalha de m. > i. pt
    qo de i a vara.
    Lencos de BM
    brancos linos i r prlos para al|
    tissimo preeo de 23 e 2aiiK) a diuia. ______
    Kua da Senzalla Ao>a h. it
    Neste estabelecimento venJ
    ferro coado libra a 110 rs., i do
    Moor libra a IfO rs.
    - Vende-se um
    ooniin i
    do Ara


    Diarlo de Pernanibnc Terca letra 19 de Janeiro de 1M1.
    A
    /
    i
    ALLIANCA
    GRilDE
    1!UMA HOllB
    NO
    ARMAZEM
    57 RA DO IMPERADOR 57
    N;t' bein conhecida loja que foi do Sr. Flix alfaite.
    Paulo Ferrelra da Silva proprietario deste novo estabelecimento, tendo
    cacgado da Europa, aonde escolhcu um grande e vanado sortimento de molhados, tera
    a honra de os cxpor ao respeitavel publico desta cidade pelos mais resumidos precos.
    UNIO
    COMMERCIO.
    O I i AII CO IIA PJEMH t lO
    Fraaclseo Fernaades Dnarte dono deste muito acreditado armazem
    de molhados, acaba de receber noste ultimo vapor os mu desejados gneros escolhidos
    Em tSo ptima occasiao, por estamos prestes a festa de Natal, b propietario do Pr elle na Europa, todos mullo proprios para a festa os quaes est resulvido a vender por
    gran* armazem Alforaca otferece aos seus ;migos e fregu* que o conliecem desde' Pre^s baratissimos como vero pela seguinte tabella, e mesmo pede a todos os Srs. da
    ando foi socio dos armazens Progresivo e Progresista as maiores vantagens em com- P*. de engenhe e lavradores para que mandem suas relacoes para serem despachadas
    ____ I no armazem do Progresso do largo da Penba n. 10, am de verem a grande vautagem
    rarent em seu armaran.
    P Hoto de novo estabelecido maisprocisi da concurrencia de todos estes awlwres ao seu estabelecimento. cortos de que esta asa jamis deixarao de ser cumpridas as Srs. que no poderem vir poderlo mandar seus portadores arada que nao teoham pra.
    , ___.,_ ff^^Lfec tica> 1ue ser3 t3 bcm servidos cornos) viessem pessoalmeote.
    grandes vantagens por ella olferecidas. *
    interesse que tira o proprietario deste acreditado armazem, j deve ser bem co-
    Mantega ingleza a mais superior neste ge-
    ero a 800 rs. a libra, e comprando de 8
    libra5 para cima a 72o rs., esta a mais /d U) superior a t900 rs. a garrafa.
    i^ognac do superior qualidade a 800 rs. agar-
    rafa.
    superior que pode haver, tambem ha mais
    baixis paia menos precos.
    dem franceza. muito nova a 600 rs. a libra
    e 56) rs. em barris ou meios.
    Peras seceos muito noas a 48o rs. a libra.
    Cha pona de especial qualidade a 2,8oo rs.
    a libra.
    dem I ysson muito superior a 2,"oo rs. a
    libra.
    dem mim a 2,5oe rs. a libra.
    dem hysson a 2.3eo re. a libra.
    Mein id ;m a 2,ooo rs. a libra.
    dem preto de qualidade muito especial a
    2,000 rs. a libra.
    dem ;d;m inferior a i,60o rs. a libra.
    Chocolate francez, hespanhol e portuguez, a
    9oo e l,2oo rs. a libra.
    Charutos dns melhores fabricantes da Battia
    e do qualidades especialmente escolhidos,
    de 2,oo a 4,5oo rs. a caixa.
    Farinha do Maranhao muito alva a i 4o rs. a
    libra.
    dem ile amula verdadeira a 4oo rs. a libra.
    Vinho do Alto Douro engarrafado, e os mais
    bem escolhidos, lagrimas do Douro, 1). Pe-
    dro V. 1). Luiz I. Baque genuino, V-iar
    superior, Malvasia fina, Bastardo, e outros
    a 11,00o e 1 2,ooo rs. a duzia e 1,00o rs.
    a garrafa.
    dem Chern e Madeira a 1,5oo rs. a garra-
    fa e tG,oco rs. a duzia.
    dem Bordean* de diversas marcas de 8,000
    a lo.ooo a duzia e 800 rs. garrafa.
    Bolaxinbas americanas a 4,ooo rs. a barrica,
    e a loo rs. a libra.
    Batatas muito novas a 1,000 rs. o gigo, e 60
    rs. 1 libra.
    Banha de porro refinada a 44o rs. a libra o
    em barril a 4oo rs.
    Vinho em piqa d Lisboa, e Figueira, de 3,ooo
    00 rs. a caada, e 5oo rs. a garrafa.
    dem de Lisboa em ancoretas de 8 a 9 cana-
    das por 27,ooo rs.
    dem do Porto muito especial a 5,5oo rs. a
    caada e 72o rs. a garrafa.
    dem em garraloes com 4 {t garrafas por
    2,5oo rs. com o garrafao.
    Vinagre de Lisboa mnito superior a 2,000
    rs. a caada.
    ti raaisbaixo a i .00 rs. a caada, e 2oo
    rs. a garrafa.
    dem em garrafes com 4 'i garrafas por
    1,2oo rs. com o garrafao.
    Amelias francezas om cantonas com ricas
    cstanpasao exterior de l,2oo a2,ooors.
    h urna.
    dem em frasco de vidro de diversos tama-
    itos, a l,5eo e 2,5oo rs.
    dem em latas de 11/2 e 3 libras a !,3oo e
    2,3oo rs. cada urna, e a 800 rs. a libra.
    Figos de comadre em caixinhas de 4, 8 e 10
    brra a l,3oo, 2,5oo e 5,ooo rs. cada
    urna caixa.
    dem om caixinhas de follia a 32o rs.
    Idein era faixas grandes a 2oo rs. a libra.
    dem em latas ermetimente lacradas de I,Roo
    a 3,ooo rs.
    Arroz da India e Maranhao a 80, 100 e 12o
    rs. a libra, e 2,5oo e 2,8oo rs. a arroba.
    Amendoas de casca mole muri novas a 4oo
    rs. a libra.
    CeblasBovas a l,2oo rs. os molhos gran-
    des e a 1,000 rs. o cento.
    A!pist;i a 14o rs. a libra e 4,6oo rs. a arroba.
    Wacanao, talharn e aletria muito nova a
    4og c 48o re. a bbra.
    Biscoitos e liiiacliiabas inglesas as ultimas
    idas ao nosso mercado a l,2oe e
    l,4oo rs. cada lata.
    Caf a 28o e 32o rs. a fibra, e a 8,000 e
    9,000 rs. a arroba.
    Ceneja da* melhores marcas do nosso mer-
    railii de 5,000 a 6,000 rs. a duzia, e*oo
    rs. a garrafa.
    Consenas inglezas a 75o rs. o frasco e8,6a
    rs. a duzia.
    Doce em calda a 64o rs. a lata.
    Hrvilhas francezas muito novas a 64o rs.
    dem portoguezas a 72o rs. a lata.
    Idemseccas a2oo rs. a libra. j
    iassouras do Porto com arcos de ferro 82o
    rs. cada urna. I
    '/ellas de espermaecte da mellior qualidade
    a Coo rs. o mago.
    dem de carnauba e composico a 32o e 36o
    rs. a libra e 10,000 rs. a arroba.
    Tijolopara limpar facas a 12o rs. cada um.
    "oudnho de Lisboa e Santos a 320 rs. a
    libra.
    invada muito nova a loo rs. a libra.
    I'eixi' em latas grandes, savel, pescada, cor-
    vina, e outras qualidades a l.ooo rs. cada
    lata.
    nhecido pelos seus numerozos freguezes, pois simplesmente consiste em servir bem e ga-
    nhar pouco, afim de conseguir a continuado daquellas pessoas, que a primeira vez se dig-
    naran ltourar o seu estabelecimeuto.
    Defronie da loja do Pregnlea.
    IH 1HIK IIiHi:il)l
    acaba de abrir o seu grande e soitido armazem de molfcajof denominado Um e Com-
    memo. Este grande armazem um dos mais bem montados que temos em nossa pra$a.
    Bao s em limpeza e aceio, como as qualidades especiaes de seus gneros. O proprie
    tario do nio e Commercio offerece todos os setiuores da praca, seahores de engeabo
    e lavradores a seguinte tabella, pjr onde verlo a grande econorak que Ihe resulta em
    comprarem em Uto til estabttociraeto, afiancaodo o mesmo todo e qualquer genero
    sahido de seu armazem.
    ollinho francez em latas e caixinhas as mais I Erva-doee a 5oo rs. libra
    delicadas que tem viudo ao nos; merca-' .
    do de 7oo a 2,5oo rs. a eaixinha. Ctiampanha de 20 a 22,ooo o gigo.
    Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada
    vir de conta propria, a 7oo a 800 rs, a
    libra.
    Passas mnito novas
    5oo rs. a libra.
    a Id,ooo rs. a caixa e
    Palitos lixados para dentos a i4o rs. omaco.
    dem de flor a 2oo re. o maco.
    IVesunto para fiambre nglezes e americanos
    a 8>o rs. a libra.
    Uem do Porto a 48o rs. a libra.
    Queijo prato a 800 rs. a libra.
    dem flamengo vindos no ultimo vapor a
    2,uoo rs.
    Srdinhas de fiantes muito novas a 32o re.
    a lata.
    Sag muito novo a 2oo rs. a libra.
    I lem muito superior a 28o rs. a libra.
    Sabao maca de diversas qualidades a 2oo e
    2o rs. a libra.
    Uem inferior de 12o a 18o rs. a libra.
    C enebra de Hollanda em frasqueiras a 6,5oo
    ris.
    Uem hamburguesa em frasimeiros a 5,8oo
    ris.
    Mem de Hollanda em garrafes grandes a
    5,5oo rs cada um.
    I lem em botija a 4oo rs. cada urna.
    Garrafes vasios de diversos taminhos a 5oo,
    64o e I.oo rs
    ( omma doAracatv a 80 rs. alibra muito alva
    C.raixa a loo rs. a lata, e l,2oo rs. a duzia.
    Licores finos franceze? era garrafas e frascos
    de diversos taannos de 600 a 800 rs. ca-
    da um.
    Harmelada imperial de todos os conserveiros
    de Lisboa a 600 e 7oo rs. a libra.
    Massa de tomate muito nova a 64o re. a li-
    bra.
    1
    Marrasquino de Zara a 640 rs. o frasco,
    I lem em frascos grandes a 800 rs.
    Cominbos mnito botos a Boo rs. a libra.
    Crva-docea 24o rs. alibra.
    I'imenta a 36o rs. a libra.
    Cravo da India a 64o rs.a libra.
    Cannella a l.loors. a libra.
    Alfazema a 2oo rs. a libra.
    Sal refinado era frascos de vidro a 600 re. o
    fiaco.
    Copos finos para agoa a 5,ooo rs. a dnria.
    (bouricasnovas a 72o rs. alibra.
    Mostarda fraocera preparada e muito nova
    a 32o rs. cada um frasco.
    Conservas francezas desi.perlor qualidade a
    CiO rs, o frasco e ",00o rs. a duzia.
    liioim doo a 64o rs. a garrafa.
    Queijos flamengos chegados neste ultimo
    por a 2,000 rs.
    dem do vapor passado a 1,80o rs.
    dem prato muito novos e de superior qu 1-
    lidade a 4eo rs. inteiro, c a 5oo re. a
    Uhra.
    Doce de goiaba fino em caixes com 2 *,'
    libras por 600 rs.
    dem mais baixo a 54o rs.
    Manteiga ingleza flor a mais superior (lo
    mercado a 72o rs. a libra.
    dem de segunda qualidade a 64o rs. a libra.
    Manteiga franceza de primeira quabdade a
    56o rs. a libra, e 52o rs. em barris ou
    meios.
    Cha perola neste genero nao ha nada a de-
    sejar, e de especial qualidade, mandado
    vir de conta propria a 2,800 rs. a libra.
    dem huxim o melbor do mercado a 2,6oo
    rs. a libra.
    dem de segunda qualidade a 2,ooo rs. a
    libra.
    dem hysson muito superior a 2,5oo rs. a li-
    bra.
    Sevadinha de Franca a 2oo rs. a libra
    Sevada muito nova a loo rs. a libra.
    Cominhos, ervadoce e pimenta do reino a
    36o rs. a libra.
    Genebra de Hollanda a 5,5oo rs. a frasquei-
    ra com 12 frascos, e aretalho a 5oors.
    cada um.
    dem em botija hamburgueza a 4oo re.
    Genebra de laranja a l ,00o rs. os frascos
    grandes.
    Vinho de caj o melhor que ha no mercado
    a l,ooo rs. a garrafa.
    I
    Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groza e 2o rs.
    a eaixinha.
    dem de dentes lixados a 16o rs. o maco com
    2o macinlios.
    Emilias seccas chegadas neste ultimo navio
    a 16ors. a libra, e em porcao se faz aba-
    timento.
    Banha de porco refinada a 48o rs. a libra e
    42o rs. em barril.
    Vinho branco de superior qualidade proprio
    para missa a 64o rs. a garrafa.
    dem preto homeopathico muito fino a 2,ooo
    re. a libra.
    .,.., ,,. ^Ameixas francezas em caixinhas elegante-
    Bolachinha de soda chegada ne.te u t.raoT mente enfeitadas com rieas ^ a
    navio a 1,3.,o rs. a lata1 deste gene! o ha I o 5oo e 2 rs da
    grande porcao e de diflerentes margas.
    que se vendem todas pelo mesmo preco a ,, >m ._
    vontailp dos pnimiradores Wem anc"-'zas em fraSCO de vidro com tam-
    vonuue (tos compiaoies. pa x mesI|l)) C0|ltendlJ j f Ubr;l a {m
    lem em latas grandes a 2,ooo rs. rs. s o frasco val quase o dinheiro.
    dem propria para lanche em latas grandes dem em latas de 2 libras por l,4oors.
    n I,9oo rs. a retalho, e a 800 rs. a libra.
    i
    Marmelada imperial dos melhores fabrican- P- ,n ., .
    tes de Lisboa a 64o re. a libra. 1 F,f*t gJSS ff^ nV0S 6m4 5^
    nhosmuito proprios para mimo at,28o rs.
    Frutas em calda em latas de l.ooo a ioo rs., ,,
    neste genero ha diversas qualidades a es- ,?,.. s
    colher. "Bra'
    para retalho a 16o rs. a
    Passas de carnada a 48o rs. a libra e em
    quarto com 8 libras por 2,5oo rs.
    Champanha superior das marcas mais acre-
    ditadas a l,5oo rs. a garrafa e 13,ooo rs.
    o gigo.
    Bolaxinhas inglezas de superior qualidade a
    Serveja das melhores marcas que vem ao 2,000 rs. a barrica, e a 2oo rs. a libra
    raercailo a 5oo rs. a garrafa e a 5,ooo rs.
    a duzia Chocolate francez o melhor que se pode de-
    .. .' sejar neste genero a l.ooo rs. alibra.
    dem preta superior a obo rs. a garrafa e a
    5,4oo rs. a duzia. Macas para sopa estrelinha, pevide, arroz de
    Vinho Bordeaux de dilTerentes mai-cas, o as mav*a a 48 rs- a ubl a- <-' era caixa a 2,ooo
    melhores do mercado a 7,ooo, 7,5oo e | rs; cada uma macarrao, talherim, e ale-
    8,000 a caixa cora urna duzia, e em gar- j tnaa rs- a bbra
    ralas a 64o, 7oo e 800 rs., garante-se a Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
    boa qualidade.
    ,,., ... Avelans muito novas a 2oo rs. a libra,
    dem Figueira de superior qualidade a 48o .
    rs. a garrafa e 3,ooo rs. a caada. Ervilhas francezas muito novas em latas
    _..,.. grandes a 64o rs.
    dem de Lisboa a 2.800 rs. a caada e 4oo
    rs. a garrafa. i dem em ditas pequeas a 4oo rs.
    Uem do Porto de superior qualidade para Afafa de to te em km (](, 2 ,b
    mesa a >t>0 rs. a garrafa, e 4,eoo rs. a ca-1 (-io rs
    nada.
    Salmiio em latas de 1 i libra a 800 rs.
    dem fino do Alto Douro da colheita de 1833,' Lagostinno ei)1 latas grantltS a 4oo rs> a.
    como sejam: Luiz,!1 citoria vellio, Nec- ja uina
    lar, Carcavellos e Cames em caixa de j
    uma duzia a 9,000 rs. Sardidhas de Nantes a 36o rs. a lata.
    Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto Cognhac ingle z a 800 re. a garrafa.
    l il ichinha de soda e lunch em latas grandes, Itevadinha de Franca mnito nova a 2oo rs. a
    a 2,000 rs. cada lata. I hbra.
    ATTENQO.
    Neste graadfl armazem de molhados vende-se em grandes porces e a retalho.
    fesendo se differensa eonsideravel a quam couprar de 100,5 para cima.
    a l.ooo rs. a garrafa e lo.ooo rs. a caixa.
    Duque do Porto, Madeira secco, duque ge-
    nuino, lagrimas doces a 9oo rs. a garra-
    fa c9,5oo rs. a duzia.
    GarrafSes com vinho do Porto a 2,2oo rs.
    cada um. ^^
    Vinagre de Lisboa de superior qualidade a
    2oo rs. a garrafa e l,2oo rs. a casada.
    Azeite doce refinado em garrafas grandes a
    800 rs.
    dem de Lisboa a 64o rs. a garrafa, e em
    caada a 4,800 rs.
    Presuntos nglezes para fiambre a 7oo rs. a
    libra,
    dem de lamego encommenda particular a
    48o rs. a libra, e inteiro se faz abatimento.
    Toucinho do reino o melhor do mercado a
    :t20 rs. a libra, e em arroba a $,000 rs.
    Velas de espermacete do 4, '>, e 6 por libra
    a 560 rs., e em caixa se faz abatimento.
    dem de carnauba refinada a 32o rs. a libra
    e 9,000 rs. a arroba.
    dem de carnauba pura do Aracaty a 4oo rs.
    a libra e lo,5oo rs. a arroba.
    Gomma muito fina e alva a 80 rs. a libra.
    Araruta verdadoira a 32o rs. a libra.
    Farinha do Maranhao muito alva e cheirosa
    a 12o rs. a libra.
    Sag muito novo 2io rs. a libra.
    Licor francez das melhores marcas do mer
    cado a 800 rs. a garrafa.
    Batatas chegadas neste ultimo navio em cai-
    xa com diias arrobas por l,.oo rs., e 4o
    rs. a Hbra.
    Concervas inglezas a 75o rs. o frasco.
    Sal refinado em potes a 5oo rs. cada um.
    Mostarda ingle a l,ooo rs. o Irasco.
    dem franceza a 4oo rs. o pote.
    Milho alpista a 16o rs. a libra e 4,800 re. a
    arroba.
    Graixa muito nova em latas grandes a 420
    ris.
    Latas com pxe em posta ermeticamente
    lacradas das melhores qualidades de pei-
    xe que ha ira Portugal a 1,2 10 rs.
    Caf lavado de Ia qualidade a .'lo rs.. dito
    de 21 a 28o rs. a libra e 8.2oo rs a arro-
    ba, dito de 3* a 26o rs. a libra e 7,8oo
    rs. arroba.
    Charutos suspiros dos melhonn fabricantes
    de S. Eelix a 2,5oo rs. a cala com loo
    charutos.
    dem finos de diversos fabricares a 1,600.
    l,8oo e 2,ooo rs. a caixa cora loo charu-
    tos, (o preco nao indica a boa qualidade
    porm deem-se ao trabalh de virera ou
    raandarem e vero a realidade.
    Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groza e 2o re. a
    eaixinha.
    Milho alpjsta a 16o re. a libra.
    dem franceza chegada pelo ultimo navio a
    56o rs. a libra, e em barril ten batimen- Comkiho nito" nevo a 4ro rs. a libra e
    to. cqmpraudo de 84*r*s para cima a 32o re.
    dem ingleza em potes de 4 a 16 libras a GomJ?W murto alva para engomraar a 80 rs.
    800 rs, a libra e o pote separado,, a 'ifra> e en arroba se far abatimento
    m iu SaSu muit0 n<'0 a 28o re. a libra
    Cha uxim o melhor neste genero, mandado
    vir de conta propria a 2>o rs, a libra. ^ ^ hespanboJi ^ ,,,,
    dem hysson. grande, muito bom a 2,6oo re. ^ a ^^ mKado a ri a **
    a libra.
    dem preto muito fino, a 2,6oo rs, a libra.
    dem preto, mais baixo, a 2,ooo rs, a libra.
    dem, verde, miudinho, mais proprio para
    negocio, a l,5oo rs, a libra.
    Banha de porco refinada muito alva a 46o
    rs, a libra, e em barril se far abatimento.
    Biscoitos ingieres das seguintes marcas;
    Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travellies.
    -Lunch, Cabra, e outras muitas marcas, a
    l,4oo rs, a lata.
    Bolachinba de sdo, especial encommenda, a
    2,2oo rs, a lata.
    Biscoito ingle/. Craknel em latas de 5, 7 e 15
    libras a 5,ooo e 6,000 rs, e de l,2oo a
    800 rs, a libra.
    Queijos do reino pe o baratissimo preco de
    l.tioo, 1.803 e 3,000 rs os do ultimo
    vapor.
    dem prato muito fresco a 64o rs, a libra,
    dem londrino muito fresco a 800 rs. a libra.
    Vinhos em pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
    48o, 56o, e 64o re, a garrafa, e de 3,ooo a
    4,5oo rs, a caada.
    Marmelada imperial dos melhores conservei-
    ros de Lisboa em latas de 1 e mais libras
    a 7oo rs, a libra.
    Peras secaas em caixinhas de 4,00o a 2,000
    re. cada uma.
    Figos em caixinhas de 1 '/s arroba e de 8 li-
    bras a 8,000,4,000, e 2,000 rs, ea 3ee rs.
    a libra, laambem ha serinhas para men
    nos a 60 rs. cada uma.
    Amendoas de casca mole a 36o rs, a libra, e
    em arroba ter abatimento.
    Sardinbas de Nantes a 32o rs, a lalinha.
    Toucinho de Lisboa muito novo a 3oo rs, a
    libra e em arroba a 9,ooo rs.
    Massa de tomates a 64o rs, a libra.
    Pimenta do reino a 34o rs. a libra,
    Farinha do Maranhiio a 14o rs, a libra.
    Ceblas a 800 rs. o raolho, 64o rs. o cento
    e 6,5oo a caixa.
    Tijollo para humar facas a 16o rs,
    Cerveja das mais acreditadas marcas de 5,000
    a 7,5oo a duzia, ti de 5oo a 600 rs, a gar-
    rafa,
    Prezunto para fiambre muito fresco e novo
    a 800 rs. a libra,
    Genebra de laranja a l.ooo rs, o frasco,
    Chouricas as mais frescas do mercado a 800
    rs. a libra,
    Cognac verdadeiro i glez a 9oo rs. a garrafa,
    e lo,5oe rs. a caixa com ama duzia.
    Licores francezes e porluguozes de todas as
    marcas de 10,000 a 15,ooors. a duzia.
    Passas muito novas a 5oo rs. a libra e a 8,5oo
    rs. a caixa. Ha caixas, meias e quartos.
    Batatas a l,ooo rs. o gigo com 38 libras e
    2,oeo a caixa cora duas arrobas cadauma.
    Bocetas com doces seceos de 3,ooo a 3,5oo
    rs. cada uma.
    Bolachinha ingleza a 32o re. a libra,
    Azeite francez e portuguez refinado a 800 rs.
    a garrafa, e 9,ooo rs. a caixa com uma du-
    zia.
    Consenas ingle/as das seguintes marcas:
    Mixed, Pickes. 9 ceblas simples a 800
    re. o frasco.
    Mostarda ingleza preparada cm potes a too
    rs. o pote,
    Nozes muito novas 160 rs. a libra e 4,800
    rs. a arroba,
    Vasos inglezes vasies de 4 a 16 libras, muito
    proprios para deposito de manteiga, doce,
    e outro qualquer liquido, de 1,000 a 3,ooo
    re, cada um.
    Vinho branco o melbor neste genero a 800 rs,
    a garrafa e 4,3oo rs. a caada.
    dem Bordeaux de dilTerentes marcas, garan-
    te-se a qualidade, a 8.000 rs. a caixa *m
    uma duzia, e a 7oo rs. a garrafa.
    Garrafes com 5 garrafas de Tmho do Porto
    do Alto Donro a 2,2oo re. com o garrafio.
    dem com 5 garrafas de vinho F^ueira.
    proprio para a* nossa estaco por ser
    fresco a 2,4oo rs. com o garrafao.
    dem com 5 garrafas de vinagre a I.oo re.
    o garrafao,
    Sabao massa de superior qualidade a 18o,
    2oo, e 22o rs. a libra do melhor que ha
    Graixa em latas muila nova a 12o rs. a lati-
    nba, e l,3oo rs. a duzia.
    Peixc em latas muito novo : savel, pescada.
    curvin, salrao e outras muitas qoaliilades
    preparados de escabexe, segundo a arte de
    cozinba, de l,2ooa 2,ooo rs. a lata.
    dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
    rafado e escoihido pessoalraenU' por um
    des socios que se acha em Portugal, das
    seguintes marcas : Duque, Genuino. Ve-
    lho secco especial, Lagrimas Doces de
    1819, vinho especial D. Pedro V, wnbo
    velho. Nctar superior de 1833, Duque do
    Porto de 1834, vinho do Porto velho su-
    perior, Madeira Serea de superior quali-
    dade, vinho do Porto superior D. Luiz I
    de 1847, Lagrimas do Douro, especial ri-
    nho do Porto, de l.ooo a 1 2oo rs. a gar-
    rafa e de lo,ooo a 12.000 rs. a carxa com
    uma duzia.
    Vassouras americanas a 800 rs. cada
    w.
    Velas de spermacete as melhores que ha no
    mercado a 56o e 64o rs. o masao, e ea
    caixa se far umjgrande abatimento.
    dem de carnauba e composico, de 4o a
    32o rs. a libra, e de lo.ooo rs, a ll.aoo
    rs. a arroba,
    Caf de 1* e 2 sorte de 8.3oo a 8,600 rs. a
    arroba, c de 28o a 32o rs. a libra do me-
    lhor,
    Arroz da India, Maranhao e Carolina a 3,ooo.
    2,8oo e 2,4oo rs. a arroba e a loo rs.
    libra.
    Frasqueira de genebra a 0,800 rs. e a 5oo
    rs. o frasco.
    Azeite doce em barril muito fino, a 64o re.
    a garrafa, e em caada ter ahatiraento.
    Papel greve pautado e liso a 3,5oe rs. a
    resma.
    Genebra de Hollanda em botija de conta a
    44o rs. a botija.
    Passas corintoas a .vkh> rs. a hbra e ii.Ho*
    rs. a arroba,
    Ervilhas franceza e portugueza a 640 re a
    lata de uma libra.
    Chocolato francez, hespanhol, soisso e por-
    tuguez a 1,00o rs. a libra, e a 28o re. ca-
    da p'o de uma '/*
    Ameixas francezas em caixinhas elegante-
    mente enfeitadas, com diversas estampa
    no exterior da caixa de 1,500 a 3,ooo rs.
    cada uma; tambem ha frascos e latas de
    dilTerentes tamanhos que se vendem por
    mdico preco.
    Massas pan sopa: macarrao, talharira e ale-
    tria a 48o rs. a abra, e em caixa se far
    abatimento.
    Garraloes com 14 garrafas de genebra de
    Hollanda.a 5,5oo cada um.
    Charutos de todas as marcas o dos melho-
    res Mineantes da Baha de .t.ooo a 4,eoo
    rs. a caixa.
    ATTE^AO
    Todos os senhores que comprarem para negocio ou casa particular de 100J para
    cima tero mais 5 a 10 por % de abatimento; o proprietario scienlifiea mais que todos
    os seus gneros sao recebidos de sua propria encommenda, raz^o esta para poder ven-
    der por muito menos do que em outro qualquer estabelecimento.
    V*


    Diario de Pernambuco Mft fclra 18 de JaneliM de 18*4.
    *~A
    f"
    ATTENCAO
    9 LARGO llO CARMO 9
    GRANDE SORTIMENTO

    %t
    FESTA.
    DUARTE & C.
    Participam aos seus numerosos freguezes c ao publico cm geral que acabara de
    receber de sua propria encommenda, o m; is lindo e completo sormento de molhados,
    os (juaes vonJem por grosso e a retallio \h r menos 40 por cento do que outro qualquer
    annunoiante. como verao pola seguinte tatxlla que abaixo notamos, garantindo os mes-
    mos propriclarios nao s o peso como a qualidade e seus gneros.
    ai reo.
    Todos os sniores que compraren para negocio ou casa particular de 1000 para
    cima terJo mais S a 10 por cont de" abatir lento, os proprietarios scieotificam mais que
    lodos os mus gneros sao recebidos de sna propria encommenda, razo esta para pode
    veader por muito menos do que ouW> qu dfuer eslabelecimento.
    Manteiga ingluza flor a 8oo rs. a libra.
    (estantas muito novas a 2,ooo rs. a caixa,
    a 10o rs. a libra.
    Boliuho francez c era caixinhas de Too i
    |,5m rs. cada urna,
    dem franceza a mais nova do mercado a 56o
    rs. r. libra, e 5iors. em barril.
    Mem de porco refinatla multo ah/a 46o rs.
    a libra.
    Pnv.unto para fianbre a 8oo rs. a libca.
    Cli uxim miudinho vmdo de conta propria.
    o luelhor do mercado a 2,8oo rs, a ubra.
    dem hyson de superior qualidade a 2,Goo rs.
    a Ibra.
    idean nerola o meluor que se pode desojar a
    2,7oe rs. a hbra.
    dem preto muito fino a 2,5oo rs. a libra.
    dem mais barxo peuco a ,ooo rs. a libra.
    dem mais baixo a 4,8oo rs. a libra.
    Yinlio do Alto Honro vindodo Porte engtr-
    rafado gir.inte-se a superiordade deste vi
    nao, das seguales marcas : Duque, Ge-
    nuino, vellw seco i. especial lagrimas d*>
    o"*de Mtfl, tfnho especial I). Pedro V..
    v nlio vt-l'o, nctar supt-rior de 1833, Du-
    que Jo Porto de 1834, vioho do Port ve-
    Ido superior, madeira secca do superior
    quatidade, virtho do Porto superior B. Lu-
    ii I *de 1847, lagrimas do Douro espe-
    cial, vioho do Porto de l,oooa l,2oo rs.
    a garrafa e de lo,oeo a li.ooo rs. aeaix;
    rom urna dnzia.
    41 '.(. linlia de soda especial encommenda e
    mais nova que ha no mercado a 2,2oo rs. a
    hita.
    Biseoitos inglezfs das memores marcas em
    totumas oV 2 libras a l,3oo rs. a lata.
    tdeoa iogitaes cratkoel em latas de 5 e 7 libras
    de 5,eoo a U.ooe rs. a lata, e em libra a
    Koo rs.
    a 2,5oers. cada um.
    dem prato a loo rs. a libra.
    Viiil-io em pipa das mais acreditadas marca.'
    como sejainB F., MLR, JAA, u.ra*
    inultas marcas. Porto, Lisboa e Figwira ;
    de i8o. 5oo, 50o, 64o e 8oo, rs., e o do
    l'uito lino em garrafa, e em nada a
    3,ooo, 3,5oo, 4,060 e 6,5oo rs. o melhor
    aera llordoasx das mais acreditadas marcas
    a 7oo rs. a garrafa, 8 a 8,ooo rs. a caixa
    42arrafGes com i garrafas de superior muIk.
    do Porto a 2,2oo rs. com o garraflo. '
    Vellas de carnauba e composicao de 32o a
    36o rs. 9 libra e do 10,000 a H.ooo rs. a
    arroba,
    'Genebra de Hollanda cm botijas de conta a
    440 rs. a botija, e em duzia ou em barrica
    ter abatimento.
    Massas para sopa macarrao, talharim e aletria
    a 48o rs. a libra eem caixa tora abati-
    mento.
    dem estrellinha, rodinha e pevide em caixi-
    nhas de 8 libras, muito bem enfeitadas de
    2,5oo a 3,5oo rs. a caixinba e a Goo rs. a
    Hbra.
    Roce dt goiaba em caixas de diversos tama-
    nbos de (ioo a I,ooo rs. o chxo.
    Sato massa de oo a 24o rs. o melhor, em
    caba ter abatimento.
    dem hespanhol a 28o rs. a libra.
    Peixe em latas muito novo ; savel, pescada,
    corvina, salmoc outras muitas qualidados
    preparada de escabeche 2. a .irte de cosi-
    nha tte. l,2oo a i,8oo rs. a lata.
    Figos em caixas de 1 arroba, e 8 libras
    a 8,ooo 4,000 e 2,ooo rs. a caixinha.
    Barris re vinlto bronco de quinto, marra B
    & Filuo a GO.ooo rs. o barril.
    Marmelada imperial dos nvlUnres eonservei-
    ros de Lisboa a C4o rs. a ldUuha.de 1 libra,
    ha latas de I tyi e 2 libras.
    Massa de tomate em latas douradas de 1 libra
    a 64o rs. a lata.
    Ameixas francezas em caixinhas elegante-
    ment; enfeitadas de l.ooo a 3,ooo rs. a
    caixinha, tambem ha latas de I % a 6 li-
    bras de l,2eo a 4,5oo rs. a lata.
    dem em frascos com tampa de rosca a i,6oo
    rs. o Irasco.
    Chocolate portugus, hespanboi, francez e
    suissoa l,2(io re. a libra.
    Conservas inglezas das seguintts marcase
    Mixde-Picles e cebollas simples a 75o rs
    o fraseo.
    Ancoretas de vioho colares a 5o.ooo rs-, e
    a SU rs. a garrafa.
    Sardiabas de Nantes a 32o rs. a latinha.
    Charutos das mais acreditadas marcas de
    2,5oo a 4,ooo rs. a caixa.
    Champa^nhe a melhor do mercado de I2.ooo
    a 24,ooo rs. o gigo, e de 1,2oo a 2.ooo rs. a
    garrafa.
    Papel greve pautado ou liso a 3,5oo rs. a res-
    ma.
    dem de peso pautado ou lizo de 3,5oo a
    4,ooo rs. a resma.
    ARMAZENS
    DO
    OGRESSISTA
    RVA DAS CRITZES \. 3:G
    E
    RA DO CRESPO ]*. 9
    \o bairi'o de Wano Antonio.
    I
    Joaqnlm Jos .ornes de Nonza sciimtfflca a seus numerosos fregu
    zes e ao publico em goral que acaba de estabelecer um novo armazem de molhados
    do Crespo n O, aonde se encentrar sempre os melhores gneros de estiva, que
    se venderao a retalho e por atacado, por menos dos que se venderem em outra qualquer
    parte, affiancando-se aquellas pessoas que compraran nestes armazens a superior qua-
    lidade tic gneros, precos commodos e bom acondicionamente.
    O armazem da ra do Crespo situado no melhor local desta cidade com o as-
    seio que de necessidade manter-se com estes estabelccimentos, faz < rer a seu pro-
    prietario, que ninguem deixar de sortir-se n'um e^tabelecimento aonde seencontra smi-
    ceridade, para ir-se comprar aonde se naoofferecem tantas vantagens.
    Send* este armazem no verdadeiro ponto de partida para os arrahaWes desta
    cidade, nao ser diflicil amielles senhores que tem de partir nos omnius darem suas
    encommendas nesto armazem, que sempre lhes offerecer os mais agradavei gneros.
    CONSERVATIVO
    DE
    JOAQUIM' NIJ1AO DOS SAXTOK
    28Largo do Terc<)-23.
    O pi'oprietjrio deste armazem de molhados participa ao publico i
    que tem um grande sormento de tudo quanto pertetteente a moUn
    um armazem para somonte receber os general demoior quantidade, i
    {Ses emboas quadras, e qne sempre pode vender por mono de lo .
    que em outra qualquer parte, garantindo o propretario qualquer genei
    armazem, tanto em i eso como em qualidade.
    ManCeiga ingleza llr mandada \ir por conta projiria a 800 rs. a libra,
    dem franceza, vinda pelo ultimo navio a 560 rs. a libra e 540 rs. em ka
    Bauha de poico refinada, propria para pastis a 480 rs. a libia, eem K.
    Velas de espermacete e carnauba do Aracaty a 600 rs. o atto e 400 i
    Cafc lavado do llio e do Ceai, o melhor deste genero, a 280 rs. a libra
    roba.
    Batatas novas em caixas com 2 arrobas por 20000, arietalbam-se a 4o i -.,. ,.
    Touckiho desembarcada ltimamente a 3oo is. a libra, em barril ou arroba > -
    Cha de Ia, 2a, 3 e 4a sorte a 28O0, 2,5500, 2,5000, e 1600 a libra.
    Azeite doce de Lisboa a GOO rs a garrafa, e de carrapato a 280 rs, a garrafa,
    2Jooo.
    Genebra verdadeira de Hollanda. em botijas, de conta certa, marca galln Mfl
    Milho alpista o mais limpo que ha a 160 rs. a libra a 5000 rs., a arroba.
    Cha perola de especial qualidade a 2,8oo rs.
    a libra,
    dem hysson multo superior a 2,7oo rs. a
    libra.
    Mem uxim a 2,5oo rs. a libra.
    dem hysson a 2.3oo rs. a" libra.
    Mem idem a 2,ooo rs. a libra.
    Wcm preto de qualidade muito especial a
    2,eoo rs. a libra.
    jdem idem inferior a I,(too rs. a libra.
    Champagne a melhor neste genero a 1.5oo
    rs. a garrafa e 18,ooo rs. o gigo.
    Wcm inferior a Io.ooo rs. o gigo e l.ooo rs.
    a garrafa.
    dem muito superior a l.ooo rs. a garrafa
    Caf a 28o e 32o rs. a libn, e a 8,eoo e
    9,000 n. a arroba.
    Cerveja das melhores marcas do nosso mer-
    cado de 5,ooo a 6,ooo rs a duzia, e 5oo
    rs. a garrafa.
    Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e 8,6oo
    rs. a diada.
    Doce emcilda a Soors. a lata.
    dem de goiaba em caixas i diversos tama-
    nhos e Je diversas qualiades de 64o a
    l.ooo rs. cada urna.
    ErvHhas francezas muito novas de 48o a 64o
    rs.
    dem portuguezas a 72o rs. a lata.
    .Chocolate francez, hespanboi, e portuguee, a
    a Ooo e 1,2oo rs. a libra.
    Charutos dos melhores fabricantes da Bahia lm S6CCi,S a 2 a BRl"
    ede qualidades, especialmente esrolhidos, Vassouras do porto com aris de ferro a 32o
    de 2,ooo a 4,5oo rs. a caixa. rs. cada, urna.
    Farinha do Maranho muito al va a 14o rs. a Velas de espermacete da melhor qualidade
    1bra a (too ri. o ma(o.
    dem de aramia verdadeira a loo rs. a libra. [ dem de carnauba e composi.54 a 32o e 3tto
    Vinhe do Alto Douro engarrafado, c os mais I a l-ra e Io.ooo rs. a arroba.
    bem escomidos, lagrimas do Douro. D. Pe-' i ,
    droV.I). Luiz I, Duque genuino, Nnctar T.jolo pan l.mpar facas a I'iors.cada um.
    superior, Mrdvasia fina, Bastardo, e outros Toucinhode Lisboa e Santos a 32o rs. a libra
    a 11,ooo e l2,ooo rs. a duzia e l.ooo rs. L ,
    a garrafa. pevada muito nova a loo rs. a libra.
    Idem Cherry c Madura a I,5oo rs. a garra- Peixc em 'agrandes, savd, pescada, cor-
    fae lO.ooo rs. a duzia.
    dem Bordeaux de diversas marcas de 8,ooo
    a lo,ooo a duzia. e 8oo rs. a garrafa.
    Bolaxinhas americanas a 3,ooo rs. a barrica,
    e 2oo rs. a libra.
    Batatas muito novas a l.ooo rs. o gigo, e 6o
    rs. a libra.
    vwa, o .ratras qualidades a l.ooo rs. cada
    lata.
    Papel greve pautado e liso do 3,ooo a 4.ooo
    rs. a resma.
    Passas muito novas a 8,5oo a caixa e 48o rs.
    a libra.
    GR ANGEI AS antiblennorrhagicas de DUNAND
    kJNT. do HOSP. dos VENREOS de PARS -1? PREMIO 1354
    Saprlorts a todas s preptra{Oes coohecidastl hoj contra as Oonorthe e BlonnorrhajUiM mais inicnaaae rebt'd"
    Bmnompirt prom|ilo. aai ntoMas. nsm nlie, nem tremor. Fao Injecpo curativa e preserva ti va
    tafcimal,cara com rapldeini itr- os c>rrimentos cODlanotai Je ambos aioa. **Tn um AJuru-.nnM*
    wuajucau* ta.(if,iar,for Deposito geral em Pernambnco ra da Cruz n. 22 em casa de Caros 4 Barboza
    LIQUIDACO
    ^^^ de fazendas e roupas fcitas, per presos baralissiinos : na ra do Crespo n. 4.
    38RUADO IMPERADOR38
    Agua nahnal le Condtlac.
    muito rocommendada as alTccr5es do tubo pistro-intestTial, nos dos rinr, e betica ou^inaria, pefw
    5B*< propriedades alcalinas, e o rido carbnico que naturainientn ronlm em nn
    KMd wiimtKlo qutriures pela grand.- nuanlMta aculo cartomco. Injecalo Brau, agua d t Ckerlru, cupabiba de Mese, qtcfo Pitam ir tmmm
    ezinoo, muito rreoniinendada as gonorrheas. Le rroy franca verdadeiro ; na m. >ica casa km
    animas raixas de rastrnmemos cirnrgicos para opera^fles de Maticu e Charriere.
    Pede-se lodil alleilCnO. Vode-se a taberna da doto
    Custodio Jos Al ves f.uimaraes, dono da loia in- Jun,oa Padaria, muilo bem tftcfoahta, roa pm-
    titulada Gallo Vigilante, ra do Crespn 7 avisa i PM unda. projina para quem rju.r |.rineH..T a
    osseag numerse s freguetes e ao respeitavel pu-! lu,'f"1;ult' e a inelliur |nmmv1, a diulHir a rota
    Mico, que trndo de reformar no lim d^to anno seo 5e z,,odo npPc'0- """",l" ^ '''" '*> *-
    estabelecitnento, equerendo liquidar grande quan- i"?"11110 ; (|uem l'rf,endf. mi>,- m pata
    tidade de diversos objectos, esui rosolvido a vender '^,rm;' ." 1,,e ach,ra eom 1"'m ****** wl a ,r'
    imh) por preeos baratissimos, como sejam :
    Noisewn 45 varas de franjas de Imho a )j.
    Ditas eom 46' vara.' de galio delinho a 34.
    La surtida para bordar, libra a i.
    Froeo de cores sortidos, pe^a a 160 rs.
    Mangnitos para sethora, o par 800 rs.
    acinhas de bonitos gastosa 480.900 e 1.5.
    Salvas de metal principe a 1J300, i& e 4600.
    Ditas com copos de metal proprio para meninos a
    teUtOO.
    Facas egarios par.i sobre-mesa a 4 a duzia.
    Ditas e ditos dita com cabo de marflm a G.
    edeiucom > arralg de viiibo da Figueira nuis Gonuna muito fina e alva a 8o rs. a libra.
    Milho alpista e painso de lito a 2oo rs. a li-
    bra.
    Palitos do gaz a 2,2oo rs. a grosa e ioo rs. a
    duzia.
    Vasos inglozes de 4 a 16 libras vasios, muito
    proprio para deposito de doce manteiga
    ou oulro qualquer liquido de I,ooo a
    3,ooo rs. cada um.
    Licores das melhores marcas e mi finos
    a l,ooors. a garrafa e em caixa ter abati-
    mento.
    profiri para a nossa estacao por str raaif
    firesco a 2,ioo rs. com o garrafio.
    dem com 5 garrafas de vioagre a l,2oo rs.
    con o garrao.
    Vinlio branco o mais superior que vem ao
    nosso mercado a 5(o rs. a garrafa, e a
    i,:tik>ri>. a canada.
    Vela.- de esparmacate as melhores este ge-
    nero de 56o a (>4o rs. o maco, eem cai-
    \;i ter grande abatimento por ha ver
    grande poivao.
    Azi'ile doce em barril muito fino a 84o rs.
    a garrafa e 4,8oo a ranada.
    dem francez refinado a 8oo rs. a garrafa.
    Ervillias francezas e purtuguexas a 64o rs. a
    lat.
    Borctas eom doces seceos de Lisboa de 3oo,
    . tjSoorJt. cada urna.
    Toucitiho deLisboa a 3oo rs. a libra, e a
    V oo js. i arroba.
    Nozes myito npyaj a IOj rs. a libra e 4,8oo
    is. a arrolia.
    Cari de I.*, 2.*e 3. qualidade de 26o, 3oo
    i 36o rs. a libra, doL'ear de7,8oo, 8,8oo,
    i !).oo rs. a arroba do melhor.
    Arroz da India, Java eMaranho de 2,2oo a
    >o a arroba, ede 8o a loo rs. a libra.,
    Pas muito novas a 8.5oo a caixa e SooErva doce a libra,
    a libra, ha caixas meias e quartos.
    Suvadinha de Franca a 2io rs. a libra.
    Sag muito novo a 28o rs. a libra. I
    Palitos lixados pan dentes a lio rs. o maco.
    Pcin para camisas, a dnzia a i&.
    Banha de porco refinada a 48o rs. a libra e "*m "e ^"r a ^oo rs. o maco. Camisiahas bordadas para senhora a l^COO e 2
    em barril a 4o rs. n / L Chapeuas para senhora a 3.
    Prezuntopara fiambre inglez -s e americanos Ditas para menina a i&.
    Vinho em pipa de Lisboa, e Figueira, de3,ooo a 8So rs- a Iibi-a. Chpeozinho para meninas de escola ou passeio a
    a 4,000 rs. a caada, e Soo rs. a garrafa. Idcra do p,,^ a ^ a K
    tar na mesma.
    Vcndeinso caibrw, travr>(>> c.-nia
    prios para apdaimes, tudo muito I ir 11 no lara*
    do Ccrpo Santo n. 6. ___________
    Papel aaaizattV
    liso a 700 rs. u parole, tillo dito paoiad-
    a caixinha, dito de cores a 700 r- :_> M
    cores de phantasia a tfiOOO a caixinha : na na *
    (.lutiuatlu n. 16.
    Tranca prr#a
    lisa e de earaeot a 80 n. a aerinfaa aa nal
    Bandeja? de todos os tamanho* nmito finas a 15. Queimado n. lt.
    iU00. i$400, loOOO. i.5,-100. 35503 e 5. llastlco
    Ditas redondas para copo de 500 rs. para 25800. preto para bonepuins a CM rs. o palmo n:. ra
    Tcsouras cm carteiras, a duzia aSOOrs., 640 e do Queimado n 6.
    00 rs.
    ^s^^^^ 9 Quijos pr.ito de 48o a 6oo rS. a libra.
    por
    dem do Porto muito especial a -Voa rs. a
    caada e 72o rs. a garrafa.
    dem em garrafoes com 4 2,5oo rs. com ogarrafo.
    Vinagre de Lisboa muito superior a 2,ooo
    rs. a caada.
    dem mais bai.\o a 1,5oo rs. a caada, e 2o
    rs. a garrafa.
    dem em garrafes cora 4 \'t garrafas por
    l,2oo rs. ixim o garialao.
    Manteiga iugleza a Goo, 7oo, 8oo e Ooors.a
    libra de primeira qualidade.
    Hem francea a !56o rs. a libra em barril, e
    a lio rs. a retalho.
    Ameixas francezas em caixinhas com ricas
    estampas no exterior de l,2oo a 2,ooo rs.
    cada urna.
    dem em fraseo de vidro de diversos taa-
    nnos a l,5oo e 2,5oo rs.
    Idem em latas de I 1/2 e 3 libra a l,3oo e
    2,3oo rs. cada urna, e a 8oo rs. a libra.
    Figos de comadre em bazinhos de folba pro-
    prios para mimos a 1,600 rs. cada um.
    dem em caixinhas de folba a 32o rs.
    i dem em caixas grandes a 2oo rs. a libra.
    *e 3*.
    Ftores francezas, ciixos grandes, a600rs.
    Lnvas de seda com pequeo toque de mofo a 300
    rs. o par.
    Tencas de laa para meninos a 500 rs., fil a 500 e
    dem londiinos os melhores que se encootram 6* ">do seda 80rs-
    neste mercado a 800 rs. a libra Sapanbos de merino a 800 rs., e de laa a 508 rs.
    oolsinbas de missauga para meninas de escola a
    dem flamongos vindos no ultimo vapor de'n^"- ^
    2,800 a 3,ooo rs. ^ fflrSTmetrof'r0 a ^"" ""
    Sardinhas de Cantes muito .mas a Mo. SSSfS^aVSKS
    a UU1, Kscf ivwmihas de rielal a 3500.
    c,./, ,:,.. ., a i-i i Colheres de metal para cha a 200 rs. a duzia.
    Sag muito novo a 2oo rs. a libra. Ditas de dito para 'opa a 25 a duzia.
    MM4M duraque pretos a 400 rs. a {-roza.
    Kun da Seizalla n 42.
    Vende-sc, em casa de S. P.JotaatOaYC^
    sellins e silhes inglezes, nifainn asto-
    caes bronzeados, lonas ingleus. lio : via,
    chicotes para carros e montara, arraioa para
    caires de um e dous cavados, e relogii 'S !
    miro patente inglez.
    Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa dem em latas ermeticamente lacradas de
    e io,5oo rs. a eaka. i ,600 a 3,ooo rs.
    Cbouricas as mais frescas do mercado a 800 Arroz da India e MaranhSo a 80, loo e i2o
    rs. a libra.
    Genebra de laranja em frascos grandes a
    i.ooo rs. o frasco.
    rs. a libra.
    Amendoas de casca mole maito novas a 4oo
    rs. a libra.
    Serveja das mais acreditadas marcas de
    5,5oo a 6,5oo a duzia e de mais a 5oo rs.
    a garrafa.
    dem em botijas e meias, sendo preta da Letria a 4oo rs. a libra,
    muito creditada marca T de 6,5oo a 7,8oo
    rs. a duzia.
    Ceblas em melhos grandes a 800 o molho
    640 o cento, e a 6,5oo rs. a caixa
    Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
    Farinha do Maranho a lio rs. a libra.
    Tijolo para limpar facas a 16o rs. cada um.
    Cominho a 4oo rs. a libra.
    Azeitonas superiores a 1,200 rs. o barril.
    Alpista a 14 rs. a libra e 4,6oo a arroba.
    Biseoitos e bolachinhas inglezas as ultimas
    chegadas ao nosso mercado a l,2oo e l,4oo
    US. cada lata.
    Bolaxinha de soda e lunch em latas grandes
    a 2,000 rs. cada lata.
    Cognac de superior qualidade 800 rs. a gar-
    rafa.
    dem muito superior a 28o rs. a libra.
    Sabo maca de diversas qualidades a 2oo e
    24o rs. a libr.i.
    dem inferior de 12o a 18o r=. a libra.
    Genebra de Hollanda em frasqueitas a 6,5o
    rs.
    dem hambiirgueza em ditas *i,8oo rs.
    dem de Holanda em garn.foes grandes a
    5,5oo cada um.
    dem em botija a ioo rs. rs. cada urna.
    Garrafoes vusios de diversos amanaos aSoo,
    64o e l,2oo rs.
    Gomma do Aracaty a loo rs. a libra.
    Graixa a loo rs. a lata, e l.'.ioo rs. a duzia.
    Licores finos francezes em garrote e iras-
    cos de diversos tamanhos d* 00 a 8o rs.
    cada um.
    Marmelada imperial de te dos os eenaervei-
    ros de Lisboa a 64o e 700 rs. a Hbra.
    Massa de tomate muito nova a 6*0 rs. a
    libra.
    Marrasquino de Zara a 64o rs., o frasco,
    dem em frascos grandes a 800 rs.
    Cominhos muito novos a foo rs. a libra.
    Erva-doce a 2io rs. a libra.
    Pimenta a 36o rs. a libra.
    Cravo da India a 6io rs. a libra.
    CanneUa a i.loo rs. a libra.
    Alfazema a 2oo rs. a libra.
    Sal refinado cm frascos de vidro a 600 rs.
    o frasco.
    Cartas hespanliolas para jogos a 15200 a duzia.
    Caslifaes branros e amareos de metal a 15.
    Carleiras para atgibeira a 300, 600, 800 e 15-
    Sa*onetcs muito finos a 15200,15600 e 25 a duzia.
    Prvehn para catea a 300rs. a duzia.
    Botiss de ac para calca a 320 a proa.
    CaBinbasi'(iiii.iirnieifs,L'raiii|) 400 e 500 rs.
    Filas de borracha pretas e de cor a 120 e 160 rs.
    a *ara.
    Latas jm doos masaos de agnlhas r*>r WO rs.
    Ditts pira sinteiro a 300 e 400 rs. a vara.
    Caixinhas para costura de senhora i 15500.25.
    3,4,3 e 65.
    Compoteras de vidro com pratos de metal a 35 e
    Franja de laa para debrunhar tpeles a ?5 a peca.
    Pats de (ogo, prova d agua, a 15 a groza on 120
    rs. a duzia.
    Assim como ten grande sortimenlo demuitos
    mais aojectos qne se tornara enfadonho mencio-
    aa-108, que ludo se vender milito.barato para li-
    r'iar : na ruado Crespo n. 7, e na do Impera-
    n. 59, junto ao passo, e casa da liquidacao.
    ESCRAYOS FGIDOS._____
    Fugio do engenho Pirana da coaMrta ra rt-
    dade de Nazareth em 20 do mrz d.' n;:' as rur-
    reoie anno 1863, um maUHinho de n. bm Maned,
    de idade 15 anuos, levoa vesiido ra
    de algodaozinho azul, um lantu di -
    tem os ps feios c es dedos delles arr il
    pesartiante largos e os Icanharr* fw
    costume de andar com a cabrea : Itoa
    eslirados, de cabocolo : oven o i \ i
    em dito engenho ser rccoinpen-
    mmu
    o cscravo Ada, de Trata e tantos annos de uiadc.
    boa Ggura e cego de um olbo : quem o peg:
    ve-o a roa da Cadea n. 33, loja, que sera baai
    recompemado.
    No dia 4 do correnle fugio o escravo Baii-
    iio, crioulo, estatura regular, srco do crp. rOr
    amarella. soffre de frialdaaV, tem falu de dente*
    na frente, ps apalbetados, tan callos nos calea-
    nhares, pisa muito devagar, levu rali-a r briea
    pardo, camisa branca, chafHk de
    mniro usado : quem o pagar le*e- a na !> reita
    n. 30, iirimeiro andar, qwaer graiilicado.

    d.3
    y s^ S"
    9
    a

    Ul
    ATTENCAO
    Canella a l,ooe rs.a libra. proprielano dos armazens do Progressista jamis deixar deoffem-er aos seu
    freguezes tudo o que for preciso para que sejam bem servidos, e como a fe.ta se aproxi-
    latatasal.ooors. o gigo com 32 libras liqui- ma ptima aoccasiaodos seus freguezes xpi'iimeniarem a realidade, que nunca dei-
    das e 2,5oo rs. a caixa de duas arrobas, axr de ser mantida pelo proprietario destes armazens.
    t*ff tai
    _ s s <"
    Bes.6?
    a
    3^
    -5 OS
    tt>aKs.o2.(Bi.g-
    a a =>
    O aa
    ff

    09
    -3
    fllS
    as j v. -
    c .
    "O *i _
    a sj'
    _ "i
    -/-
    |
    3 0
    2L
    C3-
    i
    a

    a
    a :t.(ooo.
    Caixas rom cholas de Lisboa desembarradas
    hontem vendem-se nn armuem de Jns(i Rodri-
    gues do Carvalho, tra'essa da Madre de Dos n. *>.
    eavulsa a 6i0 rs. o cento.
    Frigio no dia Sdocwrpiite, do rogar Caman
    nha, frepuezia da Gloria rto Guia, o escravo ilen-
    riqoe, mulato, de idade 21 annos, poocv mais en
    menos, de boa altura e grasura, nariz groase, pea
    grandes e bastante cambado, fi eareatrado r.o
    dia 3 do correnle no engrano Tapara reta i
    aoReiife: quem oapprebender on aeik
    dar noticia, pode dirigir-se ra do (jueima.!
    28, lerceiro andar, ou casa do senhor d ibw
    escravr, no lugar j referido, Amonio da C< sia
    Pereira, qne se gratificara com gMarosMade
    Escravo lgido.
    Alexandre, preto, crioulo, natura! d.' Gravad
    45 aooes de idade, pouro auie ou menos, com tos-
    tantes cabellos brancos na cabera e Larda, hatee*
    reforcadodo cor|>o, ireme-lbe muilo a rabeca e lau-
    cos qando falla por ter tido j o ar de reato (eonra
    vulgarmente chamam)-, derapparecen da n-. de
    seu seslior no dia 4 do crreme, levando c;i!ra t
    algodaoazul e camisa de algodo bramo : moa-ee
    a quem o pegar queira leva-loa ra do (ucimaete
    n. 37, que se Ihe pagar o seu trbame
    se que rile foi para o logar do seo aaarfmema.
    De bordo do patacho nacional Capmtm, fi-
    gSo o preto crioulo de nome Antonio, altura r>
    lar, cheio do corpo, com amata* aa l>exif* a*
    rosto, Icvou calca e camisa azul, continua a andar
    sempre mascando fumo : qoem i
    bordo do dito navio ou ra da Cruz n l
    lorio de Antonio Luiz de Oliveira *
    ser bem recompensado.
    Fugio do abaixo assignado. no dia 5 do
    rente amo a sua escrava Clara, cabr ide
    18 annos. estatura liaixa e cheia do ccrpo. ron*
    redondo, bocea regular, com falta de
    na frente da parte de cima, man
    e frases, fi comprada a Sra. I1 ela
    Romana, moradora no engeotM
    moda Escala : qnem a pegaron dei
    em Apipucop ao atiaix
    ra larga do Rosario, padniiaa 9
    Joao Machado tiraudao.


    8
    Dltirlo d l'eni.ixibni Tervtt felfa 19 le J;)n-lro re I HU.
    LITTERATRA.
    Obras darleA nica obra importante que se
    construa, quando dlrfg V. Exc. o met prcre-
    _ dente relatorio annual.era a ponte dasDuas Mar-
    ras,Cujo ferro estava sendo collocado. Esta obra
    e se arha em exeeHonlM condi-
    tUlataria auimal aprese rilado peto Sr. Dr. *. Biur-
    que de Haced* ao Ra. Sr. niiuislro da agrie l- JJ" '
    lira, ctmoercM obraa puliliras sobre os nejio- '
    I l i Estrada de Ferr desla [iiencia, rxl-a-1 Todos os bociro?. ponlilhoes. etc., rom excepcaj
    hido das aunaos do relatorio d mesmo ini-, do que se ponsiruiuuo atorro de Olaria, era conse-

    ( Com!
    quenria das chuvas de marco, iinham sido acaba-
    dos em 1861; no anuo que expirou apenas recla-
    0 bo ::ra deste aterro, Je 9 ps de abertura, e '.a- maram insignificantes reparos e a construego de
    das de montante t parle da abobada forim algumas d.a suas alas,
    destruidas pelas aguas, ora iorontestavelmeiw O boWro de !> ps ,l i aterron. 72, cuja parle de
    urna das mais solidas conslrurges da liaba. montante soffreu grandes damnos, foi conveniente-
    As causas (pie principalmente produziram os es- mente reparado. Un forte muro de reveatinu-nto
    pTagW do aterro de Minas Novas e do seu baiiro foi construido neste aterro, para abriga-Ib das fu"
    (biam : I turas enchentes do rio que banha a base de um
    l. A grande endiente do rio Aripib, auxiliada dos seus taludes,
    pelis aguas do acude do engenhoSerra Hedona,i 0 |oU| de alvenariaconstruida nas obras d;irlc
    i desta seegao, con.prehendendo lijte, pedra, bydro-
    ' argamassa, etc., foi de 8,739 jardas cubicas.
    , i Estages e depeodencias.Todas as estages da
    i" A pequea largura do le lo desviado do rio
    na pedreira.
    3.' Os blocos da podraria, que se acbavam amt n
    Com rclaeo ao Iraballio executado nesta secgo dever dar um certificado com reetriocoes, fazendo
    e ao estado actual das suas obras, es-aqui o que 4 companliia responsavel priir.ipalnviite pelasegu- para ondeenlrou em aaosto.
    se me offereee a di/er :
    Districto de Cuiambuca. Nesle dirtricto as
    obras publicas proseguirn! sempre com grande
    impulso, nao se leudo dado ncnliurna interrupgo
    desde que liveram eomego.
    ranea das obras que recenu mente tinhatn sido
    acabadas i pelas puntes de ferro da 1* secgo, at
    0 dia 30 de julho do corrente anno. Depois de ter
    combinado os termos desle i-edificado como enge-
    nboira em ebefeda companbia, o respectivo supe-
    rintendento interino nao o a iprovou, e declinad
    da compai bia toda a respons bilidade pelas obras
    ptraTd^n,^ "" *ana x> '>'. P Proceder ao exame do entrego do
    P AtSva n-TScompradaoItimamente'^ S^"tt! ?,"?'
    aos empreiteiros. E* urna das mais fortes machi- SS "* Ratono ao 9 de julho d-,
    nas que posse a companhia. Enlrou para osolll- a f.!11,,I,1a!i(1 ; w j _.
    canas em nov.ml.m o ,i ,u.rmani. .aLbhmA.'. A cumminaao, nao tendo conher.mento do reta-
    dos em Janeiro do auno passado, quando diri"i l)r' enKenlieiro em ebefe, qo.3 julgou zoavel
    V. Exc. o mcu precedente rclatorio. mi."''a ''^l''"'-'-' nS deveudo eu prescindir i
    1 *"" rcsponsbi tdade da companfin por algn* niezi
    toados o que braco arraslados pelas aguas preci )i-1 **" ''"m ,e"n"das o anno passado. As es-
    tandoee sobre o hoero. u,-oos tle Gmelteira e Frexeiras- lavan, a pri-
    4' A falta de revestmento de um dos taludes lo meira ,|Uasi incluida em fins de 1861 e a se-
    aterro. &unu"a comegada ; as domis obras deste genero
    Tanto este aterro como o de Otaria nao estovan) foram executadas posteriormente aquella data,
    receidos pelo governo, todas as despezas de suas; Gom excepcao da estago de Frexeiras, cuja obra
    reparagoes corntrara por conta da companhia >u f' (/lU Mm Pu,;o desvelo, os edificios das es-
    de seus empreiteiros.
    1'ucos das depois dos acontec mentos de 25 Je
    marco, a linha li -ou em estado de permltUr a ci -
    cnlayo dos trena, esta porm leve lugar em 13 'le
    inaio, pelos motivos que passo expor, e de q w
    dei egualnionte fciencia V. Exc. em offlcio espa-
    cial.
    Quando se tratou da abertora da seccao ao tra -
    -il i publico, em t3 de marco, sob as condicoes i o
    aviso de 18 de ouiubro de 1861, oeagenheiro en
    ..lele da companhia communicou-me que o agente
    dos einpreileiros testa cidade, ainda que s es i-
    tacoes
    dos.
    intermedias sao regularmente conslrui-
    N'a Gamelleira o edificio destinado lacio est
    em boas condicoas, o mesmo nao se da com o ar-
    mazem do raeroadorias. A construccio tiesta
    obra foi defeituosa, e, com quaoto nao ameace po-
    ngo, reclama melboramentos que eu julgo neces-
    sarios i sua futura seguranca. Alguns dos seus
    pilares eslo ligeramente inclinados o quo foi oc-
    easionado pela pesada coberta do edificio. Por
    occasio do recebimento da seccao, tornei a com-
    panhia responsavel peta solidez desta obra.
    Estando a tarao de Frexeiras situada em um
    por ella construida-, alm do naso Otado para sua
    Com oxerp^a.) da va permanente, todos os mais conctasia
    tnbalbos se acbavam consideravelmonie adianta- A" vista desta recusa, feila egualmente ao pro-
    I a
    da
    panliii por alguns niezes
    Durante o anno. as obras quo se executaram P*1"* *'obfas por ella construidas, pasaei o eerli-
    foram as seguimos '"ai1" 'lo "'"r seguinte, oqual fui aceito pelo Sr.
    superinteniente, que o rcmelteu directora de
    Hovimenlos de Ierra,Na inimeira paite deste Londres :
    districlu, desde Gamelleira at Cuiambuca ne-! ^,fi 0"^ obrwc(Mitratad oa estrada
    .. ,'. mwiiiuuca, ue de ferro do Recife a S. Francisco, na extensao
    nbt.ni trabalho importante se fez em obras de tr-
    ra, apenas limparam-se os taludes dos cortes e
    alaigaram-se estes e os Marros.
    Na 2* divisao, de Cuiambuca estacao de Agua-
    Preta, quasi todos os movimontos de trra foram
    executados no decurso do anno.
    Obras d'arte. A mais importante obra darte
    que existe no districto a ponte de ferro sobre o
    rio Serinhem. A alvenaria desta obra fui cons-
    truida era 1861; o seu ferro, porm, s foi colloca-
    do no anno passado.
    Ti'Kge SS- de traeca, est era boas '^ ^^a'nca^'Z^TL
    eondtooes e cui.ia.losamenie conservado. mIZT^JSEPESI'SS. '**:'" ,re"'
    A despeza miliar de traccao, durante o anno, foi
    de 11018.
    Carros e wagoe*.Foram consideravoi> as repa-
    ra{des operadas nos carros e wagdes, inuitas das
    ooaes foram completas. A maior parte substtuiu
    bronz
    eludas por aqueelles agentes, tisIo que i
    vincia a commissao pouco auxilio lew ea pjrle d.i
    companhia, que nao dispunha aqu de infonnaefc.
    exactas acerca de muitos pontos principal
    ves,e obrigado pela conclusao c entrega da 3a e V
    secedes em dezembro ultimo, assentia a que ra P0DtoPara oade <" rande quantidade de mer-
    priinelra destas secces fosse permittida a circula- cadoriasdo ia*x. wdispensavel augmentar as
    caodostrensdotrafego. suas accoraraodacoes com a conslruccao de um
    . armazem. EsU medida, que j foi reclamada pela
    Fo. era conciencia desse consenso que leve coinpanllia> deve ser realisada m correr d^
    lugar o aunuucio da inauguraba.) desta parte c a aQQ0
    linhapara o dia83 deimarco; ignoro porm rao- As'demais dependencias das esUc5es desta sec
    dame que condes foi elle dado. ; ^0 nada offerecom digno de alte So
    Reparado os estragos cima referilos, reclame!, Foram nnslrmzs nestas obras 814 jardas cu-
    coraii me cumpria, a entrega da linha ao transiio [ b:cas de jjvenjj.a.
    publico.
    Telegrapho.Os postes e apparelhos destinados
    Em resposta minha exigencia foi-me decan,-" ao ,e|egrapho foram collocados e se achara era bora
    da, p.jlo supenntendenle e engenheiro em chefe, estado,
    quo it agente dos empreiteiros se oppunba entrt
    gi da seccao ao trafego publico, pretextando prt-
    juizoi, visto corno a linha ainda (icaria sob su*
    Recebimento da seccao.- Em rirtude do aviso de
    10 de outubro do 1861, a entrega desta seccao ao
    respunsabilidade para sor concluida na conform itraasito pablico' Perceoendo a companhia a ga-
    dade de seu contrato. ram,a de >aT0S sobre caP'ul proporcional nella
    Enseguida, informaram-mo os agentes da com-1 emPre8d. leve lugar mediante a obrigacao do
    panhia que so mediante nma gratificacao.correspon- jflcarera 'errainadas as suas obras no praio de seis
    dente aos damnos que causasso o transito dos tren; mezes con*ados do d'a d nauguracao da seccae,
    anliMccao, poderia o reprentante dos emprei- :ficando alera disso a mesma companhia obngada
    teiro- eoasentir na entrega desta, c que a proprin' P*'1 conservacao dessas obras tendo, porm, o
    companhia nao linha torca para faze-lo dessistir dn engenheiro em chefe declarado-me era setembro
    sua rosolucao. j quatro mezes depois daquella inauguracao, que aj
    Antes de proseguir, eu chamo a attengao do V. referidas obras so achavam concluidas, nao tive
    Exc. para o segutON faci; com o qual pretendo duvida em dar-lhe o certificado do seu receki-
    m-iis adianto mostrar o absurdo de urna das exi
    gencias de senhor superintendente da estrada do
    ferro:
    < A companhia declarou ao governo que nao ti
    nha forca para obler do empreiteiro das obras .
    entrega de urna das seccesda estrada ao transiti
    publico.
    ment.
    Nesle certificado fiz as seguintes restrieces, do
    accordo com o proprio engenheiro da companhia :
    1", obrgando a esta, por um anno, pela seguranca
    das obras d'arte e pelos damnos que soffresse o
    leito da estrada, em consequencia de lefeitos da-
    quellas obras : 2, tornando-a responsaTol pe
    de 77 Ifl milhas inglt-zas, desde a cidade do Re-
    cife aj l margem do rio Una, com excepcao da
    estacao (entra!de Cinco Ponas nesla capital e
    todas as suas dependencias, e dos armazens des-
    tinados so recebimento das mercaduras na es-
    tacao da villa da Escada, foram construidas e
    terminadas dentro do praso fixado pelo governo
    imperial. Declaro oulrosim, que o prsenle cer-
    tificado s da direito a perce,..cao dos juros sobre
    todo o capital garantido e empregado nas obras
    construidas na referida eslrada, obrigando-se
    ainda a companhia pela seguranca das ditas
    obras at o dia 30 de junho de 186.1, como foi
    por mim exigido e se faz neressano.
    A restricto que fiz tornan io o pagamento da
    Esta construccao, minuciosamente descripta por garanta de juros dependente da aceilacio da res-
    mim em outros relatorios, est em bom eslado. [ponsabilidade das obras construidas, no caso de
    pretender; companhia faxer valer o seu direito
    , Os pontilhoes, boeiros, etc., foram igualmente aos juros sobre todo o capital empregado, servin-
    construidus pela maior parte em 1861; no anno dc~se do certificado que Ihe ministre!, s pode ser
    lindo executaram-se apenas as obras desta espe- ^lali^an"ima p,arda ?s,ria' Por isso que j
    a n.ri...ni i a. .! "U"",e*'^ percebe ella os referidos juros sobre as sommas
    ce, pertencenles a parte do districto. empregadas nas demais aeseftis. Esta restrieeio
    Estacoes. As estacos intermedias de Coiam- nenhum 0WM' companhia com referencia a
    h,i,., ..,.,. manulencao das obras, que de 30 de dezembro em
    buea eAgua-Preta, existentes nesle districto, fo- diante (coi integralmente cirgo da recolta da
    ram construidas durante o anno lindo. A primeira mesma estrada.
    dellas estava terminada, quando leve lugar a aber- Devo declarar V. Exc. que, embora os con-
    lura desta parte da estrada ao transito publico tra,"s1n1a,cD'enham disposicces relativas res-
    .n cimi.. ~. i x ponsabilidade da companhia pela seguranca das
    em setembro a segunda, porera, s em novembro obras por ella construidas, den:rode um certo pra-
    ncou acabada. cu a ten lio sempre exigido aqui, e nunca me
    I lili I"t'(' I! '11\r
    A estacao de Agua-Preta reclama a construccao E.n data de 31 de dezembro ultimo, enviei a essa
    oe um armazem desuado ao recebimento e expe-1 secretaria tima copia do cerlilicado cima trans-
    digao de mercadorias, pelo consideravel trafego da' cripto, assita como informei V. Exc. dos motivos
    localidade. Para satisfacao desta necessidade pre- q'w exi8irain a re^triegao nellc inserida.
    tende a companhia mandar construir um edificio TRAFEGO.
    aproprado. Trens.-r di,. i D_ w a l anno nnd Planta, e perfil. -Em 26 de setembro ull.mo re- 4861. Alm da completa interrupfao de tres dias
    metti V Kxc. urna planta descriptiva e perfil em toda a linha, motivada pela ohstinacao dos ma-
    ja 11 milhas da V seccao, que formara o distric- cninjs,as. (J"e se reeusaram a dirigir as locomoti-
    m de i'mimhnri A n f,. I vas>em consequencia da prisiio de um dos seus
    o de Cu ambuca e que orara entregues ao tran- companl.eiros, os comboyos mnreharam nos ulti-
    sito publico, era 7 daquelle mez. mos mezes do anno com sensivel irregularidade.
    Districto de Formigueiro. Este districto cora- Rec!a' movmaen,?l. costeio.-Os mapnas anne-
    DrhonHa ..!,; j c n,n ,L xos sob os ns. 1, 2 e .1 mostran desenvolvimento
    Prehende a extensao de 6,917 milhas desde a esta- a rece.ta, movimento e costeoda parte da eslrada
    cao intermedia de Agua-Preta at a principal de do trafego.
    Una, termo de toda a linha contratada. As diversas receitas da estrada produziram ape-
    Em consequencia de ter a directora desta estra- ""Se^L^de costeio elevarara-se a........
    da de ferro mandado paralysar as obras da 4- sec- 331:0634906 o 0,93 daquella omma.
    gao no ponto de Cuiambuca, insignificante era a Circutaram nos trens da companhia 119,383 pas-
    parle deste districto construida at 1861 As suas ^,! da dlversas f*8?"-, n- ,k
    h.,( ,,.Qr.ra i A distanm percomda foi de 80,837 milhas con-
    obras tiveram, entreunto, um grande impulso no udas por trens.
    anno passado, e em 30 de dezembro ficaram ter- Telegrapho.O servigo do telegrapho soffreu ai-
    minadas na conformidade do contrato celebrado umas pequeas interrupgoes na 2* seccao. Adia-
    se actualmente estabelecido ae longo de toda a
    com os respectivos empreiteiros.
    Quanto descripgo das obras, cu pouce lenho
    a accroscentar ao trecho do roen relatorio mensal
    de 18 de dezembro ultimo, que trata deste objecto
    e que, para completar esle trabalho, aqu trans-
    crevo
    Obras de trra. Todos
    os cortes e aterros
    linha.
    A sua receita foi apenas de 0,0002 da receita to-
    tal da estrada. conveniente diminuir a tarifa
    dos despachos telegraphicos, ainda que isto pouco
    influir na sua receita, cuja deficiencia provm an-
    tes do pequeo numero de transaccoes importan-
    tes entre esta praga e o interior.
    Contabilidade.O syslema de escripturagao se-
    guido no trafego incompleto e conseguinlemente
    bronzes, mudou rodas, portas, assentos, caixas de cni sou ri.iator
    graxa, molas, etc. Foram geralmente pinudas. Pernambuco a
    insignificante ce-mu o trera rolante, e adiando- a(|Uj podiau,'^
    se elle, por assim dizer, em circularlo diaria, nao
    sorprende que as suas reparages'sejam nume-
    rosas.
    A companhia censtruiu 20 wages, e adquiriu
    mala 71 dos empreiteiros, alm das iransformagoes
    feilas em alguns carros de 2- para 3* elasse e em
    varios wagoes.
    Soffreram reparagoes diversas:
    1 carro-rtio.
    4 t de elasse.
    3 de 2* .
    6 > de 3a >
    2 > de bagagem.
    36 vagues cobertos.
    39 diversos para materiaes.
    Oficinas.
    As offlc.inas da companhia tem actualmente as
    proporges necessarias ao servigo da estrada. Todo
    o material rpdantc foi ali reparado com a maior
    promptidao, nao s no que diz respelo parte pro-
    Ililamente mechanica, como em todo o servigo de
    fundigo de ferro ebrunie.
    Neste estabeleciment reina a maior regnlarida-
    de em todos os trabalhos a seu cargo, gragas a in-
    telligente adrainistraciio do sen chefe.
    ccidmlft.
    Xo dia 31 de Janeiro do anno passado, um
    Irem de servigo da seccao langou por ierra urna
    mulher que se arliava sobre a linha nas proximi-
    dades do sitio denominado Cabanga ; esta infeliz
    falleceu poucos momentos depois.
    Das averiguage* a que proceden a autoridade
    comiietente, reconheceu-se a casualidade de facto,
    todava foi o machinista processado e pronunciado
    alguns mezes depois.
    se oceupou.
    Tendo os comniissarios de Londre feito appdk/
    o ao exame a que se proceden mu
    ate de em moitos punios, q
    aqu podiam ser verificados, podesse o governo mti
    esclarecido, a comiiu>-.i) de Pernambuco deiiou
    de Halar delles, pori|ue aquelle relalorio nao Ihe
    foi remettido.
    Creio, porm, que um extracto dos dona reblo-
    ros, feito em Pernambuco, poder dar um resolta-
    do caro dos exames a que o governo mandn pro-
    ceder, (cando excluidos destes trabalhos o qne na
    de superfluo.
    llappat.
    V. Exc. determinou-mc que fizesse os anppas
    modelos, pelos quaes se deviam regatar o enge-
    nlieiros liscaes no curoprimeuto das iutrneries de
    22 de agosto de 1861.
    Em observancia s ordens de V. Exc, foram w
    referidos mappas remeltidos cssa secretoria de
    estado.
    Os mappas que nesta occasio remeti sao talvez
    menos minuciosos que aquelles qne arumpanha
    ram o rneu preecdeLte relatorio aonual: encer-
    ram elles, porm, os mais importantes esdareri-
    menlos sobre os diversos ramos do servigo da -
    irada de ferro, que, ao mea ver, sao os nicos qoe
    podem inleressar ao governo.
    Estes mappas nao tm a mesma forma adoptada
    nos que, para modelo, enviei V. Exc. ; istu de-
    Tido ao syslema de escripturagao actual do trafego,
    que nao fornece todos os dadus all exigidos.
    Admiiiistrarii.
    A gerencia da estrada de ferro desta provincia.
    proeuruu contrariar quanto Ihe foi possiv-l a ins-
    peegao do governo nos negocios administrativos da
    mesma eslrada, ora protestando contra os seo ac-
    tos, ora despresando as suas. recommendagor*, e
    quasi sempre onerando a garanta de juros com a
    de t^ aa
    A prisao do mc.nista no dia immediato oc-1 '7 E tnL v ^ J* rf,rovadas-
    currencia, para o (im de se proceder ao newawrio I ^1^". *n',a ) f conliecimenlo
    inquerito, motivou a suspensa do t.afego de que uWu?a^"^"'s,f^^5!!^,"/ T-^
    cima tratei I "loe acabo de proienr, eu nao possodeixar > eno-
    - Era 28 de jnllo o trem de materiaes, que par- !""" nes,c mea re,a,orio aluns mais irapor
    liu para os trahalh>sda 4*seccao,'levando nafren- ." ..^___._ ..-.,,
    te da machina seis vagges sobre'os quaes estovara Ante'disao ,K,rem, chamo a attongao de \. Ek.
    varios trabalhadores, desencarrilhou-se no desvio Pf? 'l**"'" ac .
    da estago de Cuiambuca. Deste lamentavel acci
    dente resullou a morte de dous operarios e o feri-
    mento de dous outros. Semelhante desastre foi qc-
    casionado por um acto de perversidade, e sea autor
    ficou at hoje deseonhecido. Achando-se a linha
    em constru-gao, aquelle desvio era fechado por urna
    Circulagao sobre a linha. Nao obstante os e-
    furgos, qur da companhia, qoer do governo, o
    tem sido possivel impedir que alguns pedes circu-
    len! pela eslrada de ferro.
    A superintendencia da companbia, drigindo-s* ao
    Exm. presidente da provincia, wn data de li de
    em consirucgao, aquel e desvio era lecnauo por urna i ^r".-----; '". ~ _
    cunba.que nao esando em seu lugar quando por "* "ZSZ+S* J^LX*Z
    Teido o senhor superintendente consultado-mt estado do armazem de mercadorias na estacao de
    acerca da pretendida ?ratillcagao, declarei-lhe que Gamelleira, cujos pilares estovara defeituosos; 3*
    o governo nao podia considerar a somma que para filialmente, comprometiendo-a a mandar replantar
    aeinelhante fim fosse destinada como do um juste
    emprago, o que, a ser ella concedida, seria a com
    a cerca vira ao longo da mesma estrada.
    Em data de 18 de setembro dei sciencia V-
    Exc. da conclusao e recebimento desta secgo, fa-
    icndo acorapanhar o mea offlcio do respectivo cer.
    ficado.
    panhia a nica responsavel.
    Eai consequenda da minha resologo, ou porque
    assim o enlendeu a companbia, nenhum:-. gratifica-
    gao especial foi aqui arbitrada ao empreiteiro para
    coasentir na entrega da 3- seccao ao transito pu- Garanl,a jur5- "NSo sC tendo realisado a
    Miro, o que. determinou que esta s livesse lu-ar lnaueuracao da >S*> o dia 25 de margo, como
    em 13 do maio. se havia projectado, pelos motivos j expostos, S.
    Ainda nesta poca nio estavam concluidas as Exc- Sr Prcsidenla da Provincia declarou-me
    obras, |wuco exista, porm, por fazer, e a compa- em 0,Uc">de 27 daquelle mez, que, nao obstante a
    nhia, modiaute um convenio com aquelle agente tenUUiva fe,ta Para a realisacao daquella solemni.
    recebeu a secgau.entregou-a ao trafego e executo dade- Kverno nio dava Pr inaugurada a seccao,
    as puncas obras que Ihe faltovam. Ie que> s depois de reParados s M
    0 estado das obras desta secgo o seguinte:
    liovimenio do torra.Durante o anno poucos
    foran; os trabalhos desta especie que se executa-
    ram, oor isso que se achavam terminados, quasi
    ! dos nos aterros, se designara o dia em quo deve-
    ria ser a linha entaegue ao transito publico. Esta
    acertada resolugo leve por fim evitar qne a ga-
    ranta de juros, sobre o captol distribuido para as
    em sua totaldade, em dezembro de 1861, como obras da StC_ao' fo5St contada do dia da projecta-
    consta do meu ultimo relatorio annual. No aterro da inauKuraCao-
    n. 72, ponto onde as chuvas de margo causaram ; O superintendonto da companhia protestou con-
    iii uor damno, deram-se os movimentos de ierra de tra esta deciso de S. Exc, observando que, ten-
    nnis importancia, porm sraente em reparago do o governo fixado a inauguragao da linha para
    aos estragos, visto se achar o dito aterro concluido o dia 23 de margo, era, datar deste dia, respon-
    ha ses mezes.
    Por occasio da entrega desta seegao ao transito
    publico, apenas existiam por fazer em obra de tr-
    ra, a iimpa de alguns taludes, o alargamento de
    poucas excavages, e a abertura de pequea exten-
    sao do vallados.
    deste districto estao terminados. Em um ou outro' suieit0 as maiores irregularidades.
    ponto se faz necessario (impar os taludes (este tra-', .,N.ao.exis,e nas re$pectn$ estaoSes urna conto-
    l,,l ., ___.. .____. : l bilidade que inspire contianca, alem de que ali
    balho foi exocutado posteriormente. ^ encentra ser feitacom pouco cuidado e aceio.
    . Os fossos e vllelas toram abertos ao longo do" ?TeCD0 a'"">dendo s minhas incessantes re-
    disirinj 8 clatoagoes sobre esle objecto, exigiu por mais de
    I ama vez que se meihorasse um semelhante syste-
    Obras d'arte. Estao construidas e completo- ma ^ escriP,a' e aconselhou a adopgo do que
    mente terminadas todas as obras d'arte. actual,nente sf8"ido na M,rada de fwro, d D- fPe-
    dro II, como tendo sido modelado nas linbas fer-
    Via permanente, lastro, cercado, etc. A via reai ljem organisadas. Estas solicitacSes dogo-
    permanente offerece a necessaria estobilidade ; os 2 T^^.tVr^ ^
    carris foram assentados com a maior pericia. To-; Tarifas.Tendo sido incumbido por aviso de 20
    dos os alinharaentos e curvas estao regulares. de agosto de 1861, de organisar um projecto de ta-
    rifas e regulamento que podesse ser adoptado na
    t O servigo da lastreagao esta terminado. A cal-. estrada de ferro desla provincia, remetti V. Exc.
    gada da estrada tem as dimenses requeridas. ; em data de 15 de margo do anno passado, um tra-
    _, ..... balho que me pareca preencher aquelle in. Em
    | Lma cerca viva fo. plantada ao longo da Ir J virtude de approvago provisoria de S. Exc o
    i nha. Este cercado nao se achara em condig5es' Sr. presidente da provincia, foi o dito projecto
    verdaderamente uteis estrada antes de dous anl adoptado e seguido no servigo da estrada de
    ! nos. Para prevenir em parte este inconveniente 'Temprego das tarifas mostrea qne a laxa por-
    a linda e igualmente cercada nos pontos mais que haviam sido calculadas era um pouco elevada
    abertos, por fossos de largas dimenses. j para os objectos de pouco valer, em relago ao seu
    _, i peso e volunte, c assim como para os transportes
    bstagoes, armazens, etc. A nica estago de madera, que actualmente sao suscepliveis de
    deste sitio a terminal de toda linha contratada grande desenvolvimento. Alm disso, achando-se
    ali passou o trem, abriu-o e fez com que alguns
    wag5cs seguissen a linha principal, ao passo que
    outros do mesmo trem tinham tomado a lateral,
    d'onde resullou o desencarrilhamento.
    A polica local fez o necessario corno de delicio,
    e nas informagoes que colheu verillcou que nao
    houve delcixo ou culpabilidade do machinista.
    Em agosto dea-se um desencarrilhamento de
    um wago do trem de mercadorias.
    Nenhum resultado lamentavel trouxe este acci-
    dente.
    Em outubro um trabalhador do empreiteiro
    das obras, tentando saltar sobre um wag.'w de um
    trem de servico que se achava em movimento, ca-
    hiu sobre os irilho.- e foi esmagado.
    No dia 22 de aovembro a locomotiva e ali-
    mentador do trem e passageiros, que Tinham do
    interior desta cidade, desencarrilharam todas as
    | suas rodas na entrada da estago das Cinco-Pontas.
    i Desle accidente resullou apenas a demora de tres
    horas na partida do trem de volta para a villa do
    Cabo.
    A linha da entrada da estago, sendo em curva
    e nao tendo a elevago necessaria do trilho exte-
    rior, foi a principal causa do desencarrilhamento.
    Era do mesmo mez urna pranrha que se
    desprendeu de um wago de madera, no trem
    que segua para a villa da Escada, feriu gravemen- j
    margem do rio Una.
    t Bata obra est construida com bastante so-
    lidez.
    t Os depsitos de machinas e combusttvel, e o
    tanque almentador eslo igualmente acabados.
    Prosegue-se na construrg.io do armazem des
    a linha em construego quando foi organisado
    aquelle projecto, e tendo-se dado pequeas altera-
    goes nas distancias da ultima seegao, as tarifas
    tornaram-se irregulares.
    Accresce ainda que, tendo-se adoptado poste-
    riormente no imperio o syslema mtrico, conve-
    niente que os fretes das estradas de ferro sejara
    u t Jlal dos movimentos de torra executado nes-
    savol peta garanta de juros, embora aquella so'
    lemnidade nao se tivesse realisado.
    E' para esta desarrasoada exigencia que chamei
    a attengao de V. Exc. no principio desle artigo.
    Ali mostrei que o superintendente da estrada de
    ferro declarou ao governo, em data posterior a-
    quella mallograda inauguragao, que nao tinhn
    ferfa para exigir do empreiteiro as obras desta sec-
    to seccao, durante a sua construego comprehen- c&0i que entretanto se ochava m estado de ser a.
    deudo, em pedra e trra, aterros, excavages, de- berla m trantito w v v E
    psitos, sortimentos, plataformas, etc., foi de cerca esta mesma sec$o, que nao se entregan, % que se
    do 6*m41 jardas cubicas to podja rec|amou-se a garanta de
    Via permanente.-A linha principal desta sec- juros.
    gao foi collocada nos ltimos mezes do anno de Quando este facto por sis nao bastosse para
    1861 i nes poca nao se achava ella, porm, regu- mostrar o absurdo da pretengo, a entrega da im-
    larlsada, e em grande extensao apenas estavam as- portancia dos bilhetes de que se achavam muni-
    ntodos carris sera que se achasse preparada a dos os .viajantes que se destinavam terceira sec
    calgada, nem alastrado o caminho. No anno (indo gao naquelle dia, feila peta propria companhia, a
    cjlbcaram-se os desvos, procedeu-se lastreagao condcgo do gitado aviso de 10 de outubro, que
    completo da estrada, c regularisou-se toda a linha. faxia o pagamento dessa garanta dependente da
    A extensao da via permanente da secgo do----- conclusao das obras dentro de seis mezes, e oulras
    120.658 ps lineares, ; mais circurasuncias de que dei conhecimento
    sendo de linha principal.. 118,632 pos. V. Exc, nao deixariain mais duvida sobre
    de desvio.. 2,016 tureza do acto do Sr. superintendente.
    A quantidade deltas ompregadatoi de 67,141 jardas ,, .. v .. .
    cubicas 'gnoro se V. Exc deu alguma solugo a este
    No neo de lempo decorrido enlro a abertura f^Vf companhia.proseguiu no seu protes-
    da seegao e a dato que Icanga este relatorio, a d^' d mc,o do 20 de abril ultimo em
    manutengo da via permanente fez-se cora regula- ^ ""* > "P"**? da"a 'encia.
    4 seccao.
    Ao impulso dado pelos respectivos empreiteiros
    tinado guarda das mercadorias. ( Esta obra foi ,0B percebidos pelas novas distancias e pesos,
    terminada em 30 daquelle mez, e esto em boas' () regulamento do servigo interno do trafego,
    condiges. I que acompanhou as ditas tarifas, salvas as dispo-
    Telegrapho Eslo collocados os postes e ap-'s'^sque estas se referem, tem sido da mais
    parelhos destinados ao telegrapho elctrico, que yantajosa applicago, e satisfaz completamente
    funcriona actualmente sem interrupgo. | aquelle servigo.
    Tendo sido concluidas as obras que em 18 de de-! A' vista deslas razoes julgo necessario que se-
    zembro se construirn!, como cima fica dito, na- J:im organisadas as tarifas por mira propostas e
    da mais me resta a accrescentar sobre este dis-
    tricto.
    As obras permanentes e importantes que foram
    executadas nesla secgo, offerecem o seguinte re-
    sultado :
    Obras de trra. (Cor-
    tes, aterros, desvos de
    1 ros, depsitos, sorti-
    i mentos, etc.).......
    i Alvenaria das obras
    d'arte.(Pedra, lijlo,
    hydro-argamas>a, etc.)
    '< Alvenaria das ostoges,
    | armazens, ele.......
    Via permanente.......
    95,427 ps lineares. .
    (l.lnha principal-----
    ! (Desvos...........
    459,403 1/3 jardas cub.
    4,689 1/3 > >
    3,315 1/2
    91,504 ps lineares.
    3.923
    a
    a na-
    que se aeham dependentes da approvago definiti-
    va de V. Exc.
    Material rodante.
    Pelo annexo n. 5, ver V. Exc. qual o mate-
    rial rodante, que tem sido empregado no servigo
    do trafego.
    A companhia fez durante o anno a acquisigo dos
    wages e locomotiva dos empreiteiros, queserv-
    ram na construego das obras.
    O material rodante desla estrada de ferro in-
    snfflcente para o seu trafego na extensao de 67
    1|2 milhas. Neste sentido ja me dirigi por vezes
    V. Exc. mostrando a nqiossibilidade de termos
    um servigo regular com to insignificante trem.
    As reparagoes mais importantes operadas neste
    material foram as seguintes :
    Locomotivas.a locomotiva n. 1, reparou duran-
    te o anno o fornilho, os mbolos, as rodas de guia,
    tas corredigas, os bronzes, qur
    do tender, o tubo de vasao do
    Substtuiu algumas das pegas se-
    ctas que evitassem aquelle aboso, enncloio o sea
    offlcio peta furma seguinte :
    Devo por consequencia assegnrar V. Exc,
    que se o governo nao declarar que o transito sonr
    a linha contrario a iei, e que portento, nao pode
    ser pe-rmltido, eu serei compellido, bem da se-
    guranca dos trens e regularidade do trafego, or-
    denar aos machinisias que nao moderen) a velo-
    cidade dos trens quando vejam pessoas so-
    bre a linha, excepto nas passagens a nivel m
    visinhanga das estages; e aa responsabilidade
    desta medida no caso de morte reeahir sobre elles
    (viandantes), e nao sobre os machinistas ou a raav
    panhia.>
    i ni semelhante procedimento nao necessiu de
    comentario. Apraz-me dizer smente que S. Exc.
    declarou ao Sr. superintendente que a exeeagie
    de sua medida, contraria a todos os sentimenase de
    numanidade, o faria incorrer nas penas criminar*
    do paiz.
    Salarios exagerados.Urna linha de 77 l|2 mi-
    lhas de estenso, em que as despezas de crtete
    observem 93 0|o das receitas, embora seja rs*e
    fado em grande parto aUribuide a deficiencia
    destas, nao pode supportar os salarios qne liberal-
    mente sao pagos aos empregados superiores da es
    irada de ferro desta provincia.
    Nao devo drizar de mencionar aqui alguns des-
    i? r 11 van .*. *- -*-----* T" ty___* '_____________.
    depois.
    < uu .tuia uii.i it'lllrtU r.M.dlirt, tCIIU Kld'ciiicir!,., ..i,,- _r _a_^- .* p .*
    te a um trabalhador que sustentava urna das agu-! S2*S naB ubsUn,e V Kxc; >* T" "T^l
    Ihas dos desvos da estacao; deste ferimento '^dn L, d'verso!Lav,s0^- ***> de que flqu-brm
    resullou amorte daqueUe 'infeliz, poucas horas pd*2*Zeas-ordens te?%2' qpMa
    ^ ^ r uespreaadas, sao por certo illudidas.
    Mortos.............5
    Ki rmenlos.........2
    Desencarrilhamentos. 2
    Questo Lelhso & Dantas.
    Em consequencia de solicitaces de alguns expe- ,
    ditores de mercadorias, a companhia contratou,!
    com autorisago do governo, o transporte por agua
    O superintendente, simples representante
    nistraiivo da companhia, pago com a somma an-
    nual de 1,500 ou 13:5004000.
    U seu secretorio particular percebe g:O0OfO0O.
    Com idntico salario remunerado o seu bel ou
    para este
    Velloso A
    cidade.
    Cercas e vallados.Urna cerca viva foi plantada
    ao longo de toda a secgo.
    A poca em que leve lugar este planto (o verao)
    ra impropria, alm de que o arbusto que para
    aquelle fim foi escolhido nao me pareceu o mais
    .'.on veniente.
    remetti
    d
    sao
    ao conhecimenio de toda a parte da linha entregue I St!rviu com peqQenas interrupc5cs n0 lraft.g0 de
    ao transito publico durante a minha fiscalisagao.; passageiros na secgo.
    MEDICAO TOTAL PARA AS SEGUNDAS, TER- A locomotiva n. 2, entrn para os bfflcnas
    em 28 de margo, e ah soffreu urna reparago rom-
    Eleta. Do exame que nella se procedeu desco-
    riu-se o seu eixo motor partido em dous lugares.
    E' o segundo eixo desta especie que se fractura.
    Este facto, pouco comnium, attribuido s pesadas
    CEIRAS E QUARTAS SECCES.
    2,149,252 jardas cubicas.
    22,343 1|3 c
    so deve a conclusao das obras desla seccao, cujo
    trafego foi inaugurado no anno prximo lindo.
    A companhia, desejosa de promover o trafego
    do interior, e reconhecendo o quanto para isto se-
    ria conveniente facilitar os transportes pela estra-
    ps lineares.
    Tonio reclamado contra o seu emprego deca- da de erro- ofliettoo do governo a necessaria au-
    rou-me o engenheiro em chefe que linha sido elle torisago para entregar ao transito publico as onze
    aconsilhado por pessoas competentes, e que.quan- Priineiras milhas desla secgo, desde a estago de
    to fosse improficuo, a companhia se obrigava Gamelleira at a de Agua-Preta. Tendo S. Exc o
    sul^iitui-lo, ou a replanta-lo se isto bastosse. ^r Pres'dentc assentido este pedido, determinou
    Bate cerca pouco tem medrado, e a linha con- Por on^r'0 de 2 de jetembro ultimo, que fosse
    s.i va se em alwrto era quasi toda a sua exten- a1ue"a P"18 da estrada aberla ao transito no dia
    Obras do trra___
    n\ venara das obras
    d'arte.........
    Alvenaria das es-
    tages.........
    Via permanente..
    Lastro..........
    Vallados e cerca-
    dos ............
    As.medigoes dn 1*
    templadas aqui, porque nao existem completes.
    ESTENSO DA LINHA.
    6,821 1|2
    308,771
    158,647
    lt:i,50l
    seccao
    para o bairro do Recife dos gneros conduzidos
    |iela via frrea.
    Estabelecida a devida concorrencia
    contrato, foram os preferidos os Sr?.
    Dantas.
    Tendo sido subm ttido o contracto assignado
    approvago do governo, como era exigido, mandou
    este fazer algumas alteragoes, as quaes foram re-
    geitadas por aquelles sennores. Em consequencia
    do qne a companhia enlendeu. e com todo o fun-
    damento, que o referido contrato nao podia vi-
    gorar.
    Alm disso, os proprios expedidores que deixa-
    vam transportar as suas mercadorias por mar, op-
    puzeram-se ao contrato celebrado corn Velloso &
    Damas, e declararan) que, apezar de todos os in-
    convenientes, preferan) o transporte por trra.
    Nestas condiges nao podia a companhia insistir
    na realisago do transporte por mar, ainda quando
    tivesse de celebrar um novo contrate.
    Entretanto os Srs. Velloso & Dantas julgaram-se
    com direito urna indemnisago da companhia e
    neste sentido propuzeram-lhe urna tuesto, na
    qual liveram sentenga a favor na primeira ins-
    tancia.
    Proposta Fforde i Mann.
    Os Srs. J. Fforde e G. O. Mann, engenheiro resi-
    dente e chefe de traego da estrada de ferro desta
    provincia, offereceram directora de Londres urna
    proposta pela qual se obngam dirigir, a conten-
    to da companhia e do governo, todo o servigo de
    explurago da mesma eslrada, (cando responsaveis
    lelos dficits que por ventura apparegam, median-
    te nina porecutagem convencionada so'jre a renda
    liquida, ou, como pessoalmcnte me declararam
    aquelles senhores, sobre o excedente de orna som-
    ma tixada.
    Os Srs. Fforde e Mann nao fizeram acompanhar
    a sua proposta de bases pelas quaes se podessem
    ajuizar a sua conveniencia.
    A' pedido delles foi a referida proposla enviada
    V. Exc para resolver a respeito como achar mais
    convenienie.
    Uqiiidacao das contas de garanta.
    A commissao encarregada de liquidar as contas
    de garanta de juros da estrada de ferro desta pro-
    vincia, lera Irabalhado sem interrupgo.
    Dos relatorios e balangos V. Exc. consta ha-
    ver a commissao liquidado no anno lindo os se-
    | mestres de agosto de 1861 a Janeiro de 1862, e de
    fevereiro de 1862 julho do mesmo anno.
    Pela primeira lqudago de agosto de 1861
    Janeiro de 1862, feita em Pernambuco, pagou o go-
    verno companhia, pelos juros correspondentes
    ao capital empregado nas 1" e 2* secges, rs.
    166:991,5788, a saber:
    O governo geral (pelos 50|0)
    Dilo provincial (pelos 2 0|0)-----
    eargas e trabalho em que foram empregadas asma-
    chinas pequeas durante a construego da 2* sec-
    go, cuja va permaneoto era de dfflcl accesso an-
    jarJas cubicas tes de regularisada.
    Em Junho foram concluidas as suas reparagSes
    lineares, e funecionon de julho em diante no trafego das tres
    dexam d'> ser con- secges da estrada. Durante o resto do anno soffreu
    algumas reparagoes ordinarias.
    A locomotiva n. 3, expermenlou no mez de
    Janeiro diversos reparos ordinarios; adoplaram-se
    ps ou 18,93 leguas de 3,000 bragas.
    RECEHIMENTO DA ESTRADA.
    Si o.
    Al o das cercas, que s por si deviam guardar
    a un a, latea os vallados de defeza os quaes fo-
    ra.n egualmente abertos em grande parte durante
    o anno ultimo.
    7 daquelle mez. Effecivamente leve lugar no dia
    fixado a solemnidadc da inauguragao, estendendo-
    se o trafego at a referida estago de Agua-Preta-
    As ultimas seto milhas desla secgo, desde a es-
    tago d'Agua-Prela al a terminal de Una, mar-
    A extensao de cercas plantadas e vallados aber- gem do rio do mesmo nome, foram franqueadas
    tos em toda a secgo de 86,102 jardas lineares, circulagao do publico era 30 de novembro prximo
    O mmenlosNos cruzamentos foram constru- (indo. Neste dia tenninou a companhia a coostruc-
    dos ns guarda-gados, de preferencia s cancellas, gao da parte da estrada de ferro contratada do Re-
    como nas demais secges da estrada. cife S. Francisco.
    do trafego.
    A locomotiva n. 4, reparou os mbolos, tor-
    neou as rodas, substtuiu os seus bronzes, etc. Es-
    tove empregada no servigo de passageiros.
    A companhia construiu tedas as obras contrata- A locomotiva n. 5, reparn os mbolos, o tu-
    das com excepgao do edificio da estago central bo de vaso do vapor, os anneis das excntrica*
    desta cidade, suas dependencias, e dos armazens etc. Subslitiuu alguns bronzes, torneou as suas
    para a guarda das mercadorias na villa da Escada rodas,
    dentro do praso fixado pelo governo. Estove empregado no servico de mercadorias.
    Embora reeonhecesM o direito que linha a com-' A locomotiva n. 6, reparou as vlvulas de se-
    panhia de exigir de mim um certificado da con- gtiranga. os anneis das excntricas, o forniiho os
    cluso da eslrada, eu nao podia deixar de mostrar- mbolos, as molas de suspenso, bronzes, ate. ;
    me escrupuloso em recetor definitivamente obras substtuiu algumas pegas pouco importantes.
    que apenas acabavam de ser construidas, aceres- Foi empregada no servico du mercadorias c do
    cendo qne as pontos de ferro da 1" seccao. que empreiteiro.
    ale aquella dato nao linha sido reeebida.' nao me A locomotiva n. 7. estove sempre no servigo
    Inspiraran bastante conlianga. Entend portante de construego. E' urna velha e pequena machina
    Deduzidos desta somma os juros de 7 6|0 sobre
    o emprestimo de 400,000 garantido pelo governo
    na importancia de 124:4445446, o saldo devido
    companhia foi de 42:5475342 sr.
    Pelasi'gunda lqudago, de fevereiro de 1862
    julho do mesmo anno, os juros garantidos pagos se
    elevaram a 173:1445492, dos quaes pertenrem ao
    Governo geral (3 0|0)............ 123:6744637
    Dito provincial (petos 2 0|0....... 48:4695855
    173:1445492
    Dednzida a somma de 124:4445446 proveniente
    dos juros de 7 0|0 do emprestimo de t 400,000, o
    saldo restante fui de 48 7005046 sr.
    Nesle ajuste de contas a reuda liquida da eslra-
    da, na importancia d. 15:'1815842, comprebeoden
    igualmente a parle p:o|Kircional 3* seccao desde
    !"! de maio, em que foi entregue ao transito, at 31
    ile julho daquelle mesmo anno ; a garanta de ju-
    ros nao foi contada por nao oslar a secgo reeebi-
    da, o que s ten lugar mezes depois.
    Os juros garantidos de 7 0|0 tem sido integral-
    mente pagos pelo governo geral, quem deve a
    provincia a parte prcjiorcional aos 2 0|0 addi-
    cionaes.
    Capital da companhia,
    O balango annexo sob n. 6 demonstra o empre-
    go do capital ta companhia nesla proviucia na im-
    portancia de 11,433:4425320 rs.
    Eximu lo emprego de capital.
    A commissao nomeada por aviso de 10 de agosto
    O honorario de 700 annuaes igualmente dis-
    tribuido ao advogado da empreza.
    O de 600 um medico inglez.
    Nesta proporco seguem os demais empre-
    gados.
    Todas estas sommas sao lancadas, boje que se
    ada exgelado o capital da companbia a cargo do
    costeio da estrada, e conseguinlemente desfalcan
    a receita e oneram a garanda de juros ou cofres
    nacionaes.
    Sem querer discutir a aptdo deatoa feneriona
    ros, eu nao poda prescindir, sem follar ao ara
    dever, de chamar a atiengo de V. Exe. para os
    seus salarios, desproporcionaos aos servigos que
    prestara em urna estrada de ferro de lio pequea
    importancia.
    V. Exc recommendou-me, que, nao s deixasse
    de considerar nos balances de lqudago de roa-
    tas despezas j reprovadaa, como aquelles salarios
    e outros; e que nao permittisse os augmentas de
    ordenados que repetidamente se enconiravam nas
    contas da mesma companhia.
    Para dar cumprimento s ordens de V. Exc di-
    rigi-me ao Sr. superintendente da companhia, em
    dato do 6 e 7 de outubro ultimo, solicitando as re-
    dueges por V. Exc. reclamadas, e lembrando a
    adopgo de algumas medidas convenientes Mar-
    cha econmica do servigo da estrada. Os meu
    officios, remeltidos por copia V. Exc, liveram
    as respostas mais desarrazoadas, como V. Exc viu.
    e entre ellas a seguinte resolugo que o Sr. su-
    perintendente fez passar na intitulada commis-
    sao consultiva > dos empregados da companhia :
    < o superintendente a presenten commissao urna
    carta do engenheiro fiscal, datada de 7 do corrente
    (outubro), na qual proiestava contra qualquer aug-
    mento de salario que se fizesse.
    A commissao julgou-se obrigada a declarar a sua
    opinio sobre este objecto, e que urna temethantf
    intervencao da parte de governo era interrammte
    desautorisada, e que o engenheiro fiscal eslora en-
    gaado na interpretacao que data extensa de
    seus poderes. >
    Devo accrescenlar apenas, que w meas oftVios
    estavam redigidos nos termos n.ais convenientes,
    e que o de 7, a que se refere a commissao ron>ul-
    liva, dizia to adtenle : t que os commissan.-
    encarregados da lqudago de romas, nao porfiam
    prestar u seu assentimento nos continuado aug-
    mentes de salarios que se enconiravam nas coalas
    da companhia.
    Protestos.A companhia nao cessou V protes-
    tar contra os actos do governo, qur tivesem e>-
    les por fim o pedido de informagoes, nur a exi-
    gencia de medidas concernenles melhor marcha
    do servico da estrada.
    Dentro os seus protestos en nao posso deixar de
    mencionar es seguintes, por me parecerem os mais
    improcedentes:
    Conslando-me que havia um desfalque de dinhei-
    ro em urna das estages da estrada, exigi que im
    166:9915788 fosse mostrado o livru raixa da companhia, alim
    de verificar at quando se tinha dado mirada *
    receitas daquella estago; o livro me foi rerasido
    naque lia occasio, e s depois de nm mez de cor-
    respondencia, e mediante protesto, me foi possivel
    examina-lo.
    S. Exc, o Sr. presidente da provincia solidtou
    da superintendencia, por ordem du govcrnu impe-
    rial, urna lisia de todo o pessoal lerhmco e admi-
    nistrativo da estrada ; esta lista s Ihe foi ferne-
    cida sob protesto; e declarou-.se V. Exc que, se
    rontinuasse a fazer exigencias daquella ordem. a
    superintendencia seria obrigada a consultar pre-
    viamente a directora de Londres, para ento salb-
    faze-las.
    Reconhegn quanto fastidioso relator fartos se-
    melhantes. mas eu nao poda julgar do procedimen-
    to da administrago da estrada de ferro nesla pro-
    vincia, sem enumralos, e deixo de citar outros
    mu tos. de que o governo imperial j leve sciencia
    em diversas occasies, para nao estender ainda
    mais esle trabalho.
    Nao devo concluir sem informar egualmente
    V. Exc. qne, na parto relativa a eaeeaeia das
    obras da estrada de ferro, as minhas re
    macees e exigencias foram geralmente allen-
    didas.
    Deus guarde V. Exc M. Buarque ie J
    ifo.Engenheiro fiscal.
    119:2795848
    49:7115940
    PEHNAMBLCO. 1YP. DE M. F. F. 4 FILMO.


  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID ENUFQBVVM_FTRZV9 INGEST_TIME 2013-08-28T01:44:09Z PACKAGE AA00011611_10110
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES