Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10104


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO XL. HUMERO 2.
Por (res mezes adan lados 5$000
l'or Ir mezes veiiciilos 6SO0U
Porte ao correio por tres mezes. 750
SEGORDA ['EIRA 4 DE JANEIRO DE 1864.
Por anno adiantadn.....19J00O
Porte ao correio por hu auno 3<00

ENCARREADOS I>A SUBSCRIPTO NO NORTE
Parahyba. o Sr. Antonio Alejandrino de Lima"'
K'atal, o "Sr. Antonio Marques da Silva i Araran, o
Sr. A. de Lemos Braga; Ce.ir. o Sr. i. Jos de
Olivera; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel.Piuheiro & C; A-
mazonas, o Sr. Jerouymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SCBSCRIPCAO NO BOL.
Alagas, o Sr. Claudino Falro Dias; Baha, o
Sr. Jos Martn* Aires; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins & Caspa rio.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cal e Eseada todos os dias.
lgua'assu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sexlas-feiras.
Sant > Antao, (ravat, Bezerros. Bonito, Caruaru',
ACnho e Garanlran.s as tercas feiras.
EPHEMERIDES DO MEZ DE JANEIRO
2 Quarto ming. as 8 h., 18 m. e 20 s. da m.
9 La nova as 5 h., J3 m. e 50 s. da m.
I* Quarto cresc. as 8 h., 4. ni. e M s. da t.
Pao d'Alho, Nuaretk Limoaro, Brejo, Pesqueira,! 23 La cheia as 7 h 4:5 ir
In,:a7.eira, Flores. Villa Beda.Tacaratu'. Cahrob,
Boi Vista, Ourir.ury e Exu' as (|iiartas feiras.
Sennliaem, Rio Pormoao, Tamandar, Una, Barrei-
ro, Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
lha i'e Fernando todas as vezes que para ali sahir,
navio.
Todos os estafetas partem ao '/, dia.
PREAMAR DE HOIE.
Primeira as 11 horas e 42 minutos manhaa.
Segunda as 12 horas e 6 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COST-IIROS.
Paraosul at Al.igas a o e2o; par.i o norte at
a Granja 7 e 22 de rada me*; para Femando nos
dias 14 dos mezes dejan, nutre., maio. i til, set. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recite : do Apipucos as 6 'A, ,7, 7 '/. 8 o
8 '/, da m. j d:' Oluida s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboato s 6 '/j da m.; do Casanga e Varzea s 7
da m.; de Bemlica s 8 da m.
DoRerife: para O Apipucos s 3'/*. 4 4 '/4, 4 S '/,, S '/ e 6 dil tarde y para (Mida s 7 da
mauha e 4 '/j da tarde ; paro mbcatao as 4 da tar-
de ; para Cachang e Varna as 4 tya da t-rde; para
Bemfica s 4 da tarde. i
AUDIENCIA DOS TIUUCNAES DA CAPITAL.
Tribunal dooommercio: segundas e quintas.
Relacu: tercas e sabbados s 10 horas.
Ruanda : quintas s 10 horas.
luizu do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e seitas s 10 horas.
Primeira vara do civel : lerdas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e aliados a 1 hora
da tarde.
DIAS DA SEMANA.
. Segunda. S. Prisco aresb.; S. RcAerfo ab.
.*;. Terca. S. Semeio Kstcilila S. SiRclelica.
(i. Quarta.ra Epiphania un Hinifi rlmjifi rtntenhoi
7. Quinta, a. Luciano prwb. i S Clara diar.
8. Sexta. S Severianoab; S. fbaophile daat
9. Sabbado. Ss. Juliu e l!.i-ilra sua esposa rmn.
10. Domingo S. Nicanor diac.. S. Agatino p.
ASSI6NA-SE
lee I
no Recife, em a livraria da araca da Independen
ins. 6 e 8, dos propretanos Manoel FigUerroa d.
iFaria 4 Fuo,
r

PARTE orncm.
G0YER\0 DA FK0V1UIA.
Eiprdieale do dia 30 le inrnbn de 1803.
Qtnoo ao Exm. presidente da provincia do Para.
Solicito de V. Exc. a expedicao das convenientes
ordens para que a contar do 1- de Janeiro vindou-
. ro em diante cesse o abono da prestarlo mensal
de 285000, que consignoudo respectivo sold nes-
sa provincia o tenente do 9' batalhao de infauta-
ri.i Manoel Dionisio de Souza, como elle pede no
requerimentoincluso enviando-se thesouraria de
fazenda desta provincia a necessaria guia para ser
papo aqui integralmente esse vencimento.
Dito ao Exm. presidente da provincia da .Para-
hyba.De conformidad*: com o ofllcio do briga-
deiro commandante das armas, datado de 26 do
crreme, constante da copia junta, solicito de V.
Exr, a expedicao das convenientes ordens para que
me seja enviada a guia do sentenciado militar Ma-
noel Antonio de Souza, passada pelo commandan-
te do corpo de guarnicao dessa provincia a que
pertenreu o mesmo sentenciado, bem como urna
j copia authentica da senlenca proferida contra
elle.
Dito ao brigadero commandante da? armas.
Queira V. Exc. mandar avisar a tres ofHciaes su-
periores para fazerem parte da junta que em ult'.-
ina instancia lem de jtilgar o soldado do corpo de
polica Francisco Jos de SaufAnna, os quaes de-
vem para esse fim comparecer neste palacio s 12
horas do d>a 5 ili; Janeiro vindouro.
Dito ao inspector d.i thesouraria de fazenda.
Participando o juiz de direito da comarca de
Goianna em 22 Jo crrente, que por tero respec-
tivo promotor publico bacharel Jos Antonio Cor-
ra da Silva, entrado naquella data no goso da li-
. cenca que soleve, nomeara para exercer interina-
mente esseemprego o bacharel Joio FloripesDias
' Brrelo, que. entrara em exercicio na mesma dala;
assim o rommunico V. S. para sen condec-
ment.
Dito ao mesmo. Expeca V. S. as suas ordens
, para que a recebedona de rendas arrecade a
quantia que, segundo a nota junta por copia, est
a dever Marcellino Jos Lopes pelo meldoramenlo
de reforma que Ihe foi cjncedido no posto de ma-
jor da guarda nacional por decreto de 27 de oo-
venibro ultimo. Fizerarasc s uecessarias com-
jTiunica^oes.
>ito ao mesmo.Se nao houver inconveniente
; V. S. fugar Hcnrique Joa Vieira da Sil-
pede no .incluso requerimento documen-
" alia.d'.i 7143100 rs., proveiii.Tite de fre-
^gvnt. dadas por conta do governo a
a hiate Sergipnno na ultima viagem que
, ao presidio de Fernando como se v dos docu-
mentos annexos quelle requerimento.
Dito ao rnesiTK).Devolvo V. S., cobertos com
"oficios do brigadeiro commandanie das armas da-
tados de 15 c 24 de novembro ultimo sob ns. 1,139
e 1,199. os documeutos que vierais annexos as
suas informagSes de 18 do crrante ns. 928 e 929,
relativamente as despezas na importancia de
J963I80, l'eitas com o sustento e roupJ&"ra o
alienado capitao da guarda nacional Joaquim
Antonio Seve, durante o lempo em qfP'llP'
?e recolhido ao hospital militar afim deque pela
verija soccorros pblicos mande indmnisar aquello
BStabeleeinwtft) 4e tal importancia, visto ser o
mencionado eapitao pobre e intelramente desvali-
do. Commumcou-ie ao brigadeiro commandaule
das armas.
Dito ao conscldo administrativoAutorso o
conselho administrativo a comprar para forneci-
mento do alinoxarifado do arsenal de guerra a
quantdade de ferro mencionado r.o incluso |cdi-
do.Coiiimuni'?ou-se ao inspector da thesouraria
de fazerwl.i.
Dito ao juiz de direito da 2" vara lesta cidade.
Designando Vmc. para servir de relator da junta
6ue em ultima instancia tem de julzar o soldado
ti i corpo de pelicia Francisco lose de Saiit'Anii.i
assim Ihe con munico, envando-lh-j o respectivo
processo afim de qne compareca neste palacio s
li horas do dia o de Janeiro vindouro.
Dito ao juiz municipal de [pojara. Declaran-
do-ine o conselkeiro presidente da rebeo em data
de 23 do conrale, que a appellaeao do reo preso
Manoel Joaquim de SaufAnna, acuca de ipiem
informoii Vine, em 18, j foi julgado desde 17 de
outubr > ultimo, e devendo ser submettido a novo
jiilgimento o mesmo reo, assim o ccirunico Vine.
para que opportuiiamente o reqoisite.
Portara.Os senhores agentes da compandia
Brasileira de paquetes vapor expereatn as suas
ordens para qae no vapor rrlnena de Jointle,
sejam transportados por conta do ministerio iia
guerra, para a provincia da Bahia o furriel do
respectivo batalhao de caradores joio Paulo da
Silva Maia, e para a corte o 2" eaiielrt do 1 bata-
Ihao de infantaria Bearmino Perclra Temporal e
os soldados voluntarios do I" hatallifn de artilha-
ria a p fos PaateiVio Birbamo de Vasconcellos,
c Antonio Emiliano de Andrade, que vao rero-
jber-se aosseus cornos.Coinmunicou-se aobriga-
delr i commandante das armas.
Dita.O pp'udente da provincia, attendendo ao
que leqnereu c juiz muicipal e de orphos do ter-
mo le Nazareth, bacharel Joaquim Jos deOlivei-
ra Andrade, resolve coneeder-lde um mez de li-
ciina, rom ordi'nado na forma da le para tratar de
sua sail -.
mente o boato, assegurando em todos os tons que
rema branda paz na santa igreja.
Partee porlanto que o nobre duque de Loul,
presidente do conselho de ministros, com as pastas
das obras publicas e dos negocios estrangeiros
procurar dentro cm pouco n;organisar o gabinete
, com elementos no vos. i
A y da constitucional dos palzes livres alimenta-
se des'.as vicissitudes.
j 0$ acontecmentos eleiloraes do Regoa, reani-
niaran as antipathias dos adversarios da situagao.:
A diseiisso vehemente da imprensa, a proposito do
, ultimo emprestimo, negociado pela casa Slern-Bro-
i thnx, lem azedado os nimos. O Conservador, fo- {
Iha de Lisboa, que dizem ser orgo do Sr. conde,
de Thrm.ir, publicou por muitos das seguidos, ero
forma de tailot, urna diatribe descabellada contra
o Sr. ministro da fazenda.
Eis i estado em que se acham as cousas.
-.
V?
Despachos do dia 3'J de drzrmbro de 1SG3.
ttequerinuuto$.
Aana Maria de Jess.Remullido ao Sr. director
do arsenal de guerra para altender a supplieante,
nos termos da sua informacao de 28 do crrenle.
Angelo Raptla do Xa-ennento.Como roquer
pagos os direitos nacionaes.
Jos Lourenco Bastos. Passe portara conceden-
do a lieen ;a qu i pede o supplieante.
Manoel Joaq iim de Sant'Anna.Expediu-se
ordeno para o supplieante ser opportuuamento
requintado.
EXTERIOR.
ioJiiit:si'OMi;\m io oia-
tlO III PKR!\'AI1B1J0.
roitTi. \i..
Lisboa, 13 de dezembro dr 1S63.
Sua Magestade el-rei D. Lutx I c aSra. D. Maria
ra de Saboya regressaram Lisboa de perleita
ii le, DO da 10 eate mez, pela- :; horas da tarde
da sua digrestfc s provincias do norte. Eslive-
ram ausentes da capital 21 dias.
A sua passagtm para o Minho, a sua estad* no
Porto e .ni Braga d asna retirada foi um trium-
pho conlinuado, Ikande mais ama ve;! comprnva-
(l!- s aueustas pwaana dos soberanos.
Os jornaes da opiiosico deelaram aberla-
menl i que se est em crise poltica por divergen-
cias irreinediavcis entre os memhros do gabinete
O certo qu geralmente se aOrma sahireo do
ministerio, anda antes da prxima reunio das
cortes (que em Janeiro) os Srs. Anselmo Jos
Braaneamp, do reino, Lobo d'Avila, da fazenda e
les Leal, da marinha. Escusado dizer-lhe
que as folie- mlaisleriaes desmonten) quotidiana-
JORNADA DE EL-R^I.
|^ Suas Majestades el-rei o Sr. D. Luz e a Sra. D.
Mana 'ia assisliram em Braga deslribuico dos
premios no campo de Sant'Anna, onde para esse
i flmse levantara um pavildo, aedando-se alm dis-
so todo o campo decorado com primor.
i Suas Majestades dignou-.se entregar pr suas
i proprias inaosos premios aos expositores. As 2 do-
| ras Iiol ve recepeo no paco; coneorreram mas de
200 pessoas. Poram preseoles aos augustos perso-
nagens as feliciiacoes do arcebispo e cabido, de di-
i versas eamaras municipaes do districto, dos cai-
dos de iJareellos e Guimares, do general com-
; mandarte da 5 divso militar, do conseldo do
; U-ceu e corpo eletoral, dos artistas u monte-pio de
S. Jos e oulras. Suas Majestades rereberam em
casa do conde de Bertiandos a recepcae mais cor-
deal e i-umptuosa, como tiveram em Alcobaea. Ba-
. talda, Condee, Olivera do Asemeja e. Villa-Nova
de Fam ilicao. Suas Magestades tiraram pende-
rados pi las pravas de aflecte que no seu longo tran-
sito recberain.
-\odii 28 (de novembro) Suas Magestades sadi-
, ram pelo meio dia em direccao ao Bom Jess. No
eaniiuh i visitaran! o ruculhimento das meninas or-
i pdas e a fabrica de chapeos de Bento Jos da Sil-
va, preniado na ultima exposico. Tres quartos
de lura depois'cnegaram ao Bom Jess os augus-
tos viajantes. Esperavam Suas Magestades S. Exc.
! o arceb spo de Braga e a mesa da irmandade da-
quelle sanrtuario.
Suas Magestades visitaran todas as capellas, de-
morand )-se tambem em admirar o magnifico pano-
i rama que daquellcs lugares se observa. Suas Ma-
gestade; voltaram a cidade pelas 4 horas, e forara
em seguida visitar a S, examinando todas as pre-
i ciosidades que este aotigo templo enrerra. Da s
dirigir n-se os augustos viajantes ao asylo de D.
Pedro V., que, posto cont pouco tempo de existen-
cia, j aprsenla n'um estado bastante lison-
i geiro.
i No dii 29 s 11 J/i doras da manhaa partiram
os reaes viajantes para Villa Nova de Famalicao,
no meio das mais clamorosas acclamacoes do novo,
que em massa compacta se despeda de Suas Ma-
gestade; .
ffeadn edegado a Villa Nova de Famalicao s 2
horas e um quarto, partiram para a cidade do
tP_<>rto s 3 hora? e mu quarto. s 7 doras chega-
ram ao Porto os augustos viajantes, onde nova-
mente os aguarda va a mais enthusiastiea recep-
co.
Sua Magestade el-rei antes de sadir de Braga,
entregou, |H>r man do ministro do reino aos Srs.
los Joaiuim Ferreira Mello e Andrade, Francisco
Manoel ilarlins de Olivera e Manoel Jos Vieira a
commuricacao de haverem sido agraciados com o
habito il Chrusto, p >r se lerem distinguido na ex-
> -ico agrcola, fazendo-lhes Suas Magestades
lamben] a honra de o> convidar para o almoca
No di i 30, pela i hora hora da tarde, foi el-rei
! visitar a academia polytechnca, a escola indus-
trial, a escola medicii-cirurgca, a academia das
bellas ai tes, a bibliotheca, a relaeo e as cadeias,
os bospi aes do Carino e S. Francisco, examinando
com lodi a attenco e detidamente estes importan-
tes estat elecimentos.
Xa acidemia pnlyteehnica foram lidas, por um
professir, em nome do corpo docente, e por um
estadista, em nome dos seus collegas, felieitacoes,
agradec ndo a Sua Magestade a visita com que os
honra va.
Pelas II horas da noute Suas Magestades foram
ao baile da assembla ingleza (Fetoria) e all se
deinoratam quasi at s 3 horas.
No di;. Ude dezembro, s 10 horas, Sua Mages-
tade el-rsi passou revista no cam|K de Santo Ovi-
dio aos i|aatro carpos que compem a guarnicao
da cidad. O general Ferreira commandava a (or-
ea reun la em parada, moslrando-se Sua Manes-
tade mu lo salisfeito da ordem e aceio em que se ]
apresenlavain os corpos e do modo porque mano-
braram,
Obaldado na noute do dia Io docorrenle pela
. assemblt a portugueza esleve esplendido o milito!
concorrilo. Suas Magestades entraran) s II lio-!
ras e saliiram perto das 3, sendo recebldoscom as
, mais ine piivocas pravas de affeclo.
No dii 2 para o aJmocn liverad) a honra de ser
.convidatos os representantes das commissoes en-
icarregadas dos festejos da cidade.
Pelas'.! horas da tarde sahiram Suas Magestades
diriginde-se igreja da Trindade, onde Sua Ma-
gestade ; rainha prafea&OU na ordem da Saulssi-
, ma Trini lado, offieiaiiilo o Exm. bispo da dioce-e.
I Fmda es a solemnidade Suas Magestades foram
escola da mesma ordem, edepo&casa do vis-
eoude d.T Trindade, que olfereeeif a Suas Magesta-
des uni lunch sumptiiiiso. Para ojantar foram con-
vi idas limita.- senliuias de dwtiuc&o.
A or te do da 1 Sua Magestades assisliram
| representacao do theatro Baquet em beneficio da
assoriaeao lypographira Portuense e dos leceloes
sem trab dlio. Sua Magestade dea ordem para que
! todas as despezas da representacao fossem pagas
do seu bolsinho.
Sua Magestade receben as depntacdes dos vo-
! lunlarios e do anligo batalhao de cacdores n. S, e
outras felicitacoes.
Depois do alnioeo foi el-rei ver o modelo da cs-
; tatuado Sr. D. Pedro V e aofflciiia onde deve ser!
I fundida, bem assim o pedestal que j est cons-
truido no largo da ll; talda, monumento todo le-
| vantado pelos artistas do Porto, c que deve licar
um dos n eideres da cidade.
Sua Mtgestade visitou varios oulros estabeleci-
mentos f bris eeslal.i leciinentos pes.
Na volta ao paco to S. Magestade cumprimenta-
do |wr urna* numerosa depulacao das assoeiacSes
e mais habitantes de cidade, dirigindo-lde o Sr.
Pnheiro Cal las urna breve allocu^ao, em que re-
novou a tl-rei a expressao do sincero amor e dc-
| dicacao q je Ihe votava o povo portuense.
El-rei agradecen com a sua costumada benevo-
lencia, c ehegado janella do palacio, foi saudado
com calinosos vivas.
Para o antar, tiveram a honra de ser convidadas
| Jgumas senhoras, e os directores da assembla
portuense"
O lempo rhuvss.riao permiltio a el-rei ir a
grande ni mero de fabnras notaveis, como era seu
desejo. __
Nanomedodia 3 foram Suas ^agsJades ao
bailo do e ub portuense, entrando s ll horas, e
sahindo q nal as 3. o baile psteve magnifico e Suas
Magestadis reeeberam as mais respeitosas atien-
{o>s da direceSo do clab.
No da 4 tiveram a honrado ser convidados para
o alrnocn )s administradores dos bairros da cidade
e o prescente da eomutisso dos artistas 'lo ma-
ETovi^?J-^^ T: m.f'f^- a e%Z ** d0 r,'ino MiaT1 Osorio e Azeiir'- cba ^ ^sentar ao governo oro novo
\riofi i.r m capelta denominada de um ufo da rainha Santa Isabel no mosteifo de San- projectil de guerra denominado lasele frecha
^1^'ffiv.^^^erlnX SSP M ***"** +* J a -^ P ZS&SVOrBrB
au'glis'tJav^e" SM ?SinhT ^ "U ^^ 1, SrftE "", "E jan'ar "^ !ZB S*3St "SSd 'r^projeni.
K ?r,l:u%[ ,0nr ''T1'1" *"vid:idos a cmara niunieipaf, o fazem delle a mais iisoiueira at.reria.-ao i tnrere
,, t 1 S?7JS .M c r S ; '*'?* d" I*'* d0 l>,SPMd* diorese- J'" P' conde da Graeio- que en. breve ser "xS,' ..i l bSa' debo e- se
^mmrf"J,?,M-ara"!"a V" "U P3ra ^'^ Miguel Dsorio. o rcitr da fniver.-idade, os adoptar as guerras ^ri-a
^TJ&^^Sl^kS!^i da e oV.S.,nnl""r,"S- ^FT ^ *<>*" E'" ^ 28 d, nombro, foi julgada no
SSS AJ ** 1 A c=tlavf iluSdT'd^onte do paco. SS aSS^fo^^ t
ro iS S 'do' honraV,S m^*^' ^ 2LT K* l">*> "*' *** senlenca do i^de&W*X2^&
V usTS-rot a concurrencia era immen T I T'l^ exce,lente rchestra. Sua Magota- declaro,, aberta a falfonci ufo eom.nerciante Wsla
si V fr..L !--, ncurren-ia era iinnien- de el-rei dignou-se. a exemplo dos senhires res, praca Thomaz Maria Bsame
So^eS^^ seu^predecessore, declarar,e protecor da ni- hnhunal nao toroo./^ciroento do recurso,
SL\M "1;"S ,V'VaS B*r5es de yl- O eorp catdedratico ve.u todo reunido agrade-
tnia e ao mesmo tempo de saudade, que em todos cer a Sua Magestade esta erara
*2 f n S22- 1VrI" d" H 'I2* 9 ^Lm Suas Mages-
m alto da Bandeira deapedm-se el-rei do gene- udes do paco em direccao a Lisboa.
Em Santa Clara acwaram-ae dirigindo-se ao con-
vento para all veneraren! os sagrados restos da
rainha.
Bepois de orarem junto ao caixo e leste ser
qualiV,
ta ,1,, - .-. w.ii t ,-uuiuu, luiiiiiiaiiiiou o exercno que invauto
f i%K^'^"*P^"^J,oExni- Wspo.com as debidas o Mxico, o agora retira-se para a Franca teodo
J, ? N ce momas, bas Majestades ..eqaram a mao da alcancado o bastan de marecdal pelos servicos
s i nlam indV ico a ffif!^ *!*' ',U'' ,P.ual""'n,e Pra,,,on ,0" Prestados naquella expedicao. S. Exc. foi cumpri-
s que lintiam ainu.i acoin- da a comitiva dns ana i,i,k v *hn,< umn iu.*. r..ni.,.i JMi......f. ..'........_...____-.. '
ral commandanie da divso militar, da cmara
municipal do Porto, das autoridades e de muitas
pessoas notaveis que tindam acompanhado SS.
M M.
Em Grij despediram-se d
dor civil e o secretario
conselho, a cmara mun
n^'Kiufu q0 ,inham a'nda aC'n' da H c0,,,,liva dos mjuatos viajantes .
c i? *as Presentes,
a h> K 1'erre,ra. ?m*51 municipal e juiz Suas Magestades v.slaram todo o convento e se-
de direito dingiram a el-rei felicilacoos, a que S. guiraro viagem, era qnasi nina hora.
M. respondeu con. a sua natural benevolencia. Em todo o transito na cidade de Ifoin bra, na
hr^.i.* cheK*ram 0',ve,r* dt, Azemeis as 3 nontee no caminho de Santa Clara fon.in Suas
oras el|t, sendo receidos por toda a populacao Magestades constantemente acompanhad.is pelos
com o maior enihusiasmo, no meio dos mais calo- acadmicos e por una multido enorme de povo.
AtCondeixa acoinpanliaram numerosos grupos
de escudantes a carroaem real, victoriaodo sem
eeesar os augustos viajantes nao |>ermittiiido Sua
Magestade el-rei, que .eguissem alm deste ponto,
agradecendo-ldes com as mas benvolas expres-
ses as prova* desympaldi que Ibe tribi.Uvam e
por nao terem mostrado os appcllantes a
de em que se apresentaram em juizo.
Consta que o Sr. ministro da marinha, vai
mandar praticar nos estaleiros de Inglaterra al-
guns operarios do nosso arsenal. 4
A bordo do vapor de guerra Trancez Pann
m, entrado no dia da Nova York veto o mare
chai Forey coro o sen estado maior. O marechal,
como sabido, commandou o exercito que invadi
rosos vivas.
0 augustos viajantes dignaram-se aceitar um
delicado lunch em casa do Sr. Bernardo Jos di
Costa, lindo o qual partiram para a Graciosa.
A's 10 l|2do dia o enlraram m augustos viajan-
tes no palacio do conde da Graciosa.
Em todo o transito foram SS. MM. saudades com
as mais enthusaslicas acclamacoes. S. M. el-re
a ;>oa Magestade a rainha.
Tambera se despediram
em Condexa de Suas
mentado com salvas de tojas as emhareacoes.
Dos prelos da mprensa nacional vai sahir o
episodio dos amores e morte de D. Ignez de Castro
dos iMtiaias, impresso ero seis linguas, portuguez,
despaudol, italiano, franeez, ingles, e aliemao, com
gravuras ein madeira.
A edico primorosa, a imprensa nacional em-
pregou o mais mimoso trabalho n'esta obra, que
dizem ser de grande valor artstico. Em breve sa-
hir ; esl a encadernar.
Os Lunadas estao traduzidcs em mais iinguas.
Ha tres versoes em ltiro, nina era dinamarquez,
duas em sueco, urna ero hebraico.
O numero medio dos operarios que trabalda-
ram as estradas e outras obras publicas do reino
durante as semanas lindas, em 5,12, 19 e 26 do
r.-H. ...-------7 ---------.-v~ ~ .-..-. i*uiueiii eue>peuiiam em L.ondeixa ue oua*
conwdou para o jantar as autoridades loeaes pro- Magesrades a cmara municipal de Coimbr 1, o rei-
No dia 6 ao meio dia, depois de SS. MM. lerem
rostida a missa, e almocado, deixaram a Gra- muuos ciuadaos que
muvu iu t ., prestito real.
JZLyffiL, rf ubera'n a,l fol,c,uoes da cauura N Redil* aguardavam Suas Magestades o con-
municipal daquellr conceldo. J '- '-
'-------a-------- . 'I lii 1/1 1 v 1
lor da Cnivcrsidade, os dignos pares do reino con-
terem de ,)a Graciosa e Miguel Osorio, as autor iades e
1 ra- muitos cidados que al all ha
Aeba-aa decidida a mudanca das reparlieoes do
ministerio do reino, para o edificio que esl occu-
ido pado pela junta do crdito publico, e que
para o edificio do governo
taria da juslica ira para
No Sargento-mor eran, esperados porS. Exc. o ZSS PamtSl adminis,rador *. P1f,"Srem0 *$? de Jus,i?a' e 1ue es,e se T
bispo, commandanie da divisL militan e auto, i- "S l^S'tinoaacaa^miiiifcinal ora- KS ^JSuSa^ 1"e a cmara munic-
dades do districto retor da I'niversi.lade nar du .*. V asainaraimiiiiciai pre- pa| ira para o edillciodo banca, e que oescriptono
reino Mk-ul Osario oui^ ""r'0 '"" su,n'"urtsu '* que Suas Magestades do contrato do tabaco ir para o palacio de conde
rimoai.guti UM.no e oulras pt-ssoa, de dislinc se d.gnaram aceitar, convidando para ass.st.rao de Alroada, no largo de S. Domingos, e que o ban-
inesrno a cmara mnnicipal e as auloru ades do co ir para o edificio que oecupa o hotel de lta-
? lia, no largo do Loretto.
das chives da cidade diri^in. w'm'< i 2! "1 .oras' c"pSara'n a Lema, cantndose na i), todas estas mudancas a nica que se affirma
presidenfoda" "S^^t^i^l Slttl'SS '' *" I **" SSR ^T^
que S M se di"nou resiuinder exm. hispo ua uiocese. No da 2 do eorreule reunise a assemble
A entrada de^ MMu u dade foi urna verda- JSSf^u^S^^SS^J^^-.' *$ ^f Pr.uga| e resolveu :
deiraovico u)raoa>, e as iiiummacoe nnldantes. Aioncur-, 1 Nomear como effectivamente nomcou, urna
SS MM seoiirim nelat mas nrincimps vUi,.- ""T'* f'ra ex,raord|nar,a- Suas Magestades hos- commissao para conferenciar com a nomeada pelo
.mTmi ,"u ,r?. i Pr 1 a pnncipaes, jisto pe,);,ra,.So em casa do conselhe ro Pind, e adi
sanenle adornadas, dirigindo-se a calhedral, onde
cao.
A's 3
de
a munieip
loras cdegaran 6S. MM. ao pavdhao, on- concelho.
lieipalidade de Coirobra Ihe fez enlrega ^s g |1(]
Autorisar a direccao para que alero dos-----
Tanto na villa do Poinbal, como na cidade de 500.5000 reis. com que o banco j subscreveu a
Lema, arecepro nao poda ser mais enthusiasti- favor dos lamimos de Cabo Verde, rontribua com
ca. Msicas, vivas, illtiminacoes, tudo quanto outra esmola avultada em beneficio dos raesmos
Terminada a ceremonia religiosa, SS. MM. pre-
cedidos do prestito acadmico, seguiram dobaixo
do palio al ao pago da Uuversjade.
dos anoseni.is iteS'" rm"car,iT lri-'ta* duas,1'opulaces. GTt-Drum foi celebrado no dia 8 do correnle,
cmara municipal, pares, deputados e ^r-, aeai^o do camin oe fero 1 Cm^lb 0
horas da larde.
Urna guarda de honra feita por um corpo da
guarnicao de Lisboa, esperara tambero o; reaes
A's 9 horas foram SS. MM. ao Jieatro acadmico
assistir a representacao do drama I). Maria it
uncasttv, pelos estudanles. O theatro eslava ele- viajantes no Carregado, bem como inmenso povo
gaiiteniBiite adornado. Os estudanles manliverain- daquellcs arredores, tendo sua frente a; canta-
se na mais perfcila ordem. Extraordinario euthu- ras municipaes de Villa Franca e Alenquer e prin-
siasroo eovace completa em lodosos ilervalfos. ripaes autoridades daquellcs coneelhos.
A direceao do theatro olfereceua SS. MM. um bem Suas MagesUides depois de terem descaneado
servido cha. algum tempo na estaeici do caminho de ferio, que
os augustos torsonagens.entraram no comboyo satisfetos.
No da 7, s 10 horas, foram SS. MM. igreja da seguio para Lisboa s 4 horas menos viole
baula Urna, e depois do terem hita oracoes, visa- |u> no meio dos vivas do povo reunido,
taram detidamente os tmulos de D. Alfonso len- Urna salva no castell.. de S, Jorge s .". doras
riques e de I). Sancho II, e todas as preciosidades menos um quarto da tarde, annuncavaque Suas
daquelle cdihcio, sancluario, coro e sacrista. magestades tintura ehegado estacSo de Santa
De|K,is do almooo foram SS. MM. assistir a so- Apofona, onde se encontraran, Suas Magestades o
lemue distnl.uicao dos premios na Lnivcrsidade. Sr. D. Fernando, o Sr. infante D. Augusto e toda a
concurrencia.
A commissao encarregada de promover soc-
coiros para os habitantes de Cabo-Verde, acaba de
enviar para aquella provincia pelo vapor D. Anto-
nia sabido no dia 30 dopassado, 000 sacras de mi-
lito com 72000 litros, e 300 de arroz rom 30:000
kilograminas, e no brgue Bm-Piado 100 saccas
de niilho em 12:000 litros, e 100 de arroz com
10:000 klograminas.
Esto comprados para serem remettidos oppor-
tunamente 30 inoios de milho, e 353 saccas de
arroz.
No dia 27 do mez passado, chegaram ao Tejo
a bordo do paquete inglez Oneia,OS infelizes nau-
com isto h-r que n'esses tros ertabelecimenios
da-se as meninas a superior e aprfflOfada m.-li ur-
rao Iliteraria, que ellas possam recelar nos bons
cullegios da Europa; mas, guardada s proporco.
o que temos bom.
Para a educaco dos meninos tamos 1 tn-tituto
(le Humanidades, dirigido pelo Sr. Dr. IVdo bal.
o de Nossa Senirora dos Remedios, dirigido pelo Sr.
Sonta Reres, e o de S. Caetano sob a direccao do
r. Dr. Augusto Rosa. .Nao ha injuslica em diier-
se que dos fres o que esl montado em malof
cala e que goza de mais procura o Instituto'de
Humanidades. O Sr. Dr. Pedro Leal, alm de sua
nabihtacoes, tern especial tendencia para este ge-
nero de apptiearao e trabalho.
De lodos tres oque ota collocadoem melhor lu-
gar e o Inaltote de Bumanidades; aetia-se estabe-
focido em utna (punta extensa, bem arejada e sau-
oavel. Tem i*a casa para residencia e accommo-
dacao dos alumnos, e largo espaco para- os exerci-
- cius corporaes.
A nova eompanhta, que d'ahi nolrouxeo
sr. 'erniano, ja tem frabalhado em algimas noi-
tes. O Sr. Thomaz Espinra era nosso antiajo-eonhe-
cido: bum aclw, em verdade, elle; presenca
agradare!, vuz sonora, gosto, e voeacao p?1a arle
que cscoheu.
A Sra. D. Camilla nao lera deixado de agradar
tambem: tem bonita figura e geito parotra
balho:
Espera-se lodos os das peto resto da companhiar
Como apreciador do theatro, desejo me ella ne se
demore.
Passa por certo que o Sr. Germano vai em bre-
ve a Europa, afim de contratar alguns artistas, que
queiram se llw associar na sua empreza.
Estimarei' que o faca e o realice, irazendo-noe-
de la gente; ha e educada na moderna escola dra-
mtica. S asaba poder lirar salisfeito o nosso-
publico, que j nao applaude mnito as producees
da velha escola.
A represrmacao dada a beneficio do actor
Raymundo Arairjo no theatro particular Thaliense
dizero-me que esteve a ponto de acabar em serio
desaguisado. Trabaldam n'aiuielle thealro algn-
jovens curiosos, e um delles chamado scena no
fim do espectculo leve por ovaeao solemne o offe-
civil; que a secre- recimento de urna cora tecida era largas propor-
0 edificio oceupado ^oes de folhas debananeira.
Lembranca de estudanles e verdadeira rapazia-
da. O joven I lineado nao ftcon salisfeito com o
triuinpho oblido, e quiz jogar o soco inglez.
Informam-me que, felizmente, serenou-se o ba-
rulto sem grande desordem.
Fra meldor que aquellos jovens curiosos mai>
se applicassem ao estado dos preparatorios do que
ao trabalho de decorar papis de dramas e come-
dias, que nada os inslrueni.
O Sr. Luande, depois que uilimou os seus benefi-
cios, desarmou o circo equcslre da ra da Paz e
seguio para o interior d3 provincia. Levou lencao
de viajar pelo centro at Pernambaco. Este artista
digno do favor publico, porque s trabalha com
filhos seus, nascidos no Imperto o de mai brasi-
leira. Bem que nao serara artistas de primeira or-
dem, todava o> fittto do Sr. Luande agradam e
delles muilo se tem a esperar, porque ainda sao
a bemdizercriancas.
Os denome Martinho e Abellardo tecm grande
propensao para os trabamos gvmnasticos e asjMS-
tres.
O primeiro j um artista muito regular. Den.-.
Ihe proporcione muito meio de ganhar dinheir.
por esse nosso a>rto a dentro, livres de febres-c
desses mil encon:modos, que Hagellam aos qne va
jam pelo interior do paiz.
OSr. Alexandre Durand, director da
pratica de aprendaos agrcolas do Cutim
lempo depois de ha ver tomadoconta da dirccc/10 do
estalielecimento a seu cargo, dirigi ao governo
da provincia um oflicio, que j foi publicado, no
qual expende o seu juizo acerca do estado da es-
cola e do que convera fazer para o seu melhora
ment. As reflexes pareceram-ine justas, e estou
convencido de que o Exm. Sr. presidente da pro-
vincia ha de cuidar com interesse na sorle daquel-
le estabelecimenl).
E'-nos preciso olhar com othos protectores para
a Irniie-cole do Cutim, visto eomo ttm-se d'alli
muito proveilo que colher. Da escola agrcola de-
esta ira
me va-., jt
1 encola f t
, pouco s-
S. M. el-rei sabio do palacio e entrou na salados
eapellos precedido pelo corpo acadmica, na c u
forinidade do programtna para este lim ordenado,
e em seguida distribuio os premios, correado toda
a cerimonia com o apparato e grandeza rom que
estes actos se coslumam praticar na L'niver^i-
dade.
S. M. a ranbi assistio dislribuico dos pre-
mios na tribuna.
corte e ministros estrangeiros que
ao Carregado.
Sua- .Magestades pajarara desde o desetnbarca-
douro no caminho de ferro, al a carroageni que
os conduzio ao templo de S. Domingos, por entre
as alas formadas nejos veteranos da liherda le, ve-
Ibis soldados companl eiros de D. Pedro IV em
suas gloriosas rampannaa.
Urna depuiaoao oestes bravos tinha ido ao Car-
regado, onde etregaram a Sua Magestade urna fe-
licitaco. Bstavam tambem na estacio de Sania
lantes do Clipper italiano Sicilia, capitao N. Andrea pende em grande escala o futuro eograadeeimento
Dassore, que naufragou no dia 3 do corrente mez, nosso.
as B horas da manlia, nos baixos a leste da tilia Palmean ha seis dias o Sr. Jos Gregorio dos
da Boa-Vista. Reis, pei do offlcial-maior da secretaria da th
U olipper Sicilia perteneia rasa de Genova Fra- raria de fazenda, e do Sr. -onego Francisco lac
(ello Frasseeninelo e eslava seguro. Sabir de Ge-1 dos Reis. Era bom pal de lamilla e exereia o In-
nova no da 10 deoulubro, para Montevideo, Ru- gar de 2" conferente da alfandega. Sao maltas M
u nos-Ayres, C&lho de Lima, e ilha Chinchas, con-1 candidatos ao lugar vago ; rao sei ijual ser o es-
duzindo entre passageiros e iripolantes 193 pessoas.
Morrerain.74 passageiros, entre os quaes algumas
mulheres o enancas, e eacaparam ao todo 93 pes-
soas.
Achando-se estes nufragos na Ida da Boa-Vista
o capitao portuguez Henrique de Rrion, ofTercreu-
se para conduzi-los gratuitamente a ilha de S. Vi-
cente, onde por ntervencao do agente consular
italiano, foram embarcados no (huida.
Era S. Vicente doentes no hospital ficaram ainda
Todos os passa-
A concurrencia nao poda ser maior, vendo-se
no numero dos espectadores, militas senhoras.
A'i 2 horas, houve recepeo no paco a que tam- Apoton deputaces das assncacoes de Lisboa e dous homens e quatro mulheres.
bem eoncorrem grande numero de senhoras, a as i amaras municipaes de Lisljae Relem. i gerns eram colonos,
cmara municipal, as autoridades, todo o corpa Suas Magestades dirigiram-se logo em seguida o ronnl italiano em Lisboa, logo que os naufra]
universitario, e muitas deputaedes 'dasacademias P*ra olcmplo de S. Domingos, onde foram rece- g,w desembarraran! do (huida dividi-os por tres
'"ll1- |U'""1 ,ln "a"'" "r "x ">'">-"eia n k%t. hospedaras onde estaro at serem conduzidos
edos hahitantes da cidade e extraordinario con- bidos dehaixo do pailio |or sua .
curso de pessoas de superior disiuvao. d(al palriarcha e todo o cabido.
Ti hila e duas pracas pertencenles ao anligo e
bravo regiment de voluntarios da rainha dirig-
l'.;.ntou->e depois um solemne Tr-fkuin
cao ue gracas pela feliz viagem de Suas
lados.
Findas as cereinonias religiosas, a familia real
aeompanhada por um es pmarao de lancearos, re-'
colhe a ao paco da Ajuda
No templo nao havia lugar para mas nirguem.
A maior parte da populaco da capital orlavaol
caminho desde o Poco di. Rispo at a igreja de S.
para a Italia.
L.
PER-
>m ac
\Iages-
ram uina elicitac.io el-re, a queS. M. se diznou
responder nos termos maisall'ectUOSOS.
A's 5 horas os estudautes derara um jantar no
jardim botnico a 200 pobres. El-rei foi a p as-
sistir a este acto de caridade. A presenca de S.
M. produzo o mais phreiielico enlhusasino.
Ao el-rei recolher-se ao paen, a academia e o
povo eom bandeiras cercavam S. M., atroaudo o; Domii gos e paco da Ajuda.
ares com os mais calorosos vivas. Nao era menor a concurrencia em todas as ga-
El-rei dignou-se apparecer janella, e eolio re- res de caminho de ferro, desde o Carregado al
dubrou o entbusiasrao, sendo SS. MM. e toda a real Lisboa Dous corpos da guarnicao de Coimbra fa- Passou-se a quinzena sem grandes sueeessns,
familia victoriado durante largo ispaco. I llama guarda de honra na estaro de Sant:. Apo-lou, para melhor dizer, sem abundancia delles,
No dia 7 tiveram a honra de ser convidados par lonia, t no largo de S. Domingos. I ainda mesmo que de pouca importancia,
jantar com S. M. el-rei o conselho dos decanos da No dia 11 houve recepeo em grande g llano1 Nao houve festividade religiosa ; e dos festejos
Univcrsidaifo, representantes dos e-dudantes pre- paco da Ajuda, por inutivo da feliz chegadad'Suas profanos s se tornaran) dignos de attenco, em
miados nos differentes cursos, e diversas autori- Magestades a capital. I primeiro lugar, o concert musical no collegio das
dades. Os dias 10 o 11 foram feriados. A cidad.'illu- Sras. Abranches, em segundo, as noites de espec-
minoii-M' em am >as as noites. I taculo da nova compandia do nosso theatro, e era
O ?overno acaba de nomear segunda com- terreiro, una repre>cntaro extraordinaria nothea-
misso de soccorros era conseqoeneia da Icrrivel tro particular denominado Tdaliense, e os ltimos
IHTEBH)R.
CORRESPONDENCIA DO DIAIUO DE
NAMBL'CO.
M-1RA>1I40.
S. Luii. 2G de dezembro le 1SG3.
Perto das 9 doras forara SS. MM. ao theatro de
I). Luiz I, donde sahiram s 11, depois de aceita-
ren, um bem servido cha. que pela direccao do
theatro Ibes fura ofierocido.
O theatro esta va brillantemente adornado. Oen-
thusiasmo nao podia ser maior.
Em todos os intervalfos se levantavam phreno-
ticos vivas.
A direccao do theatro empregni todos os esfor-
gos para demonstrar igual o seu agradec ment pela
angosta visita qno o theatro recebera. SS. MM.
retiraram-sc satisfoitea.
No dia_8 S. M. conviden para o almnro utna
commissao de cinco voluntarios da rainha, por nao
ser possivel convidar todos qne na respera tive-
ram a honra de felicitar SS.' MM.
Tambem forara convidados o administrador do
concelho e oulras autoridades, e a direccao do
theatro de D. I.uizl.
Ao meio dia principiou a solemne cerimonia dos
eapellos, conferidos a dous doulorandos. El-rei
presidio a e-te acto, e S. M. a rainha assistio na
tribuna. Era 1 hora aunado terminou a solemni-j humanitaria invente,
dade Schwart foi admirado
vago:
colindo; todos julgam-se habilitados e conUain nos
pailrnhoscn que contara.
O Exm. Sr. desembargador Ayres do Nasci-
meiito vai indo bem no seu g>verno. I'ltimaraente
pralicou S. Exc. um acto muito acertado. Em vir-
ttide da aotoriaacao legislativa, augmento os or-
denados; do- enipregados da secretaria do anfarajo,
que era verdade salaran fraeamente rctribtiulo-.
O Sr. Dr. Sebastio Draga carainha muito
regular e satisfactoriamente na adminislraeo da
pelicia
Faco ponto final aqui. Entramos em tempo
de Natal, e agora mesmo parlo para fra da c,dade.
afim de divertirme em um silfo.
A alfandega renden at o da 23 167:0005.
O thesouro provincial 165:009*.
O cambio tica sobre Londres a 28 e t' por
rail ris, e sobre Portugal a 93 por rento.
O algodao tem-so vendido a 224 e iM**\
PERKAMBCO.
REVISTA DIARIA.
A ofllciosidade do Sr. Th. A. Dammavir. deve-
nios a seguinte noticia que se l no Widrr \ Smi-
th's Europea*, Jim,donde iradnxlmo-la, chaman-
do a attenco dos nossos eleilares para. etla. a lim
de que se compare esse proceder praleado em
otz Mfita e nao braslleiro.
O navio Vitara, precedente Je Nova Ynrck,
foi arrojado praia da Rabia Rnadhaven. na cos-
ta de Mayo, na Irlanda.
O jornal Mayo Constilation nefere, que os mo-
radores d'aquellas paragens se portaramrom inau-
dita karharidade |>ara com os nufragos, de siTte
crise, queja conieca a allligir a numerosa popula- trabadlos equestres do circo do Sr. Luanda.
cao do a-i hipelago de Cabo Verde, pela falla de O concert, no qual tomaram parte exclusiva as ] que o cabo enllocado do nii ir.para a costa, afim de
SObsiatenrias resultante da irregularidade da esta- jovens discipulas do pianista Joo Pedro Inglez,' salvar a tripolacao. visto estas eJle a afwidar-se. ra
fo que naciuellas ilhas. aniquilen as semenleiras. alumnas do collegio de Nossa Senhora da Gloria, lio ipie foi estabelecido Vmihranra. dtMaaa mea
A commissao lem ja obdo a subscripeo de fez em verdade honra nao s ao talento e applica- idos habitanies, que nao rentavam de coJhe-fo a si,
13:000^000 para soccorrar os pobres famintos da- (3o das meninas, como tambem ao aeto> dadicaco! le por ellea de repente criado qinndn nao quiz
quellas il'ias. ,' intelligencia das Sras. Abranches, directoras isais larga ly o carilao, deixanlo x-sia, a m
Consta que por parte de abastados capitalistas daquelle est.ibelecimento de edu-acaa das ondas a tripolacao composta de 22pessoas.
estrangeiros vo ser apresentadas a governo pro- Estas senhoras teem-se tornnlo dignas da con-1 Esle acto de extrema barbaridade foi romet
postas pal a a fonnacn de urna empreza que to-
mara a sen cargo a canalisacao e alargainenlo da
barra do houro.
E muito de estimar qui esta empreza se eonatJi
tua e prospere, visto que tan.o as concurrencias
se ligara
S. M. recoldeu-se a paco acompanhado pelo
grande prestito acadmico
O inrommodo de N' fuma gramlc dor
de denles) nao Ibe permiRiO ir visitar a quinta das
nos. Daquelle estabelii-imenlo bao saludo bem
educadas muitas comprovinc:ais minhas, que
hoje. on como mais de familia, ou ainda nao ca-
mrcanos, comoaa humanitarias, se ligara para' saiias, dao proras do muito que aproveitarara,
as recummendar. J no tocante educaran moral e Htteraria, e Ja
Em quanlo existireri os exercltos, e a guerra no aprendiendo desses delicados e finos trabalhos
for urna arte, nao pode d ixar de ser liera aeceito artsticos proprios do sexo frgil.
qaalquer elemento de de-tiuicao que a industria1 Nao menos honrosa menco merecem as Sras.
Se o nome de ilerlhohto (;armini>, directoras de um outro collegio. e as
lela Icrrivel deseoberta na Sras. Franco de Si, que tillimamentecrearain nes-
lianca e eslima publicas pela boa direccao, que lido, como v-se, pela altraceo nesquinha do va-
teem sabido dar ao seu eoilegio deada muitos an-' lor do cabo !
plvora, nao devem deixar de ser acolhidos. com ta cidade um outroestabelecimerto para a educa-
distinccSa aquellos que depois delle mvenkkm ins- ca< de meninas.
trumentoa moriiforos. \ este respaitonem retocio s necosafdades da
0 Sr. Francisco Antonio Tararas, residente em Ierra, estamos satisfeilos e adianiades. Nao quero
O capitao nadando para i cerra, levou c*m-i-
go outro rabo; e P'* elle pododeaembaraear toda a
tripolacao. Mas, .ih-in da barbaridade i
gens da BOStt de Mayo, as roapaa, malas e tudo
o mais que o mM arrojouapraia. foi pilhado patM
meamos, dos qpaes neniara foi ainda preso, ape-
sardos esforeos da polica de B.'lrauelet para de-
cohri-los.
E' nolavel, pois, que semelhante farto noui
lugar era lerritorio inglez, cu a civilisac.io 4
preconlrada; eqoe se dando, ainda nao r
roiiheeidos os respectivos autores pela soapeH
c.aft previlenria nao menos fallada.
llavera nesia dupla occorrencia i i do
\


Alarlo de Pernambnco Segunda futra 4 de Janeiro de t4.
'
foverno com os setvagmsoo l so pdc dar o que j
ave un Albardu sera i>io?
Que mtralize-o quera quixot, porque, quanto a
nos, so iiueremus ver se o uoto difeito i'rgido
Erla Inglaterra em lal materia, sera por illa do
oro grado aceito como parte nassiva di s seus
effetos.
Ein sua procedencia de Lisboa para este por-
to, enomtrou no mez ultimo a barca ingleza Sainl
Llair os navios seguales nos das notados: a 3,
a galera ingtexa F.'yng Ctoml, na lat. 22 01", e
Iwng. 23-, 30." de Londres para Morln Hay,
cun I dias ; a 17, a barra de igual naciom.lidade
John Phipps, na lat. 5. 24." N. e long. 18.' 27,-
0, do Glasgow para Santa Helena, eom 45 i as e
a 20, a barca hollandeza Gaiafaeldleila, na lat. 3."
K. e tong. 18. t." O, do New-Caslto para Sonra-
bay, rom 46 dias.
Kncoulrou igualmente, o brgue ingle Juanita,
, o
transporto ingle* de guerra Kina-Arthur, na lat.
10. X e long. SO. O, viudo da India rom tropa ;e
a lo, a galera da mesma naeo White Jackrt, na
lat. o." 8.- N e long. 30." 30- O, de Dundee para
Calcuta.
Consta-nos que foro a cmara municipal des-
la cidade convidada para tomar o jrame lio ao
Sr. Dr. Domingos de Souza Leao, na qualidade de
viee-presidente desta inovinea ; visto me t.-ndo o
Exm. S-, presidente de sognir para a corte a to-
mar assento na cantara dos Srs. deputados, levo o
referido Sr. Dr. Souza Leao assunur as redeas da
administracao.
Coueedeu-se ao euipreiteiro do caes que se
prolonga da ponte de D. .Pedro II a ponte da Boa-
Vista urna prorogaciio de 40 dias para cooelusao
da.- obras dt) seo contrato.
pedido do cepitao da 3.' companhi io ba-
lalhao n. 4 de nfoataria da guarda nacional deste
municipio Franciscode Paula do Reg Barros, 90000-
deusc-lhe passagsm para a lista da reserva,; Un de
ser aggregado ao parpo que for designado pele
respectivo coniuimidante superior, visio te- sido
considerado incapaz do servido cm inspecto de
saude.
l)e confomdade como artigo 30 de icgula;
ment de 30 de Janeiro de 18"4, nomeou-so a Jos
Epaminondas Sogueira de Barros para o bufar de
juiz comraissario de medico das Ierras publicas
Si convida-so Andrea ['ara passear, ella vos di/. :\
Meu raro, estou eomprooiettida com Con*-
lauca dura ule lo Jo o se rao.
Eassm, nao tem os homtns mais outra distrac-
co, que nSo seja conversar com Markowsky.
Ma< nem todo o mundo sabe o polaco t
MI
Unta das frequentadoras de Markowsky urna
rapargona, a quem um vellio generoso roubou a
ultima Miseria.
Desde o momento cm que essa moca teve dia-
mantes, perdeu a caneca, tornando-se de um des-
fructe insupporlavel.
Conversase a um lado I
De repente levanta-se um grito I
0 que ? perguotam.
A moctnha dos diamantes apressa-sc a respon-
der.
Oh I tive um modo I I'areecu-me que havia
perdido o meu bracelete, que custou 2,000 francos
Cinco minutos depois, novo grito!
E' sempre a mocinlia que o solta.
Meu Dos I diz ella de maneira que seja ou-
vido por todos. Emilio por pouco que me arranca
das arcillas os brincos, que foram comprados por
15,000 francos!
E Markowsky, inebriado de alegra, faz esta re-
flexo:
Quinze mil e doze mil fazcm vintc e nore
mil! ,FT o mesmo... eu recebo mullieres ik un
certo cJuc.

l'tn eoinmerriante que dcixra o negocio, espo-
son a urna muiher, oulr'ora de vida alegre.
Yiviam satisfoitos, e mesmo ja tinham varios fi-
Ihos, .piando a inulber foi sbitamente accom-
mettida do que Emilio Augier denomina nostalgia
da lama.
As provas eram irrecusaveis.
Abandona esta mulher! dit um amigo ao
marido.
Nao o faco, res|ion bonlionx; porque se a abandoaasse, essa desgra-
nada perder-se-liia !
E' do Sr. Tobas Barrete de Menezcs esta poesia,
a ipial foi recitada no meatos do Apollo em sua ul-
tima recita do anoo lindo, cem dedicaco a Sra.
que representava o papel da marqueza de Rum-
brye.
E sabe a prima que mais ?....
K" o meu amor tao profuudo,
Que a nao seres mulla esposa.
Bato a bota p"ro outro mundo I...
Quiz sepultar meu passado
Em um banho d'agua doce ,
Mas voltei na inesma va...
A paixaono alterou-se I
Meu desejo possuir-te,
SolTra embota mil torturas ;
Arrestarei temerario
Meus ataques de ternuras.
O Jornal do Havre escreve o que segu :
Fazem-se actualmente na administracao dos te-
legrafes experiencias que muito interessam ao
futuro da teegraphia. A applicacao da typogra-
plua teegraphia acaba de sor experimentada
com um xito completo entre Paris c Bolonha.
Os jornaes allaram ja desta bella applicacao,
devida ao cavalheiro Bonell, que consiste em usar
os typos ordinarios da imprensa para reproduzr, a
distancia, os telegrammas.
Importante
Este systema destinado a troca diaria das cor- nircitos de mportacao para con-
Taboas de aniarello.....doria IIOMOO
Mi'iii diversas....... > ;:i |
laptoeai.........arroba 2800
TatajulMU........quintal 2000
Travs......... urna GflXJO
Unhasdeboi.......Cento 2*000
Vassouras de piassava. ... 10*000
Ditas de timb...... 830
Ditas de carnauba..... 6JBO0
Vinagre.........caada 500
Alfandega de Pernambnco, S de Janeiro de 1801.
(Assignados):
O i. conferento, Antonio Carlos de P. Bores.
O 2.* conferenle, Benjamn Peres de A. Nuranho.
Approvo. Alfandega de Peniambuco, t de
janeire de 1864. Paes <"Andrade.
C/tnlrme. O 4." cscripturario, Joo dos San-
tos Portro.
TABELLADO RENDIMENTO DA ALFANDEGA
DEPEUXAVItl CU Ni I HEZ t>E DEZEMBKO 1)0
CORRE.NTE ANN'OFWA.VCEIRO, COMPARADO
COM O DE IGUAES ME/.KS DOS DOL'S A.NNOS
LTIMOS.
no municipio de Villa Bella.
Amanha se extrabir pelo novo pUno a
quarta parteda segunda lotera da Sania Casa da
Misericordia.
RPARTICAO DA POLICA '.
(Extracto das partes dos dias l e 2 dejareuo).
Foram recelhidos casa de detencio no da 31, Cantando e rindo-deslumbrantes, nuas
de dezembro: Luminosas Huris.
A ordem do lllm. Sr. Dr. chc/e de polica, Ma-l
noel, pardo, escravo de Manoel ioaquim de Santa j Foi urna idea que emergi singella
Anna, viudo de Flores, sem derlaracao do motivo., Afoitos coracoes travaram della,
ordem do subdelegado do Recte, Francisco,
pardo, escravo do Dr. Pamphilo Manoel Freir de
Carvalho, para avcrigua^Oes cm crime de furto.
A ordem do de Santo Antonio, Joaquina .oanna
Mara de Freilas, parda, para correccao.
A ordem do de Sao Jos, Leoncio da Silsa Ri-
beiro, pardo, disposicao do coronel recrutador,
.Antonio, crioulo, escravo de Joanna Francis-^ de
Menezcs, por disturt ios.
A ordem do da Boa-Vista, os pardos Felipp;, es-
cravo de Francisco Jos Concalvcs da Silva, i re-
querimento d'este, o Francisca Maria da Cnncei-
qio, para correccao.
erdera do da (Utpunga, Guilhenne Antonio
Jos, pardo, e Manoel a lexandro de OMveira, itou-
Io. ambos por crime de roubn.
.\o dia 1 de Janeiro.
A ordi-m do subdelegado do Recite, os cr oulo*
Joaquin Jos de SauU Aana, e Anua, escra* a de
Antonio Bastos, o primeiro para averiguacoi s em
crime de furto, e o ultimo sem declaracao de mo-
tivo.
ordem do de Sao Jos, Jos Candido da Silva
e Mello, pardo, por disturbios.
A ordem do da Varzea, Manoel Peixoto, ou Jos
Francisco Peixoto, pardo, por embriagnee dis-
tui bios.
A ordem do dos A fugados, Manoel pardo, sem
declaracao do motivo.
0 chele da 2a scelo,
/. G. de Mesqmta,
Passageros do vapor urional Pi- biJo para o Rio de Janeiro e portos intermedios :
Jos Joaqujm dos Santos Coelh, furriel Joio P.
da Silva Maia, 2 cadete Belarmino P. Tem roral,
soldado Pautaleao B. de Vasconcollos, dito AtIonio
E. de Andrade, Dr. Satyro A. M. de Vascom ellos,
Jos B. M. de Vasconcelos e 1 escravo, Innoteneip
Smitb, Jos E. Castro de Jess, BeHedicto de Sania
Rosa, Alfredo S. de Andrade, 1 escrava 4c tantos
C&minlia trmiu, 3 eseravos de Jo?.qum Pinto
Serodio, Dr. Emiguid M. Santiago, 2 jaerayw d
Domingos R. de Andrade, Antonio da C Mi anda,
commendador Pedro L. Velloso el escra\o, D.
Francisca Autrau Velloso, sua irmia, 1 blb;, 2 fi-
Ihos, o escravos, 1 criada, 1 escrawa de Luiz Viei-
ra, 1 escrava de Joio II. Itbeiro, Manxd F. de A.
Jorge, soldado Angelo L. Vieira, 1 escrava de Jos
Mondes de Freilas, Dr. Francisco Carlos Brsndo,
i criado, Wlara Veckelson, A. Venceslaos. A.
e Frexa. Jos Francisco de A. Alcantarino.Io jwlly
e suasenhora, J. B. Conaer e sua seahora.
Passageiro do hiate nacional Bous limaos
sabido jara o Penedo :
F. G. Torres.
Foi urna idea que engastnos: quentc
De mocos nobres na cabeca ardonte
Foi um sonho feliz...
Desses que amostram em balis de las
Entregaram-na a ti.
Desee Deus o olliar que aos anjos vara
E alravs da mulherlmpida e clara,
Como a dea sorr I
Podes d'artista conquistar o loiro.
Alii comeca a escadaria d'oiro
Que se cstendeat l
Da luz vvente no azulado gremio,
Onde das lidas nao se noga o premio,
Por que Deus quem o d.
Cinge-te a graca d'intlma belleza,
Nos mysterios d'alem tna alma accesa
Comeca radiar.
Se os trumphoscolhcr vens do proscenio,
Que nome dar-tehao ? chamar-te genio t
Isso inuito vulgar.
Fallar em genios qne me quer nos labios
Esta phrase, ete mol de acres resabios
Este riso de dor t
Embriagados do cu que em anreas tacas
Bebem os trapos de infernaes desgranas,
Em honra do Senhor.
Onio sondar o golphio do inefavel,
Soffrer nm coracao, monslro insaciavel
De esperanza e porvlr.
Calcando o mundo que Ihe diz: padoca
Este horsonte aperta-lhe a cabera,
E elle leude subir.
E ello manda aurora que desponte;
Sobe : os futuros rocam-lhe na fronte
Perto, perto do ct\n.
Sacode-se dos ps a poeira humana;
Nos paramos azuesda hita insana
Levanta-se o tropho.
Nos bebemos a Inz que se derrama
Viva e santa da vea qno se chama...
Bellin, ou Rapbael
Demonio musir de Mcoes humanas
Qnc va ao sol, arranca-lhe as pestaas
E diz : meu pincel.
v
Os grandes das do pr'gresfo humano
Custam a vir. O gonio soberano,
D'alma branca e loiiea.i.
Cresce, cresce, debruca-se nos montes,
Etira lde fundos horisonles
A estrella da mar.haa.
respondewas consideravel e permitte a exped
cao de 300 telegrammas por hora, termo medio.
Os telegrammas, por effeito de urna accao elec-
tro-rlwnica, sao reproduzdos n'uina tira de papel
em bellos caracleres romanos.
A nvencao Bonelli um grande futuro, explo-
rada j em Inglaterra, dentro em pouco s-lo-ha
tambem na America.
Os resultados decisivos das experiencias que
actualmente se fazeui .-ao um penhorcerlo de que
o typo-telegraphia tomar em breve o seu lugar no
continente europeu, |H>r<|ue do interesse de todos premio dos assignados.
os governos e companhias particulares generalisar
um s\ Hena de telegrapliia, qoe pela sua grande
jupiadez mpette urna redue^o das taxas.
sumo..........320:(i2l,&60l
Ditos addicionaes de ."> %. 42:8fi4l42
Ditos addicionaes de 2 %. 12.i44'4
Hilos de baldearan e reexportar;ao. 43:I06
Ditos d "lilos e reexportac,ao para
a i losia d'Africa......
Exped ul; dos gneros estrangei-
ros navegados por caljotagein .
Ditos il )s gneros do paiz .
Ditos dos gneros livres ....
Armazeoagens
PUBLICARES A PEDIDO.
AUestadu to Brusit.
Cura de elephantlases.
Despacho martimo.
Ancoragera....... .
Ditos de 15 % das emuarcaeoes
estrangelrts que passam a na-
ciomies.........
Ditos de 5 /o na compra e venda
das embarcaeoes......
Exfiortacao.
Dreitos de lo /o do pao Brasil. .
! IHri'itos de o / de eX|ortacao. .
: Ditos de 2 % addicionaes. .
Ditos de 2 % de exportacao.
(01*507
3:X8|2U
483530!)
1:2I8972
*
ESTA ENKEBMIDADE HOHRKNOA TBM LE SLCCLMWB pitOS de 1 % de OUTO CIU barra.
A 8AUSA-PARH1I.KA DR KRISTOU
l*ia-se I! Lease 11
Um preto escravo do lllm. Sr. commendador D.
Ildefonso Simio Lopes, propietario de varias fa-
zendas na cidade da Barra Man a. proviucia do
Rio de Janeiro, foi atacado de elephanliases, e j
se chava n'um estado bastante s vanea Jo da en-
fermidade, com os ligamentos do dedos n'um es-
tado de dissolu<;ao, c lmalmente foi abandonado pe*
los facultativos.
Seu senhor, quiz como ultimo recurso experi-
mentar a salsa parrilba de Bristol. E eom verda-
deiro assombro e pasmo todos presencearam e ac-
coinpanliarain o progresso de una cura completa,
iITicluada tao somente por tres frascos de dita
salsa parriflia na pessoa deste escravo, o qual pode
ser a todo lempo visto na casa d<; sen senhor, no
Rio de Janeiro.
GOMMERCIO.
NOVO BANCO
DE
PERNAMUIITCO
0 novo banco de Peroambuco convida os
credores das massas fallidas do Mesquita t Dutra,
e Francisco Antonio Correia Canloso a apresenta-
rt'in seus titulos no banco para se proceder a res-
pectiva verificacao.
Alfandega
Rendimento do dia 2...........
IO:!55Oftt
Ditos de '/a % dos diamantes
Expediente das eapatazia* .
Interior.
Mullas..........
Sello do papel fixo......
Dito do papel proporcional .
Emolumentos........
Imposto dos despachantes .
Extraordinaria.
Receita eventual......
Dizimos da provincia das Alagos.
Dlos da provincia da Paraliyba .
Ditos da provincia do Rio Grande
do Norte.........
Contribuicao de caridade. .
3:274*200
I
i00000
120:92347 Vt
48.3005039
&
&
1:6888iO
ror barrica, de l'liiad-'lpliia e
Sew-Yoi k, I i*000 a IttfOO, a
de Baltimore, e de 215000
22*000, de Tries!.'; luando
em ser aKJ0 barricas da |>ri-
.mtra, 2000 da segunda, 2,500
da tencua, e 7,000 da quarta,
ao todo 0,500 barricas.
Genebra........ Negoeiou-se de 310 a 330 rs. a
botija.
I-ouca.......... A ni/leza ordinaria vendeu-sc
com 300 por eento de premio so-
bre a factura.
Manteiga.......A franeeza vendeu-se a 500 rs.
por libra, e a ingleza a 720 rs.
lii ando cm ser, 4,000 barris de
ambas.
Massas......... Venderam-se a 75000 a caixa.
Oleo de luliaca.. Vundcu-se de 25000 a 25100 o
galao.
Passas..........dem a 75000 a cai xa.
Presuntos....... Continuaram de 135000 a 145
por arroba.
Queijos........ Os llamengos venderam-se a
25200 cada um.
Sabio.......... O amarello vndense a 180 rs.
a libra, e o do Mediterrneo a
240 rs.
Toucnlio.......O de Lisboa vendeu-se a 85000
por arroba. Nao ha do de Santos.
Vinagre........O de Portugal vendeu-se dc]l 185
a 1205 a pipa.
Vmhos.........Os di' Lisboa venderam-se de
2105 a 230501)0 a pipa, e os de
outros paizesa 2105-
Velas.......... As de composi^ao venderam-se
a 520 rs. o masso.
Descontos.......O rebate de letras continuou de
0 a 10 |ior cento ao anuo.
Fretes......... Do lastro para o Canal inglez a
40 e do aigodo para Liverpool
a J/i por libra.
MOVIMENTO DO PORTO.
Navio entrado no dia i:
Nove-York 'J dias, brigue argentino Volante, de
280 toneladas, capitn Botsford, equipagem 11,
carga 2,093 barricas com familia de trigo ; a
Amorm & Irmaos.
Navios entrados no dia 2.
fiU7t7 Rio de Jane'r0'" di**! palhabote nacional Su/ie-
fn-a?lin rior' ^ ,33 toneladas. eapR2o Antonio Evaristo
497*100
1765900
445 MI
1435730
545:5705020
6:0325209
13:7715099
1:4715426
50S5t)30
57:3535;i84
Rendimento do mez de dezembro de
1862 1863........28:9305393
Rendimento do mez de dezembro de
1861a 1862........629:6085778
Alfandega de
1863.
Peroambuco, 31 de dezembro de
0 3o escripturario,
Joo Bernardo Diniz Pessoa.
Hovitucnto da alfandega
Volumcs entrados com fazendas...
t c com gneros... 673
Volumes saludos
com
com
fazendas..
gneros..
31
58
673
89
Movimento da casa de detenrao o dia M de
dezembro de 1*63
A saber
Existiam .
Entraran. .
Sahiram .
Exisleni....
Nacionaes. .
Estrangeiros.
Mulheres .
Estrangeiras .
Escravos .
Escravas .
336 presos.
19 .
18
328
228 presos.
25
8 >
2
1 .
7
Alimentados a ensta dos eefres pblicos. 128
Movimento-da enfermamia no dia 1 d3 Ja-
neiro.
Tiveram baixa :
Ignacin Francisco da Silva, inlfrmittente.
Manoel Francisco du Xascmenlo, interrnitterlc.
-Joao Domzo, rhoumalsm.
Morimenm da casa de deteneao no dia I de
Janeiro de 1864.
Existiatu...... 328 presos
Entrarani..... 1
Sahiram...... 3 >
Fallece........ 1
Asas>r
Existem ..
329
Nacionae*..... 228 >
Estrangeinki... 25 >
Mullieres...... 5
Estrangei ras... fl
Escravos...... 61 *
Escrava-...... 8 *
329
Aumentados custa dos cofres publico*... 120
MoWnontoda casaie deteneao no dia 2 de
Janeiro n> t
!:.. Iiaixa :
Antonio Pnheiro Arco-Vorde, peneumonia.
Tiveram alta :
Mi.' ol Francisco do Nascimcnto.
Marcolino da Costa da Nascimento.
Manoel Miguel do Anjo.
Fallecen :
Antonio Francisco dos Santos.
Descarrcgam no dia 4 de Janeiro.
Barca inglezaJohn Matheusfarinlia de trico.
Patacho nacional"Jotoazdntarjnha e taboado.
Escuna inglezaAniw Belle -farinha e outros g-
neros.
Patacho inglez-^Crtfe farinha.
Bgue portuguezIm'ki //sal.
Iligue iuglez Jo((/i/fcarvao e mereadorias.
ALFANDEGA DE PERNAMBL'CO.
PAUTA DOS FHKeO DOS OENRROS SUUUTOS A D1REITO DE
tXPOKTAQAO. SEMANA DE 9 A 4 DO MEZ DR JA-
snao de 1864.
Mercaduras.
Abanos........
Agurdente de cana. .
dem restilada ou do reino .
dem caxaca........
dem genebra......
dem aleool ou espirito de agua
Unidades. Valores.
Como pois desse nome o encanto, a graca,
O perfume, o fulgor que nos trespassa,
Prodiga-se qualquer T
O momento solemne o co mudo
S grande, actriz novel, s genio e ludo,
Mais que ludo Mulher.
0 Comnurco do Porto diz o seguintc:
Segundo as ultimas noticias da California,
prosoerado tanto a cultura das vinhas, que na
quelie paiz, onde ha poucos annos nao se conhecia
una cepa, nrio s se produzj o vinhonceessar.o,^|nreina()o-.......
para o consumo, e de excellentequal.il s | ^^ (,e ainendoiin ou lnende.
bim.........caada
ardente.
Algodlo em caroco .
dem em rama ou em laa.
Arroz com casca....
_ dem descascado ou pilado
Assitcar mascavado. .
dem branca
tenis I500
caada 640
i 640
i 400
720
> 720
>
arroba 65250
dem de mamona.....
Batatas alimenticias.....
Bolacha oidinaria, propra para
embarque.......
Idemlina ........
Caf bom........
arroba
Ul POCO DE TODO.
Duas palavras aos nossos collaboradores oficio-
sos do mn e oalrosexo, cuja attencio reclmanos.
A s pesgoas que em anonymo ou sob qualiuer
l.seudonymo se dignam de enviar-nos prodceles
suas, para terem nesta pagina a competente iiser-
<;ao, icmos a honra de prevenir que d'ora avante
nao acetta-las-nemos sem que venham subscriptas
petos propnos autores, cujos nomes todava sjro
otmnrdos na publicado, quando o queiram, deven-
do portanto disto darem-nos aviso.
Esta nossa exigencia nSo tem alcance algor i of-
fensivo : urna scieneta que entendemos dovet ter,
a trial no entretanto nao pode prejudicar a in-
guem, pois respetaremos o segredo, calando c no-
me. que se queira velar no mysterio.
E assim, estamos entendidos I
Traduzimos do Nain-Jaune o que segne:
Fallemos um pouco dos saloes de Morkowski
onde comecam os liomens, cumpre confessa-lo
calnr cm singular descrdito para com essassiro-
mu, que se acliam mais que nunca unidas por
urna terna affeicao.
Quando pode-se a Carlota urna walsa, ella res-
ponde :
Prometti a primoira a Eugenia.
em eerlos dstrictos fabrica-se um vinho espumoso, i'
igual ao champagne, e do qaal se exportaram ja 1^3'^"ca^ '
para os F.stados-lnidos mais de 15,000 garrafas.

O Stock Exchanye d a seguintc explicacao do
pnico monetario:
O algodao cresce e multiplca-se em condigoes
que excedem todos os clculos.
Na Asa Menor o na Turqua Europea tem um: [dm{ ^m
n ndimento superior ao duplo do que se previa. w l(irra(1(l ,:,._
NoEgyptomaior ainda, multiplicando-se as re-1 rX-os .......,m
niessas de dinheiro para as compras deste genero.;,. ......,rmiia
as Antlhas, no Brasil, no Cabo da Boa Espc-' J()eul bran,;a.......arl;,a
peranca c as Indias Orientaes, a cultura do algo-1 p_ fxarnn
dao cresce incessantemente pela influencia de n! cTrnWros '
preco altamente remunerador. I r-rv., v,lirtai
0 Hu proseguido |ielo eommercio e industria da; Cavernis de siciinir'a '
Graa-Bretanhacom urna act.vidade extraordinaria ctraXcaniA m'hrnfci'
de um vigor sem igual est quas alcancado, co ni bnito-
vacuo causado na prjduecao algodoera pela guer-1 ^ ,(,eni e,n >Has
ra civil .los Estados-Unidos, ser preenchido d a- Cnaru", '.......
qui ha dous annos, se esta guerra fratricida durar: ovados (porcos)' '.'.*.'
at cnlo. Cocos (seceos)
Nao se de ve, comtudo, exagerar os fundos em- ^^
pregados na animacao desta cultura, e os adianta-
inentns feitos aos cultivadores.
Amigamente o algodao americano era pago em
grande parte, com mereadorias europeas. Porm
sendo hoje contra < Estados-Unidos o balanco .
commercial, pagaut estes a dinhero oque levam ^seceos." .' .' i .' ibrf
lE"roPa-______* -. ------ dem em gela ou massa.
Este mesmo numerario serve em grande parte jj caldi
para as compras do alaodo que to produzido K k,rct. ,ues ; '
no territorio da antiga Lniao. ,,' .,...,*
Ainda que obedecendo a oulras evolucSes, a di- aKsErS
nhoiro nao nem mais absorvldo nem mais raro
Couros de boi, salgados .
dem dem seceos espichados,
dem dem verdea ....
dem idi ni cabra cortidos.
que existe em maior
Esleirs para forro de estivas
de navio........
Estopa nacional......
Farinha de de mandioca. .
dem de araruta.....
Feijao de qualquer qudldado. .
;Frechaes........
Um ostro primo, impertinente da prima esquiva Funio em lollia, bom
>
um
arroba
una
libra
>

cento
um
rento
libra
t
nm
>
>
nm
>
255000
15090
25000
25500
:t5500
45(60
25000
15600
800
15200
:t5000
75 75500
65400
440
300
280
500
25700
35000
15(100
85000
250
360
15500
25300
1550110
35500
580
180
240
110
350
Recebedorla de rendas Internas
geraes de Pernaaabuco.
Rendimento do dia 2............. 3485722
Consulado provincial.
Rendimento do da 2............. 4:1045880
EMBIMENT6 DA MESA DO CONSULADO PRO-
VINC1AL EM O MEZ DE DEZEMBRO DE 186*.
A S.VBEB :
Dreitos de 90 rs. por (f) do as-
Micar exportado....... 36:1495939
Dito de 20 rs. por caada d'aguar-
dente.ete...................... 1:1415920
Dilo 3 OIq ideiu do algodao expor-
tado .............. 57:9835915
Dito de 7 01o do "el....... 1405462
Dito de 8 por cnto de couros
seceos, vrrdes e espichados... 3:2915343
Idoni idem de 5 dem dos mais
gneros exportados.......
Dcima dos predios urbanos .
2n"9 rs. por meia siza de es-
cravos .............
30:j 3ot>re <-ST'o'"exii.triado* .
IO per cento de novos e velhos di-
reilos dos empregadog provin-
ciaes...............
Restituices e reposigoes......
lmpn>to sobre carro, nnioibus,
r^rroga e vehculos .......
20 OIq lo cmisoin" d'aguardenle .
tnruoa esI.el"'ciD culos fura
dirt>rsoa esiabeleciment >s .
Imposto de 12 por cento .ubre
lui|H.to de 4 pot cento obre di-
* cidade......................
8 0|0 obre riingiilloiins mdicos
e escripiorios..............
10 por 'eitto sobre o plaolin do
tpiAi............. .
50|0 Sobre rend dos beos de
raz daa corporves de mo
morta........ .
Dilo de 4 0|0 sobre os premios
mairi's ds lnieiM*..........
305 sobre correctores de escravos.
Dilo de i 010 lotfe lintiC-f cil-
'ea................
dem sobre chapeos estrangeiros .
Sello de heranease legados.. .
Krnolun eutus de pulida.....
Mullas por infraccoes......
a [lilao
da Rocha, equipagem 9, carga 7,100 arrobas de
carne secca ; a Amorm i; Irmaos.
Rio de Janeiro18 dias, brigue nacional Damao,
de 234 tonel.idas, ensatan Joaqun Jos de Oh-
veir*, eqaipagem 12, carga farello, caf e curros
gneros; a Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
& C.
Swansea 48 dias, barca franeeza Ocean, de 286
toneladas, c pitao Le Galln, equipagem 12, car-
ga carvao ; a Willson e Hett.
Hamhnrgo 52 dias, escuna hambtigueza Courrier,
de 120tinel.'idas, captao J. Baimgorten, equipa-
gem 6j carga differentes gneros; aTheodoro
Christane.
Natos sonidos no mesmo dia.
Rio de Janeiro c portos intermedios Vapor bra-
sileiro Princna de Joinvitle, eom mandante o 1*
tenente P. M. A. de Araujo.
Penedo Hiate braslleiro Dous Irmaos, captao
Joaqutm Jos da Silveira, carga carne secca e
farinha de trigo.
Oeserrardo.
Suspenden lio lamarao para Montevideo o brigue
argentino Votante, capitao lloisford, com a mesma
carga que Irouxe de New-Yorfc.
EDITiES.
7315473'
48:8965804 j
3:6705000'
4:2905000'
3(50* 12o
685880
1805000
7335000
125*064
147*200
150*000
1:9895014
que-outrora.
Pdese mesmo aflrmar
quaudade do que nanea.
cento
arroba
alqtlrirc
arroba

um
arrolta
pede-nos a seguinte publicarlo :
Prima, orne meu canto ;
Rasga, ingrata, o negro veo,
Que envolv.j o teu coracao,
D'uBi just'j lazendo um reo!
J bou ve um tempo em que en
Viva tranquillo e em paz;
Mas haje cora ten despreso,
De continuo estou no uaz.
E de l, descoreoado,
Dei comigo na Trombta,
Seguindo na via-ferrea,
Libando do fel a teta I
Hha, prima, eu s por ti
Desta vida darei cabo ;
Serei devoto de Bacelio,
Dando urna perna ao diabo I
V se te lembras d'um dia
Em que eu disse : ul me matas !
Et, ainuuda, dsseste-mo :
Ora, v plantar hlalas I
J sabes que eu soffro muto...
Ah I tem de mim compaixao I
E, piedoso, eu te pego.
Que me des d esposa a mo !
urna
dem ordinario ou restolho
dem cm rolo bom. .
dem ordinario ou restolho
GaiJinhas......
Gorama.........arroba
Ipecacuaidia (raz)...... >
Lenha em adas......cento
Toros.......... ,
Linhas c esteios.......um
; Mel ou nielaeo.......caada
Milho..........arroba
Papagaios........um
Pao Rrasil........quintal
I dem de jangada......um
Pudras de amolar.....Hma
dem de filtrar.......
dem de rebolo......
Piassava. .'.......
Ponas, ou chifres de vaccas on
novlhos........
Planudos de amarello de dons
costados........um
dem de louro........
Rap..........libra
Sabo.......... '
Sal........., alqueire
Salsa parrilba.......arroba
Sebo em rama....... >
dem em velas....... ,
Sola em vaqueta......urna
molho
cento
O capitao Ant mi Joaquim de Alineida Guedes
Alcoforado, cavalleiro da ordem da Rosa, e juiz
de paz da freguuzia de S. Pedro Marisr de Olin-
da, por Sua Magestade Imperial e Constitucio-
nal, que Dens Guarde ele.
Faco sabor, que por parte de Joao Simos Pi-
menta, me foi cita urna pelicao pela qual me re-
quera fosse elle aduiittido a justilear a ausencia
de Felippe Pereira Nery, e justlicando quaulo bas-
lasse, llie mandasse passar carta de edicios para
ser citado alim de vir primeira audiencia deste
juizo que se fuer, passados trinla dias.
E porque ju.-tilicou o deduzido em sua pelicao.
le maiidei pa.-sar a presente iiiinlia carta de edic-
tos de tiiuta dias, |h:la qual, cito, chamo, e requeiro
a Kelippe l'ereua Nery, alim de que venha a este
juizo na primeira audiencia que nelle so lizei. du-
do o dito (eruto, sendo as audiencias as quartas
e sabbados, na casa da woi leneia tkisle juizo, pena
de se proceder a revelia om todos os termos S&
causa.
E para que chegue a noticia de todos, mandei
passar a presente, que seriafflxada nos lugares
|iublicos e do rostuine.
Cidade de Olinda da freguezia Je S. Pedro Mar-
tyr. aos 5 das do mez de dezembro de 1863.
Eu Theolono Jesuno de Oliveira Rozelllis, es-
crivo de paz o escrevi Antonio Jom/uim de Almet-
da Guedes Alcoforado.
1:176*002 o Dr. Tristao de Aleocar Araripe oflicial
da imperial ordem da Rosa, e juiz de di-
reilo especial do eommercio desta ci-
dade du Rocife e seu termo, capital da
provincia de Pernambuco, por Sua Ma-
gestade Imperial e Constitucional o Se-
nhor L). Pedro II, quem Dos guar-
de, ect.
Fa^'o saber pelo presente que Guimarfus
7605000 Ncna me 'lit'igiram a petico do theor se-
50*000 guinte:
lllm. Sr.Dizem Guioparies & Rocha que
*^*J*00 estando a findar-se o praso dentro de que
475000 Prescreve a letra de tjuatro oetiloa Bcueali
55400 e sete mil tresentos e oitenta ris^ que Ihes
422*726' acceitou Jos Manoel Fernaiulos, e quoron
do os sttpplii'antes interroraper semelliante
l.:806*38J prcscrip^-,0, vut protesUir contra ella, pela
2 de janero 'luc requer, que se tome por termo o seu
protesto, e seja intimado ao stipplicado de-
vedor sendo porm a intimacao feita por
edital, por quinto o supplicado se acha au-
sente e em lugar incerto e nao sabido como
provaro os supplicantes.
Pedem V. S. lllm. Sr. Dr. juiz espe-
cial do eommercio assim Ihe delira. K.
R. M.Gnirrares A Rocha.
E mais sanio continha nem outra alguma
cousa se dedarava em dita petico aqu
na
qual dei e froferi o despacho do theor
l.i.MI. I.l Cll.l I ,11 ...I," Spff||n|p
ba uao bouveram vendas de- c*. : ... ,
pois da chegada do vapor de Sim; justlicando a ausencia para o eme
Southampton, e do de Maceio marco o dia da manha a urna hora da tar-
222*,B vond" de 2V*30a de.Recife, II de dezembro de 18CI.
2a5000por arroba> P08'0 a bor' Alencar Arar pe.
Assucar........Vendeu-se de 3*400 a 4*000 E mais seniio continha em dito despacho
por arroba do branco, de 35000 aqu verbo advcrbtim transcripto, em cum-
a 35100 do somenos, de 2*7(K) primento do qual produzindo os supplican-
o" VSM7S& r& ^ as SU'1S testemunhas que deposeram con-
Apuard^nte.....Vendeu-se a 70*000 a pipa. venieiitement acerca da ausencia do sup-
t^ouros......... Os seceos salgados venderam-se plicado Jos Manoel Fernandos, e sendo
de 175 a (180 rs. i>or libra. competentemonte sellados e preparados os
Oo pilado de Java venderam-se a,|t0. subiram Injnlia ailu:^ ne,|es
dei e profer a sentena do theor
Mesa do
le 1863.
consulado provincial,
O 3o escripturario,
Pedro Simoes da Silva Braga.
PRACA DO RECIFE
9 BE JANEIRO DE I Mi t.
s 3 horas da Urde.
Revista semanal.
Cambios........ Os saques da semana regularam
de 22 Va a 28 d. por 15000, so-
bre Londres, de 336 a 340 rs. por
fr. sobre Paris, e de 90 a 95 por verbo advorbum transcripta e copiada
cento de premio sobre Lisboa.
105000 Algodao........ Oo desta iirovincia e'da Parahv
IJQM
320
500
4*606
25000
155000
1*460
15700
55000
15800
55000
14*000
85500
8*000
55000
600
MH60
25*000
15500
115000
85000
200
15500
1*600
55000
5*000
840
45000
15200
120
55000
205OOO
10*600
15000
120
400
255000
55000
7*000
25600
se-
Arroz.
cerca de 200 saceos a 25100. e
de outros ;ortos da India 25100
por arroba, oMendn o do Mar- guinte :
a .,* nhao de 2,5500 a 35000. | ju|g0 precedente a justificado, e assim
^^.....^^^^S.^'^. J iusti.ic.do seja citado por
treto. editos de trinta das para o Iim requerido.
Bacalh]....... Hetalhon-se de 135 a 145000J Recife, 18 de dezembro de 1863.'Trlsto
sao o ni1"'1;- li(:"ul""" ,po' de A,encar araripe.
Batatas.........yJSSmSTm a 800 rs. I Nai,a maS Se COn,inla em dila sentenCa
por arroba. 1 aqu transent;i. cm observancia da qual o
Bolaehiiiba...... Existem em primeira mao cerca respectivo eSClivSO Manoel de Carvalho l'.ns
de 9 tima venda a 35800 rada urna.
Carne secca.....A do Ro-ticande do Sul vendeu-
se de 25OOO a 35000 por arro-
ba, e a do Ito da Pratade 25600
a 2*800; lieando em ser 90,000
arrobas da primeira e '17,000 da
segunda.
Caf........... Vendeu-sc de
de Andrade. que este subscreveu, fez pas-
sar edhaes de trinla dias, pelo qual e sen
theor intimo i hei por intimado ao juslilica-
do ausente Jos Manuel Fernandos, por todo
o contedo na petico cima transcripta,
pelo qual, (Uiiilquer prenle e amigo 00 C0-
_*3oo a 8*two|nn|,''''" ^0 mencionado supplicado aosenti
por arrohii. ^JKMfr fazer siienle de todo o expendido.
c,ia............* ^ l^im a 2*3O0jfl>^: I 0 present, ser affixado nos lugares do
a duzia
CerVeja. ....... dem do 4*800 a^
de .'arralas. /
coslume, e publicado pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife,
Farnfta de trigo. Retaiiiou-w dtyiiaooo a 17*000 capital da provincia de Pernambuco, aos 19
de dezembro de l8ti.J, quadiatresimo se-
gundo da independencia e do impe
Brasil.
Vm, Manoel de Carvalho Paes de An<
escrivo, o stibscrevi.
Tristao de ALwcar Ai
O Dr. Tristai de Alencar Araripe, oflicial da
perial ordtm da Rosa, juiz !- din-ito
do eommercio da cidade do li"-ii-- sen
capital da provincia de Pen
Magestade Imperial e Oanatilorioaal o Si D.
Pedro II, a quem Deas guar.' ole.
Faco saber pelo presento, foe no dia ti
vereiro do annu vndouro, se ba do arremai..;
venda, a quem mais der, em praca deale jiiii*.
depois da audiencia respectiva, a 'casa terrea n,
22, sita na trivcsa do MSMM) fregnefin e
Josc, com porta na frente, duas sata*, dous nn-i
porta que deita fra da rua do Al. crin
em aberto, avahada em 005; e dita ca.-a ser-
tenecnte a IsiJro Jo.-..'. IHiarte, e vai a praca |or
execuco que contra o mesmo n
l-'rancisco dos Rote, e na falu d. l.iunl.'- rj a
arrematacao leila jielo proco da adjudican
.ibatimento da le.
E para que ebegaS ao ennhecimento de todos
mandei fazer o presente edilal que ser anv
nos lugares do costumo e publicado pela im
Dado e passado nesta cidade do It rife de
namhueo, aos 18 de dezembro de 1863.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andra-I.
crvao, o subcrevi.
Tristao de Alencar Araripe.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, offki .i
perial ordem da Rota a juiz de enrejas
do comnurcio desta cidade A Recife e ?-;i ter-
mo, capital da provincia de Pernambucu, \
M. imperial c constitucional o Sr. U. Ped 1 II. jf
quem Deus guarde, etc.
Faco saber jielo presente que no dia I* d<
de dezembro ito crrenle annu, se ha de arrrro..:- r
por yenda a quem mais dr, em praca deste y.,
tepois da audiencia respectiva, a renda annual do
enpenho Roncador, sito na fn-guezu d.' S. Luurenc
da Malta deste termo, com lodos os -
Ierras e obras, no estado em que se acham, 4 .por-
taos c dous carros, avahado em 1:0005000 anaual,
nsefn como a fabrica de dito engenhu compiota de
:i2 escravos, sondo 24 em bom estado, avalia-Ju en
2050OO nclo servico de cada um delle*. annual-
inente, e 8 sem valor, >elo seu mo estado .le vo-
Ihices e doencas ; rujo engenho com todo* 1* srs
pertences, trras, obras, aniraaes e c-cravo, per-
(encent ao coronel Jos Peres Campcllo e uano-
Iher, e rai [iraca de renda animal, por exteucj
que contra os mesmos encaiuiaha Jo Jerui>\ .uo
Monteiro.
E na falta de licitantes ser a arrematacao feita
pelo proco da adjudicacao com o abatiutent res-
pectivo da le.
E para qne chegue ao conhecimess e ladeo,
mandei passar o presente edilal, que ser afft\a
nos lugares do coslume e publicado pea ios-
prensa.
Dado e pasado nesta cidade du Recife de Per-
namtiuco, aos 27 de no venturo de 1863.
Eu Manoel de Carvalho Pan do Andrade, es-
crivo o subsorevi.
Tristao de Almtrnr Afirme.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, nriil da im-
perial ordem da Rosa, e juiz de direin espreial
do eommercio desta cidade do Recite de Per-
nambnco, por S. M. I. ele
Faro saber aos que o presento edital rirem a
delle noticia ti verem, que no dia 32 de feverciro do
anno prximo futuro, se ba de arrematar por tun-
da a quem m.iisder em praca publica deste juuo,
o seguinte :
A metade de um sitio no logar da T*caruna>
cora casa de vi venda, grande terreno e fcasuate
arroredos de froclo, avahado em 2:000*, endo
a avaliaeo total do mesmo sitio quairu cunto* de
r 's o qual fera penhorado por execnce de Jos
JoaqnJm Lopes de Almekta, contra Jos Maria de
Carvalho Jun or, |>or si e como tutor do* !
t nao havendo lancador qoe cubra o prrcu da ava-
nac.o. a arrematado ser felta-^ielo pree* da aoV
jucacao, na fjrma da lei.
E para que chegue ao ronhecimento
mandei passar o prsenle que sera publir
i'iiprensa, e ifflxado nos lugares do c
Recife 17 de dezembro de 1863.
Eu Manoel Maria Rodrigues du .Vas
crivao o subserev.
Tristao de Alencar Araripe.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, offical da
nal ordem la Rosa e juiz de direlo especial >U\
eommercio por S. M. o Imperador, 1
Faco saber aos que o prsenle edital vil
delle noticia tiverem, que no dia 22 de fe
futuro, se ha le arrematar por venda a qu
der. cm praca publica deste juizo, o seguinte :
Lm. Sijirado de 2 andares e solo, sito n
diijlll[Mirador fazendo frente para a roa do Ci
n. 7, com var.uid.is de ferro em ambos os andares
avahado em 23:0005000.
Urna casa terrea sita na Irsvessa di T
n. 18, porta e janella na frente, duas sala.-.
.|ianos cosinha fra, quintal nu.r
meicra e enlulhada, avahada em I 110050110
As quaes foram penboradas por exeruco d. i
da Cunba Xuues, contra Miguel Jos Barbosa Gai-
maraes : e nao havendo lancador que cobra o
preco da avabaco a arrematacao sera testa pele
preco da adjudicacao na forma da lei.
E para que chegue ao conhecimeoto de Untos,
mandei passar o presente que ser publicad.. pela
imprensa c allxado nos lugares do custume.
En Manoel Mara Rodrigues do Na.-tm.
escrlvio o subserev.
Recife, 16 de dezembro de 186.
Tristao de Alencar Araripe.
DECLARACOES.
O lllm. Sr.inspector da Ui.souraria da Uz>n-
da manda fazer publico que pSBOKntS a mesma the-
souraria, no da 2 de Janeiro vndouro ao nvii>
dia, sero arrematados a quem maior preco ofle-
recer, mais dous cavallos que transportara*,
einpregailos do juizo dos feitos da fazenda a cida-
de de Coianna, alim de se proceder all a una
nova avaliaeo des bens perlencentes ao rxiir.cto
encapellado de Itamb : os [.reten.lentes dev.-j
comparecer na casa da referida repartiro no dia
e hora marcados.
Secretara da thesouraria de fazenda de Per-
Bambuco em 30 de dezembro de 1863. Servia*!
de offical maior, Manoel Jos Pinto.
Conselhe administra!, ir.
O conselho administrativo para fornecimenl tU>
arsenal de guerra tem de comprar os objeclos
seguintes :
Para o presidio de Fernanda
i arrobas de velas de carnauba, 10 libra* de
ditas de spermacete, 6 arrobas de-cafe do de me-
Ihor qualidade, 3 caadas de vinho de I iismn. 20
libras de doce do guiaba, 4 caixoes de sata-
resmas de papel pautado, 4 caixas de penna* de
acM. 20 caetas de pao, 10 arrobas de sal. I
de madapolo, 1 libra de linha de nwveilo.
bras de manteiga ingleza, 20 dHasa rb, 20 ditas
de banha de porro, 6 arrobas de assucar) retn
600 meios de sola, 300 vaquetas, 800 cooros
forro, 2'i caixas com s*-da, 4 gamella* de erra
ainarella, 2 caixoes com retraeos de vidros, t piin-
taes de tachas de ac para encestar, I dito de dita
para salto, 2 arrobas de dita com cal-
para palmlhar, 4 duzias de facas inglezas. 4'duzu*
de martellos,'lj arrola de linha eras on poi
26 livros em branco de papel de llollanda pautarfo,
sendo 2 de 400 follias cada um e o uui.- Je
Hollanda, papel pautado, tendo lodos de cen
ment 17 polegadas e 8 dilas de largara.
Tin nicho eom 6 palmos e uiei* de altura 1
111 'io ditos de largura.
Quem Iquizer vender taes objeclos ?prtirnta
as suas propostas em carta fechada na errefara
do conselho s 10 lloras da manha d.. dia 4 de
Janeiro do anuo prximo vndouro.
Sala das sessoes io conselho admiuiMrativ.
ra forneeiin.'i.io do arsenal de guerra 8 eV
zembro de 1863.
Antonio Pedro de Sa Brrelo,
Coronel presidente.
los Antonio Pinto.
Tenente-ceronel vugal.
Consulado provincial.
Pe avisa ai contri-
'..untes dos impostes da dcima dos pre.liee nrta-
n js das (regosla desta cidade e da do* Alega-
dos, e de 0|0 sobre a renda ksm aV rai | r-
I. neenlOS .1 corporaccs de mo morta, jor .
das iii.is marcados para a arrecadaco I
do cofre do Io semestre do auno finan.
rente de 1809 a WOI so limlam no da !i de 1
rente mez, e qne Aran sojeRos a multa de
lulos todos os que deixaren,
pagar.
M. -1 do consulado provincial de l'ern
do Janeiro de 1864. O adminiMrndor.
Antonio Carnciro Machado Rtos.
x
/


Diarlo de Fernaioibueo Segunda felra 4 ufe Tune!ra de 188 1
^
*
V
t
Poli a_b_s1rg_cia di Vanea se r.iz publico
que acha depositado um cavado casunho, ititi-
ro : quem fur seu dono, comparcca. que provan-
di>, Ihe seri entregue; c nem assiin que se acha
recolhide casa de ttotaociio o preto Januaro que
diz sarescraviiile Joaqun Ma noel do Reg. O
subdcfegado I* supplente em W 'red*,
Praaeiaao Soltar de Figueiredo Castro.
< onselliu de eompras aiavaes.
Faz |nili jen (> t-onsclho que promove no dia 5 de
Janeiro prximamente vindouro sob as eondicoes
do estylo a compra dos seguintas objectos do ma-
terial da armada :
.'! apparolbo9 de latriiia, 130 brochas sortidas, 4
arrobas de fio de algodo, 50 varoes de cobre de
3 s. 100 ditos de 4 ditos. 100 filos de 5 ditos, 1
prosa de parafusos de nidal de I i ;i (llegadas,
200 lijlos ingleses, 400 navalhas de marinlieiro,
20 arrobas de sebo cni pao, I peca de tapete, 20
arrobas de verde francez, .'I manmetros para ma-
chinas, e 2 jogos de tarracbas de Whitwortb con)
seos uteocilius.
E convida nos intendentes venda destes ob-
jectos a aprecenlarem suas propostas em cartas fe-
chadas o dita dia ateas 11 horas da aiannaa.
Faz mais publico o consetfce que em todas suas
sessoes tambem uroaiovo a coaspra, vista de pro-
postas, i!e na Deiras de construecao para um trans-
porte de guerra.
Sala lo cnseiho de remoras navaes 96 de de-
ceuibro de 1863.
Akxandrc Rodrigues dos Aojos.
Secretario.
Pela subdeiefaria da Gapunga foram appre
bandidas um earneiro e urna ovelha : a quem se
julgar com direito elles, prorando, serao entre-
ajaa.
emlarcadosdo rnjior, e serio vendido.', assira co-
mo as batatas iioilandezas, em lotes ; airematam-
se lioje 4 do corrente, pelas.10 horas da manbia,
no armar.em do Annes.
__i
_,
DE
120 acc-es da C/Ompauhia Vi-
gilante.
O agente Aluu-ida legalmente aulorisado far
leilaj de 120 acete da companhia Vigilante a i<.-
boque.
Terra-lein i de Janeiro de 1841, as \\ ha-
rs do dia.
Em seu escriptono na ra da Cadeia do Recife
n. 411.
NOTO ESTABELECIMENTO DE MEDICINA HOMEPATHICi
RIJA \OV.I IV* 43.
38RA DO IMPERADOR38
M
Agua natural de Coadllae,
Dr. Sabino O. L. Ptnho mudou o seu CONSULTORIO para aloja de marmor jmnito rerommendada naa affeecSes do tubog*stro-intestinal, ros*rinf, e bexica ominara peta?
onde continua a dar consultas todos os chas uteis desde o nv-io dia < Is? Pr"rned1ades alcalinas, e o acido carbnico que naturalmente contm em suspenso d weer
mais commodo qutjaagn_ de V,cl,V, e de propiedades tal vea superiores pela grande quantidadede
acido carbnico. njecrao llrou, agua A
DE
_Of Itari-ls com manielga In-
glesa.
O agente Pestaa far leilao de 30 barris con
man eiga ingiera de superior qualidade, recente-
men e desembarcada ; em um ou mais lotes a von-
tade dos compradores.
1'erea-felra & do correte.
Em frente a porta da alfiindega.
un vo
A.
mi*
J
AVISOS MARTIMOS.
COMPAXHJA. PERNJ^UHJCANA
.]\"a-pgapo cos el ra a vapor.
.11 arpi e ^r^pe.
No dia 5 do correte segu o
vapor Parnyba da companhia s 5
horas da tarde, para Maeei e es-
calas, Penedo e Aracaj, com-
nundante Mertins
Recebe carga a t o dia 4 ; eneonmendas, pas-
sageiros edinliciros a frete at o dia da sabida s
S horas 4a tarde : eseriptorio no Forte do Mal-
los n. 1. _____________________________
COMFANHIA PEILNAM1IUCANA
DR
\;n egaco costelra a vapor.
Parahjlia, Natal, Haca, Aracaty, Ceara,
Acaraca' e toan,,.
No dia 7 as 3 horas da tarde
segu mu vapor da coiupaiihia
para os portos cima indicados.
Recebera carga at o dia 5. Eu-
couimcodas, passageiros c dinbei-
7o a frete at o dia da sabida s 3 horas da tir-
iJe : iMiipiiirio uo Forte do Mallos n. i.
COMPANHIA BRASTXEIRA "
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos porlus du norte esperado
at o dia 16 do correte o nyor
CiuznrodoSul, conunandante o
capitao de mar o guerra (iervasio
Mancebo, o qual depois da demo-
ra do CMStunie seguir para os jautos do sul.
Desda ja reccbein-se passageiros ongaja-sc a
carga que o vapor poder comluzi.', a qual dever
ser embarcada uo dia de sua chegada, encomraen-
as e diuheiro a frete at o dia da sabida as 3 ho-
ras : ag.ncii, ra da Cruz n. 1, escriplorio de An-
tonio l.uiz de Oliveira Azevedo & C
COMPAHIA BRASILEIRA
Dfi
PAQUCTS A VAPOR-
Dos portos do sul esperado
at o dia ti do correle o rapor
Apa, commandante Alcanforado,
o qual depois da demora do cos-
quille, seguir para os portos do
i H-ta.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-?e a
carjta que o vapor poder conduzir, a qual dever
oiliarcada a dia de sua ebe^ada: encoin-
ineudas e diuheiro a frete at o dia da sabida s 3
lioras, agencia ra da Cruz n. 1, escriplorio de
Antonio Luiz de Oliveira Aievedo ,( C.
Para o Rio de Janeiro
segu iniprcterivelmente no dia 5 do corretite o
voleiroc bein condecido patacho nacional Sebtr&e,
s recebe ecravos a frete, para >s quaes tem ex-
celUtutos coinmodos : trata-s cooiosseu consigna-
t .i ios Antonio l.uiz de Oliveira Azevedo A; C, no
s u eseriptorio ra da Cruz n. 1. ________
DE
i ni grande sobrado de um an-
dar na cldade do .tracaly.
O igente Almeida/ar leilao requer ment dos
adm lustradores da massa fallida de Seve Filhos
c\ C. e mandado do lllm. Si. Dr. juiz especial do
^ conunercio, de um sobrado de um andar com 33
! palmos de largo tendo3 janellas na frente, na ra
| das I'lores da cidade do Aracaty em daos forei-
ros i cmara municipal de dita cidade.
Seita-fcjra 8 df janrire de i%M
porta da associacao commercial s 11 horas ; as
pretendentes podem obter qualquer informaraodo
agen e cima.
ra Nova n. 43,
i horas.
Os enfermos, que o procuraren logo na invasSo da molestia, sem que hajam to-
mado qualquer remedio, nem allopathie, nem homeopathico, pagarao metade ilos preco
estipulados. Esta concesso tem por fim facilitar a cura de molestias, que podern tornar-
se complicadas pelos emprego intempestivo da therapeutica e ao mesmo temp.:- adimirir
para a liomeopathia maior numero de adeptos pela bateza da cura.
Em attencao as pessoas pobres, que nao podem sahir de dia, o Dr. Sabino resol-
veu dar duss consultas por semanas as tercas e sextas-feiras das seis as sete boras di
paite.
Os chamados para visites e conferencias devem ser dirjgidos por escripto ao eon-
1 sultorio desde 8 horas do dia at 8 da noite, na certeza de que ser3o attendidos na orden:
de sua precedencia, salva a circumstancia de eminente perigo.
ADVERTENCIA.
0 novo consultorio esta prvido dos melhores medicamentos, desde a primeir
at a trigsima dvnaminjsago.
E como os mdicos bespanhns e allemaes nao cessam de certificar a major effi-
! cacia das ultissimas djuafninisaeSes do tratamento das molestias ehiiinicas, o Dr. Sabino se
i oceupa agora de elevar os seus medicamentos s potencias mai.; altas ( por ora al 200.*).
I afim de verificar por si m:smo a forca dynamica, que se Ihe atlribue.
Os mdicos, que quizerem experimentar laes dynaminisaces podero ilirigir ac
I consultorio suas receitas, que serto aviadas gratuitamente para os pobres.
No mesmo consultorio se vende a novissima edigo do Tfiesotiro homeopaikicc
ou Vademcum do homcopatha, obra iudispensavel a dos qu querem usar a horneo-
pa tbia.
Tudo o que diz respeito nova medicina se acha abundantemente neste no'o estabe-
aecimento.
A< le Ckeeiew, ctijialuba de Mge, ittjecciio Fugat de I anoto
- ..Jiorrheas. Le non francez verdadeiro ; n-
aignmas caixas de instrumentos cirurgicos para opmjoes de Malieu e Kiarriere
ie zhwo, muito recommendada as7 gonorrheas. Lenr, francez verdadeiro ;
1
ISKOt
Segu eom tote.vitado para o mdieade poitr o
v -1,'iro urigue ftattaanec Jtoww .ImWm. capitae
rigo Antonio lira neo : i|ueui quizer carregar,
i! f ija-se ao seu consignatario .Antonio de Almeila
Gomes, na da Cruz n. 2.'l, prinn iro andar.
AVISOS DIVERSOS.
0 cirurriio Leal mudoii
a Eaa residencia da ra do
Queimado pam a ra das
Cruzes sobrado il %, pri-
ueu'O andar, por cima do
aniazem Pro^iiessista, aon-
de o adiarlo como sempre|
prempto a qualquer lioi-a pa-
ra o exercicio de sua pro-
fis&o. Cliamado por escripia,
AOS 5,(MM):000
Corre amanha.
Tirca-feira, 5 do corrente mez, se ex-
trahir, pelo novo plano abaixo publicado,
a quirta parte da segunda lotera da Santa
Casa de Misericordia no consistorio da igreja
de Nissa Senhora do Hosario da fregue/.ia
de Sto Antouio.
Of bilhetes e meios acham-se venda na
respoctiva thesouraria na do Crespo n. 45
e na.; casas commissionadas ra da Impera-
triz ii. 44, lojadoSr. l'iinerilel; ra Direita (
n. 3, botica do Sr. Chagas; ruta estreita do
Rosaii n. l, tvpographia do Sr. Mira e ra
da Cidcia R. 45, loja do Sr. Porto.
O premios de 5:0005000 at 100000
serik pagos urna hora depois da exlraccao
e os mtros no dia seguintta depois da distri-
buir; o das listas.
0 thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
PLANO
par as partes ordinarias das
loteras.
:t,i00 bilhetes a ."5000 17:0005000
Benifi :io, sello e commissao 2o |o 3:4005000
CONSULTORIO NEDidO-CIP.lR(.ICO
DO
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCSO,
MEDICO, PAHTKIRO : OPERADOR.
3 Kua da Gloria, casa do Fundao 3
0 Dr. LoboMoseosc d consultas gratuitas aos pobres lodos os das da:; 7 s 10
horas da manha, e das 6 e meias 8 horas da noite, i excepcao dos dtas santificados.
Pharmacia especia/ homeopathica
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteiras e
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisacSes e pelos precos seiruinies :
Carteiras de 12 tubos grandes. liJOOO
> de 24 tubos grandes. istmio
> de 36 tubos grandes. 2i|$000
i de 48 tubos grandes. 300000
de60 tubos grandes. : ;-SOO0
Prepara-se qualijuei carteira conforme o pedido que se li/.er. e com os remedios
que se pedir.
Um tubo avnlso ou frasco de (futura de mua onra 1)5 00.
Senda para cima de 12, custarao os precos eslabelecidos para as carteirati.
Ha tubos mais paqueaos cada um a 500 ris.
I I vito.
A tneliior obra da omnopaihia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jahr,
dous grandes volumes a>m diccionario............ 205000!
Medicina domestica do Di. Hering, *......... 10/5000
Repertorio do Dr. Mello Moraes............. 65000
Diccionario de termos de medicina........... 35000
Os remedios diste estabeleciaiento sao por demais|eonhueds e dispensam portan-
te de srem novamente recommendados agaeMoas que quizerem usar de remedios ver-
dadeiros. enrgicos e doladera : ha tudo do melhor que se pi'ide desejar, g!obo; de ver-
dadeiro assucar deleite, notaveis pe; sua boa conservarrio. tinturados m;iis acreditados
esta be leci men tos europeos, a mais exacta e Kcurada preparara >, e portanto a maior ener-
ga e certeza em seus effeitos.
Casa de saieda para aeraros.
Recebe-se escravos para tratar de qnalquer eorermidade ou fazor-se-Ihf qualquer
operaco, para oque o annunciante julgase sullicientemente habilitado.
O tratamento o melhor possivel, lano na parte alimentar, como na rr edica, e
funecionando a casa a mais de quatmannr*. ha martas pessoas de cujo conceitc se nao
pode duvidar, que p'ident ser consultados por aqoelles que desejarem mancar seus
doentes.
Paga-se 25000 por dia durante 60 das e d'ahi em diante 15500.
As operaces serao previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos precos
razoaveis que costuma pedir o annunciante.
wmmmmmm mmmmmm.
llOUPA FEITA
NO
ARHAXRIf
lITKEfflO VB1U>X.
Neste estaelt cimento hasem|)re um sortimento completo deroupa feitt>de
loas as qualiOades, tambero se manda fezer por medida, a vonlade dos coacor-
rentes, para o que- tem um do melhores professores, assim como tambera lemum-i
grande e variado s-Mtimento de fazendas de toda* as qualidade, para senhorar,. j
homens e meninos.
3f>:>00
35300
35000
M80O
Casacas de panno pr?to, 355 e
Sobrecasacas idem, 3*5 e .
Paleto idem e de cores, 255,
205, 155 e......1050W
Ditos decasemira, 205, 1-55,
125, *05 e...... 7500
Ditos de alpaca, 55 e. .
Ditos ditos- pretos., 95, 75,
55 e........
Ditos de brim e ginga de co-
res, 45500, 45, 35500 e. .
Ditos branco de linio, 65,55 e
Ditos de merino pete de cor-
dao, 105, 75 e..... 5000
Calcas de casemira preta, 125,
105, 85e......
Ditas de cores, 95, 85 e. .
Ditas de meia casemira de co-
res, 55500 e.....
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordao, 5,-}r 45500 e
Ditas de brim branco e de co-
res, 55, 45500, 45 e .
Ditas de ganga de cores,
35500, 35 e.....
Cohetes de velludo preto de
30t|0O Colletes de fusto e brtnkran-
255000 co, 35500, 35 e 5500J
Seroulaa de brim de lisho,
25400 e......35000
Ditas de algodo, 15600 e. 15400
Camisas de peitos de linhc-,
.5, 45, 35 e.....25500
Ditas de madapolo, 35,
20500, 25e.....1*600
Chapeos de massa, pretos fran-
cezes, l5, 95 e. 85500
Ditos dentro, 55, 45,35500 e 25006
Ditos de sol, de seda, 125,
**5, 75 e....... 45500
Collarjnhos de linho fino, ulti-
"3000 ma moda....... 640 ]
75000 Sortimento completo de grava-
I tas. 4.
450OO Toalhas parroste, duzia, 115,
95e........65000
Atoalhado adamascado de fi-
nito vara......15280
25300 Chapos de sol, dealpaca, pre-
tos e de core.....41000
45000
25300 Lences de linho.
Cnbertas de chita chineza.
cores, 95 e......75000 Pennasd'afo, as msuperio-
Ditos de casemira preta, 55 e
Ditos de ditas de cores 55
45e........
Ditos de setim preto. .
Ditos de ditos e seda branco,
31000
25000
600
45000 res, a grosa.
Relogios i ouro orizontaes,
35500 905,805e......705000
550OO Ditos de prata, galvanizado.
patentes e onsonlaes, 405 e 305000
65 e.......55000 Obras de oui o, adercos, meios
Ditos de gorgurfi de seda aderefos, pnleeiras, rozetas,
pretos e de cores, 65, 55 e 45000 aneis e cruzes.
J
Para Lisboa pretende sabir com multa brevi-
dade n patactw Jarro, raiitn los Marques Coe-1
110 Snbiinho, por ter part- de seu carregamento
t -atada : para o resto que Ihe falta, e passageiros,
traia-sc rom o (US coasigualarios Palmeira &
Beltrao, largo do Corpo Santo n. 4, uruneiro
1, iir.
FAR 0 EIO JANEIRO
11 t'-nile sahir com muita brevidaue o pataetio
Corra por ter a mainr parte da carga tratada :
j. ra o nsto que Ihe falta e eseravos a frete, tra-
t.i-se com os consignatarios Palmeira & Beltrao,
largo do (lurpo Santo n. 4, primeiro andar.______
l*ara o Rio de Janeiro.
0 patacho nacional Cajilla, pretende seguir
c :u mnita brevidade, tem parte le seu carrega-
mento engajado, para o resto que Ihe falta e e>-
11 ;. nii: paraos quaes tem bons euminod i>
1rata-secuinos seus consignatarios Autunio Luiz
Hivelra Azevedo & C, no seu eseriptorio ra
da Cruz n. 1.
Para o Aracuiy
O hiate Om OMKM pretende seguir com bre-
v'ulade, tendo parte da carga, e para o resto tra-
ta na ra do Ainorim no eseriptorio de Tasao
IrmioBi
Pai'a o Itio de Janeiro
At o diario do corrente pretinde seguir irn-
preterivelmenio o pataclio nacional Beberibe, para
i resto da carga qne Ihe falla e cscraos a frete
ira os quaes tem excellentes coramodos Irata-se
cora os seus consignatarios Antonio Luiz de ()l-
v-ira Azevedo 4 (1, no sen eseriptorio ra da
ruz n. I.
Para a Babia pretende sahir rom mnita bre-
vi ade o veleiro patactio Ttierezu, capito Joo
'','ireia Lima, por ter a maior parte da carga :
para o reato une Ihe falta, tratase com os consig-
int.iries Palmeira & Beltrao, largo do Corpo Santo
11. i, primeiro andar.___________________
Para a Itahiit
O palhabote Ganbaldi pretende seguir com bre-
-viJade para este porto, tendo parre de seu carre-
menlS) e pira o resto trata-se no eseriptorio de
1 -<>i Irinaos ni ra do Amorim.
lito de Janeiro
j_; 11 com brevidade o palliaboti Piedade, capi-
ta 1 Marques Vi.nina : recebe carga a frete : a
ti .tir cun Cuelmo Cyriaco da C Moreira & lr-
niiio, no lado do Corpo Santo n. 2M, ou com o ca-
pitn, _________________
Itio de lauciro.
1 brigue Trovador segu por.esies dias, recebe
eravosa frete : trata-se com os cunsiguata-
M.iripe> Barros C, largo do Corpo Santo
uro 6.
LEILOES.
^^^^
(tieijos
l'K
Liquido 13:0005000
i premio de 5:0005000
1 dito l:-0050tX
1 dito 6005000
1 dito 3005000
i ditos de 1005000 4005000
8 ditos de ioaooo 3-05000
l'i ditos de 20,5000 2805000
30 ditos de 10*000 3005iK)
lOil) ditos de 55000 5:2005000
110) premiados
2:30 J brancos.
13:6005000
:tki) bilhetes.
N. B. As sones maiores de 4005000 esto sujei-
tas aoidesconlos das leis.
Tlitsouraria das loteras 15 de dezembro de
1863.--0 thesoureiroAntonio Jos Rodrigues de
Souza.
Approvo. Palacio do govemo de Pernambuco,
16 de dezembro de 1863.Mu Silveira de Samo.
Est; plano pira ter vigor do 1 de Janeiro pro- i
limo em diante.
AURORA BRILHANTE
LARGO
DA SANTA CRUZ N. 84.
Amigos do bom o barato.
A Aurora Brilhante este magnifico estabeleeimento est na Boa-Vista disputando a
primazia, ja pelo grande sortimento dos seus gneros de boa qualidade, j pela commodidade
de precos e por tese o sen proprieLirio ruga aos seus freguezes e amigos e ao publico em
geral que mandemcomprar para melhor se rcrtiliiarem do annuncio.
Manteiga ingleza flor priraeira qualidade. Servejas de boas mareas e muilas.
Dita mais abaixo segunda dita. Queijos novos do vapar e do passado.
Dita franceza nova segunda dita. Ditos de prato.
Cha superior preto, verde, h\>sin,nxim e pe- Ditos de manteiga nevos.
rota. Ca__bas enfeitadas com ameixas fiancezas.
Doces de goiaba carxoes ele varios tamanhos. Laiinhas coin ditas.
'"_ _tf __f *_T __T __f ___________ _t"__ ___
III \ DO OlKniMM \. \\.
Loja ile iizt'iiilii de Augusto Frederico dos Sanio* Por lo.
ESTEIRAS PARA SAIAS.
A e-le cstabelecimcnto rhegou um ptimo sortimeulo de atUnx^i pura guras at 6 palmos e da mais superior qualidade .que se vendem por piejos mais mdicos que em
outra qualquer parte.
SOCTEMBABQl'ES.
Os mais superiores soutembarques de casemira de cores ricamenre eofeitados acabam de chegar a
este eslabelecimento.
F.NFEITES PARA BAILE de lindos gostos.
LITVAS DE PELLICA DE JOVIN para homens e senhoras.
CHAPEOS DE PALMA DA ITALIA para senhoras, enditados com finissimas flores a 145 e 165.
CHAPEOS DE PALMA para meninas, enfeirados ricamente a 75
CAMISAS INGLESAS rara homei. colariulios, peitos e punhos, de linho. a 42500 a duzia.
CAPAS DE SEDA PRETA para senhoras, bordadas e enfeitadas de 2*5 a 5O50O0.
ZI'AVOS de seda pretos para senhoras, entilados com o melhor gostoa 205-
CHAPEOS DE PALHA pitra homem a 35500.
CAMISIXHAS COM MANGUITOS E GISAVATA para senhoras, Iwrdadas com miuto gosto.
ATOALHADO DE LINHO para mesa fazenda superior.
Finos rhapos pretos de seda, chales de diversas qualidades, grosdenaple preto e de rres, pannos
pretos linos. 1 -asentirs preas e de cores, brim branco e pardo. Oras laasinhas para vestidos e oatras
multas fazendas que se vendem por commodo* pcacos. A mesroa toja chegaram os
Reos corles de la de barra matflsada.
%. do
.4 uro-
AOS 5:000,000
mi 1)4 F0RTUi\A
Mneles garantidos
V roa do Crespo n. 23 c casas de estante
.No dia 5 de Janeiro se extrahir a qnarta parte
da >e; unda lotera da Santa Casa de Misericordia.!
<1 a jaixo assignado recommendando o respei-'
tav.'l publico a compra dt? shis muito kfortOfi-dOI
bilhetes garantidos, lembra-lbea vanOgem que ha
em re sajar os premios por inteiro, por quanto j
i|uem tirar a sorte grande em bilhete garantido,
nao r ,'ceber someote 4:2005, em virtude dos i
descot tos de 16 por rento que Ihe farao em vista
das le s, mas sim os 5:0005, que vem a ser os !
ditos 4:2005 e mais 8005 que pagar o abaixo
assign ido, importancia de ditos descontos. Os pre-
mios s*rao pagos como de costume.
Precos.
Bilhetes nteiros..... 65000
Mhios bilhetes...... 35000
Para as pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Bi hete-........ 55500
Miios......... 25750
Manoel Martin Fiuza.
I recisa-se d^ urna criada para casa de urna
senhov.i: na trtveaea do Carmo n. 12, primeiro
andar.
1
Amendoas de casca dura e mole.
Azeitonas novas em barris e garrafas.
Presuntos para panella e Hambre.
Ilolacliinhas inglezas novis.
Chouri^as, paios o linguicas.
Cognac verdadeiro.
Licores e champando.
Charutos Anos, ha linos cm tudo.
Sedlas grandes em resteas.
Copos lapidados e lisos para agua e vinho.
Paitas novas e figos tamhcm.
Massas para sopa sao das novas.
Nozes ja deste anno.
Farinha, milho, farello e arroz de rasca era
saceos grandes.
Tonrinho de Lisboa novo.
Chocolate j felto que bello almoc.0.
Azcite doce temos refinado tambem.
Peras seccas em ca xas e a retal ho.
Castanhas novas.
Cigarros hespanhes dos melhores fabricantes
Capils para refrescos de diversas frutas.
Salan de todas as qnalidades.
I.alindas eom lidas.
Laiinhas com biscou-nhos de militas t uali-
dades.
Latas com bolaeliiiih;. soda.
Latas com peixe ensopado.
Late- com inarmelaa nova.
Latas com massa de tomate.
1\ _MM com conse v; _
Ditos com mustarda.
Diflb com genebra de Hollanda e de laranja.
Hilos com sal retinado.
Viudos puros da Figueira, nao ha melhor.
Mitos de Lisboa, nao ha melhor.
Dte do Porto, nao da melhor.
Dito branco, nao lia melhor.
Dito engarrafado em caixa de una duzir..
Diios genninos em caixa e a retalho.
Emilias seccas.
Latas com ditas
Presuntos novos de lamego e para liambr.
Palitos linos para denles.
Caiimhas com .4 arrobas de farinha da vc-rda-
deira arar uta e a retamo.
liupesial liisllinio de X.
Bono Conselho, ra da
ra n. 50.
Acham-se ahertas as mitriculas do anuo lecti-
vo para todas as disciplinas neste instituto, cujas
aulas principiarlo no dia 7 do corrente.
Brevemente sera publicada a lista dos senhores
professores, que siio todos de grande capacidade
professiona, estando a cadeira de lalim confiada ao
reverendo padre mestre Flix Barreto de Vascoo-'
cellos, que tem urna pratiea de 40 anuos doensino
desta lingua, na qual se acha bem versado; e a
de primeiras leltras ao Sr. \ ictorino da Cruz Mar-
tins, amigo professor publico e particular deg-an-
de mrito, j bom conhecidn Meta cidade.
Os alumnos externos pagarlo 205 |x>r trimestre
j ou 75 rocosa0* por qualquer das disciplinas que
estudarem, sendo 55 para os d'aula primaria.
Os internos pagaran 1005 por trimestre de casa,
' mesa e luz. e 155 por caa preparatorio.
O director, tendo-se cercado de um pessoal I-
lustradoparao magisterio, a cuja frente se acha o
lllm. Sr. Dr. Jos Sonre de Azevedo, espera mere-
cer a coiiiianea dos pas de familias e concurren-
cia de aluinms.
I si re cao primaria.
O abaixo assignado, provisionado pela directora
I. _JM O UMllO
ESTABEI.ECIDO NA CIDADE DO PORTO
Agentes, eu Pfrnainbufo
Antonio l.uiz de Olive ira
. Azevedo AC.
Saeam por todos os paquetes sobre o
mesmo banco prazo uu vista, sobre a
caixa filial em Lisboa, e agendas em Fi-
gueira, Ctimbra, Aveiri, Vizeu, Villa-
Real, Begoa, Vianna de Casteilo, Guima-
raes, Barcellos, Lamego, Govilhaa, Braga.
Penatiel, llraganfa, .Amarante, Angra.
Itha da Terccira, llha de Faias. Ilha da
Madeira, Villa do Conde. Valew-a. Bastoa.
Oliveira de Azeineis, Chaves e Fafc, a
oito dios vista ou ao prazo que se ronwn-
conar, no seu escrptnrin roa da Crn
n. 1.
Comhihos, ervadoce, folhas de Ionio, pintela do reino, canella, muida e em easea, c cra-
vo tudo nove.
0 armazera da Aurora Brilhante tem grande sortimonto o vend' por prefos
muito commodos. Lint em porcet como a retalho.
^v^m
'______8-_M-S
Na ra do Sebo n. 25 preeisa-se de urna ama
para tratar de urna pes*.a.
Enslno primarlo.
Jos de S&nl'Anna Burros, proesser
a ,. mirando" que *-siii''r.ir-ao-ha o melhor possivel na
te, em sua mesma residencia, ra Nova n. 58, ter- ^d rw cnsino ,, al!.miK)S. ^^ in.
ceiro andar. ____ teressados dirit;ir-sc ra da Cruz n. 31, primeir 1
Ha 18annos consecutivos (ue o abaixo assigna- jl.
do tem exercldo o magisterio com notawl. apro- '_______________________________________
veitamento de seus discipulis, como pde-provar a dirertor.rdo rollegin S. I'rsnla declara ao-
com os termos de examos de mesmos por profes- j,a-,s (je s,ias alumnas que os-trahalhos de sea rol-
sores pblicos desta cidade: e por i so.digno de jp^jo principiara no da 7 do corrente mex. inda
merecer a considerado daquelles que desejam a
seus tilhos a saa e til edui-ai.o.
Tem o mesmo abaixo assignado revivido rece-
ber someale 8 alumnos internos com iilade de 10
anuo- para menos; advertirdo, porm, que 01 >a-
gamentos dos pensionistas, ineio pensionistas e ex-
ternos continalo adiantados sem ejsrepco das fe-
riase faltas de irequaacia dos alumnos, e _men
(xVie admit ir pensionista*, meios pensionistas e
externos : na ra Formesa, sobrado n. 9.
DE

asa de educaco
II1111 rilaos
HOJE
" agente Pestaa vrider em leilao por conta e
risco ie quem perienasr, caixas com excellentes
quetjw Da-MOfoa e dius com ditos pratos dcs-
Jeronymo Pereira Villar aehando-se melhorado
de sua saude, transferio o seu eslabelecimento de
instmc;o primaria e secundaria para a ra do
Impera lor, sbralo de tres andares n. !, esquina
qne tita para ama do Crespo participa nao
saos llms. pas de seus estimaveis alumnos, co-
mo ao cspeit.ivel publico, que as aulas estnrao
abortas no dia 8 de Janeiro do corrente anno.
C fferece-se um homam de idade para cria-
do : qi em precisa-, dirija-se ra das (anco Pon-
tas _. 35 junto a fabrica de sabo. __________
t prato, C btalas ) abaixo ia_^__H tem as chaves de quatro
casas 1 o oileko da Senhora 1I0 Monte, qnr as Cede,
por peimisso deS. F.ir. o Sr. II. Abbade, a qncm ,
eonnincr com algiuna qnanlia para aj ida da mes-1
ma fes a. Olinda. 2 de Janeiro de 1861.
Mauocl Luiz Vires.
X ______!-OS
DE
J. VIGNES.
X. RA DO lHPI'IHtnOR -- H. 55.
Ali?5Hse
o sitio da raa Imperial n. 106 aue foi do f_lecid
Antonio Jos Maeicl. teoi e boa cas para inoi _iha : a tratar no mt-ino. ou
te serao descontados por fallecimento ou por ara- na ra la. Praia de S-ila Hita n. 4J.-----------------
ves enfermidades. Na, ra di. U_apM- 8. loja de Souza, Andra-
Jos Btaria Maciadinie Flgueiredt. ae (. r_, existe ama carta para o Sr. Jue- Estevau
A professora que resid?no segundo andar no de Oliveira.________________________
largo do Livramealo n. 20, rao- concluio as ferial Alugam-se cabriolis |Ktr mez o_ v-iagem ou
na forma do costume, em razao de ter sido ataca- vio aVonta>W- dos nefawaes, pof eomaiodo.
dadiMimaervsipellarecollii.Vi que esteta grave- (i) M rua l(.( hnp-ratriz n ss fun_o d.t
indnk'enferma, ecomo graoi&a Deoa aa acha re*
lahelieida de sua antiga tanda, parliei|ia ios -i|>
noa pais de suas alumnas,t aos demais que qm
zereui conflar a educacio ce s_a&_thas; etim-
bem aceita pensionisus que Hcarem distante desn
pr_ga, He idade de 6 at 8 M_; a abeitiu t m
sua aula no prsenle anno s?r no dia II en t
rente, coja educaeao e esmero bein eonhecido do
respettavel publico._________________
Os abaixo assignado*, shSos da firma Bnrbo-
1 sa SimOes, que ate o um do anuo passado gyiou
Os pianos desta antiga fabrica sao hoje asstz ranheridoa para qne atja necessario insistir sobre a
sua superioridade, vantagefti e garantas que -fferecem as compraw-f, qnalidades estas ii toolaata-
veis qu c .elles tem deOnitiTamente conquistado sobre todos os que tan appareci.ly ne.-ta Hl ; pos-1 UWH b|jco e es^ciaimcmo ao 'or-
suindo um teclado e macbnismo qne obedece1 a todas as voMtades ti caprichos das pianistas,sem ,
nunca _lhar, por seren fabriei.dos de pn ;
tissimos para o clima deste pai; qaaato as vozes
veis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encemeaendas, tanto nesta fabrica como nadj Sr. Btondel, de Parla, socio
correspondente d J. Vqmc-, em cuja capital fora 1 sempre premiados em todas as expsieSes.
No mosmo eslabelecimento se acha samp 1 Hm explendido e variado sortimento de msicas dos
uielhores composi* s da Murcpa, assim como kannenicos e pianos harrat-nicos, sendo tudo vendido
por presos muito tazoaveis.
decea- a todas as rwtades o capneh.* das pianolas, sen., ^ .OI11-,ni.rrio 5 cidade, que tltta firma dis-
isito, e ter-sc fe. o uB.mamente r^toramentos I aparte- gJJJS amigavelment,. _o 5- Jo referido auno,
_N sao melodiosas e fiauUidas, e por isto _dki agrada- 'ESo activa e passiva da n.esma a
a
cargo do socio Antonio Barban de Barros. Beci-
fe 1" de Janeiro do 1864. Antonio Barbos;, de
Barros, Manuel (Te Souza Cordeiro Simoes Junior.
Precisa-se de orna preta escrara que ntha
eoiinnar : na rua do Oooimado n. 10.
praeo
lcja>dt!eurrieir>.
BtnflaoMMraa tanta raaipa da Makm eom,
d- liomem coi toda a porfeicao, e ais lur it<
que cm outra qnakiner parle : 3a trave.-a da.
i'.oncordia iv. i) I
Precisa-se do um menino, para caixeiro de
um deposito iv> neceo do t_i_pello n. 4._______
Precisa-so de ti 111 ir__o portugoea p
caixeizo, de __ de l MVaniKM, qne taali
guma pralica di taberna: a *wUar na 1 do H.ut-
gel n. 48.___________________
Precisa-se cort.-atar una tabora com a
htatrnctjho e moralidade precisa par rre-
gar da cducaqao e easlno de dnas loemn mp
cidas, na villa do Brejn da Madre de Dam\ |
nieltendo-se bom tratamento e PMja conforto
ajuste que se Iber: atral.tr 110 Kurte d M '!
prensa de algolao de Urito 4JOK Lins


Diario de rernambiico >-- eguuda fclra 4 de Janeiro de l s4.
y
INTERNATO
DE
. mmmm
Eslabelecido na cidade de Rerife
Hoh a Proteeeo d) Kiimmo 1'ontiflec Pi IX.
Director0 hachare! cm nialheinaticas
BERNARDO PEREMA DO CARMO JNIOR.
O director do intrnate de S, Bernardo, nao tendo evitado esforcos nem sacrificios
para proporcionar aos seus alumnos urna perfeita eduracao pliysica, moral, intellectual e
religiosa, olTertcendo-llies uma habitar io com batante* condices de salubridad!*, habis
professores que sao solicitos em pivpai a-los convenientemente ao tim que se destinam,
medico ortico que Ibes faca comprob nder os precitos da higiene e Ibes cure das doen-
cas, e finalmente un sacerdote Ilustrado e honesto ijue llies explique o principios da re-
ligiao ihrlstaa, e'spera irce assira const luido nao deixar o seu estabelecimento de mere-
cer elosSrs. paes de familias o auxilio c contianca rom que j alguns o tem honrado; e afc
Ibes roga, bem nomo todas as possoas interessadas, que so dignem de visitar o mesmo VJ.\)
seu estabelecimento. ondo semprc encontrarlo franco Ingresso. .-.
Cadeiras de ensino :Primeiras letlras dividida ein duas classcs, tendo cada uma o dM
seu proessor, latim, francez, inglez, arithmetica, algebra c geometra, geographia, pbilo- C^p
sophia, rhetorira, desenbo e msica. r,
O collegio tem a sua sede no espacoso edificio n. 32 ra d'Aurora contiguo ao do r^S
collegio dos urpbaot. %vk
Nos estatutos do collegio, que esli a disposicao de quem os quizer ler, se acham ~
consignadas as coiidicws de entrad:, e matricula as diversas aulas do estabeleci- J*
ment. C?y
BHKBBmt
Msicas para piano e canto de telas a> forcas, e methodos dos melhores autores, e vende-
|se baratissiino.
EXCELLENTISSIMAS SENIIORAS,
Aproveitcm as peehinchas da loja ra do Crespo n. 17
DE
JOS GOMES VILLAR.
Para apurar dineiro est vendeudo baratissiiho,
AprAveitem todos.
Hecebeu de New-York 2,000 baloes d; 20 arcos e veude a 2iW0 cada um.
Iitraordinaria pechinclia, sem igual.
IJias de cores, de quadros a 280 e 40C rs. o cavado.
Cana de cores a 200, 240, 280, 320 o covada I !!
Chitas franrezas muito boas a 320 e 3t!0 rs. o cov.ido.
Madapoles. pecas de 20 varas a 7,5, E& !>, 105. 115 8 125 a pera.
(^ambraias lisas, pecis de 8 \\i varas: 25500, 45,35, i>. 75, H a peca.
Capas pretas, manteletes pelos bordados a 205 e 325 rs-1
Sotambanjuos pretos de 2.*>5 a 305 rs.
Capas de casemira de cores a -J.">5 a 3( 5 rs.
Outras fazenilas de muito gusto.
PROTEIAM TODOS
Cortes de ramhraias bordadas ; cjrtts de vestidos de blonde liara noivas; com capella el
f manta. Chapeos Maria Pa a 12cad i um I Huas para senhora a 45, o5, 105 e 12'
rs. a dala, bramante di linho, de 10 palmos, a 25 a vara. Bramantes belgas a 35 a vara ;
esgiiies de linho fmissmo; hombazimn pretas para luto; merinos prelos etc. etc.; da-
mascos de linde 8 palmos de largura, proprios para colchas e para cortinas de salas.
ojuoiui.)a|,i(|eisa ouiissiiuei lodiui ossa e 't|JS -seiuxa 'ocSoiojj
jJ!?i|uip e 'seujissinMi-q sepuozej
'C|aJOj||l3 B.tOO i!| SKUao|U.aad c m.)f|,>i!Me!\
soaiaoMYaxsa a soMV3iiaivrv MHad^
Aiuga-se mu sitio na Capunga velha, com
boa casa, contendo i qnartos, gabinete, carimba
rom boa agua, piarlos para prelos, estribara
fructeiras, todo murado : queni o pretender, diri-
ja-se ra do Crespo n. 18, primeiro andar.
..^iJSSISSStl
C'oinpanhia fldelidade de
seguros martimos c ter-
restres e*tabeiccida uo
Rio de Janeiro.
..oestes rm pei'N.vmhuco
Antonio Luii de Oliveira Azevedo 4 C,
coni|ietentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
predios no seu escriptorio ra da
n .1.
gFOLHINHAS PARA 1864,
>
I
& C, (Tonvidttiii *aos credo-
res da mesma massa. para no
praso de oito dias apresenta-
rein os seus ttulos uo es-
criptorio da pra Santo u. 17 (de Augusto F.
d'Oliveiraj afim de seren ve-
rificados.
Na praga da Independencia Itvratia ns. G
e 8, acliam-se venda as seguinies folhi-
nhaspara 1801 impressas nesla typographia
em excellente ivpo e bom papel,
Ft/lhinlia de porta contend) as mate-
a ras do eostume, n,........ico
s administradores da Dita de iigiheira.*> aepigtapi.e
fim'i Ptlll't \o SIpt'O TmIIiac religiosa, contendo alm das materias
' do eostume os sete passos da Paixio
de Nosso Senlior Jess Christo ; cnti-
cos do mez Mariano; hymnos e jacula-
torias ao Sanlissiino Sacramento; ex-
plicacoes de diversas oracoes; cora
Seiapliica ; exeteicio ao sagrado cora- -
cao de Mara; oraco para visitar as
igrejas no dia da Porciuncula ; oracao
paraescolhl dos estados da vida ; dita
a Senliora da Conceico ; e medilaccs
sobre a reforma da consciencia, rs. 3S0
Dita de dita, sub a epigrapheVa-
riedade, contendo altn das materias do
eostume : recoltas uteis e necessarias
aos diversos mysterios da vida; physi-
ca e recreativa ao alcance de todos:
pilheriase ratices; poesas; charadas;
mximas e pensamentos colligidos por
um curioso..............320
Ditas ecclesiasticas ou de padre para
rosar o ofirio divino, redigida pelo re-
rerendo coasgo penitenciario da S de
Olinda...........6W)
lneiii nao comprar por 5
Ricas cliapelinas de seda p;ira senhora, muito
ln ni enfeitadas e du ultimo gosto: na ra do
Quciinado, loja n. 41.
Festa da Weahora do Monte.
S. Etc. it Sr. D. adbade de S. Itei lo
deacconlo com o i lia i ve assipado le ni
removido a fesla da Senhora do Monte
do dia 31 do correle mez, para 17 janeiroviiidoaro- Olinda, 15 de dc-
zembrode LSGo.
Manoel Luiz Vires.
- Aluga->>! oarmarem n. 4 da ra do AnolloT
otcrcelroandar daca trizjjia ra ca Aurora n. 36.
Mudanca de estabeleci-
mento.
Flix Venancio de Cantalice avisa aos seus nu-
BMrosos fregoeres d'aqui da provincia como de lo-
ra, que mudou seu estabelecimento de alfaiate da
ra do Imperador, para a na Nova n. 19, no ipuil
est sempre prompto para cumprir cora qualeper
fiicoinenda tendente a sua arte.
Aluga-se o 2* andar do sobrado da ra do
Imperador n. 7t, bat-tante fresco, e decente para
uma familia : a tratar com Antonio Jos Rodrigues
de Soma, na ra do Crespo n. 15.
- rrecisa-se a lugar uma es.*niva para o sor -
co intornec externo de uau casa de familia, pagan-
o-se 2U uiensaes : a tratar na ra Jos tuaraia-
pw n. 18, sobrado de um andar.
Na ra o Destino n. 10 precisa-se de ui a
a^i /ue saiba comprar a coziahar, para duas pi s-
soa.
Kocledade de seguros mutuos
de vida installada pelo Banco
i n i lo na cidade do Porto.
Os agentes nesta cidade e provincia Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo C escriptorio na ra
da Cruz do Recife n. 1, estao autorisados desde j
a tomar iniflMturas e prestar todos os esclareci-
mentos (ae forem ni'eessarios, as pessoas que de-
sejarem concorrer para to til e benfica empre-
za, segurando um futuro lisongeiro aos associados
Os atjaixo assignados, aduiinisiiadules da
massa fallida de Camargo& Silva,autorisados pelo
lllrn. Sr. juiz do commercio, encarregaram ao Sr.
Manoel Fernandes da Silva para promover a co-
branca das dividas da mesma massa; e nesta data
Ihe lizerarn entrega dos livros e documentos que
existan pertencenles mesma massa fallida. Re-
cite 31 de dezembro de 1863.
Linden Wild & C.
TINTRAHIA.
Tinge-se cem peTeic" para qualquer
cor, e o mais barato possivel: na ra do
Hangel n. 38, segundo andar.
Maque sobre Portugal.
O aballo i-signado, agente do banco
mercantil PoituiiiM nesta cidade, saca ef-
fectivamenti (tor todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Portoe Lisboa, por
qualquer soinma, vista e a prazo, po-
etando logo os saques a prazo seren des-
contados no mesmo banco, na razan de 4
por cento ao anno aos portadores que as-
sim I lie convier : as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
Ama.
Preeisa-se de uma ama para urna casa de pouca
familia : na praca do Corpo Santo n. 17._______
"ATTENQAO.
D. Dina da Silva (kmtinhn avisa aos pais de fa-1
milia que no dia 8 de Janeiro prximo vindouro
tem de abrir sua aula do instrurcao primaria na
ra das Cruzes n. 2, primeiro andar, rerebendo
almonas externas, pensionistas e meio pensionis-
tas, assegurando que empenhar todos os eus ex- j j
forcos na educacao c ensino de suas alumnas.
C/>

va

10) ^
CASA DE SAUDE
Em Santo Amaro
Do Dr. Nilv Ramos.
nico estabelecimento desta natureza
qui existe entre nos. montado do modo
qiu pode com todo o c numodo e zelo tra-
tar qualquer doente, que nella seja rec-
ndito.
O edificio magestoso a ionserva-se
em perfeito estado, de limpeza e couve-
nieiitemente mobiliado.
Os doenles sao se|wrados, segundo os
sexos, natureza das molestias e condc,oes
sociaes.
Ha quartos fortificadas para os aliena-
dos, e uma enfermara para as partu-
rientes.
0 proprietario enc.rrega-se de qual-
qu. i o|K'iae;o.
O estabelecimento franqueado qual-
quer pessoa que o queira visitar.
Primeira rlasse n&OOOdiarios.
Segunda dita.... ."Khi
Terceira dita.... :!000
Para que qualquer cuente sejaali rrre-
bido, basta quesemamle onome do doen-
te e da pessea que o re nette, com a de-
clarado da morada.
O proprietario aceita contratos aunuaes
com qualquer (fue queira ter um ou mais
Mtoa sua disposicao
m
Bilis
SEGUROS DE VIDA EM MUTUALIDADE.
A dircee-ao do BANCO UNIAO tendo obtida do governo de S. M. F. a antorisacio para et.be*-
rer o seguro de vidas em mutiialiilailes.faz publico que desdeja toma subscripcoes nnnaes pejr uma
s vez, debaixo das seguintes condie;es :
(m perda de capital e lucros;
Dito capital smeut >
Dito lucros smenti';
devendo a pririeira liipiidacao ter lugar no Io de Janeiro de 18>9.
As vantagens do emprego de capiues em mutualidade, sin obvias, porque nao rnenla se ra-
Ihe o juro de quantias diminutas, de que avulsas se nao poderia tirar nenhum rexiludo; nos *U-m
disso, este ren lmenlo augmentado pelo capital ou lucros, ou ambas as cousa*, conforme as rniiii
da subsenpee, dos que fallecem. Tambem partido pelea socio sobrevivenles ludo aquilloow aa so-
cios morosos i ns seus pagamentos, san por este motivo obrigados a pagar, k-m como raducidaa ana
occorrerem pela falla de eompriUMOto do comprnmisso social.
As liquida^oes sao pelo svstema das companhias besMah ilu, Tutelar e mitras; e parase aaiar
fazer uma idea do que pode produzir uma entrada annual de 10J, pulilica-se a segninte tabella basca-
da sobre a-experiencia de muitos annos de companhias de*sta natureza :
Lu i annos En i 10 anuosE uld anuos km 20sMealaBamea
Por um menino de 1 dia a i anno 1105 4005 9005 2:1004 i MM
i de 1 anno a 2 . 90 3oo5 7001 I.70U4 1 Ti. 4
de i a 3 Ht 2305 7205 i:X4 1 Mg
de 3 > a 4 > 8(55 280| 7105 1:5604 3M#
de 4 > a 15 864 2705 7005 1:5504 3:35tf
Por uma pessoa de 15 . 20 > X< 55 2705 7005 1:5404 3 33*4
de 20 a 30 > 865 2705 7105 1.56(14 3 4004
j de 30 > a 40 > 864 2705 7205 1:6000 M
i de 40 > a 50 > 905 3005 7505 1:8004 MMJ
m
Alagase
' a lojan. 50 da ra da Cadeia, esquina defrontc da
ra da Madre de Dos, propria para qualquer esta-
belecimento, tendo armazer. no fundo da mesma
As entradas por uma s vez dan resultados mulo superiores s annuaes.
Porto, 10 de agosto de 1863.Os directores do Raneo Uniao, Jos da Silca Maehado.F. M.
irr Niepoorl.
Agentes em Pernamburo : Antonio Luiz de Oliveira Azevedo 4 C., ra da Cruz n. I.
Luiz Morara da Silva declara pelo presente,
para sciencia do respeitavel puliliro, c rom espe-
loja com communicacao por dentro c portas para cialidade do nrpo do commercio, que venden ao

3-KIA KMIIf.lTA DO ROSARIO -3
Francisco Pinto Ozorio contina a col-
locar denles artitleiaes tanto por meio de
molas como pela pressfio do ar, nao re-
cebe paga al;zuma sem que as obras nao
fiquem a vontade de seus donos, tem pos
e oulras preparacoes as mais acreditadas
para conse/vacfio da bocea.
VlilC.il I li.
Aluia-M1. o sobrado de un andar
e soto, na rua \filia n. 15, cem
coYcira c muilo bous commo^os e
moderna ; c vende-sea mobilia de Ja-
caranda que ncllc existe, cuja casi c
muilo propria para alguma familia
que venha ti' lora: a tratar na rua
do Sebo n. 2i.
O Dr. Carolino Francisco de Lima San- ,
tos, contina a residir na rua do Impe- ,.
rador n. 17, ." andar, onde pode ser pro-
curado a qualquer hora do dia e da Mita
para o exercicio de sua profssao de me-
dico ; sendo que os chamados, depois d>j
K meio dia at horas da tarde, devem ser
xeij deixados por escripto. O referido Dr.
nao ahandonando nunca o estudo das
moleslias do interior, profegue, com o
niaior afflnco. no das mais difliceis e deli- |
cadas operaces. como sejam dos orgos
ouriuarios, dos olhos, partos, etc.
.v;
a travest da Senzala, alugando-sc tambem o pri-
meiro andar da mesma casa, e ahi acharao com
quem tratar.
medico pela uni- "jl'
versidade de Coimbra d consultas em
sua casa na rua Nova n. 50, das 8 s 10
horas da manlia e das 4 s 6 da tarde e
recebe igualmente convites para dentro
ou lora da cidade com o lim de se en-
| carregar de qualquer ser vico de sua pro-
g fissao.
H Os chamados devela vir por escripto.
t izinli lio.
Na rua da Lapa n. 3 ha un cozinheiro para casa
I, particular,o qual sabe fazer ludo que lia de sua
[: oecupacico.
Precisa-se de urna aria de meia idade para
i cozinhar em casa de pouca familia : na rua da Ro-
da, sobrido da esquina, de um andar, com vene-
zianas, p ir cima da tabernil.
0 Dr. Cosme de Sa Pereira conti-
na a residir na rua la Cruz n. 53,
i c 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
sio medica, e com especialidatle
sobre o seguinte
Io molestias
2o
3o
de olhos;
(opeito :
os orgos geni ti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rSo examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d si
6 as 10 da manha, menos nos de-
mingos.
Pratiear;'* toda e qualquer opera-
| cao que julgar conveniente para o
Wj pronpto restabelccimento dos seus
| dciles.
t'rlad.
Precisa-sede um criado : na rua doQueimado
n. 32, primeiro andar.
Moleque.
Precisase alagar um mol iue de 14 16 annos
de idade quem tiver, dirjase rua do Queiuia-
Sr. Joaquim Luiz Ferreira Leal a sua taberna da
rua de Santa Cruz n. 7, livre e desembararada.
Recife, 26 de dezembro de 1863.
l'recisa-se tomar 6005000 a premio de um e
meio por cento, dando-se por garanta uma pro-
priedade que rende mais de 1:0004 por anno :
quem quizer dar annuocie.
Alexandre Jos de Hollanda ^valcanti, mo
rador na cidade da Victoria, faz publico que desta
dala em diante se assignar Alexandre Jos Maria
de Hollanda Caralcanli.


= 1 s i i. 91 11 0 C--3 i~ ... c 0 ;: V. 9 H z-a. ~. V: -1 -"i o, P a P -r 9 w -i a. 0 5? ^^ Di z r a j 5 S M = i < c r 9 m 0 O w n 0 i 2. 1

Vi.
Chegado pelo \apor:
%o para o vigilante, rna lo Cres-
po n. 7.
At que rhegaram as muito desojadas rasraaif-
Ihas de todas as cores rom uma titinha >le \-Iludo
no centro, .usa muilo elegante para e-nfeiK. i-ira
como de ouuas qualidades, e precos muilo razoa-
veis : s 110 vigilante, rua do Crespo, a. 7.
Para dar de ama.
Chegaram as riqussimas boneeas de lodos aa
lamanhos, vestidinhos ricamenb enfeiudos, cada
um em sua caixinha, propnameate para um deli-
cado mimo, por baratissiino preco : s no vigilan-
te, rua do Crespo n. 7.
Para ts senaares aadureis.
Chegou tem|H> a riquissima fita de chanulats
para cartas dos senliores tachareis, asim caso
branca, lisa, propria para abrir Irtras, apara
sintos : s no vigilante, rna do Crespo a. 7.
Pentea dr marrara.
Tambem rhegaram os riqoissimos acales de
ir arrafa com |n drinhas.os lindos penies da rrgaea
liara meninas, meiasde seda e sapalinhos nroprine
para tiaptisados, meias de seda para senhora. Mas
de, laa para debrum, lita de linh, traacas de lia,
de linho e de seda, luvas de seda e pellica, fio de
Escocia e camurca, altinetes de cabera caata, ear-
teirinbas com todas as agulbas precisas para em-
tura, fivelaf de madreperola esmaltadas de ar
para sintos, llores de todas as quahdades. caixinhs
cm pastilh.'s de perfumara, abafadores de laa
para senhora, toncas e sapatinhos ele laa.
ATTTEMCO.
Manoel Francisco da Silva faz sciente a quem
convier, que elle se acha contratado com oSr. Jos
Joaquim Alves para vender-llie o seu sitio na fre-. -
guezia da Vanea, o qual Ihe cauIh por heranca n'ia?.de ,?rr?rh* *1?ra se(5urar roanP>'"5f;
de seu sobrinho Luiz Francisco da Silva. cordoes de borracha, sabonet.s redondas,
-------------------------------------------------------------. chamados de familia, immadas de todas as ejaaa-
Jos Antonio Lrneslo faz publieo, que desta dades e dos fabricante- mais afamadas, eatrara
data em diante assignar-sc-ha Jos Antonio Ernes- piatiados muito tinos, retrozde todas as ifoaliaaats,
to Para-Assu. iretroz em arretel e e*m novello. e de meaila. de
Itee-ife, i ele Janeiro de 1804.________________ todas as core s, escovas para denles, dita para mo-
Aluga-se o 2 e 3o andar do sobrado da rua P:'. ditas para chapeo e ditas para unha, de toaos
Nova, com excellentes commodos para lamilia : a > precos, e outros mais objectos, que se h
tratar na rua da Cadeia n. 62. andar.
c opr I !
Compriim-se escravos
de ambos os sexos, e pagam-se bein : no escrito-
rio da rua da Madre de Dos n. 3, primeiro andar.
Compra-se urna tnobilia de Jacaranda : na ^ 400 rs.: quem deixar de comprar
rua do Crespo n. 2-1 se dir quem irla.
Na rua do Crespo n. 15, compra-se urna ma-
china com seus pertences para copiar cartas, em
bom estado.
AMA.
Prerisa-se de urna ama para e servico interno
de uma casa de p'quena familia na rua do Quci-
inado n. 32, primeiro andar. __________
Precisase alugar uma ama forra ou escrava do n. 32, primeiro and'ar-
de meia idade, quetenba boa con lucia, esaiba co-! p,wsa-se de uma ama para comprar e coz-
unbareeagommar^en: na rua das Crnzes n. nhar para casa de homem soitelro: na rua da Cruz
36, primeiro andar. Paga-se bem.
wmw&m mmm-mmm
I DENTISTA DE PARS |
19Rua iNova-19
Frederico Gautier, cirurg.o dentista, ^
faz todas as operacoes de sua arte, e rol- Sgt
Inca denles artitieiaes, ludo com superio- SS
rdade e perfeicao, que as peswas enten- Jj@|
didas Ihe reconheiem.
Tem agua e pos dentificio.
n. 17, tereeiro andar.
- Precisa-se de urna ama livre que saiba BOi-
nhar. engnininar e comprar, 1) que lenha boa con-
ducta para casa de pessoa solteira : na rua da
Senzala, sobrado amarcllo n. 124, psmeiro andar.
enfadonho ainnnciar, e vista dos frepnw ^
niette-se fazer todo o negocio: s no vigilante*, rua
do Cespo n. 7.
I m chapeo por 400 rs.
S aa Vigilante
Custodio Js< Alves Guirares. tendo arremata-
do uma grande porcia de rJttaei de sol para ase-
nlnaa, e ojoereado que seu> frfcnezes partilhe 4e
tal pecbinch'.. est os dando pela ilimiaata aaaatia
P-
ra as senhoiaa irem ao banho cobertas o sol.
S no \ iijilaolr. na do f.r>sp* a. 7.
Unha.
Tambem arremaiou urna fraade porrio de Uaaa
preta muito f de pelo barat>ssimo Bftaja ii "^ rs. rada asa : s
, no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Rotfea.
Undistimoa baldes pan punhos tanto para ho-
Compra-se uma eserava que seja boa coznheira, mem como para seahoraa, ielo barato preco de
sadia e de boa tigura : na rua do Queimado n. 89, 240 rs. o par : no Vigilante, rua do Cresaa,
loja.______________________________________n. 7.
Compra-se uma escrava que tenha habili-
dades e de boa conducta-: na rua da Cadeia n. 38,
Comprase nina iiiiilatinha de 12 a 14 anuos,
sendo sadia e de bous costums: na rua do Cres-
po, loja n. 15.
i
Mr*
m
Compra-se eTeclivamente ouro e prata em
- .vluga-se um prelo escravo, bom offlcial da I ?? 'fi!1*8.: M PraS da Independencia n. 22
GRANULOS e XAROPE
D'HYOROCOTYLE ASITICA
DE J. LEPINE
Preeisa-se de 2:5005 apremio, dando-se hy-
potheca em uma c;isa : quem quizer annuncie
para ser procurado.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da
rua do Crespo n. 23 : a tratar na luja.__________
Antonio Jos Rodrigues de Souza aluga a sua
casa e sitio do Monteiro, em frente ao oiao da
igreja de S. Pautaleao, com bastantes commodos :
a tratar na tliesouraria das loteras, rua do Cres-
po n. 15.
Furto
Furtaram do Manguinho dous cavallos alases,
grandes, com os sgnaes seguintes : um grande
o bonita figura, frente aberta, tres ps brancos,
tem pjntinhas brancas na anca e uma cicatriz na
anca esquerda ; como ha pouco se l*otou no carro
est encabellaode a marca que Ihe fez a co.eira,
anda muito bem de baixo a moio; o outro gran-
de e est um pouco magro, tem uma estrella na
testa, as dinas aparadas, e os dous ossos da anca
salientes ou esporados : recompensase bem a
quem der noticia dos mesmos na rua da Cadeia do
Kecife n. .'I". ___
Preeisa-se de um bom cosinheiro e de uma
ema que saiba engommar e lavar : tratar no
sobrado n. 32, da rua da Aurora.
- Precisa-se de uma ama livre ou escrava, que
seja boa engommadeira e se preste a todo o servir
(O de uma casa de lamilia, excepto o de cozinha:
na rua estreita do Hosario n. 31, tereeiro andar. ,
O administrador da casa de banhos do rateo
do Carmo roga s pessoas que possuem amigos
cartes, hajam de ir trocar por novos at o da 31
deste mez; lieando inutilisados se o nao tizerem.
Precisa-se de urna ama que se queira sajei-
tar acozinhar e comprar na rua, paga-se bem :
na rua de Santa Thereza n. 14.
pessoa que tem oceulta i
preta Esperanra, queira entre
qa la quantn antes a seu se-
nlior, do contrario pr ceder se
h fia escriptorio de Antonio"Luiz de Oliven*
AzevodoA C. na rua da Cruz n. I, precisase fal-
lar com a Sr. Luiz Soares Botelh, /jlho de Jo;
Boma lioi/dliu e de Fortunata Candida de Souza,
11-10 de F/inrisco Manoel Je Souza, natural ila
ilhadu S. Miguel, o qual consta ter vindo para es-
taddade em i&"i6, para Ihe dar noticias do lia
miii e irmaos que s acham no Rio de Janeiro.
l'recisa-se alugai' um preto cozinheiro : ni
rua Jo Rangel n. 9.
Manoel Jos de Faria Simes,
com aula de primeiras ledas pelo
melhndo de Caslilho, faz scienle aos
pais de seus alumnos assira como ao
respeitavel puhlico que no dia 7 do
correte contina no exercicio de
seu magisterio na mesma casa na
rua da Penlia n. 2i>, isto emtiuanto
fiiio enconlra outra que tenha ons
commodos.
AIdUGi-8E
urna boa propriedade de sobrado no lugar da Tor-
re, em muito bom local, muito fresco e com urna
linda vista por ser porto do no, e est toda forrada
ile papel, cem bastantes commodos para uma gran-
de familia, tendo banheiro, cocheira, estribara
, para 6 cavallos, cacimba com bomba, muitos arvo-
redos novos, uma grande baixa de capim bem
tratada ; cuja propriedade perto do Sr. Francis-
co Gomes de Oliveira, lieando a mesma proprieda-
de confronte a Capunga nova : quem a pretender,
poder procurar a chave na rua da Senzala Velha
n. 100, no primeiro andar, das 10 horas da ma-
nha s3 i|2 horas da tarde, ou na Capunga No-
va (estrada do Jacobina) em casa do Amaral J11-
pedreiro, e garante-se a conduela por ser muito
. conhecido nesta praca, e por preco muito razoa-
vcl : quem quizer annuncie.
Na -11a da Cruz n. 16, segundo andar, preci-
sa-se de uma ama para cozmiar a comprar, e ou-
tra para o servico interno de uma casa de pouca
familia.
RUA DO IMPERADOR
N. 22.
(raude aumurm de titilas.
Kste armazem conten tudo quauto
fatreciu para que a industria de pintura.de
qualuer genero que seja, deseiiipenhe
seu lim, isto e% einbelle/.ar, conservar e
reproduzir.
Montado em grande escala e supprido
directamente por grandei fabricas de Pa-
rs, Londres e Ilaiiibiirgo, pode olTeivcer
productos de confianza, e satsfazer qual-
ipier cncomuienda grsSQ trato e a re-
talho.
Os Srs. artisUis pintores, c os donos de
obras poderlo escoiher 1 vontade, pois
que ludo estar vista, i dillerentes cu-
res de que tiverein necessdade.
Ha lintas em massa e em p inipalpa-
vel, e como as obras a rnvernizar_ s se
deve empregar tintas muidas, e nao me-
receneio contianca as que vem de lora para
eniiimercio, |Kir velhas, e tal vez falsilica-
das. ueste armazem se as nioer vis-
ta do consumidor, que s .tssiui ter tin-
tas frescas e verdadeiras.
Ha tambem ouro verda leiro, verde em
p eeiufollia, prata em fulba, p debron-
zear de varas cores, diamantes para cor-
tar virOS, burnidores, ncar siiperlina en-
carnada, ainarella e verde, tintas vege-
taes. azul, roxa, verde e amarclla, inoffen-
sivas, nicas que se devem emprear as
eniil'ei arias, colleccdes de pilleis para
fingir madeira, rom propriedade, e outros
de V) rias ipialidades, vernizes, copal,
graixa, branco ou escuro para o interior
e exterior, para etiquetas qnadros, tiu-
las linas em tubos, em crayes 011 pastel,
tollas para quadros, caixa> de tintas linas
e papel para desenho.
BsSencias aromticas ve'dadeiras, frns-
cos e vidros para vidraca de todos os l-
mannos, e muitos outros objectos, cuja
utilidade e emprego s com vista pod-
rio ser mostrados.
Joao Pedro das Neves,
Garanla.
loa de bilheles.
Compram-se Diarios : na
ros no pateo da Penha n. 6, al
fabrica de cigar-
5 a arroba.
VENDAS.
Pianos novos.
I Das experiencias feitas na India, e era
Franca, resulla que as afleeees da pelle, e
todas as que resultara d'um vicio 01 prieto
sao prompUmentC curadas por e.-te tio\o
medicamento. Segundo uin relalorio feilo
na academia imperial de medicina M I
elle fot jnlijoiln mil e tfficaz afa twumte
tMuaffecfdei leprmas r em oa/itaan ouirat
molestias u peth rtbttiti, ma$ tambem
mu escrfulas e a sijphilis. Y. enfim. al-
Vende-se ou troca-se por casas ou terrenos
nesta cidade uma sorte de trras ao sul da cidade
da Victoria (Sanie Aulao) de excellente produccao
e proprias para plantaeao de algod.o ou caf : a
fallar na rua do Crespo, loja de fazendas n. 17.
:>>^v.* -*%s'c
medico eirnrglec rua dos
Flores n. 37.
Estevo Cavalcanti de Albuqneraue d
O abaixo assgnado, aulnrisado pelos senhores
administradores da massa fallida de Camargo &
Silva para reeeberas dividas nertenrenles mesena
massa, faz scienle a lodon os devedores que tem
marcado at o dia 30 do correnle mez, para ami-
Vis mor, antes e depois das horas marcadas, promet- consullas medico cirareieas em s<-u gabinete das
tendo-se alugar por preco muito commudo.______8 s II horas da manbaa e das II at s 3 horas
Os melhores que tem vindo a esta praca fabrica-
dos de encommeuda por um dos melhores fabri-
cantes de Pars, especialmente para este clima.:\f,ms praicOS distincs, t c-P'-cialmeae (
^jueni quizer apreveitar a oecasiao de mumr-sede 12 n^veroie Ca/enav* .* Ilillairel rr,,'i-
um excellente piano por preco eommodo dina-se &l s- V ^ .' f*?e"aTe ,e .,nT,r"* V "'J
rua Novan. 19 primeiro andar. es do hospital de San Lu/, de Pan. rf-
_______________________________I fectados ao Iratamenlo ilas molestias cu-
tneas, empregaram as | upau^u d llv-
drucolyle com um nolavel aacci .ira
os eczemas, opieriasis, o aV|htfi e ateV
versas variedades de ilartros, contra as ai-
fecroes sypliileclicas recentes ou amigas,
a lepra, as ulceras, escrofulosas e oulras,
os rheumatismos ebronicos, ele
Deposito geral em l'aris: E. Fomnier
a Labcloiiyc. pliannaceulicos, ru.i Bouilioav
Villeneuve, l.
Em Perinmliueo deposito geial : na casa
de Caors & Barbota, rua de Cruz n. 2i.
Xo armazena de fazranlaa fcara-
i:is de Mantos C'orlho
HUA DO QUEIMAIW) N. I Cl'l.NTE :
Esleir da India
proi ra para forro di' sala, da i, "> e 6 palaaas de
largara, por menos preco do que em oulra qual-
quer parte.
Learfs
do panno de linho pelo barato preco de i000.
Lrarrs
de bramante de linho tino de um s panno, pela
barato preco de 34000.
Cuberas de chita da India
pelo barato pceo de 2000.
Bramante dr linho
com de*z palmos de largura, pelo baratsimo pre-
[ co de 2100 a vara.
Ilrrtanha dr rato
Pecas de bretanba de rolo, propria para sja.
com 10 varas, pelo baratissiino prero de 30nu
Prcas do canbraia
adamascada com O varas, arafria para cortinado
1 de cama, pelo baratissimo prero de inxnoo
Peras ir cambraia
de salpicos, com 8 I,i varas, fazenda superior
pelo baratissimo preea de 4Ji.
4TTB!\CiO.
Veude-se um excellente eseravo, offlcial de pe-
dreiro, e de muito boa conducta : na rua do Quei-
mado n. 37, loja ile ferragens.
.%os senhores fnnileiros.
Na caldeirana da rua do Drum n. 40, de Villa-
ca, Irmo & C, vende-se por preco razoavel fer-
i ramenta completa para funilcir >, como tesouras,
bigornas, etc., de um dos melhores cutileiros da
Europa.
Qiicijos, Qucijos.
Chegou ao armazem da Aurora Brilhante larga
da Santa Cruz ll. 8i, queijos muito frescos do
Alentejo, dito prato e do reino, vindos neste vapor,
assim como aletrii, macarroe talharim de massa
I branca propria para doente.

3-a
M
o
U2 ^ =5 t
li n r
-O
re- sr
s.
*o2.
o c
es
M
_ M
c tji w i >< sr*
"^. = Sr
3 3 ~
<* "0 O- "i ; OT
g- 2.5
u
5 EfrB
j=> 3 "
cr c w
o s
-i 3
oa
= p5 = t-_
8 2.1*
a. a. "*>
p m ~
a
1 3

Pwciea-so de uma ama de meia idade para
fazer o servico de casa: na rua Nova n. 2o.
Perdeu-se um hotao de brilhante : gratifica-
se liern a quem o entregar a seu dono, morador no
sobraelo n. 32 na rua da Aurora.
da tarde, os chamados deverao ser por escripto e
desta hora fin diante devera ser procurado na ca-
sa de sua residencia no Chora-Menino.
1. Partos.
2. Molcsliasde pelle.
3." dem dos olhos.
4." dem dos orgaos genitaes.
Pratiear toda e qualquer operacao em seu ga-
Manoel de Souza Cordeiro Smeles avisa aos
gavelmente Ihe viicm pagar, e lindo este praso nao pais de seus alumnos que no dia 10 do correte
ter remedio senao empregar os meln judiciaes Janeiro abre, a sua aula particular continuar os bnete ou em casa dos doentes conforme Ibes fr
para aquellos que a istooohrfgurem ; sua residen- exercirios de seu magisterio de nstruccao prima- mais convenleiiK.______
cia, na rua das Flores n. 2". Ilecife 2.de Janeiro ria, na rua travesa los Exposlos, casa n. 16 ; e '
de 1864. tambem ao respetav I publico, r/ue contina id-
Manoel Fernandes da Silva. mittir alumnos exiernos e internos.
ce
i?i
f se -T
o B.S
"I
CJ
la-se dinhelroa juros
rna do htangel n. .
na
*a
-i

3
o_
5
( O P t
O
^3
M
-i
u
-1
t "3 as-
J3 t)~
C 1 (t
es as j

H
3
o
as
o
O
as

o
B Ofi
o as o
o -i
as as g,
?
a 5
as i
as ?
11
ft5 -
9
es-
as


Rol para earroea.
Vende-se um bonilo bol de crnica.
lante gordo e grande, propria para r
ja : a tratar na rua Nova n. 'W. Brhssaara
.'indar.
Vendem-sc lialal.is hollaidezas,
em gil s ip mais de. arroba ; iu arma-
zem do \nes, ilefronle da alfaQilr"a#
Vende se nina armaran de taberna com lnd< s
os pertences, na iraveaaa das Cruzas n. 12 : a tra-
tar na iin'-ma con o aballa asignado.
Jos de Sa I upes Fernarules.


Diario de l'criiaubiico Segunda fclra 4 de faneiro de 1864.

r
i
*\
y
7 111A DA IMPERATRIZ 7
\oviiiviii:n \ovii> vih:
Madama viuva Lecomte u m a honra de participar ao respeitavel publico que acaba de receber
pelo ultimo vapor francei um grande sortimento d objectos de porcelana, crystal, tartaruga, madre-
perola, bromes, marlun etc., assim como um rico sortimento de alfmeles de peiloe velas para cin-
tos quer de madeira, querde metal novos modelo?.
Cintas para senhoras e meninas.
Lindas cinta? decouro e velludo enfeitadas fom a competente bolsa, tal e qnal est se usando
em Paris, ligas de seda para sonhora, riqusimas eaixinhas para presente de festa com preparas
de costura ou sem ella, de tartaruga, madreperola;, marroqHim, etc.. rapellas brancas e para Mitas
de flores de laranja.
Finissimos chicotes com cartas de marfm, st.ndalo, etc., para lioniens c senhoras.
Perfumaras.
Perfumaras dos mais afamados fabricantes ce Londres c de Paris.
Oleo e banhas para cabello. "* Pos de arroz para refrescar.
Sabonetes flnissimos. Kscovas para denles e cabello.
Hit.i inferior. Ditas para limpar pentes.
Agua para limpar denles. Pentes de tartaruga de pentear.
Pos. Ditos de bfalo dito.
Agua de colonia. Suspensorios para homem.-
Cheiros para lmeos e gavetas. Espelltos grandes e pequeos.
Agua para tngir cabello de todos os fabricantes.
Na mesma casa conlina-se a fazer cabelleias, tanto para homem como para senhora, assim
como qualquer cabello suppwste.
Corta-ce cabello e frisa-se por 300 rs.
Leite anlhepelieo.
Approvado pelas academias de medicina de Paris t Londres.
45
CALCADO.
Ra Direita
45
lpi ovelleiu eiu quanto tenipo!
Ilorzeguins ftancezes de lustre pa-
ra homem................. 50000
Borzeguins ftancezes de cores pa-
ra meninas................ |&0U0
Borzeguins fraucezes pretos para
meninas.................. 2#500
Sapatos de lustre para senhora.. I000
Sapatos de lustre s avessas..... 500
l'ede-se loda altenco.
Custodio Jos" Aires Gaimaraos, dono da loja in-
titulada Gallo Vigilante, ra do Crespo n. 7, avisa
aos seus numerosos freguezes e ao respeitavel pu-
blico, que tendo de reformar no fim deste anno seu
estabelecimento, equerendo liquidar grande quan-
lidade de diversos objeclos, esta rosolvido a vender
tudo Ktr preces baratissimos, como sejam :
Pecas com 43 varas de franjas de linho a 3.
Ditas com '" varas de galio de linho a 3. ;
Laa sortida para bordar, libra a M>.
Froco de cores sonidos, peca a i 60 rs.
Manguitos para senhora, o par 800 rs.
Golinhas de bonitos gostosa 400. .'00 e 1.
Salvas de metal principe a 1500, 2fi e 2f 500.
Ditas com copos de metal proprio para meninos a
15200.
Facas e garios para sobre-mesa a 4 a duzia.
Ditas e ditos dita com cabo de marflm a t'x&.
Itandejas de todos os tamaitos inuil" tinas a 1.
I 1200, IjOO, llim, 25300, 35500 e 55-
Ditas redondas para copo de 300 rs. para 25800.
Tesouras em carteiras, a duzia a 300 rs., (40 e
; 800 rs.
Esto lee cura em poneos dias as sardas, ephelides, manchas de gravidez, tez queimada, no- r*,!,!!^!!?,^ h0nhfhs mr^'^nhri a ijy;no n iS
doas, eraros, borbulhas, borlocjas, espinhos, etc., cono consta .lo livrinho que o acompanha, cada iras- q3? rara senhn\ 11
co tem nm livro que indica o modo de apphrar o le te antephelico. j')lIa's Mra Im,nna *x '
O nico deposito na casa de madama viuva l.econite.
7 RA DA IMPERATRIZ 7
UNIO

MERCANTIL
RA DA r % IMH 1IO KKC'IFK IV. 53.
NOVO E
ORAUZB UAZWt DE 1COLKAD
RA DA r % IMS t DO RE D FE l. 3.
Francisco Fernandes Duarte acaba de abrir na ra da Cadeia do Recifen. 53, um grande e sortido armazem de mMm de-
inado liuo Mercantil. Neste grande armazem encontrar sempre o respeitavel publico um completo sortimento dos lucidores
s
gneros que vem ao mercado, tanto esirangeiros, como nacionaes, os quaes serao vendidos em porcocs ou a reUllio p..r c
commodos.
CHEGARAM
competente
de Antonio
Os lindos chapeos de palha de Italia enfeitados com muito gosto acompanhados do
veo de seda copa alta a Canotier para senhora : a loj.i das columnas ra do Crespo n. 13,
Correia de Vaseoncellos C
MifflM iiiii mu ^^aimffiiniiii
WWwlPWWIW MwwwflWWWB WWwpPWI^WI WWWWWMWJAt u&Ji*~JU-.J\^*%~JJ&i
* FAZENDAS BARATAS
*9-MTA IlO gUEIMARO--
Custodio, Carvallw & C.
Finas cambraias organdys indianas pelo liaratissimo preco de 300 rs. o corado ou
500 rs. a rara.
Grande sortimento
dos mais finos baldes de arcos para senhora e pelo barato preco de 35 cada um, ditos de ma-
dapolo para meninas a 25500.
Xovldadc
Os mais lindos e mais finos c modernos cor es de laa com ricas barras, tendo cada corte
20 covarios e pelo baratsimo prceo de 205.
Fil de linho rara a 500 rs.
Modernas lazinhas para restido o corado a 440 rs.
saigsssiSt amMBnssiK bkbw
LIQUIDACO
de fazendas e roupas feitas, por precos baratissimos : na ra do Crespo n. 4.
SSS
"x-. v-y'^-' : v'-:.>'<-'<.' /<" /'<
Al M 9

Duarte 4 C, receberam de sai propria encommenda pelo brigue
;' Fhrittda, dicgudo ltimamente de Lisboa os seguintes gneros todos depri-
Ouarto chefe de nossa casa
&
meira qualidade por srem cscolhidos pelo Sr.
vj^ ltimamente chegado daquella praca.
, Wrdadeiro vinlio rollares ein ancmv-
retas de 9 cariadas a 50,000 e 800
rs.a garrafa.
ii 4 i'ilti
a 00,000 e 560 rs. a gar-
-'//
Viiiho luaiifoII e 1-ilhos, embanisde

quinto
rafa.
Vi lagrc P R R, em ancorlas do 9 ca-
adas a 18,000 e 2,000 rs. a ca-
ada.
Passas em caixas, meias e quarlas a
8,000 4.008 e 2,000, 480 a libra.
Peras seceos em caixas de quatro li-
bras o molbor qje se pode desejar
a 2,500, e 640 rs. a libra.
Caixinhas de 4 libras e i com amenas
a 1.500 e 2,500 rs. a caixinha.
Chocolate portuguez, o melbor que
pode haver de boin neste genero a
1,000 rs. a libra.
Marmelada pmpriamente dito de mar-
mello, a 040 rs a lata e em caixas
.le 100 latas a 600 rs.
Maca de tomates a mais nova que se
pode desejar a 640 rs. a lata e em
caixa de 100 libras a 600 rs.
Et vilha portugueza a 700 rs. a lata,
cent caixa (le 100 libras a 640 rs.
Passas corintliias para pudim a 640
rs, a libras, e 400 rs. comprando de
arroba para cima.
N

Chapeozinho para meninas de escola ou passeio a
25 e 35.
Flores francezas, caixos grandes, a G00 rs.
Luras de seda com pequeo toque de mofo a 300
rs. o par.
Toucas de laa para meninos a 500 rs., fil a 300 e
! 600 rs., de seda a 800 rs.
Sapatinhos de merino a 800 rs., e de laa a 300 rs.
Rulsinhas de missauga para meninas de escola a
| 800 rs.
Boles dourados para punho a 200 rs. o par.
Tinteiros de metal a 320 rs.
; Trancelins para relopio a 100 rs.
Ditos de fila chamalote a 200 rs.
Escrivaninhas de metal a 35300.
i Colheres de metal para cha a 200 rs. a duzia.
j Ditas de dilo para sopa a 25 a duzia.
I Boles de duraque pretos a 400 rs. a groza.
I Cartas hespanliolas para jogos a 15200 a duzia.
I Casticaes brancos e amarcllos de metal a 15. '
Carteiras para algibeira a 500, 600. 800 e 15.
Sabonetes muito finos a 15200,15600 e 25 a duzia.
, Fi reas para calca a 300 rs. a duzia.
lluioes de ac para calca a 320 a groza.
Caixinhas com allinetes, grampos e clcheles a 320,
400 e 500 rs.
' Filas de borracha prelas e de cor a 120 e 160 rs.
a rara.
Latas com dous massos de agullias por 800 rs.
Brincos do aljofares a balao a 320 o par.
Alflnetes pretos c de cores com pedrinhas a 200 rs.
e320.
Camisas para homem feitas em Lisboa a 25-
Fitas de relludo lisas e lavradas a 800, 15,15300
25 e 35 a peca.
Ditas para sinteiro a 300 e 400 rs. a rara.
Caixinhas para costura de senhora a 15300,25.
3,4, 5 e 65-
Compolciras.de ridro com pratos de metal a 35 e
45000.
Franja de laa para debrunhar tapetes a 25 a peca.
Palitos de fogo, prora d'agua, a 15 a groza ou 120
rs. a duzia.
Assim como tem grande sortimento demuitos
mais objeclos que se tornara enfadonho mencio-
na-los, que tudo se vender muito barato para li-
quidar : na ra do Crespo n. 7, e ra do Impera-
dor n. 39, junto ao passo, e casa da liquidacao.
Manleiga ingleza especialmente escolhida Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa
de primeira qualidade a 800 rs. a libia,
em barril se faz abatimento.
mm
60
Manteiga france/.a a mais superior do mer-! 800 rs.
cado a 560 rs. a libra, e 520 rs. em barril Azeite doce de Lisboa a 640 rs. a garrafa e
ou meio.
e Sardinbas deNantesa340 rs. oquarto;
li$200 a caada. | rs. meia lata.
Azeite doce re!inao era garrafas brancas a Latas com peixe em posta : savui, cortina,
vezugo, cherne, linguado, lagostioha, a
Prezuntos in{;lezespara fiambre, de superior
qualidade, chegados neste ultimo vapor, a
' 720 rs. a libra.
Queijos llamingos chegados neste ultimo
vapor a 2600.
Queijo prato muito fresco e novo a 640 rs.
a libra.
Castanhas muito novas a 120 rs. a libra e
e 30000 a arroba.
Cha uxin o tnelhor que ha neste genero, \ra"l"TT,i,
mandado vir de con la propria a 20800|J
rs. a libra.
Cha hyson muito superior a 20560 rs. a li-
bra ; cha ;iyson proprio para negocio a
10500 rs. a libra.
10800 a caada.
Genebra de Hollanda a 500 rs. o frasco e
50800 a frasqueira.
Caixinhas com amallas francezas, ornadas
com ricas estampas na caixa exterior,
muilopropriasparamirao.a 1020', 10500
e20.
Frasco de vidro com lampa do mesmo, con-
tendo meia libra de araeixas francezas, a
10200.
imperiil, dos melhores conser-
vemos de Lisboa, em latas de 1 e meia a
Os Casos
os m mmi
D'imia pertinaz o maca
Cha pretomijilo superior a 20 a libra.
Biscoulos inglezes em latas com differenles
qualidades como sejam craknel, victoria,
piquelez, soda, caplain, seed, bornez e
cutas nulas marcas a 10350.
Bolachinha de soda em lalas grandes a 20.
Figos em caixinhas hermticamente lacra-
das, muito proprias para mimo a 10500.
Caixinhas de 4 e 8 libras de figos de coma-
dre a 10 e 20 cada urna.
Passas muito novas, chegadas neste ultimo
vapor a 500 rs. a libra e 30 um quarto ;
e em caixa se faz abatimento.
Ameixas francezas em latas de meia a 3 li-
bras a 800 rs.
Champagne da marca mais superior que
tem vindo ao nosso mercado a 180 o gigo,
garanle-se a superior qualidade.
Vinho Bordeaux das melhores qualidades
que se pode desejar de 70300 a 80000 a
caixa e 720 a 800 rs. a garrafa.
Caixas com vinho do Porto superior de 90
a 109 a du/ia, e 900 a 10 a garrafa; deste
genero ha grande porcao e de differentes
marcas acreditadas que ja se venderam
por 149 e 150 a caixa, como sejam: Duque
do Porto, Lagrimas do ooro, D. Lniz,
Camoes, Madeira secco, Carcavellos, Nc-
tar de 1833, Duque Genuino.
Vinho de pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
400,480 e 560 rs. a garrafa, e 30, 30200
c 30500 a caada.
10300 rs.
Salmo em lalas, preparado pela nova arte
de cczinha, a 800 rs.
Maca de tomates em latas de 1 libra a 600
ris.
Chouritase paiosem latas de 8 c meia Mta
por 70.
, Toucinho de Lisboa a 320 rs. a lihra e
80600 a arroba.
Bolaxinha ingleza a 320 rs a iihra e
I barrica.
Sag muito novo a 240 rs. a lil.:
Cevadinlia de Franca a 200 rs. a lita.
Farinha do Maranhao a 120 rs. a ibra.
ladeira a 320 rs. a libra.
*>ji
2 libras a 600 rs a libra.
Fruclas em calda das melhores qualidades Aramia verd
que haem Portugal em lalas hermtica- Cevada a 120 rs. a libra e 0 a arroli.
mente lacradas a 500 rs. Alpisla a 160 rs. a libra e 40M 0 a arroba.
Peras seccas muito novas a OiO rs. a libra. I Balalas muito novas em gigos com 40 libras
Nozes muito novas a 160 rs. a libra. I por 10 e a 40 rs. a libra.
Amendoasde casca molle a 400 rs. a libra. Cebollas a 10 o molho com mais de 101
Avelaas muito novas a 200 rs a libra. *^a uin-
Amendoas confeilaJas de diversas cores a Caf laVi,do de P^meira qualidade a 300 rs.
800 rs. a libra. I a llDni e 9^ a "roba.
Maraas e peras chegadas neste ultimo vapor, Ca[tdo. 9rLmBI ?>rior a -80 rs. a !-
muito perfeitas, so vista se faz o preco.
Conservas inglezas cm frascos grandes a 750
rs. cada um.
Ervilhas francezas e porttiguezas em latas de
1 libra a 640 rs.
Ervilhas seccas muito novas a 160 rs. a
libra.
Chocolate rancez, c que ha de melhor neste
genero, a 10200 a libra.
Chocolate hespanhoI a 10200 a libra.
bra e 80400 a arroba.
Caf do Rio, proprio para negocio, a 80.
Arroz do Maranhao a 100 rs. a libra e % I
a arroba.
Arroz ci Java a 80 rs. a libra c 2*4(JO a
arroba.
Vellas de spermaceti a 560 rs. a libn e a
540 rs. se for em caixa.
Vellas de carnauba refinada a 32" rs. o ma*-
soe a 90 a arroba.
Doce de guiaba a 640 rs. o cai\
Genebra_de laranja em frascos grandes a 19. Macaran, talharim e aielria a 480 r. a h-
Cerveja branca e preta das melhores marcas
que ha no merca lo a 500 rs. a garrafa e
5*800 a duzia.
bra ; em caixa se faz abatira
Eslrellinha,pevidcearrozdem.i -pa
Cognac inglez desuperior qualidade a 800 D,f,4O/'s,a l,ihrIae'^ a cai"1'.'m (i !ns-
fi 1**00% mrnfo Pablos de dente hxados com ll..r a xOO rs.
e 15-00 a garra... Q raass0) (1Uo. |JH(Jos ^ fl. _. a (
Licores francezes das seguintes qualidades:, 0 masso com 20 massinhos.
Anizele de Bordeaux, Plaisir des Dames Gomma de engommar muito fina a 80. s. a
e de oulras umitas marcas a J-' "->-->r>
10 a
800
rs. a garrafa e
garrafa libra.
Ilanha di porco refinada a 160 rs. a libra
400 rs. em b.mil pequeo.
Nozes as msis novas que se pode de-
sejar a 160 rs. a libra, e comprando
em barricas a 4,500 rs. a arroba.
Sdiiilkis em caixas as mais novas do
mercada a 6,800 rs. a caixa, a 800
rs. o molho, e a 040 rs. o cont.
Batatas em cacas de ~2 arrobas muito
novas e grandes a 2.400 rs. a caixa.
Sextinhas com figos proprias para mi-
mos de criancas a 60 rs. cada urna f
e comprando em duzia ter grande ..\-^
abatimento.
lrva doce muito novas a 500 rs. a li- i
bra, e comprando em arroba
10,000 rs.
(ominaos muito novos a 400 rs. a li-
brae 10,002 a arroba. &/'
Licores porttiguczcs das marcas mais ^?;
acrediladas de Lisboa a 1,000 a gar- i^|
rafa e 10 a 12,000 a duzia, as quali- ^.'
dades sio as seguintes : civuie de :
violetas, geroflez, rosa, absintho, v^s-
peiro, amor perfeilo, amendoa amar-
ga, jtercicot deturin, botelin, moran-
gOS. limin, caf, laranja, cidra, gin-
ga, canella, cravo, ortelaa, pimenta
un
Vinho branco de superior qualidade, vindo Moslarda ingleza em po, em frascos grandes,
ja engarraladoa 640 rs. agarrafa e a 500 a 10 cada um.
rs. de barril. Sal refinado a 300 rs. o pole.
e 100 a caixa.
Marrasquino de Zara a
90 a duzia. Charutos dos melhores fabricantes de S. Fe-
Moslarda ingleza em poles j preparada a. lix, cm caixas inleiras ou cm m<
400 rs. IKJOO, 20 e 30.
Prestinljs do reino, vindos de cunta |
de cala particular, a 400 rs. a libra;
ro se faz abatimento.
Ilfl-
LV

i
e outros muitosde qualidades menos l^''
superior que sarSo vendidos por pie- ; V
eos em ivlaco as suas qualida- ^(.\
des. gp^ j
Os proprietarios aancam que estes gneros sao muito novos e ludo .
di primeira qualidade, tudo isto se vende nicamente no armazem Uniaoe gjrij
Commercio na ra do Queimado n. 7, 2 largo do Carmo n. 9 armazem pro-
greBairo.
Queijos
do alemtejo, das ilhas e llamengos, tolos chegados neste ultimo vapor, a
2,300 os llamengos e 800 ris a libia do alemtejo e das ilhas, nicamen-
te no armazem Uuiao c Commercio, ra do Queimodo n. 7 e largo do Car-
mo armazem progressivo.
C\L IIE LISB0\
\ e n iIom-Kc barra com cal des-
i a peocedeoef a, em pedra, chega-
da boje, e antea nova, que ha no
mercado, na na do Trapichen.
13, armazem de Manoel Tclxef-
ra Batito._____________________
"~ ATTJB^AO.
No deposito de lenca da fabrica do lia r-
bnlho, ra do lm|M>ra IO 0|0 menos do f|iie em nutra qualquer parte.
I'nica vi'lr:nl;i de indas as dualidades, e tao boa
como a que vem do estran^eiroe mais barata.
Vende-se farello Ce Lisboa, cal lti-
mamente chegada e carvo animal: na ra
do Vigario n. 19, primoiro andar._______
~Vende-se oa cidade de Olinda i rasa no Va-
radouro com cacimba e soto, quintal murado e
liaos (imprios, 1 dita na na do Carino, com pe-
qoino sitio, 1 dita nos Qual -o Cantos, com taber-
na, 2 ditas na ra de Baixo, tudo proprio, 1 escra-
vo com 1!) annos, I negra rom 11 li annos. 1
sitio na estrada Nova com baixa do capim, ^ta-
berna e os pertences de nina pequea refinacao :
a tratar na mesma taberna, ra de Malinas Per-
reina, i, oa na ladeira do S. Pedro coinoSr.
Luiz Jos Pinto da Costa.
Cal de Lisboa
. ;hegada ltimamente ; na ra do Vigario n. 10,
primeiro andar.
, FARINHA FONTANA.
Farinha da iuuito acredita a macea
Fontana cosembacca'la hoje, vende-se
por preco mais comiuodo do que cm
qualquer nutra pacte : na ra da Cruz
n. 4 casa de N. 0. Biebcr &. C. sucecs-
;ores._________________________________J
rtirelo e milito.
No armazem da aurora brilhante, largo da San-
a Cruz n. 84, ha saceos com milito da Ierra a
i5S00, farelo a .5800, i$ o 45500, farinha a
fcJHOfteoY.
Cal de Lisboa e potassa da
ICiissi:i.
Vende-se na ra da Cadeia do Recite n. 26, para
de se mudoii o antigo e acreditado deposito da
mesma na n. 12, amlios os gneros sae novos e
legilimos, e se vendem a pree,o mais barato do que
utra qualquer parte.
- Em rasa de Mills Lalliam C, na ra d-
Cruz n. 38, vende-se ferro galvanisado de 11111 doa
melhores fabricantes inglezes, proprio para cobers
tas de casas.
J
OU EEUPiOES ESCROFULOJS,
Ulceras de i da i 1 specie,
SVJMHIJS. (ir Al VLNRI-O,
TlutlUCS,
lillllill V,
BERTOEJAS,
OPHTHALMA,
HydropLsfa,
Empigens,
HERPES,
KinsiiT.us
Ksrouftt 10.
Ti 11 ha,
CHAGAS ANTIGS,
Rheumatismo Chronico,
DEHLIDABE GERaL,
. Nervosidad)'. N'vniluias.
FILT.1 lili tffgffl; FlTI,
SUPPRESSO DAS REGRAS, ou
AMENORRHEA,
Rctciiro das hnas,
EMA< lArAo,
Oh uinui/ri /,;,,,,/,, ,j, ruido co'jh>,
/nenie do estado o-toio do swigtie,
OFI4HSAC0E8 CHE0HTCA8,
Afec9es Chronicas do Figtido,
\--- COMO rODAS vs MAIS MMII.IMNTKS MO-
LESTIAS, l'lllM-ll'AI mi.mk ,1AM,,, SAO
l-.WSMI \S 111: fl (llrl V.m IS l'KUl Mil
UVKU I -o lu Mtllt'l UIO ou
QUINISI),
Ixtln iilllln tMIIlli.-m |,rlo li.-,|ii,.|,. ,l _^|{.
si:mc<) < o.iiiti. iiTfi >. HbMfdMi
Tbdaa catas Enfermicadci prorapta e efficaz.
ntate cedem A boaefioa. poderoza e
purificantes qualidades da mui.
ratamente afamada
HUfffi m m\m\,
venda ras boticas de Caors & Barhoza,
Os senhores que comprarem de 100^000 para cima, tero o descont de 5 por ccnlo, pelo prompto pagamento.
corle a
FAZENDAS DE BOM GOSTO.
Superioies cortes de seda de ttjf a bD& 605, 705,805,905 e 1005 cada corte, os mais modernos que tem vinde a Pernambuco.
Ditos de moreantique de cores e pretos.
Lindas sedas de cores a 25200 rs. o covado.
Ditas de ditas de quadrinhos a 15 e a 15200.
Morrantique carmezim cr da moda a 15200 o covado.
Sopea rs cortes de blondo para noivas.
Lindns i orles de crep de llespanha com barra de cures as mais lindas que se pode desejar.
Cortes de laa com barra de cor.
DitOS de laa com barra aquille.
Lindos curtes de gtioadine de seda con barra de gostos in,teiramente novos.
Linda fazenda para vestidos denominada crep de llespanha de cc'res mui lindas.
Superiores Has de cores malisadas.
Grande e variado sortimento de percales de cores para vestidos.
Dito de chitas francezas milita linas escuras, clarase malisadas.
Lindas ratiUnelas fiara vestido, gastos inteiramente novos.
Superiores curtes de cambraia brauros bordados e eutras muitas fazendas de bom gosto para vestido de senhora.
Para hombros de senhoras.
Superiores rapas pretas a 205, 235: -105, 405 c .'05.
Sauliembarques de cambraia ricamente enfeitados.
Ditos de cachemira de cores e brancos enfeitados com muito gosto.
Lindas capas de caximira de cures as mais modernas que tem viud 1 a esta praca. .
Superiores zuavos de cambraia c de seda preta.
Lindos postilhoes de merino de cores.
Grande e variado sortimento de caniisinhas bordadas
dem de chales de merino lisos de barra estampadas de quadros e de crep a 15500, 55, 65, 75,85,05 ti 105-
Para cabeca de senhora.
Superiores chapelinas de palha de Italia.
Lindos chapeos de palba de Italia enfeitados com muito gosto e grande variedade para escolher a 125,1W 8 D>5-
Modernos enfeites de flores chegados no ultimo vapor francez.
Variado sortimento de enfeii.es denominados conservadores para cabeca,
Boi'dados.
Grande sortimento de ntremelos bordados a 15,15200 e 15500 a peca.
Lindas liras bordadas largas a 25, 35 e 'i5 a peca.
Calcas toldadas muito linas para senhora.
Superiores e modernas saias bordadas.
Ksparlil ins superiores e oulras muitas fazendas de gosto na loja das columnas ra do Crespo n. 13, de Antonio Correia de VaaMBMil
Pechincha sem igual.
Na mesma loja das columnas vende.se cortes de cambraia organdv; de barra de duas saias e de babadr s matisados com 14 a 16 WU rada
' 85 105 e 125 o corte.
AGENCIA
DA
FNDICiO DE L0W-M00R.
lina da Srnzalla nova n. M.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de mooodas e meias
moendas para eogenoo, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coade, de todos os
lmannos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: om casa de S. P. Johnston A C,
ra da Senzaila Nova n. 42.
FAZEMUS
bar:im-a acabar.
Sedas de quadros e de listras a .'120 rs. o cova-
do, lindas Mas de qii.uli'inhns a ItliO o covado, su-1
periores eassas de cores a 200 rs. o covado, ditas
muito linas a : kO o covad* : na loja das cnlnmnas,
na ra do Cre-pon. l'\, de Antonio Correia de Vas-
concollos & C.
Una da Scnzalln n \'l.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston & C,':
Venda de urna hypothrca.
Os liquidutai'HS da massa fallida de
Jos Antonio Ha-lo vcRdom a li}|iolhc-
ca que ten nos engcuhos Ibllo Gr< sso
e Cajabuss no lonno de Serlnhaem no
valor de 3i:835$911 rs.; Iraltr nas
casas a na do Trapiche n. 3-1.________
Kua da Sen/.a I la \o\a n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a 110 rs., idemdeLov
VIoor libra a 120 rs. ______
i:ni<-i( Sao chegados os mis ricos e delicados enfeites
para r.ibiva, que nao haver unta s senhora que
nao (que encuitada do lindo gosto que produz laes
enfeites, pois foi una pequea poican que velo de
encommenda s para o vigilante, 'ra do Crespo
n. 7, pnis a vista faz le.
Fitas.
Tambern acharan u n grande sortimento das litas
mais ricas do mercado, e de indas as larguras : s
no vigilante, ra do Crespo n. 7.
IK4 lll\< II %
Custodio Varvalho <; Cumpa-
nhia.
99lina lo <|ueiniad<>9 9.
Novas lazinhas escossezas muito "'n
da encor *da, propria para vestidos de en ora <
crwnctnhas, pelo barato pfee la 2i"
vado.
Meiaa do Torta
Vendem-se na loja de ferragens da rea
deia Velha n. 4t, meias de linho
ilgodao, por prefo muito eommo
La?,e.(lo.
Vende-se urnapor^ode lagedode Lisboa, a i ma
ra da Cruz, e Joao da C. Bravo C, ra : selHns e silhoes inglezes, candieiros c casti-
da Madre de Ueos. I caes bronzeados. lonas inglezas, fio devela,
1
M
^
f\
0|>Hma acquiNico fabclccimcDto.
Vend -se i loja de ferragens da
do IWcif n. l'i, com pequeo ftand
sortida, tanto de femgens como d
quaes esi.'iu em bom estado, vi
mercadoriaa, e garante-seoarrendameBtn i
propria para algum principiante, nao
pouco fundo como por estar j afregnetada t i i
nina das lujas m.iis bem loralisad i il
os pretndanles podera diripir m
nao s jara examinaren] o baln
das merVadorias.
Vende-se urna pequea taberna, sita na ra
da Soledade n. 8 : quein pretender, dirija-se a bordo do navio: a tratar com L. R. Rabello, ra
mesma da Cadeia n. >'>, primeiro andar.
chicotes para carros c montarin, arreios para JS^JS^M^Sift meL^
Vende-se a taberna do paleo do Terco n. 11 : i ,. i i airegmzaua pai.i a lena a iraiar na mesma e
a tratar na mesma. O motivo da venda se dir ao |carros uC um e (lous cvanos, C relOgiOS ue faz-sc toda vantagem ao comprador por seu dono gairafa, em caada a 44900: na
comprador. | ouro patente inglez. ter necessidade de re;ir.ir-se para fra. in. 2i. esquina da transa i l Om
Vinho verde
o mais siiperinr qoe se i
/


Diario de Pernaubueo Segunda felra 4 de Janeiro de issi.
OMO ffUHX'A
NO
ARMAZEM
10 inu.o ii \ ii;\ii\ io
ALLIANQA
GRAIDE
57 RA DO IMPERADOR 57
Najtam coiihocida loja que foi do Sr. Flix alimate.
Paulo Ferrelra da silva proprietario deste novo estabelecimento, tendo
diegado da Europa, aoade escolheu um grande e variado sortimento de roolhados, tom! Framclse Feraamde Dnarle dono deste multo acreditado armazem
a honra de os expor ao respeitavel publico dista cidade pelos mais resumidos precos. jde molhados, acaba de receber neste ultimo vapor os mui desojados gneros escomidos
En to ptima occasiao, por estarme* prestes a festa de Natal, o proprietario do' PreUe na Europa, todos maito proprios pan a fesU os quaes esta resulvido a vender por
gruido rumb Allian otterece aos seus ;,migos e fregueses que o couhecem desdeVecos baratissimos (orno verlo pela seguinte tabella, e mesmo pede a todos os Srs. da
manda foi socio dos armazens Progressive e Progressista as maiores vantagens em com- Praf. de engenhe e lavradores para que mandem suas relacoes para serem despachadas
rarem em seu armazem. no armazem do Progresso do largo da Penha n. 10, afin de verem a grande wntagem
Hojc de novo establecido mais precisa da concurrencia de todos estes seuhores 1ae tiranL tanto na superioridade dos gneros como nos precos assAs resumidos,
ao seu estabelecimento. certos de que esta 3asa jamis deixaro de ser cumpridas os Srs- 1ue na0 poderem vir poderlo mandar seus portadores ainda que nao tenham pra.
grandes vantagens por ella offerecidas. tica- ^ ser3 tl0 bem servidos con se viessem pessoalmente.
,.. D intaresse que tira o proprietario deste acreditado armazem, j deve ser bem co-
Maateiga ingleza a mais superior neste ge- cognac de superior quabdade a 800 rs. agar-,
ero.a 800 rs. a libra, e comprando de 8 rafa. nnecido Pel5 ^ numerezos freguezes, pois simplesmen Le consiste em servir bem e ga-
libras para cima a 72o rs., esta a mais dem mjl[Q superior a looo rs a gaiTafe. nhar pouco, abra de conseguir a continaacSo daquellas pessoas, qae a prime ra vez se dig-
Cafa 28o e 32o rs. a fibra, e a 8,000 eIMrem onraroseu estabelecimento.
9,ooors. a arroba. !.
Sevadinba de Franca a 2oo rs. a libra
UN A O
COMMERCIO
superior que pode haver, tambom ha mais
i aixaa para menos precos.
dem franceza muito nova a 600 rs. a libra
D *> >o rs. em barrisou meios.
Peas seccas muito novas a 48o rs. a libra.
Cha perola de especial quabdade a 2,8oo rs.
a libra.
Defromce da loja do Pregulea.
DIJARTE Al MI M %
acaba de abrir o seu grande e sortido armazem de molhados denominado 1/mnm e Com-
memo. Este grande armazem um dos mais bem montados que temos em eossa praca.
nao s em limpeza e aceio, como as qualidades especiaes de seus gneros. O proprie
tario do Unido e Commercio offerece todos os seuhores da praca, senhores de engento
e lavradores a seguirte tabella, por onde verlo a grande economa que lhe resuka em
comprarem em t9o til estabelecimento, afianzando o mesmo todo e qualquer genero
sahido de seu armazem.
ollinho francez em latas e caixiahas asmis Erva-d>ce a 5oo rs a libra
delicadas que tem vindo ao nosso merca-
do de 7oo a 2,500 rs. a caixinha.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, mandada
vir de conta propria, a 7oo a 8oo rs, a
libra.
Champmha de 20 a 22,ooo ogigo.
Palitos do gaz a 2,3oo rs. a grcea e 2o rs a
caixinha.
Queijos flamengos chegados neste ultimo
(arveja das melhores marcas do nosso mer-; vapor a 2,000 rs.
cado de 5,000 a 6,000 rs. a duzia, e Seo
rs. a garrafa. dem do vapor passado a i,80o rs.
, Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e8,600
rs. a duzia.
dem hysson muito superior a 2,7oo rs. ])0ce em calda a 5oo rs. a lata,
libra.
' Ervilhas francezas muito novas a 6io rs.
Id ni uxim a 2,5oe rs. a libra.
Uem portuguezas a 72o rs. a lata.
dem hysson a 2.3oo rs. a libra,
dem idem a* 2,000 rs. a libra.
dem seccas a2oo rs. a bbra.
Itassouras do Porto com arcos de ferro a 3o
dem preto de qualidade muito especial a rs caja uma
2,oe rs. a libra.
dem idem inferior a l,6oo rs. a bbra.
Chocolate francez, hespa ihol e portuguez, a
9oo c I,2oo rs. a libra.
1! utos dos melhores fabricantes da Babia
e de qualidades especialmente escolhidos,
de 2,ooo a 4,5oo rs. a raixa.
aellas de espermacete da melhor qualidade
a 600 rs. o maco.
dem de carnauba e composicao a 32o e 36o
rs. a,libra e lo.ooo rs. a arroba.
lijlo para limpar facas a 12o rs. cada um.
1 uucinho de Lisboa e Santos a 320 rs. a
libra.
Tai nha do Maranhao muito alva a 14o rs. a gevada muito nova a loo rs. a libra.
libra.
dem de araruta verdadeira a 4oo rs. a libra. \
Peixe em latas grandes, savel, pescada, cor-
vina, e outras qualidades a l.ooo rs. cada
lata.
Vinho do Alto l)ouro engarrafado, e os mais
b m iscolhidos, lagrimas do Douro, D. Pe- Passas muito novas a lo.ooo rs. a caixa e
dro V, l). Luiz I. Baque genuino, Nctar
superior, Malvaste lina, Bastardo, e outros
a I l.ooo e I2,ooo rs. a dazia e l.ooo rs.
a garrala.
5oo rs. a libra.
Palitos lutados para dentes a 1 io rs. o maco,
dem de flor a 2oo rs. o maco.
'' ?a^S! l,t0 rS' a gam" fr*** I" *** nglezes e americanos
fae l6,ooo rs. a duzia. a 8So ^ a |((ra
dem Bordeaux de diversas marcas de 8,000
a lo.ooo a duzia e 800 rs. garrafa.
Bolaxinhas americanas a i.ooo rs. a barrica,
e a 3oo rs. a libra.
Batatas muito novas a I.ooors. o gigo, e6o
rs. a libra.
B.ilia de porco refinada a 48o rs. a libra 9
em Barril a lio rs.
Vi 1,0 em piqa de Lisboa, eFigueira, de 3,ooo
a i.ooors. a caada, e Soo rs. a garrafa.
dem de Lisboa em aneoretas de 8 a 9 caa-
das por 27,000 rs.
dem do Porto muito especala 5,5oo rs. a
caada e 72o rs. a garrafa.
dem era garrafes com 4 '/i garrafas por
2,5oetT3. com o garrafao.
Yir.agre.de Lisboa muito superior a 2,ooo
rs. a caada.
Id -n mais baixo a 1,5oo rs. a caada, e 2oo
rs. a garrafa.
dem em garrames com 4 1 garrafas por
l,2oo rs. com o garrafao.
A.-ixas franceza> *m caixinbas com ricas
estanpasBO exterior de l.ioo a2,ooors.
la una.
!J em fras :i di vidro de diversos tania-
1 I,Seo e 2,3oo rs.
n ra latas de 1 1 i e 3 libras a l,3oo e
2,3oo rs. cada uma, e a 800 rs. 4 libra.
Figos de comadre em caixinbas de 4, 8 e 16
iibrrs a |,Joo, 2,5oe e 5,ooo rs. cada
urna caixa.
dem em caixinbas de folha a 32o rs.
dem em caixas grandes a 2oo rs. a libra.
dem em latas ermetimente lacradas de i ,60o
a 3,000 rs.
Arroz da India e Maranhao a 80, 100 e 12o
rs. a libra, e 2,5oo e 2,8oo rs. a arroba.
Amendoas de casca mole muifo novas a 4oo
rs. a libra.
Ceblas novas a i,200 rs. osmotoc frran-
dee e a 1,000 rs. ocento.
Alpiste a 15o rs. a libr e 4,Goo rs. a arroba.
irrito, talharim e ajenia nudto nova a
4uo e 48o rs. a lilira.
Biscoitos e bol,chinhas inglesas as ultimas
ebegadas ao nosso mercado a l,2oo e
l/'"' r-. cada lata.
bem do Porto a 48o rs. a libra.
Queijo prato a 800 rs. a libra.
k em flamengo vindos no ultimo vapor a
2,8oo rs.
Sardinbas de Nantes multe novas a 32o rs.
a lata.
S ig muito novo a 2oo rs. a bl>ra.
Uem muito superior a 28o rs. a libra.
Sabo maca de diversas qualidades a 2oo e
24o rs. a libra.
Uem inferior de lo a 18t> rs. a libra.
G nebra de Ilollanda em frasqueiras a 6,5oo
rLs.
dem bamburgoeza em frasqueiros a 5,8oo
ris.
dem de Ilollanda em garrafes grandes a
5,5oo rs cada um.
Id ira em botija a 4oo rs. cada uma.
Garrafes vastos de divei'sos tamanbos a 5oo,
io e 1.2oo rs
G>mma doAracaty a 80 rs. alibra muito alva
Graixa a loo rs. a lata, e l,2oo rs. a duzia.
Licores finos fi aneey.es em garrafas e frascos
de diversos tamanhos de 600 a 800 rs. ca-
, da um.
Marmelada Imperial de todos os conserveiros
de Lisboa a 91o e 7oo rs. a libra.
Massa de tomate muito nova a 64o rs. a li-
ira.
Bolachinba de soda chegada neste ultimo
navio a 1,35o rs. a lata, deste genero ha
grande porco e de differentes marcas,
que se vendem todas pelo mesmo prego a ,Am ,.
vontade dos compradoVes. Id^m mn [**. ""^T d,e Sft com, T"
v pa do mesm 1 contendo 1 lf% libra a l,8eo
Iem em latas grandes a 2,ooo rs. rs. s o frasco val quase o dinheiro.
dem propria para lambe em latas grandes dem em latas de 2 libras por l,4oors.
a l,9oo rs. a retalho, e a 800 rs. a libra.
Marmelada imperial dos melhores fabrican-' r- An ,,,, m ,
tes de Lisboa a 64o rs. a libra. 1 F,fhbde1 "S*" mu,t0 novos l!m, f"
nbos muito proprios pararaim al ,28o rs.
Frutas em calda em latas de l,ooo a5oo rs., ,. m
neste genero ha diversas qualidades 1 es- Wjraem
dem prato muito novos e de superior qua-
lidade a 4eo rs. inteiro, e a 5oo rs. a
libra.
Doce de goiaba no em caixes com 2 '/
libras por 600 rs.
dem mais baixo a 54o rs.
Manteiga ingleza flor a mais superior do
mercado a 7o rs. a libra.
dem de segnnda qualidade a 6V0 rs. a libra.
Manteiga francesa de primeira qualidade a
56o rs. a libra, e 52o rs. em barris ou
meios.
Cha perola neste genero nao ha nada a de-
sejar, e de especial qualidade, mandado
vir de conta propria a 2,800 rs. a libra.
dem huxim o melhor do mercado a 2,6oo
re. a libra.
dem de segunda qualidade a 2,ooo rs. a
libra.
dem hysson muito superior a 2,ooo rs. a -
bra.
dem preto homeopathico muito fino a 2,ooo
rs. a libra.
Sesada muito nova a loo rs. a ibra.
Cominhos, ervadece e punen la do reino a
36o rs. a libra.
Genebra de Hollanda a 5,5oo r.. a frasquei-
ra com 12 frascos, e a retalho a 5oo rs.
cada um.
dem em Ixitija hambui-gueza 4oo rs.
Genebra de laranja a 1,00o rs. os frascos
grandes.
Yinho de caj o melhor que ha no mercado
a l.ooo rs. 1 garrafa.
Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groza e 2o rs.
a caixinha.
Ii! ni de dente lixades a 16o rs. o maco com
2o macinhos.
Emilias seccas chegadas neste ultimo navio
a 16o rs. a 'ibra, e em porc5. se faz aba-
timento.
Banha de porro refinada a 48o rs. a libra e
42o rs. em barril.
Vinho braneo de superior qualic.ade proprlo
para missa a 6io rs. a garral'a.
Ameixas francezas em caixinhis elegante-
mente enfeitadas com ricas estampas a
1.2oo, l,5oo e 2,000 rs. cada uma.
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
56o rs. a libra, e em barril tora abatlmen- Comfnlio muito novo a 4oo rs. a bbra
to.
Milho alpista a 16o rs. a libra.
irainim muito novo a 4oo r
comprando de 8 libra* para cima a 32o'rs.
dem ingleza em potes de 4 a 16 libras ,Goffl?a Baito alva para engommar a 80 rs.
800 rs, a libra e o pote separado, a ,ibra> e era arrwba se far abatimento
Cha uxim o melhor neste genero, mandado' ** *** aV ^ a ]ibn
Ifr de conta propria a 2,8oo rs, a bbra. s^ verdadeiro ^^^ ^ ^ ^
dem hysson, grand, muito bom a 2,oo rs. V6m M DSS mercado a 28 a libr-
a libra.
dem preto muito fino, a 2,6oo rs, a libra.
dem preto, mais baixo, a 2,ooo rs, a bbra.
dem, verde, miudinho, maisproprio para
negocio, a l,5oo rs, a libra.
Vinho braneo o melhor neste genero a 800 ra,
a gnala e 4,3oo rs. a caada.
dem Bordeaux de ditferentes marcas, f?araa-
te-se a qualidade, a 8.000 rs. a caixa com
uma duzia, e a 7oo rs. a garrafa.
Banha de porco refinada muito aba a 46o r
rs, a libra, e em barril se far abatimento. f??> C,T garraa '^ **
doAltoDouroa2,2oors. com o grraf3o.
colher.
Champanha superior das marcas mais acre-
ditadas a L'Soa rs. a garrafa e 15,ooo rs.
o gigo.
Serveja das melhores marcas que vem ao
merrado a 5oo rs. a garrafa e a 5,ooo rs.
a duzia
dem preta superior a 36o rs. a garrafa e a
5,4oo rs. a duzia.
Passas de camilla a 48o rs. a libra e em
quarto com i libras por 2,5oo rs.
Bolaxinhas inglezas de superior qualidade a
2,ooo rs. a barrica, e a 2oo rs. a libra.
Chocolate francez o melhor que ;.e pode de-
sojar neste genero a 1,000 rs. a libra.
Magas para sopa estrellnha. >evic e, arroz de
maca a 18o rs. a libra, e em caixa a 2,000
rs. cada uma, macarraao, talh.rim, eale-
tnaa4oo rs. alibra.
Vinho Bordeaux de dierentes marcas, e as
melhores do uircado a 7,ooo, 7,5oo e
8,000 a caixa com urna duzia, e em gar-
rafas a 61o, 7oo e 800 rs., garante-sj a Amendoas de casca mole a ioo rs. a libra
boa qualidade.
,, .,. .., Avelans muito" novas a 2oo rs. a libra.
dem ligueira de superior qualidade a 48o
rs. a garrafa e 3,">oo rs. a caada. Ervilhas francezas muty novas em latas
,,.,.. a grandes a 64o rs.
dem de Lisboa a 2.800 rs. a caada e 4oo
rs. a garrafa. dem em ditas pequeas a ioo rs.
dem do Porto de superior qualidade para Ma de tmatt. em ^ d
mesa a 5o rs. a garrafa, e 4,000 rs. a ca- (jio rs
1 e 2 libras a
nada
Salmo em latas de 1 j libra a 800 rs.
Marrasquino de Zara a 640 re. o frasco,
dem em frascos grandes a 800 rs.
Cominhos muito novos a 5oo rs. a libra.
Kn a-doce a 24o rs. a-libra.
Pntenla a 3to rs. a libra.
Cravo da India a 61o rs. a libra.
Camella a I,i00 rs. a libra.
Alfi'zema a 2oo rs. a libra.
Sal -efinado em frascos de vidro a 600 rs. o
fiaeo.
Copos finos para agoa a 5,ooo rs. a duzia.
Chojricasnovas a 72o rs. alibra.
Mos.arda franceza preparada e muito nova
a 32o rs. cada um frasco.
Conservas francezas de superior qualidade a
(>iO rs, o fraseo e 7,ooo rs. a duzia.
Azeite doce a 6io rs. a garrafa.
B J ichinha de soda e lunch em latas gran.les, Sevdinta de Franca muito nova a 2oo rs. a
a 2,000 rs. cada lata. iDlili
ATTENCaO.
I* ide armazem de molbados vende-se em grandes porroes e a retalho,
11 nsa consiiieravl a quem compiar de 1004 para cima.
dem fino do Alto Douro da colheita de 1833, Lagoslinhocm utas grandes a 1.4oo ra. es-
como sejam: U. Luiz. beitoria velho, Nec-. da |na
tar, Carcavellos e Caraocs em caixa de
uma duzia a 9,ooo rs. Sardinhas de Nantes a 36o rs. a lata.
Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto Cognhac nglez a 800 rs. a garraf.i.
a 1,000 rs. a garrafa o lo.ooo rs. a caixa. ._ fnnna ,.. mik j .
6 ucor francez das melhores marcas do mer
Duque do Porto, Madeira secco. duque ge- cado a 800 rs. a gnala,
nuino, lacrimas doces a 9oo rs. a earra- 1 ...
fa e 9 5oo rs. a duzia. xa com duas arrobas por l,6oo rs., e 4o
rs. a libra.
Garrafes com vinho do Porto a 2,2oo rs.
cada um.
Vinagre de Lisboa de superior qualidade a
2oo rs. a garrafa e l,2oo rs. a caada.
Azeite doce refinado era garrafas grandes |iMostardaingle-.aa l.ooo rs. o ira-
Oli l b
dem de Lisboa a 64o rs, a garrafa, e era!
caada a 4,8oo rs.
Presuntos inglezes para fiambre a 7oo rs. a
libra,
dem de lamego encommenda particular i
48o rs. a libra, e inteiro se faz abatimento.
Toucinho do reino o melhor do mercado a
820 rs. a libra, e em arroba a 9,ooo rs.
Velas de espermacete de 4, 5, o 6 por libra
a 560 rs., e em caixa se faz abatimento.
dem de carnauba refinada a 32o rs. a libra
e 9,000 rs. a arroba.
dem de carnauba pura do Aracaty a ioors.
a libra e lo,5oo rs. a arroba.
(omina muito fina e alva a 80 r. a libra.
Araruta verdadeira a 32o rs. a libra.
Farinha do Maranhao muito alva e cheirosa
a 12o rs. a libra.
Saga muito novo *io rs. a libra.
Concervas inglezas a 75o rs. o frasco.
Sal refinado em potes a 5oo rs. cada um.
co.
dem franceza a 4oo rs. o pote.
Milho alpista a I6o rs. a libra e \ ,80o rs. a
arroba.
Graixa muito nova era latas grar.des a 120
ris.
Latas com peixo em posta erm'ticamente
lacradas das atemores qualidades de pei-
xe que ha em Portugal a l,2oo rs.
Caf lavado de ll qualidade a 32o rs., dito
de 2* a 28o rs. a libra e 8,2oo rs a arro-
ba, dito de 3* a 26o rs. a libra e 7,8oo
rs. arroba.
Charutos suspires dos melhores fabricantes
de S. Eelix a ,5oo rs. a caixa com loo
charutos.
dem finos de diversos fabricantes a l,6oo.
l,8oo e 2,ooo -s. a caixa cora loo charu-
tos, Jo preco rao indica a boa qualidade
parean deem-se ao trabalbo de virem ou
mandarem e ve rao a realidade.
Biscoitos inglezes das seguintes marcas;
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travellies.
Lunch, Cabin, e oatras muitas marcas, a
l,4oo rs, a lata.
Bolachlnha de sudo, especial encomraenda, a
2,2oo rs, a lata.
Biscoito inglez Craknel em latas de 5, 7 e 15
libras a 5,ooo e 6,000 rs, e de l,2oo a
800 rs, a libra.
Queijos do reino peto baratissimo preco de
l,6oo, 1 8oa e 3,000 rs os do ultimo
vapor.
dem prato muito fresco a 61o rs, a libra,
dem londrino muito fresco a 800 rs, a libra.
Vinhos em pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
48o, 56o, e 64o rs, a garrafa, e de 3,ooo a
4,5oo rs, a caada.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa em latas de 1 e mais libras
a 7oo rs, a libra.
Peras secaas em caixinbas de 4,000 a 2,ooo
rs. cada uma.
Figos em caixinhas de 1 '/arroba e de 8 li-
bras a 8,000,4,000, e 2,ooo rs, e a 3eo rs.
a libra, taambem ha serinbas para menfj|
nos a 60 rs. cada uma.
Amendoas de casca mole a 36o rs, a libra, e
em arroba ter abatimento.
Sardinhas de Nantes a 32o rs, a latlnha.
Toucinho de Lisboa muito novo a 3oo rs, a
libra e em arroba a 9,000 rs.
Massa de tomates a 61o rs, a libra.
Pimenta do reino a 34o rs. a libra,
Farinha do Maranhao a 14o rs, a libra.
Ceblas a 800 rs. o molho, 64o rs. o cento
e 6,5oo a caixa.
Tijollo para limpar facas a 16o rs,
Cerveja das mais acreditadas marcas de 5,ooo
a 7,5oo a duzia, e de 5oo a 600 rs, a gar-
rafa,
Prezunto para fiambre muito fresco e novo
a 800 rs. a libra,
Genebra de laranja a 1,000 rs, o frasco,
ChOHriras as mais frescas do mercado a 800
rs. a libra,
Cognac verdadeiro ing!ez a 9oo rs. a garrafa,
e lo,5oo rs. a caixa com uma duzia.
Licores francezes e pertoguezes de todas as
marcas de 10,000 a I5,ooors. a duzia.
Passas muito novas a 5oo rs. a libra e a 8,5oo
rs. a caixa. Ha caixas, meias e quartos.
Batatas a l.ooors. o igo com 38 libras e
2,oeo a caixa com duas arrobas cadauma.
Bocetas com doces se.Mios de 3,ooo a 3,5oo
rs. cada uma.
Bolachinha ingleza a 32o rs. a libra,
Azeite francez e portuguez refinado a 800 rs.
a garrafa, e 9,ooo rs. a caixa com uma du-
zia.
Conservas inglesas das seguintes marcas:
Mixed, Pickes, e ceblas simples a 800
rs. o frasco.
Mostanla iogless preparada em potes a 4oo
rs. o pote.
ores muito novas a 160 rs. a libra e 4,800
rs. a arroba,
Vasos inglezes vastes de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de manteiga, doce,
e outro qualquer liquido, de 1,000 a 3,ooo
rs, cada um,
dem cora 5 garrafas de vinho Figueira. maia
proprio para a nossa estaco por ser mais
fresco a 2,4oo rs. com o garrafto.'
dem com 5 garrafas de vinagre a 1 ioo rs
o garriflo.
Sab5o massa de superior qualidade a 18o.
2oo, e 22o rs. a libra do melhor que ha'
Graixa era latas muita Bova a 12o n. a lati-
nha, e l,3oo rs. a duzia.
Peixe em latas muito novo: savel, pescada,
curvin. salmo e outras muitas qualidades
preparados de escabexe, segundo a arte de
coznha, de I,2ooa 2,ooe rs. a lata.
dem do Alto Douro viudo do Peste engar-
rafado e escolhido pessoalmente por um
dos socaos que se acha em Portugal, das
seguunes marcas : Duque, Genuino, Ve-
lho secco especial, Lagrimas Doces de
1819, nnho especial D. Pedro V, vinho
velho. Nctar superior de 1833, Buque do
Porto de 1831, vinho do Porto velho su-
perior, Madeira Secca de superior quali-
dade, vinho do Porto superior D. Luiz I
de 1817, Lagrimas do Douro, especial vi-
nho do Porto, de l,ooo a 1 2oo rs. a gar-
rafa e de 10,000 a 12.000 rs. a caixa roa
uma duzia.
Vassouras americanas a 800 rs. cada uma.
Velas de spermaeete as melhores que ba no
mercado a 56o e 6io rs. o masso. e em
caixa S3 far umjgrande abatimento,
dem de carnauba e composico, de loo a
:2o rs. a libra, e de lo.ooo rs, a II,5oo
rs. a arroba,
Caf de t' e 2a sorte de 8,3oo a 8,600 rs. a
arroba, e de 28o a 32o rs. a libra de me-
lhor,
Arroz da India. Maranhao e Carolina a 3..oo.
2,8oo e 2,4oo rs. a arroba e a loo rs. a
libra.
Frasqueira de genebra a 5,8oo rs. e a 5oo
rs. o frasco.
Azeite doce em barril muito fino, a 61o rs. '
a garrafa, e em caada ter abatimento.
Papel greve pautado e liso a 3,5o** rs. a
resma.
Geaetra de Hollanda em botija de conta a
41o rs. a botija.
Passas corinteas a .'00 rs. a libra e l2.,Soo
rs. a arroba,
Ervilhas franceza e jKHlugueza a 640 rs a
lata de uma libra.
Chocolate francez, hospanhol. soaso e por-
tuguez a l,ooo rs a libra, e a 28o rs. ra-
da pao de uma %f%:
Ameixas francezas em ssixisass elegante-
mente enfeitadas. com diversas vlimpaa
no exterior da caixa de 1,500 a > rs.
cada uma; tambe ha frascos e latas de
differentes tamanbos qne se vendem por
mdico preps.
Massas par 1 sopa; macarro, Ullurim e ale-
tria 1 18o rs. a ibra, e em ana se fart
abatimento.
Garrafes com 14 garrafas de genebra de
Hollanda a 5,5oo cada um.
Charutos de todas as marcas e dos melho-
res fabricantes da Bahia de 3,ooo a 4,aoo
rs. a caixa.
ATTEM^AO
Todos os senhores que; comprarem para negocio oucasa particular de 1005 para
cima tero mais 5 a 10 por % de abatimento; o proprietario scientifica mais que todos
os seus generes sao recobidos de sua propria encommenda, razio esta pan pal ven-
der por muito menos do que em outro qualquer estabelecimento.



Diarto de I'cruaiubuco *<"gmi 4
ATTENCAO
9 LARGO DO CAKJMO 9
GRANDE SORTIMENTO j
DE
P3
PARA A FESTA.
DUARTE & C.
Participam aos seus numerosos frsguezes c ao publico em geral que acabara de
receher de sua propria encommenda, o riis lindo e completo sortimento de molhados,
os quaes vendera por grosso e a retalho \m menos 10 por cento do que outro qualqucr
annunciante, como verlo pela seguinte tabella que abaixo notamos, garantindo os mes-
mos proprietarios nao s o peso como a qualidade de seus gneros.
Al ISO.
Todos os senhores que comprarem para negocio ou casa particular de 1004 para
cima teo mais 5 a 10 por cento de abitiment, os proprietarios scientifitam mais que
todos os seos gneros sao recebrdos de su i propria encommenda, razao esta para po de
vender por muito menos do que outro qualquer estabelecimento.
DO
Manteiga ngleza flor a 8oo rs. a fibra.
QMtnkM mudo nova* a 2,ooo rs. a caixa, e
a 16o rs. a libra.
dem hysson muflo superior a 2,7oo rs.
Vellas de carnauba e composicSo de 32o al,, "l- ...
no___. ilI j- i- 12. -ii____ Memuxima 2,5oo rs. a libra.
PROGRESSISTA
RA RAS CIU7J]S *I. :*
E
RA DO CRESPO N. 9
!%'o balrro de Manto Antonio.
Joaquina Jos Gomes de fttonza scientifica a seus numerosos fregu^
zes e ao publico em geral que acaba de estabelecer um novo armazem de molhados
ra do Crespo n 0, aonde se encentrara sempre os melhores gneros de estiva, que
se venderlo a retalho e por atacado, por menos dos que se venderem em outra qualquer
parte, affiancando-se aquellas pessoas que comprarem nestes armazns a superior qua"
lidade de gneros, precos commodos e bom acondlcionamento.
O armazem da ra do Crespo situado no meliior local desta cklade com e as-
seio que de necessidade manter-se com estes estabelecimentos, faz crer a seu pro-
prietario, que ninguem deixar de aortir-se n'um estabelecimento aonrje secnconra sin-
ceridade, para ir-se comprar aonde se nao offerecem tantas vantagens.
Sende este armazem no verdadeiro ptuto de partida para os arrabaldes desta
cidade, nao ser diflctl queiles senhores que tem de partir nos mnibus darcm suas
encommei)das neste armazem, que sempre lhes offere^r os mais agradaveis gneros
Cha perola de especial qualidade a ,8oo rs. dem muito superior a l.ooo rs. a garrafa
a libra.
a Caf a 28o e 32o rs. a libra, e a 8,ooo e
CONSERVATIVO
DE
JOAQUOl StlAO ROS SAUTO*
23Lirio do Terco2.3.
O proprietario desle armazem de molhados participa ao publico a a t
que tem um grande sortimento de tudo quanto perlencciile a n.. Iba
um armazem pan uniente recebar os gneros demaior quanlidade. fu him
toes emboasquadras, e que sempre pode vender por menos de 10 a 20 por
que era outra qualquer paite, garantindo o proprietario qualqucr ,
armazem, tanto em peso como em qualidade.
Manteiga ingleza flor mandada vir por corita propria a 800 rs. i libra.
dem franceza, vinda pelo ultimo navio a 560 rs. a libra e 540 rs em I irr>.
Banhade porec relinada, propria para pastis 3 480 rs. a libra, eem barril i k
Velas de espermacete e carnauba do Aracaly a COO rs. o massn e 100 e 140 r
Cafe lavado do Rio e do Cear, o melhor deste genero, a 280 ra. a libra < I
roba.
Batatas novas em caixas com 2 arrobas por 2(5000, arretalham-se a io rs. i
Toucinho desembarcado ltimamente a 3oo is. a libra, em barril ou arroba a
Cha de Ia, 2. 3a e 41 sorte a 2*800, 20500, 2,^000, e 1*600 a libra.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs a garrafa, e de carrapato a 280 rs. a garrafa,
2(Sooo. %"
Genebra verdadeira de Ilollanda, em botijas, de conta certa, mana pallo a MI
Milho alpisla o mais limpo que ha a 160 rs. a libra a 5/000 rs., a arroto
Ilalanca.
Vende-se nina baUnra dcimal nova, im
36o rs. a libra e de lo.ooo a H,eoo rs. a
arroba.
Itolinho francez e em caixinhas de 7oo a Genebra de Ilollanda em botijas de conta a
I ,">eo rs. cada urna.
Iikxn fian, era a mais nova do mercado a 56o
rs. a libra, e 54o rs. era barril. \ ^^ papa ^ macarr50j ^^ e ^m
Ulem hysson a 2,3oo rs. a libra,
dem idem a 2;ooo rs. a libra.
lera abatimento.
dem de pono relinada muito alva 46o rs.
a libra.
Prezurito para fianbre a 8oo rs. a libra.
Cha uxim miudinho vindo de conta propria,
o melhor do mercado a 2,8oo rs. a libra.
dem hyson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra.
kl'u perola o melbor que se pode desojar a
2,7oe rs. a libra.
Id no preto muito fino a 2,5oo rs. a libra.
Idern mais baixn pouco a 2,ooo rs. a libra.
I dra mais bauo a l,6oo rs. a libra.
Vinho do Alto l> i uro vindo do Porto engar
cafado garante-s a superioridade deste vi
nbo, das seguintes marras : Duque, Ge-
nuino, velbo secco, especial lagrimas do-
.os.le IN10, vinho especial D. Pedro V.,
lBha vlito, Ncctar superior de 4833, Du-
que ilo Porto de 1834, vinho do Porto ve-
lbo superior, madeii a secca de superior
qualidade, vinho do Porto superior D. Lu-
W, 1 "de 1847, lagrimas do Douro espe-
cial, vinho do Porto de l.oooa l,2oo rs.
a garrafa e de lo.ooo a 14,000 rs. a caixa
com urna duzia.
Bolachinha de soda especial encommenda e a
maLs nova que ha no mercadea 2,2oo rs. a
lata.
Bsenlos inglezes das melhores marcas em
latinhasde i libras a l,3oo rs. a lata.
Idea inglezes craknel em latas de 5 e 7 libras
di B.eeo a 6.000 rs. a lata, e em libra a
800 rs.
Oueijos do reiDO chegados pelo ultimo vapor
a zV'ioo rs. cada um.
Idea prato a 7oo rs. a libra.
Vinho em pipa das mais acreditadas marcas
coma sejam BA F., PRR, JAA, outras
un lilas marcas, Porto, Lisboa e Figueira ;
de 8o, 3oo, 56o, 64o e 800, rs., e o do
Porto fino em garrafa, e em caada a
3,ooo, 3,5oo, 4,060 e 6,5oo rs. o melbor
do Porto.
dem Bordoaux das mais acreditadas marcas
a 700 rs. a garrafa, e a 8,000 rs. a caixa.
???h^c.nneemdUZaUembarrCa Wempretode qualidade muito especial
2,000 rs. a libra.
dem idem inferior a l,6oo rs. a libra.
a 48o rs. a libra e em caia ter abati-
meoto. Champagne a melhor neste genero a 1.5oo
rs. a garrafa e 18,ooo rs. o gigo.
dem estrelliuha, rodinha e pevide em caui-' .. .
nhas de 8 libras, muito bem enfeitadas de ,dem lnferior *0.000 rs. o gigo e l,ooo rs.
2,5oo a 3,5oo rs. a caLxialia e a 600 rs. a! a S^rzfa.
ubra- Chocolate francez, hespanhol, e portuguez, a
Doce de goiaba em caixas de diversos tama- a 9oo e l,2oo rs. a libra.
nhos de 600 a 1,000 rs. o caixSo. ChaiUtos dos melhores fabricantes da Babia
SabSo raassa de 2oo a 24o rs. o melhor, em e,,e qnalidades. espa-ialmente escolhidos,
caixa ter abatimento. de 2,000 a 4,5o rs. a caixa.
dem hespanhol a 28o rs. a libra. Farinha doMaranbo muito alva a 14o rs. a
libra
Peixe em latas muito novo; savel, pescada, .A .
corvina, sahnSo e outras muitas qualidades ,dom de aran,ta ver,ia,Jeira a *oo rs. a hbra.
proparada de escabeche 2. a arte de cosi- Vinl do Alto Douro engarrafado, e qs mais
nha de 1,2o a 4,8oo rs. a lata. bem escolhidos, lagrimas do Douro, D. Pe-
Figos em caixas de 1 arroba, fe libras dro V? D> f* l> ^U(ui gno, Nettar
a 8,000 4,000 e 2,ooo rs. a caixinha. superior, Mdvasui lina, Bastardo, e outros
Barris de vinho brahro de quinto, marca B
Filho a 60,ooo rs. o barril.
Marmelada imperial dos ra lbores coaservei-
ros de Lisboa a 64n rs. al liaba de 1 llira,
Ua latas de 1 4 e 2 libras.
Massa de tomate em latas douradas de I libra
a 64o rs. a lata.
Ameixas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas de 1,5o a 3,ooo rs. a
caixinha, tambera ha latas do 1 "* a 6 li-
bras de l,2oo a 4,5oo rs. a lata.'
dem em frascos com tampa de rosca a l,6oo
rs. o frasco.
a H.ooo e l,ooo rs. a duzia e l.ooo rs.
a garrafa.
Idem Cherry e Madeira a l,3oo rs. a garra-
fa e lO.ooo rs. a duzia.
dem Bordeaux'de diversas marcas de 8,000
a lo.ooo a duzia, e 800 rs. a garrafa.
Bolaxinhas americanas a 3,ooo rs. a barrica,
e 2oo rs. a libra.
Batatas muito novas a l,ooo rs. o gigo, e 60
rs. a libra.
Banha de porto refinada a 48o rs. a libra, e
em barril a 44o rs.
Vinho em pipa de Lisboa, e Figueira, du3,ooo
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e ; a 4'000 rs> acanada> e 5oo rs. a garrafa,
suisso a l.oo rs. a hbra. dem de Lisboa em ancoretas de 8 a 9 ana-
Conservas inglezas das seguinUs marcas | ^ ^ ~i7-000 rSl
J,l,xd_e"Pic,cs e ceb0"as simples a 75o rs dem do Porto muito especial a 5,rio rs. a
caada e 72o rs. a garrafa.
9,ooo rs. a arroba.
Cerveja das melhores marcas do nosso mer-
cado de 5,000 a 6,000 rs. a duzia, e 5o
rs. a garrafa.
Conservas inglezas a 7o rs. o frasco e 8,*>o
rs. a duzia.
Doce em calda a 5oo rs. a lata.
dem de goiaba em caixas a diversos tama-
itos e de diversas qualidades de 64o a
l.ooo rs. cada urna.
Ervilhas francezas muito novas de 48o a 64oj
rs.
dem portuguesas a 72o rs. a lata,
dem seccas a 2oo rs. a libra.
Vassouras do porto com arcos de ferro a 32o
rs. cada urna.
Velas de espermacete da melhor qualidade
a 600 rs. o maco.
dem de carnauba e composicao a 32o e 36o
rs. a libra e 10,000 rs. a arroba.
Tijolo para limpar facas a 14o rs. cada um.
Toucinho de Lisboa e Santos a 32o rs. a libra.
Sevada muito nova a loo rs. a libra.
Peixe em latas grandes, savel, poscada, cer-
vina, eolrae qualidades a l.ooors. cada
lata.
Grande liquidaran de fazendas at a
fesla, para se Sudar cotilas, a pro ei- A
.a.L..j.i i- X dodek>uro, grande, tres duzas .1.-i.il-.< i
Vfllem qUC OestaS peclimclias lia<> ha de farro de rempode t plan,
sempre : ra da Impcralriz, loja ^l^wtoiFw10*"*""*" "a
e armazem d> Arara n. 06, de I ou-
i'cmo Per. ira Vendes du maraes.
Cabertute# da Arara a l#.
Vendu-se cobertores de pullos a 1} e latido,
roberas de chita 3. i& ; oa ra da lmperalriz n.
56, loja de Mondes GnrmarSes.
A Arara vende as tazinlias de 9 pal-
mis al $200.
Vende-sc laazinhas de uma s cor e (uadrinlios
pvoprios |>ara capas, com 9 palmos de largura a
Vende-se urea escrava criwiia de 30 vim*
bonia figura, propria para todo .vei 1
mo um mulatinho de 6 7 asno, 1
a tratar na loja de ferragens, ra da Cadria
Keci.'e n. 56 A, de Bf.stos.
ESCBAYOS FGIDOS._____
Fngio do engenho Pirau da roonrra da 1 ?-
dade de .Naiareth en W do mez (!. :naio do ro-
0 frasco.
s de vinho colares a 3o,ooo rs., e hiena em garrafoes com 4 / garrafas por
2,5oo rs. cora o garrafo.
Vinagre de Lisboa muito superior a 2,000
a 72o rs. agarrafa.
Sardinhas de Nantes a 32o rs. a latinha.
Charutos das mais acreditadas marcas da
2,3oo a 4,000 rs. a caixa.
rs. a caada.
dem mais baixo a 1,5oo rs. a caada, e 2oo
Ghampagnhe a melhor do mercado de 12.000 's' a ari*afa-
a 24,000 rs. ogigo,ede l,2ooa2,ooors. a dem em garrafoes cora 4 fk garrafas por
l,2oo rs. com o gairafao.
garrafa.
Papel greve paulado ou liso a 3,5oo rs. a res-
ma.
Manteiga inglesa a 600, 7oo, 800 e 9oors. a
Garrafa* com 5 garrafas de superior vinho i, iam Aa n n A ,. libra de Primea quadade.
do Porto a *Z rs. com o gLaao. |J "Ug^ 0U "z0 de *>*> a dem franceza a 36o rs. a hbra em barril, e
A 6oq rs 3 n'Lil!io
Idem com 3 garrafa de vinho da Figueira mais Oomma muilo fina e alva a 80 rs. a libra.
proprio para a nossa estaco por str mais Milho alpiste e painso de 16o a 2oo rs. a li- Ameixas francezas em caixinhas com ricas
fresco a 2,4oo rs. com o garrafo.
dem com 5 garrafal de vinagre a l,2oo rs.
com o garrafo.
Vinho branco o mais superior que vem ao
nosso mercado a 56o rs. a garrafa, e a
i.:ioo rs. a caada.
Velas de esparmacate as melhores neste ge-
nero de 060 a 64o rs. o maco, e em cai-
xa ter grande abatimento por ha ver
grande poreao.
Azeite doce em barril muito fino a 64o rs.
a garrafa e 4,8oo a caada.
Idcta francez refinado a 800 rs. a garrafa.
Ervilhas francezas e purtuguezas a 64o rs. a
lata.
Bocetaj eom doces seceos de Lisboa de 3oo
a l,4(oi rs. cada uma.
Toucinho deLisboa a 3oo rs. a libra, e a
),oio as. a arroba.
Nuzes muito novas a 16o rs. a libra e 4,8oo
re. a arroba.
Caf de L\ 2.a e 3.' qualidade de 26o, 3oo
e 36o rs. .-libra, doCear de 7,8oo, 8,600,
e 9.200 rs. a arroba do melhor.
Arroz da India, Java eMaranho de 2,2oo a |
3,000 a arroba, e de 80 a loo rs. a libra.
bra.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a grosa e 2oo rs. a
duzia.
estampas no exterior de l,2oo a 2,000 rs.
cada uma.
dem em frasco de vidro de diversos tama-
Vasos inglezes de 4 a 16 libras vasios, muito *"* l* e *'* *
proprio para deposito de doce manteiga l(,em cm ,3tas de 1 1/2 e 3 libra a l,3oo e
ou outro qualquer liquido de l.ooo a 23o rs- cada uma, e a 800 rs. a libra.
3,ooo rs. cada um. :,-.. .... ..,
r igos de comadre em bauzmhos de folha pro-
Licores das melhores marcas e mais finos P1'08 Para Blims a l,6oo rs. cada um.
ment* "' *""** ^ ^ ^ ^ Idem era caixinhas de folha a 3 rs-
dem em caixas grandes a 2oo rs. a libra.
dem em latas ermoticaraente lacradas de
l,6oo a 3,ooo rs.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa
e lo,3oo rs. a caixa.
Chouricas as mais frescas do mercado a 800
rs. a libra.
12o
1 Arroz da India e Maranhao a 80, loo e
Genebra de laranja em frascos grandes a! rs- a ,ibra*
; Amendoas de casca mole mnito novas a 4oo
marcas de re' a ^'^ra-
5a g^ra'fa.'500 ^^ ^ "^ ^ AzeHonas su'M?,"iores a re- barril-
u-. ^ k Alpista a 14o rs. a libra e 4,6ooa arroba.
Idem em botijas e meia, sendo preta da Letria a 4oo rs. a libra,
muito creditada marca T de 6,000 a 7,8oo
1,000 rs. o frasco.
Serveja das mais acreditadas
Passas muito novas a 8,3oo a caixa e
a Hbra. ha caixas mcias e quartos.
SeTOdnha de Franca a 24o rs. a libra.
Sag mulo novo a 28o rs. a libra.
5oo
Biscoitos e bolachinlias inglezas as ultimas
chegadas ao nosso mercado a 1,2oo e 1, 4oo
s. cada lata.
Bolaxinha de soda e lunch em latas grandes
a 2,ooo rs. cada lata.
Cognac de superior qualidade 800 rs. a gar-
rafa.
rs. a duzia.
Ceblas emmolhos grandes a 8ooomolho
640 o cento, e a 6,3oo rs. a caixa
Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
Farinha do Maranhao a 14o rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 16o rs. cada um.
Cominho a 4oo rs. a libra.
lirva doce a libra.
Canella a l.ooo rs. a libra.
Latatasa l.ooo rs. o gigo com32
das e 2,3oo rs. a caixa de duas arrobas, ,axr de'ser mantida pelo proprietario" desles arinazens.
Papel greve pautado e liso de 3,ooo a 4.000
rs. a resma.
Passas muito novas a 8,000 a caixa e 48o rs.
a libra.
Palitos lixados para (lentes a 14o rs. o maco.
dem de ffr a 2oo rs. o maco.
he/ninto para fiambre inglezes e americanos
a 83o rs. a libra.
dem do Porto a 48o rs. a libra.
Quoijos prato de 48o a 600 rs. a libra.
dem londrinos os melhores que se encontra
neste mercado a 800 rs. a libra.
dem flamengos vindos no ultimo vapor de
2,8oo a 3,ooo rs.
Sardinhas de Nantes muito laovas a 32o ra.
a lata.
Sag muilo novo a oo ra. a libra.
Ideui muito superior a 28o rs. a libra.
Sabao maca de diversas qualidades a 2oo e
24o rs. a libra.
dem inferior de 12o a 18o rs a libra.
Genebra de Hollanda em frasqueiras a 6,5oo
rs.
dem hamburguesa em ditas ao,8oo rs.
dem de Ilollanda em garraloes grandes a
0,000 cada um.
dem em botija a 4oo rs. rs. cada uma.
Garrafoes vasios de diversos tamanhos a5oo,
64 e l,2oo rs.
Gomraa do Aracaty a loo rs. a libra.
Graxa a loo rs. a lata, e l,2oo rs. a duzia.
Licores finos francezes em garrafas e fras-
eos de diversos tamanhos de 600 a 800 rs.
cada um.
MOo covado, Has par resudo a 280, 340 e-'rente anuo 1863, wr mulatinho d.- n.n
WO rs. o covado : na ra da hnporatriz, loja da : de id ule 15 anuos, levou veyudo c-iuia e eercaa
Arara n. 56, de Mendes Guimares, 1 de algodaozinho azul, um tanto de.-i ra
_ m^.^. .. tem es ps feios e o? dedos delles ai n l itados, os
mWVm a .4>rara a 4W res O ps adiante largos e os calcanhr. > lii
i'Wiuia. I costume de andar com a cabera batas
Vende-se brim pardo de linno com pequeo to-1 estirados, de cabocolo : qaaai u aajar e Iraavcf
que de mofo, que depois de mulhado larga, proprio
para cal?as e palit its, a 400 rs. rs. o covado ;
baiio branco de linio alje 1-5400 a vara, fu.-tao
Ue cores para calcas, coleles e pautte a 900 rs.
o covado : na ra da lmperalriz, loja da Arara n.
56, de Mendes Gui liarais.
em dito engenho sera recompon. ulo com HX).
^if^ro fujtidrt.
Fuj;io no da 43 de Wiwnbro d>- 186:1, da |wa-
ria da ra Heal do Ma'>guii'.!i<>, um -rra- de Ma-
me Balbino, o qual ptrtence i Sra. l> TI
LSazinhar .arla Pa da Arara.' r?n''"a n mom? ri? r"m -'
Vende-se Ia.inh.is a Maria Pa muilo finas, com i K'!?vi,!!1fa,l,1!f' I1- T%**<
padros e palmas lie seda, para vestidos a 560 o I ^^^["'fr <**'''*> "" ^ "
ovado, sedinhas linas a 300 rs. o covado ; oa ra 1 i:mm,na?J***> *,lura eRular, ,*" B
da Imparatriz n. 56 I Sur2a. e0Hsa- e desconfia-se andar para as
A Arara vcudc as capas a 8,000 rs.
Vende-se ricas capas para senliora a 8, chales
de merino estampado a 45-">00, ditos fiaos matisa-
dos de novo posto 1 53, dito de ponta redonda e
borbta a 7$500 : na roa da Imperatriz n. 56,
tajada Arara de Mendes Guimares.
Oh que pecbincha, liaziulias a 280 rs.
Vende-se laazinhis linas para vestidos a 280
e 340 rs. o covado, lencos branco com barras de
cores a 200 rs., me,as linas para seonora a 400 e
800 rs., ditas cruas a 400 rs., ditas para hornera a
100e 400 rs.; na ra da Imperatriz n. 56, loja da
Arara.
A Arara vende as cassas a 200 rs. o covado.
Vende-se cassas de qoadrtobos a 200 rs, o cova-
do, ditas linas a 450 e 480 o covado, organdys finos
a 240 e 480 o covado : na ra da Imperatriz n.
56, loja da Arara.
IVchiiiclia, M'ilinlia.- da Arara a $00 rs. o covado.
Vende-se sedinhascom quadrose lisas, escuras,
proprias para queni est de luto, por ter uma s
cor a 800 rs. o covado, ditas da mesma qualidade
de cores para vestidos a 800 rs. e ditas de listi-
nhas a 500 rs. o covado: na ra da Imperatriz n.
whiir ^l^y^J^ juma eo* estaYTbgHoi desde o ,1.a ,K
Ph.i.rha na Arara, cortes de chita a 2o00. outubro prximo passadj desle
Vende-se cortes de chita franceza com pequeo 4863, os dous escravw mu.
toque de mofo a 2o00, cortes de rucado francez aLjuIt, assigua0> scndo um Ue ^,. (k, lo
com 14 covados a.14, cortes de cassas francezas bastanteclarn.de 18 anuos d.-
.jiiiladas a 2 o corte, ditos de barras. a U. 3* e do e ,,i(,0 Mos sotlos, r
i3 : na ra da Imperatriz n. ot>, loja da Arara de co ue barbi,, 0,hus> narj, e ^^ r(.pilj
Mendos (.uimaraes. limados na fenle, ps grandes. 1.1;. m
l. ase ni 1 ras a 1^600 o covado. do, tem na canela e no tornozelo i
Vende-se casemiris de cores para calcas, cole- riz j fechada, e do lade junto ai
tes e paletots, infestada, a 13600 o covado, cortes de caustico, levou roapa de tobrerelente : e
de casemira infestada a 13600 e 23, e em covado a tro quo o seduzio chama se Thnniar. ;ili- i
13 na ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara de do corpa, de 45 para 50 annos. .
Mendes Guimares. redondo, comalgumas n^nas de U \,l
A .Wara vend roupa frila e batata. ; carado, olhos pequeos e mor! -, ia. na-
Yende-sc palilots de casemira a 43500, 6J e ; nse bocea regulares, falla deym uma a
3, calcas de .13500 a 53, palilots de panno a 103,! T^A"T,k ".T."*"' em 22 **"* W*2
utos linos de 143 e 13, ,'ali.ots de brim de cor 8" d ? *,*u'ra' e nesU mu.U> n-arcas W
a 43500 e 33, ditos de meia casemira a 33500.' ^S^Ja fechadas, conservand.. un a aa
calcas de brim de ceres a 23 e 23300, ditas bran- j v?"^1*'^,^ S r'" '"'TY" '
eas'dc Ifnho a :i3?KMi e 43, ditas de meia casemira 1^' "f "h *?***' ^S *" '
a 24, coletes a 2350) e 3, camisas francezas a 1,8?' l' f**,0 cani,,nno do 8|", >> VT rt"
Igum engenho trabalhanC.i cmm f- rn i
vou enxada, foice e faco de corlar rapua.. i
\ende-se baldes americanos, os melhores que sj0 trabalhadores de enxada. e ii.iel:j;.rt. i:
Bcberilio, oa no Kooife no traballxi de incit
portanto roga-se as aMiovitiades bqIm iam e *o* ra-
pilies de campo a captura do d I .-;
casa da dia senhora, que Ihe gratiOrar <
seu trabalho.
Escravo futido.
9O0J9OOO ele srailflcrvo.
Continua fgido dele Janeiro o n
Raymundo, natural de Ico. estatura regatar, ulule
de 18 annos, cabeca chata, eahellm i|inha,
testa grande, ro.-to uval, rom uma ii-i a a
esquerda, niacaas saliente, deni. -
dos, bocea regular e principio de
pequeos, costumava mdar calca
se liv-e : apem o apiin-bender, dirija-M a luada
Cadeia do Itecife n. SI, uta Antonio Se>|0 ra.
que entregar a referida granii.
mm(j
o escravo Adiio, de vinte e lanos annos de triad*,
boa figura e cgo de um oluo : |H o | egi
ve-o a ra da Cadeia n 3:5, I
recompensado.
13600, ditas linas a 43 e 23500, ditas de |nho fs tem fgido, onde na *
prega largaa33,serouas tinas a 13600, ditas de I "fl ftj? J!"L!S?"*
linho a e 23500 : na ra da Imperatriz n. 56, ZJ,"lJ?' '
loja da Arara de Mendes & Cuimaraes. i md adonna ;lrada,l,'r7> e M''";
Mta da Arata a 35, 3?500 e -1$. 'jRom enfrenho lrabalhant-"-}""" "
Marmelada imperial de ti dos os conservei-
ros de Lisboa a 64o e 700 rs. a Hbra.
Massa de tomate muito nova a 64o rs. a
libra.
Marrasquino de Zara a 64o rs. o frasco.
dem em frascos grandes a 8c>o rs.
iominhos muito novos a 5oo rs. a libra.
Erva-doce a 24o rs. a Ubra.
Pimenta a 36o rs. a libra.
Cravo da Inda a 64o rs. a libra.
Cannella a l,Ioo rs. a libra.
Alfazema a 2oo rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 6oo rs,
o frasco.
tem vindo, de 20, 30, 35, 40 arcos
43 e 43500, ditos de bnlhant
madaoolao a 33600 : na ra
loja da Arara.
Cbitas da Arara a 210 rs.
Vende-se chitas a 240 rs. o covado, ditas fran-
cezas oom pequeo te que de mofo a 280 rs.. dirs
limpas a 340, 360 e 400 rs. o covado : na ra da
Imperatriz n. 56, loj, da Arara.
A Arara receben polo vapor um sortimento de ro-
mriras para senhora, dos melhores gostos que
tem vhdo, a prre > de 1$, 15600 e 2$.
Vende-se romeiras para senhoras de cambraia
de salpicos brancos e de cores e bordados a 13,
lafiOO e i&, golinhas rom botiior.inho a 5R0 rs.,
ditas com peitos e botaozinho a 13. eamizinbas
para senhora a 13,13600 e 43, aventaes e corpi-
nho para meninas a iWK) rs. : na ra da Impera-
triz a. 56, loja da Arara.
Vende-se uma mulatiulia
do Hecife n. 56 A.
na ra da Cadeia
F\HIMI\
Saceos cora farinha nova e igual a de Moribeca
a 43500 : no armazem da aurora brilhaote, largo
da Santa Cruz n. 8i.
Ao n. 9.
Rova loja dos baraleiros na roa do Queimado.
Riea9 saias de fustaoa 53, camisas Inglezas para
senhora a 23, 23500, 33 e 43, cuberas de fustao
brancas a .*>3, chitas com lustro para ciberta com
6 palmos de largura a 640 o covado, eambraia de
cores para vestido a 3 rO o covado, laas para- vesti-
do a 480, 560 e 640 o covado.
Ao n. 29.
Nova loja dos baraleiros na ra do Queimado.
Tarlatanas de todas as cores, fazenda muito tina
a 720 a vara, cambraia para cortinado, peca de 22
varas, por 103, chales de lia por 33, 43, 53 e 83,
camisas inglezas para homem a 383,503 o 603-
Ao n. 29.
Nova loja dos baraleiros ua ra do Queimado.
Bicos pretos, franjas de todas as qualidades.
1) arcos a 33, 33500, j0 de campo: roga-se s autoridade |<
intua a 4*, ditos de pitaes de campo, ou qualquer pewoa QM
a da Imperatriz n. 06, 0 mandem pegar e levar no Hecife, ra do ha
dor, terceiro andar n. 44, que serao bem rercm-
pensados._________________________________
Fugio do lugar Barros da provincia da Para-
hiba de Norte o escravo Anselmo, erioolo, idade
30 armes, corpulento, cabeca, olhos e borra n gu-
iares, dentadura nerfeita e ara. nariz gmssoa
chato, barbado, conserva saiasa, lesta qiudrada e
lisa, canellas tinas, nao tem (albo aignn .! rl
em seu corpo. Esse escravo part
assignado, fugio no dia 14 ilo corr-1
na san de capoeiras do termo da vill.- t
llio, e recolbido cadeia daqiiilla rilhi a ,l.-)o-
cao do delegado da mesma, e foi pelo bmsbm> en-
tregue aos portadores por quem orne iil
assignado mandn receber: ISMBodta i-
renle e ao dia 23 do mesmo tomn a fngir. C.on-
fessou esse escravo em sua chegada ir para l'e-
cife diruido por uma pessoa que ao esawaaaioM
assignado repugna declarar I | i -ua la-
milia al'i moradoras, e tambei a un sen riirrr-
pondente para exportarem-no como BH escravo,
mudando-se-lhe o nome. Nao peno cre pa
s as pessoas perlcurente.s a familia '
o seu correspondente svjam capa)
a um procedimento lio revoltanie I as-
signado protesta contra quem assim proceder aos
termos da le; c generosamente gratificara a a
o apprehender, que se poder dirigir im li
ros ao mesmo abaixo assignado, ca
aos Illms. Srs. major Francisco Camello rr--i a e
Lacerda e Manoel Ignacio de oliven a l>.bo. Teaa
mais o abaixo assignado l declarar fM
escravo muito conhecido por dive.....
nessa eidade como bem sejam o> Si- I i
va Loyo. Dumingos Jos remira, i
Costa Portoearreiro, coronel Jos Mana Udrl
Jacome da Veiga Pessoae ouiros bou
Jos da Silva Pi --..
iinda est fgido o cabra Seraphim. -le .14
annos, pouco mais ou menos, altura i
do corpti, rosto em proporco. venia- arre
barba serrada, marcas de bexigas. lalb
costuma fumar cachimbo, tem um m
p esquerdo por Ihe faltar os tr
Mi ipM > cotosinhn--. lem nnh l
A1 1 JliJ\ CiAU artigos se vendem por melado do seu valor por ser
comarca do Brejo da Madre de Deo
Otoridades daquelle lugar e do Itm
proprietai io dos armazens do Progressista jamis; deixar de ofTerceer aos seos'. Vende-se a taberna na ra do Aragao n. 36, tem conbecimento. e
i
-
s cora a armacao. i o tiver occdlto.Jos Duarte
, freguezes tudo o que ir preciso para que sejam bem servidos, e como a Cesta se aproxi- bom ne&0(,' P*" um principiante por Mr poneos a captura do Mano, e li
libras liqui-,ma ptima a occasio dos seus freguezes experimentarsm a realidade riue nunca dei- undose ostal''"'In af"'uezada, tanto para a ter- do Aragao u. s, qn
s arrobas, axr de ser mantida uelo nrooriemo dips armazn Ira como par_a..",ali t lamljcra faz fle800i0 ratlcar generosanv


8
Mario de PernanibitcA ttegunila fcira -1 LITTERATURA.
0 que vae pelo mundo.
Acota da aoweacwdomigraa europeu, por
S H. Napolcio BE, contraaos nos jomaos daEu-
ropa os seguimos documentase ai i:
|. Carta da rainlia deHespanhaao imperador
di Pi un ses.
Sr. mal irmao.A imporlaolssima carta que
V. M. s.....viu dirigr-mo de Pars, Oten dala de i
do correnle, nao poda deixar de ser tonudl em
.silencio lauto por mim como pelo meu
governo.
Mu louvavel me parece o proposito de V. M.
de aspirar a que se resolvam de um modo intera-
mente pacifico as arduas qui"-io>'s |n>liticasque hoje
tcem as naques ra agitacao profunda.
Para que a tranquillidade renasca, queira a
Divina Providencia conceder V. M. a fortuna do
ver realisados os seus intuitos e de contribuir para
veacer as immeoMS difflculdades que iraz sempre
comsigo a lula do encontrados interesses.
Convenho com V. M. em qui os tratados de
1813 padecem da debilidade que em ludo produzo
tempo e o uso, como tambem o forjado influxo dos
graves acontecimentos, que em repetidos casas de-
ram em resultado notorias e transcendentes nfrac-
ees do sen texto e do seu espirite
t Conveuho cgualinentc com V. M. cm que, se
foi sempre a guerra urna graude calamidade para
o> povos, so-lo-hia muito maior nos lempos presen-
tes pela desastrosa perturbaco que produziria as
nac5es, cada vez mais estreitamente ligadas pela
cortiinuuidade dos seus interesses moraes e mate-
riaes.
Porlanlo, se chegar a realisar-se o pensamen-
to de V. M. de que se reunam as naces europeas
era congresso pacifico, nao duvido em assegurar
V. M. do accordo com o meu governo, que a Hes-
panlia concorrer a elle, qur seja em Pars, qur
s ja n'outro ponto o que designar para as delbe-
raroes, e f;ira ouvir no seu seio palavras de justi-
ga, paz c concordia, coadyuvando, al oude cheguem
os seus conselhos conciliadores, para a so lucio pa-
cifica das graves questoes que sejam objeclo do
congresso, am de consolidar a paz e a tranquilli-
dade no amigo e novo mundo.
Aproveiio esta occasiao aflm de renovar T.'.
M. I. os protestos da minha consideracao e amiza-
dc, com que sou, Sr. meu irmo de V. M., boa ir-
niaa. babel.
2." Resposta do rei da Italia :
As vossas palavras, senhor, hio de ter um im-
inenso echo na Europa os principes dedicados s
antigs ideas nao rao ao congresso, ou se ali forem
sera com o pensamento reservado de se opporem
reforma do mundo. Se for necessario energa,
tamo melhor! Em todo o caso, digne-se V. M. lem-
brar-se qne cu soue vosso mais fiel alliado, e que
tenlio .'00,000 boraens i vossa disposicao.
3.' Artigo da France:
Dissemos que o discurso e a carta do impera-
dor relativos proposta de um congresso tinham
produzdo cas diversas cortes e nos gabinetes a
que furain dirigidos, a mais favoravel impressao.
Limitaiuo-nos a mostrar o fado; hoje podemos dar
alguus detalhes mais circumslauciados a este res-
peito.
Em Roma, depois de duas ongregacoes que
se reuniram a 14 e a 16, sob presidencia do papa
decidiu-seque o governo pontificio devia acceitarj
em principio, a proposta de um congresso. Fo
noste sentido que a resposta se deu ao governo
francez. .Na segunda reunio agitou-se urna ques-
to importante e que tcstemunha os sentimentos
sympathcos de Sua Santidade pela proposta do im-
perador : foi a das despezas que era necessario fa-
er com a sahida do papa e dos membros do sacro
collegio que o acompanhassem, se tivesse de ir a
Pars para presidir ao congresso.
i Mas. qualquer que seja a resolucao que se to-
me a es.e respeito, podemos desde ja mencionar a
dedicacao com que a corte de Koma adheriu pro-
posia do imperador.
Os nossos leitores sabem a cortezia com qne a
rainha Vicioria respondeu ao imperador. S. M. a
rainlia da Graa-ISrctanha derlarou que os senti-
mentos pacficos lio nobremente manifestados pelo
soberana da Franca eram os seus, e que se consi-
derava feliz de os ver triumphar as relaces in-
ternaccnaes.
' Na sua qualidade do rainha constitucional, nao
poda ir alm ; agora ao? seus minislros que cum-
pre formular a resposta que julgarem dever dar
caria imperial. Como o imperador est prompto a J
dar todas as explicacoos para que nao possa suh-
sislir a menor duvida sobre a lealdado da sua po-
jitica, e sinceridade dos seus esforcos para a paci-
ficacio da Europa, julgamos que essa resposta ha
de ser lal como se deve esperar do governo de um
paiz, qne i lafe do que qualquer outro carece de or-
dem e de paz na Europa.
Em Yienna, a proposta do imperador foi aco-
llla com verdadeira sympalhia. A Austria esl
resolvida, mais do que nunca, a manler o accordo
de tres na queslio da Polonia, e assegura-se-nos
que, na resposta que devia chegar hontem a Com-
piegne, o imperador Francisco Jos mantesta dese-
jos de que a iniciativa tomada pelo nosso soberano
seja coroada de completo exilo.
t A resposta de S. Pctersburgo anda nao che-
gou, mas as infi rmacSes que temos, permltem-nos
annuneiar que ser favoravel, e que a Russia, cm
1^ procurar restringir as attribuc5cs do con-
grego. Halar pelo contrario, du Ihe dar a maior
extenso possivel. Podemos accrescentar tambem
que a corlo de S. l'etersburgo so tem mostrado
mais sympathica proposta do imperador do que a
pnu publica, cuja exultado, mantida pelo velho
partido russo, se impressionou com algumas pas-
sagens do discurso do imperador abertamente fa-
voraves Polonia.
c Poi i:i desie mezqueo nosso embaixador em
Berlin togas a el-rei a carta do imperador. As
nossas correspondencias daquella capital nos an-
nunciam que o acolhimento foi cordeal, e que fez
una impressao salisfatoria no espirito do bario de
Talleyrand. El-rei chegou a dizer ao enviado da
Franca, qne, se os soberanos tomassem pessoal-
mente parte no congresso, nao seria o ultimo a ac-
ceitar o convite do imperador Mapolear.. A resposta
de el-rel Guilherme deve ter chegado liontem a
Coinpegne.
A pi inieira adhesao formal ao convite do con-
grego, Singada a Pars, ra, como j mostramos al-
guns das de 8. M. el-rel de Wurthemberg, o .Ns-
tor soberano da Europa. O memorial diplomtico
faz observar mili judciosamente queesla dediea-
t c/io lanto mais significativa, quanto se conhe-
cem as relacoes mimas que exstem entre as
duas esas reinantes da Kussia e do Wurthem-
berg, o herdeiro presumpiivo da corda desposou
t a gra-duqueza Olga, irma do imperador Ale-
xaudm.
i El-rei da Saxonia enviou tambem a nsa res-
BOSta; e:-l exoliciamente afflrmativa, e faz, alcm
di-so presumir que es princpaes principes alle-
i M faro represeutar no futuro BOOgreBW.
0 sullo mandn responder pelo telegrapho,
que, nao s adhera a proposla do imperador, mas
que imhi tambem tengao de so dirigir pernal-
Bientt Pars.
O rei Leopoldo, o re de Italia, o de Portugal, a
riinha de Hespaaba e o re de Dinamarca, tambem
mandaran reepostas |ue provara que nenhuma in-
fluencia estranha pode impedir aquellos soberanos
du dar s ideas do imperadora sua inieira adhesao.
Dosle modo lodos os gabinetes europeus pare-
ce ni ler comprehendido a importancia e odesnte-
n sse da proposta imperial, e tudo aulorisa a espe-
r; r, desde j. qne se nao oppor.i cousa alguma
ruinio do congresso.
El-rei da Dinamarca sanecionou a consliluico
ciinmuin ao reino de Dinamarca cao ducado de
Sehleswig, que ha ponco lemp linha sido violada
ptlo Rigsraad, Bslejaclo lemporfiuisubsiiiuir, des-
de o 1- de Janeiro de 18trt a consliluico de 2 de
ouiubro de 1853.
Fazendo conhecer ao gabinete urna resolucao,
p ira a qnal S. M. liulia pedido quarenla e oilo ho-
r;s para reflectir; el-rei disse :
Deeorreu ojpraso que me impuz para examinar
cora maduresa este imprtame negocio. Acceito
como omahertncado re Prederico VI, a consiitui-
Cio de 13 de noveinbro, e considerme feliz de
piaticar um acto agradavel ao meu povo,
S. M. assignou immediatamenle a aova le funda
a ental.
Quando coucluu o conselho, espalhou-se na ci.
dide esta noticia que era esperada cora extrema
auciedado.
O Rigsraad, que tiaha decidido suspenders suas
stssoes al sjlugao desle assumpto reuoiu-se no
d a 19 s seis horas.
O presidente do conselho, depois de ter dado co-
B eciraento da resolocao do rei, disse :
Possa a resolufao de S. M. contribuir para a
piosperidade da palra, a glora e fortuna do rei e
da sua casa Possa a responsablidade que V. M.
acaba de tomar ; possa a lucia que urna resolu-
c;.o desta importancia suscita no animo de todos,
n um momento to solemne, ser compensada por
S M. com urna dedicacao flel e nm amor que ha de
dirar tanto nos das felizes como na adversidade.
Vira el-rei Christiano /.Y.
O nome do re foi accolhido com grande entu-
siasmo, e saud:.do com bourras.
O presidente propoz depois assembla que vo-
ta sse urna mensagem de agradecimento, ou que se
d rgisse junto do re, depois de ter pedido o seu
consentmento, sendo adoptado esta ultima alterna-
tira.
- ai* a carta patente pela qual S. M. proclamou
a sua exallavao ao tlirono :
Nos Christiano IX, etc.
Q golpe rata! que feria lo inopinadamente a
nossa patria, e pelo qual a Providencia reuna o
ni Frederico VII aos seus antepassados, .feriu-me
niis cruelmente do que a qualquer outra pessoa ;
perqunehura dos seus subditos Ihes devia mais
do que nos, que fomos por elle indicado seu her-
deiroao throno. Acceitando o mandato grave que
a Providencia nos impoz, estamos firmemente re-
si Ivdos a manler intacta a constituido da reino e
as leis, e a conceder a todos os nossos subditos a
mesma justca e benevolencia.
Se o nosso povo quizer apoiar os nossos es-
fercos, tendo f na nossa vontade leal, a bencio
celeste nao nos ha de fallar.
Dcsejamos que os negocios do paiz contnuem
a ser administrados da raanera ordinaria, e que
os funecionarios, nomeados pelo meu fallecido pre-
deressor, contnuem provisoriamente as suas func-
coes, sob o juramento de fldeldade que pres-
ta ram.
Feito em Chrisliansborg, 16 de novembro de
11*3.Christiano R.C. Hall.
No da inmediato ao da votacao supra, S. M.
recebeu, no paco de Christansborg, o Rigsraad.
O presidente do Rigsraad offereceu S. M. as fe-
li lacocs e os agradecimentos da assembla. Dis.
su que o rei havia subido ao throno n'uma poca
clieia de pengos para o paiz, e manifeston o voto
d: que o reinado de Christiano IX sera tao feliz,
nias feliz anda do que o do seu antecessor. O re
Frederico.que tinha sido obrigadoa desembainhara
espada, e a prestar-sc a longas e dolorosas nego-
c ages, morrera antes de concluido o ajuste das
relceos constitucionaes do paiz. rPossa S. M-
axrescentou elle, conseguir por um termo feliz a
eita lucia pula consliluico, e chegar a reinar
n'uma monarchia feliz e unnime
Depois dirgindo-se rainha, o presidente fez
sobresahir a fortuna que o re gosava no seio da
s ja familia, e junto de sua augusta esposa, que nao
viera de um paiz eslrangeiro, mas que fora edu.
cada entre os Dinamarquezes no amor da patria,
que ella transraittia a seus filhos.
t El-rc agredeceu ao Kgsraad as suas felicita-
coes. Quanto a resolucao era que eslava a respei-
) da nova carta, disse que a gravidade do nego-
cio tinha exigido maduras rcflexSes da sua parle
rsflesJee que tinham sido tao necessarias ao Rigs-
raad, que discutir a questo durante militas sema-
nas, e em que cada um dos membros devia sentir '
que era indispensavel um exame escrupuloso
antes de dar o seu voto. Espera va que o Rigsraad
livesse nelle a mesma confianca que elle tinha no
iigsraad.
Esta allocujao fo seguida de calorosos hour. \
s. Pouco depois el-rei o a rainha roceberam na
ala dothrono.os presidcnles e vce-presidentes das
las cmaras da dieta do reino, que tinham vindo
jara apresentar as felicitacoes daquella assembla,
que naquelle momento se aehava reunida. El-rei
icdu-lhes para apresentarem as suas saudacoes e
a seus agradecimentos ao Rigsraad.
t Era seguida audiencia, el rei, tendo a seu
lado a rainha e seus tilhos, apresentou-se a urna
las janellas do palacio, e dirigindoss a mulldao
le era qua to numerosa como no la da cere-
monia da exaltacSo ao throno, S. M. disse com voz
irme e nlellgivel :
Agradeco-vos a dedicacao que me testemunhaes
c minha familia. Peco vos que me acompa-
nheis nesto grito : Deus abencoe o proteja a D-
i amara I
Estas palavras forara recebdas com vivas ac-
clamacoes.
L-se na Correspondencia Geral:
Como diz a Gazella Universelle de rAllemagne
da tford, a morte do rei Frederico VII deu ques-
to allemaa um carcter internacional, porque a
sna morte realisou a evontnalidade da extinegao
da descendencia masculina directa de Frederico III
de Dinamarca, eventualdado que o tratado de
Londres de 8 de maio de 1853, leve tenrao de
prever. |
Estipulando aquelle tratado, que erradamente
se chamou um protocollo, |>or isso que se trata de
urna convenci de dimito publico internacional,
concluida com a mesma soleinnidade de formas,
e tendo mesmo alcance que os outros tratados i
as grandes potencias e rom ellas a Suecia reco-
nheceram o principe Christiano de Schcleswig-
Ilolsiein Sonderlioiiig-Gluckbouig, como herdeiro
da cora da Dinamarca na esperanza de prevenir
por esle modo urna longn guerra de successio que
ameacava rebentar.
As duas grandes potencias allemiias, cm par-
leular, tinham de ceno em visla os interesses da
Allemanha,quando preveniam a reversabilidadeda
parle do Rolstein-Gottorf para a Russia ; aquella
parte que comprehendo os portos marilinios mais lona na qualulade de meu lugar le nente, desejei
importantes da Allemanha. |dar uni leslcmunho da firme vontade que tinha de
. u dar um deseuvi.ivimento progressivo as novas ios-
A s de jiinho de I80I, linha-se assignado em tiluicoes, que havia promulgado para o reino. A
Varsovia um protocollo pelo qual o Imperador da IiroPna scolha de um irmo, muito amado, era
Russia, como chefe do ramo mais amigo do Hola- u,ma Bara,lti;| d" sincero desejo que linha de mar-
,inr,llxrf ,... chai-no caminho da pacificac... para estabelecer
tein-Goltorf, declarara renunciar, em seu nome e a ordem e ntroduzir um estado d cousas dura-
no da sua casa, aos seus dreitns eventuaes, a fa- douro, conforme as necessdades e os interesses
vor do principe Christiano, reservando os direitos du l'aiz'
eventuaes dos duus ramos mais no vos de Wasa c
de ldemburgo.
t O chefe d'esle ultimo, o graa-duque d'Oldein
bourg, renunciou tambem depois a favor do prin-
cipe Christiano, reservando ao mesmo lempo os
seus direitos de reversabdidade.
1 Apreciando completamente as nimbas totea-
cues benvolas a respeilo do povo polaco, sunpa-
j (losando com elle do tundo do coraco. e animado
de um pensaiiiento de c.inciliacao,' V. A. I., com
urna noiire abn-gaco fea o sacrificio da poricio
que oceupava ni imperio, am do redoblar dcz'lo
. pelo lii'in 1I0 servico e da patria na nova carreim
I que lhe abra a minha illimiada confianca. Tinha
Eslipulou-s tambem expressamente no prolo- eu o direito de esperar que es -meta subditos do
eolio de Varsovia, que tendo a desistencia do m- r0'"0 da M(mii W****** as mtohas intenroes,
MWitor nAr m Lu f.nni. i- ass"" como o vosso desejo em as ^xecular; que
perador pOr fim especial facilitar una combinacao arrastados pela forca e imiincntaneamenic contra o
reclamada pelos mais graves interesses da monar- governo, compr;be'nderain a signiOeacao da vossa
cha dinamarquesa, o cfferecimento d'esta renuncia c,U!?ada ao reino, que veriam nella non penbor da
deixana de ser obrigaloria se a combinaco viesse ?t SK&jS ajJSft."?
a_mauograr-se. t Ura, e evidente que a combina- aos desvairados, e que vollariam ao senlimento do
(ao de ijue se trata nao se lendo cumplido senao dever e de dedi:ac*
no tratado de Londres, aquelle aelo internacional
que, no momento actual, impede que a dynastia
russa possa fazer valer as suas pretencoes le- Acolhido nos seus primeiros nuMS pela Ira-
gaes que remnd.ca sobre o territorio do llolslein- cao e por un, at-eotado cn.r o'seus diasque! me
Goltorf. sao tao preciosos, V. a. 1. sellou con o seu sangue
.,:_,:,,_ .. a s"a dedicacao a minha pessoa e Russia.
no, tTwT P ,, ""i S""* CS'e A"e ponlo de vista da mais alia importancia sem locar coes uulorgadu por mim ao reino da Polonia nao
a quesiao Inteiramenle differenie da posicao da "' funecionado de raanera que corresponda ao
confederacao germnica a respeito do tratado de scu fil" encon^ram por momelos obstculos, ipie
aco para com o seu soberano.
A minha extrema affliccao, e anta esperancas
nao se rea I isa ram.
Londres, que garante expressamente os direitos
da confederacao sobre o llolslein. >
Tendo o governo d'Altimburgo
proveen,, nao di falta da boa vontai'e ou de esfor-
cos ila parte do governo, mas do proprio paiz, sub-
jeito a accao de manejos criminosos e a perniciosa
seguido' o ,"n.Ut',"''a dos instigadores externos.-A vossa che
exemplo de Saxe-Coburgo, Meimgen e Weiraar, ga^fiS iftlSSEJSaSS
todos os principes saxonios da linha ernestina re- indispensaveis auspicios da confianca e do respeito
I conheceram o principe Frederico d'Augustembur- das 'eis. Com lirme e nfatigavel vontade, sem
go, como duque de Schleswig e de Holsteira. SSKL S"a p'ia saude-V- A- [ esforcuu-^e
a r<.,#<, j. ii' 1 para reall!,ar as mmhas vistas henev .las a respeito
\AGazfta dettennar annuncia que o voto de daquelle reino. Conformando sempre es vossos
Holstein na diera, d vi a ser primeramente confe- actos com o tim da ros>a nomeacao. tendo sempre
rdo ao representante dos ducados saxonios, Mr.
: de Frutsch, o representante de Raden niio se encar-
regou porque nao podia ter o assentimento dos
quatro principes tao expresso quanto a urgencia
das cousas o exiga.
era vista os interesses da Russia c do paiz, que
vos eslava conado; alfrontando conslanteinenle
pengos pessoats, nao se resentiram os vossos n-
cessantes esforgos, senao quando urna nsurreico
aberta veiu oppor maiores difflculdades arco
regular das leis. Mas urna rebelliao sempre eres-
Dizem de Dresdeque muitos depu.ados da caraa-1 BJ^S!SKSt3 L da raSS,.^
I rado reino de Saxonia apresentararn urna inlerpel-: dade existente entre o estado actual do paiz e o
lacio sobre o negocio dos ducados. No motivado : pensamento de benevolencia e de conciliac/10 que
1 dessa interpellacao, est o principe Frederico d'Au- SS*?EZ2E22. de. ^ e.m "fU5o
...i..,,______,j. j i ... as lns,lu,,;oes tao generosamente oulorgadas ao
gusiemburgo considerado como duque legitimo de meu reino da Polonia.
i Schleswig e de Holstein. o pove polaco nao quiz comprehender e appre-
Protesto apresentado na sessao ce 21, da dieta "* S^^fU^^0 '' A' '' Para
i germnica por parte da Dnamaarc, contra a ms- ,... """''
ci5n doer.nHiKiii do RifUn !,,,,., T 'nsurgindo-se, com despreso do todos os seus
eao do grao-duque de Badn tendentes a garantir juramentos; dando-se a eonspiracoes criminosas,
o direito de successao nos ducados de Holstein e "
aquella edade, avancaram ao seu ..con- h M1,5'' '"f^L / f. '''', n,,tembr,>
nella leve de murar precipitaSsmente com t^lZ2* T&2J* P2**1
cerdas. Deposos Russos concentraran, S**?SlUF**- Aloda v.a
^.Hideraveis en. volla de Chelm. .Mas Kruk, P0* desle romliale.
aela sua parle, reuniu lodos os bandos insurgentes. n _.______. ,
i encontrando urna col mina russa bateu-a no bos- ,.' 5.?,v' rno "Mional polaco r..n-mil,..i o prn.
|ue de Cheln. i^artor)ski o segntole relatono d.. oVjarta
Os insurgentes aprehendern) multas centenas v''''''' a L"huania aug"verno nacional p.
de espingardas. A i honve um encontr prximo
da povoacao de Slrojnow entre os corpos de caval-
lai 1,1 ii unidos de Mosal. e de Cbuiieliuski e os dra-
gues e cossaros russos
Os insurgentes retiraram apnroxlmaeio dos
reforci.s russos.
A7deu-senm combate sanguinolento em Za-
Inna, as fionleiras do goveruo de Plocked Au-
gustas a.
Os Polacos perdern) ali o chefe Rymaszewski
e os lius-ns liveram seis offlciaes morios
O general Mourawielf suspendeuas communi-
eaeSes poslaes entre os palalnados d'Ausustowa e
Lublin.
Em Varsovia forain ltimamente presos 200
empregados pblicos.
O maior numero dos que ltimamente foram
presos era Varsovia foram transportados para
Pskow, no interior da Sueste.
Houve tambera combates em Diennica. Lukow
e t scimce. Em, Warl;, palatinado de Kaliscli. tres
destacamentos polacos, derrotaran) duas coinpa-
nhias russas.
As medidas adoptadas pelo general conde de
Berg para suflbear a rebelliao na Polonia, tornam-
se cada ver mais decisivas e enrgicas, lina nova
ordenanca vae mudar completamente o s\ stema de
administrado usado ale agora. Vejamos algumas
passagens do projeelo de reforma que essa orde-
nanca deve por em vigor:
Attendemlo a posifao actual dos negocios no
reino da Polonia, e para obter um xito ccrapleto e
urna yanlagem real da? medidas inauguradas pelas
autoridades militares, as quaes as autoridades ur-
banas e civis devem prestar um concurso activo,
julguei indispensavel submetler auloridade dos
cliefcs militares, emquanlo durar o estado de sitio,
nao s a polica, mas tambem todas as autoridades
urbanas e toda a adininistracao local. Por isso
proponho, era consequracia das duas circulares.
urna de 15 de agosto de 1863, c oulra de 21 de se-
tembro do mesmo anuo, que se adopte o seguinte
para governo da adminislracao, e que seja posto
em execucio:
l." Os chefes militares dos crculos de Varso-
via, Plock, Radou, Lublin, e de Kalisch, terao todos
os direitos geraes de fovernadores. Todas as ad-
ministracoes civis e locaes icam-lhes subordinadas
e terao direito de exame sobre os negocios judi-
ciaes, de finanzas, inslruccao publica e cultos, as-
sira como correios, caminnos de ferro e pontes e
calcadas.
2. Todos aquelles que servem no paiz, e as
adminislracoes, quaesquer que sejam, civis, cler-
caes ou militares, (icario dependentes das autori-
dades militares, s quaes est reservado o direito
de punir por todas as faltas polticas. Quanto aos
empregados e funccionirios, ficarao complelamen-
te sujeitos aos chefes militares geraes ou par-
ciaes.
3." Os chefes militares terao o direito de reti-
no anno ,
sao absolutamente destituidas de fundamento O ^onsinl0' de accordo com o vosso desejo, em vos
enviado apressa-se a accresceniar que para se tSSSSX&X^SX
prevenir, urna vez por todas, pretencoes eventuaes lona. Mas quando, com o auxilio de Deus, a re-
daste naturezao duque Christiano Augusto d*A volla i'ltver vencida, quando, accessiveis voz do
gustemburgo, por um acto de 30 de dezembro de T!EI!E5!!,,1 S ^US .su,:iJilo!do reino
iaw j .- -._______. ,> dei-embaracarcm da vio enca exercida pe os
ito, deu ao governo real segurancas formuladas fautores declarados da tracao; quando o restabe-
como consta dos arts. 2 e 3 que dizem assm : lecimento da ordem permittir retomar a. obra que
2. ilesa dsso, nao nos obrigaraos por agora nav,'is comecado; quando as elreumstancias tor-
no que toca a nossa pessoa e familia a estabelecer nar.em P?ssiVeJ a appliracao das inutitucoes, cuja
de futuro 1 nn, m-.!. ti' esiaDelecer pratica e um dos meus mais vivos e sinceros desc-
ae ruturo a nossa residencia fora do reino e paiz 'jos,estimo poder esperar que enio,Kxleieis tomar
de vossa magestade real, paiz em que, como se de novo parte na execucao dessas ideas, e eonsa-
fosse delle, nos e os nossos descendentes nao po- 8rar-vos ao bem do servido com o zelo e a abnega-
deremos nem queremos adquirir oronriedades i C?*> cujos incessanteseincontestaveis testemunhos
suas. auqu.nr propneaaaes sao laopreciosi ao meucoracao quanto illimita-
da a minha cor .flanea, amisade, e aff .fio fraternal
Vilna, i de outubro de I
t .Vos nossos precedentes retel
corita an g(Jvern nacional das medidas ,
com que as autoridades russas i,-em r..n>wi
arrancar de um grande numero de 1
todas asclaases c de lodas ai religues, assignaiu-
ras para urna menaagen ie delidade ao czar \
proaorcao que a Russia cnconlrava no paiz mais
resistencia a realisaco dos sei, a conduc-
ta dos seus agentes tornava-se cada ve/inais/rC
rosa, c ca a vez mais barbara. A eseolha d -
a enipregardeixou MourawielT,-.., arbitrio de ene-
res militares dos disinctos, j pnrrifeni1 ati te-
vestidos no diroste de vida ou de marte sestee w
habitante do paiz; mas se esees metes difertea al-
gumas vexes segundo as circumstancas locars e o
carcter peaaoal dos ekefss militares. asemHha-
vam-se entre si, por que \m toda a parte eoaMi-
liiiain um terrorismo, de que a historia anda nao
ollerece exemplo.
N'alguns dislrictos do palatinado de Wilna, se
chefes militares, acoinpanhados de destara mente
detropas, dingiam-se de casa em casa, e apresMMa
vam aos habitantes um eaertete que ojies nao ti
nhain mais do que assignar, ameacandoi.-. 1
de recusa, com o saque inimediato. e com o incen-
dio das babilaedea, e o maasacn de toda a sua fa-
milia.
.Vos outros dislrictos do mesmo palatinado.
prendiam-se os habitantes, e eram eaadaridoa in-
dividualn-ente perante os chefes mililare. c all
fazia-se-llc ver qne ellcs linham de escolher entr
assignar um acto odioso ou ser apresentarin* pa-
rante um onselho de guerra, por ter recusado aoer-
lamente obedecer ao governo imperial.
As comunas israelitas foram tratadas da mes-
ma maneira, o as coromunas ruraes, ordert'Mi-s.'
aos ancioes, com a ameaca de penas rnrpnraes. sjk
se apresentassem em Wilna n'um da m para la-
vrarem acto de presenca em casa d<* Mourawipff, r
entregarem a esle como se tivesse vindo dai crm-
mnnas, nina mensagem redgida as suas pro;
repartigoes.
No palatinado do Kowno e de Grodnoempre-
garam-se geralmente as mesma medidas; rom
tudo, nalguns dislrictos, os commandantes milita-
res, depois de terem reunido os hahilantes na ca-
pital e de os encerraren) n'uma priso provisoria,
fizeram cercar c edificio de tropa, c assm os live-
ram sitiados at que a fome ronstrnngen aqnelie-
infelizes a prestaren, a sua assignaiura.
< Em Minsk, militas centenas ife hatiilinfe tan.
strou-se indigno da garanta que eu lhe t.nba j rar das suas funecoes iodos empregados ou|eadee mTSX^SS^tXSS^t.
veram de escolher entre a perda isa sen* direitos
cvicos e o exilio para a Siberia, ou a adneso i
mensagem asiignandoa.
Os mesmo roeos sao actualmente enrprpgaoVw
nos palatinados de Mohllcw e de Wltbsk, para se
fazerem assignar 3 mensag.-n-.
E' conveniente accresrentar que esta anea-
cas sempre foram exerntadas ponlnalmenle c des-
de logo contra aquelles, enja resistencia as anfori-
>de ^rbT- k Srmt;m'rfS benCVaS "a PCSSOa de <**& aSis.ra,vT 5 emos los
, O enviado e obrigado a protestar cnergicamen- tu irmao' mui, amado- departamentos de justiCa, fazenda, culto e. instruc-
te, era nome do seu muito alto governo contra r ,t,conhecendo a justca das vossas aprehen- cao publica, serio exceptuados dessa medida; os
todas as uretenees dos mhm1 ^ ih. a .1 s^s relaIlvamentc imiiossbilidade, de proseguir, chefes militares, quanto aos empregados dos depar-
. SMM as pretencoes dos membros da linha ducal as c.rcumstan:ias actes, no caminho que eu I lamentos cima mencionados, aprelentar retebrio
, a AugustemDurgo a successao nos ducados de Hols-. "nha escolhido para alcanrar a paciflcacjto do paiz, especiaos ao lugar-tenenle do reino, e a sua sorte
tein e de Lauenburgo, por isso que essas pretencoes 1uan.do para all vos manilei no anno passado,
' _*_ ^ -.,,_- l',"\. lili., iIa *
3. Fazemos votos o promettemos tambem, so-
bre nossa palavra e honra de duque, por nos e
nossa familia, nada emprehender que" possa alterar
a vosso respeito.
Peco a Deas que o repouso sollicitado por V.
A. I. e indispensavel suasade, depois de arduos
, c continuos trabalhos, que, no meio das maiores
ou por em pertgo a tranquilidade no reino e paiz (difflculdades, aneciaran) era extremo o vosso cora-
de V. M., e tambem nao nes oppr de maneira al-' Cao ardentemente dedicado patria, restabeleca
guma as medidas tomadas por V. M. real relativa-1 asv?*sas for<>'as> to promplamente quanto seja
mente ordem de successao para todos os patees
actualmente reunidos sob o seu sceptro, ou para
a organisacao eventual da monarchia dinamar-
queza.
t u enviado pode alera disso referir-se ao trata-
do assignado em Londres, a 8 de maio de 1832,
entre todas as grandes potencias, para garantir a
paz e a inte.gridade da monarchia dinamarqueza ;
tratado que regula a ordena de successio nesta
monarchia. as duas grandes potencias allemaas
numero das pessoas presas encontra-se a
dama Theda Tarnowska. Antes da nsurreico,
tinha sido govtrnante; mas depois .serviu com en-
thusiasmo o chamado governo nacional. A 16 de1
outubro. na ocvasiao da descoberta da imprensa,!
encontruu-se ali, entre outros papis, urna especie
de certificado passado dama Tarnowska pela
eommisso centra), em que se alteslavam todos os
importantes servicos que ella linha prestado a cau-
ta nacional.
Eis a qualulade desses servicos; tinha em sua
casa urna mprensa na qual tinha* imprimido :
!. a instruecao para os gendarmes exernlores
dalla justca;
2." Ouira in-trueco relativa aos mpostos;
3. Una nsirucfo para a forra;-at> de grri-
mas ;
I." Tina instruecao para a o recr.ilaraento;
6> Um regulamenio para cavallai 1a.
Alm disso imprimiu tambem um jornal revolu-
cionario.
t Interrogada, a dama Tarnowska confessou tu-
do, e fez mesmo militas dechrages importantes.
Actualmente est presa nacidadella
Ha pouco fo preso um rerto I'n rowski, e eom
elle duas tuulheres, as irnias Julia e Sophia'
Weszkowski. O corpo de delicio mostra que as
Weszkowski linham em casa inuilos decumentos',ana
bastante imprtenles, e que domis erara deposita-' suas. veis dos sello- da commissao central. Olanlo a m,.nte, que se procede assn
I relrowski, parece ter oceupado u 11a posicao no- temticamente o paiz
possivel.
Que Deus seja cm vosso auxilie. Confio com
inabalavel firmeza na sua misericordia infinita.-
Feito em Livadia 19 (31) outubro de 1863. Vosso
irmao reconbecido e sinceramente affectuoso.
Alexandre.
N'uma correspondencia de Varsovia publica-
da no Invalido fusso, leso o segunle:
As mulheres principalmente, na aclualidade,
sao as que mais se comprehendem iza organisacao
revolucionaria Teem a seu cargo lnccoes de to-
das as qual.dades: alistara mancebo:; para as guer-
rillas, exerutamas disposicoes do g iverno occ-ulto
as provincias, oceultaudo-s nos enfeites das suas
tomaram parte na conclusao d'aquelle tratad, que ,oi'ettes.
foi o resultado de um exame muito conscicncioso a-L-
ia todas as questes implicadas na ordem de suc-
eeseie; muitos governos allemaes adheriram a es-
as tratado, e se alguns outros foram escrupulosos
para assm antecipar a d-risio da dieta germni-
ca, quasi todos os que se pronuncaram a esse res-
peito tem reroncluido aquelle tratado para manter
a paz e o equilibrio europeo, mostrando-se reco-
nhecidos pela execucao do tratado.
O enviad, garanlindo da maneira mais for-
mal os direitos que se devem deduzir d'aqui, e lo-
dosos outros direitos de seu augusto soberano, re-
serva-se fazer declarares ulteriores em nome do
seu governo.
L-se no BaUckafter:
Omovtmento ajlemio a bvor do Schleswig
Holstein toma duuensescada tea mais considera-
reis. Dentro em pouco nao llavera em toda a Alle-
manha urna nica cidade qne duixe de possuir
urna assembla popular, que nao acclarae com en-
Ihustesmo o liom direito dos poros do Schleswig
llolslein, e que nao peca para ir cm seu auxilio. Um
verdaileiro espirito nacional, e o da nmade e de
Um ardente patriotismo, apparoeeu de novo, e nao
peder dizer-se qne ueste negocio lia espirito de
partido ou divergencia d: opinio. ,
A Gazita de Carlsrulte, diz :
Oenthusiasmo pela causa deScleswig-Holslein
propaga-se cora rapidez, principalmente no Vur-
leuil.erg. J em lodas as cidades se teem assigna-
do ineiisagens para convidar o governo a una
aeco enrgica nesta qocateo. Formam-se com-
missoes por toda a parle. Em l'lm. toniou-se a re-
solucao de pdr a disposicao du governo do llolslein
lodas as soinmas desuadas a construccSo do uina
esquadra allem, e que anda nao tinham entrado
no Ihesouro prussiano; em Geeslingen, comeearam
as cotisacdes menmes para os holsieinezes.
A Gazela de Imi, escr ve :
Toda a naci allem seguir com enthusiasuio
o hornera que, ueste mntenlo, preferir a acgo
enrgica, aos clculos, por mais prudentes que
sejam, e que primevo soltar o gritoavante para
o norte.-.Nao podemos deixar de desejar que a
joven Ausiria se tome o eampeo corajoso da cau-
sa da Allomauba, e que aaauu desvanega o mal
feito a esses valeiiles s liis ducados pela vellia
Austria.
A linguagem do Ott-Deutlsehe Purt, nao menos
significativa:
As duas grandes potencias allemaes, Austria
Prussiaexpe iineiiiaio um dia, profundo e vivo
alimento, se se ebstinarem em nao ver ossyiop-
{MBas que por loda a parte se manifestara.
A Austria, particularmente, perdera de um s j
hipe lodo o fructo do congresso dos principes en.
rauefur. Uacio de reforma sena como urna eou-
no acontecida, e loi lalvex tendo em vista esle
suliado, que Mr. Bumark tt-utou entender-ee eom
de Becuberf.
O imperador Alexandre dirigiu ao gr-duque
isianlinu o seguinte rescripto, despensando o
ila funecoes do seu lugar lenle na Polonia.
ste documento, cuja importancia tinha j sii'o
inc cada pelo telegrapho, pode considerar-se como
U0 verdadeiro manifest poltico ;
el Alteza imperial.liuanilo no anno passado
rhanie i V. A. 1, para administrar o reino da Po-
ser fixada por urna resolucao do mesmo lugar-te-
nente.
4." Todos os empregados da administrarlo lo-
cal, tanto da adminislracao do governo cmodo
districto, os agentes da polica urbana e communal
dejienderio dos chefe militares, epoderio ser por dad es moscovitas nao porfiar vencer. Nao hara,
ellos demillidos das suas funecoes; s os governa- P0"*- n,<1" "ni aneato de mimtiacie, enjo ehViio
inecoes; so os go
dores civis dependerao direclamenle do lugar-te-
nenle do reino.
5.* Os maires das commun is serio lidos exo-
nerado das suas funecoes; os paisano torio o di-
reito de escolher os maires de entre si.
c 6." Os chefes militares lerio o direito de no-
mear outro funecionario em lugar daquelle que t-
ver exonerado das suas funecoes.
Os lugares de inspectores de polica poderie
ser oceupados, visla a falta de empregadus que
se faz sentir, por simples soldados, os quaes se-
rio indemnisados |H>r este servido extraordi-
nario.
t Medidas desta natureza.accrescenla o Invalido
Russo, hio de sem duvida fornecer imprensa es-
irangera um novo pietexto paralancar impreca- "te recon-mendava que nao consideras-rm respun-
e6es contra o govern itjsso. lV,'l perante o governo nacional, aquejes que as-
O Wanderer de Vienna diz que na Lithuania, signaram a mensaiiem de lal pressae.
Samogicia, e nos pakumados de I'odlachki, Sarido-
mir e de Lublin, o camponezes tomain cada vez Apczar desta ckclaraco, enronlraraave em
urna parte ma.s activa na. nsurreico. rurmamde- lodos os palalnados, pesscww que nao .uizerar?
psitos e exercitatii-se as manobras militares. ; aproveitar-se da iatnude que Ihes Miaa
Ho palatinado de flock, es insurgentes esto '^".^^' na,'ioI>aes. preferirn!, dejis ,l'
reunidos era numero de 3,000, soh o enramando IMTu,ao ,JUOs 0# >eus ha veres, rondemnar-se ac
de Dubois e de NowieJb. No districto de Souza es- *, a, rent,8are"*- "esmo em apparcnrw
tio 1,560, as ordens d j Brandt, i !,eu.!> ^'"/'"''"os pela Polonia, e a desappnn
assigoaiHloa mensagem, os nobres senilmente*
O numero das molberes que em dez das teem dos liHws da Lithuania, que romfeatem jwla inde-
[tonco para temer, mas urna ferrivel realidade que
feria infallivelmente qualquer qu.- recusasse apr
sentar a sua assgnatura n'um arto odioso.
Em presenca de um terrorismo to persistente
da parte os Russos, considerando: qne a recu-
sa de assignar a mensagem ao ciar nao s lanra
milhares de familias na desgrara, mas w m.
lempo pnva o paiz dos hnmens mai< eneTRicoe e
mais notaveis ; r que urna mensagem arrancada
por semelhames meios nao pode em cousa alguma
obrigar aqneMes qoe as assignam, nrmier nenhum
valor poltico \o departamento da IJvhnania dir-
giu em data de 3 de setembro, aos chefes civwcIon
palatnados e dos dislrictos, urna rirraiar em que
sido presas em Varsovia por tra.arem de luto, sobe
a '.87.
De Varsovia escrevem o seguinte ao Czar :
Hoje 2, presenciou a nossa populaco o es-
pectculo doloroso de urna nova execucio poltica.
Este uiarlyr era um .oven de 23 anuos, Mr. Po-
trowski, ijue as autoridades moscovitas aecusaram
de fazer parte do governo uacionak No cortejo do
condeiunado notava-se sua inde e outras seul.oras
de sna familia.
Quando chegou o momen(falal I'ietr iwiski in-
clinou a eabeca como para dizer o ultimo adeus a
sua lue, quando havia perdido os sentidos. Ura
religioso da ordem dos capuebiuhos, que- acompa-
nliava o condeiunado afastou-se enlo, a pedido
deste, para soccorrer e animar a infeliz senhora.
t Depois da leitur;. da sentenca de 1 lorie Pio-
trowski, recebeu, elle mesmo, das mos do carras-
co a camisa fatal, e marchou pera o patbulo rom
passo firme, conservando sempre a cruz as uios.
Por crueldaJe ou por dureza di> corafao do car-
rasco, a agona durou dez minutos.
t Foram horriveis os mo vi montos convulsivos -.
o condeinnado nao tinha a corda bem collocada no
peseoco. A infeliz me desfallecen segunda vez.
Piolrowiski tinha mostrado na priso una admiro-
vel firmeza, o nao fora possivel arrancar-me una
nica coulisso que corapromettesse qualquer outra
pessoa.
O ilorning-Post declara, que as ultimas se
manas lera sido deportadas da Potente 1,600 pes-
russo* dizem frauca-
assiin para despovoar sys-
paz
As prises e CondemnaCjSes em Varsovia sio
tavel em todos os manejos do governo nacional.
Tinha feito una langa residencia 110 eslrangeiro,
de onde veiu ro mez de maio ara 1 Polonia, onde de tal maneira frequentes, qile ja se lhe nao presta
se o cultou ate agora eom differentes nomes sup- atlenco. Por ordem do cointuissario de polica
postea. IKydzeWski, sao condi.zidos umporto le polica
Foi preso achando-se munido du um passapor- para serum acolitados todos aquelles que nao tra-
te falso, e as irnias Weszkowski, depozeram que zera lanteriia a noute. fltiniaiiieiite umjudeu rece-
elle se tinha apresentado multas ver.esera sua casa beu trila acontes por tuna tientan cantravensSes.
para levar o sello e que ellas ignoravam aonde I Temos agora novos deiaUes da execucao de
elle ia. 1 Truszynski. E'sabido que elle tora aecusado pelos
Pletrowsl i foi condemnado a torca, e as damas Russos de ler, na sua qualidade de lenente-coronel
Wesikowski serio provavelmenle soladas para a da gendarmera nacional, condeiunado seu
Siberia.
pendencM da patria. .Mein disse-, loda" a
paraaflastar de si a vergonha de urna aposta
anda metilo que fosse apparenle. e nao querm-
do. pnne plmenle, deixar sem desmentid., en
poder de um inim.go perverso, um arto que pro-
clama a ixao mdivisivel da Lithunnia com a
llussa, e i]ue itoeapproia urna luta heroica, en
viou, a preprelo que a Kussia arraoeava mte
naiuras. [irotestos, aos ejam se asaacteiam nda
daos de Ijdas as classes e-de todas as iatej,IDu
Nestis protestos, os habitables rep.Hlwdo com
a energia do seiiliineiito patritico ajSMiOMr I
eom o invasor moscovita, secMieeam de nsi
goveruo nacional, como nica auloridade legiti-
ma na L iliu;mia. e poera sua disposicao) para a
liberdade da palna. sua tertulia ea su.- vida
O numero das assignaluras augmenta, e
nojechegaa UHjlU; anida, que sais aw
ci sea todos os das, o departamento da Uatemnte
considerando que o numero dos teteateaaia que
ja leu, lomado parte nesse acto nacional, e nm
tesieuiuiilio da maior imporiaiu-ia, nao julga guar-
dar por mais teinpo o segrodo iaeee d rusneM
e euviaao goveruo nacional acopia tkllW pr.,tes
los.garaiiiiudo a auloridade da* asignatura.
Este derlara^o solemie- do sentimentos de
todo o paiz. feta solemnemente e di mellsir \i,u-
tads, no meio da.inais hornvel peroeguirao, em
pretenca denm inltuigoque peraaga com Odio
seivagein e puue como o manir dos cuines nao s
0 concluso, mas lambein a svmpalliia rnmiiiidn j
nsurreico, demonstra da tatMCa oais teem
tavel quaes sao ,us dispcsices da Lithuania, e qual
e o u-dor invencivel qoe anima os eoroed
dos OS s' lis bal'ilanli .
Esta nova manitestaejo do aapirite pUi
iiincomplenieiit'. natural das manifestar
eu, loda a Lilliuana, precedern, a in- 1
nacional ; um lesteuninlio a favor da lula. h. 1
enipeiihada ha olio mezes em lodos os p v
Lithuania, 6 tamben urna prova notaral de w
Imiento que o governo nacional enconlia no p
e- da conliaiiva lmulada que todos dttXKitam aai
pae ai autoridades nue elle nslituio.
I. !
moa. A falsidade desla aceusaco tornju-se ev-|
A commissao de inquerto condemnou boje a dente pela scena tocante que houve entre o pae e o 8llVL'ri, nacional fundara efaiimmte nee
'""'.....'"-------"c- "-' : ".....'- "'.............'''- priineiro pedio a seu lilho .los l0"f "O-nlios a iiiieira conviccao de que sUectj,
juramento de ob.-1 a,"!0S ad;,,""sAraiU> "2? !lus palatiuado. de
ser passado pilas armas o Sr. Jesittfki, pro|irietario (lilho no cadafalso. I
no governo e no districto do Vars ivia, por ler lo- que salvasse a vida prestando
mado urna partemuito activa na ins irreicjio, por ter iliencia ao czar, mas seu UII10 respondeu com voz
lornecido mantimenlos aos guerril as e por so ha- (irme e inlelligivel:Jurei tidelidade minha pa-
ver encarregado da inapeceio de um arsenal qne tria, hei de manler o meu juramento.
se aehava a distancia de alguns ve les da sna pro-! Segundo se le noCsor, os insurgentes alcan-
priedade. jraram urna brilhanU victoria 110 palatinado de Lu-
1 D'aqui a ooucos das devem ser julgadas tres blin. Os Kussos para vingarem una derrota rocen-
pessoas implcitas no assassinato do Dr. Herman, te, tinham feito marchar forras considera veis para o
no Hotel de tEwnpe.' \ districto de Cheln ; pela sua parte o general potreo
Mr. Rawicx, lilho de um dos irineipaes han- Kruk, reuna debaixo do seu conimanilo todos os
ipieros de Varsovia. foi enforcado era Siedice, por teatecamentoa de insurgentes espalhadus no pala-
ordem do general Maninkine. tinado, con, os quaes atacou os Russos prximo de
Era Lcnezua. no palatinado c 4 Lublin, urna Chelm, no da 10 de novembro, derrotando-os com-
ompanhia de infanlaria russa e duas de cossacos pletamente. s Rumos liveram perdUS enormes e
foram derrotadas pelos insurgentes
t No districto de (osiyn, os Russos dispersaran)
um destacamento de cavallaria polara commandada
por Syreaicz.
insnrnicao tem augmentado na Lithuania.
Na Samogicia apparecerem noos
los. lano no districto de Rossiennv
tinado de Groduo.
Houve um combate na (foresta de S\ wewody,
prximo de Sowalk os Russos cahiram u'nma eiii-
boseada o soffreram graves perdas
1 De Sulval.i c de Lomra tem sido mandado
grande numero de deputedos para a siberia.
Segundo ; Gaceta Nacional de Berlin, os Rus-
sos t 'ti na Colonia 210,000homens, estando destes
31.000 do goarniedo em Varsovia.
u Czar continua o bom exilo :|ue alcancarara
os insurgentes contra os Russos em Chelm no dia
deixaram em poder dos Polacos" muitas centenas
de carabinas.
A cavallaria polaca, commandada por Bosak,
c C.liiuielinski, deu um comate aos Itussos a i, em
Strajnow. Us dragocs e os cossacos foram postes
>,us ilesiacamen- en, completa derrota. A' apraximaco da arlilliaria
y, como no pala- e da intentarte russa os Polacos, que nao tinham
cavallaria, julgarara prudente evitar um segundo
combato, e retiraram em boa ordem
1 A' 7 houve um sanguinolento comhate na
fronteira do palatinado de Plock e d'Angostowo,
prximo da cidade de Zalama. Muitos offlciaes
russos Qcaram alli m irlos do lado dos Polacos as
lenlas foram menores, mas muito dolorosas o
chefe da l>ir.\ Rynasz iwskl, gravemente ferido ues-
te conflicto monea em eoosequencia dos flTi-
nientos.
c No palatinado d Plock, grande numero de
\\ ilna, (irodow. Kowuo e Minsk, e nvenla anno
do mesmo dominio na Livonia, e uo pl.iliuada de
atehitew, nao foram soflletoistae pan enraizar r.o
paiz o poder eslrangeiro, DMU qm elle lioje mais
repellidcj e mais detestado por todos as cUsms i
sociedade do que na poca em que se Nfilew a
apailua.
A propra Russia sent aliar-lhe o terrn
debaixo dos ps, e a falla de toda a iradic.io I
rica na Liiliuuina, e de todo o diroto legitimo, di
ligeueia ini|)or pela violencia um tilul* en ano,
rencia legal. -
t A Itussa nsto obedece le universal, pete
qual nenhuma obra se pode sustentar sma
lio dos meios que I ie deram origen. A eaonatete
pola violencia e pela forca. nao se pode naaer-
var senao pete torca e pete violencia, e ai
dizer que este o resume da historia da Lulo
desde a patlillia da Polonia, re-une 1 di | lua u
secular entre a civilsarao occidental
dade asitica.
A esies documentos eiao juntos .>s protesto-
dos palalnados de Wilna, de Kewne,
Minsk, Hohilev e Witebsb. nhattes
retatorte. com B49^i6 anaignahu 1. toda
saikis p.'lo goveruo wcional.
*
PKHNAMIULX). 1YP. uE M. F. F & Fi


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJTVBNU1Z_K6I5G3 INGEST_TIME 2013-08-28T00:39:00Z PACKAGE AA00011611_10104
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES