Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09948


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I
itflO XXXVHl, 1D1EB0I44
Hr Cre eti41uta4fi5|000
Pr trM mu vueilM 6|000
/
r
Parahyua, o Sr. Amonio Alaxandrno de Li-
na ; Natal, o Sr. Antonio Marquea Aracatjr, o Sf A. da Lamo. Braga; Ciar o Sr.
J. los da OliveiraMaranhio, o Sr, Joaq.im
Marquea Rodrigue; I Si, MsnoelPioheiro &
C; amazonas, o Sr. Jeronjrmo da Coat.
ENCARMGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SOL
AU^Sr. Claudino Faleso Di.; Bahia.
? V' ra?"**"* AlTU: W *"]>, o Sr-
Joao Parafrn,-Martin.
-----3"
riTE w$mi.
PARTIDAS DOS C0RRE108.
Olinda todos oa dias aa 9X oras do dia.
Igaarass, Goianna, a Parahyba as asgaadaa
a aextae-feiraa.
S. Antao, Beserros, Bonito, Caruar, Altinho
a Garaohuna naa tergaa-feiras.
Pao d'Alho, Nazaretb. Limoairo, BrejQ, Pea-
qaeira, Iogazeira, Floras, Villa-Bollo, Boa-Vista,
Onricary e Ex as quartaa-feiras.
Cabo, Serinhiam, Rio Formoso, Una.Barreiros
Agua Preta, Pimenteiraa a Natal qaintaa felfa.,
ToOo o corroto narlam 10 horas da manis I Segundo as 2 horas e 30 mnalos da maohis.
OUABTA PII1A 26 BE JOHHO E lili
Ptrauo adiantadt 19
Ptrtt fraici ira sita
.*A
f PHEMKR1DES DO MEZ DE JUNHO.
5 Qaarto ereseente sos 3 mineto da manhia;
X La chela as 3 horas a 35 mina to da man.
18 Quarto mingante aosSl mnalos da tarde.
26 La ora as 3 hora a 35 minlos da tarde.
-
PREAMARDEHOJI.
Primeiro as 2 horas e 6 minatos da tarda.
G0VERK0 DAPROWRCIA.
Expediente dodia SO de junhe
de 186S
Officio ao Eim. presidente da provincia da
Alagas. Rogo V. Exc qae se sirva de fazer
chegar a sea destino, por >lgum dos vapores da
companhla Bahianna at Penedo, e dab! por larra
o incluso officio a dous csiad com ambulancia,
que remello ao juiz dedireilo da comarca de Ta-
caratu'nesta provincia para o trstamenlo do cho-
lera morbo, enviaodo-me a conta aflnr de ser la-
ttofeite. Officioa-se ao gerente da-rtnpanhi
Fernambucana para mandar transan rt ir os cai-
xoes at AilagOas.
Dito ao coa>mandnte das armas.-Avt, do que
qae informa V. Exc. em seu officio e8d cor- "" miDde d,r lr8DPot\ al P"byb? no
renle, sobo. 09. convenho em que fc batoa XA* ,PgU- P"" T?1'? lUg!r ?" 'T
do servigo militar ao sold.do do balelho de lo- i A." PiM,8eiro dB e'00 J* Aotouio da
Iantaria, addtdo companbia flxa de civullaria,
Benedicto Antonio Alvee do Boaario. icaitando
em seu lugar, pera*eompletar o teatro do seu
engajamento o psissno Manoel Boroarco Salua-
tiano de Olifeira, qae foi considerado ipto para
i**?' e,,n tado officio.
Ditoao meamo. Qaeira V, Rxc. expedir suas
ordena afim de qae ao juiz municipal da 2 rara
casta cidade, se aprsente ama pnca montada
para as diligencia nacessariaa i sesaac do jury
deata capital, convocada para o dia 3 do cor-
rente. ?
Dito ao presidente da relacio.Sirva-ae V. S.
N iolerpor o seu parecer sobre a materia do offi-
cio qae em 30 do mez passado dirigiu-me o juiz
municipal ede orpbaoa do termo de Cimbrea com
referencia a um requemenlo de Gedeo de Sou-
xa Velho.
Dito ao inspector da theiouraria de fczsiida__
Reverto 4 V. S. o incluao reqaerimento documen-
tado a que ae refere a ana informagSo ie 27 de
inaio ultimo, sob n. 483, aOm de qae avista do
alicatado snnezo ao meamo reqoerimeato. pas-
sado pelo delegado do termo de Golann.i, mande
V. b. pagar a Seraphim Ismael de Mendonca
farUdo^a pessos por ella eatorisada a quan-
tia M 1939000 rs., como paga de aeu servigos
prestido na qealldde de enfermeiro os des-
* wcdos do cholera morbo. no districto
de Timbauba. a contar de 5 de Janeiro 12 de
levereiro desta auno, na razo de 59000 rs. dia-
rio.
Dito ao meamo. Altendendo ao que ixpoz no
i !0'$?Flim?al0 uiI de a'to da comarca
e Pao d'Aiho, bacharel Dalfino Augusto Caval-
Je A'buf'1e. recommendo V.'S. que
eonsidaraidojaatficsdsa ss faltas qae por den-
Je dea aquello magistrado del a 5 de niaio ulti-
mo, mande pagar os seu venementos corriapon-
denles a eases dias. "swii
Dilo ao meamo.-Bm vista do incluid reelbo.
?*5 a S* E,g,r ,0 cab0 da eq* ao Rodngeea Sobral, sonforme olicitou o dele-
gado de Csrusr em officio de 13 do corrate a
quantia de oito mil reis por que oi aluciada m-
cavallo, qaa eoamtto d'aquell Cidade at a vil-
la de Garanbuoa ama ambulancia qae m deitlna-
Ta ao trstamenlo do cholera morbus em ?apa-
bcb.
Dito ao meamo. Transmiti a V. S. para oa
convenientes axames ss inclusas copiss das actas
do conselho administrativo para forneciaiento do
arsenal de guerra dtala de 6, 9, 11, e 13 do
corrente.
Dito ao inspector da tbesouraria previncial.
De aecordo com a sus ioformacio de 18 do cor-
rente sob n. 35S, mande V. S. saliafaier o pedi-
do qae devolvo dsqaantia oeeessaris pin a dai-
pesaa miadis do collegio dos orphaos de N. S.
da Etperaoca no presente mez com exclasio so-
mente dos seis mil reis para a compra do um la-
vatorio indicado no mesmo pedido.
Dito so meamo.Picando intairado {telo seu
officio de 18 do corrente sob o. 353, le hsver
Jos Csetsoo de Carvalbo, dando por fiador Bar-
tholemeu Francisco de Souzs arrematado per um
anoo o fornecimento para a enfermarla da casa
de deiencio com o abate de IX por cont noa
pregos dos respectivos formularios, ten lio a di-
r em resposts qaepprovo esss arrematado.
Dito ao meamo.Accuso rscebido o officio de
18 do correte sob o. 351, esa que V. S. me psr-
ticipon hsver Manool Ignacio de Olivaira Lobo
dando por fiador, uanoel Ribeiro de Carralho
arrematado por 8:950*000 anuuaes dunoto um
trienio o servido da aspstszis do algodio eam
reaposta tenho a dizar que avista do axr esto no
citado officio approvo esss arrematado.
Dito ao mesmo.Expeca V. S. ss sa orden
para qae de julho em diante cessem ss gratiflca-
?oes dadas a empregados por eervisos s qae sao
obrigados em suas repartir. .
Dito ao memo.Transmiti a T. S. para sea
eonhecimentoe execuQo copis ds lei piovincial
n. 533 de 13 do corrente aprovando a aiiosenta-
doria concedida pala presidencia ao Dr. Joio Jo-
s Pinto no lugar de medico to collegio dos or-
phaos de Santa Thereza em Olinda.
Dilo ao coronel Antonio Pedro de Si Brrelo;
Pelo officio qae V. S. me dirigi nests data
aob 54, fiqnel inteirado de ae achar etrpotsado
do cargo da presideote do conselho adminlatrati-
vo para fornecimento do arsenal de guerra daata
montos compradoa pelo conselho adsain' sttatlvo
para a pharmacia militar, deve V. S. proceder de
conformidade com o qae indica o delegado do
cirargiio-mr do exsrcio no officio junto por
epis.
Dito ao dlractor das obras mililsres.Approvo
o ajuste que, segando o sea officio de 16 do cor-
late sob n. 104, fes V. S. com Rufino Mmoel
da s Coussairo para encarregar-se Dito ao
iovol.ntedo.orpo aob se. command^ g^io ^XS^STbuSS
ranciKO de Lima, por Ur coaclaido o seu engs- Sr. b. Pedro V re de PoSKl
ja manto como consts dess informajic n.970 ~--~2J"1l-ae r.orl al-
desla data.
Dito ao meimo.Pie V. S. mandar dar bsixa
ao cabo de esquadra da secgio volante do corpo
aob Mu commsndo, Bernardo Bodriguei Sobral,
que concluio o sea engajamento como cnala de
sus informacio n. 371 tiesta data.
aaclonal.<}aeira V. 8. inlerpor o aeu parecer
sobra a materia do reqoerimenlo do vigario in-
fctWW o Po d'Alho e mal; pipis
aqui juntos, em original com referencia admi-
nistracio do respacUvo cemiterio.
"U .,0 *** obras- publicas -Corto do
S2^tM*5 'ioforB>5ao de 18 do orrsnte,
lSal^JV"/-WIha,(l00fflcl0 1ue P"fP
0 chele de polica n. S 29 le 9
!\2V ? qB1 'Mdo da fieguezia
ioa Afogsdos fea ver o mi Liado aa aae aa
acha a estrada que ral Malla o'oaclo st GU
ala. tenho a dfier qaa iVdlqa. Vquotu aua aa
fe-,pd!r.,aivpa'r' ^m~'* rq2ia;
lint da sMirdensr a
Dito Jos Pedro das Nev.Pelo sea officio
de boje dstsdo, fiquei inteirado do ter Vmc. as-
sumido o exercicio de joiz de paz dessa fregosle
como substituto dos msts juizes, por tsrem osles
dado psrte de doente.
Porlsris.Os Srs. sgentes da companhla bra-
aileira de paquetes i vspor aaaodem dar trans-
porte para a provincia da Babia, por conta do
ministerio ds guerta no vapor que ae espera do
norte ao capilao Joo Theodoro Pareira de Hel-
io, sus mulber D. Clara Raatalha de Mello e qua-
tro Albos menores, Affooso, com 13 annoa de
idade, Joo, com des, Artbur.com trea Incom-
pletos e Mara, com 15 mezes, o qasl vai reu-
nir-ae ao 10 batalhao a que pettence.
Dita.Os Srs. gentes da compaobia brasileira
de paquetes vapor mandem dar ama paatagem
1a eatado no vapor Paran para a corle, ao ca-
itao-tenente Bonifacio Joaquim de Santa Anna.
. Dita.O Sr. gerente da companbia Pernam-
bucana mande dar transporte at Parabybs no ceg e anciedade I
< Emflm como digo
ahiu* uus uruns COSIBlHOa.
e anl at Alagoas a 5 e SO; para o norte
~~ja 14 a 29 de cada mas.
PARTIDA DOS OMHIBUS.
o locire: do Apipucot &s 61[2, 7, 7 1 |S, 8
da m.; de Olinda is 8ds m. a 6 da t.; de
m "Is 6 1|2 da m.; do Casanga a Tanta
as,; de Btmfica s 8 da m.
.osjfe : para o Apipucoi s 8 li, 4, 4 1(4,
' H4, 5 !|2 e 6 da t.; para Olinda la 7
s 8 1 [2 da t.; para Jaboatao s 4 da t.; para
o CtUang a Parssa is 4 1|2 da t.; para Btmfica
aa 4 da t.
Audiencias dos fiBuAiiS ya gApital.
Tribunal do cosamercio; segundas o quintas.
Relacio: tercas a aabbadoa s 10 horas.
Pssanda: quintas s 10 horas.
Juizo do commarcio : segundas ao moie da.
Dito da orphlos: tarcas a aaxtaa s 10 horas.
Primsira vara do civel: tarcas e extasas malo
dia.
1** OA KMAKjE
!. Jlo ae. ; S fiieltiadaa ranha.
ilo deS. Joio Baptisis.
-*b, S. FabroBia t.b.

Dita.O presideote da provincia, atteodendo
o que poodarou o Dr. chele da policia em offi-
cio n. 971, de 17 do corrente. resolve conside-
rar sem efleito a portarla da 28 do mes paseado,
pela qual loi Joio Nicolao Gomea da Motta no-
meado subdelegado do 1 dialricto da fregaezia
de Goianna.
Despaches do da O de junho.
ReqtrimtntoB.
Bssilio Alvares de Miranda Varejo.Informe
acamara manicipil do Recife.
Braz Marcellioo do Sacramento. Informe o
Sr. ioapector da theaouraria provincial.
Alferee Henrique Luiz Pereira de Lira.Infor- .
me o Sr. commandante superior do municipio de nisada som toda a pompa e magnificencia.
iVI.^.H. a a v ... A "nSo <1 governo provincial e do pu-
Irmandada de Nossa Ssnhors da AumPSio blio, se acha propensa cada vez mai. para os
das Fronleiras ds imperial c.pella da Eslsncla melhoramento matVrlaes.
deata cidade Selle e volte.
Joham Leonard Thaus.Informe o Sr. inspec-
tor do araenal de marinha.
Maa Semianna. Informe o Sr. director do
arsenal de guerra.
Silveatre Neminando Lopes Traizio Informe
o Sr. Dr. director geral da iostrnecie publica.
Comraando das armas.
Quartel-general do eommando das
armas Je Pernamameo na cida-
de do Recite em 1 de junho de
186*.
ORDEM DO DIA N. 09.
O general commandaola das arma fas publico
para cooheclmeolo da guaroieio e fina conve-
nientes, nao s o aviio do ministerio da guerra
de S do corronl sobra o abono daa diariaa doa
aauiSUaJtn< militare, e da etapa de prca em
delineamento no interior da provincia, como
reapoata que a presidencia julgeu acertado dar ao
mencionado aviso, conforme declaroa om officio
que dirigi a este commsndo em data de 18.
Faz publico tambem, que a mesma presidencia
nomeou por portara de 18 deste mez para o car-
go do delegado de policia do 1* districto de S.
Pedro Mirtyr.e Si da cidade de Olinda o Sr. te-
nste do 9* batalhio de lofantaria Antonio Bal-
mundo Lina Caldas, commandante do destaca-
mento de linha existente ns dita cidade.
Copia.Rio de Janeiro.Ministerio dos nego-
cios ds guerra em 3 de junho de 1863.
Illm. e Exm. Sr Em sotu;o aos officios ns.
458 e 461 de 6 e 7 de maio prximo passsdo, Qca
V. Exc. autorisado a mandar abonar aas senten-
ciado militares s diaria qae Ihea compete se-
gundo o sviso do 22 de maio de 1858 na propor-
clo do augmento da etape, autorissdo por aviso
de 10 de msreo e 3 de sbril ultimo, fszendo,
outro sim, extensiva a nullidade de que tra-
ta estes dou avisos as pregas dos destacamen-
tos existentes nos pontos do interior ds provin-
cia, onde, em qaanto granar a epidemia do cho-
lera morbus, guardando-ae oeste ceso a propor-
cao para mais oa para meos, conforme ss cir-
cunstancia das diflerentes localidades.
Deas guarde a V. ExcPolydrio rioda F. Q.
Jordio.Sr. presidente ds provincia de Pernal-
buco.Conforme.Francisco Lucio de Castro.
Copia.N. 614.1.a aeccio.Palacio do go-
verno de Pernambuco em 16 de junho de 1862.
Illm. e Exm. Sr.Da posse do aviso ique V.
Exc. servio-se dirigir* me com data de S do cor-
rete mez, apresso-me em informar a V. Exc.
que tendo cessande com a extinecio do cholera
morbus nests capital o motivo que aconselhou a
elevagao da etape das pracas de linha em guar-
nido nesta provincia, foi ease vencimonto reda-
zido ao que era d'aoies conforme a avlia;io si-
mestrsl; pelo que nao se faz precisa d boje em
ioDt' s autoriasRao pedida em meus officios ns.
458 e 461 de 6 e 7 de maio ultimo, a que se re-
fere o.citsdo aviso.
Du grde a V. ExcIlla, a Exm. Sr. con
selbetro Polydorlo ds Fonseca Quintanilba Jor- >. amo aa quaessera aimcii
aao, minlitroi aecretario de estado dos negocios da estrada, e porlanto o sea aproreitameoto me
provincia, para o qasl tra nomeado pe > gover- ,.gBr"5fT0 Pr?wden,te. -M Franeiaco Cor- Ihor.
no imperial. .reaConforma, Luis Sslazar Moacoao da Valga Informou-noa o Sr. Tarares, qae toda a mal-
Dito ao director do arsenal de guerra.-Ao u Aariin.Hn c-i.M- r "Pereorrida pela estrada rica a ubrrima, coo-
officio de 7 do correte, sob n. 164, respondo di- ,n^D,io-Sohinto Joti Antonio Perttra do 'endo preciosiwimss madeiras, aquejameama
zeado-lhe qe a respailo do exaaae doa odica- ^r,mn i v rada cortada p*or 62 ribeiro multo proprioa
Conforme.Jote FraneUeo Coelho, capitio P estsbelecimenlos de importancia valor
ajadante de ordena encarreg/do do detalhe.
DIARIO DE PERHAMBUCO
Temos vists cartas a jornaea do norte do
tracejo da cas psrs lslria. no quartet do nono Maranhio 15 C^fr S ri r!r.n-. l l'i ,3' l0' l 'ue,,e PK-eno nu'clsu deu o nomo de
atalbio de infamara pela queotia de 1I58(M hlba 22 t eotti Rlo-Gran,le Pr>- ^o" Senhora da Conceicio.
am qae foi oreada esss obra. diwusa^B *i* no r*tk~hutn -/ %S a,8,m" """. Sr. Tarares
^fl !..r.. fHL-u. DOt como iodispenaaveie. cita remo.
commandante do corpo de polica. < Ceebu^s^s"e^*liTd7N>4.K,. "Dro.a con, lodUpeosavels, citaremo
Fideiisslma o
- "J."""- ," ruriegai.
so psnrem que ests provs de smor e de-
dicacao qa votavam ao seu augusto soberano,
os subditos portuguezes residentss nesta capital,
veio tarde. r '
ni \ ,m5ldfL'leT$11.-^owssponder ao aeu
uIdade com que e bouveram os
lama de
JSs^&sS^^^^ssa^jasx
prantearam os
rehs e do
am lio.poneos transformada em baleas.
possuldoa os som committenles.
No dia lt do corrente, poie,
Portugaesoa amigos do sea moni
psiz, a parda de ua principo qu
aonos dea aa mala salientes proras da que bem
aabia comprehender a sua missao neste mundo
que lio hsongeirss esperso;as dar I sus
a Em sua justa dor foram acompanhados por
um numeroso concurso da dadle S*lwroi;
notsndo-se todss as autoridades airii. Hitares
a ecetesiastiess da provincia.
c Salvaram os navio de guerra surtos no por-
to, e durante o dia ae conservaran: cerradas
excepcio de ama ou outra, as portas das casas do jSrtapre"a"ra
da commercio, tanto nacional como porta- como a
auxiliar
rematter-mecombrevldadeoon "d^vZ! """''. nacional como porta-.-mom-
qulam pilo eterno descanco do memo illaatre
finado.
c Fiada que foi a missa dirigiram-se cadeia
pnbllcs, e abi distrbuiram a cada um dos presos
urna esmols de mil ris e nm par de caleta a urna
camisa : a pedido om aegaida deposito de doze
mil ria no cofre da cmara municipal para ser
distribuida peloa morpbeticos o districto.
A assembla provincial nomeou em depa-
lacio os Srs. Michilles, Azevedo, Clemeotfno
Guimarie, Tepejot, Paraguass a Dmaso psrs
s representar no funeral.
< Nada mais que mereja msntao.
Para.Nosso correspondente diz-nos o se-
gainte:
< Chegoe hontem i este porto o Paran, com
mais tres dias de viagem, do qae o costme.
c A demora, pelo qae j constava das ultima
noticias viodss pelo Cruxtiro do Sui, trasis os
espiritos, especialmente partidarios, am desasso-
Segandavara do aival: qaartasa aabbadoa l
ora da tarda.
. hontem ao tandear o va-
por, aoube-se logo da mudanca ministerial, a as-
sim semelbante noticia foi mais oa menos rece-
bids com alegra pelo partido liberal, e mala ou
menos descontentamente pelo conservador. .,
a Poranto v qae as cousas sio recebidss co-
mo cada um ss phsntssi. ou como noae deae-
jam ; entretanto j so falla om tanta conss que
serle am nunca acabar I ~.
< Esperemos pelo lempo que o desengao dos
vivos porque dos mortos^ o reino do oatro
mundo.
< Por aqai vamoa por emqaanto em perfeita
paz, asaim cornos sslubridsde publica satisfac-
toria, apezar do caloroso verao qae noa afflige
com oa ardorea do Bol e com a grande quantida-
de de poeira, que a v ir ac o o o m o vi ment pu-
blico levanlva diariamente.
c Apezar disso temos tido ltimamente varios
divertimeotoa pblicos por ocessiio da fesllvi-
dade do Espirito Santo, que esta anno foi aolem-
c Como Ihe participei, foi sberts urna estrada
das margena do rio Caplm provincia de Matto
Grouo, bem como conslsva que por ella tioham
descido gadorpara o consammo desto cldsde.
Este tacto Importante por todos os motivos,
urna realidade ponto 'de que j foi expedido
am vapor da companbia do Amazooas, com or-
den e providencies a auxiliar a-communlcacio
do rio Capim para esta cidade, dlzendo-ae j que
mai brevemente o governo pretende doplar esse
lugar com urna viagem menssl deata navegacie.
E para que oa aeas leitores conhecam a locali-
dede, o irabalho, e aa fadigaa qae tem ansiado
esss estrada, aqui abati transcrevemos nm arti-
go aobraaemelhaote sssumpto :
Ha poacoa dlaa a Folha Oficial publico a
noticia de hsver chegado do rio Capim o Sr.
Manoel Jos Pereira Tavares de Mello o Alba
querque, que tracra e abrir at a colonia de
Santa Thereza a estrsds qae deve ligar nos com
a provincia de Goyaz. Nio nos contontsmos com
a forma vaca daata notiaia, hoja pukli...,,
qaiDio ornemos.
c O Sr. Tavares paaaou aa ooaiora inclemen-
cia* neito aeu importante trabalho, tac como o
abandono e fegida de muita gente que o acompa-
nbiva, levando mantimento, a fome, a praga doa
carrapatos, ele.
c Todo este soffrimento era de auspeitar des-
que ae presuma a grande extensio da mata
qae devia explorar para abrir a estrsda que deve
ligar-nos Goyaz.
c Foi no dia 25 de dezembro de 1860 qae o Sr.
Tavares principio* o sea trabalho dando o pri-
meiro golpe na mata, partindo de um ponto no
Capim, ebegando depois de concluida a trela, ao
porto de desembsrque do mesmo Capim no dia
13 de maio prximo passsdo.
c Gasto, portsnto, 1 anoo, 4 mezes e 18
diss.
c Desee porto at Santa Thereza de Toceolina,
donde ha communieacio aberta para Goyaz, est
concluida a eatrada, prestsndo-se s quslqaer
transporta com fadlidade.
c Desee porto al Saota Thereza do Tocantina
d'onde ha communieacio sberts psra Goysz, est
concluid a estrada, prestando-se a qualquer
transporte com facilidad.
c A estrsds tem duss secc5ss distinclss: a
primeir, do capim ao Poito de S. Francisco, em
frente da colonia militar de S. Joio d'Araguaya
tem M leguas e 480 braga; a segunda, de S.
Francisco Santa Thereza, tem 24 leguaa e 360
bracas.
c Consegulntemente lem s estrsda 16 leguas
e 840 bracas ; mas dimlouindo 3,700 bragas de
rato, que a commanica com S. Joo d'Araguaya
reduz-ae a aaa extensio 45 leguss e 140 bragas.
Comprebende-se quanta lacilidade nio ofierecer
ella condeccio dos gados daa comarcas da Ca-
rolina a Chapada.
Para abrir esta estrada o Sr. Tararea explo-
roo 174 leguas de malta, o esss exploraeio facili-
tn am estado posterior psrs apreciar nio s s
importancia ds malta cortada pela estrada, como
o lugares mais convenientes em qae campris es-
tablecer nocleas de popnlaco, aolooiaa eivls ou
militares, ou qaaesqaer oatraa medidss governs-
mentses. sem as qaaeaser dlfflcil a conservero
Desses S ribeiro* 45 sio no territorio psrsense
17 no msrsnhense.
De aecordo com a preaidencia o Sr. Tavares
dea principio, com 5 homena a S mulheres,
um nucleu de populscao na margem de um ri-
beiro navegavel a abundante de palxe, como fa-
eil eommemcaco para o Capta a para o centro
aos frades, afim de garantir a vida e propriedad
dos transentes ns travessa da malta occapada
peloa gentos Gsvides ; dsqul estaa vaotagena :
madanca da referida colonia do logar pantanoso
em que est o onde reinam ss fsbres Intermiten-
tes, para am lagar multo mais salobre: obrigar
K?,/r2M,.G'T">M d0*wir-. iaponi-
bilidade de correrem para o centro habitado por
outraa tribus, com quem vlvem am guerra.
_ agenda medida consiste n'am corle de
no Capim, no logar que doaioou Noss
- d*. Nazaretb, d'onde aa abundaatea ma-
de cooatruecio podem ser condosidas,
Parece-nos que smbss estas medidaa devem
merecer attencio o eatudo da parte do governo.
t Da ealrada, communicando com o Tocantin,
Jbrio o Sr. Tarares IS portos, qae J foram viri-.
tados por varioa moradores de Santa Therass,
que nellss pretendem isolabslecar-se, dssds qae,
*oe6lo, contm com s garants e pra-
teccio do govorn
Ista destis ioformaeSes msis minaciosss,
MKaproclsrio ofM4tons o trabalho xeeuti-
"****$** que unto o gorarso central
[Iluda do Maranhio se ito fartem a
em ntatosramentor materiaea de
ila e conveniencia.
dos intareasss da diversas provin-
idda ds iruumlHio das orOtai go-
vernativas, porlanto a maia directa e immediata
acc> da autoridad* ; a civilisscio de tantas tri-
bus de indios proveitosos, qae errsm por essss
grsodes maltas; a continua e segura permutta
entre as provincias dos productos que ebundem
n'uma para aquella que deltee tem necassidade,
aio razoca lio poderosas psrs trabalhos ds nstn-
resa dos que executou o Sr. Tavares, qae recom-
menda-los, serla eacarnecer do bom aenso, jul-
gando aaa suas vantagena podem ser deeconbe-
eidas
Avisto, olmpalso est dado; psrar aera
am erro, aera ama trafelo aos msis justos iote-
reasaa ds sociedede.
< Alm disto consta tambem que brevemente
se vsl organitar urna companhla para a caoalisa-
Cio da agua potavel. E' ama necessidado esta tao
ptlpflaote que nao podar deixer de merecer toda
a proteceo ; por isso que a populaeio deata ci-
dade est condemnada a beber agua de poco im-
anado, conducida em carroess sabe Deas com
qaa limpeze 1
a Deixando esta parte dos melhorsmentos ma-
lerlae, tambem posso garantir qae o commercio
val- animando com regalartdade, e para prova
aqui junto os dados estatisticos do rendimento da
alfandage no-mez de maio fiodo, que na verdade
aio bastante lisongeiro.
Impoitaco ....;.. 93:9265l
Despacho martimo. .... 5929650
Exportago........ 51:607*054
laUlot......... 2849289
=
23 Segunda.
.24 Terca, efe
25 Quf
28*18
29 Dom _
A88IGNA-SE
no ftanf,--m a livraria da praga da Indepen-
"$$ZG^______
arfiflV Se, Joio% Piulo rmeos _
ttta. ^ouSbio Cor.glo de Jm,.
bbaio. S. Uo H p.s S. AMajsSo si
Valor da importaclo direata :
De Liverpool..............'.....
Oo Havre.......................
De Nenies.......
D* Bordeaui......
DNew-York. .....
DeLiaboa.......
Do Porto........
DeHamburgo.......
De Alton........
De Trieste. .
Valor da mportagSo por cabola-
gem.
Genaros nacionaaa :
Do Rio de Janeiro..... ,
Da Bahia...... .,
De Pernambuco..... ,
Do Cear....... ,
Do Matanhio...... .
Gneros eslrangeiros :
Do Rio da Janeiro .
Da Bahia .
De Pernambuco. .
Do Cear .
Do Maranhio .
Valor da eipurtacio directa :
Para Londres .......
Baja.;Vr""l .......
Para o Canal.......
Para o Hftvr* ; ,
Para Nautas.......
Para Lisboa........
Para o Porto.......
Psrs New-Yotk.......
Vslor ds exportscio por esbo-
tagem;
Genero niclonaea:
Para o Rio de Janeiro .-
Para a Bahia. ...:..
Para Pernambuco......
Para o Cear :......
Para Maranhio. ....
Generoa eatrangeiros:
Para o Rio de Janeiro.
Para a Bahi.....
Para Pernambuco. .
Para o Cear .
Para Maranhio. .
146:4119514
94:2608997
45:187g367
12:865j>000
3009000
~ 23:6368447
47:5639802
32:8z6i646
20:5659011
33:8519979
1:2601000
Decarago de algumas victimas:
D. Mara profeasora, D. Mara muther de Do-
mingos Carslcanti Goabtraba, Francisco Paes,
Joio Vieira trmio de Bernardinb, Joaquina ir-
mia, 2 manios neto do lente corooel Gvodi-
do,3fllhosdo Leonel, e outros maitos qae nio
me record.
c No Seboeiro o cholera tem asolado, j tem
morrido 23 pessoas e eutre ellas o Teixeln Ju<-
nior e o capitio Luiz Goocalvea pal do Dr.
Franklin. ,
c Oh 1 qae nio faz idea do labyrintbo em que
ae lem viato o povo I Dos permuta que Vmc.
nio ae veja em idntica circunstancias. Em
minha ceas j forsm accommettidas tres pesioss,
o Manoel, o moleque Luis o Florioda, aquellos
offreram benignamente a asta aoffreu oa sympto-
maa mais predominantes o ssaaaladorea; maa
j eat com malhora gracas a Dos o oa outros
aatio bons.
< Adeos.
< Maranguape, 16 de junho.
c Vai-se passando o dia no commam doa ca-
sos pssssgeiros.
Chegou boje parlieipago de Sapupra e
abas da aerra do Limio, de j grassar por all o
cholera, tlndo suecumbido neste ultimo ponto
cinco pessoas.
< A commlssio envin psra eitea lagares re-
medios e o eotermeiro Manoel Moreira, e no-
meou urna commissio para a vigilancia daquel-
les pontos, a
Rio Grande.Nada occorreu apos a passsgem
do Jaguaribe.
Parahiba.Aind continuava no mesmo pea
qaestao da rerauacitada, tendo aido recolhidos
prsio o commeodador Maranhio e aua se-
nhora.
no
297:3179219
3:9009590
6:0618000
36:38494f4
6.-8059500
28:4029324
~81:5549828
1:7238706
2439000
5:6049649
2:2969000
17:4289329
27:2959684
174:2889000
U17:4U5U*>ia
54:3799100
737663545
22 2659940
87:5579725
1:5578785
114:6689687
715:9119059
1:1959730
10:5759000
1:5759000
1:5499225
4:0379081
18:9259036
5008000
1:2149000
86119000
5.8669440
25:9128500
411039940
Valor total da importacio. 406:1678731
da exportacio. 783:1039935
Differenca a favor da axportago. 376:9369204
Nos cinco mexes em qae temos publicado este
resumo do movimento de Importacio e exporta-
gao o reaaltado a favor da exportacio.
No mez de Janeiro a difTerenca
foi a favor da importacio. 179:9869043
Em fevereiro. dem .... 64:5739311
Em margo a favor da exportacio.
Em abril, dem......
Em maio, dem ..:.:.
244:5599354
96:1329917
12:4119942
376:9328204
485.4779063
E' pola a differenca noa cinco
mezea a favor da exportaeio. ; 210:9179700
Eotraram de portoa eatrangeiros 5 nsvios com
1,369 tonelsdss e 53 pessoaa de tripolacio.
Eotraram de portoa naeiooaea 6 navios com
2,866 toneladas e 191 pessoaa da tripolacio: sen-
do 3 a vela e 3 a vapar.
Sahiram para portos.estrangeiro 9 nsvios com
2,431 toneladas e 99 pessoas de tripolacio.
Sahiram para portoa nacionass 6 navios com
2,866 tonelada e 190 pessoas de tripolacio, seo-
do: 8 a vela o 3 a vapor.-
c O movimento de passageiros no dito mez foi
o seguiote:
Portuguezes......
Americanos......
Hsspanhoea......
Francezee........
Allemiea.........
Italianoa..........
Hamburguezes....
Ioglezes..........
Total 22 67
Aa slteraces msrilimas no presento mez
sao as absixo declaradas:
Naviol detcarga
Isabslla Brigue americano
.Eot. Sah
19 50
1 t
1 4
1 5
0 2
0 2
0 1
0 1
Brigue inglaz
Barca franceza
Dita dita
Polacs hespanhola
Histe nsconal
a 7 psra Liaboa o brigae
c Iaabella.Scott
c Sphvre
c Gaajar
c Edwiges
a Santo Amaro
c Neste mez tahio
portugus rameen.
c O vapor Paran* oat annuneiade para partir
PlInigsua da smssbia, 13'do correte. >
Maranhao.Foram mandadoa facer, quaren-
tena oa navios procedentea do Cear.
- lando de proceder-so eleicio de am de-
pat.do asssmbls geral em sabstituicio ao Sr.
Dr. Francisco Jos Parlado, foi marcVdo o pri-
meiro domingo do agosto. "*
Cear.L-ee no Pedro II--
< Ssbosiro 8 de junho de 1862.
No dia 3domes passado deaeovolreo-sa o
pertioss cholera ua Telh, j tendo gressado naa
Cjscelrss, Arara, Joazeiro, Ouricury o outraa
multas parte, de aorta que j ae contam ira.
*^lM. u?u* T'ctlmaa. notando-so qae mesmo
n villa at domingo (1 desto mez) qoaodo l
sativa, conta va -se s 51.
* Dopeia qaa vim aoube que morreraa duaa
filhsa do profeaaoc. 6 pessoas naa Barralraa alm
dt 80 q9 do dia 20 gonUram do Lmdim t aUi.
PERNIMBUCO
4SSE1BLA LEGISL4T1W PROVINCIAL.
Discorso pronunciado pelo Sr. Dr.
Araujo Barros, na sesso de 23
de maio.
O Sr. Araujo Barro : Senhor presidente,
estoa muito convencido de o projeuto ha de
paasar, tal como ae acha concebido no parecer
das iliustrsdss commissoes de estetistica, a de
negocios eeclesiasticos; tenho toda a certeza da
qae oa principios, que aqai auatenlei par mos-
trar o direito, qae tem o bispo de intorvir como
poder real na crecio das parochiss, nio serio
observados na prosete occatiio; mas nio quero
que aa minha ideas succambsm sem qae ea
derrame alguna florea aobre as suss exe-
quias.
O Sr. Soasa Rala: E* entio urna neniat
O Sr. Araujo Barros: E' verdade; nio de-
sejo qae falto a essa dlacassio a menor solemni-
dade; e j que osda mais posso fazer, so menos
queco dar expanaao maga, qaa ainla, t.nao
que ame assemtMea lio lllasirada, como a pre-
sente, aparta-ae da verdadoira doutrina, desvia-ee
dos seus precedentes de 1846 pora c, para obe-
decer sement so interesse poltico que ha na
adopgio do projcto.
Entretanto, aenhores, quaodo vi, que por in-
dicacio de um doa noaaoa collegas, a cmara
baria remettido o primittivo projesto s com-
missoes de estaiistiea e de negocios ecclesiaati-
cos, slnto ergaer-se em mlm urna grata espersn-
cs. Psreceu-me que esta assembls nao qaaria
abrir mi de aeas bellas prstiess, e que havendo
recoohecido nio marchar regularmente, creando
a paroebia, de que se Irsta, sem s inlervengo
do bispo, estsva disposta a eiogir-se s informa-
goea do mesmo. Quio engaado porm estar
en I-
Qaio. azioba apagoo-ae a fraca las de espe-
ranee, que ehegou por instantes a encher-me de
jobito 1
Senbores, a conceasio que se me fszis, nio era
um desejo de obedecer doctrino, que eu sus-
tentavs, a qae hoje corrente entre os espiritos
de msior competencis em semeihsntes aesamp-
toa.
Rejeitar in ICmint o parecer do prelado era nm
facto, qae dara naa vistas de todos. Beeuou-se
dlante desla franqueza ; procurou-se ums tan-
gente para revestir-se o seto de certas apparen-
cias de justics: abiodonou-se em fim a osten-
tagao e publicidade das theorlas para recorrer-ao
ao trate expediento de ama verdadoira embeca-
della. *
E' esta o facto qae o projeeto, offerocoa nossa
apreciago.
O parecer, os informs;5es do prelado foram
Intetrameote poatos margem.
O Sr. Souza Rea: Aa commissoes sttende-
ram i informago de V. Exc.
O Sr. Araajo Barros: Est completamente
engaado ; as eommisies nio deram a menor
importancia a easas ioformages, como pisso a
provar. Eis o psrscsr do prelsdo. (LS.)
< Tenho presente o officio de S. Exc dstsdo
da 10 corrente, solicitando o meo parecer a res-
pailo da creagio de nova fregaezia desmembrada
de Santa Hara da Ba-Vists,"palo projeeto n.
40. Nao s julgo til, ms tambem urgente a
cieagio desto freguezls. E'porem do meu devtr
embrar a esta alustrada cmara, que seria
conveniente, fazer algumas alteraees no pro-
jeeto, quanto ao que dix respeito divito da
freguesia de Santa Maria da Boa- Vista, afim
de que esta nao fique demasiadamente pequea
em territorio e populacao; e portanlo julgo
conveniente que a ilha do Puntal, fique perten-
ceodo fregaezia de Santa Maria da Boa-Vista,
asaim somo os confluentes do riacho do Pootal,
3ue ficando do lado da mesma fregaezia, servln-
o de limite pelo lado do Cabrob, o riacho das
Caraibas por elle cima at aoode se encontraren!
estss doas ultima Iregueziaa.
Nio ha nada mais claro; e aegundo a opioiio
ao mesmo de S. Exc. Rrm. o projeeto tsl qasl ae
acha, reduzir o territorio e a populacao da'fre-
guezia de Boa-Vista do tal modo, que eviden-
temente nenhum parocho podar abi perma-
necer.
Porqoo'razio assim se procede, aenhores? E'
forcoso dis-lo com aquella mesma franqueza, e
lbardade com que coatums sqai exprmlr-ae o
nobre diputado pelo Io circulo, cuja ausencia
tanto lamento nesta occaaio.
Ess projeeto -paraa porque assim convsm sos
interesses poltico de voasoa srsigos no 3 cir-
celo. Entretanto quio transitorios a instareis
sio os atleresses dessa aepecie I
Ellea mudam e variara como aa piixoea do ho
ea, costo tudo quanto ni se besea no direito
ns jasliga.qas aio verdadea eterna I
-Hoje, aenhores, tudo corre medida dos vossos
desejos; smanhia todo estar mudado, e vs.em
cuja oecae>d nao pode deixar de ter tonca-
do profanda reis a doutrioa qae sustento, nao po-
dareis daixsr de inquiatar-vos por nio tardes se-
guido o perecer d prelado diocesano.
Oa partidos, qasndo ss tongam as vianda ia-
jastigs, aio podem prever onde irio parar oeise
esmioho; hoje commettels wie/ erro, amania
commatterela a maior, e tdo isso ser ea de-
trimento de voaaa poUttaa.
Ousro conceder-Vea que leshaoa a direito de
crear parochiss ssm dependencia do parocor do
prelado diocesano ; ma boje que te o des asea
parecer em voisss mico,- por qae o haris do
desettender, urna vex que o solioilaateU. o qaa
vos foi elle transmittldo eom tanta presteza t
Se oio vos movoo direito, atlendei ao monos
ptoptiu conToautatlt; lu tw lospito sm pro*
i, qae como
se sindicagoe da carta da
aqui j mostrei. d a ilha d Ponial dentro doa
limite da fregaezia da Santa Maria da Boa-Vieta!
Beatera ata a argomento, psrs que o projeeto
como o redigistes nao passasss.. Mae aafim. ae-
nhores, oa nio levanlet-me para vos fazer andar
de opiniae; nio. qui apaas torrar o meo pro-
lesto ceofra-s iofnttica qaa quereia tasar vingar.
Rio aceito as) ligeiras e irrisorias modifiescss
qaa offereeea ao commissoes, por qoo eltos im-
portariam para aim urna tranaaceio vorgonhosa,
um captolacao eom o erro.
Adopto-ae o projeeto como est concebido,
piaaa eabora a creagio da paroebia com oa li-
mito qtjo Ihe das, pasas todo coma quereia, ao-
nhoros, m fiqae provincia sobando que iato
m fcrc Sai somante no interesa* particular ds Sr.
eesogerPinto de Campos.
imenio cheio de prudencia, e de affecluosar
lerancia a informagoe que pediste.
J* feito, senhores, solicitsstes o parecer do-
prelado; ete|acudio preaaoroao ao vosso convito,
respeitai-o pois. '
sidente, adoplandSasa o projeeto de que
os nobre devela-
se trata, e qae a todo o
doa daaejam que pae, praeo.me~qe'e podor"
affiangar a cmara qae nenhum parocho perma-
necer na fregaezia de Saota Maria do Boa-Vista.
Tenho disso a maior cenviegao.
O Sr. Soasa Rea : E eate projeeto foi apre-
aentado peto Sr. Francisco Pedro.
O Sr. Araujo Barros : Tem-e repetido aqui
mana vez este grapde argumento, mas senhoret..
eeto recurso apenas urna capa eom que pretenl
deia encobrlrproseo tolrente. v
Invocando' aetoridade do Sr. vigario Francia-
-- /adro v vos condemosos a vs meamos,.
porqaaoto sendo elle pessoa menos gradeada do
que o prelado diocesano, a nio ae podendo ad-
mittir qoe eateja maj ao corrente das oecaasida-
dea dos fiis, do qas o mesmo prelado, eviden-
q*,.. *t0 enoa qualifleado do que o
asile alto funceioosro.
as voz:Apoiado.
O Sr. Araajo Berros: Trszeis om vosso abo-
) constantomento o nome do Sr. vigario Fran-
eiaco Pedro 1 Ms ea tenho tanta certeza da ex-
cellente qualidade desse Ilustre psrocbo, a
quem lia confeaao qaa devo finesaa, deposito
anta eooflaoga no seu espirito de jastlc, e na
u docilidade, que estou corto qae ao elle, hoje
qui eftiveose voisrl eomigo.
O Sr. Arroda Falcio :Eolio elle como paro-
cho, nio tem eonaciencia ?
O Sr. Araujo Barros :Nio laso o que eo
qaero dizer; apenas digo que o Sr. vigsrio Fran-
cisco Pedro, como parocho 4 aubordinado ao aeu
prelado, o que eabeodo qae a eeto qaa compe-
te crear parochiaa nio hesitara em conformar-se
eom o voto do meamo prelado.
O Sr. Souza Reia d um aparto qae nao ouvi-
mos. f>
O Sr. Araujo Barros:O Sr. vigario Franeiaco
Podro nio 4 quem eat em cootaeto immodiato
eom todos oa eis da dioceie o oio pode oppflr-
Discnrso do aF. Dr. Torres Bindeira, it
sesso de 26 de maio.
O Sr. Torrea Bandaira: Tendo asiigoado o
projeeto que se discute, corre-me a obrigacio da
fazer algumas breves cooidergoe, no iotnito do
utenta-lo ; o espero qaa a casa ae dignar dis-
penssr-me neste momento aquella banevoloacia
com que sempre me tem oavtdo,
.- E nao02Sr,,,i ri ** d qan-
ti da 12:0009, que ae consigas psrs pagamento
da sabvengio, a que tem direito G. Marioingeli,
pelos espoilseolos lyrtoo que houver de der no
inealro de S. Isabel, dentro do aorrente anno
flnanceiro, devo ser considerado coao crdito
sanplementar, cobo crdito extraordinario, oo
debaixo de qoelquer outro aapoeto, a aob ootro
qualquer titalo. Nio me farol cargo meamo do
determinar qual a deoominclo que se hsjs do
dsr a esse crdito....
Um Sr. Deputado : E' divida do exercicios
fino.
O Sr. Torrea Bandeira: ....para a consg-
nagao votada na lei da lSdejeohoda anno pas-
sado. Para mim iodifftrento qae eja eapito-
' despexa, coao auppflmaotar. como ad-
dlcional, ou como deapeza extraordinaria : 4 iato
maia uaa questao da toehnologi, relativa ao
objecto do que ae trata, do que de inmediato in-
toreaaa para a caaa. A questso versa aobre sa-
ber ae a deapeza, qae ae pretende votar, as-
ienta n urna base legitims, se 4 de nstorosa, ar-
gente ae nos de vemos adopta-le coao conve-
niente e precisa ; o nesta coso como nos devemoa
decidir: eis aqui a queatao.
Aquella lei que ha pouco citei estabeleceu oao
aobvencio para oa espectculos lyricos no Santa
Issbel ; mas nio ttingindo essa verba ao qoo ao
tea de gaitar eom os espsctscolos.qoe o empre-
zario alada deve dar no corrente anno fioanceiro,
4 de miater que ae procure augmentar esss ver-
ba, que se procero latisfaxer a aeta necetatdade,
afim de qaeseja ella supprida am toda a toa ple-
nitud*. Foi em attencio a easa necessidado, foi
para vir em auxilio deesa despezs que oo anto-
lba urgente, que eu, e alguna doa mena nobres
colleg, coofeccionamea o projeeto qoe eet ub-
mettldo agora discussao; a eotando qoo, pro-
cedeodo deite modo, nioao pode dizer qoe t-
nbamoa obsdesido a am principio qae aoja ma-
nos ponderoso, a um impulso mano rasaavel.
Ea creio qae nio ha nada mala osteal do quo
(ugaeotar urna quota, toda a tu qos prectoo
que ella aaja acrescids oss propercea conve-
nientes para o fim de preencher o quantum do
urna deapeza, que ae reconaece noOossara. o
que deve ser satisfeits. Naata eoojunctura, por-
tante, o lapprmenio qaa se reclama obedece o
ama razio podesoaa, firma-ae n'am principio ver- -
dadeiro.
O qee ao quar, pelo projeeto, atoada mala do
que aatiefaier aaa naa solidad, que ae |reco-
obees geralmente. o 'que dove immediatamente .
aer attoodida.
Dir-ss-ba, talvaz, que a provincia nio precian
de tneatro lyrico, do urna dtotraegao deata ordem,.
qaa a aocledade nio necaaaita meamo da eepec-
tacoloa publico, que parocem leader is oa-
tisfago dos interessas do bom goslo. do qae o
producir um resultado de gersl conveniencia.
Chegado a eate ponto, aoja-mo parmitlido com.
a maior liberdade e franqueza expender o pon-
samento qae a semelbsnie respeito ae domine.
Eu enteodo, Sr. preaidanu, que 4 impoestvel
modelar, determinar todos os ioteresses ds o-
eedsdo por orna hitla eom mam, por ama nica
regra, Parece-moque, ao nos doremos Hender
s certas necauietod da mala absoluta importan-
cia, que aio, por assim dizer, reclamadas mais-
urgentementa pelas oroprtos eondicoes da sodo-
dsjlo oa quo nos chamo collooados, b todaela.
outraa naaea^hjgnos que nio sio de menor lapos-
tancia. j ivem tambem merecer saris at-
a Rala: Vamoa ao contracto, que.
ah o nobre deputado achara argumentoe legi-
timo.
O Sr. Torrea Bandaira : Boa, por ora eunio.
comidero a quostio por eaaa todo.
Se noa houveaaemoa de proceder da maneirn
qae Inda ha pesco apontei. ieto 4, tratando ad
dessss inlareasaoimaadiatoa o mato argntea, ta-
ri smoa da per i margem muiloa objectoa alian.
------isso sement pelo simples moll-
,nio aio da mais abooluta nocaa-
iriimo oceuper axclasivsmauto
jmpto qoo oio do um material o^
.jneto. Entreunto, senbores, ningaanx
IttaUj que, N M WaitUtao txilt
tt
-
>
P0dsi
llal
^t-
1*.
anal


?"p*
A
a
SUrUO Dj fttSAMBCCp.
alU. oue a* J*M.r UWUfes*> o Itw d* Prodideucte, que | Jos* do Tlaammottld, rsfctntaut, ganni
tised !ei mo LT tW or *& amerdado de eos, llmodo-oos crim de Jet ment, fiando d.sposiuo
..__._. Io' ,e j. ."__.i n...n .nh nu< MBiim II nnili* if. ido do 1* dillrlCt.
tt'WkMr- ^-teirtfel II fr-
otas, e humos votos so Todo Poderoso, nao
s par que continu a atender sobre nos sua
.****
ueeasstuou a primsjlu
catithier do prompto, pot
reterem 4s oousss mai* bsolt
afU propria eiiateo'* _. j--
%em outrss eca- ^0,2S-{6^
atu- .-**** ^2^^^!I^lje5*o,eomopsrsqMnieossMMitra^o.
,... e^'ATO"f^l5iff o- nST mal qee as opprmo.
_-eee\dei: e besle taso esliolodo aqaetiea o_ Neita provincia lio pequea poucos sao bs
" efcto, lodb* *'**mamPas U deinVolvmWW ittroterla^ o d"D^ A0 plr \.-hi itfjn^lWmpTfrl" "-auapar
nenio do IntorWlf* do bomaJ**d,.do pugeaaso ft^'JJ"^* J/LBTSX WWBFMm *tre
da civllisc8o. ,,:. ans sa***cc*a Hs% Itarioi BJHSboi
Sr. preSldeot. preciso aa*.. *% *l fle 5 M 3 te lemW
h nuessidadespiopris*a*t'Sderiaee,|



Tro
ulfec
r-
So aquellas s queae deve > tski i laarieieir
ar,*or iau qe se iefer*mcoSHB *2
ediata mente indiapeooswettv*, oimo lam,
cecossidtdee d'outra ortftrm, qw o
postMd*-par*, que tambem Ove ir
ser atlendl-
es de intetusii pvramele im-
gadb do 1* diitricto.
O chele ds seganda fscfjtf,
# J. G^de Metquita.
< Psstagairoi do TSper oaciooal Parata
do Par e poitoa intermedio! : Leonardo^
ro ds Cunhs Caroeiro, EUbepar Martin,
Ceiar Ramos, Antonio de Soea Ssrmenio,!
' 4 -ttogiM, HM'istac
dem
t.utilreiM Joao
TeTo.JsIaXioa
i
em
material, 9 ditem respailo vics da tnleUi-
aettcii, as que entendem com i.a prlncipus ne-
daalettras. dss Ciencias e des trtS,c*m adu-
cvolacfca *? engeoho em toda .< patela dos
eusproprtos recursos. *
Setou tanto osis firme..n^tsi i^as, uanto
neo qee flosea expanso.do'upirtto, desee sper-
twcoa atento ioteltoeAul, desee prcgjoaso, desse
jap*rede'tiviUu,cooae4odeproiir inconveniente
abusa 5 e que aliu-ae encentre et tudo aio o
tais directos e smplos malhorumentu socto-
Se'assim ae n6a oo podeaoa deiur de ae>
elttir estu principios, hvmoi fle ebagar ne-
cctsariamente as .ultimas ,couq*ienciee, a qee
melles se prestam, a que nituraloiente se eocami-
hm. O theatro, consagrado desde a aua origem
uctata a satishcio dos iolereaaei do botn goaio,
.ajara o rapocial caltlvo das artei, coriesponde por
isao mesm a muitas aapitacei bres do espi-
irito, preenche muiUe necesaidailea deaomma iqa-
Uortancia, e anteam guo4e eajajo Boimmedu-
10 proRreaao da TOlflliiiecicia hununa. Vetno-tio
sui^ir as prlmeiraa idadea, orno uma diatrac-
^So qeaai espontanea e inslincliw, que segu s
eso tguil a'marcha da(ci*iliaaco; maa.se elle
>Ua este caracterstico peculiar, qae tanto o dit-
e.iriue. nota^ae-lhe tambem uma uerta tendencia
de utilidade bem pcnnonoisda, qu eociedade. em eral, e que nao-pode aer posti
m did*.
O tbeatro,-anmpuhando eaie racmenlo as-
ceodcnU da humanidade, 00 sen pn>gredir de 10-
tot os das, satiaa de um .molo directo s ne-
cesaidades iramateriaea, aquellas neoesaidades
uue esiao em eatreita telacio com oadiaoUmen
lo e o aperhicoameoto da meara humanidade, e
que ae predem, por um taco Oeocia, a proprias ooadHes da orgeniaayo so-
cial.
E' elaro, e?idantieaimo, qae o theatro cop-
corre itatnenta, e do modo ma:s p.oailie*, pera a
saiufaco deasas naceaaidadea i e que teuho tr-
taJo, para a coDsececo deaaea lina, que mete-
ho referido ; e nin&aem ooRtestari que elle tem
-atotbpanbedo aempce, desde >e piimeiroa lem-
po*, o progtssao da ciulita^&o numaiM. Beata a
tiisloria para moetrar-ooa que aea>ia eepectafiulos
ublicos, qitendo .dirigidos com aerto, quandu
bem reRulansados e desenvolvidos, coucorreu.
xtuilo poderoaamente para im( rimir nos poros e
oas iMQes, no meio doa quaea te manifestam,cer-
los carecieres de cifiliaacao q e e tornem per-
dura veis, mo graco as revol des dos seculus e
as modificar.des das ideas e dos ccsiume?,
E' loqueslionavel.peis.que eslf despeza, que ae
az entie nos com o theatro lyrico, despeea que
f'.is resulta de um contrato que realmente eiia-
te, e que todos couhecetu, nao |)T}udica de modo
aum eos iotereases da provincia ; porquauto,
se por hu la do devemoa prestar a mala eeria
cutidersgo aoe lutereasea prapiiameole mate-
iiaea, s oecessidades que mai i au prenden, por
assim duer,' i noaea vida intioia, corre-oos, por
outro lado, a obrigacao de attender, com o maja
acrupuloso cuidad, iqueea Dteeesaea que di-
aem retpeito s necetaiiladee d * telligeocia ; e oeste oseo esta o ,0Ojete de qua
preseoUmente me ocoupp.
Eis a raaao porque, Sr. preai ienae, o nao Uve
a menor duvida em prestar a loioba aesisnatuta
o roeu voto ao.projecto que oa el em dia-
"c. 11 asa o ;eotendo meamo que a deapesa que esle
projeclo autoriaa, bqm louge Ce traeer provin-
cia o menor prejuuq, o menor inco iveoientc. con-
trihue pars o aen-p/peressiro aiitntamenio.para
n cua propria civiliaacao.
Espectculos deala ordem saooutras tantas dis-
tracoes de auae. leoltivi) par* os^e^uitos.^de or-
dinario sngeitoa ao peso de '
l*ores : Oeo dhrewoea mwiie ir nocente, que nao
fiodtm deisisr de eanoerar par .imnuicao des
calamidades, que nao raro nosiffligem noacami-
tiho da vida.
mquanto o povo ae abandoi a n di vet timen tos
e teuielhante nalorez*, e ah >rocora um passa-
lempo deceule, que summameote gr_to, deisa
-de ntr*gar-se aos aprithoa le paixee maa e
odieulas, ao frenes daa lula* politices de to pre-
judicial e terrivel effeilo. e nao l pelo alpnabcto
isglorio e estril doe partidos i je pervezes o per-
verte, e que sempre o faz retrogradar em aua
marcha.
Por cousegutnte, pens que nao e neceeaario,
maa al consenieole que se eslaueiecam essas
'straecea para a poputscao; e por mim, ae me
fora posaieJ, ae coubease o*s miiibee orca*. da-
lia o maior incremeato, >ropCl>nara meamo a
mata aegura exialenaa a todoa aa eeUbetecinK-n-
tos. a todaaaainttiluicaee deiiomedieto interesse
imo.aterial para a nosea pxowi cii.
Sao vejo, poia, raaao Igama para que deute
de ser adotttda aldea consig asila no projecto.
ao a despeza que elle consigna, qee noe ha de
fazer nial: nao ser por causa de espectculos
lyrico*, que alias coocorre.m ti.o poderoaameate
paca o defteovolvimeoto progresivo da provin-
cia, que ella ae' baja de tomar algum da a
Roma prostituida dos Heliogabajos e dos Tibe-
rios, ou a Persia corrupta .dos Cyros e dos Cam-
byees....
O Sr. Ar*jo Barros:Btavc i Foi um bello
lyriamo I
O Sr. Torres Baodeira :PrnUattm contra lato
e sua propria dignidade, a aua reconheeida mo-
ralisjgo, e o grao de civilisa^o s que ja tem at-
tiogido.
O Sr. Souza Reis >-Deua o o*ir,j.
Vozes :Apoisdos : muito bem, muilo bem.
vigilavMH de
psajajearrln
|p sonto-
>~ OJll, jj
. i m. hi,ri,il unaiiridaaV
UUUI IUVllft'1 BJJli""'
Gonsta-noa agora no momento em que traba-
mos estas linhss, que uma preta qee vioha com
tn rofo de roupa. foi assaltada nos srrebaldea
desta cidade a horas ds tarde, por tres ou
quatro individuos dufarcado, que nao contentes
de lhe tomarem tudo quanto levara, deram-lhe
tanta pancada, ^que a detxaram proslrada pot
tarre. ...
< A nao tomar a assembla provincial a me-
dida de augmentar o pessosl do corpo de policia,
muito mal iremos ; e nao leremos mais a garan-
ts Individual e de 'propriedade ; por qua os U-
dtes nncorajados pela irapnidade commetterae-J
maiorea esceaaoa, do que at boje. Estamos em
Val estado, que ae teme aair de casa, inda por
um dia, porqusnto quasi certo ae esta de na volta
ser victima de algum roubo.
< 8. Ezc o Sr. conselheiro Campos Melle adiou
a abertura da noaaa asaembla que pelo seu re-
giment se de-vera abrir no dia 3 de correte
mez d junto, para 3 de aelembro viodouro-.
or pemierem de reaoleco do gnversra imperial
diversas duvidas sobre a aletean doe aeus mem-
bros.
a Os jomaes da oppoaioao fizeram disto um
-valle de balalba, e tem qenaurado ansia ou me-
nos acremente a admioistracao de S. Etc., fun-
damentando nuaa recrimiDaedes. Nada direi a
respeito. be aa presidencia* cooipetees eaaal
medidas, S. Eac. que a lomou, por torenten-
dido aer oeceeaaria : porim algona depsrfeoos que
j se acbavam nesla capital, ardendo em uflam-
mados desejos de tocarem e embolsaron as que-
ridas ajudaa de custo, ficarem mamados.
t Um conheco eu, que sendo um...., pesar
doa seus bigodinhos, ticou a par de niUlae, filan
do jaula res alheios Triste asstmblia que con-
tn mera oros Uxu 1
a Obras do finado Primo I
Jam prximas ardtt ucalegon.
Sob esta epigraphe ha diaa um jornal desta
capital noe deu a fatal noticia de que oholera
assola o interior da provincia do fiauby noeaa
limitrophe.
A aer exacta tal noticia, brevemente eremos
visitado* por to importuno hospede, parquanlo
aa communicaedea desta com aquella provincia,
quer por mar, quer por ierra, sin multo (requeo-
les e directas.
Deus se amercie de nos.
Duas cousaa hoje preoecupam os nimos dos
habitantes desta capitaj : o thastro, coja obra
est concluida,* que dar a primeira representa-
cao em das deste mez ; e a ompaohia do enca-
namento dsa aguas do Ail com seus chafsrizes,
o eudecantado privilegio.
J na minha anterior fallei sobre o nosso thea-
tro. eana reedificado, por isso a halen ho- me de
trstar mais delle.
Vou occupas-cjte cem a companhia Ail.
Esta, por intermedio do seu rente, reque-
ren ao ptesideutede provincia a execugo do seu
privilegio, vioda exclusiva da agua, visto esti-
ren) boas e petaveia aa aguas dos chafarizes ;
mas o presidente nao quiz so confiar no dito do
gerente, e mandou proceder a um exame medico
oas ditas eguss.; cujo- resultado nao foi (avora-
vel a companfai*. Porm, depoia de novas exi-
gencias desl o governo mendou qee gozasse de
seu privilegio, nnunciano com antecedencia
por editaes o dia em que devia o mesmo come-
car, o qae elia fez.
Maa a opioio publica se mostron to con-
traria a esa deltoerago, qae alevantou altoa
clamoree, invocando em sua defeza a coostilai-
cao do imperio, qee prohibe lodo o monopolio
em quelquer ramo de commercio ou industria ;
snatbematisou essas aguas impuras e insalubre?,
de tal forma que a preaidencia man Jo supender
essa del berago ; no qua muito loevamoa ao
Hai lai.. .1 Exoi.Sc. Ca.mpoa Mello.
O erro do homcm
os
Cf^aaasro Qihtra
rpS4'
Apton
pupas que o
ftnMfc,
mvesw .
Kirsfcliha de Fof-
_ tHP-ForU.
.^noUcfcrreirs '
.'jnOMl. auttB JS^ttetu Ja Sxm T.aiJhjio
4leHwhe da Ooata, ttdelaide'ttsTta tta ^uatvicoo
Silva.
Seguem pata o Sal:
Msooel Jos Pinheiro, Domingos Bento Silva.
Jos Joaquim de Azevedo Almeida aua aenbora
% filhot o 1 criada, Augusto Rodrigues Vidal,
Ciryllo ingaalo Bunaime, Braz Jos Ferreiw,
loao Antonio de Oleira Jnior, Jos Vieia de
Souza Guedeja e esersvos, 1 invalido do exer-
clto, 4 soldados, 1 reclutas pura -o xcrcito, 2
desertores da armad, Joo Baptiata Ao Nasci-
menlo, Antonio de Freitaa, Jos Rodrigues ds
Costa, varios escravos a entregar.
- j?aaaagcire* O* beroa necienal Cotwtifao,
aahilla para o Rio de Janeiro : Manual Coria
de Manezea, e 3 scraeoa de Maeosd Bastea do
Abreu Lima entregar.
Passageiro do pelbabote nacional Supartor,
sabido paca o Rio tiren de de Sul: 1 estrato de
Jerooymo Caroeiro de Albuquerque Msrauhao a
entregar.
Movimenlo da casa de deten gao do dia xi
de juobo.
ndeote desU
Soder o mssmo eons
l que nunca qui
dtttricto derem exforeoffee ara, por
de votoa manifestar so 8r. St e Al-
coocalto qua delle formam, pro-
_ -vento do medo e do Inleresse, que so-
oosio inconsistente paiz, aioda nao conse-
lo -mudar nem as optoldes nem o pstrio-
mo.
Convem anda moslnfg #0 nj|t isldato, qu* a
gralldo a pasjilba la mmbvW.) dos ris,
le o reconheclmeoto m Wmt* frutados i
uss do povo a vlsjassjp sjlap <.T00tssaV livres, e desta
ando oa eeus srefrcsjajj|snl|s) ledJMfn-se dss
tss, sao corosdoji, e ssM msjsjjso ajadamente
preciado.
*Tajliiiililil lilil 4U0 oa aUUorudo Urcelro-]
trrslTTCto,-ato murto dlsnte dasdlfflculdades, e
concosjssHira para a ubmco do Sr. oaulheiro
Antonio Coelho de Si e Albuquerque, lsncsndo
dula manaira, como verdadeiros juzea, um bra-
do da aoimacjio para que o Sr. conselheiro 6i
Albuquerque continu trsbalhar com o mesmo
telo e desinteressu pela propriedade do paiz.
Correspondencias.'
Stnhores redactores.Agora qua julgo desas-
mhcada u nossa bella provincia -do heweose
A saber
Exisliam.
Entraram.
Sabiram.
Extstem.
Nacionaes
Estrengero*.
Mulheres. .
Escravos. .
Escravcs. .
367 presos.
18 1
8 I
se*
382
170
27
4
74
7
382
m
dosis cidsde 00
Total. .
Alimentedoaa cusa dos cofres provin-
ciaes.............
Movimento da enlermaria do dia 23.
Tiveram baixa :
Maximiano Lopea de Araujo, bronchile.
Joaquim africano livre, soluco.
Ti ver m sita ;
Manoel Francisco de Hollanda Ovalcante.
Manoel Joade Nascimeoto Bico-Dou.
Msooel Ferreira.de Azevedo. .
Antonio Goncalvag de Frettaa.
Matadouro publico :
Uattram-se pars o consumo
dia 22 de correte88 xezas.
No da 3-92-
Obhuaiuo do du22oe isho, ko cbsiiib-
rio publico :
Elyaio. t'ernambuco. 6 diaa, Beberibe. espasmo.
Felisberto Pereira.Pernambuco, 45 annoa, aoltm-
ro, Recile, cholera.
23 -
Manoel, Pernambaco, 1 anno, Sanio Antonio,
bexigaa.
Vicenta Kery da Costa Norato, Pernambaco, 23
annoa, solteiro. Boa Vista, febre belioaa.
Pedro Justino de tfariae Leal, Portugal,ancos,
solteiro Boa-Bista, cerebrite.
Francisca, Perosmbuco, 38 inno, solteira, .es-
rava, Santo Antonio, varilas.
Antonio Joaquim' da Silva Rodrigues, Perasm-
buco, 55 anuos, viuvo, S. Jos herysipels.
Anna das alerces de Helio, Pernambaco, 20
anuos, solteira, S. Jos Interite.
mal q derramo* o prante, e o luto ao mbases
de familias e qae o Deus todo de mlsertoordas
afastaodo de noaaoa lares e terrivel hsbitador do
Gangaa las apparacer o conteatamento em tantos
corseos alicloj, qaero depois de louvar e
grandecer o mea Creador um todu u forcaa de
mea cora$ao pelo beneficio qee acabsasoa de te-
ce ber de u intieita bandada, levar aesjeade vez
ao conbecimento do publico humanidade com
que e perln o lllv. Sr. tenante-iooronel Joo
Cavalcaotl Mauaioio Wanderley beneficie doa
infelizes que foram aqu lacados de bolera-
morbus.
Na minhs primeira correspondencia qe fiz
publicar no Diario de 7 de abril prximo pasee-
do levei ao numero de 60 e tanteapesaoas qaa ti-
nham soffrido o mal ; e continuando daqaella da-
ta em dianta vio a findar com unto e tantos ;
e a catea iefelises a Sr.tenente-coronel soccorria
com remedios, e a lguaa t com alimentoa,
consolando e animando a todos como se fossem
seus proprios filhos.e com a proteccao do Altis-
simo leve fortune de salvar essas vidu, e nao
ser uma gloria, praier e eontentamenlo para
aun bornem qee dude e sua infancia e tem de-
dicado a vida da agricultura e-que ne estudou a
medicina aeccoztw salvar seus aemelnantea de
uma tao terrivel molestia?
Infelizmente nem de passaaem aqu appareceu
um homem formado que meihor orientaau o nos-
ao bemfeitor: elle, e so elle com os olbu no co
e a consciencia em seu corco trabalhou. e ven-
cea. Fallo em conscieoeia perqu tudo fes por
humanidade e nao com inleresse no ouro como
elguns, mais Uve de soffrer dissabores. Dequem?
dos iovejosos, que sempre Jeetao diapoalos t-
fenderem com pilarae a aquellos que nao me-
recen;.
Do numero j dito que foram padeceotes mor-
reu Joo Francisco de Aodrade, por anlhonoma-
zia Mangube, mata ette infeliz iodo ao Recife foi
atacado em camlob) e a nenhum tratameoto ae
deu, de volta paM c*% onde ebegou, e no fias de
reas qee tero 1 n. 142 em nnensto, dumeojinde Wtro que a-,
belro. I temos, prtraoiedo aos comprsdotu du pradioe
qu fieeleitores do ] perteocentes so casal da finada D. Antooia ta-
carse pars, por rls de Csstro, ou a quem Snteressar pesia. Qe
taes bens nao podiam ssr alienados, per se achs-'
rem obrigsdos ao pagamento de IttZMVZK i
notas usa, em virtude de duas senlencss do jai-
so spscial do eommsrcio.
Negs osdvogado dos mesmos herdelros aexis-
tencta desaeadUas ssalr.ncas; swm em sosemna
desmentid, ojsd Jlf yro* W aM>a cassudao
do juica asm se udjpta s^avetepropoetegror
Barroc* % CsSe, csjuecenfie-u de que *Jm
desta aStera uaisdsses as|Mit : aa pufosts
por Baseaaa ttedeinse peje, suaunt ate fa-
zendas eadidae ; e atse nr Aedonie V. ds
Silva Bauecs. pera fcsixaeeo aeociedede, e-
partilee du beoa uiau.
A primeira quettso ds qusl o Sr. drogado s-
juntou certidao, est sinda pendente, por isso
ainda oa herdelros pdem nutrir esperance de
ebentvico.
Mas na aegunda j oblivemoa seolancs a favor,
eode finada endemnada a pagar-noa nao 200
e tan toa mil rila, cerno se diz em nome de uas
iMrdejjroa, mu 4549820, como diz a certidao que
abatxo pabUoaesu.
Na terceira lambem tere noiao socio o Sr.
Barroca eolenca favor, aendo berdeira do
socio Castro,condemnada spsgar-ou 18:3069757,
o se prova com outra cerlidio que tambem
em seguida ajuntamos.
A'vists destea documentos, o publico bem po-
de ajuizar de que parte est a falsidade, e quem
de>e aer desmentido.
Nao qaereodo nem tendo tempo para susten-
tar polemices pelos jornaes ; mesmo porque
aioda oatrimoa amigaveia reheoes com alguna
herdeiroa, delxamos de parle a declamaco que
ae faz em neme doa mvsmos, falsas e infundadas
allegaces, tantas vezea repetidas e d esa Hendi-
das nu respectivos autos, para s nos ocupar-
nos de cautelar notaos direitos como legitimes e
reconhecidos credores da casa eommercial Bsrro-
u & Castro em liquidsco; para aalvar a honra
deqaal atentar seu crdito e pootualidada,
nos sacrificamos, com oa enormes pagamentos
que Otemos, que conforme o exama feito pelu
peritos nomeados,sommarera nada menosdoque
201 coatoa de ris. Otigem principal de noaaa
qued* I
Por lento, para que os herdelros, assim como
os compradores nao sejam Iludidos, repetimos |
que taes bens jiao podem aer alienados, sem
nosss interferencia ; para compartithar a aorta
doa mais credores nao privilegiados : protestan-
do proseguir na competente execuco, logo que
os herdeiros eslejsm legalmente habilitados noa
respectivos antoa.
Recife, 20 de junho de 1862.
barroca & Mtdeirot,
em liquidar^o.
Certifico, vista doa autos de execocao de
seolenga por mandado executivo, ser a impor-
tancia cooatante do mesmo, de ris quatro ce-
ios e anceenta e quatro mil e oiio ceios e va-
te, a qual acha-se datada de 17 de fevereiro de
1862.
O referido verdade, e consta dos indicados
sutos de execuco de sentenca que me re-
porto.
Cidade do Recife, 1." de junho de 1862.Eu,
Maooel Msria Rodrigues do Nascimento, escri-
vao. sabecrevo e sssigoo.
Certifico, em fice dos respectivos sutos de no-
Idu de dia
da 1 s 21.
23
284:4279771
11.9W9874
596 4259501
Moelmeato dst elfeodrage.
Yelemas entrados somfazandas.. 394
Vafistcnw anedaw em lazsnda.. j3
si toe gen,roi,. 3
751
2 ou 3 diss foi fortemente ecommeldo j tflc,rao comminaloria, que a petico inicial pe-
___t ...A .... !> A miiniln r\ C* (anonlu_ .__IIH. t J_ ll... fAan> naAin a
errar nao criroe ; mea
CHRONICA JUDICIARIA.
Tribunal da Relaco.
SESSAO EM 23 DE JUNHO DE 1862.
PR.ES1UENC1A DOEXM. SU.. CONSEL1LE1110 EBHSX1N0
DB LEAO. 7
REVISTA DIARIA.
Ressiomio o exercicio da directora geral ds
intrucceo publica e Sr. Dr. Joa juim Piras Ma-
chado Portelrs.
No da Io de julho prximo futuro tem le-
gara posse dos ordomos noi'amente nomeados
para a 8anta Casa de Misericordia desta cidade.
0 6r. Dr. Cyprieno Fenelon Guedes Alcofo-
do aeba-u em exercicio do lu^ar de procura-
dor fiscal de fazenda provincial, visto ter cessa-
do o seu impedimento, como nerobro da suem-
bls provincial.
Vot Qtaado subdelegad > do Io diatricto da
freguezta de S. Tedro'Wartyr 1 S de Olinda o
-Sr. lente do 9a batalho de f.intaria Antooio
Reymundo Los Caldas, leod> sido do mesmo
cargo exonerado por pedi-lo o Sff Francisco dss
Chagss Salgaeiro.
Durante a semana pastada ieetoetou a cai-
xi ilial cerca de duzeotos contos de ris, sendo
falso boato spalhado de haver ella suspvnli-
do os desceios ; quaodo o ce ntrario u di, nao
nella como 00 novo banco,, q je se prestam a
ajudar o oosao commercio ni -p reseote crise por
que patsamea ; muito louvamos ossa deliberago,
proseguir no erro, coobeceodo-o coma lal,ent-ao
sim.
aguas sao mais que fundadas.
0 no Ail, que de servidlo publica, foi on-
de a companhia foi construir a aua lomada, mas
no ponto eu que este desagua 00 de nome Igaa-
rap.
cOm, longe est s tomada da nascenle do rio,
qne passa por mullos sitios e quintees, de cujo
uao ae oao pode tolher os proprietarioa dos sitios
adjacentes.
Ora, eate rio nao navegavel, e aim psra
lavagens. e bebedouro de anicoaes ; por tanto
as aguas que ebegam a tomada j vem perturba-
das por todas essas serventas, impuras, e re-
puguantei.
Ninguem pode excluir a oulram do oto que
linha em um rio publico, ergo, a companhia nao
o plefszer.
Em uma cidade to abastecida d'agoa como
a nossa, a necessidade e bem publico jamaia po-
der autorisar quejan-la medida.
a Alem diseo os chafarizes sao de ferro, bem
como seus depsitos, e canos, assim a agua que
sahe delles avermelhada e ferruginosa,portanto
insalubres.
< Eis a razio por que o publico lauto se pro-
nunclou contra ellasno que leve razo, e ago-
ra muito principalmente qu&ndo somos emeaca-
dos de um mal terrivel, e qusndo devenios ob-
servar e enmprir todas as medidas hygienicu
O vapor est departida, por Use nao lenho
nadamais a dizer, ponho ponto aqu, continuan-
do no prximo vapor. >
A caixa filial foi muilo concurrida na segn
da-feia 23 do corrate, nao & para o discooto
de letras, como para troco de soaa notas, e todos
foram servidos com a maior (acili-lade eprompti-
do, aproximando-u o disconto de letras desu
da cerca de cem contos de reis.
Repaaticao da polica.Extracto das par-
tea dos dias 22 e 23 de junho.
Foram recolbidoa a casa de detenco no dia
SI do correte.
A' ordem do Lllffl. Sr. Dr. chefe de policia, os
pardos Damio Goncalves Pacheco, de 26 auoos,
fuuile-ro, pur ser indiciado em crime de furto, e
Jote Francisco dos Sautos, de 27 anno3, aapa-
teiro. por espancamento, Antonio Gomos de Sou-
za, hunco,, de 18 aonos. eatudante"; os pardos
Joan Antonio Pastor, de 17 aonos, embarcadisso ;
Antonio los Rodrigues, de 20 anoos. pescador;
e Estevao, de 18 erwios. ganhador, .bem orno
os crioulus Laurea lino los dos Santos, de 22
nanos, dedo a agricultura e Leopoldioo Domin-
gos da Triodade, de 18 anpos, urpioa, todos para
recrutas, tendo o de nome Estevao declarado,
depois da priso, ser ascravo.
A' ordem do aubdelegado de Santo Antonio,
Maooel Luiz, crioulq. de 60 anos, dado s agri-
cultura, por embriaguez.
A'a 10 horas da manbSa, prsenles os^eenhorea
desembatgadoru Castao Santiago, Silveira, Gi-
lirana, Loureogo Santiago, Molla. Peretli, Accloli
eosjuizes de dkeito Baadeira oe Mello, Alen-
cer Araripe, Neiva* e Maranheme. fallando os
Sts. desenrbargadores cha Cavalcanti e Guer-
ra, procurador da corda, abrio-se a seasao.
Passados os feitos, e entregues oa distribuidos
deram-se os seguintes
. Jl/LUAMENIOS.
Aggravo de petigo.
Aggravante. Bento Jofe Ramos de Oljveira ;
aggravado, o juizo.
Relator o Sr. desembargador Accioli.
Sorteados os Srs. desembargadores Lourenco
Santiago e Multa.
Negou-se provimento.
Appellacoes crimtt.
A-ppllente, Manoel Rodrigues de Souzs ; ap-
pellado, o uizo.
Improcedente.-
Appellanie, o juizo ; appellado, Jos Firmino
deMedeiros.
A' novo julgament.
Appellanie, o juizo; appellado, Jos J anua rio
Becerra.
A' novo jury.
Appellanie, Joo Bernardo de Souza; appella-
sppellalo, Jos Antonio
appellada, Anos
que bees patenteia oa boos daaejea de que ae
aeham rffrulidos os dignos csrateres, qua com-
poem aou direcces.
Approximaudo-ae de noaa-iporto o vapdr Pa-
"tju seguada-felra por 7 horas da maohia,
sm u praticos pilotar a ua entrada,
aeeMeqeencia du dnvides 1 delongas ds ge-
uMa na corte para o embolan da quantia de....
7s!479472 ra. da que sao ellas credores, sob fu-
teU pretextos. O Sr. Mote uta cidade diri-
gio-ae m Etan. Sr. preaidente du provincia afim
de cenaesjvtr, por iotermedio do Sr. capilo do
-22
A* ordem do 111 te. Sr. Dr.
porto, fossem alies fazer o aervic),
pela soocso e ugaraento at 13 do
Fel chefaiura da polilla
onveieotee erdens das tflo s
a ordem publiu no dia da S. |iio
gar popular tem mniru^ezes tara car
eiu delta,cerno tembem de ser evitada a infrac-
to daa postaraa por meio de butxaps e outros
ogos prohibidos.
Em abono da -verdade, cela no qu* uja decla-
rado ter partido essa providencia upoatanea-
Aeote do Sr. Dr, chele de polica como cumprl-
aseato de dever, e nd por Isipilso fle iosinus-
5*e elhrta, mido por que ji ella estera dada,
ejsMsde publicamos algama ctau ueau eentldo,
igaerando Umbem a aa exislencis.*
o nosso urmpeadaalo do KtfJM^ ie~
a egalnte Mrta ;
chafa de policia,
Antonio Pereira Barros, branco.de 16aonos, fu-
oileiro ; Jos Aotonio ones, indio, de 25 anoos,
cannero, e os crioulos Aodr Bezerrs Souza,
de 32 anoos, csrpina, e Jos Martim Heorique.de
16 annoa, aerralhairo, todoa para recrutas.
A ordem do subdelegado do Recife, Methilde
Mara do Rosario, psrda, de 23 bbos, coslureirs,
por brigt, e o Africano Domingu, de 30 anuos,
escravo de Antonio Teixeira Feixoto da Abroa,
reqeeaicso de Jos Ala Vauna, em cujo poder
eslava o dito escravo.
A' ordem do de Santo Antonio, s frica Lu-
crecia, de 34 anoos, escura de Felicianos, por
andar fgida.
A' ordem do da Magdalena, Joaquim Seren-
ad Nery Vasconcellos, crioulo, da 22 annos, la-
ioairo, e Joaquim Ferreira, que diz chamar se
do, o juizo
Improcedente.
Appellaote, o juiw
do Carmo.
A' novo jury.
Appellarrte, o promotor
Cavalcanti de Albuquerque.
Improcedente.
Appellanie, o juizo ; appeHado, Manoel Fran-
cisco de Hollanda Cavatceuti.
Aooullou-se o processo.
Appellanie, o juizo ; appellado, Andr Cortea
de Mello.
lmprooe dente.
ippellapd civel.
Appellaote, Antonio Alves Crrela Lima ; sp-
pellado, Pedro Lopes de Qeeiroz Talabira.
Desprozaram-se os embargos.
* Habeas-corptts.
Proposle petlcio de-Antonio Pereira dos
Santos, pedindo ordem de hebeas-corpus, que
foi concedida para o dia 28 do cortee le.
dem de Antonio de Albuquerque Maraaho,
que foi concedida para o dia 8 de julho futuro,
ouvida autoridade competente.
MLISBNCIAS CRINES.
Com vista so Sr. desembargador promotor da
justica as seguintes
ppellages crimei.
Appellaote, Manoel Antonio de Lima ; appel-
ado, o juizo.
0UI6NAC.0 DS da;
Assignoo-se dia para julgamento daa se-
guintes
App*llaues crimes.
Appellanie, o juiza e Joo Gome 8 da Silva
appellado, Manoel Zeferiao Candido.
Appellao civel'
-Appellaote. Francisco de Pauls de Albuquer-
que Maranho ; appellada, D. Marta de Jess
Coutioho Lisboa.
sapateiro. ambos por crime de laclo da casallce, Ao Sr- iwsm^^t"Li
tendo sido presos em flagrante.*
A ordem do da Varzea. tuoeel Fumino da Cu-
ta Caapello, branco de 19 anno, uixeiro ; Ber-
eatdino Liberato da Silva, ssmi-braoco. de 18
sneos, tembem caixeiro j os pedos AajrJjioo
Sieodoro deSsnts Anna, de 17 au, pintor,
artinho Candido Ju Muhede, de 21 unos, s-
Mteiro. Francisco Pereira da Barros, de 20 an-
aos, tallador, e ngulo Flouacln du Saadoa.
delSsanoa, tambeo tsludor, assim orno u
triedlos Jos* Bed do Mente, da 22 asnoa, boiee*-
ro, e Bonedicto Manoel do Naecimanlo, d 35
aanof, aerrente, todos n*t reexeiu, MauuI
D1STUBU1C.A0.
Ao Sr. desembargador Silveira :
ApptUacio crin*.
Appellaote, o promotor ; appellado, Maooel
de Freitu Nogueira.
Ao Sr. desembargador Louunco Santiago i
ppelkco oivtf.
Appellanie, Manuel Pslrso do Nascimeoto; sp-
maia morto que vivo, qoaodo o Sr. tenenle-
corooel leve aciencia do estado do infeliz Jflon-
guba e mentando a UTaliepoecu momentos de-
pois que leve o aviso parti a toda bride, a soc-
currer o moribundo. Por volts de meio diapss-
sou m minhs casa e diste-me :est morto o
Joao, tentei dar-lhe algum remedio, mu j
tsrde.
Nesaa occaaio couheci pela physionomia des-
se horuem o entimento m que vinha peoetrado.
Emfim o desditoso Muaguba pelas 3 horas da
tarde, sedeu, pauaodo desta pata meihor vida.
Ota, dar vida ura defunto s Deu, e como cen
surarem ao Sr. te o ente-coronel '.'
Preciso ur mais xteaao para contar o caao
como de faci fot, e por isso peco meus leito-
res um boc'adinhe de paciencia. No dia em que
0 Sr. leen te-coronel foi soccorrer a esse infeliz
que perdeu a vida, eu aodava baatante veixado
das minhas mazellas, j se sabe de velho, que.
mal poda erguer-me da cama para ir al a sala
deitar-me em uma rede, o que a poucos instan-
tes tioha faito quando ouco um forte tropel de
cavallo ; levaolo-me e chegando a porta, j vejo
retaB cosas o 3r. teoente-coroaal suiuuuudu
aa mo direita um lenco com alguoa vidroe com
remedios ; e o cavallo em uma carrea a preci-
pttar-se.
A minha casa Oca no principio de urna varzea
que se estende direita para mais de 600 bragas,
por cujo centro corre a estrada ; eu fiquei na
porta olhando, e admirando a velocidade desse
homem, e s via por entre siguas matozinbos que
sempre impedem a vista aqai, all, acola o cha-
peo do cavailc ro, e em poucos momentos desap-
parecen.
Para que corra com tanta velocidade o Sr. te-
1 nenie coronel Jofio Cavalcanti. um dos persona-
gens [isto ionegavel) mais importante desta co-
marca ? Seria para tirar a existencia do Mungu-
ba ? 0 publico sensato que decida.
Sei que por iovej* quem desejs morder o Sr.
tenente-coronel, e s por dous motivos : primei-
ra, porque nao eat em circn meta ocias de bejiar
a ninguem ; compra e paga, nao traidor a seu
amigo, fiel sus pslavra, gozando uma bri-
lhaote reputaco : a em segundo lugar, por par-
tido*.
Mas, cnie hacera no Brasil inteiro nm homem
que segee uta chamada poltica^ que nao tenhs
ioimigos, quando iato mesmo da ordem ?
Estas intrigas e rivalidades que se veem derra-
madas por quasi todu as cidadea,-villas, Ideias,
e lugares, sao ulnas da io*eja. porque ha homens
que por uma natural aotipathia, nao querem ce-
der a mais pequemos gloria a outrera, e ludo am-
bicionam : arre 1 fortes estmagos 1
Dizew vos (a quem quer que sejs) que o Sr.
teoeote-coronei nao tem merecimeniu, por que r
per nao ter uludos, nao ; pois quantas esbarra-
das de seodeiro nao daro (com uoaradiseimas ex-
cepcoes) os -que queimam as pestaas : queris
que vu diga o que : attendei:
Iodo eu igreja da Misericordia de Olinda, vi
dou santos, uda nm em uu altar, e ambos com
os olbos vendados: m tioha am puiohe em
forma de palillo, qae um beija flor poda carregar
no bicco, a o outro tioha tambem aobre os olbu
e mais, uma traca, maneira destas que nos ma-
lulos cutumamu botar em bei ledro, e qual or
a mioba admiraco, quando repare! que eete
apona a com o dedo para aquella (e no que pa-
rec) com muita raivi. Couheci que estar em
um lugar sagrsdo ; mej nao pude conter o riso
em vista de umelhaute antipatbte.
Ainda o Sr. leneote-coronel carregando as
suas cutaa e cenduzindo para sua casa a todu
uau doentes, Dada linha felto'para certaslinguss
que s querem psre et.
Nao uta como pentaes ; porque eento e tantos
Infelizes que foram to caldosamente socoorri-
du pele Sr. tenante-coronel, proatados perante
o throno imperial, diro : Seohor, noa somos
vossos fiis vauallot, que langados a portas da
sepultura, pele terrivel fiagello que devasto*
vouo imperio, |fomos reanimados, e completa-
mente reslabelecidoa pelo disrelo, amor, e huma-
nidade do egietio Peroambauao oilllm. S. i-
nente-coronel Joo Cavalcanti Msnricto Wander-
ley, que coso o mor de pt* nes uedto, salvan-
do u vidas de tantos neis guardas do veaso im-
perial throno ; e podemos oa nonas vidas por
mais lempo detser em noues Qlhoa e setos um
numere muitiuimu superior de vusos vsuallu,
a amigos dedicadu.
A recompensa da tenias fadigos, e amor de
domo bemfeitor vs atteodeu.
Su. redactores, eu nao tive a fortuna de alia-
tsr-sne as fileiraa dos bravos alumnos de Miner-
va, e por isso neo aei o qee digo, mas queas con-
feaaa seus peccadoa, merece aer perdoedo, nao
auim 1 lsto basta.
Son, Srs. redactores, de Vmcs. aliento vene-
rador,
Menee Joaquim da Silvira Vtlloto-
gseKdepanhod. 1862_____________________
dida por certidao, do theor, forma, modo e
maneira seguate :
Illm. e Etm. senhor. Diz Antooio Valentim
da Sirva Barroca, socio liquidante da casa eom-
mercial Barrou & Catiro, que. de aecrdo com
a Srs. D. Aotonia Mara de Castro, herdeira do
fallecido socio Jos Leso de Castro, para acabar a
liquidarlo da casa, havendo mandado extrabir o
competente balanco em 31 de agosto prximo Go-
do, propozera em 14 do crrente setembro a di-
viso e partilha na forma do ata. 248 do cdigo
eommercial, e como por este artigo tem a mea-
ma tenhura 10 diaa para reclamar o que fr
bem de seu direilo, requer o supplicanle V.
Exc, que para mala legalidade sobredas pro-
posta seja judicialmente intimada a supplicanle.
Pare o que pede o supplicaote V. Exc. Sr.
Dr. Juix especie! do commercio deferimeoto. B!
R. M.Antonio Valentina da Silva Barroca.
Art. 2. Para soloco do passivo por obriga-
coes directas, devem concorrer ambos os socios
oa forma do art, 346 do cdigo eommercial:
Aotooio Valeotim da Silva Barroca com dous
tercos, trila a seis conloa seisceutos e trese o
qumhentoi e qoatorae ris;
amno dia25dejanho.
BsqatsB eg1ez--izabethmercadorias.
amsaricasia Imperador tsrelo e feriaba,
"Barca inglezsEliza Handsferro o tahoado.
Lgr portugeezJulio-vrnho.
Barca inglesaLindacarvo.
Baru toglezaSe terdem.
Patache hollandezGraomsrudoriu.
Galera frtncezaAdele -mercadorlii.
Impeartar^ao.
Vspor nacional Parand, procedente dos portu
do norte, manifutou o seguinte :
4V rollos com 20 arrobas ds paisa ; a & T. Bu-
tos & Irmot.
9 caixts semeotes ; a Mearon & C.
J dita com 198 ouros de porco preparado* ; e
Manoel Joaquim Ramoai Genro.
1 caixa fuenda pula de la ; a DanUl G*ima-
raes di C.
1 barrica ; a Antonio Goncalves Bsrro*.
2 volumes; a Kalkmaun Irmftu.
1 caixote ; a Jos Francisco da Vivtlrot.
1 dito ; s Leandro Fraoeieco Nogueira.
1 dito ; s Ezequiel F. de S.
1 dito ; a Joo Luiz Vianna.
4 dito; a A. Augusto Coelho.
1 dito ; a Joaquim Pa** Memde. -
1 dito ; a Antonio M. de S. Maior.
1 dito; a Francisca Manoel Esteves.
Exporta s^ato
Dia 23.
Barca ingiera Linda, para Llurpool, earrega-
rsm :
Phipps Brother & C, 600 saceos com 3,000*r-
robas de assucar.
Barca inglesa Elixa Hands, para Liverpool,
mrregsram :
Phipps Brothers & C, 872 ssccu com 4.360
arrobas ds assucar.
Barca ioglen Miranda, para Liverpool, carre-
garam :
N. O. Bieber & C, 138 saceos com 716 arrobas
de euuur.
Patn Nash & C, 100 uceas com 604 arrobas
de algodo.
Brigue Italiano Christifina, pira Maruille, car-
regaram :
F. Dragn 600 saceos com 3,000 arrobas do
assucar.
Brigue portugqez S. Manoel, para o Porto,
carrega:
Jos Fernandes Ferreira, 15 saccoa com 75 ar-
robas de assucar.
Brigue hespsnhol Carina, para o Rio da Pra-
la, carregaram :
Amoritn Irmaoi, 40 pipas com 7,360 medidu
de cachaca.
Brigue nacional Mentageiro, para o Rio de
Prate. carregaram :
Amorim Irmoa 90 barricas com 571 arrobu
e 25 libras de assuur.
Beverjedoria de rendas Internas
ajeraea de Pernambaco
Randimento do di* 1 a 21. '. 25:4798312
dem "do dia 23 ...... 2.-620|025
D. Anlojti Uuia
de Castro com um tergo, desoito cootos trezeolos
e seis mil selecenlos e cincoenla e sete reis.
A herdeira do socio Caslro obrigar-se-ha a pa-
gar aos credores Barroca Medeiros por saldo
do que a casa em liqeidaco lhea deve, dezoito
contos trezentos e seis mil setecentos e ciacoenta
e sete ris. Somma cincoenla e quatro cooloa
novecentos e vjnte mil duzentu e selents e um
ris.
Certifico mais, que a sentenca de que trata a
mesma petico do theor, forma, modo e ma-
neira seguinte :
Julgo' por sent oca a comminaco com que
foi citad* e notificada a' folhaa trsa verso, e man-
do que sigam-ae oa efleitos legau da commina-
co, o psgue o notifcenle as custas.
Recife. 1 de margo de 1862.Tristo de Aleo-
car Araripe.
Certifico finalmente que a sentenca psssou-se
em juleedo.
Em f de verdade. Manoel de Carvalno Paes
de Andrr.de.
28:0991347
Conealado provincial
Randimantododlal a 21. 64:2679891
ldm d. du 23. ...... i 899529
nampao
Movimento do porto.
Aauios entrados no dia 23.
Para e portos intermedios 10 das e do ultimo
porto 14 horas, o paquete a vapor nacional
Paran, do 840 toneladas, commsodauteo ca-
pitio-ienente Joi6 Leopoldo de N. Torreso.
Naviot tahidos no mesmo dia.
Rio de JaneiroBaru nacional Conceico, capi-
lo Jos Rodrigues Couc, urga assucsr e al-
godo.
Rio-Grande do Sul Pa! ha bote nacional Supe-
rior, capilo Antonio Evaristo da Rocha, car-
ga assucar, e um esrsvo de Jernimo Garnei-
ro de Albuqaerqwe Maranho a entregar.
PortoBarca porluguua Sympaihia, capito
Custodio Jote doa Saolu, carga assucar a
s gurdente.
Sditaet.
IppeJlacio otee!.
Appellaote, Francisco Rodrigues Lopes ; ap-
pellado, Carlos Leilfto de Albuquerque.
A' orna e meia hora* da Urde ncerroi-** a
aesso...
i i i .....
Gommunicados.
Palo facto da ter aido chamado ao mtaisterio
o Sr. Antonio Culb de Si e Albeqaarejee aleve
piooedec-u a aova kic, fet jeaUaeote
FublicaiQes a pedido.
Theatro lyrico.
Perguola-se e Srs. Corbari, se um emprezsrio
que tem pago passagens e adiantado dinheiro, na
Europa e no Braail, por espsee de 2 mezes,
lanos artistas, nao lem o direilo de pergeniar
um delles, que de tacto deisou de cumprir urna
vez aa suas obrigaces, se quer ou nao cumpri-
lu. pars saber determinar-ae respeito.
. lato psssou-u com a Sra. Corbari, que ae es-
cusou da cantar no aabbado, pelo que nao houve
recita em tal dia, dando motivo ao protesto que
lis publtur no Diario de 21.
& meama aenhora lem faltado varias coodi-
ces estipuladas no seu contrato, nos arte. 4 e 8,
o que d direito ao mprezario a prevaluer-se
do art. 10 do mumo contrato.
Nao ha, pois, necessidade de satisfacer eo de-
sejo que mostra ter a Sra. Corbari, de ter ar-
restada aot tribunaes.
Qaanto s demsis escapatoria ds Sra. Corbari
deixa o mprezario de ruponder, limitsndo-u
a declarar que a aua reapoata de recasar-se
aocumpriment de suu obrigaedea foi ouvi-
da por muilaa pessoas que podeio altesta-lo.
O mprezario julga coovenienie declarar -que'
nao ha recebido nada al hoje da subvenco que
lhe deve dar o governo.
Recife 23 de junho de 1862.
G. Marinanjcii.
Despedida.
Nos abaiio ass ignadas, officius inferiores da
armada nacional e imperial, actualmente embar-
cados oo brigue barca Itamarac, faltaramos i
um doa nossos sagrados devare, se por ute
meio nao paleoteaaaemu ao Illa. Sr. primeiro
lenle Jos Luiz Teiieire, o nono reconheci-
menlo pelas boas e graciosas maneiraa com que
noa tratou, durante a sua estada ueste mesmo
navio.
Deaculpe-nos, lllm. Sr., se nielo ofrendemos
sas modestia, visto nao podermos deiitr de
dsr-lhe uma prora de grstidao.
Bordo do brigue baru Itamarac em Per-
nambuco.M de junbo d 1862.
Manoel de Santa-Rita, fiel.
Jos Fetreira Veiga, 1* urgeoto de imperiaes
mariohairo*.
Florlsno Agoslinho Pereira, escruente da eala-
tflo naval.
Joaquim Rodriguu, muir.
Guilherme Antonio, guardio.
Faustino da Rosa Secio, carpint&iro.
Anaslaeio do Valle, calafate.
Jos de Azevedo e Silva Jreme, ucrevente.
KesBdsta o desmeatid dos herdeir* s
da Seahora 0. AnU'ia laria de
A verdade como o sol, qua so
eclipse*pode obscurecer, bu Alo
anniquilaru
Aubamu da ler ao Alario dt Pernambuo
CWMMBMCIO.
O lllm. Sr. inspector da thuourarta pro-
vincial em cumprimenlo do resolucio da junta
da fazenda, manda convidar aos proprietarioa
abaiios declarados, pira enlregarem n* mesma
ihesoursria no prazo de 30 dias, a contardo dia
da primeira publiuco do presente, a importen
cia daa quolas com que devem entrar para o cal
carnelo da ru das Lsrangeirue partea da de
Queimado, a comegar da estremidade da do
Raogel at a esquina da ra Estreita do Rossrio,
conforme o disposto na lei provincial n. 830.
Adverte-se que a falta da entrega voluntaria
ser ponida enm o duplo daa referidas qaotasr
segundo o artigo 6* do regulameoto de 20 de de
zembrode 1844.
Rus das Lsrsngeiras.
N. 2Claudio Dubeax..... 729000
dem 4Anna Meria da Conceicso. 459000
dem 6Anna Tbereza do Sacra-
mento..... ..... 369000
dem 8A mesma....... 369000
dem 10-Ordem 3a de S. Francisu 549000)
dem 12Hara do Carmo Moreira
Fragoso, Bernardina Jacintha Mo-
reira Fragoso, Francisco Moreira
Frangozo......... 1209000
dem 14Marcellino Jos Goncal-
ves da Ponte.....; 1359000
Liem 16Irmandade do Divino Es-
pirito-Santo........ 879600
I lem 18De. Felippe Lopes Nette 16Sg060
dem 20Antonio Ferreira Braga 219600
dem 21Jos Francisco Fernandes 36J00O
dem 24Herdeiros de Antonio Lei-
te Pita Ortigueirs...... 279000
dem 26Antonio Jos Dias'. 959000
dem 28 Herdeiros de Antonio
Helia Cortes, :...... 459000
dem 30Irmandade de S. S. 6a- ____
crameolo de Santo Antonio. 889800
dem 1Joo Antonio Carpinteiro
da SiUa.......... 219000
dem 3Joaquim Antonio da Sil-
veira...... ... 289800
dem 5Barlboiomdo Francisco de
Souza........... 185|080
dem 7-Jos Piolo da Coata. 369000
dem 9Joo Francisco da Ssntos 30JOOO
dem 13-Jos Goncalves Torres 152J400
dem 15 Herdeiros de Antonio
Helio Corles........ 12*f00r>
dem 19JosoNpoflueenodePs- ^^
la e SUva......... eap0O
dem 21Viuve de Victoriano Jos ______
daMadeiroa. ........ lOapw
dem 23-Ellzo Alberto de Sil- ^^^^
Are.......... eajuw*
Idem 15 Anna Joaquina Xavier 4SkamM
Caroeiro......... 1*K**!
dem 27-Maooel Ceeretra Bato*
dem UJLuU Gome .SP.vetio* 8H0
dem 81Fr*neieu Lciu de He- _,H-<-.
go Cslisto & Filnos. aoW
Sea doQ-ea-ado*
N. 20Herdeiroa de Juna Hara
Pereira Lobo e Jos Josquta, Pe-
reira le HendoBoa. .
Idea 22Maooel Ignuio de 0*1-
veir*.. .-
ldsm a4^-Hathias Lope da Coata
(*) Como e* resputa uhisu da prlnuir
am algons etroi e omlitbu repetimos a pr<
*aw,
ipreaen*
Pratja do Recife 23 de
junho de 186SL
tV qnairo \toras daUe.
Otaffies ia juta tewrettws.
ao VMatacaat Macjaaa.
dem 26 Joaquina da Soeu de
rsod* Cont. .......
Idm28-Aiitoge?rosddeHagalbaes
Bastos, i........
Idees 99Vsawa e berdelru de Josa
Idees MTJaBrtaaua k Maotro e Jeed
lldaa. 34-^eed
1359000
99#00O
971960
909000
8409000
240|000
L
tr
ttht

x
a*asa .^saw. aaassssi a




I-I I.


150|000
1501080
noto
OKHO
375*000
ajooe-
fiWOA
1501000
4509000
1569000
1359000
4059000
8O90W
36J000
751000
579600
909000
75J000
45S000
459000
459OOO
459000
909000
600000
459000
6O9OOO
459OOO
459000
31*500
600000
696000
afiliar o preaeote e
de Per-
14 -Rodrigues AWseiro. 7
Me 39-Antonio efe Aseredo Pi -
w*r>
Isem 40Herdeiros de Francisco
GoDcelresRodrisues. .
ttca 42-Albioo7oi d Silva, .
dem 44Bernardina Joa+Mblctio
dem 46Filhoi de Manoet Caros -
00 Lina ......
dem 48Dr. Sebaetiao G0n5alT.ii
da Silva e Dr. Ludgero Goncalr.is
a SUr..........
Idea 50~VtUManr*sd*JaM>
Manoet Penetra dmAfcavu, ..
dem 52-Gepsta d>u Frutares ile
feuarerapes ........
f*em 31Antonio Joa de lia&i-
HttarBestos....... .
Uta 33-JoMoreire.PonfcsseAl-
bino Jote Ferreira da Cunbs. .
Mam 37Irmandad* daa almas co
Recife..........
dem 39Antonio Jos de Haga -
Itaaea Basaos........
dem 41 TSscwotre de Suaseuna. .
dem 43Joa Francisco Larra. .
Hem 45Joa Ftanciaco Larra Pen-
. ........ .
**m j- mesmo......
1*9 49 Bernardino Joa Mol -
*itom..........
Idea 5tBernardino Lope de 01 -
_ *..........
dem 53!nnoc8neio Rodrigue* ti-
...........
dem 370 meamo......
dem 50Aleteodre Joa da Sru.
tem rH Orphae Joa Rodrigues
Lima..........
dem 63Bernardino Lopes de 01-
teira..........
dem 65Mara do Carmo Nudos
ferreira .........
dem 67Herdeiroade Joo Vieia
Lioaa..........
dem 69Alexandre Joa da. Sil?;.
dem 71Antonio Pereira de Oli-
reire Remos........
dem 730 meamo......
tdem 75Orphao Joio Rodrigan *
Ltraa ....:......
dem 77Alneodte Joa a Sil*..
dem 790 rcesrao. .. w
E para-aooatar se mandn
publicar pelo Diario.
Secretaria da tbesouraria prorincial
ambuco, 14 de junho de 1861.
O aecretirio,
AdIonio leereir d'Aanunciaco.
'De ordem da ioapecQao da alfau lega ae faz pu-
eriieo. que existiodo ooa armazena da alfandega a
vea do praxo marcado no art. 302 do regulamen-
to de 19 da aetembro de 1860, 1* mercadorias
abaixo designa Jas, o convidadoi os aeua dorrbs,
oa consigoatarios rirem despac a- as no prazo
da 30 da, cootadoa desta data, fiado o qual se-
rio arrematadla en hasta publica, aora que Ibes
fique competindo allegar cousa sli;ur.aa contra os
eSeitot aesta renda.
Armazem n. 1.
Mareas APSleaizan. 1494 rinda do aul no
. vapor brasilairo 3. Salvador, entrado em 20 de
noTembro da 1847 ; a Braoder Braodis
Letreiro1 embrulho n. 11714, indo de Ram-
bajgo palo patacho bollaodez E iasbelh, entra-
do, eaa 19 da outubro de 1838; a J. K>ller & C.
Schafheitlin1 dito a. d., viodo Jo Havre pela
barca fraoceza Rio Grandenae, entrada em 8 de
jHu de-1869 ; a J. Keller & C.
Leireiro t dito a. n., rindo do Harre pela galera
Olinda, entrada em 10 de agoat) de 1859: a
M oatairo Lope & C.
demI dato*, n., vindo do Havre pela galera
Olioda, estrada em 10 de agoste de 1859 ; a 11.
Broas
B1 dito o. 193/194, rindo do H.rra pela gale-
ra Olinda, estrada em 10 da aguato de 1859 ; a
Il.Bruat,
HB4 C.*1 dito o. 25/28, viodo do Havre pela
galera fraoceza Adele, eotrada to de 1859 ; a H. Brum.
Le.reiro1 embralho s, n., rindo do Harre pela
galera fraoceza Adele, eotrada em 30 de acost
1859 ; a II. Brum.
dem1 dito 1. n., rindo do .Havre pela barca
franeeza Atrato, eotrada em 22 le aetembro de
1859; a II. Brum.
dem1 dito a o., rindo do Ha rru pela batea
fraoceza Atrato, eotrada em 22 (la aetembro d>
1859; a ferreira MalneuJ.
R B1 dito n.19297, rindo do Havre pela barca
fraoceza Villa de BoHogoe, entrad em 1 de
outubro de 1859 ; a Ferreira Ma heus.
Letreiro1 dito a. n., viado do B< rra pela barca
fraoceza Villa de ]Bologn, entra lo m 1 de ou-
tubro de 1859; a Ferreira Mith<)ui.
Triangulo R1 dito n. 66, rindo do Harre pela
barca francesa Ville da Bologoe, eotrada em 1
de outubro de 1859 ; a Ferreira Mttheus.
J P A & C1 dito a. n, rindo do llar re pela ga-
lera franeeza Beilhe, entrada, es 31 de outubro
de 1859 ; a Ferreira Mathaus.
Letreiro1 dito s. n., rindo do Earre pela ga-
lera fraocza Berthe, entrada era 3 de novem-
bro de 1859; a Luiz Antonio do Sijueira.
dem1 dito a. o., violo do I11 v a pela galera
franeeza Berthe, entrada em 3 de novembro de
1859 : a J. da Silva Parla.
dem1 dito a. o,, viaio daHaire pela galera
fraoceza Berthe. eotrada em 3 d; novembro de
1859 ; a F. Souvage & C.
Mem1 dito t. o., viedo Harre pt la galera fran-
eeza Berthe, eotrada em 3 de norembro de
1859 ; a J. Keller & K.
L1 dito a. 24, rindo do Havre, pela galera
fraoceza Berthe, estrada asi 8 de rovembro de
1859; a J.KelUr&C.
Armazem n. 1.
Marcaa M L & C. 1 caixa o. 1109 i ind a do Havre,
pela barca franeeza Sphere, entrada am 17 de
norembro de 1859 ; a I. Ueller C.
Letniiro1 embrulho s. n. viodo do Harre, pelo
brigue fraocez Belea, entrad aa 30 de no-
rembro de 1859 ; a F. Sourege fc G.
Moujisu & Vioaiaa.1 dito sem o moro rindo do
Harre, pelo brigue fraocez Belt na, entrad em
30 de norembro de 1859; a F. Sovvage & C.
Armazem o, 5.
Marcas T. I. Uedeiros.1 embruluo sea numere
viodo do surte, no vapor nacional Princesa de
Joasrille. entrado em 9 de norembro de 1858 ;
a T. I, Medeiros.
11. al. Rocha.1 ditesem numero nlo do serte,
oo rapor nacional Cruzeiro do Sul, entrado em
29 de norembro de 1858; a Maooel M. Roera.
Francisco Figueiredo.1 dito sem nv mero rindo
do aul oo vapor nacional Cruza ro do Sul, en-
trabo em 29 de dezembro de 1859 ; a Francisco
Figueiredo.
H G1 dito,sem?oumero rindo dc< norte, no ra-
por nacional Iguaraaa, enlradc em 11 de Ja-
neiro de 1858 ; a orden.
Pedro A. Lobo Maaeoeo.2 cateas a<;m numero
rindaa do norte, no rapor nacional Iguaraaa,
eotrada em 24 de margo de 1851 ; a Luiz An-
tonio Vieira & C
U. Fooia.1 dita aem numero riada de Sou-
tbamptoa, oo rapor portuguex Portugal, entra-
da m 29 de aetembro de 1859 ; a L. Antonio
Vieira & C.
E traveaaao B2 sacco sem nume -o viodo de Li-
verpool, na escuna dinamarr aeza Arance,
estrado em 19 de outubro e 1858, a Patos
Naeb&C.
Armazem n. 6.
liajcas G G2 ceizoteeaem numero rindos do
Maranho, so hiate oaetosal l indo Paquete,
, eatrado em 23 de mate de 1856 ; a ordem.
'. i- Armazem n. 7.
Marcaa S travesaao.1 embrarboi na. 610 e 620
ria>a de Hamburgo se brigue hamburguez
Augusto, entrado em 3 de outu>ro de 1859, i
Heueeo A Tionasaa.
U & V.1 dito a. 44 v iodo da Ha nburgo no bri-
gue hamburguez Augusto, entrado em 9 de
autabee e 1899, a Moveos & Viooaass.
rll t irita a, a. rindo de Hamburg? -so brigue
hamburguez Augusto, entrado )m 3 de outu-
bro de 185, Joao Bapliata Fngoso.
Armazem B.-8.
JareaaHdsaaMaaaL. P.1 oaiza a. t rinda da
LtverooQl M %WM ingieza Elisa Hmds, estra-
?* *7 J? l*o de 185>, a Joboston Pa-
Ur & C
diamanta R^-12 barricas sem bbinsto odas de
SoBtsam#onuo tQ|w w ag4alen,f eB-
lJTk W,,W W W. Bey,
aamaate tj.-l bab se nsoaat. rg,do da Lia-
boa so brigue portugus Con alala ntraas
sien 3 V
Diamante A--20 caiiu sem aiuiara '
df^s^^ys0*^-
sLb>
toa no bngue portugeez Progre dita, eaUai
mil atftaUri* A mk *?,
Marcas M diamante FHWQ.t atado lepaVeem
numero vindo de Liverpool pela barca isgle-
zs Genoveva estrada em 24 de agosto de 1858,
E, H. Wyati.
Armazem n. 9.
llanas J. Pater & C1 embrulho aem numero
rinda de* Liverpool, no brigue inglez Rliza
Hands, entcado em 9 de abril de 1881, a
Joboston Pater & C.
Diamante A.1 cala sem numero rinda da Li-
rerpool no brigu aueco Raketao, entrada em
10 de-rsaav ds-1859. a HafOjues Amorlm.
MU 3 Daraeaem numere rindos do norteo
ra>er oaeioaat Oyapock, eolfado am 3 de no-
rembro de 1858, a S. J. Teiietra Baatoa.
Sem marca.t pega de estopa aem mete rinda
db- Baha, na sumaca nacional Box leuda, eo-
traJa em 10 de feversiro de 1859, a ordem.
M. FigueirOi de Parta.2 embrulhos sem su-
mare viudos da Liverpool no vapor portugus
Portagal, entrado em 26 de juoho de 1860, i
Hanoel Figueirda de Paria.
P. M. S. 1 lata aero numero rinda da Europa
no rapor ingles Brasil, entrado em 25 dejulho
de 1860 ; a Maooel Silreira.
T & H.1 barril eem numero, rindo de Lisboa
no brigue portugus Prona ptidlo. entrado em
22 de setembro de 1858 ; s Maooel Duarte Ro-
drigues. '
M. 1 barril aem numere, rindo de Lisboa no
brigue portugus Relmpago, entrado eaa 18
de mafo da 1869; a Tbomax de Aquino Fonce-
ca & Filho.
Sem marca. 2 gaiolas sem numero, rindane
brigue portuguez Promptido,'entrado am 26
de dezembro de 1859 ; 6 ordem.
H.1 caiza sem numero,rinda do Porto pelo na-
vio portnguez Amalia I, estrado em 26 de ju-
lho de 1861; a Maooel Jos da Ponceca.
M F C 14 maungas de albos sem numero, rin-
das do Porto so brigue portuguez Amalia I,
estrado em 26 de julho de 1861 ; a Ignacio
Ferreira da Costa.
Armazem n. 10
Marca S & T. 1 caixa o. 76, rinda do Rio de
Janeiro no brigue nacional Joren Arthur, en-
trado em 31 de margo de 1860 ; i ordem.
Sem marca. 2caixiaem somero, rindas de
Bio-Graode do-Norte pela barca Arrogante,
entrada em 6 de novembre de 1860; a Joa
Aires Ferreira.
1 dita n. 4,. inda do norte ne rapor naato-
eal Iguarass, entrado em 9 damaeeo de 1861 ;
Ga Kalkoian Irmaos.
Letreiro. 1 embrulho o. 228, rindo de Ham-
burgo na escuna hamburguesa Versens, entra-
da em 2 de junho de 1860 ; a D. P. Wild & G.
L M1 astea s. 2. rio la de Hamburgo na barca
sarda Paula, entrada em 29 de marco de 1860 ;
a Bastos & Lemos.
T F & R. 19 caizas de ns. 1 a 19, rindas de
Hamburgo no brigue hambarguez Anette, en-
trado em 31 de oatubro de 1860 ; a D. P. Wild
4C.
4a secsao da alfandega. 14 de junho de 1862.
O 1* eacripturario,
Firmino Joa de Oliveira..
for oiiiiBp, dando o gover
e ralla asaedoriasabordo ,
1* Vencer gretiflca5So diaria da 90f daade
a data do embarque at celebrar o cntrate da-
ffnittro coa* presidente da cama, provincia
at o da do seu desembarque dosis capital, se
ufe ae effecluar eaae contrato.
Secretaria do gorarno da Peroambaco 28 de
junbo de 1862.
Joto Rodrigues Chavea.
1841
socas
Dedara$des.
Correio.
Relaces daa cartas segares viadas do norte pe-
lo vapor Paran, para oa Srs. sbaixo decla-
rados.
Dr. Antonio Agripino Xavier de Brito.
Dr. Antonio Witrlivio Pinto Bandeira e Accoli
de Vascontellos.
Farsead Antonio de Ageiec-e Almeida.
Goncato Jos Alfonso.
Dr. Jasniso Joa de Freitas.
Dr. Joaquim Joa de Campos.
Joso Valeotim Vitalia.
Joa Braodo da Rocha.
Major Jos Francisco da Silva.
Jos Goscalvse Malveira.
Kaikmaoo Irmioa 4 C
Maooel Varella de Nascimento Jnior.
Cerreio
Peta adasjnialracjhr do correio desta cidads as
faz publico, qua em vistude da convengo postal
celebrada pelos goveroas beesileiro e francas, se-
rio espedidas malee para a Europa rra da 1.* do
mes prximo, de cooforofidade com o annuncio
pelas 4 boras da tarde,
i asas aessoea, iri S prega o fornecimes-
earne rarde ajea nsarerem de consumir os
decimentoa de caridade oo aemealre de ju-
dezembro do corrate auno: oa prelesden-
riiam as suis propostas a esta secretars em
fechadas oo da e horas apraaadaa.
Secretaria da sania caaa da misericordia do
Re1fe 20 de juoho de 1862.e>0 escrirao,
F. A. Caralcaoti Couseeiro.
Santa casa da misericordia*do
Recife.
A Illma. junta admioiatratira da santa caaa de
misericordia do Recife manda fazer publico, que
nadia 26 do correte, pelaa 4 boras da tarde, oa
sala de su as sessoes, trio 4 prega para eerem ar-
rematadas a quem mais dr, aa reodaa daa casas
abaixo declaradaa, pelo lempo ^ue decorrer do
da I.* de julho do correte aooo a 30 de juoho
de 1863 : oa preleodeotea derem comparecer
acompaohadoa de sena fiadores, ou musidos de
cartas deetes.
Ra do Padre Floriano na. 43, 49 e 63.
Traressa de 8. Jos n. 11. '
Rea-da Calgeda n. 38.
Secretaria da santa caaa de miaericordia do Re-
cife 20 de janbo de 1862.O eacriro,
F. A. Cavalcanti Cousseiro.
Pele tbesouraria provincial ae faz publico
que a arrematagao dos reparoa do sitio n. 1 da
estrada da Paroamairlm, toi transferida, para o
dia 26 do correla.
Secretaria da tbesouraria provincial de Per-
oambaco 13 de. juoho de 1862.O aacretario,
Aotooio Ferreira da Aoouoeiagao
Cosukdo provincial.
Pela mecada consulado provincial ae faz pu-
blico que o30 dia utea marcados para a co-
bra oga a boceado cafre do seguodo semestre do
ae
s
-O altera
eg car regad do ransho. Josqsim Aires d
Freitss.
*' if-
* **"?
** JfH!tJOi
Rio de Janeiro
Ae
o earrente^
O ageste Oliveira far leilao a requerieren!
de Jams Ryder 4 C, por autoriaagao do LIbj.
Sr. inspector da alfandega e por eonla a ri
qaem perteneer. da M n. 5T70. 5274 e 52T7,
contendo 84 pegaa de casias eetampadaa araria-
das, vindae de Liverpool pelo navio inglez Trio-
O brigue nacMoai oAlfredo, segas com brevi- c"r. como ,udo fot ompeteotemente verificada
deste correio, publicado no Diario de 9de janei- ano flnanceiro correte de 1861 a 1862 dos im-
0 Dr. Tristio de Alencar Araripe, offleial da im-
perial ordem da Rosa, a jais de direito espe-
cial do commerclo desta cideda do Recife e seo
termo, capital da provincia de Peroambuea,
por S. M. I. e C. o Senhor D. Pedro II, que
Dos guarde etc.
Fsgo saber aos que a presente .carta de editos
rirem e della noticia tirerem que por parte doa
administradores da masaa fallida de Siqueixa 4
Pereira me foi felta a petlgio do theor forma,
modo e maoeira saguiole :
Illro. Sr. Dr. juiz de direito especial do com-
mercio.Dizem os administradores da maaaa fa-
iida deSiqoeira i Pereira que o agente da lei-
loes Jos Cypriaooo Aniones se auseatara igno-
rendo-se o destino qae tomou, sen dar-ibes
eenta do aaldo de om leilao de qae asea encar-
reg*do peloa cusadorea fiacaes da mesma maaaa.
oa importancia de 3.279>65.
E porque aos aupplicantas compete propor ac-
gao ordinaria para barer a mencionada quaolia
e com o referido agente obrigado o aen dador
Joaquim de Albuqserque Mello, requerem V.
S. que mande citar o meamo agente oa seu fia-
dor para fallarem aos termos da referida ecgSo,
seolo afioal condemoados, oo principal joros da
lei e cusas, sendo o agente Antunea citado por
editoa, para o que requerem maia qae aejam ad-
mettidos a justificar aua ausencia. Tudo aob pe-
na de rerelia, padem i V. S. deferimeato. Ej-
ptrMn ,raceDer Bierc. \
Nada maiaae cootioha nem alguma outra cou-
aa maia ae declarara em lal patlcgao aqu mu
bem e fielmente copiado e transcripta, oa qual
dei o despacho do theor forma,} modo e manei-
ra segninte:
Citem-secomo requerem. Recife, 1* de maio
de 1862.Alencar Araripe.
Nada mais se contiabs nem algamaoutra cou-
sa mais se declarara e mostrara cooter em meu
deapacho dado em dita petigao, aqu mui bem,
de rerbo averbum copiada transcripto depoia
do qae se rio e mostrara a petioio de theor, for-
ma, modo e maoeira seguate :
Illm. Sr. Dr. juiz do commercio.O admiois-
tradorea da maesa fallida de Siqueira & Pereira,
lesda de justificar a ausencia de Jos Cyi>riano
Aotunes, agente de leilea liar de proseguirem
nos termos da causa ordinaria que proposeram
ao mesmo e Joaquim de Albuquerqae Mello,
requerem V. S. que se digne de designar dia e
har para aerem inqueridaa sa testemuahaa na
torma requerida de aua petigao inicial dos sup-
plicantes.--Escrirao, Maooel Maria.
Pedem V. S. deferimeoto ; esperam receber
merc. Procurador Rodolpho Joio Bareta de
Almeida.
Nada mais se cootioha e oem alguma ostra
cousa mais se declarara e mostrara cooter
dita petigio aqui mui bem e fielmente copiada e
transcripta dos mencionados autos, digo, copiada
e transcripta, a quat aendo-me apreseotada sel-
la dei e profer o despacho do theor,forma, aaodo
a maoeira aeguiate : Sim, designado o dia
4 do corrente mez pelaa 2 horas da larde. Reci-
te, 2 de junho de 1862.Tristo de Alencar Ara-
ripe.
E rnaJs se cootioha, nem alguma ostra coma
de ae declarava e mostrava seguir-se em tal des-
pacho aqui mui bem e fielmente copiado.
E tendo oaaupplicanlea predusido suas leste-
muohas que justificaran) a ausencia do sappli-
cado am lugar nao sabido, sellados e preparados
os autos, subiram a miuha concluso, e oelles
dei, pcoferi e publique! a seoteoga que do theor
forma, modo e maoeira seguate.
Hei por justificada a ausencia de Jos Cy-
prieuo Antunea que sejmostrou achar-se em lu-
gar incertu pelo que mando que seja citado por
carta de editas com prazo de 30 das para o tino
requerido. Recife, 7 de juoho de 1862.Triatao
Alencar Araripe.
Nada maia ae eeotinha, e nem algama outra
cousa se declarava e mostrava seguir em dita
seoteoga aqui mui bem fielmente, de verba ad-
rerbum copiada e Iranspcrita dos proprios autos,
e em sea cumpriraento o eserivao que esta loba-
crever a fez pasear com a praza de 30 das pela
qual chamo, cite e hei por citado o mencionado
aupplieaate para quedestro do referido prazofcom-
parega seate jaizo, afim de allegar sus defaza a
cerca do expendido,iobpena de revalie{; sor tas-
to toda e qualquer seasoa, prente, amigo, oa
aonbecido do referido supplieaote posar azer
aciente de todo o qsaoto fita dito.
E para que ebegae ao conhecimealo de todoa
maodei paaaar editaea qse aereo (esbiiaedes pela
imprensa a afiliado nos lugaree da ceetume.
Recife, 16 de junho de 1862, 4l* da independen-
cia e do imperio do Brasil.
Es, Maro el Rodriguea do Nascimasto, eacrivao
o suheacrivi.
Irislao de Alencar Araripe.
O Illm. Sr. inspector de theeourarla pro-
vincial manda fazer pabuco, para ceoheataaento
dos intereasadoa o art. 48 da lei prorincial n.
150 de 18 de junho da cartela anno.
Are 48, E' permittido pagw-ae a mete ates
doa. eacravos comprados em qualquer tempe su-
perior adata da prsenle lei iadeeesdeate4 re -
validagae multa, urna va que ea deredorea
actuase deate impoat o fasaa deatso do exer-
ewia de 1861 a 1862, as qae sao o frieren) Refro
sujeitos a revalidare e multa esn obro, sondo
um tergo para o drnunciaole. A tbesouraria fa-
r anauaciar par edital sos prieaeirea W dlae de
cada mea a presastedisposiee.
B nafa eeoatar a maodee afflxar o presenta a
publicar palo Diario.
SecreUrU da tbaeeararia previsetei da Pet-
nambuco 8 de julho de 1861.O
A Kd/Assi,
Pela secretaria djagaaerDO ea%viia-ae os
So. medico qu qsJaate* is sresAer asaarrisos
testeaasa aara eosteeiadoe coa a eaaolectHe
seguiste*. ^
ro de 1860. As carias aero recebidas at duas
horaa antes da qae for marcada para a aabida do
vapor, a oa jornaea at quatro boras aotee.
Administracao do correio de Feenacabuco 23 de
junho de 1862.O administrador,
Domingos do Pasaos Miranda.
Pela adminiatrago do correio deesa cidade
se faz pabliao para fina convenieotea, qae em rir-
tude do disposto no art. 138 do regulamento doa
correios de 21 de deaambra de 1844, a art. 9 do
decreto s. 785 de 15 de maio de 1851, aa prece-
der a con jumo daa cartas existentes neeta admi-
nistracao pertencaotee so mez da junho d 1861
no dia 3 do me prximo, all horas da ma-
nhia na porta do meamo correio, a a reapectira
lala a acha daade j exposta aoe iotereeaadoa.
Correio de Pernambaso 23 de juoho de 1862
O administrador,
Domingos do Pesaoa Miranda. .
Directora geral da iostruc^o
publica.
Por esta reparMcao se faz publico que o Illm.
Sr. Dr. Joaquim Pires Machado Portilla reassu-
mio hojeo axercjeio das funegeas de director ge-
tal por aa tsr encerrado a assembla legislativa
provincial, onde se achara com aasento.
Secretaria da instruego publica de Pernamba
co, 23 de junho de 1862.
O secretario,
Salvador Henrique de Albuquerque.
Sexta-feira 27 do corrale, finda audien-
cia do Sr. juiz de paz do 3.* districto da freguezia
da Boa-Vista, serl arrematado em ptaga publica
am sof de Jacaranda avallado por 3S. 2 conso-
los de Jacaranda com pedr marmore, avallado
por 4QJ, e 1 mesa de Jacaranda com pedra mar-
more, por 302, ludo em bom estado, e por exe-
cugao de Jos Baptista Ribeiio de Paria contra
Maooel Jos de Luna ; a ultima praca.
Consulado de Portagal
Nao se leodo effecluado oo dia 23 o leilao da
cocheira que foi do finado subdito portugus Joa
Ribeiro de Faria, ir norameole prega no dia
26 por urna hora da tarde.
Juizo dos feitos da fazenda
nacional.
No dia 26 do corrente, na sala das audiencias,
parante o Illm. Dr. juiz dos feitos ds fazeoda na-
cional se andera em praga publica, fia 10 horas
da nuoha, um teiseiro de pedra e cal, coberto
de telha, avallada por 1:600a, perteneeste aos
berdeiroa so fioaSo P*lro AoUaso Teixeira Gui-
iorea, cqjo telheiro se rende para pagamento
da fazenda nacionaL.^ -
Recife 3 ae jaiode tfj62.O eotieitador,
F. X. P. de Rrito.
Conselho de compras na va es.
Tesdo-ae de contratar o foroacimento, sob as
condigass do estylo, dos objeelos abaixo declara-
dos, por lempo de tres mezes at aetembro pr-
ximo, convida o conselho aos preteodeotes s apre-
seolarem suas propostas en] cartea fechadas, no
dia 27 do corrente mez at aalt boras ds ma-
chas, em que isso sa effeclsara.
Para a compaabia da aprendiies
artfices.
Booetsdo uniforme, ditos para o serrigo, blu-
sas de algodao azul americauo, ditas de brim
braoco, camiaas de algodaozioho, caigas de brim
braoco, d.tas de algodo azul americano, cober-
tores de la, colchos de lioho cheios de capim,
colchas de algodo, frdelas depaoooazul, fro-
ohas de algodaozioho, ieogos pretos para grva-
la, leogoea de algodaozioho, sapatos^ saceos de
guardar roepa, e travesseiros de liobo cheios de
capim.
Para os imperise* martnhoiroa e
apreodixes ditos.
Booets de panno azul, camisas da brim branco,
caigas de algodo azul americano, ditas da brim
eDi brsoco, ditas de panno azul, camisas da algodo
acal americano, fardas de panno azul, leugos
pretos para grvala, polainas da panno prato e
espatos.
Paraos fuzileiroa na va es.
Bonete de chapa e pala, caigas de brim branco,
frdelas de panno azul, ditas de btim, grvalas
de sola de lustre, polainas de panno preto e s-
palos.
Para os africanos livrea.
Caigas e camisas de algodo azul americano.
Para os africanos livrea.
Camisas de algodaozioho, e aaias de algodo
azul americano.
Acompaoharo as propoalas as amostra daa
fazendas para os objectoa de fsrdamealos, os
quaes sero facturados de confoemidade coa aa
medidas qua se derem aos contraanle.
Sala do conselho de compras oavaes 23 de ju-
oho de 18120 Secretario,
Alexandre Rodrigues dos Aojos.
dada e losa maiocarregemrato tratado : para o
reato, trata-se com oa conaigoatarios Marques,
Brro A C. lro do Corvo Santo o. 6.
Para a
Rio-Grande do Sul
com escala pelo Rio de Janeiro
Mguirfi com toda a breridade o brigu nacional
Mrquez de Olinda, de primeira marcha, tem
j prompta a maior parte de seu earrpgamento:
para o reatante trats-as com Maooel Ignacio
de Oliveira & Pilho, oo largo da Corpo-Santo
n. 19.
Maranho e^ar.
O patacho Peulioo aegae em poucos dias, tem
mil barricas de assucar tratadas, para o resto
trala-se com os conaigoatarios Marques, Barros &
C largo do Corpo Santo n. 6.
pollos da dcima dos predios urbanos dsa fre-
gualiaa deata vidade e dos Afogados, de 20 por
eento do coosumo de agurdente, e de 5 por
eento sobre a reo Ja doa heos de raz pertenceo-
tes a corporage* da roo morta se priocipiam a
cootar do dia % de juobo rJsdouxo.
Mesa do consulado provincial de Pernambeeo
26 de malo da 1862.O chafe da segunda saego
F. Ferreira M. Ribeiro.
Conselho adniinislralivo.
0 conselho administrativo, para fornecimento
do arsenal de guerra, tem de comprar os objectos
seguiotes :
Para prorimeoto dos armazens do almoxarifado
do araensl de guerre.
34 [echaduras para caizaa.
4 ditas pequeas para ditas.
5 arrobaa de oleo de linbaes.
2 arroba de amarello fraocez.
4 duziaa de brochas sortidas para pintor.
Quem qutrer vender laes objectos aprsente aa
ssaa pcopoasas esa carta fechada na secretaria do
conselho, aa 10 horas da meuhaa da dia 30 do
corrale mes.
Sala das sesadas do cooselho administrativo.
para fornecimento do arsenal de guerra, 20 de
junho de 1862.
Antonio Pedro de S Brrelo,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel roga.1 secretario interino.
Oeooselho econmico do batalbo de infan-
tera numero 2, lendo de contratar no seguodo
semestre do aooo que corre, o fornecimento dos
geoero abaixo declarados, de boa qualidade,
para alimentos de auaa pregas oo referido se-
mestre, coovida fia pesioa8 que se quizerem eo-
carregar de prover taes genero, a apreseatarero
auaa propoalas em carta fechada oa aecrelaria do
maamo batalbo, no dia 27 deste mez fia 10
horaa da maoha, a aaber: aasucar braoco de
caia, e mascavioho refinado, arroz pilado, azei-
te doce, bacalha, carne verde, carne secca, caf
em grao, farioba da trra, feijo, maoteiga fran-
eeza, toucinho, vinagra e leoha. Qaartel oo
Hospicio em Peroambuco, 20 de junho de 1862
O alteres secretorio,
Maooel Anselmo Pereira Guimares.
Consulado de Portugal.
* Quinta feira 26 do crrente pelas 11 horas da
manha, perante o conaul de Portugal, se ha de
proceder ao leilao feito pelo potletre do juizo de
ausentes, de urna casa que foi do finado sebillo
BasMajSaaaJaSM UaraacdaSaUadeiroa, si la na Ea-
traJa Nova do Cachaog, e de varios objeelos
existete oa mesma, perieocanie a urna taber-
na qae ahi bavia. Recite. 17 de junho de
1862.
Consulado de Portugal
Quarla fura 25 do correte pelaa 11 horas de
na forma do eaiylo
QARTA FEIRA 29
do correte, ao m aigoado na dita alfandega.
*V 3
**?.
h de Janeiro
Pretende seguir com maifa brevidade para o
Bio de Janeiro o releiro e bem conhecido brigue
oational Almirantee, tem parte de seu carrega-
melo prompi ; para o resto que Ihe falta, tra-
ta -se com os seus coosigoatarios Antonio Luis de
Oliveir Azevedo, oo seu eseriptorio roa da Cruz
numero 1.
' ssy aaasmaasasasi i .............
Para a Ma de Fernand.
O hiate Tioo aegue oo Io de julho, receba
orga e pasaageiros que obtenham a permisaio
do goveroo : trata-se com o capito Pereira Ma-
rinho. no largo do Corpo Saoto n. 6.
COMPJUIBU PEMAMBl'QiU
^avega0ocosieiraavapo?
Parahiba, Rio Grande do Norte, Ma
cau do Assu', Aracpty, Ceara',
Acaracu' e Granja.
O rapor cJaguaribe, commendanle Lobato,
sabirfi para oa porto do norte at a Granja,
no dia 7 de julho as 5 horas da tarda.
Recebe carga at o dia 5 ao maio dia. Rncom-
mendas, passageiros e diuheiro a (rete al o dia
da sabida as 2 horaa; eseriptorio no Porte do
Matloi n. 1.
AUenc&o,
Antonio Cesarlo ftoreira
Dias, faz sciente ao respeiU-
vel publieo com es pee validado
aos seus freguezes, qu mu-
dou o sen armazem d* ra da
Moeda para a ra da Madre
de Dos n 32, e est venden
da ror menos io que em ou
tra qualquer parte, plvora,
chimbo e salitre e aauca a
boa q ualidade destas merca-
dorias por seren de primeira
qualidade.
Para Maranho e Para.
pretende seguir com muita breridade o releiro e
bem conhecido patacho nacional aEmulaco, ca-
pito Antonio Gomes Pereira, tem parte de seu
carregamento prompto ; para o rest > que lhe fal-
la, irata-ae com o> aeua conaigoatarios Antonio
Luiz de Oliveira Aievedo A C. uo seu eseriptorio
ru Oa Gru n. 1.
Inspeeco do arsenal de ma
riuha.
De ordem do Illm. Sr. iospector, na cooformi-
dade da autorisacao do Esm. Sr. presidente da
proviocia, fago publico, que em 26, 28 e 80 de
corrate mes acha-se fi vooda na porta do almo--
xsrifado de marioha, daa 11 horaa da mashaa ao
mel dia, o casco do brigue Cearense, com os
objectos fixos, avahado em 1502.
Inspecgao do aisenal de marioha de Peroam-
buco 22 de junho da 1862.
H. A. Barbosa de Almeiae.
Iospectejr.
Inspeeco do arsenal de ma-
rioha.
Faz-se publico que a commissao de peritoa
deste arsenal eliminando na forma determinada
oo regula menta ecompanhaada o decreto a. 1325
de 5 de fevereiro de 1854, o casco, machina, ap-
parelho, maslreagao. rjame, amarras, a anearas
do vapor clgujrastu da compaahia PasoAsUiu-
caaa de oavegarjae coateira, achou todos estes
objectos em regular estado.
Inspeeco do arsenal da marioha de Peroam-
buco 21 de junho de 1861
# iospector,
H. A. Barbosa de Almeida.
a "i/1!?*0 mm- ^ de paz d 2o dieirieie
da Bua-Vita lesease Thom Carlos terette Um
de arrematarse em hssts publica por exteuefio
de Joaquim Ignacio Ribeiro Jnior esotra Tho-
mas Piolo de Queiroz, nos dias 23, J6 e 30 da
corrente, diverso movis, constantes de eedeiras,
marqueza, bancas, Islernss e qusdros. sendo a
arrematagao pelaa 9 boras do dia
A administracao do correio dests cidade
precisa eogajar eatafetas : quem se aehsr oestes
eircumstancias apraaeute-ae ao respectivo admi-
nistrador mumds-.de atlestados que abooem os
seas costumes e conducta.
Santa casa da misericordia do
Reeia.
k Illma. jante admfastretiTa da sjaU cssa de
misericordia do Rwife, minda awr publico qit
manh&a, em preaaoca do conaul de Portugal, se
bao de arrematar m leilao publico, feito pelo
porteiro do juizo de ausentes, as fazendas e di-
vidas activas perlenceatea ao ectabelecimento,
que foi do finado aabdito portuguez Joaquim Jos
Ribeiro de Olireira, sito oa roa Direila o. 55,
onde ae axham as mesma fazeoda, bem como
em seguida se arrematarle rarios movis per
tenceiites eo meamo finado, que se achara oa ra
do Rangel, caaa n. 46 de Jos Ferreira dos Res.
Recife, 17 de junho de 1862.
Gompanhia de cavallaria de
Perntmbuco
Preeisa-ae contratar o fornecimeoto para o
aeguodo semestre prximo futuro dos geoeros
absizo menciooados :
Rancho.
Assucar refinado, maoteiga fraoceza, caf moi-
do, pes de 6 oogas, carne fresca, dita de char-
que, bacalho, fevjao, azele, vioagre, toucinho,
arroz, farioba de mandioca, verduras, temperos
e leoha em achaa pequeas ; achaodo-sa aa por-
gues para almogo e janlar designadas oaa res-
pectivas tabellaa, as quaes ae acham nesta aecre-
laria a disposigo dos Srs licuantes qae deso-
jaren) ver.
Forrageos.
Rigo para cada um avallo em argola : 1 1(2
arroba de capim de plasta, 1|32 de alqueire de
milho, meia libra defarello e 1 garrafa de mel ;
correado alm disto par coala do foroecedor a
diaria da 15 paga a compendia de Bebenbe pela
agua consumida com a cavalhada.
Os senhorea queaa proposeram a tal forneci-
mento dirigirao auaa propoalas em carta fechada
a secretaria desta companhia no dia 26 do cor-
rente ateas 11 horas da maobaa.
Qaartel oo campo da Priocezas 20 de junho
de 186.
Maooel Porfirio de Castro Ataoje,
Capito commandaute.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo para 'fornecimento
do arsenal de guerra tem de contratar o foroeci-
menlo alimenticio para a companhia dos menores
do araeoal de guerra, nos meze de julho e agos-
to proalmos riodouros.
Pao de 4 oncea, bolachas, maoteiga fraoceza,
aasucar refinado de 2* surte, caf em grao, cha
byssoo, carne rerde, dita secca, bacalho, feijo
preto ou mulatioho, arroz do Maranho, toucioho
de Lisboa, vinagre de dita, azeite doce, fuioba
de mandioca da terca.
Quem quizer contratar taea geoaros aprsente
as suas propostas em carta fechada na aecietaria
do coaaelho as 10 boraa da maoha do dia 30 do
corrate mez.
Sala das assseea da eesselho administrativo,
para fornecimeoto do arsenal de guerra, 20 de
janbo de 1862.
Antonio Pedro de S Brrelo,
Coronel prestdaute.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
% Perante o Illm. Sr. juiz de paz da i.* dis-
tricto da Roa-Vista o lesete Tbom Carlos Pe-
reiti, ae tem de arrematar por execuco de Joa-
quim Ignacio Ribeiro Jnior, contra Thomaz Pio-
lo de. Quesz, airen?* morei* asstanles de ca-
deiraa, marquesa, bancas, lanlernss, s quadros,
aasdo a psimairs wreeaatacau oo dia 23. a se-
red a 26. terealra se dia 30 da corrate, fia
boraa oa maobla.
Q Illm Se. regedor interino do Gymnasio
manda avisar aos pais, tutores ou corresponden-
tes, dos 4luouu>s ioUrnos, mel peosiooietas e
eiternos do mesmo iGymoaaio, que no dia 23
da corrast ptincipia o recebimenio das meosa-
hdadea correapoodenlea ao terceiro quariel, qua
se finia em aetembro deste anno.
Secretarir'rio Gymnaalo Prorincial dePernam-
buco 21 da junho de 1862.O secietario, i. A,
Cabral.
m Q tsssth economice do 7* batalhio de
infantaria. precisa contratar o toroscinente de
go*roa BAimeajiicioe, e segando semestre de
carrate anuo, parlaste aa pasese intaressedas
anresanUm-se co saea propoeUa m artas fe
Ilha deS. Miguel.
Para a liba de S. Miguel, segu com muita
bretidade o patacho portuguez Lima de primeire
marcha, tem doua tergoa do seu carregamento
prompto e para o resto daearga, e passageiros :
trata-se com os seus consigoslarioa Joo do Reg
Lima ; irrao : na ra da Gruz n. 38.
Rara Lisboa.
Tem de sihir com muita brevidade o lugre por-
tuguez Julio,- de superior marcha, tem a maior
parle de aua carga comprada, e para o reato da
meama e pssagsiroe, a quero offerece o melho-
res commodos, trala-se com o consignatario Tho-
maz de Aqaino Fonseca, na rus do Vigario n. 19,
primeiro andar, ou com o capito o Sr. Francis-
co Antonio Meirellea, oa orara.
rara
aneiro,
aegue com toda breridade a linda e releira barca
nacional Iris, de primeira classe, capito Gas-
par Leit de Faria, a qual tem parte de aeu car-
regamento prompto ; para o resto, trata ae com
oa seua consignatarioa Aranaga, Hijo & C, ra
do Trapiche Novo O. 6.
** uoes.
LEIL
Quiuta-feira 26 do corrente
O agenta Almeida far leilao por conta e risco
de quem perteneer de obraa de ourode 18 e 14
quilates, orna rica lirraris contendo muita obras
de direito e litleratura, dicereoc movis, um
carro de 4 rodas (tetona) com caiza e ferragem
toda nova, um cabriole! quaal ooro e dona ca
vallo ptimos andaderas, as 11 horas do dia
cima mencionado em seu eseriptorio ra da
Cadeia do Recife n. 48.
LEILAO
BE
3 canoas teodo urna para familia, outra
para capim ou servico de otaria e a
outra finalmente para carrego de fi-
jlos poii carrega 1,500 a 1,600.
SEU RESERVA DE PRECO.
Quintaeira 25 de junho ao meio dia.
O agente Guimares competentemente autaii-
aado vender em leilao trea canoaa em perfeito
eaiado, eocarilhad*s de cobre, muito seguras por
areos muite bem fabricadas e eoaeole empre-
gida as madeiraa cicapire e amarello, para exa-
me des preleodeotea estaro oa reapera e da do
leilao oo Porto daa Canoas juoto as telheiro on-
de aera effectuado o leilao.
LEILAO
DE
Vaccas e bois.
QuarU-feir* 24 do corrent.
As 11 boraa do dia cima mencionado ha ver
Waa* serenata s rase de qaem pertaacer
sem reserra de preco do cerca de 8
IM* TW** dM e ,l8f bois, oa.ru da Concordia
IIBcM
------------------------________-_:
QurlalDU aoULbairoadiflcidoo porto daa GanoM.
^iiL
Yaccina publica .
Graseendo preeentemeole com alguma iotensi-
dade a rsriola nest cidada, o commiaaarro- vac-
cinador lembra aoe ehefea de familia qua, pela
regulamento de 17 de agosto de 1846. sao abri-
gados a apresentar neata repartirlo todas es pes-
soss que nao tirerem lido beilgaa naturaes, om
aide racciaad-, afta da se rhea praticar a rnot)-
eulaco do fluido vaccinieo, iato durante as quin-
ta e domingos, do turreio a alfandega, daa
fia 10 horaa da manha, e, nos aabbados, na casa
de sua residencia, segundo aodi do sobrado da
ra eatreila do Rosarlo o. 30. Rcife_2 de ju_uho>
de 1862.Dr. Joo Napomuceuo Das Ferna*dej
commisaario vacetnador publico.
Precisa aa da urna praU q a aura- para to-
do servico e para vender e tarde na na : a tra-
tar na ra Bella n. 5.
Precisa se oe um caizeira portuguez de 12
a 16 aiioos para taberna, com pratica oa aero el-
la, pzeferindo-se dos uliimus chegadoa ; em Fu-
ra dePortM. ra do Pilar, taberna n. 84.
LOTERA
Sabbado 5 de julho prximo andar
impreterivelmente a rodas da primeira
parte da primeira lotera a beneficio da
matriz da freguezia da Escada, no con-
sistorio da igreja de N. S^ do Botario
de Santo Antonio. Os bilhetes e meios
bilhetes acham-se a venda na respec-
tiva tbesouraria ra do Crespn. 15,
e as casa commissioaadas praca da
Independencia n. 22 loja do Sr. San-
tos Vieira, ra da Imperstriz loja de
ferragens n. **> do Sr. Fimentel, ra
Direita n. 3 botica de Sr. Chagas, e
na ra da Cadeia do Recife foja u. 45 dt>
Sr. Porto.
As sortes cte 5:OOl0# at as de 10# se-
rao pagas urna hora depois da extrae-
rlo, eas outr-s, porm, no dia imme-
diata logo que se teobsra distribuido a
listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues.de Souz=r.
AKiga-se o 2* e 8* anaar do aobraau. da ra
do Amorim, muito fresco e por prec.0 como>o-
do.: a tratar na ra da Cruz do Reciten, 41.
Preciaa-se de ma ama para casa oe rouiiu
pouca familia : a tratar na ra da Senzala n. 140,
junto ao becco do Cii'im.
Aluge-se am amo uo principio da Ealrada
Nora, com boa casa de murada, cocheira, estri-
bara, qaarloe para pretor, duas grao tea Paisa ;
de capim e alguos arvoredua por bafate prados
oa raa da Croa o 56. sa dir.
Preciaa-se faltar aoa herdeiros du Sr. tu-
miogos Antonio de Siqueira, a respeito do st 1 y
da casa da ra do Calebouco. foreira aos meamos
herdeiros : na li'raria o. 6 e 8 da praca da la-
dependencia.
Vendem-se duas negnnha de 12 a 14 aa-
o3s de idade. para ver e justar na ra larga do
Rosario o. 84. segundo andar.
COMPANHIA
DE
Seguros mari-
timos.
Utilidade publica.
Nao lando no dia 23 do correle reusida-ee-
numero sufficieote de accionista para urmar a
assembla geral, por isso a direceo convida no
ramente aos Sra. accionitas afim de ae reuni-
rem so dia 26 do corrente ao meio dia uo es-
eriptorio deata compaohiaoa ra da Cadeia n.
42 para ae proceder a aleicao de um director a
um aappleute.
Josa P. da Cunba. *
Feliciano Joa Comea.
Joa Franciaco Aotuoe, Jos Ferreira
do Cunto, Rita Guilhermina Antune, Jote
Joaquim Antuoea, Thomaz de Atmeida An-
tunea, marido, pae, me, tios e cnohado
da Qoada Gtlilharmina Candida Ferreira
Amone, veem por meio deste aonuncio
agradecer cdrdialmeote a totea o aeua
amigo que tirarais a ebaoquiase piadada
de aaaiatir aa eiequiaa aa matrts sa Boa-
Vial oo aia 19 e acampa osar ao cemiierio
oa aeua reatoa mortaea e Ihea rogara anda
da aaaialirem a mis do stimo dtai que
Selo aeu eterno repouao sa te.ro da cale-
rar os Capaila 4o cemiierio aa 6 horaa do
dia quarta feira 2, ficaudo deada j eter-
namente agradecido.
Frfnelino Augutto de Hotlaoda Cha*
con, HarmiUa Auxencia de Hollaada Cha-
"in, Laftno Augusin <& H^ij^xCliacoo^
Jos Beanque de Hollaoda chacoo, Pe-
dro Aflooso de ollaoda 9*econ e Emilia
Digna da Hollanda Chacn, agradecem
cordialmont aa paaaaa Qjma> se dia. 2e de
crranla acompasJ*am ao jastsy oa res-
tos morlaca da earn maiu. atesid* Qlbe e
lrmej ?rajp!na Cb^pu Pttho.
un celietre ptyt|iltW
faSanla (5
m"l
Qit; treta* no deposito da tai o Ramal a, %

I

i



0UI1O BE -VIRH4HBD00; f* (HURTA fURl *S DI JNHO AB U6i.
Gasa de saude coi Sanio
Amaro.
Dr. Silva Rumos.
Eate estabelecimeoto j bem conhecldo, e con-
eeitusdo oests provincia peloi relevantes servi-
dos que tem preitado, contina osii melbore con-
dlces debaixo da direc$ao de sen proprietario A
receber doeotes de toda* as clauei, os quaes sa-
rao tratados com todo e telo e i ulerease peloa
presos seguiotes :
Primeira classe.... 33030 ou maii.
Segunda dita...... &&5U0.
Terceua dita...... JsOOO.
Em qualquer das classea os trancos flcarao se-
parados doa negros. Os lien idos de 2.a e 3.a
classe nao furiosos pagarao a diaria ordinaria,
aendo furiosos pagaro mais a ruarla parte. Os
allanados da 1.a classe pagarao segundo o ajusta.
Aluga-se o terceiro e qaatlo .ndrea da
casa da ra do Trapiche n. 18, a tratar na mes-
ma casa.
Precisa-ae de um caixeiro n< ra do Impe-
dor n. 24.
Joao da Silva llamos,
medico pela Un versidade
de Coimbra,
d consultas em casa, das 8 a 10 horas da mi-
cha, e preala-se a qualquer el arcado com a bem
conhecida prometido.
GRANDE
Laboratorio a vapor
DE
Lavagem e engonimado
de roupa, de Ramos & Pi-
mentel.
Emprexa importante, que vai prestando rele-
jantes servidos seos freguezes pela promplido
e perfaicao com que lava a roupa sem a estragar
FRENOS.
Roupa sorlida (embora nao renham meiaa nem
lencos) 40 rs. par pe;a.
Pecas grandes isoladamente 100 rs.
Roupaa de navios, vapores e hospitaes 70 rs.
Dita de familia que nao fregaeza 80 rs.
Dita de doente de familia que nao freguesa
a 120 rs.
Urna rede ou cortinado de cama ou veranda
a 500 rs.
U prego dos engommadoa mdico e confor-
me aa pegas, como costumam fazeras engomma-
deiraa. O praso da entrega da roupa lavada
8 das, e engommada 15, sendo que muitas vezes
est prompta antes do praso. Deposito na ra
Nove.

-zz.
Mademuiselte e madame Carn de laCbarie
retirsm-se para Franca.
Oa herdeiros e cooseohore 1 a o eogenho Bre-
jo na freguezia de Serinhaem juito ao transito
da via frrea letra asseolado entre si vender ou
trocar por casas nesla cidade ai anas respectivas
partes ou mesmo levar o eogenho a praca por
arreadamento a quem mata de- : quem preten-
der dirjase a ra da Cruz o. 4T, terciiro andar.
Precisa-ae de um bom ozioheiro ou urna
boa cozinbelra, e tambera para fazer as compras
na ra, sendo escravo preferilo, sendo capaz
paga-se bem. Tambem precisa-e de urna boa
coatureira e engommadeira, na mesma casa o. 42
da ra da Cruz do Recife.
Precisa-se de 1.00OJ para auis meze*. by-
potbecando-se duaa moradas dn-essas terreas as
principaes ras, rendendo todas as duaa 38$O0O
mensaes : qu.m este negocio quizer annuncie.
Arrendase o eogenho Sicupgma na fregue-
zia do Cabo, e vndese a safra : quem o preten-
der, dirija-se ao seu proprieterio na Torre, ou
nesta pra^a ao Sr. Antonio Joaqun de Almeida
Cruz, ra de Hortas. casa n. 114.
Offrece-ae urna peasoa para o serv 150 da
urna casa : quem de aeu prestimo precisar, dir-
janse a ra do Porte n. 15.
Alugam-ie dous moleque bstanles prati-
cos em botequioi : na ra Direita n. 3.
Attenco
Fugio do engenho Cajabuss no dia 20 do cor-
rente mez, o cabra Ignacio, com os signaes se-
guiotes : estatura regular, espadaudo, aem barba
alguma, pernaa um pouco arqueadas, cabera
um tanto grande, denles limados, idade 32 an-
uos, muilo ladino e bom csrreiro. Este cabra
tero prenles e irmaos 00 lagar Olho d'Agua
d'Ooca em Taqaarilioga, para onde j fez urna
fgida, levo* um leoco com roupa e foi vestido
de camisa e calca azul, tendo por costume mas-
car fumo: quem o pegar leve-o ao engenho
mencionado que aera: generosamente recompen-
sado.
Hootem indo urna pequea ao Te-Deum na
matriz de Santo Antonio, perdeu urna pulseira
de ouro esmaltada com flores a roda do eamalte ;
a pessoa que achou-a querendo entrega-la, pode
dirigir-se ao pateo do Paratzo, sobrado de um
andar n. 24. qu. aer generosamente ratificado.
Joaquim Jos de Sani'Aioa e sua mulher
retira-se para o Rio de Jmeirc.
Jos Antonio Alvea retirase para Portugal,
levando em aua companhia sua cunhada Mara
Thereza Birtosa.
Casa para alugar.
Aluga-se urna casa na Capuni;a Nova, ra da
Amizade, a moderna, 2 salas, 4 qu artos, coziuha
fora, quarto ao lado, cacimba com bomba, tanque
para banho, grande quintal todo murado, com
muitas arvores de fructo, sene o a maior parte
jaraogeiras: a tratar na ra das Trincheiras n. 1.
Precisa-se de um bom
iorneico, e pagase bem : na
ra dts Cruzes n 12.
Ama.
Precisa-se de urna ama qu: saiba cosinhar
com toda a perfeicao : na rus Nova n. 47. lo ja.
Precisa-se fallar com o ir. Joo Martina
Goncalves,natural da cidade do Porto, e na sua
falla com algoem que se preste a dar informa-
edees s.as : na ra da Csdeia n. 12, escriptorio
de Ballhar & Oliveira.
Jos Aoloaio Das Larsngeira, vai para
Europa tratar de sus aaude.
Aviso.
A viuva do finado tenente Francisco Xavier
Cavalcinti de Almeida por este convida a todos
os credores com quem seu finado marido liaba
relaces commerciaes nesla praca para apresen-
tarem os seui documentos o mais breve que Ihea
for possivel, para os legalisar, visto como vai-se
proceder ao inventario dos beos da caaa pelo jui-
zo doa orphos ; pois com quaoto leona de fazer
aa declaraces de todos os credores, e com os
quaes j tem enlabolado urna concordata sobre
seus pagamentos, e poder continuar com o nego-
cio, todava se torna mister esta formaldade da
lei. Victorii 17 de junho de 1862.__________
L. Royer, subdito francez, vai ao Rio de
Janeiro.
Bollar & Oliveira sacam sobre a praga do
Porto.
Preciaa-ae de urna ama ; no paleo do Terco
o. 12, segando andar.
-
Gabinete medico cirurgico.
H Ra das Flores n. 57.
fe Serio dada consaltas medlcas-cirargi-
cas pelo Dr. Estevao Cavalcanti de Albu-
J querque da 6 as 10 horas da machia, ac-
cudiodo aos chamados com a maior bre-
ga, vidade possivel.
Z l-o Partos.
2.* Molestias do pella.
3.* dem do olhos.
m 4.* dem dos orgos enitaes.
Q Praticartoda equalquer operago em
^ seu gabinete ou em casados doenteason-
ai forme Ihes fr mais conveniente.
INTERNATO
*
DE
KA DO QUEIMAD0 MA6
GEAHDE20ETIMEK,
DAS EROUPKSP^
Sortmento completo da aobrecaaacos da paooo a 259, 288, 309* 35|, casacos multo bem
faltas a 251, 288, 30$ 85l. psletois acasseados de paooo pretode 16 at 15$, ditos de eaaemira
de cor a 159,181 201, pal ato ts saceos de panno casemira de 89 t 149, ditos saceos d alpaca
m ri la de 49 ate 69, aobre de alpaca merino da 79 at 109, caigas pretaa de casemira de
89 st 14$, ditos d. cora.78 at 103, roapas para meoino de todos os tamanhos, grande aorti-
mento de roupas da brins como seiam calcas, palatota a colletas, sortmento da eolletes pretos d
setim, casemira a velludo de 49 9f, ditos para casamento a 59 a 69, paletots braocoa de bra-
mante a 49a 5f, caigas brancas maito finas a 5f, a am grande sortmento da fazendaslina s e mo-
dernas, completo sorlimeoto de casemiras inglesas para homem, menino a aenhora, seroalas de
lioho ealgodo, chapeos da sol de seda, luvas da sada da Joavio para homem a seohora. Te-
mos urna grande fabrica da alfaiata onda recebemos aocommeodas da grandes obras, qaa para
sso est sendo administrada por am hbil mastra da aamelhanta arta a um peasoal da mais da
oncoenta obreiros escolhidos, portanto executamos qualquer obra com promplido amis barato
de qaa em oatra qualquer casa.
Fugio ao abaixo assignado o seu escravo
Joao, Angola, mais que parece crioulo, maior de
40 aonos, com os seguales signaes : estatura re-
gular, a agro, com os olhos avt rrr el hados, e um
jelho ochado ; tem o roalo cutnprido e costuras
trazer um brinco na orelha esquerda. multo
ladino e ha poneos dias voltoa do Rio de Janeiro.
o'onde esteve para ser vendido, de presumir
que se intitule forro, e que pan iiso minta Foi
comprado ao Sr. Jos Paulo do Reg Brrelo,
que houve por compra da Sra. D. Mara Rita de
Mello, do engenho Serrara. Sipie-se que elle
unisse para ali, ou immediagoes aonde dase tem
filhos. cambaio e tem a falla um pouco ro-
qtienta. Roga-se aos Srs. capes de campo e aa
aathorldades policiaes a captnta leste escravo e
quem o trouxer ao armazem do abaixo assignado
ser generosamente recompenstdo, ra da Cruz
o. 33. >
Domingos Rodrigues de Andrade.
Aluga-se o primeiro andar da Iravessa do
Campello n. 4, proprio para rapues solteiros,
escriptorio pouca familia.
Empresta se 1:0UJ) coni neguranga em
beni de raz : oa mi Direita n. 82.
Precisa-se de urna ama que saina coznbar
e engommar para o servigo de ima seohora ; n
ra das Aguas-Verdes o. 48 primeiro andar.
Ama
Precisa-se de urna ama que saiba coziohar e
engommar : oa ra larga do Rosario o. 22.
Pazem-ae bolos, podios e po-ds-lot, para aa
testas deS. Juo e S. Pedro, enfeitam-ae ban-
dejas para bailes e casamento., faz-se toda e
qualquer eacommenda de rosas tanto para as to-
jas como para caaas particulares das que est
muilo em moda aa aeohoraa t azrem para tn-
leile oa cabega, assim como flores de todas aa
qu.lidadea : na ra da Roda o. 48. sobrado.
Precisa-ae de um cainita que esteja ha-
bilitido a lomar conta de urna taberna e que d
fiador a sua conducta, faz-ae tlgum interesse :
.quem se achar habilitado dirlja-sea roa da Gmz
-do Recife 0,36, que s Precisa-sede um caixeiro porlugaezde 12 a
46 anuos, para taberna, com praticti ou sem ella,
,prefe rindo-se dos ltimos che gados: em Fora
de Parlas raado Pilar, taberna n. 34.
<
JJ) raa pessoa com bastante eite e sem O- 9
# lboaaa offerece para amameoiar urna crian- 0
Sea em aua casa : quem precisar anele. #
'
rreclaa-sa de urna ama forra ou captiva pa-
ra o servico de comprar e eoaii ha/: na roa do
Imperador obrado o. 37, segundo andar, enlar-
da direita.
0 Livro do Povo.
Sahio luz publica o LIVRO DO POVO, publi-
cado aob a direegao do Sr. Dr. A. Marques Ro-
friguea. a contm a vid. de N. S. leaos Chiiito,
eguodo a narracao dos quatro evangelistas, e
mais os seguintea artigo* : o vigario, o profesaor
primario, o bom homem Ricardo, a moral prali-
ca, Simo de Naoloa, mximas e peosameotos,
a bygieoe, os deveres dos meninos, e o Brasil.
A publicado do LIVRO DO POVO nao s tem
por fim uDiformisar a leitura as escolas prima-
rias, oode cada menino aprende por um livro
differente, e portaoto facilitar o Irabalho do mos-
tr e do discpulo, como tambem vulgariaar, por
am prego baralissimo, a historia do salvador do
mando, e os melhores preceitos de moral.
Veoda-se o Livro do Povo, do Recife, na
livraria da praca da Independencia ns. 6 e 8, a
500 rs. o exemplar em brochura, e a 800 rs. ear-
tonado.
a***Jraar^ sa*iR ^f^FW WWTm Bf snaras
Dentista de Pars.
( 15Ra No\a15.
FredericoGauier, cirurgiao dentista l
faz todas as operacoes desua arte a co- 9
leca denus artificiaos, tudo com -sdeln S
rioridade a perfeicio que as pessoas-,en
tendidas lhe reconhecem.
Tem agua e pos dentificios, etc.
SMdmm&e mm mmmmm
Companhia Fidelidade de se-
guros martimos e terres-
tres, estabelecida no Rio de
Janeiro com o capital de
16:000:000$.
Agentes em Pernambuco
Antonio Luiz de Oliveirs Azevedo & C. compe-
tentemente autorisadoa pela directora da compa-
nhia de seguros Fidelidade, tomara seguros de na-
vios, mercadorias e predios, oo seu escriptorio,
ra da Cruz n. 1.
Sitio.
Preeiaa-sa alagar am sitio coas arvoredoe de
fructo a caaa aoffrivel, pirio da |>rara : oa raa da
Senzsla Velha o. 96. paddria./
Aluga-se a caaa terrea di ru do Fogo n.
16 : a tratar oa ra da Cruz a.' 1, ascriptorio da
Antonio Luiz de Oliveira Aied:>.
Precisa-se alagar am primado ou segando
anda/, sendo as ras seguiotes ; Aurar Llvr-
mento, pateo do Crmo e Imperar or (lado .4a pas-
aaio]: quem lirer. dirija-Mi tna do Qoi'do
loja da ferragens n. 13.
Guimaraes & Villar
COM LOJA NA
RA DO CRESPO H. 17. !
Teodo um grande sortmento de fszeodas de gosto pedem
As senhoras que
mandem ver suaa fazendas prometteodo servi-las o meihor possivel.
Acabam de receber p lo ultimo vapor fraocez um graode sortmento de vestidos
brancos bordados para 300, 40$ e 509 e ntremelos ricameote bordados largos e es-
treitos proprios para eofeitar vestidos braoeos e roapas de noivas; manteletes e ca-
pas a Luiz XIV e saias bordadas de todas as qualidades.
Esperara a proteceo
das respeitaveis senhoras.
Quem espera sempre al canea.
Antiga loja franeeza que foi|
"" de Gadault ra Nova 11711.
Acaba de receber de sua ancommenda um graode e variado sorlimeoto de di-
versas mercadorias que se acham a veodaoa dita loja por meos 10 por ceoto do que
em outra qualquer parte, a saber :
Toda attenco.
Custodio Jos Alves Guimaraes avisa ao res-
peitavel publico, principalmente a todos os seas
freguezes e amigos, que se madou da loja da
aguia de ouro da ra da Cabag para a ra do
Crespo n. 7, para a bem conhecida a aotiga loja
de miudszas que foi do fallecido Joo Ceg, boje
ser conhecida pelogallo vigilante,e pede ao
respeitavcl publico e aos seus freguezes e amigos,
que o queiram procurar no dito estabelecimeoto,
onde acharo um grande sortmento de miudezas,
que af&aoca servir bem e vender por menos dez
ou vinte por ceoto. do que em outra qualquer
parte.
Na travesa da ra das Cruzes n.
2, paimeiro andar, tingese para todas
sa cores com presteza e commodo preco.
Precisa-sede um trabalbador que teobapra-
tica de refloaco, paga-se bem servindo, a tratar
oa raa dos Gaararapes o. 28.
Fago de arti-
ficio.
O bazar da raa do Imperador o. 6 anda a
ageocia da maito acreditada fabrica da viuva Ru-
fino, aonde se tomam todaa e qaaesquer eocom-
meodas em tudo o que for relativa i aua arte, as-
seguraodo-ae nao s a melbor execuco oa coo-
feceo doa artigoa, como a maior modicidade nos
seus precos. Nesla mearas casa ha sempre am
portador para fazer a coodaccao 4 encommea-
daa, evitando assim os frates que a distancia daa
fabrica, acarralara aoa aaoborea compradores.
Miguel Josa Alves roga as pessoaa, que por
qualquer titalos se poseara julgar seus credores,
te sirram mandar apresaatar-lh'oe oo armazem
a. 17 da raa da Cras para seren por elle proeap-
lamente pagas.
Ricie 1* de jucho de 18,
Agua de malabar
do verdadeiro fabricante Lascombi, psra
tingr cabellos da cor que se quizer e com
um guia para seu uso.
Para presentes.
Ricas caizas do costura com msica e
sem ella, o meihor presente que se pode
dar a urna seohora que se eslima.
Para homens.
Ricos estojos cociendo todos os uteoci-
lios necessarios para toilet de qualquer
pessoa que se trata com muila limpeza,
contendo navalhas, tesouras, peotes, es-
tovas, frascos para pomada e cheiros, a fia-
dores, tlnteiros, espelhos, pasta para pa-
pis e muitos outros pertenece para o mes-
mo fim.
Encerados.
Especiaes para cobrir mesa a lj, 1J500
e 2J o covado.
Para retratos.
Machinas de todos os tamaohos fraocezas
e americanas chimicas psra trabalhar am
todos os procesaos, copos graduados, fu-
nis de vidro, um graode sorlimeoto de cai-
xinhas, de chagrn, passepartoua de corea e
pretos a dourados, cuvatss horizootaes e
verticaes, papel para retratos e todos os
atencilios tendentes a esta arte; tambem
se collocam retratos em caiziohas a passe-
partoua, mudam-se os qaa estiverem mo-
fados tado a voolade de seus donos.
Ricas bengalas
de verddeira cana da India com pontei-
ras e caatoes de marfim, tendo dos cssldes
muilo bonitas figuras abortas em relevo,
as mais bonitas que se podem acharoste
genero.
Ditas'de massa imitando alicoree.
Luvus de pellica
do verdadeiro fabricante Joavio & Filhos,
para homens e seohoras, brancas, de co-
rea e pretas, e que cootionaro a receber
por todoa os vapores francezes preco fizo
2*500 rs.
Espelhos.
Desde o maior at ao mais pequeo ta-
mapho com moldoras pelas e donradas
para ornamento de sala, seodo os vidros
muilo grossos e do primeira [qualidade.
Para msica.
Instrumentos completos da chaves e
apistoo e tambem graode sorlimeoto delles
avulsos com muitos melhoramentos e dos
sytemas mais moderaos do muito conhe- ?
cido fabricante Gautrdt Ain, estes instru-
mentos se tornam muilo recommendaveis i>
por serem maito perfeitos, e os mais mo-
deros que exiatem oo mercado.
Objectos diversos.
Pumo de harlebeke, marilaode, caporal,
vervique e americano, para cachimboa a
cigsrroa.
Seroulas de algodo de cores para ba-
chos a 500 rs.
Camisas francesas de todas as qualidades.^
Capotiohosde laa para meninos, muito tf
lindos de diversas cores a 19500.
- Ricas cspellas brancas e de cores para
calamentos o mais elegante que aqai tem
viodo oeste genero.
Chicotes americanos e francezes com
aoeis e sem elles para carros, cabriolis e
cavallos.
Raodejas grandes de 30 pollegadas a 30.
Um graode sorlimeoto de ocios a lune-
tas de grao e miope.
Fundas para os quebrados das virilhas.
Velas para carro e piano.
Leques de madreperola.
Ricos punhos e gravatinbas pars seohora.
Porcelanas e vidros.
Apparelhos e meios dilos de porcelana
para jaotar, candelabros de 4 e 5 lazes,
serpentinas e laolernas com pinguetee e
sem elles, escarradeiras de vidro brancas
e de corea, ricas laoterass para carros e
coups, clices paravinbo e licores, redo-
mas com peanhas de todos os lmannos
para imagena, vasos para florea a encera-
dos para carroa de cores a pretos, ditos
redoodos e quadrados para botar pratos,
laoterois e ceodieiros a gaz.
Nos quatro estabelecimentos
bem conhecidos da ra Real
do Manguiuho as. 54, 61, 62 e 63.
A4fDR. AUIA
Presunto de fiambre.
O meihor que tem viodo a eate mercado afiaocaodo a boa 'qualidade a 400 rs. a libra.
1H aniie la (la 0 n,e|hbr que ha a libra a 700 rs.
r assas mait n0TM qUe na ubra a wo rf
Uei JO d0 erijo o melhqr que ha a 500 rs. a libra.
Mantejga uaetu aiibra 700 r.
MaIIte 1 ga Dg[ezaa UbM 720i SOO,OOa 19 o meihor qaa ha.
Palitos i9 g gftfta 4500f dnfia M0 ^
E mais toda quaoto teadeote a molhados que sa torna etrfeacoko annanclar, peis qaa
s vista daa eatabelecimeoios verlo oa Srs. frogaaxaa como se acham completamente sortidos de ta-
do anulo lito pertence %** logo centtaeuuamei par esta olha.
rEstabelecido no lugar da Capunga, um dos arrabaldes|
mais prximos da cidade do Recife..
DIRECTORO BAGHAREL EM MATIIEMATICAS
igftiiseri mmm m 8i.
O director do ioternto de S. Bernardo nao teodo evitado estorbes ocm sacrifi-
cios para proporcionar aos seus alomos ama perfeita educarlo phisica, moral, intel-
ectual e religiosa, offerecendo-lhes uma habitacao com todaa aa coodicoes de sala-
bridad e, habis professores qae sao solcitos em prepara-los coovenieotemeole ao fim
a qae se destinara, medico pralico que lhes faga compreheodir os preceitos da bygieoe
a lhes cure es doeocas, a fioalmeote um sacerdote Ilustrado e honesto qaa lhes expli-
que os principios da religio chrisls, espera que assim constituido nao deixari o sea
establecimento de merecer doa Srs. paes de familias o auxilio e confiaoca com qu. jS
alguna o tem honrado; e ihea roga, bem como a todas as pesaoas interessadas, que so
diguem de visitar o mesmo seu estabelecimeoto, oode sempre encontrarao franco in-
gresso.
. O eollegio tem a sua sede as elegantea e eapac.osas propriedades da Sr.* Tiara
Lasserre e doa Srs. Roberto & Pilho, Capunga Velba.
Com o fim de tornar mais breves e commodas as commuoicac.es dos Srs. paes a
correspondentes, o director lhes avisa qae as eocommeodas e todss as corresponden-
cias podero ser entregues oa casa de resideocia do seu irmo o Dr. Pereira do Carmo
ou oa ioja do Sr. Joaquim Ferreira da Costa, roa Nova n. 56.
v
f
iiHrai
DE
Leandro & Miranda.
Ra do Crespo numero 8 A.
Sao chigados a loja da Uoio Commercisl de Lesodro & Miranda, os desojados
e muito commodos baldes de 13,15, 20, 25 e 30 arcos de precos de 35500 a 6#.
Na rus de Santa Thereza n. 24 precisa-se de
uma ama para coziohar paradas, pesioas._____
Precisa-se de orna arria para comprar e co-
ziohar, para caaa de homem aolteiro ; oa ra do
Qoeimado loja o. 42.
liiiii Nova n. .Vi
casa de madama
Theard
Alm de outros muitos objectos de mods psra
seohoras e meninas, recebeu ltimamente ex-
celentes chapeos de palha de Italia, gosto Ama-
zonas, a Travistas, Addaluz e Beatriz, ditos de
palha branca e decores, dos gostos cima ditoa,
dito, de-ellro, dos goatoa j indicados, dito de
palha l.'ranca e de cores escuras para oreninos e
meoinas.
Recebem-se figurinos lodos os mezes e faz-se
com perfeiQo vestidos, capas, manteletes e ves-
taarios psra meninos sebaptisarem.
Arrendase um sitio em Par-
nameirim
com casas de moradia, cocheiras, feitor e estri-
bara, alem de outras commodidades e boa visi-
obanca, tem capim diario para 4 cavallos, coquei
ros, e muitas ootras arvores de fruto e utilidade,
faz-se o arreodameoto por um ou mais annos, e
com condiges vantajosas : trata-se oo largo do
Paraizo. o. 24 com S. A. Peres.
Figniredo & Irmo
Ra Nova u. 18
Neste estabelecimeoto hsvor sempre um
graode sorlimeoto de roupas feitas e por medi-
da, tanto para homeos e pars meninos e um
grande e variado sortmento de fizeadas taolo
ioglezaa como fraocezas de bom gosto e barataa,
assim como tambem diversas joias de oaro de 18
quilates e debrilhantes dos melhores fabricantes
de Paria.___________^___________
ICaWi
de Hamburgo
Alugam-se e vendem-se por qualquer prego
oa raa do Rsogel o. 18, amola-se todo o ferro
orlante.
[Escriptorio deadvocacia]
Ra do Imperador "n.
37, primeiro audar, a es
querda.
Neste estabelecimeoto trabalha o adro-
gado Joaquim Borgea Carneiro (graduado
em direito pela faculdade do Recife) des-
h de aa 9 at as 3 horas do dia.
S Advoga em todos os juizos e tribun- es
ti desta prac, e eorarrega se de negocios
g para o interior da provincia, prineipal-
I mete para aa comarcas de Santo Aotao,
Rio Formoso, Bonito, Nazareth e Goiaooa.
Recebe gratuitamente as causas dos
desvalidos, nao podendo cada qual tra-
zer maia de uma qaesto por vez.
No mesmo estabelecimeoto solicita m-
se litlos e patentes de empregados pu-
I bucos e officiaes da guarda nacional do
i ioterior, medanle mdico estipeodio.
Em sua falta e impedimentos, ser
I substituido, nos negocios civeis, pelo Sr.
I Dr. Joaquim Jos de Campos, e dos do
S* crime pelo Sr. bscharel Jorge Doroellas
Ribeiro Pessoa.
MMwaKaM tt&eweMeiteieeitS
Bolos finos para S. Joo e
S. Pedro.
Os melhores bolos de S. Joao de todas as qua-
lidades, e bandejas enfeitadas para casamento,
com perfeicao ; assim como reme, podios, e to-
da a qaalidade da pastelera : quem precisar di-
rija-aa a roa da Peona o. 25.
Catailo.
Na noita da 12 do correte desappareceu um
cavallo pequeo raco com piotaa de pedrs, a
tem signaes aioda bem distioctos de lar sido ata-
cado do saogue. castrado e tem lodosos andarea:
quem o pagar e levar oo caes do Ramos o. 4, se-
r bem gratificado.
O retratisia americano
O retratista americaoo
O retratista americano
O retratista americaoo.
Roa do Imperador
Ra do Imperador
Ruado Imperador
Ra do Imperador.
Novos estylos de ambrolypo
Novos estylos de ambrolypo
Novos estylos de ambrolypo
Novos estylos de ambrolypo.
Muito baratos
Muito baratos
Muito baratos
Muito baratos.
Lindos cartes de viaita
Liados cartes de visita
Liados cartes de visita
Liados cartes de visita.
Aos rSs. consumidores de gaz
Nos armazeos do caes do Ramos os. 18 e 36 e
os ra do Trapiche Novo oo Recife o. 8, se ven-
de gaz liquido americano primeira qualidade e
recentemente chegado a 14 a lata de 5 gales,
assim como latas da 10 e de 5 garrafas a em
garrafas.
~ Sr. Joaquim Antonio de Santiago Lessa,
morador na Parahiba, mande sem demora ajustar
suas coalas com Carlos Frederico, oa cidade de
Pernambuco.
COMPANHIA DA ESTRADA DE FERRO
DO
Recife ao Sao Francisco.
(limitada.)*
De cooformidade com as iostrueces recebidas
da reapectiva directora, faz-se publico que des-
ta data em diante sao convidados os accionistas
desta companhia a cumprirem com os termos do
aviso que por ordem da mesma abaixo ficam
publicados.
Escriptorio da companhia, 20 de maio de
1862.
Por procurado de E. H. Bramab, thesou-
reiro.
(Assignado)R. Austio.
Aviso.
Pelo prsenle faz-se publico qae por uma re-
soluto da directora desta compaohia tomada
oesta data tem-se feito a ultima chamada de uma
libra esterlina por cada aeco, a qualdever ser
paga aleo dia 30de junho do prximo viodouro,
oo Rio de Janeiro em casa dos Srs. Maaa Mac
Gregor & C., oa Bthia aoa Srs. S. S. Davemport
& C. e em Pernambuco oo escriptorio do the-
soureiro da mesma compaohia.
Pelo presente fies tambem entendido qae oo
caso de oo ser a dita chamada ou prestaco sa-
lisfeita al o dia marcado para sea pagamento o
accionista que incorrer oessa falta pagar juros a
rszo de 5 por cento ao auno sobre tal chamad,
a cootar desse dia al qne seja realisado o pa-
gamento.
No caao da nao effectuar o pagamento desta
chamada dentro de tres mezes contados do dia
cima fixado para o embolso da mesma, ficarao
as aecea que iocorrerem em tal falta aajeitas a
sereno confiscadas, segando as disposicoes doa
estatutoa a eate respeito.
Por ordem dos directores.
(AssigoadojN. I. Bellarmy, secretario.
199 reinara House, Od Brord Slreete.
1
- CLUB COlIERflAL.
k reuoiao familiar do correnta mes lera lagar
na ooitado dia 11.
Alaga-ee ama ama paral ceas de fasailia :
aa ra da lapaiatrii a, 43, segundo adir.
Saques sobre Portugal.
O abaixo assignado agente do Banco
Mercaolil Portuense oesta cidade, saca
effectivamente por todoa os paquetes so*
bis o mesmo Baoco para o Porto a Lis-
boa, por qualquer somma avista a a pra-
zo, peleado logo os saqaes s prazo serem
descontados no mesmo Banco, na razio
de 4 por ceoto so anno aoa parladoras
qaa aasim lhe coavier: naa roas do Cres-
po o. 8 oa do Imperador a. 51.
Joaquim da Silva Castro.

H

^~
i
^


JilO OS PlkUMIW. QBlTA FMBA 85 DE JOBHO W1S61;
Rpfl-se 101 devedore a maesa filuda de Joi
Antonio Soares di Aaivedo, ni tete, uiierns ni
ra do Imperador, o obsequio de he oa man-
daren pagar aeui debltoi i tai do Creipo a. 3,
loja de aludan*-
..
------
Precia- de an caixeiro pertiguea para
taberna aluna Gaaa Porte, de iOilt annoa de
Idade, dando-le preferencia aoi chegados ha
peuao ; tratar na roa do Hoapicio r, 28 ao p
do qearteL ^_______________________
- Precltante de am eeixeiro qaa entend de
pharmacia '; m Wttta da fui doC'bgi n.ll.
SOCIEDADE
Unio Benefieente
MatUima.
De ordem do Sr. praaideatescienlitlco aoa se-
nhores aocioseffectivoi que no da 2'.' do corre-
te palaa 7 hora* da tarda, hareri issio de as-
embla toral aflm de tratar-ie eVatt. 39 csp. 7
doa eitatatoi.
Secretaria da sociedade Unio Benefieente Ma-
rtima 13 de juoho de 1861.
Balthasar Jos dos Reis.
1.* secretario._______
Thomai de Aquino Fooseca sac.i lobre Lis-
boa, na ra do Vigario n. 19. primeiro andar.
Alega-ae um nom sillo na estrada oe Joo
de Barro, com mallos arvoredoa, grande casa de
vlvende, eetrikirii, cocheira, cana para feitor, e
casa de baotao : a tratar na rui daa Trinchelraa,
oaaa o. 19, cartorio, ou na na ora da Santa Ri-
to, cay n. 5._____________________________
- Aluga-se o sitio da Man-
gabeira.em frente ao Jardim Botnico en Olioda,
sobrado com oito qjaartos, tres salas de (rente e
sala de traz, coiinfc (ora, boa agua de cacimba
a melhor da dita cidade, com arvorea de fructas,
mingueiraa, mangabelras, maracujaes, coqaeiros
e multas otis fracteiras, baia da capim, rogado
para praelarao, capoeira com buha, olaria
prempla para (azer tijolo groaso e fino, louca e
telba; quem pretender dirija-ie s Clnco-Pon-
li casi n. llt. ________________
Aluga se a casa terrea
junto do aobrado cima citado e multo fresca
as pequea; cosa as asesinas qailidades de
fructaa que o do aobrado; quem pretender
dirija-se s Ciaco-Ponlae ci d. 111.

Joao Leandro de Barroa, naluril de Per-
nambuco, a?ii ao publico que teodo chegado ao
sea coohecimenlo qne oeata provincii existe ou-
tro individuo de igual nome, tem reolvido, aflm
de evitar engaos, anigaar-ie de boje em diente
Joao Leandro de Souza Leo, escollendo asaim
entre os dous ramos de sua familia B rroa, e Sou-
la Leo. aite por aquello.
Maooel oa Costa Perreira, aulOito porlu-
guai. retira-ae par fora da provjoci-i.
Alugam-ae o terceiro e quarto andares dj
ra do Gabugi n. 16. e o sitio da Poete de Ucba
defronte do ckea : a tratar na bolica do Pinto, ra
jarga do Rosario o. 10.
Injecco Brow
Remedio infallivel contra ai agnor-
rheas antigs e recentes, nico deposito
n botica franceza, ra da Cruz n. 22,
preco 5|. ^^^
" Ufpraxe aWosaartemeaU lataTtilbo co-
ia raa da Imperatriz n. 65.
Compra-se am preto de meia idade, da
bsos cosamos e proprio para sito, urna eitrav
qaasiibs coser e eogommar bem : aa ruada Ca-
deia Veln n. 35.
Compra-se urna ca na fregaost* da Boa-
Vista que tenha commodos para familia : a tra-
tar na traveisi dai Barceiras n. 10.
Aluga-se urna casa terrea n. 23 na traveisa
doi Qaarleis, outr'ora raa do Senbar Bom Jess
dn Crioula8 ; trata-se na ra Direila n. 8.
Atten Na casa de paato da ra do Arag.io n. 1, em
frente ao largo da Boa-Vista, fornica-se comidas
em casa e para fora, por commodo preco e com
asaeio.
' Joaquim Teixeira Arouca, sabdito portu-
gus, val a Portugal tratar de ana su de, levan-
do em sua eompanhia para seas cerriQOS o sau
Criado Felii. de naco Angola.
Aluga-se ama casa na Soledade com coma
modos pan familia, e grande quintal n. 54 : n-
PQtlca da rna do Cabug o. 11.
Urna pessoa convenientemente
habilitada se propoe a ensinar fora da
praca primeiras letras, latim e francez:
a tratar no pateo do Terco n. 33.
xmmmm m mmmmmm
lo uadaCruzl6t
O Dr. Rocha Bastos %
d consultas, todos os das.
Cura radical e em pouco di moles-
tiaa syphililicas e dos orgaos genito uri- S
narioa. o
Consultas de graca das 8 as 9 horas da _>
maoha.
mmmmmmmmmmm
Sortes para S. Joao e S. Pedro.
Um pequeo folheto contando verses, tanto pa-
ra o principio como para o fim, oracoes e ladai-
nnai propriaa para ae poder fazer i novena do
Slorioao S. Joao : vende-se na ra do Impera-
or n. 15, das 9 horas da manha aa 3 Ii2 da
tarde dos din uteia
I
Attenco.
O abaixo aasignsdo faz sciente, nao obstante j
o ter feilo por diversaa vezes, quem quer que
ioteresse tiver que uao faga negocio de qualida-
de alguma com Leopoldo do Reg Barros, rela-
tivamente aoa bens do cssal do finado coronel
Francisco Jaciotbo Pereira, por quinto, alm de
ae acharem aquelles bens embargados pelo Juiz
de orphaoa, tem de se proceder nova parlilha,
como foi determinado pelo tribunal da relaco
por aentencas j paliadas em julgado.
Recife, 13 de junho de 1862.
Manoel Jacintho Pereira.
SEGUNDA EDIC(j\D
DO
THESOURO HOMEOPATHICO
ou
Vade-mecum do homeopatha
pelo cioutor
wsm L ra.
Este livro que se tem tornado to popular,
quaolo necessario, acaba de aer publicado com
todos os melhoramentos, que a experiencia o os
progressos da aciencia tem demonstrado. A no-
va idiccao em tudo superior primeira, en-
cerr :
1." Haia ampias noticias acerca do curativo
daa molestias, com indiceles mui proveitosas
dos medicamentos novos recentemente ezperi-
mentados na Europa, noa Estados-Unidos o no
Brasil.
1." A expsito da doutrina homeopatha.
3.* O esludo da apropriacao dos remedios se-
gundo as predominancias dos temperamentos,
das idades, dos sexos, e segando aa circumstan-
cia afmoiphericas etc., etc.
4.* A preaervacao ou prophilaxia das molestias
hereditarias.
5." A preservado das molestias epidmicas.
6.* Urna estampa illustrada demonttrativa da
conlinuidade do tubo intestinal desde a bocea at
o anua etc., etc.
Vende-se ni pharmacia especial homeopa-
thica, propriedade do author, ra de Santo
Amaro (Hundo Novo) n. 6.
Preco de cada exemplar. 20SOOO
N. B. Oa aenhorea aisignanlea queiram man-
dar receber seus exemplares.
REMEDIO INCOMPARAVEL
UNGENTO HOLLOWAT
Milhares de individuos de todas as nacoai
pdese testemnnhar as virtudes desteremedie
incomparavaleprovaramcaso necessario,que,
pelo uso que delle fuerana tem leucorpoi
membrosinteiramentesaosdepoisdehater em-
pregado intilmente outrostratamenlos. Cada
pessoa poder-se-haconvencar dessascuras ma-
ravilhosai palaleitur* des peridicos, quelh'ai
relatam todos os das ha muitos annos ; e i
maior parte dellas sao to sor prendentes qui
admirim os mdicos mais celebres. Quanu
pessoas recobraran com este soberano remedio
o uso de seus bracos o pernas, depois dedui
permanecido longo tempo nos hospitaes.o tai
deviam soffrer a amputa^o I Dallas ha issu-
cas quehavendodcixadoesses, asylos depade-
timentos, parase nao submeterem aessaope
raerlo dolorosa forast curadas completamente,
mediante o uso desseprecioso remedio. Al-
gumas'das taes pessoa na enfuso de seu reco-
nhecimento declararan estes resultados benfi-
cos diante do lord eorregedor e outros magis-
trados,afina da mais autenticaren} sua afirmativ
Ninguem desasperaria do estado desande si
titessebastante eonfianca para encinar este re-
medio eonstantementeseguindo algum tempo c
tratamento que necesstassa a natureza do mal,
eujo resoltado seria provar i ncontestavelmenta.
Que tudo cura.
O ungento he til, mais particu-
larmente nos seguintescasos.
Genpram-se
garrafas vaiias: na raa Nova n. 16.
Yenda*.
latinas deseliB,
Chegaran no vapor francez ii bellaa botinaa de
lelim brinco pin senhora, o vendem-se em
conta na loja do vapor, ra Nova n. 7.
Algodo da ta tila. i
Proprio para roupa de escravos a saccoa de aa-
sacar : vende-se oa rui da Cruz n. 1, escriptorio
de Antonio Laiz de Oliveira Asevedo & G.
Millis a 10,000 rs.
Na raa da Cadeia o. 45, esquina da Madre do
Dos, vendam-ae borzeguina de Millis muito
boni a IOS o par, mim como am completo sor-
Umeolo de outros calcados para homens, aenbo-
tras e menlnoz, tanto de Paria como de Naotai;
ambem tem conatantemente aortimento de rou-
pia feitas e fazandia.
Vende-se um escravo preto, de idade de
40 annos, que sabe coziohar e fazer o mais ser-
vico de urna caa, e tambem alfaiate, ou per-
do que o motivo da venda se dir so con pradoj :
a tratar na ra da Roda.noaigundo andar do so-
brado o. 17, daa 4 horas em diante.
Agua de colonia ambria-
da esem o ser.
Basa eatimada agua de colunia ambreada, de
2ue tantoa a tanto tempo sen tem a falta, acaba
e chegar em bonitos frteos verdes, os quaesse
eilio vendendo a 1$500 cada um ; aaaim como
chegou igualmente um granbe sortimnio da
verdadeira agua de colonia de Piver em fraacoa
e garranchas de ditTerentes tamanhos, tudo la-
se) na raa do Queimado, loja da aguia bran-
ca n. 16.
Apparelhos de porcellaua d ou -
rada para cha de nonecas.
A loja da agua branca desejsndo que todos
facam a vootade a suas bellas meninas est ven-
dendo commodamente esies bonitos apparelhos
muta-se por'um'otro, porania" eecr'ava' sen- < porcellana dourada, e pintada a 1J1500 e 2J,
lendo cada am 6 casares de cbicarai, e os mais
perlences, a vista do que tolos irao (munidos de
dinheiro) para compra-Ios na rus do Queimado
o. 16.
AO COMMERC10.
Havendo expirado o "praso de i laricio da
sociedade commercial eitabelecida neata praca
aob a firma deAimeida Gomes, Alves & C.os
seas socios biixo .tsiigoados dn commum
accordo reaolveram dlssolve-la, entrindo deade
o Ia do correte mez em liquidacao, que fica a
cargo da exlincta firma, a qaal nao e.it compro-
mettida em reaponaabilidade da qualquer natu-
reza e julga nada dever neata pra<:i, pedtndo
todava a quem quer que ae julgar com direito a
algama reclamaQo neite sentido dn se dirigir
com a maior brevidade poisivel ra da Cruz,
armazem n. 27.
Recife, 14 de junho de 1862.
Antonio de Aimeida Gomes.
Miguel Jos Alves.
Jos NoRueir de Ssuza.
alporcas
Gaimbras
Callos.
aseares.
Cortaduras
Dores de cabera
das costas.
dos menbros. .
Enfermidades da cutis
em geral.
Ditas de anus.
Erupcoes escorbticas.
Fstulas no abdomen.
Frialdade ou falta de
calor as extremida-
des.
Frieiras.
Gingivas escaldadas.
Inchaces.
do figado.

9 O Dr. Carolino Fran-
ea cisco de Lima Santos,
aj madou-se da ra daa
S Cruzea para a do loa- en
SJ perador, sobrado n. aj
0 17, em frente da igre- ej
0 ja de S. Francisco, on- O
ej de continua no exerci- aa
ej ci de sus prossao de A
aa medico. tm
)
Queijos.
s
Havendo expirado o praao de Ourac.o da
sociedade commercial estabelecida nesta prs;a
sob a firma deNogueira de Soaza & C.oa
sena aocios abaixo aaiigoadoa de commum accor-
do reaolveram dissolva-la, entrando desde o 1 do
correte mez em liquidacao, que lio a cargo da
exlincta firma, a qual nao est comprometida
em respooiabilidade de qualquer natureza.
Recife, 14 de junho de 1862.
Jos Nogueira de Soaza.
Miguel Jos. Alves.
Antonio de Almeila Comes.
Antonio de Aimeida Gomes, tem a honra
de participar aoa seas amigos e no corpo de
commercio que, nicamente em seu nome como
oul'ora, continua nos mesmos ramn da negocio
de que aeoecupava a extiocta firma ceAimeida
Gomes, Alves & C-, ds qual fazia paite.
Recife, 14 de juoho de 1862.
Ra da Cruz o. 27.
Vendem-se na ra Direita n. 99, defronte da
loja de miudezai, queijos viodos do norte no ul-
timo vapor a 29200, ditoa a 29, ditos a 19800, di-
toa do serto a SA, em libra a 560, ditoa de qaa-
lha a 440, aletria a 400 rs., macarro e talharim a
320 a libra, caixoes de doce de goiaba a 15500,
louclnho de Lisboa a 320, sag a 320, cevadinba
do reino a 240 a libra, arroz a 140, e dito a 160,
gomma a 120, manteiga iogleza a 800 ra. a 1$,
dita francesa a 720 e 800 re., cha hysson a 2S80O,
33, e 39200, dito do Rio 2$, viohoa de todas as
qualidades a 500, 560, 640, 800 e 19, lainhas
multo grandes viadas da Lagoa a 400 rs., e ou-
tros muitos gneros.
Inflammagao da.bexig
da matris
Lepra.
Males das pernas.
dos peitos.
de olhos.
Mordeduras de reptis.
Picadura de mosquitos.
Palmees.
Queimadelas.
Sarna.
Supurares ptridas.
Tinha, en qualquet
parto que seja.
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
do figado.
das articula$5es;
Veias torcidas ou no-
das as pernas.
Vende-se este ungento no estabelecimento
gerl de Londres n. 244, cStrand, e na loja
de todos os boticarios droguista e outras pes-
soas encarregadas. de sua venda em toda 1
America do sul, Havana a Hespanha.
Vende-se a 800 rs cada bocetinha conten
urna instrucejo em portuguez para explicar o
modo de fazer uso des te ungento.
O deposito geral em casa do Sr. Soum,
harmaceutico, na ra de Cruz n. 22, em
pernambuco.
Vende ae um pequeo sitio as reas do
Giqui, lendo o meimo 72 palmoa de frente e
300 de fundo, com boa caaa de.tiipa, a qual tem
Sallas, 2 qaartos, cozinha fora, eatribaria pira
am eavallo : quem pretender, dirija se ao mea-
mo lagar, a tratar com aua dona junto a taberna
do Sr. Tbom.
Cheguem que se est
acahando.
Milho e farello muito bom, milho a 3g80O e
farallo a 39500: na raa do Imperador na taberna
di esquina defronte da casa do Sr. Claudio.
Altencao.
36 Raa Nova 36.
Acaba de chegar nesle eslabelecimento um
completo lortimeoto de relogioa de ouro o pnti,
aendo descuberto, com ponteiro grande no cen-
tro, e vende-ie por preco muiliisimo barato.
Camisas inglezas.
Vendem-se superiores camisas inglezas com
pregaa largaa pelo baratiisimo preco de 359 a du-
zia : na loja da boa f, na ra do Queimado nu-
mero 22.
Bonitos paliteiros de"porcei-S"0n^
lana dourada.
Agora ninguem deixar maia de ter em aua
mesa um bonito palitelro de porcellana dourada
poia que ellea ae ealo vendendo a 19 e 19500
na loja da agaia branca o. 16.
Grande arma-
zem de ferragens e
miudezas na ra do
Queimado n. 49.
Antonio Francisco.de Souza Magalbes J-
nior, proprietirio deste estabelecimento partici-
pa ao commercio deata pnga e a todos oa seas
devedores, que desde 19 do corrente mez o Sr.
Francisco Jos Correa Marques, deJxou de ser seu
caixeiro.
Banba japoneza e outras mul-
tas novas perfumaras.
A loja da aguia branca acaba de despachar, de
sua encommenda um grande e bello aortimento
de Anas perfmame dos msis afamados fabri-
cantes, sendo as bem coobecidaa e apreciadas
banbas, japoneza, transparente, philocome im-
perial em bonitoa eopinboa com lampa de rcetal,
dita noa copos granees, dita em compoleiraa li-
sas e lapidadas, leos de babosa, philocome e
Lubin, pomadaa oucosmesliques, finos extractos
dos preciosos e escolhidos ebeiros Jackey-CIub,
mil flores, miel de Inglaterra Marechal, Principe
Alberto, GeorgelV, etc. etc. Recommeoda-se a
todas as senhoras de bom gosto o uso de qualquer
desses estimados extractos porque aquella que
em ama sociedade, theatro, ou baile estiver com
seu lino lenco orvalhado de to sublimes aromas
ter por cerlo o prazer de ver as suas visiohas
da direita e esquerda Ihe rendendo homenagem,
pergantarem donna F. onde comprou esse lao
gradavel cheiro ? E ella orgalhoaa de leu bom
gosto, mas com ar prazenteiro lhe reiponder :
na rea do Queimado loja da agua branca nume-
ro 16.
Ricas golinhas e punhos
com boioes
Vendim-se ricas gollinbis e punbos de cam-
Iraia e fastao ricamente bordadas com lindos bo-
ioes, pelo baratiisimo puco de 29 cada guarni-
co : na ra do Queimado n. 22, na loia da
boa f.________________________*
Fazendas baratis-
simas
Superior bramante de linbo com duas varas de
largura a 29400 a vara, atoalbado da linbo ada-
mascado com duas larguras a 29500 a vara, brim
branco de linho muito superior a 15440 a vara,
cores, fazmda multo superior a 19, dito
pardo de linho paro a 800, 19 e 19200 a vara, di-
to de quadrinhoa mullo proprio para caigas, ja-
3netas e paletotspara meninos a 200 rs. o cova-
o, gangas francezis muito superiores a 400 ra. o
covado, cambraiss francezas muito finas e de
muito bonitos padrees a 260 e 280 o covado,
cambraia lisa muito fina a 4J, 5 e 69 a pega com
8 1|2 varaa cada pegas a 49500, dita muito supe-
rior o melhor qae ha neste genero a 118500 a pe-
ga com 17 varas, ou a 800 ra. a vare, chitas fran-
cezas de muilo boas qualidades e de lindos pa-
drees a 240, 280, 300 e 320 o covido, Dl de li-
nho liso muito fino a 720 a vara, larlatans bran-
ca e de corea a 760 a vira, toalbSs de linbo para
mos a 79 a dazia, ditas pelladas muito superio-
res a 119a dazia, golinhas de cambraia borda-
das a 800 rs., manguitos e Rollas de cambraia ri-
camente bordadas a 29 o par de manguitos com
urna golla, lencos brincos muilo finos com bico,
renda e labyrintho a 1(280 cada am, ditoa de
cambraia de linho para algibeira pelo bsralisslmo
prego de 4, 5 e 69 a duzia, e assim um completo
sortimento de fazendas de todas aa qualidades,
que aendo a dinheiro visla se venderao por pro-
cos mui baixo* : oa bem conhecida loja da boa
f, na ra do Queimado n. 22.
Umacarroca.
Vende-se umacarroga em muita- bom eatado,
com oa compeientes arreios novos para um ea-
vallo : a tratar na ra do Trapiche o. 14, primei-
ro andar.
:
i I
O bacharel Wiirutio po-
de aer procurado na ra
Nova n. 23,sobrado da es
quina que volta para a
camboa d Carmo.
s&

I
A pessoa que no mez oe m no oa abril
offereceu um santuario com imagen, por troca
de um praoxes de boas madeiras, aaoancie a
sua morada para ser procurado por ama pessoa
do mito que deseja fazer este negoo, oa diri-
gir-se a ra da Peona sobrado da esquina do Sr
coronel Joaquim Bernardo de Figuciredo no 1*
andar que achara com quem tratar.
Agencia Fluminense
CASA DE
CnHHISSOES E CONSIGNARES
Machinas americanas.
Em casa de N. O. Bieber & C, auccessores,
ra da Cruz n. 4, vendem-se :
Machinas para regar bortas e capim.
Ditas para descarogar milho.
Ditas para corlar capim. *
Selina com perlences a 109 e 209.
Obras de metal principe prateadas.
Alcatrao da Suecia.
Verniz de alcatrao para navios.
Salsa parrilhade primeira qualidade do Par.
Vinho Xerez de 1836 em cairas de 1 dazia.
Cognac em caixaa del duzia.
Aradoa e grades.
Brilhantes.
Carrogas pequeas.
Andr Bolero
para o Ceari.
subdito italiano, retira-ae
Julio Joi de Araujo aabdit > portuguez
segu no paquete francez pasa a Europs.
Custodio Antonio Soares, test imooteiro do
finado Ponciano Lourengo da Silva, pelo presente
roga aospaea dos aniados e afllhadie domesmo
finado que se apresentem competentemente habi-
litados para receber a quantia de ri: 509OOO cada
um que o mesmo finado em aeu le.amento del-
xoa, isto no praso de 15 das, na roa larga do
Rosario n. 46
Jos Antonio Alves relira-se pira Portu-
Sal, levando em sua compaohia sua mohada,
laria Therez Bnboza.__________
SilvinoGuiinerme de Barroi compra eicra-
?oa de amboa oa aexos : na ra do Imperador n.
79, primeiro andar.____________ ____
Salvador Rodrigues da Silva vii ao Rio de
Janeiro.
Na ra da Palma da freguezia de S. Jos,
n. 59 ae dir quem d a premio 4O0J.OOO com hy-
potbeca em caaa terrea.
Arthur Marte C.
RIO DE JANEIRO,
ihia da Alfandega numero 62.
Reci-bem em consignago loda e qualquer mer-
cadoria, podendo o commitente sacar a melado
da importancia de sais facturas a 60 das de
viita.
Encirregam-ae de repreaentar quatquer casa
commercial como agentes, assim como de ven-
der e alugar escravos pagando os alvgaais adan -
lados sem perda de diaa, comprar e vender casas,
chaciras e qualquer eitabelecimentos commer-
cial, fabril ou agrcola, cobranga de dividas e
herangas tomando a seu cargo o remetter em
qualquer lugar qae se lhes designar as quantias
cobradas.
Tirana diplomas, csrtas imperiaes e toda e
qualquer certidao.dao mesadas, pagim pensdes
de colligio e comprsm bllhetes de lotera.
Os proprietarios deale estabelecimento garan-
ten) a todas as pessoas qae se dignaren) honra-
loa com suas ordeos, qae empregario toda activi-
dadeneceaaaria, aflm de obter no maii breve
tempo possivel os interesaes de seus commilten-
tes, e que encontraro em todos leus setos, leal-
dade e pontualldade, que convem a todo o com-
merciante qae presa sua repulsgo e que deaeja
augmenta-la.
Todaa aa pessoas qae quizerem honrar os an-
nuociantes com alguma ordem, podem a ellea ae
dirigir directamente cem toda conflaoga.
CALCADO
45 Ra Direita-45
A epidemia declina sensivelmente, e o sea
completo desapparecimento est prximo I O
proprielaro deste bem sortido estabelecimento
convida os seus numerosos freguezes a substituir
o gilgido velho, que todo est cholerico, por no-
vo, e qne poaaa resistir s mil sebolis e mazzur-
cia qae vio ser dansadaa em louvor do reatabe-
lecimento da saude publica. Os pregoa con-
vidan! :
HOMENS.
Botinas afamadas Milis. : .
d non-plus-ultra Nantes.........
Nantes 2 bateras..............
a luatre....................
> inglezes de boioes..............
> baledores.......................
n couro da porco.......
bezerro e lustre...............
inglezes ps selvagens.........
o taxiados braiileiroa............
Sipaldes non-plus-oltra................
3 bateriaa e meia..............
Ra estreita do Rosario n. 22,
primeiro andar.
O denliata ama Pompilio plaa denles arti-
ficiaos por grampos e ligaduras a a presino do
ar, denles iocorruptiveis obraUiro, aystema
norte-americano e fax todas as #eiacijes de sos
>rta e com promptldio e limpeza
Feitor.
Prectoa-ee da as feitor casado
ondego n. 105.
na na do
Fnniieiro e vidraceiro.
Grande e nova officina.
Tres portas.
31Ra Direita31r
Neata rico e bem montado eatabelecimento en-
contraro oa fregueses o maia perfeito, bem aca-
bado e barato oo aeu genero.
URNAS de todaa as qualidades.
SANTUARIOS que rivaliaam com o Jacaranda.
BANHEIROS de todos oa tamanhoi.
SEMICUP1AS dem dem.
BALDES dem dem*
BACAS idem dem.
BAHUS dem idem.
FOLHA em caixaa de todaa as grossuras.
PRAXOS imitando em pareigao a boa porcel-
lana
CHALEIRAS de todaa as qaalidadea.
PANELLAS idem idem.
COCOS, CANOIEIROS e (landres para qaal-
qaer sortimento.
VIDROS em calas a retalho d lodoa os ta-
mandando-semaohoa, botar dentro dacidada,
am toda a parte.
. Recebem-se encommendas de qualquer nata-
reza, eoncartos, qne tido aeri desempenhado a
contento.
>
>
>


12|000
139000
119000
109000
109000
99500
99000
99000
79500
51500
79000
69500
esmaga cobra.................. 59500
69000
59500
59000
29000
59000
29000
19280
59500
59000
41000
29500
39OOO
19930
800
500
800
Nantes 2 bateras vaqueta.....
a 2 bateriaa bezerro......
> trabalhadores..........
brasileiros de 33500 a..........
Sapatoi-2 idas e sallo..................
tranga portagaezes........ ...
o francezes......
SENHORAS.
Botinas dengozas.........
a salto de bater.......
m pechincha de 49500 a. .
a americanaa 3|500 a .
Sapatoa de salto (Jolv) j .
sem elle [idem)......
> pete.
> econmicos. ;......
a lastre 32 e 33.......
MENINOS E
Ha de lado em relago e
dinheiro.
Um completo aortimento de couro de porco,
i cordavo, bezerro francs, couro de luatre, mar-
roquim, aola, coarinhoa etc., que todo se troca
por dinheiro vootade do comprador.
MENINAS.
nao ae daixa
sabir
Escravos venda.
Vende-se ama mulatinho de 16 annos, de bo-
nita figura, e am escravo preto de 14 annos: na
ra do Queimado n. 46, loja de Gea & Basto.
Becco Largo n. 39
Vende-se manteiga ingleza a
melhor do mercado pelos
precos seguintes:
Manteiga ingleza a 900 rs.
Dita dita aflora 10200 rs.
Qujp do serto a 560 rs. a libra.
Cafqem grao a 320 rs. a libra.
Tudo na taberna da esquina do Bec-
co Largo voltando para a Senzala Nova
n. 39.
SlllKr ttlfSif Stt MHMMI GMOMNIIb!
lAcabadeche-f
gar ao novo
armazem
DS
Bastos k Reg\
Na roa Nova jante a Conceico
dos Militares n. 47.
Um grande e variado aortimento de
roupas feitas, calcadoa e'fazendaa e todoa
eitea ae vendem por prego muito modi-
ficados como de sea cosame, assim co-
mo sejam sobrecaaacoa de superiores pan-
nos o casacoi feitoi peloa ultimo! figuri-
nos a 269,289, 309 e a 359, paletots dos
mesmos pannos preto a 16g, 18f, 209
a 249, ditoa de caaemira de cor mesclsdo
e de novoa padroes a 149,169, 189, 209
e a 249, ditos de caiemira de cor mes-
ciado e de novoa padroes al4f,16|, 189,
209 e 2t|, ditos saceos das mesmaa ca-
semirss de cores a 99, 109, 129 o a 14g,
ditos pretos pelo diminuto preco de 89,
109 e 129, ditos de sarja de seda a so-
brecasicados a 12f, ditos de merino de
cordo a 129, ditos de merino chinez de
apurado gosto a 159, ditos de alpaca'
preta a 7J, 89, 99 e lOf, ditos saceos
pretos a 49, ditos de palha da seda fa-
zenda muito auperior a 44500, ditoa de
brim pardo e de fuslo a 39500, 49 e a
495OO, ditos de fuslao branco a 49, gran-
de quantidade de caigas de casemirs pre-
ta e de corea a 79, 89,9f e a lOf, ditas
pardas a 39 e a 49, ditas de brim de co-
rea finas a 2}500, 39. 39500 e a 4{, ditas
de brim brancos Qnaa a 4$50O. 59, 5|500
e a 69, ditaa de brim lona a 59 e a 69, <
colletes de gorguro preto e de corea a j
59 e a 69, ditoa de caaemira de cor e pre- 1
toa a 49500 e a 5$. ditoa de fuato branco
e de brim 3j e a 35500, ditoa de brim
lona a 49, ditos de merino psra lato a 49
e a 49500, calcaa de merino para luto a
49500 e a 59, capaa de borracha a 99000.
Para meninos de tolos os tamanhoa : cal-
en de casemira preta e de cor a 59,69 e
7$, ditas ditaa de brim a 2g, 3f e a 39500,
pa I etota aaccos de casemira preta a 69 e
a 79 ditos de cor a 69 e a 79, di-
tos de alpaca a 39, aobrecaaacos de pan-
no preto a 129 e a 149, ditoa de alpaca
preta a 59, bonete para menino de todaa
as qualidades, camisas para meninos de
todos os tamioboa, meioa ricos vestidos
de cambraia feitoa para meninas de 5 a
8 annos com cinco babados lisos a 8| e
a 129, ditos de gorguro de cor e de laa
a 59 e a 69, ditos de brim a 39, ditos de
cambraia ricamente borbadoa psra bapti-
sados e muitaaoatraa fazendas o roupas
feitas que deixam de aer mencionada!
pela aaa grande qaantldade ; a'aaim como
resebe-sa toda e qualquer encommenda
de roupas para ae mandar manufacturar
e que para eate fim temoa am completo
sortimanto defaseodas de goato o ama
grande oficina de alfaiate dirigida por um
hbil meitra que pela aua promptidio a
perfeico oada deixa a desejar.
Papel amisade branco e de
cores.
Vende-se pacotes com 100 folhaa de papel ami-
sade branco e de cores a 800 e 640 cada pacote :
na ra do Queimado loja da aguia branca nu-
mero 16.
Alinelo! attenca!
A.os pais de familia, bom e ba-
rato.
Na loja n. 20 da ra da Imperatriz acha-se a
venda um completo e variado aortimento de bou
fazendaa, e qae villa de suas qualidades sao ba-
ratissimsmente vendidas, e para maia veracidide
do que fica dito, abaixo vao mencionadas algumas
dss ditas fazendas, a saber :
Chitas largaa cor fixa a 240 rs.
Madapoln fino com 24 jardas a 5$.
Cambriles de corea a 280.320 e 400 rs. o co-
vado.
Velludo preto e decores a 25.
Lindeza de corea a 160 rs. o covado.
Lencos pequeo a 80, 120 e 160 rs.
Chapeos da caator fino a 89.
Chitas pretas multo largaa e finas a 240 rs.
Algodo trancado preto muito bom para vesti-
dos ds eacravos a 200 n.
Cambraia lisa com 10 j ardas a 29.
Cassa de aalpicos com 10 ditas s 39.
Cambraia bordada para corlinadoa com 8 va-
ras a 2/.
Camisas e ceroulas
Vendem-se superiores ceroulas de linho muito
finas pelo barato prego de 269 a dazia, dilaa tran-
;adaa de algodo, mas de muito boa qualidade, a
179 a duzia, camisas brancas francezas a 239,249,
26 e 309 a duzia, ditaa para meninos a 228 a du-
zia, ditas para homsm com aberturaa de cores a
229 a duzia : na bem conhecida loja da boa f
na ra do Queimado n. 22.
Tiras ou entremeios bor-
dados
Vendem-se liras ou entremeios bordados de
lindo gostos, pelos biratiasimos precos de 1$500
e 19600; 16 no galo vigiliute, ra do Crespo nu-
mero 7.
Manguitos com golinhas.
Vende-se manguitos com golinhas, fazenda
muito boa, pelo barato prego de 2J00O, golinhas
e punhos ultimo gosto a 2$000, golinhas muito
finai e bem bordadas a lgOOO carta ama na ra
do Queimado loja de miudezas da Boa fama,
n. 35.___________________________________
Tiras e entremeios bordados.
Vende-se pegas de tiras bordadas de 2,500,
3,000, 3,500 e 4,000 entremeios a 1600 e 29OCO
cada pega na ra do Quejmado loja de miudezas
da Boa fama. n. 35.
Bonecas francezas.
Vende-se bonecas francezis ricamente vestidas
49000 e 5J00O, e 2g000 bonecas de cera com os
olhoa movedgos a 28000 e 3&000, na ra do Quei-
mado loja de miudezas da Boa fama, ti. 35.
Fivelas de ac para sintos.
Vende-se tirelas de ago pan sinlo a t$500 te. e
29OOO na ra do Queimado loja de miudezas
da Roa fama. o. 35.
Baleias.
Vende-se baleias 120 rs. cada urna aspa de ago
para balao a 160 rs. a vara, bsndes a 19500 rs. e
29OO o par, na ra do Queimado loja de miudezas
da Boa fama, n. 35.
Borne barato
Para a festa de
Santo Antonio e S. Joao.
Manteiga ingleza boa a 800, 960, e 19120 flor",
em barril taremos abatimento, dita franceza a
720. dita para tempero a 400 rs., farioba do Rio
muito boa a 130 a libra, amendoaa a 240, nozes
a 160, traquea a 280 a carta, vinho Figueira a
600 rs. a garrafa, dito Lisboa a 500 e 400 rs., em
cicada taremos sbslimento, velaa aterlloas a 740
a libra, azeitonaa muito novas a 19500 cada ama
ancorela, a 310 a garrafa. Alem disto tem um
competente sortimento tendentes molhados, que
lado se vender por menos do que em outra
qualquer parle : no estabelecimento ds ra es-
treita do Rossrio, esquinada raa daa Larangeiras
numero 18.
Potassa da tala
Vende-se em casa de N. O Bieber &
C, successores, ra da Cruz n. 4*
Cascarilbas de seda.
Vende-so cascarrilhas de seda para enfeilar
vestidos s 29000 a pega na ra do Queimado
loja de miudezas, n. 35*.
Meias de borracha.
Vende-ae meias de borracha para quem padece
de erysipela a 159000 o par, meias de seda preta
para senhors a 1(000 o par na ra do Queimado
loja de miudezas da Boa fama, n. 35.
Palmatorias devidro lapi
dado.
Vende-sa palmaloriis de vidro a I96OO rs., dilas
com mangas proprias para rapazes a 49500 rs.,
cada urna, escarradeirai de vidro a 49500 rs.
e 59000 o par, na ra do Queimado loja de
miudeza da Boa fama, n. 35.
Attenco
Chegou para aJoja da victoria, candieiros a
gas de novos goslns e modelos, tanto para sala,
como paraeacada e quartoa e para outras muitss
coasas: na loja da victoria na ra do Queimado
n.75.__________________________________
Vende se a lojinna de roupas (ettaa, arma-
gao e poucoa fundoa da ra do Trapiche o. 26,
vende-ae porque o dono tem neceisidade de ir
pira o mato tratar da aua saude : quem quizer,
sppariga na mesma.

Compras.
285 d
linaria
-se o nano de Pernambaco n.
bro do anea prximo passado : na
n. 6 o 8 da prsga da Independencia,
Pao de senteio.
Chegou a ora firioha da senteio e leontinas
haver po da meama farioha naa quartaa a sab-
bados. em Saoto Amaro nadara acaia, na
Boa-Vists ra dalmperatris n. 22 e no Recife)
em Fora da Portea praga do Chafara 0. 47.
Vende se cirne do serto a 10j a arroba e
em libra a 360 rs., vinho da Figueira e do Porto
a 392OO a caoada e em garrafa a 400 rs. : na ra
da Senzala Velba taberna n. 102, esquina do
becco Largo do Recife.
Perfumaras muito linas e
baratas.
Opiata iogleza a 19500 rs, dila franceza a 5C0
rs., 640, I9OOO, oleo da sociedade bygieniqae
verdadeiro 1I9COO o frasco, oleo babosa de Piver
verdadeiro a 800 rs. o frasco, agua balsmica
para oa denlea a le000, dita de Botot tambem
para os denles a tgOOO o frasco, pomada france-
za em paos s 500 rs. e I90OO, 320 rs. sabonetes
muito fino a 640 rs., 800 rs. e 19000 cada um na
ra do Queimado loja de miudezas da Roa fama,
n. 35.
A 200rs,,sopavo.
Vende-ae chita franceza escura de cor fixa a
dous tuitois o covado : na ra da Imperatriz n.
60. loja e armazem do pavao.
A 2$5U0,so pavo.
Vendem-ae cortes do cambraia brsnea com 2 e
3 babados a 29500, ditoa de tsrlatana brancoa e
de cores, com bsrrss e babados a 39: na ra
da Imperatriz n. 60, loja e armazem do pavao de
Gama & Silva.
Eslava*
Vende-se ama eacrava sadia, aem vicios, e
muito trabalhadeira : na rea da Cruz n. 38, aa
gando andar. "
Madeiras.
e enxa-
Continua a vender-se travs
mes em pequeas e grandes por cues,
por preco commodo : a tratar na ra
da Praia n. 53.
A 500 rs., s o pavo.
Vendem-se aa mais modernas a finissimas la-
zinhas de quadrinhos e de flores solas e palmi-
nbas, desembarcadas do ultimo navio viado do
Havre,pelo baralissimo prego de quinhentoa ris
o covado, e dao-ae as amostras com penhor : na
raa da Imperatriz n. 60, loja e armazem de Gi-
ma & Silva.______________________________
Cabaias hespanholas, na
loja do pavo, a 400 rs.
Vende-se esta nova fazend de padroes delica-
dissimos com 4 1.2 palmos de largura, propria
para' vellidos de senhora a 400 rs. o covado: na
ra da Imperatrix n. 60, loja e armazem do pa-
ro de Gama & Silva.____________________
As afamadas agulhas impe-
riaes com fuudos dourados,
e dedaes de marfim,
Acabam de chegar para a loja d'aguia branca,
ra do Queimado o. 16.
Vende-se urna taberna em Api-
pucos com pequeos fundos, boa Ioc-
lidade e commodos para familia : a tra-
tar na ra da Praia n. 53.
':*
Cabriolet.
Vende-se ama morada de caa terrea aa
raa do Dique, chioi proprios ; quem a quiser
compnr, procure aa rna Augusta, casa terrea n.
56, que ae dir quem vende, e ajustar, podendo
procurar das 0 u 9 do dia em diante.
Vende se um cabriolet de duas rodas e deeep-
bsrlo, em muito bom estado, e pintado de novo,
eom arreioa para ubi eavallo : para ver, na iffl-
cina da Mr. Croajean, ni ra da Florentina, e
para tratar, na ra do Trapiche n. 14, primeiro
TJm terreno.
Vende-se por prego commodo um .terreno na
raa do Hospicio, proprio aari se edifica* ama ca-
si, haveaio terreno surDeieaie para- aa* com
am quintal sspacoao : a tratar na raa do Trapi-
enejn. 14, primeiro andar.

I
eJ*
______

________i_t




/
I
Ricas Blas
c lapeos,
A loj d'gui brMK acaba J< naeber em ex-
traordinario sortimento de re* i Illa, tio boaa
era quadade quao booitaa non leaohos, lando
entra Uta o rasla largo qaa i pcssivel; aaslro
como algamaa peca brancas com o centro lito
Pfoprio para iosenpees, e muitt, giras de di[-
tarenlu caree easn de caf, r&x, eaeerr, etc.,
etc., cavo de aea louvavel (ostume : a loja
d'aguie branca, na rea do Queimado n. 16, van-
d> por prego commodo cuas bou e boaitaa fltaa
Grvalas de seti m com
ponta lirga a 1|
Vandem-aa gravita! preta eom ponlaa larga a t cada ama. tio barataa
aasira ad a ach na rea do Qaaimado, loja d*-
guia branca n.16.
Suva attencao.
0 vigilante acaba de raeebar noo aortimento
de diverso* objecto* que ae veo en por menos
20 por cento do que em otra qualquer pacte.
Sintos para sen lluras.
R.iqsi*slmos aintoa dourado, r,elo bsrstissimo
preco df 89. e com lrel ao lado a 49, aasim co-
mo de fita de aede ou vallado a .1$ .: ao no gallo
vigilan!, rn dn Crpspo n. 7.
Enfeites.
Vendem-se os riqusimos eofeitaa de canaca
com franja e vidrilbo a 5j>. dito* sam franja a 3a
ditos trancados a 2*500. dito* c e U go de fita e
bico de aeda a 29: a oo galla vigilante, roa do
Crespo n. 7.
Pivaias para si ato.
Riquiasiross flela*de ac com raac raperoU no
cintro a 19200. ditaa de mad rape rola a 310, ditaa
douradiobaa > 340 : so no gallo vigilante, rea do
Crespo n.7
Vidrilho.
Lindos vidrilhoa preloa e de coi as, pelo bara-
tisaimo preco de I96OO a libra : a no gallo vigi-
lante, rus doCrAgpo n. 7.
Para uutreter o ttunpo.
Os lindoa jogos de dminos a 19IO0, liadas cai -
nnbas com jogos de vispora a 901) 1 s.: s no gal-
lo vigilara, ru. do Crespo n. 7.
Loj* de miudeaasyru aVQuei -
mado n. 33 A, de Gaimarea
* Rocha. )
Cbegaram e* bote* de cornalina branca* e es-
camado, qaa-- vnde- per 3*-* dacta, oa-por fl m
o par pava penhoa, a ha nesta loja, erase Sm
cornalina pare rosarios, e proprias para ncaatoar
em ouro a 19, flautas de bano de 5 chaves com
caixak pelo br*%o preco de 20$, pos de arroa aro-
03amado a 19500. em fraacoa mullo lindoa a 39,
agBlhaevietoria cfaegoa novo aortimento, o preco
e mesmo de 120, earteirae pare eacrever, pro-
paiaa pan viagem, com tintelro ate, a 12 a 16|,
entremeto* bordados, e trasparentes a lite*.
1800, 8f, 29500 e 3, tirii bordedaa para oleas
de meninas o airas a \$ a 49, labyrintho ioglez a
80, 1O0.180,160, 200 e 240 r* a ver, fita Qoas
de grosdeosple achamelotado propriaa para cin-
to tf50d~ vara, coibera* de metal principe
para cha sopa, a 59 e-S$500 dada, laceada
cabo de bataneo a 6 e 79000, cabo de viado por
49500. meiaa para hornera a I98OO. 2*200; 39*00,
59 e69 a dexia, mete da *4* para criaaca ree-
cam-oaatid, lindas coreas 89 apar, meiaa de
algodao para menino e meninaa a 240o par, flo-
ra arUBdae par enfeites a lf, capeliaa para
9 por 5J, de flor te
06SESSIV0
DE
noiva. ao a Biperanca vende
laraogeira, fltaa de velludo largare estreitinha
asmo satprocaraa t9 a pee ira estrella, tesoaraa
para nnha* de ao flnaaal9500jCrvaa etss para
costare a 6tJ0, 806,19880' e 19400", ponto das de-
eco para corlar fio no com eco do labyrintho, *
tam a Esperance, qae vende por lg, tinta azul a
preta (verdadeira ingiera] a 380 e 640, qae se
rende barata por ser recebiti directamente do
(brcente, peonas de aro ingieras o de molla
quatidadBe a preco differente, papel almago in-
gles, reama de 500 folhas a 9 (paetado), dito al-
maco ftsneez, resma de 420 folhas a 49 (pautado).
dito sem ser pewtade a 39800 e 49. dito paqueo o
tarjado de preto a 19500, dourado _
cores a 19600, bordado como renda, e pintado
de
A bauha fina,
em copos grandes, chegoq para a loa] d,gela
branca; rea do Queimado n 16.
das seis portas em-tienta do
Livramento. 15,20,30 e 40
arcos.
Granle sortimento de saiaa a bal&o de arco,
os melhores que aqui tem apparec do no marca-
do a 49500. 59. 6g e 69500 cada uto. d ae para
amostra com peahor ; loja est iberia at as 9
horas da ooile.
Superior cal de Lisboa.
Tem para vendar m porco e a retalho Anto-
nio Luis de Oliveira Azevedo & C-, no sen ea-
eriotnrio ru di Cruz n 1.
Guiruares ** 3d Q"e'msd0 n- ^f "a fama, partUipsrr,
80jjjpi yje o sen estabelecimenio se acha
e'"-l>r*srfieDte Drov'do lias molhors marcadorii
i^ri*H-8o raeatno estabeleaimer lo, e muito*
outraB^ofcjectos 4e gosto, sendo qutsi lodos rece-
bdos/ eilggjnteiramenta resolvidos a cao venderem
fiado, aancam vender mais barato de qae outro
qaalquer ; e juntamente pedem aos ae ja devedo-
res qae Ibes maodem ou veoham \ agar os seas
debiloe, son pena de aerero ieaticad s*.
Soaba Mellors & C, lando reiwbidt or-
dem para vender o sea crescido deposito derslo-
gios v|*to o fabiicAte ter-se retirado do nego-
cio ; convida, portanto, s pe*oa qao qaizeram
possuir um bom relogo de oaro ou preta do c-
lebre fabricante Kornby, a aproveiUr-aa da op-
portunidade sem perda de tempo, :ara vir com-
pra-loa pac cemmodo praae- ao sea-
roa do Trapichen. 88.
eom palmaa, roses, etc., por preeoa razosves, a
ana infioidadaa da artigo barato, eacolhldoa
com goato e acert para ao doateatteo.eapaaiali-
dadei vindasde eucommenda, nao vistas neste
mercado, qae recebe asta casa constantemente.
Kelogios
Vnde-se em casa da Johosion Patar & C-,
. 4 do Vigsrio n. 3, um bailo sortimento de
i elogios da ouro, patente inglez, de um dos mais
sismados fabricantes da Liverpool; tambera
ama variedad da bonitos trancallins para os
mesmos.
DARTE l G.
36 Roa das Cruzes de S. Antonio 36
I AUCO DO CAR910 9.
w,,- W& M Propietarios ddstesaeridJtsiPi armaaens partcipamos aos nossos nararosos lU^,^ tar"todT ^-'^^
^^a^ncrtaeW^^p^^,,,^^^^ r^cebamoi de nVssa propria eneommenda os ""^e Uv?dT Usot ^ f^ suas enommend a este mui
malhores gajteros.teadDte amolbados, .por so podemos vendar por meaos 10 por cento do *."* "Mwn adiffenaea de preco qaalidaa que faz, sef,
que ou.ro qualquer, como a experiencia o mostrar pVisso pedimos a todos os Srs. da nrl a 1 lual Loja das 6 por-
tas em frente do Livra -
ment
aloe de 15, 20. 30 e 40 arcos
' Grande sortimento de baldes de arcos
os melhores nest lateada e grandes,
chitas francezas largas eicurai a 880 e
240 rs. o aovado, ditaa estrellas miadi-
nhas a 160 ra. o covado, cambra! lisa I
o oars forro com 8 1[8 vara* a 29 a peca, 2
g dita fioas a-3, 4, 5-e 6J nraito Arras-, I
ditas de salpiqainho com 8 liS varas a m
M 39500 a peca, ootrertas alcoioadae bran- tt
9 cas e de cores para cama a 49500 e 5f,
I casis de cores francezas tinta seguras I
I a 320 rs. o covado, peca de bretanba- de
if rolo a 25, algodao trancado alvo maito
largo para toalhas a 19 a vara, enfeites a
Garibaldi todos pretos a 59 esda um, len-
gos brancos com barra de cores a 120 ca-
da um, roapafita da todaa as qealida-
a dea mnito baratas, a loja eati abarte at
as 9 hora da noit.
Libras sterlinas.
Vendem-se em casa de Wilg & Just, praea do
Corpo Santo n. 13.
Mobilia.
Na ra da Gamboa do Carmo loja n.
12, vende-te toda a quadade de mobi-
lia tanto ao gosto moderno como, anti-
ga, plianthasia etc. por preco mais
commodo do que em outra qualquer
parte, faz-se toda a quadade de obra
de encommenda com a maior brevida-
de e o maior apuro da arte.
Ra a Senzalia Wovii jo. 42.
Venda-se em casa d* S. P. Joihsiwn & C,
scilins e silhes inglazos, candietr:s e eastioaes
bronzeados, lonas ioglezas, fio de vela, chicotes
pa-a carros e montara, arreios pira careos de
um a dous eavak, relogies de- oaro pattirt
ingles.
Queijos
os mais frescos que tem ?indo ao nouo
mercasdochegadoa no urtiasjo ?p*jr a
2^1000 e no passado a l,jf800.
AtBenoas
cneiudas av mais bonitas tiue ha po
mercado a 800 ei$ a libra : vndese
nos armaten Progressista e Progreasi-
?orwlargodoGaimo n. 9 B ,;U1 u
Cruzes n. 36.
liquidaco por todo
o pre^o, na bem co-
| nhecida loja do Ser-
tanejo.
Stua ik Oueimado o. 4o.
Apparecam com di-
nheiro que na dtixaro
> de comprar.
Chita otear** flaee-a-160, 180- a- 800
rs., cortes de vestido pratos bordados i
sellado de casto de 1509 e se vender
por 309, 409, 509 e 709. sabidas de baile
. de velludo e aetim a 129 e 139, camisa
para senhora a 2^000 e 39500, golliebas
de amtraia bordada a 500, 600, 700,
809, 900. al, ditas de 016* bord.de 120
rs., casavequea de fastio a 59, 6i,7f, 89,
meias de aeda brancas a preta para se -
nbora a I98OO o par, tiras de babados
500 700 rs., lia de qaadro enfeatadaa a
300 e 360 ra. o covado, cambraia preta a
400 a 440 ra. a rara, organdfl de corea a
600 rl. a rara, fli branco adamascado
para cortinados eveattdoa a 400 e 500
ra> a vera, cortea d collete de caaemir
bordados pratos a 29 e 3&000,. dito, de.'
velludo de tr e preto a 3, 49, 5 e 69,
paletot de brim branco francazee a
395OO e 49500, ditos de caaemir de co-
res e ateto* a 149 o I69, ditos de alpaca
preta e de eores a 39.35500, 49 e 49500,
camisas da peito da Hnbo a 9500, cotia
da collete de orgurao a 19500, 19700,
29800, 38 a 3J500. collete* feitos de brisa,
branca a 89500, ditos feitos da gorguto
a 89500 e 39500, dito* feitoade casemira
a 3|500, 4fa.44j50O, dita da velludo
59. 69 e 79, ditos de fusto da corea a
18500, um variado sortimento de meias
para homaA e senhora, grioaldaa com
florea, chai de froco, espartilbos, a te-
da a qaalidade de roupas faite para ho-
mem que titdo se rende por afetada da
seu v*tor.
Um grande negoe io de
vantageiD..
Qaem aajser possair am rico aat-balaciaierUa
de cocbalra cem tre carro novo < 1 es ea!,.
acldlndo tambera na venda, par ordam do daa*
ama taaca toaxiaaqaa di AUtSmm* <* eW 1M*
te : pode ir ver n ra d aspara) o.
M*1
. Libras sterlina.
*ea*aaa-e em casada Wlid & lai.
vorpo Santo a. 13.
prS da
Caetas caligraphicaa
a 500 rs ?
Rocentemente inventadas pelo profassor Saal-
ly, aaqaaes com a extraordinaria ventajen de
obrigar e acosiamar para samen o diactpuia
pegar na peona de modo adequtdo, sendo gaar-
oacidas ea canela de peqaen ehapsa cnca-
va oas tafear** a*e se deeem ceuaear oa tea
dedos, facultando * rnaaeira Brao.alqeer prssoa en
^K ^^rr urna
q asrvam taoU par* adaltoa como peta
aaaaHioa. 4: asida, n Ob* d*Qaad Ga-
pouco
inda
_ jatxa. Hela-aa
adaltoa cosso
calves, ra 4a Cadaia a. 7 : GuUbarasa 8a*Uj,
pra/esior dtcaerap au, Bk te fmk;
Silo M """V exPerienc, "">< I' io Pedimos a todos os Srs. da praca o do
te nadaqnarfi; S 5S?! U*Mho de mandaremexpaximenUr, 0. aror dao fajeram"certos
nm!^2S^ Pto Pa "" nl Pouparemos. forSas para bem servil-asa anda mais a pessou
teSrrTrTfl a V d' e^!r9Mr Ms compradora que s na roa das Cruzes n. 36 alargo
tes mZo?thnlt?pe am- '^'l '!'?. P0 muitoseoviltem com outras casas Vm
dos mesmos ttulos (Progresnsta e Progressivo) pois sio as duas nicas filiaes.
*iaHt.eira inffleya
m^^^^.^ 'e>,c*' mmmmmmm superior do mercado a 900 rs. a libra.
eoo?* frawicea # que M pde de9ejar, m rs# a Ubra e em barriI t
Cl P o mais especial quase pote encontrar a 2*880 a libra.
Oha hySSOII 0 aelhor que se poda desojar d* 80400 a 29800 a libra.
Una pretO 0 que se poda desojar nesta genero a 2 a libra a a t600 o ordinario.
0ueij.Ofl-4IUeilgO8 cneg,dos notl!Umo vapor 2, ^
^aeijO pratO o melho do mareado a 600 rs. a libra a sendo intairo a 500 rs.
<|aei/S OO Serta.0 maiu, superior a 640rs. a libra tamban tamos para 500 rs.
Passaa em ciuOiriiM. de 8 I ibras moo, m r, Hbrt>
Figos em calxin^s da 8 ubr... toeoo a aoo r...ubr..
Amendoa* d Casca mole 320 rs. ora, a raO rs. a libra muito no,M
Ameutas iton&x\B.^]anmhm com6HbrM 4f0d0L
MarmaHada superior, melhordo m9rcado am UtM de du>8Hbras 4Q0
Hora.
Doce da 2aSCa d* gOiaha gOOrs. o cmab,
J. atUaraS- em-caixinbaspropiias panrmimo a 20500 a 800 rs. a libra.
Lata cora frutas em cu Ida..* *,^ mim,
alparxe a 600 rs. '
Ainedoa ConftadaS com diversas cores 800 r*.
S SenerOSOS engarrafados das seguimos qualidades, duque do Porto, Porto
s SIL. sacco' ""00 lector, Carcavellos, Feitoria, a Madeira secoa a
12 e IWH duna a a UJOO a-^arraf a muscaiel 780 rs. a garrafa.
8 ZtSfftfSSSn^^ 4*' c*Md'a 500' 460 n,fc* garr,fv
SSOtM* jaS d.a melhores manee a- 50o rs. a garrafa e 5000 a duzia. chanpanhe daa
marras mais acreditadas da 149 a 209 o gigo, eognhac o melhor qua se pode deseiar
a 900 rs. a garrafa. J
ixeneura da Terdadiira hoUaoda em garrafdes de 16 garrafas a 60000 cada um.
tieneDra italiana a mais sublime qua tam vindo ao nosso mercado em frascos grandes
20000 cada um.
T rasqiie ra Com 12ffascos te geoebra de Holaoda 9800
arraiOtS com 5 garrafas de superior vinsgre a 10000
Vinagre puro de Lisboa H*wr-m*~mm**m.
n a r rasqui 110 0 m>, 8uperor qU9 poJe desejar a 1?N)001 gun{a,
asper mcete 0 mais superior do mareado em carxiolftsda 6 libras a 402O0e700 rs.
a- libra.
VelaiS decamatlba all500a,arrob. a 380 a libra.
A negretas comazaitooas as melhores do mercado a 10400.
-V^aiXrtS eom 1 arroba hespanhola eontendo macaro talhirim e aletria a 60000.
JiilXinh- S com diversas qualidades de massas eomo s*ja estrelinha pevide etc.. a 69000
a 640 rs. a libra.
Cioiir cas- Pa i es- os m9lhore8 d0 m9rcado a 560 N a ^
Oalarmes 0 melhor qua se poda desejar a 700 rs. libra.
rreZUIltOS 0 que se pode dezejar de bom a 640 rs. a lib.
abingliCaS gnasem latas jpromptas a 1#600.
Pee el latas caullinhas pargo, a linguados a 1^00.
1 OUCmilO do reino a 880 rs. a libra do novo,a 240 rs. do velho.
Banha de porn a melhor d0mercldom lata8 d910UbrasamQQ-
JWaSS4i (je tOm te em latas de 1 librra a 700 rs.
MaSSas para SOpa ulharimem^rrao. 280.a.letri.a 320 rs.
rTalltOS llXOS em macos com 20 macinhos a 200 rs.
la pe g re-V pautado a liso maito sjaperior a 40000 a resma.
krva aOeea360,prmentaa360,caoeHa900rs.,ecmiahosa 800 rs. a libra.
Plat. S ilo gaZ a 8300 a groza a 20 (av.a caixinha.
i retinado #m Racot8de maigdaamm^a 160r8#, poteg 560 ts
^^r?^ maito aovo a 280 a libra a sevadinha 2ftft rs.
S^rf* dS!""B,'S0 16 "' a Hkra e *** W rs. a libxa a 204M arroba.
~\ V* e do Cw niemor do wado da 805Q0 a 90500 a arroba.
aiXlll na S maiselagntas, propias para mimos ou mesmo paca guardar-joias de 400 rs.
a 195UO e temo com 6 caixinbas a 590OO.
Ch mate b^epaoJioI Tflrdldeir., mo m 4libra.
krvilbas ^ortugueais e fraaeease faijioverteteo40a72< n.
a lata.
IraqtieS os memores do tnarcate a 109 a caixa e a 80 rs, acarta.
38 Vet em km cbagajo no ulmo vaoor 1*600>
Balaxi uha de soda am uts^un *
OOl Xnha l ll^leZ I a maU aoa te aiarcate a 4#5Q0 9 barrica o 300 rs. a libra.
ir**8 ch,M WroaBit 3aQ ra. a libra.
Sardinhas de Nantes 4 m ., *,.
Aceite doee refi nado 9h cai a soo rs. i gar^., *
ArrOZ ^jb ecos te 5 rreiuste wmalfco alOtOO.
LlCOreS n|p,u 8no t^a^o merca> a lfagaarfsa a )00 atesta, uWs ***
parasaatwa. *,* "
Ala* tea gaaaraa a*ta^n>ratea*)itHrari#-rasriaitavel publico ludo qu fot P*mM
t o a astas aatateaaeisaaailos. Q* preprtetarlos aesanficam qua stst aracos j^F
S. JO A 4 r
VENDE-SE NO ARMAZEM
PROGRESSO
largo tu Penha
Os melhores ganaros que vem a este mercado a por manos 10 por eonto te ou* am antea
qualquer parte, garantiodo-se a boiLanaUdada, por taso roga-ae a totes os Son. da praca aVaa-
muito a*r^itr|ff arajatas te
qualquer parte. 9efo"w* P"* oulra
rVMSnMWMI confeitadas para sorte te 9. Joao a 800 rs. a libra, tamluim .ni-,a paca
6i0 rs. a libra sendo em porcSo, Unto de ama quadade como d outra se faxaBa-
mento.
liaUiga la^leA da safra nova te primeira quadade a 850 a libra, em
barril se fae abatineento.
manteiga TamSSlS a mais nova a 6i0 n. a libra, am barril a 600 rs.
$U gados no ultimo navio a 10800.
JJ ^ praio 0 mag superior qua tem vindo a esta marcado a 800 rs. a libra.
yseeil o melhor que ha no mercado a 20800 a 20200 a Ultra*, aflamaran, a boa
-quadade. ^^"
"*' t^lS: o que se pote desejar neste genero a 30000 a libra.
UV.k preto homeopathico a 2*200 a libra em portjao se faz abatimenw.
1. raques llOVOS de p,v0 transado ai230 rs. a carta eemeaixas eom 40 cartas por
90000. r
Lata.S eom amlldoaS confeitadas/ proprias para mimo, contando mais con-
feitesa assucar candido por 196OO cada urna.
fcS*a.S m aixnhM da 8 iDras cbegjrjag aitmamenta a 20000 cada urna e a retalho
a 430 rs. a, libra.
OOiaXiniia dt goda em \tiB cm aifferentes qualidades a 10440.
BOlaXlBlia ingleza a mais nova qua h no mercado a 40000 a barrica a- a retalho
a 320 rs. a libra.
VinAiO em pipa de superior quadade Porto, Figueira a Lisboa 500, 560 a640 ra.
a garrafa, o em caada a 30500, 40000 e 40500.
Vn\lOS engarrafados Duque do Porto, Lagrimas do Oouro, Carcavellos, Fei-
toria velho, a de outras invitas marcasacreditadas a 19200 a garrafa, em caixa a 120
tambera ha para 10000 a garrafa.
naia\pa*iiVe das marcas mais acreditadas a 150000 e 200000 o gigo, a am garrafa a
10800
ServejS da marca cobrinha ou de oulras marcas conbecidaa a 50000 a duzia a 500 rs.
a garrafa. -
"a^laiiaS francazas e portuguesas em lata de 1 libra por 640 rs..
**v* tomate era taitas de 1 libra por 800 rs.
%. 3*1X6 8 trncelas em latas de 1 a raeia libra por lf500, ditas com 3 libras por
2,5(800.
^.meiia0S.S de casca mole muito novas a 320 rs. a libra, em arroba por 85000.
KoieSa 120 rs. a libra a em arroba a 30000.
rVletrta, maearr&e e talnarm a 400 rs. a libra, a am caixa com l arro-
ba por 60000.
r*S* f eilll&na, pevide e arrox de massa branca ou amarella, a 640 rs. a libra, e em cai-
xinbas muito enfeitadas se faz obatimento.
raiItOS Oe dOAteS Uxadej 01 maisbam feitosque tem vindo a este mercado a 2 80 rs.
Urabera ha para 200 rs.
r reanlos tngltZtS pr fiambre a 800 rs. tambera hamburgus para fiambre a
6i0 rs. a libra. a.do reino o mais novo, que ha a 560 rs. a libra.
ttUOIiriCaS epaiOS muil0 novas a 56o r8. a libra eembarrU safar abatimento.
salame 0 melhor petisco que pote haver por estar- prompto atte hora a 800 rs. a libt.
UeiUlV* IO rtaO muo novo a 28 rs. a libra e em'barris de 1 e meia arroba
a 59 e 70 a arroba.
lUOU,rC.&S em latas j promptas para se comer a 10800 cada urna.
Banha de poreo refioada em lalas mm 10 libras por 4|g00#
UUa em Barril maiU) fina e alva 440 rs. a libra eem barril a 400 rs.
CartOeS COm bello franeeZ proprios para mimo a*500rs. cada um.
nUrmfJiaitSk imperial do afamado Abreu ede outros muilos fabricantes de Lisboa a 800 rs,
a libra,
****"***<*a de Alperehe em latas de 2 libras por 10000 cada urna,
lutallas C Ib U metas de doee.em calda as melhores quehaem Portugdeomo se-
jam pera, pesego, damasco, ameixas, ginja e sereijas a 800 rs. a lata.
UOCeS SiCCftS e 9m j^ em latas, de 4 a 5 libras por20060.
noCO late hespanhola 10500 rs. a libra, dilo fraacez a lOlOft dilto portqguea a
800 rs afianca-sea boa quadade
viOte de primeira qualidade tanto do Rio como te Caer, a 320 rs. a Ubra, am arroba a
00500, dito mais baixo a 280 rs. e 89500 a arroba.
Sevaainna de Franca a mais nova do mercado a 240 rs. a libra, e am porcao se.faz
abalimenlo.
^88n mui0 n0vo a 320 re. a libra e em garrafes eom 6 libras, por 20000.
irartnna do reino das marcas SSS ou galega, a Uo rs. a libra.
Dita te Maranbao alva e cheirosa a 160 rs. a libra e em arroba 40500. -
elaS de carnauba refinada a 400 ra a libra, e am arroba o 129O00.
Wlte dOCe refinado a 800 rs. a garrafa, e em caixas a 90000.
Vinagre de Lisboa a 240 rs. a garrafa a em caada'* 1800.
W innO chorea verdateiro a 10500 a garrafa, e am caixa 140000.
VinUO \iTanCO d Lisio o mais superior qaj) ba no mercada* oroprio para wm
040 g*"f < caada a 49400.
TntOS piros do fabricante Brando em mitas ajxiahas, por 2*400.
1 suspiros do fabricante Catanho Filbos em masas caxinhas a 2000*

pA procos wwuoados, salvo squelU* te flm te So
Hitos
em caixa| de 100 regala Imperial, Yiagantas, e PanaateUas, a 200*0 a.
AlpiSta muiu, |(npo# a isors. a libra, e em arroba 50500,
AieitonaS mutt9 novas, a 10*00 rs. eaa> urna ancores, e a 400 rt. a garran
ArrOX de Maraaho a 120 rs a libra. 30700 a arroba.
arStXe da postas em latts dai merbores qualidades te perxa
GteAebta de HelUnda i%rr^ ^
"da ngleza muito nota 10000 o frise o
Alta das gneros cima maootoaate* eooonttar. o
tato te todo que tendente a nelbidot,
ha em Portugal a 10500 n.
Us por 9*000.
L


:


r
i
i
tumo wMmmrnap- gautri gnm oto m i>m
Grande rana^un
Ferragnt # wwiej a<:.
53Roa Dirata--33
fin & Jtfr!
aiooo
dazia
b
Ricas bandejss para os bollo de 3|
Ditos diUi recortad e bordadas de 3,
eetleaaM-iiBMa garfea abo 4e
009 a SfjMO.
Dita Bita Hit. de e.toece de 7# a 4g800.
Celberea tuses de metal 9riacipe, a pa
5f&oe a 39200.
DiUa kannecre, (testa 1*800.
QaaaM.de rento, iadispeaaaraie depoii do bollo,
Imh amerelle de 5*500 a 5
Ha de meas aas erttoaento eomplelo qae tendente a ferragens e mindeas por um
prego ridiculo.__________________
-'Vendem-se excellentes
presuntos para fiambro, os
melhores que tem viudo a es-
te mercado, chegados ultma-
mente, a 600 rs. a libia, ein
perc.&o se far abatimeiito: no
caes d'Apollo n. 67, deposito
de sabo.
i
Ao rival sem igual
Ra larga do Rosario numero 36.
Pitos de -ve-tode eatreitinbaa ama afeito i
pesa 710 ra.
Sintos doerados a I96OO.
Dttoe ditoa eom poetas eahldas a BI080.
Lia para bordar surtidas, libra a C#40.
Eaceeo* pare cabello a lt>
Dense aMmeees era paca homem a 29400.
Cartas de alteles a 100 ra.
Franjas pretu com vidrilbo ittO a 400 ra.
Enfei tea de ra trox coa franja a 5*000-
Duda de meias pera aenbora a 2*400.
Pontea de m*sa para atar cabello 500 ra.
Teeoeree ordinarias para cortar pavios a 80 r.
Sabonetas ds bala de crea a 400 ra.
franjee de seda.
Bicoa pratos largan e etreitoa.
Traaos* pretaa eom Tidrilho e branca.
Estovas paca nnhaa a 320 e 500 re.
Carriteis de re trox a 300 ra.
Treno* de cede de corea a 200 r. .
Carapato de llnha a 30, C0 e 60 re.
Liaba do gat leetreza a 30 n.
Dito de Pedro Va 30 na.
Rap Patio Cordeiro e Gaaae a 1*600.
Dito Mearen al.
Caixinhas coas papel para rumoro a 2g n 8f.
N. B. O deno deate es tebeleei ment prneapti-
fleo-ae a mandar m caixeiro coaa -ae miadas
que qeizetem em casa daa familias que isto
exigir.____________
Gambraias oambretoa de eren ato atona toa *
eea 289 a MO re. o aovad*: e
loto a. II.
Tt
n. 60.
Cama*
na leja e armaaaan do
oa jan da Imperatriz
Boragis.
Ra da Imperatriz _. 10 leja
4o Pinto.
Vende-ee pelo barettsaimo pttoo :
Borcegu na de luatre para hemem a SJ.
Ditos de beaerre.pare homem a 60.
Ditoa de cordavio para ditoa 89.
Per eate prego so a dinbeiro lata para li-
quidar.
Ricos pianos
de varo* autores, vendum-se sj|
era casa de Kalkmann IrniSos & (
2 C, ra da Cruz n. 10. >
Baratee km
Na ra do Queiiuado n. 43, es-
quina que volta para a Con-
gregaco.
Anda se continua a vender.
Chitas largas escaras e ias, cor ido, a 180 6
200 ra.
dem dem idem Boa a 220 e 240.
Cambraia de cor muito una e flxa i 480 e 500
ra. a rara.
Orgaodya de lindos pidroe a 640 a rara.
Cambraia de ealpioee, a peca com 9 varas a 4$.
Dita branca muito fina, peca a 49800e 55.
Dita preta muito fina, a vara a 500 rs.
Chita preta fraocexa fina a 300 rs. <> corado.
Laazinha moderna para vestidos a 500 ra. o
corado. Oao-se amoatraa com pecho-.
Veode-se um riquissimo sitio i.as reas do
Giqai, tendo o mesme 72 palmos de frente e 300
de fundo, com boa caa de taipa, a qual tem 2
salas, 2 quartoa, coxioha fora, eatritxria para um
cavado; quem pretender, dirija-ae ao meamo
lugar, a tratar com ana dona junto i taberna do
Sr. Thom.
Bwzeguias inglezes.
ffa ruada Impera tri n.'o defronte da boneca
toja do Pinte*,- recebeu-se pelo ultimo vapor um
grande aorlimento dosj bem acreditados bor-
xegains ingleses qse rende-se por 0Je 119, di-
nbeiro loao contado.
dementes de hor-
talices
Na ras da Cruz n. 31, deposito de pi bola-
cha, vende m-ae aere ente de bortallcea viuda de
Liaboa.
Fazendas pretas
superiores.
Groadeaapto arete meito superior pele dial-
nato preco de S o eevade, panno preto mnito fi-
no a 3, 4, 5, 6. 7 e 9 j o covado. eaaemira prela
muito Ona e 2|, 59500, S, 31500 e 4 o corado,
maotaa pelas de blondo amito superior a 12,
manteletea de superiores greeaetwptoa preloa ri-
camente borda doee 359, sobre mama de paane
preto muito fine a 30, caasx tambera de peana
Sreto multo fino a 309, paletots de panno preto
no a 18 e 201, ditos de casemirs de cor mes-
dada a 189, auperiore gravatiohaa eatreltas a
19, ditaa de selim maeo o de gorgarao muito se
periores para duaa voltea a 29. ditaa eatreitinhai
com lindos alflaelea a 29, superior gorgarao pre-
to para colletoa a 49 o corte, ricea anfeites pretoi
a 69, e assim outras mnitss fszedaa que aendo a
dinbeiro i vista, vendem-se por prejos muito ba
ratoa : aa raa do Queimado n. 22, na bem eonhe-
cida loja da boa f.
S o Pavo.
Venee-ae nalaalaaaa caae-s fraaeosaa de varia-
dos padrote a 140, jstt, e 280 rs. o tanteo : na
rus ato Imperatris n.gf), tosa de Pavae de Gama
ASilsau '^^ _______________
Aiudao Pavo a 960 rs.
Venda-se chita francesa eeeataeom dtaainadij
toque de mofe e 900 rs. e enrede, e atoas nfle-
la, a 144 re.: na rae da Imperatris a. 60, loja -de
Gaaa* & Sti*t.
Vende o Pavo a 280 rs.
Gorgurao de linho qae faito em vestidos pars
aenbora oa roana para meninos parece aedinbea
e 280 rs. o corseo, por ter grande porc&o : na rea
da Impera triz n. 60, loja e rmeseos do Pavao de
Gema & Silva.
Tarlataua do Pavo.
Veode-ae tartoeam de lascan palminine sol-
tas s 820 rs o covdo : na ra da Imperatris n.
60, loja do Pavio.de (iama & Silva.
6 Pavo vende a 4#500 rs.
Cortes de bsrsges com fios de seda tendo 22 co-
rados, eom barra, podendo-se fsxer babad, pe-
lo baratiisimo prego de 49500, s ns loja do Pa-
reo raa da Imperatris n. 60 de Gama & Silva.
Vestidos de ia.
Veode-ae vestidos de laxiobas tendo as salea
promptaa, com maita roda, propnaa para ba-
o a 4900, a na loja e rmaseos do Pavao rea
da Impera triz n. 60, de Gma & Silva.
YGENCW
DA
Fojtfierj Low-Moor,
da SenaaUss Nova, n.4*.
Meato eHahetosimsnte continua a baverum
conapleto sorbjnentf de moendasa meias moca-
das pera engenho, machinas da vapor s taixas
de farro balido e eoado da todos os tama nh o
para dito,
Vewtooa-ee ralas ee compoicjao a II9 a ar-
roba ; na rea da Roda a. 48, primetro andar.
S nao faz bolo para
S.Joo quena nquirer,
porque no armazem da estrella do largo do Pa-
raso n. 14, vende-ae maoteiga inglesa flor a 900
e 800 rs., tambem tem para 640 e 480, e france-
sa a 640, vinho bom a 480 e 400 ra.. traqaes a
300 rs. a carta, qnaljos a 29._____
i.
Novidade.
Na nova exposicao de fazendas barat-
simas na toja e armazem da Arara,
ra da Imperatriz-, n. 56, de Maga-
lhes & Mcndes.
Veode-ae fazendaa baralissimas para liquidar
a aaber : chitas de cores bonitas a 160,180 a 200
ra. o corado, ditaa fraacezas a 220 e 240 o cora-
do, ditaa garibaldioas muito finas a 280 e 300 rs.
o corado, cassas de cotes Bxssa 280 e 300 o co-
vado, organdia de quadrinhos muito finos a 320
rs. o corado : na ra da Imperatris, loja da Ara-
ra n. 56.
Para doces seceos.
Veodem-ie muito bonitas csixinb.is redondas,
de madaira, de diversos tsmanhoe, torradas de
papis de cores, muito lindes, propriss nica-
mente para docea seccoa de quelque- qualidade,
pelo barato preco de 4, 5 e 69 a dutia : na rna
do Queimado, na bem eonhecida loja de ade-
las da boa fama n. 35.
Para S Joo e S. P eiro.
Veddem-se caixinbaa com grande porc^o de
amendoaa confeitadas, e alguos confeitos pro-
prios para o ftstejo de S. Joo e S. Padro, pelo
barato preco de 800 ra. cada urna na raa do
Queimado, na bem eonhecida loja de miudexas
da boa fama o. 35.
Mleuc&o
Cassa a turca do Arara.
Vende-se casias tnrea para resUdoa de se-
nhoraa a 240 e 280 o corado, fastoes de cores a
280 e 320 o corado, laxinhaa de quadrinhoa
de bonitos gostos a 320 o covado, ditas chi-
nezaa muito finas a 500 e 640 o corado : na raa
da Imperatriz, loja da Arara, n. 56.
SEDAS
Cinco tustoes.-
S na loja do pavo
vendem-se sedis de qasdros, ditas de lstras so
comprido, e ditos de lstras atrsresudaa, ditos
de quadrinhos, sendo dos melhores padroes ede-
tlcsdissimos gostos, com largura de chita inglesa
a 500 rs. o corado, pecbincba, e do-se ss
amostras com penhor : os roa da Imperatris n.
60. loja e armaxem do pavo de Gama & Silva.
Basquinas Ao Pavo a 4$000
Vende-se ricas basquinas ee tusto mai bem
bordad, faxenda qae seeapre se renden por llg
e 169000 por 49000, para acabar : ne loja do Pa-
vao de Gama & Silva, na jwa da imperatriz
n. 60.
Enfeites do Pavo.
Vende-se rico enfei tea. A tures e Giribsldi
com ricas franjas e bolotas a 5JO0O, ditos doa
meamoa msis simples a 28000 re., e ditos de fitaa
cada um em oen carlo : na ra da Imperatris n.
60. loja do Pavao.
Liquidaco de fa-
zendas.
Na ra do Crespo, loja n. 14
Vende-se pars acabar, e por todo proco nm
completo aorlimento de fazendas ingles, franca-
su, suisaas a alterna, todaa propriaa deste mer-
cado, e algumas recentemente ebegadea.
Terreno.
Caixinhase calmes para
as merinas trazerem
nobra^o.
Mnito lindas calxinhss ecabsxea para meninas,
de 100 ria ald 2*00: na lo da Victoria, na raa
do Queimade ayfft.
Enfeites para senhora.
Os melboras enfeites pretor e de cAres que ap-
pareee a 59500, 69 e 6f500 : na loja da Victoria,
na ra do Queimado n. 75.
Franjas pretas com vi-
drlho e sem elle.
' Ricos aortimentos de franjas pretas e de coree
com ridrilho e sem elle : na loja da Victoria, oa
raa do Queimado n. 75.
inhasde peso verda-
deras .
Linbaa finas de
Sandee a 240 ris :
1 Queimado o. 75.
peso rardadeir, meadas
na loja da Victoria, na ra
Phosphoros de seguranza
Phoaphoroa de seguranca, por que livra de in-
cendio, a 160 ris a caixa: na loja da Victoria,
na raa do Queimado n. 75.
Vendo-ae am terreno cem 80 palmoa de frente
para a rae do Ser on Uoiio, e 300 palmos mais
ee asenea de extoneae at a rea da Saudade, cem
igual frente de 30 palmoa, pelo que se poderi
edificar dees bellos predios ; o dito terreno fies
strsx do edificio qae se est faxende para o gym-
nasio provincial, e prximo s nova ponte da rea
da Aurora para o tbeatro da Santa Isabel; loca-
lidade aprazivel j pelo fresso e j pelo bonito
ponto de vista que daquelle lugar se observa :
a tratar na meima rus do Ser on Uoio, casa
n. 16.
Baldas para vestidos.
Balelas muito grandes e boas a 160 ris orna :
na loja da Victoria, na ra do Quemado n. 75.
Linha de croxel para la-
byrintho
Aa melbores lionas de croxel psra labyrintho,
novalloe monatros a 320 ria um : na loia da Vic-
toria, na raa do Queimado n. 75.
A Arara vende as cimbraias.
Vende-se pecas de cambraias lizas, a 1$600,
e 29OOO. ditas fin a 29500. 3|000 e 39500, pecan
de cassa para corlioadoa, de 20 varas, 99, ditas
de 10 rar 49500 a 39 : na raa da Imperatriz,
loja da Arara, u. 56.
Vende-se os baldes do Arara
Vende- baldea de 15 a 30 arcoa para senho-
rss, os msis modernos qae ha, ditoa para meni-
nas a 29, ditos para senhora, de brilhntioa,
muito grandea aaias da cordo que fsz rezes de
bslo a 29400, aaiaa bordadaa para aenhoraa
a 2$500, ditas de 4 pannos a 39000 e 39500 ; na
ra da Imperatriz, loja da Arara, n. 56.
Ra da Senzalla Nova n. 42
Neste ettabelecimento vende-te: ta-
chas de ferro ooado libra 110 rs. idem
de Low Moor libra a 120rs.
DE
Modas francezas.
Ra da Imperatrizn. 1, de Mi-
dame Buessard Millochau.
Receben norsmenta am bello sortimeolo de
modas, ricos chspeos de clina, e palba da Italia
para aenbora e meninas, ricas camiainh, e pe-
lerinas com maoguitoa, golliohas de bico e de
cambraia, ricu fitas muito largaa para restldo,
lindss roas, e camelias paracabeca, capeltos psre
ooir e bailes, restidos e mantas de blonde pa-
r casamentos, restidos para baptiaado, lavas de
pellica com doas bot es, espartilhos feitos as
melhores casas em Pars, fil de seda o de linho
para reatido, crep e tsrtana de todaa aa corea,
lencos de cambraia bordadoa, fitaa de seda de to
das as larguras, trancas, franjas e galo, o bo-
tdes de todas as cores para eofeite de vestido, lu-
do de novo Rosto e por prego muito raxoavel.
Brilhantina suissa.
Vende-se brilhntioa suissa de quadrinhos, fa-
xenda multo encorpada para vestidos e msis lar-
ga qae chita ingleza a 200 rs. o corado : na ra
da Imperatriz n. 60, loja o armaxem do Pari
de Gama & Silva.
dos senhores boticarios.
E' chegado pelo ultimo nario um grande aorli-
mento de drogas doa Srs. Lanman o Kemp, in-
cluido a salsa parrilba de Bristol, [ asiilhas ver-
mfugas, peiloral de Aoacoherita, piluks de Bat-
cfains, e bilters de Hosteller : os sobares boti-
carios queprecissrem deetss drogas, encontraro
no armazem de Henry Porster & C, rus do Trs-
piche n. 8.
Luvasde Juuvin.
Vende-ae luras de pellica de Joovio brancas,
pars senhora, ltimamente ebegades toa loja do
beija flor, ra do Queimado n. 63. ________
Luvosdeseda
Veode-se luras de sede enfaitacas a 1J600,
29OOO e 29200, ditas fio de Escossia brancas a rs.
700. dltss de coree 800 ris, ditas de slgodao a
280 ria ; na loja do beija flor, ra do Queimado
numero 63.______________^^^^ ^^___
Escovas.
Veode-se escovas para deotes finas d diversas
qualidades a 120,160. 320. 400 e 500 ris : ns
loja do beija-flor, ra do Queimad< n. 63.
A Arara vende as capas}
Veode-ae capas para aenboraa aa mais moder-
nas que be e 69, ditas de latinhaa 109 ; mante-
letes de grosdensple preto, mnito modernos a 259
e 309 ; maoguitoa e golla de linho a 29500 ; gol-
la para senhora a 500 ra., ditoa de boteziuho a
640 rs. : na ra da Imperatriz, loja da Arara,
oamero 56.
Madapolo da Arara.
Veode-se pecas de madapolo elephante, mni-
to fino, com 40 jardas a 14$, ditos do 24 jardas a
4(400, 4$. 59, 5$500e 69: na ra da Imperatriz
loja da Arara, n. 56.______________________
Toda aenco ao gallo vi-
gilante, aue est auei-
mando.
Luvas de pelica.
As rerdadeiras luras de Juvin, chegadinhss
no vapor francez: a no vigilante, ra do Cres-
po o.7.
Colchas do Pavo.
Veode-se ricascolchaa de fustao de linbo de
rarios tamanhoe a diflerentes desenhoa : na rea
da Imperatriz n. 60, loja o armaxem do Pavao
de Gama & Silva
Chales pretos do Pavo.
Vende-ee oa mato moderooa chales pretos de
ponta redonda com botla, guarnecidos de bico
de aeda largo em lugar de franja a 69OOO : na
ra dalmperatriz o. 60. loja do Pavao.
Casas
Vendem-ae duaa caaaa terreaa na cidade de
Olioda, em boas poaicoea, aendo urna n. 16 na
ladeira da Misericordia, e outra n. 1 oa raa do
Mathias Ferreira, acabas de esquina fazeodo por
la melhor vista, servindo a ultima para ettabe-
lecimento, cerno aempre eatere oceupada : a
fallar no bsirro da Boa-Vista, ra do Ser ou
Uoiao. caaa o. 16.
Obras de vidro,
escarradeiras, e palmatorias
lapidadas com mangas.
Vende- na loja d'agaia branca mui bonitas
aacarradeiraa de ridroa de corea a 49500, 5 e 69,
assim como palmatorias de ridro lapidado com
mangaa bordadaa a 9500 cada um : na raa do
Queimado. loja d'sguis branca n. 16.
Sintos dourados para se-
nhoras.
Lindos sinlos douradoa pars aenboraa a 29200.
ditos de ponta cabida a 49, ditos de fita a 19600:
na loja da Victoria, na ra do Oneimado n. 75.
Ricos espelhos de
moldura dourada para
salas.
Chegou psra a loja da Victoria urna peqaeoa
porco de ricos espelhos de rarios lmannos para
ornamentoa de salas, affiancendo-se aerem oc
melhores em ridros que tem rindo: na loja da
Victoria, oa ra do Queimado n. 75.
Jogo de domin.
Vende-se jogo de domin finos a 1J-200
loja do beija-flor, ra do Queimado n. 63.
na
Botes para pui ho.
Vende-se botes de punho floot de dirersss
qualidades a 200 rcia o par. que ta abem aerrem
para maoguitoa de seohora : na loja do beija flor
ra do Queimado n. 63.
A toja d'aguia branca, ra do
Queimado n. 16.
Recebeu pelo ultimo vapor os seguintes ob-
jectos :
Bonitas ligss de seda para senhora.
Grandes e bem tecidos bsndes de clina.
Aspaa de ac, e fita elstica para cea de balo.
Bonecas grandes mui bonitas e bom vestidas,
Bonitos baazinhoa com 9 frascos de chelros.
Liodaa caixinbaa com 6 ditoa de ditos.
Traocellim grosso de cor para guarnecer reslidoa.
Luvas de camua brsocas e arasrellas.
Lindos boies de banha para
presentes.
A loja u'aguia branca acaba de receber lindoa
boies de porcellsna dourada com fina bache e
maviosaa inscripe, os quses por suas delicade-
zas e perfeicoei tornsm-se dignos psra presen-
tes, e com eapecialidade na actual quadra, quem
goatardo bom dirigir-se com dioheiro rea
do Queimado, loja o'aguia branca n. 16, que acha-
r em que bem o empregar.
Para os festejos de S Antonio
e S. Joo.
Trinas e gatts.
A superior trina e rolantes do Porto para ur-
nas, oratorios oo igrejas, qoe se rende por me-
nee do que em outra qaalquer parte : s no vi-
gilante, ra do Crespo n. 7.
Bales do Pavao.
Veode-se ricos baloes arendados com dusalas
e bico am rolla, pelo barallssimo prego de 69,
ditos de madapolo francez muito grandea com 6
arcoa a 5$, ditoa com 5 arcos a 3J500: na loja
do Pavao. ra da Imperatris n. 60.________
Bramante do Pavao a 1 OfiOOO a pega.
Acaba decbegar a loja do Parlo, urna ora por-
co do acreditado bramante de linho, com largu-
ra de brim liao, teodo 27 rar cada peca, esto
fazenda propria para tenedee, toakbas, cerou-
las, camisas, etc., e rende-se pelo biratissimo
prsco de 10g a peca, s na loja do Pavo ; ra
da Imperatriz n. 60. de Gama & Silva.________
Chales Garibaldinos.
Vende-sa na loja do Parlo, chales de merio
muito grandea de liatrinhaa a Garibaldi, pelo ba-
ratissimo praco de 49500, pecbincba : na rna
da Imperatriz n. 60. de Gama & Silva.________
Chutes du JPuuChj*
Veode-se chales de merio mullo grsoees a
3g, ditoa decassaa de corea a 800 ra. : na ra da
Imperatriz o.60. loja do Pavo.
Meias em quantidade-
Na loja d'aguia "branca acha-se um completo
sortimento de meiss de todaa as qaslidadea e
presos, nodo psra homens, senhoras. meninos
e meninas de 6 mezes a 12 annos. Ennumerar
os differentes procos confandir o pretndeme ;
assim quem se quizer convencer de quo bsratas
se estao ellas rendendo, dirigir-se com dinbei-
ro dito loja d'aguia branca na ra do Queimado
numero 16.
La para bordare
Lia mnito boa da todas aa cores para bordar, a
79 a libra : na loja da Victoria. Da ra do Quei-
mado n. 75._______________________________
Lichas do gaZe
Caixinbas com 50 novellos de liabas muito fi-
nas do gaz a 900 ria a caixa, ditaa com 30 no-
vellos a 700 ria, ditas com 10 novellos gran Jes
a 700 ris, brsncaa>e pretas: na loja da Victoria,
oa ra do Queimado n. 75.
Superior sebo em velas e em
pes, cavxas de urna
arroba
Vendem Antonio Laiz deOliveira Azevedo c\
C, no sen escriptorio rus da Cruz n. 1.
Cascarrilha
Lindas pegas de cascarrilhs de todas as cores,
pelo bsrati8simo preco de 13500a pega: s no
vigilante, ra do Creapo n. 7.
Ghapelinas para senhoras.
Lindaa chapelinas ricamente enfeitadas, pelos
baralissimos precos de 89 e 109000.'
Ditos com pequeo toque de mofo a 69OOO: s
00 vigilante ra do Creapo n. 7.
Occulos.
Vende-se occulos fios de arma o de
29, 19. 640 e 400 ris : loja do beija f.or,
Queimado n. 63.
ac, a
ra do
Ricos sintos dourados.
Vende-se aintoa dourados a 29, ditos de fila
coas flvella dourada a 19500 : loja do beija flor,
rea do Queimado n. 63.
Touquinhasou chapuzmhos
para crianzas.
Lindos chapozinhos para menina e menino a
49 e 69000, ditos de feltro pelo bsratissimo pre-
go de SfOOO, bonetes de panoo Qoo e lac,o de fi-
ta a 33O00, ditos de veludo fino a 49 e 39500,
ditoa de palhinha a 3(000, tonquinbaa' de seda
muito lindas a 19500. ditoa de fil a 19000: s
do vigilante, ra do Crespo n. 7.
Vestidos do Pavo.
E' pechiuche, cortes de cambraia brancoa com
babadoa a 29500, ditoa de tarlatana brancoa e de
corea a 39, ditos com babador e duassaias muito
superiores a 49, petis de cambraia branca com
carocinhoa brancoa e de cor, tendo 8 1/t varas
esda pec,a, por 49. cortes de cassas de cores com
7 1/2 raras, padroes ooros a 2500 ; tudo lato se
eocontra na loja do Pavo, que rende dinheiro
a vista : na roa da Imperatriz n. 60, loja de Ga-
ma & Silva.
Alburnos de borracha.
Veode-se os mais superiores alburnos ou so-
bre-tudos de borracha, proprios para o invern a
129: na raa da Imoeratrizn. 60, loja do Pavo.
Jacaranda superior.
Tem para render Antonio Luiz de Olireira A-
xarejdo & C, n6 sea escriptorio rna daCrnz n. 1.
iioraes lapidados.
sao groasos que admira.
A loja d'agaia brones acaba de receber urna
pequea quantidade de coraes grossos lapidados,
os quaes aerrem para aa roltss que ultimsmente
usam aa senhoras, e est vendendo cada fio por
29, 29500, 3 e 49 : na ra do Queimado, loja
d'aguia branca n. 16 : assim como recebeu mais
aa bonitai pulseirai de miassDgss.
Candieiros de gaz
Chegou pare a loja da Victoria os melhor
candieiros de gsz que tem vindo ao mercado, por
precos commodos : na loja da Victoria, na raa
do Queimado o. 75.
ICOS
i
Cortes de phantasia,
Vende-se ricos crtes|de phantasia de duas aaias
com delicados livores a 69 cada um : ba ra da
Imperatriz o. 60. loja do Pavo.
Enfeites para cabeca.
Vende-ae requissimos enfeites p ira cabeca cem
franja, e sem elle pelo bsratissimo prego de 5$
e 5$000, ditos de ridrilhos a 1C60 ; na loja do
beija flor, rna do Queimado o. 63.
Carteiras.
Vende-se ricas carteiras para gairdar dinbeiro
de ouro a prata a 29000, 2(500, 19000, 1(280 e
I9500 '. na loja do beija flor : ra do Queimado
numero 63.
Chegaram as desejadas rosas
artifciaes.
Agora deve cessar o desgosto que maitss ae-
nhoraa aeotiam por nao terem comprado daapri-
raeiresrosae que a loja o'aguia branca recebeu,
toso porque dits loja acaba de receber um noro e
mais brilbante sortimento dellaa, rindo estas de
mais a mato dalicamente orvalbadss. A aenhora
que com a pequea quantta de 19 comprar urna
deuas formosas rosaa, sentir nm effeito anda
maia rpido (relativamente ao caso) do que
squelle aue produz o prompto allirio em qual-
quer molestia. Compre, pois, qua se nao de-
moren) em aamaodar comprar ns ra do.Quei-
mado, loja o'aguia braoca n. 16, pola do contra-
rio flearo sem ellas psra S. Joo, o que nao
conrm. Na mesma loja vendem-se oulras roas
mais barataa.
Manguitos.
Lindos manguitos com gollinhs o maia fino
que se pode encontrsr, rende-se pelo baratisai
mo prego dt79000, ditos sem gollioha a 1(500:
s no vigilante, ra do Creapo n. 7.
Rosas articiaes para cabello:
A. L. B. F. teodo recebido um ruado sorti-
mento de bonitss rosas que se estao usando para
cabellos, e de pannoa com folha do relludo, ditas
de papel todas, as mais ricas qae se pode encon-
trar rende-se ns ra doQueiotado n. 68, loja
do beija flor._______
Gollinhas de linho.
Lindas gollinhas estampadas.............. 500
Ditas de linbo maita finas................. 800
Ditas pretas com ridrilho................. 29000
S no rigilante, rus dn Crespo n. 7.
Calcinitas do Pavao.
Vende-se calciabss de cimbris bordadas para
menina a 19 o. par : na loja do Paro rna da Im-
peratriz o. 60.
Gollinhas do Pavao.
Veode-ae golinbas de cambria.bordadoa e di-
taa de fil bordadaa a 500 ria: na loja do Paro
ra da Imperatriz o. 60.
cortes de vestidos brancos
bordados.
Vendem-se ricos cortes de restidos brancos
bordsdos com 3 babados felo baratissimo prego
do 59 o corte: na roa do Queimado n. 22, na
bem eonhecida loja da boa f.
Attenco
Manguitos com gollinhas.
Veode-se manguitos com gollinhas bordadaa a
I96OO e manguitos muito finos a 19 o par : na
ra da Imperatriz n. 60, loja do Paro.
Meias.
Grande sortimento de meias tanto para homem
como para senhora, sendo de homem a I98OO e
29000. e finos a 29800, ditaa de fio de Escocia a
59000 a dnzia, ditaa para menina a 29400, ditas
para menino a 29000: s no vigilante,- roa do
Crespo o. 7.
Tiras e entre meios.
Vende-se tiras bordadaa tapadas e transparen-
tes, assim como enlre-meios muito delicados :
oa rus da Imperatris n. 60, loja e armazem do
Pavo.
Lencos e luvas.
Vende-se lencos e cambrais de linho com la-
byrintho a 295OO, ditos de imitagode labyrintho
a 19, luras deaedes de todas as corea a 500 ris,
enfeites pretos de ridrilho para eabega a 1|, Ju-
ras de retroz preto abertas a 500 ris o par ; na
rea da Imperatriz n. 60, loja do Paro de Gama
& Silra.
S-Joo e S. Pedro.
Booitu sortes para namorados. Na raa Nora,
o. 8, loja do riado, acaba de receber urna pe-
qaeoa porco de Witta dedicadas aoa amantes do
bom goato, a qual ae rende a 160 cada urna, i
rista da barateza amante algum deixari de aa
comprar antes qae se sesbem ; tambem ha. da
casto de 100 rs.. e a 40 ra. cada urna.
A gulhas.
A. L. B. F.tendo recebido agulhas imperiaesde
fundo dourado, randa na loja do- beija flor, ra
fio Queimado n. 68. ____________
VBNlMUgs ame mebilia ae amarello do-
ea. eeatendo as MguiBtea peces: am ae, 12
cadeiraa, 1 diUa braco, 1 de bnlameo 2 coneo-
saa e de mato de sala : pars rtr aa raa Di-
reita n. 127, segundo andar, a p >ra tratar anata
ajeen pbU.
Panno dealgodo da Baha.
Veode- no escriptorio *e.iii.inio Leis de
Olireira Alorado & C, ns raaTflufr,, n.l.
Aljfar tino imitand
Vende la a 900 re. a-la
taade parola: na roa do Quima
lun n. 16.
ando nerola^
da "r'i flnn \m\
itntilt, loja d'agaii
Batataa oras
Terco o. 23.
Batatas .
a 80 rs. a libra
no largo do
Moendat'r* meias moendas.
Taixas "de ferro batido e
coado.
Machinas de vapor.
Bodas' d'agua. -
Rodas, dentadas etc., etc.
Ruado Bruma. 38, fundicSo
deD. W. Bouman.
NO
Torrador.
23-Largo do Terfo*-%S
llaoleiga ingleza flor a 800 a 960 rs. a libra,
dito franceza s 640 rs., bsoha de porco a 400 ra.
a libra, massas multo finas para sopa a 400 rs. a
libra, queijos do reino a 29,ditosdo sarto a 560
rs.a libra.servsjs daa melhores marcas a 500 rt. a
garrsfs, ssrdlnhas de Nantes a 400 rs., toucioho
s320rs., bolachinha ingleza a 320 rs: a libra,
aistm como se rende ontros muitos gneros ba-
ralissimos, passss a 400 rs. a libre sao mallo
oras, e se Jlgoem duridar renha ver no Torrs-
dor largo de Terca n. 28.
Cambraias do Pavo.
Pegas de cambraia fina com 101/2 raras a 69 a
pega, ditas som 8 1/2 varas a 49, ditaa de 8 peas
a 39, dita para forro, com 8 1/2 raras a I96OO ;
na raa da Imperatriz n. 60, loja do Paro, de
Gama & Silra.
sem segundo
Na ra do Queimado 0. 55 loja de miudezas
de Jos de Azevedo Maia o Silra, asta rendendo
todaa as miudezas baratissimss, a saber :
Papis de agulhas a balo multo supe-
riores a 80
Csixas com muito fioss obreiss a 40
Cartoes com clcheles, tem algum de-
feito a 10
Frascos da macass perols muito fino a 200
Caixlobaa com papel pequeo de diver-
sos gostos a 7S0
Pacotea dito dito dito amixade a 720
Novellos de linha de Crux a melhor
que ba a 40
Caixas com agulhas curtas de superior
qualidada 200
Entremeios, a peca eom 3 varaa \\2 a 1J000
Sabonetes muito finos a 120
Papeia de agulbaa franeexaa com toqae a 10
Parea de boies para punhoa de muitos
modelos a 240
Parea de meias craas para meninoa a 160
Ditoa de ditaa cruaa para pequeo a 160
Ditos do ditaa para meninas a 200
Fraacoa com agaa de Lavando ambreada a 800
Ditoa com cheiroa muito finoa a 240 e 500
Ditos com banha muita fina a 240 e 320
Ditoa com superior banha de ursoa________600
Gal e potassa.
Vendem-se estes dous ar-
tigos ltimamente chegados,
no bem conhecido e acredita-
do deposito da ra da Gadeia
doRecife n. 12, mais barato
do que em outra qualquer
parte. _________
A 600 rs a garrafa de gaz.
Cootinua-ie a render o melhor gax, na loja de
uoileiro, ra da Imperatriz n. 65.
Escra^os. Lugiio:
150^000.
A quem trouxer o preto eacraro de nome F-
lix, que ae acha fgido desde odia 4 de abril do
1860, cujo eacraro tem oa aignaea seguintes : es-
tatura baixa, corpo regular, cor fula, pouca barba,
ps um pouco apalhetados, representa ter 35 s
40 annos, nago Mozambique, tem dous denles
abertos na frente do lado de cima, e por cima do
nariz entre as sobrancelhas dos olhos um calom-
binho pequeo, qoe parece ser signa! da trra
delle : obteve-se noticia certa que o dito preto
anda por Ierras dos engenhoa Hutibecs, S. Joo
e Engenho Noro, come trabelhador e inlilulan-
do-se de forro com o nome de Joo Pescador,
pois j tem por costuae quando foge mudar o
nome para Joo, elle tem una poucos de cilicios,
que ao oa seguintes : fot paseador, canoeiro,
caiador, e ltimamente era padeiro, a que per-
tence, porisso roga-se aos cspltses de campo, oc
qaalquer pessoa que O encontrsr, prende- lo e
traze-lo no pateo da Santa Cruzpadaria n. 6, que
receber a quantia c'ma.
Vestidinhos a 4#500.
Vendase restidinbos de seda enfeitados para
menioaa de 2 a 8 aneoa a 49500 : na ra da Im-
peratriz n. 60, loja de Gama & Silra.
~
Oliados.
Vendem-se oliados pintsdos de lindas ajarte a
paissgens, lsrgurss da 6,7, 8 e 9 pslmos, pro-
pitos para masa da jantsr a SS o corado ; aa ras
o> Itnperstrb, loja n, 20,
Grosdenaples do Pavao.
Vende-se grosdensples preto multo incorpado
a 19600 o corado : na rus ds Imperatriz n.460,
loja de Gama & Sllra^
A verdadeira essencia de ail
para engommado.
a loja d'aguia branca,
Lanziobas allemaa, novidade do Pavao.
Acaba da ehegar pelo ultimo vapor nm bonito
sortimento de lanziohaads Allemsnha com boni-
tas palmai de seda, teode 4 palmos de largara a
800ris a eevade t.na loja do Pari rna da Im-
peratriz n. 60i _____
' | aHMMMBIMMpail I lll I I I > II ,
Paletots do Pavao. t
Vende-se tielHoU de penan preto fino a 69,
ditoa de fanerde corea a 69. salgas de easamira
prata a 49500: s na raa da Imperatris n. 60, de
Gema & SUre. t
Loja'do IPavorua da Impera-
triz numero 60.
* + *
CaTtVMLlk k. SILV Al. ^ o pavfio
Vende-se neste eatabelecimento tod>sas lasan- Vende-eeaegaa de panninbo flnisaimo com 10
das por precos raals*aratos qae peesivelis raras a O*:*, rea da Imperatris n. 60. loja de
cem o fim de aparar dinheiro, iasim enana urna Gama & Silva. '
grande porgo das ditas fssendas Inialrameaiasie* j^i* *
ras,viDdas pelos altimoa narios: os doadaelea-
te eatabelecimento rogem a todos os seuafrefd*-
qussedeem ao lubalbo Vs^ateneorar mate
Acaba de ehegar para
raa do Qaeimadon. 16.
Kua do Crespo n 7,
gallo vigilante
Nasta nova loja ha grande porco da eaixinnas
com amendoaa propriaa para brinquedo de 8.
rJoio qae ae rende palo barato prego de 800 ra.
seda ama qnem deixar de der a ama menina
urna caixinba ; tambem tem grande porgo de
caitas propriaa para doces secos qua vende cod-
formeseus lmannos 69, 59 49 a daxia,
emeadoas avalis a 800 a 640 rs. a liara : s no
vigilsntevua de Crespo o. 7
Fagio no dia 12 de abril deate crtente au-
no do poder do abaixo aasignado, o pardo de no-
me Francisco de 17 annos de idade, que tem bo-
nita ligara, todos os denles, cabellos carapihhoe
e ruiroa, lando sido este pardo escraro do Sr.
Dr. Antonio Borges da Fonseca, de presumir
qae ande por algum dos lugares por onde o mea-
mo senhor tem viajado, como sejsm Iguarass.
Goisnns, loga S. Joo, Campia, Serra do Tei-
xeira, Pi d Alh, Limoeiro, as tres villas da co-
marca de Paje de Flores, sendo qae segundo se
suppoe esleja tambem no engenho Inhamia por
haver sido visto ha poneos diss em Igaarass por
ter amixade com ana mulalinboa desse engenho^
sioda da presumir que o dito esersvo por asd
se inculque como a serrlgo do dito Sr. Dr. Bor-
ges ds Ponsecs, aflm de nao ser spprehendido i
qnem pois o aprehender ondeqaer qae for encon-
trado esse esersvo e o rir entregar so sen legi-
timo dono ns ra do Ilosplsio n. 6, que ser ai
generosamente por elle gratificado.
Ignacio Luiz de Brito Taborda.
Em fins de dezembro dessppsreceu o negre
crioulo, Bonifacio, aleda mogo, baixo do corpo e
grosso, nadegaa grandea, tem falta de doas den-
tes na frente, olhos sbugalhadoa, muito regrii-
ta e di paracarsodeiro ; tem sido visto pels Boa-
Vista a pelo bairro de Santo Antonio : qnem e
pegar e levar ao caes do Ramos o. 4 ser bem
recompensado.
'' n
Piano
Attencjo.
______em cortes.
?sjode-se'efitfes de chita francesa muito fina,
aaa 10 cavados 400, sfflangando-se ser ds
es, qua se deem so lubalho la^saeorar mata casa 10 c
/harte oa anuncios or lela VTavIo, patosa cOr flxa: area djrlnrpsrilria a. 60, loja a u-
estlo sansa qao nlopetirtlto mralrpo. man da ~
US**'
Vende-se empano ingles em boas aso, por
prego commedo, proprid psra prtocipiar-ae to-
car : a feriar ne rna de Seve on salo, casa
n.16.
Arados americanos e machinas
para lavar roupa: em casa 'de S. P.
Sohnston A C cua da Sena.Ha K*n2Z!f&
a. M.
Desde o dia 28 de abril prximo paseado
acha-se fgida a esersva Manoelj, cabra, esta-
tura regalar, idade 38 annos pastee mais ou
menea, com falta de denles aa frente e tem ss
relea das pernss muito sejneatea; leroa consi-
go ama caixa com fazeodeeqae &*?dea-
do, na importancia" de mato de 200*000 Igual-
mente acha-ae ("a tacanea Banaikta, pre-
ta, idade 35 anooa pooco mato on minos, la-
tera regular, sajto tabeqnists, aUlada, iaria
figo, olbos enetfadce, barriga saliente, e pea
8rgoem aa apreaender neire lera-laa aoa
AflUtoe, na qaiato siUo alm a Igrejs, que se
recempeosac, OwUo atm, pretosU-se proceder
sejs qae as Uves acostado,





V
~~


*<
Litteraiura.
.
CEABA',
D. Luix Antonio ttot Santos i por mere* de Den a
do tanta t, bitpo do Ceard.eie.
A todo o clero e poo d nossa dioceie Mu-
de e paz da parte de Jess l fisto, que de todos
verdadeira consolagao.
Os males, afllicgoei e trabsl ios, que coitutuam
cercar os homens neata breve e passageira vida,
sempre derara aos antigos phi;oiophos aos incr-
dulos e aos libertinos occasiio de intermlnaveis
discusses, controversias e pa paris erre coutra
a divioa e adoravel Provideo :ia. Uns, acautndo
impossivel ser este mando, onde as affliccdea so-
brepujam aos prazeres e as do res as conaolacoes,
obra de uma sabadoria inniti, qelieram antes
assignar como causa de tuco, um ceg acaso.
Ostros, para conciliar o que tiara, julgavam ne-
cessario admittir dous deeses, uro bom, autor do
bem, e outro malfico, autor co mal e de todasas
nossas affliccoes. Outros,porm, espantados de
um tal dualismo, lio opposlo mesmo 4 luz da
razao, e, querendo dar soluco a um problema
para elles incomprehensivel, "negaram a Divina
Frovidencia, dizendo, que Deus, depois de crear
o mundo, tornou-se alheio a lodos os aconteci-
meotos, como cousas indignas de tao alta mages-
tado, deixando todo s causas secundarias. En-
tre tantos erros to injnriosos i sabedoria e bon-
dade do nosso Deus, levanta -s? a nossa santa re-
ligio, que, assistida da divioa luz que allumla a
todo o homem que vera a este muodo e dando a
verdadeira idea do mal, concil a admiravelmente
todos os males deste mundo co n as loflnitas per-
eigoes de Deus. o que tantos seclos de extraor-
dinarios esforcos nao poderam conseguir.
A religio nos diz, meut caros Qlhos, que um
so mal ha no muodo que nos faz desgranados, e
este mal o peccado ; nao sent os outros seno
que somos lesobrados de Deas no presente tem- ci } eem pretender transformar n'um jardn da
po ; tito a occasiio. que a todos offerece de delicies squillo, ote Deas, qniz, que fosee un
um grande ganho espiritual. K' os ventada na Talle de lagrimas, roa viscam de expiecio.
boa especalacao, traa nao especulacao srdida e Tfnnslhe o homem pira stleonir os males
olsia, qie, sernodo-se dos mumos castigos, que o cercam ; mas nao apere taire-los da f a-'
qos Dos envia nara mili noa rt..ir.^r,.. 4. hi. r ; "
DIIHQ DI FHWAMD06J m r
A.
%.

a mi
boa especalacao, traa nao especulacao srdida e
olato. qnn, servindo-ae dos mumos castigos,
que un envia para mais noe deuffeigoar i
cousaa ds trra, quer accumular riqueza, qne em
iodo o lempo clamaran) Justica ditina, como
extorquidaa necessidsde extrema do prximo ;
mas sim uma especulado Armada na prudencia
dos bons sertOB de Deus, qiienaodeixaram pas-
sar tao boa occasiio demetter, juros o tilento,
que lhes foi confiado para laerarem na vida
e tetas.
>e nos mandado ajudarmoi mutuamente, uns
sos outros, em todo o tempo, e nestsnncasilo,
Qlhos muiloamados, que com capaeldade deve-
nios nos mostrar membros de uma religue de ca-
ridade, e pretar com o nosso procedimento, que
tao aUps preceiloa asentas mximas nao sao let-
tras mortal, s destinadas a ornar algum pomposo
discurso sobre a caridade coristas, mas que exis-
ten em nonos eoraces, e agora fructifican) jun-
to ao leito de dor de nosso irmo enfermo.
A nossa esmola de qualquer especie que fdr ;
ss risitas aos qne soffrem ; as consolacoes teta-
das aos enfermos serio outtas tantas obras de ca-
ridade chriitaa, que serio premiadas por aquello
Senhor munifleentissimo quedisse qne s>m copo
a'agua dado por aeu amor nao flearia sem pre-
mio.
Se este preceito estnde-se a todos qae tem a
falicidade de professirem a religio calhoHca,
muito mais, e d'um modo especial, deve-se en-
tender quaqdo *e tratados reverendos psrorhes e
mais sacerdotes ; pois ministros da religio, e,
conbeceodo mais o espirito desta meima religio,
suim como os premios reserrados aos que uaam
de misericordia, p os caitigos aos que tem um co
raco duro e indiffereote a dorea alheias, detem
elles dar exemplo aos demaia membros da socie-
dade, e com aeu zelo e dedicacao reivindicar um
boma, que ainda em nosso tempo faz e honra do
placi.'
o homem pira adecuaros m
qBjfHHuam ; mas nlo espere vaos-los da fa
ce da trra.
Osenssto Donoso. Certez, fflHejdo ao eirdeel
Fornari, dos erros. do tempo, diz qae,s artore
parte do magnifico plano da eterna sabedoria,sao
verdadeiros beos, e tem por aul or o mesmo Daus,
de nenbum modo pode ser autor do mal, o qne
repugna a suaa infloitas perfeicoiss. Assim eisas
tribuales, que sotTremos, proranientes das eo-
fermidadei epidmicas, qae tanto nos aterrera,
detem ser recebidas por nos M>m espirito de re-
signarlo, espirito de gratidio e de penitencia,
como tindaa daquelle Senhor ce ioflnita miaeri-
cordis, e que ludo o que faz a nosso respeito
psra nosso bem, e para nossa propria feltcidade.
Infelizmente os erros, que temos apootado,
ainda tem lugar neste nosso se:ulo chamado dtj
luzes, crendo muites que s razie de todos os acn-
tecimentos, que se suecedem 1 este mundo, est
as causas paramente humanas, isto sao devi-
das aos clculos da prudencia l.umana, a habili-
dade de uns, e inhabilidade de outros, e a natu-
reza de todo; e.oque mais 10 acaso, fortuns,
destino, nomes desconbecidos n verdadeira e
christaa philosophia, negando dest'arte a Deua
infinitamente providente toda a intervencio naate
mundo, qae tao admiratelmente mostra, que
regido e goternado por uma sabedoria sobrehu-
mana.
do erro parece ft> chegado a sea maturidade
providencial : plantada pele primeira geracio de
audaafoaoe herisiarebas.fafla n'ema serie de
anuas, ootrtjL-ae drfolbss p lempo da noiso
aros, de floras na eJMIS tasaos paos, e boje
eil dianta de oi ci fructos, e ao al-
cance do nos* a bfeSrs.
Os erros d rramarem falsas ideas, estas germl-
nsram nos ospirltos, trouxeram Insensata aspi-
rscoes, por ceja reilisacao S agita o mando :
procurara pasear da, abatraccio a realidade, dos
litros para as inatituicoes.
O das que preteadem para os decendentes de
Adam, ama perfeita felicidade, tem sea origem
na impia negacao de que o homem (ora concebi-
do no peccado, e coosequenta arBrmacao de que
capaz, por seas esforcos, de altiogtr a per-
felcio.
Ahi a fonta de desasadas aspirsces, qae con
somem as sociedade modernos ; dehi a impa-
ciencia, que trabalba as classes menos ven-
turosos, a Uo fatal lhea tem aido.
Nio literam oatra origem aa utopias de Tfao-
maz Mooui, S. Simn, e todas essss seitis siftia -
listas communistaa ; cujas aberra;5ea, depois
de haverem felto correr tanto sangue, tiveram
fior anisa coneeqaencia entregar a maia nobre e
altiva da* oac5es ao despotismo do ex-prisio-
neiio da fortaleza de Ham.
b5i5*o hU sSlaS.' -P ?rr* Um- *at t *<** h'o Progresto, tffeT-inUdo
eiente na .diluvio, esforca-se o provocado, ou importuno.
Ah eit bem a fielmente desenliado o retrato
alose
qae so er-
.'.,0dn'.S:',5."!K0 0ai*? d*r?0 e > eoaTpIRESaT In^Koe.Va'
pera etlti-lo,
Nooorrer
anadea
doeabeca m gasrds de ehemar-TmpMrtbtrfda- gem nu pracis" em momentos i
dos, sobre tudo quando por espaco de qu.renta .0 psix .c transmiltidos a^5 WbTdipalTSi!
poderoso Imperio. Se era prensa; 10 Intuito de ermar, ao que denomiaim
poltica, alo o mudaado, popalaridade.
aonos dispot donas
necease rio andar a
II
malea relativos, que, cooaideridoi como faiendo cstnoliciamo mostrando bem que a religio, que
da caridade, nao ioalitaicao hu-
Maa nos nao eremos, meas fill os, qae tsesseo-
timentos, verdadeirasconsequeneias de uma phi-
losophia paga, tenham lugar entre ros, qae dou-
trinados na eacola do catholicismo, tantea provas
de f e conflinca tendea dado, a presentemente
estaes dando, dirigindo-vos s Dnus que titica e
mortifica, quando Ihe apraz; e le quem depen-
den! os males, a tida e a morte, a pobreza e a
riqueza ; eaaiim s desojamos qiefiqueis saben-
do que aa tnbulaces qae tos vem de Deus sao
terdadeiros signaos qae mostrea quanto Elle nos
ama ; por aso mesmo que nos cantiga. Os que
desconhecem o espirito e os carachos da Ditina
rrotidencia acbam duro e difficil crer que Deua
nos caatlgue e nos tieite com tribalscoes, porque
nos ama; mss elles nao aabem que o mesmo
Dees, que dase : Ee reprehendo e ciatigo a quem
amo (i). '" *
A aamelhancja de um amorosc pie, que nao
castiga ao Qlbo senao para o bem do mesmo fi-
tho, nosso senhor, que quiz nao s5 nos chamse-
mos ; mas que na realidadefossimosseus lhos
nao nos pode enriar esses flagellos, seno para
nos corngir e maia nos chegarmoi Elle. Sabes
xa, dizia o aojo do Senhor ao virtuoso Tobas
sabes tu, porque tem-le Deas vliitsdo o affligid
com pobreza, com cegaeira o cot oatros traba-
dos? porque ds amado por E le; por isso foi
necessano que a taa fldelidade fouae deata vez
provada. Commummentente as prosperidades
nao echando um certo equilibrio na adverstdade
azem-nos soberbos, desprszador js dos lofelizes
e esquecidos de Deus a da noai 1 alna : otri
portento as visteada misericordia divina noa en-
viar, em certoe e determioadoa tempoa, cartas
adversidades nao s para nos apniai de ama pe-
rigoss affaicao s cousas da ierra, o elevar-nos
Elle, como a nica fontede toda 1 verdadeira fe-
licidade; como tsmbem para purificar-nos sof-
frendo em espirito de peoitencia es dolorosas
provas, eotiadas por aqaelle Senhor, qae nao
quer a morte eterna do patcade ; mai que se
conyerta e viva.
Eis, carissimos irmos e amados Qlhos, como
detemos recabar a prora, que apronte a Ditina
Justica nos enriar agora, mandant o-oos uma-ea-
fermidade, qae chamando-se cho.en infinita-
mente menos espantosa qae a colera divina, que
diariamente desafiamos com os joso! crimes e
peccados, psssando uma vida inteiramente mun-
dana, entregaos aos prazeres e 1: tersases deste
mundo, sem nos ldmbrsrmos di ter ama alma
immortal, que cedo ter de comparecer parante
o ditino tribunal para reapender p>r todoa os pen-
lamentos, palavras e obras qae titarmos com-
meltido durante a vida mortal. Ainda um gran-
de bem, meua lhos, se descobre nos malea com
taz heroea
me.
Se de alguns pontos do biapado nos chegsm
tristes noticias do fsllecimento de muilos de nos-
sos fllhos, a afitiatao que sentimos em parte
compensada pela aatisfacao de sabermos qae
muitosdos nossosIrmos sscerdotes tem se mos-
trado dignos de tal nome; pols, tendo por bem
poico uma vida qae em brete ha de Andar, o
lembrados de exemplo do Ditioo Pastor que deu
a vida por saas otelhas, nao tem deaamparado
aeu posto, e, como taleotea aoldados de Jess
Cbnsto, tem arrostado*os perigos; escolhsndo
antea uma morte gloriosa e cheia de meracimen-
to do que fruir por algum tempo ama exiatencia
poupada com vergoobosa fgida em detrimento
espiritual dos seus irmos.
Eotre os exemplos, que em tempo opportuno
relataremos, nao podemos presciodir de, desde j
por diaote doa vossos olhos o de um nosso irmo
sacerdote, que bem podemos chamar martyr da
caridade, pelo zelo e dedicacao que moairoa em
acudir e preatar oa aorcorros espritu a es aos ata-
cadoa da epidemia. O padre Leoncio, que pela
aua pouce edede, caridade christaa e zelo pela
saltaco das almas, nos pareceu umS. LuizGon-
zaga eotre os pestferos de Roma cooaeguia uma
gloriosa morte, o, deixaodo trra um corpo em
que se tiram signaea de suas fadigaa empreadas
no cumprlmento de seu santo ministerio, foi re-
ceber no cu uma paga superior a todas scom-
modidadea desta tida.
Bastara este grande exemplo, veneraveis ir-
mos, para toa letar a nao toa recuaardea ao al-
uno do prximo : bastariam as vozes ds propria
conscieocia. Bastaria a idea do premio ou casti-
go, que vosesperam para vos mostrardea dignoa
ministros da religio ; mas se ainda asiim hoa-
ver no noaao biapado sacerdote to indigno, e to
aferrado trra, qae postergue seus deteree nos,
usando do poder que nos foi confiado, impomoa
pena de auapenso iptofacto a aquello sacerdote,
que sendo chamado para admioiatrar os sscra-
mentoe a qaalquer enfermo se excusar com o
pretexto de nao ser parocho, ou por qualquer ou-
tro. que o nao possa justificar perante Deus.
E para qae seja removida toda a datida, por
meio desta nosss carta pastoral, aatarisamoa a
todos os sscerdotes do blspsdo a ouvirem con-
nssoei de quaesqaer pessoas, concedendo-lhes
raculdado de absolver dos reservados sloodaas e
papes oceultos, e.applicar indulgencia plenaria
m! i v,ta ?or,e' """lo formula de Bene-
aicto XIV, durando esta nosss concesso emqusn-
to durar a epidemia neste nosso bispsdo. Re-
commendsmos muito aos reverendos paroehoa,
qae redobrea seu zelo, para qae nao faltem aoa
eeus parocbUooa, em Uo critica ocmo oa aoa-
corros eapirituaea. ordenamos que emquaoto
nao mandarnos o cootrario, todo* os aacerdotee
do bispado reciten na missa a oracoPro vitan-
da mortalitate, vel tempore pestilenliae. Esta,
depois de lids ao poto estaco da missa con-
tentad, ser recltsda segundo o estylo.
Dada na nossa residencia episcopal da Fortale-
za, aos 16 de msio de 1862.
E o mesmo erro, que acta rio espirito daquel-
les, que, entre nos, se ostentam os grandes pro-
gressiitas, exclusivos amigos do poto, paraqaem
aonham mil e uma noate de venturas.
Seita, que imaginando a reconstruccio da so-
ciedade imagem de suas seductoraa theoriaa,
empenhou-ae na tarefa, tomou por um contraet-
timentoatacar o desfazer em tudo que existe ;
comecaodo pelo gpverno do paiz, cajo divorcio
com o povo, o primeiro passo para a promet-
tida e to gabada regeneracio:
Sao os revolucionarios de todos os lem-
pos : ou se osientejn om suas verdadeiras
cores, ou se disfarcam sob o matiz de moderados,
s vezes maia perigoaos.
Nao foram' oa exaltados os- qae, em Frenes,
iniciaram a revoluco de 1848, o a pozeram
ra ; ella comecou pela queaio dos banquetea,
equem a agitara, eram os moderadoiOJilon
Barrot, Duvregier de Hauranno, Beaumant, etc.
A peior das anarchias, j ae tem dito, o o repe-
tiremos por nossa tez, nao a dos fados, a
das ideas,aquellas qae, impondo as mais ea-
traragantea coocepcoes o sello de verdadeiraa
theoriaa,adomando-as, pelo abuiodo talento, das
mais encantadoraa aeduccoes, asfazem circular
por boa moeda : aquella, qae, explorando as ca-
lamidades publicas, ennegrecendo-as fra das
cores naturaes, exagerando-as alem de seus li-
mites, procura inocalar a crenca de queas cau-
sal de todos os males sao artiflciaes, eslo no
goyerno e as institaices.
Nao sao os melhores overdsdeiros amigos do
povo aquellea, qae, byperbolieando aeus males,
de industria, na acfio de lamenta-los, nos dis-
cursos, jornaes, club, saldes o at no lar domes-
tico.
Pedi-lhes o remedio, e ve-Ios-beta atirados
n am pelago de divagacoes, o 00 fim dascontas a
repotico constante da anliphona : governo I o
governo I
Ao povo o que eoainaram seas verdadeiros ami-
gos, abservsncia da lei ditiua a humana, 0-
bediencia eutoridade, persetennea no traba-
lho, tranquillidade e (Carcimonia noa prazeres, pa-
ciencia a reaignaco nos revezos, fe em Deus, es-
perance no faturo.
Oa impioa Ihe dirSo :Coronemu* not rotit,
anteguam marcescant vullum pratun sil,
quoa non pertranteat luxuria nottra.
III
-;- LUIZ, bispo do Cear.
(1) Apoc. 3,19.
FOaLHETlIM
A FIL H A
DO
[Coninuacoo do n. 111.)
O empregado da casa commercial Hallory
Eugenio Ellott, cujo nascimen.o, carcter, o
aventuras j o leitor conbece, "ol.ita de soa
habitual e modesta refei^Io em uiaa taverna es-
quina de Biahopgale, e entrara tristemente om
casa de seu patro.
Pelo caminho pensara elle na ifflicgo de Ma-
ra expoata s brutalidades do pie, o assiduida-
des de lord Seamplnt: admiran,-su tambera de
que j nio o tivessem despedido. A sua cabeca
de joven, e coraco de amante pardiam-sa c'am
labyrintho de dolorosas conjecturas.
Sentou se & aua earteira, o qtando ergueu a
cabe ja para depor o chapea no cabido notou que
os seas compsoheiros nelle flxa"am olhares cu-
riosos e reservados. Isto fez-lbe alguma impres
sao: drigiu-se a um que trabalhava n'outra ear-
teira junto asa ; maa este voltcu-'.he as costas
sem responder.
Um criado abrlu a porta, o diste:
Sr. Eugenio Elliott, o patrio ni anda-o cha-
mar.
Eagenlo levanloa-se, e acompnnhoa o criado:
apenas entrara no gabinete do nercador perce-
beu que feehavam 1 porta as su.is costas.
lory bradou ira mediatamente :
Senhorea ds justica, apoderem-se dello.
Dous homens vestidos depreto sallaram-lhe ao
pescoco, e remexeram-lhe toda 1 as algibelras.
No mesmo gabinete achavam-se am advocado, o
primeiro caixeiro, alguns outros tocios o eropre-! bol encarcerir.
"gadoa de casa, finalmente diversos empregados, Mandar me
Os utopistas e os progressistas.
1
1 A posteridsde de Adam, diz Balms, prose-
gue em sua penosa marcha sobre a trra, segara
de que nio encontrsr por c a manso perdida
do Edn, maa tambem convicta de nao voltar ao
cabos, a
A perfeita felicidade 6 irreconciliavel eom a
natareza do homem, decahido da greca divioa ;
o tentar have-la c na trra, prstenco que er-
?a pela loucura.
A vida humana um tecido de malea o ventu-
ras, qae forca acceiter com paciencia e resigna-
d'ali, presa da maia violenta convulsio: ahogan-
do i polica levou qaasi ama hora como que ani-
quilado e fra de si.
Aps elle chegaram o patrio, o advogado Fle-
ming, a maia dous caixelros que accasavam o
aeu companheiro. Paludo, com o oihsr fixo em
Hallory, Elliott cooeerrou-se de p barra da-
quelle tribunal preliminar. Ouviu immotel sem
deixar eacapar o menor indicio de indignacio ou
de paamo aa qaeixas|contra elle deaentolvidasno
tegulnte documento :
* Teodo deiapparecido da caixa pertencente
aasa Hallory algumas notas do banco', proceden-
se indagajes, a ss suspeitssrecahiram no cai-
xeiro Eugenio Elliott. Os sens passos foram vi-
giados; elles annanciavam mysterio. e um certo
'eni0.r- Da ba muito caussva eapecie ssrelaedea
de Elliott com um ontro caixeiro preso em New-
gate, e acensado tambem de roubo. EaiQm pa-
ra haver ama prova certa da exactidio doa tac-
tos, oa da ioiquidade das suspeitas, foram todos
os empregados da cesa encarregados de diversas
eommissoss, e ns ausencia deltas corridaa todas
as carteiras; na de Elliott encontraran)-le ss tres
notas desapparecidas. O roubo eatava provado :
o culpado foi entregue juatica.
Eolo, senhor, pergunlou um dos magis-
trados a Elliott, o que responde a eaia grate ac-
casacaor
O qne respondo! E ha quem possa nella
acreditsr ?
Nega o fado ? toroou framente o magis-
trado.
Nago, neg com todaa as torcas; e replllo-
0 com indignegio.. En ladreo I Oh 1 Elles bem
sibem o contrario...bem o sabsm I
j Pode provar qne nio elle verdadeiro?
Hil- Quaea sao os seus meios de defeza? De que mo-
do explica o depoimento das testemnnhss? Nao
{quero qee cada vez mais se comprometa coro
palavras incoherentes ; talvez nao eiteja prepa-
rado adiarei o interrogatorio para d'aqai a oito
das. Eotio se nio poder defender-se manda-lo-
at st atna ea sa
Nao somos Idolatra do paaaado, oem do pre-
sente ;|toca-lo cao para nos, uma impiedade e
profaoaco, como ae Ihe reconheceramos o re-
quinto da perfeicio.
N'aqnlllo, que ebra do homem, nio ha per-
fegao, fora pola absurdo negar o direito da me-
lbora-lo e reforma-lo.
Aa coneepr5es humanas se sperfeicoam com o
tempo.
Por deseonhecermos o qae, d'u mi na tu reza
colitigante, posaa aar progreaso iofinito, nao ae
segu que neguemos a le do programo.
Trsbslha o homem para sttenuar os malea,
2ue o cercam, mas nio espero varre-los da face
a trradisemos nos ; nestss palavras rae o
reconhecimento da lei do progresso, a qual se de-
duz da perfectibilidade humana, par de conso-
ladora coovicco do que nio escalaremos o cu.
O padre Bilma.da cujas idss conserradoraa
nio se poder duvidsr, tratando desses pertidos,
que sferrados ao passado, desconbecendo a forca
das ideas o costames do tempo, om que mem,
forinsm projectos insensatos, a consomem em
lutss esteris s energa, qne terism consagrado
ao bem da sociedade o ana propria raoisgem, as-
sim se pronuncia:
a Os principios nio morrem urna verdade,
quando ae trata dos principios ds religiio, da
moral, o da razio ; aa obras do homem, porm,
obras qae seu orgulho decora com o nomo de
principios, sao destinadas s modificar-se, e trans-
formar-so. Repallir [obstinadamente esta trans-
formarlo mata-las.
O mesmo eicrlptor commentando sabia o sen-
satamente s phrase de Metternichdepois do mim
o diluvio, assim escreve : c Era a radical con-
demnacio de aeu systema : o homem nio secen-
encarcerarl Porem, senhor,
a*d583*: -i *.* a inocento neste negocio como o'senhoro
citiott recuou paludo como um defunlo: esta-' pede ser.
limm .iV. \ c,hir.: 8eu9 Ul?i)8, ll"(l0, m,'\ Ne,te te5* boodade de oiplicst co-
m dm.?"ai,inei,tVnnBnC,,ad0 ?m Pro,xl-r|ooram ter sui earteira as qainzo libras es-
mo desmato, queodo M. Power, un dos socios, torlinsi.
'"i PDm-%a\nDZb0' dU,: r A I"" ""ras? J disso que neg o fsc-
m AMmV?Xm ,g'"- l0 eo-oabaolutemente- Nlnguem poderla ter
^SL\n^dltl)Tl9imiU'M ,e"':"loemminha earteira as notas do banco:
mando eSTro firme- l1UmUt "la-:,,br esterlinas, o siguas troces miados 1
-Om JSr'K dtatc ? Porq. rttio UaJ A..U.t..nh.s j.r.ram contra o senhor
tam contra minha liberdada? De quj me
sam ? ~
Da roubo domestico, respomleu o advo-
gado. T'
De roubo I 9
As tsstemunhas ,-.-.. ,H. ..uu.,
o que lem psra oppor aos ssus depoimentos f
acen- interrogue -as se quitar: um direito que nln-
guem Ihe nega.
A teitemanhas do Sr. Hallory deposaiam
'' conlrtHlfaB 1 Condamnam-me I Oh I Comprehen
Mudo terror apoderoa-se da Ellott, ana fez 1 *^ um to,-t tnT>tlo P Pir-
Inatels exforcos para fallar. Nac so poda dsa-
cre ver osen paamo profundo acompanhado de B0 disse-lhe em v6. tii '
.'f.To.Hnjdo-se do lado do mercador o ince-
am iaame I
Dapoie accrescenton dirigindo-so aos magia-
trados:
Tomo a Deus por testemnnha do como sou
innocente do crime o baixesa que me tmpatam :
soa victima de uma traico. Podem prender-
me ; podem fazar do mlm o qne quizerem. En-
trego-me as mios do Deas, pao d'aquellei qae
nio teem pae I
Os magistrados Acarara commoridos a aaaa
aimplicidade e forja de expressao: concedern)
ao joven Elliott oito dias para produzlr a sua de-
feza. O relho mercador, sem atrever-ee a tan-
car a Tiste sobre soa victima, teatemunhou by-
pocrltamente aos juizea o desejo que tinha de
rer o iccuiado juiticar-ae, e o pesar que elle o
seus associados sentiam por lerem sido obrigadoa
a proseguir n'aquella aecusscio no interesse da
moral pablica.
Psssados os oito das, Eugenionio podando
defender-se, foi encarsorado em Newgate. To-
dos os jornsos ocenparam-so do seu crime. E'
ama-das inconveniencias da aablicidade laucar-
se assim de improviso 00 asi das familias as
mais terriveia noticias, multes rezes de proposi-
to inventadas.
No mesmo dia em qae foi publicada aquella
noticia, achaado-se sobres Chamin do qaarto de
alaria um doa jornaaa que a coonha, ali depo-
sitado sem durida por sus sriada, a mofa lancou
mi delle por acaso, o poz-se a lCr: mas depa-
rando com p trecho fatal, corren para fra do quar-
to, deseen ss esesdas precipitadamente, a pene-
trou na sala de jantar em que se achara seu pae,
sentado janto ao fogio, com as mios crnsadss
sobre o abdomen, entregae pacificamente s me-
ditscoes o delidaa de uma prolongada digeetio.
Mea pae 1 exclamon Mara com a voz tr-
mula. Eugenio Elliott roubou a Vmc, e por iiso
est preso ? Elle usa ladrio 1
E com o dedo iodicava" o trecho do jornal que
eontlnha a noticia relativa a Elliott.
Vmc. o ancusa f Oh I imposiivel 1
Os labios paludos da moca agitavem-ie n'um
sorrir convulsivo, qaasi o sorrir de ama Iones.
A dor e a raiva, de que oslara possuida, ang
maniatam progreMitamente, e como aeoo
as mulheres mai nervosasparecU ffliis
mais lerritel ainda do que am homem anfi
do. Com o passo rapid
na sala em frente de seu p1
com uma roz que pola i
anouncista a approximacio da
Nio, nio creio, nio poda
pae 1 mou pae 1 isto multe
Vmc. 1 Usa pobre moco que a
sinio tem rale, era
guara que o jaiba com;
Tem a mlm.... Eusu
E poz-se a rir de ama m
que a demencia jarecia ter-s
O pso 1 siaitalo com aquella!
ier prodigalissdo fllha todos
doa sor os estallos os carra
a toda a presea casa do ai'
encerr*.ado da parta mal
ClOI COnlDCOSOe i
commettestes graviiiimoerro ; e se nio era, mil
defendeste, o oHt ano, contri quem nio lutsra
a neceistdada.
A lei do progresso consiste na relacio entre as
couaas e o lempa: este o indicador doi melhora-
mentos, n rs^rtsW a realissr. depois de insta,
sensata, cOnsciepciosa, e imparcial aprecacao
daa causss o effetos.
Fra deatas condic8es quilquer modificacio
seria uma mudenca, maa nao um progresso, antes
regreaso.
as couias humanal, poli que nio podem sa-
hir perfeitaa dss mios de autores imperfeitos
essencial a experiencia, isto o estudo de seus
eleitos, estudo que requer tempo e paciencia.
fe 6 isto verdade acerca de tudo, nio deixa de
se-lo pelo que toca as instituticoes. as leis, que
jogam com os interessos dos poros de sua natu-
reza complexoa e Taados.
Nao pelos arrouboa de enthuaiaamo, fogoa fa-
tuos de imaginacao eacaodescldas, que se ha de
tocar nn imtitaicdes e leis do piiz ; e essencial
estado e reflexio.exame profundo e conscencioso
que aaaegurem a atilidade das reformes.
Os poros nio Tlrem e progridem, senio pelo
respeito e venerado de suas leis, as quaes pre-
cisam da sanecio do tempo para aogarear pree-
ligi, e portanto venerado a respeito : a lei da
consertacao entio uma lei de progresso.
O progresso nio pode prescindir da coidjuta-
Cao dos costames, da parte que lhes cabe na Tida
das naQoes.
Progresso, que sejs o desentolvimento natural
do direito e da rerdade, que nio se rerole ao ho-
mem, eeoio por partes, e sob a influencia do
tempo.
Olineessantes roToltimentos da legislaco,
diz Schulzemberger, sio o indicio mais certo di
decadencia social e poltica de uma nsejo: Plu-
rttna leget eorruptissima repblica.
E iosensitel e lentamente que se tranaformam
aa relacea di ordem social: a iniciatita das re-
formes legislativas pertence aos fictos consuma-
dos, e nao asdoutrinas que os precedem. Quan-
do ai reformas sao motivadas pelea trensforms-
Qes consumadas ns ordem dos factos, nio ha
perturbado ou desorden); tem por effeito resta-
belecer a rela;io normal entre a forma jurdica
e a ordem social, e entre esta e oaintereaseaque
a determioam.
As rebQes da ordem social pablica se trina-
formam maia lentamente ainda do que as da or-
dem social privada. A iniciativa das reformas
politices pertence com mais justo titulo ainda aos
factos consumador
A conitituicio do estado o aymbolo de sua
perpetuidade, as transformares orgnicas da
constituida o sio por sua natureza parciaes, lentas
e successivai.
Nos lempos modernos se tem felto grande aba-
so do poder coostituinte. Doutrinas impacientes
e as mais das rezos errneas, tem usarpsdo ums
iiciativa, que lhes nao pertence, pretendendo
aotecipar oa tactos, e reformar os coslumes pelas
leis o constiluicoes.
As nacoes dotadas7 de grande seoso poltico
nao tocias em suas tostituiedes senio com extre-
ma reserva, e quando ha necessidade absoluta;
sabem que multas vezes o remedio peior do que
o mal.
A decadeocia da ama sociedade eminente,
quando ha maiaanciedadeem fazer constituido es,
do qne em pratica -las.
- O respeito do direito o dos precedentes, a
primeira quslidade de nm povo livre.
A saoceo do lempo o elemento necessario
aatoridade moral do direito.
c A'e lela falta forca qaaodo Ibes falla dnra-
co. a
Palavras nngidas de bom senso I
Podessem ser outidis por todos, que tem, ou
aspiram s direccio moral dos povos ; podessem
ellas callar tao profundamente, quanto merecem,
no espirito daquelles, que sonham o improvisam
reformas I
Nio menos sensstas proteriu Guizot peranle a
cmara temporaria francesa em 1847; dizia o es-
tadista francos:
Uma palavra agora sobre o que entendemos ser
progresso.
A primeira eondigio do progresso serverda-
If'"* -" "" !"". ~* m.it.in. un-
Inorar em tez de mudar ou deteriorar.
A aeguoda condlcSo qae o pTogreseo sej* do
cessario, o nio s necessario, mss tambem que
sus necessidade seja roconhecida geraimente, e
sentida no paiz.
Tora a e cuidado, senhores, os governos livres
ritem, em materia de progreaso, n'uma situa;io
bem differeote dos outros. Em derredor delles
tudo se agita e ae mote, todas as idees e ambi-
Coes; pede-so muito, quer-se obter muito de-
presas, o impulso muito forte.
Em tsl eitnacio a ratesao do governo precisa-
mente porque est em preseoca da liberdade
marchar leota o maduramente, manler, contar e
aceitar somonte o qne sentido pelo paiz, e cuja
necessidade tem penetrado am todoa os eipiritos,
pelo menos em ana grande malorls.
Eis s mlssio o o dever do governo- nos, paizes
litros. Muito menos do- que em ou tras- formas de
organiaaco social, deve tomar a iniciativa as
mudaness e reformas. Vite em presenca da li-
berdade, ouve suas reclsmacdes, julga-as o re-
pelle-as, ou se commatte a execucio.
Eis como entendemoa o progresso. Todas as
vezes que nos achamosem presenca d'um neces-
sidade real, sentida, reconhedda pela maioria do
paiz, nio heaitaremos em aceite-la, e emprehen-
der prov-la. Nunca, porm, emprehenderemoso
municou so advogado o desejo aua tinha de que
fosie poslo immedietamente em Uberdade o man-
cebo que elle entregara justiee.
No ponto a que chegarans as coasas, res-
ponden Newington, nem o proprio rei o poder.
fazar. E' preciso que elle fique anda um me
na aua prisa, que seja depois conduzido nova-
mente perante os magiilradoa, e enlo um juixo
aolemne o ulterior ter de absolt-lo ou condem-
oa-lo. O Sr. pode deixar de apparecer o aban-
donar a aocuaacio, ou entio confessar o sea. er-
ro, o qne uma inadvertencia oceaalonou a. aua
queixa contra o acensado; Nestss duai hypolhe-
ses, sa Elliott i, como diz, innocentenao. dei-
xar de redamar nraa reparaeio a indemnieacio
proporcionad! ao perigo qua correu, e a man-
cha imprcass no seu nome. Anda mais, se qui-
zar tingir-ie completamente, pode par sua vez
tambem aecnsarao senhor e aos associados,como
culpadosde na cooluio contra elle, einda em
cima de perjurio.
O espilo de Hallory tocen sua aseW.
Nio, disse elle, nao espero qu a accio de
repararlo seja intentada contra mim. Estou
prompto a pagar o que fr necessano, o que elle
quizer. Aoooselhe-me, meu amigo, falle, diga o
que deve fazer....
Nio cemprehendo este terror, e o empe-
nho que o senhor sgora mostrs pelo acensado l
Oh 1 E' que um accidenta novo e impretiato
muda a face de questlo. As comas nio podem
car no astado em qne se achara : tenho miabas
razse, e raides muito fortes.... Nio olho para a
lomma oeceaaaria a concluir esse negocio ; o
qua quero A t-lo concluido.
Pols se ou fosse o acensado, e estiiesse con-
victo ds mioba innocencia, nio aceitara concha-
to algum : hara de lavar as couaaa ao ponto de
ter a Bt/bha innocencia protada em pleno tribu-
nal, e os factos esclarecidos. Desafiarla o aecu-
aador a provar a ana aecusscio ; a quando elle o
nioeonsegulsseiccusa-lo-hia tambem de ca-
lumnia.
O que, aenhor I Accuiar-me I murmurou
surdamente Hallory, em cuja fronte corriam got-
tas de suor." *
-Sem dutida alguma I Porm nao vejo ra-
zio....
Pols qae o faca I que o faca co* todos os
diaboa I Interrompeu o mercador letaotano-se
com vlolends. Su o desafio 1...
., E murmurou algomaa palavras sanfapas, que
flrmarsmoadvogido ni certeza de que o verds-
do ers a aeu cliente. Porm oa ne-
'. Hallory eram multo lmportantei, e
deixatam a Newington todosoasan-
ha-se a que elle rompesse as suas re-
1,11111 clieane que Ihe ora lio til,
lliott, cajo futuro se aniquilara ante
da aeu patrio,' esperava resignado
* da de saa sentones. Nio conti-
relijSes com a joven Mirii, latir
e contra a nortetal ara a aul re.-
nsMeebo I Nio tinha apoto nem
rihovIa^^cafiaVffUaTnhii da si mea
E o qne s popnleridade 1
Deusa qae muilos adorara, dus s que nln-
guem conbece, nem pode caracterlssr ; aioda os
seas mais fervorosos levitas, que, muitss vezes
quando a rocuram em suas adorsedes, eneon-
tram-lfl orna ttrica ligera do carrasco, a se
veem stsentad.es sobre o cadafafso: como os ln-
felizes Girondinos, Camilla Desmonlins, Dioton,
Robeipierre e tsotos ootroi, de q%e rea a histo-
ria antlga e moderna.
Popularldade! popularidade I |De quantas ca-
lamidades nio hss sido causa com leus engaos
e sedceles I...
O verdadeiro progroiao a ligacio do presente
e do passado ao porvir; fra desee enesdeia-
mento baver ionovago, e os innovadores pode-
ro destruir, mas nunca construir.
J lomos algores : ao lado dos desejos de
reformar anda o perigo de destruir:
Nao ba que eaperar do terreno continuada-
mente retoltido ; a vegetacio toros-so impossi-
tsl, porque ss plsotss, privadas do sueco vital,'
que a trra nio Ihe traosmitte, porque est fra
das condiQes de receb-lo, nio se enraizam.
Acautelaa-vos em tos deixar levar desse pru-
rido de innorar, enfermldade de que, sentimos
dizer, perece nao sodar isento o nosso paiz, a cu -
jos symptomas se revelam neasas aapiracea ra-
gas, em que se sgitsm os espirltos; einda os qae
parecas mais reservados.
IV
. Progressista sabe o ser a naci ingleza, qne,
segundo diizMonlalembert, animada do eapirito
de transformarlo lenta e gradual, com arte ins-
tinctiva e sagacidade maravilhosa sabe casar o
genio da lradic>o~ intelligente cam a pralica do
progreaso moderado, o cuidado dos iateresses
gerses com a dignidade civica e liberdade indivi-
dual do menor dos cidadios. J
Em que lado poltico est entra ida o verda-
deiro eapirito de progreaso T
Em face dos principios que deixamos aasenta-
doa nio diffidl a reaposta.
D'eotre os politicos ha uns que qaerem correr/
e outros que qaerem flesr sentsdos ; aquellos
si> como pedra precipitada do dmo da monte-
nha, adormecidos em lethargico somno aiseme-
lham-se Bahame ao cahir do clice dos lotos :
a. vida progreasirs nio est nestes extremos, uns
destroem arrebatando em seus arrancoa, outros
deixam suecumbir falla ds renovaco de tor-
cas.
In medio eontitlit virtut: o que se deduz
do que diz Taparelli, quando assim enanda-se :
Chamamos a ottencio dos leitore para o que
vamos dizer em reapoila acuelles qneeiprobam
o partido conservador como inimigo do pro-
gresso.
Ha neate partido homens exaltados, os quaes
considersm toda modificacio uma aubveraio ;
mas, por sua natureza, a conservacio nio le-
thargta da ioaccio ; o desenvolvimento paci-
fico do direito e da verdade, desss verdade ante
quem no correr do tempo cede a forca, por isso
que se insina irresislivelmente nos espirilos,
more as rontades de nm modo persaaslvo, e ce-
do ou tarde oblm aeu effeito. Sob o ponto de
Tisis da realidade a difirenos entre conservado-
res moderadas e liberaos exaltados nio consiste
em repellir ou favorecer o progreaso, em embar-
gar ou acompanbar a marcha do secuto.
O-homem sensato sabe que Tire no tempo, e
que 'orga marchar com elle ; mas o conserva-
dor moderado quer que o deaenvolvimento suc-
cessivo nssea da aajio regalar doa direitoa j
existentes, ao passo que o liberal exagerado os
quer aniquillar para provocar melhoramenloa que
imagina, e que as mais dss vszes sio pbentasli-
cos. A historia do lartheranismo que ss- podem
ligar aa outraa do liberalismo podem lnstrair-noa
acerca da politica da* aubverses, custem o que
custar-
Bui ssbio conservador qner fazer progredlr o
estado actual, appilcando Ihe as leis da justica ;
o radical quer destruir o corpo social de que sao
frscas e imporfeltas algumas pertes. Um a outro
qaereriam a reaiiaacio de um bem, mas o se-
gundo quer um bem, injutto, prematuro t im-
posvef.
Nao houve jmala no mundo oo.cr.dor maja
tenaz/de direito, nem progressista mais eflisez e
completo do <} Aquello qua diste :
ts-me aqut eu que venho renovar tudo.
Variedades.
A TORRE E RELOGIO DA AJUDA.
No alto da Ajada o em frente do real palacio,
eleva-ae uma elegante torre, ornada de bons si-
nos, com o sea relogio*
Partencia esta torre -egrejs patriarcbal, o lave
a fortuna de eseapar ao vandalismo pesterior
restaaracio.
A primitiva egreja patriarchal foi instituida na
capella real dos pagos da Ribsira. El-ret u.
Joio V. enlevado nas-magnificenciaa do culto, e
aecrificando ao fausto religioso, uma grsnde par-
te do ouro do Brasil, preleodeu levsntar novo
edificio para a patriarchal. Houve varias con-
saltas de fldalgos, srehilectos e mdicos sobre a
eseolha do local, optando muitoa por que fosse
Haria depois de oito dias de febre lenta foi sub-
mettida de novo s visitas de lord Seamplett: es-
ta odiosa perseguicao nio a desaoimon. Repel-
liu as coofisaea do.visconde com desprezo, que
se tomn mais intenso e glacial qjssndo um dis
de aecordo com o velho mercadorelle offereceo-
lhe formal e positivamente o aeu coraco e a sna
mi.
Algumas vezes Hallory oa porque q.uizesse por
si mesmo sonder a ferids aberta no aoracio da
filba, on porque nio podesse deixar de pronun-
ciar o nome daquelle para quem ae tornara tao
culpado bilava de Elliott em presenca da Ma-
ra, que trasia essa nome escripto no fundo da
alma.
Deste modo se eleotava, a psixio dente da
moga ; tudo augmentara a sua piedad psra com
o desgrscado. Os senttmentoa da indignacio a
desespero, que seu pae too imprudentemente Ihe
excitar tocara as rsias do enthusiasaao.
Finalmente chegou. o dia fatal. Nio foi aem
sentir um estremecimento oceedonado peto te-
mor e pelos remoraos que o Sr. Hallory fez
subir ao seu carro o, boorado vlaconde Siamplelt,
aeu cmplice e amigo. A extrema pollldez do mer-
cador ImpressioBoa a todos os asiistentes. O seu
semblante deaeoroa e conlrahin-se ezcessiva-
menle quando alie lancou os olhos sobra n ligara
enmagrecida, oa aobr'olhos franzidos, a os labios
trmulos do joven Elliott.
Hallory fiogiu continuar eom o visconde ama
cooversBoao ioteresssote ; mss ee suas pslsvraa
incoherentes, e gsstos precipltsdos frailara oa
seus soflrimeatof receioa. Alma gressevrae cul-
pada qua ae ebaitava e tremia em face da al-
ma pura a Innocente, a quem havia aacrifleado t
A sessio comegou : nio houve adrogado de
parte a parte ; ninguem sustentos s eccaiagio,
ninguea a repelliu. O tribunal leva apeoae da
outir ioterroger-sa ss tesfemunhas, a apreciar oa
seus depoimentos.
Chegaado a vez do mercador todos perce-
berama agitacio daaaa pensamento pela heiita-
cio a tremor qua ella nio pode dominar ; final-
manta pela incoherencia do depoimento.
Nib tinha ainda decorrido eincoenta minutos, e
j s sentenca achava-ae tarrada. O jury absolten
o ru, declarando sam fundamento a accasacio
intentada contra elle, dictada pela malevolencia
a maia odioaa.
Naate caso, lerguntoo, Elliott depois de 11-
a aawtenca, neanma nodoa recabe no meu
orne ?
presidenta do tri-

posso, querendo, perseguir e entregar i
aquellea que por um trama infernal me
lancaram n'uma prlsio, a me Intentaram acta pro-
cesso ? '*
. Sam durida alguma : ptove que a calum-
niado prajadicou non bous boas e ns sus honra
que a sal o proteger.
ElUoll lanjou sobre o mercador am olbar tio
09 sillo de Baeuos-Ayres, por sei sodio,
astee projectos do msgotfico ral cad acarara,
mltou-sa a engrandecer a restaurar a capella
real, para melhor accoasmodeeio da egreja me-
IropoltUna e pstrisrshal.
Grandes forsm as riqueiis com qne el-^ei D.
Jlo ?. doten a patriarchal. nio s em rendi-
meo os, mas era slfaiss, parsmentos, ete., o 11-
sim tsmbem qniz qae tivesie a mi torre de sinos
epproprlada, a quel mandos construir, alm de
onlra para o relogio, cujos sinos tsmbem toca-
ta m nssfestss da primeira citase.
Ti o ham 9 sinos a torre, o o maior pesara 800
arrobas, tanto como o de Hafra, e todos elles jun-
tos pesaram 1,355 arrobas. Ceda sino tocata am
casos especiaes ; aasim, o maior s locava as
festas de primeira classe, e as exequias das pes-
aoaa reaes, dos patriarshas, cardeaea e principes-
o seguado tocara as festas de segoada el ene
ms exequial dos fldalgos titulares, dos tnonse-
nhores e conegos ; a at baria um que tocara
por morte dos sscbralas da patriarchal.
Tudo era bem regulado; e al dos daos so
gusrdsrsm e respeltaram as cathegorias I
O lerramoto de 1755, o o snbseqnen te iotendi
arrasaram completamente s capella real, e dia-
(rlbuiram todas as rquesss ali araontoadas. Mas
o sino grande escapou do tinbt apenas com
ums aza quebrada, e veiu ou devis v|r para a
torre do novo templo patriarchal, qae ae cons-
(ruiu as obraa do conde de Tarnos, boje largo
do Principe Real, ou da patriarchal qeeimads,
em conseqnencia de ter ardido o novo templo,
por toe ter posto, fogo o armador.
Nio sabemos que fim lere o sinograude? tal-
vez o reduziaiem a patacos, om prego man? til;
que atormentar os ouvidos dos fiis.
El-ral D. Jos, depois do lerramoto, mandn
construir o palacio da AJnda. Era nm edificio
provisorio, e janto d'elle se levaoton a capella
real, para onde em 29 de mato de 1793 passos*
s patriarchal,sendo lambern a capella ama cons-
truccio provisoria;
Depois disto mandou a ratona D". ajeria I cons-
truir uma torre de cantarla larra**, porque a
que havia era de madeira. Foi incumbida a cons-
truya o ao coronel Manoel Caern* de Senza, ar-
chiledo das obras reaes, e da egreja patriarchal,
O na torre se collocaram 8 sino mut barmanio-
so; alm da maia 3, que perteneeffl ro relogio;
Succedeu o incendio do palacio ea Jatoda, em
10 de novembro de 1794 ; mas a capella' i tor-
re Acaram intactas.
1703?1
am os sinos sagrados em 25 da mato da
pelo cardeal pstrlarcha D. Jos1 Prsntisea
de svendooea, e tocarem pela primeira vez em
29 de abril do mesmo anno, para festejar" o oas-
cimento da aenhora priaeeza da Boira Di Marta
Theress.
O relogio fot incumbido ao medre Jos di Sil-
va Hafra, ralojoeiro do convento e pelado da
Hafra, o qual deaempenhou a commisso'c-om
muita habilidade, e o assentou na torra, coma-
cando a regular o seu curso no dis 8 de setatB--
bro de 1796.
E' mal elegante a torre, e orna aquello sito, o
at d relevo ao edificio rea). E' Lisboa mal'
desprovida de torres que tacana aobresahir a
perspectiva da ddade, a como que Ihe dem maia
nobresa. A torre da Ajuda enobrese o sitio, e
tem de mais a vaotabam par oe moradores de
ser um relogio publico.
A torre tem uma grimpa d bromeIdourado,
com 31 palmos de alto, o o gallo do cataveoto
tem 18 pdmoa decomprimento do breo ao rabo.
Sao 8 os sinos, muito bem aftoadns, taem de
pese > ol, 287 arrobaa; 2?, 2tt;: 3,M6; 4.
118-eS arrateia ;5*. 90 e ti arreteia; 64 ,24
arrateis ; 7, 48 e 1* arratds ,-8\ 41 arribas.
O tres- do relogio pesara : o das hora, 331
arrbese 16 errateia -r o das- mdas-horas-, 392; o
dos quartos, 100 o 8-arrateis.
Parece-nos que o sino daa hora o- naiw que
ha em Liaboi;. a todo 01 desta tone sao o* aa ais
barmoniosos.
Em 1834 foi demolida' a capella real, no- fue
nada seperden, porque era uma construccao-aem
importancia, e aasim se desondrara aquello-lar-
go, que bem merece que o a frmasele,, porque
am doa ailioa mais bellos dos arredores de Bis-
os, c-u de Lisboa.
O ralojoeiro Jos dar Silva Mkfray tanto amor
tinha ao seu relogio, qne, depois de exBcta a
patriarohai, e arrasada a/ egreja, floou durante
muitos annoscaidandodo meamo relogio, oomo
maior zelo, esem recebar nenhnma retribuid*,
Depois que o collocaram as classes-inactivas,
como os demais empregadoo.
Ora, Jos da Silva Mafra nio desamparo nun-
ca a torre, atratou da ana conservepo a do re-
logio com tanto zelo,.qu bem moreda qjso o
governo o honvess contemplsde com ovenei-
mento por inteiro, pois qno serviu por oraitoa
aonos gratuitamente. Ese nio (ora elle,ja a-torre
e relogio eatariam abandonados.
O relogio indispensavel n'aquelle sitio Wdo
nio haver outro. Parece que se pensom em o
medir para o arco da ra Augusta, maa, segan-
do ouvimos, este plano nio vigatout Na verda-
de parecla-nos desacertado.
O relogio regula muito beos,. a ae o aireasen
d'ali, naturalmente arrasa va m a torre, enqpeaa-
ria am acto randalico.
(Jornal do Commercto, d Lisbos.)
Nenhuma, reipondeu o
bunal.
zo, e perdi, que o ssngue afitoindo face do
verdadeiro 1-jipado tiogiu-a de extremo rubor.
Espero que nio nos tornaremos a ter, dada
o carcereiro a Eugenio Elliott abriooorlhe a< gra-
de de ferro que separa os cidadioe liaredaejael-
lesque estio sujeitos punic,io e pranencio^
Tambem en espeso 1 responden Engarnio
precipitsndo-se ns rus.
Ninguem ignora que o sr livre paoduz o aleita
de embriaguez naqnella que sa de uma prlsio
obicura. Elliott tomara camtnh*ta, agaatando-
se s paredes, sem saber que aiyto pvoamrsaae.
nem o qne serie ds sus tida, qnando achou-sa
em face de ama mofa cm o rosto conecto por
am veo.
Eugerio 1 Man querido Ejigeofe-1 axclsmov
alia.
Era a fllha do mercador, sjno-atondando os>
breos para o mancebo, contioaava com a tos
quaei comprimida :
Ests litro finalmente } Dea nio conaesjai-
ram parder-lo... LoQtad seta Denal Obi oua>
de angustias soflremos ambos nos, Elliott 1 ama
porqu nio me fallas? Porque nao responden?
Que culpa tem a filha do enrueda sen pae?-..
Pois que 1 E' a mademoiselli Hallory esaam
eu aqu tejo?
Slm, Eugenio, aou eu en. taa Hara I
Mas como eats paludo I Como ostia Bandado I
Oh I nio posso ror-la mim fss pena..
Dizendo estas pala tras a moas ociultata o ros-
to as mios, a aa lagrimas corrtam-lbnpor entra
os dedos.
Custa-me orar qae seja mademokella Hal-
lory, a filha do Sr. Hallory 1 O que dir aeu paaf
E a aenhora sabe quem eu son ? lm homens ac-
cussdo de roubo, e que aaa agora das prisoas da
Newgite. Nao tem rergooha da estar aqu son-
tersando comigo ?
Obi Bio talles nido... foiama verfonha I...
Elliott, tenho o coracio despdacdo... K pennr
que sou filhs delle, qne o can sangue asa gyn bis
veiai I...
Elliott apertou conrulstramente de encontr a
Ha seio s joven Maris, que auperior aos recalan
a timidez do san sexo nenhuma reiiitenci
fez.
Vem, vem comigo, contiswou ella ; vem
pedir-lhe jasticar, reparaco. Eu edarel a ten la-
do, ajodar-te-hei... O qu-.ponas alto.fazar?
Linear-te fra de casa f Pois bem j su te segui-
r!. Aquella aaaa paterna tera-se-me tornada
odiosa : mioba mi ilti morrea dador...
lagaoio Elliott repsllin at violantes proposlaa
da ana amante.
Reeaso s bolsa que alia quera daizar em aaaa
mloa; e chamando umasaarruagem ffi-le ahi su-
bir, e aaendou-a condujlr i casa apoiada ter-lha
felto anas ternas despedidas.
(Continuor-se-ha.J
nj"
atoa ptoftuo, tao chai9 da cansara, daanre.4Pin,n,TTf. DI H, f,BI FAIlA L
P injsnjaaaj
------------------------------ ar ---------------
-U
L


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ECWE8SDK0_7UEXNR INGEST_TIME 2013-04-30T23:06:48Z PACKAGE AA00011611_09948
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES