Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10103


This item is only available as the following downloads:


Full Text
1
1.
AWHO IL. HOMERO
Por tres miles daotados SjjOOO
Pr tres m< es vencidos 6$O0()
Porte ao corri por tres mezes. c>7>
Por anno adiantado.....19$000
Porte ao correio por uin anno 3J00O

KNCAHHfc..rDOS DA SUBSCRIPTO NO NOfE
NOfE
I.i, I '
Parahyba. Sr An,rtn0 Alejandrino de
r-atal, o Sr. ^,ollil) Mar,,nPS da Silva; Arar*\
sr.A.deLem5 ,,,,ur.(. g^ Sr j y^ie
Oliveira; Uranj 0 Sr. Joaquina Marines ro-
drigues; Pra.LSrs. Manoc-I Pinheiro 4 C.*-
amonas, o Sr. Je.VB10 da Cl)St:l. *" J
CXCARRRGADOS DA Skatmr+Q NQAL
Alag5as, o Sr. Claudino Falcao Dias; Rabio
Sr. Jos Martina A, ves; Rio de Janeiro, os Srs e-
rain lhrtini A Gasparino.
PARTIDA I>OS ESTAFETAS.
Olinda. Cabo e Escada todos os dias.
Iguara ,su\ Govanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Sanio untan, Gravati. (tesarlos, Bonito, Caruaru",
Altinho e Garsnhuns as ten-as feiras.
Pao d'Alho, Xazareth. Limoeira Brejo, Pesqueira,
Ingaieira, Flores, Villa Bella, Tarara tu", Cabrob,
Boa v'ista, Our cun e Exu" as quartas feiras.
Sennhem, Rio Formoso, Tamandar, L'ua, Barrei-
ros, Agua Preta e l'iinenieiras as quintas feiras.
Ilha de Fernando todas as faxes que para ali sahir
Harto.
Todos os estafetas partem ao '/ da.
EPHEMERIDES DO MEZ DE JANEIRO.
2 Quarto ming. as ,"i h., 18 m. r 20 s. da m.
9 La nova as 8 h., 2o ni. e 30 s. da m.
18 Quarto cresc. as 8 h., 4o ni. e 43 s. da t.
23 La cheia as 7 h., 4:1 m. e 14 s. da t.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 10 horas e 6 minutas da manhaa.
Segunda as 10 horas e ."10 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagas a 5 e 23: para o norte at
a Granja 7 e 22 de rada DMX; para Ferr. indo nos
dias 14 dos mezes dejan, rnarr.. mato, jul, set. euov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
P;;ra o Rerife : do Apipueos s 6 '/2, 7, 7 /,, 8 e
8 Jabo.ilao s 6 '/2 da m.; do Casanga e Varzea s 7
da m.; de Bemlica s 8 da m.
Do Herie : para o Aprpuros s 3 5, 5'/,. 5 Vj c da tarde; para Olinda s 708
manhaa e 4 '/: da tarde; para Jaboatao s i da lar-
de; para Carhanga e Varzea s 4 '/* da larde; para
Bemfira s 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do eommerrio: segundas e quintas.
Relacao: tarpu e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quinta s 10 horas.
Juizo do couiinercio : segundas s 11 horas.
Dito de orphos : trras e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : torgas e sextas ao meio
da.
Segunda vara do civcl: qnartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
Com o Diimrro de boje (maos destriboii
folhinha que roititmamos uflererer nossos as|-
nantes.
DAS DA SEMANA.
2H. Segunda. Ss. Castor, Cesarlo, Agapio ram.
2!l. Terra. Ss. Trotino. Primo mm.
30. Qiarla. S. Sabino b. m.; S.JAnisio b. m.
31. Quinta. S. Silvestre p. m. \ S\ /.tico m.
1. Sexta, c^j Circumrisao do &nhor.
2. Sabbado. S. Isidoro b. ; S. Argeo m.
3. Domingo. 8. Aprlgio b. de Beja.
ASSIGNA-SE
no Rerife, em a livraria da praea da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manuel Figueiroa d
Faria & Filho.
PARTE OFFICIAL
GOVERM DA PROVINCIA.
Kinedienle do dia 29 de dexemhro de |i
Offlcio ao rrigadeiro rommandante dP
Srvase V. Exc. de mandar apresentata
Olere de polica, amanha, dous soldados p
O'
.o Di l
coltarem dous presos de justica para as provj
da I arahyba e Lenr.-Communirou-sc ao Dil
manhaa do da 24, e no dia 23 o ronde Russell
termino* a correspondencia noiiticanJo e mostran-
do a recusa da Inglaterra.
Todos os roiiiiiienlarios destes diversos docu-
ja aeham resumidos oestesimples esboco. |sob o ponto de vista" dos nossos mas"graves inte*
,?r? '>S s'' ;! lonl a"ss,!" ?ml ,''. l"' Bo^erno francez e o nico 1 publiro, o governo de Washington, oppondo-se as
SSiiL/T ^"'."C0 luravel. lord levas desoldados tentados por ronta do governo
Russell espondeu a Mr. Drouyn de Lhuys que de Jurez, teria offlnalmente rceonheeidoque a
*>??? SS. P~V^a?l,ae". Jt"t:"; n?C> mexirana adhera ntervenro franreza.
>! 1 K ma.s mdispostos entre si Neiihuma hostilidade, portante, seria a temer por
do que r o lempo da sua primeira reunan. estelado.
J?,..!!?,'''rn- francez l.,ro8nos,i<-a a guerra seo Foi isto excellente, porque, se rom o prximo
Tt, l1'1" reU"ir : 8verno ,n8,ez re- emprestirnu |>edio-se em dez annos a creilito mais
i\,t\f Sl! rV."""- de dous mil e trezentos millies. neressario que
mnn fc"i? duergencia lao fundamental se nao se Iluda o povo, tendo-se rommedimento, e
^I?,i, u I1S r'"""''ras nolenrias do tratando-se de evitar novas guerras e sobreludo
lindo, ruja allianca v a muca garanta da paz eu- expediroes em mares lontrinquos
ipra^ e permitiido d.zer-se que a todas as d.lll- Quanto aos durados dinamarquezes, romera-se
Obtor a submi-isao geral de paiz, que p.irerr ser
indispensavel acceitaco deliniliva do throno
pelo archiduque Maximiliano.
Assignalemos todava urna noticia animadora
l^^3^^IS^Lmm^iu'^Me\ S"- A'-V,M -Sl- prasMeote, tendo ouvido
A" lM-nrnmf^ T W P"'uch ~ "'"'"".ar-se na leil.ira de expcdienie o rerebi-
!,tmTm.-" T*-- m,'",de v;iritfS PaP* contenientes eteieao em
,..* m*",0ll "'""'^"T""* 0{\'y 1 "feressado, naoouvi arcusar-se arecep-
m que a presufenrn do M.ranluo Cao do relaforio emque o Em. presidente da pro-
deriso-s que proferio, det arando vmria de Santa Cailiarina enviw ao governo im-
* perpetuando-os pela respecTira consignacao, fiwde
iiiiprimir-llies as rerdadene IW$5es na critica' que
as cmaras muniripaes da capital da dita provin- perial sobre
ca e di cidade de Casias que certos veraadorm
nao pojiam tomar parte na apurarao dos rolos
gover
proeesso eleiloral na
dorumentado em
coinmunica as
a marcha
mesma provinria.
Ora, ligando eu toda a iiuf.ortanria esse rea-
ri. h Zi, sitar, aaswnWa provin- tono, porque devo considera-lo, em vista da ron-
oko:J,r,.lLJere*e ""JT'o que tmham as ele.- duela neutral e da inteira abstencao guar
0|H
fe de poliria. ,--------- .
Dito ao mesmo.-Tendo.sa apresentado nest,'-a-! mV^JBJSXS!* n. dis,'"rso "nPpr,1al- u'na a.saher, nao o que os governos germnicos quere
p..al. segundo declaro,, V Exc. em seu.ofc de ; g fflSaS.** "
gar na ,'reguezia de Santa Barbara,
sao de poderes.
26 dororrente, sol, n. 2,360, ofreirurgio dror-
po de saude do exercto Ur. Gustavo Balduii de
Moiira ('.amara que se achava em commiss; no
termo de Flores, pode V. Exc. dispensar o cur-
glao-mr da guarda nacional Dr. Jola Mara e,
que por falla de cirurg,5es militares, eslava nd-
juvando o serviro desta guarnirao.Commun ),i-
s- ,o inspector da thesouraria de fazenda. 1
Dito ao mesmo.Respondo oortiro que V. xc.
me dirigi hontem, sob n. 2,36o dizendo-lhebue
po le mandar considerar extinrta a enferman n
eslabelecda no quartel de Santo Aiiro,
A not. de lord Russell
resposta da Austria. Esta potencia communirou
que nao comparecera ao
a mais grave de todas rao, mas o que elles pretenden) e querem de pre-
sente. A dieta, recusando provisoriamente o direito
le alguma forma a de voto ao enviado dinamarquei como represen-
tante do Holstein, estabeleceu a queslo de sunv-
sao entre o re Christano e o principe de Augusr
tembourg.
A Prussia e a Austria declararam que, em todo
o caso, o plenipotenciario dinamarquez deveria ser
admittido como representante do pequeo estado
de Laweinbourg, e reconheceram o rei de Dina-
r"-'ca como soberano do Holsein, em vrtude do
tratado de 1852 ; porm com acondifao delle exe-
ao gabn le de Londres
congresso.
A queao do Vneto ah deveria ser estabeleci-
da. Orj a queslo italiana ligura no programnia
de Mr. Drouyn de Lliuvs : d'aqui faril a dedu-
rao.
A adlii-so da Rassia por outras ronsderaroes
nuil signilieaiiva tambem.
r;LeHlir,')S de ir, sincera "onfianfa, que espe- cutar esse tratado como o entende a Allemanlia.
onde foram tratados os" cMericos""miiures",'Jslo' ?.ffif, 2SS*, d3 Fun*a' e &* subterfugio recua faculdade sem resol-
nao ha ver mais epidemia. m u c J r guerra P01" a '18 a err.a' J^* v la- Pr1ue a 'nterpretaco allemaa do tratado
' sna funesta apalh.a pela felictdade do de 1832 perentoriamente rqpelhda pelos Dina-
pir planto nao llie podem per- marquezes. O sacrilicioque delles se exige, a ab-
propna imprevidenca. negacao de sua nova lei fundamental, a deslocaro
rom a Inglaterra sena, ronvem con- da sua monarchia, um durissimo saerificio ; e,
lar ronclusao para um debato trava- se ellos a isto se recusarem
Ditoaomesmo.-Com a inclusa^ rpia do ou:io' u"n,V,'VV^J* ""i"'"il*6*-- a fc ^ soberana,
do director das obras militares datado de f do miM k,S' l fci 2 coi rente e sob n. 276, respondo o que me dirig, o f'i, d, ,nta r SK"."^ recentemonie der com brevidade, s tara lugar a principio (em
coronel commandanle da guarniri, em 21 de te SEJ.." Jrte0* ComPWP,e. Pto flW' """> Oo direitos constilucionaes do Holstein, o
mez. n. 2,337, acerca da lluminaco do howial n.^ns tr r^nP a> que e,n N ars0VI* calca M 1u,! ''"'aberU a porta acenriliacao, com lano
militar. p ; Z,r\ 1ue a Dinamarca consulte a sua fraqueza, e se de-
Dito ao inspector da thesouraria de fareida. mndido ?,,^, aPu'nCAaS Pc1u/nIs. tem res" cida a ampias conressdes. Nao possivel obrar
AnnuisMo ao que solicitou o director du ras P2S.? JSS,.4? Mr*i5rW,2 d" Lhu>f c,om ura forma, porque o sentiroenlo allemio toma
i offlrio de hontem, sob n. 277, r*om- no i S. que em vista da imlusa con em ^ZSSaX!SX!!^.. .............: S* sa0 arras'a 'ir tal robera
t'giSn-mar do
* Joo do:
_ i,TeKUlar,(laa--s qu.
A 4* cemmis- os trawihos, e mais ou menos gravuinvnie affoc!-
a" a .Vle.'5ao se(-;un,laria .tH todava prejudicar
_lo
ndo
am-
masaaa
..- que porventura existam na secretaria do
nutra da mesa do collegto eleitoral da ciadede imperio.
themie' ,i^,nC'a (le M,in.a5' fnvand0 acP'aau- Aproveito a occasi.o para apresentar diversos
* ? ^L ^SpeCI;11 da ele,cao de depjUdos. documentos, pedindo V. Exc. se digne trans-
iLrT'1.''10, P<,iereo ,r i mi',i,os llusir ida quinta rommissao de poderes,
lenra a X r T P*"!8!? c,^ad.e ''? >?" Esses aumentos referemse aos vicios .pie B-
TT-fiL listnrto eleitoral da provinria do Rio nmnaram de nullidades as cleicoes das freguezias
at Jan. iro, expondo os fundamentos pelos quaes de S. Jos, Canavieiras, Tijocas e Penlia.
iran!' ^S ""Y Cn,ra d"5S2a!??? So,r'3 Canavieiras aprsenlo tres documentos.
, 'f.ff'i 22?2d0 mesmo colleg'--A i1-* wpia authenlira da representacodirigida por
commissap de poderes muitos votantes da parocl a ao E'xm. presidente
llni,-, ,1 .. ,- .. .. I "- amo.-. ii,i i.hui ni.l ao r..\I!l. UlCMUdlIC
Uv2S2u^^C!S&^S,,5l??p5,,h, daProvinia de Santa Camarina contra os actos
fe ol,, in i ', IT,;v,1nci:l da ^rahyba :1o or-; arbitrarios e illegaes praticados pelo juiz de paz
m E, 'r.1e?ular"ladeS 'lue d,ztm le.T ha.v.'d0 i P^'dente da mesa, que os esbulhou do dirOtto de
-?sma parochia.--A 2- votar 2, certid.o da justlirarao que se proce-
|deu em virtude do despacho do juizo competente
le Abreu e Silva, re- j sobre as arguiroes comidas na referida represen-
to Joao Jos Soares da (tagao ; 3, certido das artas da segunda eleicao
nrmnff! iJlMr d*.lr,hia do ? d.sti icto da de.eletores, que leve lugar sob a presidencia do
wderes te*em.-A 4- commnsao de|Ju.z de paz mais votado, na freguezia do Rio-Ver-
; no precetso eleitoral da
1 rniniiiissin de poderes.
Outra de Hygino Alvares de
eis surgir a questo clamando contra a eleicao d
Silva
melho.
gado do
mande p
quanta
Rs|3U,
esecuuao M roMertos. de que prer.sava ufldos. visinho
portoes doquartel do 2 batallio ds infanta: co- A ndnnuh-nrin Belw lanri
du:.^;;iaaolaTS,.aresa---Cm,nUn,C0U "! ^ 5 SSattlS
Dito ao mesme Tende em vista
ya Desmamis longe
oerei
boje,
aPernamburana3offl.de !^i?f i??^.*! -* "?PH
m (!t f>.1n.l.k .'. ?.- n -------* '---------'.. .--------- ...... iii* UIlB.t l_rtlIllMMII,t HUllilM c sucia I,
"or- ZEru .,rSnC St" El,'ri)a lb?,no acolh,meoto prorurando tomar o seu ponto de apoio nos ate-
- teiio as proposi9o.!S do da 4 do novembro, e as resses populares
este ^'"^^iasq^^ll^l'O'.l'-'n resultar. Esse trahalho interior da sociedade ingleza
I contrato.
. -; M mesmo.Em vista das duas rtintirjrn
tas em diJalirata, e nao h ave ndo inconresleute,
na ,de \. S. pa>;ar
a Francisco Ludgero Nunes me daqestn^dasViiS nromr/TMEi,
le 635700^espemlida con o for- Thie^em e^r^
Mm,"r'i"'rn'0 as *-culs,if a falla do throno, as um ,|s elementos mais importantes do calculo das
ncezas, nao levam o governo a exph- eventualidades polticas. *
Na Polonia a polica russa contina as suas exe-
cures. Como seria demasiadamente longo procu-
rar os culpados e convenc-los, resolveu-se pren-
der em massa todos os que na populado tem for-
tuna e influencia.
Nao se prendem mais individuos, mas sim fa-
llas inteiras, e enviam-se estes desgranados para
dgum poderoso dos zombam della na Allemanha.
A Gra-Bretanha deu urna prova de su energa
pois, a conta do na negoraco polaca ; e sal,e-se que o partido
de seu projecto : tonj marcha ag ataque do ministerio com grande
podena annunciar a esperanra de derroU-lo, em quanto quo o partido
annun- radical romeca urna campanha poltica esocia
recommendo a V. S. a expedico de su
dens para que nao havendo inconveniente iiam
pagar a subvengao de 7:0005000 relativa i
mas, con que o governo geral auxilia mensamente ,
XmSUSSS** qUe cu'Priucom asobrf>* car-se, eoncluio-se a rerifeaeao dos poderes do
ror|K) iMislalim a qual durou vinte leseSes; sen?
a,. ...m...i,,, eiei;.. annulladas. A cmara adioii,
Sodafalla do tKThr^Mcurjido e\a-
jw, miento de luz e apa, para o quartel da ,'uarda I me" da Siip^sieo"''"*""'" uc '"*"" ** e,Cj0'
da radela da cidade de >linda. desde marco li ou-1 Anezae do non
tubro deste auno a qual era composta de
do i'' batalhao de arlilbaria a j.
Dito io inspector da thesouraria provu
: Kie hacend inconveniente, mande V.' S. p;gar ao I mais' por m;io"deVa^ 3'fa'""
W**** gibeiro de Carvalho a t,u,n.ia ni,jo L -azL! moral, Jai/
de !9o46XJ0, despendida com o sustento di* presos um infnorito insl
pobres la cadeia do termo do Garanhua i, curante j tos sign cativo*
os raezei de oulul.ro e novembro deste anni romo | dado sr i rarart'er s eleicSes de 31 de mao ulti-
mo. Entre muito citemos alguna.
um subprefeio escreveu todos os vendedo-
I res de licores : < as (requemes relacies que nc-
I cessnriimirnte tendel rom a administracao me au-
lorisam h pensar que todos voseslaes Jispostos a
tffcenlos 'le v.eram annexos a sua infonmcao de ; apoiar as eleicSes o candidato do gavera do i,n-
2li di urrente sob n. 018, relativos ao alugu'jj yen- perador. >
cid o nn niezes de junho novembro desfc abno, m oulro remelteu no dia M 0 ma0 a 87
, dacasaone oo termo de S Beuto servo di Psao reo, depditia mullas impostas elles no dia21 de
e quartel, aim de que mande pagar, i loSojPereira abril
Garca Torres Gallindo. naoa quantadeafceomo rm v,tro annunciou ao som do tambor, no da
ici-i.;de poueJa em eflicio de 18 do .-orien- 2H de maio.a chegada por decreto de um canal em
: teso, 11,633, e consta dos niencionadosvAocu- Um paz que nao tinba visto agua desde o di-
mento, mas sun a de U& em que importa muelle Invio.
. alugud, segundo consta de sua citada mHimacao. fm nu,ro conredeu aos eletores no dia 30 de
Umiiiume.ou-se ao Dr. chele de poluia. .maio'a 'aculdade de pastar as florestas do es-
Dituaos agentes da companhia llrasileira de pa- tado.
Um procurador
mu^r'f.. ihre am^a,evao as respectivas com- sobre a freguezia de Tijucas aprsenlo dous
Z^iJuJ a t d'P mas d"S SrSi I-fi,n,,sco documentos : 1, os offlcios do delegado de polica
Jos Ha bodeputado pela provincia do Piauhji;; cobrindo una representaco de vahos cilladaos
oh J.TJ" tMS Ior'c dt AIaT'i,l'pU,,adoicomraabuso5'Pra''C^osVela mesa parochial, e
and^b r,?rd^^P'"l,"Santo;doSr Aureliano um do ebefe de polica, transmitindo aquelles
Un. Zilr.. h deI,u,ad0 r' ,^ dlurirt0 ia Prcs'lcnca da provincia ; f, os autos da ustifl-
ir-s a m,a!,uA,aRa* j e.do^s^Jo5eK')'l"-cat-ojU|gada,porsentenSa, relativa s irregula-
u,los r^lo i- '.J"a.rt,\e bara d.elTadSf- T" ''Pralicadaspela mesa parochial, e quede-
tados pelo .{ distnrto da provincia de Mi .as-Ge- ram lugar duplirala da eleicao primaria.
Sobre a freguezia de S. Jos aprsenlo : !, cer
documentiK,
de
| Minas-Ger.ies ; e os do segundo, relativos a ele-! uullidade esta eleirao
iln fu' i lZ da |)rPvi"cia d0 ^.ar- Crelo convenientemente chamar a attencao da
mana otfcreeo tambem, e vio a c:,mmis-1 ilustrada 5 commisso de poderes para cita jus-
" horas
ida
e
os
for-
rcumstan
"a a Augusto do Livramento na freguezi~de S. Miguel.
validade de documentos que os nossos con- pelillo
res de as honras de diplomas, e com que s intro
por onde foi eleito eleitor.
Uiinn "r.. Fazendo a ex|K)sicao do conteudo dos documen-
.ranine.iacasa. (.umpriamie dar os fun lamen- tos .p; aprsenlo, tenho nicamente por Bm, Sr.
do -que por
assistido
raaio moral, o paz julga la
ram
]ue as regies offlriaes loriara
in jnorito instructivo. Foram constatados fac-
sempre.
0. M.
nroiu 7nf ^asafm lem"v,) des"' presidente, pratiear um acto de lealdade, minis-
honras r lu,.,ntl''' "l'roes de alguns de mcus lrand a,)s ^ advtrsarjs M prvas em' (,ue me
disr^o *lu,r,;'lU,arara l0PPw bselo para capitular de nuiles as rleiro's
das
*
se vedas duas inclusas coritas que para at lirn
acompinliaram o ofllrio do chefe de polica, n.
Mis" de 24 do corrente.Comn,unicou-se ao Dr. |
umefe lie polici i. .'
i I loao mesmo.Dcvolvo V. S. os duut ibicu-
qnetesi vapor.Podem Vmcs. lazer segu
os portM do norte o vapor Cruzeiro lo SiJ, ama-
nhaa,; hora indicada em seu ollicio de boj
I'i ii liria.Os Srs. agentas da rompanhiWrasi-
leia \> paquetes vapor mandem dar iraJfcorle
al i tarahyba, no vapor Cruzeiro do Hnl.Ha lu-
IHTERIOR
BIO tu: JIMIHU.
ASSEUDLEA I.KKU.
CMARA IM>> MMIOKI S
DKPUTADOS.
SIOtfNDA skssm) HIVJJUTOnU k.M 13 H DK7.KM-
iiiio ni 1863.
Prnidtncia do Sr. Zacaras.
As onze horas da manhaa, feita a chamada, adia-
se presente numero sufflcieute de membros, bre-
se a sessao.
L se e approva-se a arla da antecedente.
0 Su. 1" Skciiktaiiio d ronta do seguinte
EXI'KUIKNTK.
Offlcios do ministerio do imperio enviando asac-
;, offlcal percorreu o seu dis- tas das eleicSes primarias e secundarias das pro-
companhia do ministro das vincas do Paran, Espirito-Santo, Santa-Catliarina,
p.. o-___.j__. ,. r, ,. ... freguezias a que esses documentos se referen.
^^.r^^^y^^^^^^i Venia mesa o lido o seguinte requer
legitimidad, das eleieois do 1" dislricto de ininha
: provincia, que me elegeo. O meu nico lint era
trazer ao clareo da publicidade documentos que
demonstram prima fote que nullos e falso.-, sao os
j diplomas a que me tenho referido.
Um dos meus honrados rollegas suggeno-me o
alyitre de apresenla-lus considerarn i com-
miaaio de veri&eacao de poderes, que enlo nao
eslava eleila. Mas, boje que j ronherida a com-
missao que s lem de dar o parecer rerra das elei
ment :
Requeiro que se peca com urgencia ao go-
verno, pela secretaria do imderio, nao s o rela-
torio do Exm. presidente da provincia de Santa
Catharina, acerca da marcha do proeesso eleitoral
da mesma provincia, como tambem quaesqu.r
outros documentos coneernentes a mesma mate-
ria que por ventura exislam na referida secreta-
ria.Aliim.
O S. PiiKsiuENTK diz que un Sr. deputado apro-
ara
imperial suspendeu os traba-..
ios de j islira para poupar a um motrt, que se li-
ba revcltado rontra a lei.
nlia
trirlo el'iloral em
transumpto dos documentos", romo acab? de fa-
zer o nobre deputado a respeilo da ele ao do
Cear.
pjisicao, porque, segundi
gimento, commisso compete verificar os docu-
mentos quo Ihe forma presentes e os que o gover-
no mandar ; e, se a commisso julgar precisos
e podem Mr depis publicidade
perde-se leu,|io.
agora,
sujeila-se respe...
oren, vaeaodpSr. presidente, e pede lieewja para reti-
rar,) seu requer ment.
0 Sn. Cautmg da Cmntt:Eis os doru lentos '"-ousultada a rasa, decide afirmativamente.
que passo a olferecer. Um offici do delegido de "a ma's 'vendo a tratar, o Sr. presidente
polica da capital ao clufe de polica e oulro desle Cl'qvida os Srs. deputados a coniparecerem ama-
ao presidente da provincia comuiunieando nie em DBa*> a,lora '"arcada pelo regiment, e levanta al
Despalios dn dia !l de dezembrn dn
Ilrqiicrivtrntos.
Antoni de Moura Rolim.Informe o i
Ja thesoraria ile fazenda.
Franeico Jos da Silva.Drija-se ao
do arseni de guerra,
Fiaiieica Sijvina de Pinho.Informe o
provedr3a'Santa Casa da Misericordia.
Prancaeo Botelhe de Andrade.Info
director ia^ obras publicas.
Franeico langero Nunes Vianna.Inbrme o
Sr. insporfor da thesouraria de fazenda.
._ provincia
ta das oceurrencias que tiveram lugar durante o
proeesso das referidas eleiroes..V 1 commisso
de poderes.
preparado a sua eleirao. diversos prefetos publi- Oulro do mesmo ministerio, enviando as actas
CStas pieveniram-se contra todas as contrariada- da eleicao primaria da provinria do Piauby, 0 0
des snpanmindo por dous mezes OS jomes inde- offlrio aeompanhado de documentos em que pro-
pendente:, existentes nos lugares de sua juris- sulencia da dila provincia expde as oceurrencias
d"'';:'- ., havtdas durante o proeesso da mesma eleicao.
Uuiros mais amados, obrigando o jornal do can- A mesma co,n,nis>ao.
ur didalo da opposwsn, a publicar, sob forma de com- Oulro do mesmo ministerio, enviando o ofllrio
mtimrad, s. -
4ja gera no vapor Craanro do Sul, ao d*er or | m .naire. na vespera do escrutinio, fez pre
do rorp. de nuarnirao daquelia proinriajfudre ,iarar o terreno pata urna eslaro publica do fau-
Perora llrelao. Loininunicou-se ao brftdeirc burg, e no dia seguinte vio-s une, apenas tinha
commadante das armas.
il
menos de meiq hora simulou-se esta segur Ja c-
mara apuradora, que alwrtu antes de abrir os
olhos luz do dia, no convenio do Carmo, donde
lora ezpellida pela torca pnbliea, nao exisiiido no
lugar da reuniao nenhum objecto de cscr ptura-
rao, romo seja papel, peonas. Unta, etc., e nem au-
thentica alguma dos collegios eleiloraes. Um abai-
xo assignado de grande numero de eidadios qne
assisliram aos Irabalbo regulares da legitima ra-
inara apuradora ; assim romo viram com a maior
sasaio a meia hora depbis do ineio-dia-
municad, v reclama^aes fritas em favor do candi- aeompanhado de varios documentos em que a pre- do da denuncia dada pida promolora nubl, con- Lete BrHa Jlini"r' Haebado, lavares Bl
fl fh.i^f '*L..m < s'denca da provincia da Paralaba da ronta dos Ira alguna supplentes de vereadores, aos quaes se 'amplona, Jos C.aetano, l'aranagua, Maredo.
' f. esPtraram,a abertura das operarles pa- aeontocimentosque tiveram lugar as diversas na- imputa o chine de tmulacS dessa secunda cama- U"":W, Pernandes Morera, Gomes de S
EXTERIOR.

I Outros, esperaram a abertura das operaras pa- aconlerimentos que tiveram lugar as diversas pi-
oSryra crimi ar por ritaeoes truncadas as inleneoes rorhias da mesma provincia durante o proeesso
do candidito adverso. das eleiroes primarias.A' 2' commisso de po-
Uulros, demoraran! o serviro do correio, allm de deres.
poder eu.'iar a todas as communas, no dia 31 de Outro do mesmo ministerio, enviando a acta ,1a
mao pe i manhaa, um edtal annunriando que, apuray.io geral dos votos para deputados pelo 7-
fluir ordeni do imperdr-
I s.-ri,
IA-
is do-
i Na-
mle^
lean
prximo, inearaui a tranquillidade do velr Con-
nanle. .,
0 cangrejo aborhu.
F'i sreasa da Inglaterra, forain os ptopnos
termos da qrrespondenria diplomalic,, pubHeada
por orden, u gabinete de S. James,
tima a diplomacia se mostroo
i:sio\ikv< i \ <
IK FKRA AltlBlX'C
WmSMQU
P'ris. 7 de deiembro de 1HC3.
A,aliado'esla o incidente que ha quinze \
minava aauacao europea : essa proposia
>> lll aoisolleanos, aflu de regular as |4
diTnViddaiU que em um futuro mais ou
egunda
-Entao desroniia da
s'-na |>eis
;ni do imperador, o candidato da opposeio disirrto do provinria de Hinas-Geraes e bem as-
.eisrguido |.ela justira. Einliui innmeros simas dos collegios eleiloraes da Januaria l'ara-
rumjeiona ios por smeacas, |iromessas, allorurdes cat, llagagem, Patrocinio, S. Romio e Gro-Magoi;
pruim/iciadas a proposito, bolletins marcados, edi- perlenrenles ao mesme dislricto.A' 4" commis-
taes rolos, procuraram influir, dominar, alterar e sao de poderes.
corromper o suflragio universal. Todas as rea- Outro do mesmo ministerio, enviando o ofUcio
coes, que deram a luz estes /miliares de fictos, da presidencia da provincia do Piauhv, acompa-
permanecero como um dos monumentos mais nbado de nina representaco da cmara iiiuniri-
uteis de ronsultar-se sobre a historia eonlempora- pal da dita provincia, sobr o numero de eletores
pea, ees grande experiencia feita tende a tornar que actualmente d a parochia da cidade do l'he-
irremissivd a condemnaio das candidaturas ofll- resina.A' 1* commisso de poderes,
ciaes. Pre :a Deus que ira e saina o governo com- Oulro do mesmo ministerio, enviando o ofllrio da
prehend-io. presidencia da provincia do Espirito-Santo, dando
U relatorio, to impirirntemrnle esperado do intormardes sobre a apurarao geral dus votos para
ministerio dasfinanras, foi emlim publicado, tendo deputados pela dita provincia, feita na,'amara mu-
como eonc usio a emissio de nm novo empreslimo nieipal da cidade da Victoria.A' :> eommissio de
de frsenles railbdes, destinado a rednzir em som- poderes.
ma equivalente a divida Ruetuanta, qne presen- Ootro de mesmo ministerio, enviando o oAcio
temente ,l novecentos e sessenta e dousmilhdes, arompanhado de varios decumena
e que firai reduzda rom o empreslimo a seiscen- Sidencia da provincia de Sergipe
''.'."Jfi!*" i,os u1?t',,',"a dnlls miibes. rencias que tiveram lugar no mesma provinria du-
ra Esta iiercssidade poderia ser evitada, diz Mr. ranle o proeesso da eleicao primaria. -A' ** rom-
rauld, su una soiu^io mais prompta dos negocios mi-sao de poderes.
do Mxico livesse por nm lado limitado os curar- Oulro do mesmo ministerio, enviando o ollicio
gos da Franca soturna interior a sua de.-peza, e da presidencia da provincia do Rio de Janeiro,
por outro, iraxido, por meio de um empreslimo ne- aeompanhado de ama representaco de Joao Fer-
gbciado pe o.Mxico, o reembolso de mus adianta- reir da Silva e Jos Romn Peixoto de Amorm
l"'','-'IS contra irregularidades que dizem foram eommetti-
Bra laes eonjeeluras, nina prudente reserva 6 im- das pela.....sa parochial de Santo Antonio de Capi-
periosainiMie exigida, porque, se a expediro.....- var\ na ultima eleirao de eletores.A' 3* com-
xirana jacustoa duzentos e des mitades, Franca mi-sao de poderes.
nao esta late lado no termo de suas pwBlacdes. Outro do mesmo ministerio, enviando a repre-
pedida le Coi a respo>ta pedida :' w-la ah oingada a emprehender urna nova serie sentara,, de vario- eletores supplentes da parochia
lde Russell por Mr. J' wP aa i de operaeds pare eipellir do governo a Jurez, e' de Icat, da provincia do Maranhao, contra irre-
em que a pre-
expde as OCCUT-
as dale tambem leem aqu a
va :
cia.
A carta bjpenal de ', de novembro.
n-te inglez, nanhado de improviso, del
ua etoqiisa-
Ogab,
f
uibro
abandonar, ,|ng) do da 12 de nove
Mein, deamfio, que ozprimia duvidaa
mais ampiad expli acoes, foi dirigido
l'"'rlod ; ^ itnsscnmien.
no dia *l'roiex-
dida ; a 'I al U>
Xdiii 13 despacho do conde Russef
viado .i Mr. louvn de Lhuys, e '
presentada pelas ras ,1a
d da
Ira algn
imputa o erime ue iimui.iaio
ra apuradora.
O Su. Amol k Mki.io-:-
rommissao ?
O Su. Canmiao da Cumu : Sempra innua-
roes bem pouro groen sas. Por maior que seja a
consideracjw que me mcreca a illustre com issio
de venfieacao de poder, nao se me pode ostra-
nliar que julgue conven ente fazer a rrsenlr. des-
tes documentos.
O Su. Piiksidkntk :) nobre deputado, pode
expr em rotatorio o- documentos, mas nao < ntrar
na apreciaran delles, pirque assim suscita ques-
tes, e perdemos tempo.
o s, CviiMiino d\Cimu:-E' justameiile o
queestoufazendo. m oCBeio da cmara munici-
pal ila capital, comiiiunirando ao presiden a da
provincia o resultado da apurarn e que expedir
os diplomas de deputados a misa e aos meus com-
panbeiros, os Ss, barao de Mamanguape 0 Pingo
Velho. Uma certido da secretaria do governo,
declarando que nella nenhuma commanicacan offl-
cial existe desta simulad i cmara apundri do
convento do Carmo Outra da mesma secre aria,
que aprsenla a lista dos nomos dos vereadores o
supplentes da tmara munieipal da capital pela
ordem da votacao c una da cmara inuiii, ipal,
que daos nomos dos vereadores a snppientas que
prestarain juramento : rom os quaes sn concilio
evidentemente que os falsos diplomas que apre-
sentaram nesta rasa os nOSSOB eompetid ir; sao
assigaados por supplentes e em sua maioria nao
juramentados !...
TERCERA SESSAO PREPARATORIA EM it>
DE DEZGMBRO iE 1863.
1IIKSI0EN0IA DO SR. ZACAHIAS.
As onze horas da niatiha, mita a chamada, e
adiando-e presentes Almrida, Pedro Luiz, l.inipo de Abreu, Jos Ange-
lo, Horta, Ratisbona, Pinto de Meodonca, WKeea
Vianna, Lopes Netto, K. Octaviano, Saldanha Ha-|
riuho, Arstides Lobo, Leitao da Cunba, Correa das '
indignaco a farra desta duplcala da cmara, re- v
nella cidade. lima cerli- Wev*i R'\ol, Barbosa de Olivera, Jacobina, Joao !
Bastos,
,Bur-
Sonza,
Mello Franco, Moreira Brandao, Aragao e Mello.
Souto, l'aes Brrelo, Feliro dos Santos, AITonso
Celso, Fialho, Alvim, Henriqu.'S de Almeida e J.
i Madureira, abre-se a sessao.
Ld-se e approva-se a arla da antecedente.
O Sr. 1" secretario declara que se aeham sobre
a mesa, a van I- rommiss de poderes, os di-
pl mas dos Srs. Joo Luslosa da Cunha Parana-
gu e Polydoro Cesar Burlamaque, deputados elei-
lOS pela provincia do Piauby.
O Sr. Braga Jnior offerece varios documentos
relativos eleicao do 2" distriito da provincia do
Cear, os quaes sao rcmcltido; a respectiva com-
nn de poderes.
0 Sr. Pedro Luiz apresentl urna jnstUtcaco,
I que.tambem remettida respectiva eommissio
de poderes, acerca de irregularidades orcorhdas
na eleirao de S. Francisco de Pauta, municipio de
Cantagallo, provinria do Rio 1e Janeiro, z* dis-
lricto.
Nada mais havendo a tratar, o Sr. presidente
convida os Srs. deputados a eomnarecerem ama-
nhaa, a hora marrada pelo regiment, e levanta a
sessao s onze horas a meia da inaulia.
DIARIO DE PERNAMBUCO
UotIsI;! Io amiii ilc I Slti.
O lempo em seu raininliir continuo ferhou hon-
o Su. AbaoaoeMbllo :Sompre noto que era tam o espacetracado existencia do anno de 1863,
1860 o nobre orador ni lea reflexao nenhuma i
um caso idntico, succedido na mesma provi teta.
o Sn. Lkitk. :Porque nao Ihe convinha.
O Su. ,'.\n\KiRoi)\t:, >n\ : -Nada tinha que ver
rom es^a- q bypothese era diversa
i11- documento- o respectiva cooamissat i
e com rneerranientodosse esparo ferh nido igual-
mente o periodo vital de mnitus aeontecimentos,
abri margara a tpreciaeo driles em si e em sena
ataraces. K, pois, o anno de ISG:t j uma recor-
aacao chroaologica r os fados a que servio de Ihea-
uo, pertencem historia, que reproduiiodo-os e
aos mesmos adduza.
Mas na contemplaro delles- teto pode o espirito
otMervadof paralysar-se, mesmcd,*le j; porquac-
to as resacos que os prrndeni, as ligaces que du
um levam a oulro, as afflnidadede muitos delles,
einiiiii, ebrura vasto campo aesquiza de as
eausas e a a.-signalaco dos seus efleiSos: causas e
eleiios que devem influir ou tem dereflectir mais
ou menos nos aeontecimentos ulteriores, que nao
raro os presupporo certamente na m pratica.
O anno de 1863, tomado na synthe-se- das r.--
pectivas oceurrencias, ezhibe-se sob o carcter de
seguidor do que o anlecedeu na compciaro dos
lempos. O anno de 18>3 vio no correr de wn das
agitarena-se as grandes qucsioes, que lh,; vieram
por beranra, sem darem um passo efflcaz no ter-
reno da solueao. O anno de 183, por tanto, marra
sob esta face o estacionamento, ou a negare dos
fruclos que delle se esperavam a priori.
Effeclivamenle, como successo hereditaria-, f->-
ra-lhe legada pelo anuo de IStiz a questao roma-
na com os seus variados e momentos- inciden, ;
a questao dao allema nao menas palpitante de
interesse pelo lado polilieo ; a queslo polaca, fe-
cunda em compeaces de ordem capital, e envcl-
vendo senlimentos de humanidade ; e Analmente a
queslo norte-americana de resultados sorialmen
te lio ampios, e de conswpiencias lao damnosas s
rela,;des do commercio internarional. Ora, como
bom herdeiro, essa beranra nao fui esbanjada ; e
pelo rontrario vemo-la conservada cora a produr-
cao correspondente, e formando um acervo cujas
pardillas talvez caibam ao corrente anno!
A questo romana nao adiantou um passo,
em face do om ossumus de S. S. Po IX, que
nao cessa de protestir contra a expoliaco do
patrimonio de S. Pedro, e sempre maniendo, no
mbito territorial queaforca o rirciimscreveu,
a harmona dos dous poderes, que Ihe foram trans-
mitidos sucressivaniente desde muito seculos.
A queslo dano-allema prometi em seu des-
envolvimento um desenlace cruento, como conse-
qucncia da morie de Frederiro VII, rei da Dina-
marea, e asrmro ao tiirono de Christiano IX, a
quem nao querem reconhecer como seu soberano
os durados de Sehleswige Holstein ; esem embar-
go do portocollo de Londres, rom data de 8 de maio
de 18.*tz e da lei de successo de 31 dejulhodo
anuo seguinte, procura reivindicar os seus direitos
o duque Frederiro de Holsteiii-Auguslemburgo com
apoio de varios princepes da confederaco germ-
nica, urna vez que nao tendo assenlido renuncia
de seus direitos implcita naquelle protocollo, Ihe
compete como agnado de Christiano I o governo
da respectiva casa ducal. Este estado melindroso
anda mais complicado pela encorporaco consa-
grada na nova constituicao dinamarqueza do Sen-
leswig, o que fere s bases do protorollo ja referi-
do ; o qual por tanto, sendo assim invalidado, nao
poder ser invocado para sustentar direitos n'uma
parte, quando os calca n'oulra de modo to fla-
grante.
A questo polaca subsiste sempre a mesma nos
horrores della decorrentes. A aspiracao inde
pendencia do jugo moscovita cresce nos Polacos na
razo directa das tyrannias, que Ihes sao infligidas
petos agentes truculentos do autcrata ; e estas re-
erudessem com insania, ao (ionio at de vedar-se
as muflieres o trajar olulo, que Ihes enche o peito
pela servid da patria e pelo martyrio dos seus.
As olas rollrctivas da Franca, Inglaterra e An-
tria, por dispensaren! conselhos a quem Ih'os nao
pedia, tiveram o destino de ir tomar espaco na
chancellara russa, depois de rommentadas (tela sua
diplomacia sm phraaei amaveis, no entant quo
nos campos da Polonia vilavam-se as inulliere-,
malavam-se os homens e profanavam-se os templos!
A queslo americana, em resumo, nao prometie
um paradeiro provavel n is alternativas porque ella
tem passado at hoje; visto que nessas vieissitude-
aota-se uma equilibraco reciproca de forras entre
os dous partidos brlligerntes, de modo que Irmlr
Uto a perpetuar umasituaro anormal, de effeiio-
deeastradea para propri) paiz e para o ronimer-
cio geral do universo, que alli linba a seu valioso
deposito de materias primas. 'A mediacao do go-
verno das Tuilherias, os avanros suasorios do de
S. James nullilirarain-se ante o repudio que Han
oppoz o de Washington, noquerendo Lincoln dar
cabida menor conces-o que virlualmenie mi-
portasse a possibilidade da separacao dos estado
diss,denles do todo da coifederaco norte-ameri--
cana.
E pois, a siluaco poliiica oscillou. offereeeu s,-u-
assomos de modiicai;o, mas alinal sataCM em -i
mesma pelas difflruldades oceurrentes. srm em-
bargo de Xapoleolll ler sempre procurado dar-lhe
urna soluro par meio de llina razoavel, mas que deixaram de ler o arcordo
das outras potencias a quem se referiam, por prin-
cipios mal entendidos de un egosmo e de um ctu-
me reprendo.
Todavia, a queslo hellenica leve um termo.
Pela eleicao e posterior accilario da respectiva
corda pelo principe dinamarquez* que ascendendo
quelle llirono t.mou onomi! de Jorge I, resolveu-
se este problema, e mesmo sofreou-se a anarrhia,
cojos assomos se manifestaram de modo sanguino-
lento por mais de uma vez em varios ngulos.
A esta exaltaco e reorganisacao da Grecia, -e
guise a annexaro das libas Jonias, cujo archipe-
lago achava-se sob o protectorado britannico, sen-
do este a va neo do governo inglez originado menos
por tendencia liberal do que por vistas do calculo ;
o qual se emotivamente nao realison-se na ascen-
ro do principe Alfredo ao throno helleniro, e,n
virtude ,b' ser ella contraria a lettra do pratocollo
de Londres assignado pelas potencias protectoras
da Grecia, colbeu no entretanto um f ivoneamenlo
nos suffragios que receben o mesmo princqie. e
alinal foi sempre sati.-fnto, bem que em ordem se-
cundaria, na eseolha do novo rei, ligado ao princi
pe de Galles por laCOS de afflnidade, r aprr-eutado
a essa randidatura por influencia do mesmo go-
verno.
A qurslo franro-mexirana enlrou igualmente
em vas de terminar rom a acclamaeao da maaar-
rbia r a elrvarao do arrhiduque Maximiliano ao
throno imperial, erguido sobra ns destroces da de-
magogia, que. de longa data avassalava as feriis
Ierras dos Montezumas, por ineio de horrores e de
actos que tendiam a matar toda a seiva de vida e
de desenvolvimento do paiz.
Mas o ultimo verbo desla questo ainda nao foi
pronunciado.
Apezar de inaugurado o imperio, a novo impe-
rador s aceitn a cora sob certas eondicoes de
garanta, achando-se ainda na Europa, e sendo c-
poder magestaticu ezerrido em sen aoana |M>r um
ronsrlho de nolaveis uoenireanto que protesta-
ran) os Estados-Unidos contra esta modiflcarasi de
forma governativa, a o presdeme Jurez, ii'.'.erna-
do no paiz depois da tomada e consequenie oceu-
paco do Mxico pelo marerbal Forey, r. daisa
de faz-lo igualmente com as armas, aiudn que de
modo iiuii fraco e incapaz de successo qual aa<'>
seria para desejar em benelicio da prepaia na^ajy
para quema monarchia ser nm Iris J<- pa. a ana
elemente de prosperidade, a despeiaa do queso ar-
gua intevveuco e-tiangeira.
Ora.|-e reta em mese odiosa, dadas certas cir-
cumstancias de ordem publica inl I, ti
os seuseffeitos faaeui calar aqurlle princi
do pasa sentir portante que horneas Uvres,
queii ha patriotismo, sirvan, a causa da ne| I
deste rom ferv,,r heroico, sob inspirarlo de que
fajera o seu dever para eom a patria, ao pa < qn !
apenas t^mam-sr instrumentos da especul
ambiciosoa, que desde., independencia se aocce-
u ii t 11 a n n


Diarlo de Pernam!ttco --- Kabbado 9 de ianrifo de 1804.
u-~..' ~fc '*
don em I i afio, por tocio da perina-
i., acia ili ..!- .1 ei' Ulna concateni gao dot
revolugoVs :c- de |!fuvoiio, mas fuctidas O
intil saginas t icos expansivas do paiz, quo as-
mu se re.tratie peante o progreso, cuja caiiiiuliar!
se llu: aflignra um nmho c nao una coi isa tan-
givcl.
D'i paiio estas grandes qneslCes, que "rame
coulinuan a sera ptvoccupagao do inundo, tomado
em son complexo poltico, os diferentes estados
qno o constiruetn, i estruigiran sua arelo nesse
eyeto de dias m\ as quasi exclusivain mte do-
mesticas.
A Russia cxpcimentn os effeitos do tn ande po-
der que Ihc serve de sudario, vendo a suldevagao
ergucr-so entre algunagovernos de seus citados, e
as seas Bnancaa -mprometterem-se ded:> em dia
de modo notavei, polas despeas i que a lorcam o
exercito e a marrana nesse osudo do conflictos in-
ternos e n.i approheiisao de ama guerra exterua
de resultados que pertenec ao futuro.
A ooafeeraoao germnica agitou-se na conside-
ragc- da questao puramente ademan o. laquclla
dos durados; o o s.iiiag'. contina a nie.-ma, ag-
gravada pelo lado tiesta por forca da atiilude da
Dinamarca e pela entrada no Btatelo, du tropas
allcwas, e pelo lad daqucllo por nao haver Gui-
Inerme 1 rei da Prassta adherido reforma, con-
mi nada na caria collectiva dos soberanos congre-
gados em FratrtorV.
A Austria prese guio em sua carreira 4< combi-
nar os direitos'C deveres recprocos do p-ivo e do
monareha, logrando disto fruetos reaes i- ao pas-
as que ah assim se pratii ava, na Prassm desen-
volvia-se systema diverso, ton a eoninuigao do
antagonismo aborto entre estes dous elerai utos, do
modo asss comprometedor para a dyni.stia Ho-
henzollec*. Todava, peraute aaianilesacao do
paiz, e mesmo en face do proceder do principe
real, Bisniark abri de mo de alguma sorto das
medidas reactora, de modo que o partido progres-
sisia -coulou assignalada victoria as eleig es par*
a cmara electiva, quo fura drssolvida por nao cur-
var-:1:; s suas voulades anhranas na cmfeccao
4oremenlo das despezas publicas.
A Inglaterra, lo^aiido attenuar os ef aites da
riso algodoeira coiii relacao s suas manufactu-
ras, leve esporo para com facilidade des volver
a sua poltica iradiccinnal de egosmo, creando
^conflictos mesquinhos, como o anglo-biaseiro,
'insinuando pequotdnas discordias, como tqm se
prende ao islhmo de Suez, osquivando-se medi-
das de urna importancia geral e despende nde cor-
tejos quera nao pode mostrar arrogancia
Mas na iadia luioae anda lula cora serias ditli-
cuidados em presenca da insurregao da; tribus
mantaobetas de Labore, as quaes trazcui cercado
o general Chamberiin, de cujo exereito te n mor
muitos-ofhViao-j,
A Franca ae cearario, nao falhoa si a peiti-
ca de tradtrces furiosas, olerccendo-se toante
frente do que -era generoso e careca de um
apoto ; e d'wtec m.iis um lostemunlio a iniciativa
de NapoteoHl para um eoiigresso de >o raaos,
aura de dar-se stiigao iucruenia s grand ques-
tes que coavuietonam o inundo presenta milc.
Eo meio pereetu de o bogar paelkagio da
Eurcpa em filailt mas liea ao futuro provar se
elle ser pmkado pela acquiescencia cias convidadas para a respectiva forRKicaa, se
bem que j Inglaterra manifestaste a sua nao
annuencia. No entretanto nao ticar nata do
XapoleolH o alioi lamento desla idea, s'1 i;i reali-
sacio, (rateudu por elleto a revisao do trttadn de
I8|."i, prestar-*-' lia a*sim qur aos seusafliicoados,
tratado aea-se muditlcado essencialmente |ior for-
ca d.s i'ipcuinsiam ias oceurrentes sem wleryir o
consefho rternaeit-nal, de maneraque <: cdMcio
poltico da Europa ja nao pode nello repor sar com
seguranca, sem embargo do que ponsa a rospoitoo
conde ituesell.
Atuin (k-sta face que se refere mais <:special-
meme poltica externa, foram adniindis varias
reforma* a snpervyniencia de unw crise monetari > foliz-
tnente coincidi com a renniao das aamaCtf k'gis-
lativar., que em sou palriusmo habilitan i ao go-
verno a -espaaca-is, pievinindo a catastrt |>he quo
delta nadera provir.
Iiepeis da jornada d'Asproraontc, a p-minsula
itlica %tm estacionado em sen moviment anne-
xionistii ce-m cessa-;ao de maiores tumulto).
frodominam ah os lacios consuinmatfcs,e isto
se consolida de ma s em mais pelo raream 'ato dos
kjjimu-tas, dando forca ao novo reino ta Italia,
omle ja se sent um poncoarrefecidaa a*4racao
pos*! de Itoiua, rom oxautorafao do poder tempo-
ral do-Santo Padre, poder de que foi ropirado ca-
recedor o papado |iara seus tins pela asseu-ldea de.
bispos de-toda a chrislandade, reunidos ti: ridad-'
eterna.
E assim, em>|uanto Victor Emmannel recebe
ovanes em suas di^ressoes pelas cidades iinnexa-
das, i.* as paixes rofervem mais ou menos Po IV
realsa as proniessas de (Jiristo Pedro, n miran-
do que as paitos humanas nao prevalecin con-
tra a sua lira divina.
Os dous estados que oceupam a pennsula ibri-
ca, ten eomprehen-lido seua tins, e nada unittein
para allingiiein-ni s.
A Mes|tanlia, abrindoum iiarenltiesis loavavel s
constantes disseucos, continuou na conquistados
mellunamentos moracs emateriaesdo pina o n'is
lo cun >dla rivahsou .notaveimente l'orlugsl, onde
o impulso n'esto lerreno o equipara Salent i, crea-
da |ior Kenelou para escola dos prWelpai di voin.i-
de, como sao aa liilios del). Mara II. e o p tica o
aclual mi O. Luiz i, cujo Iblamo foi aui|iioiado
pela Providencia con um lillio, em quem inaro
se revt como una e>i,'ianra vinosa que dispona
a Bonir para o futuro da mesma.
O quadro do Oriento nao foi inni carienado, e
nem oBrece grandes poriponl observ cae re-
trospeotivii dos leas aeonleciinenlos.
Coustantino|ila respuou mais livre com as com-
Nafiaa da Uussia na Europa, mas osultio uo
deixou de promover medidas de seguran-;! do es-
tado.
A Porta ebegou a um accordocom o Montene-
gro, foseado o colhendo concessdes do prtantpe Ni-
colao.
A Swia, di i-i-is dos grandes aconteeimei tos que
a convulsiovaram toda, tornou quietacfu ; e ah
os clifisios foram menos opprimidas que Tanteo,
sem embargo de alguns incidentes em '-nitra-
dicyito.
O Egxao anda se resentio do impulso rindioso
de MaJitiinot.cujos lillios o continuam com fervor ;
e a ouoclu.-ao prxima da abertura do isll mo de
Suez ser um dos matares elementos de si a pros-
peridades nkiin de ser de inleresse universal esta
obra fgaate, devida Mr. de Leasopa contra todos
os JitUitUroiMos aforcot do governo inglt i, a ul-
liiiiaiikiii'! de lord Palmerston, que at piovocou
-uspeilaB ao sania ton referencia a noulnlidade
do eauai, ao ineclu 1:0 trabalho dos operarios egyp-
ci.)s u s eonvenooci assentadas eatre ai|inlle en*
preiario e o viee-r ratificadas pelo soeressor deste, Ismail-Pacti.
O contiaente americano, porm, apresen ou um
aspelo monos favoiavclem parto, por quarto, afo-
ra este ou aquello.estado, os de mais passar un por
provaefles fortes, e ainda experimentaiu-llus os ef-
fi-ilos.
Os Estados-Unidos niio deram treguas I uta fra-
trecida em que se dilaceran, e qual assim se niio
pode assignalar um limite ostensivamente eonhe-
cido.
A nos americanos de intimamente esta dilace-
rai;a-> de irmjos, da qual s enfra-mecimonto re-
soltar.
O Mxico, Untar da transformaoao poli tico-so-
cial por que natisou. nao logrou ainda de t )dos os
sens enVitos, por falla da necossaria quieta ;ao.
As Honduras, Nnaragua, S. Salvador, Nova Gra-
nada, Guatemala, e o Eqtiadnr revolvern;-se em
guerras intestinas de invasao reciproca.
A llanda Orienta] fui assolada pola guer.c civil,
evaniada all pelo general Flores ; o a Cor federa-
do Arsentina estremeceu aos golpes sediciosos,
que neste ou n'aquelle ponto sot-revieram e ieiu
que tenlia-so \ iotimado ahi a I'cnaiosa, o chafe da
iruvulta de S. Juan, nao cessou com ludo csse osla-
do de effei vessencia e de sobresalto na po uiIacSo
amaetmi.
Este estado tomou maiores proporcSes >ela in-
terru|tcio das relaeoes di|>louiaiicas com o Uru-
guay, ni consequencia de haver sido invadido por
nina furea deste o territorio argentino, e .ihi rea-
li-ada a prisao de alguns Orientaos, >om que qui-
zesse este .estado eslar pela satisfaga o pedida pelo
outro ; de modo que pairan nos espiritos aypre-
hensoes de guerra como desenlace da que: lao.
UostaRiea, ao entretanto, manteve-se tranquilla e
^''-Aiiha guerra dos de mais estido* cenlraos.;
riSf*1* l")m S68S0 acompaaharam-n'a o Per, o
Uwo, 0 yraguay o a Holivja, nao obstaste aljuns
''x'' ivadjs havidos nesta por (easilo
i flnSi '' l"'li:i-'n''i;l diplo;natica com o Chi-
le. incremeato uestes [w meu i paz iu-- nelles
reinou. *
N --la sMuarjio l-> varud.i, n'este estad) de in-
.ios (ao encontrados, aau phas d (Ilcil do
".....ntinente, o Brasil Rio i,iy,->,< a placidez
de urna vida ordinaria, cujj mecanismo fi u
norrnalmonle ; o ftrttsTl hl*6d por crisesdeque br\::eitado; eos seus eReilos nao Untaran em
P'T relii'idnd'! jiiiu f\|i; < ,m ul.ysmar-s.! em maio- produxir-ac o I >g mamfeslai -- |ior lucio du p'ie-
'Uiplieai-oes, como d'ellas era de recelar polo BOneuu polillo i, no SVSteiua constitucional repre-
arervodecircumstanras ponderosas, que impen- se .tativo.da existencia simultanea de tres panidos,
denles snuveavam o horisonie poltico, como o com vida propria, e aspiracoes governayao pu-
f iztm csses densos vapores que se agglomeram na blica, de que s um dispunha no proprio interes-
atmosphera ameacando trra com a tempestade, se; de sorte que na cleicao de eleitores .- flzeram
que ruge em scu seo. os conservadores algunas dostas entidades; na de
Com effeito, o anuo de 186J que se fechara vi- depuladus gemes e provinciacs s foram elcitos l
IwdeDi experimentar iieims patriotas. A violaeodo No correr do anao corsarios dos estadosconfede
nosso ten torio e o desacato formal soberana de rados da America appareceram em nossaa aguas;
uossa naeao pelo governo ingles, representado em o Alubimw,acantonado para um lado do presidio de
seu ministro residente na corte do imperio, que Fernando de Noronha, i'ahi sabia para aprisionar
autorisra taes actos de selvageria, em plena paz e incendiar as navios americanes ; e o Florida de-
entre os dous estados soberanos quando frivolos e mandn ste porto, onde esleve pjr alguns das aliin
Impertinentes erara os motivos o pendiam as ne- de fazer reparos.
gociacoes diplomticas, foram os bons annos com Por forca dessa violaeaoda soherania brasileira
que nos elle saudou. e quehra da n.'utralidade, o governo imperial con-
E' loica, porm, consignar, que nesta emergen- siderou e Alabama interdicto com prohibicao de ser
ca suprema a familia brasileira reunio-se de se- recebido em porto algum do Imperio, tendo antes o
parada que eslava, torn-m-se um s individuo em governo da provincia suspendido o c.omiiiandante
sua manifoslarao de nnlignacao, sopitando resenli- daqucllc presidio, e mandado para l um outro offi-
mentos particulares eabafandopaixes de partidos cial com instruccoes para haver-se en tal si-
I ara acn-car-se do throno imperial, o d'abi atirar- loacia
a f:ice do brutal agente Ingles a affronta que nos Ora, taes oceurrencias, mxime a eslada do fu-
elle cusjiia em sua estulta ebriedade de jioder ma- riiln ueste porto, trouxeram roclimacoos da parte
I riil; c isto [fe-i-se n'essa modera^ao que sem- do cnsul americano; mas ellaseffoctivamentenao
pie presidio aos actos de toda a populavo nesses linham procedencia jurdica, una voz que somonte
das aciagos de humilia-;ao de um grande povo e da prestavam-se ao Florida os offlcies ik liumanidadc,
grandeza d'alma do oulro ipie mal despoata, e que que nao era licito negar; e se em todos os inciden-
assim deu copia da magnaniniidade de que dota- tes dessa emergencia alguma cousa ha de notar,
d, e que afore o grao de sua oivilisajo, com a apenas a suspensio infligida ao commandantc do
attal repugna o ex|iedienle de trocar alTronta por presidio pela .soffregutdo delta, antes mosmo de
affronta. estar liquido a sua culpabilidade por omissao de
A parle activa que nesses mesmosdias tomou o cumprimento de dever, deleixo ou sciencia e con-
iii.marcha ^ a sua altitude de brasileiro extremado senso aos actos reprovados do A 'abamu.
em amor patrio, manifestado quer em seus actos, Por entre e*ta variedade de oceurronoias, nao
quer as suas memoraveis palavras o seu civis- foi todava negligenciado o impulso ao desenvol-
no, finalmento, constiluem umauas bellas paginas Tmenlo material desta ridadepiiucipalmente.
deslc e|tisodio da nossa historia. lniciaram-se os trabalhos do calcamento geral
E, per forca desses aconlecimentos, que nao re- pelo sysiema de pedras faceadasfcsegunda fura vo-
Eroduzireinos em seus inoidentes por te-Ios cada tadn pete esrpu legislativo provincial emapprova-
rasileiro estampado na memoria, nobilitados |icla gao ao contrato celebrado com c bario do Livra-
conducta do pa em presenca d'elles, estivemos monto, sendo raleada quasi toda a ra da Aurora.
I pelas exigencias britannias, entrando com o quan- Comecaraiii os trabalhos preparatorios da eoae-
I to arbitrado pelo naufrario do Prince nf Wattei e ti ucoao da ponte do Recite contratada pelo inesuio
!reportando-nos ao arbliramenlo de S. M. o el-rei barao e engenheiro ingle/ Mariiieau, sendo derri-
leopoldo da Kelgira na paite relativa aos oficiaes nados os [nares de podra da antiga com remocao
i da fragata FMr, que foram por completanente destas d'ahi, alim de desobstruir este ponto, onde
: ebados presos na Tijuca e postos en custodia, ten de ser Janeada a nova ponte.
Ora. se satislizemos aquella extorsao sob protesto | Teve grand andamento, acbando-se en maos de
, de nao reeonliecer o dever de sermos responsaveis acabar, o caes em prolongaco iLi ponte de Pedro
polos naufragios as cestas do Brasil, segundo o II da Boa-Vista, do lado desta freguezia de Santo
tiovo direito internacional erigido pelo conjuncto' Antonio, com grande embellezamenlo desse local e
lalmersten-Kussell-Christie, tivemos do ver solv- proveito da sade publica,
da em sentido favoravcl nos, com denegacio das Nesta tendencia de nelhorar, pena, iiorm, que
pretoneSes d'estes senhores, t ultima parte, impli- se omillisse u pazesaa de parte a idea de um pas-
cando "esta solucao a reprovacao mais solemne seo pubUco, consignada no orcainento munici|ial
toda cssa serie de violencias de que foi o Brasil que vigora.
| victima em suas aguas territoriaes, e nao sendo i Palta cono estacidade de um ponto de distrac-
tambeni ella outra cousa mais do que a sanecao cao e recreio, que scondiges doagradavel rena
real da opiniao publica de linios os paizes cvilisa- as do til, nao pede prescindir da existencia desse
dos, inclusive a propria Inglaterra ; dos quaes passeio ; e a municipalidad-' nao deve preterir por
petas seusorgaos Ilustrados s partiram tirados de' mais lempo a respectiva execucao, da qual poder
imh'gnacao contra o governo inglez. jwndo de pa-. fazer at um ramo de reeeita municipal, sem que
ni- a boa cansa do Brasil. pcse-lhe no animo a pequenhez da consignacao vo-
Mas, se este, cortando aflnal por toda a discus-' tada, |orquanto ser continuada snnualmeiite na
| sao, Mtisfez s pretenees do governo inglez, che- mesma importancia ou com aterescimo, conformo o
! gado este ponto, tinh'a a seu turno de exigir-lhe comportaron os cofres.
i as devidas ^atisfagoes pela violacao da soberana' O telegrapho elctrico esireou os seos trabalhos,
nacional, e jiela detengo e consequentes prejuizos funecionando regularmente na transmisso das uo-
' da propriedade brasilt'ira. lirias commuuicadas.
Para ski foran expedidas, pois, instruccoes ao: mais um passo que. nos aproximamos da civi-
nosso plenipotenciario em Londres, e oSr. Carva- lisagao europt-a; a qual todos os dias nos sada
\ Ibo Moreira formulen all os motivos de nossas re- com os seus mil modos de manileslac.o.
clamaees, baseou-as sufflcientemenle, e susten- Outros melhoranientos de ordem inferior se de-
tou-as com a forja do direito, sem carecer do em- rara tambem em diversos ramos; e no que diz res-
1 prego da* argucias da diplomacia, recurso da m peilo s repartgOes publicas, colhemos dados que
-causa, que o gabinete de S. James se soccorreu comprovam este asserto.
alim do illudir a torea indestructivel das nossas' A thesouraria de fazenda arrecadou, durante o
1 reclamaees ; de sorte que, nesta siluaco em que anuo flnanceiro de 18ti:t18C4, a quautia de.....
1 se oslen lava sem rebuco aquello gabinete sordo ao 2,Si5:33GV66r deslribuida pelas seguntes verbas:
justo, depois do haver calcado lodos os estmulos ( Importagao......... I,"o0:030i465
; d9 decoroso, o Sr. (^uvalho Moreira foi levado a Despacho inaritimo.. 8:G:iiJ2a7
p-'dir seus passaportes e a interromper as relagoes Exjiortajao........ 20t:175386
diplomticas dos dous paizes, retirando-sc com o Interior............ I93:0:K)Sli
pessoal da legacao para Pars. Extraordinaria..... i:i:K86i76
ste estado de mternipcao ainda subsista ao Depsitos.......... i3:547770
encerrar os seus dias o ano de 1803, sen erabar-1 Nesse mesmo lempo despendeu a somina de
I goda raediaco ofliciosa de S. M. F. No entretan- I,i2a:34ii0t, no servgo que corre pelos dinereu-
le, ros arranjos que se bajan de fazer, nporta tes ministerios, a saber:
que se teuha por muito attendida a dignidade na- Pelo ministerio do imperio.........
da justiga
da mariulia........
da guerta..........
da fazeuda.........
da agricultura
o.">:40.868
3:337,431.9
204:9083033
410:4235873
238:4203439
141:0283:108
A reeeita e a speza da thesouraraa proviucial
OEOOU pelo SegUint" :
Boceita.......... 1,243:7303073
Moviinenlo de fun-
dos ........... 64:2363720
1,307:979:t
------------1,280:322541.!
cional : amigos que offendem sem justiga, e fur-
tam-se a reconhece-lo generosamente, o especie
que nao devenios cultivar com as nossas relages ;
e o paiz compraz-se de que outro nao ser o pro-
' ceder do governo imperial.
A pendencia peruana, originada pela questao dos
vap-res d'essa nncionali4ade no Par, leve satis-
faeloria sr-lugio, semquebia da dignidade nacional
dos dous governos : e alu den o Brasil mais una
copia da noderago c da complacencia, que sein-
prc unirn as suas relagoes inlornacionaes.
, Ferido effecti va mente em seus direitos por vio- Despeza......... 1,232:3963332
iago de suas aguas territoriaes e por infraegoes de Moviinenlo de fun-
rigulamenlos liscaes, pelos rapares Moruna o l'as- dos........... 48:1203080
rujo, apenas o res|H'oiivo governo o\plioou-se so-
bro o faoto em que so dnvam inlolligeucias divor- Uo que resultou em dala de 30 de seienbro un
sas lelas duas parles, cessou o desaceordo, e con- saldo na impoancia de 27:4443381.
linuju a cordialidado dos dous potos ronterra- A adininistragao do correio, durante oannode
neos, ton quo o mais forte amis abusasse desia 1802, receben das provincias do imperio e de diver-
ci cunstancia, para inpor ao mais fraco a sua in- sos paizes estrangeiros 167,706 cartas ollicios e
leJIigencia relativa questo. massos de jornaes, expedio 233,199, e consumi
Na poltica externa, taes foram as questoes, que 4,102, por liavorem excedido o prazo de um anuo,
mais iiiteressaram ao paiz no anno que bographa- marcado pelo regulamenlo.
in a na inierna, porm, a dissolugao da cmara j Nos Dieses do Janeiro outubro de 1863 recelteu
te operara foi o faci mais momentoso. das inesmas procedencias 128,903 jomaos, cartas
as con.lcoes em que se achava o paiz, quando | e offlcios, excedi 190,333 a consumi 3,769.
pareria que sobro a ruina de um se quera erguer A navegagao de pequea egrande cabotagero, do
o n-i partido mixto nos elementos constitutivos,1 nosso porto paraos do imiieno foi Cesta, durante o
a[-zar de aehar-se testa do poder liomens que anuo de 18621803, por 2,031 emba cagos (uclu-
[senpre militaram com os decabidos; quando taes i sive barcacas e canoas) con 143,304 toueladas e
: se ostenta vam as foiges da situar ao, nada por cer- UJ,i*i9 pessoas de trip-ilagao; e a de longo curso
to era tanto para reamar reno una consulta ao pro- para paizes otrangeiros por 402 embarcages cora
Itniiaa paiz real por neio do eleiges populares. 147,22t toneladas e 9,763 pessoas de Iripotacio.
Mas era preciso consolidar a existencia do gabinete Saliirain desle porto para paizes estrangeiros :
de. 30 de maio, que por certo nao podero vivor 108 embarcages com 179,121 toneladas a 9.032
ciinsdtucionalnente com a caara -, a qual na cons-! pessoas; e para os do imperio : 1,943 embarcages
tiloicao da respectiva mesa o de varias commissoes con 136,047 toneladas e 12,312 pessoas.
se manifestava em correspondencia de hoslilidade | A exportacao para a Europa, America do Norte
eom o mosmo gabinete, marcando assim a tnpossi-. a pollos do Bio da Prala.dos gneros prinoi|iaesde
bilidadi! da coexistencia simultanea de urna e outra ; produceSoda proviueia.conslou dos seguinles, com
entidade. suas quantidades e valores :
Ora, dada a dissolugao, e com ella a inversao da Algodo236,649 aj e 10 libras.. 4.327:9743383
pe litira na queda de um parddo o na subida de
entre,teve lugar o proeosao eleiloral em todo o im-
perio com victoria quasi plena ou absoluta do go-
verno ; pois desse proensso foi excluida a opposi-
-ao. pie en suas velleidades de exerecr o direito
ciinsiitucional do votar, logo en principio reconhe-
ceu a tnpoasilwHdaa disto, e assim absteve-se de
com-orrer no pleito.
Assucar2,391.838 a e 10 libras. 4,297:363590
Agurdente329,222 caadas..... 143:8775620
Chifles17,180.................. 5263O0
Cauros1,402,390 libras......... 300:9163849
Mel-153,450 caadas............ 30:6300000
Na quantidade do assucar ahi notada, acliam-se
incluidas 300,787 11, no valor de 693:7783090,
pe lenrenles producro das provincias liraitro-
H-'-la crcumsiancia resultou niio termos de con-1 phes, a que serve esta de entre-po>t-'.
signar fados, que so produziram por occasiao de Aquella, porm, para as provincias regulou da
el-'ioiies em quadras iiorinaos; e se essa abstengiio sesiinte forma :
revela um fuseainenlo do systema quo nos rogo,
faxendo mais una vez cerlo ipie entre nos a ele- J
cao serupre do governo, nao temos senao de lou-;
va-la [lelos seus effetos de quietagao e de ausencia:
de eiTuso de sangue; o que nao era de esperar:
' em outras condiges.
Inaugurada, pois, urna nova poltica no paiz, pelo'
, ministerio de 30 de maio; feita urna cmaro sol as
inspirages dessa nova |ioJitica, ipie se annuiiciou
como a reparadora dos abusos e a promotora dos I
; interesses geraos, ten ella ante os ollios um vasto
Para................ 200:4303928
Maranbo............ 13:5163410
Cear............... 71:346*972
Bio-Grande do Norte.. 78:505*1 I
Paralaba............ 4:1823223
Alagas............. 470:4493198
Bahia............... 87:4645943
Bio de Janeiro....... 830:3923787
Sania Camarina...... 60*000
Rio-Grande do Sul.... 743:0003639
Dessas mesmas provincias importen esta, em ge-
lindo oste, nos escapando lodos os indios que a
tri pola vam.
Nao so pode, por ora desvanecer as suspeitas.
alias mui naturaos, que muitas pessoas lera con-
cebido respei lo do Irist passamento de um ne-
gociante ifrancex que, con a aclividade sem igual
do seu giro, era dotado de energa e intelligen-
eia. Nao sor despropositado conjecturar-se, que
Mr. Perol fra victima da brutalidad-' de sua eqni-
pagem, c quem sal-' se tambera de manejos de seus
rizan no coramcrcio em que se oceupava.
Pai.O nosso corr spoudente diz-nos o se-
guinie :
Aqu nos chegou ho-fem pelas tres horas da
tarde o Pnnctza deJomvil, sem maiores novida-
des, alm das promococs no exercito e armada.
locando pequea parcelo alguns offlciaes desta
i -'viuda.
.\s novidades s.-io ii-'i.Iiunias. por isso brevissi-
ma si i a a pn-sente caria
< l>a poltica o que le sabe, o resultado das
elcico's para deputados |irovinciaes.
Triuinphou plcnaraunto a chapa apreseniada
pelo directorio progressiita.
Os dissidentes liberaos apenas poderam obter
parte da votagao do collegio desta capital; por fra
mui pouco conseguiram, : por consegrante o mais
volado por ora pode eonieguir 106 votos, ao passo
que o menos votado des progressistas tem 346.
Enilim a dissidencia foi muito prxima s ves*
peras da cleigao, e tendo a arrestar a vonlai'.e dos
eleitores, que geralmente foram esculla do direc-
rio.
Por consoguinte os denominados polacos ape-
nas fizeram o que era poi.Mvel, na prsenle ouadra,
para nostrarem que lera autonoma, alim de mais
larde se e-nisiiiuuem com mais seguranca, se as
cousas foroui como vao nu actual idade.
Ba assemUea pouco ha a dizer; porque o
lempo e os dias de sessio se tem escoado -piasi
iitutiluintl, !
i llliiiiamenie qut houvo algiiin alent na
vida parlamentar, eisto ruis especialmente moti-
vado pelo contrato feilo pa provincia para o abas-
tecimento do mercado de peixe fresco, salgado
etc.
0 depulado A. R. de riarvalho Penna, oppz-se
s condiges do contrato e as discusses prolonga-
lani-se por alguns dias; mas tendo alinal pnssado,
j hoje apparuceu saaccicuado pela presidencia no
Diarw do Grao-ftmi.
t Iiciiiao para c a issembla parece torso
animado mais alguma cousa nos seus trabalhos,
e tanto que antes de encerrados, espera-se a appro-
vagaoda le do urcaraent provincial, da forca pu-
blica, e outras de mais ou menos interesse pata a
provincia. Deus o qoeii i, porque a assembla
este anno,ou por calculo ou seja porque fr, foi-se
deixando ir negligentemente por agua abaixo.
Docoramercio poucti ha de dotavei; torna-se
a fallar agora no fim do anno, em novas fallen-
eias, isto urnas tres ou quatro.
Tal vez haja precita ao, receo e mdo nestes
negocios commereiacs; commercio sem se apo-
derar de rece oumdo antes de tudo, deve ser
cauteloso.
O mercado est abastecido de gneros, -1-
cialmente de estiva, pon je este anno abundaram
tanto de Portugal como i o outros portes.
Fallecen dias o tliesoureiro da companliia
do Amazonas e da casa bancaria Man 4 C, Fre-
derice Amonio Abranchts.
< A sua raorie ha sido bastante sentida dos seos
amigos, c ainda mais porque foi repentina. Foi
accommettido de um vialento ataque de apople-
xia fulminante pelas 8 horas da noile, quando se
vesta para ir ao theatro, e, inmediatamente re-
cosan Jos sobre urna rede, espirou!
Dizem que morrer aiisim melhor, do que de
urna molestia.
Em morrer parece-nos que nada ha de liona,
meJhor ou opmo, tudo j mo, urna vez que se
deixe de existir I
0> navios surtos nestn porto, sao os seguintes:
A' descarga.
Uniao, barca portuguesa.
Feliz Ventura, briguo dito.
Adelaido. patacho hespanhol.
Jul a, brigue inglez.
Beleiui, barca dita.
Isaliella, patacho dito,
Julianes, escuna dinamarquesa.
i Gr.cosa, lrigue escuna nacional.
Navios carga :
Vigilante, brigue poriuguez.
Havre, barca francesa.
A Iwrca portugueza Nova Cintra seguie hon-
lem para Lisboa e Porto, :ra lastro.
O paquete Princeza de Joinvillc, parle ho-
je a raa noile.
Nada sabondo de mais importancia, fecho es-
ta, desojando tanto aos seus dignos proprietarios e
redacteres deste Diario, -:omo aos seus benvolos
leilorei, as mais venturosas feslas de Natal, e pela
entrado do anno novo de 1864, que aperar de ser
bssexlo, Deus traga com inleira o melhor felici-
dade para todo o Brasil, de que foi o de 1863 ao
terminar I
Jfanm/ido. Do Publicudor extrahinos o se-
guinto :
Escrevem-nos do lugar Jussra, freguezia de
Guima es :
No dia 2 do passado na paragem denominada
Genipahuba, pelo neio dio c en occasiao de fosli-
vidade de Nossa Senhora da Conceico, a buxa do
urna roqueira em que se estava dando tiros, ca-
hindo sobre urna casa de nalna, em pouco a incen-
dien e redimo cora mais treze cimas.
As labaredas tomaran tanto incremento-pie
nada d'ellas se pode salvar, nem mesmo os ani-
maes e cragio que eonthham nos quintaos. Se
esta desgraga de lamentar, mais dolorosa se tor-
na pela vida de urna menina de oilo annos, cujo
cadver se encontrn reduzido carvo.
Ccmputa-se o orejano em nals de oito contos
de ris, visto como sendo (enipaluiba lugar do al-
gn commercio, a mor parte dessas casas tnliaui
baslanie gneros e fazend.is.
Tambera no dia 8, no lugar Brejo, da mesma
freguezia deGuimaraes, pelas 9 horas da noile, in-
cendoii-se a fazenda do portuguez Manoel Al-
tes La te, [todendo apenas escapar sua senhora
com sote filhos todos menores.
E' urna incuria, una econonia mal entendida
de muitos dos nossos lavndores, terom seus esia-
beleciraentos cobertos de palha, era vez de seren
com telha.
0 cambio sobre Londres (ieava 28 l|2 d
por l*K)0 rs., e sobre Portugal 95 0i0.
O algodao vendeu-s-: 22 o 233000 por ar-
roba.
Nada mais occorreu que merega meng^ao.
Cntri Fallecen, a 20 -io passado, o hbil me-
dico Hi. Joaqura Mendos da Cruz Guimaraes, vic-
tima do urna affecgao pulnonar.
Rio Grande--Nonhuma noticia encontramos nos
jornaes.
Parahyba.0 Dr. Souza Gayoso pTUUn a a for-
nagao de urna sociedade aara SOCCOirer s vi uvas
e orphous pobres.
mui!-) acertada por sua capacidad) proilsslonal
e quaiidadea poiionw.
Foi capturado pelo subdelegado da Capunga,
no dia 28 do prximo passado, o pardo Jos dos
Anjos por sei criminoso de norte em dblrielo do
Rio do Peixe na Parahiba.
A 9 do prximo passado foi ferido gravemen-
te com urna acada sobre o peito, no lugar de Agua
Fra do termo de S. lenlo, o inspector de quarte-
F
l'a.-.'s.igeirob sabidos no vapor facios!
wm$ iln Su para porlos do norte,
tas Dativo dos Passos Bastos, Jos Pereira
randa, bacharel Cezar OrtaviaBo de <-
Baplisla Gomes de Oliveira, Hennque i
'. B. Brown, desertor Andr Pereira Brefi-
lodeMoura Rolin el filho menor. J.*eph<
issonira, Prancisco J;.si5 da Con Aranjn
seo P. de Oiiveira, Joaquim Lourenco da
rao do mesrao Alexo Barbosa de Amorim |ir huHSnmZSS J^nT'?,Z^TC^"?
Antonio de Mello, cuja captura foi realizada n dia 16 polo respe tivo delegado. Tir tw"" i^fe8'^"0. T"
No termo do Limoeiro, lugar de Guabiral.a, ^
foi assassinado Manoel Francisco dos Santos, pelos _'past
ior, T. W. Ito) le, Dr. Torquato Angosto P. 8.
iganos Simao da Gana, un seu Albo,
Correa e nas dous individuos, que lograram eva-
Passageiros sabidos no vapor fran.-ez F.rtxr-
3 udinv para IfcroYaoi e port,^. interi.H-dna :
dir-se nara Nazareil An.t0".? de B,rros *****?, Luiz, ,MarK""
rlaquim de Miranda, Fernando lia/z-lv.
Passageiros da barca ingkia lokm ******
vados de Philadolphia :
11 iKel.n I. In..llv W.i.. i------.._ riil. |\ f.na-
Este fado proveio de haver o assassinado dedo
rado a urna lilha do referido Simao, e nao querer
reparar a sua offeusa, como exiga o pai ; o qual .-
tan.iem ferio lev. nenie con um tiro a propria i- jg tTntnTS
*1\ L'!!rC; l Kemball, Wills Kemball.'
Iha, logo aps o assassiuato do seu offens
easiao en que proeiirava ella fugir do seu
Em addilamento milicia quo demos
er, Richard
furor.
de lia-
- Passageiros do Tapor nari-na Prineeri de
l'inville
/-rhlorn
ira, senador Amonio da C.nnha VasrnnH ,
inbargador Antonio Manoel Fernamte, t>r.
los ernaadra Ribsrlro, Dr. Antonio Man-i de
tiros, Jiiaqiiiui Jos da,fc"ranga Franco. Fraa-
<)tftif>yferCs dos leis, cadete Germn)
io Machado, D. Ee lolastica Boa-n-
imaral Penna, Joaquim luiz Dias lavare*. Ale-
tnidrina Maria, Gustavo Adoipho Cantee Pinto.
*^.ico
I \
rfl
h dos Santos Lima, Pernarabuco, 40 nana, sai-
Mro, S. Jos, cungestaocerelual.
morte provii-ra com effeito de fortissimas con- ,
tusos, achando-se a finada inieiraincnle contusa -. .. ',,' ''
.IomIo as cosas al asna-logas, raostrando-se ah, g' "" 'i".,,_, .
duas enormes ehagas putrefactas, e dcilando pela 4^ u-n.-nte Manoel Joaquim da Costa J.ioh i
bocea grande porcao do sangue 4rceiino Kl)dli((U(.s Marlin, e 5..llhora
\a..as o.itras c.calr.zcs se obmVtM pelo cor- [A fc g f. ^^ J. .r.. Ped
po da offendida, que maltas vezes solfre a easUgOS
immoderados.
O nosso collaborador nos envia a scguinle
carta :
Compadre.O anniversarlo do grande di
chrislandade, commemorado sexta-feira pa
sunlo-sc paro senipre do correr de-te presente an-
no, o qual por sua vez est-nos tambem dizer um
eterno e prximo adeus. ^^ Pa^go-os do"retw brasileiro .parah.ba ,
Apenas ros a hoje una saudosa lenbranga da- ondo do Hio de JaiuiR; Dr. Manoel Jann.irio
quelle labor estivo, compensado amigamente com Monteaegro. illta do anchinnU
fhtf'f^n,0.S ?-(IUaS "I1"' <1UrtlX Sil Passagoirod-i patacho braMl.iro.Jab.,ai*.,
publico em onimsicao aos costumes arraigados no ; d d NvH.Vrk'. Wlliam i Birkrt-ia
nosso [Kivo redoli actualmente a urna especie do \Z 0m *,(. ^di. 31 w D^nMnTnTniTt.
] dias santos de orago, ou a um myxto de trabalho -
: e descango, dando em resultado nao haver des-
canco nein trabalho, que vaina os palitos que se
gastan na festa.
Nenhuna occiirrencia desagradavel teve luga
; em toda ella, a nao ser a falta de gaz con que
respeclivt eoinpanhia por um acto de sacrilega |
i vinganga, prctendeu condennar escuridao do.
limbo aos anjos que dangavam alegremente es-
pera que o gallo batesso as azas, e annunciasse a
hora eommemorativa da vinda do Mcssias para
nessa oceusio apreciaren as harmonas de Ad5o,
e a voz argentina de Fany Boureau em aegao de ell
grajeas ao Dos humanado. M
Quando fallo em anjos, compadre, est entendido g
que excluo, da expressaoospapudos,que esses es
para nada prestara, ou, se prestara para alguma
cousa, para voarem rasteiramente aos depsitos ^
e lornarem carregados de embrulhos de sper- y,
macote em substituigio ao gaz afim de se poder
continuara apreciar esses outros seres etc., que ,wrt ron dao ao mundo as suas nicas alegras.
Consta que se vai tirar urna devassa janeirinha no
para se inflingir aos autores de to nefando crirae
penas as mais severas ; c bem feilo, ainda raes- g^
mo quando allegoem a falta de intengao pela lou- ,j,-
cura de que foram tomados pelos raios magnticos k
c deslumbrantes de tantos olhos travessos.Tam- )o a cjja proj^ipio d0 ..regador miaate -
bem foi para lastimar que um tal Sr. Freitas nao m ,,, fa|sa| p,^^ jp^ -na$ ^t-uiales absor-
se tivesse premunido de meios legtimos passar censequencias : primeiradepois de "
UM POUCO DE TDOI
Sr. Arroand enva-nos as seguintes:
sotas a tana,
V
Jiciocinio de um pregador mxlerao:
(to anjot i-sio cima io* komna,
cina do* anjos, os tncrrdotrt nlo m* t
ti. O* anjos eslo cima dos homms, f-rftt
rmturas mais perfeilas do ene estes : .%irm
cima dos anjos, porque Marta primor to-
as bellezas, virtudes e mararkas cr**m**;
h os sacerdotes estao cima de Marta por fe
a cauduziu em se* centre o irimo Veri prt*>
es '0 de nove metes e tantos dias, m seas* orne m
temes. >
stos principios de ferro svllogisa o aaior das
a lapis pelo seguinle modo :
i ira os livros santos e a tradicu e a m-ae
fu chrisiianismo ensinam ou levaen a rrr
%1)ois da Santissiml Triodade, orraaa a Vir-
'o grao mais elevado na hierarehia
palies; segundoos livros santos e a traeVao e a
orna geral do chrstiamsmo proclamam asta
raen ira, enllocando Mara depois da SaMissin
Trmlade.
Paadoxo hrrente I ^_ _
Ai meu Dos, porque nio me tosa
urna festa regalada, e que fosse levado por una
deploravel tentagao desmiollar o malheiro da
Sr." Quiteria da Hora para ter o mo gusto de ca-
hir as unhas da polcia do Sr. Queiroga, resul-
tando daqui o seu solamente na detencao, a de-
golago dos innocentes que quizeram metter o bico
no esdruxalico annuncio daquella senbora no 0i rio de Itontem. chonva ?
Afora estes dous casos, tudo mais correu ale- Paa ,er de enfaVn. u,0 f,,| Vntraa,
gremente, salvo para o geral doscaixeiros que ou ?a|e .01 eir,.rto niai, MT Heraclilo V-. ue IVma-
passaran o dia a passiar de bracos para traz as ma- -.
calgadasem frente das Iotas fechadas, ou a p fir-1 n parere ,_, a mHbe -mumlovi sre**ts
me nos balces dos depsitos, em quanto os palroes dia r niquilamento. Tanto prodigio I
lambiam os heleos no mato cora o gosto dos pas-1 ^ ,,ix 0 vmo qlw ,, pro^nidad-s a osa
teles. I d ,j0 a ,erra sera nm theatro de estranros
Nao sei por que csses pobres rapazes^tao dilTe- ,. p, Fois sabem M lames aelle a
rentes em edecago c trato daquclles antigos esta-
fermos de coletes e mangas ai regagadas, alvo de
quanto pontap Ihes querlam atirar os amos, an-
da sao olhados con,certa sobranceria pelo geral
dos pairos, nje Ihrcs negam attengos e familiari-
dade |iaternal.
Baro o caixeiro que actualmente nao se porta
com dignidade, e que nao aspire un- i^wu^o con-
djgna sua educagja.c ao seu merecimento; e
qrlsnd-yijisi^eTiajrna-se digno do reparo que mui-
' ,0 *ro('s trv*\r>m procurar nessa dignidade
gofW|iw .re zelo pelos seus interesses, mostrndo-
se alsas exigentes no servlgo a ponto de fazerem
m rara, quando elles desojan recrear o seu espi-
i rito nos dias que Ihes perteneci, ou que Ihes de-
SMfla
Ou rta-feira da semana pasada falier^i aoja
um inlividuo de urna dentada que Iheden no s*
lo um. mulher.
K eiio T
1 lis-rain aja* a referida dentada (ora Jada aa.^
paciezts por mero caninho, em exaharod ffu.T.
t'eior um pi -neo.
Esd'Uxulo systema de acariciar X digasa l
ftw as mulli-M-'s sie inoffensivas. Talila rumo-es
cabell-s de Sansao e entregoa-o aos raimi.
Muitodireilo com as sonsinhas as taes tninha*
senho-as.
Ora si como simples blandicia, a eoosa che-
ron : paturro, o que nao suceederia i a prnTrr-
vlara pertencer, lazendo juizos pouco favoraveis a ,)ia| rt,n|a(1a fra a "^i, ?enuini de
seu rospeito.
Nao ha rasan para tanto, por que nao dal
que ven o mal das iransarges, e o cnervamento
da yda commercial. Cumpra cada um sua obri-
gagao, c nada de caras enfarruscadas.
O patrao deve saber com quem vivo, que para
sso tem direito de tirar os moribus aos caixeiros
at a quarta gerago, e deixe que elles vivam ale-
gres, e nao sopeados como soldados de faxna.
Se esses rapases se portam bem, c nada ha que
recelar da sua discrigao, nao acho hom que elles
tamben nao fossem no dia do natal lambiscar o
seu pastel, e mostrar o falo novo de um anno de
trabalho por onde e com quem quizessen.
lia patres dignos desse nono, as ha outros
1 to pretenciosos e enjoados que barato o alura-
los com o duplo do ordenado.
Mnhas festas foram boas por que ive saude a fuim feh6|a d rejn eu djxer romrtitt.
abarrotar, a excepgao disso... netis non lagr- |enle cjjsll,
mas do Douro, nen os ligos do najor, que largou-
M con vento en popa para Jaboato caga das
' pacas sen receto das liriricas e ortigas brancas.
Seja por l feliz e volte breve, sem esoalavroduras
non arrnnhes, por que cntao sin os bons annos...
| n3o duvida as lagrimas do ouro dizem melhor era
; uquuTtiis que em Capricornio.
na id-
limeno do dospeilo, de odio ou de cium Saam
Barban i Era morte instantnea.
Lemsta-me isto o que me dizia, ha uns taans. a
velho Gavian da na do Otan.
0|lk\ meo moco: mulher o dase fncar-
nado. Quando esla* nos seos azrites. ro ha la-
mandiu macho que deshanque. E' eapw > ea-
gnhr brasas vivas, romo sapo ciiniru. Se asorde,
cante-lie o memento, ao mordido : dente de re>
bra raravel ou de cao damnado.
Aqmlle voltio Gavio-i era um sabio peli expe^
rieocia Ao seu respeito confirmara-se
ramentf o apophtegma immacolado ao
livr-i d. Job: Nos rolbos encontrase a ahedo-
ria. e lia dado dilatada a prudencia
Deu muito que fallar em Olinda esse fartt.
A ui siijeiiinho rorhonrhodo e acachapal--.
PERHAHBCO.
In i tetase de manifestacao de forga e de deveres! eros do prodnceao dellas, noinesnio periodo, o'se-
para cumprir, enque fallem-lheas condignos para "uinie :
Para.
; lslO.
E assim, ebeto de esperangas, aguarda o paiz a
- execugao dos mclhoramentos com que foi embalado
n.. iniciaco dessa nova poltica, e a que tem jus
i naiil'ei ivel; e cmara que so ten de reunir no
! 1 de Janeiro de t864, por un espago de oito ine-
zes, importa igualmente secundar as vistas gincr-
nativas sob cuja influencia foi ahita, para que tudo
i nao subsista no terreno das inystllc.'ieocs e no es-
taciouurismo levado oste ni os a mente aconta do par-
. tido decaltido.
O paiz effeclivamente ancla por medidas rapitaes,
i em diiferentes ramos de sua manifestagiio vital.
A agricultura extenna-se a falta de bracos, quo
deem-lhe expansao.
j Ocoraraercio resenle-sedos elfeitos desse esmo-
ecimenlo, em consequencia da ligago intima que
. ka n'uma e n'oulra industria^
O crdito nullilica-se em presenca desses pheno-
I menos, euja causa, apezar de ceuhecida, se nao
procuruu ainda fazer desapparecer.
E linda, como consequencia destas neoessidades,
, outras decorrein dellas em orden secundaria, as;
quaes eareccm de ser reconhecidas, e urgem por!
prompta atisfagao, como meio do ulaUsar muitas' Recbenos carias e jornaes do norte do imperio,
condiges de verdadeira i-iqueza moral e material dos quaes foi portador o vapor Prnucza mtMnrtUe,
.jiie possuimos, e deixara de fructificar pela falta chegado hootem, sondo toas datas: Amazonas 13,
de applicacoon do emprego das torCM precisas Paia 2.1. Maranlio 26, Cntri 28, Rio-Grande 29 e
para o competente desenvolvimonto. i Parali\l-a 31 do passado. fcis o quo colhemos.
Com effeito, o paiz nesto anuo todoabsorvido por | Amasnos.Apenas encontramos, acerca d-'sla
eleifUJra, nada adiautoii; o na inodilicaco poltica provincia, na Estrrtta,0 quo si>goe:
apenas vio, c conlinia a v I--, nina ni-ia trocado! Mr. Eugene Perol, subdito francez, acabou
nomos proprios, o que robustece etda *n mais a seus das, ainda no vigoses, no rio Caclnoro, om
d. s. 'renga derramada ni popula gao. Mas, no en- riagom de .Nauta para Moyobamlia. A c-rso que
tanto, essa sobrV.i- ii.i-ao febril nao poda deixar ebegoa ao nosso eonhecimente, i qw> nilion-.i-
fecter esta provincia, cono parte do indo so- igo. oni que viajava Mr. Peret, virou-so, suceom-
......... 61:7943594
Maranhao.......... 60:9215137
Cear............. 423.375*202
Bio-Grande do Norte 688:668*219
Paralaba.......... 379:6.37*026
Alags........... 1,023:441*714
Baha............. 438:892*649
Mo de Janeiro..... 759:728*880
Santa Cali ria___ 21 -.705*000
Bio-Grande do Sul.. 1,898:123*072
Entraran, no mesmo lempo, 689,053 jj) e 8 li-
bras do farinha de trigo, 99,875 (8 de bacalho e
858,405 c de carne secea festrangeira c nacional),
com o vsor de 4,116:736*410, sendo: .........
M)33:87*Wf9aa primeira, 599:254*890 do segun-
do, e 2,.'i8.i:911*640 da terceira.
Terminndooste apanhado breve dos factos mais
salientes que se prodiizram no correr de 1863, de-
sojaremos que sirvan elles de ligao para melhor se
proceder no de 1864; visto que a escola do passa-
do a guia do presente.
-2-
REVISTA DIAKU.
Ante-honlera (31) s 6 botas da larde fundeou
era nosso porto o vapor Ptralujba, de propriedade
daconpanhia Pemainbucaua de Navegagao Costei-
ra Vapor, vindo do Bio de Janeiro cora 11 das
de viagem.
Em consequencia de fottissimo nordestearribou
o mesmo vapor Cabo l-'rio, onde esleve dous
dias.
O Putmyba foi constru do no Bio de Janeiro, e
era de propriedade particular. A machina de
construegao de Fawcett I resten 4 C, de Liver-
pool. Tem 124 pos de tomprinento de roda
roda, 19 ps de bocea e 9 ditos de ponlal.
E" de 102 toneladas, e cala 8 palmos. Sua mar-
cha regular de 8 milhas por hora, e forga de 50
cavados. O casco de madeira, forrado de co-
bre. Tem accommodages para passageiros, e gas-
ta pouco combustivel. A machina de muita se-
guranga e ptima caldeira.
Como commandante veio o Sr. Vianna (ex-com-
mandonte do Iguarass^, com 18 pessoas de tri-
polagSo.
O Parahyba navegava do Bio para Santos e ou-
tros pirlos,e pode prestar-se nesta, navegagao
paraGoyanna, Bio Formoso, Itapissuma etc.
A companhia Pernambr. cana, falta de vapores,
como se ada, para o cumprimento de suas viagens
regulares, acaba de fazer una excedente aoquisi-
go, por ser o Paraliyba imito proprio para a na-
vegagao cosleira.
Noticiando a chegada do vapor Parahyba, nao
pdenos deixar de consignar o nome do Sr. F. F.
Itorgc,gerente da dita companhia, a quera se de-
ve o estado regular da mesma.
Por portarla de 90 #o passado foi nomeado
medio-ido hospital PedroII, vago por aposentado-
riado respectivo funecionario, osr. Dr, loSotta
Silva Hamos.
Felii'itamos ao nomead cuja etcolba repulamos
I(KI Milh:\-i DA POLICA
(Extracto das partes do dia 31 dedezembro).
Foram receiludos casa de delengo no da IU)
do correte:
A ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de iwlicia, Joo
Paulo de Barros ou Garanhuns, pardo, viudo de
Barreiros, cono criminoso de norte no termo de
Porto de Pedras, provincia das Alagoas.
A ordem do subdelegado do Recite, os pardos
Marcelino Esleves Casado Lima, por espancamrnto,;
Giiilhermina Maria da Conceigao. por desobedien-
cia.
ordem do de Santo .Antonio, Manoel Joaquim
da Silva Lope, Ambrozio .lorge dos Santos, bran-
cos. por triga. I
ordem do de Sao Jos, os pardos Jacinlho Jos -1
de Andrade, Anna Francisca do Nascimento, Ma-
rta Joaquina do Nascimento, c Jo.io Prospero, criou-
lo, todos por disturbios.
A orden do da Boa-Vista, Vicencia Mara, par-
da, por briga.
A orden do da Capunga, os crioulos Joo Bap-
lisla Prancisco -los Santos, e Manoel da Conoeic.o
Sanios, ambos por uso de armas defezas e desobe-
diencia.
O chefe da 2* seccSo,
J. G. dcMesquita.
Olinda a Ierra dos disparates. Snsei que
mais ottra exquisitico se declinara por uHbh '
genero, numero e caso f
> biiho sabe um poucachilo de nominalins.
Por inlra : aqu lodo o n.undo sabe latan. E
io sat-e lalim, sabe latir. Peder aao *
res!
s ludo corren, como Venas eoaia no
espumas argeminas, pin-hade pr ra-
Movimeuto do caso de delenco do dia
dezerabro de 1?>63.
A saber
Existan . 345 presos.
Entrorain. . 12 .
Saturan . 21
Existem . 336
Naciouaes. . 234 presos.
Estrangeiros . 29
Mullidi's . 6
Estrangeiras . 2
Escravos . 58
Escravas . 7
Jia3g
1 a se esgarrar negligente pee rr> -
fio Olindaa anciar, qne se enrva-
la do ocio, do abandono e da Dhaa>
ja as suas formas divinas por na:
sas.
do Nascimento eu a foi ouvira catlie-
innierosa a ronrorrencia qne,
deixeinu licar ao adro, i:
336
Alimentados a cusa dos cofres pblicos. 128
Movimeito da enfermara no dia 27 de an-
temuro,
Tiveram haixa :
Amaro N-ry dos Sanios, nlerinittenle.
Salvador Per 'ira Brandan, sarnas-
Movimeuto do hospital de Nossa Senhora da
Conceigao dos Lazaros do 1" a 31 de dezerabro de
186.1.
Existan 19 bomens e 13 mulheres : morrn 1.
Passageiros do vapor inglez MayUtU-na. para
os porlos do sul :
Dr. Jos Leandro do Godov Va>concellos, e 1
criado, Dr. Ignacio do Barros Brrelo, Dr. urbano
Sabino I'ossna de Mello,e 1 criado, Dr. Silvino Ca-
valcanli de Albuquerqu-', e 1 criado.
'para matar o lempo, eaeele i
-. com o amigo Dr. lan.nha
- ma semana, nao punta oNsa.
foi sempri *
foi I responden me cosxvet aha-
*re.
Int-lp, heiin ? .___
sou-me, ah deixou-me angalo i
o saudade e de dr !
o qo fozes agora 1
Evgendro versos.
Os versos tem grande prestigio, segt
: Jeflfi! S* Tanto molhor Eatae
>tm urna meta duzio de endechas
FZ- sin; bem doloridas, como comidosj
pV(tesoT,?'>"'3 v"',ar- Virgilio -l
M/fte ""'"', mea carmina, doctas ""'
m-llic Carminare! cela mossunt dedncMeImm*^-.
Ou i; 'em : Caruiinious Circe socio- ^)Oj|snM
_1'< e bello I Aiwelle Vireilio <--.iilifri3 k
os su* "dos, bequadros e beiaes da fm^ "*
tima is musas. Que soberbo l^nnoMm^:
ru-ni Z **
Bonito
Virgilio tan que ter scionea
i, liata do diccionario do taranta lh *^*
sos p cin evocar do evo a propria lo. j^.
me I Jrce iransformou rom o auxfo oV.^vt.
sosos onipanheiros de IK-se- Dino!
Poi- nopinada moibaniorpbose, o raazr
piiniealo eiilhusiasniobaleu pairarom fama-
uha desceremonia, <|ne leria por reri grangr .
dos circundantes o prosiimogo dernaaiarn j
nesse momento naohouvessem posto gaendoa*
giranfatot, cojo barulho foi abafar o >arnhV) dr. "
suas palmas.
Adeosdisse-lhe eu, a elle, que tita
daiK'iii'lo. pelo adro.
- J vas?
- Votiouvir misa ao Amparo.
Pois sabe que realiso a versalhda.
Fldgarei muito.
E a epigraphe, que hei delibrado
-' esta Ihicile ab urbe domnm. mcaraxm>i
ate FAphntn.
'animo '
I lese!.
Ad-'-v.
un uno rvruD ad runnuTDAnn
y II T I l Ano


:
Miarlo de eraambuco MtfMkMfo de Janeiro de lgfc-ll.
Casusiadia alada baila palmas o salta va
lesatiuadu coma .1111 traigo, peto paleo da igreja,
ibalro indo com alguns individuos de largos abdor-
nens a dando oirhgadn* em algumas beatas, que
.Vesla ierra as beatas afleetam Ui tbeoptaobia,
que nem soergnem a Hsta para um profano.
A valan como nao fieariam com o* festejos, que,
Iheg n unoseava ti Casusinha.
Ah la o nos amigo lk. P., apezar de desenga-
ado '.
I irla apego vida !
Sem mais recursna na medicina; presw-se agora
ir 'lirado do eiuco ; a n-ilrii -m- pelo que
motlrt parece estar enfeiteado, que por. eerto
mais alguma eousaqiie a molestia impertinencia,
ejae Bulto descobijo a prima esqui-n.
E veja-se o que nos rsereve elle :
. AmJM eWar.-U asobservacoes que fez a res-
peiio lia poesa r ifl Ihe mandei, e vi boje o desen-
gao que me deu a minha prima.
c Sao rae contornorun elle, porque anda te-
nlio esperanzas de satisfacer as minbas pretenedrs,
e por eaaa rotao linda continuarei a fuer versos,
Mi \or se assiiii alcance o coracao da prima es-
quina. Peco-Ibes, lula a publcaeao da poesa que
a asUacompaolia a a ella es&recida.

^
r
FLll Ii'ALMA.
1 mando terna me nio olhas,
Naa faguera me soms,
A bella flor me desflhas
D'uma esperanca Miz,
Para ver se o desalent
Sua* ptalas gontis
Far. secear no esqueeimento.
Mas, se mureba desfolhada
De minha esperanca a flor,
Por lagrimas orvalhada
De saudade, angustia, o dr,
Minha paU.ao oxcossiva
Por ti, extremoso amor,
A torna urna seinprevivat
Simpouco a pouco rijosa
EaM flor torna a ficar,
Com mais perfome, que a rosa,
Nova Matas, nova cor
Adquirindo singular
Pela esperanca d'aruor I
E', pois, quaudo resequida
Eu vejo a flor de minb'aliaa.
Olie tellllo tedio da vida,
I'erco o sonino, perco a calina.
At que nova esperanca
Me acea do amor a palma,
E no imrvir a honanca!

Eu gosto de ver
l'ns olhos genlis :
Mas quaudo os leus vejo,
Seu doce lainrMya- "*"
Me far, tao feliz.
Hea Dius, cont nns olhos,
1Tns olhos somonte,
Tal fogo derramam
yo peito, na mente !
En gasto dn ver
L'm melgo sorriso :
Mas se tin I florece,
Km io me parece
Ver o paraso.
Ah I como possivel
gue um riso enlre untos,
Aos olhos debuxe
Um Edn d'encantos 1
Eu gosto do ver
Fclirer andar :
Mas se o leu contemplo
Cuido ver n'um templo
Tin anjo voar !
Quem ver jamis
Prodigios assim...
Audaz urna virgem
Cerno um soraphim ?
Eu gosto de ouvir
lina voz tnacia :
Mas se s t que fallas
N ouvido m'inhalas
Celuaaa barmonia .,
K is-Mi magia,
O11 do reo favor.
Fallando, cangro
l'm bvmno d'a
1
PUJILICAfS A PEDIDO^
Voto de gratidao.
Ob.-rrv.iciiii.
Suspeilderam do lamaro para Maqeio a galera
ingleza Boocoe capilao II. X. Jay, com o mes-
mo lastro que trouxe do Rio de Janeiro.
Mem para o Itio de Janeiro o brigue suecco Os-
car, capitn H. Almeida, com a mesma carga que
Irouxe de Triesto.
dem para Lisboa a barca portuguesa Mana ,
AVISOS MARTIMOS
E o sul lime dever da gratidao que mo,traz
imprensa.
l)esdett>ze anuos sofra minha irmaa Emilia
Mara Amanes, de um tumor no seio esquerdo, cap i tiio Augusto Pedro Marlms da Silva, carga as-
e que mais m um medico reconbeceu por um sucar. .
Passon para o sul una galera ingleza.
Salios entrados 11 din Io.
Para e porros Intermedios 8 das e do ultimo
porto lo horas vapor nacional Priiioza do
Joiuville do 9J7 toneladas, rommandante Io
lenle F. M. A. de Araujo, oquipageui 58,
Rio de Janeiro II dias, vapor brasileiro Pa-
rabyba de 103 rondadas, commandaiiic Mi-
guel de, Miranda Vianna, equipagem 18.
demi% dias, barca ingiera Sharston do 5oi
toneladas, capilao James King, eqiiil'agem 13,
em lasiro ; ordem.
New-York 28 dias, patacho brasileiro Jaboa-
lao de 85 toneladas, capitae Cunha, equipa-
gem8, carga 1601) barris com farinha de rigo,
madeiras o outros gneros ; a Heury Foster
& C.
Nao houveram saliidas.
enorme c|ncr
A neces: idade da promola cura da enferma es-
barrava ante urna cruel difflculdade tao cruel como
nveacivel : essa diOeuldade era h nossv pob*a.
Minha irmaa. poriu, que pareca oslar e.m-
deranada [Of destino inhumano a morrer viciima
dahorrive anferniidade, levr alin al, afortunado
ser exammaMa pelu lllm. Sr. l)r. Carolin > Fran-
cisco de L 111a Santos. bM medico, que sem olTen-
sa, iKide-si com franqueza diier, um dos mais
philantropos, dos mais illusirados, e dos mais de-
dicados k'iencia sublime que professa.
O Sr. D-. Carelino Francisco de Lima Santos,
sem descoiihecer nosia ixibreza, e sem poder cou-
tar com pina paga vantajosa, sem fallar mesmo
em remuneracao de seus sorvicos, pr,pstou-se a
cxlirpar o medonho cancro, e de feilo o extirpou
com suma a pericia uo que foi roadjuvado pelo
distincto e nao menos pbilaniropu, Sr. Dr. Prxe-
des Gomes de Sopza Pitanga, a quem tambem
rendo a mais sAera gratidao.
O cancro extirpado affectava todo o seio esquer-
do,e por isso nao s foi longo o importante o traba- .
Iho da ext rpacao, mas tambem o nao foi menos o Dom Joo da Purificacao Marques Perdigan, co-
da cieatrisacao que o lHrr. Sr. /. Carolino acom-1 neg regranle de Santo Agostinho, por graca
panhou cem a maior abnegacaS, com a mais vir-' de Dos e da Sania S Apostlica, hispo de i'er-
tuosa ass duklade : graca* a seus benvolos es- nambuco do conselho de S. M. I. e C.
forcos, minha irmaa est perfeitamenie Ixia, est ._..,_________-.-.-..------- n s,-.ti1,>.
livredoirimigoierrivel.que te ameacava a vi- k^mjgmg**^J^
da;acic,trisacao se fez em lio lisonge.ras c,r- ^JSt^Tt^^^!^m^Z^
COMFANHIA PHRNAMBCANA
Vtvra<;i eotelra ;n,ipor.
Matpi e Scpgipt.
No da S do corrente segne nm
va|ior di rompanhia
0 drargtto Leal mudou
a sui residencia da ra do
Queimado paiji a ra das
Grazes sbralo n.
meiro andar, por
36, pii-
cima do
EDITAES.
rial
Por suprema resolucao de Sua Mageslade Impe- ra do costume seguir para os portiH do sul
..si de 4 de julho de 1H*), foi servido o mesmo Qesdejirecebem-se i'assageiros e engaja-s
" Augusto Senhor confirmar o alvar das ultimas fa- carga nne o va"
hbil, intelligentee uldades, concedidas qu^losa^conru^
cumslanciis, que com o favor de Deus, temos loda
esperanca de que o mal nao reappai eca, como se
quasi sempre aconltcer.
Honra '. gloria ao medico
caridoso, jue considera como a maior paga de
seus RerWjoa a con\ic;ao de ler feilo o bem, que
antepoe alguns ceios de mil res a satisfacao
de arrancar a morto um ente que na flor da ida- r- pelo presenle edital, a referida digni-
de.cheia le vico. sunUa-se todava pender para a J~^J5KS dig^idade, e qn.'-r de
sepultura como a flor em cuja hastetocasse o rep- l
til venene sa
Meus airradeclmentos, meus cordeaes agradec-
l>or |>oder conduzir, a
no dia de sua chegada, enc.ommen-
postasdos beneficios vagos; e como present mente das e dnheiro a frete ate o dia da saluda as 2 ho-
esli-ja'm vagas a cadeira d dignidade de chantre ras : agencia, na da Cruz n. I, escriptorie ele An-
da S de Olinda, |ielo fallecimenlo do res)eclivo ionio Luizde Oliveira Atevedo & C.___________
houverem
propriclario, e as resultas que
pomos
mentes ats lllm. Srs. I>rs Carolino Francisco de
Lima Santos, c Prxedes Gomes de Souza Pr-
tanga.
Hecife, 3( de dezembro do ISli-l.
satas Franqnetiao Antunes.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
eia prebenda e prebenda intefra. em virtuded PAOUETES A VAPOR-
decreto de 20 de setembro de 18."0. 1 rjoS portos do sul es|*srado
Todos os reverendissimos conegos e sacerdotes, -,-,| \ m o dia 14 do correnle o va|>or
as .1 huras ,
da tarde para Mcele c oteaba, iUlliazeilL I l'Oiil'OSSIstn, aOU-
Pencdo i! Aracaj. Recebe carga j i_ *
de o aeJiarao como sempro
prompto a qualquoi' hora pa-
i o oxercicio (h sua pn>
fissao. Cliaiuado por escripia,
' ^@TmmA
AOS 5,(KK):(KM)
Ti'rca-feira, 5 do iiuierte mez, 9e ex-
traan, pelo novo plano abafo publiclo,
a quarta parte da segunda I dona da Santa
Casa de MisericorJia no consistorio da igrpja
de Nossa Senliora do Rosario da fregueziw
de Santo Antonio.
PAQUETES A VAPOR. 0s [)i,he,es e meios **am-se venda na
Dos portos do norte e esperado respectiva thesouraria ra do Crespo n. 15
e as casas comniissionadas ra da Impera-
triz n. 44, loja do Sr. Pimentel; ra Direita
n. 3, botica do Sr. Cbagas; tita estreita do
Rosari n. l, Ivpograpbia do Sr. Mira e ra
da Cadeia n. 45, loja do Sr. Porto.
Os premios de *>:00<>3000 at 103000
sero pagos urna liora dopoit da extrnrin
e os outros no dia seguinte depois da distri-
buico das listas.
O Ihesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Reci
at o di;. 1; encommendas, paa-
uceiraa e dinheiroa a frete at o da da saluda as
:i horas da tarde ; oseriptarie no Forte dr. Mal-
los n. 1.
COMPANHIA PIJRNAMIJUCANA
DE
.\:ivfgavo oosleira a vapor.
Parahvba, N'alal, Mucao, Araralv Cear,
Araractf e (iranja.
No da 7 s 5 horas da tarde
segu um vapor da compaiihia
para os portes cima indicados.
Receberi carpa at o dia o. En-
commrnilas, passageiros e dinhei-
ro a frete al o dia da sabida s .1 horas da lar-
de : escriptorio un Forte do Mattos n. I.
COMPANHIA BRASjXEIBJL~
l'F.
at o dii 16 do correnle o vapor
Crtizriroilo M, commandanle o
capitao de mare guerra fiervaaio
Mancebo, o qunl depois da demo-
AOS 5:<)(MM>00
CASI l)A FOITIiVi.
Kllhr(es garniiHtlos
V m 4v C.rrsHO n. 2'.i | rasas de c*.>Iiimi>
No dia .' de jain-jro u ntrahir a quarta parir
da segmida luleria da Sania Cata de alliinimite
O aloixo a^^ignado racotnmeMlaso ao r.'spri-
lavel pnldima compra de seus mnato aforiiioadon
bilheics garantido.', lembra-Uiea vaMagrai 01
em rereber os premios por inteiro, por qi
quem tirar a .orle grandi- era bilbefe garai
nao receben wmentc l:fnoj. etn virode du~
descontos de lt> p"r rento que llie fario rm risia
ilas li-is. mas sm n :HmZ. que v.-m a ser o*
ditos i:200 finis Xwfi que pagar < .baixo
aaaigaada, importaDria de diios datcaakia. (>pre-
mios sero pagos como de eoslume.
l'rrfa.
Bilheics inteiros..... 6,1000
Meios bilheles...... 3J00O
Para as |>essoas que romprarem
de IOO4 par* cima.
Hilheles........ &|S00
Meios......... 1*750
Uanoti Merrrm Finta.
Precisa-se de urna ama qw w queira sujri
Ur a eozinhar e comprar na n, paga -se beaa :
na na de Santa Thereza n. 14.
qual
se a
dever
apresentem-se no prase
3uc quizerem concorrer,
e trinta dias, contados da iixacao do prsenle
Apa, ci muiandante Alcanforado,
PLANO
para as partes ordinarias
ALUG%-9E
urna boa propriedade de sobrado no fotfir da Tor-
re, i-m inuil bom local, minio i<>. .1 e rom unta
Imito vista por ser perto do no, est s^da forrada
de papel, com bastantes commodos para- una lran-
de familia, tendo l.anheiro, cm-heira, estrilaria
para ftcavallos, cacimba com bomba, muitos arvo-
redos- nnros, nma grande baixa le captm ben
tratado ; ruja propriedade perto do Sr. franri-.-
10 Gome de Oliveira, Hundo a im-snu proprieda-
dc confronte a Capuoga nova : quem a pretender,
poder procurar a chave na ra da Senzala VWha
n. 100, no primeiro andar, das 10 horas d ma-
nhaa J f|j hora* Ha tarde, on na Caaosg No-
va (estrada Jo Jacobina) em rasa do Amaral Jo>-
nior antes e depoi* las kam tn.irca.la-, pi. tendo-se aloyar |H>r profa timtn anwnilii
-
loteras.
edital, com os seus requerimentos instruidos das
habilitaccs exigidas pelo referido alvar, o mais
documentos que Ihcs fizerera a bem; precedendo
tambem as nossas informaeaJes partii ulares de
rila et Dinribus e feilo o concurso, proporemos
Rrsnm r.a votpco qnf se proceden M rollejio da Sua Magestade o Imperador tres dos ma> bene-
v Ha de ljnaras.su', para seaadore. mritos e dignos, conforme os sagrados caones hona, enela ri da Crm n. 1, escriptorio de
Dr. Saldanha Marinbo........*>" o concilio trrdentino. ___ Antonio Luiz de Oliveira Azevedo A C.
Dr. Nasc mente Feitoza........46 Dado em Ol.nda sob o nosso signal e sello aos
o qual depois da demora do eos- 3^ bilbetes a 5^000
turne, :eguira para os poros do rtenificio, sello e commisso V'|
17:0005000
3:4<)O$O0O
norte
Desde ja recebera-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor pode- conduzir, a uiul devora
ser embarcada no dia de sua chegada: eucom-
mendas e dnheiro a frtte al o dia da sabida s 3
Liquido
13:6005000
Conselheiro Paes H11 reto.....
Dr. l'rba 10 Sabino........
(!onselhe ro Chichoi ro da Gama .
Dr. Caries Braadio.......
Conego Joao Cbrisostomo de Paiva Torres
Venada ou chlrnara
O pe fume do hemlspherlo
rl.hntal
(Extracto do jornalA Chronica 13
de 185&
Agoa
nos
men
pode proporcionar qualqu
consolador e de mitigacao suave
;...-< 1 de dezembro de 1803. Pra Hlo de Janeiro
31" E eu o padre Joaquim d'Assumpfo, esenvao da segu imprelerivelmente no dia 5 do convine o
58 cmara episcopal o subscrevi. veleiro e bem conhecido patacho nacional Brierthe,
Joo bispo de Pernambuco. s recebe eseravos a frele, para os quaes t*m ex-
51 ____________ relenles commodos : tratan coinosseu consigna-
I 8HeH,HeM^Hs5J55HSH^^w la|.j|):. Anton |,mz ,jt oliveira Azevedo & C, no
DECLARACOES. sen escriptorio ra da Cruz n. I.---------------------
- .LISKOA
Segu com brerldadii pan o indicado virloo
veleiro brigue portnguez Jocem Amelia, -apitao
Rodrigo Antonio liranco : ipiem quizer entregar,
dirija-sc ao seu consignatario .-\iitouio de Almeida
frimentcs {como um grande bemfeitor. Os Srs.
Lamnan & Kemp residentes em Water Street, n.
69, fabr cante com jusia razao, em summo grao dignos desle
leuvor, ( o seu annuncio pode ser viste om urna
outra columna desU edico de hoje. Esta exeel-
lenteagia on admiravel liquido usado para os
O lllm. Sr. inspector da thesouraria da fazen-
de juubo da manda (azer publico que peranle a mesma Ihe-
souraria, no dia 4 de Janeiro vindouro ao meio
quem maior pre\;o offe-
transportram os
da fazenda cida-
proceder all a urna
para nossos sof- nova avatiacao des bens perlencentes ao extincto
1 premio de
1 dito
1 dito
1 dito
i ditos de 1005000
8 ditos de 405000
11 ditos de 05000
30 ditos de M5000
10i0 ditos de 55OOO
H00 premiados
8300 hrancos.
5:0005000
1:2005000
6OO5OOO
30O50OO
40050*Ni
3205000
8050001 >t
3005000,i
ti. 005000
Precisarse de urna ama de nina idade
fazer o servico de casa: na ra Nova n. 25.
para
No escriptorio de Antonio I.1117. de Oliveira
Azevedo* C, ik* rna da Cruz n. I, preCMa-M (al-
iar com o Sr. Ijiz Iniraa iotetbo, mito de Jo-
Soares Botelho ede Fortunata PaaHa la S.mzav
e neto de Francisco Manoel le Souza, nalnr it da
ilhade S. Miguel, o qual consta ler viudo para es
ta riilade em lH."iii, para Ihe dar noticiai t wia
mi e irmaos que se ;ictafl> no Rio de Janeiro.
C.oiiKS, ra da Cruz n. 23, primeiro amlar.

oncapellado'de llamb : os pretendentes devero IhoSobrinho, jwr le |arlc (te
comparecer na casa da referida reparticfio no dia
e hora marcados.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco em 30 de dezembro de 1863. Seivindo
de offliial-maior, Manoel Jos Pinto.
Pela subdelegada da Vanea se faz publico |
mos lis;.do.
A' venda as boticas o tejas de perfumaras.
COMME&CIO.
Anda, falla, ri,
Que o mundo sem ti ^
(iraca nio tivera.
Mas guarda, acautella
Teus dons, leus primores...
Que os anuos s bellas
Arrancam taes flores.
Le-aa n\ Commercio do Porto :
O uso do Ubaco de fumar foi |>r ibido no re-
tintada palacio realie Windsor por ordem ex-
pressa da rainha.
EvUs ordeais, eollocadasem c.milbos com yi-
- que prohitiein o fumo de Uibaco no palaMO,
f..ram collocadas nos aposentoa particulares dos
h do aarvieaedM escuderos da comitiva real,
e tamben as rameras da torre de York que se
preparan) para o servico do principe de Galles.
E' igualmente prohibido, por ordem da rainha,
aos criados e operarios do palacio fumar no recin-
13 da residencia real.
Que dircr a isto os fumistas ?
Tem-se dissertado muito sobre a alma dos ani-
mes. I'n afflnnam, outro* negam.
Eis um aclo que, >ein resolver a questao, pro-
va ao menos, que os animaes lia susceptiveis de
certas qualidades que sao do numero das faculda-
les da alma humana :
Na vasta planieie que vai de Montrouge a van-
irard (Franca) ha aqu e alm diversas casas de
tomdora*. .... a
Em urna desta* casas sao alimentados muilos
allos e. entra estes um da 3 nanos, muito vivo-
,. ale ro KM, menos diante de um menino de .>
huios, iiitti' do dono casa, e do qual oeavallo re-
as caricias com eviden salisfacao.
lliimamenle, ficaudo a criada s em casa com
0 menino cmqnant este brincava no pateo, cui-
dava ella no segundo andar do servico domestico.
A um cante do pateo lia um tonel destapado e
enterrado, que reoeb 1 u asnas da chuva.
A criada., ouvindo um grilo lamenUvel e deses-
icrada foi a janoUa o viu o menino cabido no
1 mel. Corrau apressada a soeeorre-lo, gritando e
lnn'andoade<:raca. porm os gritos do meni-
no tinham sido ouvido> UMtfra r 're, e, quando a
rriada ch'egou ao patiw, bi p f recolher o meni-
no da bocea do joven cavJIo, pie, comprehenden-
do o grito desesperado do sed [qiieno amigo, ti-
nha acudido, agarrando^, pela blusa e tirando-o
de tonel sao e salvo.
issim o animal tastemunhou ao menino o reco-
nliecimento p'lascaricias quedelle.t.nha recebido
O dono da casa e do cavallo juroa que este nun-
ca sahiria do seu poder.
usos ordinarios do banhos, a por sem duvida nm qe se acha deportado um cavallo castanho, intei-
dos cosmticos o mais agradavel, assim como o ro : qUem for seu dono, compareea. que provan-
maisdeicado e delicioso perfume que jamis te- ^ |ne ser entregue; e bem assim que se acha
recolhide casa de dotcneao o preto Januario qw
diz ser escravo de Joaquiin Manoel do Reg. O
subdelegado 1" supplente em exercicie,
Francisco Sotler de Figuciredo Catiro.
Conselho de compra navaes.
Faz publico o conselho que promove no dia 5 de
Janeiro proximamenle vindouro aob eH>*v?im.
1I0 estyfe a compra da* ^aninli-s nl,)iecu3iUr nia-
terial da armada :
3 apparelbos de lalrina, 150 brochas sorlidas, i
arrobas de lio de algodao, 50 varoes de colire de
3/8, 100 ditos de i ditos, 100 ditos de 5 cites, 1
grosa de parafusos de metal de 1/2 3 pollepdas,
400 navalhas de mariihciro,
NOVO BANCO
DE
l'-KKVtJllllTt O
C novo banco de Pernambuco convida os
credores dasmassas fallidas de Mesquita i Dutra,
c Franiisco Antonio Correia Cardoso a aprsenla- 00 lijlos inglezes,
rem seus tilulos no banco para se proceder a res- 20 arrobas do sebo em pao, 1 peca de tapete, 20
pectiva verifleaeo.
Alfandega
Rendi enin do dia 1 a30........
dem (o dia31.................
oTlmenfo da alfandega
Volumes entrada com fazondas...
t com gneros...
Volunies saludos
C f
com
Ci !11
fazendas...
gneros...
arrobas de verde francez, 3 manmetros para ma-
chinas, e 2 jugos de larraehas de Whitworlh com
seus utencilios.
522:3185801 E convida aos pretendentes venda destes oh-
23 ,;>15216 jectos apresenlarem suas prOBOaOS em cartas fe-
J________cbadas no dito dia at s 11 horas da manlma.
515-57050 Faz mais publico o conselho que cm tod.is suas
__!___-_ sessoes tambem promove a compra, a vista de pro-
postas, de maiieiras de construccio para um irans-
; porte de guerra.
Sala do conselho de compras navaes 28 de de-
zembro de 1863. .
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Secretario.
Para Lisboa pcetende -alur com muita brevi
dade o patacho Jare, -apitao Jos Marques Coe-
se.u carregamento
iraiado : para o reste qne Ihe falta, e passageiros,
tratase com os ous .onsignatarios Palineira &
Batario, largo do Ccrpo Santo n. 4, primeiro
ndar.
13:6005000
3400 bilheles.
N. B. As sorles maiores de 4005000 eslao sujei-
tas aoe descantes das leis.
Thesouraria das loteras 15 de dezembro de
1883.O ihesoureiroAntonio Jos Rodrigues de
Souza.
Approvo. Palacio do governo de Pernambuco
16 de dezembro de 1863. ioiio Silveira de Soco.
1 Esto plano para ter vigor do Io de Janeiro pr-
ximo em diante.
Manoel Jos de Faria Simes,
com aula de prinieiras ledras pelo
melliodo de GaaMa, faz scicnle aos
1| pnis de seos nlnmno assim como ao
jal respeilaTel publico o,iie no dia 7 do
v5 correnle contina no e.\ercicio de
9 sen magisterio na mestna rasa na
'^5 roa da Pcnha a. 25. isloemi|iianlo
%% nao enconlra outra tpie tetiha bons
a( commodos. &
wmwm m wmm
Pcrdeii-se um liot5o de brilhante : gratifica-
se bem a quem o entregar a sen dono, mirador no
sobrado n. 32 na ra da Aurora.

ara
i.
Segne ao Indicado porto com a possivel brev-
dade o veleiro hiale I nulo l'ai/aete, capitao Anto-
nio Mara da Cesta a Silva : para carga, trata-se
com e consignatario Antonio de Almeida (tomes, i
ra da Cruz n.23, primeiro andar.
PARA OllO EE JANEIRO
NOY ESTARELECIMENTO DE MEDICINA HOMEOPATRICA
UVA 2VOTA M. 48.
O Dr. Sabino 0. L. Pinho mudou o seu CONSULTORIO para aloja uV marmoia
ra Nova n. 43, onde continua a dar consultas todos os das uteis desde o mm da m
2 horas. .... v .
Os enfermos, que o procurarem logo na invaso da molestia, sem que hajam t
pw^.-Kinr rn a br^ddad. o patacho madooiialiiuerremedio, nemallopatl.i.-o. nem lmmenpathieo, ^aome^^prajDi
-atada : ostipulaiks. Esta conwiisSo h'in por lim t..>ilttar a cura de moTesDa, que podem toi rm-
123
88
123
571
Oescarregam no da 2 de Janeiro.
Escura hollandezai>i'H'iiifc=diversos gneros.
Barca ingleza-Aune Srott -carvao.
Palacio nglezCr/e farinha.
Escuna ingleza.4nm Belle -mercadorias.
Brigue portuguezFlor inda -lagedo.
Sumaca hespanholaAmefia charque.
Baren inglezaMu jhlhmt tutim e bolachi-
nh i.
Barta ingleza Retolution carvao.
Conselho administrativo.
O conseibo administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra
seguintes
lem de comprar os objectos
Honra por ter a maior parle da carga Iratad;
para o reste que Ihe falta e esaravm a frele, tra-
U-se com os consignalarios l'almeira & Beltrao,
largo do Corpo Sanio n. 4, primeiro andar.______
Para o Rio de tfanelro.
O patacho nacional Capuain, pretende seguir
com muito brevidade, tera parte de seu carrega-
mento engajado, para o reste que Ihe hita e es-
clavos a frele para o? quaes tem bons commodos
trala-secom os seus consignatarios Antoaio-Cuiz
de Oliveira Azevedo & C, no seu escripiorio ra
da Cruz n. 1._______________________________
Para o Araeaty
O hiale Duus rmeos pretende seguir com bre-
vidade, tendo parle da carga, e para o resto ira-
la se na ra do Amorini no escriptorio de Tasso
I raos.__________________________________
Para o Itio de Janeiro
At e dia 30 do correnle pretende seguir im-
prelerivelmente o patacho nacional Beberibe, para
o resto da carga que Ihe falla e eseravos a frete
liara os quaes tem < xcellenies commodos trata-se
com os seus consignatarios Antonio Mlix de Oli-
veira Azevedo & C, no seu escnptorb ra da
Cruz n. 1. ^^^^________
Para o presidio de Fernando.
4 arrobas de velas de carnauba, 10 libras de
ditas de spermacete, 0 arrobas de caf do de me-
Ihor nualidade, 3 ranadas de vinho de Lisboa, 20
libras" de doce do guiaba, 4 raixcies de sabao, .1
resmas de papel pautado, 4 eaixas de pennas de
ac, 20 caetas de pao, 10 a-robas de sal, :t picas
de madapolao, 1 libra de linha de novellc, 20 li-
bras de manteiga ingleza, 20 ditas do cha, 20 ditas
Reeebedorla de rendas Internas
eeraes de Pernambuco.
imento do dia 1 a 30........ 43:4545066 de banha de porco, 6 arrobas de assucar iwlinade,
di da II ..... 6:4935613 600 meios de sola, 300 vaquetas, 800 couros de
a ......... =________ forro, 24 eaixas com seda, 4 gamellas de cera
51:9475689 amarella, 2 caixoes com retraeos de vidres, 2 quin-
====== taes de tachas de ac para encestar, 1 dte de ditas
-i il Par sall- 2 "fW*** de llila eom e*e* P'
?M P m-'lfiBiW. I P^'milhar. 4 duzias de facas mglezas, 4 duz.as
a M......... R-nltiii Se martellos, M, arroba de linha crua on parda,
26 lvros em branco de papel de Hollanda paulado,
sendo 2 de 400 folhas cada um e os mais de meia
Hollanda, papel pautado, tendo todos de impr-
mente 17 polegadas e 8 ifiU! de largura
l'm nicho com 6 palmos e meie de altura e 5 e
meio ditos de largura.
Quem {quizer vender taes objectos aprsente
Itenr
Ider
Consulado provincial
Remaniente do dia 1
dem do da 31-----
8:2075801
132:8065387
75000
COMMNICADOS.
-------------------------------------------------
Se os mos actos de nm fupecionarin devem ser
hcados.afim de que a censura venhaa corrigir
o seu autor, com mais razao devem se-lo os bons
n Sr. Dr. Vicente Ferreira Lima", juiz municipal
d<> termo de Tacaratii. actualmente juiz de direito
uterino da comarca, lem procedido bem ate o pre-
vale ; estran'ho :is lirtas do lugar, o Sr. Dr. Lima
i lependenie, cne.rt-icn e justiceiro.
Kste anno den proras diste ; no tribunal do ju-
r\, presidindo elle as duas sessoes, appellou de
res im|Mirlanles, que injustamente foram absol-
i .lo*.
Sai se raznndo respeilar lelos seus actos,
flxife, 30 de dezembro de 1863.
O ohien-ailni- imparcial.
tt ni voto de gratidao.
Teiilo termlnao o M mandato, na qualidade
loh-r d.sia fruo/i i, no dislriclo do Corren-
onde ha eineo anuos resido, crreme o m-
>..i dever de ninlcalniente agradecer a lodos.
i mi disli iccao, qm; me honraran rom sua amisa-
,1-, os olisifi'iuios, que para comigo dispensaran! ;
aereado, por muit >s litlos de gratidao, es-
r o no ne dn men resaeitavel parodio, Sr.
N aiezio de S Joo Cualherto, em quem sempre
i u atlcncfies de eavalleiro, e o respeito
M H dol.
reate, 8 de dezembro de 1863.
KEMIIMESTO DA RECF.BEDORIA DR RENDAS
IliTERSAS CERAF.S DE PEhNAMUUCO DO
HEZ DE D.BZEMBO, A SABER
Bernia da typogra|)hia nacional. .
Berdadospropriosnacionaes. .
Poros de tcrreties de marinha ..
I.ai demios .......................
Si/a dos bens de ra/..............
Decima addicioual das eorpora-
coes de mi mora.............
Direitos iihvos e velhos e de
'hancellnria....................
nilosde paleles dos ofliriaes da
:uarda nacional................
Diiraa de dianccllaria...........
Multa por infraeces do regula-
ncnlo.........................
Sello do papel lU"................
Di lo do proporcional.............
Premios dos depsitos pblicos...
Emolumentos.................
Imposto sobre lejas e casas de
descont*...........
Dito sobre casas de movis, rou-
pas, ele. fabricados em paiz es-
irvafeiro............
T xa de eseravos.........
C. branca D-posite de diversas origens.....
Uidemnisaoes...........
CMlDUlaUOS. UOW l'rnvv.um' irv... |v. .....------------ -----
se complicadas pelos emprego intempestivo da therapeuca e ao mesmo tenpo adquirir
para a homeopathia maior numero de adeptos pela bateza da cura.
Em attencao as pessoas pobres, que nao podem sabir de da. o Dr. babmo resol-
veu dar duss consultas por semanas as tercas e sextos-feiras das sei& assete horas da
s chamados pata \ sitse conferencias devem ser dirigidos por cripta ao con-
sultorio desde 8 horas do dia at 8 da noite, na certeza de que serio attendidos na orden
de sua precedencia, salva a circumstancia de eminente pengo.-
ADVERTENCIA.
0 novo consultorio est prvido dos melhores medicamentos, desde a primeira
at a trigsima dvnaminisacao. *... ., _... ~
Ecomo os medies hespanhes e allemes nao cessam de cerficar a juajor elu-
cacia das ultissimas dvnaminisacoes do tratamento das molestias chronica*. o-Dr. S*mo^
oceupa agiira de elevar os seus medicamentos s potencias mais altas ( por ora ah S. ).
afim de verilicar por si mesmo a forca dynamica, que se Ihe attnbue.
Os medicas. uuo quizerem experimentar Ues dynpminisacoes pntlrrao dirigir
ao
l^?> incultos, ijuu i^ui/^iuui i|fw..... ------- :
consultorio suas receitas, que serao arisdasLQ|taltaniata pare ]PZZ homeo^thico
t-tUiSOOft as suas propostas em carta fechada na seerelaria
,l..tV)r3iK.ri ,______.ik/i. m k,, h, mohn fin 11a 4 de
l'ara a Babia pretende sahir com molla bre-
vidade o veleiro palacbo Thereza, capilao Joao
Correia Lima, por ler a maior parle da carga :
para o resto que llK falu, trata se com os consig-
nateries Palmeira A Beltrao, largo do Corpo Sanio
n. I, primeiro andar.________________________
" Para a llalli a
0 palhabote Garaldi pretende seguir com bre-
vidade |>ara este porto, tendo parte de seu carre-
gamento, e para 0 resto trata-se no escriptorio de
Tasso limaos na ra do Ainorim.______________
Rio de Janeiro
Segu com brevidade o pallialmie PiciUide, capi-
tao Marques Vianna : recebe carga a frete : a
tratar rom Caetano Cyriaco da C. Morcira A; Ir-
mao, no lado do rpo Sanio n. 2:, ou com o ca-
pitn^_____________________________________
Itio de dauciro.
O brigue Trorador segu por estes dias, recebe
< eseravos a frete : traase com os consignata-
rios Marques Barros & C, largo do Corpo Santo
numero 6.
Os mdicos, que quizerem experimentar
tas, que serao aviadas gnuuiiauenic [>.u u
No mesmo consultorio se vende a novissima edic> do Thesutro
ou Vademcum do homeopatha, obra indispensavel a dos que querem usar ila notoeiv
D'ltll '1 *
Tudo o que diz respeito nova medicina se acha abundantemente neste novo
aecimenlo.
estibe-
CONSULTORIO MEIHCO-CIRIRfilCO
DO
104158
04000
3:0;19A79
6:6324721
1:85049.k
4264000
1444337
664^101
3:3684080
8:8374227
594333
4774800
16:7894650
1:3204000
:4844000
7794395
304000
654000
de-
Pfufre wixte.
31
51:9474689
de dczeniliro
Recehedoria de Pernambuco,
le 1863
Se:.-vindo de cscrivao o 1* escriturario,
Joaquim Jos de Souza Serrano.
do conselho s 10 horas da manhaa
Janeiro do anno prximo vindouro.
Sala das sessoes do conselho administrativo
ra fornecimento do arsenal de guerra 28 de
zemhro de 1863.
Antonio Pedro de Sa Barreta,
Coronel presidente.
los Antonio Pinto.
Tenente-CHronel vogal.
Relncao das cartas segaras vinias do
luirle pelo vapr nacional Priu-
ceia de Joinville i, para s seuho-
res iliaivo declarados:
C. J. Astley & C.
Dr. Augusto Cala da Silva Bios.
Bernardino P. reir de Bi ilo.
D. Carolina Joaquina da 8. Jos.
D. Esrholastica Fraucisva de Ca valho.
Dr. Felippe Lopes N'etto.
Dr. Francisco Cordeiro da Bocha Campello.
Francisco Pires Carneara.
Francisco Moreira Pinte Barbn.
Ignacio Francisco Pereira da Silva.
Joaquim Ferreira d'Araup (iuimare-
los Comes da Frota.
jo>e itodrigues de Soma.
Luiz Antonio de Siqueira.
Dr. Mihades Pereira da Silva.
Padre Tranquillino lavares Cabial de
cellos.
LEILOES
DR PEDRO DE ATTAHYDE LORO HOSCOSO,
nlltO PARTEinO K OPKRADOR.
3 Ra da (jloria, casi do Fuudiio 3
O Dr. Lobo Moscoso d consullas gratuitas aos pobres lodosos dias 7f
da manhSa, e das 6 e meia s 8 horas da noite, a excepeao dos^ das sant.r* =^
Pharmacia especial borneopallea
horas
Uibos avulsos, assim



DK
120 accrics da companliia Vi-
gilante.
O agente Almeida legalmenle amansado faf
leilao de 120 acc;5es da companhia Vigilante a re-
iKnpic.
Terra-feira I de Janeiro dr Mt, as 11 ae-
ras do dia.
Rm seu escriptorio na rna da Cade .a do ltecife
n. 18.
un vo
MOYIMENTO DO PORTO.
A'nrio entrado no dia 31.
'hiladelphia 39 dias, barca inglesa John Ma-
theus de 465 toneladas, capilao C. II. Korten
equipagem 10, rarga 2250 barricas com farinha
de trigo e outros gneros; a Malheus Austien.
Nano sonido no mesmo dia.
Canalbrigue nglez i Savannah La Mar capi-
tao Isaac C. Mann, carga assucar.
Crrelo geral.
Peadministrado do con co desta cid de se i./.
publico, que as malas, que lem da conduzir va-
por nacional Princesa de Joiuville para os itr-
ios do sul, serao fechadas boje (2j s 3 horas da
tarde ; as carias admittidaa a seguros serio rece-
bidas at 2 horas, e OS jo naes at 1 hora da tarde.
Coiiei'
O Sr. Dr. Louren<;o 'Jomes de
I m grande sobrado de nm an-
dar na eidade do Aricis.
0senle Almeida far leilao :i requerimeiilo dos
administradores da maasa fallida de Seve Pllhos
c\ C. e mandad > do lllm. Sr. Dr. ju I especial do
commercio, de um sobrado de um andar com .io
VaSCOn- palmos de largo leudo 3 janella> U lenle, na ra
das Flores da i idade do Aracaly cm chaos forei-
ros a cmara inunicipal de dhaeidade.
Sr\la-fcita S de Janeiro do 1R61
i perla da a>soriaeao eommerrial as II horas ; os
pretendentes podein obler qualquer infornacao do
agente cima.
s appropria.lo- soriimenlo h> rarteiraif
2a?SffSffaMVSBtMg i-,......
Carteiras de 12 tubos grandes. *">
de 24 tubos grandes. *^'.
de 36 tubos grandes. -**^
de 48 tubos grandes. **!**'
de 60 tubos grandes. 3?>0OOO
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido qiae se fi/.er. o com os remeti
que se pedir. ___ ^^
Um tubo avuisn ou frasco de tintura de MM un ea. i 00 ..._.._..
Sonde para cima de 12, c.istaro os |)recos estabelecd... para a> tari. .ras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 reis.
LIV
A mellior obra da homeopathia. o Manual de Medicina Horaeopathico + aV^Mir.
dous grandes volumes cwrn diccionario........... 04000
Medicina domestica do Dr. Ilenng........... MODO
Repertorio do lr. MaitoMoraw......... j^kh
1 o ismdeKMte notaveis pela sua boa eottrva^ totara dn ais aored,t..,i,.
gia c certeza em seoaeflttes.
Casa de sade para escraros.
tratar de qualquer enfermi.lide oa fa7.er-s.-ibe aaaaqa
Araujo e Silvr
do correio aflm
AVISOS DIVERSOS.
queira comparecer a reparticao
de receber urna carta viuda du provuicia da Baha, andar.
Precisa-se de urna criada para casa de nroa
senliora: na UlMasa do ('.armo 11. 12, primen o
Recebe-se eseravos pata
aperacao, pan o que o annunciante julgase il"lw'^"^nii7'vrmc, na medita
Otratam.Mil' O melhor possit, tanto na parte almienlai. .orno na m. .ik.i
funecion; no > a rasa a mais de quati-oanims. ha muiias pessoas de cujo -"'";;- !l
rSKuvXfq^pudem ser consultados por aqueles que descaren, man,! -
Paca-se2500D por dia duranle 80 ate e dahi em diante 1*500.
As npenres serai. previamente ...justadas, se nao se qt.izerem suje.tr KM pr
razoavi-is que costuma pedir o annunciante.

^>


\

Diario de
l'eruambuco ... *abbado t de Janeiro de 8I4.
m>w
INTERNATO
DE

Wi
Estabelecido ua cidade i Recife
Hmh a Protecco do ttumiuo Pontfice Pi IX.
DirectorO barliarel rm uialhematicas
BERNARDO PEREIRA DO CARMO JNIOR.
O director do intrnate de S. Bernardo, nao leudo evitado esforcos nem sacrificios
para proporcionar aos scus alumnos urna perfeita educarlo physica, moral, intellectual c
TeKgiosa, offereeendo-lhes urna habitacao com bastantes oomficfles de saluhridade, habis
prolessores que sao solcitos em prepara- os convenientemente ao fim que se destinam,
medico pratieoque Ihes faga compreheni cr os preeeiloi da hygiene e Ihes cure das doen-
fas, e finalmente um sacerdote Ilustrado e honesto que Ihes explique os principios da re-
igiao ihrista, espera que assim eonstitu do nao deixar o seu estabelccimento de mere-
cer dos Srs. paes de familias o auxilio e ronllanca com que j alguns o tcm honrado; e
Ihes roga, hem como todas as pessoas interessadas, que se dignem de visitar o mesmo
seu estabelecimcDto, onde senipre euconlraro franco ingresso.
Cadeiras de cnsino :Primeiras ledras dividida em duas elasses, tendo cada urna o
seu professor, latim, francez, inglez, ai il imetica, algebra c geometra, gcographia, philo-
sophia, rhetorca, desenlio e msica.
O collegio tein a sua sede no espaeoso edificio n. 32 ra d'Aurora contiguo ao do
collegio dos orphos.
Nos estatutos do collegio, que esli a disposi^o dequem os quizer ler, se acham
consignadas as cendicOcs de entrada c matricula as diversas aulas do estabeleci-
mento.
HBB*4K&&:4ttMi
Msicas para piano e canto de todas as forjas, e methodos dos melhores autores, e vende-]
|se baratissimo.
EXCELLENTISSfflAS SEMIORAS,
Aproveitcm as pechinchas la loja ra do Crespo h. 17
M
JOS GOMES VILLAR.
Para apurar diulieiro est vendimio haratissimo,
Aprovel teui todos.
Recebeu de New-York 2,000 bal fes de 20 arcos e vende a 25300 cada um.
ixtraordinaria perJiincha, sem igual.
Laai oe euros, de quadros a 280 e 400 rs. o covado.
Cassaa de cores a 200, 240, 280, 320 o covado I 11
Chitas francesas inuito boas a 320 o 300 rs o covado.
- Rop.se tepssoasmio tiverem objectos en
deposito, DO poder doaliaixo assignado os vouliVm
resga.ar ate o ota 3 de Janeiro ^SjS
de MRO vendidos para seo. real embols
_______________Jffquinj_Aranha_de Soma.
i'arueiro fgido.
No domingo de /nanhaa, 27 do crreme, desap-
arecen um carnei o grande, castrado, de cor mel-
lado do sitio em que mora hoje Frederico Chaves
em Parnamcirim : quern o pegar, querendo fazer
, o favor de mandar entrega-lo no mesmo sitio ou
nos Afflictos no sitio de Frederico Chaves Jnior
que alera de se r .-compensar o trabalho, fica-s
ohrigado.

Prerisa-se alugar urna ama para cozinhar e
comprar paracas de homem solteiro na ra do
Queimado n. 43. Prefere-se escrava.
Na ra estreil do Rosarlo,
precisase alugar um molcque.
hotel vigilante,
tinturara.
Tinge-se com perfeic3o para qualquer
cor, e o mais tarato possivel: na ra do
Rangel n. 38, segundo aBdar.
D-se l:o00jl a premio sobre hv|iotheca em
alguma casa : a tratar na ra de Hortas n. 4.
K
Madapoles, pecas de 20 varas a 7, 85, 95, 10*. 11,5 e 123 a peca.
Cambraias lisas, pegas de 8 1|2 varas a 25? 00, 45,55, 65, "5, 85 a i
Capas pretas, manteletes pretos bordados a 205 e 32 rs. !
Sotambarquos pretos de 255 a .'105 rs.
Capas de casemira de cres a 255 e 305 rs
pega.
Outras fazendas de multo gosto.
PROTEJA!*! TOBOS
Maques sobre Portugal.
0 abao ass.gnado, agente do banco
mercantil Portuenso nesta cidade, saca ef-
fectivamente por todos os paquetes, sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
qualquer sonuna, vista e a prazo, po-
dendo logo os saques a prazo serein des-
contados no mesmo banco, na razio de 4
por cento ao anno aos portadores que as-
siin Ihe convier : as mas do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
CASA DE SAUDE
Em Santo Amaro
iio Dr. Mita Riamos.
l'nico estabelecimcnto desta natureza
que existe entre nos, in>.ntado do modo
que 11 id'1 com todo o commodo e zelo tra-
tar qualquer doente, que nella seja reco-
Ihido.
O edificio magestoso e conserva-se
em perfeito estado de liinpeza e conve-
nienu mente mobiliado.
Os doentes sao separados, segundo os
sexos, natureza das mole: lias e condigfes
sociaes.
Ha {liarlos fortificados para os aliena-
dos, o urna enfermara para as partu-
rientes.
0 proprietario encarrega-se de qual;
quer i peraeao.
0 es tabeleci ment franqueado qual-
quer pessoa que o queira visitar.
Primeira classe 35000 diarios.
Segunda dita.... iiiW
Terceira dita.... 251 -M)
Par que qualquer doente sejaali reec-
liido, Lasta que se mande onome do doen-
te e da pessoa que o remelle, com a de-
elarae o da morada.
O pioprietario aceitacoutratos annuaes
com qualquer que queira er um ou mais
leitos -HU disposigao.
te
SEGUROS DE VIDA EM MUTUALIDADE.
A directo do BANCO UNIAO tena obtide do governo de S. M. F. a aiitorisaco para esiabelf-
_cer o seguro de vidas em mutualidades, faz publico que desde j toma subeeripeasa annuaes por um
so vez, debaixo das seguintes condioies .
Com plrda de capital e lucros;
Dito capital smente;
Dito lucros smente j
devendo a primeira liquidacao ter lugar no 1 de Janeiro de 1889.
re-
alm
v.'imIcOVs
da subscripto, dos quefallecem. Tambera partido pelos sociossobreviventei tudo aquilloqaeoa s*-
etoi morosos nos seus pagamentos, sao [ior este motivo obrigados a pagar, bem como caducidad. -
occorrerem |iela falta de cumpriraento do compromisso social.
As liquidares sae pelo svstema das companhias hespanholas, Tutelar c outras; e para se poder
fazer una idea do que pode produziruma entrada animal de 105, publicase a seguate tabella basca-
da sobre a ex|teriencia de muitos anuos de companhias desta natureza :
Em : anuos Em 10 annos Em II asnos En 20 asios Em 25
Por um menino de 1 da a i anno 1105
de 1 anno a 2 > 905
de 2 a 3 > xi',5
de 3 i a 4 > 865
de 4 i a Jo 865 a| > 865
Por urna pessoa de lo
de 20 i a 30 > 865
de 30 i a 40 865
de 40 i a SO 905
4005 9005 2:0005 4.70H*
3(105 7505 1:7005 .! 7005
2905 7205 1:8005 3 5005
2805 7105 1:5605 3 V'<5
2705 ''OO* 1.5505 3..r4i
2705 7005 1:5405 :t 3:tft*
2705 7105 1.5605 :i.400*
2705 7205 1.6000 :t 700*
3005 7505 1:8005 5:000*
Ama.
Precisa-se de urna ama para urna casa de pouca
familii : na pracA do Corpo Santo n. 17.
ArrENgAO.
D. Dina da Silva Coutinho avisa aos pais de fa-
milia que no dia 8 re Janeiro prximo vindouro
tem de abrir sua aul.i de instruc^ao (rimara na
ra das Cruzes n. 2, primeiro andar, recebendo
alumnas externas, pensionistas e meio pensionis-
tas, assegnrando j|iie empenhar todos. seus ex-
for^os na educacao e ensino de suas alumnas.
Precisa-se de urna ama :le meia idade para
cozinhar e engommarem casa e homem solteiro:
na ra do Costa n. 2, segundo indar, no Forte do
Manos.____________________
Al u a-se
a loja n. 50 da ra da Cadeia, esquina defronte da 3
ra da Madie de Dos, propria para qualquer esta- ? tinado marido, pai e sogro para assstirem
belecimento, tendo armazem ni fundo da mesma Jr? a una missa no anniversario de seu pas-
smente no da 4 do correnle mez, na ma-
triz da Boa-Vista, as 7 horas da manhaa.
As entradas poruma s vez dao resultados muitosuperiores as annuae-
Porto, 10 de agosto de 1863.Os directores do Banco Cniao, los da Silta Machado.F. M. roa
der Niepoort.
Agentes em Pernambuco : Antonio Luiz de Olive ira Azevedo 4 (1, ra da Cruz n. 1.
ojuautjaiaqejsa ouHsstiaejJudui! ass9c''8JS semxa 'ob5o3|ojj
ojisquip t 'sera ssiicieq snpiuzej
'K|UJOJ||g BAOU ep t\ (|.)ll|l|j.i<| su lll.||. io.ld x
S0HI3MVH1S3 3 S0MV:)UIWVMH3cI^

t
f
4 oiupnnhia fldelldadc de
seguros martimos e ter-
restre* e(tabelcel Klode lanch o,
MIENTES EM HtPXAHBDCO
Antonio luiz de Oliveira Azevedo & C,
competentemente autorisados pela direc- i
toria da companhia de Mauros Fidelida- |
de, tomara seguros de navios, mercado- I
rias e predios no seu escriptorio ra da
Cruz n .1. I
W&KR
Aluga-se um sitio na Capunga velha, com
boa casa, contendo 4 qnartos, gabinete, cacimba
rom boa agoa, quartos para pretos, estribara a
frucleiras. todo murado : quem o pretender, diri-
ja Jfi i ra da CceSOO n. 18. primoira ailar
FThTNHAS PARA 1864,
Na prafa da Independencia Itvraria ns. (i
e 8, acharu-se venda as seguinies folhi-
nhaspara I.Si impressas neslatypograplna
em excellenle lypo ebom papel,
Folhinia do porta contendo as mate-
rias do cosli-nie, rs.........ICO
Dita de algibeira, sob a epigrajilie
eligila, contendo alero das materias
lo cosliiine os sete passos da l'aixo
le Nosso Sentior Jess Christo ; canti-
~ Os adiiiiiListradoros 5
massa fillida de Seve Fillios
& C, convidam aos credo-
rftS il;l niPiiTll ni'lsjsi'i nii rt!,!*>s do mez Mariano; liymnos e jacula-
Ith Ul mehlILl IBaSSa paidllO lorias aoSan88mo Sacramento; ex-
prdSO de OllO (lias aposenta- Plc5es de diversas oracoes5 cora
Seraphica ; exercicio ao sagrado cora-
(3o de Matia ; oracao para visitar as
igcejas no dia da l'orciuncula ; oracao
jara cscolha dos esladosda vida ; dita
a Senliora da Conceicjio ; e meditatoes
sobre a reforma da consciencia, rs. .
Dita do dita, sob a epigrapheVa-
r.edade, contendo alm das materias do
cjslume,: receitas uteis e necessarias
M diversos mysterios da vida ; physi-
ci e recreativa ao alcance de todos:
p Iherias e ratices; poesas ; charadas;
mximas e pensamentos coligidos por
utti curioso..............
Ditas ect;lesiasticas ou de padre para
nsar o olficio divino, redigida pelo re-
verendo conego penitenciario da S de
Olinda.........
loja com coinnranicacao por dentro e portas para
a traversa da Senzala, alugandose tambera o pri-
meiro andar da mesraa casa, e ah acharao com
quem tratar.
mMMM JRSKaRaij:. ', ;-:mmm
a Joao da Silva Ramos, medico pela uui-
^ versidade de Coimbra da consultas em
jfrs sua casa na ra Nova n. 50, das 8 as 10
^ horas da manhaa e das 4 as 6 da tarde e
^ recebe ignalmente convite- para dentro
jj ou fora da cidade com o fim de se en-
B carregar de qualquer serv ;o de sua pro-
>^ lisso.
Os chamados deverao vir por escrpto.
Coailnhelro.
Na ra da Lapa n. 3 ha ura.corinhciro para casa
particular, o qual sabe fazeMSoqllC'-tai.jIe sua
oecupa^au.__________________
Desejase fallar, a negocio de seu particul
interesse, com a Sra. ". Alexam ria, mana do Sr.
Jos Antonio de Sonza Paes, de Paje de Plores :
declare por este Diario a sua residencia.
Precisase de urna ama d meia idade para
cozinhar em asa de pouca familia : na ra da Ro-
da, sobrado ca esquina, de um andar, cora vene-
zianas, por cima da taberna.
Cliegado pelo vapor:
A viVa, nihos e genrb do fallecido ma-'W % para o vigilante, ra do C'res-
jur Maxiiniano Francisco Duarte, convi- g? .o
dam a todos os prenles c amigos de sea 5 M que ehefM m muiu, j^M tmmh-
Ihas de todas as cores com um titinha de velludo
no centro, cousa muito elegante para enfeile, airo
como de outras quahdades, e presos muito razo.
veis s no vigilante, ra do Crespo, n. 7.
Para dar de aum*.
Chegarara as riquissimas booecas de todo m
lmannos, vestidnhos ricamenti enfeitado, cada
um em sua caixinba, propriameole para om d. h-
wm^mm-mmm
Pela subdelegada da Capunca foram apprb
hendidos um c.irneiro e urna ovclha : quera se
julgar com d.reito a elles, provando, serio entre- adolS, V'bntto'"w'. % no v.f
g"es-_____________________________________i te, ra do Crespo n. 7.
Luiz Horeira da Silva declara pelo presente, Pira s senWfs barbareis.
para sciencia do respeitavel publicle com espe- Chegou tempo a riquissma fita de chmate!*
cialidade do corpo do commercio, que vendeu ao para cartas dos senhores hachareis, assim como
Sr. Joaquim Luiz Ferreira Leal a sua Uberna da branca, lisa, propria para abrir letras, oa par
ra de Santa Cruz n. 7, livre e desembarazada. sinlos : sno vigilante, ra do Crespo n.' 7.
Pcilea de nurrafa.
Tambem chegaram os r(|ui>simos pmtes de
Recfe, 26 de dezembro de 1863.
p~ir.:r.-
RA DO IMPERADOR
Grana
N. 2!
tintas.
3--RIA ESTRBITA DO R0SARI0--3
Francisco Pinto Ozono contina a col-
locar denles artificiaos tanto por meio de
molas como pela pressao do ar, nao re-
cebe paga alguma sem que as obras nao
fiquem a vontade de seus donos, tem pos
e outras prepararles as mais acreditak^
para conservadlo da bocea.
Aldl UlEId.
Aloga-se o solirado de nii_*n11
e sotao, na na Vellia" n. I.'i, ct
coxeira c muito bous i-oiumo'fos o
lotlci'iia ; e vende se a moliilia de ja-
capiml fie nclle existe, cuja ias:i
ni ii i i o propria para alguma familia
que vcnlia de lora: a tratar la na
do Scho n. 24.
0 Dr. Cosme de S P reir-conti-
na a residir na ra da Cruz n. "53,
Io e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua prolis-
.so medica, e com e;.pecialidade
sobre o seguinte
Io molestias de ollios ;
2 de pe to:
3" dos orgios geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os loentes se-
S rao examinados na ordem de suas
entradas comecando o tra lallio pelos |
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d ?\
10 da manhaa, menos pos do- 1
mingos.
Pratiair toda e qualquer opera-
cao que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
rem os s(mls ttulos no es-
criptorio da praca do Corpo
Santo n. 17 (de Augusto F.
d'OliveiraJ afim de serem ve-
rificados.
r
tiK'i uo comprar por H
Ricas chapdinas de seda para senhora, muito
bem enlejiadas e do ultimo gosto: ua ra do
Queimado, loja n. 41.
mmmm mmmm
(Mg Troeam-se imagensdo Porto, escultura .jfes
^ em madeira, na loj?. de Joaquim Luiz dos &
ff Santos, ra de Crespo n. I. 3
Festa da Wenhora do Monte.
S. Bic. o Sr. D. abbade de S. enlo
deaccoirlo com o abaixo assignado tem
rr.i...lidu a fesla da Senliora do Monte
do da ,i\ do coi rtnu ,ueZ) p;t,.a \i ,je
Janeiro Hndoaro- Olinda, fa d 4#>.
I zembro de U65.
'I Manoel Luiz Viraos.
Alupa-se o armazem n. 4 da ra do Apollo, e
oterceiro indar da casa n. 88 di ra da Impera-
triz; na na da Aurora n. 36.
Mudanza de estabeleci-
mento.
Flix Venancio de Cantalice avisa aos seus nu-
merosos Ireguezes d'aqui da pri)vincia como de to-
va, que mudou seu estabelecimento de alfaiate da
ua do imperador, para a ra Nova n. 19, no qual
sta serapre prompto paracumprir cora qualquer
.racomenda tendente a sua arte.
Aluga-se o 2- andar do sobrado da ra do
mjKjrador o. 79, bastante fresco, e decente para
ma familia : a tratar cora Antonio Jos Rodrigues
- Souzana ra do Crespo n. l-'i
Pei-deii-so. na noite de 24 do correnle urna
jls-;ira de .raro, desde o largo do Pilar at o Cor-
' Santo : quem aehou e quizer restituir, diria-se
-uadn Pilar n. <(!. que ser gratiteado,
Preeisa-se aligar uma escrava para o servi-
ii!-ute externo de uma casa de fauu'Jia, pagan-
te I w.nsacs : a tratar na ra Jw Guarara-
'n. 18, serado de um andar.
-'- a (ua do Destino n. 10 precisa-se de uma
que saina emaprar e aodabr, para duas pes-
320
320
6M)
0 Dr. Carolino Francisco de Lima
tos, contina a residir na ra do Impe-
rador n. 17, 2 andar, onde pdc ser pro- |
curado a qualquer hora do dia e da noite
para o exercicio de sua profisso de me-
dico ; sendo que os chamados, depois de
meio dia at 4 horas da tarde, devera ser
deitados por escriplo. O referido Dr.
nao abandonando nunca o estudo das
molestias de interior, prosegue, com o
maior atrinco, no das mais difficeis e deli-
radas operacoes, como sejam dos orgaes
oui inarios, dos olhos, partos, etc.
Triado.
Precisa-sede nm criado : na nn do Queimado
-[ _".<35[5g n. .il. primeiro ambir.
Holcquc.
Procisa-se alugar um moleque di 11 1G annos
de idade : quem tiver, dirija-se i ra do Queima-|'
do n. :t, primeiro andar-
aS.n-|j
Precisa-se de urna ama para ominar e cozi-
nhar para casa de homem solteiro : na ra da Cruz
n. 17, terceiro andar.
- Precisa-se de urna ama livre que saiba cozi-
nhar. engominar e comprar, e que i.'idia boa con-
ducta para casa de pessoa solteir;. : na ra da
Senzala, sobrado amarello n. 124, rsimeiro andar.
Aluga-se un preto escravo, liom oflicial de
Este armazem conten tudo quanto
precise para qne a industria de pintura, de
qualuer enero que seja, desempenhe
sen lira, isto enibellezar, conservar c
reproduzir.
Montado em grande escala e supprido
directamente por grandes fabricas de Pa-
rs, Londres c I la ni hurgo, pode olTerecer
productos de ci.nlianca. e satisfazer qual-
pn'r enroinnienda grOBM trato c a re-
Ullio.
Os Srs. artistas pintores, e os doaos da
obras poderlo escolher vontade, poja
que tudo eatar i vista, as differentes co-
res de que tivereni n.'eessdade.
Ha tintas em massa e em p irapalpa-
vel. e ((lino as obras a envernizar s se
deve empregar untas muidas, e nao me-
recendo eoniiancaasquevem de tora para
w commercio, por velhas, e talvez f.ilsiliea-
f\ das, neste armazem se as moer avis-
ta do consiiiiiidnr, qne s assim lera tin-
tas frescas e verdadeiras.
Ha tambera ouro verdadeiro, verde em
p eera folh.'i, trata em follui. p debron-
zear de vari is cores, diamantes para cor-
tar vidros, Burniflorcs, ncar superfina en-
carnada, aniarella e verde, tintas vpge-
laes, azul, ron, verde e unareUa, nomn-
? iva-. nicas ipie se. devxiu eni|irei;ar as
confeitarias, collec^es de pinceis para
Bagir madeira, e raprepriedade, e eutros
de valias qualidades. vernizes. copal,
gnixa, branco ou escuro para o interior
e exterior, para etiquetas e quadros, tin-
tas linas em labes, em erayoes on pastel,
tollas pan ipiail1 is. caixas de tintas linas
e papel para desenlio.
Ksseneias anunaticas verdadeiras. Iras-
cos e vidros tara vidraca de todos OS tSv
manilos, e innilos OUtTOS ObjeCtOS, cuja
anlidade e en prego s cora a visla pod-
rio ser mostradas.
Joio Pedro das News.
Gerente.
COMPRAS.
TlP ^H pejrntiaii'lc '"*>= pentes de regae
para meninas, WelaS 88 Seas e sapatinbos |>mprisa
! para baptisados, meias de seda para senhora, fitas
; de laa para debrum, lita de linho, trancas de lia,
| de lnho e de seda, luvas de seda e pellica, a fiad
! Escocia e camurca, allinetes de cabera chala, ear-
teirinhas com todas as agulbas precisas iara cus-
tura, (velas de madreperola esmaltadas de ar
parasintes, dores de todas as qualidades, raixinbas
com pastilhas de pe fumaria, abafadares dr laa
para senliora. toncas e sapaiiiibos de laa. pulseiri-
nhas de Iwrracha para segurar manguintes. titr.e
cordes de borracha, sahnnctes redondos, ditos
, chamados de familia, pomadas de todas as qnali-
dades e dos fabricantes mais sfisudm, clcheles
pratiados muito linos, retrozde todasasqualulades,
r.-rroz em carretel e em novello, e de meada, ie
todas as cores, escovas para dent<. ditas para ron-
pa, ditas para chapeo e ditas pan unha, de todos
os preeos, e outros mais oUectas, que se tfimaria
enfadonho annunciar, e vista dos frcfueaes prc-
inette-se fazer todo o negocio: s no vigilante, roa
do Cespo n. 7.
I m chapeo nor-iOO rs.
S do Vigilante
Custodio Jos Alves GoilWiSS, tendo arremata-
do uma grande porcao de chapeos de sol san
ninas, e qucrendo"qiie sen frerurzes parlilbe de
tal pechincha, est os dando pela diminuta quantia
de 400 rs.: quem depilar de comprar mesmo pa-
ra as senhoras rerri ao banho cobertas di
S no Vigilante, ra do Crespo i. 7.
Un ha.
Tambem arremajH-wra gramte rrnnjw de Imha'
nieta ii nito fortem niassos de libra, M -. ven-
de peloTT.HJII.i.Miuo pn-rn le HIWI rs. .i,l-t^
no Vigilante, ra do Crin n. 7.
Bnfes.
Lindissimos botes para pininos tanto ira ho-
mem como para senhoras, pelo barato p**fa de
HO rs. o par : s no Vigilante, ra do Cresta,
n. 7.
Vende-se urna peouena tabi-rn. sita ea ra"
da Soledade n. 8 : quem pretender, dtrija-sa a
mesma.
XAROPE
deLABELONYE
l'liaitiiaieulico ta primeira tntt
i:m Parla.
Este medicamento empregado h,i tmk il
20 annos, com SOCCMOn ci>n-t.inti>s. pelos
vnt.
Compra-se una raobilia de Jacaranda : na
ra do Crespo n. 211 se dir quem trata.
-------^----------t7T-----------:..-------------------------melhores mdicos em touns <> Dar/e? rtm-
Na ra do Crespo n. lo, compra-se urna ma- ,,. ... ', '^*^
pedreiro, e garante-se a conduela ;ior ser muito chna com seus uenences .ara copiar cartas, em linils moleras do nranu,. (B kjfdrofmm*
conhecido ne.-ta pra^-a, e por prefe muito rasoa-)bomestado.__________________________ as affecroes rio peito, acaba de rao
- ve : quera quizer annuncic.------- ----------- ( Compram-se casas terreas bem construidas e' m n^\0 sufragio por nao ter por ora ap-
JZ fan^,la,,-l'"zn-10' segund, andar, preei* emboas mas: a trauma ra da Cadeia do Heci- parecido outro igual para curar infallivcl-
sa-sc de una ama para cozinhar e comprar, e ou- fe n. 49> sourado. men, I f """"
interno ira para o servi^j interno de uma casa de pouca, ---------:---------------------------------------------------- icnic iuur loQue-. lamiiia._____________________________| ^ u i i,-j Tv/ 7\ (\ caso inorgnicas, palpilacoes, hj
Precisa-se tomar 600*000 a premio de um el li\ II Ti 1 fL V111 /A 18eraes "u parciaes. hydi olliorax, asilimas
Do primeiro andar do sobrado n. 50 da ra
da Cruz Curiaran! no dia 29 do correnle um relo-
gio de ouro patente suisso n. 60197, descoberto
con as iniciaes M. A. M. S. entrelazadas, e mais
mu trancelim grosso de ouro rom passador com
pe Iras : roga-se. as autoridades policiaes e parii-
cu rmente aos senhores relojoeirosa apprehensao
***> re.Cendos objectos.
Niicleddc le seguros mutuos
ile vida ls( di ,,!, pe|0 {;,IU.0
i'nlfio ua cldatlc do Porto.
(s agentes nesta cidade e provincia Antonio
Luis de Oliveira Azevedo C escriptorio na ra
da Zrui do Recite b. 1, cstao autorisados desde j
a temar assignaturas e prestar todos os esclarec-
montos qne forera necessarios, as pessoas que de-
sejarem concorrer para tao til e benelica empre-
za, segurando um futuro lisongeiro aos associadws
Precisa-se de uma ama para e servico
de uma casa de pequea Camilia: na ra do i
raado n. :I2, primeiro anclar.__________________i precisa-se tomar 600*000 a premio de um e
Precisase alugar tima ama forra ou escrava rieio Por cento, dando-se por gara ta rana pro-
de meia idade, que tenlia boa conducta, e saiba co- priedade que rende mais de 1:0005 por anno:
zinhar e engommar bem : na ra das Cruzes n. Quera quizer dar annuncie.
36, primeiro andar. Paga-se bem. | Alexaudre Jos de Hollanda Cvalcanti, rao-
radorna cidade da Victoria, Caz publico que desta
data em diante se assignar Alexanc re Jos Mara
de Hollanda Cavalcanti.
MflSllGM
DENTISTA DE PARS
<9Ra Nova-19
Frederico Gautier, cirurgiao dentista,
Caz to loca denles artiliciaes, tudo com superio-
ridade e peifeieia, que as pessoas enten-
didas Ihe reconheci'in.
Tem agua e pos dentiflcio.
|chronicas. bronchites nervosas, e I
("ximpra-se uma escrava que seja boa cozinheira, chronicos, apliotiia (eMincco di \i. ,|c.
sadia e de boa tigura: na ra do Queimado n. 39, As gazelas medicas fallam calurosamente
sobre os efl'eilos preciosos do Hars* de
Gab neto medico cii urgico ra dos
Flores n. 37.
Compra-se um prelo de idade de 2o a .10 an- hibrloi/ye. queteic^hoje adnini i,lo n:n dos
nos, sem vicios: na ra do Cotoveiio n. 31._____i primeiros lugares no .]tiaJro dos m^.lica-
Compra-se una escrava que tenha habili- menlos os triis afamad )s e da tberai
dades e de boa conducta : na ra da Cadeia n. 33. ....i.,,,.,.., ~nmn n i,.u..nm '
-------------------------------.---------- universo, como o deca rain os celebres i
Compra-se urna mulalinha de 12 a 14 annos,' dicos fraucezes -Vnilr
---------------------- --..-- -------- ------------. unvrj II ,llll,C/.CS \ 11< I I I INI
ODr. Estevao Cavalcanti de Albuquerque d' sendo sadiae de bons costumes: na ra doLres-j r.1llf.ro.,, n.rn ,,,,.
insultas medico (irurgicas era seu gabinete das P. lo'a lb-______________________________in,^ u l'esru';,l('s
as II horas da manhaa e das 11 at as 3 horas i Compra-se elfectivamente ouro e prata em m,n,e' ai.irjoitn. 1 asquier.
consultas
8 s 11 horas da manhaa e das 11 at as 3 horas j Compra-se eueclivamente ouro e prata
' da tarde, os chamados deverao ser por escriplo e' obras velhas : na praca da Independencia n.
- Aluga-se por commodo preco a casa da ra
Impjnaln. 211 cora duas grandes salas, 7 quar-
tos, cozraha Cora, quintal e cacimba : a iratar na
pad; ria da ra Direita n. 84.
Casas para alugar.
Una loja e primeiro andar na ra das Cruzes,
uma casa terrea na ra da Alegra, um terceiro
andar e sotao ni ra do Encantamento : a tratar
com loiio Hibeiio Lopes, ra da Cadeia n. 33, loja.
Precisa-se alugar um preto captivo : na pa-
daria allemaa ao p da Cundicao.
- Aluga-se o primeiro andar do sobrado da i
ruado Crespo n. 23 : a tratar na loja.__________
- Antonio7se~Rortrigu:;s de Souza aluga a sua
dessa hora em diante dever ser procurado na ca-
sa de sua residencia no Chora-Menino.
1." Partos.
2 Molestias de pelle.
.1" dem dos olhos.
4. dem dos orgaos genitaes.
Praticar toda e qualquer operaco em seu ga-
22
loa de bilhetes.
pompram-se duas moradas de casas terreas
ue lenhan quintal, as ras de Hortas, pateo de
. Pedro e Perda : a tratar na ra de Hortas nu-
| mero 4.
Compram-se Diarios : na fabrica de cigar-
L!;,? m"161' ''I1 rrent0 ao 0,tii0 da bnete ou em casa dos doentes conforme Ihes fr ros no pateo da Penha n. (i, a 45 a arroba,
igreja de b. Pantaleao, com bastantes comraodos:: ma< conveniente
a tratar na thesourara das loteras, ra do Cres-
po n. lo.
Precisa-se de uma ama de leite : na ra das
Trincbeiras, sobrado n. 17.
Furto
1 pessoa que Um occultaa
f'i Esperanga, queira entre-
la quanto antes a seu se-
r. (U, contrario pr cederse-
om iodo o rigor da le.
Do engento) Tirana Curtaram a semana pas-
tada um quarto alasao, castrado de meio para
baixo. curto e bastante grosso, bem formado, fer-
rado i bem visi ral, porm ignora-se o ferro, sem
andares, apenas passo e bom galopador, muito ar-
digo passarinheiro, bastante carnudo e muito
mantedo : roga-se a qualquer pessoa que se iber,
dirija-^e ao terceiro andar da ruado Imperadorn.
44, que ser bem recompensado.
Os abaixo assignados, administradores da
Vro Tufillo.
Fugio no dia 27 de dezembro de 1863, da pada-
ria da ra Heal do Maiiguiuho, um escravo de no-
mo Balbino, o qual perteoce Sra. Tliereza Flo-
: rentina, na mesraa ra n. 23, cun 20 anuos de
idade, levou camisa de madapolao brf.nco, caira
; de ganga amarella, chapeo de pallia alvo, sapals
|em raoestado, altura regular, pega-lbe a falla al-
guma colisa, e desconlla-se andar para as bandas
VENDAS.
Pianos novos.
Os melhores que tem vindo a esta prac,a fabrica- j Villeietive "lO
dos de encommenda por um dos melhores fabri- ,. ... '.'
tica
me-
pai a IIm. H.OII-
Fou.pii. i. i, -
Rosian, Rous-
seau, Dateberge, l'armantier. Puche, Thcc-
.tim, Vidal (de Poiers). etc.. e outros h-
cuitaticos dos mais celebres.
Vende-se em gaivalinhas de vidro verde,
tra/.endo um rotulo, fui do cor de violeta
clara, jaspeado, no qual sobresane o nome
Lahelonye, o gargalo da garrafa traz uma
lira azul jaspeada, com a fuma de Labe-
lonye, e a ralba cobei la com uma capsula
de metal branco com a inset iprao Sirop
dr Digilitak de Labeknye, pharmaci.'ii
Pars.
Deposito geral: em Parle, ra Bourbon-
cantes de Pars, especialmente para este clima:! ^m Pernambtico.na casa de Caors & Bar-
quera quizer aproveitar a occasiao de raunir-se de baos na rita da Cruz n. .
i" um exccllente piano por preco commodo dirija-se I
ra Nova n. 10 primeiro andar.
Aos srnhorcK iuuili-iros.
Na caldeirana da ra do Itrura n. M). de Villa-
OKI encabellande a marra q>ie Ihe fez a coleira,
anda muito bem de baixo a meio; o outro gran- L-TI pessoaqueairauneou querer a quantia de ja, Irmao \ ('.., vende-se por preco razoavel far-
de e est um poUco magro, tem uma estrella na m^ :i l"'e'"'0 dirija-se ama da Paz n. 38. lamenta completa para funileir), como tesoiiras.
testa, as dinas aparadas, e os dous ossos da anca: Manuel de Souza Cordeiro Simos avisa aos lernas, etc., de
saliestcs ou esporados : recompensase bem a pais de seus alumnos que no dia 10 d.> correnle Europa,
quem der nobcia dos mesinos na ra da Cadeia do Janeiro abre a sus a da particular continuar os
exercieios de seu magisterio de instrueco prima-
ran dos melhores eutileiros da
f-)jj|MJfl.ti^Kil
m-
Precisa-se de um bom cosinheiro e de uma
ema que saiba engommar e lavar : tratar no
sobrado n. .12, da ra da A u ro a.
- Precisa-se de una ama livre ou escrava, que
seja boa engommadeira e se preste a todo o -ervi-
massa fallida de amargo & Silva,autorisados pelo K" ^ nma ,,;lsa de familia, excepto o de cozinlia:
lllm. S-. juiz do commercio, encarregaram ao Sr. na "'a estreila do llosario n II, terceiro andar.
Manoel Fernandcs da Silva para promover a co-
Uanga das dividas da mesma massa, enasta data
Ihe lizcram entrefa dos livros e documentos que
exstiam pertencentes mesma massa fallida. Ite-
cife 81 Je dezembro de 1803.
_______________________Linden Wild A C.
P'eciga-se de 2:3005 a premia, dando-*; by-
na, na ra travessa los ExpostOS, casa n. 16 ; o
tambera ao respeitavel publico, que contina ad-
mittir alumnos externos e internos.
O abaixo assignado autorisado pelos senhore
Nla ------ administradores da missa fallida de Camargo &
"".",,. tyi",",'ll,lll;l precisa-se fallar ao Silva para receber as dividas pertencenles mesma
Sr. PredetICO Skiner escultor, massa, Caz sciente a todos os devedores ;i
potlie>:a em uma asa
para e procurado.
quem quizer annuncie
O administrador da casa de bandos do pateo
do Carino roga s pessoas que possuem amigos
cartdes. hajam do ir trocar por novos at o da 31
deste mez; tirando inutilisailos se o nao lizerem.
Precisa-se alugar mi!
ra do Rangel n. 9.
;uc tem
marcado at o dia 30 do correnle mez, para ami-
gavelmente Ihe virem pagar, e lindo este praso nli
ter remedio seno err.precar os meos judiciaes
para aquelles ipie a stivoohrigareiu ; sua residen-
cia, na ra das Flores n. 2.*. Recite 2 de Janeiro
preto eozlnhelro : naide I8(!.
Manoel Fernandcs da Silva.
Rol. para carrosa.
Vende-se um bonito boi de carrosa, bas-
tante gordo e grande, proprio para carro-
ja : a tratar na ra Nova n. 39, primeiro
andar.
Vcii'tem-se btalas hollaiulezas,
em ajfjjuaj de mais do, arrolla; le anna-
/i'iit do \Mies, (JeiVonii' da alfiiile^a.
Vende-se a taberna na rua do Aragao n. 36,
hora negocio para um principiante por ter poucos
fundos e estar hem aCreguezada, lauto para a tor-
ra cuno para o malo; o tambem se Caz negocio
s com a armacao.
\o armazem de fazendaa bara-
ta de Mantos (ocliio
RUA DO QI;EIMAD0 N. 19 VENDE-SE OSE-
GUINTB :
Esleir da India
propria para forro de sala, de i, o e 6 palmos da
largura, [K>r menos preco do que em outra Qual-
quer parte. H
l.cnnies
de panno de linho pelo barato preco de 2J00O.
Lences
de bramante le linho lino d' um s panno oe lo
barato precede 35CHKL '
Golleras le rliila da Iii-Iia
pelo barate pn co de 25000.
liraiiiaute de lirho
com des palmos de largura, pelo l..ran-siiiHi pre-
co de 23O0 a vara.
Ilrelanha le rulo
Pecas de bretanha de roto, propria para saia,
com 10 varas, pelo baratissimo preco de .{000.
Peen do ramhraia
adamascada com 20 varas, propria para coi tinado
de cama, pelo baratissimo prego de lom.o.
Pecas ilc ramlii ,i;i
de lalpkos, com 8 1,2 varas, fazenda superior
pelo baratissimo preco de t.


Islario de Peruaiubuco --- afiliado de lancho de 18(1-1.

\
PerLimarias dos mais afamados
Oleo c hanhas, para cabello.
Sabonetes inissimos.
Ditos inf.T or.
Agua para limpar deutes.
Pos.
Agua de colonia.
Cheiros para lencos e gavetas.
7 RA DA IMPERATRIZ 7
\oviiiviikn \4>vuaih:s
Madama viuva Lecomte tem a honra de participar ao respeitavel publico que acaba de reecber
pelo ultimo vapor franre um grande sortimento de objectos de porcelana, crystal, tartaruga, mudre-
porolas, bromes, marfim etc., assim como um rico scutimento de alnetes de |*to e livelas para cin-
tos quer de madeira, quer de metal novos modelos. (
Cintas para seiihortis o meninas.
Lindas cunta* decouro o velludo enfeitadas com a competente bolsa, tal e qual est so usando
em Paris, ligas de seda para senhora, riquissimas ramullas para presente de fesla com prepares
de costura ou sem ella, de tartaruga, madreperolas, mai roquim, etc.. capellas brancas e para noivas
de flores do laranja.
Finsimos chicotes com cartas de martim, sndalo, etc., para bonicos e senhoras.
Perfumaran.
fabricantes de Londre; e de Paris.
Pos de ai ro para refrescar.
Escovas >ara denles e cabello.
Ditas paia limpar pentes.
Pentes d Ditos de bfalo dito.
Sus|iensc rios para lion.em.
Espelhos grandes e pequeos.
Aua para tingir cabello de todos os fabricantes.
.Na mesma rasa contina-se a fazer cabelleiras, Unto para homem como para senhora, assim
como qualquer cabello suppesu. ,
Coria-ee cabello e frisa-se por 300 rs.
Leite anthepelico.
Apnrovado pelas academias di' medicina de Paris c Londres.
EsU leite cura em poucos das as sardas, ephelides, n anchas de gravidez, tez qtieimada. no-
doas, cravus, borbulhas. bortoejas, espinhos, etc., como consta do livnnho que o acompanba, cada Iras-
co tem um livro que indica o modo de applicar o leite anteplielico.
O uuico deposito na casa de madama viuva Lccointe.
7 RA DA 1MPEK VTRIZ 7
"CHEGAIiAM
Os lindos chapeas de palha de Italia enfeilados com muito gosto acompanhados do competente
veo de seda copa alta a Canotier para senhora : a loja das columnas ra do Crespo n. 13, de Antonio
Correia de Vasconcellos d C
&j^ms mmssm mmmmm mmmm mmmsmm
i FAZENDAS BARATAS |
1 9RA RO QUE|]ff ADIH-99 *
M Custodio, Carvnlho & C.
Finas cambraias organdys indianas pelo baratissimo preco de 300 rs. o covado c)u |
)Kl 300 rs. a vara.
a-ando soil IhumiIo
| dos mais finos bales de arcos para senhora e pelo barat preco de 3'S cada um, ditos de ma-
dapolao para meninas a iV500.
\ovl Ufe* Os mais lindos e mais finos o modernos cortes de 15a com ricas barras, tendo cada corte
SU JO covados e pelo baratissimo preco de 205.
Fil de linho vara a 500 rs.
Mdenlas laazinhas para vestido o covado a 4i0 rs.
wmmwmmmtmmmt
LIQIDACAO
de fazendas e ronpas feitas, por prcc.os baratissimo; : na ra do Crespo n. 1.
mmnum
^..v, o.. iwA-iK-iati! rtr- ynn prorrn oncoinnienda pek> br<,'ue
rhej>ado ltimamente de Lisboa os seguintes gneros todos de pri-
Si. Duarto chefe de nossa casa
CALCADO.
45 Ra Direita 45
Anroveltcni em quauto feuipo!
Borzeguins francezes de lustre pa-
ra homem................. 5)9000
Borzeguins francezes de cores pa-
ra meninas................ 25000
Borzeguins francezes pretos para
meninas.................. 25500
Sapatos de lustre para senhora.. I #000
Sapatos de lustre s avessas..... 500
l'cde-se toda aKeiko.
Custodio Jos Alves Cuimaraes, dono da loja in-
titulada Gallo Vigilante, ra do Crespo n. 7, avisa
aos seus numerosos freguezes e ao respeitavel pn
blico, que tendo de reformar no fin deste anno seu
osiabelecimento, cquerendo liquidar grande quan-
lidade de diversos objectos, esta rosolvldo a vender
tudo por precos baratissiinos, como sejam:
Pecas com io varas de franjas de linho a 3.
Ditas com i-") varas de galio de linho a :t.
Laa sortida para bordar, libra a 4.
Finco de cores sortidos, petja a IGO rs.
Manguitos para senhora, o par 800 rs.
Golinhas de bonitos gostos a 400, .'00 e_i:
Salvas de meta! principe a 1*500, 8* 1#500.
Dita- ruin copos de metal proprio para meninos a
15400.
Facas e partos para sobre-mesa a ty a duzia.
Ditas e ditos dila com cabo de marfim a (<&.
Bandejas de todos os tamaitos muito linas a I.
I300, I $400, 15600, 25500, .'15500 e 55-
Ditas redondas para copo de 500 rs. para 25800.
Tesouras em carteiras, a duzia a 500 rs., 640 e
i 800 rs.
Peitos para camisas, a duzia a 25-
fiWJMnhas bordadas para senhora a 15500 e 25-
Chapelinas para senhora a 35-
Hilas para lucilina a 25.
Chapeozinho para meninas de escola ou passeio a
! 25 e 35-
Flores francezas, caixos grandes, a 600 rs.
I Lavas de seda com pequeo toque de mofo a 300
rs. o par.
Toucas de laa para meninos a 500 rs., fil a 500 e
600 rs., de seda a 8(H) rs.
Sapatinhos de merino a 800 rs., e de laa a 500 rs.
Bolsinhas de missauga para meninas de escola a
800 rs.
Botes dourados para punho a 200 rs. o par.
Tinteiros de metal a 320 rs.
Trancelins para i-elogio a 100 rs.
Ditos de fita chamalote a 200 rs.
Escrivaninhas de metal a 35500.
Collieres de metal para cha a 200 rs. a duzia.
{ Ditas de dito para sopa a 25 a duzia.
Bnties de duraque pretos a 400 rs. a groza.
Cartas liespanliolas para jogos a 15200 a duzia.
Casi caes brancos e amarellos de metal a 15-
Carteiras para algibeira a 500, 600. 800 c 15-
Sabonetes muito finos a 15*00,15600 e 25 a duzia.
Fivelas para calca a 300 rs. a duzia.
Hotes de ac para calca a 320 a groza.
Caixinhas comalfmetes,grampos e eolebetes a 320,
400 e 500 rs.
Filas de borracha pretas e de cor a 120 e 160 rs.
a vara.
. Latas com dous massos Je agulhas por 800 rs.
Brincos de aljofares a haliio a 320 o par.
Alfinetes relos e de cores com pedrinhas a 200 rs.
e 320.
Camisas para homem feitas em Lisboa a 25.
Fitas de velludo lisas e lavradas a 800, 1.5. 15300
2Jle 35 peca.
Ditas pata sinte'iro a 300 o 400 rs. a vara.
Caixinhas para co-iura de senhora a 15300,25.
3,4, 3 e 65.
Compoteiras de vidro com pratos de metal a 35 e
43000.
Franja de laa para debrunhar tapetes a 25 a peca.
Palitos de fogo, prova d'agua, a 15 a groza ou 120
rs. a duzia.
Assim como tem grnete sortimento de muitos
mais oDjeclos que se tornara enfadonho mencio-
na-los, que ludo se vender muito barato para li-
quidar : na ruado Crespo n. 7, e roa do Impera-
dor n. 59, junto ao passo, e casa da liquidacao.
UNIAO
MERCANTE
RA Di CADEIA DO REiFE M. 53.
NOVO 12
RA DA CADEIA DO REGTFE \. 53.
Francisco Fcrnandes Duatte ticaba de abrir na ra da Cadeia do Recifen. ty.\, um grande e sortiJo armazem de molliados de-
nominado i'nio Mercantil. Neste grande armazem encontrar sempre o respeitavel publico um completo sortimenlo dos mellares
gneros que vem ao mercado, tanto e^rangeiros, como nacionaes, os quaes serao vendidos em porces ou a lelalho por pre0N asi^
commddos.
Manleiga ingleza especialmente escolhida Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e Sardinhas deNanlesa340 rs. oquartoe 30O
de primeira qualidade a 800 rs. a libra, 15200 a caada. rs. meia lata.
em barril se faz abatimento. Azeite doce refinado em garrafas brancas a Lalas com peixe em posta : savcl, corvina.
Manteiga fi anceza a mais superior do mer-1 800 rs. | vezugo, cherne, linguado, lifoilinlM. ..
cado a 500 rs. a libra, e 520 rs. em barril Azeite doce de Lisboa a 6i0 rs. a garrafa e. 15300 rs.
ou meio. 458O0 a caada. Salmoem lalas, preparado [jola nova arte
Prezunlosinglezesparafiambre.de superior Genebra de Hollanda a 500 rs. o frasco e
qualidade, chegades nesle ultimo vapor, a 5^800 a frasqueira.
720 rs. a libra. Caixinhas com ameixas francezas, ornadas
Queijos llamengos cliegados neste ultimo Com ricas estampas na caixa exterior,
muitopropriasparamirao.a 1)520 13500
e25.
Frasco de vidro com tampn do mesmo, con-
tendo meia libra de amtixas francezas, a Bolaxinha ingleza a 320 rs
1)5200. barrica.
vapor a 2-30OO.
Queijo pralo muilo fresco
a libra.
Castanhas muito novas a 120 rs.
c 3)5000 a arroba.
e novo a C10 rs.
a libra e
-
Floriwfa,
meira qualidade por seren escolhidos pelo
'^ ltimamente chegado daquella praga.
v^'
Verdadeiro viniio collares emaocore-
retas de 9 caadas a 50,000 e 800
rs. a garrafa.
Vinho branco li a- Fllhos, embarrisde
iptinto a 00,000 e 500 rs. a gar-
rafa.
Vinagro P H R. em ancoretas de fl ca-
naiia.s a 18,000 e 2,000 rs. a ca-
ada.
I'i-as era caixas, meias c quartas a
8,000 4.00D e 2,000, a 80 a libra.
,.<-, Per seceos em caixas dequatroli-
bras o raelhor que se pode desojar
a 2,500, e 010 rs.a libra.
(aixinhas de 4 libras e 2 com ameixas
a 1.500 e 2,500 rs. a caixinha.
Chocolate poituguez, o melhor que
pode haver de boni neste genero a
1,000 rs. a libra.

'/

o:.
t;v-
./,.. Marmclada propriamente dito de mar-
mello, a 640 rs. a lata e em caixas
<-'/^ de 100 latas a 000 rs.
.Maca d' tomates a mais nova que se
'PQt pode desejar a 040 rs. a lata e em
caixa de 100 libras a 000 rs.
a 700 rs. a lata,
o em uuaa uc mu libras a 640 rs.
'^: Passas corinthias para pudim a 640
rs, a libras, e 400 rs. comprando de
arroba para cima.
Nozes a? msis novas que. se pode de-
sejar a 100 rs. a libra, e comprando
em barricas a 1,300 re. a arroba.
Sebolbs em cabras as mais novas do
mercado a 6,900 re. a caixa, a 800
rs. 0 niollio. e a 040 rs. o corito.
Batatas -m caixas de 2 arrobas muito
novas i! grandes a 2.400 rs. a caixa.
N'xiinlnscom figos proprias pan lui-
mos d 5 eriancas a 00 rs. cada una
c comprando em duzia lord grande
abatimento.
Erva dece muito novas a 500 rs. a li-
bra, e comprando em arroba a
10,000 i s.
Cominbos muito novos a 400 rs. a li-
bra e 10,002 a arroba.
Licores portugoezes das marcas mais
0 Perfene da Moda.
Cb uxin o melhor
mandado vir de conla propria a 25800
rs. a libra.
Cha byson muito superior a 25560 rs. a li-
bra ; cb hyson proprio para negocio a
15500 rs. a libra.
Cha preto muito superior a 25 a libra.
Biscoutos ingiezes em lalas com differenles
qualidades, como sejam craknel, victoria,
piquelez, soda, captain, seed, bornez e
outras militas marcas a 15350.
Bolachinha de soda em latas grandes a 25.
Figos em caixinhas hermticamente lacra-
das, muilo proprias para mimo a 1550O.
Caixinhas de 4 e 8 libras de figos de coma-
dre a 15 e 25 cada urna.
Passas muilo novas, chegadas neste ultimo
vapor a 500 rs. a libra e 35 um quarlo ;
e em caixa se faz abatimento.
Amebas francezas em latas de meia a 3 li-
bras a 800 re.
Champagne da marca mais superior que
tem vindo ao nosso mercado a 185ogigo,
garanle-se a superior qualidade.
Vinho Bordeaux das melliores qualidades
que se pode desojar de 75500 a 85000 a
caixa e 70 a 800 rs. a garrafa.
Caixas com vinho do Porlo superior de 95
a 105 a duzia, e 900 a 15 a garrafa; deste
genero ha grande porco e de differentes
marcas acreditadas que j se venderam
por 148 e 155 a caixa, como sejam: Duque
do Porlo, Lagrimas do Douro, D. Lniz,
Cambes, Madeira secco, Carcavellos, Nc-
tar de 1833, Du,que Genuino.
Vinho de pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
de co/.inha, a 800 rs.
Mar de tmales em latas de 1 libra a 600
ris.
Chouricasc paiosetn latas de 8 e meia
por 75.
Toucinho de Lisboa a 320 rs. a li!,ra e
85600 a arroba.
a libra c a
que ha neste genero^ Marmclada iIT1pei-ial, do.; melhores conser- Sag muilo novo a 2i0irs. a libra.
veiros de Lisboa, em latas de 1 e meia a Cevadinha de r ranea a 200 rs. a libra.
2 libras a (500 rs a libra ranuba do Maranhao a 120 rs. a libra.
Fruclas em calda das melliores qualidades' rarula verdadeira a 320 rs a libra
qoe ha em Portugal em lalas hermtica- cfada a | JJ rs- a 'hra e .'5 a arruta.
menle lacradas a 500 rs. AIPlila a ,0() a l,hra 4 ,v''' -
Peras seccas muito novas a'fiiO rs. a libra., Batatas muito novas em ateos Com 10 libra<
Nozes muito novas a 160 rs. a libra. L P0,'! ** e, a W n- ,,bra- lli/v
Amendoasde casca mulle a 400 rs. a libra. Cebollas a 15 o molho com mais de lOOca-
Avelaas muito novas a 200 rs a libra. | "a um-
Ametidoas confeitadas de diversas cresalCaf1laV3doJ1Be Primcira qWadei 300 rs
800 rs. a libra. L f" Ha arr,lba- JO
Mai aas e peras chegadas neste ultimo vapor, Ca e do S. f0PW -s r< '-
muito perfeitas, s a vista se faz o preco.
Conservas inglezas em frascos grandes a 750
rs. cada um.
Ervhas francezas e portuguezas em latas de
1 libra a 040 rs.
Ervilhas seccas muito novas a 160 rs. a
libra.
Chocolale francs, o que ha de melhor neste
genero, a 15200 a libra.
Chocolate hespanbol a 15200 a libra.
Genebra de laranja em frascos grandes a 19.
Cerveja branca e prela das melliores marcas
que ha no metcado a 500 rs. a garrafa e
5*800 a duzia.
bra e 85400 a arroba.
Caf do Rio, proprio para negocio, a 85.
Arroz do .Maranhao a 100 rs a libra e ?58CO
a arroba.
Arroz de Java a 80 rs. a libra c 2400 a
arroba.
Vellas de spermaceti a 560 rs. a libra e a
540 rs. se for em caixa.
Vellas de carnauba refinada a 320 rs. o mas-
so e a 95 a arroba.
Doce de goiaba a 640 rs. o eaixao.
Macarrio, lalharim e aietria a i80 i
bra ; em caixa se faz abatimtnlo.
Eslrellinha.pevide earroz demassa pal a .-opa
a 400 rs. a libra e 2 a caixa com ti
gn?*r.g rUpCr'0r qua"aade a 80 i Palitos de dente lixados com flor
e 10-uoagrrala. o masso, ditos lixadossem flor a ICO rs.
Licores francezes das seguinles qualidades : \ 0 masso com 20 massinbos.
Anizete de Bordeaux, Plaisir des Dames Gomma de engommar muilo fina a 8rs. a
15a
garrafa
libra.
'- Ai

'.:*-rJXS'.\-S-.
AGUA FLORIDA
Do Murray ti; Lamiian.
...wr.lUo^.vo ..co ...... u.i ........ sr.N
acrediladas de Lisboa a 1,000 agar- ^^
rafa e 10 a 12,000 a duzia, as quali-
dados san as seguinles : crome de
violetal, geroflea, rosa, absintho, ves-
peiro, amor pe -fe i lo, amendoa amar-
ga, pe'cicot deturin, botelin, moran-
gOB. li nao, caf, laranja, cidra, gin-
a, 1 a ella, a%avo, orlelfia, pimenta _
o outr is muitos de qualidades menos Si-
superior que serao vendidos por pre-
COS em relaeao as suas
des.
Os pro|)riotarios afiancam que estes gneros sao muito novos e ludo ges
de primeira qualidade, tudo isto se vende un earacnte no armazem Unin e
Commercio na ra do Queimado n. 7, e largo do Carmo n. 9 armazem pro- >
x-3 caixa de w libras
''^ Ervilha portugueza
M^ eem caixa de 100
qualida-
gressivo.
Qurijos
do alemtejo, das ilhas e llamengos, lodos chegados neste ultimo vapor, a
''/jf, 2,5 f$S te no armazem Unio c Gommenio, ra do Queimodo n. 7 e largo do Car-
^M mo armazem progressivo.
C**.'** Liboa
chogada ullimanm.- na ra do Vigario n. 19,
primeirc andar.
"FARIHA fontana.
Familia da muilo acre-lita a marea
Fontana ocscmbaica'la hoje, vende-se.
por preco mais commoto do que em
qualqici* outra pacte : na ra da Cruz
11. 4 casa de IV. 0. Bieker & C. succes-
sores.__________________________
Fardo c mi I lio.
No ai: nazein da aurora brilliante, largo da San-
ta Cruz n. 84, ha imcm 0MB milho da torra a
31800, > laido a l|800, IJ B 13500, farinia a
j vaiiix) o :3.___________________________
\o/es e bal atas.
Vend m-se saceos rom oitc libras do nozes pelo
barato preco do IStiOO, e caixas com una arroba
de batatas por 800 rs., nada mais barato vista da
boa qualidade : ni rua da Madre de Oeos as. oc'J.
Cal de Lisboa c potassa da
Itnssla.
Vendvse na rua da Cadeia do Hecife n. 26, para
onde se mudou o antigo e arredilado deposito da
mesan rua n. 12, arabos os genera sao novos e
legtimos, o. se vendem a preco mais barato do que
iir.i (|ualiuier parte. ,
En casa de Mills Latham C, na rua d- j
Cruz n. .18, vende se ferro galvanisado de um doa
melhori-s fabricantes ingiezes, proprio para cobers
tas de c asas.
I'.^'.i' raro auno delicado perfume
qnaai (pie iiiextinguivel e le eheio du
mimoea fragrancia e frescura como p
delicado cliciro das proprias verdecen-
I flore?. Durante os meses caloren-
tos do vero o sen uzo torna-se iinine :-
teniente aprazivel c deeejavel co c
eepiencia da influencia rofrigirauta e
fciiave (pie ella produz sobre a pelle:
em qnanto po onda no banbo elbi
imparto eorpo lnguido e canea'
nina certa elasticidade de vigor e forca.
/:'//./ ivijpartt transparencia tu/fes,
c rtmove panno, tarda e le rtoejas d
titlblt U pelU'.
C\L HE MSIIOI
Ve 11 den 1-so barrls coui cal des-
taprocedencia, em podra, chega-
da boje, e nica nova, que ha no
morcado, ua rua do Trapiche n.
13, armazem de Hanoel Telxel-
ra Basto.______________________
ATTEM^40,
\o deposito de louea da fabrica rio Bar-
Iffllho, rua do Imperador I. 41.
30 0|O menes do que em outra qualquer parte,
'ouraCidrada de todas as qualidades, e tao boa
eon o a que vem do estiangeno e mais barata.
~ Vemle-sc farello de Lisboa, cal lti-
mamente, chegada e carvo animal: na rua
do Vigario n. 19, primeiro andar._______
- Vndese, a armario dodepoMlo da rua Nova
n. "i8 rom gneros ou sem el les, a vontade do com-
prador.________________________
- Vende-se na cidade de (Miada I rasa no Va-
radouro com cacimba e Mtao, quintal murado e
- proprio, I ditana rua do Carino, com pe-
qeno sitio, I dita nos Quatro Canlos, com taber-
na, S ditas na rua de Bailo, tudo proprio, I escra-
v 1 ruin 111 arnos I negra rom II 12 annos, I
sitio na estrada Nova rom baixa de capim, 1_ta-
berna e os pertences dn urna peipmna refinacao :
a ti atar na mesma taberna, rua de Malinas Ver-
reira n. I, oo. na ladeira de S. Pedro com o Sr.
Luiz Jos Pinto da Costa.
0 TOMO ORItvYHl DE KEHP
PARA OS CABELLOS,
E una preparacao adoiiravel para lim-
par, afonnoeear, conservar e restabele-
cec oa i-abellos.
venda as boticas de Caors A Barboza,
rua da Cruz, e Joao da C. Bravo 4 C, rua
da Madre de Dos.
/Jotica c armazem de
drogas
Rua do Cabug n. II.
DE
Juaquim Uarlinlio da Ciuz Corrria.
Vende-se o seguate :
Salsa parrilha de llii-lol.
Pastilhas assuearadu de Kemp.
l'asiiiiias vermfugas de Kemp.
Klixir de citro lclalo de ferro do Dr. Inermes.
Itob da l.afecteur.
Xarope depurativo d'odorelo de ferro de Guy.
Xaropepeitoral sedativo de (uy.
l'astilbas peiloraes lial.aniicas de Cuy.
Filulas da vida.
llurel franciscano (meselado) para imagens.
Injeeeao llruw.
Karope de citralo de ferro de Cliable.
Pilulas conli a Besfies.
Salsa parrilha de Sands.
Extracto Huido de Balsa parrilha de Ilailys.
Xarope alcoolico de vellamc.
Alui destas drogas ha runstantemente um rom-
pido soriimi'iilo ile tintas, vcrniz, 011ro para dou-
rar, preparados chinacos e pharmaceutiees que se
vendem por eoinnimlos precos.
e de outras militas marcas a
e 10(5 a caixa.
Marrasquino de Zara a 800 rs. a garrafa e
9(J a duzia.
400,480 e 5f0 rs. a garrafa, e 3$, 3^00 Moslarda ingleza em poles j preparada a
e 3^500 a caada. 400 rs.
vinho beanen >1p superior oiialidade. vindo Moslarda ingleza cm p, em frascos grandes, Presuntos do reino, viudos de conla pi
j engarrafado a OiO rs. agarrafa e a 500 a lacada um. de casa particular, a 400 rs. a libra:
rs. de barril. Sal refinado a 500 rs. 0 pote. ro se faz abatimento.
2\
Banba de porco refinada a 480 rs.
400 rs. em barril pequeo.
Charutos dos melhores fabricantes de S. IV-
lix, em caixas inteiras ou un mi
15(500, 2d e 30.

Os scnliores que comprarem de 100#000 para cima, tero o descont de 5 por cento, pelo prompto pagamento.
FAZENDAS DE 30M GOSTG
Sii|>eriore> cortes de teda de cor a 50,5, 60$, 70; 05,005 e 100J cada corte, os mais modernos que tem viada a Pernamlmco.
Ditos de inoreantiquc de cores c pretos.
Lindas sedas de cores a 2^200 rs. o covado.
Ditas de ditas de quadrinlios a 15 e a 15200.
Moreantique carinczim cor da moda a 15200 o covado.
Superiores cortes de blondo para noivas.
Lindos rrles de crep de llespanaa com barra de cores as mis lindas que se pode desejar.
Corles de laa com barra de cor.
Ditos de laa com barra aqnille.
Lindos cortes de grinadine de seda com barra de gostos inteiramente novos.
Linda fazenda pora vestidos denominada crep de Hespanha de cores mui lindas.
Superiores laasde cores maiisadas.
Grande e variado sortimento de percales de cores para vestidos.
Dito de chitas francezas muito linas escuras, claras e matisadas.
Lindas caiilinetas para vestido, gostos inteiramente novos.
Superiores curtes de cambraia brancos bordados e entras umitas fazendas de bom gosto para vestido de senhora
Para hombros de senhoras.
Superiores capa; pretas a 205, 255, 305, 405 e 505.
Santiembarques de cambraia ricamente enfeitados.
Ditos decachcm ra de cores e brancos enfeitados com muilo gosto.
Lindas capas de caximira de cores as mais modernas que tem vindo a esta praca.
Superiores zuavos de cambraia e de seda preta.
Lindos postilhoes de merino de cores.
Grande e variado sortimento de camisinhas bordadas
dem de chales de merino lisos de barra estampadas de quadros e de crep a 15500, 55. *>5, 75,85, 05 8 105-
Para cabega de senhora.
Superiores chapelinas de palha de Italia.
Lindos chapeos Je palha de Italia enfeitados com muito gosto e grande variedade para escollier a 125,145 e 1G5-
Modernos enfeil M de llores chegados no ultimo vapor francez.
Variado sortimento de enfeites denominados conservadores para eabeca.
Bordados.
Grande sorlimento de ntremelos bordados a 15,15200 e 15500 a peca.
Lindas tiras bordadas largas a 25, ;t5e*5 a peca.
Calcas bordadas muito linas para senhora.
Superiores e niedernas saias bordadas.
Espariilhos superiores e outras muitas fazendas de costo na loja das columnas rua do Crespo n. 13, de Antonio (". rreia de Vasconc !l
Peohincha sem igual.
Na mesma loja lias columnas vende.se cortes de cambraia oryandvs de barra do duas saias e de baados malisados com li a 16 varas
corte a 05, 85, 105 e 125 o corte.
ad.\
AGENCIA
DA
FUNDICO DE LOW-MOC-R.
lina da Srii/alla nova n. 12.
Neste estabeleciiaento contina a haver
um completo soi tinento de moendas o meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro balido e coado, de todos os
tamanhos para dito?.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston C,
rua da Senzalla Nova n. 42.
F4ZEMWS
Na rua do Queimado n. 12. loja, vende-se
orna escravade 10 18 annos rom urna cria mu-
latinlia.____________________________________
Laji" Vende-se umaporeaode lagedode Lisboa, anda
a bordo do navio: a tratar com K. R. Habello, rua
da Cadeia n. 85, primeiro andar.
haralas |ai-a acallar.
Sedas de (piadios e Je listras a 330 rs. o cova-
do, lindas lias de qtia'lrinlios a 300 o covndo, su-
penores cassas de cores a 200 rs. o covado, ditas
muilo linas a 210 o eovad* : na loja das CO nmnas,
na rua do Crespn. 13. de Antonio Correia de Vas-
ronrollos & C.____________________
Kua da Senzalla n "2.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston & C,
sellins e silhes ingiezes, candieiros a casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio devela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavallos, e relogios de
ouro patente mglez.
yenda de urna hypotheca.
Os liquidalarios da niassa fallida de
Jos Aiilonio Haslo vendem a livpolhc-
ea que tem nos en^eulios Hblto (resso
e Cajaliuss no lermo de Serinheiu no
valor de 31:83H$911 i*s.; tratar as
casas a rua do Trapiche 11..3-1.
Kua da Senzalla iNova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a 110 rs., idem de Low
Moor libra a ll0 rs.__________________
Knfeitfs pura raliri'-.
Sao dictados os mais ricos e delicados enfeites
para rabera, ipie nao havera nina s senhora i| le
nao liijue enramada do lindo posto que produt es
enfeites, pois foi urna pequea poreo que veio de
encomnienila s para o vigilante, rua do Crespo
n. 7, pois a vista faz. fe.
Fitas.
Tambem acharan um grande sortimento das lilas
mais ricas do mercado, e de lodas as larguras : s
no vigilaqie, rua do Crespo n. 7.
Vende-se a taberna da rua de s. Jos n. 2. bem
afregnezada para a tena : a tratar na mesma e
faz-se toda vantagem ao comprador por sea dono
ter necessidade de ie!irar-se para fra.
Custodio Carvallo) Compa-
nhia.
J-Riia do <|iiciniado -9 9.
Novas laazintui esoossezas muito
da encornada, propria para vestidos de senhora e
rrianrinlias, pelo barato preco de HO
vado.
Meias do Porto.
Vendeni-se na loja de ferrafiis da rua '.Ca-
deia Vriiia n. 44, meias de linho e
algodao, por preco muito commodo.
Optinia avu de e-
ialielct-iiuoclo.
Vende-se aleja de terragens da roa i
do Recite n. 64. com pequeo i ind
soi lida, tanto de ferragens como >;
quaes estio em bom estada, vende-se
mercadorias, e garanto-se o arrendameni i
propria para algum principiante, n iwi
DOUCO fundo romo por eslar ja atregela i i -ri
nina das lojas mais bem localis
os pn-tendenirs podem dirigir-sc nu
nao -o para i naminarem o balinca euai
das mercadorias.
Vinho verde
o mato superior que se pode desojar a l
garrafa, em can ida 15900 : na rua
n 14, esquina da iravessa do Ouvidor.


Miarlo de ITrnamltiico ... Wahbado le Janeiro de inhi.
L



ALLIANQA
UIIA \ 11)13
PECHINCH4
COMO MIIMA IIOCVI3
UN1O
NO
57 RA 1)0 IMPERADOR 57
Na/bem conhecida loja que foi do Sr. Flix alMate.
Paulo Ferrelra da Silva proprietario deste novo estabelecimento, tendo
topeo da Europa, aonde escolheu um grande c variado sortimento de molhados, tem
a lionra de os expor ao respeilavel publico (esta cidnde pelos mais resumidos precos.
Em Oo ptima occasiao, por estarmes prestes a lista de Natal, o proprietario do
grande armazcm Allianca offerecc aos seus amigos e fregueses que o conhecem desde
ARMAZEM
O Ei 1ICC.O IE* PEIHA 10
Fraaelseo 1'eraaniJe Dnarte dono deste muito acreditado armazem
de molhados, acaba de receber neste ultimo vapor os mui desojados gneros escolhidos
por elle na Europa, todos muito proprios para a festa os quaes est resulvido a vender por
precos baratissimos como verlo pela seguinte tabella, e mesmo pede a todos os Srs. da
------ -------------- -------,.-------------------------------------a .._0-------- ^^ *~....^^ ....-.,. --------------------------j,v,U.SUi,u .u./v mu, u iii.-.-hiii inir a IWUMS US OS. U3
quando foi socio dos armazens Progressivo j Progressisla as maiores vantagens em com- Praca> de engenhe c lacadores para que mandem suas relaces para serem despachadas
prarem em seu armazem. no armazem do Progresso do largo da Penha n. 10, afim de erem a grande vantagem
Hoje de novo estabelecido mais precia da concurrencia de todos estes senhores ao sen estabelecimento. certosdeque esta un jamis toteado de ser cumpridas as os Srs. que nao poderem vir podero mandar seus portadores ainda que na. tenliam pra.
graodes vantagens por ella offerecidas. tlca 1ue seriio t3o bem servidos como se viessem pessoalmente.
O interesse que tira o proprietario deste acreditado armazem, j dev ser bem co-
COMMERCIO
Manteen ingleza a mais superior neste ge-
nero a 800 rs. a libra, e comprando de 8
libras para cima a 72o rs., esta a mais
superior que pode haver, tambem ha mais
baixas para menos precos.
Jdem franceza muito nova a Goo rs. a fibra
e 56o rs. em barris 011 meios.
Peras seccas muito novas a 48o r$. a libra.
tilia perola de especial qualidade a 2,8oo rs.
a libra.
rs. a duzia.
Idem hysson muito superior a 2,7oo rs. a Docc em ,alda a 5oo rs_ a ,ata_
Cognac (le superior qualidade a 800 rs. a gar- .
'afa. nnecido pelos seus numerozos freguezes, pois simplesmenteconsiste em servir bem e ga-
fdem muito superior a I,goo rs. a garrafe. nnar pouco, am de conseguir a continujcSo daquellas pessoas, que a prime ra vez se dig-
Caf a 28o e 32o rs. a Mora, e a 8,000 e Rarera ,10ll*ar o seu estabelecimento.
9,000 rs. a arroba.
Ceneja das melhores marcas do nosso mer-
cado de 5,000 a 6,000 rs. a duzia, e Seo
rs. a garrafa.
Conservas inglezas a 75ots. o frasco e8,600 dem prato muito novos e de superior qua-
lidade a 4oo rs. inteiro, e a 5oo rs. a
libra.
JA.
IKironte da loja do Pregnlea.
dijarte trvoi:n%
tte de abrir o seu grande e sortido armazem de molhados denominado Uni, e Qm-
merco. Este grande armazem 4 um dos mais bem montados que temos em nossa praea
nao so em limpeza e aceio, como as qua.idades especiaes de seus genero, O JZfc
tano o Uni* e Coerci offereee todos os senhores da praca, senhores de ejnho
e aradores a seguinte tahea, por onde ver*, a grande economie que Ihe reZ m
comprara* em tao utiI estmenlo, afianrando o mesmo todo ,,,,,-
saludo de seu armazem.
SSl!!*" m latas,c caixinhas asmis I Erva-doce a 5oo rs a libra
delicadas que tem vindo ao nosso merca-
Champanha de 20 a 22,ooo o gige.
Queijos flamengos chegados neste ultimo
vapor a 2,ooo rs.
I dem do vapor passado a 1,800 rs.
libra.
dem uxim a 2,5oe rs. a libra,
dem hysson a 2,3eo rs. a libra,
dem idem a 2,000 rs. a libra.
Ervilhas francezas muito novas a io rs.
Mem portuguezas a 72o rs. a lata.
Mem seccas a2oo rs. a libra.
dem preto de qualidade muito especial a B^uraj^lo^orto com arcos de ferro 32o
Sevadinha de Franca a 2oo rs. a libra
Sevada muito nova a loo rs. a libra.
Cominhos, ervadoce e pimenta do reino a
36o rs. a libra.
Genehra de llollanda a5,5oo rs. a frasquei-
ra com 12 frascos, e aretalho a 5oors.
cada um.
2.000 rs. a libra,
dem idem inferior a i,600 rs. a Ubra.
Chocolate francez, hespanhol c portuguez, a
9oo o 1,2oo rs. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
e de qualidades especialmente escolhidos,
de 2,000 a 4,5oo rs. a caixa.
Farinha do Maranhao muito alva a 14o rs. a
libra.
dem de araruta verdadeira a 4oo rs. a libra.
Vellas de espermaceti? da melhor qualidade
a 600 rs. o maco.
Ic'em de carnauba e composiro a 32o e 36o
rs. a libra e 10,000 rs. a arroba.
Ti jlo para limpar facas a 12o rs. cada um.
Taucinho de Lisboa c Santos a 320 rs. a
libra.
Sfvada muito nova a loo rs. a libra.
Pt ixe em latas grandes, savel, pescada, cor-
vina, e outras qualidades a l.ooo rs. cada
V111I10 do Alto Douro engarrafado, e os mais lata*
bem escolhidos lacrimas do Douro, D. Pe-' Passas muito novas a lo.ooo rs a caixa e
dro V, I). Luiz I. Duque genuino, Nctar, 5oo rs. a libra.
superior, Malvasia fina, Bastardo, e outros
a' garafe. % *"*" 'n "" Pa,to8 ,ixa,los Para dentes a '4o rs- raa^-
; Id m de flor a 2oo re. o maco.
Idi-m Cherry e Madeira a l,5oo rs. a f- n,.,ni.u1. ,- ,
U c 1 6,000 rs. a duzia. ''' s"n' P*" l;lim,,re ,n?,e7es c americanos
;i 85o rs. a libra.
dem Bordeaos de diversas marcas de 8,000
a lo.ooo a duzia e 800 rs. garrafa. ilden do Porto a 48o rs. a libra.
Bolaxinhas americanas a 4,ooo rs. a barrica, lQu'ijo prato a ^ rs- a lin-
6 a 3oo rs. a libra.
Batatas muito novas
rs. a libra.
ys'. o gigo, e 60
Banba de porco retinadla 48o rs. a libra o
em barril a 14o ra.
Vinho em piqa de Lisboa, e FigueirajBe 3,ooo
a 4,Ooc rs. a caada, e 5oo rs. a garrafa.
Idem de Lisboa em ancorelas de 8 a 9 caa-
das por 27,ooo rs.
dem do Porto muito especial a 5,5oo rs. a
caada e 72o rs. a garrafa.
dem em garrafoes com 4 garrafas por
,ooo rs. com o garrafao.
Vinagre de Lisboa muito superior a 2,ooo
rs. a caada.
Idem mais baixo a 1,9oo rs. a caada, e 2oo
rs. a garrafa.
dem em garrafoe- com i agarrafas por
l,2oo rs. com o garrafifo,
; \i,:'Ats fianciv.]- mn caixinhas con ricas
; e.si.mpas no e*lenor de I .00 a 2,o<> irs.
cada una.
i Idem em frasco de vidro de diversos tama-
nlios a I,Seo e -.wo rs.
Mena em latas de I I e 3 libras a l,3oo e
,3oo rs. cada urna, e a 800 rs. a libra.
I tos de comadre em caixinhas de 4, 8 e lt>
librrs a l,3oo, 2,5oo e 5,ooo rs. cada
urna caixa.
Jth'm em caixinhas de folha a 32o rs.
l'-m em caixas grandes a 2oo rs. a libra.
d^m em latas ernu.timente lacradas de I.600
'. a 3,ooo rs.
Irroz da Inda a MaraahSe a 80, 100 e 12o
I rs. a libra, e 2,oco e 2,8oo rs. a arroba.
ilnas de casca molo muifo novas a 4oo
[rs. a libra.
piolas nova a l,2oo rs. os molhos ran-
,.! ' (pista a 1 ion. o libra o 4,6oo rs. a arroba.
'. m.m, i.ilharim e olelria muito nova a
|4oo e Wo ra 1 libra.
*
tos e liolach.iiias inglesas as ultimas
Hiegadas ae nosso nercado a l,2oo e
' ,4oo rs. coda i 1
lilf,n fiameogo odos nn ultimo vapora
5,80o rs.
Sarlinhas de N;mtes muito novas a 32o rs.
a lata.
Sag 1 muito novo a 2oo rs. a libra.
Mrin muito superior a 28o rs. a libra.
Doce de goiaba fino em caixes com 2 '/
libras por 600 rs.
dem mais baixo a 54o rs.
Manteiga ingleza flor a mais superior do'GeneDra de l.iranja a l ,00o rs os frascos
mercado a 72o rs. a libra.
dem de segunda qualidade a 64o rs. a libra.
Manteiga franceza de primeira qualidade a
56o rs. a libra, e 52o rs. em barris ou
meios.
Cha perola neste genero nao ha nada a de-
sojar, e de especial qualidade, mandado
vir de conta propria a 2,800 rs. a libra.
dem huxim o melhor do mercado a 2,6oo
rs. a libra.
dem de segunda qua'idade a 2,ooo rs. a
libra.
dem hysson muito superior a 2,5oo rs. a li-
bra.
dem preto homeopathic9 muito fino a 2,ooo
rs. a libra.
do de 7oo a 2,5oo rs. a caixinha.
Manteiga ingleza prietamente flor, mandada Palitos do 007 a 9 ^
J,r de conta propria, a 7oo a 800 rs, a Snha a Proza e 2o rs. a
Milho alpista a 16o rs. a libra
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
50o rs. a hbra, e em barril ter abatimen-1 Cominho muito novo a loo rs a m.-,
t0- comprando de Shb para cima a ai.'rs.'
Idem ingleza em potes de 4 a 16 libras a Gomnw mu.U alva para en^ommar a 8., m
800 rs, a hbra e o pote separado, a Uw, e em arroba se fari tmente
Cha uxim o melhor neste genero, mandado Sag" mBt novo a m n- a ,ibra-
vir de conta propria a 2,8oo rs, a libra, m,______
Sabio verdadeiro hespanhol, que raras veno
dem hysson, grande, muito bom a 2,00 rs. >em ao nosso mercado a 28o rs. a libra.
dem em botija hamburgueza a ioo rs.
inebra de
grandes.
Vinho de caj o melhor que ha no mercado
a l.ooo rs. agarrafa.
Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groza e 2o rs.
a caixinha.
dem de dentes lixados a 16o rs. o maco com
2o macinhos.
Ervilhas seccas chegadas neste ultimo navio
a 16o rs. a libra, e em porfo se faz aba-
t ment.
Banha de porco refinada a 48o r.-.. a libra e
42o rs. em barril.
Vinho branco d 3 superior qualida le proprio
para missa a 64o rs. a garrafa
Vinho branco o melhor nete genero a 800 rs.
a garrafa e 4,3oo rs. a caada.
a libra,
dem preto muito fino, a 2,6oo rs, a libra.
dem preto, mais bateo, a 2,ooo rs, a libra. ,
M*m 1 1*1 ldem ftl1 deaux de differentes marcas earan-
Idem, verde, m.ud.nho, mais proprio para te-se a qualidade, a 8.000
negocio, a l,5oo rs, a libra. urna duzia, e a 7oo rs. agarrafa
Banha de porco refinada muito alva a 46o
rs, a libra, e em barril se far ahatimento.
Ameixas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas com ricas estampas a
l,2oo, \,rp e 2,000 rs. cada urna.
Sabiio maca de diversas qualidades a 2oo e 'g-
Bolachinha de soda cliegada neste ultimo
navio a 1.33o rs. a lata, deste genero ha
grande porfo e de differentes m*i^aa,
que se vendemtodas pelo mesmo prero a ,, .,
vontade dos compradores. Idem r8"8 ,,,n fraso d' v'dra com tam
l>a do mesmo contendo I libra a t,2o
Iem em latas grandes a ,ooo rs. rs. so o frasee val quase o dinlieiro.
dem propria para lanche em latas grandes dem em latas de 2 libras porl,4oor$.
a l,9oo rs. a retalbo, e a 800 rs. a libra.
Marmelada imperial dos melhores fabrican- E,. .
tes de Lisboa a 64o rs. a libra. ''P08 de comadre muito novos em. bahuzi-
nhosmuito proprios para mimo al ,28o rs.
Frutas em calda em latas de l.ooo a 5oo rs., ,,
neste genero ha diversas qualidades a es- MeJP em caixas Para *etalho a 16o rs. a
colher. llbra-
Champanha superior das marcas mais aire- 1>,ssas carnada a 48o rs. a libra e em
ditadas a l,3oo rs. a garrafa e 15,ooo rs. ^uart0 com 8 llDras I,or *>'o rs.
210 rs. a libra.
dem inferior de 12o a 18o rs. a libra.
Gen iira de llollanda em frasqueiras a 6,i5oo
ri is.
dem hamburgueza em frasqueiros a 5,8oo
ris.
Iden de llollanda em garrafoes grandes a
5,5oo rs cada um.
dem em botija a'4oo rs. cada urna.
Garrafies vasios de diversos fcnnanhos a 5oo,
61o e l.Soo rs
Gomma do Aracaty a 80 rs. alibra muito alva
Graixa a loo rs. a lata, e l,2oo rs. a duzia.
Licores finos francezes em garrafas e frascos
do liversos tamaitos de loo a 800 rs. ca-
da um.
Marm'lada imperial de todos os conserveiros
de Lisboa a 94o e 7oo rs. a libra.
Massa de tomate muito nova a 64o rs. a li-
bra.
Marras quino de Zara a 640 rs. o frasco,
dem em frascos grandes a 800 rs.
Cominhos muito novos a 5oo rs. a libra.
Erva-dicea 24o rs. alibra..
Pimentia Mors. a libra.
Cravo ('a India a (Ho rs. a libra.
Cannelh a l,loors. a libra.
Alfazenaa 2oo rs a libra.
Sai refir ado em frascos de vidro a 600 rs. o
fiaco.
Copos unos para agoa a 5,ooo rs. a duzia.
Choiirifjsnovas a 72o rs. alibra.
Mostardi france/.a preparada e muito nova
a 32o rs. cada um frasco.
OonservM francezas deauperler qualidade a
010 n, o fraseo e 7,000 rs. a duzia.
Azeite doce a 64o rs. a garrafa.
Bolaxinhas inglezas de superior qualidade a
2,000 rs. a barrica, e a 2oo rs. 11 libra.
behinha de soda < mlatas grandeiiBevadinra de Franca muito nona 2oors a
'. ...... rs. cada lata. I libra.

N. jle
ATTENQO.
grande armacem de molhados vende-se em grandes porpes e a retalbo,
"' |m ravel a quem comprar de 10041 para cima.
Serveja das melhores marcas que vem ao
mercado a 5oo rs. a garrafa c a 5,ooo rs.
a duzia Chocolate francez o melhor que se pode de-
dem peta superior a Efe rs. a garrafa e a ''^ "^ genr0 a '00 W" a libra-
5, loo rs. a duzia. Mafas para S(ipa ostrelinh;, ,)evj(,e) Ufa de
Vinho Boadeain de dimsentea marcas, e as ma'a a 48rs- libra, e em catea a 2.000
melhores do mercado a 7,ooo, 7,5oo e rs;cada orna, maearraSo, talheri:n, eale-
8,000 a caixa com urna duzia, e em gar- I ,ria a 4w) rs- a libra
bbaSq'l'lade.70 "" "'' ^^^ *,' Ame"daS de "" mole a W a iibra"
dem Figueira de supe, io.' (1ualidade a 48o AwtaM 'UUl novas 2o rs- a "
rs. a garrafa e 3,5oo rs. a caada. Ervilhas francezas muito novas em latas
dem de Lisboa a 2.8oo rs. a caada e 4oo' grandw a G4 rs'
rs. a garrafa. dem em ditas pequenas a ioo rs.
dem do Porto de superior qualidade para ,,.... x ..,,,_... ...
mesa a o(i-s. a garrafa, e 4,000 rs. fea- **!*"* m ****** e 2 libras a
nada. 'w rs-
Salmeo em latas de 1 Va libra a 800 rs.
dem fino do Alto Douro da colheita de 1833, ,n.,.l:h ,., i, ,
como>sejam:D.Luiz,Feitoriavelho,Nec- LXi",a 'atas grandes a 1.ioo rs. ca-
tar, Carcavellos e Camoes em caixa de
urna duzia a 9,ooo rs. Sardmlias de Nantes a 3(5o rs a lata
i
Lagrimas do Douro, especial vinlio do Porto Cognhae inglez a 800 rs. a garrafa.
a l,ooo rs. a garrafa e lo.ooo rs. a caixa. ,. .,
I Ueor francez das melhores marcas do mer
Duque do Porto, Madeira secco, duque ge- cadua 800 rs. a garrafa.
nuino, lagrimas doces a 9uo rs. a garra- ...
la e 9,5oo rs. a duzia. Batatas chegadas neste ultimo navio ni cai-
Garrafes com vinho do Porto a 2.2oo rs : Vl S duas ai'r'J,as I10r ,,o w- e *
cadaum. rs. a libra.
Vbwgre de Lisboa de superior qualidade a' Concern inglezas 3 75o rs. o frasco
2oo rs. a garrafa e l,2oo rs. a caada. L ,
j Sal refinado em poles a 000 rs. cada um.
Azeite doce refinado em garrafas grandes a | Mostard;, |lg|e a jfQ0 rs o ^^
dem de Lisboa a lo rs. agarrafa, P em''^'^eza a 4oo rs. o poW.
caada a 4,8oo rs. M1II10 alpista a 16o rs. a libra e I.8011 rs. a
Presuntos inglezes para fiambre a 7oo rs. a
libra. Graixa muito nova em latas grandes a 120
dem de lamego ew"ommenda particular a ris.
Biscoitos inglezes das seguintes marcas;
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travcllies.
Lunch, Cabm, e outras muitas marcas, a
l,4oo rs, a lata.
Bolachinha de sdo, especial encommenda, a
2,2oo rs, a lata.
liscoito inglez Craknel em latas de 5, 7 e 15
libras a S.ooo e 6,000 rs, e de l,2oo a
800 rs, a libra.
Queijos do reino pelo baratissimo preco de
l,6oo, 18oo3,ooo rs,, os do ultimo
vapor.
dem prato muito fresco a 6io rs, a libra,
dem londrino muito fresco a 800 rs, a libra.
Garrafoes com 5 garrafas de vinho do Porte
do Alto Douro a 2,2oo rs. com o garrafao.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira roa*
S.T ? a n0SSa s^50 Pr ais
fresco a 2,4oo rs. com o garrafao.
dem com 5 garrafas de vinagre a 1 2oo rs
o garrafao.
Sabao maisa de suprior qualidade a I*.
2oo, e 22o rs. a libra do nu-lhor que ha"
Graixa em latas muita nova a 12o rs. a lati-
nha, e I,.loo rs. a duzia.
Peixe m latas muito novo : sav,.|, Hm*
curvm, sabnio e outras muitas qoalidades
preparados de escabexe, tBgm a arte de
cozmha, de 1,20032,000 rs. a U.,
vite SK?; l'"1'1"- Fimieb-a e Lisboa, a.
48o rs. a libra, e inteiro se faz ahatimento.
Toocinho do reino o melhor do mercado a
320 rs. a libra, e em arroba a 9,(x>o rs.
Latas oom peixe em posta ermetieeinoate
lacradas das melhores qualidades de pei-
xe que ba em Portugal a l,2oors.
Velas de espermaeete de 4, 5, e I |>or HbraL r., ., .., .
a 560 rs., e em caixa se faz ahatimento 'Cafefcoado de I qualidade a 32o re., dito
dem de carnauba refinada a 32o rs a libra' "' a -8" rs' a llbra e S--" rs a "
e 9,ooo rs. a arroba. I,a. dito de 3a a 2 >o rs. a libra e T,8oo
dem de carnauba pora de Aracah 1 ioors. IS" a"'"1''1-
a libra e lo.5oo rs. a anu a. Charotos suspiros di s melhores f ibrit intos
de S. Flix a 2,Soo rs. a caixa oom loo
4,5oo rs, a caada.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa em latas de 1 e mais libras
'a 7oo rs, a libra.
Peras secas em caixinhas de 4,000 a 2,000
rs. cada urna.
Figos em caixinhas de 1 J/a arroba e de 8 li-
bras a 8,000,4.000, e 2,000 rs, e a 3o rs.
a libra, taainbem ha seriiihas para men
nos a 60 rs. cada urna.
Amendoas de casca mole a 36o rs, a libra, e
em arroba ter ahatimento.
Sardinhas de Nantes a 32o rs, a latinha.
Toucinho de Lisboa muito novo a 3oo rs, a
libra e em arroba a 9,ooo rs.
Massa de tomates a 64o rs, a libra.
Pimenta do reino a 31o rs. a libra,
Farinha do Maranhao a 14o rs,a libra.
Ceblas a 8eo rs. omolho, 64o rs. o cento
r li.'ioi a Ceilft.
Tijollo para hmpar facas a 16o rs,
Cerveja das mais acreihtadas marras de 5.ooo
a 7,5oo a duzia, e de 5oo a 600 rs, a gar-
rafa,
Prezunto para fiambre muito fresco e novo
a 800 rs. a libra,
Genebra de laranja a l.ooo rs, o frasco,
Cfaenrteaa as mais frescas do mercado a 800
rs. a libra,
CogMS verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa,
e lo,5oo rs. a caixa com urna duzia,
Licores francezes e pnrtujriKv.es de todas as
marcas de lo.ooo ,\ l5,0QOre. a duzia.
Passas muito novas a 5oo rs. a libra e a 8,5oo
rs. a caixa. Ha caixas.- nieias e quartos.
Batatas a 1,000 rs. o gigo com 38 libras e
2,000 a caixa comduaoarrobas cadauma.
Hcelas com doces Meces de 3,ooo a 3,5oo
rs. cada una.
Bolachinha ingleza a 32o rs. a libra,
Azeite francez e portuguez refinado a 800 rs.
a garrafa, e 9,ooo rs. a caixa com una du-
zia.
Conservas Inglezas das seguintes marcas:
RBxed, Pickes, e ceblas sim^iles a 800
rs. o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes a ioo
rs. o pote.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra e 4,800
ra, a arrobo,
Vasos Ingteeee vasios de 4 a 16 libras, muito
proprios pura deposito de manteiga, doce.
e mitro qualquer liquido, de 1,000 a 3,oou
rs. cada nm,
rafado e eecolhido pessoalmente por um
dos socios que se acha em Portegal, das
seguintes marcas : Duque, GenuiM.. Ve-
Iho secco especial, Lagrimas Doces de
1819, vi,iho especial D. Pedro V, xi|H>
velho. Nctar superior de 1833, Duque do
Porto de 1831, vinho do Porto velho su-
perior, Madeira Secca de superior quali-
dade, vinho do Porto superior D. Luiz I
de 1847, Lagrimas do Douro, especial vi-
nho do Porto, de l,ooo a 1 2oo rs. a gar-
rafa e de lo.ooo a 12.000 rs. a caixa cora
urna duzia.
Vassouras americanas a 800 rs. cada urna.
Velas de spermacete as melhores que ha no
mercado a 56o e >lo rs. a masso. e em
caixa se far timbrando ab.itimento,
dem de carnauba e composico, de 4oo a
32o rs. a libra, e de lo.ooo re, a 11 .'hh.
rs. a arroba,
Caf d 1* e 2 sorte de 8,3oo a 8,600 rs. a
arroba, e de 28o a > r. 1 Ubra do me-
lhor.
Arroz da India, Maranhao e Carolina a 3.ooo,
2.800 e 2,ioo rs. a ..rroba e a loo rs. a
fibra.
Frasqueii-n de geneorl a 5.8oo rs. e a 5oo
rs. o frasco,
Azeite dote em barril muito fino, a 64o rs.
a garrafa, e em caada ter ahatimento.
Papel prev pautado e liso a 3,5o rs. a
resma.
Genebra de llollanda em botija drenla a
44o rs. a botija.
Passas eorioteas a Bao is. a libra e 12,8oo
rs. a arroba
Ervilhas franceza e portugueza (Vio rs a*
lata de una libra.
Chocolate francs; hespanhol. suisso e por-
tuguez a l.ooo is. a libra, e a 28o rs. ca-
da pao de urna '/.
Ameixas fnmcezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas, com diversas estampas
no exterior da caixa de 1*800 a 3.000 rs.
cada urna: tambem ha frascos e atas de
differentes tamanhos que se veodem por
mdico preco.
Masa para sopa: macarro. talharim e akv
trte a 48o rs. a litra. e em caixa se- far
ahatimento.
G;uTaf5es com I i garrafas de gem*ura de
llollanda a B,8o cada um.
Charutos de todas as marcas a dos melho-
res fabricantes da Bahia de 3,080 a 4,'whi
rs. a caixa.
Gomma muito fina e alva a 80 rs. a libra.
Acanita verdadeira a 32o rs. a libra.
charutos.
Todos os senhores que comprarem para negocio oucasa particular de iOOd para
r3o mais 5 a 10 por % de ahatimento; o proprietario BCteflfMca mais que todos
. generas sao receidos de sua propria encommenda, ra'
I der por muito menos do que em oulro qualquer estabelecimento.
Idem Unos de diversos fabricantes a 1,60o. i
Farinha do Maranhao muito alva o cheirosa Jf2 2,00 -' '' Sf^ CT l a?
a 12o rs. a libra. *os' i PreC "ao indica a boa qualidade. cima terSo mo a i iu yv -,u uu umuiiiibuui; u prapnetano scienimca
- ; pormdeem-se .ao trabalh. de vii ca ou. os seus gneros sao recebidos de sua propria encommenda, razo esta para poder xen-
agu muito novo alo rs. alibra. manda "em e verao a readade. I iiw mr muiiii mmnj ita nm> *im nnim nni,n,.ir n^ ihaumaij..
(



Diaria de Pernanihiieo atibado 2 de f.mriro de litJ I.
\
9>
\
ATTENCAO
9 IiARGO 1IO CAltlHO 9
GRANDE SORTIMENTO
DE

1
V '.:'
i
-
PARA A FIESTA.

DUARTE & C-
Paiti.iparo nos sens numerosos freguezes e ao publico em geral que acaliam de
receher de sua propria encommenda, o mais lindo e completo sortimento de molhados,
os quaes venden! por grosso e a retalho por menos 10 por cento do que outro qualquer
annunciante, como verao pela seguinle tabella quu abaixo notamos, garantindo os mes-
mos proprietarios nao s o peso como a qualidade de seus gneros.
AVISO.
Todos os senhores que comprarem para negocio ou casa particular de 100$ para
cima tero mais 5 a 10 por cento de abamento, os proprietarios scientificam mais que
tofos osseusgneros s3orecebidos de suaproprii encommenda, raiSo esta para pode
ven;r por muito menos do que outro qualquer istabelecimento.
Itakiga inglria flor a 800 rs. a fibra. | Vella? de carnauba e composico de 32o a
CasUohas muito novas a 2,ooo rs. a caixa, e
a Kfcrrs a libra.
R ilinho fiancez o em caixinbas de 7oo a Gene va de Hollanda em botijas de conta a
l,5oo rs. cada urna. I 443 rs. a botija, e em duzia 011 em barrica
dem franceza a mais nova do mercado a 56o ter abatimento.
rs. a libra, e 5lo rs. em bail.
dem de poico refinada muito alva 46o rs.
a lilwa.
Piezuoto para fiaiibre a 800 rs. a libra.
Cita iLvim iiiiuJiiho viudo de conta propria,
o melbor do mercado a 2,8oo rs. a libra.
dem tyson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a lit dem pcrola o melhor que se pode desejar a
2,7o-) rs. a libra.
Id'in p/tito muito fino a 2,5oo rs. a libra,
dem mais batxo pouco a 2,ooo rs. a libra.
dem mais baixo a i.800 rs. a libra.
DO
36o rs. a libra e de 10,000 a !1,000 rs. a
arroba.
PROGRESSISTA
RA DAS CU1JZES tf. :t
E
RA DO CRESPO N. 9
Ao bairro de Manto Antonio.
Joaquina Jos Gomes de Nonza scicntifica a seus numerosos fregue-
ses e ao publico em geral que acaba de estabelecer um nove- armazem de m libados
ma do Crespo n 9, aonde se encentrar semprc os melhores gneros de estiva, que
se vendero a retalho e por atacado, por menos dos que se venderem em outra qualquer
parte, affiancando-se aquellas pessoas que comprarem nestes armazens a superior qua"
lidade de gneros, preces commodos e bom acondicionamento.
O armazem da ra do Crespo situado no melhor local desta cidade cem o as-
seio que de necessidade mantease com estes estabelecimentos, faz crer a sen pro-
prietario, que ninguem deixar de soitir-se n'um estabelecimeiito aonde se encentra sin-
ceridade, para ir-se comprar aonde se nao offerecem tantas vantagens.
Sende este armazem no verdadeiro ponto de partida para os arrababies desta
cidade, nao ser diflicil quelles senheres que ten de partir nos mnibus darem suas
encommendas neste armazem, que sempre Ihes offerecer os nais agradaveis gneros
Cha perola de especial qualidade a 2,8oo rs. dem muito superior a l.ooo rs. a garrafa.
1 liliri
dem hys'son muito superier a 2,7oo rs. a C** 28 e 32 ** a ubn> e a 8> e
libra. 9,ooo rs. a arroba.
dem uxim a 2,5oo rs. a libra.
dem hysson a 2,3oo rs. a libra.
wos iiMiuii:%N
CONSERVATIVO E CONSERVADO
21 e 23-Largo do Tcrco-21 o 2a
Joaquim Simos dos Santos, proprietario destes estabelecimentos de m<
participa ao publico e a todos em geral, que vende nos seus annazi a
menos de u 10 por cento do que em outra qualquer parte, garant
qualidade.
Manleiga ingleza perfeitamente flor a 800 rs. a libra.
dem franceza, vinda pelo ultimo navio a S60 rs. a libra e 540 n. em bariis ou
Banha de porco refinada, a 100 e 44o is. a libia.
Velas de espermacete e carnauba a 860, 400 e 000 rs. a libra.
Gaf do Rio de l1 e 2 sorte a 270 e 300 rs. a libra, e a arreba a 8/45CO e 0/000 11.
Batatas em caixas com 2 arrobas por $000, e a 4o rs. a libra.
Toucinho de Lisboa, a 32o is. a libra, e a arroba a 9(5000, ou bar il.
Cha de 1, 2a, 3a e 41 sorte a 2,5800, 2300, 2000, e 1800 i !
Azeite doce de Lisboa a 3(5000 o galn, e a 600 rs a garrafa,
dem de carrapnto, a 280 rs. a garrafa, e a 2,5000 a caada.
Genebra verdadeira de Hollanda, marca gallo a 400 rs. a botija.
Milho alpista o mais limpo que ha a ICO rs. a libra a 4800 rs., a arroba.
Vinho verdadeiro Figueira e Lisboa, a 500 e 100 rs. a garrafa e a caada a 34SO0 e 3J0GO.
i dem do Porto, a 4*500 a caada.
E alm dos gneros annunciados ha outros muitos baratissimns, assim unno
queijos novos, chouricas, servejas das melhores marcas, aletria, ameixas uvada, o \u-
nho, erva-doce, pimenta, sab5o, canella, phosphoros do gaz, que tudo se vende por
menos de > 10 por cento, a dinheiro contado.
ho do Alto Douro vindo do Porto engar-
ulo nai .iiite-s a superioridade deste vi-
l^Tifis seguinttis marcas : Duque, Ge-
nuino, remo secco. especial lagrimas do-
ces de 1819, vinho especial I). Pedro V.,
viuho voltio, .Nctar superior de 1833, Du-
que do Porto de 1834, vinho do Porto ve-
Ihq superior, madeira secca de superior
qualidade, \inlio do Porto superior D. Lu-
izl."de 1847, lagrimas do IKiuro espe-
ial, vinho do Porto de l,oooa I,2oo rs.
a garrafa e de lo.ooo a I i.ooo-rs.-trcalxa
om urna duzia.
Bo achinha de soda especial encommenda e a
mais nova que ha no mercado a 2,2oo rs. a
ata.
Biscoitos inglezes das memores marcas em
latinhasde 2 libras a I,3oo rs. a lata.
1 lena inglezes craknel em latas de 5 e 7 libras
de ",ooo a 6.000 rs. a lat, e em libra a
H.io rs.
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
a 2,.">oo rs. cada anu
I
dem prato a 7oo rs. a libra.
Vinho em pipa das mais acreditadas marcas
romo sejam B A F., PRR, JAA, outras
inuitas marcas, Porto, Lisboa e Figueira :
de 18o, leo, 060, 64o e 800, rs., e o do
Parto lino em garrafa, e em cenada a
3,ooo, 3,>oo, i.oeo c 6,5oo rs. o melhor
do Porto.
dem Bordoaux das mais acreditadas marcas
a 7oo rs. a garrafa, e a 8,000 rs. a caixa.
Garrafoes com 5 garrafas de superior vinho
do Porto a 2,2oo rs. com o garrafo.
dem com 5 garrafa de vinho da Figueira mais
proprio para a nossa estaco por ser mais
foetfo a 2, loo rs. com o garrafo.
dem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
com o garrafo.
Vinho branco o mais superior que vem ao
nosso mercado a 56o rs. a garrafa, e a
L3ob rs. a cariada.
Velas'deesparincate as memores aeste ge-
nero de 5(5o a 64o rs. o mac/), eem cai-
xa ter grande abatimento por haver
grande porcio.
A/.eile doce e,m barril muito fino a 6io rs.
11 garrafa e 4,800 a caada.
Mein rancez refinado a 800 rs. a garrafa.
Ki vilhas francezas e purtuguezas a 64o rs. a
lato
Bocetas eom doces seceos de Lisboa de 3oo
:(,"oo rs. cada urna.
Toucinho deLisboa a 3oo rs. a libra, e a
! 1,000 js. a arroba.
Noi.es muito novas a i60 rs. a libra e 4,800
is. arroba.
Caf de l., i.% e Z* qualidade de 26o, 3oo
e 36o rs. a libra, doCear de 7,8oo, 8,600,
e 9.200 rs. a arroba do melhor.
Arroz da India, Java eMaranho de 2,2oo a
3,000 a arroba, e de 80 a loo rs. a libra.
Pasaaa muito novas a 8,5oo a caixa e 5oo
a libra, ha caixas meias e quartos.
vm.i.liona ilc Franca a 24o rs. a libra.
Sagft muito novo a 28o rs. a libra.
: Massas para sopa macarrSo, talharim e aletria
a 48o rs. a libra e em caixa ter abati-
mento.
dem estrellinha, rodinha epevideem caixi-
nhs'S de 8 libras, muito bem enfeitadas de
2,5ooa 3.5oo rs. a caixinha e a 600 rs.a
libia.
Doce ie goiaba em caixas de diversos tama-
nhi'S de Ooo a 1,000 rs. o caixao.
Sabio massa de 2oo a 24o rs. o melhor, em
cai> a ter abatimento.
dem espanhol a 28o rs. a libra.
Peixe em latas muito novo ; savel, pescada,
cornna, salmo e outras muitas qualidades
preparada de escabeche 2. a arte de cosi-
nha de l,2oo a 1,800 rs. a lata.
Figos em caixas de 1 arroba, e 8 libias
a 8.000 4,ooo e 2,'ooo rs. a caixinha.
Banis de vinho branco de quinto, marca B
4 Filho a 60,ooo rs. o barril.
Marmt lada imperial dos nvlhores conservei-
ros le Lisboa a (54o rs. a 1 tintn de I libra,
ha litas de 1 i e 2 libras.
'Massa Je tomate em latas dourada.s de I libra
a 64o rs. a lata.
Ameix s francezas em caixnhas elegante-
mente enfeitadas de l,5oo a 3,ooo rs. a
caixnha, tambem ha latas de I \'t a C li-
bras de I,2oo a 4,5oo rs. a lata.
dem em frascos com lampa de rosca a r,600
rs. ) frasco.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suso a l,2oo rs.a libra.
Conservas inglezas das seguintfs marcas
Mixde-Picles c cebollas simples a 75o rs
o frr seo.
Ancn tas de vinho colares a 5o,ooo rs., e
a 75 rs. agarrafa.
Sardin as de Nantes a 3o rs. a latinha.
Charutos das mais acreditadas marcas da
2,5(0 a 4,000 rs. a caixa.
Champagnhe a melhor do mercado de 12.000
a 24,00o rs. o gigo, e de l,2oo a 2,ooo rs. a
garrafa.
ftipel greve pautado ou liso a 3,5oo rs. a res-
ina.
dem de peso pautado ou lizo de 3,5oo a
l.oi o rs. a resma.
Gomma muito fina e alva a 80 rs. a libra.
Milho ilpista e painso de 16o a 2oo rs. a li-
bra.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a grosa e 2oo rs. a
duzia.
Vasos inglezes de 4 a 16 libras vasios, muito
proprio para deposito de doce manteiga
ou )utro qualquer liquido de 1,000 a
3,ooo rs. cada um.
Licores, das melhores marcas e mais finos
a l,ooo rs. a garrafa o em caixa ter abati-
mento.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa
e lc,5oo rs. a caixa.
Chouricas as mais frescas do mercado a 800
rs. 1 libra.
Genebra de laranja em frascos grandes a
l.oco rs. o frasco.
Serveji das mais acreditadas marcas de
5,5co a 6,5oo a duzia e de mais a 5oo rs.
a garrafa.
dem em botijas e meias, sendo preta da
muito creditada marca T de 6,5oo a 7,8oo
rs. a duzia.
Ceblas em molhos grandes a 800 o molho
640 d cento, e a ,5oo rs. a caixa
Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
Farinhn do Maranho a 14o rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 16o rs. cada um.
Cominho a loo rs. a libra.
Erva doce a libra.
Canella a 1,000 rs. a libra.
Batatas a l.ooo rs. o gigo com 32 libras liqui-
das i) 9,5*00 rs. a caixa de duas arrobas.
dem idem a 2,ooo rs. a libra.
dem preto de qualidade muito especial a
2,ooo rs. a libra.
dem idem inferior a 1,600 rs. a libra.
Champagne a melhor neste genero a 1,5oo
rs. a garrafa e I8,oco rs. o gigo.
dem inferior a lo,ooo rs. o gigoe 1,000 rs.
a garrafa.
Chocolate francez, hespanlwl, e portuguez, a
a ftoo e 1,2oo rs. a libra.
Charutos dos melhores fabricantes da Baha
e de qualidades, especialmente escolhidos,
de 2,ooo a 4,5oo rs. a caixa.
Farinha do Maranho muito alva a 1 lo rs. a
libra.
dem de araruta verdadeira a 4oo rs. a libra.
Viuho do Alto Douro engarrafado, e os mais
bem escolhidos, lagrimas do Donro,D. Pe-
dro V, 1). Luk I, Duque genuino, Nctar
superior, Malvasia lina, Bastardo, e outros
a 1 l.eoo e 12,000 rs. a duzia e l.ooo rs.
a garrafa.
Idem Cherry e Madeira a 1,5 o rs. a garra-
fa e I6.000 rs. a duzia.
dem Bordean de diversas marcas de 8,000
a 10,000 a duzia, e 800 rs. a garrafa.
Bolaxinhas americanas a 3,ooo rs. a barrica,
e 2oo rs. a libra.
Batatas muito novas a l.ooo rs. o gigo, e 60
rs. a libra.
Banha de porco retinada a 48o rs. a libra, e
j em barril a lio rs.
: Vinho em pipa de Lisboa, e Figueira, de3,ooo
a 4,ooo rs. a caada, e 5oo rs. a garrafa.
dem de Lisboa em ancoretas de 8 a 9 cana-
das por 27.ooo rs.
dem do Porto muito especial a 5,5o rs. a
caada c 72o rs. a garrafa.
dem em garrafoes com 4 i garrafas por
2,5oo rs. com o garrafo.
Vinagre de Lisboa muito superior a 2,ooo
rs. a ranada.
dem maisbaixoa l,5oors. a caada, e 2oo
rs. a garrafa.
dem em garrafoes com 4 'i garrafas por
l,2oo rs. com o garrafo.
Manteiga ingleza a 600, 7oo, 800 e 9oors. a
libra de primeira qualidade.
dem franceza a 56o rs. a libra em barril, e
a 600 rs. a retalho.
Ameixas francezas em caixnhas com ricas
estampas no exterior de l,2oo a 2,ooo rs.
cada urna.
dem em frasco de vidro de diversos tama-
nhos a l,5oo e 2,5oo rs.
dem em latas de 1 1/2 e 3 libra a l,3oo e
2,3oo rs. cada urna, e a 800 rs. a libra.
Figos de comadre em bazinhos de folha pro-
prios para mimos a 1,600 rs. cada um.
dem em caixnhas de folha a 32o rs.
1 dem em caixas grandes a 2oo rs. a libra.
I dem em latas ermeticamente lacradas de
1.600 a 3,ooo rs.
Arroz da India e Maranho a 80, loo e 12o
rs. a libra.
Amendoas de casca mole milito novas a loo
rs. a libra.
Azertonas superiores a l,2oors. o barril.
Alpista a 14o rs. a libra e 4,600 a arroba.
Letria a 4oo rs. a libra.
Biscoitos e bolachinhas inglezas as ultimas
chegadas ao nosso mercado a 1,2oo e l,4oo
*6. cada lata.
1
Bolaxinha de soda e lunch em latas grandes
a 2,ooo rs. cada lata.
Cognac de superior qualidade 800 rs. a gar-
rafa.
Ceneja das melho.'es marcas do nosso mer-
cailo de 5,000 a 6,000 rs. a dozia, e 8eo
rs. a garrafa.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e 8,600
rs. a duzia.
Doce em calda a 5oo rs. a lata.
dem de goiaba em caixas e diversos tama-
nhos e de diversas qualidades de 64o a
l.ooo rs. cada urna.
Ervilhas francezas rnuito novas de 48o a 64o
rs.
dem portuguezas a 72o rs. a lata.
dem seccas a 2oo rs. a libra.
Vassouras do porto com arcos de ferro a 32o
rs. cada urna.
Velas de espermacete da melhor qualidade
a 600 rs. o maco.
dem de carnauba e composif} a 32o e 36o
rs. a libra e lo.coo rs. a arroba.
Tijolo para limpar facas a 14o rs. cada um.
Toucinho de Lislioa e Santos a 3o rs. a libra.
Sevada muito nova 1 loo rs. a libra.
Peixe em latas grandes, savel. pescada, cor-
vi ia, e outras qualidades a l.ooors. cada
la'a.
Papel greve pautado e liso de 3,oOO a 4.000
rs. a resma.
Passis muito novas a 8,5oo a caixa e 48o rs.
a libra.
Palitos lixados para dentes a 14o rs. 0 maco.
dem de flor a 2oo rs. o maco.
Prezunto para fiambre inglezes e americanos
a 85o rs. a libra.
dem do Porto a 48 d rs. a libra.
Queijos prato de 48o a 600 rs. a libra.
dem londrinos os melhores que se encontram
neste mercado a 800 rs. a libra.
dem flamengos vindos no ultimo vapor de
2,8oo a 3,ooo rs.
Sardinhas de Nantes muito novas a 32o rs.
a lata.
Sag muito novo a 2oo rs. a libra.
dem muito superior a 28o rs. a libra.
Sabo maga de diversas qualidades a 2oo e
24o rs. a libra.
Idem inferior de 12o a 18o rs a libra.
Gen.'bra de Holland.i emfrasqueras a 6,000
rs. '
dem hamburgueza em ditas a5,8oo rs.
dem de Hollanda em garrafoes grandes a
5,5oo cada um.
dem em botija a loo rs. rs. cada urna.
Garrafoes vasios de diversos tamanhos a 5oo,
Ole e l,2oo rs.
Gomma do Aracaty a loo rs. a libra.
Graixa a loo rs. a lata, e l,2oo rs. a duzia.
Licores finos francezes em garrafas e fras-
cos de diversos tamanhos de 600 a 800rs.
cada un.
Marmelada imperial de tf dos os conservei-
ros de Lisboa a 64o e 700 rs. a libra.
Massa de tomate muito nova a 64o rs. a
libra.
Marrasquino de Zara a 64o rs. o frasco,
dem em frascos grandes a 800 rs.
Corainhos muito novos a 5oo rs. a libra.
Erva-doce a 24o rs. a libra.
Pimenta'a 36o rs. a libra.
Cravo da India a 64o rs. a libra.
Caonella a I,loo rs. a libra.
Alazema a 2oo rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs.
o frasco.
Grande liquidara de Hizch!; s al a
fpsl, para se lindar cotilas, a pro1 ci-
veilcm que tiestas pee hinchas nao ha
sempre : na ra da Imperalriz, loja
e armazem da Arara n. li, de l uu-
reneo Pcreira Mondes din maraes.
Cobertores da Arara a 10.
Vende-se cobertores de pollos a lj> e 1^600,
roberas de chita a ii ; na ra da Imperalriz n.
56, loja de Mendes Guimariies.
A Arara vende as laa/.inhas de 9 pal-
mos al $200.
Vende-se Iaazinhas de una s core quadrinbos
proprios para capas, com 9 palmos de largura a
1,200 o covado, dilas para vestido a 280, 320 e
400 rs. o covado : na ra da Imperalriz, loja da
Arara n. 36, de Mendes (u i maraes,
Brlm da Arara a I O rls o
covado.
Vende-se brim pardo de linho com pequeo lo-
que de mofo, que depois de molhado larga, proprio
Sara calcas e palilols, a 400 rs. rs. o covado;
rim branco de linho a 15 e 15200 a vara, fuslao
decores para calcas, coletos e palilols a 500 rs.
o covado : na ru da Imperalriz, loja da Arara n.
56, de Mendes Guiuiaries.
Lazlnha Hara le*la da Arara.
Vende-se Iaazinhas a Maria Pia muilo fiuas, eom
quadros e palmas de seda, para vestidos a 360 o
covado, sedinhas finas a 500 rs. o covado ; na ra
da Imperalriz n. 56
A Arara vende as capas a 8,00(1 rs.
Vende-se ricas capas para senhora a 8#, chales
de merino eslampado a 25300, ditos finos matisa-
dos de novo gosto a 55, dito de ponta redonda e
borlla a 75300 : na ma da Imperalriz n. 56,
toja da Arara de Mendes Guimaraes.
Oh que pichincha, Iaazinhas a 280 rs.
Vende-se Iaazinhas finas para vestidos a 280
e 320 rs. o covado, lencos brancos com barras de
cores a 200 rs., meias linas pira senhora a 400 e
500 rs., ditas cruas a 400 rs. dilas para homem a
160 e 200 rs.; na ra da Imperan iz n. 36, loja da
Arara.
k Arara vende as rassas a 200 rs. o covado.
Vende-se cassas de quadriiihos a 200 rs, o cova-
do, dilas finas a 250 e 280 o covaBo, organdys finos
a 240 e 280 o covado : na na da Imperalriz n.
50, loja da Arara.
Pfchincha, sedinhas da Arara a 800 rs. o corad.
Vende-se sedinhas com quadros e lisas, escuras,
proprias para qneni est de luto, por ter urna s
cor a 800 rs. o covado, ditas da mesma qualidade
de cores para vestidos a 800 rs. e dis de lisli-
nhas a 500 rs. o covado: na ra da Imperatriz ii.
50, loja da Arara de Mendes Guimaraes.
l'eehimha na Arara, corles de chita a 23500.
Vende-so cortes de chila franceza om pequeo
toque de mofo a 25300, corles de risoado francez
com 14 covados a 35,cortes de cassas francezas
pintadas a 25 o corle, ditos de barras a 25, 35 <
45 : na ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara de
Mendos Guimaraes.
Casimiras a I CO J o rovado.
Vende-se casemiras de cores para calcas, cole-
tes e paletols, infestada, a 15000 o covado, cortes
de casemira infestada a 15600 e 25, e em covado a
15 : na ra da Imperalriz n. 36, loja da Arara de
Mendes Guimaraes.
A Arara vende roupa f'ita e baiata.
Vende-se palilols de casemira a 45300, 65 e
85, calcas de 35300 a 55, palilols de panno "a 105,
ditos finos de 125 e 145, palilols de brim de cor
a 25300 e 35, ditos de meia casemira a 35300,
calcas de brim de cores a 25 e 25500, dilas bran-
cas de Ifnho a 35500 e 45, ditas de meia casemira
a 25> coletos a 25300 e 35, camisas francezas a
15600, ditas finas a 25 e 2500, ditas de linho
prega larga a.35, seroulas finas a 15600, dilas de
linho a 25 e 25500 : na ra da Imperatriz n. 56,
loja da Arara de Mendes & Guimaraes.
Baloes da Arara a W, 3500 e i,>.
Vende-se baloes americanos, os melhores quo
tem vindo, de 20, 30, 33, 40 arcos a 35, 35500,
45 e 45500, ditos de brilhantina a 45, ditos de
matUpolao a 35600 : na ra da Imperalriz n. 56,
loja da Arara.
Chitas da Arara i 210 rs.
Vende-se chitas a 240 rs. o covado, dilas fran-
cezas com pequeo loque de innfo a 280 rs.. dilas
limpas a 320, 360 e 400 rs. o covado : na ra da
Imperatriz n. 56, loja da Ara t.
\ Arara recebeu pelo vapor mu sortimento de ro-
ineiras para senhora, dos melhores gostos que
Um vindo, a preco de 1;>, 1$00 e i&.
Vende-se romeiras para sen horas de cambraia
de salpicos brancos e de cores e bordados a 15.
18600 e 25, golinhas coTn bo:aozinho a 580 rs.,
ditas com peitos e bolaozinno a 15, camizinhas
para senhora a 15,15600 e 25, aventaos e corpi-
nho para meninas a 500 rs. : na ruada Impera-
triz n. 56, loja da Arara.
Queijos, Queijos.
Chegou ao armazem da Aurora Uiilhante laroS
da Santa Una n. 84, queijos muito hretco* do
Alentejo, dito praloe do reino, vindos n
assim como aletria, maea.rrao e talharim de massa
branca propria para doecte.
llalunca.
Vende-se urna balanca decimal nova, nm i ira-
do de louro, grande, tres duzias de labov
de forro de refngo de 18 palmos, cal i!e Lisboa m
p para eaiar, por preeos commodos n,i na i?a
Cadeia Velha n. 50._______________________
Vende-se a taberna do pateo do Terco n i 1
a tratar na mesma. O motivo da venda se dir.
comprador. ______
Vende-se urna escrava crioula bonita figura, propria para todo Borrico, mwim c-
nio nm mulalhho de 6 7 anuos, filho da mesata
a t i-atar na loja de ferrageos, ra da Cadeia do
Hecifen. 56 A. de Bastos.
ESCRAVOS FGIDOS.
Fugio do engento Piraui da mam iu -
dade de Nazareth em 20 do mez deMB*Jo da cr-
rente anno 1863, um mnlatinho de nomo Manrel,
de idade 15 anuos, tewm vestido camisa e rermila
de algodaoziuho azul, um tanto descerad*) iia cor,
tem os pos feios e es dedos titiles arrtl :
ps adiante largos e os oleanhare* finos, ti m o
costume de andar com a cabera baixa, cabellos
estirados, de cabocolo : quam o' pegar e trooier
em dito engenbo ser recompensado ci ni 2005-
Kscravo fgido.
900#000 de frailfloarn.
Contina fgido desde Janeiro o n
Raymundo, natural do Ico, aststera regular, idade
de 18 annos, cabera chala, cabellos c-rai inhos,
testa grande, rosto oval, com una Oslla na are
esquerda, marSas salientes, denles limado* rendi-
dos, bocea regular c principio ts I" i nta
pequeos, coslumava andar calcado, e inidu'ava-
se livre : quem o apprehender, dinj da
Cadeia do Recite n. 21, Loiz Antonio Sei|0<:ra.
que entregar a referida gratilkacan.
IfUGUi
ArrENCAO
O proprietario dos armazens do Progresista jamis deixar de offereeer aos seus
freguezes tudo o que for preciso para que sejam bem servidos, e como a festa se aproxi-
ma ptima a occasiao dos seus freguezes experimentaren! a realidade, que nunca dei-
axr de ser mantida pelo proprietario destes armazens.
Vende-se urna uiulatinlu : na ra da Cadeia
do Recifc n. 56 A.
FAltIMIA
Saceos com farinha nova e igual a de Muriheea
a 45300 : no armazem da aurora brilhante, largo
da Santa Cruz n. 84.______________________
Ao 11. 29.
Nova loja dos barateiros 119 ra do Queimado.
Ricas saias de fuslao a 55, :amisas inglezas para
senhora a 25, 25500, 35 e 45, cobertas de fuslao
brancas a 55. chitas com luslro para coberta rom
6 palmos de largura a 640 o -ovado, cambraia de
cores para vestido a 320 o covado, lias para vesti-
do a 480, 560 e 640 o covado
Ao n. 2 Nova loja dos barateiros na ra do Queimado.
Tarlalanas de todas as cores, fazenda muito fina
a 720 a vara, cambraia para cortinado, peca de 22
varas, por 105, chales de laa por 35, 45, 55 e 85,
camisas inglezas para homem a 385, .'05 e 605-
Ao b. 21).
Nova loja dos barateiros na rna do Queimado.
Bicos pretos, franjas do lodas as qualidades,
trancas de seda, do algodao e de laa, manguitos e
camisinhas bordadas, collarinlios e punhos, folhos
bordados, botoes de velludo, de seda c de fuslao,
bandos de cabello, meias de seda, leques; cujos
arligos se veudem por metade do seu valor por ser
para acabar. _______
Vendeni-se II) pipas di) muilo bom mel em
barrisdc3", prompto a embarcar : no armazem de
agurdenle, ra nova de Sania Rila n. 19.
o escravo Ado. de vinte e tantos anas
boa figura e cgo de um olho : qajam
ve-o ra da Cade d. 33, loja, qoe sera
recompensado.
1 '--------------------------------------------------------------
Continan! a estar fgidos desde <> da
outubroprximo passado dest (rr.i.tc anuo >u
1863, os dous escravos mulatos perum&-i'<~- ao
abaixo assignado, sendo um de nonie^*
bastante clara, de 18 annos de idade. Jim-mi asjur-
do e plido, cabellos soltos, roslo aesmniii), rom Lu-
co de barba, olhos, nariz e bocea rfftulan
limados na frente, ps grandes, km
do, tem na canela e no tornozelo da | nina cica-
triz j fechada, e dolado junio as cosfc las m
de caustico, levou roupa de sobreceleirte ; c
iro que o eduzio chamase Thomaz. alio e p
do corno, do 45 para 50 annos, aoaborlada, 1
redondo, comaIgumas marcas de BABJtat
carado, olhos pequeos e monos, lala nata, na-
ris e bocea regulares, falla desramada. Costal
embriagarse, muito sagaz, tem anta paras mam
grossa do qne a outra, e nesia inuila.- n.ar.:..- V
chapas j fechadas, conservando au iieipiena na
canella; esto caboelo foi escravo da masaba do
Norte, engenho Itapu, vendido aasta ; rafa a
1856, e sabe o caminho do MJtio, j 111 dos
zes tem fgido, onde na primeira vez 1.....
annos, e foi preso para aquellas bandas, e da
em Agua-Prela, irabalbando como ferro.
mudado na estrada de Ierro, e supi.oc-c aadar or
Mgum engenho irabalbando com' (mro 1 1
vou enxada, foice e facao de corlar captas, ai!.: os
sao (rabalhadores de enxada. e sasstip rt-
eo de campo : roga-su s autoi 1
pitaes de campo, ou qualquer pessoa ojaa v,r-m
o mandem pegar e levar no Recite, ra do Irnpi
dor, terceiro audar n. 44. que serao bem re
pensados.
Fugio do lugar Barros da provincia da rara
hiba do Norte o escravo Anselmo, crioulo, idade
30annos, corpulento, eaberja, olhos e baa regu-
lares, dentadura |*rfeta e' alva, nariz sjnaas t
chato, barbado, conserva saissa, lala oaadn
lisa, canellas finas, nao tem talho algum de eki
em sen corpo. Kssc escravo paffsjsjn na al
assignado, fugio no dia 14 uo aartsads^ f"i |.r>>?e
na xan do rapoeiras do termo da villa de rao i A-
Iho, erecolhWo cadeia daquella villa a dfepoi-
cao do delegado da mesma, e fui pelo smM
trege aos portadores por quem oasossaa at>aio
assignado mandou receber; istOBO da 21 ie
rento e no dia 22 do mesmo tomn a fugir.
fessou esse escravo em sua chegada ir para a Bo-
cife dirigido por urna pessoa que ao BHsaw >'
assignado repugna declarar pessoas (| isa -
milia ahi moradoras, e tambem a um seu ci rroa-
pondente para exportarem-no eom raaa,
mudando-se-lhe o nome. Nao poseo crer ipif nao
s as pessoas pertencenles a familia daqnclle r
o seu correspondente sejam capares de aaaoiresa
a um procedimento loo revolianlc! n .w
ignado protesta contra quem assim proceder noe
termos da lei; e generosamente graliikar a quem
o apprehender, que se poder dirigir no lugar Bar-
ra! ao mesmo abaixo assignado, e ahi nen
aos Illms. Srs. major Francisco Camelln roaaa de
Lacerda e Manoel Ignacio de OHveira Lea*. T> m
mais o abaixo assignado a declarar que raes n
escravo muito conhecido por diversas
nessa cidade como bem sejam os Srs 1 da Sil-
va Loyo, Domingos Jos herreira. majar Lata da
Cosa, Portocarreiro, coronel Jos Maria ildei< nso
Jacome da Veiga Pessoa e ouiros murl
Jos da Silva Pessoa.
.-\inda esl fgido o cabra Seraphim, it.
annos, pouco mais ou menos, altura regatar, el o
do corpo, rosto un proporcao, venias srra>aca<
barba serrada, marcas de bexigas, falla manso,
costuma fumar cachimbo, tem um signal i
p esqoerdo por Ihe faltar os tres 1!
tem apenas tres cotosinlios, tem unhas. diz as r
de naejo, talvez ande calcado para iocabrif
culear de forro; este escravo foi cosaarado ao dia
20 de novembro prximo passado. c
no dia 7 do corrcnle, foi comprado Hanoi
checo Coulo, residente no Olho d'Agua do- Bffi
comarca do Hrejo da Madre de Dos ," 1
loridades daquelle lugar e do Hni|uc. oneV
tem conhecimento, e a qualquc p
a captura do mesmo, e lvalo :i 1 enh 1
do Aragaon. 8, que pagar sodas a> d- 1
gratificar generosamente, e prtesis nutra s,
o ti ver oceulto.Jos Duarb1 Cootiako.
1
Sk


8
Mario de Pernambuco atibado t de Janeiro de I S 4.
LITTERATDRA.
Mauricio de Treuil.
9boi nm nra
(Continuacio.)
Vil
Nao tem que mo agradecer; isto em mim
espontaneo. Ganhou a minha mais virasym.
paili: i i'i ui.'ir.i vi /. que a vi... Mas ollic
iji)>' 'i e i i j > que inwUiin me muha umita e mota
IU',1
Ejaa (enho I respondeu Sophia, dando
Lim abraco a Matbild.
[reatosao theatro italiano as roesmas uou-
tes, ser s tercas-feiras, se Ihe parecer i:
quauJo cosiuma ir a alia sociedade. Dou un
baile a U do mea que vea___Convidare! meu
marido, que rata ein Vienta de Austria : nao ach.i
sio original Havemos do nos combinar para
vestimos egua'.nieutc e coiu muita simplicidade
por exemplo. un vestido de rendas sobre moif
crneo. A ceia ha de ser na minha estufa.....
Oh I mea Dens que lindo quadro que ali tem !
O quadro que arrancara a exclamacao cnlhu
tbusiaauea da sentara de Vitleaux eslava colloca
do sobre urna cadeira, a un canto da sala. Era
pintado por Mauricio e representava urna tarda-
da com um y/upo de arvores a cercar urna tonte.
A casa era enhena de colmo e circundada de ver-
dejantes prados no horisonte divisava-se o mar.
Tres 011 quatro figuras de mulheres e de rrcanca.;
animavaiu esta paisagem, a qual recordava o can.
tinho de trra era que Mauricio e Felippe tinham
residido seis mezes, cm viver frateraal, nos arre -
dores de Trouville.
(>!i I como elle transparente o claro I
continuou a senhora de Vitteaux Que lindissimn
ea I E que graca nao tem aquella rreanca a ca
vallo no tronco da arvore I... Veja como os pato:;
se 'vpanejam E como aquello gigantesco arvo
rede est bem predisposto a um canto do qua
dro I Tudo isto assim reunido fas crear dse
jos de viver no campo.. .Quera que fez este qua
dro?
Meu marido respondeu Sophia cora certo
ar de orguiho.
OSr. Jauricio de Treuil I exclamou Ma
ihildeE' verdade ; l esto as iniciaes do sen
OOSjn escripias n'aquella |dra. Vou ordena? a<>
meu architecto que me faca construir urna chou-
pana em tudo egual a esta, cm um ruante do meu
par.j je ; se um dia me vier o d esejo de viver so
lado do mundo, quero relirar-mc para l.
E' raui pequeo alvergue para todos os ami-
gos que indubitavelmente rio ter comaminbi
amiga ao seu modesto asyloobservou Agatha com
modos risoDlios.
Ycsse caso, inandarei levantar cabanas en
roda da minha eremitagem, onde receba as mirillas
amigas nos dias de splnn
Devoras, gosla d'esta paisagem t
Muitissimo.
Ento perraitla-me que eu lh'a offereca.
Oh senhora !...
Peco que a acccitc ; seivir-lhe-ha de m<
dlo
E' um grande obsequio ; mas o Sr. Mau-
ricio ?
O Sr. de Treuil I Se olle aqui estivesse, pi -
dir-lhe-ia tambera que a acceitasse-----Isto nao
vale nada.. apenas quatro pinceladas...
Erafira, acceito; mas com urna condi-
gno.
Qual ?
Que ha de |ir passar comigo um ou dous
mezes na minha choupana, apenas ella se cot -
cluir.
Com muito gosto.
Eu ctenho formado o meu projecto...P;-
redesjusticas por ra, como essas, revestidas (
Mmas pereiras carcomidas, o mesmo
kiio esmaltado de floridas hervas p i-
ra*itaB rawajentro um aposentosinho enranti.
doif tudo^JB finos marraores, ricas tapecarias e
pam*iirn-rosa.
Ha de ser arrebatador I
Agora adeus.
Pois ja nos deixa Fique mais um ns-
tame.
Nio pesso, minhas queridas; tenho a fazer
mais de rite visitas, e esqueci-me de lodo a coi-
versar aqui com as minhas amigas... Deixem-me
tarar a minha choupana... De caminho fallo com
O ii ou arehitectto... Nao esquecam que s sextrs-
feii as sao minhas ; j as annunciei a todas as mi-
nhas amigas, e sentira um mortal desgosto, se
me faltassera.. .Muitas recordar/oes ao Sr. Mauri-
cio ..A proposito, que qur que eu diga da sua
parte ao Sr. de Courtalin ?... Urna spalava
uir nada; lira-o, mas nao o mato... Na noute < m
que a minha amiga se apresentar em minha Ma,
ter elleraais dezrivaes.. Bom dia; deixem-ine
fugir d'aqui !
Duas ou tres horas depois de ter sabido a Sra-
de Vitleaux, andava Mauricio passando revista por
todi a casa, examinando os movis, levantando is
cortinas, procurando por toda a parte e batendo o
pe todas as vezes que, revistando os recantos de
um quarto, nao dava com o seu quadro.
Mas se elle anda esta manhaa aqui estvi !
Vi-o com os nieus olhos !.. murmurava elle com-
ligo Onde o iriam metter ?
E tornava a espreitar por armarios e gabinete, a
ver se elle estara escondido por entre os vestidos.
Pe-guntou por elle aos criados; respondiam-lhe
qu; tinham ralo o quadro era alguma parte, u as
ibian aonde nem o que era feito d'elle.
No mais acalorado ponto destas indagares, c ic.
gaiain Sophia e sua mae, que voltavara de um pas.
seio.
Que oque procura ?perguntou Sophia.
dando rom Mauri.-io de joclhos, a espreitar para de.
baixo de um camap.
Que hei-de ,eu procurar ?respoudeu Mauri-
cio, j un tanto impacientado. Procuro jm
quadro.
Que quadro T
A paisagem que anda esta manhaa vi so jre
gita cadeira.
Ah 1 urna choapanita comuns poucos de pa-
los '? perguntou a sogra
I*so mesmo.
Escusa de procura-lo ; nos dmo-lo.
Como I derain I..
Demos, sim Parcce-me que sto bem in.
tnlligi vol... Esta-rae olhando cora tanto espanto !
Eulo a quem fizeram um tao lindo pre-
sante ?
A una lindissima senhorarespondeu so-
phia ura tanto receiosa pelo resultado da Parecc-me que essa lindissima senhora hs.-de
ter nome '
Chama-se a Sra. de Vitteaux !respond u a
sogra com ar triumpbanle.
E' aquella senhora de Vitteaux que vimos em
i' pela primeira vez ?
Ella mesma, a que nos fez a fineza de o ac-
celar.
Ah ella fez-lhe essa fineza ? E foi a se-
nhora que teve a feliz idea de Ihe ollerecor o meu
quadro T
E verdade que fui.
Semine perguntar se eu eslava disposto a
dar-Jb'o, som me dereonsa alguma ?
Ma-. non amigo, alalhou Sophia minha
mae pensara me lorias amito gosto em offerecer-
ih'o. A Sra. de Vltteaox elogiou tanto aquella pai.
n, agradou-se tanto d'ella... Tu mesmo, se
r estivesses...
l'orm, minha cara Sophia, o quadro j nao
era meu eutinha disposto d'elle.
Vendeu-o 1 perguntou a Sra. Serbicr.
Nao o vend, mas havia-o dado.
A quem ?
Ao meu amigo Felippe.
Oh eolio, se foi ao Sr. Duvcrnay. nao tem du-
da ; tu Ihe fars coniprehender...
- Nao assim ; parece-mc muito mais simples
jp'zer Sra. de Vitteaux...
Oh isso nunca !dsse a sogra precipitada-'
mente.
E porque nao ?
Insultar assim urna senhora, urna senhora, de
classe elevada, a maor amiga de Sophia !
A maior amiga de Sophia, que s ha tres me-
zes a condece I
Quer dizer que sao precisos dez annos para
ganhar amsade a minha filha ?
Senhora, nao estamos discutindo sobre af-
fectos de corarao ; estamos Tallando acerca de um
quadro.
Sophia, conhecendo que a questao eslava em
au terreno, tornou a iutervir, dizendo ao ma-
rido :
Pois bem, meu amigo, nao te allljas ; se vs
que o Sr. Filippe liga estimagao ao quadrojaxe-lhe
outro...
E est acabada a questao I acrescentou a
mae.Pannos e tintas nao faltam :
sentara lab triste e deploravel papel nos costumes a outro j visto, urna bagalella, um nada, tudo for-'
parisienses. nece materia para interminaveis diseussdes. s
estamos
provar
com quem ha das fui dar esttico diante da colum-
na de Traiano:
-O' la Ibe disse eu. Deu a^ora em archeolo-
go I Esta ad nirando esta notavel columna ?
Quem Eu !... nem pira ella olhava !...
.-ta me p uv vinlo que os trigos vao ter alguma
\ou mandar esta noticia
alia.....
viera.
Sophia, por Infelfcida 11, paroce-se (Quilo c im
os paos, poivm moca, mulher. e, sobretudo, pa-
risiense : o sen espirito, depois de mais bem culti-
vado, ha de oroduzr llores e fru los. Nota-se sin- j da paisagem nem de Felippe.
guiar ene.mt, era ludo quanto ella faz : o timbre I Conlim,,,,-^-!,-,.)
djvoz e seductor, e e por genio bastante inclinada
a divertirse.
Nao era a primeira ve/, que Mauricio encontra-
ra mulheres pouco zelosas do seu bom nome. Mili-
tas oulras conhecia elle, que, fascinada! peh) falso
brilho que cerca certas aventureiras, e como que
arrestadas pela eolebrdade com que as roen ele-
vadas, desojan), por injelicidado eloucurasua,
seguir-ibes os passos, imitar-lnes aa aoeSes, tospi-
rar-se dos nioimos | ansamoatos, s por obterem
urna parte daqtiolla celebridade de que dviara
corar.
lmpellidas por essa fatal ambicio de obler as
mesmas hoineiiagens qoe veeui tributar a algumas
dessas soberanas do dia, procurara, pedein, sollc-
tam aventuras estravagantes, e julgani-se no apo-
geu da moda e do bom tom, quando, mediante o
seu tajar, oa tem gestos e os seo meneios, sao
tidas, por quem nao as conhece, por Dalilas da
Chausse-d'Autin.
Teem o circulo de familia para as proteger
transpem-no ; nascerara com bom nemenada
poupain por fazerem crer o contrario ; teem mari-
dosoccultam-no e muitas vezes esqaecem no;
para as preservar do mal teem em seus coraedes viajando pe i Italia?
a santa garanta dodevernao apparentam ternti-' } 'l,ll'ini(! o cu I Estrgame todo o prazer da
ra neraentl.usias.no senao pelos escndalos do B7M?!^rJ!,!s?L^
vicio- teem casa e hmlll. ,-, i, Meu soj.ro nao perde oecasiao de fazer per-
v.c.0 tecina e fara.l.a-so lou vara o viver guntas a donos de hospedaras e a negocian A
aesregrao e livre. Em nada estimara o titulo de 'luas jam os Breos correnres dos coreaos e
esposas honestas; o que desojara ou liicem dse- (,u,u'5 as lrans;ccoes commerciai s que mais lu-
jar ser tidas por adoraveis Asuasias PmferUm ^r0S r^l,sa1"' e compara o resultado das suas in-
ficilmen... (Jv ,. 1 ,i, .,tr,am dagaeoes cum as informaces obtidas de l'ithi-
tacilmente fazer a alegra do lar domestico;-des- v.ers.
presam tal docura, trocam-na pela louea ambicio Sua {""U'cr oceupa-se cora delicia em fallar
de brlhar tristemente no circulo do eahnteio desses mil nadas de que se compile o chunerico
Deu-llu"! s Priv,i0n.- .,v,e mi '- """"do das hagatellas, e no qual ella conta deixar
l)eu ll.es a Prov.denc.a esposo c f.lhos; nao so de bocea aberta a qaantos Ihe vrem as novas lio
contentara com essos bens;mster Ihes obter res dos enfe.tes : em quanto esse desojado dia nao
reputacao de mulheres celebres, de esuntos cne6a> al,l"c pasmados olhos tudas as vezes que
r d.ante de"
Nao me contraria, nao ? se nao olhe que nao! (>a '--- r^,,. _, ._____ .
ou sua aiiii-a In0,*l-a<'o-os leiis em urna nuven, d-z
Sallase do passado ao proer.ie, calculam-se Porin-rcplicou Mauricio, cora OS otaos in- i ?SfJ!*?*.W+'liert OJO a Jeronl
juros, analysam-w algarismos ; emlim, parece que nundados de prazer mster que...
emPitUviers e nao em Roma; e, para E* mister que rao deixeser amiga de quem
ligo, ouve um dito de meu sogro,! sou... Tenha cantla, veja que perdera muito se
meobrigasse a mudar...
E' misier tambera que
me de.xe dansarot.de eu quizer dansar, o se me
Mronver Ir ao baile a casa da Sra. de Vilteaux,
Uve conduzr-me ao baile.
E justo.
Ora muito bem; BSNm como eu sou >ua
tara l'iihi- amiga eo amo. Obede a-m ', e nio se ha de arre-
pender.
Sophia levaninu-s", apertU a mi ao marido e
retirou-se para o qaarta
Mauricio ficou-acontemplando, sem se lembrar
Olha para o mundo como a avesinta que nem Hoinllla sobre o pinclpaes mi
anda subiu beira do ninho : eu Ihe ensinare a
abrir as azas etranspo-io. A sua belleza, j tao
notavel em soltoira, agora mais completa esta tem
fulgor nos otaos, leroora dosrisoonoslabios. Quan-
do passa pelas mas da cidade cierna, os velhos
lranstevcrinos parara e adniiram-na. Pens que
ella me tem algum amor; o peior e ler a mae que
tem.
Esta boa gente julgar de boa f que anda
fortes. ""*'"' diale dtlla pionunciam o nome de algum desses
Tii.tn nu .. mutos principes que oceupam os palacios ita-
l udo as convida a que se ajoelhcm perante o lanos.
jugo tutelar da honra c do devero a ollas s Ibes Nao te parece que os nossos aprendizes teem
apraz entoar hymnos independencia em estylo raz5 (,e Cl,li''<-'> de epigrammas a estulta bur-
j pindarco, e bem mesquinha <-~- -- --
de quatro inanhas.
-*- Parece-lhe isso assim fcil ?
Ora vejam a grande difliculJade !
vores, urna cabana e um garoto... um
panno pintado
Mauricio, vendo que nao poda dominar-
no |SAm as virtudes, que anda, por bem nosso,
Duas ar.
gou no chapeo e sabio, sera responder a esta gros- ,
* I 'l dwpen" I'1'"- 'lie minha sogra, apezar de an-
por bem nosso, se no- dar sempre como que alegada n'um ocano de ni-
ura na nurguezia. Os seus amores, o ruido; o nharias edefriroias emesqunhas vaidades,tem
que buscara, e o movimento; o que dtsejam o ei" si unl n; sei 1ue' dur e St-'cco. que repelle e
uuas ar. I brilho e a celebridade, einbora epheraera ala'la a ,|U'm de ,,erl0 a lra,ar Coi**- 1ue
palmo de inia,- _,.....- o seu carcter movido por opiniese ideas tao li-
A iilltratura subversiva, que parece ter era vista xas e de tac dura tempera, como as rodas frreas
moldar a nossa sociedade por certos personagens 'lue movem as machinas.
de negociante retirado do
sena.
Sob arparencias
commerco, nao tem
, Ll', ida anl,ga Grec,a> Pasando os seus escandalosos
muitu h.\ eonpjirrin ., ... a -'ommercio, nao tem meu sogre menos aspereza
.....r-d 51.1. ,- ? reproduccao nem mais maca tempera; mas ao menos, tem o
Havia elle feito aquello quadro na Italia durante ,""U,a"u',ue> "loe em tao larga escala obser. cuidado de occullar a sua rudez com exteriores de
a sua estada era aples. Oueria oenv i ?.. vamos na ">derna sociedade. Porturbaram-se os d'"*erent>mo e de obilosophia, .pie bem se po-
pe no seu dia de airaos en, recordado d^ rna^'^ ^^ S^^^ ^r" ^T '"^: ----" raotna^ 'T t,^"' ,K'rm'
ha poca dasua vida. | J^^u*s.de. m|ulbe|res- 'Iue nla,s e I Semeltanle aos terrenos argilosos sobre cama-
^ oiraua e melhor dirigidas desvaram com horror das de granito, onde o pido se embota ou despe-
A memoria do artista, inspirada pelo seu coracao. .
havia reprodusido cora potica exactidao o r.snnho f presenciar ,aes easeadalos, crem que a se8""da panada, assim elle, c.
3 onsonho este o estado natural da sociedade e am ,- ifiW de bondade, esconde cer
i seis me- *-.------ ... t' e e as3im,llle- aridez e insensibilidade. uue reiwusa
aspecto da costa martima, onde durante
zes se sustentaran! do mesmo pao e repousarara
debaixo do mesmo tecto.
Mauricio assignou o pequeo painel cera a
iraiundo-a as exterioridades, tal\ez veuhara
certo fundo de
ue repousa e adormece
_ como em leito de rocha dura.
: despennar-se era mais crueis realidades. Quando pens na dureza de coracao dos dous,
I pasmo como foi possvel que daquelle conjunto' as-
ciencia de oue era i cons- A senhora de Vitteaux-ao menos na apparen- sse um creatura tao adoravel como Sophia !
juca ql que era urna das melhores obras que os cias-pertencia classe de uue acabamos de hilar Tu "hece-la, mas nao podes avahar quantas
seus pmceis tinham produzdo.e por isso desejoso e c por .sso uue Mn ih ?,, 7 8ra" e bonuad';s enc esta creatura tao ama-
tavadeoofrereceraoamiBoauuemmaisPs.L^, 1 a T^ hav.a visto cora profun- vel. PodeH.os compara-la a u.na rosa delicada
que melhor aue ZZ1 ,T est.raava.e do desgosto o coraeco de reboes entre ella e sua nascida na lin de spero cardo. T a viste arala
r que n.nguem saber.a apreciar a o- mulher. Teutou atenuar-lhes os effetos, porra ?ven lonxjlla tai de apresentar-fa ja esposa.
asogra, ardentemenle desejosade ler ratrada nesse ComPar-a a ">a P-iisageni cheiade bellezas, mas
circulo ariti.uTiti n>.;....... ^ que, occulHs por nevoa matutina, mster que o
circulo aristocrtico, cujas irus a senhora de sol a desfaca para que as bellotas vao surgindo
ymeaux pareca disposlaa franquear-I he, nao ha- urna a uina. O casamento vae-lhe desfazendo as
va descuidado cousa alguma para mais estreitar sombras que a envnlviam. Se ella estivesse livro
da influencia dos paes, muito se scmelharia a
Laura
ferta.
Toda a sua esperanca se desvaneceu.
Em lugar de ver a sua choupana n'uma casa
amiga, l ia ella ser pendnrada em algum quarto
detoocador entre duas pessiraas aqnarellas, ex-!aquellas relaces. Aga.l.a bem conneca que a
posta tristemente as vistas de meia duza de igno. [ senhora de Vitleaux era algum tanto frivola e es-
?" ^.T/M"n COm Aga,ha Sorbl'er- So vcriam'touvada' lM)rm a,,ribua esses defeiws a verdura
"** de "a"no com arvores e Pao Pintados-; dos annos e, demais corao nao perdoa-los a urna
r*^SXl'!l d8 ViLpari>iense linda epertencente 'a.ta sociedade
L mais aeerlM,a a .rntacao do artista. que tnha a arte de enfeitar a sua conversado cora
Oh I se nos vivessemos sos !..
Este desejo, formulado no lira da carta em que
Mauricio, d;pois de tres mezes de casado, fallava
ao amigo cum o coracao as raaos, exprima o seu
mais intimo sentir.
A profeca de Felippe verificra-se : Mauricio
viam MontrST ZTa% !. S"a mU"'er ha' 0S nomes *w,i,*" d tantas marquzas"e con- nao casara s" cora* Spofa,' flajtaTaaoOtar s ca-
roTnanaa 1, ,>'"*auS V'ajand de dessas? Tao brilhan.es ttulos faziar
loinpanina tora quatro ou cinco pessoas, entr
quaes a que menos figura fazia era ornando.
corapanhia con. quatro ou cinco pessoas, entre as de Aatha
'Irl ellTornT"7 f,t!Ura fa"a 6ra marid- -
SAZ tSL'SLS'TS 2t 2f "hora.dt v,,teau?ei
.gen
prietas dos paes e prenles de sua esposa, o que
"o espinio a0 era dt) W(|Ueno peso j duas ou |res vezes
o mesmo elTeito que fazem a nossa vista durante a sua yjagem na Italia, havia tido alterca-
! era ceu claro e puro. A se- 0is co"> a s- a, as quaes claramente se ronhe-
^.a o astro luminoso que tnha c,a I"3",10 a? seus dous genios discordavam. Po-
sunpre aiogada em um mate mag. de guiar Agatha Sorber ao elPiram,. h*.rn a* c rein Sp,"a '"tervinha sempre que os dous deno-
MAN de algarismos, que a necessidade de os appli- GeTaam-lln^^L^^ ,t tavam 3zeame ou irrila?a"- '>lloc.va-se entre
car as suas especulaces faz rolar de comin.m -erman' mX?W ^e^ Cao, que hum.lha- os dous, corao algodao cardado entre duas pecas de
espirito, corao ondas wJttl ,.? >,C "" a "" S',ba,ier cr5'**' pa'a evilar 'lue se 5" e,n "? "
, .' ag,Udas- Hav,a atravessado, o predominio que a mae exercia sobre a filha faz.a
na corapanhia de sua mulher, toda a Italia e cor-: guando Mauricio se consttuiu roembro da fa- com que esta propendesse sempre do lado delta,
rido de Genova i Vneta, passando depois por In'"a Sorber, pareceu-lhe ter sido transportado a Quando, Je|wis da scena do quadro. Mauricio vol-
Xapoles e liorna, onde admirara a suraptuosidade novas e '"cognitas reg.s, pelas quaes elle cam- |" ? ?sa,1 ja,,nafis ?cal'nadu- dtU cu'" a mulher a
dos iialaeiiK rinno .<__ nliaira p.imn .-i,i,i. .....-.j bordar junio do fogao. Assim que o marido entrou
dos palacios ., riqueza dos museus, mas taosraen. """ c,'mo waJanle ransviado em pantanos sem levanto! ella a cabera, oll.ou pifa elle e continuou
te debaixo do ponto de vista commercial, caleu- ll""lus e desertos sera horisontes. a trabalhar.
lando quantos por cento poderam render, 'se os de- Espantava-se, como enanca ao nresencear va : "~ S i ?-perfunt0" Mauricio.
. ,' l,u",V''. ao prestncear vai- Estou respondeu Sophia, soltando um sus-
dades puens debaixo de formas variadsimas; a Pro.
Que tem 1 replicn o marido.
samortisassetn e reduzissein a aeces.
Era Veneza perderam-no de vista : transportiu- ">as erassa ignorancia de tdO q
se n u... wagn para as partes de Vienna onde nao PW instruido; o estupido despreso por tudo
sabemos que minas exigiam a sua presenca.
Foi ento que asenhra de Vitteaux rolln para
Fraaea, na corapanhia de ura parante, que nunca
brava do nariz a luneta de tartaruga cora dous vi-
dros nem largava da mo a bengala de castao de
ouro guarnecido de turquezas.
Durante a estada de todos elles em Pisa, a fama
quanto embelleza e alimenta a vida ntellectual.
Surprehendia um dia e outro a Sra. Sorbier a
formar clculos e coinbinaces para ver se conse-
Sopnia o,bou para elle com ar de espanto e re-
da rguiu:
Oh I tanta fleugma depois de tanta colera !
Nao o comprehendo, Mauricio; isso assim nao
bonito!
Como assim I exclamou o artista. Pois sua
qual,
guiada pelo seu genio frivolo e espirito ocioso, de-
sejava ardeiitemente travar relaces com
artista.
guia juntar sua riqueza mais cera escudos men- mae dspe de um quadro que era meu e anda
saes, a custa de economas, que poderam chamar- P01* cima n,e cu'pam 1
se miserias I Tcm razao; mas, se contina a irrtar-se, ca-
lo-me.
inclinen a raheca sobre o bordado, como can-
irio sobre a lige, e vollou-se de lado na ca-
que Isidoro Sorber gosava de rico capitalista at- Se ,inham de dar um janlar, comecavam as eco- ,. f
trahiu a atlencao de Vitleaux, a mulher do qual. nomias ',l',as Til
Causaran] riso ao artista as conversas que ouvia
deira.
Maunck deu-lhe um beijo na testa, dizendo :
ura i meta, os estirados debates suscitados por certas I ~ 0ra vamos' na0 se a,n'Ja' nem fMi',ms ,nais
palavras noreste ouaquelle facto, por aquello ou ""hia sorriu-se e olhou para o marido com o
guiz o acaso que as duas familias se alojassem Pr a'Iue" U1, >uccesso, que, segundo elle, avul- canto do o ho.
na inesma hospedara. Nao tardaran!, pois em se ,avam tanto, como um ou dous grios de ara nos' ~~ Se "hesse qqe allliccao me causou Ire-
relacionarem e estabelecerem entre si urna lal ou nmonsos desertos da Arabia. ^[coa, ella ~ ,,or '^f\ e""i"1-, T f'u.a(lro ,'!
nuil intimidirte uiuk tai ou mais do que um quadro o minha mae e minha
I iii.iii.uaoe. Acostumado a viver n'um circulo de pessoason- ma"--- Eucolerisar-se tanto por ura bocado de
Nao foram precisos mutos das para que Mauri- de os fados sao de prorapto analvsados e o mov- |,au"e! ,
SI"vT,tZ 3f aJUS' ;ara<",er dS Senhra memdaS idas "!* "* :'"a a -cala da'senaaaft?taba5f.**m ^"" ^*"
ue vmtaux. r.ra lmenle de inclinacoes todas intelligencia e o pemaniento se casa a tudo quanto -Sempre muito preguicoso Que sao seis
mundanas e rutis, brilhante na apparencia, mas nobre, grandioso e bello semelh.va elle um ho semanas ""'7- e mCM- FS outro e nao se
sem o mnimo valor real. jmem a nuera do conservatorio musical lancassem' W"v'0 Sfj8 d '1'"' T e"T'
o__ ,. 'j.. ', ., laudssuii E sophia observando que Mauricio agitava a ca-
Semelhava as lindas cores do pintarroxo, chilre- de "W"18 no cafe ^ cojos. beca, lancou-lhe os bracos ao pescoeo, dizendo :
ando em florido pomar, mas repetindo sempre os Quando, por condescendencia, se esforcava era Ora diga-me, se Ih'eu tivesse pedido, recu-
mesmos trinados;apparentava sem alleracao urna dar ouvidos a taes palestras, destituidas de inte- sa)'.a"mo? ,,
a.egria ficticia, mesc.ada de melancola esludada resse, o seu espirito embotava-se e confundia-se de ^pElR. "^ K
i-
de
l:ires de .I--.ji < inist>. pelo
K. F. % en ti i m.
DECIMA PBIMEHU.
1 >isao de llrus n cu.
Nos agora venios a Deus
como por um cspelho em
enigmas j mas ento face a
face.
(I. Cor. XIII)
O nosso divino Salvador, em todos os milagros,
de que havemos precedentemente fallado, leve por
lira mostrar-nos em figura os milagres, que rio fa-
zer objerto de nossas piedosas consderaces. Ein
tudo o que elle fez sobre ierra, teve sempre era
vista lembrar-nos e representar-nos o ota como
em perspectiva, aiim de mostrar-nos a verdade do
orculo cotitedu no Evangelho d'este dia, e que
elle pronunciou em presenca dos judeus quando
Ibes disse:
Sois terrestres, porque vindes da trra; quan-
to a iiiiiii sou celeste, porque desci do cu.
Urna outra razao pela qual Jess Christo quiz
transligurar-se, e mostrar-se aos discpulos sobre
o Thabor, na magnificencia de tanta gloria e de
lauta belleza, foi dar-nos em sua pessa um ensaio,
urna prova de fado de milagre da beattude dos
santos, que por palavras nos havia anmmeiade,
'' nao um tabernculo de eonslrucrao tasnasa.
mas de arcbileclura divma ; rt que para a *kta f>-
leste nao neessaria hahiaciio ou regan partirii
lar. T idavia, o paraso chamado cidade de Drs.
nao -i. por que c Deas que ah reiaa, mas larannu
por qua lien- qoe a Mema, e ah se acia 1.1
mensidade, na omnipoleneia, na rirtmle di
reza inlinita, ipi,- recebe ti,
l'aiilna do cordeiro, segnn
J"': Ma taalitnde eierna nao ha n-in
trm.ilo. por que o Pea OMipul e u rordnro
divino kiiuaiii em .j mmm/M um iabernai\.;..para
os santos, e ti rima casa e um lerupbv .
Entretanto, para pr-se ao alcance de oom mr
ta i.:Yllig.'iicia, o me.m,, apostM|,j os !-..
esta hibilteto dos sanios como urna ctate : mas
de una forma inteiram-nle singular e cneosla
de materias leda myaterosas e divinas.
A' sua entrada, |oi, nesia I-...aventurada man-
sio, q lando a alma santa vendo-*- era urna r
tao nova, em urna attasosptara tao pura, em asna
cidade lio luminosa, lireram pooea robadotsen
pri.....iro pasmo, exclamara esa um transpane
muito difTerente do de Pedro :
Quanto sou feliz, grande l)^:i-: aor aebar-iNr
era urna maasio to veniurosa Oh sania cidade de Deus! A minha f nao m* tn-
ganou Todo quanto ni linha ourdo coalar ia
las mararimu e de tua< graantasn, acho mi e
mil yezes maiore mais toNo da sos t.nha jyitndn,
e infinitamente superior a lodas as iib-as qu- havia
formado Oh como sao maraviiho*a a sorpren-
dentes as doze grandes ro.iie.indas. que foraaam
as portas Como tio debciaaas as atoas do rio
divino, que atravessa a celesi
por bula aparte a (locura e al.gna I Obi que bel-
leza cerca-a, que luz illunsian Ah nunca a aan-
le desdobra as suas sombras ; nuvem alguma obs-
curece sua inmortal magnificencia.
Eniieanto, nao la la nem sol... Ah! coas-
prehemloo: qne necessidade hade sol e de Isa.
onde est o cordeiro divino com o seu csptendnr
eterno ?
Mas de que se compoem estes nobres estrato*.
estas tropas alegres que vem ao meu encontr *
Seriara os eleitos que a trra, este vale de lagrima-,
envin ao cu ? Sao elles, sim ; reconhero- Kis
Cora elfeito, Jess Christo transfigurado, e tornan- i os patriarchas, cercados de suas amigas
do por alguns instantes os apostlos felizes sobre a '
trra, a mais bella figura, e a prova a raais mani-
fesla do grande milagre, pelo qual Deus, deseo-
brindo-se, encher eternamente de elicidade os
santos na manso de sua gloria.
Por quanto no cu, diz S. Joao, quando Deus
se descobrir, tornarnos-humos semelhantes a elle,
porque ve-lo-henios como elle em s mesmo.
E S. Paulo acres entou :
Contemplando nos cus, face a face e a desco-
l% a gloria de Deus, seremos transformados em
Deus.
E tanto que, segando o testemunho d'estes dous
aisllos, os mais esclarecidos nos mysteros da
religio de Jess Christo, Deus forma" a felicida-
de dos santos, que sao gratificados com a viso e
semelhanca celeste cora elle.
Nao nos separemos pois da doutrina profunda
d estes dous apostlos, fallando anda hoje do gran-
de milagre da transliguracao do nosso divino Sal-
vador no sentido anagogco, sto como tendo si-
do o modelo e a figura da beattude exterior, para
a qual tomos creados.
E como um tal assumpto demasiado importan-
te e vasto, para que ponamos trtalo conveniente-
mente era ura s discurso, reserva-mos para ama-
nhaa o milagre da semelhanca cora Deus, que Je-
ss Christo ora nos operar.'
Hoje procuraremos estudar, quanto pdennos, a
visao de Deus, que obti vemos tambem por Jess
Christo; procuremos, meus irmos, -.onhecer ura
pouco a gloria e a felicidade, que serie ura dia
par i I ha -nossa, quando tormos chamados a con-
templar face a face no cu, segundo a linguagem
de S. Paulo, a essencia infinita, a natureza perfeita,
o proprio Deus, que nao vemos a'este mundo se-
nao no espelho de suas obras e atares do enigma
da f.
Oh santa visao de Deus assumpto abstracto o
profundo, eu espero tornar-vos ciar e scnsivel por
ineio da Escriptura e dos padres. Cont, meus ir-
mos, cora a vossa intelligencia, que tao bem sabe
elevarse aos mais altos pensamentos, apezar da
symbolos de f e* os prophetas, temi i
os livros dos orculo-, Rssbtana da esperanca ;
eis os apostlos revestidos do ouro da caridnV.
Oh vejo os martvres. Como suas forras so mi-
mfeslam. Vejo os doulores. Como a sua scienria
se ostenta ? \ ejo os penitentes. Cunto a sm. ta-
mil.Jade brlha I Vejo as virgens. Como asna
candura resplandece I Vejo os justos oe todas a*
condi .les e edades dos dous testamentos. Como
fulgemseus merecimenlos e virtudes Seo car-
pos, despidos di> que tinham de grosseiro e terres-
tre, confundem-se com a substancia espritus!, i
a luz celeste adorna-os.
Oh heraaventiirada manso. meus iraTim !
Coiuu agrada estar ali Lina calma profunda ser-
ve de confins e muralhas a esta cidade celtsie.
renooso e a paz ah reinara. A foote das lagrima
ahi estancou para sempre. Nenlmma queixa. ar-
nhum grito de dr nem gemido levaniam-se para
perturbar a alegra destes lugares ene limadoras.
Ah nao ha carencia de consolacao alguma, nio ar
soffre |iena, nao se deseja Uem algum nem e le
me algum mal. lmmortal raocidade, que nao Usne
a velhice ; sade sempre flureacente repon-o ne
nao produz a fadiga, alegra sem memela d triste-
za, guso sem tedio, paz que a discordia nao altera,
vida ipje nunca teme a omita
Se o para izo nao (tase seno a iseneio de todas
os males -e o goso de todos os bens, os mate Asta-
rosos sacrificios nao sarta* l*m empreado* para
adi|uir-lo. meus irmos f E entretanto, anda nio
e sto s o panizo. Os apostlos teriam sido ti.
felizes no Thabor. em corapanhia de Movs* e Elias.
seno tivessem corasigo Jess Christo I E a sim-
ples suspeita de que elle poderia ausenlar-se ao
Ihes incutiu espanto e susio Da mesma sorto as
santos nos cus seram desgracadus, senao fires-
sem outra felicidade que a eompanhia dos son-
tos.
De feito, nossa alma, creada por Deus, e par*
Deus, nao pode ser feliz senao-ni Deus e c
Deus, diz S. Agostinho. Mesmo sobre a ten-
alma s procura Deus. Pede Deus^Mg*'
o Ihe^v
obscuridade d'esta patarra, que to feliz sou em a cerca; atira-se ao encontr de quanto I
annunciar-vos. uma eenlelha de besa, emanacao da bondaaVW
pamKiRA p\rtk. nta; desdenha sempre os In-ns presen'-. sopL
Quem poderia formar urna idea justa, conceber ra pelos ausentes, porque estes se Ihe augurara son '*
era seu espirito e explicar pela linguagem os se- a |m'lK''ra de alguma cousa de infinito. Aspirase
gredos da manso eterna ? sempre a eterna verdade era tudo que pretende
Quera pode fallar dignamente d'este alto myste-' conhecer, aspira o soberano bem em tudo o i\n-
rio da feficidade dos santos, em presenca do qual Pretende amar. Nos aroarfoa prazeres que de-
reca a penetracao de um Themaz, ica muda a gradam, s procura, sem que de tal se aperceta. a
eloquencia de um Agoslnho, estaca a etevaco de perfeicao e ainabibdade infinitas, e. fugela Den.
um S.. Joao, e confunde-se o genio de ura S. Pau- implcitamente so procura e ama Deus.
lo, o qual, corao tora de si, pelo estupor e o anean- ('n'se 'al a disposieis da alia, mesmo nasos
lo de que tomado, conlcssa que tudo o que sabe', "Jtumto, apenar de todas as illuses que a olnstam.
nada dizer a respeilo, contentndose cora excla- '"'" '"s os phantasmas que a cegam. de
mar:
O olho nunca viu, o ouvido nunca ouviu, o es-
pirito humano nunca pode comprehender as rique-
zas da recompensa, que Deus em sua hberalida-
de infinita reserva no cu para aquelles ue o a-
mam?
A trra inteira, cora a varedade infinita dos pra-
zeres, das alegras e das delicias que proporciona,
e que nos fazem esquecer o Creador, a trra intei-
ra, digo, nao pode servir-nos de termo de compa-
racao de modo a poder-mos formar alguma idea
da felicidade do cu.
Cora elfelo, diz S. Agostuho, o que pode haver
de commuin entre o ultimo alvergue e a residen-
cia real, entre o escabello e o throno, entre o sloj
da inaldie.io e a manso da henco eterna, entre a
lodos OS
Objeelns sensiveis que a desvairani. imaginis anjae
ser ella, quando despida de t
ror|>r>, espirito simples, seguida s de sm aa?
obras, entrar no mundo da realid.iiie, onde todo
verdade, tudo solido, ludo serio, tudo impor-
lante, ludo eterno; onde, restituida a viva can
de seu instincto prodigioso, ella n.u> v em Dens
seno e unico objeclo capaz do eaetaf a imroensi-
dade dos seus desejos e o ardor dos seas rotos! Oh'
Deus de meo corarlo, esstamnr ella, atnnian-
do-se na leba mans'io, onde esr s a vs
procure i sobre a Ierra, que outro qoe ai* ros ao>-
so desejnr, s sm sma antro senao era vos poso
agora repousar 1 Sim, ai tendo querido 0*m no
tempo, Deus que eu quero na eiernidad- Oh
vs, grande Dens, que vedes e ldes ao fuado 4o
Era tal a sua mana de fallar, que nao havia Nunca na.juella casa entrara um livro, a nao ser
conversa, por seria que tosse, na qual ella se nao al8uin pessimo romance; nunca ali se discutlu um
inlromellesse, s pelo prazer de palarrinr. Emlim, Ponto de arte. Ali apenas se sabiam os nomes dos
era urna mulher que poda romparar-se ao meinho mais celebres homens que andam na bocea de t-
pelo ruido emoviinenlo; andnnha, pela ligei-!dos; osaconteci.nenios polticos de maior vulto
reza-, ao arco iris, pelo brilho; cigarra, pela nao erara anal)sados seno em relacao n alta ou
imprevidencia. j baixa que pod.am InfMtr nos prec< dos viveros.
Com taes qualidades, impossivel Ihe era agradar Alguns trechos de urna carta, que Mauricio es-
a Mauricio de Treuil. E, cora elfeito, sontia o creveu de Roma ao seu amigo Felippe, daro urna
artista uina certa antipatbia por ella, antipathia justa idea do estado moral a que o seu casamento
lano mais tone, quanto era o receio de que So- reduziu :
pina, novica e inexperiente como era, se deiasse |
scduzir pelo contacto de urna creatura
rader tao leviano nao resista no fal
pbrases alindadas, mas ocas, e desconhecia
raias do honesto.
Tema, finalmente, que a mocidade inexperiente
de sua mu
Montein foi dia de grande gala. Minha lhe
ped para o otiereccr a Sra. de Vitteaux
Maurieij, ao ouvir o uotne, desceu ura tanto a
sobrancelha e replirou:
Ento assim amiga da Sra. de Vitleaux?
E por que nao o hei de ser ?.. Ella muito
amare! e j muito bons bailes,
Oh! todos os bailes particulares sao muito
bons; ao menos de todos se diz que o sao.
E a'in dsso ella encarrega-se de nos apre-
sentar luqueza do Brcourt, sua intima amiga.
Mauricio encolheu os hombros e redarguiu :
Acredita, minha amiga, em todas essas du-
quezas que a Sra. de Vitleaux mistura as suas pa-
lestras ?
Sophia olhou admirada pan o marido e disse-
ura, cujo ca- Sgratow a *" iJa de banquetear algumas pes-' ,~ 'Na(, e"t;'l",' Mai,r,'10
. ..; so.ts ,i.. ,iui,.,..\.,___^ digna de ter relaces com duqu
also brilho de Ja.s L *. a saber : dous fabricantes de "_ yk, Sl,; ^ ha lio pUr
esconheca as ,lua> "m-prefeiio que anda a viajar por doen- certo que quando as rerdadeiraa
te, uina tal Sra. de Vitteaux esou marido, de quera :'las falsas...
bol de fallar ...ai, detidamente, e um bario. ~ v^ad'f o.1;' >odo be.n singular, meu an.i-
miui.i______i ,. ..tu, ,, | Matlulde visitase cora senhoras da mais a a
muito pequenmo, que traja l.uissiraos cohetes, sociedad* e muito de bem.
Naco entendo, Mauricio Matlulde nao ser
uezas?
:as duquezas I.. E'
que quando as verdadeiras faltan., ha as du-
pnso dos exilados e a babileao dos comprehen- i meu 'oraeao. sabis o qu vos do, o
sores (santos), entre a rado d'os rebeldes e a me- (lue VOi Me; sabis que o meu unico desoja r
sa dos lilhos, entre a assislencia que Dous presta, I enconlrar-me tan face com vosco; sabis, ejne
mesmo n'esle mundo aos reprobos e a remunera-, ei',! ''oraran palpitante pur vos. aspira-vos. como
cao que reserva para os eleitos ; finalmente entre Il0(l0 ofleganle para vos. mais apressado do -roe o
os bens cora que Deus pune muitas vezes os seos '''T.v" r.L'r"'0 nrorura a agua que dere a brandar a
iiiiniigos, eas riquezas com que recompensa os
seus amigos 1
E pois que s de Deus, que nos podein vir as
ideas de seu reino, comentar -nos-hemos com in-
terrogar sua palavra, a Escriptura; e com o auxi-
lio dos santos podres, explicaremos as prncipaes
passagens, em que Deus nos disse alguma cousa
de seu bemaventurado reino; veremos quanto sao
profunda-, e to admi dos |iensamentos humanos,
que o hornera jamis loria podido inventa-tai e
ardor de sua ferida Oh! rale esta Deus! os-
trem-ra'o, descubrain-ui o. mams v.'-lo I ata -
jos, sanios do cu, iud.eae-m'o! Evos. Mari i.
porque tardaes en. moslrar-rae esse Jess bentdiio.
fructi. inmaculado de vosso seio virginal *
esla acabado o exilio' ni. tonta derramado bas-
tantes lagrimas? nao tenho suspirado ha-tan'
valle da dor*
Estes desejos da alma, tao fervenles e lio \
lentos, mas lio justos e lio legilimos, serio satis-
veremos tambera, que por sua propria devocac, Itertas- '"* Chnsto disse no Erangelho: O .pie
demonstrara sua divina origern e sua verdade. araar-me, sera amado por ajan Pac ,-unw sen -
Vimos tantea que o Evangelista coraeca a bis-'lh0-'" coni razao maior Statal eu. e par,. ;
loria da transliguracao, fazendo notar que ella rea- va d" ""-'" ai""r mostrar-me-hei a elle .vm ves e
lisou-se iti-pui (tr.'is OMS; que estes seis dia- re- Jf Ora. Jess Crtelo J cumpriu esu
ferern-se aos da cieaeo, durante os quaes, tudo o i >ella Pro"", que Deus fez foi Soberanamente bom, e depois dos "*. como no-la fez anula na | es-oa detles.cnni-
quaes, como tambera est escripto, cessou de tra- pn-ta-na tambem eemnosca nos atas. Katin pm
baldar e dt'scancar. 1"e 'oHosla-se os Ires discpulos sobre o Tha-
Os apostlos, que so depois de seis dias sao ad-''""" ":l ",e initlidos a gozar do renooso e alegra de Jess 'I'"' M "">stra aos sanios e aos eteito*. So
Christo transfigurado sobre aterra, represenlam ,a"."H;i"; l,'''us lrn*w' ?*>* *
segundo Boda, lodos os eleitos, que tambera nao "Vlna bnlhaole com o aM, a com os seus resli-
podeni ser adiniltidos ao repouso o alegra de Je- ** respiandecenles do que a nev.
sus Christo nos cus, seno de|>os de haverein fei-.. M;,s> erangelista nao serrm-m desi
lo boas obras durante os seis dias ou as diOorentes
Huin Ha tanta gente V bem entrando a
er, ja ura tanto desvirtuada pela mal
dirigida influencia materna, se transviasse no tu- Heinou completa alegra.
muliuar de um viver que elle comparava a urna' As vboras traiarara aeoSmi-taoapaWimos o [ ** eonirntando, qoe i em motor numero...
orchestra, cujos inslruraenlos tocassein siraulta-, lMo, e fallaram cora tal maestra, que entro em! _{-! queVlr^'ittaMl nao se cis-
neamente o ta ir c a aria de urna opera. durida se modistas de trotaste iralariam a ques- ma de Vitteaux, que nao casada, que nao moa
A experiencia que elle tinha do mundo fazia-lhe j,a0 melhor do que ellas. Os ravalheiros entretive- na ra d' \njou-Sant-llonor, e nao estejamoi cora
temer semelhantes encontros, lo fromentos era rara-se fazendo grvese longas ronsiieraroes acer-' '"'l1^ dl?cissoes.
nossos dias, onde todas as c.asses, cond.ces e vir-, ca do que pode render betarrata e sobre o modo \ S&SmFZ* TjrtfS3K
tudes ou vicios se confunden!. Tinha muito uso do I de t.ngir o algodao. Quanto ao bario, esse tocou eotorello hombreira do fogao, repoosou a face na
Pars e bem sabia quanto sao estreitos os lmites a rata do sublime; distinguiu-se a ponto do fazer nio e calou-se. Asna attiiiu j linha a lnguida 'd solne o Thabor, quando, ao despertarem.de
que soparan, a mulher honrada da mulher perd-' calemburgos! I ^ e a har.nonia de Unta. que to famosa li- 'SA^S^SS&^i^St^
' n ,. i zeram a estatua de Polvinnia. propnos Mr.uu-s eiuu.uiaos ue ..ma luz divina,
da...... ura a senhora de \ itteaux, por nasa- Combinou-se ir araanhaa ver o templo da Con- croubados ao cootacto dos homens para entraran
monto o poeipfe, partencia sociedade escolhida, cordia, mas o raais leve incidente [ijde fazer mudar Mauricio observou a com ler ura o o espelho qne em relacao cora os santos : licaram ento sera mo-
porm o seu modo de pensar e de comprehender de dea.
como deve viver-se rehaxava-a, tal vez sem ella | Urna desconhecida com suas parecencas com
edades da vida.
Quando pois a alma fiel ha completado os seis
dias do seu santo traball.o sobre a Ierra, vemo-la
adormecer com o beijo de paz na mortc preciosa
dos justos, e roa, segundo esta predicto, a procura
de seu repouso eterno no seio de Deus 1 E o justo,
verao-lo tambera, que, cora o signal de predestina-
cao e repleto de alegra e de esperanca, precedido
do anjo fiel, seguido do Cortejo das suas virtudes,
sobe o verdadeiro Thabor, a inontanha do Senhor,
seu sanio lugar, onde s pile o pe os que se apre-
sentam de raaos innocentes e alma pura 1
Figurae-vos ura cgo de nascenea, que, por ura
dos bellos dias da primavera, transportado ao co-
mo d'uma inontanha, d'onde se descortiua era de-
redor um immenso horisonte e um paiz encanta-
dor, recebe le repente, e por milagre a vista. Era
que extase de espanto nao Reara elle submerso,
vendo pela primeira vez a abobada asulada dos
cus, a belleza do sol, o encanto da luz, o esmalte
das cores, achia inage.-tosa do mar, a graciosa
gentileza das llores, a riqueza das plaas, a varie-
dade dos pasean s, a abundancia infinita dos oh-
jectos qne adornara e embellecen! a trra?
Elle havia ouvido rail vezes fallar de lodas estas
colisas: mas nao tinha podido, na profunda obs-
curidade do seu espirito, formar disso genio ideas
vagas e imprtalas.
Ora, Uto apenas urna muito pallla imagem da
sorpresa, do olluseamenlo, do prazer e do encanto,
que a alma esperl.....ola i sua entrada na serosa-
lin celeste. Os apo-tolos nos do alguma idea de
dar por isso, ao nivel dessas mulheres que repre-, una conhecida, om vestido azul que pareos egual liando raeigu.ee, disse-tta
eslava difront
presso du marido. Sophia flcou alguns momentos algunas palavras, sera saber o que dizia, pois que
que. rollando a lace com gesto bri- pedia a consirueco do tres tabernculos oaqoelle
lugar.
manea da nev e do sol. senao porajns n. I
liberemos mais resplandecente do que o .#>' e
mais braneo do qoe a nove. Ora, estas conspara-
ees eslo amito abata da realidad-: r pnaai
impossivel que creatura alguma repr.
mente a gloria d > Creador. Bisamos i
ros certos de que nosso divino Salvador resp
deeon sobre o Thabor, e resplandecer,. OS Ota com
uina luz mais viva, que eclipsar a do sol; eaaw
a sua bravura a o sen brilho
cima da nev. Ora, quem poderia jam
car on eompretaader o encamo, :x airarte da aian
a vista da santa bununidade .1 i
glorificada, circumdada da aantantaf dmtan,
sentada no throno de sua gloria s tan ne de
passagonj c por um momento como M rses a rm
sobre o Sinai e os aposi.1. sobra o Itaamr, mas
pausadamente e de um modo permanente ,| ..
que poden a motada mus -obre ata a ana vana
e au.d i mais o seu coracao. eonlempla-la, .1,1*
eill rodo o esplendor de sua magnificencia e .le sua
grandeza? Oh especiando eiicuiti! iri,
arrebatadora Sim. a alma repetir em nm <-\tane
de mararilta e alegra Oh doce eamuroso Jeso'
ei-l,i; vejo emlim asta It'demptor dtrtao, mea
Salvador e meu Ksposo; vejo-o tal .pul
belleza em sua face! que magtliada em sua Iraov
ie! que grnea en sen ornar j i
seus labio-' que espieador un mas roag .
gloria em seu throno Sua grandeza a i r.-bata ase;
sua bondade me inllinma; sua durara ioannfetaonr
embliaga-me e transporla-me. "'. nn;.i.
ra, poi'ipie Pedro dissra, que
contemplar esta face divina par
do-o no ineio dclles nao devian. ajois doaijs U.
por ira. quanto mais o veem,
mente v.'-lo anda, e, se bem que nHifiSsn, nunca
sao saciados.
(Coiilinmr-H-ha >.
PEUNAMBUCO. fYP. UB M. F. F. & FlUbJ


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EF80A3153_HQYTWU INGEST_TIME 2013-08-27T23:31:55Z PACKAGE AA00011611_10103
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES