Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09933


This item is only available as the following downloads:


Full Text
~T
*'
SW
HIVl IDMUOI29.
J*r '"''zesatiaBtadasSfOOo
rr tres aizes yencidos 6J000
., .. ^,. -..-^ h
*
4
DIARIO
r/ afit A
OOINTA flU 5 DE JOHHO DE 1862.
aj^i^a^s..mma^^^.
Paraana adanttdt 19$000
Porta franea tara subscriptor
>
ESCARREGADOS DA SUBSCRIPTO DO NORTE
P.rahyba, o Sr. Antonio AlexaorJrlno de Ll-
a ; atol, o Sr. Antonio Marques da Silva;
J. Jos de Oliveira; Maranhif, .Sr. Joao-in
Marq.e. Rodrigue,; P,r. MVooe. Pin "'
u, Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
PARTIDAS DOS CORREIOS. pH ntra nr np >*
Ollnd. todo. o. di., a. 9* hora, do di.. "^EMBRIDES DO HEZ DE JUNHO.
uxt"$.hitu01ta0t' Pmbybt n" 5 Qo creseento .o. 2 mnelos damanhaa;
S. AnUo. Beierroi, Bonito, Garuar, AUinho\\l j!" ebeia 3 "" 35 mnalo da man.
Garanhona na. targaa-feirai. I10 vuano mlngeante ao.31 minuto, d. Urde;
Pod'Alho, Nazaretb. Limoeiro, Brejo, Pes-I16 Las non as 3 horas e 35 minuto, da larri?
qeeira, Ingazeir., Flore.. Villa-Bella, Boa-Vista, "ae*
Ouncary a Ex na. qua. las-feiras. PREAMAR DE UOJE
Cabo, Serinhem, Rio Formo.o, Una, Barreiros _, _,
" minuto, da larda.

SNCARREGADOS DA SUBSCRIPTO DO SOL
*af,.?8 cI""*'MDH'; Baha.
Soio* Perlr.'M.V. ; Wf d,,,r,iro' s'" *1 PreVYfmVtoTras"".N.ui vKtototaZi***" oras e 6
______________KTodo. o. crrelo.partem a.iOhora.d.mannaalsegendo as 10 horas. 30 minuto, da m.nha..
rARTIDA DOS TAPOUS COSTBIHOS.
Para 0 api ata Alagoa. a 5 e JO; para o norte
atea Granja 14 29 da aada mez.
PARTIDA DOS OMKIBl'S.
4 1|2, 5, 5 Ii4 5 1|2 e 6 da t.; para Olinda s 7
da m. a 8 1[2 da t.; pira Jaboato s 4 da t.; para
,4^.7 "a U 1|2 d' t,; p,r" "5
OS SrS. aSSigoteS (leste, .Di, = o.No termo, de aua informa-
Cao de 31 de maio ultimo, 10b n. 495, dada com
referencia a da conta<1oria desaa theaouraria man-
de V. s. pagar a quintia de 449 di.pendida pelo
alteres qu artel mestre do corpo de guarnico des-
ta provincia Barnardino Candido de Araujo, com
o transporte de sua bagagem e o das pracas que
o acompaDharam em diligencia at esta cspital,
como ae v do reqaerimenio documentado que
aevoivo coberto com otlicio do brigadeiro com-
mandante das armas n. 973 de 13 do citado mez
de mato.
Dito ao inspector da theaouraria provincial.
fc.m vista do competente certificado mande V. S.
pagar a D. Clara Adelaida Paes de Andrade a
quantia de 300$. em que oi avallado pela r.psr-
gao da. obraa publica, o prejuizo causado am
ua propriedade denominada Sitio dos Coqueiros
com a factura de urna vala para o eagoto das
agua, oa ealrada da Victoria, e a qe ae refere a
tnlormacio mmislrada por V. S. am 21 de abril
ultimo, aob n. 235.
Dito ao meamo. Reslituo a V. S. a relajo
em duplcala e receitae que vieram anaezaa a aua
AUDIENCIAS DOS TRIBUNARS Va CAPITAL.
Tribunal do commerclo : aegundaa a quinta.
Relacio: torga, a aabbadoa a 10 hora..
F.zanda: quintas a 10 hor...
^ Juizo do ommereio : aegundaa ao meie dia.
Dito da orphao.: torcas a aeztaa a 10 baraa.
Primaira vara do eivel: largas a aztas ao maio
da.
Segaada vara do eivel: qaarta. a aabbadoa l
hora da Urda.
Diario Da provincia do Para
queiram mandar aprcaentar
seus recibos aos Srs. Manoel
Pinheiro & C, negociantes
daquella provincia, a:im de
nao soffrerem ioterrupco na
recepto dos Diarios.
PMTE OFFICIIiL.
G0VERX0
Expediente
DA PROVINCIA.
de iunhe
oform.gao de 30 de maio ultimo, sob n. 316, afim
de que nos termos da citada iaormacao mande
pagar a Leocadio Jos de Freitas. conforme aoli-
citou o chefe de polica em offlcio d. 647 e 26 de
abril deste aono a quantia de 107J800. em que
importara os medicamentos fornecidos para o tra-
tamento dos presos pobres da cadeia de Goianoa
a,!nntaI d0.r,*> j*li>< do anno prximo passado
ate 10 do citado mez de abril. Communicou-se
ao chefe de policia.
Dito ao mesmo.Transmiti a V. S. para ofim
conveniente, a Inclusa relacao nominal doa Sra.
aepuUdoa que comparecern) as aessdea da as-
sembla legislativa proviocial no mez de maio
ultimo.
Dito aocommandante da eslacao naval.Com-
muuico a V. S. para sea conhecimento e direc-
co. que aegundo consta de aviso da 2i de maio
orejidente de Minas Geraes. n'mo, S. M. o Imperador bouvo por bem. oor
decreto da mesma data, nomear o Exm- "
pro-
do dia S
. de 186Z
Offlcio ao Exm. preaideole da provincia do Rio
ae Janeiro.Ficando inteirado pelo eu offlcio
ae de maio ndo. de ter aido ^ Ere. no-
meado por caria imperial de 26 de all ultimo,
para o cargo de segundo vice-preaidiote deasa
provincia, bem como de ha ver V. Exc, prestado
juramento a tomado poaae da reapecliva admi-
nistrado por lar de tomar assenlo na cmara
dTaliZl StB,f"* Sr-,"irgador Luiz Alves
a!mll B''l cumpre-medizer a V. Exc. que
sempreme achar di.posto|aexecutaranaa ordons
%a?*rtt s,"i5pub,u" s
Dito ao Exm. presidente de Santa Caiharlna.
Com o officio de V. Exc. datado de9 di maio ul-
timo recebi X exemplares do relatorio com que
v. fcxc. abri no dia 2 de marco deste aono a
primeira sess&o da 11 legislatura deas.
vincia.
Dito ao Exm
Acca.o recebido o offlcio de 19 de maio 1
em que V. Exc. me communica baver assumid
no da 17 daquella meza admiuistra;ao deasa
provincta por ter o Exm. Sr. con.ell.eiro Jos
lenlo da Cuaba Figueiredo de retirar-se para a
corte afim de tomar ..sent na camaia tempo-
Dito ao commandante da. armaa.\o offlcio
da V. Exc. aob numero 1026. e data de 22 do
rorrente, respondo decl.r.ndo-ihe que teodo sido
despachado em 21 de agosto do anno passado o
requerimento de Manoel Travasso Soorinho no
sentido da recorrer ao governo imperhl para a
entrega de am seu escravo, que ae alis ara ao 9o
naialoao de infantaria com o oome de .1.
nardioo de Souz,i, a nao cooslando at <
que tenha havido-qualquer resoluqbo a
airra-se V. Exc. de determinar que o anidado em
queslao que ae achava preso deade 12 de junho
ultimo, contiuuea prestar serricos poii que, ae
opportunamente provar o suppllcante o que al-
lega, nao ser o seu diraito prejudicado.
Dito ao mesmo.Transmiti a V. xc. para
seu conhecimento e devida execucao copia do
aviso de 19 de maio ultimo, em que o Exm. Sr.
ministro da guerra ordenando que aeja archivado
o ioclaao processo de investigar o. visio nao es-
tar provado a culpsbilidade imputada ao aegun-
do tenente da compaohia de artiGces d:sta pro-
vincia Severiano Tiburtino Porlella pelo alieres
qu 1 riel-mestre doT batalhao de infa .tana Je-
saino Deocliciaoo de Souza Bruno, ao dar parte
do deaapparecimento da quantia de 2CO&000 na
occasi j de ellectuar-se o pagsmeolo d<> dito ba-
ialbo, e d'aquella compaohia, determina ao
meamo tempo que o mencionado quarlal-mestre
ndemmseo batalhao deasa quantia, pela qual
responsavel.
Dilo ao mesmo.Sirva-se V. Exc. do mandar
por em liberdade o recruta Manoel Mara, viato
ter sido libertado por sea senbor com t clausula
de aerera seus serricos usufruidos poi Trsiano
Correa de Mello durante sua vida como foi pro-
vado. '
Dito ao mesmo.Transmiti a V. Ex:. 01 oito
inclusos processo. de coo.elho de guena do. sol-
dedos indicados na relacio junta, aun de que
aejam cumprida. a. .entencu proferidn. no. di-
tos processos pelo conseibo supremo militar de
justica.
Dilo ao mesmo.Remello a V. Exc. para ter o
conveniente destino, a certidao de aise llmenles
do lente do corpo de guarnico desti provin-
cia Jos do Reg Barros.
Dilo ao mesmo.Em observancia do aviso da
repartico da guerra de 19 de maio ultimo, srva-
se V. Exc. de enriar- me urna certidao dos nssen-
tamentos que liver 00 7o batalhao de infantaria a
que pertence, o tenente do 5* batalhao la mesma
arma, Antonio Jos da Fooceca.
Dito ao mesmo.Para que eu possa salisfazer
a exigencia contida em aviso do min sterio da
guerra de6de malo ultimo, airva-se V. Exc. de
enviar-me urna certidao do. ...entam* otos que
tiver no 2o batalhao dn infantaria a que i per-
tenceu o soldado do corpo de guarnico do Ceari
Jos Antonio da Almeida.
Dito ao mesmo.Declarando-me o 2xm. Sr.
ministro da guerra em aviso de 7 de maio ul-
timo, que devem ser enviados para a corte afim
,er,B tratados no hospital Pedro II oa dou.
alienado, que eacham no hospital mil tar deala
provincia, e a que se refere o offlcio di V. Ex*,
de 8 de abril ultimo sob numero 70S si va-se V,
Exc. de neste sentido dar as suas orden 1.
Dito ao mesmo.Commuoico a V. Exef para
seu conhecimento e direceo que, aeguc lo coasta
de aviso de 25 de malo ultimo. Sua Mige.Uie o
Imperador houve por bem por decreto 1 o dia an-
terior nomear o Exm. Baro do Porto-A egra para
o cargo de mioiatro o secretario de estado dos
negocio, da guerra.Offlciou-.eno mt.moaea-
tido ao director do arsenal de guerra, consola*
administrativo, commandante de Fern; ndo. di-
rector da colonia militar de Pimenteiras, e direc-
tor das obras militares.
Dito ao inspector da thtsouraria de itzenda.
Em visla da conta junta mande V. b. pagar ao
Dr. Sabino Olegario Ludegero Pinho a qaantia de
960|000 proveniente de 30 carteiras e o tros Un-
tos vidros com remedios homeopatbicos. que voo-
deu p.ra o tratamento doaiadigeoles a eommet-
tidos do cholera-motbut na provincia do Mo Gran -
de do Norte.
Dito ao mesmo.Transmiti a f. S. para os
convenientes exames copla da acta do coqaaiho
admn slrattvodo arsenal de guerra dai.d&llt*)
de maio ultimo.
Dito ao me.mo.-Tr.namltto a V. Sj ra o fim
conveniente o incluso arito de leUra* impor-
tancia de 78*332 re. .aceda pela t K,riVde
rendae da provincia do Rio Gfaode do forte so-
'.'"? eJ ",r d0 tenen" **te 'IfO Cs-
valcanti de Alpuquerque ou a su ord, m.
Dito ao mesmoEm vista de sua ii rm.
de Jl da aaalo ultimo, aob o. 497, o 1 Zf
mandar pagar a Joio do Couto Alvea la Sus
anua de 67S00 consiente da contr junt. ^
duplicis, proveniente de um barril coi 1 48 cana-
das de azeite de carra pal. por alie v adido ae
consetno administrativo com deino ai presidio
de Fernando.
da. arma., porque as io.peecdea para baixa ni-
camente podem aer ordenadas pelo miniaterio da
guerra na forma preacripta na ordem do dia do
exercito n. 270.
Assignado.5o/onio/os Antonio Ptrtira do
Lago,
Conforme. Jote Franciteo Coelho, capitao
ajudante de ordens encarregado do detalhe.
DAS DA SEMANA.
2 Segunda. S. Erasmo b. n.; S. M.rceilion m.
I ni5',' S,0'ldl0t' s- P'l'.n> Olivia.
\ Si!" f' ranc,,co Car.cioli; S. Qrrfrino b.
8 Spv?.a-. m.
7 tSSLS- orb"10 b- s- Am.ncio.
8 Domto.n i Ro*etXo*b- ; S. Licario.
8 Domingo. Paachoa do Espirito Santo.
ASSIGNA-SE
PEKNAMBUCO.
adjte"'*" 'bre e,,e ponle> e- P"' P""rei
li Umbem urna pequen, quota para um
accreacimo ou couia que o valha na cadeia da
Escada para servir de prisa o das
Heus senhores, para mostrar i casa a
de que ha deste
laclo.
accrescimo, basta
mulheres.
necessida-
referir um
------------, 11 uui- Sr. con-
seihro Jos Bonifacio de Andrada e Silva para
o cargo de ministro e secretario de estado dos ne-
gocios da marinha. Fizeram-.e a.outr.s com-
municacues.
Dito ao director do Maanal de guerra.Mande
a, llVze.r ""clau pedido aatignado pelo
delegado do cirurgiao-mr do exercito de 32 cai-
xoe. de pinho de dilTereotes dimensdss para acon-
diciooamentode vidro.com medicamento, liqui-
do, que tiverem de ser remettido para a phar-
macia militar a. diversas enfermara, militares.
Dito ao director da. obras pablicas.-Em visla
doa seu* offlcios dT marco, 7 e 31 de maio
S nd' "' 10,el15. aatoHBo a Vmc.
ito "TB a eaaa da ra do
ao patrimonio dos orpbas, e bem aasim pa.i
o competente certificado afim de que o respec-
tivo arrematante po.sa recebar na theaouraria
provincial a quantia a que tem direito.
Dito ao Dr. Carlos de Cerqueira Pinto.Cons-
tando de participarlo da secretaria de estado dos
negocios da juatica de 10 de maio ultimo, que
por decreto de 7 do mesmo mez foi designada a
comarca deGaranhuoa nests provincia para Vmc.
na qualidade de juiz de direito ter nella exerci-
co, aasim Ib. o commuoico para seu conhecimen-
to edlrecgao, prevenindo-o ao mesmo lempo de
qae fica marcado o prazo'de 4 mezea cootados
desta data para Van. eolrar no exercicio de seu
cargo. Fueram-.e as communicaedea necessa-
na.
Dito ao inspector da saude publica. Mande
Vmc. preparar com urgencia ama ambulancia dos
medicamentos necess.rios no tratamento da epi-
demia reinante, afim de ser remettida para a co-
lonia de Pimenteiras.
Dito ao. agentes da companhia brasileira.
Podem Vmcs. fazer seguir para osportos do nor-
te o vapor Paran amaohaa a hora iodicada em
seu offlcio de hoje.
Portarla.Os Srs. agentes da companhia bra-
sileira de paquetea a vapor mandem dar passa-
gem para o Maranhio em lugares de proa desti-
1 para passageiros de estado no vapor
ASSBMBLA LEGISLATIVA PROVINCIAL-
CONCLHSO DA SESS8 DE 2 DE JU.MHO
O Sr. Amaral: ( Nao devolreu o seu dts-
curso.)
O Sr. Biro de Muribeca faz largas consid.ra-
coes contra as posturas, manifeslando-se oiia sua
regeigao. "*
O Sr. Theodoro Silva :-{Nio derolreu aeu dia-
CU (SOal
Leem-se e apoi.m-se as emendas que fortn
publicadas no n. 1X7 deste Diario. *
A discussao fica adiada.
Segundo parte da ordem do- dia.
Continuago ds segunda discussao do art. 13do
ornamento provincial.
O Sr. Buarque pede para retirar o artigo subs-
ilutivo que olTereceu na sessio anterior, o que
lhe concedido. ,'
O Sr. Catanho occapando-ae do artigo 13 do
orgamento que consigna verba para as diversas
obras publica, lamenta o pouco resultado que se
obtem dos aacnOcioa da provincia com relacao a
e ramo de publica administracao; pori.soaue
r eogaoos nos nrramonm. u ._.:.
A cadeia da Escada lem am qu.rto feito de
Sfn.; 22S d^ntro de ID!l Pr"cular. e
dentro dtsse nico e aperlado quarto se prendera
os borneas se prendem as mulheres.
Ora. senhores. se v. aoi. christo. ; se pug-
n.i. como eu vejo que pugnis pela moralid.de
da provincia ; calculai que immoralidade. quae.
oa horrores que ne.sa prisao se pratica ?
lagar? apitad0 : ~ E oao h" Plicls nse
hJ,? eDgan.0J nos orcamentos,j por se empre-
henderem obras menos importantes, que em bre-
ve sao abandonadas para se iniciarem outras, j
por algum deleixo oa administracao deesas obras
a provincia; de.pende quantia. avuliadissima.'
em que colha os resultado, que'fora para de-
061 "i r,
.iTado membro f" nor a especie de par-
cialidade que tere a illuslre eommi.iao de orca-
mento. quando coo.igoando quatorze cootos de
res para o. reparo, da. matrizea da provincia,
riV 5*lto C0lt0 p,ra a B,lril d0 s- Jos^ >est
cidade, deixando apenas ssis cootoa de res par,
distribuir com si dem.is matrizea da provinc
O nobre diputado anda juatific. as emeo
que apresenlou. notando a necessidade que
daa obras para que pede o auxilio da provincia,
concluedeclaraodo qua votar por todas as co
;".<'.; !iff;t:.T!i,,?".'ss.r.ts.'." -"
Pego uma pequea quota para os reparo, da ca-
deia de Senohaem.
Esse edificio, Sr. presidente, am predio an-
igo de muito merecimeato, que est em um es-
tado de deterioramento tal, que muito breve te-
remo, de o perder, te por ventura esta casa nao
concorrer para que elle aeja quanto antea reedi-
ficado ; alm de que a cadeia de Serlohaem. ten-
do boas proporjoes pode servir de priso central
para receber os presos do dos lermos vizlnhos e
nao podar prestar este servico, se por ventura
nao fdr reedicada com presteza.
. (Ha um aparte.)
O Sr. Cunha e Figueiredo : E' preciso notar
que este aparte com que fui honrado est muito
a proposito e vem em meu "apoto.
O Sr. I. Leao : Tem-.e consignado por veres
quota para esse concert.
O Sr. Cunha e Figueiredo : Mas se 00 otca-
meoto actual nao est essa quota ?
E' preciso notar anda ama consideracao. e
que a. despezas que se fazem annualmenKcom
a conduccao do. pre.os da. diversas locat^des
vuiohas para osla cidade sao msiores do
que se faro com esses pequ.no. reparo
por veotura, como acaba de dizer o me
que ,
--^sK^^^.^r^^^HH^
ios, sua mulher e u
Dita.OSr. gerente da companhia pernambu-
cana mande dar uma passagem de estado para
Maceio no vapor Persinun^a, a Floriano Jos Ma-
nnho Falcao.
Dita.OSr. gereote;da companhia pernambu-
cana mande dar uma passagem de estado no va-
por Pertinunga p.ra Macelo, aj bacharel Antonio
de Padua Hollanda Cavalcanti.
do
Expediente do secretario
governo.
OQjcloao 1 secretario da auembla legislativa
proviocial. De ordem deS. Exc. o Sr. presi-
dente da provincia, transmuto a V. S. para tero
conveniente destino, o incluso autographo do acto
n. 524 promulgado pela assembla legislativa
proviocial em sua presente sessao.
Dilo ao mesmo.Em additamento ao meu offl-
cio de 8 de maio ultimo, sob n. 59, transmiti a
v. S. de ordem de S. Exc. o Sr. presideate da
provincia para ser preseole a assembla legisla-
tiva provincial copia da informado que mioistrou
a cmara municipal de Nazarelh relativamente a
importancia do commercio daquella comarca, ao
numero de lojas e armazens deat.ucar nella exis-
tentes, qual a aua populacao pelo menos aproxi-
mado, e fioalmente quantos eogenhos possue
districto de S. Vicente e que extensao tem o seu
territorio.
Commando das armas.
Quartel-general do commando daa
arma* Je Pernambuco na cida-
a Boc,,e e 4 de junho de
ORDEM DO DA N. 89.
O general commandante da's armas .z publico
cP^.oDrthaeCmeiD,(!, d* "o. Qe segundo
constou de offlcio da presidencia datado de 2 do
ESti-J9 Imferd0r b0UTe Por bal po?
decreto de 24_ de maio prximo flndo. nomear o
Bu. Sr. barao de .Parto Alegre para o cargo de
ministro e secret
guerra.
O meamo ge
mente lhe sao 1
versas pra
vincia sol
e nao
ral prj
dos negocios da
que frequenle-
rimentos de di-
vico nesta pro-
cionadssde aide
os ao quartel gene-
melbante natureza, seno
Bvisto no art. 106 do regulamenlo
de 47 da oatalro de 18W, Uto quando as pra-
aea mo estado de saude pretenderem
UeOCt para se iratar fora do hospital oa p.rs go-
ir dos ares ltvres do eampo, determina aoi Srs.
commandsntes de corpos que s neste aentido
devem dar andamento sos requerimentos, con-
vindo que venham instruidos de aitv.Udos do
f.cultitivo encarregado de pass.r 1 revl.u a.oi-
tari. .0 corpo a que partoocer o preteodente. E
assim proceda o sobredlto general commandante
as
bvnier
Pdi la
pequeas
e
co
C0Jie|"i H fo1 "teaa quota p.ra es.es rep
/ lr> A 'eo :"~ Por <1 smi vez. i
- ssas
"i -------------p w \,JUftUIIJUI
aqu se dumn demonstracao da necessidade des-
aa obra para que a administracao a mande fazer
com presteza; e visto que no actual orgamento
nao vejo paragrapho nenhum que consigne quo-
ta para taes concertos, eu veobo pedi-la, e creio
que oao s estou em mea direito iosistiado para
que se consigne essa qaota, como me parece ter
ella de mu.t. atilid.de. e .t peco ao. meu, no-
bre. collega, que me ajudem u.sU empreza....
?. L Bafa0 de Mu"bec. : Eu peCo lieeoca
para me oppor. .
a,.nSH: S?*- F'gredo: Meus ohore.
eu pedindo o que agora peco, nao teoho interes-
se algum senao lembrar aquillo de que em meu
S^! .e8t0B eon'ooei-lo ser de utilidade
publica e urgente necessidade...
Sb ulf" Mrboea :- E' eicasado dlzer,
qae nos j sabemos.
O Sr. Cunha e Figueiredo:-Eu muito mo com-
padeco da sorte do. presos, o catechismo manda
que todo o christo v visiUr os eocarcerados
com o fim de nos impor o dever de concorrer pa-
ra o melhoramento de aua trate po.ico e cou-
ol.-lo. em .a. afflicclo; n. por tanto deve-
nios olhar muito p.ra o eatadodas prises, e in-
dagar se ellas offerecem aa coodicoes necesia-
rAmmlS0 K,68aMDCa P". como para os
commodos e bem estar dos iofelizes que aellas se
1.1? Vi0' '' "tim como ,e ,m u" Pr09'
existem toda. a. coodicoes hygienicas.
lituiQaoJ* D9pul,<,0:-lM<>"' lettrad.cons-
.-?-Sr' Cunb, e Fgeiredo: E porque coihe-
uS&SL9!! Kedilci0' J"8 me reflrd 1--
? 1 ii ir.,' connD,ln- qe oecess.rio, que
d lar mVh" dM" 0Dra Porque digo alo ha
m..H. "d,i Terb* pedidtt? = "o desigoo
quanlla, apenas pego qae se consigne na verba
de reparos esta cad.ia. porque isso uma medi-
da econmica, e conveniente meamo.
pao b"(> d* ,turlbec :~E' a ca" d" Poueo
O Sr. Drammood :-Qae todos fallam e nia-
guem tem razio.
O Sr. Caoba e Figueiredo : Em relacio ao
aparte do nobre depatado, que diz que a essa
do pouco pao, o nobre depuiado que com
I 1 a --------- Tw" vhi iaoi
lano clama pela economa, que deseja que ell<
se verifique em grsode escala, deve-ma aiuda
r.zao
a
__ludar
se a c.dei. de Sernhem nao fdr
9 perder a..e grande edificio que
ja corneg. demoronar-.e,e depois teremo de
despender mallo maior quantia para ae fazer
Um Sr. Deputado : F ama despeza econ-
mica.
O Sr. Cuaha a Figueiredo : E', como eu
di..e e agora confirma o nobre depatode. a
despeza econmica, e ama despeza qua aitn
dispendio, futuros, Uto que conserva
eiU feito e nos livra de gastar grandes a
com a edificaco de uma aova cadeia ni
tormo.
"n?J ,C Sba e F,alrl,: Nao poiiivel a
polica tomar providencias, desde que a priso
de ambos os sexo, a mesma, deade que ficam
ncerrado. dentro do meamo mbito.
"O Sr. Souza Res :_E quae. sao es.es horro-
fes T
O Sr. C.nhi e Figueiredo :O nobre depuia-
do querer que eu oa eouocie ?l O mairligeiro
pensameoto poder fcilmente descobri-los. A'
respeito desta prisao eu referirei um facto :
Uma senhora, criminosa, foi recolhida ca-
deia da Escada no ultimo periodo de sua gravi-
dez, e all deu luz uma crianza peranle todos
os presos, de modo que causou isto um alarido
enorme por cansa do escndalo e das risotas que
os presos faziam, e foi o facto lo extraordinario
e escandaloso, que passou de bocea em bocea
correa por todas aa familias, que laslimavam
aquslla miseria ? ^
m Sr. Souza Res :-Chegou al oode ?
v Sr. Cuoh.e Figueiredo:A. familias Aca-
rara horrorisadas, amaldicoaado s-melles quem
compete evitar semelhanles immoralidades, se-
melhante desrespeito ao pudor do sexo que deve
ser respailado, e nem possivel, senhores. qus
em paz civilisado, aonde ha moralidadariubiica
e nao deixe da dar maila importosla seroe-'
Ihante negocio, nao deixe este fado de cauar
lrla impressao.
(Ha hillaridade e trocam-se diversos apartes.
Eu siolo que negocio lo serio sirva de motivo
nsoia e nao desafie antes a compaixo e o te-
Sr. Souza Res :Eu Unho compaixo, mas
iso deixar de rir-me.
Figueiredo :Eu expondo as ra-
0>e tenho par. pedir a consigoaco des..
* af*Pero um voto de jusiica dos meu. colle-
I i.-anquillo com miaha oonaciencia,
que de urgente utcessld.de, pe-
1 de uma eousa seria e de primeira
publica Opoiados).
em ero uma outra emenda, alguma.
. ota. par. obras de diversas matrizes,
as jusliflesre, comejaodo pela de mais looge.
O Sr. Souza Res :D.ntro d. verba,
Sr, Cunha e Figueiredo :Eu ped mai. pou-
. tslive em 18fj0 oa matriz de-Agua Prela.
O Sr. Souza Seis. Disseram me que ae ia
rejdiaeor a cusidos proprietsrios.
U Sr. Buarque ;Eu li at no jornal.
O Sr.Cunh. e Figueiredo.A matriz daEsc-
aa. sioe, o lugar oode se exercem as fuoccOe.
inherentes a admioistracao do Sacramento, esl
deotro de uma casioha de laipa muito ordioaria,
menor do que um pombal desses que qualquer
ord tem ah a. .a. chcara a. fuocce. do osi-
to espiritual, est em uma casa sem aceio. aem
decencia de qualidade alguma, e at aem ladri-
.0 Sr. Soasa Re. R" um bello elogio ao" Rvm.
vigario 1
O Sr. Cinha e Figueiredo.-K matriz que se
projeclajfazer est em pnocipio de alicerce que se
achara baixo do nivel da Ierra, e estou Informa-
do que anda at hoje essa obra nao tem tido in-
cremento algum ; e que a caainhs a que me re-
aro est em peior estado, est toda escorafJa de
modo que nao se pode mesmo msissli celebrar.
O br. Souza Reis :E oRvd vigario o que faz?
..Y w e F,guaredo .Se o nobre depu-
tado soubessss o que eu sei, a respeito da matriz
a que me refiro, se visse como eu vi a miseria em
que eH* se acha.... J-^
O Sr. Witruvio :-E/lem recebido subvenjo da
provincia ? *
Um Sr. Deputado:-Pois nao!
a- u o?,a Reil 'E que fim tem levado esso
dmheiro ? (Ha ontros .parles).
O Sr. Cunha e Figueiredo:Perdoem os no-
bres deputados, o que eu teoho dito com refe-
rencia a Agua Preta.
lou0dS.rEfcaUd"ReS;--M" n0bre de"uUd0
O Sr. Guaba eFigaeiredo:-Seo flz foi por en-
KLS\9mSftlHMh eu me referia a
matriz de Agua Ptflt'a.
OSr Pedro Afouso:-0 edificio nao bom,
mas a igreja est bem tratada.
OSr. Souza Reis:-Vejam isto I
airn.A. n .9 F'8eiredo, (p.ra o Sr. Pedro
Alfonso).-Ha igreja ali? Eu cilei o facto em
noviM?ma l1U8 *m 185 ; *6 h* igreil C0U"
O Sr. Soaz. Reis:Ora, ha 12 aonos I
irs>r. tunha e Figueiredo :-Mas a nica igre-
ja que existe sli a mesma de ento, e de certo
nao digna desse come I E' uma casiohola de
laipa, senhores. n'uma essa pequenina que mais
parece um pombal.
(Ha um aparte.)
O Sr. Cunha e Figueiredo: Ha donos de
chcaras que tem maTores pombaes.
(Ha oulro aparte.)
O Sr. Cunha e Figueiredo : Digo que ss
fi'VaYo001 am Pombal, pela sua forma a con-
Pedi ama pequea subvencSo para continua-
cao da obra da matriz de Barreiros.
A matriz de Barreiros, Sr. presidente, acba-se
boje com o edificio todo acabado externamente,
mas nao tem alada ao meos o all.r-mr, e
visto que as as.embl.. proviaci.e. sao por lei
obrig.da. a concorrer para os altre.-m6res eu
peco .0 meooa ama pequea qaantia par. isso,
porque a matriz de Bsrreiroa conserva-se a
admmislracao do posto espiritual dentro d'uma
outra casioha ou oratorio de Uipa mal acabado
e iodeceole. '
O Sr. Souza Reis: Coosta-me at que a ma-
triz da Barreiros mageatosa.
O Sr. Cunhi e Figueiredo: Mas nao est
concluida.
Eu pego apenas 2:000000. quantis qae ser
sufficente apenM p.j^p-^,^ 0 3|tr com ,
davida decencia dentl rlgrej. m.lriz.
JtJS??; Pn-opre.is.m
Cunha e Frgbarado : Mas a velha
e Bsrreiroa est em e.Udo de nao poder
^o'viguft daquella' lolaUd.de. merece
osatogios, (apoiado.)elle sacerdote ni-
&Z Sta*fue *omi {ah "m8ro pal-
b^K nidada tem empregado
u.1 Vi5" COm U,M ,em po,to Rreja no
estado em que o. nobre. deputado. .ab.m a
obra nova 1 uma Igreja que tem exteriormeote
um aspecto bonito mas que por dentro nsda tem :
o digno vrg.no j est clocado, j se acha um
pouco deaaoimado e me disse que oao tioha mais
cor.gem para continuara pedir oupara reccorrer
a devocao dos particulares, que muito j deram :
pelo que obrafic.rii poreooeluir-se se esta aa-
sembiea nao a soccorresse com alguma pequea
quota ; porqae o povo nao poda mais concorrer
ja eslava C*OfoO e elle receiava que contluuando
a pedir importunamente lhe voltaisem as
costas.
O Sr. Baro de Muribeca: Nao capaz
QISSO. r
qoem fez a re-
as ioformacoes da e
iai|f \ ca^auv 99
Nao qaero maja ro.nar a .U.nce de m.no. I o^Sd^M^l^^mX^ A
O Sr.Cunh.eFigueiredo: Mas o povo honra
me aeja taita; j Um eoncorrido muito para
aquella obra ae achar no estado m que-se acha :
entenda-ae minbaa palavras no sentido em que
as enuncio.
O Sr. Baro de Muribeca : Esse povo deve
ser escommungado, porque volta as costas ao
T'gio, qaaodo devia volta-lss aos candi-
ualog.
O Sr. Cunh. e Figueiredo: Este aparte mai.
parece uma ironia. nao pJe ser nascido dos
senitmentos d"alma do nobre deputado que deve
entender o meu peoaamenio.
O Sr. B iro de Muribeca : Nao irona ; o
qua eu nao quero, que elle volte as costas ao
vigario, aos candidatos sim.
O Sr. Fenelon : Se elles voltarem as costas
a todos os eaodidalos, quem ha de ser elelo por
O Sr. Cunha e Figueiredo i Pedi apenas um
cont de ris pira alguna reparo, que sao preci-
sos fazer-.e na matriz de Santo Anlo.
O Sr. Souza Rei. : Aioda oo sahio do ter-
ceiro circulo, fajara ideia quando chegar ao. ou-
0 Sr. Cunh. e Figueiredo : Cada um estuda
J localidades conforme lhe parece, conforme
me fdr mais fcil e aoaar mais justo e conveni-
ente, eu porm estou tratando daquella de que
estou pessoalmente informado, das necessidades
qaeconheco, e do circulo por ende tive a hon.--|
ra de ser eleito (muito bem, apoiados.) _JL-
Uma pequaoa consigoncao de 1:000$ que u
pego para reparos da matriz de SaDlo Aolo nao
cousa que possa causar aba'o ao orgamento.
Um Sr. deputado : Grao, grao a gslioha
enebe o papo.
O Sr, Cunha e Figueiredo : Pedi Umbem
dous contos de ris para a matriz da Escada. A
matriz da Escada se acha em estado deploravel;
ca pella que hoje serve de matriz est arrui-
nadissima, est mesmo indecente, e lo ur-
gente a edificajo da matn!, que at crelo
que o presidente que por ultimo dexou as re-
deas do governo, coobeceado essa necessidade
oomoou uma commisso para que ella tratasse,
nao so de agenciar esmolas como mesmo de to-
mar provideocias e prover o andamento da obra
propondo ao governo as medidas que fossem
aecessarias e e.tivessem ao aeu alcance.
Um Sr. deputado : E o quem tem feito esss
comrausao?
O Sr. Cunh. e Figueiredo: E' preciso no-
tar, qae aquella lugar j oo est lo reserva-
do, to oceulto como qualquer outro; est jun-
to a uma e.t.co da estrada de ferro para onde
concorrem muitos e.trangeiroi que faro uma
ideia deploravel da o.ssa civilissgao, entrando
na matriz e vendo seu man es lado, ho de fa-
zer uma ideia multo triste dos catholicos e do
espirito religioso desta provincia.
0 Sr. Souza Reis: Mas Umbem pede quo-
ta para esta matriz?
O Sr. Baro de Muribeca : E'
na cousinhs.
Outro Sr. deputado : Ea commisso o
fez?
O Sr. Cunha e Figueiredo : A commisso
de que faz parte o Rvm. e mui digoo vigario
da Escada, foi oomesda ha pouco tempo e tem
tratado de agenciar e.molas.
O Sr. Souza Reis :Se votarmos alguma cousa
vamos lirsr a gloria a essa commissj.
(Ha outro aparte.)
OSr. Cunha e Figueiredo :Eu oo continus-
rei maia neste terreno, nada direi em resposta a
este aparte, e concluirei o meu desalinhado dis-
curso, porque vajo que o meu nobre collega que
me hoorou com o seu aparte nao quer cpnhecer
a razio do que estou dizeodo, e parece que me
quer combater com ironas dirigidas ao que digo
em relacao aos negocios da igreja pelos quaes
pugno.
Eu podia dar maior desenvolvimiento s refle-
xoes que acabo de fazer, em favor de mailas ou-
tras matrizes da provincia que estao no caso de
ser auxiliadas pelos cofres pblicos, afim da que
ajudando-se a livre vootade dos particulares, se
cooseguissem edificar em cada uma freguezia
aquelles templos necesssrios s matrizes, onde
com toda a decencia se deve celebrar oa officios
divloos.
(Ha um aparte.)
O Sr. Cunha e Figueiredo:Sim, senhores, eu
vajo que ha ama quota de 14:0009000 para aa
obras das matrizes, e que dessa quota de 14:000$
se tiram 8:000$000 s para a matriz de S. Jos ;
eu poderla dizer alguma cousa mais para dar a
razo disto, mas oo quero faz-lo e ninguem me
obrigar.
O Sr. Souza Reis :Pois se o nobre deputado
Ozesse essa declaracao, seria mallo meritoria.
O Sr. Cunha e Figueiredo :Quando vemos ae
de.peoder quantia. enorme, com objecto. de
menor importmeia, quando vemo. despenderem-
se grandes quantit. com othe.tro torico, (.pola-
dos) e com oulros objectos que oo quero desig-
nar, para nao offender a quem os protege, oo
muito qae en pega ama peqaeni quantia para
r.eedificac,o dos templos aoode deve reinar toda
a decencia ; que nos devem luspirsr todo o res-
peito, emfim para os templos de nossa religio,
para a cass de Deu. Vivo (poi.do.].
(Trocam-se diversos aparte..}
OSr. Cuaha e Figueiredo :Nao continuare!,
posto que livesse de fazer mais algumas reflexSes
porque oo quero offender a ninguem, e antes
quero e procuro com todo o cuidsdo a benevo-
lencia de todos os meus collegas, aos quaes folgo
de respeitar; e, pois, fiado aqui.
O Sr. Bario do Muribeca responde ao prece-
dente orador, defendendo o artigo proposto pela
commisso.
Teodo dado a hora, fica a discussao adiada.
O Sr. Preaidente designa a ordem do dia e le-
vanta a sesso.
mta o aono prximo passado. e bem assim dos
que foram recolhidos no-mesmo tempo as ea-
SSA aT' s"BBS"r Limoeiro. Rio For-
mozo, S. Antao e Cimbre..A
quiaigo.
Oulro remetiendo
Cpa.' d,e. N"U rotaVoTo importancia w
U. -Vm. q-U,,C0I,,',e, ao num" do loT
, ... n?".eDtde aasu.c,r nella ist.nles. qu.l
lo .n nPl,0 Proumad. e finalmente quan-
to. engenho. possue o districto de S. Vkeote e
SptfS* ** Se lerriloo-A <*<* *
E* lido e apoiado o seguate requerimeoto:
ir*. n!!,,UK,r0 *ue ,e non,eie utDa commisso d
da T??nn0,de,,a "" Pa" e"" a eelrada
de Tamsndar. e que esta oomeaco seia faiU
pelo presidente da casa.-Netto. > '
. utE? br!Te* fefl dos Srs. Souz. Reis
e Barros Brrelo vai a me.a o seguinto substitu-
vin^!& ,ae pe5a Preldento d. pro-
icia qojajande examinar a estrada de Taman-
lauo ce-1
dar dando conta do resultado
Barro Barreto. o
a esta assembla.
Approvados ambos os requerimentos o Sr. pre-
sidente oomfial pan a commisso aos Srs. Netto.
urumroond e Buarque.
-_)rqu_.
d.irr'.P.?U(e diz q5e 8endo "Dheiro fiscaa
aa esir.da de ferro, s por ordem
poda deixar
o seu lugar uma
a pala-
12 autorisou
oisar'o peliciooario
uma peque
que
do governo
fc~.?Z.1" a SBU JU8ar uma vez ue o exams
tivesse lugar depois de concluidos os trabalhol
us cass.
,.P a P.reiideo,a endeudo as raaoes do hon-
rado deputado, nomeia em seu lugar .0 Sr. Pe-
.dro Afloo.o.
E' lido e fica .diado por haver pedido
vra o Sr. Lucena o seguate parecer :
cfc! Cl?a?iniso. de agricultura, commercio e
ODras publicas, exsmioaodo altentamenteosfun-
damenios da prelengo de Joo Francisco do Re-
g Mala, arrematante que foi do 18 tango da es-
trada de Pao d'Alho, e
Considerando que das ioformacoes ministradas
pelas repariigoes competentes se eved.nci. que
parle daa obra, que o peticionario execut.va en
cumpnmento de eu contrato foi arruioada e des-
truida por occasio da cheia de juoho de 185% -
Considerando que outros arrematantes era*
circumstancias Henlieas foram atteoK
Considerando que a lei n. 488 oart. 26 $
J presidenteda proviocia a indem-
com "outros mais; e que ao
pa.so que estes o foram e aquello deixou de e-
10 sem fundamento algum sabido ;
..! E de Patecer < no Piojecto de orcameoto
que .e discuto coo.igo.-.e quol. p.ra pagamento
m-aK' d" T5488 reis 'PorTncto de
17S.800 pamos cbicos de atierro com ir.n.porte
S cubica. bn%" "t0 d# Sm) leis -
R.rrn'n d,s.coninn'i6es 3 de juoho de 1861
Barros Bsrreto-Buarque de Macedo.
miJn,!,i0, 8 Ta? npf'mr os pareceres da com-
misso de negocios de c.mas approvando as
posturas da villa do Bom COnMlho. e desta ci-
ORDEH DO DA.
a ^ la Parle-
X discussao do projecto que abre um crdito
suppiementar so governo de 12:000000 para pa-
gamento da subvengao G. Msrio.ng.li, empre-
".mddebhee.,lr0 "' Sa'a ^el-E'approvP.d%
Entra em 3a discussao e approvado o proiec-
0 que manda levar em eoota do que verificar
thesour.ria provincial dever a Francisco Aniwi'
le S Brrelo ex-collector de Santo Anlao a
quantia de 500*000 que elle deu .0 fiel do thesou-
reiro 00 exercicio le 1844 a 1845.
Varo Cruz.
o approva-ao
SESSO ORDINARIA EM 3 DE JUNHO DE
1882.
Presidencia do Sr. Bario da
Ao meto dia abre-se a aeaso,
acta da anterior.
O Sr. Io secretario d conto do .eguiote
EXPEDIENTE.
Um offlcio do secretorio da proviocia trans-
militado copia do offlcio do abafo de policia
compaohado daa r.lagoes numricas dos prezoa
di casado dotoaco que entraram o sabirsm dn-
jecto*PPr0,,a(l0 6m *" dMUMSo eguiote pro-
.. Ar'" V -A ,ei D- 5I1 de ,8 d# J",Dno d 1861
ser executada com as segainles alleragoes :
8 O prazo de que trata o 8 3# do art. 12
fica reduzido 30 dia.; par. ., obra, p0re, de
valor excedeote de dez at ciocoenta contos de
res ser de dous mezes, e deste valor para cima
06 tres. ^^
" I V. 'wMprimido o art. 19.
3 Na execago do art. 20 o presidente da
proviocia attender circumatanciadamente re-
duegao do peuoal, embora augmente os veoci-
menios com tanto que nao aeja excedida a des-
peza actual.
Art. 2o O excesso dss verbas para o expe-
dieot. e asseio das r.partigdes e estabelecimen-
tos provinciaes correr por coala dos emolumen-
tos que em cada um. delles se cobrs, e da por-
centagem as repartig5es em que ella se deduz."
t Art. 3" Fica prohibida a eminao daa apoli-
ces autornada pelo arl. 31 da lei n. 488 de 16 da
maio de 1860.
* [X' 4* cinco dia9 dePis da abertura da as-
sembla provincial devero ser remettidos esto
o balango. o batanele, a proposta de orgamento
e o relatorio da theaouraria, ludo em manascrip-
lo, se aioda nao estirerem impressos.
Arl. 5* Ficam revogadas as disposiedes ea
contrario. *^
Saladas commisses, 6 de mato de 1862
Barao de Muribeca.Souza Reis.Barros B-r-
reto.
O Sr. Souza Reis pede dispensa do intersticio
que votada.
Eotra em diacussio e approvado o projecto
que approva as posturas ds cmara mnoicipal do
mo Formozo com uma emenda do Sr. Dram-
mood. ^
2* discussao do projeeto, que crea lugares de
depositario, geraes em todos os termos da oro
vincia. Y
E| approvado sendo o iotersticio dispeosado o
pedido do Sr. Drummond.
Ia discussao do projecto o. 23 deste snno, quo
concede previlegio por 20 sonos a Jos Mario
Ramooda para eat.belecsr ne.t. proviocia um-
fabrica de massa. em fios, como macarro Ulha-
rim etc.E' rejeitado.
Entra em 1* discussao o segoiote projecto:
c A commisso de petigoes, quem foi pre-
sente a de Francisco Mara Duprat, que esto
assembla p.de ueogo de dcimas por 40 annoo
para a ociedade que pretende formar com o fim
de edificar casas deotro desta cidade o em sene
arrabaldea, considerando que a coocessosde tsl
lseogao nenhum prejuizo trar .aos cofres publi-
co.. 0 qae ao contrario augmeotar-lhes-ha ao
rendas o dimiouindo despezas que fazem com 00
ocsjaio. pobre.: considerando, que a re.lisecio
de^oproie (de uipole utilidade, para qao
ae desenvolv a edificago e lenhamo-la regalar
e commoda. nao s s neceuidadea partrcolaroo
como tambera ao aformoseameolo da cidade:
conaister.ndo .inda, qua e.ta mde empresa.
P1*"0 coolinuo aos oossos artista, e trab.lhadore, im-
portar oa provioci. mostrea com que olleo de-
vem instruir-se e .perfeicoar-ee; eoaoider.ndo
oalmeote, que sendo ella formada em parto do
capitoaa estsangeiroe, tari a provioeto 0000 seg-
mento do numerario oa circulaglo, de parecer
que 00 adopte a seguate reeoluco
ofib~^r

4
4


wn

I
i
.
ItIO M
JL aasenbla legiilatlrt provincial de Pec-
uaattmeo, resolv:
Art. A issmbls le.iitlatiri de Pernim-
feueo coocede Fraoci'co >Uiia Dupctl, pata a
caaapanhia de edQcaceo (. elle OncurpoTsr,
i) en i o da dcima urbaos o i de qualquer outro
imposto provincial ou man cipal, por 40 araos,
<) sociedade, sobre os predios, rmateos, oW-
ciatt, depsitos e depend ocias do ser rico da
aodedade v
Art. 2* Os predioscoo! tniidos pelaaecieda-
>agatao a meltde da decin a ou ootres imposto
proviociaei ou municipaes os primeiro dz an-
uo, depois de proroplo, na quaato pertence-
rem mesma sociedade, o te ente dodei an-
DOarasio fnrem reodidos.
Art. 3 P. M. Dapral, ncarperar a socio-
dade e dar esta comeco lis edrficacei dentro
de cinco annot contados di data da sanelo da
creieote lei, sob peni dt perder o direito s
henees concedidas pelos rteos precedente.
Art. 4' Serio admitidos como aprendizes
nat oficinas e obras da soc edade, rintt ou mais
orpho pobres maiorea de 15 snoos designados
pelo presidente da provincia, mantendo-os ella
vesttndo-ot i sua casta, mas sem Ihet pagar
salario al a idade de 21 arno*; elles terio reg-.
dos pelo regulamento em rigor adoptado pelo
governo para os aprendiies dai officinii dos ar-
senaes da provincia.'
Sala das commiises, :'.2 de maio de 1862.
Ignacio Joaquim.Alvaro Ucha Caralcante.
O Sr. Baro de Muribeca faz algumis cooside-
ncoeaem opposieo ao prr ecto.
Encerrada a discustio <. projecto posto a ro-
tos e approrado.
ORDEM KO DU.
2* parte.
Continua a 2* discusso c o art. 13 do projecto
de orcimento provincialom todas as emendss
i elle cuereada.
(Continuar te-ha.)
REVISTA JIMIA.
Napnmeira parte da ord m do dia, se ocoa-
pou oa setiio de hontem a assembla provincial
da discusso ao parecer adhdo concedendo urna
ndemoisQo a Juao Francisco do Reg Mais ; o
qual approrado em primeira discusso, tendo-
Ibe dispensado o intersticio a pedido do Sr. Tor-
res Bandeira.
Passsndo-se a terceira disenssio do projecto
n. 16, que altera a lei n. 511, sao approradot oa
seus artigo com excepcio to art. 2, sendo-lbe
offereeido dous additiros, creando um o lugar
de cartorario na Iheaouraria provincUL-e outro
dando ora forma a reparticao dat obras pu-
blicas.
' ofTerecido um reqsarirrento de adiamento
pelo Sr. Tbeodoro daSilvt, o qusl appro-
rado.
Entra em teresira diicusiiio o projecto n. 25,
que crea um depositario geial em cada um dos
termos da provincia ; o qual approvado e adop-
tado ; e o tambem o proje :to de posturas di
cmara municipal do Rio-l'ormoio em ultima
discusso.
Pista-se a segunda parta la ordem do dia, e
continuarse a segund distusso do art. 13 e
aeui, na qual se empenh. m oSr. Gatsnho em
lesposia ao Sr. Souza Reis, u o Sr. Feotloo em
cooideraces icerca de m additivo da com mis
eio de ornamento, e em resposti tambem ao
mesmo Sr. Souza Res, acabando por mandar
urna emenda luppriuirt da designsco especial
de 8:000} pira a matriz de S Jos.
Dada a hora levants-se a essao, BcanJo adia-
da a discusso, e sendo a oidem do dia de boje
a ruesma anterior, com aditicio ao ore-amento
municipal.
Acaba de fallecer no Para, o Sr. Dr. Alvaro
Nstor de Albuquerque Mello, juiz municipal de
Cabsceiraa- Magistrado no", rerdsde, mas
de caraessr recto e sincero, o Sr. r. Alraro cap-
tirara os coracoes mesmo laquelles que delie
obtioham urna sentencia contra; e havia gaxiho,
por sua illuttracio e honradez, um lagar dit-
aincto na ciaste que perteccia. Na tesolago
* na orphandade ficam sus chara esposa e tenros
filhinhos, que lamenlam e I imentario o esposo
e pai extreraoio e amante, e i sombra de cujos
desvellos esperavam ver o futuro. A* sua fami-
lia seu preztdo cnobado Dr. Joaquim Theo-
dorico Cyioeiro do albuquerque, apresentamos
ootsos cumprimelo de peair, por esse tenivel
e inesperado golpe.
Com data de 22 do pasado temos noticias
de Quipap.
No dia 4 assumira o reg neo da respectiva
freguezia o honrado Sr. padn Joaquim Belarmi-
no de Miranda, rigario encotiimeadado. a quem
S. Exc. Rvma. com lodo o acert reconiuiira
nesse lugar.
O cooceito de que gosa o Kvm. Sr. padre Be-
larmino entre os seus psrocarros, anda mais
um vu se manifestou evidcite pelas demons-
trace que Ihe acabara de d.ir pela sua recoudu-
Co; e nao sem razio que I ha ligam esse aca-
lameoto, visto que elle nao omille derer algum
do seu ministerio por mais urduo, por mais pe-
noso que sja. Nesse Gm, seguio para Panellas,
para prestar os soccorros espirituae sos anec-
iados do cholera ; e ahi teo chamado o poro a
penitencia, ensinaodo lhe a re.-ignagao e voota-
fle divioa ; e ao paseo que o soccorre com o pas
lo espiritual, abre-ihe igualmente a sua bolsa.
E' um espirito verdadeiranenle evanglico, e
roigamos de consignar actos :aes do nosso clero.
A freguezia ia sem alterarlo em sua tranquil -
lidade pelos esforcos e cuidados sssideos do dig-
*o subdelegado, o Sr. Uso sel Florentino dos
Santos, que a lom exporgado dos dyscolos que a
iofetiaram impunemenl-
Ainda nao tinb all chegailo a canunonicagao
oOiciat da remocaoda cadeirs de enflato elemen-
tar para a Jurema, e por isse coolinu o profei-
l sor a permanecer nesia locali'lade.
De Pnells nos e8crev>!tn sob fecho de 26
do passado.
O cholera ia reinando le: lamento, mas com
evidentes estragos.
ORvm. rigirio Joaquim Belarmioo de Mi-
randa alli eslava entre as ;uas afflictas ove-
Ihas, squass nao poupara consoUcoe, nem
soccorros a'alma e do corpe, plantando assitn
entre ellas a resigoac.au e a isperaoca.
Do Limoeiro temosda.es at 31 do pas-
sado.
O cholera ainda fazia por alli urna ou ostra
victima, e na Pedra Tapada spresentsra-te sob
peior cincter.
O invern ia bem, e as estradas existem em
pessimo estado pelas lamaa e espiobos, sem com
esta segunda parle se importirem oa liscaes.
Os gneros alimeoticios me borsm de prego.
Do Pao d'Alho recebemos noticisa que al-
cancam at o 1* do torrente.
A tranquillidade era satsfa -loria.
O cholera tende a desallronlar a comarca,
pola raro caso delle j se di. Pels Gloria um ou
outro de lempos lempos; ia Luz tem appa-
recido fracamente em lugar-jos sonde se nao
havi anda manifestado.
Na villa propriameote ha amito que cessou el-
le, anda que nio ba muito tallecer um correio
particular, que foi recolbido 5 tratado na casa
que servio de hospital. Trazii o misero a mo-
lestia j muito adianud, e o emedio foi morrer.
Foi devidamente festejado o mez Mariaooo,
sendo encerrado com feaia e jrocissao acompa-
nhada de urna guarda de lio ira da gbarda na-
cional, respirando em ludo a levida decencia.
Da Escada nos dao a se, uinte noticia :
Tem-se portado muito b m nesta quadra o
subdelegado supplente do segundo districlo desta
rjlla. o Sr. Jos Dia da Silva Jnior.
Ha distribuido gratuitamente remedios seus
pela populagao pobre necesitada, deixando os
do gorerno on nao aceitando ts; e em casos de
tnaior carencia, tem se dado no Irabalho o des-
envolvido a caridade de ir em petsoa fazer ap-
plicar os remedios sossccoamellidos.
So oa sen timen los de huoi miiade fosem as-
simeomprehendido por todo que o podem, de
corto que a epidemia nio nos seria am hb
mal que nos affecta a pofla;o o ao thesofll
publico.
A' 21 do pastado pratiso o Sr. Dr. Prxe-
des) Pitsnaa s o|4irpacao do un temor scirroso
arare o alernosalja pessoa de Tbereza Maria do
Espirito-Santo,Ttaradora na ra de Ftrnaades
Vielt* 3iiai
reriBenls|chlotoformisada pe.
Fredsrtco, o, comquanto o es-
sio foste ce pelo, lodaris a
bem, e a dow le so cha quasi
E' nrarsum irrumpi pira a cirurgi^"e mais
una gloria para o Sr. Dr. Pilanga, i^uem da-
mos linos embortt pela pericia com ^ue ao aaho
bem de temelhantet trabalhot. ,
Referindo-se no Diario de 'Ptrnambuco de
W de mtio sllimo, que no lugar Santo Amsri-
nho lora em sua casa atacada -por dous soldados,
a mulher de Joio Chtitottomo, obrigtndo-a um
delles, que estara armado de bayoneta a dar-lbe
a quantia de 49000 rs. e um venido, procedeu-
se a oecesiatiss arstlguades e atquus, por
ora nio se pode affirmar que fossesa pravas de
linha o autores do Itcto.
Enlrttaoto'.os Srs. corotBMdtaU da armas e
Cheto 4* pottet OMttnuaaB otn tarestigagiopara
descofeslt ot aatoros dtssa timo.
Repastico m polici*. (Etacto da* partes
do das 3 e 4 de jonbo.)
Foram recorhidot caa de detengao no dia
2 do corrente :
A' ordem do IIIm Sr. Dr. ctiefe de polica, os
pardos Eafrazio Jos Ribeiro, de 33 tnnoi, mir-
ciaetre, para recrutt, e Cezarlo A velino dos San-
tos, de 2g annot, sapateiro, por detobedieoci, e
o crioulo los Joaquim dos Santos, de 26 annoa,
dado i agricultura, tambem para rocrute.
A' ordem do Dr. delegado do 1* rititricto, es
psrdot Alexandre Lopet Porto, de 15 annos, ma-
rojo e Elyieo Tbsodoro dos Saotos, de 28 an-
not, rioltiro; os crloulot Joio Marques ds Sil-
va, de 20annoa, alfaiate, Valeriano Jos Joaquim
Eustaquio, de 21 annos, tsnoeiro e Jos Theodo-
ro ou Jos Tnomaz, de 25 asnos, mirujo, niim
como o Indio Joio, de 35 annos, igualmente
mirujo, todos para recratai; (cando tem rffei-
to o destino do ultimo por ser etertro d Anto-
nio Gomea Pereira.
A' ordem do tubdelegtdo de S. Joii, o Afri-
cano Telles, de 40 annoa, ganhador, escraro do
major Jos Maria 5eve, porespancamento.
A' ordem do da Bea-Vista, o pardo Quintilia-
no de Barros Santiago, de 26 annos, carpioa,
para averiguarles policiaet, em coostquencia
dt queixa dada i subdelegada.
A' ordem do doi Afogadoi, o Africano Jacob,
de 65 annot, pedreiro, eteravo da Francisco Son-
to de Figueiredo, tur luspeita de andar f-
gido.
3
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chele de polica, o
pardo Joio de Sena Barbo, de 22 annos, ent-
Ihsdor, por insultos, e a crtoula Igoacia, de 50
annos, dada agricultura, escrara de Custodio
de tal, requisicio do Sr. Dr. chefe de polica
da Paranjba,
O chefe da 2a seceo.
J. G. de Magita.
QUINTA mSfa DK JLISHO VE 18ti.
um u
Lima, na
le um me
do govero
Pattagtiros do vapor nacional Iguaraa,
rindo do Cear e porioa intermedio: Dr. Jote
Liberato Barroao e 1 esertro, Dr. Jo3o Heuriqoe
Mafrt, Francisco da Guerra Machado, Fraociaco
Ferreira Mita, Josefa Maris da ftmeeicio e 1 -
Iho, Maria Rosa, Jos Nunetde Paula e 1 criado,
Dr. Felizardo Toicano de Brito, 1 filho menor o
1 criado,- Francisco Ferreira de Novaes, Jos
Goncalrea Ferreira, D. Anoa J. da Costa Gilirana
e 2 escraros a entregar.
M ATAHOLRO PUBLICO.
Mataram-se para consumo desta cidade, no dia
4 do crrante 83 rezes.
Obituario do da 4 de junho, no cemite-
rio publico :
Jos, Peroambuco, 7 das, escraro, Boa-Vista ;
CODvulsdes.
Maooel, Peroimbuco, 24 horat, Santo Antonio ;
congestio cerebral.
Aona Maria da Piedad?, Pernambuco, 99 annos,
viova, Santo Antonio ; gastro entente.
Pedro, Africs, 40 annot, soUeiro, escraro, Boa-
Vista ; hypatisacio.
Raymuodo, Perosmbuco, 35 annot, tolleiro, es-
crsvo, Santo Antooio ; bexigai.
Antonio Jos de Pinho Jnior, Pernambuco, 7
annos, Snto Antonio; dysrrh.
Jos Francisco Guedes, Alagoas, 32 annos, sol-
teiro, soldado, Boi-Vista; tubrculos pulmo-
nares.
Olivio, Pernambnco, 15 mezes, Boa-Vista ; con-
vulses.
Angela da Costa Ferreira Hendes, Pernambuco,
47 anoot. Recite ; bepatite chronics.
Joio Joi Ferreira de Brito, Pernambuco, 35 an-
not, casado, Santo Antonio ; parulite gangre-
nosa.
Liberta Archangela Xavier do Reg Barros, Per-
nambuco, 50 annos, caiada, S. Jote ; para-
lysit.
Maria, Pernambuco, 6 mezet, Boa-Vista ; bepa-
tite agudo.
Elelvlna, Pernambuco, 1 anno, S. Jos ; deo-
tiQio.
Manuel, Pernambuco, 4 da, S. Jos ; hemor-
rbagis.
Joanna, Pernambuco, 8 das, Santo Antonio ; es-
pasmo.
que nio resirtirei a pefHker tantas casinhas dis-
tantes urnas dasoutras ; em consecuencia disto
estamos oonstruindo urna enfermera mantid*
por quatro ^ettoas caridoist, para ioccorro sw
indigencia a pedimos algam seccorro pecaotarto
ao governo para se construir eulra na Guaitfb.
O Intcinho ttm se prestado com mallo ttAo,
mesmo estsodo pouco boa 4s ameacti da mo-
lestia.
E' tambem urgeote a rinda de um medico
para tratar da pobreza.
c Na eaoitil aaal rsi seas autmetito.
Aso Grand 4o iVorH.O nosso correpondenb
diz o ooguiote:
M vai a iokBtrar ;lze diaa s/aomorreu Ca-
tharioa de tal, (Ma oodicina recrafceceu ser ds
citadtrs. Dessa tota 14 hoje nem morreu, nem
cooata que maio alguna petato fetse sectadt
deise mtl neila cidade. Em toda a provincia a
epidemia ou o toas dittinste, so etta exlin-
guludo.
c Dos quitro mdicos, qae ettarim fora em
commistio, o governo j mandou recolherot dn
comarcas do Serid e Hsioriade ; a breve tara o
metmo aotdo Ats e Cearimtrim.
t Ds lodos os poroados da costa t solreu o
de Cuobs, perdendo urnas trinta penosa mai>
ou menos; lodos os outrot tebam-se isentos at
est data.
a Hs quem sfflrme que a provincia aioda nio
perdeu tretenlaa peeaoas do cholera, e que as o
mal nio recradescor, outndo chegue a cita cifra,
nio exceder a ella.
a Creio que aodar por dez contot de rii mtii
ou menos o dinheiro gasto pelo Exm. Sr. Dr. Lto
Vellozo com esta emergencia.
Senio se acudi a individuo por individuo, o
que impossivel psra urna populacao tao peque-
a derramado em um territorio tao vasto; fez-se
polo menos ludo quinto era pottivtl ftzer-ae; a
a ninguem que pedine toccorro lbe foi este de-
negado.
O bom atnto o a imparcialidade fsiem os
maiores elogios ao Sr. Dr. Lelo Vellozo por ha-
rer sabido eonsorcear a economa com a ntisfa-
cio das necesito a de publicas.
Posso assersrar-lhe, que oeste negocio t
fazem queixat e censuras os cbarlstaet e espar-
tos, que vlram malogradla suts mais Usongeiras
etperaocn : sabe-te de algn, que com anteci-
pagao promelteram pagar dividas com o appare-
cimenlo do cholera : felizmente para dos e inte- beneficio.
lizmente para ellos, o gorerno nao leve neceisi- VConsta-me que muilia restituicoes se flze-
dade da sua xtlota epatritica caridade. rao, alera de joias|perdilas que tomiram so po-
c Estarsmoa iqui ni mais completa monotona, (ff de seus rerdadeiros donos.
sem tr mesmo a mnima materia, que dase mo- Hue tacerdote gota dat sympalhias da po-
vimento i lingua; viatobarer terminado a qaestio pulaco e muito promplo na salisfacio dos en
da demisso Wanderley, quando a 29 do pateado cargos de seu ministerio.
car. vliti da compareci daa cifras mencio-
nada!.
O Sr. Anejo Limo oceupindo-aacom sa dif-
Tereatee eaUgoet publica, dirigi palarrn de
apraco o animaco ios diversos tunecionarios
que aa dirigem, nio esqueceodo aioda o diatinc-
to magtitrido. o Dr. Maooel Jote da Silra Nei-
rs, cojos servicos, quindo na polica desta pro-
vincia, de novo foram por S. Exc. devidamente
apreciados ; sendo que mullo honrosa a men-
o feili do disliocro militar o coronsl Ernesto
mlliano de Mediiros.
c Um dos funccionsrioa a uam o Sr. Ariujo
effuiio de teui stDliaaaotoa, maoctonou
odo muito honres*, ataja si secretario
governo, em refereoaaa l osaam isas o se-
guidle :
t Marcha esta r^srtrcSo (tnaMlto da lecreta-
ria) regulirmeole, tob a intelligenle direceo
to teu teloso ctrefi; o tachuel Luit d'Albu-
k fnrque Martint Pereira.
Na ioconteelada lealdaito, dodieacio i toda
a prora, o actiridade nunta desmentida deste
c funecionario, que ao teas sabido conservar na
c altura de seu cargo, bei encontrado am valioso
auxiliar, possuido de verdadeiro zelo pulo im-
portaotea o variado negocios, que correm pe-
< rapte a admiaistracao ; elle um funecionario
de qualidades apreciareis, pelo que muito me
* merece e astas o comidero e distingo.
c Transcreri as lionas cima por ser este le-
nhor filho deaaa provincia, nodo tem elle familia
o amigot, aoa quaet nio ha de aer ndifferente
apreciarlo tio arantajada.
c E' a reapoata a mita cabal e peremptoiia que
poderla elle deteitr tous detractores.
Occupando-me de outros aaaamptoa dir-lhe-
bei que cada dia que se succede, mais luz se der-
rama (juesio Aoacleto, para quem urna o-
ra ospereoca Digam alguna cajaranas e o commendador
Antooio de Albuquerque o disse em letra redon-
da, que a mulher da questao era urna cambiani
desgarrada da familia, mas eis que aa deligenciaa
dascobrtm a desgarrad, que existe em porto se-
guro.
E' o quirto engao doi cajaraoas.
Na igrej matriz desta capital festejou-ae
com pumpa e fervor religioso o mez marisno ;
sendo qae ae padre Edusrdo Marcea de Ariujo
' je
. *?*
i- cista
ez, honre lugar a tarde o athimento da pro-
ssao dos mysterios da Virgem Santitsim, a
qual foi acompaobada por todas is pessoa
gridoi e importante destt capital.
Toda t grate tomou parte nena testa a era
satisfatorio rer-se as galas de que ae rtrestiram
ai roas por onde paitou a procisso.
* Na noute anterior e na deste dia toda a ci-
dade illuminou-te.
< Ds epidemia consta haver fallecido o viga-
rio de S. Jos de Piraobst, e bem iuim o juiz
muoiciptl de Cabactirit Dr. Alraro Neator da
Albuquerque Mello.
c O numero das rictimss atea ultima data era
de 5,034.
< A demora do vapor da curte, trsz oa polti-
cos em coojecturas.
Deas Ibes d juizo, que o de qae mais
precisamos.
Communicados.
rJaan.r
IARIO OE PERNAMBUCO.
Adoea;
lo Sr. Dr.
oporscio _
/enaieileiito.
Pelo rspor guaran, entrido hontem des por-
to do norte de tus eacal, recebemos jornaes e
cartas do Cear at 30 do passado, do Rio Grande
do Norte al 2 e da Parahiba at 3 do corrente.
Ceor.L-se no Pedrj II:
a De urna carta que temos a vista do Sr. Joio
Marcelino Piolo deMesquis dirigida a 15 do cor-
rete ao nosso amigo o Sr. Maooel Nuoes de Mello
negociante detta praca,consta ter morrido do cho-
lera no Inbamum at quella dala 103 pessoas,
entrando infelizmente nesse numero o nosso ami-
go Dr. Joio Feroandes Vieira, irraio do nosso
amigo oEim. senador Miguel Fernandas Vieira,
o delegado Joio Leopoldo, Joaquim de Souza,
sogro do Dr. Msrrocos, professor Joaquim Perei-
ra e um caixeiro do Sr. Nunes de oome Narclzo
que andar cobraocs por aquelle lugr,veriQcan-
do-se ser exacta finalmente a nolicis que correu
aqui da morle do vigario Joio Felippe Pereira.
< No Tauh tem elle feilo grandes estragos,
montando o numero dai vutirnaa segunde consta
a selentfe tantos.
No Ico segundo urna cstta que Uve do Bilhar
j monis a mortandide al o dia 3 do correle a
500 peitoas, entrando nesse numero a mulher do
Dr. Fructuoso, dous manos do mesmo o Aodr e
Joio, Dr. Antonio Pinto, Dr. Maooel Feiiztrdo,
padre Virissimo, capilao Gurgel, capilao Joaquim
Fiuza, Joaquim Monteiro, Baicellar, Joaquim Ja-
cund e Heorique Pinto.
Em S. Malheaa appareceu o mal no prime-
ro do correle maio e al o dia 16jihariamtuc-
cumbido s dentro da villa oito petsots, inclusi-
ve o nosso bom amigo vigario Lemos Braga, e o
pharmaceulico Deodato que para ahi foi encirre-
gado pela commissio para tratar dos pobres.
< Sabe Vmc. que S. Malheut dista d'aqui dez
leguas, nio temos aqui um medico para tratar da
pobreza; reja poit se consegue do presideole
mandar para aqui um medico dos que vieram con-
tratados de Peroambuco.
Aqui apenas temos um homeopalhico que al-
gumas pessoat particulares mandaram vir do
Crato.
c A commlssao de que faco parte mandou con-
tratar um outro homeopalbico tambem no Crato,
visto nflo haver outro medico a quem le reror-
resse ; poli nao ignora Vmr. que o medicot do
Ico es'.ao alli oceupados: os do Tauha da mesma
maneira.
Esse que se mandou vir ltimamente no Cra-
to est-te em duvida te vir ou nio.
a Netlai circunstancias lbe pesso que se eo-
csrregue de pedir instantemente ao governo que
nos mande um medico ou dous para o difluien-
te pontos desta comarca visto que iqui j se ni
desenrolvendo o mal com tlguns casos de vmi-
tos, diarrha e iodigetlio.
< At esta data aioda nio morreu ninguem
Bragas a Deut.
c Agora meimo recebemos tambem urna carta
da Pacalubt, e chmanos a silencio do Exm.
6r. presidente aobre o estado de abandono em que
ae ach aquelle ponto.
c Pacaluba, 27 de maio de 1862.
Existe o cholera, que tendo principiado no
dia 21 do corrente j conta 24 victimas egnndet
numero de peitoaa accommetlidas.
Estamos n'uma crise horrirel; porqae appa-
receu o terror nopovo a ponto do proprlo paren-
te de um morto nio lhe dir a eepuitore, e ser-
nos preciso a mim e to Ghrisanto mandar recru-
lar gente pin este flm. ,
c Hoje imiabeceram no qunteirio do Rio
Formozo qnatro mortot, n'uma s familia, cuja
caaa eslava abandonad!, astim como outras
mili viainbas e ler-nos preciso mandar toldadoi
f-squi para sepultar oacorpoa,entreo quiei um
J esa putrefacto.
Bu tenlio civido de enfermeiro; mis creio
entendern) os preoi da ctdeia desta capital que Aute-hootem, como encerramtnto s fela
devitm dar que fallar a ella.
A't 4 para 5 horat da larde, iodo o carcerei
ro abrir o alcapso da enchovia para recolher um
preto que eslava ra em trrico, eit que debai-
xo urna turba deilet, a cuj frente se achara o
famigerado ficciooroso Jos Brinlhinte, prorom-
peu escada a cima, e forjando o mesmo atcapio
qae apenas era guardado pelo carceireiro de mioi
vasias e dous ou tresgusrdas nacionaet, rapazet
sem disciplina, e em numero de nove, conseguio
evadir-aa da prisio.
Uajudantede ordens do governo lente Vi-
cente Ferreira Lima, que mora junto esdeis,
acudi immediatamente, e deu logo ae providen-
ciss-psra a captura dot evadidot, de sorte qa
quando alli chegou n cirreirts o chefe de poli-
ca interino, j achou capturados cinco dos fgi-
dos, e il as 8 horas da noite vieram mait dous,
um dos quset era o chefe de todas ai sediedes,
dito ficiooroso Brilhante e o outro, Jos Bernar-
do Canhuto, condemnado ltimamente no Ceirs-
marim viole annos de prisio com trsbalho, por
harer matado ama malber casada, que foresndo-a
ella nio quiz render-se.
Estas duas acqulsicoes foram lio importantes
que S. Exc. o S. Dr. Leio Velloso mandou dar
da.rtrba para a despezas secretas da polica 50$
rs. de premio ao cabo de Ia linhs fjrbsoo Agapi-
to, que por multa diligencia cooseguio prender
grande Brilhante ; e 259 <> ctbo de poli
Maooel Martint, que por muito tino obtere ag
rar a Jote Beroardo.
Achim-se ainda fon Jos Tivarn de Mell
condemnado no dia 3 de margo ultiagp pelo j
da Campo Grande por erime de homr""To o vi
annos de prisio com irabalho, cuja r -- se acha-
ra cumpriodo, a o cabra Joio eacrov o Dr. Fe-
lisardo Toscaoo de Brito, da provincia da Para -
tubo, condemntdo a 80 acoites e ferro per um mez
ao pescoco, por crime de ferimentot.
a A pretldencia em circalar fita pelo chefe de
polica affianga um premio de Kkfrt. ptttoa
que conseguir a prisio de Jos Tarares.
Ante de encerrar esta noticia quero men-
cionar-lhe urna circumstancia, que prora, que o
poro muiat rezei te deixa dominar pelot mfl
nobret sentimeotoe de Justina, e que por Isto nem
sempre injusto pira com as autoridades que a
admioistram e executam.
i Quando appareceu o piquete que capturou a
Jos Brilbante ese reconheceu ser elle que viohs
agauado, o poro, que por curiosidade tioha cor-
rido para a cadeia, e se achara dentro e fora em
redor della, prorompeu exponlaoeamente em ei-
trondosos e repetidos vivas, applaudiodo o triam-
pbo da lei, e mostrando desi'arte o seu apreco
aos esforcos das autoridades, que procuram cum-
pri-la.
a Fica recolhido em priaio solitaria o referido
Jos Brilhante, e em ferros Antonio Francisco Ri-
beiro, conJemoado a pena ultima, e que foi tam-
bera dns evadidos, e tem atsim Jos Bernardo
Canhoto, que me eiqueci de dizer-lhe, que alm
do crime meocionado pelo qual j reipeodeu.Jf a
ainda de responder por um outro anterior oa pro-1
viocia da Parahiba, onde ha dous para tres annos*
matn a infeliz mulher com quem era cisado.
a Segu hoje com licenga para esta cidade do
Recife o Sr. Dr. Joio Heorique Mafra, a pouco
nomeado promotor publico desta comares. No
curio periodo que eileve no meio de dos o Sr. Dr.
Mafra portou-se cooi meoeiras lio apreciareis,
que conquistou as sympalhias de todas is pestoat
com quem entreteve relaedet, deixando-noa por
isso saudososda sua preseoca e deiejoios dt sua
breve rolts a esta capital.
quando s borrasca esti na barra. O Sr. Lobato foi
secutado por nio ter esperado al que ae toubet-
e ni cidade da chegidi do rtpor, eaperaue-ae
pela maro e i depoii de rinte horaa abordaaie
ao vapor.' Ora, quem tem conhecimenlo da barra
do Aracity podara com fundamento dizer que ali
pon estar am vapor fuodeado dou ou maii dita,
sempre em perigo, sujeito rootade ou capricho
do agente do Aractly, mrmente harendo ama
baruca d compaobU, a nao igaorando-se o dia
em que dore abogar o rapo?
E' precito notar qae na ocetiio em que foi
censurad* o Sr. Loboso eilava a barcaca ji oa
barra ; baria dous diaa que esjs>araa-sa o raaor,
a presumpcao en de qae dara estar no dia e-
guinte; porm o Sr. agente, enlendendo echar
nislo un meie palo qual petosse prejuaicar ao
Sr. Lobtto, mandou ordem pin que roltaite a
birctgi, o que de ficto aconteceu.
Plagiado vapor no dt trgaiott espern pela
barcaca que nioappireceu, e eolio mandou o Sr.
Lobato daitar em Ierra oa pamgeiro, a nio de-
rendo esperar retiroa-te.
Attenda-ae qae muilaa rexet da barra ao va-
por gasta a barcaca seis e msis horas. Poden os
ioteresses da compaobia servir atsim de brinco
aoi capricho do Sr. i gente'.'
Centura miieravelmente o Aracuty ao Sr. Lo-
bato faltando verdade, quando avancou i pro-
poticao que o Sr. Lobato tioha grosseiramente
mandado deitar em Ierra oa pisitgetroi qae ri-
nbam para o Aractly.
Isso foi urna calumoia deimentidt pelot pro-
priot pittageiros os Sr. teoente de engenbei-
roi Chriiolyto Chaves e Clemente A. y Boison ;
e podem sfflrmir o que digo o Sr. Dr. Fernando
Mirinhense di Canha e outraa peatn que nena
occasiio rinhim a bordo, e riram o tratameoto
delicado e affeclacto inteparareii do Sr. Lobato
para com ot patsageirot.
Amante di juitict, nao potso daixtr de etere-
rer essat liohatcontando a verdade do que acon-
teceu, a pedir an Sr. Borgea que tenha em con-
sideraco os iotereites da coapanhii a respeito
do Aracaty, oa quaea nio serio pequeos, te por
reotura for um onlro agente pin tubititulr o Sr.
Pacheco que, alm de ser poltico chefe de parti-
do, odiado pelo commercio do Aractly, e t a
lei que obedece a sua rootade.
O Sr. Jos Ka y mundo de Ctrralbo, negociante
matriculado, rico, independenle, cooaecedordea-
tet negocioa e bem quieto, a pessoa que em
melborea circumttinciat existe pira preeneber o
lugir de agente no Aracaty, retuitaudo diito
reiea intereitet pira a companhia Pernambucaoa
e commercio do Aracaty.
Fioaliso transcrevendo o que a este retpeito j
dine o Ordeiro, jornal que ae publica no Ara-
caty :
c Chegou o vapor Jaguaribe dos porto do
norte no dia 21 e nao cooduzio o correio d'aqui
para o sul, porque o ageole da eompanbia, Ma-
noel Pacheco, deu ordem ao patrio da barcacs
que rollarte da barra onde ae achava, etperando
pela chegida do meamo vapor, viato como ette
nio chegra at o dia 19.
De ficto, voltou a barcaca e no dia aeguinle,
quandu se soube aqui que o vapor tinba chegado,
foi entio que parti para a barra oode sem duvi-
" nio acbaria mais o vapor, que nao deria ei-
Publicares a pedido.
SBH1NMAEM .
UM VOTO DE GRATIDAO.
E' tio rtro boje rer-te alguem dedictr-sa es-
pontanea e deiinteretsadamente ao bem da ha-
manldade opprimida sob o peto de um nal con-
tagilo a perigaeo, que nio fot ssm o mais pro-
funde e cordeel seotimeoto da reconbecimento*
que a villa do Sorinhiem e ieat suburbios, rece-
baran oa desvelos e iocansiveis caidadoa do al-
teres Tertuliana Jos/la Silva Pegado, qae desdo
o dia Io de mato at hoja entregou-ie ao trata-
meato perigoao o melindroso dot deivalidoi ful-
minados polo implicarel cholera,fornecendo i lea
caita ot medietmentos e dietaa neceaatriaa s eon-
legaiedo saltar a quaet lodos toa crais garreado
to btibara enfermidade.
__ Tende a epidemia grisnde por toda a popula-
gao, ririisimoa ou nanhuct tio os qae nio ae te-
nbim valido do toccorroi promptot e proficuo
que de tio boa vontade fornece o metmo Sr. Ter-
tuliano.
Nio podendo aer s gritidio igual ao beneficio-
pon que ineitimivel o prego da vida da tanto
detrtlidos e que teriam inevitaveit victimaa de
tao voraz epidemia, julgtmoi ter de algam torte
detcairegido a cooscieocia lanzando mi da im-
prenta e aervindo-not do jornsl mais espilhado
nena proviocia para com toda a utinia lancar-
moa sobre tio prettimoto quo bem faxtjo cida-
dio, o protestos do ntit profundo e aioearo re-
conbecimento pelos benBcioi que]delle tem pro-
vindo para oa detvilidot, e pira at fabrica! de
ilgunt eogenhot da visinhanga quem tem va-
lido aeus soccorros. *
COMMiaCIO.
Praca do Recife 4 de
"junho de 1862.
rVs \uatro oras da larde.
f.otacoes da jufia de corretores.
Nao boureram cotac.5e.
J. di Cruz Macadopresidente
John atissecretario.
Alftindoc*.
RendlmentoHo da 1 a 3
Iden to da 4
55087*212
26 2878460
8Ts74t72
da
. Parahiba.Limitarao-nos presente carta do
nosso correspondente :
a A noticia da iuslillago da assembla pro-
vincial, que lhe dei no anterior realisou-se; sen-
do que o Sr. Araujo Lima leu um importante ro-
tatorio.
a Do mesmo se v que no anoo passado com-
metteram-se nesta proviocia 47 crime, menos
de metade dos que os commetlidos no anno de
1860, que subiram a 96.
Aquella cifra justifica as seguales patarras
de S. Exc. to referir-se semelhanle assumpto:
E' sensivel o melbonmeolo oblido oeste ramo
< do servico publico tio importante, e qne tanto
interessa ao progresso do paiz eao socego daa fa-
milias.
Mais adiante diz o mesmo seohor: < Nio
obstante ter de ufanar-mecomvosro por teme-
c lhanie resultado, que urna mauifesta(io elo-
quenie em favor da moralidade dos pirahiba-
c noi, sou forcado noliciar-voi os sisiuinitoi
dos cidadios DelQoo Baptista de Mello, Aoto-
nio de Oliveira Cabral, ette vareador e aquel-
le primeiro luppleotedo juiz municipal doter-
a mo doTeixeira.
( Acba-se a explicagao dessea issassinatos,
bem lamenlavels na perversidade do criminoso
a de nome Jos Francisco Guabiraba, que anido
a outros, entenden devia Tingar a mnrta de um
t prente, que succumblrs reaittindo i ordem de
t pritio, que lbe (ora Intimada por parte di res-
c pectlri antorldade policial.
Deaie metmo documento te v que a receita
geni no exercicio de 1860 a 1861 prodozio ret
255:180739 e a prorincia!, em lodo o anno de
1861 367:4099554, sendo etta mtior do que a doa
dous annoa anteriores.
a CoDsta mais que a expoitacio not trae lti-
mos exerclcioa elevou-se a 2,400:527)4378 vtlor
offlcial e a importacio a 2,177:8038613, dando-ae
en. favor da produccao da proviocii..........
M2:523765.
Nos meocionados jxatxicios exporlanm-ie
2:048,148 robaa 4HMar repreaeotando
o valor offlcial de 4\$:W2S375 re., e ro-
bas 561,425 de algodio. repreientando o va
or offlcial de 4.160;130|303, dando-se
Madama Stelle, fazendo o papel de Elvi-
ra no Eroaiii.
Iocoolestavelmenle. Ernani, urna bella pro-
"gao potica; e bata pertencer ao numero doa
rip to do grande V. Hugo, pan que te torne
perfluo e dematiado iosufficiente o juizo, a teu
. retpeito, eteripto ou pronunciado por mim, que
ti naufragara eeouaatee fazer mata do que admirar
.WBiogfoio daquelle, que e collocou frente dos
poetas do tecalo em que riremoa como o mait
diilincto.
Sei que, Piavm, tradunodo para O italiano to
bella prodcelo, fax algumat pequenat altera-
(des, que tem duvida notariato oa que teem lido
o original, mas itio nio aioda razio bastante
para que en me desvie do proposito que tiz de
nio lhe entrar ot apreciado, tanta nimiamente
ardua para mim.
Verdi, esse digno maeitro, que compoz a mu-
sica do Ernani, tendo um dot melbores, se nio
0 melhor que te tem conhecido, parece que, ideo-
liflcando-ie com o poeta, etmerou-te em hsrmo
nisar at suat melodas mosioaeacom ssmelodiat
poticas de V. Hugo.
A Franca o a llalla coofundiram-se, V. Hugo
e Verdi se abrecram e a irte triurnphou....
E sempre a arle leri o teu lagar de disiinc?ao,
todas ai vezet que ot artiitst forem artistas.
Deixemos. porm, aquellet dona genios, e fal-
lemos de madama Stelle.
Essi belit filha da Franca, dispondo ventajo-
samente de ums voz terna, extensa e melodiosa,
dispde tambem de muitos outros predicados que
a arte recommendi, pira que te tome artista de
graodtOeputacio, pois a nalureza cunee deu lhe,
alen tlenlo, o cofre precioso das grabas.
f le de Elvira, na opera Ernani, que, ha
pe ora, se repreteotou em o nosso theatro
1 y madama Stelle, reproduzio tsmbem o pen-1
ss m,o de V. Hugo e Verdi, que nada delxou a
enejar ao mais exigente dot difetanti.
jA pir di dofura de ida voz serfica, e da na-
turalidade na mimic, oseocantoa de sua belleza,
sao o imn que altrahe a sympathia e a admi-
racao.
Repretentindo bem, em t<>di a ooera, o seu
papel, no qusrto acto, madama Stelle, ioterpre-
tou e reproduzio lio mgicamente a parte de El-
vira, que nao tei de que expreaso deva usar para
aproximadamente dizer o meu juizo a teu ret-
peito.
Arrebitara oari-la e v-la cantando 1....
A docora do canto que deaprendia de aeua mi-
biosoi e delicado labiot de coral, era igual a do
aroma que ss flores derraman* do calix, e que
embalsamando as briaaa, rai-ae misturar com o
perfume que os aojos derramara nos cantos que
eotoam no co. O seu canto como diz nm gran-
de poeta francez, filiando do rocigool:
A tes chante tout ame tendr
Se laiue ejiflammtr. >
Vestida de branca seda bordada a ouro, a bella
e eocanladors artista, aemelhara-te a estrella
d'alri, que brilhtndo no etpaco ao raiar d'auro-
ra, as vezea ae eovolve na vaporosa nuvent de
prata, que ot primeiros raioa doaol vio, pouco a
pouco, dourand) I....
Estos bem convencido de que, como eu, todos
gostsram de ouri-la, porquanto, madama*Stelle,
realmente urna cantora digna dos maiores ap-
plsusos; nao s pelo seu inconlestavel mrito,
como por neo ter urna rival na extemao, doeuri
e maviosidade de sua vox de aojo, entre ai de-
mait cantoras que em diversas pocas, temos
ouvidp no theatro de Santa habel.
Recife, 4 de junbo de 1861.
C.
Correspondencias.
pertr pela vootide do agente, um ou mita diat,
em urna birra piaiima e desabrigada como a
nossa.
Se o vapor nao chega no dia annunciado, de-
ve a barcaca esperar um ou mait diat at que
chegue, e pira ino gaita a companhia dinheiro.
Resultou que a malla *no seguase para o
sul, causando grande prejuizo ao commercio e
aos particulares dealt cidade.
a Fique certo o Sr. Borgea que a compaobia e
o Aracaty nada lucrario em quanto fr agente
o esta cidade M a noel Pacheco que tem por lei a
sua Tontade.
Do Ordeiro o. 27.)
Foi o Sr. commandaasje Lobato a victima es-
colhid pan aer acoutada no poite deAracaty.
E' certo que o Sr. commaodante Lobato nada
e abaolutamiote nada perder em teu crdito tio
bem firmado com o que inventa o Aracaty. S. S.
tio bem conhecido em toda a parte, que aoode
chegar lemelbante.folbi ter o apreco merecido,
lato ter desprezada por lodoi aquellea que
amam a verjade e etllgmaiiiam o vicio.
, a S. S. nio precisa to cosa defaaa, eabemos I*0101
nos, porm nio podemol aoffrer que te injuria
to vilmente a um cavalleiro tio perleito como
o Sr. commaodante Lobato.
a A accunjao do Aracaty conaiite toda em
nio ter o Sr. Lobato esperado pela barcaca da
companhia que d'aqui levara a mala para o sul.
E foi Uto su luciente para que te offendesse eci-
lumninse ao Sr. Lobato.
A defeaa do Sr. Lobato j no nosso ultimo
numero acba-se estampada, e toda a cenaura,
como j provmoa no metmo numero, deve re-
cabir contra o ageote d'iqui, Manoel Pacheco,
cuja vootide a lei por que se rege.
< Justificando ao Sr. Lobato, bula dizeimoi
que era da rigorota obrigacio da barcaca etpenr
pelo vapor, visto como elle nao poda, nen deria
esperar n'uma barra, como a oosss, dous ou
mais das, principalmente trazendo o vapor urna
viagem looga.
Em quanto ao que diz o kraeaty a respeito
do dinheiro que conduiia a barcaca, isto nada
pro va, porquanto, ae o aeu mestre mereca con-
Qanca por tres dus, devia tambem merecer por
qualro, em todo ocaso, para que conservar de
mestre a urna petioa, que nenhuma confiaoca
merece do agente?
c AccreiCeolaremot smente que o Sr. com-
mandante Lobato odiado pelo Aracaty por
duaa rizea : a primeiri, porque o peridico
Epocha, fizendo juslica ao carcter do Sr. com-
maodante, elogiou-o ; e a legunda, porque o Sr.
Lobato, enrgico e independeote, como nao
aujeita-se to capricho do agente d'aquiManoel
Pacheco.
Cooime o Sr. Lobato a proceder, como coa-
tum, que nao sio as censuraa do Aracaty que
de leve possam mareai a sua reputarlo, nem pre-
judicar o seu crdito to devidameote apreciado
pelas pesioas honradla e aiiudat.
t Do Ordeiro a. 28.)
Moalmento da alfandesjrs.
Veame airtridoi com faiendai..
a eom gooeroa.. 167
== 167
Velumai tahidoa aom ftzendaa.. 170
con ceneroa.. 314
^=- 484
Deicirrtgan no dia5da junho.
Barca ingiera Qneen o tbe Sout carrio.
Brigue italianoCrettoflnetal.
Iinporta^ao.
Brjgue portugus S. Manoel rindo do Porto,
consignado a Manoel Joaquim llamos e Silra t
Georo, manifestou o seguate:
30 barril rinbo ; a T. de,;Aquino Fonseca &
[Filho.
9 3 caixotes dito ; a Franciaco de Aaaia Brito.
1 ciixao dito, 4 milheiroa de tal, t aaixote co-
xint, zO ditot pomada, 60 ditos tebo em pi, 100
ditos dito em vellas; a Manoel Jotquim B. Silva
&Genro.
1 paeote linha, 1 ancoreta e 1 lata cerne de
porco, 1 gaiolla coelhot, 2 ditat a 2 rireiroa ca-
narioa, 1 uceo encommendas ; a Joio Joaquim de
Oliveira.
2 caixes chapeos, 1 dito toalhai e guardana-
pos, 1 cunhete rendas de lioho ; a J. B. da F.
Jnior.
10 barri pregoi, 2 ciixotei pentei, 1 dito ma-
chados, fechiduris, e fenoi, 2 csixes espingar-
da a feixot; a Thomsz Fernindes da Cunha.
4 fardo aibuguelro, 1 caixio colomeltnos e
! a 1. Cardoto da Silva Piolo,
etas izeitonaa ; a Antonio Lopes
Brgi.
6 barricas lardioha, 1 sacca tolha de louro ; a
Jos Fernandos Paquete.
8 saccot feijio, 19 harria pretunlo a aalpices;
a Joaquim Vieira de Barroa.
3 caixea fechaduraa e dubridices, argolis e
cbipinhat; a Barroca & Medeiroi.
10 caixes pomada ; a Ferreira & Martina.
100 cunhelet sebo em pi, 2 dito linha ; a Qi-
nha Irmio & G.
1 caixio (raejas, fitas e linha; a J. A. da S.
Gutmaries.
1 caixio peotes, 3 ditos ciixaa, 1 lata nlpicoes >
i Parete Vianna & C.
Goocalvea da Silra.
a Jos Goncalrea do
1 barril rinho; a Manoel
folba de louro:
0 Sr. commandante H. J. Lobato
e 0 Aracaty.
Appirecendo em principio de margo urna
tnoicripcio de um peridico que le publica ni
cidade do Armiy com o mesmo oome no Diario
de Pernambuco, que muito msltntiva o Sr. com-
mandante Lobato ; nio procure! dar um solemne
deimentido a tal peridico, porque entend que
ninguem darla crdito ou importancia ao que diz
um jornal, que, como o Aracaty, t de odio e
meiqurnhis ringancat se alimenta. Porm, fal-
lando bt poucosdias sobre a companhia Pernam-
bucana com um anigo, ri con detprszer que o
meu amigo icbara-ae como que irresoluto em
crer ou nio o que disse o Aracaty ; prerendo i
possibilidade do exiitirem ilgumai pettoaa, que,
nio conheceodo o Sr. commandante Lobato e
tendo lito a traaacripcio de qae fallo no Diario,
possam ichar-te na metmi condico do
seguiote a differeneo segainto, entre aa quiatfl
ociosta-
ni meimt conaicao do mea
por aoa- amigo, apreaao-siea diaer alguun palarraa con
- ^utnltcW* flm detottruir a prereocio que por ventura
des a valor total doa dona broduotoa meociolP loaaa existir contra o Sr commandante Lobtto.
doi : ? ,S8Ucar0 auperior a do ilgodio em barra do Aracaty dista 9 milhu di cidade
1:486,723 irrobis, e esta a daquella en vaWv' vUcar onde ficam fuodeadea oa vaporea que ali
offlcial,131:93^928. tocim 4 e mala detabrigado e perigoio da coat; liaatio doa traba'lhes'.""
< retina aeriamoa nos ae a produccao do al- ah i cidade a dimora a maior parte daa ve-1 Recife, 4 de junho de 1882.
godao correipondeaaa am quinlldade a do aou- xes de oito a toa horaa em raxio to maro a lato > P. A. do* Gtrfmarei Peixoto.
Srt. Redactores.Ltaao no Liberal de 31 do mez
prximo paindo um commanicido relativo ai o-
brat publicas no quil o seu autor analliando o
relatorio apreaentido pelo director dessa repar-
tido, tirou conclutoes que em nada abonam aos
engenheiros e ajudantes, tou forjado, corso um
dos empregados da referida repirticio, a dizer
alguma cousa a retpeito.
Em um dos troxos diz o communionte que o
director das obras publicas, no fioal do primeiro
capitulo do teu relatorio iostou pela reparacio
daa partea admioiitraiiraa e techlnico para poder
organinr ot orcamentoa dtt obras e inspeccina-
las peitoalmeciie aflm de nao ser Iludido como
tem acontecido, e que o silencio que gasrdaram
os engenheiros e ajudantes da referida reparti-
c8o a esse tpico do relatorio, pro! que o su-
ministrador nio mentto, ou que nio lemos til
relatorio ou que nio preaamoe nosta dignidade
no cato de ter falta tal atterefto.
Nem urna deitaa conaideracet deu causa o
meu silencio, onlro fot o motivo que o determi-
no^ como passo a demonstrar.
OSr. director daa obras poblcasem otutographo
do seu relatorio tratando da capacidade e probida-
de dos engenheiros a ajudantes o fez de modo tal,
que importara a um elogio ; alguem, porem, ren-
do esse autographo antei de ir a imprimir fez ter
ao Sr. director que nio en bom elogiar empre-
gadot, o que dea lugar a qae ella sa limiasse a-
penas a dizer, em seu reMorio, que lbe pareca
que ot engenheiros e ijudmtet cumpriam os
seus deveres de um modo salisfictorio e iotelli-
gente.
_ On, tendo eu riti o iutogrpho supra-men-
cionado, e sabendo qae deu lugar a referida
modificacio, nao davia auppor como ainda nio
suppooho que oSr. director me Julgue incapaz
de erganlnr orgimantoe e inspeccionar triba-
Ihot. Atsim nada tenbo a dlxer acert do citado
relatorio, teoao que appello para o proprio juizo
do Sr. Martlaeiu deiejindo mesmo queme coa-
teste.
Quinto n pedrn de ni qualidide enprega-
da no empedramento da estrada do Miogoiobo,
obrt irrematida por Joi Goocalvea Ferreira
Coila, ae me nio engtoo, nenbumt respousabi-
lidade dert pesar sobre mim per este (acto, risto
nao ter sido eu enearregido da direccio e flsea-
giiolla pombofgjl dita
4 saceos
Azevedo.
1 caixio cruciBxoi e pertencea ; a J. A. Morei-
ra Dias & G.
1 caixa imageni ; a Antonio Lopea Rodri-
gue!.
2 ancoretaa azeilonat, 1 lata lalpicoes; a A. A.
Coelho de Lemos.
2 pacotes coxonilbos e toalhai; a Malheut &
Rodrigues.
2 latas salpices, 1 embrulho meiaa; a J. C. de
Carralho.
1 aacco nozei, 1 ciixo salpices; a B. F. de A.
Campoi.
2 lataa salpices, 1 ctixote smenles e raixea ;
a Campo & Lima.
1 caixote salpices; a Joio Baptista Goncal-
res.
1 barril piezanlos ; a Antooio Jos Coim-
bra.
1 dito ditos e salpices; a Francisco Moreira
Pinto Barboza.
1 lata salpices ; a Antooio Fernaodea Diaa.
1 caixio prezuntoi e salpices; a Jos doa
Santoa Coelho.
1 dito carne de porco; a Hanoel Goncalrea de
Oliveira.
1 dito dito dito ; a Marcelino Jote Goncalvea da
Ponte.
1 dito salpices ; a Joaquim Francisco do San-
tos Maia.
1 dito diloi; a Fortunato Csrdozo de Gou-
veia.
1 barril prezuntoa ; a Maia & Irmio.
1 lata salpices ; a Jos Joaquim de Oli-
veira.
1 dita peixe ; a Heorique Jote dos Sintos Cai-
ma ries.
1 dita carne de porco, 1
coelhos; a ordem.
1 caixio prezuotos ; a Antonio Jos Fernande
Refintdor.
1 dito carne de porco; a Jos Antonio de
Maltos.
1 dito peixe ; Mmoel do Couto Guedes.
Vipor nicional guarass, procedente dos por-
toi do norte, manifeitou o leguinle :
1 barrica queijes ; a Cunha Irmioi & C.
2 lurres cerne lecei, 1 dito cert de carnauba;
a Gabriel Soares Raposo da Cmara.
1 barrica queijoi; a Franciico Alret Monteiro
Jnior.
2 taccoi pennat de emma, 47 meioa de toli, 2
couroa salgados e 4 molhos com 80 courinhos ;
a Domingos Jote di Coala Laget
400 mothoi de palba de carnauba ; a Manoel
da Silra Caroeiro Pimpio.
181 couroa stlgadoa teocos ; a Joaquim Darino
Pires da Silva.
1 barril tzeile de carrapato, 1 dito queijoi ; a
Tbomiz O. de Sonsa Santiago.
2 rodaa dentadaa para engenho; a Nanee &
Coelho.
30 barriese aebo em rama, 3 soceos caf; a
orden.
Exportado
Do dia 2 de juana.
Barca raaco Maria, pira Mineille, earre-
garan:
. A. Barle & C, 2500 lceos con 12500 arro-
bas de estucar.
Brigue fraocex /. Parmeaiiar, pace Marseille,
carregaram :
Cala Irmioa, 1900 aaccoa con 5090 arrobas de
asaacir.
Brigae ingles Solio, p*ea Maraeille, carre-
gou:
Tiaaet Froroa 1400 acocea aon 7000 arrobae da
aiaucac
Hiato americano Grteland, pira PhOetotohia,
carrejaran:
/

x -
X*V JHIM
.^.


,
DLUIJD M MOOlftMMJCO
M ednrc! ikcoi com
**w-i**da C< re, para Lia-
J300
'SMS-*'
nfttjio gctofi
boa, ummia :
gaFaf? frto,,e, Aet**V P JM. rr-
*S?!5f*,r: *^s tn>. 100 aaccoa
com am arroba* de atascar.
kd?a ha8*' coscocn 2350 arro-
igw hee>aohol Ama /rmos, | ata Bareelooa
carregaram:
Palmtira 4 B*llrie, 3,000 ccoe. om caica.
Kal
Barca inglesa Quean of the So* '.h, para Val-
paraizo, carregaram :
N. O. B. 4 Succeaaorea, 2000 sac os com 10000
arrobas de atascar:
TiaMt Frerea, 400 aaccos com 30 )0 arrobas de
aatbcar:
Polaca francesa Tambel, para Ma seille, carre-
garam :
K. A. Borle & C, 1400 taceos cem 7000 arro-
nai de assucar.
Barca portuguesa Sympalhia, para Litboak
carregaram:
Bailar 4 Oliveira, 335 coaroa (atoados com
7384 libras.
Barca italiana Christofino, para llarseille car-
r*tt#* Jlfttfif
&T Ma A i
T
:aram
.Dragn, 810 aaccoa com 40501 rrobas de as-
ucar.
Brigue ingltx So/iom, para arUle, carrea
garam :
Tiaset rerea, 600 aaccoa com 3,000 arrobas de
Macar.
**** ha wat rawOe, pa Mar Ule, earre-
garaai :
E. A. Burle & C, 600 saceos com : 1,000 arroba*
a astucar.
Brigua hamburgnez Rosalinde, pira o Canal
carregaram : *
ohnaton Pater & C, 1,100 aaccoa com 5,500
atrobit de asaocar.
Hiata americano Greeland, para i'hiladelphla
cerreg.rara :
a J,l0JLFotr c e"" Igadae com
I.J35 libras.
Brigua porlugn.z Activo, para Li iboa, carre-
fpr.m :
Amorim Irruios, 150 aaccos cem 750 arrobas
da aesaesr.
Brigue nacioaal Mnuagro, para n Rio da Pra-
la, carregaram :
Amorim Irmaos, 30 pipas com 5,530 medidas
de cachaba.
sbedoria ala re adata Internas
4:058*350
652J410
4:710J760
Rsndimento do dia 1 a 3
dem da dia 4 .
Consulado provincial.
RandimentjdodlalaS .-, H:34338
dem da dia 4 > ; 3:043#tJ3
Jantar.
gao no domingo.
Sexta -feira.Almoco.-
O meame que no domingo.
Jantar.
Mala libra de baealho.
Meta dacisao da feijo.
m dcimo de farinha.
Dana oitava de azeita.
Urna onca de vinagra.
Lenha e aal.
Sabbado.Almoco.
O meimo qae no domingo.
Jaatar.
O meemo que na texla-feira.
Dietaa para oa doentesw ,
N. 1.
Almoee.
Um quarta de gallinba para (rea caldas no
dia.
Lenba e tal.
N. 3.
Almoco.
Dm pao da tres once* na sopa de caldo de gal-
linba.
Lenba e aal.
Jantar.
Um qaarto de gallinba cosida.
Duai oncas da arrat para tanja.
Lenba, aal e vinagre.
N. 3.
Almoco.
* O mesmo qae na dieta a. 2.
Jantar.
O meimo que na diala n. 2, a mais amMqaarlo
da gallinba asaada.
Um pi da (res oncas.
Leaha a aal.
N. 4.
Almoco.
Duas oitsvas de cha da India.
Um pao de (rea oncas.
Duas onr^as de astucar.
Lenha.
Jantar.
Urna libra de carne erde.
Ua dcimo de farinha.
Lenha e aal.
N. 5.
Almoco.
O meimo da dieta n. 4.
Urna libra de carne asaada.
Qaatro oncas de arroz.
Um pao de trea oncas.
Lenha e sal.
Aa peaaoas que querem (asar dito forneci-
menlo apresentem aa aaas propostas em carlaa
(echadas no dia 18 de junho do crrante anno,
nesta thesouraria, pelo meio dis, onde encontra-
rlo aa condices com que deve ser effectuada a
arrematarlo.
E para constar se mandou affixar o preseote e
publicar pelo Ditrio.
Secretaria da thesoararia provincial de Per-
nambuco, 28 de malo de 1862.
O aecretario,
Antonio Ferreira d'Aonuociacio.
17:386S597
Mov meato do portla
Ceer
Naviot entrados no afta 4.
<*ert a ponos intermedio*7 das, -apor naeio-
al *rmm.A9 500 Unell.das, ommaod.ote
ai. de M, Viaooa.
HL V?#Ud^"?',0 smuel Proverfequi-
6^r?J0tFll-6Z di" o prime: ro porto. 35
do aguado brigue italiano Dainc, de 179 to-
12 c!raPvli-LTlM,ni,Z 0rxi,ia IPge
Nao aoureram tahidaa.
_ ooaerracao.
Borlejo 4 -
deva aer a
coa deitino o M.nohao, mais eco leve com-
mawcecao com a (erra, a oegto ao bordo do
Dorte.
uDsarracao.
no lamarao urna galera portugajza
Adamaitor inda do Rii de iaalir
Editaes.
O Illm. Sr. inspector da theaou aria provin-
cial em cumpnm.oto da ordem do Kxm. Sr pre-
aideale da provincia da 30 de maio pioximo Qodo
manda fuer publico que no dia 12 do correte,
aa ha de arrematar peraD(e a junta da meima
Ibesourarta e a quem por menos fl( r a obra dos
reparot de que precisa a ciaa do sitio Minero 1,
na estrada do Paroameirim, perten ente ao pa-
trimonio das orjhos, avaliada em f IO9OOO.
A arrematar.ao aeri feita na forme da lei'pro-
viocial n. 543 de 15 de maio de li54 e sob as
Clausulaa eapeciaea abaixo copiadaa.
At pessoas que se propozerem a ossa arrema-
tacao comparecam na sala das sessos da referi-
da junta, no dia suppra mencionado, pelo meio
01a e competentemente habilitadas.
E para conetar ae mandou afiliar u presente e
publicar pelo Diario.
Secretaria da theaouxaria provineial de Per-
nambuco, 2 de junho de 1862.
O secratario,
Antonio Ferreira da AnuunciacSo.
Clausulas eapeciaea para a arrenatacio.
1. Os coneertos precisos na casa do aitio n. 1
SsJ.r*d*- or prn"'fim na importancia de
-JI09000 aarao taitas de eooformidade com o res-
peeuvo orcaaeoto.
*.*--0 arrematante dar principie a obra 00
praio da mo diaa e a coocluir no de aetteota
Olas, ambos contados da data da arrematacio.
3.*O arrematante seguir todas as prascrip-
-coea que Ihe furem dadaa pelo eogen leiro anear-
regado da obra, licari sujeito aa di iposiedea da
le provincial n. 286, no que diz reapeito a arre-
an >( a Q o.
4. --0 pagamento ser effecluad. depoia de
concluida a obra,
,5-*~No Ie admiltir em qaelqaer lempo re-
lamaco alguna por parte do arremitaote, ten-
dente a exigencia de indeonoiaacao.
O secretario,
Antonio Ferreira da Aor aneiacao.
O Iilm. Sr. inspector da theti uraria pro-
?laciat manda tazer puolieo, quedo dia 3 do cor-
rala pordiantapagam-aeoeordenado: dos emore-
gadoa provinciaaa, vencidoa nomex de maio pro-
xiroo Dudo, ~
Svcretarla da thetourarla provincial de Per-
oambaeo, 3 da junho de 1862.
O secretario.
n rn ^ul00l Refreir da Aon uaciacio.
O Illm. Sr. inspector da theaouraria nro-
v-toeial. em cumprimento d. reaolUao da junta
da faseada. manda lser publico qae ae contraa
por leatpo de tres metea. a contar do f de iu-
Iho prximo vindouro, o fornecimeut, da alimeo-
acao a dieta* para os presos pobres da casa de
detencle, a saber:
AlimenUcJo.
Domingo.Almo
Um pao de trea oncas.
Uou oooa da caf.
Duas oogai de anucar.
Jantar.
(Jcna libra de carne verde.
Urna ooca da touctnho.
Um dcimo da farinha.
Leaha a aal.
/i- StNpioda-faira.--Alij5o
mismo qu* no domingo.
. Jaatar.
O mesmo que no domingo.
*aCa-(.i,a._Almoco.
O mesmo qae ao domiogo.
Jantar.
O meis que ao domingo.
Ouara-felra.Almoco.
1 qoa do domiaga.
Deckira^oes.
Mela libra da_________
' 0e anca da laadaho,
io dcimo de feijio.
Oaiata-feira-Alooso.
O rnaamo qui ao domingo.
Perante o Illm. Sr. Dr. juix de orphiot do-
ta cidade tem de seram arrematados de venda,
no dia 7 de junho do crrante anno, ao meio dia*
am o armazem da mi do Amorim do bairro do
Recite em frente a nova rampa do (rapiche de
Jos da Cuaba, todo* os beos movis, biate, bar-
cae o canosa per(encentea ao inventario do fi-
nado Pedro Borges de Cerqaeira,' como indo
consta do respectivo edital e escrpto de praQa
que se acha em poder do porUiro do mesmo jul-
io, e que poderaUaier examinada pelos preten-
deres.
Tendo a direcloria das obras militares de
mandar collocar no hospital militar 8 vidracas em
daas enfermaras, convida aa peasoas que quize-
rem empreitar esta obra a apresentar suaa pro-
posta* na dita diractoria nos dias 4, 5 e 6 do cor-
rete, das 10 horas a 1 da larde.
Directora daa obrae mililaasB de Pernambuco
d de junho de 1862.-0.eacriptarario, Joo Ifen-
taira 'Andrada Malvinas.
Conselho administra Uto.
0 conselho administrativo para forneeimeoto
do arsenal de guerra (em da comprar os objectos
seguintes :
Para o 2* bstalho de infantera de linha.
1 livro em branco de 200 folhas para o registro
dos recrutas am deposito cargo do corpo, con-
forme o modelo.
1 dito dito de 200 ditas para registro da cor-
respondencia offlcial dos recrutas, conforme o
modelo.
1 dito de 100 ditaa para ndice dos documentos
archivados tendentes aos meemos recrutas, con-
forme o modelo.
1 dito de 100 ditaa par* carga e descarga do
fardameolo, pertenceotes aos meamos recrutas,
conforme o modelo.
Quem qaiier vender taes objectos aprsente aa
suas propostas em carta (echada na secretaria do
conaelho, a 10 horas da manhaa do dia 11 do
correte mez.
Sala iai sesses do conselho administrstivo
para foroecimento do arsenal de guerra, 3 de
junho de 1862.
Antonio Gome* Leal,
Coronel presidente.
FraneUeo Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo, para foroecimento
do arsenal de guerra, (em de comprar os obiecoa
teguin tes:
Para o corpo da guarnicio da provincia do
Cear.
457 pares de clcheles pretos.
Para o arsenal de guerra.
500 canadaa de azaite de earrapato.
Para a pharmecia militar deata provincia.
Quem quizer vender (aes objectos aprsente as
propostas em carta fchala, na secretaria do
conselho. la 10 horas da manhaa do dia 6 de
junho prximo vindooro.
Sala daa tesset do conselho administrativo
para fornecimento do arsenal da guerra, 30 de
maio de 1862.
Antonio domes Leal,
Coronel presidente.
Franeitoo Joaquim Pereira Lobo,
Coronal vogal secretario interino.
Conselho de compras navaes.
Tendo-ae, sob aa condices do estylo e appro-
vacao do Exm. Sr. presidente da provincia, de
cootralar aa dia 5 de junho prozimo, por (re
aeres (indos em aeteosbro tambara prximo o
foroecimento dos ebjecte* abaito declarado* pa
ra os navios da armada, e eatabelec memos de
manoba ; bem como a lavagem de roupa deatea
meamos estabelecimeotoa, coavida o conielho
aoa prelendentea a apreaentarem suas propostas
nene dia at 4a II horas da manhaa. v
Objectot, vivert, dietat e oulrot objectos de
consumo.
Arroz do Maranhao, aguardante de 20 grot
aieile doce de Litboa, axeiia iafetior, anucar
branco groaao, araruta. aleiria. assucar branco
refinado, bolaxlnha. baealhio, bolaia, caro.
aecca, saf em grao, carne verde, caroaba em
l..P"l b*". frrtoha i mandiaaa do peiz
feilio. gallinha*. aateiga fraaceza, maoteig
ingleza, mate, pi, pedra de alvenaria e de
cJ0U"f. *,ttl*. ,***. loaalaho de Lisboa. U-
Piocs, jollo da alvenaria grosia, vinho da LU-
boa. valla* leaiiaea a vioagre da Liaba*.
Sala do conaelba de compra* aavaaa mm de mala da 1802. m
0 eereierio,
Alexandr* Rodrigaet doa AdJo*.
Inspet^So do arsenal dema-
rnha.
#- !fl**iP"kUeo ommissao da peritos da*.
-!25S!l:Jx,"io,Ddo M hTat determinada ao
C^gMhi. Pr.^lte^'a%:^o^a
r.. ackoBt ana eetado da podar agr.
U. A. Barkoaa de Almaid*. |dbwde"c7.
Iospactor. I
Cuse!. adaiiiitratiyo.
o conselho administraUvo para fornecimento
^raeoai da guerra (em de comprar oa objeetoe
.- P" o presidio da Farnaado.
7 Pln>o* de comprimento, tendo
^potteg.da* de face, para frechae, terca* a ca-
o< ditos de 37 palmo* de comprimento, tendo
a Poliegadas de face, para liaba* de asuntar te-
ooras*
4 itos de 35 palmos de comprimento, tendo
oa "lL,,e f*ee Dar" e,Pi85e8 o portadas.
04 travs de 33 palmos de comprimento, tendo
ofl!mo'.,.d0 f"*' PrPfoaa de (esouraa.
000 caibro* de 25 palmos de comprimento.
115 duziaa de rlat.
80 barricas da cimento para reboque.de pa-
300 alqaeiroa de cal.
30 milheiros de telbas.
30 vergaldes de ferro de 1 l|t pollegada.
5.000 prego* caibraes.
3.000 ditos caixaes.
10,000 ditoi ripaes.
Para o 7 batalhao de Waotaria.
1 irena de 15 Tacas.
5*3 canela*.
50 aaaova. mote.
Q*m qaixar vender (aes objectos aprsenla ts
sea* propota* en earta (echada na aecsetaria do
conaelho, i* 10 bar** da miaba de dia 9 de
junfaa prximo vindooro.
Sala daa aeseees de conselho administrativo,
para forneciraenio do arsenal de gaerra, 31 d*
maio de 1863.
Antonio Gomes Leal,
Coronel preafdente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo.
Coronal vogat secretario interino
Consulado provincial.
De ordem da Sr. adtnioistrader interino do con-
salado provincial ae fax publico qae o* 80 diaa
ateia marcado* para* cobraaca i bocea do cetra
do impooto de 10 0*0 sobra a renda daa terreno*
do municipio do Recife oecupado* com o plantio
do capim do anno vigente de 1861 a 1803, fln-
d*m-e ne dia 31 do carrant*. e qu* ficam com-
preheodido* aa malta determinada mo art. 50 da
lei provincial n. 346 oa qua pagarem daeeia desse
praso. Mesa do consalado 19 da maio da 1863.
O ch*fe de 2.a aec.ao,
F. Ferr*iraM. Rbeiro.
Consulado provincial.
Pela mes* do consulado provtocial ae faz pu-
blico que os 30 diaa ntai* marcado* para a co -
branca a bocea do cofre do legando semestre da
anno financairo corrate de 1861 a 1863 dos im-
postes da dcima das predio* urbano* das fre -
Ruezias detta cidade e dos Afogado, de 20 por
canto do contato* de aguardeat*. e de 5 por
canto tobre a vanea doa bent de raz perleoceo-
le* a corporaede* efe mi mora ae priocipam a
contar do dia 2 de junho vindouro.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco
26 de malo da 1863.O cfaee da segunda saegao
F. Ferreira II. Rbeiro.
Peranie a (hesouraria provincial, vio nova-
to en(e i praca para aerem arrematad** i quem
mai* der, no dia 12 de junho prximo vindouro,
a renda das casaa, abaixo mencionado, porteo-
cenes ao patrimonio dos orphaos, a saber :
Raa do Sebo.
Casa terrea d. 12. por anno 1609.
Raa do Reaario da Boa-Visia.
Casa (errea n. 14, por auno 2015.
Ra da Lapa.
Casa (errea d. 41, por anno 182$.
Ra da Cacimba.
Casa (errea n. 65, por anno 300.
Ras dos Burgos.
Casa terrea n.-63, por anno 2058.
dem n. 69. por anno 125$.
Ra da Seozala Vellia.
Sobrado de doua andarea n. 79, por anno 650*
dem idem n. 80. por anuo 650f.
Ra da Guia.
Case terrea n. 83, poranoo 162.
dem o. 84, por auno 168.
Ba o Pilar.
Casa (arrea n. 96, por anno 157.
Raa da Madre de Deua.
Casa terrea n.35, por anno 1:6215.
Estrada do Paroameirim.
Sitio n. 1, per anno 500J.
Sitio n. 2, por anno 1209.
Forno da Gal.
Sitio n. 5, por anno 353$.
As arrematarles aerao feitas pelo tempo qae
decorrer do dia da approvaco do contrato ao
fim de junho de 1864.
E para coactar se aaandou publicar pola Diario.
Secretaria da (hesuuraria proviocial de Per-
fambuco, 36 de maio de 1862.O secretario, A.
o. da Annundacao.
R4NDE CIRCO OCANO
, *
DE
SPALDING & ROGERS.
BENEFICIO DA JOVEN K.4TE OBIHOND.
Sexta feira 6 de jDho.
AVISO ESPECIAL.Teado sido marcado o dia de Sexta -feira 6 de junho, para o beneficio
da peni* joven artista KATE ORMONO. o director nao pode deix*r de pproveitaV etta occaaio
alta de antecipar a apreciavel e benevolente considerado de generoso e apreciavei publico deata
eidade, o benigno acolhimento que lio diatiocUmante tem manifestado pela joven beneficiada.
?"5" coni os "'u1" Cao do* dol* profeasionae* detta filhado circo. aa*im como a* rigoaij* de ver que todo* os asso-
ciafloa da compaohia mottram am tal eothusiatmo pela joven menina, qae o animam e habilitara
a poder prometer nesta occasiao .os concurrentes, um eotreteoimento digno da arte equestre. aue
lome anda mais recommeodavela companhia, que ae etforcar de commum accordo para aeradar
lio respeitavel reuoiio. v 6
Pernambuco, 5 de junho de 1863. Carlos J. Rocers,
Director geral.
* i aaakaaaannajiaaj
A JOVEN KATE ORMOND produzlr nesta occasiao. pela primeira vez nesta cidade. a in-
eressanle e bella pantomima equestre, na qual ella epparoceu com immenso Eclat em NovaOr-
ieans e Nova York, intitulada
Rio de Janeiro
O brigua naciooalA.lCredo>. aegaa com brev-
dade a tem meiocarregam,nt0 tratado, para u
reato ta-*e com oa conaignat.rio Marque,
Barroai C, largo do C>rpo Santo n. 6.
Para
Rio de Janeiro
aegue com toda brevidade a Hola e veleira barca
nacional Irla, de primeira classe, capilo Gas-
par Leite de Faria, a qual tem parto de aea car-
regamento prompto ; para o resto, (rata ae com
GOIPAMHA PERNJUIBDCA1U
PE
KATRINA
O
0 Salteador dos Pyrineos.
Vestido em cosame histrica e com msica appropriada, e na qual espera se que serio bem
aceitas aa
SEGUINTES PERSONAGENS.
- KalTxra. a roullier do Slteador
JNavegaco costera a vapor
Parahiba, Rio Grande do Norte, Ma-
eau doAwa', Aracety, Ceara'e
Acaracu'.
O vapor cJagaaribe, commaadanta Lobato,
tabir para oa portoa do noria ata o Aearac"
no dia 7 de junho as 5 horas da (arda.
Recebe carga al o dia 6 ao meio die.Encom-
mendas, passageiros e diubeiro (rete at o di
d* sahida a 1 hora ; *scrptorio no Forte do
Mattoa o. 1.
*0
LEIL.40
Passas,chdo /io, lieo-
res, ervadoce e 50 caixas com
aletria.
O agente Pestaa vender por cent* de quem
perieacer 50 caia* com paisas, 8 aeceoa com
arvadoca, eaiaa com dusi** de licore*. 90 ca-
xa da aletria a cha do Rio em caia* : qainto-
feira 5 do correle pelas 10 horas da maohea do
rmazem do Annet defronto da alfandega.
katrina, a mulher do Salteador
Marco, o Chale daa Salteadores,
Conde Mentplaimr.
Pedro, Criado do Conde,
Jos. Sargeoto do* Can* d'Arms,
Antonio, Capitao do* Gens d'Arms.
Soldados,
DURANTE A PEQA
luver a dknsa da pantomima pela Joven Kale Urmond.
O DIRECTOR nesta notte apresentara
A Joven Karte Ormond.
Sr. Nalhaniel Rogers.
Thm/iom Toiirniaire.
* Jorge Sharp.
o H. W. Ruggles.
Zarry Worland.
A Companhia.
DO
BEBERIBE.
O Sr. caixa o commendador Manoel
Goncalves da Silva esta' autorisado a
pagar o 28- dividendo desta companhia
na razao de 3$200 r. por apolice :
advertindo-se aos Srs. accionistas que
este dividendo sera' pago em cobre,
visto ser na especie.que o Sr. caixa tem
recebido dos arrematantes dos chafari-
zes e bicas pertencentes a esta compa-
nhia.
Escriptorioda Companhia 27 de maio
de 1862.O secretario interino, Justi-
no Pereira de Faria.
Crrelo.
Pela adrninislraQao do correio ae faz publico,
qae hoja (5) as 3 horas da larde am ponto, ser o
fechadla aa maiaa que deve conduxir o vapor
cosMro Perainunga com destino I provincia
de Macelo e portoa interm.dioa.
THEATRO
DE
Santa Isabel.
COIPAMHIA LYRICl
DK
*. HrVKiNiVNGm,!.
9.' Recita da assiga atura.
Q1NTA-FEIRA
Sdejanho,
lispreseDtic-ae-hi a opera
ERNN.
% ws&um mmw
em honra da joven KATE ORMOND e
Joven Carlos Fisher,
e spresenlar pela primeira vei perante o publico, n'um acto da arte de montar a cavallo
Sem sella e freio:
Toda a companhia de ambos os sexos
MASCULINO E PEMENINO
GRANDES E PEQUEOS
estar, iospirados com a firme re*olaco de que a represeolaco dessa noite ser urna demonttracao
da elevada estima em que elles tem esto verdadeiro ornamento de sus proBsso, e at
Mesmo os ca vallos
parecem estar dispostos a mostrar mais do que a aaa usual sagseidade, em honra de sua joven se-
l Os bilhetes para camarotes, cadeiraa e platea esiaro i venda no eacrptorie do
circo, hoje qoiota-feira de manhaa, stslm como oo dia do beneficio.
Por ordem do director,
W. T. B. Vas Oboen Jc.nior,
Secretario.
Manteiga ingleza
OUiNTA-FFIttAS r.n rOBRENTE.
Mills Lstham 4 C farao leilo por intervengo
do agente Pinio a por conti e risco de qem
pertencer de 50 barris com maolelg inaleza
chagada altimameote, as 10 borae em ponto oo*
armazem do Sr. Annet defnmte da alf.ndega
LEILAO
DE
Urna mobilia de jaearand a Luiz XIV com una
sof, 1 mesa redo-da. 2 ornlos, i cadeiraa
de braco, 2 ditas de balaoco e 18 ditas da
guarnicaoem bom estido.
Sexta-feira 6 do correte.
O agenta Pinto far leilo por coota e risco da
I quem pertencer e sem reserva de prep da rno-
! bilia cima mencionada, existente r,o segundo
andar do aobrado o. 18. ra de Santa Diti ande
se effectuar o leilo s II horaa do di. cima
dito. O* pretendeotes podero desde j exami-
n.r a referida mnbilia.
Atsos martimos.
fe
Principiar! fe 9 horaa em ponte.
Os bilhate* veodam-*a ae dia o eeeactacalo.
. B.Pera eviar detgosto* de qaatoaer es-
P^a^emeeettrlo declara que toda* oa ea-
IerlptoTado* eao pago* em da. ea elaaSado*
ealoe, como pede provar
6. Majuharoiii.
COMPANHIA PERNAMBUCANA

Navegado costeira a vapor.
Macei pelas escalas.
O vapor Perainunga, comuandante lioura,
sabiri para oa portoa do sol tocando eaa escalas
no da 5 da junho n 4 horaa da (arde.
Recebe carga at o da 4 ao meio dia. En-
commendas. passageiros edinheiro frete at r
** aahida ao meio dia: .acriplorio nolorto
do M.ttot n. 1.
j Para Litboa aegue com malta brevidada o
bngae p0ri Activo. (em prompto a maior
parto do carregameoto, a para o reato que recebe
*i ou p,ra Paaageiro, ao quaes offerece ex-
cellentas eommodo* : trata-se no escriptorio de
Amerlm &,Irmaos, roe d Crax n. 3, ou com e
capitao Joa Antonio de Ollvera, na praca do
Comm*rio.
Aracaly,
S.gae no da 10 da mex correnle o hiato *San-
ta Crax, recebe oerja a fre, a p.ts.geiro* ; *
raur com C*eW^fJ|Ii.C0 d, C/i. r^o. no
lado do Corpo Santo a. 8.
Mi*.
Hhte Santa Rila egM ohI.i dia* ; pira o
re*to o* aria iral*-*e ceta C.t.oo Cyri*co ie
AIrmae, aatodadoCaaa San m. U.
A barcaca S. Jos Visj.oleB, tendo parte
do csrregamento bordo para o Rio Grande do
Norte, ainda recebe algam frete al o dia 5 do
corrento, dia em que pretende partir: quem qui-
zer carregar, dirlj.-ge 6 ascadinha d. alf.ndeei.
Rio de Janeiro
Segu com toda a brevidade o palaeho S. Joa-
neiro. capitao Joo Gaspar deOliveira, (em par-
to de sea eerrrgamento prompto: par* o restante
trata se com o consignatario do mesmo Manoel
Alve* Guerra, ou cam o capilo.
Pra o Aracaty
egue com toda a brevidade o biate Bxalacio
p*r* carga a paasageiros, trala-se coas Gurge Irl:
meo* na ra da Cadete do Recife o. 28, piimei-
ro andar.
LEILAO
Quinta feira 5 do correte.
O agecte Pestaa autorisado por omi pestoa
que te relirou para a Europa vender em leilo
urna mobilia de Jacaranda tampo da pedra od-
aistindo em meaa, conaolos. 16 cadeiraa, dtt. de
br.coa e balanco. sof, outra mobilia tambero de
Jacaranda consistindo em 12 cadeiraa, 2 de braco
e2de balanco. consolos, sof, meaa tudo de
lampo de pedra e mu tos oulros objeetoe de mo-
bilia, 1 carro de vidragaa quasi novo muito bem
almofadado de molas mgteaa. apparelboa par
cavalloa e um escravode nago de meia idad* -
qaiula-faira 5 do crvente pala* 12 horaa da ma-
nhaa em ponto, na ra do Vigarion. 10 primti-
ro andar, r
LEILO
Quinta-feira 5 do corrate.
Rotha a Bidoulae faro leilo por intervenga j
do agente Pinto e por conta e aco da quem
pertencer da 8 caixas com papel de peto da pri-
meira qualidade. liso e paulado, s 11 horas de>
Ha cima mencionado em aeu escriptorio raa do
Trapicha Novo n. 18.
Para Maranhao e Para.
O hiato GaribaUt, opila* Custodio Jos Viaa-
na. tratar com Taaso 4 Irmaos.
Para o Aracaty
o Mate nacional tJagaaribe* pretende (agalr t
odia 84. juaho por la* parte da carga prompto:
pera o reala a pasetooiree, trato-a* aa ra de
Crespo o. 14, ou com o mestre a bordo, defroote
decaes do Remos.
Lisboa
patacho portagoez clliri de Glorio apitie
Amtoote de Barros Vsfaete, afrir cem brevida-
da por (ar a maior parta de aiu carrafemenU

LEILAO
DE
Roupa feila, calcado e un
cabriolet cora arreios.
Quinta-feira 5 do corrente.
O agente Luiz Antonio RoJrigues de Almeida
far leilo por coote e risco de qaam pertencer
e ata raserv* da praca de % wii*s cem ceeacaa
e fraques de panno fino, vestidos pnra menrao,
aorta* de coltotea de gorewrae, caapaa* de aol
pan aeakeraa, 4 caii.t com ealeade-e ea-
krioletem parfaito aatotfe eom arrelo.; a 11
hora* do di* cima meeeioaaaa *a*
lorio raa da Cadeia do B*aaai. *9
lr~-~ i
LEI
sai?**-
O fento OUveira offereca aatra vea para e-

-*.-


^w^awav


DU1I0 DI PERNHCO. *- QUISTA FEIR1 DI JONHO M U62.
ten veodidoi defina? amen te, em Mito, os pre- i
dioe segointes : ,
A legante cesa de (Obrado em < bou propno,
construida do gosto moderno cot ptimos re- :
partimentos, e cora sitio conteodo cocbeira, es-
tribara, e casaa para pretos sita d) (roote do pa-
lacete do finado bario de Biberib", na ponte de
Uehda.
Un sobrado de 3 andares, na rea Direita, d.
36, em chaoa proprios, com 5 portis no terreo e
4 em cada era dos andares, teodo gallineta ao la-
do, coiinha (ora, 1 lojas, quintal e cacimba etc.,
oseu rendtmento aonual de ria 1,9009 pode ser
levado a maia, mediante algum melboramento
do 3* andar.
Tres partes de om sobrado de timo andar, na
toa de Borlas, n. 66, as quaes corresponden) a
perto d'ametade do aeu ioteiro vulor, e reodem
vmte tantos mil ris mensaea ; lem quintal, e
cacimba. Ter pois lugar o leilao detlea predios,
cajo previo exime aera muito conveniente aos
pretendentes :
Sabbado, 7 do corrente
Ao meio dia em ponto, no eacrpitorio do
geDteOliveira, na ra da Cadeii do Recife, 62
primeiro indar.
Fogo de arti
ficio
LEILAO
o
Sexta- fera 6 do corrente a 1
hora da tarde.
O agente Pioto far leilao a requerimento dos
curadores flscaes da massa fallida de Jos Anto-
nio Soares de Atevedo, e por mar dado do lllm.
Sr. Dr. jaiz especial do commerci), das dividas
pertencentes a mesma massa, 1 hora da larde
do dia cima mencionado.
O bazar da rea do Imperador n. 6 anda a
agencia da muito acreditada fabrica da viuva Re-
fioo, aoode se lomara todas e queeequer eocom-
mendas em ludo o que for relativo a aua arte, ai-
sagurando-se nlo s a melbor execugao na con-
fecco dos irligot, como a maior modicidade nos
seus precoa. Neeta mesma casa ha sempre um
portador para lser s condacco das encommen-
daa, evitando assim os (retes que a distancia das
fabricas acarretam aos senhorea compradores.
Gabinete medico cirurgico.J
Ra das Flores n. 37.
Serio dadseconatltaa medleaa-cirargi- i
ca pelo Dr. Estevao Cavalcanti de Albu- i
querque da 6 aalO horas da manhia, ac- <
cudiado aos chamados com a maior bre- i
I vidade possivel. I
i Partos. i
i 2. Molestiaa de pella. |
3.* dem do o l boa.
i 4.* dem dosorgoa ganitaes. |
Pralicartoda e qualquer operaco em i
i seu gabinete om em casa dos doentes con- i
forme Ibes (dr maii conveniente. i
Uma pessoa convenientemente
habilitada se propoe a ensinar for a da
praca primeiras letras, latim e francez:
a tratar no pateo do Terco n. 33.
&S%mSK&MMMS2K-et93RCK2
Dentista de Pars. *
Segunda teira 9 do corrente.
Matheus, Auatio & C. faro leilao por inter-
vengo do ageute Olivelra, de 9 brrricaa conten-
do ptimos presuntos para fiambre, oa maia fres-
caes, bem preparados e encapados e no melbor
estado possivel, imporladoa ltimamente da
America, equaas nunca a este marcado chega-
ram superiores, (acto que pode varillcar-se an-
tecipadamente no armazem da faioha dos an-
nunciantessito na ra da Senzalti Velha, onde
tara lugar o leilao, na segunla-feii a 9 do corra-
la, ao meio dia em ponto.
I
I

i
i
SMBMS
R. R. Ramabottom, aubdito ingles, retira-
se para fora da provincia.
15Ra Nova15.
Frederico Gautier, cirurgio dentista
faz todas as operacoes deaua arte a c co-
loca denlas artificiaos, ludo com -sdeln
rioridade perfeicao que as passoas-.er.
tendidas lhe reconhecem.
Ttru agua e pos dentifieios, etc.
Carral ho, Nogueira C,
e Rezende C.
Sacam aobre Lisboa e Porto, oa ra do Vigario
o. 9 primeiro andar, e ra do Brutn o. 58, ar-
aaazera.
Escripteriodeadvocaciaj
Ruado Imperador n.
37, primeiro andar, a es
querda.
Neste estabelecimento trabalha o advo-
gado Joaquim Borgea Carneiro (gradeado
em direito pela (aculdade do Recife) des-
de as 9 al as 3 horas do dia.
Advoga em todoa os juizoa e tribunsea
desta praca, e encarrega-ae da negocios
para o interior da provincia, principal-
rosle para aa comarcas de Santo Aolio,
Rio Foraoao, Bonito. Naiareth e Goianoa.
Recebe gratuitamente aa cauaa dos
desvalidos, nao podendo cada qual Ira- g
zer maia de ama qaeslao por vez.
No meamo estabelecimento solicitara- ai
se ttulos e patentes de empregadoa pu- 8
blicos e offlciaea da guarda nacional do *J|
interior, mediante mdico estipendio. 8
Em tua falta e impedimentos ser S
substituido, nos negocios civeis, pelo Sr. |
Dr. Joaquim Jote de Campos, e nos do I
crime pelo Sr. bicbarel Jorge Dornellas fi
i Ribeiro Pessoa.
Precisa-ae d um pequeo porluguez de 15
annoa para caixeiro de taberna : na ra das Cru-
zea n. 23.
N ruado Crespo o. 19, precisa-se oe ama
ama forra para oaervico interno de casa, que aai-
ba engomoiar coro perfeicao.
triaca ~r~.
Precisa-se de uma que seiba, alem do mais,
coziobar e engomoiar bam, para uma casa de pe- i I
quena familia ; a tratar na ra do Imperador n.!
59. segundo andar.
Avisos iWersos.
Grande laboratorio fie lava-
gem de roupa a vfipor de
Ramos A Pimentel.
Oa donoa doa nmeros abaixo mencionados
podera mandar buscar as roupas q'ie eato prorro
tas : 87. 109. 106. 33. 9t. 6. 85. 72, 58. 40, 103,
77,68. 119. 113.31, 3. 49, 25. 12:., 73, 127.126,
60,122, 67, 46, 59. 12. 52. 14, 123.
LOTERA
Casa de saude
no
r. Ignacio Firmo Xavier.*
NA I
PASSAGEH DA MAGDALENA.
A tratar para a entrada doa doantea t
com o meamo Dr. ra nova de Sania '
Rita n. 7.
Nesta typographia precisa-se fal-
lar ao Sr. Joo Goncalves Rodrigues
Franca que morou em O linda e dizem
morar nesta cidade do Recife.
DEPOIS D'AMANIIA*.
Sabbado 7 do corrente anda i
rao impreterivclmente as rodas da pri-
meira parte da pi metra lotera a bene-
ficio da matriz de Ouricury, no consis-
torio da igreja de Nossa Sen hora do Ro-
sario de Santo Antonio. Os bilbetes
achamse a venda na respectiva thesou-
raria ra do Crespo n. 15, e as casas
commissionadas ra da Impertriz loja
de ferragens n. 44 do Sr. Pimentel,
prac-a da Independencia n. 22 loja do
Sr. Santos Vieira, ra Direita n. 5 bo-
tica do Sr. Chagas, enarui da Gadeia
do Recife loja do Sr. Porto
As sortes desde a 5:000j; te as de 10$
sera o pagas de i hora da tai de em dian-
te desse mesmo dia da extrae cao, e as
outras logo que se tenha eito a distri-
buicao das listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Aos Srs. consumidores de gaz.
Nos armazens do caes do Ramos ns. 18 e 36 e
na ra do Trapiche Novo no Recife n. 8, se ven-
de gaz liquido americano primeira qualidade e
recentemente ebegado a 14} a lata de 5 gales,
assim como latas da 10 e de 5 garrafas a em
garrafas.
nmmm&m mmemmmm
16ima da Cruzi 6
t O Dr. Rocha Bastos
d consultas todos oa diaa.
jf -Cura radical e em pouco das moles-
Usa syphiliticas e dos orgos genito uri- 8
S aarios. v
8 Consultas de graca das 8 as 9 horas da V
manha. x
xt Ms a*s 2H& fine Mfi ats &&&&&& en
Perda.
Perdeu-se na manha do dia 1." do correte,
desde o principio da ruadeHorlas, largo do Csr-
mo. principio da Cambda, ra de Santa Tbereza,
e Caldeireiro, um luoeta de dous vidroa dentro
de uma pequea bolsa de marroquim : roga-ae a
quem tiver achado de leva-la ra da Horlaa
numero 30
j Antiga loja franceza que foi!
de Gadault ra Nova n. 11.
Aciba de recaber de suaseneommendas um grande e variado aorlimento de di-
versas mertadorias que se acham a venda na dita loja pox manos 10 por cento do que;
l'reciaa-ae de uma ama de lene, prelerin-
do-se escrava : oa ra da Aurora n. 70, segundo
andar. ,
tj) O Dr. Carolioo Fran*
a) cisco de Lima Santos,
aj m*dou-ae da ra daa
al Cruzea para a do Im-
9 perador, sobrado n.
9 17, em frente da igre-
O ja de S. Francisco, on-
0 de continua no ezerci-
0 ci de aua proaaao de
aj medico.
fev
em outra qualquar parle, a saber:
Agua de malabar i
do verdadeiro fabricante Lascombi, para
tingir cabellos da car que ae quizer e com
um guia para aeu uso.
Para presentes.
Ricas caixaa do coatura com msica e
sem ella, o meihor presente que se pode
dar a uma aenhora que se ealima.
Parahomens.
Ricos estojos conlendo todos os utensi-
lios necessarios para toilet de.qaalqaer
pessoa que ae trata com matita limpeza,
contando navalhaa, teaouraa, pontea, as-
eovas, frascos para pomada e chetros, afia-
dores, tioleiros, espelhos, paata para p-
pela e muitoa ouiros perleaces para o mea-
mo Qm.
Encerados.
Especiaes para cobrir nieaa a 15, 1S500
2} o covado.
Para retratos.
Machinas de todoa oa tamsohos fraocezaa
e americanas chimicaa para trabalhar am
todos os proceasos, copos graduados, fu-
a de vidro, um grande aorlimento de cai-
xinhas, de cbagrin, paasepartousde crese
pretos o douradoa, cuvetaa .horizontaes e
vertieses, papel para retratos e todoa os
atencilioa teodentea a esta arte ; tambem
ae collocam relratoa em caixinhaa e paaae-
; partous, mudam-ae os que esliverem mo-
fados lado a vootadede seus donos.
Ricas bengalas
de verdadeira cana da India com ponlei-
raa e csstoes de marfim, tendo nos castdes
muito bonilaa figuras aberlas em relevo.
al mais bonitas que se podem 'achar neste
genero.
Dilas da massa imitando ulicorne.
Luvs de pellica
do verdadeiro fabricante Joovio & Filhoa,
para homena e senboras. brancas, de co-
res e pretas, e que continuarlo a receber
por todoa os vaporea francezea preco liio
2500 rs.
Espelhos.
Desde o msior at ao mais pequeo ta-
manbo com molduras pelas e douradas
para ornamento de sala, sendo os vidroa
muito grossos e do primeira [qualidade.
Para msica.
Instrumentos completos da chavea e
apistoo e tambem grande aorlimento dellea
avulaos com muitoa melhoramentos e dos
systemas mais modernos do muito coobe-
cido fabricante GaulrAt Aio, eates instru-
mentos ae toroam muito recommeodaveis
por serem muito perfeitos, e os mais mo-
dernos que exiatem no mercado.
Objectos diversos.
Fumo de harlebeke, marilaode, caporal,
vervique e americano, para cachimbos e
cigarros.
Seroulaa de algodio de cores para ba-
nhos a 500 rs.
Camiaasfrancerasde todas as qualidades;
Capotinhos de lia para meniooa, muito"
liodoa de diversas cores a IjJjOO.
Ricas capellas brancas e de cores para
casarneolos o maia elegaole que aqui lem
vindo neste genero.
Chicotes americanos e francezea com
aoeis e sem elles para carros, cabriolets e
cavallos.
Bandejas grandes de 30 pollegadas a 3$.
Um grande sortimento de ocelos e lune-
tas de grao e miope.
Fundas para os quebrados das virilhas.
Velas para carro e piano.
Loques de madreperola.
Ricos puohos e gravalinhas para aenhora.
Porcelanas e vidros.
Apparelhoa e meios ditos de porcelana
para jantar, candelabros de 4 e 5 lazes,
aerpentinas e lanternas com pinguetee e
sem elles, escarradeiras de vidro brancas
e de cores, ricas lanternas para carroa e
coups, clices para vinho e licores, redo-
mas com peanhas de todoa os tamanhoa
para imageos, vasoapara florea e encera-
dos para carroa de cores e pretoa, ditos
redondos e quadrados para botar pratos,
lanternas e cendiairoa a gaz.
O retratiaia americano
O retratiaia americano
O retratista americano
O retratiaia americano.
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador.
Novos eslylos de ambwtypo
Novoa estyloa de ambrotypo
Novoa estyloa de ambrotypo
Novoa eslylos de ambrotypo.
Muito baratos
Muito baratoa
Muito baratoa
Muito baratoa.
Lindos carios de visita
Lindos cartoei de visita
Lindos cartdea de visita
Lindoa cartdes de visita.
(rmandade acadmica de
Nossa Senhora do Bom
Conselho.
De ordem de oosao irno juix con vi o a
todoa irmos para do dia quinta-taire 5 do
corrente a9 horas da manha comparece-
rem no conalatorio deata irmandada e en-
corporadoa assistirmosuma missa pela al-
ma do noaso carisaimo irmo Franciaco
Antonio Feroandes Pinbeiro Filho, falle-
cido na cidade do Peoedo, provincia daa
Alagoaa.
Conalatorio da irmandada acadmica de
Noasi Seohora do BomConaelho 3 de ju-
nho de 1862.
Hanoel J. S. Patnry,
gv Secretario.

Maia & Espirito Santo mudiram-se da ra
lo Vigario n. 10, para a mesma i ua o. 17, pri-
meiro andar.
Anda est por alugar s o primeiro andar
do sobrado da ra das Aguaa Verdea e a loja do
aobrado na ra das Cruzes n. 9 : quem preten-
der falle no mesmo sobrado da rui das Cruzes n.
9, lado direito. quem vae da ra do Queimado
para S. Francisco.
Perdeu-se no domiogo 1" ce juoho, uma
carteira de marroquim preto a qnal tinha dentro
4o boleo uma lettra da quanlia de 60$, uma dita
de 7*9 e duas ditas de 90$ j vencidas, e vsrios
papeia que de nada valem s quem a achou e oa
aceitaolea das Ultras j se schan avisados, por
cojo motivo se quem achou quizer restitni la di-
rija-ae a ra do Vigario ao agente Pestaa que
lhe ratificar.
Feitor para engenho
Precisa-se de um homem que teoha muita pra-
tica de agricultura, que aeja mi ito diligente e
tenha bons costumes, para feitor de um engenbo:
quem sejulgar em taea coodic's, dirija-se a
ra de Apollo n. 36, primeiro andar : prefere-se
portuguez.
Attencao.
Jos Henriques da Silva decan pelo prseme
que nao lhe conviodo continuar oa procuradori
lo casal de aeu finado pai Jo) Hcnriqueada
Silva, que ibe foi aido commetlida por aua mai
a meeira D. Josepha Mara doa Irazeres e Silva
do dia 5 de abril do anoo proxim paaaado, com
previa scieocia desna constituais, reatituio-lhe
a precuracSo, per meio da qual lhe foram traoe-
mtltidos os neceaaarioa poderes: igualmente de-
clara que, durante o tempo de na procuradori,
nunca promoveu ou realisou traoiaoco alguma,
quer no ioterease do casal, qaer contra elle, e
apena era informado das que promoveu o bar-
/Jeiro 'Gabriel Antonio, depois que elle as con-
clua e acabav*. Aa peaaoas que liverem tran-
aacco de qoalquer genero com dito caaal, se de-
vero enteader com a mai do anouneianU, na
ra Real, fregnezia da Boa-Vista sitio n. 2. Re-
cife 8 de junho de 1862.
Vaccina publica.
Graasando preaentemente com alguma intensi-
dade a varila nesta cidade, o commissario vac-
cioador lembra aoa ebefes de familia qae, pelo
regulameoto de 17 de agosto de 1846, sao obri-
gados a apresentar nesta repartido todas as pes-
soas que nao tiverem tido bexlgss naturaes, ou
aido vacclnadas, afim de se Ibes praticar a inno-
culacao do fluido vaccinieo, iato durante as quin-
tas e domingos, no torreo da alfaodega, cas 8
s 10 horas da manha, e nos sabbados, na casa
de aua residencia, segundo andar do aobrado da
ra eatreita do Rosario n. 30. Recife 2 de junho
de 1862.Dr. Joo Nepomuceno Diaa Fernar.de>,
commissario vaccinador publico.
Offerece-se para criado um homem forro
que j se lem a isso prestado, e sabe coziohar ;
na praga da B.a-Vista, taberna n. 4.
Sendo Salvador dos Santos Mooleiro Uavsl-
canli devedor ao abaixo assignado de nao peque-
a quantia, para garanta da qual hypolhecou em
1845 todos os seus bena, como se pode ver da
escriptura publica paasada na cidade da Victoria,
escrivao Bulcao, por iiao o abaixo asaignado faz o
presante para evitar davidas futuras,e prevenir a
quem interessar possa, de que a nioguem licito
entrar em tranaaccao alguma aobre toda, ou
qualqaer doa bena do referido aeu devedor.'
Loarenco Bazerra de Siqueira Cava)aDti.
25 RA NOVA 25 ~
Grande deposito de pianos
fortes, dos melhores
e mais afamados fabrican-
tes da Europ3,
DE
Joao Pedro Vogeley.
Neate acreditado estabelecimento se contina
alugar pianos, tanto meosilmeote como para bai-
les, soire, etc., como tambem aluga orgoa pira
capellas, igreja, etc., tendo continuadamente dous
peritos okiaes para qualquer concert para os
ditos ioatrumentos, o que ser executado com a
maior perfeicao possivel.
Preeisa-se de uma ama torra ou escrava
para csaa de limitada familia ; atrsz do Corpo
Santo, casa n. 66. segundo andar.
ARMAZEM

Aluga-se.
Na ra do Sol n. 21 ha para alugar dous es-
era vos proprios para lodo eervico, principalmen-
te para trabalho de enchada em aitio.
Fraucisio de OUveira Jumur
ra o rio de Janeiro.
retira-se pa
O Sr estudante que tem
recebido o Diario com o nome
do Sr. Dario Fortuna Pessoa,
queira vir a esta typographia
a pagar a assignatura aiis se
publicar seu nome.
ROUPA FBITA
Joaquim F. dos Santos.
40-Rua do Oneimado-40
Defronte do becco da Congregaco letreiro verde.
Neste estabelecimento ba aempra um aorlimento completo de roupa taita de
todas as qualidades e tambem se manda executar por medida vontade doa freaue-
zea para o qae tem um doa molhorea profeeaores.
Aluga-se uma escrava que aeja boa vende-
dera de ra e fiel; quem liver para alagar, di-
rija-se a ra da Impertriz n. 65.
Gompanbia Fidelidades de se-
guros martimos e terres-
tres, es tabelecida no Rio de
Janeiro. com o capital de
16:000:000,0
Agentes em Pernaoibuco
Antonio Luiz de Olivelra Azare do k C. compe-
tentemente aatorisadoa pela directora da compa-
nhia de seguros Fidelidade, tomam segaros de na.
vioa, marcadaras e predios, no seu eexripiorio,
ra ds Crnin. 1.
Pretiea-ee de uma ama
o. 12, legando indar.
nc pateo de Tergo
Perdeu-se!!!
Ouem liver achado deade .a repartirlo do sello
al a esquina da roa de S. Franciaco a dahl al
caaa abaixo mencionara, duaa letras, aceitae
ambas por Placido Ferreira de Mello, sacadas em
19 de maio, uma a tres meses c outra a cinco,
ambas de igual quantia de 2645680, e qaizer res
litui-iss ao seu proprietario, podo leva-las ra
larga do Roaarlo o. 24, loja de joiaa, que ser
recompensado, cerlo de que nao rod servir a
quem as liver achado, visto que esto tomadas aa
cautelas legaes para nio aerem pagas pelo acei-
ta nle.
- Precisa-se de um exceilente coxinheiro pa-
ra casa maleza : na ra do Vicario o. 2.
Muita attenco.
Aluga-se na villa do Cabo uma morada de ca-
sa na ra da Matriz, com aala, grande gabinete,
4 quartoa, coztnha, aala de jantar, estribara e
quintal grande : a tratar com o Sr. escrivao A-
raujo, na mesma villa.
Aluga-ie um sitio na Ponte de Uchoa con-
fronte o caes ; a tratar na ra larga do Rosario
numero 10.
Aos trapicheiros e vendelbes
Ha um rapaz com todas as habilitaedea para
tomar conta de alguma liberna por balanco:
quem precisar do seua servicos, dirija-se a esta
lypoiraphia com aa iniciaeaC. C. C.
Joaquim de Sema Ferreira, anbdito portu-
gaez, relira-ae para Macei.
KQKeMMSNB B6M5 MMMMl
Saques sobre Portugal.
O abaixo asaignado agepte do Banco
Mercantil Portnenae neala cidade, saca
etTectivameote por todos os paquetes so-
bre o mesmo Banco para o Porto a Lia-
boa, por qualquer soturna avista e a pra-
zo, podendo logo os saques a prszo serem
descontados no meamo Banco, na razo
de 4 por cante ao anno aoa portadores
que assim lhe convier : nss ras do Cres-
po n. 8 ou do Imperador o. 51.
Joaquim da Silva Castro.
maa&mmm -eteeteeieeiKteM
Silvino Guilherme -de Barros compra escra-
voa de ambos oa sexos : na ra do Imperador n.
79, primeiro andar.
Casacas ae panno preto a 0$,
358 30*000
Sobrecaaacoada dito dito a 35$ a 30&000
Paletots de panno preto e de co-
rea a 359, 809, 259,109,189 a 10*000
Ditoa de easemira da corea a 2>,
151,129.79 e 99000
Diloa de alpaca preta golla da
velludo fraacezaa a 109000
Ditoa de marin setim pratos a
da corsa a 9f a 88000
Diloa de alpaca de eorea a 59 a 89500
Ditoa de alpaca preta a99,79,58 a 8J5O0
Ditoa da brim da corea a 51,
49500,49 e 39500
Ditoa da bramante delinho bran-
eo a 69, 5 a 49OOO
Ditoa de merino da cordo prato
a 159 89000
Calcaa de easemira preta a de co-
rea a 1X9, 109, 9f, 79 a 69OOO
Ditaa de princoza e merino da
cordo prato a 59, 69500 a 49500
Ditaa de brim brancb a de corea a
59. 49500 e Sg500
Caleta de ganga da corea a {000
Colleta da vallado preto e de co-
res lisose bordados a 129,99 a 89OOO
Ditoa da easemira preta a de co-
rea lisos a bordadoa a 69,
59500,59 3S500
Ditos da setim preto
Ditos de seda e setim branco a 6 e
Ditos de gorguro de aeda pratos
a de cores a 79, 69, 49 a
Ditos de brim e fusto branco a
31500,29500 0
Seroulaa da brim de lioho a 29 a
Ditaa da algodao a I96OO a
Camisas da peito dafuato branco
e Je corea a 29400 a
Ditaa de paito delinho a 59, 49 a
Ditaa da madapoln brancaa e da
corea a 39, 295OO, 89 a
Chapaos pretoa de massa francesa
forma da ultima moda a 109.
8$500e
Ditos de feltro a 69. 59, 49 a
Ditos de aol de seda irfglezea a
francezea a 145, 129, 11| a
Colarioboe da linho muito finas
novos faitioa da ultima moda a
Ditos da algodo
Relogioa de ouro patente e hori-
zontal a 1003, 909. 80g a 70(000
Ditoa do prala galvaniaados pa-
tento e horizontaea a 409 30|00o
Obras de ouro, aderecoa a meios
aderecoa, pulceiraa, roxataa a
aneia a
Toalhaa de linho duzia tOf., 69 a
Ditaa granea para meaa ama 39 a
59000
55OOO
59OOO
39000
29200
19280
292OO .
3*000 9
1(600
79OOO
29000
79OOO
9800
9500
O abaixo assignado procarador da actual me-
sa regedora da coofraria do Senbor Bom Jeaua da
Via-atcra da igreja da Santa Cruz, por ordem do
provedor convida em geral a todoa oa irmaoa da
mesma contraria para ae re un re rn no consisto-
rio de sua igreja no dia domiogo 8 do correnta
a 4 horaa da tarde, para abi ae tratar a reapeito
daauabrasque ae tem de dar principio. Espera,
polW mesa regedora nos corsees nobraa da
seos carissimos irmos, que deaprezando algu-
ma offensa que por ventura tenba recebido das
mesas paaaadaa, reanam-se no dia e hora mar-
cada e tornera interesae para o augmento da con-
traria com aqaelle amor o dedicacao qae costa-
mam aampre mostrar.
Procurador,
JOO Pita Viraos.
S
I
I
I
s
s
s
s
9
9J000
49000jj
Aluga-ae um moleque de 18 annoa e junta-
mente uma ama : na ra dosMartyrios n. 2
&* #0 mmmm *
Z 0 advogado S
Innocencio Serfico de Ans J
Carralho tranifenoo seu escrip- j
torio para a ra do Imperador J
outr'ora do Collegio n. 50, pri- j
meiro andar, onde pode ser !
! procurado para os misteres de !
W sua profistao desde as 9 1|2 ho- )
\ ras da manha at as 3 horas da !
tarde.
t'eler Taylor, subdito ugiez, retira-se para
a Europa, no vapor ingles Paran.
No engenho Mega de Baixo com
porto para embarque vende se cerca de
tres mil caadas de mel rovo.
s
Juizo dos feitos da fazenda.
No dia 5 de junho prximo vindouro oa aala
dos audilorioa a 10 horaa da manhia, na pre-
senta do lllm. Sr. Dr. juiz doa feitos da fazenda
a* vender em praca publica uma casa terrea n.
7 sita no largo do Terco na freguezia de S. Jos,
avallada por 1:6009, pertencente aoa herdeiroe
do finado Manoel Flix da Rosa, para pagamento
da fazenda nacional. Recife 23 de maio de 1862.
O aolicitador,
Franciaco X. P. de Brito.
Precua-aa de uma boa cosinnelra : no lar-
go do Corpo Santo o 27.
Aluga-ae um sitio ao principio da Eatrada
Nova, que tem caaa para morada, cochelra, es-
tribara, qaarloa para pcalos, grndea baixaa da
capim, paatos para vaccas o alguna arvoradoa :
na ra da Cm* n. 56. ae dir.
Anda preeiaa-ae de alugar um aitio parto
da praca, que tenha boa casa d morada, baixa da
capim a baatantea arroredos de fructo: na xas
da Crax o. 56, loja, s dir quem pracisa.
Quinta feira 5 do corrente depois da audien-
do Dr. juiz dos feitos da fazenda iro praca
por venda aquem maisder as propriedades se-
guintes:
A casa terrea na ra Direita dos Afogadoa o.
35, tendo 20 1)2 palmos de frente e 58 li2 de
fundo, duas aalas, dous quartos, cozinha fora,
quintal e cacimba, avadada por 5009 a qual foi
peohorada por execocao da fazenda provincial,
contra Antonio Yaz Salgado.
A casa terrea ao Poco da Paoella n. 75, tendo
25 palmos de frente e 52 1(2 de fundo, com 2 sa-
las, 2 quartoa, quintal,cosinha,(arruinado) avaha-
da por 4OO9 peoborada por execucao da meama
fazenda contra a viuva e herdeiros de Miguel
Francisco Gomes.
A casa terrea na Capunga n. 61 (hoje n. 1) leo-
do 20 palmos de frente e 33 ditos de fundo, em
mo estado, avallada em 1009, penhorada por
execucao da mesma fazenda contra Manoel Ca-
mello Pessoa, por lvo Crrela do Naacimento.
E por arredamento:
A renda aonual da caaa terrea na eatrada do
Poco, a. 5 avallada em 609, peohorada por exe-
cucao da mesma fazenda contra Maria do Llvra-
meoto, por Juveocto Francisco Comea.
As rendas annuaea daa casas na traves-
a da Estrada Nova de Santa Amaro, ns. 28, 29,
30, a 31, com commodoa para familias- e bem
construidas avalladas, cada uma dellas, em 1209.
penhoradaa por execucao da mesma fazenda con-
tra Jos da Costa Barros, por Aona Joaquina.
A renda annual da caaa terrea na raa do
Guadelupe, em Oliada, n. 4, com 2 salas, 2
quartos, cosinha a quintal em aborto, em mo
estado avallada am 109, penhorada a Olegario
lliliUo da Silva, por Goncalo Jos da Santa
Aona. I
dem da casa larrea na ra S bica doa Cuatro
Cantos, am Olinda n. 14, com 2 aala, 2 quartos,
cosinha e quintal emaberto, avallada em 729,,
peohorada aa Dr. Manoel Joquim de Miranda Lo-
bo, por Ignaaia Jaatiniana doa Passos.
dem da caaa terrea na raa do Bom-Fim, o.
22. em Olinda, em mau estado avallada em
48f, penhorada ao mesmo Dr. Miranda. Lobo.
Alguma senhora viuva com pouca familia
que esleja em circumstancias de tomar conta de
uma menina aeml-braoca com 2 e mel annoa
para acabar de criar mediante uma meosalidade,
annuncie cor este Diario para se procurar._______
As peaaoas qne devem no hotel Aurora co-
meui'las fe^au. tmrwt <* ona,.iociaia cum O
psg liento, do contrario oa seus nones ser&o pu-
blic/ios neitf Diario.
os abaixo assigoados, herdeiros do casal
do fallecido Joo Henriques da Silva, fszemoa
publico pelo presente, que deata data em diante-
deixa de ser oosso procurador o Sr. Jos Henri-
ques da Silva, pelo que ninguem podercom elle
contratar validamente em dita qualidade, protes-
UBdo.dAS.de j contra qualquer tranaaccao com
elle eila na qualidade de noaao procurador, an-
da que mostrada aeja a procuraco que elle con-
serva em seu poder, e aioda que continu a aer
somonte o procurador da viuva D Josepha Maria
dos Prazerea e Silva. Por este modo retirara oa
abaixo aaaignadoa oa poderea que lhe conferirn:,
os quaes desta data em diante expirare. O que
fazem publico por todoa oa joroaea desta cidada,
aQmde que ninguem possa allegar ignorancia.
Recife 31 da maio da 1862 Gabriel Antonio,
Joo Henriques da Silva, Domiogoa da Silva Gui-
maree, Joaquim Henriques da Silva.
Carta.
O Sr. Joo de Olivera e Souza lem uma caria
no escrii torio de Prente Vianaa & C, pagando
o presente annancio lhe aera entregue.
dem da cata terrea na roa de S. Bento, em
Olinda, n. 40, avahada per 729, penhorada aoa
herdeiros de Joo Pacheco Vieira.
dem da cata terrea na ra S. Pedro Martyr,
em Olinda, n. 9, por 608, penhorada a Candida
Maria do Amparo.
dem da casa terrea na ra da Boa-Hora, em
Olinda, n. 21. em mo estado, avaliada por 489,
peohorada 1 irmandada de S. Benedicto.
dem da cata terrea na bica doa Quatro-Cin-
tos. n. 14 avaliada por 489,penhorada ao Dr. Ma-
noel Joaquim de Miranda Lobo, por Ignacio Jua-
tiniana dos Patsos.
dem da casa terrea na na mesma ra n. 18,
avaliada por I89, penhorada a Antonio Joaquim
de Almeida Guedet Alcoforado.
dem da casa terrea n. 8, na ra do Aljube,
com commodos para familia avaliada por 96$,
penhorada a Antonio Bernardo, por Minoel Tor-
rea da Silva.
dem da casa terrea na ra doCarmo.em Olin-
da, n. 2, avaliada por 1209, peohorada a Manoel
Henriques, por Antonio Rodrigues de Oliveira.
dem da cata terrea n. 22 na raa do Bom-Fim,
em Olinda, com 2 aalas, 2 quartot, cozinha,
quintal em aberto, muito deteriorada, avtlisda
por 609, penhorada ao Dr. Maooel Joaquim de
Miranda Lobo, por Msnoel Slmer.
dem da casa tarrea a. 3 na roa de S. Pedro
Apostlo, em Olinda com suficientes^ommodos
para familia, avaliada, por 96.
Rece, 2 de junho de 1862.O solicitador da
fazenda provincial, Joo Firmioo Crrela de
Araujo.
Oa Sre. devedorea da loja do finado A
Antonio Francisco Pereira, queiram vir
pagar asee debitce na meama loja raa W
A do Crespo n, 8 A. A
* **
Imagens.
Na ra da Impertriz n. 21, serrara, trocam-se
imageoa de N. Senhora, Senhor CruxiQeado, a
vanoa aantoa o amias, todoa muito bem feitos.
Tnumaz Payn, retira-se uara i> Baha.
Aluga-ae uma prela muga, a qual cozinha
perfeitamente o diario de ama casa, e lava bem,
tanto de varrela como de sabio : a tratar oa raa
do Sfbj n. 20
Quem liver para alugar uma escrava qae
seja boa vendedaira de ra e fiel, dirija-te a raa
do Cabug n 1 C.
Toda attenco.
a
Custodio Jos Alves Gaimares avisa ao raa-
peltavel publico, principalmente a todoa os teas
freguezea e amigos, que se madou ds loja da
aguia do ouro da ra da Cabug para a ra do
Crespo n. 7, para a bem conhecida a amiga loja
de miudezas que (oi do fallecido Joo Ceg, boje
ser conhecida pelogallo vigilante,e pede ao
retpeilavel publico e aos seus freguezes e amigos,
que o queiram procurar no dito estabelecimento.
onde acbaro um grande soriimenio de miudezas,
queaffisDca servir bem e vender por meaos dez
ou viole por cento, do aua em outra qualquer
parte.
Na travessa da ra das Cruzes n.
2, pjimeiro andar, tinge se para todas
sa cores com presteza e commodo preco.
Aluga-se na ra da Alegra n. 7 duas ne-
gras, ama aabe bem coziohar, eogoamar, lavar
e tratar de meninos, a outra sabe fazer ludo me-
nosenajammar.______________________________^^
O Sr. empregado publi-
co que recebeu diferentes
quantias para pagamentos de
objectos de sua repartico e
nao os pagou, queira mandar
entregar essas quantias que
existem em seu poder como
deposito, alias se publicar
seu nome e mais cartas pelas
quaes se prova a existencia
deste negocio. -iu.smr
. Santo Antonio.
A trezena da glorite Santo Antonio, conside-
ravelmente augmentada, ntidamente iaapreasa a
tmbruchurads, com capas propras, acha-ae
venda oa raa da Imperador a. 15, das 9 hwat da
manhia ai 3 112 do tarde.
__
-_
M"afc"-


-

MMft*
*"
.'-III- ~
MA&iO Di FEISAJIBUGD. ~ QUINU hlB^DS JCNHO Di 1801


SEGINOA EDKCiO
THESORO HOMEOPATHLCO
ou
Vade-mecum donomeopatha
pelo doutor
Kte nvro qe te lem tornado to popular,
quanto necessario, acaba de aar publicado com
todos 01 melhoramentos, que a experiencia oa
progressos da ciencia lem demonalrado. A no-
va dicgao em tado suparior primeira, en-
terra :
1.* Mata ampias noticias acaica do curativo
das molestias, com indicagoes inui proveitosas
dos medicamentos novo recen'emente experi-
mentados na Europa, nos Esta los -Unidos e no
Brasil.
2.* A exposigoda doutrina himeopalha.
3.* O eatudo da propriagao dos remedios se-
gundo as predominancias dos temperamentos,
das idades, dos sexos, e segund) as circunstan-
cias atmosphericas etc., ale.
4.* A preservarlo ou propha ;ia das molestias
hereditaria.
5.a A preservarlo das molestas opiderricas.
6.a Urna estampa Ilustrada d< monatrativa da
continuidade do tubo inlealinal i es le a bocea al
o anus ele, etc.
Vende-sa ni piiarmacia espscul iiomeopa-
thica, propriedade do autbor, riia de Santo
Amaro (Hundo Novo) n. 6.
Prego de cada exemplar. 20*000
N. B. O senhores assignantea queiram man-
dar recebar seus exemplarea.
. Novidade
Ameodoas confeitidaa, sortea das mesmaa, pa-
pis com esilo, tolo muilo noto, vende-se por
menos do que em outra qualquf r parte : na ra
a Senzala Nova n. 30.
Na roa Direita, sobrado de om andar n. 33t de-
f'onie do nicho, arraoja-ie comida diaria para
quaiquer pessoa que queiri, tambem aa engom-
ma, faz-se doces de tolas sa qualidads, tanto
saceos como em calla, fazem-sa bandejas de di-
versas qualidadea.de bolinhos com flguraade lin-
dos modelos, tanto pin casamento como para
bailes, fatem-aa paataia da nat*. doce a'ovos com
enfeitea de alQnim para preaeotea, bolos chama-
dos de S. Joo com remos, flores, ca pellas, le-
tras, e tambem ae faz jaleas de substancia.
Aluga-se na ra Imperial o segundo aodar
da caaan. 144 parto da casa do asbao : a tallar
na ra Direita n. 6.
CALCADO
45-Ru Direita-45
Por brtnciueira, no da 27 do prximo pas-
tado, car regara m de cima de urna commoda um
relogio de repetigo, d.a casa n. 6 da ra Direita,
e por isso peda-te ao carregador que o v levar,
que teri de gratificado 5J>, ou quaiquer peasoa
que o descot.rir.
Aluga-te um mulato bom boleeiro, para
casa particular, ou mesmo psra algnma cochaira
que seje boa : a [aliar na ra larga do Rosario n.
34, botica.
A poesoa que annunciou|.dar urna crianza
para criar : pode derijir-se a ra da Malris da
Bda-Viata n. 26 padaria. ,
Attencfto.
Antonio Cesario Moreira
Dias, faz sciente ao respeitt-
vel publico com especialidade
aos seus freguezes, que mu-
dou o seu armazem da ra da
Moeda para a ra da Madre
de Dos n 32, e estl veaden
do por menos do que em ou-
tra quaiquer parte, plvora,
chumbo e salitre e affianca a
boa qualidade, destas merca-
dorias por seren de primeira
qualidade.
Joo Acin-, subdito britinico, reiira-ae
para inglaterra.
Precisa-sede um pequeo dos ltimos che-
gados do Porto-: a tratar na taberna da ra da
Lingoeta n. 5.
Antonio Joaqaim Vidal pardea urna cartei-
ra no sabbado 24 de maiodo correle anno, con-
reado oito letras, ou antes notas promisiorias,
sacadas a seu favor pelo sea ex socio o Sr. Joo
Carlos Bastos de liveira na importancia de
4:500$, sendo as seis primeiraa de 570* cada urna,
a strtima de 580J, e a Oitara e ultima de 500$,
sacadas era St de abril do correte anno, a pre-
sos de 6, 9, f-2, 15, 18, 21. como q* trocelos e tantos muris, sendo duss
aedulas de 20J cada urna, e o reatante de menor
valor, e oatros papis, e porque lbe n&o tenham
sido entregues os objectos que deixa menciona-
dos, pos de accorlo ao aacador das referidas no-
tas para as nao pagar a quem lb'as apresentar,
tanto mais quanto nao rmou o annuuciante al-
gama dellas, nico caso que daria direito a al-
guem recebe-las. Recite 31 d maio da 1862.
Aluga-se o sobrado do largo do chafarizn.
1 (ra do Brum) : a tratar em Santo Amaro, pas-
sando a fun ligao, na casa que tica defroote s
dns primeiras arroces.
Eduardo Duclus, cidado francez, retira-se
psra fora da orovincia.
Os abano asaigoados (azem sciente ao corpo
do commercio e a seus freguezes em geral, que
tem transferido a sua casa de negocio da ra da
Cadeia do Recite n. 55 para a ra Nova n. 18,
onde acharo aempre grande sorlimentodefazen-
das de diversos gottos e qualiiades, sendo sem-
pre servido com sioceridade e promptidio. Re-
cie 4 de jaoho de 1862.
Figueiredo & Irm&o.
1-2009, na ra do Queimado n. 26 se dir
que.m oa empresta, garantidos por bypoiheca em
casa terrea.
AUen$o
D. Josepha Mara dos Prazere e Silva, meaira
do casal de seu finado marido J)o Ueariques da
Silva, (az certo pelo presente, que tendo seu filho
Jos Henritjues da Silva restituido a procuragao
que lbe tinba aido dada para tratar doa negocioa
do casal com aannunciaote, etr. seu sitio na raa
Real, freguezia da Boa-Viste, n. 2, rnente ago
ra devem ser elles tratados.
Aluga-se urna bella caaa d<< campo, com x-
cellentes commodoa, bella risii e bom banbo :
3uem a pretender, ditija-se a ra da Conceigo
a Boa-Vista n. 26. que achara -om quem tratar.
Preciaa-ae de um amaasador : na padaria
allema de Santo Amaro.
Precisa-ae de 1:5009 a juros de um e meto
por cento sobre hypotheca em um predio oesta
praca : quem tiver dirija-se a ra da Conceicao
da Boa-Vista n. 41.
O abaixo aasigoado faz sciente ao respeila-
vel publico e principalmente a) respeitavel cor-
po do commercio, que tem josto a contratado
vender a sua taberna sita no p leo da Ribeira o.
l,aoSr-Jos da Silva Santos por isso pede a
todos os seuscredores, para no praso de tres dits
lhe apreaentarem suas cuntas torrentes, alim de
realiaamenlo de seus pagament conforme coo-
vencionarero, viato ter tambem vencido o praso.
Recife 3 da junho de 1862.
____________ Jos B-rnar lino Alyes.
Jos Baptisla Niret, subjito fraucez. retira-
se para o Rio de Janeiro.
A pestoa que annuociuu precisar de quem
ae quizesse encarregar de urna menina dban-
nos e meio para acabar de criar, mediante urna
mensalidade, pode dirigir-se a pateo de S. Pe-
dro n. 22, que ae dir quem se prende.
O Sr. Liberato Cirneiro de An
drade, tem urna cai-ti deIBaixa*verde na
ra das Gruzes n. 4 i-, segundo andar,
das 6 as 10 da manrraa, e das 2 as 6 da
tarde.
Pelo prsenle sao coovitadoa oa arm
amigos do finado Fraocisco Jos da Paula
(sepultado com o nome da Francisco de
Paula) paraassistirem a urna missa, que te
ha de celebrar pelo repouso de sua alma,
no dia 9 do correte, pelas 7 horas da ma-
nha no convento dos religiosos francis-
esnos.
C orapras.
Gompram-se accoes do novo ban-
co de Pernambuco na ra da Cadeia
do bairro do Recife n. 22.
Compra-se am preto de meia id a de, de
bons costumes e proprio para sito, urna eserava
que saibs coser e engommar bem : samada Ca-
deia Velh-i n. 35.
Compra-se constantemente lato vilho e co-
bre : na ra da Imperatriz n. 65.
Compra-se um cyliodro de padaris, em
bom estado : oa ra estreits do Rosario n. 47. -
Vendas.
T
Luvasde Jouvin.
Vende-ae luvas de pellica de Jouvin brancas,
para senhora, ltimamente ebegadas : na loja do
beija flor, ra do Queimado n. 63.
A epidemia declina sensivelmente, e o aaa
complato desappareclmento eati prximo) O
proprielario desta bem sortido estabelecimento
convida os seua numerosos freguezes a substituir
o salgado velho, que todo est cholerico, por no-
vo, e que possa reaistirs mil scholis e mazzur-
cas que vo aer dansadss em louvor do restab'e-
lecimento da saude publica. Os prego con-
vidan: :
HOMENS.
Botioas sfamadas Milis. :
a non-plus-allra Nantea.........
> Nantea 2 bateras..............
lustra....................
ingleses de boioes.............
> batedorer.......................
couro da porco.......
> bezerro a lustre...............
ioglezes ps selvsgens.........
a laxiados braaileiros............
Sa pa 16es non-plus-ultra................
12J000
129000
11*1)00
109000
108000
99500
99000
99000
79500
5J500
79OOO
69500
595OO
69OOO
595OO
59000
29OOO
59OOO
29000
1*280
Sapatos de bor-
racha.
A 19. 19500 e 2f o par, agulhas Victoria a 120
rs. o papel, lamparinaa econmicas s 100 rr. a
calxs, carleiras psra escraver a 14g e 169, caixas
para costara a 8$ e 16$, gr*ixa francesa econ-
mica^ 640.o pote, facaa americanas psra mesa a
69 e 7* a duzia, meias para senbora, homem, me-
ninas etc. por todo o prego, braceletes de cabello
com pedra roza a amarella a 59 cada um : s
ha na rus do Queimado loja Esperance n. 33 A,
Guimsrsa & Rocha.
a S baleras e meia..............
esmaga cobra..................
Nantea 2 bateriaa vaqueta.....
a 2 bateriaa bezerro......
> trabslbadores..........
braaileiros de atJSOO a..........
Sapatos 2 solas a salto..................
tranca portoguezes..........
a > francezes......
SENHORAS.
Botinas dengozss. .......59500
> salto de bater.......5&000
pechincha de 4*500 a. 48000
> amecanaa 3|500 a 2*500
Sapatos de %slr(Jolv) J 3*000
> sem elle (idem)......1*920
tapete; ........ 800
d econmicos........ 500
> lustre 32 e 33......... 800
MENINOS E MENINAS.
lia de ludo em relagao e nio se dsixa sabir
dioheiro.
Um completo sorlimenlo de couro de porco,
cordavao, bezerro frsncez, couro de lustre, mar-
roquim, sola, courinhoa etc., que ludo ae troca
por dinheiro vontde do comprador.
A 500 rs., queijo do ser to.
Vende-se queijo do serlo muito fresco, pelo
barato preco de 500 rs. a libra : na ra da Impe-
ratriz n. 65.
.ios sehores fuueiros.
Vendam-ae bigornaa calcadsa de ago, bem
feitas, a 12* cada urna, martelos calcados a 500
ra., traocaa a 38500 ; a elles, antes que se aca-
be m : na raa da Imperatriz n. 65.
sem igual.
Corteadechilafrancezalargs.de 11 covados,
pelo baralissimo prego de 2$500, lindas chitas
francezas largas a 200 rs. o covado, superiores
cassas francesas de cores a 240 o covado, lindas
lazinhaa de cores de superior qualidade a 400
rs. o covsdo: na loja do sobrado de 4 andares
na roa do Crespo o. 13, de Antonio Correia de
Vasconcellos & C, successores de Jos Mana
Lopes.
Saias de baldo.
Sao chegadas as commodaa saias de balo, de
arcos de differentes tsmanhos, de 8, 10 e 12 ar-
cos psra meninas, de 15, 20, 25, 30 e 42 arcos
para senhora, por pregos mais commodos do que
em outra quaiquer parta : na loja do sobrado de
4 andares na rus do Crespo n. 13, de Antonio
Correia de Vaecoacelloa & C, succeaiorea de Joa
Moreira Lopes.
ltenlo! aHencao!
Aos pais de familia, bom e ba-
rato.
Na loja n. 20 da ra da Imperatriz acha-se a
venda um completo a variado sortimenlo de boas
[aieudas, a que vista de anas qualidadea sao ba-
raliaaimameote vendidaa, e para maia veracidada
do que Oca dito, abaixo vio mencionadas algamas
das ditas fazendas, a saber :
Chitaa largaa cor fixa a 240 rs.
Msdspolo fino com 24 jardas a 5*.
Cambraias da cores a 280,320 a 400 rs. o co-
vado.
Velludo preto a de corea a 2*.
Lindeza de corea a 160 ra. o covado.
Lengos pequeos a 80. 120 e 160 ra.
Chapaoa da caaior fino a 8*.
Cbitaa prataa multo largaa e finas a 240 rs.
Algodao trancado preto muito bom para vesti-
dos da lacraros a 200 rs.
Cambraia lisa com 10 jardas a 2*.
Cassa de salpicos com 10 dilaa a 3*.
Cambraia bordada para cortinados com 8 ve-
ras a 2/.
Muita alten cao.
Na loja de Silva Cardozo, ra do Im-
perador n, 40, vende te roupas feitas
de todas s qualidads pelos precos
mais baratos possivis que se pode ima-
ginar, pois pode vir os freguezes com-
prar porque e' pechincha.
No pateo do Carmo. taberna u. 1, vnde-*e
orna negrinha de 13 a 14 annoa.
Attenco.
Vodem-se doos sitios na Boaviagem, ambos
com Ierras proprias, sendo um delles com duas
cssas de psdra e cal, oa permuta-ae por caaa nes-
la praca ; a fallar na praga da Independencia nu
maro 17.
XW9R4tS9S"!5Mi ~i09W6M39MrK
Luvas de seda.
Veole-sa luvas de seda enfeitadas a 18600,
2*000 e 2*200. ditas (lo de Escossia brancas a rs.
700. ditas de cores 800 ris, ditas de algodao a
280 ris ; na loja do beija flor, ra do Queimado
numero 63.
Cascanilha de seda,
Vende-se cascarrilha de seda de todas as co-
res a 2* e 28200 : na loja do beija flor, ra do
Queimado n. 63.
EspttJhS.
Vende-se espelhos redondos de molduras pre-
las e dourados a 260O e 29800, toucadoree-de Ja-
caranda a 2* 3* e 4*000 : na loja do beija flor :
ra do Queimado o. 63.
Escovas.
Vende-se escovas para deotes finas de diversas
qualidads a 120, 160. 320. 400 e 500 ris : na
loja do beija-flor. ra do Queimado d. 63.
Jgo ue domin.
Vende-ae^ogo de domin linos a 18200 : na
loja do beija-flor. ra do Queimado n. 63.
Seraliro de Souza subdile
ra-se para o Para.
portoguez rali-
A pessja que aiiuunciou nouiem desojar
encontrar urna senhora c epat para acabar de
criar urna meoina com 2 a n.p o aonos dirija-se
a ra eatreita do Rosarlo n. l:t. piimeiro ndar.
Botes para punho.
Vende-se bolea de punho linos de diversas
qualidads a 200 rcis o par. que lambe n aervem
para manguitos de senhora : ua loja do beija flor
ra do Queimado n. 63
Bom e barato.
Queijos do Sendo a 500 rs. a libra, gomma de
ararnts muito alva e nova a 100 rs. a libra, e em
arroba a 2*800, cevadinha de Franga a 200 rs. a
libra, aocoretas com azeitooas a i$-200 : na ra
dasCruzes n. 24, esquina da travessa do Ouvidor
Attenco
A 600 rs a garrafa de gaz.
Continua-se a vender o raslhnr gaz, na loja de
fuoileiro, ra da Imperatriz o. 65.
Milita atiendo.
Kua larga do Rosario n. 38.
Vendem-se ricossintos de fita de pontaa cabi-
das com franja na ponta couss muito moderna,
ditos de camafeu, ditos bordados com franjase
2$, 2$500, 39, 4* e5* esda um, rap de Lisboa,
dito grosso e meio grosso. dito Paulo Cordeiro,
dito fino, dito Bocha e Meuron, ago coberto para
baldea e muitos mais arligia de miudezas s
avista se dir o prego deludo.
Pechincha
Saias de mussulina.
Veodem-sesaiss de mussulioa bordadas a 3* e
3S500, espartilhos a pregoigosa a 3* a 3*500 : na
roa da Imperatriz n. 48i junto a padaria franceza.
Jogo do vispora.
Vende-se visporas de diversas qualidads de
900 a 1*000 : na loja do beija flor, rus do Quei-
mado n. 63.
Occulos.
Vende-se occulos fios de armagio de sgo, a
2*, 1*. 640 e400iis : loja do beija flor, ra do
Qufimaio n. 63.
U. MtfalJa Auguna peruxa de Haras pro-
easora particular mudou sua aula para o pateo
do Tergo, onde continua recuber alumnas ; os
pais que se quizerem utilisar ce seu preslimo a
pode procurar no mesmo patuo n. 1, segundo
andar.
Distnbuindo se estt: ulano sob as-
signatura do Sr. Fredetico Peregrino
estudaate da faculdade na casa n. 55
ra da Santa Cruz, e como os morado-
res nao eram os seus assignantes, que-
rendo tirar de nos quaiquer responsa-
bilidade por esta razao queremos nos
entender com o mesmo Frederico Pe-
regrino.
Precisa.se para um. casa tranceza
de um perito cosinheiro a tratar na
ra Nova n. 21.
SocieJaJe bancarit.
Amorim, Fragozo, Santos l C. sseam e tomam
saquea a oraga de L Km tos de fevereiro do auno da 1859 Ugio
do mesteiro daS. Bento da Parahiba, o eaaravo
Angelo, cabra, e hoje de Idade !5 aonos, aliara
"faisjr, com tres dedos alaijados oa mo esque--
da, belc4s groiso, com um daata quebrado na
trente ja parte de cima a anda calcado, consta
andar pelo Recife trabalhaodo lo padrelro e que
j trabalhou ta estrada de (arr>, maa nao tinba
eaaa offlatfcc porlsotofaff^* es autoridadea po-
liciaea e capliies dtqMj| 0 ptenderem e
levaran a ra da AurouKsa do Sr. Domingos
A-otunas Villaga que saWT rae impensados palo
Blasmo senhor. ___________
Quem precisai alucar uae.i
ra criar dirija-se. a ra ii ttit n. 13, qa
ri cea qaem tratar.
Caivetes.
Vende-se caivetes finos,obo de madreperola,
de quatro folhas, a 2*. 1*. 800 e 640 ris : a loja
do beija flor, ra do Queimado n. 63. ,
Kicus smtus dourados.
Vende-se sintos dourados a 2*. ditos de fita
com fivella dourada a 18500 : loja do beija flor,
ra do Queimado n. 63.
Tesouras.
Vpnde-ss tesouraa finas para onhas a 1J000 e
1;500, ditas para costura a 1*200 e 1*400 : loja
do beija flor, ra do Quaimado n. 63 .
Enfeites para cabeca.
Vende-se requissimos enfeites para cabega com
franja, e sem ella pelo baralissimo prego de 5(
e 58000, ditos de vidrilbos a 1*600 ; oa leja do
beija flor, -ra do Queimado n. 63.
Carteiras.
Vende-se ricas rarteiras para guardar dinheiro
de ouro e prata a 2*000. 2S500; 1*000, 1$280 e
1{5U0 : na loja do be'ja flor : ra do Queimado
numero 63.
Rosas artiticiaes para cabello:
A.L. B. T. tendo recebido um variado sorti-
menlo de bonitas rosas que se esio usando para
cabeiloa, sendo de velludo todaa e de pannoa com
folha de velludo, ditas de papel todaa, as maia
ricas que se pode encontrar vende ns ra do
Queimado n. 63. loja do beija flor.
Agulhas.
A. L. D. T. tendo recebido s
(ando dourado, veode na l
do Queimado o. 69.
hasimperiaesde
ja flor, ra
Vende-se fil liso muito fino a 320 o covado!:
na ra da Imperatriz o. 48, janto a padaria fran-
ceza.
" 2 =
%k? o
Acaba de
chegar
ao novo armazem
DI
B\$T0S & RE60
Na ra Nova junto a Con-
ceicao dos Milita-
res n. 47.
Om grande a variado sorlimanto da
roupas feitas, calcadoa e fazeudas e todos
estes serendem por pregos muito modi-
ficados como de aeu costume,assim como
sajam sobrtcasacoa de auperiorea pannoa
a casacos feilos peloa ultimoa figurinoa a
26*, 28*. 80* a a 35*. paletots dos mesmos
ff pannos preto a 16$, 18J, 20* a a 24*.
o> ditos da casemira de edr mesclado e de
I novos padrdes a 14*. 16*. 18*. 20* e 24*.
ditos saceos das mesmas casemiras de co-
res a 9*. 10*. 12* a a 14*, ditos pretoa pe -
lo diminuto prego de8*. 10*, e 12$, ditos
de sarja de aeda a aobrocaaacados a 12*,
1 ditos de merino de cordo. a 12*, ditos
merino chines de apurado goalo a 15*.
lpaca prata a 7, 8*. 9* a 103, ffl
prelos a 4|, ditoa da palha da a
muito suparior a 4*500, di-
tds da brim pardo a do fustao a 3500; 4* 8
o a 4*500, ditoa de fuatao branco a 4*. S
grande quantidade de calcas de casemira 3
preta a de corea a 7*. 8*. 9* e a 10, ditsa 8
pardas a 3* a a 4*, ditas dabrlm decores i
finas a 28500, 3*. 8*500 e a 4f, dilaa de
brim brancos finas a 4*500, 5g, 5*500 o a
6*, ditaa de brim lona a 5* e a 6J, colletea
da gorgurao preto e de corea a 5$ e a 6g,
ditos de casemira de cor e pretos a 41500
a a 5*. ditoa defualo branco e d brim
a 3* a a 3*500, ditoa de brim lona a 4$,
ditoa de merino para luto a 4* e a 4*500,
calcas de marin para Uto a 4I5Q0 e a 5$,
capas de borracha a 9*. Para meninos
de todos os tamanhoa: caigas de casemira
prefa a de cor a 5f, 6* o a 7*. ditaa ditas
da brim a 2J, 3* e a 3*500, palella sac-
eos da casemira preta a 6$ e a 7, ditoa
da sor a 6* ea7f, ditoa de alpaca a|3*.
sobrecasasos de panno preto a 12* a a
14, ditoa de alpaca preta a 5*. bonete
para menino de todaa ss qaalidades, ca-
misas psra meninos de todoa oa t aman fc os,
meios ricos vestidos de cambraia feitos
psra meninaa de 5 a 8 annoa com cinco
babadoa lisos a 8* a a 12f, ditoa de gorgu-
rao de cor e de la a 5* e a 6*. ditoa de
brim a8*, ditoa de cambraiaricamente
bordadoa para baptisados.e muitaa outras fl
fazendas'a roupaa faitaa que deizam de 8
ser mencionadas pela sua grandequanti- j
dada; aasimcomorecebe-aetodaequal- 9
quer ancommenda da roupaa para ae S
mandar manufacturar e que para este flm
tamos um completo sortimenlo de f azen- S
das degosto e urna grande offleina de al- fi
tlate dirigida porum hbil mestre que 8
pala suapromptid epsrfelco nadadei-2
xa a desajar. 3
CtlMSiKW-M5^NN9ftKCMftXI
Vendem-se pipis com agurdente de can-
oa : no caes do Ramos n. 6.
sem segundo
Na ra do Queimado n. 55 loja de miudezas
de Jos deAzevedo Maia e Silva, csti vendando
todas ss miudezas baralissimss, a saber :
Papis de agulhas a balo mullo supe-
riores a 80
Caixas com muito finas obretas a 40
Candes com clcheles, tem algum de-
fcilo a 10
Frascos de macast perola muito fino a 200
Caixinhas com papel pequeo de diver-
sos goatos a 720
Pecles dito dito dito amizade a 720
Novelloa de linhs de Crux a melbor
que ha a 40
Caixas com agulhas curtas de sapsrior
qualidade 200
EntrjBmeios, a pega com 3 varas 1(2 a 1$000
Sabonetea maito finos a 120
Papis de agulhas francezas com toque a 10
Pares de bnldes para punhos de muitos
modelos a' 240
Parea de meias creas para meninos a 160
Ditos de ditaa cruas para pequeo a 160
Ditos de ditas para meninas a 200
Frascos com agua de Lavando ambreada a 800
Ditoa com ebeiros muito finos a 240 e 500
Ditos com banha muita fina a 240 e 320
Ditos com superior banha.de urso a 600
Ditoa com oleo baboaa muilo fino a 240 e 320
Ditos com oleo do Rio muilo superior a 500
Ditos com superior philocome a 900
Ditoa com baoha philocome finissima a 13000
Ditos com banba transparente a 800
Ditoa com superior agua de colonia a 500
Ditos com macassi (oleo) a 100
Ditos com superior opiata a 500 e 800
Carles de linba Pedro V.com 200 jardas a 60
Ditos de dito dito, branca de cores a 20
Carriteis de lioha com 100 jardas a 30
Masaos de lioha frouxa para bordar a 240
Penlea de marfim de auperior'qualldada a IgOOO
Paletots e calcas. %*
Vendem-se psletots de panno preto fino a 6*
calcas de casemira preta r. 4*500, paleta de aney
de cores a 6*. caigas de dito a 3*500 : na rus da
Imperatriz n. 60, loja do PavOo.
As seroulas do Pavo.
Vendem-se seroulas de linho francesa a 2* o
par ou a 24* a duzia : oa roa da Imperatriz n
60. loja da Gama & Silva. "
CHALES.
Grande pechiucha ua loja do
Pavo.
*nl!!!df ""V m8i" r,co chlea com ponta re-
donda e borlla, tendo as bsrras a imilacao Se
m,,.I,".'.Bn,l?l,DK'd,,>i,'Bd0 capfoh.,5 "ato
modernaa pelo bantissimo prego de 4*500 ditoa
de 4 ponas. 4*500. dilo. a Ga riba I dini'sendo
multo grandea a 5* : n. ,u. da Irr, per.tr" n.
60. loja do Pavao de Gama & SiW.
Saias bordadas a 2#5O.
Vendem-se saias bordaJas mullo bonitas a
2*500 cada urna : na ra da Imperatriz n. 60
loja do Paveo, de Gama & Silva.
Bales do Pavao.
Vendem-se baldes de bramante francs com
arcos, sendo aa melhoresarmages, pelo dimiou-
0 prego de 3* a 8J500: na ra da Imperatriz n.
00. loia do Paiao. de Gama & Silva.
Saias com arcos de linho.
Vendem-se as acreditadas saias com arcos de
linho que fazem as vezes de balao a 3J200 e a 4
cada um, eatas saias s ha oa loja do Pavao, ra
da Imperatriz n. 60, loja e armazem de Gama &
Silva. **
Parameiuos a 4#5u0
Vendem-se vestidinhos de seda para meninas,
rr.uito bem enfeitados, pelo diminuto prego de
4S500 cada um : na ra da Imperatriz n. 60, loja
do Pavo, de Gama & Silva.
Rival
sem segundo-
Na ra do Quaimado n. 55, defronte do sobrado
novo, loja de miudezas de Jos de Azevedo Maia
e Silva, est qoeimando tudaa as suas miudezas
pelos pregos que abaixo se declara, pois a qnadra
boa para apreciar:
Duzia de meias cruas muilo encorpsdas a 2*400
Dits de ditas brancas maito boas a 1*600
Dita de ditas cruas muito finas a 4$0Q0
Dita dediles brancas para senhora, mui-
to finas a 3$000
Carriteis de retroz de todaa aa cores a 28
Grozas depennas de ago de todas as quali-
dadea a
Dita de ditas calllgraphicas
Nvelos de lioha muito grandes a 60 e
Caixas d agulhas perteitas a
Barslhos portuguezes a 120 e
Groza de botos de osso pequeos para
caiga a
Tesouras para unhas muilo superior qua-
lidade a
Ditaa para costura muito finas a
Ditas peqnenas porm finas a
Baralho. trancis, muilo fino. mm
Agulbeiros rom agulhas superiores
Caivetes de apara.- peonas de 1 folha a
Pares de sapatos de Iranga de la a
Cartas de alneles francezes a
Pares de luvjs brancas de algodao a
Escovas para limpar denles muilo fi-
nas a 200 e
Massos de grampos de todas as quali-
dads a
Dedaea com fondo de ago a
Caixas com colxetes francezes a
Tinleiros de vidro com tinta a
Ditos de berro com lints superior a
Areia preta muilo fina a libra a
Labyrinlho por todo prego.
Vara de franjaa largas brancas a
Pides de nova inveogo para meninos a
Linha branca do gaz pelo prego j sabido que
10, 20 e tres por dous, e oatras muitas miudezas
que vista far f pelas suas boss qualidadea e
pregos entao nao fallemos. -
Olhem para o Pavo e leiam.
Camizinhas com golliohas e manguitos de cam-
braia bordados, faienda muito moderoissima a
5*000.
Ditas de tullo com salpicos de cor a 3*000.
Gollinhis bordadaa com botoziohos s 1*000
Ditas ditas de gostos a 640 e 800 rs.
Ditas com manguitos de cambraia bordados s
l^bOO.
Maoguitos de cambraia fina bordados a 1*000.
Golliohas bordadas a 240 rs.
Romeires de cambraia enfeiladas psra lulo a
05000.
Camiziohas para senhoras bem enfeiladas a 3$.
Leocinhos de lioho com labyrinlho cara mo
a 2*500.
Ditos a imilacao do labyrinlho a 1* e a 1*280.
Luvas de torgal enfeitadas de vidrilho a 50 a
e 640 rs.
Enfeites pretos com vidrilhos a 8*000.
Ricos eufeites a turca e Garibeldi a 5500.
Ditos muito bonitos a 2*5C0 e a 3*500.
De ludo d5o-se as amostras ficendo penhor: na
loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
Vendem-se aecoes da Companh
bucana : na praca do Corpo Santo n
la Pernam-
11.
A 3#000 ascca,
Vendem-ae saccas com arroz pilado com loque
de avaria, proprio para galinba ; no caes do Ra-
mos o. 4.
Confeitaria e refloacao.
Ra nova de Santa Rita n. 53.
Neste estabelecimento acha-se venda um
completo sortimenlo de amendoas booitsse mui-
to bem confeittdas para vender a retalho e por
arroba, e tambem se vende prompta em sorlcs, e
no mesmo estabelecimento precisa-ae de um re-
tinador que seja bom.
Na taberna da ra de Horlaa u. 18, confron-
te ao barco de S. Pedro, vende-ze espirito de
graduagao subida, licores de todas as qualidads,
sniz, reino e genebrs, ludo por meaos do que em
outra quaiquer parle.
Venae-se em segunda mo dous relogioa de
ouro, sendo um patente ingles e outro auisso : a
tratar na ra Direfla o. 106, taberna.
Vende-ae urna barcaga nova da primeira
viagem, muito boa veleira, de nome Amelia do
Sul: quem pretender comprar, v a eacadinha,- a
bordo ds mesma barcaga, que achara com quem
tratar.
Vende-ae um bom carallo para sella e me-
lhor para carro, ou troca se por oatro que sirvs
para viagem e que lenha bom carrego baixo : no
larRod. Soledade, sobrado n. 48.
Vende-se urna grande caaa com aitio, no
.lugar do Peres, confronte ao eogenho, I beira da
estrada para Santo Anlao, com commodoa para
familia e qaalquer negocio, por prego commodo :
a tratar no pateo do Parairo n. 10.____________
Vende-sa urna prela de servico de campo e
rus .- a tratar na ra da Aurora n. 70, segando
andar.
Vende-se um b.lcao de amarello enverni-
aaio com vidroa, e proprio psra quslquer esta-
belecimento, muito barato, aproveitem a pe-
chiocha : -na ra estreita do Rosario n. 25 loja
funileiro.
500
12600
120
160
160
120
400
400
200
80
80
1|280
100
100
320
40
100
40
160
120
120
200
200
Sintos para senhora.
Vendem-se os riquissimos sintos com borla ca-
bida ao lado, muito chique, sendo o ultimo gosto
de Paris, pois parece-me que nao baver senho-
rss que deixe de comprar : isto s no gallo vi-.
Rilante, ra do Crpspo n. 7.
Enleite de cabera.
Vendem-se os riquissimos enfeites, tanto com
franja como sem ella, por baralissimo prego de
28500, 3* e 5*: s no vigilante, ra do Crespo
numero 7.
Rovo sorlimenlo de fa-
zendas baralissimas,
NA
Loja do Pavo ra da Impera-
triz numero 60.
DE
G.VMLV& SILVA.
Vendem-se as seguintes fazendas por pregos
baralissimos afim de apurar dinheiro : capas
suissas a imilago de sedas de quadrinhos sen-
do de todas as cores e cores muilo fizas a 200
rs. o covado, brilhanlinas de qnadrinhos muilo
encorpsdas para vestidos de senhora e roupas
para meninos sendo muilo mais larga que chita
a 200 rs. o covado, gorgurao de linho fazenda
muito nova para vestidos a 280 rs. o covado,
musselina branca com 4 1|2 palmos de largura a
200 rs. o covado, grande e variado sorlimenlo
de cassas para vestidos sendo os padrdes moder-
nissimos e as corea fizas a 280, 300 e 320 rs. O
covado, chitas francezas de cores fixas escuras e
alegres a 240, 260, 280. 300 e 320 rs. o covado,
chitas inglezas a 140,160 e 200 rs. o covado,
cortes de cassa tendo 7 1|2 varaa cada um a
2$400 rs., corles de orgaodys com barras tendo
12 varas cada corte a 5*, corles de bareges com
22 covados a 5*. ditos com as saias feitas a 5*,
laziohasde cores a 280 rs. o covado, de todaa
estas fazendas do-se as amostras deixaodo o
penhor na loja e armazem do Pavao, da Gama 4
Silva, na ra da Imperatriz n. 60. -
M&dapolodo Pavo.
Vendem-se finiaairoas pegas de madapolao com
24 jardas a 4*500. 4*800, 5*. 5&500 e 6*. ditas
francezas eofestadaa com 14 jardas a 3*: na ra
da Imperatriz n. 60, loja do Pavao de Gama &
Silva.
Las a 320 rs.
Vendem-se modernissimas liazinhas com pal-
ma a 320 rs. o covado: na ra da Imperatriz n.
60. loja do Pavao.
O Pavo vende a .
Pegas de csmbraiaa de coriobos brancoa e de
todaa as cores tendo 8 1(2 varas a 4* : na ra da
imperatriz o. 60, loja do Pavao.
, O Pavo vende
cortes de cambraia mnito fina com dona babados
a duaa aaiaa sendo delicadamente bordadoa a
4*, ditoa sendo todos adamascados a 4*. cortes
de phaotasia azenda finissima a 6J, ditoa a 4*500
a 5* : na ra da Imperatriz n. 60, loja a arma-
zem do Pavao de Gama & Silva. *
Panno preto.
Vende-se panno prelo muito enconado a
1S600,1*800 e 2*. e dito cor de caf: na ra da
Imperatriz o. 60, loja do Pavio.
Chales do Pavo.
Veada-aechalea de merino estsmpadoa mui
ide cassa adamascada a 800
Iris n, 60, laja e armases
la- Veodea-se chales de :
pe ^tttar deairaLJoa,de
rVaaTGel Til
Linha de peso.
Vendem-se as verdadeiras linhas de peso, o
ii fit*w-tjue so pooe eocontror a "2*500 o mis-
sinho de 30 miadiohas, assim como da outras
qualidads : no vigilante, ra do Crespo nu-
mero 7.

ICOS
cortes de vestidos branco
bordados.
Vendem-se ricos cortes de vestidos brencos
bordados com 3 babados pelo baralissimo prero
de 5 o corte : na ra do Queimado n. 22, oa
bem conhecida loja da boa f.
Relogios.
Vande-se em casa de Johnsto'n Paler & C ,
. do Vigsrio n. 3, um bailo sorlimenlo de
telogios c'e ouro, patente inglez, de um dos mais
afamados fabricantes de Liverpool; tambern
ama. variedsde de bonilos irancellins para es
mesmos.
fAdmirem as I&
I baratas.
w Lindas laas de cores de quadros ede
13 flores, de superior qualidade, pelo bara-
st tissimo prego do 320 ria o covado na
loja do sobrado de 4 andares, ra do
UP Crespo n. 13. de Antonio Correia deVas-
$k concellos & C, successores de Jos Mo-
S reir Lopes.
N. Lamais.
Vende-se o diccionario francez de N. Landsis
e outras obras em francez e portuguez : na ra
do Gabug n. 10.
Grande pe-
chincha.
Na ra do Queimado n 43 es-
quina que voita para a
Congregaco.
chita larga tr escura e fixa
vado, dita mais fina a 220 e
adverle-se que quem qnizer
quanto antes qne pechincha
durs sempre ; na mesma loj
da superfina a 480 e 500 rs. a vara, lazinhaa pa-
ra vestido a 500 rs. o covado, do-ie amostras
com penhor.
200 rs. o co-
o covado,
ido v>parega
"jada nao
e cambraia
Tiras ou ntremelos bor-
dados.
Vendem-se tiras o ntremelos bordados de
liodos gostos, pelos biralissimos precos de 1*500
e 1*600; s no gslo vigilante, ra do Crespo nu-
mero 7.
Vende-se urna mobilia de amarello, cons-
tando das seguintes pegas : 1 sof, 11 cadeiras,
2 dilaa de brago, 2 ditas da balaogo, 2 consolos,
e 1 mesa redonda : para ver, na raa Direita o.
127, segundo andar, para tratar, nista lypo-
grapbia.____________________________________
Vende-se superior vinho de. Uor-
deaux |S. Julien) em quartolas e meias
quartola* ltimamente cliej pelo va-
por francs : no armazem do Sr. Ari-
nca confronte a porta da alfendega.


-
L- rr*





-rr^-5r-


M*.
4*WM
l|lf^<^lM**tfl mr-A**
1'


9
S.,IOAO
VNDESE NO ARMAREN
P80GRESS0
DE
Francisco Fernn des Duarte
Larg; Aa Peaha
A banha fina,
em copo* grande*, ebegou para loij d.aaaia
branca, ra do Queimado o 16.
libras slerlinas
Venda-te no eacriptorio de Manoel Ignacio de
Olivaira & Filho, largo do Cerpo Santo n. 19.
Superior cal a Lisboa.
Tam pata vendsr am porcio e a relalho Anto-
nio Lat da Ollveira Azarado & C-, ao aeo ee-
criptorio ra da Crui n. 1.
Vendem-se dous pavdes:
nesta fypoRraphia.
No rmate ru da E. A. Burla & C, rita da
Cruz n.*, vene-s* excelente farello m-taecaa
grande* a 3*800.
Amendoas.
Vcodem-aa amendoaa em fraacoa e avuleo* e
o$ boot o rieoa ppela eom talo para aorta* :
aa raa a Senrsla Nova n. SO.
Brmeos pretos a *alae,
outros objectos para
luto
Dessea objectoide que hoja infelizmente tantea
familias preciaam, n loja d'agaia branca acha-se
um boas aormento dellea, sendo brinco* rose-
tas a bailo, palestras modernas de grossas a tor-
tea conlaa, alnatea para peilo, ditos tambam pre-
Algodo da baha.
Proprio para roapa de escravos a saceos de as-
sucar : rande-se na ra da Cruzn. 1, eacriptotio
de Antooio Laiz de Olivetra Asavedo 4 C.
Agua de colonia ambria-
da esera o ser.
Easa estimada agua de colonia ambreada, de
que tantos a tanto lempo se ti te m a falta, acaba
de chegsr em bonitos frascos verdes, os quaesse
eilao rendendo a 1J500 cada am ; aasim como
m
DEZ POR CETO
kt
NOS ARMAZENS
PROGRESSISU
VWm
tos, em caixinhae, bonitos e modernos aderecos jehegoo igualmente um graohe aorlimento d
anata* ditos, cintairos de flus e relas pratas',
ofaitea para cabeca, grasopoa da novos molda*
para segurar cabello, Inraa de torcsl do aada e
pellica, meiaa de seda algodio para homens e
sanaoraa : com os compradores de Isas obiactos
ae ter a maior contemplado, aliento o flm para
que sao: por taso* dirigirem-aa ra do Quai-
mado. loja d'agaia braoea n. 16.
Terdadeira agua de colonia de Piver em fraacoa
e garranchas de differentea tamaoho*. ludo ii-
o na ra do Quetmado, loja da agola bran-
ca n. 16.
da safra nova de panuira quilidade a l&OOO a libra, em
Os raelhores gneros que em a este mercado e por menos 10 por cento do que em ou'ira
quakqaer rarte, garaniindo-se a boi qualidade, porisso roa?-* a todos os Snrs. da praija. de en-
genhos e lavradores o favor de man larem suas ewommen 1> a este muito acreditado arraazera de
moihaJos, afirn de verem a difieren a de preQo e qualidade que faz, te fossem comprados em ouira
qualquer parle.'
*Vaaa\QlatAtl,&.S confeitadas para sorte de S. Joo a 800 rs. a libra, tambem tem-se para
6i0 rs. a libra sendo*n poroso, lanto de urna qualidade como de outra se fas bati-
mento.
$&a*teiga laglezt
barril se faz. abatimento
Mailteiga f f &Iie X^^*J^^ O Ttiao muito frescos chegalos oeste ultimo vapor a 29000 ditos che-
gados no ultimo navio i 13>800.
"*'"'*'* yraVO 0 mais up-srior que lem vindo a este mercado a 800 rs. a libra.
O Ha aytiSOVk 0 meraor f;ue |, no mercado a 20800 e 2920Q a libra, afianca-se a boa
qualidade.
*** HllXllJl 0 qUe e p0jj desejjr nesle genaro a 39000 a libra.
vi ua pr*3t,0 homeopathico i 29200 a libra en porc,o se faz abatimento.
L r&(\UeS HOYOS je pavo transado a 320 rs. e em caixas com 40 ca'rlas por 109000.
lalas COm am^f&at>a8 e-infectadas, ptoprias para mimo, conteni mais con-
feites e assucar candido por 19000 -cada urna.
raSSaS em caixinhas de 8 libras chegadas aUimaraente a 29000 cada urna e a relalho
a 430 rs. a libra.
uOiaXiniia da soda ern htas Com differenles qualidades a 19440.
oOiaXlHll& ngleza a msis nova que h no mercado a -49000 a barrica e a relalho
a 320 rs. a libra.
VillilO *>m. pipa de suporior qualidade Porto. Figueira e Lisboa 500, 560 e 640 rs.
a garrafa, e em caada ; 39500, 49000 e 49500.
VltiAlOS ?,HgaTrataa*>S Duque do Pono, Lagrimas do Douro, Carcavellos, Fei-
toria velho, e deoutras inuitas mareas acreditadas a 19200 a garrafa, em eaixa a 129
tambem ha para 19000 a garrafa.
CnaMpa^\ie das marcas mais acreditadas a 159000 e 209000 o gigo, e em garrafa a
1.5800
SCaTlTSJa da marca cobrinhi c u de outras raarci's conhecidaa a 59000 a duzia e 500 rs.
a garrafa.
^TVWYias francezas e poriujuezYem la'a de 1 libra por 640 rs.
Mjs,Cf d2 tomata em tattas de 1 libra por 800 rs.
\ait>X8 fraUCf.^a&i em |atas je i a ,neia libra por 1*500, ditas com 3 libras por
20800.
.%.mCliaov;P. de ca'ca mole muito novas a 320 rs. a libra, em arroba por 8#000.
UiOtCg a 120 rs. a libra e em arroba a 35000.
WfcVtie, macarras t t^lViatim a 400 rs. a libra, a eui caixa com 1 arro-
ba por 60000.
LstreUii&h pevide e aroz de massa xa ou amarella, a 640 rs. a libra, e em cai-
xinhas muito enfeilidas e faz obatiraenlo.
PaWtOS dft dftlitftS i xados 05 maisbsra faiiosque lem viudo a esta mercado a 280rs.
tambem lia para 200 rs.
PfffcXHUIOS Ug\tX\t$i para fiambre a 800 rs. tambem haraburguez para fiambre a
640 rs. a libra e do reino o mais novo que ha a 560 rs. a libra.
GnOUTCUS epaOS mu,o novas a 560 rs. a libra eera barril se far abatimento.
salame o melbor petisco que pode haver por estar pro rapto a toda hora a 800 rs. a libra.
JL Utinn** dO P* i! rnilo novo a -80 rs. a libra e em barris de 1 e meia arroba
a 5f e 79 a arroba.
\jUOtttlCCiS em latas j prompias para se comer a 1*800 cada urna.
Baniia de pOTCO reficada em latas com 10 libras por 4*300.
Dita em O&rril muu fina e alva a 440 rs. a libra e em barril a 400 rs.
'C&YloeS COia bollo 'Trance?, proprios para mimo a 500 rs. cada um.
!ll.aTmelad%. imperial do i faraado Abreu e de outros muilos fabricantes de Lisboa a 800 rs
a libra
aaTn\l&aa de Alperche em latas de 2Jibras por 19000 cada urna,
aUattaS C*Si \ rUCtt de doceem calda as melhorcs quehaem Portugal como se-
jam pera, pe-ego, dama co, ameixas, ginja e sereijas a 800 ra. a lata.
Doce SteCOS e em calda, em latas, de 4 a 5 libras por 29000.
L/UOC01&t hespanhol a 19500 rs. a libra, dilto francez a 19100 ditto portugus a
800 rs afianca-se a boa qualidade.
vi ale de primeira qualidade lano do Rio como do Cear, a 320 rs. a libra, em arrob8 a
99500, dito mais baixo a 280 rs. e 8*500 a arroba.
&e\&dinaa de Franca a nais nova do mercado a 240 rs. a libra, e em ponjao se faz
abatimento.
811 muito novo a 320 rs a libra e em garrafas>m 5 libra, ^or 29000.
AT1&UK do reino das raarcisSSS ou galega, a 140 rs. a libra.
Dita do Maranbo alva e cheirosa a 160 rs. a libra e em arroba 49500.
W ela& de carnauba refinada a 400 rs a libra, e em arroba o 12*000.
VlAlta doce refinado a 800 rs. a garrafa, e em caixas a 99000.
Vinagre Je Li-boa a 240' r=. a garrafa e em caada a 1*800.
Vinno cherez verdadeiro a 19500 a garrafa, e em caixa 149000.
Vlftu nraUCO de Lisboa o mais superior qua hi oo mercado proprio para missa a
640. rs. a garrafa e em :anda 4*500.
vanaYUtOa 8USpros d0 fabriaote Brando em matas caixinhas, far 2*500.
11110S suspires do fabricante Cataobo & Filiaos em roeias caxinhas a 29000.
DitOS em caixas de 100 regali Imperial, Ytagaoles, e Pa neo tallas, a 29000 a caixa.
AaVPiaia muila limpo, a 186 rs. alrbra, e pm arroba 59500,
iml^ltonaii1 muito novas
AWa* de Maranba
sUr> .de .postes em labj da> .lehi.?'1 iuW*:es de pjixa que ha em Porlugal a 19500 rs.
Genebra de H'Uftnla wn ^9$* eom 25 garrafas por 9*000.
WlOaUftfAa ingleza mMtJ!t &a\t)0 O (r**c* *1 ramea* 440 r*\ o pota.
Wm dos geoeros ciau mu gaaaAyaMaaWa'a o rea^eivavel pajUico am eomplelo erti-
10 d> lado que tendeate a ajocti
Appareilhos de porcellauadou-
| rada para cha de bouecas.
A leja da agua branca desejando que todoa
ArrOblaS OU argas de borra- f*?,ni Toi>tade va* bellas meninas est ren-
., dendo commodraente eases bonito* apparelhoa
Ca para Segurar papeiS e > porcallanr doarada, o pintada a l*50O elS.
miiitnc nulrne mietArfta temtacada am 6 casarea de chicaras, e os mais
mUllOS OUirS UllSieres. lerteoce*. a vista do qua lodo* iro (munidos de
A. loja d'aguia branca recebad ama porco de dinh#iro) para compra-Ios na raa do Queimado
srroela* ou argolss de borracha, que acedada- o. 16.
mente se applicam a differentea flns, como tam- ------7T-------------T7!--------------T-------------
b.m aeja p.ra bbhhh pa?* oa morsas re- OOUltOS puilteirOS O p0rC6i-
aarUco** pablieaa, nos cartorioa, eacriptorio*. lana doUTada.
armazeos, lojas, boticas, tabernas, ote, etc., '
meamo de algn* particulares, o que na verdsde
vale apaa comprar-** pelo diminuto prego de
S40 e 320 a dazia, para poupar-*e o trabalbo de
atar daaatar um masco de papis todas aa vates
que ae precisa, assim como aa maia larga*aervam
para segurar carteiras, e manguitos do eenhorae,
e meamo para pulsaira* de-missangas, advertin-
do, porm, qaa cada* argola tem *ua tirela; rea- !
dam-se em dita loja d'aguia branca, ra do Quai-
mado n.. 16.______
Attenco
Guimsraea & Luz, donoa da loja da miudeza*
da raa do Qaeimado n. 35, boa fama, partipsm
ao publico que o lea ealabelecimento se acha
Agora ninguem deixar mais de ler em aua
mesa um bonito palitelro de porcellaoa doarada
poia que el le ae eatio venden 4o a l*e~ 1*500
na lojs da attaia braoea n. 16.
BaDtia jp Jiieza e outras'mili-
tas novas perfumaras.
A loja da agaia branca acaba de despachar, de
aua encommenda um grande e bello soriimento
de Gnaspoifumariis dui jsais afmadoj fabri-
cantes, sendo as bem conhecidaa e preciadas
banha, japooeza, transparente, pbilocome im-
perial em bonitos eopinho* eom lampa de metal,
dita nos copos gran'.es, dita em compoleiraa li-
aa e lapidadas, oleoa de baboaa, pbilocome e
Labin, pomsdaa ou coameatiquea, Bnoa exlractos
doa preciosos escolhidos cheiros Jatkey-Club,
mil flores, miel da Inglaterra H*rechal, Principe
Alberto, Gorge IV, etc. etc. lecommeo Ja-se a
alies inteiramente resolvidos a nao vanderem
fiado, afiancam vender mais barato do qne oulro
qaalquer ; e juntamente pedem aot aeus davedo-
res qua lhes mandem ou vanham pagar os aeus
dabitns. ano on da*rm iutticadns.
Soaball Mellora & C, taoao receido or-
dem para vender o seu cresei Jo deposito da rslo-
gios visto o fabrican!* ter-ae retirado do nego-
cio ; convida, portanto, is pestoas que qaizeram
poasuir am bom ralogio de ouro ou prata do ce-
lebra fabricante Kornby, a aproveitar-s* da op-
portunidade sem perda da lempo, para vir com-
pra-loa por commodo preso oo aau eacriptorio
roa do Trapicha n.t8.
Loja das 6 por-j
tas em frente do
Livramento. *
Caasas francazaa de bonitoa goaloa *J
320 rs. o corado, luvas de trocal pretsa*.
e d aada a 500 ra. o par, chita* france-
aaa largas escuras a 240 rs. o covado,
ditas finas a 260 280 rs., fil de llnho
liso a640 rs. a vara, tarlatana fjna de
toda'i as cores a 800 ra. a vara, lencos
brancos com barra de cor a 1*(0a du-
zia e 10 rs. cid a um, meia* para ho-
rnero a ljjzOO a dasia e 120 ra. o par,
chitas para coberta de bonitos dese-
chos.i 220 rs. o covado, pecaa de bre-
tanha de rolo a 2*, dita* de cambraia liaa
com 6 1(2 varas a 3*. musselioa encar-
nada a 240 rs. o covao, catatabas para
meninaa de escola a 1* o par, peitos
para esmisa brancos de cores a 200
rs., pegas de cambraia branca de salpi-
co a 3*500, algodo entestado o meltior
a 700 rs. a vara, dito bronco para loa-
lhaa alga vara, enfeites dos mais mo-
dernoaagaribaldi a 6*. a loja est aber-
ta al as 9 horaa da noite.
lenco orvalhado de lao subli
lera por corlo'o praaer de ver a suaa vlaiohas
dadireita e esquerda Ihe rendendo homenagem,
perguntarem donna F. oode cam;rou esse lao
agradavel chairo ? Bella orgulhosa de aeu bom
gosto, mas com ar praseoteiro Ihe responder:
na ra do Queimado loja da agu branca nume-
ro 16.
Papel amisade brauco e de
eres.
Veode-ae pseotes com-100 folhas de papel ami-
sade branco e de cores a 800 e 640 cada pacole :
na ra do Queimado loja da aguia branes nu-
mero 16.
4 boa fama
vende gollinhas e puohos com botoes para se-
nhora, fazenda muito boa, e pelo baratsimo pra-
<;o d 9JS> : oa ra do Queimado n. 86, lo>* da
iT.iudezas da boa farra.
*wr>rwr7.*m.-r*v.wiLL aaLrsy*
Ra da Seuzalla Nuva u. 42
Yandt-se em casa da S. P. Jonhston & C.,
sellins e silhes inglezos, candiel ros e casticaes
bronzeados, lonas ioglezas, fo de vela, chicotes
para carros e montara, arreios para carros de
um a dous cavados, e relogtos de onro pattnte
inglez.
a 19000 rs. ca. a urna ahepreta, e a 400 rs. a garrafa.
i a 140 rs i libra, e 39*00 a arroba.
0 Lvro do Poyo.
Sabio i luz publica o I.IVRO DO POYO, publi-
cado aob a direcg do Sr. Dr. A. Msrqae* lto-
drigues, e contera a vida de N. S. Jess Gbrisio,
segundo a oarraco dos quatro evangelistas, e
mais os seguintes artigo*: o vigario, o professor
primario, o bom homem Ricardo, a moral prati-
ca, Simo de Mantua, mximas e pensameotos,
a bygiene, os deverea das meninos, e o Brasil.
A publicacio do LIVRO DO POVO nao s tem
por fim uniformisaT a leitura as escolas prima-
ria, oode cada menino aprende por um livro
diferente, e portanto facilitar o trabalho do mea-
tre do discpulo, como tambem vulgariaar, por
um prego barstissimo, a historia do silbador do
mando, e os melhores preceitos de moral.
Venda-se o Livro do Povo, no Recite, na
livraria da praca da Independencia ns. 6 a 8, a
500 rs. o exemplar em brochura. e a 800 ra. car-
tonado.
Atiendo ao vigilante
Na ra do Crespo d. 7, loja que
foi do fallecido Joo Ceg,
est torrando por todo o
prego.
Coraes.
Os verdadeiros Qos de coraes redondos assim
como raz, pois o mais superior que tem vindo
ao mercado : a no vigilante ra do Crespn
Micanga ou cuntindas.
Minanga ou contiohas de muito lindas cores a
240 rs. o msetaho : s no vigilante ra do'Cres-
po n. 7.
Cootinhas do Uio.
Contiohas douradinhas miuda e grossa proprio
para pulceiraa das quaes se esto otando muitp
por ser ultimo gosto, a 240 rs, o macioho, aaaim
como aljfar b.anco ede cor a 300 rs.: s no
vlgilauta ra do Crespo n. 7.
Lencos brancos para algibetra.
Ainda ae veodem-lencos brancoa finos para al-
gibeira pelo baratissimo preco de 2j4O a duzia:
na loj* <1a boa f. na rus ro Queimado n. 2.
Mei i parasenhora.
Veodem-.ae meias finas para aeohora peta ba-
ratissimo preco de 3*600 a duzia : na raa do
Qaeimado n. 22, na bem conhecida loja da
boa f
Ferinas d'aco.
As verdadeirss penas ioglezas caligraphicas a
1*400 rs. a caixinha : s no vigilante ra do Crea-
do n. 7.
Venda de predio.
Com algum dinheiro a vista e o resto a
prazo com seguranca no mesmo
predio.
Vende-se a metade do sobrado silo-na ra da
Concordia o. 34, e tambem a metade do terreno
no fundo do mesmo sobrado, que tem 300 a 400
palmos de exlencao 28 a 80 de largo com freo-
la para a ra que olhi jara a casa da delencao ,
o sobrado tem por metade de reod i ment ~405*
ann.ual, edificado a 6 onnos, muito fresco em
coosequencia de olhar para o nascente: qualquer
que pretenda dever dirigir-se a ra da Cideia
do Recite n. 3, primeirp andar, eacriptorio, das
10 hora* ao meio dia e dai 4 aa 5 da tarde.
Queijos
o maJs4re*eos que teta vindo ao osao
mercado cliegados no ultime vapor a
2jJO00 e no pastado a 1J800.
confeitadas &% mais bonitas que ba no
mercado a 800 e 1# a labra : vndese
nos araazens Progressista e Progressi-
yo no lafjo do 4^a*o n. 9 e roa das
Cruzesn. 36.
Banhas ou leos e cheiros.
A superior banha transparente a 900 rs. o
frasco.
Dits em latas de folha de meia libra a 500 rs.
Dila em la.li_Qhas.de awrU.320.lt.
O verdadeiro oleo da sociedade bygienica a
900 rs. o frasco.
Dito macassar e muito fino em frasco peque-
o a 1)600 a duzia.
A verdadelra agaa de colonia frasco grande a
900 ra.
Ditos pequeos meamo em garraQnhas 400 rs.
Ditos com superior agaa de flor de laranja fras-
co grande a 400 ra.
Dito com exeellente axaa celesta fraaco gran-
de a 15.
Dito frasquiohoa pequeo* com vinagre rugi a
400 rs. : s 00 vigilanleroa do Crespo n. 7.
Para conservar de otes.
CU verdadeiros pos da sociedade hygienica pa-
ra dentea em frasquinbo* de vidro o mais supe-
rior que tem appareeido pelo baratissimo preco
de 19 o rasquinho, assim como em caixinhas
aadrsdiohaa a 200 ra.: a ao vigilante ra do
raspo n. 7.
Gollinhas e piuceiras.
Linda* gollinhas pulceiraa de micanga pelo
baratissimo preco de pulceiras aolliohaa 8g,
pulMHMS 9f e glhrjua \| e i500 : a ao vi-
gllMlo rus do Crespo n. 7.
Seitmnaa
8aaliiihas muito liadas com aeus pertences pa-;
rs maaiiao 3 a 4, ais isa tomo indispensavai*
da Btmbas ou mi cao a* proprios para menina
trazer d* braco com laaciaho pelo baratissimo
preco da 1 : s no TigiUats) raa do Creapo nu-
mero 7.
aua la Seuzalla Nova &. 42.
Nette estabeleciaaaento veade-se: ta*
has de ferro eoado libra 110 rs. idem
t*ie Low Moor libra a 1*0 rs.
Tinteim.
Tinteiro* proprios para maniao da escola ou
meamo para quem oa qaiaar comprar por bara-
tisiimo pi*?o a 500 rs.: t no vigilante raa do
Crespn. 7.
Polissa da Uussia.
Vende-te esar deN.O Bcber.
C, succesaores, ra da Cruz n. *
DE
DUARTE & C.
36 ra das Cruzes ile Santo Antonio 36.
9 Largo do Carmo
MM- .- AHTDMD I 3. MU.
Os proprietarios destes acreditados armazeos di molhados participam aos seus nurne-
sos freguezas que por todos os vapores e navios da Europa, recebem de sua propria eacoramenda
os melhores geoeros, pois que para isso tem pessoas encarregadas em diversos pontos da Europa,
para os eeolherem, os vandem por menos 10 por cento do que em outra qualquer parle, por Uso
roga-se a todos os Srs. da prsea, de engenfao e lavradores o favor de mandaren suas encommendas
aos nossos armazeos, afim de verem a superior qualidade de gneros e differBQa de preco?.
Quei/os do sertao M ms relcos do mercad0 a 640 rs# a nbra
Ixeilebra lt;tIiaiU uma das me|hore3 genebras que tam viudo ao nosso mercad
em irascos grandes a 2$, vende-se uoicameote oestes armazens.
sLinglllapBS em latas j promptasa 1800.
V/aiXl n Ha S os mais el -gantes que tem viodo de-Frailea, propTras para guaftrar jotas u
fazer mimos da 500 rs. a 19600.
SalaOieS dos lelhores do merc*do a 800 rs. a libra.
Mallteiga ingleza e prmeira qualidade .a 800 a 090 rs. a libra e am barril a*
far abatimento.
Ma Ilteig-a fra UCeZa a mais nova a 700 rs. a libra e em barril a 600 rs.
L/a IiySSOn 0 mais superior que ha no mercado a 29400 a 29800 a libra.
Cll h;i\1113 oquj bada melhoTiieegenero a 2500 e 39000 a libra.
\_>Ha pretO muito superior rindo a primeira vez ao oosso mercado a 21200 a libra.
Ulla liySSOn 0 melbor qua vem do Rio, em latas ds uma libra por 19800 e am porco
se far abatimento.
Q-tfIJr)S ilO fWW chegadQs oeste ultimo vapor a. 29200 e dos chegados no ultimo
navio a 19800 cada um.
(lllj OS pfatO como uunca veto ao oosso mercado a 1*000 a libra e inleiro a 900 rs.
I alOS e CllOUrily-IS muto novos a 560 rs. a libra eera por^ao se far abatimento.
I ClXe em latas de diversos taroaohos.savel, sardo, pargo. pescada, avalla, lingua-
dos fritos, atm mareoado, robllos e lulas de tigelada, da 1300 a 29000 a lata.
TOlieillllO dO reinO muito novo a 820 rs. a libra e 9f500 a arroba timben*
temos para 240 rs. a libra e 6*500 a arroba.
BailU'l de fiai'e.Oom latas com lOlibras por 49400 e 480 a libra.
Marmeladd imperial de todos os conserveiros de Lisboa,em latas de libra a
meia e 2 libras a 750 rs. a libra
Latas com frutas em calda Comosej.ampera,^mJumui^Kr
xe, ameixas ginja, a 700 rs, a lata.
Vlarilielada d Al.perce m Utas de 2 libras por IfOOO cada uma.
Doce da CaSCa da gOiaba a800rs. em po^rSosefarabatimeoto.
LlOCeS SeCCOS e diOereotes qualidades em bcetas muito bem arranjadas a 31000.
TalDaraS m caixinhas a 29500 e 600 rs. a libra
Passas em caxinlias de 8 libras a29500e600rs. a libra.
FigOS dft OO-madre muit n0vos em cixinha de 8 libras e muito bom entenadas a
a 29200 320 ra. a libra.
Hr vi liras francezas e portug-iie*a tm 740 rs. a lata.
MaSS l de tOlll i te 6m latas de 1 librra a 800 rs.
AmeildoaS da Casca mole BuUo novas a 400 rs. a libra.
lS OZes muito novas a 200 rs. a libra.
Ameixas frallCeZ S em laus com 5 libras por 4000 e a 11000 a libra.
Cll Colote heSpanllol a 120, francez a 1000opottugueza 800 rs. a libra.
Bol Xlllha d SQda era ialas com diSereotes qualidades a 19400 a lata.
MaggaS pa ra Sopa macarrao e talharim a 240 rs, a libra e a caixa por 59000.
CaXllh&S muito bem eofeiadas com pevide, rodioha, estrellioha, ele. a 700 e 800
PaltOS lixadoS pjradeates em molhos com 20 asacinhos a 200 rs.
Xjyol KrailCeZ para liopar facis a 180 rs. aero porqao se far abatimento.
lspermacete Superior sem avaria a 740 eem caixa a 760 rs. a libra.
8a r din has de Nantes muito novas a 400 e eoo n.
AlpiSta muito nova a 200 rs. a libra e 5500 arroba.
Aceite doce refinado de diversas marcas a 800 rs. a garrafa e 99000 a duzia.
BulaChillha ingUzaa maU nova do mercado a 300 rs. alibra e 49200 a barrica.
Goma muito alva a 100 rs. a libra e 2|500 arroba.
VnhoS engarrafados duque do Porto, genuino. Porto fino, madeira secca, Carcavellos, nc-
tar, feitoria, velho secco, Muscatel a 19200 a garrafa e 129000 a duzia.
DtOS em pipa Porto, figueira e Lisboa de 500 a 600 rs. a garrafa ede 4000 a 41500 a ca-
ada.
StTV^iaS das mais acreditadas marcas a 500 rs. a garrafa e 59000 a duzia.
Cilfi mpanhe das marcas mais acreditadas que h no mercado a 149 e 209 o gigo.
Cognac inglez a 109000 a caixa e 19000 a garrafa.
Ghiebra d Hollallda verdadeira a 79500 a frasquaira e 800 rs. o frasco.
AzeitailBS e ancoretas as melhores que ha no mereado a 29 400 rs. a garrafa.
Traques superiores em caixinhas a 10 e a 320 rs- a earta.
Ptoilt. S dtaVg'aZ 29500 a groza e 240 ra. a duzia de caixas.
$a 1 refinado em pacotes de maU da uma libra a 240 rs. em porcao lera abatimento.
Cafe do RO o melbor que ha no mercado a 320 ra. alibra e 9|000 a arroba.
"Seva tliiiha de FraC-a a mais nova do mercado a 240 rs. a libra.
SagU* muito novo a 320 a libra.
Farllha dO MarailhaO mnito alva a nova a 160 rs. a libra e 49800 ar-
roba.
Velas de carnauba e de composico a4oon. aiibra 129
a arroba.
Vinagre pUrO de lOSboa 240 rs. agarrafa e a 19800 a caada.
^arr&SCJliin.0 verdadeiro de zara, de limone, caf, raent, genepro, raandol'aiaara,
curacu, rasa sublime e outras qualidades da i#590-*-49 a gaff***).
Er Va doce muito nova a 400 rs. a libra.
Arroz com toque da avaria masceos j 5 arrobas a 59
a arroba.
L/UarUtOS verdadeiros superiores a 29 a caixinha de 50.
Salmn em lataS com duas libras o mais bem arrinjado que tem Vindo a*
nado a 19499.
Mantei^a eiU latas ea* 4 libras a melhor do mercada lcralo ermeticamet*
39200 cada uma. f
Vinagre M ganAes eom 9 garrafas da superior qualidade a 11299.
ArarUta verdwi#ira muita nova a 820 a libra. _____ *
Alm deales gneros eoeontrar o respitaval publleo em nossos ansaaaas -am wajfet
sortimente da taiotaaaat* a aolbados.
AlliendoaS COllfeitadaS M mais baratas qua ka aa aasMasio 899 n. a
a braa^
7.
-1


DttftI. MT MWIAMIK* fflFA ftt&A I.MMDI Wtt

*
.9


losas artciacs jara ca-
DCiW.
*. lojt do beija-flor tanto recibid bonitas ro-
utqui se esto Modo para os ct bailo*, veoda
na wi do Qualmae oa loja aeim i o.. 63.
Aljfar uno imitando perol a.
Vende-se a 500 r. o fio da aljfar fino, imi-
tando perola : na ra do Queimadi, loja d'aguia
Branca n. 16.
Cambraias
Vendam-ae cambraias do corea
alegantes deseohos a 280 e 320 ra.
ra da Imperalriz. loja o. 30.
de bonitoi
o covado: na
Oliados,
Obras de v&o*
escarradeiras, e palmatorias
lapidadas com mangas.
Vende-sa oa loja d'aguia branca mui boaiiu
escarradsiraa do vidroa de cores a'405OOt 5 e 6,
awim como palautoriaa de vidro lapidado com
mangas bordada* a 4*500 cada um : na ra do
Qaeimado, loja a'aguia branca a. 16%
Meias em quantidade*
Na loja d'aguia branca ach*-*e um completo
totlimenlo de meias de toda* as qualidadea e
presos, sendo para homen*, sanbora*. menino*
* menina* de 6 mazos a 13 aooo*. Ennumerar
os difiranles pracos conlapdir o pretndeme ;
asiim quero te quizer convencer de quo barata*
e eslo ellas vendando, dirigir- com dinhei-
ro dita loja d'aguia branca na ra do Queimado
numero 16.
Camisas iaglezas.
Vandaia- aupeuores, csmisai ioglezjs. asm
prega, larga* pelo baratiaejmo mm de 35* da--
ua : o loja da boa l, na riu do Queimado ou-
Vendem-ae oliado* pintado* de indias vista e
paiagen, larguras de 6, 7, 8 e 9 palmos, pro
prios para mesa de jactara 30 o ce relo : na ra
da Imperalriz, loja o. 20.
Sapatos de torra-
chapara senhoras a
1,500 par.
Batamos no mes Marianoo, por sso-rde ne-
eesaidade que aa senboras que beio se applicam
a easa boa devoco se previoam de um par de aa*
patos de borracha, para assim lerendos ps res-
guardados da humidade, eem alte:gao a tao jus-
to e louTarel flm. eato *e rndenlo a 1J500 o
par: na ra do Queimado, loja cYaguia. branca
numero 16.
Borzeguins
Ra da Imperatriz n 10 loja
do Pinto.
Vende-se pelo baratissimo prec i :
Borzegains de lustre para homem a 89.
Ditos de beierro para bomcm a 8j.
Ditos de corda rao para dito a 89.
Por este prego s a dinbeiro i vista para 11-
c/uidar. '
Superior sebo em \elas e em
pes, ca xas de urna
arroba
Vendem Antonio Luix da Oliveira Aievado &
C. no seu escritorio ra da Cruz n. 1.
Jacaranda superior.
Tem para Tender Antonio. Laiz de Oliveira A-
zavedo & C. no aea escriptorio ra da Cruz n. 1.
Coraes lapidados.
bao gtosaot que admira.
A loja d'aguia bronca acaba de recebar urna
pequea quantidade de coraes groaaos lapidados,
os qoaei srveos psra as voltsa qae ltimamente
usam as senboras, e est vendendo cada fio por
20, 29500, 3 a 40 : na ra do Qaeimado, loja
d'sgaia branca n. 16 : assim como recaben mals
a* bonitas pulseiras da mlesaoRa*. ________^^
Kicas gollinhas epuaiio&
eom boioes
Veodm-ae. ricas gollinbas e paohos de cam-
braia e fn%tao ricamente bordadaa com. lindos bo-
tdes, pelo barajissimo pr#go de 20 cada guarni-
cio : oa ra do Qaeimado n. 32, na loja da
boa f. _____________________
AGENCIA
DA
Fundicao Low-ioor,
daSaaulla Notss n. 4.
Natal esubeiesaenlo continua a bjvoram
completo sorticuento de moendss meias moen-
das para engenho, machinas da vapor e taixas
da farro batido eoado da todos os tamsnhoi
para dito,
51000
Moendas e meias mo.ndas.
Taixas de ferro batido e
coa do.
Machinas de vapor.
Rodas d'agua.
Rodas, dentadas etc., etc.
Ru do Bruna n. 38, ifundicSo
de D. W. Bouman,
Fazendas pretas
superiores.
Grosdenaple preto muito super.or pelo dimi-
nuto preco de 20 o corado, panno preto muito fi-
no a 3, 4,5, 6, 7 e M o covado. caaemira preta
mallo fina a 2$, 2500, 3, 30500 49 o covado,
mantas pretaa de blondo muito superiores a 12,
manteletes de superiores grosdeoailes pretos ri-
camente bordados a 359, sobrecasneas de paono
preto muito fino s 300,casacas tairbem de peona
preto muito fino a 309, paletots de panno preto
fino a 18 e 209. ditos de casemira de cor mes-
dada a 189, superiores gravalichaa estreitas
19, ditas de setim macio ede gorgario muito sa-
periores para duas voltas a 29, ditas estreiliiiba
com lindos alfinetes a 39, superior gorgurao pre-
to para colletes a 49 o corte, ricos enfeites preto
a 69, e assim outras mnitas fszend.j que sendo 1
dinbeiro vista, vendem-se por piegos muito b*-
ntot : aa ra do Qutimadon. fi, 1.3 &e
cida loja da boa f.
Olliem para o pavaO
eiam.
Camisinbss com golliohas e manguitos
de cambraia bordados,. fszenda mo-
dernissima a
Ditas de fusilo com salpico de cor
Gollmhis bordadas com bolaoiinho
Ditaa de todos os gostoa a 640 s
Ditas com manguitos de cambraia bor-
dadas a
Manguitos de cambraia bordado* mailo
finos a
Golliohas bordsdas a
Romeiras de cambraia enfeitadas para
lato a
Camiainbas para aeohora a
Lencinbos de liobo com lebyrlntho para
maoa
Ditos a imitago de labyriolho a 11 e
Luvss de torcal enfeitadas com vidrilho
Enfeites pretos com vidrilho a
Ricos anfeites pretos e de cores, a Turca
e Garibaldi
Groideosple preto a I96OO, 19800 a
Todas estas fazeodas vendem-se na ra da Im-
peratriz n. 60, loja e armazem do pavo, da Ga-
ma & Silva.
Fazeudas baras-
simas
Superior bramante de liano com duas varaa de
largura a 29*00 a vara, atoalhado da linho ada-
maacado com duas larguras a 39500 a vara, bnm
braceo da liobo muito superior a 1J440 a vara,
dito d cores, taxanda mullo uparlor a 19, djto
pardo da linho paro a 800,19 l2O0 *" f1*
to do qaadrinhoa m"l.PtDtt PJ[* "S** i''
qnelas e pslelota para meninos a 200,rs. o cova-
dp, gangas francesas.muito superiores a 400 rs. o
covado. cambraia* francezas mutlo finaa a de
muito bonitoa padroes a 260 e 280 o covado,
cambraia lisa muilo fina a 4f, 5 e 6 a pega com
8 ll2 varas, cambraia cem salpicos tambera com
8 13 varas cada peSas a 49500. dita muU^.upe-
rlor o malhor qaa ha oeste genero a 11(500 pa-
ca com 17 varaa, oa a 800 rs. a vara, chiUa fren-
cezas de muito bpaa qualidadea e delindoa pa-
droes a 340,280. 300 e 320 o covsdo, fil de li-
nho liso mulo fino a 710 a vara, tarlatana bran-
ca e de corea* 760 a,vara, toalhas de linho para
maos a 79 a duzia, dita* pellud** muito superio-
res a-119a dmis, gpllinhas de cambraia borda-
das a 809 rs.. manguilos e gollas de cambraia ri-
camente bordad" a 8# o par de manguitos com
ama olla, lencos brencos muilo finos com bico,
renda e labyrimho a 1$280 cada um, ditoe de
cambraia de linho para algibeira pelo baralisstmp
praco de 4, 5 e 69 a duzia, e assim um completo
sortimeoto de fazendas de todaa aa qualidadea,
que sendo s dinbeiro viala se venderao por pro-
cos mui baixoa : na bem conhecida loja da boa
l. na ra do Queimado o. 23.__________________
Cal e potassa.
Vendem-se estes tma ar-
tigos ltimamente chegados,
no bem conhecido e acredita-
do deposito da ra da Gadeia
doRecife n. 12, mais barato
do', que em outra qualquer
parte. ^^^
Gallo Vigilante.
Na rus do Crespo o. 7, sonde o reepeiiarel pu
blico achara um grande a variado sorlimeolo de
miudezas qae se vende por precos mais bsratos,
10 por cento do que em outra qaalquer psrle,
sssim como leja, franjas pretas com vidrilho o da
cores, fitas de todaa sa qualidadea, franja e galio,
de liobo, cascarrilhas pretas e do cores, frocos de
todas aa coras, os riquissimos enfaites de caber;*,
galozinhos de linho s de aeda para enleitea,
cbapeozinho* para crianca*. chapelinhaa para as-
nbora, bonets de panno e velludo muito finos
para maniGi, filaa muito chiques para sintos,
maogoitos e golliohas muito finas, leajoi de
cambraia.de linho muito finos, e mnitos mais
objectos que te conlinuari annanciar, pois ven-
de-se lado por precoa baralisaimos por se acbar
am liquidtcSo. Na meima loja ae acbari um
rico sotaoento de amendoas s contaltos proprios
para fbalqaar mimo, qae se vandn pelo baralia-
aimo pr*co da 1$600 a cailinha. _________^^
Libras sterlinas.
Vende-se em casa da Wild & Just, na praca do
Corpo Santo n. 11, primpiro andar.
ffi Camisas eceroulas
800
19600
19000
340-
39000
39000
29500
1|380
500
800
6S0O0
29OOO
Averdadeira essencia de ail
para engommado.
Acaba de chegar para
raa do Queimado n. 16.
a loja d'aguia branca.
Na ra do Vigano n. 10, arma-
zem tem para vender por precos m-
dicos o seguinte:
Superior vinho do Porto em barris de 8*
Dito dito dito engarrafado.
Cofres de ferro prova defogo.
Algodao trancado da fabrica da Baha.
Bataneas decimaes,
Carneiras inglezas para selim.
Pregos caixaes e enxadas portuguezas.
Ftiflileiro e vidraceiro.
Grande e nova oficina.
Tres portas.
3iRa DireiU3i.
Nssta rico e bam montado estabalecimanto **
aontrarooaffeguesaao mais perfeito, hamaca
bado e barato no sea genero.
URNAS de todss ssqualidades.
SANTUARIOS que rivalissm com o Jacaranda.
BANHEIROSde todos os tamanhos.
SEH1CUP1AS dem idem.
BALDES idem idem.
BACAS idem dem.
BAHUS idem idem.
FOLHA em caixa* de todas as grossuras.
PRAIOS imitando em parfeicao a boa portel-
lana.
CHALE1RAS de todas as qualidadea.
PANELLAS idem dem.
COCOS, CANDIEIROS e flandres para qaal-
quer sortimento.
V1DROS em caias e a retalho de todos oa ta-
mandando-se manhos, botar dentro da cidads,
am toda a parte.
Recebem-se eocommendas de qualquer nstu-
raza, concertos, que todo ser desempenbado a
contento.
Atten 43 Ra do Amorm 43
Vende-se srroz pilado da maito boa qualidado
pelo barato prego de 1J600 a arroba, taccoa de
4 a 5 arrobas.
I -Venae-ae a pretlages annuaea o engenho
i Santa Croz, sito na freguezia da Luz, a margena
i do rio Tspacur, distante desta capital seis e meia
! a 7 legoas, tendo trras da maior produegao para
| 3,000 pes annuaes, boas malaa e todaa as obraa
precisas para lucrar-ae, bons lavradores, dous
cercadrs ; e tambem vende-se, no caso de convic
ao comprvdor, urna boa safra criada : a tratar no
\ mesmo engenho, ou na ra do Livramento o. 33,
segundo andar. '
Vendem-se superiores ceroulas de linho muito
finas pelo barato prego de36a>-a duzta, ditas ran-
dadas de algodao, mas de maito boa qualidade, a
179 a duzia, camiaas brancas francezas a 339,249,
26 e 309 a duzia, ditas para meninos s 235 a du-
zia, ditaa para bomam com abertnraa de cores s
239 a duzia : oa bem conhecida loja da boa f
oa ra do Queimado n. 32____________.
Sementes de hor-
(
talices
Na ra da Cruz n. 33, deposito de pi e bola-
cha, vendem-se sementes de horlslices vindasde
Lisboa.
Atten Vende-se urna armaco do taberna, na raa Di-
reita o. 25 : a tratar na masma.
Manguitos com golliuhas.
Vende-se manguitos com golliohas, fszeodi
muito bfta, pelo barato preco de 2g00, golliohas
e punhos ultimo goslo a 29000, gollinbas muito
finas e bem bordadas a 18000 cada orna na ra
do Queimado loja de miudexss da Boa fama,
n. 35.
6'aixinhas e cabazes para
as meninas trazerem
nobra^o.
Maito lindas cainhas e cabazes psra meninas,
de 100 ria al 29500: na loja da Victoria, na ra*
do Queimado o. 75. ________^^^^
Enfeites para senhora.
O* melhoras enfeites pretos e de core* que ap-
parece a 59500, 69 e 6J500 : na loja da Victoria,
na ra do Queimado o. 75.
Tiras e ntremelos Cordados.
Vende-se pecas de tiras bordsdas do 2,500.
3,000. 3,500 e 4.000 ntremelos a 19600 e 29000
cada peca na ra do Queimado loja de mindezaa
da Boa fama, n.*35.
Bonecas Iraucezas.
Veode-ae bonecaa francesas ricamente vestida*
49000 e 5J)000, e 21000 bonecas de cera com os
olhos n ovedQos a 2|000 e 39000, na ra do Quei-
mado loja de miudpiaa da Boa fama, n. 35.
Franjas pretas com vi-
drilho e sem elle.
Ricos sortimentos de franjas pretas a de cores
com vidrilho e sem elle : na loja da Victoria, na
raa do Queimado n. 75.___________v
Attenco.
Vendem-se muito bons violdes pelo diminuto
prego de 69, bordoes psra ditos a 120 rs ditos
para'rabeca a 80 rs., cordas de tripa a 40 rs. : na
ra da Imperalriz, oatr'ora aterro da Boa-Vista,
oja de miadazaa n. 58, junto a loja do raigo.
Calcado francez
Clietjado Se novo.
Grande sortimento de botinas para homem, e
as mals bellas psra senboras e meninas : na loja
do vapor, ra Nova n. 7.
% Mobilia.
Comarca de INazaret.
Vende-se ou arrenda-se o engenho Dependen-
cia, sito na comarca de Nazaretb, com mailo boas
trras de producc&o, muito fresco, multa mata
virgem para derrubar-se, offerecendo proporc,des
para safrejar 1,500 a 2,000 paes, tambem faz-se
negocio com a aafrt fundada : os prelendentes
podem dirigir-se ao mesmo engenho, a tratar'
com o seu proprietario. -
EseraYos fngidos.
n.
inhasde peso verda-
deras..
Liabas finas de peso verdsdeiras, meadas
grandes a 340 ria : na loja da Victoria, na ra
do Qaeimado n. 75.__________
Na ra da Gamboa do. Carmo loja
12, vende-te toda a qualidade de mobi
lia tanto ao gosto moderno como anti
ga, phantbasia etc. por preco mais
com modo do que em outra qualquer
parte, faz-se toda a qualidade de obra
de encommenda com a maior brevida-
de e o maior apuro da arte.
Phospboros de seguranza
Phosphoros de seguranza, por que livra de in-
cendio, a 160 ris a caixa : na loja da Victoria,
sa ra do Qiwimado n. 75._______^________
Arados americanos e machinas
para lavar roupa : em casa de S. P.
& C
ra
da Senzalla Nova
Baleias para vestidos.
Ballas muilo grandes o boas a 160 ris urna
na loja da Victoria, na ra do Queimado n. 75.
A Tender.
Urna victoria em bom estado e im lindo ca-
briole! novo ambos com arfelos : para ver e tra-
tar ra Nova n. 59, cocheira de P. Eduardo Bour-
geois.
Vende-ae urna casa terrea 00 Poco da Pa-
nella, em chao proprlo, commodos psra grande
familia, frente para o rio Capibaribe : quem pre-
tender, dirija-a a roa Nova u. 47.
Nova exposi-
cao de candieiros
agaz,
O proprietario da nova exposicis avisa a todos
os consumidores de gas hydrogenio qne tem re-
ceido novamente urna qualidade de gaz super-
fino, sssim como tambem de todss as qualidade*
commuos que se vendem neste mercado, garan-
tiodo o mesmo proprietario a qualidade que
vende o*sta do falsiftcaces. Tambem avisa que
tem recebido grandes remessss do candieiros que
vende em porco e a retalho pelo preco da fac-
tura, eu ja Tanta ge m pode ser1 vnlecida pelos
pretenderles, tendo sempre neite estsbeleci-
mento todos os utencilios pertenrentes ao con-
sumo de candieijos a gaz : na raa Nova n. 20 e
24, loja do Carneiro Vianoa.
Nmdtkm da Arara.
S na grande exposico de]
fazendas baratissimas
na loja e armazem da
Arara, ra da Impera-
triz n. 56, de Maga-
lhesMendes.
Vende-se o mais barato possivel a saber: la-
zinbas para vestidos de senboras, e roupa de me-
ninos a 320 rs. o covado, laa chineza de urna s
cor propria para capas da moda com 4 e meio
palmos de largara a 640 rs.* o covado, fuslSo de
cores para vestidos de senhoras a 280 e 320 rs. o
covsdo, cassas a Tnrca muito fina a240e280rs.
o covado : na ra da Imperalriz loja da Arara
o. 56.
Fivelas de ac para sintos.
Vende-se Arelas de ac para ainto a 1X500 rs. 8'
29OOO na ra do Queimado loja de miudezas
da bo. fama, n. 35.--------------------------Liftha de croxel para la-
Baleias. | j bvritttho
_ Vre*>.. fwwaj a iso aa. caoa udta aspa de ac; J *av.
para balo a 160 rs. a vara, bandees a 1)500rs. o As nnelhores lionas de croxel para labyrintho,
800 o par, oa ra do Queimado loja de miudezas novello*. monslroa a 320 ria uta : na Iota da Vic-
da Boa fama. o. 35.
torta, na vrua de Qa*imadn o. 75.
tjascarilhas de seda.
Vende-sa cascarrilhas de seda para enfeita
vestidos a 28000 apega na rus do Queimado
loja de miudezas, n. 35.
Meias de borracha.
Vende-se meias de borracha psra quem padece
de erysipela a 159000 o psr, meias de seda preta
para senhora a 1|000 o par oa ra do Queimado
loja d miudezas d'BoaTamaJ o. 33.
r Ricos espelhos de
moldura dourada para
salas
Chegou para a loja da Victoria urna pequea
poroso de ricos espelhos de varios tamanhos pars
ornamentos de salsj, afflaoc,ando-S6 serem os
melhores em vidros que tem vindo : na loja da
Victoria, na ra do.Queimado n. 75.
La para bordar.
Arara vende as cambraias.
Vendem-ae pecas da cambraias lisas s 18600 e
28000, ditas finas a 2$500, 38000, e 3g500, golli-
ohas para senhoras a 500 rs. Rolla e manguitos
de linho a 20500, loncos brsnco a imilacao deTj
labyriolho a 18600 : na ra da Imperalriz loja e ar
mazem da Arnra n. 56.
Sapatos de borracha para
senhoras.
Vende-se sapatos de borracha para senhoras e
meninos a 18500 rs. o par, aapatinnos de laa para j Laa muito boa de todas as cores para bordar, a
cranlas a 18O0Ors. o par,ditos merinoalJOOrs. 7$ a libra : na loja da Victoria, na roa do Quei-
toucsa de laa para creaocM a 2|U00,18000,800 rs. mado n. 75 ;^'m______________________
sapatiohos de seda ricamente bordados proprios -----------'-----------. -------
para baptisadoa a 3*000 o,psr na raa dr.Quei- $lfttOS dOUradOS Oara SC"
mado loja de mindezas da Boa fama. n. 35 I
O proprietario da nova expolien o avisa so pu-
blico que seus estabelecimaotos se acham todos
oa diss abortos al as 9 horsa da noile illumloa-
dos com o mesmo gaz hydrogenio contando no*
meamos estabeieclmentos urna ri:iuissima galera
de quadros que muito intreter a cuiiosidadedaa
familias que quizerem visitsr estes estabeleci-
mentos, assim como um numeroso sortimento
de objectarias que por goato se podem comprar,
garantiodo aos concurrentes a fr mqueza do in-
gresso em seus estabelecimentos : na ra Nova
n. 20 o 24, loja da Carneiro Viacns.
As saias da Arara.
Vendem-se saias brsncas bordadas a 28500,
ditas de 4 pannos a 3$ e 3(500,'cambraias decs-
rociohos com 8 e meia varas a 49 a pega, cortes
de chitas finas com 13 covados a 28500 : na tua
da Imperalriz loja e armazem da Arara n. 56.
Palmatorias devidro lapi
dado..
Vende-se palmatorias de vidro a 10600 rs., ditas
com mangas proprias para rapazea a 49500 rs.,
cada urna, escarradeiras de vidro a 40500 rs.
e 50000 o psr, na ra do Queimado loja de
miudeza da Bda fama, n. 35.
nhoras.
Lindos sintos dourados psra senhoras a 20200,
ditos de pona cahida a 40, ditos de fita a 19600:
na loja da Victoria, na ra do Qoetmado n. 75.
Arara est vendeniio.
Vendem-se pecas de madapoln elephante
maito fioo com 40 jardas a 140, dito de 24 jardas
a 40400, 40600, 50000, 50500 e 6(000, dito in-
festado a 3g, cortes de cambraia com barras a
2(500: na ra da Imperalriz loja da Arara
n.56.
Arara j vende as roupas.
Vendem-se palitots de psnno preto a 60500 e
80000, ditos de casemira de corea a 100000, cal-
cas de casemira prets a 40500. ditaa de cores a
555OO, palitots de alpaca a 3(500 e 40000, ca-
rnizas francezas a I96OO e 20000, seroulas de li-
nho a 10600 e _(, collsriohos de linho a 500 rs.:
na ra da Imperalriz loja da Arara o. 56
Arara vende as capas.
Vendem-se capas perfeitamente modernas a
60000 e 100000, manteletes de grosdensple pretss
muilo modernos a 25(000 e 30(000, chales de
laa a 1(000, ditos de laa e seda a 20000, ditos de
merino a 20500 e 40500 ditos de crep de poota
redonda a 7(500 e 88 : na ra dalmperatriz loja
da Arara n. 56
Perfumaras muito Unas e
baratas.
Opiata iogleza a 10500 rs, dita francesa a 500
rs., 640, 10000. oleo da sociedsde hyglenique
verdadeiro a 10COO o frasco, oleo babosa de Piver
verdadeiro a 800 rs. o frasco, agua balsmica
para os deotes a 10000, dita do Botot tambem
para os denles a t(000 o frasco, pomada france-
za em paos a 500 rs. e 10000, 320 rs. sabonetes
muito fino a 640 rs., 800 rs. e 10000 cada um na
ra do Queimado loja da miudezas da Boa fama,
n. 35.
A 200 rs s o pavo.
Vende-se chita franceza escora de cor flxa a
dous tustois o covado : na ra da Imperalriz n.
60. loja e srmaxem do pavo.
A 2#500, s o pavo.
Vendem-se cortes de cambraia brsnca com 2 e
3 babados a 20500, ditos de tsrlatana broncos o
de cores, com barras e babados a 30: na rus
da Imperalriz n. 60, loja o armazem do pavo de
Gama & Silva.
Attenco
Chegou para aloja da victorii, candieiros a
gaz do novos gostos e modelos, .auto para sala,
como para oseada e quarioa o psp outras* muitas
cousss: na loja da victoria na M a do Queimado
Cinco tustoes.
S na loja do pivo
vendem-se sedaa de quadros, dijaa de iistrss so
comprido, o dtss de Iistrss atra roseadas, ditas
de qaadriohos, eniados mtlhorts padroes e de-
licadsimos gostos, eom largura (e chita inglesa
a 500 rs.-o covado, peebinchi>, e dao-se aa
i?*?!" *>>*': na roa d r Imperalriz n.
60, toja o s-matora d pavio de GiaaciSilvi.
Arara vai liquidar sua casa,
porque quer ir passeiar.
Vendem o maia barato possivel para acabar,
chitas com 'pequeo toque de mofo a 160 rs. e
limpas a 200 rs. o covado ditas largas a 240. 260
e 280 rs. o covado, sao preta psra luto a 500 e
640 rs. o covado, casia preta a 280 rs. ocov.ido
corles de cssemlra prets para caiga a 30 e 3(500,
e outraa muilaa fazendas qae se dao as amos-
tras : na ra da Imperalriz loja da Arara nume-
ro 56.
Palitos da Arara.
Vendem-se massos do palitos finos para den-
tes com 20 maasinhos a 200 rs. para aesbar: na
ra da Imperstrtz loja e armazem da Arara n. 56
de Magal^ea 4 Mandes.
Borzfguios ioglezes.
Lhhas do gaz,
Gaixiohas com 50 novellos de linhas muito fi-
nas do gaz a 900 ris a csiza, ditas com 30 no-
vellos a 700 ris, ditas com 10 novellos grandes
a 700 ris, brsncas e pretas:. na loja da Victoria,
na ra do Queimado n. 75. ^^^^
Candieiros de gaz
Chegou para a loja da Victoria os melhores
candieiros de gaz que tem vindo ao mercado, por
pregos commodos : na loja da Victoria, na ra
do Queimado n. 75.
Kicas fitas para chapeos,
cinteiros, etc, etc.
A loja 'agula branca acaba de receber um ex-
traordinario aortimenlo de ricaa fitas, to boas
em qualidade quo bonitaa nos desenhos, tendo
entro ellas o mais largo que possivel; assim
como algnmas pegas brancas com o centro liso
proprio para inscrlpgdes, o mullas outrss de dif-
ferentes cores como de caf, roza, escura, etc.,
etc., e como de sen louvavel costume : a loja
d'aguia branca, na raa do Queimado n. 16, ven-
da por prego commodo essas boas e bonitaa filaa.
Johnston
a. 42.
wmmmmm mmmmmn
Grande
liquidado por todo
o preQO, na bem co-
nhecida lja do Ser-
tanejo.
[Ra do Queimado n. 45.
Apparecam com di-
iiheiro que nao deixaro
de comprar.
Chitas escuras finas a 160, 180 O 200
j rs., cortes d* vestido pratos bordados a
velludo de custo de 1500 e-se vendem
por 300,400, 500 e 7O0.sahidas de baile
do "velludo e setim a 120 e 130, camin
para senhora a 2)000 e 30500, golliahaa i
de cambraia bordadaa a 500, 600, 700, .
800, 900 a 10. ditaa de fil bordadaa a 120
rs., casaveques de fuato a 50, 60.75,80,
meias de seda brancaa e pretaa para se-
nhora a 10200 o par, tiras de babados a
500 o TCOr?., lias de quadro enfestadaa a
300 e 360 rs. o covado, cambraia preta a
400 e 440 ra. a vara, orgaodys de cores a
600-rs. a vara, fil braoco adamaacado
para cortinados e vestidos s 400 e 500
rs. a vara, cortes do collete do casemira
bordados pretos a 20 e 30000. ditoa de
velludo de cor o pretos a 30, 40, 50 e 60,
paletots de brim braoco. francezes a
30500 o 40500. ditos de casemira de co-
res a pretos a 140 e 160, ditoa de alpaca
j,preta e do corea a 30,3$500, 40 a40500,
camisas de peito de linho a 20500, cortea
de colleta de Rorguro a 10500, 10700,
20200, 38 e 3$500, colletes le los de brim
brsnco a 30500, ditos feitos do gorgurao
a 20500 e 30500, ditoa feitos de casemira
a 3|500, 4$ e 48500, ditoa de velludo a
50, 60 o 70, ditoa de fnslao de corea a
12(500, um viado sortimento de meias
para homem o senhora, grinaldas com
flores, challs de troco, esparlilbos, e 10-
Ida a qualidade de roopaa feitas para ho-
mem que tudo se vendo por melado do
seu valor.
Escrava fgida.
Auaentou-se a 2 do correte a eicrava alaria,
de nago Angola, de 50 aonoa de idade, cor fula,
tem baatantea cabellos brancos, levou vestido de
chita e paono da Costa, e um taboleiro com lou-
ga de jantar: quem a pretender, conduza ra
Nova n. 16.______________________________________
Desappareceu de casa deseo senhor a mu-
lata Anna de 38 a 40 anoos, alta, cabellos carepi-
nbos, lsbios grossos e um tanto ambilados, na-
riz chato, tendo a pona inclioada sobre o labio
superior, testa pequea, levando comsigo um fi-
Iho de idsde de 9 mezes de nome Ventura, tim-
ba m mulatinho: ha toda certeza de ter sido se-
duzida e andar em companhia de um cabra com
quem a mesma linha tratos de nome Caetano, de
idsde 50 annos pouco mals ou menos, silo, ma-
gro, cabellos carapinbos, mal encarado e maito .
cortes. Recommenda-se perianto aoscapiles de
campo e aos Srs. empregados de polica desta
provincia a captura da mesma escrava, coodurin-
do-s ra da Gloria n. 1, que serio bem gratifi-
cados.
150^000.
A quem trouxer o preto escravo de nome Fe-
lii, que se acha fgido desde o dia 4 do abril de
1860, cuja escravo tem os signses seguinles : es-
tatura baia, corpo regular, cor fula, pouca barba,
pea um pouco apalhelados, representa ter 35 a
40 aonoa, nsgao Mogambique, tem dous denles
abertos na frente do lado de cima, e por cima do
nariz entre as sobrsncelhas dos olbos um calom-
binbo pequeo, que parece ser sigoal da Ierra
delle: obleve-se noticia certa que o dito preto
anda por trras dos eogenhos Muribeca, 8. Joao
o Eogenho Novo, como trabalbador e intitulan-
do-se de tasro com o nome de Joo Pescador,
pois ji learpor costume quando foge mudar o
nome para Joo, elle lem uns poucos de offlcios,
que sao os seguinles : foi pescador, caooeiro,
calador, e ltimamente era padeiro, a que per-
tence, porisso rogi-se aoscapiles de campo, ou
qualquer pessoa que o encontrar, preode-lo e
traze-lo no paleo da Sania Cruz padsria n. 6, qua
receber a quantia c>ma. *
Pedido
polica ou quilqucr pessoa do povo, a appre-
henso de um preto de nome Hilario, crioulo, de
idade 28 annos, mais ou menos, fgido em 23 do
presente, estatura e corpo regulares, bastante
pelo, pouca barba, quando falla, alem de ser
spreesado gagoeja um pouco, no andar muito
direilo o miudinho e affectado, os ps apalhela-
dos, usava de caiga e camisa de algodao de lia-
Ira, mas quando fugio furtou urna caiga de panno
preto, duas de brim braoco, algnmas camisas o
ceroulas, as quaes tem o ultimo nome do sbaiio
aasignado no cs, urna manta de pescogo de asda
azul com peqatnoa brdalos de branco, o am
alflnete de ouro com um retrato de cornalina '
encarnada, um reloglo de prata dourada com um
trancelim de ouro, a oulros objectos que sioda
senao podem descobrir; filho de Santo Anto.
o foi escravo nesse lugar de Conrado Nunes de
Souto ; quem o pegar leve-o a ra Direita u. 17
ou 28 i Jos Joaquim Lima Bairo, qae genero-
samente recompensar.
Pugio no Guar em fina de agosto prximo
passado ao Exm. Sr. Dr. Clemente Franciaco da
Silva, um escravo de nome Alexandre, cabra
fulo, idade 16 s 20 anoos, cabello crespo, beigu-
do, com fMla de denles na frente, falla faoboso
quando quer, barriga das pernos grossas, com
slgumas marcas de chicote as costas, supp5e-se
ter sido seduzidoe embarcado para esta provin-
cia : quem do mesmo souber e der noticia certa
no entregar a Joo Marlios de Andrade na ra
da Cadeia do Recife escriptorio dos Srs. Baltar 4
Oliveira, ser recompensado se o exigir. Protes-
ta-se com todo o rigor da lei contra quem o ti-
ver acoutado.
A 5U rs., s o pavo.
Vendem-se as mais modernas a finissimas la-
zinhaa de quadrinhos e de florea solas e palmi-
nbas, desembarcadas do ultimo navio vindo do
?l--li,-,,0 S.5.0 d' ,^^inbeI10 I,,ic
ma & Silva.
Grava tas de setim com
P o uta larga a 1$
Vendem-se grvala* pretas de bom setim e
pon tas largas a 10 cada urna, to baratas
cha n
1 guia branca o. 16.
Cabaias hespanholas, na
loja do pavo, a 400 rs.
Vende-se esta nova fazenda de padroes delica-
dissimos com 4 1|2 palmos da largura, propria
para vestidos de senhora a 400 rs. o covado: na
rus da Imperalriz o. 60, loja o armazem do pa-
vio de* Gama & Silva.
As afamadas agulhas impe-
riaes com fundos dourados,
e dedaes de marfm.
Acabara de chegar para a loja d'aguia branca,
J ra do Queimado n. 16.
No raa da Imperalriz n. 10 defronte da boneca
loja do Pinto, receben-so palo ultimo vapor um
grande sortimento dosj bem acreditados bor-
zegains ioglezes qae venda-so por 10$ e 110, di-
nheiro logo contado.
Fijo superior.
Na ra do Viga rio n. 10, armazem,
tem para se vender maito uperior
feijo.
Manteiga para os bolos de
S. Joo.
Vende-se no largo do Carmo, esquina da ra
de Hortas n. 2, manteiga ingleza a 800 rs., 900,
10110 e lg440, frsncezs a 720. e 800 rs. muito fi-
na, cbl a 20560, 20880 e 38100, amendoas a 360,
chourlgas a 480, toueiohe a 820, sag a 820, figos
a 320, gomas a 120, libras de quaijo do aerto a
720, esendointeiro a 640, queijoa do reino a2f
nm, csiro com 3 libras de dooe de Roiaba a 640,
vinhos de todaa aa qualidadea a 480, 560 o 640,
e muito fioo a 800 rs., engarrafado da 18000 at
10500 moito fino, oleo do ricino a 800 rs. a gar-
rafa, o em libra a 640, a le tria a 460 rs., macar-
ro o taiharim a 320, graxa em latea a 10200 a
duzia, o urna lata a 120, banba de porco a 400 rs.
a libra, e oolros mullos gneros por commodo
prego.
Pauno de algodao da Babia.
Venda-so no escriptorio do Antonio Lniz de
Olireifa Azeredb & C, ni rtfa da Cruz n.l.
Rival
sem igual.
Miudezas e rap.
. Ra larga do Rosario numero 36.
Lia de cores sortidas, libra a 60400.
Sintos doursdos a 10600.
Ditos ditos com poetas a 3f500.
Agulhas francezas cortas o compridas a 60 rs.
Ditas caDtofas s 120.
Pontea da mws para atar cabello a 500 rs.
Ditos de dita idem (dourados) a 10200.
Carreteis de ratroz de corea a 320.
scovas para cabello muito boas a 800 o 10.
Cartas de alfinetes s 80,100, 120 e 140 rs.
Escoras para unhas muito boas a 320 e 500 rs.-
Prsnjss pretas com vidrilho a 320 o 400 rs.
Trancas pretas com dito a 240.
Bicos pretos muito bons a 180, 240, 320 a 400
ris.
Carreteis de linha a 30, 60 e 80 rs.
Eofeites de retroz com franja a 50300.
Meias para senhor (duzia) s 2$500..
Ditas croas para homem a 20400 e3f.
Tesouras ordinarias s 30 rs.
Franjea de la estreitas [pega) a 900 rs.
Sabonetes de bola afinos a 640.
Fraseos de diversos cheiros a 320.
Linha do Pedro V a 30 ra.
Botoes psra easaveqno a 20, 36 0 40 ra,
Rap Paulo Cordeiro (verdadeiro) a 10600.
Dito gasse grosso e meio grosso a 10000.
Dito dito fino a lf280,
E outras mnitas mais miadezas que com a pre- lar
tenca doi boni fregueiei io vinderao birstii f
Fugio no da 12 de abril Oeste crtenla sa-
no do poder do abaizo assignado, o pardo de no-
mo Franciaco de 17 annos oe idade, que tem bo-
nita figura, todos os denles, cabellos carapioho*
e ruivos, tendo sido este pardo escravo do Sr.
Dr. Antonio Borges da Fonseca, de presumir
que ande poralgum dos lugarea por onde o mes-
mo senhor tem viajado, como sejam Igosrass,
Goianna, loga S. Joo, Campia, Serra do Tei-
xeira. Pao o'Alho, Limoeiro, as tres villas da co-
marca de Paje de Flores, sendo que segundo so
suppe esleja tambem no engenho Iohama pos
haver sido viato'ha poucos das em Iguarass. por
ter amizade com uns mulatinhos desse engenho.
ainda de presumir que o dito escravo por asi
se inculque como a servicodo dito Sr. Dr. Bor-
ges da Fonseca, afim de nao ser apprebeadMoc
quem pois o aprehender ondeqaer que for encon-
trado esse escravo e o vir entregar ao sen legi-
timo dono na ra do Hospicio n. 6, quesera mu
generosamente por elle gratificado.-.
Ignacio Luiz deBrito T*borda.
Escravo fgido,


Contina a estar fgido desde os ultimes diae
de abril prximo passado o moleqae lierculano,
fue foi escravo do fioado Manoel Antonio dos
asaos Oliveira, tendo os signses segointoa t cor
fula, estelara regular, a falla um pouco desean-
cada e afinada, tem urna cicatriz n'um dedo da
urna daa mies, proveniente de ujb uoheiro, o re-
presenta lera idade de 26 annos: roga-seaaau
loridades policiaes a apprehenso do mesmo, J
eua entrega a Manoel Antonio Goncalves, na rao
do Oabng, loja o. 3.
Fagio de caa do abano aasignado o sea
escravo Eufrasio, de nagao, representa tr 35 sa-
nos de idsde, o com um pequeo lobinbo actoa*
prado ao lente -coronel loM
valho Paes de Andrade : a a samo
veiO a ra do Trapicho n. 1'
Manoel Atwrflierre.
(do olho, foi
Francisco
[appcehen
__-__.
ii-.i .rf i


---


.
., .....
p_
w^w t*j9m*m- -
Estados praticos sobre osianithos de
ferro franceses.
( CoOtioeagio.)
A galera da ataque fui feita em toda a altura
da calote, que oease tnel, para aoia a via, liaba
tres meiroa. eodo 2",25 para o Uta do totra-
dorso eOu,75 para a eapeiaurada ibobada do re-
revestimenio.
O gres em que era perforado o Moel tioha bas-
tile consistencia par di,pensar revestimento
durante a perfuragaoda galera; em poucos pon-
tos foi oecessarlo amparar o tecto com algumas
eacoraa. "
Perforada a g.leria de ataque, lerrubaram-ae
os masslgos lateraes para formar a calote ; a col-
S '""P^' e consl'ucQa > da abobada
accedern a essi operagao. como le cosame.
*!1,'B.bolasdo 'nples ahiem .regadoscom-
l\l. ?Z,3 mJu,t0 eoe. teodo os topos nor-
mfn 1 ""d0rS d" abbda "!>< POr
ti?k S" P"""1" oofe aa jurtaa com duas
;" 'Mt f*'ei imples sem peca ilguma traoa-
ersai sao de emprego mu vantajo:io ooa tucis
oe urna so fia, dos quaes conveniente nao em-
Daragar o pouco espigo que ha par; o transporte
osa lerrras e dos materiaes para conitrucgio da
abobada. *
.',la. a,,bob*'*4. Procedea-ae >!scavac do
?. TeL AaJn de diPr se,QP" < "
wade eervigo em (oda a exteosao d) luael, col-
'.eeerain se aa duas filas de rails de um lado do
we ecrafou-8e "oouiro at prcfuniidede de
>i ;e passou-se eoto vi* para esse lado e
a*a"":e outro de am,60 e aislo: cootioaou-
- ierro ''" 80dl p,alaoraiB d camioho de
A perfBracio do tnel de Moofpie sir faz-se ha
A*la a* case de se usarem de machinas com et>
o tatemaretesasmachio., porm, rio
Srt k!S "a h,o4oo< Pela difflcetdad que ha
de fabricar os eitos motoras com cotoTtlloa le-
T-
QUlKaJ)
------atnasai
i I* JUNIO- D 1101.
pe-
ste* coudit), oio aa (eodo podido at boje coa>
"" ? He atorem, por mita cuidados qla
VL %%w10aLfBa fDrCC". m serrlgo le mais
ae .ooo kilmetros. E* por eaae motivo qua
aa lem adoptado os cyliodroa exteriores nos mo-
aoioa da locomotivas ltimamente eatadados,
quer para trena express no tyilema Cramptoo,
iu para lfeM de mercadorias nosystemaEa-
getlh e em suaa raodicagoe, qur, emfiro/nss
machinas mixtas para trena de viajantes t
quena relocidade, ditos (reos mnibus.
Aisim. pola, deaappirece a vantagom da ra
>rga para dar mais espago a pegas do mecha-
mamo, qua as-machinas moderoaa cam colo-
cadas extariormente. Ha, com todo, quem alu-
da preflra a ?ia larga, e na Russla e na Heepanha
adoplou-se a largura de TJO, para toda a rede.
O qae ha de multo importante nesta queslio
que em cada paiz se fixe fnort'ae largura para a ria permanente, am de nao so-
brevirem no futuro, na oecasiio da funcgio das
direraas-lionas, aa difficuldades e embsragos que
se deram na Inglaterra por causa da differenca
de largura de algumas *ias frreas.
A largura da entrevia nos caminhos de ferro
e duas ras preacripta actualmente em Franca
de dous metros cootados entre as bordea exte-
riores dos rails. Em siguas caminhos construidos
aolenormenle a entrevia apenas de lm,80 : no
caminho de Lyon ella de2m,20. A nreuia
larga rantajosa : permute augmentar a largu-
ra dos carros e torna-loi portento mais com-
modos.
uh DM-4 Da OCCS'ao m que o visitamos;
liona a galena de ataque abeila em toca exteo-
ao graode parte do reveslimento il feita : con^
-na-e termina-loero menos deum anito.
Estabekcimento da via
foii parle dos caminhos de ferr) fraoc
'eiia a dupla fia ; os ramaesr e os :aminh(
ierro, serviodo ponto, cojo moTimeuto com
uaie actcalrooDlepouco importante e int
*aoeftcmsnfo da via
r.ii .' parle doa caminhos de ferr) franceses
a a dupla fia ; os ramae e os aminhos de
imer"-
i a incapsa*
oe lomar no futuro om iotreniSnto rotarel, aSo
oa uojcoa eslanelecidos a urna *6 i.
in,i,Iegra ?e"ln>eoU> admitlida am franca cons-
li^CaAD?,0hodfl/erroc0m Maa.aempre
l'tr' C0D,,r com um "*a>"oto annoal
Je jo 000 francos por kilmetro.
Algumas rezes o galerno conced que a com-
Pinnas assentem una s fia, faiecdo, porm,
as acquisigoes deteireaoe aa obras J'arte para
duas ras ; a segunda ia collocada logo que a
administrato superior jlga urna a va insuffl-
cieoto para a seguranca 6o trafego. Esae caso
ocu-se com os caminho de ferro
Para um material dado, a entrevia calculada
de modo que o estribos dos vagos nao se lo-
queen no cruxamento dos treos.
A distancia aomprehendida entre a borda exte-
rior do ro te a aresta do tsalro tacco/anwnt) nao
dere aer oferior um metro para que o lastro
na- se desloque com aa vibraQoea, que commu-
nicam aos raifs e s traressas os Ireas em mo-
rimenlo.
Lastra.
O melber lastro o de aaibro puro, eom graos
assaz* pesados para nao aerem elerado* pelo
vento e pela correte d'ar, que se prodeu da-
raote a pasaagemdoa treoa.
A ara una 6 impropria para lastro ; intreduz-
ae nos eixos dos vragons, miatura-se com a graxa
e accelera coosiaVrareimente o gastameoto des
eixos.
E' alm diaso souco permeavel e nao satisfaz
portanto-a primein coodt?o de um bom lastro
nao rster absolutesente hamidade arguma.
Raras- rezes se escootra um saibrvcom as
propriedades neceasari>as para fouoar tsm bom
lastro, de maoeira que- se -obrigado a recorrer
quaii sempre o outras DMterJaa. O maia ajeral-
nienle empregado em Fraaga i a pedra quebra-
da. Recomcxenda-se que- ella posaa resistir s ,
. e,.0__-,?l?DQe.ncias mosphericaa, rque Jeja asaaz can-1 traveseas
uzida c p
arfta de 0,M da eapassara atfeca alia ama a-
mada de laatro da maaaaa altara ; tem ido por
Bm amortecer as vibragdes prodazidaa palos
treos em movtmento e impedir que eilai aa nro-
pagoeas 4 alvenaria do f iaduclo. P
Na sollocagao do laairo convan principiar por
deitar urna carnada de 0m,25 a 0,30 de altura
calcando-o besa com magos de aadeira ssen-
tam-ae dapois aa traveaaaa e 6a roli, a comple-
ta -ae a espeaiura do lastro.
O lastro deve envolver completamente as-tra-
ressas s deixando descoberto a parta doa rat/i-l
em que ae deve apoiar o trilho daS rodas das lo-
comotivas e dos vagos.
Travessas.
As traressaa [trawrur, sleipers), actualmente
empragadas noa(caminhos da ferro fr.oeez ao
de carvalho. de aia [htre) oa de bordo (charme).
Qaando ae faz so do cirrIho, g trareisai
nao sao iDJactadaa : raras vezea ae as faz psssar
por um banbo de sulfato do cobra ; aa travessas
de fala ou de bordo, porm, alo aempre loiecli-
dascom sulfato de cobre pelo processo Bouche-
re ou pelo de Flaary Pyroonet, empregado no
sea estabelecimeuto de preparacio de mideira
em Maa.
As travessas de aia e de bordo lajectada alo
quaai seoipre foroecidas s compaohias dos ca-
iniohos de ferro por estabelecimentos especiaes,
que ae oceupam da ojeego de madeiraf As
coodigdss do fornacimento sao estabalaeids em
um esderoo de obrigages redigidas pelo direc-
tor da companhia, no qual vem especificadas as
frmss e as dimeosOes das travessas e determi-
nado o modo por que deve ser feita a sv ore-
paragio, *
A immarso das travessas da carvalho aa faz
ordinariamente em um ponto da linha.
No camioho de ferro de Savenay a Lorlent s-
M operagoera executada na eatagao de Vaones.
Al[travessas eram colloeadas em dous grandes
cubo de madeira,chelas de um banho de aulfa-
to de cobre na proporgo de dons kllogrammaa
desse sal para 100 litros de agua, na tempera-
tura da 60 ceoligrtdoa
eje* otftqoaes derem aempre poder entrar as
duas plitcaa queterminam o molde. ""'"
_. Rails.
** i** n0..'^0' aPP.llca(1" i farreas, doa. apa?
" ?id6r*m re,w,,,r ao "' com aa pesadas
MS6'1 'k<"P*anon-do%bl headsd
rauj o ratt Vigaollee.
.h?5!-.d.0" "^IS?4* raiU Pfwentamiote
abandonados o ranf Brunel e o rail Barlow -
gozaram_ por algum tempo de grande voga A
applicacio am maier escala do rott Brunel em
nanea fot feita pela companhla do Melo-dia. no
caminho de ferro de Bordeaux a Bayonne.
O rail Brunel asaenta sobre frechaes de ma-
deira ligados de distancia em diataocias por tra-
I^i,nq"Jmanlem ln"0 dos rai ; foi
com o m de aproraitar o pinbo, muito abno-
daote no departamento daa Landos, que aquel-
atravesaa, que ae adoptou o rail
S=
O banho ara aquectito por ama correte de va-
por prodatida em urna caldeira e ama bromo-
re|, collocada perto dar cub*. A immeraio du-
rara duas horas.
pUihaiooiHn. .__--------i -lunncn auiwawaiHncas, erque aea
Si -UmS. "V que ee!B agora 9ente para nao s*r t*m,f*2, e red
E S..2S q"V 0!Sa- a ea,e""- P' P'ao da. machinas ; oere se.
n S.w ? ?,^."i9g? Da e"e,la C6r<08.1-,"W??' de m0110 a PolerpasaaV em loSssToa a.
o serfhgo urna s via, com u-ra pessn&l inteli-
gente, com sigoaes fixos bem dfaposto! e um sys-
\ema tdegraphico bem estabelecido, doo tea
inconveniente algum ; quando, perm, o trafego
adquire orna certa aetividade, as probabilidades
de collisso entre os treos augmentara considera-
relmente. Para possibilitar o seu crozamento
-se obrigado a estabelecer um gran le numero
de riaa de desvio [garei d'evilement) ; cada dea-
vio necessita pelo menos de um guarda para
manobrar as agulhas ; d'abi resulte augmento
no pessoal, alm das despezas de est>slecimen-
to das modangaa de va.
Os railt, cumpre anda observar, estragam-
se muito ; as reparagoes da fia, diffiois de exe-
cutar pela constante, passagem dos trens, sao
mullo frequeDtes. Esses incoovenie.tes obri-
gam a duplicar a via, e se nao houve a preven-
gao de executar as obraa d'arte para duas rias,
como prescreveoCaderno das Obrigagoes [Cahier
det Charges), que acompanha o decreto de con-
ceasao aoa camii boa de ferro ranceic- tem-se a
lutar com grandes difflculdadea para f recularos
(rabalhos aem embaraar a circulagao,
A largura da via em toda a rede traocezi de
\mM a lm, 45 contada entre as bordas interiores
dos fals.
Poi mui debatida a questao da largara que ae
devia dar via permanente, sobretnao na In-
glaterra, por. orcasiao da construego por Brun
nel, .Bino do camioho de ferro em Londres
Brlstol com a extraordioaria largura d 2"-,l3 in-
teriormente. Nomeou o goferoo ingle; ama com-
missao para estadar essa quetso, u dar sobre
ella o seu parecer, que foi inteiramente fa*ora-
vel via estseita com lm,44 entre )s rails. O
principal argumento dos que propugnivam pelo
augmento da l espago para a collocago das pegas do machinis-
uu das locomotivas. E-se argumento (i bem fua-
sentidos em
um annel de O^OO'de dimetros
Commummente aproveita-se a preparaco do
lastro a pedra qae se exlrahe dae-triochairas de
caminho de ferro durante aua- coutruc{o. O*
toroecimento do laatro necesaaria-pam a via -
ca, ueste caso, a cargo dos empresarios, em ca-
jos lotes existem Iri&cheiras de boa pedra. En-
carregam-se elles de faze-la quebrar e de reu-
ni-la em montes, devendo os obreiros-, qae elles
empregarem nesse servrgo, estar aempre munidos
de anoeis com o diamaato pteacripto. Reanida a
pedra quebrada em mo*tes, aos qi>ae-ae-di or-
dinariamente a forma 6e orna pilha de balsa de
artilharia, tomam os cosMuctores os seua perfise
por meio delles calcula seua rolumesv E' pelo
resultado desse calculo qae se faz o pagamento
do astro ao emprezario,. depoia de ter ato exa-
minado e recebido pe! ogenheiro- do dia-
tricto.
Preparada e rectificad* a plataforma,.de ma-
neira a ficar com urna peqaena inclinagao a par-
tir do aeu eixo para oa doua foasos da via, proca-
de-se collocago do lastro. Para facilitar o seu
transporte, quando elle ae actia distancias con-
sideraveis, assentam se immediatamenU sobre
a plataforma as traveseas os railt da va.defi-
nitiva a transporta-se ento o laatro en Iritis
eapeciaes puxados por d*aia locomotiva de. ser-
vico. A via definitiva depois elevada & altura
prescripla pruporgo que se vae collocaodo o
lastro.
A espessura da carnada de laatro de O1",45
sobre trra ordinaria e roche Jo ; as argilas h-
midas eleva-se eisa espessura a U'",6j para me-
lhor resguardar as travesas da humidade.
Nos tuoeis o lastro tem o",5u de espeasura ;
oas obras de alvenaria eleva-se essa espessura a
0m,73.
os riaductos de gran le altura colloca-se
primeiramonte sobre a alvenari* urna carnada de
0 PAIZ DO IIDO n
A efficacia deasa operacSro ainda ain foi con-
firmada pela experiencia ; adoptada como me-
dida preventiva para impedir a putrefaego OVal-
guma pereaode albaroam qae por acasa acom-
pauhe a traressa.
As traveseas devem ter a forma prismtica
rectangular ffser nicamente eempostar de carne
sem casca cem afbarnum. ltenla a dita:ulda-
de, que ha de obter actualmente boas- travesas
de cu val h o, conten tem hoje geralmente as com-
panbiaa que parte do fornscimento'seja feita eom
travessas tendo-alguna lados curvos.
A forma prismtica triangular est eomplefa'-
s abandonada : a vi collocada sobre taee
no poasue a estabilidade Beceasaria.
As travessas tem commummente 2?\ 60 a %m
ser quebrada 80 de emprimenlb,.convierto que ellas excedam
aoa rails pelo meaos- de 0" 60 de cada lado o
que Iheed Sm70 decomprimnto na via normal
eom 1, 5 a lm, 5rd*largura contada-enire os
eixoa dos rails.
A largura daa traressas flea comprehendida en-
tre 0m 33 e V, 35 as qua ficam embiiro das
juntas dos ralle, e entre 0"; 27 e 0m, 18 oes in-
termedias.
A espessura das travesa?varia entre 0*; 14 e
*^, 17 as de junta e entre V, 14 e 0m, 15 as
outraa.
Antes de asseatar as trarasaas sobre a viirne-
ceaaanoabrir netlaa o eDtarrre,em-que deve assen-
tar a baae do rail, se se fax uso do rail Vignelles
o> coxim (confe<),.se se emprega o rail y-
metnco(rail adonbl chcmipigmn, doubUht%-
dem rail).- t
Para marcar o-lugar do en tal bes sobre a tra-
ressa, aervem-s geralmente deum molde, que
consiste em urna barra de ferro, curva as extre-
mtdades.que sostena m duas-placas do meamo
metal com as dimeoses exactas doa entalhe* e
na roosnaa distaocii, em que- elles devem fttar
sobre a travessa.
Applicado esse molde aobre a travessa. ria-
cam-se os entalhe, aeguindo- oe contorno da
placas ; a execuga dos entalhes se faz de*ois
a maoou por meio.da urna macbina-uleosillaa-
fajctala
No caminho do {erro de Perigueax a Agu ea
entalhes- das travessas- para asaentameoio do
rail V-ignoes eram faltos con urna macbiua po-
dando ser mofida a bragos o por urna locomo-
vel ; essa machina provinha da grande fabrica
de Aihuner em (ira. Sealada (Alsace).
O molde de entalhar as travessas 6 acompa-
nhado de um contramolde para se podar rarifi-
car ae como uso aaas dimenades tem aoffride al-
guma alleragao.
O contramolde conaiate simplesmente em ama
barra de ferro com- dona entalhea naa extremida-
POR
A IE GONDRECOURT.
(Coftamcs doa nmades,)
TERCEIRA PARTE.
(Cootinuago.)
XVI
Os Nmades acolheram com entiusiasmo aa
noticia de que fdra portador o Mekhilif; o no-
me de Ghrellab foi coberlo de bengis, e segui-
da a riaca as disposicoes do cherif. -
Os cavalleiros de Mansour, Ben-Naceur, e Ben-
Tayel avistaram logo os exploradores de Sl-llam-
za, e se regosijaram observando a timidez e re-
ceio com que aquelles avaoc.avam. O proprio
Mansour, apezar de auas vagas su peitaa illu-
diu-ae vendo a marcha pesada des-es homeos
viodos de tao longas distancias, que mal pare-
ciam arraslar-se.
O impetuoso Ben-Naceur emlltiu a opini&o de
oio demorar-se mais a hora de urna derrota que
faria a gloria dos liis, e pois que devia-se cahir
immediatamente sobre aquella rebanhe de bois,
como chamara elle gente do khalifa ; e muito
custou a Mansour conter o ardor do seu compa-
nheiro, para o que foi preciso demooslrar-lhe que
vencer na ausencia do cherif nao era servir sua
causa, porquanto a victoria devia se- conseguida
seos proprio olhos, afim de cada rez mais
exaltar-se o prestigio do seu ralor u santidade.
Por outro lado Si-Hamza parecia redobrar de
precsugOes, e arengar com demasiad.i prudencia.
Uuitai rezes finga parar, e entrincreirsr-se por
delraz da dunas: nesaas oceasioes irocaram al-
guos tiros os que vioham maia bem montados naa
duas tropa, e que por isso podiam a'diaotar-se
mais.
Por rolla das tres horas da tarde, fatendo um
calor de qaarenta grua, Si-Hamz/ chegoui re-
giaodaa areias moredigas, que limit'm o Paiz do
asedo, e que sao provenientes do desbastamento
perpetuo das dooaa d'EI-Oudj, agoutades palo
vento aul. Subindo a um pequeo comoro, e fir-
oando-ae noa estribos, o khalifa aviitoa a Inten-
tara do cherif, e roltando-ae para sua gente ex-
clamou com ama roz de tro'ao :
O' da I Desee carregado de luto e de dor
aobre os meua inimigoa I E ros, meusfilhos,
mostrae o qae sao os guerreiros dos Ooled-Sidi-
Ghikr. Araocsr I Avancar I
No mesmo momento em que Si-Hamza se ar-
remessara ao encontr dos cavalleiros do cherif,
que formaram a vanguarda, da aoa tripa, a msi-
ca desta fazia ourir os aooa doa aeu.i ioatrumeo-
loa ao mesmo tempo selvageos e sielsncolicos,
que setas misturar com os brados frenticos dos
com batete.
A' morte I A' morte I exclamnra o cherif
postarto aobre um outro comoro e arengando
aua gente. E' aqui o tmulo dos pagaos e dos
traidores : chegada a hora de nao ecuar am a
passo.
De parte a parte o encontr foi lerrirel. Wal-
ter de Seelorf comffrehendeu logo rista da aeti-
vidade, com que era a aegao dlrigu a, que a ti-
midez de Sl-Hamza tioha aido fiogid e calculada.
Negros presenlimenios o assaltaram ; masoza-
No m de urna hora ainda a luta acbara-aa
duvidosa. O cavalleiros d ambos os partidos
aentiam os seus cavallos enfraqaecidos, e incpa-
zea de prestar servigo. O ralete aoimaet en-
lerraram-se na areia at os joelhos, e ji nem tor-
gas tinham para mover-se. Si-Hamza dau ordem
de apear-seao aeu goum, ao passo que os eaval
leiros do cherif se fortificavarn com a infamara
no vasto circulo formado pelas dunas de Dza-
noum. Deasa espacie de reducto partiram cnti-
cos de victoria, e os partidista do cherif avan-
c.'ram a p e com as espingardas apontadas.1
Si-Hamza nao eaperou o ataque, avancou do
seu lado, e precipitou-se escalada das dunas
seguido de lodos os seus: mas, seodo recebido
por ama terrivel fuzitaria, foi obrigado a bater-se
em retirada recuaodo algn pasaos.
E' chegada a sua vez, Sr. barao, gritava
Pompidou para o birao Arnold. All est o soa
primo Walter....
Onde, onde? |
All em baixo; oihe.... esmaga um dos
nossos com o couca da arma.... Sanlissima Trin-
dade 1 E nao ter eu a eapiogarda carragada....
Oh bravo.... bravo 1 VivaDeusl V. Eic. lan-
gou-o por (erra.
Sim, respondeu o baro tristemente, a mi-
aba bala alcangou o alvo; porm a mioha vin-
caminho
Brunel.
A experiencia nio provou bem ; depois de poa-
co lempo de servigo a companhia fot obrigad a
f'10.1.'..0 fo''Bnl Pelo raif symetrico em
toda a liona.
NSo foi maia feliz a experiencia cem o rail Ber-
low applicado pela meama companhia na aua li-
aba principal de Bordeaux Cette, na parla com-
prehendida entre Bordeaux e Toelouse.
O rat'f Barlov assenta immediatameote aobre o
lastro, que dar masme penetrar no aeu interior
diapeoaa frechaes e travessas de madira, sendo
a largura da ria manlida por tirantea de ferro.
btem-se urna ria, em que nao entra madeira ;
e foi essa a principal causa, que fez dar tanta ro-
ga ao rail Barlow.
E' esse rat'f mui dific de fabriear; as direr-
sas barras de ferro, com que feito o rail, eol-
dam-se aempre imperreilaments; dabi remita
que, depois de pouco lempo de serrino; aas
parta superior em que assentam oa trilhoa daa
rodas- da locomotiva e do wgoos esmaga-se e
eifolia-se completamente.
A ria com ee rail pouco estaris, necessi-
ta de um lastro especial, nao ae podeodo com
elle fazer aso de pedra quebrada ; aua forras
adapta-se mal curras, aos cruzamento e s
mudaoeas de ria.
Foi por esses motrroa o rat'f Barlow comple-
tamente abandonado pela companhia do aferO-
dla, que o-eubtituia pela rail symelrfco.
Orailymetricff e o-rail Vignolles ao, ppis, es
nicos actualmente empreados em Freaga, e eom
quasi egoal aeeiUgao, no-erntaoto obaerra-ae de-
pois da algum tempo orna certa preferencia para
o rail Vignolles-, sobretodo- depois da adopeao pe-
la companhia da caminhos- de ferro de-Parta a
Lyon e ao Mediterrneo deesa rail para aa linbas
do Bourbonnais. Gom effeHf, por occaaio da
comirucgao dessoa- linhas suacltoa-se ama forte
questvYo sobre as rantageos respectiva do-rail
symetrteo e do rail Vigoolles-, e a companhia,
antes de-decidir o modelo a adoptar para a ora
de.enrjou dou eogenheiroaaA41emnha, 00-
de o rail Tignollea usado ha muito lempo, para
estodarem o emprego desse rail e darem sobre
elle o seu perecer, que Ihe foi na r-erdade intei-
ramente farwovel. Diss resultou adoptar a com-
panhia dos caminhos de ferro de Paria a Lyon e
a Mediterrneo o rail Vignolles, naas para as
linhas da Bourbonnais. como para o ramal de Li-
vren e Prlra e o caminho de ferro d? Toaloo a
Niee actualmente em consruego.
Atcompanbia deOrlean adoptoutafaThajaj esse
rail para auaa linhas presentemente em coaatrac-
gio de Savenay Lorlent, de Prigaeux>a Aguo
e de-Brirea a Capdenac. Descrereremo, como
lypode-um modero de rail bem eatadadoa-de urna
aolldatollocaceo dara, o rair Vigoprlesd eom-
paohia d Orleans e o modo pelo qaal se- proce-
de aa seu asseotameato.
Temo base desse rail 0", tB-de largara, aua
altara total de 0a'; 136, a espessura da-haste
0, 010/ a largura da cabeca 0a;060. aeode- aua
parte awperior curvada segundo- um ral deO"
20. Aaeccao transversal de rort nao -aprsenla
augulo- algum saliente ou reenlraate, sendo-todas
aa undaD^asdedirecjjo obrtdas por meio s-cor-
ra.
O ra-J normal tem Metameatseis metros- de
comprimento : seu Corpo asaeotsobra seie-tra-
reasaa eapagadas de 0**, 90, e aos extremidad
sobre duas traressas junta de matares dimen-
distanddas adiacoob**
aoes que as intermedias
da 0-* 75* O fWreffcl _
termedia ou de junta per dua osrirhas, em--lu-
gar de licarem em frenieuma da otra, diitam-de
O Ofy eoetado de aiao- a eixo e segando o- oooe-
primeuto do rail.
A earilha tem 0"; 155 de comprimente-teial
aendo 0",020i)ara a cabeca, O^OgO para a haate
de forma prximamente-prismtica- de-bes rec-
tangular com O"1,016 de comprimeato sobre 0^014
e O"1,-06o para a poeta, que tem forma da urna
cunba eom o game*e0",010 de lasgaca dirigido
aegaado o comprimeato do rail.
Naa duas travessas intermidiaa, adjacentes as
das juntas, a baae do rail tem doua entalhea nos
qeaea penetrara aa carlinas; essa diepoeicio tem
por m impedir que os rails, arraaladoa pelas ro-
dea daa machinas e dot wsgons, s moram lon-
gitudinalmente.
As carlinas exlremsa nlo aio pregadas imme-
diatameote bas travest de junta ; entre a baae
do rail o a travessa ha ama placa de ferro par
nao deixar a areata do topo do rail penetrar oa
madeira. Essa placa quadrada, de 0"18 de
lado e ",010 de espessura ; tem do lado exterior
a ria ama aaliencia d 0ra,005 para obstar que a
extremidade do rail se desloque afaitsndo-se do
eixo da ria, e munida de 4 orificios rectan-
gulares para a passagem das carilhas, que pren-
dera os dous rails qae assentam sobre ella.
As duia talas de junta (clisses) slo de farro
de secgo prximamente rectangular: tem 0" 450
de comprimento e 0,086 de largura e sao muni-
das de quatro orificios para a passagem dos para-
tasos. A tais interior tem um eotalbo em que
penetrara ss cabegas do parafusos. Ambaa as
talas sao talhadas segundo sua espessura. de mo-
do a poderem se ajuslar perfeitamente sobre a baae
e sob a parte interior da cabega do rail.
O interrallo deixado na junta para a dllatacio
dos raila de 0,003. O orificios que trazem ..
nm'nnP"* P"aa89ln dos Prafsos distara de
0 ,090. Os parafusos tem 0",U5 de compri-
mento e 0-,025 de dimetro. P
O modelo de rail e o systema de asseolame-ato
aa no, de que acabamos de dar urna noticia sa-
ludados com o matar cuidado, prerendo e int'elB--
genteraante aanaado todas as causas de instabili-
dad s ria, aso por certo mui dignos de ser
imitados
Assistimos a fabricogio do rail symetrico em
Decazeville-e a do rail Vrgnolleaem Aabin.
O grande estabelecimeuto de Decizeville, fun-
dado em 1830 pelo duqoe de Cazes. rica situado
no centro da grtnde baca carbonfera do depar-
tamento do A rey ron. Ten 7 altos tornos para
"traerjio do coke: pode fazer 400 ralis por dia.
alm de muito ferro em barra pare e commercio.
O ferro empregado na fabrreoceo dos rails pro-
vinha da aflnago do ferro fundido com cofce.
O pacote, desliaadoa formar o rail por lamina-
fao, compunha-sa de aete carnadaj;- as du-as ex-
tremas, appellidadas coerturar, sa ioteirigaa e
formadas de bom ferro granuloso ; a cinco os-
tra carnadas eram forma Ja cala ama por tres
barras de ferro, que se ercolhia, tanto mais fi-
broso, qusnto mais prximo estara e barra do
centro de pacote. A conreaiencla de formar o
pacote cem duras sor tes de ferro, ogranaloso, pa-
ra as cabegas do rail e o fibroso para saa Diste,
posta em du-rida por maitoe fabricantes por
cauaa-de ser muito difflcil obter que eisas duas-
sorles de farro se soldem bem. Mr. Demoyers,
eogenheiro qwe diriga a fabricado dos rails em
Decazerille, era de opioilo que seobteriam e-
celfentea rails ibrmando o pacote sement de vs-
rp granuloso.
Para soldar as diversa barras de forro forman-
do o pacota, era elle-paseado, depois-de aqueci-
do, ao kranco qua-tro rezes, em laminadores des-
tinados- a esse mistar. Feito isso, era o pseote
reaqueerdo aobraoeo; e paseado depois-lt rezea
nos laminadores de moldar, noa quaes tomara a
forma de rail.
Ao sabir do ultim-s lamiawdor, era o rail re-
cebido era ama mesa de forre, collocada 00 cho
da fabrica, sobre a qaal'era rectificado coa ma-
cetea de madeira.-
Terminada essa o perada rj, o> rail ainda qoente
ao-rermelbo-era serrado, cada extremidad por
sua-rez, em dwas serrae etrcQlaTes.|que recebiam
am morimest de rotarto-eitremamente raptdo
da machina vapor, que meria e laminadores
Serradas a extremidades- do rail, era ella -9>
novo rectificado e condoaidb desers officina de
aperfeigoameBt, onde se rerificara o seu com-
primeato, limarara-se e aplanar os topos, a-
briara-ae os orifteios para a cari+his das tala
de jana e se o -destorca em am serie de roa"-
chiaas-alensis movidos por urna machina a va
por.
Oe-ras, que se fabricavsm-na oeesrsiao da no-
a viaia, eram destinados compaana do Heio-
dia ; pesavara 30 kilogramme per metro d
comprimento e cusa vara oomp*bia 23 cn-
timo por kilogramosas.
O etabelecirocoto de Aubio 6vJ"e fwodagao ma
modea que o d ftecaieviile, perteace compa-
nhia de Orlean* Prima peta boa dtaposieo de-^
se
quando grande clamor e alarido, que seespalhou
as fileirasda tropa do cherif, lhe anourMiaram a
ebegada de Ghrellab.
As duas tropas reanimaram-ae a essa appari-
gao, e o combale um pouco eamorecido recome-
gou mais violento de que 00 principio.:, mas o
cherif deseoganoa-se logo. Prevenido.pela sas-
peitas ioexplicareis de Si-ttansour, estados, de
tange as disposigoas de Ghrellab, e quando riu
as plumaa pretas de aeua Mekhafs mislura-
rem-ae com oa soldados de Si Hamza, disse a
Ben-Naceur, seu fiel e ralente companbeiro :
Estamos trahidos; protege a mioha tuga
com urna reaisteocia desesperada. Esta dia '-
perdido; o futuro porm nos ringara I
Parte, respondeu Ben-Naceur, eu impedixei
qae te persiga m.
Com eSeito apeaar do retorgo. tratida por
Ghrellab a lula manlere-ae encaroigdat atada
que muito desigual, e a ama hora depoia qae o
cherif ae eotranhara nos desertas desolados do
Paiz do Uedo, e depois de ter suecumbido oa seus
melhores guerreiros querendo retribuir golpe
por golpe, Ben-Naceac fien-chora resolreu-se a
pedir capilulago.
Si-Hamza reuniu em conselho todoa oa seus
capites, e manifestou-lhes as propostaa do io-
migo que consenta em depr aa armas, e eab-
gaoga Oca incompleta.... Aquella miserarel nao metter-se, a excepgo de Ben-Naceur e demais
quem recebeu o castigo dos
odo d.a balas, e o chairo da polve
ram depreasa i sua preoccupagea
de camprir o derer de chefe e de so
a
irranci-
tratou
l'J. Vide Diario o...
aj
sabe das raaos de
seus crimes...
Tratemos de escapar vivos da aegao, e d'aqui
a pouco verilearemos isso, meu charo amo. Gom
effeito 1 faz aqui um calor diablico I.:. E'fogo
por todos os lados.. Ohl-mul l est Si-
Hamza que ae deixa tarar de vencida... mas
esperto, aalvou-se da melhor forma que pode...
Que diz V. Exc, Sr. bario ? parece-me que nos
nao aomoSjOS mais fortes!.... Enada deappare-
cer o bregeiro do Francisco Klein.. Abaixe a
cabega, Sr. baro, olhe qae lhe estao fazendo
poutaria ...
Walter de Seelorf, a quem Pompidou tioha
perfeitamente reconhecido, eslava fra do com-
bate. O golpe, que partir de aeu primo Arnold.
o deitara por trra, e aism mesmo p Je arraa-
laodo-ae alcanzar aa bagagens : all mandou que
lhe ataassem com torga a ferida, e avistando o
cherif, que corra a exhorts-lo, disse :
Eu te felicito, porque gaobars a aegao, ae.
Ghrellab for fiel s auas promessas. Quanto a
mim, rou morrer junto de mioha Giba, ji que o
meu brago nao te pode mais auxiliar. Adeus....
emquaolo te.achsm todos engolfados no ardor do
combate, rolto para Ksar-Djerid, qae felizmente
nao muito distante daqui.... Desconfa de Sidi
Ghrellab.
Walter nao ceJendo is solicitg5es do cherif,
montn a cavalloferido como estava1 seguido
de um nico servidor deixou o campo do comba-
te occullando-se por detraz da grande duna
d'Azal, que podia amparar a aua retirada at che-
gar ao ksar.
Si-Hamza fez um ultimo porm baldado esforgo
para desalojar o cherif da aua posicio. Furioso
por nio ver chegar Ghrellab, e comecando a re-
cejar alguma traigo, arenturou-ae imprudente-
mente avaogtndo aozioho para um grupo, da on-
de Beo-Tayeb ae destacara ao aeu encontr. Ao
mesmo tempo pattiu urna descarga contra elle,
qae lhe flzera aaltar a arma das mi. Ben-
Ttyeb aproreitanda-ae da octaaiflo atirou-lhe ao
rosto am golpe com o couce da eapiogarda ; e
mal Si-Hamza rollara a ai desse choqae violen-
to, riu 9 meamo Ben-Tayeb agarra -lo pelo corpo,
exforgando-ae por faze lo priiooeiro.
O bravo khalifa reuolndo aa auas torcas sea-
bava, oosb grande applauso de Pompidou, de es-
IfWtta do seu adversario com a cronha
Wa, e i de qoto taotar am OUlro Uqae,
alguns cavalleiros resolvidos a seguir o cherif, ji
enlao livre de toda parsaguigio.
E Si -Mansour ? pergeotou Ghrellab. Re-
clamo-o por meu prisioneiro: o seu ksar aera
arrasado, e os seus beos saqueados.
Si-Mansour talvez nio exista maia a esta
hora, respondeu am doa embaixadores; vi-o
cahjr ferido no peito por urna bala.
Entio, replicn Ghrellab dirigindo-ae aos
espitaos do conselho, fizei a paz. Os Franceze
lio compadecidos; e ji que combtela em oome
delles imilae a aua generosidade oa victoria. Nio
esta, accresceotou o bypoeripta roltando-se
para Arnold, nao esta a linguagem qne dere
ter um hornera que mereceu o sea perdi?
Adiant, adianto, e veremos, reapondeu
Pompidou. O tempo das boas e mi patarras ji
se foi, meu caro: se t es Allemao, eu aoa Gas-
caofaz por lembrar-te aempre diato.
Quasi todos os partidistas do cherif aubmette-
ram-ae ao estandarte ioimigo : aomente Ben-Na-
ceur, e alguns dez cavalleiros com elle haviam
desapparecido durante aa negoeiages.
Meta hora depoia daquelle combate memora-
vel a gente de fusil galopara a toda a brida na
direegao de Ksar-Djerid. Aruold, e Pompidou,
iam em aua frente. A noute estendia o negro
vu sobre o deserto.
XVII
Deixamos o negro Debbab aasentado ao lado
de Slamia no llmiar do Ksar-Dierid, contando a
historia de ama menina roubada aoa carinboa de
sua mi.
O intelligente mekatib aoube captirar a alten-
ci de Slamia fantasiando no seu cont que a
menina, de quem fallara, tinba sido roubada a
urna tribu do deaerto, e transportada para a Eu-
ropa.
Quando descrereu* com aa mais vivas cores a
dr soffrida pela m8e da aua herona, e o prazer
que sentir, e que devera aeccar-lhe asMagrimas
abrasando-a de novo, exclamou rendo a com-
moco crescente de Slamia :
O que penaaria da crueldade, oa aotea
da cegueira da joven protegida por am milagre,
ae eu te disser que encontrando aua miella
quii reeonheee-la, nem attender i roz do aangue,
corrompida pela hypocrlsia doa malvados qae
haviam dirigido a ana infaneia!
Gal nio possivel I responden Slamia,
Ijotretepta a para
Debbab: e a historia que te cootei, ae a ebriatia
que hoje tomaste sob tua protecce podease
fallar-te........ ^
O que acontaeria ?
O qae acontecera I......... Vamee ver a
christaa; e repara Dem na do> o na alegra que
brilbam alternativamente no seus. olhos; nos
seus olhos axuea como os. teus.,.,..
Ueu pae nao te recommendou, que nio me
deixaaiea communiear com prisioneisa ?
Sim ; mas foi pira qnio podoases reco-
nhecer nel la........
Eitis looco! intarronpsa.Slamia toda tr-
mula.
Ests caga 1 retoro/sia- Debbab, "
Slamia dea. um pulo orno um corga, e aeaa
nada mala ourir correo, escada subterrnea,
onde Debbab alcaocou-a logo.
Em poneos minutos a mae e a fllha aahs-
ram-ae em frente urna da outra. Debbab tomou
a barooeze pela mi, a impelliu brandament
para Slamia que retuou. um paaao.
Tbereza eatremecea, racilloa ; mas o. negro
ustere-a, e fez-lbe cemprehender ora por meio
de aeenos, ora por meta da algararit snourisca,
que aua filba a recoaheceria se ella taroecesse
algumas proras riaiveis. A pobr mi cahiu
n'um abatimento profundo ; ergueo, oa olhos ao
cu para pedir-lhe urna lembrang-i, urna inspi-
ragao qualquer.
Darante esse tempo Slamia, intauameote per-
turbada, encarara tus mi com olhar ftxo e
penetrante. Sbito-agarrou-a asta mi, lerou-a
para aeu qaarto ali chegaado apoderau-ae de
um eapeloo, e oa seu olboa paaaaram
alternatiramente com aneiosa viracidade do
semblante da baroneza para o aeu proprio tem-
blante reproduiido no eapetho.
Madama de Seelorf eaperava e reaultado dessa
confrootagio como o aecuaado capera a aua sen-
tenga, Aa sais faces esterara cobertas de urna
pallidez enorme, aeus labios tremiam, e o cora*
gao bata com violencia, Descobrtu o brego es-
qaerdo, mostrou duas marcea profundaa de rec-
etas, e faz aignal a Magdalena para que riise
se nio tinba tambem .no sea braca marcas
eguaes. (1)
A joven obedecen pressarosa', e laogoe um
grito vendo que eslava egualmeote marcada no
braco como a christaa.
Madama de Seelorf respondes a esae grito eom
Iriumphante iorrio, e favorecida por urna lem-
branga feliz, mostrou no petcoco um desses
sigoaes que ae costumsm chamar de belleza; e
depois aproximando-ae de Slamia coovidou para
examinar tambem o seu peacoco, e pz um dedo
no lugar em que ella devera achar am sigoal
emelhante. Slamia coron, roltou aa costea para
Debbab, qae assiilia ailencloso a eiaa acea to-
cante, e raagou com impaciencia o haick de aeda
qae oceultara-lhe o seio.
Um noro grito annancioa que a pobre mi de
nada ae baria eaqueeido, que sea coragio guar-
dara a memoria deaies ternos beijoa que nossas
mies no prodigaliaam na infaucia.
Slamia voliou-se para a priaioneira : deaaa res
enearou-a com um olhar, em que o respeito e a
pledade se mtstararam com o receta iocreduli-
dade. Tbereza baacou aproreilar-ae dessa grare
hesitscio : abriu os brago a ana fllha, qae nelles
se is precipitando, qaando de repente parou, e
deitou a fugir gritando pira Debbab, qae a pro-
curara deter:
Deixa-me! DeUa-me I Ohl eu eoloa-
quego l
via frreas, por- meio do qual ae podem fazer os
traospertes no interior do estibetecnaento coro
f randa ecooumia-, usando de locomotiva. Nell
abriea-m-se rail prepara-ee- ook para o uso
daa locomotiva a para a extraegio d Ierro.
O naeota destinado a fabrtaacao dosail Vigoo)-
tas compuoha-se da sete cemada : a superior,
correspondente & cabega do rail, er ma cober-
ta ioreriga de ba ferro granuloso-; as quatr
seguales eramtarmadaa cada urna por trea bar-
ras de ferro mata ou menos fibroso ; as duas ul-
tima, naa quaea tinba d aer laminada'a ba-
. (I] Os rabes nio fazem uzo da raecina, Temos
apenas conseguido no Tell. e a muilq culo, que
TNdef reo|ieo Ige mande vaccipir \s wMVh
O mtkalib acenou a madama de Seelorf para
que esperasse.
depois por um gaato deptadad (o leitordare
lembrar-ae de que esse hommem feroz aeba-
ra-se muito metamorpboseaoo.) uniu os dous
braco, e finga embalar ao. peito urna creextr
ga. A, baroneza apoderou-se de urna das mi.
grosseiras do negro, e levoa- aoa labios.
Vem exclamou Debbih dominado por orna
smo-o qua procurava debald esconder. Vem I
Acomnaua-me I
E coodoaiu madama de Seelorf para o quwto
subterrneo.
Foi dabalde que Brahim, buKou occasiSede
vej asm irmaa naquetle dia. Slamia mandou-
Ibe dizer que nao apoarecia.por estar peaaraaa, o
que juatificava a partida de Mansour. Denotado
ter pe muito tempo.passeado no jardim.etta aa-
biu a aeu qaarto ah Raaiou a noute mirndo-
se no aapelho, obsarrsodo aa marcas da vaccina,
e o aignal do pesceeo,. em que nem mesmo as
muiheres empreadas- na seu servico tineam an-
da reparado I
No ailencio d solidoo, e na agitasen do te
pensimento, iaterrogou as mais antigs.recorda.-
coes, perscrulou os mais fracos chos da sua ior
faocia, e proeorou descobrir ae lembrara-se de
ler risto saa msta alguma rez, ou da ter brinodo
cqm outros meninos que oio Brahim. O seu es-
pirito scisraavs, mas nio ae firma* em recordar
cao alguma ; e a forra de muito sciamar altiogiu
s sombras da durida, e por conseguate aos ho-
risootes tafioitos, que separara, o hornera da saa
infancia, transparencias vaporosas em que nao
nos petmllido descobrir o-nosso berce, porque
nenham de n, ao que paMce, digno de reco-
nheeer que foi um anjo no bargo I
Peta manbia do outro dia, ainda muito cedo,
Slamia correu a procura de Debbab, pedia-lhe
qae toraasse a contar a naesma historia que lhe
harta contado na reapera. O negro deasa rez eao
utou de mais Bogo, contou lado o que soubera
de Ghrellab.
Estis rend por conseguiota que etse Ghrel-
lab um vil impostor, observoa a joveo. Se
verdade qae elle me roubou mioha mae, que
ioteresse lem agora m reparar a sua aegio per-
versa ?
Um grande inleresse, porque quer despo-
sar-te.
A' mim I exclamou Slamia com horror. En-
tio por quem ma toma elle?
Espera qee lhe seja desta modo paga o ser-
vigo feito i tua familia.
Pota eu punirei o aeu crime.... ata-lo-
hei....
Debbah ten eteravo, atalhou logo o negro
eujo olhar acceodea-ae com um brilho feroz. Aa
tuaa mios nio se devem ensopar em aangue ;
ella slo muito alraa e delicadaa.,,. e o aangue
nio mancha aa minhaa.... Porm ao nio querea
desposar Sidi-Ghrellab, porque ] dste o teu
coracio a oulrem.... Nao cores, menina: eu aei
qee Brahim o escolhido por tua casta inno-
cencia.
Brahim mea irmio....
Te eataa bem certa do contrario, porque
Mansour t'o disse. Brahim sabe tambem que nio
es irmSa dalle. Cega te repito eu, poia eaaa
dupla mentira de Manioar acato nio te rereis a
>u* origen ?
lamia ficou turbad, pensativa, e como que
ateirada. v ^
Vem ver tua mae, replioou Debbab.
Nio, nao I exclamou a joven affaatando-ae.
A minha eabe;e arde; ea quero estar a. Oh I
maldigo obre lodos ros que me trouxestes a dr
e a deegraca I
Durante aquella dia Slamia conservou-s reli-
ra4 49 todos; fugia a Debbab, e Braais tsm-
>ra oL l.!p,ttB tf,ri4ai n0, "tdM
n n!^iru Dlrra, fo Bbrojo.
hrn^ ^ "? *,daao Peeaanda aqa.cido so
Miend..?%~'i0t"- COfflo em D-caaerlIle ;
S. yS?*' deaaa est.bele-
cimeoto me horar a abricagio dos rsils exeeu-
pino. ln,porUotaOB*Cio eom o martalo-
O pacota depois de soldado era reaqaecido ae
branco e passara sete rezes nos laminadores de
moldar, onde lomara a forma de rail. Ao sabir-
do ollirao laminador, era o rail recebido em am
carrioho correndo p.erpeodieularmente aos lami-
nadores, que o cooduza urna serr circular on-
de se serraram saccessiramenle os dees topoc
Dahi passars urna mesa emjque era destercl-
do com mcele de madeira e depoia 9 am mol-
de onde ae lbe. atara ama curvatura com a eooea-
vidade para a base do rail. Tem essa carritora
porfim contrabaUngar a qae tomarla o ra*!T do-
rante o reafriameato por eaasa de sua faltar de
symetrla ; calculada de modo que o rail flktta
recto quando fri.
O aperfeigoamento d rail se fazia como em
Decizeville, notando-ie aomente que junto dar
machina, que abra o orificios para-o parafu-
sos da talas de junta, berta ama outra par
abrir na baae do rail os entalhes em qu i pene-
trara a carilhas que o flxam fotraroaeaii extre-
mas. Esses entalhes tem por Bar impedli o too-
vimeoto longitudinal dos rails, o* oceasio da
passagem do treos, e consequeafe- ehotrae dos
seus topos una contra os-ontros, qae mu-iie> con-
tribae para sus rompa destruigao.-
Nao tendo atada ebegado ao aran de ptirfeieio
desejarel a ibrleago doa eWU, prosete-
mente objecto de queslio quaea aa condigoe,
que se devora impor ae fabricantes perir oblor
bons rail. Ha quera seja de opintao que a
eompanhiaa nao devem reerevaf recra ligaa*
sobre o modo de fabricacio do rail, e risa li-
mitar-se a exigir garaoHas de saa boa-quali-
dade.
No entant, as companhia Irancezas persittem
sm prescrever aos fabricante* es process3s,-que
at hoje tem provado metaor ,sg ndo ao mes-
mo tempo que a boa quali 1 des rails seja
comprovnda por fxperieoctae' choque pree--
sao, e por servigo de ura, deas, eu tres aDnas
sobre a via. Para eBcaela des garanta os-
rails devem trazer era relevo o nome da fabricar
(o que te obtem gravando-e- nos ltimos lamina-
dores) e a data de ana fabricscao marcada
quente.
Para se proceder prora* de choque e de
presso o fabricante obrigado a classificsr OS
rails por serie correspondente i fabrieagio de
um ou doua dia. Cada rail colicuado sobre dous
pontos da apota distantes de tmr 10 dev poder
supportar durante tinco minuto, sem conservar
curvatura sensivel, urna carga do-12.000 Uto-
grammas, collocada a egual distancia dos pontos
de apoio ; elevada essa carga a 30,800 kilcgram-
mas o rail dere austenta-la.semqaebrar-ae da-
rante cinco minuto, Qndo os quae se continua-
r a carrega-lo at alcaacar o limeda rotara.
Urna das duas meladas asaim obtida, oolecada
sobre dou ponto de apota distan les de 1", 10
deve aguentar sera quebrar-se o cheque de am
peso'de300kilogrammas cahindo de umaltara
de dous metros.
Essiss experiencias sio feiUs sobra-iyi06do
numero dos rails de cada 'serie ; continuadas at
1/10 se os rails proram mal. Toda-a serie re-
geitada, se umdecimo de seus- rsils nao- puder
resistirs proras do choquee pressao execotadee
como aoabame de descrever;
As cempanhias tem sempre-a- fsculdadedetar
um agente na fabrica par ftaealiaar a fabsieaeie
dos rail com-o direito de regettra cobertera,
os pacotes-e o rails, que Ihee parece re na defei- '
tu osos. A* entrada da fabrico -aempre-lirre-
aos eogenbetros emais erapjagados-d compa-
nhia.
Terminando esta breva ezposigao de- nos-
sos esludas praticos sobre esmiohos de ferro em
Pfanga, ser-nos-ha permiltid- explicar o modo
porque cooseguimosestudar, dorante o an-ao-que
acaba de Bndar, oa trabalhos de-cinco vas-ter-
reas em censtrueco ; leramoa- asaim oceasio
de citar os aense ji peaaoa. a>. auam devamos-
ratrdao e de recommeoda-las ao coohe-
cmento de aesaes patricioa, como leudo no fa-
cultado os metas de habilitar-nes para aervir
proveiioamole eo no**o pata..
Chegamos Pris a 25 de mareo do anoe orrj-
ximo paasad. Traziamos, atam'de diversas re-
commendagoe particulares, una carta do Etm.
Sr. conselbeiro JeSo Lina Visir Canaaosao de
Sinimb, eeti ministro des- elrangeiroe, re
commendando-Dos muito especialmente ao-Exm.
Sr. conselbeiro los Marque Lisboa, ncsno mi-
nistro em France.
(Continuar-te-ha]
l
>
J
bem. Algumas rezesaproximara-aeiottinctlra-
mente do qarto subterrneo, sass sffaslsra-se de
repente no memento mesmo de transpor-lbe 9
limiar.
Urna hora satos de cahir de dia Waltarde See-
lorf, seguido do seu servidor) alrareasso a ponte
elevadiga da ksar, e depois qe passou deaoxdem
para que^a^suapDdeasem.
Slamia e Brahim corrers ao seu cocoa-tro..
Me a-pae I meu pae I exclamou Staoaia,: es-
ts lo paludo 1 Veos ferida?
Sim.... le vem en t6 ferido...^ responden
Mansour..
E fizando um esforgo pera apear-3e- o apoare-
lho collocado sobre a ferida- desarEaojou^s, e o
siDgue-jorrou com orga
W.alier cambaleou, e cahla desrabado nea bra-
gos de Slamia : Debbab carregou-o at-a. sala dos
hospedes, onde elle esteremais do-ama- hora sem
recuperar oa sentidos. Quando abra se olhos
viu eu fllho e Slamia ajoelhade ao seu lado.
Debbah tioha de novo arraojado o. spa-arelho da
ferida, e estancado e.sangue d que eetavnm in-
oundadaa as vestes.
Os cavalleiros de Ksar-Djerid, quhaviam dei-
xado o campo da batolha de Dsooaan durante ae
Degociagoes, chejaram pouco depota, e deram a
noticia da deraeta. do cherif, da trakio de.
Ghrellab.
Mansour quta ver todos esse bravos servido--
res da sua cas, e quando elles o rodearam fal-
ln -lhea com ama voz calmo, atada que fraca r
Nio meijludo; naatorda que Ghrellab che^*
gue is portas deste castalio. S lenho pouca*
horas de rids. Se sois verdadeires guertairo.
defondei estas muralhos at qae eu etbale o ul-
timo aaspiro: nao persaitiaee que os meu olhos.
vejam, mesmo atravz do vu da morte. o rosto
Iriumphante do vil que trahiu a Deus e tamisa.-
de. O que elle qaer arrsncar-me a mieb Sa>
ma para iazer delta sua mulher: eis porq-ue ea-
lendea a mi a Si-Hanza e aos chriuaoa....
Nunca, mea pae, nunca e hornera sapro-
ximara de mim, interrompeo Slamia em plantos.
Nio ha de ser assim, coolinuu Mansour ;
porque deoiaro parante todos que Stamta nio e
mieba tilha, que eu nio iiz maia do qae adpta-
la, e minha ultima vootade qu aeja esposa da
Brahim porquera muito amada.
oh I aeu aenbor I obrigado > exclamou Bra*
him que estendeu a mi a Slamia com o cnlhu.i
siaamo de urna ardente paixeo.
Slamia nio se moreu, ahaiiou a cabeca e se-
dou silencie.
Mansour notou essa besitagio e estremece* :
suspendeu-se um pouco sobre o colrelo* lan-
zando i joven um olhar. profundo, lhe per-
gantou :
Ter-me-hei engaado ? Mea filho. alo ter-
mente amado ? -
A priaioneira 1 murmurou Slamia.
Senbor, diste o mekttib com talajfOltaneta.
qae fez eilrsmecer todoa oh cavalleiree, 1
ji qae declaraeta qae nlo 4 pae de LeTli sla-
mia, declara tambem que a christaa pristoxelra
sua me ; declara que Ghrellab arrebate*, da jo-
ven ainda manina 00 oaii da nev pare cotiduzi-
>

*
1 pan
!Cl
O Hekhalifs
la ao paiz da areias; declara finalmente...
Os Mekbalifal Os Hekha"
direna rosea da parte de fra.
ctaisi
rara
Ai armas I A's armas 1 bradon Mansourm-
zendo um esfofgo violen lo. Defenddi aa- mura-
lhas; batei-vea como lees....* 'melatlb,flee
junto de mim cora Brahim e Stasst t.... ttehoj
que revelar am segratlo loeva rt
Va^Tee
fresar
ajaV-ss-A*.}
PIJU1* TTP. PK M. % DI FAMA PlldlO.TlS,

--*
.'-" '.-r


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E6GVEYS5W_8LFW3E INGEST_TIME 2013-05-01T01:06:38Z PACKAGE AA00011611_09933
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES