<%BANNER%>
Diario de Pernambuco
ALL ISSUES CITATION
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/10019
 Material Information
Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Tuesday, March 20, 1849
 Subjects
Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
 Notes
Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.
 Record Information
Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:10019

Full Text

Anuo XXV.
Terja-feira 20
0 rj/lfliOpiiblici-setodisosdiaque nao
fnrnn de guarda. Opre{o daasstgmlura he
,]p 4-000 rs iiorqu.iUel, pvgotwlrintadot. Os
inrtunriot dos asslgdantes s3o inserido a
i.uo de 20 rs. por linba, 40 rs. em typo dif-
lerente, cas rep*t9i5epela metade. Os nao
asignantes pugirao 80 rs. por lulia e 160 rs.
mu typodiffereiUe.. por cada pul>lica9ao.
PBASES DA LA NO MEZ DF. MARCO
Crescente, a t, s 9 horas c mo. di ar*.
I.ua chela, 8, 10 horas c 42 mi. da ara.
Mlngoanle, a 16,s 10 horas e 19 m- ' -
l.u. nova, a84. is II horae>"a**" "" ?'
urcswhte.ai.s 4horase39.nlo.da manh.
PARTIDA OS CORREIOS.
Gofanna e Parahiba. ssegs. t sextas-reirs.
Rio-G -do-Norie, nulntss-feiras ao meio-dia.
Cali SerinhSein, Blo-r'ornioso, Porlo-Calv>
' M.ice, no I .* 11 e SI de pada mcz.
Garanhuus e Bonito, a 8 e 23.
Iloa-Vista e Flores, a 13 e28.
Victoria, s qulntas-fciras.
Olinda, lodos os dias.
WlEAMAR DE HOJE.
Primeira, nos 30 minutos da tarde.
Segunda, aos 54 minutos da manhaa.
le Ufarlo de 1849.
N. 65.
DAS da semana.
19 Segunda. ** S. Jos.- Esposo de Nossa
Senhora.
20 Terca. S. MartinhoDiimicnsc. Aud. dnJ.
f doc. da l.v. edo J. depai do 2. dist. de t.
21 Huira. S. Bcnto. Aud. do J. doc.da i.
v.edo J. de par. do 2. dist.de l.
22 Quinta.S. F.mygdio. Aud. doJ. dos orph.
e di. i. M. da I. v.
23 Sexta. S. Flix. Feriado para os negocios
fnren'ces.
23 Satinado. S. Agapito. Aud. do J. do c.
da I. t. e do J. de paz do 2. dist. de t.
20 Domingo. S. Irinto.
CAMBIOS NO DA 17 DE MARCO.
Sobre Londres n 28 d. por 1/OO rs. aGO dias.
. Pars 350
Lisboa n.K por cento de premio. .
Bio-de-laneiro ao par.
Dse, de leu. d? boas firmas al'/ % ao me?..
Acede da cump. de Beberlbe, a 60 ra. ao p.
0Mro.Oncas hespanhoias. WfitOl) a 30/fOOO
Modas de 6*400 v. 17/200 a 17/W
de 0/400 n. 1000 a M&t>
detyOOO.... 9/200 a 9/409
Prita-PatacdCsbrasilelros 1/flOO a 1/980
Pesos coluinnarios. 1/900 a 1/98"
luios mexicanos..... 1/900 a 1/920
BUG
PARTE OFFIC9AL.
GOVERNO DA PROVINCIA.
Ultn. Exm. Sr.A primeira noticia que recebi de
haver sido lacada a opulenta c formosi cidade do
Itecio pelo rebeldes, que tanto sanguo o lagrimas
linham j feilo correr sobre o solo da patria, produ-
ziq no meu espirito urna emoQilo correspondente a
klria das calamidades que deveriam provirdetama-
nho attentado; mas ao mesmo tempo tranquilli-
sou-me a certeza de que todos os clculos da amhi-
eilo o da perfidia,' todo o Turar com que os loucos
seempenliassem na execucito de seus atrozes pro-
jectos, seriam baldados pelos nobres esTorcos dos
fiis defensores do monarebia constitucional eda
integridade do imperio. Fot isto justamente o que
vi confirmado nos olicos que V. Esc. leve a bonda-
dede dirigir-mo com dalas de 6 e 8 do crranlo, e
nos mpresos qne osacompanbaram.
Lando a deacripvS So T.Ctesrsre! sosibats do dis
> c apreciando devidamente o modo como so por-
tramos eneres, ofliciaes o pracas de oossas Torgas
trra e de mar, bem como os briosos cidadaos de
diversas classea que empunliaram as armas em fa-
vor do governo legitimo e da ordem publica, eu
ii5n nodia deixar de sentir vivo prazer, porque assim
iiistifleoii-.sfi plenamente o conceito que sempre for-
mei ,1o seu lor lealdade, como tive a honra de
eommunicar V. Exc. por occasilo de entregar-lhe
a admnistrac/1" di provincia. .. .
Pagando pois.a cada um desses honrados Urasile-
ros o tributo re minha admlracto e estima.j muito
penhniaila por seus feitos anteriores, de que eu
mesmn fui lestemunh, espero que V. Exc. aceite
lambem ;.s minha sinceras fclicitactas por haver
presenciado dirigido tantas aceces do patriotismo,
por le- visto fielmente cumpridas no meio dos maio-
res perigossna acertadas ordens a bem da defen-
sa da rpita!, porte* Udo emtim a gloria de prestar
relevanles servicos nos patria em to criticas
circumstancias.
Rons guarde a V. Exc. Palacio (lo governo do Ma-
ranliito, 18 de fevereiro de 1849.Illm. e Exm. Sr.
desrmbargdnr -Manoel Vieira tosla, presidente da
provincia de lvinambiien.-Flerculnuo femira l'enna.
EXPRMEME DI OA 16 HE IIAItgo.
Offieifl.\o commandanledas armas, declaran lo
que ldc mandar assentar praca, nos termos do de-
ere o de 18 de novembro findo, ao paisano Francisco
Toligno do SotiSH|Magalhiles. Communicou-se ao
inspector da pagadoria militar.
Dito__AO mesmo Constando de officio do coro-
nel inspector da pagadoria militar, datado de 15 do
correnle, que a carno secca vinda do Hio-de-Janairo
a hordo da fragata /arooeqne seach no ar-
senal ilo marinha est nm risco de se arruinar, e
convindo evitar o prejuizo quo disto rrovr a fa-
zemla publica, lenho rosolvido, de conformidado
com a opinio do mosmo inspeclor, que a referida
carne sejdislribuida em elape pelas pravas dos cor-
pos desla gunrnicflo, bem cjiiio que so descont da
consignaefo diaria para os prels das dilas praQasa
impoilanciado tal furnceimento, nfim do ser rosti-
luida repartiQio da marinha porconta da qu.il ttra
compra'lo semelbante genero. O que ludo participo
a V. Ex ,para que, nesta ililelgencia, hajadeexpe-
ilir as convenientes ordens adro de quo os qiiarteis-
niestros (los mencionados corpos vfo ao dilo arse
nal, ao.menos duas vezes em cada s'emana, para es
eolherom a carno que estivpr no caso de serappli-
cada no fim de quo se t'rata ; cerio V. Es. de que
nesta dalaoftcio a respeitoao inspector daquella es-
lai-no.--\(.'S[i' sentido odiciou-se ao inspector da pa-
gadoria militar c no do arsenal dejnannha.
Dito. Ao mesmo declarando que vai levar ao co-
nhecimentCjJB*governo i|iic fllec.era hontem o i "
tenenl indo balalhio de arlilhana a p, An-
tonio .Muriano Lobo Rolelho, que fura ferido no ata-
i|iib de Po-Aniarello. "
Dfto.Ao inspector da thesouraria da fazenda pro-
vincial, recommeiidando baja de providenciar para
i]no se adiantem os soblos desde It do correnle aj
o fin de niiio prximo futuro s pragas do corno de
polica quo vilo partir para Paje-de-Florcs, boni
romo para queso abonem tres mezes do vencimen-
los aos ofleiaes que para all seguein com as refe-
ridas pravas.Inleirou-se o commandante do men-
cionado corpo.
Hito.Ao inspector da pagadoria militar, decla-
rando que convin em que sejam arrematadas em
basta publica peraie aquella pagadoria as seis r-
/es rcmctlidas pelo commaudanle do terceiro hala-
Ibflo (le ai tilbana a p, quescacbam uoquarleldo
hospicio; e determinando mando.publicar os compe-
tentes annuucios, certo deque vai recommendarao
comniandanlo das armas a expediento das conveni-
entes oidens para que as mencionadas rozessejam
franqiieadus a quem quer (|iie as quizer examinar.
I'artlcipou-se so referido cumiriadH"'" das armns.
Dito.Ao piesuiOj Iransmittindo upret e a relacflo
das prac'as do'prrmeiro batalhao da guarda nacio-
nal lo Limooiro, que por ordem do respectivo dole-
ado ronduziram lehel.les para esta capital ; ilim
u que, caso o referido pre est'ja confrnie, provi'
dencie para que a sua iuiportaneia ; 26/730 r.s. ) seja
cntreguo ao .sarjjonto Antonio Marlins Ayres.Ooa\-
nninieo-se ao ebefe de polica.
Di lo. Ao inspector do arsenal do marinha, au-
lorisindu-u a mandar comprar urna camisa e una
ealfa'nara cada um dos quarenta e qualio crisio-
ueiros feridos que se iclnim na enlerinaria da-
quelle arsenal, e i eco minendando que, effectuada a
compra, laja organisar a conta do que com ella se
despender, e a remeita it presidencia a lini de provi-
denciar a respeito do pagamento da respectiva im-
portancia.
Portara. Nosnoando para os lugares vagos de
primeiro c segundo supplentes do subdelegado do
segundo districto da freguezin de SerinhKem a Jos
do Reg Barros Wanderley e Jos Columbino de A
raujo Lima Participou-ae ao ebefe de polica.
lilla;-l>emitlindoaMiguel AjchanjoKerreira do lu-
gar de subdelegado do distrhjb de Maranguapo, ter-
mo de olnda, e nomeando para substilui-lo o len-
le coronel Francisco de Paula SousaLeflo. Scienli-
ficou-se o chefe de polica.
Dita.Demittindo o subdelegado da freguezia de
C.aranhnns, Raymmido l'erreira de Mello, c o respec-
tivo primeiro supplente Jos Fcrreira do Araujo; e
nomeando para substituir a oslo o cidadio Jos Go-
mes de Mello Jnior, e a aquella a Manoel Pereira
dos Santos Rocha.Inteirou-se o befe do policio.
Dita.Nomeando a Jo3o Cavalcanto do Albuquer-
que para capilao da companhia da Capuuga, addida
ao corpo do voluntarios. Communicou-se ao com-
Qisndanle do referido corno.
. B. De igual teor nomeando para lente a je-
suino Comes Si mus Lopes, e para alferes a Joaquina
Machado da Silva o Alfonso Cavalcanle deOliveira
Maciel. ______________
IIIABMOEPERNAPlC.
nzeirt, la ab90 Di 18*.
QCASl-RXTINCCXo DA RBVOLTA. BBNEFICIOS QV&
PODEBAO HU.sULTAIt HK5TK FACTO.
Us loitores rocordar-se-bo, certaaicnto, de tc-
rcm visto em Diario n. 62 do de 17 do corrento a
circular em que o Exm. Sr. presidente desta provin-
cia communicra aos das do sul que Manoel Pereira
do Moracs, Joo Paulo Ferraira.e mais alguna che-
fes revoltosos haviam desapparecido enlrc Pasmado
e Iguaraas, deixando 150 de seus Iludidos sectaiios
entregues a Rorges da Fonsoca ; bem como que es-
perava que esses destrocados restos, supposto que
sb a direccSo desto homein, dentro ctu breve en-
tregaran! as armas.
A' vista do conUHido em a citada pega olficial le-
riam clles comprehendid, por sem duvida, que,
rcduzidos a tal estado do dcsmoralisa?5o, os rebel-
des do norte quasi quenosnfopoiliam faz'romcnrr
mal, e que, se anda havla aiguma cousa a recear.
era da parte do grupo que, capitaneado por Podro
Ivo, conservava-se em Agoa-Preta, e, segundo corra
ahi aigures, dispunha-se a acommetter segunda vez
a cidade do Roeifc. Entretanto, vamos offcrcccr
consideracilo do publico dous documentos que o con-
vencero de que mesmo esse grupo so ha precipitado
as mallas, e em tilo crtica siluac.no, quo he para
crer quo os miseros de que se elle conire nilo saam
do escondrijo a que se refugiaran! senfo para se
iprescntarem a auloridade a fim de gozarem do in-
dulto imperial, imitando desl'arte o procedimento
dos dezoilo companhei ros seus queja acham debai-
xo da yuarda das tropas legalistas.
O primeiro dos documenlos que nos reportamos
mais cima lio o seguinlc :
Illm. e P.xm 5;-.-Teimo a honra de participar
a n V. Exc. quo hontem acampei no engenho Cama-
leio-do-Sul com a forca sob meu commando, c
quo boje, pelas 10 horas da mandila, entrei nesla
a villa sem encontrar a menor resistencia ; porque
'c os rebeldes, como V. Exc bem rcloxionou oin
seu respetavel officio de 9 do correnle, noocei-
laram o combate, o desampararam cobardemente
a mesma villa esta madrugada, tal vez por liles
n constar hontem a approximacno das forcas legacs.
Pelas normaces que acabo do colber, soube que
contavam urna forra nila pequea, mas exhuasta
de nninicoes .le guerra; lano assim que havia
pracas que apenas linham a arma carregada : sen-
do lambem certo quo a dosmoralisacilo as fileiras
desses vndalos lom sido consderavel, mrmen-
te depois da mortc de Pedro Grosso no fogo que a
a columna levo com urna guerrillia rebelde no da
9 do correnle, cojno ja livc a !:o:ra de participar
V. Etc. ; pois que emelhaute individuo era um
u dos maiores influentes ueste ponto. Por ora aiu-
da nada pudo saber acerca da rtii'ecgfio que loma-
ii rain os rebeldes.
h lia urna hora que aqu cstou, e j se me aprsen-
le tara ni 18 rebeldes que protestan! emenda de seus
en os ; o eu Ihes lenho aliencad em nome do go-
veino toda a benevolencia para ellos e para os dc-
i mais que se aprrsentarem. Espero que deste al-
vilre resulte que o numero dos apresetilados sej
brevemente augmentado.
AuianbiTa pretendo l'azcr sabirfdrcasa perseguir
alguna grupos quo porventura vagueiem as ini-
mediages desla villa.
a lima f.irca de 200 homons que mandei pela es- sangue brasleiro ; (i/eram-sc muitos orpBSk,
irada denominada do Souza, e que devia atacar
este ponto cotijunctamonte com as dnmais que sn-
guiram por outros lados, levo fogo com urna
guerrilha rebebi ; do que resultou ter a dita guer-
rlha 2 morios, no cntanto quo a (orea legal nao
* soffrou a menor perda, scntindo nicamente nlo
os poder colber por se embrenharcm as mattas
a com a maior rapidez.
He quanto me compre levar ao conhecimcnto do
V. Exc, quem afiancoa minha solicitudo ea
dos bravos quo mo ocompanham pelo restabeleci-
ment da ordem publica nesta imprtame pro-
vincia. ,
Dos guarde a V. Exc. Quartel do commando
i, geral das ftgas em operacoes ao sul da provincia
i. de Pernambuco na villa do Agoa-Preta, 13demar-
co de 1S9.Illm. e Exm. Sr. Jos Joaquini Coa-
ho, diguissimo general o cominandaiiie das ar-
mas desta provincia.Antonio liana de Sonsa,
tenente-coronel. *
O Sr. tenente-coronel Souzn nlo so contentou
com o inteirar o Exm. Sr. brigadoiro Coellio di sua
fcil e feliz entrada em Agoa-Preta,esle ultimo re-
ducto rrusquelivram a loucura de armar-se contra
o governo : um da depois daquelle om quo oceupou
semelhante ponto, dirigi ao Exm. Sr. presidente
da provincia o oflicio infra :
Illm. t Exm, Sr.Tenlio a honra de participar
V Exc. quo hoje, pelas 10 horas do dia, acam-
pe nesta villa, achando-a tolalmenle evacuada
dos rebeldes que nclla so achavam, os quaes. ape-
lias souberam que as forjas ao meu mando se Ibes
apprnximavam no intuito de bai-Ios, correram
desorientados em procura das maltas.
Segundo as nformacesque tenhq colindo, re-
leva asseverar V. Exc. que essa gente perdida
vai a desengaarlo da illusilo em quo tem estado,
e prestes veremos esta bella provincia restituida
ao seu anligo esplendor e ordem. Entretanto fa-
rei todas as diligencias por dispersar no tolo esses
grupos quo anda infestam o sol da provincia.
llolem mesmo j so apresenlaram 18 dos rebeldes,
bem armados ; devido este resultado aos patrio
ticos desvelos do meretissmo padre Joaquini l'in-
lo de Campo*, cujas luzeseactividade promctlem
gnaes vantagens a causa da legalidade.
Itciloro V. Exc. os mtus protestos do vorda-
deira consideracilo-
Dos guardo a V. Exc. Quartel do commando
das Torcas das Alagoas em operacoes na provincia
n de Pernambuco na villa de Agoa-Preta. H de mar-
.< eo do 18*fl.Illm. o Exm. Sr. Manoel Vieira Tosa.
presidente desta provincia.Ionio l/ra de .Son-
a ra, lenciite-coionel.
Cotifronlaudo esta participarlo com a que a pre-
cede, lodos concordarlo comnosco que a revoliaest
quaii extlnclu; pois que reconhcccrlo, como nos,
que no sHo os 150 nfelizes qne Uorges da Fonseca
anda conserva enredados cm sus ai madillias, nem
IflO pouco os forBgdos as mallas de Agoa-Preta,
quasi inteiramente despro.vido de munies, quo a
hio de susteiftar,--que hijo do prolongar esta poca de
lucio, de doro de consternaco, cm quo nos preci-
pitaran! paisocs desencadeadas e mal dirigidas,
ambicocs desregradas c lillias do mais mqualifieavel
egoismo.-odos reconcentrados e romo que atoa-
do's por osse louco dosejo de dominar o de ostentar
nfluencia, quo do lempos para c ha gal toado o cor-
tos" individuos que, sem mrito real, c incapazes de
adqurirem urna reputado pelas vas que ? sabe
franquear-se o homem honesto c laborioso, nada
poupam por transprem o prtalo da espacosa barca
da poltica, a qtial ha transportado, muila vez, da
uullidado para as mais elevadas posicoos socacs en-
tidades iilo mesqumbas c insignificantes, que cerlo
jamis as Icriam altingldo, so o acaso, ou antes a
intiiga, para a qual tanto gelo teem as aln:as vis,
Ibes nilo bouvcssem proporcionado orcasiio do p-
Iharem nessa barca caprichosa una pas^agein dor,
ou mesmo de ponto !
De feito, o horizonte poltico de Pernambuco, des-
ta patria do tantos hroes, sacrlicados quasi lodos a
ambicao u us caicuios depervcrsiJadedosque, pa-
ra realitarem urna ideia, eilio dispoilos a paisar por
sobre os cadavem dos ieu$ mais pronunciados amijos,
victimas tjuasi todos da estrategia dos salliinban-
cos que nilo levam em conta as vidas do irmSos,
quando se trata do seu transitorio bem-estar; o
horizonte poltico do nossa Ierra natal, dizemos, se
os antolha-um pouco mais risonho e faguciro do
multas viuvas ; o ludo isto sera o mnimo resul-
tado para aquelles que nilo recuaram anteo lgubre
o modonho quadro da guerra civil, aeompanbailadis
todas as misoras quo soam ser consequencias dol-
a : ameslrado por esla terrvel liefo, o povo ha dn
sabor repcllir para bem longo de si quem qur que,
em nomo de um principio poltico i/nalqwr, tentar
arrastra-lo para o maladouro, quizer lubnfcrg'lo
cm abysmo do calamidades tilo profundo como essa
om quo se ello se ocha morgulbado, c do qual como
que principia a sabir, tomaudo a louvavel rMoIncJfb
do dcp\r as armas fralrcidas, e de implorar pordao
das faltas d'outr^ora ao magnnimo monarcha que
impera sobre nos : tomos f, pois, que, por mais quo
se oinmnranhem n nouos negocios, por mais que
so esforcem os mingantes c os especuladores, nao
pdenlo conseguir, ao monos nestes annns mais pr-
ximos, que entre mis se representen! srenas to pun-
gentes e luctuosas como essas*doque, mo grado
nosso, temos si lo lestemunha ocular.
Isto posto, nada ser mais fcil a um governo mo-
ralisador e-que bem eomprchonda a sua missilo,
a um governo que se compenetro de que, ao dirigir
a mo do estado, nao ton por alvo do seu afn, de
suas lucubracGes, desnas amarguras mesmo, prepa-
rar o futuro deste ou daquello partido, desta ou da-
quella parcialidade, mas sim o do toda a nac.to bra-
silcira ; nada ser mais fcil a um governo des-
ses, dizemos, do que dispOr as cousas do modo que
osPernambiicanospassem a viverna mellior harmo-
na, econcorram todos para que esta bella "provincia
oceupe entre as demais do imperio b lugar de honra
que sem duvida (he deslinou o CREXQOR, quanJo
a enriquecen de tantos e tilo vastos recursos na-
turaes.
Parece-nos que os estadistas que oSr I. Podro II
so dignou de chamar para o ministerio em o sempre
memnravel 29 do setembro acbam-se dominados dos
salularcs principios que ahi ficam enunciados; pa-
rece nos que elles ostao disposlos a envidar todos,
os seus espreos para convencer ao paiz de quo, jus-
liceiro o bom pai, S. Magesladc n.to deixar do sga-
salbarsb o seu manto protector senao aquellos de
seus lillinsqu-!, degenerados, ousarem por bices ao
ongramlecimenlo o a prosperdado da propria pa-
Iria ; parece-nos que os Ilustrados Urnsilciros,
que boje teem assenlo nos concellios da cora, nada
pouparfio por fazer desapparecer o nepotismo, que
lano desacredtou as adminslraces passadas, o
que albeou deltas as venladeias capacidades do im-
perio ; parece-nos que se nilo esquecer de galnr
doar o mrito real, resida elle onde residir; pare-
ce-nos que cuidarflo de regularisar ajnstrnccno pu-
blica e o Irabalbo, de facilitar as Vas de commu-
nicacao, de protoger a industria, i agricultura o
o coinmcrcio, de preparar-nos, enilim, para com-
pelirmos com as varias nages civilisadas do velho o
novo mundo, quo atsa-nos procodam na carreira
da civilsaQo edo progresso bem entendido ; e
lano mais nos parece tildo isto, quanto vemos que,
por mais de um aclo, o actual gabinete brasleiro
lia deixado aperecbor quo est inQuenciado por es-
sas ideias generosas: logo, tomos para n* que pa-
ra Pernambuco, assim como para as suas mutas do
nortee sul, se vai abrir una nova era, pronlie de
venturas o de prosperidades.
Praza a DOS que nos sainamos aprovcil.ir dola !...
NOTICIAS BSTBOsra**.
Recelamos o jornal ingle/. Tht "dd
Janeiro ale 10 de fevereiro VZ&TCk hurtl
bom vimos a gazeta americana r* Ae \orh Journal
fCrnmmrrer de 1 2. t 3 deste Ultimo me/..
fIZrcr tranquilla, mas parece que,o
governo recoia aiguma nova commoc.3o da par e da
Irlanda visto que lizera propor na casa dos lords a
sp. o -o acto de habeat-corpu, para esta parte
do reino unido. O bil respectivo linha sido approva-
aue so nos.figurara em principios deste anno.Una primeira (liscusso para passar asegunda.
grande luta'-houve lugar entre nos ; correu muito
posto que nflo sem consderavel opposicio.



.A
O rarlamento prosegua rrgularrr.entc em seus
trhlfcoR.
Os rnnaols firsram lo 92 5/8 a 92 8/4 : as apolirrs
ilo bnnro, rte ipi a 19fi; os tros per rento redim-
ios, dr 92 3/4 a 92 7/8; os tres e uro quarlo por
cpoIo, iip 3 3/4 a 93 7/8 ; os fundn hrasileiros. de
81 1/2 a 81 1/4 ;^s ditos pequeos,a 80 1/2 ; os aus-
tracos n 80 ; os russianns, de 109 108 1/2 ; os cin-
co por rento pnrtugnrzrs a 74 1/2": os rinro por
rento hespajihes, do 17 I 2 a 17 3/4 ; os qualro e
rae jo por rento belgas, do 80 a 81 1/2. o os dous e
mein por rento hol|nde?c. de 50 1 /4 a 50.
Na Franca, depois dos ltimos aeontecimenlos de
qoo j em onlr orrasi.lo nlrrmos os leitores,
nada de extraordinario havia otcorrido: mullas das
pessoas presas no da 29 de Janeiro, por suspeitas de
lomarem parlo na revolla que se esperara arrelien-
taage naquelln nrcasflo, teem sido postas em liber-
darie por faMa de provas que apoiem esta imputadlo;
todava qmsi ningtiem lia em Pars que nflo esteja
intimamente convencido de que se tramava all urna
nova reynlucflo, a qual tinha por fim--csliibelcecr
""'i convencin nacional,--proclamar a repblica
^orial e demnrratira,dissniver o Kl>iiiolc,o sus-
pender o urinal presidente ; devemiit os'e serarro-
sado de alta traicfln contra o povo soberano.
A's promptas o cnergira.i mediib'S adoptadas pelo
governo,a arlividade incansavcl do general Chan-
garn-icr, e sobretodo oo espirito de ordem de que
se aebam animados aguarda nacional e o exerrto
dove o paiz o nilo ter passario por una rrlsr, igual i
de jnnhn do anno prximo (indo.
Dous lacios parece que serviram de pretexto para
o movimen'o pnjeelado.--A alleracflo ltimamente
l'eila pelo presidente da repblica na guarda mnliile,
redil/indo os seus hatalhes de 25 que eram a 12,
rom oque provocou contra si a indignadlo dos j-
veos que cnmpftpm esta onrpoincflo,--e a proposta
que os ministros apresentaram t assembl.i para a
suppressflo de lodos os clubs.
Ksla ultima medida, a qual nao fu ai provada pela
represeiilacllo nacional, irntou de tal surto os ni-
mos dos exaltados, que nflo smente osjornaes re-
publicanos prolrslaram rontra clla.senflo tambeiu
i8 representantes do povo propozrram i assembla
;i HCi a ... uu uo.s m misil na que a tiuiuiii idptauu.
O protesto dosjoinaes lepohlicanos bu o seguinlo :
" Osahaxo assiguarins, considerando que o rii-
reilo de icuniilo e assoeiacflo be um direilo natural,
anterior e posteriora loria a lei positiva, c demais re-
mohecido pela consliluieflo ;
Considerando que a lei apresentada pelo minis-
terio nilo tem por ob.jrdn regular o cx'rricio drslo
direilo, romo requer a ronst i luidlo, porinque ella
0 supprime de urna maneira absoluta, p priva deata
arle o povo soberano de suas mais Importantes pre-
rogatvas polticas;
" Consiueiando que o ministerio, pelo simples fado
da aprescnladlo desla lei', ataca tanto a constituico
romo os direilosnaluraes lo bomem ;
n Protcsian contra ella com toda sua energa, e
rrqueiem que a assembla ordenen urcusacTio dos
ministros que se attreveram alentar esle golpe de
estado.
( Assignados ... (Medidores o mais cmprrgados
dos joinaes La ttriilniiiin femocra ligue ti Social, Le 'Iravail Af-
franchi, c Lti Chibe.
A pro| o-la dos 48 representantes para a aecusac,o
dos ministros be a s<'guinle:
u Visto que a (Olilica anl-republicana do minis-
terio se tem justamente ni.initestado por um fado
que constitu- mn ataque contra os direilos riosci-
dadiios, e contra o principio fundamental da sobe-
rana do povo;
" Visto que o direilo de reunido be um direilo
natural, e um direilo poltico escripl e consagrado
na consliluieflo du repblica frauceza ;
ic Vislo que por um bil apicsentado hontcm, 2(
dejamiio, sobie a suppressflo dos clubs, o minis-
terio he criminoso de um neto, o qual lie urna vio-
laro flagrante dos arligos 8 e 51 da constituidla ;
( Visto que o ministerio be responsavel por seus
arlos epinicio o artigo 68 da conslituicao, os abaiio
assignados, represei>tuiilesdo povo, requerrmaaccu-
saeflo Miiiiifiiiiita iiirs oinisiios, r quesejam levados
peranle o Supremo tribu mil nacional paraahi screm
julgados conforme u artigo 81 da consliluirlo.
litiie Lerroux, Asiaix, Martn Bernard, I). 0||-
vier, A. (.cnt, V. Pyal, Clcment, Ulives, IMhieu
1 I mime 1, lienoirt, Crcppo, l.cdru Holln, Doulre,
Ganibon, Piourilioii, P- got-Ogicr, Mul Ain, Joi-
gnauz, Joly Fils.Joly I ere, Chola!, Heilholon, Far-
gin-Fayolle, Terrier, l.efrane, Buvignier, lievillo,
A llruys.Menard, F. Malhc, ltaune, Signaid, I oberl
Vonne), Cli. Dain, James-Dcmoiitry, l'elletier, V.
Srboelcber, Itetours Tb. llac, Itraviird-Toussainle,
E. Uasiail. Yignerlt, Cermai Sarrut, Laincuiiais,
liuliany.Meclinin, Perdguer, Mirdet.
que tivesseni intencio de fnzer algum rom pimentn
casseveinmque pelo cuntirio era o governo quem
n edlava um golpe de esladp, que lodo o descnvol-
vimenlo de forca que ltimamente Hiera, nflo linha
oulio lim que provocar urna collisfio para enlilo po-
der tentar mudara forma do governo, proclamando
o presidente imperador.
Tost que nflo seja fcil de crcr-se que um gover-
no quidquer promova dcfonleijs para dellas tirai
partido, todava a acfusacfm feita ao governo de Luiz
.Niipoleflo nflo parece iuleiramenle destituida de
jiiiidanienlo 0 exerrto, persuadido de que o i cilia-
do do segundo- Napoleflo (rara a si ea Franca tanta
gloria como o do pruneiro, esla diaposta a sustnta-
lo a todo o custo, o t espera a primeira occasiflo pa-
la levantar p grito Oc viva oln.peTador !
OsamKode l.uz Napoleio lambem nflo pouparn
esforcos para oblcr para rile as sympatbias da nacflu.
mepmos inmicros qne a atacaram nos dits.de junho.
Os projectos lestes homens 8o ainda os meamos.
Files querem prevenir a todo o custo o eslabeleci-
mento .le um governo regulare bonesto.'Oqueell^s
desejam he perpetua apilacflo, anarchis. aholieflo
de toda a propriedade, o destruieflo de todos os prin-
cipios. EHes suspiram por fundar o despotismo de
urna minora, usurpando romo um privilegio a
nossa eumuium propriedade, o nome sagrado da re-
pblica. Para dar cor spa revolla contra as leis,
elles aflirmam que temos violado a conslituieflo,, e
desojamos destruir o governo republirano. He isto
urna ralumnia desprezivel. A repblica nflo tem
nenhuns defensores mais lirmesdoque aquellos que
procuram prcserva-la desses excessos revolucio-
narios com que. esta forma de governo tem sido de-
masiadamente confundida. O presidente' da rep-
blica lem jurado respeila-la e fazer que seja respei-
tada, e elle cumprir seu juramente. Os ministros,
por sua v4da passada nflo dflo ilreilo a ninguem do
suspeitar srfas inteinOes futuras; flelles nSopdem
dar una prova mlordesua affei<;o as instituirles
republicanas do qne a energa com. que estilo deter-
minados a reprimir toda a desodem, por maiores
quesejam suas proporcoes.
llbitanles de Pars! Nflo basta que a-sociedade
seja forte, ella dove mostrar a sua fArca. S por este
mein lera ella repousoeseguranqa.Todos os cidadflos
ilevem ajudar o governo a reprimir os disturbios que
agitam as ras publicas. He a repblica,bea socie.la-
de, be a base eterna de todo o poder, que estes anar-
cliistas procuram prtr em questflo. O Iriumplio da
ordem deve deve ser decisivo o irrcvogavnl Cum-
pram lodos com o scu dever, qne o governo nflo riei-
xar de fazer o quelhe compelo.
" Lcnn Faeher, ministro do interior.
Cnmquanlo na data das ti 11 unas noticias a capital
da Franca licasse perfeijnmente tranquilla, todava
o governo anda nflo tinha arrefecido em seus cui-
dados pela prcservi-c.So da ordem publica* as ras da
cdmle eram rondadas todas as noitea por fortes pa-
trulbas, assim to infamara, como de cavallara
A assembla nacional linlia decidido por lirn aos
seus trabalhos depois que tivesso completado a ds-
cussflo do orcamertto, ecria-sequea assembla le-
.... i..i:..;i pqJapo ennieenr os seus loco no* nrimei-
rosdiasde niaio prximo fuluro.
Segundo o Coiistitulionrl, o governo franee/ linba
[accedido proposta que Ihe lora frita para tomar
' parle em um congresso de potencias calholicas, o
qual dever reunir-so em Gaeta alim do por sua as-
sislencia babiilaro papan X'-rcer a sua autoridade
espiritual livromente, e de urna maneira digna da
popubicflo eatliolica do globo.
O marque/ de Normanby aprescnlra ao presiden-
te da repblica as carias de sua soberana que o acre-
dilam na qualidade de embaixador extraordinarioe
ministro plenipotenciario do reino unido da Grfla-
llrelanha e Irlanda junto repblica frauceza.
A commissflo militar de Paila comlernnara u mor-
lea cinco dos assassinos do general Hiea, eiloca-
pitflo Mangm, islo be. Daix, Vaprenn Jnior, Lohr,
r.bapail e Nouvnl; tres outros forain coniiemna-
dos a gales perpetuas; nove a prisflo aimples por
lempos dillerentes; e tres fram obsolvidos.
Mr. Len Fauclier, ministro do interior, fo eleito
rtiembro da academia das scenras nioraes e polti-
cas em lugar ilo conde Ito'-si, assassinado em liorna.
O edictor do jornal U Curiaire livera um duello
com o general Clemenl Tliomas, no qual ambos
rombateran com a mais delcrmiuadada lioslilidade.
O general cara gravemente ferido, porm felzmen-
nicnlc os faci|ltalivos linham ltimamente declara-
do que sua vida ja nflo corra perigo.
Portugal licara tranquillo; porm a crise finan-
cera tornara a apparecer.
Nflo obslanle o governo contar grande maioria em
ambas as cmaras, o ministro da guerra, odafa/ou-
da coda Justina liidiam dado a Sua deiliissSo.
Actiuilmcnle o gabinete se aclia assim organlsa-
do : duque de Saldanh, ministro do interior; Cas-
tro, ministro ue cstiangeiros, e interinamente da
marinlia ; Lopes Illanco, ministro da fa/euda; ba-
rflo de Villa-iNova-de-Oi.rcm, ministro ^da guerra;
.Marcello de S Vargas, ministro da juslica.
i'esrrspeitando aquellas auc li/rra, tem mostrado
em nflo rnmprir'as elansiilas desta rnnvpncflo tant
obslina^So e m te, ouanta he a sfneeridade que o
governo de Sua Meeestade Sahla tem exhibido em
cumprir seus proprios emrenbos. >ete estado d
ronsas.e prevendo a eompraefo qup pode levantar-
se,o governo de Rila Magostad o re rio Sardenha enn-
siilera de sen dever prtr dianle das potencias eslran-
geiras os Indos e as provas sobra que se funda psla
dupla assereflo. llepois de referir algu'mas particu-
laridadcs, Mr. fieobert contina assim :
lim systems iniqno de espoliac,flo foi organjss-
do dehaixo du nome de conlribuicesexlrnordina-
riasde guerra. Alifuns infel/es emigrados, julga-
dos criminosos por terem preferido o exilio A op-
pressao, leem siilo'perseguidos com as mais illegaes
conliscafrtei. A arrpada austraca, nflo obstante os
(ermos do armisticio e as'promessas formaos feitas
aos ministros das potencias mediadoras em Turim,
lem aprisionadnos navios italianos que navegam no
Adritico, perpetran lo destewodo um acto de hos-
lilidade e violencia, contraro ao principio da lber-
dada dos mares, O governo, confiando na generosa
medlacflo da Inglaterra e da franca, lem j dirigi-
do um protesto a estas potencias, nflo smente con-
tra a violacflo manifesla tos termos do armisti-
cio, senil.) lambem contra o abuso de forjada par-
toda Austiia em subjcila.r espoliapflo e morte
pessoas que so acliam protegidas pelas convenqOes
as mais foi mars, e pela lei das nscas. O governo do
re julga agora conveniente dirigir o mesmn protes-
to as nutras potencias eslrangeras, e declarar que
deixa Austria a rrsp4pgabiliriado das consequen-
cias fataes que pdem resollar para a Italia e para
toda a Kuropa da violacflo dos mais sagrados empn-
nhos e da illegalidade de seu procedimento. O ahai
xo assiguadn, pcesidente do conceltio, ministro dos
negocios estrangalros, roga, portanto, a M. dig-
ne-so de c.nnmiinicar ao son governo o presente do-
cumento.
No primeiro de fevereiro o re Carlos Alberto abri
a sessflo do parlamento sardo, pronunciando n so-
guinte falla :
Srs. senadores e depulados.
He par o meu coracflo urna salisfacflo docee
asradavnl o ver-mn cercado de homen nun 13o con-
venientemente representan! a naeflo, agora que vonho
nssislii a solemne abertura do parlamento sardo.
Quando esta corpora^flo fol pela primeira vez inaugu-
ra ta, nossas fortunas eram dfferentcs, porm no esperanea nflo era inaior. A obra aqiietereisqoe deili-
car-vos nesta segunda sessflo, he variada e diHicul-
tosa, e por isso mesiMo mais digna de vos Pelo
que respeila aos anteriores arranjameulos, vossa
solicito le deve ser emprogada tanto em desenvolver
as insiituicCes que j iiossuimos, como em colloca-
las em perfeita harmona com o genioeas necessi-
dades do seclo, o em promover com ardor o lim que
deve ser alcncado pela assembla constiluintedo
reino da alia Italia.
Um governo constitucional gyra sobrados eixos,
o rei o o povo. O primeiro heosymbolo da un-
dade c do poder, eo segundo o da liberdade o do
progresso. Fu tenho comprido com o meu dever,
concedendo naeflo iustii uiees lvres, conferindo
cargos e hortras ao mrito e nao a fortuna, compon-
do a minha corle dos homens escolhidos do estado,
e sacrilicando minha vida e a do meus filhos sal-
vacfio e independencia do paiz. Vos me haveis no-
lu emente assslido nesia dlliculiosa tarefa {Conti-
nala cooperar commgo, o ficai eertos que a unido
intima de irossos esforcos dever produzir a felci-
dadoo a seguranga de todos. Nos seremos ajudados
nesta gloriosa missflo pela afiecflo e eslima das
mais civilisadas e Ilustres nacoes da Europa, e em
particular por aquellas que nos sflo unidas pelos Li-
eos cominuiis de nacionalldade e patria. Nossos es-
forcos teem contribuido para estreilar mais estes la-
gos fraten.aes; e, se os ltimos aconlecimentos da
Italia central podaram suspender o efleito de nossos
trabalhos, leniio f que esto obstculo nflo durara
muito. Urna cnnfederaciln dos principes e naces^
italianas he um dos mais ardentes desejos do meu
corarflo, e nada desprezarei para o mais breve possi-
vcl rcalisa-la. Meus ministros vos ex plica rilo mais
As notas do banco licaram a 42 poi ccnlo Je des-1 plenamente apoltica do governo relativamente as
O Suele, Oiz o correspondente uu linee, da noticia
de nina enrular dirigida | da coinjinssiio honiia-
parlisla ao (Ovo do campo e aos operarios dos de-
partamentos, recommcndando-lhes que as prxi-
mos oen,es nflo volem em nenbum candidato que
nflo lenha previamente dado penhores de adheaflo.
ou tenha feilo urna declaraciio de deilicacflo a fa-
milia de Napoleflo. Por uulia parle o propno pre-
sidente nada despreza para fazer n corle ao povo.
File fra iiLimaiui ule a escola polytecl.una, ede-
poisde passar revista aos alumnos daaduaa diviaoca
ai..s qniies un ij.i''d ilgumas palavras giacipsas acrr-
rauaoidcm e disciplina qne rcinavam ni escola,
deleimmou que toos os castigos lieasscm sem ef-
fe|lo a deu aos alumnos um leiiado extraordina-
rio.
O ministro do inteiiorjulgando a proposito justi-
ficar v goterno da aecusacau que os lepuhlicanos
vern.ellios llie iiztiain, dirigi aos habitantes de Pa-
rs a segmnte piorlaniai;ao :
Ciuadiios de Pars .'-Nos lembs chamado s ar-
mas os guardas nacionaes; mas o li/emos para a de-
cusa da ordem social, outra' vez anieacada pelos
conlo.
Na llespanha continuava anda a guerra civil, po
im os revoltosos teem sidosempre batidos em todoi
osenconlios que bfloinlo com as tropas da rainhi
M Luca de Fogores lora outra vez nomeado por
decreto real para o cargo de ministro da marmita.
As corles proseguiam regularmente em seus tra-
balhos: acamara dos depulados volara no dia 24
de Janeiro os dous piimeirns arligos do projeelo do
governo relativo ao rcrulamcnto de 25,000 homens
paraoexercito.
Segundo cartas particulares rerebida#s pelo Timei.
O general Naivaez, presidente do roncllio, irritado
por argumas observacies fritas pelo ileputado Sa-
gasti na sessflo de 35 de Janeiro, enviara a esle um
Cartel de desalo. O general cscolhra para seus pa-
drinhos a MM. Zaragoza, o general O be, eM.Jol-
quim llora de Tagores, irmflo do miuistrro da mari-
nloi. Os padrinbos de M. Sigasti fOram o general
infante Mendu/abal e Migpel lindes O resto do dia
passaram-no os padrinbos em ver se podiam elTec-
toar urna rccoilciliai;flo entre as parles, porm nflo
conseguiran neniiiim resultado. Pelas uas horas
da maillifla reuuiram-se osdous couibalenles no lu-
gar cnnveiiciouado,- c.touiio sido postados pelos res-
pectivos paiti nilios a oez passos do distancia cjnjdo
oulro, deram cada um dous tiros du pialla, porm
spm cfTeilo. O general Narvaez insisti em conliiioar
o cMiilialc, mas os pun ini.is recuMiraui cnsenlir
nisso.e lu concordado que M Sagasli dara na cmara
ilus diputados Ullla I h-m- c\p:ic.o.) da malcra pela
goal o general se julgava ollelidnio. Com ellrilo M
Sagasli, declarando na cmara que n.i da piecedeu-
ic nflo linbii ti do uleticflo de insultar nem ao go-
verno nem ao presidenle 'do concclho, esle rea-
i nielen em os termos os mais lsongeiros para M.
Sagasli, que iicava perfeilameiilc satisi'eto com as
explicaces que elle Ihe acli va de dar.
O horizonte poltico da lulia p. rece anda mais
iniiiivia.io to que dante.s eia. Mr. tiiuberli, pre-
.sidenlo do gabinete sardo, dirigir as potencies es-
liangciras o seguinte protesto contra a vioLiciui iio
aimislicio or parle da Austria :
Qoando o rxercito sardo, diz elle', a foobr-
gado u turnar u aliaVe*'Sar o Ticino, o chefe rio es-
lado-niator assiguou com o quariel-iiicslie-geuoral
austraco, no din 5 de agosto de 1848. umasuspensflo
de liostidades, cujos I ei mos sflo bein conhecidus
Coii.qunnio a->,.clausulas desla convncelo, na qual
a .Saruenliu s pooia reconlierer urna Importancia
puiaineule militar, lijsseiii onerosos,' e prudur'-
livas de conseiiui ncias polmcas l'ut..c.s, todava ell
julgou em sua honra que devia execut-Lis, o cu
voz consoladora da religflo, e. de expirar nos bra-
cos de um desses homens nios cuja morada ello y0.
lra para o Hm de commellT seu airo? o sacrilew
crime. Toles osdtallWs sflo aqui referidos, porm
em voz baixs. porque lodos lemem os tibifr, os
quaos formam o unico poder de nossos governantpa.
A revolacllo romana, inaugurada pelo punhal, co|.
Inca sua nica r^eranca no punhal, e todos s
que umas palavra pode dar lugtr a urna sentencj
de morle.
O papa ainda se achava em Gaeta.
Em aples nada do extraordinario havli occor-
rido.
O imperio austraco conlinin a ser dilac|ilo pela
guerra civil: as diversas nacionalidades de qu
se compOe, parece, esfor^am-so smente por s
quilarem urnas as oulrss. Os Ilomanicos enlrsram a
9 de Janeiro na cidade de Enyed, e depois de.mata-
rem todas as pessoas do sexo masculino que lti ea-
contraram, pozeram fogos casas. A cidade. arrieu
por espaco d tres dias. Os Msgyarespor sus parte
ncendiaram tambem duas outras cidades, e passa-
ram espada Indos os habitantes romanicosqua o-
deram alrancar. Os Szcklcrs, diz-se que vflo
bein commettendo no ilUtrirto da AlWauia os cres
os mais alrozes que se podciti imaginar. T'odai,
segundo os boleliiis oinciaes.^ns tropas mperiae;
teem alcaucado brilhantes victorias sobre as ds in-
surgentes hngaros.
Em Schleswig e Holstln reina, o roaier fxrita-
mento : o povo desies dous ducados, nflo podemln
-oll'rer que se proponha como base da paz com a Di-
namarca a soparaeflo da uniflo parlamonta'ria e ad-
ministrativa que entre os mesmps actualmente exis-
te, a ailininislraQflo civil ndependente de Sch-
leswig, tem determinado continuar na guerr coma
liinamarca, alim de mafller a sua unSo, ainda mts-
uio que a Allemanha nflo s quera mais assistir.
A uniflo americana licra em perfeita paz.
A legislatura de New-York adoplou quasi por uns-
nimiiladeuin projeelo do lei, o qual impoe a pena
de prisflo por um lempo que nflo exceda a cinco an-
uos a todo o individuo qoo desafiar-de viva voz a
outro para brigar, qur com armas, qur sem ellas,
bem como a lodo aquella que enviar ou entre-
gar qualquer mensagem escripia ou verbal, a qtul
conlenha um tal desali, a todoaquelle que assis-
lir a um lal acto, qur como padrinlto, qur romoci-
rurgiflo, e a todo aquel le que aconselliar, ou de qual-
quer modo persuadir o concorrer para, ulh arto tal.
Km Tuestan continua ainda a guerra ntreos In-
dios eos habitantes de origom europea : em urna
aceflo que ltimamente Uvera lugar, perderam esU-s
43 morios, mas os Indios fram derrtalos e Rig-
ram ; os Yucatenses, perseguindo-os, incendiaraoi-
llies a diado do Tela, e espuravam ui llasalas una
balallia decisiva e desesperada.
Em Maracaybo houveraum combate naval enlre
as esquadras de Paes e Monagas, compostas c*la um
de 13 a 14 pequeos navios. O general Pees perdeu
una escuna,a qual foi aprisionaJa,e outra_quo, fi-
cando desmantelada, encaihou em Ierra. A esquadra
de Monagas, porm, soflreu moito-mais, pms qualro
dos vasos de que se compunha ficaram desntaslrea-
dos Os navios restantes de Paes religa rain-se para o
Lago, u poucos das depois o castello do San-Carlos
rendeu-se as lonjas de Monagas : u paitlo dtste he
qium hoje domina etn Maracaybo.
O estado das cousas no H-iiiy, tanto no que respei-
la a poltica como ao commercio, contina pi-
simo,

-*
^
CONIMEBCIO.
AI.FANOEGA.Rendlmento do dia 17 . 15:503,098
Detcarregam hoj; 20 de marco.
Barca Golden-Fleece taizas de ferro e marhi-
nisino.
Rrigue Ida bacalho.
PatachoDiligente mercadorias.
Barca Eiiher-Ann dem.
Barca Jeune-I\tllyidem.
isles que agilam iiennsula, e eslou couven-
_J deque a acharis sabia, (.onerosa e nacional.
uanio as nossas Torcas de mar o Ierra, estos balu-
rles de nossa independencia, O nhjecto constante de
toda a minha solicilude, basla-inc dizer-vos que
nossas tropas teem sido rporgauisadas e augmenta-
das, e se aebam no melhor estado: ellas rivalisam
em disciplina c herosmo com a nossa armada. Nflo
ha muito, eu Mea passei revista, o nesla occasiflo
p .do julgar por sua attitude e eiilhusiasmo do ar-
dor patritico que as iufiamnia. Ha toda a rasan para
esperar que a niediacfio, que nos foi offerecida pelas
duas geuerosas potencias amigas, chegar una
prompla sol titilo Se nossa conlianca fr jlludida,
nada nos impedir de comeijar nutra vez a guerra
com a lirme esperance de successo. porm, para que
\ enc.iinus, a naeflo dever cooperar com o exercito,
c para este poni chamo a vossa particular altencu.
En fallo tan bem .1 aquel las provincias que necupam
em iio.-.mi coragflo um lugar tflo imp'irtante como
oin nosso reino, e que se recommendam assim pe-
las suas virtudes romo polo mrito especial de cons-
tancia e do martyno. Consolai-vos pelos sacrificios
que leudes sido ohrigadosa fazer pa>a completar seus
Micessos, visto que ellas darflo fructos perpetuos. A
prudencia o a energa combinadas devoin salvar-
nos. Tal lie o meu desejo, senderes, e tal he a vossa
missflo. *
Na note de 27 de Janeiro um bando de malfeito-
res percorreram as ras do Floren^a, a Capital da
I osea na, dando gritos sediciosos, e excitando o po-
vo a revolla; mas, sendo perseguidos pela guarda c-
vica, dispersaram-se, e a tranqullidado foi promp-
lamente reslabelecida. O ainolinadis, antes de se
separaren!, coinniclleram varios alternados, sendo
dentro ellos o mais notavel a morle que deram a M.
. Itieci, parodio de S.-Felicta.
Em liorna linlia-se concluido em paz a eleicflo dos
depulados para a assembla consum ule, nimban.
sido pleitos os sigiuoies Siui tniielli, Armcllini,
Slorbiiietti, Muzzarelli, Gallelti, Sciloni, tlampel-
lo, Derossi Cakudiellii Gahussi, Mariani e Carlos
Boiiapario.
A cidade ficrn Iranqulla.
O 7eupi>, jornal do aples, diz o Trine, publica-
ra a seguinlo noticia que recebra de liorna :
n O assaSsino do conde Bossi fra envenenado cm
Peiugia pela mesma- inflo que lile riera 12,000 co-
rdas romo preco do sangue. Islo fui rei tu i ara dar
cabo de um desgracado cujas revela^Oi s podiam ler
ile.-inucaario aqi.elles que Ihe puzeram o punhal as
mflos. Mepciona-se lambein a moi te do matador rio
rardeal Palma, o secrelaiio latino de sua santiriade.
ni
elleiio tem cuuipinio suas promessas al" boje com a Esle infeliz,no meio das mais agonizantes dores e do
iiiois peileiu lealdade. A Austria, pelo contrario, mais profundo remorso, leve a fortuna daouvira
COMSULAIIO C.EIIAI..
Rendimcnlo do dia 17. ... ,.........(1:334,775
Diversas provincias ............... 2S8.399
6:573,174
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimcnlo do dia 17..............3:133,427
PRACA DO RECIFE, 17 DE MVRQO DE 1819,
AS 3 HORAS DA TARDE.
Revilla eemanal, +r\-'m
Cambjps------------No principio da saques regulares a flPL por mil
ris, e do meio para o fim a 28 ;
pre^o a que se firroaram a#ul-
limas transarroes.
.Algodflo - - Viciam ao mercado 573 sageas.
O de nr meira sorte vendeu-se
a 4,800 ris por arroba, e o de se-
gunda a 3.80f>rs.
Assucsr......F.ntraram 438caixa e pequeas
por^Aes de saceos. O mer-
cado fui menos miliario. AS
vendas do encanado regularam
de 850 a 900 rs. por arcob* sobre
o ferro ; as do branco emharrira-
ilo r ensarrado de 1,750 a 2,300
s. ; e as do mascavadn dito a
1,60 rs.
Couros ------ Venderam-se a 100rs. por libra.
Ameudoas - - dem de 5,200 a 5,400 rs. por ar-
roba.
Azeite-doca-------dem a 2,400 rs. porgalflododo
Mediterrneo, e a 3,000 rs. do de
Lisboa.
Dito de peixe - Nflo ha. *j
Hacalluo.....Tivemos dous carregamontos es-
ta semana: um sefoi" para o
sul eo outro lo vendido a leis
12,200 por barrica.As vendas
arelall.o regularam a 13,000 rs.
A existencia boje he do 1,600
barrais
Hlalas-----------Vcndeu-sO a 00 rs. por arroba.
Uulachinha - - dem a 4,500 rs. por barriqui-
nha.
Carne secca - As vendas cm partidas liveram
por baso os preco* de 2,300 a
2,700 rsfor arroba da lo Rio-
Crande, e de i,9a?fllm da de


Buenos-Ayres. Existen! em ser
4.0.000 arrobas por tet chegado
um earregamento de Buenos-
Ayres.
Chumbo.....Flla.
F.rva-doce - - Vendeu-se a 6.000 rs. Por',rr')b*-
KarinhS.de trigo Os preco fram os meamos
sen ana antecedente, ". >''}"
chegado un. cargamento, oda-
psito contina a ser de .500
,^A barricas. i* . ~-
Manfciga.....Vendeu-se de 50 52 "' Pr
' libra da francesa de vacca, e
340 rs. da de porco.
fflfr.......Mem d 4,000 a 5,000 rs. por ar
roba. ,
i'ourinho ----- ">" a 3.500 rs. por arroba do de
Santos.
.;,,l,oc......dem de 115.000 a 116,000 rs. por
pipa do ilo l.isoa marca l'Rlt; de
90,000 a 100,000 rs. o de outms
autores, o a 85,000 rs o de Cette.
Ixistem no porto 88 mbarcacoes, a saber: 6 ame-
ricanas, austracas. 27 brasileirs, 1 bremense, 1
dinamarquesa. 4 francesa*, 19 inglezas, 8 portitt
zas, 10 sicilianas, 2 sardas e 6 suecas.
------~~.'_ ;_. ...~*~;------~
Movimento do Porto.
denles ah o podero examinar, para tratar na ru"
do Vigario, n. 19, segundo andar, com Machado
Pinhero.
--Para o Ro-Grande-do-Sul segna, no fim do
correntn mez o patacho Dous-Irmilos -. reoebe al-
guma carga e escravos" a frete e tambem lem com-
rnodos para passageiros : os pretendentes dirijam-se
ra do Trapiche, n 6.
-- fiare Lisboa sahe, com brevidade, a bem co-
nhecida e velora barca portugueza Ugeira, de que
hecrpitflo Antonio Joaquim Rodrigues : quem nella
quizer carregar, ou ir de passagnm, para o que lem
os melliores o mais asseiados commodos,dirija-sn aos
consignetarios, Frauesco Severiano Rabel|o & Fi-
Iho, ouao mesmo capitflo a bordo ou na pracado
Commercio. .
Para o Rio-de-Janeiro segu imprelerivel-
mento, no da 25 do corrente, a escuna Sanhs-Crus:
s recebe passageiros e escravos a frete, para o que
tem excellentes commodos : para o ajuste, (rata-se
com Jo8o Francisco da Cruz, ra da Cruz, n. 3.
A'aroi entrarlos no dia 17.
I irerpool ; 32 das, barca ingleza Eslhtr-Ann, de
2fi6 toneladas;* capitflo Thomas llunter, cquipa-
gem 15, carga fazendas ; a Jamos Crablree & Com-
peohia. "....- ., .
I m coinmisao ; vapor- brasileiro de guerra Urania,
rommandantc ;o capito-tonenle Jos Eduardo
Wandencolk. ;
i ivcrpool; 36 das, barca ingleza Rhondda, de 202
toneladas, capitflo Thomas Bavid, cquipagem '11,
carga fazendas; a Ridgway & Jamison.
Nariot snhidos no mesmo dia.
*
u;!U brifue brasileiro Amorim. cap'lflo Pedro
Nulasco Vieira de Mello, carga far'mha. carne e
lastro. Passagoiro, A lolpho de Barros Cavalcante
l.aCenhl, Brasileiro.
Havre; brigue francs Beaujeu, capitflo Alexandre
Evers, carga assucar e algo'3o. Passageiros, o
co no-endador Angelo Francisco Carneiro com 1
criado, Porluguez; Julia Barlholoineu de Souza,
Francesa.
Itahia; hiato brasileiro llor-do-Cururipe. capitflo
JoSo Antonio d Silva, carga varios gneros. Pas-
sageiras, Tiburcia Mara da Silva, Mara Francisca
Ferreira, Brasilei ras.
Maranhflo; hielo brasileiro San-Jote, capitflo Jos
Antonio Brandflo, carga assucar
Parahiba ; hiale brasileiro Espadarte, capitflo Victo-
rino Jos1*ere|ra, carga varios gneros.
Mein hiato brasileiro Concedan-Flor-das-Virtudcs,
eapiaoEljas do Rozano, carga varios gneros.
Navios entrarlos no dia 19.
lo-do-Janeiro ; 31 das, patacho.brasilero Alfredo,
de 195 toneladas, capilo Candido Sdvernod'Avil,
cquipagem 13, carga carne, farinha de mandioca,
eijflo e mas gneros; a Francisco Alvcs da Cu-
nta. Passageiros, Jos Pereira Teixeira com 1 es-
clavo, Bernardo de Albuquerqne Fernandes Ga-
ma, Brasileiro ; e 2 escravos a entregar.
I lina de Fernando ; 8 1/2 das, transporte brasileiro
i l'irapama, cnpilflo Camilo do Lelis Fonseca. Pas-
sageiros, o lenle Antonio Ferreira Sudr o Silva
com 22 pracas de" pret, o padre Joflo Tarares de
Melle, Manuel Jos Rodrigue.
l!e.lfor;68 das, Wigue ingles Sarah, de 194 tonela-
das, cnpilflo Wlliam (.lahain, equipagem 9, em
lastro ; a Me. Calmonlc* Companhia.
Iluliia ; 12 das, brlgue brasileiro Camaoltam, de 185
tonel!*, capitflo Jos Antonio Carneiro, equipa-
gem 13, carga carne ; a Amorim Irmflns.
Navios sal i dos no mesmo dia.
Rio-de-Janeiro; patacho brasileiro Emlerpe, capitflo
Manuel l.uiz dos Santos, carga assucar, ago'arden-
le e sola. Passageiros, Manrique Adour, Francos;
o 4 escravos a entregar.
Angolla ; brigue porluguez l'lor-do-Tejo, capitflo Fre-
denco Carlos Roza, carga ssucar e ago'ardento.
Passageiros, Antonio do llego, Jos Coelho de
ritas, Ricardo Nunese l'aryalho Siqueira, Por-
luezes.
Deca racot-s.
PACADORIA MILITAR.
Fin cumprimenlo da ordem do Kxm. Sr. presiden-
te da provincia, em offlco datado de 10 do corrente
i mez, manda annunciern lllm. Sr coronel inspector
da pagadura, que no dia 28 do corrente se hunde
arrematar em liaste publica, peranlc a uiesmn, G re-
zos que se acharo no quintal, ou sitio do quarlel do
segundo batalhflo ilo arlilharia a p, no Hospicio,
onde os pretendentes podero ir ver as refe' idas re-
zes, |iarao<|ue se facilitar n entrada, conformes.
Kxc. previne o Sr. inspector pela ordem que n re-
^peito lem de dar o Exm. Sr. general ccinmandante
ilns armas, devrndo a arrematar^o come^ar ao meio-
' ilia, ou pouco antes. Pagadura militar de Pernam-
buco, 16 le mar^o de 1840. Joaquim Ptreira fas-
t"s, escrivflo interino.
CORRER) HE OLINDA.
O agente faz publico que reside na ra por detrs
do Amparo, n. il, onle o acharflo elTectivamcnle
pira entregar e receher cartas, das 6 hora da ma-
MoSa as 6 da larde : o annuncante nssegura que o
segredafce entrega das ca tas sera religiosamente ob-
servado, e que nenhurp escrpulo deve existir, para
que os Srs. acadmicos desum de mandar suas cor-
respondencias por intermedio desta agencia, que
ser prnmpla em cumprir seus de.veres. "
f-Aclw-se.recolhidoHcadeiadebU cidade o pre^
o quuii, tenaeflo Angola o qual diz erten-
a Francisco Xavier Brrelo de Altiahvde ; 'quem
sejnlpar comdireitoaorreiido csc.avo", compare-
c ta suhdclegacia da fregue7iad Boa-Vita mu-
nidu de seus ttulos. Tcenle Antonio do Jispirilo-
Snnto.
LJJJJJJL ! ,1 laMfBMaaJBMPjaMM
AVSOS Ji itlilOS.
Leiloes.
Richard Roy le far leilflo por intervenQflo do
corretor Oliveira de grande poreflo do fazendas in-
glezas para ultimar cotilas : boje, 20 do corrente ,
as 10 horas da manhfla no seu nrmazem da ra da
Cadeia do Recite.
M. S Mawsou, estando por estes das a retirar-
se para Inglaterra fara leilflo, por intervenQflo do
corretor Oliveira d toda a mobilia da sua csa
consislindo em sophs, mesa redonda de meio de
sala bancas do jogo o cadeiras inclusivo do balan-
(o ludo de Jacaranda e pertenecnte a sala de visi-
tas cadeiras do oleo, ditas de halanco ; mesa de
jantar aparadores, mesas para cha cama de ferro
grande c rolchOes de cabello, commodas, guarda-
vestidos, toucadores lavatorios quadros com ri-
cas molduras vasos muito lindos, louca para mesa,
appanlhos para cha e caf crystaes de todas as
qualidades, lvros no idioma ingles trem de cozi-
nha parle novo e parte usado, um lindo piano per-
nendcular de excellentes vozes e caisa de jaca-
raud e muitos oulros objectos uteis para quai-
quer rasa ; e assim meis de umitas obras- de prala :
quarta-feira, 21 docprrenle as.10 horas em ponto,
na referida cas\n. 21, na ra Nova.
Avisos diversos.
-- Vende-seo patacho nacional l'rancilina, de lote
de seis mil e quinhenlas arrobas, construceflo brasi-
leira, e prumpto para seguir viagem, o qual se aclia
fondeado em frente ponte do Recil'e : os preten-
Joaquim da Silva Ferreira Vinhas subdito por-
luguez rctira-se para Portugal a tralar de su sali-
do deixando por seus procurapores nesla cidade o
Srs. Jos Rodrigues Pereira e Luiz Jos da Costa
Amorim.
--J. Roscnbrock relira-separa a Europa, lovando
em sua rompanhia sua mllicr Mariu Rosenbrock
dous fllhns menores.
Jos Bernardo de Mallos Cuimarfles deixou de
ser caixeiro dos Srs. Ilebrard & C. desdo o dia 16
do coi rente.
--Miguel Augusto de Carvalho, subdito porlu-
guez, rctirn-so para fra do imperio.
Henrique de Almeida Rodrigues, Porluguez, rc-
lira-se para frn do imperio.
Joaquim de Paiva Jerreira, Jos de 'Souza e
Vicente Ferreira de Souza, Portugueses, reliram-se
para fra do imperio.
Antonio Joaquim de Abreu Cardoso, Adelmo
Ruarte Nazarelh e Manoel Jos Moreira, Porluguezcs,
retiram-se para fra do imperio.
Manoel do Reg Pinheiro, ndito porluguez, re
tira-se para fra lo Imperio.
-- Marcolino Jos da Silva, branco, sollciro, Bra-
sileiro nato, val fazer urna viagem aos portos do nor-
te desla provincia."
Manoel Vicente Pereira Lamego retira-se para
fra do impcio.
~ Ignacio Firmo Xavier Jnior, tendo de retirar-
se para a Babia, afim de concluir os seus estudosem
medicina,e nflo Ihe sondo possivcl pcssoalmenle des
pedir-se de todos os seus amigos e conliecidos, o Taz
por meio (leste, pedindo-lties desculpa desta falla
involunlarta, e olTerecendo-lhes seu pouco prestimb
naqiicllii provincia, onde o acharflo sompro promp-
lo para os Servir com muito boa vonlade e salisfaijlo
Emgomma-so roupa dehomem o de senhora
com pcrfei(,'flo : do segundo andar do sobrado n. 2,
da esquina da ruu do Alecrim : na mesma'casa ofTe-
rece-so urna parda de meia idade para ser ama secca
de qualquer casa do familia,' preferindo-se a que nflo
tenha meninos.
Iloje, 20 do corrente, na sala das audiencias,
peranleo IlluiSr. doulorjuiz do civel da primeira
vara, se hflWe arrematar por ser a ultima prar;n ,
alguns escravos e trastes novos, penhorados a Joflo
Baplsta llerbster ; e oulros objectos da toja de miu-
dezas, penhorados a Pontea & Mello; assim como al-
gumas obras de ouroe prala : os licitantes compa-
n ruin depois de meio din.
No dia 17 do correle mez de mar<;o, desappa-
receu um quarlflo do largo do Livramenlo em direc-
?flo ra da Penha, ruco pedrs, nalico de um
quarto, com cangalha e dous pares de saceos com 11
libras de carne secca, urna garrafii.de vinho bran-
co e mais saceos com roupa ordinaria : quem o tiver
achadopodera ontender-se na ra largado Rosario,
venda n. 29, que se pagarflo as despesas c se gratin-
es ni ao portador.
Precisa-se de qualro a cinco conlos de res so-
bre hypotheca em um sobrado, o qual val doze con-
loa d ris ; a pessoa que quizer fazer tal negocio
uuiiiiucie para ser procurada.
Craufica-se a quem descobrir o molequedo no-
me Mariano que fugio no dia 18 do corrente, levan-
do vestida calQa de riscado do algodio,e com os sig-
naos seguintes : duas cicatrizes ns costas ja anti-
gs: representa 10 annos de idade : quem o pegar
leve-oa ra dos Quarleis, n. 10, junto botica do
Sr. Jos Mara. .
No dia 17, pelas novs horas -la manhfla, des-
appareeeu do- Aterro-dos-Afogedos urna rnoulinha
d7annos, a qual tem no espinhaco urna cicatriz
de quemadura, e nn frente da bocea dous denles
um sob outro : levou vestido de chita, csuspeita-so
que est occulla para ser vendida como escrava : por
isso se protesta contra quem a tiver occulla, e so
pievue aos compradores de escravos"e cmbarcac,es
que a nflo cumprem iiem conduzam, por ser forra e
nsseida ilo venlre'Iivro : quem a apprehender leve-a
no silo do fallecido MunU.xasa de Joaquim Miguel.
-- Angelo Francisco Carneiro participa ao res-
Eeitavel publico qnc oinbarca boje para Franca a
ordo do bcrgalitu Beavjtu, o que durante a sua au-
sencia d'aqui deixa ncanegado da gerencia de sua
casa o seu condado Elias Baptista da Silva.
. Angelo Francisco Carneiro retirando-se hoja
para a Franca, a bordo do bergantn! Tleavjeu, e nflo
pndendo pelos seus muitos afazeres despedir-s" pes-
soalmente do muitos de seus numerosos amigos, e
nutras pessoas desta praQ. a quem deve atlcnc,Oes e
obsequios, o fas por este meio, rngan lo-lhes de
aceitarem seu limitado prestimo naqnelle paiz, ou
n'oulrn da Europa onde aportar.
O Sr. Francisco Goma! vos da Costa, que leve
padarl em Olinda, quoira dirgir-se praga da ln-
depencia, ns. 6 e 8, para se Ihe fallar a negocio do
seu ulerease.
0 Sr. Vctor Letellier queira apparecer quanto
antes no acouguo do Francez, para concluir certo ne-
gocio que nflo ignora.
Advertencia ao annuncio feito por Jos lava-
res Pacheco, da venda do seu sitio em Porto-de-Cal-
linhas. Adverle-so a qualquer pessoa que o preten-
da, que o mesmo sitio se acha hypothecado a seus
credores Lourenco Jos das NeVos e Joaquim Pereira
de Mendonca e oulros: por isso quem o pretender se
deve entender primeirocom ditos Srs., para depois
se nflo chamar ignorancia.
Francisco SimOes da Silva Mafra embarca para
o Rio-de-Janeiro o seu escravo crioulo, de nome
Manoel.
-- Manoel Francisco da Silva Carrito, subdito por-
luguez, vai a Macei
SOCIKDADE APOLLINEA.
i A commissfio administrativa faz certo aos Srs. so-
cios que tem marcado o dia 7 de abril prximo futu-
ro, para ler lugar a partida da abertura do presente
anno : convida, porlanto, aosditosSrs. a apreson-
tarcm suas propostas para socios e convidados i\
mesma partida, no dia 24 do corrente, pelas 6 horas
da tarde, na casa da mesma sociedade.
Manoel Peixoto de Freitas Cuimarfles retira
se para fra do imperio.
-- L, G. Ferreira declara que Jos Luiz Ferreira
da Silva deixou de ser seu caixeiro desdo o dia lfi
do corrente.
:\a ra larga do Rozario, n. 4o,
loja do alfaiato de Francisco Pinto da Costa Lima,
precisa-sede ofuciees de obra miuda e tambem de
algumas cnstureiras do mesmo olTicio.
Precisa-se alugar urna escrava que saiba bem
cozin!1.!"- o fa7er Ujc o serven de urna easa .le nnn-
ca familia : na ra larga do Rozario, n. 46, segundo
andar.
Precisa-se alugar um primeiro ou segundo an-
dar com cozinha preferBdn-se o mais fresco e
periodo embarque: na praca da Independencia,
loja n 3, OU annuncio.
Constando ao ahaixo assignado que Joaquim
Ignacio Xavier pretende retirar-so para a cidade do
Porlo no brigue Venlura-Felis pelo presente so Ihe
avisa que nflo o poder fazer sem primeiro liqui-
daras contas que nflo nnr ler com o mesmo
abaixo assignado ; do coclrario se laucar mflo dos
meios que sfloconcedidos pelas leis do paiz. Do-
mmr/ot Nartins Ponte.
-'- OITerecom-se para caixcros dous poq'ienos, sen-
do um portugus c outro brasileiro os quaes sflo
esportos e dflo iidor a sua conduela : na ra do
Queirrado, n. 6.
Perdeu-se da travessa da Concordia ronto da
Roa-Vista, no seguimonto da ra da Coneeicflo, Cor-
redor-do-Bispo Soledado estrada que \ai paran
ponte do Manguinho desta a olaria da boira do rio,
no sitio do Sr. tenenie-coroncl Corneiro, a atraves-
sar para a malta da Torre urna carleira rom 31,000
rs. em cdulas sendo urna de 20# rs oulra de 10#
rs., urna de 1/ rs., e varios papis que s pdem ser-
vir a seu dono: a pessoa que a achou querendo
restituir, ter de gralllcacflo 15,000 rs e no caso
que nflo Ihe agrade a gratificaQflo, pode tirar lodo o
dinheiro e entregar na alfandega ao caixeiro do Sr.
Arrenio Fortunato da Silva, ou bota-la com lodos
os papis por baixo da porta da venda da ra do Pa-
dre-Horianno, n 2.
--Francisco Ribeiro Pinto Cuimarfles retira-so
para|fra do imperio.
--Precisa-sede um fetor solteiro c que Haba-
Ule de cnxada enlenda de jardim e horta: no litio
ao | do porlo da Capnnga. __________
Compras.
Compra-se urna correte de otiro
para senliora : .quem liver annuncio.
Compram-se3 liteiras no pateo da matriz de
S.-Antonio, n. 4, segundo andar.
-- Compra-so una cama franceza com algum
uso .sendo de amarcllo ou pao d'oleo : na ruada
Cadeia de S.-Antonio, n. 18.
Compra-se um casal de roelhos novos e bons :
na ra da Cruz, n 20.
Compra-se urna banca redonda de jecaranda ,
em bnm estado : na roa Drcita, n. 47.
-- Compram-sc 400 estacas para urna cerca com
12 palmos do comprimento e de grossura de um cai-
bro : na ra do 'trapiche, defronlc do caes da Lin-
gola n. 30, a tralor com Jos Carvalho da Costa.
Vendas.
Vendem-se 10 lindos moleeolcs de ntoffo, de 14
a 20 anuos, seqi vicios nem molestias ; 3 pretos do
servico de canfpo, de 25 a 30annos ; 1 dito bom car-
pina e C07inhcro ; 1 dlo de meia idade, por com-
modo preco ; urna prela de meia ida Je, que cozinha
muito bem, engomma solTrivel, coze e he boa coin-
prndeira ; duas ditas de todo o servico : na ra do
Vigario, n. 24.
Vende-se um prelo moco, de bonita hgura, pro-
prio para lodo o servico e com principios do coz-
nheira e serrador : quom o pretendor, diija-sca ra
do Sebo, ao virar pura a Soledade, n. 29.
Atteiico.
Na na Nova,
loja de ferrigen, n. 20, de Joflo Fernandos Prenle
V-anna vendem-seos ma* ricos apparelhos de me-
tal tino para cha que aqui teom viudo; bem cuino
encarlas e chalciras de ierro, Torradas de porcella-
na para co/inha as quaei se lornam minio re-
commendaves polo asseio com queso cosinha nos
la louQa ; machinas dofasercaf ; colhere* de metal
do principo muilo linas para sopa e cha o terrme
para arros : ludo por preco commodo.
a* mars ricos corles de cambraia slo enegados
loja da ra doQueimado n. 17 : vondem-so pelo
diminuto preco de 2,240 rs. Aelles.quese acabam
-- Vendcm-se 3 excedentes pretos sem dereilo
aigum sflndo um dolles cozinheiro, e os oulros 8 de
servico de casa : a tratar na ra da Cadeia do Bcci-
Te, n. 52
Arroz pilado superior: vende-se na ra do
Queimado. n. 3, Unto as saccas como lodo junto.
Farinha de mandioca,
lina e clara, chegada do Rio-d-Janelro no ultimo
navio vndese por rtre$n commo lo i na ru l,lrel~
ta, n. 17, em frente da matriz da Boa-Vista venda
n. 28 o as escadinh d Alfandega rmazom n. I
Vende-so urna escrava crioula muito m?, oe
bonita figura boa cozinhei'a engo-noiadeira o
costoreira : na ra Nova n, 52, segundo andar, das
6 as 9 horas da manhfla', e das 3 asida tordo.
Vende-se urna bonito toalha toda de lavarin-
to e com bico : na ra Augusta defronte da ca-
sa n. 17.
Vende-se, ou aluga-se um escolente sitio no
lugar dos Afogado, ra dos Porros, n. 39,C0
boa casa de pedra e cal, contando de frente qoatro
salas 3quartos, sala dejantar, cosinha fra, quaf-
lo para escravos estribarla para 4 cavrtlos duas
cacimbrs do boa agoa de beber tan jue para bt-
nho bstanles arvoredos do fructo duas bailas
para capim fra terreno disponivel para plantar,
com di visito do mesmo para pastarem 20 ou SO vac-
ca s de leite, por ser muito frtil e tur bebida de ve-
rti : a tratar no mesmo sitio como seu propie-
tario.
Sessenla horas accesos com
sote Iu/ps.
Canderos de gaz muito econmicos, que basta
prepara-los de 12 em12noites, cora duas garrafas de
gaz e accesos das 7 horas a meia noile durara 12
noitns : na loja de ferrag >ns. junto ao arco da Con-
ceiQflo defronle da botica do Sr. Antonio Pedro ,
voudem-se por proco mais barato do que em oulra
qualqiiar parte.
Vendem-se chitas protas assetinadase unas;
panno prelo fino a 3,000 rs. o covado : na ra do
Queimado, n. 5.
~ Vendem-se gangas azues, a 100 rs. e. mais lar-
ga a 120 o covado; pecas de madapolflo limpo.
muito largo e encorpado, proprio para forro e para
roupa do escravos a 3,000 rs.; brim do algolflo
de listras, a 200 rs. o covado ; bretanha do algodfl
tina, muito encorp.ida a 200 rs. a vara e mis
grossa a 180 rs. ; linhas linas urna quarta por 320
rs. e grossas a 240 rs ; lenqos de cambraia, muito
finos o com seus cnfeiies a 320 rs. ; dous nauSi-
nhos cohertos de tartaruga proprios para guardar
joias por commodo preco ; Chitas, a 6,7, 8 e !
vintens e muito finas, decores fixas e de bonitos
padroes a 280 rs. : na ra do Caes, n. 17.
Vende-se I moleqtie do 20 annos, de naq.flo ,
ou troca-se por outro que seja pequeo, capaz de
a prender oflicio: no paloo da matriz de S.-Antouio ,
sobrado n- *, se dir quem faz este negocio.
Vendem-so saccas com farinha : na ra da
Cruz, n. 62 e na ra de Apollo, armasen n. 4.
Vende-se nm bom eseravo, muito robusto a
fiel: na rus do Queimado, n. 98 segundo andar ,
a fallar com Herculano Jos de Freitas.
Vende-se urna farda o. todo o mais apparellio do
um ofiicialde linha ;e bem assim urna sobre-casn
o caigas de panno lino: na ra do Forte, sobra-
don. 6.
Vendem-se quartolas grandes que
foram de azeite de peixe propriaspara ga-
rupas de restilacSo: atrs do Iheatro nr-
mazem de talioas de pinho.
Unofre Jos da Costa vende sac-
cas com feijo de todas as qualidades mui-
to superior pelo diminuto preco de ooou
ris cada sacca : no armazem de Bacellar
m frente da escadioha da alfandega.
Vende-se vinho do Porto e Chani-
panlia de superior qualidade por. preco
commodo: na na da Cru, n. 4*
Aviso aos (limantes do bom
gost
O.
No enligo deposito de charutos da ra larga do
llosario, n. 32, acha-se um sortimento da melhor
qualidadode charutos que pdem apparecer no mer-
cado, sondo patuscos, gyra-sol, imperiaeis, cavallet-
ros dellavana, Venus do Havana, boija-fir, regala
superllne, meia regala, nonidusultra, verdadeiro
S.-Flix, eoulras mais qualidades por proco com-
modo.
Na rua daCamba-do-
Carmo n. 8, vendem-se
asseguiitrs obras bara-
ta : cadeiras de Jacaranda, ditas do angico ede oleo,
snfs de Jacaranda, consolos, bancas dejogo, ditas
de meio desala de dito, marquesas, commodas, ca-
mas, bancas de meio de sala, cadeiras para senhora,
ludo de angico, camas de amarello, lavatorios, ban-
cas do um p de dito, toucadores de Jacaranda do va
ros moldes, de muito bom gosto, grendos e peque-
nos : ven Jo-so ludo barato para ajuste de cuntas. A
elles, antes que se acabem.
1na da Cruz do Recife, n. 15.
Vendem-se doces seceos de ameixas, pecegqs a pe-
ras em bocetinhas, e amendoas confeiladas em fras-
cos de vidro : tudo mu bem arranjado o proprio
para mimos.
Aoi fumantes de bomgosto.
Xo armazem de motilados atrs do Cbrpo-Sanlo,
n. 66 recebe-se por todos os vapores vindos do sul
porQflo de cigarrilhos liespanhes, ditos de pal ha de
millio, assim como superiores charutos de varias
qualidades : tudo se vende por preijo mais barato do
que em oulra qualquer parle.
u.con uv da baha.
Cunha e Amorim vendom o superior algodflo
trancado fabricado na Baha em pecas, pelo pre-
go de primeira m3o na sua loja da rna da Cadeia
ilo Itecfe, n. 50.
Vende-se urna padara montada com todos os
seus utensilios que Ibes sflo necessanos, por isso
que esta trabalbando ; he bem af.eguezada e situa-
da em lugar que marcam as posturas da cmara .
com casa para lamilla ou sem ella porto de em-
barquo eolTorece cstabelecer mais algum negocio
que se fara ver : vende-se por adoecer o dono a
poni de nflo poder continuar : os pretndanles se
poderio informar com o Sr. Jos Duarte das Neves ,
no armazem de farinha do Sr. Luiz Gomes Ferreira.
Vende-se um escravo pardo, do 16 a 18 annos,
proprio para bolieiro ou para pagera por ser de
bonita figura : na rua do Queimado, loja de Terra-
gens, o. 10.
I



Venrie-se imana de mandioca mili-
to superior por preco commodo : a bordo
ta- Catliarina, tindiado no caes do Colle-
%
vende nos
ra : trata-se
jompanhia,
io ; assim como tainliem se
armazens do caes da Alfandej
a bordo 011 com Novaes & I
na na do Trapiche, n. 34.
I olha de Flandres.
Vendm-se caixas com folln de Flandres : om
casa de J. J.Tasso Jnnior : na ru do Amorim, n. 35.
Vcndc-se um lerreuo narna do Sebo, encos-
tado a cas que osla em respaldo, pertencentea o
Snr. Manoe! Kilippe, pela parto do Inste, cujo
terreno tcm 62 palmos de frente e 150 do fundo :
a tratar com Joio Yaz de Oliveira na ra da Cruz ,
u.51,
\. r.ontinua-sca vender a verdadoira sarjado f-
ij seda hespanhola ; los pretos bordados de se- p
i da ; setim prelo de Macan pronrio para ves- jfi
lulo; um completosorlment do panno pre- f:
.; lo fino, para os procos de 4 al lO.ono rs.; i{
; casimira preta elstica, milito superior; meias ;$
* desuda deceso, protas e brancas ; um lioni- *-.
Q lo snrlimento de cortes do vestidos de seda, J
?j uraneos prelos o de cores hienda do mui- *'
'' f. lo goslo ; e oulris muitas fazpudas prelas pro- j
f 5 prias >la quaresma, por preco ontado do ?
f*| comprador : na ra (i canlos, loja do Jos Morcira l.opes v Compa- |
& nbia, n. 29. i!
Vendem-se semeas em saccas muilo grandes,
4,500 rs.: nn ra da Madrc-de-Deos, armazem de
''lenle Forre-ira da Cosa.
Vende-so aRo'ardento de Franca, verdadeiro
cognac, de qualidade muilo superior, em Caixas de
una duzia ; barris de oilo om pipa com vinho de
clarot, como nilo costumn vir c ; urna porgio de
eharutnsdellnvana, verdadeiros : na ra da Alfan-
ilega-Velha, n. 5.
Vendem-se 2 lindos moloques ; um dito de 20
annos, muilo bom o.fllcial de ourives; um "prelo
bem robusto do meia dade; 3 prctas rom habili-
dades : no pateo da matriz de S.-Antonio, sobrado
n. 4, se dir quem vende.
Aos a mantos da b(n pilada
so ofTerece o rap Novo-Lisboa, no seu deposito da
ra larga do Rozario n. 24.
Vende-se cal virgem de Lisboa de superior
qualidade-, em barris de 4 arrobas, ebegada nesle
mez pelo brigue Maria-Jot : a tratar na na do
lirum .armazem de Antonio Augusto da Fonscca ,
ou nn ra do Vicario,, n. 19.
Vinho barato,
Aoha-se estabeleridona ra da Madrc-dc-Deos,
ii. 36 um armazem de
vinlios da Figueira,
do ptima qualidade, a prego do 1,200 rs. a caada,
c a 160rs-agarrafa ; e para nfiohaver dolo do com-
prador serlo lacradas as garrafas e com rotulo, re-
cobendo-se a garrafa vasia, e dando-se immediala-
niento a outra ebeia lambem ha barris milito pe-
queos proorios para quem passa a fesla. O pro-
rrietario deste cstabelecimento pede encarecida-
mente que se nilo illudam avaliando, pelo diminuto
prego e sem oonliecimento de causa a qualidado de
SUS fazenda digna por certo da estima dos verda-
deiros amantes da boa pinga. Elle conta que quem
ui ia vez provar, continuar com goslo e sem arre-
pt ulimento. F.u bom preco!!.' A todo o exposto
an reseeoasseio e boro acondicionamenlo o que
tudo se poder verificar em dito estabelceimento.
PCROVLNIIODA FICUKIRA.
Kxistc no armazem de molhados, atrs do Cor-
po Santo n. 66 urna grande porgio (leste genui-
no vinho que se esta venciendo pelo diminuto pro-
co d 1,120 rs a caada e a 160 rs. a garrafa ; lam-
bem ha em pipas que se vender mais em conla : he
este O'melhor de todos os vinhos que se teem an-
nunciado pela suasimplicidade e ptimo paladar:
quem urna vez o beber jamis dejxar de o com-
prar.
-- Venderse urna bonita nB/jrlnha de 10 a H an-
uos de muiVo boa conduela, milito sndia e com
principios de cozinba vende-sc por se nilo precisar:
na rua do Hospicio, n. *
Polassa.
Desembarcou ha poucos das urna por.
cao de barris pequeos, com muilo novj
e superior polassa, c s acbam a venda,
por preco mais barato do que ultima-
mente se venda, na rua da Cadeia-Velha,
armazem de Baltar& Oliveira, n. 12.
FAKELu
em saccas muilo grandes,
a 3'6oo rs. a sacca:
i'o armazem do Braguez ao p do arco da Conceigoo
__ Yendc-se farinha de mandioca, de
muilo superior quali'lade : a bordo do
patacbo Cunceic&o, fudiado em fenle
do caes do Collegio ; sssim como lam-
bem se vende nos armazens do caes da Al-
iande1 por preco muilo conimodo : lia
la-sea bordo domesino patnrho, ou com
iNovaes Se Companhia, na rua do Trapi-
che, n. 34-
-t- Vendem-se cliilaa encorpadas, fa-
zenda propria para roupa de escravos, a
.seis vintens o covado : na rua do Crespo,
11. 4, loja da esquina que volto para a
cadeia.
Vnde-se a casa terrean 85, na rua do Mnn-
dego, bairro da Roa-Vista : na rua do Rangel, n. 38.
Vende-se a verdadeira polassa da
Russio, desembarcada hontem, por pre-
co muilo rasoavel, vista de sua muilo
superior qualidade : na ruado Trapiche,
n. 17, e rua da Cadeia, n'. 34.
Madeira de pinho.
Na rua de Appnllo, penado ao armazem do Sr.
Molla, ha um novo armazem com madeira do pi-
nho da melhor qualidade que tem vindo a este mer-
cado e serrado de todas as grnssuras e comprimen-
tos : vende-se pelo menor prego que he possivel.
Vendem-se taboas amerrca
nas aleo palmos de largura
o de lodos os comprimcntos,quo ha muilotemponlo
teem vindo e os frecuezes experimentando a falta
desla excellonte qualidade. A cllss que sflo poucas e
toprego he barato. Atrs do thealro, armazem jun-
o a maro, de Joaquim Lopes de Almeida.
Taboado de pinho da Suecia ,
de 10 a 55 palmos
decomprimento o melhor que tem chegado a esle
mercado, em rnzilo de se poder envernizarem qual-
qnerobra por nlo ler nos e ser muito alvo sen-
do coslado, costadinho, assoallio, forro e para fun-
dos de barricas : vende-se a prego que o comprador
far lodo o negocio : atrs do theatro, armazem de
Joaquim l.opcsde Almoida.
Taboado de pinho,
Vendcm-sc taboas de pinho no
Forte-do-Mattos armazem do Vianna e
no armazem do Machado, na rua de
Apollo, junio ao porto velho das onoas,
e os nielhores pranohocs, costados, costadinbosc ta-
boas de todas as grossuras e comprimentos por to-
do o prego.
Vende-se caJ virgem de Lisboa,
ebegada no ultima navio, em barris pe-
queos, por menos do que em outra qual-
quer parte : na rua do Trapiche, arma-
zem n. !?
-- Na padaria da rua da Guia, no Recite baver
todos os dias a venda o novo pilo de Provenga fa-
bricado poroulro.modo.queo actual e da melhor
farinha que ha no mercado : por este motivo nilo se
pode fazer senao a 40, 80 e 160 rs.
Farelo ,
em barricas a 4,000 rs.; saccas grandes a 3,50o
rs., ditas pequeas a 2,800 rs 1 no armazem de i.
1. Tasso Jnior, na rua do Amorim, n. 3.
Novo trem de eozinha.
Vendem-se cbaleiras, panellas e ca^arolas de fer-
ro, forradas do louga : na rua Nova loja n. 16 do
Jos I .ti i z l'creira.
Vende-se, para fra da provincia tima escrava
bem parecida, com ilgomai habilidades : atrs da
igieja de S. Itila Nova n. 48.
Casimiras finas, o 7,500 rs.
Vendem-se superiores casimiras do cores, de su-
perior goslo e melhor qualidade, pelo barato prego
de 7,500 rs. o corte ; ditas lanihein de ciVes a 5. e
6,000 rs. o corle : na rua do Collegio, loja da estrel-
la, n. 1.
-- Conlinuam-se a vender saccas com superior
colladas fabricas do llio-Cramlc-do-Sul, por pre-
co commodo : na rua da Moc.la, n. 7.
Cortesa l,*280rs.
Vendem-se superiores cortes de brins para caigas,
a 1,280 rs, o corte fazenda baralissima pela sua
qualidade e cr lixa : na rua do Collegio, loja da
estrella, n. 1.
rinba, di las com milho, ditas com arroz de vapor,
bom cha de caixas grandes, e outros muito eneros
de venda, por proco muilo commodo a dinheiro a
vista, por se querer acabar como eslabolecimento'
tamhem se vende o mosmo, fazendo conta s partes-
liiscados mowstros, a 240 rs. o
covado.
Vomlem-se os bem conhecidos riscadoa monstros'
Celo barato preco de 240 rs. o covado para se ac.
ar : na ruado Collegio, loja nova da estrella, n. 1-
Vende-se algodSo da trra em ro-
los de fo varas, a 100 ris cada vara : na
Ma^re-de-Deos, tratar com Vicente Ferteira di
Costa. .-'.____
Vende-se Um preto de nar;llo Angola de 27 a
28 armos reforr,ado do corpo muito bom canoai-
ro ; uoi bomquarto que aoda apasso carroga c
esquipa : na esquina da Tua das Floras, prinieiro
andar. '
Vendem-se chrt8s de coree, de bo
nito> padies, a sete vintens o covado
na rua do Crespo, n. 4i l"ja da esquina
que volt* para a cadeia
-- Vondem-se, na rua do Crespo, loja n. ti,' igulh>s
francezas finas al n. 13, a 100 rs. o papel, e a c*L-
rua do Queimado, quatro cantos, loja *nhaa 320rs. ; caixas delinhadeS overos soa*
^ ) .|0 .DA.,
n. 20),
Vende-se um preto de cerca de 45 annos, pro-
prio para omalto, por ter bastante conhecimento
da agricultura c tratar de gado ; afian^a-se sua con-
ducta : na rua do Trapiche n. 44, primeiro andar.
Vendem-se sellins inglezes e camas
de ferro : n3 rua daSenzalla-nova, n. 42-
Agencia da fundico
Low-Moor, rua da Senzalla-
* nova, 11. 42.
Neste estibelecimento contirii'ia a ha-
ver um completo sorlimento de moendas
e meias moendas, para engenho ; ma-
chinas de vapor,e tachas de ferro batido e
coado, de todos os lamanhos. para dito.
Ferro
de todas asqualidadcsedjmensOes, om barra, ver-
galho, verguinha, arcos e chapa por prego com-
modo : na rua da Madre-de-Deos, armazem 11. 26.
Algodio trancado da fabrica

ra\
ruuus
os-Sanos da
as
jj segundo andar, caixas com cera em
& velas fabricadas li Kio-dc-Janeiro,
(.'era em velas.
Vende-se na rua doVigaiio, n. 19,
em
urna das melhorcs fabricas, sor-
lidas ao goslo do comprador, e por
preco mais barato do que cm outra
qualquer parle.
i
w
:f 988 WS B''M B'.'M B:J SiC Btie J"S Bt
Vendcm-se OCUlos paTa todas as iilades, de aros
brancos e de ac; meias de algodlo das grossas ,
l'eitas agullia estas meias sao aconsclhadas pela
medicina, com espceiai'dade nos pai/os tmidos; su-
blimes riavalhas de ac da China, das ve.rdadeiras
urna cabrinhade 13 annos que lie propria para mu-
cama porj ter habilidades, c ser muito bonita "
na rua larga do Rozarlo, n, 35.
Attencao.
Vende-se superior sarja larga hespanhola pelo
barato preco de 2,000 rs.; pannos finos prelos pro-
va de limilo pelo barato prego de 3, 4, 4,500, 5,500,
6,500 e 7,000 rs. o covado ; casimira preta setiin de
superior qualidade, a 2,800 3.000 e 3.500 rs. o co-
vado : setim Maco do verdadeira e de escolenle
qualidade a 3.500, 4,000 e 4,500 rs. o covado ; cha-
peos de massa francezes os mais modernos, a 7,500
o 8,000 rs.; ditos de sol, do seda furta-COfes, do
melhor goslo, a 8,000 rs. ; o 001 ra muitaa fazeno
das de superior qualidade e muilo mais baralo do
quo cm outra qualquor parle : na rua do Collegio ,
nova loja da estrella, n. 1.
No deposito te Mc.-Calmont & Companhia na
ruado Apollo, armazem n. 6, acba-se constante-
mente grande sorlimento de ferragens inglezas para
en"enbos do nssuear corro sejam : laixas do ferro
coado de diffcrenles modelos, os mais modernos
dilas de ferro balido ; moendas ile ferro do mode-
lo adoptado, para armar em madeira; ditos.todas
de ferro, tanto pora agoa como para atumaes; ma-
chinas de vapor do Torca de quatro cavallos o do ol-
la pressilo O rnais moderno o simples que he possi-
vel ; repartideras ; espumaderas ; reslriadeiras de
ferro estanbado; formas de ferro: ludo por prego
commodo.
,Na casa de modas francezas de madame Millo-
ehao no Allciroda-ltoa-Visla, n. 1, defroote ao cha*
ariz, ha pata vender muilos lidos chapeos de sed-
o de pallm eiifeilados.camizinhas e COllaCJIlhoJ horda-
dos da ultima moda, bicos prelos vcrdadiros, cha-
peos de lulo; flores do larangeiras, muito boas; con-
tinua-so a fa/cr vestidos, chapeos o tocados, por
prego muito commodo, e do ultimo goslo de l'aris.
Na rua do llangel, n. 8, ha boas saccas de fa-
llahia ,
mito proprio para saceos de asquear e roupa de es-
cravos : vende-se cm casa de N. 0. Biober & Com-
panhia na rua da Cruz, n. 4.
CHA'BlUSILEinO.
Vende-se,ou armazem de molhados atrs do
Corpo-Santo n. 66, o mais excellento ch produzi-
do em S.-Paulo que tem vindo a este mercado ,
por prego muito commodo.
Presuntos.
Vondem-se superiores presuntos inglezes para
fiambre ebegados no ultimo navio: no armaz,em
du Uraguoz', ao p do arco da.Conceigo.
Taitas para engenho.
Na fiindig.to de ferro da rua do Brom acha-se a
venda um completo sorlimento de taixas de 4 a 8
palmos do bocea, por prego commodo, e com promp-
UJflo embarca-so, ou carrega-se em carros sem dcs-
pezas ao comprador.
Cateado.
Vcndem-sc bolins e moios ililos de I itbt para
hometn e menino ; sapatos de maroquim francez ,
por prego mais barato do quo em outra qualquer
parle : na rua larga do Rozarla, n. 24.
TAItL KM SACCAS l)K 90 LIBRAS :
vende-se no armazem de Vicente Kerreira da Costa
na rua da Madre-de-Deos, a 3,500 rs.
Vende-se um molcque de 18 annos por seu do-
no reiirar-se para fra do imperio : na rua do Quei-
mado, loja u. 32.
Ltivas de pellica, a 500 rs.
o par.
Vendem-se luvas do pellica para senhora a 500
rs- o par: na rua do Queimado, n. 16, loja de Jos
fias Simos ec Companhia.
# Luvas de pellica.
Na rua do Queimado, loja de miudezas, n. 26, vcn-
dem-sc luvas de pellica para homein, novas o muito
boas, a 1,200 rs. o par; meias de inlio" uiuitissitno
finas abertas c lisas para senhora.
Velas de espermaeete.
Vendem-se em rasa de.Ricardo Roylc.na ruada Ca-
deia-Velha, n. 2!, superiores velas de espermaeete do
6 em libra.
Vende-se una vacea toriua com urna ca
ltimamente cheguda de Lisboa : o tratar com Fran-
cisco Severianno tabello, e para ser vista, na rua do
Hospicio, n 4. casa de Arcenio Fortunato da Silva.
Vendem-se saccas com farinha superior, a 4,500
rs., cm pequeas e grandes porgOes : no Forle-do-
Matlos venda de Antonio Jos Fernandos de Car
valho na rua do Codorniz, n. 12.
Ftegttezi t.
No pateo do Terro taberna n. 7 vende-so o pci-
xc denominado pirarucdo Para ; carno do Cear
ile primeira qualidade, a libra por prec,o com-
modo
Vende-se um preto por 300,000 rs. de 40 an-
nos, sem vicios nem achaques c que he proprio
pal a todo o servio : na rua das Flores, n. 1!).
Farfulla de mandioca.
Vende-se farinha de mandioca do llio-do-Janciro,
em saccas, desuiierior qualidade, por preco com
modo : na rua da Madre-de-|)eos armazem n. 31
ao lado da alfandega.
PARA LIQUIDAR.
Vende-se cal virgem de Lisboa do superior.qua-
lidade por prec,o mais barato do quo em o'ulra
qualquer parte: na rua da Cadoia do Recite n. 50.
Home barato, nu Patseio-I'ubco, loja de Manoel
Joaquim l'atcoal. llamos n. 19.
Vendem-se pannos linos de muilo boas qualida-
des, prelos, a 3/, 4/, 4/500 o 5/000 rs. ; merino a
3,200 rs. ; alpaca, a 8(>u rs.; sarja a 2,000 e 2,400
rs ; lencos de sarja a 1,000 rs.; riscados monstrua
de padrOea os mais modernos quo teem viudo, a 2S0
rs.; ililosfrancezes,a200e 240 rs.; cortes de lila, a
2,000rs. ; Miles de casimira, a 4,000 rs. ; riscados en-
carnados a 220 rs. ; chilas muito linas e modernas,
a 280 rs.; um completo sorlimento de oulras mais
ordinarias a 160 e 200 rs.; setim prelo, a 640 ; ris-
cados para camisa, a 100 rs. ; pegas de bretanha Com
vars a 2,000 rs ; urna porefto de msdapolilo fino ,
4,000 rs. a peca ; pegas de cambraia fina entestada ,
3,500 rs.; suspensorios, a 100 rs.
Wndu-se a vendada rua do Apollo, n.2l, com
poucos fundos: quem a pretender, di rija-sea rua da
-- Vondem-se, na rua do Crespo', loja n. 11, os se-
gtiintes livros : l-icOos de eloquencra nacional, por
P. M. do S. L. Cama, novo e encadernado, por 4,S0n
rs. ; Ctiefs d'ccuvre de Voltaire 5 v. h por 1,600 o
2,000 rs. ; Atlas de SImancourt, por 8,500 rg.; Dic-
cionario Mafnum Lexicn, por 5,000 e 6,000 rs.
Horacio, por 3,000 rs. ; Virgilio por 3,000 rs.; Si-
lustio, por 1,000 rs. ; fbulas, por 800 rs.; Selecta,
por (i40 rs.; Arte latina de Moura o do padre Anto-
nio Pereira por 600 e 800 rs ; Arte poetice de lio-
rucio, par 1,280 rs. ; OracOes de Ciere em porlu-
Kuez por 3,000 rs. ; Cartas do 0 em lattm, por 600
rs. ; e outrasmuitas obras latinas e francezas, que
sevendem baralo; 3 breviarios, por 2,000 rs. -
da um.
-- Vende-se tima preta crioula, de 14 a lennos,
le bonita figura, sem vicios nem achaques : na rua
larga do Rozario, armazem de loucs, n 28.
Chilat final baratas.
Na rua do Livrament, n. 14, vendem-se chitases-
curas pelo preco de nove vintens o covado ; dilas
oscarlates a 220 rs. o covado ; brins de linho pira
calcas e casacas a 400 e 480 rs. o covado ; um rico
sorlimento de crles'de cassa, a 3,900 rs. 0 corte;
lencos para mflo de senhora, eom bico na ponas, a
480 rs.; casimira preta; merino ; panno fino prelo ;
chamalnte para vestidos ; e oulras muilas fazendas
por barato preco.
-Veudem-so nrviis r.ovss, propri pr _
mear, por serem produzidas no paiz, asquaesd.io
mais do que as vindas de fra a 320 rs. a libra: no
pateo do Carmo, venda n. 2
TIJOLOSDEMARMORE,
a 240 rs. cada um lijlo azul e branco : na rua da
Cadeia, botica de Vicente Josrerroira de Rrito.
~ Vende-se um preto bom canoeiro, de bonita fi-
gura, moco, o sem achaques : quem o 'pretender
dirija-sea rua da Aurora, n. 26.
Vendem-se Diurnos romanos e breviarios tudo
novo com muito boa impresslo e encadernaeflo:
na rua cslreila do Rozario, n. 8.
-- Vendem-se saccas com farinha, ditas com ar-
roz de casca, ditas com arroz do Maranbfloe da larra,
dilas com milho: no becco do Carioca, ultimo ar-
mazem.
- Na padari de urna soporta na prega da S.-
Cruz, continuadamente se fabrica o excellento pila
de forma antiga e o novo po de Provenga ; boia-
cliinha com o (lulo regala ; bolachinha d'agoa o
sal do 30 em ILbra muilo lorradinha ; bolacha Ho
(Oilos os lainanhos e turada ou igual a que vinha do
Lisboa muito bem torrada e s propria para quem
prefere o bom do baralo pois s se empregam as
niel mires farinhas que ha no mercado ; caf moido o
melhor possivel esem a monor mistura ; cevada em
grao torrada e moi la. Na travossa da Madre-do-
Deos n. 13, vende-se ludo pelo menos prego como
na referida padaria, o na ruado Collegio vendado
Sobral, somonte a bolachinha regala.
Escravos Fgidos

Fiisio, da casa de Antonio Rotelho Pinto do
desquita no da 11 do corrale o pretende nome
Filippe de nacflo Mocambiqun pertencente aos
orphilos do finado Jos Mara de Jess Muniz ; levou
camisa e caigas do algodlo da torra bastantes sojas ;
he baixo egrosso do corpo rosto redondo, pouca
barba, denles tmidos. Rnga-se as sutorida lespo-
lciaes, capiles de campo, quo o apprehendam e
levem afundigHo de Mosquita & Dutra que serilo
recompensados.
Acham-se fgidos, desde 3 de agosto do anno
passado, dous escravos, do engenho da ficgueia
de Ipnjuca, com os signacs seguinles: o priaMiro
do nome Izidoro, cor trigueira, alluri reguiar.ljfiei-
xo bstanle saliente, grosso do corpo, heofflcial de
carpina; a segunda de nome Rila, altura rnaior
que a ordinaria, secca do corpo, voz eslripitosa,
sabe cozer, engommar e cozinhar solTrivelnienle:
'sSo casados: quem os pegar leve-os a seu sonhnr,
l.ourengo de S e Albuquerque Juuior.ou ao>ngenho
Cuararapes, que ser generosamente recompensado.
Dessapareccu, no dia 26 de fevereiro do corren-
te anno pelas 7 horas da manh.la urna crioula de
nome Raymunda, baixa, grossa do corpo pscain-
baioso compridos, olfios grandes, rosto redondo,
prenhe ; levou saia do chita desbolada com babadu,
panno preto: quem a pegar leve-a Fra-de-Poitas,
casa n. 135
Desappareccu umacabrinha de nomo I'ilippa ,
desde o dia primeiro do correte, de 18 annos; tom
os denles acanguladns; levou vestido de assento
pardo e panno da Costa com listras azues ; tem sij0
encontrada a vender quitanda ; tem os beigos grns-
sos quem a pegar leve-a a rua larga do Rozario,
loja dealfaiatc, n. 30.
Fugiram, do engenho Canzauza, fregnezia il
Jaboutilo no fim da semana passada., dous escra-
vos um de nomo Joo crlonlo natural do Asmi .
alto, bem apessoado bastante prelo, rosto om pou-
co arredondado : o'outro do nomo Bernab preto ,
de estatura regular, seccodo corpo, ollio peque-
nos ; he muito regrista ; tem signaos nas nadegus do
ter sillo castigado : quem os pi-gar leve-os ao eo-
g'enho Cartula ou na ruado Aterro, n. 18, segundo
andar que sera recompensado ,
-- Fgio, no dia 21 de dezembro de 181", o pardo
Jacob, do 18 anuos secco do corpo, cabello estira-
do ; tcm falta do um denle na tiente e a marca de
um caustico nas costas : quem o pegar, ou do nios-
mo queira dar noticias dirija-so a rua Nova a J*'-
Luiz l'ereira que gralilicara. '
Fugio em dezembro do anno passado, genhoTapugi, um preto de nomo Roberto, B"0"1"*
de23annospooco inaisOu monos allua. reHu !
sem barba ollios raudas denlo* limados : l"^
o pegar leve-o ao dito enucuho ou nesta cidadO
Aterro-da-BocvVista, n. 6, tereciro andar.
PlRK. ; NA TVP. DE U. F' OE FARl**""- ^9'