Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09932


This item is only available as the following downloads:


Full Text
XXXVI11.
*
. na
*
Per tres aeKeiiadiaii.ados 5J000
Ptr tre aezes vencidos 6J0O0
MiHW^-.

TA fElll 4 DE JOMO DE U62.
-e>e
Ftraino adan lado 19|00O
Parta fraiea ara a subscriptor
-<*-^*-
DE PEMAMBIGO.




9
EHCARRRGADOS DA SUBSCRIPQAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Amonio Alexandrino de Li-
na ; Natal, o Sr. Antonio Marque do Silva ;
Araaaly, o Sr. A. da Lemo Braga; Geari o Sr.
J. Jos da OliTeira ; Maraohio, o Sr. Joaquim
Marque Rodrigue*; Par, Manoel Pinhtiro 4
C." Amazonas,o Sr. Jaronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO DO SOL
Alarftas, o Sr. Claadino Falcio Din; Babia.
Sr. Jos Martina Alve; Rio da Janeiro, o Sr-
jlo Paralra Martina.
PARTIDAS DOS COR REOS.
Oltnda todoa oa dias aa 9% horai do dia.
Igaarasa, Goiann, Parahyba naa egunda
aaxlaa-feirat.
S. Antio, Bezerroa, Bonito, Carar, Altinho
Garanhana naa tergae-feira.
Po d'Alho, Nazareth. Limoeiro, Brejo, Pea*
qaeira, Ingazeira, Florea, Villa-Bella, Boa-Viala,
Ouricary e Ex naa quartta-feiraa.
Cabo, Seriohem, Rio Formoao, Una.Barreiroa
Agua Preta, Pimenteiraa a Natal quintas feras.
(Todo* oa correioa partera aa 10 boraa da maoha,
EPHEMERIDES DO HEZ DE JUNHO.
5 Quarto crescen.te aoa 2 mina tos da manba;
12 La ebeia 3 boraa e 35 minato ala man.
18 Qoarto minbante aos 31 minuto* da tarde.
26 Laa non a* 3 boraa e35 minuto da larde.
PREAHAR DE 110JE.
Primeiro aa 9 toras e 18 minuto da tarde.
Segando aa 9 boraa* 42 minutoa da manha.
PARTIDA BOS VAPORES COSTKIROS.
Para o api at Alago 5 a 20; para o norte
ata a Granja 14 a 29 da aada mez.
PARTIDA 008 MNIBUS.
Para o Recite: do Apipueos 6 Ii2, 7, 7 1|2, 8
e.8 1,2 da m.; de Olinda s 8 da m. 6 da t.; de
jaboatao s 6 1|2 da m.; da Caxangi a Varxia
aa 7 da m.; de Btmfica as S da m.
Do RadU : para o Apipueos t 8 1|2. 4, 4 1(4,
4 1|2. 5, 5 liA 5 1|2 e 6 da t.; para Olinda s 7
da m. 8 lp da t.; para Jaboatao a 4 da t.; para
o Caxan a Varxta 4 l|2da t.; para Btmfica
aa 4 da t.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES YO CAPITAL.
Tribual do commereio : egundaa quinta*.
Ralaco: terca aabbado* ia 10 boraa.
Fazand: qaintaa 10 bora*.
Juizo do eommereio : aeguodaa ao malo dia.
Dito de orphos: targas a aextaa 18 bora*.
Primeira Tara do etvel: tergaa a extaa aa maio
dia.
Seganda rara do aivel: qaarta* aabbado* 1
bora da tarda.
2 Segunda.
3 Terca. S.
4 Qearla. S
5 Quinta. S
6 Sexta. S.
7 Sabbado.
8 Domingo,
DIAS DA SEMANA.
S. Eraamob. m.; S. Mireellnn m.
Ovidio b.; S. PiUla T.aa.i S.Olivia.
Pranciico Caracioli; 8. Quirino b.
Mariano m. ; S. Boniracio b. a.
Norberlo b ; S. Amantio.
S. Roberto ab. ; S. Lieariao.
Paacboa do Espirito Santo.
ASSJGNA-SE
se Reeife, em a livrari* da praga di Indepen-
dencia na. 6 e 8, dos propriatarios Manoel Figaei.
roa daFaria & Filbo.
Os Srs. assigoaute deste
Diario na provincia c o Para
queirain mandar apnsieiitar
seus recibos aos Srs. tfanoel
Pinheiro A C, negociantes
daquella provincia, aim de
nao soltrerfem interrii])Qona
recep$o dos Diarios.
PIUTE OFFICIIIL
GOYERXO DA PRO VIRRIA.
Expediente do da Sido malo
de 186*.
Offlcio ao Exm. preaidente da provincia das
Alagoas.Pelo *ea ufficio de 13 do rorrete fi-
que! inteirado da haver V. Exc. mandi do dar ama
pissagem de eatado desia capital pa. a a cidade
do Panedo em am doa vaporea da cocipanhia Ba-
biana ao bacbsrel Angelo Cietano de >ouza Coua-
seiro, promotor oomesdo para a com re de Oa-
ricury oesta provincia.
Aproveito a occaaio para agradece a promp-
tidocom que foi salisfeita essa miohi requisigo
a reiterar a V. Exc. os protestos de m nha estima
e distincta considerago.
Dito ao mesmo.Pelo seu officio 16 do cor-
rente fiquei inteirado de haver V. Eic. em vista
da requisic.au da commissao encarregt da de soc -
corros pblicos ao* indigente* acconn lettidoi do
cbolera-morbus no diitricto de Correrlos da co-
marca de Garanbuna desta proviocit remeltido
para all ama ambalanca de medican entos alio-
palbicos e bomeopalbicos acompanha lo das res-
pectivas iostrueces.
Dito ao inspector da thesouraria di fazenda.
Mande V. S. ajustar contasao seguoio cirurgio
do corpo de saade do exercito Dr. Abiaho Braoo
da Cmara at o flm do correte me:, visto ter
elle de seguir amanha para Tacarai segundo
consta de offlcio do brigadeiro comroindaute das
armas de boje sob numero 1096.Ccmmuoieou-
ae ao commandante das armas
Dito ao dezsmbargador procurador i a corda so-
berana a fazenda nacional.Sirva-se V. S. de
ioterpor o seu parecer acerca dos incl nos papis
que me serio devolvidos relativamente a ama
queixa dada por Francisco Mirtins Ri pozo contra
cmara municipal desta capital e teas empre-
ados por Ibe ter sido negada a liceo a que pedio
para levantar um telheiro em frente lie aua ota-
ria a margem da camboa das Btrreiras.
Dito ao director ao rjoool *>itn Dv w>u-
iormidade com o que solicitou-me o brigsdairo
commandante das armas em officio de boolem sob
numero 1087 faga V. S. embarcar paia bordo do
vapor vindo do norte, aflm de ser transportado a
Bahis para o que aera posta a sua disposigo urna
das lanchas do arsenal de marinha un caixao que
se acha n'esse eslabelecimeoto, contodo artigo*
de firdamentoa armamento e equipan ento, viu-
do* de Fernando com distioo ao 10 batalho de
infantina.Officiou-e aos agentes la campa -
cha Braaileira para fazerem transportar os cai-
xdes e aoioapectordo arsenal de m. rio ha para
mandar postar ama lancha no caea 22 de No-
vembro para o embarque dos referidos caixes e
commuoicou-se so commsudsnle das armas.
Dito ao commsodante do carpo de polica.
Deferiodo o requerimeoto do cabo te eiquadra
da seceso urbana do corpo sob seu commando
Flix Ribeirj do Amaral sobre que ersa a io -
ormagao do chefe de policia datada de bootem
numero 878, recommeodo a V. S. que o manda
escusar do strrico desie corpo visto ser elle de
dbil compleigo segundo declara o mesmo chefe.
Ditoao mesmo.Espega V. S. suaa ordens para
que urna escolta de 4 pracas da aechan volante do
corpo sob seu commando se aprsente ao Dr.
chefe de policia no dia 2 da junho viudo uro afim
de conduzir um preso at a cidade de Goiaona.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Transmiti a V. SJo incluso exemplir do Diario
de Pernambuco numero 125 no qual e acha im-
presas a lei provincial ouinero 5*22 de26 do cor-
rete sbriodoum crdito supplement ir de........
12:1289050 reis para sustento ecurat vo dos pre-
sos pobres da provincia no correte axercicio a-
fim de que lbe d a deVida execacc occorrendo
com essa qaanlia as despezas da verba respec-
tiva.
Dito ao mesmo.Recommendo i V. S. que
leudo em vista aasua ioformago de 27 do cor-
rente sob numero 308, mande por eoi hasta pu-
blica os reparos deque precisam ss asas do pa-
trimonio dos orphM numero 96, do becco largo
em Fora de Portas, numero 86 da na dos Bur-
gos, numero 35 d ra da Madre de l eos, numero
14 da ra do Rosario da Boa-Vista, numero* 83
e 84 da ra da Guia, namero 12 da laa do Sebo
e numero 41 alaearta'Lapa, servio*!o de base a
essa arrematarlo os ornamentos juo'os por copia
e que psra e**e fim-asa fora m remet dos pelo di-
rector da reparto das obras publicas com offl-
cio numero 51 de 22 de margo uliim >.Commu-
nicou-se ao director das obras publi :as.
Dito ao commandante superior lo Recite.
Respoodeodo o officta^ue V. S. me dirigi boo-
tem sob numero 48 le'nho a dizer qua aguardo ;a
inforntteao pedida ao chele de policii para poder
resolver acerca da soltura do guardi nacional do
1* bata I bao de artilharia deste msoicipio Jos
Theodaro Simoea da Silva, que ae acna preso
psra recruta e sobre que versa o cit ido officio.
Dito ao eommandante superior de Olinda e Igna-
ra*..Declaro V. S. em resposts o seu offlcio
4 13 do correte, que o guarda nacional do ba-
wlhao 9* de infamara da cidaie de Diinda, An-
tonio dos Praierea da Silva, que hivia sido ro-
erutado para o aervico do exercito f posto em
liberdade pelo subdelegado do Pofc da Paoella
aegundo conita de informado do chele de policia
datada de hootem e sob numero 883.
Dito ao director das obras publka*.Recom-
mendo a Vmc. que eotendendo-s< com o ad-
ministrador da cata d detengao mande orear a
despeza a fazer-se eom os repsroi de que pre-
cisa a coberta dsquel'e estabelecicieoto, que ae
acha arruinada segundo consta do >fficio do che-
fe de policia datado de bootem e acb o. 884.
Dito ao curador do* africanos livi es Ao offl-
cio de Vmc. de bootem datado, respondo dizen-
do-lhe que o Africano Hvre Joio SI, a favor de
qaemfoi mtndalo pelo juiz de orphao* da corte, deve tomar oceu-
pacao e residir nesta cidade poden o Vmc. faier
aenselhaote deelaracio na meocio ;adi carta.
Commuoico-se so inspector do aneoal de ma-
ftoba.
Dito ao juiz de direito da comarc do Brejo.
Toaando em considerado o que Voc. me com-
manica *m seu offlcio de \7 do correte com
refereaeis a epidemia do cholera ruorbus quej
ao manttaaton em diversos lugares lessa comar-
remetlo-lh* com esls os medica lentos e ios-
trbcgdea que requiUoo. Vmc. en iu citado of-
ficic. {ajmala
o 5 v" E*01" ompanhta brasileira
Podem Vmes. fazer seguir pasa o su I o vapor
Oyapock amanha. a hora indicada em seu of-
cio de boje.
Dito ao bacbsrel Lviz Mara Goozaga de La-
cerda.Concedo a autwisaco que Vmc. pede
para ir corta tratar de negocio relativos a
commissao de que aa acha eocrregado da nao-
digao da* trras da aldea da Eicada nesta pro-
vincia.
Portara.Os seohore* agente* da companhia
brasileira de paquete* a vapor roandem dar pas-
aagem para a Bahia, por coott do ministerio da
guerra ao cabo da aaquadra do 10 batalhio da
ofsotaria Heleodoro Aires de Araujo um Qlho
menor de 7 aooos, bem como para a corle, ao
soldado Antonio Francisco de Oliveira.
Dita.Os seohores agentes da companhia bra-
sileira de paquetea a vapor aandem dar passa-
gem psra a corte, por conti do ministerio ds
guerra ao ex 2* cadete do exercito Terencio Jos
Chavsntes.
Dits.Ossenhores agentas da companhia bra-
sileira de paquetea a vapor mandem dar trans-
porte para a Bahis, por conta do ministerio da
guerra, ao soldado invalido do 10 batalho de
lufantaria Jovioo Teixeira Leal, que vai reunir-
se ao seu corpo.
Dita.Os senbores agentes da companhia bra-
sileira dos paquetes a vapor mandem dar trana-
porta para a corta por conta do ministerio da
marinha no vapor Oyapock procedente do por-
tos do norte ao 1 lense da armada Francisco
Romano Stepple da Silva o qual foi desooerado
do commando da companhia de aprendizea mari-
nheiros deita provincia
Dita.Os seohore* agentes da companhia bra-
sileira de paquetes a vapor mandem dar ama
patsagem de proa para o Rio de Janeiro no va-
por Oyapock a iogo Baptista Fernandas.
Dita.O presidente da provincia resolvecon-
ceder dous mezes de licenga com vencimentos
na forma da lei ao Dr. chefe de policia Jos An-
tonio Vsz de Carvalbaes para irao Rio de Ja-
neiro tratar de aua stude.
Dita.O preaidente da provincia conforman-
do-ae com o art. 53 do regulamento de 31
de Janeiro de 18i2,resolve designar o juiz de
direilo da segunda vara dosla capital Dr. Ma-
noel Jos da Silva Nei'as, para exercer interina-
mente o cargo de chea de polica desta pro-
vincia.
Dita.O preaidente da''provincia tendo em
vista a proposta aprsantada pelo Dr. chele de
policia em offlcio de 28 do correte sob n. 870,
resolve exonerar a Cosad Joaquim da Fonceca
Galvao, Aotoato de Souza Rolim, Antonio Joa
quim Guedes Bezersa e Antonio Pioto ds Matla,
dos cargos do 1, t?, 5" e 6o suppleotes do sub-
mesmo subdelegado os cidadaos abaixo decla-
rados :
1*. Manoel Antonio Cavalcanti.
2. Francisco Camello Pessoa Cavalcanti.
3o. Fraocisco Xavier Coelbo.
4*. Cosme Damlo de Souza Pinto.
5o. Manoel Civalcinli de Albuquerque Ga-
delba.
6o. Lourenco Jaslniano Tavara*.
Despachos do dia 31 demalo.
Requerimenlos.
Tenente Francisco de Paula S Peixoto.Re-
queira ao goveroo imperial.
Franeelino Augusto de Hollanda Chacn.
Informa o Sr. Dr. juiz municipal do termo de
Limoeiro.
Joao Braulio Correa e Silva.Informe o Sr.
inspector da thesouraria provincisl.
Jesuioo Jos Teixeira.Informe o Sr. chefe de
policia.
Jos Ferreira ds Oliveira.Informe o Sr. Dr.
juiz municipal do termo de Limoeiro.
EXTERIOR.
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PER-
NAMBUCO.
Paris V de maio.
Apparecea ltimamente neata cidade um bro-
chara intitulada Para quando a liberdade ?
E' eata urna queato que nao se acha ainda auefi-
cientemente debatida.
A Franca vai marchando a passos muito lentos
para o que se convencionou chamar < o remate
do edificio > Todos querem porfia ser mais
imperialistas do que o proprlo imperador.
O senado e o corpo legislativo, aproveitando-
se da occaiioem que tratavam de algumas pe-
licoes e incidentes eleitoraes, fizeram passor s
discusso para a intervengo activa do governo
em materia de eleie.de*.
No senado aa petie.de* ou indicages patsaram
para ordem do dia. Entretanto, por ventura
ventajlo ao goveroo, qaalqaer que elle aeis, do
minar a opioiao pubiiea por meio de prescrip-
ces legislativas, e praticas administrativss, at
o dia em que essa se decida a vencer todos os
obstculos por um movimento msis ou menos
desordenado ?
Cr.mos que nao : so contrario no intuito de
previoir essss irrupedes peridicas e desastrosas
seria mais prudente que se deixasse um campo
livre e fcil s manifests^oes ordinarias e pacifi-
cas da opioio publica.
Quando o goreroo trata de fuodar-se muito
admissivel que declare'com o suxilio de que ho-
mens conta para a applicacao do sea principio
porque eotso s resta sabar-se ae o paiz aceita
realmente e na saa essencia o governo que se
lbe olerece : urna prova por que deve passar
qualqaer formula que ae.queira iolroduzir nos
lempos modernos.
Tambera admissivel que n'am rgimen par-
lamentar os ministros responsaveis apresentem
aos eleitores candidatos offleises ; porque nes-
se rgimen cada ministerio um verdadeiro go-
verno qae procura fuodar-ae, e o paiz pronun-
ciando-so lem o direito de aceitar ou rejeitar-es-
se goveroo I Mas na Franca nflo ha hoje minis-
tro responsaveis, que posaam ser aecusadoa do
resultado do acrutinio. O eleitorea nao impem
por sua escolba urna poltica ao soberano ; for-
necem-lhe indicages legse* (obre O estado ds
opioio publica ; e perianto sao nicamente a li-
berdade e aincetidade absoluta dessas indicages
que podem dsr so sobersnoa eerteza de nao des-
viar-ae do caminho, que iba est tr*$ado pelo
interesse real do paiz;
Finalmente o goveroo imperial nao se acha
mais no periodo da ana fandagao : aps dez an-
uos de existencia deve entrar naa auas funecoes
regulares. O senador que foi o relator das indi-
cages de que fallamos, leva urna idea bem in-
feliz e theoria* pouco &* a esse respeito, aendo
para lastimar qae as cousas parassem ah.
Anda do seoado o bario Cb. Dupio tratou da
questo sobre o algodio ; a insistiu torlemente
oa necessjdad de introdozir-se a sos cultura os
Argelia, e oa* Guyana* Franeeza*. Esses coose-
Ihos recebidos com unanimidad* chegam infeliz-
mente um pouco tarda par* conjurar-se a criae
actual : ao naeao* polaro lerrir pera o futuro.
Acho porem muito injasle qae ae lance aoma.n-
te sobre o hoverno federal americano toda a re-
ponaabilidade ds mingua que soffre a Earopa. O
aul ao lem mostrado lio pertinaz em nio consen-
tir na exportago do algodio para a Europa,
quanto o norte em nao o deixar sahjr: com tato
pretendere aquellos estados forgar a Franca a
Inglaterra a reconhece-los ind'epeodentes.
A sesso legislativa de 1862 aberta a 18 de ja
neiro devera ser encerrada nos termos da cons-
tituido a 18 de abril; foi aananciada porem ama
prorogagao de aeis semanas, que se presume nlo
ser anda sufficiente. O orgamanto apresenta-se
eale anno debaixo de novas condicgdes, e exige
da parle dos siembros da respectiva commissao
mui serias reflexes e nio interrompidss. Se-
gundo toda a probabilidade a discusso ser bas-
tante animada, e com especialidade os novos im-
postas contam desde j numerosos e decididos
adversarios. Nesta condigoes parece mal diffl-
cil que a sassao possa ser encerrada antes do fim
de julho.
O Monitor de 2 desta mez publicoa am longo
relatorio do miuistro da agricultura e commereio
cere da situagao da marinha mercante france-
sa, e reformas que podem ser reclamada* pelo
rgimen a queae acha ella submettida. A ques-
to versa e se debate entre a prolecgo do pavl-
Iho nacional e a liberdade.
O ministro passa em resenha todos o* prece-
dentes, e do que ha de histrico sobre a prolec-
go conclue : que as vsntagens concedidas
msrinha, e que eram consequencia do syslema
de proteegao, com que se acobertavam todas as
industrias do paiz, iam de encontr ao fim pro-
posto. >
Esse syslems foi em parte modificado : ss leis
de 5 e 23 de maio de 1860, os decretos de 16 de
Janeiro, e 24 de junho, relativos, um tarifa das
materias primas, e outro s tarifas das principaes
mercadorias coloniaes, trouxeram notavel allera-
go na imposigo dos direitos diffareoclses, e im-
posto addicciooaes de navegagio : a lei de 3 de
jalho do mesmo anoo decretou a emancipago
commercial das colonias : emtlra os tratados con-
cluidos com a Ioglalerra e a Blgica antorisam os
nossos corso a procurar naquelles paizes, me-
diante certos direito, os instrameotos de trans-
porte de que necewiiarn.
A medidas tomadas teem sido apreciadas de
diverso modo : entretanto todos os interesses se
unem para pedir um exame na situagao aclusl da
marinha mercante, e o goveroo dispde-se a dar
urna satitfaco a esse dejejo de todos. O con-
selho suprimo do commereio, agricultura e in-
dustria se acha encarregado do cuidado de ou-
vir a opioio das peasoas, que poderiasn esclare-
cer aa qu esloes que se deba te m entre os partidis-
tas da proteegao e os da liberdade, isto entre
aa^bWMaYVterVttd; fTai'SS d'es*?'auie
elle v mats adianto ; entre os que censurara as
medidas do governo como de per si pernicio-
sas e os que as censurara como incompletas.
Os primeiros querem que se d msis torga
prolecgo ; os segundos preferem a liberdade,
porem mediana a condiego de aer comple-
ta ; e que o corso teoha a faculdada ao mesmo
lempo de procurar os instrumentos de trans-
portes onde julgar conveniente aos seus inte-
resses. No eslado actual das cousas a mari-
nha mercante nacional apenas figura com 37 por
eeolo no movimento martimo do paiz. Deve-
nios esperar pelos resultadoa do exame.
M. Cbaix d'Estsoge, procurador geral oa corle
de Paris, passou em Londres algeos dia*. Espa-
lhon-se o boato de que M. d'Estange fuera In-
glaterra essa viagem com o fim de estudar de
perto o syslema de deteoglo preventiva que a lei
e oa asos fazem prevalecer entre os loglezes. A
ser exacto desojamos que teoha elle colhido em
sus viagem elementos de reforma, qae se pos-
sa m aproveilar, e qua o governo trate quaoto an-
tes de um projecto de lei sobre o cdigo penal
circumscrevendo nos mais estrictos limites da
boa f a triste oecetsidsde de detenco preven-
tiva. Deve-*e reputar innocente o aecutado em-
qnaato nao for definitivamente condemnado, e
adogar-se-lhe por conseguiole os rigores da pre-
vengo. Na Inglaterra o syslema de caogdes ga-
rante nao 's os ioteresses da sociedade como
tambem o systema da deleogo preventiva, ao
passo que o acciaado goza de maiores reapeilos.
O exemplo recente, que nos foroece a questo
do banqueiro Mira*, dolido por 15 mezea, fura da
gesto dos seus negocios que se liquidsrsm a seu
pesar, basta para demoostrar por si s a necea-
sidade de urna reforma oeste assumpto.
Acaba de foodar.se urna associaco sob o pa-
trocinio da imperelriz, a aob o nome do princi-
pe imperial. Tem essa associago por fim pres-
tar promptos auxilios aos operario* em apuros,
haveodo os seus fuodos ds geoerosidade da in-
fancia e da joventude. E' realmeote urna bella
iostituigo ; porem deve-se lastimsr que ainda
neste ponto sejt nscessario o impulso governa-
meotai com exclaso da Iniciativa individual.
Ser a falta dos individuos ? Nao, porque con-
ta-se com o sau concurso entecipado. A falta
as_obrigagdes e dos hbitos que lem a centrali-
sago espalhsdo por toda a parte.
R' muito para desojar que chegue o momento
em que a livre e fecunda activldade do priocipio
caritativo se possa organisar ob bases mala ex-
pansivas, aem que baja motivo para receiar-se
que f ica ella accepgo de opinies religiosas, co-
mo com a associago de S. Vicente de Paula, ou
de tendencias polticas, como com as sociedades
offlcialmente patrocinadoras.
A viagem da Vctor Emmanuel a aples nio
poda deixar de aer favoravel a uniQcagio italiana,
e de tacto o foi. J nao fallando das ovagdes of
Acias, o rei foi recebido com solemne triumpho,
unnime, e todo popular.
A 28 de abril a eiqaadra real escoltada por
navio* fraoeeze* fez a aua entrada na magnifica
bahia da aples ; e a histrica galeota barca de
ouro em queja haviam desembarcado na cida-
de em outroe lempos os reis Carlos 111 e Fernan-
do IV, dirtgio-ae ao navio para ir tambem desen-
barcar o primeiro rei da Italia. Era um bonito
eapectaculo ver-ae a cidade apinbada de gente, o
cu puro de aplas, am tampo radioso, e o Ve-
suvo dourado pelos ltimos rsios do sol no seu
poente.
Vctor Emmaoael desembarcos em Immacola-
talla, subi a urna carruagem puxada a aeia ca-
vados, iodo a aua eiquerda o general la Marmora,
e na frente M. Rattazzi e o syndieo de aples.
O cortejo seguio por entra urna multido exiasia-
da, commovida, e espontneamente italiana : na
raa de Toledo j nio foi enthusiasmo, foi delirio,
do todos os lados caba urna chava de flores e de
bouquels : chegada no palacio via-se apena o
bualo real como que sainado de urna ceda de
flore*. Eram grito, brados, exclsmacoes que
partiam das janellas entupidas de gente : c Viva
Vctor Emmanuel I Viva o principe aoldado da
Italia 1 Viva o cabo de esquadra dos Zuavo* I
Este acolhimeoto feito a Vctor Emmaoael pro-
va o quanto ae acha arraigada no* espirito a idea
da unifleaco, metmo naqaellaa provincias qua-----
at-hoje meaos team de que felicitar-se pela an- de*peza.
nexagio. Nada tem podido arrefecer o palrioti- Compra, lembear
co nihusiaiBjodos Napolitanas,uem. r*ctudt-qua ctmna d
concia da rebetlo.nem a* falta* da administra-
gao, nem as hesitages de urna magistratura ti-
morata, era finalmente o desa-so dos taneciona-
ros Pamontezes. No entente* dos Napolitanos,
bem com no de Gsribaldl, o rei Victor Emma-
nuel de -< ser tido como a ioeatoago da unidade
nacional A ana presenga por eonseguinte bastn
para qa^lodoa acompanhaasem o enthusiasmo
da alegra publica.
As featas offlciae* ioceedeiam-*e ; diremos
apenas alajamas palavraa acerca de urna deltas.
A 3 de maio Vctor Emmaoael viaitou o almi-
rante que ali coramaoda a esquadra franeeza :
por essa occatiao fet-se-lhe honras solemnes ;
salvou a artilharia de todos os vasos das esquadra*
italiana, franeeza, e inglesa estacionadas no porlo
Em coosequecia de tal scolbinaento o rei eacreve
a Napole H agradecendo-lhe a benevolencia,
de que foi pessoalmeote objeeto, e as sympalhiaa
delle imperador pela causa italiana Venho nea-
te momento de visitar s esquadra que vossa ma-
gostado ae digoou enviar para este porto : esta
delicadesa para commigo, e a sympathia, que vos-
sa magestade tem testemuobado, pela causa ita-
liana me lea vivamente impressionado ; e eu
agradego da todo o meu coracio. Ha bistanle
lempo, Sire, que nao sioto urna emogio como a
de hoje I A ordem que retos oas provincias na-
politanas, os enthusiaatlcos teslamunhos da af-
feigo que recebo de todas as parte* raspoodem
solemnemente s calumnias de nossos iuimigos,
e espero qua a Europa se convengs de que a idea
da um Ja de se acha profundamente gravada no co-
nglo de lodosos Italianos, onde repousa em se-
guras bases, i Queira, Sire, recebecer a expresso
da raioha sincera e inaltersvel amisade.
Ha nesta carta urna pbraae qua nao se deve to-
mar muito aa p da letra a qae trata da ordem
das provincias napolitanas; por quanto a este
respjito muito ha ainda a desejar. Victor Em-
manuel Um o direito porm de falicitar-se, e o
que justifica a sua coofianga o pensamento de
que sendo todas as desordeos ali de origem es-
traogeira, cetsaro como por encanto quando a
Italia t ver urna capital.
Eotranto h de elle ver entio com os seus pro-
priosolhoj que reclamara medidas e cuidado ur-
gente aquella provincias, quede ha muito for-
oecem Europa o modelo do mais detestavel go-
veroo. A reorganisago judiciaria, que nao era
um trabalbo fcil, foi perfeilamente recebids, mas
cumpre escolher comintelligencia os homens en-
Carregados da apolicago de taes reforma : es-
pecialmsnte em aples deve Victor Emmaouel
ter todo o cuidado, attendeodo a que essa cidade
nio qner ser simplesmeote a capital de um pro-
consulado pieroontez.
O principe Napoleo tem de partir para apo
leo a reunir "se com o seu aosrn yor muito na-
ii-i hj> a*7-r -"" "'. olavia atuitiul-aa-
Ihs rotniVW'fao com a sulur.So rli aueln lta-
A retirad! d M. Goyon de Roma determinou
a volia de Pi IX cidade pontifical. O Papa a-
chara-se em Porto d>Vnjo, onde tioha ido passar
algn* dias depois das testas de Paseos ; visitou
a orou so seu pequeo exercito ; eotregou qua-
tro novos estandartes aos seus zuavos, que reca-
bersm o ttaptiamo da igreja. Pelo aspecto que
vo as cousas tomando de crer que muito bre-
ve roceberao tambem o baptismo desaogue.
Em summa tem proJuzido effeito mu favori-
vel a esperanga da urna prximasolugo da ques-
to romn*.
O palacio de South Keosington em Inglaterra
abrlo-se ne Io do corrente mez a hora indicada.
A ceremonia de ioauguracao presidio urna tris-
te record**. O principe que havia concebido
a idea deta festa grandiosa, e que tio proprio
era psra dirigir os prepsrativoa j nio existia I
Por outro lado a realesa era ali representada por
um Ihrono vasio : e al o mesmo principe de
Galles estava ausente. Em urna palavra os ne-
gocios vsafrouxoj: Manchester acha-se em talas;
o Lancashire agooisa ; a industria, em honra de
quem se fez a festa, soffredora e infeliz por
mais de um motivo. -
A' urna hora lord Granville dirigi ao duque de
Cambridge o discurso de abertura : a msica te-
ve grande parte as despesa* da ceremoria ; Mey-
erbeer enviara ao* da commissao urna ouvertura
em forma de marcha composla expreasameote
para esse fim : es primor, digno ealre oulros,
foi admiravelmeote execulsdo. M. Sterudale
'poz em muaics versos feiios pelo poeta Laureado
Tennyson para esss oecasiio.
0 grande compositor frsncez Auber mais ums
vez deu provas de sua graga e vivacidade, da
seiva a do brilho de seu talento. Verdi niofal-
tou tambem com urna composigo sua ; porm
por inadvertencia dos mambros da commissao da
exposigo forana os visitadores do primeiro dia
privados de oavir a nova symphooia do maestro
italiano.
Como quer que aeja, essa festa internacional
foi magnnima pelo pensamento, que exprime,
e pelo seu fim, grande pelo .concurso de lentos
povos, grsnde pela reunio fabulosa de tantas
riquezas em um s ponto em urna palavra
grande pela homenagem tributada ao genio do
trabalho, e ao genio da paz.
Finalisando esta noticia sobra esse successo
industrial apratentaremos aqui urna importante a-
preciago da lord Granville no banquete dado
palo lord Utire aoa memoro* da cornniUsao :
Todas as nat}fjes'eslrangeiras fizeram desta vez
mais do que-ttnhim feito em 1851, e em todas
ellas notamos mui grande progresio e deseovol-
vimento. Se voltamos as vistas para a Franga
vemos sli o mesmo gosto exquisito, a mesma
faculdade em applicar a arte manifactura, que
tanto admiramos em 1851, e vemos de mais um
grsnde melhorameoto no lado pratico. Na Alie-
manha e no Zollverein vemos a acieocia da ma-
nufactura progredindo a om ponto tal quenas
faz refiectir sobre a imparlaocia de um estudo
nesse genero. Vemos a Austria e a Italia empe-
nhsdas ambas n'uma fivalidade pacifica ': a Aus-
tria dando mostrss de extraordinaria riqueza nos
seus recursos iodustriaes nio 6 pelos producto*
miarse, leomo peto* artigo manufacturado ;
a Italia apresentando-nos ludo o qued'all poda-
mos esperar, islo o genio, a arte, e o gosto
combinados na maior quantidade de producios
naturae que esse psiz tem exposto at aqui.
As exposigoes da Russis, da Hespsohs, e de Por-
tugal sao igualmente notaveia. Ha um paiz, que
apesar de suaa perlurbac.de nao deixou de tomar
parte oaexpoaiclo ; qaero fallar da Uoiio Ame-
ricana : e eouaa curiosa 1 de todas aa coa-
sas aqu expostas prima seguramente ama das
invenge* dsquelle paiz.
. Ealas palanas pronunciadas pelo oobre cood
que presidio aos preparativo* da grandiosa exbi-
blcio nacional, teem em grande valor. Sio qua-
si urna analyse irrecussvel do progresso consu-
mado no mundo industrial durante o* ultimo*
seis snnos.
Quanto i Prussi, seria aposentados & pro-
xims sesso Oa cmara os dou orgamanto de
1861 e de 1863, nos qua.es serio esnacifleados de-
talladamente oa paragrapho* de rtala e de
sislencia apeiar das continuas recusa* do minis-
terio, e que provocou i lula que acabou pela
dissolugo. Quaesquer que sejam a circums-
tancias, sob que se reproduz agora, coovem nao
quecer-se, que as boas medidas ao sempre
bem rindas.
Dizem que a influencia das eleigoe determi-
nara a medida de que tratamos; o caso 4 que a
vootade popular expressa as eleigdes fez honra
aos deputado* da cmara dissolvida q.ue nunca
cessaram de pugnar pelas suaa reformas j o que
nao exclue todava a asperanca de qe a corda
venha recoociliar-se com a nova cmara..
As eleigdes primarias foram em ludo fsvora-
veia ao partido liberal; excederam at- a todas
as esperangas. O que ha de bem significativo
que foram oa progressialas quem mais lucrou
com o appello fito pela coros opioio publica:
calcula-se desde j qae diporo pelo menos de
cem votos pela nova eleigo ao passo- que pela
antiga cootavam oiteota.
As elaiges do segundo grao nao illudiram cer-
ta menta coofianga daq balharam : pois muito provavel que d'ali sa-
bir a composigo delinitiva da cmara.
Em Berln j os eleitores do segundo grao ce-
lebraras* reuoides preparatorias, cojos resulta-
doa permitiera cousiJerarsa como corla a reelel-
go dos amigos deputados. Sa oreiaeceitir fran-
camente essas eleigdes, que parecem ama man-
festago nacionsl; se elle propoier a cmara, e
por eonseguinte ao paiz, um mioisterio em har-
mona com as tendencias e detejos do mesmo
psiz, nada haver qae nao haver sido mui l-
gico a natural na crise constitucional, por que
houver o governo atravesssdo.
A poltica adoptada depois da dissolugo da
cmara ao que parece d as maiores esperangas
liberaos, por que o goveroo se tem collocado
volunluriameote na via das reformas pedidas pela
cmara dissolvida, e oae ser a mesma segu La-
pela nova cmara,
Entretanto crer-se no que dizem algumas
correspondencias se tem adoptado nos crculos
offlciaes os planos os mais singulares e contra-
dictorios. Uos propdem que se proclame o esta-
do de cerco, e se modifique o systema da .elei-
gdes adoptando-se a eleigao directa sob as con*
dicgdes do censo, decretando-se ao mesmo lem-
po urna serie de medidas libaraes ; em summa
querem urna reforma no sentido liberal, tendo
como prologo a declarago de eatado de cerco :
deve-se convir que a ideia no mediocremente
original.
O conservadores pedem um ministerio pro-
gresis t a bem convencidos de que esse ministe-
rio sggrtvari ainda mais a postgao, fazeodo com
que deste modo o governo passe s mos delle.
Como ae v a modestia faz parle das virtudes
enntarvadoraa 1
^jEmfim o partido feudal exige que o rai deixe
rem depois de (JcriarMne 1(u0n A\aB\9i*nrfe
direito de ingerir-se oas resolugdes ds corda. la-
to nao maia do que aggravar a lula adiando-a :
por quanto um governo, que Iriumpha por meios
illegaes, alcaoga apenas ephemera victoria, e na-
da pode conseguir de duravel apeaar da opioio
pubiiea. Urna ordem de cousas que se impde,
expde-se ao meamo tempo.
A Austria resolreu reduziro seu exercito. Esta
reduego ser feita na razo de 20,000 hom*n e
de 8,000 zavalios. Os jornaes offlciaes docomo
tranquillos os ospirilos na Venecia e na Hun-
gra ; mas ao que parece essa medida foi ante*1
dictada por coniideragoes fioaneeiras.
Pode ser que o movimento hngaro se teoha
paraliaado pelas complicagdes da propria situa-
gao. O ministerio Schraerliog offereceu Hun-
gra a entrada no parlamento central de oitenta e
cinco deputados Huogsros, gsraotindo-se o re-
peito sua cooslituigo tal qual ara anles da
18(8. epromelteodo-se a eeuaidade de ragas.
A Hungra recasou porque desconfia das pro-,
messas da Austria : eocerrou-se obstinadamente
no seu cireulo constitucional, de onde nio quer
sahir por prego algom. Demais a Hungra deae-
ja annexar ao* seus limites o Banal-Serbio; a
Croacia, mesmo a Transylvania, que ihe foram
annexadas somente um anno em 1818. Offerece-
lhes o ingresso na cmara dos representante* em
Pesth ; porem aquellas- populagdes do seu lado
tambem desconfiam das promessas dos magyares,
porque recordam-se do seu espirito de dominio.
Os Croatas sao de todos os mais hostia: pois
preteodem ser o centro do* Slavos do aul apeiar
dos Dalmats*.
Por outro lado os roumanios da Transylvania
pensam em annexar-se aos roumsnios dos prin-
cipados reunidos da Moldavia e Valacbia. Em
toda a regto parece que exiitem elementos de
urna confederarlo danubiana iodependente. Nao
obstante e apesar dos geoeraes Turr e Klapka,
que na sua proclamaco datada de Milo organi-
saram esss coofederagio danubiana em grupos
magyares, roumanios, croatas, e serbio, a Aus
tria sabe que no^deve assustsr-se por bora, a
que nao ebegad aioda o momeoto de cootar
no imperio um sd antagonismo entre Vienna e
Pesth.
Vivamente preoecupada com o effeito que pe-
der produsir sobre as lodustrias das provincia*
meridionses o tratado de commereio franco-pras-
sianoa Austria exprimi, segundo dizem, por
iotermsdio da sua legago em Pars o desejo de
entrar tambem directamente em negociagdes com
a Frang; e o conde de Rechberg deve ter cele-
brado em Vienna urna conferencia preliminar
com o embaixador trance M. de Grammont; ao
passo que em Par* M. da Melteroich conferen-
ciara com o goveroo francez.
Suppde-se que de tudo ido provir um trata-
do de commereio entre a* duas nagdes.
G. M.
PERNAMBUCO.
a asts medid* foi urna da

ASSEMBLA LEGISLATIVA PROVINCIAL-
Discurso do Sr. Dr. Torres Baodeira,
na sesso de 17 do passado.
O Sr. Torres Baodeira :Os termos demaaisdo
genricos em que est coocebido o projecto que
ora sa diacute, e que fot confeccionado pelo no-
bre deputado o Sr. Barros Brrelo, o o sentido
quaai indefinido que se pode prestar 4* sua* va-
nas disposigdes, suggerem ao espirito natural-
mente algumas considerares que derem mere-
cer a mais seria allengo desta caaa.
Cedendo de miaba parto a asta necessldade,
que julgo tanto mais importante, quanto con-
vm flxar de una modo directo o alcance deste
mesmo projetlo, aflm de que, no csso de sar elle
convertido em lei, nao venha a produzii duvidaa,
nao venha a suscitar embaragos na praiica, na
sus execegao, eu pas*rei a fazer algumas obser-
vagoes tendentes a mostrar, casa qua a idea do
projecto, a qual em these aceitavel, nio poda
deixar de aer modificada da alguma aorta, para
qua nao d lugar a urna inteligencia to ampia,
como aquella que, i primeira vista, parece tran*-
0 meu &to,
reclamou eom oaait ia- liir Sr, presidente, restringir o sentido do projec-
to ; adstriogi-lo mesmo ums interpretado que
aeja mais regular, mais particular e mais alara z,
tornar mais explcito o pensamento capirti do
projeoto, subtrahi-l'o a esss formulas viajase
muiios gerae* que o envolveos, e addicionarlhe-
aiguma idea, que o possa fizer mats compreheo-
sive em todo o seu desauvolvrmanto.
O Sr. Barros Barroto :Eilimarei muito.
O Sr. Torres Bmdaira :Estou que o mea H-
lustrado collega nao levar a mal que raaos me-
nos habilitadas que as sua* (ooo apoiado) oa-
em tocar em so a obra, alias to credora do-
aprego. .
O Sr. Barro Barreto:Por forma alguma, o
al eatimo.
P Sr. Torre* Baodeira :Se me- animo a fazar
algan additameotos a*o sea trabalho, soment
porque desojo de mioha parte contribuir pare-
que o peosameoto fundamental desee seu traba-
lho se torne mais preciso e terminante, urna vez.
que sou eu o primeiro em acompnha-Io nesse
mesma- pensamento.
Quer-se revogar a li n. 4i de 9- de maio
de 18....
Um Sr. Deputado :Isto j est approvado.
O Sr. Torres Baodeira :.... determinar quo
todos os embregados de eslabelecimento* de be-
neficencia, de qualquer cathegoria que sejam,
que percebam dotagdea annuas pelos eofres pro-
vinciaes, nao possam exarcar seus cargos, sem
que sejam admiltidos por um contrato ou eoga-
jamento comeases mesmoeslabelecimeoto, por
coola do quaea deve correr a paga dos venci-
mentos a.que elles tem direilo ; ese estatu,a-
lm ditto, que relativamente a esses mesmo* era-
pregados, assim contratados ou engajados, nao
tero applicago as disposigdes de leis que cou-
cedem aposentadora ou jubilago aos funciona-
rios proviociaes. (jue o priocipio aceitavel,
que rasoavel e justo, quando se trata de cerloa
cargo que, em razo de sua propria natureza, o
dos tins a qua se destinara, devem ser confe-
ridos medanle as condigoes de um eogajamenl
ou contrato, nao se pode duvidar ;que relati-
vamente a empregos desia ordem pode e deve
vigorar a idea do projecto, ineootestavel; por-
quanto, em ultima analyse, esses meemos esta-
belecimenlos ou suas admioislragoes sao se
mais habilitadas para conhecer das bases e das
clausulas especiaes, sob as quaes devem servir
os seus diversos empregados. E' obvio, porten-
to, que aa, condigoes para taes empregos devem
ser designadas e determinsdas por meio de con-
tratos, de accordo com os fins e as necessidades
desses estabelecimeotos, que taes contratos de-
vem ser feitos de cootormiaVade com aa necessi-
dades dcasaia iuelituigoea, e com as suas leia de
peculiar rgimen. Mas a respeilo de oulros em-
sus. mesmas funcgdes, nao poaVt !Jar aiail
a esses eogajameolos, a esses contrafrXL8.18"0*
puto de oulros empregados que j teem direnr
adqueridos em virtud* da lei, que os constiluio
nos seus diversos cargos, parece-me que o prin-
cipio coulido no projeclo nao pode ser applica-
vel. E' para prefinir esse defeito, para remo-
jar essa difflculdade, que me parece ponderosa
e a que ndsdevemosaltender em primeiro lugar,
que eu ped a palavra nesta occasio. Alm de
oulros empregados, por exemplo, no hospital de
caridade, existe um cirurgio, o qual j apresen-
tou casa urna reclamago contra o projecto que
se discute ; existe um medico : ambos elles com
direitos adqueridos, ambos empregados pelo go-
veroo, e zelosos cumpridores dos seus deveres.
Existe igualmente no collvgio dos orpho* um
professor de primeiras letras:...
O Sr. Machado Portella :Elle tirou a cadeira
em coocurso.
O Sr. Torres Baodeira :-*.... que est com-
prehendido como empregado, na disposigo ge-
nrica do projecto; porque nao ha duvida que
as disposigdes do projecto sao to ampias e to
latas, que comprahendema toMos os empregados,
qualquer que seja a sua cathegoria. Eu sei,
como acabou de dizer o meu nobre collega e
amigo, o Sr. Machado Portella, que o professor
do collegio dos orphos, que em razo de ter ti-
rado a su* eadelra em concurao, parece dever"
eitar iienlo dessas disposigdes, nao se acha sujei-
to a esse contrato, a esse eogajamento que esla-
belece o projecto ; mas o certo que nds devemos
estabelecar oas lais disposigdes to claras, tao
explcitas, to termioaotes, que tendam a fazer
desapparecer toda e qualquer ambiguidade em
sua execogo, que teodam a desterrar toda e
qualquer duvida, que possa prejudicar direito*
adquiridos, (apoiados)
Em relago ao professor de primeira* letra
do collegio do* orpboi, reconhece-ae que elle *
lirn a cadeira em coocurso. Esse funecionario
exerceu o eu lugar na comarca da Boa-Viala, e
depois por um acto presideocial, ouvido o
conseibo director da iosiracgo publica, foi re-
movido para o collegio dos orphos. Ora, ae o
projeCi. convertido em lei, houvesse de ser ote
catado em toda a sua amplitude, aem se fszer
modificago alguma, o que auccederia T
Suceedera que esse empregsdo, que alia* ti-
rou urna cadeira em concurso, dapois de pastar
por urna prova de babilitago sobre as materia
do eoaioo publico, depois de estar sujtito lei e
ao regulamento que vigora especialmente a res-
pello da ioslrucgo pubiiea da provincia, verla a
car sujaito a urna disposigo que Ihe nullifica-
ra e destruira completamente todos os seus di-
reitos, todas as garantas o vtntagens qua elle j
havia obtido.
/Hi am aparte.)
O Sr. Torrea Bandeira :Essa mesma raza
exiata a favor de oatro* empregado*.
(Ha outro aparte.)
O Sr. Torrea Bandeira :Eu me occopo espe-
cialmente do professor do collegio dos orphos,.
porque entendo que, em relago a olla, oa di-
reito adquerido o muito mais explcito*.
O Sr. Souza Reis :Ahi que ha verdadeiaos
direiloaadqoiridoa.
O Sr. Torrea.Bsodeira :.... visto corees ta-
rando elle a aua cadeira em concurso, o u* di-
reitos sao to claros, sao to to expressament
determinado* aa lai, quo elle nao po4 nem
deve jmala Acer comprehendido na* disposl-
ges genricas e absolutas deste projecto-.
Estou bem certo de que eata asaemblee, cuja
tlluitragio te tem lempre manifestado em acto
desta ordem ;' de que esta asaemblee, que *e ha
sempre mostrado como a suateatador* a defen-
sora doa principios de justig eeidade, na
deixar de altender a estas breve conitderagdee
que tenho feito. Neste entido.au mandare! & me-
sa urna emenda subslitota, o rl- 3* d0 projec-
to, aflm da que nio 9au nelle consgnala, ene
idea aem alguma reaticgo.
Tendo ipiicade. o meu pensamento, ** pasa-
la! a redigir aneada ao entido es sesbeV
du enunciar**

Ji
:rr


**^*,,,'

s
-
ttVISTft ttltlft.
a
i.
IAggrartnte, Joi
**'"*?_.' *BI*
_____
.uetimeolo pelo Sr. Neto o si olido de nometr
*> presidente da cata ea commiuao para ex*-
ir o estado d* estrada pro* soii de Tatnan-
cotnmettendo a oomea^o do | residente da pro-
ioeia; sendo ambos approvadoa, desista o Sr
preaidtote os Sr. Nelto, Drum toad Pedro Af-
ooso, en substitui^o do Sr. Uuurque, para e-
zerem parle da meima cummin ck,
Teodo come;* a 1* parte da .rtfem do da, tn-
tr**m 2* discutiao o projecto 11, que obra o
crdito de 12:0009 para pigt tacei do theatro lyrico; o debate. Segue-se-lhe ai* dis:utso do projecto
de 11 21, qe manda levar tn cotila a quaolia de
50*9 a Antonio FraQcifW de Paula Dirreto ; e
_< meamo approedo e adoptarlo.
Paesa em 1* diicussio o prt jecto o. 16, que
trata de medidas connrente* a melbor exeouoio
la nrrecadiQo ; e 4 dispensado o intersticio para
vastara ordem do da. Sefue-te-lbe as postu-
ras do cmara toowicipal do Bio Formse, obre
saquees manda Sr. Bruma ond ama emenda,
qwe approvada; e approvado igualmente esa
1P diseasao o pr*jecio-o. 23, < e que se dispensa
intersticio per* entrar-rb orcem do dia.
Entrando ea_ T* diacoao o '.rojecto n. 88, que
aacede certee favores a F. II. Dupnl para eo-
erporar ama compeerhis de _dtlic*cio urbana,
toma a patarra o Sr. bario de Muribecs em ten-
lido contraria ; e epprovad< ; sendo rejeitado
porm o de o. 28.
Pasta-** t. 2a parte da orden Sr, vVreri juslificaado duaa nmeadas-suas acer-
ca 4a conetruccao cioha e da volac&o de quota pi ra as matrizea daa
illae de S. Beato e do Bom-< oateltie. Em se-
guida ore o Sr. -Soma Raa arl. 13 e*eut-g,e'levanta-ae 1 a ato pela hora.
A ordem do oa de boje eompe-a* daa aegun-
dae disouate* do* projectos n* 16 o-25, alm das
materia j dadaa a menor meo e.
Can dala-de 3 do patsado tiramos a segua-
te caria, eacripte do Ico :
Bo dia S6 para ri tem di mhiuiJo o numero
do orlos e dot accomraetliloa, porm aasim
mearoo de hootcm a noite pan teje j morreram
una 80, incletive o coronal C ou vea, ba pouco
qaichegado e o velho Jos Frippe, acbando-ae
a anorte o-Jos Rodrigues Pin o.
Nao I he pesio explicar a teta visto etia infeliz cidade, a onde j suecumbi-
rara mata de quinbentaa pettoas ; e creia-me
qua nunca tuppuz ver-rae eo. tanta amargara.
ToJos rivalicavam em etforc/K em favor dos af-J
legados, .principalmente o (adre Theodulpho,
jae vio-se fu em das de maior furor, aem dor-
aair, com as porlaa a bertas de aia e a aoite, pera
ter liberdade quem viesse ara aua procara para
cootlesaa, nao podando calcilar o numero doa
4>or ellesoccorridos nao lcon a abaolvico sa-
cramental, como acompauhado do pai e do irmo
Afriu-Piolo Bandeira com .garrafas de remedioa
fabrcadoa em aua osa. aoccorreodo at pesaoaa
le ordem superior I \ h I meu charo, por ora nao
ei e oem posao avaliar oa dolorosos elleilos de
io cruel epidemis tu castigo
i Telha e Larras j vo sofiendo benignos ca-
aosde choleros.
O ioveroo, em minba opitio, tem sido su-
perior aos de 42 e 43 por causa do numero daa
-huvaa.; e o.otavel que o ch lera declinaste 00
furor ou noa diaa da maior internada.
-Temes noticias de Gareot uos com dala de
_5 do patsade :
A epidemia reinante, marchando coostaote-
meate, couiios a fazer estraf oa no distrieto de
Corrate, no da Palmeira, Pestaa ; e asquella data aouie-te que est ac-
commettendo oa habitantes do Poco-Cumprtdo, a
cinco legoaa da villa, ende Mleceram duaa mu-
Iherea dentro de poucaa horas, e donde ae pede
providencias as autoridades ds villa.
A villa e seuc suburbio, nt otferece novida-
de.; e esses meamos casos benignos que appare-
eratn e cederam ao cooveaieo e tratamtnto, nao
contioaaram, tres das.
Aecbuvaaaao copiosa* e hi uro fri intenso.
A populado cooaerva-te aniada,
fiouve procisso de peoileor a ; e Dos gran-
de e iofallival a interceasio nosso padroeiro,
O glorioso Santo Antonio.
_ Ofir. comroissario-Silveslre IsnaciojjAiAm
de guerra que '""Jeu a'l"i. ltre a satitfa-
cio de ver *"* decisfio confirm ida pelo supremo
militar e de jusliga, que plenamente o
OlAliO DE PKRNAMlCO; w Q
-*r
oveu.
lie dia 1.7 do niez paasado parti da corte com
daelioo i este porto o vapor de guerra Ypiranga,
sob o commando do Sr. Ia teieote Joa Uaai-
tniaoode Mello o Alvim. Este navio vem refor-
jara oossa ealaco oaral, qaetetn careca disto."
Da eleico para um depulado pelo 4 dis-
trieto temos noticias da seguint votscio :
Gollegio de Giran! una.
Dr. Allooso de Mello. 23 rolos.
Dr. Nascimeolo PorUlla. 4
Gollegio de S. Bei to.
Dr. Nascimeolo Portella. 32
Gollegio de Caruer.
Dr. Naacimeuto Portella. 21
Dr. Alfonso de Mello. 11 t
Dr. Gitiraoa.....1
Movimenlo da enferman- da casa de de-
ten-ao do dia 3 de junbo de 1(62.
Ttveram alta da enfermarla :
Joa Rodrigues da Gosia.
Maooel Flix do Nascimeolo.
Manoel Siaoes Jnior.
Maooel Antonio SorTral.
Joo Francisco de Lima.
Jote Francisco Borges.
Jote Gomes dos Santo.
.Jos Caetano de Parias.
Seve baixa para a enfermara
Manoe!Comes da Silva Jnior; febre.
O vapor nacional Paran, ibido para os por-
tos do norte, conduzio a seu bo: Jo os paasagei-
ros seguintes:
Maooel Jote de Amorim, Joio Bussan, Bento
Airea Rodrtguee. Barnardo Jos Pereira, Dr. lien-
rique Krauaae, F. B. Brown.T.'-I Liteuhier, ail-
reslre Jess dos Santos, Mano .1 de Oliveira Li-
ma, Francisco de Oliveira Lima Candido de Al-
buquerque Monte-Negro, Jos ce Azevedo e Sil-
va, Antonio Angelo Feroandes, Antonio Joaquim
de Jess, ama mulher e um Sil o menor.
ObITCARO DO DIA 3 DE JLINffO, NO CEMITE-
TUO PUBLICO :
Francisca, frica, 60 onnos, sol .eir, Boa-Vista ;
diarrha.
Jotona Mara, Peroamburo, 6( annot, aoleira,
Santo Antonio; gastro enterile.
Anna Francisca de Oliveira, Per umbuco, 56 an-
not, riuva, Boa-Visla ; diabetes.
Antonia Maravilha, Pernambuco, 26 annos, via-
va, Boa-Viala ; febre amarelh.
Vicente, Cear, 4U annos, solteir 1, escrsro, Boa-
Vista ; cbolers.
Eleooota Mara da Conceigo, Pernambuco. 24
anaos, casada, Boa-Vista; hy ropera.
Flix Ignacio de Mello. Sio Grai de do Norte. 50
annos, casado, Boa-Vista ; ca ia da vertebra.
Joanna Emilia Cavalcanli, Parshyba, 40 annos,
olteir, Recife ; phtbytica pnlmootr.
BHas, Pernambuco 19 annos, solleiro, eteravo,
Boa-Visja ; lubercalos pulmonares.
Caetano Travaglioe, Italia, 36 tnnos, solleiro.
Boa-Visla ; febre amarella.
lgnacia Mara da Gonceicao, Pernambuco, 43 an-
nos, viuva, Santo Antonio ; bi.xigas,
Educrdo, Pernambuco, 7 mezes, Boa-Viala ; -
, pasmo.
ap-
ap-
se-
Relator o Sr. desem
Sorteados os Srs. des
a Uebod Cavtkanti.
Julgou-se oio aer cato de aggrave.
Certa lesltmunhavti.
Aggravante, padre Francisco Virisrme Bandei-
ra ; aggravalo, o juizo.
Relatet e Sr. desembargador TJcbOa Caral-
centi,
Sort#tsVoi 01 Sr. dfaetBfciriaderes Geettoo
Santiaf* e Mott.
JulMavae alo hc caso de asmevp.
Fot pwpoeta Pttttao AcatMo Jos 4e Mal-
los, fttodo uem de habeea-corpus, que lb Coi
concedida para o da VI do torrente, ourid* a
auterldade competente.
AfpiUastucwtU.
Appellaote, Joao Vieira da Bocha ; appeiltdo.,
joo de S e Albuquerqae.
Confirmada a seetence.
Appeanla, ot ds 'Costa Dourado ; ae-pel'.t-
do, Antonio Manoel de Gsmpos.
Nallo de i. 46 em diaale.
MCE!OIS CHIMES.
Com vista ae Sr. desembargador promotor da
j ualica ae eeguiates
ppeUq;des crimtt.
Appellaote, o jui:o-; anpellado, Hare Bamazia
da Guoce^ao,
Com viste ao Dr. curador geral
Appellaote, o promotor ; appellado, Severino
Gomes Coutinho
Appellente, o juizo _; appellado, Manoel Anto-
nio do Sobral.
Appellante, Luiz, escravo ; sppeHado, o jeito.
Vista *e partes
Appellante, Luii Soares de Albuquerqae ;
pellada, a justica.
Appellaote, Antonio Alvea de Oliveira ;
pellade, o juizo.
DESKMAgiO DE DA.
As8kgoou-se dia para julgament das
guintes
Appellages crimet.
Appellante, 0 promotor ; appellado, Antonio
Jos de Almida Franca.
Afptllagoet civet*. '
Appellante, Antonia Avelina do Rosario ; ap-
pellado, Julio da Costa Cyrne.
Appellante, Maooel Jacintho Pereira ; appel-
lado., Leopoldo do Reg Barros.
Appellante, aprela Sancha.; appellado, Joa-
quim deBaus Baplitts.
Revittas crimet.
Becorreote, Jos Alvea Pereira Maia ; recorri-
ridt, a juetiga.
DISTRIBUlQaO.
Ao Sr. desembargador Caetano Santiago :
Appellao civel.
Appellante, Manoel Joaquim Nunet Baire;
appellada, Isabel Mara da Cooceico.
Apptllaco orime.
Appellante, o juito ; appeiltdo, Flix Jos de
Agotar.
Ao Se desembargador Silveira :
Appellao civel
Appellante, Francisco Ignacio Pelzoto Florea ;
appellado, Mariaooo Jos Pereira de Souza.|
Appellao crime.
Appellante, Joaquim Pedro de Almeida ; ap-
pellado, o juizo.
Ao Sr. desembargador Gilirana :
Apptllaaao civel.
Appellaote, Joao Evangelista Cavalcanli Pas-
aos ; appellado, Luiz Guedes Alcoforado.
Appellanao crime.
AppeHante, o juizo ; appellado, Flix, os-
era vo.
Ao Sr. desembargador LoureDeo Santiago :
Appellanao civel.
Appellaote, Jos Francisco Accioli Lint 4 ap-
pellado, Franciaco de Albuquarque Maranho Ca-
valcanli.
Appellacoes crimet.
Appellante, Jos Tavares de Mello ; appellado,
o juizo.
Appalaote, Francitco Ponciano de Oliveira ;
appellado, o juizo.
Ao Sr. desembargador Molla :
Appellaco civel'
Appellantes, os heroeiros de Jos Francisco
Balm ; appetlada, a fazenda.
Appellacoet crimet.
r Aitiwjit'jto.illr* Appellante, o promotor ; appellado, Theodoro
Querido.
ijamoa a mito a Vetee
ma policio com daapa^M da ^eaidenck pe BmUmo."
'A PUBA 4 DI JUMBO DE 18M.
g||l|."MMiJBl.rr... > ..
.
PASS1VO.
la cmara informar, de Francisco MartioeRaette, DetMtoe da direccao
a, na qual se queixa havec e nasma cmara deixa- Letras por dinheiro 1
do de mandar ultimar a. planta da tua dos Prese-, juros
dinheiro recibido i
8,000:0001
i,470:300
80:0001
Ao Sr. desembargador Peretti :
Appellaco crime.
Appellante, Antonio Joaqaim de Oliveira ;
appellada, a justiga.
Ao Sr. deaembargador Uchda Cavalcanli :
Appellago civel.
Appellaote, Jos Luiz Pereira Lima ; appella-
do, Joaquim Pereira Maia.
Appellago crime.
Appellante, Francitco Jos do Costa ; appella-
da, a juttica.
Encerrou-aea sessao a 1 hora.
GHRONICAJUDICMRIA.
_ Tribnnal da Rea ei.
MmnSS?10 EM 3 DE JNH< I}EI8,
HUIDIKCU DOE. g. COMMHEIIO EUHEUITO
., ... M LE o.
etliUSLll_?'?" PMMutM os senhores
deeetnJ>argadoMs Caetano Santiato. Silveira Gi-
tiraoa. Loureaco Santiago, Mulla Prelii lnhA.
Catalcanti Guerra. p.KS' K ',che^
Jz de direto Dr. Doria, abrio-a j a a*ao'
Passados os fetof, e entregues os distribuidos
daran-se os eguiafos
/ULflAE5T0S.
Habeos-corpus.
cadea-M soltura pedida ea hibees-corpas
24MJDtJo paitado.
CMARA MUNICIPAL DO RECIFE.
3* SESSAO ORDINAB1A AOS 14 DE ABRIL
DE 1862.
Pretidencia do Sr. Barros Reg.
Prsenles os Srs. Reg e Albuquerque. Henri-
ques da Silva, Maia, Reg e Mello, abre-se a ses-
sao, e lida e approvada a acta da antecedente.
Le-se o seguiole
EXPEDIENTE
Um offlcio do Ezm. presidente da provincia,
duendo que para resolver sobre o contelo do
oflicio numero 40. de 7 do correte mez, que pela
cmara Ibe oi dirigido, convem que a mesis c-
mara declare a despeza fazer-se com a acqui-
siQao do terreno para pastouradouro doa gadoa
desuados ao consumo publico oesla cidade.Que
se ordenaste aoeogenheiro para levantar a planta
de mesmo terreno, e fazer a roedicao delle, aun
de e responder o officio de S. Etc.
Um despacho da presidencia da provincia do
otcio do director daa obras publtcaa. mandando
a cmara informar sobre s licenca que a S. Etc.
pede o mesmo director psra cercar am terreno
ndicado na piala que veio 8Dnexa junlo ao
theatro de Santa Isabel, aUm de all depotitar-se
os maienaes neceasarios a construccio da ponle
de ferro, vale como o de qae se etto serviodo
os empreiteiros nao bastante para o depoiito.
oppunba a hcen^a pedida.
H_.a'ro,.no offlcio d0 inspector da Ibesouraria
de fazeoda, cobrindo a peligao, oa qual Domiogos
aa silva Campos requer que se lhe conceda por
arrendameoto um becco davolulo ao ul do edi-
Octo em que (uneciooa o tribunal da relacao.
Que ae respondesso a S. Exc. que o becco, de que
ms. oeces"rio P" logradouro pu-
blico e por isso nada tem qae oppor a pretenco
do peticionario : com tudo lembra a S. Eic. que
^T'h18?0' 0,B predi0 'UiBo becco
(?La a 1 DeIe1,e1ncl* ao rrendamenlo, con-
forme determina a lei.
Um officio da commistao que foi oomeadopara
representar a cmara na corle do imperio, por
occaaiao da inaugurado da estatua do fundador
do imperio Sua Magestade o Sr. D. Pedro I. cujo
officio abaixo te segu, bem como a alocucao a pre-
sentada pela mesmacommissio.
Illmt. Srs. presidente e membros da cmara
municipal do Reclfe.-Acceltando a honrosa com-
mistao que Vv. Ss. se dignaram de encarreger-
nos. rapreaeotanio a cmara municipal deaia ca-
pital da provincia de Pernambuco, por occasilo
da inaugurado da estatua do rondador do impe-
rio. Sua Magestade o Sr. D. Pedro I, de gloriosa
memoria ; tlremoa a honra de assitiir a tase acto
edo dirlgirmos a Sus Magestade o Imperador por
intermedio do Sr. ministro do imperio a alocucio
que vrela da copia junta.
de fS5t._.viscondo de Albuquerqu.Mtrque de
unnda.Sergio Teixeira de Macedo.
SenhorOa Braaileiroa acabam de inaugu-
^^_trn.f,l;lu".d0Sr,)Pear,,I andador do
TiSf i d0 W' c"D,f O'nicipal da ca-
pital da provincia de Pernambuco. detejando ser
represeotadt oeste acto, eocarregou-nos dessa
honrosa misso.
t Contemporneos de um lio grande principe
nao pretendemos ajuizar as tusa inminentes qua-
iidadea e t nos incumbe aissgurar a Votta Ma-
Seatade Imperial qae etorcando-noa com leal-
dade e dedlctgio ao desemptnho da grande obra
que nos Iegou o fundador do imperio, tararemos
posteridade asse monumento nais dundor do
ne quanlos a mo do boaism pe isa coaalruir.
rea na margen da cambo* das Barreirat, ane-
gando, pare dar maia valor a aa* repreaantacle,
que per isso ae lha nie tem concedido iiceaca
para centtruir divoteaa tatrae q*M pretende (aaav;
em untas Ierra oaoMllelagar,MreUataque
a ootree em ideoticaa arcumiUociae tees per-
muiiee edificar.
Peale em disco**, e tende tallado sotr
matetta diverto rn|||t verta4erea reaorveo-
s* 99* m que fMpe ?*ido o en*_ieiro cor-
deitfor, a quet e peaHo todo oa eaclarecimen-
4e para ae poder responder a S. Xxc
Um offlcio de Br. cnefe de polica transmiltin-
do por copla, aa ialormtt}b*s dadas palo subJele -
gado da freawecta Boa-Vista acerca da peti;o
de Jos Pereira de Arellar, declara que sent na-
da ter a providenciar sobre o comportsmeoto do
subdelegad, que lhe parece regalar, e fundado
nat poaluree municipaea.
Posto esa diecuaaio, depois de tomarem parta
oelia algalie senhores rereaderee, declarando o
Sr. Mallo que bem a seu petar entrar* oa apre-
ciado deeta qaeatao, mas nie poda a Uso osgar-
se, porqae dss ioformsc.ues dadas pelo subdele-
gsao coartava irrogar elle urca cenaura acrlmo-
niota a amara, e a aeu* embregados.
O Sr. 'Reg, concordando com o Sr. Mello, de-
claro* que a cmara devia dar algtima retposts
so Ur, cheje de polica, o por flm se delibero
officiora S. S. que a camera venJo quedas re-
presentagoes que lbe dirige centra abuaos de em-
pregedos policiaea, a retulta ioaultoa de um mo-
do detcommuoal, como acaba de acontecer coet
o dito subdelegado da Boa-Vista, eolende dar
fia a taea representsces, e t por ella empre-
gar oa meloa que ealae a aeu alcance a bem de
teas municipes.
Outro do delegado supplente, Jos Auonio Cor-
rea da Silva, communicando ter entrado no dia 13
do correte no exercicto da delegada .oeste termo
'Inteirado.
Outro do subdelegado tu p pen te ds freguezia
do Recife, queixando-se de nao ler o procurador
da cmara dado cumprimeoto a um mandado ex-
pedido pelo mesmo subdelegado, para leraota-
mento da qaaotia de 4159000 que se ach depo-
sitada 00 cofre municipal por Jos Miranda Cunha
como fianza por crime de ferimentos, do qual a
final (ora desproouuciado, cujo mandado nao s
foi recambiado pelo procurador, como notado e
aatigoado por elle, mottraodo essa nota que s
por deprecado cumplira o que no metmo ae con-
ten, o qua importa ama cenaura ao dte subde-
legado, e ftzendo diversas reflexoet sobre a quea-
lo, coocUe remetiendo o citado mandado para
a cmara providenciar.
Poslo em discussao, e sendo chamado o pro-
curador para dar a razio, pela qual nao camprio
o referido mandado, *sle respondeu que o devol-
reu, porque prttice seguida por ilguns juites
de te dirigirem cmara por carta recatona,
quaodo tem de mandar entregar qualquer quan-
tia depositada em teu cofre, e nao por um aim-
plea mandado ordenando so procurador a entrega
daqutntia depositada : depois de ter sustentado
o seu procedimeolo com diversas razes, rasol-
veu-se que oeste sentido se officiasse ao subde-
legado, di'endo-lhe de maia a mait que o procu-
rador, com este seu procedimenlo, uao tere em
vistas aggravar o decoro daquella subdelegara,
com quem aempre etteve em' perfeita harmona.
Outro do eogenheiro cordeador, taformtodo o
raquerimento, no qual D. Mara Isabel Anlunes
de Oliveira pede-para concertar o aeu aobrado da
ra da Cadela, fazeodo-lbe cornija e outrot re-
paros, etc., com tanto que lbe teja perroltlido por
osanos na mesma cornijt couforme o modo en-
ligo, desaguando oa ra, visto ser impotsivel col-
loca-loa por dentro da parede, por nao haver cla-
ros aufflcieotea entre aa portadaa que sao unidas
urnas s outras no aodar terreo; declara que nao
lhe parece digna da ser akleodida a pretendi da
supplicaole nesta ptrte, visto o grande inconve-
niente que disto resultara ao publico. Conce-
den-se que a supplicante tizesse os den.ais con-
certos, e que, quanto aos canoa, nao tinha lugar
senao como determioam as postura*.
0uo lo fiscal da Boa-Vista, comtnunicando
que a pequea F.-.- An r.hora-menn. oa eatra-
03 ilaraisjsem. nena -te com algSB^^^ives pv.-
..w. v*a w icTBin ou'tui/fieci f0*0 00 go-
verno.
Outro do fiscal de S. Jote, informando peli-
;o, na qual Augusto Luiz Pereira da Cunha e
outrot moradoras da ra Aogusla se queixam da
eziatencia de urna casa onde te tratam fressu-
ras, declara que com effrte ezistio essa casa,
mas que, teodo elle fiscal a ella se dirigido em
das de dezembro do anuo pataado, e eocoolrado
eaae trafico, fizara lavrar termo de infracto s
posturss contra a moradora Francisca Mara dos
Stntot, e que, voltaodo em outra occasiio, ob-
servara que nao bavia mais o trtfico de que se
queixam oa peticionarios.Despachou-se a poli-
cio oeate aanlido.
A' requerimento do Sr. preaidente Barros Reg,
mandou-se ordem ao procurador para mandar fa-
ter pous porloes de ferro para os cemiuri'-s das
freguecias do Poco e de S. Louren;o da Mttta.
Foram nomeadas novas comroisioes que fica-
ram compottas da seguinte frms : ssude
Gustavo e Barata ; pelicia Reg e Albuquer-
que e Dr. Angelo; edifleacoes Simplicio e Ce-
tario de Mello ; peti^es Leal Seve e Dr. Ange-
lo ; negocios do cemiWiu -llego Maia ; ditos do
maladouroSimplicio.
Deapacharam-se aa peludea de Augusto Luiz
Pereira da Cunha, Benedicto Jote Daarte Ce-
dria), Maooel Luiz de Mello, Maria da Conceico
Figueiredo, Manoel Jos Guedes de Magalbaes,
Maooel Jos Patricio e outros ; Victorino Teixei-
ra Leite, Zacariaa Mara Bessooe, e levaniou-se
a satsan. Eu Francisco Canuto da Boavitgem,
official-maior, a escrevi no impedimento do se-)
crea rio. Barres Rogo, presidente. Cesirio de
Mello. Henriques da Silva.Reg e Albuquer-
qae.Reg.Mello.Leal Seve.Reg Maia.
Aos 15 de abril de 1862, comparecern! so-
mente os Srs. vareadores : Reg, Mello e Hen-
riques da Silva : nio pode hover sessao. Eu
Francisco Canuto da Boaviagem, official-maior,
a escrevi 00 impedimento do secretario. Hen-
riques da Silva.Reg.Mello.
Aos 16 de abril de 1862, lendo comparecido 01
Srs. Reg, e Mello, nao pJe baver tessio. Eu
Francisco Canuto da Boaviagem, official-maior, a
escrevi no impedimento db secretario.Mello.
Reg.
Aos 21 de abril de 1862, teodo comparecido os
Srs. vereadores Reg, Henriques da Silva, Maia,
e Mello, nio pode haver sessio. Eu Francisco
Cajuio da Boaviagem, official-maior, a eterevi
00 impedimento do aecrelario. Henriques da
Silva.Reg Mello.Reg Maia.
Aos 23 de abril de 1862, lendo comparecido so-
mente os Srs. veresdores Henriques da Slra,
Reg e Mello, nio pode harer aesto. Eu Fran-
citco Canuto da Boaviagem, official-maior, a es-
crevi no impedimento do secretario. Heuriques
da Silva.Reg, e Mello.
Aos 24 de abril de 1862, teodo comente com-
parecido o Sr. vareador Mello, nao houve sestao.
Eu Fraucisco Canuto da Boaviagem, official-
maior, a escrevi no impedimento do secreta-
rio. Mello.
Aos 25 de abril de 1862, comparecendo t-
menle o Sr. vereador Mello, nao houve sessao.
Eu Francisco Canuto da Boaviagem,official- maior,
a escrevi no impedimento do secretario.Mello.
NOVO BANCO DE PERNAMBUCO.
Balando do Noto Banco de Per-
nambuco
em 31 de malo de 1868.
ACTIVO
A plices da divida publica ......
Estrada de ferro de Pedro II......
Estrada de ferro da Baha........
Depsitos.........
Joias depositadas......
Lettas caucionadas......
Letlas descontada......
Letras protestadas.....
Letras a receber..................
Remeaaaa........
Aluguei de casa......
Fornecimenlo.......
Premios de ttulos de garanta. .
Juros..........
Despezas geraes .................
Caita.... :.....................
3:052$i88
542:56-24*0
57:67298t
Coatas correntes com jaros .
Fund de reserva. .....
Ttulos em caucao .....
Banco da Baha S/C ....
Banco da Baha N/C ,
fcnowles & Foster (de Lo4rea) ,
Jos Antonio de Figueiredo J-
nior (Rio de Janeiro) ,
Dividendos. ....,,,
Baques ........ ,
Juros da garanta de tmiMit
Premios de saques e remessa.
Descontoa.............,........... 195:509*377
Publicacoes a pedido.
10:45660l
8:225*734
6209716.
8:2409000
16:0958090
3.435814
3459791
Dentomstracao do estado da eaixa
1:0849000
En euro amoedado
Em notas do thesouro maiores
d 109000 .......
Em ditas menores......
Em notas da caita filial do Ban-
co do Brasil ......
Em notas do No-
vo Banco de
Pernambuco :
sendo do va-
lor de 2009000 20:2009000
Ideen do valor de
tOOgOOO....... 13:6009000
dem do de 50J 5:7509000
Nomeado chelo de polica da provincia da
Sergipe o Sr. Dr. Theodoro Mechado, em qoali-
dade de um doa aeua numerosos amigos desta
comarca, venbo dar; os devidos emboras S. S.
5:735|280j D?,a *U1 nomeacio e cumprir o teoliio devor de
J8:034g2l despedir-ma.
Onde qaer que exer$a fuoccoas publicas Sr.
Dr. Theodoro, dar proras de carcter, que fex
aqui lio considerado doa homeot de bem. por
aua acryaol.da puren ; e pelo profundo aenti-
mento da jattffc que um de taua mais pre-
ciareis predicado*; e ladependenl* a ponto de
ae tornar aaperior a todaa eaetjggeatoea e eeosi-
deraces alhelat eos seus deveres. Deu de taea
qualidades documentos em tua judicatura nesta
comarca.
S. S. coohecido na provincia; e pois pouco
aproreita o dizer mala, nem foi esta o mea pro-
posito, seoio pedir ao digno magiatrado que con
aerve a lembranca tympethica dos amigos dedi-
cados que aqui deixou e aentem cordealmente a
aua auie-cia : posso dize-lo por todos.
Villa de Gsraohuns, 25 de maio de 186*.
O. O. E. R.
Res. 4,422:2869513
368:7709000
6:3179080
17:270J000
Prata e cobre
39:5509000
3649454
Ditos de 3 / de exportaelo......
Expedleole da eapatatta..........
Mnlttt.....*.... I**'
Sello do papel tm\\:"ZT"S.
Dito do papel proporcional.......
Eeaolumentoa.................
Imposto dos despacnanloa'.'.'*'.*."
____M /Iraordi'a'riaV
Receita erentual..................
Dirmos da provincia d'Alagoas...
Des da provada da Parahiba....
DBm da provincia do Rio Grande
do Norte........................
Cofltrfbuic.io decaridade..........
Rendimento do mez de maio
de 1860a 1861..................
Reodimeoto do mez de maio
de 1859 a 1860..................
2457
10031810
1.-0361243
eoofieo
129*780
379000
259WK)
____
469:908f76
21:1T29800
6059260
1699833
950562
493-M9584
388:1289191
299:4309676
Alftndega
1862.
Res, 433:3559454
DcmonstrncAo da emisso.
4267 notas do valor de 2002000
4639 10t)000
3060 508000
853 4009000
463:9009000
153:0009000
Ria 1,470:3008000
O guarda livros,
Francisco Joaquih Pereira Pinto.
Communicados.
573:8008000
104:0009000
108:9939610
80:0009000
5:7358280
4:5309000
2.925:3208668
109:8659460
47:1088350
8.4909909
525*000
7:7669485
8 8399526
12849172
2:67195W
433.8558454

*
R*.
4,422:8869513
Foi ainda chamado a fater parle de um minis-
terio o nosso mui distincto patricio o Eim. Sr.
conselheiro S e Albuquerqae.
E' mais ama prora que recebe o Sr. conselhei-
ro de S. M. I. da cooQan;a que lhe inspira a aua
intelligenria, illustracio e excellente carcter.
Pelo fado de ler sido chamado ao ministerio,
tem da proceder se a ora eleico; precito
que oa eleilorea do terceiro diatricto mottrem,
que oa seus delegados, sao, nao s habilitadoa a
sdvogar os seus interestet, mas, lambemguiar
oa negocios do pait.
E' tambora oecettario que os eleitores do ter-
ceiro dlslricto nao descancem uns nos outros, na
expectativa de que todos apreciario devidamente
aa boas qualidades do Exm. Sr. cooselheico Si e
Albuquerque, e depois scoote;a como oa sua
primeira reeleigo; nio, convem que todos se
eiforce.il a dar por untnimidade de rotoa urna
demonstracSo ao pais iuteiro do conceto que
formam do Exm. Sr. coosetheiro A. G. de S e
Albuquerque.
Eryx.
Sobre representarlo de alguna proprietarios
da povoBQio de Tamaodar, a cmara municipal
do Rio-Formoto formulou o aeguinte artigo de
poatura :
* Nio ae poder crear gado solt dos lugares
< de cidade, villas e povoages de seu termo,
a sob pena de o seren aprehendidos, e multadoa
seus donos em 49000 por cabera. t>
A assembla provincial approvou esse artigo,
quaodo approrou o corpo de posturas, em que
elle sa acha cootido, e por cooaequeucia o que
era apenta urna aspira;io doa habitantes de Ta-
ma miar paasou a aer urna lei.
O Sr. Augusto Heorique Milet, porm, o qual,
..raOu, do .siucir, e vendedor de carne sec-
ca e de bacalho, ten lo-te dado tambem crea-
c4o de gado, eolendeu que devit oppor se exe-
cugao daquelle arligo de poatura ; e a tal extre-
mo tem leesdo at coutas que no Independente
a 129 faz urna acre censura illuslriasirua cma-
ra municipal, e ataca o honrado presidente con-
tderando-o incurso naa penaa dos arta. 139 e
142 do cdigo criminal I
O Sr. Milet diz que o presidente tinha expedido
ordans iliegaes, e para isso funda-se no dizer
que, sendo de tervido militar da forlafoia ot
terrenos, em que pasta o seu gado e o de outros
creadores, nelles podiam libremente pastar ot
gados que ali andam, e que tm devastado aa la-
vouras da quasi totalidade dos moradores da po-
voacao j meocionada I
Sero os ditos terrenos de servido militar ?
A creacio dos gados nelles tem sido favorecida
pelos commandaolea da fortaleza com licenca da
autoridade competeote ou arbitrariamente?
Etta que a queslao e sobre ella que deso-
jamos que se fa-i a luz.
O Sr. Milet diz que o preaidente expedio or-
dena iliegaes. e que por isto acorrer na taoc-
5ao dot arla. 139 e 142 do co ligo penal! Que cri-
me lera commettido o Sr. Milet, quaodo na sim-
ples qualidade de engenheiro do governo fez af-
fixar editaea nos lugares mais pblicos da povoa-
?So de Tamaodar, com o Qm de prohibir a for-
raaco de curraes, que alias se faziam com li-
cenca da capitana, autorisacio da cmara muni-
cipal, e eobreioformagao do capataz do lagar?
Nio1 taifa o Sr. Milet arrogado a ai atlribeijee
que nio tinha, praticando esse facto?
Quer o publico ter noticia dease facto ? Eis o
edilal :
< Heurique Augusto Milet, bacharel em Ultras
e aciencias physicat, malhemalico pela univer-
aidade de Franca; cavalleiro da imperial or-
dem da Roas, engeoheiro do sul da provincia,
e eocarregado dos terrenos de manaba da co-
marca do Rio-Formoso, etc.
Faco saber aoa habitantes detta praia de Ta-
mandar, que prelendendo-se, aulorisados pela
capitana do porto e cmara municipal da Cidade
do Rio-Formoso, esli levantando novamente
curraes no canal, que corre encostado mesma
praia entre a ponle denominada de Tamandar e
a do trapiche da compaobia, que, visto ditos cur-
raea aerem evidentemente prejudiciaes navega-
Cao costeira, e j terem sido por ette motivo de-
molidos pelo lente da armada Manoel Anlonio
Vital d'Oliveira pelo que provavel serem dlas
autoristcOes para outro lugar, e nao para o dito
canal, resolv embargar, como de facto teoho por
embargada, a construccio dos mesaos em nome
do Exm. Tice-preildente desta provincia; e or-
deno ao aponlador das obras publicas, Pedro Ra-
mos Lieutler, qae fija; effectivo o embargo, re-
quitilanao o auxilio daa autoridades policiaes
mais prximas, se assim Mr preciso.
Praia de Tamandar, 20 de maio de 1857.
t Eslava assignado por Henrique Milet. e tam-
bem sellado e recoohecido. o
Srs. Redactores, vista desle documento, o
publico que julgue quem o Sr. Milet. e a auto-
ridade competente que lome conhecimento desle
faci para pdr termos ao Sr. Milet; do contrario
leremos aqui um segundo dictador Rosaa tfue bre-
ve mandar cortar cabejas, pois.com fumacas de
urna sonhada eatrada de ferro e cidade Taman-
dar, nao reconhece aqu propriedade de nio-
guem, porque tudo, diz elle, est as 600 bracas
ds servido militar da fortaleza, nio obstante j
le o governo geral porum decreto recoqhecido o
dominio, e poase dos particulares.
Tudo isso em breve levarel ao conhecimento
do publico.
Sra. Redactores, o Sr. Mel assentou que derla
fazer a aua fortuna neste Infeliz Tamaodar, que
elle chamara sua Marselha, mas que hoje diz s
serrir para crear gados.
TSo cedo reduzlda a lio baixa coodico a cida-
de formosa, creada nos snhos dourtdos do Sr
Milet I
Qae da estrada de ferro, qae abra umlisoo-
geiro futuro poroacio ?
Maadeixemoa o Sr. Milet para pedir cmara
municipal do Rio-Formoso que fsca manter a toa
digoidtda e o imperio da lei, tornando effectivo o
recolhimento do gado, que aoda aolto na praia
de Tamaodar, destruiodo as rocas, o carrapato
e o coqueiral naacenle, pelo qual ae paga um Iri-
bulo que bem demonstra a tua ultlidade.
1118 1|2 alqueires de farinha de man-
dioca de produeco do presidio de
Fernando comprada pelo coronel
Trajano Cetar Burlamaque ao ex-
sentenciado Graciano Jos de Freitas
e Quitino Joaquim Madeira, e que ja
foram pagas pelos cofres pblicos na
importancia de 2:684#400 1 1
Albeio a eataa discusses que se tem publica-
do pela impreosa sobro os leitos do Sr. coronel
Burlamaque no commando do presidio de Fer-
nando, nao preteodiamoa recorrer ao prle, a
nao sermos levados pelo Interesse que nutrimos
de que nio continu o Exm. presidente da pro-
vincia a ser Iludido, aanccionaodo depredares
dos diohelroa pblicos, mormenle em urna po-
ca em que a maior economa tem aido recom-
mendada pelo governo geral, sob cujo program
roa foi iniciada por S. Exc. a admioitlra;io da
provincia que lio dignamente lbe actba de ter
confiad*.
Sendo publico haver o coronel Burlamaque,
logo que asaumio o commando do presidio lo-
mado todos os rogados dos empregados, senten-
ciados e particulares que arrandavam terrenoa a
oacao o que foi corroborado por um dos pane-
ayratia do mesmo senhor, o porlagaez Antonio
Altes de Araujo (que dizem aer aeu socio oa
caixeiro] em urna correspondencia locera no
Diario de 17 do presente, sorprendeu-oos a
lailn do expediente da pretidencia axarada noa
Otarios de 5 e 26 do correte, em que te mao-
dou ptgaraMtnoel Rodrigues da Cotta Maga-
Ihies (genro do coronel Burlamaque), e a Joao
Francitco da Souza a quantia de 2:684|4t)0, sen-
do ao 1 1:9648400 e ao 2 7209 importaocia de
1118 1 [2 alqueires de firinba comprada pelo di-
to coronel a Graciano Jos de Preitas e a Quiri-
co Joaquim Madeira, pois nio podemos conce-
bar como a* elfectuaase a venda de um objecto
a|oacio quaodo a ella perlencia 11!
E' muito escndalo 1 multo synitmo I
Nao duvidando da hanradts do Sr. Burlama-
que, do que tem dado exuberantes provas em
commando*. directoras e outraa commissdes,
com tudo nio podemos prescindir de lbe fazermoa
aa segnintes pergantaa, e eatamoa convencidos
de que S. S. nos responder aalislactoriameole :
1.* De que meiosdispuzeram o ex-santeocia-
do Graciano Jos de Freitaa e Quirino Jotqaim
Madeira. aendo aquella sargento da aldi ou
fetor dos sentenciados o este incumbido dat
planlacea da naci para manufacturaren) um
lio avultado numero de alqueiraa de farinha ?
Ou isso ser urna embagadtlla, tm de alguem
receber ioderidamenle este dinheiro dos cofres
pblicos figurando os taes Gracianos, Madeiras e
etf., como testas de ferro 11
2. Qual o flm da farinha proveniente de maia
de 20,000 covaa de roga deixadas a sua seohoria
em borla do Pico pelo ex-commaodante Reg
Barros ? Ter S. S. conaumido essa farinha pt-
ffeWJr ^sMiW*ISWtyi%We9Z 23
fazenda publica) entrara com ella para o almo-
xarifado gratuitamente, como fez com a que
perlencia aos empregados e miseros senten-
ciados 1
3. Seria de oecessidade que S. S. realizatse a
compra detl!8 1|2 alqueires de farinha para a
na;o, lando-te aaaenboriado de todaa aa plto-
t>Coe, at daquelle* que arrendaram terrea co-
mo Francisco de Paula Tiburcio Farreira, Joa-
quim Rodriguaa Maia da Olireira. Antonio de
Castro Delgado e oulrot, alm das 300,000 covaa
de rocas deixadas pelos Srs. msjor Rago Barros
e Maooel Thomaz doa Sanios umita farioha ae
tem aido consumida no presidio durante dez me-
zea de administrado de S. S. nio obttaote ha-
ver reduzido a 15 avos meosaea a quanlidade
de farinha que percebe cada aentenclado 1
*, Desejamos finalmente que nos responda aa
ser exacto haver S. S. mandado decepsr lodos
os algodoeiros, a despeitodas ordena do governo
am de curar da cultura de taea arbuatos?
Acreditamos que o Sr. coronel Burlamaque ns
esUdo em que a acha desle o mez de Janeiro
do auno corrente, nao tem scieocis do que se
patta no presidio e que tahez teja completa
mente Iludido por aquellos que o cercam ; mas
nio sabemos como S. S. prefira os pinguaa la-
crea que percebe, conser'ando-se naquelle lu-
gar, alias de muita responsabilidade, ao estado
anormal em que o mesmo se acha.
Voltaremos a arena caso seja miater.
O inimigo dot etcandalot.
de Pernambuco, 31 de maio de
O 4* escripturario,
Joao Bernardo Di nie P
Becebedurla de rendas
gentea dtp Pernamb
Bandimento do dia 2 .
Idam d dia 3......,
nter mea
l:02l948
3:0364402
4:0585250
Con calado provincial.
Rendimento do da 2 .... 10:252$666
Idam da dia 3......; 4:0908716
14:3439384
Movimento do porto.
Haviot taidos no dia 3.
LiverpoolBrgue inglez J/ercurp, caplta N-
cholaa Gebbs, carga aisucar e algodao.
Hacei Brigue hollaodez Juan Jacob, capitio
S. W. Liogbeek, em lttro.
Para e portos intermediosVapor uaciooal Pa-
ran, cotnmandantd o capitio-tenente Jos
Leopoldo de Norooba Tomzio.
Macei Patacho iogltz farrtel, capitio W.
Smitb, carga parte da que Uoax de Tena-
Nora.
Nao houveram entradas.
Editaes.
1029221
25800O
1799290
738117
179777
5858000
249OOO
I69OOO
208168
77814*
138340
1059554
4619666
99525-,
NOVO BANCO
DE
Pernambuco.
EM 3 DE JNHO DE 1862.
O banco desconta na psente semana a 10 /.
ao anno at o prazo de 4 mezes, e a 12 /. at o
de 6 mezes, e toma dinheiro em contas correntes
simples e com juros pelo premio e prazo que sa
convencionar.
Al f ande ga,
tendimento do da 2
dem do dia 3 .
4I.050J082
14.0379130
550879212
Movimenlo da alfandega.
Valumes entrados comfazendaa..
toro ganaros..
Valumes
a
sabidos
>
com fazendas..
com generoa..
259
"l38
270
259
-SHT- 408
Detcarragam no dia 4 de junho.
Rarea iogieza Queen of lhe Sout taxas de
ferro.
Brigue portuguezS. Manoel Imercadorias.
Brigue italianoCrettolinemassas e sal.
Rendimento da alfandega de Pernam-
buco no mez de maio do corrente
anno linaneciro.
Importaco.
Direltos de importaco para con-
sumo...........................
Dilos addicionaes de 5*/.........
Ditos addiciouaesde 2 7..........
Ditos de baldeado e reexportado
Expediente dos gneros estrangel-
ros navegados por cabotagem..
Ditos dos gneros do paiz........
Ditos dos gneros livres...........
Armazenagem....................
Premio dos assignados............
Despacho martimo,
Ancoragem........................
Direitos de 5 7, oa compra e rea*
da das embarcares............'
Exporlaco.
Direitos de 5 7, de exportasio...
I Ditos de 3 7, addelontet.........
I
- De ordem do Iiim. Sr. inspector da theaou-
rara de faieoda desta provincia, ae publica para
conhecimento dos loteresaadoi a relagao abaixo
transcripta doa credorea de dividas de exarccios
findos na importancia total de 4:3719996 ra.
cujo pagamento (oi autorisado pelas ordens do
thesouro nacional ns. 90 e 91 de 14 e 20 de maio
ultimo.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco, 2 de junho de 1862. Manoel Jote
Pinto, aervindo de efficial-maior.
Relacio a que se referem aa ordens supra.
Ministerio da juttic.
Abilio Jos Tarareada Silra, exer-
cicio de 1859 a 1860.....
Estevio dos Aojos da Porciuocnla,
idem de 1858 a 1859. .....
Flix Correa d'Araujo, idem de 1852
a 1855 .:......
Jos da Coala Dourado, (I) idem de
1859 a 1860........
Jos Piauhilioo Meodes de Maga-
Ihies, idem idea idem. .
Ministerio da marioha.
Francisco Goncalres d'Arruda.idem
idem idem........
Ministerio da guerra.
Jacintho Jos de Mello, idem idem
Jos Anlonio Peatana.idem idem
Pedro Celertino de Aguiar (Jote
Francisco de Mortes Vtconcelloa
0--..UUU11U u; jxj taem de 1853 a
18o..........
Silverio da Costa Borges, idem de
1859 a 1860 i ... .
Mioisterlo do imperio.
Joe Cerdoso Ayree, idem de 1856
a 1857. ........
Mioitterio da juttica.
Antonio Teixeira de Borba, idem de
1852 a 1853. .......
Franciaco Gtrcia do Amaral, idem
de 1857 a 1858. ......
.... Ministerio da guerra.
Abrahao Moreira Barbota idem de
1853 a 1854......|
Antonio Francisco Seguodo, dem
idem idem........
Aotonio de Hollanda Caralcanti d
Albuquerque, idem de 1856 a
. .........
voe.10 Jo,,Juim de Freitas, idem
1854 a 1855........
Anlonio Jote do Eapirilo Santo.
dem de l$42*a 1843. ....
Aotonio Joa Machado, idem de 1850
a 1852..........
Anatidea Duarte Carneiro da Cunha
Gama, idem de 1853 a 1854 ; .
Bernardo da Rocha Bastos, idem de
1851 a 1856 ...... .
Carlos de Moraes Camitao, idem de
1853 a 1854 .......
Coriolano de Castro e Silva, idem de
1851 a 1854........
Flix Joa da Cmara Pimtntel,
idem de 1844 a 1849 ....
Franciaco Americo Pereira Lago,
idem de 1854 a 1855. ....
Guilberme Jote, idem de 1852 a 1857
Hermenegildo Aires Candido, idem
de 1853 a 185*..... .
Jacintho Joa de Mello, idem de
1851 a 1852 .......
Joao Eugenio, dem de 1852 a 1855
Joio Ferreira da Rocha, idem de
1852.1857. ......
Joio Francisco Segundo, idem da
1853 a 1854. .......
Joao Jos de Souza, idem de 1843 a
1844...........
Joaquim Alves de Freitas,
1852 a 1857 .
Joaquim Joa da Costa,
Joaquim Jote Moreira d
idem de 1836 a 1846. S
Jos Caetano Feilosa, idem de 1853
1854.........
Jote das Chaas Accioli, idem de
1853 a 1858........
Jos da Fooseca, idem de 1853 a
1854 : .......
Jote Francisco Alves de Lima, idem
de 1842 a 1855. ......
Jos Francisco de Souza. idem de
1849 a 1850. .......
Joa Jerooimo da Cooceico. idem
de 1853 a 1854. .......
Jos Joaquim Capistrano, idem,
idem, idem ; .
Jos Joaquim de Mondonga, e Mel-
lo, i lera, idem, idem .
Jos Joaquim d a Rocha, idem de
1851 a 1852. .......
Jos'Lazaro de Carrtlho, idem de
1853 a 1854.........
Joi Manoel, idem de 1852 a 1857 .
Jos Pereira Santlago,ldem de 1853
a 1354.........
Jos de S Luiz Blmbert (Domingas
Maria da Cooceico, mii de), idem
dem, idem....... .
Lino Gomea da Silva, idem de 1854
a 1855....... .
Manoel Francisco Lopes, idem da
1853 a 1854.......
669000
800
492OO
23100
119045
219683
29OOO
308400
39J0O0
379120
26937a
99525
58000
529023
319120
99525
79740
33913
209168
445906
119151
28|986
99525
399902
169333
99525
349944
99525
19017
418992
20916
119151
519333
39340
119151
382.2258112
45:58IJ463
479264
1909240
4829995
942172
7548549
1:4359279 (1) Antea de elletlutr-ae o pagamtoia deata
1589033' divida dee a thetourara mandar revalidar eaal-
_, -._,-_,._, ,0 d0 "1rimenio docredor, que para aase las
2:2198850 se remelle, devolvendo-o depois ao tbetotarev
..AnJ ,2) 5eBe"- thaaoureria o Ululo de cea-
578000. aao, am de qae nata de raalisar-se o paga-
o-r ni meJDl. ,ei* Iecoo*wcid itattaHora a rofo de
?:?SK cedenle' aevndo ter depoia reenviado ao ib.
13.1309M9'tOBro para finar tanexo ao proettao.
' tfeoett latMtl
,-----
_____.
Mu


_
........




de 1853
MVm..4W|M
"'Zta?u 8iis" ,85(
^Wa^^"81*' ,*tai
'~,M*2Mfr. dem'di
sebasliao Aotonio 0 Reg Cavel-
esnti. (s*r deiro de) idem de 1851
waa.........
TheoBora liara da Etaltaco (tato-
de aeus filhoi), dem da 184!
1850..........
Tatago Olimpio da Piula Moreira
iden.de 1853 a 1855 ,
Vcente Uidoro du Bosarlo, idea
de 1853 a 1854 .... .
Uieialerio da uzeada
Joaepha do Reg Barrete, dem du
1854 a 1858.......,
sria do Reg Brrelo. dem di
1854 e. 1858 .... .
Francisco do Reg Brrelo Pereira
dem idtm ..'.....
Frincitso AntoniodeSiqueiri Civil
caotl de Albuquerque, idem d<
1853 a 1856. .... .
Mina Francisca dn Regn(aerdsiroi
de) idem de 1855 t 1856 ..
9J525
f9e
7J980
110*166
149114
J0J38*
205000
35$467
65*000
2060
11002
3609000
360JO00
3609000
54*15
849688
4:37199%
arante a theaourarie provine al vai nova-
wete 4 praca, no di 12 do torreo a, madeira
mu tarimbat do quertel do corpo j-iaei ae inu turrara m. Os preteodeotea podesn
slirigir-se mesas thsseuraria.no dia aapra raea-
ciooado.
lid da thesourarii profin:lal de Per-
j3 de janho de 1852.0 secretario, .
da Aoouoctijo.
O Itlro. Sr. ioapector da ihaao irrli provin-
cial, era eumprimento .di resolugo da junia da
faienda, mande fuer publico, que 00 dia 13 de
junho prximo futuro, perinta a anana juala te
* de arremalar a quem por menoa Qtar o forae-
cimento dos melicameotos e utensilios pira a
enfermarla da casi de deleacAo deata cidade, per
dempo de un anno, a contar de 1* de iulho do
correte anno ao lira de juoho de 1J63.
. i peisom que ae propozerem a esta arrema-
eecao comparecam oa sala das sosal a da referi-
#1 loj"
i jauta no te arfara rn endonarlo i.elo meio dia dia.
5^ perlaota pagMi-MMofaenadoe loe empre-
'OfttJOO gado* preraciaes, vendeos ae mes da mate pro
ximo nado.
. Sicreleria da thesounrs proviociil da Per-
a atabaca,2 da junho de 1802.
searetaco,
AbUido Ferreira da Annuecisco.
-- O Illai. Sr. ioapeolor da thesoursria pro-
vteciil, osa curaprimealo da resoloco da juala
dafizeoda, manda fuer publico que te contrata,
por lampo de tres metes, a cenUr de 1 do ja-
lao prximo radoero.ofornecimente da alimen-
ticio a dietas para os presos pobre da cesa de
detonco, a aaber:
Alimeataco.
Domiogo.Almo
Um pao de tres ooc,as.
Urna onca de ci.
Duca oacaa de 1 nucir.
Jiotar.
Urna libra da carne verde.
Urna 005a de toucioho.
Um dcimo de (arioha.
Lenba e aal.
. Segunla-feira.Almoco.
O mismo que ao domingo.
J salar.
O meemo que do domiogo.
Tarca-eira.Almoco.
O meimo que ao domiogo.
rt Jaatar.
O mesmo que no domingo.
Quirta-eiro.Almojo.
O mesmo que no domiogo.
J sotar.
Meia libra de carne aecca.
Urna onca de touclnbo.
Meio dcimo de eijso.
Um dcimo de firioba.
Leoha a aal.
. Qeiate-feira*Almoco.
O metmo que ae domiogo.
Jaatar.
O mesmo qoe no domiogo.
Sexta-feira.Almo$o. "
O mesmo que no domingo.
Jsnter.
Mala libra de bacilbo.
Meio dveimo de (eijio.
Um dcimo de firioha.
Duas oilavas de azeite.
Urna onca de vinagre.
Lenba e sal.
Sa bbe do,Alm oco.
O mesmo qae no domiogo.
Jantar.
O mesmo que na sexla-feira.
Dietas para os doentes.
N. 1.
Almoco.
Um q'iarto de gallioha para trea caldos no
*MaattsBBBBBi
*** t M fmo O
e competentemente betunados, en le achara o
presentes o formularte e coodicca.1 d'arremata-
co.
E para constar se maadou public. r o presente
pelo Diario.
Secraiaria da thesoararia provincial 46 de maio
de 1862. SO aecreterio
A. F. (fina i,nciafio.
O Illm.Sr.inspector da thesoura ia provincial
ero cumplimento da resolucio da junta da te-
lenda, manda fazer publico, qae 00 dia 18 de
janno, prximo viodouro ae ha d< arrematar a
quem por menos fiter a impressio dos trsbalhos
4* reparti(dea prorinciaea a saber:
-_.Bllan?0* e orC*niea,o da thesounria o relato-
no da iospectoria, com todos os du :nmentos que
acompanham, pela qaantia de 1 3729000 reii.
Seeretarii do goveroo, assemblci. ihesoura-
ta, consulado, agencias, obraa publlcia, direc-
tora gerat da iottruccao publica e ymoazio pa-
la quanlia de 8:8009000 res.
As arrematacoes aero feitaa por lempo de um
ao" contar do Io de julho do 1 orreale anno
a 30 de junho de 1863.
_*.A* P***0*- ^ue 88 propozerem a utas arrema-
~eco.es, coaopirecam na sala das set soej da men-
- tonada junta, ao dia cima indicio, pelo meio
com v^opo1 om cartas ecbadss.
R para cnit.r se mandou public; r pelo Diario
secretaria da theaoararia provincial de Per-
oambaco 26 de mate de 1862.
V erren rw
A. F. d'Annv nciaco.
0 Illm.Sr.iosoector da ihesourana provin -
i*l; em eamprimeoto da reeolecit da juata da
ftienda, oaeaoa Uxer publico, que no dia 18 da
juoho, prximo viodouro, peraote a meama jau-
ta se na de arrematar a quem por menos fiter o
eervic.o da capatazia do algodao do consulado
provincial, avaliido anoualmente em 3:9609000
ceie.
A arremalaco aera feita, por lempo de 3 an-
.nos, acontar do 1* de julho do orrente anno,
a 30 de juoho da 1865. As pesaoo que ae pro-
pozerem a esta arremataco, comptregam na sa-
la das sessei da mencionada junt.1, no dia ci-
ma m cado, pelo meio dia, com suas propostis
, em cartas fechadas.
paxa constar so maadou publicar pelo Dia-
rto. 1
Secretaria da thesoursria provincial de Per-
ca rubuco 26 de maio de 1862.
O aetretirio
A. F. d'inn .nciago.
Da ordem do Illa. Sr. iospec or deita the-
aourarls, eem observancia da orden do tribunal
-dio theaouro n. 84 de 28 de abril dei le aano, aao
pelo presente convidadaa as pensl Mstatsa do es-
**> abaixo declaradaa 4 rem oe titules declarttorioa Oe seas vaneimentos,
i sien de qoe ae thea poua abrir o 1 espedir o as-
eotsmeato.sob pena de lhes nao exem pagos 01
dltoe veaeimentos aem o referido isaeolamento.
Francisca da Pereza de Uliveira e ilva,
Eraacisca do Reg Barrete
Igaez Amalia Goei de Rrito.
Jeaepha do Reg Brrelo.
Mara da Coneeico Cavilcan Bar 01.
Mara Egypciica de Locio.
liara do Reg Barrete.
Secretaria da thessararia de U qJa de Per-
oambuco 27 de maio de 1862.
Servindo de official m sior,
Maooel Jos Pialo.
Pela tbesouraria proviocisl.ie fnz publico,que
^ contri co 4o aterro a fazer-sa de ida a ra do
Sebo al a entrada do Mondego, Ibi transferido
para o dia 5 de juoho prximo vindauro.
Secretaria da tbesouraria provincial de Pernam-
buco 26 de maio oe 1862.
O secretario
_*? A. F. fAnnumciato.
O Illm. WTlaiaoclor da ihesourarla provin-
i*l em cumprimeetekja ordem do :xm. Sr pre-
ideote di provisafllW30 de maio prximo flodo
Bastida taier publico que no dia l!l do correte,
oe ha de arrematar peraote a jnoia da mesma
thesourarii e a quem por menoa fi er a obra dos
raparos de qoe precisa a cssa do sitio numero 1,
ajsairada do Parnameirim, perte rcente ao pa-
trimonio des orphaos, avadada em 3109000.
A arrematagio ser feita ni foro.a da lei pro-
vincial n. 543 de 15 de maio de 1854 e sob as
lauaelaa especiaos abaixo copiadas.
As pegsois que se propozerem s assa arrema-
tsco comparactm na aala das sessoes da referi-
da junta, do dia auppra mencionad j, pelo meio
-alia a Competentemente habilitadas
fi para constar se maadou affixai o presente e
-pmWiear pelo Otario.
.Secretaria da thesoursria previ icial de Per-
cambuco, 2 de juoho de 1861
O acerata rio,
Antonio Ferreira da A munciacao.
Cirselas eapeciaes para a arri BMtacio.
1.*Os coocertes precisas aa esa 1 do litio n. 1
a estrada do Paraameirim na importancia da
3IO9000 sarao feitaa de confermidace com e res-
pactivo orcameoio.
2-*O arrematante dir priocip o a obra ao
praio de oito das e a coocluir n a de sestela
**5** eetedes 4 date de tu ssetecae.
il'**"* eg"lr teda as prescrip-
jrsreteefocem dadis pelo eogeihelro anear*
recado da obra, earl aujeile at ciiiKisicoes da
WFfotiociat a. 286. no que diz re. pelloT arre-
mm*9fim71DX* *"k ltatg, depatede
k'-Mio se admittkl em aaeteaar lempo ra-
eote e eilgaocia de mdeaaaiaacio
majiatatta
m e 1 dartisa *seraareeaAatreactsc4o.
Olilm. Br. laspeetor da theao.,-, ....
vi acial maeda f.zer parteo, quedo afiTatetar.
Lenha e sal.
N. 2.
Almoco.
Um pao de tres oncaa na sOpa de caldo de gal-
linba.
Lenha e sal.
Jantar.
Um qiarto de gallinha cozids.
Duas oo;aa de arroz pira canja.
Lenha, sal e vinagre.
N. 3.
Almogo.
O mesmo qae na dieta n. 2.
Jantar.
O mesmo que na dieta a. 2, e mais am]|qaarto
de gallioha aaaada.
Um pao do tres oocas.
Lenha e sal.
N, 4.
Almoco.
Dues oilavas de cha da India.
Um pao de trea ongaa.
Duas oncas de assacar.
Lenas.
Jsntsr.
Urna libra de carne verde.
Um dcimo de larinha.
Lenha e sal.
N. 5.
Almoco
O mesmo da dieta n. 4.
U. l.fa, 4. .....------J
Qaslro 005*3 de arroz.
Um pao de tres oncas.
Leoha e aal.
Ai peasoaa que quicerem
ment apreaenlem as suas r
fechadas no dia 18 de junho do correte anno,
nesla tbesouraria, pelo meio dis, onde encootra-
zo as coodic,oes com que deve ser effectuida a
arrematarlo.
E para conitar se mandou afiliar o presente e
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesoursria provincial de Per-
nambuco, 28 de maio de 1862.
O secretario,
Antonio Ferreira d'Aonunciacao.
tazar dito toroecl-
propostaa em cartai
Dt*hifttSs$ft.
Correio geral.
Relaco das cartas seguras existentes
na administracae do correio para os
senhores, abaiio declarados.
Amento Fabi&o de Freilas Barrete Nebro.
Alvaro Antonio da Costs.
Antonio da Cunha Machado.
A. Florencio de Msgalbaes.
A. Jaouirio de Carvalho.
A. Jos da Costa Reg.
A. Lopaa Rodrigues.
A. Pinto Lacerda Craz.
Bellarmino do Reg Barros.
Elias Len Ploeg.
Francelioa Francisca Mara da Coneeico.
Frederico Miguel de Souza.
Firmino de Souza Martn?.
Franciaco de Carvalho Prates.
F. da Piula Cavalcanti de Albaquerqaa.
F. Vicente da Vasconcellos.
Gouveia 4 Araujo.
Goocillo Jos Affunao.
Ignez Candida Mallos Nogueira.
Joao Marques Fernandos Pereira.
Joo Ranulpho de Lima.
Jos Alexandre Ribeiro.
J. Aotooio Araujo Souza.
J. Rraodo da Rocha.
J. Bernardo Galvo Aleoforado.
Luis Antonio Ferreira Seuto Jnior.
Luiz Caelano Muniz Barrete.
Maria Los do C. Santos.
Haria Jeronima de Oliveira.
Manoel Joiquim Amorim Garca.
M.Jos de Millos.
Rodrigo Antonio Telles da Silveita.
Ricardo Jos Teixeirs Filho.
Sebastio Jos da Silva.
-7 Peraote o Ulm. Sr. Dr. juix de orphios des-
ts cidade lera de serem arrematados de venda,
no dia 7 de junho do crranle snno, so meio dia,
m o srmszem ds ro do Amorim do bsirro do
Recite em frente a nova rampa do trapiche de
Joi da Cunha, todos os beos movis, histe, bar-
cinas e canoas pe Meneen les so inven ti rio do fi-
nado Pedro Borges da Carqueira, como todo
consta do reapectivo edital e escripto de praca
aue ae echa em poder do porteiro do mesmo jui-
*o, e que poder ser examinada pelos preten-
denles. r r
Teado a directora das obras militares de
mandireollocar no hospital militar 8 vidracas em
duas enfermsrias. eoovida as postees que quize-
rem earpraitar esta obra a apreseoUr suas pro-
f" ?". i\dr,ct0l* B0* tfU *.5 6 do cor-
rente, das 10 borss a 1 da larda.
piatera daa obraa militares da Pernambeeo
3 dajunho de 1862.-0 escriptnrario. Joo Mon-
teiro d Andrade Malvinas.
Censelht adoinistraUrt.
O cooselho sdmintetrative, para foraecimenlo
do ayienil da guerra, em cumprimanto aoart.
22 do regulamento de 14 da dezembro da 1852
faz publico que foram sesitas as propostas dos Srs'
abaixo declarados.
Para o arsaoal de guerra.
Jos Antonio de Carvalho :
200 meios do sote a 3ft00.
200 coaros de cabra a 4780001
50 asios de sois ds lustra a tSflSOO.
AoleoteJoefcUaaee.rt:
s praoehfos da pao csrge o II ltftJJkgm
dss 6* rossara, de 15 a II dilaa le tergajn,
de 25- a 8B pelmoa de eoaaprimeote a 161.
Prxedes da Silva Gasmo:
,* dutiss da taboas de arnarello de assoslho do
15 a 17 pallegsdas de largara, a da 27 a 28 palmea
de comprimento a 81.
0 contelho avia aos atesmos Srs. vendedorss
cima mencionados que dtvem recolner os ob-
jectoicomprados 00 6 do corrente s 10 horas da
manhaa.
Sala dea sessoes do cooselho sdministrsUro,
para foroecimento do arsenal de guerrs, 3 da
junto de 1862.
Francitco Joaquim Ptraira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Collectoria provincial de
Olinds.
O collector de rendas provincisss da Olinda,
faz publico palo presente sos contrihuinlea da
maama callecterla, que de dia 2 de junho pro-
timo futuro principi-ae a contar os 30 das
uteis marcados psra a cobrsnca a bocea do cofre
dos impostes llegados aeguiotes : segundo se-
mestre ds decima Urbana do corrente anno li-
nanceiro da 1861 a 69, 4per eentoiobre sluguel
daa caaas ds negocio. 5 por ceete sobre a randa
das casas perleneeate as corporacdss de roo
mora, 8 por caato sobra aluguel de escriptoros
de advogado. tebalUio o eacrso, e priaattro se-
meiire do imposte de 20 por cauto de caOsamo
de sgaardante, flodo este prese inoorrero na
mulla de 8 por cente os omissos. Callactoria
provincial de Olinda 28 de maio de 1812.
O escrivo,
Joo G0051Ires Rodrigues Fr saga.
Conselho administrativo.
0 cooselho administrativo psra fornecimento
do srsenal de guerra tero de comprar os objectos
seguintes :
Para o presidio de Fernando.
87 paos do 40 palmos de comprimento, teodo
7 pollegadas de face, para frechaes, torgas e cu-
mieiras.
34 ditos de 37 palmos do comprlmeoto, teodo
9 pollegadas de face, para linbaa de aesantar te-
souras.
40 ditos da 25 palmos da comprimento, tendo
7 pollegadas de fice, para espigo e portadas.
84 travs de 22 palmos de comprimento, tendo
7 palmos de face, para pernaa de teaouras.
800 caibros de 25 pemos de comprimento.
125 dnzias de ripas.
50 barricas de cimento para reboque de pa-
redes.
200 alqueiros de cal.
30 milheiroa de telhes.
30 verga Idea de ferro de 1 1|2 pollegada.
5,000 pregos caibraes.
3.000 ditoa calzaos.
10,000 ditos ripees.
Para o 7* batalbo de iofanlaria.
1 trena de 15 bracas.
50 canelas.
50 escovaa moles.
Quem quizer vender taes objectos aprsenle as
suas propostes em carta fechada na secretaria do
conselho, s 10 horas da manhaa do dia 9 de
junho prximo viodooro.
Sala das sessoes do cooselho administrativo,
psra foraecimenlo do arsenal de Ruerra. 31 de
maio de 1862.
Antonio Gomes Leal,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino
Consulado provincial.
Da ordem de Sr. administrador interino do con-
sulado provincial se faz publico que os 30 dias
atis marcados para a cobranza bocea do cofre
do impoato do 10 0,0 sobre a rende des terrenos
do municipie do Recite occupadoi cesa o planto
do espim de asmo rigente do WC1 a 1862,' fin-
dam-se no dia 31 do corrente, e que ficim com-
prehendidos na multa determinada no art 50 da
lei provincial n. 3*6 os que pagarem depoil desso
praso. Mesa do consulado 19 de maio de 1862.
O cli-fe da 2.* aecao,
F. Ferreira M. Ribeiro.
Cuubutadti pru viudal
Pela mesa do consulado provincial ae faz pu-
blico que os 30dias uteis marcados para a co-
branza a bocea do cotce do aeRuodo aernealre do
inno Bnanceiro correte de 1861 a 1862 dos im-
postes da decima dos predios urbanos das fre-
Ruezias desta cidade e dos Afogados, de 20 por
cento do consumo de agurdente, e de 5 por
cente sobre s venda dos beos de ratz pertepcen-
tes a corperaceea da nao marta ae principiara a
contar do dia 2 de junho vindouro.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco
26 de malo de 1862.chele da segunda stecio
F. Ferreira M. Ribeiro.
Parante a tbesouraria provincial, vo nova-
mente praca para aerem arrematadas quem
mais der, no dia 12 de junho prximo vindouro,
a reods "das cesar, abaixo mencionado, porteo-
centes ao patrimonio dos orpaos, a saber:
. Raa do Sebo.
Casa terrea n, 12, por anno 1609.
Rus do Rosario da Boa-Visls.
Cssa terrea n. 14. por anno 20I.
Roa da Lapa.
Csss terrea n. 41, por aono 1828.
Ru da Cacimba.
Casa terrea n. 65, por anno 300#.
Rui dos Burgos.
Casa terrea n. 63, por anno 2053.
dem n. 69, por annn 125g.
Ra da Saezala Vetea.
Sobrado de dous andares n. 79, por anno 650$.
dem idem o. 80, por anno 6501.
Rea da Gala.
Css terrea n. 83, por anuo 162!.
dem n.84, por aono 168$.
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 96, por anno 157|.
Ra da Madre de Deus.
Cssa terrea o.35, por anno 1:6215.
Estrada do Parnameirim.
Sitio n. 1, por anno 500g.
Sitio n. 2, por anno lj.
Foroo da Cal.
Sitio n. 5, por anno 352$.
As arrematacoes serio feitaa pelo lempo que
decorrer do dia da approvacao do contrato ao
fim de junho de 1864.
E para constar se mandou publicar polo Diario.
Secretaria da thesoursria provincial de Per-
Fambuco, 26 de maio de 1812.O secretario, A.
o. da Anounclace.
DO
BEBERIBE.
O Sr. caixa o commendador Manoel
(encalves da Silva esta' autorilado a
pagar o 28- dividendo desta oompanhia
na rato de SglOO rt. por a plice :
advertindo-se aos Srs. accionistas que
este dividendo sera' pago em cobre,
visto ser na especie que o Sr. caixa tem
recebido dos arrematantes dos cbafari-
zes e bicas pertencentes a esta compa-
a ia.
Jbcriptorioda Companhia i7de maio
de 1862.O 'secretario interino, Justi^
no Pereira de Faria.
Cmselho administrativo.
0 cooselho admiaistrstiro psrs fornecimento
do arsenal da guerra tem de comprar os objectos
aeguintss :
Psra o 2* batalbo de infantera do liaba.
1 livro em brinco da 260 folbaa para o registro
dos recrulas em deposito cargo do corpo, con-
forma o modelo.
1 dito dte do 160 dte para registro ds cor-
respondencia offktet dea retratas, conforme o
modelo.
1 dita de 10 tes pera ndice doe dotemeetes
archividos tendentes ees meamos recruti, con-
forme o modelo.
1 dito M altee p% sarga a.
hrtommto, psrlenceate aa
(maleme o modele.
<"h*' '"dar laerob^eeteespreeente aa
oeeteo, s 10 borss da meaban de dia 11 da
corrale mez.
Sala das sessoes do conselho administrativo
filil a" k2U> ** *f$#Ml -* *"*" 9 de
Antonio Gome leal.
Coronal premente.
FrancUoo Joaquim Pereira Lobo,
Coronal rogal secretario interino.
Conselho administrativo.
O eonselhrj administrativo, para fornecimento
oo arsenal de guerra, tem de comprar os objectos
seguales: r
Psra o corpo ds guratelo da provincia do
.__ Cear.
457 pares ds clcheles pretos.
BA. Pera o araenal de guerrs.
w cnidas de azeite de carrspslo.
Para a pharmecia militar desta provincia.
(Juem quizar vender taes objectos spresente ai
propostaa era carta fchala, na aecreUria do
consejo. s i0 horas da manhaa do dia 6 de
junho prozimo viodouro.
Sais dss sessoes do cooselho administrativo
maio de01862?nta ** "**D*1 <,guerf d#
Antonio Cornee Leal,
Coronel presidente.
Francieco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario ioierino.
1=
:s=
THEATRO
DE
COMPANHIA LYRIC1
G. MrVRlNiVNCt^iU.
9/ Recita da assigoatura.
QUlNTA-FEaA
5 de junho,.
itipresentir-ia-hs a opera
ERNANI.
Principiar s 8 borss em ponto.
Os bUheies vendem-ae ae dia do eepectecelo.
H< B.Para evitar desgostot de quslquer es-
pecie, o empresario declara que lodos os seus ei-
cripturidoa esli pagoa em da, ou allantados
nos vencimenlos, como pode provar com os re-
cibos de cada um del les.
G. Marinanueli.
legar orna seoceeen<
Mr adistraeaea ju-
As pessoes que comprsram bi-
Ihetes para camarote, cid.une
piales, para a repreaealacaO de
hootem (terci-feira) tarea a hondada da o de-
volver, ae eeerpteco do circo, hoja at ao mete
dia em ponte, alm de receberem o sea imparte,
oa aaresa substituidos por outroa para a repre-
sentecao d'esta aoite.
Por nrdem do director,
W. T. B Van Orden JJdkior,
Secretario.
A-r^os aaritimos.
Para
Rio de Janeiro,
segu com toda brevldade a Hola e veleira barca
oacionil dril, de primeira classe, cipilo Gis-
par Leita de Faria. a qeal tem parte de aee car-
regament prompto : para o resto, trate -ae com
oa sana coosigaatarios Aranaga, Hijo & C. raa
do Trapiche Novo n. 6.
Rio de Janeiro
O brigua nscioosl Alfredo, seseo cora brevi-
dida e tem meiocarregimmlo tratado, per o
reato trala-Se eem oa cooaipaatirios Marque
Birros4 (X, largo do Cupo Santo a. 8.
t d*t;
LE1LA0
O CIRCO
GRANDE 0GE4N0
DE
SPALDING & ROGERS.
HOJE
4dejuaho.
krte ie montar a cavallo.
Gymnaeticas.
Acrobticas.
E equilibrios.
Pantomimas
e Comedias.
Rio Grande do
Sul.
segu com muita brevidade o veleiro brigue na-
cional Menssgeiro, de primeira classe, por ter
alguma carga j engajada ; pira o resto que Ihe
filis, a que a recebera mesmo a frete commodo
trata -se com Baltar & Oliveira, na ra da Cadete
do Becife n; 12, ou com o respectivo capitoio
donoSr. Pirrnino Mara Torally. na prac*.
GOMPiNHU PERIUIIUGAIIA
ai
Navegado costeira a vapor.
Maci pelas escalas.
O vapor cPeraiounga, commandante Uoura,
sahir para os portes do sul toesndo as escalas
no dia 5 de junho as 4 horas da larde.
Recebe carga at o da 4 ao meio dia. En
commendas, passageiros e dinheiro a frete at
dia da aahida ao meio dia : eacriptorio no forto
do Mallos n. 1.
Para Liaboa segu com mulla brevidade o
brigue Pon Aclivo tem prompto a maior
parle do carregemento. e para o resto qae recebe
a,frete ou para passageiroa, aos quaea offereceex-
cellenlis comroodos : trata-se no escriptorio de
Amorim & Irmaos, ra ds Cruz n. 3, ou com o
capillo Jos Antonio de Oliveira, oa praca do
Commercio.
Passas,cha do Rio, lico-
res, ervadoce e 50 caixas com
aletria.
O agente Pestaa vender por conta da crees
pertencer 50 caitas com passas. 8 sseco cora
ervsdoce, caitas com duzias de licores, SO esi-
xia da aletria a cha do Rio em caias : quinti-
feira 5 do corrente pelas 10 horas da maobie oo
armazem do Annea defronte da alfandeaa.
Manteiga ingleza.
OU1NTA-FF1HA 5 00 C0H8ENTB.
Mills Lstbam & C farao lei la o por intervenga
do agente Pinto e por conta e risco de qem-
pertencer de 50 barris com manteig ingleza
ehegsds ultimsmnte, as 10 horas em ponto no
srSBasem do Sr. Annes defrnnte da alfsndega.
lehIo
DE
Um predio chao
proprio.
Quarta-feira A do corrente.
O agente Euzebio tara teilo de um sobrade de
3 andares na ra do Amorim o. 13. chao pro-
prio, sendo de frente para a raa da Moed *6
palmoa a 55 ditos de fundo, est em bota osla-
do, reade 600| por mno, conforme o arrenoa-
mento enligo e mais rendar com algus reparo
que posteriormente se fuerem, visto que o refe-
rido sgeote presume entregar pelo msior proco,
que se achar no dia 4 do correle ao meto dia
em ponto no sed escriptorio na ds Cadete n.
46, onde ser sffectuado se para isto os prete-
dentea etiminarem com antecedencia o asestan
predio.
LEILSO
G01PAKHIA PEMAMBlJCiiU
DB
PELOS
Artistas, non plus ultra
desta soberbo grupo
Srs. Katb Ormohd,
Srs. J. Wolad.
Sra. Logiza Nobles
Nathaniel Rogers
Sr. Ferdinano Tourxiaire,
Gfoice SiiAnr
W..DUVERNA.
Sr. Theoooro Tourniaire ,
Josk Neal
O jevra Carlos Fish
Bella Rogers (menina)
Asna Worlasd [menina]
Jerry Worlaho
Sr. AsToaio.
H. W. BlGGLES
ECT., ETC.
Hoje ser s ultima noile do
JACK
0 filfiiNTE MATADOR.
Primeira noite (hoje)
Do Maravilhoso
Do Inexplicavel
Do Mysterioso
Do Desnatural
. Do Terrivel
Acto de
Passear no tecto
C9&H"A MOSCA I
CABBQA PAtA BAIXO
PS PABA CIMA
ELEVADO NO AB
PELO
Sr.Jo&oNfjbUs.
JMavegaoao costeiraa vapor
Parahrba, Rio Grande do Norte, Ma
cau do Assu', Artcaty, Ceara' e
Acaracu'.
O vapor cJegaahbe, commandsats Lobato
sehirt para os portos do norte ate o Acarae'
no dia 7 de junho as 5 horas da tarda.
Becebe carga al o da 6 ao meio di. Eoeom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at o dia
da sabida a 1 hora; escriptorio no Forte do
Hattos n. 1.
Aracaly.
Segu no da 10 do mez corrente o histe San-
ta Cruz, recebe carga a (reta e paasageiros : a
tratar com Caetano Cyrlaco da C. M. Lratee. no
lado do Corpo Santo o. 23.
Baha.
Hiate Ssata Bita aegue nestes diss ; para n
reato da carga lrala-ae com Caetano Cyriaco da
C. M. ft Irmao, no lado do Corpo Smlo o. 23.
Para o Rio Grande oo Sul aegue com rauta
brevidade o brigua encana Gaanabara, recebe
carga a frete : para tratar, no escriptorio de A-
monm Irmaoi. rna da Cruz o. 3.
Para o Aracaty
segu com toda s brevidade o hiate Btalacao
para carga e passageiros, trata-se com Gurgel Ir-
maos, na ra da Cadeia do Recite n. 28. orimei-
ro andar. v
O director rara por este mete
ssegurar ae publico, qne asta
apparenlamente miligroaa faca-
ana a execulada aem a menor decepeo, ao mea-
nte teta pe, qae simples de resolver, devido ret-
trMtemeate a principies scisatiacos.
Aviso especia!.
O director respetosamente lananeia ae publi-
co qna com permlsso do ]ftm, Sr.chera de po-
lica, es seguintes di-a foram deslgnadoa e pel-
maoeotes. psra as re presante r,es do circo. A
saDcr e
Segunda-fe ira
tedfJtMstre
SUtafoir
* Domli
Domingpv
A barcs;a tS. Jos Viajante, tendo parte
do carregamenlo a bordo para o Rio Grande do
Norte, anda recebe algara frete at o dia 5 do
correle, dia em que pretende partir: quem qui-
zar carregar. rtirij-a eacidmha da alftiteVai.
DE
ma mobilia de jicarand a Luiz XIV com um
sof, t mesa redo-di, 2 corsoIos, i cadeiras
de braco, 2 ditas de balaoco e 18 dte de
-guarnirlo em bora estido.
Sexta-feira 6 do corrente.
O sgeoli Pinto far leilo por conta e risco d
quem pertencer e sem reserva de prego da mo-
bilia cima mencionad!, etiateate no aeguado
*Dtefe.,onra<, D- t8 rui da Saeta Rlt. t
.1-*-* ,- ,"il-> i* II horaa, ^ fi-VacnaTa
dilo. O* pretendenies poderseTdesde j exami-
nar a referida rooblt.
LEILAO
^ra
do corrente.
Quinta
O agente Pestaa aulorlsado por urna pesaos
que se retirou para a Europa vender em leao
urna mobilia de Jacaranda lampo de pedra cod-
sistindo em meaa, consolos. 16 cideiraa, ditas de
bracos e bilanco. sof, outra mobitia tambera de
Jacaranda coosistindo em 12 cadeiras. 2 de ofaco-
e 2 de bilanco. consolos, sof, mesa todo rie
lmpo de pedra e mu'tos oulros objecios de mo-
bjlis 1 carro de vidracas quasi novo muito bem
Imofadado de molas mglezas. apparelho para
2cavaltes e um eacra>ode naco de meia idade -
qaiota-feira 5 do corrente pelas 12borss da rea '
ohaa em ponto, na ra do Vigarion. 10 arinwi
ro andar. r '
LEILO
Quintafeira 5 do corrente.
Rothe Bidoulac tiro leilo por intervenga
do agente Pinto e por conta e risco de ojuum
pertencer de 8 caitas com papel de peso da pri-
meira qualidade. liso e pintado, s 11 horas a?
dia cima mencionado em aeu escriptorio ra do
Trapiche Novo n. 18.
LEILAO
Rio de Janeiro
Sigue com toda a brevidade o patacho S. Jos-
neiro, cap lio Joo Gaspar de Oliveira, tem par-
te de sea carregamanto prompto: para o restiote
l"u- em eonsignstsrio do mesmo btaaoel
Alves Guerra, ou com o capito.
Frota-a* para o Bio da Prela um nano de
primeira classe, tetado am 1.600 ou 1,600 barri-
cas : quem o preleoder, dirija-ao a Baltar & Oli-
veira. ra da Cadeia do Beeite a. 12.
Para Naranhe e Para.
t* otate venaeiei, oapllae Gestodlo Jos Viaa*
na, tralar com Taaao a Irmoa.'
Para o Aracaty
o hiate nacional cjaguaribea pretenda seguir al
o dta 8 de junho por ter psrte ds carga prompta .-
para o reste a passageiros, traa-sa na ra do
Crespo n. 14, ou com o mostr a bordo, defroote
do caes do Bisaos.
Lisboa
Quarta-feira 4 de juoho.
O agenta Pinto far leilo a requerimeato do
curadores Bscaesda masaa fallida de los Anto-
nio Soirea de Aieve 1o. e por mandado do Illm.
Sr. Dr. juiz eipeciar do commercio daa divides
perteneeniesa rotaras mstaa, s 11 horas do di
scima mencionado em sea escriptorio ra da Ca-
deia n. 9.

A do corrente.
O agenta Oliveira far leilo da 5 cittee
toado cada urna 12 duzias de eonro de lastre ,
de 30 pecas de borracha, todo ao eatede ees aee
so acha, e por ceota e risco de quem pertencer,
nao oblame ter a venda de ser feita a ptezo ei
a dinheiro com deacooto ;
Quarta-feira 4
do carrea le. ae meio dia em ponte, ao eaerete-
re o referido ageaia, ra da Cadeia o. #2, ri-
meiro andar. *
LEILAO
DE
o patacho pertegeea Mara da Gloria cipiteo
Antonio de Berros Valeute, a sahir com brevlda-
de por tec a maior parte da sea carree amento
promete, para aerea a peessfeiree aera e ajaec
!!! ***** tsmmodns teste ae aem e een-
*fatev^r. & BaWlo ^ Filho, ras de date
Roupa feita, calcad* e un
cabridlfi com aireL

Quinta-ffira 5 do corlante.
O agente Laii Antonio BoJrisjeta d A!*afe1e


-,


wfm*L
FEtlU H JCNHO B 1162.
lar* toUlo por coou rio* la Tees MrtMcit
rtierva de prsco d< 1 calzas com essacis
J faaqan de panno Bao, r stides para meninos
cortee do colletea e gorg rao, ehapoa 4o eol
pora eeohore, 4 eatxis c< m calcado o um ea-
brioletem perfeito etdo oca arreioe; 11
koraa do rila cima oeockaado *m eu escrip-
lorio ra da Cadeiado Bec.fe o. 48.________-
A

l
LEII.AO
7 do crtente.
O ageste Oliveira offere:e outra rea para se-
tem vendidos definitiva mente, em reilo, os pre-
stos segointes:
A elegante casa do sobrido em chote proprios,
construida do gosto rnodrno com ptimos re-
parUaaeoloa, e com sitio < ootendo cocheira, es-
tribaria, o casa para pretiia lita de fronte do pa-
lacete do fioade bero da Dit-etibe, na ponto do
Jcrrda.
Um sobrado de 3 andar>. na raa Direita, n.
36, em chao proprioa, com 5 portaa po terreo o
4- em cada um doa andar!, tendo gabinete ao la-
do, coxioha (ora, 2 lojas, jaintal e cacimba etc.,
sea rendimento anBual ce ria 1,900$ pode ser
clorado a ruis, mediante algum mclborameoto
no 3* andar.
Tres partes de nm sobrado de urna aodar, na
roa de Hortas, n. 66, as cuses correspoodem a
perto d'jmetaJe do seu ittoiro valor, o rendem
vinte a tanto mil ris me isae ; lem quintal, e
cacimba. Teta poia lugar o leilao deatea predio,
cojo preio exime ser tnuito conveniente aoa
preteodentea :
Sabbado, 7 c o corrente
Ao meio dia em ponti, no escrpitorio do
agente Oliveira, na ra d.i Cadeia do Recife, 62
, primiro indar.
Avisos diverso*.
O baut da roa do Imperador n. 6 aindo 4 a
agencia da multo acreditada fabrica do vlava Ru-
fino, aonde se lomam todaa o quaesquer encom-
meodaa em ludo o que for relativo i ua arte, a
segurando-ae nao so a melbosveiecucao na cou-
feccao doa aitigos, como a maior modicidad^ no
seus precos. NesU mesma cata ha sempre um
portador para baer i conduca o daa eneommen-
daa, ovitaado aaaim oa trotes quo a dialancia das
fabricas acarretam aos aqhorea compradores.
Gabinete medico cirurgico.J
ej Ra das Flores n. 37.
Serao dadiscoosallas medlcas-cirergi- a|
# cas pelo Br. Estevao Covalctnti de Albo- J
qoarque da 6 aa 10 horas da machia, ac- n
# eudiodo aoa chamadoa com a maior bre- 0
a vidade possivel.
Z 1-* Partos. t)
2 t.' Molestias do pello. a)
3.* Idom do olbos.
m A.* dem dos orgios genitaes. %
_% Pralicartoda equalquer operaco em a>
a aeu gabinete on em casa doa doantot con- a)
am forme Ibes for mail conveniente. m
Alaga-se nm eacravo bom carroceiro, ou
mesmo para outro qualqner seric.o : na ra do
Livramento o. 22, lerceiro andar.
&CM
LOTERA
Sabbado 7 do corrente anda
rao impreterivelmenU as rodas da pri-
men a parte da prime ira lotera a bene-
ficio da matriz de Ouricury, no consis-
torio da igreja de Nosta Senhora do Ro-
sario de Santo Antonio. Os bilhetes
achara se a venda na respectiva thesou-
rana ra do Crespo n. 15, e as casas
commissionadas ra da Imperatriz loja
de ferragens n. 44 do Sr. Pimentel,
praca da Independencia n. 22 loja do
Sr. Santos Vieira, ra Direita n. 3 bo-
tica do Sr. Chagas, e na ra da Cadeia
do Recife loja do Sr. Porto.
As sortes desde a 5:000$ ate'as de 10,s*
serao pagas de 1 hora da tarde em dian-
te desse mesmo dia da extraccao, e as
outras logo que se tenha eito a distri-
buirlo dos listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Precisa se do urna ama que aibs coziobsr : a
tratar na raa larga do Roaario o. 12, seguudo
aodar.
xmmmmmmm :Mimn
Dentista de Pars. *
15Ra Nova15.
SFrederico Gautier, cirurgio dontista
fas. todas as oparac5es dess arte a o co-
loca deaUs artificiaos, tudo com sdeln
rioridade perfeicao que as passoas-.en j
!_ tendidas Ihe reconhecem.
Tem agua e pos den tifie i os, etc.
Carvalhol-Nogaeira C.,1
e Rezende .
Scam aobre Lisboa o Porto, na ra do Vigario
o. 2 primiro andar, o ra do Brum n. 58, ar-
mazem.
Escripterio de advocada;
Ra do Imperador n.
37, primiro andar, a es
querda.
Nesta eitabelerimento trebilha o advo-
gado Joaquim Borgea Carnetro (gradeado
em direito pela faculdade do Recife] des-
de aa 9 at as 3 hora do dia.
Adroga em todoa oa juizos a tribnica
desta prac, o eotarrega ao de negocios
para o interior d provincia, principal-
mente para aa comarcas de Santo Aolo,
Rio Pormoso, Bonito, Nsiarelb e Goianoa!
Recebe gratuitamente aa cautas doa
desvalido, nao podeodo cada qoal tra-
zer mala de ama qaestao por vez.
No meamo etlabelecimento solicilsm-
se litlos e psleotes de empregados p-
blicos e ofRclaes da guarda nacional do
interior, mediante mdico estipendio.
Em sua falta e impedimentos sari
substituido, oos negocios cireis, pelo Sr.
Dr. Joaquim Joi de Campos, e dos do
Icrime pelo Sr. bacharel Jorge Doroellaa
Ribeiro Peasoa.
Precisa-ao da um pequeo porluguez de 15
annoa para caixeiro de taberna : na ra daa Ciu-
zea d. 22.
Na roa ao Crespo o. 19, precisi-ee oe ama
ama forra para o aervico interno de casa, que eai-
ba engommar eom perfeicao.
triaca.
Precisa-so de urna que silba, alero do mais,'"
coziobar a eogommar bem, para urna casa de pe-
quea familia ; a tratar na ra do Imperador n.
59, aegundo andar. |
lAntigalojafraocezaquefoi
de Gadaul t ra Nova n. i i.
Acaba de recober de suasencommendaa ua grande o variado eortimeoto de di-
versas mercadorias qua se acham a renda na dita loja por manos 10 por ceoto do que
em outra qoalqutr parle, a saber :
R. R. Ramsbottom, subdito inglez,
se para fora da provincia.
retira-
Anda precisa-se de a lugar am sitio perto
da praca, que tenha boa casi re morada, baix'a de
capim e baataotea arvoredo: de fructo : na rus
da Craz n. 56, loja, se dir quem precisa.
Conlinuam a aodar em praca pelo prego oa
adjudicagan os terreno fortiroa da ra daa Gru-
a. 2. 6 19. 16,
do juizo ua
m <|ueassentam aa ca
t rtan
seganda vara ciel.
20, 24, c q| dnA. <*
ia
Casa de. saude
DO
r. Ignacio Firmo Xavier*
5A
PA&SAGRH DA MAGDALENA.
A tratar para a entrada dos doantes
com o mesmo Dr. i ra nova de Saota
Rita o. 7.
.-* .-rv B4 &, tDh aI>i fSk k iUk 3b, , <
Urna pessoa convenientemente
habilitada se propde a ensinar fora da
praca primetras letras, latino e francez:
a tratar no pateo do Tercx) n. 33.
Moi & Espirito Santo mudaram-se da ra
do Vigario o. 10, para a nv sma ra n. 17, pri-
miro andar.
Aluga-ae urna escrava que *eja boa vende-
deira da ra e fiel; quem ti >et para alagar, di-
rija-sea ra da Imperlriz i. 65.
Anda est por alagar se o primiro andar
do sobrado da ra das Aguas Verdes e a loja do
aobrado na ra das Cruzes n. 9 : quem preten-
der falle no mesmo sobrado da ra daa Cruzes a.
9, lado direito, qnem rae d ra do Qaeimado
para S. Prancisco.
Perdeu-se oo domiogo 1" oe juoho, urna
carteira de marroqum pre't y a qoal tioha dentro
do boleo ama lellra da qaaclia de 600, urna dita
de 749 o duas ditas de 90$ vencidae, e vario
papeia que de nada valem s quem a achou o oa
aceitantes das lcltraa j se acham avisados, por
cojo motivo se quem achou quizer restitu la di-
rija-ae a rna do Vigario ao agente Pestaa que
.he ratificar.
Precisa-se de um manioo de 12 a 14 sa-
nos que lenba algama pratica de taberna na rus
do Amorim n. 17.
0 baixo aasigoado em nome da actual me-
sa regedora dairmaodade do Santissimo Sacra-
mento da matriz da Boa-Vista, convida a todoa
oa seus irmaos para com parecerra no domingo
o a. .. i.. a i.------------u, aum 00
em meia geral proceder-se a eleico dos novos
funcciooirios qae tem de reger oo anno de 1862
a 1863. Consistorio 1 de junho da 1863.O ea-
rivo, Ricardo Pereira da Parla. _________
Nesta typographia preetsa-se fal-
lar ao Sr. Joao Goncalves Rodrigues
Franca que morou em Oltnda e dizem
morar nesta cidade do Kecite.
Feitor para ugeuho
Precisa-sede um homem jue teuha muita pra-
tica de agricultura, qae sea muito diligente o
tenha bons coitomes, para f itor de um engenoo:
quem sejulgar em taea cco.dic.ues, dirija-ae a
rna de Apollo n. 36, primero andar : prefere-se
portuKuez.
Attenco.
a
Jos Henriques da Silva cec!ra pelo presente,
que nao Ihe convindo conttiiuar na procuradura
lo caasl de aea finado psi Joo Qenriquesda
Silva, que Ihe foi sido com lettida por sua mi
meeira D. Josepha alaria dos Prazeres e Silva
oo dia 5 de abril do anno p oximo pasaado, com
previa acieocia desna conslituiote, reatituio-lhe
a procuracao, per meio da qual Ihe foram trana-
mitlidos osoecessarios poderes: igualmente de-
clara que, durante o tempo de sua procuradura,
nunca promoveu ou realison iranaacgo alguma,
quer no loteresse do casal, qaer contra elle, e
apenas era Informado das que promoveu o bar-
deiro Gibriel Antonio, dep os que elle as con-
cloia o acabara. As pessoas que tiverem tran-
oacco de qualquer genero com dito casal, se de-
vero entender com a mai do anoaoeiantt, oa
raa Real, fregnezia da Boa-Vista, sitio n. 2. Re-
cite 8 de junho de 1862. *
froprio para escriplorio.
Aluga-se o primiro andar do sobrado da raa
da Cadeia Veina o. 27 proprio para escriptorlo :
a trat/r na loja do mesmo.
Aluga-se ama mulata boa cozmbeira e en-
gommadeira: a tratar na roa da Aurora o. 42,
primiro andar.
Precisa-ae de ama ama de lene, prelorin-
do-se escrava : na ra da Aurora d. 70, seguodo
andar.
Agua de malabar
do verdadelro fabricante Lascombi, para
Ungir tabello da cor que ao qoizer e com
um guia para seu uao.
Para presentes.
Ricas caizas do coatara com muaica e
em ella, o meihor presente que se pode
dar a urna aeobora que se estima.
Para homens
Ricoa eatojos conteodo todoa os utenci-
lios necesasrios para toilet de qualquer
pessoa que se trata com muila limpeza,
conteodo navslhas, tesouraa, peotea, es-
cora, frasco para pomada echeiros, ana-
dores, tloleiros, eapelhos, pasta para pa-
peia o muitos outros perteacespara o mes-
mo flm.
Encerados.
Especiaea para cobrir mesa a le, 1$500
a 2j) o corado.
Para retratos.
Machina de todoa oa taminho francezaa
e americanaa chimicaa pera trabalhar am
todos oa processos, copos graduados, fu-
a de vfdro, um grande aortimeoto de ca -
xinhas, de chagrn, passepsrtous de corea o
pretoa o douradoa, crela horizootaes e
vertiese, papel para retratos e todoa os
utencilioa tendentes a eata arte; tambam
ae collocam retratos em caixinhaa e paaae-
partous, mudam-se os qae eativerem mo-
fados lado a vootadede seus dooos.
Ricas bengalas
de verdadeira cana da India com pontea-
ras e casidas de marflm, tend nos castoes
mnito bonitas figuras abertas em relevo,
as mais bonitas que se podem achar oeste
genero.
Ditas de massa imitando ulicoroe.
Luvs de pellica
do verdadeiro fabricante Jonvio & Filhos,
para homeoa e senhoras, brancas, de co-
res e pretss, o que continnario a receber
por todos oa vaporea franceses preco fizo
2*500 rs.
Espelhos.
Deade o maior at ao mais pequeo ta-
manbo com moldaras pelas o donradaa
para oroameoto do aala, tendo oa vidroa
muito groaaoa e do primeira [qualidada.
Para msica.
Instrumentos completos do chavea o
apiston e lambem grande soilimento delles
vulaos com muitos melborameoloa e dos
syitemas mais modernos do muito coobe-
cido fabricante Gaalrdt Aio, estes instru-
mentos ae toman mnito recommeodsveia
por serem maito perfeitos, o os mais mor-
dernos que existem no marcado.
Objectos diversos
Fumo de harlebeke, marilaode, caporal,
vervique e americano, para cachimbos e
cigarroa.
Seroulaa de algodo de corea para ba-
chos a 500 rs.
Camisas franceus de todas as qualidadee.
Capotinhoada la para menino, multo
lindos de diveraas cores a 1500.
Ricaa capellas branca e de corea para
casamentoao mais elegante qae aqai lem
viudo oeste genero.
Chicotes a oa erica no o ranceze com
aneis e sem ellea para carros, cabrioleta e
cavallo.
Bandejas grandes de 30 pollegadaa t 3f.
Um grande sorlimento de ocaloa e le-
les de gio e miope.
Fundas para os quebrados das virilhas.
Velas para carro e piano.
Lequsa de madreperola,.
Ricos puchos e gravalinhas para senhora.
Porcelanas e vidros.
Apparelhos o meios ditos de porcelana
para janlar, candelabros de 4 e 5 lazes,
serpentinas e laoternas com pioguetea e
sem cues, escarradeiraa de vidro brancaa
e de cores, ricas laoternas para carroa e
coupa, clices para vinho e licores, redo-
mas com peanhas de todos os lmannos
para imagens, vaiospara florea o encera-
dos para carroa de cores o pretoa, ditos
redondoa e quadradoa para botar pratos,
lanternts e ceodieiros a gaz.
APPROVJMJIO E AlTORIS/iClO
DA
E JUNTA CENTRAL DE HYGIENE PUBLICA
Gabriel Soares Rpuao*da Cmara declara
que durante aua ausencia deixa eocarregado de
lodos os seus nogocioa aeu sobrinho o Dr. Gabriel
Alcidea Rapoo da Cmara.
Ruga-so ao Sr. Francisco fereira de Barroa
e Silva o favor apparecer na ra doa Mariynos o.
36. psra se Ihe entyagar urna carta.
Otferece-ee para cnado um homem forra
que j ae lem a isso prestado, e sabe coziobar :
oa praca da Boa-Vista, taberna o. 4.
Sodo Salvador dos Santu Mouteiro Uavil- !
caoti devedor ao abaizoaatignado de nao peque- '
a qusoti, para garanta da qual hypolhecoo em
1845 todos os seus bens, como se poda ver da
eacriptura publica passada oa cidade da Victoria,
escrivao BulcSo, por isso o abaixo atsignado fsz o
presente para evitir duvidas futuras,e prevenir a
quem ioteressar poasa, de que a cingues licito
entrar em tranaacejo alguma aobre todas, ou
qualquer doa beoa do referido seu devedor.
Loorenro Bazerra de Siqueira CavaHcanli.
25 MU 25
Grande deposito de panos
fortes, dos melhorts i
emais afamados fabrican-
tes aa Etopa/
DE ^
Joao Pedro Vogeley.
Neste acreditado estsbelecimento se cootlna
S^^^T^^^S^Si:^ WUwl iodos os casos de inflammacao ( coras o//fa de rufiraflo ), sej.m internas oo
cspellss.igrejs, etc., tendo contiouadameote dous exiernas.como do 6gado, bofes, estomago, bajo, nns, tero, peito, palpita^o de corago, gar-
peritos offlciasa para qualquer concert para os eaiU. olhoi, arysipela, rheumstismo, paralysia e todas as affecces nervosas, etc., etc. Igual
ditos instrumentos, o que ~
maior perfeicao possivel.
O relrstisia americano
O retratista americano
O retratiata americano
O retratiata americano.
Raa do Imperador
Ra do Imperador
Rus do Imperador
Ra do Imperador.
Novos estylos de ambrntypo
Novos estylos de ambrolypo
Novos estylos de ambrolypo
Novos eilylos de ambrolypo.
Muito baratos
Muito baratos
Muito baratoa
Muito baratos.
Lindos cartoes de visita
Lindos cartoes de visita
Lindos cartoes de visita
Lindos cartoes de visits.
|lrmandade acadmica dt
Nossa Senhora do Bom
Gonselho.
De ordem de oosso irno jais convido a
todos irmos pars no dia qainta-faira 5 do
correle s9 horas da maohaa coiuparece-
rem no consistorio dests irmandsde e en-
corporadoa assisltrmoauma misss pela al-
ma do nosso earieeimo irmso Francisco
Antonio Fernandes Pinheiro Pilho, falle-
cido na cidade do Peoedo, provincia das
Alagoas.
Consistorio da irmaodade acadmica de
Nossa Senhora do BomCooselho i de ju-
nho de 1862.
Maooal i. S. Palnry,
Secretario.
ELECTRO-MAGNTICAS EPISPASTICAS
Oe Ricardo ftirk
Para serem applicadas s partes affectadas
sem resguardo nem incommodo
Com estas Ghapas-elbctro-magneticas-epispasticas obtem-se urna cura radical e in-
set executado com a
Preeisa-se de urna ama torra ou eacrava
para casa de limitada familia ; alraz do Gorpo
Santo, casa o. 66, segando aodar.
Aos Srs. consumidores de gaz.
Nos armazens do caes do Ramos ns. 18 e 36 e
os ra do Trapiche Novo no Recife n. 8, ae ven-
de gaz liquido americano primeira qualidada e
recntenteme ebegado a 149 a lata de 5 galea,
aaaim como latas da 10 e de 5 garrafas e em
garrafas.
Perda.
Perdeu-se na macha do dia 1. do corrente,
deade o principio da ra de li irlas, largo do Cir-
co, principio da Camoda, ra de Sania Tbeteza,
e Caldeireiro, um luneta de dous vidros dentro
de urna pequea bolsa de marroquim : roga-se a
quem tiver achado de leva-la ra de Hortaa
uumero 30
Vaccina publica.
Grassando presentemente com alguma inteosi-
dade a varila nesta cidade, o commissario vac-
cio*dor lembra aos chefes de familia qe, pelo
regulameoto de 17 de agoalo de 1816, sao obri-
gados a apresentar neaia reparticao todas as pes-
soas que nao liverm \\0 bezlgas oaturaes, ou
sido vaccioadas, afim de se Ihes praticar a iooo-
culajao o fluid,, vaccinieo, iato dnracte asquin-
'". domingos, no torreo da alfaodeg, das 8
aa u oraa da manha, e nos aabbados, na casa
de sua residencia, segundo andar do sobrado da
ru* |!'re,, d0 Rosario o. 30. Recife 2 de junho
de 1802.Dr. j0o Napomuceno Diaa Fernandes,
commissario vsecioador publico.

150*000.
A quem trouxer o preto escravo de nome Fe-
liz, qae se acha fgido desde o dia 4 de abril de
1810, cujo escravo tem o s gnsea seguiotes : es-
tatura biz, corpo regular, cor fula, pouca barba,
pea um pooco apalhetados, representa ler 35 a
40 anoos, nacao Mocambiqje, lem dous denles
bertos na frente do lado de cima, e por cima do
nariz entre as sobraocelhas dos olbos am calom-
bioho pequeo, que paree; aer aigoal da ierra
dee ; obleve-ae noticia c ra que o dito preto
aoda por trras dos engenhoa Muribeca, S. Joo
e Eogenho Novo, como trabalhador e intitulan-
do se de forro com o nom 3 de Joo Pescador,
poia j tem por coelume quando foge mudar o
nome para Joo, elle tem un poucoa de otHeios,
que sao oa seguiotes : foi pescador, caooeiro,
caiador, e ltimamente era padeiro, a que per-
lence, poriaso roga-ae aoa cipitaa de campe, oo
qualquer peaaoa qae o em onlrar, preode-lo e
reze-lo no paleo da Santa C ruz padaria n. 6, que
roceber a qaaotia ie>ms.
Muita attenco.
Aluga-sa na villa do Cabo urna morada de ca-
sa na ra da Matriz, com aala, grande gabinete,
4 quartoa, cozoha, sala de jantar, estribarla e
quintal grande : a tratar com o Sr. eacrivo A-
raujo, oa mesma villa.
Poote dt
ra larga
do Rosario
Aluga-ae um amo oa
fronte o caes : a iratar na
numero 10.
Aos trapicheiros e vendelhes
Ha um rapaz com todas as habilitares para
tomar conta de alguma ttberna por balaceo:
quem preciasr de seus servicos, dirija-se a esta
typographia com asiniciaas C. C. C.
mente para as differectes especies de tumores, como lobinhos escrof ulas etc., seja qual for o seo
tamanho e profundeza por meio da suppuracao sero radicalmente extirpados.
O uso deltas aconselhado e receiladas por habis e distinctos facultativos, sna efficaia in-
eontestavel, e as innmeras curas obtidas o fazern merecer e conservar a confianza do publico
que j tem a honra de merecer, depois de 24 ancos de existencia e de pratica.
As encommendas das provincias devem ser dirigidas por escripto, tendo todo o cuidado
de fazer as necesarias explicaces, se as chapas sao para homem, senhora ou enanca, decla-
rando -a emque parle do rorpo existe, se na cabeca, pescoco, braco coxa, perna, p, ou tronco
do corpo, deolarando a cicumferencia e sendo inchac,oes, feridas ou ulceras, o molde do seo
famanho em um pedaco de papel e a declaracao onde existem, afim de qae as chapas sejo da
tojmaj da parte affectada e para scrembem applicadas no seu lugar.
ucboa con- Pode-se mandar \ir de qualquer ponto do imperio do Brasil
O abaizo asaignado procarador da actual ma-
sa regedora da contraria do Seohor Bom Jess da
Vla-sacra d igreja da Santa Cruz, por ordem do
provedor convida em geral a todos os irmos da
meama contraria para ae reuolrem no consisto-
rio de sua igreja no dia domingo 8 do corrento
s 4 horas da tarda, para abi se tratar a reapeito
daa obras que se tem dedsr principio. Sapera,
pois, a mesa regedora nos corsedes nobres do
seos carissimos irmoa, que deeprezando algu-
ma offensa que por ventura teoba receido das
mesas passadas, reaoam-se oo dia e.hora mar-
cada e tornera intaresse para o augmento da con-
traria com aquella amor e dedicaco qae coittt-
mam sempre mostrar.
Procarsdor,
Joao Pit Viree.
Deaappareceu de easa de aeu aenhor a mu-
lata Anoa de 38 a 40 anooe, alta, cabellos carapi-
nhos, labios grossoa e um tanto arribilados, na-
riz chalo, tendo a ponta inclinada aobre o labio
superior, teala pequea, levando coessigo um -
lho de idade de 9 mezea de come Ventara,tam-
bera mulalinho : ha toda certeza de ter aido se-
dazida e aodar em companhia de um cabra com
1" timb amtum tfe mumm Cmetmao, do -
idade 50 aonoa pouco mais ou menoa, alto, ma-
gro, cabellos carapinbos, mal encarado e maito
cortez. Recommenda-se porlaoto aoscapites de
campo e aos Srs. empregados de polica desta
provincia a captura da mesma escrava, eonduzin-
do-a ra da Gloria o. 1, que aeio bem gratifi-
cados.
Alguma senhora viuva com pouca familia
que esteja em circumslaocias de tomar conta de
ama menina semi-braoca com 2 e meio anoos
para acabar de criar mediante ama meosalidade,
annuocie i-or este Diario para ae procarar.
As pessoas qne devem no hoiel Aurora co-
modonas fogam o favor de comparecerem com o
pagamento, do contrario os seus nones serao pu-
blicados neste Diario.
todos os acces-
Joaquim de Suuza Ferreira, subdito porlu-
guez, retira-se pira Macei.
9a9**#CsiCsj
Aluga-se.
Na ra do Sol o. 31 ha para alugar dous es-
cravo proprioa para todo aervi;o, principalmen-
te para trabalho de cachada em lio.
Fraociaco de Olvele* Jnior reltra-te p
ra o rio de Janeiro.
O Sr- estudante que tem
recebido o Diario com o nome
doSr. Dario Fortuna Pessoa,
queira vir a esta typographia
a pagar a assignatura aiis se
publicar seu nome.
Nesta typographia precisase tal-
lar ao Sr. Frederioo Peregrino estudan-
te da faculdade.

Companhia Fidedade de se-
guros martimos e terres-
tres, stabelec da no Rio de-
Janeiro com o capital de
16:000(000.
Agentes em Pe nambuco
Antonio Laiz de Oliveira uavedo r C. eompe-
* nfcia de seguros Fidelidade, ornam seguros de as-
Tioa, maresdoraa e predioi, ao sen escriptorlo,
xaa dt Cfox o. 1.
:
:
0 bacharel Witruvio po-
de aer procurado na ra
Nova o. 23, aobrado da es
quina que volta para a
camboad Carmo.
As chapas serao acompanhadas das competentes explicaces e tambero, de
orios para a collocacao dellas.
Cnsa: seas pessoae que o dignarem honrar com a sua confianza, em seu esariptorio, qua
acharu aberloe todos os dias, sem excepgo, das 9 horas da raanha s 3 da larde.
j|9 Ra do Parto ||)
PERTO DO LARGO DA CARIOCA
Para as encommendas ou nformaces dirijam-se a pharraacia de JosAlexsndre Bibe
ra doQbeimadon. 15. m________________________
a --------- -
sj
Aluga-se um sotio oa raa da Palma, urna
grande loja na roa Velha, e tres caaiohss no Cho-
ra Menino, proprlas para carroceiros : a tratar
com Jos Higino de Miranda.
-
M Deseja-se fallar a oegocio com o Dr.
Amenco Fernando Trigo da Loareiro, oa 0
" ra do Crespo n. 17.
es
Quinta eir 5 do correte depois da audieo-
do Dr. juiz dos feitos da fazeoda irao praca
por venda, squem maiader as propriedades se-
guintes: A ,
i A casa terrea na rna Direita dos Afogados'o.
35, tendo 20 1|2 palmos da freote e 58 1(2 de
fundo, duai salas, dous quartos, cozioha fora,
quintal e cacimba, avaliada por 50OJ ; a qual foi
peohorada por execuijao da fazeoda provincial,
. contra Antonio Vaz Salgado.
A casa terrea no Poco da Paoella o. 75, tendo
Re-ettT^
da, bemfaito, leodo os ps e as mos pretas, e
naa mos alguns cabellos braocos, e com o se-
I
I
Perdeu-se!!!
Oaem tiver achado deade a repartigao do sello
at a esquioa da rna de S. Francisco o dabi at
i caaa abaizo mencionada, daaa letras, aceitas
ambas por Placido Ferreira de Mello, sacadas em
19 de malo, urna a tres mezes e outra a cinco,
ambaa de igual quantia de 2649680, a quizer ros
tilui-las ao seu propietario, pode leva-las A ras
larga do Roaario n. 24, loja de jolas, que aer
recompensado, cerlo de que oio pode servir a
quem as tiver aebado, visto qae eslao lomadas aa
cautelas legaea para nio serem pagas pelo acei-
tante.
gaiole ferro : quem delle tiver noticia, dirija-se
a rna da Imperatriz n. 47, primiro andar.
30E QMeWMSM BM6fin KM**
Saques sobre Portugal.
0 abiico assigoado agente do Banco
Mercaolil Portoenae nesta cidade, saca
efectivamente por todoa oa paquetea ao-
bre o meamo Banco para o Porto a Lia-
boa, por qaalquer somma Avista e a pra-
zo, podendo logo oa aaquea a prazo serem
descontados no mesmo Banco, na razio
de 4 por canto ao anco aos portadoras
qao aasim Ibe eonvier : naa ras do Cres-
po n. 8oo do Imperador n. 51.
Joaquim di Silva Castro.
Silvino Guilberme da Barroa compra esera-
ros de ambos os setos : na raa do Imperador n.
79, primiro andar.
^eier Taylor, subdito inglez. retira-te para
a Europa, no vapor iogles Paran.
- Freclaa-se de am excelleote cozinbeiro pa-
ra casa ioRleza: n raa do Vicario o. 2.
Aluga-sa
aunte ama
oa rus dos Mar
i aanga
.1.
- No engenho Mega de aixo com
porto para embarque vende se cerca de
tres mil caadas de mel rovo.
' las, 2quarto, quintal, cosiuha,(arruinada) avalia-
da por 4009 peohorada por execuco da mesma
fazenda cootra a viuva e herdeiroa de Miguel
Francisco Gome.
A casa terrea na Capuoga n. 61 (hoje o. 1) ten-
do 20 palmos de frente e 33 ditos de fundo, em
meo ealado, avaliada em 1009, peohorada por
execuglo da mesma fazeoda contra Mnoel Ca-
mello Pessoa, por lvo Corris do Nascimeoto.
E por arredamento:
A reoda aonual da caaa terrea na estrada do
Poco, o. 5 avaliada em 609, peohorada por exe-
cuco da mesma fazenda contra Mara do Livra-
mento, por Jureocio Francisco Gomes.
As -rendas oouaes das casas na traves-
a da Estrada Nova de Saota Amaro, ns. 28, 29,
90, e 31, com commodos psra familias- e bam
conatrutdas avaliadaa, cada ama dellas, em 1209,
peohorada por execucio da mesma fazeoda con-
tra Jos da Costa Barros, por Anca Joaquina.
A renda aonual da caaa terrea na raa do
Guadelupe, em Olinda, o. 4, com 2salas, 2
quartos, cosioha quintal em aberto, em mi
ealado avaliada am 6#, peohorada a Olegario
llililio da Silva, por Goocalo Jos de Ssnts
Auca.
dem da caaa terrea na raa da bica dos Qustro
Cantos, am Olinda o. 14, com 2salas, 2 quartos,
cosioha e quiotal am abarlo, avaliada em 729,,
peohorada ao Dr. Maooel Joquim de Miranda Lo-
bo, por Igoacia Jaalioiaca doa Passoe.
dem da caaa terrea na rna do Bom-Fim, o.
Olinda, em man ealado avaliada em
-Nos abaizo asaignados, herdeiroa do casal
do fallecido Joio Heoriques da Silva, hzemos
publico palo preaeoie, que desta data em dianle
deiza de aer nosso procurador o Sr. Jos Henri-
ques da Silva, pelo que nfnguem poderA com elle
contratar validamente em dita qualidada, protea-
taado desde j cootra qualquer tranaaccao com
elle teila na qualidada de noaso procurador, ain-
da que mostrada aeja a procuracao que elle con-
serva em sen poder, e alada que continu a ser
somenta o procurador da viuva D Josepha Msria
dos Prazaraa e Silva. Por eate modo retiran os
abaizo aaaigoadoa os poderes que Ihe conferiram,
os qaaes desta data em dianle expiran. 0 que
fazern publico por lodos os joroaea desta cidada,
fim de que nioguem poasa allegar ignorancia.
Recife 31 da maio da 1862 Gabiiel Antonio,
Joo Heoriques da Silva, Domingo da Silva Gui-
mares, Joaquim Heoriques da Silva.
Garla.
A peaaoa que precisar de um uniforma para
bolaeiro. em bom ealado, dirija-se a roa Direiultt- em Olinda, em man ealado avaliada
omero 11. 'fe. Wm. kMBkocada ao mesmo Dr, Miranda. Lobo.
dem da casa terrea na rna de S. Bento, em
Olinda, o. 40, avaliada per 729, peohorada aoa
herdeiroa de Joo Pacheeo Vieira.
Iiem da caaa terrea na ra S. Pedro Marlyr,
em Olioda, n. 9, por 60a, peohorada a Candida
Mara do Amparo.
dem da casa terrea oa ra da Boa-Hora, em
Olinda. n. 21, em mAo eatado, avaliada por 489,
peohorada sirmandade de S. Beoediclo.
dem da cass terrea na bica dos Qustro-Cso-
tos. o. 14 avaliada por 48g,peohorada ao Dr. Ma-
ooel Joaquim de Miranda Lobo, por Ignacio Jus-
tiniana dos Paisos.
dem da casa terrea oa oa mesma ran. 18,
avaliada por 189, peohorada a Aotonio Joaquim
de Almeida Guedea Alcoforado.
Idam da casa terrea o. 8, na ra do Aljube,
com commodos para familia avaliada por 96$,
peohorada a Antonio Barnardo, por Minoel Tor-
res da Silva.
dem da casa terrea oa ra do Carmo, em Olifl-
da, n. 2, avaliada por 1209, peohorada a Manoel
Henriques, por Aotooio Rodrigues de Oliveira.
dem da casa terrea o. 22 na ra do Bom-Fim,
em Olinda, com 2 salas, 2 qusrtos, .cozioha,
quintal em aberto, muito deteriorada, avaliada
por 609, peohorada ao Dr. Maooel Joaquim de
Miranda Lobo, por Manoel Simoes.
dem da casa terrea a. 3 ns ra de S. Pedro
Apostlo, em Olioda com suffieieotea commodos
para familia, avaliada, por 96.
Becife, 2 de junho de 1862.O solicitador da
fazenda provincial, Joo Firmino Corssia de
Ara u jo.
aflk Os Srs. devadores da loja do finado
S Antonio Fraoeiaco Pereira, queiram vir
pagar saaa dbitos na meama loja ra
O Sr. Joao de Oliveira e Souza tem nma carta
no escriplorio de Parele Viaoaa & C, pagando
o presente annoncio Ihe ser entregue.
Imagens.
Na ra da Imperatriz o. 21, serrarla, trocam-se
imsgana de N. Senhora, Senbor CruxiBeado,
varios ssntos a aslas, todoa muito bem feitos.
Tnun ac Payo, rattra-se para a Babia.
Bento Jos Beroardeaacienutica a quem io-
teressar, que Maooal dos Santos Leal nao pode
vender a propriedade n.25, sita na ra de S.Mi-
guel da freguezia de Aogados, visto a mesma
propriedade se acbar hypolhecada desde 16 de
jaueiro do correle sopo, na ootaa do tabellio
de paz Manoel Jos Mauricio da Sena, e como o
abaizo assigeado cao tioha registrado para sau-
dade da meama hypotheca foi hoje>registrar, e
aasim como urna certido negativa que o mesmo
Sr. Lesl foi tirar oo cartorio do registro em 15
de mato do correte aono, tica aem validade,
Becife 3 de juoho de 1862.
Bento Jos Deroardes.
:do"Crespe a, 8 A.
Aluga-ae urna preta moga, a qual coznha
perfeitamoote o diario da ama casa, e lava bem,
tanto de varrela como de aabo : a tratar na rea
do Sebo n. 20. _____________________

Escrava fgida.
Ausentou-se a 2 do correle a escrava Mara,
de oaco Angola, de 30 annoa de idade, cor fula,
lem baatanlea cabelloa brancos, levou vestido de
chita e paono da Coala, e am taboleiro com lou-
ca de jantar : quem a pretender, conduxa i rna
Nova n. 16.*
Oaem tiver para alujar ama eacrava qua
aeja boa vendadaira de ra e fltl, dirija-ae a roa
do CabngA n 1 C.______________.
Djeecfto Brow
Remedio infallivel contra as agnor-
rbeas antigs e recentes, nico deposito
na botica tranceza, ra da Cru* n. 22,
I preco 3f.
9
aballad
iMll
'
[Miau




Di^RlO DB PtEHAMiUCO. t jgMTi
IHHO DB 1861-
.. nuil
Toda atten Cuatedlo Jos Alte Gaimarts avia ao rss-
evOublico, principalmente l todos os teu
zas e amigos, que temad tu da loja da
agaia da oaro da ra da Cabug jara a ra do
Crespo b. 7, pera a bem coahccica e amiga loja
de atudoxee que foi do fallecido loio Ceg, boje
ser coohecida pelogallo vigilai te,e pede ao
respeitavol publico e aoa aeus fteg jeies e amigos,
que o queiraea procurar no dito estabelecimento,
onde echarlo um grande aorlimeo o de miudezae,
que affianca servir bem e vender por meos das
oo Tiote por ceoto. do parte. ________ ____________
a travesa da ra cla$ Criases n
2, pjimeiro andar, tinge!,.; para todat
ta cores com presteza e com nodo preco.
Aiuga-ae na ra oa Alegra u. 7 dnas ne-
gras, ama aabe bem coziobar, enjoD,mar, lavar
e tratar de meninos, e outre aabe (azer ludo me-
noe engoman r.
SOCIEDADE
Unio Benefkente
Martima
Pela terceira Tez identifico a )S senhores io-
dos atraaados, que no da 4 de anbo expira o
praso de 30 dita para se porem quites, como foi
deliberado pela assembla geral le 4 de maio, e
desti data em diante podem cootai -se iluminados
conforme o artigo 12 3.* dos est luios. .
Secretaria dasociedade Unio I eneficente Ma-
rtima 31 de maio de 1862.
Ballhaaar Jos i!os Res.
! secretario
r O
aivogado
s
Innocencio Serfico de Assis
Carvalho trantferio o'aeu escrip-
torio para a ra do Imperador
outr'ora do Collegio n. 50, pri-
meiro andar, onde pode ser
procurado para os.misteres de
sua prolisto desde as 9 112 hq-
ras da manhaa at as 3 horas da
tarde.

#
Ba Imperial n. 3.
Eocarrega-se de mandar lavar tanto de varrela
como de sabio na crytalina agua do rio Babetl-
be, e de ecgommar com 'a maior perfeicto toda
qualidade de ruypa com pequea demore de 6
8 dias, garntese qualquer felta ou extravio que
poisa apparecer, aatisfaz-se a vontade do dono
quando queira para este oa aquella dli : quem
precisar, pode duigir-ae a mearos caa para tra-
tar dos precos, qae serios mais commodos pos-
siveis.
CALCADO
45 Ra Direila-45
A epidemia declioa sensivelmente, e o sea
completo desappaiecimento est proiimol O.
proprieUrio deele bem aortido eilabelecimeoto
convida os seos numerosos freguezes a substituir
o galcado velho, que todo est cholenco," por no-
vo, qae pona reaistir s mil scbolis e mazzur-
cae que vio ser daosadss em louvor do reitabe-
lecimento da eaade publica. Os precos con-
vidare :
HOMENS.
Bolinas afamadas Mills.
d non-plus-ultra Nanles.........
> Nantes 2 bateras..............
> lustre....................
inglezes de boldes.............
> bitedore?.......................
couro da porco.......
bazerro luatre...............
ingieres ps selvagens.........
taxiados braiilelros............
Sapatoes non-plua-ultra................
Sapatos de bor-
racha.
. A. 1. 1|500 e 35 o par, agolhas Victoria a 120
rs. o papel, lamparioas econmicas a 100 rs. s
calza, carleiras para eacrever a 14$ e 109, caixaa
para coalara a 8$ el6$, gmixa francesa econ-
mica a 640 o pote, facae americanas para mesa a
Se7f eduzia, meiaspsra senbors, homem, me-
laaetc. por todo o prego, braceletes de cabello
com pedra roza e emarella a 59 cada um : t
ha na ra do Queimado loja Esperance n, 33 A,
Guimaraea & Rocha.
Compras.
Compra-se um ou ooua caiiea proprios pa-
ra laberoa, maa que tenham de 8 a 10 palmoa de
comprimento : oarua dos Pires n. 38, taberna.
Santo Antoni o.
A trezeoa do glorioso Santo Aclooio, conside-
ravelmente augmentada, nitidam nte impressa e
embruchurada, com capas propiias, acha-se
venda na ra do Imperador n. 15 daa 9 horas da
manbia aa 3 112 do tarde.
SEGUDA EDICQVO
THESOURO
DO
HOMEOPATHICO
ou
Vade-mecum do homeopatha
pelo aoulor
uwm il. ra.
Este livrq que se tem tornad) lo popular,
quanto necessario, acaba de aer publicado com
todos os melhoramentos, que a niperieocia e oa
progressos da sciencia tem demoistrsdo. A no-
va odiego em ludo superior primera, en-
terra :
1.* Mais ampias noticias acera do earativo
das molestias,.com indicages o: ai proveitosis
dos medicamentos novos recentnmente ezperi-
menlados" na Europa, noa Eslac os-Unidos e no
Brasil.
2." A exposicao da doutrina homeopatha.
3.* O ealudo da apropriacao di s remedios se-
gundo as predominancias dos emperamentos,
das idades, dos sexos, e segundo as circumslan-
cia atmoaphericas etc., ele.
4.* A preservarlo ou prophilazia das molestias
hereditaria*.
5." A preservadlo das molestia) epidmicas.
6." Urna eslampa Ilustrada de nonstrativa da
continuidade do tubo intestinal d ;sde a bocea al
o anua etc., etc.
Vende-se na phabmacu espicial homeopa-
thica, propriedade do aulhor, ra de Sanio
Amaro (Mundo Novo) n. 6.
Preso de cada exemplar. 208000
N. B. O aenhorea assignsntes queirm man-
dar receber seus ezemplares.
Compra-ae um prelo de meta idaae, de
bons cosamos e proprlo para tito, urna eacrava
que aaibi coser e eogommar bem : na ruada Ga-
deia Velha n. 35.
Corupram-se Diarios .' na ra Nova n. 5.
125000
12*000
11*600
109000
IO9OOO
99500
99000
99OOO
79500
5J5O0
79000
69500
595OO
69000
59500
59000
29OOO
59000
29OOO
19280
Muita attemjo.
Na loja de Silva Cardozo, ra do lu'
peradOr 40, vndese roupas feitas
de todas as qualidades pelos precos
mais baratos possiveis que se pode ima-
ginar, pois pode vir os freguezes com-
prar porque e pechincha.
3=
Coinpra-se constantemente lato vilbo e co-
bre : na ra da Imperatriz n. 65.
Compra-ae um cyliodro de padana, em
bom estado : na ra ealreita do Rosario n. 47.
^cndai.
i)
Novidade
Amendoaa confeitadas, sorles das mesmas, pa-
pis com estalo, tudo muito bov>, vende-se por
menos do qae em outra qualquei parte : na ra
a Senzala Nova n. 30.
> 8 bateras e meia..............
> esmaga cobra..................
> Nantes 2 bateras vaqueta.....
> 2 bateras bezerro......
trsbalbadores..........
> brasilelros de 3$500 a..........
Sapatos 2 iotas e salto..................
tranca porluguezes..........
9 > friocezes......
SENHORAS.
Bolinas dengosas......... 59500
salto de bater....... 59000
> pechincha de 49500 a. 4|000
> americanaa 3$500 a 29500
Sapatoa de aalto (Joly) .."... 38000
aem elle (dem)...... 19920
tapete;........ 800
> econmicos. :...... 500
lustre 32 e 33....... 800
MENINOS E MENINAS.
Ha de ludo em relagao e uio ae deixa sahir
dinheiro.
Um completo sorttmento de couro de porco,
cordavo, bezerro francez, couro de luatre, mar-
roquim, aola, courinhos etc., que tudo se troca
por dinheiro i vontade do comprador.
AlteDfaO! alteucao!
A.os pais de familia, bom e ba-
rato.
Na loja n. 20 da ra da Imperatriz icha-ae s
venda um completo e variado aorlimento de bota
fazeodaa, e que vista da suas qualidade* alo ba-
ratisslmamente vendidas, e para mais veracidade
do que flea dito, abaixo vio mencionadas algunas
daa ditaa fazendas, a aaber :
Chitas largaa cor flxa a 240 rs.
Madapolo uno com 24 jardas a 59.
Cambraias da cores a 280,320 a 400 rs. o co-
rado.
Velludo preto decores a 29.
Lindeza de corea a 160 rs. o covado.
Lencos pequenoa a 80, 120 e 160 ra.
Cbapeoa de caator fino a 89.
Cbitaa pretas multo largas e flnss a 240 rs.
Algodao trancado preto muito bom para velli-
dos d icravoi a 200 rs.
Cambraia lisa com 10 j ardua 2*.
Caiis de salpicos com 10 ditaa a 89.
Cambraia bordada para cortinados com 8 va-
ras a,2/.'
No pateo do Garmo. taberna o. 1, vtode-se
urna negrioha de 13 a 14 annov. ____
fVttcn^io.
Antonio Cosario Moreira
Dias, faz sciente ao respeita-
vel publico com esp scialidade
aosseus freguezes, que mu-
dou o seu armazem da ra da
Moeda para a ra da Madre
de Dos n 32, e est veaden
do por menos do que em ou-
tra qualquer parte, plvora,
chumbo e salitre e affianca a
boa qualidade destns merca-
dorias por serem de primeira
qualidade.
6Ra da Cruz-A6g
O Dr. Rocha Bastos
r
d consultas todos os dias.
Cura radical e em pono das moles-
tias syphiliticas e dos orgos geoito uri-
aarios.
Consultas de graca das 8 ; s 9 horas da
manhaa.
I
i
I
KtKaioeseB!n-ss;tteitissemi
Deseja-se contratar um R m. Sr. sacerdote
para capello de urna fazenda muilo agradavel
por saa posico e commodos, orno urna capella
bem paramentada, perto da freguezia do Brejo da
Madre de Dos : quem o preti oder, dirija se a
raa da Auroran. 68, terceiro aedar, a tratar com
Jos Joaquim do Reg Barros.
41
CYRILLO DILERMANDO DA SILVERA-Com-
pendio da grammalica da liogua portugueza.
1 vol. ki-8..........2JOO0
Adoptado pelo conselho de ioatrucco publica.
GARLOS LOPESNovo lyslema para esludar a
liogua latina. 2.a ediccao melborada. Autori-
sado pelo conselho de loitrucco publica, adop-
tado no imperial collegio de Pedro II e em
mnitoa onlros da corte e do interior. 1 vol.
in -4.............5$000
MONTAIGU (OOUARD DEj.Nova grammalica
portugueza-fraoceza, ou methodo pralico para
aprender a lingua franceza, seguido de um
tratado dos verbos irregulares. 2 volumes
ln-8.............4SO00
FALLETTI.Grammalica da liogua italiana, se-
guida de algumaa observa;5ea por ordem al-
phabetica. 1 vol. br.......2*000
NOgES PRATICAS E THEORICAS DA LINGA
ALLEUA, compostas psra servirem de com-
pendio no imperitl collegio de Pedro II, por
Berthold Goldschmidt, professor no mesmo
collegio. 2 vol. in-8 ene.....89000
Comecir o estudo das lioguaa pla parte pra-
tica e termioa-lo pela parle theorica, e eis rae-
ihodo do autor. Que este o verdadeiro e o
mais proficuo, nao precita de loogas demonstra-
res. Todo o hornera de bom se,nso, todo o ho-
mem de raciocinio lgico comprehender im-
mediatamente as vantagens deste methodo.
CATECISMO DA DOUTRINA CHR1STA.A, com-
posto para o eosioo dos alumnoa do ioatiluto
dos meninos cegos pelo conego Dr. Joaquim
Caetano Ferrundea Pinhairo. Esta catecismo
ro adupiaov prlu conaelOD ue mairuccao puori-
ca para aa escolas orimariaa da corle, pelo im-
perial collegio de Pedro II e muitoa outroa da
cOrte e do interior, approvado pelo Exm. e
Rvm. Sr. blspo do Rio de Janeiro. 1 vol. io-8
grande. ;.......19000
COLOGURAS (J. B.)Compendio da historia da
idade media. A obra compor-ie-ba de 2 vo-
lumes io-8 de 800 paginas, pouco mais ou
meaos, ornados de um graode e magoifleo
mappi colorido da iovaso dos barbaros, e de
quadros synchrooicos. Prego dos 2 volumes
muito bem encadernados .... 89000
O mappa vende-se em separado, prego. 3*000
COMPENDIO DA HISTORIA UNIVGRSAL, adop-
tado no imperial collegio de Pedro II, por
Jastiano Jos da Rocha. Historia antiga 1
vol.............29000
Historia da idade media 1 rol 2*400
AVILA (Jos Joaquim de).Elementos de alge-
bra, 1 vol. em 4........2*600
ELEMENTOS DE ALGEBRA para uso doa col-
legios de instruccao aecundaria. 1 volume
em 4o. ........39000
EEEMENTOS DE ARITHMETICA. Compendio
approvado pelo conaelho de instruccao publica
e adoptado pelo imperial collegio de Pedro II,
pelas escolaa publicas e por muitos collegiosda
corle e do interior; 1 vol. em 4*. 2*800
ELEMENTOS DE ARITHMETICA ('reaumo).
Compendio adoptado pelo conaelho director da
iostruc;o publica, com approvacSo do gover-
no, para uso doa collegios de instruccao pri-
maria, t vol. em 4\ i 1*400
POESAS SELECTAS DOS AUTORES MAIS IL-
LUSTRADOS amigos e modernos. 1 volume
n-4..........; S*500
Esta obra recommenda-se aos pais de familia
e directores de collegios pela boa esculla das
poesas que a compe ; al hoje seolia-se a fal-
la de ama obra oeste genero que preenchesse o
Qm desejado, podemos asseverar que a mi a
mais extremosa pode dar este livro a sua fllha
sem temer pela sua innocencia ; oa homena en-
carregados da educado da mocidade podem ler
a certeza de encontrar nesta collecdio as poesas
mais propriis para formar o coro gao, ornar o
espirito e apurar o gosto dos seus discpulos.
EPISODIOS DA HISTORIA PATRIA
A 500 rs., queijo do serto.
Vende-se queijo do serio muito fresco, pelo
bsrato preco de 500 rs. a libra : na ra da Impe-
ratriz o. 65.
A os seuhores funileiros.
Vendem-ae bigornas calcada de ac, bem
feitaa, a 129 cada urna, martelos calcados a 500
ra., tranca a 38500 a elles, antes que se aca-
ben) : na raa da Imperatriz n. 65.
Pecliincha sem igual.
Cortes de chita franceza larga. de~ 11 corados,
pelo baratiaaimo preco de 28500, lindas chitas
francezaa largas a 200 rs. o covado, superiores
cassas francesas de cores a 240 o covado, lindas
lazinhas de cores de superior qualidade a 400
rs. o covado : na loja do sobrado de 4 andares
na ra do Crespo n. 13, de Antonio Corris de
Vasconcelloa & C, successores de Jos Maria
Lopes.
Saias de baldo.
Sao chegadas as commodas saias de bailo, de
arcos de diferentes tsmaohoi, de 8, 10 e 12 ar-
cos para meninas, de 15, 20, 25, 30 e 42 arcos
paraseohora, por presos mais commodos do que
em outra qualquer parto : oa loja do sobrado de
4 andares na rus do Crespo n. 13, de Antonio
Correia de Vaaconcellos & C, succesiores de Jos
Moreira Lopet. ____________________________
Bom e barato.
Queijos do Serid a 500 rs. a libra, gomma de
araruta muito alva e nova a 100 rs. a libra, e em
arroba a 2*800, cevadioha de Franca a 200 rs. a
libra, ancorelas com azeitooas a 1J-200 : na ra
dasCruzes n. 24. esquina da trsvessa do Oovidor
Attenco
A 600 rs a garrafa de gaz.
Cootiaua-ae a vender o melbor gaz, na loja de
funileiro. ra da Imperatriz n.65.
Nuita allecpo.
Ra larga do Rosario n. 38.
Vendem-ae ricossinlos de tita de pootaa cni-
das com franja na ponta cousa muito moderna,
ditos de camafeu, ditos bordados com franjas s
28, 28500, 39, 49 e59 esda um. rap de Lisboa,
dito grosso e meio grosso, dito Paulo Cordeiro,
dito lino, dito Rocha e Meuron, ac coberto para
baldes e muitos mais artigis de miudezas s
avista ae dir o preco de tudo.
Predsa-ae de urna ama
D. 12. agundo andar.
(o pateo do Tergo
Joaquim Ferreira de S vai a Europa.
O Sr. empregado publi-
co que recebeu differeutes
quantiaspara pagamentos de
objectus de sua repartico e
noospagou, queira mandar
entregar essas quiintias que
existam em seu poder como
deposito,-alias se publicar
seu nome e mais cartas pelas
quaes se pro va a existencia
deste negocio.
Pechincha
Saias de mussulina.
Veodem-se aaias de mussulina bordadas a 3* e
3*500, espartilhos a preguicoaa a 3* e 3*500: na
roa da Imperatriz o. 48, junto a padaria franceza.
1
li ll
so
Vendase fil liso muito fino a 310 o covado!:
na ra da Imperatriz o. 48, junto a padaria tran-
cis.

Juizo dos feitos da fazenda
No da 5 de juoho prximo nodouro oa sala
dos auditorios s 10 horaa da manhaa, na pre-
aenra do lllm. Sr. Dr. julz doi eitos da fazenda
ae vender em praca publica una casa terrea n.
7 uta no lirgo do Terco na freguezia de S. Jos,
avahada por 1:6009, pertencenie aos berdeiros
do Aado Maooel Flix da Bosa para pigalnento
da fazenda nacional. Recife 23 le maio de 1862.
O lolicitadnr,
Francisco X. P. de Brito.
Precisa-ae de urna boa coi uibeira :
ge do Coroo Santo p 27.
no lar-
Aluga-ae um aiiio no prii eipia di Estrada
Nova, que tem caa para mora, e, cochelra, es-
tribarla, qasrtoa para pretos, g andes baixaa de
aptas, pastos para vaccaa a al una arvoredos :
aa raa da Cruz n. 56. ae dir.
- Precisa-se da ama ama di
Raigal d. 7, segando ansiar.
leite : na ra do
sr pot ra r^^Srz. ="^'-" *"^T&
BRAS1LEIRAS CELEBBFS por Joaquim or- |
berlo de S. S.Proprio para livro de leitura
pafa meoinoa 1 vol. nitidamanta impresso
encadernado.....; 2(000
Vende-se em Pernaa buco as priocipses Ima-
nas e no Rio de Janeiro nicamente na livraria '
do editor B. L. Garoier, ra do Ouvidor o. 69.
lAdmirem as las;
! baratas. !
Lindas las de cores de quadros e de i
I llores, de superior qualidade, pelo bara- |
I tissimo prego do 320 ris o covado na ,
loja do aobrado de 4 aodarea, ra do '
' Creipo o. 13, de Antonio Correia de Vas- ^
I concellos & C, successores de Jos Ho-
, reir Lopes.
Comarca de Nazareth.
Vende-se ou arreoda-aa o engenho Dependen-
cia, sito na comarca da Nazareth, com maito boaa
Ierras de produecao, muito fresco, multa mata
virgem para derrubar-se, offerecendo propor;5es
para safrejar 1,500 a 2,000 pies, tambera fsz-se
negocio com a aafra fundada : os pretendentes
podem dirigir-se ao mesmo engenho, a tratar
com o seu proprielsrio.
N. Landais.
Vende se o diccionario francez de N. Landais
e outras obras em francez e portugaez : na raa
do Cabug n. 10.
Vende-ae um balcio de amarello enverni-
sado'com vidrns, e proprio para qualqaer esta-
belecimento, muito barato, aproveitea a pe-
chincha : o* ra estrelle do Rosario n. 25 loja de
flmlhiro.
AtteiNjo.
Vndem-se dous sitioa na Boaviagem, ambos
com trras proprias, sendo um delles com duss
cssasdepsdrae cal, 01 permuta-se por esas nes-
ta praca a fallar na pra;a da Independencia nu -
mero 17.
15ibuvtvv'v^wvav fJerer^STPS a^rTWPaiisffw^Wa
Acaba de
chegar
novo armazem
Dt
BASTOS< BE60
Na ra Nova junto a Con-
ceico dos Milita-
res n. 47.
Om grande a variado sortlmanto da
reupas feitas, calcados o fazendaa e todos
cales se rendem por precos maito modi-
fiesdos como de seu costume,assim como
sajara sobrscasacos da auperiorea pannos
a casacoi feitos pelos ltimos figurioos a
16?, 28*. 30* a a 35*, paletota dos mesmos
pannos preto a 16|, 18f. 209 s*9,
ditos de case mira de cor mesclado a da
nbvos psdroea a 149,169, 189.209 249,
ditos saceos das mesmas caaemiras da co-
ree a p, 109,129 e a 149, ditos pretos pe-
lo.diminutc prego de8*. 10*, eHJ, ditos
de sarja de seda a sobrocasacadoa a 13*,
ditos d merino da cordao a 129, ditoa
cmerino chinea de apurado gosto a 15*,
ditas do alpaca prata a 79, 89, 99 a a 10*.
ditoa aaccoa pretoa a 49, ditoa da palha de
seda fazenda muito auperior a 4*500, di-
toa do brim pardo a da fuatao a 3*500, 4* .
a a 49500, ditoa de fustao branco a 49, B
grande quantidade de calcas d e casemira
preta a de cores a 79, 89, 99 e a 10, ditas 1
pardaa a 39 a a 49, ditaa da brim da corea 5
finaa a2|50O, 39, 3*500 a a 4f, ditaa de I
brim brancos finas a 49500,5f, 59500 ufi
69, ditaa de brim lona a 59 e a 6|, coUelea.il
de gorguro preto e de cores a 5J e a tj, S
ditoa de eaaemira da cor e pretos a 4J500 |
a a 59, ditoa de fustao branco e de brim
a 3* e a3*500,ditos de brim lona a 4f,
ditos da merino para luto a 49 e a 49500,
calcas de merino para luto a 4J500 e a 55,
capas de borracha a 99. Para meninos
de todos os tamaohoa: calcas de casemira
rofa e da cor a 5f, 69 e a 79, ditas ditas
da brim a 2$, 3* e a 39500, paletota sac-
eos do eaaemira prata a 6| e a 7*, ditos
de sor a 69 ea7f, ditoa de alpaca a3*,
sobrecasasos de panno preto a 129 e a
14*, ditoa de alpaca preta a 59, bonets
para menino de todas aa qualidades, ca-
misas para meninos de todo 1 oa tamanhos,
meios ricos vestidos de cambraia (eitos
para meninaa de 5 a 8 annoa com cinco
babadoslisosa89ea 12$, ditos de gorgo-
reo de cor a de lia a 5* e a 69, ditoa do
brim a39, ditos de cambraiaricamente
bordadoa para baptiaados.e multas outras
fazendas a roupaa faitea qae deixam de
ser mencionadas pela sua grande quanti-
dade ; aasimcomorecebe-aetoda equal-
qaer ancommenda de roupaa para se
mandar manufacturar e que para este flm
temos am completo sorttmento de fazen-
daa degoato o ama grande oficina deal-
faiata dirigida por am hbil mestra que
pela suapromptid e perfeicao nadadei-i
xa a deaejar.
sem segundo*
Na roa do Queimado o. 55 loja de miadezaa
de Jos de Azevodo Maia e Silva, est vendando
todaa as miudezas baraliasimss, a saber :
Papeia de agalhas s balo muito supe-
riores a
Caixaa com multo finas obreias a
Candes com clcheles, 'tem algum de-
trito a
Frascos de mscasi perols muito fino a
Caixinhaa com papel pequeo de diver-
sos gotios a
Pacotes dito dito dito amizade a
Novellos de linha de Crux a melhor
que ha a
Caixaa cora sgulhas curias de superior
qualidade
ntremelos, a peca com 3 varas \\2 a
Sabooetea maito finos >
Papeia de agulhaa francezaa com toque a
Pares de boldes para punhos de muitos
modelo* a
Pares de meias cruas para meninos a
Ditos de ditas cruas psra pequeo a
Ditos de ditas para meninaa a
frascos com agua de Lavando embreada a
Ditos com ebeiros muito finos a 240 e
Ditos com banha muita fina a 240 e
Ditos com superior banha de urao a
Ditos com oleo babosa muilo iooa 210 e
Ditos com oleo do Rio muito superior a
Ditos com superior philocome a
Ditos com banha philocome fimssima a
Ditos com banha transparente a
Ditos com superior agua de colonia a
Ditos com macassi (oleo) a
Ditos com superior opiata a 500 e
Carlea de lioba Pedro V, com 200 jardas a
Ditoa de dito dito, branca de cores a
Carriteia de lioba com 100 jardas a
Maaios de linha frouxa para bordar a
Pentei de marfim de superior qualidade a
Paletots e calca*.
Vendem-ae paletota de panno preto fino a
calesa de casemira preta a 4*500. paleta de faner
de cores a 6*. eticas de dito s 3*500 : na ra a
Imperatriz n. 60, loja do Paf Jo.
As seroulas do Paveo.
Vendcm-se seroulas de linho francesa a ?* e
par ou a 249 duzia : na raa da Imperatriz a
60, loja da Gama & Silva.
80
40
10
200
720
720
40
200
IfOOO
120
10
CHALES.
Grande pechincha nanloja do
Pavo
Veodem-ie os mais ricos cbalea com ponte re-
donda e borllas tendo as barras a imitaco de
pelucia e asseiinadas imitando as capinh-i mais
modernas pelo bar.iisaimo preco de 4*5(10, ditos
de 4 ponas a 49500. dito, a Garibaldina aendo
maito; gandes a 59 : na ra da Imperatriz D.
60. loja do Pavo de Gama & Silva.
Saias bordadas a 2500.
Vendem-se saias brdelas muito bonitas a
J*500 cada urna : na ra da Imperatriz n. 60
loja do Pavo, de Gama & Silva.
tales do Pavao.
Vendem-se baldes de bramante francez com
arcoa, sendo as melhores armarles, pelo diminu-
to prego de 3* a 3J500: na ra da Imneratria o.
60. loja do Pavao. de Gama & Silva.
240
160
160
200
800
500
30
600
320
500
900
1*000
800
500
100
800
60
20
30
240
1*000
Saias com arcos de linho.
Vendem-se aa acreditadas salas com arcos de
linho que fazem as vezes de balo a 3|200 e a i$
cada um, estos saias s ha na loja do Pavo, rija
da Imperatriz n. 60, loja e armazem de Gama A
Silva. *
Para nieniuos a 4#5o
Vendem-se vestidinhos de seda para meninos,
muito bem enfeitados, pelo diminuto prego de
4g500 cada um : na ra da Imperatriz n. 60, loja
do Pavo, de (jama dr Silva.
Rival
sem segundo.
Na ra do Queimado n. 55, defronte do sobrado
novo, loja de miudezas de Jos de AzevedoMaia
e Silva, est queiroando tudaa as suas miudezaa
peioa pretos que abaixo ae declara, pois a quadra
boa para apreciar:
Duzia de meiaa cruas maito encorpadasa 2*400
Dita de ditas brancas muito boss a 1*600
Dita de ditas cruas muito finas a 4J0O0
Dita de ditas brancas para senhors, mui-
lo finas a 3000
Carriteis de retroz de todas as cores a 280
Crozas de peonas do ac de todas as quali-
dades a .
Dita de ditar calligiaphicss
Nvelos de linha muito grandes a 60 e
Caixas de agulhas perfeitas a
Baralhos portuguezes a 120 e
Groza da boldes de osso pequeos para
caiga a
Tesourss para unhas muilo superior qua-
lidade a
Ditas para costura muilo fina.s a
Ditas pequeas porcra finas a
Baralhos francezes muito finos a
Agolbeiioa com agulhaa aupetioraa
Canivetea de apara? pennas de 1 folha a
Pares de sapatos de tranca da la a
Carlas de alnetes francezes a
Pares de luvas brancas de algodo a
Escovas para limpar denles muito fi-
nas a 200 e /
Masaos de grampos de todas as quali-
dadea a
Dedaes com fundo de seo a
Caixaa com colxetes francezes 1
Tioteiroade vidro com tinta a
Ditos da barro eom tinta superior a
Areia preta muito fina a libra a
Labyrioibo por todo prego.
Vara de franjas largas brancas a
Pides de nova inveogo para meninos a
Linha branca do gaz pelo prego j sabido que
10, 20 e tres por dous, e oatraa muilas miudezaa
que vista far f pelas suas boss qualidades e
precos ento nao fallemos.
Olhem para o Pavo e ieiam.
Camizinhaa com golliohas e manguitos de cam-
braia bordados, fazenda muito moderoiisima a
5*000.
Ditas de fustao com salpicos de cor a 3*000.
Gollinhis bordadas com bolozinhos a 1*000
Ditaa ditaa de goalos a 640 e 800 rs.
Ditas com manguitos de cambraia bordados a
1S600.
Maoguitos de cambraia fina bordados a l;0CO.
Golliohas bordadas a 240 rs.
Romeiras de cambraia eneiladas psra lato c
3S000.
Camizinhas para senhoras bem enfeitadass 31.
Lerfcinhoa de lioho com labyrintho para mao
a 2*500.
Ditos a 1rr.itAc.a0 do labyrinlho a 1* e a 1*280.
Luvas de torgal enfeiladas de vidrilho a 500 e
e 640 rs.
Enlejes pretos com vidrilhos a 8*000.
Ricos eufeiles a lurca e Garibaldi a 5S500.
Ditos muito bonitos a 2*500 e a 3*500.
De ludo do-se aa amostras fleando penbor: aa
loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
500
1*600
120
160
160
120
400
400
200
240
80
80
1*280
100
100
30
40
100
40
160
120
120
200
200
Papel do todas as qualidades.
Vende-se a 4*400 de quadrinhos, ditos pauta-
dos a 3*600, dito almago pautado a 4/ e 4*200,
dito greve a 4(600, em caizinhas de diversas co-
res a 640 e 1*. dito branco pautado a 800 rs,, aa-
velopes de cor a 640, dito branco a 900 rs. : na
loja do beija-flor. ruado Qoeimado n. 63.
Ricos cintos dourados:
Vende-se a 2* e 2*500, ditos de fita a 1*600.
filaa para debruohos de collele a 280 a pega, liraa
bordadas a 19 o 1*200 ; na loja do beija-flor, raa
do Queimado n. 63.
*mmmmm*mmmmmm
Vendem-se pipis eom agurdente de can-
ns : no caes do Ramos n 6.
A 3#000 asacca,
Vendem-se saccaa com arroz pilado com toque
proprio para galinra
de avaria
mos d. 4.
no caes do Ra-
Venem se leaouraa finas para costura a
1*. dila para anha a 640 e 800 n., ditaa finas a
900rs. a duzia, pentea de travesea para menina a
6t0 : na loja do bea-flor, ra do Queimado nu-
mero 63.
Siutos para senhora.
Vendem-se os riquissimos sinlos com borla ca-
hids ao lado, muilo cbique, sendo o ultimo gosto
de Paria, pois parece-me que nao hatera seohe-
ras que deixe de comprar : isto so no gallo vi-
gilante, ra do Creapo n. 7.
Enlates de cabera.
Vendem-se 09 riquissimos enfees, tanto com
franja como sem ella, por baratissimo prego de
2*500. 3* e 59: s no vigilante, ra do Crespo
numero 7.
Novo sortimento de
zendas baratissioas,
NA
Venaem-se manlinhas de coral a 8i 2*400,
e fios de coral a 720, massiohos efe contas rciu-
dinhas de diversas cores a 140, caixinhaa de alfl-
netes a 200 rs. e 240: na loja do beija-flor, rui
do Queimado n. 63.
CoDeitaria e refinado.
Ra nova de Santa Rita n. 53.
Neste eitabelecimeolo acha-se venda um
completo sortimento de amendoas bonitas e mui-
to bem cooteitadaa para vender a retalbo e por
arroba, e tambera ae vende prompta cm sor tes, e
no mesmo estabelecimento precisa-se de um re-
finador que seja bom.
Na taberna da ra de Hortas u. 18, confron-
te ao becco de S. Pedro, veode-ze espirito de
graduaco subida, licores de (odas as qualidades,
soiz, reino egenebra, tudo por meaos do que em
outrs qualquer parte.
Veoae-se em aegunda mao doua relogios ae
ouro, seodo um patente ingles e outro suisso : a
tratar na rus Direita o. 106. taberna.
Vende-se um* barcaga nova da primeira
viagem, muito boa veleira, de nome Amelia do
Sul: quem pretender comprar, vi a eacadinha, a
bordo da mesma barcaga, que achara com quem
tratar.
Vende-se um bom cavalio para sella e me-
lhor para cirro, ou troca se por outro que sirva
para viagem e que tenba bom carrego baixo : oo
larRo da Soledad*, aobrado n. 48.
* Vende-ae ama
com poucoa fundos ;
maro 85.
taberna bem afreguezada,
a tratar na rus Direila na-
Vende-se urna grande casa com aitio, no
lugar do Peres, confronte ao engenho, I beira da
estrada para Santo Anto, com commodos para
familia e qualquer negocio, por prego commodo :
a tratar no pateo do Paraizo n. 10.
Voode-se urna prata de lervigo de campo a
ra.' a tratar aa ra da Aurora n. 70, segando
r.
Loja do Pavo ra da Impera-
triz numero 60.
DE
GAM\fc SILVA.
Vendem-se as aeguintes fazendas por prsgos
baralissimos afim de apurar dinheiro : capas
suissas a imitago de sedas de quadrinhos sen-
do de todas as cores e cores muito fixas a 200
rs. o covado, brilhanlinas de quadrinhos muito
encorpadas para vestidos de senhora e roupas
para meninos seodo muilo mais larga que chita
a 200 rs. o covado, gorguro de lioho fazenda
muilo nova para vestidos a 280 rs. o covado,
musselioa branca com 4 li,2 palmos de largura a
200 rs. o covado, grande e variado sortimento
de caisas para vestidos seodo os padrees moder-
nissimos e as cores fizas a 280, 300 e 320 rs. o
covado, chitas frsncerasde cores fixas escurss e
alegres a 240, 260, 280. 300 e 350 rs. o covado, {
chitas inglezaa a 140,160 a 200 rs. o covsdo,
cortes de cassa tendo 7 1)2 varas cada om a
2*400 rs., cortes de organdys com barras tendo
12 vtras cada corle a 59, cortea de baregercom
22 ce.vado a 59. ditos com as saias feitas a 59,
lazinhas de cores a 280 rs. o covado, de todaa
eataa fazendas do-se as amostras deixaodo o
penhor na loja e armazem do Pavo, da Gama 4
Silva, na ra' da Imperatriz n. 60.
Linda de peso.
Vendem-se as verdadeiras linbas de peso, o
mais fino .que se pode encontrar a 25500 o mas-
sinho de 30 miadiohis, assim como de outrae
qualidades : s no vigilante, ra do Crespo nu-
mero 7.
Vendem-se lavas de pellica de Jouvio bran-
cas para senhora e homem, chegadas no ultimo
vapor: na loja do beija-flor, ra do Queimado
numero 63.
Vende-se cascarrilba.de anda de todaa as
cores a 2f e 2J400 a pega, lioha de Pedro V a 20
rs. o carlo, gravatas de seda eatreitinhas a lf :
na loja do beija-flor. ra do Queimado n. 63.
Madapolo do Pavo.
Vendem-se fioissimas pegas da madapolo com
24 jardas a 4*500. 4*800, 5*. 5g500 e 6*. ditaa
francezas enfealadas com 14 jardas g 39: na ra
da Imperatriz n. 60, loja do Pavo de Gama
Silva.
Las a 320 rs.
Vendem-se modernissimas lazinhas com pal-
mas a 320 ra. o covado : na ra da Imperatriz n.
60. loja do Pavo.
O Pavo vende a .
Pegas de cambraias de corintios brancoa e de
todaa as cores tendo 8 112 varas a 4* : na raa da
[mperatriz n. 60, Inja do Pavo.
O Pavo vende
cortes de cambraia multo fina com dona babados
e daaa saias sendo delicsdsmente bordados s
49. ditos sendo lodos adamascados a 49, cortes
de phantasia fazenda flnissima a 6|, ditoa a 49500
o 59 : na ra da Imperatriz n. 60, loja arma-
zem do Pavo de Gama & Silva.
Panno preto.
Vende-se panno preto muito encorpado a
15600,19800 e 29, e dito cor de caf: na raa da
Imperatriz o. 60, loja do Pavio.
Chales do Pavo.
i loja armase*

Vendem-se chelea da merino estampados mui-
to grandes a 39, ditos de cassa adamascada a 800
rs.: na ras da Imperas He. 60,
dolto de Gama a SUm

Vendem-se ricos enfeites a 59 e 5*500, di-
tos de vidrilho a 1*600, aderegos pretos a 2*500,
rosetas pretas a 160 rs. o par, gollfnhas pretsa a
800 rs. e 15 : loja do beija-flor, raa do Queima-
do n. 63. ________________-
Vender se carleiraa propiiaa para guardar
dinheiro de ouro e prata a 1* e 19200, esporas
finas de ago a 1g, baodeijaa de lindos deseobos a
1*500, sinlurao de borracha a 200 rs. e 240, ben-
galas.de caona a 2* e 2*500, chicles finos a 29
e 2*500, de estalo, ditos sem ser de estalo a
640. toucas de la para meninos a lg, sapatlnbos
de ia a 800 rs., ditos de merino a 13500 : aa
loja do beija-flor, ra do Queimado n. 63,
Vendem-se peotes de tartaruga virados a8
e a 99, carretel de lioba de 200 jardaa a 940 a
duzia, clcheles de diversas qualidades a 40, 60
a 80 rs., ditos bordados a 100 rs., masaos de
grampas a 40 e 80 rs., ditos em caixinhaa a 120
rs. : ns loja do beija-flor, ra do Queimado nu-
mero 63.
Vendem-se toucadorea de Jacaranda a 25200.
ditos brancos a 29, caixinhaa com espelhos para
navalhas a 2* e 2J400, colhere de metal princi-
pe para aopa a 4*600, ditai para cha a 2*400, coo-
cha para aasacar a 640, oculos finos a 400 rs.;
ns loja do beija-flor, ra do Queimado n. 63.
Vendern-se caivetes fios a 800 ra., caba-
zes para meninas de escola s 3, 4 e 59, carteiras
com agulhaa francezas a 240, calzas de pennas
de ago a 500 rs., meiaa para senhora cruas a 248
o par ; na loja do beija-flor da ra do Queimado
numero 63.
Micos
cortes de vestidos brancos
bordados.
Vendam-se ricos corlea de vestido brancos
bordados com 3 babados pelo baratissimo prego
de 59 o corte : na raa do Queimado n. 22,
bem conhacida loja da boa f.
aa
Relogios.
Vende-se em casa de Johnston Pster & C,
do Viga rio n. 3, um bello sortimento de
telogios de oaro. patente inglez, de om dos mais
sdos fabricantes de Liverpool; tambes
variedad de bonitos trinoellins |*ra os
femados
lama vari
mesmos.


I

patanal___H


*

-
fWR* 4M JOIHO ja
S. JO AO'
VENDE-SENO AR1WAZEM
PIOGRESSO
DE
Francisco Fernandes Duarte
largo 4a Penlia
a mais nova a 720 rs. a libra, m barril a 600 rs.
23OOO ditos che-
o mais superior que tem vindo a este mercado a 800 rs. a libra.
Os raelhores gneros que vem a este marcado e por menos 10 por cento do que em aira
auaiquer parte, garantiodo-se a bca qualidade, porisso roga-se a todos ox'Som. da praca, de en-
genhos e lavradores o favor de mandaren) suas encommendas a este muito acreditado armazem de
aolhados, afim de verem a differetca de preco e qualidade que faz, se fossem comprados era outra
pialquer parte. e
Amaa\&U*8 confeiladas )ara sorte de S. foio a 800 rs. a libra, tambera tem-se para
*>W n. a libra sendo tm porcao, tamo de urna qualidade como de outra se fax aba ti-
men lo.
AaaVtalg* l%g\eZh da safra nova de primoira qualidade a 10000 a libra, era
barril se faz abatimento.
ManAtiga franc^a-i
QU91jai do reino B)UI0 fre?cosch9alos nesle ultimo vapor a
gados no ultimo navio i 136800.
Queijo prato
o melbor que h no mercado a 2800 e 29200 a libra, aBanca-se a boa
qualidade. *
m uuy 0 que e pode desejar n98te gQnero a 3?f0OO a 1bra
Clia pretO bomeopaihico i 29200 a libra em porcao se faz abatimento.
\raques hoyos de pav0 lranfiado a 320 rs een ^.^ eom 40 carUs oor 10JS000
Latas eom am^nAlias cnfeitadas, proprias para mimo, conteni mais con-
fetese assucar candido por 196OO cada urna.
iraSSaS em caixinhas de 8 libras chegadas altimamente a 2*000 cada urna e a retalho
a 480 rs. a libra.
BOiaXlUUU da soda em !alas com ufferenles qualiJaies a 1*440.
HOlaXmha inglesa a inai: nova que h no mercado a 49000 a barrica e a retalho
a 320 rs. a libra.
\IO.UO a pipa desupjrior qualidade Forlo. Figueira a Lisboa 500, 560 a 640 ra.
a garrafa, e em caada ,1 39500, 49000 e 49500.
ViUllOS engarrafados nuquj do Porto, JSgriraas do Oouro, Careavellos, Fei-
loria velho, e deoutras nsitas marcas acreditadas a 19200 a garrafa, em caixa a 129
tambera ha para 19000 a garrafa.
61uaaaV|>aane
1#800
e ^ja da marca cobrinha cu de
a garrafa.
** *as francazas e portu jueas em latas de 1 libra por
Maea de tomate em ti tas de l libra por 8DO rs.
iV'S&eiXftS iraSkCai:l era latas de 1 e raeia libra por 19500, ditas com 3 libras por
2^800.
JkHieUUOiiH de ca!Ca mole muito novas a 320 rs. a libra, em arroba por 8#000.
NOZeSa 120 rs. a libra e em 1 rroba a 30000.
MetrA, mae&rras f ta\aar\m a 400 rs. a libra, a era caisa com 1 arro-
ba por 69000.
I^irClllftllft. pevide e aroz de massa branca ou amarella, a 640 rs. a libra, e em cai-
xinhas muito enfeiudas te faz obatiraento.
-* 11*08 Oe OBXftS lixados os maisbam feitosque tem vindo a este mercado a 280rs.
tambem ha para 200 rs. .
IrreX.lialOS IBgltXCCl psra fiambre a 800 rs. tamhem hamburguez para fiambre a
-640 rs. a libra e do reino o mais novo que ha a 560 rs. a libra.
ljllOUri$a& e palOS K1U,0 novas a 56o rs a lllira eem barrU ^ far abatimento.
oaiame 0 melhor petisco que pode haver por estar prompto a toda hera a 800 rs. a libra.
Toueian^ do reine
a 59 79 a arroba.
%- Banli* de poreo
Bita em barril
A hanha fina,
em copo* greodee, anegou pira
brsnca, raa do Queimado n 16.
Itaj d.ecoi.
Libras sternas
VaadM* a escritorio de llaaoel lgn,cio de
UHvaira & Pilbo. largo do Carpo Saoto d. 11.
Superior caldo Lisboa.
Tan para vendar em porfo a retalho Anta-
Dio Laia da Olirafr. Azarado & C. n7aen t
erpterio raa da Cruz ni. >""-
Vendem-se dous pavoes:
pesia typographia.
r
o rataxeni da E.
e-sa 1
grandes* 3800.
- Burta C- ni da
Crux TM><-" excaflente fariljo a
laceas
Amendoas.
Veodem-s* amendoaa em trastos e avulaoa e
oa 000a a ricos ppala com etlalo para sortea
raa da Seozala Nova b. 30.
MENOS DEZ POR
NOS ARMAZENS
na
Algodo da Babia.
Proprlo para roapa da eeeravoa aaccoa da aa-
Mear : vnde-ae aa ra da Crax n. 1, eaeriptorio
da Aoiopio Lat de Olieira Aiaredo & C
Brincos pretos a toalao, e
outros ohjectos para
luto
Deasea objactoida que boj iofaljimente Untaa
familias precisan), oa loja d'agaia branca acba-ae
um bom sorUmeoto dalles, sendo brincos e rose-
tas a bilSo, pMlieiras nodernaa de grostaa a for-
tes tontas alfloetei1 para peito. ditos tambara pre-
tos, em calimbas, bonitos e modernos adereroa
e maios ditos, ciatairos de flus e flralaa DraUi'
oMtes para eaVeca. ampos da novos moldes
para seg.rar cabello. lavas de torCiI de eda e
pellica, meiaa de aeda e algodio para homos a
sanboras : com os compradores de taaa objectoi 1-------------JT------1---------------H-----------------
ae ter a maior coatenipUgae, ltenlo o Bm para ApparelhOS de DOrCllaUa (OU-
ai?.p5t^.1llw do^-| rada para cha de bouecas.
Arroelas ou argolas de borra^,^^^X. .^Sn.t'SS.0.SiM0!
chapara segurar nanpia a 2!0l?,COHromo,!.,inei,a eMM "oapMreihoa
,r "cBu,i; Papis e da porcaWanra dourada, e pintada a 1J500 e 2*
IUUltOS OUtrOS UllSteres ea<1' ""' ca"re* de eh'earai. e os mala
A Iota d'.gnU branca racaban ama Zl*~ a aV^^I' T8,a do qM Mo* ir&0 (o>nidos de
mente se applican a diTereniea fina, como tam- t--------------------''
tSZ 'SSffS KUr^'iV i80"08. Pa'iteiros de porce;-
Agua de colonia ambria-
da e sem o ser.
Esas eatimada agua de colonia ambreada.
que tantos a tanto lempo aentem a falla, acaba
achatar em bonitos frseos Tardes, os quaesaa
estao Tandeado a 1J500 cada utn ; assim como
ebegou igualmente um granhe sortimeoto da
Terdadeua agua de colonia de PiTer em frascos
a garranhas de diffarentea tamanboa, tudo is-
w M.ri" I Quelmado, loja da aguia bran-
ca a. 16.
rmaseos.
J".
lana dourada.
Agora Dinguem delxar mais de Ur em aaa
mata am bonito palltelro de porcellana doarada
pois que elies se esli Tendeado a 1$ e 1500
oa loj da agaia branca o. 16.
das marcas mais acreditadas a 159000 e 209000 o gigo, e em garrafa a
oulras marcas conhecidaa a 59000 a duzia e 500 rs.
640 rs.
noa cartarioa,
w pvrlICMIAf0#t' ^ fJtHS DI TftrdatiJsl
rf.'SSS".^"?r""M P6, dImtnlo Pre5o de
UO e 320 a duzia, para poupar-sa o trabalho de
alare dasatar um masso dapspeis todas as veas
que se precisa, assim como aa mais largas servsm --------------------------------
para aegarar carteim, e manguitos de senhoras, Dhlltia japOUeZS 6 OlltraS IDU-
e mesmo para pulseiras de oiissaogaa. adrertin- *.. ouui
1 1 tas novas perfumaras.
A loja da aguia'branca acaba de despachar, de
sua encommeoda am grande e bello sortimeoto
de finasperumarj dos mais afamados anii-
caotes, sendo as bem coobecidaa preciadas
banhas, japoneza, transparente, pnilocome im-
perial em bonitos copinboa com lampa de metal
dita nos copos gran es, dita em compoteiras li-
sas e lapidadas, leos de babosa, pbilocome e
Labio, pomadas ou cosmeatiquea, finos extractos
dos preciosos eescolhidos cheiros Jackey-ciub"
mil dores, miel da Inglaterra Marechal, Principe
Alberto, b*orge IV. ele. etc. Recommeoda-sei
todas as senhoras de bom goslo o uo de qualquer
desses estimados extractos porque aquella que
em ama socledade, theatro, ou baile esuer com
seu fino lenco orralbado de tio aublimea aromas
ter porcerto o prizer de Ter as suas Tisihas
dadireita e esquerda Ihe rendendo homenaaero
pergeniaren) donna F. onde com,rou ene to'
agradare! ebeiro ? E ella orgalhoaa de sea bom
-------------------- goslo, mas com ar prazeoteiro Ihe reapooder :
rt.m 1f,ha" Mellors & C, t.odo recebido or- na ruado Quelmado loja da agua branca nume
dem para Tender o seu crescido deposito da rslo- ro 16. nunie
gloa ralo o fabricante ter-se retirado do nogo- n-------7"------------------.--------------,
nn..:uuD 1* porl8,l0.'Ss peM0" *io quizeram rapel amisade branco e de
possuir um bom ralogio da oaro oa prata do e- ,"" U UC
i* b",aBU Kby, a jproreitar-s da op- C TCS.
5?. ""!?! ***** d temP. P "r om- Vende-se pacoles comlt fothas de papel ami-
preo do aaa oscriptorio de branco e de cores a 800 e 640 cada pacote :
do, porm, que cada argola tem aua Arela '~Vm-
dem-se em dita loja d'aguia branca, roa doOuai-
mado n. 16.
Attencao
Guimsres 4 Luz, donos da loja da miudezas
da raa do Queimado n. 35, boa fama, participial
ao publico que o seu eslabelecimenlo se acha
completamente prvido das melborea mercadoriaa
tendentes ao mesmo estabelecimento, e muitos
outros objectos de goslo, sendo quasi todos reca-
baos de suaa propriaa encor meadas ; a catando
ellea ioteiramente resolrdos a aio randeram
nado, aflangam rander mais barato do qne oulro
qaalquer ; e juntamente pedam aoa seus deredo-
res que Ibes maodem ou renham pagar os seua
dbitos, aop pena rtaaoram iualicadot.
PROGRESSISTA
ar
iPiaDa
36
DE
DUJLRTE t* C.
ra das Cruzes de Santo Antonio
v v ^ Lar arao 9
fim s. ismm S 8. MM.
36.
participaos sos seus narBa-
em. dtvarsos pontos da Europa,
i -albores genprci, pois qae ^"^^^r^^ SM "** 8DC0'na^
, Saee7?rem' JTiBda" Pr enos 10 por cento do que e,
h-se a todos os Srs. da praca, da engenho a lavradores o fiar a.
ggJ?T* ".* >?">' <** ^ gneros e difleranc, de pracos.
para os eeolherem, a os vaodem por menos 10 nnr ,, An----- Paios a* turopa.
mandarem suas encommeadaa
os mais frescos do mercado a 640 n. a libra,
urna das melbores geoebras que tam vindo ao nosso mercad
pra-loa por commodo
ra do Trapiche 0.8.
na ra do Queimado
mero 16.
loja da aguia branca nu-
muilo novo a 280 rs. a libra e em barris de 1 e meta arroba
a 1*800 cada urna.
refunda em latas com 10 libras por 41300.
muito fina e alva a 440 rs. a libra eem barril a 400 rs.
0aa\j.0\\0 rraneez proprios para mimo a 600 rs. cada a.
imperial do afamado Abreu ede outros muilos fabricantes de Lisboa a 800 rs.
Matuielad
a libra.
mar melada Alperche era latas de 2 libras por 1&000 cada urna,
LtaUt&S C*m FrUCtti!! de doce em calda as melhore quehaem Portugal como ae-
jam pera, pesego, dama ;co, ameixas, ginja e soreijas a 800 rs. a lata.
DOC45S SCC?8 e em calds, era latas, de 4 a 5 libras por 29000.
l_UO COI* t hespanhola JJfaOO rs. a libra, ditto francer a l!?100 ditto portuguez a
800 rs afianga-se a bou qutlidaJa.
*c de primeira qualidade tanto do Rio como do Ceir, a 320 rs. a libra, em arroba a
99500, dito mais baixo a 280 rs. a 8)500 a arroba.
Sfcvadintoa
Loja das 6 por-|
tas em frente do i
Livramento.
Cassaa francazas de bonitos goslos s
320 rs. o corado, luras de tro^al pre.Ji
e da seda a 500 ra. o oar, chitas rraoca-
zas largas escuras a 140 rs. o corado,
ditaa finas a 260 e 280 rs., fil de lloho
liso a 640 rs. a Tara, tarlstana fina de
todas ss cores a 800 rs. a Tara, lencos
brancos com barra de cor a 19400a du-
zia e ISO rs.cada am, meiaa para ho-
rnera a lg!00 a duzia e 120 ra. o par,
chitas para coberta de bonitos dese-
nhos a 220 rs. o covado, pecas de b:e-
tanba de rolo a 29, ditas de cambraia lias
com 6 1|2 raras a 3$, musselina encar-
nada a 240 rs. o coraao, calcinbas para
meninas de escola a 1} o par, peitos
para omisa brancos e de cores a 200
rs., pecas de cambraia branca de salpi-
co a 39500, algodo enfestado o melbor
a 700 rs. a Tara, dito braneo para los-
illas a 15 a vara, afeites dos mais mo-
dernos a garibaldi a 69, loja est aber-
ta al as 9 horss da noite.
boa fama
rende gollinhas e puobos com botes para ae-
nbora, fazenda multo boa, e pelo baratsimo pre-
- Queimado n. 35, loja de
co de 29 : na ra do
Attencao ao vigilante
Na ra do Crespo n. 7, loja que
foi do fallecido Joo Ceg,
est torrando por todo o
preco.
Coraes.
Osverdadeiros fios de corss redondos assim
como raiz, pois u mais superior que lem vindo
ao marcado : e no tjgiUnte ra do Creapo n 7.
Micanga ou continhas.
Uicanga ou contiohas do muito lindas cores a
240 ra. o maciotao : e no vigilante ra do Cres-
po n. 7.
de Franca a rr ais
abatimento.
Ra da Senzalla Nova
Vende-sa em casa da S. P. Jonhston & C.,
sellins e silhoes inglezos, eandieiros ecasticaes
bromeados, lonas ioglezas, fio de vela, chicotes
para carros e montara, arreios para carros de
nm a dous cavados, a relogios de onro patente
ingles.
0 Livro do rovo.
Sahio luz publica o LIVRO DO POVO publi-
cado sob a direcQo do Sr. Dr. A. Harquea Ro-
drigues, e cootm a vida de N. S. Jesns Ghrlito
segundo a oarragao dos quatro evangelistas a
mais os seguioles artigos: o vigario, o profeor
primario, o bom homem Ricardo, amoral prati-
ea. Simio de Nanlua, maximaa e pensamentos
a byglene, os deveres dos meninos, e o Brasil '
A publicado do IJVRO DO POVO nao s tem
por fim uiormisar a leitura aaa escolas prima-
rias, onde cada menino aprende por um lirro
differente, e portaoto facilitar o trabalho do mea-
tre e do discipulo,.como lambem vulgariaar por
um preco baratissimo, a historia do silrado'r do
mundo, e os melhores preceitos da moral.
Vende-se o Livro do Poro, no Becife, na
rraria da pra;a da Independencia na. 6 e8 a
nova do mercado a 240 rs. a libra, e em porcao se faz 50 rs- aiemplar em brochura. a a 800 rs. ca'r-
tooado.
'8lft muito novo a
FaTinba
libra e em garraffles com 3 libras, por 29000.
do reino das ruareisSSS ou galega, a 140 rs. a libra.
Olla o Maranho alva e eheinsa a 160 rs. a libra e em arroba 49500.
W el&fa je crnsub reinada a 400 rs a libra, e em arroba o 129000.
iYXeitfc doce refinado a 800 rs. a garrafa, e em caixas a 9*000.
W aagrC de Lisboa^ 240 is. a garrafa e em caada a 19800.
VinYio
cherez verdadeiro a 1? 500 a garrafa, o am caixa 143000.
W nho braUCO de Lisbo o mais superior que hi no mercado proprio para missa a
640 rs. a garrafa e em ranada a 49500.
Claaruioa
__ suspiros do fabricante Brando em meias caixinhas, por 89500.
suspires do fabricante (atanho & Filhos am meias miabas a 29000.
em caixas de 100 regalit Imperial, Yugantes, e Panaolellas, a 29000 a caixa.
Aipista rau,B iimpo> 1180 ri lUbrtt am ,rri)ba 5tt5Wf
AX< UOlia muito novas, a 19600 ra. es la urna aaeorala, e a 400 rs. a garrafa.
Atroz de Maranho a ISO rs i libra, o 39700 a arroba.
Jdpostas em Istia da< nelborae qusUdades de peixe que ha em Portugal a 1*500 rs
Ma^IL** HUam> -- 25 ga,,fM por 9,000.
inglaz, muita aa ri a 190 o frasca a franca, 640 ra.
Venda de predio.
Com algum dinbeiro a tista e o reato a
prazo com segur/anca no mesmo
predio.
Vende-sa a metade do sobrado sito na ra da
Cooeordia a. 84, e tambem a metade do terreno
no fundo do mesmo sobrado, que tem 300 a 400
palmos de exteuQo 18 a 30 de largo com freo-
te para a rus que olhs para a casa da detencao
o sobrado tem por metade de rendimento 405
snoual, edificado a 6 anooj. mullo fresco em
consequeecia de olhar para o nasceute : qualquer
que pretenda deveri dingir-se a ra da Cadeia
do Becife n. 3, primeira andar, escriptorio das
10 horas ao malo da e das 4 as 5 da tarda."
Continuas do Rio.
Continhas douradinbas miada e groasa proprio
para pulceiras das quaes ae estao mando mullo
por ser ultimo goslo, a 340 rs. o macinho, assim
como aljfar b.anco ede cor a 300 rs.: s
rigilanta rus do Crespo n: 7.
no
Lencos brancos para algibeira.
Ainda se vendem lencos braacee fines para al-
gibeira pelo baratissimo preco de 3*400 a duzia :
oa Ion da boa f. na ra do Querma<1o n. 21.
Mei.-s para senhora.
Vendem-se meias finas para senbora pelo ba-
ratisaimo pre$o de 896OO a duzia : na ra do
Qaeimado n. 32, na bem coohecida loja da
boa f *
Peanas d'aco.
-^'rdBder" p9n4, "1" callgraphicaa a
1S400 rs. a caumha : s ao vigilante ra do Crea-
do n. 7.
rs. o
rs.
Banhas ou leos e cbeiros.
A superior nanha transparente a 900
frasco.
Dita em latas de folba de meta libra a 500
Dita em latinbaa de qaarta a 320 rs.
O rerdadriro oleo da socledade hygieniea a
900 rs. o frasco.
Dito macassar e muito fino em frasco peque-
o a 18600 a duxis. v H
A verdadelra agua de colonia frasco grande a
900 rs.
Ditos pequeos mesmo em garrafinhas a 400 rs.
Ditos com superior agua de flor de larania fras-
co grande a 400 rs.
Dito com excellente agaa celesta frasco gran-
Dito frasquiohos pequeos eom vioagre rug a
400 rs. : so 00 rigtlantaraa do Crespo n. 7.
Quei/os do sertao
Genebra italiana
^ em frascos grandes a ^nS^SSS^^SSS
L*ingUl(}aS em latas j promptasa 19800.
aixIL"^rMTT?i^vindo n-i' prpri" ^dw i*? -
Salames d08 meihores do marc'do a 800 rs. a libra.
U?.^l!maal,.eZa ^^ *uBWi 8 09 ,ib -
^tei^a ira nee*n mig B0Va, 700 ., nbr. em km, eoo *.
rrf" l^}fSSpQ maia snpartar aae ha no mercado a 29400 a 29800 a libra.
8 IlUXim oqus hada melhorne?tegenero a 29500 a S9000 1 fibra.
ril Pret IBnU) SUperior yind0 a Primeira vez ,0 no"> "do 29200 a libra.
TEE*m"qu$ vem d.Ri0'am ,aus d9 uma libra *"ltm e mm
0elJ2L ?98r00 carum.'^08 *" VaP" ^ e dos **- **'
QUIJOS pratO como nunca veio ao nosso mercado a 19000 a libra e inteiro a 900 ra.
I aios e torW***+mm*mm*.mp+M^
I eiXe em IUtaS dediversos taraanhos, savel, sardo, pargo. pescada, cavalla, ngua-
dos rntos, atura marenado, robllos e lulas de tigelada, de 19300 a 29000 a lata.
loucinho do r^i.iomultonovoa820rs.a Ubrae9|500a arrobai ttmbm
temos para 240 rs. a libra e 69500 a arroba.
Bauha de porcoem |ata8C0m,oiibras por 400e 480,iibra.
Marmelada.imperial de todos os ******* Lisbo.,. un. da libr..
meia e 3 libras a 750 rs. a libra
Latas com frutas em calda com08ejamperaiP9Cego,dam>sco>aIper.
xe, ameixas a ginja, a 700 ra. a lata. ^
Harilielada (fe Alperce em latas de 2 libras por lfoeO cada urna.
Uoce da casca da goiaba 800 rs. em poQrSoM ftr abaliraemo.
JL^vjCeS SeCCOS da diflerenles qualidades em bceus muito bem arrancadas a 3*000
Tmaras
Para conservar dentes.
Queijos
o mais frescos que tem viado ao nosso
mercado chegados no ultimo vapor a
2J000 e no pastado a 1S800.
Amendoas
confetadas u maii bonitai que ba no
mercado a 800 e 1$ a libra : vndese
nos armazem Progressista e Progresi-
vo no largo do Carmo n. 9 e ra das
Cruzes n. 36.
Ra da Seazalla Nova a. Al.
Neste estahfUcimento vaadeM:U-
snento
U&SZSSRSi .1^" "W""" **>"* *""'W "*]*- *>- br HoTicto
que
i de Low Moor libra a 120 ri.
Oa verdadeiroa pos daaociedade hygieniea pa-
ra dentes em frasquinhoa de vidro o mais supe-
rior que tem apparecido pelo baratissimo preco
de 19 o frasquinho, aasiaa como em caixinhas
quadradinhas a 200 rs.: so oo vigilante ra do
Creepo i. 7.
Gollinhas e pulceiras.
Lindas golliabas o pulceiras de miQaoga pelo
baratissimo praco de pulcairas a gollinhas 8fi,
pulceiras s 2 e golliohia 19 a 19500: s no v-
gllsnte ru do Crespo n. 7.
natiiai
Sastinhaa muito linda* com seus parteoces pa-
ra menino 33 e 4a. aaajaa como iodispensaTis
da eotinhas ou mi(aega proprios para menina
trazar oo brago com Unca no pelo baratissimo
prefo da 19 : s no vigilaaie raa do Creapo nu-
mero 7.
K -
Tintnros.
Tintaroa proprios para menino do escala aa
mesmo peta queas es quitar comprar per bara-
tissimo prtQo a 500 ra.: s no vagUante raa do
Crespo o. 7.
Potassa i ftassia.
Vende-se em casa de N. O Bieber &
C.-tdajcessores, ra da Cruz n. 4*
da diflerenles qualidades em bceus muito bem
em caixinhas a 29500 e 600 rs. a libra
Paseas em caxinlias de 8 libras 295000600M. a libia.
r Ig"OS da COmadre mul0 novos m cxinha de 8 libns e muito bem enfeitadu *
a 2#200 e 320 rs. a libra.
Hr viJliaa fruneexas e portugui-i^fia m ato rao ... uh.
MaSS l de tOmute em latas de 1 librra a 800 rs,
Amendoas da casca mole BuUo novas a 400 rs. a libra.
OZes mut0 novas 200 rs. a libra.
AmeiXaS irailCeZiS em latas com 5 libras por 49000 e a 19000 a libra.
Cil ^COlate hespanlll a 19200, francez a 19000a portuguez a 800 rs. a libra.
lOli Xilina d SQda emlatas com differenles qualidades a 19400 a lata.
Tlasgas p& ra Sopa macarro e talharim a 240 rs, a libra e a caixa por 59000.
IX!Iin&S muito bem enfeitada com pevide, rodinha, eslreflinht, etc. a 700 e 800
f'ailtOS IX'IUOS para denles era molhos com 20 macinhos a 200 rs.
JL lypIO. J? railCeZ para limpar facas a 180 rs. a em por$ao se far abatimento.
Espermacete Superior ^ varia a 740 em caixa a 760 rs. a libra.
Sardinliasde Nantes muito novas a4o a eoo rs.
AipiSta muito nova a 200 rs. a libra e 59500 arroba.
AZeite doce refinado de diverjas marcas a 80U rs. a garrafa e 09000 a duzia.
tSOlaCllllllia ingleza a mais nova do mercado a 300 rs. alibra a 49200 a barrica.
MOma muito alva a 100 rs. a libra e 29500 arroba.
VItlllOS engarrafados daque do Porto, genuino. Porto fino, madeira secca, Careavellw, nae-
tar. feitoria, velho secoo, Huseaiel a 19200 a garrafa e 129000 a duzia.
jJltOS m pipe Porto, figueira e Lisboa de 500 a 600 rs. a garrafa ede 49000 a 49500 a ca-
ada.
^erVfjaS das mais acreditadas marcas a 600 rs. a garrafa e 59000 a duzia.
Uu Km pail Lie das marcas mais acreditadas que h no mercado a 149 e 209 o gigo.
UOg'liaC ngiez 109000 a caixa e 19000 a garrafa.
Ginebra de Hollallda verdadeira a 79500 a frasqueira e 800 rs. o fraseo.
Azeiiti 11 a S eH ancoretas as melhores que ha no marcado a 29 a a 400 rs. a garrafa.
I raC|UeS superiores em caixinhss a 109 e a 320 rs- a carta.
Ptllt'.S do g"aZ a 29500 a groea e 240 rs. a duzia de caixas.
^JS I refinado em pacotas de mais de uma libra a 240 rs. a em porcao ter abatimento,.
CQie do II. 10 o melbor qne ha no mercado a 320 rs. a libra a 99000 a arroba.
Sevatiinha de Franca amis nova do mercado a 240 rs. a libra.
9ag*U muito aovo a 320 a libra.
Farnha do MaiailhO mnito alva a nova a 160 rs. a libra e 49800 a ar-
roba.
Velas de carnauba e de composico aioors. a libra 0 a 129
a arroba.
Vinagre purO de LSboa 240 rs. a garrafa e a I98OO a caada.
g^aiTaSCj1I10 verdadeiro da zara, de limone, caf, menta, genepro, raandolamara,
curacu, rosa sublime e eutraa qualidades da 19500 a 29 a garrafa.
Erva doce muito nova a 400 rs. a libra.
ArrO COUI toque do aVaria em saceos de 5 arrobas a 59 s a** a 1954MI
a arroba.
Ullar UtOS verdadeiros superiores a 29 a eaixinha da 50.
Salmn em latas com duaa libras o mais bem arraniado que taaa vindo ao mar
eado a 19400.
tHanteiga eill latas eom41Vasa melhor do mercado lacrado armeticamanta
99200 cada tuna.
V 111 agTe tra garrfes eom 5 garrafas de superior qualidade a 19200
Arar Uta Tarr]adeira muito nova a S20 a libra.
Atm destes gneros eaeoetrar a raspeilavel publico em nossos arauzans um rosaflal
aortimente je tudo tendele a molhados.
Amendoas confeitadas
a libra.
as mais baratas que ha aa mareada a 900 .
------------,

rm


DHUUO DI WE1ABBUC

E
lisas artifitiees p^tra ca-
bello. .
A lojt do beija-aer Undo retal no bonita, ro-
tua do frwfaq n. u, cima o. 6
Aljfar tino imitando perol.
.?***?"500 flo if fiD0imi-
ando parola : na ra do Qucima lo, loja d'aguii
Manca n. 16.
Cambraias
Vendem-ae eaaobraiaa da cori aleg.ntee de.enbos a 260 o 320 n. o corado: na
feada Impentrit, toja n. SO.
Obras de vidro,
escarradeiras, e palmatorias
lapidadas com mangas.
Vende-ae a loja d'ag.i. branca aeui benita,
escarradeiraa do idroa do corea a 49500, i o 61
aaairo como palmatoriaa de vjdro lapidado com
mangaa bordada* a 49500 cada un: na rea do
Qeaimade. lej o'.gula branca n. 16.
DI JOBO DB 1W
.
Oliados.
Veodem-ae oliadoa pioUdoa dt lindisrist.se
paisagen, l.rgur.s de 6, 7. 8 o 9 palmoa, pro-
prtoe para maaa de jaotar a 3# o < orado : na raa
da Imperatriz. loja o. 20.
Sap
atos de i>orra-
chapara sen horas a
1,500 o par.
Eslsmas oo mez Marianno. a per sao de ne-
cesaidade que aa senhoraa que *>m se applieam
a ea boa derogio ao prerio.m do uro par de sa-
patoa de borracha, para ssaim te eir. oa ps res-
guardados da humidade, aem alttogao a lio jue-
io e loararel fim. esto ae vende ido a 1500 o
nmero" 16.' d QaeHnttdo' IoJ 1'ul &ca
florzeguins.
Ra da Emperatriz d. 10 loja
do Piuto.
Vende-ie pelo b.ratissime piteo :
Boraegaina de lustre para horoen a 8.
Ditos da beicrro para hom-m a 8*.
Diiosde eord.rio para dito a 8.
r est P'?o i a diohairo l vista para li-
3,800
rs.
iAKIfLLilem grandea aaccoa. .negado ultima-
mente, muito noro e boro a 39SD0 : em frente
a aiiandeg., no armazero do Aoi es.
Fazendas pretas
superiores.
n.,?n^*,'n',lefre,0 muil uP'ior pelo dimi-
nuto preco de 2 o cor.do. paono preto muito fl-
i. 5' a e 9S corado, caaemira preti
man as pretaa de blondo muito auperiorea a 12a
m*, l* ^e!.uperl2rre8 roadanapla. pretoa ri-'
cemente bordados a 353, sobrecaracae de panne
arada muito fino a 30, casacaa tatibem de paon.
flno.,?8,iO^OH,-,30^pale,0U PM-oprela
M dile-j?' "Penor" ""linbaa eatreilaa
15, anas de eelim maco ede goriurio muito aa-
? P +m rol.., 2f di1.. "SSyi.
i 2 Sl f4* ?"*^ieo, ,Bfe p"to.
dinheirn W?Utr*' 2""1" '"' I" Modo .
SSL.' *t8l,V !end.em-." Por pregoa muito be-
Meias em quantidade'
Na loja d'aguia branca -ach.-se un complato
sortimento de meias de toda, aa u.lid.dea a
pregoa, sendo para homena, acnhora.. meninoa
a m.oinas de 6 mazos a 12 annoa. Eooumerar
os difiranles pregos confandir o pretndante
aasim quem se quizer con rencor de quioharat.s
sa est.ao ellas rendando, dirigir-sa coas diohai-
ro i dita loja d'aguia branca na ra do Queimado
numero 16.
Superior sebo em \elas e em
pes, ca'xas de urna
arroba
Vendem Antonio Luiz deOlireira Azorado A
C. no atu eacriotorio raa da Craz a. 1.
Jacaraod superior.
Tem para vender Antonio Luiz deOlireira A-
zareoo g c.. no pu eteriptorio roa da Cruz n. 1.
Coraes lapidados.
bao grossos que admira.
A loja d'agnia bronca acaba de receber urna
pequea quantidade de corae. grosao. lapidados,
os quses aorrem para as roltss qae olrimament*
usam aa senhoraa, o est reodendo cada flo por
2, 2*500, 3 e 4 : na ra do Queimado, loja
d aguia branca n. 16 : aisim como recabe, m.ls
a* bonitas pglseira* de mi.a.ug.a.
Olliem para o pavafl e
Camiainhas com golliohaa a manguitos
de cambraia bordados, fazenda mo-
da rnissima a
Ditaa de fuatio com aalptcos da cor
CoUtabas bordadaa com botaozioho
Ditaa da todos os gostos a 648 a
Ditaa coa manguitos da cambraia bor-
dadas a
Manguitos do cambraia bordadoa muito
linos a
Golliohaa bordadas a
Romeiraa de cambraia eofeitadas para
luto a
Camiainhaa para aeohora a
Leocinhoade linhocom labrrrnthe para
mao a
Ditos a imit.cio de Ubyrintho a 1| a
Luraa de torgal enfeiladaa com ridrilho
Enfettea preioe com ridrilho a
Ricoa aofeiloa pretoa e da corea, a Tutea
e Garibaldi
Grosdenaplo preto a I56OO, 1|800 a
Todas estas f.zendas vendem-se na ra da lm-
peratrizn. 60, loja e aimazem do paro, da Ga-
ma A Sllra.
51000
39OOO
10000
800
11600
19000
240
36000
39OOO
29500
1|280
500
800
690OO
29000
Camisas inglezas.
Vaadaaa-se auperiorea camisas iaglezu som
pregas largas palo baratiaaimo prego de 359 a da-
ii. : oa loja da boa i, na ra do Queimado nu-
mero S.
Kicas goliinhas epunhos
com botoes
Vendtm-se ricas golliobsa punhos de cam-
braia a faslao ricamente bordadas com lindo, bo-
lee., pelo baratiaaimo prego de 29 oada guarni-
lo : na ra do Queimado n. 22, na Iota da
oa f.
Fazeodas baratis-
simas
Superior bramante de liaba com duaa raras da
largura a 29400 a rara, atocinado da linbo ada-
ma.cido com duaa larguras a 29100 a ara, brim
branco de linho mttia aaperior e 1J440 a rara,
dito de corea, (azenda multo superior a 19, dito
pardo da linbo para a 800, 19 a 19200 a rara, di-
to da quadrinhoa muito propalo para caleea, ja-
Jnetas e paletota para meninoa a 200 ra. o cora-
es gangas trancan, muito auperiorea a 400 ra. o
corado, cambraiaa (raaaesaa muito lina, a de
muito booitoa padrees a 260 e 280 o corado,
cambraia liaa muito fina a 4|, 5 e 69 a pega com
8 1|2 rana, cambraia com salpkee tambera com
8 1 j raras cada pagan a 49500, dita muilo asapa-
rior o melhor que he ueste genero a 11J500 a pe-
ga com 17 aras, oa a 800 re. a rara, cbitaa fran-
cesas de muito eoaa qualid.dea e de lindos pa-
droea a 240, 280, 300 e 320 o corado, fil da li-
nho liao muito fino a 720 a rara, larlatana bran-
ca e de corea a 760 a rara, toalbas da Moho para
ruaos a 79 a duia, ditas pelhidas muito superio-
res a lija dun, golliohaa da cambraia borda-
das a 800 rs., manguitos o Rollas de cambrsis ri-
camente bordadas a 29 o par de maaguitoa com
urna golla, leocoa braocos muito fios com bico,
randa o labyrintho a 1|280 cada um, ditos de
cambraia de linho para algibeira peto baratiaaimo
prego da 4, 5 a 69 a dazie, a aasim um completo
aortimeolo da feaeodas de todac aa qualidadae,
qaa aendo a diaheiro riela ao enderao por pra-
co. moi baixos: na bem ooohecida loja da boa
f, n. ru. do Queimado o. 22.
iVGENCW
Da*
Fondicao L*w-Moor,
Bn da S*nialla Vkrrm n. 4*.
este eslsbelesimenio continua a haterom
completo soriitnento de moandis a meias moen-
j!'i P"* en88nbo, machinas de vapor taixas
de farro batido a coado de todos os tamsnhos
para dito.
Sahio luz o
Gallo Vigilante.
kiii fUu do CrfP 7. ade o respailare! pu
SU l "" Kr,Bd# ri"<>o sortimeato de
miuaezaa qae sa ende por pregos mala baratos,
u por ceoto do qua cm oatra qualqaer parte,
"* como seja, fraajaa pretas com ridrilho e da
2?Sk t0l1a "fMladadee, fraaja a galio
aa1 1 tono, caacarrllbaa pretas a de coras, frecoodo
toaas as cores, os riqusimos enfeitee de cabega,
g.laozmhoa de linho ade seda para eofeitoa,
chapeoxinhoa para arlang... chaparioba. para ae-
nnora, boneto da pauoo o velludo muito fino,
para meninoa, Alia muito chiqura para tinto.,
"WM oiiioh.. maito finas, longos de
Ch- ""h6 in"ilo Ano. mnitos mala
objectos que se continuar annaneiar, poia 00-
1? .do P*f P1*?0 bcratlaaimoa por te atber
em ilquidagao. Na meama loja ra achara ara
rice aortimeolo de amendoas e confeitos proprios
para oalqeec mimo, qae sa vende pelo bararis-
rao prego do IggOO a caiiinh.
Camisas e ceroulas
Vondem-se superiores ceroulas de linho muito
finas pelo barato prego de 269 a duna, ditas tron-
cadas de algodo, maa de muito boa qualidade, a
I79 a dazia, camiase brancas francezas a 229,249,
26 e 309 a duzia, ditas para meninos a 22| a du-
zia, ditaa para bomem com aberturas de cores a
229 a duzia : oa bem conhecida loja da boa f
na ra do Queimado n. 22
Sementes de hor-
talices
Na ra da Cruz n. 32, deposito de pao e bola-
cha, vendem-se sementes do hortalices vindss de
Lisboa.
----------- vui.c, IIEUS DI
9i e assim outras maiUs fszeodi s
eiro vala, veodem-ae por c
1 : na ra de Queimado n. 2S,
J/ 4a boa W. '
ratos
milla
a bem coDb
A vender.
Urna victoria em bom estado e tm lindo ca-
briole! dovo ambos com arrotos : para ver o tra-
tar ra Nova n. 59, cocheira de P. Eduardo Bour-
geoi.
- Vende-e ama caaa terrea no Pogo da Pa-
nella, em chao proprio, commodca para grande
familia, (rente para o rio Capibaribe : quem pre-
tender, dirija-*, a ru. Nora u. 47.
Nova exposi-
co de eandieiros
a gaz,
O proprietario da ora exposigio avisa a todos
os consumidores de gaz hydrogeni) que tem re-
cebldo novamente urna qualidade de gaz super-
fina, i.iim como tambem de toda. s. qualidade.
communs qae se vendem oeste m -rendo, g,rao-
tlodo o mesmo proprietario a lualidade que
ende n.ata de f.laific.gdes. Tam'nm avisa que
tem receido grandea remeasas de eandieiros que
vende em porgao e a retalho pelo prego da fac-
tura, caja vantagem pode ser cenhecida pelos
pretndanles, tendo aempre nea e estabeleci-
menlo lodosos utencilios perlencotes ao con-
sumo de candieijos a giz : na raa Nova n. 20 a
24. loja do Carneiro Vianna.
O proprietario da nova expo.igi aviaa ao pu-
blico que seus estabelecimantos se sebam todos
oa das abertoa at aa 9 horaa da mito lllumina-
dos com o mesmo gas hydrogeoto conleodo noa
mesmo. estabelecimenlos urna riq ijssima galera
de quadros que muito iotretari a (urio.idadeda.
familias que quizerem visitar es es estabeleci-
menlos, aaaim como um numero 10 sortimento
de objectarias que por gosto ae podem comprar,
g.ranndo aos concurrentes a franqueza do in-
gresso em seus estabelecimeotoa : na ra Nova
n. 20e 94, loja de Carneiro Vianra.
Attenijo.
Vende-se urna armagao da taberna, na raa Di-
reita n. 25: a tratar na meama.
Mauguitos eom goliinhas.
Vendo-te manguitos com goliinhas, fazeoda
muito boa, pelo barato prego de 2J0OO, golliohaa
o puohoa ultimo gosto a 29000, golliobas muito
fin, o bem bordadas a ljjOOO cada ama na raa
do Queimado loja da miudeaaa da Boa fama,
n. 35.
Tiras e ntremelos Dordados.
Veade-ae pegaa da uraa bordadaa da 2,500.
3,000, 3,500 e 4,000 ntremelos a I96OO e 29000
cada pega na ra do Queimado loja de miadezas
da Boa fama, o. 35.
Boecas francezas.
Vende-.e bonecaa francezas ricamente va.tldaa
49000 e 59OOO, e 21000 bonecaa de cera com os
olhos ftoredgos a29OOO e3900O, amado Quei-
mado loja de miudezaa da Boa fama, o. 35.
A verdadeira essencia de ail
para engommado.
Acaba de cheg.r para a leja d'agaia branca,
rea do Queimado o. 16.
Caixinhas e cabazes para
as meninas trazerem
nobraijo.
, 'SJ.'0 ,,lB*m caixrnhas e cabazes para meninas,
de 100 rit al 29500: na loja da Victoria, na ra
do Queimado n. 75.
Enfeites para senhora.
Oa melboras enfeites pretos e de cores que ap-
pareee a 59500, 69 e 6J500 : na loja da Victoria,
na ra do Queimado o. 75.
Franjas pretas com vi-
driiboesem elle.
Ricoa sortimentos de franjea pretaa a de edrea
com vidrilho e seta elle : na loja da Victoria, na
rea do Queimado o. 75.
inhas de peso verda-
deras..
Lichas finas de
grandea a 240 ris i
do Queimado n. 75
peso erdadeiras. meadas
na loja da Victoria, na ra
Phosphoros de seguranca
Phosphoros de segursnga, por que lirra de in-
cendio, a 160 ris a caixa : na loja da Victoria,
na ra do Queimado o. 75.
Navidad^ da Arara.
S na grande exposico de
fazendas baratissimas
na toja e armazem da
Arara, ra da Impera-
triz n. 56, de Maga-
lhes Mendes.
Vende-se o mais barato poatirsl a saber: laa-
zinhaa para vestidos de senhora, e roupa de me-
ninos a 320 ra. o corado, lia chineza de ama
edr propria p.ra capao da moda com 4 e meio
palmoa de largara a 640 rs. o corado, fust&o de
corea para reatidoa de aenhoras a 280 e 320 rs. o
corado, castas a Turca muito fioa a240e280rs.
o corado : na ra da Imperatriz loja da Arara
d. 56.
Fivelas de ac para sintos.
Vende-se Arelas de ago par. sinto a 18500 rs. e '
29000 na ra do Queimado loja de miudezas
da Roa fama. n. 35.
Baleias para vestidos.
Bjelas muito grandes o boas a 160 ris urna
na loja da Victoria, na ruado Queimado n. 75.
Baleias.
-- n....... ._. ,_ ... __
para baloa 160 rs. a vara, baodea a 19500ra. e
29OO o par, na ru. do Queimado loja da miadezas
da Bo. fama. n. 35.
Arara vende as cambraias.
Vendem-se pegaa de cambraiaa lisas a 19600o
2*000, ditae Onaa 29500. 39000, e 3$500, golll-
nhaa para senhoraa a 500 r. golla o manguitos
de linho a 29500. lenco, branco a iooilacao de
labyrintho a 19600: oa ra d. Imperatriz loja e ar-
mazem da Arara n. 56.
As saias da Arara.
Vendem-se aaiaa brancas bordadas s 2S500
dilaa de 4 pannos a 35 e 35500, cambraiaa de ca-
rocinhos com 8 e meia raraa a 49 a pega, cortes
de chitas finas com 13 coradoa a 29500 : oa 1 a
da Imperatriz loja e arm.zem da Arara n. 56.
Arara est vendendo. -
Vendem-se pegas de madapoln elephante
maito fino com 40 jardas a 14, dito de 24 ardas
a 49400, 49600, 59000. 59500 e 6J0OO, dito in-
festado a 3g, cortes de cambraia com barras a
IfSOO: j ra da Imperatriz loja da Arara
o. 56.
liascarilhas de seda. |
Veode-ae caacarrilhas de seds para enfeitar
vestidos a 29000 a pega na na do Queimado :
leja de miudezas. n. 85. 1
Meias de borracha.
Vende-se meiaa de borracha para qaem padece '
de eryaipela a 159000 o par, meias de seda preta
para senhora a JOOO o par oa ra do Queimado
loja de miudezaa da Boa faaaa. o. 35.
Lintia de croxel para la-
1 f byrintho.
As t Inores lionas de croxel para labyrintho,
norellommooatroa a 320 ris um : na loia da Vic-
torta. eiayp do Qcwtamdo 75.
Ricos espelhos de
moldura dourada para
salas
Libras sterlinas.
Vende-se em caaa de Wild A Just. oa pr.ca do
Corno Santn. 11, primeiro and.r. P
Na ra do Vigario n. 10, arma-
zem tem para vender por precos mo-
dicoi o leguinte:
Superior vinho do Porto em barril de 8-
Dito dito dito engarrafado.
Cofres de ferro pro va de logo.
AlgodSo trancado da fabrica da Babia.
Balancas decimaes.
Carneirai inglezas para telim.
Pregos caixaes e enxadas portugueza*.
Attenco
43 Ra do Amorim 43
Vende-se arroz pilado da
pelo barato prego de I96OO
4 a 5 arroba*.
muito boa qaalidade
a arroba, taccoa da
Machinas para lavar roupa.
Monteiro, Lope. & C. recebenm machinas pa-
" roapa systema inteiramente noo e
f kP,iw "t# P"'1' P0'* 1"a,(I"r pessos pode
trabalhar com ellas por ser o sea uso o mais sim-
ples que se poden, deaejar, aendo tambem mais
econmico a brere : qaem quizer comprar diri-
{""' 'a' da Cadeia do Recite n. 30. que se
Incoar todas as explicagoes por elcripto po-
dendo saber dos seus bona resultados por j se
uaar ne.ta praga no collegio daa orphaaa dirigida
pelaairmaaa de c.ridade.
Fuileiro e vitJraeeiro.
Grande e nova ofKcina.
Tres afilas.
31RuaDireita31.
Naste rico e bem montado esl.b.lecimeoto eo-
eontrarao oa fregueses o mais perfeilo, bemac-
oaoo e barato no seu genero.
URNAS de todas aa qualidades.
I2 o^n1!1?? qoe riT*lin> com o Jacaranda.
BANHEIRUS de todoa oa tamanho..
8EMICDP1AS dem dem.
BALDES dem idem.
BACAS idem idem.
BAHUS idem idem.
COCOS CANDIEIROS fl.ndres n.r. aa.-
qaer aorlimento. p"' q,,h
VIDBOS em caixes o a retalho de todos os ta-
mandando-ae maohos, botar dentro da cidada
em toda a parte. ,
Recebem-se encommeodas de qualqaer natv-
reza, coocertos, qua lado ser desempenbado a
contento.
Attenco.
Vendem-se mailo bens io!6es pelo diminuto
prego de 69, bordoes psra ditoa a 120 rs ditos
para rabeca a 80 ra., eordaa de tripa a 40 ra. : na
ra da Imperatriz, oalr'ora aterro da Boa-Vista
oja de miadezaa n. 58. juoto a loja do carao. '
Calcado francez
Che gado df novo.
Grande aortimenio de botioaa para homem e
as mais bellas para senhoras e meninas: na lja
do vapor, ra Nova n. 7.
Mobitia.
Venae-ae a pre.tages annuaea o enaeDhs
Santa Croz, sito na freguezia da Luz, a margem
do rio Tapseur, distante desta capital seis e meia
% JJf*0."' ,eBd0 lerr8 da nnlr produegao para
3.000 paes anouaes, boas malas e todas as obras
precisas para lucrar-ae, bors larradorea, dous
crrc.drs ; e tambem rende se, no caso de conrir
ao comprador, ama boa safra criada : a tratar no
mesmo ngenho, ou na ra do Livramento n. 36
segundo andar. m'
meias moendas.
ferro batido e
Moendas
Taixas de
coado.
Machinas de vapor.
Rodas d'agua.
Rodas, dentadas etc., etc.
Ru do Brum n. 38, fundicSo
de D. W. Bouman.
n.
Na ra da Camboa do Carmo loja
12, vende-se toda a qualidade de mobi.
lia tanto ao gosto moderno como anti-
ga, phanthasia etc. por preep mais
commodo do que em outra qualquer
parte, faz-se toda a qualidade de obra
de encommenda com a maior brerida-
de e o maior apuro da arte.
Vende-.e um ptimo qu.rto ilaaao, bastante
poss.nle e manteado, muito proprio para serrica
de carroga p.ra rer-ae, oa cocheira da raa da
raz n. i a, e tratar de aeu ajusle, na roa de Li-
yrameoto n. 22. terceiro aodar.
Arados americanos e machinas
para lavar roupa: em casa de S. P.
Johnston 4 C ra da Senzalla Nova
u. 42.
Grande
Sapatos de borracha para i
senhoras.
Vende-se ..patos de borracha para senhoras e '
meninos a 19500 rs. o par, sapatiobos de laa para
cre.ncas a 19000 rs. o psr, ditoa merino a19500 rs.
toacas de lia para creaogas a 2f000,1*000, 800 rs.
sapatinhoa de seda ricamente bordados proprios
para baptisadoa a 39000 o par, na ra do Quei-
mado loja de miudezas da Boa fama, o. 35.
Chegou para a loja da Victoria urna peqaeoa
porgao de ricos espelhos de varios tmannos para
ornamentos de salas, affiaocando-se serem os
melhftres em vidros que tem vindo : n. loja da
Vietorla, na roa do Queimado n. 75.
Laa para bordan
Laa mnito boa de todas as cores para bordar, a
79 a libra : na loja da Victoria, na raa do Quei-
mado n. 75
lapi
Palmatorias de vidro
dado.
Vende-ae palmatoriis do vidro a I9600rs., ditas
com mangas propriaa para rapazea a 49500 ra.,
cada urna, escarradeiraa da vidro a 49500 r.
e 59000 o par, na ra do Queimado loja de
miudeza da Bo. fama. n. 35.
e
Arara j vende as roupas.
d yfdem',e P,,iwl de Poo prelo a 69500 e
090OO, ditos de casemira da corea a 1O9OOO, ci-
cas de casemira preta a 49500. dit.a de cores a
5J500, p.Iitota de alpaca a 3J500 e 49000, ca-
mizaa fr.ncez.a a I96OO e 29000, aeroulaa de li-
nbo a I96OO e 2$. collariohos de linho a500rs.:
na ra da Imperatriz loja da Arara n. 56
Arara vende as capas.
fi*Le demeJ:,P" Perfeitamente modernas a
69000 e IO9OOO. manteletes de gro.denaple pretas
muito modernos a 25(000 e 3OJO0O. cbalea de
laa a JOOO. dito, da laa e seda a 29000, ditoa de
merm a 29500-e 495(M) ditos de crep de pona
redonda a 7gW0 e 89: na ra dalmperatriz loja
d. Arara n. 56.
Perfumaras muito tinas
baratas.
0pi1 ".te i*500 dl, '"oceza a 500
rs., 640, I9OOO. oleo da sociedad, bygi.niaae
verdadeiro a I9COO o frasco, oleo babosa de Piver
verdadeiro a 800 rs. o frssco, agua balsmica
paro os denles a 19000, dita de Botot tambem
para os denles a 1J000 o frasco, pomada fraoce-
za em paos a 500 rs. e 19000. 320 rs. sa bonetes
muito fino a 640 rs., 800 rs. e I9OOO cada um na
ruado Queimado loja de miudezas da Boa fama,
D. O.
A200rs,sopavo.
Vende-se chita franceza escura de cor fixa a
dous tustots o covado : na ra da Imperatriz n.
oU. toja e armazem do paveo.
A2(500,sopavo.
Veodem-ae cortes de cambraia branca com 2 e
3 babados a 29500, ditoa de tarlatana brancos e
do cores, com barras e babados a 39: na ra
S-TSau..'-80, loi' "m,"m d0 P"i0 d8
Sinios dourados para se-
nhoras.
Lindos sintos dourados para seohorss a 29200,
ditoa de ponta cabida a 49, ditos de fita a I96OO:
pa loja da Victoria, na ra do Queimado o. 75.
Liohas do gaz,
Gaixinhas com 50 novellos de liohas multo fi-
nas do g.z a 900 ris a caixa, ditas com 30 no-
vellos a 700 ris, ditas com 10 novellos grandea
a 700 ris, brancas e pretas: ns loia da Victoria,
na ra do Queimado n. 75.
Candieiros de gaz
Chegou paro a loja da Victoria os melhores
eandieiros de gaz que tem vindo ao mercado, por
pregea eemmodoe : na loja da Victoria, na raa
do Queimado o. 75.
Attenco
o
Chegou para a loja da victoria candieiros a
gas de noros gostos e modelos, h uto para sala,
como paraesesda e quartos e para outras muitas
cousas: na loja da victoria na rut do Queimado
..76.
SEDAS
Cinco tustoes.
S na loja do pa o
Amnlli^L. .Bn^L,,,r" '"MdM. ditos
de quadrinhoa, sendo dos melhores p.droes e de-
llc.dU.imos gostos, com l.rg.r. de chita iDl.
InX!? C0Wdu pechinch. dio-se s.
""ostras com penhor : oa ra da Imoeratrii n
, loj e armazem do pari de S,"%\fB
Vendem
chitas com
Arara vai liquidar sua casa,
porque quer ir passeiar.
o m.ia barato poasivel para acabar,
pequeo toque de mofo a 160 re. e
Iimpaa a 200 rs. o covado ditaa largas s 240. 260
e 280 ra. o corado, sao preta para luto a 500 e
40 rs. o covado, caaaa preta a 280 ra. o covado
cortea de caaemira preta para caiga a 39 e 3f 500,
e oulras muitaa fazendas que se dio as amos-
tras : na ra da Imperatriz loja da Arara nume-
ro 56.
Palitos da Arara.
Vendem-se maasos de palitos finos para den-
les com 20 massinhoa a 200 ra. para acabar: na
ra da Imperatriz loja e armazem da Arara n. 56
de Magalkaea & Mendes.
Borzeguins ioglezes.
Ni ra da Imperatris o. 10 defronte da noneca
loja do Pinto, recbense pelo ultimo vapor um
grande sortimento dos ji bem acreditados bor-
segaioa ioglezes qae vende-ae por 101 el 19, i di-
nheiro logo contada.
A 500 rs., s o pavo.
,inVhe.nAem',e'1m.,8 mo,1 floiasimas laa-
zinhas de quadrinhos e de flores solas e palm-
H.vr,Aea,iemKt"rC.1dl(' d0 ulUn"> ''do do
o ?.' lo,b'"u,o P?o de quiabentos ris
. A.iL9 d?",,e mo,l" "ra penhor: oa
Kicas fitas para chapeos,
cinteiros, etc, etc.
A loja o?sgula branca acaba de receber am ex-
traordinario sortimento de ricas filas, tio boas
em qualidade quao bonitas nos desenhos, tendo
entre eltas o mais largo que pssirel; assim
como algnmas pegas brancas com o centro liso
proprio para ioacripgdes, e muitas outraa de de-
ferentes cores como de caf, rdxa, escuro, etc.,
etc., e como de sen louvavel coatume : a loja
d'aguia branca, na raa do Queimado n. 16, ven-
d. por prego commodo e.sas boa. e booitaa fita.
Gravatas de setim com
ponta larga a
Vendem-se grovataa pretas de bom setim a
com poetas largas a 19 cada urna, tao baratas
m f o ,mperalrU 60 ,0i rmazem de Ga- a!S.im "> na raa do Queimado, loja d'a-
guia branca n. 16.
ma & Silva.
Cabaias hespanholas, a
lojadopavao,a400rs.
Vende-ae tata nova fazenda de padres delica-
dsimos com 4 1,2 palmos de largara, prepria
para veatidoa de senhora 400 rs. Z colado na
vio VSESTtS;**-loi'' "m",m 0 p-
As afamadas agulhas impe-
riaes com fundos dourados,
. e dedaes *de marfim.
JL^at de ;" li d'f uia branca,
ra do Queimado o. 16.
Feijo superior.
Na roa do Vigario n. 10, arm
tem para se vender muito
feijo.
4V .a>3 *'
Manteiga para os bolos de
S. Joo.
Vende-se do largo do Carmo, esquina da raa
?!.? *.?.,? .B,nle,a !*" 80 ^oo.
I9IIO e 1|440, franceza a 720. e 800 rs. muito fi-
na, cal a 29560. 2988O e 89*00. am.ndo.s a 860.
choungaa a 480, toucioho a 820. sag a 320, figos
?cS goma,a a 12. libras de quaijo da aertao a
720, e sendo inleiro a 640, queijos do reino a 29
um, canao com 3 librea de doce de goiab. a 640,
viobos de todaa aa qualid.dea a 480, 560 e 640,
JSnn .1 80 "' ""afado de 15000 at
19500 muito fino, oleo de ricino a 800 rs. a gar-
rofa, e em libra a 640, ale tria a 400 rs., m.c.r-
rao e t.lharim a 320, grasa em latas a I9JOO a
duzia, a urna lato a 120, banba de porco a 400 rs.
a libra, e oulroa muiloa gneros por commodo
prego.
|liqidacao por todo
* o pre(jo, na bem co-
nhecida loja do Ser-
tanejo.
Ra do Queimado n.45.|
Apparecam com di-
nheiro que nao deixaro
de comprar.
Chitas esenras finas a 160, 180 e 200
rs., cortes de vestido prttos bordados a
v.lludo de cueto de 1509 e se vendem
por 309,409, 509 e 709. sahidas de baile
de velludo e setim a 129 e ISL camisas
psra senhora a 2$000 e 39500, goliinhas
de cambraia bordadaa a 500, 600 700
800, 900 o 19, ditas de fil bordadaa a 120
rs., cesaveques de fu.tao a 59, 69,7$, 89,
meias de seds brancas e pretas para se-
nhora a 1J200 o par, tiras de babados a
500 e 700 rs., laasde qaadro entestadas a
300 o 360 rs. o corado, cambraia preta a
400 e 440 ra. a vara, organdys de cores a
600 rs. a varo, fil bronco adamascado
para cortinados e veatidoa a 400 e 500
rs. a vara, cortea d. collete de caaemira
bordadoa pretos a 29 e 39000. ditos de
velludo de cor e pretos a 39, 49, 59 e 69,
paletots de brim branco franceses a
39500 a 49500. ditos do caaemira de co-
res o pretos a 149 e I69. ditos de alpaca
preta e de cores s 39,3J500. 49 49500,
camisas de peito de linbo a 29500, cortea
do collete da gorgarao a I95OO, 19700, -
29200, Me 3S500.collete.leitosde brin-!
branco a 29500, dito, feito. da gorgurao
.29500 e 39500, ditos feitos de casemira
a 31500, 4$ a 48500, ditos de velludo a
59, 69 e 79, ditos de fusto de cores a
18500, um variado sortimento de meias
para homem e senhora, grioaldas com
flores, chales de froco, espartilhos, e to-
da a qualidade de roupas feitas para ho-
mem que tudo se vende por metade do
seu valor.
jNo duvidem que na ruaL
do Crespo n. 17, loja de j
GuimaresA Villar.
fc^sV" Veste- se urna senhora dos psj|
at a cabera.
Principiando pelos chapeos de palha a
Garibaldi e chapelinaa de p.lha de Italia
oa maia auperroras que tem vindo de
Frenga.
Manteletes de gros bordados, capas e
casacoes a Luiz XVI, sedss de cores e
moireanliquea pretoa e de corea e aca-
bando peloa respeilaveia baldea de crox
e de musselinas e que vendem baratis- ,
aimo. Senhoras freg.ezas a vista faz f i
P mandem ver. '
Gal e potassa.
Vendem-se estes dous ar-
tigos ltimamente chegados,
no bem conhecido e acredita-
do deposito da ra da Cadeia
doRecife n. 12, mais barato
do que em outra qualquer
parte.
Escravos fgidos.
superior
Panno de algodo da Baha.
niuS?.*?* 82 e',P*ori Olivero Azevedo & C, na roa da Craz n. 1.
Rival
sem igual.
Miudezas e rap.
Ra larga do Rosario numero 36.
Lia da cores sortidas, libra a 69400.
Siotos doarsdos a 19600.
Dilos ditos com pontaa a 3J500.
Agulhaa franc.zas curtss e cerepridas s 60 rs.
Ditas tintlas a 120.
Pontos de mws para atar cabello a 500 rs.
Ditos do dits idem (dourados) s 19200.
Garreteis de retroz de corea a 320.
Escoras para cabello maito boaa a 800 a 1|.
Cartaa de aifineies a 80, 100,120 e 140 ra.
Escoras para nnhas maito boaa a 320 e 500 rs.
Frsnjaa pretas com vidrilho a 320"a 400 rs.
Trangas pretaa eom dito a 240.
Bicos pretos muito boos a 180, 240, 320 s 400
ruis.
Carreteis de linha a 30, 60 e 80 rs.
Enfeites de reros com franja a 59300.
Meias para seohor (dusis) a 29500..
Ditas croas para homem a 29400 e 39.
Teaouraa ordinarias a 80 rs.
Franjas de lis estreitas (pega) a 900 rs.
Sabonetas de bola fios a 640.
Frascos de diversos oheiros s 320.
Liuha de Pedro Va 30 rs.
Botoes para eassveqne a 20, 30 e 40 rs.
Bap Paalo Gordeiro (verdadeiro) a 19600.
Dito gasse groase e meio grosso a 19600.
Dilo dito fino a 1S280,
B outraa muitaa mais miudezaa que com a pre-
nca dos boba freguesa, se r.oderio bar.t.a
Fugio no Cear em Una de agosto prximo
psssado ao Exm. Sr. Dr. Clemente Francisco da
Silre, um escraro de nome Alexandre, cabra
falo, idade 16 a 20 annoa. cabello creapo, beigu-
do, com Ma de denles na fronte, falla-fanhose
quando quer, barriga das peroas grossas, com
algunas marcas de chicote as costas, suppde-se
ter sido seduzido e embarcado para esta prorio-
cia : quem do mesmo souber e der noticia certa
oo entregar a Joo Harlios de Aodr.de na ra
da Cadeia do Recife escriplorio dosSro. Bailar ci
Oitreira, aera recompensado se o exigir. Proles-
ta-so com lodo o rigor da lei contra quem o li-
rer acoutado.
Pedido
polica oa qualquer pessoa do poro, a appre-
hensao de um prelo de nome Hilario, crioulo, de
idade 28 annos, maia ou menos, fgido em 23 do
preseote, estatura e corpo regularee, kaatante
preto. pouca barba, quando falla, alem de ser
apressado gigueja um pouco, no andar muito
direilo e miudinho e affectado, oa ps apalheta-
dos, nsara de caiga e camisa de algodo de lia
tra, mas quando fugio furlou urna caiga de panno
preto, duas de brim brinco, algumas camisas e
ceroulas, as qu.es tem o ultimo nome do abaixo
aaaignado no cs, urna manta de pescogo de seda
azul com pequ.no. bordados de branco. e am
lete de ouro com um retrato de cornalina
encarnada, um relogiode preta dourada com um
ir.ncelim de ouro. e oulroa objecloa que ainda
senao podem deacobrir; lho de Santo Aolo,
a fo eacraro nesse logar de Conrado Nunes d
Souto : quem o pegar lere-o a raa DireiU n. 17
00 28 Jos Joaquim Lima Bairio, que genero-
samente recompensar.
Fugio no dis 12 de abril daate corrent. au-
no do poder do abaixo aaaignado, o pardo don-
me Francisco de 17 anno.de idade, qae lem be-
nita figura, lodosos denles, cabellos carapinhos
e ruiros, lando aido este pardo escraro do Sr
Dr. Antonio Borges da Fonaeca, de presumir
que ande por algum dos lugares por onde o mes-
mo senhor tem risjado, como aejam Iguar.ss,
Goianna, Iog S. Joo, Campia, Seira do Tei-
xeira. Pao o'Alho, Limoeiro, as tres villas ds co-
marca de Peje de Flores, sendo que segundo sa
auppoe esteja tambem no engenbo Iohamaa por
-


songa
Vende-ae urna casa terrea a ra do Padre
aVt, Jwn 8 mei-aguaa no fundo da
' o iorreno proprio : a tratar
Paobe a. 2.
f
servigo do dilo Sr. Dr. Bor-
ges da Fonaec, afim de nio ser appreheodidos
qnempois o aprehender ondeqaer que for encon-
trado esse escravo e o ir entregar ao aeu legi-
timo dono na ra do Hospicio o. 6, qae ser mao
generosamente por elle gratificado.
Ignacio Luiz de Brito Taborda. .
Escravo fgido.
r
i
r
Contina a estar fgido desde os ltimos diss
de abril prximo paasado o moleqae Hercolano,
que foi eacraro do finado Manoel Antonio dos
Paaaoa Olir.ira. tendo o. tigo.e. seguinte. ; cor
fula, eatat.ra regular, a falla um pouco deacao-
gada e afinada, tem urna cicatriz a'um dedo di
urna das mies, proveniente de am anheiro, e-re-
present lera idade de 26 annoa: rog. .....Bu ,
tond.des policiaca a appreheaeio do materno, -
aua entrega a Manoel Antonio Gooj.lvea, na raa
do Gab.gi. loja n. 8.
Fugio de caaa do abaixo asignado
escravo Eufrazio, de naci, aepresenta tari
nos de idade, e com um pequeo lobj, "
do olbo. foi comprado ao tenente-col
Francisco de Carvalbo Paes de Aodrac;
appsdbnder lere-o 4 ruando Trapl
ser. Jim recompensido. .
HjnoelAlrtu Guarro.

_=.



DUEIO DE t ULNAMB
'AcvvLiUeraiuri.
, iridelo a crengs, eom que ella tan (ido ini- terreno a sobre prsnches, qu
i UnefHMle educido hi miii de treaentoi
A hiiloria, e especialmente a biatoria aquella
porglo do muodo, que Deus nos dooa, e que se
chama Braail, deve merecer ura especial cuidado
na aducago iolelleclual da ora geragao.
E que osfactoa conspiren! todos a mostrar que,
. nesle pais privilegiado, onde, em pocas difflceis,
se repelliu do Rio de Janeiro os calTinistaa, o
Gvmnasio baha te.
Oitcurto recitado pelo Sr. Dr. Fi m:\sco Manoel
Raposo de Almtida. por occaiid > de abertura da
cadeira de historia.
VI
(Concluiio.)
< E' o mesmo a respeilo da humanidade. Re- | desta cidade e da de Pernambuco os Hollndoles,
peluda, como se acba pela e >els sciencia a cao poder 6 poro admitiir outra biatoria, que
neis esclarecida, toda a theoris na humani lade, nao aeja a qae rom iromedlattmeote da milita-
que nao seja a de Ado cono lr< neo e principio gao chriita.
visivel da especio bumana, segu -se que as rai- Encarar, portento a historia, como o centro
zes da humanidade, por assim o iliier, prendera- j para onde converge a humaoidade de lo Jos os
se I vootade omnipotente de ens pelo acto mag- tempos e de todoa os lugares, eis o ponto de par-
uifico da creigo ; e que o sopro do Eterno tida para estudar a historia dessa mesma huma-
assim como
dse passar
easa selva, que penetra atravez de Adao, das
geragoei e das familias at ao ultimo dos indi-
viduo* humanos.
c O uraco derruba as folhsi pode mesmo
esgalbar om ramo e despedaza- o do tronco;
Basa forfa verificadora da seivi lulo reoova.e
a arvore torna-secada vez maiaropnda assim
a humanidade. A morle derruba- Ihe os indivi-
duos, podo mesmo subverter um povo, ou tza-
lo desapparecer da face da trra, mas, emquanto
approuver vontade divina, eii'tir viviBcada
pelo sopro do Eterno.
A historia em summa, eas* circulo zodiacal,
em que a Providencia fsz ftyrer a humanidade,
assim como a pbilosophia, segundo e t, a tor-
ca centrpeta dessa mysteriosa n tacao. O philo-
aophismo capcioso e subversivo de Spiaosi, Vol-
tsire, Kant. Hegel e do proprio Cousio sao des-
varios da tazo humana, e nao a verdade da
historia, que a razio divina mar (estada huma-
namente. Os eacyclopedislas sai, pois, para a
humanidade do secuto passado o ainda desle,
e que ful a serpete para nossos | rimeiros paes.
Eu creio firmemente, seohores, que assim co-
mo a humaoidade se regeoerou pelo verbo de
Deus, assim as sociedades eivada do philoso-
phismo e que ainda aedebatem nis agonas coa-
pulsas do sceplismo.lio de regenerar-se pela phr-
losophia evanglica, e os tactos histricos sao as
premiciaa dessa philosopbia.
Eis como n'uma linguagem accessivel iotel-
rigeocia de me os discpulos, preleado professar o
espirito ou a philosopbia da bistotia: agora pasto
a dar orna idea cardeal do raeib: lo ou syslema
de ensino em relago sos fados, e s suas cir-
cumstaDciat e coincidencias.
Vil
Eotendo que o estudo da hislor s,
es preeessoa artsticos da pintura,
por tres operares diatinctas.
Na pintura temos o desenho inear, sem o
qual nao se pode determinar a firma do objec-
to. Em segundo lugar temos o sombreado, que
o ppe em relevo, e temos por ultimo o colorido,
que-lho d orna especie de vida.
Se,melnanlemente no esludo d i historia deve
primeiramente apreoder-se os pontos cardeaes
da vida da humanidad, marcando aa pocas, oa
tactos e os lugares onde se derara a ostnlividuos
que oelles principalmente influirm Em segun-
do lugar deve fazer-se a expsita > especial dos
fados com todas as circams'u iciis, que os
acompanbarem. Em terceiro e ultimo lugar,
deve applicar-se a philosopbia e esses mesmos
felo, notando ai coincidencias j as relages
cornos fados de oulras pocas, <:, era summa
prescrutar, pelo auxilio da f, quaes os desigaios
da Providencia a respeilo desses neamos fados.
Tomemos para exemplo a prop ia historia do
BrasIJ.
Assim eomo a historia uoivers:! se divide em
tres periodos distindos, assim > historia do Bra-
sil se pode dividir em egual numero de periodos.
Depois de urna introdcelo sobie a geologa e
a etbpographia desta vasta regiao e de aeus pri-
mitivos habitantes ou iodigenas ( ue sao ramos
esgalhados do tronco da huraaoid de) podemua
marcar para a noisa historia aotig' ou colonial,
os tempos que vo de 1500 a 180C para a media
ou real, os lempos que vo de 1809 a 1820. e
para a moleroa ou contempornea, que-se pode
deoomioar imperial, podemos marcir os lem-
pos, que decorrem de 1820 at nossos das.
Eis o desecho linear da hielo la do Brasil,
agora o sombreado, ou relevo des:i< mesmo de-
senho.
Exporas lulas dos ioigenaa cot os primeiros
colonos, tragar as phisionomia; blographicas
deises vultos bblicos deNobrega, loohiela.Viei-
1 ra e oulros missiooarios egualmenl 3 benemritos;
contar essa lucia poruosa dos braileiros catho-
licoscontra os calvinistas fraoceze- e bollande-
zes, e retratar os Ilustres represe liantes de tre
ragas, Das, Vieira e Cimaro, qu to gloriosa-
mente se distinguiram: coosideiar esse fado
providencial de um throno da Europa, que vem
refugjir-se no Brasil, e langsr o germen do fa-
turo imperio ; e ver finalmente su gir esse impe-
rio, cujo verbo de independencia !oi sellado pelo
filho morgadodo rei portuguez, e repercutido do
Prata ao Amazonas, e das praias 3o oceaoo at
a cordilbeira dos Andes, eis as sonbras do de-
but ho.
* Prescrutar, porm, a origem des indgenas e
eonjeeturar-se se sim ou nao io >s restos obli-
terados de urna civilisagu remota e esquectda ;
indagar dos arcanos da Providencia, porque fot
descoberta esta vasta regiao,precis: mente na poca
em que a Allemanha e a Ioglaterr i se rebellavam
contra a auloridade catholico da "greja : meditar
aobre a prodigiosa victoria de inleffensos colo-
nos contra o poder bellicoso das famosas arma-
das da Hollanda; e, em summa txplicar segundo
os designios da Providencia, este i e oulros fac-
tos porieotosos da historia do Brisil, eu, senho-
res o problema que tem de reso ver a pbiloso-
phia. .
E ntese que a socedade braiileira nao pode
ser copiada, nem improvisada de jse estado anor-
mal da Europa, que tantos cataclysmas moraes
tem produzido.
A historia e a philosophla esto ahi em lula :
entre nos nao pode dar-se essa luta, porque o
Brasil tem urna nica historia, urna uoica tra-
digo, urna nica crenga; essa historia, esss tra-
dvcao eessacreoga o calbolicismo. O veneno
jansenista que se respira peloi poros de urna
grande parle do jornalismo, o p'illosophismo cy-
xiico, que se aspira e respira, o urna litteratura
falsa e mal copiada, o protestan .ismo. quecarac-
terisa muitoa actos do governo, nunca polerao
nidide ; e encarar a historia como o preludio da
acc5o de nm povo privilegiado, qae tem sido e ha
de aer um instrumento noa designio do supremo
rei das nacoes, tal ser a estrella polar, para a
qual taremos convergir o nosso estudo e as nos-
sai commuDS appcicoes de professor e disc-
pulos.
Eis as considersedes que Julguei a proposito
enunciar-vos, antes da comecaros trabalhos lec-
tivos desta cadeira. Estao escriptis com destli-
nho, porque foram copiadas de um espirito, pro-
fundamente impreasionado ; e lao;adas ao papel
quasi i ultima hora, e quando urga camprireste
meu primeiro dever de professor. Peco, portan-
te, a vossa generosa indulgencia.
Antes de terminar este acto, permitti vos ma-
nifest qual a conOan;a que nutro sobre o xito
do meu ministerio de professor.
Depois dos sabios e prudentes cooselhos do in-
cansavel director deste instituto, a minba mxima
esperanza cifra-se nos proprios discpulos desta
aula.
Eu sei que a applicscao dos alumnos do gym-
nasio reconbecidsmente assidua, e que a cons-
ciencia de saa propria dignidade os faz correa-
ponderem dedicaco do seu director e disvelos
dos aeus professores ; maa oa discpulos desta aula
estSo moralmoote obrigados a redobrarem de ea-
forcoa para sustentar o prestigio, de que ella go-
zou oo lempo do meu Ilustre e venerando ante-
cessor; e remediaren] ao vacuo que elle deixou
entre nos.
O conceito honroso da cadaira de hiitoria de-
clino-o especialmente para os meus discpulos.
O qua Ihes posso aQtangar que terao em mlm
um eompaohetro e collaborador dedicado.
Concluo, notrindo a firme esperanza de que,
nem me fallar o poderoso auxiliar do bename-
rilo director ; e que n3o ser em vo que appello
pira a dedicagio dos alumnos desta cadeira.
Quando o agricultor semeia em um bom terre-
no, tem esperanga de boa colbeita. Eu vou le-
mear a palavra em coracoes doceis e cultivar in-
diligencias applicadas ao estudo; e poiiconfioe
espero.
Gymnasio Bihiano. 98 de abril de 1862.
F. M Raposo de Almtida.
ntlA 4 DI JUINHO DE 1MI.
se fies
anento mal
Sciencias e artes.
Estados praticos sobre os caminbos de
ferro francezes.
( Continuago.)
As dimenses da galera de ataque varism muilo
com a qualidade do terreno, que se perfura. Em
rocba consistente, inalteravel ao ar, prescinde-so
da galera e ataca se o tnel em todt a secgao :
assim te procedeu no tnel de Capdeoac abarlo i
em calcreo compacto.
Em terrenos solidos, nos quaes o reveslimento
pode ser muilo espagado, a galera de taque,
quando aberla na parte superior da secgao- do
tuoel. tem o chao ao nivel das impostas, o que
Ihe d urna altura de 4 metros, sendo sua largu-
ra de um metro na parte superior e de 3 metros
na inferior.
Quando a galeria nao pode ser feita com essaa
dimenses por causa da inconsistencia das larras-,
reduz-se sua altura a 2 metros, gtrs largura su-
perior a lm,40 e inferior a lm,80. Em terrenos
excepcionalmeote iaconsisleotes a galeria nao
pode sor feils com eisis diuiensoos; lrabalha-se
ento com esculo e gsleria de meia socgo coreo
descreceremos no tuoel de ilatra-pe.
Perferada a galeria de ataque, evidente que
o proseguimenlo do trabalho deve variar com a
posigo em qua ella fui aberta e mesmo com as
dimeosdes que ae Ihe deram.
Se a galeria 6 aita no alto da s-aegodo tuoel e
compreheode toda a altura da abobada, proce-
de-se immediataoKnte ao derpubanrento das
trras lateraes para formar a calote.
Mas se ella tem somante dous metros de altura
necessario aprounda-la at ao nivel das-im-
postas, antes de proceder-se ao derrubamentov E'
a consistencia das trras quera aconselha as-me-
Ididas a lomar durante esse trabalho.
Quasi sempre o derrubameMo feito ao longo
de toda a galeria, por partes de dous a sei me-
tros, separadas por maasigos de ierra intactos. O
madeirameolo da galeria estendido a calote, \
necessario para Ibes dar um
firme.
Por meio de pequeos postes, oBoeadui cutre
o arco daa caimbia e aa taboas de revesiimanto,
manteem-se esus tabn durante construccio
da abobada e pode-s* entlo retirar os leques
comprehendidos entra aa camblas.
Os coxins dos simples sao conocidos i medida
que ae forma a abobada ; desle modo oa obreiros
se podem collocar nos iotervalloa da* camblas
e trabalbar livremeot at que as pades da abo-
bada, que avaogam de amboa os Udos.se tenham
aproximado tanto do techo que nao naja mais
espago para se continuar a trabalbar dess
forma.
Para facilitar o fechamento da abobada, os
coxios do simples adjacentes a seu fecho tra'zem
um chanfrado, no qual os obreiroa vio eafindo
pequeas taboas sobre as quses asaentam as
pedras do fecho.
Quindo os coxios do simples nao offerecem
essa disposlco, fecha-se abobada por partes
compreheodidaa entre daas camblas.
O trabalho oease caso mais incommodo,
principalmente quando pequea a distancia
entre as camblas do simples.
A admioletragao superior preacreve actualmen-
te que todos oa tuoeis tenham o cea revenido
com alvenaria, qualquer que seja a consistencia
do terreno que atravessem.
Esaa ordem foi motivada por um accidente que
leve ltimamente lugar, produzido pela queda
de um pedago de podra de tnel nao revestido na
occasio da pasiagem de um trem.
A espessura da abobada de reveatimanto valia
com a consistencia das trras desde 0ra,45 at
1B,S0, e meamo lm,50 as parles dos lais em
que, durante a perfuracio, liveram lugar des-
moronamentos.
As argamaasas empregadas no revastimento
doa tunis em Franga sao sempre feitas de ex-
celente cal bydraulica, ou meamo de cimento
oas partes em que ha filtragei.
Recommenda se que seja a argamaasa prepa-
rada fra do tnel: o systema de faz-la no sea
interior tem, alera do ioconveoieole de ser ahi
muito difficil fiscaliiar esta operagao, o de obri-
gar a ter um deposito de cal dentro do tonel, a
qual com a humidade degenera antea de aer
empregada.
O euchimento de todos os vastos comprehen-
didos entre o extrs-dorso da abobada e as terrss
com pedra quebrada urna operacao.que deve aer
feils com grande cuidado sem isso bs risco de
ser a abobada feodida pelo choque que prodaz
o desmorooamento das Ierras deixadas em
falao.
De re-se tomar a precaugo de eoeher bem
com argamassa as juntas do extra-dorso ds abo-
bada, afim de impedir que as aguas, que se
tnfltrem pelas trras, penetrem na alve-
naria.
O reveslimento dos tunis geralmente feito
de pedra, o lijlo s empregado oas localidades
em que falta aquello material.
Os paramentoa sao quasi serrpre feitos com
pequea cantara, lalhada toscamente na face
apparento e nos juntas {moellom piquis) tendo
0,20 de espessura Oa,i) de comprmanlo e ama
cauda de tj a Om,40.
Fechadas as primeiras porgos ds abobad* do
revestimento, darrirbam -se os massigos interme-
dios, collocam-s* os simples e construe-se a abo-
bada nesses pontos, tendo cuidado de liga-la bem
aos primeiros sonis construidos.
Prompta a abobada, trata -se de proceder
escava gao para a coostrueco dos ps direi-
tos. Qaaodo o ataque fot feito com galera no
alto da secgao, necessario principiar por ap-
profuuda-la al ao nivel da plataforma.
Deixara-se aeropre, durante a eacavago, para
su-stentar a abobada, dous Massigos Isteraes com
largura bastante para adcHltirem urna via de
servigo.
Quando se pode cortar o-terreno a pique sem
risco, desce-se a escavago at ao nivel da pla-
taforma do caminho de ferro por degrus, mu-
dando-se a- via de servigo de um lado para
outro, medida que se reconhece a aecessi-
dad* de derrubar o degra aobre o qual ella
aneotava.
No caso de (er sido feita a-galeria ao-nivel da
plataforma, nao se tem seoo de alarga-'n, dei-
saodo smente embaixo da abobada dc> maisi-
V-^> llv fru,* tinxa UWUtUUttt-n -*y H
A eacavago deises massigos se faz por p -'goes
de 2 a 8- melroi in terca lados entre outra intactas.
Givam-se immediatameale debaixov da aaobsda
buraco* de Om,80-em 0m,80:e introduzem'sae nelles
grao Jes escoras ioclinaaaavapoiaodo-se pela ou-
tra e&lremidade no slo da- plataforma..
Estando a abobadajaupportada desee modo,p-
dense cavar o lagar dos ps direitoso em seguida
construi-loi al a altura em que as escoras incli-
nadas comegam a embarscar o trabalho : substi-
tuem-se ento essas escoras por pequeos postes,
firmados sobre a alveaaria j& construida dos ps
direllos, e lermina-se sua comtrucgo nos inier-
vallos delles ; feito isso, retiram-se os postes e
encheca-se os espagos que ellesoccupavsm.
Cosluma-se fazer na espessuea dos ps dieaitos
por"selVVde( n.i51 Para >rigo dos guardaa do_tnel ns occa-
escoras inclinadas, que do o todo a forma de '<> da PsaRem estrs, Sao esses nlchoacol-
delir do corsgo do povo brasile ro a hisioris, a
um leque.
Essas escoras sustentara vigas loogitudinaes,
por cima das quaes passam as laboas que ampa-
ram as Ierras.
Quando a galeria de ataque (dr aberta ao nivel
da plataforma do caminho de ferro, descobre-se I
o seu teclo-em urna pequea extenso em dille- '
rentes pontos, e nellas se perfuram chamins por
meio das quies se pode subir para effecluar o
ataque de orna outra gsleria sobre a primeka,
com o cu oo alio da abobada e com o chao ao
nivel das impostas.
Executada essa galeria, fies o trabalho reduzi-
do s mesmas condjgoes que no outro' syslema
de ataque, e pde-se fazer o derrubamenlo das
Ierras lateraes para a formsgo da calote do
tnel.
Feita a calle, passs-se collocago do simples
para a coostrueco da abobada do reveslimen-
to. Como as dimensdas desses simples foram
aoie-mao determinadas, na occaiio de ana
elevago que se deve fazer eom o maior cuidado
a rectiQcago do oivellamento, afim de licor a
abobada justamente na altura do projecto.
As camblas dos simples montam-se entre os
legues do revestimento immediatamente sobre o
lOl 1ILI11
ORIGINAL DO DIARIO DE PERNIMBUCO.
ACARAPUCADEMECTIO
ou
BECORDAIOES DE IH UOMEH \ELHO
pasiagem doa tres.
Usados allernadameole de um lado o de outro do
tnel de modo a dUtarem do 50 metros um doi
oulros.
O eocanameato das aguas do subterrneo fai
por um reg coberlo com pedras chalas, abarlo
no meio da plataforma, que formada, por dous
I planos inclinadostaogaado as aguas para esse re-
Igo. Quando se encontrara no tnel n aseen tes bem
pronunciadas, po leudo ser encanadas,fazem-se
nos pontos correspondentes do revestimento ba-
das em forma de funil com alvenaria de cimento,
afim de receherem as aguas ; o enchem-se de
pedra secca para oo licor espago lgum vasto en-
tre o revestimento e as trras. Os funis tarmi-
nam-se por tubos de ferro fundido, quoatraves-
sam o revestimento e se ligam a oulros de chum-
bo, que acompanham os ps direito.s e vio ter
am cano transversal conduaindo as aguas ao fosso
do tonel.
Quando as nascentea eslo dispersas e nao
possivel encootra-las em um ponto, faz-se por
traz do revestimento um empsdramento, alravs
do qual as aguas deseen e vo ter a um draia
longitudinal, disposto atrs do p direito, o qual
se prolonga at urna das testas do tnel, e despe
ja suas aguas nos fosaos da via.
O rogo eeatral do tuoel bifurci-se ao tahlr dal-
le, e os mus dous ramias vo ligar-se com os
fossos da Irinchaira adjaceote ao tnel.
Noa tais em rocha a abobada do revestir so-
to nos arco pleno com ps direitos planos; nos
tala em trra para ama s via o revestimento
elliptlco.
Nesse caso o semi-ellpse do inlradorso tra-
gada parallelamente, a pequea distancia, a noa
curva capaz da sircamscrever tanto um wagn
como urna locomotiva aapporta collocada aobre a
via.
Noa tunis sm Ierra esboroadlga para duas vias,
a secgao toda circular o posta de um arco pleno
com dous ps direitos curvados segando am raio
de5m,5.
O ps direitos dos ravestimeotos dos tunis para
urna e para duas vias, perfuradoi em Ierra eibo-
roadiga, sao sempre reorgadoi por ama abobada
ioverlida {radier)
O tervgo doa pocos, durante a perfuraeo dos
luneis e a coostrueco do aeu revestimento fei-
to por meio de sarllbos movidos mo nos pogos
de importancia secundaria, e nos oulros por meio
de sarllbos movidos mo nos pogos de impor-
tancia secundaria, e nos outros por meio de ma-
nejos movidos por animaes ou por machinas a
vapor.
As melbores machioae a vapor empregadas nes-
se mister provm da fabrica de Cail e Comp., de
Paria, e da de 6. F. Hevollier Jenae a Comp., de
Si. Etieone (departamento de Loire), fabricantes
especiaes de machinas para aa minas de St. Eti-
eone.
O material empregado no transporte e ns ele-
vago daa ierras compe-ae de pequeos < tracks
ou wsgns plstaformas > e de grandes baldes, que
servem tanto elevago das trras como das
aguas. A extrscco das aguas s se (ai por meio
de bombaa quando alias sao extremamente abun-
dantes ; aa bomba* sao sempre postas em movi-
tneotos por michiass 4 vapor.
No tnel de La tra pe empregava-senaeleva;o
e oo transporte das larras e daa aguas um mate-
rial especial, emitado dos pogos de minerago de
St. Etienne.
Os proprios baldes linhsm presos no fondo dous
eixos com rodas, por meio dos quaes podiam aer
conduzidos sobre estreitas vias de servigo cons-
truidas de proposite para esse fim. Essses bal-
des dispeossm os trutks ; slm disso o pouco es
pago que oceupam as vias de servico possibirita
a ana collocago em passagens estreitas, o que
accelera muilo o servigo em certas pochas da
perfurago.
Para arejar os tunis em prega m -se grandes ven-
tiladoras de modeira, consistimlo era orna roda de
paz curvas, gyraudo dentro de-tra tambor cylin-
drico em commuoicago com atmospbera pelo
seu centro, e cora a galeria do tonel por um serie
de tubos de zince de forme tronceoica, cuj reu-
nio cooatitue um longo conducto, afnilado, indo
deade o ventilador enllocado bocea do pogo al
exlremidade da galera.
O ventilador movido por urna locomovel es-
pecial, oa mesmo pela machina de vapor que
serve elevago daa larras.
Tnel de LeUrape.
O tnel deLalrape, situado no ponto culminan-
te do esminh de ferro de Periguex A-gen,
aberto para duas vias e lea f,800 metros de com-
primen lo.
No projecto primitivo comega em curva de 800
metros de raio do- lado de Pariguex e coorinaava
em lioha recia at sua sabida do lado de A-gen.
Quaolo i seu perfil longitudinal, devia elle apre-
sentar em toda s sua extensa! urna rampa de O"",
0063 por metro, sabiodo-de-Periguex psra Agen.
Foi-se, porm, obrigidoa alterar tanto o tra-
gado como o- perfil do projoct durante a exeeu-
go, em virtude daa extraordinarias difficuldade
que sobrevieram na perfuraoo da parle do tune!,
que corresponda- a ama faina do-rochado, for-1
mando o ncleo da mootaoSi, situada na sota'
parte mais elevada,- periodo aahida do tuoel do,
lado de Agen, teodo-se ahi< produzido um des-!
moronameolo, no qusl o terreno rachau-se atis'
auperficie.
Durante a perfurago da-galera tiona-se reto-
nhecido que nene ponto exists, esquerda,
olhando para Agea, um roebedo elevando-se
pique.
Esaa obsar vacio fez com que ae procedesse a
um estudo minucioso dessa parte da montan**,
o qual foi feito. por meio do 30 pogos de sonda-
- te *qx^- uAlanmUr A |1>H9A .Kr imd
metro ; e reconbeceu-se por meio dalles qae aa
condiges da perfurago do tnel aeriam efreo-
tivamente muilo melboradaa diminua lo-se a ir>-
clinacao da rampa do tuool de 0"'lX7 e desvlan-
do-se para a.esqaerda pot meio do urna curva Ae
600 metros de raio..
Com essa modifiesgo- conseguiu-se tamben
collocar os ps direitos do- reveslimento do tnel
sobre o rosbedo, os quaes sem ella teriam de ser
fundados com, grande difficuldade na. carnada de
areia argilosa e impregnada d'agua, que sxistia
immediatomente sobr o rochedo..
Apozas de todaa esssa medidas, a perfurago
do tnel deLalrape apresentou.difficuldadesreal-
mente exlrsordioarias, superadas pela boa direc-
go que lioha esse trabalho pelo*cuidados in-
telligeates e minuciosos coas que era execu-
lado.
O- tnel de L&kape foi atacado pot 10 pogoa e
pela taita do lado de Perigneux; a deavisgo do
tragado pedo da outra testa, e a diSkaldade que
teve na abertura da Irinoheira coallgua, irupedi-
ram o ataque do lado de Agen. Doa 10 pogos, 9
foram collocados fra do eixo, e um auxiliar, si-
tuado pedo, da trinchara do. lada da Agen, sobre
o eixo do tnel.
oo cea, dando lagar a trabalharem slrxullanea-
ola no ataque doas mioalros,
Houve no entinto alguna pontos do tonel em
qae nao pode avsngar con galera deesas dimen-
ses ; as areias argilosas do terreno, que se pro-
carsva itravesisr, erara lio csrregsdss de agua e
estaram em ao estado tal de fluidei que eicor-
riim por quilquer fends que existisse no tsboado
do revestimento ; o vssio que ellas deixavam era
prebenebido pela queda das terrss superiores, e
esse movimento descendente do terreno se pro-
psgava aacceaaivamente al a superficie da mon-
teaba e se tornsva evidente pelas depressdes e
fendss, que ahi se produziam.
Osqaadroi, empregados no revestimento, dis-
taran] de 0,80 de ejxo a eixo, e eram formados
por vigotas de secgao quadrada de 0",20 de lado;
o taboado do revestimento linha lm,50 de com-
primento 0m,03 de espessura.
Qaando as Ierras tinham bastante consistencia
para nao desabarem emqnanto se levara a*esca-
vago at posiglo de um novo quadro, avanga-
va-se por distancias eguaes interrallos dos qua-
dros.
Logo que se tioba preparado o lugar para um
quadro, procedla-se sua collocago, e por elle
e pelo precedente passavam-se taboaijdo revesti-
mento que se dispunbam bem juntas urnas das
outras.
Em circumatancias menos faveraveis, passs-
vim-ie previamente as laboas do revestimento
pelo quadro anterior e ia-se emporrando-as, de
maoeira que o cu e ai paredes da galera ae
chavara revestidas medida que ella era em-
vada.
Par eneber oavasios que a lama, escoando-se
deixava straz do revestimento, iotroduziam-se
molhos de patba, que tepavam aa (restas do taboa-
do do revestimento.
_ Hivia cisos era que s presso das trras era
to forte que se favta necessario empregar no re-
vestimentoiprancbes de 0B06(aO>10 de espessura;
esses praecboes eram enterrados por meio de
macacos, collocados horteonialmente e eacorados
contra os montantea de revestimento j feito.
Emquanto ae fasia esse trabalho, aa trras.da
frente da galera eran? mantidas por um escudo-
formado de praocbdes presos ao- oltimo quadro.
Para proseguir na escav-agao cumpria destazar o
escodo ; essa operago era- feita com aa maiores
precauges psra evitar q*e as Ierras em estado
de fluidez invadissem a galerii e destruissem gran-
de parle do trabalho feito.
Eis o processo que naa partes mair difflceis se
em prega re,
Dividia-se o ultimo quadro em dirs partes
eguaes per dous- pastos, formsedo tala; colloca-
dos verticalmeote oo eixo da galera-. Por essa
tala vertical' eoterrra-vam-se fsrga de macacos
pranches de 0m,lO d'e espenora-, e o mesmo se
fsair no c* e oas paredes lateraes da galera.
Desta sorte, as Ierra a cavar lita va m enterra-
da* em dous eomparlimenlos formados pelos pran-
choea collocados entre rs talas e pelos do cu e
das paredes-dtcgalera. O revestimento da fren-
te d* galerii, formando escudo, ara composto- de
pequeos pedeeos de prascholea, apoiados noa
montantea do qsadro e nenelas verticaes, que o
divdiam em duas parles eguaes.
Preparadas assim as couawa, para avaagat a ga-
leria, unrmineir tira va esoteloit mente a taboa
auperief de um dos compafiaenlos de estudo,
cava va com a' marr|pealeza-B* buraco doOm38 a
sgua*. poda preptar-M em eos *>*eameros>t-
mento psra se communicar coa os obreiro qae
cassam ancarradoi na galera. Em outros tu-
nis tinhs-se reconhecido a utilidade deises ca-
ntes para se pissarem alimentos e atensts aos
obreiros enclausarados pela queda das terrss.
Prompta a galera entre doas pontos de ataque,
tratou-se de Sprofanda-la afim de poder-ae exa-
cular o derrubamenlo da calote. Afim de dimi-
nuir as difficaldades dessa openco e a aliara do
madeirameolo dos revestimentos, a calote foi per*
furada somente ate um metro cima do nivel dss .
imposta*.
Para manter os qaadros do retestimento da
galera, emquaolo se augmentara stra profund-
dade, passavam-se das longas vigas por coberto-
res dos quadros, as quaes se susteatsvam por
meio de poaies firmsdos no chao e collocados en-
tre os montantes dos quadros. No tnel de Cam-
bes, da linha de Orives a Qspdenac, amarrivam-
ae eiaaa vigas aos cobertores dos qusdro*' eom
correles de ferro, o que linfas a vantagsnr da
nao obstruir com madeirameolo a eitreili galeria
de ataque, por onde se effectuavam todos os trans-
portes.
Ligados por meio dessas rtgs* maitos quadros
do revestimento, podia-se atacar sem recelo o
chao da galera retlraodo-ae a sotetra de am del-
les; levava-se nessa parte a escavagio at ao fon-
do da nova galeria e ahi se estabeliela urna outra
soleira, sobre a qusl se moatavam dous grandes
poites para sustenlarem aa viga que* goenlavim
os cobertores dos quadros do reveslrneoto.
Encelada assim a grande galera, conriDuava-
se sua escavago snbstiloindo successivaraenle os
pequeos montantes dos quadros primitivos pelos
grandes postes, supportsodo o tecto do revesti-
mento por intermedio das vigas longiludroaes.
Aprofundada a girara d* ataque em sur car-
ta exlenao, panava-ae a derrabar as ierras* parra
formago da calote. Essa operago se fszla a* par-
tir da aua parte mperior, rev esli do-se as Ierras,
proporgo que ae eaeavaVa, com tsboas anti-
das per escoras inclinadas, apoiadas noa grandes
poites Oo revestimento da galera ; o revesti-
mento aaafm formado tinha o aepedo de um
grande leque.
Abarla a calote, seguir-so- a .ceilocagio dos
simples para a coostruegao da abobeda, qe foi
feila por sonis de lm,50 eonstruidos- sobre daas
camblas. Dursnte a exeeugo da abobada as
taboas do revestimento dis torras eran suilenta-
daa por poiler fixadoa aobre a* caiotba do si-m,-
phs e retirada- proporgo que a abobada avan-
gava.
Dos dez pocos- existentes no tuoel de-tatrape
doue-eram servidos por larilhoi movidos* aVtno,
tres por manejos e cinco por machina* a-vapor.
Os sarilbos foram-montados nos pogos de sonda-
gem, que as diffieuldadesda perfurago da* gale-
ria levaram a aproveitar para abreviar o- tra-
balho.
Os pogos-de grande secgao erara feehadw- du-
rante o movimento-dos baldes pc-r meio de portas
de dona bateles. Para facilitar a saa manobra "
cada batete era amarrado a um corda, que-pos-
aava em urna roldana-Osa ao modeira'mento do
telheir que cobria o pogo, e se termioava em
um contra-peto.
Os cabos empregado* para a elevago dos bar-
dea erara cabos chatos de caahamo- de Italia fa-
bricados-no estabelecimenlo de Cnttmonard em
St. Laurenl-le-Hacon (Departamento o'Ain). Es
pedago de prancho, que eacorava eom dous bar-
rotea inclinados, apoiando-ae um no moolante
do quadro e-outro sea urna Ot talas. Desfazen-
do o escualo, laboi por taboa, o operando-para
cada urna dellaa,comoacabamoededeicrever,coo-
segaia av-aogara escavago de ura dos dos com-
primentoa- de-0m,3t) a O1",40 ; repelindo com as
0m40 de profundidooe.eamparavalo fundo eom nmi- et cabo* lio preferidos em Franga aoa feilos de
fio de ferro o sfio geralmente empregados nos po-
gos de tunis e nos d minerago.
O tnel de La tra pe, a occasio era-q^ue o visi-
tamos, anda nao lioha galeria de ataque aber-
la em toda a exteoso, apezar deoeDlrabslhar-
se activamente havia raais de seis anooi.
A parte-do lado de Prigoex eslava am graodo-
taboaacolloeadaa no-fondo deas* compartimento-, exteniao eom a abobada falta, tendo "se mesmo
a operago, que se acabara dejfaser com as do 3- encetado e ataque dos ps direitos. J
otjdo ebegava-se a dar-lhe a-profundidade do Guiados pela experiencia adquirida m ara to
0m80, neceaiaria paropoder-ie collocar aa peoa ar(lll0 tr*>l*lho, as diffiaiatdadea de sus eoocluso
do quadro aeg-uinle. 'estavam muilo aplainadas, contando-, seus cons-
A escavago do oulro compartimento fazta-se jriCt0resterraina-lo ramenos de dous annos.
de um modo anlogo sendo ella era geral muilo
menos dffleilporse.ecbarem aa tenas oelle cora -
prehendidaa dassecadas pela sabida de suis aguas Duval. engesheiro em chefeda linba, JMr. Krant,
As honras da perfurago do tnel' de Litrape
pertencem ao engenherro em chefe d linha, Mr.
Nos pontos em a perlurajo prosegua regu-
larmente, o pogos eouservavam entre si urna
distancia de 200 a 30O. metros; naquellea, po-
rm, em que se encontraram grandes difiiculda-
des, aproximaram-se os pogos de maneira a fica-
rem a 50 e a 80 metros uns dos oulros..
Sele desses pogos eram rectangulares de tres
metros de comprimenlo sobre ln'GO de largura ;
doas que tinham servido para ss sondagens, ti-
nham pequea secgao de lm,20de comprimenlo
sobre um metro de largura ; om emfim, se com-
punhs de dous compartimentos circulares de 1"'
20 de dimetro por causa da inconsistencia do
terreno em que tlnha sido perfurado.
A perfurago do tansl foi encetada por ums
galera, aberta no alto da secgao com dous me-
tros de altura lm,80 de largura no chao e l'u,40
POR
YOMAL
5
IContinaaco do artigo XXVII).
A... a... ah... ai 1... te: elle pela decima
eu vigsima vez, espreguigan lo-se.Vamos jo-
gar o xadrez? dlsse-me de repente, nao sebeado
snais com que santo se agarraste.
O xsdrez 1 eu oo ten io esse jogo em
casa.
E' que elle tal vez triga todas as pegas den-
tro do bolso da caiga ; nao Jico ? pergontou-lhe
Jorge em ar de cessoade.
Nao trigo, nao ; mas isse nao importa.
Ento, como se ba de jo; ar ? 1
Podemos jogar por pensamentos.
Ah ah 1 ah I com efleito l exclamou Jor-
ge, rindo-se como um perdido.Descobrisie a pe-
dra pbiloiophal. Diz-me, porn, eomo fars ma-
nobrar o teu carallo ; ba de ser ama couia ca-
llosa. *
Ora, o cavallo anda em ngulo recto.... .
ngulo obtuso, querea dizer?
ngulo obtuso, oo; an ulo recto.
Nao senbor, est engaado; ngulo ob-
tuso. Urna cass encarnada e d as pretss, ou ama
prela duaa encaroadas. Nao assim, Jallo?
la havia-me levantado e dera algaos psssos
dislfehidamenle; mas, ao onvir a inierpellags,
parei diante de Xico, sem mesmo saber o que fa-
","l,l ao, Xico; disss tirando do
/Bi?ot um '"'inhf de papel Nicot. e
effaraeendo-lhe ama folhi. Olhs; roa-|avflos-
trir eomo isso -
E paz-ii* a fallir-lhe por mais de am qairto
de hora em linhas redas e quadrados; tendo o
penssmento mui distante de todas essas cousas.
No entretanto esquecera-me de tirar o fumo
para o cigarro, e conliouava a enrolar distra-
damente o papel entre os dedos, sem de tal me
lembrar. Xico fazia o meamo por espritu de imi-
tago, olhando todava mui attenlamente para
mira, como sa me quizesse dar a entender que
ainda esperava alguma cousa.
E ento ? 1 e o fumo 11 perguntou-me elle
afiool, vendo que eu permaneca na mesma, e
julgando bem intil na verdade a folba de papel
solitaria.
_ Qual fumo? I
O fumo para o cigarro ; para que quero ev
o papel sem o fumo?
Jorge riu-se.
Ab I verdade I exclame cahindo em mira.
E por urna dessas rpidas tranaiges to uaaaea
em um espirito juvenil, cooliquel com a maior
seriedade, deslargando a vontade que linha de me
rir tambem.Esqueci-me advertir-te: os cigar-
ros feitos com esse papel nao levam fumo.
Ests casioiDdo'.M ioqaeriu o meu amigo
am pouco djividoso. Elle era algum tanto econo-
mista, l seu modo, e receiava ser logrsdo em
suss ideas de aproveilameoto.
Nao; respondi-lhe. Este papel feito do
proprio fumo. Nao vs a cor avermelhida escu-
ra que elle tem ? Quando se quer fumar, tlra-se
simplesmenle ama folha, enrola-se e est o ci-
garro promplo.
Oral
Palavra I urna inveogio moderna; per-
gunta a Jorge.
Pois entio, enrola; disie-me elle ainda in-
deciso, dando-me o papal.
Peguei nelle e puz-me aenrola-lo seriamente,
i maneira de am cigarro e entregando-lhe fiz o
mesmo com o meu : Jorge mal poda conter-se.
Aqu tem fogo, montieur; dase elle pre-
suroso, presentando o charuto Xico.
Este levantou-ss e procuroa apreciar o sea ci-
garro de nova ioveogo; mas o labozinho de pa -
pe, completamente vazio por dentro.ardia ape-
nai ni exlremidide, eapigiv*!
te. A* terceira tentativa, eu
rir como loncos.
a, us*i v i
pelo oulro compartimento.
Aa difficuldade* deste trabalho eram ainda ag-
gravadas quando a prasto das trras fazia quebrar
os prancboes-do reveetimeotoou o*4e*viava de su*
direcge,.sendo nesse-caso necessario corta-lo*
?J?.H? form6ei.ooeraco-q,ue retardara e
alguma* oras a escavsgao oa galena.
Eram empregados quairo obreiros ns execucjto
do ataque desta frata dous mtoeivc-s, dos quaea
um exlmhis cona a ro ou coas uoaa pequea-pA
a argita quaii redasida-a lama-, e-o outro a reee-
bia para collocar no balde que a transporlara
para fra do tonel, e- dous- carapioas para darem
aos praochesdo rerastimenlo-as-dimenses e-
cessarias.
Nesaas. condiges difliei limes, '-res turra ai com-
postaa-uma de dous mioekos-e dous carapiaas,
trabalkando cada urna oito- boraa, nao podiam
avaogar a galeria de mo de 0'-*,40 a 0,n,tU em
24 horas de tnaalho consecutivo; ao passe que
em terrenos maia consistentes se svangava de O"1,
80>1 metro. i
ouve mesrao urna parto do tnel em que foi
de lodo imposaivel abrir a- galena de ataque ; os
emprezarios do tuoel, depois de um trabilho in-
fructfero do 15 das, abandonaram a escavago'.
Achava-ae s galeria precisamente em umadepres-
so do rochado, que forma o ncleo da raontanba,
a qual constitua urna eapecie de bacis, cheia de
urna lama iacapaz de manler-ae com.revestimen-
to algam.
Essa difficuldade, foi superada pelos agentes da
companbia do seguinle modo: Abandonou-se a>
perfurago da galera, cavou-se no seu-chao ara
pogo, qua se deeceu al anconlrac. o rocheio-, e
perfuiou-ae nelle urna galeria eorrespondeudo
verticaXmenle& abandonada, l'roiongou-se a>no-
va galeria al ter-s* passado a dapresso do. ro-
chedo e se sachen toda a escavago com pedra
quebrada ; depote de alguns dii3.voltou-se ao. ata-
que da galeria abandonada : a galeria inferior,
obrando coraoumdrain, havia-dessseesdo. a lama
que exiatia na depresso da rochedo, e ple-se
execular ento a escavago sem grande difficul-
dade.
Urna medida, a que se dava muita importancia
no tnel de Latrape, era a exeeugo immediata e
a conservar o de um reg no chao da galeria de
ataque. Esse reg era forrado e coberlo com ta-
boas, e, alm de seavir pira o escoamenlo daa
a Mr. Doral, engenherro do distrfeto, e a slr,
Roux, chefe de secgao em Latrape.
Tnel d*Mnlplaisir.-
0 tuoel de Hontplaiair, o maia importante dos-
-'o luneM da linhi de- Brivet Co-pdaatM, lanto-
pela sua eateosao como pela difficulnate de ina-
perfurago, era aberto para urna ij i, em linha
recta dt06O metros de comprmeme- com urna-
rampa ae V,004, si>iado de Btire .para ^Cap-
denae.
O terreno que esse- tnel atrav-ess i formado-
porum gres muito interoeeiado de-be*ces desei-
xos rouges. A quaolidade exlraardinaria d'agaa
qae sargia de todos ospontos d '.une-1. foi o prin-
cipal obstculo que apresenlorse ena aua exe-
eugo.
Alm disto, o rochedo muito- duro e-xigia minan
de 0m,40 em 0m,4O> para sua sxtraeto, o noa
pontos em qae se encontravara oa baracoa de asi-
ros rolados o trabalho da mina- era snpraticirel,
por nM se poderera abrir os orificio par a col-
locago da plvora : a escoraoo s fazia entie.a
picoreta com grande lentido.. A plvora era sera-
pro empregada para nao a molatar, em cartu-
cboa de panno ou de papel ale*tro-ido.
Era algans pontos o esabs*a$3 oceasionados
pela agua e pela-dureza da rocha foram tiea-que
durante um mez a,galera de ataque avang.en.s6-
manle de oito.metros, trabalhando-se noemtanlo
24 horas por da com quatco turmas de raineiros,
por nao ser possivel faz-loe permanecer por mais
de seis horas em um lugar osa que se eiiva- ro-
deado d'agaa por lodo oa lados. Era, am dos
pogos chegou-se a exirshir por hora com ama
bomba movida por um locomovel e cam doas
grandes baldes elevados pela machina a vapor
de servigo do pogo 32. metros cubicos.d'agua.
O ataque desse tnel foi feito por seis pogos e
pelas testas. O terceiro pogo, a ciclar da testa
do lado de Brivej, Coi sbmtonada.por cwsa da
quanlidad* exUaocdinaria de agua, que nelle se
eocontrou, para substilui-lo, muito hbilmente
aproveitaram os conslructures desso tnel de
urna grus que exista de um dos ladea ds mon-
laahi. Abriu-se urna galeria. lodo dessa gruta &
galeria de ataque, estabelecea-se neisa um plano
inclinado, e na gruta um manejo para elevagn,
daa terrai.
(ConrMMiar-se-Aa.) .
ir dentro.aruia ape-
e*fgr^|y
Ah I la julgas que agora que me nasce-
ram os denles do sir?I perguntou o pobre Xi-
co, eslendeodo-se sobre um dos bancos do ter-
rado, e olhando para mim com urna cara apaler-
mada.
Novas gargalhadas Ihe responderem.
Olha, Xico,disse-lhe eu,reprimilo agran-
de vontade qoe ainda tinha de me rir. Estou
muilo aborrecido boje, e preciso distrihir-me.
Fica para passsrea estes dous ou tres das com-
nosco. Jorge prometteu me vir aqui para casa,
dorme no meu quarto, mas sbi anda ha lugar
para arran]sr-te.
Apoiado 1 dormiremos todos (res de soce-
dade.
Sim?
Has.... mas.... tres din?.... e i roups.
Que roupa ?!.... Ah I sim : mando bus-
ca-la palo moleque, e prevenir ao mesmo lempo
o doutor.
Demais fless por emquanto msis petto da
tui nsmorada.
Qual na morada ? 1
Ai I meu Xico I faz*-te sonso.
Mas, qusl? palavra que ne entendo.
Nao s tu meu substituto?
Eu, leu substituto ?!....
Sim, meu smiguiobo; junto D. Leopoldi-
na : aquella que te roubaale.
Hornera eu nao te roabei; mas dii-me : el-
la disse-te que gostsva de mim ?
Ah I ah I ah I ento julgas que te poderei
servir de pan de cabelleira? Nao sejas tolo I
Vamos: ficas oo nao ficas?
Fleo.
Ora, gricss I
Pois nto st logo, mea charo Xico; fica
conrersando com Jorge, que en roa tratar de
cerlos negocios.
Nao senhor; nao consinlo: dissa-me Jorge
chegando-se para mim.
Como ? I perguntei-lhe.Porque ?
-a Por qae ebegado apenas ha pouco lempo,
j passas ama ooile inteira fra da casa, 6 reco-
Ihendo-te i seis horas e meia da ouuha, j
qaeres torasr s sabir immediatamente, deixando
teu bom lio a espera para almogar; isso muito
feto |
Has.....Ora, rse bugiar I relorqui contra-
riado.
Nida, nao senhor; nao consinlo; tornos
repetir. Escusas de me fazer essa careta; aabes
que sou teu amigo.- tem por lano paciencia.
Que remedio I
Acredita-me que nao perdes com a demo-
ra; demais eu prometi sjudar-te, qaando de
mim precisares.
Que charada eslo roces ahi fasendo, de
que eu nao entendo urna pitada ?
E' um projecto para fardar e enrabichar to-
dos os macacos; mas nao fagas caso;
Xiquinho se tu amares
Os cabellos cor de ouro,
Nao zumbas como bezoaro,
Etroagaodo nos ares.
Que daa rosas a mais bella
Tem guarda atrro e feio,
Com nariz de palmo e meio,
Agudo que nem aorela.
Nelle podes te espetar
Se tiverss corago;
E se tures toleiro
Sers posto a defamar.
Vamos ao tea quarto, Julio; aoles qus nos
chamem para o almogo.
Dizes bem; alm de que daremos mudar
de roupa.
Vamos.
XXVIll
Apezar de todas as pooderages de Jorge, nao
me foi poisivel refresr a impaciencia em que es-
tar de rer Laura qaanto antes, pera com ella me
explicar.
Essa impaciencia se me tornara tanto mais u-
residirel quando eu sabia que Laura gosiava de
passeir pelo sillo todas as msnbs, posto que
j fosse am poaco tsrde, eu espersra ainda en-
contr-la, e ter bastante lempo para estar de rol-
la em casa antea da hora em qua coslumaramos
sanlar-oos mess do almogo.
sitio em qae ella resida, e lomando por um ata-
Iho qae exista direila da entrada da frente, en-
trei por ama brecha praticada na cerca ; oihando
atienta a acetosamente para todos os lados.
A miaba espedago nao foi de looga durago,
a dentro em poocoa matantes divizei Laura, que se
diriga para easa ; ca aonando por baixo das co-
padas mangueiras e otizeiros, que asiombrea-
ram aqaellea lugares com ss suas verdejaoles e
luxurlosas fothegens.
Ao ver-me, assim de repente, 'psrou : o mais
Ieogragado sorriso eotreabria-lhe os rosados la-
bios e as laces toroaram-se-lbe por um momento
da cor da romas.
__ J ? 1 disse-me ella com um modo faceiro.
Nao me esperaras ou nao desejsras rer-me
locedo? perguotei-lbe apartando com iodisivel
anciedade a mo, qua ella me estendera.
V. taba que por mim a sua preseoga sem-
pre desejada ; someate nao o esperara neste mo-
mete.
Para ver-te nunca cedo para mim, e da
mesma forma dererias pensar qusnto tas ps-
eos. .. ,
Meu Deus, Julio I que tem V. hoje ? I Se-
paramos-nos hontem noute to satisfeltos am
do outro I....
Ah l porque Ju nao sabes que de tormen-
tos, que de efflicgss lenbo en curtido de ento
psra c l Levei a uouia toda acordado e oeste
mesmo momento em que te fallo, ainda nao sei
se sooho oa resudado o aperlar-le essa mo
entre aa minbas, a oarir as doces e melodiosas
patarras que. sahem d'eotre os teus labios 1
Mas, que isecedeu, ento? I
Liara,tu amas-me; oo rerdade?
Se o amo 1.... nlo tem V. disso pro vas
bastantea ?
Oh I maa dize-me ainda urna vez.... repe-
te-m'o, para que eu possa afinal aocegar.
Poli bem, sim : amo-o; rotorquia-me ella
em tom brere e fulguraodo-lhe os olhos ao fazer
esse esforco. Sim, amo o j qae V. me obriga
corar tantas roses, repetindo essa perguota,
eonfesio-lhe que o amo perdldsmente a mais do
ultimo amor ; a realiiago de lodos os meas
sonnos, de todas ss minhas aapiragea de aXici-
dade e rentara; am V., smenle em V.t resido
todo o meu porrir c na lerri I Est stiisfait?
Goncluiu, senlando-sa commovida em um pe-
queo e rustico banco do pu, qua havia. ala aob
aa arvorea.
Ento, dlse-raa; como vaes casar eom o
commendador Feliciisimo? perganiei-lhe des-
apiadadamente e sem reflectir.
Eu cas&r-me com o commendador I excla-
mou Laura admirada e attonlta. Como pode V.
dizer isio ? 1___scredita que eu o fizesse ? I
E como nao o hei de dizer, se todos m'o r*y>
petem continuadamente ? I Como nao o hei, dn
acreditar, se st mesmo dizem que elle j te. pe-
diu teu pse e que o casamento j se schs ajus-
tado? I....
) E" falso I
' Ento, alie nao le pedia s lea pse ?
Nao sei; qusnto, porm, estar o casa-
meoto ajastado, a (Bango Ihe que mentira do
quem Ih'o diste ; pslo menos eu seria a primeira
em sibe-Io. Oh l Julio 1 conlinoou ella eom am
modo sentido, V. forms muilo mi opnio dos
mens lentmentos I Ea cesar com semelhmte ha-
mem !... um velhoque poderis ser mea aval...
pois V.acredita nisso?!....
Has.... porm.... aoodizem por ah pu-
blicamente.... '
Poia falso. V. ia deserta saber qae to
mexericos e intrigas. Juro-Iba que o commen-
dador nunca me falloo esa casamento ; afflingo-
Ihe mesmo que elle nem pens em semelhiola
cousa. ,
__Oh I se pensa I Laura i Laura I acredita-
me : elle aua-te, ae que tal ante poseue cora-
gao pira oonhecer as arrebatadorasjsjjosaveaemc-
gesdesse ioexplicavelseolimenloTEUequer-ie ;
elle pensa em ti, se j se nio deelersra essa
retpsito, oo tardar em fsze-lo.
(CorUinuar sslW.J
Assim, iproveitando de um momento favora-1 que tuo o que tenho amado at hoje. Nao foi
re, consegai sempre subtrshir-me amlgarel | Y. quem primeiro fez palpitar o moa corago de
vigilancia 49 Jorge, a rJltigi-me correado parqdoncellaTU... Amo-o; V, 0 Pllm*"0
P*1N. TTP. DS Ha f. DI F.RlA FllHQ.tWa.
.*-*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EA9S4ES1L_UKGJK6 INGEST_TIME 2013-04-30T20:09:09Z PACKAGE AA00011611_09932
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES