Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09950


This item is only available as the following downloads:


Full Text
1110 XXXVI.II. IDIEIO146.
Nr tres eiieiudiaBtados 8J00O
fw tres mees vencido* 6}000
;
E5tCAKKK(AUU3 A SUBSCtUPVAU ilNuKfE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexanc rio do Li-
ma ; Natal, o Sr. Antonio Marques di Silra;
Aracaty, o Sr. A. da Lomos Brag; CeirtT* Sr.
J. Jos do Olireira; Haranhio, o !!r. Joaquim
Marques Rodrigue; Par, Manoel Pbhtiro 4
C; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SOBSCRIPCi.O DO SUL
Alagflas, o $r. Clavdino PaleSo Di.t: Bahii.
o Sr. Jos Martina Alvos ; Rio do Janeiro, o Sr-
Joio Paraira Martina.
SEXTA FttA 27 DE JDRHO DE 62.
Por auno adan tado 19|00O
Porte fraieo aara subscriptor
=:=z=
jm
EEMMBUCO.
Pela
:^=
COR REOS.
horas do di.
' jrba as segundas
PARTIDAS i
Ollnda todoa oa diaa
Igaacass, Goianna, a
o sextas-feiras.
S. Anto, Beierros, Bonito, Cariar, Altinho
Garanhuns as tergae-feiras.
Pao d'Alho, Nazaralb. Limoeiro, Brejo, Poa-
qaefra, Iogazeira, Florea, Villa-Bolla, Boa-Vista,
Orieurye Ex as quaitas-feirae.
BPHBMER1DES DO MEZ DB JUNHO.
5 Quarto crescente aos 2 minutos ds minha.
12 Lu chota aa 3 horas o 35 minmto da man.
18 Quarto mingiante oa 31 minutos da tarde.
56 Lia ora aa 3 horas 35 minatoa da tarde.
PREAMAI DE HOJE.
Cabo, Sertnhem, Rio Formoso, Una.Barreiroa p.t_... .. o ,
Agua Preta, Pimentelraa o Natal quintas feiraa.jPrI,ne,r0 3 hor" e 42 mi' da tardo.
(Todos os correio parteen aslOhoraada manhaSegundo aa 4 horas o 6 minatoa da manha.
secretariado governo codjie-se os
Srs. mdicos qe quizerem ir prostar os aorcos
de sua arte na provincia do Cear on::e reina o
cholera-morbus a comparecer na snosna secre-
taria onde aero contratados com aa condieces
segulntes:
I.' Seguir par* aquella provocia.logo quelbe
for ordenado, dando o governo transporto de ida
Tolta o comedoriaa a bordo ;
2.* Vencer a gratificaco diaria de 20* deade
a data do embarque at celebrar o roo .rato de-
fioitiTO com o preaidenle da mesma*^.rovincla ou
at o dia do aeu desembarque nesta capital,
nao ae effectuar esse contrato.
Secretaria do governo de Pernambaeo 23
junho de 1862.
Joio Rodrigues Cbav.
ahtiua nos uruKKs cosraiRoa.
Par o aul ata Alagoaa I 5 o 20; para o norte
at a Granja i 14 e 29 de cada mes.
' PARTIDA DOS OMIBUS.
P o Recite: do Apipucos s 612, 7, 7 1|2, 8
e.8 1|2 da m.; de Oinda i 8 da m. a 6 da t.; de
Jaboato s 6 112 da m.; do Catanga e Yarxta
s 7 da m.: do Btmfica s 8 da m.
. P ?e'! : P*r <*PP"o 8 1|2, 4, 4 1|4,
4 l|2t5, 5 M, 5 1|2 o 6 da t.; para Olinda da 7
ds m. a 8 ir2 da t.; para laboato s 4 da t.; para
o Catanga o Yarxta s 4 1[2 da t.; para.z7em/lea
AUDIENCIAS DOS /KiiiUiNAKS DA CAPITAL.
Tribunal do commereo : aeguodas o quintas.
Relago: tercas o sabbados slO horas.
Pazonda : quintas s 10 horas.
iuizo do commercio : segundas ao meio dia.
Dito do orphaos: Urcas sextas s 10horas.
PrimoiraTara do eirsl: teres* extasa malo
dia. I
se
de
FFIClilL
GOVERNO BA PROVINCIA.
. LE N. 535.
O bacharefkajroel Francisco Correi i, presiden-
te da proTincratdvPernambaco.
Faco saber a lsjts os seus habita -Jes que a
ssembi9>leg>latirarproTincial decietou o eu
saoccioni a resoluco eguinte i
Art. Io. E* concedida a Fcanefsco Maris Di-
prat, para a companhia de>fidi8ceo que elle en-
corporar iseo;ao integral da decima urbana ou
de outro qualquer imposto proTineial ou muni-
cipal, por quarenta annos que cootar -se-h da
data do contrato constitutivo da sociedade, so-
bre os predios destinados -ao servico delta suas
officinss dependentes e depsitos.
Art. 2". Os predios, jpcai. construidos pela
sociedade por sua propna conla, parn alugar ou
vender, so pagaro melade da deoitna ou de
.outros impostos provinclaes ou munioipaes nos
primeiros dez annos depois de prorjptos, em-
.qjitntp pertencerem meama sociedidu ou ae
antes do dez annos nao' forem Tendidos. "*
Art. 3*. Francisco Hara Duprat incorporar
a sociedade' e dar esta cometo as edlflcsges
dentro de cinco annos contados da data da sane-
Cao da presente le, sob pena de percer o direi-
to s isences concedidas.
Art. 3.* Ficam revogadas as disposicoes em
contrario. .
Mando, portsnto, a todas as autorid.deiia quem
o eonhecimento e execugao da presente rasoluco
pertencer, que a cumpram e facam cumprir to
intelramente como nella ae cootm.
O aecretario desta provincia a fac imprimir,
publicar e correr.
Palacio do go?eroo de Pernambuco, 29 de ju-
nho de 1862, quadragesimo primeiro da indepen-
dencia e do imperio.
L. S.
Manoel Francisco Cor 'ta.
Sellada e publicada a presente reiducao nesta
secretaria do gorerno de Petnambuco, aos 20 de
junho de 1862.
Joo Rodric
fl.... do litro I
ues Chives.
de ltis provin-
Registrada
ciaes.
Secretaria do Klferno a* d*--t
uno dt 186a. *
Fortunato da Silva New.
,ai>J./.
Expediente do dia 23 de Junho
de 186*.
Oficio ao Exm. presidente da prometa da Ba-
bia.Trsnsmitto a V. Exc. para o flm coavenien-
te, o incluso altestado de bito nassido pelo fa-
ca Ilativo ds eolonis militar de'Timenteiras, do
3al consta ter fallecido do cholera-morbus no
ia 16 de maio ultimo o soldado Joaquim Peroira
da Silva, periencenle ao 8* bstalno da infanta-
ria estacionado nessa provincia.
Dito aocommandanta das armas. Constando
de offieio do Exm. presidente do Ri; Grande do
Norte de 13 do corrente tar viudo para esta pro-
vincia .escoltado por 3 pra;ss consttntes da in-
clusa guia, o preso Antonio Jos Peieiri Braco-
forte, que segundo o auto de pergunta junto por
copia, veriQco.u>se ter desertido do presidio de
Fernando, onde se achava cumprind: a pena de
Sales perpetaas, a que.f>ra condemn ido no Para
na qaalidade de Ia, awftnto do 8* batalhao de
a ruinara a p, assim o commanco a V. Exc. para
o flm conveniente. "Jftfic"
Dito ao mesmo.Sifrh-se V. Exc de interpor
o aeu parecer sobre materia do imluso reqae-
rmenlo de Manoel Travasso Sariobo.
Dito ao mesmo.Transmiti a V; Exc. para o
flm conveniente, a inclusa guia do desertor do 9o
tutalhao de infantaria Joo Antonio Alvos de
Brito, que se apresentou voluntaran)! oto ao Exm.
presidente do Rio Grande do Norte, p ira gozar do
indulto concedido pelo decreto de 25 de marco
ultimo. Communicoa-ae ao Exm. presidente
daqaella provincia.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Attendendo ao que me requereu o capitao do 10"
batalbo de infantaria Joo Theodorc Pereira de
Mello, qae segu para a Babia a reuoir-ae ao sej
corpo, recommendo a V. S. a expedico de anas
ordeoa para qae a cootar do Io de j lho do cor-
Tente anno a 30 de abril do vindouro, seja abo-
nada a prestado mensal de 30$ quo pretende o
mesmo capito consignar deseusold nesta pro-
vincia a aer entregue ao seu procurador o alteres
quartel-mestre do 2 batalbo de inf miara Joa-
quim Evaristo dos Santos. Communicou-ss ao
commandsnte das armas.
Dito ao mesmo.Transmiti a V. 8. para o flm
conveniente, os dous inclusos avisos de letras na
importancia de 1498864 aaccadas pela thesoara-
ria de rendas da provincia do Rio Gn ude do Nor-
te sobre essa, e a favor do tenente Antonio Pedro
Cavalcanti de Albuquerque Lins e Joaquim Lou-
riral de Mello Aeucena.Officiou-se no Exm. pre-
sidente do Rio Grande do Norte.
Dito ao mesmo.Autoriso a V. S. em vista de
sua informaco de 20 do corrente, sob n. 559,
mandar pagar ao capito do 4a bita bao de arli-
Jbaria a p Jos Pedro Nolasco Pereira da Cunha,
a qaantia de 609, que tem direito r.or haver re-
meltido para o exercitona qualidade de delegado
do Bnlque, aeia recratas, como se vi dos docu-
mentos que devolvo cobertos com offieio do bri-
gadeiro eommsndaote das armas datado de 17 de
maio ultimo e n. 1,007. Commcnicou-se ao
commandante das armas.
Dito ao mesmo. Pode V. S. conforme indica
em saa informaco de 21 do corroto, sob n. 563,
mandar acreditar ao mejor commandante do cor-
po de guarnido desta provincia a quantia de rs.
1659800, por elle dispendida com a acquiai^o de
utencilios psra a enfermara militar < aquella cor-
$o, como se v dos documentos qae devolvo co-
ertos com offieio do brigadeiro commandante
das armas n. 1,093 de 31 de msio ultima.Com-
municou-ie ao commandante das ai mar.
Dito ao Inspector da tbesonraria i rov-.acial.
Com o crdito aupplemenlar aberto pela lei. pro-
Tineial n. 536 de 21 do corrente, que por copia
acompanhou ao mau offieio dirigido i eisa repar-
ti nsquella data pode V. S. manlsr salisfazer
os pagamentos constantes de seus oficios de 5 de
maio ultimo e 20 deste mez, sob o. 264, 265
355.
Dito o mesmo.Acensando receido o offieio
de 2t do corrente, sob n. 358, em qae V. S. me
participou haver Joo Carlos Auguliio da Silra
arrematado por um trienoio o forneclraenlo dos*
Tiveres necesssrios ao sustento dos i retos pobres
da casa de delenco com o abate de 30 por ceoto
nos respectivos procos, tenho a dize: em respaila
qae approto eiia arrem.atac.ag.
Dito ao meamo.Estando em termos a inclusa
coota que me foi dirigida pelo director geral da
iostruccao publica em offieio de 17 do corrente,
sob n. 153, mande V. S. pagar a Alfredo & Ma-
tbeus a quantia de 7799140, em que importam
1,084 covadoa de chita, 1,061 ditos de casaa e 200
varas de madapolo, compradas por ordem da
presidencia para aa educandaa do collegio daa or-
phjss de Nossa Senhora da Esperanza Comma-
nicou-sa ao director geral da iostruccao pu-
blica.
Dito ao commandante do presidio de Fernan-
do.Para que ae posea resolver Acerca da ma-
teria do incluso requerimeoto que me ser de-
volvido de Francisco da. Paula Tiburcio cumpre
que V. S. satisfaga aswgencias da thesouraria
de fazenda no officioJSto por copla, com re-
ferencia a informaco wda por V. S. esse res-
peilo em a"ata de 23 da abril ultimo aob n. 62.
Dito ao administrador do correio.Espeja Vmc.
as suas ordena, aflm de serem.enviados, para o
vapor Paran, amsnha at o meio dia, as ma-
las que tem de condaHir pira o sal o referido
vapor.
Dito ao juir de pal sosis vatado da freguezia
Nossa Sennora oW da Goiaona.Responden-
do o seu offieio di 13 de maio prximo Gn Jo,
em que Vmc. me Commuoica se ter reunido no
dia 13 de abril ultimo como foi designado por
esta presidencia em 6 da marco a junta de qua-
liflcacao de. votantes deesa freguezia tenho a
dizer-lhe qae a convoque para o dia 3 de agos-
to proxitoa)- fiodouro que para isso novamente
designo, guardadas as formalidades legaes, ad-
vertindo-o de que sem duvida Irregular que
se tenha demorado a reunio da predila junta,
pelos motivos declarados no citado offieio.
Portara Os Srs. agentes.da companhia bra-
silelra de paquetes vapor mandem dar passa-
gem de proa para a corle no vapor Paran,
em lugares destinados para passageiros de es-
tado, aos Belga! Frsd;ois Deglaio, Jean Fran-
cois Walrio, Jean Borgent e Joseh G. Wil-
lemsins.
Dita.O presidente da provincis, attendendo
ao que requereu Haooel Jos Pereira Marinho,
mestre do htale nacional Tino, resolve conce-
der-lbe licenca para levar o referido biate ao
presidio de Fernando, ficando, porm, obrigado
a fazer transportar, sendo preciso, alm dos ob-
jectos e gneros do estado al trea passageiros
designados palo governo que tiverem de ser pa-
ra aili remettidos, independents de retribuirlo
algama. Outro sim flear -igualmente obrigado
nao a a transportar no mesmo biate para aquel-
le presidio os domis empregados, prscas, sen-
tenciados militares e de instiga, mediante in-
demniaaco convebcionSda, bem como a nao
consentir, qua para all se transporten), sem
permisso da presidencia, gneros e quaesquer
outros objectos pertencentes a particulares, nao
podando eilectutr a desembarque do carrega-
mento que levar dito navio, sem qua por parte
do mesmo presidio, se proceda a exaine, aQm
de se verificar, se ha aguardante ou ontra qual-
quer bebida espirituosa.
Dita.O presidente da provincia conforman-
do-so com a proposta do Dr. chefe de polica
de 21 do corrente o sob o. 986. reaolvo no-
m^.---------f-f" *m^im da Silva .fintaa ntiM
o cargo de ?Itla Bella."
Dita.O presidente' da provincia, tendo em
vista o que requererem os negociantes Saunders
Brothers & C, e bem assim as informaces das
repartieres competentes, resolve em vista do
art. 1 do decreto n. 2,485 de 28 da setembro
de 1859, conceder-lhes licenca para embarca-
rem para a Parahiba no navio inglez Floritta,
800 barricas com bacalbo, j despachadas para
consumo.
DIAA UA ESJAIA.
23 Seguoda S. Joo aac. ; S.Edeltrudea rainha.
,24 Ter5a. #. Nascimento de S. Joo Baptista.
II RUSr.ls- ? Gulll>erme eb. ; S. Ftbftia V m
H e5La a Sntissimo Coraco de Jess
M lSfi0- Sk Leo p- S- Argeml "m.
29 Domtngo. A pureza de Noesa Senhora.
ASSIGNA-SE
tama *"": -"- fi^Sg^^BU^ttS
Demais, nao ba muito que publicamos os ba-
la neos ds Caixa Filial edo A'ouo Banco; e des-
sas pecas aa evidencia haverem taes estabeleci-
mentos cerca de Tinte mil contos, conservando
em caixa aate mil e quiohentos contos de rie
m ouro e prata. Ora, ae estas sommaa junta-
rem-aa aa de particulares, que Tivem de des-
conloa, nao ser erro avancar, que ha nease gyro
melhor do cincoents mil contos; e que conse-
quentementa nao a falienis de um estabeleci-
mento, que apenas tinba de capital quiohentos
contos d* ri, qae deve assustsr com razo
urna praca desta torca.
Quebraa de grande importancia se do com al-
guma frequencia as pracas da Europa, a nao ba
muito que em Pars honve lagar urna de propor-
coes immeosas em seus effeitos; mas nem por
isso houve o pnico qae ah se nota encarnado
na populaco, devido sem duvida especialida-
de dascircomstaociase illaqueaco da sua boa
f e confianca.
Nao portaoto com restrieces fra de propo-
sito e aem caasa justificada, qae aera melhorada
a situaco. Nao sobo dominio de receios in-
fundados na extenao qae ligam-lnes, que ser
restabelecida a confianza abalada, seno per-
dida.
Se a franqueza do crdito por um lado tem
seus inconvenientes, a restriegao dalle cabe por
outro no vicio contrario, que a morle daa
traoaacedes na especialidade em que eatamos; e
por isso parodiando o dito do clebre marquez
de Pdmbal, por occasiao do terremoto de Lisboa,
coocluiremos que na crisa actual cumpre punir
os criminosos e amparar os industriosos.
mumim.
Expediente do secretario do
governo.
Offieio ao Dr. Francisco de Arsujo Barros.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia manda
aecusar recebido o offieio de 21 do corrente em
que V. S. participou que por terem-ie encer-
rado os trabalhos da assembla provincial reas-
sumira nsquella data o exercicio do cargo de
jaiz municipal da aegnnda vara desta cidad.
Despachos do dia 3 de junho.
Requtrimentot.
Tenente Antonio Serafim da Silva.Remet-
tido ao Sr. commandante superior interino da
guarda mcional deste municipio psra fazer jun-
tar ao requerimeoto que Ihe foi enviado com
despacho de 3 do correle.
Francisco Pioto da Costa Lima.Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Segundo-tenente Gabriel de Araajo e Silva.
Pagando o supplicante os dlreitos qua deve cor-
respondentes a aua patente, aera atlendido pelo
inspector da thesouraria de fazenda no que pre-
tende.
Mara Semians.Nao ha raga.
DIARIO DE PERNAMtyjCO-
A fallencia vergonhosa do estabelecimento ban-
cario, que nests praga gvrava aob a razo social
de Amorim, Fragoso, Santos & C, tem creado
urna situacio de desconanga to lata, que ae
prende em seus effeitos paralyssdores todas as
relacoes da nossa vida.
O receio est plantado nos snimos n'uma escala
maior do que aquella, qae razoavelmente devra
della proceder.
O recelo boje reciproco e geral; descona-se
de ludo e de lodos; e effectiTamente nao ba mo-
tivo ponderoso para essa extenso de deaconQan-
Ca, para esse excesso de receios shi desenvol-
vido.
A perda resultante da falencia verdade que
toca grande circulo ; verdade qae sftecia
todas as classes desde o mais pequeo at ao
maior; mas foi ella to repartida que ae fere
maitos, poucos todava sao os que tem um pre-
juizo completo, resultando anda que nao o com-
mercio qaem soffre o seu abalo real com a ex-
cluso que muitosquerem dar-lhe.
A quebra alludida nao podedeixar de ser capi-
tulada de premeditada ; nao se pode considera-la
sob outra forma, quando-v-ae que com poseo
mais de doas annos de existencia do referido es-
tabelecimento forem distrahidos cerca de mil e
quiohentos cootos de res, sem restar a esperan-
ce de se poder rehave-los na mor parte.
Mas conservavam-se nella todos os espitaos da
provincia ? .
Nao existem pelo contrario a Caixa Filial e o
Novo Banco, fundados com superiores capitaes, e
que se acbam com os seus cofres aberlos para
soccorrerem e ampararem o verdadeiro crdito ?
E pois, nao ser sem razo bastante o terror
diffundido ?
No comeco da associaejio do pequeo capital;
quando se expanda a aspicaco da economa para
formar o capital, nao pode deixar do ser damno-
so golpe, que acabam de"experimentar taes en-,
saios. No entanto, essa emergencia ter a equi-
polencia de urna negacio do principio fundamen-
tal, aue ia arrebenlando sob a existencia daquelle
estabelecimento f
Parece-nos que nao se poder concluir isto,
importando porm que e d o devido crdito
quem o merece, e qae se procure a punico da-
quelles que iudiram i tantea pessoas com abuso
flagrante dt coofianes. nelles depositada,
ASSEIBLEA PROVINCIAL LEGIS-
LATIVA.
SESSAO DO ENgERRAMENTO EM 21 DE JUNHO
DE 1862.
Presidencia do Sr. Bardo da Vera Cruz.
A 1 hora da tarde, aborta a sesso, approrada
a acta da anterior.
O Sr. Ia secretario declara nao haver
EXPEDIENTE.
E' lido o seguinta requerimeoto :
a Requeiro que o poder competente informe a
esta assembla ae bouve algama modifleaco no
contrato da illuminace a gaz, pela qual se julga
a companhia com direito de diminuir a intenii-
dade della.S. R Ferrelrade Aguiar.J. Mello
Reg.Witin'Tio.Cstanho.
O Sr. Aguiar tSr. presidente, aprsente! este
requerimiento para ter occasiao de dizerduaa pa-
tarras, acerea da materia de que elle trata. Nao
faco questo da adopeo ou nao adopQo delle,
o qae ti ve em vista apresentando-o foi crear urna
opportunidade para deata tribuna protestar contra
o escndalo que actualmente se d na illuminaco
publica desta cidadecotn a qual se despende to
copWe,3ierift!m 15 qt chame 'i cnwpSs)ia "V-
arrg seus deveres.
E' triste, Sr. presidente, o escndelo que se
d todas aa noitea nesta cidade ; a illuminaco
amortecida e escassa no principio da noite, e
acaba quasi nenhusna ; e aquelles que, como eu,
tem observado essa illuminaco, bao de ter no-
tado que todas as noites ba urna diffsren^a de
claridade espsnlosa entre aa 9 ou 10 loras, dif-
ferenca que se opera repentinamente, de modo
que aquellos que tem o gaz em auas casas, reem-
ae na necessidade de acender maior.numero de
bicoa do que aquellas quo esto acetos, afim de
terem urna luz commoda. E ser isto por ventu-
ra o que foi convencionado no contrato 1 Nao por
certo.
E se assim senhores, se ene escndalo
presenciado lodos os diss por todos nos, interre-
aba o poder competente, afim de que nao sejs
to mal despendidos os dinheiros pblicos....
O Sr. Cintra :Apoiado.
O Sr. Aguiar :.....afim de que a companhia ;
encarregada dessa illuminaco nao perceba to
avalladas quantias por um servido que devia
prestar, mas que de facto nao presta. (Apoia-
dos.)
Ainda ha poucos diaa votoa-se no ornamento
provincial ordenado para um fiacil qae derer
ser incumbido de vigiar essa illuminaco, pois
bem, o poder competente, que toma inspeceo
suprema sobre esse fiscal e sobre a companhia,
faca com que aquello empregado cumpra os seus
deveres ou dimitta-o, se o nao faz, nomeando
outro que o faca melhor.
O Sr. Buarque :Quem sabe se elle nao tem
reclamado '!
O Sr. Aguiar :E' o que nao consta, do que
nioguem tem noticia.
E' preciso que cessem os escsndalos qua todos
os diss se do em nossa Ierra, que vem a aer,
que o estrangelro faz nella ludo o qua quer, aem
a menor respousabilidade, transgride a lei, con-
tando com a impunidade e viola a f de quanto
contrato faz, aem a manor reserva; O estran-
geiro, que aempre muito prompto para clamar
contra o governo, quando este deixa de salisfazer
a menor das condigOes de qualquer contrato,
muito fcil em viola-las', e portanto proceda o
governo, do mesmo modo que ellas, chaman-
do-osa contas.
Um macbinista inglez mata sobre os trilhos do
caminho de ferro ama mulber, preso por causa
desse crime inaflangavel, porm, trata-se de um
inglez, e elle immediatamenle sollo outra vez ;
um outro estrangeiro contrata a coneluso de urna
ponte de ferro, mas esse estrangeiro o Sr, Mar-
linean, nao sei por causa de que condicao que
nao foi cumprida, protesta esbarrar a obra, e
bate o p ao governo ; essa mesma companhia
do gaz, por causa tambem 4a falta do cumpri-
manto de nao sei que pequea condicao, amea-
qou o governo de deixar a cidade s esduras ; en-
tretsnto esses estrangeiroa por sua parte commet-
tem abusos e violam contratos.
O Sr: Cstanho; Um jaiz quer reagir contra
um cnsul em favor de dinheiros de orphaos, e
soffre por isso.
O Sr. Aguiar:E' rerdade.
E' preciso um remedio contra o que tenho ex-
posto, preciso que o governo chame a contas
essa companhia, qae assim procede do um modo
to censuravel, preciso emra que os indivi-
duos que formam essa companhia se esquecam
de qae sao inglezes, de que sao subditos de In-
glaterra que teem muitoa uavios pesadoa de ca-
nhoes, e que tratera de cumprir os contratos que
fazem. (Muito bem.)
E' lida e approvada a redaeco do projeclo de
ornamento municipal.
E' lid o e approvado por ter c:dido da palavra o
Sr. Baro deMuribeca um parecer da commisso
de polica acerca do contrato deeta casa com o
proprielario do Diario de Pernambuco,
E' lida e approvada a redaeco do projecto de
orcamento provincial.
Nada mais ha vendo a tratar-se l-se a acta da
sesso de boje e o Sr. presidente declara encera-
dos os trabalhos da presente aesso.
REVISTA DIARIA.
Por portara de 21 do torrente foi corregido o
equivoco dado no nome do 3* supplente do jaiz
1 municipal do termo do Bonito; visto que cha-
ma-seo nomeado Antonio Jos Pereira e nao
Manoel Jos Pereira, como fora consignado oa
portarla primitiva.
Por carta datada de 18 do corrente mez e
procedente da cidade da Fortaleza, desmentida
a noticia da morte do commaodaote auperior dos
Iohamans, Joaquim Leopoldino de Araujo Cha-
vea, que ee dizia victima do cholera. Todava,
essa noticia teve aua plauaibildsde ; visto que
suecuaabio o mane do referido commandante su-
perior, de nome Joo Leopoldino de Araujo Cha-
ves, OJoode procede esse quiproquo.
Domingo, oa igrejs de S. Pedro, haver no
flm da mi isa a bengo papsl lancada por Si Exc.
Rvma.; que alm disto conceder indulgencia
plenana, em nome do svmmo pontfice, aos fiis
debidamente preparados para a recepeo delsa
graca remjitorj.
Oa Caruar temos noticias, que do hiver
reapparecido all o cholera ; e em Bezerros graa-
sar com intensidade a febre amsrella.
Acercada questo dos praticos informa ra-
nos qae o Exm. Sr. presidente da provincia de-
cidi que elles nao podiam ser coagidos a prestar
gratuitamente os seus servicos companhia bra-
silera de paquetes, e que a paga de taea servicos
Ihes era devida ; annuindo entretanto so pedido
do Sr. agente da mesma companhia para que os
praticos oo deixem de introduzir os vapores no
porto at o dia 13 do mei prximo futuro, quan-
do pode sqai chegir a solaceo definitiva da ques-
to por parle do gerente, o Sr. Francisco da Ro-
cha Miranda, solugao que, avista do aviso do mi-
nisterio de agricultura publicado no Diario de
hontem, nao pode ser duridoaa.
Temos ourido accasar-se o Sr. Dr. juizdo
commercio por nao haver feito recolher priso
os socios gerentes da sociedade em commandita
Amorim, Fragoso, Santos & C. ; mas, recorreo -
do ao cdigo commercial, eneontramos as dispo-
sicoes ebsixo, que demonstrara perfeitsmente a
sem razio com que aecusado esse muilo digno
magistrado, cuja rectidio e justica sao por demais
conhecidas entre nos. Eis as disposicoes do c-
digo:
c Art. 823. O devedor, que apresentar a sua
declaracao de fallido* em devido lempo, e assistir
pessoalmente todos os actos e deligeocias aub-
sequeetes, nao pode ser preso antes da pronun-
cia.
Art. 821. Contra todos os que se aprsenla-
rem forado lempo, ou deixarem da assistir aos
setos e deligencios aubseqaentes, pode o tribunal
ordenar, que sejim postos em custodia, si?du-
rante a formaco do proetsso se rtconhecer, qub
o devedor esta convencido de fallencia culposa
ou fraudulenta, ou se se auzentarem ou occul-
tarem.
A'vista, pois, de semelhanles disposicss de lei,
poder! ser preso um commercieote, quando em
juizo apenas houver o seu requerimeoto pedindo
a declanco de aua fallencia ?
Ningusm, por certo, responder afflrmativa-
mente, menos que se queira olvidar principio!
e leis tasa como vimos de ciler.
AIuus moradores da ra do Aragio pe-
dem-aos lembremos- polica do bairro da Boa-
Visti, faca cesssr os incommodos batuques que
pr.jai uo reponso trmqoillidade 4ir''-*"~'iV:~
nho, pois que aa protoogam desde s 9 da* noite
at s 5 horas da madrageda.
O caes do Imperador est serviodo de es-
terqueira e ponto de despejo de quanta immun-
dicia ha, tornando incommoda a estada veran-
da de quem por all est. Nio haver meio de
terem os guardas municipses olhos para ver iiso?!
- De Pao d'Alho escrevem-nos, em data de 25
do corrente, o seguiote:
c Dasejo-lhe saude, e que nada tenha soffrido
na historia commanditsris. Tudo por c ra
bem.
c Nao eai da faeto algum de nota occorrido
nesta comarca. Passoa-se por c mesmo o S.
Joio, que foi muito festejado, e s sei que um so-
jeito sabio levemente queimsdo, e afora disto
um oatro incommodante amantissimo do dos
Baccho enada mais.
a O cholera parece de todo extincto, e j feliz-
mente nelle se nao falla. Oque est na ordem
do dia, depois da quebrada aociedade naneara
ahi e do desfalque da caixa filial, a estrada de
ferro por c, que se diz ser coasa assentads.
< O crrelo que d'abi para aqui sai todas quar-
taa-feiraa, em regra chega por esta villa depois
do domingo ; veja qae estamos nove legoas do
Reeife I 1
Deisamos em outra parte transcripta urna
correspondencia dos Srs. sgentes da Companhia
Brasileira de vapores, qual respondemos que,
nao tendo o gorerno isengo para os navios de
guerre que demandam os portos do Brasil, por
certo nao podia linar desse encargo essa com-
panhia, sendo-lhe permlttido to somonte man-
dar pagar aa despezss pelos cofres pblicos, come
devia aer entendido o decreto n, 2513 ; o que
entretanto, nao aceonteceu, como ae deprehen-
de do aviso quo hontem publicamos, que bem
explcitamente diz que companhia compete o
pagamento das despezss que fazem os seus va-
pores.
Os Srs. agentes nesta cidade, somos os pri-
meiros a reconbecer, tem procurado trszerao
bom caminho essa questo, j escreveodo para
a corte, j obtendo esperas dos praticos, afim de
oo aoffrer a companhia nem estes em seus in-
te reas es.
Qjando tratamos de semelhaote assumpto, es-
lavamos bem informados, e sentimos nao ter
podido encontrar o decreto n: 2513. afim de Ter-
mos se as suas expressdes, sao taes como se no-
las apresentam.
Que a companhia digna de censura, nin-
guem por certo o negar, por quanto por muitas
vezes se tem erguido brados de toda a ImpreBsa
do norte, contra a forma por que feito o ser-
vico desta parte do imperio, procurando sempre
alliviar-se dos encargos que contrahio ou por
favores, ou por concessdes infringidoras do seu
contrato:
Beparticao da polica.Extracto das par-
tes dos das 26 de junho.
Foram reeolbidos a casa de detenco no dia
25 do corrente.
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, o
crioulo Simlo, de 30 annos de idade, escravo de
Joaquim Jos Coimbra, remeltido pelo delegado
do termo da Escada, como pronunciado no de
Barrelros.
A' ordem do Dr. delegado do 1* districto. o
africano Polycarpo, de 29 annos, escravo de Ha-
ra Cysneiro, por crime de offeosss pbysicas; Vi-
cente Ferreire de Souza Menezes, branco, de 29
annos, sapateiro, e Clemente Bezerra Airea de
S, pardo, de 32 annos, pescador, por infraeco
do posturas munielpaes.
A' ordem do subdelegado do Reeife, os portu-
guezes Pedro Goocalves de Lima, de 58 annos,
martimo e Manoel dos Santos da Silva Mala, de
35 annos, ferreiro ; Alexandre Jos de Azevedo,
de 26 annos, martimo; Jos Ricardo de Jess,
de 42 annos, calraeiro, todos brancos, e Aoasta-
cio Jos da Silva, crioulo, de 31 annos, carpina,
por ter commettido crime de ferimentos ; los
Ferreire, tambem portuguez, de 20 annos, e Joo
Soley, hespsnbol, de 24 annos, ambos brancos e
foguistas; o pardo Manoel Jos Sosres, de 21 e
o crioulo Sabino Jos de Jess, martimos, por
embriaguez a desordem.
A' ordem do delegado do 2o districto, Tfaomaz
Antonio de Paula Buarque, branco, de 30 annos,
dado agricultura, por injurias e insultos dirigi-
dos delegada.
O chafe da segunda secQio,
/. G. de Mesquita.
Movimento da
de junho.
casa de deten;o do da 25
A ss ber
Existiam.
Entraram.
Sabiram.
Existem.
380
14
26
368
presos.
>
>
149
no
Naciooaes 259
Estrengelros. 29
Molheres; .4
EscrsToa. 69
Escra vas. *J8k,/7 m
Total. Jfia^^
Alimentados Chista dos cofres pro-
vinciaes........................,..........
Hovimento da enfermara do dia 26.
Teve baixa :
Jos Ricardo de Jess; ferimentos.
Teve alta :
Manoel Jos do Nascihento.
Matadouro publico :
Mntaram-se para o consumo desta cidade
dia 25 do corrente 53 rezes.
Obituario do da 25 de jusiio, no cehite-
rio publico :
Manoel Pedro Fernandes Vuelta. Pernambuco, 57
annos, casado, Santo Antonio ; hypetrophia.
Bernardo Damio Franco, Pernambuco, 70 annos,
casado, Afogados; febre intermitiente.
Joanna, Pernambaeo, 1 hora, Boa-Vista : as-
phyxia.
Francisco Aotooio Pereira Lagos, Portugal, 18
annos, solteiro, Saoto Antonio ; encephalite.
Francisca Candida de Oliveira, Pernambuco, 28
annos, casada, Saoto Antonio ; phthysica.
Honorata, Pernambaeo, 7 das, escrava, Reeife:
espasmo.
Jos, Pernambuco, 11 mezes, Sent Antonio en-
tente.
Manoel Rodrigues de Mello, Portugal, 17 annos,
solteiro, Boa-Vista febre emarella.
Dia 26
Joo Pedro Pereira Evaristo, Cear, 24 annos,
solteiro, Boa-Vista ; enterite chronica.
Anna Hara da Cooceico, Pernambaeo, 40 au-
nes, solteira, S. Joi ; dlarrha chronica.
Germano, Pernambuco, 1 mez, Santo Antonio ;
espasmo.
Christovao Jordo, Allemanbs, 56 annos, soltei-
ro, Boa-Vista ; diarrha.
Lucinda Mara da Conceico, Pernambuco, 25
aoijos, solteira, Reeife ; ioflammago chronica.
citad le Iba gerente, que ter mais oito meze
de prorogscao de sea privilegio por cada um eo-
fanz que esta companhia aasentar, e nem esteva
lambem autoriaajda a receber favores que oo ea-
tivessem prescriptos nos seus contratos com
governo provincial.
Tendo entrado para a administraco da provin-
cia o Itlm. Sr. Dr. Joaquim Pires Machado Por-
teiia, e attendendo aos reclamos dos habitantes
d aquelles lugares, foi setrido mandar por offieio
de zs do marco lindo, ao inspector da thesoura-
ria pronociel que contretasse com esta compa-
nhia a collocaco dos ditos cbafarizes de Santo
Amero ePaasegem da Hagdalen, e mais na rampa
prxima ao novo edificio do Gymnaso Pernam-
Duc.no. o que at o presente einda nao se effec-
.reJe. eSP8"r que ENCANAMENTO.
Durante o semestre fiodo nada de extraordina-
rio occorreu naa obras desta companhia, excep-
cao de alguna pequeos estragos, provenientes do
continuo uso das tomeiras e bieas dos chafantes
e que foram promptameoto concertedle.
Tendo vos resolvdo. em sesso de 25 de no-
vena bro fiodo. que esta duerco fosse autorisada.
a vista da planta com seu respectivo orcamento a
fazer umpassadico para a passsgem dos canoa
para o bairro de S. Frei Pedro Goncalves do Re-
7,t /.buMjuo. esta directora em saa sesso de 17 de
fevereiro fiodo contratou com o Exm. Baro do
Livramento arrematante do passadico do governo
para aquello lugar, a transferencia de ama das li-
nhas de canos que existem na ponte velha do re-
ferido bairro, precedeodo autorisaco do governo
queja foi dada. Assim,pois, tenho a salisfaco
de communicar-vos que esta obra j foi justa pela
quantia de 4:000000 sem mais despezss para a
tSSSaS*' D0"P,na.-fe o't He a quantia de
3:6805000 em que foi ella oreada.
ARREMATAgO DOS CHAFARIZES. .
Ainda cootinuam a estar arrematados os cha-
farixes e bicas desta companhia pela quantia total
-de 72:t00a000, e continaaro at o m do mez
de junho prximo futuro, e devemos presumir que
' ser arrematados.
continuem a
ANNEIS
E PENNAS D'AGUA.
Relatorio da companhia do Beberibe
apresentado na sesso de 7 de maio
de 1862, pelo sea vice-director o
commendador Jos pereira Vianna.
Senhores accionistas da companhia do Btbe-
nbcCumprindo o disposto no artigo 28 6o dos
estatutos que regem esta companhia, venno dar-
vob conta do estado dos seus negocios, e de tudo
quanto tem occorrido depois da tosss reunio se-
mrDB\ju^--rn%1tidis:,7itrf efnr'rTonrYno^ lmpe-
uifceoto do muilo digno director o Sr. Dr. Jos
Mamede Alves Ferreire, nao poseo explicar o sca-
nhamenlo em que me acho pela falta de habili-
taces que me assisle, e que a vossa presenea aug-
menta, apezar dos meas boos desejos para bem
corresponder vossa expectativa.
EXPEDIENTE.
O balancete e mais papis relativos ao semes-
tre decorrido do 1* de maio 31 de outubro do
anno passado, foram remettidos ao Exm. minis-
tro do imperio, devendo se-lo so da agricultura,
commercio e obras publicas, como determina o
decreto numere 2679, artigo 2, de 8 de dezem-
bro de 1860: igual remessa se fez ao Exm. pre-
sidente da provincia de cooformidade com o dis-
posto no referido decreto, tendo S. Exc. j se dig-
nado de accusa-la.
No meu relatorio do semestre antecedente in-
formei-ros de que existia a realisar-ae um con-
trato para urna peona d'agua ao hospital militar
e quartel do hospicio : tenho a satisfago de di-
zer-vos qae esse contrato j aa acha ultimado a
approvado pelo Exm. presidente da provincia,
como me foi commuoicado por offieio do tenente
coronel Hanoel Ignacio Bricio, director das obras
militares desta provincia.
II)vendo a directora da companhia do Bebe-
ribe, como orgo da mesma companhia, solicita-
do em data de 28 de abril do anno prximo pas-
sado ao governo imperial a approraco de aeus
estatutos para cootinuaco de sua iocorporaco,
se por reniura fosse esta companhia considerada
como cemprehendida nss disposicoes ds lei nu-
mero 1083 de 22 de agosto de 1860 artigo Io s
1 e 8, de que pareca estar iseota, como foi al-
legado no requerimenlo que junto por copia tos
foi apresentado nessa occasiao.
O Exm. ministro respectivo, em soluto esta
representado da companhia, ae dignou baixar o
aviso numero 33 de 9 de dezembro Ando, qae
por copia nos fot remettido pelo Exm. presidente
da provincia, fazendo-nos sentir que sendo pre-
sente a sua magestade o Imperador o requeri-
meoto desta companhia, o mesmo augusto se-
nbor, conformando-se com o parecer da seceo
dos negocios do imperio do conselho d'estado
exarado em consulta de 18 de outubro, por aua
immediala resoluco de 29 ds novembro ultimo
hoave por bem determinar, que a concessao da
grach pedida ficasse dependente das alteracdes
aos supradilos estatutos e contratos ; alteracdes
qae podereis ver do mesmo aviso que se acha
sobre a mesa. Mas, nao querendo esta directo-
ra resolver por si esta questo, em sua sesso
de 22 de jsneiro fiodo tomou a deltberaco de qae'
se consullasse ao advogado da cornpanbia o Dr.
Bras Florentino Henriques de Souza, afim de que
lhe desse o sea parecer respeito, o que foi por
elle cabalmente satisfeito, como podereis ver do
respectivo parecer, que se acha sobre a mesa para
o approvardes, no csso de assim o entenderdes
conveniente, e ser remettido na primeira occasiao
ao governo imperial, precedendo-se-lhe das re-
Qexes qae suggerir a integre do mencionado
aviso.
llavendo o presidente da provincia mandado
que esta directora ioformasse ama petigao dos
habitantes da cidade nova de Santo Amaro, em
que estes pediam a edificacoe abertura de um
chafariz publico, que abastera d'agua potavel
aquella localidade, esta directora informou que
attendendo s circumatancias e considerares ex-
postaa pelos moradores da cidade nova de Saoto
Amero, eslava prompta a mandar construir,
suas expensas o dito chafariz junto rampa da
fundigo de Sitar & C., por ser o lugar msis pro-
prioe central psra esse flm ; mas psra laso ea-
perava que S. Exc. autorisasse esta companhia
a fazer dito chafariz, considerando-o no numero
d'aquelles de que trata o S 6* do artigo 2* da lei
provincial numero 46 de 14 de junho de 1837.
Em Tiste do qe o Exm. presidente autorisou ao
inspector da thesouraria provincial pera contratar
com esta companhia nao s a collocaco do cha-
fariz no lugar de Santo Amaro, eomo tambem o
da Passsgem da Hagdalen, nao com a clausula
de serem os mesmos cbafarizes contemplados no
numero daquelles de que trsta o 6* do artigo
2* da lei provincial numero 40 de 14 de junho de
1837, mas sim com a concessao de algum outro
favor, ainda que nao estela legilmente antorisa-
do. Esta directora, porem, respondeu ao Ins-
estava autorisada
privilegio qee a
Durante este semestre fez-se os contratos se-
guintes : Para o edificio do hospital militar e
quartel do hospicio se contratou 82 t|2 baldes
diariamente ; para o sitio de Henrique Bernardo
dOliveira, na Pasaagem da Migdalena o. 45
baldea diarios; para o de Jos Jaeome Tasso,
na Cruz das Almas n. 45 baldes diarios; para
o de Awgusto Frederico d'Otiveira, na Ponte do
Uehoa n. 45 para a cess de Antonio Domin-
gues d'Almeida Pocas oa ra do Rangel n. 515
baldes diarios. At o presente tem esta compa-
nhia celebrado sessenta e seis contratos particu-
lares para forneclmento d'agua potavel diver-
sos predios, alm de cinco que foram efectua-
dos para varios estabelecimentos pblicos.
unviustiTn me hjaiicu
Porem transferidla oeste semestre o oamero
de 376 apolicee, as quaes foram effectuadas por
diversas pessoas em 21 contratos entre ellas ce-
lebrados, regularam o precosde cincoenta cin-
coeota e cinco mil res cada urna. Pela relacio
qu junto vos aprsenlo, veris que os nossos
associados mootam ao numero de 244 as quaes
representam aa 10:736 apolices emittidaa por es-
ta companhia.
CAIXA DA COMPANHIA.
Pelo bataneo que a administraco sobmetle- ao
vosso exame veris que at odia 30 de abril exis-
te o asido de 37:379*560, qua permute faier o
28 dividendo na razio de 3*200 por apolice, cu-
je dividendo podis decretar, ficando ainda um
saldo em caixa de 3:0239360, swjeito 1:797*600
que se deve de dividendos atrasados.
ORCAMENTO PARA O SEMESTRE CORRENTE.
Em observancia ao disposto no artigo 25 3*
dos estatutos que regem este companhia,roe
apresento igualmente o orcamento oimulado
por eata admioistrscco, para a recolta e despe-
za do presente semestre, no qeil veris '.tendi-
do o 28* dividendo oa razo de 3^200 por .apo-
lice.
CONCLUSO.
Na qualidade de vice-director desta compa-
nhhia, desde o dis 3 de junho do anno prximo
possado tenho estado na gerencia dos negocios
desta associsco, e tendo completado micha ta-
rafe, cumpre que vos, Sr. accionistas, elejaea a
nova directora que a tem de substituir.
Dos livros e mais papis que se acbam sobre
a mesa podis fazer urna idea do estado da nos-
sa companhia, e mesmo do que diz respeito ao
semestre lindo. Dando por findo aqui meu re-
latorio, faltara um dever se n'elle nao dirigie-
se aos meas collegas de administraco um voto
de gralido, pela locansavel coadjuvaco que
sempre me prestaran) com auas luzes, a vos,
Sr. accionistas, urna palavra de reconhecimento
pele benevolencia com que me tendea ouvido.
Escriptorio da companhia de Beberibe, 19 de
maio de 1862.
O director interino.
Jos Pereira Yianna.
lllustrissimos
senhores accionistas
nhia do Beberibe.
da compa-




T

J pector da thesouraria qae nao
(pela companhia a resignar um
A commisaio fiscal desta companhia, tendo
examinado a escriptaraco 4 cargo da respectiva
administraco dos seis mezes contedo do primei-
ro de novembro lio anno passado a 30 de abril
do correte, achou-a em com perfeito aceio
clareza, mostrando existir em caixa por saldo de
cootas, a importancia de 57:378*560, da qual
abatendo-ae a de 1:797*600de dividendos ante-
riores linda oo pagos, ea de 1:225*760 para des-
pezas j effectuadas e prximas a fazer, tica o li-
quido de 34:355*200, correspondente 3*100 por
accao que vaeser dividido pelos accionistas.
Julga, portanto, a mesma commisso, que tu-
do merece a mais completa approvago, e qae a
directora tem direito agradecimentos, visto ser
esta a nica remuneracSo que lhe pode dar, pelos
Dona eervicos que tem prestado.
Escritorio da companhia do Beberibe, 19 de
de maio de 1862.
Joo Goncalves da Silva.
Btnto Jos Fernandas Barros.
Francisco Joo de Barros.
4> eaixa da companhia do Beberibe,
em conta corrente com a mesma,
correspondente ao segundo se-
mestre do anno finaneeiro de 1 de
novembro de 1861 SO de abril
do corrente auno.
DEBITO.
Saldo em caixa nesta
data. .... 86:200; o* <,
Pelo que ae receben
dos arremataniee de
cbafarizes bical, nttl_nnnn
nesta semestre. 36:049*992
dem Uto dos contra-
tos publico*. 2:140*900
dem dito ditos parti- _____
culares: ^ *16*020 70:580*757

I

,-*-*r



;t
MDfco.-----------------;
Despendido nesta se-
mestre com despe-
as genes. 5tttSj|B97
Sem dilo com o pga-
tseoto de dividen-
dos atrssados. 687j90D
lem dito com dito do
27* dividendo 33:097|603
Saldo em caixa que
casss ao seguinte -
aemestr.....37:378^560 76:586|757
Esciiptorio da companhia i. Beairibe, 19 43
ausio de 1869.
Ocal**.
Manos. Goi ,;o 'jhi da Silva.
rVroambuco, t de crjaio te 186*.
DIVERSOS A' BALANDO.
Pelo activo da companhii do Beberibe.
Caiaa.
felo diDheiro lis-
ente oeita data. -37 378*560
Empreza do encana-
meato
Palo valor da mesma 486:1663.414 533:5459004
MAMO DB rBKWAMBPCO, m ^tk WlEA W DI IQBHO DE Ittl.
T
v
CHROKICA JUDICIARIA.
Tribunal do commercio.
SESSAO ADMINISTRATIVA EM 16 BE MAIO
BE 1862.
niSIBlHCU SO KXB.BR. BKSBMBR6AD0R
ft DES0UZA.
A'a 10 beaas 4 manhie. reunidos oa Sra.
de pululos usgo Lemos, e afectos, o S.ahor
presdanle desoi* eberta a seas* o ; sendo lida
app-evad.* a acta da ultima.
PEDIBKTE.
Um officio de merisaimo tribunal do commer.
ci da capital do imparto, o X companhodo a relagao doa commercfaoto que
te malricoiaram no mesr*o, desde 1* de marco
I 31 de maio prximo Qudo,=:Accuae-*e a recep-
to e arctiive-se-
Oitro do meimo, da igual dala, aecuaando o
recebimento do que Ihe foi dirigido da parte dea-
te tribunal em Si de novembro do anno prximo
paasado.Ioteirado.
' foram presen lea aa eo tacoes fficiaes dos pre-
ces correales da praca, da' ultima semana.Ar-
ttMva.aa.
BALANQO A DlVIiRS OS.
Pelo pat'wo da companhia do Beberibe.
A' capital
Chive-se.
Talo valor das 10,738
a plices enjillidas i
42JO00 cada ama
A' 21* dividendo.
Pelo que se resta a
pagar .....
A' 22 dividendo.
Pelo qae se resta a
pagar.....'
A 23* dividendo.
Palo que se resta a
pagar ...*...
A 24* dividendo.
Pelo que se resta a
pagar .....
A 25*-dividendo.
Pelo que se resta a
pagar : .
A 26a dividendo.
Pelo que se resta a
pagar.....
A 17* dividendo.
Poto 'qe se resta a
pagar .....
A lucras e perdas.
Pelo balango desta
conta .
450.91 SC0O
ljjOOO
1500
:10900o
31*500
899(00
3589400
l:X 70:835;!404 523:545g004
m seu lugar como devetfores aquella, "
aa aegoes tem sido cedidas ; e co^segolatcmecits)
declinam no momento do perico toda rasponea
4lU?,.eHlen<, anteciPad,ap*-.eote ftuld0 I* -** o gerente no Rio de Janeiro.
oaqtunto o contraro ihe for ordenado ,ela ge-1 dio pesando lii-4t libra, valu da libra 1*, total
PaTAnitsaai' ansa HWItn pnrnnsnnis t*iI/\ k-Aita *. k lMn
rancia da mesma companhia, nlo pode pagar a'
aaa> arbitrio taes servicos, e naite sentido vai di
tWSPACHOS.
Demonstrado da con tu de lucros
e perdas.
DEBITO.
Palo excedente do
cnato da empieza
ao capital da com-
panhia. ....
'.dem, dinheiro exis-
tente em caixa nes-
ta data. ....
Abate-se o que
sa deve de di-
* ridendos em
atrazo .
35.2549*44
37:3789560
1:7979600 35:580*960
70:8359404
CRDITO.
Pela dlfferenga do
valor do capital ao
custo da empreza
dem do que fica em
caixa, pagos os di-
videndos em atra-
zo ...:. .
35:254444
35:5809960
708355404
Escriptorio da
maio de 1862.
eoonpanhia lo Beberibe, 19 de
O efcripU raro,
Marcolini Jos Pupe.
4)ramento da receita e despesa da companhia
do Beberibe para o primeito semestre do an-
no financeiro de 1862 a 1863, 1862
Malo l.o
Saldo em caixa nesta
data.....
Importancia da ar-
rematagio da laxa
dos chafarizes e bi-
cas do 1.* da maio
a 31 de outnt.ro 36:049{99i
dem dos contratos
do arsenal da mari-
nha, dito de guer-
ra, casa de deten-
cao, companhia de
cavallara de linha,
hospital militar e
quorlel do hospi-
cio, em seis mezes 2:153J6X)
dem dito ditos par-
ticulares, em seis
meses.....1:7349850
dem dito ditos da
Passsgem da Mag-
dalena,em SeiS Pie-
zas. ; .
37:378J560
42090CO 40:358*472
77;737032
f
DESPEZA.
Com o pagamento da
folfaa do 28 divi-
dendo, na razio de
39200 rs. por spoli-
ce......34:355g20O
Com dito dos dividen-
dos atrasados l:79750O
Com dito dos admi-
nistradores das o-
bras da compaobia,
fra e dentro da cl-
dada.....1:2108030
Com dito dito do es-
cripturario ... 6009CQO
Com dito dito do alu-
guel do escriptorio 2008(00
Com dito dito do ar-
mazem .... 150J(00
Com dito dito de ex-
pediente e aceio do -m
escriptorio 15080)0
Com dito das folhas
aemaoaea dos con-
servadores do acu-
de doPrata : 65O$03O
Com dito dai pasia-
gens dos caaos pa-
ra o Recife pelo
passadiso do gover-
^ no......4;OOOSO)0.
Com o pagamento da
factura doa chafa-
rizes : da cidada
nova de Santo A-
maro, Passagem da
Magdalena, e da
rampa do novo edi-
ficio do Gymoasio
Pero mbs cano, sen-
do de mo d'obra a
materiaea somente 4:50080[>0
Com dito de reparos
geraes os linha do
encaoameoto 1:85080(0
*- dito da porcen-
*atea do caita da
oajp.nhia 72105 il
S. E. O.
50:184*311
'7:55272
^g^wg* mtaqhla. do Beberiba, 19 de
O director Interino.
Joti Pertira Viann.
O can a,
Manotl Go-ifaiv,, ^ silvBt
O ecrelario tntaripo,
Jutt%no Pertira de Paritt.
Joii Joto de kmorim.
Bvnardino fog Monteiro.
{o* Branda da Rocho.
Un Antonii Titira.
Padre Antot i da Cunh e F.
\
Um requeriareoto de Jos Luis Goncalves Far-
reira e Joao Alves da Cruz, pediodo o registro do
sea contrato de sociedad-e,Vista ao Sr. desem-
birlador fiscal.
Outro dos fiscaes da moratoria de Joo Jos
de Gouveia, que baveado este fallecido no Cear
com herdeiroa menores nesta cidade, e promo-
vendo o juito de orphos o inventario para par-
tilha dos betrs, pedem expedi;ao de ordem para
a nomeac&o de carador das orphios, susta;ao do
inventari at a Hqaidaeao e balanco da casa e
cesasc&o de moratoria.Junto soa autos conclu-
sos, volteta. ^
Outro de JosGstlfSfes Malveira e Jos Mar-
ques dos Santos Aguia+^Aediodo o registro de
sea contrato social.VislSW Sr. desembargador
fiscal.
O tribunal reslveu que nao poderla servir mais
o officio de agente de leiles, por nio terem pres-
tado a flanea ltimamente ordenada pelo tribu-
nal ds segrales agentes : Jos Maria Pestaa,
Hyppolito da Silva, Vicente Camargo, Jos Cy-
priano Aotuoes, ArpheJjm Jos da Costa Carva-
Iho e Evaristo Mendes da Cunha Azevedo.
Viodo conclusos os autoa de moratoria da Joo
Jos de Coaveia, o tribunal ravogou a mesma e
mandou [submetter os autos ao juizo especial do
commeicio para immediatamente declarar a fal-
lencia.
destribuidos, sem alteado a que ellee
ler sido effctivaoflP*.8 imaginarios, coon
acontece.
Assim/poU^Yedusida a questio aos seas tersos
precisos, terr.os o seguinte : primeiro, que oa
socios cqmmandiUiioa pfinliaea s> otigsatiae
tem obrigaQo reatricU, ndalinaae da mtaaram |
par aaixa saciai ce as sommat annueisdM
no tagpsiro do teatraete social na importbala da)
850 ceios : segaarfo, qae tasto* os ditidvndcw
raaiiaados ou diattibsiaas djevem raaerter igual-
SMe 4 sassse dea ererioret como teticios, ote
esUodo iaentoe daat alrikjca *ocios saba>
tituidapela arquisigao poslauor das. ac^oaa, aob
qaarquer pretexto, porquanto a lei oBo pode con-
sentir qae estas f ra moa effeltoa da sua i f,
ou di illegilidade d* recepc.o de taea fructoi.
De outra aorta seria moostmoso que oa com-
manditarios primitivos, e os successores destss
podessem guardar beneficios, resoltantes do urna
sociedade em plena e escandalosa fallencia, e em
prejuizo dos eredores. com o dinheiro dos quaas
foram effectuados estes beneficios prematuros.
Autorisenios aioda as radas suma coa as se-
guidles palavraa da Delvencoart: < parata con-
trario s regrss dajuslica e da equidade, que a
alma to commercio, que oa asaociados ralirem
beoeQciosda urna soaiadade, que est (n do
estado da pagar seas eredores.
Aqui registramos a mxima luminosa de di-
reito commum bonanoninttlliguntur,ni de-
duelo realieno; a oa J. C. naoeessamda re-
petir iucrum entmnon intelgitur, niii omnt
damno deducto.
Bscrevemos estas llnhas,nao porque nos aba-
le a desconfianza, de que o muite probo e intel-
ligente magistrado, quem campre proMocar
sobre este desastroso evento, deacure da velar
pela sorte dos eredores, muitas dos qutes tem
perdido o sea auov da aangue.-
A coblca nao fes recuar oa promotorea da dea-
gra$a ante a scena de desolaeao, que se observa
a admira ; levaram a peiteroacao e o alarma ao
seio de familias, que, por ventura trio mendigar
mais larde caridad* publica ; eaquetram em
pleno dia com a gaza do ladrao a propriedade
albeia e infammaram a propriedade e a honra da
praca do commercio.
Voltaremos ao aasumpto se for conveniente.
Dr. Francisco Pinto Peuoa.
Recife 26 de junbo de 1862.
sTwa guarde a V. Exe.-Illm. a Exm. Sr. Jos
_ati Ferreira muidigoo capito do porto nesta
cidaa*.
COMMKUCIO.
Communicados.
A sociedade.em commandita aob a rasSo so-
cial Amorim, Fragoso, Santos & C, cujo con-
trato social flectuado no dia 6 de marco de
1860 registrado no tribunal do commercio, an-
nunciou ao publico um capital na importancia
de mil contos de ria. sendo fornecido pelos so-
cios ostensivos e solidarios a quantia de 150
contos, e pelos commanditarios a de 850, acaba
de effecluar a banca-rota mais fraudulenta e
ignominiosa de que possa haver exemplo.
A durarlo desta sociedade, a contar do dia 1*
de margo de 1860, devia terminar no ultimo de
fevereiro da 1863.
Os socios'commanditarios sao obligados al a
concurrencia das sommas subscriptas, tendo di-
relio percepcao dos lucros semestraes, t.omu i
parte do capital e lucros pela liqidac.o da so-
ciedade na poca annuociada.
Nao trataremos das condiges sociaes aob os
nmeros 14 e 15, que nos pareeem decidida-
mente contrarios ao espirito e letra do cdigo
commercial; queremos apenas fazer algumss
considerares sobre os direitos e obrigacoes dos
socios, e garantas dos eredores, respeito do
que surgem opinides diversas.
Cremos absolutamente falsa a doutrioa de que
os socios eexmanditarios nao sao respoosa-
veis solidariamente ate i concurrencia daa som-
mas por elle subscriptas.
A solidariedade, que o principio das socie-
dades em oome collectivo, toma, no caso de fal-
lencia, a sorte de todos os asaociados commum
e idntica. Todos esto conseguintemente sub-
mettidos e obrigados por sua pessoa e beos.
E' indispensavei que o fundo capital permane-
exc'iu&iv&mepte o peobor da leauranc pbli-
no aeolido contrario aSo leipeusiiii oa mesi'S
commanditarios do derramameolo na caixa so-
cial da somma promeltida. E' este o espirito da
nossa legislago.
De balde, poia, se pretende iludir as diaposi-
Ces do art 314 do cdigo commercial e da lei
de 13 de deiembro de 1854, qae tal importa a
di'iso do fundo social em acedes.
Do qae levamos dito resulta que a subsliluicSo
dos socios sem o unnime consenso dos asao-
ciados e conheeimeoto do publico, repugna com
todos es principios do direito commercial no
que respeita sociedades deste genero.
Nao duvidamos asseverar, em face da legisla-
gao, que noe guia, qae os socios commandita-
rios na podtam ttansmillir as suas acedes ter-
ceiros. E' isto o que se deduz claramente da ex-
cepgau eatabelecida no art. 314 do cdigo em-
quanto aos lucros percebidos.
Com effeito, se a quantia commsndilada deve
permanecer sempre ao abrigo de todo o risco ;
se os commaadiiarioa eetao aob a perspectiva da
reposico dos beneficios prematuramente colbi-
dos, claro, que todas essss subrogs^des e no -
vendes pelos socios primitivos para com terceiros
nao podem conferir estes direitos, que ficam
dependentes de ulteriores aver*guac.ea e pes-
quizas.
O commsoditaiio obligado a sapportaro sa-
crificio, que se aveoturou, e que determinado
pelo deposito, que elle se obrigou a foroecer, e
do quai devedor massa dos eredores. se a so-
ciedade vem a fallir.
Esta responsabilidade nao fica ah; ella mais
comprehensiva, e abraga a reposico dos lacros.
E' este perigo, que tem excitado a sollicitude
do legislador, oberando estes mesmos lucros, e
piohibindo terminantemente a divisao do fundo
social em acjoes de toda a especie transmissi-
vei.
N3o basta, pois, a responsabilidade solidaria,
indefinida dos socios complementarios ou ge-
rentes, indispensavei anda a prohibicjio for-
mal de subdividir em acedes o fondo capitalisa-
do. e a reslituicio dos lucros percebidos, que
nao podem ser reputados consumidos. Que nu-
merosos abusos nao resultaram da Italia, onde
teve o sea berco a commandita, e depois em
Franca pela propagarlo destas sociedades em
aegoes I "
Todas ellas, observa um escriptor estimavel,
eram ama obra de fraude e de velhacaria. Na
Inglaterra estas associa;des sao desconhecidas.
A idea de am portador de fuodo, nao responsa-
vel e myaterioso, em urna sociedade de cujos
lucros elle participa, nao tem fructificado.
Entretanto aa sociedades em commandita co-
megam a surgir e vulgarisar-se na America do
Norte. E* certamente urna associaco til ao
commercio, ella attrahe os capitalistas para t
especularles commerciaes na espectativa de lu-
cros ceoeideraveis, saguroa por outro lado de ar-
riscar sommas determinadas. Coovm, pois,
animar estas sociedades ; mas misler sobretu-
do rodea-las de garandas reaes e effectivs.
A este reapeito, assegursmos, primon a pericia
do nosso legislador.
A lei de julho de 1856 em Frange, modifican-
do nesta parte o cdigo commercial, encheu ama
lacuna injustifitavel para aquella nacao. Mnito
poderamoa discorrer aobre este aasumpto coa
rm antea ebegar ao nosso intento.
A sociedade em commandita sob a firma
Amorim, Fragozo, Santos & CJ o haramos
denunciado no Cura* Commercial, (o qual sendo
ama ioeiituicao, que honra sea eommereiantes,
nio tem tido entretanto a coocarrancia que era de
esperar) gyra sobre* ama base falsa, desda que
permittio a divisao daa acedes, embora nominati-
va*. Dahi a transferencia dessaa accoee e com
ella o direito i percepcao doa lacros por tercei-
ros qae no podfam a#r considerados socios.
Para que exista sociedade, e que ella persista
por am taco pesaoal e commum, como cntendsu
o nosso cdigo, misler qae oa seas membros se
tenham coohecido e contratado. E' o qae resul-
ta aioda da oalureza desta sociedad*.
E' porque se confia na f e solvabilidade dos
agentaa stasja*, qae se lhes confie seas es pi-
taes ; estes cofiBsm igaalmente na moralidade
doa cornaanditajtafc o publico dorme tranquil-
lo na raaponsaMtH Mt indeoda dos gereoles
solidarios, como* qnaascontrata em nomedesse
H^ui^L* "*** El S<> rompe de-
flnllr*Mie, desrl- q*e este* socio* admltle
N0V0BMC0
Pernambuco.
ETaT 25 DE JUNHO DE 1862.
O banco descont na psente semana a 10 /
ao anno at o prazo de 4 mezes, e a 12 /. at o
de 6 mezes, e toma dinheiro em coalas correles
simples e com juros pelo premio e prazo que se
convencionar.
Praca do Recife 26 de
juoho de 1862.
Vs cuatro \ioras da Urde.
Colaces da jauta de corretores.
Nao ouverara cotagde*.
Alfandegca,
ftandimentodo dia 1 a 25. .
Mam de dia 26.....
8067481338
9.988228
316.7361566
Bovlmento ala alfandegra.
Valaraas entrados com fazendas.. 156
a aom ganaros.. 718
Valamas sabidos
c
aom faxandaa..
com generoa..
874
49
40
asm 89
Correspondencias.
Srs. redactores. (*) Nsqaalidadede ageote da
companhia brsileira de paquetes vapor nesta
cidade, corre-nos o dever de dizermos alguma
coasa acerca da recusa que manifestaran) ospra-
ticos da barra em pilotar o Paran, quando por
aqui ultimsmente passon de sua loma vigem aos
purtosdo norte, urna res qae a ene Revistado
Diario de hoje, dando conta desse incidente, Ihe
assignra urna causa, que com quanto real, mo-
ralmente por ella nao pode ser responsavel a
compiohia. Fallamos da falta de pagamento dos
praticos, e o publico vai entrar na apreciaclo da
causa, pela qual a companhia tem deixado de re-
tribuir o servigo de praticagem deade margo de
1860 at o presente.
O governo imperial attendendo s grandes des-
pezss da companbia, e querendo aliviar os seus
navios do pagamento da taxa establecida no re-
glamento de 28 de fevereiro de 18)4 nos porto*
ou barras de sua escala, por decreto n. 2513 de
17 de dezembro de 1859, mandou que os vaporea
da companhia fossem equiparados aos navios de
guerra oessa parte, sem duvida com vistas de que
esse pagamento corresse por conta do estado.
Desde entio a companhia se considvrou isenta
desse onus, e o servigo de praticagem cootinuou
a ser feito do modo regular por que d'aotes se
fazia, manten Jo os praticos a justs esperanga de
serem retribuidos convenientemente, e nem era
possivel que o governo por esse direito quizosse
compelli-los a prestar i companhia taesservigos
gratuitamente, e nem a companbia poda manter
essa ioiqua pretengio.
Os praticos contrariados por esse nodo em
seus legtimos interesses, levaram ao eonheci-
raento do governo provincial ama reprasentagao
sobre a qual fomos ouvidos, e sem neiarmoa o
direito que lhes ssaislia, dissemos o que havia, e
em resultado nao tivetam solugao favoravel, e as
cousas cootinuaram, at que em Janeiro deste
anno o Exm. capitio do porto officiando i re*-
^te^.Ei,upr rtfff ezembro de 1861 do ministerio da agricul-
tura, commercio e obras publicas, com referen-
cia aos avisos do ministerio da marinha de 14 de
abril de 1857, e de 6 de novembro de 1861 tam-
bera do ministerio da agricultura e obras publi-
cas, este em referencia companbia Peroambu-
caaa, a aqaelle Vigilante, acerca do pagamento
de praticagem ; considerando applicaveia com-
panbia brsileira as disposigdes desses avisos.
Desta decisio nao tivemos conheeimeoto seoao
por intermedio do mesmo Se capitao de porto,
qae leve a bondade de traosmittir-nos copla da
respoata da presidencia ao seu citado officio.
Parecendo-nos que a questio nio eslava con-
venientemente illucidada, por isso que os avisos
citados nio se referiam de modo algum ao decreto
de 17 de dezembro por n* j citado, dirigimos
ao Sr. capitao do porto em fevereiro do correte
aono o officio que abaixo vai transcripto, e lado
levamos ao conheeimeoto do gerente na corte
para proviJeuclar a tal respailo, e sem duvid
est pendente do governo geral a solugao desse
negocio, e com fundamento esperamos que o pr-
ximo paquete, ou no de 13 de julho alguma cou-
sa veoha a esse respeito, e foi isto que promette-
moa a S. Exc.
Eis poia o que ha occorride acerca do paga-
mento dos praticos, e com razSo autorlsada se
nao pode atlribuir companhia esas falta, autes
pelo contrario ella sent que isso se lenha dado,
porque, como nos, recoohece que ninguem tem
direito deusofruirolrabalho d'outrem sem relri-
buigio ; e, pois, cremos que oio tem razio a Re-
vista Diaria, quando lalvez por falta de infor-
magao se pronunciou respeito da companhia do
modo porque o fex, ao passo que. tratando do
mesmo assumpto um jornal desta cidade de hon-
tem, fe-lo de maneira que sem faltar censura
nao sllribuio a companhia motivos {atis para
furlar-se ao pagamento dos praticos.
Cremos ter dado ao publico a nscessara ex-
plicagao e concluiodo esiaa ligeiras observa-
gofs, nio podemos deixar de manifestar nossa
gratidao ao Exm. preaidente da provincia pela
benevolenci a com que somoa acolbidos sempre
que a palacio nos dirigimos a respeito dos nego-
cios da companhia, e nao menos credor di nossa
eslima o distincto Sr. capitio do porto.
Recife, 26 de junbo de 1862.
Antonio Luiz de Oliveira kzevedo & C.
Agencia da compaohia brsileira de psquetes a
vapor.Pernambaco, 10 de margo de 1862.
lilm. e Exm. Sr.Esta agencia aecusa a recep-
gao do officio de V. Exc. de 22 do correte, em
que por copia d-lhe conhecimento do officio do
Exm. Sr. presidente da provincia de 18 do .cor-
rete mez expedido aob consulta que ao mesmo
Exm. Sr., flzera V. Exc: em officio de 20 de Ja-
neiro deste anno a em resposti tem a satiafagao
de ponderar a V. Exc. que a compaa brsilei-
ra cunea poz em duvida o direito que tem oa
praticos da barra a serem iodemnisados do servi-
go de praticagem que prestara ao* vaporea da
mesma companhia nos portos de sua escala e
menos manlem a pretengio de qaerer coa-
gir os referidos praticos a preatarem taes ser-
vigos gratuitamente, e tanto certo que a agen-
cia desta companhia neste porto, promptamente
indemnisava aoa praticos esse servigo, e se ellea
tem sido preteridos no pegamento desses servi-
gos, nio pode por isso ser responsavel a com-
panhia, que desse onus foi isempla em virtude
do contrato feito com o governo imperial, firma-
do por decreto de 17 de dezembro de 1850, pelo
qaal foram ob navios ds companhia, equiparados
aoa de guerra para effeito do pagamento da taxa
esiabelecida no r.egalameoto da 28 de fevereiro de
1854.
E pois sendo incontestavel a existencia desse
contrato, e nio sendo os avisos do ministerio da
agricultura, commercio e obraa publica* de 6
de novembro, e 9 de dezembro do anno prximo
psssado com referencia do ministerio da marinha
de 14de abril de 1857, derogatorio do sotoredito
decreto, cujss disposigdes conliouam subsisten-
tes, e em sea intero rigor obvio que, a com-
panhia nao corre a obrigagio da indemnlaar o
servigo de praticagem nos portos de escala doa
seas navio* ; e nesta conformidade esta agencia.'
Letreiro1 dito s. n., rindo de Havre pela galera
OUada, aotrada em 10 fe ageato de 1859; e
tendo4pare.de meiaa de'"algodio-"o"rdnarTa.'aem!!1ed^0^pne, **, do Htrre ,, .,,.
curta, e grande*, valor da d.zi. 1|200 r... UUl. "Ka.'enUi m 10 !,l*vilf??g.
Brai
250 r*.
1 embrulho da marca SXCP n. 144 e 146, con-
l066r*.
1 barril da marca DJGB, contando 12 linteiros B-fSton. 193/194, viodo do Hatre pala gale-
Deacarregam no dia27 dejaoho.
Barca americanaImperadorfarinha.
Barca inglesaCorabacalho.
Galera frsncezaAdela -mercadoriar.
Brigue inglezElizabelhmercadorias.
Lugre portugaezJuliovinho.
Barca ioglezaEliza Handao reato.
Importuyao.
Vapor nacional Jaguaribe, precedente doa por-
tos do norte, consignado Agencia Pernambu-
cana, manifestou o seguinte :
665 mtios de sola; a Manoel Gongalvss da
Silva.
342 ditos dita ; a Joio Jos de Carvalho Mo-
rses.
121 ditos dita, 7 barricas sebo ; a Jos Ro-
drigues Ferreira.
504 meios de sola, 7 coaros salgados ; a Gon-
galo Jos Affooso.
34 librea cera de carnauba, 31 moihoa eouri-
nhos corlidos. 86 coaros salgados, 10 meios de
sola ; a L: A. Siqueira.
11 molhos de palha de carnauba, 50 couros,
2 caixdea e tres barrios queijos, 1 dita carne
secca ; a Manoel de Soma Carneiro Pimpio.
5 barricaa queijos, 1 sacco peonas, 7 molhos
courinhos, 1 caixio carne aecca, 1,000 eateiras
de carnauba, 150 molhos de palha de dita; a
Bernardo Jos Monteiro.
.12 garajos carne secca, i caixio queijos, 1
barrica saho ; a Palmeira & Beltro.
3 garajos carne secca, 1 dito sebo ; a Coime
Joa dos Saotoa Callado.
2 ditos csrne secca e sebo, 1 caixio queijos ;
a Francisco Alves Pontee.
3 caixdea queijos; a Jaquim Vieira de Barros.
1 garajo carne aecca ; a Antonio Moreira
Lima.
1 caixa fazeoda de algodio; a Soathall Mel-
lors & C
6 fardoa ditas; a Jos Lacas Ferreira.
1 cavallo a 4 bois; a Francisco de Paala Fi-
gueira deSaboia.
54 aaccoa caf pilado, 494 meios de ola. 112
barricaa sebo em rama, 1 ditas ovos de gallinha,
4 dita* csrne secca, 3 ditas a 1 caixa queijos, 1
dita manteiga, 32 pegas de ferro usado e 2 mo-
lhos de cobre velho; a ordem.
Exportado
Do dia 25 de junho.
Barca ingleza Etita Bands, para Liverpool,
carregsram :
._Jphnton Pater & C, 400 saceos com 2,000 ar-
U.rca ingle Linda, par Liverpool. ...
garam :
Phipps Brothers & C, 241 saceos com 1.025
arrobas de assucar.
Patn Nash & C, 1,000 saceos com 5.000 arro-
bas de dito.
Palacio inglez Busy, para Liverpool, carre-
garam :
Patou Nash & C., 1,033 saceos com 5,165
robas de tssucar.
Barca ingleza Miranda, para Liverpool, carre-
gsram :
_ Saunders Brothers & C, 1,000 sacco*
5,000 arrobas de assucar.
Southall Mellors & C 30 saceos com 158
robas de algoilio.
Brigue portuguez S. Manoel I, para o Porto
e Lisboa, carregaram:
Jos de Paiva F. Jnior. 1 caixio com 102 li-
bras de doce e 1 barril com 35 medidas de
agurdente de cinna.
-26-
Barca ingleza Jfironda, pira Liverpool, carre-
garam :
Southall Mellors & C. 6 aaccoa com 30 arro-
bas e 11 libras de algodio.
N. O. Bieber & C, 62 saceos com 314 arrobas
de algodio.
Barca ingleza Linda, para Liverpool,
ram :
Phipps Brothers & C, 1,000
arrobas de assucar.
Patacho inglez Busy, para o Liverpool, carre-
garam :
Patn Nash Si C, 368 saceos com 1,840
bas de assucar.
Brigue dioamarquez Johanes, pira o Canal car-
regsram :
N. O. Bieber & C., 300 saceos com 1,500 arro-
bas de assucar.
Brigue hespanhol Corina, para o Rio da Pra-
ta, carregram :
Amorim Irmios, 36 pipas e 8 meias ditas com
7,360 medidas de cachaga.
Brigue porluguez S. Manoel I, para o Porto e
Lisboa, carr*garam ;
Manoel Ferreira da Silva, 2 barricas com 9
arrobas e 9 libras de assucar.
Jos Candido da Silva Pinto, 3 rolumes com 11
arrobas e 12 libra* de dito.
Hecebedoria de rendas Internas
Cernes de Pernambaco.
1200 rs., 451600 rs.
PRC1 esixa a. 13 viada do iPorto na baa in-
glesa Oleysoa, contando 12 libra* ae lisa em
paono, valor de libre 134 rs., total 1|608 rs.; e
10 libra* de anta para escripia, valor 320 r*.
1 caixa sem esmero virada do Porto na barca
Ingleza Bonita, contando 49 frasco* com mus-
tarda em consarva, pasando 36 libra*, valor da
libra 267 rt., 9*611 l*.
5 caixaa da marca AMS contendo 576 libra* de
botos de malha, valor da libra 600 rs., 345|600
ris.
1 caixa sem numero ds marca GG, rinda do
Rio Grande do Norte, contendo 5 chapeoa de
seds redondo* para homsm. am 5jJ, total 250.
13 chapeo* de II ordinario para homem valor
de am 1|200 rs., total 156600 r*.
1 embrulho ds marca CM, o. 19 a 20, rindo de
Hamburgo, contendo 4 parca de maiaa de algo-
dio, ralorda duzta 326, total l$066 r*.
20 caixa* da marca diamante A, rinda* de
Liaboa na barca portuguesa Progressista, con-
tendo 18 1{3 de daaiaa de garrafaa inteiraa de 4
por medida, com 55 medidaa de vicho doce, va-
lor da medida JJlOO rs., total 1156500 r*.
4.a (ecco da alfandega 25 de junho de 1862.
.0 Ia eseripturario,
.Firmino Jote de Oliveira.
O Illa. Sr. inspector da Ihesoararta pro-
vincial em camprimento do resolugio da junta
da fazenda, manda convidar aos proprietarios
abaixos declarados, pira entregaren: na mesma
thesoursria no prazo de 30 dias, a contar do dia
da primeira publicagao do presente, a importan-
cia das quotaa com qua devem entrar para ff cal-
camento da ra daa Liraogeiraa e paitea da do
Queimado, a comegar da eatramidade da do
Raogal al a esquina da roa Estreita do Rosario,
conforme o disposto na lei provincial n. 350.
Adre re-se que a falta da entrega voluntaria
ser punida enm o^duplo daa referida* quotas,
aegundo o artigo 6* do regulamento de 20 de de-
zembro de 1844.
Ra das Larangeira*.
N. 2Claudio Dobeux.....
dem 4Anna Maria da Concelgio.
dem 6Anna Thereza do Sacra-
mento..........
dem 8A mearas.......
dem 10Ordem 3a de S. Francisco
dem 12Maria do Carmo Moreira
Fragozo, Bernardina Jacintba Mo-
reira Fragozo, Francisco Moreira
Frangozo. ........
dem 14Marcellino Jos Gongal-
rea da Ponte.....: .
dem 16Irmandade do Divino Es-
pirito-Santo........
dem 18Dr. Felippe LopesNetto .
dem 20Antonio Ferreira Braga .
dem 22Jos Francisco Fernandes
dem 21Herdeiros de Antonio Lei-
te Pita Ortigueira. .....
dem 26Antonio Jos Das'. .
dem 28 Herdeiroa de Antonio
Mello Cortea, :......
dem 30Irmandade do S. S. Sa-
cramento de Santo Antonio. .
dem 1Joio Antonio Carpiateiro
da Silva..........
dem 3Joaqnim Antonio da Sil-
'ir*..........
dem 5Barlholonio Francisco de
Souza..........
dem 7Jos Pinto da Costa. .
dem 9Joio Francisco da Santos .
dem 13Jos Googilves Torres .
dem 15 Herdeiros de Antonio
Mello Cortes........
dem 19Joio Neponuceno de Pai-
la e Silva.........
dem 21Viuva de Victoriano Jos
da Medeiros........
dem 23Elizo Alberto da Sil-
veira...........
dem 25Anna Joaquina Xavier
Carneiro. .,..., .-
dem 27Manoel Ferreira Ramos,
dem 29Luiz Gomes Silverio* .
dem 21Francisco Luciano do Re-
g Calalo r >*. ....
Soa do Queimado. '
a. ei.... Harta
ar-
com
ar-
ca rrega-
saccos com 5,000
arro
726000
459000
36$000
369000
549000
I209OOO
1359000
37J50O
165J000
215600
36$000
279OOO
959000
459000
289800
219600
289800
135g000
369000
309000
122J400
129(000
4500O
103J500
369000
12S60O
289800
369OOO
219600
Randimento do dia 1 a 25.
Id.m de dii 26.
29:6489495
2:8724082
32;520577
Conenlado provluelal.
Randimento do dia 1 a 25. 76:047*033
dem do dia 26. ..... 5:800*273
81:847J306
Navio entrado no dia 26.
Buenos-Ayres24 dias, brigue hespanhol 7r,,
ni, de 220 toneladas, capitio Joa Marestany E P"" constar se mandou
eqaipagsm 12, carga 5,500 qaintaes hespaohoes Puble Pl Diario.
Pereira Lobo Jos joaquim Pe-
reira de Mendooga. .
dem 22Manoel Ignacio de Oli-
veira...........
dem 24Malbias Lope* ds Costa
, Maia......: .
dem 26 Joaquim da Soaza de Mi-
randa Couto...... .
dem 28Antooio|JoideMagalhaes
, Bastos. :........
dem 30Viuva e herdeiros de Jos
Leao da Castro.
dem 32 Rodrigues & Ribeiro e Jos
Francisco Lavra Peona .
Idea, 34Jos Francisco Lavra. .
Sem 36 Rodrigues 4 Ribeiro. .- .
dem 38Antonio de Azevedo Pe-
rei..........
dem 40Herdeiros de Francisco
Gongalres Rodrigues.....
dem 42Albino Jos da Silva; .
dem 44Bernardioo Jos Monteiro
dem 46Filhos de Manoel Carnei-
no Lins ;......
dem 48Dr. Sebssllio Goncalves
da Silva e Dr. Ludgero Goncalves
dem 50Viuva e herdeiros de Joao
Manoel Pereira da Abreu .
dem 52Capailas dos Prazeres de
Guarsrapas....... .
dem 31Antonio Jos de Msga-
lhiea Bastos.......,
dem 33Jos Moreira Pontese Al-
bino Jos Ferreira da Cunha. .
dem 37Irmandade daa almas do
Recife..........
dem 39Antonio Jos de Msga-
lhies Bastos........
dem 41ViscoodedeSuassuna. .
[iem 43Jos Francisco Larra. .
dem 45Jos Francisco Lavra Peu-
na ...........
dem 4Zaat* mesmo
dem 49B
teiro
dem 51Bernardino Lepes de li-
reirs ..........
dem 53Innocencio Rodrigues Li-
n*...........
dem 570 mesmo......
dem 59-Alexandre Jos da Silva,
dem 61Orphio Jos Rodrigue*
Lima........ k
dem 63Bernardino Lope* de OH-
era..........
dem 65Maria do Carmo Nunea
Ferreira.........
dem 67Herdeiro* de Joio Vieira
Lima..........
dem 69Alexandre Joa da Silva.
dem 71Antonio Pereira de Oli-
veira Ramos. .......
dem 73O mesmo......
dem 75Orphio Joio Rodrigues
Lima ....:...;.
dem 77Alexandre Jos da Silva,
dem 790 mesmo......
HB4C-1 dito n. 25/28, rindo do Harre pela
galera fmneeza Adele, entrada em 30 de agos-
to da 1859 ; a H. Bram.
Le.rairo1 embrulho a, n., rindo do Havre pala
Blera francesa Adele, entrada em 30 de agosto
59 ; a H. Bram.
dem1 dito s. n., rindo do .Havre pela barca
ftaaceza Atrato, entrada em 22 de setembre da
1859; a H. Brum. *
dem1 dilo n., rindo do Han* pela btrea
francesa Atrato, entrada em 22 de setembro da
1859 ; s Ferreira Hslbeu*.
R B1 dilo n. 19297, rindo do Hirre pela barca
fraoceza Ville de Bollogne, entrada em 1 4a
outubro da 1859 ; a Ferreira Matheus.
Letreiro1 dito a. n., rindo do Havra pela barca
fraoceza Ville de .Bologoe, entrado em 1 de ou-
tubro de 1859 ; a Ferreira Mithaus.
Triangulo.R1 dito n. 66, rindo do Harre pela
barca francesa Ville da Bologne, eotrada em %
de outubro de 1859 ; a Ferreira Malheaa.
J P A & C1 dito a. n rindo do Havre pela ga-
lera francesa Berthe, entrada em 31 de outubro
da 1859 ; a Ferreira Mathaus.
Letreiro1 dito s. o., rindo do Hsrrs pela ga-
lera frsnceza Berthe, entrada em 3 de novem-
bro de 1859; a Luiz Aotonio de Siqueira.
dem1 dito 1. o., rindo do Harre pela galera
francesa Berthe. entrada em 3 do novembro da
1859 : a J. di Silva Paria,
dem1 dito a. o., rindo do Harre pela galera
franceza Berthe, entrada em 3 de novembro de
1859 ; a F. Sourage & C.
dem1 dita s. o., viodo Havre pela galera frao-
ceza Berthe, entrada em 3 de novembro de
1859; a J. Keller & JL
E L1 dito o. 24, rindo do Hirre, pela galera
franceza Berthe, entrada em 3 do norembro de
1859; a J.KelUr&C.
Armazem n. 1.
Marcas M L&C. l calan. 1109 riada do Harre,
pela barca franceza Sphere, entrada am 17 de
norembro de 1859 ; a I. Ileller & C.
Letruiro1 embrulho s. a. rindo do Harre, pelo.
brigue francez Belem, entrado em 30 de no-
rembro de 1859 ; a F.Soarage & C.
Mousseu & Vinsssa.1 dito sem numero rindo do
Havre, pelo brigue fraocez Belem, entrado era
30 de norembro de 1859; a F. Souvage & C.
Armazem o, 5.
Marcas T. I. Medeiros.1 embrulho sem numero-
rindo do norte, no vapor nacional Princesa d
Joauville. entrado em 9 de norembro de 1858 ;
T. I, Medeiros.
M. M. Rocha.1 dito sem numero vindo do norte,
no vapor nacional Cruzeiro doSul, entrado em
29 de oovembro de 1858; a Manoel M. Rocha.
Francisco Figueiredo.1 dito sem numero rindo
do sul no rapor nacional Cruzeiro do Sul, en-
trado em 29 de dezembro de 1858 ; a Franciseo
Figueiredo.
H G1 dito sem'namero rindo do norte, no ra-
por nacional Iguarass, entrado em 11 de Ja-
neiro de 1858 ; a ordem.
Pedro A. Lobo Moscoso. 2 caitas sem numero
rindas do norte, no rapor nacional Iguarasa.
entrada em 24 de margo de 1851 ; a Luiz An-
tonio Vieira & C.
M. Pona.1 dita sem numero rinda da Sou-
tbamptoo, no rapor portugus Portugal, entra-
da em 29 de setembro de 1859; a L. Antonio
Vieira & C.
E traressio B2 sacco sem numero rindo de Li-
verpool, na escuna dinamarquesa Arance,
entrado em 19 de ootubro de 1658, a Patn
Nasb & C.
Armazem n. 6.
Majcaa G C2 ceixotes sem numero rindos do
Msranbio, no hiate nacional Lindo Paquete,
entrado am 23 de maio de 1855 ; a ordem.
Armazem n. 7.
Marcaa S Iraresaio.2 ombrulhos ns. 610 e 620
rindos de Hamburgo no brigue hamburguez
Augusto, entrado em 3 de outubro de 1859,
Mousen & Vinnassa.
M Si V.1 dito n. 42 rindo de Hamburgo no bri-
gue hamburguez Augusto, entrado em 3 de
outubro de 1859, a Mousen & Vinnassa.
FC1 dito o. s. vindo de Hamburgo no brigue
hamburguez Augusto, entrado em 3 da outu-
bro de 1859, Joio Bapliata Fragoso.
Armazem n. 8.
Jlatcoa nanmituic r>. r. ..i. i riada da
ternardino Jos Mon-
de carne aecca ; a Amorim" Irmio. Velo rece-1
ber ordena e aegaio para Harana.
Navios taidos no mesmo dia.
1359000
905000
979500
909000
2409000
240JO0O
2O892OO
90{000
909000
150|000
1509O0O
I2O9OOO
4509000
3759OOO
I359OOO
1509000
1509000
4509000
1569000
1359000
4059000
I8O9OOO
36S0O0
759600
579600
906000
75JOO0
45S000
459000
459000
459OOO
9O9OOO
60g000
459OC0
609000
459OOO
459OOO
379500
6OSOO0
68S0OO
amxar o presente e
de Per-
Secretaria da tbeaoararia provincial
nambuco, 14 de juoho de 1862.
O secretario,
. Antonio Ferreira d'Annanclacao.
K,." f rataBrigoe nacional Meniageiro, capi-1 De ordem da inspeegio da alfandega ae faz pu-
lso Firmino Mana Torelly, carga assucar e Mico/que eziatiodo noa armazeoa da alfandega a
aguardante. .bem do prazo marcado no art. 302do regulamen-
Valparalzo-Barca ingleza Oawr.o^AeSoti>.A,ca-> de 19 de aetembro de 1860, aa mercadorias
pillo Andrew Blair, carga assucar.
;*) Por ter rindo tarda ante-hontem, deixouda
*r publicada a presente correspondencia nq na-
ncro do faoatem.
_ A Rtdaccdo,
Editaes.
(abano designadas, sao convidados os seas dono*.
oaconsfgoaiario* A riram despacha-las no prazo
=^*> I de 30 diaa, contados desta data, findo o qual se-
rio arrematada* em hatta puMies,"sem que Ihe
, flS ompetiodo allegar cousa alguma contra o*
,.' enalto* desta venda.
- Pela oapcecao da alfandega se fsz publico' Armazem n. 1. ka
que no da 28 do correte mea a porta da mea- Mares* A P S1 caixa 1494 rinda do sul no
?rrc5Su?2VhJl!.!!te d* ffl,,?U'.M h\ d! lWt\*Uto\n9.9to^.\iu
arrematar os objectos constante* do* rolumes norembro de 1847 ; a Brandar Braodis
ilw^iW-i"' f0B"'dM baonado. Letreiro-1 embrulho n. 11714. r'ado da^Ham-
??h-.i-liJ *Y !\\ ^ d0 re">''n"nto Jo barga pelo patacho bollando* Elisabetb, eotre-
JV.aSSI V 1M0 T*? "nalSo O emi outubro de 1858; a J7 Eeirci C.
we de direitos ao arrematante. SiAab*Uln--l am, u ^ ^ do I,' u
1 embrolho contendo 2 caixinhas de papelio.
1 Mm na mero 2, comlnorelo* de linha de algo..
bate* franceza Rio Grsndaoaa. entrada as de
julbode.859; aJ.aeil*f&C.
Liverpool na barca iogleza Elisa H.nda, entra-
da em 6 de agosto de 1859, a Johoston Pa-
ter & C.
Diamante R,12 barricaa sem numero rindes do
Soulhampton no rspor inglez Magdalena en-
trado em 29 de norembro de 1860. a W. Rav.
mundo & C J
Diamante G.1 bah sem numero rindo de Lia-
boa no brigue portuguaz Constante entrado
em 8 de fevereiro de 1859, a Rolim.
Diamante A.20 caixas sem numero viadas de
Lisboa no brigue porluguez Constante, entra-
do em 8 de fevereiro, a Rolim.
Sem marca.1 dita sem numero rinde de Lis-
boa no brigue portuguez Progressista, entrada
em 11 de margo de 1860, a ordem.
Armazem o. 9.
Marcas M diamante FflWQ.1 atado da ps sem
numero rindo de Liverpool pela barca ingla-
" Genoveva entrada em 24 de agesto da 1858
E. H. Wyatt. r
Armszem n. 9.
Marcas J. Pater & C1 embrulho sem numero
rindo de Lirarpool, no brigue inglez Eliza
Hands, entrado em 9 de abril de 1861. a
Johoston Pater & C.
Diamante A.1 caixa sem numero rinda da LI-
rerpool no brigue sueco Rateten, entrada em
10 de margo de 1859. s Marques Amorim.
MM.3 barris sem numero rindos do norte no
rapor nacional Oyapotk, entrado em 3 de no-
rembro de 1858, a S. J. Teixeira Bastos.
Sem marca.1 pega de estopa aem numero vinda
da Baha, na sumaca nacional Horteocia, en-
. Irada em 10 de fevereiro de 1859, a ordam.
M Figueiida de Faria.2 embrulhos sem nu-
mero vindos de Liverpool no vapor portuguez
Portugal, entrado em 26 de junho de 1860,
Manoel Figueirda de Faria.
P. M. S. 1 lata aem numero vinda da Europa
e no vapor ioglez Brasil, entrado em 25 deiulbo
de 1860 ; a Manoel Silreira.
T & B.1 barril sem numero, rindo de Lisboa
no brigue portuguez Promptidao, entrado em
22 de setembro de 1858 ; a Manoel Duerte Ro-
drigues.
M. 1 barril sem numero, rindo de Lisboa no
brigue porluguez Relmpago, entrado em 18
de miio de 1859; a Thomaz de Aquino Fonce-
ca & Filho.
Sem marea. 2 gaiolas sem numero, rindas no
brigue portuguez Pronfbtidao, entrado em 26
de dezembro de 1859 ; & ordem.
M.1 caixa sem numero,rinda do Porto pelo na-
vio portuguez Amalia I, entrado em 26 de ju-
lho de 1861; a Manoel Jos da Fonceca.
M F C. 14 mauncaa de albos sem numero, rin-
das do Porto ao brigue portugus Amalia I,
entrado em 26 de julho de 1861 ; a Ignacio
Ferreira da Coala.
Armazem n. 10.
Marca S & T. 1 caixa n. 76, rinda do Rio de
Janeiro 00 brigue nacional Joven Arlhur, en-
trado em 31 de margo de 1860 ; 4 ordem.
Sem marca. 2 caixaa sem numero, rindas do
Rio-Grande do Norte pela barca Arrogante,
entrada em 6 de norembro de 1860; a Joa
Aires Ferreira.
1 dita n. 4, rinda do norte no rapor nacio-
nal Iguarass, entrado em 9 de margo de 1861;
a Kalkman Irmioa.
Letreiro. 1 embrulho d. 228, rindo de Ham-
hurgo na eacuoa hamburguesa Veiseni, eotra-
da em 2 de junho de 1860 ; a D. P. Wild & C.
M1 caixa n. 2, rinda de Hamburgo na barca
aarda Paulo, entrada em 2< de margo da 1860 ;
a Bastos & Lemos.
L F 4 R. 19 caixaa de ns. 1 a 19, rindaa de
T Hamburgo 00 brigua hamburgus Anette, en-
trado em 31 de oatabro de 1860 ; a D. P. Wild
&C.
4a seccio da alfandega. 14 de junho de 1863.
O eseripturario,
Firmino Jos de Olireira.
O 111 m. Sr. inspector ds thesouraria pro-
vincial em cumprimento da ordam do Exm. Sr.
presidente da provincia, de 7 do crrante, man-
da faser publico, que no dia 8 da julbo prximo
viadeuro, psraniea junta d* faieoeo da mesma
Iheaoerarla, se ha da arraaaatar a qaeaa per me-
nos Otaca obrada bomba-de riacho Chacea aa
ramicacao da estrada de Maribccs, araliada na
qaanUa de 1:3206000.
A irr*mat*gio accA faite a* foca** da lei pro

I

i
i
rv


me
pget?^^.

r B---------^
t
jiaa flt wteattilBflw +* ttBH gaaiiTPimiH pe i*
eeb ai
vintial n. 843 dla de mate de 884,
clauulae eepedaaa abslxo copielaa.
?i peno que le neoposeien; esaa irrimi-
teclo co#parecam na 1 dasiaaioes da referi-
da iunts, no di* auprameucioiwlo palo MO
dia e competentemente habilita tai.
E para constar ae mandn aforar o praitate a
publicar palo iario.
Socretaria da thttoarana provincial da Pr-
aanbuco, 11 da jaabo da 186S.
O aecrslario, Antonio Ferreira da AnnuncUgao.
. laoaulaa especiaei para a immatsgio.
1/ a raparoa preeiaoaso aro do [Chacn, na
iportancia da 1:3109000, aeran laitu da eon-
formidade com o reapeciivo orgaminio, eppreva-
do pala directora em conaelho.
8.* No praxo de 15 dial o arrematante princi-
piara abra, reuniode oa maten aei, a logo que
aa aguss do riacho Chacn derein lagar, tari o
trro do rombo e aa mala obraa
3.* O arrematante obaervar -ea trela mente aa
inatrucgdaa doeogenheiroencarregiido d Gsca-
lisagio e direegao doa trabalhoa, e bem asaim o
que a raspaito da a lei provincial e. 286.
4.a O pagamento aera effectualo em duaspres-
taces iguaes, sendo a primeira qunndo o aterro
eativer de todo concluido, eaaetutida logo que
aa obraa estiverem concluida!. C arrematante nio
flear aujeito a reapooaabilidade alguma, depoil
de terentregado a obra.
5.a O arrematante nao terS di rallo a iodemni-
aacio alguma, qualquer que lija o motivo em
que ae basear para tal flm.
Conforma.O lecretario, Antonio Ferreira da
Anounciacio.
O Illa. Sr. ioapeetor da th >sonraria provin-
cial, em cumprimento da ordem doExm. Sr. pre-
idete da provincia de 12 do corr inU.mandafazer
publico, que no dia 18 de setomlro prximo iu-
turo, peraote a junta da fazenda da meama the-
aouraria.'ae ha de arramatar, quem por meooi
fiaer a obra do calc>menio dea r jai do Aregio e
Roaarioda Boa-Vista at sabir no pateo da Santa
Crux, aandoa primeira 201 bracia quadradaa de
superficie a eegonda 44 bragae timbem quadra-
daa, que, a razio de 51 JOCO cada una braga, Im-
porta toda a obra em 12:250^000.
A arrematarn aera taita na forma da lei pro-
vincial n. 343 da 15 de maio de 1854, e aob aa
clauaukaa eapeeiaea abaixo mencionadas.
As pessoaa que ae propozerem a ana erremata-
ao comparegam na aila das seodes da refariia
unta, no dia cima mencionado, pe o meio dia e
competentemente habilitadas.
F para constar ae mandn publ car pelo Diario.
Secretaria da theeeuraria provincial de Per-
nambuco, 17 de juoho de 1862.O secretario A.
F. de Annuncieeio.
Clausulas especiaes para a amitmtaeio.
1.O arrematante dar principio eos traba-
lhos trinta dias depois de aaaignido o termo do
contrato na repartilo competen!), e conelul-las-
ha no praxo de aeis mexes confios da poca em
que terminar o praxo de trinta dias supra men-
cionado.
2.aO arrematante ser obrigedo a attenderas
obrsedes do eogenheiro enearreg do da anecio a
fiscalisaro dos trabalhoa, concornimtea a boa
execiiqSo da obra.
3.aFica o arrematante aujeito a obrar em toda
aua plenltude aa prescriptoes conlid&s no orna-
mento.
4.a0 pagamento ser teito por prealaces
meosaes correspondentes ao amare da bracas'
concluidas, (cando, porem, reco hldo theaou-1
raa, como deposito, para garantir a obra at fi-
nal concluso, a decima parle do valor dos cer-
tificados mensaas ; aa quaea lhe serio entregues
um mex depois da concluida a obia ; e aendo que
ella ae ache em bom estado, e caso assim nao
acntela, o arrematante ser obr gado a separa-
la para ter direiloao recebimenlc.
5.* O arrematante Oca iguala ente aujeito as
disposigde dahi o. 286 que diz im reapeito as
arremataedea.
0.aNo aera em lempo algum atendida qual-
quer reciamaco por parte do ariamatante ten-
dente a iodemnitagio qualquer q ib seja as alie -
gacoes em que se bascar para ess> fim.
(Conforme]A. F. de Aonunciaco.
- 'fefante o film. ir. jaW-'*tjwt do 2/ dia-
trieto da Boa-ViaU o tente Tkom Carlos Pe-
retli, aa tem de arrematar por execugao de Joa-
qalm Ignacio Ribeiro Jnior, contra Thomai Pin-
to de Qaeiroz, direraoa moveia conatantea do ca-
deiraa.jnarquaaa. bancaa, lanternas, e qaadros,
Mdo a primeara uremata(o no dia 23, -a se-
{uadaa 98, a a terecira no dia 30 do corrente, s
horas da manis. *
Por ests subdelegada se faz publico que ae
ach depoaitado desde a manhia do dia 24 do
correla, nm cavallo caitanho de tamanho rega-
lar, coa o p eequardo calgado da brinco, a in-
taite. com eeptafcego bastante maltratado pro-
veniente de cangalha, o qaal cavallo fora appre-
heoaido por aoapeitca de ser furtado : quem for
aeu legitimo dono, compares* oeita subdelegada,
que prevaodo Ibe aera entregue.
Subdelagacia da regueiia de Santo Antonio do
Recite 25 da juoho de 1862O subdelegado,
Manoel Antonio de Jess Jnior. '
Irispecgo do arsenal de ma-
rinha.
Da ordem do Illm. Sr.inspector, na conformi-
dade da aulorisagio do Exm. Sr. preaidante da
provincia, face publico, que em 26, 28 e 30 do
corrente mez achi-ae i randa na porta do almo-
xarifado da marinha. daa 11 horaa da manhia ao
meio dia. o caico do brigae Cearanie, com os
objeclos fixos, avaliado em 150f.
lospecco do arsenal de marinha de Pernam-
j buco 22 de junho de 1862.
E. A. Barbosa de Almeidc.
Inapeclor.
Conselhe administrativo.
POLIUTO.
O enredo daata bella opera i o martyrio da al-
guna christios que se ucriQcarim pela proprla
religiio, perseguidos pelos ascerdotes de Jpi-
ter Dedo, imparador romano, a Severo, aeu pre-
consal.
A accao psssa-se em Milltenaa, capital da Ar-
menia, no anno 267 de nosaa era.
Atsos Btaritiraot.
Para o Aracaly.
Segu bravamente o hiato cExhalagio, para
carga e pauagelroi, trata ae com Gurgel & Ir-
ruios, no eserlptorio da ra da Cadeia n. 28.
Para Lisboa.
Tem de sabir com multa brevfdade o lugre por-
ttifa aJulio, 0 saperior marcha, tem a maior
parta de aua carga comprada, e para o reato da
mesma e passagsiros, a quem offerece os melho-
res coomodos, trata-secom o consignatario Tbo-
maz de Aquioo Fonaaca, na rus do Vjgsrio o. 19,
primeiro andar, oo com o capitio o Sr. Francia-
co Antonio Melrelles, na praga.
Lsriloes.
LEILAO
BE
DaseiaraeofA.
Sexta-feira 27 do corrente, anda a audien-
cia do Sr. jutz de paz do 3.a diatricto da freguesa
da Boa-Vista,ser arrematado en prara publica
am sof de Jacaranda avaliado per 3Qg, 2 conso-
los de Jacaranda com pedra marmore, avaliado
aar Ofi. a lima-^' i -** ""'SE r^A" "'
more, por 308T*o em bom eitt 4a, por exo-
cucao de Jos Bsptlsta Tflbelro le Faria contra
Muoel Jos de Luna ; a ultima praga.
Censelho econmico do batalho de in-
fantaria n. 9.
Semestro segundo da julbo a deziimhro de a862.
Precisa o mesmo cooselho contratar para auas
pracas arraoxadas os gneros aegnintei:
Assucar branco de caroco, arro-.: pilado, azeite
doce, caf em grao, farioba de n andioca, eijio
preio ou mulatioho, manteiga fraiceza, toucioho
de SaBtos, Lisboa ou da terra,',?inagre de Lisboa,
bacalho. carne aeces, carne veide, leona em
achas, piea de quatro e seis en;a : as bases do
contrato sero apreientadaa peo conaelho na
respectiva secretaria pelas dez horas da dia 28 do
corrente, sem mais espera, para o que convida a
concurrencia dos senhores negoci mies, como taes
conhecidos, e que se obriguem a fornecer todos
oageoeros, meos "pes qoe de ramo diverso,
de boa qualidade. m ,
Quartel na eidade do Recife U de junho de
186i.O tente satresiio. Jos i Francisco de
Moraes Vaaconcelloa.
0 conselho administrativo, para foroecimento
do araenal de guerra, tem de comprar oa objectos
seguimos :
* Para o-botica do hospital militar.
16 libraa de acido tartrico.
16 libraa da a Ifazema.
rJOgarrafaa grandes de agurdente.
12 arrobas de assucar refinado em 6 barriqul-
nhas de 2 arrobas cada ama.
60 garrafas d'agua de Labarraque.
50 garrafsa de alceol a 36 grioa.
5 cacadas de azeite doce.
16 libras de alcatrio.
6 libraa do amoniaco liquido.
6 libras de bicarbonato de aoda.
200 bichas hamburguezas. devando serem re-
metlidas em caixo cootendo barro proprio.
1 balanca decimal pequea com pesos.
4 libraa de beojoio.
25 boides de porcellana de 8 ongaa.
25 ditos de porcellana de 6 oncas.
20 libras de cevada.
50 caixas de capsulas de copahiba.
2 libras de cbloroformio.
4 libraa de carbonato de soda crystaliado.
8 libraa de cera era grume.
20 libras de ehlorureto de cal.
1 libra de deutochlorureto de mercurio.
2 libras de esponjas finas de Ia qualidade.
2 libras de extracto de muruog.
12 jardas de esparadrapo inglez.
4 oness de easencia d canella.
4 onc,as de dita de cravo.
2 dcos de dita de flor de laranja.
1 libra de extracto de alcacus.
2 on;as de extracto de bardana.
2 ditas de dito de ceolauria.
2 ditas de dito de coloquiulidas.
4 ditas de dito dedsleira.
2 ditas de dito de fumaria.
4 ditas de dito de geociaoa.
4 ditas de dito de rhutbarbo.
4 ditas de dito de sciila.
4 ditas de dito de sapenjrio.
12 esptulas de osso sorlldas.
6 ditas de a(0 sortidas.
2 onc;as de elbige marcial.
4 ongas de essencia de rosas.
8 libras de folhas de digitales.
2 libras de fumaria nova.
1 libra de folhas de hortela pimenta.
1 libra de ditas de tunilago.
16 libraa de fios de linho.
2 funis de vidro grandes.
12 fundas do lado direito.
4 graea de marmore de 1 libra.
1 gral de pedra graode de 16 libras de capa-
cidade.
8 libras de gomma arbica em pd.
2 oocaa de bydroferrro cianato de quinino.
m H.TH'da tierra doce.
4 libras (feYpecacuannB em p."
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
At o dia 29 do crrante, esperado dos
portos. do sul o vapor Oyapock, commandan-
te o primeiro tenente Antonio Marcelino Pontea
Ribeiro, o qual depois da demora do csiume
seguir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se
a carga que o vapor poder conduxir a qual devo-
ra aer embarcada no dia de aua chegada, an-
commendas e dinheiro a frete at o dia da sahi-
da as 2 horaa: agencia ra da Cruz n. 1 el-
riptorio de Antonio Luis de Oliveira Azevedo
& C. ._._________
Toucinho de Santos.
O ageDto Almeida far leilio por conta e risco
da quem pertencer de cerca de 25 barria de tou-
cioho, as 11 horas em ponto, no armazem da
viava de Joaquim de Paula Lopes. ___________
DA AURORA.
Neata grande* bem mentada fabrica da machioimo, a mais antiga no imperio, continua se a
axecutar com a maior presteza a pereicio encommendas da toda a qualidade de machinas otacas
no paii, teodo sempre prompto o aegninte :
Grande aorlimento de moendas d canna de todos os systemas o tmannos.
Machinas de vapor de divarasi qualidadei.
Taixaa fuodidaa a batidas.
Crivos e boccaa para tomainas.
Bronxes e aguilhoea.
Rodas, rodetaa rodas d'agaa.
Guindastes fixos e porttil.
Machinas d cylindros para padaria.
Sorras de ac para serrara. .
Fatexas para barcos, etc., etc., ludo por praco que bem convida.
LEILAO
DE
COIPaHIA PERMBICIU
DE
Latas com doces e
mar meladas.
AtfenrJo.
Quem duvidar venha ver na loja econ-
mica em liquidacao da ra Nova n. 42

a20J.
3.
O agente Peatma vender em leilio por conta
de qaem pertencer, cerca de 200 latas com do-
ces e de 100 lataa com marmelada de 1 1|2 a 2
libras, as 10 horas da manhia, na porta do An-
nes defrente da alfundefta.____________
INavegacao costeira a vapoi
Parahiba, Rio Grande do Norte, M-
cau do Assu', Aracaty, Ceara',
Acaracu' e Granja.
O vapor cJaguarlbe, commandante Lobato,
aahir para os portos do norte at a Granja,
no dia 7 de julho as 5 horas da tarda.
Recebe carga at o dia 5 ao meio dia. Encom-
mendas, passageiroae dinheiro a (rete >t o dia
da saluda as 2 horas; aseriptorio no Forte do
Mattoa n. 1.
Para Haranhao e Para.
pretende seguir com muita brevidade o velero e
bem coohecido patacho nacional Emolacio, ca-
pitio Antonio Gomes Pereira, tem parte de aeu
carregamento prompto ; para o restjque lhe fal-
ta, trata-ae com os seus coniignatarioa Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo & C. no seu eaeriptorio
ra da Cruz n. 1.
Ilha de S. Miguel.
Para a liba de S. Miguel, segu com muita
brevidade o patacho portuguez lima de primeiro
marcha, tem doua tercoa do seu carregamento
prompto e para o rosto da carga, e paasageiros :
trata-ae com os seus consignatarios Joio do Reg
Lima & Irmio : na ra da Cruz n. 38.
LEILAO
DE
Carro, cabriolet e
cavallos.
Sexta feira 27 do corrente.
O agente Almeida far leilio por conta o riaco
de qaem pertencer.de 1 carro de 4 rodal com a
cnixa e frragens nova e 1 cabttolet novo muito
ouneiro e com excellenles molas, 2 cavallos
ptimos andadores, ao meio dia, na cocheira do
Sr. Ignacio defronle de S. Francisco.
LEILAO
DE
Gneros, armaqao e mais pertences da
taberna sita na ra da Praia n. 42.
EM UM OU MAIS LOTES.
O agente Guimaries autorisado pelo proprie-
tario da refera taberna a levar em leilio em
lotes a vontade dos Srs. compradoraa pelas 11
horas do dia
SEXTA FEIRA 27 DE JUNHO.
Sobrecaaacos de panno preto s na ra Nova n. 42
Palatota de casemira mesclada ultimo gosto 15$.
Ditos de panno e de corea a 15f.
Ditoa de alpaca obra bem trabalhada e boa fazenda a
Ditos de ganga, para admirar a 2*500.
Ditoa brancoa de bramantes e pardos a 3f.
Caiga de excelleote casemira que s o padrio admira, por 7$.
Ditaa gosto inglez a 5#.
Ditas da brim de lona a 3g.
Gollete de casemira, a eecolher a vontade um 49.
Ditos de gurgur&o ou setim a 3$.
Ditos de brim branco a 2$.
Geroulaa de algodio de liobo 1$200.
E oulras muitas fazeodaa que nio se anounciam para nao enfadar aoafregae-
guezesque s se vende barato na loja econmica da California, na ra Nova n. 42.
Admirem as senhoras
Na loja econmica da ra Novan. 42 granda aortimenlo de fazendas para liquidar por
todo preco levando dinheiro compram fazendas.
Cortes de cambraia bordados a Jagulba, de duas laias, quem se admirar venha
ver a 59,
Dito de dito de babadoa a 2$.
Cambraia fraoeeza lindos padres, covado 240 ris.
Chitas muito largas, a 200 ris o covado, para acabar.
Ditaa inglezaa muito fioas a 160 ria o covado, para liquidar.
Sodinhs de quadros gosto escoces, covado 500 ris para queimar.
Cambraia de aeda quadros matare, covado 300 ris.
Bareje, covado 400 li, lindos padres.
Excelleote chalim sem reserva de preco
Tarlatana de todas as cores com 8 palmos de largura, covado J2U res.
Cambraia de salpico branca boa fazenda vara 500 ria:
Gollas e manguitos a balao, boje modernos por 1$500 ris.
Meias para senhoras pelo diminuto prego de 200 ris o par.
Ditaa para meninas de 5 a 8 annos, 160 ris o par.
Lencos braoco para mSos bordados fioissimos a 500 ris.
rara
L
Conselho de compras navaes.
Teodo se de contratar o [orne :iment, sob as
condiges do estylo, dos objectos absixo declara-
dos, por te ropo de tres mezes al i selembro pr-
ximo, convida o cooselho aos prole ndentes a apre-
sentarem suas proposlas em cartns fechadas, no
dia 27 do corrente mez at aall horas da ma-
nhia, em que Isso se effectuar.
Para a companhia de aprendizes
artfices.
Bonetsdo uniforme, dilos para o servico, blu-
sas de algodio azul americano, ditas de brim
branco, camisas de algodiozioho, oleas de brim
branco, dita de algodio azul ammuano, cober-
tores de lia, colches de linho dlos de capim,
colchas de algodio, frdelas de paoio azul, fro-
nhas de algodiozinho, lengos prttos para grva-
te, lencoea de algodiozinho, sapi tos, ssccos de
guardar roapa, e travesseiros de linho cheios de
capim.
Para os imperiaes martmeiros e
aprendizes ditos.
Bonets de panno azul, camisas ile brim branco,
caigas de algodio azul americano ditas de brim
branco, dita de panno azul, cam:sas de algodio
azul americano, fardas de psoro azul, lencos
pretos para gravata, polainas di panno prelo e
snalos.
Para os fuzileiros nsv sea.
Bonets de chapa e pala, caigas de brim branco,
frdelas de panno azul, ditas de brim, gravatas
de sola de lustre, polainas de pi noo preto e sa-
patos.
Para os africanos Iivrei.
Caigas e camisas de algodio azil americano.
Para os africanos livres.
Camisas de algodiozinho, e ai iss de algodio
azul americano.
Acompanhario as propostas as amostras das
fazendas para os objectos de firdamentos, oa
quaea serio facturados de canformidade com aa
medidas que se derem aos contraante.
Sala do conselho de compras ravaes 23 de ju-
cho de 1862.O Secretario,
. Alexandre Rodrigeos dos Aojos.
A admioislragio do corre o desta eidade
precisa engajar estafetas : quem e achar neatas
circumatanclaa apreaeute-se so respectivo admi-
nistrador munido de attestadoa que abonera oa
aeae eoatumee a conducta.
Consellio administrativo.
t) conaelho administrativo para fornecimento
do arsenal de guerra tem de con prar os objectos
aeguintes :
Para o 0* batalhlo de infanta-li de linha.
-2 estadios triaDgalarea da mel 1.
2 trenas de 15 bragaa cada una.
Quem qaizer vender taes objeclos aprsente aa
as propostas em carta fechada na secretaria do
conaelho, s 10 horas da manhia do dia 2 de
julbo prximo vindouro.
Sala daa aeaeiea do conaatho ailmiolatratvo,
para fornecimento do arsenal da cinarra. 25 da
junho de 1862.
Antonio Ptdro di S Barrtlo,
Coronel presidente.
FfWftciaeo Joaquim fmira Lobo,
Coronel vogal fci Ujm interino.
8 libras da iodurato de polanio.
2 libraa de iodurelo de chumbo.
1 libra de iodo.
8 ongas dekerme mineral.
6 arrobas de linbaga de 1* qualidade.
2 libras de limalha de ferro pulverisada.
2 arrobas de manteiga de puteo.
2 arrobas de malvas.
64 libraa de maoo commum de Ia qualidade.
24 libras de macella nova.
8 caadas de mel de abelhas.
4 ongas de nitrato de prata fundido.
lOcaderoos de papel de cores sortidos.
2 resmas de papel de Hollando de marca gran-
de pautado.
2 libras de mirrha.
24 vilros de oleo de maslrugo.
32 libras de oleo de ricino.
32 libraa de oleo de amendoai.
1 libra de protoiodureto de mercurio.
4 libras de pommada de pipino franceza.
30 caixaa de pastilbaa de Naff.
2 libraa de paatilbas de santonina.
4 libras de precipitado rubro de mercurio.
4 mios de papel de filtro.
60 vidrosde pllutasde Blaocard.
12 caixas de pilulas da vida.
12 vidroa de pilulas vegetaes.
2 libraa de pommada de cacao.
70 vidroa de pos de rog.
2 frrosae de pennas d'ago de Ia qualidade.
2 libras de protocblorurelo de mercurio.
2 ditaa de raiz de valeriana.
2 dilaa de dita de genciana.
1 dita do dila de historia.
1 dita de dita de termentilla.
.1 dita de dita de gilbarbeira.
1 dita de dita de sipo.
8 ditas de resina de angico.
300 rolbas decortiga (novas).
2 libras de salsa brlense.
8 libras de espermacete floo.
8 ongas de sulphato de qainino de Pellitier.
4 libras do sueco de pepino.
48 viJros de salsa parrilba de Brlslol.
* 4 arrobas de sulphato de magnesia.
2 arrobas de salsa parrilha.
2 libras de trtaro emtico.
5 garrafas de vioagre de 1* qualidade.
Vidros de 1 onga,2 ditas, 4 ditas e 8 dita,
duziss de cada um,
50 garrafas de vinho do Porto de Ia qualidade;;
12 vidros de xarbpes de Naff.
12 garrafas de xarope peitoral inglez.
2 resmas de pspel azul para embrulho.
50 rolos de encerado de Sepeldriel.
Quem qnizer vender taes objectos aprsente as
proposlas em carta fchala, na secretaria do
conselho, is 10 horaa da manhia do dia 30 do
corrente mez.
Sala daa aesses do conselho administrativo
para fornecimento do araenal da guerra, 20 de
junho de 1862.
Antonio Ptdro de S Brrelo,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
RiodJaueiro
segu com toda brevidade a linda e velelra barca
nacional Iris, de primeira classe, capitio Gas-
par Leite de Faria, a qual tem parte de aeu car-
regamento prompto : para o resto, trata.-se com
os seus consignatarios Aranaga, Hijo & C, ra
do Trapiebe Novo n. 6.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
rfattjfjifis k mm.
Espera-se dos portos do norte at o dia 30 do
corrente o vapor Cruzeiro do Sul, commandante
o' capitio de mar e guerra Gervazio Mancebo, o
qual depois da demora do costume seguir para
os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros, a engaja-se
a carga que o vapor poder conduzir, a qual de-
ver ser embarcada no dia de sua chegada,dinhei-
ro a frete e encommendas at o dia da sabida s
2 horas da tarde : agencia ra da Cruz n. 1, es-
erlptorio de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
&C._______________________
Pra o Aracaty
Segu o hiato nacional lovencivel, que an-
da recebe alguma carga : a tratar com Jo*s S
Leilio Jnior ou com o capitio a bordo.
AVISOS (IFfiBrSGft.
LOTERA
Sabbado 5 de julho prximo arjdarao
iropreterivelmente as rodas da primeira
sistorio da igreja de N. S: do Rosario
de Santo Antonio. Os bilhetes e meios
bilhetes acham-se a yenda na respec-
tiva thesouraria ra do Crespn. 15,
e as casas commissionadas praca da
Independencia n. 22 loja do Sr. San-
tos Vieira, ra da Itnperatriz loja de
ferragens n. 44 do Sr. Pimentel, ra
Direita n. 5 botica .do Sr. Chagas, e
na ra da Cadeia do Recife loja u. 45 do
Sr. Porto.
As sortes de 5:000$ at as de 10$ se-
rao pagas urna hora depois da extrac-
c5o, e as outras, porem, no dia imme-
diato logo que se tenham distribuido as
listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos' Rodrigues de Souza.
2050 cincho (Cgpo 0VAp .lea
$)c*ttamfcttcaua
Domiogo, 29 do corrente, se reunirs assem-
bla geral para tomar conhecimento doa nego-
cios relativos aos fuodos sociaes.
Todos os Srs. socios efectivos sio^ convidados
a comparecer s 10 horas da manhia oo lugar
do costume.
Seeretaria da Associagao Typogrsphica Per-
nambucana 23 de junho de 1862.
Juvencio Cesar,
1 secretario.
^

qtiim F> ots Santos
40-Rua do Qumado-40
Defronte do becco da Congregaco letreiro verde.
Neste eatabelecimento ha sempre um sorllrnento completo da *;*** da
todaa aa qualidade a tambem ia manda executar por medida vontade doa regue-
zei para o que tem um doa melhore profaisorai.
W3>
Rio de Janeiro
O brigue nacional Alfredo, legue com brevi-
dade e tam meio carregamento tratado : para o
reato, trata-se com os consignatarios Marques,
Barros & C. largo do Corpo Santo o. 6.
Para o
Rio-Grande do Sul
com escala pelo Rio de Janeiro
seguir com toda a brevidade o brigua nacional
Mrquez de Olinda, de primeira marcha, tem
j prompta a maior parle de aeu car.regamento :
para o reatante trata-se com Uanoel Ignacio
de Oliveira & Filho, no largo da Corpo-Santo
0.19.
Coronel vogal aecretario interino.
Consulado de Por-
tugal.
Nao se lendo effecluado o leilio da casa e mo-
bilia pertencentes ao eapolio do Dnado aubdito
portugus Jos Bernardo de Medeiros, de novo
se annuncia que o referido leilio ter lugar
quinta feira 3 de julho, na Estrada Nova do Ca-
xang, onde est cita a mesma casa, pelas 11 ho-
ra da manhia._________
Casacas ua panno preto a 0$,
35J
Sobrecasacos do dito dito a 35$ a
Paletota de panno preto e de co-
res a 35, 30, 259.10, 18 a
Ditos de casemira de coras a 22,
15J,\2,7a
Dito de alpaca preta golla da
velludo franeexas a
Ditos de marin setim pratoa a
de coras a 95 a
Ditos de alpaca de cores a 5 *
Ditos de alpaca preta a9, 7, 5 a
Ditos da brim da cores a 5,
4500, 4 e
Ditos da bramante de linho bran-
co a 6, 51 a
Ditos de merino da cordio prato
a 15 o
Calcas de eaaemira prata de co-
res a 1J. 10, 98, 7 a
Ditas da princeza e merino da
eoiMo prato a 5, 65O0 e
Ditas da brim branco a de corea a
5, 4500 e
Calgts da ganga da cores a
Collete de velludo preto e de co-
rea liaosa bordados a 12,95 a
Ditos da casemira preta e da co-
res lisos o bordados a 6,
30000
30O00
10000
95000
l
1090001
8000
3J.500
3S500
3500
4000
83OOO
65000
495OO
28500
000
Ditos de setim preto 5000
Ditoa de seda e setim branco a 6 a 50C0 J
Ditoa da gorgurio de seda pratos
da cores a 7, 6, 4 a
Ditos de brim e fustio branco a
38500, 25500 a
Sroulaa da brim de linho a 2 a
Ditas da algodio a 1600 a
Camiaas de peito defuslio branco
e de corea a 2*Q0 a
Ditas de paite de linho a 5, 4 1
Ditas de madapoln brancas a da
cores a 3. 25500, S a
Chapeo! pretoi de maisa franceza
forma da ultima moda a 109,
88500 a
Ditos da feltro a 6. 5, 4 a
Ditos da aol de seda inglezas a
francezeaa 148, i*, "f *
Colrinho de liuho'muito fina
novo foitio daultima moda a
Ditos da algodio
Relogioi de ouro patenta a horl-
xontal a 1008. 90, 80| a 705000
Ditos da prata galvaniaados pa-
tente a horizontaea a 40 a 305000
Obras de ouro, adaregoa a maioi
aderegos, pulceira, roxataaa
anaia a *
Toalhas de linho duda 105, 6 a 9000
Ditas granea para maa urna 3 a 4500o
5000
39C0
2200
19280
200
3*000
18600
7000
19000
79000
9800
500
THEATRO
DE
Maranho e/*ar.
O patacho Pau.ino aegue em poucoi diai, tem
mil barrica* de aaiucar tratada, para o reato
trata-ae com os consignatario Marques, Barros &
C., largo dn Corpo Santo n. 6.
Consulado de Portugal.
De novo se annuncia, que nio tendo havido
concurrentes baatantea no leilio da cocheira que
foi do finado aubdito portuguez Jos Ribeiro de
Faria, na ra do Imperador, proceder-se -ha a
novo leilio na qaaila-feira 2 de julho; pelaa 11
horas da manhia.
Precisa se de urna ama para coziohar e
comprar ; na ra daaLarangeiras n. 16.________
Prvdsa-se alagar um escravo quesaiba co-
ziohar o diario de urna casa : na ra da Cadeia
do Recife n. 52, terceiro andar,________________
Precisa-ae da urna ama para oozinhar o diario
da urna casa de pouca familia : na ra da Cruz
do Recife n. 31. segundo andar._________^
FAZENDAS E ROUPAS FEITAS
DE
Bernardino Jos da Silva Mata.
43 Ra do Queimado 43
Esquina que volta para a Congregaco.
Cambraias organdys padrees] muito
Santa Isabel.
COMPANHIA LYR1CA
O empresario previne aoa aenhores asmgoantae
qua am consequaacla de varios casos imprevistos
a de taifa maior, as recitas inlerrompida toma-
rio aeu curso regular, Deua nio se oppando,
QUARTA-FE1RA 2 BE JULHO, com a nova
lindiama THAGEDIA-LYR1CA em tren toa,
de DooiuUi, intUulada
Rio de Janeiro
Pretende aaguir com muita brevidide para 04
Rio de Janeiro o valdro e bem coohecido brigae
nacionil Almirantea, tem puta de seu carrega-
mento prompto ; para o resto que Iba falta, tra-
ta-se com os seus consignatarios Antonio Luix da
Oliveira Azevedo, no seu eicriptorio ra da Crux
numero 1. ____
Para a liba de lernand.
Avisa se a quem convier que mpguem
lance oa casa que foi de finado portugus Jos
Bernardo de Medairos, sita na entrada nova do
C'xaog, a<(ual ae achu hypothecada a D. Maris
Amelia Constancia de Freitaa por urna leltra
aceita pelo meemo em favor desta e a reapeito
da qual aeest procedendo no juio commercial.

9 Precisa-sa alagar urna creada acrava H
0 para lavar e eogommat a roupa de duss dj
O pessoaa : ama do Imperador o. 41.

Irmandade do Divino Espirito
Santo.
De ordem da meaa regadora convido a todoa
os nossos irmios. a compareeerem em noeea
Igreja domiogo ti do corrente, ai horaa de
manhia para assistiram ao acto 0 hiala Tino aegue no 1 de julbo, recebe va maaa e alrtlure "^*1 |*."S tffi
osrga e passageiros que ebtenhem a ?ermisslo Consistorio da irmanjedi>K <* VjS^l
dogoveweV^ta-eJcemeea^efufajinil- -Oeecrrvan da nmuadad*. Antonio Amjmto
tloho, no largo do Corpa Santn. J, 4wSajsta*rerwt
fi-
fl-
Nete moderno esUbelecimento se en-
contrar nm completo e variado aorli-
mento de fszendsa a roupaa fetaa por
pregos mu raxoaveia. O desengao da
vita ver : .
Paletotslde eaaemira aaceos e sobreeasa-
cos a 10.
Ditoa de mda casemira dita dito a 5.
Ditos de brim pardo de linho muito
Ditos de ele+ee ureUflne de 4 a 6.
Ditoa aobrecaiscoi de panno multe
Ditoa de fustio de cor miudinho a 3$ .
Caiga < caesira de cor a 5, *. T*
Ditaa de mete eaaemira a 3, 3500 e1.
Ditaa e loatM a ganga da cor a 2, 240O
23500.
Ditaa de brim paree de ttaio a 1, |,
4#a5#.
Dilaa da dito bracee e 2, 3 a 4.
Cetletae de easemire prata e da cor a 8
e*UH.
bo-
da Orleans
o covado
nitos a 600 ra. a vara.
Ditas moderna duquexa
560 n.
Chitas largas escuras uns
S40 e 260 rs.
Dita muito toa verdedeka Irancexaa
300 e 320 rs. w -
Cambraias branca finas a pec> 3, 4 a &g.
Ditas de salpicoscom 9 varas pega a 4.
Chalis do 15a eicorem r"* ai.ibiinoria ,
andarem em casa a 3.
Laaziuhaa para vuatdoa o f^*?5aft
Cambraia preta muito fina a vara ev-uas,
Cbitle'taatio pea TeaUdo. o covado
840 rs. u
Seiasbalo erretadede *..-.-. m
Laueoea do W^ ft\ftf ^
nitA d el#eoao a ij,w "
inta*^alidne uue ad a
lambe manda faxex
E
rUte.aaMW
j^aa por mea
Da tedo ae dio
m-ms ter medidae. .
- amoaireacom panhor.
\
i




cntgtti
do Reci
no
ecife
"no dia II do correte fugii> 10
engenho Camarsgibe, vindo de rolla
par o eegeoho Tinma na fregu a de S. Lou-
rengo da Malta, o etcravo Jovemio, crioulo, de
Idade de 20 a 15 aneo, poaconeis ot menos,
que tem bonita figur*. altura recolar, cor fala,
xoato redondo, alguma barba, e coiluma tfr
suisias, testa larga, naris arrebitido, bocc& regu-
lar, denles limados, levou camia o ciiga de al-
godao.e chapeo de palha, todo i l mudo, cujo os-
ravo foi comprado ao Sr. Jos E^oculel da Silva,
morador no engenho Borba, na co Barca do Li-
moeiro, freguezia de Boicjardim rjga-se aa au-
toridades policiaes e capitlea de :anipo a aua cap-
tura, e leva -lo ao engenho Tierna, ou na ruada
Aurora, caaa n. 82, terceiro andt r, que aera ge-
nerosamente gratificado.
PUMO DI MRKAtaOCQ, ^ Sgjfljfk IjttU %7 DI 1PNHO MI 116,
Precisa-ae de um
m um sitio de capim ;
aodar n. 37.
homem para Irabelhar
na ra )va, segundo
Jame Ryder & C, consignatario da bar-
ca ingleza Ehxa Iands, que tendo' vindo na
meama barca dez toneladas de litro bruto a or-
dam, pedes a quem fur dono do mandar despa-
char e de tomar conta no prazo de 24 horaa, do
contrario aera vendido para pagamento das dea-
pezaa.
Recite 26 de junho de 1862.
Pelas.pululas paulistanas.
Hydropisia.
Por ter conhecimeoto de um curativo de hy-
dropisia, obtido por Garloa Pedro Etchecoio, de
S. Paulo, procurei o mesmo tratumunlo para um
eseravo meu, iochado este desde aa pea at a ca-
bera com as *filiccoes da morte ; logo que tomou
aa pilulaa pauliatanis a o zaropes, as afflicgoes
foram diminuindo, e em menos de 50 diaa o meu
eacravo aarou perfeitameote ; oso ae pode cha-
mar curativo, mas sim um mila;re. (J sabi-
do que a hydropisia molestia caravel.)
Em testemuoho da verdade astigoei o presente
para ser conhecido de todo o piblico e a gloria
ao seobor de tao bom e infillivel curativo. Fre-
guezia do O' 20 de dezembro de 1859.
Joao Luiz do Barros.
AGENCIA PRINCIPAL
119 Ba do Parto 119,
RIO DEJANEIEO.
E em Pernambuco, deposito na pharmacia do
Jos Aleandre Ribeiro. ra do (tueimado n. 15.
Sancha Candida Corris, Pnrlugueza, reti-
ra-se para Portugal, levando em su y companbia
Maria Alvea de Araujo, Brasileini.
Antonio Joaquim de Ate ved o, subdito por-
tuguez. retira-se Dar Sergipe.
Precisa-se de um Portuguez para leitor de
engeobo, prefennio-se solteiro : quem preten-
der dirija-se prnca da Boa-Vista, casa n. 5,
segando andar.
Advocada
O bacharel A. R. de Torres Bandeara contina
no exercicio desua proflsso de a Ivogado, tem i
sen escriptono na casa de sua res deaeia, ra do
Imperador n. 37, segundo andar, mirada a direi-
ta, onde pode aer procurado daa 10 horas da ma-
nbaa al as 4 da tarde.
Destilador
Offerece-se um moco Portugunz para estilar
neata praca ou em algum engeoho, para oque
tem bastante protica : quem precisar, dirija-se S
Capunga Velha, nos qualro cantos, taberna do
Hespanhol. que dir quem e offerece.
Precisa-se de urna ama pin casa de poaca
familia ; na ras do Amorim, seguado andar, nu-
mero 31.
. Aluga-se a caaa na ra do Corredor do
Bispo n. 24, com commodos para familia : a tra-
tar na travessa do Queimado n. 9, que faz es-
quina para a ra larga do Rosario, taberna.
Urna pessoa com bastante pratica de miu-
dezasse offerece para caixeiro : a iralar na tra-
vessa do Rosario loja de miudeza; de Maia &
LaPdelino. que dar as ioformages necessarias.
Quem precisar de ama pessoa habilitada
em cobraogaa tanto para fora cono dentro da
cjdade aaiiuorla-O.0
nuai.. --
Precisa-se de urna ama forra ou captiva
para todo servico de ama casa de jouco familia :
na rna de Hortas n. 50.
Precisa-ae de urna ama sem lilho, que te-
nha bom e bastante leite : a tratar na ra Nova
de Santa Rita n. 17. defronta da ribeira do peixe.
Precisa-ae alugar urna preta escrava que
saiba cozinhar ; na ra das Cruzes em Santo An-
tonio n. 41, segundo andar.
Precisa-se lugar um sitio com
aiToredos e patto sufliciente para 6 vac-
cas annualmente : na ra di Liogoeta
n. 1, taberna de Duarte.
Perdeu-se am par de oculos inglezes com
aros de ago em urna caixa, na qui.l tem o nome
do fabricanteAdiquem achou, leve a ra da
Seoiala Nova n. 42, que sera gratificado com lOjf;
MtM,
Preciss-se alugar urna ama de It ite sem filho
na ra da Cadeia du Recite, loja n. 50.
ivisor
Joaquim Teixeira Arouca subdito portuguez
vae a Portugal tratar de aua saude levando em
sua companbia para teus servigos osen criado
Feliz de nacao Angola.
Um mulato de bonita tigura com 18 anoos
de idade, deseja servir a um Pe rnambucano :
quem o pretender dirija-se a ra Augusta n. 66.
O dono da caaa de pasto italiioa do becco
da Boia mudou-se para a ra da Cuz n. 9, ter-
ceiro andar, e contina com seu es abdecimento
de dar comida pessoa que quizereca honra lo
com sua freguezia, tem quartoa mobilhados para
alugar, assim como toma peosiooita para co-
mida.
Offerece-se am homem mogo, du boa con
duela, casado, sem flhos, com algaos escravos,
para administrador de quslauer serrino de cam-
po ou mesmo cocheira oesta praca, por entender
de*les servicos, podeodo entrar os scravos que
poaaue : dirijam-se a povoacao dos Afogados,
ra de S. Miguel, casa do Rvm. Sr. padre Luiz
Araujo Barbosa.
Terrenos demarioha.
O agrimensor dos terrenos de mariota convida
-oSr. Dr. ffraociaco Augusto da Costa por si, e a
tora. D. Resa Candida Goocalves Feneira por seu
procurador, a coroparecerem na casa de sua re-
sidencia, na roa Direila n. 74. aQm de se lhes
marcar o dia em que tem de se proceder a medi-
cao dos terrenos de marinha, de qut raquereram
os respectivos ttulos.
No dia 17 do correte fagio do lugar da
Agua, do termo de 8. Lourengo da Malta, o pre-
mais, estatura regular, tem na testa sobre o olho
aquerdo ama cicatriz, roito crondo, pouca bar-
*, levando venido caiga de brim arenco con
tmras ao lado, jaquela de panno fin) prelo, e j
otvuto neata cidade na ra da Cadeia Velha:
4SM o pegar, leve a ra do Queima i o d. 57, ou
nrnll.2ar.noHo,eDe?no' caP"5> Bernardo
Sfi **Canha Ban -- Pracua-ie o m caixeiro pon i*ei de 12
L^W^""' dando floi su. con-
f&3"*Vl ."Ter"o.ie doscheg.-
do : a tratar no Hoapicio b. J8.
Antonio Cosario Moreira
Dias, faz sciente ao respeita-
vel publico com especialidade
aos seus freguezes, que mu-
dou o seu armazem da ra da
Moeda para a ra da Madre
de Dos n. 32, e est /venden
do por menos do que em ou-
tra qualquer parte, plvora,
chumbo e salitre e amanea a
boa qualidade destas merca-
dorias por serem de primeira
qualidade.
Vaccina" publica.
Grassando presentemente com alguma intensi-
dade a varila nesta cidade, o commissario vac-
aioador lembra aos ehefes de familia que, pelo
re.gelamenio de 17 de agosto de 1846, sao obri-
gados a apreaeotar netta reparttgio todas as pea-
soas que nao tiverem tido bexlgsa naturaes, ou
sido vaccinadas, aflm de se lhes praticar a inno-
culago do fluido vaccinieo, iato dorante as quin-
tas e domingo, no torreo da alfandega, das 8
s 10 horas da roanhaa, e nos sabbados, na casa
de sua residencia, segundo andar do obrado da
ra eitreita do Rosario n. 30. Recifo 2 de junho
de 1862.Dr. Joao Nepomuceno Dias Fernande,
commissario vaccioador publico.
Aluga-se o 2* e 3 andar do aobrado da ra
do Amorim, muilo fresco e por prego commo-
do: a tratar na ra da Cruz do Racife n. 31.
Precisa-se de urna ama para casa de muilo
pouca familia : a tratar na ra da Senzala n. 140,
junto ao becco do Capim.
Aluga-se um sillo no principio da Estrada
Nova, com boa casa de morada, cocheira, estri-
bara, qaartos para pretos, daas grandes baixa :
de capim e alguna arvoredos por barato pregos
na ra da Cruz n. 56, se dir.
Precisa-se fallar aos herdeiros do Sr. Do-
mingos Antonio de Siqueira, a respeito do solo
da casa da ra do Calabougo, foreira aos meamos
herdeiros : na livraria n. 6 e 8 da praca da In-
dependencia.
Aluga-se
o sobrado da ra do Caldaireiro n. 2 ; a tratar na
ra do Cabug n. 1 A.
Francisco A..de Pinho deixa encarregado
de seus negocios e como seu primeiro procurador
o Sr. Estevo da Cucha Medeiros, em segundo
lugar o Sr. Jos Ribeiro da Cunha Guimares, e
em terceiro lugar o Sr. Cosme Jos dos Santos
Calado. Recife 26 de junho de 1862.
Precisa-se de urna ama que saiba cozinhar
e eogommar para o servigo de urna aenhora ; no
Recife, becco Largo n. 1 A.
Quem liver coolas com o brigue dinamar-
quez Johannes, capilao H. Breckmolds, appa-
teca no consolado de Dinamarca, ra do Trapiche
n. 18 para se verificar e pagar nesles tres dias.
Recife 25 de junho de 186S.
Precisa -se de urna ama para casa de pouca
familia, que saiba eogommar e cozinhar perfeita-
mente ; na ra da Concordia o. 65;
Perdeu-se no dia de S: Joao, na missa da
madragada, um alfinete de peito, da igreja do
Corpo Santo al o largo do arsenal de marinha :
quem achou e quizer descarregar sua cooscien-
cia, leve em Fora de Portaa, na ra do Pilar n.
143, na taberna do Sr. Jos Beltrio, que ser
recompensado.
Francisco A. oe Pinho va
de seus negocios.
a Europa tratar
Ao respeitavel publico em geral, e ao
corpo do commercio em particular.
A. C. P. de Burgos Pooce de LeoD, em satisfa-
Cao aos desejos de seu sogro o Sr. commendador
Antonio de Siqueira Cayalcanti, tendo deixado a
acha-ae boje em pregado no foro desta cidade co-
mo solicitador de causa, e nesta condigo offe-
rece seus servigos aos que quiserem loe confiar
as toas demandas, essencialmente as que devem
ser tratadas perante o juizo commercial, nao s
porque se julga de alguma forma habilitado, co-
mo porque nesta especie mais se dedicar.
O sollictador Burgos se prestar gratuitamente
a faZer valer os direitos dos que realmente po-
bre, esliverem dolorosamente sob -nppresso
dos descomedidos e iosuportaveis caprichos de
?justos poderosos.
Elle pode ser procurado na raa de Santo Ama-
ro, caaa n. 26, que fica por traz da ra do Sol.
das 6 s 9 horas da manha, e das 3 s 5 da tar-
de, e no intervalo de 9 as 3 horas, no escriptorio
da ra estrella do Rosario, sobrado n. 27, ou na
sala das audiencias.
hRABOEIMl)0 M?A6
fu.. itfm ?2S d* ,b'""" Pwwo a 25, 28, 303 35. cauco* miito bam
mirinA %'JTCSkI**? d* P"M cwemlra de 8 at 14, ditos saceos da alpaca
rn.UA a*' "F^*7* at 10f' ro>P P" menino de todo oa tamanhos, randa aorll-
SaUm IJLmT'.VnT Ftl J lgas, palatota colletaa. sortimento da colletes pretos da
m: !"imrS T,ellB de *8 ? lt0" P"ment a 5 o 6, paletota brancoa de bra-
?.rna. ^U'^'J",? mmlU> ?n,\ *a grand" & .' # aorli,ne10 de eaaemuaa ioglezas para homem, menino senhora, seroalas d*
l}. *L" g0da!,' mos.ama grandei fabrica de alfaiate onde recebemos encommendaa de grandaa obras, que par.
so est sendo administrada por am hbil maslre de semelhante arta a um pessoal da maia de
oncoentaobrairoeeseolhdos, portento eiecutamoa qualqaer obra com promptdao a maia barato
\mmmn
DE
pSstabelecido no lugar da Capunga, um dos arrabaldesj
mais prximos da cidade da Recife.
DIRECTORO BACHAREL EM MATHEMATICAS
BgiHA&i .pebeia in ums>.
O director do intrnalo de S. Bernardo nao tendo evitado esforgos ncm sacrifi-
cios para proporcionar aoa seos alomos ama perfeita educaeo phiaica, moral, intel-
lectual e religiosa, offerecendo-lhea ama habitago com todas as coodigdes de sala-
bridade, habeia professore qae sio solcitos em prepara- lo convenientemente so fim
a que se destinam, medico pratico que lhes faga compreheodar oa preceitoa da bvgiene
e lhes cure as doenca, e finalmente um aacerdot* illuatrado e honesto que Ibes expli-
que os principies da religio cbrisla, espera qaa assim constituido nao deixar o seu
estabtlecimento de merecer dos Srs. paes de familias o auxilio a confiaoga com qua j
alguna o tem honrado; e lhes rogs, bem como a todaa aa pessoas iotereasadaa, que se
diguem de visitar o mesmo seu estabelecimento, onde sempre enconlraro franco in-
gresso.
O collegio tem a sua sede as elegantea e espscosaa propriedades da Sr.* Tieiva
Lasserre e dos Srs. Roberto & Filho, Capunga Velha.
Com o fim de tornar mais breves e commodas ascommuoicagoea doa Sra. paea e
correspondentes, o director lhes avisa que as encommendas e todas aa corresponden-
cia podero ser entregues na casa da residencia do seo irmo o Dr. Pereira do Carmo
oa na loja do Sr. Joaquim Ferreira da Costa, ra Nova n. 56.
m
Guimares k Villa)
COM LOJA NA
KUA DO CRESPO M, 17.
Tendo um grande sortimento de fszendat do gosto pedem
As senhoras que
manden! ver sua fazendat prometiendo servi-laa o melhor possivel.
Acabam de receber palo ultimo vapor francos um grsnde sortimento de vestidos
brancos bordados para 30, 40 e 50J e entremuios riesmente bordados largos e es-
treitoa proprios para enfeitar vestidos brancos eroapas de noivas: mantelete! e
pas a Luiz XIV e saiaa bordadaa de todas as qualidade.
Esperam a proteceo
das rgspeitaveis senhoras.
Quem espera sempre al canga.
ca-
A padaria do leo do norie, ra do Cotovel-
lo, precisa de um forneiro que desempenhe o seu
dever.
Aluga-se um preto mogo para casa de pas-
to ou botequim, com a condigo de ser desconta-
do no aluguel o importe de comedoria que ae
tratar, para o mesmo o ir entregar a um preso na
cesa de detengo : a trtame ra Direlta n. 106.
Est o para alugar-se o primeiro e segando
andar de um sobrado na ra de Aguas-Verdes,
e a loja do aobrado da roa Direita ; qoem preten-
der, falle oa ra das Cruzes, sobrado n. 9, penl-
timo sobrado qaem vai da ra do Queimado para
S. Francisco, lado diraito. Tambem se alaga
este mesmo sobrado, se houver quem compre a
mobilia que no mesmo se acha.
Precisa-se para urna casa eslraogeira de
pouca familia, urna boa cozinheira, preferindo-
se urna que seja Portugueza: a tratar na ra do
Trapiche n. 8. 1 andar.
Precisa-se de um caixeiro portuguez de 14
a Ib annos de idade para taberna, qua tenha al-
guma pratici da mesma : no pateo da Santa Cruz
esquina da ra Velha n. 12.
_ Precisa-sede um trabalhador para retina-
gao : a tratar no deposito da roa do Raogel n. 9.
Dentista de Pars. *
15Ra Nova15.
flj Frederico Gautier, cirurgiao dentista
I faz todas as operagdes desu arte a e co-
I leca den tes artificiaos, ludo com -sdeln
I rioridade a perfeigo que as passoas-,en 3
S tendidas lhe reconheeem.
Tam agua e pos dentifieios, etc.
Imsimmmb mm mmmm S
Companhia Fidelidade de se-
guros martimos e terres-
tres, estabelecida no Rio de
Janeiro. com o capital de
16:000:000$.
Agentes era Bernambuco
Aolosjo Luiz de Oliveira Azevedo i C. compe-
tentemenle autoritado pela directora da compa-
nbia de seguros Fidelidade, tomam seguros de na-
vios, mercadorisa e predios, no seu escriptorio.
rus da Crozn. 1. '
pntiga loja franceza que foi|
Qmiuuitjua reo va 11 11.
..v...A. reMber de8"aeommenda m grande e variado orlimento dedi-
ItlT^TZ" P^te'Vb^ f Vendana dU IoU Pr m,D0' 10 por cen, d?*"
Agua de malabar
do verdadeiro fabricante Lascombi, para
tingir cabellos da cor que se quizer e com
um guia para seu uso.
Para presentes.
Ricas caixaa rj costura com msica e
aem ella, o meihor presente que se pode
dar a urna senhora que se estima.
Para homens.
Ricos estojos contendo todos os utensi-
lios necessarios para toilet de qaalqaer
pessoa que se trata com muila limpeza,
contendo navalhas, tesouras, pentes, es-
covas, frascos par pomada echeiros, sfla-
dores, tinteiros, espelhos, pasta pira pa-
pel e maitos outroa perteacespara o mes-
mo fim.
Encerados.
Especiaes para cobrir mesa a la, 18500
e zs o covado.
Para retratos.
Machima de todos os tamanhos franceza
e americana chimicaa para trabalhar am
todoa os processos, copos graduados, fu-
nis de vidro, um grande sortimento de eai-
xinhaa, de cha'grin, paasepartoas de cores e
pretos a dourados, cu vetas horizontaes e
verticae, papel para retratos e lodos os
alencilios tendentes a esta arte; tambtm
se collocam retratos em caixinhaa e passe-
partou, mudam-se os qae esliverem mo-
fados lado a vontade de seas donos.
Ricas bengalas
de verddeira cana da India com pootei-
ras e castoes de marfim, tendo nos csstes
muilo bonitas figuras abertaa em relevo,
as mais bonitas que se podem achar nesta
genero. *
Ditas da massa imitando licorne.
Luvas de pellica
do verdadeiro fabricante Joovin & Filhos,
para homena e senhoras, brancas, de co-
res e pretas, e que continuarlo a receber
pk/v?<,* 0* '"P0'6 ncexes prego fixo
290OO rs.
Espelhos.
Desde o miior al ao mais pequeo ta-
manho com moldaras pietas e donradas
para ornamento de sala, sendo oa vidro
muito grossos 9 da primeira (qualidade.
Para msica.
Instrumentos completos de chavea
apiston e tambem grande aortimento dellea
avulsos com muitos melhoramentos e dos
systemas mais modernos do muito conhe-
cido fabricante Gaatrt Ain, estes instru-
mentos se tornam mnito recommendaveia
por aerem maito petfeitos, e os mais mo-
dernos que existem no mercado.
Objectos diversos.
Fumo de harlebeke, marilande, caporal,
vervlque e americano, para cacbimboa e
cigarroa.
Seroulas de algodo de cores para ba-
nhoa a 500 rs.
Camisasfranceisade todaa as qualidade.
Capolinhoade la para menino, muito
lindos da diversas cores a 18500.
Ritaa capellas brancas e de cores para
casa melos o maia elegante que aqui tem
vindo neste genero.
Chicotes americanoa e francezea com
aoeis e sem elles para carros, cabriolis e
cavalles.
Bandejas grandes de 30 pollegadas 1 3.
Um grande sortimento de ocalos e lone-
tas de grao e miope.
Fundas para oa quebrados das virilhas.
Velaa para carro e piano.
Lequea de madreperol,
Rico punhoa e gravalinhas para senhora.
Porcelanas e vidros.
Apparelhoa e meios ditos de porcelana
para janlar, candelabros de e 5 lazes,
serpentinas e lanternaa com pioguetea e
aem elles, escarradeiras de vidro brancas
e da cores, ricas lanternas para carros e
coups, clices paravinho alicorea, redo-
mas com peanhas de todos os tamanhos
para imagens, vasos para florea e encera-
dos para carros de cores pretoa, ditos
redondos e quadrados para botar pratos,
lanternas ceodieiros a gaz.
Figueiredo & Irmo
Ra Nova n. 18
Neste ettabelecimento haver (sempre um
grande sortimento de roupas feitaa e por medi-
da, tanto para homena e para mecios e um
grande e variado aortimento de fazeodaa tanto
iDglezas como franceza de bom gosto e barata,
assim como tambem diveraaa joiaa de omro de 18
quilates e de brilhantes dos melhores fabricantes
de Paria.
de Hamburgo
Alugam-ae a vendem-se por qaalquer prego
na raa do Rangel n. 18, amola-se todo o ferro
orlante.
XMtetseie gama* 9Kf*etHKi!
Escriptorio de advocada
Ruado Imperador n.
37, primeiro andar, a es-
querda.
Neste estabelecimento trabalha o a dro-
gado Joaquim Borgea Carneiro (graduado
em direito pela faculdade do Recife) des-
de aa 9 at as 3 horas do dia.
Advoga em todos os juizos e tribunaes
desta praca, e encarrega-se da negocios
psra o interior da provincia, principal- z
mente para as comarcas de Santo Aotao, 1
5 Rio Formoso, Bonito, Nazareth eGoianna. S
Recebe gratuitamente as causaa doa 1
desvalidos, nao podeodo cada qual tra- S
zer mais de urna qaestao por vez.
No mesmo estabelecimento solicitan:- n
se ttulos e patentes de empregados pu- g
blico e oflBciaes ds guarda nacional do 1
interior, mediante mdico estipendio. 8
Em aua fi- impedimentos ser
.substituido, oos negocios cveis, peio sr. 0
'- J"tui.Jn.< 4. 0..,,^l, .^.x do 4SM
crme pelo Sr. bacharel Jorge Dornellas "
Ribeiro Pessoa. Q
Bolos fios para S. Joao e
S. Pedro.
Os melhores bolos de S. Joo de todas as qua-
Iidades.e bandejas enfeitadaa para casamento
com perfeigo ; assim como creme. podios, e to-
da a qualidade de pastelaria : quem precisar di-
rlja-aa ra da Penha n. 25.
Aluga-se urna ama para casa de familia ;
na ra da Imperatriz o. 42, segundo andar.
Bailar & Oliveira sacatn
Porto.
O retratista americano
O retratista americano
O retratista americano
O retratista americano.
Roa do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ruado Imperador.
Novoa eslylos de ambrotypo
Novos estylos de ambrotypo
Novos estylos da ambrotypo
Novoa estylos de ambrotypo.
Muito baratos
Muito baratos
Muito baratos
Muito baratos.
Lindos cartees de visita
Liados cartoea de visita
Lindoa cartdea de viaita
Lindos cartdea de viaita.

Aos rSs.* consumidores de gaz
Noa armazens do caes do Ramos os. 18 e 36
na ra do Trapiche Novo no Recife n. 8, se ven-
de gaz liquido americano primeira qualidade e
recentemente ebegado a 1*9 a lata de 5 gales,
assim como lataa de 10 e de 5 garrafaa e em
garrafas.
mmmmm mmmmmmm
f Saques sobre Portugal. .
O abtixo assignado agente do Banco I
I Mercantil Portoense neata cidade, saca
feffectivamente por todos os paquetes so-
{>! o_nesmo.Banfio_nara o Porto a Lla-
hi n?.esJ22,5SL8ara Po'to
oa, por qaalquer SOmma ainla a pra-
aobre a praga do
Fogo de arti-
ficio.
O bazar da raa do Imperador n. 6 inda a
agencia da maito acreditada Tabrica da visiva Ru-
fino, aoode se tomam todaa e quaesquer encom-
mendas em ludo o que for relalivo sua arte, as-
sagarando-ae nao a a melhor execugao na con-
fecgao dos artigos. como a maior modicidade nos
seas pregoe. Netta meama casa ha sempre am
portador para fazer a condoegao das encommen-
das, evitando assim os frates que a distancia das
fabricta carreta aos senhore compradores.
i.ilT Con,,ado-ma que o bacharel Sanios Al-
lelaia procura desacredltar-me dizeuo aue eo
nada posauo por dever muito, teuho a ,iec].r,
qua preseniaeote poasuo 5 captivos fi
are acham livre e desembaragados porque ad
fSi "f0 peroque se delire pelo
. S mo P'?0.10 mwao h"el pan fazer
/u Csilio earneirp Mooifjro Juiof. 1 pS,
Toda attenco.
Custodio Jote Alves Gaimares avisa a res-
ieitavel publico, principalmente a todos os seas
regaezes e amigos, qua ae madoa da loja da
guia de ooro da ra da Cabug para a ra do
Crespo n. 7, para a-bem Mohecida o snliga loja
de miudezi que foi do fallecido Jlo Ceg, hoje
aera condecida t)eio-j> (alio vigilante,e pede ao
reepailaval publico aosseua freguezes e amigos.
2 (,,"'*n V-m '- *it0 eabeleclmeoto,
""' ode achario a.m gnado aortimento de miudezas
Recife I que afflanga aem.' bem vender por menoa des
I ou vnte por canto,- do o,u em ostra qualquer I
l\os quatro estabelecimentos
bem conhecidos da ra Real
do Manguioho ns. M, 61, 62 e63.
Presunto de fiambre.
0 melhor que tem vindo a este mercado afiangando a boa 'qualidade a 400 rs. a libra* *
Marmelada ome,horq..h..llhn.700r.. *
t~ assas,, mail n0T que ha a llbra t wo tg
\UelJO d0 ferlSo 0 neiho, qu0 ha a 500 n. a libra.
Tianteiga MncfM tlibrt ^ M
Manteiga iogleM, Ubra 720, SOO, 900 e 1 o melhor que ha.
Pa Jicos d0 f pM J|500f dulU ii0 n.
..fj^.V,d*qM?U'tendenlSaih.0,h,do,i* adonho annunciar, pois qae
C0MPAMII4 DA ESTRADA DE FERRO
DO
Recife ao Sao Francisco.
(limitada.)*
De conformidade com as iostrucgdes recebidas
da respectiva directora, faz-se publico que des-
ta data em dianle to convidadoa os accionistas
detta companbia a cumprirem com os termos do
aviso que por ordem da mesma abaizo ficam
publicados.
Escriptorio da companhia, 20 de maio de
1862.
Por procarago de E. H. Braman, thesou-
reiro.
(Assignado)R. AustiD.
zo, podando logo oa aaqea a prazo serem
-m descontados no mesmo Banco, na razio
g de 4 por canto ao anno aoa portadorta
I qae assim lhe eonvier : nss russ do Cres-
** po n.8ou do Imperador o. 51.
Joaquim da Silva Caatro.
mmmmmm -mmmmm*
Indemnisadora
Em cumprimento da dispoigao do art. 19 dos
estatutos da Companhia de Seguros Martimos
Iodemnisadora, aero veodidas em leilo publi-
co, porta da Associagao Commercial, no dia 28
do corrente, pelaa 10 horas da manhas, 45 aegoea
"* ** Companhia, em 6 lotes, sendo :
0 1. de 10 argea de na. 51 a 60.
O 2.* de 10 acgdee de os. 61 a 70.
O 3. de 10 aecee de ns. 1S1 a 130.
O 4. de 5 aeges de ns. 251 a 255.
O 5.* de 5 actoes de os. 466 a 470.
O 6. de 5 aece de ns. 496 a 500.
Precisa-se de urna ama s para cozinhar r
na raa do Rangel n. 7, segundo andar. t
i
h
3Raa estreita do Rosario3 J
Francisco Pinto Ozorio continua a col- 9
locar denles artificiaos tanto por meio de 9
molas como pela pressao do ar, nao re- )
cebe paga alguma sem que aa obras nao #
fiquem a vontade de seus donos, tem pos m
outras prepsraede as maia acreditadas m
para conservaco da bocea:
Aviso.
Pelo presente faz-se publico qae por urna re-
aoltigao da directora desta companhia tomada
nesta data tem-ae feito a ultima chamada de urna
libra esterlina por cada acgo, a qoaldever ser
paga al o dia 30 de junho do prximo vindouro
no Ro de Janeiro em casa dos Srs. Maua Mac
Gregor & C, na B.hla aos Srs. S. S. Dsvemport
t,. e em Pernambuco no escriptorio do the-
soareiro da meama companhia.
Pelo presente fica tambem entendido que no
ft'.r0-. eJK "L1 di,a chaB>ad ou prealago aa-
522& d *i,arcad0 P e- pagamento o
razao d5 por cento ao auno sobre tal chamada
aSto. "W qe "" re,""d0" P,:
etSl^A^ Bl effeoar Pgmento deata
Si"0" ,,B|, de u" meiM onUdos do dia
cima fizado para o embolso da mesma, ficaro
aa aegoea qaa incorrerem em tal falta aujeitaa a
eram confiscadas, segundo as dUpoiic.de doa
atatutoa a este respeito.
Por ordem dos directores.
Urna casa para alugar.
Aluga-se urna casa terrea na ra da Conceigo
da Boa-Vista n. 31, com muitas commodidades
para urna familia, por prego commodo ; a tratar
na ru Nova n. 0, loja de Carneiro Vlaooa.
CONSILTORIO ESPBC1AL H01E0PATHIC0
00 DOUTOft
_ SABINO 0. L. PINHO.
Ra de Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
Consalta i todos oa dias atis desde aa 10 horas
ato meio dia, acerca da segaiutaa moleatlas r
nwltttiai da mulhtru, wutlutiai i 0rian~
Ci, moltttiat da ptllt, molittxai osolhos, sao.
fio ypMiiico, toda aupteit$ dt /cores,
ftbru inttrnitttnt$ s sitas eoni*qu*eiat,
PHARaCU ISFBC1AX HOMSOfATSICA.
Verdadeiros medicamento* homeopathicoa pre-
jarados som todaa aa caatel necoasarias, in-
allives em esos effeitos,tanto em tintura, come
am glbulos, pelos preces nais commodos pos-
sveis.
N. B. Os medicamento do Dr. Sabia* sis)
anieamente vendido em saa pharmacia ; todoa
que o foram fdra della a falsas.
'1
Todaa as sarteiras ao acompanhadas de ana
Impreuo com am emblema em relavo, tendo ao
raopr as seguintas palavraa : Dr. Sabino O. L.
Pinho, medico brasileiro. Este emblems posto
igualmente naIiata dosmedicamentoa qua ss pe-
AuisMitai' m"!!' ,tCl0^e, ,A*rUlrtsqaaniolavaremesaolmpraasa
ifttffiSrTk11, Be ?&> ?. *a** manado, embora anham na lampa
1W Grasham Houie, Od Brord Strt. at do Dr. Sabia* sao fsitii
*..
r
II
#"*% afl I ---~


"" '
'

}


3=
..g-^rr'ni.
Annuncio.
Preciea-se contratar ma pesaos pin ensinar
ptineiras letra, grammatica portuguezt a prin-
cipios de arithmetica em um engeoho datante
legua meta da terceira acepto da ea rada de
ferro ; na ra eatraita do Roaario n. 2, iegun-
do andar.
Joao da Silva tamos,
medico pela Universidade
de Coimbra,
d eonaultaa em caaa, das 8 a 10 horai da mi-
nha, e preata-ae a qualquer chamado omi bem
conhecida promptidao.
Sitio.
=
DUtlO ME PifcfUMMCO. *- S1TA flUU If DE JOMO D* ll;
Precita-se alugar um sillo com arvoreajpa de
(meto o caaa aoffrTel, perlo da prega : na ra da
Senzala Velha o. 96, padaria._______________
-Aluga-se o sitio da Man-
gabeira.em frente ao Jardim Botnico em Olioda,
obrado com oito qaartos, tres aalat de frente e
ala de trai, coaicha fora, boa agua de cacimba
a melhor da dita cidade, com arvoret de fructaa,
mingueiraa, mangabeiraa, maracujaea, coqaeiroi
e muitaa maia fracteiras, baiza de capim, rugado
para pleotago, capoeira com lenhe, otaria
prompta para fazer lijlo groaao e fino, looca e
telba ; quem pretender dirija-ae a Cioco-Pon-
tia casa n. 112.
Oa berdeiroa e conaenhorea do eogunho Bre-
j o na freguezla de Serlohem junto a a transito
da ria frrea team asaeotado entre el vender ou
trocar por caaaa neata cidade as ana* nspectivaa
partea ou meamo levar o engento a praca pdi
arreodamento a quem maia dar : qaeni prelen-
der dirija-ae a ra da Cruz n. 47, terctiro andar.
Precisa-te de um bom cozinheiro ou urna
boa eozinhetra, e tambem para fazer as compraa
na ra, aendo eacravo preferido, e ser do capaz
paga-se bem. Tambem precita-te de urna boa
(Toitureira e engommadeira,a meama tasan.41
da raa da Cruz do Recife.
Casa para alugar.
Aluga-se urna caaa na Capaoga Nota roa da
Amizade, a moderna, 2 aalas, 4 quartoa, coziuha
fora, qearto ao lado, cacimba com bomba, tanque
para banho, grande quintal todo mundo, com
muitaa arvorea de fruclo, aendo a maior parte
larangeiras: a tratar na ra daa Trincharas n. 1.
Ama,
Preeisa-se de urna
com toda a perfeicao :
ama que saiba cosinnar
na ra Nova n. 47. loja.
- Preciaa-ae fallar com o Sr. Joao Martina
Gougalves, natural da cidade do Porto, e na saa
falta com algoem que ao preate a dar informa-
edees saas: na roa da Cadeia n. 12, eicriptorio
de Balthar & Oliveira, _____________
Jos Antonio Dlaa Larangeira, vai para
Europa tratar de ana saude.
Empreata-ae 1:0009 com aeguraoga em
bena de raiz : na rm Direita n. 82.
ai
GRANDE
Laboratorio a vapor
DE
Lavagem e engomiaado
de roupa, de Ramos mentel.
Empreza importante, que vai presta ido rel-
Tantea eervigoe aeus freguezes pela pnmplido
e perfeicao com que lava a roupa aem t ettragar
PRECOS.
Roupa sorlida (embora nao venham meiaa nem
lengos] 40 ra. por peca.
Pegas grandes isoladamente 100 rs.
Roupaa de navios, vaporea e botpitaei 70 rs.
Dita de familia que nao (regaeza 80 rs.
Dita de doente de familia que nao 4 freguesa
a 120 rs.
Urna rede ou cortinado de cama ou vnranda
a 500 ra.
U prego doa engommadoa mdico u confor-
me aa pega, como coatumam fazer as eugomma-
deiraa. O praao da entrega da roupa lavada
8 diaa, e eogommada 15, sendo que muitaa vezea
eat prompta antea do praio. Deposita na ra
Nova.
Aluga ser a casa terrea
junto do sobrsdo cima citado e muito fresca
maa pequea ; com aa meamaa qutlidadee de
fructaa que o 'do sobrado; quem pretender
dirija-te s Cinco-Pontas caaa d. 112.
O abaixo aasignado ettibeleeio ha muitoa an
noa com taberna na ra do Arago, querendo
desviar de al qualquer julio desfavorave acerca
de um adital do Illm. Sr. Dr. jais de direiio es-
pecial do commercio, publicado no Diario de
Pernamboco de 7 do correte, em que por par-
te da direccio da caiza filial do banco do Brasil
cesta cidsde se juatiflcoa a auaencia de Joi
Duarte Coutinho, e este ckamado por ditos
para fallar sos termos de urna aceta ordinaria ;
declara para conheclmento do reapeitavel publi-
co e principalmente docorpo de commercio que
nao com o annunciante que ae enlende o man*
cionado dital, e aim com outro de igual nom,
como j fot recoobecido pela referida direccio.
Recife 26 de junho de 1862.
________________Joa Duarte Coutlnho.
Antonio da Costa Suva Maduro faz scien-
te que o Sr. Julio Diaa da Cunha deizou de ser
seu caixeiro desde o dia 23 do correte.
Attenco.
O abaixo eetignado faz aciente, nao obstante j
o ter feilo por diveraas vezea, quam quer que
interesse ti ver que nao faca negocio de qualida-
de alguma com Leopoldo do Reg Barros, rela-
tivamente aoa bena do casal do finado coronel
Francisco Jacinlbo Pereira, por quanto, alm de
se acharem aquellea bena embargadoa pelo juiz
de orphos, tem de se proceder nove partilba,
como foi determinado pelo tribunal da relago
por aentencaa j paiaadaa em julgado.
Recife, 23 de junho de 1862.
Manoel Jacintho Pereira.
SEGUNDA EDICCVO
DO
THESOURO HOMEOPATHICO
ou
Vade-mecum do homeopatha
pelo aoutor
SMIHD LIPHHD.
Este livro que se tem tornado to popular,
quanto necessario, acaba de ser publicado com
todos os melhoramentos, que a experiencia e oa
progreaaoa da ciencia tem demonatrado. A no-
va edieco em tudo superior primeira, en-
cerra:
1.* Maia amplaa noticias acerca do curativo
daa molestias, com iodiesedes mai proveitosis
doa medicamentos npvoa recentemenle experi-
mentados na Europa, .noa Estados-Unidos e no
Brasil.
2.* A exposigo da doutrina homeopatha.
3.* O eatudo da apropriaco dos remedios se-
gundo" as predominancias dos temperamento!,
daa idades, dos sexos, e segundo aa circunstan-
cias atmoaphericas etc., etc.
4.* A preeervacao ou prophilaxia das molestias
hereditarias.
5.* A preservarlo daa molestias epidmicas.
6.* Urna estampa Ilustrada demonstraliva da
continuidade do tubo intestinal desde a bocea al
o anua etc., etc.
Vende-ae na pharmacia. especial homeopa-
thica, propriedade do author, ra de Santo
Amaro (Hundo Novo} o. 6.
Preco de cada exemplar. .
N. B. Oa aenhorea assignantes
dar receber seus exemplares.
ATTESTADO
de cura de urna grande irammacao de
ligado.
Eu abaixo aasignado certifico que o Sr. Ricar-
do Kiik, com eacriptorio na ra do Parto n. 119,
curou com auaa chapas medicinaea urna minha
escrava que padeca de urna grande inflammacao
de gado ha maia de 4 annos, e obteve cura com-
pleta no curto espago de 28 diaa.
Pelo que lhe paaso o preaente atteslado para
aer coohecido publicamente, e pela prova de mi-
nba maia aiocera graiido.
Ra Formosa n. 41Rio de Janeiro.
Carolina Augusta de Miranda.
m ENSINO
Pratieo:T{jeorico
DA
LINGUA FRANCEZA,
SEGUNDO
O NOVO METHODO
DO
Dr. H. G.Ollendorff
PARA
Aprender urna lingua em seis mezes
POR
Cicero Peregrino,
Bacharel em direito.
2 vlumes em 8."
Sabio do pralo o 1.* volume deata obra, Integ-
ramente ora, e nica escripia am portaguex por
aqoellesysiema, approvada pelo conaelho direc-
tor da instrueco publica para aarvir de compen-
dio as aulas publicas da instruego aecundaria
da provincia, o accommodada ao uao de qnantoa
preteodwrtm fallar e traduzir com propriedade
4 lingua frsneexa.
Acba-ae venda no eacriptorio do autor, ra
do Oaaifflado o. 26, onde aioda ae recebem as-
signaturas (7(000), at a publicarlo do 2* volu-
me ; depois do que vender-ae-h&o a 109000 oa
exemplares. iShm
lotinas dcseliiD,
Cbegaram no vapor fraocez aa bellas bolinas de
setim branco para senhora, o vendem-ae em
conta na loja do vapor, ra Nova n. 7.
Algodo da Baha.
Proprlo para roupa de eaeravos saceos de as-
sucsr : vende-sena na da Cruz n. 1, eacriptorio
de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo A C.
Agua de colonia ambria-
da esem o ser.
Essaestimada agua de colonia embreada, de
que tantoa a tanto lempo sentem a falta, acaba
de chegar em bonitoa frascos verdes, os quaesse
esli vendando a 19500 cada um ; assim como
chegou igualmente um granhe aortimento da
verdadeira agua de colonia de Piver em frascos
e garrafinhaa de differentea tamanhos, tudo ia-
ao na ra do Queimado, loja da aguia bran-
ca n. 16.
. 20-^000
queiram man-
REMEDIO INCOMPARAVEL
UNGENTO HOLLOWAY
i Milhares de individuos da todas as nagoet
poden lestemunhar as virtudes desteremedie
incomparaveleprovaremcaso necessario,que,
pelo uso que dalla fizeram tem seu carpos
membrosi n teira mente saos depoisde ha ver em-
preado intilmente outrostratamentos. Cadt
pessoa poder-se-haconvencar dessascuras ma-
ravilhosas palaleitura dos peridicos, que lh'ai
ralatam todos os dias ha muitos annos; a l
maior parte dellas sao to sor prandentas qui
admiram os mdicos mais celebras. Quantai
pessoa s recobraran com asta soberano remedie
o uso da seus bracos a pernas, depois dedui
permanecido longo tempo nos hospitaes, o tei
deviam soffrer a amputago I Dellas ha mu
cas quehavendodeixado asses, asylos depadt-
timentos, para se nao submeterem a assa opa-
rago dolorosa foram curadas completamente,
mediante o uso desseprecioso remedio. Al-
gunas das laas pessoa na enfusao de seu reco-
nhecimento declararan estes resultados benfi-
cos diante do lord eorregedor e ou tros magis-
trados, afim da mais autenticaren sua afirmativ
Ninguen desesperara do estado de saude si
tivesse bastante confianza para encinar esta re-
medio constantementeseguindo algam tempo c
tratanento que necesstasse a natureza do mal,
eujo resultado seria provar i ncon testa velmente.
Que tudo cura.
O ungento be til, mala par tica
rmente nos seguinies casos.
22,
Ra estreita do Rosario a.,
primeiro aodar.
O dentista Numa Pompilio planta denles arti-
flciaeapor grampos e ligaduraa o a pressao do
ar, dantea ioeorruptiveia aobre ouro, sysiema
norte-americano e faz todaa as opera^ois de aua
rta e com promptidao e limpeza
Feitor.
Precisa-se de um feitor casado
ondego n. 105.
ni ra [do
Preciaa-ae de urna ama
n. 12, aeguodo andar.
no paleo do Tergo
Gabinete medico cirur^ico.<
aj> Ra das Flores n. 37.
# Serodada cons<aa medlcaa-cirurgi- SE
#B ca pelo Dr. Esteva o Cvale te li de Alba- tj>
querque da 6 aa 10 horas da manhla, ac- a)
0 cudindo aos chamadoa com a maior bre- a)
q vidade possivel. m
^ I- Partos. ^
g* 2.* Molestias de pella. m
8.* dem do olhos. s$
a 4.* dem dos orgos genitaes. t)
gm Praticartoda equalquer operact o em gj
og, aeu gabinete ou em casa doa doente:; con- aa.
S forme lhes fdr mais conveniente. a*j
O 9
0 Livro do Povo.
Sabio luz publica o LIVRO DO POVO, publi-
cado aob a direcgo do Sr. Dr. A. Msrqaoa Ro-
drigues, e contm a vida de N. S. Jeaus Chtalo,
saguodo a narraco dos quatro evangelistas, a
maia os seguintea arligoa: o vigario, o profeaaor
primario, o bom homem Ricardo, a moral prati-
ca. Simio de Nantua, mximas e pennatxtentos
a bygiane, os deveres doa meninos, e o Brasil.
A publicaco do LIVRO DO POVO nao so tem
por fim uniformisar a leitura naa escohs prima-
rias, onde cada menino aprende por um livro
differente, e prtenlo facilitar o trabalh) do mea-
tre e do discpulo, como tambem vulgarissr, por
am preco baralistimo, a historia do at.vador do
mando, e oa melbores preeeites de moi.il.
Veode-se o Livro do Povo, no Recife, na
livraria da praca da Independencia mi. ( eS, a
500 rs. o exemplar em brochura, e a 800 ri. car-
tonado.
O Dr. Carollno Fran-
cisco de Lima Santos,
mudou-ae da ra daa
Cruzaa para a do Im-
perador, sobrado n.
17, em frente da igre-
ja de S. Francisco, on-
de continua no exerci-
cio de aua proflssao de
^medjeo, a
Attenco.
Rog-se aoa devadores massa fallida de Jos
Antonio Soares de Azevedo, que leve taberna na
ra do Imperador, o obaequio de irem ou man-
darem pagar seus dbitos rus do Crespo n. 3,
loja de miudezas.
Precisa-ae de um caixeiro pertuguez para
taberna aita na Gasa Forte, de 10 a 14 anooa de
idade, dando-se preferencia aos chegadoa ha
pouco ; a tratar na ra do Hospicio a 28 ao p
do quartel.
Alporcas
Gaimbras
Gallos.
Aneares.
Cortaduras
Dores de cabega.
das costas.
dos menbros.
Enfermidades da cutis
em garal.
Ditas da anus.
Erupgoes escorbticas.
Fstulas no abdomen.
caiof as extremida-
des.
Frieiras.
Gangivas escaldadas.
Inchaoes.
nflammagao do figado.
Inflammagao da baxigt
da matriz
Lepra.
Males das pernas.
dos peitos.
de olhos.
Mordeduras da reptis.
Picadura de mosquitos.
Pulmes.
Queimadelas,
Sarna.
SupuracSes ptridas.
Tinha, en qualqoei
Tremor
de ervos.
Ulceras na bocea.
do figado.
das articulares.
Veias torcidas ou
das as pamas.
no-
Fonileiro e vidracciro.
Grande e nova officina.
Tres portas.
31Ra Direita3i.
Ueste rico e bem montado eatabelecinento en-
contrarlo oa freguezes o mais perfeito, bem aca-
bado e barato no seu genero.
urnas de todaa aa qualidades.
SANTUARIOS que rivalisam com o j i caranda.
BANHElRusde todos os lmannos.
SEUICUP1AS tdem dem.
BALDES dem dem.
SACIAS idem dem.
BAHUS idem idem.
PRATOS imitando am perfeicao bou porcel-
lana.
CBALEIRAS de todaa as qualidades;
PANELLAS idem idem.
COCOS, CANDIEIROS e flandraa Dira aaal-
quer aortimento. v" s
VIDROS em caitas e a retalho de todos oa ta-
mandaodq-aemanhos, botar dentro cacidada
am toda a parte. WM*'
Recebem-se encommendaa de qualq iar natu-
reza, copearlos, que ludo sari deitmi enhado a
contanto.
Precisa se de um caizeiro que emenda de
pharmacia : na botica da ma do Cibug n.11.
SOCIEDADE
Unio Beneficente
Maivrna.
De ordem do Sr. presidentescieotifico aoa se-
nheres socios effeclivoi que no dia 27 do crren-
te pelaa 7 horas da tarde, haverl sessao de as-
sembla geral aflm de tralar-ae do art. 39 cap. 7
dos estatuios.
Secretaria da sociedade Unio Beneficente Ma-
ri lima 23 de junho de 1862..
Ballhasar Jos dos Res.
1. secretaria.
Thomaz de Aquino Fonaeca saca aobre Lis-
boa, na ra do Vigario n. 19, primeiro andar.
Joo Leandro de Barras, natural de Per-
nambuco, aviaa ao publico que tendo chegado ao
seu conhecimenlo que neala provincia existe ou-
tro individuo de igual nome, tem resolvido, aBm
de evitar engaos, assigoar-se de boje em diante
Joo Leandro de Souza Lelo, escolbendo assim
entre osdoua ramos de aua familia Barroa, e Sou-
za Lea o, este por aquelle.
Manoel da Coala Ferreira, subdito porlu-
guez. retira-se para fora da provincia.______
Alugam-ae o terceiro e quarto andares ds
ra do Cabug n. 16, e o aitio da Ponte de Ucha
defronte do caea : a tratar na botica do Pinto, ra
larga do Rosario o. 10.
Aluga-se urna casa terrea o. 23 na traveaaa
doa Qaarteia, ouir'ora rus do Senhor Bom Jess
das Crioulas ; trata-se na ra Direita n. 8.
Attenco.
Na caaa de paslo da ra do Arago n. 1, em
frente ao largo da Boa-Vista, fornace-se comidas
em caaa e para fora, por commodo prego e com
asseio.
Aluga-se urna casa na Soledade com coma
modoa para familia, e grande quintal n. 54 ; n-
bolica da ma do Cabug n, 11.
Urna pessoa convenientemente
habilitada se propue a ensinar fora da
praca primeiras letras, latim e francez:
a tratar no pateo do Terco n. 33.
K
l 6Ana da Cruz--\ 6i
O Dr. Rocha Bastos
d conaultaa lodos os diaa.
Cura radical e en pouco das moles-
tias ayphililicas e dos orgos genito uri-
narios.
Consultas da greca daa 8 as 9 horas da
manba.
Vende-se este ungento no estabelecimente
geral de Londres n. 244, Strand, e na loj
de todos os boticarios droguista e outras pes-
soas encarregadas de sua venda em toda a
?marica do sul, Havana a Haspanha.
Vende-se a 800 rs cada bocetinha conten
urna instrueco em portuguez para explicar c
modo de fazer uso daste ungento.
O deposito garal em casa do Sr. Soum,
harmaeeutico, na ra da Cruz n. 32, an
parnambuco.
r
Vende-se ou arrenda-ae o engenbo S. Pau-
lo, perlo da praca, o qual d muito boaa socas e
ressocas, bom de [roga e entras lavouraa, tem
matas e outraa vanWgena: pessoa que o pre-
tender eatenda-ae com o Sr; Manoel Eleulerio
do Reg Bsrror, no paleo do Terco n. 44 ou no
mesmo engenbo com o aeu proprietario Joo
Francisco de CarvalhoPaeade Andrade.
O bacharel Witruvio po-
de ser procurado na ra
Novan.23,sobrado daea
quina que volta para a
camboad Carmo.
Casa de saude em Santo
Amaro.
Dr. Silva Ramos.
Eale eslabeleciment j bem coohecido, e con-
ceptuado neata provincia pelos relevadlas serv-
eos que lem prestado, contina naa melbores con-
dices debaizo da direcgo de aeu proprietario
receber doentes de todas aa claaaea, os quaes se-
ro tratados com todo e zelo e interesse pelos
pregos seguiotes :
Primeira classe.... 3^000ou mais.
Segunda dila...... 2$500.
Tercena dita...... 25OO.
Em qualquer das classes os brancos ficaro se-
parados doa negros. Os alienados de 2.a e 3.a
classe nao furiosos pagaro a diaria ordinaria,
sendo furiosos pagaro mais a quaila parte. Os
alienados da 1.a claaae pagaro segundo o ajuste.
laOi&pras.
Compra-ae urna caaa terrea com booa com-
modoa, naa principaea ras daa fregueziaa de S.
os ou Santo Antonio: na ra Direita n. 60,
rimeiro andar, se dir quem faz este negocio.
Compra-ae um cachornnbo d'agua peque-
no ; quem tiver dirija-ae a ra Direita n. 60, de-
posito : na meama caaa vende-ae um carro da
alfaodes com Irea metes de praao.
Compra-te o cDlatio de Pernambuco n.
285 de dozembre do aono prozimo paisado : na
livraria n. 6 e 8 da praga da Independencia..
Compra-se cooataotemente lilao vilho e co-
bre : na ra da Imperatriz n. 65.
-Comer*-ae um prelo de meia idade, de
boos coslames e proprio para aito, ama eacrava
qoe atiba coser e eogommar bem : na ra da Ca-
deia Velha n. 85.
*- Na travesa da ra das Cruzes n.
2, pjimeiro andar, tinge-se para todas
sa cores com presteza e commodo preco.
|Aluga-ae a caaa terrea da ra do Fogo n.
lf : a tratar na raa da Cruz a. lt escriptorio de
Antonio Luis de Oliveira A*eredo<
Vrada.
Vende-se urna grande caae de
ree e soto, aita na ra da Guia, com,
de largara e 130 de fundo, com am
Sintal, em chaos proprios, livre e
; as ra Nova p, 18, loja, ie dir quem
Vende-ae urna excallente negrinba de ida-
de de 11 a 12 annos, de muito bona costumes e
habilidosa : a ver e tratar dirijam-ae a ra da
Aurora n. 72, das 6 as 10 da manha e daa 3 da
tarde em diante.
Attenco
Vende-se a taberna n. 13, no correr da Sole-
dade.
Vende-ae orna negiinha com 11 annos, bo
nila figura, recolhlda, propria para todo ensino
na ra Direita n. 82.
Carne do
Serid
E' chegada a verdadeira carne do Serid, que
ae est vendendo pelo diminuto prego de 320 rs.
a libra, pela grande porclo que recebemos ; no
antigo estabalecimento da ra estreita do Rosa-
rio, esquina da raa das Larangeiraa n. 18.
Apparelhos de porcellaii a dou-
rada para cha de bonecas.
A loja da agua branca desejando que todoa
fagam a vootade a suaa bellaa meninas est ven-
dendo commodamente estes bonitos apparelhos
de porcellana dourada, e pintada a l$50O e 2jJ,
tendo cada um 6 casares de chicaras, e os mais
perteoces, a vista do que todoa irlo (munidos de
dioheiro) para compra-Ios na ra do Queimado
n. 16.
Attenco.
86 Ra Nova 36.
Acaba de chegar neale eatabelecimenlo um
completo sorlimento de relogios de ouro o praia,
sendo descuberto, com ponleiro grande no cen-
tro, e vende-te por prego muitissimo barato.
Camisas inglezas.
Vendem-se superiores camisas inglezas com
pregas largas pelo baratissimo prego de 359 a du-
zia : na loja da boa f, na ra do Queimado nu-
mero 22.
Ricas gollinhas epunhos
com botes
Vendem-se ricas' gollinbas e ponhos de cam-
braia e fuato ricamente bordadaa com lindos bo-
loea, pelo baratissimo prego de 29 cada guarni-
co : na ra do Queimado n. 22, na loja da
boa f. *
Bonitos paliteiros de porcei-
lana dourada.
Agora ninguem deizar maia de ter em sua
mesa um bonito palitelro de porcellana dourada
pois que ellea ae eato vendendo a l;e I.30O
oa loj da ageia branca n. 16.
Banha japoneza e outras mili-
tas novas perfumaras.
A loja da aguia branca acaba de despachar, de
aua encommenda um grande e bello aortimento
de finas perfumaras dos mais afamados fabri-
cantes, sendo as bem conhecidaa e apreciadas
banhaa, japoneza, transparente, philocome im-
perial em bonitos copinhos com iampa de metal,
dita noa copos graues, dita em compoleiraa li-
na e lapidadas, leos de baboaa, philocome
Fazendas baratis-
simas
Superior bramante de linho com duaa varas da
largura a 20400 a vara, ntoalbado da linho ada-
mascado com duas larguras a 2$50O a vara, brim
branco da linho muito superior a lg440 a vara,
dito de corea, fazenda multo superior a 1$, dito
pardo de linho puro a 800,1S e 19200 a vara, di-
to de quadrinhos muito proprio para caigas, ja-
3netas e palelota para meninos a 200 ra. o cova-
0, gangas fraocezis muito superiores a 400 rs. o
covado, cambrsiss francezas muito finas e de
muito bonitos padroes a 260 e 280 o covaJo,
carabraia lisa muito fina a 4f, 5 e 69 a pega com
8 1[2 varaa cada pegas a 49500, dita muilo supe-
' or o melhor que ha neate genero a U500 a pe-
ga com 17 varas, ou a 800 ra. a vara, chitas fran-
cezas de muilo boas qualidades e de lindos pa-
droes a 240, 280, 300 e 390 o covado, fil de li-
nho liso muito fino a 720 a vara, tarlatans bran-
ca e de corea a 760 a vara, toalhas de linho para
mos a 79 a duzia, ditas pelludas muilo superio-
res a 119a duzia, gollinhas de cambraia borda-
daa a 800 rs., manguitos e ollas de cambraia ri-
camente bordadas a 29 o par de manguitos com
urna golla, lengos brancos muilo linos com bico,
renda e labyrintho a 1(280 cada um, ditos da
cambraia de linho para algibeira pelo baratissimo
preco de 4, 5 e 69 a duzia, e assim um completo
de Daosa, philocome e
Lubin, pomadaa o.u cosmestiques, finos eztractos
dos preciosos e escolhidos ebeiros Jackey-Club,
mil flores, miel de Inglaterra Marechal, Principe aortimento de fazendas de lodas aa qualidades,
N.8. doarmo.
Novena, salve e versos, tres folhetos, tudo por
500 rs. : oa ra do Imperador n. 15, daa 9 horaa
da manhaa s 3 1|2 da tarde. SSK*v
Magalhaes des,
recebando varias fazendas novas aa vende por
prego baratissimo para acabar, na raa da Impe-
ratriz, loja e armazem da arara n. 56.
Cortes de chita da arara.
Vendem-se cortes de chitas finas com 12 li2
covados por 29500, chalea de la por 19, ditos de
laa e seda a 2J, ditos de merino estampados a
2J500, manguitos e golli de linho para aenbora a
23500, goliat bordadaa a 500 ra. : na roa da Im-
peratriz, loja da arara n. 56.
Arara vende as capas.
tta^SriVW WoffltefVe ?ro.&pd.S
preto modernos a 25 e 309, baldea de arcos mo-
dernos para aenhora, ditoa de brilhantina, ditos
do arcos para meninaa a 2g, aalas de cordo que
faz vez debalo por 19400; na ra da Impera-
triz, loja da arara o. 56.
Arara vende as saias.
Vendem-ae ssiaa bordadaa para aeohoraa a
29500, ditas de 4 pannoa a 39, cambraias lisas a
pega 18600, 29, 29500, 39, 39500, madapolo fino
de 24 jardaa a pega a 49400, 4g600, 5S, 59500 e
69, dito entestado a 39 ; na ra da Imperatriz,
loja da arara n. 56.
Alberto, George IV, etc. etc. Recommenda-se a
todas as seohoras de bom goslo o uso de qualquer
desses eslimados extractoa porque aquella que
em urna sociedade, theatro, ou baile estiver com
seu tino lengo orvalbado de lo sublimes aromas
lera por certo o prazer de ver aa suaa vlainhaa
da direita e esquerda lhe rendendo bomenagem,
perguntarem donna F. onde comprou etae lo
agradavel cheiro ? E ella orgulhoas de aeu bom
gotto, maa com ar prazenteiro lhe responder :
na raa do Queimado loja da agua branca nume-
ro 16.
Papel amisade branco e de
cores.
Vende-ae pacotes com 100 folhaa de papel ami-
sade branco e de cores a 800 e 640 cada pacole :
na ra do Queimado loja da aguia branca nu-
mero 16.
Cortes de cassa da arara.
Vendem-ae cortes de cassa preta a 29500, ditoa
de coree a 2/500, cortea de organdya com 15 co-
vados a 79, ditos com 25 covados a 89, ditos de
la com 22 covados a 8$, ditos de gorguro com
18 covados a 6$500 : na ra da Imperatriz, loja
da arara n. 56.
Queijos de coalh a 400
rs. a libra,,
e inteiro a 320 a libra, manteiga ingleza flor a 960
e 720, franceza a 640, cevadinba a 200 ra., sag a
240, banha refinada a 440, e am barril a 400 rs.,
gommade aramia a 100 rs e em arroba a 2980o,
vloho do Porto, Figueira e Lisboa a 480, 560 e
720 a garrafa, e 89500, 49 e 49800 a caada, es-
pirito de vinho de 38 graos a 240 a garrafa, 19600
a caada, cacna engarrafada a 200ra.: na ra
daa Crusea n. 24, esquina da travessa do Ou-
vidor.
i
Vendem-se caixes va-
sios, proprios par* funileiro,
a 1#280 cada um.
Peixeem conserva.
Vende-se salmn e (agostas em lasas de 1 a
2 libras, ebegado ltimamente no patacho inglez
Busy de Terra Nova, em casa de James, Crab-
tree & C ra da Cruz n. 42.
Vende-ae a
das boas ruaa da
tualmenle 4009 :
n- 58.
parte de um sobrado em urna
Boa-Visla, a qual rende ac-
a tratar na ra da Imperatriz
Vendem-se duas negrinhas. com alguma
habilidade : na'rua larga do Rotarlo n. 84.
Vende-te urna caaa terrea na raa do So ce-
g da Boa-Vitta, a qual tem boos commodos ; a
tratar na ra da Imperatriz n. 58,
Sitio venda.
Vende-te um sitio pequeo, porm ptimo de
ttrrat. com muitaa larangeiraa, coqueiroa e mais
arvorea fructferas, chao proprio, na eatrada de
Joo de Barroa, em frente ao pollSo do da viacon-
dega de tioiaona; a tratar na ma eatraita do Ro-
aario n. 38. aeguodo andar. ________
Venda de predio e terreno
com lgum dioheiro a vista e o resto
a praso, com seguranca no mesmo
predio.
Vende-ae a metade do sobrado aito na ma da
Concordia n. 34, e tambem a metade do terreno
no fondo do mesmo sobrado, com frente para a
cata de deterjgao; para qualquer informago de-
verlo oa pretendeotee eolender-ae com o agente
Guimarea, em seu escriptorio na ra da Cadeia
do Recife n. 3, primeiro andar, daa 10 horaa da
maoha ao meio dia. e daa 3 a 5 da tarde.
Millis a 10,000 rs.
Na raa 4a Cadeia n. 45, esquina da Madre do
Dos, vendem-ae borzeguins de Millis muito
boos a 10$ o ptT, aaaim come am aompleto sor-
limento de ostros salgados para homens, senho-
trae e meoinoz, tanto de Pars como da Nanita;
ambem tem constantemente soriimente deron-
pas feria e fazendir.
Attenco! attenco!
Aos pais de familia, bom e ba-
rato.
Na loja n. 20 da ra da Imperatriz acha-ae a
venda um completo o variado aortimento de boaa
fazendas, e que vitta de anas qualidades sao ba-
ratitaimamente vendidas, e para mais veracidtde
do que Oca dito, abaixo vo mencionadaa algumas
daa ditas fazendas,, a saber :
Chitas largas cor fiza a 240 rt.
Madapolo fino com 24 jardaa a 59*
Cambraiaa do corea a 280.320 e 400 ra. o eo-
TO.
Velludo preto e de cores a 29.
Lindeza de corea a 160 rs. o covado.
Lengos pequeos a 80,120 e 160 ra.
Chapeoa de caaior fino a 89.
Chitas pretas muito largas e finas a 240 rs.
Algodo trangado preto muilo bom para vesti-
dos de escravos a 200 ra.
Cambraia liaa com 10 jardaa a 29.
Cassa de salplcoa com 10 ditas a 39.
Cambraia bordada para cortinados com 8 va-
ras a 2/.
!4cabadecheB
gar ao novo |
armazem
DI
iBastos kRego]
Na raa Nova junto a Conceico
. dos Militares n. 47.
Om 'grande e variado aortimento do
roupaa feitaa, calgadoi e fazendaa e todoa
esle aevendem por pregoa muito modi-
fleadoe como de seu costume, assim co-
mo sejam sobrecasacos da superiores pan-
noa e casacos feitoa pelos ultimoa flguri-
noa a 269,289, 309 e a 359. paletots doa
meamoa pannos preto a 161, 181, 209 a
a 249, ditoa de caeemira de cor meaclado
e da novoa padroes a 14$. 169, 189, 209
a a 249, ditos de catemira de cor mes-
ciado e de novos padroes al4f, I6g, 189,
209 a 24J, ditos stecos das mesmaa ca-
aemiraa de corea a 99, 109, 129 e a 14g,
ditoa pretoa pelo diminuto prego de 89,
109 e 129, ditoa de sarja de seda a so-
brecasacados a 12f, ditoa da merino de
cordo a 129, ditos de merino chioez de
apurado goato a 159, ditos de alpaca
preta a 7f, 89, 99 e 109, ditoa aaccos
pretos a 49. ditos de'palha de seda fa-
zenda muito superior a 49500, ditoa de
brim pardo e de fuato a 39500, 49 e a
49500, ditos de faalo branco a 49, gran?
de quantidade de caigas de casemira pre-
ta e de corea a 79, 89,9| e a lOf, ditaa
pardas a 39 e a 49, ditas de brim de co-
rea finas a 2}500, 39, 39508 e a 4f, ditaa
de brim brancos finas a 4|500. 59, 5|5O0
e a 69, ditaa de brim lona a 59 e a 6*9,
colletes de gorguro preto e de corea t
59 e a 69, ditoa de casemira de cor a pre-
tos a 49500 e a 5$, ditoa de fuato branco
e de brim a 39 e a 39500, ditoa da brim
lona a 49, diloe de merino para luto a 49
e a 4|500, calcaa de merino para luto a
49500 e a 59, capat de borracha a 99000.
Para meninos d todoa eatamanhoa : eal-
cas de catemira preta a de cor a 59,6} e
78, ditas ditaa de brim a 2J, 3 e 1 39500,
palelota aaccos de casemira preta a 69 e
a 79 ditoa do cor a 69 e a "9, di-1
tos de alpaca a 39. aobrecaaacos t}e pan-
no preto a 129 e a 149, ditoa de alpaca
preta a 59, bonete para menino da todaa
aa qualidades, cemitas para meninos da
todoa oa tamanboa, meios ricos vestidos
de cambraia feitoa para meninas de 5 a
8 annos com cinco babados lisos 81 e
a 129, ditoa da gocgaciaUa.cor e de la
a 59 e a 69, ditoa da h m a 89, ditoa de
cambraia ricamentebosfeadoa para bapti-
sadoa e muitaa oalrat fasandaa a raapaa
feitaa que deixam de ser mencionadaa
pela aua grande quantidade; assim como
resebe-se toda e qualquer eacommnda
de roupts para ae mandar mjttrVctarar
e que para eale fim temos s aompleto
aortimento da fazeodta de goslo e ma
fraude officina de alfajate dirigida por am
. abil mealra qae pela sua arouplido e
nada deixa a de
que aendo a dioheiro vista se vendero por pre-
cos mui baixoa : na bem conhecida loja da boa
f, na ra do Queimado n. 22.
Camisas eceroulas
Vendem-ae superiores ceroulas de linho muito
finaa pelo barato prego de 269 a duzia, ditaa tran-
cadas de algodo, mas de muito boa qualidade, a
179 a duzia, camiaaa brancas francezas a 229,249,
26 e 309 a duzia, ditaa para meninos a 22$ a du-
zia, ditaa para homem com aberturas de corea a
229 a duzia : na bem conhecida loja da boa f
na ra do Queimado n. 22.
Manguitos com gollinhas.
Vende-se manguitos com gollinhas, fazenda
muilo boa, pelo barato prego de SOCO, gollinbas
e puohos ultimo goslo a 29000, gollinbas muilo
finaa e bem bordadas a lgOOO cada ama na ra
do Queimado loja de miudezas da Boa fama,
n. 35.
Tiras e ntremelos bordados.
Vende-te pegas de tiraa bordadas de 2,500,
3,000, 3,500 e 4,000 entremeios a I96OO e 2JJ00O
cada pega na ra do Queimado loja de miudezas
da Boa fama, n. 35.
Bonecas. francezas.
Vende-ae bonecas francezts ricamente vestidas
4?000 e 59000, e 23000 bonecas de cera com os
olhoa movedgos a 2J00 e 3$000, na ra do Quei-
mado loja de miudezas da Boa fama, n. 35.
Fvelas de ac para sintos.
T"*J*a a-r.i.. J ., ,,... ,.ia, 1*500 ri. e
29OOO na ra do Queimado loja de miudezas
da Boa fama. n. 35.
Baleias.
Vende-se baleias 120 rs. cada urna aspa de ago
para baloa 160 rs. a vara, bandea a l95O0rs. e
2$00 o par, na rus do Queimado loja de miudezas
" Boa fama, n. 35.
da
Gascariihas de seda.
Vende-se cascarrilhaa de seda para enfeitar
vestidoa a 25000 a pega na ma do Queimado
loja de miudezas, n. 35.
Meias de borracha.
Vende-se meiaa de borracha para quem padece
de erysipela a 159000 o par, meiaa de seda preta
para aenhora a lfiOOO o par na ra do Queimado
loja de miudezas da Boa fama, n. 35.
Palmatorias devidro lapi
dado.
Vende-se palmatorita de vidro a 19600rs., ditas
com mangas propriaa para rapazea a 4*500rs.,
cada urna, eacarradeiraa de vidro a 49500
e 59OOO o par, na ra do Queimado loja
miudeza da Boa fama, n. 35.
r.
de
Perfumaras muito Unas e
baratas.
Opiata ingleza a 19500 rs, dila franceza a 5G0
ra., 640, 19000, oleo da sociedade bygienique
verdadeiro a 19C00 o frasco, oleo babosa de Piver
verdadeiro a 800 rs. o frasco, agua balsmica
para oa denles a 19000, dita de Botot tambem
para os denles a 15000 o frasco, pomada france-
za em paos a 500 rs. e 19000, 320 rs. sabooetes
muito fino a 640 rs., 800 rs. e 19000 cada um na
ra do Queimado loja de miudezas da Boa fama,
n.35.__________________________________
A 2U rs.,so pavo.
Veode-se chita franceza escura de cor flxa a
dous tustdts o covado : na ra, da Imperatriz n.
60. loja e armazem do pavo.
A 2#500, s o pavo.
Vendem-se cortes de cambraia branca com 2 e
3 babados a 29500, ditos de tarlatsna brancoa e
de cores, com barras e babados a 39: na ra
da Imperatriz n. 60, loja e armazem do pavo de
Gama & Silva.
A 50 rs., s o pavo.
Vendem-ae as mais modernas o finiuimas la-
zinhas de quadrinhos e de flores soltag epalmi-
nbas, desembarcadas do ultimo navio viado do
Havre,pelo baratissimo prego de quinhentos ris
0 covado, e do-ae ae amostras com penhor: na
raa da Imperatriz n. 60, loja e armazem de Ga-
ma & Silva.
Cabaias hespanholas, na
loja do pavo, a 400 rs.
Vtnde-te esta nova fazenda de padroes delica-
dissimos com 4 1|2 palmos de largura, propria
para vestidos de senhora a 400 rs. o covado : na
ra da Imperatriz n. 60, loja a armazem do pa-
vo de Gama & Silva.________
As afamadas agulhas impe-
riaes com fundos dourados,
e dedaes de marfm.
Acabam de chegar para a loja d'agoia branca,
ra do Queimado n. 16.
Cabrio le t.
Vende ae um cabrioletde duas rodas e desco-
berto, em muito bom estado, e pintado de novo,
com arreioa para um cavaiio : para ver, na affi-
eina de Mr. Crotjean, na ma da Florentina, o
para tratar, na ra e Trapiche n. 14, primeiro
andar.________-
Um terreno.
Veade-sa por prego sommodo um terreno na
ma do Hospicio, proprio para ae edificar ama ca-
sa, havendo terreno tufiiaete para cef cosa
a qrotal aapagoso : a tratar na raa do Trapi-
chero. 14, primeiro indar.
-i- _
^aw. .-*-----^-"-----------------------------m

------fc.



9
mmu
T


Ricas fitas para<
cinteiros, etc,
A loja ifafuta branca acaba da
traordinario aoriimeulo da ricaa
em qualidade qaao bonita* dos d
eolra ellaa o mala largo que
como alguarss pec brincas con
nroprio para inscrlpcSes, e mtitt
fsreotea corea como da caf, ron
etc., a como de sea louvavel c
d'ogtiia -branca, nata do Quaimt
da por prego caro modo eisas boa:
MAMO M fBaUUMBUCO ,mk
A PBMft V DB JDHHO DI 1M1
Capeos,
etc.
rae efcer un i-
fi lis, lio boai
mentios, tendo*
poisi?el; assim
(i centro lio
s outras dedil-
sacara, etc.,
)itume ; a loja
do a. 16, rao-
i e bonitaa fita*.
GraYatas de setim com
ponta larga a 1$
Vendem-ae graratas pretal da bom aetim a
cora pootai largaa a 19 ca,da urna, to baritu
assim a a*/cha na rea do Qaeiraado, loja d'i-
guia branca n. 16.
Nova ltenlo.
O vigilante acaba de recebar tovo aorlimenlo
da diversos objeclos que ae veoileo por menos
20 por canto do qua am outr quilquer parle.
Si utos para sen lloras.
Rlqwissimos aintos douradoi, pelo baratiaaimo
prego da 2$, a com Arela ao lado a 4$, assim co-
mo do fita de seda ou velludo a 1$ : a no gallo
vigilante, roa do Crespo n. 7.
Ente i tes.
Vendem-se os riquissimoa eofeitej da cabeca
com (raoja e vidrilho a 59, ditos s am franja a 39,
ditos traugados a 20500, ditos de lago de fita e
bico de aeda a 29: s no gallo vi jilsnte, roa do
Crespo n. 7.
Fivolas para si ato.
Riquissimas fivelaade agocoru madreperola no
centro a 19200. ditas de madrep douradinhae a 340 : a no gallo "guante, ra dp
Crespo n. 7.
Vidrilho.
Lindoa vldrilbos pretos e de coral, pelo bara-
tsimo preco de 19600 a libra : al no gallo vigi-
lante, rus do Crespo n. 7. -
Para entreter o tempo.
Os lindoa jogos de dminos a 1;!400, lindaa cai
zinbaa com jogos de vispora a 90C rs.: a no gal-
io vigilante, roa do Crespo o. 7.
A bauha fina,
em copos grandes, ebegou para 1 loaj d.agiia
branca, ra do Queimado n. 16.
i o
Vi
B 3 ?
2 2
a* %
S -a
c = Z
"-as 7!zL.
a> = a
""2 T
03 "? ^ 2 "
2 2-5
ai 8 ^ o
a s 2
o m <
~ > -. ^J
5-rg
o -
32-g 'O i 3,
<
-<* a--
2- 5 13
o 1 e D f^^
_ _.
- j ja 5-
RSS-
rJg .
- 3 **,
c.2.2 a.
8'
5 5 5 8 3.
3 S Ni*
- 2 Z w
*
B.2.J CD
s 5'. r^.
o
-o

3 I S i
ILDJ^
das seis portas em trente do
Livramento. 15, c;0,30 e 40
arcos.
Grande aortimento de saias a balao de arcos,
os melhores qe aqu tem apparncido no merca-
do a 49500, 59, 6g e 69500 cada uro, d se para
amostra com penhor ; a loja eat.i aberta at as 9
horas da noite.
Loja de miudezas.rua doQuei-
mado a. 33 A, de Guimares
* Rocha.
Cbegaram01 botoes de cornalina brancoa en-
carnado!, qua ae vende por 39a dazia, oa por 1J
o par para punhos, a ha neata loja, crazea A
cornalina para rosarioa, e propriaa para encaatoar
em ouro a 19, Santas de abano de 5 chavea com
caixi, palo barato preco de 20$, pos de arroa aro-
matisado a 19500, en fr.aco. maito lindaa a 89,
agulhaa victoria chagoa novo aortimento, o prejo
o oeimo de 190, carteina para aacrever, pro-
priaa para viagam, com tinteiroi etc. a 11 e 169,
ntremelos bordados, e transparentes a 19500,
19800, 25, 2J500 e 3J, tiras bordadas para caigas
de meninas e saias a 15 e I9, labyrintho inglez a
80,100.120,160, 200 e 240 u. a vara, fitas finas
de grosdenaple achamalotado propriaa para .cin-
tos a 15500 a vara, colheres de metal principe
para cha aopa, a 59 e 2|500 a duzia, lacas da
cabo de balanco a 6 79000, cabo de viado por
49500, meiai para hornea a I98OO, 29IOO, 39660,
59 e 69 a dazla, meias de seda para crianza raa-
cem-nsacida, lindaa cora* a 29 o par, meias da
algodao para meninoa e meninas a 240 o par, flo-
rea artiflciaaa para enfeitea a 19, capeliaa para
ooiva, a a Eiperanca vende por 51, de flor de
laraogeira, fitas de velludo largaa e eitreitinhas
como ae procura a 19 a pe?a da eatraita, teaouraa
para unhaa de ac finia a 19500, carva etc. para
coitara a 600, 800,19280 e 19*00, pontudaa de
ac para cortar os no comeco do labyrintho, s
tem a Esperanza, que vende por 1$, tinta aznl e
preta (rerdadein ingleza] a 320 e 640, qua se
vend barata por aer receida directamente do
fabricante, pennaa de 150 ingieras e de mnitas
qualidades preces difiranles, papel almaco io-
glez, reama de 500 (olbaa a 69 (paitado), dito al-
maco frincez, reama de 420 (olbas a 49 (pautado),
dito sem aer pautado a 39200 49, dito pequeoo
tarjado de preto a 19500, dourado a 15500, de
corea a I96OO, bordado como renda, e pintado
com palmea, rosas, etc., por precos rasoaveia,
ama infioidadea de artigoa baratos, eacolhidoa
com gosto eacert para uso domestico,especiali-
dades vindas de encommenda, nao viataa oeste
mercado, que recebe esta casa constantemente.
raros m
NOS ARMAZENS
Reiogios.
Vande-sa am casa do Johnston Paler C.,
. < do Vigirio n. 3, um bailo sortimento da
telogios de ouro, patente ingles, de am dos mais
afamados fabricantes da Liverpool; tambem
ama variedad* da bonitos trancallins para os
mesmos.
MSN9HMK mmm-mmmmm
|Loja das 6 por-l
tas em frente do Livra -
ment
[Baloes de 15, 20, 30 e 40 arco.
Grande sortimento de baldes de arcos
os melhores nesta fazenda e grandea,
chitas francezas largaa escuras a 221) e
240 rs. o covado, ditas eatreitaa mindi-
nhas a 160 rs. o covado, cambrais lisa
pars forro com 8 1(2 varas a 29 a pea,
ditas finas a 39, 49. 59 e 65 muito finas,
ditas de salpiquinho com 8 1|2 varas a
89500 a pega, cobertaa alcoxosdas bran-
cas e de cores para cama a 49500 e 55,
cassaa de corea francezaa (iotas aeguras
a 320 ra. o covado, peca de bretanha de
rolo a 25, algodao trancado alvo muito
largo para toalhaa a 19 a vara, enfeitea a
m Garibaldi todoa pretoa a 59 cada um. len-
to ?os brancoa com barra de corea a 120 ca-
I da um, roupa falta da todas aa qualida-
8des maito baratas, a loja est abaita at
as 9 boraa da noite. _
mwWWIWWW^a^wtnajw irire JV Mrainn vWjO
Superior cal de Lisboa.
Tem para vendar am porco e a retalho Anto-
nio Laiz de Oliveira Azevedo & C-, no aea e-
criptorio ra da Cruz n. 1.
iMilia.
Guimares & Luz, donos da laja da miudezas
Ja ras do Qaeimado n. 35, boa Irma, partiaipim
o publico qae o sea estabelecimonto se acha
completamente prvido das melhore mtreadorias
tendentes ao mesmo estabelecimanLo, e muitos
outros objeclos -le gosto, sendo quasi todos rece-
bidos de suas proprias encommer -Ja.j ; e estando
elles inteiramente resolvidos a nao venderem
fiado, afiangam vender mais barnto do qae oatro
qvelquer ; e juntamente pedem ios seus devedo-
r-.'s qua thes maodem ou vanharx pagar os seus
dbitns, sob peo d**rm iuilicados.
Soahall Mellora & C, teodo receido or-
dem para vender o seucrescido deposito darslo-
gioa vjslo o fabricante ter-se n tirado do nego-
cio ; convida, portaolo, speasoaa que qaizerem
possuir um bom ralogio de ouro ou prata do ce-
lebro fabricante rtbrnby, a aproreiur-aa da op-
portanidade aem perda de tempo, para vir com-
pra-loa por commodo prego no aiui aacriptorio
rn do Trapicha n.28.
Ra da SeuzalLaNova n. 42.
Yend-se em casa da S. P. Jonhston di C.,
sel I i os e silhea inglazos, candi i iros a culicaes
bronzeados, lonas ioglezas, fio de vela, chicotes
para carros e montara, arreios para carros de
um a dous cavalios, e relogtos de onro patente
inglez.
Queijos
c$ mais frescos que tem viudo ao nosso
mercado chegados no ultimo vapor a
2#000 e no pawado a i #800.
Amendoas
coneitadas at mais bonitas que iia no
mercado a 800 el# a libra : vende-se
nos armazens Progresista e Progreisi-
vo no largo do Carmo n. 9 e ra daj
Cruzesn. 36.
Attencao
Chegou para a 1^, dt Tcioria, cmdieiroa a
gas de novoa gostos a-dVa,- tatito para aala,
como para esoada b quariUie ^lt outraa znuitaa
coaaas: na loja da victoria oa ra do O-aimado
o. 75,
g Rices pianes
@ de variog autores, v ?ndem-e
^ emeasa de Kalkmann I rnifios & att
tg C.^rua da Cruz n. 10. m
Na ra da Cambo a do Carmo loja n.
12, vende-se toda a qualidade de mobi-
lia tanto ao gosto moderno como anti-
gaf phanthasia etc. por preco mais
commodo do que em outra qualquer
parte, faz-se toda a qualidade de obra
de encommenda com a maior b te vida-
de e o maior apuro da arte.
|liquida?o por todo
$ o preco, na bem co-
nhecida loja do Ser-
tanejo.
Ra do Queimado d. 4S.j
Apparec.am com di-
| nheiro que nao deixaro
de comprar.
Chitas escuras finas a 160, 180 e 500
rs., cortes da vestido pratos bordados a
velludo de caato de 1509 e se vendem
por 309,409, 50 e 709. sabidas de baile
de velludo e aetim a 12 e 139, camiaae
para seobora a 29000 e 39500, golliehas
de cambraia bordadas a 500, 600, 700,
800, 900 a 19, ditas de fil bordadas a 120
ra., casaveques de fusta o a 59, 69,75,89,
meias de seda brancaa e pretaa para ae-
nbora a 1S200 o par, tiras de bobados a
500 e 700rs., lasde quadro enfeatadaa a
300 e 360 ra. o covado, cambraia preta a
400 e 440 ra. a vara, organdya de corea a
600 ra. a vara, fil brinco adamascado
para cortinados e vestidos a 400 e 500
ra. a vara, cortes de col le te de case mira
bordados pretos a 29 e 39000; ditoa de
velludo de cor e pretoa a 39, 49,59 e 69,
paletots de brim branco frincezea a
39500 49500, ditos de casemira de co-
rea pratos a 149 e 169. ditoa de alpaca
preti e de corea a 39,35500, 49 a 49500,
misas de peito de iioho a 59500, cortea
de collate de gorgoreo a 19500, 19700,
29100, 5| e 38500. colletas Jeitos da brim ya.
branco a 29500, ditos feitos da gorguro 1
a 29500 e 89500, ditoa feitoa de casemira
a 35500, 48 e 455OO, ditoa de velludo a
59, 69 e 79, ditos 4* fnsto de corea a
15500, um variado aortimento de meias
para homem e senhora, grioaldaa com
florea, chalas de froco, espariilhoe, a to-
da a qualidade de roupaa feitaa para ho-
rnea que tudose vende por metade do
aea valor.
DE
Caetas caligraphica
a500rs.
Recentemonta Inventadas pelo profesaor Scul-
ly, as quaes com a extraordinaria vantagem de
obrigar e acostamar para sempre o discpulo
pegar na peona de modo adeqaado, sendo guar-
necidas asas canetaa depeqaenas chapas conea-
vaa nos logam onde ae devem collocar os tres
dedoi, facilitando aniaa rooito a eseripta, c con-
trllwiodo aobmnaneira para qualqaer pessoa em
poawo lampo aiJqoerlr orna boa letra. Ntese
alada qae aervem tanto- pars adaltea como para
aoainoa. A'venda, m cus de Guadas 4 Gon
DUARTE & C.
36 Ra das Cruzes de S. Antonio 36
-
O L AltGO DO ARMO 9.
Nos os proprioiarios desles acrediudos armazens participamos aos nossos numerosos
freguzes que por todos os vapores a navio da tola recebemos de nossa propria encommenda os
memores ganeros.tendente a molhados, e por isso podemos vender por menos 10 por eento do
que oatro qualquer, como a experiencia o mostrar por isso pedimos a tedos os Srs. da praca e do
mallo, que anda se nao deram ao trabalho de mandaren experimentar, o favor de o fazerem, cortos
ae nada perderem, pols para isso nao pouparemos torcas para bem servil-es e ainda mais a pessoas
menos enbmaidas,cerUM decwtareeer aos compradores que s na ra das Cruzes n. 36 e largo
do lamo n. que devem inderecar os portadores, pois muito se ovildam com outras casis quasi
dos mesmos ttulos (ProgressisM e Progressivo) pois sao as duas nicas filiaos.
j. atltei^a ingleza a m\s nova emas 8UQerior do mercado a 900 rs. a libra.
A.1^ ^rance5|a a methor que se pode desejar a 650 rs. a libra e em barril a
600 rs. '
n! ?aXira mas espec'181 qo se pode encontrar a 2880 a libra.
Cha hysSOil 0 jieihoj que se pode desejar ds 2400 a 2800 a libra.
LvHa^ pretO 0 que se pode desejar neste genero a 29 a libra e a 1*600 o ordinario.
QUeijOSflameilgOS chegados no ultimo vaporas 19700.
yeij O pratO 0 melho do mercado a 600 rs. a libra e sendo inteiro a 500 rs.
^|liei/OS dO SertO muito superior a 640 rs. a libra tambem temos para 500 rs.
Passas em caxinhas de 8 Jibras ,25ooe5oors.. m>r..
FlgOS era Caixillhasr de S libra, a l600 a 200 rs. a Iftra.
AmendoaS (1a CaSCa mole 320 rs. noZes a 160 rs. libra muito novas
AmeiXaS franeeZ^San.utoeeralatas com5libras a 49000.
Marmelada Superior a melhor do mercado em Uu. de duas libras a 400 rs, a
libra. i
Doce da casca da goiaba soo rs. o aixo.
amaras em caixinhas proprias para mimo a 2$500 e 800 rs. a libra.
LataS COm frutas era Calda como pecego,' damasco, ginja, ameitas.
alperxe a 600 rs.-
AmendoaS COnfetadaS com diversas cores a 800 rs.
,n"OS generOSOS engarrafados das seguintes qualidades, duque do Porto, Porto
uno, Pedro V, velho secco, genuino. Nector, Carcavellos, Feitoria, e Madeira secca a
12 e 135? a duzia e a 19100 a garrafa e muscatel a 720 rs. a garrafa.
L7lt08 empipa proprios para mesa de 3&600 a 49 a esnada e de 500 a 600 rs. a garrafa,
do Porto, Lisboa e Fjgueia.
?SreTVejBB das melhores marcas irt00 rs. a garrafa e 58000 a duzia, cbanpanhe das
maress mais acreditadas de 149 a 209 o gigo, cognhac o melhor que se pode desejar
a900rs. agarrafa.
Lelle Dra da verdadera hollanda em^arrafoes de 16 garrafas a 63*000 cada um.
v*eneura italiana a mais sublime que tem vindo ao nosso mercado em frascos grandes
a 29000 cada um.
T rasqiieira Com 12 frascos de genebra de Holanda 9800
IxarraiOeS com 5 garrafas do superior vinagre a l$0OO
Vinagre puro de Lisboa ,240 r8. ,g,rrafafla lf800 acantda.
Marrasquino 0 mais superior que se pode desejar a 1&000 a garrafa.
tkSpermaCete 0 mais superior do msreado em caixinhas de 6 libras a 45200 e 700 rs
a libra.
VelaS de Carnauba a U9500 a arroba ,380 a libra.
AJlCOretS comazehonas as melhores do mercado'a 1^400.
V^aiXaS eom 1 arroba hespanhola'contendo maearo talhirim e aletria a 65000.
baiXinn^S com diversas qualidades de massas corto sja eslrelinha pavide etc., a 69000
e 640 rs. a libra.
Chourigas e Pa i os osaAhom do mercado a 560 w a ^^
Oa lames 0 melhor que se pode desejar a 700 rs. libra.
r reZUnfOS 0 que se pode dezejar de bom a 640 rs. a libre.
atillgUlaS finas em latas ga promptas a 19600.
"eiXe^ em latas cavalfinhas pargo, e linguadosa 1,9600.
1 OUeinhO do reino a 280 rs. a libra do novo, e 240 rs. do velho.
ISanna de pOrCO a melhor do mercado em latas de 10 libras a 49000.
Massa de tomate i8laSde i brra a 700 rs.
'iaBSa8 para SOpa talharimemacarroa 280rs,ealetria a 320 rs.
ralltOS llXadOS em macos com 20 macinhos a 200 rs.
Papel greve pautado e liso muito superior a 49000 a resma;
r Va-ClOCea 360, pimenta a 360, eanella 900 rs., ecomiohos a 800 rs. a libra.
PalltOS do gaZ a 29300 a groza e 20 rs. a caixinha.
Oal refinado am pacotes de maisde urna libra a 160 rs. a potes 560 rs,
Oa^tt muito novo a 280 -a libra e aevadinba 200 rs.
S. JO AO'
VENDE SENOARMAZE1H
PROGRESSO

DE
Francisco Fernandos Duarte
Largo Aa Penhm
Os memores gneros -que vem a este mercado e por menos 10 por canto do que em outra
qualquer parte, garantindo-se a boa qualidade, por isso roga-se a todos os Snrs. da praca de en-
tenhos elavredores o favor dei mandaren auas encommendas a este muito acreditado armazem de
molhados, afim de verem a differenca de preco e qualidade que faz. M foswm comprados em outra
ra
ti-
em
Farinha
doMaranhao a 160 n*+ libra e gomma a 80 re. a libra e 29*00 a arroba;
^*^- i? *d0 ^^ me,hordo nw^dode 89500 a 99500 a arroba.
Ca XI n OaS as mais elegantes, propias para mimos ou mesmo para guardar joias de 400 fs.
a 19500 e temo com- 6 caixinhas a 59000.
Chocolate hespanhol ^rd.deiro. 19000 ..
Krvilhas portuguezas e francezaseeijoverd.d.64o 720 .
a ls(8
1 raques os melhores do mercado a 109 acaixa ea 280 rs. a carta.
?aVel em latas ebegado no ultimo por a 19600.
Bolaxinha de soda em utas 19400
BolaXlnha ingleza amis nova do morado a 49500 a barrica e 300 rs. a libra.
AVelaaS ehegadas ltimamente a 320 rs. a libra.
Sardinhas de Nantes a 400 re. a uta.
Aieitc doce refinado^tn caxasoo. ^mu,
ArrOZ a smcos de 5 arrobes do venaelho a 29500.
LlCOf68 os mais anos que ha ao mercado alfa garrafa a 109 a duzia, tambe temo
para menos.
AUm dos ganaros annuneiadocetoontrari o respeiuval publico tudo que for perlencen-
teaesteseslabelecimentos. Os proprietariotacitnlifloam que estes precos s serviram para aquel -
calves, im da tadia o. 7 : Gailbevmo 8oUyJfta 8nrg" V* mtai"tJa S9U Dipetenie importe e todos os demaie freguzes de litro teram de sujei-
profesior de caltgreehta, Rio de Janeiro, 1 ar-ie palos precos acosiumados, salvo iqMto da fim da meZj
diderenga ae preco
qualquer parle.
^M*mj**mS confeitadas para sorte de S. Joao a 800 rs. a libra, tambem tem-se
6*0 rs. a libra sendo em porco, tanto de urna qualidade como de outra se fa* i
ment.
Haatteiga lg\eza da safra nota de primeira qualidade a 850 a- libra,
barril se faz abatimento.
a&aUtolga iraatQZa a mais nota a 640 re. a libra, am barril a 600 re.
^HlJa QO TelatO muito frescos chegados neste ultimo tapor a 29000 ditos ehe-
gados no ultimo navio a 19800.
JJ, ^. r"**0 o mais superior que tem vindo a este mercado a 800 rs. a libra.
nT*1 meMl0r qU8 h n merc*do a 2*800 e 2*200 ,bra> fian^a-se a boa
-^ata UXin o que e pode desejar neste genero a 39000 a libra.
Glia pretO homeopathico a 2*200 a libra em porco se faz abatimento.
I raques HOYOS de patio transado a 230 rs. a carta e em caixas com 40 cartas por
99000. r
LataS COm am^HdoaS confeitadas, proprias para mimo, contendo mais con-
feitese assucar candido por 19600 cada urna.
IfaSSaS em caixinhas de 8 libras ehegadas altimamente a 29000 cada urna e a retalho
a 480 rs. a libra.
DOlaXtHiia de soda em latas com differentes qualidades a 19440.
BOlaXlBu& ingleza a mais nota que h no mercado a 49000 a barrica e a retalho
a 320 rs. a libra.
V Hio e .1k\ Btpa de superior qualidade Porlo, Figueira e Lisboa 500, 560 a 640 re.
a garrafa, e em caada a 39500, 49000 e 49500.
VVnnOS engarrafados Duque do Porto, Lagrimas do Douro, Carcatellos, Fei-
toria velho, e de outras mutas marcas acreditadas a 19200 a garrafa, em caixa a 129
tambem ha para 19000 a garrafa.
*nMampnnne aas mareas mais acreditadas a 159000 e 209000 o gigo, e em garrafa a
i58od
Seiveja da marea cobrinha ou de outras marcas conhecidaa a 59000 a duzia e 500 rs.
a garrafa.
K-rviVllfA fraocazaa e portuguezas em lataa MLa^a tomate em tattas de l libra por 800 rs.
^^*x&* f taneeZaS 6m latas de l e mea libra por 11500, ditas com 3 libras or
2#80O; r
A.n\enaon9 de casca mole muito notas a 320 rs. a libra, em arroba por 8)5000.
\03,eSa 120 rs. a libra e em arroba a 3#000.
WetrAa, maearrae e talharim a 400 rs. a libra, a em caixa com l arro-
ba por 69000.
EiStreltiane, pevde e arroz-de massa branca ou amarella, a 640 rs. a libra, e em cai-
xinhas muito enfeitadas se faz obatimento.
"ailtOS ae OenteS lixados os maisbsm fitosque tem vindo a este mercado a 280rs.
tambem ha para 200 re.
PreinntoS inglezeS para fiambre a 800 rs. tambem hamburguez para fiambre a
640 rs. a libra e do reino o mais novo que ha a 560 rs. a libra.
LUOUriCaS epaiOS muito novas a 560 rs. a libra eem barril se far abatimento.
Salame 0 melhor petisco que pode haver por estar prompto a toda hora a 800 rs. a libra.
T OUennO do feiaO muito novo a 280 rs. a libra e em barris de 1 e meia arroba
a 59 e 79 a arroba.
l^nOUTlCSS em latas j promptas para se comer a 19800 cada urna.
Banna de poreo refinada em latas Mm I0 libras por 4f300#
Mita em barril mut0 fina e aIva a Ai0 rs a ,ibra eem baa a 400 rs_
CSTtoeS eom bollo raneez proprios para mimo a 500 re. cada um.
lH.armeiaaa imperial do afamado Abreu e de outros muitos fabricantes de Lisboa a 800 re.
a libra.
Warmelt da de Alperche em latas de 2 libras por 19000 cada urna,
i c aBl rUClas e oce em ca]ja as melhores que ha em Portugal como se-
jam pera, pesego, damasco, ameixas, ginja e sereijas a 800 rs. a lata.
UOCeS SeeeOS e em cM, em Utas, de 4 a 5 libras por 29000.
V>HOeOlate hespanhol a 19500 rs. a libra, ditto francez a 19100 ditio portoguez a
800 rs., afianea-sea boa qualidaJe. .
vale de primeira qualidade tanto do Rio como do Cear, a 320 rs. a libra, em arroba a
m 99500, dito mais baixo a 280 rs. e 89500 a arroba.
sevaOinna de Franca a mais nova do mercado a 240 re. a libra, e em ponjao se far
abatimento.
^*fa muito novo a 320 re. a libra e em garrafes com 5 libras, por 29000.
I? arinna do reino das marcas SSS ou galega, a 140 rs, a libra.
Hita do Maranhao alva e cheirosa a 160 re. a libra e em arroba 49500.
l elSS de carnauba refinada a 400 rs a libra, e em arroba o 129000.
rVZeitO doe refinado a 800 re. a garrafa, e em caixas a 99000.
Vinagre de Lisboa a 240 rs. a garrafa e em caada a 19800.
"nO cherez verdadeiro a 19500 a garrafa, e em caixa 149000.
tnno braneo de Lisboa o mais superior que ha no mercado proprio para missa a
640 rs. a garrafa e em caada a 49500.
n**tOS suspiros do fabricante Brandao em meias caixinhas, por 29500.
UllOS suspiros do fabricante Catanho Filhos em meias eaxinhas a 29000.
UltOS era u\xu ^ ^q j^, imperwl, VUgantes, e Panentellas, a 29000 a caixa.
AlplSta muiu limpo, a 180 rs. a libra, e em arroba 59500,
AzetOHaS muito notas, a 19600 rs. cada tima anooreta, a 400 re. a garrafa.
ArrOZ de Maranhao a 120 rs a libra, e 39700 a arrota.
rSlXe de postas em latas das memores ojialidades de poixa que ha em Peitugal a 19500 re.
Genebra de Hollanda #m gn& com 25 garrafas por 09000.
aftOStaTda inglesa muito nova 49000 o frasco e f ranceza a 640 rs. o pota.
Alm dos gneros cima mencionados-Qncontrar o respeitatel publico um completo serti-
mento de tudo qua tendente a molhadoij *



s*
"Sil l^%r% ira--a p
^F
*


I_
.-S3aL-~ .'"'
DIARIO Di PWWAM103 BITA PE18A 17 DB JRHO DE 162
45 Ba Direita4S
A epidemia declin sensirelmaate, s o mi
completo deasppsredmento est proi.imol O
proprieUrio deste bem toriido eeUbe' eciraenlo
convida o seu* numerosos fregueses a lubstiteir
o Qalgado reino, que todo eiti eholericc, por do-
to, que poaaa resistir a mil sebo lis e meszar-
aa que vio aet danaadeaem leuror do reetabe-
lecimento da saldo publica. Oa prn;os con-
ridam:
HOMENS.
Botinas afamadas MUs. ; : 12|000
!>
a non-plus-ullra Nantei.
Nantea 3 baleriat..............
s> a lastre.......
ioglezea de boioes..............
a batedorec......................
> a Mura do porco........
botarro o lastre...............
> ioglezea pos eelvagens.........
a taxiados brasileiroa............
Sapates non-plui-ultra................
8 bateras e meia..............
eamage cobra..................
Nantes 2 bateras vaqueta.....
a 2 bateriea bexerro......
trabelbadoree..........
brasileiroa de 38500 a..........
Sapaloa 2 solaa o aalto..................
tranca portaguezes.........
a > franceses. -.....
SENHORAS.
Botinas deof ozas. ........
a salto de baler. .
pecbiocha de 49500 a. .
americanas 3J5O0 .
I



MENINAS.
nao se dtiin
1X1000
11*000
lOfOOO
109000
99500
99000
99009
79500
51500
79090
6*500
59500
69000
59500
59000
29009
59OOO
29000
19280
59500
59000
4f000
29500
39000
19920
800
500
800
Attenco.
Ao rival sem igual.
Ra larga do Rosario numero 36.
Pita* de relindo eatreitinhaa para tnfeite a
poca 720 n.
Sintos dourados a i $600.
Ditoa ditos com ponas cabidas a 3JO00.
La pata bordar sorliss, libra a 69400.
EacoTaa para cabello a 19-
Duzia de meias traa para homem a 49400-.
Cartaa de alfineies a 100 ra.
Franja* pretss com rfdrllho a 820 o 400 r.
Eofeltea de retroz coa franja a 0000.
Dusia de meiaa para senhora a 29400.
Pentea-do matea para atar cabello a 500 ra.
Teeouras ordinaria* para cortar patios a 30 rn.
- Sabonetes de bola do cores a 400 n.
Franjas de seda.
Bieoa pretos largos e estrsitos.
Tranco prtfas com vtdrllho e branca.
Escores para unhas a 320 e 500 ra.
Carriteia do retros a 300 ra.
Tranca de aeda do cores a 200 rs.
Carretela do lloba a 30, 60 o 80 rs.
Liaba do gac lustroza a 30 r*.
- Dita de Pedro Y a 30 rs.
Rap Paalo Cordeiro e Giste a I96OO.
Dito Mearon a 1.
" Caixinbaa com papel para namoro a 1$ o 8f.
N. B. O dono deste eitahelecimento prompti-
fica-se a mandar ato caiiero com at mindsias
qae quizerem om casa daa familias que isto
exigir. __________ ______
rattVftraie "i Ctmbraias organdys a
VItlllA#l OlttO Vendo-sa cambraiaia organdys con
Vendem-se csmbreiaa do coreo de bonitos o
legantes desenhos a 280 o 8X0 ra. o corado: na
ra da Imperatria. loje o. 20. ^^______
Borzeguins.
Ra da Imperatriz n. 10 loja *tot**u**.*;i#un,i*u
do Pinto.
280 rs.
Venda-so cambraiaia*orgiQJys com dilicadii-
aimos desenbos a 280 ra. : na loja o armazem do
Parlo, do Gama & Silra, na raa da Imperatriz
a. 60.________-
S o Pavo.
Vende-so floissisas causa francezia de varla-
doi padrote a MO, 960, a 280 rs.o corado : na
Gama
Venda-se pelo baretlssimo ptcqo :
Borzegaine de lustro para homem a 89.
Ritos do bexerro para homem a 89.
Ditoa de cordarao para dito a 89.
Por esto preso s a dinheiro i rlstt para li-
quidar. .
Anda o Pavo a 200 rs.
Vende-ae chita francesa escure com diminuta>4
toque da mofo a 200 re. o corado, o ditas ingle*, fft^
zas a 140 re.: ne ra da Imperstriz n. 60, loja d*
Gama & Silra.
Sapatoa de ealto (Jolr)
aem elle (dem) ,
> tapeto: .
b econmicos. :
> lastre 32 o 33.
MENINOS E
Ha de ledo em relatan e
dinheiro.
Um completo sortimento do couro le porco,
cordarao, bezerro francez, cooro de lu.tro, mar-
roqutm, sola, coarinboa etc., que todo so troca
por dinheiro rontade do comprador. _____
sabir
Borzeguiis inglezes.
Na ruada Imperatria n. 0 defronte da boneca
loja do Pinto, recebeu-se pelo ultimo rapor um
grande sortimento dos j bem acreditados bor-
segaios ingleses qae rende-se por 10$ el 19, a di-
nheiro logo contado. ___________________
Fazendas pretas
superiores.
Grosdenaple prato malto superior polo dimi-
nuto preco de 29 o eorsdo, panno pretq matte ti-
no a 3, 4, 5, #, 7 o 9f e corado, eaaomira prati
muito fina a 22. 29500. 3, 39500 a 49 o corado,
mantaa pretas de blondo mallo superiores a 129,
manteletes de superiores grosdenaplea pretoo ri-
camente bordadoa a 359, eobleeeeaca do panne
preto muito fino a 309, casacas tembem de paont
preto muito fino a 309. paletoU do panno preto
fino a 18 e 209, ditoa de oeeemira de cor mes-
ciada a 189, auperioree graratinhae eetrelta* i
19, ditas de selim maco a de gorgoree niuilo au-
perioree para deas roltaa a 2. ditas eetreJtihsi
com lindos slfinetes s 29, superior gorgoreo pre-
to para colletea a 49 o corte, ricos enfeites preto
a 69, e assimoutrao multaafszendaa que sendo
dinheiro & rists, rendem-se por preces muitoba-
ratos : na roa do Queimado n. 22, na bem conht-
cida loja da boa f. .
Vende o Pavo a 280 rs.
Gorgurio de liaho qae feito em rejtidoi pare
senhora ou roupa para meoinoa parece edhhas
a 280 rt. o corado, por ter greode porcio : no ra
do imperatriz o. 60, loja e armazom de Parlo de
Gama ii Silra.
' Tariatana do Pavo. -
Veode-se ttrlatsns do lia com -palmiohas sol-
as a 320 ra. o corado : na ra di Imperatriz o.
60, leja do Parlo de Gatee & Silra.
AGENCIA
DA
Fundido Low-Moor,
Raa la Senzalla Nora n.4*.
Nesio ojubelesimanto continua a haverum
completo sortiraento de moendss e meias moen-
das para engenho, machinas do rapor o taixas
de tirro batido e eoado de todos os tamanho
par dito,
Veodem-eo relee de compoigo a 119 a ar-
; na ra da Roda n. 48, primeiro andar.
S nao faz bolo para
Baleias para vestidos.
Ballas limito grandee o boas a 160 ris tima :
ns loja da Victoria, na raa do Queimado n. 75.
Liaba de croxei para la-
byrintho.
As melhoree lionas de ctoxel pata labyrinlho,
Dorellos moostros a 320res um : ns lo|a da Vic-
toria, na raa de Qanimado o. 75.
Sintos douratkaf para se-
nhoras-
O Pavo vende a 4$500 rs.
Corles de bsrtges com fios de seda tendo 22 co-
rados, com barra, podenco te fazer babadoa, pe-
lo baratiisimo preco de 49500, s ns loja do Pa-
rlo raa de Imperatria o. 60 de Gama & Silva.
americanas.
Em caaa do N. O. Bieber & C.. su rcessores,
raa da Cruz n. 4, rendem-so :
Machina pera regar hortea e capim.
Dilaa para deecarocar milho.
Ditaa para cortar capim.
Selina com pertencos a 109 e 20$.
Obras de metal principo pra tea das.
Alcatro da Seecia.
Verniz do alcatro para navios.
Salsa parrilha de primeira qoalidado di P ir.
Vinho Xeroz do 1836 em caizaa de 1 d isfiu
Cognac em caixaa del duzia.
Arado o gradea.
Brilhantea.
Carrosas pequeas.
Tiras ou etremeios bor-
dados.
Vendem-se tiras ou ntremelos bordsdos de
lindos gostos, pelos biralissimos prego de 19500
e 19600: s no galo rigilinte. ra do Crespo nu-
mero 7.
Vende-so orna escrara crieala, deidade 25
a 30 anno, que lera, ongomma e cozinha ludo
com perfeicio: trata-so na traressa da Madre
de Deoe n. 13. ____________
Potassa da Russia.
Vende-se emcasa deN. O. Bieber
C, suceessores, ra da Cruz n. *
&
SEDAS
Cinco tustoes.
S na loja do pavo
rendem-so sedes de quadros, ditssde listrasao
comprido, o ditee de listrae atrareaeadas, ditas
de quadrinhos, sendo doe melhoree padroes odo-
licidissimos gostos, com largura do chita inglese
a 500 re. o corado, pechinche, e dio-ce as
amostras com penhor : na ra da Imperetriz n.
60. loja e armaiem do pareo de Gama & Silra.
Vestidos de la.
Vende-ae restidos do laziohaa tendo ss saiaa
j prosapias, com muita roda, proprlaapare be-
llo e 4900, a na loja e armaiem do Parlo raa
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silra.
Lindes cintos dours'dos para enhoras s 29200,
, ditos de pont chida a 49, ditos do fita a 19600:
o. Fao queni nao qui i er, w < ?Moru. nado paeimado B. 75.
porque no arnrfzem da estrella do largo do Pa- t> jp^kC PCTU^IllAC dlaf
moldura dourada para
salas.
Chegou para a loja da Victoria urna pequeoa
porgo de ricos eapelhoe de varios lmannos para
ornamentos de salas, afBancando-se serena os
melhores em ridros que tem rinde: na loja da
Victoria, na ra do Queimado n. 73.
raiz o. 14, rende-se msnteigs inglesa flor a 900
e 800 rs., tsmbem tem para 640 e 480, o franco-
te a 640, rlnho bom a 480 o 400 re., traquea a
300 rs. a carta, qoeljoa a 29.
Liquida cao de fa-
zendas.
Na ra do Crespo, loja n. 14
Veode-se para acabar, e por todo proco am
completo eortimento de fazendas inglesas, france-
saa, auissas e sllemies, todas proprias deste mer-
cado, o algumas recentemente chegadas.
Basquinas do Pavo a 4$00
Vende-se ricas basquinas de fualio mui bem
bordadas, fazenda que sempre se renden por lt|
e 169000 por 49000, para scabsr : na loja do Pa-
ri de Gama & Silva, na roa da Imperatriz
n. 00.____________
Enfeites do Pavo.
Vende-ae rlcoa enfeites i turca e Giribaldi
com ricas franjas o bolotas a 5f000, ditos dos
mesmos mais simples a 2J0OO re., e ditoa de litas
sda um em aen cartlo : na raa da Imperatrii n.
60, loja do Pari;
Vende-te carne do serto a lOf a arroba o
em libra a 360 rs., rlnho da Flgueira o do Porto
a 39*00 a caada e em garrafa a 400 re. : aa ra
da Semala Velba taberna n. 102, esquina do
becco Largo do Recite.
Engenho.
Vende-se por a plices da divida lublica,
Umbem arrenda-se mediante as devidas garan-
tas, no cato de nao apparecer comprador que
chegue ao justo preco. o engenho Serrarla do
municipio da tille do Cabo, e que nelle esiste co-
mo rendelro o Sr. Antonio Manoel do Reg Bar-
ros, cuja renda aera effectuada compnhondendo
todas ss larras qae demarcara o mesmo engenho :
os pretndeme dirijam-se ao abaixo ascignado,
que se ocha deridamente autorisado (tara tratar
deaaa negocio.Caetano Pinto do Vems.
.Venderse urna barcada muilo veleira promp-
ta a navegar, urnas folhas de esndas e um pran-
chio todos com 60 palmos de cumprinento pro-
prios para se abrir urna alrarenga, o um pardo
moro o robusto : a tratar com Jos llygino de
Miranda.
Para doces seceos,
Vendem-se muito bonitas caiziohas redondas,
de madeira, de diversos lmannos, Torradas de
pjpei. d MfU, rosita ffutfo*, IflupifS UlilCa-
meuto pata dooea seceos de qua\ pelo barato preco de *, 5 e 69 a duzis : na roa
do Queimedo, na bem conhecida loja de miedo-
sas da boa fama n. 35. _______ _______
Vendo-oe ama morada de eaaa terrea aa
ra do Dique, ehios proprios ; quem a quizar
comprsr, procure ne roe Auguste, casa terrea n.
56, que ao dir quem rende, o ajustar, podendo
procurar das 6 Ss 9 do dis em diante.
Grande arma-
zem de ferragens e
miudezas na ra do
Queimado n. 49.
Antonio Franciaco da Souza Hagalhiea J-
nior, proprietario deete estabelecimeoto partici-
pa ao commercio desta pr$a f> a todos os seas
deredores, que desde 19 do corrente mez o Sr.
Francisco Jos Correa Marques, deixou de aerseu
caixeiro.
Ra da Senzalla Nova n. 42
Neste estabelecimento vende-se: ta-
chas de ferro coado libra 110 rs. dem
de LowMoor libra a 120rs.__________
Arados americanos e machinas
para lavar roupa: em casa de S. P.
Johnston & C ra da Senzalla Nova
u. 42.
Brilhantina suissa.
Vende-se brilbantina suisa de quadrinhos, fa-
zenda muito encorpada para restidos e meia lar-
5a qae chita ingloze a 200 rs. o corado : na ra
a Imperetriz o. 60, loja o armazem do Paro
de Gama, Silra.
Obras de vidro,
escarradeiras, e palmatorias
lapidadas com mangas.
Vendo-eo na loja d'aguia branca mu bonitas
eacsrradeiras da ridros de cores a 4|500, 5 e 63,
assim como palmatorias de ridro lapidado com
mangas bordadas' a 49500 cada um : na ra do
Queimado, loja d'aguia branes n. 16.
Meias em quantidade*
Na loja d'aguia branca acha-se um completo
sortimento de meias de todas as qaalidadea e
prego, sendo pera homene, aenhoras, meninos
e meninas do 6 mezes a 12 annos. Ennumerar
os differentes procos confundir o pretndeme ;
assim quem se quizer convencer de quo bsratss
so ealie ella reodendo, drigir-se com dinhei-
ro dita loja d'aguia branca na raa do Queimado
numero 16.
La para bordar/
Lia muito boa de todas ss core para bordar, a
79 a libra : na loja da Victoria, na ra do Quei-
mado n. 75.
Moendas e meias moendas.
Taixas de ferro batido e
coado.
Machinas de vapor.
Rodas d'agua.
Rodas, dentadas etc., etc.
Ru do Rrum n. 38, fundic3o
de D. W. Rouman. .
EsCT!iiitJL-4ya=- t
Para S, Joo e S. Pedro.
Veddem-se caixinhas com grande porco de
amendoaa confeitadas, e slguns coefeitos pro-
prios para o ftatejo de S. Joo e S. Pedro, pelo
barato prego de 800 rs. cada urna : na ra do
Queimado, na bem conhecida loja de miudezaa
da bot fama n. 35.
Vende-se ama mulatiaho de 16 annos, de bo-
nita figura, e um eicraro preto de 14 annos : na
ra do Queimedo n. 46, loja de Ges & Beato.
i?o de senteio.
Chegou a ora feriaba de senteio e (continua
harer pao da mesma farinha naa quara o aab-
bados, em Santo Amaro podarla alltma, na
Boa-Vista roa da Imperatriz n. 22 e no Recife
em Fora de Portaa praca do Chafara o. 47.
Oliados.
Vendem-se oliadoa pintados de lindes ristss o
psisagens, larguras de 6,7, 8 o 9 palmos, pro-
prios para meaa de jan tara 2$ o corado : na ra
da Imperatriz, loja n. 20.
Toda attenc&o ao gallo vi-
gilante, que est quei-
manda.,----------------------
Luvs de pelica.
As rerdadeiras luras de Jutio, chegadinhas
no vapor francez; s ao vigilante, ra do Cres-
po n.7. ________________
Colchas do Pavo.
Veode-se rices colchas do fuslo do linho de
varios tamanhos o differentes desenhos : na rus
da Imperatriz n. 60-, loja o armazem do Paro
de Gama & Silra
Chales pretos do Pavo.
Vende-ae os mais modernos chales pretos de
ponta redonda com bolota, guarnecidoe de bico
de seda largo em lugar de franja a 60000 : na
ra dilmperatrit n. 60t loja do Paro.________
Bales do Pavo.
Vende-ae rlcoa baoes arendados com duaasalae
o bico em rolta, pel baratiaaimo preco do 6J>,
ditos de madapolo francez muo grandes com 6
arcos a 5$, ditoa com 5 arcos a 3JJ500: na loja
do Pavo, ra da Imperatriz n. 60.___________
Bramante do PavSo a lOflOOO a peca.
Acaba de chegar a loja do Paro, urna ora por-
Cao do acreditado bramante de linho, com largu-
ra de brim liso, tendo 27 raras cade peca, esta
fazenda propria para lences, toalhaa, cerou-
las, camisa, etc., o vende-se pelo bsratissimo
preco de IOS a Pec. s na loja do Paro ; roa
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silra.
Superior sebo em velas e em
pes, cavias de urna
arroba
Vendem Antonio Luiz de Olireira Azerodo &
C, no seu eecriptorio ru de Crus n. 1.
Jacaranda superior.
Tem pera render Antonio Luiz de Olireira A-
zeredo & C, no eea eteriptorio rus da Cruz n. 1.
Liohas do gaz,
Csizinhas com 50 norellos de liohas muito fi-
nas do gsz s 900 res a eslxs, ditas com 30 no-
rellos a 700 ris, ditas com 10 norellos grandes
a 700 ria, brancas o pretas: na loja da Victoria,
na ra do Queimado n. 75.
Candieiros de gaz
Chegou para a loja da Victoria os melhores
candieiros de gaz que tem rindo ao mereedo, por
preco commodos : na loja da Victoria, na ra
do Queimado n. 75.
ICOS
Luvas de Jouvin.
Vende-se luvas de pellica de Jonrin brancaa,
para senhora, ltimamente chegadas : na loja do
beija flor, ra do Queimado n.63. _______
Luvas de seda.
Vende-se luras de seda ecfeitada.i 1$600,
20000 e 2^200, ditas fio de Escotis trar cas a ra.
700. ditas de cores 800 ris, ditas di. algodo a
280 ria ; na loja do beija flor, ra d: Queimado
pamero 63. _____
Escovas.
Vende-se eseoraa para denles finas de direrats
qualidades a 120,160. 320. 400 e 500 ris : na
loja do beija-or, roa do Queimado o. 63.
Jogo de domin..
Vende-se jogo de domin finos a lg-200
loja do beija-flor, ra do Queimado'11. 63.
na
Botes para puntu.
Vende-se botes de punho finos -le dirersas
qualidadea a 200 rcla o par. que tamliem serrem
psrs manguitos de senhora : na loja lo beija flor
ra do Queimado n. 63.
A loja d'aguia branca, ra do
Queimado n. 16.
Recebeu pelo ultimo rapor oa seguintes ob-
jectos:
Bonitas ligaa do aeda para senhora.
Grandes o bem tecidos bandes de dina.
Aspas de ac, o fita elstica para ces do balo.
Bonecas grandee mui bonitas o bom restidss,
Bonitos bauzinhoe com 9 frsscosde cheiroa.
Lindas caiiinhas com 6 ditos de ditos.
Trancemos groeso do cor para guarnecer rostidos.
Luras de camua brancas e amirellas.
Para os festejos de S Antonio
e S. Joo.
Trinas e galOes.
A superior trina e rolantes do Porto para ur-
nas, oratorios ou igrejae, qae so roode por me-
nos do que em outra qualqaer parte : s no vi-
gilante, ra do Crespo n. 7. -
Chales Garibaldinos.
Vende-se na loja do Parlo, chales do merino
muito grandee de Ustrinhas a Garibaldi, pelo ba-
retlssimo pr#co de 4*500, pechinche : na ra
da Imperatriz n. 60. do Gama & Silra.
Coraes lapidados.
bao grossos que admira.
A loja d'aguia bronca acaba de receber urna
pequeoa quantidade de corss grosaos lapidados,
os quaea aerrem para as rollas que ultimaments
usam as tenhoras, o est reodendo cade fio por
2$, 29500, 3 e 4#: na roa do Queimado, loja
d'aguia branca n. 16 : assim como receben mais
aa bonita pulseiras de missangas.
Chotes ..do Pavo.
iSSS-ve balea de msrio muito grandes a
1---~i-i_f
venar*-;
3$, ditos de casaaa de cores a 800 rs.
Imperatrix o. 60, loja do Paro.*
gr-nd
na rna da
Lindos boioes de baiiha para
presentes.
A loja d'aguia branca acaba de receber lindos
boies de porcellana dourada com fina banba o
Cascarrilha
Lindas pecas de cascarrilha de todas ss cores,
pelo bsratissimo preco de 12500 a peca: s no
rigilante, ra do Crespo n. 7.
Chapelinas para senhoras.
Lindaa chapelinas ricamente enfeitadss, pelos
baratissimos preco de 8e 100000.
Ditos com pequeo toque de mofo a 6#000: s
no rigilante ra do Greapo o. 7.
Vestidos do Pavo,
E' pechincba, cortes de cambrtia brancos com
babadoa a 29500, ditoa de tarlatana brancos e de
cores a 39, ditoa com babados eduaaaaiaa muito
superiores a 49, peess de cambraia branca com
carociobos brancos e de cores, tendo 8 1/2 raras
cada peca, por 49. cortes de cassaa de cores com
7 1/2 raraa, padroes noroa a 29500 ; ludo isto se
eoconlra na loja do Paro, que rende dinheiro
a vita : na ruada Imperatriz n. 60, loja de Ga-
ma & Silra.
Alburnos de borracha.
Veode-se os mais superiores alburnos oa so-
bre-tudos de borracha, proprios para o inrerno a
129: na roa da Imoeratritn. 60, loja do Pavo.
sem segundo.
Na raa do Queimado n. 55 loja de miudezas
de Jos de Azeredo Haia e Silra, esti rendendo
todas as miudezaa bsratissimss, a aaber :
Papis de agulhas a balo muito supe-
riores a 80
Caizss com mnito finas obreiss a 40
Cartes com clcheles, tem algum de-
leito a
Ersacoa de macaasi perola muito fino
cortes de vestidos brancos
bordados.
Vendem-se ritos cortes de restidos brancos
bordados com 8 babados pelo bsratissimo preco
de 50 o corte: na raa do Queimado d. 22,
bam conhecida loja da boa f.
na
Attenco
A 600 rs- a garrafa de gaz.
Continaa-sa a render o melbor gaz, na loja de
unileiro, ra da Imperatriz n. 65.
EscraTOs ingio
Touquinhas ou chpozinhos
para enancas.
Lindos chpozinhos para menina o menino a
49 o 69000. ditos de feltro pelo baratissimo pro-
Cortes de pbantasia,
Vende-se ricos-crtes|de phantasiade.duas saiaa
com delicados larores a 69 cada um : na raa da
Imperatriz n. 60. loja do Pavo.
mariosas inscripces, os qoses por suas delicado- co de 3(000, bonetea da panno fino o Uco de fi-
zas e perfeice tornam-e dignos para presen-
tas, e com especialidsde na actual quadra, quem
gostardn bom dirigir-se com dinheiro ros
do Queimado, loja d'aguia branca n. 16, que acha-
ra em que bem o empregar.
Occulos.
Vende-se occulos finos de armac: de
29,19. 610 e 400 ris : loja do beija lio:,
Queimado o. 63.
seo, a
raa do
Ricos sintos dourados.
Vende-se sintos dourados a 29, d tos de fita
com fivella dourada a 19500 : loja do beija flor,
ra do Qaeiando n. 63.
Enfeites para cabeca.
Vende-ae requissimos enfeites par cabecacom
franja, o sem ella pelo baratissimo preco de 5|
5(000, ditoa do ridrilhos a I96OO ; na loja
beija flor, ra do Queimado n. "
63.
do
Carteiras.
Vende-se ricas carleiraa para gaar lar dinheiro
deouro o prata a 29000, 28500, 19(00, 1(280 o
19500 ; na loja do beija flor : ra lio Queimado
numero 63.
Chegaram as desojadas rosas
artificiaos.
Agora doro cessar o desgosto que muitas e-
nhoraa asntlam por nao terem comprado daa pri-
meira rosss que a loja d'aguia branca receben,
isso porque dita loja acaba do receber am noro e
maia brilhante eortimento dolas, rindo estas da
mais a mala delicamente orralhadas. A senhora
que com a pequea quantia de 29 comprar ama
dessas formosas rosas, sentir am effeito anda
maia rpido (relativamente ao caao) do que
aquelle que paodez oprompto sllirio em qual-
qaer molestia. Curcpre, poi, qua se nao de-
moren) em aa mandar comprar na raa do Quei-
mado, loja d'aguia branca n.16, poia do Contra-
rio ficaro sem ellas para S. Joo, a que alo
conrm. Na mesma loja rendem-se outras rosas
mais baratas.
Rosas artiiciaes para cabello:
A. L. B. F. teodo receido um rariado sorti-
mento de bonitaa rosas que se eslo usendo para
cabello, o de pannoa com folha de velludo, ditas
de papel toda a, as maia ricas que se pode encon-
trar rende-ae na ra do Queimado n. 63, loja
do beija flor.
ta a 3(600, ditos de reludo fino a 49 39500,
ditoa de palhioha a 3(000, touquinhas de seda
muito lindas a 19500, ditos de fil a 19000: s
no rigilante, ra do Crespo n. 7.
Manguitos.
Lindos manguitos com gollinha o mais fino
qae se pode encontrar, rende-se pelo baratisei
mo preco d* 79000, ditos sem gollinha a 19500:
s no rigilante, ra do Crespo n. 7.
Gollinhas de linho.
Calcinitas do Pavo.
Vende-se calciohas de esmbraia bordadas para
menina a 19 o par: na loja do Pavo- rna da Im-
peratriz a. 60.
Gollinhas do Pavao.
Vende-se goliobas de esmbria bordadoa e di-
taa de fil bordadas a 500 ria: na loja do Paro
ra da Imperatriz n. 60.
eaaa papel pequeo dV sos gostos a 720
Pacoles dito dito dito smizsde a 720
Norellos do linha de Crux a melbor
que ha a 40
Caixaa com agulhas cartas de superior
qualidade 200
Etremeios, a peca com 3 raras li2 a 1(000
Sabonetes muilo finos a 120
Papei de agnlhas frsncezas com (oqae a 10
Parea de boioes para puohos de muitos
modelos a 240
Pares de meias croas para meninos a 160
Ditoa de ditaa crusa para pequeo a 160
Ditos do ditas para meninas a 200
Frascos com agua de Lavando ambreada a 800
Ditoa com cheiroa muito Gnoa a 240 e 500
Ditos com banba muita fias a 240 o 320
Ditos com superior banha de ursoa 600
Cal e potassa*
Vendem-se estes dous ar-
tigos ltimamente chegados,
no bem conhecido e acredita-
do deposito da ra da Gadeia
do Recife n. 12, mais barato
do que em outra qualquer
parte.
150^000.
A qaem trouxer o preto eecrsro denome F-
lix, que ao acba fgido desde o dia 4 de abril do
1860, cojo escraro tem oa signses seguintes : es-
tatura bsixa, corpo regular, cor fula, pouca barba,
pea um pouco apalhetados, representa ter 35 a
40 annos, naco Hocsmbique, tem dous denles
abertoa na frente do lado de cima, e por cima do
nariz entre as sobrancelhas dos olhos um calom-
binho pequeo, que parece ser signal da trra
delle : obtere-ae noticia certa que o dito preto
anda por lerraa dos engenhoa Huribecs, S. Joeo
o Engenho Novo, como trabalhador e intitulan-
do- se de forro com o nome de Joo Pescador,
pois j tem por costume quando foge mudar o
nome psrs Joo, elle tem uns poucos de ofilcios,
que sao os seguintes : foi pescador, caDoeiro,
tence, por isso roga-se aoa capitaea de campo, on
qualquer peasoa que o encontrar, prende-lo o
traze-lo no pateo da Santa Cruz padaria n. 6, que
receber a quantia c'ma.
Manguitos com gollinhas.
Vende-se manguitos eom gollinhas bordadas a
I96OO e manguitos muito finos a 19 o par : na
rna da Imperatriz n. 60, loja do Paro.
Tiras e entre meios.
Vende-se tirss bordadas tapada* e transparen-
Itss, assim como entre-meios mallo delicados :
oa roa da Imperatria n. 60, loja armazem do
Paro.
S no rigilante, raa do Creipo n. 7.
Batatas .
Batatas oras a 80 rs. a libra ; no largo do
Terco n. 23.
Agulhas.
A. L. B. F.tendo recebido sgulhssimperisesde
lando dourado, rende ns loja do be ja flor, raa
do Queiranto n. 63^______________
VENDrW&K urna mobilia aa s mar ello ao-
ra. contendo as seguintes pecas: 1 m sofi, 12
eadeuas, 1 ditas de braco, 2 de bala neo 2 conso-
los o mesa de mel da sala : para r sr na raa Di-
reita n. 127, aeguodo andar, a para tratar aestt
ypographle.
Panno de algodo da B ahia.
V**4*-"* B0 crlpiorio de Ant>no Late de
Olireira Azeredo 4 C, na roa da Crat n.l.
Aljfar fino imitando perola.
Vendo-so s 500 rs. o fio do aljfar finoimi-
ajado parola: na m do Qtimado, loja d*s|is
aaranaa n. lo,
Grande armazem
TRES PORTAS
Ferragens s miudezas*
53Ra Direita53
Viva S. Joo! 1
Ricas bsndejas para os bollos de 3f a 22000
Ditaa ditaa recortadas e bordadas de 3,500 a 2J500
Excellentes faca e garfoa cabo de osso dazia
38200 a 29800.
Dita dita dita cabo de riado a 48.
Dita dita de bala neo de 79 a 48800.
Colherea finas de metal principe, sopa e cha
58500 a 39100.
Ditaa lotinaere, dazia 1|800.
Caotae de rento, iodispensarefe depois do bolle,
loaro o amaretlo de 59500 a 59.
Ha da maia um sortimento completo de todo
qae tendente a fearageaa a miudezas por um
preco ridiculo.
Meias.
.Grande sortimento de meiaa tanto para homem
como para senhora, sendo de homem a 1$800 e
29C00, e finos a 29800, ditas de fio de Escocia a
59000 a dozia, ditaa para menina a 29400, ditas
para menino a 29OOO: s no rigilante, rna do
Crespo n. 7.
A verdadeira essencia de ail
para engommado.
Acaba de chegar para a loja d'aguia" branes,
raa do Queimado n. 16. .______
Fugio no dia 12 de abril deste corrente an-
no do poder do abaixo asiignado, o pardo de no-
me Francisco de 17 annos deidade, que tem bo-
nita figura, todos os denles, cabellos carapinhos
e ruiros, tendo sido este pardo escraro do Sr.
Dr. Antonio Borgea da Fonseca, de presumir
que ande por algum doa lugares por onde o mes-
mo aenbor tem viajado, como aejam Iguarass,
Goianna, Inga S. Joo, Campia, Serra do Tei-
xeira, Pao d'Alho, Limoeiro, as tres villas da co-
marca de Paje de Flores, sendo que segundo so
suppde esteja tambem no engenho Inhama por
harer sido risto ha poucoadias em Iguarass po;
ter amizade com uns mulatinhoa desse engenho,
siodade presumir que o dito escraro por ahi
ae inculque como a servico do dito Sr. Dr. Bor-
ges da Fonsec, afim de o ser apprehendido :
quem pois o aprehender ondeqaer que for encon-
trado esse escraro e o rir entregar ao seu legi-
timo dono na ra do Hospicio n. 6, qae ser cu!
generosamente por elle gratificado.
Ignacio Luiz de Brlto Taborda.
Urna carroca.
Vende-se ama carros em muita bom estado,
eom oa competentes arrelos noros para am ca-
rallo : a tratar aa rta do Trapicho a, 14) primei-
ro andar.
. NO
Torrador.
a-Largo do Tergo-W
Hanteiga inglesa flor a 800* o 960 rs. a libra,
dita franceza a 640 rs., bsnha de porco a 400 rs.
a libra, maaaaa maito finas para sopa a 400 ra. a
libra, qneijos do reino a Sft.ditos do aerto a 560
rs.a libra,serrej dss melhores maress a 500 rs. a
garrafa, sardinhas de Nsntesa 400 rs., toucioho
a 320 ra., bolachinha ingleza a 320 rs; a libra,
aialm como se rendo oatros muitos gneros ba-
ratissimos,-pB*ssB8 a 400 rs. a libra, ao-muito
oras, o ae alguem duridar renha rer no Torra
dor largo do Terco n. 23.
Lencos e luvas.
Vende-se lencos de esmbraia de linho com la-
byrinlho a 29509, ditos de imitsco de labyrinlho
a 19, loras de sadaa de todas aa corea a 500 ris,
enfeites pretos de ridrilho para canaca a 1|, lu-
vas do retroz preto abertae a 500 ris o psr ; na
raa da Imperatriz n. 60, loja do Paro de Gama
& Silva._________________________________
Cambraias do Pavao.
Pejas de cambxsi* Ana com tOI/2 raraa a 69 a
paca, ditas eom 8 1/2 raras a 49, ditas de8peca
a 39, dita para forro, com 8 1/2 raraa a 19600 ;
na raa da Imperatriz n. 60, loja do Pari, de
Gama & Silra.
Ra do Crespo n. 7, no
gallo vigilante.
Nesla nova loja ha grande porco de caixinhas
com amendoaa proprias para brioqaedo de S.
rJoao qae se vende pelo barato preco de 800 rs.
cada ama qaem detxar de dar a ama menina
urna caixinha ; tambem tem grande porco do
caixaa propuse psra doces secos que rende con-
forme seus tamanhos a 69, 59 e a 49 a dusla,
amendoas arulass a 800 o 640 rs. a libra : a no
vigilante raa do Creipo n. 7i ___
' Fugio ao abaixo assignado o seu escraro
Joo, Angola, mais que parece crioulo, maior de
40 anno, com os seguintes signaes : estatura re-
gular, magro, com os olhos arermelhados, e um
jelho incbado ; tem o rosto cumprido o cosluma
trazer om brinco na orelba eiquerda. muito
ladino e ha poneos dias roltoa do Bio de Janeiro,
'onde ealeve para ser rendido: de presumir
que se intitule forro, e que para isso minta Foi
comprado ao Sr. Jos Paulo do Reg Brrelo,
que houve por compra da Sra. D. Mara Rita de
Helio, do engenho Serrara. Suppe-se que elle
fiixisse para ali, ou immediaQdes aonde dase tem
filhos. E cambaio e tem a falla um pouco ro-
queda. Roga-se a os Sra. capiles de campo e aa
authordadee policiaca a captnra deate escraro e
quem o trouxer ao armazem do abaixo assignado
ser generosamente recompensado, ra da Cruz
n. 33.
Domingot Rodrigues de Andrade.
Vestidinhos a 4#500.
Vende-ae restidinhos de seda enfeitados para
meninas de 2 a 3 aneo a 49500 : na ra da Im-
peratriz n. 60, loja de Gama & Silra.
Grosdenaple* do Pavo.
Vende-se grosdensples preto mnito iocorpado
a 19600 o corado : na raa da Imperatriz 0460,
loja de Gama & SJIra^__________
Loja do Pavo ra da Impera-
triz numero 60.
. DE
Gt&MzV k SILVA.
Vende-se neste estabelecimento toda a fazen-
das por presos maia baratos que possirel s
eom o flm de apurar dinheiro, assim como ama
grande porco das dilss fazenda inteiramonto no-
ras, rindas pelos ltimos navios : os dooos des-
te estabelecimento rogam a todos oa seas fregu
Lanzinbas allemaa, novidade do Pavao.
Acabada chegar polo ultimo vapor om bonito
sortimento de lanzinbas da Allemanha com boni-
taa palmee do seda, tendo 4 palmos de largara a
800 ris o corad) : na loja do Parlo raa da Im-
pera tris n. 60.
Enfeites para senhora.
Os melhores enfeites pretos e de cores qae ap-
parece a 59500, 69 e 6g500 : na loja da Victoria,
na ra do Queimado n. 75. ______________
Caixinhas e cabazes para
as meninas trazerem
nobra^o.
Maito lindas caixinhas e cabazes para meninas,
da 100 ris at 29500: na loja da Victoria, na ra
do Queimado n. 75. _____ ___________
Attenco
Fugio do engenho Cajabuss no dia 20 do cor-
rele mez, o cabra Ignacio, com oa signaes se-
guintes : estslara regular, espadando, sem barba
algums, peroas um pouco arqueadas, cabega
um tanto grande, denles limados, idade 32 an-
nos, muito ladino o bom carreiro. Eate cabra
tem parantes o irmos no lagsr Olbo d'Agua
d'Onca em Taqaaritinga, para onde j fez urna
fgida, leroa am lenqo com roaps o foi vestido
de camisa e calca azul, tendo por costume mas-
car fumo : qaem o pegar lere-o ao eogenho
mencionado qno ser generosamente recompen-
sado.
Attenco
Diario os annancios da loja do Parle, porque
alio cortos qno nao perderlo mu tempe.
PaletoU do Pavao.
Veade-se palitots do panno preto fino a 69,
ditos de faney de cores a 6*. alcas jde caaemira
prata a 49500: s na raa da Imperatriz n. 60, de
Gana & Silva.
Pannmhos do PaTSo.
Venda-se pegas de psnninbo finiaaimo com 10
raras a 61: na ra da Imperatriz o. 60, loja de
Gama & Silva. I_______
Franjas pretas com vi-
drilhoesem elle.
Ricos sortimentos de franjas pretas e de crea
com ridrilho e sem elle : na loja da Victoria, na |
ra do Queimado n. 75.
Cintas em cortes.
Vende-se cortes de chita franceza mallo fina,
sos, que se deem ao trabalho do procurar neste eea 10 corados 29400, affiancsnde^se Mr de
edr ana: na raa da Imperatrix a. W, loja # &.
malea do Parios
inhasde peso verda-
deras..
Unhas finas do peso rerdedeiras. meada
grandee a 240 ria : na leja da Victoria, na ras
do Queimado n. 75.
Fugio no dia 20 do corrente, o es-
cravo pertencente ao Sr. Dr. Carolino
Francisco de Lima Santos, de nome
Adalberto, o qual bastante conhecid
nesla cidade e intitula-se de forro, com
os signaes seguintes : olhos grandes,
testa Larga,.'pouca barba, per as um
pouco arqueadas, baixo etc., etc. : re-
commendase aos capitaes de campo e
mais autoridades policiaes de o prende-
rem e rcmette-lo a casa de seu senhor
na ra do Imperador n. 17, que sera'
generosamente recompensado aquelle
que o levar. __________V_______________
Jasa sis,
Phosphorosde seguranja '^^i^JLSSS^Slii
Poi
crioale.
nootem i noato a escrara
a, chela do corpo o maito prota, pro-
trouxer
bem
Phosphoros de segurance, per qae llrra de in- recompensado.
eendioalW ris a caix.: H lo), da fletta' SerrarieSS de &*?*. TjV
m na df Qaeimado s. 75, rarP ** Leie*
-^-
L al I I
ii a rv
r/^^S-JepaaasanBs**


7T
r.


DIARIO W_PKlWAMflOCO SEXTA FBUU 3? DI JUflHO DI 1881.
t

UUeratura.
( Oonlinuacao d num-rc antecedente. J_.
J O \itibulo doi apostlos* discpulos er-
i corno padro atlestar aos lealos a re-
Oh
guido'
surreigo, e por couseauaBoia diriudade do
naeiire 1 '
Teslemuoho indubltarel, grindioio, iwicO.es-
ripio uss pagina -uimot *ea. chrisijo oiostrando-e ro Teluro com seu eterno,
eolio do taogue I m **"
Eia a contcamiiLto graido obra da redeoto.-
gio de (, qao WTharla CDUfiu masado no Gol-
goiha. *^
A coosummaeao pela cru alevantada e pela pe-
dra do monumento cabida: ti coofirmaxo pelo
patbulo erguido, e peto sango* derramado.
Aquella pela glorificagio pfs ai humilhacoes;
esta pela constaseis aps- a< siducgoes 1
A primaira pela rica aps a morle, pela resur-
reicao aps o supplicio : a seg-mds pela confisio
aps os tormntos, pelo" ten emunho perenne bri-
lhiDlo eternamente na oou.e dos tempoa cora a
aureola do mariyrio.
Senhor; Seohor, nos tos rendemos humildes ;
mas sinceras gragas, porque nos remistes, e por
que nos destes f,' e, noi iesles 1er o tes tem u-
nho da voisa resurrigio. estrilo com o sangue
dos martyros, que vos iran e fallaran) depois de
rosuseitado ; e por esta verdad) morreram.
E' indubliavel e uulco o lestemuuho da resur-
reigao 1
E a resurrigio consummcu a obra da f como
o supplicio da cruz consitmma a da relemp-
gao.
Surrexit dominvs ver. Alleluia I
(iVafo )
Quadros histricos do catholicisnio uo
Brasil por Francisco Mano el lia pozo
d'AImeida.
O deseobrimento do Brasil.
Na parte mais occidental da Europa, no extre-
mo da peniosula ibrica, e sobre ai cottae do
atlntico, existe um retalho de trra com 95 le-
guas de compridosobre 30 a 40 de largara. Ao-
ugamente chama va-se a ese pedaco de (erra
Lusitaoia, hoje chama ae-lhii Portagal.
Semelhaate a um desses pedestaes em que Mi-
guel Angelo e Canora levaaavam o* seus pri-
mores de arte, como o Uoisis e a Magdalena,
assim a trra oade naiceu um re como D.
Joo II, um poeta como Csmdes, um historia-
dor como Barros, um orador como o jesuta
Vieira, um almirante como I). Vasco da Gama,
um santo como Antonio de|I.isboa e Padua, um
jurisconsulto como Joo da i Regras, um sabio
dedicado como o otante D. Heorique, e emflm
um povo valorse, euiprab iodedor, obediente
com dignidade, religioso ao ponto da mariyrio,
honesto e laborioso, como e fo o povo portu-
guez, pae e irmo do povo biasileiro.
Nos designios da provideocia divina, Portugal
foi predestinado para servir de reflexo magni-
ficencia do Eterno, e fazer resplandecer a sua
gloria, assim como o sol, n; amplido do uni-
verso, o ponto de reverbero ca lax que nos
alumia.
A historia de Portugal na poema pico, cu-
ja aeco cometa em Thubal, fillio de Japhet, e
oeto de No ; e acabar quando apronver ao
Eterno Regador dos povos. Os cantos harmo-
nosos desse poema tem-se cantado na Asia, na
Europa, na frica, na America e na Oceania;
na vasta exteoejao da Ierra e tos mares o nome
de Portugal nma nota de siblimes harmonas
do hymoo que a humanidade eleva, no tempo,
ao throoo do Altissimo.
O Brasil o filho morgado do Portugal; e o
morgado de Portugal est vinculado na cruz do
Redemptor,
II
Na historia sublime do Geneiii diz o inspirado
chronista da creacao, Moiss, que desafogado o
mundo dasagaas do deluvio : erma e despovoa-
da toda a Ierra, No a dividiu em tres partes, e
repartiu-as entre os tres filho;, que com elle ae
salvaram na arca. Urna parte deu a Sem, que
era o primognito ; outra a Gruta, qae era o se-
gundo ; e a lerceira a Japhet que era o ultimo.
A palavra Japhet, de genuina rignificagao ci-
mltica quer dizer dilateco : e poii a raca de Ja-
phet, alem da parte da ierra que '.he foi reparti-
da, *T?, Z2Z.Z L b7u ierga do leetaroeaio
de seu pae, a faculdade de dilatar-se: Dilatet
Deut Japhet, el habitel in tabemaculis Sem :
sit servus tjus Chanaan.
Em um dos seus admiravein sermdei, e por
occasio de citar tata texto, repara o grande
Vieira com a subtileza de engeiho, que Ihe era
peculiar, que se Sem havia de possuir s a gua
parte da trra e nao a de Japhe', nem a de Sem ;
e se assim mesmo Sem havia do possuir s a tua
psrte e no'a de Chsm, nem n d que razio havia Japhet de possuir a sua e mais
habitar a de Sem, e dominar a de Cham, e por
consequencia toda a trra ?
E' porque no primeiro caso n repartigio, no
segundo foi bengio : no primeiro foi re par liga o
da justiga, no segundo foi favor, e previlegioda
provideocia.
E com effeito olhou Deas |>atr Japhet com
olhos tio benignos e liberaes, que limitando a
seus irruios cartas e determinadas partes da lar-
ra a elle s o quiz eatender e ililelar por todas
as partesdella, sem termo, ner. limite: Dilatet
Deus Japhet.
Esta prophecia, esta heranga t umpriu-sa e rea-
lisou-se em Thubal, filho de .aphet e neto de
No: cumpriu-se no primeiro portuguez, que
houve no muodo, e na sua descendencia, que
somos nos os portuguezes e branileiros.
O primeiro portuguez que houve no muodo foi
Thubal. A sua memoria anda ae conserva entre
nos, nio longe da fas do Tejo, na hoja idade de
Setubal, eorrupcao de cctlut Thubal.
Este palriircha dos primitivos tempos da hu-
manidade trouxe naturalmente, para a .trra do
sea estabelecimento a religiio da seu avd, qae
harta fallado face a face con o propro Deui,
porque era hornera de eleiclo, e Adi de ama
nova humanidade.
Nio se sabe boje ao certo como se deaenvol-
veu, nesae extremp occidental da Europa^o ga-
lbo qae se destacara do tronco da' humantrjade,
e se dispuzera nesse canteirodo mundo, chama-
do boje Portugal. Os lempos que decorremd'r pa
Thubal invaio dos pheniciua e cuthagidflaH Me
e dos phenicios e carthaginezes i invaiao dos" -
povos barbaros, e dos povos barbaros al in-
vasao dos rabes, constitaem, por assim dizer,
ama especie de Apoca myihelogca, anterior i
realidade histrica deise poro, que, com a es-
pada e a cruz, venceu e debelan o paganismo, e
com o aatrolabio, e sempre com a cruz, devaaioo
mare descoohecidos, dobrou o cabo das tormen-
tas, e levou a civitisagao e o evaogelho i Asia,
i frica, America e Oceania.
Nem os assyrios, nem os- carthaginezes, nem
os tyrios, oem os persas, nem os gregos e nem
os romanos, poros -que tanto se dilataram am
suas arrojadas conquistas, podero comparar se
& realidade do que, com i cruz e pala cruz, fize
raai os portugueses.
FOLHETIM
A FILHA
iu
A historia primitiva da Portugal est, a muilos
respeitos, envolta as escuras trevas ds ficc,ao e
da fbula. Depoi do monumento incontestavel
que nos deixou Thubal, e que se acba perpetua-
do at nos na famosa Setubal, que existe na em-
bocadura do Sado com o atlntico, suppde-se
com plausivel probabllidade que os phenicios,
em tempos mui remotos, mais de mil annos an-
tes d Chriato, rindo estabelecer-se na Hespa-
nha, fizeram taaibem algumas emigragoes para
Portugal: a fundacao da heroica Lisboa repsr-
tidamente atribuida a* esse poro lio famoso, e a
Ulysies, o-fsmoso here de Virgilio.
Seja como for, o que ficto indubitavel que
este pedaco da Europa foi poioado em diversas
pocas e aob diversas fortunas; at i inrasio dos
romeos paloi turdulos, pelos belles, peloa ae-
ros, pelos carthaginezes ; em summa, por algu-
mas trinta tribus, e especialmente pelos lasoes,
que emprestaram a este predestinado paiz o no-
mo de Lusitaoia.
Qnando Deus ordeoou aos romanos, que, ae-
melhaoles aguia do apocalypie, esvoagassem
por todo o mundo e impolgassem os imperios, e
os trouxessem a urna unicac.ao providencial, a
Lusitania foi am dos thestros desse povo belli-
coso; mas a raga religiosa de Thubal disputou
ao povo iovencirel, mas idolatra, a trra qae
havia bordado do neto de No,
Um pastor da Serra da Estrella, de nome Ve-
ri atoquem sabe se descendente em linha certa
do primeiro portuguez Thubalapreaenta-se com
os seus lusitanos a repelar a invasio da idolatra
romana, Foi essa urna das lutas mais empe-
ntadas que leve de sustentar o poro conquista-
dor, cojos exercitos aguerridos, em multas oc-
casies, ebegavam, viam e venciam, como suc-
cedeu a Casar as Galias.
N'um cinto da ierra, e em frente de um pastor
com un poneos de homens bisonhos e ignoran-
tes da arte da guerra, empalidece o valor roma-
no : era o presagio das derrotas e do aniquili-
mento que maia tarde dereria experimentar.
A dominagio romana eitabeleceu-se afioal por
610 annos na trra lusitana ; mas foi preciso que
os romanos commettessem urna infamia, propria
de um poro idolatra, e embriagado pela gula in-
saciavel da gloria e das victorias.
Em quando o exercito lusitano aeachava acam-
pado, e se entabolava urna paz com Quinta Ser
rilio Cepiio, alguos traidores cobardes que
nunca faltim em taes conjunctaraa suborna-
dos pelo ouro dos.Romanos asaassinaram o pastor
general, quando repousa/va em sua tenda.
Sobre o sangue querido do valoroso capitio, os
Lusitanos jurara m guerra de exterminio ao poder
invasor dos Romanos ; e .tacto que, dorante seis
seculos de domioago, dodcj -poderam dizeresta
trra toda nossa 1
Cesar reiu 6 Lusitania rencer a Sartorio ; mas
sos Luxitanos concedeu direitos e empges, que
Ibes aasegorou e cooserrou um carcter especial
de urna naciooalidada propria.
IV
Soou a hora, em que o imperio romano come-
ga a despedagar-sa e a cahir aos pedagos, como
outr'hora cahira a estatua de Nabucodonoaor
golpea o'a pedra fatdica.
A catacumba rae prostar o capitolio, os hymnoi
trinmphaes dos mrtires fazem calar os bymooi
guerreiros, ai aguias rio ser substituidas pelo l-
baro de Constantino, o emblema igaomimoso da
cruz vae ornaropeito e ascoras dos imperantes,
o agur vae ceder o altar ao sacerdote, os sacrifi-
cios idolatras vio desapparecar entre as nuvens
de incens do sacrificio chrislio.
No amphitheatro o poro, que chamara aos ou-
troa povos de barbaros,applaudia oderramamen-
to de aangue chrislio, que ahi corra a jorros ; mas
ahi mesmo nasce a arvore frondosa da cruz, que
depoii estende os seus ramos por todo o mundo,
e a coja sombra hoie se abrigam mais de qua-
trocentos mllhoes de crentes na Redempgio de
Cbriito.
Em 1139 da era christaa esta arrore j hara
estendido os sus ramos pennsula ibrica ; e o
saogae christo j havia ominado a Ierra da Lu-
sitaoia : os descendentes de Thubal, educados
pelos discpulos do Christo-hariam-aa abrigado
debaixo dessa arrore ; e aguardaram o lempo de
sua missao, como o servo fiel atiende s ordens
do Seohor.
E essa poca chegou.
Assim como o oaro se purifica no fogo, asiim
Deus quer que a rerdade por elle ensioada le
retempere e fortifique na adrersldade.
E* por leso que elle aecitou ee paro ado-
mto chamada sarraceno, OH rabe ou mouro, que
se desprenden da frica come um tufio amola-
dor, foi agoutar as errores chriataaa que aqu
ali comegaram a floreieer e a fructificar.
las assim cono o rento fax prender e arreigar
a arrore ao solo, sssim foi a perseguigio dos Sar-
racenos contra os Chriito.
O conde D. Henriqua de Borgonha, de ama fi-
lustre estirpe de Frange e em cuiai ralas circu-
lara sangue real, pesiara Heapaoha para servir
no exercito chrislio de Alfonso IV de Leo,contra
os Sarracenos.
Casado com urna filhs do rei, Uve em dote ums
irte de Portagal, qae j Malva, sido tomada aos
ouros, e faculdade para possuir o mais que con*
quittaasa, tudo'tom a calhegoria de condado.
Em 17 batalhas que deu aos Mouros alargou tr
seadote de casamento ; e mowendo deixou por
sea succeisor a Affonso Heorique, que, ao cabo
de elgun snnof de menoridade, tomn o gover-
no do aiu patrimonio.
Soldado do Chriato, orno seu pao, coolioaou a
fazer a guerra aos ioimigos da cruz. Josu deum
noro poro d'lsrael, j subir ao monte Oreb, e a
trra de Csnaan ja se Ihea deacortinara pr-
xima.
-i.
Em todos os lempos a mulher foiuo poderoso
instrumento, de qu# se serve a Providencia para
acordar no coragio do homem aa boas e ms pai-
xes.
A mulher portuguez* tem um lagar diitlncto
no paolheon das mulheres heroicas.
O patriotismo, a religiao, o dever da familia tem
centenares de exemplos famosos entre as mulhe-.
res portuguezas.
Na poca a que nos estamos refe-rindo, aono de
Christo 1139, els o carcter da mulher portagueza
contado por Fr. Antonio Brandio, na rara chroni-
ea de Cisler :
E as mulheres portuguezas se tiobam por
afrontadas, quando eenao serviam em casa coa
alfaias e movis ganaadoi par aeui maridos na
guerra: nem havra homem com mura, por baixo
que fosse, que casasse suai filhas om penosa
qae nio tivesiemariscado a iua vida emrecon-
tros famosos contra os Mouros.o
Nestas curtas lionas eal fielmente tragado o
carcter portugus de todos o* tempos, e espe-
cialmente no seculo em que hirla a defender*nio
smente a patria, maa tambam a religiao, em qae
os Portugueses foram e aio tao exemplares, ao
ponto de os alcuohsr de fansticoi, o que no pro
prio sentir de Rousseau, mais nobre do qae se-
ren ioealpados e impos.
Era este o poro de que era gorernador o joreo
conde Affonso Uenriques, que, nos raros das de
paz, aasistia s horae cannicas, vestido de sobre-
peliz com os conegos de Santa Cruz ; e nos das
agitadoa da guerra, tirara da espada ou do mon-
tante, e mostrara-ae to valoroso como o Cid,que
combatera ao lado de seu pae.
Na primavera do anno, que ha pouco citamos,
acorapanhado de aeua aguerridos vassaiios, o jo-
ven conde Alfonso Ueoriques sahiu s portas da
sua formosa cidade de Coimbra.atravessou a Bei-
rs, epassando o rio entrou em ierras do Alm-
Tejo ; e as trras dos Mouros por onde passavs
fleavam assoladas e em montdes de ruinas e ca-
dveres.
A esta ousada excursio do destimido gorerna-
dor de Portugal actudiu o rei mouro Ismael, ou
Ismario, acompanhado doi regalos de Silres, de
Merida, de Serilha, de Badajoz, de Allathar, go-
rernador de Liiboa, e de dutroi muitoa chelea ; e
aemelhantes a rios caadaes, que correr precipi-
tados a desaguar .om ama extensa lagda, con-
fluirn: todos para os sampoa de Orique, aonde
se achara acimpad o exercito chrislio, e que
foi como ama ilha cercada de am mar de langas.
As chronicas e historias, que tem referido este
successo ; (que a primicia de am noro reino],
sio concordes em dixer que era tal a disparidade
do exercito christo em relacio ao mourisco,
que se computara am christo para cem Mouros.
J oeste tempo o retroceder nio era de Portu-
gaezes; e por isso, enlatados entre as aguas do
Tejo eeasa onda immensa de ageranos, resolre-
ram entregar-se Providencia ; e pedir o aeu
auxilio : a Providencia aceitou o convite. '
VI
A noute que precedeu ao dia da batalha foi
mais para se velar, do que para ae dormir. Os
mooges de Tarouca coofasssrsm e absolriam os
que tinham no outro dia de jogar aa suas vidaa
contra os sabres e laogas dos inimigos.
O joven conde D. Affonso estara na aua tenda
retemperindo'o aeu espirito com a efficaciada
que havia animado o Drago do pequen? David
contra a torga herclea do gigante Goliath.
Hoje eonctlia-ii o somna com am jornal depo-
litici aplmeotada, ou com um romance da mons-
truosidades humanas : naquelle lempo da biblia
era o livro de reeraio e anegio em todos os gozos
e trlbulagss da vida.
O joren conde abriu a biblia ao acaso, e por
acoso foi na pagina em que se liam aa stguintes
pauageos :
O Senhor com ligo, homem o mais re-
lente de todos.
c E Gedeo lhe disse: se o Senhor comnoseo
pego-te que me digas porque cahiram sobra nos
todos estes males? Onde estio aquellas* mara-
rilhas, que nonos paea nos lem contado duen-
do : o Senhor nos tlrou do Egypto ? Has sgora
nos tem o Seohor desamparado, e nos entregou
as mios dos madianilas.
< E o Senhor olhou para elle e lhe disse: rae
nessa tea fortaleza, e lirraris a Israel do poder
doa madianitas: sabe que eu so "quem te
mando.
Gedeo lhe replico*: dize-me, te pego,
como poderei eu livrar a Israel?
.c E o Seohor lhe responden : Eu seret comti-
f;o; e la derrotars os madianitas, cmo se
osiem am s homem. >
Amanhecea o da 26 de julho do anno filado :
DO
l.\
deu-se a bitalhi, o4t?victon foi doa enris-
Um.
Embora se nos inculpe de tratar e insistir
n um assumpto alheio descoberta do Braail,
paseamos a transcrever e juramento que fez as
corteo de'Lamego o Gedeo do povo portu-
Suez. Temos de fallar do acato da descoberta
este imperio, nio ser inteiramente ocioso
fillar-ae do acato da fundagio de Portugal, que
como ji diuemoi foi a crislida do Brasil.
Eu Affooso rei de Portugal, filho do Ilustre
conde Heorique, e neto do grande rei D. Affon-
ao, dianle de vos bispo de Braga, e blspo de
Coimbra, o Theolonio, e de todos os mais rassallos
de meu reino, juro em ests crin de metal, e
oeste livro dos ssntos evangelhos, em que po-
ho miohas mios, que eu miseravel peccador vi
com estes olhos indignos Nosso Senhor Jess
Christo estendido na cruz, do modo segua-
te :
Eu oslara com meu exercito oaa torras de
Alem-Tejo, no campo de Ourique, para dar ba-
talha a Ismario e outros quatro reis mouros; que
tiobam comsigo ioflnitos milhares de gente, e
minha gente, temerosa de sua mullidio, estara
atribulada, e triste sobre maneira, e tanto que
publicamente diziam alguna, ser temeridade
accommelter tal jornada: e au enfadado do que
ouvia, comecei a cuidar comigo que faria: e
como tivesse a minha tenda um livro do testa-
mento velbo, e o de Jess Christo, abri-o, e li
nelte a victoria de Gedeio, e disse entre mim
mesmo. Hu bem sabis ros Senhor Jess
Christo, que por amor rosso tomei sobre mim
esta guerra sobre rossos adversarios, em vossa
mi est dar a mim, e aos meus fortaleza para
rencer eslea blasfemadores de rosso nome. Di-
tas estas patarras adormec aobre o livro, e co-
mecei a aonbar que ria um homem reino vir
para onde eu eslava, e que me dizia : Affonso,
tem confianca, porque vencers, e destruirs
estes reis lofieis, e destaras aua potencia, e o
Senhor ae te mostrar.
Estando netta viio, chegou Joo Fernandas
de Souza meu camareiro, dizendo-me : Acor-
da, Seohor meu, porque'est aqu um homem
velh, que vos quer fallar. Entre, lhe respond,
e calholico: e tanto que entrou, conheci ser
aquello que no seoho vira; o qual me disse :
senhor, teode bom coragio, venceris, venceris,
e nao seris vencido, sois amado do Senhor,
porque aem durlda poz sobre ros, e sobre vossa
gerago depois de rossos dias os olhos de sua
misericordia, at o XVI, descendente, no qual se
diminuir a successao, mas nella assim diminui-
da, elle tornar a pdr os olhos, e rer. Elle m'o
manda dizer-ros, quando na seguate noute ou-
virdes a campaioha de minha ermida, na qual
vivo a lessanla annoa guardado no meio dos
inflis, com o fsror do mui sito, saiaes, tora do
real, a sem nenhuns criados, porque vos quer
mostrar iua grande piedsde. Obedecei. e pros-
trado com muila reverencia em trra, renerei o
embaixador, e quem o mandara, e como posto
em oragio aguardasse o aom,na segunda vela da
noute ouvi a campaioha e armado com a eapada,
e rodela aaht tora dos raes, e vi sbitamente
parte direita contra o nascente, um raio resplao-
decente, e indo-se pouco e pouco clarificando!
cada hora se fazia maior, e pondo de propoaito
olhos para aquella parte, vi de repente no pro-
prio raio o signil da cruz, mais resplandecente
que o sol, e Jess Christo crucificado nella, e de
urna, e de ouira parte urna copia grande da
mancebos resplandeeentes, os quaes creio qae
seriara os santos Aojos.
Vendo pois esta risio, e pondo parte o es-
cudo, e espada, e langando em trra aa roupas, e
calgado, me lance! de brucos em terrs, e destel-
lo em lagrimas comecei de rogar pela consola-
cao de meus rassallos, e disse sem nenhnm te-
mor: A qae Em me appareceis, Senhor? que-
ris, por reatura accrescentar f a quem tem
tanta? melhor por certo que ros rejam os
inflis, e creism em ros, que eu, desde a foote
do baptismo ros conheci por Deus rerdadeiro,
filho da Virgem, e do padre Eterno, e aasim ros
conhego agora. A cruz era de maravilbosa
grandeza, levantada da trra quaai dez cova-
dos. O Senhor com um tom de roz suare, que
minbas orelhas indignas ouriram, me disse: Nao
le apparaci deste modo para acrescentar tua f,
mas para fortalecer tea coragio oeste eoofliclo, e
lundar os principios de leu reino sobre pedra
firme. Confia, Affonso, porque nio s reocars
eata batalha, maa toda-las outras em que pele-
Jares contra os inimigos de minha cruz. Acharas
tua gente alegre, e esiorgade para a peleja, e te
pedir que entres na batalha com titulo de
rei. Nio ponhas durlda, mas tudo quaoto te
pedirem lhe concede fcilmente.' Es sou o fun-
dador, e destruidor dos reinos e imperios, e
mim um imperio, por cuj'o 'meio teja meu ftTnic
publicado entre as nacet mais ettranha. E
para qae teue descendentes conhetjim quem lhes
d o reino, compors o eseudo de tuaa armas,
do prego com que eu remi o genero humano, e
dsquelle porque fui comprado dos jadeos; e
ser-rae-ha reino santificado, puro na f c ama-
do por minha piedade..
Eu tanto qae ouvi estas coasas, prostrado em
trra o adorei dizendo : porque mritos, Senhor,
me mostraos lio grande misericordia ? Ponde
pois rossos benignos olhos nos soccessores que
me promettis, e guardae salra a gente portu-
gueza. E se acontecer, que teohaes contra ella
algum castigo aparelhado, executae-o antes em
mim, e em meus descendentes, e lirrae este
poro, que amo como a nico filho. Coosentindo
n'isto o Seohor, disse : Nao se spartar delles,
nem de ti nunca minha misericordia, porque por
sua via lenho aparelhadas para mim grandes
mearas, e a tiles escolhido por meus segadores
em trras mui remotas.
Ditas estas patarras desappareceu, e eu ebeo
de coofiaoga, e suavjdade me tornei para o
real. E qae isto passasse na verdade juro eu
D. Alfonso pelos santissimos evangelhos de Jess
Christo tocados com estas mios. E por tanto
maodo a maus descendentes, que, em honra da
cruz, e cinco chagaa de Jess Christo, trsgam
[Coniftttafo don. 144)
Mara voltando casa de ieu pie j3ncontrou tu-
do em alvorogo e movimeoto por niio aaber-se o
que era feito della. O velbo mnreador cangado
de soffrer tantas torturas, porque peissra ns ses-
s3o judiciaria, resolver afogar es seus remorsos
em ondas de vinho Madeira : os vapores dinas
libag5es otfuscaram-lhe a rista, e perturbaram-
lhe a razio.
Mari i entren, e dirigindo-se a seu pee, dlsse-
Ihe logo :
Eoto, senhor, a sua victia a escapou-lhe ?
Oh I Eis-te finalmente 1 respondeu o mer-
cader cujas ideas se achavam obscurecidas pilo
vinho. Eis-te finalmente, minha fllbinha I O
que estiveste fasendo tanto lempo tora de casa ?
Venho de Newgate, seohor; disse a joven
recaando dianle do Sr. Uallorj q;ue procurara
abraga-la.
De Newgale 1
Esta palavra parecen dissipar n'um momento
a sua embriaguez: a resplragio fortee precipita-
da Irahiu a violentacommogio, de que se achava
possuido, e elle repetiu:
De Newgale I Vieste de Newgate ?
Sim, meu pae, j que tergono me dar-lhe
este nomea Vmc. lio culpado, tio criminoso e
cruel Ia Vmc. que tramoudeaimguefrio a rui-
na de um innocente I Oh 1 que se a tivesse con-
seguido ver-me-hia a esta hora estendida mor-
a sobre este assoslho I....
Com as mios trmulas a moca comprima a
fronte abrasada. Sbito, porm, dissipando-se
o primeiro paroxismo da colera senta a torga
terrivel das palavras, que pronunciara : compre-
hendeu asue. situagio ; teve honor de si mesma.
O pae, a quem a violencia inesperada da filha
restituir a raxio acalma, leva ato u-se, foi fe-
char a porta, e aponiaodo para ura canap que
ali ae achava, disse :
Sente-se a qi.
A moga obedeceu chorando.
Eolio, replicou o reino que conserrou-se
de p diaote della ; eoto achu ? Qae- faror
este ? Perdeu o aso da razio f De onde rem ?
Responda, respondao que foi fnxer a Newgale ?
A' eatas perguntas pronunciadlo com urna rei-
r concentrada, Hara oceultou i cabeca enlre as
mios derramando abundantes ls grimas.
Oh 1 exclsmoa ella: pan onlouquecer
lera, de tanta audacia 1 Chore, chore a seu gos-
to, e melhor serla que me pedisse perdi do joe-
lhos. Diga me, seohora, que alcance tinham as
suas palavras de inda agora ?A minha victima
escapou-me IO que quer isto dizer? Compre-
bendo : a seohora urna filha ingrata e rebelde ;
quer atemorisar-me, quer ver se assim consinto
no abominavel casamento.... com ura miseravel
tratante, um homem aem posigio sem bens e
sem fortuna 1 Eu a conbego, aei o que capaz
de fazer.... quer a minha vida, Ugou-sa com
aquelle homem contra mim, que sou seu pael...
As lagrimas de Hara a suffocaram ; o poder e
autoridade paternaes apresantavam-se-lheao es-
pirito acabruohado ; levantou-se e se precipitou
de joelhos aos ps de Hallory.
Maria, porque te conduzlste to mal ? per-
guntou o velho com a voz branda. Eu s tenbo a
ti neale mundo.... perd tus pobre mi.... e tu
queroa matar-me, minha filha ? Querea redazir-
me loucuraj na velhice, queres me rer en-
tregue cuidados merceoarios, s miserias de
urna casa do saude ? Oh 1 isto de certo saccede-
r se contionares a desgostar-me 1.... Maria, s
mais prudente, mais razoavel: promelte acabar
com tUdo isto. Renuncia a esta desgranado que
um genio ma laogou sobre o meu caminho. Es-
se hemem meu inlmigo pessoal, lie me detes-
taeu bem o sei. Nio te obrigo a desposar lord
Scamplett, j que por elle nio aeotes affeigio :
verdade que eu desojara esse casament, pots
ha multo pens em dar-te urna alliaoga honrosa :
masnio importarenunciarei a minha Idea :
renuncia tambem o homem que a tua perdi-
gio... reouncia-o que nio ello digno de li nem
de mim!.... Qual fot a aua familia? Um pie
jogador, crivado de dividase o.ue por isso sui-
cidou-se I E tu, que a lio bem educada, chela
de bens e futurode bem que eu amontoet para
ti lmenlehas de langar-te nos bragos dessa
homem, desse bandido, a quem a torca espera
cedo ou tarde 1....
Maria eocarou seu pae fixsmente.
Porm, meu pae, Vmc. sabe qae tudo fal-
so, qae elle innocente.... Vmc. nunca o igoo-
rou I _
Hallory mordeu os beigoa ; suas feigoes con-
tradas tornaram-ae medonhas, manifestando ao
mesmo tempo a decepgio, por que acabava de
pastar.
O marcador cootava vencer a resolugio da fi-
lha ; porm os seus esforgos foram baldados. Os
bragos de Maria procuravam ainda estreita-lo :
mas elle desviou- se violentamente, e tocou a
campanhia. Um criado apparecea.
Chame a criada de mademoisella para caa-
duxi-la ao seu qoarto.
Nos doas seguales mezes i scena cruel qae
acaso de deicrevert aa reproduziu todoa os dias
sob formas difiranles. A saude de Maria suc-
cumbia pouco a pouco, maa nio diminua o leu
amor por Eugenio Elliott. O Orgulho da moga,
em seu escudo cinco escudos partidos em cruz e
em cada um delles os iriota dinbairos, e por
timbre a serpente de Moias, por sor figura de
Cbrislo, e este seja o trafau de nossa gerago. E
se slguem intentar o contrari, seja maldito do
Senhor, e atormentado, no inferno com Judia o
traidor. Foi feiti a pfeiente carta em Coimbra
aoa 29 de outuhro de 1152.
Eu, el-rei D. Affooso. Joio Metropolitano
Bracharense.Joo, bispo de CoimbraThao-
tonio, prior.Fernam Peres, eopeiro-mr.Pe-
dro Paes, alferes-mr.Vasco Sanchos.Affon-
so Mendes, governador de Lisboa.Gopgalo da
Souza, procurador d'entre Donro, e Minho.Paio
Mendes, procurador de Vizeu.Sueiro Martina,
procarador da Coimbra.Mem Peres, o escreveu
por mestre Alberto, cantellario del-rei. >
Este juramenta foi" dado 23 aonos depois do
successo maravilhoso, que acaba de expor-se, e
depois de outros tantos annos de reinado traba-
lhoso e assignalado com victoria! e triumphos,
que s podem humanamente explicar-se pelo
auxilio superior da Providencia.
VII
Se este livro tlrer a desgraga de ser lido por
algum espirito forte, por algum espirito publico
ds raga de Vollaire e de Holbach, de certo qae
este raouument, que s pedra angular do reino
de Portugal, hs de ter esmagado com um riso de
compaixio. Nos. porm, que acreditamos qus
o ougfio e o elephante, o grao d'areia e a monta-
nha, a ervioha e ojequittb da florala virgem,
que a gota d'egua e o ocano, que, em summa,
toda a creacao est subjsita a leis providenciaos,
com muito mais razio acreditamos ns aegio da
Providencia no goveroo dos poras, Na fundagio
de Portugal honre com effeito um prodigio, um
milagre, superior intelligencia humana ; mas
os milagros do-ie aos milhes de milhes a ca-
da hora. O grio qae heje so delta na terrs, que
apodrece amsabia, que germina ao depois, e
que maia tarde aoa d cem e mil grios, na rer-
dade um milagro e com tudo nio o negamos. '
qae a raga materialista nio duvida dos milagrea
da materia, mas sim doa da religiao e da moral.
Na fuadagio de lodoa os reinos interrem a ae-
gio da Prordencia ; mas o de Israel e o de Por-
tugal foram pessoalmente fuodados por Deus.
A fundagio de Portugal por Chriato foi muito
semelbante fundagio da egreja pala mesmo
Christo. Esta tioba de ser depositara do eran-
gelho e dos sacramento?, Portugal tioba de ser
por meio dos seus missionarioi, o propagador
desse mesmo evaogelho e dos seus sacramentos.
As primeirss palavraa que Christo diste s D.
Affonso Hinriques, quando lhe appareceu, foi
Vol ttk (a et in semine tuo imperium mihi sta-
belire. A' Sio Pedro baria dito o mesmo Chris-
to : Tu t Petrut, el tuper hane petram edifica-
boecclesiam meam. Vejamos agora nio adisii-
milhanca, mas a differenga da foodagao do reino
catholico espiritual, e do reino dril portuguez.
A' S. Pedro disse Christo*: quero fundar em ti
urna egreja. nio tua, sanio minha : ecclesiam
meam. A' D. Affonso disse : quero fundar em ti
am imperio, nio para li senio para mim : im-
perium mihi.
A' Pedro na inilituigio da egreja nio diste :
in te et in semine (uo ; porque, como o imperio
da egreja universal sobre todas as nagdes do
mundo, quiz que todas as nagdes tivessem direi-
to eleigio da theara, mas na instituigio do rei-
no de Portugal disse Christo : in te et in semine
tuo, porque, como era particular de urna s na-
gio, qaiz que fosse hereditario, e nio electivo,
para qae ae continaaaae na aucceisio e descen-
dencia do mesmo sangue.
E por que tudo isto, o para que ?
Nio era por certo para o Dm poltico, em re-
lago a essa porgio da humanidade que Deus
obrara tamanho prodigio : mas, para o fim apos-
tlico, para o fim de ser esse reino am instru-
mento maravilhoso as mios da Providencie.
E o mesmo Christo o disse as palavraa com
qae o institulu : ut deferatur nomem meutn in
exteras gentes ; para que, por meio dos Portu-
guezes, seja levado o meu nome gentes estra-
ebas.
De S. Paulo disse Christo : ut deferatur no-
men meu coram gentibus : dos Portuguezes dis-
se : ut deferatur nomen tneum tn txteras gen-
tes. Aos apostlos disse o mesmo Christo : Vi-
dte regiones, quia alba sunt ad mtssem ; e aos
Portuguezes disse : ut sint mtssores mei in ter-
ris longinquis.
* VIH
So o que acabamoa de expor foi urna patranha
de frades, como diriam oa espiritos fortes, ou
urna impostura do religioso D. Affooso Henri-
ques, oa, por m*tt&-fa*or do mmhyt*-jn*lBrilin-
tai vise~_do_ enferma imaginaco do pri-
meiro re portuguez, os lacios do mlhor ae ote
seculos tm confirmado essa patranha, essa Im-
poatura e essa visio.
Com effeito : Portugal tem aido um reino his-
trico e prodigioso. Desde Affooso Uenriques at
o Sr. D. Pedro V, a crux tem sido a bastla doi
Portuguezes; e o reino do Christo pelos Portu-
guezes tem chegado aos confina de todo o mundo
conhecido. Na decima aexla gerago interrom-
peu-se a gloria portuguesa ; maa renasceu em
1640 na dynastia de Braganga, boje reinante em
Portugal e no Brasil. A missio dada D. Affonso
Henrlques contina ainda; porque as colonias
portuguezas e nos sarloes do Brasil ainda ha
exleras gentes, que tm de ser chamadas ao gre-
mio da civilisagio e commsnhio dos sacra-
mentos. At aqu era um sceptro que liona de
corresponder s ordens de Christo, dadas em
Ourique ; boje sio dous. At aqui um s lbaro
levava os Portuguezes na vanguarda da clviliaa-
gio, hoje ha dous libaros com a cruz, um para
os Portuguezes da Europa, e outro para oa Por-
tuguezes da America ; mas a cruzada a mesma
e o generalissimo dos dous povos conduz de alto
dos cus para o mesmo fim aos que bontem eram
pae e filho, e hoje dous irmios gemeos, em lu-
do e por ludo ; e especialmente porque a cada
um delles foram dados os bragos da cruz, que s
Deus aabe o Como e at aonda tm elles de es-
r II
O que lito? Est chorando 1 Anda halo aenflmeoio dsjojualiga, a affeigio qae profei-
pouco me Insultara. I O que fiito de tinta co>[ sava ao sea amtroieMtdo arriatava para e|le(
Umaa reziaopae a conduzia de espectculo em
espectculo,de prazer em prazer, esperando dis-
trabi-la o arranca-la ao sea pensament domi-
nante: outras vezes acondemnara a umasolidio
que mais pareca um carcere.
Mara acaboa por aoffrer com apathia essa al-
ternativa de mus tratamentos e distrsegoes que
a molestaram. Hallory a cooduziu Escssia :
roltou d'ali mais triste, mais abatida, desa-
nimada. A's caricias que lhe prodigalisafa seu
pae, auccediamtempestides domesticas que asgo-
taram as forgas da moga, porm nunca a sua ce-
ragem I Ella a ludo ae havia resignado.
Entretanto Elliott sem recursos, sem emprego
e sem amigos, arrestara urna existencia misera-
vel. O Sr. Hallory nio quizera dar-lhe atieste-
do ou certificado de boa conducta. Todas as por-
tas lhe eram fechadas.
Urna rida to chela de dores e angustias aea-
bou por desesperar a joren, a quem seu pao an-
nuncira a intencio de fazer ao continente urna
outra risgem. Ella temeu-se dessa ora pro-
venga, e urna noute abandonando o lar dosoeati-
co/efagrou-ee em cisa de urna das suas antigs
criadas. O Sr. Hallory receben a noticia sem ma-
nifestar a mais pequea apparencia de colera : j
espera va isto memo. m
Urna res que preparo a cama por suas
propria* miosque nella se deitol disse elle.
Os baohos do casamento de Hara com Euge-
nio Elliott foram publicados. O pae nio se op-
poz a eaaa uniio, e nem ae appfximou mais do
lugar habitado pela filha. E quando lhe trouxe-
ram para assignsr o acto official que punhi ma-
demoisella Hallory oa posse de leisctnlaa libras
esterlinss, que compunham toda a sua fortuna,
nao fez a mais pequea obserragio, depet o seu
nome macninalmente abaixodo papel.
O noirado foi triste, a ceremonia paisou-se
rpida e desapercebida, e depoia que o sacerdote
abeogoou o humilde par ajoelhado ante, o altar,
rollaram oa aoiros sua casa sem um amigo que
os acompanhaase. Com tudo nena uniio come-
ada sob taes auspicios Eugenio e Hara nio se
ulgaram desgragados ; em auas proprlas almas
encontraram elles o germen da felicidade.
Lerado por nma genecosidadeque o mando re-
compensa muito mal e pouco comprehende, El-
liott renunciou ao direito que tinha de perseguir
seu sogro que tio indignamente o havia calum-1
niado e arrestado ao banco dos malfeilofes. Al-
guna adrogados qae tiobam assistido sos debales
por oceatio da aecusacio, aconselharam-no que
j por iva rapaligio, ja pelo futuro de tua eipo-
sa, inUoiasse a segao, pois d'ahi lhe poderia re-
sultar mui raotajosa indemoisagio, alem de que
seria completamente rehabilitado ; podando ou-
tro sim acontecer que Hallory pira evitar o es-
cndalo entrasse em alguma negociagio prorei-
losa. *
Um homem traquejado as cousas docto mun-
do conseguirla com muita facilidade arrancar
nio 40 arrependimento, mis ao terror daquella
alma grasseira-a (c-riuna, cuja fm deriB 0,
tendef*se, derramando sobre a tetra e os poros
aa torrentes da misericordia diras.
Ettamoa nos primeiros dias do dcimo quiote
socolo. Semelhante ao homem que hontem vi-
mos menino, depois mancebo, depois adulto nes-
sa edade, em que parees que a rida faz urna es-
pecie de solsticio, e eomeca a lerar para a tepul-
tura um cadver e una alma para a eternidade,
assim suecede a Portugal.
Em 1139 as povoagdes portuguezas eram urna
especie de arebipelago cercada pelo vasto ocano
da povoagio sarracena. Em 1500 nio ha um s
Mouro em Portugal, e nio ha um a palmo de
trra em toda a Heipanha, que pertenga aos ini-
migos do Christo.
O ralor portuguez os stlrou alm do Hediter-
raneo ; nio s os langou para a frica, mas os
fez enterrar para o seu Interior, collocando Arzila
e Tnger, como atalaias chriitiis, como as co-
lumnas de Hercules do estreito de Gibraltar, com
a memorarel legenda : non plus ultra.
No throno de ArTonio Henriqnes sents-se el-
rei D. Hanoel, o venturoso. O nome portuguez
pasta de bocea em bocea com admiragio e rei-
peito, entre todaa as demsis niges. Os esfor-
gos scieotificos do infante D. Henrtque, do Ilus-
tre astrnomo de Sagres, que morrers no antece-
dente reinado, bariam produztdo os deseobti-
mentos da Madeira, Porto-santo, dos Agores, do
Cabo-verde, e o reeonhecimento da cosa afri-
cana occidental at Gui e Congo, qae sio
outras tsntas pedras de precioso valor engasta-
das na corda portagueza. D. Vasco da Gama aca-
ba -de chegir da descoberls ds Indii. hareodo
dobrado o cabo das tormentas, facto memorarel
nos fastos da bamaoidade.
Aos portuguezes apenas hourera escapado o
deseobrimento da America feito por Christovo
Colombo, por esse risiOnario teimoso, que afioal
mostrou a realidade do noro continente, qaa
hourara supposto oa soohado.
E nio harer mais algum paiz para ser desco-
berto pelos argonautaa luaitanos ? Nio harer
maia alguma regiao, cuque a cobiga do eipa-
culador r buscar o relocino de ouro, e o missio-
na rio catholico r lerar a cruz ; e salgar a trra,
idolatra, com a doutrioa do Crucificado, e ac-
cender a luz do erangelho no meto da* trovas da
geotilidade ? Nio harer'mais um thsatro para
os herosmos do mariyrio christio ? Nio harer
urna trra para um da aerrir de refugio fami-
lia real portugueza ? Nio harer, em summa,
maia um territorio em que a relha monar-
chia rincule um morgado para a ora, que tem
de contrahir o mesmo empenho, harido em Ou-
rique, entre Christo a Affonso Uenriques?
Nao ; dizia a setenis humana : sim, dina a
sciencia divina nos seus* tiernos e insondsreis
designios.
IX
Nio longe da fox do Tejo, e no praia do Res-
tello, laranta-se ainda boje o magostlo edificio
ehamado de Belm. Etse famoso mosteiro dos
Jernimos, pelo catacljsma das ordena religiosas
em 1831, passou a servir de casa pa, sendo tai-
vez o nico dos mnltos conventos svpprimidos,
qae teve um destino mais desculpavei nessa In-
disculpavel espoliarse
Foi t. Hanosl, o venturoso, o affoftonado
quem mandn erigir este monumento do mar-
more em honra da N. Senhora de Balero, e em
memoria da descoberta da India, emprehondida
por D. Joio II e realisada neste memorarel' rei-
nado. Hoje lerantar-ae-hia por til scontechnen-
to ama columna, oa urna estatua equestre n'a-
quelle tmpo de crencas muito carunchosarem
materia de religiao, leraotara-so um templo,
um mosteiro.
Mas o admiravel templo, que hoje se v, ntt
foi o primeiro que houve n'equetle lugar, dedi-
cado a N.Ssohora de Belm. O Infante D. Hen-
rique, de benemrita memoria,_havia ali erigido
ama ermida da mesma Invocagao, com um hos-
picio, onde residiam freirea de Chriato, e aos
qaaea .deu trras, pomares e aguas, que com-
prare, e que coovertera em commeoda, com. a
obrigagio de celebrar-se aos sabbados urna ms-
sa, e pedir-se ao povo, na occastio do (acabo um
Padre Nosso e ama Ave Maria pelo repouso
eterno de sus alma: Hoje que s ae trabalha
para haver aeges do banco, ter um camarote no
theatro lyrico, um coupi com urna parelhi do
Cabo : ao peito urna commeoda instituida no
hospicio dos alienados, dar bailes aos numerosos
amigas, com o que so sos. fortaam do urna
tamlUa : hoja de certo este proceder do santo
infante D. Henrique hade pastar egualmente
por caronchoso e exdruxulo. Taea foram, taes
sio os tempos.
O fim deila instituigio, segundo so l nos
chronistas, e especialmente em Joio de Bar-
ros : era para qae os sacerdotes, que ali re-
sidissem, ministrassem os sacramentoa da con-
fissao e commuobio aoa mareantes, que parliam
para fra; e em quaoto esperaram tempo, pos
ser quasi urna legua da cidade, tireasem onda
ouvir misss.
A ermida de Belm era nestes tempos um la-
gar dederogao especial para a familia real. Aos
S demarco de 1,500, que cahiu em um domingo,
D; Manoel e a sua corte reiu de Lisboa para aa-
tistir solemnidade religiosa que n'aquuells er-
mida tinha de celebrar-se por occasio da parti-
da da segunda frota para a India.
Suspendamos a rudez de noisa narrago; 8
deixemoa fallar o Tito Lirio portugus, o histo-
riador Barros, referndo esta ceremonia na aua
castiga linguagem, o como testemunha contem-
pornea, e talrez presencial.
[Continuar-te-ha.)
joreos esposos sentir cruelmente; Havia porm
nesta lata especulativa alguma cousa de ignobil
que repugnara a Eugenio. Relirou oa documen-
tos do poder do seu adrogado, e contentou-se
em escrercr ao mercador a seguate carta :
a Sr. Hallory.
c S me lembro de ama cousa que sus fi-
lha tornou-ae minha mulher: felicidade que
esse anjo me trouxe se junta o pesar de o harer
affligido. Os seus detigoios sobre ells foram con-
trariados, as suas esperangas Iludidas: compra-
hendo a desesperagio em que o lancei. O senhor
taires me julgue um intrigante que abusou com
baixeza do ascendente fcil de tomar-se sobre a
fraqueza e o coragio de urna joren as vistas ni-
camente deum interesse pessoal: engaa-se. A
minha conducta ahi est para prorar o contra-
rio.
A irritagio em que estere o (ez desejar a mi-
nha perda; o senhor calumnlou-me, e eu lhe
pardo-. Aconselham-me que o persiga, e asse-
guram-me que com isto alm de o desconceituir,
obterei um resultado pecuniario em maior aatia-
fagio da minha ringanga. Conhego que assim se-
r ; porm nio posto resolver-mo a perseguir o
pae de Maria. Permitta-me esquecer o passado, e
esperar que o senhor tambem o esquecer, co-
nhecendo a recudi das minhas intenges; em-
flm que algum da restituir a Hara, nao urna
fortuna de que o senhor tem o direito de dispor,
mas a afflicgio, e sentimentos paternaes. de que
ella digna, e que tanto lastima ter per-
dido.
Tenbo a honra de rer, etc. >
Esta carta aberta pelo pae ralroso foi reeoriada
pelo correio com sobscripto a Elliott; e dous
diaa depois Maria recebe a segulnte mlssira do
adrogado Jeffrey: *
c Minha senhora.
< Snto extremamente dizer-lhe que o Sr. Hal-
lory resolreu acabar toda a especie de communi-
cagio com a seohora, e com o senhor seu mari-
do; resolugio esta justificada, diz elle, noque
chama sua iogratidio. Rogo-lhe a bondade de re-
metter-me urna lista dos objectos do seu uso, que
flearam em casa de seu pae, os quaes lhe serio
immediata e directamente remeltidos. Outro sim,
poupe-se ao trabalho de urna reclamagio ou en-
treviste, que seriam inuteit; e creta nasioceri-
dade do pezir que tenbo por me rer obrigado a
serrir de interprete da rootade do senhor Seu pae
nesta occatiio.
< Tenho a honra de aer, etc.
Estara poia tudo acabado; ji nio restara es-
perangas Maria escreveu com a mi trmula a
listados objectos que julgou derer reclamar: en-
tre outrot desejava oster o sea ciozinho Bris-
quet, animal favorito, que aeu pae matara no dia
seguate i aquelle em que soube ds faga della.
Esto ultimo acontecimento, se bem que pueril,
todaria arraocou-lhe bastantes* lagrimas; pois
julgira perder o nico migo que lhe reatara oa
casa paterna
Aquelle pobre Britqmt r'era J^ais rezos gen-..
tir-se ao seu eolio quando todos a abandonavam 1
Era elle quem a distrania com os seus saltos e
festejos, quando sozinha no seu quarto chorsva
depois de ter reeebido a visita de lord Scam-
plett I
A moga, cuja ruina Elliott causara involunta-
riamente, era para elle o objecto de urna verda-
deira idolatra: o mmenso sacrificio que ella Q-
zera lhe ealava sem cessar presente ao pensa-
mento ; e por isso cercara-a desses temos cui-
dados e affeigio delicada, que minorara, quando
nio fazem de todo esquecer, os males reaes da
rida.
Eugenio Elliott alugou um aposento pequeo e
commodo no suburbio de Soutwark; e aps mul-
tas Indagagdes, muitos pasaos e solllcitagoes, con-
seguu ser empregado n'uma casa de banco, onde
lhe daram noventa libras esterlinas por anno.
Era pouco; mas assim mesmoquanto bastara pa-
ra arredar as pungentes angustias da misara. O
jeren par pode respirar mais lirremente; nio
direi, como os romancistas, que foram felizes, e
que seu amor Ibes era su Cuelen te. Os mil vea-
mes e inquietagoes, que traz comsigo a pobreza,
opprimem-nos doas rezes, quando essa pobreza
nos faz tremer nao s por nos, como tambem pe-
lo ente em que se acham concentradas as nossss
tffeicoes. Contentamento perfeito na desgraga
cousa de que o mando real nio nos offerece
exemplo; bradem embora os romancistas sua
rootade I
A dor amarga, a que Hallory condemnra sua
filha, toroou-se a principio n'uma melancola ha-
bitual, que depois deu lugar pensativa resigna-
gao. Viu-se essa joreo morer-se em sus mo-
desta esphera, e cumprlr os seus noros dereres
com siraplicidade tal, e tal actridade, que pare-
ca ter sido de propotito.educada para os traba-
Iboa daquella obscura sttuagio.
A' noute quando o marido rollara do seu em-
prego passaram-ae no pequeo recinto dsquelle
aposento sem dourados, sem moris de prego, ao
canto de um pobre fogio, horas ioteiraa de ver-
dadera alegria. O mancebo lia, algumaa rezes
toesra flauta ; a moga entretinha ae na aua cos-
tura ; e ambos amaram tanlo a sua pobre resi-
dencia I... Ambos a compararam aatisfeilos aos
ricos aposentos, cujos esplendidos ornamentos
nio hariam protegido a Maria contra acerboepe-
zares, e ao carcere de Newgate para onde o mer-
cador enriara o seu desgragado caixelro 1
Era assim que algumas goliat de rerdadeiro
prazer cahiam no aeu calix de amargaras I A fe-
licidade esperaram-oa elles um do outro; o
nesse profundo isoltmento, nesse abandono do
universo, passaram ama vida especial, urna rida
para ambos nicamente, e qae s ambot podiam
comprehender e sentir. Um passeio pelo parque,
depois do trabalho, paracia-lhes am psssitempo
delicioso. Algumas rexes Maria encontrara all
sea pae n'uma elegante carruagem puchada por
fogosos cavallos, na qual ella cora o aeu mimoso
quillos pasieadores. Has ah I Aps esses gozos
que tristes dias lhe estavara reservados I
Quando tiveram o primeiro filho, os dous es-
posos procu'raram ainda abrandar a colera terri-
vel do Sr. Hallory. A carta que enlio lhe dirigi-
r m foi reenviada aem ser aberta. O velho mer-
cador teodo reconhecido a laltra da filha, mudoo..
apeoas o sobscripto, e fe-la deitar logo no crrelo
Um dos seus criados que se apressou em avisa lo
de ter madama Elliott lhe dado um netinho mi
despedido immediatameote sem msis forme-
dade.
Maria nio desanimou ; foi pessoalmente casa
de seu pae, e entregou ao porteiro ama outra
carta para elle, a qual lhe foi reenviada como a
primeira. Ella nio se queixou, oio se lastimoa ;
porm de ves em quando seu marido sorprenda
urna lagrima da pobre mi cahindo aobre a faca
do innocente Henrique.
Em meiado do mez de junho, n'um da acha-
va-se ella a espera de Eugenio, que costa mar a
roltar s seis horas para jantar; tinha naqueite
momento aceleatado e seu filhinbo. Deram seta
horas, depois oito, e nada de aoparacer o consor-
te. O coragio batia-lhe fortemente ; e com febril
agitagio corra da janella para a porta, da porta
para a cozinba, onde preparava* a comida com
suas proprlss mios; e nessa lida ora abria a ro-
tula da janella, ora antt'abria a porta e pucha o
ouvido escuta : nada aquella demora ara um
supplicio I A's nove horas parou ubi carro de-
fronte do o. 14; am homem vestido de preto
apeou-se, depois.outro.
Madama Elliott assuslada detceu precipitada-
mente, e riu seu marido cafregado as bragos de
dous aujeitos, que lhe fizeram signsl para que ae
calasse, diiendo um delles :
Nio nada, quasl nada : um desses acci-
dentes que se esli rendo todos os dias em Loo-*
dees.
Conduxiram Elliott ao seu leito ; um dos dous
sujeitos correu a chamar um cirurgiao, o qual
ainda que nio quizesse assustar a madama El-
liott disse todava depois de examinar o enfermo
e prescrever o curativoque o caso era grava, e
que o perigo consists maia no futura do que na
importancia doa aymptomas actuaes.
Eugenio sahiodo do escriptorio, quarendo vol-
tar mais depressa para junto de sua esposa, atra-
vessou imprudentemente unta rus. que termina
em Holboro-Hill ao tempo em que urna sege de
posta passava galope: a langa do vehculo apa-
nhou-o no peito e o derribou. Aotes que o pos-
tilhio tiresse tempo de conter os cavallos, j el-
los hariam patudo sobre o corpo de Eugenio.
Duas pessoas que passaram o levantaram: am
era membroda cmara dos coamuns, e o outro
era medico. Commoridos aquelle aspecto, le-
raram oferido que se achara asm sentidos casa
de um delles. Apenas Elliott toro ou a si e disse
onde morara, mandaram rir urna carruagem, o
fizeram-no coodoxir aos bragos do sua esposa.
(Conttnuar-ta ha.)
'
i

i

Briequet harig jYaUrabido asilencio dos trau- PIRN,TTP. D5M, I, DB FARIA* FILHO. 18W,
^1
-T a*. airea"
e^-
Tu i-^wii


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ERGNDU8HW_8EDBHP INGEST_TIME 2013-05-01T00:30:26Z PACKAGE AA00011611_09950
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES