Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09952


This item is only available as the following downloads:


Full Text
IO IIXV1II. IDMEIO148
ftr irtt iiezsadianlados SJOOo
r#r tres um vencidos 6f 000

DIARIO
SEGUIDA FEI1A 30 DE JDHHO DE IS62.
Por aiit adUntado 19$000
Porte fraico para e sibscrlitor
PHEMKRIDES DO MEZ DB JUNHO.
ESCARREGADOS DA SUBSCRIPQAO DO NORTE PARTIDAS DOS CORRE10S.
Parahyba, o Sr. Antonio Al.n ndrino de L- oiinH. oa*. a, ,t
C; Amazonas,o.Sr. Jaronymo da Zosti.
S e OarlS^S^^S Caar. AlUoho Qrta mlnguante .0*31 mnalo, da tarde/
IftMPirjl Inntioiaa 171.... *. **.
PREAMARDE HOJK.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SOL X" "' lBSo1. Flor". VilU-Blli, Boa-Viata,
Alago., o Sr. Cl.udtno Paleta Diaa B.hi. r. "' ,El- n"S"'la*fs>ir.
o Sr. Jos Martin. Aire.: Riotft .[.nYro id! L D0>' SertnIhaem. Formo.. Una.Barrelro.' ,
Joi. P.raira Marti.. "'>. o 8r- Agua Pret., Pimentelra. Natal quinta. feira..|Pri,B*Iro e 54 minuto, da tarda.
===============___________'( ** COrf*'' ""'"" <0 hr" "' m"h" S*"d ^ >>... 18 mnalo, da m.nh.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Par o ii i ata Alago., 5 tO; para o
at a Granja 14 49 de cada maz.
PARTIDA DOS OMS1BCS.
. 11 5 a Re"V do,r*PVMCo' 6 M2. 7. 7 1(9,8
e.81|2 da m.; de Olinda s 8 da m. 6 da Lj de
Jaboatao s 6 1|2 da m.; do Cazang Karxeo
a 7 da m.; de Btmfie* s 8 da m.
Racifa : para o Apipucos a S 1|2. 4, 4 1|4,
4 1|2. 5, 5 Ii4, 5 1,2 e 6 da t.; para Olinda s
da m. a 8 1|2 da t.; pira Jaboatao a 4 da t.; pa
AUDIENCIAS DOS TRIBUftAlS
CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas a quinto.
R alaga o: Urca sabbados s 10 horas.
Fazanda : quintas a 10 horas.
Juizo do commercio : segundas ao malo Ota.
Dito da orphaos: tarca, a asilas s 10hora..
VjPrimeira vara de civel: tercas a oztaaaa meio
offf****** *yt^~ZBf3ainU*mt do airal: q.arta.a aabbado. II
" horada tarda.
MKTE 0FFICIJ.L
prest-
as
e en sane-
GOVERNO DA PROVINCIA.
. LEl N. 540.
O taeharel Hanoal Franciaco Corris.
dente da provincia da Pernambuco.
Fago saber a todos os seos habita ates que a
*?.", Wl^** Provincial decreou e en si
elonel a resolano segainte :
Art. unioo. Pica iaaota do impoa.oda decima
erecto o Hospital Portugus de Bannflceacia, em-
quaoto fizer parte do respectivo patrimonio, e
*MM permanecer o masmo Hospita ; revogadas
as disposicoes em contrario. B
.m0?l0PUnt0'' l0(1" autoridsdes. a
21ws nhec,a"ol<> oteselo da presente re-
' ?"!?"* ?ue "mpr.m a fac.m cum-
prr tao ioteiramente como oella se contera.
p-bl?" e'corVe?'' **!* ^ imlrimir'
Bhft*Ae 'sT.6'-0 d8 Pe"mbeco, 25 da ju-
nho de 1862, 41 da independen e do impe-
lo S.
a,,... Manoel Fraucisco Crrela.
bollada e publicada a presente resoluco nesta
heder86^ gorarno de pa""mbuci>. 25 de ju-
n-.. a t /a Rodrigues Chaves.
ifes lim 5- de ,,u provin-
ita 186 g'ern da p"^ *'
Fortunato da Silou A.es.
Expediente do da se do janho
._ fc de 18.
-sSS.! vbn/"deL, Sa>">anante das armas.
sirva-se V. Sx. de dar as auas c>rdens nf
q. m. forea da seis pra^s da l! ,ha ,e aTe
iTo^di. cnco P0D,a, "".?.
nnaa do da 28 do co.rente, aQm do assistir an
pagamaoto do. tr.b.ih.dore.'d. Mtr. 2' "r "
tom dar? ,Mr **** q"8 nesse act0 "
diaD0s?f0v.rev0rada.Sanla C,sa d Miericor-
rS^^ TiJ'i de mar fornecer ao di-
5 niH l eg, "'i8 orphao8 de 'a Therexa
lSi 1, KafS aul de Prl>e letiras da-
S*5iSi!!!r,ta 0I obj,cl08 m'ncioDado
pJ?ll?.rn,p-,cV,r da theoufi dafazenda.-
n.0.!'.U. d walMoi documentos mande V. S.
mg.I ?., Joau,n> le Faris Machado confor-
cicio na ireguezia de Gravst Goncalo Teixeira de
da 8n^re5|0fCO d' 14 d0 crrante. aJ.nl"
de 188 por elle despendida cf-
p&ra Buique de doas s** '
para o trtame
Dito ao p-
rim""- i<*.-
-e V.
. de 3t\p
.. compra^
a para a in-
,t cadveres dos
aoiuadot laileciuos u. --moibua daranle o
nez da malo ultimo.
Dito ao mesmo.Transmiti a V. S. psra os
convenieotes exames, copia das actas do conse-
lho administrativo para (orueciment do arsenal
de guerra datadas de 16, 18 e 20 do cerrente.
Dito ao inspector da thesouriria provincial
A Simplicio Joae de Mello mande V. S. pagar a
quaotia de 34$7O despendida com o sustento dos
presos pobres da cadeia do Brejo no mez de
maio ultimo urna vez qae eslejam em termos
a inclusa conta que para ease m me foi remet-
tida pelo chefa de polica interino com offlcio de
bootem aob o. 3993.
Dito ao mesmo.Estando em termo i a inclusa
conta mande V. S. pagar a Simplicio Jqs de
Mello conforme sollicitou o chele polica interi-
afsteA&T* e h0Dlem ,ob n- "' I"1"
ar dojtou da. despezas com o .astalo dos pre-
sos pobres da cadeia de Cimbres no mezes de
Janeiro e abril deste anno.
Dito ao mesmo.Recommeodo a V. S. em ad-
dilameoto ao meu offico de 9 do correte que
mande entregar ao thesoureiro pegador da re-
parli;ao das obrss publicas aa quantita pedidas
por aquella rep.rtico para as despezas no cor-
rente mezaom expediente repsros o conservado
de obras as quaes sendo contempladas no pedido
que acompanhoo ao mea citadoiolflcia.deixaram
de aer aalisfeitaa por falta de crdito.
Dito ao mesmo.Pelo oflcio que V. s. me di-
rigi hoolem sob n. 364, flquei inteindo de ha-
ver o Dr. Gabriel Alcebiades Raposo da Cmara
recolhido a essa thesoursria os 7:000ji que para
esae Raj deixoo. em aeu poder o ex-tliesourairo
da axtincta admioistraco do patrimonio doa or-
phaos.--Dr. Gabriel Soarea Raposo da Ci-
mara:
Pito ao chele de polica.Iotairado pelo ofl-
cid do delegado de Iogazeira por copii junto ao
de V. S. n. 994 de 25 do correle do resultado
das deligencias feitas para a captura ot crimi-
nosos a que allude o mesmo delegado, lamento
que nao fossem estes presos, esperando que nao
cassem aquellas deligeoeias emquanto nao se
conseguir capturar os referidos crimine sos. Po-
de V. S. louvar em nom- do gavorno os cida-
dios que so presiaram a auxiliar a tutoridade
naquelle empeano, e cujos nomes sao mencio-
nados pelo sobredito delegado no offlcio cima
citado.)
Dito ao mesmo. Remello a V. S. a inclusa
representarlo de Josa Jeronymo Ferreira contra
o subdelegado do 1* districto da ireguezia da
Boa-Vista desta sidado Francisco Martins Rapo-
so, aflm de que vista da rasposla por este da-
da, V. S. providencie como convier e for de d-
reito.
Dito ao director do arsenal de guerra.Faga
V. S. recolhar logo qae lhe forem mandados
apresentir por parte do brigadeiro commsndao-
te das arma, os objetos constantes do incluso
paJido os qases toroim-se desnecessaros ao 7'
batalbao de infantaria por nao serem da actaal
uniforme.
Dito ao capitio do porto.Com esta offlcio ser
apresentado a V. S. o recruls de marinha Ma-
noal do Naacimeoto, afim de que lhe d o conve-
niente destino depois de inspeccionado.
t);lp-.ao inspector do arsenal de marinha.
Logo que~foyatarmioado o contrato >elo qual
se obrigou aservff nesse areeaal o paismo belga
Joban Leonard Tpaaus, ple V. S. promover o
seu transporte paYava Europa pelos matos que
forem msis economicof.-
Fica assim respondida o ssu ofilcio dehonlem
datado tob n. 233, com referencia ao requeri-
mento do vredicto operario.
Dito ao commadante do corpo de jolicia.
Deferido o requem,0t0 0 gUarda da .aecto ur-
bana do corpo aob seu com mando Jos Antonio
dos Santos, a que se relata a su a informacao n.
881 desta data, autoriso a v. s. a ebnieder-lhe
passagem psra a seceo volante do mesmo corpo.
Dito ao director da. obra, muiiares Concedo
a autorisagao que solicitou V. S,tm 0'^cio dests
dais sobo. 106, par mandar aabuituir por ou-
eoziohado quartel do4 batalho deartitharia a p,
a qual por occasiao de proceder-se aoa :oncertos
que se estofazeodo.recooheceu-se estar arruinada
podendo V. S. para isso despender a qianua de'
209OOO rs. em que foi oreado esse sar"ico, se-
gundo declara no citado offlcio.
Dito ao juiz municipal da primeira vara.
Suscitando-.e duvida. acerca ds execucio da
portarla de 80 de maio fiado, pela qual elibe-'
rou esta presidencia, que em cumprimento da
le provincial n. 504 de 19 de maio de anno pas-
sado houvessera no termo desta cidade somante
Ma partidora, com attribuicoea correlativaa nos
juizos do civil como no de orphos. declaro a
Vmc. para s.n sciencis e direceso, que em vir-
tude daquelle seto e pal. maoeira nelle deelara-
aa, aerem funccionar anicameote o. dou. parti-
dora, que ezistem prvido, pelo governo impe-
rial ou.os seus substitutos, competente.Borneados.
uind""do-8 extnct. pelo artigo 1 da citada
le n. ax>4, o offlcio de partidor do geral e de
orphos que oxercicia o fallecido Maooel Joaqulm
(jongalves Lessa, e procedendo Vmc. como for
regular para qu. os partidores existentes possim
exerc.r suas funecoes na parte em que lhes falta
o necessario provlmento.Igual ao da legenda
Tara e ao juiz de orphos.
Dito so cooselho administrativo.Ficando in-
teirado do offlcio que me dirigi o conselho ad-
ministrativo para fornecimento do arsensl de
gterra, datado de hontem, sob n. 56, tenho a di
zer-Ihe era resposta, que snbr'esteja na compra
da eal de que precisa o presidio de Fernando.at
que o respectivo commsodante a quera nesta
data passo a ouvir, me informe, ae ha naquella
lha pedra calearie. e sa all podar ser fabricada
acal necetsana para aa obras que tem de fazer-se
00 mesmo presidio.-Officiou-se nesse sentido ao
commsodante de Fernando.
niu'.H.8-? me"noP""B?ra o cont.lbo .dmi-
011 rativo a compra dos livros meocionsdos no
incluso pedido, os quaes sao precisos psrs a es-
cnpturaQao dosofflcios do an.nal de guerra.
uito a cmara municipal do Recife:Respondo
m H .s 5,mIri municipal da cidade do Re-
cirs, datado da 16 do correle, aob n, 63, dizen-
I ?!iqU.9,8J'pr2TO aem.t.C6.. do. alla-
TtV, .a "a w d.os "so,?oas pblicos das fre-
DIAS DA SEMAMA.
30 ?fg.nd.. S M.rc.l b. ; S. Lacina.
X Ier5s- s- Theodonco ab. g. Abrahn
2 Quarta. Visitacao de Noss Senho
3 Quinta S. Jacinlho m. ; S. Heliodor'o b.
? ^ex'a- s- Isabel rainha de Portugal f
5 Sabbado. S. Atbanaaio m. ; S. Philomena 7^
6 Domingo. O precioso sangne de Cbristo.
ASS1GNA-SE
SuM8.e.fe,em0 iUm,l,141 pr5 dalndepen-
Retirando-.e a 8 8/4 horas, entrn Sea Ma-
geslade inesperadamente no hospital do marinha,
percorreu todo o estabelecimento, e visitando a
coropanhia de invlidos delxou esda um 5000
de esmols, e 20 cada ama das praess feridas
por accasiao do aioiatro que soffreu o vapor Via-
mao que esto actualmente em curativo no hos-
pital.
Sea Msgestide demorou-se m.i. de ama hor.
no hospital, sendo scompanhado pelo. Srs. ins-
pector do araeoal, eapilao do porto, e alguna of-
Dciaes d. armada, director, medico, e emprea-
dos superiores do estabelecimento.
Da ordem do da n. 316, pabltoada no dia 5
do corrente pela reparUgo do ajudante-general
consts o seguinte :
Norneagoet. Do Sr. marechal de campo Joao
Jos da Costa Pimentel para inspeccionar o Io
regiment de cavallaria ligeira. Em 4 do corren-
te mez.
inP0P"lic"1,r amanto do 1 batalho de ar-
ilinaria a p Joao do Carmo Ferreira Chaves pa-
ra o lugar de,ajudante do portiro da V directo-
ra geral desla aecrelaria de estado, o qual se
acna interinamente exercendo.
Do particular V .argento do V batalho de in-
fantaria Joaquim Feliciasimo do Reg Barros
para o lagar de ajudante do portiro da 3* direc-
tora geral da mesma secretaria. Em 15 de maio
prximo lindo.
Exonerago.Do Sr. tenante do corpo de ata-
do-malor de V clasaa Jos Vieira de Souza>Gue-
oes, do em prego de ajudante de ordens da pro-
vincia do Piauby.
Os deputados e grande numero de senadores
a. amiga maioria das duas cmaras celebraram
hontem, dos salde, do Club-Fluminense,
_-l^i0mmM0 de c<>nttisao e poderes, exa-1 trs. materis
minanqo os papis relativos s eleiuoes de elei ma, flxa e i
no. mercados pblicos, pelo
lempo e qasotiss mencionados no citado offlcio.
Uito a mesma.Com a inclusa copia do pare-
cer do presdeme da relaco, datado de 20 do
corrente, respondo aoa offlcios da cmara muni-
raSa!n9QRHC'-e-1dai8deeTereiro' 18e 20 le
miff 'i?-9 d9 JttLhd d0 anB0 P"do, de 19 de
"..! i""0' "b Di' 7> ,3' 16' 42 e 5J. relati-
d, iui,..aHle"8!.de en,r"m era exercicio tres
dos juuesdepazda froguezu do Poco da Panella
rnnlr^r'a,"^,.pre9i,le,lte da Provincia resolte
conceder a Meldesedecn Gomea Pereira de Vas-
coocellos a exonerado que pedio em offlcio de
o, ,1? nr;o ,uLlimo 0 S.rS0a.ajS. lhe,"rara Pr0tCUL M -
Dita^i.0 presidente da provincia conforman-
i eom Propostas do Dr. chefe de polica
.nno de 12 e 25 do corrente, sob ns. 951 e
V, resolve considerar vagos os cargos de 2. 4
e 5 supplentes do subdelegado ds freguezia de
s. Josa desta cidade, e nomeia para exercer es-
ses lugares oseidados abaixo declarado.
2.* Prxedes da Silva Guamao.
*. Francisco Caouto da Boa-Visgem.
5 Joaquim Tarares Rodovalbo.
Despachos do dia 6 de janho.
fequtrimentoi.
Domingo.da Silva CamposVolte .0 Sr. in.-
peclor da thesouraris de fazenda.
Jos Tavarea de Medeiros.Informe o Sr. Dr.
provador da Santa Casa de Misericordia do Re-
cite.
Libania Maria da Conceicao.Ioforme o
Dr. provelor da Santa Casa de Misericordis.
Miguel Francisco do. Aojo..A' vista da
forraacao nao tam lugar o que reqaer.
Sr.
io-
INTERIOR.
RIO DE JANEIRO
9 de junho de 186S.
Ante-hontem da. 11 hora, para a meia noate
d9u-8 m grande desastre no Imperial Diqueda
liba das Cobras. A porta eedeu sob o peso das
aguas, e estas precipitando-sa como urna caladu-
pa arremessaram o vapor de guerra Pnmo, que
aii eslava em concert, de encoolro parede do
fundo do mesmo dique. O barco quebrado, des-
conjuntado, vergado como um arco, retuou e
reio assentar sobra a porta que o mar arrastra
omsigo. De toda a guarnido que eslava bordo
so nos consta terem ficado foridos eioco homeni
dentre os qaaes tres mui levemente.
um bote que eslava amarrado perto da porta
foi arrojado para deotro do dique, morreodo um
preto que dormia dentro, e tal foi o impeto das
aguas a lancarem-se ao vazio de repente abarlo,
que o patacho Conde 11, ancorado defronte da en-
trada a tomar lastro, garroa e foi bater contra a
lia, onde despedazo* o guraKs e parlada bor-
da falsa.
Foi sem durida um grande revs para a mari-
nha, nao so a parda, que parece total, de um va-
por como o Vtomo, mas tsmbem a do lempo
que necessariamente decorrer at que se coos-
irua nova porta; mas se reflectirmos oas deagra-
cas que necessariamente auccederiam se a* aguas
rompessem hora em que o fundo do dique es-
tivesse cheio de operarios, devenios render gra-
cas Prorideneia, qae parmiltio qae o desastre
tosse lalvez o menor, que, a ter de dar-se. era
possivel. '
mencionsremos os segnintes, que express'am
pensamento geral :
O Sr. Visconde de Jequitinhonha : A' unio
dos qae seguem os verdadeiros principios con-
servadores, anuo formada pela intelligencia,
acrysoUda pelo patriotismo e temperada pela
amizade e reciproco apreco ; unio dosaonser-
raaores, qae nao qaer dlzer inercia aem re-
gres.o, mas movimento regrado e progresso pau-
tado pela exacta apreciacao dos interesses reaes
e legitimas aspirages da patria; noiao que
em por m nao destruir, mas conservar as lns-
lituiQoes juradas, e .obre ellas, como base e pe-
destal, levantar progresivamente a grande obra
da pro.pendade e gloria nseiooal ;' unio dos ve-
mos, por .aa nsturaza conservadores, com os
mogos que anda no ardor dos anoos comprehen-
dem e abracara com ecth-.iasmo a poltica pro-
gressista ; mas prudente e .-r1s. que em to-
do, os psizss coostitae o qae aa chama partido
conservador, e a anica qae pode obter grao-
oes, repelidos e perdurareis triumphos; i unio
. t---.-.i-n,|g iiiauuuua o UUI0IJ
Uo'lU^S8' onbaalaalaa do. foro, de um po-
ri ''''ne'anitom igual fervor o. dictamas
da prudencia, e da sabedor!, dos lempos quo se
chama experiencia, condiges sem as quses a II-
nte Bnja u,osao, a mal. trate) da. illusde,
sa cMelntir<> Pimenta Bueno. Ao p.r-
Udo conservador, que, velando pelas iostituicoes
patrias, guardando com avareza esse deposito sa-
grado, nao ae conserva estacionario, nao fca na
retaguarda, mas acomprnha com passo firme e
seguro os progresso. da civilisa?o contempor-
nea ; ao partido conservador, que defende o
principio monarchico e as augustas pessoss que
o representara, com o mesmo ardor com que
zeta os direitos do homem livre, os direitos d.
Uberdade bem entendida em todas as manifesta-
Qoes da actividade humana ; conservaco doa
penhores sagrados da felicidade do Brasil; ao
progresso que nao utopia, ao progresso sem te-
meridsde ; luta dos principios ; tolerancia
para todas as opinioes legalmeote manifestadas :
a una o dos amigos, e ao respeito que, como
Brasileiros e por seus merecimentos, devem me-
recer-nos os adverssrios; ao partido conaerva-
aor. am urna palavra, porque elle exprime e nao
pode deixar de exprimir esses sentimenlos, esses
dogmas, essas aspirajdes do presente e futaro do
paiz.
Do Sr. Contelheiro Salles Torres Homem. -~
A nossa aolo firme e perduravel, porque
fondada na base natural daidentidade dossenli-
mentos, uoio que os ltimos acootecimentoses-
treitaram e fortaleeeram, unio que permittio-
nos desempenhar sem hesitarlo, em urna con-
junctura difficil.grandes deveres constitucionaes :
uoiao, finalmenie, que continuar a ser um dos
pontos de apoio dss espersocas do paiz para o
d.aenvolvimeolo pratico de aua. iostituicoes 11-
vres> e progresso de su. clvilia.cao.
A estes e outros brindes, ouvidos com sllen-
co e applaudidos com eothasiasmo, seguio-se o
relativo S. M. o Impertdor, pronunciado pelo
Sr. visconde de Camaragibe, com o qual, em
meio do mais estrondoso applsa.o, cerrou-.e o
primsiro acto da reunio, a qual prolongou-se
ate as 10 horas da noite em animada
aacao.
Hontem nao houve easo
de numero legal.
toras que se proceden em 18 de agosto do anno
S"8^' D.a freI"etia de Nossa Senhora da Luz
da Fedra-Lavrada, do 1 districto da mesma pro-
alntia da Parahyba. e em 27 de outubro na da
ha* Lonca'Co da villa de C.b.ceiras, do
a f2jKri0*0 da mesma provincia, achou-a. sem
defewB essenciaes, apezar de pequeas faltas de
?80' nao remessa das actas da Ia e 2* eha-
oaaaque se notam na primeira dsquellas elei-
joes. '
C?i*ft8 termo a ommissao de parecer:
1. Que seja approvada a eleigo de eleitores
ajae se proeedeu em 18 da agosto do anno pas-
Jrto na reguezi. de Nossa Senhora da Luz da
Wdra-Lavrada, da T districto da provincia da
irar.ByDS.
2 Que seja approvada a elel^ao de eleitores
a que se procede, em 27 de outubro do anno pas-
sada na freguezia de Nossa Senhora da Concei-
cao da villa de Cabaceiras, no 2o diatricto da
mencionada provincia.
a Pap da cmara, em 11 de junho de 1862.
. F. de Araujo Lima.J. J. Teixeira Jnior.
13
o senado approvou hontem sem debate em pri-
meirae segunda di.cusso a proposta que flxa as
foress de mar para o anno de 1863 a 1864 : em
terceira discusso o projecto que prohibe a venda
de escravos debsixo de prega o em ex po si 5a o pu-
blica ; e em segunda discusso o parecer que per-
mute ao Sr. senador H. F. Peona a continuaco
na presidencia da pro?incia de Matto-Grosso.
Foi rejeitada a iodicago para dar-se aaseoto
n casa aos ministros que nao sao senadores.
Hantem nao houve aesso na cmara dos de-
patatos por falta de numero legal.
14
Hontem nao houve sesso na cmara doa depu-
tados por falta de numero legal.
No sensdo lambem nao houve sesso por falla
de namero legal.
Fo4 lirado ante-hontem do dique da ha das
Cobras o vapor Viamao, iodo atracar junto ao ar-
senal de marinha, onde se ach nado, saspenso
sobra doas bateles.
O vapor foi esgotado, cootionando entretanto a
funccioo.r aa bombas, aQm de se tirsr o machi-
mama e o carvo, e comecar-se a reparar o casco
sa for possivel.
No arsenal tem-se envidado todos os esforco
par que se realise esta esperanca.
Quanto cansa dosinistro, ha actualmente for-
2" Pr,umpQoesdeque a porta fluctuante, qaan-
do elle occorreu, liona poaca agaa, e por essa
causa sendo impedida pela mar, e nao podendo
resistir-lhe, cedeu, e foi sobra o vapor, de eujo
choqua resnltou-lhe um grande rombo.
conrer-
no senado por falta
O Sr. commendador Carloajda Hochkofler, con-
ut-g.ral de Roma, foi condecorado pela rainha
de liespanh. com a real e disliocta ordem de Car-
los III.
10 -
Hontem nao houve sesso do senado por falta
da numero legal.
A cmara dos deputados approvou em 2 dis-
cusso o projecto do senado, declarando applica-
vei aos empregados da junta do commercio do
Maraohao a disposigo do art. 14 da lei o. 719
de S8 de setembro de 1853, psra lhes serem pa-
gos pelos cofres geraes os ordenados que se Ibes
licaram devendo at a extinego da mesma junta.
Approvou tambem o parecer da commisso de
poderes relativo eleico de eleitores qae se
preceieu na freguezia de Gaarekessavs, da oro-
vincia do Paran.
Adoplou o projecto que approva a penso an-
ua M de 6OO&O0O concedida a D. Rita Jacques Pe-
reira Piolo, viuva do marechal do campo Fran-
cisco Flix da Fooceca Pereira Pinto, e a de 300
a cada ama de suas filnas.
Adoplou igualmente, depois de algumaa ob-
servaedee dos Srs. Vilella Tararas, Nunes Gon-
ealvee e J. de Alencsr, o projecto qae autoras
o governo a dispeossr Joo Joaquim Ramos e
Suva o lapso do dous sonos nosexsmes de lslim
e loglez feitos em 1859, coojunclsmente com va-
rias emendas, estendendo o mesmo favor diver-
sos estudsntes.
Adoplou ainda a proposta do governo que fu
!fifl?* "aTal Para a0n0 flaaBceiro de 1863 a
Occupou-se ltimamente com a 2* discusso da
proposta do governo, qae flxa as forcae de trra
para o mesmo anno financeiro. Orou somenle o
Sr. Brando, ficando a discasso adiada pela
hora.
S. M. o Imperador embarcou hontem a7 ho-
ras da mauha no ar.eo.l de marinha, acompa-
ohado por seus seminarios e pelos Srs. ministro
da mali.nJia, inspector do arsenal e chefe da es-
taco, o dir>gio-ie so dique da liba das Cobras,
onde as achaVam o Sr. capito-tenente honora-
rio Level e rariol^fflc.e da raada,
A cmara do. depat.do. approvou hontem em
ama .6 di.cuiso o projecto que approva penso
annual de 800J concedida a D. Mana Adelaida So-
dr Coutinho, viuva do con.slheiro Joa Lio. Cou-
tinho.
Approvou depoi. em 3* discusso o projecto
que autori.a o governo para mandar passar carta
de naturalisasao de cidado braaileiro Maooel
Carlos Godiuho e outros, conjunetsmente com va-
nas emendas, relativas ao mesmo m.
Approvou mais em 2* discusso, depois de al-
gumasobservacoes dos Srs. C. Madureira e Tei-
xeira Jnior, o projecto que approva o contrato
celebrado pelo governo imperial com o baro de
Msu para a iliuminaco a gaz da cidade do Rio
de Janeiro.
Occapou-aa ltimamente com a continuaco da
discusso da proposta do governo que Oxa aa for-
cee de trra. Oraram os Srs. Sayo Lobato, Nu-
nes GonQalves e Vieira da Silva, ficando a discus-
so adiada pala hora.
Por decreto de 4 do corrente foi nomeado o Sr.
conselheiro Alexaodre Maria de Mariz Sarment
para presidente do conselho, inspector e fiscal da
caixa econmica e monte de soccorro, estabele-
cido nesta corte.
12 -
Hontem nao houve aeaso no aenado por falta
de namero legal.
A cmara dos deputados adoptou honlem o pro-
jecto que dispensa as leis de amortisacao em fa-
vor da imperial irmandade de Nossa Senhora da
Gloria do Oateiro da cOrte, par. poder possuir e
adquirir bens de raz at ao valor de 200:000,
coojunetamente com algumaa emendas tendentes
o me.mo m.
Approvou depois em discusso o projecto
que sutorisa o governo a conceder carta de na-
taralisago de cidado brasileiro ao subdito prus-
siaoo Carlos de Bottenatern, tambem com algumas
emendas, estendendo o mesmo favor varios es-
trangeiros.
Occupoa-se ltimamente com a 2* discusso da
proposta do gorerno que fixa as foress de trra.
Oraram os Srs. Leito da Canha. Paranagu e An-
gelo do Amaral, ficando a discasso adiada pela
hora.
Foi apreieaUdo o seguinte parecer ;
F.lleceu ante-hontem, e sepoltou-se hontem
no cesBiterio da S. Francisco Xavier, o Sr. chefe
?i**fS 2io Cnlodio de Houdain. aae. tendo
sipo ovia o do commando da estacio naval do
Rio di frau para a da Bahi., derla partir deo-
iro dey poicos das para aquella provincia no va-
par B> --riof.
15
O senado approvou hontem em terceira dis-
cusso a proposta do poder execativo que flxa a
Torca naval para o exercicio de 1863-1864, re-
jeitando em seguida, na primeira discusso, a
proposta d. cmara dos depotados que concedis
a D. Luiza Feliciana de Amorim a Silva o prazo
de seis mezes, afim de habilitar-se para recebar
o meio sold que lhe pertencesse.
Hontem, ns cmara dos deputados, o Sr. Ve-
riato fundamentou e offereceu um requerimeoto,
qae foi approvado, pediodo ioformacoee ao go-
verno sobre .. orden, que tem expedido par. .
conclusao da obra do dique na provincia do Ma-
raohao.
Em segaida o Sr. Paula Santos fundamentou
um projecto declarando privilegio do estado a
compra do gado de consumo.
Foi approvado o reqaerimento do Sr. Oltooi,
cuja discasso flera encerrada na sesalo de 7 do
corrente, pedindo ao governo copia, da. tarifas
em aso em cada urna das estradas de ferro que
tem garanta de juros.
Eotrando-se na ordem do dia, foi approvado
emuma s discasso, depois de algumas obser-
varles do Sr. Nebias, o projecto que declara ter
D. Isabel Maria Bresstno direito ao meio sold
desea finado marido o coronel da extiocta se-
gunda linba Antonio Bressaoe Leite Pereira.
Trataodo-se depois da primeira discusso do
projecto que autorisa o governo a conceder ao
desembargadbr Venaotio Jos Lisboa um anno
de licencs com o. respectivos vencimentos, par.
tratar de .a. saude na Europa, flcou a discusso
adiada pela hora, depois de algumas obaervacoes
do Sr. Villela lavares.
A segunda discusso da proposta que flxa as
forjas de trra ficou tambem adiada pela hora,
depois de orsrem os Srs. Sayo Lobato, Pinto de
Campos e ministro respectivo.
16
N'um aparte dado um discurso proferido pelo
Sr. Leito da Cunha na sesso de 11 do corrente
da cmara dos deputados, dirigio-nos o Sr. Otto-
m o epteto de imprensa asalariada.
Se ae reputa assalariada a imprensa quo cobre
urna retribuido flxa pelas pablicscoes solicitadas
nao sabemos qae exista, uam concebemos qu.
possim existir folhss am oulraa circumstancias,
a nao serem a que depandem da existencis e
e esto presas ao. interesses de um governo, da
um partido, ou d. um. cu*, particular, posico
em que nao nos chamo*. Portaoto, ae o Sr. T.
Ottorii qaiz insinuar que o /orna! do Commercio
recebe ou tem recebido estipendio do governo,
asseverou o que assim oo 4, a, note-se, asseva-
rou-osabando muitob.m o contrario*.
Mai. um. vez aqui o decl.r.mo. alto e bom
som a face do paiz, dessfiando mesmo o Sr. T.
Oltoni ou quem quer qae aoja a que nos desmin-
ta : nunca recebemoa nem solicitamos favor pe-
cuniario do governo oa de particulares. Feliz-
mente temos sempre vivido dos nossos proprios
recursos e do cooceito qae havemos procurado
merecer do publico, franqueando indistincta e
imparcialmente as nossas columnas, observadas
as regras do decoro' e conveniencia geral, de
que nao eximimos nioguem que a nos re-
corre.
Pelo que toes ao governo, publicamos gratui-
tamente a parte offlcial, que de interesse pu-
blico. Se elle nos toma algans examplsres ds
nossa folhs psra remette-los s autoridades qae
devem ter conhecimento dos setos do poder exe-
cuUto, nao 00a faz favor, consulta urna necessi-
dade da admioistraco. Demsis, lisoogesmo-nos
que grande parte, pelo menos, dessas as.igoatu-
ra. te-I.s-hismos ainda qugndo nio publicasse-
raos a parte offlcial.
Se, alm diato, julga algum governo daver pu-
blicar alguna cousa para eselarecimento de qual-
quer qaestao, no que neohum desar pode haver,
pois que maitaa vezea carece o governo de fallar
ao paiz, e no intervallo das sessdes legislativas
nenhums tribuna tem afora a imprens*., paga
exactamente oque exigimos de quslqaer parti-
cular, nem um real mais, nem um real menos.
Quando algum mint.terlo, seja quil fOr a sua edr
poltica, pola que o Jojnal do Commercio nunca
foifolha de partido, julga ter necessidada de,
pela tmprensa. dingir-ae ao novo de modo que
se saita de ende partera aa explica;5ea, reserva-
mos-lhe urna1 can especial, e debaixo dessa ti-
tulo nada publicamos que nao seja por elle suto-
ruado, como 10 outros ttulos appareeem ou>
... A remunerarlo sempre mei-
invariav.l Ma. isto s o que faze-
mos. Sobre todas as oatras partes da folhs, tan-
to as colamoaa reservadas redaccso, como
as franqueadas ao publico, conservamos- amplis-
sima liberdade, nicamente limitada pelo nosso
proprio criterio; oenhuma obediencia prestamos
S niDguem particularmente, nenhumaa impoai-
qoes accetamos, nem as seceta quem nosere-
conheca captiro de favores privados.
Ser isto ser imprensa assalariada ?
Ao proprio Sr. T. Ottoni emprazamos de novo
a que declare q.antas vezes lhe temos recesado
as nossas columnas, qual o artigo seu cuja io-
sergio nao nos tenhamos prestado sempre da me-
Jhor vontade. E' com f no carcter do Sr. T.
Ottoni que invocamoa o aeu testemunho, e por
elle queremos ser julgados, pssssda a elsrves-
cencia de um debate parlamentar.
E basta. Nsda do que deixamos dito ignorara
os nossos leitores, pois que j o havemos decla-
rado qaando de tempos lempos alguem se es-
quece de que nao nos difflcil refutar e destruir
os baldoes, que nos srremessam, a injuria atira-
da uossa repulaco, que prezamos e sabemos
zelar. Eotretaoto, tendo hoje de registrar as
nossas proprias columnas, destinadas publica-
cao dos debstss da cmara dos deputados, o apar-
te do Sr. T. Ottoni, nao o quizamos deixar passar
sem formal proteato.
Nao blazonamoa de iodepeodentes, porque nem
comprebeojiemos a imprensa sem essa qualida-
de; ma. nao podemos deixar psss.r sem rep.llir
umaoffensa grave, e manosdesculpavel por par-
tir de esphera elevada.
Quanto ao mais, os principios que expozemos
sao os que sempre nos teem guiado, e nao have-
ra circumstancias que possa demover-nos da ira-
parclalidade que para todos os tempos nos imoo-
zemos.
- 17 -
O sensdo occapou-se hontem em trabalhosde
commisses.
!.T,g/ad0 Par'. e a Au8to Cesar Sampaio,
jadante de inspector da alf.ndega da mesra. pro-
vi ocia', r
n.^nP/r0.Hemrf2" '"uo simal:o.mente
.. S2f h ?s da praPO.a do governo cuie fixa
?2F1,erra pBrs "o fioanceiro de 863
a 1864, s hivendo um debate sobre o art 4 en-
tre os Srs. ministro da guerra. Flix da Cuoha.
Carlos da Luz, Paranhos e Amaro da Silvelra-
Occupou-se ltimamente com a 3" discusso- do
projecto que approva o decreto relativo ao con-
trato celebrado com Jo3o Carlos Pereira Pinto pa-
ra a oavegacao a vapor entre Montevideo e diver-
sos porlos da provincia do Rio-Grande do Su).
Orou smente o Sr. Am.ro da Silveira, ficando a
ducussao adiada pela hora.
fazenda e
Continuou hontem na cmara dos deputados
a discusso do projecto que autorisa o governo
a conceder ao desembargador Venancio Jos Lis-
boa um anno de licanca com os respectivos ven-
cimentos para tratar de aua saude na Eurppa.
Fizeram algumas observarles os Srs. Serra
Carneiro, Siqueira Mendes, Villela Tarares e
Nebia.
Continuou tambem a aeganda discasso da
proposta que fixa as forgss de Ierra para o anno
financeiro de 1863 a 1864. Oraram os Srs. Sal-
danos Marinho e Ferreira da Veiga.
Ambss as discusses licaram adiadas pela
hora:
Forsm lidas pelos Srs. ministros da
da guerra as seguintes propostas :
a Augustos e digoissimos Srs. representantes
da oagao.Em observancia do 4* do art. 4# da
lei o. 589 de 9 de siembro de 1850, venho apre-
seotar-vosa proposta para a abertura de um
crdito aapplementar da quantia de 637:0538435,
vistojque segundo o calculo do tbesouro som<-
raa volada para a rubricaEslacdes ds arrecada-
?*.rpa a MU de 27 de setembro de
J860-rl- V 9, nao sufflcieota para fazer
"aa a todas as despezas com a mesma rabric.
t o fim do corrente exercicio de 1861 a 1862.
Rio do Janeiro 16 de janho da 1862__Vis-
conde de Albuquerque.
d PROPOSTA.
*!.*** *" A,em da. de.peza. Salomadas pela
',d0 orcamanton. 1,114 de 27 de aetembro de
l8o, para o exercicio de 1861 a 1862, 4 aberto
ao ministerio ds fazenda no meamo exercicio
um crdito supplementar de 637:053s455, para a
rubrica do 9, art. T da referid, lei (eslaces
de arrecsd.ce.].
Art. 2 Fisam revogadas as disposices em
contrario.
. Rj da Janeiro, 16 de junho de 1862.Viscon-
ae de Albuquerque.
Augustos e digoissimos Srs. representantes
ds nasao.Em observoncia do 4 do art. 4#
da le n. 589 de 9 de setembro da 1850, venho
apresentsr-vos a proposta para a abertura de
um crdito supplementsr da quantia de 375:000$,
visto que. segundo o calculo da reparticao de
contabilidade do ministerio da guerra, a somma
votada para as rubricasSecretaria de estado,
arsenses de guerra, cooselho supremo militar,
corpo de saude e hospitaes, classes inactivas,
gretiflcacoeadiversase fabricaspels lei o. 1,114
K? o. d4e,e,?.mDro de 1860, art. 6 l\ 3\ 4.
0 9 .10 a 11 nao suficiente para fazer face
todas as despezas com a mesma rubrica at o
exercicio de 1861 a 186.
a Rio de Janeiro, 16 de junho de 1862.Po-
lydoro da Fonteca Quinlanilha Jordao.
PROPOSTA.
1 Av* A,in da" despez. .atori.sdas pe.
ii or?amento n. 1,114 de 27 de setembro de
1860, psra o exercicio de 1861 a 1862, atarlo
.0 ministerio d. guerra no mesmo exercicio o
crdito supplementar de 375:000} par. os se-
gaintes do art. 6* da referida lei:
1* Secretaria de estado....*......
8 3o Arsenaes de guerra ..........
9 4o Conselho supremo militar....
6 Corpo da saude e hospitaes....
8* Commisses militares..........
9* Classes inactivas..............
10 Gr.tificacdea divera.., recruta-
. ., ment.......................
U E.bnei,:.v.....................
13 Obraa militare.................
30:0005
110:0001
3:000
90.000
6:00c
30:O00S
60:000
35 0005
11:0009
Art. 2 Fic.m revogadas aa disposicd.s m
contrario. *
Rio de Janeiro 16 de junho de 1862.Poiy-
doro da Fonteca Quintanilha Jordao,
Por decreto de 16 do corrente foi desig-
nado o V confereote da alfandega de Uroguaya-
na, Jos Antonio Seraphico de Assis Carvalho,
psra ajudante do inspector da alfsndega do Rio-
Grande do Norte.
-18-
O sensdo occupou-se hontem em trabalhos de
commisses.
Continuou hontem na cmara dos deputados a
discusso do projecto que autorisa o governo a
conceder ao desembargador Venancio Jos Lisboa
um anno da licenca, com oa respectivoa venci-
mentos, para tratar da sua saude na Europa. Fi-
zeram algumas observares os Srs. Marlim Fran-
cisco, C. Madureira e Barcellos.
Continuou tambem a 2a discasslo da proposta
que fixa as forjas de trra para o anno financeiro
de 1863 a 1864. Oraram os Srs. Braodao e Cor-
rea de Oliveira.
Ambas as discassoes ficaram adiadas pela hora.
- 19
O senado oceupoa-ae hontem em trabalhos de
commisses.
A cmara doa deputadoa adoptou hontem, de-
pois de algumas obaervacoes dos Srs. Pereira
Franco eC. Madureira, o projecto que aatorisa o
governo a conceder ao desembargador Venancio
Jos Lisboa um anno de licenca com os respec-
tivos v.oeimentos para tratar de sua saude oa
Europa, coojunetamente com varias emendas es-
pela hora.
..D" ordem do dia n 317, publicada no da
14 do corrente pela reparticao de ajudante-gene-
rai, constam as nomeaces seguales :
Dos Srs.:
Major do carpe de e.tado-m.ior de 2a classe
Maooel Joaquim Pinto P.cc. para ajudante de
ordens do Sr. marechal de campo inspector do 1*
regiment de cavallaria ligeira, em 6 do corrente
mez.
Tente do corpo de estado maior de primeira
classe Lucas da Rocha Fragoso para aecretario do
masmo Sr. inspector, em 6do correle mez.
Tenante do mesmo corpo Candido Jos Coelho
de Moura para ajudante de ordens da presidencia
da provincia do Piauhy.
Primeiro cirurgio do corpo de saude Dr. Mi-
guel Joaquim de Caslro|Hascarenhas par. prime-
romedico do ho.pitsl militar da provincia d. Per-
nambuco.
20
Fez hontem a sus experiencia o ve por San-
4 5ar,a- construido nos estalelros da Ponta da
Ares, e destinado carreira de Santos. Sanio
de Siola Cruz s 11 horas e4 minutos, passou a
lha Raza s 11 e 37 minutos, e so meio dia e 3*
minutos chegou s Tijucas. Ns rolla passou San-
.U? i hora e 30 minutos, chegando a Pa-
iU ,.2e32,mDU,og- A marcha regalar do
Santa Mana de 13 X milba. por hor., ter-
mo medio, calando ne.t. experiencia 8 X p.
d agua r, 7 e 2 pollegada. proa.
Pairando o vapor perto da praia do Paquet,
,erJ'o-a s 3 horas da tarde um delicado e va-
riado lunch, fornecido pelo Hotel da Europs. Em
lodo este agradarel passeio martimo ama banda
militar tocou varios pedajos de operas Italianas.
O >anta Maria o primeiro vapor construido
no Rio de Janeiro que em commodidades o asselo
tanto na cmara de r como proa, rivalisa com
os paquetes transatlnticos que navegara para ea-
te porto, nao faltando nem depsitos de gelos
nem machinaa para filtrar agua.
Neata reunio de damas e cavallelros. nota-
vam-ee os Srs. deputados Marlim Francisco e La-
mego Cosls, coosslheiro Tolentino, corrmenda-
dores Souto, Ulrieh e vsrios offlciaes da armada
nacional.
As horas voltou o vapor para o ancoradou-
ro, nadando a testa 7 horas da noite com tres
brindes, o primeiro firma Ivaby & Brega pelo
contingente com que concorre para o progresso
do commercio, o segando aos Srs. baro e baro-
Mta deilv.hy e o ultimo SS. MM. Iraperiae.
propo.to pelo mesmo baro.
*lmSLS^^mt^ por Ita
A cmara dos deputados approvou hontem.
depois de algumas observares dos Srs. ministro
da agricultura e Flix da Cunha, o projecto que
approva o decreto relativo ao contrato celebrado
cora Joo Cario. Pereira Pinto para a navegaco
vapor entre Montevideo e diver.os portos da
provincia do Rio Grande do Sul.
Occupou-se depois com a 2a discusso do or-
gamento, na parte relativa ao ministerio do im-
perio. Orsram os Srs. J. Madureira, Couto
Vmato, ficando a discasso adiada pela hora.
fcstao inscriptos com a palavra oa Sr*. Jun-
queira. Nunes GoncaUes, Torrea Homem, Pra-
nnos, Sayao Lobato, Carro, Rodrigo Silva, Vil-
lela Tarares, Figusira de Mello e Carneiro da
Cunha a favor: e contra, os Sr. Angelo do
Amaral, Ribeiro da Luz. Siqueira Mendea, Sala-
thiel, C. Ottoni, Jaguaribe, Tavares Bastos, Ser-
glo de Macado, Mello Reg e Martinho Campos.
Ach.m-se m.i. inscriptos sem designado os
Srs. Piolo de Campos, Silveir. Lobo, Hartim
francisco, Henriques, Corre, de Oliveira, Pe-
reira da Silva, Paranagu e Brando.
Foi apresentado o padre Antonio Nunes Bsr-
relo, na igreja de S. Joo Baplista de Imoroby
mX aflf? Ssn,a Cath'ioa, e bisp.do do
Rio de Janeiro.
2t
Honlem nao hoave sesso em neohum. das
cmaras por falta de numero legal.
Entrado hontem do Rio da Prata a portos do
Mi do imperio, trouxe-noa o vapor Tocaniins fo-
Ihas de Montevideo o Porto-Alegre at 14, Rio
Grande 15 e Santa Cstharina 19 do crreme.
As dataa que em Montevideo havia da Repbli-
ca Argentina alcancam a l, e aa unicaa noticias
de alguma importancia sao a do aubmstt.ment
do general Peoalosa, que, prometiendo obedien-
cia ao general Mitre como eocarregado do poder
executivo nacional, apenas aceitn, da. garanta.
que lhe ofiereeiam o indulto para spenos, que
o acompanhavam, com o qae lerminou comple-
tamente a guerra intestina, a a da reconciliaco
do governador de Cordova, Pos.e, com Paunero,
commaod.nte da. forc.. expedicionarias de Bue-
n0,.-Ayres, com o que er. do esperar correseos
pacificamente a. nova, eleicoes a que ae ia pro-
ceder naquella provincia.
O desmentido dado noticia qae correr de ter
morrido ns guerra contra Peoalosa o coronel
Sandes, que ali chamam o Bayardo oriental, cau-
sou alegre alvoroto.
Publicra-se o decreto mandando proceder i
el.icode eleitores para presidente e vice- presi-
den ia da repblica. Na presideocia parece qae
ninguam se atreva a concorrer com Mitre ; mas
como candidatos vice-presidencia .preseota-
v.m-sa AUina, Velez, Sarfleld, D. Domingos, F.
Sarmiento e o general D. Manuel Taboada, di- '
zendo-.e que o candidato offlcial seria o coronel
D. Marcos Paz.
Esperavam-se esa fiaeoos-Ayres i cada mo-
melo os representantes de S. Luiz, Salto e S.
Jaan.
Na sesso do dia 7 apresentoa-ae ao coogresso
urna mensagem em qu. o general Mitre propuoha
o dilemmaou.a annullc.o doa paeto. com qutt
Buenos-Ayres se encorporou na nar^o, ou a ca-
pital neata cidade. Conclua assim :
c Terminando esta moosageaa especial, limi-
tada pontos que peta sua aatareza, por sita-
ren expreasament commettidos ao coogaesso.
tanto peta constituido como pelos pacloa exis-
tentes, devem ser iniciados no vosso proprio tele,
o eocarregado do poder execativo nacional crft
desempenhar um dever d. patriotismo e cons-
cisneis, lembrando Vosa* Honra que sendo o
dever, a gloria a a conveniencia do povo de Bue-
nos-Ayres consolidar eficazmente e por todos os
tendendo o mesmo favor aoa Drs. Clemente Fal-lmeios"para o. presentes e vindouros a nova si-
co da Souza, lente da facaldade da S. Paulo, e[tuaCao que lhe locou crear, dando nacionalida-
AotoBlo Nobre de Almeida e Castro, juiz munUl-
p.l de ca pellas da provincia de Sargipe ; ao. de-
sembargadoresManoel Eliil.rio da Castro Me-
nezes e Manoel Jos Espinla, ; aos viga
rioa Carlos Augusto Peixoto de Aleoear e Luiz
Gonr;alves de Aragio ; a Jos F'.rmino Vieira. ins-
pector da thesouraris de iaze/ada do Maianho ; a
Anlonlo PiBitnta da Mag&'ihaos, 1* onferente da
de Pases iocommoviveia ; e sendo esta a crenca
e a esperanca de todos os poros, considera ella
que tao grandes objectos s se podem alcaocar da
dous modos : ou bem pondo desde logo dispo-
sico do governo nacional todas as coasaa qua
por sus natureza coirespondem ao territorio da
provincia de Buenos-Ayres, ainda renunciando
volanuriamenta (se fosse neceiiailo], no iuterea-
N/l
CI UPiD LTVLTKjIDI ad cm^m

ra itii aha


!

DIARIO DI FBRNAMBCO. SEGUNDA LRA SO DI JUNHO DE 116,
La '
*
S" e propria e no d communldaie, e it onde tos-1
JM corapaiivel com Ma nd propria, i posi$ao
especial que Ibe fizar am o pacto xiteote; ou
ntao dando por bne orgstrissei nacional
--mesma provincia de Rueaot-A yreej-ces eut>ele-
anootos da governo, pelo mofo, forma e eXten-
iu que o congreMO achar conveniente petanque
Teezietla i naci em geral,. i ceitar livremede por orgocos stae ratpres*
-unte na patle qe lhe cooHKtir, s*tpudo ofrt>
aceito conitilucional. >
De Montevideo Dada tes* que referir >
possa iotertiasar aos leitorea. rtatan-ja>de *
xogir a sesiao legislativw pelo prMo piaj*1aa ea
psrticelar interesse pala sorte da localidade, ai veira, por se acharem caraprehendido este oa O nomeado para Ble cargo o Sr. Antonio da j
p revisa de qae o mal possa accommetter de im- ultima parte do ert.3* e aqello do $3* do pa- lfotta Silveira Jnior, e para o oulro o Sr. Joa
consliiuio, teodo ji 0 senado votado neteen-
-ido vina reolrc*o, que se otara eria eppro-
^da pera cmara dos deputado*. .
Do Paraguay hsvia noticies ate 31 de meto. No
Jrii 15 tioha cabido dos tale,roa da Aisumpcie
t agua o vapor do guerra YcKrcy, nome, diz o
semanario, que jiwtica *a declaracoes de limi-
tes entro o Paraguay e o Brasil. Quatro das an-
eschegra alf o vaporPdrao-Mtry, construido na
loRlatetra para o governo panguayo.
Progrediam rpidamente >s obroa do edificio
ajara urna alfsndega boto.
llecebemos tambem folhss do Chile al 14 de
ato.
Tiuha alli hvido ama crise ministerial, que ae
resolver continuando o mesno gabinete. 6 pre
tai docto teaoionavaempreheoder brevemente urna
elsgerfl fronteira do sul.
O goveruo.de Per pedir 6 committio legis-
lativa permanente autorsac.io para construir
ansie trea ou quatro fragatas, com ot vneiftora-
matutes modernos, para defeca doa portea de Ca-
lho. Arica e Poita.
Ns .Solivia fortiaeava-se a paz um tanto. Oa
jotos revolucionarios de marco torom indultados,
como o hav-iam aido antes da mvoluo de novem-
fcro. Exceptuam-ao agora desta gra$a oa gene-
raes BeUu, Torreliu, Marliner, eosoQIciaea que
molioaram a columna de S icre a 7 de marco.
Tinha se restabelecido a ore era regular nos de-
jia (lamentos de Sucre o Potos, levantando-te o
atado de sitio.
As eleicoea causavam alg ma ioquietacio na
Solivia, A candidatura do general Prez era a
que pareca maia bem parada.
I Na provincia de S. Pedro do Sui nada occorr-
ra a-e importancia depoie da t hida do ultimo pa-
quete.
C Exm. bispo diocesano, ledo feto a su visi-
ta pastoral diverso pooloi da provincia, ro-
gresfra capital ao da 13.
Eslava marcado o da 27 de julho prximo pa-
-sraaeleicio de um depulade jue deve preeocher
* vaga deixada na reipecliva cmara pelo Sr. ge-
neral baro de Porto-Alegre.
Segundo o Correio do Sul de 13, nao o con-
firmo a noticia do falleciments do juiz municipal
da Cruz Alta Dr. Bernardo Augusto Rodrigues da
Silva. A meso, a fol.ia dis, porm, qae a conva-
iescenc de S. S. lenta e m< liodros.
De Pelotrs aonunciavam aa Diario do Rio
Grande o desapparteimento do redactor da Au
rora do Bag ua noute do Io do corrente, depois
de ter sabido de um theatro particular desta ci-
tade, onde nessa mesma o jute representara.
Soppunha-se qe liv esse. sido victima de algum
Meo lado.
Tinha cessado a publieacio do Jornal de Pe-
iotas.
De Santa Calharioa nao la aoticiis de me-
cerse.
- 23
Entro hontem do Rio da Piala o paquete fran-
xez Saintongc, com folhas e cartas de Buenoa-
Ayres at 14 e Montevideo al 15 do corrente.
As datas pouco adiantam s trazidas pelo To-
tcanlins, e aa noticias nada.
A coolinaa depreciaco do )pel-moeda levou
o goveroo de Buenos-Ayres a pedir s cmaras
utoritaco para a junta de admioistraco docre-
alito publica crear at eis milhoes de pesos for-
Aea em fundes pblicos para reduegao daquelle
lspel.
Eslava j contratada com i casa de Eduardo
J.wmba construeco do caa.ir.io de ferro do sul,
tambem no Rosario se organisra urna compa-
iihia com o capital de um rxilho de pataces
para urna via frrea entre aquella cidade o Cor-
lova.
Os negocios polticos Activara no estado em que
os descrevemor.
De Montevideo nada absolutamente.
proviso oertot lagares distantes da capital, e a
noticia do appareclmenUr da epidemia em qual-
quer ponto, sio motivos que tem sempre influido
no animo da presidencia para tomar medidas
prevean**, ? d^*oeoin*r-vpreaU^4 de soecor-
los.
Ocfa5toaitHm pola voracUade datos-
las aoauKQoeoK
A rmwinotaKoa^reheavSai flMbssarcaattwT a
epidoaa vhamtnrsjsjldo v*rtos ffaWOl coDSMs ou
meoMintoaeMaitb.
EanretanNuq*!*- a>(sr .jaocaraj parastnaie nao
tenhsm ido medicamentos e baeta ? Quem nao
doa Sooto* Silva Jnior.
* Ac4iaiioa nomeadoa para os lugares da 2,
la lar lugar 4 1 do correcta* Mo5 astpplente da sabdeUgicia daS. JosdesU
chmenlo da viajar deixadv- a idade^os-Sr. Prxedes da Silva GusmSo, Fran-
o laoqpiai Ttvaroa
no qae baixou com o decreto do tt do-doaembro
de 1815.
S. Panto.Devi
eleicao para preeo
maravdaa-deputadiia aaso SavUs Jos Boai--
facio.
"Barbara aajajpraat* nmcaplMialgonayaa
do typlio. ____
No da 10 tamossrwconta altsflbpadoo Bxm.
blsusjBdiooosaam.
Btpirito-Sam*, aUertura da aiiemb
pjrovlncial UvaeHagan svsodiaaKt da passado.
Tinha havido na capital quatro nvenena-
sp pe la do, Manoel dos
sabe qoo todas ao- coHedoriao- tom- roeeWdo ot*- moa tas-, noe soaaiirtercondi;oea:
CEA II A.
O artigo editorial publicado em o n. 131 do
Pedro 11 merece algumas observares, que nos
.aveaturamos a fazer por aa.uj da verdade ni-
camente.
Do que diz o contemporneo em tom magoado
*e collige.
1 Que tam havido excesso de parcimooia as
listribuices de soccotros publ eos.
2* Que a presidencia deve deixar de mo cer-
tos escrpulos e hesitacoes, o salvar ou procurar
salvaras vidas dos Ceareoses de modo que a opi-
mio publica Oque ssiisfeita.
O actual presideole tomou posse da admioia-
tracao no da 5 de maio. Acbavam-se apenas
ccommeltidos dous pomosIco e Aracaly. As-
aim mesmo ainda muita gente boa duvidava que
jo cholera lavrasse naproviocii, como por muito
empo davidou-se qae elle houvesse reapparec-
3o em Peroambuco. Nao era isso urna incredu-
lidade pueril doa profanos. Ismbem eotie ho-
xneos da ciencia bavia controversia sobre a rea-
lidade do cholera entre nos. Jo Ico o Aracaly
oieram provss disso.
Como hornero reflectido procurou S. Ixe. in-
cagar logo a verdade. O seu primeiro cuidado fot
pdr-se a par de toda a correspondencia official at
nto recebida acerca do cholera o das providen-
cias dadas pelo seu antecessor. Ampliou-as pa-
ra a capital aflm de regularisar completamente o
servico sanitario. Onde sebo j despezas escusa-
das cortou-ss e fez bem.
Para aa comarcas do Ico e Aracaly j tlnham
ido todos os soccorros qae a phllanlropia mais
apurada podesse desejar. Em outros pontos as
xespecllvaa commlssoes receberam autoris(9es
i.'i amplaadespenderem no caso de necessidade
que o patriotismo mais estremecido devia flear
tranquillo a respeito da gente pobre.
As cousas no centro achavam-se nesle p quao-
lochegou provincia o novo (.residente. Com a
experiencia que j tem reciou S. Exc. que a
facaldade ampia de gastar desseazo a um dispen-
dio avultadlssimo com medidas preventivas, e en-
tre estas o ettabelecimeoto pievio de enferma-
ras.
Recommendou a economa rompativel com aa
aecessidades imperiosas da si.uac.ao, exigi qae
eapresenlassem os documentos comprobatorios
le quaesquer despezas com o < holera. afim de se-
ren examinados pela reparti?o fiscal, e fez ob-
ervaedes judieiosas aceres dan enfermaras, cu-
ja nacesstdade devia ser justificada opportuoa-
xnente, para ser levada em conta a despeza que
com ellas se fizesse.
Nao pastaremos em reseoha as constantes ra-
don para abonar dinheiros aa com mistes de soc
coiros ? Quo districto, por mais insignificante
que aeja, tem redamado em vao o auxilio do go-
veroo em cato de necesiilade 1 Quantaa com-
raisse nao tesa rocebido autorisa^o para dea-
pender ? Quantaa enfermarise nao eaio por ah
montadas ofterecendo asylo aos indigentes.
O presidente 6o se tem limitado a soecorrer
os pontos tacados. Ao recookecer quo o cho-
lera, estendeodo-se inexperadam'anto por diver-
sos sontos da provincia, val lavraodo em alguna
com urna ietensidade imprevista, S. Exc. recela
que a epidemia iovolva toda a provincla.epor isso
nao se tea limitado a soecorrer. A cautela com
oa recursos possiveis, ainda mesmo oa lugares
dnde o mal nem se approxima. Onde est pois
o excosso de parcimooia na dhlrimiico dos soc-
corros publicoa ? Se certos escrapulos o hesita-
goes da presidencia consistom em andar regate-
ando para obter mdicos e eofermeiros porgra-
titicge mais razoaveia, e em recommeodar cer-
tas Testricccs que se compedecem como mo es-
tado finauceiro do pais, sem todava prejudievr a
sorte dos enfermos desvalidos, entao S. Exc ne-
ntroma razio podo lar pera estar mal com a sua
coosciencis.. Elle procura salvar oa Ceareoses,
sem esgotar o cofre publico de um modo iojusti-
flcavel. Pode bem ser que no fim a opioiio pu-
blica nao Oque salisfeita. ..
Has lao tnconteotavel a opioiio publica prin-
cipalmente oas grandes calamidades 1 Fora mis-
ter que os medrosos os egostas e os especulado-
res nao tivessem o seu pronuociimento. Todos
querem ludo dogoverno, e nem todos o ajudaro.
lia sempre um grande numero de moralistas qae
cruzam os Dragos, o esperam que o governo obre
para elles morslisarem.
Ha tambem muita gente que as reunios, as
conversase as casas, fz cora menta rios por dis-
traerse, aproveilsndo o assumplo que est mais
em voga. E' licito acreditar que tambem o cho-
lera favorece a malediceoci*.
Quem lamenta a morte de parales ou amigos
poder at queixar-se do governo sem attender
que oa recursos do estado s podetiam aproveitar
aos indigentes, cumprindo que as pessoas abasta-
das procurem os meios de sua propria conserva-
cao.
Em todo o caso o governo s deixaiia de ter a
origem de desgranas se podesse satisfazer a todos
os desejos com rasgos de gentrosidade a cu-la
das rendas pablicas, de qae elle o primeiro fis-
cal. Assim mesmo baviam de haver aqu as he-
catombes de Santo Amaro oa Babia oda Victoria
em Pernambuco, pontos
soccorridos.
Pacataba qae tem merecido a solicitude do go-
verno vai sendo flagellada horrivelmente. A scl-
eocia explica esse phenomeno pela* condiQsa
locaes desventajosas. Como enrulaos devemos
rogar a Deua pela sorte de nossos irmaos.. .
Que alguma cousa se poda esperar da caridade
particular, bem o pro va m certos tactos, que j
esto no dominio do publico. Nem pode haver
inconveniente em iavoca-Ia. Insinuada ou es-
pontanea, ha aempre mrito em pratica-la. O
mo humor do povo, por que recebe um convite
para dar esmola, revelara am seolimento anti-
chrislo, que nao se compadece com a boa ndo-
le da populacio.
O convite nao pode ser considerado um descar-
te quando tem sido acompanbado de urna pro-
messa ou auxilio immediato da parte do governo.
Nao se menospress ninguem quando se invoca um
sentimento que enoobrece o bomem. Pedir es-
mola a um mendigo pode ser um motejo. Mas
o Cear nao lio pobre que nao possa coneorrer
como j tem concurrido, com o sea bolo de ca-
ridade.
A lei fundamental do estado garante com effei-
to os soccorros pblicos. Mas nao essa a quea-
r*to. O qae comrn 4 >ber ae h dinhaira b-,
lano para largueza*.
Parece-nos deanimador o estado Qnaoceiro
do paiz. Convencido disto o governo imperial
tem realizado algumas economas. Se houver
despeza enorme que occasiooe um dficit, os ira-
pos tos que ha o de cobri-lo, por que a lei fun-
damental do estado oao fornece outro meio de
haver dioheiro. Isto mostra, pelo menoa, que se
aquellea que esto no caso de dar esmolae, nao o
fizerem poapando ao cofro maior dispendio, po-
dem vlr a ser obrlgados a da-las por meio de im-
postas. A caridade nem aempre espontanea, o
os meios de pratica-la ho de sabir das algibeira*
dos contributntes. E' tambem por amor delles
que o governo economisa. Ha pois ingratidao
em increpa-lo por caasa disso.
Se o actual presidente tem distribuido soccor-
ros de gneros, de dioheiro, o de outros objec-
tos, ( at camas ) se tem nomeado commisses
de soccorros para lodoa os pontos.onde recla-
mada a existencia deltas, v-se que para satisfa-
zer o Pedro II e por-se a parda situacao, s lhe
resta msndar contratar 12 mdicos. Ha, como
dissamos, 14 comarcas, o apenas 7 atacadas do
cholera. Entretanto, alm doa 3 esperados Oo
Maranho por convite do governo, e maia am que
serve aqu gratuitamente, o Dr. Jos Loareago,
acham-se contratados 23 mdicos, eexistempra
ticos e eofermeiros em nimios lugares.
Sendo de 30g rs. (termo medio ) a diaria de
cada am destes facultativos, ( muitos vencer 40$
e am 500 rs.) o suppondo-se do dous mezes o
periodo de durarlo da epidemia, teremos no fim
urna despeza de 43:2009000 rs. nao comprehen-
denlo nella os eofermeiros o curiosos.
Se aos 23 mdicos accrescentarmos 12 a despeas
subir a 64:200^000.
J nao fallamos ,na importancia despendida
com enfermeiros, ambulancias j foroecidas, reu-
pas, batss, cavallos, conduc;es a outreaartigos
que seria longo enumerar.
Nao queremos concluir que S. Exc. se abste-
nha de fazer qaalquer nova despeza indispenaa-
vel, e estamos certos que a far. O qae queremos
dizer, que aquelles que lameotam a exeesaira
o
T
Prmc ico Jos da Praga, aua mulhar a tres
pretaadeate, depois de iaotarem, achanm-se lo-
commodadoa com vmitos e com todos o signaos
de envenensmento ; suppuohsm ser da carne
secca que havlam comido, e, p sisad o um rcinu
cioso extrae na quo reatara -crua, nada se en-
contrn, o se suppde que o veneno fosse laucado
na paoella ; urna das eacrava* est em perigo de
vida e as outrer pessoas esiao livres do perigo,
grecn axtt ettbr^or do profettor Flrmioo, que
com desvelo tratou doa enfermot; no emtaato a
pelieia dorme o somoo do indiferentismo.
Baha.No da 15 houve as igrejas da Pie-
dado e Ordem Terceira de S. Domiogos a primei-
ro oommuobo doa alumnos do Gymuasio Baha-
fio o dis alumoasdo collegio Piedade ; presidio-
do ambas aa ceremonias maior aolemoidade o
recolbimento.
L6- se no Diaria:
Faileceu no di- lt do correte no convento
de Sania Clara do Desterro desta cidade-, a parda
liberta Nicacia Pire. Tioba entrado para alt ao
servico de sua seohora a Rv. madre Mara do Sa-
cramento em 1746, com 7 annos de idadsj Vi-
veu por conrequencia 122 annos completos I Es-
tove de cama desde 1857.
c Os orgos do movimento fnrsrm os primeiros
que can^aram ; dos outros os mais importantes
foram-se gastando em tio prolongado trsbaiho,
eafiaai xtioguio-se a vida lentamente, como e
extingue ama lusa falta do oleo vivificante. Con-
aervou at o floi as (acuidades intellectuaes, com
ligeiras alternativas, e coofeseava-se frequente-
mente. A memoria todava foi a quo mais cedo
aoffreu alterafo,
< De certa poca em diante pareca qae no
conserva va a ordem dos acontec meo tos. Muitst
vezea confundi o actual capelln com o Rvd. co-
oego Maiheus que exerceu as mesmss faoetes
por 40 annos, e que faileceu ha 27. Era a pessoa
mais idosa do convento, e eremos que de toda
s ciJade.
Esta crealara previlegiada vio desap parecer
diante de si lodaa as pessoas que ali encontr,
e muito grande parte das que enlraram depois.
o E' urna longevidade quasi phsnomenal, jin-
da fixando em 100 anuos a vida normal, e em
200 annos a vida extrema, como faz o celebre phy-
siologista do collegio de Franja, o Sr. Flourens.
Raros sio os que chegam i primeira; os que a
excedem cansara hoje em dia a admiraco de to-
da a gente ; a especie humana parece ter dege-
nerado daquelle vigor primitivo dos Malhasaleos,
amesquiohando-se esda vez mais o periodo da
que foram amplamente existencia de cada individuo.
a Professam muitos bygienistaa que o celibato
e a clausura encurta m a vida.- Estamos inclina-
dos a crer que a mocrobia Nicacia Pires nao vi-
veria 122 annos ra do asylo que a protega con-
tra multas causas que c fora coatumam eocurtar
a existencia do commum da populacio. t
A agoas.A' 1 hora da larde de 13 do corren-
te teve lugar a abertura da assembla legislativa,
pelo Exm. presidente da provincia. A mesa fi-
cou assim composta :
Presidente, Dr. Bernardo de Mendonc/.
Vico-presidente, Albuquerque Eustaquio.
Primeiro secretario, Arroxellas Galvao.
Segundo dito. Padre Jaciotho de Meodonca.
Durante os ltimos dias baviam sossobrado
as costas da provincia duas barcaejs, sendo urna
dellsaa Namorada.
J haviam aido atacados pelo cholera mor-
bus Alalais, Porto-Calvo, Murici, Paaao de Ca-
rear, gibe e Imperatriz, sem com todo serem ter-
riveis os seus estragos.
L-se no Diario do Commercio:
a Encalhou no Carrapato. ao norte desta cidade
oo domingo a galera iogleza rabe, procedente
da Baha e com destino Liverpool, por ter gua
atera, e receiar ir pique, trazendo aten abor-
ioiiiuc:r, algodac, cacto, ploasaba ieoorao-
a em graoda quanidsde, pelo qo "- uppOe
o carregamento de muito grande valoa l
< Logo que cooitou o sioistro, fez pirjlr o Sr.
inspector da alfaodeg aguarda mor oom outros
empregados para prestar soccorros,eraqaisitar
forca de iinha so Exmc. Sr. presidente, qae fez
seguir dez pravas e um cabo para so prestar s or-
den do inspector.
Trata a alfaodeg de harmona com o Sr. ca-
pitio do porto e o vice-consul inglez de salvara
carga e o navio se for posalvel, o que nao se er,
porj estar o navio com mais de nove ps d'agua
dentro do pari s.
appellado, Antonio Jte
ico Canutp da
odovalho.
No aabbtdo Ib 9 e-acaic brsa da manhit,
or ocessiio de prtcuraar atrasar um ba>te ao bri-
;ue-etcuna da guerra mmidmsh, cassio o mar e
abmergio-se um ntarioiasiraw db rasatwio, mor-
ondo afogido. ApenaaiaasM-ama faci acudiram
: mbarcacoes do brigue-feaawa d* guawra iamaia-
' d*.--.rc' romlCbnesifflw, que debalde
te esforzaran poi sutuutiet a infeliz,,qae desap^
parecu para ssmpre.
Ot curadores da mana fallida da ociedade
em commandiAmorim, Pragoto, Sanios & C.
publicam, em ootra parte deate Diario, um
annuncio chimando oa socios commandilario
para eotrarem dentro da 30 dias, com. os 50 por
tent restantes de sitas subscripcejS.
Dursnto a noute de sexta-feira e parte de
sabbado, foram os moradores dacireumminhan-
?a da matriz do Saoto-Autonio atordoados pelos
dobres dos sinos dessa egreja, onde sa com me-
mora va o pastamento db* irroios de irmaodade
do Santissimo Sacra ment. Poi aun verdadeiro
martyrio para todo o mundo, menos para o fiscal,
que oestea naos faz-so sardo, e ento, adeus 11
Nesles tres dias esperam-se os seguintes va-
porea:
Do norte do imperio o Cruzeiro do Sul, em
seguimento para o sul;
Do Rio e Baha o Bearn, para a Europa ;
Da Europao Magdalena, pars o Rio o Bahit.
Pittageiros do hiato nacional Sergipano,
vindo de Fernando :
Alferea Joio Barbosa Freila, um furriel, 23
pragas do exercito, 7 sentenciados, 4 malberes
e am menor perteneente aos mesmos, Alexandre
Americo da Costa Padilha, Manoel Theophilo Al-
vea da Costa, Francisco Vieirs A. Marinho de
Oliveire, o menor Faustino Feliciano do Nasci-
mento e Marianna Augusta Coelbo.
Pasiagelros do vapor nacional Perttnunga,
vindo dos portos do sul:
Jos Velloso Soarea da Silveira e um menor,
Jos Tertuliano de Mello, Flix Perera de Souza,
Antonio Jote Googalvet de Azevedo.
Passageiros da barca italiana Christofino, sabi-
dos psra Marselba:
Geovani Mari, urna filha e am fllho, Madolina
Paglisgo Gerona.
Passsgeiro da barca ioglea Jfiranda, sabida
para Liverpool :
Benlo Jos da Silva Magalhe*:
Passageiros do vapor nacional Oyapok, vin-
do do Rio de Janeiro o portos intermedios : -
cadete Liberato Pereira da Costa, Francisco Fer-
reira Borges e 1 escravo, Jos Antonio de Assiz
Carvalho, tenente Manoel Aotonio Viegaa, Sil-
vestre de Souza Nuoes, commeodador Antonio
de Souza Leao e 1 eteravo, Autiocbo Ribeiro.
Antonio Moniz Sodr de Aragio e 1 escravo,
Eduardo Dioiz do Oliveira, Antonio Pereira Pin-
to, Tiburciode Oliveira, Antonio Vieira Piobe-
ro, Joaquim de Soasa Cune, Manoel Polycsrpo
Moreira de Azevedo, Francisco Povoaa da Costa,
Hermenegildo Jos Tavares, Manoel Jos de
Soaza, sargentos Manoel Juvenciano Lei te e Vi-
cente Perreira Lopes, 7 ex-pravas, Romualdo,
crioulo, escravo do Exm. marquez de Olinda,
Joo Constantino dos Santos, Joaquina de Aze-
vedo Maia, Josnoas Baooklmton.
Segueta pa o norte :
Cooselheiro Francisco Jos Parlado, tenente-
coronel Raymuodo Jos Ferreir do Valle, Dr.
Thom Bezerra Cavalcante, Dr. Tolentino Au-
gusto Machado, Antonio GooQalves de* Moura,
Francisco Taumaturgo Corroa da Silva, Jos
Gomes de Souza Eduardo Mellon, Francisco
Goocalves Goimares, Jos Miguel Pereira, Joo
Lins Villaverde, Bartholomeu Hayden, Francis-
co Liberato de Mattoi.
Repautio da polica.Extracto das par-
tes do dia 28 da juoho.
Foram recolhides a casa de delencao oo dia
27 do corrente.
A' ordem do subdelegado do Recife.o'.preto afri-
cano Joio, de 40 annos de idade, escravo de Do-
mingos Rodrigues lAodrade, requisicio deste
A' .ordem do da Boa-Vista, o pardo Joaquim,
de 30 annos de idade, escravo de Joaquim Mar-
tina Moreira, por crime de resistencia.
A' ordem do da Varzea. Joa Luiz da Silv
pardo, erut., ocaudo a oispoaic&o do Dr. delegado do 1
districto.
.- O chefe da segunda seclo,
w V J. G. dt esquita.
Movimenlo da casa de delencao do dia 27
de junho.
Appellanle, o juizo ;
Anjos do Naacimento.
A' novo jary.
Appellanle, o jaizo ;
de Souza.
A' novo jury.
Appellaartet, o juizo; appellado, Belaaamino
Porfirio a Paitas. ^^
A'novo jury,
Ap pallan te. o juizo ;. appelltrlev Aoionajalran-
ctsco dee-Santoa.
Improeadeote,
Appellanle. o juizo; aajusnlltde, Joo Ro-
berto de Santa Anna.
Improcedente.
Appellanle, o juizo ; appellado, Antonio Laz
Pereira.
A' novo jury.
Habeos-corpus.
Concedern) a soltura pedida em habeat-corpus,
por Aulonio Pereira dos Santos.
D1LICENCUS CKIISES.
Com vista ao Sr. desembargador promotor da
justica aa seguintes
Appellaoes crimts.
Appellanle, o promotor ; appellado, Manoel
de Freitaa Nogueira.
DES1GXAQ0 DB DIA;
AssigQou-se dia para julgamento da* se
guintes
Apptllafots crimes.
Appellanle, o juizo ; appellado, Aotonio Sea-
rea de Queiroz.
. Appellanle, o juizo; appellado, Filippe Nery
de Vatconcellos.
Appellanle, o uzo ; appellado, Francitco Et-
teves Paas Brrelo.
Appellanle, Octaviano Jos de Carvalho ; ap-
pellado, o juizo.
Appellanle, o jaizo; appellado, Antonio Ana-
cleto doa Santos:
Appellante, o juizo ; appellado, Miguel Ange-
lo de Lceos.
Appellaote. o juizo ; appellado, Francisco de
Arruda Cordeiro.
Appellaet civeit.
Appellante, Goncalo Francisco Xavier Ceb
Cavalcanti ; appellado, oa religiosos do Carmo.
Appellaote, a fazenda ; appellado, Ignaeio Luiz
de Brito Taborda.
Appellante, o bario do Livramento ; appella-
da, a Jazenda.
Revista eivel:
Recorreote, Joaquim de Almeida Guimariea ;
recorrido, Manoel Baplisia Gomes.
DISTRIBL1CAO.
Appellago civel.
Ao Sr. desembargador Peretti :
Appellante, Francisco Vaz Pereira ; appellado,
Eneas de Medeiros Coulo.
Ao Sr. desembargador Accioli:
Appellaote, a fazenda ; appellado, Manoel An-
tonio de Souza.
Ao Sr. desembargador Silveira i
Aggravo de pelifo.
Aggravante, Malinas Lopes da Coila Maia ;
aggravado, o juizo.
Ao Sr. desembargador Perelli:
Carla testemunhavel.
Aggravante, Alberto Ridoux ; aggravado, o
juizo.
O Exm. Sr. cooselheiro Ermelino de Leao, por
incommodado deixou a presidencia que passou ao
Exm. Sr. desembargador Caelano Santiago.
Eocerrou-se a sessio as 2 horas. *
aeaa antecessoras, ao queiro bm se poda levar
em conta o Urea se achado a bracos com ot
Srs. Peoiston a Bayle, que certameoto -aram
muito manos tratavei do que oa tetaaea emprei-
teiro, e enajenhefro em chefe.
. Termine tajauj. ceno de que o Sr. Dr. Baarqoe
oJatlevac a.atad o mea reclame, qasndo se trate
daVporSBB), juatlamente com ot mana anUcea-
aorea, qasa mateMrecem especisl estima, a abrigo
de intTptrat,es detfavoraveis, a que o te
ae DMS.aatderiam sugeiUr.
Recite, 26 de- junho de 1862
M. de Barrot Barrete
arcimonia esperem pela liquidagio das contai..
'alvez que ento nio se queixem do governo,
cuja economa os tomo boje tio melanclicos.

[Do Commercial
DIARIO BE PERNAMBUCO.
Hootem fundaou em nosso porto o vapor
ommendacoes que fez S. Ere. o que correm tm-: Oyapock, procedente dos de sul do imperio, sen-
pressas na parte official. Basta dizer que em lo- do portador de cartas e jornaea com datas:
das ellas se revela a inteoeao mu louvavel de vitar o superfluo sem faltar cjm os recursos ne-'28 do corrente.
^TSlSlSl'm^^LM a a A Emoatrapsrteach.rioosletorea por exten-
E certo que dos primeiros dUs de sua admi-l0 o que de mait importante ha, alm do que
unrselo recebe S. Exc. alga.is pedidos de soc- eDContramosmais o seguinte na leitura dos jor-
corro. Estando ainda a epidemia concentrada ao naea
Ico e Aracaty, enteodea S. Eic. que nao devia i r
envia-los para localidades a'onde nem ao menos
o mal te tvisinhava. Para oatras, onde te dizia
eimpleimente haver tuapeltas do apptrecimento
de varios casos do cholera ; forneceram-se logo
Communicados.
Estrada de ferro.
A saber:
Ezistiam.
Entraram.
Sabiram .
Existem. .
369
3
12
360
presos.
>
de Janeiro. Pelo diversos minitlerios
bajzaram ot decretos :
Da justica na. 2924, reunindo os termos do
Principe ao de Coritiba, e o da Ponta-Grossa ao
de Castro, no Paran ; 2930, creando o lagar de
alguna recursos, que se nao eram abundantes, juil amnicipaf e orphaosdo termo de S. Benlo
eervirsm para occorrsr as primeiras necessidades
al qae houvesse fundamento para novas provi-
dencias. E' assim que para S. Joio do Principe,
onde existiam medicamentos e dous mdicos,
mando S. Exc. urna ambulmcis, bala e di-
nheiro.
Para
do Araraquara, em S. Paulo; e2931, marcando
o ordenado do carcereiro da cades da villa do
Camisio, i Bahia.
De agricultura, n. 2937 concedendo a Joio Ca-
tsnova de Arraciani privilegio por 8 annos. para
fabricar e vender tua machina de secar caf.
Sacatinga, outro ponto que primeiro re-; poi demittido. seu pedido, de primeiro
tlamou, seguio um medito com ampios toccor-' tice-presldenle de Santa-Catharina, o senador
i Beero? Umenlicios. medicamento e di- j0ldi Sil Mafra leDdo noB,,ado pari MbaU.
nhelro. E sobre essa loealidade cumpre nio e- lul.t0 joao Franisco da Silva Coutinho.
hninJ ?m f2Cl b?m~"-"^'i'o-CoirBHBi, Fo apresentado o padre Jote Joaquim Tei-
tWuuV" .'! "D.d0 CrSr nJ'n" gr? "ira, na igreja de Santa Lazia, de Minaa-Geraes,
rronaiiade, e at na existencia de cadveres inse* bispado da Marianna
ia particulares, que davam testemu-1 Em demonstraioLde sentimento pela mor-
" iria Sidooia, duqueza
dor tomou luto com
pesado e 3 aliviado.
despeza oom souorro por doOUvelra Guimarie a demlasioque pedio do
trrico do exercito ; e reforma com o sold por
es- esolu-
. do\l bU-
*. .1.1. mi-Pi.Vi,{TMi,. K%lru,wiia,.,;xi^t5:
NOTICIAS COMUERCIAES E MARTIMAS.
Rio dt Janeiro 22 de junho.
Cambio.Sobre Londres25 7,8 e 26 d. 90
4. v.
ParU-365. 366. 367 e 368 por fr.
Havre365 por fr.
Hamburgo690 rs. por m. b.
Acsea.Baacoido Brasil 689 e 709 de premio.
Fretes.Para Marselha.55 ah.
Havre, 60 fr. a 10 0(0.
S. Tbomaz, 55*h.
Rio Grande, 6:0w)g por carregamento.
Metaes.Oncaa da patria,. 30J300.
Apolices.De 6 0,0, a 94 DiO.
Gneros.Assucsr mascsvXdo de Campos 20 a
2#200 por arroVa.
Couros seceos do Rio Grande e Santa
Catbarinr260rs. por libra,
dem de Montevideo 250 rs. per libra.
Caf regular e 2a ordinaria 63 i50 ;
a Ia ordinaria 6j50O 6J770.
C superior e Ia Loa 7(300.
O saque montaram : sobr Londres a
300,000 Mi aobre Pars 100,000 frs.; sobre o Ha-
vre 80,000 frs. ; e sobre Hsmburgo 100.000
m. b.
Sahiram : para Perntmbuco, 10, o brigue
Sonto Barbara-Vencedora;e para o Maranho,
15, a galera portugueza Castro I.
Chegaram. procedente*de Pernambuco :
10, o patacho Capuam, com 16 diaa da visgem ;
e a 9, o patacho portugus rabe, com 20.
Achava-ie earga para Peroambuco, o pa-
tacho Capuam.
Bahia, 25 dc/usiAo.
Cambios.Sobre Londres26 e 25 7[9 d. por 19
nom.
Paris365 a 370 rs: o fr. nom.
Haaburgo-680 a 690 rs. m. b. nom.
Lisboa108 a 112 por cento de prem.
oom.
Metaes.Dobles bespaohoes, 31J500a 329000.
c c da patria, 319000 a 319500.
e Pataces brasileiroe 29100.
< c hespaohoes29100.
mexicanos1890O a 29000.
Fretes.Para Bromen e Hamburgo50 a 52 1(2
Gbratar67 1i2 sch.
Gottemburgo 60 a 65 sch. por ton.
Canal e porto ioglez45 a 50 sch. por
ton.
Con linate50 a 55 sch. por too.
Liverpool40 e 45 sch. por ton.
New-Yoik60 sch. por ton.
Marseiba60 a 70 sch. por ton.
Loodres-r50 scb. por too.
Chegaram, procedentes de Pernambuco :
17, a barca iogleza Ju/io, com 8 diaa de vis-
gem ; 18, o brigue ioglez Balcluta, com 7 ; e
20, a polaca italiana Galilea, com 7.
Nacionaea .
Eslrangeiro.
Mu Hieres. .
Escravos. .
Escravas. .
257
27
3
66
7
"60
PERNrMBUCO
vigor se pode fazer
conta do cofre publico.
-ftle -." ,0d" P"!1^6*" l- C5a de 7 do^orrenie, oiToldados?
REVISTA DURIA. .
Esle mez de junho, que hoje termina os seus
dias, foi bstanle chu voso, sendo o nico no pre-
sente invern que conssrvou esle caracters-
tico.
O Cspibaribe augmenlon por varia vezea o
seu volume d'agua, mas nio aubio a ponto de
v.erdadeira cbsia.
Palo juizo dot feitos da fazenda provincial
acha-se aberto concurso para o provimento do
teguindo oflcio do eacrivio, ltimamente creado
nesta cidade para a raxenda provincial.
O prazo astignado para o reapectivo proceato
de sosenla dias, contados de 21 deate mez.
Por acto administrativo de 25 do qae hoje
Anda foram corregido o engaos, que se deram
nos nomes do 4 supplenta do jais municipal do
Caruar, e do 5* do Limoeiro.
Total. .
Alimentados a cutta dos cofres pro-
nciaes................................... 146
Movimento da enfermara do dia 28.
Teveram alta:
Jos Ricardo de Jess.
Ionocencio Jos Francisco.
Manoel Ferreira de Nascimenlo.
Robert Blair.
Alexsndre Corris Moreno.
Matadouro publico :
Mataram-se para o consumo desta cidade no
dia 28 do correle 95 rezes.
Obituario do da 28 db junho, no cemite-
rio publico :
Luiz, Peroambuco, 2 annos, escravo, Boa-vista;
interite.
Ponciano, Pernambuco, 2 annoi, S. Joa ; as-
pasmo.
Alexaudre dos Santos Gamillo, Cear, 26 annos,
solteiro, militar, Boa-vista; tubercaloa pulmo-
nares.
Simplicio, Pernambaco, 33 annos, solteiro, es-
cravo, Boa-Vista ; cholera.
Jos Aotonio da Paz, Peroambuco, 21 annos, sol-
teiro, soldado. Coa-Vista ; tubercules pulmo-
nares.
Generosa, Pernsmbuco, 3 annos, Santo Antonio ;
espasmo.
CHRONICAJUDICIARIA.
Tribunal da Relacao.
SESSO EM 28 DE JUNHO DE 1862.
PRESIDENCIA do exm. sr. conselheiro ERMELINO
DE LEAO.
A'a 10 horas da manbia, presentes os senhores
desembargadoresCaetano Santiago, Silveira, Gi-
tirana, Lourence Santiago, Molla, Peretti, Accioli
e os juizes de diieito Baadeira de Mello, Alen-
car Araripe, Neivas e Maranhense, fallando os
Srs. desembargadorea Ucbda Cavalcanti e Guer-
ra, procurador da cordt, abrio-ae a aeaao.
Pastados os feitos, e entregues os distribuidos
deram-se os seguintes
JLLGAMEMOS.
Reviitat crimes.
Recorreote, Augusto Mximo Piments ; recor-
rida, a jusliga.
Julgou-ae nullo o processo pe incompetencia
do juizo.
Recorreote, Marcos Mayer e outro ; recorr'
da, a ju8lira.
Julgou-se improcedente o recorso.
Appeliaces crinxts.
Appellante, o promotor ; appellada, Rita Ma-
ra e Joanna Maria.
A' novo jury,
Appellanle, o juizo; appellado, Francisco Mo-
reira da Silva Tnncheira.
A' novo jury.
Appellante, o juizo ; appellado, Jote Pereira
da Silva.
A' nove jury.
Appellaote, o juizo; appellado, Jote do Valle
Pedrott.
A'novo julgs ment.
Appellante, o juizo ; appellado, Lourence Jos
da Paixo,
A' novo jury.
Appellante, o juizo ; appellado, Florencio Jo-
a doa Sanios.
A' novo jary.
Appellaote, o jaizo ; appellado, Bonifacio Fer-
reira Santiago.
Anaullou-ae o processo.
Appellante, o jaizo ; appellado, Jos Alexan-
die dos Santos.
Reformad a sentecfia em puto.
as ultimas discussoes havidas oa assembla
provincial, em oa sessio Onda, o Sr. depuUdo
Dr. Bu arque tomando i esclarecer o publico
obre os negocios da estrada de ferro desta pro-
vincia, eonmerou oa melboramentoa que intro-
Quzira no servico da mesma eatrada, tendentea a
evitar os abusos que se davam em lempo de
outros engenheiros fiscaes. \
Como um dos antecessores do Sr. Dr. fiuarque,
cuja palavra autorisada em negocioa da
da de ferro, e seguramente ninguem lhe re
r valor; acbo-me sem duvida collocado <
posicao esquerda, bem como os meus antecesso-
res, e assim obrigado a correr a imprenaa para
rectificar alguna dos tactos que o mesmo Sr. Dr.
Buarqve ae atlrlbue exclusivamente.
Nao ae entend, porm, qae trago o ficto de
incommodir a esse cavalheiro, a quem presto toda
a consiJeracio; e muito menos de assombrar o
brilho de sua administrscio fiscal: desejo ape-
nas demonstrar que os seus antecessores, embora
pouco felizes, nao foram menos cumpridores doa
seus doveres.
Tambem nio me fago cargo de demonstrar
todos os servidos dos antecessores do Sr. Dr.
Buarque; conteoto-me com explicar os fados
mais notaveis qua consignara os seus dis-
cursos. *
Consisiem esses lacios no seguinte :
Primeiro, plantario da cercas.
Segundo, construeco doa guardas gados,
(cathe-gardi) em substituicao s passagens ao
nivel.
Terceiro, coDstrucco das estacos da lijlos.
Quarlo, saprassio do Irem applicado a con-
ducho do padre inglez.
Devo dizer ao Sr. Dr. Buarque que, o primeiro
engenbeiro, que reclamou, pela plantario das
cercaa foi o Sr. Lae, depois o Sr. Veriato, e eu,
que o substitu.
Estas reclamacees conatam de nossos relalorios
e de cilicios dirigidos ao Sr. Peoiston.
Desda 1859 comecaram 88 cercas a ser feitas,
como sabido por todos quem leem visjado na
estrada de ferro desde aquella poca, e como
bem altala o crescimeuto de alguna laucos, em
differenles lugares; e nio sement depois da
gerencia de S. S., como se deduz de seus dis-
cursos.
Quanto as defezss contra o gado, posterior-
mente ao Sr. Veriato, eu as reclame! ao Sr. Pe-
oiston. lato consta dos meua relalorios dos
mezes de juoho, julho e agosto da 1859.
E terto qua foi duraole a minba tlscalisaco,
que se cooslruio primeira em direccao a Ca-
banga, para substituir a paisagem ao nivel, qae
ali exists.
Depois, oo seguinte vero, foram oatras cons-
truidas na primeira secgo, e qae tambem nio
soffre contestacio.
Em relacao as estajea, sabe-se que as pri-
meira foram construidas provisoriamente, por
motivos que nio vem a proposito mencionar:
mas fra de davids que desde o Sr. Loe co-
mecaram a fazer-se reclamarles contra taea
es l ac es.
Dos meus relatnos se pode ainda verificar a
ezactidio desta asseveraco.
A primeira estacio de pedra e cal, qe ae
cooslruio, foi a da Bda-Vigem. antes ssm duvi-
da da fiscalisacio do Sr. Dr. Buarque ; e, se as
outras da primeira seccio, nio foram coostruidas
inmediatamente, foi porque a diaria da liba nao
fornecia lijlos sufficieotes, para construi-laa ao
mesmo lempo qae o tnnnel, e outraa obras d'arte
da segunda seccio.
Sobre o trem destinado a cooduzir o padre
inglez aoa domingos, devo assegurar ao Sr. Dr.
Buarque que ful o primeiro que reclamo contra
esse abuso.
Em 10 de jnnho de 1859 officiei ao superin-
tendente, e a presidencia nio s nessa data, mas
ainda em 13 e 25 de julho e 13 de agosto do
mesmo anno.
Desde entio teve o governo imperial conheei-
mento desse facto, e providencio em ordem a
ser elle evitado.
D'aqui aa v que os fados que, no discurso
do Sr. Dr. Bearqae, flgurtm como partiodo ex-
clusivamente delie, nio escaparam aos seus an-
tecessores, os qoaes flzersm o qaanto lhes era
licito.
E pealo dever aqoi por termo a ests redifi-
cacio, me parece todava aecessario passar a
ama outra ordem de ligeiroa observares.
Ante do Sr. Dr. Buarque, os eogenheiros fis-
caes lutaram com difflculdades qae hoja desap-
pareceram, lutaram com reluctancias que ji nio
se dio fcilmente, em conseqnenda da poslcio
em que se acha actualmente a companhia para
cora o governo imperial.
Quando preciso a companhia qae o governo
lhe garantase o emprestimo de 400:000 StJ, foi o
Sr. Lae mandado especialmente a Londrea tro-
car asap favor por melhores garantas de flscali-
ss;ao daa obras e transito da estrada, Essas
garantas foram alcanzadas, senie tio completas
como seriam para desejar, ao menos em ordem
a melhorar aa coodicea, em que se scharam o
agentes fiscaes do governo.
Acresce que a companhia continuando a Im-
petrar novoa favorea do governo, oa aeus agites
aqu se mostra m maia doceia para coa eange-
nbagem fiscal.
Tudo lato concorre hoje para que o Sr. Dr.
Buarqiia tolo melbore retaliado do qe o
1 commandita e seas commanditarios.
0 Diario de Pernambuco da hontem publica
um communieado do Sr. Dr. Francisco Piolo Pee-
so, a propotito de urna daa queslee por van-
tur maia delicadas que se prendem ao trala e
sempra execra vel faeto da bancarrota ou antea da
ubtraccao pralicada na soaedade commnditaria
de Amorim, Fragoso, Santos & C.
Propondo se aUzeralgomaa coosidersces so-
bre os direitos eobrigsees dos sodos e garants
docredores, respeito do que recooheee qae
turgem opioies diversa, comees p0 fulminar
como absolutamente falaa a douirioa de que n
hypolhese dos acontecimentoa que todoa lamen-
tara os socios cemmtoditatio nao sao rtaponsa-
eis solidariamente al a concurrencia daa om-
inas por elles subscriptas. Aindamis: o nobre
commuoicsnte. alias reconhecendo que nio hou-
ve eao roubo dapropritdade alhtiapraticado
em pleno dia com a gaza do ladro, conclue
por asseverar que oa accionistas astio obrigado
oio s a preeocher a aamma sutiicript, como a
repor os divideodos receidos 1
Nio postulmos o honroso titulo qie dorna o
nome de commuoiesole ; ma vivendo em lempo
que prima pela liberdade da diacasaio, da maoi-
fedicio dos peotamento, poia boje a todoa 6
aberto e fraoco o caminho de chegar a verdade,
pedimoa venia ao Ulustre deutor para oppor de
0088 parte duvidaa i these que pretendieu de-
monstrar o que levou s mais remotas conseqwea-
ciss.
A nosso ver o que iucontroverso no direito
que regula aa sociedades em commaudita que
o commandilario respondem it a torcas do
capital com quo a (lectiva mente enlraram para a
sociedsde: desde quesequizeresleoderarespon-
sabilidade a capital aioda nao re lisado e aos lu-
cros ji percebidos, a queslo (.asume caraeter
mais melindroso, apreseota difflculdades que se
nio podem resolver sem a exacta apreciacio de
urna inlinidade de circumstancian difQceift de80-
rem apanhadas em seu conjnncto e cajo pesse
nio pode determinar, poatia umaa em confron-
tacio com outras.
Nao nosso proposito fazer aqu urna disserla-
qo ; apenas manifestamos duvidas que noa aa-
saltam o espirito ao ver a maneira terminante
e peremptoria porque se deu como resolvida a
queslo que nos occaps.
Diz-te que o fundo da socio Jada era de mil
cootos; e porque nio se ha dizer que era de qui-
ohentos, capital ffeclivamente realisado ? L
principio, suppomos que admittido por todas as
legislares quaoto i sociedades commerciae, que
estas podem sgmenlar o aeu fundo, querendo
ou depois de eerla e determinada poca; mas
oio se pode dizor fundo, capital de ama socie-
dade senao o que etl effeciivamente reillsado.
Nio descoohecemos a expresaba do arl. 313
do Cod. Com.alem dos fundos com que entrara
ou se obrtgam a entrar na sociedade ; mas nao se
pode coocluir de semelhantes axpresaes qae ae
deva considerar logo como fundo psra determinar
o limite da reapoDssbilidade dos commanditarios
o capital aioda realisar segundo a maior oo
menor exleosio que a ociedade eoteodesse dever
dar s suas tranaaeces. Alei diz com que entran
ou se obrigam a entrar na sociedad*sappondo
que este que te obrigou a entrar ainda nenbuma
entrada teoha reaiiaado: maa o capital effectivo e
real, nico que poda servir de limite, aquello
entrado ou que noa termos do contrato social de-
via ter entrado quando a sociedade eocetou snas
transacefos. ,
Outra razio que desejaramoa ver apreciada e
"a coodicio db contrato social
ram-se a ama pena cer-
*-~lhes convir rea-
lugmenlar o
a uni-
cap.
ca le .
direito e-,
e pelo con'lr,
a faculdade de
do o capital aubsen, .aiaoto importa a esti-
pulscio daquella pena. Ora, se era qualquer cir-
cumstancia, nao querendo um commandilario
realisar todo o capital subscripto, outro resultado
oio poderis tero seu procedimento senio a pena
de nio perceberem ot lucro do capital realisa-
do, como depois de declarada urna fraudulenta
bancarrota ou antea a subtraejeo dos valores
depositados" oo estabelecimeoto tanto pelos
commanditarios como pelos credores que ne-
gociaran! com a casa, se ha de exigir que os
comanditarios realiaem o resto do capital subs-
cripto e que nao se obrigario a realiaar sanio
quando a sociedade tivesse de alargar suas
transseces ? Para aquellas tranaac(oea effei-
lusdaa com o capital le quiohento conloe, s
o capital de quinhenios cootos est sugeito. E"
da esseocia da commandita nio se'perder senio
aquillo que se aventaron a contingencia de lacro
ou perda.
Nao o mesmo Sr. Dr. Pinto Pessoa que asse-
vera que nio houve senio roufto praticado a ga-
zna e em pleno dia 1 Enlao ser justo qae ve-
nham indemnisar do roubo aquellea que oao o
pralicaram ? A conBanc,a daquelles que tiveram
transseces com a sociedade nio pode ter outra
base senio o dioheiro existente na aociedade, o
capital effectivamente entrado na caixa e a ge-
rencia dos socios ostensivos e solidarios ; mais
oada entrou nessa confianca, mais nada srvio-
Ihe de elemento. S por urna aberracao de todos
os principios, da propria aigoifioacio das palavra
ae poderi chamar a parte da subscripcio nao
resinada fundo de reserva, como temos visto sl-
guns chamarem.
Em summa para nos nada mais duro, maia
cruel, maia repugnante jastica do qae a sorte-
que o nobre communicante augura aos comman-
ditarios I E tio feia ae nos mostra a iojuslica
que apezar de nio termos estado feito parece-no
poder desde j asseverar qae essa nio pode ser a
verdad* da scieocia.
Por hoje fiesremo aqui.
Um commandilario.
Correspondencias.
Senhores redactores.Tendo no dia 30de maio
ultimo, sabido no 8eu conceituado Diario, m
communieado intitulado Negocioa de Ipojuca
e o Sr. bsrio dos Guararapes, tem propalado por
toda a parle que fui eu o autor daquelle nogento
communieado; estou summameole convencido
que o mesmo Sr. bario sabe d'oode parti o tal
communieado, entretanto asseotou que eu devia
ser o pai daquelle lho eogeitado.
Assim andar o mesmo Sr. dizendo, que eu
quando houverem eleicoea nests freguezia bel de
ligar-me com elle, e desprezar os meus sinceros
amigos: tinha que ver eu ligar-mu i urna pessoa
que nesta freguezia nio ten influencia e nem
sympathias, havia str multo engrasado isso: fi-
que o Sr. bario certo, de qae son muito franco e
sincero, e oio deixo os meas tetes amigos por
outros ainda maiores, se houverem, quaoto mais
por S. S. Flquem, portaoto, oa aeohores Ipoju-
esnoa certos de que se toase eu o autor ia^iereTe*
commanicado lioha a coragem pespara di-
ze-lo. Queiram, senhores redactores, dar publi-
cidde estas toscas linha do> i u muito altn-
dolo obrigado y
Antonio Domiogues stosts Albuquerque.
COMMitilCiO
Praca do Recite 28 de
junho de 1862.
\s t\aalro horas da Urde.
Calacees 4a junta de corretores.
/ PrtM.
Algodio da Macei para Liverpool111I6 d.
por libra de 5 0;0.
Ataucar de Macei para Liverpool8I16 por
tonelada e 5 0i0.
Algodio daqui para Liverpool- 5i8 d. por li-
bra de 5 0i0.
1. da Cruz Macadopresidente 1
Jehn GatlatecreUrio,
iT~-------


.J------------ ..
i Li.i[i itTi a r\Ar
"W


t-*~Mjto
'<- '*==,
Allandeara.,
..ndiaieato do di. 1 ti. t ,
Mam d. 4it 28. :
JHAUO m fBUMWt! MGUNOl rUEA W M JN*> M Mi,
'330:365*403
21:837964
352:203*367
ovimenio d* alfaudeara.
-sem itnioa.. 92
Velimaa sabido* mb Iwi4m..
*" om enero..
18
51
llescarregam do dia 30 de junho.
Ateca americanaImporadoro re to.
Barca ioglazaCora--bacelho.
Patacho hollaudezGruemercad Jrias.
Brigue iKlWaBlMJMU>->fam.
Barca natriaeaAa*aliaideaa.
*" oto Pera
aadimento do dia -1 a 27.
Idean do di. 28 ...
31
64
34:2439385
2.-476J080
\
367195-465
lo provincial.
Rsnditnenv do 1lt. 1 a 27. 87:219118
** SB......a 3:768*66
24W7TJ88*
PRAA DO RECIFE
S8 DE .MVIIO MK 1808
A'S 3 HORAS DA TARDI.
Revista Semanal.
Cambios Siccou-se sobre Li adres a 25
7|8 K d. por 1*0)0 rs., e so-
bre Lisboa a 1C8 t or cento da
premio, regulando pora? 20,000
ocssquesoara a Europa]; sobre
0 Rio de Janeiro siccou-.s da
1 -a 3 por cento de (ssconto.
Algedao-----------Odesti proTleia Tendeo se a
9f500 rs. por moha, nao ten-
do oavido vendas do da Para-
hiba eMic.l.
Assucar O braoeo vecdeu-ie de 3#000
u 3J600 r.. por eros, j-
menos 29700 rs., mascavado
purgado de 220(T i 20400 rs.,
e brato a 19850 rs. por ar-
roba.
Agurdente Veodeu-se de 559 a 60J00O rs.
a pipa.
Coaros------------- Os seceos salgados venderam-
ae de 180 190 rs. por libra.
Arroz ----- O pilada d. India veodeu-se de
25500 a 39000 rs. por arroba.
o do Marinho le 39000 a
39500 rs.
Azeite doce* O de Lisboa vendeu-se de 39
a 39200 rs. o galio e do Es-
trello de 2S800 3S0O0 rs.
Bacalblo---------Rctalbou-se de 8ji000 a 109
rs. a barrica, e a 9J000 era ata-
cado, fleondo em ser 9,000 bar-
ricas.
Batatas----------Venderam-se de 2JS00 a 2g800
rs. por arroba.
Carne secca- A do Rio Grande v< udeu-se de
1300 a 29400 por arroba, e a
do Rio da Prata de 1J400 a
19600, ficando em aer 73,481
__ Utobc d. primeira e 12,000
da segunda.
Ch4------------------Vendeu-se de 2920(> a 29300 rs.
por libra.
Cerraja Vendeu-se de 4900C a 6$600 rs.
duzia de garrafas.
F.rraha de trigo. Nao tendo harido entrada, o
deposito rai demioiludo fi-
cando hoja redazido a 8900
barricas, sendo: '800 barri-
cas de Philaoelphii, 600 de
New-York, 200 de Baltimore,
600 de Genova, 20) francezas,
e 2500 de Trieste ; tendo-ae
retalhado de 16j a 25$ rs. a
primeira, de 18 259 a ae-
gund, de 183 a 20; a tercefra,
de 249 a 25fpy quai ta. de 209
a 229 a quista, <) de 269 a
289 uUitBA ....
Louea---------- A iogi***** ?*'
____ora-ttm' rs. por cento de pre-
mio sobre a factura
Maateiga A francesa rendeu-i e a 580 rs
a libra, e a ioglezc a 850 rs.,
ficando em ser 1.5C0 barris.
O'.io do liahace- Vendeu-se a 19900 rs. o galo.
Queijos-----------Os flameogos venceram-se de
19400 a 29OOO rs.
Toucinho---------- O de Lisboa vendeu-se a 89OOO
rs. por arroba.
Vinho ----- O de Lisboa vendeu-se de
2509 a 2609 rs. a tipa, e o de
outros paizes de 220 a 2309000
reis.
Descont O rebate de leltras regulou de
10 a 18 por cento ao anoo, des-
contando caixactrca de 500
cootos de reis.
Frotes,- De Hacei para Liverpool a 32
6, pelo lastro, e 11(16 pelo
algodao, e deste perto para a-
quelle a 5|8 pelo al,;odao.
MoYimento do porto.
) gabinete tozaban de frente, ala atr.z, sois guar-
ios, ootio dentro com janella para os lados, xoi\-
nha, cocheira e estribarla ao lado da sala de de-
trs, precisando de concert*, tendo antre astas
e a oala da junto do gabinete na frente um pe-
queo quintal com porta para a cozinha, tendo
80 palmos da frente e 83 da fundo, sitio grande
com arvoredos de fructos e murado ea toda a
frente, divide por um lado com o sitio de Rodolfo
Joio Barata de Almelda por outro lado com o Dr.
Valioso So.res, peles fondos com o do Augusto
de Oliveir., urna pequea casa aberra da estrada
com o n, 86. de pedra e cal, com sala na frente e
*orSL2U( I""10 cozinha, avahada em
10:OOOpC00. Urna ca. terrea nos Burros B.izos
n. 26 na freguezis de 8. Jos, com urna porta e
janella na frente, tendo 21 palmos de vaoe 49 de
fundo, doas salas e dous qu.rtos, quintal e cozi-
nh n.sal. de detraz avallada em 600$000, os
quaea predios alo perteocentes a M.noel Cimillo
irires Paleto, e vo a praca por execacao que
contra o mesmo encaminas Antonio Jos Rodri-
gues de Souze, e na falla de licitantes serio, arre-
matados-polo prejo da adjudic.co, om o abati-
mento respectivo da lei.
E para que chegue ao coohecimenlo de todos,
msndei passar edil.es que sero aluzados nos ru-
gares do costme e publicado, pela imprensa.
Dado e passado neita cidade do Recite de Per-
nambuco, aos 28 das do mez da m.io de 1862,
quadrageslmo primeiro da independencia e de
imperio de Brasil. -
Eu, M.noel de Carvalho Paos de Aodrade, ei-
erivjo subssscrevi
Tristo de Alencar Araripe.
O Dr. Francisco Dotningues da Silva, julz dos fei-
tos ds fazenda, a auditor de guerra nest. cida-
de do Reeife por S. M. Le C. o Sr. D. Pedro
II. que ^ os guarde etc.
Paco tOer aos que o presente virem, que
tendo a lei provincial n. 526 de 3 do correte
mez, creado no termo dest. cidade nuis um es-
crivao dos feitos da fazeoda provincial, acba-se
aborto e concurao para o provimento definitivo
desse officio ; e por isso os pretendentes devero
apresentar os seas requerimeotos documentados
ns forma da lei no praso de 60 das, contados de
boje.
E para que chegue a noticia de todos, msndei
passar o preienie, que ser publicado pelo Diario
Dado e passado nest. cldsde do Recite aos 21
dejunho de 1862. Eu Antonio Jos de Oliveira
e Miranda, escrivo oeacrevi.
Francisco Domingues da Silva.
|Do ordem d. inspeceo da alfandega se faz
publico, que ezistindo no armazem n. 6 tres cai-
ze.d. marca JMCP, vindosdailha de S. Miguel
pelo navio Cito, entrado em 23 de dezembro
do aono prozimo passado, contando flores artifl-
ci.es de peona, sao convidados os donos ou con-
signatarios a virem desp*cha-los no praso de 30
das, contados desla data em di.nte, de confor-
midad* com o 2.* do art. 301 do regul.mento
de 19 de setembro de 1860, Ando o qual serao
ellas arrematadas em hasta publica, sem que Ihes
fique direito a allegar contra os effeitos desta
venda.
4.a seceso da alfandega de Pernambuco 27 de
juoho de 1862.O 2.* esoripterario,
Joo Francisco Regis Quiotells.
O Illm. Sr. insoeetor *da thesouraria pro-
vincial em cumprimenio da ouem do Exm. Sr.
presidente da provincia, de 7 (o corrente. man-
da f.zer publico, que nodia 3 Be julbo prximo
vindouro, perantea junta da fakenda da -mesma
thesouraria, se ha de arrematar.,* quem por me-
nos fizar a obra da^b_om_ba--do riacho Chacn na
ramifleago da estrada de Muribeca, avaliada na
qaaolia de 1:3209000.
A arrematadlo ser feita na forma da lei pro-
vincial n. 343 de 15 de mato de 1854, e sob as
clausulas especiaos abaixo copiadas.
As pessoss que se proposarem a essa arrema-
tado compare^am na sala das sestdes d. referi-
da junta, no dia supramencion.do pelo meio
dia e competentemente habilitadas.
E para constar se m.ndou atusar o presente e
publicsr pelo Diario.
Secretaria d. thesouraria provincial de Per-
nambuco, 11 de juoho de 1862.
O secratario, Anfooid Ferreira da Aonunciaclo.
Clausulas especiaos para a arrematado.
1." Os reparos precisos no arco do {Chacn, na
importancia de 1:3209000, aerao feitos de eon-
formidade com o respectivo ornamento, approva-
do pela director!, em conselho.
3.a No prmmo fo G. da3 o arrematante priociv-
pir obra, reunindo os materia, o lo^o troo
aa aguas do riacho Chacn derem lugar, tara o
aterro do rombo e as mais obras,
3.a O arrematante observar restrictamente as
instrucQO.s doengenheiroencarregado da fisca-
lisaQo e direceo dos trabalhos, e bem assim o
que a rsspeito diz a lei provincial n. 286.
4.a O pagamento ser effectuado em duas pres-
tares igu.es, seodo a primeira quando o aterro
eativer de todo concluido, e a segunda logo que
as obras estlverem coocluidas. O arrematante nao
Ocar sujeito a responsabilidade alguma, depois
de ter entregado a obri.
5.a O arrematante nao ter direito a indemni-
sago alguma, qualquer que seja o motivo em
que se basear para tal Gm.
Conforme.O secretario, Antonio Ferreira da
Annunciago.
25 ditos de porcellana de 6 eneas.
20 libras de cevada.
50 caizas ds capsulas de copahiba.
2 libras de chloraformio.
4 libras de carbonato de soda crystalis.de.
8 libras de eer. em grumo.
20 libras de chlorareto de cal.
1 libra dedeutochlorureto de mercarlo.
! libras de espoojas Anas de Ia qualid.de;
2 libras de extracto de murung.
12 jardas de e.p.r.dr.po ingles.
4 oncea de essancia da e.nella.
4 onc.s de dita de cravo.
2 on?as de dits de flor de lar.oja.
1 libra de extracto de alcacus.
2 on$as de extracto de bardana.
2 ditas de dito de cenlauria.
2 ditas de dito decoloquiutidas.
4 ditss de dito dedaleira.
2 ditae de dito de fumaria.
4 ditas de dito de genci.na.
4 ditas de dito de rhuibarbo.
4 ditas de dito de .cilla.
4 ditas de dito de sspenario.
12 espitlas de osso sortidas.
6 ditas de bqo sortidas.
2 oncea da elhige marcial.
4 oncas de esseocia de rosas.
8 libras de folhss de digitales.
2 libras de fumaria nova.
1 libra de folhas de bortelia pimenta.
1 libra de dita* de tunilago.
16 libras de fio* de llnho.
2 fuoi de vidro grandes.
12 fundss do lado direito.
4 graos de marmore de 1 libre.
1 gral de pedr. gr.Dde de 16 libras de espa-
cidade.
8 libras de gomosa arbica em p.
2 ooc.s de bydroferrro cianato de qainino.
2 libras de herva doce.
2 libras de incens.
4 libras de ipecacuanha em p.
8 libras de iodursto de potassio.
2 libraa de iodurelo de chambo.
1 libra de iodo.
8 oucas dekerme mineral.
6 arrobas de linhaca de Ia qualid.de.'
2 libras de lim.lha de farro pulverisada.
2 arrobas de msnteiga de porco.
2 arrobas de malvas.
64 libras de m.oo commum de Ia qualidade.
24 libras de macolla nove.
8 caadas de mel de abalhas.
4 oucas de nitrato de prata fundido.
l cadernos de papel de corea sonidos.
2 resmas de papel de Hollando de marca gran-
de paulado.
2 libras de mirrba.
24 vidros de oleo de mastruco.
32 libras de oleo de ricino.
32 libras de oleo de amando...
1 libra de protoiodsrreto de mercurio.
4 libras de pommada de pipino fraoceza.
30 caixas de pastilh.s da N.fl.
2 libras de pastilh.s de s.otoaioa.
4 libras de precipitado rubro de mercurio.
4 mosde papel de filtro.
60 vidrosde pllulasde Bl.oc.rd.
12 c.ixas de pillos da vida.
12 vidroa de pilulas vegetaea.
2 libras de pommada de cacao.
70 vidros de pos de rog.
2 rosar de peonas d'.co de Ia qu.lidsde.
2 libras de protocblorureto de mercurio.
2 dita, de raz de valeriana.
2 dita, de dita de genciana.
1 dita do dita de tustorie.
1 dita de dita de termentilla.
1 dita de dita de gilbarbeiru.
1 dit. de dita de sipo.
8 ditas de resina de ar.gico.
300 rolh.a de cortina (novas).
2 libras de salsa hortense.
8 libras de espermacet* fino.
8 oncas de sulphafo dequinioo dePellitier.
4 libras de sueco de pepino.
48 vidros de salsa parrilba de Bristol.
4 arrobas desulphato de magoesia.
2 arrobas de salsa psrrilha.
2 libras de trtaro emtico.
5 garrafas de vinagre de Ia qualidade.
Vidros de 1 once, 2 ditae, 4 ditas e 8 ditas, 3
d.zias de cada um,
50 garrafas de viobo do Porto de Ia qu.lidade.
, 12 vidroa de xaropes de afi.
12 garrafas de xarope peitoral ioglez.
a mmn da panel azul par emliratho.
'le.
nho de 1862.O alteres sesretsrio, Maneel An-
selmo Peraira Guim.res.
- Por esta subdelegacia so faz publico que so
acha depositado om boi, o qual Ibe foi entregue
polo fiscal da freguezla, dizendo-lhe a ter re-
mettido o subdelegado da Passagaat, a vista do
que quem se jolgar com direito compare;, que
prov.odo Ihe sei entregue. Subdelegacia do
1* di.lricto dos Afosados 16 de junho do 1862.
Osubdelegado 1* aupploole, Jos Busrque
Lisboa.
CoBselho administrativo.
' O conselho administrativo para foroecimento
do arsenal de guerra tem de contratar o foroeci-
mento alimenticio par. a companhis dos menores
do ar.eo.l de guerra, nos mezes de julbo e agos-
to prximos vindouros.
Pao de 4 oncas, bolachas, m.nteigs frsneess,
asaucar reto.do de 2* .orle, caf em grlo. cb
bya.on, carne verde, dita secca, baealho, feijo
preto ou mulatinho, arroz do Maranhao, toucinho
de Lisboa, vinagre de dita, asaite doce, ftrinba
de mandioca da ierra.
Quem quizar contratar taes gneros aprsente
as suss propostas em carta fechada na secretaria
do conselho as 10 horas da manha do dia 30 do
corrente mez.
Sal. daa ae.sdes do conselho administrativo,
psra foroecimento do arsenal de guerra, 20 de
junho de 1862.
Antonio Pedro dt Si Barrito,
Coronel preaidente.
Francisco Joaquim Ptrtira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo, pera ternacimento
do arsenal de guerra, tem de comprar os ebjectos
segu otes :
Para provimento dos armazens do almoxarifado
do araen.l de guerra.
34 [echaduras para caix.a.
4 ditas pequeas para ditas.
5 arrob.s de oleo de linhaca.
2 arrobas de amarello francos.
4 duziaa de brochas sortidaa para pintor.
Quem quirer vender taes objectos aprsente as
usa propostas em carta fechada ns ecretsria do
conselho, as 10 horas da manbaa do dia 30 do
corrente mez.
Sala das sestees do conselho administrativo,
para fornecimento do arsenal de guerra, 20 de
jtnho de 1862.
Antonio Pedro de S Barreta,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Tribunal do canimercio.
Pela secretaria do tribunal do commercio de
Pernambuco se faz publico qaa nesta data foram
admittidos matricula os commercisntes Portu-
guezes Jos Joaquim Lima Bairo, Francisco Coa-
?.lve. da Silva Pereira e Christovao Ferreira
Campos, domiciliados nesta cidade com negocio
de f.zendas.
Secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambuco 22 de juoho da 1862.
Julio Guimares.
Official maor.
at.o$ arHiftto%
Navios entrados no dia 28
liba de Fernando10 dias, hiate nadonal Ser-
gipano, de 54 toneladas, capito Ht nrique Jos
Vieira da Silva, equipagem 6, em lastro ; ao
mesmo capito.
Santos40 dias, brigue ingles Plack Prince, de
280 toneladas, capito R. Luiglboo, equipagem
10, em lastro ; Tisset freres & G.
Hacei o porlos intermedios 40 horas, vapor
br.sileiro Persinunga, de 422 toneladas, com-
mandaoto Moura.
Navios ahidos no mesmo da.
11.rselbaBarca italiana Christofino, capito G.
Paliano, carga assucar.
LiverpoolBarca ingleza Miranda, cipito Wil-
li.m Syoons, carga assucar e algod io.
MaceloBarca ingleza Seslers, capit >M. Prey-
de, em lastro.
Navios entrados no dia 29
Rio de Janeiro e porlos intermedios 5 dias e 21
horas, e do ultimo porto 12 horas, paquete
vapor nacional Oyapoek, de 1,101 toneladas,
cemmandante o 1* lente Antoolc Marcelino
de Ponte* Ribeiro, equipagem 57.
Alloa5'i dias, brigue ioglez Candios, de 204
toneladas, capito Roberto B. Fentuy, equipa-
gem 9, carga carvao de pedr. ; crdeni.
Editas.
O Dr. Trisito de Alencar Araripe, offizi.l da im-
perial ordem da Rosa ejuiz de dir lo especial
ido commercio desta cidade do Recite e seu ter-
mo, capital da provincia de Pernambuco, por
6. M. imperial e constitucional o Si. D. Pedro
II, que Dos guarde, etc.
Faco s.ber pelo presente que no dia 30 de ju-
nho do correte neo se bao deeriemalar por
veoda a quem mais dr, em praca publica deste
juizo, depois da audiencia respectiva oa predios
seguiotes:
Om sobrado de dous andares site na ra do
fiangel o. 73, freguezia de Santo Antinio, tendo
o primeiro aodar duas salas, dous quurtos e co-
zinha oa ata da detras; e no segando andar lesa
duas salas, qualro quartos, e no sota > tam tres
quartinhoe e urna ara. quintal mundo dividido
em dous, tendo a propriedade 28 paliaos de vo
eattfcvo d ruado, averiado em lth0O0|O00.
Um. em terrea oa mesma ra com o n. 75, com
30 palmo* de vo o 80 dolando, em ; venda, um teiheiro no fundo, cozinh foro, m
pequeo quintal, liada em 2:5009000 Urna ca-
ta trras a. ua Iasaa.ri.1 com o o. 6", freguezia
de S. Jos com duas portas oa frente, em caixo,
om 20 palmee de vioele, de rio do 'undo, a va-
lia*, era 1:0009000. asa tM terrea na mesma
ra com en. 263, comdu.a portas oa (rente, ten-
do i6 palmos de vio e 46 da fundo, de js quartos,
duas aalas e cozinha ns s.la de detnz, quintal
esa ltaselo e mo estada, avihaO %a 960)000.
Ua*-ee*a4rreaB**-Goeo Pontee ce 9 B. 57,
coa duas porta* zrs frente, duas salns quartos e
quiatal em mo estado, araliada em 1:0009000.
Uzea cas* terre. tra Sored.de com o r 65, tendo
20 p.Irnos de veo e 89 de fundo, com duas ala*.
um qusrtoe cozinha na sala de detr i, quintal
esa aborto em-mo estado, avallado em 6OO9OOO.
Um ltio ao lagar dos Afllictos, com casa terrea
em perJlo tito com temeo, murado 11a frente,
dau portas, cinco jaaellas, 2oa4in lat e um
&&?aed$s.
A administrafio do correio desta cidade
precisa engajar estafetas : quem se acbar nestas
circumslsnci.s apreseute-se ao respectivo admi-
nistrador munido de atteatados que abonera oa
seas coslumes e conduela.
Conselho administrativo.
O conselho. administrativo para fornecimento
Para o Ass
pretende seguir at o dis 3 de julbo o patacho
o.cional cEmul.co : quem no mesmo quizer
carregar, entenda-ae com os seus consignatarios
Antonio Luiz de Olireir. Azevedo & C, no seu
escriptorio ra d. Cruz n. 1.
y
COIRPAIHIA BRASILEIRA
DE
mnfu t nvm.
Espera-se dos porlos do norte at o dia 30 do
corrente o vspor Cruzeiro do Sul, comm.ndante
o capito de mar e guerra Servazio Mancebo, o
qual depois da demora do costume seguir para
os porlos do sul.
Desde j recebem-se passageiros, a engaja-se
a carga que o vapor poder conduzir, a qual de-
vora ser embsrcadano diado sua cbeg.da.dinhei-
ro a frota a encommendas at o di. da sabida s
2 hora* ds tarde : agencia ra da Cruz n. 1, es-
criptorio de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
&C
Para o
Rio-Grande do Sul
com escala pelo Rio de Janeiro
seguir eom tola a brevidade o brlgua nacional
Mrquez de Olinda, de primeira marcha, tem
ja prompta a matar parte de seu carregamento :
para o reatante traa-.e com M.noel Ignacio
de Olireir. & Pilho, no l.rgo da Corpo-S.nto
o. 19.
Maraiiho e ^ar.
O patacho Paulino segu em peucea dias, tem
mil barrica* de eseucar tratada*, para o resto
irata-se com os consignatarios Msrques, Barros &
C. largo do Corpo Santo n. 6.
io de Janeiro
Pretende seguir com muit. brevidade para o
Rio de Janeiro o releiro e bem conhecido brigue
nacional Almiranteo, tem parta de sen carrega-
mento prompto ; par* o reato que Ihe falta, tra-
ta-se com os seus consignatarios Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo, no seu escriptorio roa da Cruz
numero 1.
Msa.
Precis.-se .lugar i>ma ama de ieite sem filhar-
Oa ra da Cadeia do Recite, foja n. 50.
*mmmmmmmmmm\
{ Dentista de Pars.
15Ra Nova15.
FreoaricoGaaliar, eirurgiio dentista T-
fai todas as operarles desua arte isea-j
leca denles ariiflciaes, tudo com sdrin H
8 rioridade a perfdieao que as passoas-ten &
! Undidaslbe recoDbeeem.
Tato agua e pos denuncios, etc.
SaKtnateass bn6 mmmmm
Perdeu te um. letra d. qaaoti. de 3513380
sacada 6 do presente a praio de 60-dias, aceita,
por Bento Jos Ferreira Lima, e sscad. por Bea-
to Antonio Carpinteiroda Silva; quem acbou ra-
ra o favor da levar .0 pateo da Ribeira o. 15,
viato de aada servir a outro, por j se lar dador-
as providencias.
Precisase fallar ao Sr. Manoel
Joaquim Pereira Magalhaei: neita ty-
pographia.
Aluga-se
o sobrado de um andar soto n. 26 na travesear-
do Pocinne, com bastante, commodo. p.ra fami-
lia, com quir-l grande, cacimba e p ajila : at
tratar na ra Oa Pelma n. 41, ou na ni*
numero 3.
Pad
aria
Para Lisboa.
Tem de sahir com muita brevidade o lugre por-
tugus Julio, de superior marcha, tem a maior
parte de ana carga comprada, e pera o resto da
meama e passageiros, a quem offerece es malho-
res commodos, trata-aecom o consignatario Tho-
maz de Aqaiao Fonsaca, na ra do Vigario n. 19,
primeiro andar, ou com o capito o Sr. Francis-
co Antonio lleirelles, na praca.
* ?
Z.jsr-,i3
om.
LEILAO
DE
do arsenal de guerra tem de comprar os objectos
seguiotes :
Para o 9" balalhao de infantaria de liona.
2 estadios triangulares de metal.
2 trenas de 15 bragas cada urna.
Quem quizer vender taes objectos aprsente as-
suas propostas em carta fechad, na secretaria do
conselho, s 10 horas da manha do dia 2 de
julbo prozimo vindonro.
Sala das sesses do conselho administrativo,
para fornecimento do arsenal de guerra, 25 de
junho de 1862.
Antonio Pedro de Si Barreto,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Por esta subdelegacia se faz publico que se
acha depositado desde a manha do dia 24 do
corrente, um cavallo cstsnho de tam.nho regu-
lar, com o p esquerdo calcado de branco, e in-
tiro, com o espiohaco bastante maltratado pro-
veniente de c.ngalha, o qual cavallo fdr. apre-
hendido por auspeita. de aer feriado : quem for
seu legitimo dono, compare;, nesta subdelegada,
que provando Ibe aera entregue.
Subdelegacia da freguezia de Santo Antonio do
Recite 25 da Junho de 1862.O subdelegado,
Manoel Antonio de Jess Jnior.
Consulado de Por-
tugal.
Nao se tando effectuado o leilo da casa e mo-
bilia perteocentes ao eapolio do (loado subdito
porlugoez Jos Bernardo de Medeiros, de novo
se annunci. que o referido leilo ter lugar
quiota feire 3 de julho, n. Estrada Nova do Ca-
tanga, oode est cita a mesma casa, pelas 11 ho-
ras da manha.
Consulado de Portugal.
De novo se annuncia, que nao tendo batido
concurrentes b.st.nt.s 00 leilo da cocheira que
foi do finado subdito portugus Jos Ribeiro de
Feria, na ra do Imperador, proceder-ae-ha a
novo leilo oa qaaita-feira 2 de julho, pelaa 11
boraa da m.nba.
Cosellio administrativo.
0 conselho administrativo, para fornecimento
do arsenal de guerra, tem de comprares objeatos
seguinies:
Para o .tica do hospital militar.
16 libras de acido tartrico.
16 libras de alfazems.
60 garris graudes de agurdente.
12 arrobas de assucar raBoado em 6 barriqui-
nhas de 2 arrobas cada ama.
60 garrafas d'agua de Labarraque.
50 garrsfarde alcool 36 graos.
5 caadas de azeite doce.
16 libras de lcatro.
6 libras de amoniaco liquido.
6 libras de bicarbonato de aoda.
200 bichea hamburguezas, dorando seren re-
mettidas em csizo conteodo barro proprio.
1 batanea decimal pequea eom peioj.
4 libraa de benjoin.
25 beides de porcellana de 8 oseas.
50 rolo, de encerado de Sepelirle
Quem quizer vender taes objectos aprsente as
propostas em carta fechada, na secretaria do
conselho, s 10 horas ds manha do dia 30 do
corrente mez.
Sala das sesses do conselho administrativo
p.ra fornecimento do arsenal d. guerra, 20 de
junho de 1862.
Antonio Pedro de S Barreto,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Conselho administrativo.
0 conselho administrativo, para fornecimento
do arsenal de guerra, tem de comprar os objec-
tos seguiotes:
Para a comp.nbiadecavatl.ria.
11 espadas com bainhas.
Para o 2 batalho de infantaria.
378 botes grandes de metal prateados com o
o. 2. amarello.
162 ditos pequeos de metal prateado com
n. 2, amarello.
P.ra o 7 batalho.
2 caldeiras de ferro para 100 pracas.
Para a escripturacao de eeerive da* ofikin.a
deste arsensL
1 livro grande oblongo com 30 folhss de papel
pautado.
1 dito para talo dos conhecimontos do f.rda-
mento arrematado,com 200 folhas de papel pau-
tado.
Quem quizer vender taes objectos, apresentem
as suas propostas em cartas feizadas na secreta-
ria do conselho as 10 horas da manha do dia 4
de julho vindouro.
Sala das sesses do conselho administrativo
para fornecimento do arsenal de guerra, 27 de ju-
oho de 1862.
Antonio Psdro de S Barreto,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal, secretario interino.
COTMaWfl
DAS
Messagenes imperiales.
No "i 1* de julho espera -se dos pprtos do sul
o vm. .taoeex llcam, commaodant V. Veel,
v q=a> apata d. aa.i. da co.luma aaguIrA pa-
ra r 'eaux tocando em S. Vicente e Lisboa.
(Em Vicente h. um v.por em correspondencia
com Oore.)
A compaohia encarrega se de segurar as mer-
caduras embarcada a bordo dos vapores assim
como tambera recebe dinbeiro e objectos de va-
lor com de.tioo Londres em tranaito por Bor-
deaos e Boulogoe.
P.ra as condicc.5es freles a p.ss.geos trata-se
na agencia ra do Trapiche n, 9.
Correr
Pela adminislrsco da correio se faz publico
que as malas que tem de conduzir o vapor Oya-
poek, com destino aos porto, do norte,fecbam-se
hoje (30) s 3 horas da tarde : os seguros at s
2 horas.
Correio geral.
Relaco das cartas segaras vindas do
sul pelo vapor cCruzeiro do Sol pa-
1 ra os senhores abaixo deelarados.
Augusto Magno de Mello Mat'os.
Alezandre Rodrigues dos Anjos.
Altino Rodrigues Pimenta.
Dr. Antonio da Cinha Figueiredo.
Bonifacio Joaquim de Saul'Anna,
Baro do Livrameoto.
Demetrio Jos Teixeira.
Francisco Antonio de Freitas Barros.
Feliciano B. da Silva.
Galdino T. Cabral de Vasconcelos.
Joaquim Gilcino de Mesquita.
Dr. Joaquim de Oliveira a Souza.
Joo Gomes Jardim.
Jos Gomes Ferreira.
J. Alezandre Ribeiro.
Miguel Arcbnjo Mootelro de'Paiv*.
M.noel da Cuati. W.nderley.
Manoel Martlns Fiuza.
Raymaado da Silva Mis.
Simio J. A Ivs.
Trajano AustrecKno da Coate.
As Srs. negociantes.
O conaelho econmico do 2o batalho de in-
fantaria, da novo eoovida .os Srs. licitsntes que
quequizeremfarneter no segundo -etnreerre do
correte sano, eu gneros elimealicios ate boa
qualidade abaixo declarado*, .procua do mes-
mo batalho, viato nao lerem np.recido no
qtnrrtel do Hospicio para o respectivo cootrato
no dia 28 par. 'tase memno 'pelo uooselho, e
preaentarem suso aasasasase umusaetau tetrada
nodia 30 as tthoras da manha zm secretaria
do referido batalho, a saber: asaue.r mascavl-
nho reunado e de calza, arroz pilado, azeite do-
ce, bacerhao, cat em grao, caree verde, caree
secca, fariohs da Ierra, feijo mulatinho ou pre-
to, mantelga fraoceza, toucinho de Santos oa
de Lisbos, vinagre de Liiboa e lenba am achaa.
Q.aitel no Hospicio en Pereambaco 23 da ju-
COmirHU PERIUHBUCAN4
Navega cao costeira a vapor.
O vapor Persinunga, commandante Moura,
sahir para os portos do sul tocando n.s escalas
no dia 5 de julho, i 4 horaa da Urde.
Recebe carga- at o dia 4 ao meio dh. En-
commeodas. passageiros e dinheiro a frote et
O dia da sahida ai 2 horaa : escriptorio no forte
do Metto* n. 1.
Para o Aracaty.
Segu brevemente o hiate cEzh.iaco, par.
carga e passageiros, trata se com Gurgel dt Ir-
mo3, no escritorio da raa da Cadeia n. 28.
COiraiM PERSAIBUCIIU
DB
NaYegatfto costeira a vapor
Parahiba, Rio Grande do Norte, Ma-
cau do Assu', Aracaty, Ceara',
Acaracu' e Granja.
O vapor Jaguaribe, comm.ndaote Lobato,
sahir para os porto* do nofle at a Granja,
no dia 7 de julho as 5 horas da tarde.
Recebe carga at o dia 5 ao meio dia. Eocom-
mendas, passageiros dinheiro s frete at o di.
da sahida as 2 horas ; escriptorio no Forte do
Mattoa n. t.
Para Maranhao e Para.
pretsnde seguir com multa brevidade o releiro e
bem conhecido patacho nacional oEmulecao, ca-
pito Antonio Gomes Pereira, tem parle de aea
carregamento prompto ; para o resto que Ihe fal-
ta, trat.-ae com os seus cooiignatsrios Antonio
Luiz de Oliveha Azevedo & C. 110 seu eseriptorie
ruada Cruz n. 1.
Ilha de S. MigueJ.
Para a liba de S. Miguel, eegua .com muit.
brevidade o patacho portoguez Lima de primeira
marcha, tem ttous tercos do seu carregamento
prompto e parra o reato d. carga, passageiros :
trata-.e com oa seus consignatario. Joa* do Rege
Lima & irmo : na ra da Cruz n. 38.
Para
EiodeJaflro,
aegue com toda brevidade a linda e veleira bares
nacional tIris, de primeira elssse, capito Gao-
par LeiU de Paria, a qual tem parte de eoeesr-
regamento prompto ; para Nato, Iraia-ae com
os seus consignstaria* Aranegs, Hijo 4 C ra
do Trapiche Noto n, V,
4rroz de casca
O agente Almeida far leilo por conla e risco
d* quem perlencer de 100 taceos de arroz de
c.sca : terca-feiral* de julho, s 11 horas do
dis, na porta do armaiem do Aunes.
Na padaria da ra dos Pires n. 42, precisa-ser-
de um aoiassador.
Precisa-se
alug.r urna aactav. p.ra o aervico de ama cass
de pouca familia : na ra larga do Roaario n. 3t_
O], de cajeado.
Raa do Trapiche Novo n. 2t, cal e reslau-
rant do commercio. preclsa-.e de dou conoiro..
Um mulato de bonita ligura com 18 annou
de idade, deseja sasvir a um Pernambucanor
quem o pretender dirija-.e a rus Anguila n. 66.
1 -7 aono a csa de pasto italiana oo becco?
da JJjia mudou-ae para a ra da Cruz n. 9, ter-
ceiro andar, e contina com seu estabelecimentr*
de dar comida s peasoa. que quizerem bonrs-lat
com sua freguezia, tem quarto. mobilhados paro
alugar, assim como toma pensionistas para co-
mtj. -
Offerece-se um homem mo;o, de boa con-
ducta, casado, sem filhos, com alguns e.cravos,
p.ra administrador de quaiauer servigo de c.m-
po ou mesmo cocheira nesta pr.ee, por emendar
de.le. 8ervic.os, podando entrar oa escravos que
poa.ue : dirijam-se a povoaco dos Afog.dos,
ra de S. Miguel, casa do Rvm. Sr. padre Luis
Araujo Barbosa.
Terrenos de marinha.
O agrimensor dos terrenos de raarinb. convida
o Sr. Dr. Francisco Augusto da Costa por ai, e a
Sr*. D. Rosa Candida Goo;alvea Ferreira por aeti
procurador, a compsrecerem na ca.a de sua re-
sidencia, na ra Direita o. 74, aim de se Ihe
marcar o dia em que tem de se proceder a medi-
Qo dos terrenos de marinba, de que rsquererans
os respectivos lilulos.
AYl*0 ""iT^rsos,
LOTERA
Sabbado 5 de julho prximo andarao
impreteriyelmente as rodas da primeira
parte da primeira lotera a beneficio da
matriz da freguezia da Escada.no con
sistorio da igreja de N. S. do Rosario
de Santo Antonio. Os bilhetes e meios
bilhetes acham se a venda na respec-
tiva thesouraria ra do Crespn. 15,
e as casas commissionadas praca da
Independencia n. 22 loja do Sr.' San-
tos Vieira, ra da imperatriz loja de
ferragens n. 44 do Sr. Pimentel, ra
Direita n. o botica do Sr. Chagas, e
na ra da Cadeia do Reeife loja u. 45 do
Sr. Porto.
As sortes de 5:000$ at as de 10$ se-
r5o pagas urna hora depois da extrac-
q3o, e as outras, porm, no dia imme-
diato logo que se tenham distribuido as
listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
O retr.tisis americano
O retratista americano
O retratista americano
O retratista americano.
Rna do Imperador
Ru. do Imperador
Rus do Imperador
Ra do Imperador.
Noros estylos de ambrntypo
Novos estylos de ambrotypo
Novos estylos de ambrotypo
Novoa estylos de ambrotypo.
Muito baratos
Muito bcr.tos
Muito baratos
Muito baratos.
Lindos carldes de visita
Lindos cartoe. de visita
Lindos cartees de viaila
Lindos cartdas de viaila.
Precisa se de ama am. para cozinhar e
eompaar ; na rus dasLar.nReirae n. 16.
Precis.-ae alagar um escravo que aaiba co-
zinhar o di.rio.de urna casa : na ru. de. C.dei.
do Reeife n. 52, terceiro aodar.
Precisa-ae de urna ame para cozinhar o diario
da ama casa de pouca familia : na raa da Cruz
do Recita n. 31. segundo andar.
Avisa-se a quem convier que ningunos
sasKO-aa caes que foi do finado portugus Jo*
Rereardo de Mad*ire*rsit* ata estrada nov* do
Caxaog, a^txal se eche hypothaceda D. Maris,
Amelia Constancia de Freitaa por ma leltra
aceita pelo mesmo em favor desta a a respelto
da qual ae est procedendo no juizo commercial.
9 Precisa-ee .regar
para laeereong
_____
ere.da aerara
_ aiT*upa 4e duas #
I psaoaa s na ra do Imperador o. 44.
Precisa-se de um caizeiro porluguez de 12"
a 16 annos, para taberna, dando fiador a su. con-
ducta, n. Ca*. Forte, preferindo se dos chega-
dos : a tratar no Hospicio n. 28.
Antonio Pereira os Santos, aubdito porlu-
guez, retira-se para Portugal.
$ C. J. Astley & C. mudaram o gg[
seu escriptorio e armazem de @
;fe fazendaspara o largo do Corpo at
fe Santn 15. 2
iBm^^-m^m
!^
Caixeifu.

Precisa-sede um caizeiro para a taberna eran-.
de da Soledade
Isabella Wood vB ao Kio be laneii
Freci.a-se de urna ama forra ou capnv
para todo servido de urna casa de pouca familia :
na ra de Hurta* n. 50.
lojeccao Brow
Remedio infallivel contra as agnor-
rheas antigs e recentes, nico deposito-
na botica franceza, ra da Cruz n. 22,
preco 3$.
Futiro e viiiraceiro.
Grande e nova ollicina.
Tres portas.
31Ra Direita31.
Nasta rico e bem montado estabelecimento .a-
contraro oa freguezes o mais pezfeito, bem e*-
bado e barato no seu genero.
URNAS de todas as qualidades.
SANTUARIOS que rivalisam com o .caranda.
BANHE1ROS de todos o tamanbos.
SEMICUP1AS dem idem.
BALDES idem idem.
BACAS idem idem.
BAHUS idem idem.
FOLHA em csizas de todas asgrossuras.
PRATOS imitando m p*rfei;o boa porcel-
lana.
CHALEIRAS de toda, a* qu.lid.des.
PANELLAS idem idem.
COCOS, CANDIEIROS (landres para qual-
quer sortimento.
VIDROS em caizas e s retalho de todo 1 oa ta-
mandando-se manhos, botar dentro du cidade.
am toda a par.
Recebem-se encommendaa de qualquer neto
razs, concert., que tudo aera desernpinhado a
contento.
ENSINO
Pralico-Theorico
DA
LINGUA FRANCEZA,
SEGUNDO
- O NOVO METHODO
DO
Dr. H. G.Ollendor/r
PARA.
Aprender ama lingua em seis raezes
POR
Cicero PetegrUio,
Baclarel em ereito.
2 vlames em 8.
Sahio de prtlo e 1.' votme desea obra, lotet-
ramente nov, uuic. escripia am portugus per
qualle sysaaaaa.eporovada pelo conselho direc-
tor d. ioatrucco publica para servir de compen-
dio na aalis publiea. da inatruegao secundaria
daprevioei., accommodada ao uso de qoeete
prataudetuea f.llar e traduzir om propiedad*
. linga. .francesa.
Acha -se venda no escriptorio do autjr, ruar
do Oaatmado n. 26, onde aind. s. recebem-ee-
sigaatoraa (TIOW). at a publkaceo do 3* edIW
me; depois do qaa veader-ae-ho a lOfldCOam
exemplares.
:



-
J[| -Tlll AHAl
J7
l\
-r_rN


DIAMO DI PlRAMloGO. SEGEHDA FEUU SO DI JUNHO B 1162.
Consultorio medicocirurgico
CosuU por ambos os systeuias,
Em consecuencia da muda ca para a aua nova residencia, o proprietario deate eitabeleci-
Txento acaba de fazer tima reforma completa em todos os seus medicamentos.
O desejo que tem de que o i remedios do sea estsbelecimento nao se confundam com os da
nenhum outro, visto o grande crdito de que sempre gozaram e gozam ; o proprietario tem tomado
a precaucao de inscrever o sen neme em todos es rtulos, devendo ser considerados como falsifica-
dos todos aquellea quo forera aposentados sem esta marca, e qusndo s pessoa que os mandar com-
prar quetra ter raaior certeza acoinpanhar urna conta assignada pelo Dr. Lobo Mosaozo em pa-
pel marcado com o sen nome.
Outro aim : acaba de recebar de Franca grande porQao de tlnciur de acnito e belladona, re-
ladi
medios estes de summa importancia e cujas propried
mdicos allopathas empregam-as constantemente.
les sao to cqnhecidas que os meamos Srs.
Os medicamentos svulsosqur em tobos qur em tincturas cuslar&o a 1$ o vidro.
O proprietario desee estabelecimento annuncia > seus clientes e amigoa qae tem commodoi
suficientes para receber alguna eicravos de um e outro sexo doentes ou que precisem de alguma
Btraco, affiaocando que serio listados com todo o disvelo e prompiido, como sabem todos
ellas que i& tem tldo escravos na casa do anounciante.
A. situaco magnifica da ca a, a commodidada dos bnhos salgados sao outras tantas Tanta-
cao* Pra PromPl restabelecin ento dos doentes.
As pessoas que quizerem fallar com o annunciante davem procurs-lo de manha at 11 horas
e de tarda das 5 em diante, e fore destas horas acharo em casa pessoa com qusm se podaro en-
tender ra da Glia n. 3 tas* do tindo do Dr. Lobo Moteoxo.____________________________
fteittgift mmmam mmum
E JUNTA CENTRAL DE HYGIENE PUBLIC
i MEM
ELECTRO-MAGNTICAS EPISPASTICAS
De Ricardo Kirk
Para serem applicadas s partes affectadas
sem resguardo nem incommodo
Com estas Chapas-elbct ro-magnetcas-epispasticas obtem-se urna cura radical e in-
fallivel em todos os casos de inflainma$o ( cantado ou falta de resfiragao ), sejam internas ou
xtemas.como do figado, bofes, istomago, bajo, rins, ulero, pello, palpitaco de cora$ao, gar-
giBta, olhos, erysipela, rheumal srao, paralysia e todas as aSecces nervosas, etc., etc. Igual-
mente para as differeotes especies de tumores, como lobinhos escrof ulas etc., seja qual fr o sen
tamanho e profundeza por meio da suppura$o sero radicalmente extirpados.
O uso dolas aconselhado e receitadas por habis e distinctos facultativos, sna efficaia in-
o.ntestavel, a as innmeras curas oblidas o fazem merecer e conservar a confianza do publico
que j tem a honra de merecer, Jepois de 24 annos de existencia e de pratica.
As encommendas das provincias devem ser dirigidas por ascripto, tendo todo o cuidado
de farer as necessarias explicaces, se as chapas sao para homem, senhora ou crianca, decla-
rando a em que paria do rorpo existe, se na cabeca, pescoco, brajo coxa, pama, p, ou tronco
do corpo,' deolaraudo a ccumlerew* e-owoVrfl^acot, ferT3asoTTTilceras,--flBol(U jo en
iamanho em um pedaco de papel e a deca racao onde exislem, afim de que as chapas sejo da
fojmaj da parte afectada e para scrembem applicadas no seu lugar,
Pode-se mandar vir d qualquer ponto do imperio do Brasil
As chapas serio acompanhadas das competentes explicaces e tarabem de todos os acces-
orios para a c ollocacao dellas.
Cnsa: seas pessoae que o lignarem honrar com a sua confiaaca, em seu esariptorio, que
achariu abarloe todos os dias, se n excepto, das 9 horas da manha s 4 da tarde.
]|9 R % do Parto ||<)
PERTO DO LARGO DA CARIOCA
rtftMsY
Para as encommendas infoi macos dirijam-se a
ra do Queimado n. 15.
Urna casa para alugai.
Aluga-se urna casa terrea na roa da Conceiclo
da Boa-Viiia o. 31, com multas commolidsdas
psra ama familia, por preco commodo; a tratar
na ra Nova n. 10, loja de Ctrneiro Vanos.
).
JEJ
ROUPAF
Toda attenco.
Custodio Jos Alvea Galmarles avisa ao rss-
peltavel pablico, principalmente a todos 6a ssas
fregueses e smigos, que s mdou da loja da
aguia de ouro da ra' da Cabugi para a ra do
Crespo o. 7, psrs a bem coohecids sntiga loja
de miudezas que foi do fallecido Joo Ceg, boje
ser coohecida pelogallo vigilante, pede ao
respeitavel publico a aoa seus fregueses e amigos,
que o queiram procurar no dito eslabelecimento,
onde acharao um grande sortimenlo do miudezas,
quo afflanca servir bem vender por meaos des
ou viote por cento. do aua em outra qualquer
parte
KRUI SO QUEIMADO M?A6
p/lhhhGMNDE20IlTIMERTo|((!^
^DftSEROUPKSP^
Sortimenlo completo da aobreuaacoa da panno a 15}, 28|, 80$ a 35}, casasos multo bom
faltas a 25f, 28$, 30J a 85J, paletola acuacadoa da panno preto de 16 at 159, ditos do casemira
da cor a 159,18tf o IOS, palelols saceos d panno a casemira de 8$ at 149, ditos saccoa.do alpaca
m crin o la da 49 at 69, sobre do alpaca o merino da 79 at 10}, calcas pretas da casemira ds
89 st 14g; ditoa da cor da 79 at lOg, roapas para monino de todos os tamanbos, grande sorti-
manto da roupas da brins como sejam caigas, paletots a colletas, sortimenlo da eolleUs pretos d
sstim, casemira a velludo de 49 a 9J, ditos para casamento a 59 a 69, paletots brancoa da bra-
mante a 49 a 5|, calcas brancaa muito finas a 6|, o um grande sortimento de fazendaa fina a e mo-
dernas, completo sprtimenlo de casemira inglesas para homem, menino a senhora, aeroulaa de
linho o algodo, chapeos da sol de seda, luvas da aada da Jouvin para homem e senhora. Te-
mos urna grande fabrica da alfaiale onde recebemos encommendas da grandes obras, quo pars
sso est sendo administrada por um hbil mestre de somelhanta arta a um pessoal da mais ds
oncoenla obrairos eseolbdos, portantoexecutamos qualquer obra com promptido a mais barato
de qaaam outra aualauer essa
Precisa-se de ama ama s para coziohar '
na raa do Rangel n. 7, aegundo andar.
Saques sobre Portugal. 5
O abaixo assignsdo agente do Bsnco S
Mercantil Portaense nesta cidada, nca tt
effeclivsmente por lodos os paquetea so- 9
bia o mesmo Banco para o Porto o Lis- S
boa, por qualquer somma avista a a pra- "j*
10, podendo logo os saques a prszo aerem '
descontados no mesmo Banco, na razio
de 4 por canto so sano sos portadores
qua assim lbe convier : nss ruaa do Crea-
po n. 8 ou do Imperador o. 51.
Joaquim da Silva Castro.
! u*a otkw um* ay^mwmw vWfw rUV rfKSi *% WV 9*
Aos rSs. consumidores de gaz
Nos srmazens do caes do Ramos os. 18 e 36 s
na ra do Trapiche Novo no Hecife n. 8, se ven-
de gaz liquido americano primeira qualidade e
recntenseme chegado a 149 a lata de 5 gsldes,
aasim como latas da 10 a da 5 gsrrefas a em
garrafas.
Pedagto 4* NIfeg&sUiu.
Os arrematantes do psdoglo da Migdslena em
virtude da prejaizos que posteriormente tem sof-
frido, devidos escaiiez da arreeaducio do pre-
dito pedagio, a da falta de pagamentos de men-
salidades de alguns dos senhores assignsntes,
previne a todos os referidos senhores, qua do
1.* d julho viodoaro em diante as mansalldades
serio pagas adiantsdss ; ficando aa vencidas su-
jeitas a pagarem mais 10 por centos>bre o valor
da sua aaaignalura ; e aqaelles sniores assig-
nsntes qae lbe nao convanba a condlcao supra,
sirva-se declarar por esta folha. Igualmente ro-
gamos aos mesmos senhores, que logo que, por
qaalqusr motivo deixem de ser isiigoantes ou
mudem da vehculo, taobam a bondsdo de com-
municsr s barreira, sflm de poder ser sttendido
no pagamento das suss mensslidadei. Barreira
da Magdalena 25 da janho de 1862.
Os arrematantes,
2______ Cstio & Cndeiro.
Jerooymo Joaquim Rodrigues, nubdito por-
tugus retira-*e desta provincia.
Aluga-se
um sotode um terceiro andar com 4 quartos
um grande salo, jsnellss da um e outro lado,
em boa rus, o qual proprio psra caixsiros 3-
slslirem qusndo o patrio nao lenta todos oa
commodoa precisos, s se aliga com carta da
flanea : quem pretender, dirija-se a ra larga do
Rosario n. 33, a tratar na loja.
Guimares k Villar
Figueiredo & Irmae
Ra Nova n. 18
Neste eitabelecimento bavar sempre um
grsnde sortimento de roupss feitss e por medi-
da, tanto para horneas e para menioos a um
grande e variado sortimento de Uzeadas tanto
inglezas como (rancezas de bom goslo e baratas,
assim como tambem diversas joias de ouro de 18
quilates e debrilhantes dos melhores fabricantes
de Paria. /
SOCIEDAE BAMIAIILY
Coovida-se aos socios commaaditsrios ds so-
ciedade Amorim, Fragoso, Saotos & C- reuni-
rem-se no salo do thiatro de Apollo, no dia S
do prximo mez de julho, s 10 horss da ma-
nha, aOm de tralar-se dos iuteresses dos mes-
mos socios.____________________
para (ora da pro-
G. lieluiutd, Saxomo, tai
vincia.
Joaquim F. dos Santos
40Ra do Queimado-40
Defronte do becco da Congregaco letreiro verde.
Neste estsbelecimento ha sempre um sortimento eompleto da roupa falta da
todss ss qualidadaa a tambem ao manda executar por medida & vontada dos trege-
les para o qua tam um doa malhorea profaaaoraa.
Casacas aa panno prato a Of,
85f
Sobrecasacosda dito dito a 359
Paletola de panno preto a da co-
res a 359. 309, 259,109,189 a
Ditoa de casemira do cores u 225,
15f,129.79 a
Ditos de alpaca preta gol a de
velludo fraucezaa a
Ditoa de marin satim prsloa a
da cores a 9| a
Ditos de alpaca de cores a 59 a
Ditoa de alpaca preta a 95,7]i, 59
Ditos da brim da corea s 5f,
49500, 49 e
Ditos da bramante delinho brin-
co a 69, 55
Ditos de merino da cord&o prato
a 159 a
Calesa de casemira preta sis co-
res a 119, 109, 95,79 a
Ditas da princaza a merino da
cordo prato a 59, 69500 a
Ditaa da brim branco a da corea a
59, 49500 a
Calcas da ganga ds corea a
Colleta do velludo preto e rea lisosa bordados a 12;,99 s
Diloa da casemira preta o da co-
rea liaoa
59500,59
a bordados 69,
309000
309000
209000
99000
109000
89000
89500
3S500
39500
49000
89000
69000
49500
SS500
9000
89000
3S500
Ditos da setim preto 59000
Ditos de seda e setim brsnco a 6 a 59000
Ditos do gorguro de seda pretos
a da cores a 79, 69, 49 a 59000
Ditos de brim e fustio branco s
35500, 29500 a 39000
Saroulaa da brim da linho a 29 a 29200
Ditas da algodao a I96OO o I928O
Camisas da peito dafuatio branco
ede corea a 29400 a 29200
Ditas de psito delinho a 59, 49 a 3*000
Ditas de madapolo brancaa a da
cores a 39. 29500, 29 a 15600
Chaptos pretos de masa francesa
forma da ultima moda a 101,
8S500 a 79000
Ditos da feltro a 69. 59, 49 o 29000
Ditos da col da ceda inglesas a
francezes a 145,1*9, UJ "9000
Colarinhoa da linho muito finas
novosfaitios da ultima moda a 9800
Ditos da algodo 9500
Relogioa da ouro patenta a hori-
zontal a 1005, 909, 80f a 705000
Ditos da prsta galvanissdos p-
tente a horizontaes a 409 8O50O0
Obras de oaro, aderecos a maios
aderecos, pulcelraa, rosetas o
ancla a 9
Toalhaa da linho duzia IOS, 69 a 95000
an
Ditas grandes para mesa ama 39 a 4900q|
COM LOJA NA
IlUA DP.CSESPO M 17.
Tendo um grsnde sortimento de fszendas de gosto pedem
As senhoras que
mandem ver suas fazendss prometiendo servi-las o melhor possivel.
Acsbam de receber pilo ultimo vapor francs um grande sortimento de vellidos
braneos bordados para 309, 409e 509 6 ntremelos ricamente bordados largos a es-
treitos proprios para enfeitar vestidos braocos eroapaa de noivas; manteletes e ca-
pas a Luis XIV e saias bordadas de todas as qualidsdes.
Esperam a proteccao
das respeitavais senhoras.
Quem espera sempre alcanca.
Nos quatro estabelecimentos
bem conheeidos da ra Real
do Manguinhoris. 34, 61, 62 e 63.
A4MI, AllJBiiA
Presunto de fiambre.
O melhor que tem vindo a este mercado afianzando a boa'qualidade a 400 ri. a libra.
IHai'lIielada omelhor que ha a libra a 700 ra.
ssTl
ttsSciS Bl maig novas que ha a libra a 460 rs.
\ V. 1 JO d0 ,eria0 o melhor que ha a 500 rs. a libra.
aBtOlg'a francaza alibra 700 rs.
M8 nteiga ogleza a libra "20, 800, 900 e 19 o melhor qua ha.
: a 11 tos d0 g gf0 SJ500t duiia j40 rg
E mais toda quanlo tendente a molhados qua aa torna enfadonho annuociar, pois que
s vists dos estabelecimentos verao os Srs. fregaazea como se achsm completamente sortidos de lu-
do quinto lbe pergees e que logo continuaremos por esta folha.
l'recua-ie da urna ama qua saiba coziohar
o diario de urna casa e engommar alguma cousa:
s tratar na ra estrella do Rosario n. 23, segun-
do aodar.
Precisa-se de urna ama
co n. 12, segundo andar.
no pateo do Ter-
Attenco
o
FUNDICAO DA AURORA.
Nesla grande e bem mootada fabrica de mschioismo, a mais antiga no imperio, eontinua-se a
executar com a maior presteza e perfeico encommendas de toda a qualidade de machinas usada*
no paiz, tendo sempre prompto o segainte :
Grande sortimento de moendss d canna de todos os systemas e lmannos.
Machinas de vapor de diversss qualidades.
Taixas fundidas e batidas.
Crivos e boceas psra fornalhas.
Bronzes e aguilhoes.
Rodas, rodetes e rodas d'agua.
Guindastes zos e portatis.
Machinas de cylindros para padaria.
Serras de ac para serrara.
Fatexas para barcos, etc., etc., ludo por prego que bem convida. ____________________"
Alugsm-se e vandom-se por qualquer prego
na rus do Rangef n.18, amola-se todo o ferro
Mitote*
^** uvsojw ffb oFBV ewll. WntW sTVJ asvTJW aw^rm wmw W7TW asasi
|Escriptero de advocada|
Ruado Imperador n.
37,primeiro andar, a es s
querda.
Nesta estsbelecimento trabslhs o advo- |
i gado Joaquim Borges Garneiro (graduado jl
g em direito pela faculdade do Recife) des- 9
M de as 9 at as 3 horas do dia.
Advoga em todos os juizos e lribun-.es S
I desta praQif e entarrega-se do negocios 1
8 psra o interior ds provincia, principal- 3
manto para aa comarcas de Santo Anlio, 1
Rio Formoso, Bonito, Nazarelh e Goianns.
Recebe gratuitamente as causss doa
desvslidos, nao podendo cada qual tra-
zer mala de vm qsestau par re
no miiimo ettcbelecimenlo soUcilom-
se ttulos e patentes de empregados p-
blicos e officiaes da guarda nacional do
S interior, mediante mdico estipendio.
Em sua falta e impedimentos sari |
substituido, nos negocios civeis, pelo Sr. 1
8 Dr. Joaquim Jos da Campos, e nos do
crime pelo Sr. bscharel Jorge Dornellas
I Ribeiro Pessoa. M
MMttieaKMB 9t9H6iAmmm-M
Ao respeitavel publico em geral, e ao
corpo do commercio era particular.
A. C. P. de Burgos Ponce de Len, em salisfa-
cao sos desejos de seu sogro o Sr. commendador
Antonio de Siqueira Cavalcanti, tendo deizado a
vida de agricultura e depois a do commercio,
acha-se hoje empregsdo no (Aro desta cidade co-
mo solicitador de causas, e nesta condico oTe-
rece seus servidos aos que quiserem lhe confiar
ai suas demandas, essencialmsnte ss que devem
ser tratadas parante o juizo commercial, nao s
porque se jalga de alguma forma habilitado, co-
mo porque nesta especie mais se dedicar.
O sollicitador Burgos se prestar gratuitamente
a fazer valer oa direitos dos que realmente po-
brea, estiverem dolorossmente sob a oppressao
dos descomedidos e insuportaveia caprichos de
iojstos poderosos.
Elle pode ser procurado na ra de Santo Ama-
ro, casa n. 26, que fica por Iraz da ra do Sol,
das 6 s 9 horas da manha, e das 3 s5 da tar-
de, e no intervalo de 9 as 3 horas, no escriptorio
da ra estrella do Rosario, sobrado o. 27, ou na
sala das audiencias.
Antonio Cesario Moreira
Dias, faz sciente ao respeita-
vel publico com especialidade
aos seus freguezes, que mu-
dou o seu armazem da ra da
Moeda para a ra da Madre
de Deosn. 32, e est venden
do por menos do qae esa ou-
tra qualquer parte, plvora,
chumbo e salitre e affianca a
boa qualidade destas merca-
dorias por serem de primeira
qualidade.
Criado.
Precisa-se de um bom criado para tratar de
cavallos e aervico de sitio, dando garanta para a
sua conducta: ditija-se so sitio com porlo de
ferro, no Corredydo Bispo.
Santo
asa o ^mJe em
Amaro.
Dr. Silva Ramos,
Este eslabelecimento j bem conhecido, e con -
eeituado nesta provincia pelos relevimlaa serv-
eos qua tem prestado, contina nsa m elhores con-
dlcoes debaixo da direceo de seu pioprietario
receber doentes de todas as classes, os quaes se-
ro tratados com todo e zelo e icteresse pelos
presos seguintes :
Primeira classe.... 3JJ000ou mais.
Segunda dila...... 2500.
Terceira dita...... 3#000.
Em qualquer das classes os braocou, Gcarao se-
parados dos negros. Os alienados de 2.* e 3.a
clsse nao furiosos pagaro a diaria ordinaria,
sendo furiosos pagaro mais a quarla parle. Os
alienados da 1.a classe pagaro segundo o ajusta
A padaria do leu do norte, ra do Colovel-
o, precisa de um foroeiro que desempenhe o sea
ipever.________________________________
Precisa-se para urna cisa estrangeira de
pouca familia, urna boa cozinheira, preferindo-
se urna que seja Portugueza: a tratar na ra do
Trapicha o. 8, 1* andar.
Companhia Fidelidade de se-
guros martimos e terres-
tres, estabelecida no Rio de
Janeiro com o capital de
16:000:000$.
Agentes em Pernambuco
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo i C. compe-
tentemente autorisados pela directora da compa-
nhia de seguros Fidelidade, tomam seguros de na-
vios, mercadorias e predios, no seu escriptorio,
ra da Grazn. 1.
.8
Especial hOmeopatMco
Pateo da Matriz de S- Autonio n. 2.
Reala consultorio poda ler procurado o respectivo proprietario qualquer hora havendo
ahi seaapre grande sortimento de 3 verdadeiros medicamentos homeopalhicos, preparados em Pa-
rts (aa tinturas) por Catellan a Weber, os mais acreditados pharmsceuticos do universo como
preparadores de remedios d* homt opathia. t
O proprietario deste consulte no nio pretende, todava, qua sejam os seus medicamentos
infalliveis, porque cada na in/allir em factos humanos; nem tao pouco superiores aos que por
ahi sa preconisam, perqu eerto que o que nos tazamos, outro o pode egualmente fazer to bom
senio melhor. Mas aficnea qua nella nao ha trafieancia, e que o servico dalpreparaejo como por
elle mesmo proprieUrio, .aua nio lando grandes commercio de carteiras, acha-se suffieiernle para
salisfaser s uaeaseidades da^ueila preparafo.
Baste consultorio achaa--e renda elementos da nomeopaihia, acommodados inteligencia
de qualquer pessoa ; assim cot^o )wasta-se gratuitameBli o seu proprietario, com seus estfeos e
medicamentos, todas as pessoas aecessiudis, san distinejio alguma, qua o procurara, pois
qua o seu maior prazar ser til auinanidada soffradora,
ENSAIO MEDKMEGAL
Sobre os ferimentos e outras o flemas phy sicas com applicaco
legislaco criminal patria, *
jos soriano"de
Doutor em medicina pela faculdade do Bio de Janeiro,
(Obra especialmente destinada s autoridades criminaos).*
Ha muito lempo que era geralno en le sentida a falta d'uma obra, que podesse auxiliar as
nossas autoridades criminaes na formscao dos corpos de delicio de ferimentos e d'outras ofTensss
pbysicas; foi com inleoco de encher essa lacuna que o Sr. Dr. Soriano compz o presente
Ensato. Existe em lingua portugueza alguraas poucas obras de medicina legal originaos ou tra
duzidas; mas estas alm d'outros inconvenientes que temos ouvido allegar, tem o de nao conterem,
nem poderem ron ter o que 6 o mais essencial em um trabalho d'essa natureza, que vem a ser o es-
tudo da legisls;ao patria. Ora essa falta se acha preenchida no Ensaio de cuja publicigao esta-
mos encarngados.
Achando-nos na impossibilidsde de dar ao publico urna noticia exacta, e circumstaociada da
presente obra, tomamos a liberdade de copiar aqui as ultimas linhas com que o seu modesto autor
termina a introducto da mesma oLra.
E' com inlencao de ccncorrer para essa fim louvavel, (o progresso da sciencia) qcepubli-
co este pequeo ascripto, nao que tenha a preieoclo de haver de modo algum satisfeito o fim
que destinado, mas o fco somenie com intenjo de que poder seivir para chamar a atteugao
de pessoas mais competen'es sobra este objecto to deslembrado entra nos. Este ascripto
principalmente destinado s pessoas que ce acham encarregadas da administrado da Justina cri-
minal, a que nao tem lempo, nem dados com que possam lr com proveilo as grandes obras
esirangeiras que tratara da materia. O Ensaio dividido em duss partes: Na primeira don
alguma nocoes sobre as ftidas e varias outras offensas physicas: na segunda fajo um breva esludo
sobre a legislarlo criminal respectiva. Kinguem mais do que eu sabe quantas lacunas e iraper-
feiges se acham neste trabalho; que nao sendo destinado aos profissionaes devr con ter urna
exposigao substancial, clara, precisa a sobria de detalhes, e todo mundo pode julgar quaoto
difficil salisfazar tal intento. Mas considerando neates defeitos que dono titulo de Ensaio.
Se as cousas correrem de modo que lbe possa dar outra ediccao, espero ento, com o auxilio
da critica justa e autorisada, poder lazar desapparecer ou diminuir laes defeitos.
< Entretanto se este trabalho assim mesmo imperfeilo eomo vae, poder ser mil alguem, fica-
rei com isso bem pago; e se me faltaram as toreas para melhor executa-lo, que ao menos se alteada
em meu favor boa vontade com que o emprehendi: Ubi de sinl vires tamen est laudando
voluntas.
Becebem se assignaturas na livraria ECONMICA.
l Volme em 8. 59000 Jos Nogueira de Souza.
(OHPANHIA DA ESTRADA DE FERRO
DO
Recife ao Sao Francisco.
(limitada.)*
De confrmidade com as ioslruccdes recebidas
da respectiva directora, faz-se publico que des-
ta data em diante sao convidadoa os accionistas
desta companhia a cumprirem cbm os termos do
aviso que por ordem da mesma abaixo Ocam
publicados.
Escriptorio da compsnbia. .20 de msio de
1862.
Por procurscao de E. H. Broman, thesoa-
reiro.
(Assignsdo)R. Austio.
Aviso.
Pelo presente faz-se pablico qae por urna re-
soluco da directora desta companhia tomada
nesta data tem-se feito a ultima chamada de urna
libra esterlina por cada accao, a qual devar aer
paga at o dia 30 da junbo do prximo vindouro,
no Rio de Janeiro em casa dos Srs. Haua Mac
Gregor & C, na B>hia aos Srs. S. S. Davemport
A C. e em Pernambuco no escriptorio do tbe-
sourelro da mesma companhia.
Palo presente fie tambem entendido que no
caso de oso ser s dita chamada ou preatac.o aa-
tisfeita al o dia marcado para seu pagamento o
accionista queincorrer naasa falla pagar juros a
razio de 5 por cento ao sano sobre tal chamada,
a cootar'desse dia at que seja realisado o pa-
gamento.
No caso de nio effectusr o pagamento desta
chamada dentro de tres mezas contados do dia
cima Ciado para o embolso da mesma, ficario
as acedes que iocorrerem em tal falta sujeitas a
sarasa confiscadas, segundo as disposicoes dos
estatutos a esta respeito.
Por ordem doa directoras.
(Asaigoado)N. H. Bellsrmy, secretario.
199 Greaham ousa, od Brerd Streete.
Declara0.
Deparando no Jornal do
Recife de 24 do corrente, sob
n. 173, com urna demenstra-
co das pessoas que retiraram
quantias por le ti ras e bilhe-
tes da sociedade em comman-
dita de Amorim, Fragozo,
Santos A C, hoje fallida, e
nessa demonstraco yendo
um nome de Joo .Rodolfo por
12:000$ (doze contos de res),
apresso-me em declarar ao
respeitavel publico e espe-
cialmente ao corpo do com-
mercio, que nao sou devedor
por quantia alguma a seme-
Ihante eslabelecimento, e ao
contrario sou credor directa
e indirectamente da predita
casa na qual infelizmente fui
em pregado ; e bem assim que
a mencionada quantia de
12:000$ sao saques de Joo
Rodolfo Gomes, da Pa rahiba,
descontada na referida socie-
dade. Recife 27 de junho de
1862.
Joo Rodolfo V. de Astevedo.
A abaixo assignada, viuva da Fnncisco M-
thiss Pereira da Coata.aviaa aoa Srs. negociantes
a a todos em geral que nio se responiiabilisa por
divids cootrabidaa por seu eotlsdo Liberata Pe-
reira da Coala cadete do 1* batalbao 'Ja infanta-
ria a agora do 9* da mssms arma, a para que
nioguem se chame Ignorancia faz o presenta.
Recita 29 de junho de 1862.Auna Machado de
i Lana Freir Coala,
*"-
- Mil IT I! "hiAl
*~*
.+-




.

v

!>BW Dt PlkflAMBCe. -SEGUNDA FU14 30 DE JQRHO DB 1861.
* f r-7*' ^W* |fil" jRifW^^t' j
Bailar & Olivotta
P orlo.
sacan sobn praca do
Esto pan alugar-ae o primeiio e segundo
aodareade am aobrado Da ra de A;uas-Verdes,
e a loja do aobrado data* Dlrefta ; iroom preten-
der, {alie oa roa das Cruzes, tobradc o. 9, penal
Uno aobrado quem val da ra do Queimado para
S. Franclico, lado dirtito. Tambem te alaga
eale mesmo sobrado, ae houver qum compra a
mobilia que no mesmo ae acha.
da Silva tamos,
ico pela UniYersidade
de Coimbra,
di eooaattas am casa, das 8 s 10 horas da ma-
nha, a preata-ee a quelqaer ehamatlo,eom bem
coohetMa promplUao
__Oa herdeiroa a conaeohoresdosogenho Bre-
jo na freguaziade Serinhaem j*nl> ao transito
da va Terrea team asseotado entre ,il vender ou
Irocar por casas nesta cidada as sua respectivas
partea oa meimo levar o eogenbo a praca por
arreada ment a qvem mala dar : quena preten-
der dirija-se a ra da Cruz n. 47. Urcairo andar.
Aluga-se o sitio da Man-.
gabeira, em (rente ao Jardim Botnico em Olinda
sobrado com oito quartos, tres aalaa de (rente e
sala de traz, coaicha (ora, boa agua de cacimba
a melhor da dita cidade, com errores de Iructaa,
mingueiras, msngabeiras, maracujaes, coqaeiros
e muilas mais fructeiras, baiza de capim, rogado
para plantito, capoelra com lettha, otaria
prompta para (azer lijlo grosso e fluo, Iodqb e
telba ; quem pceteoder dirija-se s Ciaco-Pon-
tas casa n. 112.
A luga se a casa terrea
junto do obrado cima citsdo e multo fresca
mss pequea ; com as mesmas qualidades de
Iructaa que o do sobrado; quem pretender
dirija-se is Cinco-Ponas casa n. 112.__________
Precisa-se
de am bom amasaador, eqao entendade romear,
para urna padaria distante da praca 5 legoaa ; pa-
ga-sa bem- ae a servico agradar : a tratar esa
caa da Tasso Iraaos. rn do Amerim o. 35.
Alugam-ae dous bons eacravos, os quaes
foram de ooganho, para todo o qualquer aorvlco,
ainda meimo de padarla ; na Torre, sitio do ca-
pillo Joa Mariano.
Aviso.
SEGUNDA EDIttjlO
DO
THESOURO HOMEOPATHICO
ou
GRANDE
Laboratorio a vapor
DE
Vade-me cu m do homeopatha
pelo doutor
l
Gama & Silra, donoa da loja denominada do
Pavo, na ra da Imperatriz n. 60, avlsam a seos
devedores s virem pagar seus dbitos at o dia
15 de julbo de 1862, e oa que at casa dats nao
vieren: pagar, serao seus dbitos entregues a am
procurador para oa recebar judicialmente. Re-
cite 28 de junho de 1862.
Lavagem e engommado
de roupa, de Ramos & Pi-
mentel.
Empresa importante, que ral pi estando rele-
vantes aervicoa aeus (reguezes pela promptidao
o perfaicao com que lava a roupa asm a estragar
PRECOS.
Roana soriida (embora nao veoham meias nem
lencos] 40 re. por peca.
Pecas grandes isladamente 100 rs.
Ronpas de navios, vaporee e hos|>ilaes 70 rs.
Dita de (amilia que nao (regaeza 80 rs.
Dita do doente da (amilia que nao 1 (reguaza
a 12G rs.
Urna reda ou cortinado de eami ou veranda
a 500 rs." ,
O preco dos engommados mdico e coator-
mo as pecas, como coatamam iaier as engomms-
deiras. O preso da entrega da re upa lavada
8 dias, e engommada 15, sendo qun muitas vezea
asta prompta antea do praso. Deposito na roa
Nova.
Bale iivro qae ae tem tornado to popular,
quanto neceasario, acaba de ser publicado com
|- todos os melhoramentos, que a experiencia a os
progressos da sciencia tem demonstrado. A no-
va sdiccao em ludo superior primeira, en-
cerra:
1.* Mais amplaa noticias acerca do curativo
daa molestias, com indicsces mui proveitosas
dos medicamentoa novoa recentemenle experi-
mentados oa Europa, nos Estados-Unidos e no
Brasil.
2.* A exposicaoda doutrina homeopatha.
3.* O esludo da apropriaco dos remedloa ae-
gundo 83 predominancias dos temperamentos,
das idades, dos sexos, o segundo ss circunstan-
cias almoaphericis etc., etc.
4.a A preservacao ou prophilaxia das molestiss
hereditaria*.
5. A preservadlo daa molestias epidmicas.
6.* Urna estampa Ilustrada demonslratlva da
continuidade do tubo intestinal desde a bocea at
o anus etc., etc.
Vende-se n* pharmacia especial hoheopa-
tiiica, propriedade do author, ra de Santo
Amaro (Hundo Novo) n. 6.
Prego de cada exemplar. 200000
N. B. Os senhoreslsslgnantes queiram man-
dar reeeber seus exemplares.
Attencaa atlencad.
O abaixo aaaignado, liquidalario da extincta
firma de Vidal & Bastos, roga aos devedores da
meama a mandarem qnanto antes pagar seus
dbitos para aasim deixar de ae ver na obrigaejo
de entregar as mesmas a um procurador pan a-
reos cobradas judicialmente. Recife 27 de junho
de 1862.
Para luto.
Fainos de soda elaaticos para chapeos largos e
eatreitoa 10500 : na ras do Queimado n. 22,
na loja da boa ._______________^^^^^
Algodode 2 larguras.
Vende-se superior algolo monstro com 2 lar-
garas, proprio psra leocoea o toslbss de mesa a
700 rs. a vara : na ra do Queimado n. 22, na
bem eoobecida loja da boa (.
Thomaz de Aquino Fonaeca saca sobre Lis-
boa, na ra do Vigario n. 19. primeiro sn^ar.
O profesaor Miguel Joa da Molla est reai-
dindo na ra do Livramento, cesa n. 33, onde j
morou. Contina com o seu estabelecimento de
ioslruccao primaria, a admitte alguna alumnos
mel pensionistas por mdico prego.
Manoel Goofslves Nanes Machado, morador
em Goianna, vem doclarar por meio deste aviso
que tres letraa na importancia de 3:0000000 que
comprou aos Srs. Ferro & Hala, aceitaa pelo Sr.
Jos Gomes Pessoa, do engenho Tabatinga, j me
(oi pago aua importancia, deixaodo de aa entre-
gar ao dito Sr. Pessoa por me seren roubadas da
meu eacriptorio.
JA 2,400 rs. a duzia.
Lencos brancos Dnos psra algibeifa pelo dimi-
nuto preco do20400 rs. a daxia : na bem coohe-
cida loja da boa na ra do Queimado n. 22
Cambraias de cores
Venden-se cambraias frsncezss de cores fa-
zenda multo fina pelo baratissimo preco de 260
e 280 rs. o eovado : na loja da boa ( na raa do
Queimado n. 25.
Superior brini bronco de
linho
Vende-se superior brim brsoco de liobo tran-
cado pelo baratiasimo preco de 15200, 10440 e
10600 a vara, dito muito encorpado de dois fios
a de linho paro a 2g a vara : na ra do Queima-
do n. 32, na bem eoobecida loja da boa (.
tetinas deselim,
Gbegaram no vapor (rancez as bellas botinas de
setim brsnco para senhora, o vendem-se em
conla na loja do vapor, ra Nova n. 7.
Algodao da Bahia.
Proprio pars roupa da esersvos a saceos da aa-
sucar : vende-se na raa da Cruz n. 1, eacriptorio
de Antonio Luis do Oliveira Axavedo A C.
Agua de colonia ambria-
da e sena o ser.
Easa eslimsda agua de colooiaambreada.de
que tantos a tanto lempo seiitem s (alta, acaba
de ebegar em bonitoa (rseos verdes, os quaes se
eelo vendendo a 10500 cada um ; aaaim como
chegou igualmente um granhe sortimento da
verdadeira agua de colonia de Piver em (rseos
e garranchas de dilereutes lamanhos, ludo is-
so na ra do Queimado, loja da aguia bran-
ca n. 16.
Attenco.
Na casa de pasto da ra do Aragio n. 1, em
(rente ao largo da Boa-Vista, (ornce-se comidas
em casa e para (ora, por commodo preco e com
asseio.
Ra estreita do Rosario n. 22,
primeiro andar.
O dentista Numa Pompilio planli dentea arti-
flciaea por grampos e ligaduras a a presso do
ar, denles iaeorrupliveis sobre oaro, syslema
norte-americano e (az todas asopf racoes de sua
arta e com promptidao e limpeza
Feitor.
Precisa-se de um feitor casade : na ra do
endego o. 105.
->
Gabinete medico cirurgico.^
: Ra das Flores n. 7. J
Sero dada consultas medie is-cirarai- m
9 cas pelo Dr. Estevo O w.-*"..&-"
# qaaraueq>--iUT>drasdam.inbSa,ac- ,
*^ cudinalTaoa chamados com a niaior bre- a)
am ridade possivel. sj
2 1* Partos. s)
Z 2.* Molestias de pella. a
3.* dem do olhoa. a
f 4.* dem dos orgos genitaes.
Z Praticartoda aqaalquer operaco em am.
2 aeu gabinete oa em casa doa dosntes con- 0
E forme Ihes (dr mais convenienla. am
Urna pessoa convenientemente
habilitada se propoe a ensinar fora da
praca primeiras letras, latim e francez:
a tratar no pateo do Tenjo n. 33.
Preciso.
Precisa-se de urna escrava que seja fiel a de
bons costumes, qae sirva para todo o servico de
urna cass de (amilia : a tratar na ra do Sobo o.
36, ou na ra da Cruz n. 63, o no caso de nao
poderem comparecer neates lugares, queiram
annanciar ou mandar dizer por um portador para
se ir tratar na casa do dono ou dona'da mesma
escrava.
Picos basquines
A loja da boa ( recebeu superiores baaquinea
de muito fina cambraia a imitacio da de linho,
bordados e enfeilados com apurado gosto e os
vende pelo barato preco de 89 cada um, tendo
jido serapre seu casto e 16J e 209, apressemse
pois em compra-loa na meocionada loja da boa
f, na ra do Qaeimado n. 22.___________________
Laazinhas muito finas
para \estidos.
Superiores laazinhas para vestidos de muito
bonitos padroes que se vendem pelo baratissimo
preco de 440 rs. o eovado : na ra do Queima-
do n. 22, no loja da boa f.
Apparelhos de porcellaua dou-
rada para cha de boueeas.
A loja da agua branca desejando que todos
(acam a vootade a suas bellas meninas est ven-
dendo commodamente esses bonitos apparelbos
do porcellana dourada, e pintada a 1)500 e 2g,
tendo cada ara 6 caaarea de cbicaraa, e os mais
perlences, a vista do que todos irio (munidos de
dioheiro) para compra-Ios na raa do Queimado
n. 16.
Bonitos paliteiros de porcel-
lana dourada.
Agora ninguem delxar mais de ter em sua
mesa um bonito palitelro de porcellana dourada
pois que elles se eslo vendendo s l;e 1)500
na loja da aguia branca n. 16.
REMEDIO JNCOMPAiUVEL
UNGENTO HOLLOWAT
tflibares de individuos da todas as oacdci
poden testemunhai as virtudes deste remedio
mcomparavsieprovaremcaso necessario,que,
pelo aso qae delle Gzeram tem seu corpa
membrostnteiramentesaosdepoisdebaver en>
pregado intilmente outrosiratamerttos. Cada
pessoa poder-se-haconvencer dessascurss m-
ravilhosas pslaleilura dos peridicos, que lh'ss
ralatam lodos os dias ha muitos arinos; t a
msior parte dolas sao to sor prndenles que
sdmirsm os mdicos mais celebras. Quintas
passoas recobrara com asta soberano remedio
o uso da seus bracos a pernas, depois dedur
permanecido longo tempo dos hosptues, o tai
deviam soffrer a ampula^o 1 Dallas ba au-
cas que iivendo dcixado esses, asylot depada-
timemos, para se nao submeteren aessaopa-
ra;o dolorosa foram curadas compltamete,
mediana o uso desseprecioso remedio. _M-
gumas das taes pessoa na enfusio da seu reco-
nhecimento declara rara estesresultados benfi-
cos diante do lord eorragedor e outros magis*
irados,afimde tais autentieareB sua a firmaliv
Ninguea desesperara do estado desaude sa
tiressebastante confianza para encin ir esta re-
medio constanlementeseguindo slguia tempo o
tratronlo que necesstassa a nature; a do mal,
cujo resultado seria provar incontesticvelmenie.
Qua ludo cura.
O ungento he til, mais iiartiea-
larmente nos segnintescasos.
Mudanca.
II6Ruada Cruz 6!
O Dr. Huia Bastos
d consultas lodos oa dias. .
Cura radical e em pouco das moles-
tias ayphililicas e dos orgos genito uri- I
p narios. O
Consultas de graca daa 8 aa 9 horas da
manha. K
Antonio da Costa e Silva Maduro (az scien-
le que o Sr. Julio Dias da Gunha deixoa de ser
seu caixeiro desde o dia 23 do corrate.
ATTESTAD8
de cura de urna grande inflammacao de
ligado.
Eu abaizo assigoado certifico que o Sr. Ricar-
do Kirk, com escriptorio na ra do Parto n. 119,
enron com auaa chapas medicinses urna minha
c^> Manoel Antonio de Carvalho
com loja de azendas na ra do
fiiinimonr n 1 / murlnn s\
Queimado n. 17, mudou o
estabelecimento para a casa
27 da mesma ra.
seu
n.
Preciaa-ae de um Portugaez dos chcgaJos
ha pouco, para servido de padaria, preferindo-se
de 14 a 18 annoa : a tratar na ra Imperial n.
45, ou na ra estreita do Rosario n. 19.
Compras.
Manguitos e gollas de
cambraia ricamente bordados
Vendem-ae manguitos e Rollas de superior
cambraia ricamente bordados pelo insignificante
prego de 2 o par de manguitos com urna golla,
sendo que st-mpre castaram 69 cada par, aasim
pois recommeoda-ae aos amigos da santa eco-
noma que aproveilem a boa occasio, dirigi-
do-se com dioheiro a loja da boa ( na ra do
Queimado n. 22.
Camisas inglezas barat-
simas.
Veodem-se camisas ioglezss com aberturas e
puohos de linho e com pregas largas pelo btrs-
to preco de 30$ a duzia, aaaim como outraa mui-
tas superiores a 409: oa ra do Queimado n. 22,
na loja da boa (.
Queijos de coalha
Vendem-se os mais novoi queijos de coalba
em pequea e gran--. ,* rgo a 500 ra. a libra :
na taberna grande Ja Soledade.
Bunha japoueza e outrasmui-
tas novas perfumaras.
A loja da aguia branca acaba de despachar, de
sua encommeoda m grande e bello sortimento
de finas perfumaras doa msis afamados fabri-
cantes, sendo as bem coohecidaa^e apreciadas
banhas, japoneza, transparente, pbilocome im-
perial em bonitos eopinbos com lampa de rretal,
dita nos copos grandes, dita em compoteiraa li-
ias e lapidadas, oleoa de babosa, pbilocome e
Lubin, pomadas ou cosmestiques, finos extractos
dos preciosos e escolbidos cheiros Jackey-Ciub,
mil flores, miel de Inglaterra Marechal, Principe
Alberto, George IV, ele. etc. Recommeoda-se a
todaa as seoboras de bom gosto o uso de qualquer
desses estimados extractos porque aajuella que
em ama sociedade, theatro, ou baifestiver com
seu fino lenco orvalhado de to mes aromas
ter por certo o prazer de ver ai visinhas
da direita e esquerda Ihe rendendo nomenagem,
perguntarem donna F. onde comprou eise lao
agradavel cheiro ? E ella orgulhosa de seu bom
gosto, mas com ar prazenteiro lbe responder:
oa ruado Queimado loja da agna branca nume-
ro 16.
Alporcas
Gaimbras
Callos.
Aneares.
Cortaduras
Dores de cabera.
das costas.
dos meabros.
Enfermidades da culis
em garal.
Ditas da anus.
Erupcoes escorbticas.
Fstulas no abdomen.
Frialdada ou falla de
calor as extremida-
des.
Friairas.
Gengivas escaldadas.
Inchajoes.
nflammacao do figado.
Inflammarjo da bexiga
da matriz
Lepra.
Males das pernas.
dos paitos.
de olbos.
Mordeduras de reptis.
Picadura de mosquitos.
Pul ra oes.
Queimadelas.
Sarna.
Supurares ptridas.
Tinha, em qualqier
parta que seja.
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
do ligado.
das arliculaces.
Veias torcidas ou no-
das as pamas.
Compra-ae urna casa terrea com bons com-
modos, as princlpaes rusa das (rsguezias de S.
Jos ou Santo Antonio : na raa Direita n. 60,
primeiro andar, se dir quem (az eate negocio.
Compra-ae constantemente litio vtlho e co-
bre : na ra da Imperatriz n. 65.
0 Livro do Poyo.
Sanio luz publica o LIVRO DO POVO, publi-
cado aob a directo do Sr. Dr. A. Marquea Ro-
drigues, e contm a vida de N. S. Jess Chriato,
segundo a narraco doa qualro evangelistas, e
mais os seguintes artigos: o vigario, o proessor
primario, o bom homem Ricardo, a moral pra ti-
ca, Simo de Nantua, mximas e pensamentos,
a bygiene, os deveres doa manios e o Rrasil.
A publica cao do LIVRO DO POVO nao s tem
por fim omformisar a leitura as sscolss prima-
rias, onda cada menino aprende por um livro
difierente, e portaoto facilitar o inbatho do mea-
tre e do discpulo, como tambem rulgariaar, por
am prec.0 baratissimo, a historia do ailvador do
mundo, e os melhores preceitos di moral.
Venda-ae o Livro do Povo, no Recife, na
livrariada praca da Independencia ns. 6 e8, a
500 rs. o exemplar em brochara, t a 800 rs. car-
tooado.
. ligado ha rcoi. .uuos, e obteve cura com-
pleta no corto espaco de 28 das.
Pelo qae lhe passo o presente atteatado para
aer conbecido publicamente, e pela prova de mi-
nha maia aincera gratido.
Ra Formosa n. 41Rio de Janeiro.
________________Carolina Augusta de Miranda.
Advocada
O bacharel A. R. de Torres Bandeira contina
no exercicio de sua profisso de adrogado, tem o
seu eacriptorio na casa de aua reaidencia, ra do
Imperadora. 37.segundo andar, entrada a direi-
ta, onde rod aer procurado daa 10 horas da ma-
nha at as 4 da tarde.
Aiuga-se um sino no principio da Estrada
Nova, com boa caaa de morada, coebeira, estri-
bara, quartos para pretoa, dnas grandes baixa :
de capim e alguos arvoredos por barato pregos
na ra da Cruz o. 56, ae dir.
?endas
Na officina de carpina de Cirios Hesse oa
,*------------ >-r... ..n. earro de 4 rodas ha pouco tempo cab&cf, atsim
como um citbrioUl de 2 rodas igualmente bem
feito : quem os pretender pode dirigir-ae a dita
officina que achara com quem tratar.
Milho e farello.
Veodem-se saceos grandes de milho e farello
de Lisboa : na taberna grande da Soledade.
Vendem-se caixes va-
sios, proprios para funileiro
e bahuleiro, a 1280 cada um :
nesta typographia se dir.
Vende-se urna negrinha com 11 annos,
bonita figura, recolhida, propria para todo eosi-
no : na ra Direita n. 82.
ATTO
O abaixo aaaignado eatabelecido ha muiloa an-
noa com taberna na ra do Aragio, quereodo
desviar de si qualquer juizo des(a"oravel acerca
de um adltal do Illm. Sr. Dr. jaiz de direilo es-
pecial do commercio, publicado no Diario de
Peroambaco de 7 do crrante, em que por par-
te da direegao da caixa filial do banco do Brasil
nesta cidade se justificou a ausencia de Joa
Duarte Coutinho, e este chama jo por editos
para (aliar aos termos de urna aci;So ordinaria ;
decUra para conhecimeolo do reapeilavel publi-
co e principalmente do corpo da <:ommercio que
nao com o aonuociante que ae cntende o men-
cionado edital, e aim com outro de igual oome,
como j fol reconnecido pala ret rida direccao.
Recife 26 de jucho de 1862.
Jos Duarte Coutinho.
Escripluracao.
Urna pesspa habilitada em escripluracao mer-
cantil por amboa os syslema, dispondo de al-
gumas horaa vagas propde-se a lomar conta de
algumas escriptaa, para o que podei ser procu-
rada das 6 aa 9 horas da manha e das 5 horas
da tarde em diante : na ra do Imperador n.
81, segundo andar.
Na travessa da ra d as Cruzes n
2, p-iimeiro andar, tinge-te para todas
saeores com presteza e com nodo preco.
Precisa-se ae um portuguez dos chegados
ba pouco, que sirva psra o servico de padaria,
prefere-se de 14 a 18 annos : a tratar oa ra Im-
perial o. 45 ou na ra estreita do Rosario n. 19.
PEQUEO CURSO
DE
Ghimica-Agrcola
POR
F. MAL AGUT.
Acaba de ebegar de Antuerpia eata interessan-
tiasima obra, vertida em portuguez pelo primei-
ro teoeole de engenbeiroa Philadelpho Augusto
Ferreira Lima, a qual muito recommeodavel se
torna aoa nosaoaagricultores, que nella encon-
traro theoricamenle todos os melborsmentos
de que susceptivel essa (onte de riqueza do
nosio paiz.
Acba-se venda, pela diminuta quantia de
19, na livraria do Sr. Pigueirda Draga da Inde-
pendencia ns. 6 o 8, na do Srs. Oliveira & Gui-
marea esquina do Collegio, e na raa atrelta do
Rosario lyuegraphia commercial.
Aluga-ae a caaa larrea da raa do Fogo n.
16 : a tratar na ra da Cruz n. 1, eacriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Aieedo.
Os abaixo assignados curadores
iscaes da massa fallida ce Amorim,
Fragozo, Santos & G. competentemente
autonsados pelo Sr. Dr, juiz especial
do commercio, convidam aos Srs. so-
cios commanditarios da sociedade que
gyrava nesta praca com a referida fir-
ma a entrarem a massa com a presta-
cao de 50 por* cento que falta para
completar capital porque cada um
se obrigou pelo respectivo oontrato so-
cio! registrado no tribunal do commer
co, Uto no praz.0 de 30 diat. Recife 28
dejunbo de 186.^-Assignados Johns-
ton Pater & C Hmry Fot ter A C.
Os Srs. Vicente EIu; Cavalcanti
de Aibuquerque, morado." em Seri-
nnSem, e Joo Gil Paes Batreto, senhor
do engenho de Pitangueira, tenham a
bondade de apparecerem ra ra Nova
n. 47, loja de Bastos & Reg, a negocio
que nao ignoram.
Urna pesaoa com bastante pi tica de mu-
dases se offarece para caixeiro : i tratar na tra-
vesea do Rosario loja da miudeat da Mala &
Landslino, que dar as informareis necassariii,
Attenco.
86 Ra Nova 36.
Acaba de ebegar neste estabelecimento um
completo sortimento de relogios de ouro o prata,
aendo descuberto, com ponteiro grande no cen-
tro, e vende-se por preco muitissimo barato.
Vende-se ou arrenda-seo engeoho S. Pau-
lo, perto da praca, o qual d muito boaa aocaa e
ressocae, bom de .roca e outraa lavouras, tem
mataa e outras vantagens: a pessoa que o pre-
tender entenda-ae com o Sr; Manoel Eleuterio
do Reg Barroa, no pateo do Terco n. 44 ou no
mesmo eogenbo com o seu propietario Joo
Francisco de Carvalho Paea de Andrade.
Um terreno.
Vende-se por preco commodo um terreno na
ra do Hospicio, proprio para se edificar urna ca-
sa, hateado terreno sufficiente para ficar com
um quintal espacoso : a tratar na ra do Trapi-
che o. 14, primeiro andar.
As tiras
e ntremelos aa
arara.
Vendem-se tiras bordadas da largura de
dedos a 1$S80 e 1*600 a peca, ditas de
meioa finos a 1$, 1$2C0, 10400 e 1(600
collarinho de linho para homem a 500 rs.
ra da Imperatriz, loja da araran. 56.
4 e 5
entre-
a pesa,
na
N
500.
da rr
M.S.doarmo.
., aalve e versos, tres folhelosT lu*o~por
na ra do Imperador n. 15, daa 9 horas
ias i 3 1|2 da tarde. __________
Magalhaes & Alen-
des,
recebndo varias fazendas novas as vende por
preco baratissimo para acabar, na roa da Impe-
ratrir, loja e armazem da arara n. 56.
Cortes de chita da arara.
Vendem-se cortes de chitas finas com 121|2
covados por 29500, chales de la por 1#, ditoa de
la e seda a 5j, ditos de merino eslampados a
2g500, manguitos e golls de linho para senhora a
2$500, gilas bordadas a 500 rs. : na ra da Im-
peratriz, loja da arara n. 56.
Arara vende as capas.
Vendem-se copas para< senhora a 6$, ditas de
lazioha finas 10$, manteletes de grosdeoaple
preto modernos a 25 e 300, baldes de arcos mo-
deros para senhora, ditos de brilhantlna, ditos
de arcos para meDioas a 2$, salas de cordo que
faz vez debalo por 10400; na ra da Impera-
triz, loja da arara o. 56.
Arara vende os palitos.
Vendem-te massos de palitos finos com 20
massiphos, por 200 rs.; na ra da Imperatriz,
oja da arara n. 56.
Vendam-ae duas negriohas, com alguma
habilidade : na ra larga do Rosario n. 34.
Venda.
Urna peaaoa que retira-ae para (ora da provin-
cia vende urna eacrava moca com urna cria, cuja
escrava cozioha, lava bem e engomma solrlve!-
meote ; ns ra de Apollo n. 36. primeiro andar.
Attenco.
O Sr. Joaquim Hileto Maris queira comparecer
ra do Queimado o. 29, segundo andar, -que se
lhe deaeja fallar edm urgencia.
Precisa-ae e urna ama secca para encar-
regar-se de ama crianca : quem ae quizer pres-
tar a isso dando fiador a sua conduela dirija-se
a ra do Piltro. 143, primeiro andar.
Saques pelo paquete
francez.
Carvalho, Nogueira & C. e Rezende
& G. sacam sobre Lisboa, Porto e IIha
de S. Miguel: na ra do Vigario n. 9,
primeiro andar, e ra do firum n. 58,
armazem.
Aloga-ae a caaa n. 6 da raa|doa Coelbos da
Boa-Viata, propria para familia ou ealudanles :
a tratar na ra do Hondego olaria a.- 13, do
Marcelino Jos Lopes.
No dia-1* de julbo em presenta do Sr. juiz
de paz ae ba de arrematar oa utencilios de am
acougoe todos, na ra da Seozala Nova n. 13 :
quem os pretender dirija-se a mesma ra aa 11
horas do dia.____________________________________
Preciaa-se conttalir ama pessoa para en-
sinar primeiras Ieltras, grsmmalica portugueza e
principios de srithmetica em um engenho dis-
tante legua e meta da terceira aseco da ealrada
de ferro : na ra estreita do Rosario n, 23, se-
gundo andar.
Superiores atoalhados
adamascado.
Superiores atoalbado adamascado com 8 pal-
mos de largura a 1$600 rs. a vara : na ra do
Queimado n. 22, na loja da boa f.
Damasco para colxas e para
ornamentos de igrejafc
Vende-se muito superior damasco de l de
urna id cor, muito proprio para colzaa e para
oroamentoa, com 6 palmos de largura pelo ba-
rato preco de 20800 rs. o eovado : na raa do
Queimado n. 22, na loja da boa f.
Verdadeira pecbincha.
Veodem-se cortes de superior gorgurSo de se-
da piracolletes pelo baratissimo preco de 10,
20 e 30 o corle : na ra do Queimado n. 22, na
bem coohecida loja da boa f.
Para os tabaquistas.
Lencos muilt finos aimitaco dos de linho de
muito bonitos padidea o da corea flzaa muito
proprios para aa peaaoasque tomam tabaco, pelo
barato preco de 40800 e 50500 a duzia: aa roa
do Oueimodo n. 22, na bem conbecida loja da
boa f.
Arara vende as saias.
Veodem-se saias bordadas para seoboras a
20500, ditas de 4 pannos a 30, cambraias lisas a
pega 1|600, 20, 20500, 30, 30500. madapolo fino
de 24 jardas a pega a 40400, 4g600, 5$, 50500 e
60, dito enfestado a 30 ; na ra da Imperatriz,
loja da arara n. 56.
Cortes de cassa da arara.
Vendem-se corles de eassa prata a 20500, ditoa
de cores a 2/500, corlea de organdys com 15 co-
vados a 70, ditos com 25 covados a 80, ditos de
la com 22 covados a 8g, ditos de gorgaro com
18 covados a 6$500 : na ra da Imperatriz, loja
da arara n. 56.
Papel amisade branco e de
cores.
Vende-se pacotes com 100 folhaa de papel ami-
sade branco e de cores a 800 e 640 cada pacote :
na ra do Queimado loja da aguia branca nu-
mero 16.
Queijos de coalha a 400
rs. a libra,
e ioleiro a 320 a libra, manleiga ingleza flor a 960
e 720, franceza a 640, cevadinba a 200 rs., aag a
240, banha refinada a 440, e em barril a 400 rs.,
gomma de ararsta a 100 ra., e em arroba a 2080o,
vioho do Porto, Figueira e Liaboa a 480, 560 e
720 a garrafa, e 30500, 40 e 40800 a caada, es-
pirito de vinho de 38 groa a 240 a garrafa, 10600
a caada, caona engarrafada a 200 rs.: na ra
daa Cruzes n. 24, esquina da travesea do Ou-
vidor.
Peixe era conserva
Vende-se salmn e lagoatas em lasas de 1 o
2 iibraa, ebegado ltimamente no patacho ing4ez
Busy de Terra Nova, em casa de James, Crab-
tree & C, ra da Cruz o. 42.
Vende-se a
das boas roas da
taalmeote 4000 :
n 58.
parte de um sobrado em urna
Boa-Vista, a qual rende ac-
a tratar na raa da Imperatriz
Vende-aa urna caaa terrea na raa do Soce-
go da Boa-Viata, a qual tem boos commodos ; a
tratar na ra da Imperatriz n. 58. _____________
Venda de predio e terreno
com algum dioheiro a vista e o resto
a praso, com seguranza no mesmo
predio. .
Vende-se a melada do aobrado aito na roa da
Concordia n. 34, a tmbeos a matado do terreno
no fundo do mesmo sobrado, com frente para a
caaa de deleoco; para qualquer informarlo do-
verlo oa pretendentea entender-so con o agenta
Guimarea, em sea escriptorio na raa da Gadaia
do Recife n. 3, primeiro andar, das 10 horap da
manha ao mel dia. e daa 3 a 5 da tardo.
Vende-se muito superior bramante de linho Vende-se urna grande case de dous anda-
com duas varaa de largura proprio para lence, res e solio, sita na ra da Guia, com 33 palmoa
pelo barato preco de 20400 re. a vara: na bem de largara a 130 de fundo, com am pequeo
conhecida lojada boa f, aa rus do Queimado quintal, em chaos proprios, livro e desevbaraca-
B> 2-' ida; ni ra Non a. 18, loja, se dir quem voods.
Bramante de linho.
4ilenc0! ailen?ao!
A.os pais de familia, bom e ba-
rato.
Na loja n. 20 da ra da Imperatriz acha-ae a
venda um completo o variado aortimento de boaa
fazendaa, o qae vista de suas qualidades sao ba-
ratissimameate vendidas, e para maia veracidade
do que flea dito, abaixo vo mencionadas^f mas
;.-= dllaa r "
Chitas largaa cor fiza a 240 rs.
Madapolo fino com 24 jardas a 50.
Cambraias da corea a 280,320 e 400 ra. o eo-
vado.
Velludo preto e de corea a 20.
Lindeza de cores a 160 rs. o eovado.
Lencos pequeos a 80,120 e 160 ra.
Chapeos de castor fino a 80.
Chitaa pretaa multo largas e finas a 240 rs.
Algodao trancado preto muito bom para vesti-
dos da escravoa a 200 rs.
Cambraia liaacom 10 jarda a 20.
Cassa de aalplcos com 10 ditas s 30.
Cambraia bordada para cortinadoa com 8 va-
ras a 2/.
i Acaba de che-I
gar ao novo
armazem
DI
Bastos k Reg]
Na raa Nova jauto a Conceico
dos Militares n. 47.
Dm grande e variado aorlimanto da
roapas feitas, calcadoa e fazendaa e todoa
estes se vendem por pregos muito modi-
ficados como da sea costame, aaaim co-
mo aejam aobrecaaacoada superiores pan-
nos e casacos feitoa paloa ltimos figuri-
noa a 260,280, 8O0ea350. paletota doa
rutamos pannos preto a 16J, 18f. 2000
a 240, ditoa de casemira de sor meaclado
e da noros padroea a 140,160, 180, 200
e a 240, ditoa de casemira de cor mes-
ciado e de novoa padroes al4|, 16|, 180,
200 e 24$, ditoa aaccoa daa mesmas ca-
semirss de cores a 90, 100, 120 a a 14f,
ditos prstos pelo diminuto preco de 80,
100 e 120, ditos de sarja de seda a so-
brecasacados a 12f, ditos de merino de
cordo a 120, ditos de merino chines do
apurado Rosto a 150, ditos de alpaca
preta a 7|, 80, 90 e 100, ditoa aaccos
pretos a 40, ditos de palha da seda fa-
zenda muito superior a 40500, ditos de
brim pardo e de fuato a 30500, 40 e a
40500, ditos de fustao branco a 40, gran-
de quanlidade decalcas de casemira pre-
ta o de corea a 70, 80,9f e a lOf, ditas
pardaa a 30 e a 40, ditas de brim da co-
res finas a 24500, 30, 30500 e a 4|, diUa
de brim brancos finaa a 4f5G0. 50, 5J500
o a 60, ditaa de brim lona a 50 e a 60,
colletes de gorgaro preto e de cores a
50 e a 60, ditoa de casemira de cor a pre-
tos a 40500 e a 5$, ditoa de fusto branco
e de brim.s 80 a a 30500, ditoa do brim
lona a 40, ditos de merino para luto a 40
a a 40500, calcas de merino para luto a
40500 e a 50, capaa da borracha a 90000.
Para meninos de todoa os tamanhoa : sal-
cas de casemira preta o de cor a 50,60 e
7$, dltaa ditaa de brim a 2f, 8f e a 30500,
paletots saceos da casemira prata a 60 e
a 70 ditos da cor a 60 a a 70, di-
toa da alpaca a 30, sobrecasacoa da pan-
1 no preto a 120 e a 140, ditoa de alpaca
' preta a 50, bonete para menino de todas
aa qualidades, eamisaa para meninos de
todos oa tamanhoa, meioa ricoa ve lidoa
da cambraia feilos para meninas do 5 i
8 annos com cinco babados lisos a 8J e
a 120, ditoa da gorgaro de cor a da la
a 50 o a 60, ditoa da brim a 80, ditoa do
cambraia ricamente borbadoa para ba pli-
sados a muitas outras fasendas o roapas
feltaa qae deixam do ser mencionadas
pola sua grande quanlidade ; aasim como
reeebs-aa toda e qualquer encommenda
de roupas para ae mandar manufacturar
o qae para eate fim temos am complato
sortimento de fazendaa de goato a urna
naodo officina de arrlate dirigida por um
hbil mealro qae pola aua promptidao o
_pMfeicjMr_Mda deixa a desojar.
Vende-sa esta ungento no estabelecimento
geral da Londres n. 244, aStrand, n a na loja
de todos os boticarios droguista e outras pes-
soas ancarregadas de sua venda em toda a
America do sul, Havana a Hespanha. y
Vende-so i 800 rs cada boceticha contna
urna instruccao em portuguez para /explicar o
modo de fazar uso deste ungento/
O deposito geral em cas do Sr. Soum,
harmaceutico, na ra da Gruz n. 32, cu
pernambuco. /
Manguitos com goliiuhas.
Vende-se manguitoa com gollinhes, fazeodi
muito boa, pelo barato preco de 2$000, gollinhas
e puohos ultimo gosto a 20000, gollinhas muito
finaa e bem bordadas a 1(001) cada urna na ra
do Queimado loja de miudeas da Boa fama,
n. 35.
Tiras e ntremelos bordados.
Veade-se pegas e tiras bordada de 2.5C0,
3,000, 3,500 e 4,000 enltemeios a 15300 e sOOO
cada peca na ra do Queimado loja ce miudezas
da Boa fama, n. 35.
Bonecas fraucezas.
*'--a-^e bonecas rrancezss ricamente vestidas
a itjOOO e 50000, e 2|000 bonecas de cera com os
olhos n ovedeos a 2ft000 e 30000, na ra do Quei-
mado loja de miudezas da Boa fama, n. 35.
Fivelas de ac para sintos.
Vende-se Arelas de ac para ainlo a 10500 rs. e
20000 na ra do Queimado loja de miudezas
da Roa fama. n. 35.
Baleias.
Vende-se baleias 120 rs. cada urna aspa de a;o
para baloa 160 ra. a vara, bandees a 10500 rs. o
2000 o par, a ra do Queimado loja de miudezas
da Boa fama, n. 35.
Cascarilhas de seda.
Vende-se caacarrilhas de seda ptra enfeitar
vestidos a 20000 a pega na ra do Queimado
loja de miudezas, n. 35.
Meias de borracha.
Vande-se meias de borracha para quem padece
de erysipela a 150000 o par, meias de seda preta
para senhora a 1&000 o par na ra do Queimado
loja de miudezas da Boa fama, n. 35.
Palmatorias de vidro lapi
dado.
Vende-se palmatoriis de vidro a 106OOrs., ditas
com mangas proprias para rapazea a 40500 rs.,
cada urna, eacarradeiraa de vidro s 40500 rs.
e 50000 o par, na ra do Queimado loja de
miudeza da Boa fama, n. 35.
Perfumaras muito finas e
baratas.
Opiata ingiera a 10500 rs, dita franceza a 5C0
rs., 640, 10000, oleo da sociedade bygiemque
verdadeiro a 10COO o frasco, oleo babesa de Piver
verdadeiro a 800 rs. o frasco, agua balsmica
para os denles a 10000, dita de Botot tambem
para os dentea a 1J000 o frasco, pomada france-
za em poa a 500 rs. e 10000, 320 rs. sabonelea
maito fino a 640 ja., 800 rs. e 10000 cada um na
ra do Qaeimado loja de miudezas d Boa fama,
n. 35.
A 200 rs.,so pavao.
Vende-se chita franceza escara de cor fixa a
dous tuatsa o eovado : na ra da Imperatriz d.
60, loja e armazem do pavo.
A 2#500, s o pavo.
Veodem-se cortes de cambraia branca com 2 o
3 babados a 20500, ditoa do tarlatana brancos o
de cores, com barras e babados a 30: na ra
da Imperatriz n. 60, loja e armazem do pavab de
Gama & Silva.
A 500 rs., s o paviio.
Vendem-se aa maia modernas o finisaimas laa-
zinhas de quadrinhos e de flores soltas e palmi-
nhss, desembarcadaa do ultimo navio vindo do
Havre,pelo baratissimo preco da quinientos ris
o eovado, e do-se as amostras com renhor: na
raa da Imperatriz n. 60, loja e armazem de Ga-
ma & Silva.
Cabaias hespanholas na
loja do pavo, a 400 rs.
Vende-se esta nova fazenda de pad roes delica-
dsimos eom 4 l|2 palmos do lsrgara, propria
para vestidos de senhora a 400 rs. o isovado : na
raa da Imperatriz n. 60, loja a armazem do pa-
vo de Gama & Silva.


^

As afamadas agulhas impe-
riaes com fundos dourados,
e dedaes de-marfim.
Acabara da ebegar para a loja d'sguia branca.
roa do Queimado n. 16. _______
Cabriolet.
Vende se un cabriolet da duas rodaa e desco-
barto, em multo bom estado, a pintado de novo,
com arrotos para uaacavallo : para ver, na effl-
cina de Mr. Crosjean, na raa da Florentina, a
para tratar, na ra do Trapicha n. 14, primeiro
andar.
Vende-se a casa terrea o. 2 da ra da Paz,
aoa Afogadoa, com 2 aalaa, 2 quartos, cozioha
fora, quintal murado, a cacimba ; quem a pro-
tender, dirija-se i ra Direili a, 41.
; 1
i ei-s-

&[i itW atVi/n!


s
1
DUJtIO DI iEMSMBCO SGflDJL FEIEA JO *| JUIfiO DI
l
Nova alleoiio.
O vigilante acaba de recebe: novo sortimento
de diversos objectos que se ve dem por menos
20 por ceoto do que em oatra q lalquer parte.
Siutos para senhoras.
Riqvissimos sinlos dourado, pelo baralissimo
preco de 21, e eom flvela ao lad9 a 41, assim co-
mo de Ota de seda ou velludo i 1$ : s no gallo
vigilante, ra do Crespo d. 7.________________
Esperanca
Loja de miudezas.rua do Quei-
mado n. 33 A, de Guimares
eft Rocha.
Cnegaramei botoes de cornalina trancos eao-
carnados, que se vende por 3$ a dazla, ou por 1$
O par para piinhos, s ha nesta loja, erases de
cornalina para rolarlos, e proprias para encastoar
em ouro a 1$, flautas de bano de 5 chaves com
caixa, pelo bar-to preco de 20J, pos de arros aro-
matiaado i I;' ; *m frascos muito lindos a 31,
agulhss vi;i- ii-jfcim novo sortimento, o prego
o meamo ce 120, orteiras para aacrever, pro-
prias para riagem, com tinteiros etc. a 12 e 169,
ntremelos bordados, e transparente! a 11500,
lj800, 2$, 29500 e 39, tiras bordadas para caigas
da meninas e aaiaa a 1| e 29, labyriolho inglez a
80. tOO, 120,160, 200 e 240 rs. a vara, filis finas
de grosdenaple achamalotado proprias para cin-
tos s 18500 a rara, colheres de metal principe
para thi e opa, a 59 28500 a duzia, lacas de
cabo oe bataneo a 6 a 79000, cabo de viido por
4&50O, meias para homem a 19800, 29200, 39600,
5; e6 a duzia, meias de seda para crianca rea-
cem-naacida, lindas cores a 29 o par, meias da
algodio para meninos e meninas a 240 o par, flo-
rea arflciaei para eoeiUs a 19, capellee para
nuiva, s a Eiperanca vende por 58, de flor de
jrangeira, fitas de velludo largue eatreitinhas
como se procura a 19 a peca da estreita, tesouraa
.ara nonas de ac fins a 19500, sirvas etc. para
de .cabe;- Jjlura a goO, 800, 19%80 e 19600. ponludas de
com franja e vidrilho a 59, ditos sem franja a i, dg0 para cortar os no cornejo do labyrintho, s
Ricas filas para chpeos,
ciateiros, etc; etc.
A loja 'agula ranea acaba dereceber umex-
traordinario ortlmenro- de tic ta fitas, tao boai
em qualidade +u8o bonitaa nos desenhos, tendo
entre ellas o mala largo que e possivel; assim
orno algumas pecas brancas ci m o centro liso
proprio para inscripedea, e mu tas outraa de dif-
ferentes cores como de caf, rota, escura, etc.,
etc., e como de sen louvavel costume : a loja
d'aguia branca, na rus do Quemado n. 16, ven-
de por preco cramelo eisas bcaa c bonitas fitaa.
Grava tas de sel im com
ponta larga a i$
Vendem-se gravitas "pretal de bom setim e
com pontas largas a 19 cada ima, tao baratas
assim s si acba na ra do Quemado, loja d'a-
guia branca n.lG.
Mises M%
KOB AaUaUZENS
E
06SM0
DE
Eueites.
Vendem-se os riquissimos eofeites
ditos traogadoi a 29500, ditos de lago de fita e
bicode seda a 29: a no gallo sigilante, roa do
Crespo n. 7. ________________________
Fivelas para sinto.
Riquissimss fivelas de agoconi madreperola no
centro a 19200. ditas de madreperola a 320, ditas
douradrohaa a 340 : s no gallo vigilante, roa do
Crespo n. 7. ______________________
Vidrilho.
Lindos vidrilhos pretoB e de cores, pelo bara-
lissimo preco de 19600 a libra : i no gallo vigi-
lante, ru5 do Crespo n. 7.
Para entreter o lempo.
Os lindos jogos de dminos s 19400, lindas ca
ziobas com jogos de vispora a 5K 0 rs.: s no gal-
lo vigilante; ra do Cresoo n. 7
A banha fina,
em copos grandes, chegou pan i loaj d.aguia
branca, ra lem a Esperanca, que vende ^>or 18, tmra zole
preta (verdadeira inglesa! a 820 e 640, que se
vende barata por aer receida directamente do
fabricante, peooaa lie ac inglesas e de militas
qualidades a precos difiranles, papel almsgo in-
glez, resma de 500 folbas a 69 (pastado), dito al-
maco francez, reama de 420 folbas a 49 (piulado),
dito sem ser pautado -e 3*200 e 49. dito pequeo
tarjado de prelo a 1*500, dourado a 1J500, de
cores a 19600, bordado como renda, e pintado
com palmas, rosss, etc., por precos razoaveis,
urna infinidades da arligos baraios, escolhidos
eom gosto eacert para uso domestico,especiali-
dades vindas de encommeoda, nao vistas nesta
mercado, que recebe esta casa coostaotemente.
S. PEDRO
VENDE-SE NO ARMAZ11
PROGRESSO
I
c < B -= - tr
c 1 0 **>,
* a = B \&c
tf\3 Z " I.""*
& *?. 0
"i?' fafi
a ^xi 0 5 0 3 "* B-
SS2
a e. H 0 5 GC
Bog 9
C -1 B 3 t' P
* i er+
** tm a > "" <-, Oi
c,~^ 5S
a 3- > +
_-i o ?5g 5
s=ss3 *p
O
Q 5 bsnrtf
wri
/-. u V) . 'aJTt1
O-, 0 as B"? M
?** O
^B^
B 1 -o d
1 n =>
Caf)
-1 = ^
41
r S & O
" a 3 j(
OS i O D
Kelogios
Vsnde-sa tm casa da Johnston Paler 4 C.,
. -a do Vigario n. 3, um bailo sortimento de
lelegios de ouro, patente inglez, de um dos mais
afamados fabricantes da Liverpool; tambera
ama variedada de bonitos trancallins para os
mesmos.
mmmm mmtm -mmmmm
tljCt das 6 por-l
^rente do Livra
ment
Baldes de 15, 20, 50 e 40 arcos.
S Grande sortimento de baldes de arcos
g_ os melhores nesta fazenda e grandes,
IS chitas fraocezas Urgas escuras a 220 e
S 240 rs. o covado, ditas estraitas raiudi-
I nhas a 160 rs. o covado, cambraii lisa B
C cara forro com 8 1|2 varas a 29 a pega, .
H ditaa finas a 39, 49,59 e 68 muito finas, fg
ditas de salpiquinbo com 8 l|2 varas a
8 39500 a pec, cobertas alcozosdas bran- jf,
V cas e |)e cores para cama a 49500 e 58, Jg
m casan de eres francesas tintes-segures ii
S** a 320 rs. o covado, peca de breanba de -
rolo a 28, algodio trancado alvo maito
-j, larga (tara toalhaa a 19 a vara, eofeites a
i Garibaldi todos pretos a 59 cada um, len-
rm Cs brancos com barra i cores a 120 ca-
I da um, roupa feita da todas as qualida-
8 des muito baratas, a loja est abatta at
as 9 boraa da noile.
Superior cal de Lisboa.
Tem para vendar em porcao e a ratalbo Ante-
vi.ytorio ra aa Cruz n. 1. ____
lobilia.
mm
das seis portas em trente do
Livramento. 15, i0,30 e 40
arcos.
Grande sortimento de aaias a balao de arcos,
os melhores que aqui tem appancido no merca-
do a 49500, 59, 63 e 6$500 cada um, d e para
amostra com penhor ; a loja est aberta at as 9
hores da noite.
Guimares & Luz, donos da lo a de mhidezas
da ruado Queimado n. 35, boa faioa, partitipsm
o publico que o seu eitabeleci uento se acha
completamente prvido das melhores mercadoriss
tendentes ao meamo eslabelecim >nto, e muito:
outros objectos e gosto, sendo quasi todos rebe-
bidos da suas proprias encommeniias ; e estando
eiies inteiramente resolvidos a nao vnderem
dado, aiiauc^-ri vender mais barato do qno outro
qualquer ; e juntamente pedem acs seua dnvedo-
res que lhs mandera ou veoham pagar 01 seus
Hbitos, soo pen* <1 aerem iuilic loi.
Souhall Mellors & C, tende recebioo or-
dem para vender o seu crescidodc psito derslo-
gios v(gto o fabricante ter-se Atirado do nego-
cio ; convida, portanto, spessoai que quizerem
possuir un bom ralegio de ouro >u prata do c-
lebre fabricante Kornby, a aprov >itar-sa da op-
portunidade sem perda de lempo para vir com-
pra-Ios por commodo preco no seu esjrlptorio
ra do.Trapiche n. 28.
Ra da SenzallaNo^an 42.
Vende-se em casa de S. P. Je obsten & C.,
sellins e silhoes iglezcs, candieiros e castigaos
bronzeados, lonas ioglezas, fio de vela, chicotes
para carros e montara, arreios >ara carros de
um a dous cavados, e relogios d: onro patenta
ingles.
Queijos
os mais frescos que tem viudo ao nosso
mercado chegados no ultimo vapor a
2#000 e no passado a 1#80C.
Aiftendoas
confeitadas at'inais bonitas que ha no
mercado a 800 ei$ a libra : vndese
nos armazens Progresista e Progretti-
vo no largo do Carmo n. 9 e ra da
Cruzesn. 36.
ilO
Na ra da Gamboa do Carmo loja n.
12, vende-se toda a qualidade de mobi-
lia tanto ao gosto moderno como anti
ga, phanthasia etc. por preco mais
commodo do que em outra qualquer
parte, az-se toda a qualidade de obra
de encommenda com a maior brevida-
de e o maior apuro da arte.
t Grande
liqmlaco por lodo
* o pre^o, a bem co- *
iihecida lojadoSer-1
tango. |
Ra do Queimado n.4S.
Apparecam com di-
uheiro que nao deixaro
de comprar.
Chitas escaras fins a 160, 180 e 200
rs., cortes da vestido pretos bordados
velludo de casto de 1509 e se vendem
por 309,409, 50 e 709. sabidas de baile
de velludo e setim a 129 e 1.19, camisas
pera enboras 2fO00 e 39500, golliahas
de cambraii bordadaa a 500, 600, 700,
800, 900 a 19, ditas de (116 bordadas a 120 9
rs., casaveques de fuslao a 59, 69,7$, 89,
meias de aeda brancas e pretas para se- 9
nhora a 19200 o par, tiras de babados a o
560 e 70Ors., laasde quadro entestadas a
300 e 360 rs. o covado, cambraia preta a i
400 e440 rs. a vara, organdys de cores a 3
600 rs. a vara, fil branco adamascado
para cortinados e vestidos a 400 e 500
n. a vara, corles da collete de caeemira
bordados pretos a 29 e 39000. ditos de _
velludo de cor e pretos a 89, 49, 5 e 69, S
paletots de brim branco francezes *
39500 o 495OO, ditos de casemira de co-
res e pretos a 149 e 16. ditoa da alpaca
prets e da cores a 39,35500, 49 a 49500,
camisas da peito da lioho a 29500, corlas
de collete de gorguro a 19500, 19700,
29200, 3f e 8300. coltetee lellos d. brim
branco a 29500, ditos feitoa da gorguro
a 29500 e 39500, ditos feilos da caeemira
3J500, A$ e 4*500, ditos de velludo a
59, 69 e 79, dito* de fuito de cores a
1 12500, um variado sortimento de meias
pasa homem aenhore, grinaldas com
orea, chales de froco, eapartilbos, a to-
da a qualidade de roupas faitea para be-
eaem fue ludo se venda por matado de
seu valor.
Chegou para leja da victoria, candiniros a
gaz de novos gostos e modelos, t. uto para sala,
eomo paraescada e quartoi e pan outrai murtas
soases: ya leja da victoria na ruj do Oueimado
n. 751
Ricos piano*
de varios autores, vei.dem-*e
em casa de Kalkmann Irmaos &
I-C., ra da Cruz n. 10.
Cauetas caligraphicaa
a 500 rs.
R^ceulemente inventadla pelo profeaaor Scul
ly, aa quaes com a extraordinaria vanUgea de
obrigir e acosunaar pera aempw o discpulo a
pegar na penna de modo adequado, sendo guar-
(Pecidas eaais caoelaa de peauenas chapia conca-
vas nos lugares ende ae devana collocar os tres
dedee, UcilUAode assim muito a escripia, e coo-
tribeindo aobjemaneite para qualquer peaaoa em
pesco lempo adajuerir una boa letra. Note-se
aina que ser.veai tanto para adultos corno pera
osennos, A' veoda, em casa deGuedea* Goe-
celsee, rea da Cadete n. 7 : Gailberme Ssully,
profesase de cagcaphte, Rio de Janeiro,
DARTE C.
36 Ra das Cruzes de S. Antonio 36
9 LAK420 DO CARMO O.
Nos 08 proprietarios deates acreditados armazens participamos sos nossos numerosos
fregiuzes que por todos os vapdressa navios de vela recebemos de nossa propria encommenda os
melhores geoerostendente a molbado3, e por isso podemos vsader por menos 10 por' cenlo do
que outro qualquer, como a experiencia o mostrar por isso pedimos a todos os Srs. da praca. e do
mallo, que anda se nao deramao trabalho da mandarem experimentar, o lavor de o fazerem, eertos
de nada perderem, pois para isso nao pou paremos 'forjas para bem servil-es a anda mais a pessoss
renos entendidas, oerios de esclarecer os compradores que s na ra das Cruzes n. 36 e largo
do Carmo n. 9, que devem indetecar ns porudores, pois muito se ovildam eom outras casas quasi
dos mesmos ttulos (Progresista e Progressivo) pois sao as duas nicas filiaos.
Manteiga ingleza 1D1s aova emais superior do meroao a 909 rs. a libra.
iVlanteiga franCeZa melhor que se pode desojar a 650 rs. a libra e em barril a
600 rs.
Cil il UXl ta mais especial que se pode encontrar a 2880 a libra.
Cha liySSOll 0 melhor que se pode desejar ds 29400 a 29800 a libra.
C/M3 pretO 0 que se pode desejar neste genero a 29 a libra e a 19600 o ordinario.
OueijS --)Uieilgt>S ebegados no ultimo vapor a 29 e 1700.
QOeijO pratO 0 melho do mercado a 600 s. a libree sendo inteito a 500 rs.
Q-liei|OS u^ SertO muito superior a 640rs. a libra tambem temos para 500 rs.
Passas em caxinhas de 8 libras 29500 esoors. a libra.
FigOS era CalXinhaS de 8 mu a i9600 e 200 rs. a libra.
A.rae I. (loag (lft Csea alile 320 rs. 1 nozes a 160 rs. a mm muito novas
lUeixaS frailCeZ^S i > Dbn e em latas eom 5 LftM a 41000.
Marnela da Superior a melhor do mercado em latas de duas libras e^OO^s. a
libra.
Doce da casca da goiaba a soo rs. o caixo.
JL '.Uiai'aS em caixinhas proprias para mimo a 29500 e 800 rs. a libra.
Lia tas COIH frutas lil -CaltlU Como pecego, damasco,-ginja, ameixas
alperxe a 600 rs.
AineildoaS COllfetadaS eom diversas cores a 800 rs.
T lnilOS g*eneTOSOS engarrafados das saguintes qualidades, duque do Porto, Porto
fino, Pedro V, velho secco, genuino. Rector, Carcavellos, Feitoria, e Madeira secca a
129 e 139 a duzia e a 11100 garrafa e moscatel a 7-20 rs. ijamla-. -
O o empipa proprios para mesa 9600 a 4s acmada ede 500 a G00 rs. a garrafa,
do Porto, Lisboa e Figueira.
3<:TYcjQS da3 melhores marcas a ai)0 rs. a garrafa e 59000 a duzia, chanpanhe das
marcas mais acreditadas de 14} a 2Q1 o gigo, cogubac o melhor que se pode desejar
a 900 rs. agarrafa.
Ixenebra da verdadera hollanda em garrafSes de 16 garrafas a 69000 cada um.
veneura italiana a mais sublime que tem vindo ao nosso mercado em frascos grandes
a 21000 cada um.
FraSqiiera eom 12 frascos de genabra de Holanda 1800
GarrftfoeS com 5 garrafas de superior vinagre a 19000
Vinagre puro de Lisboa ,a40r8. garrafas a H800 a caada.
ivl arrasqUlUO 0 misuperior que se pode desejar a 190OO a garrafa.
liSperraa Cete 0 mais superior do mareado em caixinhis de 6 libras a 49200 e 700 rs.
a libra.
VelaS de Carnauba UISOO a arroba a 380 a libra.
j\llCOret&S comazeitonas as melhores do mercado a 1(5400.
OaixaS eom 1 arroba hespanhola.contendo macaro talharim e letria a 655000. -
f^ i-
waiXinnaS com diversas qualidades de massas como sija estrelinha pevide etc., a 61000
e 640 rs. a libra.
ChouricaS e Pa OS os m8lhoresdo mercado a 560 rs. a libra.
dala mes o melhor que se pode desojar e 700 rs. libra.
1 reZUOtOS o que se pode dezejar de bom a 640 rs. a libra.
LngUICaS fipas em latas jpromptas a 11600.
r etXe eiD lataS cavallinhas pargo, linguadosa 10600.
I OUCinho do reino a 280 rs. a libra do novo, e 240 rs. do velho.
Bailha de por CO melhor do mercado em latas de 10 libras a 49000.
MaSSa de tomate era latas de 1 librra a 700 rs.
MaSSaS para SOpa talharim macarrao a 280 rs, e alelria a .320"rs.
PalitOS XadOS em maces com 20 acianos a 200 M.
Papel greve paulado e \m> muito superior a 49000 a resma;
rVa uOee 360, pimenta a 360, canella 900 rs., ecomiahosa 800 rs. a libra.
"Pi 1 ltS d O gaZ a 29300 a groza e 20 rs. a eaixinbt.
9&'l refinado em pacotes de mais de urna libra a 160 ss, a potes 560 rs,
Cag'U mui(0 Boyo t^o a libra e sevadinha 200 rs.
r^rinna doMsraohao a 160 rs. a libra" e goraraa a 80 ts. a libra e 29(00 a arroba.
Cate O RlO edo Osar o meJhordo mercado de 89500 a 99500 a roba.
v^ai XI n LiaS maiseVagentes, propias pera mimos ou mesmopara guardar joias de 400 rs.
a 11500 e terno com 6 caixinhas a 51000.
Chocolate hespanliol wdadeiro a 11000 r*. a libre.
Krvilhas portuguezas e francezas. feijo verde da 64oa720 rs.
a lata,
I ra-^-ueS os melhores do mercado a 101 a caixa e a 280 rs. sarta.
^aVel em latas chegado no ultimo vapor e 19600.
Bolaxinha de soda em utas aiKoo
BlaXnha inglez l m,-,, fl0v do mercado a 41500 a barrica e 300 rs. a libra.
AVelaaS chegadas ltimamente a 320 rs. a libra.
_ Sardinhasde Nantes, 400 rs. a uta. *j>A
Aet dOCe refinado a91aeaixae800w.igarrata,
AT r OZ em saceos de 5 errabas do vermelho a 29500.
LCOre.8 os mais fiaos que be no mercado a 11 a garrafa a 109 a duzia, tambem temo
para menos.
?Um dos generes anauncUdoa encontrar o respeitavel publico tudo que 1er pertenoen-
le a esles estabelecimantos. Os propietarios scisnlificam que estes precos s serviram para aquel-
les Snrs. que mandaren seu competente importe e lodos os demals freguezes de livro terim de sujei-
Ur-se pilos preces acosiumados, salvo aquellas da fim de mez.
DE
Francisco Femandes Duarte
largo Aa Penha
Os melhores gneros que vem a este mercado e por menos 10 por canto do que em outra
qualquer parte, garantindo-se a boa qualidade, por isso roga-se a todos os Snrs. da praca, da en-
gentas e lavradores o favor de mandarem suas encommendas a este muito aeveditade armezem de
molhados, afim de verem a differenca. de preco e qualidade que faz, se fossera comprados em outra
qualquer parte.
mSKLWKM^M confeitadas para sorte de S. Joao a 800 rs. a libra, tambem wm-se para
640 rs. a libra sendo em por$o, tanto de urna qualidade como dr outra se aa abati-
mento.
i
HaVmteVga Ingleza da safra nova de primeira qualidade a 850 a libra, em
barril se fas abarimento.
Vmairtai^a Itaacaza a mais nova a 640 rs. a libra, sm barril a 600 rs.
^t^^jaa O TfclC&O muito frescos chegados neste ultimo vapor a 29000 ditos che-
gados no ultimo navio a 19800.
MtteiJO pra* 0 ma,s superior que lem vindo a este mercado a 800 rs. a libra.
O Ha Hy3S0H 0 me|j,or que h no mercado a 29800 e 29200 a libra, afianca-se a boa
qualidade.
lluXllll o que se pode desejar neste genero a 39000 a libra.
G Via TpTfctO homeopathico a 21200 a libra em porcao se faz abatimento.
* staf|llS HOYOS de navo transado a 230 rs. a carta e em caixas eom 40 carta por
99000.
luataS eOH\ am*da(\0a8 confeitadas, proprUs para mimo, contendo mais con-
feitese asnee* andido por 11600 cada urna.
VaSSaS em caixinnas de 8 libras chegadas altimamente a 29000 cada urna e a relalho
a 480 rs. a libra.
wOlaiiaHa de soda em latas com difieren tes qualidades a 19440.
DOlaXll&IiU ingleza a mais nova que h no mercado a 49000 a barrica e a relalho
a 320 rs. a libra.
VVu\lO a pipa de superior qualidade Porto, Figueira e Lisboa 500, 560 e 640 rs.
a garrafa, e em caada a 39500, 49000 e 49500.
ViUslOS eilgaTTafadOS Duque do Porto, Lagrimas do Douro, Carcavellos, Fei-
toria velho, e de outras maitas marcas acreditadas a 11200 a garrafa, em caixa a 129
tambem ha para 19000 a garrafa.
EiiaMpamna das marcas mais acreditadas a 159000 e 201000 o gigo, e em garrafa a
1,5800
4Bsii s)avri____" -ui uuu >-, ^-w,:.:.. OboOO a duzia e 500 ra.
a garrafa. ____
** wllliaS francezas e portuguezas em latas de 1 libra por 640 rs.
wLasa 4o tomate em tattas de l libra por 800 rs.
-*aOXW ttaiieOeaS flm latas de 1 e raeia libra por 11500, ditas com 3 libras por
2,-5800.
\meHdoa** de casca mole muito novas a 320 rs. a libra, em arroba por 80000.
NOZOS a 120 rs. a libra e em arroba a 30000.
.Vletia, maeaTTaO O ta\\\aTm a 400 rs. a libra, a em caixa com 1 arro-
ba por 69000.
EtStXO Lliana*, pevide e arroz de massa branca ou ama relia, a 640 rs. a libra, e em cai-
xinhas muito enfeitadas se faz obatimento.
ail%OS ao aOH*08 xados os maisbam feitosque tem vindo a este mercado a 280rs.
tambem ha para 200 rs.
ar f OZUVtoa ingleZOS para fiambre a 800 rs. tambera hamburguez para fiambre a
640 rs. a libra e do reino o mais novo que ha a 560 rs. e libra.
IjUOaTlCaO OpaiOB muto novas a 560 rs. a libra eem barril se far abatimento.
saiamO o melhor pesco que pode haver por estar prompto a toda hora a 800 rs. a libra.
T OUOinu > SO Xeimo nimio novo a 280 rs. a libra e em barris de 1 e meia arroba
a 5} e79 a arroba.
tjilOaXl^aS em latas j promptas para se conwr a 11800 cada urna.
V>ail\ia do pOXOO refin,da em Utas com 10 libras por 41300.
"** ^n* Rroi m-llQ fiDt e aiva a 440 fg a libra Mm barril a 400 rs..
CaXtoOS eom bo\\o* fxaaeOZ prapea para mimo a 500 rs. cada um.
wiaxmolaaa imperial do afamado Abreu ede outros muitos fabricantes de Lisboa a 800 rs.
a libra.
naxm01%aa de Al perche em latas de 2 libras por 19000 cada urna,
'llallas e *m U raelOS de doce em calda as melhores que ha em Portugal como se-
jam pera, pesego, damasco, ameixas, ginja e sereijas a 800 rs. a lata.
DOCe SCCCOS e am calda, em lates, de 4 a 5 libras por 29000.
UllOeOlatO hespanhol a 19500 rs. a libra, ditlo francer a 19100 dilto portoguez a
800 rs., afianca-se a boa qualidade.
viaiC de primeira qualidade tanto do Rio eomo do Cear, a 320 rs. a libra, em arroba a
99500, dito mais baixo a 280 rs. e 81500 a arroba.
^evaalaua de Franca a mais nova do mercado a 240 rs. a libra, e em p)rc,ao se fax
abatimento.
^*8 niuio novo a 320 rs. a libra e em garrafoes com 5 libras, por 29000.
* aXialia do reino das marcas SSS ou galega, a 140 rs, a libra.
lilla do Maranho alva e cheirosa a 160 re. a libra e em arroba 49500.
OlaS de carnauba refinada a 400 rs a libra, e em arroba o 121000.
ZOalO aSOO refinado a 800 rs. a garraU, e em caixas a 99000.
VlaagXO de Lisboa a 240 rs. a garrafa e em caada a 11800.
irtatitO cherez vardadeiro a 19500 a garrafa, e am caixa 149000.
VinVlQ liXaaeO e Lisboa o mais superior que ha no mercado propo para ama a
640 rs. garrafa e em cenada a 41100.
***,'^** suspiros do fabricante Brando em meias caixinhas, por 21500.
UltOS suspiros do fabricante Catanho **ilhos em meias caxinhas a 29000.
91**S emcatxas de 100 regala Imperial, Viagantas, a PanevitelJa, 29000 a caixa.
AiptSla tnuita limpo, a 180rs. a libra, e em Soba 595*0,
AzeAomaS muito novas, a 19OO0ts. cada urna ancorte, e a 400. a garrafe;
XXOZ de Maranho a 120 re a libra, e 39700 a arroba.
VPSXO de postas am latas das memores qualidades de pahea que ha era Portugal a 19500 rs.
GtOlaOBXa de IloWaada tm grWfe8 com 25 garrafas por 91000.
smOSlaVaa ingleza multo nova a 19000 e frasco e franeeza a 640 rs. o pola.
Alem dos gneros cima mencionados encontrar o respeitavel publico am eeaspUfo setl
manto de tudo que tendente a molhadosj
i


IsVl ITil Anl
ai-


>*
/
I
I
10 DB PRlUtAI
-* SBGUflDA FEIHA, 3* W
A. epidemia decliaa aeosivelme ite, a o ssa
completo dessppareclmento eit prximo I O
proprtetario deitf bem lorlido ei tabelecimeoto
convida ot seui nvmeroios fregu es a subitituir
o galgado Telho, que todo eati cbo! erico, por no-
vo, e qoe pMa reaialir ia mil acantis e maxxur-
cas qaa vio ar daasadss em loare i do reatabe-
lecimento da aaade publica. O pregoa con-
vidam:
HOMENS.
Boiioaa afamadaa Mili. ; :
nou-plus-ultra Nautas... ...
Nantes 2 bateriai...........
lualra............
> ogleiea de boloes...........
batedoret.....................
eouro de porco.....
baxerro a lustre.... .........
iogleiea pea aelvegens... ...
taxiadoa braailelroa......
Sapalea oon-plua-ultra.......... .....
3 bateras e meia.............
esmaga cobra.................
Nantes 1 bateriaa vaquel.....
a 2 bateriaa baxerro.....
trabelbadores..........
brusileros de 3J500 a..........
Sapatoa 2 aolaa e aalto..................
tranca porluguezes......... .
> franeexea......
SENHORAS.
Botinaa dengozss..........
aalto de bater.......
pechincha de 4*500 a. .
> americanaa 3J500 a .
a
MENEAS.
daixa
12J000
129000
119000
OJOOQ
109000
99500
99000
9000
79500
5J500
79O0O
69500
595OO
6900Q
59500
59000
29000
59OOO
29OOO
19280
59500
59000
48000
29500
39000
19920
800
500
800
Barato que admira.
Na iu 4o Ctesao a. 14.
Liauidaco.
ai
aahir
Sapatoa de aalto (Jo);)
> aera elle (dem)
tapete; ,
econmicos, r
lastre 32 33.
MENINOS E
Ha de ludo em relago e nao
dinheiro.
Um completo aortimento de couro de porto,
cordavio, bezerro francex, eouro dn luitre, mar-
roqeim, aola, courinhoa etc., que lado se troca
por dinheiro i Tontada do comprador.
Machinas americanas.
3casa de N. O. Bieber & C., lueeesiores,
* Crux n. 4, vendem-se :
ifnaa para regar hortaa o capis..
r para descarogar milho.
(para cortar capten.
com pertencea a 109 e 20$.
la de* metal principa prateadaa.
Ajatro da Saecia.
ferniz de alcatro para navios,
lisa parrilha de primeira qaalidade do Par.
Vinho Xerex de 1836 em caixaa da 1 daiia.
Cognac em caixaa do 1 daxia.
Aradoa e gradea.
Brilhantea.
Garrotas pequeas.
Engenho .
Ven de-se por apolicea da divic a publica, e
tambem arrenda-so madiaote aa devidas garan-
tas, no caao de nao apparecer ronprador que
chegue ao justo prego, o engenbo Serrana do
municipio da villa do Cabo, e que o< He existe co-
mo reodeiro o Sr. Antonio Uaooel do Reg Bar-
roa, cuja venda aera effecluada cooiprebendendo
todaa as trras qaa demarcara o mes no engenbo :
os pretndanles dirijam-se ao abaito aasignado,
que se acba devidamente autorasJi para tratar
deaae negoeio.Caetano Pinto de Varas.
Vande-aaama barcaca muito t 'letra promp-
la a navegar, umaa foihaa de candas e um pran-
chao todos com 60 palmos de cumprimento pro-
prios para ae abrir urna alvarenga, e um pardo
mogo e robusto : a tratar com Jos Hygino de
Miranda.
Cortes de seda de corea com babados com pe-
queo toque a 20, 25 a 309, ditos da seda de qua-
dros a 10 e 129, ditos de gaxe e barege com baba-
doa a 5f, 7, 8 e 10$, chaly clorido de la a seda
a 400 rs. o covado, barege de seda a 320 e 500
rf. o covado, laxiabss de cores lisas de qua-
droa, covado a 320 e 400 rs., alpaca de soda da
quadroa a 300 e 360 o covado, bombaxloa de di-
versas cores infestada a 700, 800 e 19 o cavado,
vellido d cor auperior qualldade a 19500 a 29 o
covado, groaoeoaple de corea com toque de mofo
a 300,400 e 500 rs. o covado, seda de cores la -
vradaa algo covado, cassss e organdyi a 200 e
280 o covado, corlea da coltetaa de velludo da
corea de seda a 39, dilos de gorguro da seda de
cores a 29 e 19500, ditos de tustao de corea a 2C0
e.40D rs., ditos de setim lavrado a 19500. cbalea
de touqulm bordados a 10g, mantaa e los de fil
preto a 4 a 69, brim branco da linho a 700, 800
e 19 a vara, tapetes de corea para aala a 4 e 55,
ditos grandes avelludados a 12 e 159, pannos e
cisemira a 4g, 5, a de 29, palelots de brim bran-
co a 39, ditoa pardos a 25500, ditoa de casemira
a 6g, ditos de alpaea a 4 a 69. colleles da gor-
Suro de corea e de setim preto a 3a 49, sapalos
a borracha a 19, mantaa a gravataa de seda de
corea para homem, que vende-ae por todo pre-
go, meias de seda pretaa para homem e eeahora
a 19,19500 o 29, Uvas de seda de corea a 200,
400 a 600 rs., ditas de retrox a 600 e 800 rs., ri-
cos vertuarios de cambraia bordados para bapli-
sados, e ditoa de fusto e gorguro para crianza,
que so vendem qor todo prego para acabar, cba-
lea de laa de camello acroch a 4 e 5$, mantele-
tes de grosdenaple a 29, casavequ.ee de cambraia
a 29, ditos de Al a 59, espichas de merino para
aenhors a 59, cbapeoa de seda enfeitados, taoto
para senhora como para menina a 29, e 3$, en-
lejes de florea e froco do ultimo gosto a 500,19
e 13500, diveraoa aorlimentos de chita e casai
preta em retalbo a 100 rs. o covado, malas para
viagem a 6. 8e 10$, um. completo aortimento de
tiras bordadas a ponto ioglex, franja de aeda, bl-
co-francex, e oulraa muitaa taxendaa que se vea-
de por prego muito barato por querer acabar.
SEDAS
Cinco tustes.
S na loja do pavo
vendem-se sedas de quadros, ditas de liatrasao
comprido, e ditas de listraa atravessadas, ditaa
de quadrinbos, sendo dos melhores padroes e de-
licadsimos gostos, com largura de chita inglesa
a 500 rs. o covado, pechincha, e dio-se as
amostras com penhor: na ra da Imperatrix n.
60. loja e armaxem do pavio de Gama i Silva.
Para dge^zsgggq**
T-r<*iii-e mamo bltaa caixinl as redondas,
de madeira, da diveraos tamaitos, forradas de
papis de cores, muito lindas, pr tprias nica-
mente para doces seceos de qualquir qualidade,
pelo barato prego de 4, 5 e 69 a, di xia : na raa
do Queimado, na bem conhecida lo a do miude-
xas da boa fama n. 35.___________________________
Para S, Joo e S. Pedro.
Yeddem-se caixinhaa com gran la porgo de
amendoaa confeitadaa, e alguna confeitoa pro-
prios para o fealejo de S. Joo e S. Pedro, polo
barato prego da 800 ra. cada ama : na ra do
Queimado, na bem conhacida loja de miudexaa
da boa fama n. 35.
Fazendas pretas
superiores.
Grosdenaple preto maito auperior pala dimi-
nuto prego de 29 o covado, panno preto maito fi-
no a 3, 4, 5, 6, 7 e 95 o covado, casemira preta
muito Qna a 28, 29500, 3, 39500 o 49 o covado,
mantaa pretaa da blonda muito auperioreaa 129,
manteletes de superiores grosdenaples pretos ri-
camente bordadog a 359, aobreessacas de panno
preto muito fino a 309, casacas tambem de paune
preto muito fino a 309, paletota da panno preto
fino a 18 e 209, ditoa da caaemira de cor mes-
ciada a 189, superiores gravalinhss estrellas a
19, ditas de setim maeo a de gorguro muito su-
periores para duaa voltaa a 29, ditaa eatreitiuba
com lindos alGnetea a 29, superior gorgurao pre-
to para colleles a 49 o corte, rico enfeites pretoi
a 69, e assim outras emitas f-zendas que sendo a
dinheiro vista, vendern-va por pregos muito ba-
ratos : na ra do Queimndo n. 22, na bem conha-
cida loja da boa fe.
la k Cadeia n. 25
defronte do becco Largo.
', Vsndem-su torneles de hortalices, as tois
novas qaa ha ao mercado, asaim como vaade ga-
naros da molhadoo maito barato, a vinhoa finos
da todas as qualidades.
Gimbraias organdys a 280 rs.
Venda-ae cambraiaia organdya com dilicadia-
simos desenhos a 280 rs. : na loja a armaxem do
Parto, da Gama & Silva, la raa da Imperatrix
su 60.
S o Pavo.
Vende-ae finisairnaa cassas franeexas da varia-
dos padrote a 240, 260, a 280 ra. o covado : na
Batatas a i$ a arroba, ciouri- 'g&iT"* *'f* 'la d0 P"" d* ,n"
cas a 400 rs. a libra. j" Ainda o Pavo a 200 rs.
\*Yl&%X^?.mt^hlt?t> Vanda-se-chit. francesa escura com diminuta
1. ehoarieai do remo a 400 rs. a libra, a aa for toque de mofo a 200 rs. o covado, e ditas ingle-
ras a 140 rs. : na ra da Imperatrix n. 60, loja de
Gama & Silva.
em barril ae tari abatimento, toucioho de Santos
a 69 a arroba, e 240 a libra : na ra da Impera-
trix o. 88, defronte da matriz.
Attenco
Vendera-se ossegaintea objectoa, tudo por pro
go maito com modo, sendo um moioho, aaa tor-
rador, ama balanga, um temo da paso, tudo j
lendo uso de trabe!bo: oa ra da Gloria n. 67.
Attenco.
Na ra da Santa Crux n. 7, vende-ae cirne do
aerto a 320 rs. a libra, queijos d serto oovos
e os maia freacaos a.500 ra. a libra, ditos do rei-
no novoa a 29, fa Mirria de mandioca a 49 a sac-
es, tendo cada saeca um alqueire, medida velha,
a a cala a 140 rs., o tambam queijos de qualha a
360 a libra, a outros maitoa gneros que s
vista doa compradores.
Queijos.
Vendem-se na ra Direita n. 99, defronta da
loja de miudexaa, queijos vindos do norte no ul-
timo vapor a 29200, ditos a 29, ditos a 19800, di-
toa do aerto a 29, em libra a 560, ditos de qua-
lha a 440, aletria a 400 rs., macarrio o talbanm a
320 a libra, caixes do doce de goiaba a 19500,
toucioho de Lisbos s 320. ssg a 320, covadinba
do reino a 240 a libra, arrox a 140, a dito a 160,
Somma a 120, manteiga inglesa a 800 rs. a 1g,
ita frsncexa a 720 a 800 ra., cha hyason a 29800,
3$, e 39200, dito do Rio 2j, vlohas de todaa aa
qualidadea a 500, 560, 640, 800 e 19, talnhaa
multo grandes vindaa da Lsgoa a 400 ra., a ou-
tros muiloa gneros.
Cambraias
Vendem-se cambraias de cores de bonitos a
aleganteadesenhoa a 280a 320 ra. o covado: na
ra da Imperatrix, loja o. 20.
Ra da Senzalla Nova n. 42.
Neste estabelecimento y ende-se: ta-
chas de ferro coado libra 110 rt. idem
de Low Moer libra a 120 rs.
V430.de o Pavo a 280 rs.
Gorgoreo de liaho que feito cm vestidos para
enhora ou roapa para meninos parece sediohaa
a 280 ra. o covado, por ter grande porgko : na ra
da Imperatrix n. 60, loja o armaxem do Pavo de
Gama i Silva.
Tariatana do Pavo.
Venda.se tariatana de lia com palmiohaa sol-
taa a 320 ra. o covado : na ra da Imperatrix n.
60, loja do Pavio de Gama & Silva.
O PavQ vende a 4$500 rs.
Coi tes de baragea com fioa de aeda tendo 22 co-
vadoa, com barra, podeodo-se faxer babados, pe-
lo baralissimo prego de 49500, s oa loja do Pa-
vio ru da Imperatrix n. 60 de Gama & Silva.
Vestidos de la.
Vende-ae vestidos de laxiohaa tendo aa saias
j promptaa, com muita roda, propriaa para ba-
lao a 4900, s na loja e armaxem do Pavo ra
da Imperatrix n. 60, de Gama $ Silva.
Basquinas do Pavo a 4#000
Vende-se ricas bssquinaa de fus la o mu bem
bordadas, faxeoda que sempre se vendeu por 122
e 169000 por 49000. para acabar : na loja do Pe-
o de Gama & Silva, na raa da Imperatrix
n. 60.
Enfeites do Pavo.
Vende-ae ricoa enfeites turca e i Garibaldi
aom ricaa franjas e bolotae a 5(000, ditos dos
meamos maia simples a 2$000 rs., e ditos de fitas
esda um am sea csrto : na ra da Imperatrix n.
60, loja do Pavo;
Arados americanos e machinas
para lavar roupa: em casa de>S. P.
Johnston a. 42.
Luvasde Jouvin.
Vende-se luvas de pellica de Jourin brancaa,
para senhora, ltimamente chegadas : na loja do
beija flor, ra do Queimado n. 63.
Luvas de seda.
Yende-ae luvas de seds eofeitadss a 12600,
29000 e 29200, ditas fio de Escoseia brancas a rs.
700. ditaa da cores 800 ris, ditas i algoddo a
280 ris ; na loja do tieija Qor, raa lo Queimado
numero 63. _________
Escovas.
Vende-Be escovas para denles fin s de diversas
qualidades a 120,160. 320, 400 e 500 ris : na
loja do beija-flor, ra do Queimado n. 63.
_ ue 110
Serid
E' chegada a verdadeira carne do Serid, que
se eati vendendo pelo diminuto prego de 320 rs.
s libra, pela grande porcao que recebemos ; no
antigo estabelecimento da ra eslreita do Rosa-
rio, esquina da ra das Larsngeiraa n. 18.
Moendas p meias moendas.
Taixas de ferro batido e
coadd.
Machinas de vapor.
Rodas d'agua.
Rodas, dentadas etc., etc. ,
Ru do Bt'um n. 38, fundicSo
' de D. W. Bouman.

Oliados.
Vendem-ae oliadoa pintados de lindas vistss a
paisagens, larguras de 6,7,8 a 9 palmos, pro-
prios para meaa de jantara 29 o covado : na ra
da Imperatrix, loja n. 20.
Toda attenco ao gallo vi-
mando.
Luvas de pelica.
As verdadeiras luvas de Juvin, chegadlnhas
no vapor francex: s ao vigilante, ra do Cres-
po n.7.
Vende-ae urna escrava crioula, de idade 25
a 30 anuos, que lava, engomma e coxinha lado
com perfeigio: trata-se na travessa da Madre
de Dos n. 13.
Jogo de domino.
Vende-se jogo de domin finos a 1200
loja do beija-flor, ra do Queimado n. 63.
na
Botes para puiido.
Vende-se botes de punho finos de diversas
qualidades a 200 rcis o par. que tan bem aervem
para manguitos de senhora : na loja do beija flor
ra do Queimado n. 63.
Occulos.
Veode-ss occulos finos de armaglo de ago. a
29,19. 640 e 400 ris : loja do beija flor, ra do
Queimado o. 63.
Ricos sintos dourados.
Vende-se sinlos dourados a 29, citos de fita
ate U douteda a l50O '. loja o beija flor,
ra do Qaeimado n. 63.
Enfeites para cafceca.
Vende-se requissimos enfeites pan cabegscom
franja, e sem ella pelo baralissimo prego de 5|
e 5$000, ditos da vidrilbos a I96OO ;*na loja do
beija flor, ra do Queimado n. 63.
A loja d'aguia branca, ra do
Queimado n. 16.
Recebeu pelo ultimo vapor oa seguintes ob-
jectos:
Bonitas ligas de seda para senhora.
Grandea e bem tecidoa bandes da dina.
Aspas do ago, e tita elstica para cea de balo.
Bonecaa grandea mui bonitas e bom vealidas.
Bonitos bauzinhos com 9 frascos da cheiros.
Lindas caixiobas com 6 ditos de dilos.
Traocellim grosso de cor para guarnecer vestidos.
Luvas de camuraa brancaa a amarellas.
Lindos boies de banba para
presentes.
A loja d'aguia branca acaba de recaber lindoa
boies de porcellana dourada com fina banha a
msvioias inscripgea, os qaaes porsuaa delicade-
zas a perfeigea toroam-se dignos para prsen-
les, e com especialidade na actual quadra, quem
goatardo bom dirigir-aa /om dinheiro ra
do Queimado, loja d'aguia branca n. 16, que acha-
ra em que bem o empregar.
Para os festejos de S Antonio
e S. Joo.
Trinas e gates.
A auperior trina a volantes do Porto para ur-
nas, oralorloa oa igrejas, aue se vende por me-
nos do que em outra qaalqoer parte : s no vi-
gilante, ra do Crespo n. 7.
Cascarrilha
Lindas pegas de cascarrilha de todaa as cores,
pelo bsratisstmo prego de 19500 a pega : s no
vigilante, ra do Creapo n. 7.
Cbapelinas para senhoras.
Lindaa chapelinae ricamente eofeitadss, palos
baratissimoa pregoa de 89 e 109000.
Ditoa com pequeo toque de mofo a 69OOO: s
00 vigilante ra do Creapo n. 7.
Carteiras.
Venda-se ricas carteiras para gloriar dinheiro
de ouro e prata a 29000, 2g500, 19C00, 18280 e
1)500 : na loja do beija flor : ra lo Queimado
numero 63.
Cnegaram as desejadas rosas
artificiaos.
Agora de ve cessar o dssgosto que maitas se-
nhoras ssntiam por nao terem comprado daspri-
meiras rosas que a loja d'aguia branca receban,
isso porque dits loja acaba de receber am novo e
maia brilbante aortimento dellaa, vindo estas de
maisa mais dalicamente orvalhadis. A senhora
que com a pequea quantia de 29 comprar ama
dessas tortuosas rosar, sentir nm effeito ainda
mais rpido (relativamente ao caao) do que
aquelle aue prpduz o prompto allivio em qual-
quer molestia. Cumpre, pois, qua se nao de-
mreos em as mandar comprar na roa do Qaei-
mado, loja d'aguia branca n.16, poia do contra-
rio ficaro sem ellas para S. Joo, o que nao
convm. Na mesma loja vendem-se outras rosas
mais baratas.
Rosas artiiciaes para cabello:
A. L. B. F. tendo recebido um vuiado sor t-
menlo de bonitas rosas que se esli usando para
abellos, a depannoa comfolha de velludo, ditas
e papel todas, as maia ricaa queaa pode encon-
rar vende-se ns ra do Queimado o. 63. loja
do beija flor.
Touquinbas ou chapozinbos
para enancas.
Lindos chapozinbos para menina e menino a
49 e 69000, ditoa de feltro pelo baralissimo pre-
go de 3g000, bonetes do panno fino e ligo de fi-
ta a 38000, dilos de veludo fino a 49 e 39500,
ditos de palhioha a 38000, touquinbas de seda
muito lindas a 19300, ditos de fil a 19000: s
no vigilante, ra do Crespo n. 7.
Brilhantina suissa.
Vende-se brilhantina suissa de quadrinbos, fa-
xeoda muito encorpada para vestidos e mais lar-
ga que chita ingiera a 200 rs. o covado : na ra
da Imperatriz n. 60, loja a armaxem do Pavo
da Gama & Silva.
Golcbasdo Pavo.
Vende-ae ricas colchas de fusto de linho de
varios tsmanhos e diferentes desenhos : na ra
da Imperatrix n. 60, loja a armaxem do Pavao
de Gama & Silva
Chales pretos do Pavo.
Veodo-se os mais modernos chales pretos de
ponta redonda com bolota, gaarnecidos de bico
de sads largo em lugar de franja a 69000 : na
raa dalmperatrix n. 60, loja do Pavio.
Tiras ou ntremelos bor-
dados.
Vendem-se lirss ou enlrsmeioa bordadoa da
lindos gostos, pelos baratissimos pragos de 19500
19900: s no galo vigilinle, raa de Crespo nu-
mero 7.
&GRNCV&
DA
Fundico Low-Moor,
Bata da Senzalla Nova n.42$.
Neste eslabalesimento continua a haverum
completo sorticaento de moendas s meias moen-
das para engenho, machinas de vapor e taixas
de ferro batido e coado de todos os tamanho
pera dito,
Phosphoros de seguranc
Phospaoros dtvsegurange, per que livrs de-ro-
cendio, a 160 ris a caixa : na loja da Victoria,
na ra do Queimado n. 75.
Baleias para vestidos.
Baleiaa muito grandea e boaa a 160 ris urna :
naloiada Victoria, na ra do Queimado n. 75.
Linha de croxel para la-
byrintho:
Aa melhores linhaa de croxel para labrrintho
novallos monatross 820 ris um : na Iota da Vic-
toria, na ra do Qaeimado a. 75.
Alte-neto
Vende-se a taberna n.
dade.
13, no correr da Sol-
Potassa da Jussia
Vende-se em casa d e N. O Bieber
C, successores. ra da Cruz n. *
Liquidaco de fa-
zendas.
Na ra do Crespo, loja n. 14
Vende-ae para acabar, e por todo proco um
completo aortimento defaxendasinglezaa, franee-
xas, suissa a allemes, todas proprias deale mer-
cado, e algumaa recentemente chegadaa.
Obras de vidro,
escarradeiras, e palmatorias
lapidadas com mangas.
Vende-se na loja d'aguia branca mui bonitai
asea rradeiras de vidro a de corea a 49500, 5 e 69,
assim como palmatoriaa de vidro lapidado com
mangaa bordadas a 49500 cada um : na ra do
Queimado, loja d'aguia branca n. 16.
Meias em quantidade-
Na loja d'aguia branca acha-se um completo
aortimento de meias de todaa aa qualidadea e
pregoa, sendo para homena, aanhoraa, meninos
a meninas de 6 mexes a 12 annos, Ennumerar
os difieren tes pracos confundir o pretendente ;
assim quem se guizer convencer de quao baratas
sa esto ellas vendendo, dirigir-ae com dinhei-
ro dita loja d'aguia branca na roa do Queimado
numero 16.
Bales do Pavo.
Vende-ae ricos bales arendados com duas saias
e bico am volta, pelo baralissimo prego de 69,
ditos de madapolio francex muito grandes com 6
reos a 55, ditos com 5 arcos a 3g500: na loja
do Pavao, ra da Imperatrix n. 60.
Superior sebo em velas e em
pes, caixaa de urna
arroba
Vendem Antonio Luis doOlivaira
C, no seu escriptorio ra da Crux n,
Axevado 1.
Jacaranda superior.
Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira A-
xavedo & C. no seu escriptorio rus da Cruz n. 1.
Bramante do Pavao a iOjOOO a peqa.
Acaba de chegar a loja do Pavao, urna nova por-
cao do acreditado bramante de linho, com largu-
ra de brim liso, tendo 27 varas cada pega, esta
fazenda propria para lenges, toalhas, cern-
las, camisas, etc., e vende-se pelo baralissimo
preco de 10g a pega, s na loja do Pavo ; ra
irego
la Im
peratrix n. 60. do Gama & Silva.
Chales Garibaldinos.
Vende-ae na loja do PavSo, chales da merino
muito grandea de lietrinhaa a Garibaldi, pelo ba-
ralissimo prego de 49500, pechincha : na roa
>- 4-
s
Chales do Pavao.
Venderse chales de merino muito grandes a
35, ditoa de casias de corea a 800 ra. : oa ra da
Imperatrix n. 60, loja do Pavo.
Vestidos do Pavao.
E' pechiocha, cortes de cambraia brantoa com
babados a 29500, ditos de tsrlatana brancos e de
corea a 39, ditos com babadoa eduaaaaias muito
superiores a 49, pe^ss de cambraia branca com
carocinhoa brancoa a de cores, tendo 8 i/2 varaa
cada pega, por 49. cortes de caasaa da cores com
7 1/2 varas, padroes novos a 29500 ; tudo iato ae
encontra na loja do Pavo, qaa vende dinheiro
a vista : na ra da Imperatriz n. 60, loja de Ga-
ma i Silva.
Alburnos de borracha.
Vende-se os mais superiores alburnoa ou ao-
bro-tudos de borracha, proprios para o invern a
129; na roa da Imperatrix n. 60, loja do Pavo.
Cortes de pbantasia,
Vende-ae ricos crtes|de phantasia de.duas saiaa
com delicadoa lavores a 09 cada um : na ra da
Imperatrix o. 60. loja do Pavo.
Manguitos.
Lindoa manguitos com gollioha o mais fino
que se pode encontrar, vende-se pelo baratisai
mo prego de 79000, ditoa sem gollinha a 1 #500:
s no vigilante, ra do Creapo n. 7.
Goliinhas de linho.
Lindas golliohaa estampadas.............. 500
Ditaa de linho muita finas......,.......... 800
Ditaa pretaa com vidriiho................29OOO
S no vigilante, raa do Creapo n. 7.
Batatas .
Batatas novaa a 80 rs. a libra ; no largo do
Terco n. 23.
Agulhas.
A. L. B. i* tendo recebido agalhas imperiaes de
fundo dourado, Tnde na loja do be ja flor, ra
ao Queimado n. tra.
VENDE-SE umaoiobilia de a narello no-
va; contando ss seguinte peCM s m 12
cadeiraa, 2 ditas de braga, loae mesa de mel de sala; pari r(r Da rua q[.
reita n. 127, segundo andar, para tratar neste
ypographia.
Panno de algodo dbanla.
Vende-se no escriptorio de Aniega Laiz de
Oliveira Axavedo & C, oa rua da Cilfcn.l.
Aljfar fino imitando perola.
Vende-se a 500 rs. o fio de aljfar fino, imi-
tando perola: na na de Qaeimado. iola d'aguii
--------1 a. 1,
Grande armazera
TRES PORTAS
. Ferragens e miudezas.
53Rua Direita53
VivaS. Joo!!
Ricas bandejas para os bollos de 3| a 2g00O
Ditaa ditaa recortadaa e bordadas de 3,500 a 29600
Excelleotea facaa e garfoa cabo de osso dazia
38300 a 29800.
Dita dita dita cabo de viado a 49.
Dita-dita de balango da 79 a 4g800.
Golherea tinas de metal principe, sopa cha
5J500 a 39200.
Ditas lulinaKre, duxia 1800.
Camaa de vento, iodispeosaveis depois do bollo,
louro e amarello do 59500 a 59.
Ba de maia am aortimento eomplato de tudo
que tendente a ferrageaa e miudexaa por am
prego ridiculo.
Umacarroca.
Vende-se urna carroca em multe bom estado,
aom os competentes arreioa novoa para am ca-
vallo ; a tratar na raa do Trapiche n 14. primal-
10 sudar.
Meias.
Grande sortimento de meias tanto para homem
como para aenhora, sendo de homem a I98OO e
29OOO, e finos a 29800, ditaa de fio de Escocia a
59000 a daxia, ditaa para menina a 29400, ditaa
para menino a 29OOO: a no vigilante, roa do
Creapo o. 7.
Calcinitas do Pavao.
Vende-ae calcinhsa de cambraia bordadas para
menina a 19 o par : na loja do Pavo roa da Im-
peratriz n. 60.
Goliinhas do Pavao.
Vende-se golinbas de esmbria bordados e di-
taa de fil bordadaa a 500 ria: oa loja do Pavo
rua da Imperatriz n. 60.
Manguitos com goliinhas.
Vende-se manguitos com goliinhas bordadas a
I96OO e manguitos muito finos a 19 o par : na
rua da Imperatrix n. 60, loja do Pavo.
Tiras e entre meios.
Vende-se tiras bordadas tapadaa e transparen-
tes, assim como entre-meios muito deliesdos :
na rua da Imperatris n. 60, loja e armaxem do
Pavo.
Lencos e luvas.
Vende-se lencos de cambraia de linho com la-
byrintho a 2#500, ditos de imilagaode labyrintho
a 19, luvas de sedas de todas as cores a 500 ris,
enfeites pretos de vidriiho para cabega a 1f, la-
na de ratrex preto abertaa a 500 ria o par ; na
raa da Imperatriz o. 60, loja do Pavo de Gama
& Silva.
NO
Tarrador*
1%--Largo do Tergo--%%
Manteiga ioglea-flor a 800 a 960 rs. a libra,
dita franceza a 640 rs., banha de porco a 400 rs.
a liara, massas maito finaa paraaopa a 400 rs. a
libra, queijos do reino a 29,ditosdo sortio a 560
ra.a libra.servaia dsa melhores marcas a 500 rs. a
garrafa, sardinhas de Nantea a 400 rs., toucioho
a 320 rs., bolachinha ingleza a 320 ra: a libra,
aialm como se venda outros muitos generoa ba-
ratissimos, passaa a 400 rs. a libra, ao maito
novas, e se alguam davjdae venha ver no Torra-
dor largo do Terco n. 23._____________
Loja do Pavo rua da Impera-
triz numero 60.
G\W\ & SILVA.
Vende-se neste estabelecimento todas ae taxen-
daa por pregoa maia baratos que possivel s
com o fim de aparar dinheiro, ssaim como ama
grande porgo daa ditaa (zondas intsirameote no-
vas, viadas pelos ltimos navios : es donen dea-
te estabelecimento rogam a todos os seus fregue-
ses, que se dsem ao trabalho de procurar neale
Dimrw os annaneioa da loja do Pavo, porque
esiao tartos qn nao perderlo ss ti lempo.
Cambraias do Pavo.
Pecaa de eambrsia fina com 101/2 varaa a 69 a
pega, ditas cam 8 1/2 varaa a 49, ditaa de 8 pegaa
a 39, dita para forro, com 8 1/2 varaa a I96OO ;
na raa da Imperatrix n. 60, loja do Pavio, de
Gama & Silva. -
Coraes lapidados.
bao grossos que admira.
loja d'agoia bronca acaba de receber urna
pequea quantidade de coraes grossos lapidados,
os quaes servem para aa voltea que ltimamente
usam as senhoras, e est vendendo cada fio por
29, 295OO, 3 e 49 : na rua do Queimado, loja
d'aguia branca n. 16 : assim como reeebeu maia
as bonitas pulseiraa de missangas.
Sintos dourados para se-
nhoras.
Lindos sintos dourados par senhoras a 29200
ditos de ponta cahida a 49, ditoa de lita a I56GO
na loja da Victoria, na rua do Queimado n. 75.
Ricos espelhos de
moldura dourada para
salas
Chegou para a loja da Victoria urna pequea
porgao de ricos espelhos de varios lmannos para
ornamentos de salas, sfflangando-se serem os
melhores em vidros que tem vindo : na loja da
Victoria, na rua do Queimado n. 75.
La para bordar,
La mnito boa de todas aa coree para bordar, a
79 a libra : na loja da Victoria, na rua do Quei-
mado n. 75.
Linhas do gaz
Gaixinhas com 50 novellos ds lioiua muito fi-
nas do gaz a 900 ria a caixa, ditas com 30 no-
vellos a 700 ris, ditas com 10 novellos grandea
a 700 ris, brancaa e pretas: na loja da Victoria,
na rua do Queimado n. 75.
Candieiros de gaz
Chegou para a loja da Victoria os melhores
candieiros de gaz que tem vindo ao mercado, por
pregos commodos : na loja da Victoria, na raa
do Queimado n. 75.
cortes de vestidos brancos
bordados.
Vandem-se ricos cortes de vestidos branecs
bordados com 3 babados pelo baralissimo prego
de 59 o corte: ns rua do Queimado n. 22, oa
bem conhecida loja da boa f.
Attenco
A 600 rs a garrafa de gaz.
Continua-se s vender o melhnr gaz, na loja de
unileiro, rua da Imperatriz d. 65.
HtTfAIU-
sem segundo
rnrrua do Queimado n. 55 loja da miadezaa
de Joa de Azevodo lfaia o Silva, asta vendendo
todas aa miudezaa bsraliaaimaa, a saber :
Papis de agulbas s balo muito aupe-
riorea a
Caixaa com muito finas obreias a
Cartoes com clcheles, tem algum de-
faito a
Frascos de macass perols muito fino a
Caixiobas com papel pequeo de diver-
sos gostos a
Pacotea dito dito dito amizade a
Novellos de liaba de Crux a melhor
que ha a
Caius com agulhas curtas de superior
qualidade
Entremeios, a peca com 3 varaa 1[2 a
Sabonetea muito nnoa a
Papeia de agulhas francezas com toque a
Parea de botdea para punhos de muitos
modelos a
Parea de meiaa cruas para meninoa a
Ditoa de ditaa cruaa para pequeo a
Ditos do ditas para meoinaa a
Frascos com agua de Lavande ambreada a
Ditos com cheiros muito finos a 240 e
Ditos com banha muita fina a 240 e
Ditoa com auperior banha de arsoa
Gal e potassa.
Vendem-se estes dous ar-
tigos ltimamente chegados,
no bem conhecido e acredita-
do deposito da rua da Cadeia
doRecife n. 12, mais barato
do que em outra qualquer
parte.
80
40
10
200
720
720
40
200
1(000
120
10
240
160
160
200
800
500
320
600
A verdadeira essencia de ail
para engommado.
Acaba de chegar para a loja d'aguia branca,
raa do Queimado n. 16.
Vetdinhos a 4500.
Vendase vestidinhos de seda enfeitados psra
meninas de 2 i 3 anaoa a 49500 : na rua da Im-
peratriz n. 60, loja de Gama & Silva.
Grosdenaples do Pavao.
Vende-se grosdenaples preto multo incorpado
a 19600 o covado : na raa da Imperatriz n.. 60,
loja de Gama & Silva.
Lanztnbas allemaa, novidade do Pavao.
Acaba da chegar pelo ultimo vapor am bonito
aortimento de lanzinhas da Allemanha com booi-
taa palmaa de seda, tendo 4 palmos do largara a
800 ria o covado : na loja do Pavao rua da Im-
paratriz n. 60.
Rua do Crespo n 7, no
gallo vigilante.
Nesta nova loja ha grande porgo de caixinhaa
com amendoaa proprias para brioquedo de S.
rJoao qae se vende pelo barato prego de 800 ra.
cada urna quem deixar de dar a urna menina
urna caixinha ; tambem tem grande porgo de
caixaa propriaa para doces secos que vende con-
forme seus tamanhos a 69, 59 e a 49 a duzia,
amendoaa avulaaa a 800 e 640 ra. a libra : a no
vigilante rua do Creapo n. 7t
Attenco.
Ao rival sem igual*
Rua larga do Rosario numero 36.
Filos do reliado c.Ucilinha por ofeitO a
pega 720 rs.
Sinlos dourados a I96OO.
Ditos dilos com postas cabidas a 3;00.
La para bordar sortidss, libra a 640O.
Eacovaa para cabello a 19.
Duzia de meias cruas para homem a 29400.
Cartas de alfinetes a 100 rs.
Franjas pretas com vidriiho a 320 a 400 rs.
Enfeites de retroz com franja a 59000.
Duzia de meias para senhora a 29400.
Pentes de m*sa para atar cabello a 500 rs.
Tesouras ordiosrias para corlar pavios a 30 tfm
Sabonetas de bola de cores a 400 ra.
Franjas de seda.
Bicos pretos largos e estrsitos.
Trangaa pretas com vidriiho e branca.
Escovas para unhas a 320 e 500 ra.
Carriteis de retroz a 300 t.
Tranca de seda de cores a 200 rs.
Carreteis de linha a 30, bO e 80 rs.
Linha do gaz laatroza a 30 rs.
Dita de Pedro V a 30 ra.
Rap Paulo Cordeiro e Gasse a 19600.
Dito Mearon a 19.
Caixiobas com papel para namoro a 2J, e 39.
N. B. O dono deste estabelecimento prompti-
fica-se a mandar um caixeiro com aa miudezas
que quizerem em casa das familias que isto
exigir.
Veode-se um escravo com 25 annos de ida-
de, cozinheiro e forneiro, e tem outras habilida-
des : a tratar na traveisa eaa Cruxes n. 4, se di-
r quem vende.
Vende-se o sitio
Sr. Biapo, em Olioda :
rarapes n. 46.
por deiraz do paUcio do
a tratar na rua dos Gui-
Escrao& fug o>
- Fugio no dia 12 de abril deate rorrete an-
uo do poder do abaixo aaaignado, o pardo de no-
me Francisco de 17 annos de idade, q? tem bo-
nita figura, todos os denles, cabellos tarapinhos
e ruivos, tendo sido este pardo escravo do Sr.
Dr. Antonio Borgea da Fonaeca, de presumir
que ande por algum doa lugares por onde o mes-
mo senhor tem viajado, como sejam Iguaraas,
Goianna, Inga S. Joo, Campia, Serra do Tei-
xeira, Pao d'Albo, Limoeiro, aa trea villas da co-
marca de Paje de Flores, sendo que segundo se
suppoe esteja tambem no engenbo Iotiama por
haver sido visto ha poucoa dias em Igiutrasa por
ter amixade com una muiatinhoa desse eDgenho,
C ainda de presumir que o dMO estrave por ahi
se inculque como a servigo do dito Sr. Dr. Bor-
les da Fonseca, afim de nao ser apprehendido :
- qnem pois o aprehender oodequer que for encon-
trado eaae escravo e o vis entregar ao seu legi-
timo dono na rua do Hospicio n. 6, que ser mal
generosamente por elle gratificado.
Ignacio Luiz daBrilo Taborda.
Enfeites para senhora.
Oa melhoraa enfeites pretos e de cores que ap-
perece a 59500, 69 e 68500 : na loja da Victoria,
na rua do Queimado n. 75.
PaletoU do Pavao.
Vende-so palitota da panno preto fino a 69,
ditoa da faaey de corea a 9, salgas de casemira
preta a 49500: s na raa da Imperatris n. 60, de
Gama & 8ilva.
Panninhos do Pavao.
Vende-se pegas de panninho floissimo com 10
varas a 6|: na raa da Imperatrix n. 60, loja de
Gama & Silva.
Chitas em cortes.
Vende-ae cortes de chita franceza maito fina,
com 10 covadoa a 2*400, sfflangando-se ser de
Im^toirtif*1*99*** "'W* loJt *"
Caixinhas e cabazes para
as meninas trazerem
no bra Mnito lindas caixinhas e cabaxas psra meninaa,
de 100 ria al 29500: na loja da Victoria, na raa
do Queimado n. 75.
Franjas pretas com vi-
driiho e sem elle.
Ricos sortimentos de franjas pretas e de cores
com vidriiho e sem elle : na loja da Victoria, na
raa do Queimado n. 75.
inhasde peso verda-
deiras..
Linhas finas de peso verdadairas. meadas
grandes a 240 ria : na loja da Yfctorii,, ua rua
io Quinado o. 75,
Attenco
0
Fugio no da 20 do corrate, o es-
cravo pertencente ao Sr. Dr. Carolino
Francisco de Lima Santos, de nome
Adalberto, o qual bastante conhecid
nesta cidade e intitulase de forro, com
os signaes seguintes : olhos grandes,
testa larga, pouca barba, per as um
pouco arqueadas, baixo etc., etc. : re-
commenda-se aos capiies de campo c
mais autoridades policiaes de o prende-
rem e remette-lo a casa de seu senhor
na rua do Imperador n. 17, que sera'
generosamente recompensado aquelle
que o levar.
No dia 17 do correte fugio do jiugar de
Agua, do termo de S. Lourengo da Matta, o pre-
to Sebaato, crioulo, de idade 25 annos, pouco
mais, estatura regalar, tem na testa sobre o oiho
eaquerdo urna cicatrix, rosto carnudo, pouca bar-
ba, levando veatido caiga de brim branco com
listos ao lado, jaqueta de panno fino prato, e j
fot visto nesta cidade na raa da Cadeia Velha :
quem o pegar, leve a na do Queimado o. 57, su
a seu senhor no dito engenho, capillo Barajada
Dernellaa da Cuaba Bandeirs, que ser reUem-
pensado,


v
a ai 1
is
a i-v^nV*
Jm
r-iH


AMBCO
\\*9Ht*F9B*
m SEGUKDA MIRA SO D8 JUUHo Di 1861.
Literatura.
Qadros histricos do ca holicisBio n o
Brasil por Francisco Mimoel Rapozo
d'Almcida.
O descobriraeato A Brasil.
{Concluido).
. A voz do apostlo doraioou o rilando ; e, u'es-
e momento, marcado pela Pro'idencia, a pala -
vra da boa ora, a sement fe< uoda do evenge-
lbo laoiva-se no Brasil, para lomar profunda*
Tiizes e nunca mala desappareccr.
Eiia palavra era entendida, ; pereebiia ; en-
teodida pelos baptisados, e peicebida, por ns-
tincto, pelos doceis setvagens, m ojo recolhimen-
to e devogio rea reflectidado ilto. Essa pala-
vra, com o andar do lempo, toioou-se percebi-
ds, mal perseguida : ro precian rega-la com o
ssngue doi mtrtyre pira qae nlla tructificasse.
Na actualidade pJe lamenti r-s'e- em graode
parte, que essi palavra nem sej entendida, nem
perseguida : o nao ser persegu la a patarra de
Deua, a peior guerra, que se lhe pode azer.
A chama sae do logo, quine o o lopram e a
centolha aaeda silica, quaodo n (erda pelo f-
zil. Christo deizou em dote i ua egreja, alm
dos sacramentos, a victoria e <> soffrimento :
a scistole e diaslole da historia eclesistica ; ou
antes a historia de desenove seculos.
XVI
Agora qae a nova regiao se a:ha conquistada
pela cruz da redempgo, agora que a palavra
da verdade eterna se acha ah semeada, lira
mos por alguna lempo os olhos ntimos da alma
n'este quadro que acaba da tracar-se.
Agurdou-se que o Messias ittinglise edade
de trila annos para desempenl ar a sua missio
e regenerar com o seu sangu i a hnmanidade
soffrelora, aguardemos tamben que o lempo
transforme a larra selvagem en m imperio de
primeira grandeza.
Este quandro o primeiro tr umpho da egre-
ja calholica no Brasil: no quadio que passamos
a tragar ver-se bao seu primeiio soffrimeoto.
O primeiro martyr Ilustre do calholicismo em
Roma, no mundo, fol S. Pedro : o primeiro
martyr illuslre do citholiciimc, no Brasil, na
America, foi timbera um apostlo de nome Pe-
dro : o nosso primeiro bispo.
Acabamos de aisistir a um sirriRcio incruen-
to : mas sacrificio glorioso : vaa os agora assis-
tir a um oulro doloroso ecruetto.
A gloria e o soffrimento como o polo posi-
tivo e negativo desta pilba galvnica, chamada
humaoidade: o catholicismo, jue a alma da
hummidade, tem os seus polos negativos e po-
sitivos na gloria e no soffriment).
Neste axioma de transcendente philosophia ci-
fra-so tola a verdade divina e humana; e, como
a pouco dissemos, esta toda a historiada egre-
ja, e tambem a historia da huminidade.
0 suburbio misterioso.
Ha um atino pouco mais ou nienos, em urna
bella malias recebi a visita de um homem de
modestia appareocis, de cabellos eabranquigados
bem corridos as fontes, o qusl razia debaiio do
braroum graode embrulho ama rado da melhor
forma possirel, e lacrado em diversos lugares.
Quem o visse toma-lo-hia por aljum desies n-
tigos empreiteirosde oovidades, qae viesse offe-
tecer objectos da contrabando ; mas nao eu que o
tomasse por islo : por quanto, [aluda que bem
atado eslivessa o seu embrulho, i revi logo o que
traria alli oceulto com tanta camela ; e nem me
poderia illudir;eu que jbavis dadoao publico
em forma de proverbio as tres eifermidades mais
difflceis de oecultar-se, dizendo: < Hi tres cousas
que debalde se procura dissimular : a tosse, o
amor, e um manuscripto. >
Ora o nosso madrugador traa m manus-
cripto I
Apenas assentou-se dirigi-lhe 11 palavra :
O seohor apresentando-se um minha casa a
esta hora da uiaubaa, o timi mi lioju prelos
Tem trazer-mealguma comedia 1...
Sigoal negativo da parte do n eu visitador a-
cempanhado de um meiosorriso.
Oh I o caso mais grave : < talvez urna tra-
gedia....
Novo sorriso, e novo signa 1 negativo.
Eolio ser um poema?... Creio que re-
commendei ao meu guarda portia....
Nao nem nmi tragedia, nem urna come-
dia, nem um poema.
Perdi, senhor, por nao deitar que se expli-
caste logo ; porem a curiosidad) impaciente.
Tenha a bondade de fallar.
O mea visitador disse com a mais perfeita tran-
quillidade.
A micha vida se acha aqu dentro, e tam-
bem a vida de muitas outraspessoas.
Agora comprehendo, repliq lei eu sem o in-
terromper desta vez, porque elle Qzera urna pausa
d.'pois de sua ultima palavra. C senhor via-
jante, e tnz-me a narragio de sitas viagens pe-
las cinco partes do mundo. A i iagem cousa
que muita gente procura. Paiece-me que ji
oslou leudo : o senhor lulou cot tigres corpo a
corpo, e nem mesmo teve asco em come-los;
desceu as minaa de ouro ; um d a atirando-se
nadar imprudentemente achoa-ss entre um tu-
ba rao, um crocodilo, e urna agu a ;I este um
excellente episodio para o flm de am capitulo 1
Em summa o senhor 6 o cen.esimo-mileimo
peoneiro que tentou descobrir foi les do Nilo, que
ficiram como sempre por descobrir.
E'verdade, senhor, sou um viajante, e ha
mais de quarenta annos que viajo ; porem nunca
fui ao Nilo, nem desci s minss.de ouro, pela
razio multo simples de que nui ca sahi do su-
burbio de S. Diniz.
O senhor est com vontai e de gracejar:
pois olhe, meu caro, nunca gracejo antes de
faltam
meio dia; sio des horas, e bem v qae
duaa alada para minha alegra habitual.
Nio a vontade da gracejsr, senhor, real-
mente o que lhe digoas miohas viagens aunes
patssram do suburbio da S. Diniz. Lastimo ialo,
e acrescento mesmo qae nunca coobeci outra
curiesilade alem do homem, cujas paixes valem
bem os tigres do velbo mundo, e cujas loucuras
igualan) ao menos em interesso s minas do novo
mundo.
Percabo: o senhor 6 um philosopho a mi-
neira de Mircier e de Relif de la Brelonne, urna
e*pecie de eicriptor publico aferrado contra os
coatumes parisienses.
Ainda nio acertou : nio camloho sps as
pegadas dos dous autores, de que fallou, taoto
mais qaaoto eu nio sou autor.
Nao autor 1 Eolio o que o senhor ;
urna ves que ainda nao negou que seja um ma-
nuscripto este embrulho que ahi tem ?
Sou empregado enligo de um celebre hos-
pital.
*" Medico r
Nio ouso arrogar-me este titulo, posto que!
enha alguna direitos a elle: mas fallando com
tola a franqueza nao sou medico.
E' pharmacenlico 1 Entre os nossos phar-
maceut'.cos existem alguns de bastante merec-
ment, a respeito dosquaes seple dizer sem
periphrssei....
Tambem nao son phsrmaceutico, ainda nio
posso jactar-me de conhecer a chimica e a bota-
nica tio bem quanto o mais erudito phsrmaceu-
tico de Paris ou de Londres.
Porem ento o que vem a ser o senhor?
Alguma cousa de ludo isso que seiba de
dizer o seohor,continuou o meu visitador.
Fui mais de quarenta annos eofermeiro do hos-
pital Dubois, d'onde sahi qaando a edade e a f-
diga me aconselbaram que devia cuidar em mim
mesmo depois de ter cuidado dos outros, e quao-
do a can foi ltimamente comprada por la Ville,
que della fez, em favor do novo Pars restaura-
do, o magniDco estabeleeimento hoje conhecido
sob o nome de casa municipal de laude. Durante
o lempo em que servi nsqaelle hospital de um
carcter bem original entre os demais hospitaes,
vi passirem-se alli cousas, que julgo bem cu-
riosas para serem contadas. O senhor ha de no-
tar que Uve o cuidado de evitar qualquer dis-
cripcao pathobgica, que podesse enfadar ao lei-
tor; ha de notar ismbem com satisfagio que
desviei das historias, que cont, os quadros de
soffrimeoto, que devem ficar occultos ns sombra
e nunca dahi sabir. Que attractivo de curiosi-
dide poderia isso apresentar? Semelhante pre-
caucao pois lio natural, que nio vale a paoa
fallar-ae nella.
c Procurei tocar somen'e nos caprichos das
pessoas de todos os patzes e de todas as edides,
que'corriim em mullidlo para o nosso afamado
hospital atraz de urna cura que nio esperavam
obter em suas casas; nssexcentricidades, deque
poderia admirar-se a mais romntica imagioagio,
se ellas nio fossem aa mais das vezes producto
ds propria imaginario dos pensionarios admiti-
dos ao hospital.
< Sio esses desvos da imaginagao scenas de
ambicio, loncsras de amo, e de ciume, Analmen-
te eise carnaval da alma, que guardel as mi-
abas recordacoessu, qae lado isto fui especta-
dor, e algumss tete laubeui iciur; e esses re-
cordac.is se prendem a muitas outras: pois
crea, seohor, que a casa de sale do suburbio de
S. Diniz, foi duraule quasi meto secuto eui qyu
eu ali estivo empregado, o azilo daqueliei que
tinham um motivo qualquer para, sob pretexto
de molestia, oceultar a sua presenta em Paris,
sua passagem por esta capital, seus mus nego-
cios, intrigas e aventuras, emQm sua existencia
erivada de dividas, ou perseguida por algam ma-
rido cioso, por algum inimigo secreto, ou mesmo
pela justigi. >
e Por dividaslia o que forma a comedia, pe-
lo marido ciamento, acomeda e o drama ; e pe-
la justica o drama puramente, mas o drama
com as suas differenles peripecias de sorpreza e
de terror.
c Demos abrigo a todos os partidos, qualquer
quer que fosse a sua bandeira poltica, sempre
debaixo do pretexto de molestia verdadeira ou
imaginaria, desde os partidarios do primeiro im-
perio acocados pelos fanticos ultra-realistas ds
restiuragao al os republicanos de 48 que busca-
ram um azilo sobre o nossotecto tranquillo eres-
peitado ; desde os cumplices de Mallet at os de
Fieschi, desde os ascriptores polticos condem-
nados pelos excedentes jurados do bom Sr. Mar-
changy, felizes prisioneros por poderem trocar os
careeres de S. Ptlagio por nossas cmaras ale-
gres, at os jornallstas do reinado de Carlos X, os
quaes vieram aossas mesas tomar o lagar de
seus predecessores bebeodo o champagne do cap-
liveironos mesmos copos ; desde os officiaes al-
ternaos, russos e bavaros da invasio de 1814, en-
fermos por muilo ter comido no Palals-Royal em
compaohia dos irruios provngaos, at os pobres
artistas, pintores, poetas e msicos, a quem a ca-
ndado do estado ptrmllte que sejam tratados em
nosso hospicioalmas ternas, orgioisages espe-
ciaos que correm atraz do bem estar em toda a
sua vida, que s o eacontram em um hospital, e
maitos al no momento de perde-la para sem-
pre I
Nio se conhece mais que im Gilberto; e os
ostros 1...
< A miseria a heraoga das leltrss; os escri-
tores s traosmittem os sos oalror de seculo em
seculo.
c Nos bospitaes ha sempre um lugar para oa
poetaa, assm como o bs na egreja de Weilmloi-
ter em Londres.
c Vi passar por mim durante o meu reinado de
enfermeiro os representantes das mais famosas
extravagancias sociaes da minha poca ; vi-oa
muito melhor do que os poderiam ver os mdi-
cos da casa; nem se admire de que aasim fosse,
pois deve allender a que os mdicos demoram-se
nss salas mu poucas horas, s vezes mui poucos
minutos, ao pasio qui os internos e nos eofer-
metros somos oa epcarregidos da vigilancia per-
manente do estabeleeimento. Nio abandonamos
nouteedia aquelles qaa para ahi Iranserem a
sua residencis, quer seja por um son, quer por
um dia, quer Analmente por toda a vida. Daste
modo acootece que de seas guardas nos torce-
mos ssua conBdentes, e slgumas vezes seus ami-
gos: seotadoi cabaceira de seus leltos come-
gamos por ouvir-lhes os quetxume?, e acabamos
por colher-lhes os segredos d'alma. Por meio
dessss cooflsses oblidas sem violencia reconheci
que sempre o coragio ae achava mais enfermo
do que o corpo, eotre oa homensdeiotelllgeocia ;
desorte que urna vez senhor do coragio, fcil se
tornara tomar as redeas do corpo para dirlgi-lo
ao bom caminho da sade.
a Sio essas observagdes, confidencial e esta-
dos de todos os dias, sao essss coofisses de mui
tas noutes, essss memorias de enfermos reaes
ou auppostos, que trago aqu debaixo do brago
neste embrulho, causa dea auaa apprehenses e
curiosidade. Nao julgue o aenbor, por eitaa pa-
lavras memorias sabida ao acaso da mioba
bocea, que ou escrevi verdadeiris memorias; pois
nio pisssm de notes escripias em diversn po-
cas da minha vida de eofermeiro na casa Dubois;
escrevi-as de p e a toda a pressa, mulls vezes
emquanto corrii deums cmara a outra, e a mor
parte deltas nunca foram por mim revistas: mas
os fados principas!, que me impressionivam no
momento em que appsreciam estes aqoi estio
representados ao vivo, e a opiniio entio conca-
bida.
c Persusdido, (talvez que erradamente} de que
com semelhantea notas desenvolvidas em algumas
paginas, o senhor poder escrever bellas narra-
goe, ora de um excellente colorido dramtico,
ora de uro cmico um tanto groteaco, porm ac-
cessiveis inteligencia de toda a classe de le-
lores, e isto sem ser preciso recorrer a longos ro-
deios para nSo offender a delicadeza de aeus lei
lores; persuadido alm dialo do merecimento
deasas mesmas notas, merecimento absolutamen-
te indepondenta do meu, que recoobego como
muito insignificante, resolv procura lo com a
intengio de pedir-lhe que lhes d urna forma pa-
rante Dous, e urna palernidade perante o pu-
blico.
< Essa frms fique so seu arbitrio; entretanto
para que a minha personslidade nio desapparega
de todo no trabalho, para que sou o primeiro a
coofessar-me insuficiente, e muito insufficiente,
desojara que os (actos fossem representados co-
mo contados por mim.
Se o seohor concordar nisto, recompensar-me-
na de sobra por argum cuidado que empreguei
em ajuntar essas notas e coordena-las; accres-
ceodo que o noiso trabalho tornar-as-ha deste
modo mais claro do que se eu apparecesse intei-
ramente da scens.
Para tranquillisa-lo a respeito do valor dos
spontamentos em qaeatio, para que o senhor oio
suppooha que elle* se acham eivados de immen-
sas lacunas, estultas repetiges, e iacorrecgoes de
todo o geniro, permita-me o orgulho de dizer-
Ihe que antea de ser enfermeiro estadei medeci-
na por alguns bobos ; ioconvenientes pecuniarios
que sobrevieram a minha familia obrigaram-me
a suspender os meus estudos. Finalmente de
infortunio a infortunio flquei reduzido bem joven
aioda a acceilar o lugar de enfermeiro no esta-
beleciminto Dubois, onde j linha sido antes ad-
mittido na qualidade de interno. Estas conside-
ragdes talvez o levem mais depressa ao desejo de
rasgar a capa dsste embrulho, que lhe entrego, e
no qual bem pode o senhor colligir do qae eu
disse, nio ha comedia nem tragedia, ao menos
otido .boolu em que ha poueo "fal-
lava.
Recebi o embrulho sem promatter cousa algu-
ma antas de o 1er; porm depois que o li urna e
mais vezes. fui do mesmo parecer dn^nfaioj'-"
rtas comioam lacios de um
vita por detras dessea grandes maroa que ou-
tr'ora tanta sombra fszism os ra, appellidavam
entre ai o estabeleeimentoa casa do doulor
myiteriomullo sotes de tonar elle o titulo of-
flcial deeass municipal da saade.Com effeito
este titulo bom, lhe observe! eu ; acho-o mes-
mo excellente, pois deixs ver sob am iodicio pu-
lo resco e ao mesmo lempo sincero o destino bem
caracterissdo da insliuigio.
Accelto-o para auaobra, meu caroSr. Morl, e
se depois de um exime consciencioso, essa obra
me parecer digna de ser publicada, o senhor ha
de v la no dominio do publico revestida com
este titulo, ou oulro semelhante que quier
fornecer de seu motu proprio, e que eu so
moiQcsrei, no caso de que o faga, para justifi-
car a minha orte de collaboragao doide a pri-
meira at a ultima linba.
O Sr. Morl relirou-ae ; nada falta va ao nosso
tratado, que foi logo executado por dos ambos,
em todas as suss psrtes, e de perfeito accordo
com as nossas vootades.
Agora so projecto, que tornou-se am Hvro.s
faltam leitores.
Experimentemos.
Len GoztN
A carieira de marroquim preto.
Eu acabava de visitaras cmaras submettldas a
minha inspeegio, edavam quatro horas da ma-
nhia na velha egreja de San Loureogo, quaodo
ouviram-se pancadaa precipitadas ns sineta da
grada, que pareciam ainda mais fortes pelo si-
lencio da noute, ainda que esta ao suburbio de
S. Diniz, pelo verio, nio seja de ama tranqnilli-
dad* iotelrameote exemplar.
E', como se sabe, urna caravana perpetua de
pesadas carretas de jardineiros que ebegavam de
maii de cem aldeias.
Relativamente, todavii, o qusrteirio a esta
hora avangada da noute pde-se dizer, bastante
tranquillo.
Dirigi-me logo para a grade ; a porteiro j a
tinha aberto, e vi dous horneas que tirsvam de
ii carro de aluguel a ama pessoa sem duvida
distrsidos qu afilelos recebeodo estas desaai-
msdorss ioformagOeft
Nio deixei Mo pouco da notar qae a sai io-
fermagio era principalmente saber de mim se
seu amigo pronunciara aiguma palavra depois
que estava no bospitsl. Entretanto, accrescen-
larei que nio liguei importsocis a minha obier-
vagioseoio quaodo os seootecimentos me obri-
giram a recordar-me de suas primeiras visitas.
Duraote as quarenta e oito horas que se se-
guiram, o ferido coaservou-se no mesmo estsdo
de proslragio em que ae achava quaado chegou ;
a ferida nao deitava mais ssogue : porm em
que estado estada interiormente ? Como sbe-
lo? Uaveria ahi derramamento ?
Os orgaos offendidos estaran em estado de
nao permitlir reaegio algama poisivel? A setn-
ela conserva-se muda todas satas quealdis tio
esseocias, como a csass submetlida a sua im-
potente protecglo. Um estertor soffreado,seme-
lhante aquello da ultima egooia, sabia por mo-
melos de seu paito o parara como se talo esti-
vessa acabado ; porm por momelos tambem
sobretudo oa lerceira ooite do quarto dia, este
fuoesto estertor, scalmsodo-se, coofuodia-se com
um somno qussi regalar que deixava entrever
ilgum raio de esparaoga ao doutur.
Esta esperanga fortiflcou-se ao flm do qusrto
dia ; algumas palavras desiolelligives sussurra-
rsm oos labios ridos do doeote. Eu avroveitei-
me do momento em que vi-o abrir a bocea para
dar-lhe algumas gottas d'agua gelada ; elle sor*'
veu-as com svidez, e logo suas palpebras se en-
rugaram com um estremecimeolo de bom aspi-
ro. Dshi por dhnte lado foi a melhor. A stoite,
um vomito seguido de urna forte e grande aspi-
rigi de ar annunciou ama volta aioda mais real
para a vida. Eita trise no organismo, trouxe im-
mediatamente urna Bcealeragao do pulso, depois
o calor pella, porm tambem iotenges de lo-
cacidade ao mesmo lempo boas e mas comoprog-
nostico. Dsvia-se receiar, conclusao bastante or-
dinaria de urna poderosa reicgao, accidentes ce-
rebraes, sempre muito perrgosos em casos seme-
ntantes. Sobrevieram-lbe Igans ; nos os comba-
mullo doeote, pois que oio me pareca fazer mo-1 tomos enrgicamente, e no quinto dia, o ferido.
FOLHETIM
ORIGINAL DO DIARIO DE Pl RMIBUCO.
Rl3ifc"lMtl?W\
acbel que aa suaa notas
interesse bem real; por iiso consent em dar-lhe
ama forma mais pieos e metbodics, consent
mesmo em redigt-las de modo que pareeease sa-
hir o eseripto de sua propria peona.
Isto em vez de ser incoo veniente offerecia pelp
contrario eotre outras vaotageos a de julgar-se o
fado eseripto sob a inflaencia da vista. De sor-
te que verdaderamente fallando, sou quaai seu
copista."
S urna coodigao lhe impuz le nio obligar-
me a seguir a ordem chrooologica do aeu lum-
mario, porque se respeitisse eisa ordem perderla
o realce e attractivo calculado dos contrastes, e
pensei qae o respeito nio vilesse a parda. Alm
da que este me parece* o melhor expediente,
pois deixsndo-me responsabiliJade maior nio
roe tira va o direito de collocar mala para diaote,
havendo necessidade, cada urna das historias
sob s sua dati rigorosamente chrooologics.
O Sr. Morl este o nome pouco aristocrti-
co do meu eofermeiro-concordou com esti con-
digio, e eu aceitel desde logo o cargo de seu se-
cretario.
Dsbatidas esta e entras condignas, e aeceitas
afinal, o Sr. Morl levantou-aapara aahir; mai
teodo chegado a porta voltou para pergeniar-
me ae eu oio peasava no titulo com que deveria
publicar aa historias, cojo resumo me deiuva
elle ficar.
Respoodia-lhe que um titulo oio se aprsenla-
va ao pensamanto aa maia das vezes genio no
m de algum tempo de influencia no trabaabo da
composiglo ; que outras vezes sabia quasi do bico
da peooa qaando nella se pensiva menoa-j aendo
que em lodo o caso -s vioha depois de muito
chamado e desejado.
Diaae-me eolio elle manifestando bastante dea-
coofiaoga oa voz e no olhar que alrever-ae-hla a
propor-me um Ce eu oio ganhasse de aua pre-
tendo, altela a difflculdade de deparar-se com
um bom titulo ; e animado pela attangio que eu
lhe prestava accrescentoa que o seu lhe nio pa-
reca mu, porque recordara o apeellido vulgar
cora que era designado o eatabtlecimento no pro-
prio suburbuio em qae era eilabelecido. Quiz
coohecer esse appellldo, e o Sr Morl me disse
que os hahitaotes do vasto quaileirio do subur-
bio de S. Dioii, habituados a ver entrar e sabir
todos os dias, misteriosimente pala grade do es-
tabeleeimento, carruageos com os postigos baixos
e a ouvir coatar de paes a fllhos leootecimenlos
cujis principaaa personagens vivenm e anda vi-

a
CXIV
Si'mmario. A artilhsria raisdi os navios sn-
couragadoi. Nova revolugft} na marinha de
guerra.
(Continuagio.)
Depois de havermos eseripto ieis ressohas so-
bre esta importante materia, .-lis remettido
para serem publicadas, recebemos a noticia, que
nio nos sorprenda, de que o Sr. chele de esqua-
t*ra Joaquim Jos Ignacio, ex-n inistro da mari-
nha, tomando oa coosidersgic qae merecii a
questio que oceupa todo o muido martimo, e
que julgamos conveniente discut r, dos navios en-
couragados, coovocou no dia 10 de maio ultimo
una reaniio dos officiaes superi ires da armada,
que coocorreram em numero superior 50, para
darem sus opiniio respeito do que nos tambem
devenios praticar para acoupaaltar o movimento
de tramformagao que se observa om todos os pai-
zes mariftmof.
Este passo *o (Ilustre ex-ministro denota mais
nma vez o tino com que elle administrara a ma-
rinha, a aua perspicacia, a elevida aptido para
sustenta-la sempre na powgo om qae ella dore
manter-se entre nos.
E conven registrar este faeto, ds qua nao ve-
mos anteriores exemplos, comoillgno de ser imi-
tado ; taolo maia aigoificativo, r or quanto pra-
ticado por am ministro profe?sionsl, que, oio
confisndo as propras conviege es do aua expe-
riencia o da seu saber, appella para o cooearao
de seus colligis, pira alaz que leve expiodir-se
vimento algum duraote o trajelo do carre para
a sala de espera, para onde foi levada com o meu
auxilio e indicagio.
Ao mesmo tempo que este grupo eotrava rra
sala, um dos siis mdicos de servigo, Mr. Fon-
tcnsy, ahi entrava tambem para receber o recem
chegado, e recebar daquelles qua o trazism aa
informages iodispeniaveii em similhante cir-
camstancia. Um dos dous homeos declarou ao
doutor, em quanto este examinava o rosto palu-
do, e crispado, exposto disote delle, que sua
amigo, fdra ferido em um duello, do qual elles
haviam atdo as infelizes testemonhas. Grandes
nodoaa de ssogue appareciam com effeito na ca-
misa, que passaram-lhe o coleto e a casaca.
Ao ouvir fallar em duello, o doutor apressou-
se s ver a ferida, e para lslo affasteo1 todos os
obstculos qae lhe oppunham as vestimentas, e
eu ajudei-o neste trabalho, assm coom o ajda-
va em muitos outros nio menos penosos. Era
no peito, e mais para o lado esqaerdo que para
o direito, que penetrara a espada ; ella Qzera
urna ferida triangular de urna profundeza diffl-
cil de determinar a primeira vista. Qaaoto ao
paciente era aiodi milsdifficil dizer se elle esta-
va viro ou morto. Seas olhos ioteiramente fe-
chados mostrsvam um circulo lvido profundo e
azulado ; os labios eootraidos, as duaa extre-
midades, oio deixavam passar sopro algum ; o
peito comprimido pela cootraegio nervosa,s bat-
tia {convulsivamente. Como estivesse bastante
habituado a todos os phenomenos da desorganl-
sagio, pareceu-me que somente alguns minutos
o separa vam de seu termo fatal.
Em quaoto eu a toda a presas, lavava a ferida,
o doutor Fonlenay disse as daas testemunhas do
duello, cujos tristes resaltados preseociavamos,
qae pouco faltava para que elle recusasse a en-
trada da casa ao corpo do seu amigo, porque a
casa era instituida pira receber as pessoas do-
eniei e nio aquellas para as quaes a scleocia
era infructfera. Porm eu oio absodonarei as-
sm, acrescentou elle, a um homem, qualquer
que seja o seu astado mais oa menos perigoso,
desde o momento em qoe so ach-s aob o tecto
hospitaleiro desta caa. Fez coaduzir o ferido
para ama cmara particular, com o maior cui-
dado, e ah elle teateou a ferida. Retirando
dalla o iuitrumeoto, limitou-ae a faier um ges-
to de desanimo, mais espressivo em similhaote
caso, que todas as palavra que elle procurasse
pronunciar.
Entretanto, disse elle, ista ers surta sala
__ M.t.t- -**' -~wrm-o ocnT importirr-
cia, operando a naturezc lodoi o dias maia
milagros do que s scieocia, era melhor espe-
rar do que desengaar.
A opiniao de Mr. Footenay affeetou natural-
mente aos dous amigos do ferido ; porm eu nio
notoi sobre seas rostos ama dor proporcionada
gravidade do aeootacimeoto. Elles eram ambos
pouco msis ou manos da mesma edade : trinta
anuos. Seu amigo, o ferido, era mala idoso ;
pareceu-me al ter excedido multo a edade do
estouvamento ou paixio- em que se batem
por motivos que exxusam a assistencia de teste-
munhas tio jovens como eram as-suas. E' ver-
dade que estas confiaram ao doutor com muita
reserva, em um canto da cmara, que o duello
uvera lagar por um motivo particularmente in-
jurioso para sea amigo. Como esposo, soffrera
urna affronla domestica sempre seguida do um
terrivel escndalo na aldeias. Nao querendo
bater-ae em Vendme onde soffrera deshonra,
exigir urna reparagao em Paris ; lugar onde se
eleram muitos ruidos psra qua um s, qualquer
que elle seja, faga (explosio. Chegaram a noute
a Parts ; a entrevista fdra marcada para a ma-
drugada oo campo solitario de Mootmarlre, e
bsteram-ae a espada, arma esoolhida pelo offen-
dido.
Depois de dous ou tres empeaos sem resul-
tados, seo infeliz amigo, levado pela cholera,
precipitara-so desasa lamente sobre O ferro de
seu adversario, e ferira-se- de um modo horri-
vel, sufficMntemante iodicado pela ferida aberla
juotoao ceragio. Em leguida a estas informa-
ges a qua prometteram seguir outras qaando
estivessem meaos agitados, elles deram,' a pedi-
do do doutor, seus nomes, e o nome deferido,
ou aotes do moribundo. Este chamava-se Luiz
Cavaher, e os outros dous Block e Haldevze.
Aioda que devessem voltar oesse mesmo dii ;.
oio quizeram deixar a casa sem entregar du-
zeotos francos para fazer face as primeiras des-
peis do tratamento, quantia qua julguei da
mais, por que eu oio julgava |que o tratamento
devesse ser longo : depois relirararn-ss.
Yollaram nesse mesmo dis, assien. como o ha-
viam promattido, eram tres hora; au lba da-
se que seu amigo estava sempre* no mesmo. es-
tado perigoso i no dis segutote e ao eatroy elles
ainda se apresentaram na casa de aade, e in-
felizmente nao Uve dar-lb.ee melhorea noticias.
Nio direi que elles se mostraram indiferentes a
esta peraisteneia de urna situago pos- il mesma
lio. assustadors ; porm parecerm-me mala
recobrando" mais slguma co-.na suas (acuidades
iolellectuaes. poz-se a observar ludo o que o ro-
deiava ; seus primeiros olbares denotaran* a es-
tupefaegio nebulosa com a qual os pintores do
dcimo quinto seculo oos piotaro os paludo re-
sussitados ; suss primeiras palavras foram estas:
Oade eilou eu ?
O senhor sabe- lo-ha mais Urde, disse-rhe
o doulor Footenay, que observara cem atteogio
esse meio despertar da existencia; porm tran-
quilliae-se e tenha paciencia, Mr. Civalier.
Mr. Cevalier?.... porque razio o senhor
chama-me Mr. Cevalier ?.... Nio me ebamo Ca-
valier.
Sja, disse o doutor, nao querendo contra-
riar o doeote ; eogaoei-me ; o seohor neo se
chama Clavalier; nio- oos devemos zangar por
isto, nio verdade?
Tomando gradualmente- melhor coohecimeoto
de sos siluagio, acompanhou as palavras que
acabava de dizer, destis, sahidas mais brusca-
mente da seus descorados labios :
Ah meu Deus I meas quarenta mil fran-
cos: onde estio elles? Dae-me meus quarenta
mil francos I
O doutor julgou que elle delirava, e pedu-lhe
com affecluoaidade que se moderasse, sendo ne-
cessario jamis completa traaqutllids.de de corpo
e de espirito,lhe-disse o doutor com brsodura
a aquelles qae como elle, recebersm em um
duello feridas oos lugares prximos aos pulmes
e aa coragio.
Qae duello?! exclamo elle ; de que duel-
lo me falla o senhor? Nunca Uve duello algum
em mioha vida. O'seohor chima-me Cavalier e
falla-rae em duello ; estarei louco?... Lonco...
aso, nio o estou I... Ghsmo-me Dominico, e nio
Cavalier, e repito-lhe que em miuhs vida nunca
tive duello.
Dspois, procurando sempre saber a explicagio
de sua presenga em urna casa descoohecida, de
um aspecto inaudito para elle, e descobrir o mo-
tivo que p*ra ah o tenha levado, chegou de de-
daegao emMedoegao mental a-exclamar, com a
vos trmula easfustada-:
-i
Ah I sim, simt lembro-me, fui ssssssios-
do r roabado e assassinado I... a noile, doas h-
meos... um golpe no coragio... quarenta mil
francos.
mo do acabamento diste gigantesco j#tu mif
Porttand ha do aer em pouco lampo fo#idavel
com suas biterias rasan tas, ssas sortea da grani-
to e ferro qae so val construir as ponas da ro-
press ds barra do porto. Emfio nenhum inimi-
go poder aproximar-se de Porttand qaando sa
ti ver terminado no ma millo de Tero, que domi-
ai a eoseada, um forte que ha de proleje-la com
aeus fgos, e qae o genio da djsstraigio applica-
se em prover doa mais mortferos artificio,
Com isto ludo Portland insiguiQcinte ao
ponto de vista da seguraos da Inglaterra, por
quaoto eslava j esta aegaranga mais que garan-
tida peloi trabalho de toda aorta que, ha ana
doze annos, team sido executado oss costas.
Ao longo di Mincha apresenta-se a Gri-Breta-
oha seas amigos com um einto de ferro guar-
ec dos de canhes,
Comemos oa arseoaes e os portos fortificados
qae ah existem. Nio fallamos am Deptford a
Woolw'Wb, Chatim a Sheerness e Peiobroke.
Nio, cortamente, qaa sejam estes cidco arseoaes
meaos fortificados, temireis cu dispendiosos qae
o* outros, mas porque os dous primeiras esli
situados, oo Tamiss, os outros dous oo Me3vrayo
o ultimo oa poata do paiz da 681117. Limitmo-
nos aos portos fortificados da MaacVa.
Plymoath primeramente, oade ae acaba am
dique que hi da custar quarenta allhoes da
francos, oade se coostraiu, com um gasto da
trinta e seis ojilh.de, ama fabrica para machinas
vapor que ve receber novos .eegrandeeimen- "
los.
Portsmouth, continua mente engrandecido'des-
de dez amos, e onde acabam de sur concluidos,
com urna despeza de um milhio e oitocentosmil
fraocos, trabalhos para abrigarem a guardaren
aa caohooerras.
Sio, dirao, aotigos arsanaes, e as despezas
que com elles se faz sio dsapezaa de melhora-
meoto. Seja. Mas o mesm nao succede com a
creagao dos portos ehamsdos de refugio, que eri-
gim a coila e cuja idea primitiva, concebida em
18*0, depois adiada, tem sido- definitivamente
posta en. execago e proseguida nestes ltimos
lempos com um ardor eitremo e despexas enor-
mes.
Em primeiro lugar larwich, nrjnntgiodo
mar do Norte e do Pauo-de-Calila. Tem-seyro-
tegido este porto por um meine e foi e*v;'pdo
de 1316 1856. Os trabalho* cuitara tos- mi -
Ihas e tresentos mil francos. Hoja o putlo- de
Harwich olarece nio someota um refugio ees
modestos navios mercantes, mar ama estarn s
graodes oiua. \
Douvres, na entrada da Maacha, e quasi 'ja
embocadura do-Tamisa. Ahi se constre unrmo-
Ibe da quiobentos e ciocoenta metros e desem-
barcadouros. O.molhe ha de abranger.ama ba-
ca de duzeotose- trala hectrea, dor quaes eem
terio pelo menos nove metros de pro-fundldada,
isto poderio sdmiltir as niua de primeira or-
dem.; O trabalho, comegado em 1847,. deve aer
terminado em 186*. lia de exigir urna despeza
total qu se avalia em ceote e vate e ataco mr-
Ihoes de fraocos.
i
1
J.
\
Variedades.
innmeras decepges e svultadas despezas feitas
sem proveito real para a marinha de guerra.
Esta assembla de professionaes deliberou no-
mear urna commissio composta dos Sr. almi-
rante bario de Tamandar, presidente; chefe de
esquadra Tarares, ebefe de divisio Lamego, ca-
pillo de mar e guerra Alvlm, capillo de fragata
Siguodioo, capillo-lenle Sabino Pessoa, cons-
tructor Lavel,director da offlciua de machinas Ia
teoeote Msttos; serviodo de secretario com voto,
o primeiro offlcial da secretaria Antonio Garlos
Cesar de Mello e Aodrade, que aioda pouco dai-
xou a marinha, oade serviu com diiliacgia, pe-
diodo demissio do posto de 1* ente.
Rene a commissio representantes genuioos
dss velhas e novas ideas; uolaveis illuslrages
de nossa armada, que affiaogam a melhor aolagio
possirel ao problema, em relagio nossa esqua-
dra ; e agora senlimo-nos acanhado, na presenga
delis, em proseguir o esta discussio, que encela-
mos, por coosidera-la um dever pars o nico es-
criptor martimo que actialmeole trabalhs com
regularidade na imprensa nacional, embora baldo
doa indispeossveis conhicimentos para discorrer
sobre objecto de tal magoitade, que mesmo na
Europa tras em divergencia os homens abalisados
e professionaes.
Nio podeodo mais bater em retirada aam a
maior vergooba a descrdito, pedimos venia
ilteslrada commissio, que tio digosmeote repre-
senta a armada; pedimos s atteogio do judicioso
publico brasileiro, para as coosidersges qae va-
mos apresealaodo.
Dos nossos anteriores escriptos resalta qae:
c Os nsvios eacoaragados flzaram aua primeira
apparigo regular, na guerra do Oriente, com o
nome de baleriat flucluantet.
a Qae os Fraocezec sempre moslrsrsm grsnde
coofianga nelles, proseguindo* o imperador, de-
pois ds paz, em costosas coostrueges de syste-

deums discussio riaa-tfntMci.*qM^ que <
srafc^.,i*a^.^B
Que os loglexes fiseram experiencias com a
arlilharia raiada, que foram annuociadaa como
decisivas, as quiei provavam que nao haviam
chapas de ferro, por mais densas que (osaem, que
pozesaem om navio iovuloeravel ao poder desta
arlilharia,que foi adoptada com enthusiasmo para
lodo o armamento doa navioa hlice.
c Que, alo obsiaote, rnaadaram siles construir
alguns eacoaragados, imitsBd por cautela opro-
cedimeoto da Frange.
Que repentinamente proscreverana aquelles
canhes, os de Sir William Armslroogs, princi-
palmente, e pareceram voltar idea dos navios
encouragados.
c Que com a notieia do combate do Merrimac
e do Monitor, embora o almiraatado pareeease
aioda hesitar no trilbo que dsvis seguir, a cmara
dos communs maoifestiva-se abertameote pela
Iransformaglo da esqusdrs brltanoica, e a impren-
a iogleza unnime lameotava a fraquexa da In-
glaterra.
Neste ponto se acbavam aa cousas, quaodo os
partidistas cegos da artilbaris, nio querendo ab-
dicar o poder de que ae haviam apossado, fiseram
curiosas experiencias com a nova arlilharia, e
com a aotiga de 68, e anouociaram nutra ves qae
nao haviam couragia iovuloaravoia; porque ae
ellas tinbam resistido aos tiros dos canhes Arms-
lroogs, haviam aa eipadagado aoa da pegaa de 68,
cuj auperioridade bassava-se na maior carga de
plvora, e por conseguinte oa maior velecidade
inicial com que o projeclil eapherico sabia da boc-
ea do caoblo.
Em urna caria escripia ao Tims depois destai
comparages diz Sir William Armitrongs o se-
guinte:
t Tem-se formado ideas tio errneas respeito
do merecimento relativo dss pegaa raladas, que
me atrevo fazer algumas obiervages este res-
peito.
t Tomarei p*r japaracao a pega ralada de
a njfcralada de 68, como aa mais
Os portos de refugio na Inglaterra.
Daa um brinco nma cranga, e ella cuidar
maito menos em servir-se delle que em faze-lo
admirar. Se este brinco oceulta alguma sorpre-
sa, algama diabrara qua urna mol faz sabir ino-
pinadamente (Huma caixinba, se a crianga poder
crer que vos fez me Jo vo-la mostrando, entio
sua alegra xtio conhece miis limitei.
E' o eiemplo que acaba de dar este velho e
grrulo Tines, chamando, ha dias, a admiragio
do universo sobre o diqae- e aa fortifleages de
Portland.
A enseada da Portland muito aproximada de-
Cherburgo. A distancia de 11?kilmetros. Es'.a
proximidade ha de ten sem duvida inspirado ua
Inglaterra a idea de fechar esta eoseada por um
dique e-cerca-la de defecas. E* urna especie do
imitagao de nosso arsenal martimo, urna imita-
gio do dique e daa fortifleages de nosso porte.
Oalnglezes tomacam de aos a hlice, aa cara-
binas tiges, os canhes rajados, as fragatas en-
couragadas. Hio do ter querido completar a lis-
ta destes emprastimos palo ennrestimo d'am
modelo de portas.. Isso psra nos nada tm de
novo, nada de admirare}, nada de espantoso so-
bretodo, e nocpnHecemos a razio porque o
Times nio cabe em si de contente. Esta jornal
por nenhum modo precisava de Portland para es-
tar dessssombrado, se ainda assim podease con-
vir-lhe moslrar-ae aVseaasombrado.
Na verdade agora Portland am porto magni-
fico, com. aeu dique de treaentos ps.de largura
aa base e meia legua de comprimeoto, que
abranga ama toalha d'agua que coatm oitoceo-
los o cincoenia hectares oode mais de cem navios
team sido obrigados ao mesmo lempo, antes mes-
Portland, entre Pbrtsmoath e Pbymouth. Te-
mos feito a descripgio deste porto, chamado de
refugio, e que poderia recebar um outro nomo.
Nao falta maia que ahicoostruir um arsenal ma-
rtimo para que tome o carcter de porto-da
guerra formidavel e proprio para a aggressio co*
mo para a defeza. A-primeira-padra doquebra-
mar foi asaentada em 1819- 6'uateu novecentaa
mil libras esterlinas, seja pouco mais ou menos
vinte e tres milher da francos.
Aidexney, umi das ilbas qaa a Inglaterra pos*
sua em nossas costa. Esta eat situada es-
nuerda de Cberbargo, oo cabo da Hogue e sepa-
",r2l~ir_" '" ***Draia*do Fran"
ya. Tambem creoo-se- ahi um porto'de reiugio.
O- molhe fot comegado em 1847." Nao est ter-
mioado e calcala-ie que este trabalho ha de cus-
tar trila e tres mtibes, dos quaes mais de me-
lado j tem sido despeodido. Aeeresceotemoa-
que as fortificagea qus shl se execotam simul-
tneamente teem j absorvido urna dezeoa ds
milhes; porem s fallamos por.n>emoria, visto
este nalureas de despeza, sobra a- qual oio te-
mos dsdos completos, oio ter sido- lavada em
coota em nossa descripgio dos outros portos.
Jersey alada ama ilhaiogletaem nossas ces-
tas que o almiraotado britaooico emprehendsu
armir desde o sano de 1815. AM diapendera-so
8-milhes em 1856 ; porem moslrou-se a aalttre.-
zs tio rebelde aos trabalhos de homem, que,
apesar do desejo deformar an arsenal a nossa
ports, o almiraatado teve de reauociar, qaanto
por agora, f levar mais longo os trabalhos..
Nio esteoderemos mais adrante esta moactoaa
eoumeragao de Dhaa, fortalezas e dique?.. O
que temos dito basta para prova- q,e Pon'iand
no mais que um laxo, e que antes do acaba-
mento deste porto, estava a Grla-Bretaoha>cin-
gida de baluartes fortes bastante para des6ar
qualquer ataque esocegar ca-espiritos maiatsaavo.
ratos.
Porem o Times como esta miluer- da R^j-
qna alo quer ser consolada.. O accesso-dn, Bie.
gria qne seotiu, sabeodo do acabamento di novo
porto de refugio, vae dar lagar, disao. ola te p0_
de duvidar, prximos artigo sobes o* oluota-
rios, as fragatas encouragadas, o cachi? Armas
troog as. fortalezas revestidas da fuer, aseara-
binas Enfield, e o mais. E* ama mu .lt de que
toma conta a caricatura.
No eotanlo j cuala alguma cousa 1,000 000 000
de francos Inglaterra, e por, um tempo de cedo
americaoa e de dficit piavist no provimesle-
de algodio, 4 pagar am pouco caro urna fa&ta-
carga de 14 libraa de plvora, a paga raiada de
110 commuoica ao aeu tiro urna velecidade de
1,310 pea por segundo, ao passo que com ama
carga de 16 libraa, a pega nio raiada de 68 impri-
me urna velecidade de l,580,ps por segundo.
que se maneja o projeclil espherico, que msis
leva, e a facilldade tambem oom qae ae fabrica a
mesma pega.
< J disse qae a forga penetrante de urna paga
a carta distancia, depende principalmente da
A forga do proiedil Igual ao aau peso mull- iquantidade da aua carga. Ouvindo, por tanto,
plicado pelo quadro da aua velocidade, de modo I que os Americano! eclao ftzeodo oio de balas de
que o effeito destes dous tiros seria como 110 x
1210 para a pega de 110, e de 68 x 1580 para
a de 68, ou quasi 17 para 16 livor da de 68.
Esta peqtreoa di fie re oca apenai equivale diffe-
renga di carga, de modo que com quantilades
iguies da plvora terla a pega raiada aioda vao-
tagem.
Aagmeatindo-se a carga da paga raiada al 20
libras, o effeito de seu tiro sobre chapas curta
distaocia excede o da paga da 68 quasi ai propor-
gio do exceiso da carga, como se tem experi-
mentado. N'uma palavra, tsoto a thaoria como a
pralica mostram qua o effeito do embate curta
distaocia quasi proporcionado quaolidada de
plvora empregada, o que maito pouco se gaoha
ou perde raleado a peg ou augmeatando o peso
do projeclil.
Estes obaervsgss applicam-se com ludo s
curlaa diataoclaa. Encontrando a bala eipherica
maior resistencia, dimiuue a aua auperioridade
de velocidade mediwi qae augmenta a distancia,
e a 1,500 jarda bale o projeclil cnico com qua-
tro vezsaJMjSla forca do que o espherico da pega
de 68.
a Eia aqu tudo imparcialmeate exposto pelo
que toca ao effeito da embate; mas para julgar
do merecimento relativo das pegas raladas e nao
raladaa preciso cooiidersr tambem o sea pres-
umo comparativo con o obuses.
Ors, a bomba da pega 68, nio raiada, leva 2 1|4
libeas de plvora, ao passo que a de 110 rilada
coMI umi cirga explosiva de 8 libras, alm da
forma a npicid je do segmenta a torosrem mul-
to mais forradavel.
Pouoa vaotagem poseo ver oa pega nao ralada
sis.
,. Paoxo Merruau.
{U Coaatimciofitui.H. Chaves.)
pegas at atliogirmos algum
200 libras, e preparando pegas para outras de
1,000, oenhuma idea podemos fazer do poder de
suai arlilharia, sem eoohecermos tambem a quao-
liddne e forga da plvora que empregam. A' jul-
gar pelos resultados do ultimo conflicto naval de-
vemos concluir qae, pelo que toca ao effeito pe-
netrante ella muito inferior nesia.
a Com tudo, embora a nosss pega ralada de 110,
que pesa 81 quiataea, seja mais que stfficieate
parastirar bombas, dave-Ja confessar que nem
ella, nem a oio ralada de 687 ,aa pesa 5 quio-
ties, nem pega alguma actualmente em aso, tem
torga bastante contra navios eacoaragados como
o rfarrior.
Nio abriado buraquinhos com balas de sgo
qae podemos esperar dar cabo de am navio como
este. E' preciso praticar largos rombos do eosta-
do, a tomar o interior insustentavel por causa dos
estilhagos.
a Sabemos agora que urna pega de 12 tonela-
das de peso, carregida com 50 libras da plvora,
romper o costado do Warrior, qaa o oavio
mais forte que existe.
c Cootra ama pega destss os improvissdos Mo-
nitor a Merrimac pouco melhoras seriara do que
oa navios de madeira, pois que i bala de ferro
fundido, passando slravez da armadora, sa des-
faz em mil pedagos, e produx o effeito da metra-
Iha sobra a gaaroiglo.
c Mas devemos-ooa preparar para navios mais
fortes do que aquellos, mais fortes do que o mes
mo Warrio.? (*), e ir portante augmeatando o la-
manho das nossas
limite praticavel.
< O prego de semelhantea pegas, por asas ia-
conveoientej que leoha. deve-sa acertar como
urna necessidade, apropriando os navLee aarara-
cebe-los.
< O problema mecnaoico de trabailtar na mar
com pegas monstruosas parece a ponto de sar re-
solvdo pelo syilema do capito Callea ( a torro
gvraale do Jfonicar, pouco mai ou menos) e sa
inda reatarem difflculdades, podemoj ficar cortos,
que nunca serio taea que a scieocia da engeoha-
ria nio possa vence-las.
epreheode-se desta carU qaa sir Willism
Armstrong contesta a qualidade que se assegurs
ter as antigs pegas de 6 para funr ai chapas, i
caria distaocia.
Em quem devemos acreditar, por tanto, sabr
este negocio 1
E demais, por ventara aa experiencias feitas
contra chapas isoladas nio peccam pela base f
E'sobre o castado de um navio encauragado
oade a ligae,Q das chapas lhss leas dado urna
maior forga de cohesio, que queremoa ver alirar
para julgar do resallado.
Uma casca da ovo facilamni s quebra ; mas
umovoiotairQ offeraca uiareaUtgncis mallo su-
perior.
Siatimos nio poss>r os necessatios caobsci-
menloi par desenvolver esta theoria, qae a razie
ooa indica como verdadeira.
Baha 12 da janho, *
E. 1.
(Coniinuar-tc-Aa.)
ectivos sye'.imss; oom urna > sobra a talada, a nio aer a maior facilldade. ton
(*J A Warrior difiere da Gloxr por urna looo-
vaglo lntroduzida pelos loglezes, qae nao nos pa-
rece vaatajosa, 86 ama parto centtii i enco*-
ragada ; Js* dass extremidades do navio ficam
ipostas4s balas do inimigo, e por oonsequeacia
desabrigados oa pontos man importantes. Os pro-
prios loglezes reprovam esta lembranga de sana
coQitruclores.
g. 1.
PIRR, ITP. DI M. F,DB FJLWA F1LBO, 1003,
\
.*
ilf KnU
__Jk.
4II CrTV/C-l i^
Ti
^" Ph


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EAZ0PP0R5_2ENEAU INGEST_TIME 2013-04-30T19:48:43Z PACKAGE AA00011611_09952
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES