Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09931


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AIIO XXXVIII. IOMEBO127.
**4>
* t


|w tresn)i8iaata4MMv.
Pr tre m.zcis Teicid.* 6J00G
TERCA FE1IA 3 DE JOMO DE
Pr ibho dilatado 19|00O
Porta fraaca tan a ibseritor

DIARIO DE PEMAMBICO.
'
RREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahybs, o Sr. Antonio Altxan jrino de Ll-
tal, o Sr. Antonio Marques da Silva;
HrSr. A. da Lemos Braga; Ceari o Sr.
J. i da Oiireira; Maranhio, o Sr. Joaquim
P Rodriguet; Para, Hanoi 1 Pinheiro &
C; i tazones, o Sr. Jerooymo da Costa.
REGADOS DA SDBSCRIPCAO DO SOL
. o Sr. Claudino Falsao Eias; Babia
o Sr.7os Martins Airea; Rio de Jineiro, o Sr-
Joio Pereira Martin*.
ENCAR
PARTIDAS DOS CORREIOS.
Olinda todos os dias ss 9)4 hora* do dia.
Igaarass, Goianna, Parahyba as segundas
e aextaa-feiras.
S. Antio, Bexerros, Bonito, Cantar, Altinho
Garanhnna as tercaa-feiras.
Po d'Alho, Nazareth. Limoeiro, Brejo, Pes-
qeeira, Iogazeira, Flores. Villa-Bells, Boa-Vista,
Ouncury e Ex nssquartas-feiras.
Cabo, Serinhaem, Rio Formoso, Una, Barreiros
AguaPreta, Pimentelras a Natal quintas feiras..
(Todos os crrelos parten ss 10 horas da manhaa
EPHEMERIDES DO MEE DB JUNHO.
5 Quarto crescente aos 2 minutos da manhaa;
12 La cheia as 3 horas e 35 minato da man.
18 Quarto minbante aoa 31 minutos da tarde;
56 Lia ora as 3 horss e 35 mnalos da tarde.
PREAMA1 DE HOJE.
Primeiro as 8 horss e 30 niatos di tarde.
Segando as 8 horas s 51 mnelos da manhaa.
PARTIDA DOS ViPOSlRS COSTKIROS.
./' S Alagoaa I 5 SO; para o norte
st a Granja 14 19 de cada mes.
PARTIDA DOS OSOUBOS. ,
J Hie: oApipueo as 61|2, 7, 7 1|2, 8
e.8 1|9 da m.; de Olinda a 8 da m. e S da t.; de
Jaboatao s 6 i|2 da m.; do Casanga e Varxea
aa7 ds m.: de Bemfica s 8 da m.
4 ll2, 5, 5 Ii4, 5 1|2 e 6 da t.; para Olinda Si 7
i M2 da t.; para Jaboato s 4 da t.; para
o (Mi Forseo s 4 1,2 4a t.; para Btmfca
as 4 na t.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES YO CAPITAL.
Tribinal do eommereio : segandas a quintas.
Rslagio: tercas e sabbsdos s 10 horas.
Paseada : qaintaa s 10 horas.
Juixo do eommereio : segundas so mel dia.
Dito de orphioe: tercas o aextas s 10 horas.
Primeira Tara do rival: tercas a axtas a o malo
dia.
Segunda rara do eivel: qaartas a sabbsdos 1
hora da Urde.
DAS DA SEMANA.
Segunda. S. Erasmob. as.; S. Marcellioe m
Terca. S. Ovidio b.; S. Paula t!bs S 4Wit.
Quar.a. S. Franci.co C.r.coi; 8.ftfL. '|V
Quinte. S. Mariano m. ; S. Boeieiel L
Sexta. S. Norberto b.; S. Anuncio.
Sabbado. S. Roberto ab. ; S. Licariio,
8 Domingo. Paschoa do Espirita Santo.'
ASSIGNA-SE
a livraria da praga
Os Srs. assignante:? deste
Diario na provincia do Para
queiram mandar aproientar
seus recibos aos Srs. Manoel
Pinheiro daquella provincia, iifim de
nao soffrereui inlerru peo na
recepto dos Diario;?.
no Recife, em a lirraria da praca da ladapea
denela ns. 6 e 8, dos proprietarlos Manoel I ni.
roa de Paria 4 Filho.
MRTE 0FFICIIL
GOYfiRB.0 DA PROVINCIA.
LE N. 521.
O bacharel Manoel Francisco Corris, presi-
dente da provincia de Pernambuco.
Faca saber todos os seus habit jtes, que a
asssmbla legialativa provincial d.iretou e eu
sancciooel a reaolugao seguinte :
Art. ooko. O territorio doengenl) Tabalinea.
compranendido entre o riacho desle nome e o
denominado Papa-onga, actualmeoli da frejrue-
zia de Ipojoca, fica pertenceodo c> Cabo ; re-
vogadea ss dlsposiges em contrario.
Mando, portaoto, a todas as autoric des quera
o conhecimento o execugio da presente resotugo
perlencer, que a comprara e fagam cumprir. to
le como nella ae contera.
K provincia a faca iitprimir, pu-
blUsrf correr.
governa de Pernambaco, 28 da maio
Begesimo primeiro da independen-
cia e do imperio.
Mano ti Francisco Correia.
Selladle publicada a presente resolugao nesta
o governo de Pernambuco, em 28 de
maio de 1862.
Joo Rodrigues Claves.
egistrada a fia. 133 do livro 5o de leis pro-
Tlnciaes.
: do gOTerno de Pernan juco, 28 de
taaio de 1862.
aTorunao da Silvu Neves.
no caso sugeito
medrarlo; ernt
aoinesmo lempo
Expediente do dia 30 le malo
i de 186.
Offlcio ao brigadeiro commandanle das armas.
>irva-se V. Exc. de determinar (ios quarteisvi iu como
nutres dos batalhoes 2* o 9* de infantaria que 'Precede, se
ao receber no arsenal de guerra o objectoa '
sajara sendo este 50 correames e qaelld igual no-
asero de ditos e livros Offlciou-se ao director
arsenal de guerra para faxer a entrega dos ob-
p'ajajjl
Dito so mesmo.Sirva-se V. Exti. de mandar
pdr a disposico do Dr. chefe de pocia o recru-
ja Jos Bsrreto de Saal'Aoas.
Dito cmara municipal do Calo. Devendo
proceder-se no dia 6 de julbo vindcuro, qae pa-
ra isso designo, a eleicao de um di jutedo ss-
sembla geral nesse terceiro districto eleitoral,
por ter aceitado o cargo de ministro e secretario
de estado dos negocios da agricultaia, eommer-
eio e obras publicas o conselbeiro aolonio Coe-
lbo de Si e Albuquerque, reeleito um 20 de ja-
abo do anoo paseado, recommeodo n eamsrs mu-
nicipal da villa do Cabo, que, nos turmos do avi-
so n. 12 de 11 de Janeiro de 1849, expeca com
toda a brevldade aa convenientes ordene ao jolz
de pax dessa freguezis, sfim de qui coovoque os
respectivos eleitores psra o colli.io eleitoral,
que deva reunir-seno predito din 6 de julho
no mesmo edificio designado pela circular desta
presidencia de 19 de dezembrode 1I60, con rindo
, para que
sejam presentes ao collegio eleitoral os livros
das actas das assembles parochla;s, conforme
determina o artigo 67 da lei de 19 de agosto de
1846.Offlciou-se ao mesmo senliio e todas as
cameras muoicipaes do terceiro cistriclo elei-
toral.
Dito ao inspector ds tbesouraris le fazenda
Na leitura do offlcio do brigadeiro commandante
das armas dstado de 28 do correntt, sob n. 1,071
Junto por copia, encontrar V. S. > aolucao' da
davida proposta em seu offlcio de 19 deste mez,
sob o. 437, se echando-se nests capital em sen-
sivel dedinaQo a epidemia que ocla reina, de-
"vs cessar desde j o augmento da otape manda-
da fornecer aa praess do exercito existentes nes-
ta cidsde, por occasiao ds invaso :esse mal.
Dito so mesmo.Estando em termos os ioclu-
fis documeotos, e havendo crdito mande V. S,
agar a Simplicio Jos de Mello conforme re-
quisitou 0 commandanle superior ( i comarca do
Brejo, em offleios de 4 de abril e 5 de maio des-
te anoo a importancia dos veocimutos relstivos
aos mases de margo ultimo e abri. j citsdo dos
guardas nscionses destacados naquella villa.
Communicou-se ao commandanle superior do
rejo.
Dito so mesmo.Commanico ''. S. psra seu
conhecimento e direceo que, sega;do decarou-
na o brigadeiro commandante asi armas, con
referencia a parlicipacao quelbefi-era o director
do hospital militar, fra admittido como enfer-
xneiro naquelle estabelecimenlo o paisano Jero
cymo Ferrelra da Silva.
Dito ao mesmo.Recommeodo V. S que
mande pagar a Simplicio Jos de. Helio conforme
solcitos o commandante superior Ja comsrc do
Brejo em offlcio de 8 de abril ultimo, os venci-
mentos relativos aos mazes de Janeiro a marco
deste son, do corneta dobatalho i.35 da mes-
jma guarda nacional Simplicio Gomes Pereire,
". que baja crdito pars eiss despeza e
irmoso pret junto em duplicis.
sesmo.Annuindo ao mandante das arrisa em offlcio
B. 1090, recommen.'o V. S. que
,or notes de pequtsos valores a
7:100000 em cdulas de 50*000, qae
-i ser apreseotada pelo alteres do
Ci desta provin:ia Jos Lon-
_. ss quaes sendc remetiidas
aarsria para pagamento dos veoci-
ijuelle corpo nao poderain isr troesdas
k "*r #c* foram d '' devolvidas
|t 4o cfJido offlcio.
. Ilao do porto.Sirva se V. S. de
3r em berdaJe o recruta Sebastiao Ro-
osllio que Ihe foi apreaontado com o
i te9di correnlet ,l1" '' Pfovado
legal. Communicou-sa ao chefe de
trimomo dos orphios, servindo de bsse a esss
arrematado o orgemento e clausulas constantes
das copias juntas e que pars isso me foram re-
mettidas pelo director da reparticao das abras
publicas com offlcio de 27 de marco ultimo
n. 56.
Dito ao director do arsenal de guerra.Decla-
ro V. S. que slm da pintara mandada faxer
por offlcio desta presidencia de 22 de abril ulti-
mo em algumas mochilas e esntis perteoceotes
ao 2* batalbo de infantaria, devem todos os ob-
jectos ser concertados conforme solicita o briga-
deiro commandante das armas em offlcio de 28
do cbrrenle, sob n. 1069.
Dito ao mesmo.-Mande V. S. sstisfszer o in-
cluso pedido de livros para a escriptureco dos
recrutas em deposito a cargo do 2a baUlbao de
infantaria como solicitou o brigsdeiro comman-
dante das armas em offlcio de 7 do correte sob
n. 915.
Dito ao mesmo.Fags V. S. recolher a esse
arsenal 250 espingardas do adarme 17 com bayo-
netas, igual numero de bainbss destsi e 19 ca-
padas de azeite de carrepato, constantes das notas
juntas sob os. 1 e 2 visto nao serem esses ob-
jectos necessarios ao 2* batelho de infantaria,
segundo declarou o respectivo commandante.
Commooicoa-se ao commandante das armas.
Dito ao commandanle superior da guarda na-
cional do Rio-Formoso.Tendo a presidencia
por offlcio dirigido a esse commando superior
em 7 de dezembro do anoo prximo passado
mandado reduxir a 12 o numero de pracas do
destacamento de guardas nacionaes da villa de
Barreiroa, acontece qae no mez de jaaeiro ulti-
mo tirou-se vencimentos para o meamo desta-
camento na razo de 16 pracas como se v do
pret quo devolvo em duplcala, e que veio an-
nexo ao offlcio de V. S. de 8 de fevereiro prxi-
mo findo. Sirva-se V. S. de mandar reformar
neste sentido o mencionado pret^afim de poder
ser pago segundo declara a thesouraria de fazen-
o? aua ioform*?ao de 13 de margo sob
o. 199.
Dito a cmara municipal do Recife.Em so-
lugao a duvida suscitada em seu offlcio de 28 de
abril ultimo,se teodo fallecido o juiz de paz
primeiro votado da fregueziade S."Prei Pedro
Gongalve desU cidsde ja a fiodar-ae o anno Ae
sea exercicio, pode o cidadao eleito em aegundo
lugar exercer asfencgdes daqaelle csrgo no pre-
sente anoo, segando deste quatriennio de-
claro a cmara muoicipal do Recife qae es
tabelecendo o aviso de 12 de Janeiro de 1856,
que o juiz de paz immediato em votos sue-
9 como propietario do lagar ao qae lhe
Commando das armas.
Quartel-general do commando das
armas Je Pernambuco na clda-
de do Recite em 31 de maio de
186*
ORDEIf DO DIA N. 87.
O general commandante das armas determine,
que do dia 2 de janho vindouro se pesie revists
geral de mostra aos corpos movis do exercito e
companhias Isoladea existentes nests guernigo
em seus respectivos quarteis pela ordem ae*
guite:
As 6 horas da manhaa a companhia de artfi-
ces ; as fie X compsnhia fixa decavallsria; as
7 ao 7* batalbo; as 7 X o 2* ; as 7 3/4 so 9\
todos de infantaria e finalmente ai 8 ao 4 bata-
lhao de artilberta a p.
Assignado.Soidonto /os Antonio Pereira do
Lago.
Conforme. Jos Francisco Coelho, capillo
ajudsnte de ordens encarregado do detalhe.
i* de junho.
ORDEM DO DIA N. 88.
O general commandante das armas, determina
que nesta data fique desligado do 2 batalbo de
infantera ao qaal est addido, oSr. capitio do
1* da messoa arma Pedro Alfonso Ferreira que
segu para a provincia da Baha a reanir-se ao seu
corpo.
O mesmo genersl faz publico para o fins con-
venientes qae segando eoostou do offlcio do
Exai. Sr. ajudente general do exercito datado de
20 de maio ultimo, foram remettidas a theioura-
na de fazenda desta provlocia as patentes dos
Srs. officiaes abaixo mencionados, que podem ser
all procuradas.
Corpo de estado-maior da 2* claase.
Capitio.Jos Ignacio de Medeiros Reg Mon-
leiro.
Dito.Luiz da Frange de Csrvalho.
Tenente. -Alexandre Augusto de Fras Villar.
Corpo de saude.
2o clrurgiao.Dr. Gustavo Bslduioo de Mours
Cmara. i
Repartigio |ecclesisstics.
Cspellaoteneote.Padre Antonio da Cunha
Figasuedo.
Assignado. Solidonio Josi intonso Pereira
ao Lago.
Conforme. Jos Francisco Coelho, capillo
ajudante de ordeos encarregado do detalhe.
e a vaga qae se der resultar, como
Jgeito. da mpediavetMo qae nio s-Ja
a bao podando um jutz de pez servir
como proprietsrio em2annos
d#ereote segue-se que, em relag&o a bypotbese,
fe que ae treta, eve servir durante o enoo cor-
tente o 3' juiz de paz, segando a ordem da vota-
gao, o qual se tornou proprietsrio do segundo lu-
gar por morle do msis votado o padre Josa Leite
Pits Urtigueirs. A fslts de exercicio em todo ou
em parte do anno respectivo dar-se-ha sempre
para alguna dos juizes de paz, sea vaga que
subvier fr de um msis votado, que j tinha como
proprieterio exercido o cargo nao podendo este
fado a que se soccorre o jutz de psz da referida
treguezia eleito para o segundo aoao servir de
embarago a decalo ora dsda, visto ser ama con-
sequencia necessaria do principio estabelecido
no citado aviso.
Dito ao Dr. Gustavo Balduioo de lloara a C-
mara. Transmitto por copia Vmc. o offlcio qae
em 24 do correte me dirigi o Dr. Joio Ferrei-
ra da Silva, membro de commiasio central de
soccorros mdicos recoaamendo-lhe que satisfaga
na porte que lhe toca o qae lhe requisita, com re -
lagio esse termo e ao de Caruar. onde Vmc.
esteve.
Dito so inspector da saude publica.Mande
Vmc. preparar urna ambulancia dos remedios se-
guintes: 6 garrafas de oleo de ricino, 6 oogaa de
ipecacuanba em p e 12 vldros pequeos vasios,
aflm de serem remettidos psra a villa do Brejo.
Portaris.-Os Sn. agentes da companhia bra-
sneira de paquetes a vapor maodem dar trans-
porte para as Alsgoss por conta do ministerio ds
guerra no vspor que se espera dos portos do nor-
te, s pragss do corpo de guarnigao desta pro-
vincia constantes da relaglo junta por copia, bem
como ao segundo cirurgiio do corpo de sade do
exercito Dr. Abrshio Bruno da Cmara, que val
tomar coota da enfermarla militar de Tacarst
levando comsigo urna ambulacia.
Dita.Os Srs. agentes da companhia brasilei-
ra de paquetes a Tapar mandem dar tranaporte
psra a Babia, por conta do ministerio ds guerra,
?.TwP.Lque "8 Mpera d0 norte. Dr" *
10 batalbo de infantaria, constantes da relsgo
nominal junta por copia.
Dita.Os Srs. ageotea da companhia brasileira
de paquetes a vapor msndem dar passagem para
a corte, por conta do ministerio da gaerra, no
vapor que se espera do norte, aos soldsdos Ma-
noel Domingues Professor e Antonio Francisco de
Oliveira.
Dita.O presidente da provincia usando da at-
tribuigao que lhe confere o art. 7 da lei de 12 de
agosto de 1834, resolve prorogar at o dia 9 de
junho prximo vindouro a presente sessio da as-
sembla legislativa provincial.
Dii*;T PreWente da provincia, altendendo a
que fallecido Manoel Joaquina Gongalves Lessa,
eervenluario do offlcio de pertldor do geral a do
juizo de orphaos do termo desta cidade, e aoque
nformou esse mesmo juizo em 16 do mes pas-
eado e 13 do correte, resolve que em execugao
a Sese1 tile' Pr0Til >. 504 de 29 de maio
de 1861, najam someote doas partidores no ter-
mo desta capital com atiribuigdei cummalativas
tanto nos j alzos do civcl, como no de orphios
Despachos do dia 30 de maio.
Requtrimentos.
o Sr. ini-
d conveniente destino .leple le ioi-
peccionsao.
o so inspector da thesourari. provinclal.-
S. por em hasta publica confo me io-
WJ, es reparos de qae precisa a i isa do ai to n
1 ds estrid.do PsrtMeirim, pen ,%p,D;
EXTERIOR.
Guimaries 4 Aleoforado.Informe
peator da thesouraria provincial.
Joio Beptista da Luz.Opportuosmente ser
attendido.
Padre Jos Porfirio Gomes.A' vista da infor-
magao do Sr. commandante das armas nio tem
lugar.
Bacbarel Joaqun Theotonio Soares de Avel-
lar.Informe o Sr. inspector da thesouraria de
fazenda.
Jlo de Lima Freir.Informe o Sr. Dr. juiz
de dlreito da comarca de Nazareth, teodo em
vista o decreto de 7 da dezembro de 1861.
Jos Tarares de Medeiros.Opportaosmente
ser o suppllcsnte atteodido.
Manoel Joaquim Mauricio Wanderley.Op-
portunameote ser altendido.
Msooel Jos Dantas.Pssse titulo os forma
irlda.
Jos Meirs.Informa o Sr. Dr. juiz
do tormo do Limoeiro.
meuoei
requerida.
municipal
CORBESPONOBtarCIA. DO DIARIO DE PER-
NAMBUCO.
Porto 11 de maio.
A bella provincia do Hinho est entregue i
maia deadvoravel e madonna anarebia I
Os tumultos populares ali occorridos, e dos
qaaes nos compre boje dar noticia, sao, segundo
o nosso penssr.de sita significagio pollice. En-
ganam-seou pretendem engaar os ostros os
que_ lhe atlribaem mera espontsneidade popular.
Ha instigadores oceultoa, que a son tempo appa-
recerio, se isso Ibes convier e se tornar preciso.
Os tumultos de agora sio apenas, oussdas expe-
riencias pars msis bastos planos.... Cumpria cal-
cular as forgss com que, dadas certas circuns-
tancias, se poderia contar,sondsr os nimos, e
avahar a opiniio geral,e foi isto o que se fez.
O rotuloo paiz nao podenca deve pagar mais
nem tantosempre penlente as bandeiree das
diversss psrcislidsdei polticas, qusndo aspiram
ao poder, para dspois ser trocado, qusndo gover-
no, pelo dopoitpde e deve pagar mais,siada
urna vez conseguiu reunir em redor dessa aym-
pathica, mas engaosa legeoda, as adhesoes de
um povo pars o qusl as liges do passado de-
viam ter aervido de dura e cruel experiencia...
A fslta de justiga, a falts de equidsde na repar-
ttgao das contrbuiges, desgragadamente urna
Insle verdade, mss n'um paiz como Portugal, em
que a tribea e a imprensa sio llvres, e o direilo
de petigao est consignado no cdigo fundamen-
tal, cumpre primeiro esgotar todos os meios cons-
tituetonaes antes de recorrer Insurreigio, que
deve ser a altima razio dos povos, qusndo sub-
jugadus pala vootade forte dos despotas.
Um povo lio dcil, tio laborioso e dado ao tra-
balho, como opovo do Mlnho, cuja provincia
mais que nenhuma outra possue algumss bellas
estradas, nao recorrerla na actualidade revolta
sem que para isso fosse liudido, instigado por
promessas fallases.... F
Pelas 3 horas da tarde do dia 27 de abril en-
traram tumultuariamente na villa da Povoa de
Lanhoso uns 400 bomeos armados ds espingar-
das chacos, fouees, mschsdos, etc., dsndo vivas
a el-iei o seohor D. Laiz e gritando sbaixo os mi-
nistros e as leis tributarias, e fra os nevos pesos
e medidas.
No largo principal da villa dividiram-se os se
diciosos em tres turmas ; a menos numerosa en-
carregou-ea de tocsr oa fazir tocar rebate, e as
outras doas drigirsm-se secretaria da adminis-
tracao do conseibo e repartigio de faxenda, cujas
portas arrombaram, e aposssndo se indiitncta-
mente de quasia papelada que all exists a quei-
maram as russ. Os papis msis importaotea
das duas referidas repartigoes tinham sido postos
na vespera deste dia a bom recato pelos respecti-
vos administradores do coocelho e escrivao da
fazenda.
Reunidas ss duss turmas de sediciosos, e nio
sslisfettos com os attentsdoa j remettidos foram
a casa do recebedor da comarca e exigiram-lhe
com smeacas a entrega dos papis relativos
cootribuigao industrial, qae igualmente entregs-
ram s cbammss.
Oa administradores do concelho, o jais eleito, o
0 escrivao de fazenda, apezar de procurados ^nor
esta populaos desenfreiada, nio appareceram. O
administrador e o escrivao chegaram a Braga f-
gidos na tarda deate dia. B
Jah! BtoI'm-ae iguaes. senio msio-
res disturbios em Gaimaries. Foram os mesmos
smotinadsres ds Povoa de Lanhoso, que come-
guindo reunir no transito dests villa aquella ci-
dsde mais alguns turbulentos, ahi eotrarera em
desordenada revolta s 4 horss da tarda do dls
28 em numero superior s 500 bomens.
O espectculo foi pavoroso, diz o Vimaranense.
jornal da mesms cidsde : os sinos a rebste, aavo-
zes dessompostas da populaca feriodo-se nos sres,
clamando contra ss vexages tributarias do go
verno, eolregaram esta cidade por espago de bo
ras desordem e ansrehis I Se nao houveram
victimas a lamentar, se a propriedade individual
foi respailada, deve-se a ndole deste bom povo,
e aos esforgos de alguna Individuos,. qae com o
sacrificio da sua propria existencia, se confun-
daos entre ss msssss para applacar as iras popu-
lares. Urna voz nica que se levantaste de ex-
terminio, que detgragas nio snccederism I
Os revoltosos rspetiram em Guimariea idnti-
cos attentados os que tinham commettido ns Po-
T?,de L,nho- Cbegsdos praga doToural dl-
vidiram-ie em magotes, o dlrigindo-se simulta-
1 osaaente i tarros dsi igrejii, obrigaram os II-
neir2ti Mr r*ite' Arrombsrsm a golpes de
mf i ? ** porU* repariigoes de fazenda e
adminislraco do cooselho e nteramos costuma-
dos autos de fe a todos os papeia qae pilbaram
depois de oaterem examinados.
Coma nao tivessem encontrado as matrizea fo-
ram os desordeiros em estrepitosa voteria a casa
do essf|vaokea fazeada, a entrando pela porta
dentro, laagsaem pelas janellas todos os papis
que encontraran), queimando- os em novo auto de
. As matrizea tioham sido maodadas no dia
anterior para Braga e o eaerivio de fazenda e a
sua familia eslavam em asylo seguro. Fizersm
diligencias para o encontrar, e, seguramente, se
lhe lvessetn descobertoa guarida, leria sido vic-
tima da exaltagio da populaos, que furiosa bra-
davamorra o escrivio de faxenda.
Dirigiram-se cssa da cmara, e obrigaram
um empregado muoicipal a abrir-ih.es as portas.
Quena m lodosos livros e papis, e com especia-
lidade os que dissessem a respeito ao recruta-
meDto, declarando que respeitariam os livros dos
expostos. a muito cusi pode alguem dissuadi-
los desle propoiito. Anda sssim arrombaram a
porta do quarto da afferigio dos pesos e medidas,
e destruirn todo quel encontraran!.
Eniraram as lojas de mercearlss capelistas,
etc.. que ram abertas, e quebraran! as moder-
nas medidas e levsram comsigo os novos pesos,
que foram laogados pelos sediciosos n'um pogo.
Dirigiodo-se esdeia tentaram aoltar os presos,
pora> cedersm s reflexdes que alguos indivi-
duos Ibes liierara.
Finalmente, ao anoutecer, depois de terem pro-
curado infruclosamente o administra3or do coo-
selho para quelhes dissesse onde estavam as ma-
trizea, alguos cavalleiros respeitsveis de Gaima-
ries conseguiram que os amotinados se relirassem
psra saai casas. Prometieran voltar no dia im-
mediato,;29, o qae, provavelmeote, nao Qzeram,
porque neste dia chegaram a Guimaries um des-
tacamento de 40 baionetas de infantaria n. 6 de
qusrtelem Braga, eoutro de cegadores n. 9 de 60
baionetas, sabido do Porto no dia anterior.
A villa de Barcelloa foi tsmbem, no dia 4 do
correte, thealro de deploraveie excossos do po-
vo das fregaezias rurses. No 1* do mez, dis de
feira semanal na villa, notoa-se grsnde influen-
cia de gente das aldeieaenma certa effervecencia
poucocommum nosaldeies.
Nao bouve, porm, occarreneia notavel at
tardo de 3, dia da feira annusl, coohecida pelo
nome de feira das Gruzes, que cosame reunir
muito povo. Comegou o molim no circo na oc-
sasio em que urna companhia ambulante deca-
vallinhes dsva espectsculo.
Aos gritos deviva al-rei o Seohor D. Luiz,
morra o escrivao de fasenda e abaixo os tributos
foram quebradas as bancadas a aa trinebeiras do
circo, repentina mente toi invadido por mul-
los lavadores que eslavam na feira. O admi-
nistrad* do coocelho oonseguio acalmar oa ni-
mos, e e> motim nio pasaou de dentro do circo.
A manijas do dia 4 corren tranqaillameole.
Poaco depois das 3 horas da tarda eotrou na villa
um grupo de 100 homens mal armados com um
tambor ns frente, e que na sua marcha guardava
urna talou qual ordem. Era seguido por basta-
le povo das frejcuezias contiguas a Bircellos, e
-que se tinham reuuido em Gamil.
Dirigiram-se repartigio de fasenda e queima-
ram os papis que ali encontraram.
Paassram depois cssa da cmara, e como lhea
nao dessem as chaves arrombaram as portss a
machsdo fizeram outra fogaeira de toda a pape-
lada, e apoasando-se dos oovos pesos a medidas
que encontraram na casa da afferigio, e de-algune
mais que recolheram naa lojas, que por impru-
dencia estavam abertas, foram deita-los ao rio.
O Sr. Cunba Osorio, redactor do Barcellense,
loi insultado emaua casa. Nio lhe destrulram a
imprensa porque, parece, que alguem se inters-
sou nisso. Na sua ultima folha tinha fallado con-
tra a rebelliio e anarebia. Desde eolio nio tor-
nou a publicer-se o Barcellense.
O sdmioistrador do concelho, apezar da sua
muila popularidade entre os seas administrados,
e dos meios suasorios que empregou psra eonter
os excesaos de populaga exaltada, nicamente
consegaio, e nio foi pouco, que lhe respeitassem
a secretaria da admioistragao como de foito res-
peitaram.
Ao anoutecer abandonaram os sublevados a vil-
la. No camioho para as anas respectivas fregu-
zias forsm encontrados e desarmados alguns gru-
pos por um destacamento de 40 pragas do 6 de
infantaria em marcha de Braga para Barcellos.
Dizem uns que esses grupos se deixaram desar-
mar sem offerecer resistencia, e querem cetros
que fra preciso empregar a forga, fleando feridos
ire' ot ,10a*ro dos amotinados, e algaas solda-
dos. E ponto anda nio esclarecido. Parece-
nos, pelos sconteeimentos que se segairam no
da immediato, que o-faeto se passon sem con-
flicto importante, porque os sublevados voltaram
pelas 4 horss da tardado dia 5 a Barcellos e por-
taram-se com commedimento, o que nio teris
acontecido se o alludido conflicto da vespera ti-
vesse sido enssnguentado. O destsesmento do
6 formou no campo da Feira, e ahi se conservou
em respeito at que o ppvo sshio da villa, depois
de ouvire spplaadir urna allocugio qua o presi-
dente da muoicipalidede barcellense lhe dirigi
de umsdss jsnellss do pago do coocelho.
O poyo, no primeiro dia que veio Barcellos,
era capitaneado por alguos regedores I... Que ex-
cedente autoridade I
0 destsesmento de infantaria o. 6 recolheu-se
Braga no dia 6. Fez a marcha noite para evi-
tar eocontros.
A forga do mesmo regiment tinha sido desta-
cada para Guimaries. e que marchara depois para
a Povoa de Lanhoso, tambem voltoa a reunir-ie
ao corpo.
O regreiso destes destacamentos aquella cids-
de fot motivado pela grsvldade dos sconteeimen-
tos qae all se esto passsodo, e sob os quaes
mais psrs diante teremos de fallar, porque pos-
sivsl, o melhor diremos provavel que esses
scoolecimeotos assumam maior. gravidade, sa
Para Brga nio for mandado com brevidade re-
forgo de tropa, que do Porto nio pode ir, mas que
se espere da Lisboa logo qua o mar permita o
desembarque ns foz do Douro.
Coovm advertir que estsmos escrevendo ests
perte da nossa correspondencia no dis 8, e que as
noticias oeste dia recebidss de Braga sio lamen-
lavis.
Fojc ,e!Bbrar Blna n" Maris; da Fonte
em 1846,^e j muita gente chama aos motios po-
pulares d agora c Mana Bernarda fundada n'um
cont, nao aabemos se verdadeiro, de ter aido
una muiher com este nome, que na Povoa de
Lanhoso principiaram com na grosso fueiro a
arrombar a porta da adffltnistragio do cooaelho.
Referem, pois, as dltss noticias qae sio do dis
7, que qussi todas as povoages do districto de
Brega esto sublevadas.
Na cidade ouviram-se os sinos dss freguexiss
suburbanas tocar a rebata. Grandes msssss ds
povo apptreciam ao poente, no monta de S. Gre-
gorio, ao sul na Falpsrra, e no Bom Jess do
Moole.
Piquetes do regiment n. C oecapavam as en-
tradas principes* do Braga. As 6 horas ds Urde
do dito dia 7, pretenderam os sublevados pene-
trar na cidade pelo lado de S. Joio da Ponte, mas
foram repelltdos pelo piquete que ahi estacionsvs.
Dos hmeos do povo flesram doas mortalmeote
feridos.
Alm daa localidades que mencionamos, em al-
gumas outras partea da provincia do Minho tem
havido|pronuociamentos populares msisou menos
pacistcoa.
O Minho, como sabido, est dividido em doas
districtos administrativos, e estes em coocelhos.
Os dous districtos sio, o de Vianna do Castetlo. e
Braga.
E' oeste ultimo em qae a revolta hs tomsdo
proporgOes assastadoras.
Povoa de Lanhoso, onde primeiro appareceram
tumultos ; Guimariea, que se Ibessguio, e depois
Barcellos, sio capitaesda cooselho, e pertenceao
districto de Braga.
Na tarde do dia 6 entrou a popalaga em Villa
Verde, procurou o escrivao de fazenda para o
matar, e fez i papelada que eneontrou, o favorito
a lo def.
O administrador do coocelho, csvalleiro muito
respeitsdo pelo povo dsquelle concelho, achava-
se no Porto e so saber-se este scoolecimento,
parti immediatamente para Villa Verde.
No dia 7 os amotinadores voltaram Povoa do
Lanhoso, antes, porm de fazerem a sua entrada
dirigiram ao commandante do destacamento da
infantaria n.9, qae all estaciona va, a participa-
gio seguinte :
< Illm. Sr.A forga Popular earmada de este
concelho e de algumas fregaezss conbezinifas ss-
dirigema essa villa da Povoa Com os fiosunestos
de derivarem todos os papis que dizem Respeito
desordenada contribuido que he o flagelio do
povo, nio deaijando este povo o tender pesaos
alguma porque o seu desune tio someote de-
modistruir os papis ja ditos de baixo de coodi-
co que Viva o Rei e novos direilos abaixo sem
offenea de pessoa alguma. O que assim se com-
munlca a V. S. para oa dos convenientes. Deas
Guarde a V. S. Saoto Emiliio 7 de maio de 1861.
Illm. Sr. Capitio commandanle do deatacameolo
na Povoa de Lanhoso. Em nome do povo ar-
mado.
O administrador do coocelho permiltio-lhe a
liceoga pedida, com a condigio de nio fazerem
disturbios.
Eotraram na villa dando vivas ao Sr. D. Laiz I,
e tropa, mss pretenderam qae se Ibes entre-
gassem o resto da papelada que lhes escapara da
primeira vez que all estiveram ; queriam o auto
de iovesligsgao a que as sutoridades estavam pro-
cedeodo, e, finalmente, querism inutilisar oa
pesos e medidas do novo systems.
O administrador do concelho, procurou con-
vence-los de que nSo ers possivel sstisfszer a
lio disparatadas exigencias. Por flm tiveram de
ceder setividade enrgica do destacamento, qae
nio chegoa a empregar a forga, porque os amoti-
nados deixaram a villa.
Na freguezta de Soajo districto de Vienoa, foi
momentneamente alterada a ordem publicr.
A Aurora do Lima coota assim este sconteci-
mento :
< No primeiro do correte mez apparecoa na-
quella freguezia um individuo de fra della, que
nao s propalou a falsa oolicia de que se tinha
revolucionado quasi todaa as povoages da pro-
vincia do Minho, mas accrescentou, que bavia
quera desse tras cootos de res para a subeleva-
gao dos povos de Soajo, e mandn, por doas ou
tres emissarios, convidar varios hsbitanles da-
quella freguezia para se reanirera no adro da res-
pectiva iftreja, quando o sino tocasse a rebate.
Das 9 para as 10 hors da nolte comegaram as
fuocgoes do bsdalo ; e logo depois se achou reu-
nida urna porgan de bomeos, mulheres e rapazes,
que percorreram diversos sitios, at que se agru-
paran: no lugar do Eir, dando alguns vivas S.
M. o Sr. D. Luiz I, seguidos de grandes vozeriss,
era que diziam : < abaixo os novos direitos, eos
novos pezos os sapinbos, como elles chamam a
estes absixo o recrutamento, que queremos fei-
to pela lei velha.
c Este tumulto dispersou pela volta de meia
noite, mas na manhia do dia immediato repeli-
se o toque de sino a rebste, e aioda se reuniram
alguns grupos, entre os qaaes fot, segundo si diz,
pactuada a vinda a ests villa no dia de hootem.
Mal pensava elles, porm, que na manhia do
mesmo dia teriam entre si o honrado administra-
dor deste concelho, coja presenga foi bastsote
psrs coote-los, e psra os fsier entrsr nos seus
deveres.
< O respeitsvel magistrado spens levoa em
sus companhia o secretario da admioistragao do
concelho, e um offlciel de diligencies : tal a
conflanga que tem em si, e nos povos que admi-
nistra 1
Foram dous os fios a que se propoz : evitar
oovos alvorolos, e investigar sobre o que se ti-
nha passado, para faxer punir os principaas amo-
tinadores, um dos quses se schs j preso; coose-
guio-os emboa, sem o menor embarago, e mos-
trou aos sediocos, e sos amantes da ordem, que
nao tem medo, e que estes tsmbem nio devem
te-lo ; porque, diga-sea verdade, no numero doa
habitantes de Soajo, qae tomaram parte em se-
melnantes disturbios, sem davida, mailo infe-
rior aos dsquelles que Acarara soeegsdos em suss
casas.
As notieiss de boje (domiogo) trazidss pelo cr-
relo do Hinho, sio maito sstisfactorias pira a or-
dem publica.
O povo que esteva ao redor de Braga tem se
retirsdo. Nio tem hsvido oovos disturbios, pos-
to que aa msssss popularea continuem a percor-
rer algumss fregueziss do districto.
Teta entrado no Minho forgss da 2a e 5* divi-
ses militares, e hootem chegou bsrrs do Por-
to a corveta Bartholomeu Dias, couduzindo a sea
bordo o regiment n. 10. nodo de Lisbos. Parti-
r provavelmeote amanhis para Braga.
Foi oomeado commandante da 3* di visa o mili-
tar (Brsga) o Sr. bsrlo de Palme, que era gover-
nsdor da praga de Valencia. O commando da 3*
divisio estsva desde 1851 reunido ao commandan-
te da divisio do Porto.
Nesta occaaio era iodispensavel oomoar gene-
ral para aquella divisio, porque nella vio esta-
cionar torgas importantes.
A guarda muoicipal do Porto passou a estar s
ordeoa do genersl Ferreira. OSr. Manoel Dan-
iel de Figueiredo Sarmeoto, qua a commandava,
foi com licengt Lisboa,, e diz-ae ter aido pro rao.
vido a coronel do regiment de cavallarla o. 4.
No Porto nio ha reseio do qae a ordem publica
aeja alterada.
A junta geral do districto do Porto encorroa
os seus trsbelhoi no mez passado. O orgemento
diatrictel para o aoao econmico de 18621863
de 5D:330*492. Para a susleolesio dos expos
toa destinada a quantia de 35:195*877 alm de
quetro coolos de ris que devem ser applicados
para latagea debaixo da immediata admioistra-
gao das cmaras muaicipaes.
A distribuigao do contiogenle da oolribuigio
predial foi feila buscando-se o tormo medio das
contribuigoes axtinctas, e aWstrahindo urna vez
mais o reodimeoto. coUectavei, por ino as ma-
trizea pradises vatio aioda maito tonga de or
aUas se poder, (asee aa distribuigao justa e
5157|
5:101 *M
5:0991
4:710*
3:909f
3:706*
3:519*
3:487*
3;044*
2:8098
1:801*
1:4545
da contribuigio
?^"d".' ? ^fifOOOque cabera ao distric-
to do Porto, foram distribuidos pelos 17 coeae-
Ihos de que elle se compe, da seguinte fetsms *
Porto..............
Villa Nova de Gaya
Peaeflel........:...
Villa do Conde.....
Filgueiraa.........
Saoto Thyrso......
Amarante..........
Marco de Caoavezes
Boucas.............
Maia...............
Paredes............
Gendomar..........
Povos de Vsrzim..
Baiio..............
Louzada............
Passosde Ferreira.
. .. along..........
A distribuigao do contiogenle .
pessoal nao a fez a junta dodisiriclo em rasao
dss malrizes nio se achsrem aioda concluidas.
A junte resolveu que oa coosulta dirigida oa
governo se indicassem entre outras as lecsatea
necessidades :
De farer cootribuir exclusivsmente par! o co-
fre dos eipostos ss amas particulares, qae nio
mostrarem que sustentsm os proprios filaos i
sua cusa, ficando rasponeareis e obrigados ao
pagamento integral da contribuigio as pessoas
que si tomarem para semelbaote mistar, seje
qual for o motivo ou necessldade quo a isso a
obrigue.
Ds conveniencis desque aos estabelecimentos
pios se msotenba a faculdade de administrar li-
vremente os seus bens, segundo as regras e pres-
cnpges de seus respectivos estatutos.
De se restabelecer a liberdade do eosino parti-
cular primario e secuodsrio, tornsndo-o indo-
pendente dos exsmes, sutorissces legies-e di-
plomas aos professores.
Para serem elevados os ordensdos dos profes-
sores primarios as cabegas dos cooselhos ruraes,
com encargo de visitarem um vez por anno aa
escolas publicas dos mesmos cooselhos, exami-
nando os respectivos alumnos anotando em livro
proprio o estsdo de esda um.
Para que se proponha um premio a quera,
spresenlar am li/ro de agricultura que merece
ser adoptado para uso dss escolas da instreccao
primaria.
Para qua se converta em lei o projecto apo-
sentado na cmara dos dignos pareado reino palo
Sr. visconde de Gouva, sobre a reforma da aca-
demia polylechnica do Porto.
Para que as obras do edificio da Graca sejam
continuadas e para all transferida a bibliothaca
do Porto, continuando a sua admioistraco cai-
go da caraira municipal desta cidade.
Em sessio plena do tribunal darelaglo do Por-
to foi julgado no dia 5 do corrate o juiz de di-
reilo de Argaoil o Sr. Joaquim Jos es Motte,
aecusedo pelo procarador regio dena corres-
pondencia offlcial faltar ao respeito ao Sr.-Marisa
rerrao, quando ministro da justiga.
Presidio sessio o Sr. Pereira Leite,.presdan-
le do tribunal da relaglo, e estiveram presentes
quime juizes.
Foi aecnsador o Sr. Cimillo Aureliano da Sil-
vs e Souzs, procursdor regio. Esteve presente,
como advogsdo do aecusado. o Sr. Jos Antonio
Vidreira. Orou em sue defeza o proprio jais se-
cundo, que declsrou oio ter sido sus intengio
ouender o ministro nos periodos do offlcio qao
fizeram objacto da querella.
Terminada a defeza o tribunal recolheu, e em
conferencia secreta lavrou o accordio que depois
foi lido em sessio, e pelo qusl condeanea o
acensado oa multa de 10*000 e cusas do pro-
cesso.
O aecusado appelloa da seoteogs para oasapro-
mo tribunal de justiga.
No dia 27 do passado aconteceu um lamentavel
simslro ao vapor Foz do Douro quando levara a
reboque a barca Paquete do Rio Grande, que se
destinava ao porto cujo nome do navio indica,
os dous fogueiros do vapor foram crael e fatal-
mente escaldados pala agua fervente e vapor qua
sabio por o orificio de am doiparafaxos da cal-
deira queisaltou fora. Umdos fogueiros sxptroa
quando chegava a ierra, e o outro fallecau no dia
seguinte ao aioislro no hospital da Misericordia.
O casco nao soffreo dsmoo algara.
O Fox do Douro tinha ha poneos dias paseado
por urna vistoria que o admioislrsdor da compa-
nhia de reboque, a que o barco pertence, lhe fes
passar, em consequencia de am offlcio quo o in-
tendente da marinha dirigir i associacio com-
mercial do Porto, no qusl denunciara o moaa-
tjdo em que lhe pereca dever eslsr a caldeira
do dito vapor. Em resaltsdo dessa vistoria es
peritos declararam que a machina do vspor po-
da funecionar por mais um anno. Era pois, in-
dispensavel, que se explicssss s causs do sinis-
tro que vimos de referir, o qusl tornsva pele me-
nos, multo suspeits a capacidada dos individuos
que tioham examinado a machine. Nova vistoria,
presidida pelo jais do tribunal do comaerdejett
passsds ao vapor, colbendo-sa am resaltade que
o sioistro fora causado pela raptara da tres cas-
tanbas, o qae dava lugar a eslabelecer-se urna
torrente de vapor a agaa, devendo resultar dahi
forgamente a paralyaagao do machinismo,que
aquella ruptura fora devida so vicio da constrac-
gao em coosequencia do resbordo ds aba da ea-
bega das csstanhasnao tomsr a superficie pre-
cisa para evitar a desconjanegio,que a eaesa
que motivara o ainistro aio poda praver-se na
vistoria antecedente, porque nao poda ver-sa e
examinar-sa o reabordo daa eastanbaa, qee a
agora depois do sioistro pode conhecer-se.
Pos ultimo resolveu se que feitos os reparee que
os peritos indicaram.o Fox do Douro podia fune-
cionar por tempo de um anno sem risco presu-
mivel, guardadas as precisas cautellas.
No dia 2 do crrante foram aprehendidas ao-
adelelro Francisco de Gouvia desta cidade ame
200 anos de espingarda. Esta fseto como bem
se pode presumir, dea nesta occasiio maito que
fallar. Averiguado o negocio nio veaoe nella
cooss alguma de extraordinario. Os ditos canoa
foram comprados em Lisboa e pesiaram pelo-
despacho aa alfaodega.
O sdeleiro negocia ha muitoa annoa em ferros
velbos, e fes urna compra licita. A autoridade
em vista doa tumultos do Mioho fez maito bem
em apreheoder os canos, e po-los em deposito
porque o deleiro de corlo os venleris sa acnai-
18 quera lh os pagasse bem pagos : sem qus Ibe
importasse o aso que o comprador qaizasse tasar
do objeclo comprado.
No dia 29 da abril, outorgs da caria constitu-
cional bouve as coslomadaa damonstrscoea teeti-
vas, a axcepgio de perada, porqao os serpee de
guarnigao esli em forga mui diminuta I A' aou-
te deu-noa a companhia da eelaaseao do thea-
lro de S. Joio.o draaa sacre Santo Antonio I Em
dia de gala foi na verdade qaerar cacear muito.
Um tal espectculo vale testificar a prefereesie
qae noi diis da fasta nacional se toituaa eer.co-
fflo J tonos algaas ves notado, a. coasaohia iy-
res. Assistiram represaatecao acia deste de
individuos. Neo ara da espetar entra coas.
O editor respoasavel do aso felks setyrica


DU110 DI PERNaMMJCO; m TEBC IBA 8 DI JIHHO BE 1861.
rsjuTla ni
querella, por injuria, dd< peto Se.
llsrtios, membro da cmara municipal, epre-
t?ry.ri de me da ciberas de tecidos de
Na noute de 26 do pesssd evadlram-ee da ca-
deia chamada do Caatello, < m Braga, qaatro des
preso que celia se achavim. nlo houvear-
t-escb ment. Ignora-se se ugirara por urna cor-
4a que appi recen atada a u a rotgweiro eue ti I
as Raes, daquella villa, qae ao lempo
esteva do Iheatro com s sea familia.
A fabrica situada *a margem esqaerda do
rio Coura, no local denominado Arga do Coura.
Arden todo quanlo eetava dentro do edificio,
locluindo a roupa dos criados e feitor.
Uando se tritn de alalhar o incendio linha
j lavrado a ponto de tornar iouteis todos os
meiot empregados para o combater.
A fabrica esta*a segura era 2:0009000.
Na nelte de ti de sbctt, um. isetendio reduiio
=

fe
-
obre o antigo e histrico muro do castello ou I a ciaxas, Caatiaba, asesa de uns pobres pea
a eahiram pela paite da c lei, vestidos de osa- I cadores.
Iber, com cooseotimento lo careereira. Estas Eslava m aa> esa segaate lamentando a sa
aepites motivan a priso do tata reno, s
mulher. Doas dos fugitivo nio Arhmo Percha
aoteiro, qae eitavam preac a |hu erime de osoe
ulgsdo* m Barcellof.
0a cadeia de Bircelle* lgate fugiram aos
tres ou -qaatro Ilesos que i ili se achavam.
O aovo banco da ueien ji eemecou as suaa
fencedes bancarias. Foi nomeedo agente do
BttBO banco no IRio de Janeiro oSr.Tamm
sTicwekar & Otiveire.
As treosecces de vlntio :io TJouro leem estado
{rauco enlajadas. As carref ac-ies por coola pro-
ie-para Porto ceme;am illi i activar-ee. Os
vintios da ultima novidadetiera paasadona maior
ajarte a aegundaa roaos. Ai guia de exporlacio
regulara de 78 a 8$ e espera-ae que chegeeea de
9felO$logo que comece u afluencia decarre-
Tati,
JSBOdia29 do panado, na saa quinta
-eJtaHPtRo Sr. vkceide de Villa Verde,
Custodio Ptoheiro da Silva. Era commerciaole
da stohos. 6te ve o titulo le viscoude en 1853,
ignoramos porque tervices.
Ma da 2 de arrale f leceu o Sr, Antonio
Ribeira feraande Forbes, rico capitalista do
Porto. Braaatural da freg eiia de Capaes (Sil-
abo). lxpet de urna avul.di fortuna.
Pelo lestssoeuto com quo fallecen o Sr. For-
bes, feHe sVie de Janeiro >>m 1857 pouco antes
ata sua partida para Portug delxoe :
A' irmoadade do SS. da matriz de Noisa Se-
nhora (Ja Pilar do'.Ouro l'reto (Minas Geraes)
dua apoliotsde 4:00a000 inda urna.
Ao hospftel da Misericord a da cldade do Ou-
ro Preta quatro apolices de i OOOJOeO cada urna.
Ao pad*e Antonia Aogu no Franca, do Ouro
Preto tmtm-
A D. Mana Augusta, da cidade do Ouro Preto,
dei apolices de 1:0005000 ci da ama.
A Augusto... tamben) do Ouro Preto 6:000$.
A cinco lamillas pobre e honestas da tregua-
sie de Nona Seohora do Piar do Ouro Preto...
1:500*000.
- Delta forros a tres escravus los, Braz e Mar-
ios, demando tOOgOOO a ca l um.
Aa hospital da Miaericc rdia de Guimaraes,
qeasse apolices de 1:000*000 Cada urna.
Ao hospital qae se est construindo em Fafe
juaire apaMees de 1:0009001' cada Qms.
A'irmaadada SS. da Freguezia de Capaes, sus
aeteralirfede, duaa a plice de 1:000*000 da di-
vida publica do Brasil.
A tres seus pareles mais necessitados at ao
terceire grao 1:500*000.
A O. Lulza Candida do Sacramento e D. Mara
das Dores a cada ama dez a olices de 1:000*.
A sea settrinha Marir Jos plia Feroandei....
1:0009000.
A' alilhada Rita, filha di) Antonio Bezeode
SMfOM
A onza aobrinhos de sua tualher 100*000 a ca-
da um.
A cioce familias das mais pobres da freguezia
de Cepiea 200*000 a cada una.
Naufragou no da 15 da ibril, no rio Douro,
-no ponto chamado da Cachucha um barco carre-
jado de vicho perteocente casa commercial de
S'ndeman & G. Perdeu-so o vioho do urnas
seia pipa por estas se terem irrombado.
Na maeha do dia 9, acha* Jo-ee na altura de
illa de onde a escuna ir gleza William, de
Hew-C>'le, sproiimou-se : ella um barco da
Povoa, tripolado por 7 homens pergnntando um
del les se a escuna quera a a pralico da barra.
Nwte momento, a escuna, impedida por urna
vega da mar e pelo vento, al alroou com o barco
c o metteu a pique. Um dos poveiroa morreu
o seis restantes (orsm salvia pelo capito da
seaea, que oe receben a bordo.
Naulragou not* do correnl ao a>bir da batra
de Aveiro a galeota bollandea De Hoop, capitao
J. P. Oldemburgo.
O jornal Dittricto de kvtir >, sob a epigrapbe
- Tres diat feliiet I coola n seguiote coinci-
dencia, que se dea cono o ca litso da dita e que
mostia quanlo s vezes a d greca se afinca a
peisegair os individuo sobre quem urna Tez
ctbio despiedsde.
No dia seguinte aquello cin qae naufrago e
eacapou ao perigo da ondi, recebia elle urna
-caria em que se noticia va o alie cimento de saa
aaal
Aiada corriam as lsgrimsn que lao dolorosa
noticia prosoca sempre da paite de um filbo,
quaodo, no dia seguinte, umi nota psiticipa^o
veio completar a angustia Um na?io qae elletinha part, e cuja tripolscao
secompunha de um dos seis fllhos e ostros
naaabros de sus familia, fors a pique morrendo
toda a tripolscao 1
A successo desUs desgracia fez sergar a al-
ase do marnbeiro, que ao recebar a infauata no-
va que no terceiro dia vinha completar a sua n-
ajeMia saecambio s urna syotope, da qual sihio
iisra chorar amargamente as suas desventura.
O jornal Commercio do Pirto di a seguinte
aolicia :
* Disem-nos daPoroa do Virzim que o Fran-
cisco Fernandos de Castro, rito c pita lista, na-
*araldaqaella silla, no dia 1;> do correte em-
tarcoa para o Rio de Jaaeiro, onde sai liquidar
a aas cata commercial, tencloi.sodo catar de vol-
ca aa aas ierra natal por todo o mes de agosto,
se propoz tomar a iniciativa p itriotica da (orma-
co da urna companbia para se levar a effeito a
sastraecao ama doks de al: rigo para todas as
-cantil rcagoe aaquella villa.
Diz-nos a nosso informa or qae o dito Sr.
Caatro j ttnha alguns socio, e que no Brssil con-
aageisae, cerno eaperavs, come tetar a companbia,
aasas volti apresentsria ao goi-etno as propostaa
para a obra, que oreada de mil a mil e da-
aentoa contot.
- Sari de tal ordsm e importancia um me-
Ihoraroanio, que seria pouco quaoto se diga para
-o eocarecer.
Muito para estimar que os eapitaes porta-
ajsezes, pela acgo do impulso patritico, se vol-
teta para ss grandes obrss denlilidade publica e
da vital interesse ao paiz. >
Ao mesmo jornal, escrevem- Ihe de Alij o se-
guate :
Na noute de 30 do mez ps jado bouve neste
coeselho de Alij ua espesa osa trovoada. fa-
seodo grandes eslrsgos nos vinl edos desde a Ro-
asaaeira at a fot do Tuana ex enuo de legua e
Mi, e destratado completa menta os cachos
saascido e todas ss vdelras ilss freguezias de
Celta, Csstdo e S. Mamede, em quintas que
awoaazem dos melhores e mais finos viohos do
Douro. Ns fregaetiade S. Mamede destrato tam-
bem as lsrangeiras elsogou por Ierra toda a la-
vaoj, qae ama das riquezas i gricolas daqoella
fragaezia.
Foltio grande a pedra que cahio que que-
broa muilos vidros das jaoellas ;m S. Mamede e
Castado.
Na freguezia da Santa Begonia onde o viobo
nao tio fino, como tambeio a trovoada fez
grande estrigos nos vlnhedos e oliv*e.
Cslctjla-se em duas mil :ipas d viobo e
as muitas pipa* de izeite s peda csussda pela
aedra. Deas seadt aos habitantesdeste conse-
iho, que ji ha tanto lempo soffriam a calamida-
de produtid pelo odium ; i gors veio eita
jgtaada daagraca acabar de pero o-los. Se o go-
2?* ""^ ,ca"e alguna nolot a esta infe-
IMgeate, que sm usas aoute d? tempestsde vio
amptelamente destruida a aua i -opriedade e por
cdasegatete s soss faiaras esperaness nao sel
cerno poderao vtver.
alSfS ,a?rt!*tri0! val catastropbe j andavsm n eoiofrarasiuss
iahas a logo qae virara as terrfveis estratos
aredeildos pela tsmpsatade, fug run com a gen-
tada irabalho para nao presen* isrem a desirai-
*acoespletada viders e d o freto, quena ves-
para tsataa espreT)5s Ihe proaslli.
sss peridicos da diversas localidades daa
deaaraos, aado aa laistao daa soss haMefdes,
quaada o S*. Rodrigo PRt^dayajUdo poc atjueHe
circaia, apeawecesi aoeos*aahsa por usaajestre
da cates, qaeaca %m 7*90s a Jsspesa ne-
cesiaria para reparar o prejuizo do incendio.
O Sr. Pitia, conaoiou oa pobres pescadores a
no da segainte eatregou-lhe a quaotts indicada
para a restaure gao di casa incendiada.
No dia 30 da pastado, depois do meio dis,
appareceu queisnada e mor dentro do sea quar-
to D. Sevetioa Angela de Sal'Anea, seohora
brasileirs, que resida no lagar de Foad da Villa,
freguezia de Soutello, dislricto de Braga.
Nao se pede verificar se s causa desta horiivel
deigraca (oi devida a alguma caisa de phospho-
ros que a infeliz traria nos bolsos dos vestidos,
como ttnha de costume, e que deitaodo-se sobre
a cama, e cilor e a presso osceodlssse, se ao
fogo de charuto que liaba da costume fumar no
lim do jantar, que por descado se lhetransmlt-
lisse aos vestidos.
O murto tumo e ma cheira csusou saspeitas i
familia, que, dirigiodo-se aa sen qusrto, a en-
contraran), junto do leilo, teas sigoses de vida e
completamente desfigurada pelas cbammas, qae
ji haviam paseado dos vestidos ao emergi.
Eata infeliz senbora era vtuva e tinha ama bda
forlwna.
Ea Vinhl, dislricto da Vizeu, deu-se um
acootecimanto irialissima.
Urna rapariga de 24 aonos oceupava-se de
correr a ferro alguma roana.
Quaodo pegou de urna cuobs, que eatsva em
braza, leve pouca discripcao o deixou liocar-se-
Ihe o fogo aos vestidos.
A desventara havia condemnado esta desgra-
nada t morte a mais atlroniosa. Em vez de fazer
por saocsr o fogo, psrtio a (agir pels pecoacao
ra, gritando que Ihe aecudisse.
Nao leve a infeliz quem da repente Ihe pres-
tssse soccorros. O lame ateara-se a ponto de
ficar toda queimada a morrer passadas algumas
horas.
Abriram termo de carga:
Em 28 de abril a galera Mara, psra o Rio
de Janeiro.
Em 1* de maio a barca I/nuto, para o Pari.
Em 2 o patacho Ba-Nova, para o Par.
Em 5 a barca Rocha, para o Rio de Janeiro.
Em 6 a barca Recreio, para o mesmo porto.
Nao houveram entradas dursnleequinsens.
Sahidaa:
Em 28 de abril a galera Amitade, para o Rio
de Janeiro.
A barca Paquete, do Rio Grande, e a barca
kllianca, ambas para a Rio Grande.
Em Si9 o brigoe S. Manoel I, para Pernambuco.
Em 1 ae maio o brigue brasileiro (Manda, psra
Pernambuco por Lisboa, em lastro.
E a barca Re$ta*raco pira a Babia.
O registro de exportsco daakfaodega do Porto
di carregado no brigue 5. Manoel I, ss siguiles
meresdorias:
Azeilonaa 86 ancoretas, carne de porco 1 barril
e 2 caizes, cebo em pao 160 caizea, chapeos 2
csixes, colina de linbo e seda 1 caiso, fazendaa
de linha 2 pceles, (echaduras 8 caizes, feijao
8 saceos, flor de aabugueiro 4 fardos, folha de
louro 4 ssccos, linha 3 caixes, nozes 1 sacco,
pentes 2 caixes, pomada 20 caixes, rendas de
linho 1 caixole, aalpices 5 barris, 5 latas e 2
caixes, sement* 1 caixote, toalhas do linbo 1
catxo, vellas de cebo 100 ccheles, vioho 1
barril, dito engarrafado 4 caixes. 2 caixes com
imageos de madeira, 12 volumes diversos.
DIARIO 0E PERNAMBUCO-
O vapor Paran, foi apenas portador do Jornal
do Commercio de 26, que nada adianla is noti-
cias que hootem demos, e da Babia nenbum
jornal nos trouxe.
De Alagoaa apenas encontramos, nos jor-
naes que temos 4 vista, o seguinte :
Commuoicam-nosdePenedo : Consta-nos
que se acha encalhado oos bsixos de Peba, o c-
ter Emma, qae vinha de Pernambuco para o Pe-
nado, nao podendo entrar na barra do Rto de S.
Fraocisco poi ler feito a cslraia signal.
a Apparecendo um temporal e perdendo o ca-
ler os pannos, foi a iripolaQo obrigada a fazer
encalhar o navio.
Trala-se de descarrega lo.
a Este barco propriedade de Francisco Gon-
celves Torres. >
Quanlo is noticias martimas do Rio, ape-
na vimos as segaintes :
Achava-ie carga para o nosso porto, o brigue
Sania Barbara Vencedora ; sahirsm com o mes-
mo destino, i 25 o palhabote Piedade e a bsres
Btbedouro, que tocari em Alagas ; e chegaram
do memo dealino i 25. aa barcas inglezas Uis-
thefoe e Commtrce, ambss com 13 diss de via-
gem.
nnumnt.
O Sr. Witruvio :E a commissao o
0 Sr. Soaza Res :Nao appareceu.
O Sr. Witruvio':Ea voa explicar ao nobte da-
potado.
O Sr. Presidente :Lembro ao nobre depetida
que a discasao aceras da emenda.
O Sr. Witruvio:Temo na devida contidera-
clo a advertencia de S. Exc ; mas permita que
observe, que o qae hei dito sao precedencias oa
como antecedentes para chegar a jesttficacio do
fflu ffaaa acerca da aaenda..
A eaasmista de lesdelicae, Sr. pratideate, ola
poda aonaidetar urna a amessaa a materia da
prataojeo do Sr. CUntesria e aqaetka do Or. Pia
lo. Esta versava sobra e spprtrvaeie de ums apo-
seaUdoria, e a ostra avaha per las COncesska
de ama jabilacio. tedavia procareu dar o sata
paaacer, car Mo estadeoda os documento ex-
hibido, mas nelles vio que nao havia o referido
Sr. Ctaaria cemplatada aiada a eepafa de 25
nnos da servlco que requerido pelo regulamen-
to de 28 de Janeiro de 1861 srt. 75, combinado
com a le o. 276.
Um Sr. Deputado:Ainda a reglamento?....
. O Sr. Witravio:Nao adaira vir ainda o re-
gulameoto, qaaoda viaas o compromisso da San-
ta Gasa, derogando leit expresass, dividir orde-
nados por ellas concedido em parte fixa o parte
altera vel...
O Sr. Seuza Reis : Un qusnde foi isto?
Depois de approvado por asta casa ?
O Sr. Witruvio : F-lo antes, e eata casa o
approvou, verdad, cerno o pode fater ao citado
regulamento. Mas, reatando o fio de mlohas ob-
servarles, Sr. presidente, direl que a commis-
sio encontrando o ptedito embaraco, nao leudo
o Sr. Canteara senu 24 anaos, 7 mezes e algn
das, segando a informacao da thesouraria que
ji li, abateve-se de apreseotar o parecer respec-
tivo, per cuja omissie foi ce murada.
Deixo de volar pela emende, Sr. presidente,
por me importar isto virlaalaonle ama contra-
diccao. Empregados ambos de um mssmo esta-
belecimento, sendo um aposentado pela Jai n 276
combinada com o srt. 75 do regolamenlo de 28
de Janeiro de 1861, a oatro jubilado per essa lei
exclusivamente, claro que di em resultado urna
perfeita antinomia em quem quier fater urna
semelhanto coaciliico, ob o dominio aioda do
referido regulamento.
Motivado o mea voto, e explicadas as camas
qaedersm lugar is censaras, que rspalo menos
cabidas senlo-me.
O Sr. Bario de Muribeca ainda se pronuncia
contra o projecto.
A dlscussao fice aliada pela hora.
Vei i mesa o seguiote requerimento:
< Requeiro urgencia para se discutir boje.
Pereira de Lacena.
O Sr. Bario de Muribeca oppa-ae urgencia
e posta ella a votos spprovada.
Encerrou-se a discussio e rejeitada a emen-
da additiva do Sr. Souza Reis, sendo o projecto
adoptado em terceira discussio.
ORDEM DO DA.
S e g u d d a parte.
Coolinuacio da segunda diecusso do arl. 11
do projecto do ornamento provincial.
Ao 5 srt. 13 addicional, accresesnte-se
inclusive a factura de urna poote aobre o rio Pa-
pacacinha na villa do Bom-Uooselho. S. B.
Witrevio.
Ao arl. 13 9, em vez de 60|, digs-se 70*.
Amaral.
Encerrada a discussio, approvado o requeri-
mento de adiamanto do Sr. Drummond.
Vao 4 mesa as segoiotet emendas que sao
spoiadas :
Ao art. 13 5* em vez de lOChOOOfOOO, di-
ga-ae 60:000*.S. R.Penelcn.
Para concert do assude de Cimbres1:5961 ;
para coacerto da cadeia de Pesqueira300* Ca-
lanbo.
Para conslraccio de ama poote no rio Una, no
ponto terminal da estrada de ferro, 20-000*.
S. R.Pedro Affonso.
Ao 7 do srt. 13: sendo 500* para concluso
do cemiterio do Rio*Forsnoto. G. Drummood.
Emenda additiva so 5 do ait. 19:
Com preferencia a factura da ponte denomina-
da S. Joao sobre o rio Capibaribe na estrada do
Pao o'Alho.-S. R.-Veig Pestes.
Ao 7* do art. 13 accresceBte-se, sendo 1:000*
para aa obraa da matriz de Santo Antao, e para
aa dea miiriies de Barrairos, Becada e Agua Preta
6.0001000 qae aerao por estas diatribatao* igaal-
menie na somma total, porm em lugar de......
14:000*000, diga-se 20:000*000.A. Cjmh Ft-
gueireOo. I
Ao art. 13. ioclueive 2:000*000 pe/a a matriz
de S. liento, oalro para a de Papscaca e 2:000*
para a de Taqaarilioga.S. R.Cataoho.Wi-
truvio. Turres Beodeirs.
Ao 2* do art. 13 accrescente-se :
Sendo 4:000*000 para fazer-se os reparos da
cadeia de Serinbiem, e um accrescimo para pri-
so das malheres na cadeia da Eseada.A. Cu-
nha Figueiredo:
Vai a mesa o segainte substitutivo ao srl. 11:
1.* Obras srremstsdaa 60:000*000
para as estradas dos contratos
Mamede......................... 100:000*000
2. Cslcamenlo da cidade do Re-
cite.........................------ 100:000j000
3.* Reparos geraes comprebenden-
do-se edificios, poetes e todas
es obras de ideotica natureza na
cidade do Recite................ 30:000*000
4.a Gyanasio..................... OOQOJOOO
5. Matriz de S. Jos.............. 8:0005000
6. Novaa obras a ssber:
Ponte de Motocolomb............
Oila do Bramzinho................
Dita de Bico Peba.................
Dita de Contra Agaa..............
aades, pelo qae dii respeilo as obrigsces paxa. >> aai.iT_.T__ '
i-nio cornospsrticulares,ede qualqaer pesaos, qoanto n7uZZ Z?. ,
dslereaioa o varrintento da* caaas ama ves par |Sciencia da infraccaa, por denuncia dos inleres-
dia e dosquinlaea ama vez por semana.
c No srl. 3,* supprimam-se as palavras__
podes* lerna ase mais de um palmo e meio de'ai obrigagea para com o puDltco e pare cana
Hura.Amarel j cmara municipal,verificar com duas testemuohas
o lurro de "oribeca e o Sr. Tbeodoro da. ae mesmas infrseges.
Silva faiiam tambem em sentido contrsrio, sendo 13.Neoham vigor lera a diaposico do srt. 28
a materia adiada pela bora.
localidades dis
cis, fazemoi os seguinte i extractos:
ar Na Darte de 4 da maio, foi c evorsds por um
, dfftricto iytBne, peiUocent ao Sr.
O Sr. Soaza Reis oflerece o seguinte substituti-
vo is mesmas poslurss :
Artigot suouiao daspoiuroi additionaes t
da cmara municipal 4o Jteti/e para execu-
ca do contrato com Carlos Luiz Cam-
bronne.
i
Do 1. de Janeiro de 1864 sm diaate, nao ser
mais permiitido Isncar maierias fecaes, nem li-
aos, nem ourioas e sgas servidas nos lugarea
para isto destinados actualmente, devendo haver
em seda hebitafao de ama fimilia, pelo menos,
um apparelho de letrina com o competente re-
servatorio para as materiaa fecaes a com aabita-
co para esgoto doa liqaidos, sendo os proprie-
tarios dos predios obrigados 4 collocacao dos
apparelhos necessaros.
2.
S se poder ussr dos appsrelbos msndados
adoptar para execocao da empreza de ltmpeza
publica, como do contrato celebrado pelo gover-
no da provincia, com Carlos Lniz Csmbronne,
em 25 de etembro de 1858. Os contraventores
pagerao da eaalta 309 serio obrigados a fszer
substituir os spparelbos. que tiverem collocado
pelos ds empreza, se sqaelles nio forem do mes-
mo aystems, excepto se tiverem sido assenlsdos
antes da poca do contrato, e salisfizerem os pre-
ceitos bygienicos,
3.
As disposfges dos doas srllgos precedentes
so terio vigor se o emprexsrio, por termo perso-
te a camera maoicipel, aaatgnado por elle e seus
fiadores se sujeitar s segnintes dispostQes. slm
2"*rt,l 00,'Bao Plo mencionado contrato.
1. O encauament necesssrio para o serv5o
do um apparelho, inclusive o material, nos pri-
meiros aodares de lodos os predios de sobrado,
no pavimento terreo destes e nss casa Ierras bo-
je existeotea e que para o futuro se edificaren),
no limites da planta de que trata o art. 1 do
contrato, ssri i cusa do empresario ; foradeales
casos, porm, seri i cuss dos pioprislsrios, seo-
do feito todo o servicode modo que nao se dam-
niflque os predios.
2.aUrna tabella ssri desde logo orgsnisads
pelo emprezsrio.de accordo com o presidente da
provioeia para regular o cuato da mao de obra e
daa ImaUriaea, inclusive oa sppsrelhos, se aos i tioa a diecusso do art. 13 e
particulares convier compra-Ios ao empresario, e Buarque pede a retirada do seu
este eocarregsr a obra necestaria.
3.aOs reparos e eonssrvscio, assim de todo o
enesnamento como dos apparelhos e reservalo-
rios. sarao feitos pelo empressrio ei saa cusa, o
qual dari cornejo i elles dentro de24 horas, coa-
tadas do aviso que Ihe deveri ser (ello e nelles
proseguir sem interruP5ao t eooelui-lo, sob
pena de pagsr o sea cusi ao proprietario oa ao
ioquilioo, qaal delles os mandar fazer.
Somonte no caso de poder provar o sm prezario
que os reparos forem feito em virtade de ml-
feitoria, ficar-lbe-ba direilo salvo de haver a sua
indemonacao de quem a liver pratieado.
Em lodo caso o empresario proporcionar sos
moradores das casas durante esle servico os
meio de fazer a limpesa, sem offensa da 1* par-
te do art. 1. destas postaras.
4.*A remocio dos reservtorio dss materat
fecaes seri feila de 5 em 5 dias as casas em que
eate erv jo fr pago, e de 8 em 8 dias aas que o
nao fr, e e remocao doa lixos das casss e seas
respectivos quintsesde doue em dous dias, dss 6
t 8 Dore ds ruanha e da noute, cooforme fr
convencionado entre oemprezario eos morado-
res dss catas, sendo asta servico feito em carra-
cas que traio unza ssela, qualcomecar a to-
car quaodo eiitrarem as mesmas carroess as
raas em que devem trabalhar.
5."Com os proprietsrios, e nao com as fami-
lias, ou moradores dos predios, se entender o
emprezatio sobie todo o servico que Ihe fr pre-
ciso fazer aos meamos (redios, para qae nelles
possam fuocciooar oe apparelhos, e para haver o
pagamento de toda a mao de obra ajustada, e ma-
terias que Ihes vender, inclusive os apparelhoa,
bem como dos servicoe de que ireiam os arte. 23
e 24 do contrato, o* torco aslebeleeide no arl.
27 do mesmo contrato, sendo.-s meamos proprie-
tario somente os respoouveis por tses pagamen-
tos, salvo estipulado em contrario, em que con-
veaaa a emprezerio.
6.*Nos predios que pagarem de dcima ur-
bano aunual de9* a 13* os servico de que traa
os aris. 23 e t| do contrato serio feitos por me-
lado do que ae acha estipulado no art. 27 do mes-
mo contrato e nos que pagarem menos de 9*000
tambem de decima annual serio os mesmoscer-
vices feitos gratuitamente pelo empresario.
**Oestabelecimento das latrioas eourinato-
rioa pblicos, de que treta o arl. 10 do contrato,
teri lugar desde j, de modo que funecionem to-
dos al o fim do correte anno, sendo 8 em cada
urna das freguezi cada urna das de Santo Antonio e Boa-Vista, to-
dos de pedra e cal, decentes e spropriados, nos
lugares seguales
ordem provam a boa direccio e rellgiosidsde da-
do contrato, bem como quaesquer estipalsces
deste, que se oppuzerem as precedentes disposi-
;es.
4.*
Os proprietarioe qae nao ae aproveitarem dos
trabalhos do encauaaaeeio geral para o servico da
limpeza par parla da empreza, aa mesme occa-
slio eot fue forem estes sxecutedos em (reate
dos seas predios, aiada qae em edicacao, ama
vez que calles se pesaa fazer logo o encanamenln
parcial, nlo gozario do beneficio de que trata a
primeira parte do 1." do art. 3." d-sias postu-
ras. Esta dispoaico porem lera vigor do 1.*
de Janeiro de 1864 am diente, e para qae della
se sproveite o empresario sari preciso provsr que
os proprieiariosde queso trata impedirio-lbe ef-
fectivamenle o Irabalho a que a mesma dispoai-
cio se refere.
5-
Aquellos que damnificarem a cenalisaco as
ras, ou as latrinas e urinalerios pblicos, paga-
rao a competente indemoiaacio ao emprezario, e
aoffrerio a mulla de 10*000, e tree diaa de pri-
so, sendo estas penas em dobro na reinciden-
cia.
6.a
Emquanto durar o concert das letrinas e uti-
natorios pblicos, ninguem poder seivic-se dos
respectivos apparelhoa, nem ler entrada nos lu-
gares onde elles estiverem enllocados ; pena de
5$0O0 de multa e 3 diaa de priso.
/.
Depois de eslabelecidas as letrinas e urinatorios
pblicos, as pessoas que forem eocootradas em
qualquer parte das ras beccos, eses e e praias
da cidade, bem como as lojs ou entradas daa
caaas, pralicando aquilio para que ao aquellea
destinado, serio presas por 24 horas, salvo se
pagarem in continente 5*000.
8.
Os moradores da cidade terio os pateos e quin-
taes da auas caa sempre lim pos, e em estado
de nao empocarem nelles as sgess das cbuvss ;
peoa de 10*000 de mulla e o dobro na reinci-
dencis.
Psep da aisembla provincial 31 de maio de
1862.
Joaquim de Souza Reis.
Psssaodo-se a 2a parle da ordem do dia, coo-
seas .oo Sr.
substitutivo, no
que annue a casa. Seguidamente oram os Sra.
Cataobo, que diaeorre sobra applieaces diversas
que se fszem de coosignaces do ornamento com
relacao i obras publicas, sendo aasim falaeada aa
inlenc,es do legislador; o Sr. Cuoba e Figuei-
redo, que faz cooeiderecea sobre a neesssidade
de serem votadas quotas para differentes matri-
zes; e o Sr. bario de Muribeca, que faz varias
considerares sobre as coniignt(es decretadas
no projecto com re la cao ao artigo, sendo levanta-
da afinal a sessao pelss 4 hores da larde.
Contina a mesma ordem do dia de boje.
Acha-se no exercicio de jaiz de direilo da
2a vara criminal, no impedimento do effectivo, o
Sr. Dr. Agoetioho Ermehno de Leao, juiz muni-
cipal do Olinda.
O Sr. Manoel Alexandre de Araujo Guerra,
da villa de Patos, na Parahyba, ha doas dias d'ahi
chegide, ioforma-nos que os ltimos nmeros
do aosso Diario qae receben forem de lio de
oulubro do anno prximo passado, qaando Ihe
foram remeittdos de nona officioa at o ultimo de
fe ve rer) I I

>


o
>
>
rheuma-
ASSEMBLfiA LEGISLATIVA PROVINCIAL-
SESSAO ORDINARIA EM 31 DE MAIO.
i Presidencia do Sr. Luiz Felippe, 1 secretario,
(Concluso.)
ORDEM DO DIA.
Ia parle.
Segunda discussio da emenda oflerecida em
, lerceira discusto so projecto n. 5 deste snno, s
^ qusl autorisa ao presidente a conceder tambem
i apoaeoladoria ao profesior de musics do collegto
dos orpbios de Olinda Thomaz da Cunha Lima
Cantuaria.
O Sr. Baarque faz algumas consideraces, em
ordem a mostrar a incoherencia que se notara
no procadimeolo do honrado deputado, que apre-
seolou s emenda, por isso qae oppoodo-e elle
ao projecto queris que s assembla ceocedette
igual favor ae professor de musics Cantuaria,
quando s o presdeme da provincia o podia fa-
zer como fez com o peticionario Dr. Piolo.
0 Sr. Souzs Reis justifica o seu procedimento
quanlo aos motivoa que leve para apreaentacao
da emenda, accrescentando que avetao a taea
ideas, mas, que a cass coocedendo aposentadora
ao Sr. Dr. Pinto, devia-o tambem fazer ao pro-
fessor Caotuaria que tinha melhoraa razea para
s-lo, por isso que lioba a asa favor am titulo
paseado pelo goveroo e acha-se boje quasiiouti-
lisado.
O Sr. Lucena pronuncia-se contra a emenda
dditiva doSr. Soozs Reis.
O Sr. Witruvio:Na sessio passads, Sr. pre-
sidente recebi nesta cssa ums lico magistral; e
a commissao de legislacie, de que sou membro
leve de ouvir censuras meaos justss por sua ma-
teria. A lisio como me pessoal, (arel com que
me utilizo, com qae me seja proficua de futuro;
mas as censuras como afTectam tambem aos meus
honrados collegas, naoposso deixe-lss sem s de-
vida impugnaco.
Os dous no brea deputsdos pelo primeira circu-
lo, qae se sealsm ao lado direilo, ds parte inter-
na, tomando parte ds discussio com nos distanc-
ies, nio poupsrsm censuras commissao...
O Sr. Bario de Muribecs :Nio, senbor, nio
ha la].
O Sr. Wilruvio -V. Exc, e o Sr. Dr. Souzs
Reis forsm prdigos aellss, descobrindoat pa-
tronato na commissao por haver elaborado o pa-
recer sem nelle incluir a pretencio.do Sr. Can-
tearla ; no eotaoto nio ha nada meaos justo do
que esta impulscio. O parecer spprovaodo a
aposenladoria do Dr. Pinto foi presentido me-
sa no dia 12 de abril, coma ve-se de saa data : e
a peticao do Sr. Caotuaria foi remanida pare e
paila da commissao a 8 de maio, cerno acha-se
noiedo ns mesms ; e assim para a referid ia-
50:000*000
25:000*000
10:0009000
20:000*000
Dits de Trapiche................... 25:0001000
388.-000*000
S. R.Busrqae de Mscedo.
O Sr. Baarque: (Nao devolveu aeu discurso.)
Dada a hora lica a discussio adiada.
O Sr. presidenta designa s ordem do dia e le-
vanta e sesto.
clusio nao ba em itnposaivephysieo ? Nao ser
lelo pois ama cansara menos i una por eaa ma-
teria ?
SESSAO ORDINARIA AOS 2 DE JUNHO DE
1862.
Presidencia do Sr. Bario da Vera Cruz.
Ao meio da verificaado-se. haver numero le-
gal e abriodo-se a sesso lida e spprovada a
acta da anterior.
O Sr. 1 secretario d conla do seguate
EXPEDIENTE.
Ums peti(io dos proprietsrios das fabriess de
charutos desta cidade, pedindo que na lei do or-
esmento provincial sedeclsre que elles sio obri-
gados a psgar 4 por ceoto sobra o aluguel desca-
sas, qusodoa thesoursria Ibes exige iodebitameo-
te 12 por ceoto. A' commisaio de orcamento
provincial.
Um offlelo do Sr. deputado padre Marcal Lopes
de Siqaeira, commuoicando qae por ae acbar in
commodedo deixa de comparecer i sessio de bo-
je Ioteirada.
Sio lidss e approvadas as redaccei dos projec-
to ns. 5 e 24 deste anno.
E' lido e approvado o psrecer da commissio de
legttlcao, approvando o regulamento dsdo para
as collectorias da provincia, com algumas emen-
das que requer lejam imprsssas.
Primeira parte da ordem do dia.
Seguoda discussio do projecto n. 57 deste anno,
que concede um snno de liceoga com ordenado so
administradnr do coosulado provincial Antonio
Caroeiro Machado Rios.
E' approvado sem debate.
Contineaeio da discussio do projecto qoe ap-
prova a postara addicioosl da csmsrs municipal
dests cidade, acerca do contrato qae ella fez com
C. Luiz Cambroone, para asseio e limpeza ds ci-
dade do Recife.
(ConUnuar-se-ha.)
REVISTA DIARIA.
Na sessio de honlem, oecupoe-se a assembla
provincial em primeiro lagar da legenda dis-
cussio do projecto n. 27, que concede em anno
de liceoca ao admioietrador do consalado pro-
vincial Antonio Caroeiro Machado Rios, a fim de
trslsr de saa laude ; o qaal votado sem de-
bate.
Em seguida entra em disenssao o projecto
o. 24, qae treta das posturas psra camprisento
do contrate Cambronne, e sobre elle ora o Sr.
Amaral, em defeca ds commissio de negocios de
cmara, de qae membro, mandando i mesa as
emendes seguintes :
a No srt. 2.a suppriai-te s primeira parta que
Redfe.
Largo do cies da alfandega.
Dito do dito de Apollo.
Dilo do Araeoal de Marin.
Dito do Porte do Mallos.
Presa do Commercio.
Ra dos Geararapes.
Santo Antonio.
Campo das Priocezss.
Praga do Caplm.
Dita de Pedro II.
Pateo do Carmo.
Dito do Pareizo.
Ra da Concordia.
Caes do Ramos.
S. Jos.
Paleo da Ribeira.
Dito de S. Jos.
Dito do Torco-
Aris! do Forte.
Ra do Alecrim.
Dita Imperial.
Boa-Vista;
Largo do Caes do Capibaribe.
Dito do Hospicio.
Dito dos Qualro-Csotos.
Praga da Matriz,
Ra do Pires.
Dita da Trempe.
Cies da Aurora juntos poote nova.
8.aO emprezsrio serobrigado a fazer remo,
ver os depoaitos destas latrinas de tres em tres
dias, oa sntes de receber aviso do fiscal, tendo
os spsrelhos respectivos o duplo da capacidade
que tem os qae sio emregados as casas parti-
culares ; e far a remocio dos lixos das raas dia-
riamente das 6 s 8 horas da msohis, fazendo-
oa ajuntar ante os fiseses. Por todo este servico
pagar a cmara municipal o mesmo que se acha
etiabelecido para igual servico dos particulares.
9.aOs repsros e conservado das latrinas e
urinatorios pblicos serio feitos pelo emprezsrio,
e saa costa, logo que para lato for evitado pe-
los fisaes ; e se dentro de 24 horas nio forem
elles (eitos, os mesmos fiscaes os mandarlo fa-
zer ; por coola do emprezsrio. O emprezario
poder fechar estaa latriosa e urinstorios s 10
horas da noite, mas os fai abrir s 5 da ma-
nca.
10 Se al o fim do mez de junho de 1863 se
coohecer praticamente que os aparelhos empre-
gados peio empresario, e o systeoaa de limpeza de
qae elle os_s, e que foi msndado adoptar pelo
controlo, nio preeochem o seu fim conveniente-
mente, teodo-se em vista os preceitos bygieni-
cos, ficer o mesmo coolrale sem vigor; de ne-
nbum effeito ss duposlcoes destas posturas, a o
emprezsrio sem direilo a iademnisagio alguma,
mss obrigado a repor todas as cousas em sea an-
tigo eitedo dentro de tres mezes.
II.Para se obter o conbecimsnlo de qae tra-
ta a disposico antecedente, e se resolver oa con-
formidade della o emprezario apreteotar ao pre-
sidente ds provioeia no mes de maio do referido
anoo de 1863 atteslado de todo os proprietarios
qae tiverem apparelhos de seu systema nos seus
predios, e, avista dellet.bem como do psrecer de
3 peritos competentes, por quem o mesmo presi-
dente far examinar os mencionados apparelhos
em servico.resolversedevea empreza continuar,
declarando defloitivamente adoptado oa nio o
systema de limpeza contratado com o emprezario.
12.O emprezario acorrer na mulla de 302
rs. pela iofraccio de cada ama das disposisoea
coolidas oos psrsgraphos antecedentes, lavrando
os Aseses o compleme terso, logo ae, leudo
Acha-se designado o prximo domingo para
a collaco do grio de doutor ao Sr. bacharel Jlo
Antonio de Souta Ribeira devendo ser padrinho
do acto, o- Sr. Dr. Jos Antonio de Pigueiredo.
_ Dursnle o mez ultimo houve o seguiote mo-
vimento no hospital dos Lazsros : exisliam 15
horneo e 17 mulheres; morrn am homem ; 11-
cam existiodo 14 homens e 17 sauiheres, total 31.
Foram nomeados, por portara de 28 do
passado, psra subdelegados os seguintes Srs. :
Joao Nicolao Gomes da Molla, para Golanns.
Antonio Goocalves de Oliveira, psra Podras de<
Pogo. w
Joao Kibeiro Campo* de Vaaconcellos. parsuPon-
ta de Podras
No Oyapock seguio com licenea pars a cor-
te o Sr. Dr. Jos Antonio Vaz de Carvalh. >a,
chele de polica deata provincia. V
Desejamoa-lh* feliz viagem, e que em breve
volva ao exercicio de seu alto, mas es pin hoto
cargo, em que ba S. S. procedido com a illuatra-
cio, inteireza e energa, que Ihe sao recoohecidss.
Acha-se na chefalura interina de polica o
Sr. Dr. Maooel Jos da Silva Neivas, juiz de direi-
lo da 2a vara desta cidade.
A desigoaco de S. S. para esse lagar foi mul-
to acertada, e os seus honrosos precedentes sio
um gsrante de bom desempenho das funeces
delle. ^
Tendo o Exm. Sr. presidente da provioeia
recebido da corte as medalbas, premios conferi-
dos aos concurrentes i exposigao nacional, mar-
cou o dia 15 do crrante para a sua destribuicio,
Astistimos representacio da compaohia
Spelding 4 Rogers, no domingo i tarde, e vimos
diier algumas palavras sobre ella.
Deu principio ao eapectacolo os exerciciosgym-
nasticos o csmbslholss no ar, pelos homens da
compaohia, destingaindo-se nella os Srs. Tour-
niaire, Duveros. Worland eAotooio.
O joven Carlos Fiah proseguio nos exercicios so-
bre um cavallo, sellando com agllidade e elegan-
cia por entre diversos arcos.
Os Srs. Worlsnd e Neal, n'ama comedia gym-
nastica executaram bellos e sorprendentes tra-
balhos de Core*, que os levam ser collocado oo
psralellode verdadeos hercleos, principalmen-
te nos exeroios sobre os bracos e pernas.
O Sr. Nalhaniel Rogers executou bem a sua
sceoa aborigene.
O Sr. Daverna repeli seus exercicios de des-
locsses, qae sio sempre bem execatados e apre-
ciados.
A Sra. O. Kathe Ormood, bella e arrebatadora
em seus saltos, elegante e gentil nos ademsnes
que dispensa nos trabalhos csvallo, prava os
dotes de qae dispe pars tornar-se urna artista
necasssria e ntil na compaohia Rogers; e seus
esforgos tara sido corosdos pela sympathia que
desenvolveu no publico, que a sada sempre com
jusiija.
Os Sis. Worland, Daverna, Neal e Nalhaniel
Rogers, sobre duas aseadas prumo, executaram
bellos trabalbos de gymoasticas e de desloe ces,
que bem demonstraran) serem essas escadas pe-
ngosas, porqoanto a menor falta de equilibrio
podia loroa-los victimas. De, dia em dia esses
seobores colhem novos louros em sua vida de
srlistas, toraando-se merecedores de mil enco-
mios.
O Sr. Tournisre (Theodoro), montando o ca-
vallo Fogo-bravo, tez exercicios de grande
torga a agllidade, entre os quaes primam os de
acompanhar a p, apenas preso ao animal pela
silhs, a grande galope em que vai elle, e a pas-
aagem de ambos por sobre as grades e por dentro
dos arcos. Csds vez maia nos convence esse Sr.
de qae um des mais dittinctos artistss ds com-
paohia, e que aeua trabalhos sio ama preciosi-
dado.
O Sr. Guilhorme Antonio trabalhou bem no
trapezio, e o salto mortal foi dado com bastante
primor e galhardia.
A Sra. Noble e o Sr, Nalhaniel Rogers repre-
aenlaram ama sceoa mimics pastoril sobre dous,
cavallos cheia de espirito e de greca, captivsodo
i alleociodo publico, por seas aellas posices e
lindos sxercicios.
Coocluio o espectculo a subida da Sra. Wor-
land sobre am rame de ame altara regular ao
cimo do mastro do centro do circo, em pleno ar,
fazendo essa seohora a ascencio perfeiamenle
bem.
O Sr. Sharp (palhaco) cootias a preeneber os
inlerrallos com seus trabalhos, qae caplivess a
silencio e Ihe obten verdadeiroe applausoe.
No domiogo Ia de juoho termioou o exerci-
cio do mez de Marta ao seminario de Olinda, eem
testa e Tt-Deum. A' per da tiogeiea do acto
divliava-se o brilbaotiimo, j pela preseaca de
algumas pessoas gradas, iocaosabilidede do res-
pectivo reitor o Rvd. ceoego Jos Joaqaim Ca-
mello de Aadrade, e j pala satisfaclo com que
os collegiaea eooperaram, aos para organisefio
de ama paqueos orebestr dentre elles, qae to-
csssem dorante todo o mez, outros para canta-
re m hymneo Sania Virgen, outroe emmjseu-
jes nomee daremos sbsixo para prepreos seas
pralicas durante lodaa ae tardes. Fados desta
Bis os nome pela ordem em que prsgaram :
Joee da Borja Oliveira. .
*wl/Moa Freir de Carvalbo.
Augusto ds Coala Lyra.
Luis Ferraira Nobre Pellinca
Sebaatiio Pabiao de Oliveira Lima.
Antonio Gonc,alves de Oliveira Jnior.
Valeriano da Allluia Correa.
Jaeiotao Francisco de Oliveira.
Jos Joaquim da Rocha.
Maooel Basilio de Brito Guerra.
Joao Manoel da Ctrvalho Jnior.
Idaline.'Fernaades de Souza.
Francisca Aaiaoo de Souza Arauj.
Gontientino Aureliaoo Gomes de Metloev
Aotonio Lniz dos Saalos.
Maooel Joao Gomes.
Jos Virgolino de Qaeiroz.
Maooel Ca alean ti Becerra de Menezes.
Dicono Francisco Xavier da Rocha.
Traoquilino de Araajo Rosa.
Joaqaim Antonio da Costa Piolo.
Jos Ferraira Nobie.
Candido Joa da Fonseca Carvelho.
Pedro Soares de Freilss.
Augusto Adolpho soaree Kuiewetter.
Antonio Germano Bezerra Btrbalbo.
Jos Esteres Vianna, (da (esta).
Joio Fraocisco de Si, Ido Te-Dtum).
Movimento ds enfermara da casa de de-
ten;io do dia 1 de juobo de 1862.
Tiveram baixa para a enfermara :
Manoel Teixeira de Carralho Ralalio ;
tierno.
Francisco, eseravo sentenciado ; sarnas.
Tiverem alta da enfermara:
Praocisco Lopes de Oliveirs.
Serafim Jos Cavalcaoti.
Dis 2
Tiveram baixa para a enfermara :
Maooel Flix do Nascimenlo ; febre.
Francisco Antonio da Costa ; sarnas.
Tiveram alta ds enfermara :
Felippe Pereira dos Santos.
Paulino, eseravo de Britea Sebaatiaaa de Morae.
Repabtico da polica. (Extracto daa partea
doa dias 1 e2 de junho.)
Foram recolhidos casa de detencio ao da
31 do mez prximo Godo :
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chele de polica, Sil-
vestre Francisco Lourenco do Moni, crioulo, da
19 annos de idsde, carpina, e Zefeino Vieira da
Paixao, pardo, de 15 annos, pescador, para re-
crutas.
A' ordem do Dr. delegado do Ia dittricto, An-
tonio ou Aotio Francisco dos Santos, pardo, do
21 anno, boleeiro, por insaltos e ofiensas mo-
ral publica.
A' ordem do sabdelegsdo de Santo Antonio,.
Melchiades, crioulo, de 24 snoos, ganbador, es-
eravo de Rufino Antonio de Mello, por briga, a-
Theodoro Waoderley, tambem crioulo, de 80 an-
nos, servente, por embriaguez e desordem.
A' ordem do de S. Jos, Manoel Pereira da Sil-
va, pardo, de 30 annos, foguista, por crima da
ferimentos leves.
A' ordem do da Magdalena, Caeemiro, crioulo,.
de 30 annos, criado, esersvo, que nio declarou o
nome do aeobor, por embriaguez.
1 do correle.
A* ordem do Dr. delegado do Ia dislricto, Gui-
lherraina da Silva Reg, parda, de 18 annos, cos-
tareira, por disturbios, e Antonio Pedro Martina,
branco, de 31 annos, que vive de negocio, por
desobediencia e insaltos.
A* ordem do subJelegedo do Recife, Joio Fran-
cisco dos Santos e Manoel da Silva Guimaraes,.
ambos brancos, o primeiro de 23 anaos e o se-
gando de 37, catraeiros, por briga.
A' ordem do de Santo Antonio, o suisso John
Ollsom, de 29 annos, carpinteiro, por embria-
guez.
A' ordem do dos Afogados, os rioalos Joio
Jos do Nascimenlo e Manoel Joaqaim da Santa
Anna, este de 22 annos, agricultor, por briga e
embriaguez, e aquello de 41 annos, pedreiro, so-
mente por briga.
O ehefe da 2* seceo.
J. G. de Uesquita.
Mtadouro publico.
* Malaram-ae para conaumo desta cidade, no dia
Ia do crrante 93 rezes.
dem do dia 29!.
Paamgetroa tfo vapor nacional Oyapock t-
bido dos portosdosul: Mecheti Liboaill Ferd-
nand Votrale, Eduardo Mooo, Franciaco Cerdoso
Begigo Aceto. Julio Corar Galiio. Laiz Soares, l
eacrava de Joaqaim Ataenio .Cintra datSllva,.
Bento Jos Pereira e su mulher, r. Jos Aoto-
nio Vas de Carvalhaes e sea mulher, Felippe
Doon, Dr. Luiz Hera Gonzaga de Lacerda, Mogo
Btplista Fernandes, Dr. Abri Bruno da Cmara,
e 5 eseravo de Adriano & Cslro, 3 eseravo do
Jos Velozo Soares, Dr. Joio Goocalves da Silva
Mootarroyos, Furtunato Coelho da Silva, majer
Joio da Silva Affooso e 2 escravos, Dr. I. Frao-
cisco de Araajo Barros e 1 crisde, lescravo de
Josepha Mana da Cooceicio, 1 eseravo de Salva-
dor Rodrgase da Silva, segundo cadete Teren-
cio Jos Chavantes, Angeolioa Patleltl, Emilia
Marqaas, Raimundo Torquato de Oliveira Gome,
espitio Pedro Affonso Ferreira, saa malher 2 fl-
lhos,menores e 1 criada 2 escravos de Sil'lno
Guilherme de Barros, 4 esersvos do Dr. Jos
Antonio Vaz de Carvalhaes, Antonio da Motla e
Silva, Antonio Fragozo de|Mello, Msrcelino dos
Santos Senos, Francisco Dar&o Soares, 20 preses
do exordio o 1 corneta.
. Psstageiro do brigue sueco Sidon entrado
do Rio de Janeiro : Pedro Brown.
Pasaageiros do brigue poriagoez S. Manoel
, eolredo do Porto : Joa doa Reis, Manoel Fer-
raira Netlo, Manoel Martios Gomes Jnior, An-
tonio Barbosa, Joaquim da Silva Campoe Mais,
Joa Alves da Silva, Maooel Martina Torrea, Jos
Gonsalves da Fonte, Angelo de Si Peixoto, Miguel
Joao Vis, Joio Jos Soares, Malhias Jos Firmo,
Jos Gomee, Aotonio Joaquim de Jesas, Manoel
Joa Moreira da Silva.
Pasaageiros do vapor nacional Paran en-
trado dos porlos do sul : Dr. Grvszio Cempelo
Piras Ferreire, Joa Torres, Estevio A. de Souza,
Jos Mara Gaio da Silva, Maooel Jos do Nasci-
menlo, Guilbermins /'yarda liberta), D. Joaona
Brgida Victoria do Sacramento, 3 escravos de
Manoel Francisco Marques, 1 esersvs de Domin-
gos Rodrigues de Andrada, 2 eecravae de Jos
da Foneeca e Silva ex-pracs do exercito, Jos|Vi-
cenle Ferreira, e Manoel Antonio I, Dr. Carlos
de Cerqueira Piolo e 1 criado, e 1 esersvo do
Guilherme Aagusto Rieardo, Antonio Pinto dos
Santos, Fraocisco ds Silva, africano liberto Vi-
cente, Maooel de J C. Albeqoerqoe, 1 desertor, 2
pregas de pret do exercito, Antooio de Albuquer-
que Holanda Cavalcaoti, Franciaco Alves S. Mo-
rsas, Franciaco Vaz Pereira, Cessr Augusto Lau-
rel, Maooel Jos Goocalves. Maooel Jos Gomes.
Josquim de Souza Ferreira, Gsspar da Silva
Cbeappe, Joao Franciaco Ferreira da Silva Braga,
Guilherme Baptiala dos Santos, Joio M. do Rio.
Jos Joaqaim de Mora es, padre Candido Jos
Alves da Silva, Fraocisco Aotonio Giffoni, Nico-
lao Maroni, Nicola Mileo, Jos PeguaUri, Jos
Ferraira da Silva Gomes, Andrs Reliara.
Seguem pars o oorto : Francisco Jos ds Ca-
oba Sempsio, primeira cadete Pedro Alves Be-
cerra, Raimunde Alves de Oliveira, James Len-
coster, Jos Aotonio Moreira da Rocha, capitao
Gandido Joa da Costa, segundo tenente Manoel
Jacioiho Marquea de Oliveira, padre Joao Maesas
da Cunha, Dr. Egas Muniz Brrelo Carnes
Campos, Franciaco Jote do Couto Roche*
Oso de pret do exercito* D. Msria sjsbei d
Jordio, e 1 eseravo.
Obituario do dia Ia os jcnho, M
aio publico :
Felismioa Mara da Cooceicio, FesawtatJaMO, SO
annos, solteira, S. Jote; choleas.
Jos Simio, Pernambuco, W aeraos, viovo, Boa-
Vista ; interior.
Alfredo. Pernambuco, 2 annos, Boa-Viste a febre
perniciosa.
Livio, Peroambaco, 7 metes, Bea-Vista ; ea.
vulses.
Sophi, Peroambaco, 11 annos, Boa-Vtoes ; -
aica.
Dial
Virginia Mara dos Prszeret, Pernambuco, 40 sa-
nos, cesada, S. Joa; cholera.
Joaquina Rota de CooceiQo e Silva
co, 88 snoos, casada, S. Jes;'(<
Francisco Ignacio Ferreira Diss,
annos, caasdo, Boa-Vista : cas
Jos Ribeira de Ferias, Portugal,!
teiro, Santo Antonio : chalers.
Alvaro, Pernambuco, 3 dias, Boa-Vista ; es-
pumo.

';'.':


-

efe.


*,;
A TTT tf Llt
,-..-

U* lUi. ,
MI I l'lll 11..--- I
3C

fwwBlbw*, 3 trozo, 1 ..Vista ; oato-
,. smamtroeo; 8 da, S. I rt; espssmo;
Pernambuco, 3 boru. Sin o Antonio ; ac-
f (entes o parlo, (eserave Y
feaippe. reroambas dtas, & Jote; tslsoo.
Jase, Pera aboco. ($ enaoe, e:Kiiro, soerivo.
ci-Vista* tukeecalea.
rr.iVo de Paula, Pemambue ;J8 anuos, sol-
tetro, Atogidoe ; morphetlco.
Padre. Peruambaco, 15 mo*. Santo Antonio ;
OOtompoa.
Mafia Leopoldina Aire* de Souta, Perosmbaco,
24 annoi^caaada, Recite ; tulerouloi palmo-
lliWi
Correspondencias.
BaaAerai redactores. (*jLend i era sea Diario
4a 16 do crreme aKeviita S Banalnao po-
Ootnes deiiar de notar a alteras* > qae o teu au-
4et fea ao precio porque foi Tendido o algodo oa
cornial attim decorrids de 19 34. Entretanto
sganle que por erro delmpreiSo astim tives-
eeoccedido, etperamoa qae o ion autor rati-
oeoasam tal erro ; nat como nao leoha appare-
stOo rattiOcago alguma ateo a omento em que
oserevemo, por feto tomemos i liberdeda de
em a devida veniafazer obs rar ao aenbor
redactar da Renata Semanal qu foi mal infor-
mada quanto ao preco da atgod. 10. Po quanto
ao, eeae eremos, o aenbor redador tem por flm
facer coohecer ao cemmarcio e a enviar d o menor preco porque ene producto
?eadido, clare que o preco de que falla o re-
Oeetor, referen necessarameola i aquello por
OTie as negociantes exportador '3 compram aot
.s>resrios; porque aquellea o cumpram aempre
aereo prego saperior ao desle, lo contrario Dio
averia lucro nem vantagem poisivel para o
sareaeario, a lato o que sent tde sappor.
Ora, ae verdad o que a nao pode contestar
fae genlrneote o prego porque compram os ne-
gociantes exportadores superior au dos prensa-
rlos, a se por cooaeguinle destt preco que falla
senhor redactor; vejamos se cora effeilo exac-
ta ter-se vendido algodo durante a semana na
razio de MJ600 12J60O.
Pela* coalas tirados para os e esmos senhores
negociantes, e pelo teatemunbo destes o aanbor
redactor da Revista ficari convencido de que as
ooedis do .algodo realisadas Carota a ultima
ajomana foram feitaa na razio de 11 $600 o regu-
lar, de 1(708 i Ug900 auperior, e apenas hou-
oer'am algunas siccaa qee por ana qualidade es-
pecial obtiverem o pre?o de 12S0P J por arroba.
Ora, por^qui ae v que o ineror preco porque
oe vaadeu o algo lio foi o de 11)601) por arroba,
4 o maior de 12J000 ; e au com i diaae o aenbor
redactor, nio sabemos fundados iim que dados o
4eli|00.
Asura pois, esperamos que o lentior redactor,
ieoha a bondide'de ractiflear o erro dos pre?os
o algodo inserido na sua Reviita de 26 do cor-
mei.
Reeife, 30 de maio de 1862.
U, dos tres.
ottwsngiirando M tan Graciano*, anortan *
ote, como lestaa de ferro H
l* Qaal o fim da farroha provtnlete'fle mala
da 90,000 eovaa da roca deizadas a sna sanhoria
em horta do Pica pelo ex-commandanto Reg
Barrea ? Tari S. S. conaamido esYs farinha pa-
ra roais taires de. 300 alqueire em sua mesa, oa
(mimo e**M> se tem mostrado palos interesiet da
fazendapublica) entrara com ella para o almo-
xarifado gratuitamente, como fez com a qne
partencia eos empiegados e* aniseros senten-
ciados!
3.* Seria de necesaidade que S. S. realizis a
compra de 1118 1|2 alqoeirea de farinha para a
naci, tendo-sa assenboriado de todas aa plao-
ticee, at daquelles qae arrendaram terraa co-
mo Francisco de Paula Tiburcio Ferreira, Joa-
quim Rodriguea llaia de Oliveira. Antonia de
Castro Delgado o oulroa, alm daa 30,000 eovaa
de rojasceizadaspelos Srs.msjor R*go Barros
e Manoel Tbomaz doa Sanios ruuita farinha so
tem aido consumid! no preaidio darante dez me-
zea de admiotatraqlo de S. S. nio obatintd hs-
rer redolido a 15 cavas meoaaes a quantidado
da feriaba que percebe cada een.enclado I
4.* Desejamos finalmente que nos responda ae
ser exacto baver S. S. mandado decepar lodos
os algodoeiros, e despeito das ordeos do govarno
aOm de curar da cultura de tres arbustos ?
Aoroditmoa qae o Sr. coronel Borlamaque ns
estado em que ae echa desde o mes de Janeiro
da anao correte, nio tem aciencia do qoe ae
paaaa no presidia a que taitas aeja completa-
mente tundido por aqnelles qee o cercara ; mis
nio sabemos como S. S. prefira oa piaguea la-
cros que percebe, cooser-ando-se naquelle la-
gar, alias de marta responasaidade, ao estado
en orme em que o mesmo se acha.
Voltaremoso arena como eeja mister.
O inimigo dot eicandalos.
tbesoarsrla e a qaam por menea ffter a obra dos
reparos a qae precisa a casa t* sRle namero 1,
oa estrada do raroamelrlm, peftoocoVIo ao pa-
trimonio dos orphos. avallada em 31OJ0O6. .
A arrematagSo sera feita na forma di le pro-
vincial n. 543 del de mato de 1854 e sobas
clausulas especiaea abaizo copiadas.
Al pesioas que t% propoieram a ena arrema-
ta?ao compare?am na sala das seuoes da referi-
da junta, no da soppra mencionado, pelo meio
dia e competentemente habilitadas.
% para constar se mandn alfiler o prsenle
publicar pelo Diario.
Secretaria da theeouraria provincial da Per-
oambuco, S da janbo de 1861.
O lecratario,
Aatoaio Porreira da Annunciaclo.
Clausulas eapeclaea para a arrematado.
1.aOs concertoa preciso* na caaa do ailio n. 1
na estrsda do Parnameirim oa importancia de
SKtyOOO sarao feitaa de conformidade com o res-
pectivo ornamento. *
S.*O arrematante dar principio a obra no
praao de oito das a a concluir no de sessenta
dias. ambos contados dr data da arretnataco.
3.arO arrematante seguir todas asprescrip-
coes que lhe foram dadas pelo engenhelro anear-
regado da obra, fleari sujeita as diipoiigoei da
lei provincial n. 186, no que diz respailo a arre-
matago.
4.*O pagamento serS effectuado, depois de
concluida a obra.
5.aNio ae admiltir em qnelqaer tempo re-
clama^So alguma por parla do arrematante, ten-
dente a exigencia de indemoisac,io.
O secretario,
Antonio Ferreira da Annuneiacio.
COMMIRCIO.
Praca do Uecife 2 de
junho de 1862.
Ys i\ualri> horas daturde.
Co taco es da jnnta de correto res.
Cambio.
Frete.
Assutar de Macei para Liverpool35/ e S 0|0
por tonelada,
I. da Cruz Macelopresidente.
John Gatissecretario.
Al fanden*,
Randlmente do da 2 ,
41:050*082
ovlmento da alfaudegc.
Yalamas enuadoa com f azendaa..
c > xorc ganaron..
Pubiica^es a pedido.
Valames
t
labidos

com (azendaa..
com gneros..
A directora da Compan lia do Bebe -
ribe que tem de funecionar no anno
finaaceiro da Companliia, que do 1
de maio de 1.862 a 30 de abril de 1863,
ficou composta da maneira seguinte :
Directqr.
Ocontrnendador Jos Perei -a
Vijtnaa com.....195 votos
. Vioe director.
Jos oao de A mor i m ce m 145
Secretario.
lusao Pereira deFarias co a
Caixa.
O commendador Mane si
Goncalves da Silva coa
Adjuntos
Jote "Brandao dn Rocha con
Bernardino Jse a Moateiro
com ..*...
Padre Antonio" da Cunha e
Figueiiedo com. ...
Antooio de Souza Moreira
com.......
JosJooquim da Silva ce oa
Commus&o.de exame le contas.
oaimendador Bento Jos F,
Barros com.....205
Commendador Joao Gonc 1-
ves da Silva.....189
Luiz Antonio Vi eir com, 125
196
139
203
201
193
159
129
Doscarragam no dia 3 de janho.
Palscho nacionalSalloceblas.
Patacho inglezarrletbscalho.
Brigue portuguezS Hanoellmercadotias.
Barca iogjezaQueen 0f the Soutidem.
Importado.'
Palhabote nacional Salto, vindo do Rio Grande
do Sul, consignado a Bailar & Oltveira, maoifas-
tou o seguinte :
9.486 arrobas de carne secca de charque,
2,000 restees de ceblas e 72 couros vaceuos
seceos; i ordsm.
Vapor nacional Paran, procedente dos portos
do sul, manifestou o seguinte :
1 fardo seda elstica; i Pinto de Souzs &
Bairio.
S ditos fazeodas; Southall Mellon & C.
1 ciza charutos; Antonio Pedro Honteiro
de Souza.
1 dita ditos; i I. B. dos Reis.
1 dita botoes, 1 volume; Antonio Lopes
Pereira de Helio.
caiza zarope, f dita um
ordetn e mata 380 rollo* e
. 1 fardo papel, 1
pparJbo de prata ;
80 lataa de fumo.
1 caizao charutos
2 caizas cbapos
Jos Leopoldo Bourgard.
Ferreira & Araujo.
8 volume objecvus para pintor ; igoora-ae.
Pioheiro.
de OlWeira Azeredo,
1 dito; i Jos Alezandr Pinheiro.
* 2 ditos.; i Antonio Lnis
e 1 eocapado.
1 dito; Jos Pereira Vianna.
1 dito ; i Haooel Soares d'Avillar.
2 ditos; Nogueira de Sousa & C.
1 dito ; 4 L. A. Siqueira.
1 dito; Manoel Ignacio de Oliveira
Silva.

l i 8 12 ilqueires de fariiha de man-
dioca de produccao do presidio de
Fernando comprada pelo coronel
Trajano Cesar Burlamaque ao ex-
entenciado Graciano Jo de Freitas
e Quit ino Joaquim Madi ira, e que ja
foram pagas pelos cofre:, pblicos na
. importancia de 2:68i$400 !
Alheie a essaa diicusses que e tem publica-
do pela imprensa sobre oa tactos do Sr. coronel
Burlamaque no commando do prasidio de Fer-
aaade, alo pretendiamoa recor-sr ao prle, a
ae aermos levados pelo inlereii) que nutrimoa
de que nao contioue.o Eim. preddente da pro-
Tiacii a aer Iludido, saoccionac lo depredagdes
des dinheiros pblicos, rnormenlu em urna po-
ca om qoe a maior economa t a sido recom-
meadada pelo governo seral, so cujo progrm-
ala fot iniciada por S. Exc. a ac ministraco da
provincia que tiodtgoameote Ib) aciba de aer
coonada.
Seodo publico haver o coronel Burlamaque,
lago que assumio o commando do preaidio ro-
snado iodos os rogados dos emprt gados, aenUo-
ciades e particulares que arrod vam terrenos a
aa^ao o que foi corroborado pot um dos pane-
djrristia do mesmo aeohor, o poi tngnez Antonio
Alves de Araujo (que dizem sei sea socio oo
aiitiiro) em urna corraspoodeiicia incerta no
s9te>rte de 17 do presente, soi preodeu-nos a
lei tur a do expeliente da presiden ce clorada nos
Diariot de 5 e 26 do correte, e n que ae man-
dae pagar a Manoel Relriaruea dn (Joita Maga-
Ihies (gtnro do coronel Burlamaque), e a Joo
ffraaciieo de Souza a qaaatia de 1:6849400 sen-
do ao t* 1:9648100 er ao 2* 720* importancia de
114 i[2 alqueires de -riuba comprada pelo di-
ta coronel a Graciano Jos de Prstase a Quin-
ao foaqvim Madein, pois nio pjdemos conce-
rnes como se effectuasse a venda de um objecto
a aacao quaodo a ella partencia I 11
r saoivo ascandalol muito ego imo I
Ksa doMsado da honradez de Sr. Burlama-
do quitem dado ezoberantea provaa em
csaemaadoi, directoras a outr a commisses,
astado nio podemos preacindir de Ihefazermos
as aajBBOloa erguntaa,' e estam >s coavaocidos
deque S. S.aaoa raapooder satiifactoriameote :
1.* B< que sooieBdupuzaram n ez-santencia-
deCraoiaoo Jos de Freites e Q arino Joaquim
a, sends aquella sargeot > da aldea au
ir dos aentenciadoj o esta iocombido das
es da naca*) para manu icioraram um
lie avultado numero oa alquoirts de farinhaf
a itao urna embacadella, a fim d- alguem rece-
aaar ioderidameate esse dinhetro (loe cofres pu-
2 ditos; Selidonio Jos Antonio Pereira
Lago.
1 dito; Jos Estevo de Oliveira.
40 ditos; ao Ezm. presidente da provincia.
1 cezto frucla ; 4 J. Francisco Silra Novaes,
1 pacote; J. Baptiala Fooaeca Juoior.
1 calzte; LuizOasiauo Lima.
Briguo nacional Alfredo, vindo da Babia, con-
signado a Marquea Barros & C, manifestoa o
aeguinte:
3 caizaa vestidos de cassa, i dita chales, 1 dita
lencos, 4 ditas e 1 pacote ditos bordados, 2 ditas
caasas, 3 ditas brim, 1 dita leoces ; Frederico
Monbsrd &. C.
2 caizas e 1 pacote chiles; i Joio Keller
4C.
1 caiza piano, 1 caizote livros, 1 encapado
roteiro. 298 betos de piassaba, 48 caizas chara-
tos, 541 saceos feijo, 2,345 caizas e 1 picote
charutos, 40 latas oleo do recio, 14 saceos ti->
de algodo, 414 ditos farioha, da mandioca ;
ordem.
7 pipas lirio florentino. 4 ditas fem de /irginia
23 ditas dito moido ; Meuron & C.
1 caiza chales de louquim, l dita chapeos de
sol; A. C. Abrou.
21 fardo fumo; i J. V. Lima.
12 ditos tabaco; Manoel lavares Cordeiro.
29 ditos dito; Antonio Jos Soares.
1 caixa charutos; Jos Ferreira da Silva
Juoior.
500 saceos farinha de mandioca; Palmelra &
Be Itrio.
Hecebedorla de rendas Internas
Cernes de Peroambnco
RandJmentododia 2.....1:021(948
Coasolado
Raudimento do da 2 .
provincial.
.... 10:252J668
Movimento do porto.
{*) Nio foi por erro que cota mos o preco do
o na semana de 19 i 24 de paseado, de
i.fK60, a aieo por no-le er ieso afflrma.
corrector da prat;i, que n de noto re-
^aae efflaocnu terem i vido veodts i
Uaitaa razea ae te m dado ven daa
oa negocia ates po pre^o inferior
J ooa matutoi, o que te nio pdde
l*?!?^ "m raowrraaoa visto a -W ,no Sa que se
utnnssscjoosdesse genes.
'lfeoaofiro.
Naviot entrado* no dia t.
Rio-Grande do Sul27 dias. biata nacional Salto,
de 175 tooellidas, capitao Jos Jernimo de
Sonza, equipagem 10, carga 9,500, arrobia de
carne aecca ; a Bailar'& Oliveire.
Baha2 dias, barca nacional Iri>, de 309 tonel
ladas, capitao Gaspar Leite de Fariaa, equipa-
gem 14, em lastro ; a Aranaga Hyje & C.
Naviot tahidos'no meimo dia.
Maceibarca iogleza Bonita, capitao W. Coatb,
em lastro.
Portos do Sulvapor nacional Oyapock, com-
mandante primeiro tenente Pontea Ribeiro.
Navio entrado no dia 2
Rio de Janeiro28 dias, brigue sueco Sidon, de
271 tooelladas, capilio I. W Hogren, eqaipa-
gem 9. em laatro; a Amorim Irmio.
,i.~33 diaa, brigue portuguez S. Manoel I, do
192 tonelladaa, espilao Carlos Ferreira Soares,
equipagem 15, carga sal, e outros gneros ; a
Macoel Joaquim Ramoa e Silva.
Po.rt0i*Ed u Sb1~"6 dU* e ** di,' e d0 ltilD0 Pr-
, to 15 horaa, vapor nacional Paran, de 840
tonelladaa, commandante o capuio tenante
Jos Leopoldo de Noronha Torrezio.
liaviot sahidos nomnmo dia.
Rio da Pralabrigue portuguez lusitano, espi-
to i. de Araujo Lima, carga aasucar a agur-
dente.
O Itlm. Sr. inspector da theaouraria pro-
vincial manda fazer puolico, que do dia 3 do cor-
rente por diente psgsm-seos ordenados dos empre-
gados provinciaei, vencidos oo mez de maio pr-
ximo Ando.
Secretaria da theaouraria provincial de Per-
nambaco, 2 de junho de 1862.
O secretario,
Antonio Ferreira da Aunuaciac.io.
Traslado.
Cartas da editos. O Dr. Hermogenes Scrates
Tararos da Vaoconcellos, jaiz muoicipal da pri-
meira vara, oesta cidade do Recite de Pernam-
buco, por Sua Magestade o Imperador e cons-
'tituciooal o Sr. u. Pedro II, quem Deas guar-
de etc.
Faco ssber aas qae a presente carta de editos
virem, o d'alla noticia tiverem, que por parte da
junta administrativa da irmandade da SaotaCsaa
da Misericordia dasta cidade, me foi feita a poli-
cio seguinte: -
Pon) i cacao.
Dizjaota admiaistratira da irmandada da
Sinta Caaa da Misericordia do Recite, successora
4a'administrscAo doa eslabelecimeotoa da carida-
do, que quer fazer citar i Joao Francisco d'Oli-
veira, para a primeira deate juizo Sallar aos ter-
mos de um libello, em que lhe quer pedir a quan-
lia da duzentoa o trila e oilo mil ris, como fia-
dor e principal psgador doa ajagueia da casa na-
mero oito, publico a quareale* o ora particular,
sita do boceo do Quiabo da fregoezia da Boa-Via- j
la, hoje perteoceote ao patrimonio da aupplican- '
te, pejo lempo que em dita casa morou Cosme
Damiio Ferreira, como anelhor, ezpressari em
sea libello, sob pena de revelia, ficando logo ci-
tado para todos os demaie termos de accio at
real embolen, e final ezecucio.
E porque o supplicado o dito Joio Francisco
de Oliveira se ausentou do lugar de Santo Ama-
so da freguesia da Boa-Vista, onde morara, para
pagar incerto, e nao aabido, quer i aupplicaole
provar aua ausencia, a iocerleza de lugar e pro-
seado quanto basta so passa carta de editos com
o prazo de triota dias, para ser o supplicado.cita-
do por todo o contedo oesta.
Nestes termo: Pede ao illustriaaimo senhor
Dr. juiz municipal da primeira vara aealm o de-
lira.E. R. M.Como procarador.Jos Theo-
doro Gomes.
E mais se nao conlinha em dita petigao aqui
tranacripta, a qaal aendo-me apresentada celia
dei o despacho do theor e maneira seguinte :
Despacho.
Deatribuida,CiU-ae. Recitr, 11 de malo da
1682.
lavares de Vascoocellos.
E mais se nao contiaha em dito despacho aqui
fielmente traoscripto, e emaeu casa pri anelo (ta
a oeiM peiijao distribuida .o eacrivo Joaquim
Jos Pereira'doa Santos.
E tendo a supplicsale prodazido saas testemu-
nhaa que juatiilcaram sua ausencia em lugar nio
sabido, subiram os autos a miaba conclusa, e
nellesdei a senlenca do tbeor e mineira se-
guinte :
Senlenca.
Julgo presada a ausencia de JoioFranciico de
Oliveira, e ando se pesae carta oa forma reque-
rida, paga as cuitas pelo sopplicaole.
Reeife, 12 de maio de 1862.Hermogenes S-
crates Tirares do Vasxo'ncellos.
E mata se nao conlinha em ditaoeoleoca, aqui
bem e fielmente transcripta doi autos, e em seu
cumprimejito o respectivo escrivio fez passar a
prsenle carta de editos com o prazo de trila
diss, pero qaal chamo, cito e hei porcitadero re-
ferido supplicado, para.que enmpareca neste jui-
zo dentro do referido, prazo, aob pena de rerelia,
afim de allegar sua defeza acerca do que fica dito.
Portanto toda o qualqaer peaaos, parate,ami-
go, au conhecido do referido supplicalao pode
ri fazer sciente>de tudo quanto fica expendido.
E para chegue a noticia a quem comier man-
dei paaaar a presente que ser affizida no lugar
do coslume.
Dadae passads neatacidade do Reeife de Per-
oambnco. aos 27 de maio da 1862.
Eu Joaquim Jos Pereira dos Santos, escrivao
a aubscrevi. Hermogenes Scrates Tarares de
Vssconcellos.
Nada maia ae continha em dita carta de editos,
quo eu escrivio abaizo assigoado fielmente fiz
trasladar da propria caria original a qne me re-
Sorto, e vai este sem cousa queduvida faga, con-
erida e concertada oa forma do e.tyllo. por mim
subscripto, eassignado neata eidade do Recite de
Peroambuco, aos 27 diaa do mez da maio de 1862.
Subacrevi e aaaigoei.Em f de verdade. *
Joaquim Joa Pereira doi Santos.
O Dr. Trislio de Alencar Araripe, official da
imperial ordem .di Rosa, e juiz especial do
commercio deaia cidade do Recite de Peroam-
buco a sen termo, posS. M. I., que Dos guar-
de, etc.
Faco ssber pelo presente, que a requerlmeoto
de Saunders Brothers & Compaohia se acha
aborta aielleacia de Faria & Compaohia pela
senlenca do theor seguate :
Vendo-se dos presentes autos que os com me r-
ciiotos Fsris & Compaohia, eetabelecidos nesla
cidade com loja de fazeodas, cessaram seus ps-
gamentoi, hei pordeclsrada a aua (silencia, cujo
termo legal fizo a datar do dia' 1 de ebril prozi-
mo psssado, e ordeno que em todos os bens, li-
aros a papis Jos fallidos ae pooham sellos na
forma da lei, remetteado pera este fim ao juiz da
psz competente copia oeste despacho.. Nomelo
curadores fiecaea da maesa fallida aos credores
Sauodera Brothers & Comoanhia, quo preitario
juramento e publique-ae s fallencia por editaes,
procedendo-se as demals diligencias legaes, o
convocados os credores para o dia 16 do corren-
te mez. urna hora da Urde.
Reeife, 10 de maio de 1862.Triito de Alen -
Iho prozimo vindouro, o fornecimenlo da isaen-
tacio a diatas para os presos pobres da caaa de
deten ci, a saber:
AUmeatocie.
Domingo.Almo
Do pao de tres oocas.
Urna 005a de caf.
Dues ooc,as de assucar.
Juntar.
Urna libra de carne verde.
Dma enea de towciaho.
Ua dcimo de farioha.
Loaba e sil.
Soguode-feira.Almoco.
O maamo que oo domingo.
Jintar.
O mesmo que no domingo.
Terca-fetre.Almoco.
O maamo qae no domingo.
. Jantar.
O mesmo que no domingo.
. Qaarta-felra.Almo;o.
O mesmo-que no domingo.
Jantar.
Hela libra de carne aecca.
Urna onfa de toucinho. ,'
Meio dcimo deTeijao,
Dm dacimo de farinha.
Lenha p aal.
Quinta-feira-AlmOQO.
O mesmo que no domingo.
Jantar.
O mesmo que no domingo.
Sezta-feira.Almoco.
O mesmo qae no domingo.
Jantar.
Maia libra da biealho.
Meio daormo de feijio.
Um dcimo de farinha.
Duas oitavas de aceite.
Urna onga de vinagre.
Lenha e aal.
Sabbado.Almoco.
O mesmo qae no domingo.
Jantar.
O mesmo que ns sezla-feira.
Dietas para os doentis.
N. 1.
Almoco.
Um qnarto de gafllnha para tres caldos no
dia.
Lenha e sel.
N. 2.
Almogo.
Um pao de tees oocas na sopa de caldo de gal-
linba.
Lenha e asi.
Jantar.
Um qaarto de gallinha cozida.
Duas oocas de arroz pira canja.
Lenha, sal e vinagre.
N. 3.
Almoco.
O mesmo qae na dieta n. 2.
Jantar.
O mesmo que na dieta n. 2, a mais um qaarto
de gallinha astada.
Um pao de tres o ocas.
Lenha e sal.
:. 4.
Almoco.
Duas oitavas de cha da India.
Um pao da tres oocas.
Duas onca de anucar.
Lecha.
Jantar.
Urna libra de carne verde.
Um dcimo de larinha.
Lenha e sal.
N. 5.
Almoco.
O meam da dieta n. 4.
Urna libra de carne akaada.
Quatro ooc>a de arroz.
Um pi de tres oncas.
Lenha e aal.
As pesaoaa que quizerem fazer dito foroeci-
meoto apresentem as suas propostas em cartaa
fechadas 00 dia 18 de junho do crrante anno,
nesla theaouraria, pelo meio dis, onde encontra-
ro as coodicoes com que deve ser effectuada a
arrematacao.
E para constar se mandn affizar o presente e
publidat pal 'atrio.
Secretaria-da thesouraria provincial de Per-
nambuafpji^de maio de 1862.
f^ O secretario.
. \ Antonio Ferreira d'AooiniciacSo.
Dado e psssado nesta cidade do Reeife, rspi-
tal deata provincia de Peroambuco, aoa 30 de
maio do anno do naieiweato de Nosso Senhor
Jess Cbristo de 1861, 41* da Independencia a do
imperio do Brasil.Bu Manoel Maria Rodriguea
do Nasclmento, esrri'io.osubscrevi.
Trislio de Alencar Araripe.
Oeelaraeoft*.
O CIRCO
GR4NDE 0CE4NO
CoDselho adiiDstrati;o.
O conielho administrativo para foraoeimento
do arsenal da guerra tem da comprar os objectos
seguintes :
Para a proaidio da Fernando.
87 pioa da 40 palmos de comprimento, tendo
7 poliegadas de face, para frechaee, tercas e ca-
mieiraa.
34 dos de 37 palmos de comprimento, tendo
9 poliegadas de face, para liabas de aasentar te-
sonras.
40 ditos de 25 palmos ds comprimento, tendo
7 poliegadas de face, para eapigoes e portadas.
84 travos de 22 palmos de cumprimeoto,.tendo
7 palmos de face, pira pernaa de tesoaras.
800 caibroa de 25 palmos de comprimento.
15 duziss de ripas. ,
9 barricas de cimento para reboque de pa-
redes.
260 slqueires de cal.
30 milheiros de telbes.
30 vergaloes de ferro de 1 1(2 pollegada.
5,000 pregos caibraes.
3,000 ditos ciixaes.
10,000 ditos ripaes.
Para o 7* batalho de intentara.
1 trena de 15 bragas.
50 canetaa.
50 escovaa moles.
Quem quicer vender taes objectoa aprsente aa
saas proposlas em carta techada na secretaria "do
conselho, s 10 horas da manhaa do dia 9 do
junno proaimo vindouro.
Sala daa sesses do conselho. administrst'vo,
para forneciraento do arsenal de guerra, 31 de
maio de 1862.
Antonio Gome Leal,
Coronel preaidente. .
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel rogal secretario interino.
DE
SPALDING & ROGERS.
3 de junho.
Haveri urna aova o arijrraate panlostllr, pela
segunda, vez, intitulada
-
DO
SditaeM.
0- 0 lllm. Sr. inspector da Iheaoorar'ia provin-
cial em cumprmento ata ordem do Ezm. Sr pre-
siden U da provincia da 30 da maio prximo Rodo
manda fizer publico que no dia 12 do correte,
se ha de arrematar parante a jnnta da merma
oar Araripe.
Nada mais se continha om dita sentenc* 81ai
inierla, a havaado o socio Lino doFria*aggra-
vado de samethanie eenienco, e seodo denegado
proTimento. fra designado o dia 30 do paaaado
para tor tugar a convocago doa credores e Ira
ter-se da nomeacao de depositario ou deposita-
rlos, e nio podeodo tsl convosacao atada oesse
di 1 lar lugar por juilo impedimento, nova meo te
marcado o da 3 do crrante, s 2 horas da tarde
na aala das audiencias, para o fim cima indi-
cado.
B para que chegue a noticia a quem ioteressar
possa, raendei passar editase que aerio iffizados
nos lugares do coslume e publicados pela im-
prensi.
Dsdo e pssssdo nesta cidade do Recite de Per-
oambuco, aos 2 de junho de 1862, quadragesimo
Bimeiro da independencia e do imperio do
rssil.
-En Manoel de Carvalho Paes do Aodrade, es-
crivio
0 Dr Trislio de Alencsr Araripe, official de im-
perial ordem da Rosa, e juiz de direilo espe-
cial do commercio deata cidade do Reeife ca-
capital deata provincia de Peroambuco e seu
termo, por Sua Magestade e Constitucional o
Senhor D. Pedro II, a quem Deus guarde etc.
Faco aaber aoa que a presente carta de editos
virem e delli noticia tirerem, que por parle ae
Jos Antonio Uves de Brilo me foi feite por es-
cripta a pelico do theor, de verbo adverbum, da
forma modo e maneira seguinte :
Illm. Sr. Dr. juiz de direilo especial do com-
mercio.Diz Jos Antonio Alves de Brillo, por
seu Instante procurador, qae sendo-lhe Joaquim
Salvador Pessoa de Siqueira Cavalcaoti, Joo da
Silva Pessoa de Siqueira e Antonio Jorge Guerra,
devedores da quantia de 1:6009000, alm doa res-
pectivos juros decorridos, ludo proveniente da
letra junta ji vencida e convenientemente pro-
testada, por files sa-ccadaS, e porque s judicial-
mente poderi oaupplicaote haver doa suplica-
dos o seu effectivo embolso, para Uto vem re-
querer a V. S se digne manda-lps citar para na
primeira andiencia deste juizo verem assignar-se
os dez dias da lei referida letra, afim de fiados
el les, e nao allegando oa supplicados defeza rel -
vante.aerem condemnados ao pagamento do prin-
cipal, juros estipulados.e cusas, fleando tambem
logo igualmente citados para os termos ulteriores
da causa, at final MOJtoaca e sna execugo, tudo
sob pena de revelia. Entretanto como para a
citarlo do devedor Antooio Jorge Guerra ae faz
neceuario carta de editos, visto estar elle ausen-
te, sera saber ae do lugar de ana residencia, re-
quer por iaso o supplicaoto a V. S. se digne man-
da-la passar com o prazo da lei, permlllindo a
oeceasaria e previa jusli8cico,dign ben mandar passar carta precstoria as justicia
da comarca do Cabo para a citago do devedor
Joo da Silva Peasoa de Siqueira, visto ser elle
li morador.
Assim pois, pede a V. S. deferimeoto.E. R.
M.O adregado Vieira de Amorim.
E maia ae nao conlinha e nem alguma outra
cousa ae declarava em tal peticao aqui mui bem
e fielmente copiada e transcripta, a qual sendo-
me apresentada nelia del o oeapacbo do theor,
forma, modo e maneira seguinte:
Citem-se ezpedidaa carta preca loria e marcado
o dia 12 do correte mez para a justificacio, de-
pois da audiencia. Reeife 8 de maio de 1862.
Alencar Araripe.
E mais se nio continha e nem slguma outra
cousa mais se declarava e moslrava em o men-
cionado despacho dado na referida peticlo, de-
pois do qae se fizera a deslribuicio do theor,
forma, modo e maneira seguinte :
A Manoel Mara.Oliveira.
mais ae nao continha a nem alguma outra
couaa maia ae declarava a moslrava, em tal des-
lribuicio aqui mui bem e fielmente copiada e
transcripta. E tendo o supplicante produzido
suas teatemunbaa que declararam que o suppli-
cado as achira em lugar incerto e nio sabido, o
referido escrivio Manoel Maria Rodrigues do
Nacimento, fez aeiiar e prepara; os proprios au-
tos e subiram a mioba coociuio, a sendo com
effeilo por mim recebidos, oelles dei, profer a
senlenca do theor, forma, modo e maneira se-
guiole :
Hei por justificada a ausencia de Antoaio Jor-
ge Guerra, qae te proaoa achar-ae em lagar in-
certo ; aaoim mando, que aeja citado por editos
de trala dias para o fim requerido, E pagua o
juaficaate m castos. Recite 24 de maia do 1662.
Tnsiao de Alencsr Araripe-
E mais se nao conlinha a nem alguma outra
cousa mata se declarava e mostrara em tal aeo-
tenca aqui mui bem o fielmente copiada e trans-
cripta dos indicados autoi, e perfores do que
referideosenvio fez passar a prosete corta do
editos cem a prazo de triots dias, pelo qusl caaa
mo, cito e hei por citado o referido supplicado
Aotooio Jorge Guerra, p*rs que comparece oeste
jaiz depuo do referido prazo, 'afflm de allegar
sua defeza acerca do ef pendido. Portento toda a
qualquer pesioa, prente, amigo ou coahecido do
referida supplicado, o poderi faser seienee de tu-
BEBERIBE.
O Sr. caixa o commendador Manoel
Goncalves da Silva esta' autorisado a
pagar o 28' dividendo desta companhia
na razao de 5$200 rs. por apolicf :
advertindo-se aos Srs. accionistas que
este dividendo sera' pago em cobrs,
visto ser na especie que o Sr. caixa tem
recebido dos arrematantes dos cbafari-
zes e bicas pertencentes a esta' compa-
nhia.
Escriptorioda Companhia 27 de maio
de 1862.O "secretario interino, Justi-
no Pereira de Faria.
' Conselho administrativo.
0 conselho administrativo para fornecimeoto
do arsenal de guerra tem de comprar os objectos
seguvtee :
Para o 2* batalho de iofantaria de linha. .
1 livro em brinco de 200 folhas para o registro
dos recrutas em deposito cargo do corpo, con-
forme o modelo.
1 dito dito de 200 ditas para registro da cor-
respondencia official dos. recrutas, conforme* o
modelo.
1 dilo de 100 dilss para iadlce a documentos
archivados tendentes aoe meamos recruAs, con-
forme o modelo.
1 dito de 100 ditaa par carga e deacarga do
faldamento, peitenceotes aoa meamos recrutas,
conforme o modelo.
Quem quizer vender taes objectos aprsenle aa
suas propostas era carta fechada oa secretaria do
conselho, s 10 horas da manhaa do dia 11 do
correle mez.
Sala das sessoes do conselho administrativo
para fornecimenlo do arsenal de guerra, 2 de
junho de 1862.
Antonio Gome Leal,
Coronel presidente.
France Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo, para fornecimenlo
do arsenal de guerra, tem de compraros objectos
seguintes:
Para o corpo da guarnigo da provincia .do
Cear.
457 pares de colchetes pretos.
Para o arsenal de guerra.
500 caadas de azeite de carrapalo.
Para a pharmacia militar desta provincia.
. Quem quizer vender taes objectos aprsente as
propostas em carta fchala, na secretara do
conselho. i 10 horas da manhaa de dia 6 de
junho prozimo vindouro.
Sala das sesses do conselho administrativo
para fornecimenlo do araenal de guerra, 30 de
maio de 1862.
Antonio Gome Leal,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
, Coronel vogal secretario interino.
Crrelo.
Pela adminislracodo correio ae faz publico
que hoje ($) aa 3 horas da larde em ponto fe-
char-ae bao aa malas que deve coodazir 0 pa-
quete braaileiro Paran chegado bontem dos
portos do sul ecom destino aoa do norte.
JACK
o GIGOTE unm.
COM
Bellisiimo* ornamentos
Mytterioso jogot
Transforma des e rnetamorphoiet
Produzxndo effeitos excitantes*
PERSONAGENS.
Jack, o matador de gigantea. Joven Cario Fish.
Caisarola, o cozinheiro......Jorge Sharp.'
Antropophago.o ggnle..... H. Magoffin.
knlropophaga, agiganta..... R. Me. Cornick.
Olhos malignos, eires'oolros
criidos..................... A eojnpaniniaJ.
Eva j Para aervir de ceia. Bella Rogttr. meni-
e >e comidas pla gi-< na, Arma Wor-
J/arioJganta................( land, dita.
Arte de montar a cavallo.
(iy ni naiticas.
Acrobticas,
E equilibrio
pslos mais nota veis artistas e. carelios.
I
Quarta-feira 4 de junho
Ter lagar ama repre?eutaco especial
com o fim extresso de produzir na novo o os
traordioario espectculo, cajos promenoras aerio
annunciados amanhia peloa respectivos jornaest
e cartazes.
Por ordem do director,
W. T. B Vas Orden Ji mor,
Secretaria.
A^Imm. tmaritimo-
Para
Rio de Janeiro,
segu com toda brevitade a lia 1a e velera barra
oacionil Ira, de primeira dase, capitao Gao-
par Leita de Para, a qual tem parte de seo or-
regameoto prompto ; para o reato, trata-ae com
os seus cooiigaalarios Aranaga, Hijo & C, ra
do Trapiche Novo o. 6.
Rio Grande do
Sul
segu com meita brevidade o veleiro brigue na-
cional Mensageiro, da primeira classe, per ter
alguma carga j engajada ; para o resto que lhe
falta, e que a receber mesmo a frete commoio.
trata se com Paitar & Oliveira, na rus ts Odeis
do Reeife a, 12, ou com e respectiva copsao a
donoSr. FirminoMaria Torolly, na prac,-.
THEATRO
DE
Santa Isabel
COMPANHIA LYRIC1
DE
0 aubscrevi,
Trislio de Alencsr Arsripe.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria pro- (do qoanto fica dito.
vinciil, em curaprieaeoto Oa reolucio di junta' I para qae chegue ao contrecasaonto da lodos
d* fizeoda, manda fazer publico que ae contrata, I alandal passar editaes qua serio publicados pela
por tempo do tres mezas, a contar do 1* de ju-'imorensa a a tuzados nos legaM da costme.
&.* Recita da assignatura.
HOJE
Ter^a-feira, 3 de junho.
llapresentir-se-ha a opera
ERNANI.
Para abonar as faltas da recitas que houveram
com os senhores asstgnontee, por molestia de va-
rios cantarea da eompeahia (hoja acbam-se rei-
taoeleeidoi), dar se-hio tres recitas por semana,
nos dias tercos, quintas-feirss a saneados.
Os senhores que compraran) bilhetes para a
recita de sabbado, tem entrada neate dia.
Principiar is ti horas em poeto.
Os bllhetes vendom-ae no dia do espectculo.
ti. B.Para evitar desgostos de qeslqoer es-
pecie, o emorezariodeclara qoe lodosos seoses-
ciipturado sitio pagoa em Ota, oa adiaaledot
nos veocimentoe, soma pode provar com aa re-
cibos ds 6ida iub detles.
O. RsJfflUKGBa
COMPANHIA rEKMIBICAIU
Navegago costeira a vapor.
Macei pelas escalas.
O vapor Parsinunga, commandante lloara.
aahiri para oa portos do sol tocando ua escalan-
no dia 5 de junho as 4 horas da lardo.
Recebe carga at o dia 4 ao meio Oa. En-
commondas, pasaageiros e dinheiro a frea al o
dia da aahida ao meio dia: eecriptotto no torta
do Maltas n. 1.
Para Lisboa segoe com muKa brevidado o
brigue Port Activo tem prompto a maior
parte do carregameoto, e para o resto que recebe
ajrete ou para panageiros, aos quaea oOiiaaaa ee>
cellenlaa cemmodos : trata se na escripassio do
Amorim & irmaos, ra da Cruz o. 3, oo com o
capitao Jos Antonio de Oliveire, na praca d
Commercio. "Nev
G01P1RH1A PER!UMBl'CAJU
pi
Navegar^ costeira a vafor
Parahiba, Rio Grande do Norte, Ba-
ca u do Asu', Aracaty, Ceara' e
A carac'.
O vapor Jaguartbe, commandante Lobatn.
setiir para oa portos do norte al o Acarar,
np dio 7 de junho as 5 horaa Oa tardo.
Recebo carga at o dia 6 ao meie dii.Eoccsn-
mendes, panageiros a diuheiro a frete ata o Ola
da aahida a 1 hora ; ascrtptorid no Forte Oo
MaUoi n. 1.
4racaly.
Segne na da iO da mez coaranta o feate San-
ta Cruza, recebe carga frete o paaaageirea : a
tratar com Csetsao siriaco ds C H. Irasao. mo
lado do Corpo Surto-ai 18.
Babia.
mata Santo Rita legua
rosto ds carga trala-ea' com
C. U. A Im io, no lado do'
ro.
- --





i.
.
DiA**T*nj%9to\iwc*.r*t,.fru$k fEiM otmt* m ***
Rio de Janeiro
Sigue coto loda a brevidadeo patacho S. Joa-
neiro. eaptio Joio Gaapar de Oliveira. lera par-
te de sea carrgamtoto prompti : para o restante
irata-se com o consignatario 9c> meamo Manoel
Ivs Guerra, o com o capillo.
Freta-sa pira o Rio da Pista um navio de
primaira claaae, lotado em 1,50' ou 1,600 barri-
cas : quera o pretender, dirija-ia a Bailar & Oli-
veira, raa da Cadeia do Recife i). 12.
Para Maranhao e Para,
O hiate Garibaldi, cspltao Cu lodio Jos Van-
na, ira lar com Taao & Irmao i. #
Para Aracuty
o biate nacional Jaguaribe pioteode aegalr at
o dia 8 de juoho por ler parte d carga piompta :
para o reato passageiros, tr ita-aa oa ra do
Creapo o. 14, ou com o meatre i bordo, defronte
do cae* do Ramos.
a
O patacho portuguez Mara da Glorian ctpito
Antonio da Barros Valeote, a sabir com brevida-
de por ter a maior parte d"e aiu carregamento
prompto, para carga e paaaagains para oa qtiaei
tem excelleotts commodoa trata se com os con-
signatarios F. S. Rabello & Filbo, ra da Cadeia
d.55.
Para o Rio Grande do Sal egue cdm muita
brevidade o brlgua escana Gasoabara, recebe
carga a (rete : para tratar, no i scnutorio de A-
morim Irmoa, roa da Crut o. 8.
Para o Aracaty
segu com toda a brevidade o tiale Exalaco
para carga o passageiros, trata-s i com Gurgel Ir:
. mos, na ra da Cadeia do Real n. 28, piittei-
ro andar.
Rio de Janeiro
segu com muitt brevidade o brigue nacional
Eucarrtadcr por ter parte da :rga engajada :
para oque lhe falta, trala-se com os consignata-
rios Viuva, Amorim & Filbo, na ra da Cruz nu-'
mero 45.
. A barcaca cS. Jos Viajanle, tendo parte
do carregamento a bordo para c Rio Grande do
Norte, anda recebe algam frea at o dia 5 do
correte, dia em que pretende pi rtir: quem qui-
zar carregar, dirija-ae escsdinia da alfandega.
loes.
LILAO
DE
Um predio chao
proprio.
Quarta-feira 4 do crvente.
O agente Euzebio fari leilo de um sobrado de
3 andares na raa do Amorim o. 13, chao pro-
prio, sendo de frente para a ra da Moeda 26
palmos 55 ditos da fundo, est em bom esta-
do, renda 600| por anno, confort ie o arrenda-
ment aoligo e mais reoder com alguna reparos
que posteriormente se Cuerera, vi to que o refe-
rido agente presume entregar pe > eoaior preco
que se achar no dia 4 do correte ao maio dia
era ponto no aeu escriptorio rur di Cadeia n.
45, onde ser effectuado se para isto os preten-
deres examinaren! com antecedencia o meamo
predio.
LEILO
*
DE
TJma mobilia de Jacaranda a Luiz XIV com um
sof, 1 mesa redonda, 2 cosile s, 2 cadeiraa
de braco, 2 ditas de balaoco :> 18 ditas de
guarnicAo em bom estido.
Sexta-feir 6 do cotrente.
O agenta Pinto fari leilo por cota e risco de
qaem pertencere sem reserva de >re;o da mo-
bilia cima mencionada, existeott no segundo
andar do sobrado o. 18, ra de Santa Rita, onde
se efectuar o leilo s 11 horas lo dia cima
dito. Oa pretendentes podero desde j exami-
nar a referida mobilia.
LEILO
DE
Roupa feita, calcado e un
-cabriole l com arreios.
Quinta-fe ira 5 do corren te.
O agente Luiz Antonio Rodrigues de Almeidd
fari leilo por coota e risco de qaem perteocer
e sem reserva de preco de 2'caiias com casacas
e fraques de panno fino, vestidos para meninos,
cortea de colletea de gorguro, chapeos de sol
para seohoraa, 4 caixas com calcado e um ca-
briole! em perfeito catado com arreios; ai 11
horas do dia cima mencionado am aeu escrip-
torio ra da Cadeia do Recife n. 48.
LSILfi
A i do corrente.
O agenta Oliveira far leilo de 5 caixaa con-
tendo cada urna 12 duziasde couro de lustra e
de 30 pegas de borracha, ludo oo eatado em que
ae acha, e por conta e risco de quem pertencer,
nao obstante ter a venda He ser feita a prazo ou
a diohtiro com descont ;
Quarta-feira 4
do corrente, ao meio dia em ponto, no escripto-
rio do referido agente, ra da Cadeia n. 62, pri-
meiro andar.
LILAO
A 3 de juoho.
O agente Oliueira pora em leilo publico pela
segunda ves, por ordem o em presen;* do Illm.
Sr. ooqsul de Franca oesta cldade, no respectivo
consulado e por coota e risco de quem perteocer
a barca franceza aMarie Nicols, fisto que os
concoTrantA ao primeiro nenhnm Unco oflere-
ceram aobre o prego eatabelecido para cobrir os
gastos de reparos comecados e outroa feitios com
i meama barca oeste porto, cujo axame continua
a ser franqueado no lugar do seu ancoradouro, e
em aeguida os viverea anteriormente annnncii-
dos ; tudo de conformidade com as meamas con -
dieges e clausulas anteriores, expoatas a oovo,
ou antecipado exame, no escriptorio do dito
agente:
Terca-feira 3
de juoho ao meio dii em pooto.no mencionado
consulado de Franca, ra do Trapiche Novo o.
14, segundo andar.
LEILO
Quarta-feira
o
juaho.
O agente Pinto far leilo a requerimento dos
curadores Aseses da massa fallida de Jos Anto-
nio Soa res de Atevedo. e por mandado do Illm.
Sr. Dr. juiz especial do commercio das dividas
oertenceotes a mesma massa, as 11 horas do dia
cima mencionado em seu escriptorio ra da Ca-
deia n. 9.
Avisos diversos.
O bazar da raa do Imperador o. 8 aioda a
agencia da multo acreditada fabrica da vluva Ra-
fino, aoode ae tomam todas e quaesquer eoeom-
meodas em tudo o que for relativo i sua arte, as-
segurando-se tilo s a melhor'execuco na con-
feceo dos artigos, como a maior modicidade nos
seus precos. Nesta meama casa ha sempreum
portador para fazer a condcelo das encommen-
das, evitando assim os (retes que a distancia das
fabricas acarretam aos seohores compradores.
Gabinete medico cirurgico.
Ra das Flores n. 57.
Serio dadasconsiltas medlcae-cirurgi-
ca pelo Dr. Esjevo Cavalcinli de Alba-
qaerque da 6-aslO horas damanhia, ac- #
cudindo aos chamados com a maior bre- #
vidade possivel. Q
! Partoa. a)
2.*. Molestias de palla. m
8.* dem do olhos.
4.* dem dos orgos genitaas. %
Praticartoda squalquer operacio am %
, seu gabinete o em casa dos doenteacon- #
! forme Ibes fdr mais conveniente. a
Alega-se om escraro bom carroceiro, ou
mesmo para outro qualqner servido : na ra do
Uvramento o. 22, terceiro andar.
M&
Quinta-feira 5 do jrrente.
O'ageote Pestaa autorisado poi- urna pessoa
que se retirou para a Europa vendr em leilo
ama mobilia de Jacaranda tampo ce pedra coo-
sistindo em mesa, coosolos, 16 cae eiras, ditas de
bracos e bataneo, sof, oulra mobiiia tambem de
Jacaranda consislindo em 12 cadeiras, 2 de braQO
e 2 de bslanco, coosolos, sof, nesa tudo de
tampo de pedra e mu tos oatros o ijeclos de mo-
bilia, 1 carro de vidrias quaai n;ivo muito bem
almofadado de molas ioglezaa e a opa reinos para
2cavallos : qeioti-felra 5 do correte pelas 12
horas da minha em ponto, na r.ia do Viga rio
n. 11 armazem.
LEILO
DE
Um predio chao
proprio,
Terca-feira 3 do corrente as
1*1 horas. .
Pelo agente Euzebio se vender; em leilo oo
dia 3 do corrente um sobrado de sm andar no
Camioho Novo ou ra da Esperance n. 45, com 2
portdes da frente e 22 palmos de I urgura, 62 di-
tos de fondo em armazem eatabelecimeoto de
molbados. oo andar superior 2 jai ollas, 2 salas,
3 qasrtos, este predio qbvo e falo a modero;
acabado a um anno ; a madeira de quahdade
louro e amarello, boas ferrageos e s mo de obra
tapto de pedreiro como de carapia com per-
feico e seguranca, incluindo un bom quintal
cercado de 30 palmos de largura e 150 ditos de
fundo, com cacimba de boa agua, bem planta-
do, garante-ae a superior qualida le do terreno
poraer frtil ; julga-se que este predio di um
reodimento de 600* por aooo, e os Srs. preten-
dentes que o forem examinar con anteceden-
cia conhecerao a probabilidade a jara melhores
loformscdes aeharo o referido af sote prompto
a prests-Ios no seu escriptorio ra da Cadeia o.
45, oode ser effectuado s 11 he ras em ponto.
LEILO
Quinta-feir 5 do torrente.
Rotba & Bidoulac (rao leilo pYr iatervenco
do ageote Pinto e por catata e r: ico de quam
perteocer de 8 caixaa coro pspel 44 peao da pri-
meira qualidade. liso e paitado, ln 11 hetas do
dia achna mencionado em sea ser otario roa do
Trapiche Noto a. 18. .
Grande laboratorio de lava-
gem de roupa a vapor de
Ramos A Pimentel.
Os douos dos nmeros abaixo mencionados
podem mandar buscar as roanas que esto promp-
las : 1, 10,12. 13. 20. 25. 119. 33. 6. 43. 58. 72,
77,78. 88. 3, 90. 93. 91, 40, 68, 98.^9, 100. 103,
104, 106, 85. 113.102, 108. 34, 111, 62, 109,112,
107, 31, 115, 117, 47, 24, 69.
LOTERA
Sabbado 7 do "corrente anda-
rao impreterivelmente as-rodas da pri-
tneira parte da primeira lotera a bene-
ficio da matriz de Ouricury, no consis-
torio da igreja de Nossa Senhora do Ro-
sario de Santo Antonio. Os bilbetes
acham-se a venda na respectiva thesou-
raria ra do Crespo n. 15, e as casas
commissionadas ra da Impera ti iz loja
de ferragens n. 44 do Sr. Pimentel,
praca da Independencia n. 22 loja do
Sr. Santos Vieira, ra Direita n. 3 bo-
tica do Sr. Chagas, e na ra da Cadeia
do Recife loja do Sr. Porto.
As sortes desde a 5:000,8 ate'as de 10$
serao pagas de 1 hora da tarde em dian-
te desse mesmo dia da extraccao, e as
outras logo que se tenha eito a distri-
bu cao ddS listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Aioda precisa-se de alugar am sitio perto
do praca, que tenha boa casa de morada, baixa de
capim e bastantes aryoredos de fructo: na rus
da Crre n. 56, loja, se dir quem precisa.
Continuam a andar em praca pelo preco da
adjudicarn oa terrenos foreiros da ra das Cru-
zas em <(ue assenlam as caiaa ns. 2, 6, 8, 12, 16,
20, 24, 26 e 21, depois da audiencia do juizo da
seganda vara civel.
Precisa-se para urna casa franceza, de um
perito cozinheiro : a tratar na ra Nova n. 21.
Haia & Espirito Santo mudararrWse da ra
do Vigario o. 10, para* a mesma ra d. 17, pri-
meiro andar.
Quem precisar de urna ama com muito e
bom leite, sem filho, livre e desembarazada, pro-
cure oo caes 22 de Novembro, per cima do bote-
quim denominado Paiva, que achara com quem
tratar. -
Aluga-se urna escrava que seja boa vende-
dera da roa e fiel; quem tiver para alugar, di-
rija-se a ra da lmpertriz n. 65.
c33T Bixas de Hambrgo.
Na roa do Rangel n. 18, aluga-se por todo o
preco, eamola-se todo o ferro cortante*.
Ainda est por alugar se o primeiro andar
do sobrado da ra daa Aguas Verdea e a loja do
sobrado na raa das Cruzas o. 9 : quem preten-
der falle no mesmo sobrado da ra das Gruzes o.
9, lado direito, quem rae ds raa do Queimado
para S. Francisco.
Perde-se no domingo 1* de juoho, ama
carteira de marroquim p.rf to a qaal Uoha dentro
do doIqo ama lettra da qaantia de 60$ e daas
ditas de 90$ j vencidas, e virios papis que de
oada valem a quem a achou e os aceitantes das
lattras j se acharo avisados, por cojo motivo se
quem achou quizer restitoi-la dirija-so a raa do
Vigario ao agdote Pestaa que lhe gratificar.
Fagio no Cear em fias de agosto prximo
passado ao Ezm. Sr. Dr. Clemente Franclaco da
Silva, om escravo de nome Alexandre, cabra
falo, idade 16 a 20 annos,cabello crespo, beicu-
do, coa frita de deotes na froote, falla aohoso
quaodo qulr, barriga das pernas grossaa, com
algumes marcas de chicote oss costas, suppe-se
ter sido seduzido e embarcado para esta provin-
cia : quem do mesmo souber e der aoticla certa
oo entregar a Joo Martina de Aadrale na raa
da Cadeia do Recife escriptorio dos Srs. Bailar di
OU reir, ser recompensado ae o exigir. Protes-
ta-s com todo o rigor da lei contra quem il-
rer aceitado.
Precisa se de urna ama que aaiba coziohsr : a
tratar na ra larga do Rosario n. 12, seguudo
andar.
Dentista de Pars.
S 15Ra Nova15. g
Frederico Gautier, cirurgio dentista j
jj faz todas as operaces desua 'arte a e co- A
]f leca denlas artificiaos, tudo com -adela 8
St rioridade a perfei^ao que as pessoas-,er. 8
S tendidas lhe reconhecem.'
S Tem agua e pos denuncios, etc.
Pedido
polica oa qaalquer pessoa do povo. a appre-
henso de um preto de nome Hilario, crioulo, de
idade 28 annos, mais ou menos, fgido em 23 do
presente, estatura e corpo regulares, bastante
preto, pouca barba, quaodo falla, alero de ser
apreasado gagoeja um pouco, no andar muito
direito o miudinbo e affectado, os ps apalheta-
dos, usava de calca e camisa de algodo de lis-
tra, mas quando fugio furtou urna caifa de panno
preto, duas de brim branco, algumas camlsss e
ceroalas, as quaes tem o ultimo nome do abaixo
assigoado no coa, urna manta de pescogo de sada
azul com pequenoe bordados de branco, am
alfinete de ouro com am retrato da cornalina
encarnada, um relogiode prata dourada com am
traacelim de ouro, a oufros objecto.s que aioda
seno podem descobrir; Qlho de Santo Anto,
o foi escravo nesse lugar de Coorado Nuoea de
Souto : quem o pegar leve-o a ra Direita a. 17
oa 28 Jos Joaqoim Lima Rairo, que genero-
samente recompensar.
R. R. Ramsbottom, subdito ioglez, retira-
se para fora da provincia.
Casa de saude >
! DO ,
fDr. Ignacio Firmo Xa^*er.
i KA /
PASSAGEM DA MAGDALENA.
s A tratar para a entrada dos doentes
' com o mesmo Dr, raa nova de Santa
} Rita o. 7.
*
c
Urna pessoa convenientemente
habilitada se propoe a ensinar fora da
praca primeiras letras latim e francez :
a tratar no pateo do Terco n. 33.
Precias-se de um menino de 12 a 14 an-
nos que tenha alguma pratica de taberna na rus
do Amorim n. 17.
0 abaixo assigoado em nome da actual me-
sa regedora da irmandade do Saotissimo Sacra-
mento da matriz da Roa-Vista, convida a todos
os seus irmos para compareceris) no domingo
8 do correle pelaa 9 horas ala mauha, allm de
em meaa geral proceder-se a elei;o dos novos
funcionarios, qae tem de reger bo anoo de 1862
a 1863. Consistorio Io de juoho de 1863.O es-
crivo, Ricardo -Pereira de Paria.
Nesta typographia precisa-se fal-
lar ao Sr. Joao Goncalves Rodrigues
Franca que morou em Olinda e dizem
morar nesta cidade do Recife.
Proprio para escriptorio.
Aloga-se o primeiro aodar do sobrado da raa
da Cadeia Velba n. 27 proprio para escriptorio :
a tratar na loja do mesmo.
Aos Srs. consumidores de gaz.
Nos armazens do caes do Ramos ns. 18 e 36 e
na raa do Trapiche Novo no Recife n. 8, se ven-
de gaz liquido americano primeira qvalidade e
receotemente chegado a 149 a lata de 5 gales,
assim como latas da 10 e de 5 garrafas e em
garrafas.
Collectoria provincial de
Olinda.
O collector de rendas provinciaes de Olinda,
faz publico pelo presente aos contribaiotes da
mesma collectoria, que do dia 2 de junho pro-
simo futuro principia-ae a contar os 30 dias
uteis marcados para a cobraoca a bocea do cofre
dos impostos lanzados seguinles : seguodo se-
mestre da decima urban do corrente anno' -
nanceiro de 1861 a 62, 4 por cento sobre aluguel
das casas de negocio, 5 por cento sobre a renda
das casas perteoceote as corporales de mo
morta, 8 por cento sobre aluguel de escriptorios
de advogado, tabellio e escrivo, e primeiro se-
mestre do imposto de 20 por cento do consumo
de agurdente, lindo este prazo incorrero oa
multa de 3 por cento os omissos. Collectoria
provincial de Olinda 28 de maio de 1862.
O escrivo,
Joo Goncalves Rodrigues Fraoja.
Perda.
Perdeu-se na manha do dia 1. do correte,
desde o principio da roa de Uortas, largo do Or-
ino, priocipio da Camoda, raa de Santa Tnereza,
e Caldeireiro, um luneta de dons vidroa dentro
de urna pequea bolsa de marroquim .* roga-ae a
qaem lirer achado de leva-la raa de Hortae
uumero 30
Vaccina publica.
Orassando presentemente com alguma intensi-
dade a varila neata cidade, o commiasario vac-
cioador lembra aoa chefes de familia qqe, pelo
regulamonto de 17 de agoato de 1816, sao obri-
gados a apresentar oesta repartirlo todas aa pes-
soas que nao tiverem tido bexlgsa nataraes, oa
sido vaccioadas, aflm de ae Ibes praticar a inno-
Harilia de Dirceu
lyras de Thomsz Antonio Gonzags, precedidas
de-ama noticia biographtca e do jaizo critico dos
autores estrsngeiros e naciooaes, e daa lyras es-
criptas em resposta < suaa e acompaobadas de
documentos histricos por J. Norberto de Souza
Silva, ornaba de urna estampa representando o
autor na maamorra da liba das Cobras, 2 vol. lo
8 primorosamente mpressosfi bem encadena-
dos em Paria 6$.
Eis o que se 16 00 /orna! do Commtrcio do
dia 23 do prximo paseado.
c Urna boa nova temoa para dar aos amantes
das lettras patrias : ama esmerada edieco daa
trovas de Thomaz Antonio Gonzsga, coonecidas
de todos pelo nome de Maritia de Dirceu. Da-
se se este apraciavel Irabalho ao Sr. 1. Norberto
do Souza Silva, que com louvavel dedicaco a
nosasa glorias littejsrias emprehendeu formar
urna biblioiheca brazilia do* melhores autores
nacionaes antigot e modernos, aeodo a reim-
presso daa lyras de Goozaga o primeiro resulta-
do do sea lidar neata ardua, maa nao iogloria
tarefa. Se foi 6 primeiro, estamos certos que o
bom acolhimento qae lhe dispensar o publico
far com que nao seja o ultimo.
c Nao se julgue porm que o Sr. Norberto aa
limitaste i urna simples reimpresso. Alm de
empregar oeste empenho o discernimento do
critico, escoimando de erros quaoto lhe foi pos-1
sivel as edi^oes anteriores, com o qae de urna
cousa na appareocia fcil fez outra que nao
para todos, enriqueceu a obra como ama serie
de trabalhos que formara am roame igual ao
das lyras.
Nesse roame offereee-nos o Sr. Norberto,
depois de ama advertencia sobre a presente edie-
co e algumas reflexoes aobre aa anteriores, o
juizo critico de varios escriptores oacionaes e es-
trsngeiros acerca das poesas de Goozaga, urna
noticia aobre a vida e obras deste. enriquecida
de muaa Botas e seguida de pegas justificativas.
que sao documentos histricos, alguos dos quaes
inditos at agora*e de grande valor, e rem/ta
a reprodcelo do chamado Dirceu de Harilia
lyraa escripias por mao nao de todo conhe-
cida em resposta aa do autor. Orna esta ediccao
urna eatampa representando o poeta oos carea-
ras ds fortaleza da Una das Cobras. .
c A outr'ora to debatida queato aobre a tr-
ra natal de Goozaga d a,o Sr. Norberto por de-
cidida a favor da cidade do Porto, maa fosse qaal
fosse o berco do poeta, aa suts lyras, isto a
ana parte immortal, ninguem as disputa ao.
[.Brasil.
Trabalhos desta ordem nao caree em de elo-
gios.
a O Sr. B. L. Garnier foi o editor desta bella
obra, que doa nossos padroes Iliterarios nao o
primeiro que-lhe deve nova vida.
Vende-se em Pernambuco as priocipaea li-
vrariaa e 00 Rio de Janeiro oado editor R. Gar-
nier, roa do Ouvidor n. 69.
Precisa-se de um pequeo portuguez de 15
annos para caixeiro de taberna : na raa daa Cru-
zea n. 22.
Na ra do Crespo o. 19, precisa-se de ama
ama forra para o servico interno de casa, que sei-
ba engomma'r com perfeico.
Criada*
Precisa-se de urna que salba, alem do mais,
cozohar e eogommar bem, para urna casa de pe-
quena familia ; a tratar na raa do Imperador o.
59, segundo andar.
Aluga-ae ama mulata boa cozinheira e en-
gommadeira:a tratar na ruada Aurora n. 42,
primeiro andar. i
Precisa-se de ama ama de leite, preferin-
do-se escrava : na raa da Aurora d. 70, segando
andar.
" Gabriel Soares Raposo da Cmara declara
que durante sua' ausencia deixa encarregado de
todos os seus nogocios seu sobrinbo o Dr. Gabriel
Alcides Raposo da Cmara.
Roga-se ao Sr. Francisco Pereira de Barros
e Silva o favor apparecer na ra doa llartyrioa n.
36, psra se lhe entregar orna carta. I
Ofierece-se para criado um hornera forro
que j se tem a isso prestado, e s-be cozohar ;
Da praca da Boa-Visto, taberna o. 4.
Sendo Salvador dos Santos Hooteiro Caval-
canti dvedor ao abaixo asaignado de nao peque-
a quantia, para garanta da qual hypothecou em
1845 todos oa seus beoa, como se pode ver da
escriptura publica paaaada na cidade. da Victoria,
escrivo Bulc&o, por isso o abaixo assigoado faz o
prestte para evitar dundas futuras,e prevenir a
quem ioteresaar possa, de que a ninguem licito
entrar em transaccjlo alguma sobre todas, oa
qaalquer dos beos do referido seo devedor.
Loarenco Bezerra de Siqueira Cavalcanli.
25 RIJA NOVA 25
Grande deposito de pianos
fortes, dos melhores
e mais afamados fabrican-
tes da Europa,
DE
Joao Pedro Vogeley.
Neste acreditado estabelecimerito se contina
alugar pianos, tanto meoaslmente como para bai-
les, soire, etc., como tambem aluga orgos para
capailas, igreja, etc., tendo continuadamente dous
peritos officiaes pira qualqaer concert para os
ditos instrumentos, o que ser executado com a
maior perfeico possivel.
Preeisa-se de urna ama forra ou escrava
para casa de limitada, familia : atraz do Corpo
Santo, casa ok 66, segando andar. i
Agencia dacompanhia de se-
guros fdelidade.
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C. compe-
tentemente autoritados pela directora da compa-
nhia'de seguros fdelidade, tomam seguros de na-
vios, terrenos e predios, no aeu escriptorio, ra
da Cruz ?. 1.
Muita attfenco.
Aluga-se na villa do Cabo urna morada de ca-
sa na ra da Matriz, com sala, grande gabinete,
4 quarlos, cozioha, tala de jaotar. estribarla e
quintal grande ; a tratar com o Sr. eicrivo A-
raujo, oa mesma villa.
Aluga-se am sitio na Ponte de Uchoa con-
fronte o caes .' a trttar na ra larga do Rosario
numero 10.
Aos trapicheiros e vendelhes
Ha um rapaz com todas as habilitaQes para
tomar conta de alguma taberna por balancn;
quem precisir de seus servicos, dirija-se a esta
typographia com as iniciase C. C. C.
Joaquim de Souza Ferreira, snbdito portu-
guez, retira-se pira Macei.
Antiga loja franceza que fi
"" de Gadault ra Nova n. 11.
Acaba de receber de suas.eneommend.as
versss mercadoriaa -
em outra qaa
om grande e variado aortimenlo .ale di-
que
o mivuer un nuaa.eucumuieuuas um grande e vanado sortimento Ae
loriaa qua-se acham a venda na dita loja por manos 10 por cento do
lqutr parte, a saber :
Agua de malabar i
do verdadeiro fabricante Lascombi, para
tiogr cabellos'da cftr que se quizer e com ]
um guia para seu uso.
Para presentes.
Ricas caixas de costara com msica e
sem ella, o meihor presente que se pode
dar a urna senhora que se estinfa.
Para homens.
Ricoa eatojns cooteodo lodos os ulenci-
lios necessarios para toilet de* qualqaer
pessoa que se trata eom muita limpeza,
cooteodo navalhas, tesouras. pentes, es-
cobas, frascos para pomada e cheiros, a fia-
dores, tloteiros, espelhos, pasta (rara pa-
pis e muitos outros perteacespara o mea-
mo fim.
Encerados.
speciaes psrs cobrir mesa a 19, 15500
e 2f ocovado.
Para retratos.
Machinas de lodosos tamsnhos francezas
e americanas chimicaa para trabalhar em
todos os processos, copos graduados, fu-
a de vidro, um grande sortimento de cai-
xiohaa, de chagrn, p'asseparlous de corea e
pretos a douradoa, cuvelss horizootaes e
verticaes, papel para retratos e todos os
uleocilios teodentes a esta arte ; tambem
ae collocam retratos em caxiohaa passe-
partous, mudam-ae os qae estiverem mo-
fados todo a vontade de seus dooos.,
Ricas bengalas
de verddeira cana da India com pontei-
raa e castes de marflra, tend > nos csstes
muito bonitas figuras abertas em' relevo,
as mais bonitas que se podem achar neste
genero.
Ditas da massa imitando ulicoroe.
Luvas de pellica
do verdadeiro fabricante Joavin & Filhos,
para homens e senhoras. brancas, de co-
res e pretas, e que continuarlo a receber
por lodosos vapores francezes prego fizo
2J500 rs.
Espelhos.
Desde o maior at ao mais pequeo ta-
maoho com molduras pietaa e douradas
para ornamento de aala, sendo os vidros
muito grossos e do primeira 'qualidade.
Para msica.
Instrumentos completos de chaves e
apiatoo e tambem grande sortimento delles
avuisos com muilos melhoramentos e dos
systemas mais modernos do muito conde-
cido fabricado Gautrdl Ain. estes instru-
mentos se tornam muito recommendaveis
por serem muito perfeitos, e os mais mo-
deros que existem no mercado.
Objectos diversos.
Fumo de harlebeke, marilaode, caporal,
vervique e americano, para cachimbos e
cigarros.
Seroolas de algodo de corea para ba-
ohos a 500 rs.
Camisas franceiss de todas as qualldadts.j
Capotinhos de la para meninos, muito
liados de diversas cores a 19500.
Ricas cap dlss Dr ancas e de cores para
casamientos o maia elegante que aqui tem
vindo oeste genero.
Chicotes americanoa e francezes com
aoeis e sem elles para carros, cabriolis e
cavallos.
Bandejas grandes de 30 pollegadas s 3g.
Um grande sortimento de oculos e lune-
tas de grao e miope.
Fundas para os quebrados das virilhas.
Velaa para carro e piano.
Lequas de madreperols.
Ricos punhoa e gravatinhas para senhora.
Porcelanas e vidros.
Apparelhos e meios ditos de porcelana
para jantar, candelabros de 4 e 5 lazes,
serpentinas e lanternaa com pioguetes e
sem elles, escarradeiras de vidro brancas
e de corea, ricas laoternas para carroa e
coups, clices paravinbo e licores, redo-
mas com peanhas de todos os tmannos
para imagens, vaaos para florea.e encera-
dos para carros de cores e pretos, ditos
redondos e quadradoa para botar pratos,
Unierais e endieiros a gaz.

!.
4PPR0V4CH0 E JOlTORISAGiO
DA
iumMtk mn&iki m iiiicsota
E JUNTA CENTRAL DE HYGIENE PUBLICA
ELECTRO-MAGNTICAS EPISPASTICAS
De Ricardo Kirk
Para serem applicadas^s partes affectadas '
sem resguardo nem incommodo.
Com estas Chapas-electro-magneticas-epispasticas obtem-se urna cura radical e in-
fallivel em todos os casos de inflamrnaQao ( cansado ou falta de respiracao ), sejam internas oa
exlernas,como do figado, bofes, estomago, bago, rins, tero, pello, palpitado de coracao, gar-
ganta, olhos, erysipela, rbeumasmo, paralysia e todas as affeccoes nervosas, etc., etc. Igual-'
mente para as differeates especies de tumores, como lobinhos escrof ulas etc., seja qual fr o sea
tamanho e profundeza por meio da suppu(ac,o sero radicalmente extirpados. .
O uso dellas aconselhado e receiladas por habis e distinctos facultativos, sna efficaia in>
contestavel, e as innmeras curas obtidas o fazem merecer e conservar a confianza do publico
que j tem- a honra de merecer, depois de 24 annos desistencia e de pratica.
As encommendas das provincias devem ser dirigidas por escripto, tendo todo o cuidado
de fazer as necessarias explicacoes, se as chapas sao para hornera, senhora -ou crianen, decla-
rando a em que parte do rorpo existe, se na cabeca, pescoco, braco coxa, perna, p, ou tronco
do corpo, declarando a cicumferencia e sendo inchacoes, feridas ou ulceras, o molde do sea
famanho em um pedaco de papel e a declaracao onde existem, afim de que as chapas sejo da
toimaj da parte afectada e para scrembem applicadas no seu lugar.
Pode-se mandar vir de qualquer ponto do imperio do Brasil.
As chapas serio acompanhadas das competentes explicacoes e tambem de todos os acces-
orios para a c ollocacao dellas.
Cosa: seas pessoae que o dignarem honrar com a sua confianza, em seu esariptorio, que
acharu abertoe todos os dias, sem excepto, das 9 horas da manha s 2 da tarde.
||9 Ruado Parto
PERTO DO LARGO DA CARIOCA

Para as encommendas ou inforraaces dirijam-se a pharmacia de JosAUxandre Ribe
ra do Qbeimado n. 15.
O bacharel Witrltio po-
de aer procurado na raa
Nova o. 23, aobrado da es
quina que volts para a
camboad Cmo.
or
:
Aluga-se um sotao oa raa da Palma, urna
grande loja na ra Velba, e tres casiohas no Cha-
ra Menino, propriaa para carroceiros : a tratar
com Jos Higino de Miranda.
;
Deseja-ae fallar a negocio eom o Dr.
0 Amenco Fernando Trigo de Loareiro, na
S ra do Crespo n. 17.

Desepparecau no dia 21 do correte, dos
culaco do fluido vaccinieo, iato durante as quia-1 Remedios, am cavallo castanho, de segunda mu-
tas e domingos, no torreo da alfandega, das 8 da, bemfaito, tendo os ps e as mos pretas, e
a 10 horas da maohia, e nos sabbados, na casa inaa mos alguna cabelloa braocos, e eom o se-
A. ____...U..a. ...nnilii anrl.r lin ink..!. A. I ir.lnl. forrn dUOtn dUA tifflf Dotcia. diflil-SB
de sua reaidencia, seguodo andar do sobrado da!galota ferro : quem deHe tiver noticia, dinja-se
roa estrella do Rosarlo n. 30. Recifs 2 de junho, a raa 4a lmpertriz n. 47, primeiro aodar.
del86J.Dr. Joio Napomuceno Dias Ferua&dei.l Precisa-se de ama ana : no pido do Tsr-
ommunario vaccioador publico,
*
i ce o. 18, tef ando andar.
Quinta-feira 5 do correte depois t odien-
do Dr. jaiz dos teitos da fazeoda iro praca
por venda aquem maia der as propiedades se-
guintei:
A casa terrea na ra Direita dos Afogados n.
35, tendo 20 1|2 palmos do frente e 58 li2 de
fundo, daae'alas, dous quartos. cozioha fora,
qUntal e cacimba, avallada por 5003 a qual foi
penhorada por eiecngo da fazenda provincial,
cootra Antonio Yaz Salgado.- .
A casa terrea ne P050 da Panella n. 75, tendo
25 palmos de frente e 52Ji2 de fondo, com 2 sa-
las, 2 quartoa, quintal. cosioha,{arruioada) avalia-
da por 400 penhorada por execucao da meama
fazenda coqt'ra a viuva e herdeiros de Miguel
Francisco Gomes.
A casa terrea na Capunga n. 61 (hoje n. 1) ten-
do 20 palmos de frente e 33 ditos de fuado, em
mo estado, avaliada em 100$, penhorada por
execucao da mesma fazeoda contra- Manoel Ca-
mello Pesios, por lvo Correia do. Nascimento.
E por arredameoto:
A reoda aonual da casa terrea aa estrada do
Poso, a. 5 avaliada em 60, peohorada por exe-
cucao da mesma fazenda-cootra Maria do Lirra-
mento, por Juveocto Francisco Gomes.
As rendas ananaes das casas na traves-
ea da Estrada-Nova de Santa Amaro, ns. 28, 29,
30, e 31, com commodoa para familias- e bem
construidas avalladas, cada urna dellas, em 1209,
penhoradas por execucao da mesma fazenda coa-
Ira Jos da Costa Rarros, por Aooa Joaquina.
A renda annual da casa terrea na raa do
Guaifelupe, em Olinda, n. 4, com 2salas, 2
quartos, cosinha e quintal em aberto, em mo
estado avaliada em 60. peohorada a Olegario
MiliUo da Silva, por Goocalo Jos de Santa
Auna.
dem da cass terrea oa ra da Mea dos Qualro
Cantos, em Olioda o. 14, com 2 salas, 2 quartos,
cosinha e quintal em aberto, avallada em 72 ,
peohorada ao Dr. Manoel Joquim de Mlraoda Lo-
bo, por Igoacit Justlniena dos Passos.
dem da casa terrea na rus do Bom-Fim, n.
28. em' Olioda, em maa estado avaliada em
48#, penhorada ao mesmo Dr. Mirada. Lobo.
dem da casa terrea na ra de S. Benfo, em
Olinda,. n. 40, svaliada per 72, penhorada aos
herdeiros de Joao Pacheco Vieira;
Ilem da casa terrea na raa S. Pedro Martyr,
em Olinda, n. 9, por 603, penhorada a Candida
Maria do Amparo.
dem da casa terrea na raa da Boa-Hora, em
Olinda. n. 21, em mo eatado, avaliada por 48,
peohorada a irmandade de S. Benedicto.
dem da casa terrea na bica dos Quatro-Csa-
tos. o. 14 avaliada por 48$,peohorada ao Dr. lia-
noel Joaquim de Miranda Lobo, por Ignacio Jus-
lioiana dos Passos. ,
dem da casa terrea na na mesma ra n. 18.
avaliada por 18, peohorada a Antonio Joaquim
de Almeida Guedea Alcoforado;
dem da casa terrea o. 8. na ra do Aljube-,
com commodos para familia avaliada por 96$,
penhorada a Antonio Birnardo, por afaaoel Tor-
res da Silva.
dem da casa terrea na ra do Careno, en Olin-
da, n. 2, avaliada por \2d, penhorada a Manoel.
Beoriqui, por Antonio Rodrigues 4e Oliveira.
dem da casa terrea n. 22 na raadoRjm-Pim,
era Olinda, com 2 salas, 2 quartoa, costaba,
quintal em aberto, muito. deteriorada, avahada
por 60, penhorada ao Dr. Manoel Joaquina*
Miranda .Lobo, por Manoel Simoes.
H
dem da casa terrea a. 3 ha roa de S. Pedro
Apostlo, em Olioda com suficientes commodos*
para familia, svaliada, por 96.
- Recife, 2 de junho de 1862.0 solic
fazenda provincial, Joao Firmino *
Ara ajo.
MI
8 Os Srs. devedorer da loja -^
Antonio Francisco Pereira, queiram ir
pagar asas debites na masma loja roa
do Crespo n. 8 A.
IOP
S
*
i
*
-r*-

-~_


~*m*mm
-----------j---------------,
Toda attencao.
Custodio Jos Aires Gaimaraee avisa ae rea-
peltavel pablico, principalmente a ledo 01 teas
freteezes BVgfi* I* m9js- da loja da
agb d aro da rea Cabug pan a ra do
Creaeo o. 7, para a befe coobleida caiga toja
de mfodtzas que fot do fallecido Joc Ceg, boje
sari Mohecida pelogallo vigilante,-e pede ao
reepeitavel publico aoa leus fregueni e amigos,
que o queiram procurar oo dilo etta leleci melo,
OBje#acharao um grande sortimento d) miudezaa,
qua Blanca aervir bem e Tender por meaoa dez
ou tinte por cento. do aue em outis qualquer
parte
v**mmm*<
k 8
Al
~.
.:
;* Na traveua da rua- da$ Cruzes n
2, poimeiro andar, tinge-se tiara todas
acores com presteza e commo lo preco.
Preciaa-se de dou amasiadcres : na pada-
ri da rua Imperial n. 17.
Precisa-se de um caixeirpipara i b pratica ou aem ella, dando fiador a i aa conduc-
ta : na rua do Hoapicio D.-28.
No largo do Carmo, aobrado o. 20, vende-
e usa eacravo mogo, cozinheiro e chipellelro.
~ Preciaa-ae alugar um preto pan lodo ser-
vico externo de urna padaria : no pat< o do Terco
numero 40.
Aluga-ae na rua da Alegria n. '? dnas ne-
gras, ama sabe bem cozfnhar, engominar, lavar
e tratar de meninos, a outra aabe fase? tudo me-
nos engommar.
Arrenda-se um aiiio no ligar la Torre, o
qaal tem soffrlvel casa de vivenda e a.commoda-
S&es para grande familia, coebeira, estribarla,
tinque o cacimba, bastantes arvoredos de tracto,
baizas para capia, etc.: na rua da A irora n. 60,
oa nos quatro cantos da rua do Queimado, loja
amarella Oe Antonio da Moura Rolim.
-* Aluga-so um mulato de 18anoo., bom co-
peiro e com principio de boleeiro : 1 tratar na
rua da Aurora" n. 70, stguodo andar.
"~ Precisare de trabalhsdores de anana que
laibam fabricar pao e bolacha com pe feicio : na
rua do Quartel de Polica n. 16. Na mesma ad-
mitU-te um forneiro de primeira ala se.
SOCIEDADE ~
Unio Beneficente
Mari tima.
Pela terceira vez scientifico aoa smhoresso-
a"0 qne' D0 dia de J,nl "P'f o
preso de30 din para se porem quite,, como foi
deliberado pela assembla geral de 4 de maio, e
deat data em diante podem cootar-se iluminados
conforme o artigo 12 3. dos estatuir 1.
cttitaria da sociedade Uniao Benel cente Ma-
rtima Si de maio de 1862.
Ballhasar Jos dos II eis.
_____ t.* secretari )
Rua Imperial n. 3.
Encarrega-se de mandar lavar tanto de varrela*
como de sabio aa crytalina agua do rio Beberi-
be, de ecgommer com a maior perfeigo toda
fualidade de roapa codo pequea demora de 0 a
dias, girante-se qualquer falta oa extravio qae
possa apparecer, laiufn-io a vontade do dono
quaodo qneira para este oa aquello dii : quem
precisar, pode dtrigir-se a mesma cssa para tra-
tar dos precoa, qae sarasos mais commodos pos-
aiveis.
A pessoa que precisar deum uniforme para
boleeiro, em bom estado., dirija-se a r a Direita
onmnro II.
No dia 3 do correte, depola da audiencia
do IJlm. Sr. Dr. juiz municipal da primeira vara,
se bao de arrematar em praca publica dp meamo
juizo, por ezecuclo de Custodio Aires Rodrigues
da Coala contra Bernardo Ferreire Loereiro, di-
versos ateocilios existente? na padaria do mea-
mo, em Santo Amaro, bem como urna carroca e
dous cavalloa quem pretender pode examioar
taea objecloa em poder do depositario particular
Jos Jacinlho de Carvalho, morador na traveua
do Lima, no meamo lagar, e ver os valores cons-
tantes do escripto em mao do porteiro dos audi-
torioi : a ultima praca.
Carvalho, Nogueira (feC,
e Rezende (fe C.
Sacara sobre Lisboa e Porto, na sus do Vjgario
o. 9 primeiro andar, e rua do Brum n. 58, ar-
mazem.
tt ONfiWMSMfi aai anfaf MBOHCMf
Saques sobre Portugal.
0 abaixo assignado agente do Banco
I Mercantil Portaenae nesta cidade, saca
fefieclivamente por. todos os paquetes so-
bre o mesmo Banco para o Porto o Lis-
boa, por qualquer somma avista e a pra-
zo, podendo logo os saquea a prazo serem
descontados no mesmo Banco, na razo
de 4 por canto so anoo aos portadores
que asslm lhe convier : as ras do Cres-
po n. 8 oa do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
SMSt&SMfiMQM ^W^jgMttMWMtavf
Silvino Guilherme de Barros compra etera-
vos de ambos os sexos : na rua do Imperador n
79, primeiro andar.
No engenho' Mega de Baixo cora
porto pdra embarque vende-te cerca de
tres mil caadas de mel rovo.
* ---------------------------------
Compras.
Comprara-ae accoes da compaohia da Be-
beri be : na rua do Crespo n. 25 A. se dir quem
comprs. .
Comprase urna prpta qua saiba engommar
e eozinhar, de idade de 90 a 30 aonos*. que leona
boa conducta : quem tiver. dirija-se a praga da
Independaocia ns. 23 e 25, que agradando pa-
gi-se bem.
Compra-se um reloglo de patente in-
gles em segunda mo d-se prefe-
rencia sendo descobtrto : na rua do
Queimado n. 28.
Compra-se um ou dous caixoea propriopa-
ra taberna, mas qae tenham de 8 a 10 palmos-de
comprimenlo : na rua dos Pires n. 38. taberna.
O1RS0 DE LISGl\FRV\CEZ\
A* NOITE
PARA A CLASSE DE COMMERCIO.
Jos Soares d'Azevedo tem de abrir
um curso pratteo theorico de Lingua
Franceza pelo novo'systema de Ollen-
dor, para a classe do comm rcio que
nSo pode frequeofar este estud de dia.
As pessoas que desejarem fallar e escre-
ver esta lingua, podem dirigir se a' re-
sidencia do annurrciante, rua de Santa
Rita Nova n 47, at o dia 31 de maio.
a.~* L 8J.',J.e, seHndo dar do sol rado n. 55
da rua da Cadeia com grandes comn odos
lamilla : para tratar, na rua
mero 48.
para
do Imparador nu-
SEGWDA EDlCC.il
DO
THESOURO HOMEOPATHICO
^Vade-mecum do borne :patha
pelo uou tor
uwm o. i
Bate livro que se tem tornado la) popular,
quanto necessario, acaba de ser publicado com
todos os melhoramentos, que a etpe enca e os
progressos da sciencia tem demonstrado. A no-
va adieco em tudo superior prineira, en-
cerr :
1.* Mais ampias noticias acerca Ai curativo
daa molestias, com iodicacoes mui >roreitosas
dos medicamentos novos recntemeos ezperi-
meotados na Europa, nos Estados-iidos e no
Brasil/
*Q*t A POiQoda doutrina homeoratba.
3. O esludo da apropria;o dos re :iedlos se-
gundo as predominancias dos lempiramentot,
das idades, dos sexos, e segundo ss c rcuinstan-
cias almospbericas etc., etc.
4/ A preservajo ou prophilaxia da molestias
bereditanaa.
5." A preservaclo das molestias epi.lemicas.
o. Urna estampa illustrada demonslrativa da
continuidad* do tubo intestinal desde 'bocea at
o anus etc., etc.
Vende-ae m fiiarhacia. especial hombopa-
thica. proprtedade do author, rua de Santo
Amaro (Hundo Novo) n. 6.
Preco de cada exemplar. OjJOOO
N. B. Oa senhores assignantes quei ara man-
dar receber seus exemplarea.
Novidade
Amendoas confeitadaa, orles das n esmaa, pa-
peis com estalo, tu Jo muito novo, veode-sepor
menos do qu em outra qualquer parle : na rua
a Sen zal Nova o. 30.
Terga-leira, 3 de ju.nho, ir pela ultima vez
praga o engenho Desterro, ajtuado no termo de
fguarass, por meio* de arrendamento trienal, a
contar do ultimo de maio do crrante aono
maio da 1865, perante o Sr. Dr, juiz dos orphaos,
oa sala daa audiencias : quem quizer arrematar
o referido engeobo, compareca no lugar indica-
do, munido dos competentes fiadoras.
^K ".e* ^k WvWv Hw aww^so ^^rv aw
Escriptoriodeadvocaciaj'
Rua do Imperador u.
37, primeiro. andar, a es
querda.
SNeste estabelecimento trsbalha o advo-
gado Joaquim Borgea Carnelro (graduado
em direito pela faculdade do Recite) des-
de as 9 at as 3 boraa do dia.
Advoga em todoa oa juizos e tribunaes
desta praga, e encarrega-se de negocios
q, para o interior da provincia, principa 1-
* mente para aa comarcas de Santo Aoto,
Rio Formoso, Bonito, Nazareth eGoianna.
W Recebe gratuitamente as cautas dos
a> desralidos, nao podeodo cada qual tra-
| zer mais de urna qaeslao por vez.
No meamo estabelecimento solicita ra-
se liluloa e patentes de empregados pu-
t bucos e offlciaes da "guarda nacional do ;
JB interior, mediante mdico estipendio.
fEm sua falta e impedimentos aar
subatituido, nos-negocio* airela, pelo Sr.
Dr. Joaquim Jos de Campoa, e nos do
crime pelo Sr. bscharel Jorge Cornelias
X Ribeiro Peasoa.
Cumpra-ae am prelu de meia Uade, de
bons costa.mes t proprio para sito, urna eacrava
qne saiba coser e eogommar bem : bs ruada Ca-
deia Velhs n. 35.
Gompram-ae Diarios .' oa rua Nova o. 5.
Compra-se conatan le mente lalao vtlbo eco-.
bre : Da rua da Imperatriz n. 65.
Yendas.
CALCADO
45 -Rua Direita-45
A epidemia declina sensivelmente, e o sea
completo desapparecimento est prximo! 0
propietario deste bem sonido estabelecimento
convida oa seus numerosos fregueses a substituir
o calcado velho, que todo est cholenco, por no-
vo, e qae possa resistir s mil sebolis e mszzur-
css qae vo ser dansadas em louvor do restabe-
lecimento da saude publica. Os pre;os con-
vidara :
HOMENS.
Bolinas afamadas Millos. ; : 12000
non-plus-altra Nantes......... ljOO
Nantes 2 bateras.............. lljOOO
-luatre.................... IOjOOO
inglezea de botoes............. IjOO
baledores....................... 9500
couro de porco....... 99000
bezerro e lustre............... 9^000
ingieres ps selvagens......... 7500
taxiados brasileiros............ 5(500
non-plus-ultra................ 7 JOCO
3 bateras e meia.............. 60500
esm^ga cobra.................. 5&500
Nantes S bateras vaqueta..... 6000
2 bateras bezerro....... 50500
>




>
>
Sapatdea


>


>
Attencao.
Antoiiio Cesario Moreira
Dias, faz sciente ao respeita-
vel publico com especialidade
aos seus freguezes, que mu-
dou o seu armazem da rua da
Moeda para a rua da.Madre
de Dos n. 32, e est vendeu
do por menos do que em ou-
tra qualquer parte, plvora,
chumbo e salitre e amanea a
boa qualidade destas merca-
dorias por serem de primeira
qualidade.
Casas para a rugar.
Segundo andar da casa n. 18 da rua do Eocan-*
tmenlo, loja n. 33 da rua do Vigario, com ar-
micSo para taberna : a tratar na roa da Cadeia
do Recite n. 33.
xmmmmmmmmmmm
l b~Rua da Cruz--l 6g
O Dr. Rocha Bastos
Sdi consultas todos os dias.
Cura radical e em pouco daa noles-
Stiaa syphililicas .e dos orgos geni o uri- S
na ros. tC
Consultas de graca das 8 as 9 h ras da 8
manha. V
m
Deseja-se contratar um Rvm. Sr, sacerdote
ara capelllo de urna fazeoda muito egradavel
por saa posico e commodos, como urna capella
bem paramentada, perto da (reguezia do Brejo da
Madre de Dos : quem o pretender, dirija-se a
roa t Aurora n. 68, terceiro andar, a tratar com
Josa Joaquim Reg Barros.
Precisa-se de urna ama
n. 12. sacando andar.
Joaqqim Farrajra de S vai a Bu-opa.
no paleo do Terco
0 Sr. empregado publi-
co que recebeu differentes
Cuantas para pagamentos de
objectos de ua reparticao e
nospagou, queira mandar
entregar essas quantias que
exist>m em seu poder como
dew fe, alias se puliUcar
seii neemais cartas pelas
qu*s-se prova a esig^encia
deste negocio.
Hontem a noite 19do correte maio,
a entrada do circo americano, perdeuse
um relogio de patente ingles descocer-
lo, e com a caixa do fundo liao tend
no centro um pequeo "circulo com o
deaenbo de um cinto seguro com urna
flyela, do fabricante Leuis Woolf, sup-
pde-se que .a entrada quebrara a fita
que o segurava ao pescoco e que sabin-
do do bolso peto impulso cabisse no
chao: quemachou e quizer entrega-lo
a seu dono pode leva-lo a rua do Tra-
picho n. 4, primeiro andar, que ser
gratificado generosamente.
Santo Antonio.
A trezena do glorioso Santo Antonio, cooside-
ravelmenle augmentada, ntidamente impresas e
embruchurads, com capas proprias, acha-ae
venda, na rua do Imperador n. 15, das 9 horas da
manbSa as 3 112 do Urde.
| 0 advogado I
^ Innocencio Serfico de Assis j
^ Carvalho trausferio o seu escrip- J^
g| torio para a rua do Imperador J
g outr'ora do Collegio n. 50', pri-
^ meiro andar, onde pode ser !
S procurado para os misteres de !
7 sua profissao desde as 9 112 ho-
ras da manhSa at as 3 horas da
' tarde. <
trabalbndores..:. ..
brasilBiros de 3J500 a.........'.
Sapatos2 solas e salto..........;.......
> tranca portaguezes..........
frsncezet. ...
SENHORAS.
Botinas dengozas........ .
salto de bater........
pechiocha de 4J500 a. .
americanas 3|500 a .
Sapatos de sallo (Joly) ..;...
sem elle (dem).......
tapete;........
x> econmicos. :......
lastre 32 e 33.......
MENINOS E
Ha de tudo em relaco e
djnbciro.
Um completo sortimento de couro de
cordavao, bezerro francez, couro de luatre, mar-
roquim, aola, courinhos etc., que tudo ae troca
por rtipheiro < vontade do comprador.
A 500 rs., queijo do serto.
Vende-se queijo do sertao muito fresco, pelo
barato pre^o de 500 rs. a libra : na rus da Impe-
ratriz n. 65.
MENINAS.
nao se daixa
5*000
2000
59OOO
2000
19*80
59500
59000
4$000*
29500
35000
19920
800
500
800
aabir
poreo,
Aos seuhores funileiros. "
Vendem-se bigornas calcadis de ac, bem
leitas, a 129 cada urna, martelos calcados a 500
rs., trancas a 3fl500 ; a elles, antes que se aca-
bem : naris aa Imperatriz n. 65.
a
sem igual.
Cortes de chita francesa largs, de 11 covados
pelo baratissimo'preco de 2g500. lindas chitas
francezas largas a 200 rs. o covado, superiores
cassas francezas de cores, a 240 o covado, lindaa
laaziohas.de cores de superior* qualidade a 400
r. o covado: na loja do sobrado de 4 andares
na rua do Crespo n. 13, de Antonio Correia de
Vasconcellos & C, successorea de Jos Mara
Lopes.
Saias de balao.
Sao chegadaa as commodas saiaa de balo, de
arcoa de differeotes tamaohos, de 8, 10 e 12 ar-
cos para meninas, de 15, 20, 25, 30 e 42 arcos
para aenhora, por pregos maia commodoa do que
em outra qualquer parte : na loja do sobrado de
4 andares fia rua do Crespo o. 13. de Antonio
Correia de Vaaconcellos & C, succesiores de Jos
Moreira Lopes.
Bom e barato.
Queijos do Serid a*500 rs. a libra, gomms de
araruta muito aira e nova a 100 re. a libra e em
arroba a 29800, cevadioha de Franca a 200 rs. a
libra, ancoretaa com azeitonas a 1J200 : na r'ua
das Cruzes n. 24. esquin. da irsvessa do Ouvidor
Attencjo.
Vende-se urna armaco de taberna, na raa Di-
reita n. 25 : a tratar na mesma.
: Libras sterlinas.
Vende-se em casa de Wild & Just, na prsca do
Corpo Santo n. II, .primeiro andar.
laafel n. 7, segando Miar/
naraa do
Juizo dos feitos da fazenda
No dia 5 de juoho prximo vindouro na sal
dos auditonoa s 10 horas da manha. na Dre-
aenca do Illm. Sr. Dr. juiz dos feitos da fazenda
sa vender em praca publica urna casa terrea n
7 sita no largo do Tergo na freguecia de S. Jos'
avallada por 1:600, pertencente aos herdeiros
do finado Hsnoel Flix da Rosa, para pagamento
da fazenda nacional. Recite 23 de maio de 1862.
O solicitador,
Francisco X. P. de Brito.
l'reciaa-ae de urna boa cuslnneira
go do Corpo Saolo o. 27.
no lar-
Aluga-ae um sitio no principio da Estrada
Nova, qae tem cssa para morada, cochelra, es-
tribara, qaartoa para pretoa, grandes balsas de
caaim, pastos para vaecas e alguna inorados :
na rea da Cris d. 56, te dir.
Attencao
A 600 rs- a garrafa de gaz.
Coolinua-ae a vender o melbor gaz, na loia de
fuoileiro, rua da Imperatriz n. 65.
No pateo do Carmo^taberna o. 1, venue-se
urna oegnoha da 13 a U aooos.
Venda de predio.
Com algum dinheiro a vista e o resto a
prazo com seguranca no mesmo
predio."
J6 Vende-se s metade do sobrado sito ns rua da
Concordia n. 34, e tambem a metade do terreno
no fundo do mesmo sobrado, que.tem 300 a iOO
palmos de exteocao e 28 a 30 de largo com fren-
te para a sua qae olhs para a casa ds detencao
o sobrado tem por metade de rendimenlo 405
annual, ediGcado a 6 aonos, muito fresco em
consequeocia de olharpara o cscenle:qualquer
que pretenda dever dirigir-se a rua da Cadeia
do Recite n. 3, primeiro andar, escriptorlo. das
) horaa ao meio da e das 4 aa 5 da tarde.
Sapatos de bor-
racha.
A 19. 19500 e ag o par, agulhas Victoria a 120
rs. o papel, lamparinas econmicas a 100 r. a
csxa, carteiras para escrever a 14 e 16S, caixas
P* *S* a 8S e 16S, graixa franceza econoi
a ,po,e' caa ^mericanaa para mesa a
058 '9 duna, meiaspsrs senhora, homem, me-
ninaa etc. por todo o preco, braceletes de cabello
com pedra roza e amarella a 59 cada um : s
baja rus do Queimado loia Esperanca n..33 A,
Guimaraea & Rocha.
Attencao! attencao!
Aos pais de fctoilia, bom e ba-
rato.
Na loja n. 20 da rua da Imperatris acha-ae a
venda um completo a variado sortimento de boaa
fazeodaa, e.qae vala de sites qualidaftes sao ba-
ratissimameule vendidae. e para maia veracidade
do que Oca dito, abaixo vao mencionadas algamas
dardiUs fazendas, a saber :
Chitas Isrgas cor fizs a 240 rs.
Madapoln fioo com 24 jardea a 5|. -
Cambraias da cores a 280.320 e 400 ra. o co-
vsdo.
Velludo preto, a de cores s 29.
Lindeza de cores a 160 rs. o covado.
Leos pequeos s 80, 120 e 160 rs.
Chapeos de castor finas 89.*
Chites pretss multo largas e finas s 240 rs.
Algodao trancado preto muito bom para vesti-
dos ds escravos a 200 rs.
Cambraia lisa com 10 jardas a 29.
Casas de tal picos com 10 ditas s 39.
Cambraia bordada para cortinados com 8 va-
ras. 2/.
Vendem-se dous po-cos ingleses proprios
pera criaco, que devem agradar muito a algum
senbor de engenho, ou mesmo para algum'sitio:
na estrada de Joio de Barros, sitio defronte da
Cascsta. para se tratar do ajuste.
1
Attencao.
-A *
Vodem-se dous sitios na Boaviagem, ambos
com ierras proprias, sendo um delles com duas
casas de pedra e cal, oa permuta-se por casa nes-
ta praca : a fallar na praca da Iadepondencia nu-
mero 17.
mmmmm mm mmmmm
Acaba de**
chegar
ao novo armazem
I4ST0S'& REG
Na rua Nova junto a Gon-
ceico dos Milita-
res n. 47.
Om grande variado sortimento da.
roapas feitas, calcados a fszendas e todos
estes ssvendem por precoa muito modi-
ficados como 4 da seu cosame,sssim como
sajam sobracasseos de superiores psnnos
e casacoa feitos palo ltimos figurinos a
269,589. 309 a a359, paletots dos mtsmos
pannos preto a 16g, 18f. 209 a a 249,
ditos da caaemira de er mesclado o da
novos padroes a 149.169, 189,209 e 249,
ditoa saceos das mesmas caaemiras do co-
res a 99, 109.129 a a 149, ditoa pretos pe-
lo diminuto preco da8, 103, elSf, ditoa
,de sarja de seda a sobraca sacad os a 129,
ditoa m merino de cordo a 129, ditoa
de mesln chiaez de aparado goato a 159.
ditoa alpaca pr.t. 7, 89, 99 a 10,
ditoa saceos pretos a 49, ditos de paiba d
aeda fazenda muito superior a 49500, di-
tos do brim pardo a da fusto a 89500, 9
a a 49500, ditos de fusto branco a 49,
grande quantidade de calcas d e caaemira
preta a da cores a 79, 89, 99 e a 10, ditas
pardas a 3J a a 49, ditas de brim decores
finas a 2f 500, 39, 39500 a a 4f, ditas de
brim brancos finas a 49500,5f, 59500 a a
69, ditas da brim lona a 59 o a 6g, colla tes
de gorgurao preto a do corsa a l| a a 6$,
ditoa de caaemira da cor a pretos a 4f500
a a 59, ditoa de fusto branco e da brim
a89 a a 39500, ditos de brim lona a 41
ditos da merino para luto a 49 o a 49500,
caigas de merino para luto a 41500 e a 51.
capasida borracha a 99. Para meninos
de todos os tamanhos: caigas de caaemira
!". d' S2r i 5*' 6 7 dil" ditas
de brim a 25, 39 e a 39500, paletota aae-"
eos do caaemira prata a 68 a a 7, ditos
da sor a 69 aff, ditoa de alpaca a.89.
aobrecasacos da panno preto a 129 a
14, ditos do alpaca preta a 59, bonete
para menino da todaa asqaalidadea, ca-
misas para meninos da todos os tamanhos
metos ricos vestidos de cambraia feitos
para meninas da 5 a 8 annoa com cinco
babadoa lisos a 89 a a 125, ditos de gorga-
hrfj?\? !de r" 5* ? '* dit0 d
brim a89, ditos da cambraiarieamente
bordados para baptisados.e multas ou tras
fszendas a roupas faltas qua deixam de
ser mencionadas pela aua grandeqaanti-
dade; assim como receba-sa toda a qual-
quer encommenda da roupas para sa
mandar manufacturar a qa para asta flm
tamos am completo sortimento defazen-
a''' "ma 8"de offleina de al-
aiau dirigida poram hbil mestre qae
pala sua promptid e perfeico nadadei-
xaa desajar.
venaem-se pipas com agurdente de can-
na : no caes do Ramos n. 6.
A 3#000
asacca,-
Vendem-se saccas com arroz pilado com toque
de avarie, proprio para gtlinha ; no caes do Ra-
mos o. 4.
Confeilaria e refinacao.
Rua nova de Santa Rita n. 53.
Neste estabelecimento acha-se venda um
completo sortimento de amendoas bonitas e mui-
to bem confeitadaa para vender a retalho e por
arroba, e tambem se vende prompta em eoitee. e
no mesmo estabelecimento precisa-se de um re-
Qosdor que aeja bom.
. ~- EL, JV" .ua de Horl" u' 18> confron-
te ao becco de S. Pedro, vende-ze espirito de
graduado subida, licores de todas as qualidades
soiz, reino e genebra, tudo por menos do que em
outra qualquer paite.
Vende-se em segunda mao dous relogios de
ouro, aeodo um patente ingles e oulro suisso : a
tratar na rua Direita n. 106. taberna.
Venae-se ama barcaca nova da primeira
visgem, muito boa veleira, de nome Amelia do
Sal: quem pretender comprar, vi a eacadinha, a
bordo da mesma barcada, que achari com quem
tratar.
Mmta attencao.
Na loja rJe Silva Cardoxo, rua do Im-
perador n. 40, vende-se roupas feitas
de todas s qualidades pelos precos
mais baratos possiveis que se pode ima-
ginar, pois pode vir os freguezes com-
prar porqu e pee hincha .
sem segundo.
Na rua do Queimado n. 55 loja da miadezas
de Jos de Azevedo Maia e Silva, esti vendando
todas as miudezas'bsratiasimas, a saber :
Papis de agalhas a bala muito supe-
riores a so
Caizaa com muito Ooas obrejas a 40
Cartes com clcheles, tem algum de-
feito a io
Frascos de macass perola muito fioo a 200
Caizinbaa com papel pequeo de diver-
sos goslos a 720
Pacotea dito dito dito amizade a 720
Novelloa de linha de Crux a melhor
Que ha a .40
Canas com agulhas curtas de superior
qualidade 200
Entremeios, a peca com 3 varaa 1[2 a IgOOO
Sabonetes maito finos a 120
Papeia de agulhas francezas com toqae a 10
Pares de botoes para punboa de muitos
modelos a 240
Pares de meias cruas para meninos a 160
Ditos de ditaa cruas para pequeo a 16o
Ditos de ditas para meninas a 00
Frascos com agua de Lavando embreada a 800
Dhos com cheiros muito finos a 240 e 500
Ditos com banha muita fina a 240 e 320
Ditos com superior banha de urso a 600
Ditos com oleo babosa muito fino a 240 e 320
Ditos com oleo do Rio muito superior a 500
Ditos com superior philcome a 900
Ditos com banha philocome finissima a I5OOO
Ditos com banha transparente a 800
Ditos com superior agos de colonia a 500
Ditos com macass (oleo) a '100
Ditos com superior opiata a 500 e 800
Cartes de lnba Pedro V, com 200 jardas a 60
Ditos de dito dito, branca de corea a 20
Carriteis de linha com 100 jardas a 30
Masaos de lnba frouxa para bordar a 240
Pentes de marflm de superior qualidade a I9OOO
Bales do Pavao.
Vendem-ae balea de bramante francez con
arcos, sendo as melhores armacoea, pelo dirxiou-
i^MS3 -a 8: na rua da Imperatriz o.
feO. loia do Pavio.de Gama A^ilvs.
Rival
sem segundo.
Na rua do Queimado n. 55, defronte do sobrado
novo, loja de miudezaa de Jos de Azevedo Maia
e Silva, esti qaeimando tudas as suas miudezas
pelos precos que abaiio ae declara, pois a quadra
boa para apreciar:
Duzia do melas cruas maito eeorpadasa 29400
Dita de ditas brancas muito boas a 1&600
Dita de ditas cruas muilo finas a 4gOQQ
Dita de ditas brancas para aenhora, mui-
to finas a 3J000
Carriteis de relroz de todas as cores a 280
Grozaa depennas de ac de todas aa quali-
dades a
Dita de ditaa calllgraphicas
Nvelos de linha muito grandes a 60 e
Caixas de agulhaa perfeitaa a
Bsralhos portuguezes a 120 e '
Groza da botoes de osso pequeos para
cal;a a
Tesouraa para unhss muito superior qua-
lidade a
Ditaa para costura muito finas a
Ditaa pequeas porm qas a
Baralhos (rincezea muito flnoa a
Agulheiros com sgulhas superiores
Caivetes de apara? pennas de 1 folha a
Pares de aapatoa de tranca de lia a
Cartaa de alfinetea franceses a
Parea de luvas brancas de algodao a
Escovaa para limpar denles muito fi-
nas a 200 e
Massos de grampos de todas as quali-
dades a
Dedaes com fnndo'de ac a
Caixas com colxetes francezes a
Tinteiros de vidro com tinta a
Ditoa do barro com tinta Superior a
Areia preta muito fina a libra a
Labyrintho por todo prego.
Vara dg franjas largas brancas a
Pies de nova invengo para meninoa a
Linha branca do.gaz pelo prego" j sabido que
10, 20 e tres por dous, e outrae muitas miudezaa
que vista far ( pelaa suas boas qualidades e
precos ento nao fallemos.
500
1S600
120
160
160
120
400
400
200
240
80
SO
11280
100
100
320
40
100
40
160
120
120
200
200
Novo sortimento de fa-
zendas baratissimas,
NA
Loja do Pavorua da Impera-
triz numero 60.
DE
GVMV & SILVA.
Vendem-se as seguintes fazendas por pregos
baralissimos am de apurar dioheiro : capas
soissas a imilaco de sedas de quadrinhos sen-
do de todaa as cores e cores muito fizas a 200
rs. o covado, brilbanlinas de quadrinhos muito
encorpadas para vestidos de senhora e roupas
para meninoa sendo muilo maia larga que chita
a 200 rs. o covado, gorgurao de linho fazenda
muito nova para vestidos a 280 rs. o covado
masselioa branca com 4 1|2 palmoa de largura
200 ra. o covado, grande e variado sortimento
de cassas para vestidos sendo os padroes moder-
nsimos e as corea flxaa a 280, 300 6 320 rs o
covado, chitas francezas de cores Qxas escuras e
alegres a 240. 260, 280. 300 e 320 rs. o covado
chitas inglesas a 140.160 e 200 rs. o covado
cortes de cassatendo 7 1[2 varaa'cada am
2}400rs., cortes de organdys com barras tendo
_2 varas cada corte a 5J, cortes de bareges com
covados a 50, ditos com as saias feitas a 5
laaziohaa de corea a 280 rs. o covado, de todas
estaa fazendas dao-se as amostras deixando o
penhor na loja e armazem do Pavo, de Gama 4
Silva, na rua da Imperatriz n. 60.
Paleto ts e calcas.
Vendem-se paletota de pansM preto fioo a 6a
calgae de caaemira preta a 49500, paleta de faney
de cores a 6a, calcas de dito a 3*500 : na rus da
Imperatriz n. 90. oja do Pao.
As seroulas do Pavo.
Imperatriz n
___i_
Proua 249 a duzia: na i
60, loja da Gama & Silva.
CHALES.
Grande pechincha na
Pavo.
loja do
^^r^apr^:;,s^tx^S^
60, loja do Pavio de Gama 4 Silva.
Saias bordadas a 20500.
J'nden-" bordadaa maito bonilaa
55500 cada urna: na rua da Imperatriz
Oja do Pavao.de Gama & Silva.
a
O". 60,
com arcos de Iioho.
Vendem-se aa acreditadas saiaa com arcos d
linno que fazem as vezea de balo a 31200 e a 48
cada um, estas aaiaa s ha oa loja do Pavao, rua
da Imperatriz n. 60, loja e armazem de Gatoa &
Silva. **
Para meninos a 4#50
Vendem-se vestidinhos de seda para merinas,
muito bem entenados, pelo diminuto prego ds
4S500 cada um : na rua da Imperatriz n. 60-, loja
do Po, de Gama & Silva.
Olhem para o Pavo e leiam.
Camizinhas com golliohas e manguitos de cam-
braia bordados, fazenda muito modernissima a
5$000.
Ditss de fusUe com salpicos de cor a 3000.
Golliabaa bordadaa com botaoziohoa a I9OOO.
Ditas ditaa de gostos a 640 e 800 rs.
Ditas com manguitos de cambraia bordados a
lg600.
Manguitos de cambraia fina bordados a LJOCO.
Golliabaa bordadas a 240 rs.
Roraeirss de cambraia eneiladas para lato
3J000.
Camizinhas para senhoras tem enfeitadssa 35.
Lencinhoa de lioho com labyrintho para mao
a 250UO.
Ditos a imifagao do labyrintho a 1 e a ij)280.
Luvas de torcal enfeitadss de vidrilho a 500 e
e 640 ra.
Enfeites pretos com vidrilhos a 88000.
Ricos enfeilea a turca e Garibaldi a 58500.
Ditoa muito bonitos a 2B50O e a 3$500.
De tudo do-se as amostras ficaodo penhor: na
loja do Pavao,fu da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
a
Papel de todas as qualidades.
Vende-se a 4S400 de quadrinhos, ditoa pauta-
dos a 3A600, dito almaco pautado a 4/ e 49200,
dito greve a 4J600. em caixinhes de diversas co-
res a 640 e lj, dilo branco pautado a 800 rs,, an-
velofles de cor a 640, dito branco a 900 rs. : na
loja do beija-flor. ruado Queimado n. 63.
Ricos cintos dourados;
Vende-se a 29 e 24500, ditos de fita a I96OO,
litas para debruobos de collete a280 a peca, liras
bordadas a 19 e 1J1200 ; na loja do beija-flor, rua
do Queimtdo o. 63.
Veudem se tesouraa finas para costura a
1, dita para anha a 640 e 800 n., ditas finas a
900rs. a duzia, pentes de travessa para menina a
640 : na loja do beija-flor, rua do Queimado a-
me 63.
Sintos para senhora.
Vendem-se os riquissimos sintos com boraswra-
hida'ao lado, muilo chique, sendo o ultimo {oslo
de Paris, pois parece-me que nao haver senho-
ras que deixe de comprar : isto s no gallo vt-
Bilenle, rua do Crespo n. 7.
Enfeites de cabeca.
Vendem-se os riquissimos enfeites, tanto com
franja como sem ella, por baratissimo preco de
29300. 39 e 59: s no vigilante, rua do Crespo
numero 7.
Linha de peso.
Vendem-se as verdadeiraf liabas de peso, o
mais fino que ae pode encontrar a 2|500 o maa-
sinho je 30 miadiohas, sssim como do outras
qualidades : s no vigilante, rua do Crespo nu-
mero 7.
Vendem-se maotinbas de coral a 2L29400,
e fios de coral a 720, massiohos de coatas miu-
dinhasde diversas cores a 140, caixfnbaa de alfi-
netea a 200 ra. e 240: na loja do beija-flor, rua
do Queimado n. 63.
Vendem-se lavas de pellica de Jouvin bran-
cas para senhora e homem. ebegadas no ultimo
vapor: na loja do beija-flor, rua do Qaeimadc?
numero 63.
Tende-se cascarrilba d seda de todaa as
cores a 2| e 2S400 a peca linha de Pedro V a 20
rs. o cartSo, grvalas de seda estreitinhas a'lf
na loja do beija-tlnr. rua do Qneimarfo n. 63.
Vendem-se ricos enfeites a 59 e 59500 di-
tos de vidrilho a 18600, aderecoa pretoa a 29500
rosetas pretas a 16Qrs. o par. gollinbas pretas a
800 rs. e \% : loja do beija-flor, raa do Queima-
do n. 63.
Veodem se carleiraa proprias para guardar
dinheiro de ouro e prata a la e 18200. esporas
tinas de ac a IfJ. bandeijaa de liados desenos a
19500,'sinturSo de borracha a 260 rs. e240, ben-
galas de canna a 29 e 29500, chicotes finos a 29
e 295OO, de estalo, ditos sem ser de estalo a
640. toucas de lia para meninos a 1|, sapatmhos
de lia a 800 rs., ditos de merino a ROO : na
loja do beija-flor, rua do Queimado n. 63.
Madapolo do Pavo.
Vendem-ae floiasimas pecas do madapolo com
24 jardea a 4*500. 4}800, 58, 5S500 e 69, ditaa
francezas entestadas com 14 jardas a 39: na rua
da Imperatriz n. 60, loja do Pavao de Gama &
Silva.
Las a 32A) rs.
Vendem-se modernissimas 12azinhascom pal-
mas a 320 rs. o covado: na roa da Imperatris o.
60. loja do-Pavao.
' Vende-se um bom cavallo para sella e me-
lhor para csrrt), oa troca se por oatro que sirva,
para viagem e qu tenha bom carrego baixo: no
largo da Soledade. aobrado n. 4a
Milita attencao.
Vendem-se ricos sintos de fita de ponas cabi-
das com franja na ponta cousa muito moderna,
(Si2,5?lVf"ot bordad<> om fraajasa
2f. 2J5W, 39. 49 59 cada ubi, rap de liiboa,
a\\ 0M2 rom, dilo Paulo Coiair,
dito fino, dito Rocha e Meuron, ac coberto ara
1* ?' j?*110" mil> feas da miudezaa s
avistase dir o preco da tudo.
Vende-se urna
com poucos fundos ;
mero 85.
taberna bem afregueada,
a tratar na rua Direita na-
1 Vende-se ama grande casa com aiti.0, no
lugar do Peres, confronte o engenho, beira da
estrada para Santo Aolao, com commodoa para
familia e qaalqeer negocio, por preco commodo
a tratar no pateo do Paraizo n. 10.
Vendeae urna prela de aervlSo de campo e
ra a tratar na raa da Aurora n. 70, segando
O Pavo vende a
Pegas de cambraias de coriohos brancos e de
todas as cores tendo 8 1 [2 varas a 49 : na raa da
imperatriz o. 60. loja do Pavao.
O Pavo vende
cortes de cambraia maito fina com dous babados
e duas saias sendo delicadamente bordados a
49, ditos sendo todos sdamascados a 49, cortes
de phantasia iazenda finissima a 6g, ditos a 48500
o 59 : oa rua da Imperatriz n. 60, loja e. arma-
sem do Pavao de Gama & Silva.
Vendem-ae pentes de tartaruga virados a 8
e a 99, carretel de linha de 200 jardas a 940 a
duzia, colchetes de diversas qualidades a 40. 60
o 80 rs., dilos bordados a 100 rs., massos de
grampasa 40 80 rs., ditos em caixinhas a 120
rs. :'na loja do beija-flor. rua do Queimado nu-
mero 63.
Vendem-se toacadorea de Jacaranda a 2J200,
ditos brancos a 29, caixinhas com espelhos para
navalhas a 29 e 2|400, colheres de metal princi-
pe para aopa a 49600, ditas para cha a 29*00, con-
cha para assucar a 640, oculoj finos a 400 rs.;
oa loja do beija-flor, rua do Queimado n. 63.
Vendem-ae caivetes finos a 800 ra., caba-
zes para meninss de escola a 3, 4 e 59, carteiras
com agulhas francezas 3 240", caixas de peonas
de ac a 500 rs., meias psra senhora cruas a 240
o par ; na loja do beija-flor da ruado Qaeimado
numero 63.
Panno preto.
...y,en 5600,19800 e 29. e dito cor de cal: na rea da
Imperatriz o. 60. loja do Pavao.
Chales do Pavo.
Vendem-ae chales de merino estampados mui-
to grandes a 89, ditos de caasa adamascada- a 800
L* u B", r"i dJf ,fflP?atri n. 60, loja e ar
do Pavao de Gama 4 SUti.
Ricos
cortes de vestidos blancos
bordados.
Vendem-se ricos cortes de vestidoa brancos
bordados com S babadoa pelo baratissimo preco
de 59 o corte : na raa do Quermado n. 22, na
bem conhecida loja da boa f.
Relogos.
Vende-te em casa de Johastoo Pater & v.
ido Vigsrio'n. 3, un bailo son neoto de
elegios de ouro, patente inglez, de um dos casis
afamados fabricantes de Liverpool! tamliem
ruu va'riedsde" de bonitos tramita per* os
('mesmos.
Iff
ae*
T ^ -T
&~------jal




::.
..
CO lEUfci fiiRl 3 M IBUHO M U
i
PABIAPESTI
f
S. JO AO
VNDESE M ARMAZEM
PROORESSO
DE
Francisco Fernandes Duarte
lArs;o da Penha
A banha fina,
em* copos grande, ehegou par loej d.agaie
brise*, raa do Queimado o 18.
Libras sterlinas
Vende-ae no escriplorio de Manoel Igncio de
Olfreira & Pho. Urao do Cerpo Sanio n. 19.
"Veode-e a caea da maquina oa rea da Coa-
clele da Boa-Vista a. 47, en maito bom logar:
Iaeaa a pretender, diriji-ee a ra do Cabui n
, lo|a.
Superior cal de Lisboa.
Tam para-vender em porco e a ratalho Anto-
nio Lali da Oliveira Azeredo & C., no aea -
eriptorio rae da Crui n. 1.
o raai; 'superior que lem viudo a este mercado a 800 rs. a libra,
o melhor que h no mercado a 298O e 29200 a libra, afianca-se
a boa
Os melliores gen'eros que vem a este mercado e por menos fO por cento do que em oulra
qualqjer parte, garantiodo-se a b a qualidade, por isso roga-se a todos os Son. da praca, de en-
genhos e labradores o favor de mandaren) suas encommendas a este muito'acreditado armazem de
molhados, afim de verem a difiere ice de preco e qualidade que faz, se fossem comprados em oulra
qualquer parto.
flLaltMMfl confeitadas para sorte de S. Joao a 800 rs. a libra, lamber tem-se pora
6*0 rs. a libr.a sendo ira porco, tanto de urna qualidade como de oulra se faz abat-
ment.
lanteiga VJ5lCZa da safra nova de primeira qualidade a 1)5000 a libra em
batril se faz abatiment). .
U\IlAg& tr*Uel a a mais nova a 720 rs. a libra, em barril a 600 rs.
^|a,*njaa ** 45112. j^,,0 fre3cos chegados Reste ultimo vapor a' 29000 ditos che-
gados no ultimo navio a 19800. .
Queijo prato
GVv Vyasou
qualidade.
^"* 11U.X1III o que se pede desejar neste genero a 39000 a libra.
una pTQtO homeopatbici a 29200 a libra en porfi se faz abatiraento.
A. rril^llCS HOYOS je |,av0 transado a 320 rs. e era caixas com 40 cartas por 109000.
LKVaS eOH\ amOBU 0A8 cinfeitadas, proprias para mimo, conteni mala con-
feitese assucar candido por 1*600 cada urna.
ITaSSaS em caixinhas de libras chegadas altimamehte a 29000 cada urna e a relalho
a 430 rs. a libra.
oOiaXAUlia a s0(ja en |alas com differentes qualidades a 19440.
OAXlHHa ingleza a miis nova que h, no mercado a 49000 a barrica e a relalho
a 320 rs. a libra.
VU\\0 esa pipa de superior qualidade Porto. Figueira e Lisboa 500, 560 e 640 rs.
a garrafa, e em onad i a 39500, 49000 e 49500.
\\\\lOSeugaTT&fa toria "velho, e de oulra; multas marcas acreditadas a 19200 a garrafa, em caita a 129
tambem ha para 19OC0 a garrafa.
laAMpatoi\\e das mares mais acolitadas a 159000 e 209000 o-gigo, e em garrafa a
1.-S80Q
S^TVja da marca cobrinhi ou de outras marcas conbecidaa a 59000 a duzia e 500 rs.
a garrafa.
KirV\\u&H francezas e po tuguezas em latas de i libra por 640 rs.
Mift& dfe tomate en tattas.de 1 libra por 800 rs.
A.ameiXa8 fraHC(&XS em latas da 1 e meia libra por 19500, ditas com 3 libras por
20800.
rVmeU\ de casca mo.e muito novas a 320 rs. a libra, em arroba por 80000.
P0Xe8a 120 rs. a libra e eia arroba a 30000.
i\\e\Sa, maestra? e ta\ViaT\m a 400 w. a libra, a em caix com 1 arro-
ba por 69000.
iLstreWl&YlS, pevide e rroz de massa branca ou amarella, a 640 rs. a libra, e em ca-
xinhas muito enfeindiS se faz obatimenlo.
PdUltOS de *dcll%ei lixados os maisbem feilosque temviodo a est-j mercado a 280rs.
tambem ha para 200 rs.
PteXUUtoS HgVtI*S pir fiambre a 800 rs. tambem hamburguez para fiambro a
.640 rs. a libra e do r< iuo o mais novo que ha a 560 rs. a libra.
CkUOUYlCatl e paVOH muil0 novas a 56O rs. a libra e em barril se far, abatimento.
9ftlalllt o melhor pelisco que pode haver por estar promplo a toda hora a 800 rs. a libra.
i OUlf&\\9 Qo reaO mu|0 novo a 280 rs. a libra e em barris de 1 6 meia arroba
a 59 e79 a arroba.
%-iUOUTICOS em latas j promptas para se comer a 19800 cada urna.
ttaniia Oe p01*eO efiaada em laus com 10 libras por 49300.
Mita em DI? rrA Ult0 gna e ajva a 440 w. a libra e em barril a 400 rs.
CfeYtOeS COm bo\\& ftaneex proprios para raimo a 500 rs. cada um.
Xarmelada imperial do afamado Abreu ede outros muilos fabricantes de Lisboa a 800 rs
a libra.
Sflar melada e Alpeiehe em latas do 2 libras por 19000 cada urna,
'a4mwS-e.*a\ kr metes de doce em calda as memore? quehaem Portugal como se-
jam pera, pesego, damasco, amenas, ginja e screijas a 800 rs, a lata.
D0Cea StCCOS e em alda, em latas, de 4 a 5 libras por 29000.
V-/IIOCOlatf> 'hespanhol j 19500 rs. a libra, dilto francz a 19100 ditto port'uguez a
800 rs afianca-se i boa qualidade.
a^a de primeira qualidads tanto do Rio como do Cear, a 320 rs. a libra, em arroba
99500, dito* mais 1 aixo a 280 rs. e 89500 a arroba.
e\'adinoa de Fraocr a mais no?a do mercado a 240 rs. a libra, e em porcae se faz
abatimento.
SagU muito novo a 320 is a libra e em gamfoes com 8 fibras, por 29000.
raVinha do reino das nareasSSS ou galega, a 140 rs. a libra.
Dita do Maranhao alva e cheirosa a 160 rs. a libra e era arroba 49500.
Velas e cantaba fefiai da a 400 rs a libra, e em arroba o 129000.
xVl^itO doce refinado a 800 rs. a garrafa, e em caixas 99000.
Vinagre de Lisboa a '. 40 rs. a garrafa e em caada a 19800.
WiauO cherez verdadeirc a 19500 a garrafa, a amcaixa 149000.
innO DTanCO de. Lisboa o mais superior que hi no mercado proprio para missi a
640 rs. a garrafa i em caada a 49500.
tnarotOS gUSpros do fabricante Brandio em metas caixinhas, por 29500.
VllOS -suspires do fabriciuta Catanho & Filhos em meias caxinhas a 29000.
DiaOS em caixas de 100 exilia Imperial, Viagantes, a Paneoleuas, a 29000 a caixa. -
AipiSla rnuita limpo, \ 180 rs^a libra, e em arroba 59500,
AZCltonas rnuilo nov u, a 49600 rs. es ATTOi de Maranhao a 1 10 rs a libra, e 39700 a arroba.
reAjLe,* aasus eml*te de melbores qualidades de peiw que ha em Portngal a 19500 n.
de H.S-1! aVlda em*garraf5es cTnTMajarnU por .99000.
a inglesa oa .m i^OOO o frasco eframeza a 640 rs. o poli.
<".AMu dos ganawsdrr a taaaaiauados tconliar 'o reipeiuvel publico um completo serti-
aaanto de lado que tendente t molhidos.
Brincos pretos a t>alao, e
outros objectospara
luto
Deacee objectoade que bofe infelizmente tantea
ffmilUs precteam.na loja d'agaia brnca atbs-se
m bom aortimento delles, sendo brincoi e role-
tas a bilao, palaeires podernee de groiue e for-
tes contas. elflnetes pare peito. ditos tambem pro-
tos, em calimbas, bonitos e modernos ederecos,
e meioe ditos, ctoteiros de fitas e Arelas pretas,
eofeites pera cabera, grampos de nsos moldas
pera segarar cabello, lurea de torjil de sede e
pellica, meias de seda a algodo-para bomena
eenhoras : com os.com pradores de taee objectos
se teria maior cootemplgao, atiento o flm para
que eio: por isio a dirigiram-se ra do Qaai-
mado. loja d'agaia branca n. 16.
Vendem-se dona pavas:
nesta typoRraphia.
.' i.
No armazem de E. A. Borle 4 C, ra da
Cruz a. 48, veode-ee excellente farello em eeaer
Igrandesa 38800.
Amendoas.
Tndem -aa amndose era fresaos e avleos e
os boae ricoe papis com estelo para sortea:
ae rae ds Semita Nova n. 80.
Algodo da Baha.
Proprio para roapa da escraroa a sacaos 4a as
sueer : vende-ee na ru de Cre n. 1, eecriptorio
de Antonio Liz de Oliveira Azevedo A C.
MENOS DEZ POR CENTO
NOS ARMAZENS
t
PROGRESSISTd
Agua de colonia ambria-
da esem o ser.
Esse estimada agua de colonia embreada, do
3ue lentos a tanto tempo sesteen e falla, ecebe
e cbager em bonitbe frseos verdea, oa quaeeae
estao vendando a 19500 cade un ; assim como'
ehegou igualmente am-grsnbe eortimeolo da
verdadeira agua de colonia da Piar em fraseos
garranchas de differeotee tamenhos, ludo is-
so na na do Queimado, loja de agaia bran-
ca n. 16.
36
ra
36.
Apparolhosdu porceilaua dou-
-rada para cha de bouecas.
A loja da agua branca desejando qaa todos
feeam a vontaae a suas bella meninas eeU vea-
deodo commodamente esees bonitoe apaarelhoe
da porcellane doarada, e piotade e I95O e 2g.
load aada a t> casera da chimas, e os mata
perteocee, a vista do que todoe iro (munidos de
dioheira) para compra-loe na raa do Queimado
a. 16.
Bonitos paliteiros deporcei-
laua dourada.
Agora niDguem deixar maia da lar em aua
mesa um bonito peliletro de porcellane doarada
pois que ellas se estao vendendo a ff e 19500
oa toja da agaia branca o. 16.
Arroelas ou argolas de borra-
cha para segurar papis e
muitos outros misteres. *
A loja d'agaia brance receben ama porco da
srroelaa oa argolas da borracha, que ecertade-
mente se applicam a dilTerentes los, como tam-
bem aeja para emmaaear papeia naa diversas re-
parti-a publicee, no cartorios, escriptrio,
armazeos, loja, boticas, tabernas, ote, ele. a -
meimo.de algans particulares, o que na'verds'de Btmba faDoilZa A (illlrs mili
vala apena comprar'-ae pelo diminuto preco de ".a""a JaFuuc* O UUVrttS IBU1-
140 e 320 a duzia, pera poupar-ae o trabalbo de | tas I10VSS OerfumariaS
atare deeatar um masso de papis todas aa ezae u. j. .. t w ,
do oorm aua cada renla tm .... a.i i- cantes, sendo as bem coobecida e ipreciadaa
mado n tt rnca, ra doQaet- penal em bonito eopiohoe com tampa de metal,
---------1----' dita nos copo greoles, dita em compoteira li-
te a lapidadas, oleo* de babosa, philocome e
Labio, porrudas oa eosmestiques, fino extractos
. dos preciosos eescolhido cteiroa Jackey-Club,
mil flores, miel Inglaterra Muecha!, rrincipe
i Alberto, Gaorge IV, etc. etc. Recommenda-se a
todas as senhoras de bom gosto o uso de qualquer
Gaimsres & Luz, dono da loja de miudezas desses estimado extracto porque aquella .que
da raa do Queimado n. 83, boa fama, participsm em "me sociedad?, thealro, ou baile estiver com
ao publico qae o sen eslabelecimento ae acba sea fino len^oorvalbado de tio eublimet aromas
completamente prvido das melhoresmercadoriaa ter por cerio o prszer de ver a suas viainha
tendente ao mesmo eslabelecimento, a muitos da direita e esqierda Ihe reodendoiiomenagem,
outros objectos 4e goito, sendo quaai todos rece- pergaolarem dottna F. onde com.rou esse lio
bido de suas proprias encommendaa ; a estando agradare! chairo J E elle orgalhoia de aeu bom
elle inteiramenta resolvidos a nao venderem gosto, ma com ar prazenreiro Ihe. responder :
fiado, aflanesm vender mais barato do qae outro rae do Queimado loja da agoa branca nume-
qualquer ; e juatamente pedem ao eu davedo- r 1S. __________
res que Ibea mandem ou vaoham pagar os aeus
a>bilos. sob pena daseram juaticarto
Souball Mellor & C, tnu recebiao or-
dem pera vender o seu creacido deposito dorslo-
gios v|tto o fabricante ter-ae retirado do nego-
cio ; convida, portaoto, s petioa que qaizeram
possuir um bom reloglo de oaro oa prala do c-
lebre fabricante Kornby, a aproveitar- da op-
portuoldade sem perda da tempo, par vir com-
pre-loa por commodo pre;o no aeu eicrlptorio
raa do Trapiche n.18.
Atteneao
Papel amisa'Je branco e de
c res.
Vende -se pacotes com ^00 folha de papel ami-
tade branco e de cores a 800 e 640 cada pacota :
na ra do Queimado loja da aguia branca nu-
mero 16.
4 boa fama
Loja das 6 por-
tas em frente dy
Livramento. '*
Caaaaa francesas de bonitos gosloa a
320 rs. o corado, lavas de troc.al pretas
e de seda a 500 rs o par, chitas france-
sas largas escuras a 340 rs. o corado,
ditas fina a 260 e 180 rs., fil de linho
liso a 640 rs. a vara, tarlatana fina de
toda as cores a 800 rs. a vara, lencos
branco com barra da cor a 19100 a da-
lia e 120 ri.cada um, meias para ho-
rnero a I5IOO a dazia a 110 rs. o par,
cbitas oara coberla da bonitos dese-
nos. 220 rs. o corado, peijaa de bre-
tanba de rolo a 19, dita de cambraia liaa
com 6 lil varas a 39. masselina encar-
nada a 240 r. o corado, calcinb para
menina de escola 1 1) o par, peitos
para esmisa brancos e da cores a 200
rs., pecas de cambraia branca de salpi-
co a 395OO, algodo enfestado o melhor
a 700 rs. a rara, dito branco para loa-
lha a 15 a vara, enfeitea do mai mo-
derno* a garibaldi a 69,1 loja eati aber-
ta al as 9 horas da noite.
Ru a da Senzalla Nova n. 42.
Venda-se em casa da S. P. Jonhstoa & C,
sellios e silhes inglezos, eandietros e caslicses
bromeados, lonas ioglezas, fio de vela, chicotes
para earros e montaa, arreios para carros de
um a dous cavallos, e relogtos de onro patenta
vende gollinhss o puohos com boldes para se-
nhor, fazeoda multo bo,e pelo baratiasimo pre-
qo d XS : oa ra do Queimado n. 85, loja de
miudeza da boa fama.
ltenlo ao vigilante
Na ra do Crespn. 7, loja que
foi do fallecido Joo Ceg,
* est torrando por todo o
prego.
Coraes.
Os verdadeiros fio de corsea redondoa aiaim
como raz, poi* o mais superior que lem vlado
ao mercado : no rigilaole ra do Crespo n 7.
Miqanga ou coatinhas.
licanga ou contiohas de muito lindas cores a
140 rs. o macinho: no sigilante raa do Cres-
po o. 7.
CorUinhas do Kio.
Contiohas douradjubas miuda e grossi proprio
para palceiras da quaes se estao otando muito
por ser ultimo gosto, e 240 rs. o macinho, assim
como aljofir b.anco e de cor a 300 rs.: s no
figilauta ra do Crespo n.<7.
Vende-se ou arrenda-ie ams grande pro-
priedade muito perto da praga, com grande ota-
ria de dous tornos, capella, ama boa caaa da vi-
renda, dirersas casas habitada, dous grandes
virelros, mnitis arvores de tracto, iacluzire di-
versos coqueiros : a tratar com o Dr. Souza Res
oa com o major Btlarmino do Reg Barros nea-
ta cidade, ou na Magdalena.
0 livro do rovo.
Sffhio las publica a LTVBO DO POVO, publi-
cado aob a direegao do Sr. Dr A. Marques Ro-
drigues, e coalm a vida de N. S. Jess Chriato,
segundo a oarracao das quatro evaagebsia, a
maia oa seguiotes ertigoa : o vigario, o professor
primario, o bom homem Ricardo, a moral prati-
ca, Smao de Nantua, snaiima* e pensamentoe,
a byglene, os deverea do menioos, e o Brasil.
- A publicado do LIVRO DO POVO nao s tem
por flm aoiformisar a leitura as escolas prima-
rias, onde cada menino aprende por um iirro
diferente, e portaoto facilitar o trabalbo do mea-
tre e do discpulo, como tambem vulgaritar, por
um prego baratiisimo, a historia do asilados do
mando, e oa malhorea preceda da moral.
Veoda-ae o Livro da Poro, no RocMe, ne
lirraria da praca da Independencia na. 6 e8, a
500 re. o tseeaplar am brochara, a a 800 re. cer-
tonado. ^"
Lencos braucos para algibeira.
Anda se vendem tenaos brancos fino para al-
gibeira pelo baratitsimo preco de 39400 a duzia :
na loja da boa f. na ra do Queimado n. 23.
Meias para sent ora.
Veodem-se meias finas para aenhora pelo ba-
ralitsimo prego de 3;600 a duzia :.na rea do
Queimado n. 22, oa bem conbecida loja da
boa f
Ferinas d'aco.
As verdaaeirss panae inglezaa caligraphicaa a
19400 rs. a caixioha : a no vigilante ra do Crea-
do n. 7.
Banhaft ou leos e cbeiros.
A superior banha transparente a 900 rs. o
frasco.
Dita em latas da folba de meia libra a 500 re.
Dita em latinbaa de quarta a3S0r.
O rerdadairo oleo da aociedade bygienica a
900 rs. o frasco.
Dito macassar o muito fino em frasco peque-
o a I96OO a duzia.
A verdadeira agua de colonia frasco .grande 3
900 rs.
Ditas pequeos mesmo em garraftnbae a 400 rs.
Ditos com superior agua de.fior de larenja fras-
co grande a 400 rs.
Dito com axsetlenle agua celesta frasco gran-
de a 1|.
Dito frasquiohos pequeos com vinagre rug a
J 400 rs. : s6 eo vigilante ras de Crespo n. 7.
Moedas de ouro de 16$ o 20$
Vende-ae no escriptorie de Manoel Ignacio da
Otirelra 4 Fitfao, largo do Corpo Santo n. 19.
Queijos
o mata frescos que tem rindo ao nono
mercado chegados no ultimo vapor a
2*000 e no passado a l#800v
Amendoas
coufeitadas at maia homtat que ha no
mercado a 800 e 1$ a libra : vende-se
nos ar mazeos Progressista e Progresi-
vo n'o largo do Carino n. 9 e ra das
Crumn. 56._____________
Aua da SeasaUa Nova n. 4.
ICeaU aartsAalMiaaWaitQ va4e-ae> ta-
chas de ferro coado libra 110 rs. idem
de Low Moor libra a 120 rs.
Para conservar dentes.
Oa verdadairaa pea da aociodada hygienica pa-
ra denles em frasqainhoa de ridro o maia supe-
rior que tem appareeido pelo baratitaimo prego
de 19 o frasqainho, assim como em'caixioha
qaadradinhas a 900 rs.: a no vigilante roa do
Creso 9. 7.
DUAaftTE C.
das Cruzes de Santo Antonio
Largo do C armo 9
IPM 8. HTOIKO) I 8. MA.
Os propietarios desles acrediudos armaieos i* molhados participao aos seus ana-
los freguezes qae por todos os vaporas e navios da Europa, recebara do aua propria "mmmsnrai
os melbores gneros, pois qae para isso tem possoas eoearfegadas em diversos pontos da Europa.*
para os ecolherem, os vendem 'por menos 10 por cento do que em ooira qualquer parte, por isa
roga-se a todos os Srs. da praca, de engenho e lavradores o favor de mandaiem suas eacomroeaua
aos Botaos armazens, afim de verem a superior qualidade da ganaros e differn;a de praeos.
Quei/OS do SertO os mh frascos do mercado a 640. rs. a libra.
Cxenebra lt'tliailR um, ^ rae|nore. genebras que tem viudo ao nosso mercad
em fraseos grandes a 29, vende-se nicamente Basles armazens.
Lng-uifJBS em latas* j prompus a 19800.
i/aiXlIliiaS 0s mais el gantes que tem viado de Franca, proprias para guardar jotas oa
facer mimos ds 500 rs. a 19609.
Salames dos melhores do morcado.a 800 rs. a libra.
Mantlga nglaza de primeira qualidade a 800 a 19 rs. a tibra'a am barril aa
far abatimento.
Ma melga franceza mais nova a 700 rs. aHbaa em barril a 600 rs.
C/Ila IiySSOn o mais superior que ba no mercado a 29400 29800 a libra.
Clia nOXini 0qus ha di melhor nene genero a 29500 e 39O00 a libra.
L/tta pretO muito superior rindo a primeira vez ao nosso mareado a 29200 a libra.
Usa IiySSOn o melhor que vam do Rio, em latas da urna libra por 19800 e em porco
se far abatimento.
QUeiJOS uO reino chegados oeste ultimo vapor a 29200 e dos chegados no ultimo
navio a 19800 eada um. '
QUIJOS pratO como nunca veio ao nosso mareado a 19000 a libra e inieiro a 900 re.
I alOS 6 CnOUriC:lSmaiionovosa560rs. a libra eera rwrro w far abattmeoto.
I eiXe em latas da diversos umanhos.savel, sardo, pargo. pescada, cavalta, liogua-
* dos fritos, alm maraado, robllos e lulas de tigelada, da 19300 a 29000 a lata.
XoUCinllO dO reuO rau\w novo a 820 rs. a libra o 99500 a arroba a Urabent
temos para 240 rs. a libra e 69500 a arroba.
Ba nh a de p OICO em laus com O libras por 49400 e 480 a libra.
Marmelada imperial de todos os conservemos de Lisboa, ara laus de librea
meia e 2 libras a 750 rs. a libra
LataS Om frutas em Calda comosejampera, pecago, damasco, ajear-
le, ameixas e ginja, a 700.rs. a lata.
VI ar melada de Alperce era laus de 2 libras por I9OOO cada urna.
Doce da CaSCa da gOiaba a800rs. em po^rao se fir abatimento.
JLf OCeS SeCCOS de differentes qualidades em beetas muito bem arranjadas a 3)000.
Ta ma ras em eaUinhas a 29500 e 600 rs. a libra
Passas em caxinhas d 8 libr-ts 295000600rs. a libra.
FigOS da COmadre muuo noVos em cixinha de 8 libras e muito bem enfsitadas
a 292OO 320 rs. a libra.
Krvllias francznse port ni>u esas 64o 7-20 ku.
MaSS 1 de tOlU .te em lausde l librra a800 rs.
Ameil(loaS da CaSCa mole KUUo novas a 400 rs. a libra.
i^l O Zea muito novas a 200 rs. a libra.
AmeixaS franCeZ^S em latas com 5 libras por 49000 e a 19000 a libra.
Cll "JCOlate hespanllol a 192OO, francez a I9000eportugueza 800 rs. aliaca.
Bol Xinlia d. SOda emlaus com difiranles qualidades a 19400 a lata.
MaSfirlS pa ra SOpa macarrao e lalharim a 240 rs, a libra e a csixa por 59000.
CaixillhaS muito bem enfeiudas com pevide, rodinha, eslrellinha, ble. a 700 e 090
PalitOS 1X l(OS para denles em molhos com 20 macinhos a 200 rs.
T j/olo FraBCeZ para limtar facas a 180 rs. e em porgo se far abaiimento.
^Spermacete Superior, sem averia a 740 eemeaixa a 760 rs. a Ubre.
Sardinhasde Nantes muito novas a 400 e eoo rs.
Alpista muito nova a 200 rs. a libra e 59500 arroba.
AZeite doce refinado de divercas marcas a 80O rs. a garrafa e 99000 a duzia.
Bola Chin lia ioglana mais nova do mercado a 300 rs. alibra o 49200 a barriea.
Goma muito alva a 100 rs. a libra e 29500 arroba.
VinhoS engarrafados duque do Porto, genuino. Porto fino, madeirasecca, Carcavellos, nc-
tar, fehoria, velho secco, Museatel a 19200 a garrafa e 129000 a duzia.
Dt08 m pipa Port, figueira e Lisboa de 500 a 600 rs. agarrafa ede 49000 a 49500 aea-
. nada. .
SerVr JOS das mais acreditadas marcas a 600 rs. a garrafa e 59000 a duzia.
Glla mpailhe das marcas mais acreditadas que h ao mercado a 149 209 ogiga.
Cognac ingles a 109000 a caixa e 19000 a garrafa.
Ginebra de Holhtllda verdadeira a 79500 a frasqueira e 800 rs. o raaeo.
AzetanaS em aneoretas as melhores que ha no marcado a 29 e a 400 rs. "'
Traques superiores em caixinhas a 109 o a 3?0 rs- a carta.
P llt S do gaZ a 29500 a groza o 240 rs. a doxia de eaixas.
$a 1 refinado m pacotas de mais de urna libra a 240 rs. o em porco lera abatiroeola.
Cafe dO RO e melhor que ha no mercado a 320 rs. alibra e 09000 a arroba.
5e?a SagU' muito aovo a 320 a libra.
Farnha dQ MarnhaO mnito aln e non a 160 rs. libra e 4980O a ar-
roba. ..
Vel. de carnauba e de composi^ao S4op. t
arrobe.
Vinaffre pUrO de LSboa aiO re. a.garrafa a a 11800 a caada.
Goilinhas e pulceiras.
Liodn golliohas a pulceiras de micaoga pelo
baratissiroo preco de pulceiras a ollinha* 8|,
pulceiras a 29 e golUoha 19 a 1500: a 00 vi.
glleoth re do Crespo O. 7.
Sestinhas
Seatiobaa muito lindas com aeus pertSncea pa-
ra meoino 89 e 43, assim como iadupeosareis
de contiohas ou mt^anga proprio para menina
trazer 00 braco com lepcioho pelo baratiasimo
preco de 19 : s no vigilante ra do Crespo Bu-
mero 7.
Tin tetros.
Tinteiros proprias para mela de acola oa
mesmo pata que os qaiaer comprar por bara-
tiasimo proco a 500 ra.: s no vigilante ru do
Crespo o. 7.
.11!. II,. .,.!. ., !............I.
Potasa da Russia.
Vende-se em casa de N. 0 Bieber
C, successores, ra da Cruz m. 4*

e a 11

SarraSQUinO verdadeiro de zara, da limoae, eafa, menta, genepro, tuni^i
m> canta?, wsa sublime e ouiras quafidaes de 19500 a 29 a garrala.
ErVa doce muito nova a 400 rs. a libre. _._
ArrOB COUl toque. dO a Va r a em saceos de 5 arrobas a 59 saaca e 1950*
a arroba. m
CliarUtOS verdaderos superiores a 29 a eaixinha da50.
Salmn em latas com deas libras o mah bem amajado qaeVm vido ao
eadq a 194D0.
Man teja em latas com 4 librase melhor do aerale lacrado ermetiee
99200 cada urna.
Vinagre m garrios cora 5 garrafas de superior qualidade a 19200.
Ara rula Trdadeiia muito nova a 920 a libre.
Alm desles gnnnrns enoontrari o rexpeittvel pubHcon naesos arataees am coaa^plot
soniraenie da todo ledenle a molhados.
i mendoas confeitadas nmahbNiM^MbAwaau4o a8oow.
-J a fibra.
.i.
%i*
,
I
%


paa.
ar
-*


va-a
__
____
DIARIO DB FERHAI
- IU(i fttftt 3 DE J8HO DE 188

losas artficiaes para ca-
bello.
A lojt do beij.-flor lando receido bonitas ro-
aae qae se esli mando para os cabellos, vende
rea do Qaalmsdo na loja acim o. 63.
Aljfar lino imitando perola.
Vende-sa a 500 r. o fio de i llorar fino, i mi-
UBdo parola : na ra do Queim do, loja d'agnia
reata n. 16.
Cambra ias
Vendem-ae cambraia. da corta da bonitos
alegantes desenos a 280 e 310 11, o corado : na
ruada Imperatris. loja a. JO. .
Oliados.
Vendem-ae oliados pintados d<* liadasvi.tas
paiaegen, larguras de 6, 7. 8 a I palmos, pro-
arios para mesa de janlar a 10 o eo*ado : na rara
da Imperatriz. loja o. 20.
Sap
atos de borra-
chapara senhorasa
,500opar.
Estamos no mes Mariano o, e p ir sao da ne-
cessidade que as san horas que b.m se spplican
a essa boa devoco se previ na ro de um par de sa.
patos de borracha, para sssim krem os psres-
guardado da humidade, eem sil sacio a tSoius-
o o louvavel flm. esli ae vad< ado a 1*500 o
"um- i d QaeiBad0. i* 'lato Sane,
numero ib.
Borzeguio.
Ba da Imperatriz n. 10 loja
do Pinto.
Vende-ae pelo baratissimo prejo :
B orzegutne de lustre para homem a 8.
Ditos de becerro para homem a lij>.
Ditos de eorderao para dito a 89,
Por este preso s s dinbeiro i vista para li-
AttenciOa
3,800 rs.
I AnLLLUem grandes saceos, legado ltima-
mente, muito novo e bom a 3K): em frente
aaltandega, no armazem do Aunes.
Fazendas pretas
superiores.
Grosdensple preto muito superior polo dimi-
nuto preco de1 o covado, panno pralo muito IJ-
L ?. *4, 5> 5l7-!.9* co". easemira preti
muito floa a 25, *J800, 3, 3S500 4$ o corado
manta, pretas de blondo mallo superiores a 12,
manteletes de superiores groadena alea pretos ri-
camente bordados a 35, sobreca acas de panno
preto muito fino a 30, casacas tsnbem de paona
preto multo fino a 30, paletot. 1 2 ".L20' dil" de casemlM de cor mea-
i ?<,*!,8* uPe"0" gravatiB.as eatreiUa a
l, ditas de selim maco o de gorguro muito sa-
Ev&ES/*? lea ffcVie estreitUs.
com liado, alflnele. 2, uperior gorguro pr.-
lo para eoljetea a 4 o corle, ricos .afeites preto.
rb 84,n? ou'' mullas f.zendas qae sendo 1
dlnheiro riis, vendem-se por pr -eos muito ba-
ratos : na ra do Ouaiaiada o < b.. J.w-
clda lo/a da boa f.
Obras de vidro,
escarradeiras, e. palmatorias
lapidadas com mangas.
Veede-ae a. loja d'.g.i. branca mut bonitas
aaearradaira. de vidro de cores 4500, 5 o 6,
as.im como palmatorias de ridro lapidado com
mangas bordadaa a 4500 cada um : aa ra do
Oaeimado. loja d'agula branca n. 16.
Meias em quantidade'
Na loja d'agula branca acha-se um completo
sortimenlo de meias de todaa a. qualidades e
precoa, sendo par. homens, sanhoras. meninos
manina. de 6 mexea a 12 annos. Ennumerar
os difiranles pr.co. confundir o pretendeate ;
aasim quem se quiter convencer de quao baratas
ae esto ella, vendend, dirigfr-.e com dinhe-
ra i dita loja d'aguia branca na raa do Queim.dc
numero 16.
Superior sebo em velas e em
pes, caixas de urna
arroba
Vendera Antonio Luiz do Oliveira Aier.do A
C, 00 seu eacriptorio ra da Cruz a. 1.
Jacaranda superior.
Tem para Teodor Antonio Laiz de Oliveira A-
avado & C. no aeu eacriptorio na da Cruz a. I.
Coraes lapidados.
&ao grossos que admira.
A loja d'aguia bronca acaba de reeeber um.
pequen, quantidade de coraes grossos lapidados,
os quaes servem para as rollas que ultimsment.
ussm as renbor.s, e asta vendendo cada fio por
2, 29500, 3 e 4 : na roa do Queimado, loja
d'aguia branca n. 16 : assim como recebe mais
sa bonita, pulseiraa de miaaangas.
Olliem para o pava e
leiam.
Cmi.inhss com golliobas o manguitos
de cambraia bordado., faienda mo-
dorniuima a SO00
Dita, do fu.tio com a.lpioos do cor 3*000
Golhnb.s bordad*, com botaotiaho 1*000
Ditas de lodos os gostos a 640 e 800
Ditas com m.agaito. de c.mbr.i. bor-
dadas a 1000
Manguitos de cambraia bordadoa maito
fiooa a I5OOO
Golliohas bordadas a 240
Romeira. de cambraia enfeitadas para
luto a 3*000
Camiainbaa para aenhora a 3j?00tl
Lencioboado Itabo com labyrinlbo para
mi a 25500
Ditos a imitaco de labyrintho a lf e l|284l
Luraa da toreol enfeiladaa com vidrilho 501
Enft-itea preto. com ridrilho a 809
Ricos aofeitea preto. e do cores, a Turca
e G.ribaldi 600t
Gro.demple preto I56OO, 19800 3*000
Todas estas fazeoda. vendem-ae na ra da Im-
peratriz n. 60, loja o armazem do pavo, da Ga-
ma A Silva.
Camisas inglezas.
Vendem-se superiores camisas lnglaia com
pregaa larga, pelo baratissimo preco de 35 a da-
lia : na loja da boa f, na ra do Quaimado nu-
mero 21.
Kicas gollinhas e punhos
com booes
Vendam-ae rices golliobaa e punhoa de cam-
braia e fnatao ricamente bordadaa com Itndoa bo-
oes, pelo b.raluaimo pr*co de 29 cade gearnl-
cao : oa ra do Quoimado n. 22, na loja da
boa f.
Fazendas baratis-
simas
Superior bramante de linho com duas raras de
largura a 2*400 a rara, atoalbado da liobo ada-
mascado com duas larguras a 29500 a vara, brim
branco do liobo maito seperlor a 11440 a rara,
dito de corea, faz.nda mullo superior 19, dito
pardo de linho paro a 800, 1 e 1*200 a varo, di-
to de quadrinboa muito proprio para calcas, ja-
Saetea e paletota para menino. 200 rs. o eova-
0, ganga, francesa, maito superiores s 400 rs. o
corado, cambra!., francezas muito fioaa a de
muito bonitoa padrees a 260 O 260 o corado,
cambraia lisa muito fias a 4g, 5 e 6 a pega com
8 1|2 raras, cambraia com aalpico. tambera cea
8 1(2 raras cada pesas a 4*500. dita maito upe-
rior o melhor que ha neste genero a 11$500 a pe-
ca com 17 raras, ou a 800 rs. a rara, coilas fian-
cezas de muilo boas qualidadea e de lindoa pa-
droea a 240, 280. 300 e 320 o corado, fil de li-
nho liso maito fino s 720 a vara, tarta tan a bran-
ca e de corea 760 a rara, toalba. de liobo para
maoa a 7 a datto, ditae pellude. muito soporto-
rea a 119 a duzia, gollinhaa de cambraia borda-
daa a 800 rs., manguito e Rolla, de cambala ri-
camente bordadas zaj o par de manguitos com
um. golla, lenco, brincos muito finos com bico,
renda e labyrintho a 1J280 cada am, ditos de
cambraia de linho para algibeira pelo baratissimo
praco de 4, 5 e 6 a duzia, e assim um completo
sortimenlo de fazendas de todas aa qualidadea,
que aendo a dinbeiro riata se venderio por pre-
coa mui baizoa : na bem conhecida loja da boa
f. na ra do Queimado n. 21.
Camisas e ceroulas
Vendem-ae auperiores ceroulas de linho muilo
floaa pelo barato prego de 269 a duzia, ditaa tran-
cada, de algodao, mas de maito boaqualidade. a
179 a duzia, cmi.s. brancas francezas a 21. 24,
26 e 30 s duzia, ditas para meninos a 22f a du-
zia, ditas para homem com abertaraa de corea a
219 a duzia : aa bem conhecida leja de boa f
na ra dn Queimado n. 22
dementes de hor-
talices
Na raa da Cruz n. 32, deposito de pao e bola-
cha, reodem-se sementes de bortalices rindas de
Lisboa.
A vender.
Urna victoria em bom estado e um lindo ca-
briole! novo ambos com arreios : p.ira ver e tra-
tar ra Nova n. 59, cocheira de P. li.duardo Bour-
geois.
Vndese ama casa terrea no Poco da Pa-
nolis, em chao proprio, commodon para grande
familia, (rente para o rio Capibaribt : quena pre-
tender, dirja-se a raa Nova n. 47.
Nova exposi-
cao de candi eiros
agaz.
O proprietario da nova eipoeicao
os consumidores do gas hydrogeoio
cebido novamenle urna qualidade d
fina, aiaim come tambem de todas t
communs que se vendem neste mei
lindo o mesmo proprietario a q
vende nula de falsicacoes. Tarnbi
tem recebido grandes remess.s de c
?ende em porco e a retalho pelo p
tara, caja vaotagem pode ser coi
pretndante., teodo sempre neste
ment todos oa atencilioa pertencen
sumo de candieijos a gaz : na roa N
24. loja do Garneiro Vianna.
iviaa a todos
que tem re-
3 gaz super-
s qualidadea
eado, garao-
ialid.de que
m .vi*, que
ndieiros que
reco da f.c-
hecida pelos
est.beleci-
te. .0 coa-
ova n. 20 a
NOVA
O proprietario da nova expoiico avisa so pu-
blico que aeua eaubelecimaotos ae 1 ebam todo.
os das abortos al as 9 boraa da nolte illumioa-
doa eem o maeaao gaz hydrogenio 1 onteodo nos
meamos estabelecimentos urna riquiaima galera
de quadros que muito intreteri a curieaidadedaa
familias qae qaizerem visitar estn estabeleci-
mentos, ...im como am nameroso sortimenlo
ele ebjectarias que per gosto se pod m comprar,
garaoiodo sos concurrentes s iran ueza do in-
gresae em .eos estabelecimeotos : 1 a raa Nora
B. 20 a 24, leja doCarneiro Vianna
Milho a 30500 a sacca.
Milho de auperior qualidade em lotes de dez
saces para cima .0 prego .cima, no armazem n.
4, defronle da porta da aland.ga.
tkriades da Arara.
S na grande exposicao d
fazendas baratissimas
na ioja e armazem da
Arara, ra da Impera-
triz n. 56, de Maga-
lhes Alendes.
Vende-se o mais barato possivel a saber: la-
zinbas para vestidos de senhorss, eroupa de me-
ninos a 320 rs. o corado, lia chineza de urna s
cor propria para c.p.a ds moda com 4 e'meio
palmo, de I.rgar. 640 rs. o corado, fu.l&o de
crea para venido, de senhorss 280 e 320 ra. o
corado, coa. a Tarca muito fina a240e280rs.
o corado: na ra da Imperatriz loja da Arara
n. 56.
Manguitos com goliiuhas.
Vende-se manguitos com gollinh.s, faienda
muilo boa, pelo barato prego de 2J00O, gollinhaa
e punho. ultimo gosto a 29000. gollinhaa muito
fina, e bem bordada. 1J6O0 cana am. n. ru
do Queimado loja de miudexa. da Boa (ama.
n. 35.
Tiras e ntremelos bordados.
Vende-.e pe;., de tir.a bordadas de 2,500.
3,000, 3,500 e 4,000 ntremelos a 1600 e 29000
cada pee na ra do Queimado loja de miadeza.
d* Boa fama. n. 35.
Bo tiecas fraucezas.
Vende-.e Lonec francezas ricamente vestidas
4000 e 39OOO, e 2J000 nonecas de cera com os
olhoa ojo vdeos a 29000 e 39000, na ra do Quei-
mado loja da miudiaa d. Boa fama, n. 35.
Fivelas de ac para sintos.
Veode-ae firelaa de ac.0 para ainte a 19500 ra. e
29OOO na ra do Queimado loja de miudezss
da Roa fama. n. 35.
AGENCIA.
DA
Fundico Low-Moor,
o da Henza.Ha Na>m n. 4.
Net* eet.belesimento continua a havernm
completo sortimenlo de motadas e meias moflo-
dai pe engenho, machinas da vapor taixas
de ferro batido e co.do de todos os ism.nhos
para dito,
Sahio luz o
Gallo Vigilante.
Nl ru de Crespo n. 7, aonde e respeilsvel pu
blico achara um grande e variado sortimenlo de
miudezas que se vende por precoa maia baratoa,
Oporeentode que em ealra qualqoer parte,
assim como seja, franjas prelas com vidrilho e de
ooree, Otaa de todaa a. qualidade, franja o galio
de Itabo, eatcrrilh.. pretas e de cores, frocos de
todaa as coras, os riqusimos enfeites de c.bega,
galaoznbo. de linho e de aeda para enleit...
chapeoiinhos para criancaa, chapelinhaa para ae-
nhora, bonetada panno e velludo maito fino,
para meninoe, fitas maito chique para sintos,
m.oguito. a gollinhaa multo finas, lenco* de
cambraia do linho muito flnoa, o muito mal
objeclos que ,e continuara annuoei.r, pola ven-
de-se lado per prego baratlssimoa por ae echar
m liquidacio. Na meare a loja ae acbari um
rice sottimeoto de amendaaa e confeitos proprio.
para qualquer mimo, que ae vende pelo bar.iia-
imoprjQo de 1 J.600 a caiiinha.
A- verdadeira esseocia de ail
para engommado.
Acaba de chegar para a loja d'aguia branca,
ruado Qu.inndo n. 16.
Caixinhas e cabazes para
as meninas trazerem
no brato.
Muito lindas caixinhas e cabazea para meniaaa,
de 100 ri. at 29600: na loja da Victoria, na raa
do Queimado o. 75.
Enfeites para senhora.
O. melhorea enfeites pretos e de corea que ap-
p.rece 59500. 69 e 6$5O0 : na loja da Victoria,
na ra do Queimado o. 75.
Franjas pretas com vi-
drilho e sera elle.
Rico, sorlimenlos de frsnjaa pretas e de cores
ra do Queimado 75.
row
Remedio inallivel contra as agnor-
rbeas antigs e recentes, nico deposito
natbotica franceza, ra da Cruz n. 22,
preco 3|.
Atten^o
43 Ra do Amorim 43
Vende-se arroz pilado da maito boa qualidade
pelo barato prego de I96OO a arroba, saccoa de
4.5 arrobaa.
Vende-, am. pret. da 30 auno, pouco
maia oa menos o ama Alba melaliaha de 8 ao-
aos, viada do malo para pagamento : quem a
pretender dirija-aa a praca da Independencia
o. 7 e 9.
Machinas para lavar roupa.
tfonteiro, Lopes & C. recebersm machinas pa-
ra lavar roana ayslems ioteirameote novo e
adoptado a este paiz, poia qualquer pesaos pode
trabalhar coa ellas por ser o sea aso o mais sim-
ples que se poderis desejsr, sendo tambem mala
econmico e breve : qaem quizer eomprsr di ri-
ja m ae a raa da Cadeia do Recife n. 30, que so
Ihe dari todaa as eiplicacoea por eacripto po-
dendo saber doa seus bons resultado por j se
asar ne.t. praca ao collegio das orphaa. dirigid,
pela, iran., de caridade.
FuBiler e vidraceir.
Grande e nova officina.
Tres portas.
31RuaDireita31.
Neate rico e tem montado estabeleclmento n-
aontrarooafreguezaao mais perfello, bem ses-
eado e barato no seu genero.
URNAS de todas as qualidade..
{.'.SSJ qae rivallsaoi com o Jacaranda.
DAntiEiHus de todo, o tam.nhot.
SEMICP1AS dem dem.
BALDES dem idem.
BACAS idem dem.
BAHUS idem idem.
FOLHa em calas de toda. .. gro.iur.s.
FRATOS imitando em p.rfeteo boa porce-
lana.
CHALEIRAS de todaa aa qualidadea.
PANELLAS idem dem. "'9mm'
COCOS, CANDIEIROS e fl.ndres psr. qual-
quer sortimenlo.
VIDROS em caitas e s retalho de todo. o. ta-
m.nd.ndo-eem.nbos, botsr dentro ds cidsde
em toda a parle.
Recebem-se encommendss de qaalqaer natu-
reza, concert., que1 tado ser desempenhado a
contento.
Attenco.

Vendem-se muilo bon. viol5e. pelo diminuto
preco de 69, bordees para ditoa a 120 ra ditos
psra rabera a 80 rs., cordas de tripa a 40 rs. : oa
ra da Imperatrir, oalr'ora aterro da Boa-Vista,
ojade miadezaa n. 58, junto a loja dn ra8o.
Calcado francez
Chegado de novo*
Grande aortimenio de botina, para homem, e
u maia bellas psra senhorss e meoinss : ns loja
do vapor, ra Nov-a n. 7.
% Mobilia.
Na ra da Camboado Carmo loja n.
12, vende-se toda a qualidade de mobi-
lia tanto ao gosto moderno como miti-
ga, phanthasia etc. por preco mais
commodo do que em outra qualquer
parte, az-se toda a qualidade de obra
de encommenda com a maior brevida-
de e o maior apuro da arte.
inhasde peso verda-
deiras,.
Linhas fins de peao verdadeiras, meadaa
grande. 110 rf. : oa loja da Victoria, n. ra.
do Queimado n. 75
Phosphoros de seguran*^.
Phoaphoro. de aeguranc.., por que livra de in-
cendio, a 160 ris a caixa : na loja da Victoria,
na ra de Queimado n. 75._____________________
venue-ee baleias T20 r. cada urna aspa de ac
, para bala o a 160 ra. a vara, bandea a 19500 ra. e
29OO o par, na ra do Queimado loja de miudezas
d Boa fama. n. 35.
Baleias para vestidos.
Balis, muito grande, e bo*. a 160 ris ama :
na loja da Victoria, na ra do Queimado n. 75.
Linfca de croxel para la*
1 byrintho.
A. aminores linhas de croxel para labyrintho,
novallo meoalros a 320 ri um : na Iota da Vic-
toria, navn 4o Qu*mdo o. 75.
Lascarilbas de seda.
Veode-ss caacarrilhae da seda para anfeitar'
vestidos s S9000 a peca na raa do Queimado '
loja de miudezss, n. 35.
Arara veiide as cambraias.
Vendem-se peces da cambraias lisas I96OO e
S9OOO, dita, flnaa a 59500, 39000, e 3S500. golli-
nhaa para senhora. 500 rs. golla e manguitos
de linho a 29500. Ienc.0. branco imitaco de
labyrintho a I96OO: na rus da Imperatriz loja e ar-
mazem da Arara n. 56
As saias da Arara.
Vendem-se .ais. branca, bordadaa a 290O,
dita, de 4 pannos s 3$ 6 3(500, cambraia. deca-
rocinho. com 8 e mei. v.r.a a 49 a peca, corles
de chitas Ooaa com 13 corados s 29500 : na aa
da Imperatriz loja armazem da Arara n. 56.
Arara est venden do.
Vendem-se pecas de madapoln eleph.nle
mailo tino com 40 jardas a 14, dito de 24 jarda.
a 49*00, 49600. 59000, 5*500 e OJOOO. dito In-
festado a 33, corte, de cambr.ia com barras s
Sg500: na ra da Imperatriz loja da Arara
n. 56.
Meias de borracha.
Vende-se meia.de borracha para quem padece
de ery.ipela a 159000 o par, meias de seda preta
pira senhora a 1{,000 o par oa ra do Queimado
loja de miudeas da Boa fama. n. 35.
Sapatos de borracha para
senhoras.
Vende-se sapatos de borrseba para aeoboraa e
meninos a 19500 rs. o par, s.p.tiohos de lia para
creanes. 19000 rs. o par, dito, merino aiJ500 rs.
toucas de li. para creao;as a SfOOO, 19000,800 rs.
sspatinhos de aeda ricamente bordadoa proprios
para baptisadoa a 39000 o par, na ra do Quei-
mado loja de miudezas da Boa (ama. n. 35
Palmatorias de vidro iapi
dado.
Vende-se pslmalorWsde vidro a I96OO rs., ditas
com mangas proprias para rapasea a 49500 ra.,
cada urna, eacarradeiraa de vidro a 49500 rs.
e 59000 o par, na ra do Queimado loja de
miudez. d Bda fama, n. 35.
Arara j vende as roupas.
Vendem-se pautte de peono preto a 6500 a
89000, ditos de easemira de corea a lOSOOO, cal-
ca, de cernir, preta a 49500. dita, de core, a
5S5O0, palitots de alpaca a 3(500 e 49000, ca-
mizaa francezas I96OO e 29OOO, seroulaa de li-
nhe a 19600e2S. eollarinhos de linho a 50Or.:
na ra d. Imperatriz toja da Arara o. 56
Arara vende as capas.
v""le,n-* capaa perteitameute modernas a
69000 e IO9OOO, mantelete, de gro.denaple pretas
rtto. moderno. 25|000 e 30J000. chale.de
lia a lfOOO. dito, de la e sed. 29000, dito, de
merino a t9500 e 49500 ditos de crep de pona
redonda a 7(500 e 89: na raa dalmperatriz loja
d. Arar. n. 56.
Perfumaras muito finas e
baratas.
Opiata iogleza a 19500 ra. dita franceza a 500
rs., 640, 19000. oleo da aociedade bygieniqae
verdadeiro a 19C00 o frasco, oleo babosa de Piver
verdadeiro a 800 rs. o frasco, sgu. balsmica
para oa dentea a 19000, dita de Botet tambem
pera os deotes s 1(000 o fraseo, pomada france-
za em poe a 500 rs. e I90OO, 320 rs. sabonetes
maito nao a 40 rs., 800 rs. e I9OOO cada um na
ra do Queimado loja de miudezas da Boa fama,
D. 33.
A20rs,sopavo.
Vende-se chita francez. escara de cor fiza a
dous tustdss o corado: na ra da Imperatris n.
60. loja e armazem do pavio.
Attenco
Gbegoa para a loja da victoria, caadieiroa a
gas de novoa gostos e modelos, tanto para sala,
como p.reeaeada e qu.rto. e par. o airas maitas
consas: na loja da victoria na ra to Queimado
Ja. 75.
SEDAS
Cinco tustes.
S na loja do pav.
vendcaa-se sed, de sja.dro., dita.
eemprldo, e ditas de fietr.. airares
d* qa.driohos, sendo dos melhores n
UcedJaslmos gostos, com largura de c
0 re. o covado, pecbineha,
seettae eem p.nbor : na ru. da 1
m, loja a armazem de pavio de Gi
10
ia listrasso
isdss, ditas
sdrdea a de-
'ta ingles.
dio-.e ..
perstrtz d.
a & Silva.
t
Arara Tai liquidar sua casa,
porque quer ir passeiar.
Vendem o m.ls barato powivel para acabar,
chita, com pequeo toque de mofo a 160 rs. e
SE." W r. o covado dita, larga. 240. 260
e280 rs. o coado, sao preta pira luto a 500 e
640 rs. o covado, eassa preta a 280 rs. o covado
corte, do ea.emir. pret. para caiga a 39 e 3(500,
e outraa muitaa fazendas que se dio as amos-
tras : na ra da Imperatriz loja da Arara nume-
ro 56.
Palitos da Arara.
Vendem-se masaos de palitos unos para den-
tes com 20 maasinhos a 200 rs. para acabar: aa
rus da Imperstriz loja e armazem da Arara n. 56
de Magal^ies A Mandes.
Borzeguios inglezes.
Ni rueda Imperatris n. 10 defronte da noneca
loja do Piafo, recebea-se pelo ultimo vspor am
grande aoriimento dos ji bem acreditados bor-
segaias inglezes qae vend.-se por 10Jlif. dl-
nheuo logo contado.
A 2#5O0, o o pavo.
Vendem-se cortes de cambraia branca com 2 e
3 babados a 29500, ditoa de tarlataoa branco. a
de corea, com barraa e babados 39: na ra
da Imperatriz n. 60, loja e armazem do pavo de
Gama Silva.
A 500 rs., s o pavo.
Vendem -ae .. mais modernas e fiotaeim.a lia-
iinh.s de quadrinbo. e de Oore. .ollas e palmi-
chas, desembarcada, do ultimo a.*io rinde de
U.vre.pelo baratissimo prego de quiahentos ris
o covado. e dio-.e .. amostras com penbor : aa
rea da Imperatriz n. 60, loja e armazem daGa-
ma cr Sil'a.
Cabaias hespanholas, na
loja do pavo, a 400 rs.
Vsnde-se ests novs fszends de padroes delica-
dtsstmo.com 4 1|2 palmos de largura, propria
para ve.tido. de senhora a 400 ra. o covado na
roa da Imperatriz n. 60, loja e armaz.m do'ns-
vie de G.m. & Silva. v
Kicos espellios de
moldura dourada para
salas
Chegou para a loja da Victoria urna pequea
por;o de ricos espelhos da varios lmannos para
ornamento de aelas, affi.nc.ndo-se serem os
melhore. am vidro. que tem vindo : n. loja d.
Victoria, na ra do Queimado n. 75.
La para bordai\
Lie maito bosde todas ss cores para bordar, a
79 a libra : oa loja da Victoria, na raa do Quei-
mado n. 75
Sinios dourados para se-
nhoras.
Lindos sintos douradoa psr senhorss a 29200,
ditos de ponts cabida a 49. ditos de flts a 19600:
aa loja da Victoria, na ra do Qoeimado o. 75.
Linhas do gaz.
Caixinha. com 50 novellos de linh.s muilo fi-1
os. do gaz a 900 ris a c.ixe, dita, com 30 no- ]
vellos a 700 ris, ditas com 10 novellos grandes
a 700 ris, brancaa epretas: ns loja ds Victoria,^
na ru do Qoeimado n. 75.
Candieiros de gaz
Chegou para a loja da Vieteria os melhores
candi.iro. de g.z qae tem vindo ao mercado, por
prego* commodo. : na loja da Victoria, na raa
do Queimado n. 75.
Kicas fitas para chapeos,
cinteiros, etc, etc.
A loja d'agula branca acaba de reeeber am ex-
tr.erdin.rio aortimeate de ricas fila., lio boaa
em qualidade quao benitas nos deeenhos, tendo
entre ellas o msis largo qae possivel; assim
como alguma peca, branca com o centro liso
proprio para insenp^oe, e muita outraa de dif-
ferentea cores como de cal, rozo, escara, etc.,
etc., e eeise da sea louvarel costume : a loja
d'aguia branca, aa raa do Queim.do n. 19, ven-
de por preco eeoimodo easas boas e bonitaa fitas.
Grvalas de setim com
ponta larga a \$
Vendem-se grvalas preta de bom setim s
com pon tas larga a 19 cada urna, tio baratas
assim s se acha na raa do Queimado, loja d*a-
gale branca n. 16.
As afamadas agulhas iaipe-
riaes com fundos dourados,
e dedaes de marfm.
Acabara de chegar pera a loja d'agaia branca,
ra do Queimado o. 19.
Feijo superior.
Na roa do Viga rio n. 10, armazem,
tem para te vender muito auperior
feijo.
Manteiga para os bolos de
S. Joo.
Vende-se no lsrgo do Carmo, esquina ds raa
de Hortaa n. 2, manteiga iogleza a 800 ra., 900,
11120 e 1|440 francesa a 720. e 800 rs. maito fi-
na, chi a 29560. 21880 e 3*100, .mandoas a 860,
chouricaa a 480, touciobo 820, ag 320, figos
a 320, gomosa a 120, libreada qa.ijo do sertio a
720, e sendo lnteiro a 640, queijos do reino a t
um, cauao com 8 libras de doce de ro aba a 640,
vinhos de todas as qualidades a 480, 560 e 640,
e maito fino a 800 ra., engarrafado da lfOOO at
11500 muito fino, oleo de ricino a 800 rs. a gar-
rafa, e em libra a 40, aletria a 400 rs., maear-
rio e talharim a 810, grasa em latea a 11200 a
denla, a ama lata a 120, banba de porco a 400 rs.
a libra, eoutros multo gneros por commodo
preco.
Arados americanos e machinas
para lavar roupa: em casa de S. P.
Johnston & C ra da Senzalla Nova
a. 42.
wmmmmm mmmmmM
Grande
liquidaco por todo
o pre^o, na bem co-
nhecida loja do Ser-
tanejo.
SRua do Queimado d. 45.j
Apparecam com di-
nheiro que nao deixaro
de comprar.
Chitas esenraa finas a 160, 180 e 200
rs., cortes de vestido prtos bordadoa a
velludo de casto de 1508 e se vendem
por 308,409, 508 e 70. sabidas de baile
de reliado e setim a 12 e l.lj, camt.aa
para senbora a 2&O0O e 3&500, gollinha.
de cambraia bordada. 500, 600. 700.
800, 900 e 1, dita, de DI6 bordada, a 120
rs., casavequee de faatio a 55, 69,75,89,
meiaa de aeda brancaa e pretas para se-
nhora a 19200 o par, tiras de babados a
500 e 700 rs., lias de qaadro enfoatadas a
300 e 360 rs. o corado, cambraia preta a
400 e 440 rs. s vara, organdys de cores a
600 rs. a vara, fil branco adamascado
para cortinados e vestidos a 400 e 500
rs. a vara, cortea de collete do easemira
bordados pretos a 29 e 39000. ditoa de
velludo de cor o pretos a 39, 49, 59 e 69,
paletots de brim branco francezea a
39500 e 495OO. ditos de easemira de co-
res o pretos a 149 e 169. ditoa de alpaca
preta e da cores a 39,38500. 49 o 49500,
camisas de peito de linho s 29500, cortes
de colleta de gorgurio a 19500, 19700.
29200, 3f o 32500. collelea feito. de brim
branco a 29500, ditos feilos de gorguro
a 29500 e 39500, ditoa feito. de cernir
a 38500, 4| a 41500, ditos de velludo a
59, 69 e 79, ditos de fu.tio de corea a
11500, um variado aortimento de meiaa
para homem e .aohora, grioaldas com
florea, eh.l.a de troco, eapartilhoa, a lo-
da a q.alidade de roapas feila. par. ho-
mem que lado se vende por melado do
seu vslor.
Fauno de algoau da Babia.
Vende-se ao eacriptorio de Antonio Lorfi de
Ollrelra Amado 4 C, oa raa da Crax a.l.
Rival
sen igual.
Miudezas erap.
Rua larga do Rosario numero 36.
Lia de corea sortidae, librs a 69400.
Sintoa dourados a I96OO.
Ditoa ditos com pootaa a 3(500.
Agulbaa franceza cartas e eompridss a 60 rs.
Dita, cafitof.s 120.
Pentes de musa para atar cabello a 500 rs.
Ditos de dits idem (dourados) a 19200.
Carreteis de retroz de corea a 820.
Escovss para caballo muito boaa a 800 e 19.
Cartas de alfiaetes 80, 100, 120 e 140 ra.
Eacov.s pera uobas muito boas s 320 e 500 rs.
Franjas preta. eem vidrilho 820 e 400 rs,
Trancaa pr.ta. com dito a 240.
Bicoa pretoe muito bon. a 180, 240, 320 e 400
ri*.
Carretela de liaba 30, 60 e 80 rs.
Enfeites de retroz com franja a 59300.
Meias para asador (duxia) a 2*500..
Ditaa cruas para homem a 2JI00 .39.
Teeours. ordinaria* a 80 rs.
Franja de lia estrellas (peca) a 900 rs.
S. bonete, da bola finos a 640.
Frascos da diverso, chairo, a 320.
Linhade PedroV. 30 rs.
Botos para eaeaveqna e 20, 30 e 40 r.
Bap Paulo Cordeiro (verdadeiro) a I96OO.
Dito gssse grosaa e selo gresee a 19800.
Dito dito too a 11280.
I oetsee multa, mais miadesaa que eem a pre-
eaaca dos boaa kswaoaesj ae voodorio bar ti
Veoae-e a prealacoes annuaea o engenho
ianta Crox, sito n. freguezia da Luz, a margem
_ri Tapacuri, di.lante desta capital seis e meia
7 legos, tendo terrea da maior prodcelo para
,000 pes rnouaes, boas malas e todas a. obras
precisa, para lucrar-.e, bons lsvradores, dous
cercadr s ; e tambem vende-se, no eso de convir
ao comprador, urna boaaafra criada : a tratar no
memo engenho, ou na rua do Livramento n. 36,
egundo andar.
Moendas e meias moendas.
Taixas de ierro batido e
coa do.
Machinas de vapor.
Rodas d'agua.
Rodas, dentadas etc., etc.
Rua do Brum n. 38, fundicSo
de D. W. Bouraan.
wnscmmsms tmmmmm*
Nao duvidem que na ruag
I do Crespo n. 17, loja de
Guimares* Villar.
Vestese urna senhora dos pesl
ate' a cabeca.
Principiando pelo, chapeo, de p.lh. a
Garibaldi e chapelinas de palas de Italia
oa maia auperrores que tem viado de
Franca.
Manteletes de groa bordado., capas e
casaedes a Luli XVI, sedas de cores e
moireantiquea pretoa e de corea e aca-
bando peloe respeitaveis baldea de crox
e de muaselioaa e que venden) sieralia-
slmo. Senharas Iregeeus a vista fax f,
mandem ver.
Na rua do Viga rio n. 10> arma-
zem tem para vender por precos m-
dicos o seguinte:
Superior vinho do Porto em barris de 8*
Dito dito dito engarrafado.
Cofres de ferro prova de togo.
Algodao trancado da fabrica da Bahia.
Balanqas deciraaes.
Carne i ras inglezas para selim.
Pregos caixaes e enxadas portuguezas.
Cal e potassa.
Vendem-se estes dous ar-
tigos ltimamente chegados,
no bem coohecido e acredita-
do deposito da rua da Cadeia
do Recife n. 12, mais bafato
do que em outra qualquer
parte.
Queijos doSerid
* 500 itts a libra .
Rua Urga do Rosario n. 37.
Vendem-se queijos do Serid a 500 rs. a libra,
assim como oa m.i. gneros por menos preco do
queem outrs qualquer parte.
Vende-se umearrioho de A roda, em mui-
to bom eatado, com arreioa o urna parelha de ca-
vallo adestradoa : na rua da Aurora o. 60.
Vende-.e ama acra va de nacao, de meia
idade, qae cotlnha,engomma e lava muito bem :
quem a pretender, dirija-ie a raa da Gloria no-
mero 60.
Na raa da Guia, taberna n.9, vende-ae urna
acrava de todo o aerrico, muilo aadia e aem vi-
cio*.
Vende-se urna caa terrea na rua do Padre
Floriano n. 35, com 8 mei-aguaa no fundo da
meama casa, tendo o terreno proprio : tral.r
o. ru. da Penba n. 2.
Venaem-M eccoee a companhia Parnam-
bucana : na aaaea do Coreo Santa a. ti
Vende-se um ptimo quarto ala.ao, bstanle
poisante e manteado, maito proprio psra ser? qo
de carrosa ; para ver-ae, oa cocheira da raa da
Pas d. 13 A, a tratar de aeu .juste, ns rua de Li-
vramento o. 22. tereeiro andar.
EscraTos frgidos.
Fugio no dia 12 de abril daste correnta an-
uo do poder do abaixo .asignado, o pirdodeoo-
me Francisco de 17 annos de idade, que tem bo-
nita figura, todos os dentes, esbeltos csrspinhos
e ruivos, teodo sido este pardo escravo do Sr
Dr. Antonio Borgeed* PaBaesa de preeomir
que ande poralgum do logare, por onde o mes-
mo aenhor tem viajado, cerno sejam Igu.rass,
Goisona, loga S. Joae, Campia, Serra do Tei-
xeira. Pao o'Alho, Limoeire, ae treavtUaada co-
marca de P.je de Flores,, sendo qae segundo sa
suppoe esteja tambem no engenho lohamaa per
haver sido visto ha poucoa dias enslgaaraei per
ter amiade com ns mulalinho. deese engenoe
anda de presumir que o dito escravo por abi
se inculque como e sotvIqo do dito 8r. Dr. Bor-
ges da Fonsec, afim de nao ser apprehetidWb :
quem pois o aprehender ondeqaerqeefor encon-
trado esse escravo a o vir entregar ao um legi-
timo dono na ruedo Hospicio n. 6, quesera mu
generosamente por ello gratificado.
Igoacifr Lu a> Brlha T*borda.
Escravo fgido.
Contina a estar fgido desde es ltimos dias
de abril prximo psssado o moleqa. Hereulane
fuewieeeravo do finado Manee! Antonio dea
aasoe Oliveira, tendo os signsee seguintea : eer
ala, estatura regular, a falla am pouco descae-
cida e aneada, tem ama cieatris l'bu de.o-eV
urna das mios, preveniente de am unbeiro, ere-
Br"*Dt tera idde e 26 looo*: r.gu aeaeaa
tondada. potkiaea a appreheaaie de aseemo, t
,u* "'" MasMel Antonio Geac.rvee, na na
do C.oag, leja n. 3.
Fagiu de eaaa do abaixo asignado o aeu
escravo Eafrazio, de naci, represante, tar S an-
uos de idade. a com aa peqaeao leMaJae cima
do olho, foi comprado ao Laeatvcoaose* Joo
Frsaciico de Carvslbo Pses de Aodrede : faeaa o
apprehender leve-o raa do Trais** a. 14, qae-
ser i bem recomaeneade.
Maooel Airas Gaerrs.



-



-~r-*-

=mE\
;r=s
rffitz
tteratU *3 I auliad'or imdUto doj
_________ .;-' tima mieeio de cooform
Com satiafagio publicamos o tec;aintei reraoi,
que orna formosa t delicada eai > iit dignou en-
viar-nos. ,
Sio singlos e guares, como da qutixa lemi-
nina.
Generosa sempra! Quaai que s accusa da des-
cartazos os homens a quem p>aii chamar im-
pioi 1 Quasi que nao Ibes pede leniio que teuham
coragao I
E em quinto a mulher se "Sl ahi todos os
das elevando a aojo, pela religiao, esli os ho-
Diens, pela suaimpiedade, descerni a selragens,
sem verem nem o aojo nem 10 meos a mu-
lher I
, nmgoobem-se, ae podem.
At irmat dt carie ade.
Csvalteiros porlugueze i,
Vosaos briot onde eatiof
Defender timidas damas
Nao j voaso braio
Quem abre a paginas aellas
Da historia de Portugal,
Pelaa damas v guerr iros
Erguendo o braco leal.
Que o diga a oobre Inglaterra,
Que bem o pode dizer,
So daa damas oa defezi
Alguem oa pode exceder 1
Qoe feito do antigo trio
Deste poro tao corlez ?
Pobre povo I ..que nem mesmo
O deizam ser porluguei I...
De Deua as servas humildes
Que mal vos fazem ?Dizei:
Nao aa amaea porque pura.
Porque santa a aua g 'ei ?...
Quereia penaar que ess s almas
Fossam ao mundo meo .ir,
Vindo, em vez da carrada,
Causas mundanas serv: "!
Nao as vistes inda ha p taco
Longinquas plagas buscar,
Oode o aangue eolio enra
Tingiodo a trra e o mir?
Entre exercitos soberbo;,
Entre inimigos crueis,
Soccorreodo nao aa vistes
T os proprios inflis 1
Cavalleiros porlugueie:,
Voaaos bros oode esti ?
Oefeoder timidas dama!
Nao j vosao brazao ?
Daa ao menos gaza i ha di
A'a tristes filbaa de Deis;
Entre oa que gemem nt trra
Deizae-aa, que esses ajo aeus:
Seos, porque o manto < ue as cobre
Dos a fO icios tambena
Seus, porque, irmioa ni pobreza,
O cu por patria s ttm.
Garidade, aatro bemdito,
Aquellos arijos conduz;
Sena passos nunca enfrtqueeem,
Porque ao lado os segu a cruz.
Na estrada do cea esminham,
Dando allivio eatraohn dflr.
Porque pois aasim trata- las
Com lio cruel deaamor V
Quereia lancar n'um abjsmo
De amarguras mil, tem flm,
Esaas rozas, que Deua tria
No seu mait bello jardira ?
Cavalleiroi porlugueze
Vosaos brios onde esto i
Defender timidas damas
Nao j tosi brazao?
Amalia o Alhema.
(Yo, o.)
DIARIO DE PIlHAMlUca,
gencia do alumno, o profei
legado do educador e mediatl
A palavra a vida da alma, porque a
d'essa palavra o alimento da propria alma. A
le tngendrou o Bino com pedamos de ai meama;
pelos cariohos e disvtloa da dupla pateroidade
do pae e da mae, creou-se o menino no mar.
Mas chegada a edade propria o pse delega S aa-
torldade e mae o amor a esse outro pie, hu-
manamente provincial, que se chama o pedago-
go, o educador ou director, e que assume o es-
pionse encargo de fazer deate menino um ho-
rnera para a familia, am rifadlo para o estado
um predestinado para Deus.
Eis portaoto a auloridade paternal, que vem
immediatamente do Creador, delegada ao edu-
cador, especialmente na parte moral, e ao pro-
fesor, colaborador do director, especialmente,
na parle intelleclual. E digoespecialmente, por-
que o pae, o educador e o professor tem de col-
laborar em harmona, e cada am na rbita dos
seus deveres, na formaclodobomem, do cidado
e do predestinado.
III
Chamado pela summa benevolencia do insti-
tuidor e director dtata casa, para, mala urna vez
em mioha vida, ezercer a sublime missio do pro-
fesorado, eu avaliei e avalio a tremenda rei-
poosabilidade que me voa expor. E eomtado
dissesim generosa voz, que me (oi arrancar
do limbo da vida domestica : e eia-me oa hora
aolemne de comegar o ezerelcio do meu minis-
terio.
E nao foi, aenhores, porque me deslumbrasse a
honrosa posigao, a que aou chamado: o que a
gloria para quem j provou o seu doce veneno,
para quem anda soffre dos golpes de seas espi-
nos?
O que me determinou a largar oe.commodot
da vida retirada, e aceitar eate posto honroso,
mas difficil, foi nao a o deaejo de pagar, como
pae, um pobre feudo de consideradlo a este ins-
tituto de educaco amorosa; mas especialmente
o impulso do amor paternal, que a tanto me
obrigou.
Acho-ma poia pesaoalmenle ligado ao progres-
so do Gymnaaio Bahiaoo, como de ha muito es-
tiva para elle altrabido de coracio e alma. O
systema de amor paternal, em que se apoia, e
qae j profeasei; a consideracao pesaoal, que
oa rea e os povoa como lhe ch
oem somente a medrada vida co_
inoa Cicero. Deade que Boasaet Iba
briu aa lela moraea, como Kepler. Galilea-*
ton haviam deicoberto as ltia phyien do

3 DE JNHO DE 1181.
Wlii. i m t$m ..!!
.... i-
ani-
a historia converteu-ae em acieocia, ou
Gvmnaso baha id.
Discurso recitado pelo Sr. Dr. Fi ancisco Manoel
/apoto (TMmeida.por occasic da abertura, da
cadeira de historia.
I
Senhoret.
O estatuto regulamentar desta :asa imp5e aoa
ssus prefeasore a obrigago di proferirem am
discurao no principio e no flm d i cada anno es-
Esta sabia diiposicio do beoenierlto fundador,
tem em si urna razio philosopbh a de muito al-
cance : a abertura e o eoeerrameite de ama aula
sao duas occaaides solemnes nt vida coilegial,
como o nascer e o morrar na rida humana. E
pois a palavra do professor deve em taea actoi,
rer o maia aolemne possivel. co.no o Bapsmo
para a cranla, como uExtreoia-Uocao para o
Porm muito miia grave e solemne a occa-
aio. em que o professor tem < e dirigir-ae pela
primelra vzaos alumnos, que "ae educar com a
palavra ; e entre cujaa iotelligeiciaa tem de es-
tabelecer um fluxo e refluzo de lova ideas.
Ha lituacoee, aeohorei. tio i;raves e lio so-
lemnes na vida do bomem, q > nao possivel
exprim-las na linguagem articul ada. Nessai si -
luicoei. a alma, ou parece vor pelos espatos
inflnitos do ideal, ou totsobrar entre as ondas re-
Tollas e encontradas de diversos lentimentoi.
Eu acho-me n'uma d'eaaas situigoei : tilvez a
mais grave, a mais solemne de ioda a miaba vi-
da : pola qaando pareca uavur dado o ultimo
adeas ao querido e aaudoso anejar da vida litte-
raria, eia-me de novo arrancado ao remanso da
vida domestica, para tornar a alistar-me um dos
Itimos auxiliarea da cruzada de progreaio.
E' ainda mal, aenhores, que ja, no declinar
lento da vida, n'eaae tormentoso equador da exis-
tencia, em que ae olha descontente para o pae-
sado e encioao para o futuro ;' quando ae tem
ideifolhado urna ama aa ninhaa queridas e
innocentes ambicea de gloria ; quando anal-
mente, apenas aioto quasi exlin:to o ultimo res-
caldo do meu pouco saber, que a me vejo de no-
vo exaltado ao magiaterio pela vocablo generosa
conaagro asea benemrito director, homem de
congao e vontade para o triumpbo das grandes
idaa, e que para a noisa
cratea foi para a mocidade atheniense
amizade qae ha quinze annos noa liga na har-
mona dos meamos principios; a eleicio que fiz
desta caaa para nella educar mea nico a queri-
do filho, parece-me que alo ttulos sufficientes
para me grangearem a conflaoca dos alumnos,
que alo destinados ao meu profeisorado, e aos
quaea me dirijo especialmente, pedindo-lhes, que
com effeito me diipeoiem eaaa confianza, porque
ella ser, por assim dizer, a planceia que ligue a
maternidade da palavra ao feto de suas lntel-
ligencias.
IV
Mas, aenhores, a diflicil eituacio em que me
acho, ao inaugurar urna nova era na cadeira de
biitoria do symnasio Bahiano, nao tanto o
meu desanimo, filho do scepticismo da edade :
nao tanto a mioha falta de suficientes habilita -
ces para urna materia, que vou profeasar pela
primeira vez; avulta aobre tudo iato a excepcio-
nal circumstancia de ter de succeder ao sabio a
venerando bispo do Para o Sr. D. Antonio da
Macedo Coata.
A vocacao deate illuitre sacerdote para a je-
rarchia episcopal foi urna gloria para a egreja,
um triumpho para o nosso clero, lio exceaeiva-
mente menoscabado, e urna honra eapecial para
eata caaa.
Mas tambem verdade, senhores, que essa
gloria, ease triumpho e esia honra foram urna
auprema decepeo para, eate instituto, qae tinbs,
na collaboracao do illuslrado edueando de Sao
Sulpicio, urna das suas maia preciosai garantas,
um doa aeus mais valiosos esteios.
A alegra que esta familia do gymnasio Bahia-
no experimentoa. quando inesperadamente, e
por altoa designios da Providencia, viu um doa
seus membroa elevado sublime categora de
principe da egreja, e successor doa apoatotos, ea-
aa alegra, digo, foi o doyoii repastad* de la-
grimea, e converteu ae n'uma perenne saudade,
que ha de perdurar, como urna das maia queri-
das tradigdea deata casa.
Eu obaerrei de longe. mss J com o coracio
vinculado a este instituto, aa scenaa de pungen-
tes ligrimas e mal aoffreados gemidos, que ae
deram nessa hora de auprema ingnslia, em que,
'aobre o convez da embarcarlo, que liaba de o
transportar, o venerando prelado lan;ava a sea
beoQo de apostlo e pae aoa filhoa qaeridoa lo
gymnaaio Bahiano; a esses filhoa, qae elle ba-
a educado na religiao e as leltras; e entre os
quaes, muitaa vezea, eaquecia a categora de sa-
cerdote e professor para ae tornar am compa-
nheiro, ou um irmao mais velho da familia.
E' a eate vulto histrico e venerando, quecin-
ge a triplico aureola do saber, da virtude e da
bondade peasoal que eu vou succeder no profea-
sorado da cadeira de historia deate instituto. Pa-
ra qualquer outro aeria difficil esta aucceaaio ;
para mim, aenhorea, ainceramente o declaro, 6
quasi um impouivel.
Mas ae com a ainceridade e o etforco de von-
tade alguma couaa ae pode conseguir, eu empe-
nhsrei todos os recursos ao meu alcance, aeno
para corresponder, ao menos para oo me tornar
indigno da ascolba que de mim fez o generoso
fundador e director do Gymnaaio Bahiano.
Permitti-me agora, senhores, que vos expooha
em reaamidas palavras, qual o plano, qual o
programma de ensiuo, oa methoJo histrico, qae
pretendo profeasar.
V
Em todos os lempos o eatudo da historia foi de
urna reconhecida utilidade em relacio i politica
e religiao, que alo os doua polos, a qoe ae di-
rige a inteligencia e o coracio do homem. Des-
de, porem, que no secuto passado, ama pbiloso-
pbla capciosa e incrdula ae apoderou dos factoa
e os desflgurou, o eatudo da hiatoria torooa-se
I de urgente necessidade, porque a verdade 6 o co-
rolario do ficto, e pois no facto se deve descri-
minar a verdade.
Noa modernos programmaa do enaino, a hiato-
ria cooatitat um elemento eiseocial da inatrac-
Cio ; e notabilidades Iliterarias e eatadiataa illui-
trea como Willemain e Guisot tem profeasado eaaa
antes n'uma especie de theologia humana.
Qaando a hiatoria era o aiaplea asquaftato dos
factoa, dizier-ae que a fortuna era ama deusa cega
e caprichoaa, que derrabara a exaltava os tur-
nos, qae aniqailava ou gloriflcav os exercitos ;
maa o famoao autor do Discurso aobre a hiatoria
universal eatabeleceu e demonstrou, tomo dog-
ma histrico, que a providencia do Eterno era o
nico motor dos factoa mltiplos, variados en-
contrados e myiteriosos, que se davam naate
complicado xadrez dos povos, chamado humani-
dade.
c Nio ha fortana, nem acaso, exclamara o il-
luatre blspo de Uaax. O que acaso, a respeito
doa notaos cooaelbos lacertos, am desigoio
concertado no conaelbo maia alto, iato naquel-
le conaelbo eterno, que comprehende todas at
causas e lodos ot effeitos em mi mesmt or-
den.
VI
E assim, aenhores. A' torga de encontrar a
mioha pobre inteligencia na razio dos tactos,
ebeguei a deacobrir t thtorit di eoncentraco
dtaaea meamoa tactos, convergindo todoa para am
meamo centro como oa raios da lai convergem
para o aeu ponto de reverbero.
Figurou-se-me, e ainda aa me figura, que os
factos eram como tos de diversas corea, ardidos
no cylindro de um thear, e presos urna lanca-
deira inviaival, que myatenosamente os tecia.
Oa los deata teia estao em relacio para com a
mi invisivel, que mysterioaameote oa urde e
tece, como os individuos, ot povoa e a humani-
dade estao para com a mi do Eterno, qae urde,
e tece eata myiterioaa e variadiasima vida da bu-,
manidade.
O eatudo da hiatoria dtve, portento, jer ama
combinadlo da lyntese e da analyse. Ou desafiar
o tecido e buscar o mechanismo da combinacio
doa Deis, ou tomar um a um estes meamos flos,
apenaa urdidos e prende-loa lancadeira que oa
ha de tecer. Numa palma, oa partir do creador
para a creatura multiplicada, ou partir da malti-
plicacio da creatura para o Creador, como causa
a effeito foflolo da creacto.
E pira que vos faga sentir a opioiao que pro-
feaao a reapeito da anidada da eapecie humana,
objecto principal da hiatoria, petaoitli qae vot ci-
ta a psssagem de um livro, caja primelra parta
que panto de trdor qae noa prende,
x qae doa litros a (toa te deaprtnde,
waoproda lo veja nem metalo estremece 1
Is pola em reiumo da nona amliade,
A grata, aablime, Sel dlvlodade.
Queem vez de ler nossa dot Cus me parece.
mocidade o ue So- P"Wlei ha pouco lempo,
[nenente ; a cordeal A,,lm com Df>" 6 unj
um em seas atlributoa,
aasim a bumanidade tambem ama em anas ra-
mificagoes de poros o tempo e "a dialancia alo
circumatanciaa humanas, e nio accidenlea di-
vinos.
c A humanidade pode tomparar-se a ama ar-
vore. O tronco deata arvore Adi : oa galbos
que se destacam deste tronco sio aa differeotes
agglomerages de povos : ot milhes de folhas,
qae cahem aos furaedes do invern, e te reno-
vam na eilacao da primavera, tio enei milhoes
de indiriduos humanos, qae cahem ao aopro des-
truidor da morle, e ae renovim pelo aopro myt-
terioso da vida.
Ora, o facto qae o tronco eal preso tr-
ra por meio daa raizei: as raizet recebara da ter
ra a aeira, que leva at ao ultimo recorte da fo-
Iha o principio vegetatiro, eis a eiplicacio da
sciencia. Has a aciencia humana aiadsVNe ex-
plicou de urna maneira iotelligivel e satisfactoria
a casta primaria deste myaterioao phenomeno ;
a comtudo reconbece-o e deacreve-o.
[Continuar-te-ha.
Primeira pagina.
No lbum do meu amigo o 9r. Dr. AKa Maiheui
Monteiro de Castro.
Eu aei charo amigo, que um forte deatjo
Nio tem tanta forca, que em lindo bosquejo
Resum ot primoret de nossa amitade :
En sei que, inda meamo que i tanto subiste,
Se a tna modaatia meua caotoa evviaae.
Vera o silencie me impor na verdade I
Mas dettei affectot,que na not rotamos,
O quadro sublime que juntoa formamos,
Ao menoi > parte vea ver ae deatrevo :
Se a nossa amiaade alo for Mtialakta, l
Se a voz de mioba alma for toda impf*,
Fazende- o que poaao, farel quanto devo
Procure & ten lado miaba alma extremosa.
Naa boraa ingrata da vida espinos, "
Maia um lenitivo doa traocea dador I
Deacance noa bracoa da santa amisade
A victima triste de ingrata beldade,
O peilo ferido dat tetaa de amor.
De amor nnme fero qae em manto de floras
Esconde o veneno dos impos rigores,
E opprime a existencia do trate mortal t
Maa boje que o tempo j tem-me instruido,
Por ti confortado, meu peito trahido
Esqueca ot martyrios da aorte fatal!
Eu poli, da amiaade cultor sempre rdante,
Que vejo em teua actoa moatrar-se impamente
A valida eatima que jara votar-mo ;
Fiel recordando ao centro do peilo
I mmensas finezas que turne tena feito,
Nio quero, nem posso, nem devo calas-me.
As vezea no embate de mil aacriflcioa .
Achei tem saberes noa teut beseftcioa
O balsamo doce da grata afteiclo:
E quando miaha alma gemia em tormentos,
Exbaaato de forjas achei sempre alentos
No tea generoso, leal corago.
De amor e da sorte no vil rigorismo
Eu vi muittt veres bem perto do abyimo
Ji quati a perder-te mea dbil valor ;
Mas tu, suspeilando mea triste cangago,
Em prol de meaa loaros ergueste leu brago
Ento novo athleta cobre! novo ardor 1
Tu, que a da acieocia vlente toldado.
Que, tendo entre ot homem um poeto elevado,
De nobret amigoa escutas a voz;
Com tudo nio coraa de amigo chamar-me,
E cada momento la vena conflrmar-me
Na crenca de fogo jurada por dos I
Se ves-me aoffrendo, teu atr se entristece,
E ji no teu rosto, qae o pranto hamedece,
Eitampa-te a idea da meu dissabor 1
Depoia, ae a fortana prometi aleatar-me,
Eis logo em tua alma buacando alegrar-ma
Da flor da esperance r en asee o vigor 1
E agora qae hai fiado mea pobre discurso,
Qae a lyra cangada fenece o recarao ;
Da empresa atrevida cheguemoa ao Qm :
Fiquei muito abatxo do quanto eu quizera I
Uaa bsata qae lelas oeata alma sincera
Que a nodoa de ingrato nio fez-ae p'ra mim I
Recite, 16 de margo de 1861.
GUERREtRO DE C.tSTRO.
linda nao son feliz.
Por entre as syrtes de penosa vida
Eu roa dos louros o fanal buacando,
Aa negras eortt do painel futuro
L rao-se em cores fettivaet mudando.
J doa eansagos atravz diviao
Sorrir-me oa das de existencia amena,
J d'entre aa navens do preaente escatto
Ridente aurora do porvir me acea.
Oh I como bello oot degriaa da vida
Subir-te a cuito pela forca d'alma I
Quanto prezamoi o cruel martyrio.
Se elle daa glorlaa not conduz palma I
No ardor da lata me renaace alentot
Quando inda, ha pouco, mejulgava exhausto,
Succede o riso da esperanga amiga
Aot sordos echot do gemido infautto.
Mas ah I qae valem oa fiordes da gloria,
Quando a alma ardente por amor suspira I
Que vale a vida, se de balde amamos,
E o tritte petto no ciume expira I
Oh I desfallecem da ventora aa pompas,
Murcham oa louros, que aa fronte algsmoa,
Se tio ainialro nona vida infeeta
Cruel desprezo da mulher, que amamos,
P'ra mim nio valem da esperance os risos,
E aa meamat glorias o valor nio tem.
Se infame aatacla de rival tremendo.
Do mea futuro me roabar meu bem I
Somente ai glorias com fervor desejo,
Se alguem meoalourot animar na futa:
Se a linda virgem, que no peito adoro,
Com tea sorriso miaba voz escota.
Aojo bemdito, que mea ser animas,
Mulher divina que dos cus deteeste I
Meui ternot cantos compassiva escuta,
Defende eata alma que a t preadesle f
Ea que entre oa males vivirei ditoso
Se t meus prantos alimpar quizares,
Nao quero as glorias, nem a vida aceito,
Se t mea fado partllhar nio querea 1
Tu que minha alma condemnaste aos prsntos,
E aos meui orgulhoi impozette o flm.
Atiende aos rogot de minha alma ardente,
MDha alma ardente que te pede um ttm 1
E o noiaei peitot ante Deas curvados -
Noa castos vincloa de bymeoeu prendamos,
E quando a vida ae Andar na trra,
Ao cu ligados por amor tobamos.
Pernambueo, abril de 1861.
GUERREtRO DE CASTRO.
oo malo doi rebelda. Aotti de anoalecer eorn-T o noivo perguotou-lhe o que ella qoeria diur;
plat.rn.at. o. ng^.s* ^.-j* Wtmtoa-lhe q.e Ho.0 qae sita
chegoa a nouta oa ca--------------
deacancar da asa sanguinolenta obra de destrui-
do e de carnicioa.
Os generaos Wallaa e Buall ebegaram entio
com reforgoi, tomando a primeira policio ot
nossa diraita.
Ao amanhecv do dia tegulnte, romper* o
fogo simultneamente a dirisao do general Nel-
aoa pela eiquerda, e a do general Wsllace pela
direita. Aa forjas de Nelsoo suatentaram um nu-
trido fogo contra o inlmigo, arencando i propor-
cao (que estas retiravam. Dentro em pouco.se
tornpu geral em toda a liohs, mas a resistencia
que por toda a parte apreaeorava o inimigo, era
terrivel a digna da melhor causa. O destrogo
que caanva a nossa artilharia era como [o p
langado pelo vento. Coobecendo que ama dar-
rota seria um golpe da morte para a ana causa,
e qae ludo dependa do xito d'aquella gigan-
tesca luta, oa seus generaos inlenderam flan-
quear a nossa direita com a esperaoga de madar
a aorte di batathi.
Durtnte ilgum tempo, parecen torrir-Ihei de
novo a sorte, por isao que gaoharam terreno,
tendo recebido reforco, segundo parece, mas a
nossa eaquerda do commando do generalNelaon
rapellia-os com admirare! rapidez, e s nove
horas o general Buell liaba conseguido flanqua-
los e aprehender-lhea tres baterlaa de artilha-
ria. Todava, a sua eaquerda priocipioa raba-
bilitar-ie, e a um direito iotentoa um etforgo
desesperado, ma o general Buell. auxiliado pe-
los reforcos dot geoeraea Word e Thomaz, que
iam chegando, priocipiou depoit a repelli-los.
Como s tret horts dt tarde o general Grant
tahiu frente da nosta eaquerda, e vendo que
o inlmigo vacilav, mandou urna porgo do teu
estado maior i testa do sen regiment ; entio
mandn dar ama carga, pondo-se | frente,
brandindo a eapada, e, cooduzindo victoria
emquanto qae em rolla d'elle choviam billas
de artilharia. Os aeus soldsdos seguiram-n'o
com urna gritara que se fazia oavir alm do es-
trondo da artilharia, e o inimigo fugiu desani-
mado sem tornar a fazer frente.
O general Buell perseguiu os inimigos na sna
fuga, repellindo-os de um modo admiravel, e
i cinco e rais da tarde todo o exercito ioimi
go st pronuociou em plena retirada al Corin-
tbo. iodo a nossa cavllaria emana perseguigo.
Entre o priiioneiroi que oot fez o inimigo, en-
conlra-se o general Preotiss. Entre os morios
dos rebeldes acba-ae o geaeral em abete Alberto
Sidney Johason e tambem correm boatos de qae
o general Beauregard perdeu um bragono com-
bate.
(Jornal do Commercioa Lisboa}.
Cado ao rebolalho raa criada traba feito Jk ves-
tido. O moco conheoeodo isso a vendo o deleixo
de ama e a actlvidide da oatra abandoooa saa
noivs, dirigiu-ie criada e tomon-a por. ,
mulher.
FALTA DE UM CRAVO.
*
Um mercador tinha feito bona negociot na fei-
ra ; todas tdst merttdoriii ettavam veodidaa, e
tua bolaa cheia deoaroeprala. Elle quera via-
jar para chegar em aua caaa antes da noute. Fa-
chou o dinbeiro em tua mala, amarrou-t alrsz da
aella, e montou a cavallo.
^^kmawt
Ao meio dia paroa em urna eidade; como la
tornar a partir; o criado de csrallariga que tra-
zia-Ibe o cavallo disie-lhe: < Senhor, falta em
voaso cavallo am cravo da ferrad ara do p esquer-
ro de detraz.
Est bem, respondeu o mercador; a ierra-
dura sustentar ainda por seis leguas que me fal-
tara camiohar; ea estou com prem. *
Depoit de meio da, elle deseta atada para dar
de comer sea cavallo. O paUfreneiro vela'
procura-lo e dlsse-lhe : a Senhor, rosto carillo
est deaferrado do p eaquerdo de detraz. Ser
preciso le va -lo ao ferrador ?
Nio, est muito bom, responden o dono ;
por duat leguaa que me faltare camiohar, mea es-
vallo ir aioda assim. Eu eaton eom presta. >
Montou aegund a vez e parta Povm ponto
depois o cavallo comecou a coxstr; am ponto
mait adianto alada pez-te a tropegarf mas nio
tropecou muito tempo, porque cabio* eos ama
perna quebrada. O marcador foi obriga-do a dei-
xar ahi o animal, a delatar aua mala, receoa-ls
no hombro e ganha a p aaa cata, onde alo cbt-
gou teno tarde da ooate.
c Este maldito cravo que ae deixa perder, mur-
mura va elle comsigo, canea de todos os malas1.
Aprctsae-vot lentamente.
(Trad. por lvit da Fonceca.)
Variedades.
e espontanea do benemrito fundador e paternal I importante materia, a que Vico chamou acieocia
director d'eite eilabelecimento. I nova, e a qual tem aido itlustrada por escritores
II I ootavets como Booald, De Maislre, Buchez, Her-
0 profeaaorado am mioiit )rio e nio um of-
flclo ; maia am eecerdocio da que urna proBt-
aio ; e poii, a vocacio doa eleitoa da mait tro-
FOL.HETIIH
~ ORIGINAL 00 DIARIO DE 'ERNAmBUCO.
gfft&T&\nWllfA
der, Roborbacker o Caoto.
A hiatoria nao mala um ornamento da me-
moria, como lhe chamou Plinio, nem lico aeve-
Eis pois o motivo talvez bem patente
De noaaa amiaade profunda e vigente
Que em trigos ligeiroa aqaj te retrato :
Em ti nobre orgulho da ter generoso,
Em mim vivo impulso de um petto extremoso,
Propoiito firme de lempre ter grato.
PORMENORES.
Piitiburg, 9 dt abril.
Acaba de terminar a maior a a maia tangai-
nolenta tataib dot tampos modernos, flnaliaan-
do com a eompleta derrota do inimigo que noa
ataco* ao amaohecer de domingo ultimo.
A batalha durou tem interrupcio todo o dia, e
Bcande indecisa at a 4 horas da tarde, bera em
o que o inimigo priocipiou a bater em retirada,
continaando comtuda em retirade alA Coriatho.
perseguido por grande torga e cavallaria,
A carnificina de ambos os lado foi immensa.
Perdemos entre morios, feridoa e ettrupiados,
de deaoito a vinie mil bomens ; a porda d ini-
migo talcula-te de trinta e cinco a qaerenta mil
homens.
O combate principios por um cor90 de 300 ho-
mens que aracou oa posto avanzados do inimi-
go. Os reseldee avanc,aram immediatamente
eootra a diviaio do general Preotiss. dirigindo
contra os nossos ama ebuva de baila, metralha
e bombea. As noasas tropas reaponderam vigo-
rosamente, e quando as tinham preparado para
receber o inimigo, eate dirigru o tea principal
ataque contra a eaquerda do centro, repellindo
oa nossos dat suas poiigea e rompendo o fogo
contra a nona alia eiquerda no momento em
qae chegartm os notiot xeorgos.
A batalha eomervoa-se indecisa dorante todo
o domingo. Pela tarde teve lugar luta maia
desesperada. As cinco horas o rebeldes tinham
forgado a noasa eaquerda at ao ponto de oceu-
par duas tergas partea de noiso campo. Al
agora nio liohamos recebido reforgos de qualida-
de alguma, maa o general Wallaee nio veio
em nosao auxilio aenio no flm do dia por ae ha-
ver engaado no caminho. Deate modo roi-nos
preciso lutarcom forgas muito superiores t nos-
aas, por iaao que nio tinhamos mais do que
38,000 homens, em quanto que o inimigo nio
contara menos de 60,000 homem. A nossa posi-
gao eotio era extraordinariamente critica. O ge-
neral Grant, que dorante o combate tinba esta-
do no meio de urna chava de bailas e de bom-
bea, marchara antio da um lado para o outro
excitando oa soldados a conservarem-ae firmes
at que os nossos reforgos atravetsaram o rio
Como urna hora antes de escarecer, prioci-
piou um fogo de artilharia regal em toda a noaaa
lioha contra o inimigo com um inceaannte fogo
de fusilara. Neate continente nanea ae ouviu
um similhaota ettrondo de artilharia. Durante
algum lempo reaponderam com bom extto e vi-
gor, maa os teut tiros eram menos frequenttt e
deatruidoret. em quinto qae ot nossos eram mait
rpidos e terrlveit.
Ai canhoneirai de Lexington e Tyler que es-
lava no rio a curta distancia, lngaram bombaa
Cantos moraes.
O FILHO INGRATO.
Um dia am homem estar mentado em frente
de sua porta com aaa mulher: tinham adianto de
si am frango aaaad que ellea preparavam para ae
regalar. O homem vio vir de longe tea velho
pae: immediatamente apressou-a em eaconder
o prato, para nio ter que dar ao velho. Eate ba-
tea eomenta ama vez e voltea.
Neate momento o filho- foi bnicar e prat para
tornara bota-lo-ames*; pormo frango aseado
Mnha-se transformado em um grande sapo qoe
saltoa-lhe na face e agmou-ee par aempre.
Quando ae o tentara levantar, o horrivet animal
deitava aobre aa pessoas ua olbar venenoso, como
se fosse langar-ae sobre ella, de sorte que nin-
goem ouiava aproximar-ae delle. O filho ingra-
to eslava coodemnado a nutri-lo, tem o que elle
toria-lhe devorado-a cabega -r e passou o resto de
seus das a errar miseravelmente sobre a tnrra.
0 regiment dos patinadores na No-
ruega.
:.*
O ATO E O NETO.
aetn muito wibo.
a orem oor e o
"-
({no tnha oa olhoa neDufosos,
joelhos trmulos. Quando estar na mesa, pedia
apenaa sustentar sua colber ;. derramara aopa
n tAaiba. e algunta*- re n>^o daixava sabir
da bocea. A aua ora e aeu filho meamo tinham
tomado um grande deagosto por esse causa, e a-
nal retiraraai-no em um caoto atMi do fogao,on-
de abe davam para comer urna metquinha raoio
em una velha ligella de barro. O velho tinha
muai vezet aa lagrimea nosolhos e olhava tris-
temente pira o lado da meaa. Sin dia, a tigella,
que mal auitinham sua miot trmulas, cahia e
quearoa-ae. A moga.encolerisoa-se em censu-
ras : elle nio ouiou responder cousa alguma e
abaraou a cabega auspirando. jompraram-lhe
por duas liards um ligella de madeira na qual
desse dia em adente te lhet da?a de comer.
Algam din de pora-, aeu filho e ana ora virara
aeu> menino, que tinba quatro annoa, oceupado
em ajuntar pelo chao-pequea taboiohaa. Que
faioa?- perguntou-lhe aeu pae. E' um come-
doaro, reapoodoa elle, para dar de comer pap
e i maman quando eatirerem velhoa.
Em Noruega, durante os tres quartot do anno,
o slo eit coberlo de urna carnada de nevo,
maitaa vezet rosta de maii de dez pez. Entio
todos os caminbos ds communlcacio, excepto os
caminhoa frecuentados, fechariam-ae, se os ha-
bitantes deites plises nio se serrissem de patina.
Aasim a arte de patinar, que entre nos nio
maia do que um divertimento ou quando maito
um exncicio gymnaatieo, de urna neeeisidade
absoluta na vida de todo Noruego. Ordinaria-
mente nos diaa de geto qae a nev ese e ac-
cumala-se aobre a tetra, e o primeiro fri qae
sobrevem tapeta toda superficie de ama casca de
gelo muito traca par avatentar um cavallo, po-
rm qae nnr homem armado de patina pode-sal-
car sem medo-em todos os sentidos com urna ra-
pidez espantosa. E' deate forma que o Noruego
cae, vae n floresta papa eooduzir em treno
madeira,. e vae ter aa ctdadea apartadas-pera
buaaar provises qae Ib*- falta em saa eldeia
Minaam -
O governo adoptou o so do patios i aotra-
Rimeato particular de aeu exercite, que por eate
motivo tem o nomo- de rsgimento dot patinado-
res. Diz um viajante: (.10 Oa aoldadoa, previ-
dos de patios eatremasiente longos, subiam as
montaabas mais elevadas, desdara com faettia-
de ; atrevaasavam os lago eos rios ; paravam
em um instante no meio da carreira a maia rpi-
da ; faziam exerciaio com arma branca e de fa-
go, qoer correndo, quer flcaodo o mesmo. la-
gar, o executaram mil evetocea difliceis toas
urna lagairesa que admirar vista do eipecta-
dor.
O marido e a mulher olbaram um para o outro
pocum minuto aem diter nada, depoit pozeram-
e a chorar, toroaram a recabar o velho ns msaa,.
e desde esse dia fUeram-no aampre comer eom
ellas, aem jamis traterem-no aiperamenWij^ retrocidoi para o ar. O-do p eaquerdo -
Eate regiment composto de quatro comoa-
nhias ; sea uniformo- de um verde escuro co-
mo o doi cacodores, porm o> soldado em unifor-
me diario, vestido de um eaeaco curto de pan-
no ordinario e d cor cimenta. Os palias s o
armado de doss pedagos delgados e estre>toa-rle
pu de abeto ; os bicos alo aoi pouco dobrados e
CX
nova pega ioventada por Sir William Armatrong,
de orna forca prodigiosa e estriada, perfurava aa
mais deosaa laminsa de ferro. E' que a Inglater-
ra nio tinha descansado em quanto nio achaste
um meio de garantir suas coatas de am ataque
ousado, e logo o autor destes formidaveii canhdei
foi cumulado de hoorat; poii que tatiafez a ea-
pectativa de aua patria, e aubatiluia-lhe a ancie-
gou a partilhar com Armittoag do favor popu-
lar, e da proteegao official.
Entretanto, o imperador dot Fraoeezea, qae
homem cabegudo, mui vivo e perspicaz, nao dal-
lando de prealar seria alinelo a esta modifica-
Co que ie introduzia na artilharia, lazendo ap-
parecer no exercito imperial nm tyilema teu,
tambem raiado, queie intitulara modestamente
Si'KMARio.A artilharia raiadn, e os navios en-
couragados. Nova rerolugio na marinba de
(Continuagio).
1 mudatica minierial.
Do que fica expoito te deixn ver qoe, ts bate-
ras fluctuictea incouragadas lzeram conceberas
maiores esperaogsi acerca de tai utilidade as
guerrai maritimat, como arma offaniivi, contra
quaesqaer fortifleaedes de ter a, quando ae ma-
nifestanm em publico, com o prestigio do ata-
que de Kioburn, e que entiii todos ot esforgos
convergiram para te deitrait 01 inconvenientes
qae lombreavam ai vantageos qae seihe reco-
nheciam, e que dimioaiam 1 tai importancia.
' A prompti terminagio da g ierra nio permittiu
fazer-at experleociaa deciiivi, qae, comtudo,
parece que foram proseguidas, em plena paz,
com o maior aigillo, pela Fr oca, qae tinha todo
o interene em dir a eit* descoberta todo
deienvolvimento, com am p nsamento qae aca-
ricia I longos annos. de qa< 01 leus poderotot
vizinhoi nunca ae olridam.
Qaando te estar 10b p etsao destat idat
favoravela aos navioa encor, ragadoi, lurgia im-
previstamente, 4 parto de do 11 snoot, a noticia
de que elles nio corretpontiiim ao flm qae com
dada qoe a doraiava por ama doce calma, eor- do coronel Teste, o qual moitrra .f:
Bulhott eonflanc. tavel luperiorldtde na campanha da Italia, que
guios couuuV. >t |brU moUo propolito> nio oemtiu comtudo
A PERDULARIA.
Hivia urna vez ama moga que era linda, porm
negligente e pregaigoia. Quando te a obrigava
a fiar, obedecia com tanto enfado, que, em lugar
de desembarazar ot pequeos no vellos de fio qae
eoconlravaBt-se ao lioao, arrancara puntados in-
teiroi que iangava em trra junto della.. Saa
criada, que era ama moca trabalbadeira, ajunia-
va todaa esaas felpas de fio.alimpava-asvflava-aa
bem fino, e mando fazer am lindo vestido.
Um moco tinha pedido a perdularia, em casa-
mento e ia-ae fazer ai nupcial. A tarde antes
deste grande dia, a activa criada daosava alegre-
mente com sea vestido novo ; a futura pox-se a
cantar:
A menina vangloria-10
Dos reitoi de mea fuse.
ilrelmante mais cacto que o do p direito, e
ambes sio ligados aosps com tiras da-eouco.
Urna espingarda leve suspensa as costas- par
urna crrala e urna espada punhar ao a anitaa
armas dsate regiment; porm cada soldado 6
alm dluo munido do nm kaatio ferrado- de tete
pea de com primelo aisemelhando-se-perfeita-
mente ao basta que te serva na Suissa-pare vi-
sitar aot nereiros. E' com o auxilio deaie-baetio
que elles te pee em stovijaeoto, anrettim ou
retardam sua carreira, e conservam-se em equi-
librio ; quando queresa pira entesum-a na
nev, e fazeado fogo serrem-se delle como do
um ponto de apoio.
Curiosas e repetidas experiencias feitil pelos
loglexei em Scbriburineu, cajas detcripgoitpe-
jam oa joroaea da poca, contra a Trutty > e
onlraa bateras fluctuaotes encouragadas, eache-
ram de entbuaiasmo ao poro britannico, cujo
do psntamento de eocouragar 01 navios, aden-
nhando com ette sexto sentido do homem de ti-
no, do homem de estado o poder de que ia m
apoderar, a forca de que poderla lancar mi pa-
. ra o deaenvolvimento de aeaa planoa de entran-
amor proprio te exaltou. por ter inventado tio declmento da Frioca. {oayavel ambicio da lam
magnifico elemento de defeza taperior ao ele- lia Bonaparte, a quil ella Uiio McrlOes.
ment de ataque adoptado ou naciooalisado Alem; Por copaeg
Mancha.
Logo o almirantado ordenoa qae todas as
fortifleagdet do liltoral reeebeitem cArmitrongs,
denominsgao perfeitamente dada i novtl pecti;
que 01 nariot tambem ti idopttttem ; lazendo
com etta transformagio do material de artilharia
urna deapeza eapaotoaa; maa que a Inglaterra
approvara; porque a punha invnlneravel, como
ae presumia; confiando tanto aella, como not
milhares de voluntarios que em todos os conda-
dos te erguiam em defeza do slo, como se Al-
tila batesse 4i portas de Roma.
Todas at nacea esforgaram-se immediatameu-
le em ter artilharia ralada egual, oa auperior
iogleza, e aPraiili, a Italia, e a Franca cont-
auiram resultados mais ou meooi favorareia.
Meamo na Inglaterra ootros autores apreaen-
tavam novot typoi qae apregoavim como me-
, depoit de ter feito construir
I a magnifica fragata' Gloire de 38 pecat. que
os inglezaa, correaponderam com a t warrior.
mindou laogar ainda ao mar aa fragata! a L tn-
rtncible e La Normandie, > de egual numero de
peca, t Gouronne de 40, a corveta c Pein 1
de 14, e as baleriat fluctutotes c DevaaUUon.
Lave, Tonanle, Fondroyante e Congrevec a da lo
Alm disto, dentro em tres mezea poderi por
tambem nado aa nai de liah c llagante e
Solferino de 52 peca e 1,000 civalloa, e deve
terminar no flm deate anno a construegao dai
fragatas c Flandrai, Prorence, Savoie, Revancha,
Gaaloiae, Magnnimo, Surreillante, Heroioe,
Guienne e Franco de 78 pega, e a nu c Prin-
ce Imperial de 52, e as corvetee c Paixhant,
Paleatro. Siigoo, Orgueilleuae, Arrogante e Rom-
tanto enthasusmo te proclar ara; pola qae ama ihore ainda, e Wbitwortb, principalmente, che-
part, de 14 pee!-
Bem qae Inglaterra Uressa
profunda
nanga na aua artilharia; cajoa tiros nenhama
coaraga, por mais solida que fosse, poderla resis-
tir, nio detxava todava de observar com inqale-
tecio o sobresalto, o proposito firme da Frang
em transformar sua marinha, lazendo para eate
flm tambem os matorea tacriicioa pecuniarlot. E
como ella nio te poda persuadir qae Laiz Napo-
lo Imprudentemente se embarcara neita em-
preza, esteva seriamente preoccupada com a de-
cifragao deate enigma, 00 qual eitava em jogo
oio diremos a aua existencia ; mal o seu poder
no mar.
Repentinamente, quando menos te esperara,
quando a artilharia raiada fazia ainda dondejar
todat aa cabegas, alarmar todot os poros, e que
o fogo liquido de Norton era annunciado como
urna ditcoberta diablica, mais perigota do que
o famoso fogo grego, caja corapoiigao te perden,
propili-te que, o almirantado ioglez, lempre
prudente, aempre prevideote, aempre cautello,
mandara suspender todo 01 armamento dos na-
vios e fortet com Armttrongs, visto que te lioha
finalmente deseoberlo nellet gravea effeito!, qae
et toroavam ioadmistiveii.
Em seguida o mesmo alminntado mandou
conitrair varios nariot encouragadoi, aervlodo-ie
do examplo da Franga.
Neatas clrcumttaaclas entendeu o governo bra-
sileiro que devia mandar i Europa um dot 001-
01 miis habeit officiiet de miriohi, qae i pou-
co ttmpo exerce o lugar de director de artilharia,
aflm de eitudar varloa aiiumptoi que te referem
a eite lervigo, em que poacot homtnt especiaos
posiuimoi, e ncumniu-o tambem de observar I
que systema de artilharia aa devia dar preferen-
cia para o armamento da corveta a hlice c Nyc-
coo- terohy, qae !> 4 serlsnscdi o mar doi si-
(Trad.por
)
taleiros da corte, a qoe revelte a rara habUidade
e pericia do aeu distiacto constructor, o Sr. Le-
vel, qua dignamente foi promovido pelo governo
no flm desta testa martima.
Aquelle digno official de marinha depois de se-
riamente considerar a tua commisso. indicou o
aystema de Wheworth, como o maia acredita-
do e preferido entio ni Gria Bretanha ; palo que
foram eucommandadoi, e viaram alguna deites
canhdes para a referida corveta, qae boje o
mait bellos forte vaiorda nona eiqaadrs.
(1) Eate viajante viu o regimaate fazeodo axex-
eicios sobre a nev nos arredoma da eidade da
Trondhiam.
. =
existe na sus caoega, poia qae Ua geralmeatp.
aaaaacida.
Babia, 18 de malo. B. A
{Cantmmr-H-Ia.\
-i.
Consta-nos que em ama segunda memoria que
elle escrevra 10b artilharia, propozera para ser
adoptado como bate do nono armamento naval
o ayatema francez, raiado, de culitra Qxa, com o
qual ia poderi approveitir toda a nossa antiga
artilharia, transformando-a com mal pouea das-
pesa, conforme oa desenhos anoexoa i dita me-
moria ; podendo tambem utilisar-ae em certaa
circumalancias, com vantagem, toda a baila e
metralha qao temos em deposito em avultada
porgo.
Com a coninga que nos Inspira o tobrtdito
official, estamoa convencido de que o Sr. minla-
Iro da marinha fari nm bello serrlco so paiz ae
acceitar aquella proposta ; com a qual, ao mesmo
tempo que se satisfaz a ntcessidtde de armtr du-
ndamente o paiz eom artilharia moderna, qae
pon repelllr qualquer ataques, se comegue este
vintijoio resultado econmicamente, aem des-
pender as avalladas sommat qae a Blgica boje
gaita para dotar tu.'i fortQcigoei com ctnbaei
prutiiinoi reprovtdot por todot, e 16 admirado
palo Sr. da Cnessal, ministro da guerra, qae faz
d.9 isa fabritepio um pogeedo je etUdo, que s
Acab de fen ar em nosao porto o paquete
francez, traxeodo a importante noticia da- queda
do minutario da % da marco, que foi auseiitatde
por outro orgtnisado pelo Sr. conselheiro lace-
rias. A' marinha coube como ministro o Sr.
Dr. Jos Bonifacio de Andrade e Silva, cuja pre-
bidade, talento e illustragio, na desoante o
nngae qae lhe gyre as veas.
E' mais am bacharel qaa veas adaainislrar a
marinha..,...nio importa ; porque aa aorta do
ministros que esta classa noa mb dade '**
notem qae tem aido uleis, e S. Sic. tem toaos
oa predicados para ser tambem elasetfkaoo a*
metmo rol. ,. .
A Rateaba Itarilima. poia. eauda o nevo mi-
nistro da marinha, deaejando que S. Etavmala
feliz do que o teu aoteaeaaor. possa conseguir oa
melhoramentoa qaa asta importante parte da loi-
ca publica reclama. / '
0 Sr. chee de etquadra Joaqutm los Ignacio
j alo est 00 poder; nossai palavraa hoja de-
ven icr oralmente crida, por amigos e adver-
sarios. Pota bem : a verdad exige qu decla-
remos em alte e bom lom qu eate diatiocto el-
cial de marinha fez ama honesta e excallaate
administngio, a qaa sata vistas ecamalUadas, a
todaa dictadas pelo espirito de edianl
marinha, aendo de lastimar, qae aa alo
realisar por circumtlsnciaa que ainda 1
prestentes.
Bihia, 88 da malo.___________* 4
PRN,TTP.0M F.DI FA1IA*II'

m
i
,~*m
-*
^a*^_v


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E6VMAZPCR_ZG7GE7 INGEST_TIME 2013-04-30T22:00:03Z PACKAGE AA00011611_09931
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES