Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10007


This item is only available as the following downloads:


Full Text
nno XXV.
O D/,l/tfOpubUcv8etodosos diasque nao
rreni dVguarda. O prefo da assignatura he
LO/4,0n rs. por qMfUl. "*?^ f
anuncios dos assI-jmnVs sao Inseridos a
i,;,ya de 20 rs. por Hu. 40 ra. era typo dif-
trete, eas repeines pela metade. Os nao
tjfcpant.s pagarlo 80 r. por liaba e 180
f" ^podiffereoie, por cada publicacao.
| PHASJIS DA LA NO MEZ, DF. MARC.
Icrescente, a-1. s 0 horas e 43 mi... da rd.
Lia chela, a 8. s 10 horas e 42'""; ?
Segunda-feira &
PARTIDA DOS CORREIOS.
Goianna e Parahiba, as segs. e sextas-Ceiras.
RIo-G.-do-Norle, quintaa-feiras ao meio-dia.
Caho, Serinhaein, Rio-Formoso, Porto-Calvo
Macelo, no l.a 11 e 21 de cada mez.
Garanliuns e Bonito, a 8 e 23.
Boa-Vista e Flores, a 13 e 28.
Victoria, s qnlntas-fciras.
Olioda, todos os das.
PIIF.AMAR DE HOJE.
Primelra, a I hora e 18 minutos da larde.
Segunda, a 1 hora 42 miamos da manhia.
de Marco de 1849.
N. M.
DAS DA SEMANA.
r Segunda. S. Theophllo. And. do I. dos
orph.,doJ. duclveledo 1. M. da2. r.
6 Terca. S. Olegario. Aud. doJ.doc. da 1.
v. e do J. de pai do 2. dilt. de t.
1. Quarla. S. Thoinv de Aqulno. Aud. do J.
doc.da i. v. edol.dc pa/. do 2. dist.de t.
8 Quinta.S. Joaode Oeos. Aud. do J. dos
orph.e do >. M. da 1. v.
9 Sexta. Francisca Romana. Aud. doJ. do
cir. e do J". de pat do I. dlsl. de t.
10 Sabbado. S. Mllito. Aul. do J. do c.
da I. v. e do J. de pax do 2. dist. de t.
11 1).mingo. S. Candido.
CAMBIOS NO DA 3 DE MARCO.
Sobre Londres a 27 Pars
Lisboa 108 por cenlo de premio.
Bio-de-Janeiro ao par.
D.eec. de lett. de boas llrmas il'/i ao mea.
A redes da comp. de Beberibe, a 50J rs. ao p.
(Jaro Onras despatilllas. 30/000 a 30/500
Mocdas de 6/400 v. 17/300 a 17/500
. de 6/400 n. 16/200 a 16/40*
iei/m.... 0/200 a 9/10
Frala-Patacoes brasilelros 1/970 a 1/W*
Pesos colutnuarios. 1/970 a 1/990
Ditos mexicanos..... 1/900 a 1/V2
DIARIO DE PEtUI AMBUCO
PARTE OFFICIAL.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE" DO DA 9 DE MARQO.
OlRcio Aoeommandanledas armas, dovolvendo,
Fulleados pela junta re jusMea. o* processos dos sol-
idados Jnaquim Jos de Mallos, daompaiihia de ar-
ces, Jos Florencio, do sexto b.lalhno le osc.do-
ffrsTeBlonio Filippe das Heves, doeorpo lxo do
I ^Dlto.-A" adminislracBo do patrimonio dos or-
n!i0os, remetiendo o reqaerimento de Maris i-an.ii-.
!la de Jezus e Silva, caberlo com oflicio do director
do cotlcgio dos orphBos, afi*m de que informe acerca
dapretencnodasupppiieanle. _
Dito A'administracao dos estabelecimetilos de
Icaridado, approvando a resolueHo, tomada por
Ismcs de nomearem a Dufino Jos Crrela de Al-
lllieida para exercer os empregos de solicitador e
(procurador daquelles stabelecimentos com o ordo-
Inado annusl de 300.000 ris.
Dito.A' administraeflo do patrimonio dos or-
aoh.los, autorisando-a a fazer a despezs necessan
Icom a compra de un>livropara nellese inscreverem
todos os bens e valoros de que se compOe o patri-
[monio dos orphitos.
Dito.Aocommandanto do corpo de polica, do-
Ivolvendo, julgado pela junta de Justina, o prucesso
Ido soldado do corpo deseu commando, Msnoel Tho-
Im Pantalcilu. .
I Portara.Desonerando do emprego de engennoi-
|ro da reparticilo das obras publicas a Feliciano
Rodrigues da Silva.Fizeram-se as parlicipacoes do
[cslylo.
THESOURARIA DA FAENDA PROVINCIAL.
Demomlraco do tild exilenle na eaix do exereicio
/indo em 28 de ffotreiro de 1849.
I Saldo em' 31 de Janeiro p. p. 530,029
' Rcceila do correle.....80:000,000
Despezas do correte mez .
--------20:530,029
8:789,548
16:740,481
Em cobre......... 17,481
* notas..........16:723,000 16:740,481
Thotnat Jote da Silva Guimo Jnior.
J-V's de Pinho Bo'rges.
- i n
a> a
n <
?1H::
I
a
o.
o

z. <* z.
J?
3
ti
S>......
H ......
ci......
i b |C o -I
5" 1 3: -
- ~a> f ? 5a
_ I W W = ~ w
~ I *ioeu
[(I
i Jr
? 58
"9 I -*
? I &
i
- a:3
o _
n

= i
3
3 2
3
7
y
ti
e> so
1
N
i
g!
' i
tu I
ii ice
05 -1 O
S PjS
oo I ao -J
-lo
n
nniiiiMil:i'Ef\\tii!i'i;i).
KXOIVB, 4 I KAB90 Di lt9.
FKKBAL DOS IHFERIAES MABIRDEaoS, FOZILEIROS
KAVAFS, MARlMlEaOS E OftDMITKS 1>A ABMAUA NA-
CIONAL E 1HPEBIAL, QUE SLXCOMBIHAM NO COMBATE
BE 2 DE PEVRREIBO DE 1819.
A briosa por;Qo da marioha brasileira, que ora se
acha estacionada no porto desla cidade, acaba de
dar urna prova de sua piedadp, do sua veneraco
atiesa pelas cinzas daquelles de seus irmflos d'ar-
mas que, no sempre meraoravel e luctaoso 2 de feve-
reiro, perecerm combatendo pelo throno, pola cons-
lituiQSo e pela integridsdo do imperio. E esta pro-
va, para nos superflua, pois que sempro acredita-
mos nos bons sentimentos desses denodados filhos
de Marte, houve lugar na matriz de S.-Fre'i-Pedro-
Conealves, ( a da freguozia da gente de mar ) a 9
do corrento; um mez justamente depois desse
dia infausto,, em o qual nSo podomos pensar sem que
lagrimas de dOr se nos deslisem pelas Tacei.
.Accedendo ao convite que nos mandara a commis-
so directora da fnebre ceremonia, e mesmo para
nos habilitronos a referi-la o mais fielmente possi-
vel, Tomos nos assisti-la : eram 10 horas da m-
nhla quando nos presentamos na igreja.
O templo de DOS h avia trocado as galas que de
ordinario o ornara polo crep, por estas vestes luc-
tuosas quesSo signaln3oequivoco da compunc;3o
de quem as carrega.
No meio do templo, vimos n m magestoso sar-
cophago, que rematava por qma urna coberta pelo
pavilliio nacional, onde erguia-se a figura allego-
rica do Tempo, ao qual como que serviam de guar-
das as do Pranto, I.uto, DOr e Saudade, que, colloca-
das nos quatro ngulos do monumento, sustinham,
como para offerecercm i veneraco dos espectadores,
os cnsaguentados uniformes dos bravos que ism ser
sufTrsgsdos.
Os lados do parallelogramo rectngulo, que servia
de cornija i peqa inferior do cenotaphio, continham
inscripcOesabcrlas sobre o mormore, e cumpostas
pelo commanilanlo da divisHo naval, OSr. capitio do
fragata Joaquim Jos Ignacio..
Em o lado do nascenle eslava escriplo :
Aos bravos mperiaes msrinheiros, fnzileiros
navses, marinheiros e grumeles da armaila nacional
e imperial, morios no combate do-a do fevereiro do
1849, seus camaradas saudosos D. D.
E logo aba so :
Chora por vosa patria agroderitla
Por quem dstes com gloria a propria vida.
Em o lado do poente :
Da paz e da victoria sobre a lousa,
Que pesa sobro vos, o anjo pousa.
Ao norte:
Morrer morrer assim he morte honrosa,
Pela patria, mili terna e cariuliosa. >
Aosul:
*
Ora por vos o povo brasileiro,
Por quem o alent dcstes derradeiro.
Em frente do estrado que servia de base ao cenota-
phio, e em lugarbem visivel, descortinamos nos o
escudo das ancoras coradas; mais cima,e como que
para despertara sensibilidaJe dos assistentes, eslava
esymboloda morte; nos ngulos do segundo es-
trado observamos trophos d'armas e bandeiras na-
cionacs.
Urna commissijo, composta dos Srs. Valte, Christu
d'Ouro e Nuno, conservava-so porta do templo, a-
flin do conduzir os convidados aos lugares que se
Ihes deslinavt.
Na capella-mr, oceupavam lugar distincto os ofli-
ciaes feridos, que tinham ao lado tres de seus su-
bordinados que mais se haviam distinguido no com-
bale ; isto lio, ura imperial marinlieiro, um soldado
de fuzileiros navaes, e um marinheiro.
Ss. Excs. os Srs. presidente da provincia, general
commandante desarmas, chefe d'esqusdra Jos l'c-
reira Piolo e vicc-presidentes, bem como o Sr.
commandante superior da guarda nacional com va-
rios offlciaes desta corpora^fio, os Srs. cummaiidan-
tos dos corpos de polica o de voluntarios com a
respectiva oflicialidade, varios officiaes do etercito,
alguna membros da marinha ingieza e portugueza,
o corpo consular o o do commorcio, qussi todos os
cheles das repartieses publicas com seus emprega-
dos, muitos nacionaes e estrangeiros, como que to-
petavam o templo, oceupando as cadeiras que, devi-
damenle distribuidas, a guarnecan) aqumealcm
do sarcophago.
Quando entramos, j S. F.xc. Itvma., oSr. hispo Iroubar-lhes tudo quanto urna fortuna lisongeira
,. ... ,__ _.i. ,...,. Icom fcil mfio Ihes concedeu ; a inveja pode cruel-
diocesano,entoava precesaoAlt.ssimo pelos bravosmenlo opprimi.|os coma aa'peMIlt mno de ferro ;
Mrrificados no dia 9 ao canibalismo de alguns ir-
mos degenerados. O ofllcio principiara s 9 1/2 ho-
ras da manlia.
' Terminado elle, seguio-se a missa pontifical ;
e, acabada esta, appareceu na tribuna o reverend-
simo Sr. padro mestre Fr.JoSo Capistrano do Mon-
dencj, que se encarregara do pregar nesse dia de
lucio.
S. Rvmi., lomando a posico que tSo bem lho ca-
be, e com a qual como que se insina no animo dos
ouvintes, recltou com voz sonora e intclligivel a pa-
thelica e cloquento oraQSo que ibaixo se vai ler:
hicli/ti... inlerfecli tunl. (Juomodo ceeide-
run forles? Os mais robustos fram mor-
ios. Como cahiratn homons tilo valerosos?
Litro 9. dof Reit. Cap. 1. v. 19.
Fram estas, senhores, as palheticas expres-
sOes com quo David desabafou a sua magon, ape-
nas rhegou a seus ouvidos a triste o infausta noticia
dawrrot que acahava de soflVer o numeroso e for-
te exercilo de Sal, batido o destrocado as campi-
as de Gelho, perecendo quasi todos aos golpes das
espadas dos Philisteus : consternado poctSo grande
perda, por tilo horrorosa mortandade, elle derrama
abundantes lagrimas, exhala profundos emagoatlos
suspiros, e no excesso da sua ddr elle exclama: Oh!
,os mais robustos de Israel,'os mais fortes do exerci-
lo de Sal, acabamdoser brbaramente morios aos
golpes do cruel inimigo .' Como he posnivel que ho-
inens tilo valerosos perocessem no campo do com-
baleas mSos de um inimiio, por ellos tantas vezns
vencido?-/nclyli... inlerfecli tunt. Quomodo ceei-
ierunl forle ?
I que nutro devia ser o nosso procedimento, se-
phores, pparecendo hoje ace do sanctuaro, aenn
milando aquello grande genio na sua profunda dOr?
unes, senhores, nunca a religto de Jesus-C.hristn
desapprovou honrosas demonstrarlos de dore de sau-
dade, tributadas memoria daquelles que, leudo
vivido segundo suas mximas, inorrem nodesem-
pnlio de seus mais sagrados devores, deixando um
nome rospeitavel patria, o"um cxomplo glorioso
aos cidadilos da sua classo. E que muito que nina
porcSoda briosa marinha brasileira, repasada de
dr pela morto precoco de alguns de seus mais csti-
niaveis camaradas, morios no campo da honra quo
os chamara sua bom reconhecida lidelidade, depois
desuirragar suas almas pelo* sacrificio do I.MMAU1-
UIV) COIIDEIUO, desea os degraos do aliar em quo
olferecia suas preces.' ovcnlia langar algumas llores
orvalhadasdo lagrimas sobre o fretro em quo sup-
pOem descansar suas cinzas, so esto acto, lo hon-
roso religiflo e humanidade, he digno de quem o
pralca com jtislica, e do quem o morecra por scu
nao desmentido patriotismo?
Sim, os elogios que se consagram A memoria
dos finados, j 11.I0 pdem mais ser despertadores
do sua vaidade, antes sim de urna nobre emulacilo
aos vivos, sempre inlcressanlo 1 religiao o a patria
O tmulo, senhores, considerado como prtico da
cternidade, niio ropulsa o pranlo do verdadeiros
amigos, o as vozes lamentosas de quem para sempre
se despede dos que para sempre se retiram da com-
panhia dos vivos.
Nesla escola dos desonganos dcsculpa-se o es-
foro com que se pretende arrancar voracidade da
morte o nomo daquelles quo sobre a torra se abr -
lhaidaram por suas acc.0cs de valor. Eu posso di-
zer-vos, senhores, quo he a virtude, sensibilisada pe-
las profundas imprcssOes do um acto tilo luctuoso,
quem protra pela minhn bocea, hoje raco orgo
da saudado dos briosos ofllciaes de marinha estacio-
nados ueste porto, e sobie o tmulo d seus iriiifios
d'armas," morios pela patiia as ras desta cidade,
esias palavras com quo David lainonlou a morte de
Skl, eo destrocado exercito do Israel nos campos
deGelbo. Jnclyli... inlerf'Mi tunl. Quomodo ceci-
derunl fot le ?
A morte, senhores, iguala na tumba os homens
todos sem allencHo a sua idade, e sem respeilo as
suas condiqOos, ainda que sublimes sejam. las
aquollcs quo por sas arcOos adquirein um nome
glorioso, iriumpliam da morte, e entram na posse
de urna vida perduravel, como nos ensinam os li-
vros sanios. O pranto da briosa oflicialidade da ma-
rinha he to honroso memoria do seus irmaos,
como os sentimentos dos que Ihes prestam estes bem
merecidos suffragios. Foram soldados quasi lodos
mocos, vcrdadoiros liberaos, lleise corajosos, que,
ouvindoo brado da patria offendida telos rebeldes
que Ihe querem arrancar um florflo da sua corOa,
uifiammam-se de nobre pal'iotismo, deuam o seu
elemento, conem no posto que Ihes marca o seu do-
ver, affrontam graves perigos omronhidos comba-
tes, concorrem para seus triumphos, e...ai ... mor-
reo!... inorrem no campo da batalha... 0111 defesa da
integridade do imperio, ouvindo em sua queda as
acclainaces do um triumpho em que tivcram gran-
de parle al com o sacrificio de seus preciosos das.
Todas estas circumstancias animam-me a pronun-
ciar seu elogio fnebre sobre eu tmulo, sem ollon-
der o decoro, e sem faltar verdade.
Quando, senhores, os hroes descem ao sepul-
pde a ambicia osmegs-los, temi a seu arbitrio o
podAr e a Mica bruta : a historia infelizmente nos
mostra mais de um exempto disto; mas, se elles
euchoiam as medidas doa seus deveros para com
DOS e a patria, em vilo foreojam a inveja, a ambi-
guo e o egosmo : seus nomes ficam gravados em
duro marmore, em dourados bronzes; e, quando
islo mesmo Ihes falte, sua memoria ho indelevel na .
lombranca de seus amigos, de seus concidndSos e
la posteridadetoda. Nem o lempo, nem a frga, e
muito menos a morto a po torito extinguir. Perpe-
tuados de geracHo em gerarjflo, elles se tornam a vc-
nerac.no e o assombro dos seculos presentes, bem
como efficazes exemplos para os seclos futuros.
Resta-nos, senhores, resla-nos densa valerosa
porcilo de imperiaes marinheiros e fnzileiros navaos
a lembranQa do sui lidelidade u amor de patria ; e
porque mostraram elles urna proverbial dedicarlo
e inteira obediencia ao governo, ou nOo temo dizer-
vos que elles s.to dignos desles testemunhos de ddr
o de saudade, que seus companheiros o superiores
dohulhados om pranlo veem hojo depositar sobre
seu fretro : e fram elles lio firme sustentculo da
honra de sua classo edps direitos da sua na en o at
morrerem gloriosamente pela integridade do impe-
rio, pela tnanutcnco da lei, pela firmeza e estabi-
lidade da ordem, porque tinham o firme convenc-
mento de que n patria tem direilo aos servicos de
lodos os seus filhos, e de que a lidelidade aos jura-
mentos quo so preslnm, he um dever que a religto
nosimpe, eeuja observancia muito recommenda.
Vos, senhores, muito bem sabis o quo entro
nos so tum passado desde novembro do anno qoe
ncabou at este instanto om que vos fallo : osan-
giie de que estilo ainda salpicadas as ras desta bella
cidade, as paredes do seus magnficos csumptuosos
edificios mutiladas pelas balas, esso quadro de
ronsIcrnaQo e do dr he muilo mais convincente do
que todas as oxpresses da mlnlia dobil voz. Vos
sabis que abalo produzio essa heroica e paternal
resolucito do nosso augusto e nunca assaz ado-
rado Imperador, quando no dia vinte e nove de se-
lomhro do annri prximo passado chamou para
junto a si, e cnlregou as redeas do governo a esses
brasileos dislinctos, que, compenetrados de nos-
sos grandes males, nos salvaram dos horrores que
sobre nos lancavam esses degenerados filhos que,
cobertos com as pellos de mansos cordeiros, encer-
ravam em seus poitos coraces de carnvoras feras,
equo, mamentados com o saudavcl leite, e alimen-
tados com a substancia da patria, pouco e poueo iam
dilacerando as enlranhas desta mili extremosa, que
lito carinhosamente os affagava em san fecundo soio:
vos sabois que homens sempre ambiciosos, sempre
vidos de mando, e sdenlos de ouro, o cujo alvo era
nicamente a consecuglto d* seus depravados lins,
sem que nttendessem aos meios, para lo^o pozeram
em activiJade todas as suas desordenadas paixes;
paixes que muito convnha altemperar : esse par-
tido, com sigo mesmo contradictorio, osso partido
que durante a sua adminislraciio, deexccravel mo-
moria para todos os Brasilcirosque de corarlo amsm
a sua patria, sempre correu redea sola pola estra-
da larga da devassidflo e das torpezas, desesperado
hoje por se ver fra das elevadas posices da quo
Wo vil e indignamente cabio, niloso peja de apre-
sentar-soem campo dando mostras de querer, quan-
do nffoconquialar, ao menos dividir esta poca inr
temes, quo a ProviJeneia do Eterno tirara da tumba
do sol aos olhos do afortunado Cabral para ser um
impenio poderoso, independente o vordadeiramen-
tclivro. No seu furor satnico, elles voam a Per-
nambuco, cmpunham armas fratricidas, ilacam a
integridade do imperio, inveclivam contra o gover-
no do legitimo dolegado do Imperante, e, o que
mais he, levam o seu arrojo (oh I loucura requinta-
da !) a aoieacar a mesma pessoa sagrada do Impera-
lor!.'.' ncanlonam-se em ospessas mallas; e lo-
man Jo ah (cu niio temo error) o carcter, n3ode
homens. polticos, mas de verdadeiros salteadores, o
desespero, as privaQes, a fome, a nudez, em urna
palavra a f*lta de todo tte recursos que elles soluam
pelas sabias o bem acertadas medidas do intrpido
administrador desta provincia, os obrigam a afiron-
tar a mesma morte, e ousadamenle elles se resolvom
a atacar o governo nocontro mesmo desta populosa
capital.
Ah/ no dia 2 de fevereiro soaram np mais pro-
imn s margens do ameno Capibanbe as roucas
(nmbelas dessa rebellulo, quo fez ouvir seu echo
c medonho estampido as espossuras dos emaranha-
.los bosques do pavoroso e taciturno Iguarassu. O
dia 2 de fevereiro na cidado do Recife foi muito
mais lorrivel e sangrento do que o dia 7 do noyern-
ro do anuo passado as eampinas de Mussupinno.
A provincia de Pernamhuco. .. que, senhores .... a
provincia do Pernambuco? Nao: eu vou airiilo.
ingratos o degenerados Pernambucauos, revonan-
do-se contra as autoridades legitimas pola osner-
teza, pela estrategia e pelos engaos de alguns uc-
cosos, aprcsenlaram nos campos da sua patria as
scenasmais horrosas, as q" Il?d,w"i;af0 J"
tensa dr, presenciado tomos. Ah.' a sed eflo accen-
deosf.chsda guerra civil, oessotandode rebel-
des e salieadores, pl.reneticos aPr.do tei.t.rn
ainda desprender esta prov.uc.a.jquej^eri>rv r
de typo do prudencia, de moderado e de ordem as
nutras provincias suas irmlai, se elles nSo fssern
seus filhos da communhao do imperio, apezarmes-
da repuSuanca e. dos esforcos dos honrados
Pernambucauos, e do todos O Brasileros que sus-
cliro deixam aos vindouros, come em preciosa he- nmi>" i,.,ir norial 'o*er-
uaisosistinguiram,


2
berdade. A patria chamou logo por seus ficis e
verdaderos Pililos em defesa doseus direitos, lo
escandalosamente ultrajados: sens clamores fori-
ram os ouvidos da briosa ovlente marinlia brasi-
lera, que em todos os lempos tem dado nflo cqi-
vocas prjvas d sjb intrepidez, coragcm o obedien-
cia ao govarno : qnalidades estas que a teem fei'n
recobtmendavel por todo o imperio brasileirn, e ad-
mirada at por todos o* paizos l da velha Europa.
Os dolorosos clamores da mi patria feriram seus
coracoes verdaderamente brasiloirns ; e o governo
fez cahir suas vistas do escollia sobre esta valente
poreflo do seus defensores, que, deixando sen ele-
mento e pisando a t.-rra (Irme, denodadamente vo-
amao combate, e, defendendoa causa da legalidade
com o denodo dos bravos, o com a intrepidez dos
hroes, correm parelhas com os soldados mais a-
guerridos, e sffeitos a fortes c renhidos combates:
entro os mais valerosos elles muito se distinguiram,
vendo sempre a seu lado e igualndoos em valor
os bravos cidadflos que cnmpem o distinelo bata-
ihilo de voluntarios desta cidade.
y liando digo, senhores, que os imperises ma-
rinheiros e fuzileiros navaesmais se distinguiram,
nflo vos persuadis que eu intento roubar a brilhan-
te gloria que acompanha a lodos quantos, nestedia
de horrores, expozeram suas^das, e verteramseu
precioso sanguo em nossa deres ; nflo : conhecemos
O seu valor, e nflo permita DOS que sua coragem
soja em lempo algum mareada, nem mesmo pelos
tiros da negra maledicencia.
O respeito, que infundem as armas empunha-
das pnrcombalentos verdadeiramenle liheiaes, lem
nfreiado os terriveis monstros da ambiclo e da
anarchia, tcm feilo apparecor preciosos frtelos do
ordern, porque o valor dirigido pela prudencia lorna
.mais seguros e menos lacrimosos os triumphosda
legalidade.
a Nada, senhores, nada podia ser 13o lisongeiro
aos imperiaes marii>heiros e fuzileiros navaes como
esta occasiflo de tanta honra, em que elles prova-
ra m a lodos os seus camarades e superiores a fide-
liiladedo sen carcter. Podemos dizer que os mais
duros combates fram os seus primeiros ejercicios
logo que cncararam o inimgo : seus passus fram
cobertos de grandes perigos : seu valor venca todos
' esses perigos, e sua fidelidade os lornava superiores
a todas as fadigas da guerra : seus cantaradas ani-
ntavam-se com seu exemplo : os rebeldes os lemiim
de morte : a patria tinha nelles defensores exire-
nuos, e a legalidade cidadflos que, no verdor dos
annos, se coravain de tilo honrosos louros. Kilo
houve um s ponto em que os imperiaes inarinliei-
ros e fuzileiros navaes nflo estivessem presentes,
assim na gloria do triumpho como no perigo do
fogo. Os rebeldes ..ai! os rebeldes liles titirain ai
sepulturas nesla ci ximo passailo. Ai E porque vpns tu tilo depressu,
lemhranca dolorosa, enlodar o gloria de militares
quecaliiram morios no campo da batulha,mais car-
regados de louros que de anuos ?'..
a Oh! e quSo triste e qufio lgubre he esta magoa-
d6ra lembranca I Quilo amargas sflo l lagrimas
que derramamos, e que temos do derramar inda .'
Quilo doloroso he o aspecto d'este luinulo, lutosa
ofllcialidade do mariuha, que encerr as reliquias
sanguinosas de urna poreflo dos vossos soldados, que
ha pnuco aperlaveis aos vossos bracos, e dirigais
com a vossa prudencia e sabedoi ia, e que lomavain
parte na vossa gloria como nos vossos perigos! Que !
Nflo existen j esses soldados vlenles, esses homens
generosos, que perecern) por nos, pela causa da
lei e da buntanidade. ? Na sepultura ho que se des-
vaneceram seus allos feitos, o ludo o que caraetcnsa
o nomem nascido para distinguir-so do hoineui por
um grande valor, por um grande carcter. Queren-
riohumhar o orgulho e a soberba, he quo cahiram
debaixo dos golpes d'esses vis e dcspreziveis cori-
pheus da rebelda; fazendo-nos um anteparo cun os
seus corpoa, he que fram assaltados da morte que
estava prestes a ferir-nos.
Pornambucanos, conhoceis os bravos que cho-
ris? conheceis as perdaa que tivestes ?...Ah! alli
tendes debaixo dos voseos olhos alguns desses bra-
vos olliciaes e soldados, que respira ni vida, mas que
dasferidasquereceberam no ardor do combate go-
teja seu precioso sangue, saugu derramado pela
patria, ehoje olferecido om holocausto pela nossa
vida ante os altares do COHDEIIti VIHCEM. Volvei
i.iin os oltios e levantados a este masulcu, vede
as vestes anda cnsanguentadas de todosestes im-
periaes marinheiros e fuzileiros navaes, que des-
cansan! na manato Jos justos, e que pereceram sal-
vando as nossas vidas e fortuna. (I'erdoai-me, se-
nhores, se muhas lagrimas correm ; deixai queasr
sim eu desafogue meu corceo, dilacerado de dr
pelos males que tanto opprimem e dilaccram mi-
nha chara patria.) Nos, porlanlo, podemos excla-
mar agora em desafogo da nossa dr com estas pa-
lavras do evangelista propheta :Felizes aquellos
quo morrem no Senhor, elles descansam de seus tra-
ballios, porque suas obras os acoqipanham o os
seguem.
o Parece-me, senhores, parece-me ouvir a inda
os lamentos de seus irmflos d'armaa, vendo-os arre-
batados de suas lileiras por essas balas disparadas
pelos rebeldes, j batidos e em fu-ida. DOS de
justica, que ledos no fundo do todos os corados, o
nelles nonheceis as maisoceultas aireices, cubri a
estes nossos irmflos com as asas do vosso amor co-
mo um escudo, porque vos sois o protector do ho.
mem que marchou nos caminlios da justica e da e-
quidade.
Deste fnebre monumento,.urna voz lamentosa
parece escutar-se dizendo com as palavras do sanio
Jot: A miiilta carne esta consumida, osmousossos
adherir um a pello ; leude piedade de mim, pelo me-
nos vos que sois meus amigos, porque a mito do
Omnipotente descarregou sobro meus das o euloe
de que nflo estr.o isentos os mortaes.
< Sim, nos ouvimos, sombras charas, os vosso*.
lamentos eos vossos suspiros, e nos vos volvemos
eslas palavras temas e consoladoras : Est i serilo
que seremos revestidos de urna ra-ne incorruptvel
no seio da gloria, a gloria s pe lenco aos bous
entflo veremos o l'AI, UCREibOlt DE TUDO, Aquel-
lo que respira vida immoilai e gloriosa j nos o con-
templaremos com os nossos proprios olhos, e ja
despido de todo e qualqucr embloma om que'seoc-
cultuva. Nos ainda exclamamos em fenle do vosso
tmulo com estas palavras do santo Job : O liometn
nascido da uiulher pouco lempo vive : a sua carrei-
ra he somuada d iliuitos trabalbos e miserias : elle
se assemelha a flor que, apenas se abre, he logo
cortada, e calcada aos pe no mesmo campo em quu
vegetava ; e pois que vos, ETKKNO, marcaste*
curso e o limite da nossa vida, dai a estes valentes
soldados, cuja tumba regamos com nosso pranto,
o descauso e a paz, assim como dais aos trabaja-
dores no litn do dia edas suas fadigas.
legalidade; ellas nos legam um exemplo que nflo.Posse?! Fram vossos baixeis preza do iniroigo,
deixradoser proficuo, atormente aos ciJadios da jquo sobre a garganta yns cruzou frreo guio, quan-
siiii classe, a seus companlieiros d'armas. Murrcram, ''">
sim, em defesa da patria, e a patria js recommen-
dar memoria de seus briosos filhos. Mprreram,
sjm, em desompenho de sita lidelidado ; mis a fide-
lidade ennnhrece aquello* que poi jora monto se de-
dicain defesa de seus concilladnos, jimios aprecia-
dores de tanta bravura. Assim, senhores, assim
lambem serSo contados os nossos das, quando fr
vonlado do ETERNO Nos deixaremos, uns mais
tarde, oulros mais cedo, este globo terreslro : os
nossos olhos se fecharflo luz do mundo para se
abrirem k luz do co, e os nossos corpos, como
estes que agora jazem no sepulchro, serflo trans-
portados, como a tenda do pastor, de um para outro
campo.
Nada, pois, senhores, nada mais nos resta do
que como christflos, depots de termos pago o tribu-
to das nossas lagrimas memoria dos 21 hroes
que pereceram pomos, implorarmos ao DOS DOS
HUASii.l-'.lnos se compadece d-is nossos males, eso-
bre Pernambuco lance urna vista de prop iciaeflo e
de paternal ternura.
Sim, Dos de bondade summn, pfolegei, nos
Iranzidos de dor vo-lo supplicainos, a esta porfo do
imperio quo tem a honra o a gloria de se denomi-
narIerra da Santa-Cruz.Salva-nos, salva Per-
nambuco das garras desses infernaes abulres, sal-
va-o dos horrores da anarchia : confirma e abenca
todos os actos do sabio, enrgico, justo e intrpi-
do administrador desta provincia > guia-o, como
outr'ora guiastes a Moiss na espinhoa eslrada que
elle pe- corre, aiim de descaplivar da cruel oppressilo
desses barbaros Egypcios a esta povo que tu confi-
aste sua prudcnlo, sabia e paternal direceflo : da-
Ilio constancia, coragem, resignaeflo e paciencia, c
os malvados seriio em breve aniquilados. Digna-te,
cmlim, de aceitar estas preces que to dirigimos
pelas almas de tilo valerosos soldados, ed-lhesem
recompensa la na eterndado o verdadeiro descanso
dos justos.Rquiem alernam dona ei$, Domine,... el
requiescant in face.
Amen.
No entanlo que, da cadeira da verdade, o muito
digno plegador da capella inperial transmilliaa um
innmero auditorio ossentimenlospatiioticose re-
ligiosos queagasalha cm(o peito, muitos dos assis-
tentcs verliam lagrimas de saudado e agradecimen-
to pelos bravos cujos allos feitos estava elle memo-
rando.
Finda a oracilo, S. Exc. Rvma., trajando vestes e-
piscopaes, procedeu bsolvicHodo tmulo segundo
o rito romano, e com este acto poz termo ceremo-
nia religiosa, pelas 3 horas da tarde.
Entretanto, o Sr. capitfl de fragata Joaquim Jos
Ignacio convidouaos Exms. Srs. presidente e com-
mandanto das armas, ao Exm. Sr. vice-presidente
Domingos Malaquias do Aguiar Pires Ferroira, o a
varias outras pessas para assislirem a urna segn
da ceremonia, muilissimo tocante, que se ia veri-
ficar junto as sepulturas dos finados.
Os convidados assentirant para logo ao pedido do
Sr. capitflo de fragata, e passaram-so para o lugar
em quo descansavam os manes daquellcs que nada
haviam trepidado auto o penoso e sagrado dever de
sacrificarem as vidas pela patria.
Ahi eslava urna ees, em torno da qual se collo-
caram o Sr- Joaquim Jos Ignacio, os Srs. ofllclaes
de marmita o OS convidados. Eul.lo iocilaram-se
muitos discursos fnebres, acoda passo interrom-
pidos pelos solutos dos recitantes, e pelas lagrimas
dos assistenles. A' proponjito que terminavam as
alloctifes, seus autores iam depositar llores sobre
a oca ; e, acabadas ellas, todos os circunstantes,
inclusive os Exms. Srs. presidente e commandanlc
das armas, apressaram-seem acompanhar os piodosos
olliciaes nesto testemunho de veneraeflo pelos seas
catparadas.
Sentimos profundamente nflo podrmos desdo j
dispr do bastante espaco para darmos pubiici-
dade a todas essas allocucfes, e o vermo-nos 6a
necessidado de limitar-nos a inserir duas somonte.
A primeira he obra do chele da diviso naval, oSr.
capitflo de trgala Joaquim Jos Ignacio ; a oulra toi
elaborada pelo Sr.doutor Carlos FreJerico dos Santos
Xavier de Aguiar, segundo cirurgiflo de numere
d'aTmada. Ei-las :
ncautos, I to celestes as .-venidas pelas qu"es
calcando abspsSnosso anriverde pemilo, dcixas-
t'at s?
Nio ouvistespela bocea do Itropheta.qilc o innocen-
te nto perece, que o junto no he detruido ? SutTocai,
pois, esse pranto; seccai as lacrimas que ainda mais
creslam Vossos adustos semblantes, a quem o sol do
Amasonas e do Pratn, Ho Jaehy e Oehoeira, do (-
pibaribe e do Itapicur, do Iteiltn e de l'artlienope,
do Sena, do Betis e Tejo tiroif sim a belleza infantil
e efeminada, mas impoz p% indestructiaeis traeos
ilotiomem da lea eioierer. Seccai o pranto, eper-
correi as ras da esplendida Mattrlca; ahi veris,
por toda a parte, testemunhos vivos da bravura e de-
dicai;flo de vossns finados camarades. Conaultal,
um a um, os habitantes desse outr'ora jardim dos
Batavos; consulta! a quantos empunttaram as armas1
da lei contra as do incendio, do estupro o Jo saque,
e elles vos di rao unnimemente : N.lo, nem um
s marinheiro, ou fiizileiro naval dcu.costas ao ni
migo; nem um s, por um momento, deixoii de'
avancar, invocando e victoriando seu Imperador e
sua patria ; nem um s morreu que nflo fsae cober-
to das mais honrosas feridas, recebidasao lado dos
mais bravos refentores da causa sagrada que recla-
ma o tributo de nosso sangue.E, pois, morre, ou
vive quem tflo gloriosamente passa'desle mundo
para o da eternidade?
E que nflo possa eu agora commemorar nome por
nome dos vinte e um bravos que j l vflo?! Que
nflo possa eu descrever feito por feito, pelo qual,
ja de ha muito, estilo rocommondados gratidflo da
patria.' Que nao possa anda urna vez abracar sen
frios mortaes despojos, o dizer-Jhes o ultimovale!
embora....
Vedes lo la essa pompa T Vedes todo esse belli-
coso apparalo desenvolvido l fra da porta do tem-
plo ? O quo he isto ?!... gloria 1nome vflo, resulta-
do de mgicas palavras, como essas quo telegraphi-
camente em Trasigar recitara Nelson -A Inglaterra
espera que todos cumpram os seus deveret. filo?
ria !... be nada, meus amigos... o tudo ho esse fre-
tro, he... urna pouca de ierra que nos ha de cobrir,
ecom a qual nos lia vemos confundir.
Adeos, modelos dos Brasiloiros.' Adeos, mari-
nheiros e soldados I Um dia seremos juntos, e se a
Dos aprouver que entflo um cauto me seja reserva-
do na mansflo dos justos, comvosco repetir! o que
em seu ps il ajo 37 disse o rei propheta:
Domine, ne in furore luo arguas me, eque in ir
la corripiae me.
Senhor, perdoai-nos.
c Pe um grato coraeflo de magoacheio
Acollter o terno e candi do tributo,
Que a musa, gloria minha o meu recreio,
Te offerece envolta no funreo lucio.
Bocace.
Em todas as dados, em todos ostempos, em to-
das pocas, foi urna lei nata ao coraQflo do homem
sulfiagar as almas daquellcs que por seus feitos bri-
Ihantns, adquiridos aps grandes e extraordinarios
sacrificios, mereceram que suas lapides fossom cin-
siilas com as laureolas das victorias, e sobre ellas
fossom gravados com o buril da imparcialidadeos
nomes heroicos daquelles que se tornaram immpr-
laes as paginas histricas da patria. Poruma dessas
evoluooes polticas quo nflo podemos comprehen-
der, por um dosses phenonienos falaes que nos
encheram de terror e de espanto, se para 'um
lado ou ntico ni olas vistas vejo o templo sa-
grado de Dos cnvolto em trovas, os campanari-
os lancarom de si roucos sons que vflo enternecer
nossos corseos, os ministros da igreja entoarem
lugulires canucos, a ceremonia fnebre por toda a
parle, as faces enrugadas pela tristeza, as lagrimas
debuxadas nos semblantes de tantos benemritos da
patria! Ah! Senhores, meu coracSo se opprime, meus
mcmliros se enfraquecem, minha voz so perde, por-
que tenho de chorar o passamento de tantos bene-
mritos, de lanos bravos, de tantos lilhos da pa-
tria, feridos na primavera do seus annos, do tantos
camaradas meus, que no luctuoso dia 2 de fevereiro
sellaram com o soU sangue a'ordem ea tranquilli-
dade desta cidade; porque tenho de irazer memo-
ria recordacOes quo tanto nos afiljgem.
A mort? esso venono lento, segundos expres-
s!Iu do grande Massillon, esse veneno que parece
gerado as enlranljas de nossas milis, essa fouce
nexoravel que termina a vida de tantos, deixando
entregues dor 6 a saudade aquellos que parecan)
unidos ns suas vctimas, acaba de nos roubar urna
grande poreflo de bravos perlencentes aos difleren-
lea navios de guerra surtos neste porto ; acaba de
nos privar do vermos esses hroes, esses leOes do
ocoano prestar ainda servicos s patria, e dar com os
seus cxemplos de coragem e bravura urna licilo a
aquelles que, desvairados do caminho da ordem,
prelendem laucar esta bella provincia em urna com-
pleta anarchia.
Nos vimos, senhores, como esses fortes,baluar-
tes, esses esletos da monarchia se langaram peito a
peito sobre as phalanges cerradas do inunigo ; nos
vimos como essas hordas caham debaixo da fuziia-
ria o das" bayonetas desles bravos. Durante treso
Quo innocente pereceu jamis, ou
quando fram os justos destruidos?
Joii, cap. 4.a v, 7.a
Quanta cnnsolacflo experimenia a alma cltristUa
quando, ao lr as sagra las pagines, por ellas encon-
tra, a cada passo, derramarlas as mais sublimes m-
ximas da moral, o- mais doce lenitivo a suas aflll-
efles E nao exprimem as palavras que, ao acaso,
tomei porepigraphe, ao folhearo livro de Job, qimi-
to resignados llevemos estar com a sorlo gloriosa
que aos nossos bravos cantaradas, ha pouco dados
ao sepulchro. coulto em defesa do lltrono e da lei,
da liumanidade o da religiflo ? Que innocente, pere-
ceu jmaie, ou quando fram os juttoi destruidos?
Eram. porventura, criminosos esses homens,
anda ha pouco a doce esperanza, do seu paiz e de
suas familias; nimia ha pouco os mais dedicados
sustentculos da lei? Eram porventura impos, ou
reprobos esses iois observadores da rgida discipli-
na militar quo, com tantos deveres sublimes, lites
inpoe o deserem tenientes a lieos, e o de risca
executarem os seus preceitos? Logo o innocente,
logo ojuiio nflo morrera eternamente, e a sua me-
inoru atravossar os seculos, como al nos tem che-
gado a dos manjrres da patria e da igreja, a dos mais
ramosos homens, a quem a gloria cor* no templo
da tmmorlalidde.
E porque choris vos, meus camarades da ma-
nnlia brasileira ?!.... Cahio sobre o vosso brazao
*1
iam sobre voasas familias, e sobre o sen estado de
fortuna; tendes un "'Ilustre e benemrito varo
que, tesiemunha oceular dos vossos feitos, osfnri
chegar ao excedi thron do a ugusto monaretta br.
zleiro; eu fallo, senhores, do'Ilustre presidente
ilest provincia,- cuja hefoicicledo so demonstrnu no
dia 2 de fevereiro, do eterna recordaejo Teudcj
um cliefe- que comvoeo, ros* test, compart.
Ilion dos perigos e fadigas do ataque ; (endes 7 nf.
flciaes e 48 camaradas vossos, dos quaes mutn< ain-
da jazem no leito da dr; tendes toda a nfllcUliilede,
e emfim a populacho inteira, que vos far justica'.
P .A terrs vos seja leve !!
* 1008, cmara las, conlinuai a servir com o mes-
mo zelo e enthusiasmo, afTrontai os perigos, a p,.
tria.tu lo de vos espera ; e ella vos ser grata ; evos
tMos olhai para este fretro, e Iranzidos de dr
sabe! que
Aqui termina a vida transitoria
* E comeca dos bons a eterna gloria.
He para notar que fra da igreja estava.com armas
em funoral.uma frca do300 imperiaes marinheiros,
com a banda do msica da fragata Consliluicio, sb
o mando doSr. capitflo-tenenteSilVa, e com os com-
petentes offlciaes ;que esta frca, logo que termi-
nou a ceremonia, deu as salvas do estylo ;que ai
embarcares de guerra nacionaes e estrangejn^
surtas neste porto, bem como muitos navios aer-
eantes, conservaram as insignias e as bandeiras ,'
meio-po desde as 8 horas da manhfla at acabar-so
o funeral.
Oh quanto he doce terminar a existencia em
defensa de boa causa Os que assim se finam, ror-
nam-so immortaes, seus nomes passam de geraeflo
em geraeflo : as beneflos. e as lagrimes dos justles
acompanham por toda a parte I... Osreearoros, po-
ro m ; aquelles que estragan) seas das em susten-
tculo de caprichos alheios, intoresses mesquinhos e
pessoaes; esses, o quo enconlram? Perfeiloesque-'
cimento, senflo a ani madversflo de todos,senflo a
maldicflo doB mitos, esposas, pas e irmflos dos que
ainda estaran) vigorosos, ainda Ibes serviran) de
amparo, se nflo tivesse m de hitar com elles, se nflo
tivessem da embargar-Ihes o passo na carreira do
crimo.
ROTAS 01 aavoi.Ta.
horas de acrrimo cmbele, elles ileram exuberan-
tes provas de que, fra mesmo de seu elemento, o
governo nelles encontr verdedeiros servidores, ver-
dedeiros fillios da patria ; fram elles quo concor-
reram para que essas hordas levadas por terriveis
planos 11.I0 entrogassem ao inceqdio, pilhagom e
ao saque lanas habilaces.que dentro de si encerrar
vam a altlicta ospo.sa, o ticmulo consorte, o tenro li-
lliinlio; fra 111 elles que livrarain a Veneza brasi-
lera da ferocidade inimiga. Corroi, perguntai
cada um do povo desde a escala mais infinta atea
mais superior da sociedede: Quem concurren em
grande parle pare a salvacflo desta cidade? Vos driles
ouvrets osla resposta, quenos enche de enthusias-
nto, que nos arrebata : Fram os briosos e valentes
imprtaos marinheiros, marinheiros do corpo d'ar-
mada e fuzileiros navaes. Quem foi que tranquil-
Itsou vossos coracos, que vos fez verter legrimasde
prazer por vos verdes salvos ? Fram essos nclitos
e bravos, perlencentes braisleira armada,
..............
Quo cahiram como o frondoso esbelto choupo
Que poucas primaveras anda nflo visto
Cirainidaudo a orla do regato. ......
Os rebeldes que, batirlos pela columna do bravo
tenente-coronei Falcflo em Po-Amarello o Brejo-
d'Areii, tinha m retrocedido para Pasmado, acham-
se dobandados, segundo o affirmam varias pessoss;
perseguidos pelo distipelo coronel Pimeotel,
vagueiam as maltas que licam entra Iguarass
e Camagary. Enlrelanto, previdenla e humano
como he, o Exm. presidente da provincia ha ex-
pedido as convenientes ordena para que a polica,
apressando-se em capturar aquelles dos chefes da
revolta que porventura poder colher, nflo persiga,
mas antes acolha benignamente os iludidos que,
contriclos, depozerem e ontregarem as armas, que
homens degenerados lites colloctrsin as mitos.
O ofllcio em que S. Exc. Ho irrefrsgavelmenle
testemunhou que sabe combinar os principios da
justica com os da candado,que sebe discriminaros
verda'doiros delinquentes daquelles qu praticaram
o mal sem conscicncia do que fsziam, sments fas-
cinados por promessas seductoras, por embustes
grosseiros, e ma'is que proprios para desveirarem a
rasilo de quem a nflo tem sufllcicnlemente inusita-
da ;o oflicio com que S. Exc. como que so dignoa
de testificar que, ao publcennos o artigo que se id
em o Diario n. 40 de 2do corrente, apenas tos limi-
tamos annunciar os sentimentos deque se elle echa
animado;esta pera, em tudo digna de seu aulor
he seguinte :
armo, senhores, estes valentes defensores da odo. borriver; que aem m BrktEu l.v.r
Ah Senhores e hojo pranteamos a morte des-
les bravos! Contristes da vida humana! TuJo
passa, somos arrastrados para a eternidade; mas
no importa! I
Urna fagrima de saudade, urna lagrima do recor-
dacflo sobre a campa do tantos herea !
E vos, bravos marinheiros, imperiaes mirinhei-
Htm. Sr Constando-me qu os rebeldes que
fram balidos em Aroias da provincia* de Parahybe,
leudo novamento entrado om territorio deste, e sen-
do inceesanlemente seguidos pela columna do co-
ronel Pmcnlel, dobandaram em grupos queandam
foragidos pelas maltas entre Iguarass e Camacary,
recoinmendo V. S. que expeca as convenientes
ordena a todos os delegados de polica para que ent-
preguem a maior eclividade e vigilancia para captu-
rar o desarmar quaesquer partidas ou individuos, que
porventura apparepam nos districtOS de sua juris-
dicQflo; adverltndo, porin, queaqucllesque, uiu sen-
do cltefes,-se epresenterom pacificamente, e depo-
a seren o entregaren! espontneamente as*armas, nflo
dovem ser inquietados, limitando so as autorida-
des policiaes a c-los debaixo de vigilancia, parti-
cipando immodiatamenle V. S.quaes aquelles que
assim se apreseniam.
Convm lambem que V. S. faga saber aos mea-
mos delegados que, lendo chegado boje o hatalliflo
oilavo do cacadores composto do 500 pravas, vou
fazer marchar para o interior urna frca do nha
destinada a baleros' grupos que nflo quzerom de-
pr as armas, e apoiar as autoridades no emponlio
do por termo rcbeliiflo que teniassolsdo este bella
provincia, e.que certamen le tora de ser esmegeda
on\ poucos ritas, se todos o> defensores de consli-
tuiQflo mediairle mais algum esforgo coucorrerein
para acabar com esses restos de aaarchietes, que, a-
beiidouados de seus chefes, sem direcc.lo e sem
recursos, s procuram escapar so justo castigo da
seus cri mes.
Dos guarde a V. S. Palacio do governo de Per-
nambuco, 3 de marco de 1849.Manotl Vitira Tosa.
Sr.juiz de direilochefe de polica. *j -J
ros e fuzileiros navaes, que hoje rtpsi-iN.i na man-1
sflo dos justos, tendes na trra prolectores que vi-1


saZZTi------ -------=^^====v -------
VAPOR DO sur..
Hontem, pela manhili, chegou a esle porto, pro-
cedente do Rio-ilc-Jar.eiro, o vapor de guerra na-
cional Don-iffotun, trazendo-nos o oitavo balalhflo
de cacadoros, forte de 500 pravas, todas bem oquipa-
(lds,-bem fardada, e em cujos semblantea como que
estilo eslampadas a coragcm, a disciplina,a rae-
Ihor di*posic.1o para arrostrar os mais arriscados
perigosom pro do thrano e da conatitui^opoltica-
do perro. *
Este vapor trouxo-nos alguhs exemplarcs do Jor-
nal da Commercio, datados de 11 a 24 de fevereiro
ultimo. Oos das antes do da sua saluda, partir
para o norte o vapor da carreira; que breve deve de
oslar equi.
A noticia do assignalado triumpho, qua as armas
da legalidtdoalcancaram dentro desta oidade sobre
a rebelda, fra recebida na corte con espeeial a-
grado.
8. II. o Imperador ae nflo mostrara indife-
rente a essa prova de Adeudado e adhesffo que
Ihederam oa bons l'ernambucanos e os domis Rra-
silciros que os coadjuvaram a esmagara cboca da
liydra revolucionaria, tanto que mandn louva-los
e prepara-so para galardpar os que mais se distin-
guirn!, bem como para tomar sb sua minifcente
proteecilo as familias dos quo pereceram em defensa
da ordem e da monarcliia, segundo o atiesta o sc-
gunte aviso do ministerio da guerra :
Illm. Exm. Jr..Sua Magostada o Imperador,
a quem fram presentes os ollicios en que V. Es. da
ronta do ataque dos rebeldes sobre a capital dessa
provincia e da completa derrota quesoffreram, ha
por bem mandar Ion va r os ofilciaes e pravas de pret
do mar e Ierra, guarda nacional e mais cidadflos,
que tilo relevante* servicos prestaram. Tendo asa-
lisfaco de cumprir esta imperial determinaco, de-
vo acerpseontar que os nomes dos que neasa occa-
siilo se fizeram notavois entre os que cora tanta bra-
vura e lcaldade se hatera ni pela constituidlo, e por
consegunte pela defesa da monarchia, liberdade e
ordem publica, serfio levados a presenca augusta
do soberano, que os acplher benigno, e Ibes dis-
pensar o merecido galardOo. As familias dos que
gloriosamente suecumbiram pela suslentacflo das
leis, nfloserfloolvidadas, e encontrarflo nogoverno
mporial aquellos soccorros a que teem tilo sagrado
diroilo : cumpiindo que V, Ex. empregue a maior
diligencia era obter circunstanciadas informales
sobre cada urna dolas, e as communique a esto mi-
nisterio.
lieos guarde a V. Ex. Palacio do Rio-de-Janeiro,
em 2* de fevereiro de 18*9. 'Manoel Feliiardo de
Souzae titilo. Sr. presidente da provincia Jel'er-
namhuco.
A cmara quatriannal fra dissolviJa e convocada
para o 1.' de Janeiro prximo futuro pelo decreto
ir.frm :
Usando das altrihuices que me confere a cons-
tilnicflo no artigo 101 5 o tendo ouvido o meu
rnncelho de estado, hei por bem dissolver a cmara
dos (lepiilarios, e convocar desdo j outra, que se
reunir no lia primeiro do Janeiro do anno futuro.
U visconde de Moni'-Alegre, do meu concelho de es-
tado, ministro e societario de estado dos negocios
do imperio, assim o tenha entendido e faga execu-
lar com os despachos pecessarios.
. Palacio do Itio de-Janeiro, em 19 de fevereiro
de 1819, vigosimo-oilavo da independencia e do im-
perio.Com a rubrica de S^ M. o Imperador. Vis-
conde de Moni-Alegre.
Esta medida nSo causara na corte impressflo al-
guna desagradavel; ao contrario encararam-na
como um acto ordinario.
O que acabamos de dizer he comprovado pelo do-
cumento ollcial que ora vamos transcrever:
3.' Sccc.lo.Rio-de-Janeiro.Ministerio dos nego-
cios da justica em 23 de fevereiro de 1849.
a Illm. e Exm; Sr.Cammunico V. Ex. para sua
intclligencia qu, por decreto de 19 do correte
mez, hnove'S. M. o Imperador por bem dissolver n
ramera dos deputadns, e convocar outra que se devo
reunir no I.* de Janeiro do anno prximo futuro.
A noticia de semelhante providencia, que foi logo
espalhada nesta capital, foi recebida conio um acto
de simples expediente, conservaudo-se ella noseu
estado ordinario de paz e seguranca, e nflo havendo
receio do alguma alteracSo a este respeito.
o governo eapera que o mesmo acontece nessa
provincia.
Dos guarde a V. Ex.Ensebio de Quttrt Ci-
tinh Mniioso CinaraSr. presidente da provincia
de ptrnamhuco.
Tinham sido nomeados: offlcial da secretaria
de estado dos negocios da justica o Sr. Julio Peroira
Vianna; juizes municipaes e de orphos :
do termo de Coianna desta provincia, o Sr. Fran-
cisco Rodrigues Selle; do de Santa-Barbara, em
Minas-f.eracs, o Sr. Caetano AJves Rodrigues Hurta ;
dos de Baepondy e Ayuruoca, oaquella provincia, o
Sr. Antonio Candido da Rocha ; do da capital de
Coya, o Sr. Jos Rodrigues Jardim; do do Pasfos-
Bons, oSr. Filippe Alves de Carvallio.
S. M. o Imperador, altendendo s supplicas dos
Sr. juizes municipaes e d'orphflos, Antonio Marcel-
lin Rues Concalves e Antonio Pinto da Silva Vallo,
dignra-se de remover : o primeiro do termo de l'as-
tos-Bons para os de Rozario e Icat; o segundo do
de Mogy-das-Cruzes, em San-Paulo, para o de Quara-
lingol da aieama provincia.
-Sahia-se que Minas e .San-Paulo haviam Gcado em
erfeita paz.
t
As datas- do Rio-Grande al can cava m 8 de feve-
reiro.
Nada cxtraoi linario occtftrra na provircia.
A reunido da respectiva assembla provincial fra
adiada para o 1.* do junho prximo futuro.
A 31 do passado eslivera em San-Gabriel o Sr. ge-
neral Andreas. S. Exc. dispunha-se a seguir para
Algrete.
. Em consequencia do contedo no relatorio da
oommissflooncarregada de examinar a alfandega de
Sanla-rtorja a agencia da Urugayana, haviam sido
suspensos do exercicio das respectivas func?es to-
dos os empregados dessas duas repartieres.
Ficra em marcha do Jaguarflo para o Rio-Grande,
alim de seguir para acorte, o segundo batalh.lo de
fuzileiros. Cremos que, all chegada, essa (topa
partir para aqtti.
Fallecer as Agoas-S*anlas o general correnlino
Joaquim Madariaga. Um correspondente do Itio-
Gnindense, ao noticiar tal fallecimento, nega s vir-
tudes attribuldas aquellas agoas, e diz que o uso
dellas aggravra ao general a morphea de que pre-
tender curar-se, e Ihe abfevira a morto.
Havia nova dos Estados-Unidos at 2, de Buons-
Ayres al SI, de Montevideo, em cuja pri?a esla-
va m as cousas no titatu quo, at 24 de Janeiro.
Quanto aoa Estados-Unidos, eis o que lmos no
Jornal do Commercio n. 93, do 22 do correte :
A mania das especulares para a California aug-
mentava lodos os das, eoceupava qnasi exclusiva-
mente a attenclto publica. Nos diiTerentes porlos
da Unida carregavam mais al* com embarcarles do
30o a 800 toneladas para a nova ierra do promiasSo.
So em New-York havia 51 carga quasi promplas a
dar vela. Milhares de aventureiros alravessavam
as monlanhas pedregosas para a regiflj^aaurifera, o
grande numero linha passado o Isthm'JPnguarJava
em Panam meios de embarque. He urna einigra-
c.lo em escala nunca vista.
A respeito do Ruenos-Ajres, o mesmo Jornal pu-
blica em seu n. 42oseguinle trecho de urna carta
particular:
Trata-se de ver se se pode empurrar o almi-
rante francez para o Cerrito. Ha grande empenho
em induzi-lo a dar algum passo desairoso, para que
maior seja i vergonha que lem de recibir sobro os-
gabinetes interventores. Parece impossivel que o
Imiranje caa no laco que Ihe armam, porquea sua
missilo_ho so para Buenos Ayres ; mas poltica
da FraTwa e Inglaterra nesta quesillo do Prata he,
para drzar 6 menos, tilo inexplicavelmente absurda,
que nada me causar espanto
COWMEI.CIO.
ALFANDKGA.
BENDIMENTO 1)0 DA 3............ 5:547,322
Descarregam hoje, 5 de marco.
Barca Soeratemercadorias.
Brgue Novo-Vencedor idem.
Barca Creamori bacalho.
IMPORTACAO'.
flooming-Youlh, escuna amiricana vinda de
Raltimore entrado no correhle mez consignada a
Deane Youle & ('.. manifeslnu oseguinta :
780 barricas 200 moias ditas familia de trigo, 100
caixas velas de espermacele; aoa consignatarios.
COlNSULADO geral.
rendimento do da 3.
Cefal ......,................. 2:490,896
Diversas provincias............... 76,272
2:567,108
CONSULADO PROVINCIAL.
BE.NDIMENTO DO DA 3..........*. 1:063,218
RIO-DE-JANEIRO.
CAMBIOS NO DA 23 DE FBVSAKiaO DE 1849.
Cambios sobre Londres.......25 1/2
Pars.........380 a 383
o llamburgo. ..... 685
Metaes. Oncas hespnnholaa.....31.000 a 32,600
* da patria.......31,000
Pegas de 6,400, velhas 18,000 a 18,500
Pesos hespanhes......2,020 a 2.050
v da patria.......2,000 a 2,010
> PatacOea........... 9,000 a 2,010
Apolcesde 6 por cento......86 a 86 112
. provinciaes.........86-
( Jornal do Commercio.)
PIIACA DO I1ECIFE, 3 DE MARCO DE 1849,
AS 3 HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambios ----- Fizeram-se Iransncc/ies avulta-
das 27 d. por 1,000 rs.
AlgodSo ----- O de primara sorte vendeu-se de
4,100 a 4,200 rs. por arroba, e o
de segunda de 3,700 a 3,800 rs.
Assucar 'Oa precos forana os meamos que
noticiamos na revista anterior.
Couros ------ Continuara a vender-se 97 rs.
por libra.
Agoardente---------Vendeu-se Je 56,000 a 60,000 rs
n ,. Por pipa.
Bacalho ------ Tivornos, esta semana, um carro-
Rarreio do 2670 bar ics, oqual
foi vendido atacado a 12.000 rs.
,. Pr cada urna, pouco mais ou
menos.
Carne secsa Os presos declinaran em conse-
quencia da entrada do qualrn
carregamentos; tanto que as ven-
das em giosso rcgularam ders.
2,6008 3,000 por arroba. Fica-
ram em ser 48000 arrobas.
Farinha de trigo Nflo houve entradas. As ven-
das rtgul-ram do modo seguin-
te : de Richmond, 19,000 rs. por
barrica ; de Baltimore, de 16,000
a 16,500; dn Philadelphia, ris
8.000 ; de Trieste SSSF, 20,000.
Existem no porto 90 navios, a saber: 5 america-
nos, 3 austracos, 27 brasileiros, 1 bremense, 2 di-
na marqiiezes, 5 francezes, 2 hamburguezos, 16 in-
giezes, 8 portuguezes, 1 russlano, 9 sardos, 3 sici-
lianos e 8 suecos.
Movimento do Porto.
Navios entrados no dia 3.
Liverpool; 32 das, galera ngleza feindeer, do 328
toneladas, capilflo Anthony Emight, quipagem
20, carga fazendas.; a Deane Youlo& Companhia.
Rio-dn-Janeiro ; 4 1/2 ilias, vapor de guerra brasilci-
jo b.-Affonso, commandanle o capitilo de mar e
guerra Joaquim Marques Lisboa. Conduz 500 pra-
Cas do oitavo bntalbfln.
Ballimore; 39 das, hiate americano flooming-
Youlh, de 119 toneladas, capliln John Me Farland,
equipagem 6, carga farinha de trigo e velas de es-
permacele; al.. O. Forreira & Companhia.
Parahiba ; 24 horas, hiate brasileiro Tres-lrmSs, de
32 toneladas, capillo Manoel Ignacio da Cunha, e-
qupagem 4, carga farinlia do mandioca e loros de
mangue ; ao capitilo. Passageiros, Jofln Corris da
Silva Jnior, Antonio Goncalves da Silva Jnior
com sua familia.
Babia ; 14 das, barca ngleza Priseilla, de 218 tone-
ladas, capitilo John Julios, em lastro ; a Johonson
Patcrec Companhia.
Rio-d-Janeiro; 17 das, brgue brasilqiro Ligeira,
de 195 toneladas, capilflo Domingos llenriquos Na-
fra, equipagem 13, carga farinha ; a Manoel Joa-
quim soares.
Navios taidos no mismo dia.
Ass ; patacho brasileiro Santa-Crus, capitilo Anto-
. nio Goncalves dos Santos, em lastro.
Babia; barca americana W.-lJ.-U.-C.-Wvignl, capi-
tilo John J Jackson, carga parte da que trouxe.
Em cnmniissflo; vapor brasileiro l'ernambucana,
couiniandanto Joflo Militilo Henriques
India ; barca ingleza Lnlerprise, capilflo G. F. Fra-
der, carga assucar.
New-London ; galera americana Hibernia, capilflo
James Sinith, carga a mesma que trouxe.
Deca raides.
T
O Illm. Sr. inspector da thesouraria da fazend"
provincial, em virtude da resoluc'lo Jo tribunal ad-
ministrativo, manda fazer .publico que continuam
os pagamentos da divida dos exercicios (indos, nu-
tro sin, que de 7 do correte mez por diante paga ro-
se os ordenados vencidos cin fevereiro o mais des-
pezas provinciaes.
Secretara da thesouraria da fazen la provincial de
l'ernambuco, 3 de marco de 1849.
O 2. escriplurario,
Antonio I'errWra d'AnnunciacHo.
THEATllO DE APOLLO.
QUINTA-FEIRA, 8 DE MARCO DE 1849.
A companhia franceza, sb a direceflo de Mr. Du-
pr, tora a honr/ de dar urna representaeflo extraor-
diuara era beneficio de madama llupr.
A TORRE DE NESLE,
drama em 5 actos o 6 quadros, por Mr. Alcxandro
Dumas.
Mr. Dupr representar o papel de Buridan.
INTERVALLOS DE CANTO E DE DANCA.
II nr id te el Chnrlot, vaudejille novoemum acto.
Leudes.
- Joflo Keller & rompanhia farflo lelflo por con-
ta e risco de quem perrencer epor inlcivenco do
corretorOliveira.de 192 duzias de lencos de cassa
bordados e 310 pegas de cassa lavrada ludo a va-
riado de agoa aalgada : hoje, 5do correle, as 10
horas da manhfla ,no seu armazem da ra da Cruz.
_ C. J. Astley far leilflo, por interveneflo do cor-
relorOliveira de um bello sortimeuto de pannos
prclosede cores, casimiras ditas, sarjas, selins,
chales de lila, e muitas outras faendas proprias
para a Quaresma : terca-rera. 6 do crrante, asi
fieras da manhfla noseu armazem da ruada Allan-
dcga-Velha, n 5, primeiro andar.
Avisos diversos.
ATTENCAO !
O preprietario das Ierras denominadas Campo-
Verde, situadas na estrada" Corrodor-do-Bispo, pre-
vine aosSrs. que aforaram terrenos em dito sitio,
que tenham a bondsde de comparecer em a ra do
Hospicio, casan. 12, das9horas da manhfla s 6 da
tarde, alim de legalisareip seus ttulos, salisfazendo
o que for vencido a Itde fevereiro prximo passa-
do; e bem assim a todo os Srs. que, estando de pos-
sede terrenos, anda nflo a ge ociara m seus ttulos:
isto at o dia 15 do crranle, alias se aforarfio a ou-
trosque pretend'em.
Antonio Domingues Maia, Portuguez, retira-se
para o Porto.
La va-se e ongomn-.i-se ronpa com mnt.< bre-
vidade o o mellior possivel : na ra da Roda casa
-la esquina, n. 11.
-- Joflo Pereira Lopes >;uniz retlra-se piraf-" do
imperio.
Quem precisar de um homem para felt. m pa-
ra oulro qualquer serviro, dirija-so ra Dir-ta,
i jmero 2.
-- a madrugada do da 27 do passado furlara n do
sitio do abaixo assgnado urna vitella amarella ; jul-
ga o mesmo a lorem ido vender em algumas das ma-
lricas, por isso roga a qualqurr pessoa a quem for
offerecida que a queira tomar e lava-la ao-mesmo
abaixo assgnado que ser gratificarlo.
Jo3o Nepomuceno Ferteira d Melfo.
Os Srs. reverendos vigario I.ourenco Corris do
S e escnvdo da cmara episcopal queiram mandar
na l'raca-do-C,ommerco, n. 2, primeiro andar, ha-
ver urnas encomtnendas que Ihesvieram da provn-
ose das Alagoas.
Perguota-so ao Sr. l)r.. Moscozo porque rasfo
nflo junlouaosou relatorio publicarlo no Diario de
2 do corrento mez, acerca dos doentes existentes ,
ontrados, sabidos, curados, morios, e os que Picaram
existindo no hospital regimeolal do segundo bata-
llan de arlilharia a p um relatorio. finnceiro pa-
ra se poderom avaharas vantagens que S:nc. ha pro-
porcionado aos cofres pblicos, lato era tanto mais
da obrigaeflo do Sr. cirurgiflo-mr, quanto Smc.
melleu-ae pelosannosde184l, 42, 43, etc. etc. ,
lempo em que Smc. nflo era conhecido anda neala
provincia.
O escrupuloso.
Um Inglez solleiro precisa de urna pessoa para
tratar de cavallose fazer mais algnm servico de ca-
sas: a fallar na ra do Trapiche.Novo, n. 10.
Aluga-sea cocheira dacasa sita no largo da ma-
triz de S.-Antonio n. 2 : a tratar na ra da Cruz ,
n. 40 ou na ra Direita n. 29.
Na ra do Queimadu, n. 14, segundo andar so
dir quotn d dinlieiro a premio. Na mesma casa
vendein-se 2 relogios de ouro correles, trancelins,
medalhas conloes crucifijos, brincos argolas ,
pulseiras, annelOes, collar, botdes um paliteiro de
prala aapatos de lustro para senhora a 1,600 rs. ,
sarja,, selim, los, chales, mantas urna colcha ada-
mascada e oulras fazendas por preco commodo, \
para liquidueflo.
Francisco Xavier do Lago, subdito hespaiihol ,
relira-se para o Itio-de-Janeiro.
Jos Marlins PeJra, Brasileiro adoptivo, vai a
Macei e leva o n sua companhia o seu oscravo de
nouie Manoel. *
Francisco Severiano Rabello Jnior retira-se
para fra da provincia.
-- Joflo Goncalves de Miranda leva em sua compa-
nhia para o Rio-Crando-do-Sul o seu escravo Ma-
noel de nacilo.
Joaquim Jos Ferreira deAlmeida, cidadSo bra-
sileiro, retira-se destaprovinciapara a Europa, le-
vando em sua companhia a sua mulher .Mariano Go-
mes do Rozario Torres edous lilnos menores Joa-
quim e Rozalina: por isso, quem se julgar seu cre-
dor, queira a presentar sua cunta no prazo deoito
dias para ser paga.
Joaq.uim Antonio Carneiro faz sciente ao publi-
co que, por naver oulro de igual nome, de hoje em
diautese assignar Joaquim Antonio Carocho da
Souza Azevedo. -
Ricardo Mues de Carvalho Siqueira, subdito
brasileiro, relira-se para fra do imperio.
Joflo Jos Marquos de Araujo, Brasileiro adop-
tivo, segu para Portugal.
- B. Lasserre embarca para o Rio-Grande-do-Sul
o seu escravo Goncalo.
-- Manoel Ciielauo Pereira" de Mendonca, subdito
brasileiro, rclir-se para fra de imperio.
--Francisco Antonio Pereira Pinto de l.emos An-
tonio Joaquim Rodrigues e Joaquim Antonio Rodri-
gues, Porluguezos, retiram-so para fra do imperio.
Antonio Goncalves Lopes Macieira, subdito por-
tuguez, relira-so para Tora do imperi,o.
Manoel Joaquim Barboza tendo de retirar se
para fra do imperio, julga nflo dever nada a pessoa
alguma; mas, se algueni se julgar seu credor, haja
do apresentarsua conta no prazo de 10 dias; e roga
a uniSr. esludanlequev rusgatar tres livros que
OS e o pe n lio u por 1,000 rs.
Precisa-se de um bom cozinheiro : a bordo da
barca nacional Tmitativa-Feli*: a tratar com o ca-
IHlo da mesma, a burdo, ou na ra da Moda, n. II.
Joflo Jos de Gouveia mora na ra do Uuoimado,
n. 27', onde pode ser procurado pelo aulor do un-
uuncio inserido no Diario do lioolom que o cha-
ma a ra ra das Gruzes, n. 30.
Compras.
-Compra-so urna negrinha de 6a 10 annos o um
moleque da mesma idade., isto para urna encora-
monda : na ra larga do Rozario, n. 35-
Compra-se urna preta de idade para o servico
de urna casa e vender na ra : na Boa-Vista, na tra-
vessa do Quiaho, n. 1.
Compram-se harria vasios de todos os tama-
nbos : na praca do Commercio, n. 2, primeiro
andar.
Compra-ae urna escrava moca com habilida-
des principalmente de cozlnhae engommado, pre-
ferindo-se recolhiila : paga-se bem : na praca do
Commercio, n. 2, primeiro andar.
Vendas.
Lotera do Rio-de-Janero.
Aos 20:000^000 de ris.
Na loja da praca da Independencia, n. 37, acaba da
ebegar um novo sorliinento meios bilhetes, quar-
tos, oitavos a vigsimos da lotera do Rio-de-Ja-
noiro, concodida a beneficio da casa da Misericor-
dia da corlo. Na mesma loja se moslra a lista da lo-
tera passada e se trocam os bilhotes premiados.
Vende-so ago'ardente da Franca, verdadeiro
cognac, de qualidade muto superior, em caixas de
urna duzia ; barris de oito om pipa com vinho de
claret, como nflo costuma vir c ; urna poreflo de
charutos de llavana, vofdadeiros : na ra da Aifan-
dega-Velha, n. 5.
1 ni boto armazem.
Vende-se um hom armazem para carne do Coar ,
na ra da Praia n. 27, por baixo do theatru : a tra-
larcom Guilhenne Selte, no Aterro-da-Boa-Vista ,
n. 10.


u
Ve larmazens n. i do cas da Alfandega e do |delros amantes da boa pinga. Elle conla qoe quem
una vez provar, continuar cnmgoalo e sem arro-
pe .idimento. E o bom preco!!.' A todo o exposto
accresce o sseo e boro condicionamenio o que
tudo se poden verificar ero dito estabelecimenlo.
- .vilo (i. i \au tB-n wo nuapur(ja O uw
ralle< to Bragunz, ao p do meo da Conceico, ven-
de-sc. superior farinha de maadioca em saccas de
alqueire, por prego comoiodo.
Taboadode pinho.
Vendem-se taboas de pinho ,
Forte-do-Maltos armazem do Vianna
no
e
de
no armazem do Machado, na ra
Apollo, junto ao porto velho das canoas,
e os melhores pranchOes, costados, costadinhos e ta-
boas de todas aa grossuras e comprimenlos por to-
do o prego.
No armazem de las Ferreira, no caes da Alfan-
dega vende-sn superior farinha de mandioca em
sacras de alqueire j bem como superior putassa em
barriquinhas, desembarcada lia poucos das, Mr
prego commodo.
Vende-se ca] virgem de Lisboa,
chegada no ultima navio, em barra pe-
queos, por menos do que em outra qual-
quer parte: na ra do Trapiche, arma-
zem n. I7.
-- No Aterro-da-Boa-Vista loja n. 78 vendem-
se sapalOes grossos a 1,000 rs. o par ; ditos do Ara-
cnty a 1.000 e 1,280 rs.; sapatos de lustro |>ara se-
nhura a 2,800 rs.; ditos para meninas a 1,920 rs. ;
ditos de cordovfio, a 1,280 rs. ; botina para bomem ,
a 3.000 e 5,000 rs. o par ; sapslosdn sola e vira, a
2,000 rs.; balius de maeira envernizaJos de varios
ta maullos o pregos ; bonetes riscadoa a 280 rs. cada
un; ditos para meninos a 800 rs. ; ditos de mar-
roquini prolo para hornero, a -2,500 rs. cada um ;
ditos de merino, para changas a 3,500 rs.
-- Vende-se um cavado de sella com muito bons
andares : na ra do Crespo, loja n. 2 A.
Ciganilhosde pallia de niilho:
vendem-se nicamente no armazem do molhados
atrs do Corpo-Sanlo, n. 66.
1 Contiiia-se a vender cera de carnauba, por n-
tacado o a realho a vontade do comprador, por pre-
go commodo : na ra da Cadeia-Velha, lojas de ler-
ragens, ns. 59 o 63, de Jos I)ias da Silva.
Vende-se a venda da ra do Apollo, n.21, com
poucos Turnios : quem a pretender, dirija-se a ra da
Madre-de-Deos, tratar com Vicente Ferreira da
Costa.
No deposito de Me. Calmont & Companhia na
ra de Apollo, armazem n. 6, acba-se constante-
mente grande aortimentode ferragena inglezas para
engcnlios do assucar corro sejam : taixas de ferro
coado de diflerentes modelos, os ruis modernos;
ditas de Tarro batido ; moendas de Trro do mode-
lo adoptado para armar em madeira ; ditas todas
de Trro, tanto para agoa como para animaes; ma-
china* de vapor de torga de quatro cavallos o de al-
ta pressflo o mais moderno e simples que he possi-
vel ; reparlidciras ; espumadeiras ; resTriadeiras de
ferro eslanhado; formas de Trro: tudo por prego
commodo.
Vende-se urna escrava de nagflo, moga : ao
comprador se dir o motivo por que se vende: na
ra da Cadeia do ReciTe, eacriplorio do cndor Oli-
veira.
Na padaria da ra da Guia, no ReciTe haver
todos os dias a venda o novo pSo de Provenga fa-
bricado por outro modo que o actual e da melbor
farinha que ha no mercado : noreste motivo nao se
pode fazer so nao a 40, 80 e 166 rs.
Vendem-se taboas america*
nas at 3 palmos de largura
e de todos os comprimcntos.quo ha muilolempo nilo
trem vindo e os Treguezes experimentando a Taita
Jesta cxcellenle qualidadc. A ellas que sSo poucas c
topreco he barato. Air do thealro, armazem jun-
c a maro, de Joaquim Lopes de Almeida.
Aos amantes da boa pitada
seoffereceo rap Nnvo-Lisba no seu deposilo da
ra larga do Rozario, n. 24.
Vende-so farinha de mandioca, muito superior,
por prego commodo : a bordo da escuna S-Cruz, a-
orada cm frente do trapiche do algodflo.
Farelo,
em barricas a 4,000 rs. ; saccas grandes, a 3.50o
rs., ditas pequenas. a 2,800 rs : no armazem do J.
J. Tasso Jnior, na ra do Amorim, n. 3.
Potassa.
Desembarcou ha poucos dias urna por-
co de barris pequeos, com muito nova
e superior potassa, e se achara venda,
por preco mais barato do que ultima-
mente se vendia, na ra da Cadeia-Velha,
armazem de Bailar &Uliveira, n. 12.
PURO VINHO DA FIGUEIRA.
no armazem de molhados, atrs do
Cor-
Existe
po-Santo n. 66 urna grande porgSo deste genui-
no vinho que se est veodendo pelo diminuto pre-
go do 1,120 rs- a caada e a 160 rs. a garrafa ; tam-
ben) ha em pipas que ae vender mais em conta : lie
este o melhor de lodos os vinhos que se teem an-
nunciado pela ana simplicidade e ptimo paladar:
quem urna vez o beber jamis deixar de o com-
prar.
Vende-se cal virgem de Lisboa, de superior
qualidade ero barris de 4 arrobas chegada nesle
mez pelo brigue Marn-Jote: a tratar na ra do
llruin armazi'in do Antonio Augusto da Fonseca ,
ou na ra do Vigario, n. 19.
Algodao trancado da fabrica
de Todos-os-San tos da
Baha ,
muito proprio para saceos de assucar e roupa de es-
cravos: vende-se em casa de N. O. liiober & Com-
panhia na ra da Cruz, n. 4.
CHA'BRASILF.IRO.
Vende-se.on armazem de molhados atrs do
Corpo-Sanlo, n. 66, o mais excedente cha produzi-
do em8.-Paulo, que tem vindo a este morcado ,
por prego muito commodo.
Presuntos.
Vondom-se superiores presuntos inglezes para
fiambre, chegados no ultimo navio: no armazem
do Braguez ao pe do arco da Conceiglo.
FARELO EM SACCAS l>E 90 LIBRAS :
vende-se no armazem do Vicente Ferreira da Costa
na ra da Madre-de-Deos, a 3,500 rs.
Taixas para engeuho.
Na fundic.lo de ferro da ra 1I0 Brum acha-ae a
venda um completo sorlimento de taixas de 4 a 8
palmos de bocea, por prego commodo, e com-promp-
lidlo embarca-so, ou carrega-seem carros sem dos-
pezas 00 comprador.
Vendem-se sellins inglezes e camas
de ferro : na ru da Senzalla-nova, n. l\"x.
Agencia da fundico
Low-Moor, ra da Senzalla-
nova, n. 42.
Neste estabelecimento contina a ha-
ver'um completo sortimento de moendas
e meias moendas, para engenho; ma-
chinas de vapor,e tachas de ferro balido e
coado, de todos os tamanhos, para dito.
Ferro
de todas as qualidade* edimensGes, em barra, ver-
galhflo, verguinha, arcos e chapa, por prego com
modo : na ra da Madre-de-Deos, armazem n. 26.
-- Vendem-se queijos de prato, ditos londrinos ,
muito frescaes latas corn bolachinhas de Lisboa
ditas com ditas de ararula ditas com hervjihas di-
tas com sardinhas, ditas de marnirlada ,de 1 2 e 4
libras, garrafas com vinho moscatel deSetubal, di-
tas do dito da Madeira ditas de licor fino, avelans
velas de espermacelo de oitoem libra, proprias pa-
ra lanternas caixinhas de massas finas do cslrclli-
nhas Trasquinhos dourados com agoa de flor de la-
ranja : na ra da Cruz, uo ReciTe, 11. 46.
Cadeia dn ReciTe, ha sempre urna porcffo de cham-
panlia dos clebres autores Lonson & Companhia ,
tanto em garrafas como em meias ditas, a 25,000 rs.
a duzia, garantida. "
AGOA DETINGIR CABELLOS E SUISSAS.
Contina-se a vender agoa de lingir cabellos e
suissas : na ruadoQueimado, n. 41. O melhodo de
applicar dita agoa acoropanha os vidros.
Charutos da Baha.
Vendem-sc os meihores charutos chegados ha
pouco da Bahia, bem como cavalleiros, cagadores ,
quem-fumar-saber, regala, refajos de lia vana, em
pequenas egrandes porgOes, por. prego muilo em
conla : na ra da Madre-de-Deos loja de chapeos ,
n. 32.
Vende-se sarja de seda hespa-
. nholii, muito superior; setim de
Macio proprio para vestidos; los de i
linli pretos, bordados a seda; meias
pretas de seda de peso; panno pre-
to muito fino e prova de limao;
casimira preta elstica ; sarja de
listras, setim propriade collele; as-
sim como-ou tras muitas azendas
finas, proprias para a quaresma :
tudo mais barato do que em outra
qualqtier parte : na' loja de Jos
Morda Lopes & Companhia, ra
do Queimado, quatro cantos, ca-
sa amarella, n. 39.
e desta sorlefnze-loscrescer.com mais vigor e bel
leza. F^te til e agradavei agoa he preparada e de<
lilaila do niel do abelhas, contm nflo s todas <
suavirjudes, como tambem um aroma superior
aos mais agradaveis perfumes : vende-se no escrin
torio deNovacs & Companhia na ra do Trapiche"
Na ra estrella do Rozario, n. 34, vendem-se os
seguintes livros : p Panorama, 8 v, ; Chronica de
Clanmundo, 3 v. ; Tratado da religiflo 3 v. Ani-
maes fallantes, 3v. Historia dos crfmcs do gover-
no nglez 1 v.;o Espiilo do_campo neutral, 4 T '
Philosophia deCousin 3 V^Tormoa donzelladj
Perlh, i v.; Manual incyclopedlco, 1 v.; R
evolugKo
* MeditsgJo,
Calando.
Vondem-se botins e mcios ditos de Lisboa, para
homem e menino ; sapalos de maroquim francez ,
por prego mais barato do quo em outra qualqucr
parte : na ra larga do Rozario, n. 2*.
Na ra do Crespo loja de 4 portas n. 12, ven-
dero-se chapeos de castor pretos, de muito boa aua-
lidade a 4,400 rs.
Vende-se a verdadeira potassa da
Russia, desembarcada hontem, porpre-
50 muito rasoavel, vista de sua muito
superior qualidade : na ruado Trapiche,
n. 17, e ra da Cadeia, n. 34.
FARELO
em saccas muito grandes,
a 3'6o# rs. a sacca:
no armazem do Braguez ao p do arco da ConceigSo
vendem-se queijos londrino os mais frescaes
que na no mercado ; massas finas a 320 rs. a libra :
chocolate de canella, lino e de Lisboa; latas com sar-
dinhas ; axeile doce fino, por prego commodo: na
i-ua da Cruz, n. 62.
Vinho barato.
Acha-se estabelecido na ra da Madre-de-Deos
o. 36, um armazem de '
Vinhos da Figueira,
de ptima qualidade, a prego de 1,200 rs. a caada,
e a 160 n a garrafa; e para n5o ha ver dolo do com-
prador serSo lacradas as garrafas e com rotulo, re-
cebendo-se a garrafa vasia, e dando-se immediala-
niente a outra cheia : tambem ha barris muito pe-
queos. proprios para quem pasaa a festa. O pro-
prietario deste estabelecimento pede encarecida-
mente que se nSo illudam avahando, pelo diminuto
prego e sem conhecimento de causa a qualidade de
sua fazenda, digna por certo da estima dos verda-
Sr.
Madeira de pinho.
Na"ra de Appollo, pegado ao armazem do
Molla ha um novo.armazem com madeira do pi-
nho da melhor qualidade que tem vinda este mer-
cado e serrado d todas as grossuras o comprimen-
toa : vende-se pelo menor prego que he possivel.
Taboado de pinho da Suecia,
de 10 a 55 palmos
de comprimento o melhor que tem chegado a
mercado, em razQo de se poder envernizaretn qual-
qnerohra por nao ter nos e ser muilo alvo aen-
do costado, cosladinho, assoalho, forro e par fun-
dos de barricas : vende-se a prego que o comprador
far lodo o negocio : atrs do thealro, armazem de
Joaquim Lopes de Almeida.
Charutos da Bahia.
Vendem-se os melhores charutos, chegados ha
pouco da Bahia bem cmo cavalleiros, cagadores,
ele., em pequenas e grandes porgOes por prego
muilo em conta : na ra do Trapiche-Novo, urma-
zem de Joo Dawalcy & C.
Vendem-se 10 lindos moloques de nago e
criouloj, de 8 a 20 annes; 4 relas de 20 a 30 an-
noa; 1 dita de meiaidade; 1 preta boa cozinheira
e vendedeira ; 1 dita de meia idade que engom-
m8.'JC?z."!'a. muil bem, cose, e he boa tompradel-
Vende-so urna porgo de cera de carnauba do
muito boa qualidade, assiro como 10 saccas do gom-
ma muito nova : quom quizer comprar ditos gene-
res, trate com Antonio Joaquim doSouza Ribeiro,
ra da Cadeia, n. 18. .
Vendem-se chales de laa pelo di-
minuto preco de duas patacas cada um ;
assmi como sarjas, cazimiras, selim pre-
to e outras muitas fazendas, tudo por
preco commodo : na Aterro-da-Ua-Vis-
la, n. 24.
Vondom-so, no armazem da ra da Madre-de-
Deos, n. 31, do lado da alfandega alguidares vi-
d railes de todos ns tamanhos, proprios para lavar
criangas, e outra mais Jouga chegada ltimamente
de Franga ; ceblas em mlhos e despencadas ; feijfloi
pretn; banha de^porco; um cochicho muito canta-
dor : tudopor prego commodo.
Vende-se nm cavallo ruco-pdrez,
bom carregador e esquipader: na ra do
Crespo, loja da esquina que volla para a
cadeia.
:se::ea:ge::e9::gasa:ss::8::g3:
8j I
Cera ein velas. ^
tt Vende-se na ra do Vigario, n. 19, Cjj
1% segundo andar, caixas com cera em ctfi
SS veas fabricadas no lUo-de-Janeiro, I
ffl em urna das melhores fabricas, sor- 8
tidas ao gosto do comprador, e por 5S
0u preco mais barato do que em outra |
E qualqucr parte.
mmm mm sm e:;e sea; anemMB'.
Vende-se um cavallo eastanho-escuro, gordo e
erande oque he ptimo carregador : na ra das
Flores casa de Luiz Caelano Borges.
Vende-so a loja de couros da roa Direita, n. 49,
com poucos fundos : a tratar na mesma luja.
Vende-se um sellim com pouco ^iso muito em
conta na ra do CotovelbW, n. 31..
VeHde-se um burro do Horatis para a rapazia-
da quo quer fazer exame na academia : na prega da
Independencia, loja n. 3.
NOVIDADE.
Verdi ninho.
No armazom da na da Madre-de-Deos, n. 36, aca-
ba de chegar ( para eipeculagto ) pelo brigue Ven-
tum-Felis recenlemenle chegado do IVrto, o mais
cxcellenle vinho verde, para os amantes se, re fres-
earem com este gle: mandem a elle, emquantoae
nflo acaba, por ser una s pipa ; e para nflo escanda-
llar os amigos c freguezes nflo se altera o prego
do 160 rs. por garrafa.
Vende-se urna escrava da Coala, de 35 annos,
com urna criado 14mezes que lava o cozinha o
diario de urna casa ; urna negriuha de bonita figu-
ra, de 6annos: na ruado Crespo, n. 12, se dir
quom vende.
Vende-se urna elegante traducg.lo ao p da
leltradasprimeiracsegnnda Eucidas de Virgilio,
por 6,000 rs. : na ra das Larangeiras, n. 16.
-- Vendem-se saccas com farinha de mandioca ,
de boa qualidade por prego commodo : na ra "da
Cadeia do ReciTe, n. 19.
Vendom-se risradinhos azues e encarnados ,
proprios para roupas do meninos e prelas a 100 c
180 rs. ocovado; chitas limpas a 120, 140, 160 e
120 rs. orovado; linhas grossas a treze violos a
quarta ; ditas finaa a 320 rs.; pogas de madapolflo
argo a 2,800e 3,200 rs. e varejado a 7 e 8 vileos ;
longos de camhraia com barra de retroz, muilo li-
nos a 210 ra.; brim lira neo trangado de linho, a 320
rs. a vara j brelanha de algodao, a ISO e 20o rs.: sus
pensnos de torradla a 320 ra.: na ra do l'asseio.
loja n. 17.
Vendem-sesemeas em aaccas muilo grandes,
a 4,500.rs.: na ra da Madre-de-Deos, armazem de
'tenle Ferreira da Cosa.
de 1817,1 v.; Escudo admiravel 1 v.._
1 v.; Gergicas portuguezas, 1 v. ; PesamenlosVsu'.
blimesdo hispo de Clennont, 1 v.; Eloquencia na-
cional 1 v.; Pratiea criminal, 1 v. ; CouslituigJo do
imperio, 1 v. ; Ligoes de direito publico ,4 v. g0.
boraiiia dopovo, 1 v.; as Quatro estajes do'dli
1 v. Saudadesde Bernardin Ribeiro, 1 v,; o llasei-
ra negra Ir. o Dous marquezV, 4 v,; o MalTeitor
de Ctiadraque, 1 v. ; Ma'gnuin Lexicn,1 v.; Virgilio
3 v. Tito l.ivio ; Cornolio ; Cicero ; l'hedro ; Salus-
tio; Selecta Horacio; grammtica ingleza dita
franoeza ; Telemaco; Fbulas de La Fonlaine ; Dic-
cionario inglez de Vieira; livros em branco para et.
cripturagflo por muito commodo prego; assim co-
mo continuani-se a trocar obras.
Vende-se urna esorava de nagflo Angica boa
quilandoira lavadeira e quo cozinha o diario de
urna casa, por prego commodo: ni ra da Roda
n. 16.
Vendem-se 10 acgdes da companhia de Beberi-
be, por paega commodo; na pracinhadb Livramen-
lo, ir. 67.
Xarope do bosque do doutor
llotts.
Contina-se a vender este xarope nicamente no
oscriptorio de -Novaes & Companhia na ra do Tra-
piche n. 34, e na ra da Cadeia do Recifo loja da
miudezas, n. 9.
Vendem-se meias de linho cara homem ; ditaa
de algodflo ; peneiras de rame; bixas de llamhur-
go( que tambem se alugam ); pilulas da familia-
na ra do Rozario, padaria junto a igreja, derronf
da botica do Sr. Parauhos.
Pasla de flor de lyrio.
Esta superior preparagflo, a melhor al hoja eo-
nhecida para Hmpar os denles e conserva-Ios seai-
pre alvos e livres da pedra e carie, conserva a forli-
ficagflo dasgengivas e evita a accumulico dour-
taro pelo seu uso regular: cusa cada boiflo 2,000
rs. e vai cnvolto no competente receituario : ven-
de-se no cscriplorio de Novaes & Companhia, na ra
do Trapiche, n. 34.
Agoa de pcrola.
para tirar sardas, rugas eem-
bellezar o rosto.
Esto celebre cosmtico foi por muito tempo s
contiendo de poucas pessoas nos Estados-Unidos:
porem sua grande utilidade tornou-o o comeslico
mais popular que se usa nos toilels modernos: cus-
a cada Trasco 2,000 rs.-, cnvolto no competente re-
ceituario.-. vende-se no escriptoiio de Novaes &
Companhia, na rui do Trapiche, n 34.
Vendem-se chites de corea, boni-
tos padrOes, a sete vintens o covado : na
xua do Crespo, n. 4, esquina que volla
para a cadeia.
Fejao mua linho
o mais superior possivel, novo o sem macula : no
armazem do Francisco Dias Ferreira, no caes da Al-
fandega a prego rasoavel, o anda mais a quem le-
var os competentes cobres.
Vende-se farinha de mandioca em saccis;
bem como queijos do Minas : ludo chegado ltima-
mente do Rio-Uo-Janeiro : ni ra do Vicario, ven-
da n. 15.
Troca-sc un sanctuario de Jacaranda com Ires
magens guarnecidas com ouro, obra de muilo bom
goslo, Teja no Porto : quem o pretender, dirija-se a
ra da Ci uz, loja de trastes n. 64, a fallar com Anto-
nio Loelho do Rozario,
Escravos Fgidos
Agoa de mcl
Lffi'ival" n.mn..l0i nv' e ,0 nnos' e 1ue co" P,r fortinc" ""iP" o cabello, removendo a
soUiivel. na ra do Vjgano, n. 24, Ipa couservando-lhe o luslro e n assieza e nr
- No armazem de A. 1. Corbett, n. 48, na ra ua I vendo ao mesmo tempo a aceto
cas-
e massieza e proroo-
salutar das raizes,
-Fugirm, nodia25para 26 de fevereiro, doui
escravos donme Antonio sendo un crioulo e o
oulro de nagflo Congo que representan ter do 30 a
40 annos; 1 tem os pos torios semblante muito car
rnneudo o mal encarado ; tem urna cicatriz na tes-
ta ; he bastante encorpado ; levou calcas de brim
muito sujas o embreada camisa de algodflozinho
muilo soja, chapeo de couro : eate escravo veio do
Maranhflo : o oulro he baixo e grosso do corpo, bem
preto levou caigas do riscado de algodao amerira-
no, camisa de madapolfio j velha ludo muito su-
jo e chapeo de palha : quem os pegar leve-os a ra
do Vigario n. 24, que ser recompensado.
rugi, em Janeiro prximo passado, um molo-
que cabra do nome Caudencio ; levou camisa e co-
roblas de algodflozinho bonete de relo Je panno
zul e branco ; representa ter 15 a 16 annos, com ci-
catrizas do bexigas anda mu visivel e cara redon-
da : quero o pegar leve-o a na do Queimaih, n. 97.
Desappareccu, no da 26 do tuez do fevereiro
prximo nudo, o Africano de nomeManoel, baixo,
espadaudo, coro a cabega alguma couaa inclinada
pura o lado osqiierdu de nagflo Cabflo e aiuda bu-
gal : quem o pegar, 011 dellu dor noticia, dirija-se
a casa 111 juiz do paz do primero distnclo do >.-Fr.-
Pedro-Congalves, na ra da Gula, n. 26, qua twi re-
compensado.
Fugio, no da 2 do crrenle do litio Cortume,
no lugar dos Afogados um molequa da nome Cae-
lano de 12 a U annos estatura regular : meio fu-
lo, com falla de denlos u* fronte, nariz o beigos
grossos ps grandes; levu caigas de lfla velhas ,
camisa velha com remend de estopa as costas :
quoro o pegar leve-o ao sitio cima referido que se-
r gratificado. (
____,___________;___________j._________ i'
Pr^N. : NA TTF. Dm.r.
01 FABIA.-
1849


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EE6HMB7ZT_DN68F2 INGEST_TIME 2013-05-01T00:11:44Z PACKAGE AA00011611_10007
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES