Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10018


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Amia XXV-
O p/,l/irOpnblle-setodrt fortn de guarda. O preco di asignatura he
<), 48001 rs porqnarll, (Mi/oirt'li latoiiot. Os
auni.ncio* dos assisnintcs sio inferidos i
raiao de 20 ra, por liuha, 40 rs. cm tvpo dif-
ireme, easrepetifiles pola motada. O* nao
.m.gnautes pagaran 30 ra. por liuha e tO rs.
iiii typodiUeivutc, por cada nufclicac.no.
PIUSF.S DA LA NO MZ DF. MARQO.
Crcscenle, a I,as 9 horas e 43 mln. da JOTO.
Lua chela, a 8, s 10 horas e mln. da tara.
Mlngoanle, a 1C, a* 10 horas el? mi o. da tara.
L ..non, a24, U hora, ef ..da nao I.
ureacente,a 31, as 4 horas eton.m.da manli.
Sabbado 17
PARTIDA DOS CORREIOS.
Goianna e Parahlba! is sega, e sextas-felras.
Riu-G -do-Norte, qulntasfeiras aoineo-dia.
Caho.'serinbiiein, Rio Formse Porto-Calvo
Macelo, no 1." a II c de cada mcz.
Garanliuns e Bonito, a 8 e 23.
Iloa-Vista e Flore, a 13 c28.
Victoria, s.quintas-feiras.
Olinda, todos os das.
PREAMAR DE HOJE.
Primelra, 10 horas e 54 minutos da manh
Segunda,as II horas e 18 minutos da tard
de Sfai?o de 1849.
N. -
*
rm
DAS da semana.
12 Segunda. S. Gregorio. Aud. do J. dos
orph.,doJ. dniveledo J.M.da2. v.
13 Terca. S. Eulraiia. Aud. doJ.doc. da I.
v. e do J. de pai do 2. djut. de t.
I i Quarta. S. Mathildes. Aud. do J, do c.
da i. v. c do J. de paz jo 2. din. de t.
15 Quinta. S. Henrli|ue. Aud. do J. dosorph.
e do J. M. da 1. v,
6 Sexta. S. Ciraco. Aud. do. do civ. edo
J. de oaido 1. dial, de t.
17 Sabbado. S. Patricio. Aul. do J. do c.
da I. v. e do i. de paz do 2. cllst. de l.
18 Domingo. S. Gabriel rchanjo.
CAMBIOS NO DA 10 DE MARCO.
Sobre Londres a 27d. por I/0O rs. aGOdias.
Pars
Lisboa 108 por cento de premio.
Rio-de-Janeiro ao par.
I)esc. delett.de boas firmas al'./, % t> mex.
Acedes da couip. de Reberibe, a 50 f rs. ao p.
Ouro. Oncas hespanhnlas. 30rfOliO a 30/WO
Moedas de 6/400 v. 17/300 a I7/5W'
. de 6/400 n. Kif200 a l/10i'
de4/000.... 9/200 a 90*00
Pratal'atacdes brasileiros 1/180 a 2/IW0
Pesos coluinnarios. 1/TlftO a 2/000
Ditos mexicanos..... 1/300 a 1/WO
PARTE OFFICIAl
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 15 HE MAflQO.
Circular -An presidentes do sul. Tendojparti-
eipado V, Exc com vtata de 11 do correnle o esta-
do da rrhellu desta provincia,nada tenho a aecros-
rentar selo que a capital conlina a gozar de sopa-
po equo ltimamente consloii-me que os candi Mos
Mnraes, JoSo Paulo o alguns outros de. menor no-
mead fngiram entre Pasmado e Iguarassu, deixan-
do uns 150 de seus illudidos sectarios entregues a
llorges da Foneeca que eom esles destrocados restos
presiste ainda coi levar avante a execugSo deseus
planos. Tenho, porm, fundados mol vos para espe-
rar que esses mesmos em breve entreguen! as armas
Dito.An presidente da- rellacao, remetiendo para
c;:ir!r.en!n da'quse tribunal, o excmplnr do Dia-
tio-dc-I'trnambuto, contendo os avisos ilo Exm.Sr.
ministro e secretario de estado dos negocios do Im-
rerio.expednlos em dalas de 15,16. 17 e 19 de Janeiro
pioximo passado ans presidentes das provincias do
RiO-de-Janeiio, S.-Paiiln, Ceara, Baha e Minas-Ce-
raes, solvendo duvidas acerca da execugflo da lei
regulaiiienlar das eleiges.Igual reinessa se fez as
cmaras des provincias.
Iiiio. Ao agente da companhia das barcas de
vapor, recomuiendando man 'e .lar passagem para a
rite no vapor Paratnu porconta do governo ao ca-
pilflo Alexandre Gomes de Ai guio FenMo.
EXTERIOR.
O ESTADO POLTICO D\ REPBLICA FRANCESA.
Londres, 23 de Janeiro de 1849
O estado poltico da repblica france/a nilo foi
ainda cm nenhum lempo, depois da revoliin.to de fe-
vereiro, ncm mais perplcxn, nem mais-obscuro do
que o lie presentemente. Nos vimos o governo da
nagio frnceza entregue a n.flos indignas e incapa-
zes, n presenciamos conflictos, nos quaas a civi-
liagno e a sociedade mesmo fram defendidas contra
o triiimphnde urna facgilo desesperada e sanguina-
ria ; porm estes males diziam-nos-que eram tran-
sitorios, e que, apenas a nova forma de governo fs-
se completada e o presidente frtsse cleilo, podamos
contar quo a Franca deixari de viver vida de em-
balador e aventurero, e voltaria a alguns dos prin-
cipios eslaheleciilos, definidos e reconhcci.ios de
overno'Tal foi, niio podemos dizer a espectngilo
da Furnpa, mas pelo menos a esperance da Franta :
infelizmente depois de ler passa lo pelas provas de
governos provisorios e por diclailuras temporarias,
as instituigoas da repulilica, a qual aspira a digni-
dade d urna autoridade permanente, silo menos res-
peiadas e cnmprrhendidas do que as sombras itj-
volucioriarias que as precederam. Pelo menos eslas
linliamuma handeira que se podia distinguir, alin
de um carcter preciso ; ellas cram colisas que, nlo
obstante, sua cuita dtiracfln e sen pod^r transilririo,
os liomens pndiam amar on aborrecer. Lamartine
leve seos das de cnihusiasmo popular, o Civaignac
taniliem leve os seos de gr.itid.'io nacional; as cir-
culares de l.edru Riillin excitara ni a indignacilo pu-
blica, e os partidos nocturnos do ridadilu Marras!
liveram um doce sorriso. Poim, comquanto esles
licres il repiihlii-a nfln Icnham deixado nenhuma
impresa o indelovel solir o mundo, clles fram Ti-
tiles, compara.los com a ra(a que llios succedem.
I'nw nuvem da mais sombra cor oscurece o hori-
zonte republicano : o genio cede o passo modio-
cridade, e aamtifcflo prefere-se ao mrito modesto,
0 bastan do poder as ni jos do presidente parece,
hom cumo o polo negativo de um mngnele, dolado
de urna frca repulsiva ;'e para completar esta es-
trsnha conricfni -'e negocios, i|uaudo os represen-
tantes da nac.m sSo chamados para elegcr denl>e
tres candidatos o vice-prisideuie da repblica, islo
he, osegundo fuiccionario da Franca, clles nomeain
o mais eondesc ndenle, o mais digno eo mais in-
consideravel dos homens, Mr. liiHay de la Meurthe,
Urna lal nomeaciin nlo lem em si mesilla ne-
nhuma BlgniflCSffltl perceplivel, porm esta qu;i|i-
dade negativa, esla aiis"iicia de carcter, esta Lilla
deconelusflo be mais significativa do verdaJeiro es-
lado da repblica do que qualquer nomo que podes>
se ler sabido da urna.
Cinco semanas s"n> i.i passadas depois da iuaugil-
rato do presidente Nesto'intervallo de lempo Jlr.
Luiz Napolerm, juslic lliwseja feia, nlo tem desprc-
zado nenliuniH necasiito, nem iienliinn meio de chi-
mar ao satvico dp estado a homens apios por seus
talentos esiia experiencia para darem sulficienteas-
SiotriiCi.i .t Mt HUiuiniaira^-ii. resulta.io leuiaj.iu
olio aluda com letm nenie nullo. Rui ver lade, to
pequeo pro^iesso se tem felo em qtiarqucr COui-
biiiacflnpnl.lc real, qo vemos a vice-presidimcia
da repblica calnr, como por om acaso, sobre a ra-
beca no umhomem, que nisso |n.-nsva lauto como
em ser imperador da China. Esfa oecurieucia uo
dcixara de ser instructiva, se Mr tomada como nina
lirrioem punto de eleicrio popular, uu por assem-
l.las po.iilaies. As qu..|ificaeAes pcssijaes silo, pa-
rece, as iiilimxs consiili'iacoes quo uelermii.am a
eaeoHla de Ues Cotpori.c.<1i-s. No casoaclual M. Iluil-
Iny de la Meurllie bu siinplesmeule eleilo para apar-
lar us outros candidatos, um dos quaes suppunha-ee
que era realista, o o oulro linha servido as oiders
do generl'Cavaigiiuc.
Todos os das recebemos noticias das innumera-
veis intrigas que tiestas ultimas semanas sa teem
desenvolvido por entre aquella classe de polticos
francezes qutfnflo teem nem bstanle virtude e dig-
nidade para permanecerem perfeitamente neutraes,
nem bastante coragem e resolueo para assiimirem
a responsabilidad de dirigir o governo actual. Em
todas eslas combinar/es o nome de Mr. Tliiors oc-
cupa um lugar conspicuo ; sua poltica, sua falla de
decisHo tom injuriado todos os projectns que hilo
sido l'eitos, e por motivos pessoaes,*Os quacs, nao
lio mui fcil penetrar nem examinar, elle tem al
hoje evitado a carga do einharaco oflsial. To lavia
como sua conducta conserva o ministerio existento
eo pBizem suspensiloe'constraiigimento, a respon-
sahilidade qiie sobro elle recabe he em verdade
maior do que se elle estivesse actualmenle gover-
nando.
. O impedimento principal formaco de urna ad-
ininistiac.'io mais iulliieiila e decidida em Franca he
nSo somonte o carcter ingovernavel da actual as-
si'miiic i seno ambeui ocaraclri uiCftO quc!!a
que a dever substituir A uroposta para a dissolu-
c'o do corpo constituiite foi tomada em consi lera-
eflo por urna maioria de um voto ; porm a commis-
n especial, qiiem esta propusta l'oi remet i I u, lo i
escolhida iiileiramenle denlre o partido que Ihe he
opposto, o parecer desta commissilo indicar pro-
vavelmente urna resolueo para prolongar quanlo
Mr possi vola duracuo deseos irahalbos. Os repu-
blicanos elidios debalxo da influencia do temor o da
agitsQflo de abril doanno prximo passado salioin
que, cedendo os assentos que presentemente oceu-
pam, ellescedem para.senipre o lugar coordenado
de legisladores. Riles se arhnm agora precisamente
na siluaco em que Untas vezes bao duscriplo que
seachaum paiz quo hegnvernado por uma aristo-
cracia, ou urna classe media limitada. Rllessilo urna
minora que se sustonta pela posse legal das vanla-
gensdo poder. Porcm elles conservam este iioler
emopposiclo aos proprios principios que susten-
ta m ; em opposicilo ao sufTragio universal da nacSo,
qual espera anciosamente aoccasio de dep-los e
rondemna-los; em opposig.lo nalmento a todos os
inleresses do paiz.
A nova constituiQlo da repblica nlo proven ao
ajustamento das desintelligencias entre o poder le-
gislativo e o poder execulivo. nem pela dissolucfo
de um, nem pela rcmogo do mitro ; ao contrario,
ella hahilitou cada um doUes poderes a combator e
opprimir u oulro, e elTeclivamentc elles teem como-
gado sita carreira provando suu completa impro-
priedade para obrar unidamente A cleiQ.lo da nova
legislatura, a qual, mais cedo mi mais tarde, llove-
ra substituir a presente, alterar, porm nlo termi-
nar esta diflliuldade. Presentemente a essemnla
he republicana, e o poder execulivo quati monar-
chico ; dopois da prxima elcicn, a assemblea se-
r provaveluiento monarchici, c d-poder execulivo
comparativamente republicano. Silo haver mais ac-
ciirdo em um caso do que em outro ; e como isto nao
be uma questlo de moras distinccOes do partido, mas
sim de iiistituicOes rundamentaes, nao heqinsi pos-
sivel que soorganse um gallineto, o qual goze ao
mesmo lempo da plena conlianca do presidente, da
assemblea e da naclo. .
Taes silo algumis das rasocs que teem ate hoje
feilo com que multes dos honens habis e ambicio-
sos nlo (enham querido aventurar sua reputacao
politic.i na barca que vai levando a Luiz Napulwio
merefi do vento da fortuna. A conducta destes indi-
viduos podo ter sido discreta, porm he inlinili-
mente menos honrosa e patritica do que a dos ac-
laes ministros, os quaes hilo prestado seus servicns
a patria sem uma apreiacili) tilo minuciosa dos pe-
rigdsquc os cercam. N.l lia duvida quo entro os
inimigos, ou os alhados ndilTerentes da presente
forma do governo, os quaes anceiain por urna nutra
levolucloalimdedeslruirein oapagarmn a sorpre-
sa da ultima, ha muitos quo pensam que ncniuma
mu langa menos completa restaurar a prosperida-
d.-olraiiquillidadedaFiancu, lia alguns que pela
pi imeia vez leom esposado a causa do llenrique >,
e outros que prolessam urna fidolidade inabilavel a
regencia Orleaus. Tacs homens nilo alio artamente
apios para oxercoro Uigir do minisiros da repbli-
ca asrdeos de Luiz fiapoleflo, esequizermos lor-
mar um calculo do numero e imporiaucia ilestes
homens, bastar* que altendamos para o catalogo
daquelles que teem recusado ou teem hesilado com-
pron clter-se, dando lelcns a um poder t:lo precario,
eaiun futuro llo mceito. [Tkc Ixmet.)
DI-ARI i)EPEBJIJMIIUCO:
aiEOirs. le naaiABOo nx im.
bxilic*5<5ouii nos FAiiscn icai*.
Melhor informados acerca do mo lo por que se con-
ceder amnista aos rruo ainda se achavam om Sibir-
da-Serra com as armas na milo, vamos rectificar a
noticia que demos a respeito ; para que (iquem to-
dos sabemio o como as cousas se passaram.
Apenas o Kxm. Sr. Tosa Toi inlormado de que
naqucllo lugar eslavam reunidos alguns individuos
armados, os quaes cumo que se ostenlavam dispos.
tos a resistir ao governo, fez marchar para alli
uma fdre respeitavel, e capaz de desbaratar qusJi
quer grupo revoltoso, por mais numeroso qu Msse.
Entretanto alguns amigos dos reunidos, procura-
ran! a S. Exc. e reclamaram a favor delles a munifi-
cencia imperial, assegurando-lhc quo esses cida-
dios anhelnvam prestar obediencia s autoridades
legitimas, e que jouilo tinham feilo recoiosos Jas
penas om que haviam incorrido pelo fado do se le-
rem posto om armas.
Cauteloso como he, o Rxm. Sr. Tosa' nlo acee-
deu desde logo a esse reclamo ; mas os amigos dos
delinquentes instaram tanto, proteslaram tanta vez
que na,da menos eram do que os interpretes liis das
intencoes de seus commentes, e que esles nlo as-
pira va m sonfo ao esqueci^iento deslas antigs fal-
las para nod*rw follar ao gremio dos fiis subditos
doSenhor II. Pedro Jl, que S. Exc, desojando coo-
perar o mais possivel para que nilo continu a
correr entro nos o sanguo brasileiro, o queren-
do ir em ludo de acedrdo com os senlinentos de
clemencia o piedade, que aconselliai'am Sua M.i-
geslado o Imperador a expediclo do decreto de 11
de Janeiro prximo lindo, pelo qual Mra autorisa-
do a concede amnista sempro que de tal concessilo
nao provenha o mnimo desar ao governo, tomou a
resolueo de mandar publicar esse decrelo na pa-
radero ondo residiam os cidaililos que, arrependidos
descuserros, revorenle einsjantemenosupplicavam
perdo, manifestando-so dominados de grave pezar
por se havemm deixado fascinar por f ilsas theorias
ao ponto de se rebelUrem contra o legitimo delegado
do governo imperial.
Felizmente para a caus, da legali lado, e para lo-
dos os Brasileiros sensatos, queremos dizer, para a-
quelles que n;lo qnerem viver sh o dominio do ter-
ror e da pcrsegiiicao, os amigos dos Sublevados Tal-
lavam a verdade: elles tinham recobrado o uso da
rasiio, queriam acolher-se debaixo do manto pro-
tector do monarclm brasileiro, o smente deseja-
vam saberse liavia disposieo para recebo-Ios : tanln
que, apenas liveram corteza da' existencia do de-
creto om quesillo, pressurosos Mram enlrcgar-se
com os seus adeptos,com o armamento e municlcs
de quo dispunham, ao olh'eial incumbido daexe-
cuoilo da paternal vontide de Sua Mageslade.
Eis como o fado se deu ; o a medida foi Io acerta-
da, r-, no adopta-la, o Rxm. .Sr. Tosa comprohendeu
llo perfeitamente as uecessidades da provincia, que,
segundo n04 consla. os destrocados restos rebeldes
que anda vagam por alguns ponlos, faiam-se para
que ellalhes eja applicada.
FALUCIaMHTO.
\o da 15 do correnle fallecen o Sr. commendidor
Isidro Francisco de Paula Mosquita c Silva, segundo
fice-presidente desta provincia.
Correspondencias.
BUCO.
c boneficiou no mainr auge do sua pobreza, chegar-
il.i a ponto de Iludir a urna nnrcln de senhnras para
Irazerem vestida uma especie de habito, es/iouvi-
rem missa envollas em lengoes, privando-as assim
desn apresenlarem com decencia na casa da Dos ;
laes .leas inculio o padrezinho as seulioras, que
rerto din do anuo prximo passado sahiram em ban-
do pelas ras desta cidade acclamando a santidade
do phanatico coadjuclor, a quem s queriam por seu
rigario! Rste, porm, envergonhado do sou pro-
ceder, anoiteceu, mas uno amanheceu na freguezia !
Nao be isto, Srs. Iledadores, o quo mais admira, o
que mais da pelos pellos, cono la dizcm, he que o
tl padrezinho no acto de celebrar na Fa/.enil.i-do-
Gsvifln, estando em desobriga, laucara mo (segun-
do a faina publica: de un.a donzolla, o Hits corlara os
cabellos bastante rentes; depois do que, revestido de
milita ceremonia religiosa, osrecolliora i um llan-
dres, annunciando que quem daquelle acto c n rasso Picara excomungado, o comera capim '..'! ti
caso he quo a tal moca ficou sem os seus cabellos,
um dos seus adornos, e licaria sem o mais precio-
so mi nSo frr. oslar :eot occasi""
de militas pessoas : dizem tamhem que a mes na
moca, depois de alRiinsdas, enlouquccora. Este
fado he da maior exlranhczn, e digno da loda cen-
sura.
Ilogo-lhes, porlanlo, Srs. Redactor-s, deemluin
om sua folha a estas linliasque sSode umAmigo da
lei lieChritto
VAKIflDAOE.
Eu ahaixo assignado, capilio mandante do Io bala
Iho de niQadores, leudo si lo ferido gravemente no
nlaquedeCruang no dia 20 de ilczembm contraes
revoltosos desla provincia, livo a felicdade de no
da 2t do mesmo mez chegar a esla capital, sendo
tiesta iiiesiin data recolldo ao hospital regimental
do 2.' balalblo de arlilharia a p, sol a direcc'io do
Sr. Dr. cirui giilo-moreucnrjegado do mesmo hospi-j
lal Pedro do Alhaide Lobo HOSCOSO, o qu 'I (cansa- |
vel com o meu Iralamenlo, sempre me adiuinislrnu
lodosos soccorros a seu alcance; aoque foi devido.
o meu restabeleciment. Queira, pos, 8. S. aceitar'
os meus agradecimentos em iccompensa de tanta
humanidade e desvelo com que se dignou tralar-me.
P.oeife, lile marco de 1N9. JQo dns Pautn ,\tpo-
muceno.
Sn. HtdatturesyHo sou despido de sentimentos '
de religifio, antes sou incansavel na sustentHcilo
della, segundo nossa crenga, ca cducagflo quo recc-
bi do it cus pas, que fcmpro os coiibcct servos da
lei de Jesus-Cluisio; pi.rcm son ssaz opposto ao
iihanslismo inbuhido por cerlos pa.iresnasideasdos
j.lilas, a cusa dos quaes quereui merecer grandes
palmas, mesmo com uezar doulros clrigos que sem
adoplarem m bvpocrisia shIioiii respeilar oculto divi-
no no exercicio do sus fUnciOes, Um padreziulio de
poiic.i idade, cuadjuclor desla Tieguezia do Martius,
principioa por guerrear o seu vi gario, que o acollieu
os nutrios.
as iminensas tribus desse ulico povo c'ismado
Celias, os bardos cram promiscuamente legislado-
res, arautos, poetas c msicos. Esteve a Europa
subjeita a sua influencia por lodo o lempo quo con-
servou seus anticos povoadores e suas miinilivas
llorestas. Mas logo que se ediliraram oda les, que
so formaram provincias,- o quo so consliuiram rei-
no* ; em uma palavra, logo que a escravidilo da es-
pecio humana fui sysihenialieamcnte estabelecida e
organisada, desaparecoram os bardos com c vilisa-
go primitiva, da qual er.im o vinculo o ornamento.
R n luz, que enl.to raou, gerou nova e bem dilte-
reule serie de sciencias, de arles, do costumes e do
nsliluicOs.
A Creca, que primeiro receben debaixo de seu
ameno co e em seus risonhos valles a nova.civili-
sago, desterroii para su-s monUnhas septentrio-
naes os bardos da Dori-la c da Thesalia, dos quaes a
musa sonora e altiva de Pmdaro parece ser um re-
nexo.
Mais tarde, o viver romano, e o ruido de suas ar-
mas, devassandoo interior das lloreslas, afugenta-
ram das Calas e da Cerniania os cantores daquclla
raca primitiva. Desde entilo os .bardo nao hzeram
ouvir a t.arpa dos ncvoeiros seno as solidoes
agrestes da Rscossia, da Irlanda, e do paiz de Cllos,
defendidas por alcanlidas rochase pelo fragor das
on.las. Nestas inhspitas recies permanerarn por
espaco de alguns seclos os derradelrOl vestiglos do
mundo patrilrohal, at ao momento om quo o mo-
derno viver da civilsagilo, com o ferro em urna das
nios e o "turibulo na nutra, levou suas invasi.es e
conquistas aos lagares mais romolos e recnditos
das habiacOei humanas.
As maiS clebres Irhus dos bardo Toram quem
p.ivoaram 0 paiz de dilles o alta Escossia, cujas
[radigOes e monumentos teem sobrevivido ao correr
dus lempos.
A musa do norte lereu hrilhante coroa ao poeta
das moiitauhas, ao veliio Hssian, cujo nome sOa
conjtindamente con. o de Homero, Dante. Milton,
eco.n os de iodos os grandes interpretes das com-
moces, IT^ctos e affeigoa* de coraqao.
Sua msica unicorde e poesa vaporosa fez-no di-
vacar cmn auxilio de gigantescas e enrgicas ima-
ces airases de om mundo plnntastico, para onde
silo I niasporladas 10 las as paixoes, lodos os terrores,
ludas as voluptuosidades desta nossa vida
Podemos, pois, grecas i particularidades precu-
sas que esles poemas nos conse.ivaram, rorinnr ideta
da exislencia social dos amigos bardos, assirn como
da relcir.odciliiee.an interpretes e ministros.
O pnncipaes midieres dos l.ardus eram celebrar
p, yrsu as facanliss dos hroes, e ctalas ao som
de suas harpas de miro O SM lugar naa palallias
era ao lado dos Chetos ou reguos, a quem arnma-
vam para a releja, insplrando-lhas briol.para exe-
rut ireiti illuilros f ilos d'arias.
Conaagravam-llie 18o grande veneragio, que, so
porventura se apresentavadj rcpenlinsolente como
nie.laiieiros entre dous exercitos sdenlos de car-
nagem, imniclialamenle recuavam OSoombalentes,
largavBn as armas, o eom religioso silencio presta-
vam ouvdos as palavras de paz que elles llies uin-
B''.\a'viiln privada, no seio das familias, eram OS
bardos, com sua poesia e canto, as delicias de todos,
e a alma dos feslins. Na tcpuhl.ca gosava.n da gran-
,lo autoridade, poique eram oatrl*rstalBjatiWi-
goes, eos reguladores dos costumes, **-
sores er liorna. Cada principe, ou chefe, do iriba.
turna o seu bardo com triseul-m-into "9"r
l'ciaea mores da sua pequea corte. Viviam isentos
Id eco"tr..m,c0eslu.servito m.litar, mesmo ..as
I e.rcu.nsiaucias mais arriscada, em que a patria ex.-
ni os aorviCOS del.'dos os seus .linos.
8 Q and. acoinp.nh.vam seus prncipes aos cm-
balespara .oeoliier t calila/ suas proezas, urna
Su^danuicrosa se coliocava entre elles o o ferro
iiuniito, para os honrar o defender.
E. todas as reatas e assemblas publicas tomavam
asseuto ao lado do principe, acuna de seus nobres

:j______.___
Jsi-V



officlaes. F.ram mirtilos esplndidamente em suas
, cass, e recean) valiosos presenlr-s, n lependente-
meiil das torras quo Ins estavam consignadas co-
mo 'wit 11 ni ni i.\
lluvia piltro ellos urna -siiecj lo hierTchia. Re-
cnnheeam ohefos do iTinn'ir- p segn-ida opilen, os
ci -'"" reuniam m'i!i .-un autoridad* trinta ou qulnzo
subalternos, quo Ibes I'ormavam cortejo, c a quem
J;iv:ifii nnli-ns.
Pelo que diz reapeilo asna dout'ina religiosa, era
ella diamctralmenlente npnosta ns ritos sanguina-
rios, ans dogmas nlolerantPS, Innln dos sacerdotes
de Odim, romo mor, h'Zav de Fingul, aboli o Pu|iodo.s Druidas,
he qup a relicn dos bardos fui P, irecente na Escos-
sia. Nem temidos. nom cAlgles Ihes circumsc-evi-
am a imagen) da I) vueludo. A sub relgiSo parece
que se cifruva no culto de seus antepassados, cuja
doulrna Ihes viera originsriamenie dos Chinas.
Conforme ou'ra ideia oriental, rect-hida da ro|-
gilo dos Bramas, stav'am as nuvens a morada
dos espiritns depuis do posamento, (is principes
addiiiam pon Testas brillantes nos s"iis (ihIiioms
areos as almas dos valonte* o dos virtuosos ; por-n
as i*os naos, a dos cobardes, er.un excluid* das
miradas dos hroes, econdemnadas a and-rom va-
gando a discripMo ilos ventos. Os lugares e asscn-
los iiog ral >cios das nveos eram ronce'idos, so-
gnn lo o nii'iitnibis espritus, por graos diversos de
eb'yaijao n de espen 'or. digm rVcomnensa para
excitar a nmiilHpftn dos hces. As almas, a m*n*i-
ra ilas oup hahitavam os campos elysens dos Gregos,
rnnservavam la nos ares os mes nos go-ios e as mes-
mas paix6>S, que havia-n ti lo durante a vi I.
A s.....hra de um gu'-rreiio rap.tanoava exercitos
pbandislicos; forma va-os era hatalha,e pelejava cm-
balos as regioes etreas.
Se as cacadas haviam l'eito durante a vida as suas
delicias; era l lamhem capador, e persegua, mon-
tado em nm corsel de nuvens, gamos e (avalla
aeros.
Ilcassimque Homero descreve o simulacro doller-
eulcs, assoslando com suas armas phantatisras o
povo ivido dos infernos ; em summa a heinaventu-
ranea promettida aos bons consista na rcpelip.lo
eterna de todos aquelles prazores, que tinham feito
as suas delicias duranle a vida.
Os bardos da Caledonia attribuiam as almas a fa-
euldade de imperar sobre os ventos e tempestades;
os furapoes annunciavam a passagem das almas ile
um para oulro lugar. Acrcditavain que as sombras
dispunham asen capricho dos elementos, mas que
nSu tinham poder sobre os homens. Tinham para
si, qjieos hroes nilo podiam entrar nos papos u-
reos ile seus avs, semguo os bardos Iheshouves-
sem cantado o hyiniio ilos morios. Ka te rilo essen-
cial dos fnneraes era tilo necessario ao repuuso das
almas dos Eseossezes, como is honras da lugueira o
ora ni as dos Gregos,
Assim como estas andavam errantes pelas mar-
gena do negro Copyto, sem qu o infernal anaesas
repchcsse em sua infernal barca, emquauto se Ule
n.lo Irihutassem as funreas lio .ras, da momia nia-
M' ,i.i as almas dos Eseossezes fcavam envolvidas
nos iievociros dos lagos, einquantu Ihes uo cntoa-
vam a elogia do lucio, sem podrcm elevar-se s
mansVs aereas.
Os es|,ritos no s gozavam as nuvens vida
quo Ihes ora especial como imagem e repelido da
nossa, mas tinham commercio com a torra, confor-
me o inlert'SSR e afiepOes que Ibes inspiravain seus
paroni-s o amigos.
Os vivos julgavam ver seus (nados na configu-
rado das nuvens, e ouv-los no bramir dos ventos
l'esl'arle prsquizava a superslipo agouros prsperos
011 sinistros na HgitacAO das tempostades.
Os birlos reuniam-se annualmonte em urna sala
imiiicrisr. do palacio de Fingal para recitaras suas
com osipOcs poticas. Mente universal concurso do
genio os primen os eram adjudicados pelos chiTes j
das Irilius, costumo hem paiecido com odo.sauti-
gos Arahes quo, o,miando seus poemas lias leudas dos
guei reros, davam lugar a grandes nvalidailes quo
tinham por lim a gloria e o iriuuipho
A historia conla comhoirore espanto a dcslru-
co que Eduardo I promoveu contra a tribu dos llar-
dos polos fias do 13 seclo. A' maneira .lo que li-
/ora Fu'islo para corromper em lempos anligos a fa-
mosa Clytemesira, dando morlo ao bardo que Aga-
ii. i- ni ii 1111 hic destinara para fcuarla e protector de
sua vlrludo, Eduardo I, fatigado com o aspecto da
vida iudo| endent dos Gaiillees, fez tamhein reunir
o dar ciua no la os bardos, cojos cautos livres o
patriticos inspiraran) ao povo o amor da indepen-
dencia, para que o echo das iiioutaiihas uo re,ie-
tisse jamis senlo hym .os consagrados a lisonja o
eacraviilSo Aode, qiio aquella atroz carnificina ins<
piaya ao cb-hre Gray, lio nm tos mais bellos mo-
numentos ila lilteratuia ingleza.
Allio poeta figura um bardo no cumede um pe-
nlo acuitado p iruiyoo assassiito contado, e vaticinan lodlie todas
ns desgranas da sua | roslendade, termina su.is lior-
r i veis ini|,|eCllpO0s, pieCIpilando-SO lias Olidas.
I.iii,|iianii) aos bardos cscossezes; he corto que
fijram desapparoceudo com o andar dos lempos, a
medida queso extinguiam osclans a que purleu-i
ciam. .A odiosa expulsito dos uionlan'ieses da l-.sco-
sia, operada ha poucog annoa pela ugratido o co-
hipa do seuiores lernturiaes, fez desa jparecer da-
quellas aolulOes as dorradeiras iliemoriaa de Finyal
e de Oasian. Hu nico bardo, appellidado Jones, exis-
tia anda em iitissoa diai, cantando ao som da harpa,
a inaucira e segundo os costuines oe seusavos. Ha
viole uiinus q e ibsceu aosepulehio, e cun ello
liiidou a corporapo dos bardos
[Uiario da Caverno de Lisboa.).
2

quinlias hnlachinha, 50 baruca* mipteiga de porro,
6V8 hiirrjas e 150 meias dilas L.rinba. 20 fardos e
9l)C>ixas algoiiriesziiihos entranpadiis, 46 fardos ,al-
, /*:, hrigmi nm -ricauo, vio lo de Torra-N'-v*. en-
tradlo no correle moz, consignado a Deane Youlle
i\ ('.., maiiifest.iu o seguinte :
2003 barricas com bacalnao ; aos mesmos consig-
natarios.
. CONSULADO GEHAE.
Iten lmenlo do dia 16..........
Diversas provincias ...........
3:507,74R
418,401
3:946,149
CONSULADO l'UOVINCIAL.
Rendimenlo do dia 16.............. 1:435,581
Yaovimpiito do Porto,
Narioi entrarlo! no di* 16.
Lisboa ; 34 das, hrigue dinsmarquez Sarah, de 181
tonela las, capito J. N. Illock, equipagem 10, car-
ga sal : a or lem.
Gen. va ; 36 dias, briaue sardo Dina de 252 tonola-
das capito l'ranrisc i Dodero, equipagem 13, em
lastro: a ,N. o. Bieb-r.
Havre ; 33 das, harc francoza /i/we-^V/7/y, de 150
toneladas, capito Tombarel, equipauem 12. Ca'rffa
l'.i/en las o mais gen iros d.i paiz ; a Midier Coloin-
lioz. I'assageiro, Joo Jossen Lcouardo l.everrier,
Francpz
Liverpool; 33 das, brigue inglez Spray, de 244 to-
neladas, capito Archihald Steel, equipagom 12,
em lastro ; a James Crabtree & Companhia.
Mar-Pacfico, lendo sahido de Myslec ha 20 mezes,
galera americana Allbree, equipagem 26, carga
tzeitede peixn ao capito.
Sanla-Catliarina; 21 dias, patacho brasileiro Nova-
Luz, de 130 toneladas, capito Francisco de Paula
Fnnseca, equipagem 9, carga farinha; a Manuel
Ignacio de Oliveira.
Mar-Pacifico, leudo sahido do Ncw-Redford, ha 37
mozos, galera americana (arland, dfi24l tonela-
das, capito L. Crowall, equipagem 21, carga a-
zeile de peixe ; ao capio.
Parahiha ; 2 das, Inalo loasilen-o Sinla'.'ru -,, de 22
toneladas, capito Antonio Manoel Affjnso, equi-
pagem 3, carga familia do mandioca, fazendas o
loros de mangue; ao capito.
Narios uahidot no meimo dia.
Rio-de-Janeiro ; luger dinamarquez HyAra, capitQo
J. J Moller, carga a mesma que trouxe.
dem ; hriguo dinamarquez Sarnh, capilo i. N.
Illocll, carga a mesma quo trouxe.
au..i---------ljjlx i------aai ag-jg
ipeito temdedar oExm. Sr. gfnoral eommandante
las armas, iievendo a arremt"Cflo enmecar au meio-
dia, oh imico antes. Pasad' a militar d IVrnam-
bucu, 16 le marco de i8\9. Joaqun Pircira Ba*~
l*, esoflvfij interino.
THEATRO DE APOLLO.
IIIUL, 17DL MARCO DE (849.
Itpprpspntapo extraordinaria em beneficio de ma-
dama Camoin.
I'rimeira rvpresentaclo de
L'ABBAYE DE SAINT C Y R
drama a carcter em quatro actose de grande espec-
tculo pelo Sr. Alexandre Humas.
DANCV.
Pasto heiponhol, danrado pela senhora Carooin.
IMERVAI.M) DE CANTO.
Grande aria italiana, cantina d'Atilla, msica de
Verdy, cantada pela senhora Alexandre.
DANCA.
Novo pas aont, danpado pola senhora Camoin.
CANTO.
Pf.ilomvle. romance novo, msica do Panteron,
cantado pela senhora Ab'Xandre.
f/'/e filie terrible, vaudeville novo e jocoso em um
acto.
.......- '' ----------1
M. S Filawsnn, estando por estes dias a retirar-
se para lnUU*rr.a far leilo, no inicrvnpito .|u
coi rolo'Oliveira de toda a mobjlia da sua casa ,
cnnsistiudo em snphAs mesa redondn de mein il0
sala bancas de jopo e cadeiras inclusive de halan-
co tndo de Jacaranda epetleneente a ala'de visi-
tas, radeifBS de oleo, ditas de halanco ; mes* ,\0
jai'tsr ,.aparadnres. mvas para cha, ca-na de f^rro
gr: le e rolcbVs de cabello*. eo'nnidda,rua-ila-
vpstidos, loucai'ores lavatorios, quailros com r-
Cs molduras vasos milito lindo, l.up* para mesa,
apparolhos para cha o caf, crytaes de todas ai
qualida les, livros no idioma ingloz trem de eii-
nlia parte novo e parle usado, um lindo piano per-
pendicular, de escolenles vozos e caita de jaca-
raud e muilos ouiros olijectos uleis para qnal-
quer casa ; e aasim ineis de mu las ultra de prata :
quarla-foir, 21 do crrente s 10 lloras em ponto,
na referida casa n. 21, na ra .Nova.
BDITAES.
Joso Xavier Cnrneiro da Cun/ia, firfalgo eavlleiH da
rosa imperial, cavallfiro da erdem de Chritto t ad-
ministrador da meta do consulado data fntincia,
por S. l. o Imperador que Peo$ guarde, etc.
Faz saber que no dia 21 do corrente, ao meio-dia,
se ha de arrematar na po^ta da mesma urna caixa
com issucar Mascarada do n. 1, do engenbo Crau-
ass, remo.ssada a J<>< porcira Vianna, que foi ap-
prehendida |ior fdlsifieap"fii da tara polo guanl'agen-
te do trapiche da Alfandega-Vellia, Joa Currla Leal;
sendo a arrcmalapo livre de dospezas ao arrema-
lante. Mesa do consulado de Pernaniuco, 16 de
marco de 1819.0 Administrador, Joo Xavier Car-
miro da C.unha.
Jonquim d'Aquino Vonstat, Dr, em medicina pela fa-
ruldadede l'ari/i, prctidentf do concelho yeral de ta-
lubridade publica, c^mmissario eaccinadt.r provin-
cial por S. U. o Imperador, membro carrespondnle
da saciedade de sciencias medical de Utbfia, etc. ele.
Faz saber que ningucm poder ser vaccnado sem
que antes so faca inscrever. para o que he necessario
que compareca na repaitipfo as qnaitas feiras ou
sahbados, da 8 as 9 horas da inanha ; assim romo
quo pesaos iilguma uo pode> ser inscripta sem que
declare com a maior exaetilo o nome, idade, na-
uralidade, liliapo ou senhorio, estado e moradia,
indican lo o numero da casa.
Sala dasscsses do concelho, 12 de marpo de 1849.
Jonquim de quino Fouteca.
Avisos diversos.
**
t visos martimos.
mmmc ALFANOF^A.-riendloicnto do dia 1C 18.857,204
Unciirregam hoj, 17 de marco.
Patacho- Diligente ferro, fumo, charutos o ta-
- baco.
Itrigue l.eiio fumo.
Iliiile Sanla-Crut .xercadorias.
Jarca Goldcn-lleecc manlciga o taixas de ferro.
Itrigue Etizabelh merendonas.
Uaica l.if/eira dem.
IMPRTACAO. ,
ElizabrIb-Fe/Ion, viudo de New-Vorck, entrado
no correte un 7, consignado a Deartc Youllo& C,
ir.suifestou o seguinlo :
200. harria breu. 50 Larris bolacha fina, 300 barri-
Ignario late Pinto, fiscal da frtgutiia da Iloa-Villa
em rirtuleda le, ele.
Faz saber aos hab'tantea da mesma freguezia o
diffloalo no ailigoi." do titulo 3." das posturas mu-
nicipaes.
n Art. 4." Neiilium morador laucar nem mandar
lanpar mis mas, ou lugares pblicos, que nilo Po-
rral paroste (m designados lixos, ou iinmndices,
OU qiiulquer cousa que pussa inrommodar, encau-
sar daino ao publico ; S1M1 pena do 6,000 rs. de mul-
ta sendo constrangidos a 24 horas de pristi os es-
cravos ou esclavas que por orden) dos senhores; f)u
amos o l/.ereln.
Oulro sim, faz sabor que em ciimprimenlo dodis-
posto n.sse artigo a cmara municipal desla cilia-
do niarcou por edilal do5 do crreme, nesta fie-
guezia, os lugares segu n tes, para miles ser feilu o
despejo : 1.", junio 11 ponte da ruada Aurora; *.*, no
flin da ma Velli; 3., no curlunie dns Coelhos.
E pan. que chegue ao coiihecimenlo dos meamos
habitantes faz publico pelo presento. Freguezia
da Boa-Vala 14 de marco de 1849. 0 flCl, Igna-
cio los Pinto.
l.-J^M31Kar;\mT! III11.II I' :*TmtK3n-71VtiVW\
Declarayoijs. .
Os Srs. carregadnres da barca portugueza Flor-
ila- Muya quorani tra/er seus conhecimenlos casa
de son consignatario, Manoel Jonquim Ramos e
Silva aflm de se podrem legalisar os manifestos da
mesma barca.
Para o Rio-de-Janeiro segu, por estes 5 dias ,
o patacho S.-JoUo-fencedor; anda recebe alguma
carga escravs a fete c pssssgciros : r. tratar ns
ra doVigario, n. 11, com Francisco Alvos da Cu-
nlia.
Para Genova sahe, at. o dia 2 ou 25 do corrente,
a polaca sarda Malhilde: ainda pode receber carga a
frete : quem pretender carregar enlenda-se com.o
sen consignatario JosSaporili; na ra da Cruz,'
n. 18.
Vende-se o hem conhecido brigue-
escunA americano R.-F.-xtper, forrado
e enravilliado de cobre, de lole de i3 mil
arrob's, prompto a seguir viagem para
qnalquer parle he : proprio para navega-
cao do Rio-Grande-do-Sul, por deman-
dar ponen agoa, e tem bofls commodos
para passageiros: os prelendentes diri-
jam-se a Malheus Auslin& Comptnhia,
ruada Alfande^a-Velh, n.t 36.
* Para Genova sahe, com muita brevidade. a bar-
da sarda Corebo-Segundo, por ter a maior parte de sua
carga prompta : quem pretender carregar enton-
da-se com o seu consignatario, Jos Saporiti, na ra
da Cruz, n. 18.
Para Lisboa sali, no dia 24 do corrento, o bri-
gue Son-Domingos: recebe anda alguma carga e pas-
sagejros, para os quacs offerece expelientes commo-
dos : tnila-se com o consignatario, Joaquim Ferrei-
ra Mendos Guimaiiles, na ra da Cruz, n 49, ou com
o capho, Manoel Gunpalves Vianna, na Prapa-do-
Commercio.
Para a Babia sahe mpreterivelmente saliba-
do 17 do corrente, o hiale t'lor-de-Cururipe: para
passageiros e alguma carga miuda, trata-se lia ra
do Vigario, n 5.
Para o Rio-de-Janeirosahe, com i maior brevi-
dade possivel, o patacho nacional Conceicdo : para
carga, escravos a frete o passageiros, trata-se com
Novaes & Companhia, na ra do Trapiche, n. 34.
Para o Rio-de-Janeiro sahe mpreterivelmen-
te sabbado, 17 do corrente, o patacho nacional Eu-
t/'rpe capilo Manuel Luiz dos Sanios: s recebe
miiidezas, escravos a frete e passageiros, para o que
tem exccllentes commodos : tra-sc com Luiz Jos da
S Araujo, na ra da Cruz, n. 33.
Para o Bio-de-Janeiro segu com loda a bre-
vidade o brigue brasileiro ,S -Jvic : para carga e pas-
sageiros trata-se com Gaudino Agostinho de Bar-
ros na piacinhu do Corpo-Saulo, n C6, ou com ca-
pito,Jos Ramos de Suza, a bordo do dito brigue.
Para a i I ta de San-Miguel pretende sabir, cun
muita brevidade, a p(.laca nacional Socirdade-Ecliz :
quem nelia quizer carregar, ou r de passagem, di-
rija-se a ra do Vigario, n 8, a tratar com Joo Tb-
vares Coideiro.
Vende-se o hricue denominado Algrete, forra-
do de robre e prompto do lodos os seus perlences
para navegar: quem o pretender, para examinar,
pode ir a bordo, o qual se ncba fulidiado defronte do
caos do Collegin, e para ti atar-so, na ra da Cadeia,
n. 39, Com A mu mn li nios.
Para Lisboa pretende sabir, no dia 34 do corren-
te, o litigue poilugucz JVtivn-rencei/ar, por lera
maior paite da carga prompta : paran resto e pas-
sageiros, para o que lem os mais asseados commo-
dos trata-se com es consignatarios Tbomai de
Aqujno Fonseca & Pilho, ou com o capitSo Antonio
Jos dos Santos Lapa na prapa do Commercio.
Vende-se o veleiro imite Paqutte-de-Mcroim'
novo, de 98 toneladas eom dous bons escravos
maiiubeiros: quem o pretender dinja-se, para o
examinar a bord, ancorado em frente da ponte,
na Hianapu da carne secca e para- ajuste, na ra
da Ciuz, n. 3.
Para o .Maranho o Para segu rom a maior
brevidade possivel o patacho Josefina, capito Jos
Mana da Silva Porlo : paia caiga e passageiros ou'e-
rece excel entes comuiodos : os praleiideules tralom
cun o ciiiisigiiiiiario na tua do Trapiche, n 44, ou
com o capito na prapa.
--.Para o itio-Graude-do-Sul seguir breve 0 bri-
gue L'uWii.v.por ter parle de sen carregamento : anda
iucehe alguma caiga, escravos e passageiros : quem
pretender pode euleiider-se com Ainoiiin Irmos ,
ra da Gadea, n. 39.
Precisa-se de um rapaz de 14 "46 anno, pnueo
mais ou menos, bara caixniro de venda, e que ja ie.
nha alguma irliea : na ra Augusta, ven.la u. 1.
-- A nessoa quo lem annunoiado para naitr urna
leltra da quanlia do 109 000 ris caso a quel'apauar,
tpoba a.bondadede Bimuiiciar sua morada, ou diri-
g r-se a ra do l.ivnii.eiiin, n. 16.
A pessoa, que"pretende urna mos redonda de
Jacaranda, t'i'e comparecer na loja da prapa da In-
ilepen li'iicia, n 3.
Procisa-se de um trabalha>lor de masseira na
padaria dcfronie do viveiro do Mooz. n. 43.
Na padaria da ra est'eila do Rosario, n. 13,
prerisa-se de um bom fornciro.
Doseji-so sahera moradia da, Sr.' I). Izabel Ju-
liana Rapuza de Albuquerque, on de ontra qualquer
pessoa que possa dar informapfles dosta sonhora,
aliiii de so Ihe entregar urna encommonda vinda do
Rio-de-Janeiro, de um seu fillio, ou annuncis por
esta folha.
Oessppsrccc, n*. msdrsgsds r, dia dcr-
rente niez, do bordo do brigue brasileiro S.-jpsc,
Tundeado na volta do Forte-do-Mato, um molequo
de nome Bernardo, idade 15 a 16 anuos, cor preta,
caa redonda, baixo, e bom fllenlo s foi vestido
com calpa e camisa de algodcloznho azul, levando
mais urna troxa com roupa nova do mesmo algo-
dozinho : quem o pegar ou souber onde existe, o
poder prender e leva-lo ao esciipiorio do Sr. Cau-
dillo Agostinho de Barros, quo ser bem recompen-
sado do seu trabalho.
No ongonho Caluanda, sito na freguezia de S.-
Lourenpo-da-Matta precsa-se de um feitor para
campo, Brasileiro, ou esliangeiro, com tanto que
tenba boa conduela, e saiba por experiencia e prn-
ponsapo dirigir o servlpo o a fabrica que se Ihe en-
tregar pelo que se pagara a contento: no mesmo
engenbo, ou no Alerro-da-Boa-Vista, n. 49, se acha-
la com quem tratar. -
|Offarece-se urna ama para Juma casa de lio-
ineni sulteiro, para engommar e cozinhar : no
becco do Carcereiro, n. 7.
Preeisa-se do tres aprendizes para o ofiicio de
marceneiro : na ra da Cadeia de S-Antonio n 18.
Precisa-se de um trabalhador do padaria: na
ra da Floientina, n. 3.
-Manuel Joaquim Soarcsembarca para o ltio-de-
Jancii o a sua escrava ci nula, de nome Kugema.
Joaquim da Silva Fon eir Vinhas subdito por-
tuguez retira-se para Poilugal a tratar de sua sali-
do dojxaiido por seus procurapores nesta cidade os
Srs. Jos Rodrigues Pereira e Luiz. Jos da Costa
Amonio,
Uesoja-se saber guem tem urna leltra pastada
por Jcso Xavier Carnoirp Rodrigues Campello a fa-
vor de Pedro do Moraes Carueiro de Albuquerque,
d quanlia de um cont de ris, a venecr-se em
iiiaio vinduuro :a pessoa quo a possuir, far o fa-
vor de dirigir-se ao Aloiro-da-Boa-Visla, n. 49.
Jos Bernardo de Mallos GuinarSes deixou de
ser caixeiro dos Srs. Ilebrard & C. desde o dia 16
do coi rente.
--.Miguel Augusto deCarvalbo, subdito*, portu-
guez, relira-se para fra do imperio.
Quem liver urna negra de napo, de bonita figu-
ra e quo seja boa cngoininadeira o costureira para
vender para fra dirija-se a bordo do patacho na-
ciona! Kegula chegado do Rio-Gran le e fuudeado
ao p da escadiuba do Collegin.
l'ierisa se de olliriucs de atfaiale
de obras, grandes e miudas : tu ra No-
va, n. 6o. .
L vi loes.
PAGADOhlA MILITAR.
Fin ciiniprimenlo da oidem do V.xm. Sr. presiden-
te na provincia, em ofiicio datado de ffi do corrente
mez, manda anniinciar o lllm. Sr coronel inspector
da pagadura, quenudia 22 do corrente se bando
arrematar em hasta pulillca, petante a mesma, 6 re-.
zes qup se nr-him no quintal, ou sitio doquarlel do I Richard Royle far leillo, por* nlervonpao do
segn 'O bataltio de ariilharia apc.no llos|iiciu, [ corretor Oliveira de grande pnipo do fazendas in-
undo os pretendenles podero ir ver as iefe idas ro- gleza's para ultimar con|as : lerp.i-feira, 20 do cor-
zes, par o que se facultar a entrada, conforme S. rente s 10 horas da manha no seu armazem da
Esc. previu o Sr. inspector pela ordem rjue a rea- i ra Cadaia do 88cife.
Luiz Francisco Pacs Brrelo Taz saber a quem
convier que vende os terrenos e bons silos em Una.
comarca do Rio-Formoso, que Ihe couberam por
morte do seu pai o marquez do Recife, a saber : Ca-
rass, Campia, Gamuleugiin o melado de Serra-
d'Agoa, assim como o erigeulio Guerra, sito na var-
zoa do Cabo : a tratar no sitio San-Jos, io Cabo.
Precisa-se lomar de um a seis conlns do leisa
premio, damlo-se em garanta milito boaa firmas.
Ihrigir-se a ra das Cruzos, n. 29, onde se dir quem
os pretende tomar.
O director do Ihcalro de San-Francisco arha-se
preparando um brilhaiilc espectculo para o dia 25
do correte, puro o que ja alcanpou pinnissao do
Sr. cliefe de polica. A eseolha dudia he intenciona-
da, visto cali ir no auniveisario do juramento da
coustiiuipo. A companhia nacional, que olienra
os seus trabadlos neslo dia, pu>u Ue esfoipar-se pa-
ra conseguir o uielhor da pepa que se lia de repre-
sentar,
w
f Na galera de daguerrolypo do artista Guilher- ff
&i me Krederico Waller, na roa da Cadeia de S.- W
# Antonio, n. 26, tercero andar jlram se reir- &l
# tos milito superiores,pela invenpo de l'aguei- W
St rer, tanto em fumo como coloridos ,~Tlas 7
horas da manhfla s 5 da larde; ulli. man loso. &
(; egarautindo-se lauto a durahilidade das c- #
fj res, como a porfeila semelbaiica.
# Aspoasoasquese dignaren) favorec-lo difi- S
^ jam-se casa cima mencionada.
S(l Oaiiniinciatiti! previne ao respeilavel publi-
f co, que pretendo demorar-se m-dto pouco ^
J lempo nesta capital, por isso previne a qual- ^
m lo fiel, ou qualquer pintura copiada, que ap- *
# parepa antea do finido mez, inca, uu su-
^ i esidelicia. .
/
iienrirjuodc Almeida Rodrigues, l'ortojnie, re-
,*,--* para fra do imperio.
II FftVFI
.
J


-
3
J-l_Lv'"* ->
-O Sr. Antonio Jos Pestaa lenha a honlade de
apparecr na travessa lo Peixolo, n. 40, a negocio
de sen interesso
-->.R'>Ka-seao|r. crurgiiio lliveini qoo len'>a *
IkhmIm.Ii' ilo apparecor em rasa do Sr. I.eilo, visto
nunca arliar-seS S. em casa.
.r Haban assunado, em lirma lo J. Iioambrork
A cm.panhi. i-rt lo dfritWar-sopra aEurjwa, cjr
nVu seu annzpin 'la ni da Cruz, n. 15 > Sr. M-
KMer n qu*l lie reapo.isavel por tu "a* as dividas
cmitrahidaspela oxli.'Cla lirma como tambem au-
turis.do a cobrar .los devedores la meaina Urna.
Hacedores silo rodos a presentaren! sua contar,
d ..tro de tres dias contados da data .sin,, pan ss
yenlearem *sec do a villa do trato que fez enm o Sr. Elster.vislo
dn'!* desta frazo nose lespotiaabilisar; mais pela
divi las rootrahi las Ha extincla (Irma Ceniam-
liuro. 15 do marro le 1849 -- J. Hosrnbrock .
-- Oueui Mr dono le um Orvallo i|uo ai pareceu na
Rol-ilade, rm b snhrado vellio ilefronli da igrej, ili-
rija-S" a na da Clin I, Casa lenca jimio ao Sobrado
do Sr. Jo \nlou.n, que, dando os signfles, pagando
as le.p-zas e dando urna gralilcacflo, llie sea en-J,
trege.
Jaqnim de Paiva Ferreir, Jos de Souza o
Vi hIh Frrira de .Suuzu, Porluguezes, reiiain-se
para lia do linpeoiit
Atiinin'i Joaqun) de Ah en Cardnso, Adelino
llua'te Nazarrlh > Manocl Jun Mnreira, Poiluguez.es,
rel'ram-se para fi do imperio. -
Manuel lo llego linheiro, sudito porluguez, re-
tirn-se para lora ilo Impe io.
-- MaiCidiii" Jos da Silva, branco, sollrirn, Bra-
Sleiro Wtn, vai f.zer una viageut OS polios du or.
tu desta provincia.
" Manuel Vicente Pureira de l.amego retira-se para
fra'ilb impeip.
O.Sr Joaquim Jos de Almeida Pinto queira vir
tirar seus penhorea que tonina roa Direita, n. 22,
no prazo de oito dias conlados de hoje ; do contra-
rio, serflo vendidos para pagamento do principal e
juros, e o mojmu Sr. perder lodo o direilo que
iemem ditos penhores.
.. Brt*i teplia palnio e mcio de altura trocando-se por scu
valor: na'rua eslreita do Kozario, venda n. 1.
Precisa-se do una ama de leite : na ra da Ca-
ricia de S.-Antonio, II. 22, segundo andar. #
-- Quem annunciou, no Diario de 14 e 15 do cor-
rele, querer cen ou duzeulos mil rs. a juros, rom!
bui firma, dirija-se a ra da .S'enzalla-Velha, n. 110,'
que se dir quem laz este negocio.
No l>utu|iiiiii da i na das Cruzes, junto a padaria
do Sr. Justillo lia vera boni sorvele todos os dias ,
as Chinas da lardo a 200 rs. o copo, dinheiro a
vista.
OlTarcce-se una mullier para criacilo de um me-
nino deqnalquer casa : quema pretender, dinja-se
ra lreita, n. 36, fabrica de charutos.
O liscal da freguezia de S.-Jos mudou a sila re-
sidencia para a inosma freguezia, ra de Agoas-Y'er-
des, n. 66.
-- Conlinuarn-se a aforar niuito bons terrenos, por
11" em bastantes fundos, no sitio do Hospicio : a fal-
lar rom o Sr. Joflo Ozorio de Castro Maciol .Montuno,
no niesmo sitio.
piceisa-sede m bom enfermelro e que tam-
bem sai lia sangrar para um cngeiiho distante des-
ta praca 7 legoas : na botica do Sr. Pinto, se dir
quem precisa.
, -- da na Nova alea igreja da S.-Cruz perderam-
so duas chaves amurradas em um conlflo de seda :
quem as livor adiado tenha a bondauc de as en-
tiesar na ra Nova, n. 32, primeiro andar, quesera
recompensado.
lima paidi limito capaz rom 40 annos, so of-
ferece para nma secca de casa, lugar que ja tem
exercido ha anuos : quem dola precisar para csse
mislor, diri. a-.se a ra da Cadeia-Velha n. 17, se-
gundo andar.
Sr. Allemflo que sabe curar cava los ou nu-
tra qoalqucr pessoa que'entender dos'le ohjocto ,
queira comparecer na roa da Cu na do S.-Antonio,
n. 15, pnmuiru andar, paia s encarregar da cura de
um cavallo cerlo e que ser beni recompensado.
J. Rosenbrock roiira-se para a Europa, levando
em sua conipaohia sua mullier Mara losenbiock e
duus Millos menores.
ci de seu interesso ; queira'annunciar a sua mora-
da pa'a ser procurad*.
M noel Amantio Chaves se ofTerece' para enti-
nar laiim, franeez, msica e geometra : em'Olinda,
na d Bum-Sueesso.
AIuga-s umsln na estrada de S.-Amaro para
lele m com boa casa sntfln, Irisianles arvured'-s
le. Inici bom poco il'agoa de beber boa hnin pa-
ra meliVs e mlancias: a tratar na ra Direita, n.
29, i.riineiro aunar.
iN o\ o r p Audarahy.
No deposito geral desta rap" a-
caha de reroher-se unta nova porgilndo mas
excpllenie que tem appaieci 'o, e para o pu-
blico poder experiment-rsea,.res litara umu
amnst'ii.piii.s initaaode priuce/a de Lisboa;
e coniinua-ie a venler pelo mesmo prefo
na roa la Cruz, n. 63, primcir.i andar, assiin i
como se vende o mus excedente cha bl'asi- 9
silelro. 8
Fabrica de Todos-os-Sanlos.
Firmno Jos Flix da Hoza, com escriplorio na
roa do Trapiehe, u. 44 avisa ios seus freguezes que
acaba do rCceber pela escuna Curiosa novo sorli-
mcoioiioexcellenle panno de algodilo entrancado
daquellii l'.ibi ica ptimo para ensarcar assucar e
para roupa .lo oscravos. 0 aniiuncianle conla" que,
.ikMi da fazenda o desejo de animar o desenvol-
viiiieiilodeuma fabrica inleiramente nacional, pro-
mover o prouiplo roiisiiino da sua receita.
Ajiencfa de passaporles.
Na ra do Collegio, n. 10, o no Aterro-da-lloa-Vis-
ta ,Iojas ns 4.s o 78, conlinuum-sn h tirar passapor-
les., lauto para dentro como para fra do .imperio ,
assim como despacheni-se cscravos ludo com bre-
vidade.
No paleo da mnlriz de S.-Antonio, sobrado n.
4, liram-se passaporles para dentro e fra do impe-
rio assim como para escravos e correm-se folhas
ludo por pre^o cmniodo.
Na ra de Agoas-Verdes, n. 26, lava-se do sablo
e vanella j laubem se engomina toda a quilidade
deioupa : ludo por prejo mais barato do que em
outia qualiii.ef parle.
-- Parante o Sr. |)r. Joiz docivel da primoira vara
se lia ile ai em lar, por tres piucas, urna Cas le so-
brado de Ires andares e s^ tilo, sita na ra do Trapi-
ehe, n. 4i( por execmlo de Leopoldo Jos da Cos-
la'Araiijo ooulra sen devodor Jos Gomes Villar, ad-
judicada no valor de 11:200,000. Esorivao llego.
RHHpe o Sr. T caixiiru ou negoci inte de
COiirns *&vn* na liavnssa da Madrc-de-Ueos, srva-
se pagar acuantia que niln ignora onde maiulou
enliegai a han ica vusa nodia 20 do pioximo pas-
ado ; do rorihario lera de vei o seu nomc por exten-
so lodos oitias ueste Diario.
Chrislovao Fereir Campos & Cumpanhia fa-
zem srieuleaa autoridades policiues e mais pissoas
do povo, que ao anianhecer do da.13 para 14 do
curenle appan ceram louhadas algumas fazendas
de sua luja, sita^nariia da Cadeia, n. 32, as quaes
vilo hencionadas : duas pejas Je panno proio fino,
1 dita le rajtflbira preta, 23 lentos do setim, Uma
pp^ail^ unm amareliu, de quadrus, 22 CiUb do ca-
simira de crrs, assim como Su'OO rs. em re lula.- :
a penaos que uiouiici u da exislencia do si-mcluau-
teohjicto rectliera dos auouociaiiles a grnlificacflo
de too^Mlo rs,
Aluga se a. propriedade do casa de Ires anda-
res, na ra do Viiario, u. 23, onde moram ns S;*.
u-sII Mellnrs 5 C: a tratar com o seu proprietario,
na la do C/ueimado, n. 2o.
DENTISTA.
M. S. Mawsoii. cirurgiilo dentista tendo-se de re-
tirar breve para Inglaterra, offirere o seu presumo
no respeiavel i iiblien desta cidadedurante o curt
espaco de lempo que ainda tem de ae demorar, em
quanlo arraiij.i ns p.eparalivos de sua viagem; ad-
vertindo que sei ncansavel em servir bom a todas
as pessoas que so qui/ujem utilisar de sua arte, quo
f. ra a lempo, c I,un bom rom rom modulado nos pic-
eos : pilem o prnrurar em casa de sua residencia,
na ra Nova, ti. 21, primeiro andar.
Aluga-sea venda'da esquina da ra do Caldei-
reiro com armaQflo para molhados, por mdico
aluguel. a qual he ptima para queniquizer princi-
piar : na praeja da Indepenuencia, liviana ns 6 o 8.
-- 100,000 ris de gratificaijito a quem deseobrir
dous escravos fui lados do lelheiro da resiib. ;"io de
Franca & Irmilo, na praia de S.-Rita, na imite do
quarta-feir 21 do coi rente feverciro, ambos de na-
ifio llenguela, e meio bocaes, com osseguiutessig-
naes : Manocl, alto, magro, roslo redondo o peque-
o, sr alegre, ps e mflos pequeos, canellas finas,
reprsenla 25 anuos de idade, levou vestido camisa
o cal^a da riscado de algodlozinho, foi vaccinado ha
poucos dias; e Joflo, lamhcm alio, prin mciios
que o outro, grossura do rorpo correspondente ha
altura, roslo sobre o compiido, testa larga e ai min-
iada, ps grandes, tornnzelos ochados, venter
bastante saliente, falla um pouco fanhosa, repre-
senta 35 anuos de idade; lambem foi vaccinado ha
poneos das, levou vestido camisa de algodlozinho
riscado o ralea de algod.to azul: quem os appre-
heoiler, ou lelles di noticia certa, recebera 100/
rcis de gratificarlo, na roa do S.-llia, n. 85.
3$CHAPEOS DE SOL
Ra do PasseiOy n. 5.
Oh! que pevincha para o amavel e respoilavcl pu-
blico : novas sedas da melhor qualidadu quo se po-
de fabricar, por serem de incommenda e la mellior
fabrica de Franca, recebi las agora. '
O fabricantedesto eslabclecimento adverte ao res-
peitavel publico desta cidade que elle possue pre-
sentemente um ricosortiinenlodechapeos.de sol,
assim como chapeos deso de seda furla-cAres, dos
mais ricos que teem apparecido oeste mercado, e de
coros conhecidas ; ditos para senhoras de bom tom,
adamascados, lavrados, con suas competentes, fran-
jas de retroz, ludo que tom do uais moderno e do
melhor goslo; um completo sorlimento do chapos
de sol de panninho de todas as cores e do, todos os
taiiniuiins, para hnmens,' senhoras e meninos : ha
lamhi'in igual sorlimento de. fazendas para cubrir ar-
macOes, lano de sedas decoros, como de panninhos
trancados e lisos imitan.lo seda. Advoi te-So quo os
freguezesseroservidos com brevidade, eseacha-
rlo satisfeitos da boa qualidade, do bom gosto c do
bom proco.
Osahaixoassignados, scientificam ao rcspeila-
vel publico,o inuitu principaluicnle-a todas as pesso-
as que leeni poil.oies de oi.ii.i i'.n s-II po.'rr, por fil-
zendas compradas a casa, os qoedevem vir tirar im-
prcterivoliuenle.da dala doste a 30 dias.devendo por-
laiiiu vir municiados da qnanlia que se jfilgarem llo-
vedores dq principal C juros, conforme ahaixo pasca-
mos a declararos seus dbitos,tanto do principal co-
mo dos juros;ccrtos de quo,lindo dito prazo.nSo com-
parecendo, sero vendidos para pagamento, Dcando
h i ma suhjeilos ao saldo que fullar para dito liquida-
menlo, e se algom dos dito penhores tiver algoni
saldo a favor, promptameiite se Ihe entrgala
Marciana Hila Pacheco, moradora em Nazarelh,
23,820, juros 25,720, quo faz todo 49,540 ris ; Jos
folix da Silva l.obnlo, 35,620 res, principal o juros,
mora na cidade da Victoria ; Theolonia Mara da
Concoic/io da ritlado de Ulinda, 32,190 icis, princi-
pal "o juros; Mura Francisca da Paz, nesla n,raca,
20,920, principal e juros; Joanna Alaria Raptisla da
('.oiiceig.o, 19,880 ris, nesla praca; TJiebdora Ma-
ris da Una Morte, da cidade d Victoria, 11,920 ris.
do principal e juros; Manocl de linrrus, de princi-
pal e joros 7,500 iis.^ Pernanihuco, 12 de marco
le 1819.. -Victorino Sj Guimnru.
Aluga-se a loja do sobrado n. 5 do Aterro-da-
Boa-Vista ptima para lodo o genero do negocio,
pida sua excedente localidado : a tratar no mesmo
sobrado, a qualquer hora dodia onde lambem se
fara negocio com a armaefio envidracada, existente
na mesma loja.
LcitL'iia do Ihcatro publico.
Nfio obstante a moroidade que tem havido na ven-
da dos billieles da ultima lerca parte da 18.* lotera,
lodavia o i liesoureiro, desejoso de fazer andar as res-
pectivas rodas o mais brevepoasivel, convida ero-
ga aos amadores desto jogo que seapressem a com-
prar u resto dos lu helos que exislcm.
I
tuujujif aS.
-- Compra-s uma cania franceza com algum
uso sendo de amareliu ou pao d'oleo lia ruada
Cadeia le S.-Antonio, n. 18.
Comprase, um casal de coclhos novse bons:
na roa da Cruz, n. 20.
c.iimp u-se, em segunda miio, um soph e uma
cadetra de balanco ,
, ludo do oleo, ou de angico
ja se fsar a Shr. B. Asna Chics a nego-|nesta typographl, ou aonuncie.
Comprarse uma barca redonda de jccaran-l,
cm bom oslado : na roa Direita, n. 47.
- Con>pram-*e 400 estacas para uma cerca com
12 palmos do comp'imento e i ? grosaUra de um Cai-
bro : na ruado I rapiche, defnnle do caes da Lin-
gnOla ,n 30, a tratir com Jo Crvlho da Costa.
- Compra-se uma casa terrea em chitos nropritw,
sila mis lia ir ros deSaut "-Antonio oo BAn-Vista, sin-
iio que nilo exceda a 400,000 is. : quem tiver an-
tiuucie.
~~"----------------~
Vendas.
Aos filmantes de bom&osto.
No armazm de molhados atrs do Corpo-Sanlo,
n. 66 rPCebe-Se por lodos OS vapores viudos do sul
poirilo de rigarrilhos hespanbes, ditos de palha de
niillin assim como simeriores charutos do varis
qualiilades : ludo se vende por proco mais barato do
que em outra qualquer paite,
m
'.'S '-'

a O dono desle eslabelecimcnlo no leudo
podido conseguir voiile-lo por causa dos
jKf prelendenles nao qocrerem de modo algum
fej licar com ns dividas que por seren muilas e
i montaren) cm grande quantia n3o pode o
5 annupcianle dcixar de menciona-las para
Cl com o producto dellas poder mais facilmcn-
j le saldar contas com seus credores pa/a
^ Cujo lili! leni O aiiniiiiciantc feito Indas as
S diligencias de negociar ditas dividas, ( ainda
8 mesmo com grande prejuizo seu ) lanto
laj com os preleiidentcj !oj, como
* mesmos llovedores (como de seus atinun- ^
5 eios anteriores so dexa ver) e que, leudo B
** cllcs comparecido em mullo pequeo nume- ^
)0 ro talvez pelas circumstancias do lempo gg
e mesmo por muilos moraren a grande dis- jg.
!? laucia da | iac,a resolveu o auiiiiiiciantc
1 entretanto que elles cheguem,-a soitirdc 5
iS novo i loja com fazendas novas, de dflo- ^
^~ das lano em prego como em qualidades li- ^
i mis, e principalmente de algumas para a jj
2 quaresma a saber : saija hcspaiihola a ^
| 2,400 rs. ; merino, a 3,20t) rs.; setim na- &
vg cao, a 3,500 rs. ; pannos linos, a y, 3,500 gj
|#e 5,0u0 rs. ; princeza de duas larguras a gs*
S 640e800rs ; e todas as mais fazendas se <>
cj vendero por diminuto preco, na Turma do $-;
s eosluinc ; assim con o uma grande poreflo g
g de lencos linos aberlose bordados de mu- j>J
6 to bonilos goslos, lano para niHo de aenho- ^'
t ra como para meninas de escola a 160, 2o0
* e 240 rs. ; o urna grande poreflo de chitas
II IOS ,
r de
Q iclmlo,. toja do terri-
de bous pannos o lima tinao ,
covado.
-- Vendem-se, na la do Crespo n. 14 lercciro
andar, das 6 as 8 horas da manhila o das 2 as 4 da
tarde, os livrosabaixo declarados, lodos em bom
eslado :
Diccionarios de Moraes da quinta edircflo no-
ves, por *0.O0
rtheloi ica de Quiililiano, 2 v.
Vnira, diccionario inglez, 2 v.
Homero, (liado.
Historia da Creca.
I
I
I
I
Elementos de civilidade.
1 Mutilepclicr
1 Knnseca, diccionario F P. c P. I'.
1 Mestre francez.
1 l.hmond.
I Telomaqge.
1 Historia litiga.
1 Historia sagrada.
1 llorado 2 v.
I Phedro, 1 v
1 Virgilio,
I Tilo l.ivio, I v.
I SalllSlio.
1 Rlrmnlo de rivilidade.
I Manual enciclopdico.
1 QuUitlIianode Villolos.
1 Lgica de CondilnC.
1 Melhapliysica de Carduzo.
1 Dioz, BjilicacflO da moral.
1 Licio do geograpitia.
2 v.
Manual
AUtiliai
; ag cultura hmsilcira.
or da Industria nacional.
16.000
2,000
1,000
80o
1,000
10,000
2.000
2,000
1,280
1,600
3,000
4.000
1,000
800
2,560
1.000
1,280
8,Oo
3,000
1,280
1,1180
1,6 0
1,000
8,000
I,OUO
AI.GODAO' DA BAHA.
Cunha Ainmim endent 0 superior algodn
trancado fabricado na llalli em pecas, polo pre-
co de primoira inflo na sua loja da na da Cadeia
dollocirc, n.'SO.
Venile-se urna padaria montada com todos os
seus utensilios que lites sito necestanos, por ssu
quo esta Irahalhnndo ; he bem al' egueza la C sima-
da em lugar que marram as poMuras da cmara,
fom rasa para lamilla ou tem ella porto de em-
barque eolVoieoo eslabelecur mais nlgiltn negocio
queso far ver: vende-so por aduecer o dono, a
ponto do nfio poder continuar : os pn ten lentes so
poderte informar com o Sr. Jos lluarte das Noves ,
noarmazemdefarinliadoSr. Loiz Gomes l'orroini.
Vendem-se potes com nzeitc doca Cun oito
garrafas, por 5,000 rs. : no caes da Alfandega ar-
mazm n. 7.
Vende-so um preto bom canoeiro, de bonita fi-
gura, mo;o, o seni achaques : quem u prctcotior
dirija-sea ra da Aurora, n. 26.
Vende-se o armazem do seceos do pateo da S.-
Crui, ao p da botica com poneos Ion los a von-
tade do comprador : a tratar ao p do mesmo, n, 6
Vende-se uma cscrava do nacflo de conducta
aliancada : a fallar na alfandega com Joiio Herme-
negildo Unios lniii/.
A 2,240 rs.
Vedeni-sc, na loja n S A, na ra do Crespo ao
p du arco le S.-Antonio corles de cassa-chilas di
cores (xas, de 8 a 10 covados e oou'i 4 palmus de
largura a seto patacas; maulas de ISa c se la,
cinco patacas ; ditas de tarlalana a mil rs. pata
liquidar.*
Vende-se um escra > pardo, de.16 a 18
jropriu para bolieiro, u para pagem por
lionita figura i na ra i
gens, n. 10. .
Na travessa da Mad.i -dc-D'OS, n. 13, o no eoo-
sito da padaria do urna s polla, u praca la S.-
Cruz, vende-se ludo qu. ol s f il rica i a ro. rida
oadaria como lambeo exccllcnle ci hy-son 3 aa-
iucar retinado do fabricii 'o na ra das Laraty ras.
Na ra do Quoimai:J vin lo do Rozan se-
gunda loja n. 18, venlcm-se luvas de pellica para
senliora a 500 rs. o par ; cassas le cre- para ves-
tidos e cortinados a 30o r. a vara ; chapeos de sol,
de seda para souhora c meninas a 3,400 rs. ; cor-
tes de collftes de velludo a 3,400 rs.; alpaca de I-
iihode bonitospadiOes, a 500 rs. o covado: 9itim
de Maco ; sarja preta hespanhnl ; Casimira preta ;
pannos finos ptetos ; los de lu.ho proio; o outras
militas fazendas i or prcCM mo lieos. Oilo-SO as
ainosuassobre com cenles penhores.
Vendem-se Diurnos romanse breviarios ludo
novo com muitn boa impressflo e encadurnac,3o :
na ra eslreita do lio/ario, n 8.
Vende-e um f.ird iinenlo completo para ofii-
cial nu inferior de cavallaria da guarda nacional,
cojo f.rd.unonlo anida nao foi servido, o vende-so
qnalquer pega a vonladedo comprador : na ra No-
va u 16
-- N.a padaria do uma soporta na praca da S.-
Cmz, c nliliuadainentc se fabrica o excedente no
de rrniaantigae o novo pflo de Prnvenca^; l>. li-
clnnlia com o titulo regala ; bohchinha d'agna e
sal do 30 em libra, mimo torra linhn ; bolacha do
lodos ta lanianlioa > turada ou igual a que viulia de
Lisboa mullo hem lorrada o s pr.ioria para quem
pn fere o lioui dn barato pois sO so empregam as
ineluores l'arinh.is que ha no mercado ; ea moldo o
melhor possivoi e. sem a menor mistura ; cevada Bill
giflo,torrada e molla. Na travessa da Madie-do-
Deos, n. 13, Vende-SO ludo pelo menos preco como
na referida padaria, e na ruado Collegio vendado
Sobral sincnloa holacliiuha regala.
-- Em Fra-dePortas no pateo do Pilar, n. 21,
vende-se uma poreflo do chapeos de palha viudos
do Aracaty proprios para prctos de engen'to ; es-
leirs da mesma palha ludo muitocm COiils.
''hilas final t tntalas.
Na ra do Livramenlu, n 14, vendem-se chitas es-
curas pelo preco de novo vintens o covado ; ditas
escarales, a 220 rs. o rnvadn ; lirios de linho para
calcas n casacas a 400 o 480 rs. O cova lo ; IIin rico
.sorlimento de coi tes de cassa, a 3.200 rs. O corte;
lencos para nulo desenhoia, con bico as ponas a
48il rs.; casimira p-ela ; merino ; panno lino preto ;
rhaiualote para vestidos; o nutras inuitaa faiendas
por barato preco.
-Ven lem-se hervilhas novas propnas para se
mear, por sor-tn produzidas no piiz, asquacsdlo
mais do que as viudas de fra, a 320 rs. a libra: no
pateo do Carino, venda n. 2.
Vende-se a casa terrea n 85, oa ra do Mon-
dego bairro da lloa-V'isla : mi ra do Itangel, :,li-
--Vendem-se, lia roa dn Crespo, loja n. 11, agulhas
l'iancezas linas aten. 13, a loo rs. o papel, o a cai-
Xinhai 320rs. ; Caixas delinhade.s nvelos sorti-
dos a 80 rs.
-- Vendem-se, na rui do Crespo, loja n. II, os so-
guntcs livros : LicOeirde eloqoencia nacional, por
P. Al lio S L Cama, novo e encadernado por 4,50o
rs. ; UlielS d'uouTro JeVuttaim s v.. por 1,600 o
2,000 rs. ; Atlas de Simancomt por 8,500 rs. ; in-
ciiinario Ma/'niim Lexio-n por 5,000 o 6,000 rs. ;
Horacio, por 3,(.'00 rs. ; Virgilio por 3,000 rs. ; Sa-
lustlo. por 1,000 rs. ; fbula, por Sun rs.; Solela ,
por biO rs, ; Alte Intu de Moma o do padre Ano-
nioPcreira,por600e8(IOrs ; Arle potica do Ho-
rario, p.,. t,280 rs. ; Oracoea do Cicero em porlu-
guez por 3,000 rs. ; Carlas do I) em lat.m, por 600
rs. ; eoulras muilas obras latinas e trncelas que
so vendo... barato J 3 breviarios, por 2,000 rs. ca-
-- Vende-se urna pela crioul, de. 14 a 16 anuos ,
de bonita figura setn victos nom achaques : na rua
larga uo Rolarlo, armazeui d louca, n 28.
TIJOLOS DE MAltMOItE,
a 240 rs. cada un. lijlo azul c branco: na rua da
Cadeia, botica de VicenieJosererreira de tirito.
Kxeelenlo |>elsco
He clicgvdn n loja do ferragens n. 10, na ruado
ueiinadu uma pequea poi vilo de ovas do serillo ,
milito f'cscaes;o que so participa as pessoas que
teeinenrom eenda que quinto aillos as rilo com-
prar, i o.s se ac ha m sem demora,
_ Na rua da Praia, n. 37, vendom-se suecas com
farinha de boi qualidade, por preco coinmodo;
moias do algodfio grossas do Porto ; cera lavrada,
Clara, de 3 a 6 em libra.
-- Vendem-se n niln superiores luvas de pellica
enhiladas, para si nimia ; ditas de seda'preta, com
de H-se sem riles; nquisai.....s suspensorios bordados
de seda i na rua larga do Rolarjp, loja n. 26.
No engenho Mocan hique distante .'esta praca
3 leguas h i um bom sitio de lavr.nlo.-, que po le
d,rde 400 a 500 p 's bois lenas para iocj e boa
biinlio, por sera margen! do Capibaiibe; quemo
pretender dirija se ao Aturro da-l! ia-Vst i n. 49.
uu ao mesmo engenho
Vendem-se chitas 'l<: cre^de lo-
nilospadrdes, sele viiilena o covtdo :
na rita do Crespo, n. 4i
que volt i para a cadeia.
Na rua do Itangel, n 8. ha boia saccas d ii-
linha, ditas com nilho, ditas nom arroi de vapor,
bou. eh de caixas grandes, o outros muilos gneros
le venda, por preco milito couc.iodo a dinhe.ro a
vista, p.irsequmer i.e.har Ci>m O eatabeleCMlelllO :
lambem se vende o mosnio, fazcudo conti ns partes,
Vendem-se saccas com farinha, d.las con ar-
roz de cusca, d.las com arroz do Maranl.flo e da torra,
ditas com milho: no boceo do Cariow, ultimo ar-
mareO,
Vcuclem-sc cltilas encorpadas, fa-
zenda proprra para roupa de escravos, a
seis vintens o covado : n i ral do Crespo,
ti .',, loja da esquina que volti para a
cadeia.
\a casa de modas francozas de madamo Millo-
chai, no Attcro da-lloa-Visla, n. 1, defronte aochae
fsiz hn usa vender muilos lindos chapeos de sd-
ede palha enfcTiadcsra^izinhasecodarinhos borda-
dos da ultima moda, locos pretos veiMadeiros, cha-
nus de lulo, ores de larangeiras, mu.to boas; con-
inua-se a fa/cr vestidos, tpeos o tocados, por
ureqo muilo commodo, e do ultimo gosto do Pan.
I .ja da esquina



igur~JX'M
Vende-se a verdadeira potassa da
Bussia, desembarcada'houtem, por pre-
co milito .raso3vel, vista de sua niuito
superior qtialidade : na na do Trapiche,
. 17, e ra da Cadeia, n." 3$.
Aladeira de pinho.
Na ra de Appollo, pegado ao armazem do Sr.
V? j' um n"vo armazem com madeira do pi-
nd da melhor qualidade que tem vindo a pste mer-
cado e serrado de todas as grussuras e comprimen-
tos : vende-se pelo menor prego quo he possivel.
Vendem-se taimas america
nas aleo palmos de largura
o do lodos os eomprimontos.que ha milito lempo nSo
leem vindo, eos rreguezes experimentando a falta
itesla exeell-nte qualidade. A ellas que sao poucas o
luprego he barato. Atrs do tlieatro, armazom jiin-
" a mar."-, de Joaquim Lopes de Almeida.
Taimado de pinho da Suecia,
de 10 a 53 palmos
deonmprimrnlo, o melhor que tem chegado a este
mercado, em razio de se poder envernizarcm qual-
-inerQhra por mo ter nos e ser muilualvo, sen-
o costado, cosladinho, assoallio, forro e para fun-
dos de barricas 1 veude-se a prego quo o comprador
fara todo o negocio : atrs do tlieatro, armazem de
Joaquim Lupes de Almeida.
Tiiboado de pinito.
Vendcm-sc tainas de pinho 110
Forte-do-Mattos armazem do Vianna e
no armazem do Machado, na rna de
Apollo, junio ao porto vello das c.noas,
e os molhore (iranchors, cusanos, euatdinboa ia-
hoas ile toilas as grussuras e comprimentos por to-
do o prego.
a
Vende-fe ca'
de I.islma.
virgem ,
clegada no ultima navio, em larris pe-
queos, por menos do que em outra qual-
qiler parte; na ruado Trapiche, arma-
zem n 17.
--Na padaria da ra da f.uia, no Rccifc, haver
todos os das a venda o novopflo de Provenga fa-
lo icado poroutro modo que o actual e da melhor
laiinha que ha no mercado : por esto motivo nJo se
pode fazer senflo a 40, 80 e 160 rs.
Farelo,
em barricas a 4,000 rs. ; saccas grandes, a 3,50o
rs., ditas pequeas, a 2,800 rs i noarmazemde J.
1.1 asan Jiinlor, na ra do Amorim, n. 3.
No deposito de Me. Calmont & Companhia na
na de Apollo, armazem n 6, acha-se Constante*
-- Vende-se ago'ardenle do Franca, verdadeiro
cognac, de qualidadn muito superior, em caixas de
urna duzia ; barris de oilo om pipa com vnho de
claret, como no costuma vir c ; urna porgflo de
charutos de llavana, verdadeiros : ha ra da Alfan-
dega-Velha, n. 5.
Vende-se a venda da ra do Apollo, n. 81, com
poucos fundos: quem a pretender, dirija-se a ra da
Madre-de-Deos, tratar com Vicente Fcrreira da
Costa.
--Vendem-se 2 lindos moleques ; um dito de 20
ar.nos, muilo bom ou1cial de ourives; um prclo
bem robusto de meia idade ; 3 pretas rom habili-
dades : no paleo da matriz de S.-Antonio, sobrado
n. 4, se dir quem vende.
Venrle-se farinha de mandioca mili-
to superior por preco commodo : a lordo
do patacho JSatividade, chegadode San-
te- Catlarina, fundiado no caes do Colle-
gio ; assitn como tamlem se vende nos
armazens do caes da Alfandega : trala-se
a lordo ou com Novaes & Companhia,
na ra do Trapiche, n. 34-
lo!ha de Fia ladres.
Vendem-se caixas com folha de Flandres: em
casa de J. J. Tasso Jnior : na ra do Amorim, n. 35.
Vende-se um terreno na na do Sebo encos-
tado a casa que est em respaldo, ppitenceiilea o
Snr. Manuel Kilippe. pela parte dejleste, cujo
terreno tem 62 palmos de frente o 150 de fundo
a tratar com Joflo Val de Oliveira na ra da Cruz ,
11. 51,
Vende-se um bomravallo de sella : na ra da
Cadcia e S.-Antonio n. 25.
?.^ -..hwiiqws mmmmmm^
i
Conlinun-sea vender a verdadeira sarjado
seda liespanhola ; los prctos bordados do se- jjjt
suasimagens; umacommoda do mesmo pao, cmino retirar-se para fra do imperio: do ruado Quei-
>t.iilli\ Iw.m iism 1 de Macan proorio rara ves-
tido ; um completo sorlimcuto do panno pre-
lo fino, para os precos de 4 al 10,01)0. is. ; fe
casimira preta elstica, muito superior; meias g
de arda de 1 eso prt tas e brancas ; um bom- ^
to sor limento de cortes do venidos de seda, I
bulliros, pelos c de cores fazenda de mui- **
lo gosto ; e outras mullas fazendas pretas pro- % priaf da i|iiarcsma, por prego vont.uk' do $f
* comprador: na 111a do ^Queimado qualro- |
!$ cantos, Iojh do Jos Morera Lopes & Cumpa- :|.
8 niiia, 11. 29. :j;
Vendem-se semeas em saccas muito grandes ,
a 4,500 rs. : na ra da Madrc-de-Ueos, armazem de
,,!*enle Ferreira da Costa.
Aos amantes da boi pilada
se offerece 0 rap Novo-Lisboa, no sen deposito da
ra larga do Rosario 84.
Vende-se cal virgem de Lisboa, do superior
mente grande sorlimentode frregeni inglezas para qualidade em barris iie 4 arrobas, chegada nesle
enanillos de assucar con o sejam : taixas de ferro '. m,'Z pelo biigue Marm-Jutr. : a tratar na ra lo
llruin armazem de Antonio Augusto da Fonseca ,
muito bom uso; dous vasos do porcellana com llo-
res clicgados ha pouco de Franca, do ultimo gosto;
um iclugio (le parede, em quadro grande, patente
suisso, com msica ptima pega ; duas redomas
de vidro para ler qualquer santo com decencia : to-
do se vende por seu dono reltrar-se'para fra da
provincia : na roa Nova, n. 56.
Novo (rem de coziiiha.
Vendem-se chaleiras, panellas e escarolas da fer-
ro, forradas de louca : na rus' Nova loja n. 16 de
Jos l.uiz Pereira.
- Vende-se, para fra da provincia, urna escrava
hem parecida com algumas habilidades: atrs da
igreja doS. Rita Nova n. 48.
Na.rua Direita.n. 17,
na escadinha da alfandega armazem n. 1, e em
frente da matriz da Roa-Vista venda n. =, vendem-
se saccas com a melhor farinha que existe no mer-
cado, chegada no ultimo navio do Rio-de-Janeiro ,
por proco commodo.
Vendem-se esapadas prateadas pora ofliciaes da
guarda nacional: na ra Nova, n. 16.
Casimiras finas, a 7,500 rs.
Vendem-se superiores casimiras de cores, de su-
perior gosto e melhor qualidade, pelo barato prego
de 7,500 rs. o corle ; ditas la m bem de cores a 5/e
6,000 rs. o corle : na ra do Collegio, loja da estrel-
la, ii. i. *
-- Continuam-se a vender saccas com superior
colladas fabricas do llio-Crande-do-Sul, por pro-
co commodo : na ra da Moda, n. 7.
Cortesa I,'80 rs.
Vend-m-se superiores cortes de brins para caigas,
a 1,280 rs. o corte, fazenda haralissima pela sua
qualidade e cor lixa : na ra do Collegio, loja da
estrella, n. 1.
cu 1
jjtj Cera em Velas.
i
criado lie dill'ereiiles modcloe o nmia uiodfriids
litua da ferio batido ; nioeudas de ferro do mode-
lo adoptado para armar em madeiru ; Hilas todas
de ferro, tanto para agoa como para animaes; ma-
chinas ile vapor de foica de qualro cavallus c de al-
ta pressno o vel ; repartideras espiimirdeiras j reslriadeiras de
ferio csianhiido; formas de ferro: tudo porpieco
COIIIIIlOdo.
yendem-se Rellins inglozes e canias
de ierro : na ma da Senzatla-nova, n. 4a.
Agencia da fmidicao
Low-Moor, ra da Petiza I la-
nova, n. 4i.
Neste eslolclrcimento contina a la-
>rr um roirpleto s-rtimento de moemias
* meias n oeiulas, par engenho ; ma-
chinas de vapor,c taclias de Ierro latido e
roa do, le todos os lmanlos, paia dilo.
Ferro
de indas as qualidade? e dimensfles em barra ver-
galhilo, verguinba, arcos e chapa, por |>rcco com
molo : na ra da Mu d re-de-Heos, armazem n. 26.
Al^odao trancado da fabrica
de Todos-os-Santos da
ti a na ,
milito proorio para saceos dcassuc'ir e roupa de es-
i'ravos : vende so em casa de V. (. Iliohr & Com-
panhia na ra da Cruz, n. 4.
CIIA'BIUSILEIRO.
Vende-se.ou armazem de molhados atrs do
Corpo-Santo, o. 66, o roais excellente cha produzi-
do em S. -Paulo, que tem violo a este mercado
por | rcc,c iiiuilo commodo.
I* res un tos.
Vondem-se superiores presuntos inglezcs para
fiambre, chegados no ultimo navio: no armazeai
ilo llraguez .aoj do orco da Conceicflo.
Taixas para enjReoho.
Na fundicilo de forro da ra do Brum acba-sa a
venda um completo sorlimenlo de taixas de 4 a 8
palmos de bocea, por preco coiiiniOdo, c com promp-
lid.lo embarca-so, ou carrega-seem carros seni des-
pena ao comprador.
Calcado.
Vondem-se botinsemeios ditos de I ;iboi para
liomem e menino ; ^apatos ile maroquini francez,
por prego ii.uis bmalo no que em oulra qualquer
parto : na ra laiga do Rozarlo, n. 24.
FARELO EN SACCAS DE 90 LIBRAS :
vende-se no armazem de Vicente Ferreira da Costa
na ru da Madre-de-Deos, a 3,500 rs.
ou na ra do.Vigario, n. 19.
Vinho barato.
Acha-se csl.ihclrcidn.na ra da Madre-de-Deos ,
n. 36 um armazem de
Yiiihos da Figueira,
de o tima qualidade, a preco de 1,200 rs. a caada,
eal60rs agarrara; e para no haver dolo do com-
prador serflo lacradas as garrafas e com rotulo, ro-
erhendo-se a garrafa vasia, e dandn-se immediata-
nienie a oulra cheia lanibem ha barris muito pe-
queos prnprios para quem passa a fesla. O pro-
irielario deste eslabelecimento pede encarecida-
mente que se nio illudam avaliando, pelo diminuto
preco r sem conheciineiito de causa : qualidade do
Ma fazenda digna por cerlo da estima dos verda*
deiros amantes da boa pinga. Elle cunta que quem
ui 1a vez provar, continuara rom gosto e sem arre-
pi idimento. Eo bom preco .'/ A todo o exposto
accresceo nsseio e boro acondicionamento o'que
ludo se poder verilicar em dito eslabelecimento.
PUBdVLMIOIIA FICUEIRA.
Existe no armazem de moldados, atrs do Cor-
po Santo n. 66 una grande porcilo (leste genui-
no viudo que se esta veudeildo pelo diminuto pie-
code 1,120 rs a caada e a 160 is. a garrafa ; lam-
hem ha em pipas que se vender mais em cunta : he
este o melhor de todos os viudos que se teem n-
nuiciadn pela sua simplicidade e ptimo paladar :
quem urna vez o beber jamis deixar de o com-
prar.
-- Vende-se urna bonita negrinha de 10 a II an-
uos, de muito boa conduela, muito sadia e com
principios ile coznba : vndelo por se mo precisar
na roa do Hospicio, n. 4.
Potassa.
^ DesemlarcQU ha poucos das urna por-
cao de larris pequeos, com muito nov-
e sope.ior potassa, e se aclam venda,
por pre?o mas larato do que ultima-
mente se venda, na ra da Cadeia-Vella
armazem de BailarckOliveira, n. ia.
FARELo
em sacras muito grandes,
a .'isioo rs. a sacra:
Uo armazem do Braguozao pedo arco da Conceicilu
Vrndc-se l'irinha de mandioca, de
muilo superior qiidliilade : a leudo do
palelo Cnnceico, fundiado em (Vente
do caes do Collegio ; assim como tabi-
tem se vndenos armazens do caes da A|-
l'andegt por preco .muito commodo : tra
ta-se H lordo do mesmo palacio, ou com
Nov&ea & Companhia, na rtn do Ti api-
che, n. 34.
58
Vende-se na ra doVigario, n. 19, (j0
f-i segundo andar, caixas com cera em %
velas fili iradas no Hio-de-Janeiro, I
em urna das melloies (al,ricas, sor- t
lidas ao gosto do comprador, e por vi
preco mais larato do que em outra l
IV 1 w
g qualquer parte.
m s::e @.-;e mm BSM mm sne :e s::e ^
- Vendem-se oculos para todas as idades, de aros
brancos e dea^o; meias de algodflo das grossas ,
feitas a agulha estas meias silo aconselbadas pela
medicina, com espeeiai'dade nos 1 a i/es umidos; su -
blimes navnlhasde ago da China, das verdadeiras ;
urna rain inda de 13 anuos que he prnpria para mu-
cama por j ler habilidades, e ser muito bonita:
na ra larga doRozario, 35.
Canderos de sete fojros para
iaz, multo i conomicos, a pre-
co commodo.
Na loja de Chardon no principio do Aterro-da
Bna-Vista vrndem-se, por preco mullo cumimfdo ,
candieiros de gaz de 7 luzes, que, cheios com 3 con-
trametades de gaz duram com brilhontcs luzes,
20 doras ,011 4 nuiles accezos das 7 a meia nolte :
tambem se venda gaz, 9 mais superior que ha.
Allencao.
Vende-se superior sarja larga hespanhola pelo
bando 1 rrco de 2,000 rs. ; pannos finos prelos-, pro-
va de limio pelo barato precinte 3, 4, 4,500, 5,500,
6,500 e 7,000 rs. o covailo ; casimira preta setiin de
superior qualidade, a 2,800 3,000 e 3.500 rs. o co-
vado : setim Macan do verdadeiro o de excellente
qualidade a 3.500, 4,000 e 4,500 rs. o covado ; cha-
peos de masa francezes o.s mais modernos, a 7,500
e 8,000 rs.; ditos de sol, do seda furta-cres.'do
melhor gosto, a 8,000 rs. ;o outras militas fazeno
das de superior qualidade, e muilo mais barato do
que em nutra qualquer parte na ra do Collegio{,
nova loja da estudia, ni 1.
Vendem-se 3 lindos moleques do 13 a 18 annos;
4 pardos de 16 a 25 annos ; 3 pretas de 12 a 20 afi-
nos1, leudo algumas dolas habilidades ; urna uegri-
nlidc 10 annos ; um muleque do 10 anuos ; 2 pre-
tas de 20 a 30 annos : nu ra do Collegio, n. 3, se-
gundo andar, se dir quem vande.
tliscdoi inoustros, a 240 rs. o
aovado.
Vnndcm-se os bem conhecidos riscados monstros'
pelo bainto preco dc2l0rs. o covado, para se ac.
bar : na ruado Collegio, loja nova da estrella, n. 1-
Vende-se algodao da trra em ro-
los de fo varas, a ano ris cada vara :
ra do (Jueiniado, qualro cantos,
n. 29
-- Vende-seum pelo de cerca de 45 annos, pro-
prio para o mallo, por ter bastante conhecin>eiilo
daagiiculljira c tratar de gado ; alianca-se sua con-
ducta : na ra do Trapiche 11. 44, primeiro andar.
na
loja
mado, loja n. 32.
Vendem-se saccas com arroz pilado, muito su-
perior : na ra do Queimado, n, (9.
Lnvasde pellica, a 500 rs.
o par.
Vendem-se luvas do pellica para senhora 500
rs. o par : na ra do Queimado, n. 16, laja do Jos
Dias SimOes & Companhia.
Luvas.dc pellica.
Na ra do Queimado, loja de miudezas, n. 26, ven-
dem-se luvas de pellica para hom'em, nOvas e muito
boas, a 1,200 rs. o par; meias de linhp muitissimo
finas bertas e lisas para senhora'.
Velas de espermacete.
Vendem-se em cisa de Ricardo Itoylo.ria rilada Ca-
deia-Velha, n. 29, superiores velas de espermacete da
6em libra.
Vende-se urna vacca torina com um* ci,
ltimamente chegada de Lisboa : a tratar com Fran-
cisco Severianno tabello, e para ser vista, na rus do
Hospicio, n 4, casa de Arcenio Fortunato da Silva.
-- Vendem-se uvas moscaleis, muilo boas ; azei-
te de carrapatoem norcOcseas caadas: na ra da
Conceico da Boa-Vista, n. 20.
Vendem-se saccas com farinha superior, a 4,500
rs., em pequeas o grandes paredes: noForle-do-
Mattos venda de Antonio Jos Fernandes de Ctr-
va I to na ra do Codorniz, n. 12.
Freguezi.
No paleo do Tergo taberna n. 7, vende-se o pei-
xe denominado piraruc do Para ; carno doCear ,
de piimeira qualidade, a libra por preijo com-
modo.
Vende-se um diccionario geographieO, hislo-
ricoedescriptivo do imperio do Brasil, cun os seus
competentes mappas, nova eiicadernagSo ntida:
na roa do Queimado, n. 11.
Vende-se um preto por 300,000 rs. de 40 an-
BOS, SCrn vicios ritrill achaques, O para tudo o servigo : na la das Floros, n. 49.
Farinha de mandioca.
Vende-se farinha de mamlioc-t doltjo-de-Janoiro,
em saccas, de superior qualidade, por prego com-
modo : na ra da Madre-de-Deus, armazem n. 31 ,
ao lado da alfandega.
PARA LIQUIDAR.
Vende-se cal virgem de Lisboa, de superior qua-
lidade por prego mais burato do que em oulra
qualquer parte: na ra da Cadeia do Recita, n. 50.
. Vende-se urna escrava crinla que rosee en-
gnruma .* o motivo po' que se vende se dir ao com-
prador : na ra Direila, n. 21, ao ollar para nec-
eo da Pcnha.
Borne barato no Paiseio-Puhtico, loja de Manad
'Joaquim I' atrr.nl Hamo, o 19.
Vendem so pannos finos do muito boas qualiifa-
des, pretos, a 3/, hff, 4/500 e 5/000 rs. ; merino 1
3,200 rs. alpaca, a 80u rs. ; sarja, a 2,000 e 2,100
rs. ; lencos de sarja a 1,000 rs.; riscados monslms
de padn'ies os mais modernos que teem viudo, 280
rs ; ditos francezes a 200 e 240 rs.; cortes de 13a, a
2,000 rs.; ditos de casimira a 4,000 rs ; riscados en-
carnados a 220 rs. ; chitas muilo linas e modernas,
a 280 rs. um completo sorlimcnto de outras mais
ordinarias a 160e 200 rs.; setim preto, a 640 ; ris-
cados para omisa, a loo rs. ; pecas de brelatib com
6 varas a 2,000 rs ; urna porgflo de madapolflo lino,
a 4,000 rs. a pega ; pegas de camhraia fina enfeslada,
a 3,500 rs.; suspensorios, a 100 rs.
Vende-seum preto de nago Angola de 27 a
28 anuos reforgado do corpo muito bom c'ano-i-
ro ; um bomquarlao que anda a passo, carrega e
esquipa : na esquina da ra das Flores primeiro
andar.
Escravos Fgidos
Seinentes de hortaliee.
~ Acham-se fgidos, desde 3 de agosto do anuo
passadn, dous escravos, do engenho. da fietoein
de Ipnjuca, com os signaes seguales : o primiro
do mime Izidoro, cor liigueira, altun regular, qjiei-
xo bastante saliente, grosso do corpo, he.oDlcia de
carpina; a segunda de nomo Rila, altura naioi
que a ordinaria, secca do corpo, voz eslripilosa,
sabe cozer, engnmmar-e cozinhar soflrivclmeiile:
s3o casados: quem os pegar leve-os a seu sonhnr,
Loiirengo de Sa e Alhiiquerque Juniur,bu ao engenho
Cuararapes, quesera generosamente recompensado.
Dessapareceu, no dia 26 de fevereiro do corre-
te anuo ,- pelas 7 horas da mandria una crioul le
nome Raymnnda, baixa, grussa do corpjO pescm-
balos e compridos, olhos grandes, rosto redondo,
prende ; levnu saia de chita desbolada rom bahadu,
panno preto : quem a pegar levo-a Fra-de-Puils,
casa n. 135
ReCommenda-se as autoridades policiaeseca-
piles de campo a ca plora de urna escrava de Angola
de nome Maria fugio em de/embrodo anno passa-
do ; he haixa e groasa ; lem falla de um dente nu la-
do superior, peilos grandes, 1 s giossos; levou ves-
tido de chita e panno da Cos quem a pagar leve-a
a (Minia ruado Amparo casa (le H Hoza Maria da
Conceiglo Costa, que recumpencara generosamente-
Desappareceu una cabrinha .10 nome Filipi1 >
desde o di primiro docurionle, do 18 annos; lem
os denles acandilados; levou vestido do asseiilo
pardo e panno da Cosa com listras azuea; lem sido
encontrada a vendei quitanda ; tem os beigos griis-
sos quem a pegar leve-a a ra larga lo Rozario ,
loja de alala le, 11. 30
Fugiram, do engenho Canzauza, fregueiia de
Jalioaiau no lim da semana passada dous'eacra-
vos, um de nome Joflo cnoufo, natural do As''' >
Tiuca-se um sancluario de Jacaranda, vindo
de enoommenda do Porto, obra mnito superior, com
Vendem-se smenles de hortalicede tndasas qua-
lidades muilo novase viudas de Lisboa na barca
ligeira; feijflo canatalo ; hervilhas tortas e Ard-
as : na ra da Cruz, no Hccife, n. 62.
~ Vendem-se, na ma da Autora n. 62, lerceiro. .
andar ricas diagnnas para subalternos de caval- "lo L?e,n peasoaifo baslaute preto, rusto um pou-
laria da guarda nacional; rieas llandas com borlas Jo arredondado : o outio do nomo" Rerns preto,
de euro par ditos ; bonitas rranjas brancas de al- latura regular, seccu do corpo, ollios peque-
godlo largas eesireilas ; eetioz preto em libras e "os '. t,e ,,,u,lu reg isla ; lem signaos lji nadeg.s do
a relaldo a!20rs. a oilava, o mais superior que lie Urr sl,l,cas"gado : quoin Os pegar bjVe-oa ao en-
poasivel; o milagroso e verdadeiro xrope de bos- Re,,n" ''arauna un na ra du Aiorro, n. 18, segundo
que chegado de prximo do Itio-dc Janeiro ; bu- ,,""r_ '|ue sera recompensa.lo
nilas bogias de ceta do Rio, de 4 em libra ; o supe- I |,"6'<>, no da 21 oo ilezeinbro de 1847, o pardo
rior cha de S.-Paulo, as libras : tudo em cunta ea -""eod, u in annos secco do corpo, cabello estua-
quali|uerhora do dia. i ''u ; lem falta do um dentella fente o a nunca de
\-- 1 umcuslico miseoSla: quHin o pegar, ou do mrs-
IOIOS para Vl(liacas,a O-lOO nioqueira dar noticia, dirija-se k ra Nova a Jua
rs. a caixa.fe 100 ps cbicos, em poiges de oito ''"'* ,,ereir" 1ue KI.icara.
iaixas para cima : em casa de Kalkmunii Irmfios ...... "i' '
na ra da Cruz, n. 10.
:i-
- Vende-se um moleque de 18 annos, por seu do- 'ON : n ttfj, uaaa.r. ik rmik.ibig


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKQ6P3JOA_3B4HRU INGEST_TIME 2013-05-01T00:23:02Z PACKAGE AA00011611_10018
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES