Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10004


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno XXV.
uiji ii.inarwjTWTjMi
O 0/,4/ffO|iubtiei-setod.sosdaquenao
I forrm de guarda. O prefn d.i sslgn 'tura he
I je4?000rs pirqiiirti'l, pfotnJliintiitM. Os
anui.nciwi 'los assigninte* sao ini-riJos
rasa- de 20 rs. p-r linda, 40 rs. em typo dlf-
Omite, eas repeiieies pela mctide. O nfio
asignantes pagaran 80 rs. por Linda e 160 rs.
ein tjpodiVre.ilc.jior cada publieaco.
PHASESDALUANOMEZDF. MAR?0.
Crrscrnle. a l.s 9 horas c ...in. da *r*-
Ma chela, a 8, s 10 horas e 42 mi. da lar".
Mii.goanle.ahS.l 10llorase l9!'"-.da ',,'
L... ..ova. .24,d.ll hora, f *"""
tteecealc,. 31, 4 hora e35.nln.da inanh.
Quiia-fcra I
PARTIDA DOS GORREIOS.
Goiinna e Parsihiba, s segs. e sextis-felriis.
llio-G.-do-Norle, qnlniasfelral so n.cin-ilia.
Cali Serlnliitein, Rio-Kormoso, Porto-Calvo
Macelo, no 1 a 11 e 21 de cada mea.
Gir.inliuiis e Bonito, a 8 e 23.
Itoa-Vista e Flores, a 13 e 28.
Victoria, ai quinlas-folrn,
Olinda, todos os dl.is.
PREAMAR de hoje.
Prlineira, As 10 dorase 6 minutos da mand
Segunda, is 10 b-ras e 30 minutos da Urde
de Afargo de 1849.

das da semana.
20 Segunda. S. Torcato. And. dn I. dos
orpd., doJ. dociveledo J.M.d-. v.
2T Terca.. S.Leandro. And. doJ.doe. dal.
v. e do J. ile pal do 4 dlst, de t.
28 Quarta. S. Roinno. And. lo J. do c.
da i. v.edoJ. de pardo 2. dist. de t.
1 Quinta.S. Adrin. And. do J. dos orph.
e do J. DI. ta I. v.
2 Sexta. Simplicio. And. doJ. do civ. c do
J. de paulo I. uisl. de t.
3 Sahtiado. S. Ileiueteriu. Au 1 do J. do c.
da I. v. e do J. de piz do 2. dist. de t.
4 Domingo. S. Casimiro.
CAMBIOS NO MA 28 DE FEVEREIRO.
obre Londres a 2Gd. por 1/000 ri. 60dias,
Pars
. Lisboa IC8 por cento de premio.
flio-de-Janeiro no par.
Desc. de lett. de boas Brutal al'/, % ao inez.
Aceces da comp. de Iteberibe. a ;">0# rs. ao n.
lluro Oncas hespv.linlas. 30/niiO a Jn/iOO
Mo. de (i/400 u. 16/200 a 16/401'
. de4/000... 9/900 a 9/40
Prata-Pataeocsbrasilclroi 1/170 a 1/WM)
Pesos columnarioi. 1/970 a I/W0
Ditos nic-Icioo*..... 1/900 a 1/930
PARTE OFFICIAL.
GOVEfllH) DA PROVINCIA.
lllm. t Ext. Sr.Tenho a honra de participar i
IV Exe que isla provincia goza do tranquilliilade.
leos guarde a V. F.xc. Palacio do gorrn dn pro-
vincia d* Mnas-Orrae, 30 de Janeiro de 14)49.lllm.
eExro. Sr desembargador Manoel Vicira Tosa, pre-
sidente la provincia de Petnambuco.hi lldtfomo
de Souza RatMt.
EXPEDIENTE DO DA 27 DE FEVEBEIRO.
Omcio.Ao director do arscml tle guerra, auto-
rsondo-o a despender com a prrmptificoclo ecnm-
I nrn dos ohjeetos precitos ao hospital regimentol do
'eenndo balalhflo de artilharia a p a quintil de
[i:156,00oris.Communicou-se oo inspector da po-
Icadnria n.ililar. ... .
I Dito.Ao Inspector da thpsourana di razando pro-
Ivincia, recommendando hai de dar as precisas or-
Idens pira qu seja posta a disposicllo do almoxa-
Irife da repnrlicilo dis obras publicas, mediante as
[cautelas do cstvlo, a quanta de 108,520 res para
pigan.enlo da ferias dos operarios que trabalharam
ios cenceos da cadeia desla cidade, relativas aos
das decorridos de 1 10 e do 11 a 20 do rnez de Ja-
neiro ultimo.-Scicntilicou-ie o administrador das
obras publicas.
Dito.Ao mesmo, declarando que pode mandar
entregar i adminislroclo dos rollegios dos rphtos
a qiunlia de 2:000,000 res pela qunla do eveiiluaes,
considerando esto abono como um emprestimo que
6er pago pelo cofre dos orphSos, logo que o nova
oilministracflo tenha arrecadado quantias sullc-
sotes*
Dito A' cmara de Olinda.-De parlicipacSo dessa
cmara, datada de 17 de abril de 1845, se evidencia
que, nesse dia, Jos Mara Polmcira arrendara em
bast publica por Ir* annos e a rasito do 405,000 rs
mr cada um, o sobrado silo na praca do Cnmmerco,
perlencenle o patrimonio dess. municipalidade;bem
como que o dito Palmein pagar' iWmcdialamente
dous annos de arrendamento odianlados oque dera
por fiador ao oulro o negociante Jiiio Pinto de Lemos;
sendo crrlo que semelhanle contrato foro approva-
do por esta presidencia em 21 do moz citado.
Olanlo as deuisis airemalages a que Vinca, se re-
feom ero nflicio de 13 do crrente, apenaa consta
na secretaria oeste governo o que- Vinca, verao da
copia inclusa. "
Dilft.-A' mesilla, remllenlo copiada acta da apu-
i. cio geni das eleiqoes de vereadores daquella co-
marca, e drclaraiido-lhcs que na secretaria da pre-
sidencia no consta quaes os bens que conslituem o
patrimonio daquella uiunicipalidade.
z uesa*ieixeira una. ."'.,,?!" ......, T 7._i '
tendoja 24 annos de ida le, lio natural quodesjjasse
m do mesmo Sr. desembargador Lefio ao tomar posseda rica fioranr; que lneul ibargador llibello as appellaqOcs em que todava Abbas paella consenlio hontcm noite em
TB1BUNAL DA RELACAO.
SESAO EM 27 DE FEVEREIRO DE 184.
pnrsiDr.NciA no cxm. Sfia. coNcei.iiEino azttano.
A's horas do costume, ac^ando-so presentes os
Srs. dcsemhargadorcsl'onca, Ramos, Villares, L-sIro,
Sotiza c Rabello, faltando com causa os Srs. desem-
bargndores Bastos e A y res, abrio-se a sess3o as 10
horas. '
JulgametUo*.
Fornm proposlas e decididas as ppellacOcs civeis
em que silo:
Appellanles, Iris, e Jofln Tliom Rodrigues ; appel-
lado, Anastacio Francisco Hraga, administrador
da capella de N. S. da Conceieo da Montada.
1'ram desprendo* os embargos do appellado.
Appellante, Daniel Creen; appellado, Carrol C.ller
Kimp. -- Mndou-so que desees** aojuizo ao
para *va|iar-se causa o pjer-se a dizima da
clianc liara.
Appellante, Francisco Soares da Silva ; appellado,
Pedro Muller. Fui confirmada a seiilonca.
A appcilicSoeVimc em que so : -
Appellante, o juizo ; appellado, a cmara da comar-
ca do Crato. Maudou-se distribuir como re-
curso.
Assignou-se da pira Julgamcnlo das appcllaccs
civeis em que silo:
Appellante, Antonio Joaquim deAmorim; app'ella-
dn, Claudio Pereira da Costa.
Appelliinles, o* admiiiistrjdnies e herdeiros do ca-
sa do finado Joo alaria Seve; appellado, Elias
Coelhe Cintra.
RtviiBc*.
Paslou do Sr. desembargador Ppnce ao Sr. des-
embargador Souza a appcllacfl vm que sao :
Appejlante, l.otirenco Jos das Neves; appellados,
Ale. Culmonl 6; Comptnhia.
Passoii do mesmo Sr. desembargador Ponce ao
Sr. desembargador Ramos a appollocao em que so :
Appellinle, Claudio Dubcux; ppcllado, Agostinho
Delinques da Silva.
Paiaartm do Sr. desembargador Ramos ao Sr. des-
embargador Villares aa appeMecfles em quesflo :
Appt llanle,'. Jocfa Eifania da FoBcea} appeUdo,
Manuel da Fonsica.Silva.
Appellantes, Rernirdo Lasaerre & Companlia ; ap-
pellado, llernardino Gomes de Carvalho.
Appellante, o D. abbade doMostoiro de San-Rento
deOlinda ; appellados, Manoel Camello Walcacer
o sua mulher
Appellante, D Francisca da Cunh* Bandelra de Mel-
lo ; appellado, Bernardo Antonio de Miranda.
Appellante, Arcenio Fortunato da Silva ; appellado,
(abrid Antonio.
Passoo do mesmo Sr. desembargador Ramos ao Sr.
desembargador Rabello a appellacao em que,ao :
Appellante, l.uiz Pires Ferreir ; appellados, Manoel
Pires Ferreira e outroa.
Passaram do Sr. desembargador Villares ao Sr.
desembargador LcSo as appellacOes em que lo :
Appellante, a fazenda nacional; appellada, a cma-
ra desla cidade.
Appellante, a parda Roza por scu curador ; appel-
lada,'Marn Carolina Ferreira de Carvalho.
Appellante, o preio Antonio por sua lilha ; appella-
do Ignacio Joaquim Acciole de Vascoucellos.
Passaram do Sr. desembargador Lefio ao Sr. des-
embargador Souza ss ippellacOes em que silo :
Ajipellanto, Jos Joaquim da Silva Maya ; appellado,
Antonio da Roza como administrador de sua mu-
lher.
Appellante, Anlonio Joaquim do Pontos l.ins ; ap-
pellado, Manoel AlvosCuorra.
Appellante, Jofln de Barros Reg Acciole; appella-
do, bala do S-Teixeira Lima.
Passarar
Sr. desornbi
lo:
Appcllnnle, Francisco Coelho da Fonseca ; appella-
do, Francisco Fidelis Barrozo.
A appellaco crimo em que silo :
Appellante, fe justica ; nppellado, Antonio Baplisla
do (Uivena.
Dislribuiriitt.
Ao Sr. desombarfador llabello o reeurso crime em
que sao :
Recorrenle, o juizo ; recorrido, JoSo Francisco Sa-
raiva.
A appellacao crime do jury da villa do Pillar em
que-ao:
Appellante, a justica; appellado, Alberto Jos do
Carvalho.
AoSr. desembargador Ponce a appellacao crime
do jury do Pao-d'Alho em que silo :
Appellante,
l.eile.
A ppbllac3e civ*l do juizo de ausentes ula cida-
de em que silo :
Appellante, o juizo ; appellados, Cals & Irmos.
Ao Sr. deaembargador Ramosa appollacla. civcl do
juizo desla cidade cm que silo :
Appellantes, o guardilodoconvontodeSanto-Anlo
no e outro ; appellada, a fazenda publica.
Ao Sr. desembargador f.cflo a appollacflo civcl des-
la enlode em que so :
Appellantes, Jos Anlonio l.ourenco e oulro appcl
lado, Julio Bernngcr.
oSr. desembarga lor Souza a appellaco do jui-
zo da fazenda desla cidade om quo silo :
Ap. ellanlos, Manoel Pereira Muniz e oulros ; appcl
I idn a fazenda nacional.
I.cvantou-so a sessflo 1 hora.
I
charam pan o receher. Abbas parto hoje mesmo
para Conslantnopla no hinle de vapor do sultilo, o
Medjidieh, aeompanhado por dous vapores cgypeios,
os quaes couduzem a co nitiva do vico-rci, 40 ca-
valles rabes e 10 dotiAeyj braneos de uma educaeflo
peculiar. Abbas leva tambero comsigo um milhao
de dollars para os gaslar om Cnnstanlinopl om pre-
sentes ao sultn, m5i do sulti.o, e aos difiarentes
ministros. Sberiff pacha, ministro da fazenda, um
dos homons mais ricos e mais influentes do Egyplo ;
Arlinliey, clicfo do gabinete ; Kimrew bey, inlnr-
preto mor, e Mazloum bey, delegado do sullSo,
acompanhsm n sua alteza. O vapor Sidon do sua
magestade, oqnalbaum mez se aclia ne*to porto,
sahir para'Malla logo depois da portilla de Abbas
pacho.
O ultimo vannr francez de Marselhs trouxe ao
Egyplo Ahmed tiey e Ismael bey, os dous ftlhos mais
velhos do fallecido Ihrahim picha. Elles seguiam
seusesludnsem Paris, qtiando receberam anoti'ia
da morte de scu pal, e sem licenca do sen superior
parliram para este pniz, porcm Abbas, sahendn nn
Cairo que tinham chegado aqu, ordcnou-lhes que
voltassem para Franca no mesmo vapor em que ti-
nham vindo. Tilo pereroploria foi a or.lem para a
volta dos dous mancebos, que elles foram Abrigados
a emharcar-se, immeilialror!nlc haver tres dias,
nilo Ibes sendo per riitlidosalta'r mais em trra com-
quanlo n vapor francez so hoje tenha de partir. -Este
acto arbitrario da parte de Atibas pode spr atribuido
desavenca quo existia entre elle o Ihrahim pacha,
e nln ha duvidn quo foi mni resenlitlo pelos dous
mancebos, o mais velho dos quaes, Ahmod bey.
IMiblcabrio n pedirlo.
.L'iIlsJSf
l)4-tllc:ido aos boas e brATOS Pcrniuii-
cunos, por orciiriviicla los acontec*
iniMilo- do -lin 'i (Ir feverciro.
I
Povo ati-I.-i/, povo de bravo*,
Aa espadas empunlial
Sem temor o pcito s balas
Noscombat'S eptregal
a justica; appellado, Antonio Duaile
reeelie-los.
Raneo bey, trtaro Turco multo ntelligcnle, o
rinal falla diversas linsnas eiiroiias, e so aeha, ha
muilos annos, aoservicodo Egyplo, fdra nomeado
por Abbas pacha director em chele do Tramito, o
qusldehaixode sua hbil direceflo, espera-se, sera
enllocado em um p mais eflleaz e dar mais gura!
satisfai;,1o aos que fazem a viagem da India.
Uma quantidade mufexlraordinaria do cliuva tem
cabido o deserto de Suez, e em muitos lugares a
ngoalem formado canaes de nlgumas jardas dular-
gura- e do (res o quatro pos de profundidade : estes
canaes corrom rapdamento para o mar.
No ultimo semana os Europeus residentes cm Ale-
xandria tiveram a salisfaQo de ouvir o som do gran-
de sino p.Tlenccnlo a uma igreja que os jezuitas u.ca-
baram do fundar nosla cidade. lie o primeiro sino
quo se lein ouvido locar no imperio otlomano, o os-
chiisliiosdevem inloiramentcesU concesso poli-
tica liberal ile Mehemet Ali. Os jezuitas comee iram
a sua igreja milito depois de os Inglezes havrc:n
comer Jo a dclles. ontrolanlo esta, por falta do fun-
os, ainda permanece sem ser acabada.
O eolera deippareceu final mente da Syria, &c.
EXTERIOR.
O ESTADO BO EGYPTO.
{Corretponieneia do Timtt.)
Alexondria, 21 de dezembro de 1818-
No dio 7 do corrente, estando presentes os func-
ciooarios pblicos princlpacs, es membros dnconce-
Iho, os magnates, e os consulea europeus, foi lido
em pleno divn na cidodella do Cairo o firman do
tnilt.0, nomeando Ahbas pacha vice-rei do l'gyi't"
A* tropas ge reuniram em grande numero, es di-
versas fortalezas snlvaram por asta occasiilo. Abbas
declarou que lomara a peito a prosperidade do
Egyplo e de aeu povo, e que na adminisiracflo dos
negocios seguira s pegados de seu Ilustre avrt
Mehemet Ali. O novo vice-rei tem rosolvido fazer no
vanlando novas edificios. Ello tem tambom expres-
sado a intencio de construir um hotel om grande
,.^|>,.. .... pl..\." ,' www www-
.fius Ilustres que viorein ao Kgypto.
A eedendn ao convite que o suido Iho fizerjs por
mcio ,le Razlouqi bey, o novo vice-rei parti do
Cairo a 18 do corrente, determinado a embarcar
em Alexandrio para Constatinoplo, adro de reeeher
I a confirmataao de sua nomeacOo. Ao etiegar elle
oqui, sulvarom os navios surtos no porto, o 4,000
I humen- de kopaav, ladee ioucamente vestidos, mar-

NECBOLOGU.
UM RAMO D* Sl'nDKS SOnne O TMULO DO JOVEN F.
' 1IRAVO 2." TEVF.XTR NARCISO IHIlIRNSr. DE ALMEID
ClIATIMOSIM !
Nfloheapcnna tangida | ca .lisonja ; nlo he a
mn levada pels curosidade ; nilo he, emlim o eapi-
-itodenovidade, quero boje Iraca e.slas lindas, de-
posita o trisle ramo de saudades sobre nm Inmolo,
o falla a lingoogem da verdad.-! Frtrca real, criada
por um amigo dover inexiroivel. imp0>to p. las vir-
tudes e herosmo dolle mesmo, he qu"m ludo move,
he quemo ludo nos obriga. Sim. o joven seCnn.lo
lenle N. B. do Almcido Cuolimosnb, esse lillio o\-
Iremoso, esso csino querido, esse-amigo h.d. eli-
nalmenle esse digno filho de Marte |a uno vivo! .
Mandado do Rio-le-Janeiro, ondo exista com osen
halall.no, o primeiro do artilharia. para osla pro-
vincia a ajudar os seus companheiros d armas, elle
aleixou sua carroosa mili, extremosa esposa e. a.ni-
os, e com a resolucilo do soldado fiel ao sen jura-
mento, ello logo que pisn cm nossas pagas dou-se
todoAdefesa do ord.-m ; mas os seus diaseslovam
conlalos, e* ampnlht* do vida bnm prestes defe-
ra dexar cahir o ultimo bago E assim foi, cruel
verdade! .
Foi no da 2 do evereiro, nesse termal e memora-
ve I dio, que o nnsso infeliz amigo, todo in Is. todo
bro, correndonocompodn hotalho, esquecendo-se
de tudoe lembrando'-so smento do seu juramenlo
e do santidade da causo qnn defend, arroojo-ae
com intrepidez admiravel sobre o feroz inimigo; e
semelianle ao amostrado* guerre.ro elle oira-e,
com oermirocflo de seus irmflos .1 armas nflo o. niflco
nexperientn. que ainda ha pouco hovla WnJOM
bancos do uma acidemia, e la obt.do o galao que
Mehemet Ali. O novo vice-rei tem resoiv.do lazer no u.nc. u '"" ;. V.' 0 na,0d_ entra pl.a-
Cairoa sua residencia principal, e pretende mclho- j.ossuia, mas slrti.aqu jle 1c n c balas em
r.reoformose.r a ci.l_.1c? alargando ,s ru.s e le- langes nflo -^^^^*a,l?0KtaI
.........i_________:<_:-_ i_n_ __~ i.mlinm evnres- moitiforaii lie eias: sim, loi nesse _ .n
'rnortiroras pelejas; im, foi nesse dia que 0 oosso in-
feliz amigo e collega no meio do combate, joSando
. ai i ... n+\ -. I ... nn i* I -i-ii ii a
Ccal para accomo.odacno do* viajore-, e al quer o .enhilo e J****'"' ,m _^oi ulUmo
preparar um palacio para o uso exclusive dos Euro- entrego., sua alma ao Creador .
:._.._ i......,-...____!._._ .. __.,. Riismro oeri erom as scimicias i
'spiroperderom os scioncias um dos seus zelosos
adoradores; as armas um e-tremado compeo; nina
extremoso u.ni um fllho querido; uma esposa um de-
dicado morid..; e os amigos um sincero amigo '. Sen-
tid- lagrimas, nm ramo de saudades, uma coroa
de louro caiam sobre o tmulo do bravo digno,das
bencilos da patria o da manso celeatc. -
Cerra! as vossas f.leiraa
AS b-l.t* fatel dos dme*
y ir entre nuvens de plvora
Sus, intrpidos valentes.
P. d'wraajo Barroi.
As armas, Brasileiros oia, os arma* !
A feroz onorciiia alijando o eolio
Atrevida vos busca, onde imporosa
Sonspassos cnnduzir jamis devia... .
Dn bnm Capihaiihn a linda esposo,
Coja .fronte onnastoda dejaamina,
llonlem adormecen, ( oh sorto infonsa J
Deve boje no levantar do leito puro,
Trajar vestes de lulo .... O negro crep.
Irniilos a q-uem repelle a Nilu'eza,
S"us bracos nodoa.los levaniaram
Sbreos eolios dos mesmos que ahracavam 1
E profligar pretendere al ao ultimo
Aqii'lles qnn helicram o mesmo lele,
Que com elles beijar.m o chito da patria I
Oiipj,, __ rrues innios, suspendei! Fros,
Pollutas mlos nilo mais sujar tentis
No sangue dos innilos, que vos adoran).....
No, mo, porque no co exisle um fleos,
Quo o castigo decreta ao impo oo monstro !
Sua raiva lemei, Iremel que um dia
Tomeconta do mal que pralicastes .'
Da furia qu" ao Reciie vosconduz,
A sanba desparece : anvpendidos
Aos ps de um bom governo, protector,
Chorai vossos |iassados devaneos ;
. implorai o perdlo, sustai o crime,
Que sobre vos suspende a dura espado
(*ejustica inlcgerriina..... Quedissc?
Accessiveis tenis os coraeflea ?
Vos que ouvis sera pezar a voe .lo afilelo P
Que lira mis por ler sangue a despejar?
Que sorris oo chorar do ten<0 manle ?
Que fnlgais entro lagrimas e dores.
Que coris ao albor da branca auroro .'.....
Humanos vos nao sois, vos sois malditos
Do co, da Ierra, mundo e dos vvenles!
E pois j que o queris sobre vos pese
O anallicma de Dos, dos homens .todos !
Estromlosos trovoes bromara nos ores,
E nroiectis mortferos secruzom,
Lavando a morte o miseros soldados.
Que o arrebol d"aurora Inste e lgubre
Do infausto dia dous de fevueiro,
Co" o peso do mosquete sobro o hombro
Promploi achou no.campo a defendorem
A si ao sen direito, a scu monarclis.
Olanlos (Unos sein pai veris o pouco.....
Quantis mulhcres Hacas sem abrigo.....
Ouamos velbos, tremendo, descorados,
Procuroro seos filhos, que a loucura
Para sempro roubira aos s-us agrados/....
Queiniseriassempai: Oh! que desgracos!....
8_o hn-nens, sao innilos, silo all.ado,
Osmonslros que praleiMcm, que o-is rataU.
fJhJ Nilo] nao podo ser; essos malva los
iMllonrinuce de Vicira nilo descenilcm.
Nccreja a Ierra, oceo os desampara,
E o Barathro profundo a si os chamal-
Eia, Pcrnambucanos, ao combale,
Salvai as vossas honras, expurgondo
O de vossos avoengos ber?o amodo
NSo lancero os viudouros sobre vos
Maldiccs e desprezos, que devoraos
Smenle tributar aosseelerados.
Esse lie um dia de lucio ; nas ao menos
Tamben, sejo-o de glorio! Sus, guerrc.rosl
Asieras vos ospera ni; ala! avante!
Vossos brios sentir fazei cm breve!
II
nra-Meteo*herci. atrilloa hHWfc
Meu tributo arceital de lama eterna
QNC vos voto na lyra sonorosa.
A. Joaquim de Mello.
Cabio, rojou por Ierro, omiieravi'l
Pendilo. que orvorouneg-a aiarcnu.
Os perversos crueis espavo.""'*
Pela uorest* umbrosa se lanicntsm.
Decantados hroes hilo afMUg
Seu monarca e sctijuz, cm^ngo postos.
Baluartes do ll.rono, dos >* .
De quo os nossos nioiores nos legaram ,
Antepondoao pavor da negra morte .
Valor palriotianio. heroictdade.
No l-gerdo peigo, onde a anarchia
Altiva haloicavu hirsuta fronte,
Audozesse conduzem :-ni-osdc ferro
M
I


/
2
&e
1> guedlha maldita se travaram ;
O chito geme Jo peao, e a desgracada
A vergonha nSo sabe onde onde occullar.
III
Oh! ineu Dos.' atiende, escuta
A voz do imii coracao....
A. K. Torm landtira.
O susto e o terror j nlo existe.
Inimigos nlo existem a contbater. .
Imprudentes!.... Inucura os fascinava!
A descripcSo zurzidosli te entregan)...
Olindenses fiis, chorai os miseros,
Complacencia llevis aot desgranados.....
O sangue derramado he vos,o sangue,
As feridaa a bertas nos perlencem.
Choremos a miseria, ache a desgraca
Coracflo coropasiivo, que a lamente....
O Dos, que nos protege, o recommenda,
duramos suas vozes,silo clementes!...
Ja que vencer sabemos, he justica
Tambem dever sabermos perduar.
Adonai t Grande Dos! erga teu nomo
U estandarte da paz entre teus tildo s.
Hosanna, a ti Senhor! eis os meus votos,
Hosanna.' aos nfelizes desgranadnos.'
/. Ferreira Vil lela.
ISdefereirode 184.
COMMERCIO.
ALf ANDEGA,
BENDJMENIO DO DA M........... 3878,582
Descarrtgam kojt, l.o lt mafr*.
Barca Creamore bacalhio.
Barca W.-U .-D.-C.-Wrigkt farinha.
Brigue Nordem madeiras de pinho e Trro.
Hiate Santo-Antonio-Vencedor pastas e feijao.
Brigue Novo-Feneedor meicadorias.
RENDIMENTO NO MEZ DE FEVEREIRO DE 1849.
RENDIMENTQ NO HEZ DE FEVEREIRO DE 1849.
Direilos de exportando de 3 por cento 24332,644
Ditos de dita de 5 por cento..... 4:670,452
Taxa ............ 1:814,780
Caiiatazia.......... 1:727,680
Decima urbana. ,...... 2.929,809
Mcia ciza dos escravns
Escravos despachados......
Novos o velhos direilos. .
Matricula de latim........
Ditas do lyco e seminario.....
I'assaporles de polica......
Meio sold e sello de patentes da guarda
nacional..........
Mullas...........
Juros............
858,700
100,000
234,200
340,000
45,000
510,000
9,000
82,508
8,968
37:663,741
Mesa do consulado provincial, 28 de fevereiro de
1849.
O esenivto da primeira seccio,
Jodo Ignflcio do liego.
Rendimento total
lestituices .
112:703.913
504,670
Liquido____112:201,243
6,340
56J295
Direitos de consumo..............110:456,303
Reexportando, 1 por cento..........
RalVacBo, 1 por cento............
Expediente dos gneros do pa i /. por c .
Expediente dos gneros estrangeirus com
carta de guia, 5 por rento........
Armazenagem de mercadorias.......
Dita de plvora.................
Premio dos assignados............
Multas.......................
Emolumentos de certidoes.........
238.070
103,640
Mit>/of entrados no dia 28.
Itio-de-Janeiro ; 23 dias, hrieue brnsileiro San-Jos,
de 152 toneladas, capitn Forjas Cavalcante ile La-
cerda, equipagem 12, carga farinha de mandioca
e iiiuis gneros ; a Gaudino Agnstinho de liarros
Tcrra-Nova ; 30 dias, barca ingleza Creamore, de 208
toneladas, capitn Thomas h>mp, equipagem 13,
carga 2670 barricas com bacalbo ; a James Crab-
tree & Companbia.
Val-I'araizo ; 72 dias, galera franceza Svperbe, de 500
toneladas, capitn l'ouchanl, equipagem 20, carg
guano e cobre ; ao capito, Vem refrescar e se-
gu para RurJeaux.
Rueos-Ayres ; 29dias, brigue bremense Mentor, do
160 toneladas, capitn lt. I.issckamp, equipagem 9,
carga carne; a Gaudino Agostiiibo de Barros.
Navio tahidot no meimo da.
Rio-de-Janeiro; escuna brasileira Curiosa, capito
Domingos Antonio de Azevedo, carga assucar o
ago'ardento. Passageiros, Luis Delahaye, Viclor
IMiy, A. Chafcr, Francczcs; o 2 escravos a en-
tregar.
dem ; escuna brasileira San-Jo/lo-Raptista, capitilo
Jos. Francisco Praca, carga assucar, como e sola.
I'assageiro, 1 escravo a entrojar.
...... 6,720
Rs____112:201,243
O lllm. Sr. inspector da thesonraria da fazen-
da provincial, em virtudo da resoliiQ.lo do tribunal
ad minislrativo, manda fuzer publico que, peran'le
o mesmo tribunal, vai novamenle a praca para ser
, (arrematado a quem mais der, no dia 1. de margo
1:326.9371 prximo lu uro, o imposto da taxa da barreira da
6.938 estrada e ponte da Tacaruna, avaliado nuvamente
OescrivSo da alfandega,
Jaeomt Gerardo Mari* iM de Mello.
IMPORTA CAO'.
Creamore, barca ingleza, vinda de Terra-Nova, en-
trada no mez proxiqo passado, consignada a James
Crablree e? Compendia, manilestou oseguinte:
2670 barricas bacalbo ; aos consignatarios.
Cera I .
Diversas
CONSULADO GERAL.
RENDIMENTO DO DIA 28.
provincias............
5:319,272
284,739
5:604,011
RENDIMENTO NO MEZ DE FEVEREIRO DE 1849.
A saber
Consulado de 7 por cento
Dito de 2 por c.....
Ditodei ..........
Ancoragem para lora do im-
perio..............
Dita para dentro do imperio
Sello ixo............... 606,080
Dito de ttulos....... 10/000
Certidoes..............
Siza de 5 p. c.........,.
Dita de 15 p. c..........
Multas..............
66.455,557
95,641
16,977
------------6:568,175
6:767,650
328.726
------------7:096,376
em 800,000 rs. por unno.
A arrematadlo ser feita por lempo de 2 an nos e
4 mezes, a contar do I de marco do correnlo anuo,
ao ultimo de junho do 1851, <
As pessoas que se propozerem esta arrematado
eoiuparccam na sala das sesses do sobredito tribu-
nal no da cima mencionado, aomcio-dia, compe-
tentemente habilitadas.
E, para constar, se mandou aflixar o presente, o pu
blicaf pelo Diario.
Secretaria dB tbesouraria da fazen la provincial de
Pernambuco, 26 de fevereiro de 1849.
" 0 2.* escripturario,
Antonio Ftrreira d'Anminciac&o.
616,080
9,080
856,05')
6,000
Divertat provincial.
Dizimo do algodiio da Paralaba. 964,063
Dito do dito do Rio-Grande do-
*orte -,r*2*V....... 24 485
Dito do dito do C Dito do dito d assucar das Alagas
75:152,481
Deposito existente.
Ditos restituidos .
4:642,723
984.401
997,780
2 41)4,171
78 554,482
O administrador,
Joo Xavier Canltiro da Cunho
CONSULADO PROVINCIAL.
REMUMENTO DO DIA 28.......... 8.996,854
0 lllm. Sr. inspector da thesouraria dafazenda
provincial, em virtude de resoluco do tribunal ad-
ministrativo, manda fazer publico que, nos dias
20, 21 e 22 de marco prximo vindouro, ir a praca
peranle o menino tribunal, para ser arrematado a
quem por menos fizer, o empedramento de 400 bra-
cas correles nos 6 7, 8." o 9. leos da estrada
do l'n-d'Albo, m'iI> as clausulas especiaos abaixo
transcriptas, e pelo proco de 3.400,000rs.
As pessoas que se propozerem esta arrematarlo,
cornparecaiii na saladas soasos do soliredlo tribu-
nal nos dias cima indicados, pelo mcio-dia, coin-
petcnlemente habilitadas.
E paya constar se mandou allixar o presento, e pu-
blicar pelo Diario .
Secretaria da thesouraria da fazenda provincial de
Pernambuco, 17 de fevereiro de 1819.
O 2. escripturario,
Antonio ferreira Wnnunciaco.
CLAUSULAS ESPEUAES DA ARRKMATACAO.
Estrada do Po-d'Alho.
Quatrocentas bracas correles de empedramonti-!
nos 6., 7., 8 o c 9." lanco* da estrada do Pod'Allm.
1 O cmpedraniento feiUi pelo syslcma Mac-Adam
ex.ecular-sepela forma, sb as condines, e do mo-
do indicado no orcnmeiilo approvado em8defevc-
rfiro crreiile pelo Exm. Sr. presidente da provin-
cia, e pelo proco de 3:400,000 is
2.a Em todo 11 lempo da obras o arrematante dar
um.livre transito aos viandanles.
3.* As obras principiarlo no prazo de um mez, e
acabarflo 110 de seis mezes, ambos contados em con-
formidade do ai ligo 10 do regulamento das arre-
ma tacos.
4 O pagamento do imposto da arrematarlo rea-
liser-se-ha ern quatro preslaces, do modo indica-
do no art. 15 do regulamento respectivo.
5.' Para ludo o mais que nfio est determinado
pelas presentes clausulas, seguir-sc-ba inleiramente
o que dispe o regulamento das arremalacOes do II
dejulbode 1843.
Obras publicas, 14 de fevereiro de 1849.
0 lllm, Sr. inspector da thesouraria dafazenda
provincial, em virtude da resoliiQflo do tribunal ad-
ministrativo, manda fazer publico que, nos dias 20,
21 e 22 de marco prximo vindouro, ir a praca pe-
ranle o mesmo tribunal, para ser arrematado a quem
por menos.lizer o concert da ponte da Pr.ssagem-ds-
magdalena, o des pontesiohas da Passagom do Re-
medio, sb as clausulas especiaos abaixo transcrip-
tas, e pelo preco de 880,000 rs.
As pessoas que se propozerem esta arrematadlo,
cnmparcciim na sala das sessoes do sobredilo tribu-
nal, nos ihas cima indicados, pelo ineio-dia, compe-
tentemente habilitadas.
E para constar se mandou aflixar o presente, e pu-
blicar pelo Diario.
Seci otaria da thesouraria da fazenda provincial de
Pernambuco, 17 de fevereiro de 1849.
0 2. escripturario,
Antonio Ferreira d'Annunciaeio.
PONTES E ARCOS.
Concertos da ponte da Passagem-da-Magdalena,
e das pontesinhas da Passagem c do Remedio.
Clausulas especiaei da arrtmataco.
I." Os concertos da ponte da Passagem-da-Magi|a-
lena, odas pontesinhas da Passagem e do Remedio,
sonto feltos do modo indicado no orcamonto appro-
vado polo Exm. Sr. presidente da provincia, na im-
portancia de 880,000 rs.
2.' As obras principiarlo no prazo de quinze illas,
e terminal fio no de dous me/es, ambos contados
em conformidado. do art. 15 do. regulamento das ar-
remalacOes.
3." O pagamento do imposto da arrematadlo rea-
lisar-se-ha no fim das obras depois dolas receladas
pelo engenbeiro director.
4 E presentes clausulas, seguir-se-ha Inteiramente o
que dispOe o regulamento das arremalacOes de 11 de
julho de 1843.
Obras publicas, 14 de fevereiro de 1849.
O engenbeiro,
/. /.. Kcor Lieutier.
Declara^ocs.
O lllm.. Sr. inspector da thesouraria da fazenda
provincial, em virtude da resolucSo do tribunal ad-
ministrativo, manila fazer publico que, nos dias 20,
21 o 22 do marco prximo vindouro, ii a praca,
perante o mesmo tribunal, para ser arrematado a
quem por menos fuer, o acabameuto da segunda
parle do 6. lauco da estrada do Pao-d'Alho, sb as
clausulas especiaos abaixo transcriptas, e pelo pieco
de 4:200,000 rs.
As pessoas que se propozerem a esta arrematarlo
eomparecam nasula dassesses do sobredilo tribu-
nal nos dias cima indicados, pelo meio-ilia, compe-
tentemente habilitadas.
E para constar so mandou allixar o presente, e pu-
blicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda provincial
do Pernambuco, 17 de fevereiro de 1849.
0 2. escripturario,
Antonio Ferreira d'Annunciacdo.
CLAUSULAS ESPECIAES DA ARREMATACA0.
Estrada do Pao-d'Alho.
Acahamcnln da segunda parte do 6.* lauco.
1.a Os (raJialhos e ebras para o acabamenloda 2.a
parte do 6 lauco da estrada do Po-d'Alho serilo
feitos pela forma, sb as coudi^os, c do modo indi-
cado no ornamento approvado em 8 do fevereiro
crrenle pelo Exm. Sr. presidente da provincia, pe-
lo preco ile 4:00,000 rs.
2.a Km lodo o lempo das obras, o arrematante da-
r livie transito aos viandantes pelo lado esquerdo
da estrada.
3.a As obras principiarito no prazo de um mez, c
acabarilo 110 de cinco mezes, ambos contados em
conformidadu do ait. 10 do legulamenlo das aire-
mulaies.
4.* O pagamento do importe da arrcmaiaco rca-
lisar-se-ha em qualro prestares do modo indicado
no art. 15 do reclmenlo respectivo.
5.a Para ludo o mais que n.lo est determinado
pelos presentes clausulas, seguir-se-ha inleira mente
oquedispOe o regulamcnlo dasariemataces de II
de julho de 1843.
Obras publicas, 14 de fevereiro de 1819.
O engenbeiro,
J. L Vctor Lieutier.
Pela segunda secefio do consulado provincial
se faz publico que o prazo de 6 mezes Concedidos
pela le provincial 11. 228, de 2 de selembro iloanno
prximo passado, para o pagamento do meia b7as
dos escravos, que se esliverem ilever, se liuai.a
no dia 5 demarco .prximo vindouro: em consp.
quencia, pois, dessn dia em dlantc nlo se receher
mcia siza, que, vista do papel de venda, sequ(>.
re pagar 30 dias posteriores a sua data, om enjo caso
ficar subjeito ao art. 17 do regulamento' de 11 ,]e
abril de 1842. Segunda seccitodo consulado po-
vincial, 15 de fevereiro de 1848.
O escrivo chefo ila segunda secc.lo,
Tkeodoro Machado Freir Pcrtira n SHm.
Tendo o arsenal de marioha de ailmillr partos
seus trabalhos mediadores para a ferrara, o nfij-
emos de carpina, pieferimlo-.se os livrrs a escravos
assim manda o lllm. Sr. inspector fazer publico pa-
ra conhecimento dos que possa inleressar, devemii,
os piolemicntes apicsentar-se-lhe com toda a brevi-
dade. Secretaria da inspec^flo do arsenal de maii-
nha em-Pernanibuco, 28 do fevereiro de 1819.
O secretario interino,
Josi MarceUin Alees da Fonseca, \
-- A repartirlo das obras publicas, compra 456 li-
bras de chumbo ara as grades da cadela desta c-
dade.
Ailministraco geral das obras publicas, 27 de fe-
vereiro de 1849.
Jot-de Barros Foleto de Laterda,
Administrador.
Acha-se rrcnlhido cadeia desta cidade a prela
J inuaria i|ue diz ser esclava do Francisco Manoid
tiezerra : seu scnbor dirija-se a subdelegada da
Boa-Vista, munidos de seus ttulos, para Ihe ser
entregue.
I'ietiife Antonio do Espirito-Santo.
Miguel Archanjo Monleiro de Andrade offlcial da im-
terial ordem da Rosa, cavalleiro da de Christo e ins-
pector da alfandega de Pernambuco, por S. M. o
Imperador, que Dos guarde, etc.
Faz saber que no da 5 de na-erj, ao meio-dia ena
porta da alfandega, so hilo do arrematar em basta
publica 128 pares de sapatos para meninos, do car-
neira, 110 valor de 64,0(0 rs.; 17 ditos de lustro para
senhora, no valor de 27,200; 31 ditos de dito para
homem, uo valor de 99,200; 2 arrobas de peixe salga-
do, 110 alor de 1,600; 2cestas de vimes, no valor
de 2,000 rs.; 88 estampas coloridas, no valor de
4,400: ludo apprehcndido no mar seui despacho,
pelo guarda Gememano do Azevedo Mello, sendo di-
ta aneo a,ai;o livre de da ellos.
Alfandega, 28de fevcroiio do 1849.
Migutl Archanjo Monleiro de Andrade.
THEATU DE APOLLO.
SABBADO, 3 DE MARCO DE 1819.
5.a represenlaco da assignaturd.
00
LA NWT PORTK CONSZIZ,,
opera dramtica em 5 actos por Mr. Durocnan.
INTERVAI.LO DE CA.NTORIA.
Um drama novo, cantado por madamo Alexandrc.
A grande aria de Gract de Roberto, cantada por ma-
danie Alcxandie.
DAN()A.
LaCracovienne, danzada por madame Camoin.
Deux femmes conlre un homme, vaudovillo aovo em
um arto.
Avisos martimos.
j
O engenbeiro,
L. Xiclor Lieutier.

Manoel Ignacio de Oliteira Lobo, fiscal do bairYo de S.-
Frei-I'edro-Guncatres em virtude dalei.
Faz p> tilico pelo presente o que dispem os arti-
gos 10 e 19 do Ululo 9 das posturas muuicipaes que
silo do teor seguidlo:
Ait. 10 Os almocrcves 11S0 polero entrar na
cidade montados nos cavadlos quando viertan com
carga e deverlo traze-lus |)elos daoslos: os in-
fractores sei fio multados em 2,000 rs. -
.Mi. 10. lie prohibido o ciliado dos carros den-
tro da cidade: os carreiros, ou conductores dos
meamos ou seus seohores sendo escravos, solTre-
r.loa multa do4,000 rs.
E como unida de fazer executar taes disposices,
faz publico pela imprensa para que nlo allegueui
ignorancia os infractores das ditas posturas muui-
cipaes.
Bairr do Recife, 27 de fevereiro do 1849.
O fiscal,
Manoel Ignacio de Oliveira Loba.
Para a Rabia sabe com brevidade, o hiate S-
tonio-fencedor, por ter mais da melada da carga en-
gajada : para o resto o passa^eirns trala-se com
Jofio Francisco da Cruz, na ra da Cruz n. S.
Para o Porto salar breve, por ter parte da car-
ga prompta, o lindo brigue portugus Primateta,
tle que he capitilo Manoel de Afevedo Canario, for-
rfttlo e pregado de cobre e da primeira marcha;
quem no mesmo quizer crregar ou ir de passagem,
trale com o diln capitilo na praQa, ou com o con-
signatario, Antonio Joaquim deSouza Rilwiro.
Para 11 Maranhfin sali, em poucos dias, o hinln
nacional San-Jos: anda podo recehor adunia er-
ga niititta : os prelcudenlcs dirijam-se a ra da Ca-
deia 1I0 Recife, i). 56.
~ Para n Rio-de-Janciro sahe com a mainr bre-
vidade possivel, o brigue Visconde-de-Camam : pa-
ra o resloda carga escravos a ficto o passageiros,
para o que lom bons cotnmodos, Irata-se com No-
vaos & Com 111 libia, na ra do Trapiche, n. 34.
A barca Helia-Pernambucana saho imprelerivel-
menle para o P.orlo 110 dia 8 do marco prximo : os
Srs. carregadores queiram levar qnanios anteos cn-
nhecimcnlos casa do consignatario, na 'ra da
Cruz, no Recite, n. 34, terceiro andar.
' Para o Rio-Grande-do-Sul seguo com brevida-
de o briguo ero: recebe alguma carga a ficto:
quem urclender entenda-sp com l.eopol do Joscda
Costa Araujo, na ra ta Moda, n. 7.
--Para o Porto sahe, com toda a bievidado por
ter a maior parto do seu carregamento prompta 0
hriitue porluguez Ventura-Felii, do qnal he capitilo
Zeferino Ventura dos Sanios : para carga e passa-
geiros p na o que (em exc< lenles coiniuodos Ira-
la-se cni o Cripililo, ou com o seu consignatario,
Joaquim Ferreira Mendos 'Guimaraes na ra da
Cruz n. 49.
Para Lisboa saho, coma maior brevilado, por
ter a maior parto do sua carga prompta o briguo
poituguez S.-Domlngos capitilo Manoel Gnucalves
Vianna : quom no mesmo quizer crregar, ou ir do
passagem., para o que tem escolenlos commodos,
dirija-se ao referido capitilo 011 ao seu consignata-
rio Joaquim Ferreira .MendesGuimares, na ra da
Cruz, n. 49
-- Para o Rio-de-Janeiro sahe,com muila brevi-
dade 1 or ler parle do sua carga prompta o patacho
uscional Eulerpe : para o restante da carga, escra-
vos a (Vetee passageiros para o que tem expelien-
tes comino los trata- se com l.uiz Jos do S Aiaujo,
na ra da Ciu/, n. 33.
Leilo.
. 0 corretor Oliveira far leilo, por ordem e em
presenca do Sr. eonsul da Franca, tle 5 carros de qua-
lro rodas, I chriolel de 2 ditas, differenles madei-
ras e ferrageus para coiistrucclo desrrns, litas pa-
ra forros o (Ivellas 1 ara aneios desles, urna poreflo
to folha d'aco, ferranienla para ferrriro e carpinte-
ro, e varias todas velhas, ludo pertencente ao esla-
beleciinento de carros dealuguel, na ra Nova, do
fallecido Augusto Jaussome, subdito francez : boje,
1.a de mar(o, s 10 horas da tnanhfia.


I

*
Avisos diversos.
Srs. Redacinr.es Morador como son na-Magdale-
na, e ronheccndn rhuito ilc perlo ns benemritos c-
ditdAos rjue desd1 o oomogo da revofta tomaram
parle activa em sustoiitarom n prdom, o enverno o
em summa o llirono do S. II. I., o que mais patente
fizeram seus bnnssonlimontos no da 2 e 3 do cor-
rente, arriscando suas vlas em prol da delosa da
candida ord.-m, qunndo foi osla bella cidade ac-
met da pela horda do rebeldes sdenlos de sanguo
e exterminio, rKrla a u>n dever sagrado ge por-
ventura nfio levasse so dominio do publico os nomes
do alguna volunlarloi ciiiarffl"S moradores na Mag-
dalena, oertencentes a oltava companhtn do batalhfo
de voluntarios dosta cidade, que, por morarern dis-
tante do llecife, fram .dispenso* do servigo de ron-
das, e por sao se subjeiiarama prestar seus servicos
,m pral da polica desto lugar, encargo osle que
ellos leern cumprido saiisfatoriamente. R firmes
no s*u proposito de defender o governo, logo que
se vulgarsou o boato de que os rebeldps'pretendiam
accoiiiuietler cata cidade, immedalamento correram
toilos na imite do l. do correte a reunirem-se em
casa do subdelegado do dstrictn,alfures da dita com-
panhia, oqual, logo que reunios ditos voluntarios
queso apresentaram, seguio comellesa rennir-seao
seu balalhflo, echegandu ao lugar da ponte da Pas-
sagem leeram-attb pira melhor se informaren) dos
boatos que se cspalhavam; rutquandoatii appareceu
oSr. tenente-coronel l'avilla, e deu ordem que hi
icassem; nrdonando ao mesmo lempo que su fizesso
urna trinclicira, logo o mesmo Sur. lenente-coro-
nol mnnduu proslar urna frga de primeira linha para
ajudar a guaruigo de dita trinclieira, e por conse-
,'iiinte est'veram os bravos voluntarios da Magda-
lena guarnecendo ilito ponto, a espera de qualquer
aggreasOo dos reh -I les,lo que por volla das duas ho-
ras da tarde do da 2, porahi entrou o E\m. Sr. ge-
neral para o llecife; o entilo, vendo que j no se
fazfl inister a guarnigilo daquelle ponto, or Icnuii ao
Sr. subdelegado, cdnwnaiidanle ilo ponto, fizesse re-
gressar para o llecife, em cuja ida livorain o* bravos
voluntarios de passar entre as balas dos rebeldes
que fazitm fogo de emboscada para a estrada
Chora-Menino, sem seren visloi ; e releva, Srs. Re-
dactores, quesein offeusa d'outros muiloi volun-
tarios n9o se deixe em silencio a activiilaie e cora-
gem com quose dislinguiram o Sr. alteres Antonio
Cantoso de Queiroz Fonscca Juuior e os voluularios
Francisco ilas Ghagas Cavalcanle Pessoa, Jos Tilo-
ma/. Cavbante Pessoa, Flix Nuncs Cavalcanle de
Altinquerque, Antonio JiCinlho Cavalcanle l'essoa,
Carlos Jos Gomos d'Olivera, Antonio Alvos l'iuien-
lel Salvador Ucna Cavaleanle, Antonio Luiz Re-
zerra,- Mauoel Francisco da Silva, una ja exploran lo
toda noile.o inimigo, outros j em seus hombros car-
regando muugcs, oulros iiiialineule trabalhando
para se formar a referida -trinclieira, otodos cura-
josamenlo ambicionando o momento de inedirem
as siiiis armas legaes com as fratricidas armas dos
rebeldes. Eu, Srs. dispensado eslaria em escrever
estas lindas, se no lemesso o esquecimciilo do ser
tributado o inurecimento de t!io distinetns cidadoos;
porcm, apezar que tarde, cninludo urna palavra a
bem de merecimento don ao publico, e mesmo em
agia.leciiiienlo a tranquillidado que aqui gozamos
por esforcos de tilo eximios defensores da patria e
t;l<> dignos d'ella.
Queiram,Srs. Redactores, dar publicidadc a eslas
liniias do que obrigauo Ihe ser.
O llagdulenenu.
-..... c-,_
O secretar 16 da inriandadede S. Jos de Riba
Mar convida a tolos os rm.lor para que compre-
la m no consistorio da mesma irmandade na pri-
meira dnminga de marco, afim de se proceder a' no-
va eleglo da mesi que lia de reger no anuo do 1849
a 1850.
Massa mrllior doque neiiliiini;i
fabeica de pliosplmros
a mn.l de Pars dirigida or Francisco Taranlt. Es-
la fabrica que foi prv|igiada pela assemhla pro-
vincial do Rio-G'rando-do-Sul ( 16 de maio do 18*6 )
tomou-se rncommenibivel pelaqualidade muito su-
perior a todos estos quo leem apparecido at boje ,
e no Rio-de-Janairo tem merecido o Ululo de urna
das primeiras fabricas pelo mosmo motivo, assim
como polo asseio e elegancia das calxinhas que
contem os phcsphoros e pola commotlidade dos
precos. O ebefe deste estbelncimento leih a honra
de participar ao rospoilavel publico quo a sua fabri-
ca cita inleiramenie prompta, o os Srs. commnr-
ciantesqneoquizerem honrar com o seu crdito,
aobarilo se.mpre prompta em sua fabrica a quanti la-
de que descreo) emraixinhas redondas e quadra- los, no sitio granda da Soledade
das contend) una dnzia, para tornar mais fcil a ox- lio Alvos da Silva : a tratar no inos
porlacilo som alleracilo pdo-se assogurara boa
qualida le da qual so respomabilisa por precos os
unis em cunta. A fabrica he na ra llalla, n 93.
-- Joilo Jos do Andrade, subdito portuguez, reti-
ra-se pata l.ondios.
Qnein precisar de un caixeiro hrasileiro, de Ma-
llo de IG aonos, dirija-so a roa llireita, n. I i, anda
dando algum lempo de graca, excepto venda.
A pessoa .que annuneoii querer lomar couta de
urna venda, apparega ua ra Dheita, Casa u. 6.
' Frederi.-o Kobliard-
respetosamente parlicipa ans Srs. negociantes c
pessoas iuleressadas no co nmorcio desta praca, que,
temi uhliilo da inesnuraria peral desta provincia ti-
tulo dccorrulor gcral, prestado flanea bastante, co
devido jiirajnento, osla habililado para ofTcrccer seu
pre.-dm, c aproveia esta.occaslfio para scientificar
ao rospoitivel publico qac esta prouipto para tratar
de qualquer ramo ile negocio quo pertencoao corre-
lor geral, c nesta qualulade prometlu empregar lodo
o zelo, cuidado e ctividaile possivel as trausac-
coesq-ie Ihc l'rtrem confiadas.
ATTKItRO-DA-BO.V-YISTA, N. II.
Na loja de liromle cliecou una grande porefto
de oaixinhas ih' fruclas ci'fslalisadas chegadas ago-
ra da Franca pelo ultimo navio: o preco do cada cai-
xa ha 1,000 rs.
Aula de primeiraRleltras.
Ensinam-se meninas a ler, csciever, conlar, gram-
malica porluguczii, costura, lavarinlo, bordar de
todas as qualidades, do soda e malilOS, ludo rom
perleiclo : tambem se cnsiuam incninosa 2,000 ris
moiisaes : na ruada Cadcla ilc S.-A'Ionio, segundo
andar 'lo sobrado da esquina do boceo doOuvi'dor.
Ai.Ionio Albeito Monteiro pretende fallar no
fillio do lllm. Sr. Matroel Caclano del'inho Mvndon-
ca, residi-nto no cacsdoSodr, em Lisboa; o, como
n.oi Ihc sai ha o lime, pede ao dilo seu Itlho baja
porbeni aununciar a sua morada.
IVtiipette
parlicipa nos scus fregueses que inudu a
sua Ir ja deall'aiate parj o A lerro-ila Boa-
Vista, ii la, ond? jirunii'lte st'i'vi-lus com
presteza, como he seo costume.
A sociedade oommercial >b a firma de L. C.
Ferreira & Companhia floa boje Uissoh ida por mu-
tuo consenso. Todas as transaccOes poudentes sero
liquidadas por I. C. leireira, uliico aulonsidb a
cobrar lodas as dividas peileiicentos a etlincla fir-
ma. l'criiambuco, 1.de mmco do 1849.
Engomiiia-se ecose-se toda a quxldade de cos-
turas ii.esmo de alniale, com muila perfec.lo:
ua ni a da Clona u 25. fin mesma cusa- cnsinam-so
meninas forras e crias a Ivr e coser.
AOSSRS DE ENCE.VIIO.
Na fiind51odos Sis Mesquita o Dulra na ra do
Hru'ii, ha sempre em sor e por prei,'o coinmodo uin
porefto de tijulos de fogo, inglezcs muitp proprin
l>ara assentameiilos das taixas ior causa da sua
grande durabilidade e resistencia du Sjo por mullos
anuos.
-Manoel Machado Le t retia-jc para fra do
inperio.
Precisa-se de un prelo que soja fiel dando-se-
Ihe 15,C03 rs. mensaes Sustento : no palco do Tor-
co, vendan. 7.
O* abaixo assignados declaram que desaparta-
ra m amigavelmenle a sociedade da venda da ra da
Guia, n. 9, que gyrava debaixo da firma de Souza &
Irmo liraii lo com a ilita venda o socio JoHo Fran-
cisco de Souza e obrigado a pagar as dividas que
a casa devia. llecife, 2T de fevereiro do 1819.
Sousu & Irmao.
Na ra da Guia, venda n. 9 precisa-so de um
menino de 10 a 12 anuos.
Urna pessoa que Inm pratica de ongonho se offe-
rece para administrador levando 8 oscravoi de tra-
balho : quem llieconvier annuncie declaran lo o no-
mo do engenho.
--Francisco Xavier do Lgo, subdito brasileiro ,
retira-se para o Rio-de-Janeiro.
O ab iixo ass'gnado faz sclente aos pa is ilo seus
alumnos, o aos que de seu prestimo se quizerem
ntilisar, que tem aborto a sua aula de granimalica
latina o franceza ; e que contina a receber pensio-
nistas e nipios pensionistas na ra do Queimado ,
n. 37. O padre Jos da Costa Ribeira.
Precisa-so de um caixeiro portuguez, de 12 a
H annos, preferindo-so doschegadoi illiuiainente ,
para caixeiro de urna padara : no pateo da S.-Cruz ,
n. 6
~ Precisa-se do 3 offlcines do charuteiro quo sc-
jam lions : em Oliuda, ra do Coixo n. 2.
-- Crecisa-ae de dous mocos para caixeiro de en-
gnnho,eilo oulro para fra do engenho, disimilo
desla praca 20 leguas : na ra Augusta, ii- 34.
Em resposla ao annuncio do cirurgiflo Jos
Francisco PinioGuimarics, exarado no Diarla de
24 de corrento em o qual, para altenuar oelTeilo
que poderia ler produzdo no publico a declaracilo
do que um seu escravo eslava em praca por penbo-
ra do Guerra Silva & C.ompanha vem declarar ter
oblido urna nova visla continuando com a teuna
de querer faZer-so credor do abaixo assignado, que
nunca Ihe deveu nada, e apezar de que o drto cirur-
glilo he demasiado contiendo por improvisador de
cuntas, o pouco crdito pdem merecer os scus an-
nuncios ; o abaixo assignado visla de sua pro-
voeacflo, julga necessario tirar-lho o reslo_ da mas-
cara, pa'tenteando ao publico que o dito eirurglOo
que quer he fugirao pagamento do que realmente
deve, para o quo lem lanzado mflodo toda a chica-
na a ponto le ter pedido Vista da causa, vista da
penhora, vista da avallarlo c finalmenlo vista da
arrematac.lo, que anda nilo leve lugar, o a olileye !
I'do continuar o cirurgiilo Pinto com a sua chica-
a, quej agora estamos disposlos a segui-lo ato a
ultima, a ver se ao menos abrimos o exemplo de o
fazer pagar urna coula. Basta por agora, (cando o
resto reservado para resposla de nova provocarlo,
sequizor continuar. Jote Alxe Guerra.
OSr. Pedro Muller, morador na Vareos, queira
appareoer, qunlu antes, na venda da ra da Gadeia,
de llecife, n. 25, defronlo do liccco-Largo, para con-
cluir corto negocio.
Manoel Soarcsda Cruz, subdito portuguez, re-
tira-so para fra do iinpeiio.
Joaquim Scabra, subdito portuguez, retira-se
para fra do imperio.
Antonio dos Sanios Moreira, subdito portuguez,
rolira-se para fra do imperio.
--Manoel Scabra da Conceigilo, subdito portuguez,
rolira-se para lora do impeli,
Antonio Fernaniles, subdito poiluguez, rolira-
se para fra do imperio.
Aluga-se um niolccoto de boa conducta, para o
servco de urna casa quem o preleuder, dirja-sc a
piao.i da Independencia loja n. 3.
Na ra da Gadeia ,. n. 39, primeiro andar, do-
soja-so fallar ao Sr. cudle do segundo balalliflo do
Cacadjres Licencio l.-iberio Passos, ou so ficar agra-
decido a quem possa dar do mesmo noticia para
rfTeiio de ar-ae cumprmenlo a um pedido do pai do
mesmo.
- Joio Concalvcs de Miranda rctira-se para o llio-
Granle-fo-Sul.
Jos de Souza, subdito do S. M. F. rctira-se pa-
ra Portugal.
Arj-eilda-se um pequeo sitio, com arvoredos
do Inicio cacimba casa de vivenda no lugar du
Uarhallio : a tratar ua ra dos Piros, n. 19.
G. A. Urdidera llrandis leudo de rclirar-sc
brov.e paia a Europa, traspassa o aluguel do sitio
anude mora na Pooto-de-tJeha : a casa tem sulli-
cicntos coinmodos para qualquer familia cocheira,
esti iba a um famoso copiar, quintal plautado e
bauho no fundo: os pretendenles dirijam-so ao
mesriio sitio al s 8 horas da manhila nu a ra do
Trapiche, u. 16, primeiro andar, das 9 horas em
diaute.
Aluga-se a veuda da esquina da ra do Caldei-
Teiro com urnincilu para molliados | or mdico
aluguel a qual lie opiiuia p.ra quem quizer princi-
piar : na pra^a da Independencia,'livraiia ns 6 e 8.
MUDANCA.
li. W. Raynon cirurgiHo dentista parlicipa ao
rcspeilavel publico quo inudou a sua residencia da
ra da Gadeia de S.-Antonio para a ra do Trapiche-
Novo n U, do bairro do Kccife terceiro andar ,
aonde coulina a calcar e por denles urtificiaes e as
mais obras de sua prolUsOo.
precisa-au alugar mensalmente urna canoa que
leve mais de mil lijlos; na ra das Larangoiras,
n. 18.
Aluga-se ou vende-se, mesmo a prazo com fir-
mas a contento, um sitio de terris p'oprias, muilo
grande, em lleberibe, o qnal t< m piMO par ausloii-
to de mais de 40 vaccas, o boas Ierras unra toda plan-
taQiln quom 0 preleuder, fallo com Manoel Antonio
da Silva Multa, na ra da Cruz, u.'i, que far qual-
quer negocio.
~ l'esconta-se urna leltra da quanlia do 2:127,640
rs- que se ha de vencer em 30 do dezembro do cor-
fente annn, com tros firmas muilo acreditadas e
alm dolas niioSn duvidadaroulras quea garantam:
raz-sn esto negocio por hafer urgente neceseidade:
quem quizer saber quaes so as firmas nella assig-
nailaSj para as indagar o poder negociar, dirija-ae
ao pateo do Carmo, sobrado n. 18.
Na ra lo Queimado, loja n. 13 so dir quom
vende i2acQoesdarompanhia de lleberibe.
-- Na ra da Gadeia do Recifo 16, loja ingleza
delfait, doJooDonnelly, existe um sortimen-
lo do palito* ilo linho puro, vin los de Inglaterra,
pelo diminuto proco de 3,200 rs. cada um e outras
militas obras de pannos finos, sedas etc., quo se
venderito por preco mais barato possivel.
Aluga-se um sobrado com escolenles coinmo-
do Sr. Ilercula-
mo sobrado.
Precisa-so do um caixeiro par venda, que te-
lilla ou tino pratica o quo d fi i lor a sua conduela :
nos Quatro-Canlosda Roa-Vista, n. 95.
" Arrnnda-se o engenho llna-da-l.iberiladc dia-
tante desla praca 9 legoas na froguezia da. Escada.
(Krendeiro quo nellc se acha vende a safra fundada,
alguns hois destilacSo com alambique de cobre e
cubos para garapas o tanque bastante gran Je : a tra-
anlo mesmo engenho.
Precisa-sc de una ama prela ou parda, para
casa eslrang.'ira dn pouca familia, quo entonda liein
de engommare fazero mais necessario de urna casa ;
advcite-se que nflo precisado cozinhar : na ra da
Cruz, armazem n. 48.
j -- Oltacharel formado em malhemalicis, '&j
,^ Bernardo l'ereira do Girino, lem aberto f>
; )1 um curso das seguintes disciplinas: an
E2S thmclica, algebra, geoinolria, trignoino- i;'3
5S|"tra rectilinea : aquellcs Srs. que o quiza- Jy
^1 rom frequcnlar, dirijam-so ra larga do um
'.t 1'izario, n. 12, segundo andar. O
Aluga-se o segundo andar do sobrado da ra do
Cal leireiro : quem o pretender, dirja-so aopatoo
do Garmo, sobrado n. 0.
--Precisa-se de um caixeiro par* venda, que lo-
nha pralica e d lia lor sua conducta, para tomar
conla de urna por balancu : quom quizer nnnuncie.
-- Precisa-se fallar com o Sr. Joilo Jos de Gnvoia,
ou Com pessoa quo Ihe diga respeilo : annuncie, ou
dirija-se a ra das Cruzes, n. 30.
I.uiz Moreira da Silva Pinto relira-se para fra
da piovincia.
Jos Moreira da Costa Maya relira-se para fra
do imperio.
Prccisa--.se de nina ama para o servco interno
de una cusa de pouca familia : no puteo do Carino,
II. 18, Segundo ambir.
~ Precisa-sc contratar o fornecimento diario de
capim para alguns cavallos liazdo porta : quem
a islo se propozer, dirija-sc i ra do Hospicio, n. 9.
Di psito da Es t re lia.
Ra Nova, n. 56.
Avisa -so ao publico e as pessoas que sabem apre-
ciar a deliciosa fumara, que eslo eslabclecimeulo se
acba sorlido das inelliores qualidades de charutos
que exislcm no mcrcaiio, lano pela sua iiianufactil-
ra,como pela qualiiladc ilo fumo, que a vista do
comprador se faro patentes as qualidades.
Emilias da .emana passala perdeu-se, da So-
l lado at a Passagcm-da-Magdalena, uma chiiruiei-
ra de couro, bordada com peclas : que) a livor li-
diado, podea resliiui-la ua ra da Cruz, n. 55, que-
sera gratificado Com o valor da dita charuteira.
-- llenriquc Adour relira-so para o Kio-de-Ja-
ncirn.
--Os Srs. assignaiiles da Utla l'oriiea queiram
ter a boudade du mandar receber o rosto dos n-
meros que Ibes fallain do lerreiio volme, refor-
mar as suas assiguatiiras para o (piarlo voluine ,
o receber j 08 lis, I a 3 na ra da Cadcia de lle-
cife, loja do Joo da Cimba Magalhos.
~ Manoel l'en ira de Castro embair yara os por-
tos do sul a sua eserava Tbereza, de Angola
Aluga-se um sitio ni estrada do Bozalinho do-
fronte do sitio do fallecido MjmOCl-Jos de Alun-ida,
com liaslantes frulniras : quem o pretender, dnija-s
ra Augusta n. 36
Deseneaininlioii-se dooorroio uma carta, fiada
do Itio-do-Janeiro em seleinbro do auno passado
para Luiz llurges deCAromir*. lloga-se, porlanio ,
a pessoa que por engao a tenha lirado u que ira
restituir na ra do Vigario, n. 5, visto que nada | do
interessara pi-ssoaque a trolla.
A pessoa que soiiher, ou liverque di/er alguma
cousa respeito ao pr irelinienlo do abaixo assgna-
ilo, annuncie por esta folln dentro do prazo de oilo
das sem excopco de pralicado aUum sol) pona ,
porm, do justifieaclo e respon>abilidade. Anlo-
nio liva isla da Rocha, prnpriciario ilo engenho Uni-
verso, na froguezia de Agoa-Prela.
O bachaiel Jo< Antonio de ftgtuirtdo ensina phi
loiopilia e geometra em raa de sun Tendencia, nu ra
larga do Rozarlo, n. 30, jirimiiio andir.
Agencia de passaporles.
Na ra do Collegio, n. 10, e no Atorro-da-ltoa-Vis-
ta lujas us 4s o 78, conlinuain-se a tirar passapnr-
tes tanto para dentro como para fra do imperio,
assim como despacham-se escravus, ludo com bre-
vidudo.
100,000 ris de gratificacito a quem doseobrr
dous escravus loriados ilo lelbeiro da rcstilhco do
Franca & Irnio, na praia de S.-ltila, na noile de
quai tn-li-ii a 21 do coironlo feveieiro, ambos de na-
i;1o Rengela, e meio bucaes, com os seguintes sig-
uacs : Manoel, alto, magro, rosto redondo c peque-
no, r alegre, pos e milos poquenes, canillas finas,
representa 85 anuos do idaue, levou vestido camisa
caira de liscado do algodiiozinbo, fui vaccinndo ha
poucos das; e Joilo, tambem alto, porm monos
que o'oulro, grossura du corpo correspondente ha
altura, rosto aobic o comprido, testa larga c arram-
pada, ps glandes, lomozclos inchados, ventre
instante sam-nie, falla um iouco fanlinsa, repre-
senta 35 annos de dado; tambem foi vaccinado lia
poneos das, levou vestido camisa de algodilozinlio
riscado e calca do algodlo azul : quem os appre-
hender, ou delira dr noticia certa, receber 100^
reis de gralifica^lo, na ra do S.-llita, n. 85.
--No pateo da matriz i'e S -tntonid. sobrar.'. a.
4, Uram-so passiportps para dentro e fra dn i-i.-.e-
rio assim romo para eseravos 0 correm-sc foltas,
j a pre^o commodo.
-- Uoga-so ao Sr. thesoireiro da lotera do (.tea-
tro publico que, sondo sal i premiado o mel h! 'c-
ten. 1(94, nilo pague Sinfn aseo legtimo dono,
SehastiloJoscdcOlivoira, visto lor-se perdido dilo
meio btlhete.
OSr. Jos Jacinlho Tavares do Arrud procuro
uma carta na tfavcssn da ra do Vigario, n. 1, loja
de bafbeiro.
Compras.
Compra-se urna prcta de tdade para o seryieo
do uma casa o vamler ua ra : na Boa-Vista, ns tra-
vessa do o /i i lio, ii. 1.
-- Gompra-se uma uinhilia em meio uso conten-
i IKcadeiras, um par ni banqninliiis o uma mesa
de meio rio sala : na luja do ferrageusdo Joilo Jos de
Car va 11 io M o raes'
Co:nprain-so liarris vusios, de tolos os tama-
nhos : na praca do Coininercio n. 2, primeiro
andar.
Compra-se uma oscrava moca com habilida-
des principalmente o cozinhae pngommado. pre-
forindo-so rccolhida : pnga-se beni : na praca do
Gominercio ir. 2, primeiro andar.
Vendas.
Lotera do Uio-do.Jmuiiro.
Aos -20:000^000 de i s.
Na loja dayiraca da Independencia, n 37, acaba do
chegnr um novo soitimcnto meos bilbetes, guar-
ios, oitavos e vigsimos da lotera do Rio-de-Ja-
noiro, concedida a- beneficio da casa da Misericor-
dia da corto. Na mesma loja se mostra a lisia da lo-
tera passada o se trocad) os bilhetes premiados.
Pauerro a 2*000 veis.
Parinlia de mandioca da superior qua-
lidide, em p.lneiros, ao preco commodo
de 3)000 rs. reculando cid* um por
meia sacca : vende-se ao p do arco ila
(joneeicao, armazem n...., que foi do
Bregues,
Vende-se uma casa pequea na trarossa da ra
da Alegra : na ra Velha, n. 80.
Vende-se um relqgio do rima do rjaesa bom
regulador; um ospelho gran lo de parede j uma re-
do de oilo bracas innia do cannnlo ; alguns ciixi-
Ibos e portadas de alcova envidracadas : lulo por
prego comino lo no Ateiro-da-Boa-Vista u. 17.
Vcndem-se e alugam se bixas clie-
aadaa prximamente de Il^mburgo : na
Iravesi da ra do Vigario, n i. loja de
I) irhiii'ii, de .'ebisliao Jos de Oliveira.
Ven fe-so urna porg.lo de cera de carnauba do
milito boa qualidadc, assim como lOsaccasdO gom-
ma muilo nova : quom quizer comprar ditos gne-
ros, trule com Antonio Joaquim de Souza Kibcro,
Ma da Gadeia, n. 18.
Vende-se um uiolequinlio milito esperto o ladi-
no, do 7 a 8 anuos : na ra da Florentina, n 30.
Vendom-sc dous relogios muilo bous regulado-
res, sondo um de ouro o oulro do jirata, ambos -a-
bnnolos : na ra tulga do Rozaru, loja n. 26.
Veiidem-se diales de ia pelo di-
minuto preco de duas patacas cala um ;
as.s ni como sarjas, cazimiras, setim pre-
to c outras minias fazendas, ludo por
preco commodo : na Aterro-da-Ba-Vis-
ta,
ai.
Vende-se urna excollcnle escrav, a>eca e de ele-
gante ligera, que coznha milito bou e melhor en-
goiiima, aliaiii; iinio-so nilo lor vicios ncm achaques :
o motivo da venda se dir ao comprador : a tratar
na prai,-a da Itoa-Visla, venda n. 13
Vende-so sola do lustro : na ra da Alfandega-
Vellia, n. 50, armazem de G. J. Aslley.
Vende-so uma tonda do marceneiro, por prego
coiiniiodo : ua la das Cruzes, u. 16.
Vendo-so um bonito oavallo rozilho anda de
bailo a meio ; bastante grande manso "o que he
proprio para senhora : na ra estrena do lio/ario,
n. 30, s-gundo andar.
-Vende-se um piolo crioulo, de 25 annos, de boa
con lucia ede bolilla figura: na ra da Madre-de-
l)t-os, loja ii. 34.
MERGUlORIAS A VENDER EM.GROSSO E A
I.ETALIIO.
:
Chapos de sol ricos e simples, de soda ; dilos pa-
ra senhora ; sapalos para senhora ; lucos pretos e
trancos ; chapos do pallia ; filas floie* ; mantele-
tes; diales robes de barege, e ile nutras fazendas ;
bijuleria meias de lodas as qualidades ; luvas de
soda novas; lengos do todas as qualidades ; grava-
las : avenaos ; roupa fuila ; perfumaras o papel. Di-
rigir-so a ra da Senzalla-Velha, n. 142, lerceiro
andar.
Vende-se sarja de seda hcspanhola ricos veos
c maulas de blondo brancas e pretas meias de se-
ta luvas, filas para cntmro do melhor goslo reos
lucos : ludo proprin da Quarosma': na pinga ib In-
dependencia, n. 39.
-- Vende-se urna prela de 20annos, propra para
lodo o servigo do uma casa ; irocam-se dous orato-
rios i icos, com aleunias imaseus; a tratar na So-
ledade sitio que foi do fallecido Francisco Antonio
Vlcira da Silva.
Vende-se urna prela boa qulandeira, cozi-
nheira, engoiiimadoira, ensaboadeira, e que he pro-
pra para ludo o ser ligo do urna casa I na na de
Hurtas, n. 52. -
Vende-so resina do angico as arrobas a 320 rs.
cada libra na loja da Joflo Jos de Garvalho Muraos.
Vende-se um raudieiro fraucez para cima de
mesa urna capa ile gorgurflo rouxo, em muilo bom
estado ; um soph de augicir, usado e em muilo bom
estado : na ra estreila do Rolario, n. 32. Na mes-
ma casa rerebem-so aprend/es para marceneiro,
dando-sc-liics o sustento,
-*





r-" ......
d Vende-se vinho do Porto, muilo superior, c
0 outris quelidades, em barris de quarto-, quinto,
soxtol .timo oilavo eem pi as por prego multo
comm o : na ra do Vicario armazom de Fran-
cisco Aives da Cunta, n. II.
Ve'de-so nina esrrava H nagflo, moca: ao
compr.i torso dir o motivo p<>i- quo se vende: na
ra da Cadcia do Recite, escritorio do corretoruli-
voira.
Vcndem-so caixes de doce do goiaba novo de
6 i'm arroba i 800 rs. : no palco do Carino luja
do Sobrado de Gabriel Antonio, d. 17.
Algodo trancado da fabrica
de Todos-os-San tos da
Baha ,
muito proprio para saceee de assucar e roupa de es-
cravog: vende-se em casa de N. 0. Bieber & Com-
panhia na ra da Croa, n. 4.
CHA' BRASILF.IRO.
Vende-se.oo armazem de molhados atrs do
corpo-santo, n. 6, o mais excellente ch a produzi-
do emS.-Paulo t qUe tem vindo a este mercado ,
por prego muilo commodo.
Presuntos.
Vendem-se superiores presuntos inglezes para
liauibro chegados no ultimo navio: no armazem
do Braguez, ao j do arco da Conceigflo.
FAREI.0 EM SACA%OE 90 LIBRAS :
vende-se no armazem de Vicente Ferreira da Costa
na ra da Madre-de-Deos, a 3,500 rs.
Taixas para eugenho.
Na'indigno de. forro da ra do Brum acha-so a
Tema um completo sortimento de taixas tic i a 8
palmos de hocen, por prego commodo, e com promp-
tidflo embarra-se. ou carrega-se em carros sem des-
peras ao comprador.
Vendem-se semeas em saccas muito grandes ,
a 4,500 rs. : na ra da Madre-de-Deos, armazem de
*'"!ente Ferreira da Costa.
Vendem-se queijos londrino os mais fresca es
que ha no mercado ; massas finas a 320 rs. a Iil.ru ;
chocolate ue canda, lino e de Lisboa; latas com sar-
dinhaa; azeite doce fino, por prego commodo; na
ra da Cruz, n. 62
Vinho barato.
Acha-se eatabelecido na ra da Madre-de-Deos,
n. 36, um armazem de
Viiihos da Figueira,
de ptima qualidade, a prego de t ,200 rs. a caada,
e a f 60 rs a garrafa ; e para nlo haver dolo do com-
prador serflo lacradas as garrafas e com rotulo, rc-
cebendo-se a garrafa vasia, e dando-se immediata-
mente a outra cheia : tanihem ha barris muito pe-
queos proprios para quem passa a festa. 0 pro-
prietario doste ealabalecimenta pede encarecida-
mente que se nSo illudam avallando, pelo diminuto
pirco e sem conhecimento de causa a qualidade de
sua fazenda digna por eerto da estima dos verda-
delros amantes da boa pinga. Elle conta que quem
orna vez provar, continuar com gosto e sem srre-
pendimento. E o bom preco!!.' A todo o exposlo
accresce o asseio e bom acondicinnamento o que
tudo se poder* verificar ero dito estabelecimento.
PURO VINHO DA FICUF.IRA.
Existe no armazem de molhados, atrs do Cor-
po-Santo n. 66 urna grande porc.no desle genui-
no vinho que se est vendendo pelo diminuto pre-
co de 1,120 rs a caada e a 160 rs. a garrafa ; lam-
be m ha em pipas que se vender mais em conta : he
este o melhorde lodos os vinhos que se teem an-
aunefado pela sua simplicidade e ptimo paladar :
quem urna vez o beber jamis deixar de o com-
prar.
Vcndem-se sellins inglezes e canias
de ferro : na na da Senzalla-nova, n. l\i.
Agencia da fundicao
l.o\v-M()or, ra da Sen-zalla-
nova, n. 42.
Reste estabelecimento contina a ha-
ver um completo sortimento de moendas
e nicias moendas, para engenho ; ma-
chinas de vapor,e tachas de ierro batido e
coado, de todo* os tamaitos, para dito.
Fabrica dcTodos-os-Santos.
Flrmino Jos F. da Rosa rom eseriplorio na ra
do Trapiche, n. 44, avisa ao scus fregueies quo aca-
ba de receher pela escuna Guriosa novo snitmen-
lo do excellente panno de algodilo entrangado da-
quella fabrica ptimo para ensaecar assucar, e pa-
ra roupa de esravos. O annunrianle conta que,
alm da fazenda, o desojo de animar o dcsenvolvi-
mento de urna fabrica inicuamente nacional, pro-
mover o pTomi lo consumo da sua receita.
Ferro
de Indas as qualidade edimensfles, em barra, ver-
iralSo, verguinha, arcos e chapa por preco com
modo : na ra da Badre-de-Deos, armazem n. 26.
Vendcro-se queijos de prato, ditos londrinos ,
muilo frescaes latas com b(dachinhas de' Lisboa ,
pilas com ditas de ararula ditas Com herv has di.
tas rom sardinhas, ditas de mermelada de 1 2 e 4
libras, garrafas rom vinho moscatel de Setubal, di-
tas de dito de Madeira ditas de licor fino avelans,
veaadecspermaeete de oito em libra proprias pa-
ra lanternas caixinhas de massas finas de eslrcHi-
nhas frasquinhns doorados com agoa de flor de la-
renja : na ra da Cruz, no Recito, u. 46,
Familia de mandioca.
No armazem n. i, no caes da Alfandcga vende m-
ae. laeaas com fariittia de mandioca; da alqueire ,
muilo su| erior, por prego commodo.
No armazen* de Joaquim KelrX da Roza, na ra
da Madre-ae-l>eoa ha para vender ferro em fblha
per #) oom aado.
-UJ-SM-J------J"' J^JI "-'...... -J!_____jg .
Vende-se cal virgem de Lisboa,
shegado no ultima navio, em barris pe-
juenos, por menc;. do que em outra qual-
quer parte : na ra do Trapiche, arma-
>em n. I7.
Cevada e caf moldo.
No Forte-do-Mattos, na do
Ainorim, n. 56,
na antiga fabrica que pertencen ao finado Vsz de
Oliveira boje perlencente sob dirercSo de An-
tonio Joaquim Vidal & Companhiuha, vendc-8e,alm
do superior caf moido, o molto excellente e esti-
mado caf de levada da melhor qualidade que ha
no mercado por prego mais commodo do que em
outra qualquer parte.
Vende-se cal virgem de Lisboa, de superior
qualidade em barris de 4 arrobas chegada neste
mez pelo brigue Maria-Jot: a tratar na ra do
Brum armazem de Antonio Augusto da Fonseca ,
ou na ra do Vigario, n. 19.
Musieas para piano.
Na loja da praca da Independencia, n. 37 anula
ha para vender um resto do bellas musieas para
pianos lindas polkas, valsas, arias, quadrilhas ,
ele por menos prego do que em outra qualquer
paite; tambem reslam algumas valsas para nauta.
Na Imana nova do pateo do
Collegio, n. 0, de Joaoda Cos-
ta fjourado,
vende-se papel para cortes de vestidos, dito de mu-
sica muilo fino proprio para copiar modinhas para
pianos de pbantosia ou papel do encommendas ,
lapes finos verde, azul encarnado e amarello, se-
mentes, obreias de gomma-arabida, com pasan* ri-
quissiinas carleiras de marlim.reguas do difTcrentes
qualidades e lamanhos pennas de ago muito boas e
oulros muitosobjecios que se acaham de recehere
calilo paleles aos freguezes : tudo por prego com-
modo"
t
Vende-sc sarja de seda hespa-
nbola, muito superior; setim de
M ico proprio para vestidos; los de
I i ii 1 io pretos, bordados a seda; meias
pretas de seda de peso; panno pre-
to muito fino e prova de limao;
casimira-preta elstica ; sarja de
listras, setim proprio de collelc; as-
sim como oulras umitas iazendas
l'm is, proprias para a quaresma :
tudo mais barato do que em outra
qualquer parte : na loja de Jos
itloreira Lopes & Companhia, ra
do Queimado, quatro cantos, ca-
sa arnarelS i, n. al).
Nos armazens n. 1 do cans da Alfandega e ilo
fallecido Braguez, ao p do arco da Conceicao, ven-
de-se superior farinha de maadioca em suecas de
alqueire, por prego commodo.
Nq armazem de liias Ferreira, no caes da Alfan-
dega vende-se superior farinha de mandioca em
saccas de alqueire ; bem como superior potnssa em
harriquinhas desembarcada ha pouens dias, por
prego commodo.
. j> ovas chitas escarales.
Acaba de chegar na ra do l.ivrameno, n. 1V, um
rico-sorliniento destas chitas a imi'.agflo de velludo,
vendom-sc 'pelo diminuto prego do ireze vi menso
covado ; e oulro sortimento do chitas escuras, pelo
prego de novo vinlens.
Fregiiezi,
No pateo do Terco, venda n. 7, vendo-so vinho
da Ficueira a garrafa a 160 rs.
Vende-so i^pi molcque de 3 a 4 annos deiiade
e urna eadeira de arruar nova e muito rica : na
ra Bella, n. 40.
No Atcrro-da-Roa-VIsta 4 loja n. 78 vendem-
se aapalOes grossus a 1,1)00 rs. o par ; ditos do Ara-
caty a 1.000 c 1.280 rs. ; sapatos de lustro para se-
nhora ,a 2,880 rs.; ditos para meninas a 1,920 rs. ;
ditos de cordnvflo, a 1,280 rs. ; botina para liomem ,
a 3,000 e 5,000 rs. o par; sapalos de sola e vira, a
2,000 rs.; bahus de madcia envernizadns de varios
lamanhos e procos ; bonetes risrados a 280 rs. cada
um ; ditos para meninos a 800 rs. ; dilos de mar-
roquim prcto para liomem a 2,500 rs. cada urn ;
ditos de merino, para crinngas a 3,500 rs.
Vende-se um cavallo de s,-lla cun muito bons
andares : na ra do Crespo, loja n. 2 A.
Cigamlhusie pallia de inilho:
vendem-se nicamente no armazem do molhados
atrs do Corpo-Santo, n. 66.
Mobilias muilo haralas.
Na rur. Nova armazem de trastes
defrnnte da ra de S.-A maro vendem-se riqusi-
mas mohilias de Jacaranda e mogno do melhor ros-
lo alm do um completo sortimento do trastes de
todas as qualidades bem como cadeiras americanas
de pao c de palhinha radriras de balango de pao e
de palhinha ditas de hragos proprias para se es*
crever ditas para senhura, hauquinhos para as se-
nhorasporemosps., banquinhas de coslura cadei-
rinhas alias para meninos comerem mesa guar-
da-vestidos de amarello e de mogno, marqucznsde
oleo muilo lories, e oulros minios traste por pre-
go multo commodo aiiendendo boa qualidade.
Cnnliuua-se a vender cora de carnauba, por a-
tacado ea retalhoa vonlade do comprador, por pre-
go commodo : na ra da Cadeia-Volha, lojas de fer-
ragens, ns. 59 e 63, de Jos Dias da Silva.
-- Vende-se um rologio de prala horizontal min-
io hom regulador: aa praga da Independencia ,
".34.
Vendem-se 3 lindos moloques de 13 a 18 an-
nos ; 4 rardos de 16 a 25 annos ; 3 pretos de 25 an-
uos; urna pardinha de 16 annoi; 4 pretas de 12 a
20annos, lando algumas dolas habilidades : na ra
do Collegio, n.3, segundo andar, se dir quem
vende.
Vende-se araruta, a 200 rs. a lihra : na ra Di-
reit. n. 14.
Vende-se um proto de aee>o Angola, de 18 an-
nos i um dilo eriouJo, de 12 annos; um mulatinho
o tima nmlatlnha de 8 a 9 anima, todos do bonitas
figuras : ao lado do Gorpo-Santo.loja de cabos.
Vendem-se cor*las de tripa
ebordOes para v i ol lo era beca ; papel paulado para
msica: lulo de superior qualidado e por prego
commodo, tanto em porgocomoa relalho : na pra-
ga da Independencia, loja n. 3.
Cllegaran os cliarutosde
Ha vana,
venladeiros e de qualidado ja ennhecida : na roa da
Cruz n. 10, casa de Kalkmann IrinOos.
Taboado de pinlio.
Vendem-sc taboas de pinlio no
Forle-do-Mattos armazem do Vianna e
no armazem do Machado, na ra de
Apollo, junto ao porto velho das canoas,
e os melnores pranchOes, costados, costadinhos e ta-
hoas de todes as grossuras e comprimentos por to-
do o prego.
Vende-se um bonito pardo de 16 annos, pro-
prio para pagem ; urna preta de mcia idade, por pre-
go commodo; duaspretsde 18 a 20 annos, com
habilidades; um molcque do nagfio: no pateo da
matriz de S.-Antonio, sobrado n. 4, so dir quam
vende.
Vende-so urna preta criolita de 16 annos: na
ra idades eo motivo por queso vendo.
Aos amantes da boa pilada
se ofTeroce o rap Novo-Lisba do scu daposito da
ra 1-Tga do Ito/.ario, n. 24.
Vende-se superior doce do caj, em porgo e a
retalho a 320 rs. a libra : no recolhiment da Con-
ceigSo, em Olinds.
ESTAO'-SE ACARANDO.
Vendem-se charutms da Baha, de S. -Flix e su-
perfinos, a 2,000 o 3,600 rs. a caixa : na rus Nova ,
n. 25.
Na padaria da ra da Guia, no Recife haver
todos a dias a venda o novo pilo de Provenga fa-
bricado por oulro modo que o actual e da melhor
farinha que ha no mercado : por este motivo n3o se
pode fazer senSo a 40, 80 e 160 rs.
Vende-se a venda da ra do Apollo, n. 21, com
poucos fundos: quem a pretender, dirija-se a ra da
Uadre-de-Oeos, tratar com Vicente Ferreira da
Costa.
Vendem-se barriquinhas com cal virgem de
LisbiVi, muito nova; fechaduras para portas de
irniazem ; retro?, do Porto ; barris com alcatr.fo da
Suecia ; por prego commodo : na ra do Vigario ,
n. II, armazem de Francisco Alvesda Cunha.
Vendem-se taboas amcrica-
as al5 palmos de largura
o de todos os comprimentos,que ha muilo lempo nn
teem vindo e os freguezes experimentando a falta
dcsta excellente qualidade.. A ellas que s3o puncas e
lopreco he barato. Atrs do thealro, armazem jun-
o a mar, de Joaquim Lopes de Almeida.
Vende-se farinha do mandioca, muito superior,
por prego commo lo : s bordo da escuna -Cruz, an-
corada era frente do trapiche do algodilo.
Vende-se farinha de muito superior qualidade,
por prego commodo : A bordo do patacho C'oweeif'o,
Tundeado no caes do Collegio.
Farelo,
em barricas a 4,000 rs. ; saccas grandes, a 3,50o
rs., ditas pequeas a 2,800 rs : no armazem de J.
J. Tasso Jnior, na ra do Amorim, n. 3.
Potassa.
Desembarcn ha poucos dias urna por-
cSo de barris pequeos, com muito nova
e superior potassa, e se acliam venda,
por preco mais barato do que ltima-
mente se venda, na na da Cadcia- Velln,
armazem de Bailar & Oliveira, n. n.
FARELO
em saccas muito grandes,
a 3s'6oo rs. a sacca:
no armazem do Braguez ao p do arco da ConceigSo
Vende-se a verdadeira e muilo superior fari-
nha S5SF, a relalho e em porgflo ; dita dooutros au-
tores na ra do Vigario, armazem de Francisco Al-
ves da Cunha. n. II.
Calcado.
Vcndem-se botinse meios ditos de Lisboa, para
homem e menino ; sapatos de maroquim francez,
por prego mais barato do quo em outra qualquer
parte : na ra larga du Rozarlo, n. 24.
~ Na ra do Crespo loja de 4 portas, n. 12, ven-
dem-se chapeos de castor pretos, de muito boa qua-
lidade a 4,400 rs.
No deposito de Me. Calmont & Companhia na
ra de Apollo, armazem n. 6, acha-se constante-
mente grande sortimento de ferragens inglezas para
engenhos do assucar corro sejam : taixas de ferro
coado de diflcrenles modelos, os mais modernos;
lilas ile ferro batido ; moendas de ferro do mode-
lo adoptado para armar em madeira ; ditas todas
de ferro, tanto para agoa como para animaos; na*
chinas'de vapor de frga de quatro cavados o de al-
ta pressflo o mais moderno esimples que he poss-
vel ; reparlideiras; espumadeiras ; resfriadeiras de
Jarroeatanhado; Minias de ferro : tudo por preco
commodo.
Vende-se a verdadeira potassa da
Russia, desembarcada hontem, por pre- -
co muilo rasoavel, vista de sua muito
superior qualidade : na ra do Trapiche
n. 17, e ra da Cadeia, n. 34.
Madeira de pinho.
Na ra de Appollo, pegado ao armazem do Sr.
Motta ha um novo armazom com madeira de p.
nho da melhor qualidado quo tem vindo a este mer-
cado e serrado de todas s grossuras e comprimen-
tos : vende-se pelo menor prego que he possivel.
Taboado de pinito da Suecia,
de 10 a 55 palmos
decomprimento o melhor quetem ehepido a etta
mercado, em razio de se poder envernizarem qoal-
3ner obra por no ler nos e ser muito alvo sen-
o costado, costadinho, assoalho, ferro e para fun-
dos de barricas : vende-se a prego que o coiwprador
far lodo o negocio : atrs do theatro, armazem de
Joaquim Lopes de Almeida.
Ven la-se urna morada de casa torrea nn ru* do -,
S.-Thcreza, n. 54, dolado da sombra com quin- i
tal multo grande poriao para Tora cacimh.i s :
nao precisa de concert algum livrn e desembara-
gada de qualquer cousa que possa ofTcrecer a mais
pequea duvida : na ra Nova, n. 51.
Charutos da Baha.
Vendom-so os melhores charutos chegados lia
poucoda Baha bom eomo cavalleiros, cagedores,
etc., em pequeas e grandes porgues por prego
muilo em conta: na ra do Trapiche-Novo arm-
zem do Joo Rawsley & C.
Vendem-se 10 lindos moloques de nagflo e
crioulos, de 8 a 20annos; 4 pretas de 20 a 30 an-
nos; 1 dita de meia idade; 1 preta boa coiin'ieira
e vendedeira ; 1 dita de meia idade, que engom-
ma, oozinha muito bom cose, e he boa coinprailei-
ra ; 1 cabritilla muilo linda de 10 annos, e que co-
se soflrivel: na ra Jo Vigario, n. 24.
Vende-se urna eserava moga, propria para todo
o servigo de urna casa : na ra do l.ivrameno, a.7.
AGOA DETIXGIft CABFXI.OS E SUISSXS.
Conliua-se a vender agua de lingir cabellos e
suissas : na ra do Queimado, n. 44. t meihoJo de
applicar a dila agoa acompanha os vidros.
Charutos da Babia.
Vondem-sc os m.boros charutos chegados hi
poucoda Babia, bem como cavalleiros, cagadores ,
quem-fumar-saber, regala, regalos de llarana, em
pequeas egrandes porgues, por prego muilo em
cuita : na ra da Madre-de-Deos loja de chleos
n. 32
-- Vende-se una eserava criouU de 18a 20 annos,
com principios de engommar e coz i 11 liar o que he
fateira ; niTo tom vicios ora achaques: 111 ra da
S.-Cruz, n. 66.
No armazem de A. J. Corbott, n. 48, na rw d
Cadeia do Hccfe ha seniprc urna porclo do Cham-
panha dos clebres autores l.onsoo Si Companhia ,
tanto em garrafas como em meias ditas, a 25,000 rs.
aduzia, garantida
Vendem-se os seguinles trastes novos de um
familia que se retira : duas duzias de cadeiras de
Jacaranda, um soph urna mesa de meio de sala ,
um par de bancas, um lindo par de toucadores : ni
ra do Hospicio, sobrado junto a venda do Mo de
ouro.
.-- Vende-se a armagito da loja do sobrado da rus
Dircila, n 68, cujaainda nito so acha de toda ulti-
mada sendo esla propria para calgado : a tratar no
segundo andar do mesnio sobrado.
Escravos Fgidos
Besappnreceu, no da 17 de Janeiro o prelo
Antonio, de nagiln Congo, olhos grandes; tem
falte de alcuns denles na frente e urna ferida em
um p t ltimamente tem estado trabslhando no
arenal de guerra com o nomedcl.iiiz : quem o pe-
gar leve-o a ra da Cruz, n. 2, que ser gratificado.
Na Tarde do dia 8 do correle furlaram do si-
tio do abaixo assignado no demedio, um pretn de
nomo Viconle, de nagflo Denguella altura regular,
olhos aperlados; parece mudo porque nunca falla, e
i|iiando falla he milito poucoo apenando os olhos,
muilo confuso um tanto gago e amalucado amia
com as pomas um pouco esharradas reprsenla 30
a 35 anuos ; levou camisa de- mangas curtas e comil-
las dea Igodiio e sem chapeo; fui encontrado com
urna botija na mflo na mesma larde ao sabir da es-
trada dos Ilemediosp.iia a Passagem, o a pou-
cos passnsdelle, um Sr. que antes 9 em urna mandila oscduzocom urna troiixinha o o
irome at o Itecife que o proto escapando-so delle,
coireu para o sitio : quem o pegar leve o a ra do
Itangel, n. 51, casa do annunclantc, que ser re-
compensado.
Victorino Franciico do Santot.
Fugram, no dia 25 para 26' de fevoreiro, dous
escravos do nome Antonio sendo um crloulo o o
outro de nagflo Congo que rcpresenUm ler de 30 a
40 annos ; I lem os ps lortos semblante muilo car
raneado c mal encarado ; lem urna cicatriz na tes-
ta ; he bastante encorpado ; levou caigas de hrim
muito sojas o embreada camisa de algodflozinho
muito suja chapeo decouro : este esrravp veio do
Maranhflo : o oulro he Imiio e grosso.do crpo, bem
preto ; levou caigas do riscado do algodflo umerlra-
no, camisa de madapoln ja velha Indo muito su-
jo e chapeo de pnllia : quom os pogar levo-os a ru
do Vigario n. 24, quesera recompensado.
Ilesappareceu, no dia 25 do passado um escra-
v Cnoulo dvMaraiihao, de nomo Mariano, de 25an-
uos pouco mais ou menos, altura regular, roito
comprido, olhos pretos, cabellos caraplntiado*,
11,111/ e lincea reglalos cor preta.com pouca bar-
ba ; oi visto na l'assagem-ila-Magdalena. lioga-se
as autoridades policiaes e capilfles da campo que o
upprchendail) a lovem-noa ra do Trapiche, aina-
zem n. 10, deliumingos Suriano Googalves Ferrei-
ra que avrflo recompensados.
'---X-
Vc^n. : n Trr. di n.'r. nt rini*.1849


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EI66BZ7IY_6SLJEP INGEST_TIME 2013-05-01T00:50:06Z PACKAGE AA00011611_10004
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES