Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10006


This item is only available as the following downloads:


Full Text

1 I
Anno XXV.
0 D/ I Ti'fljniblici-setodn os diasque nao
forein de guiril. 0 prego d.i aniir.i llura he
de 4*000 rs porqiiwlrl, jitgnt nntiacloa ranao de 20 rv pir liuha, 4ft rs. em tvpo illf-
ferrnte, fa< repetlpili pela motile. Os na
asslgnamtet ijagiraoSO rs. por lino i e 160 rs.
em typo dille re uto. par cala publicaba.
PHASRS DA J.UA NO MEZ DR MARCO.
Creicrnle.al.sOhoratc 43,mjn. J'"""'.-
Lua cheja, 8. s 10 horAi e 42 triln- da tarii.
Mhigoaiite,ltt, lOlioraae Iflmfn. oalaiu.
I.u ova, 4. 11 hora. e<8'"'-da';;
Crescente, a 3!,as 4 hora e 35o.ln.da mauh.
Sabbado 5
PARTIDA DOS CORREIS.
Gniann e Parahiba. as segt. e trxtat-feiras.
Rio-G.-do-Norl, qjilntasfeiraa aomein-ilia.
Cabo. Serlnhieiii, Rio-Formos, Porto-Calvo
Macelo, no 1.a a 11 e 21 de cada mez.
Garanhuut e Bonito, a 8 e 23.
Wa-V.iaia efflnres, a I3e28.
Victoria, is qnintas-friras.
Olinda, todos os dial.
TREAMAR DE UOE.
Prtinelra^&i II borne 42 minutos da manh.
^egutida,"! 12 horas c 6 utitiuloa da Urde.
de nfai-90 de 1849.
N. KO.
das da semana.
26 Srgnnda. S. Torcato. Aud. do .1. dos
orph.,doJ.doei\cledo J. M. di2. v.
27 Terca. S.Leandro. Aud. dof.doc. da I.
v. e do J. de pai 28 (Juana. S. Hmnau. Aud. rio J. do c.
da i. v. e do I, de pa7. Jo i. dist. de t.
1 Quinta.S. Adrio. Aud. do J. d.is orph.
e do I. M.da l.v.
2 S * J. de i ido I. iilst. de t.
3 Sahbado. S. lleuicteno. Au 1- do J. do c.
' da I. v. e do J. de p iz do 2. dist. de t.
4 llamingo. S. Casimiro.
CAMBIOS NO DA 2 DE MARCO.
Sobre Londres a 26d. por I/C00 r. a 60 dias.
a Pars .
. Lisboa IC8 por cento de precio.
Rio-de-Janeiro ao par.
D-sc. de IcCC de boas lirniis a I'A ST.ao mei.
Aecors da'co.np. de ITeberlbe. a SO? rs. a o p.
(/ro.-Ouc.is l!c.pihola.. .W0IK) a *i/M0
Modas deflflOOv. I7f*)0 a P/.iW'
d (1/400 ii. 16/200 a Ktftu'
de000... O/**) a it^OO
Prata-Paucesbrntleiro l/.70 a 1/WO
Petos columuario. i/7 a IjTil.iu
Ditot mexicanos..... I/)00 a l/W
PARTE t>FFIC1AL.
w- COVftNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DIA l. DE MARCO.
OlTlcio. -- Ao cdmmaftdanle da fragata Varagiai-
,,; declarando qne tem revivido qloda a guarni-
rlo da fragala Cumliluifdo passe para bordo .la do
ion enmurando, bem como que 8' me. doixe-naqucl-
i navio o destacametilo do fuzileiros navaes que
rouxo da .corte Parlioipou-se ao coinmandanto
das frtreas navaes. ... ,
Dito. Aojuiz interino dos fetos da fazenda, re-
metiendo copia do ollicio do administra, or .lo cor-
reio allm do qneS me proceda, como or do dire-
lo contra Manoel Nonos de Mello, cujo alcance, na
oualidade de agente .(aquella icpartiQflo ns cidad*
de Olind, be computado pelo mesmo administrador
em a quanlia da 600,000 rs. Cominumcou-se ao
administrador doeorroio.
Hilo. A' cmara deOlinda, duendo que deve
continuar por administracflo o rendimento das c-
chasela ribeirs daquell cidade, ate que se resla-
pelecaatranquillidade da provincia, porque enlflo
por-se-hao novamento em pracs.
Dito. Ao inspector da thesouraria da fazenda
provincial, rocommeidando haja do providenciar
fim de que srja paga a Tutano los Cocino a
cuanta de 436,070 rs., pela importancia de una
grada de ferro e Cuhcerlo do outra para a cadeia dcs-
ta cdado. ....
Dito. Ao mesmo, determinando satisfaga o pe-
di.ki que remelle, firmado pelo almoxarife da repar-
lieio las obras publicas, c rubricado pelo respectivo
administrador, na impoilnncia de 1:249,290 rs.
Sciei.tificou-sn o administrador' das obras publicas.
Dito. Ao commissaiin tacciriador, ordenando
mande por disposico dos facultativo directores
dos liospilaes regimentaes desla cidadu alguns tu-
bos vaccinieos, alloi de se propagar com rapidez a
vaccina as pravas doa corpos da guarniQlo. Par-
ticipou-se ao comman lanle das armas.
lulo cmara municipal de Cimbre, apprn-
vandn que parada geral do esquaUrSu de cavalln-
ria da guarda nacional, non>mto rnr>t naqitctte
municipio, seja na villa de Cimbres, conforme bs.
mes. marcaram. .
Dito. Ao inspector da pagadona militar, tieier-
miiiamlo que, a vista da conta -que remelle em du-
plicis, pague a Joo Carlos Augusto da Silva a quati-
lia de 93,400 rs., imprtancia deISsaceas do fan-
nha que, nos dias 20 e 24 do feveroiro ullimo, elle
furnecu para sustento das l>opas legaes. Commu-
nicou-se ao inspector do arsenal de r
O GENERAL TAYI.OR.
O novo presidente dos Estados-Unidos, quo, como
j sabem os nussos leitore.s, oblivera a maioria as
ultimas oceurreticias, tam de ida lose&sentai qua-
tro anuos, o he anligo offleial no sarviQO da rep-
blica. Na guerra de 18IU com a Inglaterra era elle
j capililo ; porm donde o sru nome be mais co-
nliecido bi da ultima campanha do Mxico. Ilu na-
tural da Virginia, provincia que tem dado a maior
parte dos presidentes da Uniilo, como Washington,
Jeflerson, Madison, Monroe, llarrison e Tylor.
Lentos no Conitilulionttl o seguinte :
i doutor Pedro Mara Kubi, medico da rainha
de llespanlia, acalu do publicar urna estali>tica
comparada dos ullienados que ha nos diversos paizes
da Kuropa. Na Esoocia a proporcao dos doidos com
a povoaco hrde um para 417 balitantes; no can-
IfiodeCenebra, do um para 446; na >oruega, de
om para 550; na Blgica, de um para 816 ; em In-
glaterra, de um para 700 ; na Hrussia, do um para
1,000,; na llollanda, de um para 1,23; ni llcsnanh,
do um para 1,667 ; na Franca, de um para 1,733 ; na
Irlanda, de um para 2.125; na linlia.de um para
3,698 ; e no Piemonlfj de um para 5,818.
Na tranca, Boleca e Hollanda ha mais muflieres
alheadas do que bomens. O inverso acontece em
Inglalorra, Prussia, Itussia, Allemanha, Italia elles-
panlia.
{Do Diario do Govtrno.)
'^^tt, C,,UM'," 6 0rg'nlS!i,^?i euenm Krnce qt S^d/Sf:
abusos, c he vulgar altrbiiir-se a ellas o que be cul-
pa ilelles. X prop ia repblica no he tilo hedionda
e eslHpida como a excmpllicam as duns lonlativas
francezas ; mas niiRuom lem mais prejudica.lo a re-
pblica do quo a repblica rrnnceza ot ollios do
mundo, que identifica com as nslliuices os crios
Jo humen*. Todava o curto he que uciihuina (or-
i'propria para reger as sociedades ci*ili-

INTRrOR.
IUO-DE JANEIRO.
A REPUI1LICA E O MRQUEZ DE MARICA'.
EXTERIOR.
. NOTICIAS DIVERSAS.
ARDEI.-KADER.
A mor te do um filho da Deira, e de'oulro filho pri-
mognito do emir, toem summameulo affligidn a
este princ'pe, e ubmerso toda a Deira na maior
IrisU-z.a. Abdel-Kader roduzio-si! mais> completa
solid.lo. e nio recebe pessoa ulguma lia j algunias
semanas. No dia 13 verificou-se, sein a menor pom-
pa, o enterro do ultimo fallecido, em tal st-prodo.
que pe&soa alguma estranba leve noticia dos prepa-
rativos que para is.so se fa'iaiii. O cadver fui depo-
sitado n'uma urna cubera com um panno branco,
sendo conduzido ao cemterio aos bonibros de qua-
tro rabes que acompanliaram o emirol poita do
sru palacio. A lerna suiplicidade da ceremonia, e
o aspecto sombro e triste do funelue cortejo altra-
liio grande uumero de curiosos, excitando a pieda-
da e sympalhias da povoacao sonde reside o principe
proscripto.
O ENTERRO ARARE.
Kis-sqtii o modo como se reslisou o enterro do ne-
to de Ahbel Kader, cuja morlu honlem parliCM'mos
a nossos leitores.
Apenas o cortejo fnebre se poz em marcha ouyi-
ram-se os gritos dolorosos da mili do menino, n
qual, temi inteiranienle coberta a cabca com un
veo brauco, diza de urna jaucla os ltimos adeu-
si-s a sen lillio. Airas do fretro ia o pai com o tul-
lanle na nifo, orando com fervor, e derramando
copiosas lagrimas. Via-sn a seu lado o lenle Sidi-
Ka lour, e o inleuderttn Kara-Mobnmed, acompanlia-
dosdos capitnes lluissounel o Fournier, seguidos
de mis nuiuze rabes. O sequilo, io leado de sol-
dados sem armas, altrubira una multitlflo do pessnas
s ruastla-cidaile (Amboise;. Apenas os Artifes ehe-
garam ao ceii.ilero, principiaran) clles proprios a
cavar a seputtuia, 08o cessando o pai.de chorar ues-
te intervallo, [ilustrado anteo ca-daver. Fez-seo
eiiTerrsmculo cun muitas precauroes. Voltarum o
corpudo lado n.ireito cuino l oslo voltado paran
oiienle; e cobriram o ci'ixao com polacos de ria-
deira enhemeiados de tullase bervas.'collcando-o
de mudo que nDo lotasse em tetra para o livrar da
huiuidado. Depois de senillado o enrpo, lavaram os
Aralws cuidadosamente os pos c milos, e assi.n con-
cluio a ceremonia. O pai do fullenlo, quando vol-
lou ao caaicllo, rdirou-so iuimedialamente a ua
cmara, depedindo-se dos capilflea rancezes o
mais pessoas que o aconipaiihavam.
Dando noticia, no Irh do 1. de oululro, da jn-
fatisla penla que as Irtlras o a scipnca fizo'-am com a
morledo Exm. marquez de Marica, dissemos :
A benevolencia qua nos liharalisava autonsou-
nos a pedir-lhe.por vezes.licenc de irtomando notas
tschigraplicas, ao passo qnediscursava sobre algnm
assumpto. Nilo nos suppomns om lberdada para dis
or de urna proprl rrt. .*mue j n*o niiltaiB as rasfles que mais ce-
do no* impediam, que demos otraosumpto de urna
dassuas conveisacfJes, relativas sos recente* acontc-
cimentos da Franca.
Desla hyi othetica firomess passamos boje a deso-
brigar-nos. O escripto quo vai ler-sp, no conlem
urna nica i.leia que n!to dimane do sabio anciilo,
Cuinquanlo algumas ha dse seu discurso, a que
julgamofl nilo dever dar todo o desenvolvimenlo que
na conversaoiQ recebiam. Onosso nico irabalho he
por a limpo as notas, e dar-Ibes mais ordem. O cer-
lo, prm, he quo este discurso foi de maior valia
aindadoqueo que ahi damos, eq.ue, urna vezen-
iradoem materia, o nolne velho |ir terrurc, com tal abundancia de termos, pltrases
imageus, que fora-imposSiVcl reconbecer a magina-
eio de um octogenario, nem que a morte Me ronco
dia apenas viole dias degraca. Passemos a ouvi-lu,
em loda sua singeleza.que constjtnia urna das mais
formosas parles do seu grarioso' Meu amieol V. faUa-mo dossns ropuldicns e don-
dices dos Krancozes Pouco enxerg qticm so ve lid-
ias una mudanca de nstiluices seculares; cssa
tuTilaliva cav fundo nos aheerces da socirdnle ;
nflo he Anearan poltica, lio social; no be guerra do
foros e lil.erdadrs, he guerra de classes ; BHo he pie-
paracilode um seculo ful ufo, mas sim dcslruigao de
quarenta sceulos passados.
Eu que j pnguei o meu bolo eo Caronle. e vou
vogahdo na miniia barca, sem j sabir de qual das
duas margen son cidadflo. vejo lodo este mundo
com as suas grandezas e miserias, com osorros dos
seus rese as lopcuras dos seu Rovo, com o seu o-
terno aTan deba>-ndo-se no vacuo, como mu es.
p.cladoridifrertMileque assiste a um entremez que
jsabedecr.A philusopliia da historia he como
Jano ; lano olha para tras como para danto.
Nos lempos modernos e nos povos cultos, he fcil
seguir a IraiisformaCilo da soberana. Esteva ella
verdaderamente na aristocracia, duianlo o reg met
feudal A moiiiirchia achou facilmeulo por auxiliar
a domociacia, para o liin de destruido daqi.clle so-
berano. Mas, aniquilado o poder dos aristcratas, a
monarrhacoiiceiitiou em suas nulos o poder .diso-
luto, de que abusou. Isso a que os Franceses cha-
matn boura-oinie, es reteos, iucoinmodaram-se com
obrilho eos pros das corles, e tivcra.n arle para,
n'um espacu cutio, cavalgar o soberano da vespea.
Iloje ahi sutde una especie nova, mais desprezivel
que iienbum, porque esta n3o toin inlelligencia,
Deminoialidade, nein ulilidade, nem mulos, nem
numero, nein passadu, nemfuluio; este soberano
bao segundo rei das raosda fbula, uo servo sean
i.ara mgolir ; bo a canalha dos ornakiros.
Esles ueonlecmontos ullimos servem para avahar
o desequilibrio que la val pe i Europa entro as for-
cas vivas militantes das Ierra o das classes lie
Pars iii.potido a le a'Fianca e ao mundo He a i in-
mensa nnnoiia do Pars- impondo a le a minora!
lio una ciaste microscpica dessa minora impondo
a le a lodos os seu consocios! Miseria I Taes erup-
cesde volcaodflo lavas que sservem para alagai
e destruir os llerculanos o l'ompeias da civilisacao.
A queslilo social que islo nvolve n.lo merece gran-
de attencHo, porque nflo tem alcance ; nflo ha inle-
resses, nao ha principios Cuino baso dOssa revolu^o
moral, e e.taluas pesadas com ps de barro leem
a soi le da do Nabuchodouosor. E nem mesmo cuino
questflo poltica, de insliluices, lera cssa obra
ma he menos
sadas.
lie o rorpo social como o#orpo humano. I'ara a
completa sa-le do corpo, lio preoisa a hsnnonia em
todas suiS partes, das quaes silo ninas maislmpor-
tante que nutras ; mas, seesso corpo precisa deas-
so, de msculos, de ervos, ha una parle mais no-
bre,' que he s urna, superior a todas e de todas sobe
rana, he o entendimento (*). O govorno Jas nacoes
he, o deve ser, n seu ontendimenlo e a sua vontale;
nao he aos ps que se ha de dar o encamo de pen-
sar o querer. Os bracos governando a cabeca reno-
varjam o aplogo do Agrippa.
Com as superciliosas caiitelns das constituicflrs
modernas, ha militas mnnarchias mais do que rep-
blicas, assim cerno ha militas repblicas nimo que
mnnarchias. Essa ligura que tem o podrtr rxeculi-
vo, equoem muitas nscOes nio he mais que um
autonialho dnurado, inferior c n rondicHo ao ulti-
mo dos cidadaos que possue nobres direilos a el e
vedados, essa figura crysma-se, as torras por onde
passa. Um presidente hereditario chama-se- he re...
algures por irrisflo, cimonJ. N II. J. I'onliam-lhe
O nome de cnsul, gonfaleiro, doge ou ro, bo puta
questflo de palavras.
Onde jaz a quoslfio grave o seria he ns leu,
islo he, na norma do proced ment dos hornees, e
nos principio ennvenrionaes e eternos da moral.
Essesslo os pontos vilaes das sociedades, porque
leemo'igem na uossa propra organisacio En actu
sobre os oulros; os nutro actu.mi-sobro mim ;
d'aqui resulta dor ou prazer; est, pois. na minlia
mio, e na de cada in lividuo, fazer mal ob bem ;
lendo cada um igual poder, segue-se quo anda
para o bem geral lio o interosso individual que nos
deve dirigir. Eu poss fazer bem a outrem ; .levo
nratica-lo sem hesitar. Pela beneficencia nos uppro-
mamosda iHviiiltule, porque he ella o supremo
attribtilA do iRos. Bnto iiiniiiami-ntc aahio o pode-
roso, ha nccessramente boni. Creou-nos pera sor-
mosf.li/es, e devenios imitar aquello que lacs nos
fez, dando-nos vida e inlelligencia. He elle o typo
ideial do ludo o creado. .
Mas, nrssa forma do governo, as aspiracoes MO
muito mai sudazas e absurdas. Como ludo emana
de todos e do cada um, cada um aspira a tildo
R-aqui um coiislsnle estado de guerra que lio a mus
perigosa de ludas as /nsi/.uJfoV*.
(lona lie man em lodosos lempos, loma-se bojeo
peior. Para aojos, a repblica lien melhordo gover-
nos: he o peior para bomens e demonios; be pessiino,
miando os coslumes leem enll.ronisado as paixfles
ja nr.o ha ahi principios senHo para capa; o movel
arlual so ambicOcs Emboa s ConslitbicOes dtarn
a preeminencia ao tlenlos c; virtu es ; nunca isso
uassoude una ficefio. Na pralica, ludo isS0.se. ar-
nnjh. */a/e|a, iia os maos c bons: n rbula te sua
especie do talento ; lom-i) o jugador; ale o tom o
ratonerro. Quanlo a tirtwlei. lodasas te-n BWM
abelhas Heos fez ms; o l.omem lie ha nlualmente
hom ; mao s exce. con .luiente ; e. n este caso ven.
a sociedade, o roage com cncigia. Em vez:d esses
palavroes, doviam oxigir $&tae probidad, o a
inda u.elhor lie nflo xiglfcousa nenhuma em tl.rse,
porque sempre he mo coslumar os povos a rero-
iineeer que 4 laes principios eternos efunlamen-
os L simpas verbos de encher B nthnm, n'odl
trabalho sobro direilos do home.n, pondera que
.es direilos, r.ir.ni.lem-os como qu-aerem. nao
MSSam de proposicOes gerae, eque o povu nflo he
., ,,/ de fazer as excepcoes. Com o pojo nio so
broca, p..r.|..eas.ia lgica he tremenda, o o da das
euiisequencias he o lucio das nacflea l)eved.zer-se
o povo : 'u Un, a libtrdwli di pnUear i$lo ou <
aullo mas nunca se ll.e lia de ensuiar a pal.vra Udade por si s, que he como aqurlles lox.cos mu -
toftelivo,qur, para curare.n, pracisam ser muilodi-
id.son combinados. A de,, dosdeve.es be a quo
p l incul.r. portyie sflo os devores que repuj.
SpeUr*.mqu.nlu dos.d.re.ios ven. e: ......
tanca c violenta. nflo pranaa pJ*fi-l" ,***'}*"
amor i-roprio e o egosmo a prega-la ao eoraco a ca
,,,s:;,;!np.ulei.enh.un.da Europa lena a replica
duraclo, mullo menos na Frai.Q-. Como I, d. atr
republicana a nseao da itioooaUnolj.. J^tf
nacflO do luxo No dia em que Ib o Urarein, al-tam
a prinrip.l dassuas torcas vilaes ; cr ,,;
,.!,. ||o i tena da ...olas, K--'". c Z Smn-
|,e a mu lanca permanente ; o ranc i h- u
raco, meio UgrtJ ; o que manda a a lo.io b
jomonloaflo colonias de "'ud.si^ c. 4;^ ;
ele. Chatcaiihiiand, estando na An c inM./.
foi a um lugar remolo, ondo *^r^XS-
s ac npanladas do mult **** """'"
BCStF? duque de Lux-mburg com ama go
iranio a morte i.remalura de l-UU XVI, os at-li.io
quSh.lerrompUe para pergtinlar ao ^^
- Aitvom-nous des haricol* veri, ? O i. mon
uigneur Hela, I mu, les mangeron,, fui a re-
fanlt arec de* cheveax blnnci. OAdo'vai o Portugu-Z.
pOa urna cruz ; o lljsjianbol u n polourinho; o Ingle/,
um l.alcflo ; o t-Vanc-JZ um ll.eatrinlio. So a Ingla-
terra he Spailha, t Fnnija he Alhenas; lie ItoraclilO
Ingle/., Deinocnl Prancez ; aqelle lio urso, oslo
fallador. Nada d'issi be materia prima de urna repu
ilica sera. Etlcs musinos se arropen lorflo dentro
em poneos mezes, e, se cu clicgasse ao anuo .|ii"
vem, vera alli nvame ale a inonarel.i i, itiln soi de
Hiifliii, talvez de iilgiun suida lu feliz, que tenha de
|evaiit|r-Si'. Nao me pnce.! que a dynaslia de r-
lenos soja a que vulte ao thronu ; per le para os rea
lisias por origoin illegilima perde paraos liberaos
por traidora a sua Origcui; mus probabilidades 'em
o ramo mai* voltio dos Bourbons, bapliado as idei-
as moderna
E entno se far justien tantas utnpiasproclamadas
como verdades axiomticas,Enlreestasfi^ura a t- la-
xar o salario.iomandop.ir bagatela a espontaniM.la lo
do concurso .las obra. Na granule nc"n consiste a
riqueza em duas palavras, e-ml and machmery. As
machinas leem multiplicado O producto, com dimi-
llUtcn do preco i anda que o producto e consum)
fiaucer. losscm entidades constantes, como competi-
ran! em p.eco, quando a inflo de obra oncarecesse,.
ICtpulsas assim as obras francezas do mercado do
mundo, rccaiii.ia pasadmente o tal meiboramento
obreadosvalida classe, do oujo nomo tanloabosam
os ambiciosos. Quando o lionn-m obegar so mximo
ero de inlelligencia, ha do i natureza Irab.lhar por
e||: o para elle, ha de o horneo, ser entilo o verd*dei-
r morgndo da Ierra Quanlo aos traiie.-zes, falta-
Ibes milito para poder i.npor Iris as ii.sl. u.co do
mundo: sprimam no que leem de exclusivo, no
que dependa de inveneno, de um corto espirito inso-
lito: se f.-ssem metbodicos seriam firmes, mas leem
tanto de'firmeza como de melhodo.
Grecas a Dos, que no Brasil nflo temos que recelar
0 contagio repblica nascidas de tal origem.
Quasi todas as revolucOes sallen, da barriga e aqu
nflo ha pobreza; a nnsss organ.sac.flo_ Ho toda pecu-
har;n:lo lemos una classe de miseravies. Ha sim urna
el-isse de servidos, e outra de servidores: mas os
servidos somos genio de chicote c palmatoria, e os
s-rv dores lomam-nos a no, os IV*lCO, por un
n 'ico predestinados a dar-Ibes hlbele e sorra : a
cia5ac.ivrbe viva, saffaz ; a escrava, que servo do
ervos a esle corpo, oriunda de diversas n^r. quo
se nflo enlendem; esta cond.mii.ada a ignpranc.aea
'"(i maior mal do imperio bo o espirito de provincia-
lismo e baimsmo. Cada rovincia argumenta con. o
s u No, qnoque gr,,umu<. O arlo add.cional, com
as uas .'semideas legislativas, permitteas provin-
cias fazer ver ladeiraa Lis, eslaholecer verdaderos
[, osios ; foi un. erro, que nflo l.av.a na cons-
tuSio; fui urna imitacflodos Esladt.s-L'u.do mas
'ai a aaiu.li.gia f.llava o funda monto da par.dade. O
EUd..s-ll...da ttra... creados com o te^""J
cala un. desses oslados era ja porsiqua^i "'depen-
de lo ; a .ben.na frfrto-lhe art.lic.almento no
co Seaso geral. Nos ca nflo conbece.nns estados
e aradus; as piovincias fo-niam um todo, um ag-
er's, lo solido. Eu nasei inieirisso, e inl.'.r.sso
1 he de mor r El iei h. loflO VI l.erduu de seu avos
a iacflo llaixiiriam da gTando altura a n ola vale
a nac.ao isa.x (.|,j.M da piimeim esqua-
S""U:^V vr.lbl!l, quo d frucla par.
paz
liabilautesse
&^ tfS.nK1ff-&V *-";-
guns mbule.o.5 .....f^^"^"^
c, m i que o' llras.l. elementos de pi^gn^
.. ndezai mlegrdadc, de que a forma .no.ia.cl,.-
"uaoSSurin. os acon.ecimentos queain-
da^uo'irsevadus, ha *fi"<"> J'^
IMIUIC Ka.. "'" ----- -------- ,,.U,,P_
, paralu,,.. que, ain la quando aos oHlOS hi obsef-
la vai caininhaudo ?"" I"'" > '"""
Iris.
o--------- ---------
coe hu ramos,
PEnNA^BUCO.
i Nflo se coiisi icro esta phraso como contradic-
toria, poi se ligava com o syslen.a quo o marque/.
imaginara.
REuexo nos Bvjrmoos ^SSSSf
AMii.MD l>0 ItECIIK, EM FEVi.Hr.mv
,)ia !. Feliciana, parda ;nascidaem 2 de.iovem-
n,t:^.rhr:.rnaS.t5do,,..hod.
"18dem. Perpetua, ,ueU ; nscda a'i do agosto de
,RS.4. Hermino, pardo ; nascido a i de dezembro
d"S\. Maris, branca ; ascida a 5 de Janeiro do
1849.



<2
l.lem. Rufino, pardo; nascido a 25 de julho de
1848.
dem. Amelia, parda; nascida a 7 de dezembro de
1848.
Mcm. Izahel, parda, <>scrava ; nascida a 7 de de-
zembro ue 1848.
dem. Mara, parda; nascida a 12 denovombro de
1818.
Da 14. Victorina, parda ; nascida a 10 de dezem-
bro de 1848.
Da 15. Luisa, preta, escrava ; nascida a 17 de
dezembro do 1848.
dem. Joaquim, pardo; nascido a 24 de junho de
1848.
Da 17. Joaquim, branco; nascido a 7 de dezem-
bro de 1848.
Dia 18. Andr, preto, escravo; nascido a 9 de no-
zemhrode 1818.
dem. Justino, pardo, escravo ; nascido a 12 de
Janeiro de 1819.
Da 19. I.uiz, pardo, escravo; nascido u 20 de
marco de 1848.
Da 21. Joanna, parda; nascida a 23de fevereiro
de 1848.
dem. Jos, pardo; nascido a de 2fevereiro de
1849.
Da 24. Joiio, branco ; nascido a 23 de Janeiro do
1849.
Da 25. Isabel, creoula ; nascida a 9 do marco de
1847.
dem. Antonio, pardo, escravo; nascido a 16 de
novembrode 1848.
l.lem. Joflo, branco; nascido a 22 do Janeiro de
1X19.
dem. Emilia, branca ; nascida a 10 de novembro
do 1847.
Dia 26. Cecilia, parda; nascida a 20 do novembro
do 1846.
dem. Augusto, preto, escravo ; nascido a 7 de
outubro de 1848.
Ao todo 25.
O Vigario.
financio Henrtquts de Retende.
vasto e penetrante juizo esclareca todas as questoes,
e.a grando elocuencia de quo era votado dava
grande belleza s suas palavras. A sua voz o a gra-
vidade de sua continencia rovelavam nelle o grande
estadista c o alumno da inolhor escola da Italia.
( The Tonel. )
l'ublicacaoa pedido.
Correspondencia.
Diz o lente Sebastian l.ins de Araujo que se Ihe
faz preciso que V. S, atistese o suppcanle fez par-
le da frga que ao mando de V. S. marcliou do pim-
o do engenlio Crusaliy para a villa de Nazaretlt,
no dia 28 de novembro do anno prximo passado ,
seo suplicante assistio, durante o fogo no com-
mando de 26 prapas e so voltou com V. S. at o
mosmo poni de Ousahy depois de serem com-
pletamente balidos os rebeldes, e qual a conducta
civil o militar que leve o supplicante cm dila -aeco
s ordens de V. S., e se tiesta occasiflo tora o sup-
plicante ferido levemente em urna perita e perder
o cavallo em que vinba montado por ler sido mor-
d com (luis balas.
Pedeaolllm Sr. lencnle-coronel commandanle
militar dascomarcas do l'o-do-Mlio e l.imoeiro ,
se digne atestar o quo souber a resuelto do suppli-
cante. K. H. II,
Crusaby, 12 de fevereiro de 1849.
Scbastiao Lini de Araujo-
Atiesto lado quinto allega o supplicante: oque
affirmo sli ininlia palavra i)e honra. Villa do l'o-
do-Allio, 12 de fevereiro .fe 1849 Jas Mario lldrf-
fnnso Jacorn da Veiga Pestoa trncnle-coronel com-
iii.ni l.ii i<; militar das comarcas do Pao-do-Alho e
l.imoeiro. "
formidade do artigo 10 do regulamonto das arre-
matares.
4*0 pagamento do imnosto da arremataeflo rea-
lisar-so-ha em quatro prestacoes, do modo indica-
do no art. 15 do regula ment respectivo. '
5.' Para ludo o mais que nflo est delorminado
peina presentes clausulas, seguir-se-ha inteiramonte
o que dispoe o_ regulamcnto das arrematacOes de" II
de julho de 1843.
Obras publicas, 14 de fevereiro de 1849.
J.
O engenheiro,
L. Vctor Lieutler.
Sr$. Pedaclorei.--C.om extremo prazer li no seu es-
timavel Diaria de 2 do corente um comrntinicado
em que silo apreciados os valiosos servicos dos vo-
luntarios da Magdalena, e em verdade causara ad-
iniracuose ovildados licassem os servicos prestados
nos das 2 e 3 do passado pelo mullo distinrto Sr.
aJfeiBS do voluntarios e subdelegado do 2 dislricto
dos A rogados Antonio Cerdoso de Qneiros Fonseo
Jnior e seus companheiroi; e por corto en o leiii
feilo se minba peona Iraca, como be, nao me pri-
vaste de pagar o tributo ao mrito de lito distiurlos
cidadfiosj lodavi, como vi (|ue haviam sido csi|uec.
dos de ser enumerados alguna dos voluntarios que
nflo menos coragem e disposicilo mostraran!, lauco
mflo da penna pra lembra-los ao publico, os quans
sfloosSis. liento MartinsConcalves Lisboa, Cnetano
Delfiuo Monteiro de Carvalho e Jacintno de S.-Anna,
que, sol o mando do mencionado benemrito Sr.
Juegos Fonseca Jnior, portarain-se nflo como ho-
iiiens esUanlios a guerra, mas como verdadeiros fl-
IRuS de Marte.
ALFANDEGA.
RENDIMENTO 1)0 DA 2............10:336,513
Dcicarregam hoje, 3 de marco.
Barca Socrale mercaduras.
I'atacho Joiefna idem.
Brigue Novo Vencedor idem.
Hiato -Santa-Crin idem.
Sou seu constante leitor
O imparta!.
VARIEUDE.
OCONDErtOSSI.
O Conde Rosalera o estadista mais Ilustrado de
toda Italia, e al mesmo urna das maiores capacida-
des do srculo actual Cuniquai.lo nflo lenba desem-
penhailoum papel dislmclo nos qnarenta minos l-
timamente passadns eisua morte inesperada, mais
que qualqiier prende feilo de sua vida poltica (i-
que gravada na memoria dos homens, todava i'm-
liorta roi.fessar, nflo somenie que pouesi pnsoas ha
CONSULADO GtttUL.
HENDIMIENTO DO OA 2.
f'l>rBl........................ 4:439,255
Diversas provincias............... 4,057
4:443,312
CONSULADO PllO.VUNCIAL.
BKNDIMF.NTO DO DIA 2............ 2:087,814
MoviiiKnio dn PlrfiO.'
Horneado lente de direilo na universid.de de H
na eml809, quando apenas conlava 22 annos dn
dado. Em 1815 servio o cargo de cmnmissaro civil
durante o lempo em quo Mural oceupara as leaa-
cOes sendo por esla causa depois proscripto. Km
;"?,";'. ,;ar" ""t f"gi" tr-"w Hileridos os
diicitosde eidadflo genovez e com
roa frustrar, as per.-eguicOes do governo auslr.acr
Por esp.co de bom 20 annos lecciuno.i na ca Jeira d
di-oiIorom.no da academia de Cenebra te ido
honra de haver sido colleg. ,,os seis homens dslinc
tos que o governo radical daquella repblica expul
Nam'ot entrados na i i
Itio-de-Janeiro ; 26 dias, Tirigne su** Helena, de
242 toneladas, capilfln J II. Knrd, equipageiB 15,
em last.ojaN. 0 Bieber. 4 W.
I.mcommissflo; vapor U-guerra brasteiro Vrnnia.
coinmanle o capiluVtenente Jos Eduardo Wan-
deucolk.
Para ; 25 das, patacho brasileo Josefina, de 119 to-
neladas, capitflo 'Jos Mara da Silva I., equip-
is em II, carga diversos gneros; a Fcrmino Jos
lehx da Buza. I'assageiros, D. Juanea Francisca
da Silva Dourado com 5 filos e 3 escravos, o mis-
sionario apostlico capucliinbo Fr. SoraJim da Car*
tonia, Jofio Antonio Ai.lunes de Olivara., Jus Ali-
to-ioila silva e 3 escravos a entregar.
Rio-Oriinle-iln-Siil; 52 dias, brigue brasiloiro' cantil, ile 199 toneladas, cap tilo Antonio Furreira
Lima Fogassa, equipagom 13, carga carne ; a Amo-
i un Irmflos.
A'aeo tahido no mesmo dia.
Camarnghe ; liiate br.isile'iro Novo-Destino, captflo
El as do Rozano, carga varios gneros.
Miguel Archanjo Monleiro de Aniradt, official da im-
perial ordem da Rota, cavalleiro da de Chriito e in$-
pector da atfandega de Pernambuco, por S. U. o
Imperador, que Deo guarde, etc.
Faz saber que no dia 5 do corrento mez, ao melo-
da, na po'ta da mesma, se hito d.e arrematar em
hasta publica 2 duzias de afiadores para navalhas,
no valor de 30,000 rs. ; 400 grozas de pennas d'aco.
no valor de 12(1 000 ; 30 duzias de correlos de lalflo,
no valor de 40,000 ; 5 di las de escalas, no valor de
2">,000 ; 12 ditas de colheresde zioco para soupa, no
valor de36,000; 12 ditas dedilo para cha, no valor
de 18,000 ; 3 ditas do dito para assucar, no valor de
6,000 ; 1 dita Je dito para terrina, no valor de 10,000;
I jugo de mola para carro, no valor de40,000; 2 ei-
ciiospara dito, no valor de 28,000; 24cobeitas de
metal cara pratos, novator de 36,000; 2 barricas
coni trent forrado de louca para cozinha, no valor de
260,000 : ludo impugnado pelo guarda Antonio Lo-
pes Per. ira deCarvalho, no despacho por factura
-oii o 3583, sendo dita arremataeflo subjeita aosdi-
reilos.
Alfandega, I.' de mareo de 1849.
Miguel Archanjo Monteiro de Andrade.
Miguel Archanjo Monteiro de Andrade, etc.
Faz saber que no dia 6 do correte, ao meio-dia, e
na porta da alfandega, se hito de arrematar 81/2 du-
zias de chales de soda, no valor do 560,000 ; 98 1/2
duzias de lencos de dita, no valor de 1:000,000 ; 22
3/tduziasde maulas d dila, no valor 1:080 000 ; II
duzias de collaretes de dita, no valor de 66,000; 2
pegas de setim, no valor de 100,000; 7 ditas de seda
lavrada, no valor de 300,000; 10 ditas de sarja, no
valor de 450,000; 32 ditas de seda e algodilo, no valor
ile 800,000; ludo impugnado pelo amanuense Goncalo
Jos un Costa e Sa, no despacho por faelura sb u n.
3568, sendo dila arrematadlo subjeia a direitos.
Alfandega, 2 de marco de 1849.
Miguel Archanjo Monteiro de Andrade.
!'-.....UH
KIMTABS.
O conde lloss
liomens illustres
oa
sem duvda o maior desses
'squaes haviam encanecido em
r'?s e scienllicas no tranquillo
longas vigilias hilera
lfc"? ""raoMlsioTe' solIYUm por havWem
.t,.n'._ i: i .----- =""i mu por iiavercm
deflendidoa causa da hberdado consli.ucionll e
sssa*.*'.....>-!.. r;si,':
w^aas|iffaass,yi
O lllm- Sr. inspector da Ihesouraria da Tazenda
provincial, em virludedc resoloc.flo do Irbunal ad-
ministralivo, manda fazer publico que, nos dias
20, 21 e 22 de marco prximo vnduuio, ir a iraca
perante o mesmo tribunal, para ser arrematado a
xjuein por menos (izer, o empedramenlo de 40U bra-
cas correnlea nos 6, 7 8. c 9." laucos da estrada
do I'n-d'Albo, s6b as clausulas especiaes ttraiXo
transcriptas, e pelo preco le 3.4ti0,000 rs.'
Nanoel Ignacio de Olheira Lobo fiscal do bairro de S.-
l'rei-l'edro-Goncalve, em virtud da lei.
Faz publico pelo prsenle o que dispem os arti-
gs 10 e 19 do titulo 9 das posturaj muuicipacs ', que
*,1o do teor seguiulo :
Art. 10 Os almocreves nflo poJerflo entrar na
cdade montados nos cavados quando vercm com
carga e deverflo traze-los pelos cabrestos : os in-
fractores sero multados em 2,000 rs.
n KTT. 19. lie prullfDldO o Ciliado dos carro dn-
Iro da cidaoe : os carreiros, ou conductores dos
mesmos ou seus saibores, sendoescravus, soffre-
rflo a multa de 4,000 rs
E com tenha de fzer executar taes disposicOes,
faz publico pela impreusa para que nflo alleguem
ignorancia os infractores das ditas posturas muni-
cipaes.
Bairro do llecife, 27 de fevereiro de 1849.
0 fiscal,
Manuel Ignacio de Oliveira Lobo.
Ignacio Jos Pinto, fitcaldn bairro da Doa-Vitta em
* irlude da lei etc.
Faz publico, para que teuliam o devido cumpri-
mcnlo.os arlgos 10 e 19 do titulo 9 das posturas mu-
uicipaes.
Art. 10. Os almocreves nflo pdenlo enlrarna
cdade montados nos cavados quando vicrem com
carga,o deverflo traze-los pelos cabrestos : os infrac-
tores serio multados em 2,000 rs
Art. 19. de prohibido o ciliado dos carros den-
lioda cdade; os carreiros, ou conductores dos
meamos, ou seus senhores, sendo escravos soflre-
riioa niu lia de 4,000 rs. >
E para que clieauo ao Coiihecimonto do todos faz
publico pela iinprensa, psra que nflo alleguem igno-
rancia os infractores das ditas posturas mnicpaes.
Bairro da Bus-Vista, 2 de marco de 1849.
O liscal
Ignacio Jote Pinto.
legalisados, para po-irem ter osen devjdo eff-iio.
Secretaria da polica do Pernambuco, Sde mar-
co d 1849.
O primeiro amanuense.
Francisco de Barros Falcllo encalcante de Abuquerque.
Pela segunda seeciio do consulado provincial
se faz publico que o prazo de 6 niezes concedidos
pela le provincial n. 228, de jl de setembro do anno
prximo passado, para o pagamento d meias si,as
dos escravos, que se esliverem a dever, se llnalUa.
no dia 5 demarco prximo vindouro :-em cmise-
quencia, pois, desse dia em diante nflo se receber
meia siza, que, vista do papel de venda, se nuci-
r pagar 30 dias posteriores a sua dala, em enjn Caso
ficar subjeito ao art. 17 do regulamenlo dl| je
abril de IS42. Segunda seceflo do consulado po-
vncial, 15 de fovereiro de 1848.
O- esr.riv.1o chefe da segunda SeccJo,
Thtodoro Machado Freir Pertira da lht.
TIIEATHO DE APOLLO.
HO/E, 3 .DE-MARCO DE 1819.
5.' representarlo da asignatura.
00
LA XVIV PORTE CNSUL,
opera dramtica em 5 actos por Mr. Dumcnan.
INTERVALLO DE CANTURA.
A grande aria de Crace de Koberto, cantada-por ma-
dame Alexandie.
DANCA.
La Cracovienne, danzada por madame Camoin.
Deux femmei contre un homme, vaudeville novo em
um acto.
.?visos martimos.
Para New-York sabe, no da 7 do crrante a
barca ingleza Creamore, com mulo bons cominodos
para passazeiros : quem na mesma quizer ir de pas-
sagem dirja-se ra da Cruz eseriptorio de Ja-
mes Crabtree & C
A escuna Galanle-Maria sabe para o Rio-dc-Ja-
neiro sabbado, 3 de marco, e fecha as malas no
mesmo da as 9 horas : sement pode receber es-
cravos a frbie :a tratar na ra da Moda, n. ti.
I'ara a Babia salte com brevidade, o hiato S-
Antonio-Vencedor por ler mais da melada da carpa
engajada : para o resto e passa^eiros, trala-serom
Joflo Francisco da Cruz, na ra de Cruz n. 3..
Para o Porlo sahir breve, por ler parte da car-
ga prompta, lindo brigue portuguez Ptimarea,
le que he captflo Manoel de Azevedo Canario, for-
ra lo e pregado de cobre e da primera maiclui ;
quem no mesmo quizer carregar ou ir de paasagem,
trate com o dito captflo na praca, ou com o con-
signatario, Antonio Joaquim deSouza Ribciro.
I'ara o Rio-de-Jiieiro sabe com a maior bte-
vidado possivel, o brigue Viicoiide-dc-Camam : pa-
r o rasln da earga eseravos a fele o pasSngeilOS ,
para n que lem bons commodos traia-se com No-
vaes 4 Companhia, na ra do Trapicho, n. 34.
--Abaica Helia-Pernumbucana salie impielerivel-
menle para o Porto no da 8 de marco prximo : ns
Srs. carregadores queiram levar quanios anles os co-
nliecimenlus casa do consignatario, na ra da
Cruz, iio Becife, n. 34, terceiro andar.
Para o Rio-Ciande-do-Sul segu com brevida-
de o briguo fiero: recebe alguma carga a fete:
quem pretender eulenda-strcom l.eopol do Jos da
Cosa Araujo, na ra da Moda, n. 7.
-- Pura o Itio-de-Janeiro sabe com muita brevi-
dade, por ler parte de sua carga prompta o patacho
nacional Euterpe : para o restante da carga escri-
tos a frete e passageiros para o que lem exceden-
tes commodos trata-se com l.uiz Jos de Sa Araujo,
na ra da Ciu, ll. 33.
Leudes.
Ueclaraces.
se realisra cm,consequencia d
vil.
Iep..._
a ultima guerra ci-
Por eale lempo o conde lloss, convidada por Mr
Giizot.sepassouaParis.ondlhe ro. IoS,P,?iW
cid. um.cadeir.de direilo consttocionaV; So
se naturalisado cid.dflo rancez elle |COl hab'
do para servir os mais elevados crgos do ti i.io
e com eireilapouco depois loi Momeado para a c.'
miMTioa parus, e posto que nunca BMrCessa e
I-1 ana o cargo de ministro, todava viveu sempr
na maior inii.nidade cum o governo e go/ou da
conliaiica plena do re. -
Saldo nona ado embaixador para Rona elle vol-
tou a seu paiz natal, depois de urna ausencia do 30
anuos, como plenipotenciario de um soberano e.s-
traiigeiro.eiicslaqualidudeheprovavel que ll ves-
so concurrido bastante para elevacflo de Po IX ao
throo pontificio.
O cuide Rossi possuia ampios conhecimentos da
esculu rranceza, os quaea combinados com Corles
principios polticos se achavam uello reunidos as
mais raras qualijades de um espirito italiano. O seu
nal nos dias cima indicados, pelo meio-dia Com-
petentemente habilitadas.
K p.'a constar =e mandn afllxar o presente, e pu-
blicar pelo Diario
r Secretaria da thesouraria da fazenda provincial de
Pernambuco, 17 de fevereiro de 1849.
O 2.0 escriturario,
Antonio terreira d'Annunciacao.
CLAUSULAS ESi'EClAFS DA AlllEMATAgAO.
F.ttrodado Piod'Alho.
-O Sr. chefe de polica da provincia manda fazer
uhhco, para conhecimcnto de quem perlencer, que
As pessoasnuese propozeicui a esta arremataeflo 1 ri"'01* desta culade fram recollildos, no dia 22 do
mparecam na sala das sesses do sohredito tribu- ?".? '.'.'""I1"0 '""'" a.s"a ol'.l'em. .'.OU* pretos afrj.-a-
Joflo Keller & Compagina farlo leilflo por cen-
ia e risco de quem pereitcer, o por inlervenco do
correlor Oliveira de 192 duzias de lenco de cassa
bordados e 310 pecas de cassa lavrada ludo ava-
riado de agoa salgada : segunda-fiiir, "5 do corra-
te s 10 horas da man lia a no seu armazoui da ra
da Cruz.
C. J. Aslley far leilflo, por interveaijfo do cor-
relor Oliveira do um bullo sorlimoo' de pannos
I-rolos o de cures, casimiras ditas, sarjas, selins,
eludes de lita e inuitas oulras lateadas proprias
para a Quai esma : loifa-feira, 6 do correle s 10
toras da mantilla no seu armazein da ruada Alfan-
dcga-Velha, u. 5, primeiro andar.
Avisos diversos.
_.-.,-----............,.-.,, ,,,,,,-ni, iiiiui preos a|r|.!a-
*os, um de nomo Antonio Mocambque, que diz perJ co qi
lencer a Jos Pedro, senlior do engeuhu l'ii, e ou- .1 ii*7i
tro Francisco, que tamhem diz perlencer ao Barri-
nlius. ja fallecido, quo habilava cm Panellas-de-M-
r.iula, os quacs veiam reinettidos a esta repancio
pelo subdelegado do primciio distrelo da fregue-
z. do Jaboatflo: assim como que frain igualmen-
te recolhulos, no dia 27 do mesmo mez, ao deposito
Quem precisar do urna nina para casa dirija-so
atrs da ra de S.-Jos, n. 27.
ci/V^io1!11' V"U\ Ktm- Sr/ M-esidciite d provin-
cia, e pelo preco do 3:400.000 rs
um'lvre'i 1.rol"muo ''"*,,r" "ematanle dar
um li vi e transito aos viandantes
acibara, mM!*r,W0 "Pr7odeum mez, e
acaoarflu no de seis mezes, ambos contados em cn-
reira ala Costa, morador nesla pra^a, por ler sido
lurtado bi 3 anuos eacbarso e'xposlo a venia -e o
cnouluiho de nomo Antonio que lambem diz ner-
tencor a l.uiz Tavares, senhor do engonho da Sarra
termo do S.-Anlflo, por ter siJo apprehendido por
um soldado do batalhflo de volumt.rios a um su-
jeiio que oluvia furlado, e o eslava veudendo pcli
quaulia de cen mil ris. o qualplo ovadir-sedui-
igualineulo um quarlao volho o in.igru
leve igual destino.
.1
que
Uueiiisejulgar.portanto.comdiroitoaqualquerdos
nos esclavos e liberto baja de apruseular-so nos-
munido dos wmuC "tu ''Sti,"n '.,rocur,,dr ;"eU, ,*"ci!a Mondones, subdito
muniuo uo competemos niulos sulDcieiiteineile(brasileiro, rclira-spara forado imperio.
Joaquim Antonio Carneiro faz sccnle ao publi-
~ue, por haver oulro de igual nouie do boje em
ilese assignara Joaquim Antonio Cerneiio da
Soua Azevedo.
-Precisase de orna ama deleite: na ra da Cruz,
no Becifo, ii. 40, quario andar.
Francisco Sovenano Rabudo Jnior retira-so
para fra da provincia.
JofluGoncalvcs de Miranda leva em sua compa-
nhia para o Rio CianJe-do-Sul o seu escravo Ma-
nuel denaeflo
Joaquim Jos Ferreira doAlmeida retira -se dcs-
ta provincia pira a E jropa levando em sil con pa-
nilla a su i miilhr Marianua Cuihesdo Itozaro Tor-
res edous lil ios menores Joaquim Rozaliua : por
isso, quem se jul'ar seu credur, queira apresenl.r
Sua cunta no prazo de oilo di is para ser paga.
--II. Lasserre embarca para o Uiu-Grau le-Jo-SuI
o seu escravo Concalo.
-.- Iloje, na sale das audiencias e depois da mesma,
se b:to do arrematar com o ululiineuto da lei, os
trastes poirliorados a Joflo tlaptisla llabert por
execueflo quo contra o mesmo m'ove Manuel J,iai|uiiu
Con cal vos e Silva, pela segunla vara, esciivflo
Mola.
ILEGIVFI f


17
n aJMxo ssiinndo. em remosta ao_ annuncio
di. J >s Alvo* Guerra inserto ha Diario n 48. t*m
dz*r-lhn, qu lie o mcsmo nluxo assignadn hom
cnuhoriJn nftsla cidade, onde dignamente e sem vo-
c'iar Aquftlleg que rccorrem a auxilio do sua arle-, a
tpin evfido por muito lempo p*r 1uo nl8"e'n
(|iie o conheca < lns segundo pretende infamemente o logista Guer-
ra iuculaa-Io; nunca leroamlou a pcsso alguma,
rxjln lopiga de senstrahalhos. Je entro as mili-
tas a quem He tem prestado, cnm excepco out'ora
cun ouiro collejas .) do lostamnnleiro de Jos
Xavier Vimuia e presentemente da todito Guerra ,
que, sendo llovedor ao baixn assignado de maior
3uniia do que a por este devida, passou a deman-
h-Io, p nppr-si- ;ij>ist* componsaQilo do que tam-
hem devi, aAb pretexto de ser crelor, comp socio1
de nina casa commercial, cque a ilivida reconvin-
da s por hypoihpse concedida polo referido Guerra
cnmo'verdadflira provinha do que ere estranho ao
commercio da dita casa, recorrendo desla arto a
tima subtileza que desaira a qualquer que della
se sirva para semclhanle fim : he ao Sr.(Guerra, que
so presenta com reverendas falsas no commercio,
a < 1111> 111 convm so llic tiro a mascara, pois nega o
quo de-ve, ou nlo pagv a quem cnnfessa llover: a
conta quo o abaixo assgnado apresentou do que era
diio Guerra devedor proveniente dos curativos fe-
los a um scu pseavo e uma mitra ppssoa. Je sua
Samilia n!To era improvisada ; improvisado he o
principio de que se prevalec! o Sr. Guerra para nlo
pagar aquelles curatjvos, sol) pretexto do que
nlo declamo rrsponsahilisar-se pela paga ape-
zar de ter sido o tal Guerra quem chamara-o e
instara para o menino P resta r-se ao dito curativo:
basta por ora a resposla dada ; mais completa sei ,
se o-Sr. Guerra a istoder cabimento.
Jote Francisco l'inlo Gui maraes,
-- Perderam-se, no dia 1. do rorrete, da ra da
Cruz al a ra da Aurora las Icllias da quantia de
100,000 rs. cada un>a. ambas vencidas em o l. do
correle marco, sacadas por Manoel l.uiz Viran,
ai eritas por Adolfo Wollichurd, cedidas a aliguel
Snger, e-tn a C. II. Ilarms o uHimamenlc urna com o
paguP-se a Jo3o Evangelista da Costa p .Silva e a ou-
tra a pigaran dito Ilarms : quem as livor adiado e
as ipn/ei' restituir o podara fa/.er na na da Cruz, n.
11, visto que a ninguem Ihes pdem utilizar, istupor
ter o aceitante de paga-lasa vista de um recibo.
II0M0E0PATHJA.
As bexigas estilo assolaudo ha tempe, c conli-
1 nuain a ussolar esta capital; poucos silo os que se
liMiihram de iecorrr a homoeopathia, quando olla
tim em si o nico verdadeiro beneficio contra este
le i vil II igello.
No periodo da invaslo, faz abortar rpidamente
as hxigas de prior carcter, impe le formar-so me-
ta-lase no pescogo e apparecerem soiVriinrntos gas-
trieos, tosse e louqudSo, catarrho, salivaeflo, diar-
i li"a, &c Finalmente, lio o antidoto deslu ramo de
peste, tanto no periu lo feb il e eruptivo como no
,]a inailiiie.'a e decccacaii. reniainbiii'o, 3 de mar-
co de 1819.
]. 1) Caianova,
. Medico francez.
' Izabel de Parias Guimarips declara quo, tnndo
detorininado seu fallecido marido, Manool Jos d
Silva Cuinir.les, em scu testamento, pagasse a quan-
tia de 15/900 rs. a Jolo Jos de Goveia, pessoa res-
donte na comarca de Itio-Kormoso, acontece appa-
recer odoo Sr. de igual nomo, da provincia do Cea
r, boj" residente nesta praca, pelo quo infere, se-
gundo lie informada, nlo ser o Sr. Guveiu quo ali-
nuncia na rna do Queimado, n. 27.
Iia-se dinbeiro sobre i enlion s de ouro em pe-
queas ou grandes quanlia* : na ra do Hospicio
junto a venda do lefio de ouro.
Rcardo Nunes de Caivalho Siqueira, subdito
lu'.'MiciiM retira-se par lora do imperio.
-- A pessoa que pretendo fallar a M nuc Caetano
l'ereira de Mondonga litlio do Manoel (laclano de
Pind e M n hinca ,0 I o le l'.i/er em casa do Sr. Ma-
in i I Jua mu llamos e Silva na ra da GaJeia do
Itecil'e n. 38.
-- Joo Jos Marques de Araujo, Ilrasileiro adop-
tivo, segu para Portugal.
AOS SRS l!E ENGENHO.
Na fundicaodos Srs Mesquila & liutra na ra do
lirum ha sempre cinser e por prego commodo um
pniglo de lijlos de logo, inglezes muilo propros
para assentamenlos das taixas por causa da sua
grande durabilidude e resistencia de fogo por muilos
anuos.
I-itcria do ieatro publico.
Nlo obstante a morosidad quetcm havido na ven-
ila dos burletes da ultima terca parte da 18.' lotera,
todava o tliesoureiro, desejoso de fazer apilar as res-
pectivas rodas o uiais breve possivel, convida e ro-
ga aos amadores desle jogo que so apressem a com-
prar o resto dos bilhcles que existem.
-- O bacharel formu em nialhematicas, R*
Beinardo l'ereira do Girino, lem aherto '$%
curso das seguidles disciplinas: ai- ^
m
tiniietica, algebra, geomotria, trignomo
Ira reciilinea : aquelles Srs. qoeoipiize- a
rem frcqucnlar, Uliijam-so lu larga do ffim
Hoza rio, n. 2, segundo andar.
100,000 ris de gralificacflo a quem descohrir
dous seravqs furtddos I laura i Irmno, na praia de S.-Rita, na noilo do
quarta-feira 21 do eo/renle l'evoreiro,. ambos de na-
cilo Hengucla. e meio buques, com os seguintes sis-
mos :. M.iiooJ, alto, magro, rosto redondo e peque-
o, ar i'l'gre, pos e mos pequeos., capellas final,
ippri's.Mita 25 anuos de idade, Ihvou vestido camisa
e calca dp liscndo diialgodao/inlio, fui vaccinado lia
poocos dias; e Joao, tambom alto, porm monos
que o (Hltro, grossura do corpo cowrspondenlo lia
altur*, rosto sbie o comprido, testa laiga c arram-
paifct, pes grandes, loruozelus inchados, ventre
.asanlo sllenle, falla um iouco ranhosa, repr-
senla S5 anuos de idade; lanibcm foi vaccinado ha
I.....cus dias, levou vestido camisa de algod&oziuho
ii*c4o e ialg de algodilo azul: quem os appre-
liendcr, ou dcllea der noticia cdl, recebera 100/
lis^de gralilicaci'io, ua ra do S.-llila, n. 85.
Frcdci-ico Hohiiliard
respeiloaao ente participa aos Srs. negociantes o
pessoa"*'fnlefi'ssadas'no'roinmeirio desla praca, que,
temi obtido da tiicsouraiia geral desla provincia ti-
tulo de corretor toral, prestado lianya bailante, eo
devido juramento, est habilitado para ofTereecr seu
presumo, e aoroveita esta ocrasi'o para scioulilirar
ao respoitavcl publico que estajirumptu para tratar
de qualquer ramo de ne,;oeio que pcrlenco o corre-
tor geral, o nesta qualidade prometa empregnr todo
o zpIo, cuidado e a'ctividade possivel as trausac-
coesq'ie llie frem confiadas.
FUjNDI^AO de fkuo,
Na fabrica de Bowman & M. Callum enge-
nheiros machinistas e fundidores de ferro, na ra
do Brum.'no Itecife, contina havar um gratulo sor-
Hmento do taixas para engenhns e moendas de can-
na de todos os tamanhos o dos modelos os mais.
modernos e approvidos. Na mesma fabrica conti-
nuam-se a construir de eiicommenda machinas de
vapor, rodas d'agoa, rodas dentadas e lodos os mais
obiectos de machinismo, com a pcrfeictloj conhe-
cida, por preco commodo.
Bowman & M. Callum desejam chamar a altrn-
cao dos Srs. proprietarios deengenhos as machinas
dq vapor construidas na sua fahrta visto serem el-
las de um modelo muito forte e seguro e todas as
pecas perfoilamenle adaptadas urnas as oulras, por
meio de tornos automticos, machinas de aplainar
forro, e outros apparelhos modernos: alm disto, as
machinas do sua conslruccao teem as vanlagcns se-
guintes: possuem um cisterna de ferro, ondo a ago
destinada para a caldeira se deposita por meio de urna
bomba movida pela machina, e onde se acha aquen-
tada pelo vapor superfluo antes de ser por meio da
segunda bomba de la introduzida na cahleira alim
de nlo esfriar a agua nnlla existente, pela indroduc-
yrio d'agoa fria [como he de cosume em inachinas
inferiores Je assim produztr grande economia do
combuslivol.
Alm da supradila economia de combustivel na
prodcelo do vapor, estas machinas possuem urna
modificarlo novadas vlvulas por onde o vaporen-
Ira c sabe do cylindro, pela qual a mesma quanli-
ii.ule de vapor produz mainr cll'citu da que as ma-
chinas de conslrucgilo anliga augmentando assim
de uma maneira, nao pequea, a economia do com
bustivel necessario para manler a machina em mo-
vimenlo.
As ditas machinas possuem lambem-um appare-
lhn pelo qual a quantidade d'agoa introduzida na
caldeira se acha rogulada automaticamenle com a
maior certeza pela machina mesma evitando des-
la manefra o grande perigo que existe as machi-
nas, onde por causa da mcsquiuha economia dos
fabricantes o forneciment d'agoa para a caldeira
ha de ser regulado por mo dt> negras.
Estes esclarecimentos silo respetosamente offore-
cidosaosSrs. proprietarios le engenhos, que anda
perseveran! em o methndu fraco, dispendioso e
(satisfactorio do moer com animaes, alm de sa-
lisfaze-los que, no emprego deslas machinas, nlo
existe o menor motivo para receio nem de cxplo-
sau, nem de quebra nem de demasiado consumo
de combustivel ; e Bowman & M.e Callum mo
leom pequea salsfacHo em asscgurar-lhcs quo pe-
la pericia dos scus administradores e ofilciaes, pela
pe l'eico dos seus instrumentse apparelhos e pe-
la abundancia o boa qualidade das suas materias
primas se acham habilitados para construirem ma-
chinas de vapur de todos os tamanhos e para lodos
os lins ; assim como loda especie de machinismo ,
com uma perfeir;;1o nlo inferior as obras das intlho-
rei fabricas de Inglaterra e mu superior as geral-
meute importadas daquullo paiz.
Aula de pnineirns lettras.
Ensiiiarn-se.meninas a ler, escrever, contar, gram-
matiea portugueza, costura, lavarinto, bordar de
todas as qualidndes, d seda e n.aiwes, ludo coiu
perfcigSo : tambemseeusinsm nieuiuosa 2,000 ris
mensaes: na ra da Cadeia de S.-Antonio, segundo
andar do sobrado da esquina do becco do Ouvidor.
Um rapaz solteiro so prnpe a dar lirOes de pri-
meiras lellrus francez e geomclria em algum cn-
genho porto da praga, mciiiaiite urna mdica re-
compensa : na ra Direila, n. 102, nu annuncio.
Francisco Antonio l'ereira Pinto de Lomos An-
tonio Joaquim Rodrigues e Joaquiui Antonio Rodri-
gues, Portugueses, retiram-so para fura doimpeiio.
Antonio (iunenlves Lojics Macieira, Subdito por-
tugupz, retira-sc para Tora du imperio.
Aluga-se umIdus armazens da Iravcssa do Ca-
rioca ; he como o theatro da ra da Praia promp-
to de ludo para qualquer espectculo : a Iralar no
Aierro-da-Roa-Vista, ii. 10,
. A pessoa que annuucinu querer administrar um
cngi'iilio entiando ro.m s cscravos quereudo um
muilo porto da piara, dirija-so ao Alerro-da-Boa-
VisU, n. 49.
. Pcecisa-cc alugnr uma preta para o serviro in-
terno e externo larga do Itozai io, n. 48, segundo andar.
Manoel Joaquim BaiboZa leudo do retirarse
para ra do imperio julga n:1o dever nada a pessoa
alguma; mas, te algucm se julgar seu credor, baja
de apresentar sua conla no prazo de 10 dias ; e roga
a umSr. estudanteque v resgatar tres livios que
os empenhou por 1,000 rs.
-- Precisa-se de um hom cozinheiro : a bordo da
barca nacional ToHlativa-l'tlis: a tratar com o ca-
p tilo da mesma, a bordo, ou na ra da Moda, n II..
Joilu Jos de Gouveia mora ni ra do Qucimado,
ondo pode ser piocurado pelo autor do an-
nexos, os engenhos Manguinho, Agoa-Fjia, Po-Fer
ro, me.ade do engenho liom-Jirdim e de outros que
se levanlarain as niesmasierras, a propriodmlo Ga-
mpleira, metade da propriedade San-Jos-da-Cora-
(.raudo n metade das Ierras da povcnn,\1o 4ns Rarrei-
ros. Taflibem se negocia o bn.n cunliecidn engenlio
Jurissara, sito as varzoasdoCa! o, moentc coi rente,
com escravos, bois e ludo o que ihe perlence. A con-
tratar com o mencionado coronel nesta praca, na
ra do Seve.
C. JSlarr & Companhia-, convencidos de quo a
condcelo das formas de assucar para a casa do pur-
gar, hosemduvida o sarvic.0 quo mais mortifica
escravalura de um engenho, e desojando quanlo
possivel he o melhorameiilo dos Srs. ag-icullores,
leein inventado e conseguido construir varios car-
ros ile ferro quo facilitam de uma maneira admiravcl
esle Bcsadissimo trabalho.
As pessoas interessadas silo convidadas a inspec-
cionar, na fundic.loda Aurora em Santo-Amaro, osla
mu i til invencAo.
DENTISTA.
M. S. Mawson, cirurgiilo dentista, tondo-se do re-
tirar breve para Inglaterra, oITcreco o sou presumo
ao rrspcitavcl publico desla cidade, durante o curto
espaco de lempo que anda lom de so demorar, eni
quanlo arranja os preparativos de sua viagem ; ad-
verlindo que ser incansaval em servir buin a io las
as pessoas que se quizerem utilisar do sua arle, que
fara a lempo, e tambem com coinmodidade nos pro-
cos ; pdem-o procurar em casa do sua residencia,
na ra Nova, n. 21, Io andar.
m
9,
n. 27
nuncio (inserido no Diario de hoiilem que o cha-
ma a ra roa das Gnes, n. 30.
Jolo Jos de Andrade, subdito portuauez, reti-
ra-se paia l.on.lies.
Quem precisar de um caixpirobrasileiro.de ida-
de Ue 16 anuos, dinja-se a ra Direila, u. 11, anda
dando algum lempo de graea, excepto venda
A sociudadccommeicial soh a hrma do I, G.
l-erreira & Companhia (ica boje dissolvfda por mu-
llo consenso. Todas as transaccOes pendentes serfio
liquidadas por L. C. lerrei.a nico aulor.sado a
cobrar todas as dividas peilcncenles a extincla lir-
ma. Peinambnco, I.Ode manodc 1849.
A pessoaque soubcr, ou tiveiuue dizer alguma
cousarespeito o prjcediniento do abaixo assigna-
do, annuncio por esta lollia dentro do prazo de oilo
das *umexcopc.1ode-praticado algum sol) pena ,
poiein.de juslilicacilo e responsal.ilidade. Jnlu-
tuo nva,,iiu da Hacha, propietario do engenho Uni-
verso, na fieguezia de Agoa-Prot.
-Manoel Machado Le le retira-sc para, fra do
ni peio. ,
O coronel Bento Jos Lemenha Lins faz constar
a quem convieique esta disposlo a vender ou fazor
qualquer negocio sobi eos bens cirrenos silos na
Iceguezia de lina, comarca do Bio-Kormoso, que llie
locaram porheranca de seu finado sOgro, o marque*
do Itecife, dando preferencia aos rndenos que estilo
no gozo dos ditos bous. .S;ioHleiossegiiinlos:a po-
voacaudo Aba-ucoui lodo us sinos e terrenos au-
Na galera de dagucrrolypo do artista GuHier- 9?
me Fredcrico Wa1ter.ua roa da Ga lea de S.- (f
Anloinri, n. 2C, terceiru andar'jliram se reir- ^
tos muito superiores.pela inveneflo de. Dagucr- fl
rer, tanto em fumo como coloridos, das 7 ."
horas da mauhla as 5 da larde; allrman lose
e gai anliiido- se tanto a durahilidade das C- *>
res, como a pcrfela seineihanca.
As pessoas que se dignarem favorcc-lo iliri- (Si
jam-se casa cima mencionada. <$
N. II, Adverle-sp ao respeitavcl publico que (H
* lem uma machina para tirar retratos das )
crianzas no espado de 15 segundos, c terilo lu-
% gardas 10 horas as duas da tarde. ?
**
Antonio Granon & Gompanhia, ra Nova
n. 69, uflererem ao respeitiivel publico o a scus fre-
guezeso sorlimenlo seguinle:
Con.seivas
de sardinhas, hervilhas julicnnes, cennuras, oscil-
Ips copes, espaigos, covc-lloies, trussas chouri-
cos conservas surtidas com vinagre frascos com
fruas surtidas musanla, galeas du grozelas n de
mermelada ele. presuntos para fiambre, salames
de arles.
Vinhos
de l'.ordea ii \ em qua i tulas 1} em garrafas de diversos
precos e qualidailcs dilo do S.-Julicn dito de
Itoussiilon, dito da Madcira dito de llivosalles di-
to moscatel dito de Chaiiipanha etc.
Licores doces
finos em garrafas muilo ricas do todos os precos e
qualidades. .
Licores espirituosos
cognac velho de diversos precos absinlh kirsch do
Fersay a l.ecouttre vermout, genebra de llollanda :
tambem se acham outros nimios gneros como
agua de llores do laranja, a/eile doce de Plagnol.
O respuilarcl publico achala nesto eslabclcci-
mento
Sorvelcs
todos os dias das 6 horas em dianle e todas as
qualidades de refrescos. Um lugar fresco e agrada-
ve I foi disposlo nesta inlencilo.
Deposito de charutos
do Francisco Croz da Babia ditos da fabrica de
S.-Felix c outros.
Os proprietarios dcslc cstabelecimento emprega-
rlo todos seus esforcos para salisl'azor os freguezes,
tanto pela boa qualidade dos gneros como pela ba-
rateza dos prpQos.
Prccisa-so de 3 olliciaes do charuleiro que sc-
jam bous : em Olinda, ra do Coixo n. 2.
Precisa-sede dous moeus para caixeiio de en-
genho e ilu oulro para fra do engenho, dislanU
desta pi ac 20 legoas : na ra Augusta, n. 34.
Na na ila Cudcia 11. 39, primeiro andar, de-
seja-se fallar ao Sr. cadete do segundo balallilo di
caca dores Licencio l.iberio l'assns, 011 se licara agra-
decido a quem possa dar do ncsino milicia para
effeilo de dar-si; cumprimciilo a um pedido do | ai do
mesiiio.
-- Itoga-se ao Sr. thesoureiro da lotera do thea-
tro pubjieo que, sendo saia premia lo o meio buh-
te n 1194, nio (age senao 1 seu legilimo dono,
Sehastilo Jos de Uliveira, visto tur-so perdido dito
meio tullirle.
OSr. JosJacintho lavares de ArruJa procure
urna carta na travessa da ra do Vigario, n. I, l"ja
de baibeiro.
ntillssr, que lem abcrlo a sua aula de grammatica
latina o frinceza ; e que contina a receber pensio-
rislaje impos pensionistas na ra do Queimedo ,
n 37. O padre Jost di. isla Ribeiro.
.Pipcisa-se do um caivuro portoguez, de I. n
IV anuos, preferid o-se doschegados ultiman'P'e ,
liara caixe:ro'ile uma padaria : no paleo da S.-Ci iz ,
I!. 6
IV'li (H'tk!
participa aos seus fregezos (jue uiiidnu a
sua leja de ultaiate par.i o Aterro-da-Koi-
Vista, 11. 1 a, oi>depromelteservi-los cotn
presteza, como he seu costume.
ATTF.RRO-DA-IIOA-VISTA, If. 11.
Na loja de l.pcomte chpgou urna grande por^lo
de caixiuhas de fructas crystahsadaa chegadas ago-
ra da Franca pelo ultimo navio: o precu do cada ca-
xa he 1,000 rs.
^CIIAPEOS DESOL
'x:
Ra
do Passeio, n. 5
Agencia de passapoiics.
Na ra do COflgo, n. 10, eno Aterro-da-ltoa-V'is-
la lojas ns' 18 o "8, coiitiuuam-se a tirar passapor-
tcs lano para dentro como para fra do imperio ,
assim como despacham-se escravos, luJoeuiu bie-
vidude.
--G. A. Brcndera llrandis leudo de rctirar-sc
hiovu paia alluropa, trasp'assa o alugiicl do sitio
anude mora na Ponle-de-UchOa : a casa (em sulli-
cicnlis commodus para qualquer familia rochen a,
rstiibaiia um famoso copiar, quintal plautido e
banho no fundo: os prelendenles dirij.un-S ao
mesino sitio al as 8 horas da manlla ou a ra do
Trapiche, u. 1G, primeiro andar das 9 limas eui
dia n te.
Aluga-sc a venda da esquina da ra do Caldei-
rciro com irmacilo para molliados por mdico
lugucl a qual he ptima p*ra quem quizer princi-
piar : na prega da Independencia, liviana us 6 e 8..
MOTMNCA.
D. W. Baynon cirurgio dentista participa ao
respeitavel publico quo mudo i a sua residencia da
ra da Cadeia de S.-Antonio para a ra do Trapiche-
Novo u- 14, ilobaiiro do Itecife lerceiro andar ,J
aonde contina a calcar o | or denles ai lliciacs o as
mais obras do sua profisslo.
O a ha ixo assignado faz scictite aos pais de scusjn
Oh! quo pexinc'ia para o amavcl e respeitavel pu-
blico : novas sedas da melhor qualidado que se p-
Ic fabricar, por S'irem de incom"jend.i oda nu-lhor
fabrica de Franca, recebdas agora.
O fabricante dte cstabelecimento advertn ao res-
peitavel publico desla cidade que elle possuo pre-
sentemente um rico sorlimenlo do chapeos do sol,
assim como chapos do sol de seda furta-rores, (los
mais ricos que leem apparecido ueste mercado, c de
cres conhecdas ; ditos para senhoras de bom lom,
adamascados, lavrados, com suas competentes fiau-
jas de retroz, ludo que tPiu do u.ais mnderno e do
oielhor gusto ; um completo sorlimenlo do chapeos
de sol de panninhp de todas as cores e do lodosos
tamanhos, para hmeos, senhoras e meninos : ha
(aniheiu igual sorlimenlo de fateudas para cohiir ar-
'iiacOes, tanto de sedas de cm es, como de panuiihos
Uanrados e lisos imitando soda. Advorle.-se que os
freguezes serlo servidos com brevidade, eso adia-
rlo salisfeilos da boa qualidade, do bom goslo e do
bom proco.
Urna pessoa que tpm pralics de engenho so olle-
recc para administrador, levando 8 cscravos de tra-
balho : quem Ihe convier annuncio declarando o li-
me do engenho.
9
9
m Primeiro consultorio gratuito para os pobres 9
9 na ra du Cadeia de S.-Antonio, n 22, dirig- W
S) do peluSr. J. B. Casanova mealCO'francoz. 9
% Este consultorio estar" aberto desde as 9 lio- 9
ras da mantilla al as 4 da larde. Os pobres $
9 recbenlo consultas e remedios gratuitaueii- 9)
$ le: api escolando um nllestadodo pobreza de 9
fl> seos vicarios, ou mesmo de oulro qualquer 9
% sacerdote. #
* i
*?&9M91b9Q.&9999999i99Q:99%99
i
(ionui'opatliia.
"
Compras.
~ Compra-se urna negrinha de 6 a 10 anuos c um
molequo da mesma idade, isto para uma cncum-
menda : na na larga do Bozario, (I. 35.
Compra-so uma preta de idade para o servico
de uma casa e vender na ra : na Boa-Vista, na tra-
vessa do Quaho, n. 1.
Coiiipram-sc barrs vasios de todos os tama-
nhos : na prici do (loininercio, n. 2, primeiro
andar.
Compra-so uma esrrava moga com habilida-
des principalmente de cozinha e cngoinmado, prc-
ferindo-sc recolhida : paga-se bum na praga do
Commercio n. 2, primeiro andar.
Vendas.
Lotera do Elio-de-.Janeiro.
Aos 20:01)0^001) de (is.
Na loja da praga da Independencia, n 37, acaba de
cllPgar um novo sorlimenlo meos hlhetes, quar-
tos, oitavos evigcsiinos da lotera do Rio-de-Ja-
neiro, concedida a beneficio-da casa da Misericor-
dia da corlo. Na mcsm.i loja so musir a lisia da lo-
tera passadaose Irocam os hlhetes premiados.
Vendcm-se chiles de cores, boni-
tos padrocs, a seto vinleos o covado : na
na do Crespo, n. /j, esquina que volta
pura a cadeia.
Fcijao mt'l/ilnho
o mais superior possivel, novo o sem macula: no
arnia/cm de Francisco Dias Ferreira, no caes la Al-
l'.uiilpga a prego raso ivel o anda mais a quem le-
var os competentes cobres.
_ Vende-so farinha de mandioca, em sacras;
liem puni queijosde Miuas : ludo chceado nllima-
inentc do Ilo-de-Jdiieiro : na ra do Vigario, ven-
la n. 15.
-Vendcm-se 3 fortes pianos.chegados pelo ullimo
navio francez do muilo boas vozes superiores as
de'ontio qualquer que lenh.i apparecido, edo novo
modello que nii deixrailo de agiadar ao comprador;
charutos de llavana, por prego mais commodo do|ue
em nutra qualquer parte; u ti completo so-timento
lo instrumentos de msica, tanto de motal como
le madcira ; bustos de gesso representando muito
linimento a raiuha Vicioiia o o principe Alberto;
relogios de ouro o de piala chegados ullimamento
la Suissa. Estos relogios que silo muilo bem aca-
bados se tornam muilo recommendaves a qual-
quer particular, e adverto-se que lia entre cites
Iguns quo andain oilo ilias sem precisarem de Cor-
da : na ra da Cruz, no llecife, n. 55.
Gotas egypciSes.
Itcmcdinsem igual para a dordo dontes, ja bem
condecido no Itio-.le-Janoiro o as provincias do sul,
pela sua ellicacia em alliviar rpidamente a dor mais
leuaz.qur seja.molivada pela carie,qur por inflam-
maeao; mas s a experiencia do urna prova Ihe da-
Joviiln mcrecimeiito, Vonde-8 no cscriptoriq
,
i

ulumnos, eaos qug de seu presliino se quizerem jdo Novaos xC, ra do Trapiche, n. 34.


,A
Vendc-e cal virgem de Lisboa, de superior
qualidade em barris de 4 arrobas chegada ncste
me/ pelo brigue Maria-Jot : a tratar na ra do
lirum armazem do Antonio Augusto da Fonseca ,
ou na ra do Vigario, n. 19.
M tsicas para piano.
Na '')ja da praca da Independencia, n. 37 aindn
ha p.,a vender um resto de bellas msicas para
pianos, lindas polkas, valsas, arias, quaririllias ,
ote por menos prego do que i>m outra qualqucr
paite; tamliem reslam algumas valsas para llanta.
Vendetn-se seineas em sai-cas multo grandes ,
a 4,500 rs.: na ra ^cente Ferreira da Costa.
Vendem-se queijos londrino os mais froscaes
que ha no mercado ; massas finas 3-20 rs. a libra ;
chocolate do cauella, lino e de Lisboa; latas com sar-
dinhas; azeite doce fino, por preco commodo : na
ra da Cruz, n. 2.
Vinho barato.
Acha-ae estabelecido na ra da Madre-de-Dcos,
n. 36, um armazem de
Vinlios da Figueira,
de ptima qualidade, a preco de 1,200 rs. a caada,
e a 160 rs a garrafa ; e para n3o haver dolo do com-
prador serflo lacradas as garrafas e enm rotulo, re-
cehendo-se a garrafa vasia, e dandn-se immediata-
mente a outra cheia : tamliem ha barris muito pe-
queos, proprios para quem passa a festa. 0 pro-
prietario ilcste estabelecimento pede encarecida-
mente que se nSo illudaat avahando, pelo diminuto
prego e sem conhecimento de causa a qualidado de
sua fszenda digna por certo da eslima dos verda-
deros amantes da boa pinga. Elle conta que quem
ui ia vez provar, continuar com gosto e sem arre-
1" i I i [Tiento. E o bom preco!!.' A todo o exposto
ui-i-resceo asseio e boro acondicionamento o que
ludo se podera verificar em dito estabelccimento.
, PURO VINHO DA FIGUEIRA.
Existe no armazem de molhados, atrs do Cor-
po Santo n. 66 urna grande porco deste genui-
novinho que se est vendendo pelo diminuto pre-
co do 1,120 rs a caada e a 160 rs. a garrafa ; tum-
been ha em pipas que se vender mais em conta : he
esto o melhorde todos os vinhos que se teem an-
nunciado pela sua simplicidade e ptimo paladar :
qnem urna vez o beber jamis deixar de o com-
prar.
Vende-so urna cscrava de naglo moca : oo
comprador se dir o motivo por quo se vendo: na
rus da Cadeia do Recite, escriplono do corretor Oli-
veira.
- Vende-se vinho do Porto, muito superior, e
de nutras qualidades em barris de quarlo, quinto,
scUo, stimo oitavo e em pipas, por preco muito
commodo : na ra do Vigario armazem de Fran-
cisco Alves da Cunha, n. II.
Algodao trancado da fabrica
de Todos-osSatitos da
Baha,
muito proprio para saceos de assucar e roupa de es-
cravos : vende-se em casa de N. O. Biobor & Com-
panhia na ra da Cruz, n. 4.
CIIA'BRASILF.IRO.
Vende-se.ou armazem de molhados atrs do
Corpo-Santo, n. 66, o mais-excellente cha produzi-
do emS.-Paulo, que tem vindo a este mercado ,
por preco muito commodo.
Presuntos.
Vendem-se superiores presuntos inglezes para
fiambre, chegados no ultimo navio: no arinazam
do llraguez ao | do arco da Conceic.to.
0 FAREI.O EM SACCAS DE 90 LIBRAS :
vende-se no armazem de Vicente Ferreira da Cosa
na ra da Madre-de-Deos, a 3,500 rs.
Taixas para engenho.
Na fundicflo deferroda ra do Brum acha-se a
venda um completo sortiniento de taixas de 4 a 8
palmos de bocea, por prego commodo, e com promp-
tiiilo embarca-so. ou carrega-se em carros sem dos-
pezas ao comprador.
Vcndrni-se sellins inglezes e ramas
de ferio : na rus da enzalla-nova, n. 4*.
Agencia da fundco
Low-Moor, ra da Senzalla-
nova, n. 4.
Neslc estabelecimento ronlina a ha-
ver um completo sorUmento de moendas
e meias moendas, para engenho; ma-
chinas de vapor,e tachas de ierro batido e
coado, de todos os tamaitos, para dito.
Ferro
de todas as qualidades edimensfles, em barra ver-
galh3o, verguinha, ateos e chapa, por preco com
modo : na na da Madre-de-Deos, armazem n. 26.
Vendem-se queijos de prato, ditos londriuns
muilo frescaes, latas com bolacliinhas de Lisboa
ditas com dilaa de araruta ditas com her\i has di!
tas com sardinhas, ditas de marmelada de \ 2 e 4
libras garrafas com vinho moscatel de Selubal, di-
tas do dito da Madeira ditas de licor fino avelans
velas de csperniacelo de silo cm libia proprias pa-
ra lantcmas caixinlias de massas finas di- catrelli-
nhas frasquiihosdouradoscom agoa de flor de l-
ranja : na ra da Cruz, no J'.ccife, n. 46.
Nos armazens n. I do caes da Alfandega e do
fallecido Braiiuez ao p do arco da Coceigflo, ven-
de-se superior farinha de maadioca em suecas de
alqueire, por prego commodo.
no armazem do Machado, na ra de
Apollo, junto ao porio velho das canoas,
e os melhores prancliOes, costados, costadinhose ta-
hoas de todas as grossuras o compriinentos por to-
do o preco*
No armazem de lifas Ferreira, no caes da Alfan-
dega vendo-so superior farinha de mandioca em
saccas de alqueire ; b. ai como superior potussa em
barriquinhas, desembarcada ha poucos dias, por
prego commodo.
Fre^uezia.
No paleo do Tergn, venda n. 7, vende-se vinho
da Fijrueira a garrafa a 160 rs.
Vehde-se um moleque do 3 a 4 annos de idadd
e urna cadeira de arruar nova e muito rica : na
ra Bella, n. 40. .
Vende-se ca virgem de Lisboa,
chegada no ultima navio, em barris pe-
queos, por menos do que em outra qual-
quer parte : na ra do Trapiche, arma-
zem n. 17-
No Atcrro-da-Boa-Visla loja n. 78 vendem-
se sapalAes grossos a 1,000 rs. o par ; ditos do Ara-
caty a l.OQOe 1,280 rs.; sapatos de lustro para se-
nhnra a 2.800 rs.; ditos para meninas a 1,920 rs. ;
ditos de cordovfo, a 1,28(1 rs. ; Indios para liomem ,
a 3,000 c 5,000 rs. o par ; sapalos de sola o vira a
2,000 rs. ; bahus de m cena envernlzados do varios
lanianhos c pregos : bonetes riscadus a 280 rs. cada
um ; ditos para meninos a 800 rs ; ditos do mar-
loquim preto paia hoiueiii a 2,500 rs. cada um ;
(lites de merino para mangas a 3,500 rs.
Vende-se um ravallo de sella com muito liona
aiiilai es : na ra do Crespo, loja n. 2 A.
Cig.tn ilhoscle pallia do milho:
vendem-se unicamenlo no Rrmazem do molhados
atrs do Corpo-Sanlo, n. 66.
Conlina-se a vender cera do carnauba, por a-
tacado o a retalho a vontade do comprador, por pre-
go commodo : na ra da Cadeia-Velha, lujas de ler-
rageus, ns. 59 e 63, de Jos Dias da Silva. -
Cevada e caf muido.
No Forle-do-Mattos, rua do
Amo ni, ii. 56,
na anliga fabrica que petlcnceo ao finado Vaz de
Oliveira boje perteuceute e sdb direcgflo de, An-
tonio Joaquim Vidal & Companliinba, vende-se.alm
do superior caf moido o muilo cxcellentn o esli-
mado caf de levada da niel hu- qualidade que ha
no mercado por prego mais commodo do que em
outra qualqucr parle.
-- Vendem-se 3 lindnsmnlcques de 13 a 18 an-
nos ; 4 pardos de 16 a 25 minos ; 3 prctos de 25 an-
uos; urna pardinha do 16 minos; 4 pretil de 12 a
20annos leudo algumas dellas habilidades : na la
doCollegio, n. 3, segundo andar, se dir quem
vende.
-- Na padaria da rua da Guia, no Recife haver
lodos os dias a venda o novo pBo de Provenga fa-
biicado por oulro modo que o actual e da inelhoi
farinha que lia no morcado : por este motivo ufio se
pode fazer scnSo a 40, 80 e 160 i s.
Vende-sca venda da rua do Apollo, n. 21, com
poucos fundos : quem a pretender, dirij-se a rua da
Madre-de-Deos, a tratar com Vicente Ferreira d
Costa.
No deposito de Me. Calmont & Companhia 'na
rua de Apollo, armazem n. 6 acha-se constante-
mente grande snrlimeulo de ferragens inglezas para
engeulios de assucar cono sejam : taixas do ferro
coado de difidentes modelos, os mais modernos;
ditas de ferro batido ; moendas de Trro do mode-
lo adoptado para armar em madcjra ; ditas todas
de ferro, tanto para agoa como para ainmaes; ma-
chinas de vapor de frga de qualro cavallos o de al-
ia pressilo o mais moderno o simples que lie possi-
vcl ; reparlideiras ; espuuiadeiras ; real'riadeiras de
ferro cslanhado; lumias de ferro: ludo por prego
commodo.
Vcndem-se barriquinhas com cal virgem de
Lisboa muito nova; fechaduras para portas de
irmazem ; relroz do Porto; barris com Icalrflo la
Sueeia ; por prego commodo : na rua do Vigario,
n. II, armazem de Francisco Alvesda Cunha.
Vendem-sc laboas ame rica
as al 5 palmos de largura
c de todos oscomprimcnlps.qne ha mnilolemponflo
teem vindo e os fregueses experimentando a falla
desla excellente qualidade. A ellas que silo poucas e
tnpreco he barato. Atrs do Ihealro-, armazem jun-
o a marO, de Joaquim Lopes de Almeida.
Aos amantes da boa pilada
sooffereceo rap ivovo-l.isba no seu deposito da
rua 1 >rga do Rozario, n. 24.
Vende-so farinha de mandioca, muito superior,
por prego eomrr o lo : a bordo da escuna A' -t>u;,' a-
orada em fenle do trapiche do algndfln.
Vende-se farinha de muito superior qualidade,
por prego commodo : bordo do patacho ConccifUo,
fundeado no caes doCollegio.
, setim pre,
fazendas, ludo por
preco coriimodo : na-Atcrro-da-Ba-Vis-
*4.
lores, na rua do Vigario, armazem de Francisco Al- aesim como sartas
ves da Cunha, n. 11. J ..'
,to e outras multas
Cale i do.
Vcndem-se botina e meios ditos de Lisboa, para |a n
liomem e menino ^ sapalos de rnaroquim francez,
poi prego mais barato do quo om outra qualqutr Prtiipirn n 9 0ni,r parto: na rua larga do Rozario, n. 24. rHIJCirUU ^.UUU rCiS.
-Na rua do Crespo, loja de* poilas, n. 12, ven- Farinha Ae mandioca de Ulterior n.,
dem-se chapeos do castor pretos.de muito boa qoa-",. r8*inBa ae mannioca Je i qua_
lidade a 4,400 rs. .- ,-udade, em paneiros, ao preco commodo
Vende-se a yerejadeira potassa da de a,ooo rs., regulando c^da um rwv.
Rnssia, desembarcada hontem, por pre- meia sacca : vende-se ao p4,Jo_arcoda
co muilo rasoavel, vista de sita muito Conceicao, armazem que foido Braguez,
e na traveasa da igreja da Madre-de-
Farelo
Vend
Tnboadorie pin fio.
cm-se
t ..i
IMI tstlAOfl il. ninlin
------------------,......
nli/
no
For(e-do-Mallos armazem do Vianna e
em barricas a 4,000 rs. ; saccas grandes, a 3,50o
ra., lilas pequeas, a 2,800 rs : noarmazom de J.
J. Tasso Jnior, na rua do Amorim, n. 3.
Potassa.
Deaembarcou ha poucos dias tima por-
cao de harria pequeos, com muito nova
e supeiior potassa, e se acltam venda,
por preco rriais barato do que ltima-
mente se venda, na rua da Cadeia-Velha,
armazem de Bailar & Uliveira, n. ia.
FABELo
cm saccas mnito grandes,
a 3s'6oo rs. a sacca:
no armazem do Braauoz ao nA dn reo d CnnceicHo
Vende-se a verdadeira e muito superior fari-
nha SSSF, a retalho e eni porgSo; dita de outros su-
co
superior qualidade : na ruado Trapiche,
n. 17, e rua da Cadeia, n. 34-
* tfadeir de pinho.
Na rua de Appnllo, pegado ao armazem do Sr.
Molla, ha um novo armazem com. madeira do pi-
nho da melhnr qualidade que tem vindo a este mer-
cado e serrado de todas as grossuras e comprimen-
los : vende-se pelo menor prego que he possivel.
Taboado de pinito da Succia,
de 10 a 515 palmos
deenmprimento o melhor que tem chegado a este
mercado, em razlo de se poder nvernizarcm qual-
qnerohra por nflo ter nos e ser muilo alvo sen-
do costado, costadinho, assoalho, forro e para fun-
dos de barricas : vende-se a prego que o comprador
far lodo o negocio: atrs do Ihealro, armazem de
Joaquim Lopes de Almeida.
Vende-se urna morada de casa (errea na rua de
S.-'lliere/a, n, 54, dolado da sombra com quin-
tal milito grande porlflo para fra cacimba so:
nfio precisa de concert algum livre o rtesemhara-
gada de qualquer cousa que possa ofTerccer a mais
pequea duvida : na rua Nova, n. 51.
Charulos da Baha.
Vendem-se os melhores charutos, chegados ha
pouco da Rabia heni como cavalleiros, cagadores,
etc. cm pequeas e grandes porgOes por prego
muilo em conta : na rua do Trapiche-Novo arma-
zem de Jolo Dawsley & C.
Vendem-se 10 Mudos moleques de nagfl e
crinulos, de 6 a 20 annos ; 4 pelas de 20 a 30 an-
nos; 1 dita de meia idade; 1 preta boa cozinheira
c vendedeira ; I dita de meia idade, que engom-
ina, cozinha muito hem cose, e he boa comprado-
ra ; 1 cab inha muito linda de 10 annos, e que co-
se soffrivel: na rua do Vigario, n. 24.
Vende-se urna escrava moga, propria para todo
o seivigo de urna casa : na rua do Livramenlo, n. 7.
AGOA DETLNGIR CABELLOS E SUISSAS.
Conlina-se a vender agoa de Ungir cabellos e
suissas : na rua do Queimado, n. 41. O mettiodo de
applicar a dita agoa acoinpanha os vidros.
Charutos da Baha.
Vendcm-sc os meihores charutos chegados ha
pouco da Bahia, hem como cavalleiros, cagadores ,
quem-fumar-sabei icgalia, regalos de lia vana, em
pequeas e grandes porgOes por prego muilo em
conta : na rua da Madie-de-Deos loja de chapeos
n. 32
Vende-se urna escrava criouU de 18 a 20 annos.
com principios de engomo ar ecozinhar, e que he
fateira ; nilotem vicios nem achaques: na rua da
S.-Cruz, n. 66.
No armazem de A. J. Corbett.n. 48, na ruada
Cadeia do Recife, ha semprc urna porco do Cham-
panba dos clebres aulores l.ontou & Companhia ,
tanto em garrafas como om meias ditas, a 25,000 r.
a Ottzia, gaianlida
Vendem-se os segiiintes trastos novos de urna
familia quise retira : duas duzias de.cadciras de
jacarnda um sph urna mesa de meio de sala ,
um par do bancas, um lindo par de loucadores : na
rua do Hospicio, sobrado junio a venda do lefio de
ouro.
-- Vende-se a armago da loja do sobrado da ru
Direita, n 68, cuja ai oda mo se acha do toda ulti-
mada sendo esta propria para calgado.: a tratar no
segundo andar do nicsmo sobrado.
na travessa
eo% n. 7. -
Vendem-se dous caaaes do pombns mariolas,
muito grandes e bonitos 2,000 is. cada nm : ni
rua da Florcnlina, rt. 16.
Vendem-se, no armazam da rua da Uadre-de-
Deos, n. 34 do lado da alfandega alguidare* vi-
drados de todos os tamanboa proprios para lavar.
changas, o outra mais louga chegada ltimamente
de l'raiiga ; ceblas em mlhos o despencadas ; feijSo
pret; bauha de porco; um cochiclio multo canta-
dor ludo por prego commodo.
Vende-se um cavallo ruco-pedrez,'
bom car regador e esquipader: na ruado
Crespo, loja da esquina qne volla para a
cadeia. .
Vendem-se riscadinhos azues e encrnalos,
proprios para roupas do meninos e prelaa a too
I20rs. o covado; chitas lulipas 120, 140', 160 e
180 rs. o covado; linhas grossas a treza vintens a
quarla ; ditas finas a 320 rs. ; pegas de madapolSo
largo a 2,800 e 3.200 rs e vareja lo a 7 e 8 vnicas;
longos do cambraia com barrada relroz, muito fi-
nos a 2(0 rs.; brim branco trtngado de linho, a 30
r. a vara ; bretanha de algodo, a 180 e 20o rs.; sus
penso ios de borracha a 320 (*. na rua do i'ntein,
loja n. 17.
Vendem-se saccas com farinha da man linca ,
de boa qualidade por prego commodo : na rua da
Cadeia do Recife, n. 19.
Veude-se um cavallo castanho-escuro, gordo e
grande eque he ptimo carregador na rua das
Florea,, casa de Lui Caetano llorgei.
Ks:;-gS5:@^jea::gs'.:@aj:ea3i:-e3:
^ Cera em velas. ^
0 Vende-sena rua do Vigario, n. 19, tJ
'fi segundo ami ir, caixas com cera em $
^ velas fabricadas no Bio-de-Janeiro, 8?
* em urna das melhores lahricas, sor- i
ticlas ao gosto do comprador, e por W
preco mais barato do que em outra ')
$ qualqcr parle. |
m Bm :e w.e s::g bjissss aiesj
Ci
Vende-se a loja de couros dama Direita, n. 39,
com poucos fundos : a tratar na inosina loja.
-Vende-se um sellim com pouco uso rhuito em
conta na rua do Colovello, n. 31.
Vei.de-se um burro dn llorada para a rapazia-
da que quer fizer exaine na academia : na praga da
Inde|>eudencia, loja n. 3.
NOV IDADE.
Verde linho.
No armazem da rua da Madre-de-Deos, n. 36, aca-
ba de rbegar ( para expeculago) pelo brigua Yeu-
twftlit recenlemente chegadado P-rlo omai
escolente vinho verde para os amantes ae refre-
carem com este gle maudem a elle einquanlose
nao acaba, por ser una s pipa ; e para nao escamln-
hsar os amigos e fieguezes nflo se altera o pceo
de 160 rs. por garrafa
Vende-se urna escrava da Cosa, de 25 annns,
com urna cria de 14 iiiex.es e que lava c cozinha o
diario de urna casa ; urna nejiinlia de bonita finu-
ra, de Calinos: na rua do Crespo, n. 12, se iri
quom vend.
Vende-se urna elegante traduego ao pe da
ledra das pi uncir u segunda Enoidas de Virgilio,
por 6,000 rs. : na rua das Lurangoras, 11. 16.
Vende-se sarjt de seda hespa-
nholn, muito superior; setim de
Uaco proprio p.ira vestidos; los de
linho prelos, bordados a sedo; meias
jiretas de seda de peso; panno pre-
to muito lino e prova de limSo; (
casimira preta elstica ; sarja de
li.stras, setim proprio de collete; as-
siin como outras umitas lazendas
futas, proprias para a quaresma :
lucio mais barato do que em outra
qualqucr paite : na loja de Jos
Alorcira Lopes & Companhia, roa
do Queimado, qualro cantos, ca-
sa amarell 1, n. 29.
Vendem-se ealngam-se bixas clie-
gadaa prximamente de II un burgo : na
trAve.vsi da iuj do Vigario, n 1. loja de
baibriro, de >cb stiao Jos de Oliveira.
-- Ven le-so urna porgilo de cera de camaba do'
muilo lina qualidade, fissiin como 10 saccas do gom-
ma muilo nova : quem quizar comprar ditos gene-
res, trate com Antonio Joaquim deSouza llibeiro,
iub da Cadeia, n. 18.
Vende-se um molcquinliq muito esperto e ladi-
no, da7 a Salinos t na rua da Florentina, n 30.
Vcndem-se ilous reloglos mullo bous regulado-
rea, sendo um de ouio o nutro do preta, ambos sa-
bonetes : na rua larea do Rozario, loja 1. 26.
Veudem se chales de la pelo di-
minuto preco de duas patacas cada um ;
Esc ra vos Fgidos
___
-- Desapparcceu, no dia 17 de Janeiro o pelo
Antonio de nacho Congo 0II101 grandes ; Irm
falta de aliruns denles na frente e urna ferida em
ump; ltimamente tem estado trabalhando no
arsenal de guerra com o mime do l.uiz quem o pe-
gar b-ve-o a rua dn Cruz, n. 2, que ser grulilicado
-- Fugiram, no dia.25 para 26 de feroreiro, doos
escravos donme Antonio, sendo um crioulo a o
nufro de nagilo Congo que repr'esenUm ter de 30a
40 annos ; 1 lem os pes torios semblante muito cr
ransudn o mal encarado ; tem una cicatriz na tes-
ta ; he bastante encornado ; levou caigas de hrini
muito sojas e embreada camisa de algodflozinho
muito suja chapcnilc couro este escravo veio ilu
Maranlifln o oulro be baito e grosso do corpo, bem
preto; levou caigas ile riscado de algodilo america-
no, camisa de madapolflo j velha ludo multo su-
jo e chapen de palha quem os poyar leva-us a rua
de Vigario n. 21, quesera recompensa.Jo.
Iiesappareceu, no dia-85 do passa lo uirreicr-
vo crioulo do Maraulio, de nomn Mariano, de "Sali-
nos pouco mais ou menos altura regular, rosto
comprlo, oliiiis prelos cali; los caiapinhado*,
nariz e bocea reguhucs cor prnta, com pouca b*r-
ba.-foi visto na Piissagein-d.i-Mag.'UleriaAiiilTOg-0
as autoridades policiaca e capiliie* de ciunpp que o
appri'heiidain e levein-noa rua do Tmpiclia, a""J-
zem 11. 19, dn Domingos Suriano fiogalves fern |
ra qye serflo recompensados.
'-1'ugio, em Janeiro proxi.no pasaado um^nol-
que cabra de nomo CaU lelo ; lovoo camisa e cn-
roulasdHalgodfloziimo bonete de arelo de pannu
a/ul e branco ; represen! ter 15 a 16 annos. com ci-
catrjz<-s do bexigns aind mu visivel, e'cara redon-
da quoinopftgar leve-oarua doOueimado, '-'
Pr'^N
n';
tti. OKn.r. dk raBli. 18<9
_______ -
m^m.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EINCG6VBS_WAVLFE INGEST_TIME 2013-05-01T00:52:29Z PACKAGE AA00011611_10006
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES