<%BANNER%>
Diario de Pernambuco
ALL ISSUES CITATION
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/10014
 Material Information
Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Tuesday, March 13, 1849
 Subjects
Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
 Notes
Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.
 Record Information
Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:10014

Full Text
jimio XXV*
Ter9a-fira, 15
O DM/lf0|iiiblevetodos fortn de guarda. O preco da asignatura he
dr43000r*. porqiiartel, .tqoifltinl'idoi. Qi
aunuiicion dos asignantes sao inseridos a
ras.io de 20 rs. por liiiha, 40 rs. em typo dlr-
ferente, cas repellce< pela melada. Os nao
diaignautri pjgaro 80 r. por lliiha e 100 rs.
.-ni lyoo dlffereutc, por cada pwbllcacao.
PHASESDAUMNOMEZDF. MAR?.
Crcscenle. a l.i 9 Iiums e 43 mln. da tari.
La chela, a 8. s 10liome"iln. da tard.
Mia..i.t,al6.atl0l.oraae 19'lo. datard.
La nova, a 24. s 11 horaa < 46 iiiln. da u.anh.
descerne, a 31, s 4 hora SSmlb.da uiau.
PARTIDA. DOS CORRKIOS.
Goianna e Parahiba, s segs. e sntas-feiras.
Rio-G.-do-Norle, c|uintasfeirai o nipio-.lia,
Cabo, Seriuhaem, R'o-Porinoso, Porto-Calvo
Macelo, no 1.* a II e 21 de cada incz.
Garanhuns f Bonito, a 8 e 23. -
toa-Vista e Flores, a 13 e 28.
Victoria, s c|ciintai-feiraj. .
Olmd, todos os das.
PREAMAR DE HOJE.
Prlmeira, *7 horas e 42 minarlos da manb
Segunda, s 8 boras e 6 minutos da tard.
de Marro de 1849.
N. Sf.
das da semana.
12 Segunda. S. Gregorio. And. do J. .1 .s
orphdoJ dchele do I*. M da2. V.
13 Terca. S. Eufriui.i. And. do i. do c. da I.
v. cdoj. de pa> dn 2. dlst. de t.
14 Quarta. S. Malhlldes. Aurt. do J. do c.
da i. v. e do J. de pax do2. dlst. de r.
l> Quima.S. Ilenrii)ue. Aud. doJ. dos ornli
edo i. M. (I.i I. v.
6 Sexta. S. Cyriaco. Aml. doJ. do civ.edo
J. de paulo I. dlst. de t.
17 Sabbado. S. Patricio. Au I. do J. do c.
da I. v. e do J. de paz do 2. list. de t.
18 Domingo. S. Oatnicl Archabjo.
PARTE OFFJCIAL.

DECRETO N. 584 DE 19 DE FEVERE1R0
DE 1849.
Determina 4tr os delegados e subdelegadas dos chafes
de polica tenham urna taboleta com as armes do imperio, e posiam, nos
actos d en o/ficio, usar ds urna faxa.
llci por liem determinar o seguinte :
,\rt. 1 Os delegados e subdelegados do chefe de
polica terfio, 4 noria da casa em que residirem,
nma laholeta em quo estejam pintadas as armas do
imperio, com tima legenda que declare o cargo.
Art. 2.* Nos acinsde ullicio pdenlo usar de urna
laxa seinclliante as dos juizes de paz, leudo, porm, a
lista verde nutre as duas amanillas.
Enzcbio de Queiroi Coilinho Mstloto da Cmara,
do meu concedi, ministro e secretario de estado dos
negocios da juslica, o teuha aaaiin entendido e faca
ejecutar.
Palacio do Rio de-Janeiro, em \*de reveriro de
1849, 28 da independencia e do imperio.Com a
rubricado 8. M. o Imperador. Euzebio de Qwiros
Coitinko Mattoso da Cmara.
DECRETO N. 585 DE 19 DE FEVEREIRO DE 1849.
Avlorisa o ministro da fsundn para despender mais
2^233.000 rs, eom o juito dos feitos da fazenda.
Em confiirmidade do artigo n. 53 da lei n. 514
de 28 du o conreino de ministros, autnrisar o ministro e
secretario de estado dos negorios da fazenda para
despender, alm da somma votada para os embrega-
dos do juizo dos feitos da fazenda, muig Jous enntos
denlos C Irinla o tres mil r8 com a di Hertica
de venclmento dos soliciudores, de que trata o ar-
tigo 49 da mi'snia lei; devendo o referido ministro
dar ronta desie augmento de desprza assembla
geral legislativa na sua prxima reunio, para ser
definitivamente apprnvado.
Joaquim Jos Rodrigues Torres, do meu Conce-
lho, senador do imperio, ministro e secretario de
estado dos negocios da fazenda e presidenln do tri-
bunal do ilii'Notiro publico nacin), essim o teuha
entendido e face executnr Palacio do Rio-dc-Janei-
ro. em 19 de fevereiro do 1849, 28 da Independen-
cia e do imperio.-Com a minien de S. M. o Impe-
rador. Joaquim Jos Rodrigues Torres.
r
MINISTERIO DA. FAZENDA.
EXTRACTO DO EXPEDIENTE DO DA 17 DE
FEVEREIRO.
Circular, declarando que no caso de prohibilo
de entrada na alfaudega, deque trata oait. 86 do
regnlunienlo. tero lugar o recurso para a autoridad?
superior; porque, enibora o regulamento nilo con-
ceda expressamente, basta quo o nflo prohiba para
dar-se esla inielligencia ; e que a avadarlo ordena-
da pelo rt. 284 do rilado regulamento regula a al-
eada do inspector da alfaudega, conforme o art.
2S5, na geueralidade dos casos em que a arrematarlo
s podo te; lugar depoisda decislo dellniliva em
ultima instancia, n nao nos casos cxccpcibiiaes do
mercado1 ias slijiitas cortupc.no, em quo h rre-
malacao por (a da alfaudega deve azor-so logo, na
formado ait. 291, e por ella regular-se se pode ser
ad mili ido ou Jevo ser denegado o recurso.
Circular, declarando : i." que, nao estando as
Hornearon dos inspectores de qtnrleirsto comprc-
hendidas em artigo algum do regulamento do 2t> de
abril de 1844, e nein na lei do orcamento do 1845,
que alterou a do sollo, nflo silo ellas subjeias a
sello, e s pagio o do 160 rs. do artigo 26 do regu-
lamento, q ian.lo produzidas como documentos, do
mesmo modo que as patentes dos ollicises da guar-
da nacional, que lambem nilo fram nelle coinpre-
hendidaa; e 2 ', que validamente se pode pagar o
sello de quaesqaer ttulos de nomoacJo que nSo
trasmitam pela chancellara nein leein asseiitamentn
em folna, aluda dopois de-prestado o juramento,
mas autes da posse e exercicio do ndmoado.
DIA23.
A' thesouraria de S -Paulo, responde-se ao of-
ficio. de 18 de setembro do auno passado, que, posto
as notas do extincto banco se achem sem valor, com-
tu.lo, romo a aasemldca geral legislativa tem sido
fivoravel rademisacodo algumasno mesmo c.iso
das que pertenrom a beranca de Manoel da Silva
Carvelho, e igual favor poder ser nulorgado ta es-
ta, devem ser ellas ifcolhidas e guardadas com a
necessaria especilcac,ln que facilite oseu reconlie-
cimenlo.quandb houverem de ser entregues ao des-
lino que Ibes competir.
i'nzenda, n.lo obsta que os militares sejam reforma-
dos, e os empreados aposentados ou de reparlico
extincta, com osseus respectivos vencimenlos.
GOVERNO DA PROVINCIA.
Illm.-e Exm. Sr. Cabo-mo a aatisfac.lo de parti-
cipar V. Ex. que esla proviuuia goza de peijeUo
soreg.
Dos guarde a V. Ex. Palacio do governo em Al-
grete, 22 de Janeiro de 1849.- Illm. e Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de Pernambuce. Francisco
Jos de Soasa Soares d Andrea.
Illm. e Exm. Sr.Pelo olicioque V. Ex se servio
expedir-me em data de 15 do corronto mez, lico in-
telligenciado de que a eapital d'essa provincia goza
de tranquillidade, e das esperanzas que V. Ex. tiulro
cm que sejam aniquilados os ban los de salteadores
que anda infestam alguna pontos do sul da mesma;
e, agradecendo a V. Ex. esta coinmutiicii;ao, lenlio
a siguiOcar-lbe que muito convencido eslou de
que, mediante ss sabias providencias do V. Es bre-
vemente voltario ao gremio da ordim esses des-
mirados que erradamente anda se coiiscrvam
dclle afastados.
Aproveilo a opportunidade para participar a V.
Ex. que esta provincia contina tranquilla.
Dos guarde a V. Ex. Cidado do Desterro, em 30do
Janeiro de 1819.Illm. e Exm. Sr. Manoel Vieira Tos-
la, presidente da provincia do Pernambuco. O vi-
ce-presidente, Severo Amorim do Vale.
Illm. e Exm. Sr. Tenlioa honra de participar
T. Etc. que esta provincia goza de tranquillidade.
Dos guan a V Exc. Palacio d governo da pro-
vincia de Minas-Ceraes, 13 de fevereiro de 1849. --
Illm. e Exm Sr. desembargador Manoel Vieira Tos-
a, presidenta da provincia de Pernan buco. -- O pre-
sidente, Jos Ildefonso de Suuza Hamos.
Illm. e Exm. Sr. Teuho a honra de communicar
a V. Exc. que esta provincia seaclta em tranquilli-
dade.
Dos guarde a V. Exo. Palacio do governo da Ra-
bia, 7 de marco de 1849. Illm. e Exm. Sr. presi-
dente da provincia de Pernambuco. -- Francisco Cun-
calves Uartins.
Appellante, Manoel Figueiroa de Faria ; appellado,
Francisco Alves da Cunta.
A appelUeo crime em quo silo:
Appellante, ojuizo; appellado, Manoel (ornes da Ko-.
RevisSes.
cha Gaviao.
Passaram do Sr. desembargador Ponceao Sr. des
embargado? Raiios as sppcaccs civeis em que
sao .'
Illm. e Fxm. Sr. Tenho a honra de communicar
V Exc. que esta provincia se acha emiaz.
Deps guarde a V. Exc. Palacio do governo f> *la-
cei, lude marco d 1849. Illm. eExm. SfTdcs-
embargador Manoel Vieira Tosa, presidente da pro-
vincia do Pernambuco. O piosidente, Antonio Ku-
ncl de A guiar.
TRIBUNAL DA RELACAO.
SESSAO EM 6 DE MARgb DE 1849.
l'HKSIIiKSCIA DO BXM. SSS. COKCBLBEIIIO A/Hlliu,
A's horas do coslumc, achando-se prsenles os
Srs, desembargadoresPoncc, Ramos, Villares. Leflo,
Souza e Rabello, faltando com causa os Srs desem-
bargadores Bastos e Ayres; abro-sc a sesslo.
Decises.
Foi concedido, maudandu se ouviroehefe de po-
lica, O habeos corpas do Manuel da Silva Neves.
Mas appcllacGcs civeis dojuizo da fazenda em que
silo :
Appellada, D.Antonia Vieira Dantas. Foi confir-
mada a sentenca.
Appellado, Manoel Joaquim do Reg Albuquerque.
Foi reformada a sentencia.
Appellante, Jos Joaquim da Silva Maya ; appellado,
Antonio Ignacio da Roza. Fram recolados os
embargos do appellanlu.
Appellante, Joan do llego Barros Acciole ; appella-
do, l.uiz deSa Teixeira l.ima. Foi julgado nul-
lo o processo.
Appellante, Lourenco Jos das Neves; appellado,
Me. Calmont & Companhia. Foi confirmada a
sentenca.
Appellante, Francisco Jos Barbota ; appellado, An-
tonio Gomes Villar. Foi a sentenca confirmada.
Appella ules, os administradores da cusa Jallida de
Francisco Jos.- da Cosa ; appellado, Joflo Vieira da
Cunta. Foi confirmada a sentenca.
Appellante, ojuizo ; appellado, Joo Uaptista Gue-
des. -- Mandou-se ouvir o curador geral e ao Sr.
desembargador procurador da cora e fazenda.
Appellanles, os administradores do patrimonio dos
ui pliaos desta cidade ; appellado, o padre Francis-
co Sabino. -- JulgoM-se a habiliUcilo.
Appellantes, os hordeiros do Francisco Jos da Cos-
a (imarilos; appellado, Jos Joaquim Be/erra
Cnvalcante.
Appellante, Jos C\ prianno da Silva ; appellado, Jo-
s Antonio de Oliveira.
Passaram do Sr. desembargador Hamos aoSr. des-
embargador Villares as appcllac,Aes civeis em que
s1o: ._^,_
Appellante, Conga I o Jorge da Costa ; appellado, Mi-
guel Gomes de Souza.
Appellante, Slanoel Figueiroa de Faria; appellado,
Fiancisco Alves da Cunta.
Appellante, Daniel Creen ; appellado, Carrcl Eller
Kamp.
A appellaclo crime em ques.lo;
Appellanle, ojuizo da romaira de Sobral; appolla-
do Vicente tencua do Nascimcnlo.
Passaram do Rr. desembargador Villares ao Sr.
desembargador Lefio as appellacOes civeis em )ue
silo: *.
Appellante, Joflo Vieira da Cunlia; appellado, Fran-
cisco Jos da Costa.
Appellante, ojuizo ; appellado*, Anastacio Rbeiro
de Jess e nulros.
Appellante, Vicente Alves Ijnliares ; appellado, Ma-
noel Pinto Urandio.
A ppi 11 .rite, o na | or Francisco Jos de Mello ; appel-
lada, Francisca Anglica do Sacramento.
Appellantes, Jos Rodrigues dos Santos e sua mu-
Iher ; appellado, joaquim Nunes de Magalh:le.s.
Appellante, Joaquim Francisco de Mello Cavalcanle;
appellado, Ma noel Elias de Moura.
Passaram do Sr. desembargador Leilo ao Sr. des-
embargador Souza as appellac,fes civeis cm que
s.lo :
CAMBIOS NO DA 12 DE MARCO.
Sobre Londres a 27 d. por I /t 00 rs. a 60 das.
Pars
TJaboa lf,8 por cenlo de premio.
Hio-dc-Jaiicro ao par.
Desc. de leu. de hoas firma* a l'/t % ao mez.
Arciles da oonip. deBeheribe, a50jf rs. ao p.
(Juro.tincas bespanhnl-is. Sfl/TMiO a 30/5W
Mocdaa de 6X00 v. 17^100 a 17/i(X'
. d8*400u. 16/OO a VffW
de 4/000.... 9/200 a 9/401'
Pra(a-Patac<1es brasileiros 1/180 a 2/0O0
Petos coluinuarloa. 1/080 a 2/000
Ditoaniealcanoa..... 1/900 a 1/920
uco.
PENAMBUC0.
A' memoria do bravo* pitIcim ciiltw o
< inpii l;i nviiindn nacional c inipi rlal.
riillrrlilnsrm Irfrsn do flirono i
i n 11" i'iiloile lio i ni |M lio. lili II
2 de fevrrclro do 18*l.
EPICEDIO.
A' maams, em soluc? sos soguintes quesitos
do scu oflicio deSldejullio ultimo : I., ae um em-
pregado dereparlicHo cxlinein aposentado, que foi
collectoresa aclis nlcancadn, pode mandar deseon-
lar para o abono do alcance alguma parte do seu
ordenado; ou se todo ; 2., se pode proceder da mes-
n.a mane ira a respeitodo um olllcial deprimeira lr-
nlia reformado, que iaualmenle, sendo coileclor, est
alcancado : re.-ponde-s negalivameiile a ambos
a Appellante, o guardio do convento Je hao-Frahos-
co ; appellada, a fazetida publica. Manduu-se
ouvir ao Sr. desembargador procurador da cora.
No recurso crime do juizo de direto da cidado de
Amia em que lie :
Recrreme, Paulino Jos Cuimares Confirma-
. ram a pronuncia classiUcaudo o delicio no artigo
129 do cdigo criminal.
Assagnou-seo primeiro dia de sesso para julga-
mento das appellacOes civeis em que sao ; ,
Appellante, Jos l.uiz de Caldas l.ins; appellado,
cllfs, porque, sendo prohibido por diieilo-fazer pe- Joflo BapUata Paes Brrelo.
nlioras e execuces om sidos militares e oidena- Appellantra. Amador de Araujo l'essoa de Mello c ou-
dos, eemolumentos de oonpragados de juslica ou I tos; appellado, Jos Luiz Innocencia Pogge.
Appellante, Joaquim Jos do Nascimento; appella-
do, Kllippa Lucas da Cunda Lima.
Appellante, Manoel Jos Coiiralves ; appellado, Ma-
noel deMedeiros Muniz.
A-ppellaule, Joanna Ferreira deliues; appellado, A-
[latulre da Conceiclo.
Appe'llanle, Jos Cbixis de Moraes ; appellada, I).
Maria Joaquina l.ins.
Appellante, Francisco Leocadio Vieira ; appellado,
Antonio Joaquim de Alrneida Cuedcs Alcanforado.
A appellac;ilo crime em que silo
Appellante, o juizo; appellado, Jos Anlonio Mo-
re ira.
Passaram do Sr. desembargador Souza ao Sr. des-
embargador Rabello as appellacAea civeis em que
silo :
Appellante, Jo3o Porfirio da Malta; appellado, Jos
Antonio de llanos.
Appellante, a fazenda nacional das Alagas ; appel-
lado, Uallu us do Araujo Caldas Checheo.
Appellante, Joo do Sa Leilio ; appellado, JofiO Edu-
ardo Chardon.
Appcllanle, Juliflo Beranger; appellado, Jos Anto-
nio Louicuco.
Appcllanle, Marcos de Souza Soares; appellado, o
juizo crime.
Passaram do Sr. desembargador Itabello ao Sr.
desembargador Ponce as appellacOes civeis em que
silo :
Appcllanle, Antonio PeJro do Mendonca Corle Real;
appellada, Mara Candida.deMagalhles.
Appcllanle, Rita Maria do S Andrado; appellado,
Antonio Jos do Mello.
Appellante, Jos Lazary ; appellado, Jos Thomaz de
Campos Quaresma.
Appellante, Joaquim Jos deSant'Anna; appellado,
Joao de Alleni.lo CSIieiroS.
Dislribuiciies.
Ao Sr, desembargador Itabello a appellaclo critnc
do jury da villa de San-Bernardo em que s3o :
Appellante, Florencio da Silva Bind; appellada, a
juslica.
AoSr. desembargador Ponce a appellaco crime
do jury do Sobral em que sao :
Apoellanle, ojuizo; appellado, Domingos Alves de
Moraes.
AoSr. desembargador llamos o recurso crime do
juizo de direto do Aracaly em que sao
llecorrente, o juizo ; recorrido, Ceraldo Corris
Lima.
Ao Sr. desembargador l.eilu a appellaclo civel
desta cidade em que sflo :
Appellante, Vicente Cerdoso Ayres; appellada, Ali-
na Joaquina de Alrneida.
Ao Sr. desembargador Souza a appellacau civol
di cidade da Parahiba em que silo :
Appellante, Joo de Mello Azedo ; appellado, Maiwj;
Mara Carueiro da Cunta.
Levantou-so a sesslo s duas horas e moia.
Ambic-lo, devorante tempestade,
Que usflOreaquebrasda existencia d'homens!
Ambic-lo, pnzadello tormentoso,
Que os loados da rasflo em sonho a togas,
Que s.'i consenlcs que disperte t|uando,
tem do abysmo no fundo, ollia c contempla
No cimo ah! mili no ciinoa rir as beras
Donde fra mal dVlla!despenhada!
Ambicio, torvo delirar de cortos,
Venenosa serpenle quecspeilacas
Ceios do coracias, o os r s, 0 os tragasl
Ainbiciio...quando...Oh'quaniloein mente de boiiiens,
Deixaras do oniounliar sceptro do fdgo,
Sccplro de. mal ln,ao, ijueem nossasalmas
Enfeza, sueca, c mirra muito gormen
Do aeces de gloria a nos, e d'lionra patria.'....
Ouaudo a la torrente assoladiVa
Cessar do arrojar a paz consigo,
E a dita das nacScs, e o bem dos poyos!1....
Aiiibicilo, nial funesto, irreparavel,
Uue nasces junto a nos e junto acabas
Comnosco ropousando em mesma campa ;
Ambic&o, que te ajudas da irmii d'aruias
Da avareza, cruel, insaciavol,
Por levares ao cabo em leus privados
A perda do seu coran n'este mundo,
E no nutro.... a do espirito excedente
Que Ihos Dos emprestara na existencia,
Ai da Ierra! ai de nos. S'entre humanos
NSo aponliissein algunaalgu/is tao raros
Como flor, vecejando d'operanga
Em meo das ateas do desello,
(lu como grala fonln que escorrega
Em rocha calcinada por sol d'Africa .
Oue sob os pos inetendo vis ulereases
E ambicOes e lionrarias se volassem
loteiros todoa-a>J-4)em-cslar da patria
E por lirilliaule va atapetada
Das llres do triumpho se encamnhem
Aonde? .... a descansar do Eterno ao ladoi
lleioresle que a si lomaram o cargo
De cumprir das uiisses a mais sublime,
lie por estos, que nos devenios tolos
Com tristes prantos, pola drgelados,
Em torno do sepulchro-alcvaiilar-lhes
Saudosi Imrbaca, que os livree guarde, .
Dos aproches da inveja o da tnaldade
Furias iriiis que, de aspecto liorrivel,
Serpus leudo por tranca, a transa mordem -
Un por este que nos devenios todos
Dar os pezamrs patrie, quo em ver.lade
Lac uosa se licou sem ellos,
Porque n'essa eslreilcza do sepulchro
Preudem raizes de tilo grande valor
Que se arreiga uos lempos que passaram.
Cliora, vasto Brasil, chora o lamenta
listes humen* que. entre nos tae exisliram
Estes liomeus que de nos lacs se afastaram!,..
i

Sooibra fiel dos bravos que choramos,
ijue legastes exemplos de valor raro,
Mimbra illiislrc curvada sol) 0 peso
Das bnenos que le langa a patria.A patria,
Que tanta gloria a li devOMrl
Sombra leal, oh! recebe os nossos prantos,
E os prantos da nacao que so lastima
Junto a base da campa em querepousas.
Chora, vasto Brasil, chqra e lamenta !
E nos que os viincs pausar, cm nossas eras
Ah.' Saiidemo-los pelos cos entrando
Seu triumpho a lograr de Dos noseio,
Ea patria lamentemos, que os perder!
Se be possivel em curta pagina
Seus servicos prestados sem interesse
Sem interesse, paixlo quo por vassallos
Do mundo inteiroos habitantes cotila
E esses servicos, por lal arle juutos,
l'regai-os sobre a lotiza de seu tmulo....
O epilaphio ser mais digno d'ellesl!
Briguo Uouroao Becife, 2 du Biaroo de 1848.
A. Isaac.
:
UlAKlUliEPEnillillliCU'.
nrcirr, 12 bz*v* n* '*
VAFOn DO >oaTE.
O va| or raiaene, rhegado hojedos poilos do nor-
te, irouxe-nos jornaes do Para al 91 de fevereiro
ultimo ; bem como do Maranh.loale 1 do corrente,
I do Ccar at 5 c da Parahiba al .


Todas essas provincias haviam (lc.nl em paz.
Para continuara a recetor beneficios da patriti-
ca adminislraco do Exm. Sr. Jeronymo Francisco
Coelho.
S. Exc. dera novo regulamento ao corpo de caca-
dores de polica, que d'ora em fiante constar do
quatro companhias efTociivas e de urna de discipli-
na, a qual Ihe fiear addida e subjeiti ao regulamen-
to militar de linha.
S. Exc. esmerra-se principalmente em provi-
denciar a respeito das penas e castigos, que devem
de sollrur as pracas do referido corpo.
Ao passo que o Sr. Coelho tralava desl'nrte de
constituir a tropa provincial as circunstancias de
bcm poder servir, se nn esquecia da sorlo dos mi-
seros operarios que, organisados ein corpnt de traba-
/hadares, como que estavam sendo maltratados pe-
los respectivos commandantes.
Lmolticio do 6 de .fevereir., estranhra S, Exc.
esses uiaos tratos ao rom mandan te militar de Sanla-
rm; fizera-o responsavcl pela continua cito do seme-
Ihanle abuso; declarar-lhe, emlim, que se oceu-
pnva da confeccilode um regulamento cujas disposi-
ciies potiam os desditosos operarios ao abrigo de
futuras vexacoes, e que se acbava dispusto a proce-
der com lodo o rigor contra aquelles que nellas to-
massem parte.
Orendimento da alfandega e da mesa do consula-
do paraense, em o mez de Janeiro prximo passado,
montura a 34:4^9,711 ;o da recebedoria de rendas
internas a 3:116,179; o da recebedoria das rendas
provinciaes a 12.723,331.
A tn dedezembro do anno prximo lindo, Marcel
lino Jos de Andrade, que apenas conla 17 .unios de
idade, o cujas feices silo um pouco seductoras,
roubra em Inbangapy a casa do proprio cunhado,
o cidadito Carlos Gemaque de l.ameira, em occasiflo
em que estesahra com a mnlher para a roe, dei-
xando a casa fechada, e vigiada exteriormente por
um sobrinbo de nomo Victorino, menor de 8 a 9 an-
nos, a quemo tal Marrellino assassinara para poder,
maisa salvo esem lestemunlias, commeller o roubo.
O individuo que, anda na primavera dos anuos,
ostentara tamanba ferocidade, fura aprisionado c
recolhido ao quartel do corpo de polica ; mas, ao
cabo de alguna das, conseguir evadir-se disforza-
do em praca do mesmo corpo, e dispunha-se a fugir
para o serlito em urna canda onde se hmnisira,
quando foi de novo preso c posto om seguranca.
O Trtze de Maio refere quo Marcelliuo, ao res-
ponder ao juiz que o est processando, ora mostra-
se incoherente, ora ri-se desdenhosamonte, e indi-
ca indilferenca pelo resultado do processo.
Alide fevereiro, pelas 8 horas da mandila, irn-.i
ejecutada a sentenca pela qual, havia um anno,
nove mezes e vinle dias, o jury da cidade de Belm
cnnilemiira morte o pardo Nicolao, escrnvo da
naco, por ter barbaramento assassinado a Jote Mon-
tero de S c Alhuquerque.
O reo ii.lo,dera o mnimo signal de rontrcefio :"ao
contrario, morrera impenitente, e como que fazendo
alardo do crime.
Maranhfio a reconliecendo a- bellas qunldades
do Exm. Sr. Ferreira Penna ; tanto que, nlo obs-
tante o encarni^amento com que se combatem as
l'olhas que servem de echo nos dous partidos que
alii se disputam a gerencia dos negocios pblicos,
nfio vimos em nenhum dellcs uina s expressfio que
indicasse m vontado s. Ex. : antes observamos
com prazer que lodos o acalavam, e appellavam
para elle como para o juiz recto e imparcial de
quera esperam juslica. lieos o Ilumine, para que
possa conservar scmelhaiile posicSo,
Em llapicui-Merim, os domsticos do juiz de
direito Ezequiel Kranoo do S propinaram-lhe ve-
neno, lii'in como sele pessoas da familia, inclu-
sive a esposa. SS. tirara em risco da vida ;e corra
que o seu filno mais velho fallecer inmediatamen-
te depois de haver comido da iguaria envenenada.
Na villa do San-Denlo, em o lugar denominado
Guarapiranga, fora brbaramente assassinado Ma-
n'oel Francisco da Peuha, vinloem companliia da
rnulherede duas innocentes lilliiulias, segundo no-
ticia o Obitrvador em seu n. 89.
A 7 do passado, Ignacio de I.oyla Hibeiro assas-
sinara, lentro de sua casa com 18 facadas, a Mauoul
Joaquim Itibeiro Bitlancourt.--Consummado o ho-
micidio, llbciro arrastrara para o quinlal o cadver
da vctima e evadra-so.
Ao referir ete fado, o correspondente do peri-
dico que riimus mais cima, assevera quo a poli-
A 2t do mez citado, o cambio sobre Londres fluc-
tuava, na praca deSan-Luiz, entre 2 e 241/2 d.
por 1^000 roa.
Nlo havia lili onc/s hespanbolas e mexicanas,
nem tito pouco modas de 6,400; masappSreciam
as de 4,000, e valiam de 9,500 a 9,600.
C.ear, a julgarmos pelo que lomos em ,o orgo
do partido moderado nessa provincia, nada tnht
a queixar-seda administraijitodoSr. Fausto;
A 12 de fevereiro,- o jury da cidade da Fortaleza
absolver a Joaquim Fcrreira de Soma Jacaranda,
Manoel Bezerra de Alhuquerque e Manoel de Hollan-
da, levados barra daquelle tribunal como assas-
sinos do major Jo.lo Facundo ; condcmnndo a ga-
les perpetuas a um tal Pedro Chagas, o qual, com os
tres individuos que ficam referidos, fra aecusado
do mesmo crime que a elles se impulava.
Em Paiahiba nada occorrra de extraordinario.
Em o mez do Janeiro ultimo, a alfandoga, a mesa
do consulado e a de icndas internas'dessa provincia
renderam 20.098,133 res.
Nao concluiremos sem informar eos leitores qu
em todas as provincias de que tamos tratado a im-
prensa se mostrou jubilosa pelo triumpho que a cau-
sa da legalidade alcancra sob'e os rebeldes nesta
capital em odia 2 do fevereiro ; com excepcito ape-
nas do Cearense, o qual anda persiste na lingoagem
descomedida quo tantas vezes lhe temos notado,
mas que esperamos nlo pro.luzir o mnimo efleito,
atiento o carcter da maoriado povo que cssa fo-
lha pretende perverter, e gracas precalo cora qne
a refuta o Pedro II.
Nariol taidos-no mutuo dia.
Portos do norte; vapor brasllero SanSebaiiiao,
cniumandaiite n primeiro tenente Antonio Xavier
doNoronha Trrenlo. Alm dos passageros que
trouxe dos portos do aul para os do norte leva a
seu bordo : i a>a o Oar, Antonio da Silva ; para o
Maranhflo, Carlos Parln, J-ranco*; P"a o Para,
o primeiro ten-mted'armaira Francisco Domingos
BrteioeD. Maiialgnacia Brido eo-n urna escrava.
Copenhagem ; brigue aueco Hltda-Charlotte, capi-
lilo J. C. Heideman, carga assucar.
Baha ; barca ingleza Rambler, capitfio Henry me-
las, em lastro. ...
libas de Maitriceas; barca ingleza Amelta-Vulnot-
land, cm lastro.
Londres polo Ringle-Janeiro ; brigua nglez Safe-
guard, capilHo John &f. Caully, carga assucar,
EDITA ES.
lOMMEftCIO.
ALF/lNDliGA.
REWIMENTO DO DIA 12........... 11:713,785
fietcarregam hoj; 13 de marro.
Patacho -Loper familia.
Brigue Eliza bacalho.
Brigue Spatlon mercadorias.
Ilriguc Emma dem.
Calera Rein-Deer iilum.
Barca l.igeira farinha e feljfio.
MI'ORTACAO*.
Spartan, brigue nglez, vindode Glasgou, entrado
no roiienie me/, consignado |a Itidgway Jamisson
& C, manifeslou o seguiitc :
17 fardos e6caixus fazendas de algodfio, I2ca-
xas linbas de algodo ; a Jolinslon Palor & C
3 barricas tintas, 124 Uitas cerveja ; a Adamson
Howic & C.
luo barricas cerveja, 20 toneladas linguados de
ferio, 100 ditas Carvflo de pedra, 1 corrento e 4 an-
coras de ferro, 10 caxas cassas ; a Riclgway Ja-
missou & C. "
1 caixa fazeudas de algodo; Me Calmont & C.
COlNSULAJJO GKRAl..
RF..NDIMKNTO DO DIA 12.
Miguel Archanjo Monteirode Andrade, oficiat da im-
perial ordem da Rota, cacalleiro da de Chritto t int-
peetor da alfandeg de Ptrnambuco, por S. M. o
Imperador, que Deo$ guardt, ele.
Faz saber que no dia 15 do corrento, aomeio-dia,
e na porla d'alfan lega, se hilo de arrematar em has-
ta publica, duas caixaa com 26 pecas de sarja de se-
da no valor de 900.000 rs., 32 ilitasde tafot no va-
lor de 500 000 ri., urna dita com 21 peca de sarja de
seda no valor de 900.000 rs tu'lo impugnado pelo
guarda Jolto Manoel Ritoiro de C.outo, no despacho
por factura sb o n. 3797: sendo dla arrematacHo
unjeila a dirmtoa.
Alfandoga, 12 de marco de 1849.
Miguel Atehnjo Monltiro de Andrade.
Miguel Archanjo Monteirode Andrade, tic.
Faz saber que no dia 16 do corrente, ao meio-dia,
se hilo de arrematar cm hasta publica, na porta da
mesma, 270 duzias de cnurinhos para chapeo no va-
lor de 220,000 rs., e 6 duzias de livellus douradas
para calcas no valor de 7,000 rs., impugnadas pelo
guarda Antonio Lopes Pereira de Carvalho, no des-
pacho por factura n. 3784: sendo a arreniatacflo sub-
jeita aos dreitos.
Alfandega, 12 de marco de 1849.
Miguel Archanjo Monleiro de Andrade.
Manoel Ignacio d'Qliveira Lobo, fiscal do Recife, etc.
Faz saber aos habitantes do mesmo barro o dis-
poslo no art. 4 do titulo 3 das posturas municipaes,
cujo teor he o seguinte :
Nenhum morador I meara nem mandar lanzar
as ras ou lugares pblicos, quo nao frem para
este lim designados, iixos ou immunlices ou qual-
quer colisa que possa ineommodar, ou causar ilam'no
ao publico ; sol) pena'de 6/rs. de multa, sendo cons-
irangidos a 24 horas da pnsflo os escravos, ou cria-
dos que por ordem dos senhores ou amos o l/ereni.
Outro slm, faz saber que em cumprmonto do dis-
posto nesse artigo, a cmara municipal de>ta cidade
niarcnii por ediUl de 5 do corrente neste dilobairro
os lugares agumtes para nelles ser le too despego:
1. Em frente do Boceo-Largo encostado ao trapi-
che all existente.
. 2.' No Foile-lo-XIatto entre as prensas de Jos
Francisco Belem, ena quo est eslabelecido oabaxo
asignado.
3." Em Fra-dc-Porlas, em frente do segundo toe-'co
lailo da maie.
E rara qoe chegue ao conliecimento dos mesmos
habitantes faz o presente, quova publicado pola iin-
prensa.
Itaiiro do San-Frci-Pedio-Goncalves, 9 do marco
de 1819.
Manoel Ignacio d'Olivrra Lobo.
renda, jnsThomax Nabuco do Araujo, no Atierro-
da-Boa-Vista, vilo a prca unvo i.rmagilo e diversos
objectos perf-ncentes a loja do calcado, penhnrailos
a JofloLuiz Vianim; um eseravo avahado em 40,1.009
ris penhorado n Pedro Al^xandrlndo Gom-s;
um'outrr, difo, pardo, avahado cm 4>0,00) .is,
pei.horadu.-ado ao major F. Duarte Pereira, Os p,e-
lendeniesdirijjm-scao^oTteiro respectivo. Iteci-
cife, 12 de marco de 189.
O solicitador dos fetoi rfa razandi,
Francisco Antonio Couittiro Silto.'
T11EATUO E Al0LLO.
SABBAOO, 17 DI. MARCO DE 184.
Represenlacao extraordinaria em beneficio de ma-
dama Camoin.
Primeira representaedo de
L'ABBAYE DE SAINT CYR
drama a carcter em qualro actos e de grande espec-
tculo pelo Sr. Alexaudre Dumas.
DANCA.
Pasto h'ipanhol, (laucado pela sonhera Camoin.
1NTERVAI.L0 DE CANTO.
Grande aria italiana, cantada pela sonhera-Ale-
xaudre.
DANGA.
Novo es noslb, danzado pola seuhora Camoin.
,CANTO.
I.'- luirn o"tabelle, romance novo cantado pela
seuhora Alexaudre. .
At pequeas mlteriat da ida humana, vaudevillo
novo e jocoso em um aclo.-^*
N. R. Fica sem 'effeito o espectculo annunciadrt
para boje, 13 do crreme, por s terem de seguir as
representados de l.'.lbbeyt de Saint Cur.
3
Avisos martimos.
I.eral .........
Diversas provincias
1:665,288
161,051
1:826,339
CONSULADO PllOVINGlAL.
RENDIMENTO HO DIA 12............ 911,046
Movimcnto do Porto,
I.onlrfs; 28 dias, barc* ingleza Amelia- V/holland,
de 228 ton-dudas, CapitSu iam.-s Ledgwick, -qui-
ci. do lugar nno se dera ao trab.l.io de diligenciar }SS^:.T^^^J^ff
captura do criminoso. | quareolena.
Natiot entrados no dia 12.
Pai e mais portos intermedies 16 dias e do ultimo
porto 12 lloras, vapor brasileiro Varante, de 940
toneladas, commandanle o capitfio de fragata Ma-
nuel Francisco da Costa Peieirn, cquipagem' 30
l'assageiros : para esta provincia. Augusto Cezar
da Silva Roza, Manoel da Costa Honra Bravo, Je-
ronymo M. Fiuueira de .Mello rom 1 eseravo, Jos
Su'meo com 1 eseravo, Joito Lilis dos Santos, Juan
' de Albuqoerque Maranhtocom 2 escravos, Fran-
cisco Frrieira de Novaos, Victorino Peieiri Maya
com 1 eseravo, Antonio Vicetto de Magallifies, |)r,
Clu ispim Antonio do Miranda, n tenente Manttel
ClaudinodeOliveir C'uz, o primeiro cadete Ma-
ximiauo Franciseo Imane, 24 pracas d pret n 1
oeserlor du sexto batnlho de cacadores ; para a
11 ilna, ltymund Nonato Nones Belford com um
eseravo, para o Itio-.ie-Jaiieiro, Joaquim Antonio
de Ohveiia, o tonento iniiocencio Jo^ Cavnlcanle
de Alhuquerque, i soldado, 14 i cernas e 13 escra-
vos a enli egar.
Gersey ; 40 -lias, brigue nglez Stelfi, de 195 tonela-
das, capitfio llil.iry Marguand, equipagem 11, em
lastro ; a Le Bretn Scliramm & Coinpanhia.
Rio-de-Janeiro; 25 das, brigue brasileiro Aurora,
de 107 toneladas, caello Joaquim Jos Martina,
cquipagem II, rargacarne; a Joo Francisco da
Cruz.
Manoel Ignacio d'Oliveira Lnbo,fitcaldo bairro de S.-
Frei- Pedro-Gonralvet em virtude da le.
Faz publico, as disposicOes dos aitigos 6, 7, 8, 9,
11, 12, 13, 14 e 15 do titulo 9 das posturas muui-
cipaea cujos artigos vilo transcriptos abaixo.
Art. 6." Ninguem, a cavullo, poder galopar, ou
correr pelas roas e pooles da cidade, excepto as or-
denanzas montadas, olliciaes, e soldados em servi-
co, siM pena de pagarem 8/000 do multa.
Art. 7." Nenhum carro sera conduzido a correr
mis pooles ; os cavallos uo a pequeo trote ; e as
ras nao pdenlo ir a galope : os infractores scrilo
multados em 6#000 r.s.
Art. 8." Nenhum carro deixar de trazer luzes
noilo : os infractores sorfio. stibjeitos as penas do ar-
tigo antecedente.
Art. 9. as ras ou lugares da cidade onde houver
lama ouagoa empossada, os cavalleiros uo a pas-
so : os infractores serflo multados em 6/ rs.
Art. II. He prohibido cusinar cavallos destinados
para a coudnccflo de carros dentro da cidade : os in-
fractores serflo multados em 12/ rs.
Art. 12. lie prohibido que as ras e dianto das eo-
clieias d'alugel su lavem c-uros, devendo islopier fo-
to ou em quiulaes ou dentro doseslabelecimenlos :
os infractores serflo multados em 2/ rs. por cada
carro.
Ail. 13. Sobre ospasseios ninguem po lera carre-
;;ai fardos, caixcs, palanquilla uu ouira qualquer
cousa quo por seu volme possa ineommodar os
que por elles trauailam : OS infractores solli.iflo a
pena de 2000 rs. de mulla, qur sejam livres, qur
escravos.
Art. 14. Ninguem poder andar a cavallo sobre
os passeios : os infractores pagarflo 5g000 rs. de
multa.
Art. 1$. Todos os lotes ou combois de animaes so-
rilo conduzidos n pusaii, e atados uns airas dos un-
iros, levados pelo meio das ras at o lugar do seu
declino ; e, apenas se 11 ver. feito a descarga ou o np
vocarroganieuto, serio reconduzidos para lora pela
ii esma maiieira : os infiaeloies.serflo multados em
1/000.
E para que lenham a devida execurflo pelas pessoas
a qiiem locar faz o presente.
Barrio do Recife, 7 de marco de 1849.
O liacal, Manoel Ignacio ttioeira Lobo.
Para o Rio-de-Janeiro sabe imprelerivelmen-
te sabbado, 17 do corrente o patacho nacional Ku-
terpe capitfio Manoel Luiz dos Santos: so recebe
mudezas, escravos a fretc epassagoiros, para o quo
tem excellentes commodos: tra-so com Luiz Jos da
S Araujo, na ra da Cruz, n. 13.
o patacho S.-Jodo-Vencedor segu para o Rio-
de-Janeiro, no dia 15 do Crrente: recebe passagei-
ros, eoseravos a freto : os pretendentes dirjam-se
ao seu consignatario, Francisco Alves da Cunta,
na ruadoVigario, n. 11.
-- Para o Bio-de-Janoiro segu com toda a bre-
vidade o brigue brasileiro S.-Jot : para carga e pas-
sageiros trata-secom Caudillo Agoslinho de Bar-
hros na pracinha do Corno-Santo, n 66, ou com ca-
pilflo, Jos llamos desonza, a bordo do dito brigue.
Vende-se o hiale b'lor-do-Rtcife, de loto de 34 to-
neladas, pregado e forrado de cobre, o prompto a se-
guir viagom : quem o pretender, dirija-s a ra do
Vgario, n 5.
Para a Iha de San-Miguel pret*n le ahir, com
muita brevidade.a polaca nacional Socieaade-Filiz :
quem nella quizar carregar, oo ir de passagem, di-
rija-sea ruadoVigario, n 8, a tratar com Jofio Ta-
vares f.ordeiro.
Vende-se o bricue dohomindo Algrete, forra-
do de cubre e prompto de todos os seus perlences
para navegar: quem o pretenjer, para examinar,
pode ir a .bordo, o qual se acha fundidlo d-fionte do
caes do Collegio, e para Halar-se, na ra da Cadcia,
n. 39, com Amorim I1 nios.
Para Lisboa pretendo sabir, no dia 24 do corren-
te, o brigue portuguez Novo-Venctder, por ter a
maior parle da carga prompl: para o resto e pas-
sageiros, para o que lein os mais asseiados commo-
dos, trata-se com os consignatarios, Thomaz de
Aquiuo Fonseca & Filho, ou com o capitfio Antonio
Jos dos Santos Lapa na praca doCommercio.
Vende-se o veleiro hiato Paquelede-Maroim,
novo, de 98 toneladas, com dous bous escravos
mariuheiros: quem o pretender dirjase, para o
examinar horio, ancorado em frente da poule ,
na aniarracflo da carne secca, e para ajuste, na ra
da Cruz, n. 3.
Para o MaranbSo e Para segu com a maior
brevidade possivelo patacho Jottna, eapilfio Jos
Mara da Silva Porto : para carga e passageiros oiie-
rece excedentes commodos : os pretendentes tratero
com o consignatario na ra do Trapiche, n 44, ou
com o capitfio na praca. .
Para o Rio-Grande-do-Sul seguir breve o nri-
gue Carlot.fftr ter parle de sen carregameaito : anda
recebe alguma carga, escravos e passageros : quem
pretender |de" eiiteuder-se com Amorim Irinflos ,
ra da Cadeia, n. 39.
Para a Baha sahe com brevidade o luale .-
Anlanio-fencedor por ter mais da melada da carga
engajada: para o reslo e passageros, trata-so lom
Joo Francisco da Cruz, na ra de Cruz u. 3.
Para O'Kio-de-Janeiro sahe com multa brevi-
dade, por ter parte de sua carga prouipta o patacho
usconal Buterpe : para o reatante da carga escra-
vos a frete e passageros pera o que tem exfolen-
les commodos, trata-so com Luiz Jos da S Araujo,
na roa ila Ciu, li. 33.
M
Declara^des.
JCIZO DOS FRITOS DA F A/EN DA.
AS 4 horas da tarde do dia 13 do correte marco,
i porta da residencia do doutor juiz dos feilos da fa-
Leiles.
- Jones Patn & C. fardo leUo, por nter*enc_fio
do conctor Oliveira, de grande sorlinujnto de !-
zemas inglezas, principalmente de pannos, e ou-
Iros iHToprios parea actual quaresma : boje, 13 no
corrente, 10 lloras da manbfla, no seu armMein,
ra do Piapiche-Novo. l.r,.,.
- M S. Mawson leudo de retirar-so oarelBi;,ler
ra pela galera Raindeer, f.ra lc.lfio ^ *'_.",.^y ,
tilia pratas e mais objectos de sua caaa '"^"'V
um lindo e bem conliecido piano , '
3l,pimeiroaiidar,noUq-e: snu *
----------. ,. * ^=^=
Avisos ^iTersos.
-Miguel Archanjo de Figueiredo embarca para o
Rio-de-Janeiro o bou eseravo Laureiilino_
.-(.abrel deCaslio, po,r haver outro de igual no-
me, d'ora em dianle se assiguara jpor Gabriel Anto-
nio de Castro Quintaos.
S LCT/MVjri



Sm
-CaspardaSilva Froes.lendo de dosvanpcer cortas
bnolns desagradavis u circula* a respeito dn
un injusta prisfln ,|.. iffreu, no lia 8do cren-
la me?, lo marijn, vai por este cnncotuado jornal
f;i/or publico de lo lo o ocomita, e mostrar que. o
aiinuncnntfl hu milito roarjeilsitar das tais, e nao
poznra pin cerro eitm-fdrea arma la a vonda d> um
l'orlugtiez, n. milito menos ter espancado, e arbitra-
riamente pren.li.ln esle. romo pSSOs, y I vez '10-
saf-ctas lo.nqitanciaute, leen fallo circular.
No dia 5 lo correte, han-ta-ma om n,,n"? ca,!l
vier.m narlicipar-m qoe m Portng.mz cajxeiro em
urna vends esUvaesimncandocnm urna acha ilolo-
uha urna escrava minha : imnio lintamenle me din-
ei a tal vo^li. o com pal-vras nflo .tacintes, dfssa
o nvu fessentimenlo ao til Portuguoz; e. queremlo
eu fazer vistoria na mijha escrava, pon Sa actiav*
oiiilnoi plo'corpo feriJa Invntente em un po,
mandei chamar o inspector daquelln quarteirflo po-
duas vezes, o qual Isso se npgou, dizendo e*tar oc-
cupido ; e como nestn occasiflo principava a ajuu-
lar algum povo, veio um sola lo sabor que adjunto
cu aqun,: fondo a negligencia do Inspector desse
lugar, diriiii-me a oulro do quarteiro mais prxi-
mo, que', alta obstante eslar incommodado, nflo so
negnu a esl* aclo, neo npaolian lo-me tal venia,
ondo encontramos o dono, pessoa de quem linlia co-
iHieciinonto : esto pedio-mo para nflo prospguir ;
iimi ao si'u pedido; e, como se achava algum povo
reunido, o soldado que anda all so acluva, Iratou
de .sperM-lo. Eis (Ielmnnte o occorrdo.
No da 8 do correte,estando eu com mais algnmas
nessoas na casa de negocio do Sr. Pniva, dirigio-se
a mim o inspector, o Sr Machado, o particularmen-'
te me deu voz de preso a orilem do Sr. fio"; chefd de
polica nflo saliendo qital fdsse o motivo de sonie-
limle pfisflo, pols os med principios da ordem,
a i hesito ao governo. respeito as Icis, e escudado
com 0 artigo da ronstituieflo 179 9, julguei estar
ao abrigo de alguma sorpreza. e mesmo quandose
tentisse qual |uer calumnia contra mim, nflo se me
privasse da lllierdade sem culpa formada. Sendo a
p silo que me era destinada a cadeia ; fiz veraoSr.
inspector ser eu ofllcial da guarda nacional, nflo
sendojustmettrem-moem umcallaliouco.havoiido
out'HS prisoes mais proi>rias para isso : annuio ao
n..'u pedido, nilo polas rasas que oxpon li, mas sen-
do o Sr. Machado uina pessoa bem educada, e co-
nliecendo-me, levou-me ao estado maior do corpo
de policia, favor eslo que reeonheco.
No dia seguinte a mjnlii prisflo, veio o ilono da tal
venda vr-me, e ofiereceu-se para interceder por
mim ao Sr. l)r. cltefe de policia, pois soubera ter
sidoeu preso, em consequoncu do ocqorri.lo na sua
ven la ; de dianeie* alguma quiz aceitar este seu of-
fcrecimoulq. Ddsejava muilo a minha liherdade.
mas por uutros ineios : requer ao Sr. I)r. cltefe de
policia o htolivo pelo'' qual eu me acliava pre.-o; e
soubo entilo que se me havia imputado ter eu pedi-
do no estado-maior soldados de policia, e com elles
ter posto en cerco a casa de um Portuguoz. Com a
respjsta da carta que dirig ao mesmo l'ortugucz, e
oaiirstado doolllcial que eteve de estado, provo a
falsidadeeperwrsidade de alguem, quo, nflo poden-
do por uniros meios ni anchar a minha reputaclo,
procura com Calumniasdosconceituar-me na opiniilo
publica.
Gaspar da Silva Froei.
tlllm. Sr. Gaspar da SJlcq Frou.Tonho a respon-
der a soa carta que em dia desta semana chogou-me
a noticia que na minha (averna havia um adjunto,
fui logo a ella e encontrei na porta um soldado e
alnum novo dentro, entretanto chegou V S. ci.m o
inspector Machado por o ter ido V. S. mesmo cha-
mar; mas presentamos rasos de parte a parle que
ludo (Icuu em nada: he o que lenho a dizer a V. S.,
poisque sou com estima do V. S. atiento venerador.
Jote Fernanda Firas.
tllkn.' Sr. Tenboa informara V. S. que, durante
as viole quairo Horas do mcu eslado-maior, nflo
preatei frtrea alguna. II jo que teulto a informara
V. S. Quariel do corpo de polica. 10 do marco de
1849 --Antonio dt Albiquerque Maranhjo, comman-
dante.
Quem o propozer a fornecer caom par,a dous
esvahos, trasmita diariamente porta dii'ija-se a
ruado Hospicio, n 9. /
lima prola que tem muilo e hom loite, se oflV-
reco para criar : quem precisar, dirija-sc l'ontc-Ve-
llia n. 8.
--Af..ram-se terrenos com com bastante fun lo ,
no sitio do Hospicio ja com as ras demarcadas;
os prclnndeiites dirija m-so ao mesmo sitio a fal-
lar com JofluOzorio de Castro Maciel Monteiro.
Aluga-se iim sobrado com muilos commodos
para fimilia, no sitio graodo da Sotedade, do Sur.
Ileirulano Alvc da Silva : tratar no mes.nu
silio
Quem livrr um prcto moco de boa conducta ,
robusto i?som vicios, queo-queira negociar, ap-
pareca na ra do Queimidii, u 17, segundo andar,
que se pagar generosamente.
"I'recisa-sude'um anta de loite ,>prcferindo-s
captiva : na roa da Assumpefio, defronte do muro
da l'nutia, ii. 36, segundo andar,
Lino Jos de Castro Araujo previno ao publico
queningueiu fiiQ negocio, ou transaci;flo alguma,
com urna lttra de um cont do l.is, aceita pelo an-
niinciaiile a l.niz de Kranca Itibcim fiamos, a qual
ixisle iraspassada friudulentaiiirnte a l.uiz de Oh
vein l.im; pois que, se;: lo o dito l.uiz do Franca
devedurMn malor quantia a aiiuuncianle por fal-
la .ie ajuste de couta's' a .que dito l.uiz de Tranca so
havia negado conserva dita leltra em sou poder;
a vista puis o aiiuunriaot! protesta a nflo pagar em
inflo do nuco, uuer quo olla eileja para o (jue u rde lodos os uils'quoeslivereiii ao seu alcance,
urna vez que se cha munido do documentos para
scmelbante tm.
'toflo Cardozo Ayros embarca para o ilio-de-J.i-
noiro a se eacrav'a parda de 20 annos.
A' pess*a que rcspond^upelu irmacid'de do SS.
acramenlo de S-Anioiiio di/.-se-lhe que.se os
netos da semana-sania nflo.so .le obrigaeflo da ir-
man.lade, alo dos irmflus que conipo-m a mesa;
portante, lio do ilever laZe-lo*, S nao OCCUparem
tres ciiigo, edeixanun pura lodo, sulvo sp irmail-
daife esta tilo falta Je Irmfloa que bu preciso que O
que deix.Tti lugar .le tliosouiviro passe para escrivflo
eo de ju>z para oulro comanlo que sompre sejain,
os mrsmos. I'ergunla-se a ii nnnaile um que su con-
sumiram os rondunenlos recebidos no (lu do anuo
passado que diz-so munlaraiu a treaconlosde ra. |
|ior iiuanlo as obras estflo no mesmo p. Uuanioao
espoii.lento nio >ia pallias a bestas ,o acredilamo
do boamenle, pois upen as Ihe dietario para come-la;
assim nflo cugula elle algum lijlo e cal misturada
em fdlias do oos, c regada com o sanguc de al-
gu* legalista a quem traicoeirainenle fe/, rogo
Se responder, mais dir 0 irm dapanditha.
Osabaixo assignadoi, scientincam ao respe"*"
Velnuhlico.e muilo principalmente a to las as pesso-
s qno teom penhores de ouro em si"ii po I6r, por U-
zndascompraiasa casa, nsqnedeve-n vlr lirar m-
pretTivelmen'te.da data rloalea 30 diaa.dpvpnrlo pod-
anlo vir municiatns da quanlia que se jolenrom ''e-
vedores da prine'pal e juros, conforme aliaixo passa-
insa declarar os seus debites tanto de principal co-
nt iIo jurosjeertos de quo,lindo dito prazn.nSt com-
pilt'CClldo, >ri,"i, VcPiMiuo pn' pag*MlfovO, llC.*!?rt
a inda suhjeitos sosal I i que faltar para dito liqnl la-
mento, e se algom dos ditas penhor.'S tiver algum
saldo k favor, promptamente se Ule entregar :
Marciana Rita Pacheco, moradora em Nazareth,
23.820, juros 25.780, que faz ludo 48.540 ris : Jola
Flix,da Silva Lobato, 35,C20 ris, prilicipal e juros,
[iQora na ci.Ude da Victoria; Theolonia Maria da
Ooncicflo da rilado de Olinla, 32,190 ris, princi-
pal o juros; Maria Francisca da Paz", nasta praca,
30.920, principal e juros ; J >anna Maria Baptista da
Coucoicflo, 19,880 ris, nestapraca; Theo lora Ma-
ria da Boa Morle, da ci lado da Victoria, 11,920 ris.
de principal e (uros; Manool do llarros, de princi-
pal o joros 7,500 lis. Pernanibuco, 13 de marco
de 1819.
Victorino Guimnrti.
Caelano Tavares Bruno relira-se para fra ilo
imperio.
Caelano Silverioda Silva embarca para o Rio-
i le -Janeiro o seu escravo Gaspar.
Precisa-se de um feitor% para um sitio perto
dosla praca : ua ra de S -Amaro, u. 8.
-- Aluga-se a propriedalo do cas de tres anda-
res, na/ua Jo Viario, n. 23, onde mnram os Ss.
ilusscll Mellors & C t a tratar como seu proprietario,
na ra do Quemado, n. 20.
Antonio Alves de Miranda Cuimarfles embarca
para o llio-de-Janeiro a sua escrayit ;cabra; de nome
Josefa.
Oabaixo assignado deixou do ser caixeiro do
Sr. Candido Alberto Sodrc da Molla, desde o dia 11
do cor. ente.
Domingo* lote de Amorim .
Precisa-se de um hoinem de idade para lomar
conta de um silio porto desta prara, e que trabalho
no mesmo silio ; na ra do Caldireiro, n. 48.
Aluga-se una grande piara, sita na ra do
Cotovello, a qual foi i> finado Jos Antonio Alves da
Silva: quem pretender(di-rija-sea^rua da Alegria,
casa, n. 34: un inesma casa, venJe-se um cavullo
alasflo,
ATTENCAO !.
Arrenda-sc um sitio, bastante grande, perto desta
praca meia legua,sendo estos inargom do rio C.api-
baribe. leudo 3baixas, una ja plantada decapnn e
as mais por plantar, Ierren duvoluto para oulras
lavouras : tambem da-seai urna pessoa capaz para
plantare tratar do que existe do melacflo, leudo pa-
ra isio escravos para manejo do mesmu : tambem se
nluga uina canoa de carreira : quem pretender, di-
rija-se ao boliquim da Esperanca, na ra a Senzal-
la-Velha, n. 126, onde tambem se aluga uina canoa
de1 Carreira.
Aluga-se a venda da esquina da ra do Caldi-
reiro com armaeflo para inolhados, por mdico
aluguel a qual be ptima pira quom quizer princi-
piar : nu praca da Independencia, livraria ns. 6 o 8.
*f ##* ?##
) Na galpria de daguerrolypo do artista GuiUter- '*9
9 me Frederico Walt.-r. na roa da Ca.lcia e S.- 0
9) Antonio, n. 26, terceirn ndar.",lirani se reir- m
m tos muilo superores.pela nvencBo de nagucr-
i rer, tanto om fumo como coloridos das 7 J
m horas da manhSa s5da larde; afflrmanlo-se
<* e garantindo-se lauto a durabilidade das c- m
res como a i orfeila semelhanqa.
9, As pessoas que so dignarem TavorcciVlo din- V
m jam-se casa cima mencionada. 9
m O auiiunciaiite previno ao respeitnvel pnbl-
9 co, quo pretende demorar-se muito pouco 9
ik lempo ncsla capital, por isso previno a qual- &
9 quor possoa que precisar de seu retrato mu- 9
9 lo fiel, ou qualquer pintura copiada, que ap- 9
9i pareca aules do lu do moz, em casa du sua 9
100,000 ris Je Rratificacflo a quem deseobrir
dous escravos furtados do li-lheiro da rostU';So rio
Franca & Irrhflo, ua praia de S.-Riln, na noile de
quarta-feira 21 do coirenlo feveroiro, ambos de na-
eflo llenguela, e meo bucaes, com os segui ntes Big-
uaes : Manool, alto, magro, rosto redondo e peque-
no, sr al'-gre, pese mflos pequeos, canillas linas,
representa 25 annosdo idade, levou vestido camisa
o calca de'riscado do algodiiozinho, foi vaecinado lia
poucos lias; eJoflo, tambem alto, porm monos
que o oulro, grossura do corpo correspondente ha
altura, rosto sobre o comprido, tesla larga o arram-
pada, pos grandes, lowoiclos ochados, venlcr
bastante saliente, falla um poueo fanhosa, repre-
senta 35 annos de idade; tambem foi vaecinado bi
poneos das, levou vestido camisa de algodSozmho
riscado e caifa de algodflo azul i quem os appre-
bonder, ou delles dr nolicia certa, recebera loo/
ris do gralificacflo, na ra do S.-llita, n. 85.
Fabrica de Todos-os-Santos
Firmuo Jos Flix da Boza, com escriplono na
ra do Trapiche, 0. 44 visa aos seus Ireguezes que
acaba de receber pe* escuna !' novo sorti-
menlodoesccllente panno de algodfln entrar.cdo
dnquella rabrica. ptimo para ensaccar assucar e
para roupa de escravos. O annunciaiite coula que,
aludida razeinla, o desojo do animar o desenvol-
vimenlode urna fabrica inteiramenle nacional, pro-
mover o promplo consumo da sua receila.
No paleo da matriz de S.-Auloi.io, sobrado n.
4, liram-se passaporles para dentro e fora do impe-
rio assim como para ascravos o correm-se rolhas :
lulo por prego commodo.
Aluga-so a loja.do sobrado n. 5 do Aterro-ua-
Boa-Vista ptima para todo o genero do nogoclo ,
pela sua oxcellenlelocalidado: a tratar no mesmo
sobrado, a qualquer hora do dia onde tambem se
Tara negocio com a rmacBo envidracada, existente
na mesma foja.
HOMOEOPATHI.V.
As bexigasestflo assolando ha lempo, e conti-
Ouam a assolar esta capital; poucos sao os que se
toinbram de recorrar a bommopalhia, quando olla
tem em si o nico verdadeiro ispcctflco contra esle
leirivel Bagello.
.No pe iodo da invusflo. faz abortar rpidamente
as lexiga*4 de peior carcter, impelo formar-so me^
lastaseno jxisc.ico e apparecerem solVrimentos gas-
trieos, tosse a rouquulflo, calarrho, salivaeflo, uiar-
rbea, &c. FualmeuU, b o antidoto deslu lamo de
Pft", lano no perulo fehri! e eruolivo como no,
da u.adureza e decflcac,iio Penumouco, 13 de mar--
co de 1849. '
1. Ii. Co innova,
Medico frncez.
Hornoropathia.
*^e
m
Prmoiro consultorio Kratuito para os pobres $
na ra da Cadeia de S.-Antonio, n 22, dirig-
do pi>loSr. J. B. Casanova modieo'francpz. 9
Et consullorio oslara abeilo desd as 0 lio- 9
ras da mantilla al as 4 da larde. Os pobres A
receberflo consultas e remedios gratiiitamen- 9
te: apresentando um attesladode pobreza de ?
seos vigarios, ou mesmo da oulro qualquer
sacerdote.
9>
m
9
9
$
9
9
9
Q&&9v9G&>1b&;9999*999999994tW
0 Sr. Jos Antonio de Azevedo, quefra no prazo
de oilo das, resgatar os penliores que ompenhou ao
innriiilor do secundo ii lar da roa do Queima.lo, II.
14 ; de contraro se pora em execuefln o docunVn-
lo uiie passou. Na mesma cas vendem-se varias
obras de onro, um paliteiro do prnla un colcha da
ludia, sarja de seda, setm, chales, mantas, Un sa-
palos de lustro ,a 1,600 rs. e oulras muilas fazen-
das por preco commodn p ira liquidaeflo : bem como
se dir quem da dinheiroa premio.
Arremala-se una escrava do nomo Wabel que
se acha no deposito geral lerQa-feira 13 do cor-
renta depois da audiencia da primeira Vara.
Agenciii de passaporles.
Na ra do Collegio, n. 10, c no Aterro-da-ltoa-Vis-
ta lojs ns. 48 e 78, coiitinuam-se a lirar passapor-
les Unto para dentro como para fra do imperio ,
assim como despachnm-se escravos, ludo com bre-
vidade.
Perdeu-se, no dia 9 do correle na ostrada da
villa do Cabo e Rio-Formoo, um relogio suisso ,
com caixa de | ro o chavo de prala nntarradn em um corilflozinho:
quem o achar elevar ma da Matriz da Boa-Vista ,
u 7, sei recompensado.
Precsa-se alugar urna escrava para o servico
interno a compras de ra da urna casa do iiouca fa-
milia : na ra larga do Rozario, n. 48.
Tirain-so passaporles para dontro e fra do im-
perio com a malar brevHade possivel, e por mais
commodo preco do que otitra qualquer pessoa : na
ra Direila, n 25, prmciio andar, acbarflo com
quem tratroslo lie, das 0 al 9 horas da mandila, e
desta hora em dianlc na secrctaiia.de policia
-' Precisase de um caixoiro luasilciro ou poilu-
guez.de 12 a 14 anuos: em Olinda, no Varsdouro,
padaria da ra do Hablo.
Carlos Claudio Trcssc fabri-
ca ule de orgaos c realejos ,
na ra das Flores, n. 10,
avisa ao respeilavel publico que concerta orgflos e
realejos, pe marchas uiodcruasdeste paiz con-
ceita pianos sar.iphinas, caixas de msicas acor-
dis e qualquer instrumento que apparoQa ; lam.
bem faz obras novas o vende um orgflo proprio pa-
ra capaila ou altar-mr, com boas vozes por pre-
co commodo.
-- Jos Peixoto ila Fonseca e Manool Nones da Sil-
va, Portugunzps, rpliram-se para Lisboa.
Joaquim deAndralo Pessoa Pimenlel, subdito
deS. M. Fidolissima, relia-se para fra do imperio.
Dilo-se 200,000 rs. u premiosobia penliores : na
ra do l.ivimenlo, n. 38, prmoiro andar, so dir
quem d.
-- Acham-sc fgidos, des le 3 de agosto do anuo
passado, dous escravos, do engenho da ricguezia
de Ipojuc, com os signaos seguidles i o primciro
do nome Izidoro, cor tiigueira, alluri regular, quei-
xo bstanle saliente, grosso do corpo, ho ollicial de
carpina ; a segunda do nome Rila, altura maior
que a ordinaria, secca do corpo, voz estr.p.losa,
sabe cozer, engommar e co/.inl.ar soirrivelmente:
sao casados: qu.-ni os pegar lev.vos a seu senhor,
l.ourencode S e Albuquerque Junior.ou ao.enge.iho
Guara'rapes, quesera generosamente recompensado
nesfippaieeau no dia 7 de marco, urna es-
crava pretil da Csta, bonita (gura, idade 16 annos,
bem relila, bous denles. nacBoTapa, como sig-
na! da ierra (dous lanlios as reacUaS do rosto) la -
lando impe.fe.lamenie. Foi vestida do vestido de
ahila azul escura do ramuibos amarados, o levou
urna cacliorriiiha doguo mullo pequea, e de l.ici-
nho pelo: quema encontrar e dor noticias, ou a
levar casa do .Sr. Custavo Jos do llego, a i ua da
Uniflo sei hem gratificado. ; ,OA,.w
Existe no escriplono de Oliveira Irmiiose. t.om-
panliia urna carta para o Sr. Jos Soares de Oliveira,
viuda do Lisboa.
Aviso aos a man les do
bom sor*ele
A esa de sonrea da ra do llangel estove
parausada por causa de molestia di propie-
tario ; mas agora loma a dar principio no
dia 10 do crranle, as 6 horas da tarde, ate
haver gelo sempre com o melhor nsseio
possivel e sala para senlioras onde seiflo
servidas com respeito e promptidflo o que
talvez nfloaoonleca em nutra parte: tam-
1,1-in se recobem bilhelos das nmis casis i
acreditadas. Kspera-so, porlanlo, a concur- |
rencia costumada do bous rreguezes com
os seus OO rs. por copo. i
Ucjam-se arrumar de caixoiro de qualquer
eslabelcciineulo ifous pequeos brasileros : quem
dalles precisar aniiuncie.
1111,8 parda muilo capaz, de 40 anuos so olTe-
jee para ama secca de casa lugar quo ja tem excr-
ido ha anuos: quem della precisar pata osse uns-
er, dirija-so a ra da Cadeia-Velba, n. 17, segundo
Joanuim JosAlmcila eSva.cidadflo br: ilfi-
ro, relira-se desta provincia para a Eurojt. Ir ende
emsuacomianiiid son loullier, Mananna Coi s do
Rozario Torron.e dous fi: ios menores, /naqimi Ro-
zalin.i ; por isso quem s julgar seo credor quena a-
or.-sen'ar sua conta no prazo do oilo dias para ser
P. .
-- Perdeu-se, no di locorrenle, as 3hO'- la
arde, da ra doVigarlc atea travessa ila Lint.- l,
urna carlfira de li!ber. cnnlendn ledras,una do
1 294.U00 rs aceita pplo Sr. JoSo Tavares Cordoiro ,
com o recibo no verso de um cont dis ris; nutra
de 255,000 rs. aceila nelo Sr Jos da Fonseca Soa-
res a Silva ; oulra ilo 1 000,000 de res aceita pplo
Sr. Joaqnini Pnheiro Jacome ; ea oulra do 300,000
rs. .aceila polo Sur. Joflo d Molla liotellio ; 30 a
40.000 rs. cm co lulas; e uniros papis miiidos. Ro-
ga-se a quem a achou de ficar com o dinhairo a le-
var as letlras a mesma na do Viga rio sobrado n.
8 que se Ihe agrader ; assim como se declara que
os aceitantes se acbam prevenidos para nflo paga-
rom senflo a Manuel de Soiua Tavares.
-- Na loja de Joflo llonnelly, alfaiate, na roa da
Cndei ilo fl-cife, n. 16, anda rpstam alcuns dos
palitos de liulio, viudos de Inglaterra a 3,200 rs.;
nssim como collotcs a 640 ra. cada um os quae3
teom dous forros no Iraaeiro ; o oulras militas
obras que se venderlo baralissimas como sejam
do pannos finos, casimbas do cores o prela?,ecolletes
de nninuiflo. Chegiiem a ver,
Os Srs. padrp douloi Francisco Antonio de Oli-
veiro Itnzellp morador em Olinda. c Ch'islovfln do
llollamla Ciivalcanti de Albuquerque morador em
Araudipe, cngonlio Ipojucn queiram dirigir-se a
negocio do seus interos-es. ao segundo andar do
sobrado n. 18, no paleo do Carino.
OlTerecp-sc um moco hmsileiro de boa con-
duela soltero e que tem boa leltra para caixoi-
ro de engcnlio.ou outro qualquer eslabelecimcnto
que soja decente, menos venda: na ra larga do
Rozario, luja do louca II 26.
Rumoras.
Compra-se um a dous casaos de coelhns man-
sos na ra do Vigario, n. 3.
Compra-so urna casa terrea em chflos propnos,
sita nos bairros de Sanlo-Antoiiioou Ba-Vista, sen
do quo nflo exceda a 400,000 rs. : quem tiver an-
niincie.
Compra-se apelle de um veado oapoeira : na
ra do Caldireiro, atril dos Martyrios, sobradi-
nbo o. 4.
Compram-seduasescravas que saihain coser,
engommar e nao sejam viciosas : na ra hireita, n.
21, esquina do boceo da Penha.
Compra-se urna batanea pequea de {landres,
oudepao, cornos pesos de una quarta ate 8 libras,
cm segunda nio quem livoraonuncie.
Compra-so um hiato de 30 a 40 toneladas pro-
priode manejar ncsla csl i quem livor annuncie.
-Compra-so una negrinha de 6 a 10 annos o um
molequo da mesma idade, islo para urna encom-
iiieuda.: na ru larga do Rozario. n. 35.
Compram-se harria vasios, de todos os tama-
itos: na praca do Commercio, O. % primeiro
andar.
Compra-se urna escrava moea.com naDllUM-
des principalmente de cuzinhae engommado, pre-
fenndo-se rccolhida : paga-se bem! na praca do
Commercio n. 2, primeiro andar.
,,-,- y -^-
Vendas.
rece
c
ler
andar.
Oft"eroce-se unta ama para todo o servico de urna
casa de familia rapaz, excepto compras de ra:
quem a precisar, dirija-so a ra de S.-Fiancisco ,
n. 1. i
OITercce-se um caixeiro para loja de miudezas ,
que tem 5 anuos de pralica : na ra eslieila do Ho-
zarlo, ii. 11. i
.. precisa-se alugar urna prcla boa quilandeira :
na ra do Hospicio, u. 2.
Vonde-se um preto bomcanoeiro, de bonita fi-
gura, moco, o sem achaques : quem o pretender
dirija-sea ra da Aurora, n. 26.
Vendem-se sementes de horlahees de to las as
dualidades, e o mais novas possiveis, chegadas pro-
xia,amonte do Porto, por preco muilo commodo:
na rna Direila, venda n. 76.
Veiide-se um grande sitio, sito om Porto-de (.a-
linhas, com 116 ps de coqueiros, ciuasi lodos notan-
do, o con. boa casa de vivenda, propala para nego-
cio i qm m o pretender, diri.ia-se no mesmo lugar a
Mlarcoin llelisiarioJos Pimenta.ou asen, dono,
Jos Tavares Pacheco.
Lima Juniur&C. tcem para vender o bem co-
nbecido panno de algodflo de Minas, muilo propno
para roupa de escravos ; assim como um prcto cho-
llado ltimamente da Rabia, propno para lodo o
servico; vende-se nicamente por unta circunstancia
mu insignificante, que so dir nos prcleiidentes,
osqnaesse podm dirigir a ruada Cruz, n. 28, se-
gundo andar. .
. Na livrana do paleo do laollegio,
ii. (j, dcJ- da C. Dourado, vcndcin-se:
Le (inie du t.hri-slianisme, por Chate-
aubriand, obras de Boileau, gr-an.mat.ea
franceza, por Scvene, geographia, pelo
|)r Vtllez, c outros niuilos compendios
nara as aula, por preco muito commodo.
Vendem-so, na ruado Crespo, n. 14, lorceiro
andar das 6 as 8 horas la mandila e das -i as 4 da
tarde os livros abaixo declarados todos em bom
Diccionario! de Moraes da quinta ediceflono-
vos, por 40,000
I niiciorica deUunliliano. 2v. o.ooo
I Cicero Tallones. 1 y. 1.000
I Vrica, diccionario lllglez, 2 V. 16.00o
1 llomere, lirado. '-."J>
i Historiada Grecia. .o
Kleuienlosdecivilldade. W
!fotS:&ion.rior|-.V.F.,9v. .O!
I Mostr franco/. JJ
1 l.hmond. YS*
I Telemaque. ''"
I Historia anliga. y""'
1 Historia sagrada. j'^JT
1 Horario i v. l'ooil
I Phcdro, 1 v 'Oa
1 Virgilio. ., rR..
1 Tita Livio, 1 v. -i
1 Salusto. '"g|
1 l-.lemenlodccivilidiide. .
1 Manual enciclopdico. .JW
1 QuintilianodeVilalolos. Mg
I Lgica de Cumular. >
I Melliaphysica de Cardozo. J,-
1 Droz, aplicacao da moral. J,ow
I Licita de geogrpbia. '."I'
I Manual de agricultura hrasileira. S.ouu
1 Auxiliador da industria nacional. l"WI


Thr~^iti
h
Vende-se'arinha de mandioca mu-jquenos. propriospara quem passs a festa.
O pro-
gio ; assim como tambcrn se vende nos
"ucjcr> uO C5CS d.". .\ .;rii!r^,i ; iiuia-se
a bordo o com Novaes & Companhia,
na ra do Trapiche, n. 3$.
Vende-se um terreuo na na do Sebo encos-
tado a cauque rsl em respaldo, pertencenlea o
Snr. Nnoel Filtppo, pela parle delieste, cujo
terreno tem 62 palmos de Trente e 150 de fundo :
a tratar com Joilo Vaz de 91 freir na ra da Cruz ,
n. 51,
Vendo-seum bnm cavallo de sella : na ra da
Cadoia ue S.-Antonio n. 25.
Fcijao ninlalinlio.
Vende-se feijflo mulatinho : na ra da Cruz no
Ilecire, armatem n. 13.
-- Na ra da Aurora, n. 62. terceiro andar, conli-
nu-8o a vender o venlailciro xaropo do bosque ,
ciieitado uliimameniedo llio-do-Junoiro- quem del-
le precisar pode mandar buscara qalquer bora do
lia.
-- Vende-so um prelo canoeiro de 25 annos, bem
ado : na ra da Itladre-de-Deos, luja n. 31.
I ollia de Flandres.
Vendem-se eaixas com folha de Flandres: em
casa de J. J. Tasso Junior : na ra do Amorim, n. 35.
Vendem-se 2 lindos nioleques ; um dilo de 20
anuos, milito bom ollicial do ouiives; um prolo
bem robusto de meia idade ; 3 pretas com habili-
dades : no pateo da matriz de S.-Antonio, sobrado
n. \, se dir quem vende.
Livrament' n. 14.
Vende se chita escarate, a 2*0 rs. o covado ; brins
do ludio de cores, para cagase jaquetas ; um sor-
timento de chitas de cores lixas, a m.ve vmlens o
covado; lencos de cambraia bordados para mflo
um soi lmenlo de madapoles de 160 at 240 rs.
coi les de cissa Ue ricos padtoes a 3,200 rs. e oii-
tras minias fazendas por bar*to preco.
-Vemle-se sarja de seda hespanhola, muilo boa
para vestidos preos pelo commodo prego do sele
patucas o covado na ra da Cruz, n. 18, primeiro
andar.
TIIOI.OS lF. .MARMOflE.
Jos Saporili vende lijlos de marinte azues o
brancos, por preco commodo: na ra da Cruz
n. 18.
LONAS CRUAS l>F. I.INIIO.
Jos Saporiti vende- lonas rruas de linho da lar-
gura das da Itussia, | or prego commodo : na ra da
Cruz, n. 18.
Vende-se urna mobilia moderna em meio uso,
COOSUllte de cideiras so, lia um jogo de bancas,
urna mesa de meio sala por baralissimo prego ,
urna riquissima cama francote a mais rica que tem
aqu se visto r anula nao servida de Jacaranda ,
um excellento guarda-livros com sua banca um
ptimo guarda roupa : na ra da Cadeia do lente,
i). 51, segn lo andar.
--Vendem-se angas azues a 100 rs. o covado ,
emaislargaa 120 rs.; pegas de madapolflo limpo ,
com 20 varas, muilo largo, forle e pioprio para
roupa de escravos ou para forro, a 3,000 rs e va-
rejado a 160 rs. ; setinela, a 180 is. o covado ; liriin
blanco de algod.lode listras a 200 rs. o covado,
bretauha lina de algod9o,a 200 rs a vara, e mais
grossa a 180 rs. ; lengos de panuinho todos brancos,
a I2 rs. ditoscom alguma nodos a 80 rs. ; ditos
de ea iiiIh a ia muilo grandes e com barra de retroz,
a i'u is.; lindas linas muilo fortes, a 120 rs. a quar-
la ; ditas grossas a 240 is : na ra do Passeio, lo-
ja n 17.
Vende-se superior potassa em barris pequeos,
desembarcada ha poucos das ; bem como tres bar-
ricas Ue tabaco em ( : ludo por prego commodo:
no caes da Alfandega, armazuir. de Das Feneira.
1 ...
.| Continua-sca vender a verdadera sarja de <
)>| seda hespanhola ; los i retos bordados do se- fe
a da ; selim | reto de Macan proi rio car vis- t
,-j i hlo ; un completo sorlimenlo de panno pre-
3 lo fino, paraos pretos de 4 al Iti.OuO is ; da
v casimira preta elstica, flujito supoi iur; meias
delros amantes da boa pinga. Elle conta que quem
ui ia vez provar, continuar com gosto e sem erre-
t ..limnnin F n bom nreer. \ a todo s cipo?'"
areresce o asseio e boro acoudicinnamento n que
tudo se podera verilicar em dilo estabelecimento.
PROVINHODAFICEIRA.
Existe no armazem de molhados, atrs do Cor-
po-Sanio n. 66 urna grande porgflo desle genui-
no vinho queseaste veudend pelo diminuto pre-
go do 1,120 rs a caada e a 160 ra. a garrafa ; tam-
bem ha em pipas que se vender mais em cunta : he
esleo melhorde todos os vinhos que se teem an-
nunciado pela sua simplicidade e ptimo, paladar :
quem urna vez o beber jamis deixar de o com-
prar.
Vende-se cal virgem de Lisboa, de superior
q ua 11 daile em barris de 4 arrobas chegada neste
mez pelo brigue Uaria-Jot: a tratar na ra do
Rrum armazem dn Antonio Augusto da Fonseca
ou ha ra do Vigariu, n. 19.
Algodo trancado da fabrica
de Todos-os-Santos da
Baha ,
muito proprio para saceos e assucar e roupa de es-
cravos : vende-se em casa de N. o. Bicber & Com-
panliia na ra da Cruz, n. 4.
CIIA'BRAS.LEIRO.
Vende-se.ou armazem de molhados airas do
Corpo-Sanlo, n. 66, o mais
desla excelente qualidade. A ellas que sao poucas e
loprego he barato. Atrs do theatm, armazem jun-
o, a maro, de Joaquim l.opca de Almeida.
Taboad de piiho da Suecia,
de 10 a 35 palmos
de comprimenlo, o melhor que tem chegado a este
mercado, em razo de se poilr envernizarem qual-
qner obra por nilo ter nos e ser muilo alvo sen-
do costado, costadinho, assoalho, forro e pare fun-
dos de barricas : vende-se a preco que o comprador
far todo o negocio: atrs do tneatro, armazem de
Joaquim Lopes de Almeida.
Tahoado de pitillo.
Vendem-se taimas de pinito no
Forte-do- 1Maltos armazem do Vianna e
no armazem do Machado, na ra de
Apollo, junto ao porto velho das canoas,
e os melhores pranchfics, costados; costadinhos e la-
boas de todas as grossuras e comprimentos por to-
do o prego.
Ni ra da Cruz, armazem n. 33, vendem-se pea-
nas de ema, chapeos de palha cera de carnauba e
sola, por prego cmodo, para liquidadlo d conlas.
Vende-se ca.' virgem de Lisboa,
chegada no ultima navio, em barris pe-
queos, por menos do que em outra qal-
quer parte; na ra do Trapiche, arma-
iem n. I7.
por este motivo nSo se
1
de si da de 1 eso rielas e brancas ; um boni-
to sorlimenlo de corles do vestidos de seda,
blancos |iietnse ile coi es fazenda de mili-
to gosto ; e (luirs niuilaS fazendas pretas pio-
%

pilas iia quaresma por 1 reg a vontide do
'% comprador: na na lo Quennado quatro-
f cantos, luja de Jos Moreira Lopes & Compa-
4 nhia, n. 29.
Vende-se fumo em folha para chaiulos, por
1 reg rom modo : no armazem de Juaquim Flix da
ilozi. na ra da Madie-dc-Deos.
Vendem-se semeas em saecas muilo grandes,
a 4,500 rs.: na ra da aUdrc-du-Ueos, armazem de
"cenle Fcrreira da Costa.
Aosamantes da boi pilada
so offerece o ra \ovo-Lisboa, no seu deposito da
ra larga do Rnzario 1, 21.
--Na ruada Ctuz. armazem n. 33, vende-se cal
vir superior,ebegada ltimamente pelo brigue fio-
vo-Vmcedor de Lisios, por prego mais em contado
iiua em oulra qalquer parle.
Venden.-je queijos I.....Irino osnuis ficscaes
que ha no meicado ; massas linas a 30 rs. a libra ;
chocolate ue canella, lino e de l.i>boa; latas com sar-
dlnhaa ; azeite doce lino, por prego commodo : na
j 11a da Cruz, n. 62.
Vinho barato.
Acha-seestahelecidona ra da Madre-de-heos,
11. 36 um armazem de
Vinhos da Figucira,
de ptima qualidade, a prego de 1,200 rs. a caada,
ea160rs agarrafa; e para nlo haver dolo do com-
prador serSo lacradas as garrafas'e com rotulo, re-
rebendo-se a garrafa vasia, e dando-se immediata-
mente a outra cheia: tambera ha barra multo pe-
Presunlos.
Vendem-se superiores presuntos inglezes para
fiambre ebegados no ultimo navio: no armazem
do dragues " pe Jo arco da Cunceiglo.
Taitas para engeoho.
Na fiindigo de ferro da ra do Brum acha-se a
venda um completo sorlimenlo de taixas de 4 a 8
palmos de bocea, por prego commodo, e com promp-
lidfio embarca-so. ou carrega-.se em carros sem dcs-
pezas ao comprador.
Vende-se a venda da ra dn Apollo, n.21, com
poucos fundos: quem a pretender, dirija-sea ra da
,\lai!re-de-Deos, tratar com Vicente Ferreira da
Costa.
No deposito de Me. Calmont & Companhia na
ra de Apollo, armazem n. 6, acha-se constante-
mente grande, sorlimenlo de ferragens inglezas paia
eiigenbos de assucar corro sejam : laixas de ferro
coado de diflerente's modelos os mais modernos ;
ditas de ferro balido ; nioemlas de ferro do niodn-
0 adoptado, para armar em madeira ; ditas todas
de ferro, lano para agoa como para animaes; ma-
chinas de vapor de Torga de quatro cavallos o le ab
la pressflo o mais moderno e simples que to possi-
vel ; reparlideiras ; espumadeiras ; resfriatreiras de
ferro eslanhada; formas de ferro : ludo por prego
commodo.
Vendem-se sellins inglezes e camas
de ferio : na ra da Senzalla-nova, n. l\i.
Agencia da fundicao
Low-iloor, ra da Senzalla-
nova, n. 42.
Neste estabelecimento contina a ha-
ver um completo sortimento de moemias
e meias moendas, p^ra engenbo ; raa-
cliinas de vapor,e taclias de ferro batido e
coado, de todos os tamanhos, para dilo.
Ferio
de todas as qualidades e dimensOes, em barra ver-
galho, verguiiha, arcos e chapa, por prego com
modo : na ra da Madrc-de-Deos armazem n. 26.
Mercadorifif a vmdtr em grosso e a relalko.
Chapeos de sol, de seda, i icos e simples, para li-
me ni e senhoia Scalos | ata seulioni ; locos preloa
e brancos : chapeos de palha ; lilas; floics ; mante-
letes; chales; lobes de brege c ile cutas fazendas;
liejouterias ; meias de ludas as qu; liades ; luvas iie
seda novas ; lengos de lodas as (|lialiilai(es; grvalas;
avenlaes ; roupa leila ; perfumaras e papi I iiigir-
se a ra daSenziilla-Vella.n. 112, terceiio andar
O ly ii do,
Vendem-se bolins e mcios ditos de I isboa para
homein e menino ; .-a|iatos de miroquim francez ,
por prego n ais ha i alo do que em oulra qalquer
parle : na ra laiga do Ruzano, n. 24.
.- ^8 ra do Crespo loja de 4 poitas n. 12, ven-
dom-se chapeos de castor pretos, de muito ba qua-
lidade a 4,400 rs.
FARELO EM SACCAS l)F. 90 LIBRAS :
vende-se no armazem de Vicente Ferreira da Costa
na na da Madre-de-Deos, a 3,500 rs.
Vende-se a verdadeira potassa da
Bussia, desembarcada honlem, por pre-
co muilo rasoavel, vista de sua muilo
superior qualidade : na ruado Trapiche,
n. 17, e na da Cadeia, n. 34.
Madeira de pinito.
Na ra de Appollo, pegado ao armazem do Sr.
Molla, ha um novo armazem com madeira do pi-
tillo da melhor qualidade que leni vitlo a este mer-
cado c serrado de todas as grossuras e comprimon-
loa : vcnde-se.pclo menor prego que he possivel.
Vendem-se taboas america-
na ale palmos de largura
o de todos os comprimcnlos.quo ha muitotempo nao
--. Na padaria da ra da Guia, no Recife, llavera
lodos os das a venda o novo pflo de Provenga fa-
excellente eh nrodnri hr,.c"!o Por oulro m^o que o actual e da melhor
exrnente ch a prodiizi- lfl)rinh na merCij0 horest.
do emS.-Paulo, que tem vindo a este mercado pje fazer senaoa 40, 80 e 160 rs.
por prego-muito commodo.
Farelo,
em barricas a 4,000 re.; aaccas grandes, a 3,50o
rs., ditas pequenas a 2,800 rs I no armazem de J.
J. Tasso Junior, na ra do Amorim, n. 3.
FRECUEZIA.
No pateo do Torco, venda 11. 7, passas superiores,
a 160 rs. a libra ; farinha em sarcas e em cuias a
200 rs. ; c continua-se a vender lodos os mais gene-
ros de superior qualidade por prego commodo.
Vende-se ago'ardenle de Fraoga, verdadeiro
cognac, de qualidade muito superior, em ca i xas de
urna duzia ; barris de oilo em pipa com vinho de
ra re, como nilo cosluma vir c ; una poig.to de
charutos de llavana, verdadeiros : na ra da Alfan-
(iiega-Velha, n. 5.
Vende-se o Tratado das Acedes por
Mello Freir, Iraduccao do Dr. llegue ira
Costa, a 3,ooo rs. cada volume : na ra
doCabug, loja n. 18.
Potassa.
Desembarcn lia poucos das urna por-
cSo de barris pequeos, com muito nova
e superior potassa, e se acbam venda,
por preo mais barato do que ltima-
mente se venda, na ra da Cadeia-?elha,
armazem de Bailar & Uliveira, n. 13.
* *9
um relngiode paredo, em quadro grande, patenle
suissn, com msica ptima pega ; duaa redomas
le. vidro para ler qalquer sanio com decencia: in-
do se vende por seu dono relirar-se para fra da
provincia : na rita Nova, n. 56.
-Vende-se, para fra da provincia urna escrava
bom parecida, com algumas habilidades : airas Ja
igreja de S. Rita Nova n. 48.
Na ru l)irea,n. 17,
nacscadinha da alfandega armazem n. 1 e em
frente da matriz da Boa-Vista venda o.'aw, venuem-
se aacoas com a molhor-farinha que existe no mer-
cado, chegada no ultimo navio do Ro-de-Jaiiero,
por prego commodo.
Vende-se urna casa terrea com bastantes com-
modos em chflos proprios na estrada que val do
Hospicio para o Poro bal: na ra da Florea, n. 25.
Vende-se urna preta crioola, moga, para todo o
servigo de urna casa : na ra das Cinco-PouUs,
n. 112.
Novo trem de cozinha.
Vendem-se obaleiras, panellas e escarolas de far-
ro, forradas de louga : na ra Nova, loja n 16, de
Jos Luiz Perera.
\
Atlencao.
FARELO
em saecas muito grandes, .
a 3'6oo rs. a sacca:
uo armazem do Uraguezao p do arco da ConceigSo
Vende-se farinba de mandioca, de
muilo superior qualidade : a bordo do
rtatsebo Cnnceico, fundiado em frente
do caes doCollegio; assim como tam-
bem se vndenos armazens Jo caes da Al-
fandega por preco muito commodo : tra
ta-se a bordo domesmo patacho, ou com
Novaes & Companhia, na ra do Trapi-
che, n. 34.
- C. A. Prendera Brendis relirando-se para fra
do imperio, vende um carrinho de 4 rodas, para
.4 peaaoaa em bom e.-iado; um carrinho de 2 rodas,
com o seu bem conhecido avallo rugo, arreios.olc.,
0 ultimo a entregar no dia de'sua sabida : na ra
do Ytapchu n. 16.
- Vendem-su btalas em arrobas, de muito boa
qualidade : no caes da Alfandega, armazem do Fran-
cisco Ibas Ferreira.
Continuam-se a vender saecas com superior
colladas fabricas do liio-Crande-do-Sul, por pre-
go commodo : na ra da Moda, n. 7.
8 n 1 I
jfj Cera em velas. g
t Vendc-scnaruadoVigario, n. 19, Cj
jij segundo andar, caitas com cera em #$
9? velas fabricadas no Hio-de-Janeiro, jj
/J em urna das melhot es fabricas, sor- Q
r^ tidas ao gosto do comprador, e por 85
preco mais barato do que em outra
fs qalquer parte.
ra" na
m mm &;.e se as &.:m mm s: me u:
~ Vendem-so var'os escravos, a saber : urna pre-
ta de Angola de 30 a 35 annos, com um lindo II-
1 li<> de 7 anjios, a qual sabe cozinhar ongnmmar
e he boa quilandeira ; um pnto da Costa, de
40 anuos bom tratador de um sitio, e lambem borh
(andador, qued diariamente um sello; 11 m pretu
de Angola, profiri para lodo o servigo ; um lindo
mulatinho de 7 a 8 annos, sem vicios, o que he mui-
lo sae: todos por prego commodo por seqnerer
liquidar : no Aterro da-boa- Vista, fabrica de lico-
res n. 17.
-- Trpca-se um sar.cluari de Jacaranda vindo
de encoHimcnda do Porto, obra mnlo Superior, com
suas otagens; umacommoda do mesmo pao, em
muilo bom uso; dous vasos de porcellana com flo-
Vende-se superior sarja larga hespanhola', pelo
barato prego de 2,000 re.; pannos finos preles, pro-
va de limilo pelo barato prego de 3, 4, 4,500, 5,500,
6,500 e 7,000 rs. o covado ; casimira preta selim de
superior qualidade, a 2,800,3,000 e 3.500 re. u co-
vado : selim Maco do verdadeiro o de excellento
qualidade a 3,500, 4,000 e 4,500 re. o corado ; cha-
peos de massa francezes os mais modernos, a 7,500
e 8,000 rs.; ditos de sol, de seda furla-cres, do
melhor gosto, a 8,000 rs. ; o outras mullas fazeno
das de superior qualidade e muito mais barato d
que em outra qalquer parte : na ra do Cullegio,
nova loja da estrella, u. 1.
Casi 111 i ras fi 11 a s, a 7,500 rs,
Vendem-se superiores casimiras de cores, de su-
perior gosto e melhor qualidade, pelo barato prego
de 7.500 rs. o corle ; ditas tqmhnm de cores, a 5/ e
6,000 rs. o corte : na ra do Collegio, loja da estrel-
la, n. 1.
Cortesa 1,280 rs.
Vendem-se superiores cortes de brins para caigas,
a 1,280 rs. o corte, fazenda baraiissima pela sua
qualidade e cor llxa : na rus do Collegio, loja da
estrella, n. 1.
Kiscados inoustis, a 240 rs. o
covado.
Vendem-se os bem condecidos riscados monslros'
pelo batato piego de 240 rs. o covado, para se ac.
bar : na ra do Collegio, loja nova da estrella, n 1-
Veudo-se urna casa com 2 quarlo, duas salas.
fngS.o ingle/, por 500,000 rs.: ua ra Augusta, n,
58, se dir onde he.
Candileros de sete fop;os para
iaz, muito coiiomicos, apre-
9') eoi ni nodo.
Na loja de Chard on, no principio do Alerro.de-
Bna-Visla, vemlom-s e/por prego muilo commodo ,
cainlieims de gaz de 7 luzes, que, cheios com 3 con-
Iramelades degaz duram cnni brilhontes luzes,
20 horas ,ou 4 nuiles, sccezos das 7. a meia uuile :
tambem se venda gaz, o mais superior tjue ha.
Vendem-se esapadas prateadas para oflicines du
guarda nacional: na ra Nova, n. 16.
Vendem-se os trastea seguintes: um Uar de
amarello, de bordar; urna ca leiradu amarello de
urna s face ; cade iras ; suplas ; mesas do meio de
sala jugos de bancas; loucadores, tudo de Jaca-
randa ; Cadeiras ; sophs e mesas de meio sala tudo
de pao d'uleo; e mais diversos trastea; ludo por pre-
go commodo : tambem se vende um moleque bom
principios de olliciu de marceneiro de 12 para 13
anuos : na ra da Cadeia de i'.-Antonio loja de
trastes, de Antonio Teiseira doa Santos, n. I*.
Veiiilcin-se bexigas de graxa do llio-Grande,
por prego commodo: na ra da l'raia armazem n.
7. No iiicmiio armazem compram-se os 2.", 3. e 4.
tomos deCil-liraz.
Vende-so um cabriolet, de multo boas molas :
na ra das Flores, dcheira de Jos Mara.
Vendem-se 8 lindos nioleques de nagfioe criou-
lus de 8 a 18 anuos sotn vicios ; 7 pretos de 20 a
SU anuos, ptimos para lodo o seivigo; um dilo de
meia idade, por prego muilo em cotila ; uina pre-
la de meia idade ; nma negrota de 18 annos, quo
cose pefeilamente marca, faz lavarinio engom-
nia nflu lem vicios o be recolhida : na ra do Vi-
gario, ii. 24.
Vidros para vidmr;as,a 6400
rs. a caixa de 100 ps cbicos e:n porgues de oito
caixas para cima : em casa de Kalkmann IrinUos ,
na ra da Cruz, n. 10.
Vende-so um ptimo candioiro francez, por
prego commodo : na ra Nova, loja de fonileno, de-
fronte da Conceigflo dos miliures.
-- Vende-se uioa bonita negrinlia de 10 a II an-
nos, de muito boa conduela, muilo sadia e eom
principios de cozinha : vende-so por se nao preciaar:
quem a pretender annuncie.
Venderse a taberna da ra das Cruzcs n. 20
com poucos fundos, a qual se vendo por seu don,
retirar-se : a tratar na merma venda.
Vende-se algodo da trra em ro-
los de 5o varas, a aoo ris cada vara :
ra do (jueimado,
n. 29.
na
quatro cantos, loja
Escravos Fgidos
Da villa do rtio-Formoso fugio um moleque do
uome Benedicto, de 18 iihku euco mais ou me-
nos, rosto redondo, estatura regular: quemo pe-
gar leve-oa seu setihor. Manuel Antonio Sores da
Silva, morador na mesina villa, ou uesta cidade ,
a Jos Gomes Leal.
- u '.....<, >.. ,ii|iiMMi;iiiua,quf na iiiiiiiuicui|Jo 11.10 muiiu uuiu su ; unua vasos na porcellana Com 110-
leem viudo e os freguezes experimentando a fulla res cliegados lia pouco de Franga, do ultimo gosto;| CC-N : N TtT. VI X.t. DI Pili*. lo4Q
II FfilVFI
i