Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10011


This item is only available as the following downloads:


Full Text
''"^
Armo XXV.
O D^//0|>iiblic.i-setdiisidaiqiie au
forero di guarda. O pre$o da assignitura he
de^JOOOii. fiorquartel, pijoii'/iinia/oi. O
aiinuncios do auignaiUcs su inseridos
rasilo de 20 rs. por buha, 40 rs. cni tpo dif-
erente, cas. repelicoi-s pe metale. Os nao
,is9ignant8 pagaran 80 rs.'por llnhi 190 r.
cm typo diU'creiHc, por cada p'ublicar.ao.
PHASES DA LA NO HEZ UF. MARCO,
('.rtenle, a l.ds 9 horas e -WihIu. di lard.
Lita clieia, a 8, i 10 horas e 4 "'' ,la (ar'!'
Mtiiguantcaltt.aelOhorase lOniln. datard.
La nova, a 24, s 11 horas e 46 mln. da man i.
Cre*Cea>tc,a'3, 4horae3jinin.da maub.
Sexta-feira 9
PARTIDA DOS CORREIOS.
Goianna c Parahiba, s segs. e sextas-feiras.
Uiu-G.-do-Norlc, (|uintas fciras ao incio-dia.
Caho, Scrinhcn, l\o-Forinoso, Porto-Calvo
Macci, no I.' a li e 21 de cada mez.
ranhuns e Bonito, a 8 e 43.
a-VIsta e Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quintas-feina.
Olinda, todos os das.
PREAMAB DE IIOJK.
Prlmeira, i horas e 30 minutos da lard.
Segunda,i i boras e 54 minutos da nianh.
de Ufarlo de 1849.
N. 8S.
. DAS DA SEMANA.
5 Secunda. S.Theophilo. And. do J. dos
orph.,doJ.docive|edu J. \l.di2. v.
" Terca. S. Olegario. And. doJ.doc. da 1.
v. c do J. de pai do 2 dltt. de t.
7 Quarla. S. Tliomai. de Aquino. Aud.doJ.
doc.da. v. edoJ.de pai do2. dist.del.
8 Quinta. S. Joo de lieos. Aud. do J. dos
orph.e do '. M. da 1. v.
U Sesta. Francisca Romana. Anri. doj .do
civ. e do J. de pai do 1. ditl. de t.
1(1 Sahbado. S. Militan. Anl. do J. da c.
da I. v. e da J. de paz do 2. disl. de I.
11 Domingo. S. Candido.
| CAMBIOS NO DA 8 DE MARCO.
Sobre Londres a 27 d. por l/COO ri. 60das.
Paris
Lisboa 108 por cento de premio.
. Hlo-de-Janeiro an par.
Dase, de lo, de boas firmal al1/, % ao mea.
Accoes da cniip. deeberlbe, adOfrs. ao n.
Curo.Oncas bespanholas. 30/000 a 30/500
Mocdas de 6/400 v. 171300 a 17/iO
> de 6/400 n. 16/200 a 16/401'
de4/000.... 9/200 a 9/400
Prain Patache* bratllet ros 1/970 a 1/tOO
Pesos columnarios. 1/970 a 1/WHl
Dos mexicanos..... 1/900 a 1/92(1
DE PE
*"- -----i't. L -"-'l-l' .i... :'
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 6 DE MARCO.
|
Offico. Ao commandante do vapor D.-A/fom,
rrcommendando baja-de receber a bordo do vapor de
sfit rommando e conduzir para a corte o primeiro
cirurgiflu do numero Francisco Jos di Cosa, cujos
servigs pdem ser dispensados aqu, segundo de-
Ttara ocoromandenlo da divisflo naval. Partici-
pou-se ao referido commandante.
Pito. Ao commandante da livisfo naval, decla-
rando que fie inteirado dehaver S S. nomcado ao
guarda marinha JoBoDuarle da Ponte Kibeiro para
oommandar o culer Esperatiea-de-lleberibe, emqnan-
1 o durar a doenca do segundo lenle Antonio Car-
io. Cesar ile M-lio.
Dito.Ao presidente darclaglo, axiglndo o seu
parecer solvreo contedo no requerimento que re-
melle, arnmpahhad de 6 documentos e firmado por
Innocenco Antunes do Ferias.
Dito. Ao director do arsenal de guerra, aulori-
sando-o a despender a quanlia de 194,000 rs com a
compra dassessenla e quadro dozias do limas, re-
q o sitadas pelo ineslre das ulliciuas de espingardei-
ros e serrslhelros daquclle arsenal em o pedido que
ora devolve. 8ceut(icou-se o inspector da. paga-
doria-mililar.
Dito. Ao mesmo, declarando que, visto nilo ser
pnssivel concertarse nsorulos pertcncentes a ilha
de Fernando, a aquello arsenal lemcllidos, baja de
annunciar a compra do outros novos, eefleclua-la
com os formalidades do estylo.
Portara. Demillindo do cargo de delegado do
termo de Cimbres a Jos Cela no de Medoiros, c dos
do subdelegado da freguezia do mesmo nomceda
de Alaga-de-Haixo a Candido Xavier Pereira de Bti
toe Antonio Francisco dos Sanios.
Dila. Horneando para os cargos de polica do
termo de Cimbros, abaixodeclarados, os eiJadios
seguintes:
Delegado Commandante superior Leonardo Be-
zerra do Siqueira Cavalcante.
Freguciia i Cimbra.
SubdelegadoPantaleiTo de Siqueira Cavalcante.
Freguesia da Alaga-de-Baixo.
SubdelegadoAntonio de Siqueira Horba.
i supplenleJos Alvos de Siqueira.
Os deputados que votaram contra a resposta ao Tal he a maligna Influencia quo entendemos ler
Ihrono, foram osSrs. Silva Cabral, Pereira dos fins, I na sorte geral do paiz e no destino peculiar de cada
Cunlia Sollo-Maior, Carlos Denlo, Corjilo llenriques, i partido essa dosacisada njusliga, coln quo recpro-
2 Antonio Alves de Siqueira.
30 i.uiz Alves de Siqueira.
I'.nci.pou-eao chffe de polica.
a
1 !. aaiiapp
EXTERIOR
cdmri^roNOENciA DO diario DE PERNAMBUCO.
Lisboa, 24 de aneiro de 1849.
Apezar das terriveis aceusages dirigidas ao go-
verno, votou-so hontem a resposta no discurso do
Iihrorio, o fo approvada sem allerag.lo alguma por
64 volns contra 9, o que mostra a grande mniorja que
anda conserva o governo.
Nilo sedcixou fallar pela segunda vezo Sr. Silva
Cabral, pnrm este lem a palnvra para explicagOes, e
he possivol que as d hoje.oii amanhila, esperando
Indo ver desenvolver tima veroina, como a do Sr.
Cunta Sotlo Maior, na explicaglo que dou lionlem.
Ja aalo-hnntem se sabia que o .Sr. Silva Cabral
apezar de ser o segundo na orden) da inscripcilo nlo
fallara ; porque,'leudo, os niinislros a preferencia,
dizia-seque fallara o duquo deSallanha, e que a
discussflo ao fechara sobr o discurso do deputado
que se Ihe seguisse. Assim acontecen.
Hontem fallou o minist'O da guerra defendendo-se-
de alguna cargos relativos, sua repartco, o do-
l'ois levo a palavra o duque de Saldanha. Este n'.i-
instro nllo he grandeoador, porm as vezes nlo
delxa de. ser feliz assuas .arengas. Comtudohon-
lem ii3o o eslava, e o sen discurso fui maisum ag-
gregido de 1 ersonalidades contra os dopulados da
oppiMicflo do que a denioostraciio de factoa. e n des-
Iruicilo dos argumentos adversos. ma'echal, tendu
snlo.fcridn gravonivule pelo diputado Cnnha Sollo
laior, que o acrusou de ler protegido e ocoirpen-
sado o asaassino de um corrciodo conde das Antas,
na ultima lula civil, vibrou terriveis rajos con Ira-
aquella deputado cbsmando-llie calumniador, per-
juro e desertor. Islo ileu lugar a una acre explicaglo
1I0 deputa.lo aggredido, que devf}!ej ao 'minim
os mesnios epilhetos, aecusando-o alm disso de ter
fugMo 110 felfot eomprometten lo a causa' publica,
e de ter pisado aos pea em 1822 o laco constitui-
nonal.
entretanto todas eetas aecuaircfles de nada serv-
rain em frente da f6i-ca material da grande maiuria,
cu ministerio saino triumphanto.
O Biinislro ila fazend, que foi o mais acusado du-
rante a iliscussilo, nlo tomou parle nella, o quo mo
i!ona do ser singular. He verdade que encarregou
ila sua defensa o Sr. visconde do Castro, ministro
Jos negocios estrangeiroa O ministro da fazeiida j
m apresentou o relatono da sua repartidlo, pori^m nlo
o aodmpsiiliuu de ueuhuiis projeclos de lei como he
r.costume, o que d a entender que nao conta estar
por uiuito lempo ao peder, e por isso nosequer
daraoUaballio.
Abreu Castello-Dranco, Barros, Lopes Lima e Costa
Xavier. Esperava-se que fssem uns 18 ou 20, mas al-
guna que (pertencem i fracQo dq,Sr. Silva Cabral,
mas que silo ompregados do governo, nlo compare-
cern) na cmara, evitando assim manifestar oaeu
voto. Chama-se a ialjogar com um pao de dous
bicos.
A cmara vai agora ter suelo por algunsdias, por-
que nlo lem trabalhos preparados de que se oceupar.
Provavelmcnte a quesillo do contrato da arremata-
dlo das sete casas ser o primeiro a venlilar-se,
mas julga-so que nlo ofTerecer grande inleresso,
Visto que o governo jdeclarou quo nlo Ihe impor-
ta va que fosse ou nlo approvado. Por consguinte
este negocio fez fiasco. "
Na discussoda resposta ao Ihrono a!ludio-sa a um*
novo retrato da rainlia, que adorna a aala das ses-
sos, foito por uro Hespanhol, chamado Balaca, cao
qual se den 180,000 res; mas parece que rece-
ben '400,000 ris, porque alm desse retrato fez
muh dous, um da filha do deque de Saldanha, o
outro de um tal Xiineues, ajudante de ordens do
oiarechal.
Esle Ximenrs, que parece quer campar por. valen-
tflo, dirigid urna carta do desali ao Sr. Silva Cabral
pelas allusOes que fizera a tal respeto. O Sr. Silva
Cabral respundeu-lho que nlo linha quo dar-lhesa-
lisf-uo alguiun, pois como dopulado as suas opi-
niOes eram irresponsaveis. Diz-seque oSr. \imc-
nes insullaria publicamente o Sr, Silva Cabral: an-
da o lo fez, e lodos eslilo convencidos que se o II-
zer ha de ter resposta, porque o Sr. Silva Cabral he
capaz de Ih'a dar como homem. <
A parricida ou matricida Mara Jos j fui con-
demnada pela rela^Oo, confirmando-llie a scntenija
de morte. i'aroce que houve besitacio nos juizes
pela falla das provas que a lei exige, mas nlo pode-
rain resistir opiuio publica. He provavcl qdc 6m
breve, leremos cstolerrivel esjiectaculo, mas salutar
porque as mulheres aqui eslavam persuadidas que
nao podiam ser enforcadas ou garrotadas, e por isso
abalan(avam-se aos maiores crimes. A novidade do
espectculo ha do allrahr grande concurrencia.
camentesejulgam.
Parece que a politca de cada um dclles reduz-sc a
fundar o seu crdito, nlo nn hondade dos seus pro-
prios principios na excelleneia dos sous proprios fac-
los ; mas, sim, no descrdito dos principios e fac-
los dos seus conlrarios, o na desvirtuarlo dos seus
homens Seria boa poltica, se nlo tivosse recam-
bio
Melhor seria, emquanto a nos, que cada urna das
frarces polilicas tratasso do acrodilar-se directa-
mente peloseu proprio merccimenlo ; o que Indas
ostabelecessein por accOrdo certas raas para seren
respeiladasem intoresso commuin de si proprias.
ITAU\.
Cela, 11 dedezembro.
LISBOA, 14 DE JAlfEIUO.
A causa principal da intolerancia dos partidos
osla em quo os parciaes de urna opiniio polilic.i
ciAem quo nos seus contrarios nlo existo lia fe ;
que os seus raciocinios nunca partam de cnnviccOes
sinceins, mus sim deuma lctica de partido.
He que os partidos silo sempre injustos uns para
con) outros. Sempre se a val id ni mal reciprocamen-
te; nunca se. observa ni uns aos outros, sejiao pelo
prisma das paixQes.
Em todos os partidos ha homens sem crticas,
sem principios, que nada mais sSo do que meros es-
peculadores polticos que se assenlam fatninlos
mesa do 1)anquto deste ou daquello partido, para
ehi so cevarem farlameto. Estes realmente nlo
teem,.nem pdem ter convic^Oes; o as suas opi-
nifles apenas signilicam a relcelo em que est um
assumplo qualquer com o seu particular interesse,
oucom as conveniencias do bando a quo se achata
egregados, e s quaes estilo addil(as suas pro-
prias. Mas tamhcm em lodas as fracQes polilicas
existe maior ou menor numero de homens de boa
f, do conviertes intimas que nobililam o mesmo
erro da creiiQa, se ella lio um erro, pela pureza com
que a profesjam ; qup allenuain a propria herezia
da doiittiiiii, se ella he hertica, pela siugeleza de
animo com que a crern.
Os partidos, attrihuindo-se o monopolio de todas
as virtudes e illuslrncilo qm deshonra dos ses con-
trarios, e projectandu sobro estes toda a ignorancia
o vicios da humanidado, commetlem urna njusliQa
reciproca, de que tolos silo cumplices e simult-
neamente victimas.'
_E f'ancamcnlo dzemos que nJo adiamos ex-
plicacjlo que nos satisfaga sobre a causa dessa noto-
ria injiistica, que nlo seja a que pode ser dada por
duas rasOes : por pecha de ndole das massasgeraes
dos partidos, o por defeito de Ilustradlo as mes-
mas inhssas.
Os graves inconvenientes dessa injusticia reOectam
directamente no paiz por lodos os modos imagi-
navejs..
Os partidos, desacreditando-so uns pelos outrg,
maculam todas as reputares individuaes; e, tirando
a cada urra qualquer prestigio que possa ter, suli-
Irahcm-lhn toda a faculdade de fazor o bom. Os ho-
mens eminentes dos partidos vilo so annull'Udo uns
a pos outros. Varios mritos dinlinclos afogam-$e
multas vezes no charco do descrdito, anda antea
de fazerem-se repulacOes ; e assim sodiliculla a li-
Sua snntidatle o papa Pi IX celebro esta manhla
no real pago da cid.ade duCieU um consistorio se-
creto, no qual propoz as seguintes ig'ejas :
Igreja metrapnlitana d'Avnho, para monsenhnr
JoTo Maria Mathias Debelay, transferido da igreja
episcopal de Troves.
Igreja metropolitana de Sanla-Severiana, rara o
reverendo D. Rafael Mnntaleini, sacerdnlo da eon-
eregaclo do Sant^simn Redemptor, ex-visit,iilor de
varios collegios do dilo instituto, e examinador
synodal.
I groja episcopal de Ful.la, para o reverendo I).
Chrislovio Florencio Kaett, sacerdote da dioceso de
Slrashurgo, e parochn com litulo do dcilo.
Igreja episcopal de Terni, para o reverendo I). An-
tonio Magrini, sacerdote da diocese detlimini, Dr.
na sagrada Iboologia, cem direito civil e cannico,
ex-vigario geral em Cervia o Cescna
Igreja episcopal de S.-Tiago de Cabo-Verde, para o
reverendo I. Patricio Xavier do Moura, sacerdote,
parocho e vigarin da vara no patriarchado de Lisboa.
Igreja episcopal de Bruges, para o reverendo I).
Jolo Baplista Malou, sacerdote daquella dense,
Dr. e nrofessor da sagrada Iheologia na univorsida-
dedeLovaina.
igreja episcopal do Troves, para o reverendo D.
Pedro l.uiz Coour, sacerdote da dioce.se de Leio, Dr.
na sagrada Iheologia, conego e vigario geral em
Paris.
Igreja episcopal de Digne, para o reverendo D. Ju-
liio Meirieu, sacerdote da diocese do Nimes, pro-
jessor naquellesctninario, e vig.irio geral nrn Digne,
lereja episcopal do Pinerole, para o reverendo I).
r.oilhcrme Mario Renaldi, sacerdote da diocese de
Turim, el)r. nn sagrada Iheologia.
Igreja episcopal de Oallpoli, para o reverendo I).
Leonardo Moccia, sacordolo da diocese do> Oria, e
examinador pro-synodal daqueile clero.
Igreja episcopal de Callclly-Noro, para o reve-
rendo I). Manoel Marongico, sacerdote, Dr. na sa-
grada iheologia e conego Iheologo na diocese de
Iglesias.
Igreja episcopal de f.onversauo, para o reverendo
D. Jos Maria Muccdola, sacerdote, parocho na dio-
cese de S. -Severo.
A barca Marques-lin ponto de tamben) cncalhar no mesmo sitio que a Ge-
noveva. Pordeu os alforgos, a lancha o cestos do
gavea ; c soffreu inuitos estragos na prtpj e as
bordas.
O briguo Lu perdou o leme, e flcou com o eadaste
da popa alui.do. O mesmo succedeu ao briguo Bri-
gand, cujo lome parti, e soffreu outros estragos em
conscqtiencia do cnllislo que entre elle houvo e a es-
cuna Sanio-Antonio, que quasi Rcou em pedafos.
A oscuna Alpha pordeu os maslros, o est oin Ierra
quasi desfeita.
O brigue-escuna hamhurguer. Sijlphidr. soll'reu al
g'uma avaria, mas pequea cm comparaQo da dos
demais navios.
A galera inglcza C/o. quo apenas 110 da antece-
dente ti;iha sabido da Taipa com destino para Amoy,
despedacou-se na pona de Kai-Kiang, lendo pere-
cido o capililo, e mas tres ou qualro hamens da tri-
polaQIo.
A escuna do governo, que estav estacionada na
Taipa, foi a pique sobre as amarras, perecendo cinco
homens dos S'"to quo eslavam a bordo; o casco,
porm, fiii posteriormente suspendido, e no levo
grande avaria.
Tamben) fiVam a pique no rio duas somas chinas,
o urna oulra lez-soem pedacos no l).-Joo.
A escuna de Mr. Durran Rcou despedazada no caes
"lo Sr. Carneirn ; o cutpr f/npe per.lcu o mastro e gu-
rps, e morreo o seu capililo Mr Jacob Jliames; o
cter de Mr. Bush foi a pique, e o do Mr. Ilerjrd licou
em s?cco.
Nlo he pnssivel dar urna relaco oxacla dos dai-
nos causados s embarcaefles miudas no rio; mas
segundo urna nota quo obtivemos, e que foi colli-
gida com algum esmero, perderam-se no rio de Ma-
co:
Lorchas porlnguezas .
Hilas gran les de pescador
Ditas de lenha.....
Ditas do lixo......
Ditas de tancar .....
s
3
i
3
54
Hilas de carroira............S
Failioes............. li
Do Doleiim do Governo da provincia de Mac.i, de
9 de setembro ullimo, publicamos o scguinlc ar-
lipo: .
Na noitc de 31 do mez passado foi esta cidade vi-
sitada por urna daquellas calamidades com que a-
praz Providencia afligir-nosiln tnmposcni tompos;
masque ha doze annos se nlo tom experimentado
com tanta violencia. He desde agosto de 1836 que
Maco nilo lem soffridoum tufo tilo forto, nem lito
calamitoso em suas consecuencias como o quo aqui
tivemos na noite de 31 do moz passndupirao pri-
meiro do corrente. A sua for fez, tanto as propriedades, como em vidas, nlo tem
precedente na memoria dos mais antigos morado-
res de Maco ; ainda assim os damnos causa los f-
ram muito menores do quo era d" esporar da furiosa
intcnsidade do vento, cm consequenca da sua pouca
dui'BQlo, havendo a sua maior frca durado apaas
como quatro horas, isto he. enlro a urna hora o as
cinco c mcia da manhla do da I "
Comi|uanto se tivessem observado signaes domo
lempo nos dias antecedentes, nlo havia al n melo-
da do 31 indicio algum de um prximo tu Lio. Foi
s entilo que o barmetro comegou a descer, o s
bocea da noite que a sua queda prncpiou a allrahir
altenglo ; e nilo ha duvida quo lio a esta circums-
taucia a quo se deve atlribuir urna grande parte dos
estragos soffridos polos navios o outras emliarcaces
vre expanslo ao verdadeiro merecimenlo por falta no nn ; porquanlo a rapidez com quo se declama o
do seu incentivo e premio que he a unversalidade|ternlloral pnucoou nenhum lempo den para sa pre-
do conceito. I pararem para elle, havendo sido quasi tomados de
Os assumpto* de interesse material do paiz preju-j'Orprcza.
.licam-se, complcando-so pela confusno maliciosa Mutos navios, e grande numero de lorchas e on-
das nnces, pela inverstlo de- aspecto, pelas cores tras euibarcacOes fram leva Jos a Ierra, o despeda-
empresiadas ilo partido com que os Ungen). gados.
A partialidade que as propOe e sustenta, pode
contar anticipadamente, seja qual for o alcance po-
ltico 011 econmico desses assumplos, pode contar, Ic'
dzemos, ii0o s com opposiglo compactu, dos seus
adversarios, mas, o que he mas irracional, com os
O briguo escuna Genoveva cshio obre o caes da
Petoria ; fez varios rombos, o licou cheio do agua, e
com o casco lodo aberlo, o lome partido e os alfurges
quasi toda a borda desmanchados.
A barca sueca Carl-lohun licou en secco abaixo da
doeatos, as accusacOes gratuitas, aleivese injurias 'pona da Redo, so com o mastro da gaita em pe, leu
desses meamos adversarios. A rasp do paiz a res- peito de taes interesses vem finalmente a desvairar- mutos rombos no Tundo.
se confusa e attonita por falta de instincto publico A escuna Socitdade licou tambem encslhada mais
que a illummo e dirija. 1 abaixo; mas 0J0 soffreu tanto.
fia mesma ola se v que fram derribadas 25 ca-
sas de pe Ira o cal, 37 barraas, a 11 estacadas sobre
o rio, tudo portencente adunas.
Das propriedades pertencentes a chrislilos nilo
consta que alguma ficasso de todo arruinada, mas
militas soiTroram estragos, especialmente nos telha-
dos. Arvores'muito antigs, como as que existan)
no pagodc da barra, fdram arrancadas polas raizes ;
o borlas inteiras ficaram arrasadas..
Qrande dove ter sido a perda de vidas poreffeilo do
lufo.
Calcula-se para cima de 300 o numero de passnas
que pareccram as agoas do Maco. Muitos cada-
veros apparecerm as pralas nos dous das seguin-
tes ; o consta quo em Ka-tay, Tongeka, e outras
prafaa vizinhas fram oncontrados para cima de 100
corpos.
Em Camsingmun tambom fazo tuflo muito des-
trocnos navios all estacionados. A barca Uabella-
Itoherlton foi a piqun com 700 caixas de opio a bordo,
perecendo o sen capito c toda a equipagem, com
excopelo de tres possnas que a muito costo se sal-
varan) Ha dsperanca de se salvar toda a valinsa car-
ga qii" bnvta a bordo, e hnjo nos afirmaram que a
rorvela americana Plymouliji ln|)i consogndo ti-
rar parlo dola. A barca l'alcnn foi lorra, o o briguo
americano Eagle snffreu gran Jes estragos do embate
Com a Itabelta-Roberltan.
Do urna caria de llong-kong, quo nos foi mostrada,
extrahmoi os seguintes detalhos do destrogo, all
causado pelo tuflo nos navios abaixo nomoados.
Cht.-Wirgam ^americano) pordeu ns maslros, e en-
calhou junto do deposilo naval, com qualro ps de
ngoa 1I0 porao.
Ilermr>( nglez ) pordeu o mastro de traquete, o o
inastnreodegavea, o licou en#alhailo.
H'len Sieieari: inglcz ) enCalhado na Iba Verde.
Itland-Qucen ( inglez ) com despachos a bordo
p>ra Woosung, escapou de r Ierra picando ambos
us maslros.
S -Francisco-Xavier ( portuguez ) perdeu os mas-
tros todos.
Elisa-Sieieart (nglez ) tove um cabalo com o bri-
sa" hespanhol/J01-//ranos, dn qncresutlou dcs-
inanchar-se-lhe Uida a borda, e partir o talhamar, o
outros ovaras.
Dos-Hermanos ( Hespanhol) perdou o gurups, e o
ni-i si non do gavea, etc.
Jnn :-/>frt amoricano) picou o mastro de galla.
Sutiipim ingle/. 1 Rcou desmaslreado.
Ilm grande numero de. lorchas, botes c oulras em-
barcacos mindas se flzeram em pe lagos ila banda
de O. da ilha de llong-kong, onde s se v monlOes
de ruinas.
Militas casas, principalmente de Chinas, ficaram
derribadas, e a casa do governo soffreu tanto estra-
go, quo tevo de ser despejada.
Finalmente, alo ,'nn rinde Cnido, sonde nlo ha
memoria de haver (jamis alcangado a violencia de
algum lufilo, que sompro so lem limitado costas
de mar, tamben) non ve desastres, causados assjm pelo
vento como polo grande creseimenlo das agoas do
no, i|ito inuii'iidou lodoo campo e grande parte da
cidade.
( Diario do Governo.)
J*.
1
...J,




**1
PERNAKSBUC-j.
DISCURSO PROFERIDO PRLO SECUNDO TKNINTR D\ ARMAD*
HAZ MAS DA COSTA EM O FUSPRAI. A OOK SR PRO-
CEPEU NO DA 2 DO COHr.B*TE PRI.0S MARI-
VflEIROS, uimiiAii UARIKNEIrOS e
FUZILEIROS SAVAES.
Hio vos hao de faltar, gente famosa,
Honia, valor e fama gloriosa.
(CamOu, canto X, verio LXXIV.)
Diferenles, senhores,' silo as pilases da vida do
homem ; nellas se passam tantos fados, nellas sb
encadeiam tantos phenomonos, queo ser contingen-
te, dotado de urna inteligencia por maig frtil e fe-
runda, nlo pode resolver esse problema tiio emara-
nliado, tilo confuso em sen dosinvolvimenlo ; osse
pro Mema quo tem sido o ponto do debate entre os
ptiilosophosmtigos e modernos ; esso problema que
se cifra em saber o que hp a vida e o que be a muri.1'
F. seremos n, dotados de fraca intclligoncia, que
levemos penetrar nesse vasto campo de meditac.Aes?
Nfloj ni:iichonios ;i realidad*, essa rcali lade que
boje, involvendo-nos de luto, nos opprime e nos
arnbrunha .' Ab sennores ; que fretro be esso que
Mi diviso, que galas fnebres siio e.ssns que em der-
dordemim contemplo ? oh i vos cniuooceis, vos
choris, eu bem comprebendo ; aquelle fretro de-
nota o lugar sobre o qual so ocham enllocados os
reslosdessesvalentesfillios do Marte, quecom hero-
smo e denodo moslraram que pertenciam a essa cor-
porac.lo que, semprc lale Rime, tem sabido sus-
tentar as instituirles patrias o o Ibrono do nnsso
nclito inonaicha; aquellas galas silo as ultimas
hnmenagens de respeito e de iccorda^ln eterna, quo
consagramos* esses guerreiios quo comnosco se sa-
ciificaram as ras o suburbios ilesla cidade no san-
grento dia 2 do fevereiro, a esses imperiaes inari-
nh.ijos e fur. leiros navaes que fra le seu elemen-
to vieran) desengaar a boinens inleiramenle des-
vairados, que, quando se trata da salvarlo da patria,
cues sjo SOldadoa aguerridos e sustentculos do
Ihrono brasilero.
Que honra, senhores, para a posleridade, que or-
gulho para tilo nobre classe!
Qucm vos falla, comvosco compartilhou das fadi-
gas desse triste dia, quem ergue sua dehil e fraca
voz, be aquelle que a alguns dos que" boje existen
na mansito dos justos deve a vida; Costos vos, im-
periaes niarinbeiros, que me ron bastes das garras de
un feroz inimigo, quando, arremessadn ao ollflo por
urna hala, eslava piestcsa caliir no poder desMa ho-
mons barbaros e selvagons; rostes vos i|uo cnclie.sles
de prazvrocoracfiode um anciiioquo noje eboraria
a perda de um filho idolatrado: mas que importa
moircr, derramara ultima gola de .-angue pela pa-
tria, por essa que nos aceita e quo tnnibcni nos da o
nomo de lillios ? Ah l boje perienceis a Ierra, boje
ja tifio respiris o ar puro e hafojado por um futuro
bullante, ncarain inconsoUveis vossas familias,
mas vossos nonios heroicos passnriio de posleridade
cm posteriilade, o o prazer do que soubcsles honrar
vossa patria e os vossos cliefes por toda paito nos
aeouipanhar. Como soldados liis ao vosso juia-
monio, cumpristes vossa misslo na letra, neasa ierra
da qual iiojo pedimos a lieos, Senhur do universo, re-
pou3o eterno para vossas almas.
sado, marchou immcJiatamento para aquella villa
com os bravos que commanda; o, tendo em cami-
nho disposto as cousas de modo a receber dentro
om breve fortes re forros das autoridades das pa-
ragons circumviznhas, apresenlou-.se s cinco e
meia horas da tarde de 27 cm a referida villa, onde
jacbou reunida urna porcHo de genio, quosepre-
parava a rocbassar os rebeldes, caso ellos ousasscm
ataca-la.
Se, pois, nfio obstante ns perdas consideravois
que os rebeldes lio soflVido em todas as partes,
aquellos comparsas seus sestreverom a carrigar so-
bre Pesqueira, esperamos que receberfio urna licito
mestra, e lefio completamente aniquilados.
No entanto, porm, que o Sr. Gallindo persegue o
desbarata desl'arte urna porcilo de rebeldes, o Sr.
lenente-coronel FaleBo rccolho-sC a Monjopo com a
columna do scu Dominando, trazendo a grata noti-
cia deque, havendo batido as maltas que fieam en-
tre Pasmado o esse engonho, juntamente com as
forcas ao mando do Sr. coronel Pimentel, nito en-
contrara revoltosos, supostohouvos.se visto as im-
mediacflr-s de Araripn mui visivois signnes deque
elles estiveram acampados all.
O .cgNIIOB MAJOR JOO GOII.IIKRME DR DRIICE K O
SEXTO iiatai.iio OR CACADORES.
Por vezes tomos nos publicado pecas ofliciaes
comprobatorias da mancira honrosa como o Sr.
major foRo Gulllierme de Bruce se lia dislinguido
com o sen batilhio em os combales cm que tem to-
mado parto nesta provincia e na da Parahiba cm pro
da ordem e da tranquillidade publica ; agora vimos
inserir a ordem do dia por quo S. S. fez conhcccr ao
mesmo corpo a considcra^Ho em que a cmara mu
nicipal do flrejo-dc-Areia tomara os importantes
servicos, prestados por elle na occasiilo am que a
columna do Sr. Icncnlc-coronel Falcilo desalojara
daquclla cidade o trogo rebelde que a infesta va.
Este documento falla mullo alto por si mesmo ;
e, pois, apenas nos limitamos a transcrev-lo
lllAKIHPEnNaSlit'CO.
BICirr, 8 DE MARpo DE 1849.
NOVAS DA REVOLTA.
Acompanhadns de alguns salclliles, Jofo Teta,
Severo, Pedro Jos Rodrigues de Vasconcelos J-
nior, Francisco Ribeiro e otitros, assallaram om dial
do mez pautado a povoaciio de San-Rento, comarca
de Garanhuns ; assassinarnm um pobre moco, sohri-
nhodeJoilo deAndrade; ferirain a varios indivi-
duos inermes; e, pralcadosesses actos, trataram de
intrincheirar-se, mostrando-sc assim dispostos a
resistir qualquer frca legalista que tentasse expel-
li-los daquelle lugar.
Entretanto, chamado pelos habitantes pacilicos da
povoac/io, o Sr. lenente-coronel Joilo l.eile de Tor-
res Gallindo vAi em soccorro delles com a frca que
commanda ; e no dia 24 de fevereiro ullimo, polas
II horas do dia, alara os vndalos, e ap< 30 minu-
tos de fogo os obriga a lugir precipitadamente para
as mallas levando seis fondos e um morlo ; no en-
lamo que os defensores da legalidade, como quo pro-
tegidos pela Providenctl, nilo hnviam sofTrido o mi-
ninio desastre, e, vigorosos e onthusiasmdos, en-
toavam vivas a S. M o Imperador, osorcando-se por
tranquillisar os nimos do povo que acabavam de li-
vrar das gatras de urna porcilo de salteadores.
Guiados por esse senlimento de piedade, que tflo
bem asienta em militares briosos depois de urna vic-
toria, e que cerlamente os eniiobrcce aosolhos do
verdadeiro chrstilo, os legnlistas ao mando do Sr
Acampamento rolante do d o halalha de caradores
de primeira tinlia na cidade do rejo-d'.-.lieia, pro-
vincia da Parahiba do Norte, tm 26 de fevereiro
de 1819.
"< ORDEM DO DIA.
O major commandante interino manda fazer pu-
blieo aopaUlbnO O ollicio ahaixo transcripto que
acaba de Ihe ser dirigido pela cmara municipal dos-
ta cidade, cujo teor he osegointo : -
lllm. Sr.Constando a esta cmara, pelotes.
n lemunlu. de muitas pessoas fidedignas, que ao 6.
DatalIlHO de cacadores ao commando de V. S se
deve em grande parle a gloriosa victoria aqui ob-
tida no da 21 do correle mez pela briosa e va-
lente columna que persegue os rebeldes, e a
prompta tomada desta cidade, onde estes se acba-
vam lOrtemonte acastellados ; porquanto foi V
S. que frente do mesmo hatalhao, ostentando
mcrivel coragem, oecupou a dianleira da mosm
columna no vmssimo logo que Ihe faziatn os br>
haros na ladoira do Tat ; sendo V. S depois do
a fenmento quoTccehera, dignamente substituido
pelo scu ajudantc, O intrpido caniliio h Leitilo
i. de Almciila, o qual, mostrando iiia| bravura
soubo sustentar, com dignidade o posto que Ihe foi
ennhado, levando aempre de rojo diante de si os
Ininugos, e sendo o primeiro que em comiianhia
. do cadete JoSo Jos de Bruce pisn asruas desta
cidade, c ro imnor os i divides fra della collo-
cando um piquele cm suas extremidades': iulga
esta cmara de .seu rigoroso dever, depois deba-
ver dirigido as suas Tongraiu|acoeg H0 ,):ilnclo e
dingir-
pagar-lhe,
este municiaio, um tri-
brioso commandanlo ra inosini. columna
se tamhem em articular av. S., pura di
u em nonio dos hahilanles i
bulo de eterno
reconhecimento c gratidilo pelo
Mingue que verleu, o por |1o relevantes servicos
prestados e,n de fosa do ihrnno e da ordem publi-
ca, rogando a V. 8. se digne levar iguaes ngiar|o
omentos a presenta do sobrednorapiilo ajudan-
le e cadete, o de todos os Sis. ofliciaes e pracas
i dorefeiidohatalhflo. v
Dos guarde a V. S. Paco da cmara municipal
da cidade d'Areia em srssflo cxlraordinicia de 26
de Tevereiro de I8*9.-I||(n. Sr' Joilo Cuilberme
de Bruce, major e commandante do 6 batalb.lo
de cacadores, ora estacionado nesta cidadeJodo
Oonralre* do Na$cinunio, presidente. Trajano M-
lipio ile Hollando- Chacn Vanoet da fanseca Mi-
. Iones. Francisco Cavalcanle de Albuguerque.Nuno
Gvedei l'ereira. 'fholonio Guedtt de Moura.-Jos
Ignacio ronce de l.jn.
Ao mesmo lempo que o commandante interino
com a publicarlo cima satisfaz aos votos da cma-
ra, expimeaos seus companheiros d'armaso rogo
sijoque lem por ver que os servicos prestados pelo
6." batalllo de cacadores nesta provincia da Parahi-
ba do Norte merecvssem polas autoridades iocaes
os que o balalnflo ja por vezes
lenente-coronel Torres Gallindo, logo que (caram|ci
de posso da povoacflo de Srn-Renlo, dirigiram-se
respectiva groja, afim do darem grabas a DF.OS pelo
triumho que Ibes proporcionara; e, ahi chegados
nSoscumpriram este grato dever, senDo tambern
dcrain sepultura o cadver do desditoso moco que,
segundo dissemos em principio, os vndalos tinbam
sacrificado sua ferocidade.
Iieceioso de que os rebelde* que acabavam dse
batidos, e se haviara acantonado nag maltas, procu-
curassem reunir-se a um outro bando de salteadores
que se dizia ter parlido do Inhamtins sobre Pesquei-
ra, o Sr. tone* Caillndo, seai mesmo liaverdescau-
louvores idnticos
levo
ve a honra de receber das autoridades da provin-
a doJ'ernambuco de cuja guarniciio faz parle; e
espera o commandanlo interino que cada piuca do
6." batalhflo se esmere cada vez mais aliin desem-
prc bem merecer de S. M o Imperador, de scu jus-
to goveruo e da patria Joilo Guilherme de llruce
major commandante interino.
balhos ; e, posto que o ministerio sofresse nellas
urna forte opposiciio, todava a maioria era em son
favor
Na'IIespanha nada de extraordinario havi* occor-
rido. x guena civil continuava ainda a desolar aquel-
le paiz, porm m tropas da rainha tinbam alc.inca lo
consirleraveis vantagens sobro as da rovolta: o pro-
prio Cabrera fra ltimamente derrotado; e, perser
guido pelas forcas ao man lo do general Concha,
fogia do lugar em lugar com grande risco deserapa-
nliado. Segundo ello mesmo confessou, a sua sal-
vacilo, emquanto peregrinou por Monseny, foi devi-
da ao puro acaso: depois que viera de Franca, o ge-
neral monlemolinista nunca se vira cm tamaito
aperto. A facffio por elle commandada, expulsa das
guaridas aonde se julgava segura, andava agora re-
celosa, e dispersa em bandos, sendo os maiores
delles de 400 a 500 homens.
O gnverno bespanhol dirigir a todas as potencias
milloneas a seguinte nota acerca dos negocios de
Roma, a qual encontramos no Otario doGovernode
2 de fevereiro :
OgovernodeS. M. esta resolvido a fazer a bem
do papa quanto seja necessnrio para o enllocar de
novo ii'iim estado de independencia e dignidade
que Ihe permita desempenhar o seu sagrado minis-
terio. Por esse motivo, apenas Ihe constou a fuga de
Sua Sanlidade, enlcndeu-so logo com o governo fran-
cez, quo s- moslrou disposto a sustentar a liberdade
do santo padro.
Comtudo esjas negociados talvez iio Bajan
bstanles, olhandd ao aspecto que vito tomando as
colisas cm Roma. Nilo so trata ja de proteger a li-
berdade do pana, mas de rcstabelecer-lhe a auto*
ridadedo modo firme e eslave!, pondo-o acoberto
deluda a violencia. Sabis que as potencias calho-
lica lem especial empenho cm afianzara soberana
do papa, e fncililar-lbe meios de possuir urna silua-
C"o iudependent.
a Esta independencia be do lal importancia para
os estados chrisliTos, que de modo algum deve licar
so ao arbitrio de lito pequea parte do mundo ca-
Hiolico. A llcspanha enlonde que as potencias ca-
tholicas nito pdem deixar a liberdade do papa suh-
joiu ao capricho da cidade de Roma, consenlindo
que, ao passo que todas as nac/ies olinsinas se apres-
sam coi dar ao pontfice demonstradles de profundo
respeito, urna s cidado de Italia se atreva a ultra-
jar-llie a dignidade, o a enllocar o papa n'uma de-
pendencia com que poderia porigar um dia a auto-
ridade religiosa. stas consideraces moverain o go-
verno de S. M. a convidar as demais potencias catbo-
licas a combinaren! sbreos meios que devem em-
pregar para evitar os males que occorreriain se as
cnusas bouvessem de conservar-se por milito lempo
no estado em quo se acham. Para seinelhante lim
ordenou S. M. ao seu governo que se dirigisse aos do
Fianca, Austria, Itaviera, Sardenha, Tosca na o a-
ples, convidando-os para que nomeicm plenipo-
tenciarios, e designem o ponto aonde estes se hajam
de reunir.
Para evilar demoras, indieou S. M a capitel de
Madrid, ou outra qualquer cidade hespanhola pr-
xima ao Mediterrneo, lauto por rausa do socego
que a pennsula desfructa, como pela conveniente.
siiiiae.-io de urna cidade man ti na Como agora a-
penas se trata de urna quesillo catbolica, lie a Hes-
l ;inii,i a mais propria para lacs negociaces.Pedro
l'idal. a
A Inglaterra (rara em socego, porm as noticias
ifa Irlanda silo algum tanto ilesagradavcis. Em Uls-
ter mu!tiplicam-se os crimes, e nos condados de
Down e Autrim tem havido um numero consideravel
de incendios ; o governo, com o fim de evitar a per-
prolraeao dos delictos, mandara publicar que poria
em vigor, a contar de 20 de Janeiro, o acto II" da rai-
nha Victoria mi iiniinenau, Kilptieak, Crapocks, na
parnchiade Koinval, e no condado de Donogal.
No primeiro de fevereiro a rainha de Inglaterra
abrir em pessa o parlamento britannco, pronunci-
ando nesta occasiflo o seguinte' discurso, o qual ex-
trabimos do mesmo jprnal a que cima nos referi-
mos :
IHHordi e Senhores. Tendo chegado a poca or-
dinaria em quo o parlamento deve proseguir em
seus trahalhos, convoquei-vos para quo possais cum-
prir com as vossas importantes obrgagOes.
Compraz-me o poir-vos aniiu'nciar que no nor-
te e meio-dia da Europa, concordaran! as partes bel-
igerantes n'um armisticio para formar so um Ira-
do de paz.
As hostilidades do quo a Sicilia foi Ihnatro, vie-
ram BCOmpanhadas de circumslancias t.1o odiosas,
quo os almirantes hritannico e francez se decidi-
r m a inlervif, pl)r motivos de humaiiidade, afim de
portal termo aoderrainamenlo dosangue.
Aproveitei o prazo quo se alcancou para, con-
junciamonto com a Franca, proprael-reido ap-
les um convenio que lix de modo permanente a si-
Ujac&O da Sicilia. As negociacOes a lal respeito ain-
jla estao piMideiiles. Interpoudo os meus solcitos e
bous ollicios para com as potencias belligerantes.
levoi atnnprecm mira evitar maior somma de cala-
midades Ja guerra, e assenlar as bases de honrosa e
duratinura paz.
Manler com as potencias cstrangeiras as mais
estrellas e amigaveis lelacoos he o mou mais cons-
tante desojo.
"Logo que o llem do servido o permita, ordena-
re i qua^vos sejam apresentados os documentos rele-
es negociaces.
o commercio snrestabeleco dos abalos que leve qoa
deplorar no comeco da ultima sesslto.
O estado dos dislrictns fahrn he tamhem mais
animador doquo tem sido ha longo lempo.
D-mo igualmente grande prarec o observar
que o estalo dos rendimentos pblicos mclhora
progressfvSmente.
Terrlio, porm, a lamentar que a nova oscss;ez ni
eolheita das hlalas naja causado grande penuria
em algnmas partes da Irlanda.
Oeffeilo das lois do auxilio aos pobres na Iran-
a dai provavelmente assumpto psra as vossas n-
''estigacaes. Quaesqner providencias quo lendan
> emenda-las em sentido favoravel, ea mclhortra
coiidicilodo povo, pJcm contar com o meu cordeil
assentimento.
i, Com ufania e gralidlo obscrvoi a meu povo, e o amor que professa s nossas institu.
tuicos, o qual Ibedeu animo durante o periodo de
apuro commercial, de escassez do alimenlos, c de
rovoluc/ilb poltica.
Invoco a proteccflo de Dos Omnipotente para
que continu a favorecer os nossos progresin, e,
quanto a vos, cotilo que me ajodarels a sustentar o
edificio constitucional..aslBl, como ost, em
livos
NOTICIAS BSTRANCEIRAS.
A barca Tejo, vinda de Lisboa, e entrada boje nes-
te porto, trouxe-nos com a caria do nosso corrospon-
denle naquella cidade, a qual deixamos atiima trans-
cripta, varios jornaes po rluguezvs que alcaneam al
13 ue Tevereiro prximo passado.
Portugal, mais Miz ,u que nos, continuava a go-
zar de pcrfeila Iranquillidade, o n:lo havia receios
ue quo a ordem publica fosse all alterada.
As cOrtes proseguam regularmente em seus Ira-'I
Hehentou no Pundjab urna subl*vacio de carc-
ter temeroso, sendo obriga I. o governa lor da In-
dia, para conservar a Iranquillidade do paiz', a reunir
consideravois Torcas que se acham agora empatilla-
das em oporaed s militares contra os revoltosos. O
socego na India-llrilaiiuica uo se allerou com estas
jlfftl provocadas turbaqOos.
liaino de novo ;i vussa alleiigo para as restric-
COes que as leis das navegad-oes impoeui ao commer-
cio. Se entenderles que estas leis silo, no todo ou
em parte, iiisuulcienlcs para manlerem o nosso po-
d6r martimo, ao passo quo damnai o commercio e
a iudusiia, resolvereis se lio opportuno aboli-las, ou
niodiliear-lhes as disposi;Oes.
Senhores da cmara dos communs. Ordenei
que vos fsse apresen lado o orcamento do anno. que
ser reito, tendo milito em vista a mais prudente e-
eunouiia. O aspecto actual dos negocios permiltio-
ine fazer largas redueles no orcamento do ultimo
annq.
Mylords e Senhores. Observo com satisfa^ilo
que esla parte do Reino-Unido se couservou tran-
quilla no meio das cnnvulsOes que abalaran lautos
catados da Europa.
A sublevacflo na Irlanda nio proseguio, mas
existe anda cerlo espirito de ilesalfeic.to, que me
obriga, bem a n cu pozar, a pedir a cunljiniacilo,
por lempo Ilimitado, dos poderes que na ultima
sess.lo julgaslos necessario conceder para a uiaiiu-
tonc.no da tranquillidade publica.
Simo grande satisf.cSo era annunciar-ros que
principios de jostim e lr,
Roma contina anda detlaixo da direcQiTo ao go-
verno provisorio, o povo acba-se tilo exaltado, q*ie
ullimamente peroorrra as ras da cidado gritandi
vira o gobern democrtico nxorram os inimigos da
liberdade A ousadia das turbas chegon a ponto de
qnerercm laucar no Tibro o busto de Pi IX. suas
armase bandeiras, e oloriam feilo se nilo tivessem
acudido alguns rommandantos da guara cvica, o
marquez de Capranca e o principe Cezarini, oj
quaes, de aecrdo com o advogado Arniellini, mt-
nislrodo interior, mandaram fortes pstrulhas para
obstarem a semelhantes attentados.
O papa conservava-se ainda em Cela, o re de-
aples o toda a familia roal linham-se passado
para aquella cidade afim de resdirem junio de Sua
Sanlidade.
O ministro francez, e o encarregado de negocios
do Brasil linham chegado-a aples no dia 9 de Ja-
neiro.
Em Sardonba reinava grande excilamento.
Carlos Alberto passra revisli s forcas que all
soachvain no dia 23 do Janeiro. O general Pelel,
o qual fra ltimamente concedido pelo presidente
da repblica franceza para commaudar as tropas
sardas, nao a ao lado do re, mas sim na carroa-
gom do emhaxador de Franca.
O genera i Pelel he um dos veteranos das guerras
do imperio.
As noticias de Franca sito ponco satisfactorias.
No dia 28 esleve Paris na maior agilaciio, havendo
o general Changarnier lomado as providencias ne-
cessarias para que a tranquillidade publica nito fosse
alterada.
O ministro do interior, Mr. Len Fauchcr, procla-
mouao povo, declarando-Ihe que linha chamado as
armas aguarda nacional para a dcfeosJo da ordem,
outra vez a meaeadu pelos inesmos lioniensquea
aggrcdiram cm junlio do anno p. passado.
Os rededores dos peridicos da monlanha e so-
cialistas protestaran) contra o projeclo sobre o cn-
cerrainento dos clubs, >iue fra a presentado assem-
bla pelo governo, e pedrsm qno a represeulae.no
nacional procedesse aecusafio dos ministros que
se enojara m a se niel hanle al tentado.
No dia -.") oi-icve de novo em armas a guarda na-
cional, ajudada pela loica de linha; e urnas Irinla e
tantas pessoas, dizem, fram presas.
No dia 30 tomaram-se em Paris algumas precau-
i.'ooa militines, porm om menor escala do que nos
lias precedentes- Fizcram-ye algumas prsOes, o
entre outrasa de varios escriplores publico?.
Em Morscllia, l.eon. Macn, Chalon-sur-Saone,
Strahurgo, I.mogos e Troycs hotive tentativas de
desordem, porm as autoiidades auxiliadas pela
guarda nacional e tropa de linha frustraran! os pla-
nos dos agiladoies.
JUSTICA AO MRITO.
Tendo no dia 2 de fevereiro do correle auno sido
preso o contador da thesouraria de fazenda desta
provincia, Francisco l.udgero da Paz, e paseando a
snlisi lui-lo o digno ofllcial-maior da contador^ o
S-.' Joiio Fernandos da Cruz, que vista da le He 4
de outubro de 1831 lie o competente,- loica he (]iie
se d a este cida lito dntnclo um signal de apreco
em que silo lidas suas excelleutes qualidades. Na
venlade, anda que interinamente, se acha mui bem
prehenchido o lugar de conlador, porque sendo o
Sr. Cruz um milco de summa educacjlo e boa ndo-
le, nilo s Irala com delicadas maneras a lodos os
empregados, que Ibes sio interiores em graduarlo,
e mesmo as partes, que, aviadas eom promotioilo,
reliram-se salsfetaspelo bom Iratamento que dclle
recehem, como lambem nenhum empregado ha
mais austero no cumprimenlo de seus deveres, em
que dosonvol ve-so culli son lia iiitelligcncia, 6 ZClo
pelo servico, fazendo na qualidade de chefe com quo
se compra a lei em toda sua plemtude, guardndo-
se a maior regularidade no Irabalho, e respailo na
re.-arlicHo. A'visla do modo louvavel com que se
tem portado o Sr. contador uterino nflo.plc ddxar
de merecer do governo imperial toda a considera (lo
pelo milito que se esforca cm salisfazer a ludas
exigencias do servico publico, assim como luiu po-
di'iu os empregados e, todas as pessoas, que com
ello lem estado-em'Contacto, deixar de tribiiiar-lhu
uiuita gratidflo. Continuando o Sr. Cruz em ISo rc-
eouiineiidavol conduela, recebera do governo a re-
compensa que ni crece ni os seus servioos, e do pu-
buco consideracilo e eslima. Oignom-se.Srs. redacto-
res, inserir em sua bem oonceituada folha estas pru-
cas Indias, que muilo obiigarSo seu contante leitor
O Justiretro.
Publicado a pedido.
Para que uo paralisem os trahalhos do laborato-
io desse arsenal, auloriso-o a despender quanlia
o um cont de ris com a compra de% cincoanta
uinlaes de chumbo em barra, para luudidhr de
alas-
Assim respondo ao.ofllcio que Vmc. me dirigi a
resjiBiio, com data de 28 -Jo crrante.
Dos guarde a Vmc. Palacio do governo d Per-
nambuco, 28 de reverciro de 1849 Manoel f tetra
osla. Sr. major director do arsenal de guerra.
ILEGIVEL
Jl


:
/
9:010,853
OfflMR,0,
ALFANDRGA.
iii:\nniHNTn no di.v 8...........
Pescarregam hoj>, 9 d marro.
Caler Rm-Deor mercadorias.
I'.itucho Loper dem.
It'igue Emma hacalho.
Patacho -JJyu-Jrmtsas barricas abatidas.
MPORTAGAO'.
1t.-F.-l/iper, patucho americano, vindo dn Phila-
dolphia, entrado nfc corronle moz, consignado a
Milheua Auslin & C, manifestou o s'eguinle : 1200
j.arricns do frjh de trigo, 31 vnlumes fazendas de
nleodilo, 1>9 eaixas de Cli, "400 liarric|iiiiilias bo-
lachinlias, f 9t barricas abatidas, 100 barris banha de
no'cn, 9 barricas coui yjipos ; nos consignatarios.
Eli*, brigue Inglez, vindo do Terra-Nova. en'rado
nn correnlo mez, 'consignado a James Crabretree &
C, maniTcstou o soguintc : 2876 barricas de buca-
Ihu: aos consignatarios.
Emita, hriguo amoricano, vindo de Baltimore,
entrado no corrente me, consignado a Deane Youle
& C, majiifeslou o seg.iinte: 1232 barricas de ha-
enlliao, 125 presuntos, 144 barricas de familia de
irigD, 30 saccas pimpnla, 40 volumes fazendas de
nlgoJ.10, SU ditos pannos para saceos, 150 barris
manteigade porco ; aosconsignatarios.
GONSULAO gerai..
RE.NDIMKNTO DO DA 8.
Ceral ......
Diversal provincias
3:789,672
3:789,672
CONSULADO PROVINCIAL.
ILNDIMF.NTO DO 01A 8........... 1:197,103
Movimento do Porto.
Navios entrado no da 8.
Novs-llellandn, tendos mez*, gatera americana Alexandir-Coffin, de 383
toneladas, capitilo J. S.Hataway, equipagem 30,
carga azoite ue peixe. a capitilo
Bristot ; 33 dias, barca ingleza Commoitr, de 258 lo-
ni'la las, capitilo Thomas Asplet, equipagem 13,
carga carvilo do pedra; a Me. Clmont & Compa-
nhia.
Lisboa ; 21 dias, barca portuguesa Ligeira, de 360 to-
neladas, capitilo Antonio Joaquim Rodrigues, o-
qulpngem 21, carga Vioho, pedra e mais gneros
Uo paiz ; a Francisco Severiano Rabello. Passagei-
ros, Antonio de'Figueircdo, Filippe Jos de Fi-
gueiredo, Gerlrudos Magna do Assenco.
A'nroj taidos no tntimo dia.
Sag-llnbor ; galera americana Plumoulh, capitilo l
K. IMwanis, carga'a mcsin que trouxe.
New-Rodford ; barca americana Newton, capitilo Au-
gusto Halo, carga a mesma que trouxe.
dem; galera americana AtexanaUr-Ctiflin, capitilo
J. S. Hataway, carga a mesma que trouxe.
Porto; barca portuguesa Helia-l'ernambicana, capi-
llo Manoel Francisco Nogueira, carga assucare ai-
llo Mano Kr.iniscoNogucir, carga assucareai- i"y---------- -- 7 "'.. .,,,,,
godilo Passageiros, r.centa Rodrigues, Jacinthu wndas ...glczas, princ plmenle di.n..tios.
7____ rSZ*T' ,,'/.,____: /i7,- i....;- l_ iros nroDnos nara a actual quaresma: teres
--O ar'sonal do guerra compra oculos.de ver ao
longe : quero os mesmos tiver para vender pode
comparecer na sal, da directora do mesmo arsenal,
no da 10 do corrento, com sua proposla em carta
fechada, o trazendo os oculos.afim de se escplherem
os melhores.
Arsenal de guerra 8 de marco de 1849.
Ooscripturario,
Francisco S$rafico it A'sii Carvallo.
Avisos martimos.
-Par Baha sane,na presente semana,o hiate Flor-
de Curnript. de primeira viagem: quem nellequizer
carregar ou ir de passagem, dirija-se a ra do Viga-
rio, armazem n 5".
O brlgun portuguez Flor-do-Tejo sahe para Lo-
ada domingo, II docorrenle: inda recebe carga
miuda e tem commo'los para dous passageiros : tra-
ta-so com o calxa J F da Costa lloux., na ruado
Crespo, n 10, ou com ocapilSo na Praca-do-Com-
mercio. '
Para Lisboa pretendo sabir, no lia 24 do corren-
te, o brigue portuguez Novo-Vendedor, por ler a
maior parte ila carga prompta : para o resto e pas-
sageiros, para oque tem os mais asseiados commo-
dofe trata-se com os consignatarios Thomaz de
Aquino Fonseca tt Filho, ou com q^capililo Antonio
Jos dos Santos Lapa na praca doTJommerc.o.
mm Vende-se o veleiro hiate Paquete-de-lUaroim,
novo, de 98 toneladas com dous bous estravos
marlnheiros: quem o pretender dirija-se para o
examinar* bordo, ancorado em frente da ponte,
na amarracflo da carno secca e para juste, na ra
da Cruz, n. 3.
Para o MaranhSo e Par* segu com a maior
brevidade possivel o patacho Josefina, capitSo Jnse
Maria da Silva Porto : para carga e passageiros ofle-
receexcel lentes com modos : os pretndeme tralem
com o consignatario na ra do Trapiche, n 4i, ou
com o capitilo na praca.
Prtt piuaMacei ou Pendo.
A barcaca Aurora-Feliz, de quo he mestre Henri-
nue LuizdeFran;a,ecujo lote he de 2400 arrobas,
recebe carga a frele para Macei ou ci.lae de l'cnc-
do al o di 10 do correte, pois que tem de nnprc-
terivelmente sabir no dia 12 : trata-so com o mestre
da mearoa no Forte-do-Mallos, ou na ra do Apolllo,
armazem de assncar, n. 23. ,
-- Para o Bio-C.rande-do-Sul seguir breve o bri-
gue CaWoa.por ler parte de seu carregamento : anda
recebe alguma carga, escravos e passageiros: quem
pretender podo ontender-se com Amorun Irmnus ,
ra da Cadeia, n. 39.
Para a Babia sahe com brevidade o niale A -
Anionio-fetictdor por ter mais da melada da carga
engajada : para o resto e passageiros, Irala-so com
Joilo Francisco da Cruz, na na da Cruz n. 3.
Para o Bio-do-Janeiro sabe com muda brevi-
dade, por lor parte de sua carga prompta o patacho
nacional Eulerpe : para o restante da carga escra-
vos a Trete e passageiros para o que lem relen-
les commodos, trata-so com Luiz Jos de Sa Araujo,
na ruada Cruz,n. 33.
o actos da semana-sania por nilo terem dinheiro ,
'se tamhom nf!o tem quem se .icumha de tirar es-
trilas O trinando pandilka.
Leudes.
O Sr. cnsul da Franca por* era leilflo, por
conta de quem pertencer, e por intcrvencAo do cor-
relor Oliveira, o arrendamento a mexes, dando-so
iianca, do terreno o lelheiro na ra Nova, oulr'ora
do cstabelecimento de carros do fallecido Augusto
Jaussome, subdito francez : seguoda-feira, 12 dn
correntc, s II horas da manha, uo consulado de
Franca e em presenca do referido Sr. cnsul, na ra
do Trapiche-Novo.
-- Jones Patn & C. farflo leililo, por intervencAo
lo corretor Oliveira, de grande sortimenla de fa-
o Oll-
Antonio Altonso, Jos Joaquim Coelho Jnior, F-
lix Manuel RodriguesCoelli, Antonio Ferreira da
Silva Sanios, Antonio Marques da Silva e Almeida,
Francisco Alves Montoiro, "Bernardo Fernandus da
Cunta. Joaquim Martina Coelho, Portuguezes.
NrW'York; barca americana Drunel, capitilo Kdward,
Me. Crath, carga assncar
Live'rpool por Macei ; barca ingle/, i Creamore, capi-
tilo Tiloma Kemp, carga assucar.
Antuerpia ; barca Rnssiaiu Guttuf, capitilo C. L. Fa-
bricius. carga assucar.
F.:no ommissilo.; brigiie-esotioa de guerra brasileiro
Piroja, coinmandaiito o irimeiro IcnenUNuno Al
vps'l'ereiri de Mello.
Buenos-Ayres ; escuna siciliana Regeneracior.e, capi-
13 Pauho hwenllo, carga assucar e ago'ardente.
JDITAL.
Miguel Arrhanjo Monleiro de Aniradt, official da im-
perial' irdem da Rosa, eavalleiro da de Chriilo e ins-
pector da alfandega de Pernambuco, por S. M. o
Imperador, que Deot guarde, etc.
Faco saber que no dia 12 docorrenle serilo arre-
mntndosem basta,aci meio-dia,na porta d'alfandega,
iim barril com 9 medidas devinho do Porto, no va-
lor de 3.960 rs. e um gigo com duas arrobas de ba-
tatas, no valor de 1,500 rs. : ludo apprcbernlido pelo
segundo sargento do corpo de Voluntarios, Antonio
Jo^Tavares, sent despacho, sendo a arrematarlo
livrodedireilos.
Alfandega, 8 de marco de 1849.
Miguel Arrlian/o Monteiro de Andradc.
ros proprPos para a actual quaresma : terQa-feira,
13 do corrente, As 10 horas da inanli.ta, no seu ar-
mazem, ra do Prapicho-Novo.
Avisos diversos.
Declaracoes.
sala
va-
I <
quo
Jlo-
--Tendo o arsenal do marinba de admitlir para
ogsens trabalhos milhadoresrata a ferrara, ofli-
ciaesde rarpina e serventes, preferindo-se os livrcs
a esqravos ; assm manda o lllm. Sr. inspector fazer
puliliro paraconliecimenlo dos que possa inieres-
sar; devendons prelendenies apresentar-se-lhe com
toda a brevidade.
Secrolaiiada inspecc.lo do arsenal demarnha de
l'etflambvco, 7 de marco de 1849.
Jos Mtrcellino Alvtt da Fonteca.
Aluga-se a luja do sobrado n. 5 do Aterro-da-
Boa-Vsta ptima para todo o genero do negocio,
pela sua cxcelleute Incalida le : a tratar no mesmo
sobrado, a qualqner hnr.i do da oiidetambem se
fara negocio com a annaciio envidracada, existente
na mcsiua luja.
Sociedadc Ilarmonco-
'I healr.il.
Oprimoro secretario scientiica aos Srs. socios
que a commissilo administrativa tem mrcado reci-
ta pan o dia II do cnrreiili e quo faz-se-ha a
dislrilmicilodos bilheles no sabio do llieatro nos
dias 9 e 10; sendo que nesto ultimo a commissilo
reunir-se-ha para approvacSo do convidados.
Precisa-se de um caixeiro brasileiro para lora
da-cidade, e que rnleoaa de hija de fazenda : na ra
da Cadeia do Recife, n-59, priuioiro andar.
" i- Precisa-se de prelos traballiadores quesejain
fortes : pagam-se vantajosainonlo : quem os lver,
dirija-se n ra da Concordia, n. 8.
Iloje, 9 do corrente, perante o Sr. doutor juiz
do civel da primeira vara, se ha de arrematar, por ser
a ultima praca urna morada de casa terrea de po-
dra ecal, na povoaijao da Casa-Forte, penborada a
Hanoel Teixira Bacalar, por execuco Crabtree
Kenworlby&C.
-- Antonio Gomes Moreira Jnior ombarca-se pra
Portugal.
.-Precisa-se de um pequeo de 12 a lannos, que
tcnhaalguina prlica de loja de miudezas: na ra
largado Rozaiio, n. 26.
Precisa-se de um caixeiro brasileiro,ou portu-
guez, de 12 a 14 anuos : em alinda, ra do Balde, no
Varadouro.
Antonio Borgcs, sua mulher Anna Julia seu
fllhos menores Manocl e Joilo e seu sobrinho Jos
Maya, todos subditos portuguozesj retiram-so para
fra do imperio.
-- Pergunla-se a irmandade do SS. Sacramento
da matriz deS.-Antonio, seostres conloa de ris
que receben doatUgueis do casas que se achavam
cm atraso at o'mez de oulubro do auno passado,
nllo chegarilo para pagar seis sernies de quaresma?
l'erguna-so mais.se tambem no preteodtm fazer
Aviso aos amantes do
bom sorvele
A casa do sorvete da ra do Rangel estove g
parausada por causa de molestia do prnpiic- gf
tario ; m8S agora torna a dar principio Do gi
dia 10 do corrente, as 6 Jioras da tarde, at g
havergelo, sempre com o melhor asseio g
possivel, e sal para senhoras onde serilo |8f
servidas com respeito e promptidilo o que mt
a lalvez nfoaconleca em oulra parte: tam- |
I bem se recebem bilhetes das mais casis |
^j acreditadas Kspera-se, portanto, a concur- |
rencia coslumada de bons freguezes com g|
S os seus 200 rs. por copo.
-A abaixoassignnda declara ao respcitavel pu-
blico que foi sem sua participaclo que seu nome
se acha debaixo do um annuncio assignado pelos ar-
tistas francezes os Srs. Achule, Gabriel, Jems, Adol-
pbe o Sr." Broska. Recife, 8 de margo de 1819.
A'a(/io/ie.
-- O abaixo assignado tendo desembarcado do
vapor Urania e de partir para o Rio-de-Janeiro, de-
clara por meiodeste que nada Tica devondoa pessoa
alguma, de compras feitas para si, ou mesmo pa-
ra qualquer pessoa do bordo da dita barca.
Joaquim Josi: Alves de Mallos.
O abaixo asignado tendo desembarcado de
vapor de guerra f'/vim'i, e de partir pnra Rio-dc-Ja-
noiro nilo tendo lempo para so despedir das pes-
soasqueo honraram com sua amizade, por isso o
faz por meio desle.oflerecendo-lheso seu presumo
Daquella capital.
Joaquim Jnii Alves de latios.
O professorde inglez e francez do oollegio das
arles ensina estas disciplinas, na casa de sua resi
dencia na ra da Gloria sobrado, n. 7.
Precisa-so deuma pessoa quo saiba fazer pilo o
bolacha, quo queira ir para o mallo: na roa do
Queima lo n. 4 Na mesina casa so vende um palau-
quim de rehuCo.
No dia 10 do corronle, no meio-dia, na
das audiencias (inda a do Sr. juiz da segunda
ra se hilo dn arrematar as rendas das cuss ns
2 da praca da Independencia por eiecuclto
contra a cmara municipal movo Jos da Silva
reir.
~ Rngomma-se e' sose-sc toda a qualidade de cos-
turas mesmo de alfaintc ensinam-se meninas aler
e escrever con;o lanibem escravas : na rilad* Glo-
ria, n. 25.
Aluga-se um sitio na estrada do S.-Amaro para
Belm, com boa casa c otilo, bstanlos nrvoicsdo
(rucio ,"bom poco d'agoa de beber, boa bata para
melos e melancias : n Iratar na ra '.Direila, n. 27
prime iro andar
Umrapaz brasileiro, quo escreve solTiivelmen-
le, e com sullicicnto pralica para por em lunpo qual-
quer esrripluracflo atrasada oflereco o seu pievi-
ni a quem dello se qui/cr utisar ,-mediante o que
so convencional': na ra do Hospicio, n. 7.
-rO abaixo assignado ruga ao Sr. Francisco Ro
drignes da Cruz, queira responder por este Piara,
se est cerlo de ter receblo 40,000 rs. o anuo pas-
sado pela arniaciloda luja na praca da Indepo
dencii n 25 : pede-sc-llie este favor, por se le
dcsencemiiihado o recibo esc precisar traspnssar a
luja e tambem para evitar que o Sr. passe outro ic
cibo como se tem excusado.
Antonio enlode A.
-Jos Ignacio de Lima faz verao publico que he
odicial dojusticado juiz do civel, do subdelegado
coronel Francisco Maincdo de Almeida, do juiz de
Paz ileS.-Antonio, do juiz de direito da primeira
vara do ciimc, o lllm. Sr. doutor Jos Tiloma/
Nabuco, e mora no B-ccco-l argo, n. 31.
-- Precisa-se de um administrador para um enge-
nbo perlo de S.-Antilo que entend do servico do
campo e engenbo, a quem d-se bom ordenado, no-
ven lo apresenlar liador a sua conducta: no paleo
do Carmo, n. 18, segundo andar.
Car'os Claudio Trcssc fabri-
cante de orgaos c realejos,
na run das alores, n. 19,
avisa ao respcitavel publico que concerla igaos e
realejos, pOfl marchas '.modernasdesle paiz con-
cerla pianos sarapliinas, caixaa de msicas, acor-
los e qualquer inslrunicnto quo appareca : tam
bem Taz obras novas e vende um orgilo pruptio pa-
ra capella ou altar-mr, com boas votes por pre-
go oommndo. ..'., ,
-Na lojade Joilo Donnelly, alaialc, na ra da
Cadeia do Recife, n. 16, ainda restam algnns dos
palitos de linlio, viudos de Inglaterra 3,200 rs.
assim como collelos a 610 rs. cada um os quae
leem dous rorros no truzeiro ; o outras mudas
obras que se vonderilo baralissimas como ejam
de pannos linos, casimuasdo cures e pretas.e col leles
de gorgurSo. Cheguem a ver,
OSr. I'olicarpo que morou e leve venda no Man-
guinho cmpareca nos Arrombadus, para reahsar
oquoSmc. nilo ignora; do contrario, se fara ver
por este jornal a exigencia do annunciaiile.
Fazom-se caixas para aderecos ou quSlquer
joia por pceo commodo: na ra das Flores, n. 1!"
^CHAPEOS DESOL
Ra do Passeio, n. 5.
Oh! que pevinclia paran amavel e respcitavel pu-
blico : nnvas sedas da melhor qnalida le que se po-
de fabricar, por surcm de incommenda c da metnor
fabrica de Franca, recebidas agora. ,,,
O rabricanln desle eslaliclecimento adverto ao res-
pcitavel publico desta cidade que elle possue pre-
sentemento nm rico sortimento de chapeos do sol,
assim como chapeos de sol de seda furta-cores, do,
mais ricos que teem app.recido M cores conhecidas ; ditos para senhoras de bom tom.
adamascados, lavrados, con. suas competentes fran-
jas de retroz, ludo que tom do mais moderno e do
melhor oslo ; um completo sortimento do chapeos
desoldepanninho de todas as coces o de lodosos
lmannos, para homens, senhoras e meninos: ha
umbeui igual sortimento de r.uendas para cobrir ar-
macOes, lano de sedas decores, cmodo panninhos
trancados e lisos imitando seda. Adverte-se que os
freguezesseroservidos com brevidade, eseach-
rio satisfeilos da boa qu.illdade, do bom gosto e do
b~ Salsea venda dr esquina dar do Wlei-
niro.cm armacilo par. molhados por mi -.iro
atOKuel a quabl.o oplim.i pira quem qu.zor pn.ici-
piar: na praca da Independencia livrar.a^ns. 6 8
-Antonio da Costa Campos, Portuguez, ret.ra-se
para frn doimperio. 1.i
- Precisa-se de urna ama: na ra do Rsngel,
n.22
-Quem precisar de um bomem que entendo bem
de cozinha dirija-se a ra "do Encantamento, ar-
mazem n. 11.
-Manuel Antonio Fernandos, Portuguez, retira-
se para o Porto. .
Troca-se. um prelo por precisilo, que nelmeii-
to d por dia 480 rs., por urna prela quo saiba en-
gommar liso com perfeicHo e cozinhar: nao se
Otilando para a idade : na ra da Madre-de-Doos ,
venda n. 31.
-- O abaixo assignado faz ver aquellas pessoas que
teem penhores cm seu poder bajam de os tirar ate
o dia 20 do correnlo ; do contrario passar a ven-
dn-los para seu cmholco som espoiisabilidade
Alguma. Joaquim Marqws da Silva Vello.
- mi criolita forra propoe-sc a ensinar a coser a
pequeas pardas e prelas por mndioo precc- na
ra eslreila do Rozario no primeiro sobrado da es-
quina, n. .11.
-Francisco Domingos dos Santos, Portuguez, rn-
lira-se para fri do imperio.
- Antonio Jos dos Santos Portuguez, relira-se
para fra do imperio.
-Quem precisar de urna ama para o servico inter-
no de urna casa, duija-se ao Aterio-da-Boa-Vista.
n, 2.
~ A firma de Christnphcrs & Donatdson nesla pra-
ca lica dissolvida por mutuo eonsenlimento e a li-
quidaco contina no mesmo oscriplorio dirigida
por o paimeiro aasfgnsnte o o segundo abaixo as-
signado retira-so para Inglaterra, amule se encar-
rega de qualquer liquidacio que liouver a azer.
Recife, 6 de marco de I8W. Hy- Christopheri. -i.
S. Donaldim.
- Precisa-se alugar urna prcta ou moleque para
0 servico de urna casa de pouca familia : a tratar na
ra de S-Francisco, n. 34. .
- Jos Martins Podra resolveu nilo ir mais a Ma-
cei como liiih annunciado por esta fotha.
- Luiz Pedro das Nevos transferio a sua botica da
roa da Cruz, n. 17, para a mesma ra, n. 50.
- Proei-a-se de mu caixeuo de 12 a 14 anuos, quo
lentes alguma pralica de venda na ra Direila, veu-
'--'()abaixo assignado como de"presente nada deva
ne,t4.r.caenemfradella, por isso retira-se para
onde Ibe convier. ilanoel Jos Barbosa 'raga.
- Precisa-se do u mea i xeiro.no palco de S.-Pc-
dro, venda n. I. .
- Que... se julgarcredor da exmela firmado
Brinco*. Lede aprsenle suasconlas no prazo de 8
dias rara serem pagas. .
- Aluga-se una grande olaria na ra do Coto-
vello, a primeira passando o becco das Barrenas:
a trillar na ra da Alegra n 31.
- Dseia-sesabci quem he o correspondente ou
procurador do Sr. Miguel Joaquim Gezar, senbor do
engonho Marragflo, para se Ihe ontregar urna en-
comnienda. .,.-
_ Boga-so aos Srs. Alexandrino Ayres da Paix.1o
e Ka. tliolomeu'lavares de Oliveira o favor de irem
na travs da ruado Vlgario, n. 1, a negocio que
Ibes ol respeito, isto be, uo prazo de res das
- Arrendarse o engenbo LeOo, situado na f.egue-
/ia d'agoa, lomo, casa de purgar com furos e corrente,
casa de .oame com asscnlamento, dita de engenbo
run. moenda para moer com agoa, um molenete Je
beslas na mesma casa, asscnlamento de ene. ta.xas
son. defeito, cinco casas para lavradoro, ludo co-
hollo de lolba, con. 400 f mas boas o P*'"
do proco de(00,n00.s.annues: OS p.clenden.s
diri nm-se ao engenbo V.conte-Campe lo a tratar
com Manool G..clvos Peroira Lima, ou com Anlo-
nioGoncalvesPercira, narua Nova, u. 58, lercuro
""-o Rvm Sr. padre Maooel Joaquim de N. Senlio-
ra Mfii dos Homens queira procurar duas carias que
seacham ns na do Queimado, loja n. 16.
- Precisa-se de urna ama de ledo que o tenna em
ibundsnos, sendo forra ou captiva : atrs da matriz
Je Sanlo-Anlonio, n. 16.
Para as pessoas que tcncio-
nain seguir viagem.
Na ruado Rangol, ... 9, cnl'""-*0." ll^P"SM:
portes para dentro e fon. do imperio, '"l,ch"m,n8"
scrivos o correm-sc lolbas. ludo com brevulado e
SSj muito^mmodo, como se tem dado provas ha
oito anuos.
AOSSRS.DliF.NGENHO.
Na rundicllO dos Srs. Mesquit & Dutra na ra do
Rru-n lia sempre cm ser e porpreqo con modo um
porcao de lijlos de fogo, inglczes. **J"
KarassenUmentos das a.xas, por causa ds sua
grande durabllMade e resistencia do fugo por mudos
anuos.
-Compra-so urna negrinlia de 6 a lOannos c um
moleque da mesma idade, isto para urna encom-
ienda : na rila larga do Rozarlo, n. 35.
Gompram-so barris vnsios, de todos os tama-
nilos : na praca do Co.nmcrcio, n. a, primeiro
" Compra se urna escrava mor;a que saiba on-
gommare sirva para todo o servico de urna casa: na
run doCabug n. 9, terceiro andar.
-Gomprani-se tres mil palacAcs bras.le.ros alo
<>020rs. : na praca do Cominercin, armazem .lo!r.
Pal ni eir tratar com l-Muardo Das "ge-
- Compra-so urna escrava moca M' X "
des principalmente de cozinl.a e rogn majo, pre-
forindo-se recolhida i pagU-SJ bem I ns praca o
tandas.
. os mais ricos corles do cimbraia s"!o chegados
a |oj;, da roa do Quei.nado II. 17 I ndoro-sai pelo
diminuto prego de 2,210 rs. A olles.que se acabara.

I____v.:-j


h
E
-- Vendem-se, nos Arromhn los as madeiras se-
guinlcs travs de 25 h 4t, encharnela de 22 a 36, di-
tos m' ig iravessas de 25 a SO dilos : todas estas
madeianslodo primeira quahide, por prego corn-
il) odo.
Vondu-se urna escrava moca, de bonita figura ,
que ozinha. tanto do forno como do fogilo ; urna
mulalinha de" aSannns, multo linda e que tem
principio* de costura : na ra do Fogo, n. 23, se di-
r quem vende.
~ Vende-se fumo em l'olha para charutos por
rrego commodo : no armazn) de Joaquim Folix da
Roza. na ra da Madre-de-Deos.
--Vendem-se semeas em sacras muito grandes ,
a 4,500 ra. : na ra da Madre-de-Deos armazem de
cenla Kerrcira da Costa.
Vende-se urna escrava da Coala, de 25 annos.
com urna cria de 14 mezes e que lava e cozinha o
diario de urna casa ; urna negrinha de bonita figu-
ra, de 6annos: na ruado Crespo, n. 12, se dir
quem vende.
-."la loja de Guerra Silva & Companhia na ra
Nova se ocham hymnos patriticos de todas as n-
gOes, methodos de Rodolpho, lindos duelos das se-
guintes ledras:
Quando o ciume combato
No corsgiio de quem ama ,
O que Taz a vil intriga
He accender mais a chama.
Menina voc nilo quer
Dinheiro para gastar ?
Rem sahe que com palavras
Nadase pJearranjar.
Assim commo arias, cavatinas ,cangc< com par-
tos ja liradas para grande e peqnona orcliestr.i,msi-
cas para dramas e Careas, a.5,000 rs. cada pega de
msica, tanto arias como duetos, tercetos, hym-
nos j etc., o que se ver do cathalogo que se apre-
sentar aos compradores.
-- Na loja de fcrragens junto ao arco da Concej-
ero, defrunte da botica vendem-se famosos can-
dieiros de gaz, grandes e pequeo por prego mui-
to commodo ; urna rede do Maranhflo avarandada,
e que tambom serve para tipoia do lindas cores ,
' por prego commodo.
Vende-se superior potassa em barris pequeos,
desembarcada ha poucos dias ; bem como tres bar-
ricas de tabaco em j- : ludo por preco commodo:
no caes da Alfandega, armazem de Dias Ferreira.
Aos ama rites da los pilada
ao oflerece o rap Novo-Lisba, no seu deposito da
ra larga do Hozario, u. 24.
Fcijo mulalinho
o mais superior possivel, novo e sen> macula: no
armazem do Francisco Dias Ferreira, no caes da Al-
fandega a preco rasoavel, e anda mais a quem le-
var os competentes cobres.
NOVIDADE.
\fal>B de chegar do Para pelo patacho Joiephina
un encllente peixe denominado l'jraruc.o qual he
superior ao bacalho, alm de-que nilo tem espi-
nhas : vende-se na ra da Madre-de-Deos armazem
n. 9, a 2,560 rs. a arroba. Pede-se ao publico man-
de a elle, nilo so para experimentar e avahar o que
he bom, como para dar um impulso u urna industria
inteiramenle nacional, de que pode o paiz tirar um
liom resultado.
Eduardo Dias Braga, tendo do rolirar-se para a
F.uropa resolveu vender ludas as suas propieda-
des sondo um grande sitio na estrada de Juflo-de-
llarros 3 sobrados de dous andares sitos na rua
da Cruz c 4 casas terreas na rua do Cahleireiro : os
prctendeutes dlrijam-se praga do Commercio, ar-
mazem do Sr. I'almeira a lia lar com o mesnio.
AOS AMANTES DA ROA PINGA.
Eduardo Dias Braga lem para vender urna porcilo
dccaixas com vinho do Porto, engarrafado, por
preco commodo, vislo ter de liquidar certas cuntas:
na praga do Commercio armazem do Sr. I'almeira.
Vendem-se 12 molerotosde bonitas figuras, por
pre^o muilo commodo visto o dono ler de retirar-
so para a Europa : na praca do Commercio arma-
zem do Sr. I'almeira, a tratar cun Eduardo Dias Bra-
ga, a qualquer hora do dia.
-- Vende-se sarja de seda hespanhola, muilo boa
para vestidos prelos, pelo commodo preco do seto
patacas o covado : na rua da Cruz, n. 11, primeiro
andar.
T1JOI.OS DEMARJIORE.
Jos Saporiti vende lijlos de marmoto azues o
1.ram-os, por prego commodo: na rua da Cruz,
n. 18.
LONAS CRUAS DE LINDO.
Jos Saporiti vende lonas croas de linho da lar-
gura das da llussia, lor prego commodo : na rua da
Cruz, n 18.
Vende-se urna prela ptima engommadeira,
cozinbeira, costureica c Invadeira : o motivo por que
se vende se dir ao comprador : defronte do tliealio
vellio n. 16, segundo andar.
Vende-se urna mobilia mo lerna em mcio uso,
constante de cadeiras ', so, ha um jogo de bancas,
urna mesa de meio sala por barulissimo prego ,
urna riquissima cama franceza a mais rica que tm
aqui se visto e anda nfio servida, de jacarando,
um exci'llenle guarda-livros com sna banca um
ptimo guarda roupa : na rua da Cadeia do Recite,
i). 51, segn lo ailar.
Vende-se, por seu dono relirar-se desta pro-
vincia, um prelo de nacSo, proprio para toilo o
servigo at de mar menos de guvernar poragullia:
na rua Augusta, n 2, segundo andar.
Vende-se um prelo de nacio proprio para lo-
do o servico por prego commodo : na rua das Flo-
res, n.19.
Vendem-so 3 escravos muilo hons, lendo um
dcllcs principias Je alfaiale eque silo proprios pa-
ra o servico de engenho: na rua do 'trapiche, n.
34, casa do Novaes 4 C.
Na rua da. Cruz, armazem n. 33, vende-se cal
vir superior,chegada ullimamenlo pelo brigue No-
vo- 1 tnctiur de Lisboa, por prego mais em ronta do
qu em oulra qualquer parte.
Vendem-se casaca de pombos muito bous bate-
dores grandes e bonitos a 1,000 rs. c;ida um ; bem
como dous casses de legtimos pombos mariulas ,
taro bem muito grandes e bonitos, a 3.C00 rs. cada
casal: na rua da Florentina, n. 16.
Vende-se urna prela cnoula de 30 annos pouco
mais ou menos que lava de sabilo, cozinha alguma
cousa cose chao e faz todo o mais servico de urna
casa : vende-se por seu senhor relirar-se para fr
da provincia : na rua da Mocda, n. 19, segundo an-
dar.
- Vendem-se queijos londrino os mis frecaes
qnn ha no mercado ; massas finas a 320 rs. a libra ;
< 'ocolate de canella, fin > e de Lisboa; latas com sar-
i uhas ; azeite doce fino, por prego commodo : na
rua da Cruz, n. 62.
Vinho barato.
Acha-se estabelecido na rua da Madre-de-Deos,
o. 36, um armazem de
Vinhos da Figueira,
de ptima qualidade, a prego de 1,200 rs. a caada,
e a 160 rs a garrafa ; e para n3o haver dolo do com-
prador serflo lacradas as garrafas e com rotulo, re-
cebendo-se a garrafa vasia, e dando-se immediata-
mente a oulra cheia : tambem ha barris muito pe-
queos proprios para quem passa a festa. O pro-
pietario deste estabelecimento pede encarecida-
mente que se nSo illudam avallando, pelo diminuto
prego e sem conhecimenlo de causa a qualidade de
sua fazenda digna por certo da estima dos verda-
deros amantes da boa pinga. Elle conta que quem
ui ia vez provar, continuar com goslo e sem arre-
pe.idimento. Eo bom prego!!.' A todo o exposto
acerescoo asseio o boro acondicionamento o que
tudo se podera verificar em dito estabelecimento.
PURO VINHO DA FICUEIRA.
Existe no armazem de moldados, atrs do Cor-
po-Santo n. 66 urna grande porgo deste genui-
no vinho que se est vendomlo pelo diminuto pre-
go do 1,120 rs a caada e a 160 rs. a garrafa ; lam-
ben) ha em pipas que se vender mais em conta : he
esto o melhnr de todos os vinhos que se teem an-
nunciado pela sua simplicidado e ptimo paladar:
quem urna vez o beber jamis deixar de o com-
prar.
Vende-se um cavallo rugo-pombo, que est gor-
do c tem bous ailares, sellado e prompto ; urna
marqueza de amarello, quasi nova vende-se por seu
dono retirar-se para rra do imperio : na rua Nova,
n. 56.
Vende-se cal virgem de Lisboa, de superior
qualidade, em barris de 4 arrobas, chegada nesle
mez pelo brigue Maria-Jot : a tratar na rua do
Bruin armazem do Antonio Augusto da Fouseca ,
ou na rua do Vigario, n. 19.
Algodao trancado da fabrica
de Todos-os-San tos da
liahia ,
muito proprio para saceos deassucar e roupa de es-
cravos : vende-se em casa de N. O. Biober & Cooi-
pauhia na rua da Cruz, n. 4.
CIIA'BRASILEIRO.
Veinli'-si'.oii armazem de molhados atrs do
Corpo-Santo n. 66, o mais excedente ch produzi-
do em S. -Paulo, que tem vindo a este mercado ,
por prego muito commodo.
Presuntos.
Vendem-se superiores presuntos ingle-zes para
fiambre chegados no ultimo navio; no armazotn
do Braguez ao p do arco da Conceigtlo.
Taixas para engenho.
Na fundicflo de ferro da rua ilo Brum acha-se a
venda um completo sorlimenlo de taixas de 4 a 8
palmos do bocea, por prego commodo, e com promp-
lidflo embarca-so. ou carrega-se em carros sem dcs-
pezas ao comprador.
Vcndem-se sellins inglezes e canias
de ferro : na rua daSenzalla-nova, n. l\i.
Agencia da fundico
Low-lloor, rua da Senzalla-
nova, n. 42.
Nesle estbelecimenlo contina a ha-
ver um completo sorlimenlo de moenrlas
e meias moendas, para cngtnh; ma-'
cliinasde vapor,e tachas de Ierro batido e
coado, de todos os tamaitos, para dito.
Ferro
' Vendem-se saccas com muito bom mil lio e
estas mullo randes a 4,500 rs. cada sacca : na tra-
vista da Madre-de-Deos, venda nova de Antonio J.
Ramos.
. CHITAS ESCARLATES, A 240 RS. 0 COVADO
Na ria do l.ivrainento, n. 14, vondem-Se chitas es-
carales, pelo diminuto preco de dozo viuleps o co-
vado ; Jnngos da o o com bico as ponas a 480
rs.. e uulras multas chitas a nove vintonso co-
vado.
Vende-se folha de Fladres sorlida da melhor
qualidade possivel ,em porefio grande e pequea :
na praga do Corpo-Santo, n. 11 casa de Me. Cal-
mont& Companhia.
Vendem-se taboas- america-
nas at 5 palmos de largura
e de todos oscomprmen(os,que ha muilo lempo nSo
teem vindo e os fregoezes experimentando falta
desta excedente qualidade. A ellas que silo poucas e
tuprego he barato. Atrs do theatro, armazem jun-
o a maro, de Joaquim Lopes de Almeida.
NOVIDA.DE.
Verdi ainko.
No armazem da rua da Madre-de-Deos, n. 30 aca-
ba de chegar ( para expecolagUo) pelo brigue Ven-
tuta-Ftliz recentemente chegado do P'>rlo, o mais
excedente vinho verde,para os amantes se relres-
carem com este (le: manden) a elle emquanlo se
nilo acaba, por ser una s pipa ; e para nilo escanda-
llar os amigos e freguezes nilo se altera o prego
de 160 rs. por garrafa.
raimado de pinlio da Suecia,
de 10 a 35 palmos
de comprim nlo o melhor que tem chegado a este
mercado, em razflo de so poder envernizarem q'ual-
3ner obra por nfo ter nos e ser muito alvo sen-
o costado, costadinho, assoalho, forro e para fun-
dos de barricas : vende-se a prego que o comprador
far todo o negocio: atrs do Iheatro, armazem de
Joaquim Lopes de Almeida.
Taboado de pinho.
Vendem-se taboas de pinho n'o
Forte-do-MaUos armazem do Vianna e
no armazem do Machado, na rua de
Apollo, junto ao porto velho das c.irioas,
e os melhores prancliOes, costados, costadinhos a ta-
boas de todas as grossuras e comprimentos por lo-
do o.prego.
:es::eB-::e&:?B:asies::ea:sa::e3:
9 ~ I
Cera em velas. ^
Vende-se na rua do Vigario, n. 19, C
J segundo andar, caixas com cera em 58
5S velas fabricadas no Kio-de-Janeiro, ^
^1 em urna das melhores fabricas, sor- Q
s tidas ao gosto do comprador, e por
^ preco mais barato do que em oulra

. qualquer parte.
mmm &;& :; b::s B::goj: s::63:g a:
--Ni rua da Cruz, armazem n. 33, vendem-se pen-
nas de ema, chapeos de radia ceta de carnauba e
I ola, por preco cmodo, para liquidaclo de conlas.
-- Vemle-se urr.a prela crioula, de bonita figura,
moca, sadia liaslante diligente, e que lava e cose ;
urna cabrinha de 12 anuos, muito propria para todo
oservigo de urna casa : na rua Nova, n. 50, segun-
do andar.
Vendem-se mil e quinhentos palacOes biasilci-
rose hespanhes, a 2,000rs.: quem pretender an-
iiuneic.
A ELI.ES, FREGUEZES.
de todas as qualidade? o dimensfles, em barra ver-
galhilo, vcrguinlia, arepa e cimpa por prego com
modo : na rua da Madre-de-Deos, armazem n. 26.
Calcado.
Vondem-so bolins e mcios ditos de Lisboa, para
honiem e menino ; spalos do maroquim francez,
por prego mais liaiato Jo quo em oulra qualquer
parte : na rua larga do Hozario, 11. 24.
Na rua do Crespo loja de 4 poitas n. 12, ven-
dem-se chapeos de castor prelos, do muito boa qua-
lidade a 4,400 rs.
Mei ca dorias a tmdcr em grosso e a relalho. '
Chapeos do sol, de sed, lieos e simples, pera hn-
mem e senbora sai a ios para senhora ; lucos prelos
c brancos ; chapeos de palha ; litas; flotes ; mame-
leles; chales ; robes de b*regce de oulias fazendas;
bejoutorias; meias do todas as quididades ; luvasd
seda novas ; lengosde todas s qualiiladcs; grvalas;
avciKaes ; roupa feila ; perfumaras c papt I. Dirigir-
se rua ta Senzalla-Vellia n. 112, terceiro ailar
FARELO EM SACCAS DE 90 LUIRS ;
vende-se no armazem de Vicente Fereira da Costa
na rua da Madre-de-Deos, a 3,500 rs.
Vende-se a verdadeira potassa da
Russia, desembarcada honiem, por pc-
eo muilo rasoavel, vista de sua muito
superior qualidade : na ruado Trapiche,
n. 17, e rua da Cadeia, n. 3
Madeira de pinho.
Na rua de Appollo, pegado ao armazem do Sr.
Molla ha um novo armazem com madeira do pi-
nho da melhor qualidade que tem vindo a esle mer-
cado o serrado de todas *s grossurs e comprimen-
tos : vende-se pelo menor prego que he possivel.
Conlinuam-se a vender chapeos de pallia da Italia,
muilo bem feilos, pelo barale prego de 1,280 rs. :
as Cineo-Ponlas, n. 82, e na rua da Praia, n. 74.
Vende-se urna escrava moca de naco Costa ,
com urna cria mulatinha de poucos mezes : na rua
da Seii7alla-Velba n. 54.
Vendem-se 3 lindos molequrs de 13 a 18 an-
nos ; 4 pardas de 16 a 25 annos; 3 prelos de 25 an-
nos: urna pardinba de 16 annos ; 4 pretas de 12 a
20 annos lendo algumas deltas habilidades ; urna
neerinha de 10 annos ; um mnleque de 10 annos :
na rua do Collegio, n. 3, segundo andar, so dir
quem vendo.
Vende-fe ca.' virgem de Lisboa,
chegada no ultima navio, em barris pe-
queos, por menos do que em outra qual-
quer paite; na ruado Trapiche, arma-
zem n. I7.
No Atcrrn-da-Boa-Vista loja n. 78 vendem-
se sapaloes grosos a 1,000 rs. o par ; ditos do Ara-
caly a 1,000 e 1,280 rs. ; sapalos de lustro para se-
nhora a 2,800 rs.; dilos pira meninas a 1,920 rs. ;
dito de cordovilo, a 1,280 rs. ; botins para homem ,
a 3,000 e 5,000 ra. o rar; sapatos de sola e vira, a
2,000 rs.: bahns de madeira envernizsdos de varios
1 maullos e prrgos ; bonetes risrudos a 280 rs. rada
um ; ditos para meninos a 800 rs. ; ditos de mar-
roqulm prelo para honiem a 2,500 rs. cada um ;
ditos de merino, para crinngas a 3,500 rs.
Vci> poucos fundos: quem a pretender, dirija-se a rua da
Madre-de-Deos, tralar com Vicente Ferreira da
Costa.
Nodeposllo deMc.Calmont & Companhia, na
rua de Apollo, armazem n. 6, acha-se constante-
mente, grande sorlimenlo deferragens inglezas para
engonhos deassucar coiro seJBn : laixas de ferro
coado de diQcreiiles modelos os mais modernos ;
dilas de ferro balido ; moendas de ferro do mode-
lo adoptado para armar em madeira ;' ditas lodas
de ferro, lauto para agoa como para animaes ; ma-
chiius .le vapor de 1'orga de qualro cavados e de al-
ta prcssio o mais moderno e simples que he possi-
vel ; repartideiras ; espumadeiras ; resiriadeiras de
ferro estanhado; formas de ferro: tudo por prego
commodo.
Vende-se urna escrava de nagSo, moga: ao
comprador se dir o motivo por quo se vende: na
rua da Cadeia do llccife, escriptorio do correlor Oli-
veira.
I Na padaria da rua da Guia, no Recife, haver
todos os dias a venda a nov pilo de Provenga fa-
bricado poroulro modo que o actual o da melhor
farinha que ha no mercado : por este molivo nSo se
pode fazer senSoa 40.30 e 160 rs.
-- Vende-se sgo'ardento do Fraoca, verdadeiro
cognac, de qualidade muilo superior, em caixas de
urna duzia ; barris de oilo om pipa com vinho do
claret, como nilo costuma vir cj urna porcilo de
charutos de flavana, verdadoiros : na rua da AKn-
dega-Velha, n. 5.
FARELO
4bsaccas muilo grandes,
a 36oo rs. a sacca:
ao armazem do Braguez ao p do arco-da Coftcergtlo
Farelo,
em barricas a 4,000 rs.-; saccas grandes, a 3,50o
rs., ditas peqoenas 1 2,800 rs : no armazem de J.
J. Tasso Jnior, na rua do Amoro), 0. 3.
Polassa.
Desembarcou ha poucos dias uma por-
e superior potassa, e se acham venda,
por preco mais barato do que ltima-
mente se venda, na rua da GadeiarVelha, 4
armazem de Baltar& Uliveira, h. ia.
Vende-se o Tratado das r\c Mello Freir, tradcelo do Dr. Regoeira
Costa, a 3,ooo rs. cada volume : na rua
do Calinga, loja n. 18.
Veudo-se os trastes seguintes : um tear de
amarello, de bordar, uma carteira do amarello de
uma s face; cadeiras, sof, mesa do meio desala,
jogos de bancas, loucador, ludo de Jacaranda; cadei-
ras, sof, mesa de mel deaala, ludo de pao d'olho ;
6 mais diversos trasUs, tudo por prego muito com-
modo ; tamhom se vende um ntoleque, com princi-
pio de oflicio 1I0 inarconoiio, idade de 19 para 1.1
annos: na roa da Cadeia de S -Antonio, loja de
trastes, de AnlonioTeixcira dos Santos n. 19.
Vendem-se s'ea^s de farinha de-mandioca, do
nio-de-Janciru, muito lina : na rua Direila, n. 69.
Vende-se farinha de mandioca, de
mnito superior qualidade : a bordo do
patacho Conceica, fundiado em frente
do caes do Collegio ; assim como tam-
bem se vndenos armazensdocaes da Al-
fandega por preco muito commodo : tra-
ta-se a bordo do mesmo patacho, ou com
Novaes & Companhia, na rua do Trapi-
che, n. 34.
~ Vende-se, para se liquidar uma conta um pe-
queo sitio : tambem ae dar* to graga por algum
lempo a alguma pessoa para botar sentido. A elle,
que so far lodo o negocio." Na rua do Prea, q. 19.
Vendem-se queijns pralo ltimamente chega-
dos : no armazem junto ao arco da ConceigSo, n.64.
Vende-se farinha de mandioca mui-
to superior por preco commodo: a bordo
do pitacho JSalividade, chegado de Sari-
ta- Cathnria, fundiado no caes do Colle-
gio ; assim como tambem se veude nos
armazens do caes dd Alfandega : trala-se
a bordo 011 com Novaes & Companhia,
na rua do Trapiche, n. 34.
Vendem-se passas muilo boas, a 160 rs. a li-
bra: na venda da esquina que cnlr para a Cum-
boa-do-Carmo.
Vende-se um relogio, sabonete de ouro muilo
bom regulador por prego commodo : na rua larga
do Bozario, n.26.
Vende-se um terreuo na rua do Sebo encos-
lado a casa que est erri respaldo pe lncente ao Sr.
Ma noel Filippe pela parte de leste, cujo terreno
lem 62 palmos de frente e perto de 50 de fundo :
a tratar com Joilo Vazde uliveira ,11a la da Cruz ,
n. 51,
Vende-se um bom cavallo de sella : na rua da
Cadeia de S.'Anloiiio n. 25.
--Vende-se urna escrava moga, sadia e de muilo
boa conducta : vcude-se para pagamento de urna di-
vida : na rua da Saudade primeira casa com suliio,
que (lea ao sul com frente para o Hospicio.
Vende-se, ou aluga?se uma canoa q*e carrega
800 lijlos: a tratar com o teneiile-corone.1 Manoel
Joaquim do llego Albuquerque.
Vende-se, no armazem do Bacelar, feijo mui-
to novo, do todas as qualldades a 7,000 r. a sacca
de tres quartas e farinha a 4,500 rs., muito su-
perior.
-- Vende-se vinho do Porlo e de Cliampanlia de
muito superior qualidade, por prego commodo : na
rua da Ciuz, n. 40.
Fcijao nmlatinho.
Vende-se feijo iiibIiiIio : na ruada Cruz, no
necifn, aimiiycui n. 13.
Na rua do Crespo, n. 17, vende-se velludo ver-
de muilo superior.
Escravos Fgidos
rugi, em Janeiro prAxfffio passado um molo-
que cabra do mime Caudencio ; levuu camisa e co-
roulasdealgodilozinho bonete de relo do panno
azul e branco ; representa ter 15 a 16 annos* coln c'-
calrizes do bexigas anda mui visive'l. car redon-
da : quem o pegar leve-oa rua doQuemSiio, n. 27.
Fugio, no dia 5 do correlo, um escrava do
enlorcor fula ; tem um defelo 11a bocea quo pa-
rece ler snffrido molestia do ar do vento ; levou ves-
tido do chita prela panno da Costa novo e mais al-
guma roupa : quema pegar leve-a a rua do Livra-
uienlo, n. 32, que aera recompensado.
Pr*N. = MA riP. O M-|rf OB FA IA. 1846
r
MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EK3Z180HB_F35WJ5 INGEST_TIME 2013-05-01T00:46:40Z PACKAGE AA00011611_10011
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES