Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09929


This item is only available as the following downloads:


Full Text
/

IXXVIIi HUMERO 26.
Por ^esaditotados 5gG
Por tres mezes vencidos 6$000

i
SEXTA FEIBA 3IME JUEIIO DE IS62.
Por iuo adiaotado 1 9$00O
Porte fraico pan o subscriptor
mimo DE PERMMBIJGO.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrioo de Li-
ma ; Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva;
Aracaty, o Sr. A. de Lemos Braga; Cear o Sr.
J. Jos de Olireira ; Maraoho, o Sr. Joaquim
Marques Rodrigues; Par, Justino J. Ramos;
Amazonas, o Sr. Jerooymo da Costa.
PARTIDAS DOS CORREIOS.
Olinda todos os dias as 9> horas do dia.
Iguarass, Goianna, e Parahyba naa aegundas
e sextaa-feiras.
S. Antao, Bezerros, Bonito, Caraar, Altinho
e Garanhuns as tercas-feiras.
Pao d'Albo, Nazareth. Limoeiro, Brejo, Pes-
queira, Ingazeira, Flores, Villa-Bella, Boa-Vista,
Ourieurye Ex nasquai tas-feiras.
Cabo, Sernhem, Rio Formoso, Una.Barreiros
Agua Preta, Pimenteiras e Natal quintas feiras.
(Todos os correios partem as 10 horas da manha
EPHEMERIDES DO MEZ DE JANEIRO.
7 Quarto crescente as 8 horas e 41 mnalo9
manha.
15 La cheia aa 11 horas e 14 mootos da man.
12 Quarto mioguaote as 5 horas a 5G minutos
da tarde.
29 La ora i2 horaa e 7 minutos da tarde:
PREAMAR DE 1IOJE.
Primeiro as 5 horas e 18 minutos da manilas.
Segundo as 5 horas e 42 minutos da tarde.
DAS DA SEMANA.
27 Segunda. S. Joio Chrysoslomo b. doulor.
28 Terca, S. Cyrlllo b.; S. Lenidas m.
29 Ouarta. S. Francisco de Sales b.; S. Sulpicio,
30 Quinta. S. Martinha t. m. ; S. Jacintha t. f,
31 Sexla. S. Pedro Nolasco ; S. Cyro m.
1 Sabbado. S. Ignacio b. m.; S. Brgida v.
2 Domingo. PuriGcaco de Nossa Senhora:
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relasao: tercas e sabbados s 10 horas.
Pazendi: quintas 6a 10 horaa.
Juizo do commercio : aegundas ao meio dia.
Dito de orphos : tercas e sextas s 10 horas.
Pnmeira tara do clrel: tercaa e sextas ao meio
da.
Segunda rara do cirel: quartaa e aabbados 1
hora da tarde.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO DO SOI.
AlagOas, o Sr. Claudino Falca Dias; Bahb
o Sr. Jos Martins Aires ; Rio de Jsaeire, o Sr'
Joo Persira Martins.
EM PERNAMBUCO.
Oa propietarios do diario Manoel Figaeirdo de
Faria & Filho, na saa livrara praca da
dencia os. 6 a 8.
P>RTE OFFICUL.
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 28 de Janeiro de
186
Offlcio ao Exm. presidente da Parshiba.Re-
cebi o offlcio de V. Exc. de 25 do crrante, e
fleo sciente de haver-se desenvolvido a epidemia
do cholera-morbos nos termos do lng, Pilar e
Pedras deJFogo deasa provincia, mas que nao
elle desanimador, em vista do numero das pes-
aos* accommotlidas do mal.
Dito ao prndente da Bahia. Communico i
Y. Exc. que o flagello do cholera-morbus, anda
que lento em sua marcha, contina 6 (azer victi-
mas em alguns pontos desta provincia, e segun-
do consta de participares officiaes ltimamente
recebidss, invadi a cidade de Goianna, onde
contavam-se no dia 26 desle mez cerca de 80
pessoas afectadas, tendo perecido 12. O nume-
ro dos mortos eleva-se naquella comarca e na de
Nazaretb 800.
Dito ao Exm. biapo diocesano Tendo falleci-
do da epidemia reinante o capello de Timbaba
Froi Jos de Santa Mara Magdalena, vou rogar
V. Exc. se digne de providenciar para que quao-
to antea siga para aquella povoado um sacerdote
que ministre aos seus moradores os soccorros es-
piritases, de que tanto necesiitam na quadra ac-
tual.
Dito ao commandaote das armas.Communico
V. Exc. que em aviso de 14 do corrento decla-
rou-me o Exm. Sr. ministro da guerra haver rei-
terado as suas ordens, iGm de seren enviados
para esta provincia, com a mxima brevidade, os
lirros-mestres qua por aviso de 8 de marco do
anoo passado se mandaran) foroecer ao nono ba-
talhio de infamarla.
> Dito ao meamo. Com as inclusas copias das
informaedes da thesouraria de fazeoda, fica sol-
vida a duvida proposta pelo commandaote do
corpo de guaroico, no oilicio que devolvo, e
que allude o desse commando d'armss, sob nu-
mero 2,002, e data de 3 de dezembro ultimo.
Dito so mesmo.Queira V. Exc. habilitar-me
. com a saa ioformaco, de molo poder satisfa-
cer o que solicita o Exm. presidente da Baha, no
offlcio por copia incluso, com referencia ao sol-
dado do quarto balalho de artilharia a p Pedro
Cyriaco da Silva.
Dito ao inspector da thesouraria de fazeoda.
Estando nos termos legses os inclusos documen-
tos, que me foram remeitidos pelo commandaote
superior interino da comarca do Brejo, com offl-
cio de 4 de dezembro ultimo, mande V. S. pagar
a Simplicio Jos de Mello, a importancia dos
vencimentos relativos ao mez de novembro do
do ministerio da guerra de 2 do correte, mande como sabe todo o mundo no oriente eTno occi-
pagar ao negociante Francisco de Paula Miodello, dente, sem cootar que foram os seus louvaveis
a importancia dos vencimentos relativos ao mez
de dezembro ultimo, dos guardas naciooaea des-
tacados na cidade de Nazareth, conforme requi-
sito u o respectivo commandaote superior em offl-
cio de 11 desie mez, sob o. 124.
Dito ao mesmo.Annuindo ao que me requisi-
tou o commandaote superior da comarca do Rio-
Formoso em offlcio de 7 do correte, e tendo em
vista o disposto no aviso do ministerio da guerra
de 2 desle mez, recommendo V. S. que estsndo
nos termos legaes o incluso pret em duplicata,
mande pagar ao tenente Luiz Jerooymo Ignacio
dos Santos a importancia dos vencimentos relati-
vos ao mez de dezembro ultimo, dos guardas na-
cionaes destacados naquella villa.
Dito ao capilo do porto.Com este offlcio ser
apresentauo V. S. o recruta de marinha Jos
Francisco dos Santos, para que lhe d o compe-
tente destino depois de inspeccionado.Commu-
nicou-se ao chefe de polica.
Dito ao presidente da cmara municipal do Ca-
bo. Commuoicou-me o juiz de paz presidente
da mesa parochial de Ipojuca, que se acha con-
cluida a eleigo a que all se procedeu ultima-
mente para vereadores do municipio novamente
creado naquella freguezia, recommendo Vmc.
que com a maior brevidade juramente e d posse
a nova cmara, nos termos dos decretos de 13 de
novembro de 1832 e 22 de julho de 1833.
Dito ao vigario da freguezia do Buique.Res-
pondo ao offlcio que Vmc. me dirigi em 22 de
dezembro ultimo, declarando-lhe que em 29 da-
quelle mez demitti do cargo de delegado desse
termo o capilo Jos Pedro Nolasco Pereira da
Cunha, que deve regressar brevemente esta ca-
pital.
Portara.OsSrs. agentes da companhia brasi-
leira de paquetes a vapor mandem dar transporte
para a corle por conta do ministerio ds guerra,
no vapor que se espera do norte, ao 2o tenente
Jos Sabino Maciel Monteiro, que vai reioir-se
ao 2 batalhao de artilharia.Communicou-sa ao
I commandante das armas.
Dits. O presidente da provincia, attendendo
ao que eipz o Dr. ebefe de polica em offlcio n.
133 de 27 do correte, rosolve corrigir o engao
que se deu no nome do l^pplente de subdele-
gado da freguezia de S. Jo^ desta cidade, no-
meado por portarla de 13 deste mez, visto que o
seu verdadeiro nome Jos Antonio Correa da
Silva, e ordena que oeste sentido se passe novo
titulo.Communicou-se ao che!e>de polica.
Dita. O presidente da provincia, tendo em
vista a ioformaco do commandante? superior da
guarda nacional do municipio de Nazareth,data-
da de 18 do correte, resolve transferir para a 8a
companhia do batalhao o. 20 de infantera o l-
enle da 7* do batalhao n. 19 da mtesma arma
esforcos qne restabeleceram a tranquilidade no
psiz, durante o curto lapso de tempo que servio
o governo turco.
Achando-se as cousas n'estes termos, tendendo
a priso do bey Jos Karan i desgraca e ruina
da naco roarooita, nem sangue nem dinbeiro
nos ser castigo para conseguir a sua liberdade.
Dirigimos, pois, vs a presente supplica, para
vos pedir que empregueis todos os meios para
libertar o nico horneen da naci raarooita, o
nico apoio dos chrislos na Syria. Foi por este
ultimo titulo que o prendern).
c Nao carecemos portento de insistir mais jun-
to de vossa eminencia sobre os merecimeotos de
Karan, tanto mais quaoto todos sabem a vossa sol-
licitude por todos os Qlhos da naco amonita, e
em particular pelo bey. Como voisa eminencia
o nico chefe da naco, a vos que nos dirigi-
mos como nosso protector e nosso defensor,
Looge de nos o pensameoto de que o vosso
zallo e os vossos cuidados possam faltar esta
naco, que se acha beira da sua ruina. E' sem-
pra sujeitos s ordens de vossa emioencia que
vos submeitemos este pedido, beijando humilde-
mente os vossos ps e sollicitando-vos que nos
concedis a vossa benco apostlica.
26 de novembro de 1861.
(Seguem muilos milhares de assiguaturas)
anno prximo passado, dos suardas oaciooaes. .
destacados naquella villa, visto achar-se esta des- v'cente de Hollanda Cavalcanli de Mbuquerque,
peza autorisada por aviso do ministerio da guer- Por assun haver P^lSo- cp
ra de 2 do correnta. Communicou-se ao com-
mandante superior do Brejo.
Dito ao mesmo.Recommendo V. S. que nos
termos do aviso do ministerio da guerra de 2 do
correte, m.nde pagar Lavra & Irineo, confor-
me se ordenou em offlcio de 14 de dezembro ul-
timo, a importancia dos vencimentos relativos
aos mezes de setembro e outubro do anno prxi-
mo passado, do dsstacamento de guardas nacio-
naes da villa Bella, como se v dos documentos
que devolvo e vieram anoexos sua informacSo
numero 1,237 de 21 do citado mez de dezembro.
commandante superior respecta.
Expediente
do go-
do secretario
verno.
Offlcio ao commandante da estaco naval.
O Exm. Sr. presidente da provincia manda aecu-
sar recebido o offlcio n. 6 de 27 do correte, em
que V. S. lhe commuoicou haver chegado ao por-
to desta cidado a canhooeira de guerra Delmonte,
deslioada a urna commisso al Nauta no Alto-
Amazonas.
Dito ao iospector da thesouraria dsfazenda.
Dito ao mesmo. Reverto V. S. os prets De ordem de S. f$xc. o Sr. presidente da provio-
ITALIA
Em seguida publicamos a carta queocommeo-
dador Ratazz*i dirigi ao vice-presidente da cma-
ra dos deputados, Mr. Tecchio, annunciando-lhe
que retirara a sua demisso :
Sr. commeodador;
O voto que a cmara se dignou expressar
meu respeito, e que me haveis commuoicado
cavalheiramente, commoveu-me vivamente, e
nao julgo poder testemuohar-lhe melhor o meu
reconliecimento do que conformando-me, qtan-
to estiver ao meu alcaoce, com o desejo que ella
manifestou.
c Se eu devesse presidir constantemente e com
assiduidade s suas deliberares, eu me vera se-
guramente (oreado anda que meu pezar e pe-
los motivos de que j lhe dei conhecimento, a
renovar cmara a supplica de acceitar a minha
demisso. Mas, urna vez que a cmara, por urna
indulgencia muito particular, que excita a minha
completa gratido, se mostrou disposta a permit-
tir que eu satisfaga, durante o fim d'esta sesso,
as minhas obrigaces de presidente da maoeira
que melhor se possa conciliar com as exigencias
da minha saude; agradeco vivamente esta de-
monstraejio de interesse, e nao posso continuar
a insistir na minha demisso immediata.
Rogo-vos, pois, ar. commeodador, queiraes
apresentar cmara a expresso dos meus sent-
montos, e acceitar para vos assim como para to-
dos os nossos collegas da presidencia, os meus
mais sinceros agradecimentoa.
Esta carta, que alguns jornaes jalgim como
urna prova da elevada delicadeza de Mr. Ratszzi
para com a cmara, nao comtudo considerada
como urna soluco.
suas relaces innocentes ou mesmo indirectas
com um outro dos belligerantes.
Estas ultimas nao teriam s o direito de exi-
gir do neutro urna completa imparcialidade de
lhe prohibir que se envolvessem de qualquer ma-
neira as hostilidades; commotteriam um ata-
que sua liberdade de commercio e de navega-
cSo, impondo-lhe restricedes de qne o direito in-
ternacional moderno se recusa a admittir a legi-
timidade.
Em urna palavra, nao se voltaria pratiess
vexatoras contra as quaes, n'outras pocas, ne-
nhuma outra potencia protestou mais vivamente
do que os Estados-Unidos.
Se o gabinete de Washington s quera ver,nos
dous persooageos presos, rebeldes que sempre
teem o direito de apprehender a quesio, para
se collocar n'outro terreoo, nao poderia ser resol-
vida em um sentido favoravel conducta do
commandante do S. Jacintho.
Neste caso, dava se o descoohecimento do
principio que toma qualquer navio urna parte do
territorio da naco k cuja bandeira pertence, e a
violaco de immuoidades que se oppderu que
um soberano estraogeiro alli exerca, por eonse-
queocia a sua jurisdiccao.
Nao sem duvida oecessario recordar a ener-
ga com que em todas as occasides, o governo
dos Estados-Uoidos defendeu easa immuoida-
de e o direito de asylo que a sua consequeo-
cia.
< Nao querendo entrar n'uma discusso mais
profunda das quesloes suscitadas pela captura de
MM. Masn e Sliddell, creio ler dito bastante pa-
ra estabelecer que o gabinete de Washington nio
poderis dar a sua approvaco ao procedimento
do S. Jacintho, sem atacar principios que todas
as potencias neutras esto igualmente interessa-
das em fazer respeilar nem sem se collocar em
cootradiccao com a sua propria conducta at
hoje.
Neste estado de cousas, nao pode na nossa opi-
nio, evidentemente.hesitar sobre a resolucao
que lhe cumpre adoptar.
Lord Lyons j est encarregado de apresen-
tar os pedidos de salisfaco que o gabinete de
Londres jalga necessario formular, e que consis-
ten! na entrega immediata das pessoas spprehen-
didas bordo do Trent, e em se darem explica-
c.es que tirem este facto o 3eu carcter offen-
sivo para o pavilhSo brtaooico. O governo fe-
deral ha de iuspirar-se de um senlimeoto justo e
elevado, deferindo aoa aeus pedidos. Em vo se
procurara com que fim, e com que interesse se
arriscarla a provocar, por urna altitude definiti-
va, um rompimeoto com a Gra-Bretanha.
a Quanto i nos, que veramos neste (seto urna
complicaco, danji>raveL todos os respeitos, das
difflculdades com que o gabinete de Washington
j est a lutar, e um procedimento que servira
para inquietar seriamente todas as poleociaa que
esto fra do conflicto actual, julgamos dar um
testemunho de leal amisade ao gabinete de Was-
hiDgloo, nao lhe deixaodo ignorar nestas cir-
cumstrs a nuueira por que pensamos.
qae se refere a sua ioformaco de 21 de dezem-
bro ultimo, sob numero 1,237, relativos aos ven-
FRANCA.
A Presse publicou, e os demais joroaes re-
produziram a nota que o ministro dos negocios
estraogelros do imperador Napoleo dirigi ao
representante da Franja em Washington, acerca
da questo anglo-americana. Traduzimos, pois.
clmentos dos guardas oaciooaes destacados no da reparlico do ajad ante-general d. 301 eem du
7
ca, transmiti V. 9. as 9 inclusas ordens, sen- este documento, digno de alteoco, porque con-
do 8 do tbesouro nacional n. 7 a 13 e 214, e urna
Despachos do dia 8 de Janeiro.
Requerimintos.
Antonio da Crui Ledo. Brevemente ser o
supplicaote pago.
Christovo Starr & CInforme o Sr. inspector
i da thesouraria de fazeoda.
tem a maneira por que o governo imperial con-
sidera aquella questo :
Pars 3 de dezembro.
Senhor.A priso de MM. Masoo e Sliddell,
bordo do psquete ioglez Trent, por um cruza-
dor americaoo, produzio em Franja, seno a
mesma emojo que em Inglaterra, ao menos urna
admiracao e seosajo extrema.
A opioio publics preoecupou-se muito da
legitimidade e das consequencias de um seme-
c t o-vos, pois, senhor, a aproveitar a
prlt- casia o para vos declara rd es franca-
mente ci Ir, Seward, e se elle vos pedir, lhe
entregare ma copia deste despacho.
a Ren etc.
(Asi do) Thouvenel.
[Jornal do Commercio, de Lisboa.)
districto de Duas Barras, termo de Serinbem,! plicatar
darante os mezs de setembro, mlubro e novem-
bro do anno prximo passado, afim de que, de
cooformidade com o aviso do ministerio da guer-
ra, de 2 do correte, mande pagar a importancia
de taes vencimentos, conforme j se ordenou em
offlcio de 12 e 16 do citado mez de dezembro.
Dito ao meamo.Nos termos de meus officios
de 11 e 13 de dezembro ultimo, e de conformi- | Gregorio Tavares Velloso da Eocarnaco.In- lhante acto, e a impressao que produzio nao foi
dade com o aviso do ministerio da guerra de 2 forme o Sr. iospector do arsenal de marinhs. Por um instante duvidosa. O facto pareceu-lbe
do correte, mande V. S. pagar os vencimentos ; Jos Gomes Coimbra. Passe portara cooce- e lal maneira em dessecordo com as regras or-
relativoa aos mezes de outubro e novembro do : deodo seis mezes de liceoca. I diaras do direito internacional, que a respon-
anno prximo passado, dos guardas nacionaes j Alferes Jesuino Ferreira da Silva.Informe o aabilidade foi desde logo exclusivamente laucada
I Sr. commandante superior da guarda nacional obre o commandaote do S. Jacintho.
j deste municipio. j Ainda nos nao dado saber se esta sopposi-
Joaquim Macieira Oliveira.Informe o Sr. com- Sa fondada, e o governo do imperadorjalgou
mandante superior dia guarda nacional deste ma- dever, desde logo, examinar tambem a questo
nicipio. i que susctava a captura dos passageiros do
Lavra & Irmo.ffirlja-se a thesouraria de fa-' Trent.
zenda. ] O desejo de contribuir para prevenir um con-
Pedro Alexandrioo da Costa Machado.Iofor-, flo immioeote, talvez entre as duas potencias,
me o Sr. Dr. juiz municipal do termo do Cabo. & respeito das quaes est animado de sentimeo-
_ I tos igualmente amigaveis, e o dever de maoter,
rnuiiirnn i\n mnia afim de collocar os direitcs da sua propria ban-
LUH.i1A.NUU DAS ARllS. deiraao abrigo de qualquer ataque, certos prin-
cipios essonciaes seguranza dos neutros, o
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA-
destacados na comarca de Nazareih, e smente
ao ultimo daquelles mezes dos destacados na ci-
dade do Rio Formoso como se evidencia dos do-
cumentos que devolvo e a que se refere a infor-
macSo de V.S. de 21 do citado mez de dezembro
n. 1,237.
Dito ao mesmo.De cooformidade com o avi-
so do ministerio da guerra de 2 do correte, e
nos termos do meu offlcio de 16 de dezembro ul-
timo, mande V. S. pagar a Manoel Antonio de
Carvalho, a importancia dos vencimentos relati-
vos aos mezes de julho e novembro do anno pr-
ximo passado, do alferes Bernardino de Souzs
Wanderley, commandante do destacamento de
guardas nacionaea da villa de Barreiros, e os
destes smente no ultimo daquelles mezes, se-
gundo consta dos documentos que devolvo, e que
acompanharam < sua ioformaco de 21 do citado
mez de dezembro, n. 1,237.
Dito ao mesmo.Rastituo i V. S. os documen-
tos que vieram annexos a sua iofocma^o de 18
de dezembro ultimo, sob numero 1,215, relativos
aos vencimentos do destacamento de guardas na-
cionaes da Tilla ds Escada, e ao fornecimento de
luz para o qnartel do mesmo destacamento, ludo
nos mezes de outubro e novembro do anno pr-
ximo passado, afim de que, de cooformidade com
o aviso do ministerio da guerra de 2 do correla,
mande pagar a importancia dessa despeza ao sar-
gento Marliniano de Barros Braoco, como se or-
denou por offlcio de 17 do citado mez de de-
zembro.
Dito ao mesmo. Ao Sr. major Jos, Ignacio
Xavier, mande V. S. pagar, conforme requuitou
o commandaote superior ioterino da comarca do
Flores, em offlcio de 14 de dezembro uliimo, a
importancia doa vencimentos doa guardes nacio-
naes do bstalho numero 33, destacados naquel-
la Tilla durante os mezes de outubro e novembro
do anno passado, sendo que eatejam nos termos
legaes os Inclusos documentos, o lendoem vista
o aviso do ministerio da guerra de 2 do cor-
rente.Communicou-se ao commandante supo-
perior respectivo.
Dito ao mesmo. Transmuto V S. as inclu-
sas folhas em duplicata aa importancia de 1249,
relativos aos vencimentos do tenente Antonio Vi-
talino de Mello, commandaote do destacamento
de guardas oaciooaes da villa de Garanbuns, nos
mezes de setembro e outubro do aono prximo
passado, afim de que, estando elles nos termos
legses e teodo em vista o aviso do ministerio da
guerra de 2 do correte, maode pagar eisa impor-
tancia a Maooel Ribeiro de Carvalho, conforme
requlsilou o respectivo commandaote superior em
offlcio de 15 de dezembro ultimo.
Dito ao mesmo. Em deferimeoto ao requer-
manto queaqui ajuoto, do major dejnfsntaria do
exercito Joo de Castro e Silva, autoia V. S.
a mandar abonar em os devidos tmpora presta-
ci da 25# mensaes, que orle pretende consignar
de seu sold nesta provincia, a contar de feerei-
ro desta anoo at msreo do anno prximo vio-
douro, para ser entregue ao negociante Miguel
Jos de Abreu.Communicou-ae ao commandan-
te das armsi.
Dito ao mosmo.Ums vez que estejam oos ter-
nas legaes o pret jacto em duplicata, recommeo-
Quartel-general do cotntnando das
armas de Pernambuco na cidade
do Recite em 30 de Janeiro de
ORDEM DO DIA N. 29.
O geoeral commandaote das armas determina
que nenhum requerimenlo que tenha de lhe ser
submettido a despacho, ou as autoridades su-
periores, sejam encamiohados aem que previa-
mente as partes tenham pago a taiza do sello a
que esto sujeitos pela legislaco ero vigor, e aos
Srs. commandantes de corpos e compaohias iso-
Jadas muito recommeoda o fiel cumprimeoto
desta disposicio.
Fiz publico para que tenha devido effeito,
que approvou oeogajamento que bootem con-
trario para servir por mais 6 aooos, nos termos
do decreto e regulameoto do 1 de maio de 1858,
o anspe^ida da segunda companhia do segundo
balalho de iofantaria Jos Franeisco dos Anjos,
segundo participou-me o respectivo Sr. comman-
dante em offlcio o. 64 da mesma data.
Assignado.Solidonio Jos Antonio Pereira do
Lago.
Conforme.Candido Leal Ferreira, capito
ajudantede ordena encarregado do detalhe.
EXTERIOR.
STRU.
O Monde publica o texto de um protesto con-
tra a prisao de Jos Karao, segundo as noticias
recebidas da Syria. Diversos districlos marooi-
tas flzeram tambem iguaes protestos. O queem
seguida publicamos procede de urna das dioce-
ses meridionaes, isto urna daquellas em que
Jos Karan tinba menos influencia.
Jos Karao continua preso e em segredo. Es-
lava bom quando entrou oa prisao. mas agora
diz-se que eslava gravemente enfermo.
Protetto dirigido S. E. o palriarcka dos mm-
ronilat.
< Depois de vos haver beijado os ps e soli-
citado a benco de vossa eminencia, nos, vos-
sos fljhos abaiio' assignados, temos a hoora de
vos o Mor a profunda afflicco que nos causara o
acto Uravel da pristo de Jos Bey-Karao,
jJRn de Dvud-Pach, que actualmente o
conserva encerrado, sob guarda militar, de Bey-
routh. E* tal a nossa dar, que estamos promp-
tos a sacrificar a nossa vida e a offeracer todo
asila
I
quanto possuimoi por ma que axpoz a aua
vida a despendaos saa fotlssa por amor da na-
do A V.S. que, taodo em vista o disposto oo viso I cao ataromta a por todosVChrlataoi do Lbano,
convenceram, depois de maduro exame, de que
nao podia nestas circumstancias permanecer com-
pletamente silencioso.
a Se, com grande seotimento nosso, o gabinete
de Washington estiver disposto a approvar a con-
ducta do commandaote do S. Jacintho, seria ou
considerando MM. Masoo e Sliddell como inimi-
gos, ou nao vendo nells seno rebeldes. Tanto
n'um coma n'outro caso, dara urna prova de
esqueciouuto extremamente perigoao dos princi-
pios em que sempre lemos encontrado os Estados
Uoidos de accordo oomnosco.
No primeiro caso, com que litlo poderia o
cruzador prender MM. Masoo e Sliddell ? Os Es-
tados-Unidos admittiram comnosco, nos tratados
concluidos entre os dous paizes, que a liberdade
da bandeira se estendia s pessoas que se encon-
trassem bordo, ainda mesmo qusndo fossem
ioimigos dssduas partes, salvo quaudo se tratas-
se de militares ao servico do inimigo.
MM. Masn e Sliddell estavam, pois, em vir-
tude deale, priocipio-tjue nunca tivemos difficul-
dade de Isisir vitrs nossos tratados de amizsde
e de commercio, perfeitamenie livres sob o pa-
vilhSo neutro da GrBa-Bretaoha.
< Sem duvida so nao pretender qne elles po-
dessem ser considerados como coolrabaodo de
guerra. E'. verdade que o que cooslitue o con-
trabando de guerra ainda nao est precisamente
fizado; os limites nao sao absolutamente os mea-
mos para todos os paizes ; mas oo que se refere
s pessoa, as estipulacdes especiaes que se eo-
contra m nos tratados acerca de homeos de guer-
ra definem francamente o carcter d'aquelles
que s podem ser appreheodidos pelos bellige-
rantes.
< Ora,' nao ha necessidade de demonstrar que
MM. Masoo e Sliddell oo poderiam ser aiseme-
lhados pessoas desta calhegorla. Nao reslava,
desde logo, a invocar, para explicar a sua captu-
ra, seno o pretexto de que elles eram portado-
res de despachos officiaes do ioimigo. Ors.no
aqui occasio de lembrar urna circumstancia
que domina todo este negocio, e que torna injus-
UQcavel a conducta do cruzador americaoo.
c O Trent oo se destioava t ponto algum per-
lencente i um dos belligerantes, Conduzia pa-
ra um paiz neutro a aua carga e passageiros, e
foi alm disso n'um paiz neutro qua os liaba rece-
bido,.
c Se fosse admiltido qae debaixo de taes aon-
dlcoes a bandeira neutra nao sobria completa-
mente as pessoas e ss mercaderas qua transpor-
ta, a sua immuoidade nlo seria mais d Mi urna
palavra vis ; & cada instante o comtn ( a
oavegacio das terceiras potencias loffKNs as
Dam-oos informacoes bem pouco satisfactorias
do estado em que se acham actualmente os in-
dios de Paoema. ,
Tendo abandonado o respectivo aldeiameolo,
vivem disseminados por diferentes partes; e
umi grsnde porcao delles, agglomerada na villa
de Garanhuns, ah se entregam ociosldade,
do-se a embriaguez, e vo praticando actos de
pilhagem. Apresentam o aspecto de urna horda
de verdadeiros selvagens, e offerecem vista um
espectculo demaltrapilhos e hediondos grupos,
No entanto torca interrogar: Nao vive essa
geole sob um regulamento ? Nao tem ella supe-
riores legtimos, a quem incumbe dirigi-los e cu-
rar do seu bem-estar?
A respostt oo se deixa esperar, e nem pode
deixar de ser affirmativa ; e assim, importa que
se providencie em sentido de ceasar o abuso, de
que resultan) tantos inconvenientes.
- As audiencias do juizo de paz do 2* distric-
to desta freguezia de Saoto Antonio foram trans-
feridas par as segundas e quintas-feiras de cada
semana, tendo as mesmas lugar no primeiro an-
dar do sobrado o. 31 da rna do Livramento pelas
9 horas dos dias designados.
Foi marcado o dia 10 de marco futuro para
se proceder a nova eleico de juizes de paz e ve-
readores do municipio de Agua-Preta ; visto te-
rem as anteriores sido annulladas pelo governo
imperial.
Os trabalhosda junta.de qualficac.ao da fre-
guezia de Goianna foram espacadoi para poca
mais opportuoa.
Consta-nos que os esforcor locessanles do
Sr. Dr. Josquim Barbosa Lima para que o Intr-
nalo que elle dirige seja um modelo de ordem,
de disciplina e de esludo, foram cordados pelo
goveroo de S. Magestade com o titulo que deve
tomar aquella casa de Imperial instituto de Nos-
sa Senhora do Bom Conselho. Felicitamos-nos
com a provincia, por pussuir-mos em nossa ca-
pital um estabelecimento de similhante crdito,
onde as familias desta e das provincias limitro-
phes eocontram desde h muito para seus filhos
os mesos recursos de educac3o complecta, que
n'outro tempo Ihes era necessario procurar em
paites estraohos, como urna despeza superior
maior parte de oossas fortunas.
O Sr. Dr. Pereira do Carmo pede-nos a pu-
blicars desta declaraco, relativa ao intrnalo
S. Bernardo, que por elle dirigido :
c O abano assignado roga ao Sr. redactor da
Revista Diaria, para que se digne de declarar O
seguinte:
Que o director do intrnalo de educsco e
iostruegao, fundado nesta capital com a denomi-
nqco de S. Bernardo, nao ioflu-nciou, quer di-
recta quer indirectamente, na factura e publica-
cao do communicado inserto no peridico Oriem
de hootem, em qoe o seu autor ao passo que re-
commeoda apreciarlo publica o mesmo estabe-
lecimento, faz nao s acres ceosuras aos de igual
ordem nesta capital, como empregadoa e cor-
poraces dignas de todo o respailo.
e Que agradece cordealment eayoesmo autor
do commuoicado aa phrases lisoogeiras, que be-
nignamente lhe prodigalisou e ao stabelecimen-
to que dirige; mas que oo querendo por forma
alguma que o seu estabelecimento fique assente
oas ruloaa dos de ordem,igual, dos quaes alias
fax juizo favoravel; era tio pouco desejsodo
chamar sobre si odiosidades de pessoas e corpo-
rscoes, s quem muito /capaila, pede ao mesmo
Sr. communicaote da (fritm queira ler a boodade
de oo envolver os onsqoios com que honrar o
oome e o estabelecimento do abaizo assignado
as censuras e oflensat a quem quer que for.
Recife29de Janeiro de 1862.
Bernardo Pereira do Carmo Jnior. >
Temos noticias da Giranhuna, cujas datas
ebegam a/22 do qoe hoje expira.
No districto da Palmeira foi capturado pelo
respectivo subdelegado, o Sr. capito Miguel R.
Duarte, o crimiooso de morte no termo da As-
sembls, provincia de Alagoss, de nome Joo
Ribeiro. J se acha recolhido a cadeia da villa
disposico do delegado.
No decurso^do aono findo, tiveram lugar pelo
juizo de direito dessa comarca os julgameotos
seguiotes:
1.a Processo de respoosabilidade cootra o ex-
subdelegado de Papacaca Antonio Goacalves de
Mello, por ordem Ilegal e violencia a pretexto
de exercer as fuoccoes do emprego : queixa de
Joo Vieira do Nascimento. Foi o reo absoivido
e tendo a parte appellado, oo fez seguir a ap-
pellaco.
2. Summario ex-officio coolra Ola vo Jos Ma-
chado, por crime de furto de gido cavallar : foi
o reo absoivido. N5o houve appellacao do Dr.
promotor publico.
3.o Summario ex-officio contri Josquim Fer-
reira de Lima Labareda e Jorooymo Ferreira Ta-
vares, pelo mesmo crime; foram os reos coo-
demnados como incursos no grao medio do art.
257 do cdigo criminal. Appellou o primeiro,
mas desisti depois da appellacao.
4." Summario ex-officio contra Ionocencio Jo-
s da Silva, pelo mesmo crime : foi condemna-
do o reo como iocurso no grao mnimo do referi-
do artigo.
5. Summario ex-officio cootra Manoel Daotas
Cabra!, iocurso oo art. 122 do cdigo criminal :
foi coodemoado a seis aooos e meio de priso
com trabalho, grao medio do referido artigo
(accommelter qualquer priso com forca, e cons-
traoger os carcereiros ou guardas a fraoqueara
fgida aos presos). O reo appellou.
Por meio de habeas-corpus obliveram soltura
os deleotos:
Francisco Antonio dos Santos.
Feliciano Mximo Qaaresma.
Francisco Joaquim da Silva.
Aotooio Manoel de Sanl'Aooa.
Roberto Ignacio dos Saotos.
A salubridade publica cooserva-se em coodi-
;es favoraveis, Nao coostava, que a epidemia
houvesse al aquella data invadido algum ponto
da comarca.
Por portara da 22 foram comeados delega-
dos litterarios os seguales Srs :
Dr. Maooel Ionocencio Pires de Figueiredo Ca-
margo, para a Victoria.
Dr, Loureoco Jos de Figueiredo, para o Bonito.
Dr. Paulo Martins de Almeida, para o Rio For-
moso.
Miguel Thomaz de Araujo, para Taquaretiogs. .
Romaneo Francisco dos Santos, para Cabrob.
Entrou hootem em exercicio da delegacia
desle termo o Sr. Dr. Francisco Pinto Pessoa.
O Sr. Das Vilella, inspector da ra das
Agoas-verdes, remette-nos as seguvntes liohas :
< Sr. redactor da Revista Diarick Hontem
Vme. consigoou em sua Revista algumas pala-
vras com relaco roa das Aguas-verdes, e is
camelias otila moradoras. Como aotoridade su-
balterna incumbida da inspeceo dessa ra, me pa-
recen correr*me odever de significar-!he,que nao
pela falta de vigilancia de minba parte, e nem
mesmo de represso aos desmandos, jamis to-
lerados, dessas mulheres bafejadas da prostitui-
co, se nao por sua propria odole e descarreia-
mento, que algumas vezes apparecem expresses
que offendem o pudor das familias, que por infe-
licldade lhes sao vizinlias.
a A prova desta verdade Vmc. mesmo a con-
sigoou _oa confisso de que taes mulheres a ca-
deia nao desconhecida. A priso o nico
meio correctivo outorgado s autoridades poli-
ciales.
Deixo para quem servir a carapuca allusiva
e'emprsstimo de dinheiros e relaces de familia.
Sirva-se Vmc. de comprehsnder em seu il-
ustrado artigo, estas liobas de sen leilor,
a Joo Valeolim Dias Villela.
Sahio anle-bontem alarde com destino ao
Maranbo s caobooeira de guerra Retinante, com-
mandada pelo 1 tenente A. C. de Mariz e Barros.
Este navio destinado urna commisso es-
pecial al Nauta no Alto Amazonas.
Deve receber no Para os guardas marinhasque
se acham embarcados na corveta Imperial ila-
rinhexro, a qual tem de tocar tambem aqui es-
calando aquelle porto na viagem que lhe est
marcada at Europa, e depois proseguir essa
canhooeira em sua commisso ao Amazoaas.
De volts esta caohoneira partir ento do Para
a Imperial Marinhtiro,
Esta corveta sahio do Rio no dia 11 do corren-
te : tem de tocar oa Babia, e por isso estar aqui
provavelmeote em meiado do mezviodouro.
No llehnonte vieram incorporar-se esla es-
tacan os Srs. 1* tenente Jos' Luiz Teixeira, 2o
dito Francisco Speridiaoo Rodrigues Vaz e guar-
da marinha Octaviano Vital de Oliveira, o primei-
ro a o uliimo acham-se embarcados no brigue
barca Itamarac, e o segundo no brigue escuna
Futilidad*.
S. M. o Imperador digoou-se aceitar a ga-
lera de retratos de algumas pessoas illustres de
oossa proviocia, que lhe foi oflereclda pelo ootso
hbil comprovinciano o Sr. Ferreira Vilella am-
brotypista da casa imperial. Segundo nos infor-
man!, essa galera de um trabalho apurado a
delicado, como sOem ser aquellos de que se in-
cumbe esse senhor.
O Sr. Dr. chefe de polica, apenas leu quan-
to dissemos em nossa Revista de hontem sobre a
ra do Pilar, fez proceder s necessarias diligen-
cias, resultando dellasque nao ha por alli caizeiro
algum que ande sem camisa deotro do seu esta-
belecimento, como oos informaran].
Eis o vigesimo-setimo
Boletim official.
< Dos lugares affectados pelo cholera-morbus
nao chegaram presidencia da proviocia com-
municaces officiaes.
< Nesta cidade e em suas immediages nao ha
caso algum de cholera-morbus.
< A's 6 horas da tarde de 30 de Janeiro de
1862.
u Dr. A quino F o meca.
O subdelegado da freguezia de S. Fr. Pedro
Goo;alves, conformando-se com a promocio do
Dr. promotor publico acaba de coodemnari Pe-
dro Nicolao dos Res pena de 33 dias de priso
e mulla correspondente a melada do tempo por
crime de uso de armas defezas, conforma a pos-
tura municipal da 13 de agosto de 1859, combi-
nada tom o art. 297 do cdigo criminal.
Acha-se no axe.rciclo da delegacia do pri-
meiro districto desta cidade, em consequencia da
charem-se doente o Sr. Dr. Amaro, impossibl-
litados o Io e 2" e vago o 3, o 4 suppleole Dr.
Francisco Pinto Pessoa, que reside na ra dalm-
peratrlz junto casa ioceodiada.
Dirlgem-nos a seguinte correspondencia,
cuja matarla reclama por urna providencia qna
sane a iofracc,ao nella referida.
Sr. redactor da Revista Diaria,Communico
a V. S. 0/seguinte fado, afim que o faga chafar
a coohecimento do publico, se disso o julgar
d 'o.
'Jm becco hara oa ras do Raagel para a rus
da rala, entre as travessas do Arsenal e do Car-
ce ro, o qual, aeguodo voz publica ha muito*
sosos espslhada, ia ser alargado para commodo
transito', e o pareca, por isso que, lendo-sa ar-
ruinado o oltio de urna casa do lado da Ka do
de demolido. ltimamente, porm, se diz qua a
cmara mnnicipat vendara esse boceo, parttstd*
sua eztensao em das smetades, urna coas faca
pts a ra do Raogel a oulra para a ras da
c O proprielario desta ultima parte eossecM
por levantar na extrema ceotral do becco nasa
parede divisoria como de um muro de quintal
depois elevou a frente de ama casioha ds amas
porn, com sua competente cornija, mas ds altara
de doze palmos, pouco mais ou meos, da sola s
telhas, de que essa arapnca ji est inleirasaala
coberta ; e isto quando nao ha quem Ignore qae
a altura marcada pelas postaras muoicipess
approvadas pela assembla provincial e ssaeew-
oadas pelo goveroo da proviocia, da Tinta o <
palmos da sapata ao alto da coroija pan as i
terreas, sendo a das portas ds doza pslmos a i
sobre seis de altura I
< A casioha a qne oos referimos ah est m
ra da Praia, urna das mais publicas dssla dSs,
patente a todas as vistas. Teodo dosa paleaos 4a
altura, osteota pouco msis de melado da das rasas
terreas, 3?ndo mais baixa que as portas saajasda
as mesmas posturas. Vejam-se aa mes as a rsa
da Praia as casas os. 20, 32, 34, etc., ate., e *-
ga-se-oos se ba ou oo flagrante a necaadslesa
intraeco nessa nova edideaco da referida casi-
oha que subsiituio o becco.
Parece incrivel que lio vsivel detprexo das
leis muoicipaes se d em ama cidade lio adiaa-
tada como a nossa, e mormente teo4o a usas
cmara, alm de urna commisso da edifteaeM,
empregados to zelosos e entendidos em o ssrrles
que lhes incumbe o respectivo regulamento.
Entretanto, nao podemos deixar do ensaar a
allenco da polica, que tantas provas bs dad* ds
soliciiude pelo exacto cumprimento das pastales
muoicipaes, para a iofracco qoe pela sriissli
denunciamos sua perspicacia a inspeceo.
Recife, 27 de Janeiro de 1862.
O 9tdit: 9
Repartiqo da polica.(Extracto da parta
do da 30 de Janeiro):
Foram recolhidos casa de detencio no dia 39
do mesmo, a ordem do Sr. Dr. chefe da aoticia
Joo Paulioo dos Ssotos, de 30 anoos da idttsVa.
dado agricultura, Marcolioo Joio da Qoairoz,
de 42 aonos, fazeodeiro, ambos brincos, o pri-
meiro como desertor do exercito a o segando cri-
minoso em Buique, assim como Manoel Lnix Pe-
dro, pardo, de 20 aonos, dado i agricultura, aara
recruta, viodos todos do termo da Smlo Aato ;
a ordem do subdelegado de Saoto Antonio, Joio
Aotonio de Oliveira, braoco, de 23 ansas, eaixei-
ro, por embriaguez e insultos, e Balsa Marta da
Eocarnaco, parda, de fl aonos, costureira, sor
insultos; e a ordem do de S. Jos, Candida Ma-
na do Espirlto-Sinto. branca, de 27 aoaos, eo-
gommadeira, Joaooa Fraocisca Paes Barreta, par-
da, de 26 aonos, tambem eogommsdeirt, Mansa!
Aotonio dos Prazeres, crioulo, de 30 aneos, aoss-
beiro. .Maooel dos Aojos a Silva, pardo, da 17
aooos, pescador. Manoel Francisca da Oliveira,
crioulo, de 30 anoos, calafate, Thoaa Honorato,
pardo, de 45 aonos. pescador, Jos Justino Ma-
celo, pardo, de 29 annos. joraaleiro, Antonio Ca-
rnes da Silva, tambem pardo, da 40 annos. posn-
beiro, e Quirioo Piolo Marques, crioulo, da 38
anoos, jornaleiro, todos por desorden, a bem as-
sim Justina Maciooilla da Silva, ora oca, ds 30
anoos, costureira, por offeusas moral aa-
blica.O chefe da segaoda seccio, J. G. de Mos-
quita. .

>
Rcviso do jury feita ats 13 Je
Janeiro de 1862.
Foram quslificsdos juizes de facto os cidadss
seguiotes
Alexaodre Augusto de Fras Villar.
Aotonio Jos da Silva Brasil.
Antonio Igoacio do Reg Medeiros.
Dr. Antonio Gomes Tarares.
Alvaro Augusto de Almeida.
Aotonio de Albuquerqne Mello.
Aotooio Comea de Miranda Leal.
Aotooio Jos Teixeira Bastos.
Aotooio Goncalves Ferreira Cascie.
Antonio Rufino de Andrade Lana.
Alezandre Rodrigues dos Aojos.
Antonio Heoriqoe Msfrs.
Antonio Leite de Pinho.
Antonio Jos Pestaa.
Antonio de Castro Delgado.
Coronel Aotonio Gomes Leal.
Dr. Alexandre de Soaza Pereira do Carmo.
Dr. Aogelo Henriques ds Silva.
Dr. Augusto Caroeiro Monteiro da Silva Saotos.
Augusto Egidio de Miranda.
Aotooio Jos de Oliveira.
Adriano Xavier Pereira de Brito.
Antooio Jos Pereira de Mendom-a.
Augusto Cesar da Cunha.
Agostinho Jos de Oliveira.
Dr. Aotooio Raogel de Torres Bandeira.
Antonio Carlos Pereira de Burgos Poss da
Leoo.
Aotooio Jos Coorado.
Antooio Camello Pessoa de Lacerda.
Dr. Aotooio Jos Alves Ferreira.
Aotooio da Cuoba Soarea Guimiraes.
Aotonio Martins Seabra Lemos.
Aotooio Bezerra de Menezes Lyrs.
Dr. Aotonio Jos ds Costa Ribeiro.
Aotooio Piolo da Barros.
Aotooio Laiz Pereira Bastos.
Agostino Eduardo Pina.
Aotooio Maia Cortes.
Dr. Aotooio Witruvio Piolo Bandeira e Acdsli
de Vasconcellos.
Antooio Ciymsco Moreirs Temporal.
Aotooio Bernardo Quioteiro.
Tenente Antonio Egidio da Silva.
Dr. Antooio da Assumpcao Cabral.
Aogelo Custodio dos Saotos.
Aotooio Conrado Sabino.
Dr. Aotooio Joaquim Ayres do Nascimento.
Aotonio M o reir de Meodooca.
Aotooio Joaquim de Oliveira Baduem.
Antooio Jos da Costa Reg.
Aotonio Nobra de Almeida.
Agostinho Ferreira dos Santos.
Antonio Goacalves Peratra Liosa.
Angelo Custodio Rodrigos Franca.
Antooio Francisco Lisboa Eslavas.
Antooio Pires Ferreira.
Major Aotooio Jos de Oliveira Fragata.
Aotooio Ricardo do Reg.
Dr. Antonio Agrlpino Xavier de Brilo.
Dr. Alcebiades Jos de Azoredo Podro.
Antooio Augusto da Cmara Rsdrigasa Sstle.
Aotooio Martina Saldaoba.
Antooio Cardase de Queirot Fon soca.
Alexaodre Primo Camello Pesase.
Aotonio Ferreira da Annsoeiaelo.
Aotooio Carlos de Pinho Sorgos.
Aotonio Cirooiro Macbodo Ros.
Dr. Antonio Vicente do Nssdaests Fiass.
Aotooio Caroeiro da Cunha.
Capito Antonio Jos de Santa Coosseirs.
Antonio Machado Pereira Vianna.
Antonio Luciano da Morsas ds Mooqoiu Pi-
meotel.
Aotooio Lnix do Amoral e Silva.
Antonio Jos Gom
--------do Crralo.
-. Arphellm Jos da C
Rmgel, qae abi (azis esquina, o seu proprietitlo Dr. Antonio de^Haassssssf Mesetee ts) Drusa.
jaaiit pOdo obter liceoca pan o loraoUr dapoU > oq.
Ta si


IM*JC0
Dr
De i
Br.Alr
Antonio r
ABtOC
Antonio Mal _
Antonio Jo4 c"
Antonio Jos Leal Rei.
ir de Abreu Porto.
aieVose Radrigues de Souu.
io Jos da MU Silva.
fAmaro JoaquiteT'onseca Ai Albuqaeraue.
_ Ionio Marques de Anrim.
Alexandre Amerito da Caldas Bren dio.
AtltAio Feliciano Rodrigues Sefle.
Angosto Genuino de Figueiredo.
Augusto fclter Cesar.
Antonio lachado Gomes da Silva.
Angaato Fetreira da Coata Braga.
Antonio Joaquim Ser.
Antonio Caldas da Silra.
Antonio Subtes da Cunha Nobre. f -
Andelo Antonio da Horaes.
Or. Antonio Justino da Soaze.
Antonia Rodrigues d Horaes.
Antonio Luiz doa Santos.
Amaro Gomes dos Santos.
Antonio Pedro Cavaleanli de Albuquerque Lins.
Amonio de Hollanda Cavilcaoti de Albuquerque.
Antonio Duarte de Olireira Reg.
Abilio Fernindea Trigo de Loureiro.
Antonio Jos Duarte.
Andr de Si e Albuquerque. "
Antonio de S e Albuquerque.
Agoslinho Bezerra Cavaleanli.
Antonio Franciaco Paes de Mello Brrelo.
Coronel Antonio Pedro de S Brrelo.
Antonio doa Santos Souza Leio.
Aristteles Carneiroda Cunha.
Antonio Pereira da Cmara Lima.
(ConJinuar-*e-fta.)
li-
(o-
-------- .^.Icam,
i rtarWW 'o incr*-
ment do a! tai marty.
rilando o doente ; por que sendoTrraau Manto
no Interior o nosso corpo, desse reducto, que
ne exjWIl-lo : o que nio ser fcil pelo
wtlla>ooa oo piliattros, que antes o irritara.
ObefftM. e deiseoarfcce ces o por encanto p^
tberapeulica rombjirgatiTar aeolicando-se
effeetsao com a maior prestis fMlssiTel no In-
dicio o primeiro symptomi, aalqoer mdi-
ca melo, que ni occeaiao haja a serte de depa-
rar vomipurgslivo. ialo vomitorio, ou purgan-
te, que obre por cima, e por baixo com prosapias
eyacuacoes, com as quaes irio cessando os sof-
frimbotos do doente, substituidos por urna gran-
de fraqueza, que requer um rgimen particular,
uto rgimen regular ; urna dieta muito deli-
cadamente aecurada para preveoir-se a recahida,
quasi aempre perigoss, e as maia dai rezea
fatal.
Os symptomaa precuriorea sao: iodisposigao
por todo o cotpo ; fraqueza geral ; rerligens,
dores pela cabera, reDtre, coxaa e peroas ; bor-
boriohoa, ou roncos pelos intestinos, motivados
por gazes ; iodigestio, dyarrha, e actualmente
febre com seus effeitos, que na passada invaso
nao hourera.
Deve ser combatida ao primeiro indicio de
qualquer desees symptomas (que os pas de fa-
r
1 DE JANEIRO DE 18
caue-
a film
noticia
lo alraUr
das prereoilv* *, ,lo e 1(
de ; sobre urna caa, que sirva da hospitsl
gar para os eoterramentoa. EstJr'medldwl
losas nao noa 0-erem terrorisar. porqoault de*e-
mos estar preparaos para recebe? o ioi caiga |
porque na hora do combate Udo confusin
^JL?que,elle ?eJa ^Tocado, elH
^lr|annta*Wtaflld pelee cobaa1ma,|
tSm iaMMb ; cbogtndo-nos tmMe a
ao da sua derrota. "^
i*f*?il V"B0, por or* S8ra altancSo na sa-
lubrHade que causa susto ; porque apenas, tem
oppareeido algumaa diarrhas c6m febres mor-
menta as crianeae, senda fataes esa alguns.
Os gneros aliaentioies vio algiodo de prego,
quando o assucar lem abaixado ; o que nos induz
s crer, que o dioheiro escaasear por ser este o
ramo maia forte ds nossa agricultura, e donde o
numerario mais abunda.
Basta por agora.
O Noticiador.
roli
ovlmeoio da alfandefca-
mes entrados com fazendas.. 184
> coa gneros.. 660
per-
-
Correspondencias.
Srs. Redactores do Diario de Ptrnambuco.
Rogo a VV. SS. o obsequio de inserirem as co-
fcamoes de aeu Diario o seguiote, que a ex-
presso de mioha admiradlo, e para que os rele-
yentes servidos dos bravos caTalleiros, de quem
vou fallar, nao Uquem esqoecidos pelo governo
de S. M. I., que tio solllcito em acudir aos
seus vsssallos as grandes crises, e mesmo para
que S. Bxc o Sr. presidente da provincia, ainda
mais urna vez se certifique que tem quera cum-
pra anas ordena com dedicago, e para que tsm-
OJem os grandes feitos de herosmo destes caval-
leiros sirvam de eoimagao a alguns libios, que
n6o .sao capazes de sacrificar o menor de seus
commodos em prol de seus semelhantes soTre-
dores.
Os caralleiros de quem quero fallir sao : o Dr.
Flix Moreno Brandao, que, na occasio em que
no Recife via estampado na face do seu collegj
iesanimo pelo que de mortifero assustador la
" esia poroagao e seus suburbios, elleconten-
eeita, segundo sou informado, de S. Exc. o
presidente a difficii o arriscada commisso de
rcar os infelizes, que fossem accommettidos
"terrivel ioimigo gangetico, e de dirigir o
Servio medico por esta? parageos, que enlo se
achavam sera ordem, apesar dos esforgos dos
mdicos que jentio c se achavam, este medi-
co caridoso, acceilaodo lio difDcil incumbencia,
parle para estes lugares ; de caminho viaita lo-
'8 os lugares que esli affectados : medica os
Infelizes pestiferados ; procura conhecer as ne-
cessidades que haviam para providencia-las ;
indica a seus eollegas seus postos, como hbil
capillo, e para elle eacolhe o ponto onde o ioi-
migo 6 mais mortfero, onde o numero de doen-
les maior, ende floalraente tem mais que fa-
zer ; ahi elle tomi-se incansavel, a todos soc-
corre, a todos consola, e, se possivel, toroou-se
ainda mala admiravel, quando SOube que se acha-
ta accommellido do pestfero inimigo o seu pre-
dilecto amigo e collega Dr. Pedra na poroagao
de Timbaba, corre e salva a seu collega, entio
sabe que o muilo reverendo lazarista padre Cal-
moni e urna dasirmias de caridade tm sido fe-
rios pelo mal, em um momento tranSpOe as
doaa leguas que nos separam daquella povnagao.
e presta-se com tsl dedicacjto que, se nio fos-
sem os seus eslorcos, talvez que o reverendo la-
zariita e irma de caridade j estivessem sepul-
tados ; porm, gracaa ao Altiaaimo, e aos seua
cooheciraeutos mdicos, a S. Exc. e a todos nos
fol poupada mais esta dor ; e nsps de Cruangi,
bemdizendo a este medico caridoao, fazemos vo-
tos aoscos para que preserve seu das, e o v,
como at agora, guiando na senda que sempre
tem trilbado.
Outro cavalleiro digno dos nossos encomios
o -lllm. Sr. major Alexandre de Barros Albu-
querque, delegado de polica da comarca de
Goiaooa ; o que este bravo oflicial tem feiio em
prol da huraanidade SOffredora, por mais que di-
gamos, sempre os seus feitos ficam muito alm :
este honesto e probo delgalo parece ser guiado
pela mao da divina Providencia ; em todas as
excursoes que fazern os iocansaveis padre mes-
tre Pr. Egidio e 0 Dr. Moreno os acompaoha ;
por toda a parle espaiha samlas aos indigeotes ;
a todos consola, a lodos aoima cora palavras e
exemplo ; a tudo providencia ; emQm, desde sua
chegada a e-tes logares, que para oa urna
rerdeira providencia, tem visitado todos os pon-
tos accommettidos, e em toda a parle ficam os
signaes de sua preseuca ; todos o abeogoam
este to admiravel delegado a tudo lem resisti-
do, e estamos cerlos que um carcter tao digno
delouvores ser recompensado pelo Todo-Pode-
roso, e conservado na comarca por muito lempo
para nossa felicidade.
Os esforcos do grande e muito reverendo pa-
dre meslre Fr. Egidio sao de tal monta que nao
podem senao ser admirados pelos homens, e s
recompensados por Aquelle que o Ilumina. Este
homem de Deus lem feito consistir seus encora-
roodos no consiionario, no altar, e fazeodo con-
fissdes em distancias do qualro e mais leguas,
consolando a todos e visitando todos os pontos
accommettidos do mal.
Esta povoaco estara submersa em loto e la-
grimas, se o Dos de misericordia nio livesse
para ella guiado os tres campeoes de que cima
hei fallado ; porlaoto, permitta-me a modestia
destes nobrescavalleiros que assim manifest o
meu reconhecimeoto, estampando seus nomes
as columnas de seu Diario, Srs. Redactores, e
tambem para que a provincia e todo o paiz admi-
re-os e os imite.
E publicando, Srs. Redactores, este Gommuoi-
cado, muito Ihes agradecer o admirador da vir-
tudemaia recommendada pelo Eraogellio, que
o seu aaalgnante.
Cruangi, 18 de Janeiro de 1862.
A
?lints

sabidos
>
com fazendas..
com gneros..-
84-
69
----- 419

Victoria,
25 de Janeiro de 186S.
Meu charo amigo.Sao completos seis sonos,
que lutavamos nesta cidadecom o terrivel ioimi-
goo cholera toorbus.Eolio todos os nossos
seotianeatos se achavam preoecupados pelas do-
res, gemidos, e lagrimas, que soavaro e se rer-
tiam por todos os seus ngulos, at que a mise-
ricordia divina, compadecendo-se de taas des-
granas, estendeu-nos o seu braco de juitic., ex-
terminando d'enlre nos o inimigo desolador.
Eis que de novo reappareceji em Cruangi, j
em S. Vicente, passando d'all pela reguezia da
Barra de Natuba, provincia da Parahiba, e d'ahi
retrograda para esta provincia entrando pelo lado
do sul na comarca do l.imoeiro, e do nascente na
de Nazarelb ; sendo muito provatel, que preten-
da assaltar tambem a da Victoria, onde levou de
vencida os seos habitantes em 1850.
Cumpre, por tanto, resignar-nos cora este se-
gundo castigo dos cos, implorando divina mi-
sericordia ; o sos pais de familias precaverem-
rem-se com medicamentos, e meios de serem
applloados opportunamente.
Vamos agora expor-vos a medleicio do cbole-
ra-morbus, que nos foi com manteada per um
nosso amigo morador em Natuba em data de 20
deate mez. ^PW
bolera-morbas, ou asitica nao conta-
giosa, e nem iororavet ; epidemia
munica, ou inocula pelos eiluvlot pe
alhmosphern epiderrics bilis ; e
pela respira?ao da peasea diasttsta a recefe-lo ;
ahisedesenvolveem potico lempo para se arrojsr
com explosfio pelo fulminante com o sea cortejo
ti 5bras, romltos, dyaW BhAescan<
sscentes regiio Piflfl^^B^V^^co-
manto dos olhos, r"
migao das esroes re
o doente a maior parte
promptameote atacada
Na sua xireebago
M
milias no lempo da epidemia dere'm solicit
com o maior cuidado) com qualquer dos medica-
mentos seguintes, que apontaremos gradualmen-
te, aegundo a proficuidsde de cada em corres-
pondente ao curatiro.
1.* Dous purgantes de piletas de cabacinho
buena (2 ou 3) feils cora gomma de batata de
purga : remedio fcil de obter-se.
2. Dous vomitorios de trtaro, dados em tres
colheres de cha de caoella para cohibir as sa-
cia : remedio fcil de obter-se.
3. Dous vomitorios de vinho emtico (8 ou
maiscolheres); remedio este proprio para sa pes-
soas de complijo delicada. Ajuda-se emeada
um destes tres remedios a obra por cima com urna
ou meis chavena de agua tepida meia hora de-
pois de tomado, e de cada jaeto.
4." Dous purgantes do masmo cabacinho (meia
chavena) infunoindo-se 3, 5, ou 7 bem partidos
em meio quarlilho de agurdente da cana ou
braoca, 6 12 horas antes de ser applicado :
remedio proprio para as compleices robustas.
5.a Dous vomitorios e dous purgantes de Le
Roy, dados alternadamente, primeiro o vomito-
rio, depois o purgante, edepois outro vomitorio,
e outro purgante, todos com iotervallo de urna
hora.
Dos medicamentos que obram por cima e por
baixo, como os qualro primeiros, e em cujas eva-
cuaces por um e outro lado nunca fica comple-
ta a cura, bastara dous purgantes e dous vomi-
torios : daquelles, porm, que so obram por um
delles como o vomitorio, ou purgante Le Roy
sao indispensaveis dussdsesde cada um. Com
este medicamento Da primeira invasao do cho-
lera salvou o proprietario do eogenho Cuyambuca
toda a ana escravatura.
6. Dous purgantes de gomma de batata
(meia chavena) infundida em agurdente. Com
estes purgantes da batata se fez preservativo com
utilidade na outra invasao.
7." Dous purgantes de oleo de rlelno ou azeile
de mamona (carrapato) e at mesmo do nosso
azeite vulgar ; mas como este medicamento, as-
sim como o purgante de Le hoy obra smente
por baixo, deve ser precedido de um vomitorio de
ipecacuanha preta, ou de outro qualquer.
8. Dous vomitorios do nosso pinhao ajudan-
do-se tambem com agua tepida a obra por cima:
casoavel estupor, nao haveodo cuidado.
Finalmente as pilulis depurativas do Dr.
Alaod ; as da vida de Tbomaz Parh, daa quaes
urnas e outras nos temos servido com proveito ;
e at a propria agua fra tomada em clysteres, e
bebida em quantidade que lance com abundan-
ia (com ella assim bebida se salvou na outra in-
vasao urna senhora, que recusou tomar reme-
dios, alm de outras pessoas) e tudo quaoto pur-
ga limpa os humores, cura o cholera-roorbus, e
qualquer febre maligna, amarella, perniciosa,
pleuris, eto. etc., as quaes lem quasi as mesmas
causas, que produzem os mesmos effeitos com
alguma difirenos, bem como o actual gangeli-
co, que parece muilo com a febre perniciosa, e
epidmica, apresentando differenca do de outra
invasao.
Note-se, que destes oito medicamentos s nio
vegetal, e nosso indgena, o trtaro, o vioho
emtico e O Le Roy, para aerem os cinco acces-
siveis ao nosso povo.
Com os qastro primeiros medicamos proreito-
samente na outra invasao do cholera-morbus em
1856, como membro de urna commisso benefl -
cenle nomeada pelo governo nesta freguezia 682
cholencos a nossa expensa, dando alimentos a
152 desvalidos em urna particular enfermara;
em que foram convertidos os edificios do nosso
engenho; e nos achsmos presentemente nesta
segunda invasio medicando as pessoas da nossa
familia, que j contados affectados, e nossos vizi-
ohos desvalidos excedendo j o oumero de viole,
medicados at hoje, merc dos cos sem haver
perda, apezar de terem alguns cahido gravemen-
te com cairabras e diarrhs.
O trtaro de que mais estamos usando, com
grande proveito, pois que alm de sua prompti-
dSo. tem de msis a virtude de revocar o aquecl-
meoto ao estado da algldez, com o cha da cand-
a, em que se d to bem, se alliriam as dores
precordiaes, ou do coracao e estomago, dando a
beber do mesmo cha.
O rgimen no tratamento do cholera-roorbus,
na febre maligna de qualquer especie deve sor
regular, e por urna dieta a mais aecuradamente
regular, islo delicada posslrel, como j dis-
semos.
No principio do curatiro ddre-se usar de cal-
dos cbilres, e sem gordura ; quando a molestia
vai cedendo, vai-se usando de canjat de arroz,
com preferencia a outra qualquer massa, serriodo
na falta do arroz a farinha de trigo chamada do
reino, de carimia, de gomma de mandioca bem
seccas; de farinha da mesma mandioca mulle,
com que ae fax doce; e em ultimo caso da bola-
cha bem pilad*, devendo evitar-se a bolacha e a
farinha vulgar da mandioca, emquaoto o mal
existir. Pode beber agua frii, quanta poder e
quizer.
Depoiada obrado ultimo purgante, quando ap-
parece a reaegao com melhora condecida, come-
qa a convalescenga Pode enlao o doente usir do
alimento de pirio em pequea quantidade, ainda
que por mais vetes, eesroe de gallinha, de rae-
ca, marran, de orelha, de cabra, de carneiro, de
boi ou de cabrito castrado, sopa de bolacha, ou
macarrao, feijo de resguardo ojulatinho ou pre-
to com carne muito bem cozinhado em pouca
porcao, graduando sempre a comida com circums-
pcc;ao al o dcimo dia depois do ultimo pur-
gante, em que dere banhar-se em agua tepida,
Ucando terminado o resguardo. Ainda depois del-
le acabado deve acaulelar-se de todo e qualquer
excesso na comida, e em tudo o mais, segundo j
observamos ter produzido recahida fatal em um
nosso escravo.
Deve applicar-ae o medicamento em doses
maiores ou menores, conforme a natureza do
doente, ou menos diCQcil em obrar, nunca menos
de duss, e sempre com interrallo de um dia.
A proporcSo, que vai obrando apezar de em
alguna doenies se irritarem com as evacuac.oes,
vao desappareceodo lodos os effeitos da molestia
al se anniquilhr, devendo o medicador ou en-
fermairo animar o doente, dissuadindo-lhe toda
impressie de tristeza, me o ou de qualquer ve-
hemente emogo morl; e esperanjar-lhe o trium-
pho no curativo, como acontece, quando applica-
do com eaidado, e opportunamente.
Nio dola de ser proficua a homeopathia,
porm mais succeptivel a recahidaa perigolas e
falaes como nos acouteceu da outra vez.
Nio contagiosa a cholefa-morbus, como j
distemos, e nem a febre amarella, podendo os
pais de familias, medicador ou enfermeiro tratar
os seus doentes sem o menor escrpulo ; e po-
oendo dispensarem-se os desenfectanles, convjndo
lim lgums limpezi; pois qu na outra invasao
observamos pessoas mendigas, 6 asquerosas apro-
veitarem-se dos pannos e reupas dos morios al
viras sem o menor inoonve-
Srs. redactor*.O communlesdo do seu Dia-
rio de 25 do correte, em que tratou das deiio-
feccOes, quii o seu autor demonstrar que as fu-
megaedes do chloro nenhum valor tem. Esta
opioio assim apresentada aem assignatura, reve-
la a falta de fundamento em que se estriba o
communicaote, para destruir os tactos de benefi-
cios que nos lem dado as desinfectes, quando
com methodo pralicados.
O communicaote, nao teodo assignado o seu
oome, nem tendo destruido a expoaicio que pu-
bjiquei, e que tenbo de aubmelte-la a considera-
do do Sr. Dr. iospector da siude publica desta
cidade, limltou-se apenas em apresentar opinies
dadas em 1801 e 1803, as quaes nao podem hoje
prevalecer a vista de novas experiencias, em pro-
cedencia de taes opinies refutadas, e destruidas
por autores modernos, que tendo reconhecido e
tem sustentado as desinfectes, e estao em prali-
ca na Europa, e em nosso paiz; pois que se fosse
reconhecido pelos homens da aciencia serem ver-
daderas taes asserges, certamente os modernos
a adoptariam, e nao sustentavam a utilidade da
oesinfeegao por meio do chloro, como se v da
opiniio de muitos autores.
Ora, se o autor daquelle communicado est de
accordo com a opioio daquelles escriptores de
1801 e 1803, rae faz crer que nao medico de ti-
tulo verificado, mas sim algum curador velho ;
por isso que firmando-se em escriptos sem valor
aprsenla argumentarles dessa ordem.
Assigne o seu oome, diga quem tome a res-
ponsabilidad, que se Ihe responder a medida
das suas sophismac,es.
A queslao de que se trata, para ser admillida,
conveniente, que sejara emittidas por praticos
proflssiooaes na materia, que possam destruir e
combater as esclarecidas opinies dos mdicos
que sa prestaram a pateutear o seu juizo, e de to-
dos os autores que recommendam as desinfec-
tes.
Se o commuoicante sabe de outros desinfec-
tantes, que possam supprir aos que se achara em
uso, apreseote-os ao publico; dirija-se ao Exm.
Sr. Dr. Paula Candido chefe da saude publica na
corte, para ser por elle exigida do governo sua
execugao. Estou certo que oo apresentar ou-
tros, que nao sejara os j conhecidos: nao exija
do governo que gaste dioheiro para es3e mister;
pois a excepcao do communicaote, ou de algura
outro de igual opioio, todos os mais por casos
d'esla ordem sao iocapszesde laes exigencias.
Se assigoar o seu nome lhe darei a razio por-
que morreu o pharmaceutico, que pralicava as
desinfeeges, e farei repetir as recommendages
dos autores, qu aconselharo, que todas as vezes,
que se lenh* de revolver os focos de miasmas sa-
ja isso accompanhado do chloro, para que nio
soffram os que nisso se empregarem e para nao
ser o ar alhmospherico empregoado de mias-
mas.
DesearragamJtoje 31 de Janeiro.
Barca inglezaNsUpWab*H-#nerMom.
lugre ioglezN. E. V. A>-ldel.
Brigue portuguezGoosttlteeebelas e batatas,
rigue inglezSpyferiageai.
Barca francezaMagoodiecarrio.
rea inglezaPalmathaWea.
Brigue hespanholDous de adelrocharque.
Brigue braslleiroVelozcharque.
Patacho francezGeargemanleiga e batatas.
Barca francezaSolferinomrcadrias.
Imporiayao.
Patacho nacional Emulaco, rindo do Acarac,
coosigaado Manoel Gongalves da Silra, mani-
festou o seguiote :
600 alqueires de sal, 350 arrobas de tatajuba e
512 meios de aola ; i ordem.
Exportayao
Do dia 29 de Janeiro de 1862.
Brigue nacional Proctrfancto, para os portos do
Rio da l'rata, carregaram :
Johoston Pater & C, 20 barricas com 150
arrobas e 9 libras de assucar.
Barca iogleza tabella llydley, para Lirerpool,
carregaram :
Sauoders Brothers 8c C, 103 saceos com 559
arrobas e 6 libras de algodio.
Barca americana Adelina, para Ne\r-York,
carregsram :
Henry Forster & C, 1,000 saceos com 5,000
arrobas de assucar.
Barca nacional Norma, para Lisboa carre-
garam :
Joao Baplista de Olireira, 234 saceos com 731
arrobas de gomma.
Tasso & Irmos, 1 barrica com 6 arrobas e 6
libras de dita.
Carralho Nogueira & C, 105 barricas com 814
arrobas e 17 libras de assucar.
Brigue oaciooal Olinda, para o Porto, carre-
garam :
Joao Baplista de Oliveira, 20 couroa salgados
com 500 libras.
Barca americana E. Pluribu tVnitm, para Mar-
seille, carregaram :
Tisset freres, 1,200 saceos com 6,000 arrobas
de assucar.
Barca franceza Coligny para Marselba, carre-
garam :
Tisset freres, 1,500 saceos com 7,000 arrobas
de assucar.
Patacho porluguez Ltma.'para ilha de S. Miguel
carregaram :
Joao do Reg Lima & Irmos, 16 meias pipas
e 59 barris com mel.
Brigue norweguense Treetrade. para Gibraltar,
carregaram :
Krabb Thom & C, 3,700 saceos com 18,000
arrobas de assucar.
Becebedorla de rendas internas
erees de Peruambneo.
Rendimento do dia 1 a 29. 29:716*205
dem do dia 30...... 8848540
r se mandn affixar
rio.
filialIIW thesouraria provincial del
-afeo 20 de Janeiro de 1862.
O inspector!
A. F. d'Anrunciacio.
-* O lllm. Sr. inspector da thesouraria rjrfT
vindsl malda fazer publico para coohecimento
doa intdreaNdoi o art. 48 41 le provincial o.
510 de 18 de janho do serredle neo, ^l
Art. 48. E' permittido pagar-se a meia sha 1
dos escraros comprados em qualqaer tempo lo- I
terior a daU da presente let Indepsndente de fe-1
ralidaejie e malta, urna vot e,ue os deredres
actuaes deate imposto, o facam dentro do .re-
do de 1861 1862, o que nao o iierem flcarao
aujeilos a revalidarlo e mulla em dobro. sendo
um terco para o denunciante. A thesouraria fa-
r anounciar por edital nos primeiros 10 das de
cada mez a presente dlsposicio.
E para constar se mandou affixar o presente e
publicar pelo Diarto.
Secretarla da thesouraria proriocial de Per-
nambuco, 8 dejulho de 1861.
O secretario,
A. F. da Assumpcc.
manhia do da S da
seibo administrativo
nal de guerra, 30 de
Declarares.
do eonaalhi
fere,reiro
Sala da
fiara forne
snelro d 1
Sent Joti Lamenha Lint,
Coronel presidente. .
AlHC+ndre Augusto it Fritu VilUr,
Hajor rogal secretario interino.
Correio.
Pala admtomree&o do correto desta cidade se
faz publico qua amsnha 1.* de (erereiro, palas
3 horas da larde em ponto, serlo fechadas as
malas que deve conducir o vapor costeiro cJa-
guaribet cetn destino & Macei e porlos inter-
medios.
Alm de (udo islo resta-roe dizer que contra os
fados nio se argumeota; e ae quizer ver o com-
municante, documentos de pessoas insuspeitas,
que das desinfectes obliversm feliz resultado, eu
Ih'os apreaeotarei.
No lempo do cholera algumas pessoas se apre-
sentaram gradecendo-me pela Itnpreusa, osser-
vigos por mira prestados neste sentido ; entretan-
to que o communicaote diz, que nada vie de uti-
lidade : recorra aos jornaes d'essa epoea, que ve-
r ; se bem que houre quem praticasse a desin-
fecgio irregularmeote, o que por mim foi comba-
lido pelos mesmos juro a es. *
Racife, 27 de Janeiro de 1862.
Jote da Rocha Pa\
30.6008745
Estrada de ferro.
Srs. redactores.Urna queixa, m ue urna
queixa um gemido, mais que gemido um lamen-
to, permillil permitti um lamento no rosso
Diario, contra urna desgraga que peza de ha
tempos nesta villa do Caboos inglezes 1
Mas nao sao os mglezes, sao as autoridades
que esto debaixo de seus ps, e vem, e sus-
tentam, e apoiam todas as suas insoleocias e
crimes, e para cumulo de nossa miseiia, taes
autoridades ainda persegue o desgranado quem
o inglez espancou na sua presenes.
Eis aqui um caso fresco.
Ha poucos dias um inglez bebado, quiz violen-
tamente e (ora de horas que urna mulher lhe
abrisse a sua porta, fazendo elfe para islo grande
eslroodo e barulho com pancadas a rosaras.
Um rapaz de 17 aonos que eslava aioda assen-
tado i sua porta que era visinha casa assaltada,
disse-lhe que se fosse embora, e nao sei mais
que fez que o ioglez se retirasse ; era islo de-
fronte da guarda, mais a polica nada tem com
inglez.
No oulro dia, ou antes os outra noute depois
das uove horas estar o tal inglez em urna renda
defronte da guarda, a qual venda tem o consen-
limenta da tal guarda de estar aberla al alta
noute dando de beber aos inglezes, que ali se
reunem em continuadas companhias. Eis que
ral entrando o rapaz da respera, e o ioglez, sem
mais nem mais, apenas o recoohece, dirig se
para elle e descarrega-lhe na face um tremendo
murro (inglez) que o rapaz pouco faltou a ir por
trra. Houre rojeria e aecudio gente (islo ,
espectadores porque aqui o inglez pode ferir a
quem quizer e matar, e ninguem accode, porque
abe que ir para os ferros quem tal lzer). A
guarda aecudio tambem, e ebegou a porta da
venda, e rio o veodelhio botar para fra o offen-
dido, guardar o inglez, feixar a porta, e s guarda
crusou os bragos, e a guarda fez se retiraren] as
pessoas reunidas, e nao ludo; e no outro dia
o Dr. delegado, o Sr. Barcellar, mandou prender
o rapaz espancado para a msrinha, leve-o preso
por muitos dias, soltou-o depois a forga deem-
penhos, nica justiga (nica?) nesta nossa boa
trra.
Nao tudo ainda : as pessoas que esliveram
presentes, por aecudirem aos grilos foram cha-
madas pelo delegado, e reprehendidas por aecu-
direm a quem*soffria (no Japio se pune a quem
nao accode) e amegadas de serem presas por sa-
berem como o faci ae deu, e Qcaram esperadas
para a primeira occasiio em que vissem algum
inglez offender algum brasileiro.
Ora, senhores redactores, como eu tremo a
necessidade de dar urna tacada em um ioglez,
visto que contra tal gente nao ha justiga nem
particular algum que se anime a nos garantir, de-
Ifender ou proteger, permittem Vv. Ss. que eu
gemendo de ante-mo, e em altos clamores ahi
por sua folha, a ver se chegam as rozea ao cu,
que da da trra, dos homeus, nio espero remedio
algum.
Cabo, 25 de Janeiro de 1862.
Affonso de Albuquerque Mello.
Consulado provincial.
Rendimento do da 1 a 29 ... 93:6363883
dem do dia 30......: 4.20t|883
97:8389766
Moyimttino do i-Oriu.
Navios entrados no dia 59.
Acarac21 dias, patacho brasileiro Emulaban,
de 134 toneladas, capitao JoaoAntunes da Sil-
reir, equipagem 11, carga sola e couros; a
Manoal Goncalvea da Silra.
Navios entrados no dia 30.
Bahapatacho ioglez 4nne Laurie, de 276 tone-
ladas, capillo Camoron,equipagem 10,em las-
tro ; a Krabe Thom & C.
Baltimore34 dias, brigue ioglez Chunlicleer, de
211 toneladas, capitao George Matsen, equipa-
gem 9, carga 2055 barricas oom farinha de tri-
go ; a Johoston Pater & C. Seguio para os por-
tos do sul.
Londres34 dias, galera iogleza Dolphin, de 345
toneladas, capitio Alexaodre Cargell, equipa-
gem 15, em lastro; a Krabe Thom&C.
Nao houveram sahidas.
Obserrago.
Suspenderam do lamaro para o Rio de Janeiro
o brigue hespanhol Belizario, capitio Gerardo
Marestaoy, com a mesma carga que trouxe de
New-York.
Parahybabarca americana Yirginia & Tslelina,
capitio II- Welkens ; em lastro.
S. Tbomazbarca americana Campanero, capi-
tio J. A. Dubel, em lastro.
Passou para o sul um brigue americano.
lie, e se com- ajeneregoaba de
estlenles do I ajtote.jtf.
os intestinos AqBi floslisa o
fe recen do-a as pJ
tareco em suas farBHias, enslnarem e propaga
entre outras peesoes.
osso a#igo a sai exposigio o
ferecendo-a as pe Mas cariciosas para ae aprov
melkut
|felo ah
fundadas
m
iba
intenso, a o ca,Lor nos lem abrasado, \ ,e
recordase grao de intensldade e-
da 1856, quado lomos invdaos
o bui; e per isio nutrirofl Bem
itas da sua flagelaste risita.
r nomeada pela cmara munftiasi
do Sr. Dr. juiz de direito Jos Fl-

M a. Q. M Horas.
w r> e 3 c c c* z i' er c CA Athmosphtra o S S > I
M w w n Z O Dirtcco. w m H p
w n a O . 9* m B 3 en O o 1 Intensidad!. 1
i s ~ Parhenheit. 1 m m U e JO e
a en en O m | Ctntigrado. E c ; -o ? o r* o
-4 s Hygrometro.
o o 00 Cisterna hydr mtrica. s- ca os
a i w 1 "8 io i Francex. 33 E g
0* O ao en ! Zn/er.
A noitede aguaceiros, vi?nto variavel de inten-
sidade e direcgo que ao ao bcer roodou para
o terral.
OSCII.AQSO DA MAK. j
Preamar as 5 h. 18' da tarda, IturaT^ p.
Baixi-mar as 11 h. 6' da manlaaa, altura 0,7 p.
Observatorio do arsenal do marinha, 30 de Ja-
neiro de 1862.
ROSANO STKPPLK,
i 1* tenenle.
Kditaes.
COMMI1CIO,
Praca do Recife 30 de
Janeiro de 1862.
\s tvoatro horas daUrde.
Cotaces da raota de corretones.
CaVmbio.
Descomo de letras.
12, elS-OiQao aono.
' Acges.
Companhia filial da Paraiiba 205J) ch.
J. ds Cruz Ifftejopresidente.
John Galtssecretario.
Allasdfsara,
Rendimento dodiil a 29. I
Ideaa do dia 30 .
):907*759
l.954J79
MI I
Olllm. Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial, em cumprimeuto da rsolu.j5o'(ffi j'unta
da fazenda, manda fazer publico que no dia 30
do correle se ha de arrematar a quem m>is der
o imposto de 1U 0(0 sobre a renda dos terreos
oceupados cora o planto do capim no municipio
do Recfe, avaliado annualmente em 4:1203.
A arrematarlo ser feita por tempo de 33 me-
ses, a contar do 1.* de outubro de 1861 a 30 de
junhodel864.
As pessoas que se propozerem a esta arrema-
tagao, comparegam na sala das sesses-da refe-
rida junta no dia cima mencionado, pelo meio
dia, e competentemente habilitadas.
E para constar se mandou affixar o presente e
publicar pelo Diario.
Sacretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco 11 de Janeiro de 1862.O secretario,
A. F. d'Annunciago.
O lllm. Sr. Inspector da thesouraria provin-
cial era cumprimento da resolugio da juota da
fazenda, manda fazer publico, que oo da 30 do
correle rai novamenle a praga paraser arrema-
tada a quem mais der. a renda da casa pertecente
ao patrimonio dos orphios.
E para constar Se mandou affixar o presente e
publicar pelo Diario.
Scttiaria da thesouraria proviocialde Pernam-
buco 20 de Janeiro de 1862.
O secretario,
A. P. d'Annuociagio,
__or da thesouraria fc|o*iocia
em &
denle ^^Kde 1
ter p*Jfl id dia Sldo mesmo, tal ooramente
predi Ibra dd'berta do Grmoiiio Provin-
Coaselho administrativo.
O cooselho administrativo para fornecimento
do arsenal de guerra tem de comprar oa objeclos
seguintes :
Para o quartel general.
2 lavatorios com jarros e bacas.
2 espanadores.
12 quarliohas.
Para o 9 batalho de iofanlsria.
6 resmas de papel almarjo.
6 caixas de pennas de ago.
200 peonas de Rango.
2 caniretes.
6 garrafas de tinta para escrerer.
6 duzias de lapis de pao.
6 libras de areia para escripia.
36 exemplares de collecgdes de cartas para
principiantes.
36 taboadas.
13 grammalicaa portuguesas por Monte-Verde,
ultima edigao.
12 compendios do arilhmelica por Arila.
12 pautas.
36 traslados.
6 pedras para escripia.
18 lapis de pedra.
Para fornecimento do corpo da guarnico da
Parahiba do Norte.
40 bonels cnicos com virolas.
560 botes de metal amarallo lisos.
360 ditos pequeos de dito dito.
Quem quizer vender taes objectos aprsenle as
suas propostas era carta fechada na secretaria do
cooselho, s 10 horas da manhia do dia 31 do
correte mez.
Sala do referido conselho, 22 de Janeiro de
1862.
Benlo Jos Lamenha Lins,
Coronel presidente.
Alexandre Augusto deFrias Villar,
Major vogal secretario interino.
Consulado provincial.
Pela mesa do consulado provincial se faz pu-
blico que os 30 dias uteis marcados para a co-
branza a bocea do cofre dos impostos de 4 por
ceolo sobre os estsbelecimeotos de tora da cida-
de, prensas de algodao, typographias, cocheiras,
cavallarices de aluguel, hoteis, botequius, casas
de pasto e fabricas, d por cento sobre os con-
sultorios mediGos e' jrgicos, carloriose escrip-
torios, de 12 por cenio sobre os eslabelecimontes
de commercio en>grosso e a retalho, armazeos
de recolher, de deposito e trapiches, de 50&000
res sobre cssasr'de modas de bilhar e tojas
que vender* chapeos e roupa feita estrangei-
ra, de l:000asobre casas bancarias.com emissio
e privilegios!de 500J sobre casas bancarias com
emissio e sdn) privilegios, de 3000 sobre casas
bancarias sen emissio, companhias anonymas e
a rendas, de ftOOf sobre casas de cambio, de 500 rs
por lonellada'.das alvarengas e canoas emprega-
das no traficr carga e descarga, de 30 por
escravo emp, oo aervigo das mesmas alva-
reoRas, de 1(105 sobre corretores commerciaes,
de 509 sobre corretores de escravos, e finalmen-
te o imposto sobre carros de aluguel e particu-
lares de 2 e 4 rodas, carrogas, reh'^uloa de con-
dugioe mnibus se principian! a contar do dia
16 de Janeiro correte.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco
15 de Janeiro de 1862.
T. M. F. Pereira da Silva.
Santa casa de Misericor-
dia do Recite.
O lllm. Sr. tenente-coronel Justino Pereira de
Farias, thesoureiro esmoler iolerino da ssnta ca-
sa de misericordia do Recife, maoda cooridar as
amas da casa dos expostos que nio comparece-
rn] revista de pagamento do dia 20 do correo-
te, que o facam impreterivelmente no dia 30, in-
do acompanhadas das respectivas criangas para
serem pagas das mensslidades vencidas al de-
zembro do aono prximo passado.
Secretaria da santa casa da misericordia do
Recife, 21 de Janeiro de 1862.
F. A. Cavaleanli Cousseiro,
Escrivio.
Consulado provincial.
Pela mesa do consulado provincial se declara
que no dia 2 de Janeiro correte se priocipiou a
cootaros 30dias uteis marcados para a cobranga
a bocea do cofre do primeiro semestre do anno
Ooanceiro vigente de 1861 a 1862 do imposto de
20 por eento do consumo de agurdente das fre-
guesas desta cidade, Afogsdos, S. Loureogo,
Saoto Amaro de Jaboatao, Yarzea e Muribeca e
que Qcarn cempreheodidos na multa determina-
da no art. 50 da le provincial n. 316, todos os
contribulntes que pagarem depois deflndos ditos
30 dias.
Mesa do consulado prorincial de Pernambuco
15 de Janeiro de 1862.
T. M. F. Pereira da Silra.
Conselho de compras navaes.
Tendo-se de promorer novamenle, em sessio
de 5 de ferereiro prximo, a compra, para os na-
vios da armada e arsenal de marinha, de 200
navalbas de marinheiro, 2,000 libras de tinta
branca de zinco, e 2 leoges de ferro de 1 1/2
polegada de grosso, 4 ps e 8 polegada de lar-
gura, bem como fazer-se o contrato concernente
ao fornecimento al margo prximo de cal prela
e braoca para as obras a cargo do arsenal de
marinha; camisas de algodiosioho branco, e
saias de algodio azul, para as africanas livres ao
serrigo do mesmo araenal; camisas e ca'.as de
algodio azuL-psrd us imperiae rrannheiros, e
aptenaizes ditos; convida o cooselho aos pre-
tenderes quer a urna como a outra couss i
apresentaremeuas propostas, em cartas fechadas,
oaquelle dia at s 11 horas da manhia.
Secretaria do cooselho de compras navaes em
Pernambuco 30 de Janeiro de 1862.O secretario,
Alexandre Rodrigues dos Aojos.
Conselho administrativo.
0 conselho administrativo para fornecimento
do arsen'al de guerra tem de comprar os objectos
seguintes :
Para o hospital militar.
24 garrafas d'agua iogleza.
24 caixas de capsulas de copahiba.
16 libras de crmor de trtaro.
1 onga de centeio espigado.
, 1 libra de eraros da Iodia.
2 ooess de vergamots.
2 ongas de essneia delouro cerejo.
2 libras de folhasde belladona.
12 libras de tezes d'ouro.
14 libras de flos de Moho.
1 arroba de maoteig de porco.
12 vidros de oleo d maslrusso.
10 libras de papoulas. ,
12 garrafas de robe de La (Teclear.
Atsos martimo!.
Veode-se o biate Jaguaribe, doto, de pri-
meira vigem, a dioheiro, a praso, a troco do
escravos ou propiedades, o qual sena-se defres-
te do caes do Ramos : a tratar na ruta io Crease
oumero 14, toja.
Para a ilha de S.
Miguel
sahe com a maior breridade posslrel patacho
porluguez l.ima ; para o resto da carga o pss-
sageiros, traia-se com os seos Consignatarios Joao
do Reg Lima & Irmio.
COMPANHIA BRSLEIRA
DE
. ;? 18 A VAP0B.
E esperado dos portos do sel al o dia 19
do correte, o vapor Tocanlins, comnsaaoaoto,
o primeiro lente Pedro Hyppolito Duarte,
qual depois da demora do cosame seguir para
os portos do norte
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se
carga que o rapor poder conduzir a qual derera
ser embarcada no dia de sea chegada, eocesa-
mendase dioheiro a frete al o dia da sabida as
3 horas da tarde : agencia ra da Croa n. 1, es-
criplorio de Aotocio Luit de Olireira Azevedo
4 C.
Patacho porluguez Lima.
Os consignatarios do patacho portuguez liase,
scientficam ao respeitarel publico que se aio
responsabilisam por cootas coolrahidas, por na-
nhum dos officiaes do referido navio e que s se
responsabilisam pelos objectos que forem com-
prados com ordem por escripia dos aonuociae-
tes. Recife '29 de Janeiro de 1862.
Joao do Reg Lima & Iraio.
Para o Porto e Lisboa.
O veleiro e bem conheci lo patacho nscionsl
Beberibe, pretende aaguir com muila breridade
para os dous portos cima, tem parle de see car-
regamentoa bordo, para o reslo que lhe falta o
passageiros para os quaes tem excelleotes com-
modos trata-se com os (Seos consignatarios An-
tonio Luiz de Oliveira Afsevedo 4 C no sea es-
critorio ra da Cruz n. 1.
Para Lisboa
sahir com toda a breridade o brigue pertogeez
Constante, capitio Aoguslo Csrloe dos leis,
risto ter promplo a maior parte de sea carrega-
meolo, tem excelleatea accommodagea para
passageiros: trala-se com Manoel Ignacio de Oli-
veira & Filbo, no escriptorio do largo do Coreo
Ssnlo n. 19, ou com o capitao a bordo.
Para o Rio de Ja-
neiro,
segu com brevidade o palhsbote Piedede, ca-
pitio Jos Marques Vianoa ; para earga e pasee-
geiros, trsta-se com Caetaeo C. da C. Moreira di
Irmio, oo lado do Corpo Santo o. 23.
PJEA
ial,
or|J i do Exm/Sr. presi-
16 lo correnld, manda fa-
ada em 28:5579100 n.
em direiturs, o palhaboie Sania Cruz ; para
resto da carga e passsgeiros, trata-se coas Cae-
laoo Cysiacoda C. M., oo lado do Corpo Santo
numero 23.
Gear e icarac
No dia 8 de ferereiro o palhabole Sebralea-
se segu com a earga que lirer a borde; pera
carga e passageiros, trata-se com CaetaM Cyria-
co da C. M., no lado do Corpo Santo a. 23.
Cear.
Segu por estes einco dias por ter ji dous lar-
gos da carga, o palhahote eGaribaldi, capitao
Custodio Jos Vianna ; a tratar com Teas* Ir-
mos.
Para Lisboa.
Pretende seguir com muila breridade o relei-
ro patacho nacional Bebente, tena parte de s*
carregameoto prompto parao reslo que lhe bi-
ta trata-se com os seus consignatarios Anteas*
Luiz de Oliveira Azevedo & C, oo sea escripto-
rio ra da Cruz d. 1.
(COTMHItt
DAS
Nessageres imperiales.
No dia 31 de correte eapera-sa doe forte* do
sul o rapar francez Guienne, coasaa**e*to
Enout, o qual depois da demora do costo ese eo-
guiri para Bordeaux, tocando ees S. Tice***
(onde ha em rapor em correspoode*da eoaa C*-
re) e Lisboa.
A companhia eoearrega-se de segara* ia aser-
cadorias embarcadas a bordo doe tapona saetea
como tambem recebe dioheiro eijectes '* va-
lor com destino a Londres em transito **r B*r
deaux e Boulogoe.
Para as condiegoes, frete e pasaageas a tratar
na agencia.
. Pira o Porto.
Segu em poneos dias a barca Mrtaenen
Flor da Mata, por ter parle do seu csrreaaae*-
to prompto ; quem quizer csrregar o* tr(
sagem, dinja-ae ao consignatario do asa
seu escriptorio ds ra do Apollo o. 43
andar.
Para o Rio Grande do Sal
sahir com toda a breridade o maito Teleta* te-
tacho naciona Arapeby; recebe carga o oncea-
ros a frete. para o que trata-so eoaa sel Ig-
nacio de Olireira & Pilho, largo do Cora* Seos*.
escriptorio n. 19, oa con o capitio a bordo.
21 rldros graodes
duay
24 rldros grande
Raduay.
24 caixas de pilulas
50 rldros de xar
44 ?idroo.de xa
4 libras dd pe
QuM qolzer
as suas propostas em
rompto all
ente renora
dor de
rbica.
Lisboa.
Sahir em dias do correle mea o atlgae bra-
silero Norma, d< irimeira classe, aere aem
pleto de seu carregameoto apeaaa lhe taita!
accos : trata-se coi* Domingos ferretea
rus do Apolla n.
Para o Bio Grande do Sal preteao
com breridade o patacho G.arany, i u
recebe carga a frete, c ,-,,,
mesmo quizer csrregar pode' entceder-eMeoa oa
Oonslgnatarios Amorimlrmoa, rae da tJrtz *-
ero 3.
Porto.
Segu I brigue portagu
para o reate da
s aprelellejCunhalrmioa^
da oa secretaria "ou com o caplti
.i.
AA

t
i




\

1 Grande labora toril
Para a BihU segu > palhabote cSnto A orno,
para alguma pouca carita que Ibe falta trata-se
cora seu cooiignatsno Francisco L. 0. Azevedo,
ua na da Madre de Deus o. 12.
COMPAF BOCANA
DI
Navegado costera a vapor
O vapor Jaguaribe, comraandanle Lobato,
sahir para os portos do sul de aua escala no
dia 1* de fevereiro as 5 horas da tarde.
Recebe carga at o dia 31 ao meiodia. Kocom-
mendas, passageiros e diubeiro a (rete at o dia
da sabida as 2 horas : escriptorio ao Forte do
faltos d. 1.
GOMPANHIA PERNAflBUCANA
DS
Navegado costeira a vapor
Parahiba, Rio Grande do Norte, M
cau do Assu', Aracaty Ceara',
Acaracu' e Granja.
O rapor Persinunga com mandante Moura, sa-
hlr para os portos do norte al a Granja no dia
5 de fe*ereiro as 5 horas da tarde.
Recebe carga al odia 4ao. meio dia, eocom-
ineudas, passageiros e dinheiro a (rete at o dia
da sahida as 2 horas : escriptorio no Forle do
Mallos U. 1.
Rio de Janeiro
O veleiro e bem conhecido brigue nacional
Damao pretende seguir com muita brevidade,
lamparte desea carregameoto promplo ; para o
resto qae Ibe (alta, traia-se com os seus consig-
natarios Antonio Luiz do Oliveira Azevedo & C.,
uoseu escriptorio roa da Cruz n. 1,
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
HWHIS L WflDl.
Al o dia 3 de fevereiro esperado dos portos
do norte o vapor nacional Paran, commaodan-
te o primeiro-teneote Joaquim de Paula Guedes
Alcanforado, o qual depois da demora do costu-
meseguir para os porlos do sul.
Desde i recebem-se passageiros, e engaja-se
a carga que o vapor poder cooduzir, a qual de-
ver se embarcar no dia de sua chegada, dinhei-
ro a frete e eocommendas at o dia da sahida i
3 horas da tarde : agencia ra da Cruz n. 1, es-
criptorio de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
&C.
Rio de Janeiro
Pretende seguir com muita brevidade o patacho
nacional Capuan, lem parle de seu carrega-
meoto promplo : para o resto que Ihe (alta, tra-
ta-s com os seus consignatarios Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo & C., no seu escriptorio ra da
Cruz o. 1. '
Laudes.
LELO
Segunda feira 3 do corrate.
Era continuacao ao do dia 29 do
mez prximo passado.
O agente Pinto far leilao s 10 horas do dia I
cima mencionado, do resto dos objectos perlen- !
cenes ao Sr. Thomaz Harrisson existentes no ar-
mazem da ruado Imperador n. 73.
Nesta msma occasio
vender tres excelleotes lustres, globos, arande-
las, cadeiras e outros objectos perlencenles a
urna sala de dansa.
lira lempo declara-se aos arrematantes que
serio obrigadoa a relirarem seus lotes em 2i
horas viato tsr-se de entregar as chaves do re-
ferido armazem no dia 5 do correlo a quem as
empreslou.
Esplendido Jeilo
DE
Completas raobilias de Jacaranda' e
amarello com tampos de marmore,
ricos espelhos com molduras doura-
das, apparadores, lavatorios, corti-
nados, crystaes, quadros e outras
muitas pegas avulsas de apurado
gosto.
larga-feira 4 de fevereiro as 11
/loras em ponto
.\o primeiro andar do sobrado da ra
da Cadeia do Recite n. 60, entrada
pela ra da Senzala Vclha.
O agente Guimaraes autorisado pela madama j
Margarida Leonsrd que se retira para o Rio de
Janeiro, far leilao em sua casa de residencia no
lugar cima, de tolos seus bons movis cima
declarados. O referido agente cooa ainda ter
occasio de agradecer a proteccao de seus ami-
gos e fregueses e do respeitavel publico pelo que
compromette-ae bem os servir como costuma.
Terminara' o leilao
com lindas jolas de ouro de apurado gosto.
CoDtinuafao do leilao
reaT
Costa Carvalho continua hoje com o
leilao da loja de iazendas. da ra do
Cabttg n. 8, sein reserta.de preco.
vagenu
Os donos dos nmeros abaixo declarados Po-
dero mandar bsrcr que esto pronotes : 256,
S6.27t.S3. 171,163. 158. 43. 35/130. 72.
|88, 9. 1S2. 195. 305. 315, 323. 178, 246. 218.
150 28MJB19.186.181, 88, 74, 179.
Grande laboratorio a vapor de lavagem
de roupa.
Preeisa-se de um homem para receber, entre-
gar, conferir e marcar roupa dos esiabelecimen-
tos pblicos, etc., o qual dar garanta sua
conduela, e perceber por anno 6009 de salario :
para tratar, na casa de baohos do pateo do Carmo.
ASSOCIAIJIO'
Fraternal e de Auxilios
DOS
ASUSTAS FERRE1ROS
EM
Pernambuco.
Nao tendo os seohores socios se reunido ha
mais de seis mezes, nao obstante haver se con-
vidado differenles vezes allm de tratar-ss de sua
continuacao oa dissolucao, e sendo indispensa'el
quealgumas medidas a ease respeito se ettabel-
lecam afim de nao resultar desgostos, convido,
portaoto, aos seohores socios por mais esta vez,
para que se dignem de comparecer domingo 9 de
fevereiro, pelas 9 horas da maoha, na casa de
n. 95da rna Imperial, para o referido lim.
Reclfe 29 de Janeiro de 1862.
A. J. Themoleo.
Manoel Alves Guerra sacca sobre o Rio de
Janeiro.
O abaixo assignado declara que tendo-se
desencamiohado de seu poder um tica da quan-
lia de 1500, passado ao annanciaote pelo Illm.
Sr. Joaquim de Mello Lopes Perreira, e vencido
em 15 do correte ; hoje se acha j pago e salis-
feiio da referida quaolia, pelo que ca sem valor
algum o supra-citado titulo, caso porventura ap-
pareca, o que taco publico para que se nao oll'e-
rega duvida alguma oara o futuro. Engenho Cu-
tegi da fregueziada Escsda 16 de Janeiro de 1862
Francisco Gomes Bezerra.
A pessoa que se apresentou com um an-
nuncio, defendeodo ao cabocolo Manoel, (se que
nao seja o proprio autor do furto do relogio n.
11744-5080), respondemos que talvez na boa (
esteja fazendo urna defesa illicita, por quaolo o
mesmo Sr Dr. Abreu Lima, a que se refere, sen-
do que a pedido do mesmo cabocolo, se apresen-
tou na casa em que deu se o furto, ua pretenco
de defeude-lo, tendo as ioforaiacoes as mais ca-
baos acerca do furto, promptamenle devaoeceu-
se convencido da aeco do ratooeiro, que se nao
fosse lo criminoso, cortamente nao fugiria, dei-
xaodo todo o seu trem, bahs, etc., na referida
casa, para a qual al esta hora nao voltou, sendo
certo que se quizer pr-so a par da verdade, com
as proas Ucar por ellas convencido.
O Sr. Vicente Perreira da Costa Jnior, do
Rio Grande do Norte, hoje nesta praca, tem urna
carta para se Ihe entregar ao Sr. Domingos Hen-
rique de Oliveira, no largo do Carmo n. 9.
Avisa-se ao Sr. Joo Bernardioo Nunes Ri-
beiro, que do 1." de fevereiro em diante tica pa-
gando juros de 2 por ceolo ao mez da quanlia
que ticou devendo do arrendamento do sitio em
que morou na Pirauga, porque nao possivel
que se possa ter com o mesmo seobor oais con-
lemplaces. Recife 30 de Janeiro do 1862.
francisco Carneiro Machado Rios.
Aluea-se aloja do sobrado n. 15,
na ra da Imperatriz, propria para
qualquer estabelecimento commercial:
a tratar no mesmo sob' ado, ou na ra
da Cadeia do Recie, escriptorio n. 3.
Um cavalheiro, solteiro estudante
de boa posicao e conducta, deseja en-
contrar perto da academia urna peque-
a familia para viver com ella, informa-
rao na ra do Trapiche novo n. 6.
Francisco Mara HennquesFerreira.cidadao
brasileiro, relira-se para a Baha.
Manoel da Silva Neves, juizde paz em exer-
cicio do 2." distncto da freguezia do Recife, par-
ticipa a quem convier, que conlina a d*r au-
diencia as quartas e sahumos, as 4 horas da
larde.
Precisa-se de urna pessoa para cuidar em
tres cavallos : no sitio da Capunga velha, no
porto do Lassero, sitio que foi do Sr. Wanderley,
das 4 horas da tarde at as 8 da manhaa, ou na
ra larga do Rosario o. 2, se dir quem das
9 horas da manhaa s 2 da tarde.
Para o t\m. Sr. ministro do imperio
ver.
Pergunla-se aos seohores profesiores do col-
legio das arles, se elles podem continuar a ensi-
nar particularmente vista do art. 58 do regula-
menlo de 28 de abril de 1854, que rege as facul-
dades de direito do imperio, e que Ibes prohibe
expressamente semelhante esioo, pois publi-
camente notorio que siguas desses profesores
cootinuam a leccionsr particular desde o princi-
pio do anno passado, laes como o professor de
ltiro, o de francez, e oite philosophia. Isto de-
seja saber0 arguenle.
Aluguel.
Aluga-se o segundo andar do sobrado da ra
eslreila do Rosario que volta para a ra das Trio-
cheiras, com muitos commodos : quem preten-
der, dirija-so ao pateo do Livramento n. 31, se-
guado andar.
Precisa-se de um amassador de pao e bo-
lscba que eoleoda perfeitamente deste fabrico ;
o que se acbar as circumstancis3 de responder
oor este servico, pode dirigir-so a ra larga do
Rosario n. 16, padaria, que achara com quem
tratar. O proprietario deste estabelecimento inda
tero 25 a 30 terrenos com 30 palmos de frente e
150 de fundo pars dispdr no 2. quarleiro por
delraz da ra da Concordia do bairro de S Jos.
Precisa-sede um caixeirucom bas-
tante pratica de miudezas, e que d fia*
dor a sua conducta : a tratar na ra da
Cadeia-Vellia, n. 4b.
INTIMA
Tendo sidef interceptada a venda das
j^ossas loferias na corte do Rio de Janei-
ro, e nfto podeudo esta nossa provincia
o por si comportar j loteras do capi-
tal das entao existentes pelo motivo da
venda que aqui se faz de grande quan-
tidade de bilhetes, que por negocio
ainda que illicito nandam vir daquella
corte, resolveu o abaixo assignado pro
por na forma da lei ao fixm. Sr. prest*
dente da provincia, o plano abaixo trans-
cripto para as extracoes das nossas lote-
ras, o qual foi approvado: e na ver*
dade aquello que pode fazer e que mais
possa agradar ao respeitavel publico,
as circumstancias actuaes nao so por
estarem suas sortes grandes em propor-
cao com o valor dos bilhetes. como por
conter ainda mais de urna terca parte de
premiados. A lotera que segundo a
tabella deve ser extrahida e' a quarta
parte da primeira, a beneficio do Gym*
nasio Pernambucano, os bilhetes e quar-
tos e meios bilhetes, acham-se a venda
na respectiva thesouraria na ra do
Crespo n. 15, e as casas commissiona-
das. As rodas andarao impreteribel-
mente no dia 6 de fevereiro.
PLANO.
4000 bilhetes a 49.............. 16:000^000
Beneficio e sello de 20 por cenlo. 8:200000
DIO IHCOMPARAVEL
UNGENTO HOLLOWAT
nares da individuos da todas as nacCe
pdeos testemunhar as virtudes desieremedio
incomparaveleprovaremciso neces9ario,que,
pelo uso que delle fizeram tem su*)orpo
membrosi aijirsmentesosdepoide hsve i .em-
pregadoinuttlmentt outrostretamentos. Cad>
pessoa poder-se-haeonventer deesas curas m*
ravhosas pala lei tura dus peridicos, quelh'u
relatara todos os das ha muitos annos ; e tj
maior parte deltas sao lo sor prndenles que
admirara os mdicos mais celebres. Quantai
pessoas recobraran) com este soberano remedio
o uso de seus bracos e pernas, depois dedur
permanecido longo tempo nos hospitaes.o tea
deviam soffrer a amputajo 1 Dallas ha mu*
casquelavedodeixadoesses, asylos depade-
limentos, parase nao submeterem aessaope-
ra$o dolorosa foram curadas complettmente,
mediante o uso desseprecioso remedio. Al-
gumas dastaes pessoa na enfusao de seu reco-
ohecimento declara ram estes resultados benfi-
cos diante do lord corregedor e outros magis-
trados, afimde ais autenticaren] sua afirma-
tiva.
Ninguem desesperara do estado desaude si
tivessebastante confianja para encinar este re-
medio constaniemenleseguindo algum tempo o
tratamento que necesstasse a natureza do mal,
cujo resultado seria provarincontestavelmente.
Que ludo cura.
O ungento he ntil, mais particu-
larmente nos seguintes casos
CQMPANHIADA VIA FRREA
DA
Recife ao Sao Francisco.
LIMITADA,
AtteDco:
Nos domingos e das santos at outro aviso ai
passagens de ida e volta, no mesmo dia, das
Cinco Pootas a Escada seio pelo prego das sin-
glas, a saber:
Ia classe 6},j()0
2a 48500
3a
3JM100
Liquido.
1 Premio de............ 4:000
t Dito de........ 2:0008
1 Ditodo................ 400
1 Dito de............ 2003
12:8005000
3 Ditos de 1008........
6 Ditos de 40........
13 Ditos do 209........
40 Ditos de 88.........
1270 Ditos de 49........
1336 Premiados.
2664 Braocos.
30OS
2*0
260|
320
5:0808
12:800000
4000 Bilhetes.
N. B. As sortes maiores de 400#, esto
sujeitat aos descontos das leis. Thesou-
raria das loteras, em 20 de Janeiro de
1862. O thesoureiro, Antonio Jos
Rodrigues de Souza.
Conforme-'- Francisco Lucio de Cas-
tro.
Gabinete porlugnez de
Leilura.
Do ordem do Illm. Sr. presidente do eooselho
deliberativo sao convidados os seohores coose-
Iheiros a reunirem-se em sossao ordinaria, sel-
la feira 31 do correte, i 6 horas da larde, na
sala das sesses do mesmo Gabinete.
Secretaria do Gabinete Portugaez de Leilura
eml'ermbuco 11 de Janeiro de 1862.
M. S. Piobeiro
1. secretario.
Ama.
Precisa-se de urna ama para o servico de urna
casa de pouca familia : na prsca do Corpo Santo
n. 17.
E. A. Ryder vaipira Europa.
AGITAD DYMIICO
1)0 DOUTOR
Alporcas
Caimbras
Callos.
Aneares.
Cortaduras
Dores de cabega;
das costas.
dos meabros.
Enfermidades da c
em geral.
Ditas de anus.
Erupees escorbticas.
Fstulas no abdomen.
Frialdade ou falla de
calor as extremida-
des.
Frieiras.
Gengivas escaldadas.
I n chaces.
Inflammacao doNtRado.
A partida dos trens ser como de costume, de
manhaa das Cinco Ponas as7 horas e 30 minu-
tos e de larde da Escada as 4 huras.
Assiguado_E. II. Bramah,
Superintendente.
Ra das Gruzes n. 4,
fabrica de charutos," veode-se charutos a 15ft|o
milheiro, de fumo da Baha, velas de composi-
cao a 11 a arroba, e em porgo faz-se abali-
mento; afianca-se a boa quolid*de.
Altercan.
Precisa-se alugtr ame c Ha
paraseis pesaoa rro de. Sanie A*ie>,
preferindo-ee lelH fjaintd, qae sea !-
guel nao eiceda de MlSfe 359 Pr > : ejawei
tiver annoncie por este Diario, o (alie s>a ras)
larga do Rosario o| 90, loja de funileire.
Venoeo-ae quatro casas terreas
cd*de de Olinda, sendo atma na ra
confronte o oitao da eapeHa.teAorainad
cosa seu quintal, das na rtUb'i i
dade junto ao 01:80 da S, com aeue col
sitios, e outrs no Destino, em Santa Taern*,
um terreno sito sms B*>rlioRM que toreas
seohor Antonio Jos Coelho : quem a*
der, po'ie dirigir se ao Porte 4o MaJtM' 10,
que achara com qo<>m tratar. "
Vende-ee a loja de miudexas amie Ca>-
bug n. 2 B: queso a pretender, dirija-te a ase
ma ra o. 4, que achara coro qaeaa tratar
1
Urna excelente escrava.
hoje.
1 Joaquim Mara Pereira Vianna, relira-se SI
9 pira o Rio de Janeiro. %
Tem urna carta
o Sr. Joaquim Mara Peieira Vianna no escrip-
torio de Almeida .Gomes, Alves & C, ra da
Grnz n. 27.
9





0 bacharel Wituuvio pode ser procurado na ra Nova 0. 23,sobrado da esquina que volta para a cambojd Carmo.

:
<****** *
Para a preparaco dos medica-
mentos homeopalhicos.
Os medicamentos preparados por esla machina
sao os nicos, com que se podem contar no cu-
rativo das molestias perigosas. E como seja o
CHOLERA MOKBUS ama d'aquellas que nao
admitiem deloonas e experiencias, cumpre pre-
ferir esses medicamentos a outros quaesquer, se
quuerem tirar da homeopalhia os ventajosos re-
sultados que ella assegura.
Acham-se a.veoda carleiras e meiis earleiras
especiaes contra o cholera, acompaohada das
competentes insiruccei, pelos presos conheci-
dos. na pharmacia especial homeopathica, ra
de Sanio Amaro (Mundo Novo) n. 6.
n. B. Os homens de bom senso reconhecem
certamenie que sendo o Dr. Sabino a foole pura,
d'onde emanou a homeopalhia em Pernambuco
e em todo o norte, elle o nico immediata-
mente ioteressado no seu crdito e no seu pro-
gresso, e por conseguinte lo somonte nelle
que se pode encontrar garantas, quer em rela-
co applicacao da scieocia no curativo das mo-
lnilias, quer em rela$o preparaQo dos me-
dicamentos.
Na pharmacia do Ur. Sabino trabalham cons-
tantemente debaixo 1e suas vistas immediatas,
nos lempos ordinarios, dous em pregados" [um
brasileiro e outro francez quem paga ordena-
dos vanlajosos), os quaes sao ajudidos por .mais
tres ou cinco pessoas, quando o servico o exige,
na deslillaco do espirito de vioho e d agua, no
manejo das machinas, na desecaco dos glbu-
los, na distribuicao das dilul^c-es etc., etc. -
E' evidente que para o Dr. Sabino exercer a
homeopalhia, como geralmente a exercero, e
preparar medicamentos como por ahi preparara,
neto eram precisas tantas despetas com o pes-
soal, com machinas e com a obtenso das subs-
tancias as mais puras possiveis, e nem tanta vi-
gilancia e trabalho na preparadlo dos medica-
mentos ; mas elle nao se cooteota com o bem,
queja tem feito, dando homeopalhia 1 nopu-
Uridade de que goza: elle quer eleva-la ao
maior grfio de perfeicao dando aos seus remedios
a maior iotallibilidado possivel em seus effeitos
O Dr. Sabioo nao aspira somente os gozos ma-
teriaes da vida ; elle se desvanece em ler noa li-
vros estrangeiros que a sua propaganda em Per -
natnbuco\foi lo brilhante que nao tem na Eu-
ropa nenhuma analoga (JORNAL DE MEDICI-
NA HOMEOPATHICA DE PARS, tomo 4.', pa-
gina 691 ; e CONFERENCIAS SOBRE A HOMEO-
PATHlA, por Granier, pagina 102); mas a sua
ambicio muito mais elevada : ella sa dirige a
legar as geraces futuras um nome estimavel
pela gnvidade o importancia dos seus semeos,
pela sinceridade de suas convieces, e pela fir-
meza do sau carcter.E' por issn, e para aso
que elle trabalha ; e trabalha muilo...
O Dr. Sabino procura e deseja a eslima dos
homens sensatos; aos zoilosdeixa elle a liber-
dade de mord-lo a sua vonlade.
InllammaQo da(bexiga
da matriz
Lepra.
Males das pernas.
dos peitos.
de olhos.
Mordeduras de replis.
Picadura de mosquitos.
Pulmes.
Queimadelas,
Sarna.
Supuracoes ptridas.
Tinha, em qualquer
parte que seja.
Tremor d ervos.
Ulceras na bocea.
do ligado.
das aniculares.
Veias torcidas ou no-
das as pernas.
Vende-se este ungento no estabelecimento
geral de Londres n. 244, Strand, e na loja
de todos os boticarios droguista e outras pes-
soas encarregadas de sua venda em toda a
America do sul, Havana a Hespanha.
Vende-se a 800 rs,, cada bocetinha conlm
urna instruccao em portuguez para explicar o
modo de fazer uso deste ungento.
O deposito geral em casa do Sr. Soum,
pharmaceutico, na ra de Cruz n. 22, em
Pernambuco.
Dentista de Pars.
15Ra Nova15
FradricGautier,cirurgiaodentista,(az'
todas as oparaces da sua arte ecollocs
dentesartificiaes, tudocom a superiori-
dad! apar faico que a pessoa entendi-
das lhereconhecero. 9
I'ea iguae psdaatifricios tc.~
9*5 fiH i^895M8fiNQIHW6IIMIQI$M
STSTE MA MDICO HODELLOWAY
PILULAS HOLLWOYA.
Este ioeslimavel especifico, composto inleira-
uiente de hervas medicinaes, nao conlm mercu-
rio nem alguma outra substancia delecteria. Be-
nigno mais lenra infancia, e a compleico mais
delicada, igualmente prompto e seguro para
desaneigar o mal na compleico mais robusta;
enlegmenle innocente em suas operagoese ef-
feitos ; pois busca e reraove as doencas de qual-
quer especie e grao por mais antigs e lenazes
qu1 8ejam.\
Entre mimares de pessoas curadas com este
remedio, Quilas que j estavam s portas da
morte, preservando em seu uso conseguirn)
recobrar a saude e lorias, depois de haver tenta-
do intilmente todos os oulroS remedios.
As mais afflictas" nao devenj entregar-se a des-
esperado; fac,am um competente ensaio dos
efficazes effeitos desla assembrosa medicina, e
preces recuperaro o ben/icio da saude.
Nao perca lempo e/a tomar este remedio
para uer das seguinles enfermidades:
Indemnsadora,
A direeco da companhia de seguros martimos
Indemoisadori, convida osSrs. accionistas a reu-
oirem-se em ssspmbla geral no respectivo es-
criptorio no dia 25 do correte pelas 11 horas da
msnhs para os iios designados no art. 40 dos
estatutos e proceder-se a approvaco das trans-
ferenciaa de acc,ea ltimamente reahsadas. Re-
cife 22 de Janeiro de 1862.Os directores,
Joo da Silva Regadas.
Jos Jacomo Tassn.
Francisco Joo de Barros.
Lava-se
e engomma-se com todo o aceio e proroptidao,
preferindo-se roupa de seohora, na ra Augusta
o. 100:
Na ra do Livramento n. 7, primeiro so-
brado, alugam-se dous quarlos por prego muito
commudo : quem pretender dirija-se ao mesmo.
CONSULTORIO ESPECIAL U0ME0PATH1G0
DO DOUTOR
n SABINO O.L. PINHO.
Ra de Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
Consultas todos os das uteis desde as 10 hora
il meio dia, acerca das seguiutes molestias :
molestias da, tnulheres, molestias das crian-
cas, molestias da pelle, molestias dos olhos, mo-
lestias syphiliticas,todas as especies dt febres,
febres intermitientes e suas consequencias,
PHARMACIA ESPECIAL HOMEOPATHICA.
Verdadeiros medicamentos homeopalhicos pre-
parados som todas as cautelas necessarias, in-
alliveis cm seus effeitos,tanto em tintura,como
em glbulos, pelos presos mais commodos pos-
ilvais.
N. B. Os medicamentos do Dr. Sabino sao
nicamente vendidos en? sua pharmacia; todos
que o forem (ora dola sa o falsas.
Todasaacarteiras sao scompaohadas de um
lmpresso com um emblema em relevo, tendo ao
redor as seguintes palavras: Dr. Sabino O. L.
Hioho, medico brasileiro. Este emblema postc>
Igualmente na lista dos medicamentos que se pe-
de, Ascarteiras que nao levaremesseimpresso
assim marcado,emboratenham natampa o no-
me do Dr. Sabino ao falsos
Precisa-ae urna ama, preferindo-se escrava:
no pateo do Terco n.26.
Precisa-se fallr ao Sr. Joo da Silva Dujr-
te, na ra Nova n. 7.
Precisa-se de urna ansa qae
e fazer a compra : na ra Nova o. 67.
Aluga le um sitio na Soledade,
muito bem afranjado, com ptima
casa, coxeira, estribara etc. etc. Ott
pretendentes queiram dirigir se a ter-
ceira casa, passando a ponte pequea
da passagem da Madaglena.
- O Sr. Julio que tere botequim,
queira vir a esta typographia, a nego-
cio. *.
UKm Nova36
4Em ca.'a de J. Bnnn*fond veode-se correales
fuhados a 7, 8 e 10, n>lngioa de praU vm-
rados a 10, 15, 20 e 25. afflanca-se a nali-
dade.
Compra-se urna escrava de mcia tffrlraao
cosinhe o diario e faca o mais arraojo da *
casa : na ra da Paisa n 23.
D. Mana dos Anjua da Silva lavare*, Blha W-
Riiima do Sr. Vicente Jos da Silva Tav subrioba legitima do R*m. coo*go da S da La-
mego o Sr. Dr. Bernardo Joc da Silva 1 arasj,
avisa ao aonuncianle do Diario de Pernmmbmc"
o. 140 de 19 de jnuho de 1861 que se acha ca-
sada com o Sr. Manoel Gong.lves Tlls. pre-
sentemente residiodo na Barra Versaelka fr*>c-M-
zia de Afjgados, se o dito aonuncianle oa algaasa
por elle tiver algum negocio pode dirigir-) ao
dito lugar a tratar rom a mesma on oa bita sa
casa do Sr. Francisco Gnngalves S#r*ioa avara-
dor nos Afog.oos que far as miabas vetes. Ber-
ro Vermeiho 30 de Janeiro de 18B2.
alaria dos Ar.jos da Silva lavares.
Aluga se um armazem na ra alo carada)
Apollo n. 7 : a tratar no paleo de S. Pedro a. %,
Precisa-ge de um caixeiro de idade e 12 a
14 annos, prefere-se os mais novoa cbegaaa* a
tratar no paieu de S. Pedro o. 6.
O bilhele n. 1278 na quaita parte 4* pri-
meira lotera para a ediOca;ao da cata a> ttyes-
nasio Peroamburano perlcoco ao Sr. JaaajffJaa
Ju- Alves, do Porto; andaos as rodas Bevaaf
fevereiro prximo.
c
de
Ensiiio de linguas
9m
EM 0 MEZES
s
/
I
Aceid epilpticos.
Alpoi .
A1111 S.
Areiaf ( mal de)
Asthml.
Cotas.
Convulses.
Debilidide ou exletoua-
ijo. /
Debitidade ou falla de
torgas para (|ttaiiiuer
cousa.
Desinleria.
Dor de garganta.
de barriga.
nos rins.
Dureza no ven ira.
rlnfermidade no ventre.
Ditas no 6gado.
Ditas venreas.
Encbaqueca.
Herysipela.
Febre biliosa.
Aviso.
PELO AGENTE
-l-^r
GU1MARAES.
..... .. no exerccio de juiz de paz do 1.* dialricto da
sem reserva ae ffef0ezia de Santo Antonio, e despacha das 8
eogommae horada maoha por diante em ca* de sua re-
ferido agente (ara leilao
preco, de urna escrava que lava,
sinha o trivial de urna casa de familia, moca e
de oa figura, em seu armazem na ra do Im
perador o. 37, as 12 borai.
^Tersos.
- -
bototo, ctdadao brasileiro
aiira-ie para o dio da Janeiro.
Os abaixo a>inados .parlicipam aos apaixona-
dos do cal{ad 1 inglez, e particularmente aos seus
freguezes. quetmram pHo vapor Oneida ni-
camente 100 pares doa afamados borzegnins in-
gleses, que de a muito costumam vender em sua
loja na ruada Cadeia n. 32, pelo baratsimo pre-
co de 12 o. par.Campos & Pereira.
O capillo Jos Luiz Pereira Jnior acha-se
brelo da especie.
Gotia.
lleraorrhoidas,
Hytropesia.
Ictericia.
Indigestoes;
Infla mraaces.
Irregularidades de
raenstruacao.
Lombrigas de toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na culis,
\bsirurrao do ventre.
Phtysica ou consurap-
Qo pulmonar.
Retuncao de ourina.
Rheumatismo.
Symptomas secundarios.
Tumores.
Tico doloroso,
Ulceras.
Venreo (mal)
Retratos de noo
Retratos de novo
Retratos de novo
Retratos de novo
Hawleyotypo nova
Hrwleyotypo nova
Ha-Afleyolypo nova
Hawleyotypo nova
Hawleyotypo nova
or.dia
Fdenci* na ra Nova n. 7, segundo andar, ou
sonde for encontrado. As audienciaa contiouam
a ser as terease Mitas as 2 horas da tarde, na
gala dos auditorios.
No lia 3 di fatP orincipiam os traba-
Ihoa lectivas do avainasio provincial de Pernam-
buco. Bo de 1862.-0 wix*\*-
rio.A, A.QmF^
Atso.
Precisa-se alugar um sobrado de um andar em
qaalquer doa dous bairros, Santo Antonio ou S.
Jos, que leoha commodos suffecientes para urna
familia, paga se bem: quem tiver diriia-ae a ra
Augusta n. 92, ou no passeio loja n. 11, para
ajuslar.
Na Iravessa da ra do Vigario n. 1, deieja-'
se saber onde mora Joo Jos dos Ramos, a ne-
gocio de sea ioteresse ; bem como tem cartas
para os Srs. Jos Pereira Coelhu e Francisco Ra-
bello Muoiz, todoa filhos da ilha de,S. Miguel.
Precisa-se de 3:000 a premio sobre hypo-
theca em bens de raiz que garante sufficiente-
monte : a pessoa que convier decUraaam carta
fechada nesta typographia com aaaflfeiaes A. I.,
ou annuncie. ^ ***. nv
Precisa-se de um menino portuguez de 10
a 12 annos para caixeiro de urna ja oa villa da
da : guem preteaier, dirija-aaiPcae do Ca-
i u. l.
Febre intermitente.
- Vendem-se estas pilulas no eslabelecimeulo
geral de Londres n. 224, Strand, e na loja
de lodos os boticarios droguista e outras pessoas
encarregadas-de sua venda em toda a America
do Sul, Havana e Hespanha.
Vendem-se as bocetinbas a 800 rs., cada
urna dallas conten urna instruccao era portu-
guez para explicar o modo de se usar destas pi-
lulas.
0 deposito giaal em casa do Sr. Soum
pharmaceutico, na ra da Cruz n. 22 em Per-
nambuco.
Gabinete medico cirurgico.g
Ra das Flores n. 57.
Sero dadsacouss.Uas medlcas-cirurgi-
caa pelo Dr. Eitevo Cavalcanti de Albu-
querque das6 ai 10 horas da manha, ac-
1 cudiodo aos chamados com a malar bre-
1 vidade possivel.
! V Partos.
I 2. Molestias de pelle.
I 8.* dem do olhos.
4.* dem dos orgoa'aenitaes.
[ Praticartoda equalquer operago em
t seu gabinete oa em casa doa doantea con-
forme ibes (dr mais conveniente.
RETRATOS
DE
NOVO GOSTO.
gosto
gosto
gusto
gosto
invengan
invenclo
invengao
invenco
invenco
Precos baixado para pouco
tempo.
Precos baixado para pouco tempo
Precos baixado para pouco lempo
Precos baixado para pouco lempo
Precos baixado para pouco tempo
3S000 5^000 10#000 20J0OO
3*000 58000 lOOnO 20000
3000 5000 108000 208000
33000 58000 10/000 208004
38000 5000 lOaOOO 208000
; Para retratos
Para retratos
Para retratos
Para retratos
Pars retratos
Explendido quadros dourados
Fxpleniido quadros dourado
Explendido qQadros douradns
Expleudido quadros dourados
Explendido quadros dourados
Vende-se machinas para re-
. tratos.
machinas para
machinas para
machinas para
machinas para
de lindos
lindos
lindos
Itndos
lindos
venham
venham
venham
venham
venham
retratos
retrstos
retratos
retratos
gostos
gestos
gostos
gostos
gostos
ver
ver
ver
ver
ver
Vende-se
Vende-se
Vende-se
Vende-se
Caixas
Caixas de
Caixas de
Caixas de
Caixas de
Todos
Todos
-Todos
Todos
Todos
Vestidos pretos mais pruprios
Vestidos pretos mais proprios
Para tirar retratos
Para tirar retratos
A. W. Osbof ne retratista ame-
ricano
I A. W. Orborne retratista americano
Ra o Imperado^
f|fcua do |a Imperador*
p Aluga-se a sala da (rentada segundo andar
da casa da roa do Yigario u. 55 : a tratar oa
tierna*
l^Ilaliauo!i i infrancez,
:';-. Pelo mclhodo facillino m
^ 1)0 0CT0B
1. oiiasitiirif. S
f^ Ra do Queiuiadoxi. 26. A
Aos portuguezes.
Acaba de ebegar a ra do Qaiaaado. loja a
n-iiuoezas o. 51, o retratos da faraute real pot-
tugueza. A occasio opportuoe a>ara em parta-
uezes amantes da monarchia ornar** tajaa salas
enm os quadros de lio llu-lres principe. Site
l'oucos e o preco 6 diminolMsimo es rlso a
estima que geraln ente se tributa aoa augusta*
descendentes ds finada rainha de Portugal a se-
nhora D. Hara II.
Attencao.
a*
Est fgida de.'de a farde de 17 da corrate a
preta criouls de nome DeiOoa, da estatura rega-
lar e bastante rhoia do corpo, (rna por caalsta*:
*ender agua dos chafarizes dos bairros do S*ate
Antonio ou S. Joa desla cidade, bem coato atar-
te de carrapato tudas as lardea, aeooiecenote qa
na em que fugio levou comsigo no competente
flandres urna e mcia caada d'aquello aseite
sendo esta a primeira vez que sa ausroioa ate
casi a referida preta, julga se qoe estar telvos
ociulla ou mesmo ooenie em a'guin lugar a por
isso roga-se as re*prcii de campo e mesmo a qu>lqoer pessoa qae a ca-
nhecer a sua aprehengo roandandu-a entregar a
Francisco Antonio Correia Cerdoso, oa rae ate
Brum na. 82 e 84, que se ariitj-*r beta.
= Antonio Silvino da Coila Braga poda oaaa
recidamente as aulori ladea policiaca o a aal-
quer pssoa quecoobe^am ao meaos sea saaci-
oho de nome Filippe, o especial obaeqaio da
prehende-lo e de cooduzi la a casa ote saa re-
sidencii, ra Augusta o. 85, por isso qoe o re-
ferido menor auseatou-se de sos companhia. O
menor tem os signaes seguiolas: representa te*
0 aonos, cor morena, algunas narras do texiga a
de pannos pelo rosto e pescoco, (all paasada a
Goa.
Vende-se a'rasa terrta da raa Velas o. M
a tratar na ra do Horario o. 86, defroate da raa
do Arago.
Manteiga inglezaflora
800 rs. a libra,
franceza a 640. toorinbo do Lisboa a 3J0, casis-
nhas a 900 rs., ervilbas a 100rs.. gonnado ara
ruta a 100 rs., se*adinha a 200 rs., alpiste s pata-
co a 160 rs. : na ra das Crasas a. 24, f*j*a
da Iravessa do Uuvidor.
Espirito de vinbo
de 38 graos a 1$600 a cana Ja ; as ros das Cra-
zes n. 24, esquina da traversa do Uuvidor.
Comprara se 600 lijlos de alveoeria aati-
da : quem tiver o quizer vender, poado-os ao
Recife, ra do Rangel n. 31, poda dingir-ss 4
mesma casa para itaisr.
Precita-so de 3:000$ por espaco da 11 asa-
zes, pagando-se os juros em querate, em asar-
me se conveneionar, daodo-sa por gariaca
predios nesta cloada livres a desrnaaracadas :
quem este negocio quizer fazer, asoaacie pata
ser procarsdo.
Diz a abaizo atsignsds, noradora ras na
de Aguas-Verdes n. 100, secaado andar, aja* as
pessoas qae enppnbaran objectos da arara a sa-
la do anno de 18.VJ en disnle, a qua art laaasaa
pago juros, h*j-m de vir tirar do praza ate 15
das, a cootar oeata dala, do coatraria Tcadsias
para mea pagamento.
. Uaria Joaquina das Marees.
Precisa-se de un caixeiro partagaas de 18
annos para cima, que leoha bastete pistara da
taberna : em Fora de Partea, ras da Pilar a. M.
Precisa-se de ata nolaqoo qae sirva aaaa
mandado : na raa da Aurora n. 44.
Monte Pi popular Per-
Bambocaio.
Nao se tendo reunido domingo 191) i
numero de socios pars baver aistea
do Illm. Sr. director pela srgaada V
cada a asiera bles geral pasa data baga S da fsva-
reiro prximo, afim da enVctsar-so
SecraUria do Moate Pi Papalar
no 29 de Janeiro de 186*.
Bemiamin do Ca asa i
l.asaaMal
Offerece-sa om neaiao aaa
qualqaar etubelarspeutu, netf
na a padaria ; na travessa d
andar, aa dir".
ade ama m
ated l
no bacca Larga
>
1

L\i it ii a r\r\


%;
i D6 JANBlftO DE U
fCOii
TRAL
GT110-MA.GNETICA.S EP1TSPASTICAS
Hirk
Para setjBm appcadas s partes affectadas
sem resguardo nem incominodo
islas Chapas-ELBcrso-MAGifETicAS-EPispASTicAs obiem-se urna cura radical e i-
udos os casos de inflammac.ao ( cansaqo ou falta de respiracao ), sejara internas ou;
m do figado, bofes, estomago, bago,, rins, ulero, peito, papitacao de corado, gar-
ganta, olhos, erysipela, rheumatUmo, paralysia e "todas as adeces nervosas, etc., etc. Igual-
mente para as diferentes especies de tumores, como lobinhos escrfulas etc., seja qual foro seu
tawaahoe profundeza por mei da suppurac,o sero radicalmente extirpados.
O uso deltas aconselhado e receiladas porjitbeis e distinclos facultativos, sna efficaia in-
conteslavel, e as innmeras curas obtidas o fazem merecer e conservar a confianza do publico
que j lem a honra de merecer, depois de 24 annos de existencia e de pratica.
As encommendas das provincias devera ser dirigidas por escripto, tendo todo o cuidado
do fazer as. necessarias explicaoes, se as chapas sao para hornera, senhora ou criamja, decla-
rando a era que parte do rorpo.existe, se na cabeja, pescoco, braeo coxa, perna, p, ou tronco
do corpo, declarando a ciciirofereocia: e sendo inchaQies, feridas ou ulceras, o molde do seu
famanho em um pedazo de papel e a declaradlo onde existera, afim de que as chapas sejao da
torma da parte affectada e para serem bem applicadas no seu lugar.
Pode-se mandar vir de qualquer ponto do imperio do Brasil
As chapas sero acompanhadas das competentes explicaces e tambem de lodos os acces-
orios para a oollocacSo dellas.
Consulta as pessoae que o dignarem honrar com a sua confiaBca, em seu esariptorio, que
3 achara aborto todos os dias, sera excepto, das horas da manha s 2 da tarde.
119 Ru do Parto
PERTO DO LARGO DA CARIOCA
m FABRICA
DO
Barbalho (Cabo.)
41-RU4 DO IMPERADOR-41.
Neste deposito existe grande quanlidade de louca e de todas as qoalidades, o que se podo
desejar de bem fabricado e de boa qualidade de barro, coma propriedade de coniervar a agua
sempre tria, como sejam jarras, resfriadores, muringues, qusrtinhas, garrafas, copos para agua etc.
De obras vidradas.
Tem ricos vasos para flore, lalhas, alguidares de todos os tamaohos, aisadeiras, boies
comtampo3 esem elles, paoellasparabater-seboloe, cagarolas, enfuzas, frlgideiras e muitas ou-
tras pegas que seria eofadonho mencionar.
... Propietario desta fabrica a primeira desle geoero entre us ospera obter do respeilavel
publico animacaoe concurrencia e para conseguir esse flm vende a sua louca mata barata do que
at aqui se venda nesta cidado.
Aprompta qualquer factura para exportar, alm dos pregos commodos porque vende d 10
por cento de abate para qoem comprar de 1009 para cima e deesa quantia para menos tero 5
por cento.
IDE
Citrolactato de ferro

m Maritata
==.-.
Qualquer encommenda pode ser entregue no deposito da fabrica ra do Imperador n. 41.
Para as encommendas ou informales dirijam-se a pharmacia de JosA'exandre Bibeiro,
ra do Qbeimadon. 15.
Injecco Brow
llemedio infallivcl contra as pnor-
lieas antigs e recentes. nico depo-
sito na botica franceza ra da Cruz n.
22. Preco 3#-
Advocada.
O advpgado A. R. de Torres Bandeira tem o
sea escriplorio na casa de sua residencia na ra
do Imperador n. 37, segundo andar, entrada a
dirola ; e ahi pode ser procurado para o exerci-
regar-se de qualquer defeza e para tratar de
questoes forenses, em qualquer lugar fora desta
cidade e protesta a matar solicitado no desem-
penbo de suas obrigacoes.
Publicaces do Instituto Ho-
meopthico do Brasil.
THESOLRO HOMEOPATllirO
ou
VADE-MECUMDO OMFOPATHA.
(Segunda edieco consi-
deravehnenle augmen-
tada.)
Diccionario popular de medicina lio-
mcopalhico
l'ELO Llt.
SABINO 0- L PINHO.
Coliauam as assigoaturas para estas ubras.a
~j#O0O embrochuraal fevereiro.
Ra de Santo Amaro [Mundo Novo) n. 6.
i
ARMAZEIVI
!3nUo defoirito na boea d Soaqui
d* Cruz Crrela., ra do Calinga
em Pernamnnco.
O Dr. H. Tbermes (de Chalis) aotigo pharmaceulicojapresenta boj* nava iriuiicH
de ferrocom o nome de elixir de citro-lactato de ferro.
Parecer ao publico um luxo empretar-se um mesmo medicamento debaiio de foraalaa Im
variadas, mato homem da ciencia comprehende anecessidade e importancia de aaa tal vatia-
dade.
A formula um objecto de muita importancia em therapeulicti rogTMto itmn,
quando ella, maniendo a essencia do medicamento, o toroa agradavel, fcil e powivtl para Iston
taaaes, para lodos os paladares e para todos os temperamentos.
is numerosas prepirares de ferro at hoie conhecidas nunhuma reno* lio bellas qaalida-
oes como o elixir de citro-lactacto de ferro. A seu sabor agradavel, rene o tomar-te aa asma a*
quena dose, e ser de urna prompta e fcil dissolugo no estomago, de modo que coapletaaarte
tinJlido;801nao P^duzir por causa da lactina, que conlem em sua compoticao, a cootliaaeaa a
ventref renuentemente provocada pelas ootras preparares terroginosas.
Estas novas qualidades em nada alterara a scieocia medicamentosas do ferro, queseada aja
substancia da qual o medico se nao pode dispeusaa era sua dioica, de tacoanaravel ntlrHUe
qualquer formula que lhe d propriedades taes, que o pratico possa prescrever tea reeeia. ?
que coDsegmo o pharmaceulico Thermes com a preparado do citro-lactacto de ferro. Ateta eajae)
medicamento oceupa hoje o primeiro lugar entro as numerosas preparacea ferrofiooaat, coa
atiesta a pratica de muito mdicos dislioctot que o lem eosaiado. Tem sido esa prelado coa* ia-
meoso proveito as molestias de languidez! chlorose patudas cores ) na debilidade sakaMasalt as
hemorrhagias. as hydropesias que apparecem depois das inlerniilcDles na incoolinaacia: afeara**
por debilHade, as perolas brancas, na escrophula, no rachilismo, na parpara nemorraagica i
convaiescencia das molestias graves, na chloro anemia das malheres gravidet, ea toeoe Mcaeea
em que o sangue se acha empobrecido ou viciado pelas Tadigas, alTeccoes ebronicat, cackexia taaer-
culosas, cancrosa, syphihlica, excessos venreos, onanismo e aso prolongado daa aracaaeoes aer-
Estas enormidades sendo mui frequenlet e tendo o ferro a principal tabtUaeia d* qae o
medico tem de laucar mo para as debelar, o autor do citro-lactato de ferro acrece los
reconhecimento da humanidade, por ter descoberto urna formula pela qual
do ferro. r ^
W32
ROUPA FSITA
/ .
>K3
, FEKKEIIU \1LLELA
RETRATISTA
DA
AUGUSTA CASA IMPERIAL,
Ba da Cabug n. 18, 1.* andar.
entrada pelo pateo da matriz.
Retratos por ambrolypo, por melaiootypo, so-
bre panno encerado, sobre talco, especiaes para
pulceiras, alQnetes ou cassoletas. Na mesma
casa existe um completo e abundante sortimento
de artefactos fraocezes e americanos para a col-
locaco dos retratos. Ha tambem para tste mes-
mo flm cassoletas e delicados alfinetet de ouro
de lei; retratos em photographia das principaes
personados da Europa ; stereoscopos e vistas
siereoscopicas, assim como vidros para ambrotyp
e cbimicas photograpbicas.
LtfaBAauaattaaaajaa uiflsuaaMaaaaaaiWf
I Ensino de linguas I
EM 6 MEZES
ItalianoLatimFrancezl
pelo methodo fac limo
IdB.H. OLLENDORFF.l
S Kua do Queimado n. 2(j. f/t
B
Joaquim F. dos Santos.
40Ra do Queimado40
Defronte do becco da Congregado letreiro verde.
Nesle estabelecimento ba sempre um sortimento completo de roupa falla de
todas as qualidades e tambem se manda executar por medida vonlade tos frrgue-
zet para o que tem um dos malborea pMfeasorss.
Casacas' ue panno preto a 40J,
35J e
Sobrecasacosde dito dito a 353 e
Palelots de panno preto e de co-
res a 359, 300, 25, 10, 18 e 20000
Ditos decasemira de cores a 22,
15J,12.7 e
Ditot de alpaca preta golla de
velludo fraacezat a
Ditos de moriii seiim pretos e
de cor*s a 9g e
Ditos de alpaca de cores a 5 e
Ditos de alpaca preta a 9, 7, 5 e
Ditos de brim de corea a 5f,
4500, 4 e r
Ditot d bramante delinho b an-
co a 6, 5 J e
Ditos de merino de cordo preto
a 15 e
Caifas de casemira preta e de co-
res a 1J, 10, 9g, 7 e /
Ditas de prioceza e merino de
cordo preto a 5,.6500 e
Ditas de brim branco ede cdrt3 a
5, loOO e
Calcas de ganga de coresa
Collete de velludo preto e de co-
rea lisose bordados a 12,9e
Ditos de casemira preta e da co-
rea lisos-e bordados a 6,
5500,5
Ditos de tetim preto
Ditot de seda e setim branco a 6 e
Ditos de gorguro de teda pretos
e da cores a 7, 6, 4 e
Ditos de brim e fusto branco a
38500, 2500 e
Sroulaa da brim de linho a 2 e
Hilas de algodao a 1600 e
Camisas de peito detusto branco
ede corea a 22-500 e
Ditae de paito de Hubo a 5, 4 e 39O00
Ditaa d madapoln brancaa e de
corea a 3. 2600, 2 a
Chapeot pretos de massa franceza
forma da ultima moda a 10,
88500 e
Ditos de feltro a 6, 5, 4 e
Ditos de sol de seda inglezes e
francezes a 148, 12, 118 e
Colarnhos de Iddo muito flnoa
novo feitios da ultima moda a
Divos de algoiio
50 Relogios de ouro palcute e hori-
zontal a 1008, 90. 80$ e 7UfiOO
Ditos de prata galvanissdos pa-
tente e horizonlaes a 40 e 30800o
Obras de ouro, aderemos e meios
aderceos, pulceiras, roztlas e
sneis a
Toalhas de linho duzia 10g, 6 e
Ditas grandes para mesa urna 3e
El
30000
30*000
93000
105000
8000
3500
38500
3500
43000
83000
63000
28500
33000
83000
53000
53OOO
5000
33000
23200
1280
23200
l'fO0
73000
23000
7000
800
3500
38500
Aluga-se urna excellente casa no Moodego,
defronte do commendador Luiz Gomes Ferreira,
a qual tem duas salas, sele quartos, cosinha fo-
ra, a qual segue-se um pequeo quarto, cocheira
e estribara, fetas de madeira. Tem excellente
cacimba no quietal o diversos arvoredos de fruc-
lo : a tratar na ra da Cadeia do Recife, primeiro
andar, n. 28 o na ra da Autora n. 84, segun-
do andar. ..
Caixeiro.
3Ra eslreila ao llosario3
W Francisco Pinto Ozorio continua a col- O
# locar dontos artifician tanto por mcio de C3
# molas como pela pressao do ar, nao re- 9
t ceba paga alguma som que as obras nao
# tiquem a vontade de seus donos, lem pos #
# outras propara^oes as mait acreditadas 9
% para conservadlo da bocea:
-33 &$
O bacharel A. R. do Torres Bandeira, pro-
iessor de geogrsphia e historia autiga no Gym-
uasio dosis provincia, continua a ensinar os pre-
paratorios seguiotet:
Lingua francesa ;
Liogua iogleza ;
Geograpbia e historia;
Philosophia ;
Rbetorica e potica.
Para mais commodidade dos alumnos que se
quizerem habilitar para exames no mez de mar-
co futuro, tem resolvido nao somente abrir cur-
aos especiaes de qualquer das disciplinas indica-
das, mais atada preslar-se a dar lines em sepa-
rado, medisnle um ajuste razovel.
Est prompto para leccionar em qualquer col-
legio ou casa de educado, bem como em casas
I particulares.
Podo ser procurado emsua residencia, na ra
do Imperador n. 37, seguodo andar, entrada a
direita.
Wa pharmacia de Borget & Soares, praga da
loa-Vlsta n. 24, esquioa daraado Tamhi, ven-
de-te a imcomparavel injoefao de Brow a 33 o
fratco.
H^> Sr. Jote Goncalves da Justa lem uriia
tarta na ra da Semeja Velha o. 94.
9t *
# Prociaa-se de orna ama para todo serv- n
Sqo de ama cafa de familia : na roa detraz #
da matriz da Santo Antonio n. 28, piimei- 4)
ro andar. fc 9
>( ###
e d uma ama forra ou captiva
linar e engommar, prferiado-te
he em massaB e doces : na ra da
Recife, loja de 4 portas n. 34, ou em
aro, quarta casa do Sr. Antonio Jos
. do lado da mar.
ixo astignado faz sciente a esta pea;a
qua desde o dia 22 do torrete vendeu o seu ar-
mazem de carne secct da ra dt Prafa n. 44 ao
Sr. Joto Mara de Azevedo, e Xas tcieate que dito
estabelecimento te acha livre e desembarazado
de trantaflcio algu|M com esta pttea.
adro A. dt C. Machado.
Freetet-te alugar ama an
: i
que saiba
H
Na rus da Cruzarmazem n. 33 existe um mogo
de 19 annos, viudo do Porto e com pratica de
negocio de faxeoda, o qual te deseja arrumar em
loja de fazendas on outro qualquer estabeleci-
mento.
Consultas medicas, i
Serlo dadas todos os dias pelo Dr. Cos- |p
me de S Pereira no seu escriptorio, ra c
a Cruz n. 53, desde s 6 al s 10 horas a$>
da manha menos aos domingos sobre:
1.* Molestias de olhos.
O 2.* Molestias de cura;:io e de peito.
&t 3.* Molestias dos orgos da geracao e
im do anus.
H O exame dos doenles ser feito na or-
O dem do suss entradas, comecando-se po-
li rm por aquellos que soffrerem dos
8* olhos.
Instrumentos chimicos.acusticos e p-
ticos sero em pregados em suas consul-
tacos e proceder com todo rigor o pru-
dencia para obter certeza, ou ao menos
probabilidade sobre a sede, natureza e
causa da molestia, e dahi deduzir o plano
M de tratamento que deve destrui-la ou
O curar.
SE Varios medicamentos ser aoambem
9 empregados gratuitamente, pela cer-
M teza que tem de sua verdadeira qualidade,
8** promptidlo em seus effeitos, e a necessi-
dade do seu emprego urgente que se usar
a delles.
Praticar ahi mesmo, ou em casa dos
dontes toda o qualquer operario que
julgar conveniente para o restbeleci-
mento dos mesmos, para cujo fim se acha
rondo do urna complots colleccao de 1
astrumentos indispensavel ao medico |
operador.
9ii6il8 9l59i*5-?IC56iCCCI'5J5
Aluga-e um-armazem na ra do Apollo n.
13, defronte ao theatro, muilo proprio e com
commodos para receber quaesquer- gneros : a
tratar com seu dono na ra da Gloria n. 87, se-
guodo andar.
O abaixo assignaJo morador na Capunga,
previne a qualquer pessoa, que queira algum
negocio on entrega de cartas ditija-se a ra da
Seozala Velba n. 38.
Francisco Tiburcio de Sonza Neves.
Carflbo, Nogueira & C. sacam
sobre Portugal e iSia de S. Miguel :
ra do Vigario n. 9, primeiro andar,
eteriptorio.
Oferece-se ama ama pira cata de homem
soliero: a tratar na travetaa do.Corpo Santo nu-
mero 84. y
Precita -se de amt ama que oozinhe bam,
nio te elMa a prego: a tratar na ra da Crut
numero ?4.
ide-se to Sr. Elitt Pereira Gongalvos da
que chrgue na ra Direita n. 55, pira a
-----J*e;ocio de grtnde imporUncia
Ri
I
9J000
43(MJ0^5
' aP?
Especial hOiiieopiiihieci
Ra (T-Cruzes n. 30.
1
ib).
do o respectivo proprietario qualquer hora, liaveudo
ladeiros raedicament s homeopalhicos, preparados em Pa-
os mais acreditados pharmaceuticos do universo como
Neste consultori pode ser pi
ahi sempre grande sorlinienio dos
ris (as tinturas) por Odian e Webe
preparadores de remedio^ de homeopat!
O proprietario destsconsultorio no nrotende, todava, que sejam os seus medicamentos
infalliveis, ponqu nadt h infallivel ern,rfarl05 humanos; nem tao pouco superiores aos que por
ahi se preconisam, porque certo que-o que nos fazemos, outro o pode egualmente fazer lo bom
senio raelhor. Mas alianza que nelje nao ha trfleancia, o que o servigo da preparagao corre
pelo mesmo proprietario," qae nao t&ido grandes commerciode carteiras, acha-se suficiente para
salisfazer s necessidades daquclla.. preparagao.
Neste consultorio achara-Ge venda elementos da horaeopalhia, acommodados intelligencia
de qualquer pessoa ; assim como presla-se gratuitamente o seu proprietario, cora seus esforgos e
medicamentos, todas as pessoas necessitadas, sera distinego alguma, que o procurara, pois
que o seu maior prazer ser ulil humanidade soffredora.
Para as provincias de Peroambuco, Parahiba, Rio
Grande do Norte, Cear e Alagoas, a saber:
Folhinha de porta, contendo o kalendario, pocas ger'aes, nacionaes, das
de galla, tabella de salvas, noticiis planetarias, eclipses, partidas
de correios, audiencias, e resumo de chronologia, a ris .
Folhinha de algibeira e variedade, a qual contm todas as materias das
y de porta e mais tabellas do nascimento, e ocaso do sol, das ma-
dres, casa e familia imperial, nomes e ttulos dos chefes dos
principaes estados do mundo, tabella da arrecadarao do sello,
dita do porte das cartas, partida dos paquetes brasileiros c euro-
peus, tabella dos impostos geraes, provinciaes. e munteipaes, re-
gulamentos de incendios, e entrudo, e algumas pusluras munici-
paes, artigos sobre agricultura, economas, modo de fabricar gelo,
prognostico do fim do mundo, collecao de remedios, a ris. .
Dita religiosa, contendo todas as materias das de porta, e mais tebellas do
nascimento, e ocaso do sol, das mares, casa c familia imperial,
nomes e ttulos dos chefes dos principaes estados do mundo, ta-
bella da arrecadarao do sello, dita do porte das cartas, partida dos
paquetes brazileiros e europeus, tabella dos impostos geraes, pro-
vincia es, e municipaes, regulamentosde incendios, e entrudo, e al-
gumas posturas municipaes, trezenario e mais oracoetde S. Fran-
cisco de Paula, colleccao de oraroes para todos os estados da vida,
e novena da Senhora Sant'Anna, a ris........ .5
Dita com almanak, contendo o kalendario, pocat, noticias planetarias,
partidas dos correios, tabellas de imposto, te.^tc- almanak
cevil, judiciario, administratiD, agrcola, comorcial, e indus-
trial, desU provincia, a ris. 10000
160
320
520
Consultorio medcocirurgico
3-U\3\B\ GLOMV CASA. BO \]^D\0-
Consulta por ambos os systemas.
Lm consequencia da mudanga para a sua nova residencia, o proprietario desle eaUafect-
menlo acaba de fazer urna reforma completa em lodosos seua medicamentos.
O desejo que tem de que os remedios do seu estabelecimento nao te confundan coa m **
nenhum outro, visto o grande crdito de que sempre gozaram e gozara ; o propriaUrio tea Imada
a precaugao de inscrevero seu nome em todos os rtulos, devendo ser considerados como taltift
dos todos aquelles que forera apresenlados sem esta marca, e quando a pessoa que oa manato eaat-
prar queira tor maior certeza acompanbar urna conla assignada pelo Dr. Lobo Momozo a a ai m-
pel marcado com o seu nome. r^
Outro sim : acaba de receber de Franga grande porgao de lincturs da acnito e belladona ra-
merjiot estes de summa importancia e cujas propriedades sao to coohecidaa qaa oa meaaioaW
mdicos allopathas eropreeam-as constantemente.
Os medicamentos fulsos qur em tubos qur em tincturas cuslario a 1# o fidro
O proprietario deste estabelecimento aonuncia a seus clientes e amigot qaa tea rrjaaaiti
sutncieutes para receber alguns escravos de um e outro sexo doeutes ou que precisem da alnaa
operagao, aliancando que serao tratados com todo o disvelo o promplido, como tabea ladaa
aquelles que i tem lido escravos na casa do annunciante.
A situagao magnicada casa, a commodidade dos bauhos salgadot to oatraa laotaa vaaU-
gens para o prompto restabelecimento dos doenles.
As pessoas que quizerem fallar com o aonuncianledevem procura-lode manbaa at 11 borat
e de tarde das 5 era diante, e fora destas horas acharao em casa pessoa com quaa se podarla aa-
ender na ra da Cloria n. 3 casa do Fundi. Dr. Loto J/aaeoso
O w
- CA
3 u
2. a
>93 > T
C
f> m

Ba*-3
- Q ~
q O !^
N T3
"oS.ro2TOa
Sr.ffo g o sr
" ea 5 a- to
B 2 H s-

1 3 B
O g- v>
a es
^3
C6 O
o vi C
O. C 3
v a
ir- *" w
CB
3 5.
, 2.
O w ".
_ o----o a to
O 1 ? g = g 3-
B
O.
Q
O "O
O O 1
4
- Zj
- en
TO c
3
o
O cL-S C-f5
re a =/~'
E.-33S
o-
re
re
O.B
g" o--
o 2
O. t 65
0 2 3
ores;
to 2
P5
o -
c B
g-5-S
"^ "' c
a;( x' 1 to
g 2.-
to n ns 3. S
S2. re O o
? I B-=
3 c
"O TO
TO %TO
S
R B B TO
8 8 gjf
3 -
_ aTcgcrq B q n>
~ 2 C n D
" D S 3
S- o
o
re 2 .
o-S "
o
2-
O"-" B-
8 o-2_
e n k
5-CTQ 2.
-.: 2.3
O-
re to
S^sr bt3
a
r c
^ TO
O 1>
i re
3 3
8 3
~ ., v* ** --
re "5
.. m (j b s
rr. TO ti
R9

3 re .
o-3*S
S 2- g. 3
ff -3 <
S- 5-B w,3
w
-O
as
-
re
o
re
-5
3
o
O- -
. w
o Tp
O O B -* 0 2_ g
?*3 I"*
' v>

re^j {yi-
S-| B 2
o re os o
3 O
0 re SL
c <
en u
-s 5
33
B S
re -rj
TO, f. "i
3 re T'g o.
S'S:5 -
t 1
B
re
ts
re
O)
Vt S5
^8
-
TO = C en
re
-o B
fftS
o .
85 65 B"
.." re *
erre T3 ^to qt,
FI % S 3
\ n> o b
3 11
r rfii
5* 2 O. 2".
S-- B
_, re to re
Irll
5'trl
B .5'B
65 re re
-TO to"3-
K 65
s*l
2.
-. -,
B 3
o
TO <
05 o
B9
s
o
a
c
99
2
0
re
B
99
c
65
TO
h
a B
99
<
O
^SP'b 5
n a. 5? ?
S S 9?f
lili
~ ""! 1
p oa o re
re
65
N
69
en

I i
II
~- en
a.
re
09
8
O
r
:><;
Co> Na ra do Crespn. 47, Guimar'aes& Villar.
Vendem maoleletes p*rolos de guiper a 15J cada um.
Curtes de lia com babados tendo 25 aovados cada corte para 5$ cada um.
Corles de vestido de phantasia em carios fazeoda de auilo goato a 15y o corta.
Manguitos de cmbrala a balo bordados a 3| o par.
Bales de musselioa cum habidos a 5g5C0.
Chapelinas de seda para senhora a 10 cada urna.
Chapelinas de palha da Italia a 259 cada urna.
Uutras muitas fazendas que se venderao por pregos baratissimot, t ptra acabar.
~" Avisa-se a qoem ioteresse llver qae as au-
diencias de paz do 2o distrteto da freguezia de
Santo Antonio do Recite, serlo feitat em casa do
juiz na ra do Livramento o. 31, primeiro andar,
as 9 horas dos dias segundes-feiras, -quintas
allerando-s assim a ordem eslabelecida.
Aluga-se urna excelleote casa de campo
com todat aa commodidadea da familia, cum si-
lio grande, cocheira, etlribaria e grande tenala
para pretos, a csss construid! ba pouco e piola-
da de novo, com terrajo a reda, sita na ealreda
de Sant'Anna defroota to sitio do fallecido An-
tonio ds Silva & C. : a tratar aa loja da ra da
Ctdeia do Recife o. 64.
Precita-ia de a iba cozinhar,
para duts pettois: i dat Calatda i 86,
fregaezla da S. Jote.
entesda-M
Aluga-se o trmazet
Apollo n. 47, proprio pira
ment : qnem a pretender
AntunesGimaret,a chive ett no
ra da Seozala n.
Aluga-ae
Brum n. 34, pr
maato : quem o r
Aotuoea Guimaraes,
finacao n.4iso pdc
$ Joto Caaemiro da
Alagoas e deixa por su
logar a seu primo Frac
Lobo ea seguodo ao |
Alugam-ae 3j
roa da Atrtic
7.
-A
MiiTii Ann




,\
I


te m va sua residen
de S ta n. 47, as a Ai,
PH.LOSOPHfX
ORATOBU E PUSUCA
As aulat lo todas de tarde : come*
am t 9 honi e acabun s 7.
Eculaf.
US publico que o convento de
aes devedor da quantia
de iota cootos novecentos e dezenove mil du-
zeotoi e dei ris ( 20:9199210), por transferencia
de urna conti corrate com Jos Luiz Pereira
Lima & c, sssignada e conferida pelo ex-D.
abbade Pr. Joa da Exaltado Marques, em 12
de margo de 1860. Alm do premio de um e meio
por cento ao Hez a queficoa obrigado o referido
convento .a Mgar, cooforme a clausula exarada
na referida cenia correte. E como al o presen-
te nao lhesteoha sido poasivel receber a referida
importancia e os juros decorridos, nao obstante
as diligencias empregadaa para esse lim, faem
publico qae nao por aua vontsde que estao sof-
frendo tal desembolso, para que em tempo al-
gum se empregue o argument do grande aug-
mento dos uros, para o qual nao coocorrem os
abaiio assiguados, que sempre estiveram e eslo
promptos a receber a referida conta e os juros
vencidos, e protestara nada abater em tempo si-
guen ; declarando mais que nao desoneram os
cedeules da referida conta os Srs. Jos Luiz
Pereira Lima & C. e Maooel Rabello Olaoda Ca-
boclo. Recife 15 de Janeiro de 186-j.
Tasso Irmos.
O Sr. Joao Hyppolito de Metra Li-
ma, queira apparece1" nesta typographia
que se Ihe precisa fallar.
{* *
Medico. 2
O Dr. Brancanto pode ser procurado a 9
% qualquer hora oa caa de aua residencia,
na ra do Imperador o. 37, segundo ao- a)
dar, para o exercicio de sua profisso.
Sitio,
Hdade ba
[gimccao part
asignado competeoteaieole
i provisionado pela,directoria geral ds ina-
truccio publica para ensioar primeirSl
lettras, laiim e fraocez, acba-se no exer-
icio de seu magisterio desde o dia 13 dt
Janeiro do correte, em sua mesma resi-
dencia na ra Nova n. 58, onde continua
a receber alumnos internos e externos,
advertiodo porm qae s lbe eonvem
admitlir 10 poocioniatas e que nao exce- -j
dam de 12 annoa de Hade. Recite 15 de i
Janeiro de 1862.Jos Msria Machado de 9
, i'igaeiredo.
kRIO DE PERNAMBt|i
WQp soa
Aviso,
Muga-so um excellente sitio oa estrada dos
.VtUictos, o quarto depois da capella, com muitos
arvoradosdo fructo, reedicado e pintado de no-
vo, com bom peo d'agua de beber e outras com
modidades : a tratar no mesmo com sua propie-
taria D. Margarida Francisca Xavier, ou na ra
Augusta n. 60.
l'recisa-se alagar um preto, dando-se o
inatento, e paga-se mensal ou semanal, para o
servico desta typographia : na livraria ns. 6 e 8
da pn;a da Independencia.
Precisa-se
de urna ama que saiba engomraar ou coziohar
psra pouca familia : na ra do Trapiche n. 18.
-O
< O Dr. Carolioo Francisco de Lima San- 0
9 tos, mudou-ss da ra das Cruzes para a *2
% do Imperador, sobrado n. 17, em frente 9
0 da igreja de S. Francisco, onde continua 0
0 do exercicio de soa proOsiao de medico tt

Offerece-se um moco brasileiro com bastan-
te pralica de commercio, pois j tem negocio
seu, offerece-se para tomar conta de qualquer
ostabelecimento por balango e dar comprimento
ao que receber, ou para caixeiro de ra ou co-
branza, 9 para este lim d pessoas nesta praca
que garanta a sua conducta : quem precisar ou
queira fazer qualquer negocio, annuocie para ser
procurado.
Precisa-se de urna ama. preferiodo-se es-
crava, para cozuibar e edgommar : na ra do
Crespo n. 1.
Precisa-sc de urna criada porlugueza, que
salba cozer eeogommar: na roa do Queimado
ii. 12.
Aluga-se o primeiro andar da ra da Im-
peralrlz o. 40 ; a tratar no aesmo.
Aluga se urna escrava para o ser-
vico interno e externo, de casa de fami-
lia : na ra da Gadeia do Recife n. 53,
terceiro andar.
Aluga-se um sitio no lugar da Magdalena,
principio da travessa do Luca, com casi de pedra
e cal, duas bajas de capim^wf inre.rno e vero,
o muitos arvoredos de fructo : a tratar no Campo
Verde, ra do Palacio do Rispo n. 20, sobrado.
A directora do collegio Santa rsula, abaixo
assignada, avisa aos pas de suas alunaa e a
quem mais convier, que em virtnde do artigo 19
dos estatutos, principiam os trabalhos do referido
collegio no dia 7 do corrente mez. A directora
envidar todos os exforcos a seu alcance para no
desmerecer do eooceito adquerido no primeiro
auno de seua trabalhos, e atim de que oa pais de
suas alumnos Gquem completamente satisfeitos
com a educaco de suas filhas. 0 collegio conti-
na na ra Formosa, sobrado n. 15, aoode a di-
rectora ser encontrada a qualquer hora do dia.
Uraula Alexandrina de Barros.
Ama.
- Precisa-se de urna ama forra, prefere-se de
meia idade, para o servir.o de compras, na ra
Bella n. 38.
Consultorio
Medico-cirurgico
DO DOUTOR
um im.
oKua da Gloria casa do fuado3
Existem medicamentos horaeopalhicos os mais
bem preparados e de toda a efficacia. sempre re-
novados, pela multo grande extraerlo e procura
que temdevido isso ao MXIMO CRDITO
de que gozam em todas ai provincias do Brasil.
Contioua-se a vender pelos presos do costu-
me e achar-se-ha as carteiras especiaos para o
tratamento do cholera-morbus, com os seus com-
petentes folhetos e separadamente os preserva-
tivos em tinturas e glbulos, conforme quizerem.
0 crdito de que gozam estes remedios e a
preferencia com que sao procurados, pela certe-
za de seus effeitos e pela inalterabilidade dos
glbulos, dispensam de quaesquer recommeo-
dacoes.
que bom e est provado, leva comsigo as
recommendaces.
- Preciisa-se de utn olicial de bar-
beiro: na ruadas Cruzes n. 35.
O dentista Numa Pompilio.
NUrtua
tupela, nllidameote impressa, (ypo^K
fllegive!, panel claro, formato accflMp
T, encderbado com meta eo-
caderoaco, I u rotulo dourado, e pelo an-
igp praca di 1 c&davMlnma : na ra do I
peTadorT; 18.
o em cali
laiam da ra da
a e de duas arro-
Madra de Daos nu-
- V
PaBDOlle algodao da Oneguem s fazendas ba-
Bahia.
de
Vende-so no escriptorio de Antonio Luiz
Oveiri Azevedo A C, rna da Cruz n. 1.
Cerveja.
Krabb Iliom & G. veudem no seu eiariptorio,
na ra do Trapiche n. 17, cerveja branca da afa-
mada e bem conhecida marcaAllsoppse pre-
ta de excellente qualidade, en barrica de garra-
fas e meias garrafas.
Caixinbas vazias para con-
feitos
Muilo lindas caitinhas vazias para se botar
eonfeitos e dar de presente a 200, 320 e 400 rs.
cada caixioha. na loja da victoria na ra do
Queimado n. 75, junto a loja de cera.
Linhas de croxele em nve-
los monstros.
Multo boa lioha de croxele para bordado em
nvelos monstros por serem muito grandes a
400 rs. o novelo : na loja da victoria na ra do
Queimado n. 75, junto a loja de cera.
Vende-se um carro de 4 rodas novo, rece -
bido ltimamente de Franca, todo forrado de
seda, com os competentes arreios prsteados,
obra de muito bom gosto, aeodo este caleche o
mais bonito que hoje existe nesta cidade : a tra-
tar Ba ra do Trapiche n. 14, primeiro andar.
Novo sortimento de cascarri -
lhas de seda.
A loja d'aguia branca acaba de receber um novo
e bello sortimento de cascarrilhas de seda de
multas e differentes cores, e vende-se i 1J*50
e 19500 ris a peca, na ra do Queimado loja
d'aguia branca n. 10.
Meias pretas de seda 1.000
o par.
Vende-se meias pretas de seda, o de mui ba
qualidade, para seohoras, e padros I5OUO o
par, por estarem principiando a mofar, e estando
ellas calcadas nada se conhuce, oa ra do Quei-
mado loja d'aguia branca n. 16.
Fivellas douradas e esmalta-
das, para cintos.
A loja d'aguia branca acaba de receber por
amostra urna pequea quanlidade do tivellas
douradas e esmaltadas para cintos, todas de no-
vos e bonitos moldes, e lambem douradss que
parecem de ouro de lei, o que s com experien-
cia se conhecer nao o serem, estando no mesmo
caso as esmaltadis, e assira mesmo vendem-se
polo barato preco de 2g500 rs. cada urna, na ra
do Queimado loja d'aguia branca n. 16.
Cestiuhas ou cabases para as
. meninas de escola.
O lempo proprio das meninas irem para a
escola, e por isso bom que vo compostas com
ratas, antes que Se aca-
bem.
Na loja de fazendas da ra da Madre de
Dos n. 16, defronte da guarda da
alfandega.
Madapolio Ooo a peca 4$800.
Chitas finas escuras a 160 rs. o covado.
Ditas francezas campo branco a 200 rs.
Ditas escuraa muito finas a 240, S60 e 280.
Pecas de ditaa rotas com 32 covados por 6$.
Alpaca fina de cor a 360 e 400 rs. o covado.
Cortea de seda pretos para rollete a 20.
Casemira preta, fazenda superior, o covado a
iJfoOO. t /
Lencos de seda de cores 500 rs. um.
Chales de cassa pintados um 5C0 rs.
Velbutina pintada para vestido a 400 rs. o co-
vado. E outras muitas fazendas que se vendem
barato para acabar (dinheiro vista) ; de todas
se daro amostras com penhor
CARTOES
DE
VISITA
DE
!TO OMITO
Cartes de visita de novo gosto
Carloes de visita de novo gosto
Cartes de visita de novo gosto.
Urna duzia por 16#000.
Urna duzia por 16]J000
Urna duna por 168000
Urna duzia por 16g000.
Retratista americano.
Retratista americano
Kclratista americano
Retratista americano.
Ra do Imperador.
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador
0 N?6
Sortimento completo de sobrecasacos de panno a 259, 289, 30} e 359. casacos mullo les*
taitas a 25$, 23$, 30g e 35J, paletols acasacados de panno preto de 18 at S59, ditos de casemira
de cor a 159, 188 e 20g. paietots saceos de panno e casemira de 89 at 149, ditos saceos de alpaca
m erin l da 49 at 69, sobre de alpaca e merino de 79 at 109, calcas pretas de casemira da
89 at 14$, ditos de corae79 al lOg, roupas para menino de todos os timaohoa. grande sorti-
mento de roupas de brins como aejam caigas, paietots rolletes, sortimento de collelfs pretos da
selim, casemira e velludo de 49 a mante a 49 e 5f, calcas brancas muilo unas a 58, e um grande sortimento de fazendas fin a e Mo-
dernas, completo sortimento de caseooiras inglezas para homem, menino o seohora, aeroolss <*
linho e algodao, chapeos de sol de seda, luvas de seda de Jouvin pira homem e seohora. Te-
mos urna grande f aOrlca de alfaiale onde recebemos encommpodas de grandes obras, qe pra
isso est sendo administrada por um hbil meslre de samelhanto arte e um pessoal de mais 4
cincoenia obreiros escolh-dos, porlantoexecutamos qualquer obra com promptido e mais barato
do que em outra qualquer casa.
Cascarrina
Desinfecto.
O abaixo assignado vende em sua botica na
ra Uirelta n. 88, os seguintes desinfectantes por
ter paraiaso o aparelho necessario. Ghloro para
daaiofectar o espaco de 340 ps cbicos por 29,
liquido desinfectante das materias fecaes urna
garrafa 19. pos desinfectantes dss mesmas ma-
terias urna libra 18. liquido para mergulhar a
roupa dos accommeltidos a 640 rs., agoa cbloru-
retada que supre a de labarraque somonte oa par-
te da desinfecto por ser carregada lOvezea mais
do chloro (pelo que declaro que nao se faca del-
ta uso interno] 19.
O publico desta cidade deve estar lembrado
dequenesle Diario foi transcripta urna corres-
pondencia do sul, na qual declarou-se, que, em
um dos portos onde grassava a febre amarella o
commandante de am dos navios surtos n'aquelle,
conservando o chloro em o seu, foi o nico pre-
servado do mal. ao passo que os mais soffreram
O h'iuveram muitas victimas.
Tara o desempeoho da desinfecgo acompa-
uliar a explicaco.
Jos da Rocha Paranhos.
Ra estreila do .llosart r
primeiro" andar.
SBota denles artificiaos por molas e 11
gaduraa e pela presso do ar. Syslema ??
americano sem arrancar as raizes, e faz S
todas as operacoes de sua arle, com P
ij promplido e limpeza. tt
Aluga-se o primeiro andar do sobrado n.
37 da ra do Imperador: a tratar no segundo an-
dar do mesmo.
Joao Guilberme Romer, armador de corti-
nados (oa ra do Hospicio n. 37) participa ao res-
peilavel publico que tem recebido excellentes
molduras douradas para cortinados de jan-illas,
tambera vende borlas, cordo, galleras e patera
a bronze que perlence aos ditos.
Saques sobre Portugal.
Manoel Ignacio de Oliveira & Filho saccam so-aI
bre Lisboa e Porto : no largo do Corpo Santo/
escriptorio n. 19. f
Precisa-se de urna ama para engommao e
cozer : oa ra do Kaogel n. 7, segundo andar.
Precisa-se
alagar urna escrava para o servico interno e ex-
terno de casa de familia : na ra da Gadeia do
Recife n. 53, terceiro andar.
armazem em progresso
DE
Jos de Jess Mor eir & C.
Kua cstreita do Rosario, esquina da ra
das La ra rige i ras n. 18.
Os proprietarios desto estabele'cimento estao
resolvidos vender ptr menos do que em outra
das "novas e bonitas* cestinhas que se ven-Hual(luer Parle porvir diversos gneros por enn-
Chogou para a loja da victoria grande sorti-
mento de cascarrilha de todas as cores e largu-
ras e se vende mais barato do que em parte al-
guraa, por isso venham a loja da victoria na ra
do Queimado n. 75, junto aloja de cera.
aNo sobrado amarello nos
Ama.
ompras..
Frecisa-se de urna para comprar e coziohar
para um homem solteiro morador no mato :
quem quizer dirija-se a roa do Queimado n. 38.
Proisa-se para Macei de um pralicante
ou de um oicial do pbarmacia : a tratar na bo-
tica fraoreza da ra da Cruz n. 22.
Sanie di Pietro Bazzi, subdito italiano, rc-
lira-se para fora da provincia.
Precisa-ae de urna ama que engomme e co-
ziohe para casa de pequea familia, assim como
urna escrava para vender fazendas: na ruado
Hospicio n. 62.
Attenco.
Doseja-se alugar um segundo andar e que le-
nba toto e queseja no bairro de Saolo Antonio,
quem o tiver annuocie por este Diario ou que
se dirija a ra larga do Rosario n. 31, segundo
andar, defroole do hotel trovador, advertiodo se
que ae d at algum dinheiro de luvas e se faz os
concertos e pinta-se.
Precisa-se de urna ama para cozinhar'|e
comprar na roa do Imperador o. 37, segundo
andar, entrada direila.
Precisa-se de urna ama que saiba engom-
tuar, preferiodo-se escrava ; na roa da impera-
triz o. 40, segundo andar.
Aluga-ae um armazem na ra do caes de
Apollo n. 7; a tratar no pateo de S. Pedro nu-
mero 6. .. *
Procisa-se de um catxairo de idade de 12 a
14 anuos, prtl*f-se os mais noves chegados ; a
tratar no pateo de S. Pedro n. 6.
, Hijo & C sacam sobre
o Bio de Janeiro.
Precisa se de urna ama s pa coziohar e
fsendo para eozinhar eom perfeico,
nao s ornando a preco: a tratar na loja da ra
do Qaeimado o. 4 gb
Era alugar, de
12 a 15 Api Servico domes-
tico de um^H prr^a-se a na da
Cruzn. 45, ar,
Precisa
em bom ^^H
anda:
da tarda,
Ptecia-se
un.r; i
Compram-ce acedes do novo banco de Per-
nambuco ; no escriptorio de Manoel Ignacio de
Oliveira & l'ilho, largo do Corpo Santo, escrip-
torio n. 14.
Compra-sc um carro de volia ioteira e que
esteja em bom estado e um boi proprio para o
mesmo: naj^a da Gadeia n. 24, primeiro andar.
Compra-se um cylindro americano em se-
gunda mo, mais que esleja em perfeito estado :
quem o quizer vender dirija-se a ra da Gadeia
n. 31. que se dir quem compra.
y
urna
dem ca ra do Queimado loja d'aguia branca
a. 16.
Novos boaets de velludo, e
marroquim dourado.
Na loja d'aguia branc vende-se mui bonitos
booets ae velludo, e marroquim dourado, os
quaes sao agora mui nacessanos para os meni-
nos que vao para a escola e quem os quizer com-
prar mala baratos dirigir-se ra do Queimado
loja d'aguia branca o. 16.
A&verdadeiras penaas ingle-
zas caligraphicas.
A loja d'aguia branca acaba de receber sua
encommenda das verdadeiras penoas de a';o
inglezas caligraphicas, dos bem conhecidos "e
acredriados fabricantes Perres & C, e apesar da
falta que liana do-sas boas peonas, com ludo
vendem-se pelo antigo preco de2/OO a caixiuha
d-i urna groza, quoolidade essa que as faUiilca-
das nao trazem. Para livrar de engaos, as ca-
xinhas vo marcadas com o rotulo que diz. Loja
d'aguia branca ra o Queimado n. 16.
Carteiras com agulhas.
A loja d'aguia branca acaba de despachar car-
teiras com agulhas de mu boa qualidade, e ex-
cedente sortimento, e as est vendendo a 500 rs.
cada urna ; assim como receben igualmente no-
vo sortimento das agulhasiraperiaes, fundo dou-
rado, que cootinuam a ser vendidas a 160 ris u
papel, isso na ra do Queimado loja d'aguia
branca n. 16.
Argolas de ac para chaves
vendem-se 6 200, 240, 320. 400 e 500 ris. na ra
do Queimado loja d'aguia branca n. 16.
Froco fino, e seda frouxa para
bordar
vende-se na ra do Queimado loja d'aguia branca
n. 16, onde se achara completo sortimento. '
la propria : maoteiga iogleza flor a 800 rs. e 720
a libra, dita francesa a 640, era barril fazemos
abatimenlo, cha hysson a j>800 e 2400 a libra,
queijos do ultimo vapor a 3 e 2^800, arroz a 100
rs. a libra, gomma muito boa a 100 rs. a libra,
massa de tomate a 800 rs., em porgao taremos
abilimento, em latas de urna libra, marmelada
do mclhor fabricante de Lisboa a 800 rs. a libra,
vioho muito superior, Figui-ira, a 560, 500 e 400
rs. a girrafa, amendoas a 330 a libra, milbo al-
pista a 160 rs. a libra, alelria, macarrao, e mais
massas a 400 rs a libra. Alem desles gneros
ou tros muitos tendentes a molhados que os pro-
prietarios serespoosabilisam pela boa qualidade.

Presunto fiambre.
g 4 cantos da ra do Quei- g
mado n. 31, loja de An- g
tonio deMoura Rolim, 1
& vende-se : 1
2, |
Zf. I
l!!!^
Na nova loja do miudezas da ra Direila n.
77, vende-se carteiras com agulhas de todas as
qualidades a 160 rs. contas de todas ae cores
para puleeiras soltas, e onlros enfeites a 400 rs.
o massd, franjas de linho braaco de diversas lar
guras-a 120 rs. a vara, e outras mais miudezas
tinas que se venderao por muito menos do que
te compra em outra qualquer parte; na mesma
loja se coocerla e cobre-se chapeos de sol tanta
de seda como de panno por muito menos preco
deque em oulra qualquer fabrica.
Vendem-se as casas ns. 49 e 51, sitas na
ra da Esperanza ou Cimiuho Novo do bairro da
Boa-Vista, chaos proprios, quiotal murado at o
meio, cacimba, um sobradinho no fundo, algo-
mas arvores de fructo : a tratar na mesma ra
numero 45.
Veodera-se 6 cadeiras a Luiz XV, oras :
na ra das Cruzes o. 1.
no torrado *
violao que esleja
n. 54, primeiro
das 3 s5 1[2 horas
aua para comprar e co-
mmao o
I
Largo do Terco83
O propietario desle estabclecimenlo do mo-
ldados vende os gneros mais baratos do que em
outra qnalqucr parle e aluaocando a boa quali-
dade : maoteiga ingleza llor a* 800 rs., aita fran-
ceza a 600 e 640 rs. a libra, assim como se ven-
dem outros muitos gneros que, enadonho
meociona-los; assim como linguica do sertao
primeira qualidade a 400 rs a libra, caf prmei-
ra e segunda sorte, arroz miado, velas de sper-
macete e carnauba, vinhol de diversas qualida-
des, finalmente se veode no largo do Terco n.
13 oo torrador e se alguem duvidar venba ver, a
dinbeiro a vista.
Venderse um sitio
ptqueoo Ba estrada de Joao de Barros, em (ren-
te do da Exm. viscondesaa de Goianna, com
muitos ps de laraogeira, coqueiro, mangueiraa
e outras arvores de fructos ; a tratar no mesmo
sitio-
I&Pateo do Paraizo25
edam-ae palitos da fogo t 1 o canto doi
Vendem-se bombas e asseotam-se em cacim-
bas, e concertam-se de todas as qualidades, fa-
zem-se encanamenios de chumbo, de ferro e de
foi ha para aguas, coocerlam-se obras de luugas,
assim como jarros, boccaes de lanterna, e appa-
relhos tinos, e vendem-se obras de folha de Flao-
dres por preco muilo commodo : as pessoas que
pretenderem algum desles objectos, dirija-se a
ra da Imperatriz n. 43, loja de funileiro junto a
padaria do Costa.
Altenco.
Vende-se paos de superior qualidade,* la-
vrados e por lavrar na ra das Cruzea n. 82.
Bolcinhas de borracha
para fumo.
Muito lindas bolcinhas de borracha pira guar-
dar fumo pelo baratissimo preco de 1J200, 1J,
800 rs. cada urna : na loja da victoria oa rus do
Queimado n. 75, juuto a loja de cera.
Enfeites para senhora.
Lindos enfeites para cabec* de gosto o mais
moderno que tem apparecido a 5J, 5*500 e 6 :
na loja da victoria oa ra do Queimado u. 75,
uoto a loja de cera.
Phosphoros de seguranza.
Caixinhas com mile taotos phosphoros de se-
guranca a 160 rs. a caixinha que s pela segu-
ranca de-lies por livrar de incendio sao de graca :
na loja da victoria oa ra do Queimado u. 75,
junto a loja de cera.
Meias baratas.
Meias pintadas para homem a 120 e 160 rs. o
par. ditas brancas para menina a 180 rs. o par,
ditas de la para o fri a 500 rs. o par: na loja
da victoria oa ra do Queimado o. 75, junto a
loja de cera.
Galanteras de gosto
E' o que pode haver de mais gosto em galan-
teras de vidro e porcelana como aejam jarros,
frasquinhos e garraflnhas, manteigueiras a assu-
careiros. jarriDhos para boqueta de crao a ou-
tras muitas cousas : na loja da victoria na ra
do Queimado n. 75, junto a loja da cera.
Na ra do Ttnogel n. 43, vende-so presunto
hambre a 4t) rs. a libra, azeil6 de coco, sal refi-
nado que rtylisa o sal inglez, fumo de Cara-
nhuns, vinho do Porto a 800 rs. a garrafa, licor
em garrafas de cryaixl marrasquino de Zara, a
verdadeira farinba deiraruta a 640 rs. a libra, e
mais gneros ledenles a molhados, cheguem
que c para liquidar.
Miudezas baratas
Na loja da victoria na ra do
Queimado juuto a loja de
cera.
Clcheles francezes em carlo a 40 rs. 5|
AIGneiesfrancezes cabeca chata a 120 rs. a carta.
Papel com cento e tantos alflneles a 40 rs. o
papel.
Linhas victoria emcarritel com 200 jardas a 60
rs. o carritel.
Ditas de 200 jardas de Alexander a 900 rs. a du-
zia.
Ditas de 100 jardas brancas e de cores a 30 rs.
carritel.
Ditos de Pedro V brancas e de cores a 40 rs.
carlo.
Grampos a O rs. o maco.
.Eodadores brancos a 60 e 80 rs.
Carleiriohas com agulhas francezas a 320 rs.
Trancas brancas de linho a 100 rs. a peca.
Agulhas de enQar vestido a 40 rs. cada urna.
E outras muitas miu-ezas que se aDianga ven-
der barato para quem comprar victoria sempre
contar: na loja da victoria na ra do Queimado
n. 75, junto a loja de cera.
Attenco
i
Vende-se urna barcaca nova com apparelho ou
sem elle, de lotaco de 25 caixas, e construida
com as melhores madeiras : quem pretender di-
rija-so a^Tua da PrMa n. 0, armazem.
Loja amarella. g
Ra da Gadeia confronte ao becco
Largo.
Ricas capas pretas compridas, ruante- 1
leles modernos de seda e tilo.
Vestidos bordados de cambraia, duas 1
saias, patos e babadinhos.
Vestidos de seda cores escolhidss e de 8
phsnlasia, lasinhs de cor a 500.
Sedaa de quadriuhos, grosdenaples e *S
moreaotique, la mntisada a 640 ra. j&J
Manguitos e gilas bordadas com per-
feicao.la transparente a 640 rs.
Cassas de cores, chitas linas, tarlatana, J
fil etc., baregede la a 640 rs. S
Para as noivas.
Vestidos da blonde com saia de ielm
manta, capella. todos os perlencei.
8* Camisas de meia de l pura e unas a
25500 e 39.
_ Seroulas do meia de l pura finas a
2500 e 3J.
X Tapetas prannes para forro de salas e
quarlosa 159.
Alcatifa cm peca o covado a 500 rs.
B Toalhas de linho pardas para mos e
O rosto a 1>.
[ Borzeguins inglezes de superior qualida-
de a 10.
S Ditos ditos gaspeados a 7g.
Bazar de caluugas
e brinquedos para meninos e
meninas.
Na ra Direita n. 7 defronte da grande
fabrica de tamancos.
gJNeste estabelecimento novo se encoclraro
sempre grande sortimento de calungas e brin-
quedos de todas as qualidades e pregos para me-
ninos e meninas, assim como tambera charutos
i.uito bous e baratos, tanto em caixa como a re-
talho.
Opiata iogleza
para dentes.
Est finalmente remediada a falla que se sen-
ta dessa apreciavel opiata ingleza to proveito-
sa e necessaria para os denles, isso porque a lo-
ja d'aguia branca aesba de recebe-la de sua en-
commenda, e continua a vende-la a 1#500 rs. ai
caixa : quem quizer conservar seus denles per-I
feitos preveoir-se mandando-a comprar em
dita loja d'aguia branca,ra do Quoimado n. 16.
Vende-se o grande sitio denomiuado Caia-
oa, sito na freguezia da Varzea, de muilo boas
ierras, que ludo quanto se planta d urna grande
quanlidade, com urna casa de taipa j coberta,
urna dita de fazer ftrioha, grande quandade de
pea de cafezeiros, com diversos ps de fructeiras,
como seja larangeiras, coqueiros, etc., etc.; e
lambem vendem-se duas vaccas que do bastan-
te leite, urnadellas com a cria j grande, e am
burro manso : a tratar na ra do Sebo n. 20.
Veide-se
azeilede-dendc ou palma, dito de amendoim que
serve para luzes e machinas, mais barato do que
em qualquer outra parle ; na ra do Vigario n.
19, primeiro andar.
fLpja das 6 por-|
tas em frente do Li-
vra ment.
Roupa feita muito barata.
Paietots de panno uno sobrecasaco, .
&& ditos de casemira de cor de fusip, ditos A
ia de brim de cores e brancos, ditos de ?
* ganga, cairas de casemira prelas e de W
@ cores, de brim branco e de coresi de gan- ^
A Re* camisas com yeito de linh muilo m,
j finas, ditas de algodao, chapeos de sol '
^ de alpaca a 49 cada um. I @
Cera de carnauba
Primeira qualidade o pregos rommodos : o*
largo da Assembla o. 15, armazem de Aoluocs
tuinariics & C.
Cortes
de vestidos do pa\ao
Corles de vcsliios de cambraia branca se ba-
bados e duas saias, fazenda modernissims, o cor-
te a 49000.
Cuites de vestidos de phaotatia, fazenda qe
se vende em qualquer parte a ICJ, latraai-se a
61000.
Dilos de cambraia de seda com babados a
49T>(i0.
Dilos de cambraia de cerociohos brauens e 4m
cores, fazenda muilo lina a 4J.
Di.* de cambraia branca lavrad, fszessa is-
teiramente nova, o corte 49.
Cortes de tarlalaoas brancas rom babados pro-
prios para assiatir a casamento ou bailesa ftf.
Cortes de vestidos de cassa com luirs atrave-
sadas a 2920.
Ricos cofvitea travista e ditos a GaribaMi 4
Ditos ditos a Luiz XV a 29.
Luvas do seda para senbora muito boas a UPO
rs., lencinbos para mo de todos oa precos c qua-
lidades.
bordadas e de uil.lo.
Saias bordadas, fazenda Gni'sima a 4f.
Ditas ditas dita a 39.
Ditas com arcos do cordo de linho qae tirria
as vezes de balo para as senboraa rae nao gos-
lam usar balo a 39200 e 49.
Ssias de madapol.io francez a balo as mata
bem feitas que tem vindo a este mercado a 3,
3J500,4S e 59.
Hilas para meninas de lodos ns lmannos a :t|.
Ditas de arcos simples maa muito bem feitas a
3OU0.
. lUlBBAUS LIStS
Pecas de cambraias lisas muilo finas a 2iUUO a
29500.
Ditas com.10 jardas a 39, 39500, 49 a 5f.
>@-i
ISovidadc.
Chapeos de palba Goo, leques,
gitos, peules, espartilbos, chales
redonda, perfumara etc.
mao-
poota
Breu.
Vendem-se barris com breu a 169: oa ra da
Madre da Dos n. S.
Vende se um sitio na estrada da Afraial,
com baslaates arvoredaa de diversas Ijnalidadas,
com oassde vivenda, cacimba de -pedra cal,
lando boa agaa de beber: na* Mesmo
fronte afeo dos Buritis, H dir $
Roupa eila.*
E' esse ostabelecimeuto o especial em
roupa feita j em prero como na quali-
dade, palitots, caigas, colleles, sobreca-
cos, sobreludo, capas de borracha etc.
Calcado.
Botinas de Heli muito frescas a 129 :
na ra da Gadeia n. 23, de Gurgel &
Perdigo. M
HWfarWs'Bf sWftVf WSWwitm laVv bsWiWJRi
Chapeos de castor.
Vendem-se chapeos de castor de primeira qua-
lidade a 89, que j slaenderam a 169, e para
acabar : na rna da Imperatriz, loja n. 20, do
Duarte.
Fivelas pra cinto.
^Bicas fivelas de madrape a para cintos palo
fl|ato preco de 1J600: na loja da victoria na
ra do Queimado n. 75,^^^K>ja da ce
Keudem-se os engeuhos
Ilha do Morgado, sito a mr-
gem do Pvrapama, e Po-San-
guo sito a margena do Seri-
nhaem.cora safras, escravos,
boiada, e mais pertences; re-
Crnsdenaple prelo muito encorralo a 1X6CO.
lS600e 1J800.
Dito cor de canoa, azul e cor de rosa 9-
Seda lavrada muito bonita fazenda a 2f.
Charaalote preto muito enrorpado a 2a.
Sarja preta hespanhola a I966O.
Bordados,
Finissimas tiras bordadas de todas as qaaliia-
des e larcuras por precos baraliasimoa, eolre-
meios muilo delicados de todas sa largaras a va-
lidades.
Ulanguitns com gollinhas de cambraia bordadas
a 19-280.
Calciobas bordadas muilo finas a lf.
Mangottos bordados para senhora I9.
Gollinhas muito Boas a 400. 500,860 e ff.
Alem dsstes artigos existe aeate rsl*blcci-
meoto um grande numero de fazeadss qae aetsa
enadonho menciona-las, e dao-ae aa saoalrst
de todas, deixando Drar penhor, ou saandaBa-s^
levar as fazendas mostra oaa casa Saia familia*
que quizerem escolher, pelos caixeiros sa toja u
pavo, ra da laiparalriz n. 60, ss Gaau A Sil**
Madapolo
3^000 rs.
Vendem-se pecas de madapolo coa 14 jardas
pelo baratissimo preco de 39 a paca : na rsa ss
Imperatriz o. 60, loja do patn, ss Ca asa Silva
Panno a 1,800 rs.
Vende-se para liquidar ama conta, tasas
to, cor de rap, fazenda muilo sapirior, a i
o covado, attancando-sc quo sera are as vasd
:;IKI0 na ra da Imperatriz n. 6U, laja so a
vuo.de Gama & Silva.
Urna taberna:
Vendse arna taberna sita em Csxaof, asi-
lo afri'guozada e amaria para ariasipiaate, s
cebem-se em conta- predios I morViao someo no q
na cidade, ou seus arrebales'1
e os pretendentes podem en-
tender-se com o proprietario
dos mesmos engenhos, d-
sembargador Aharo,Barbalho
Ucha Cavalcauti
Esponjas flaas
p^ra o rosto.
Vende-se mui tinas esponjas patt
ra do Qoeiaai^H
branca ti. 16.
Aboafama
vende Qvelaapara eintos o mais bes dour
posaivel a dos ais lindos gosloa que Ui
a este mercado, pelo baratissimo preco
cada tana, carteiras com agulhas as
aortidas que se pode deseiar, a aa qae
lidade nao pode haver nada aaUar.
preso de 500 ra. cada cartel, w
I ligrap
duzia
1
------*^
MUTILADO


SEXTA ti
t DE JAHEIfco DE 1
No deposito He geto ra do Apollo
o. 31, vende-se gelo de hoja em diante
arroba a 5#500, e meia arroba 2$000,
e a libra a 160 reis: tambem recebe-se
asignaturavda pesaqat. particulares lr>
go que Jt Wlariamente, at que se
a da 6 por-
is em frente" do
Livramento.
Chapeos de sol de alpaca a 4$.
Duzia de meiascroaa para hornera a
19200 e o par a 120 r>., (lilas brancas
muito Unas a 28500 a duzia, lencos de
casta con barra deoorea a 120 ra. cada
um, ditos braacosa 160 n., bales de
20 e 30 arcos a 85, lozinha para ves-
lidosa 240 o covado, chales de merino
eslampados nos a 5j e 69, tarlatana
branca e da cores muito fias cola vara
e meia de largura a 480 ri. o covado,
fil de lioho Uso a 640 ra. a vara, pe-
cas de eambraia lisa Una a 3J, castas
decores para vestidos a 200 rs. o co-
vado, mussulina encarnada a 320 rs o
covado,caleinhas para menina de escola
algo par, gravalinhas de tranca a 160
rs., pelos para camisa a 200 rs. cada
um dusia 29, pecas decarabraia de sal-
pico milito na a 39500, pecas de bre-
(anha de rolo a 29, chitas fraocezas a
220 e 240 rs. o covado, a luja est
aberta das6 horas da manhaas 9 da
noite.
Grande
Saperiores paletots de panno preto muito fino,
obra muito bem feita, pelo baratissimo preco de
209 ; na ra do Queimado o. 22, na bem conhe-
cida loja da boa f.
Vende-se unn mulata de 24 annos de ida-
de, multo sadia, eogooma muito bem e cozinha
o trivial de urna casa : a tratar na ra da Cadeia
do R-cifen. 62, segundo andar.
45 ~~^^^HB^
icatnlt.
lensavel ao homem civilisadjj
E' elle tao necess-j
rio como o pao ao efibinago. Tolera se um
chapeo jaca ; urna casaca de ajustar laboado ;
um vestido desbotado; das o sapato acalcaoha-
do e roido, 1 bolina tem lustre e JS descosida
urna indecencia, um insulto ao orgao visusl de
um christo. E' por lo graves consideracoes
que o propnetano deste estabelecimento.
acabando de receber um magnifico sortimento,
roga aos seus fregueses st apressem em renovar
o calcado velbo visto estar-mos na (esta ;
vejam:
Homem.
M1LIES (chagre privilegiado) frescos co-
mo a agua do Prata...... 149000
BORZEGUINS.inteiricoa (Rocthlld) 99500
diversos fabricantes. 89OOO
a lustre pechincha. 53^00
Sapates de Nantes, vaqueta de lustre
bsteria........... 69OOO
Ditos Nantes batera....... 59500
5000
inglezea........ 49500
9 Nantes meninos..... 39500
lustre (sola e vira..... 59200
(urna sola)..... 3S0O0
de tranga portugueza. 2(000
> d franceza. .... 19500
Senhoras.
BOTINAS gaspa alta e lago inglezes de
duraco iocalculavel. 6J0OO
s fraucezas (lacol.....: 5J500
sem lago...... 5g000
gaspa bixa....... 4(800
outros (32,33 e 34). : 4$500
de menina (Joly)..... 4950
Spalos (Joly) com salto...... 39*00
( ) sem aalto...... 2(000
tpele......... 800
lustre (32. 33, 34)..... 800
econmicos para casa. 500
Alem disso um variado e abundante sorti-
mento de tudo o qae necessario a sapaleiro pa-
ra executar qualquer obra.
A 320 rs. o covado, grande
pechincha.
Vendem-se superiores cambraias francezas de
miiiio bonitos padrdes a 320 rs. o covado, fa-
zeoda muito fioa que sempre veodeu-se por 800
e 19 a vara, venhara por ellas, antes que se aca-
bem ; na ra do Queimado n. 22, na bem conde-
cida loja da boa fe.
"* --------------------------
j muito pflpf ara os taba
. M W*> escuras e flus, pelo
baratisnm 5 e 6g a duzia : na ra do
22. na bem conhecida laja da boa f.
Fil liso e tarlatana.
Vendfm-,
taco dos^di
ARMAZEM.PROGHESSO
Francisco Fernandos Duarte
largo da Penlia si
a mais superior do mercado a 800 rsa libra, em barril se far
Aflanca-se a boa qualidade de todo qualquer geuero
comprado neste armazem, assim como veude-se por menos 5 a 10 por cento do que em outra
qualquer parte.
Nlam\eig8L ingleza
abatimento.
\V*nUV^a traUCQia a mais no 600 rs., em barril, e 640 rs. a libra.
QneilOS dO TeimO ehegados n..ie ltimo vapor por 39000.
^JUtlJttS lOnarillOS de 8aperior qualidade e muito frescaes a 800 inleiro, em libra
GM ^^i*' ^1**** PTCt os melbores que ha no mercado 39000, 2*600.
29000 rs. a libra.
Pr extinto pa?a ambie muil0 novo9,500 rs 1bra
rreZUQtO dO Te'inO d6 lap,ror quaidade a 4O rs. loteiro, e 480 rs. a libra.
9 Alnllte 0 Qjelhor pelisco que pode haver por estar prompto a toda a hora a 1| a libra.
oueiaho do reino 3l0 ri llor, e arroba t9mo
Courisas e paios cheg.dos ne9te ultmo navi0i a 720 rs# a libra
Banna do porco retinada. m r, em lala com t0 librag( por ^ r, e
se for em barril a 440 rs. a libra.
nlarmelada imperial d0 aramad0 Abreu e dQ oulros muilos (abricaQleg d6 Li8boa
a 900 rs. a libra, em Utas de 2 libras por 19600 afiaoc-se a boa qualidade.
aiaea de tomateem laUg de uma libra por 900 rg
iVniendoaS e eOnfeOS era UU3de2 Ubras contendo'difireme, qualidades,
muito propno para mimo, a 29OOO.
KiVVllliaS VraneeXaS e p0riUgUezas em latas de 1 libra, por 640 rs. ditas em meias
a 500 rs. r
JUetria, maearrao e talliarim. 400 rs libra, em caixa a 8j>
L^lOZeS mil0 n07a8 a joOrs.o libra, e 49000 rs. a libra.
em cati5eg mu,l0 enfeitados proprios para mimo a 600 rs.
.11 lD^ieZa a mos superior que ha a IgOOO rs. a garrafs o em caia se far
abalimento.
Genebra de HoUauda. 6000 rs. a [raiqueir8i e 560 rg> o frasco>
Viunosengarrafadosiavimasd01)ouro a mm rs. a garra[a Porlo fino Fe.
luna, Duque do Porto, a ISlllt pin p>;>. o r.A .K.i;.nanin
Vin\io Bordeanx
e a 1$500 g garrafa, afflanca-se a boa
em gigos de uma arroba a 19.
os mais supariores, hespanhol a 1J200. rancez a Ifl, porluguez a 800 rs. a libra
das mais acreditadas marcas a 19 a garrafa e em caixa a 99 a duzia.
*"""P***" de differenles marcas a 169 a duzia
qualidade.
Verdadeira serveja cobriza e de 0Blras muila3 marcag, o>. duzia> t
a oOO rs. a garrafa.
W nnO em pipa Port0i Lisboa e Figueira a 3,500, 49 e 49500 a caada.
Espermasete luperoc, 740 em caixai e 760 rg> a 1bra>
Batatas novas
Chocolate
* 8v a oommaare muit0 U0T0,t em caixas de 8 hbras por t9bm> 0 em libra a
320 rs.
lUina de engommar, muito alva a 100 rs. a libra.
A.mendoas d9 CH(.,Bole a 400 rs. a libra>
kzeite dece teQn4d0 a ^ r9. a garra[a e em caixa a ^
Palitos de dentes lixad05 com pertac5o a m rj> o maro.
CosteleUs mglexas proprias paratfismbre. m r9. a llbro.
IgieZa a mais D0?a do mercad0 a 49 a barrica e em |ibra a 320 rs.
ivmeixas i anceas frMCM muito-ricog C0B 41 a libragpor >%m ts por.
tuguezas a 480 rs. a libra. v
IJOIO pafa iimpar facal 200 rs. cada um, em porco se ar abatimento.
WOjaS ejj, {ra3C0S de i e i(2 bra muito novas a 800 rs.
Indepenlente dos gneros anounciados encontrar o respeitavel publico grande sorlimeo-
lo de gneros, tudo de superior qualidade.
Polassa da Rtissia.
i *
Vende-se em casa deP.O. Bieber &
C, ucceuores, ra da Cruz n. 4-
Gomma lacea,
Vende-se na roa Novan. 4i,%m
de ChristiaDui. Irmao.
Paletots
brancos.
36
ni A Ii
Vendem-se suporiores paletotsde brim branco
de poro linho, pelo .baratissimo yreco de5g.i na
do ueimado n. 22, na bem conhecida loja
^^P-ae superior fil liso e tarlatana branca
e de cores, pelo baratissimo preco de 800 rs. a
?ara ; na bem conhecida loja da boa f, na ra
do Queimado n. 22.
Ricos eneites.
Vendem-se ricos e superiores enhiles os mais
modernos que ha, prelos e de cores, pelo bara-
tissimo preco de 6 e 69500 : na loja da ba f,
na ra do Queimado n. 22.
Cambraias de cores.
Vendem-se cambraias francezas de lindas co-
res, pelo baratissimo prego de 280 o covado ; nu
ra do Queimado o. 22, na bem conhecida loja
da boa f.
Cambraias francezas finissimas.
Superiores cambraias francezas muito Boas, de
muito bonitos padrdes, pelo barato preco de 700
rs. a vara : na loja da boa f, na ra do Qoeima-
do n. 22.
Cambrala Usa.
Vende-se eambraia lisa transparente muilo fi-
na, pelo barato preco de 4 e 5g a pega com 8 1|2
varas, dita tapada muito superior, pega de 10
varas a 6j : na ra do Queimado n. 22, na loja
da boa f.
Bramante e atoalliado de
\in\10.
Vende-se superior bramante de puro linho com
duas varas de largura a 29400 a vara, assim como
atoalhado adamascado tambem de puro lioho,
com 8 palmos de largura a 29500 a vara : na bem
conhecida loja da boa f, na ra do Queimado nu-
mero 22.
Cortes de cal8.
Vendem-se cortes de calca de meia casemira
de cores escuras a 2$ cada corte ; na loja da boa
f, na ra do Queimado n. 22.
Porl bouquels,
Dourados com cabos de ma-
dreperola.
Chegaram opporlunamente para a loja d'aguia
branca os bonitos port bouquels dourados e es-
maltados, com cabos de madreperola, conforme
sua propria encommenda, ficando assim remedia-
da a falla que havia desses port bouquels de gos-
to, os quaes chegaram bem a lempo para os di-
versos casameolos e bailes que se cootam nesses
dias, por isso as pessoas que por elles esperavam
e as que de novo os qui/.erem comprar dirigi-
rem-se munidos de dinheiro loja d'aguia bran-
ca, ra do Queimado o. 16, que eoconirario obra
de bom gosto, barateza, agrado e ainceridade.
JMi
de cambraieta.
Vendem-se superiores saias de cambraieta mui-
lo tina, com 4 pannos, pelo diminuto preco de I
59; a ellas, que sao.muito baratas: na ra do
Queimado n. 22, na bem conhecida loja da boa f*
loiooo.
E' na ra do Queimado n. 39 loja de quatro
portas que se vende os -minores chapeos de so-
da de formas mais modernas e bum gosto.
RuadaSenzalaNoyan.42
Vende-se em casada S. P Jonhston C,
alliaso silh5esnglez8S,candsiiro5a casticats
bromeados,lonas nglazas, fio davala,chicote
paracarrog, o montana,arroiospara carro dt
loas cvalos ralogio ida ouro paiontt
nglez.
Navalhas d?aco
com cabo de marfim.
Vende-se na loja d'aguia branca mui linas na-
valhas d'aco reQaado com cabos de marfim, e
para assegurar-se a bondade deltas basta dizer-
se que sao dos afamados e acreditados fabrican-
tes Rodgers & C, custa cada estojo de duas na-
valhas 89000: na ra do Queiraa Jo, loja d'aguia
branca, o. 16.
Libras "sterlinas.
Vendem-se no escriptorio de Manoel Ignacio
de Oliveira & Filho, pracs do Gorpo Santo n. 19.
Colla de Hamburgo
Na ra Nova n. 4i, na loja e fabrica
de chapeos, vende-ss colla de Hambur-
go por preco commodo, tanto em re-
talho, como em porco.
Segunda vez annuncia-se o engeoho Pau-
lista para venda situado na freguezia de Mario-
guapo termo de Olioda, distante do Recife 3 le-
guas, obras de pedra e cal a ezcepcao da seuzala,
muito forte d'agaa que deita-se melado fora na
tomada, com oa estrada para navegar qualquer
carro,-com grande extenco de varzeas p-oducli-
vas e rauilis ladeiras que parte do canas para
safrejar 5,000 paes e outras boas de roga : quem
pretender se entender com o seu proprietario
oo mesmo engeoho.
Veude-se uma salanga: na ra Nova n. 44,
terceiro andar.
Atten Vende-se um plano de mesa em bom estado,
faz-se todo o negocio : na ra Augusta n. 90.
Gollinhas
detraspasso bordadas em
eambraia fina.
Vendem-se a 29 cada uma : na ra do Quei-
mado, loja d'aguia branca o. 16 A obra boa e
o tempo proprio ; a ellas, freguezas, antes que
se acabem.
Sebo do Porto
Em caziohas de uma e duas arrobas, fazeoda
superior e preco commodo: no largo da assm-
bla o. 15, armazem de Antuoes Guimares &
C.
E' bom negocio.
Ainds est por vender a taberna da ra da Im-
peralriz n. 4, muito bem sortija, e afreguezada
para a trra e mato, vende-se com fundos a von-
tde do comprador; ou d-se sociedae a um
homem de boa conducta : trata-se na taberna
grande da Soledade.
Bonecas bonitas
com rosto, e meia perna de
porcelana.
Vende-se mui bonitas bonecas com rosto, e
meia perna de porcellanaaosbaraiissimoaprecos
de 210,360,500,560. 640,720, 800 e 19000: isso
oa ra do Queimado, loja d'aguia branca n. 16.
Luvas de pellica pretas.
Vendem-se as luvas pretas de pellica com pe-
queo loque de mofo por preco baratissimo ; na
oja d'aguia de ouro, ra do Cabug n. 1 D.
h
Candceiros econmicos
e gsz nydrogenio de primeira o segunda qujli-
dade : na ra Nova n. 20 e 24 loja do Vianna.
Vende-te o eogenho Coqueiro, sito na fre-
guezia de Una da comarca do Rio Formoso na
provincia de Pernambuco, e tem as vantagens e
commodidades seguintes : tne com agua muito
bem, duas leguas de distancia para o embirque,
bom cercado, bom de prodcelo, e tem suas ma-
tas, e obras tem aquellas de necessidade para se
lucrar, e recebe parte do valor em desobrigas na
capital : a tratar no mesmo eogenho com o abai-
xo asaigoado.Jos Luiz de Barros.
Ra do Queimado n. 19.
Santos Coelho tem para
vender o seguiote:
Esleirs da India de 4, 5 e6 p.Irnos de largo
proprias para forrar camas e salas.
Lencoes de bramante largos a 39 cada um.
Coberlas de chita a chineza a lg800.
Lencoes de panno de linho fino a 2.
Toalhas adamascadas de linho para mesa a 4
Chita franceza com defeito de avaria a 160 rs.
o covado.
Toalhas de usto para moi a 500 rs. cada
urna.
Colchas de usto adamascado grandes a 6J.
Cambraias de cores a 160 o covado.
>000nh" ricamenle bord,aas de trispasso a
Farinhade
de mandioca.
O deposito da melhor farinha de mandioca
neste mercado no armazem da ra da Madre de
Dos n. 12.
meira qual
Vendo-ae em porco e a ret._
para cima, e por commodo preco : oa a da Ma-
dre da Dos confronte abotica n. 30.
Leite virginal
infallivel remedio para
sardas e panos.
0 leite virginal j bem conbecido como reme-
dio infallivel para sardas e pannoa, vende-se a
28 rs. o frasco na ra do Queimado, loia d'aguia
branca n. 16. jo
A loja d'aguia
branca um deposito de
perfumaras finas.
Esta loja por estar constantemente a receber
perfumaras finas de suas proprias eocommendas,
bem se pode dizer que est coostiluida uro depo-
sito de ditas, tendo-as sempre dos melbores e
mais acreditados fabricantes, como Lubio Piver
Coudray e Societ Hygieoique, etc., etc. ; por
isso, quem quizer prover-se do bom, dirigir-se
a ra do Queimado, loja d'aguia branca n. 16. que
achara sempre um lindo e completo sortimento,
leudo de mais a mais a elegaocia dos frascos, e a
barateza por que te vendem convida e anima ao
oomprador.
Carros e carrocas.
Em casa de N. O. Bieber
A C. successores ru da Cruz
numero 4.
Vendem-teearros americanos mu elegantes
a leves para duas e 4 pessoas e recebem-se en-
commendas para cujo tim elles possuem map-
pas com varios desenhoa. tambem vendem car-
roc.aanara condcelo deassucaretc.
Rea de superior qualidade _
por preco muito commodos:
nos armazem de Antunes Guimaries 4
C. confronte no trapiche de alfodfe.
Riscado monstro.
Vende-se riscado aoostro, fazeoda Barita) f-
nomicapara o uto domestico por tor (rsalo lar-
gura o oaeu preco ser de 200 ra. o muelo. aa
ra da Imperatriz, loja n. SO, alo Doarto.
Alfil/A l lk}
Na padaria de Antonio Fernandes a gilva
Beiriz, ra dos Pirea n. 42, vende-ao a tu
acreditada bolachmba igual a ioglozo, anta alo
ararula, todo o trabtlho noalo cata pena reato
pao o bolacha feito daa melbores farinkas o
trabalbado com o maicr aateio poaatvel, farieha
a melhor do mercado a 180,ri. a libra.
fUNDICAO L0W-H06I
Raa daSeizalla HUva b4S.
Wtstt istabtlacimtntoeonlinna abavaf
ompleosortiaianiodtmoendasoBoiasaMaB-
dsparainganho,asachinas do vapar otaixao
to forro batido* coado, da lados oitamaotM
para dito,
Soohall Mellors & C, loada recoMa ar-
dem para vender o ten creacido dopooo orato-
gius v(sto o fabricante ter-ao retirado da aaaja-
cio ; convida, portaoto, s pessoas que aoiaaraa
possuir um bom relogto de ooro oo proto ato c-
lebre fabricante Koroby, a aproveiUr-so ala 9f-
portunidade sem perda do tempo, poro vir coaa-
pra-loa por commodo preco no son oocrlaiaiia
ra do Trapiche o.28.
Vende-se
Taixas.
Lindeza.
Vende-se fazeoda denominada lindeza, ptima
para vestidos a 160 rs. o covado : na loja do Du-
arte, ra da Imperalriz n. 0.
AUeDeo
Vendem-se caixoes vastos proprios
para bahuleiros.unileiros etc. a 1 #280:
quem pretender dirija-se a esta tipo-
graphia que ahi se dir' quem o^\^Tll ^uT^& ?\*
para vender. reir, ra da Madre de Dos n. 12.
farinha de mandioca de superior qualidade mui-
to nova, e em tudo agradavel, em porcoes gran-
des e pequeas a vontade dos compradores o or-
eos muito mdicos: a bordo do brigue Midas
ancorado defronte do caes do arsenal de guerra
Sao boas escravas.
Uma escrava de idade 25 annot, sabe perfeita-
menle coziuhar, engommar, coser e bordar e
doceira. duas ditas de idade 18 a 24 annos'- na
travessa do Carmo n.....
Sebo em pao,
Vende-se sebo em pao do Porlo, caixinhas de
(Maior reduccao nos precos para acabar.
Veodem-so no armazem do Braga Soa 41 C
na ra da Moeda, taizaa do forro caado oto aaaa
acreditado fabricante Edirin Harw a 100 ra. par
UkTt, aa mesmss que ao vendan por 190.
Cale potassa.
Vendam-se estes dous gneros aobeaa coako-
cido e acreditado deposito do roa da Cadosa ato
Recife n. 12, por menos preco do qu eos
qualquer parte, afiaocanda-aa a boa qual
A cal chegou a quatro diaa polo brigue
ranoc, e a potassa legitimo do Buaois, ca>
pelos ltimos oavios do Hambargo.
Mantas de retroz.
Veodem-te mantas do rotros poro gravaUa a
00 rs. : na ra do Queimado a. 22, aa Ma ala
boa f.
U ;3 i
36, ra das Cruzes de Santo Antonio, 36,
PROGRESSIVO
roa
a Nova &6
10 co
Em as, d J. B
'-
oi.a 10, 135,201 e 259, MU)oca-se a qua

Madre e Dos
n. 12.
<. *
rros e cavalloa existentes naarmazoal
Hapitl>ru Porto, defronte
adem-se a -Va^^^^H Etabele neste t
l: na ra doTrs instante d-, c
t. .. k I velas.
THfmfranr. especialmente escollbida a
1UCU1 iraDCeza a melhor do mercado 700 rs. a libra e em barris a razao deOOO rs. a libra.
QueiJOS flamegOS ehegados neste ultimo vapor a 3,000,
UUdJOS lUndriQOS omelhor que ha neste genero por serem muito frescos a 1200 a libra.
UueiJO pratO o melhor que se pode desajar a m00 a libra e 1*100 o inteiro.
t na nySSOIl e pretO o melhor do mercado de 18700 a 2880 a libra.
pZL mtbreing,ez*haraburuez "'I**&'
Vinhn P,rtU^UezeS vindos d Por' de cas. particular 560 rs. por libra oinleiro 460 rs.
. lX M fUqUefd POr,0, ?enUa' Prl 8Q0- D9C,ar' "'". Cames, M.d.ir. socca, F.itori. tdk, aeco a c.a.iaaa
VinhoR I garrafa, e 139000 a duzia.
Vnhn o aUX d8 Superior 1uaHdad i** marcas a 800 a 19 a garrafa ede 81500 a 10000 duzia,
viimo em pipa proprios para pasto do 500 a 600 rs. a garrafa ede 35800 a 4800 a caada.
rf PttFla ,escolher d "dos os fabricantes de Lisboa premiada as exposicSos universaas do Londres a Paria
900 rs, a lata, de uma libra e a 13700 as de duas libras.
Bocetas com doces eco das mais deliceda frutas da Europa, e o mais proprio que lia para mimos, por serem ricamente eneiladas, ola
muito gosto a 39500 cada uma. ... r r
FigOS eill CaxinuaS de 4 libra muito frescos e gr.rades a 2000.
Peras secca em caixlnha de 4 libras chegidas neste ultimo vapor a 3J500 e 1$200 a libra, afianca-se sor o melhor que poda havar atoar
genero. 4
AmeixaS francezas em latas de5 libras por 49000 e 1000 por libra.
PaSSaS em caixinhas do oilo libras, as melhoresdo mercado a 3 o a 640 rs. a libra, e emeaixada uma arroba a 99500.
Latas COm fructas de 'odas as qualidades que ha em Portugal do 700 a 1|00U a lata.
Coriuthias em frascos de 1 1(2 a 2 libras de 1*600 a 29200.
Caixas SOrtidaS com ameixas, amendoas, passas figos, peras e nozes oque ha de mais proprio para mimos, da 49000 a 59000 is.
por caixa de 10 a 12 libras, e 320 rs. a libra dos figos.
Lata COI bolaxiha de SOda do diversas qualidades, e muito novas a 19450. a grandes de 4 a 8 libras do 8500 a 49&00.
Conservas OglezaS francezas o portnguezss de 600 a 800 ris o frasco.
ErvilhaS francezas e portuguesas a 720 rs. a lata, afianca-se serem as mais bem proparadas que tem vindo ao mareado.
Masas talharm, maearrao e aletria as mais novas que temos no mercado a 400 rs. a libra.
Amendoas de casca molle a 400 ris alibra em porco ter abatimento.
AzetonaS de Lisboa novas egrandes vindas pela primeira vez ao nosso mercado a 350O a ancorla.
Champanhe das marcas mais acreditadas de 15 a 2000O reis o gigo de 1J5O0 a 2 a garrafa.
CervejaS das melhoreS marcas a 560 rs. a garrafa o de 5 o 69000 a duzia da branca.
Cognac a melhor qualidade qua temos no mercado a 19000 a garrafa e a 109000 a duzia.
Genebra de Hollanda a 600 rs. o frasco e 69500 a frasqueira com 12 frascos. '
COCOlate o mais superior que temos tido no mercadoportuguez. hespanhol efrancez de 19a 1*200 alibra.
Vinagre puro de lisboa a 240 rs. a garrafa e 19850 a caada,
Espermacete Superior sem avaria a 740 rs. em caixa o a 760 rs. a libra.
ArrOZ o melhor do mercado a 100 rs. a libra e2700 a arroba do da India e 120 rs. a libra do Marnhao,
Alpista e painQO o mais limpo que ha a 160 rs. a libra do alpista a 240 ra. a libra do painco.
Vinagre branco o melhor que temos tido no mercado a 400 rs. a garrafa o 2f560 a caada,
Massa de tomate em laus de urna libra do mais acreditado autor de Lisboa o viada a primeira voz a nosso morcado, da 19 a lata.'
Araruta a melhor que se podo desojar a 320 rs. a libra, e 160 rs. a libra da gomroa.
ToiICIlho de Lisboa o mais novo do mercado a 320 reis a*1ibra e arroba a 109000.
BatatiS em gigos com urna arroba, as melhores que ha no mercado a 19800 o gigo.
Lentil das fraaaoxas, as melhores e mais siborosas de todos os legumes a 500 rs. a libra.
IXOzes as melhores mais novtt por terem chegado nesie ultimo vapor a 200 rs, a libra.
Palitos lixados para dentes a 200 e 160 rs. o mago com 20 massinhos a fiar a 280 rs,
Latas com sardi^ iha deJJLpjtes Buto novas a 440 a lata. ^
S de Carnauba ecornpafco de superior qualidada a 400 rs. alibra e a 12*500 a arroba.-
achnha Ogleza inglttBHais novado mercado a 49 a barrica e 320 rs. alibra.
s Jfjd dos gneros anounciados aneontrarao publico tudo que procurar Undante a molhados, e DOf *" im. no?
qualqdirparte, *^


na ioja d'aguia branca se acha um
meato de eotremeios bordadoe em fina
transparente, e coso de seu costume i
dendo baratamente a I920O a peca d
tendo quantidade bastante dcada padreo, para
veetid m Uver dtnheiro pproveitar a
occasio, da-loi comprar na ra do Quei-
mado, ioja d'aguia branca n. 16.
4gulhas imperiaes.
indo dourado.
A loja d'i tendo em vistas sompre
vir, e acabara de chegar
aqoi (pela primeira vezj. as superiores agulhas
imperiaes, com o fanrto dourado e mui bem fi-
taa, sendo para alfsiales e coslureirm. e caita
cada papel 160 rs. A agulha assim boa anima
e adianta a quem eose com ella, e em regra sao
mais baratas do que as outras : quem as com-
prar ni ra do Queimado, leja d'aguia branca d
16, dir aempre bem delta.
Batatas.
Vende-se balitas ltimamente chegadas de
Lisboa a 640rs. a arroba: no armszem n. 10,
travesa da Madre de Dpos.
Vende-se um eavallo, novo, grande, alazo
e de excellente marcha, para ver na cocheira da
ra da Imperatriz n. 39: a tratar na mesma ra
d. 36, segundo andar.
retenderem poded! f
Quima. b
Sebolas baratas.
O ceoto a 500 rs. e em molho a 800
ra da Imperatriz o. 49.
rs.: na
Fria universal de
liveira, na ra do Imperador.
os Srs, consumi-
dores de gafe.
Nos armazeos do caes do Ramos ns. 18 e 36 e
na ra do Trapich Noto (oo Recite) n. 8, se
vende gaz liquido americano primeira qualida-
de e recentemeote chegado a 149 a Iata Qe cinco
galloes, assim como se vendem latas de cinco
garrafas e em garrafas.
Novos cinteiros de fitas com
pontas eahidas e franjas,
K loja d'aguia branca acsba de receber pelo
vapor ioglez os lao procurados e muito bonitos
cinteiros de Qtas com pontas cahidss e franjas, e
por isso podem agora aer satisfactoriamente ser-
vidas as senhoras que a desejavam ; elles acbam-
se nicamente nadita loja d'aguia branca, ruado
Queimado o. 16.
Chapeos de palha.
O mais lindo sortimento de chapeos de palha
das formas as mais modernas de Pars, para se-
nhoras e meninas, ricos sintos ultima moda, di-
tos com lagos bordados : na ra do Crespo o. 4,
casa de J. Falque.
_;arai
------
?o"de 2| cada um
loja n. 20, do
continuada r.
rande e var
aratlssimo.
enera os.
|4os muito
^Hko p
aaf^Kotca
PRrlmpej
cima acharao
osumidores um
fazendas, ludo
Zeire para vestido.
Chegou psra a loja da victoria grande sorti-
mento de zeire para enfeites de vestido ou para
oulra qualquer obra que se queira bular pelo
barato prego de 500 rs. a peca com 10 varas : na
loja da victoria na ra do Queimado n. 75, junto
a loja de cera.
Esceucia de ail.
Para engommado.
Vendem-ae frasquinhos com escencia de ail
cousa excellente para engommado porque urna
gota delta bastante para dar cor em urna bacia
de gomma tendo de mais a mais a pieciosidade de
nao manchar a roupa como muitas vezes acon-
tece com o p de ail. Gusta cada frssquinbo
500 rs. : na ra do Queimado loja da aguia bran-
ca n. 16.
Potassa americana.
Veod-sa potassa americana cgu'iIo nova e de
superior qualidade : no escriptorio de Manuel
Ignacio deOliveira & Filho, largo do Corpo San-
CHAPEOS A GARIBALDI
ua da Cadeia do Recife, loja
n. 50, de Cunha A Silva.
Os mais modernos chapeos a Garibaldi e chi-
nes, de paiinha e feltro, mui lindos, e se ven-
em pelo barato prego de 10 e 119.
Paletots a Garibaldi.
Palelots de seda a moda Garibaldi, imitando o
aisQoissimo brim trancado decores, muito pro-
prios paraos bailes, testase passeios campestres,
pelo diminuto prego de 10)}.
Chapeos baratos.
Chapelioas de seda para senhora, pelo baralis-
simo nxego de 89, chapeos de seda e de merino,
bem euteitados, para meninos e baplisado a 6 e
79, ditoa de palha e seda para senhora a 10$, di-
tos de seda decores, copa baixa, para hornera a
6fl, ditos de casemira Je cores, pelo diminuto
prego de 19600. chapeos de castor baanco aem
pello, bonitas formas a 12J, bonels francezes de
panno para memnos\ax295U0e 3#.
Guardaaapos e toalhas.
D'itia de guardaaapos para mesa a 2jJ e 29400,
toalhas para mesa de 1(4,1|9 e 4 varas a 1J0U0,
1*500 e .
Vestuarios para meninos,
de fustao, enfeitados, a 89. baldes para senhora
a 3$500, bonitos vestidos de phautesia pelo bara-
to prego de 12), atoalb.ado de lioho adamascado
com 8 palmos de largura a 25240 a vara, mantas
de fil branco, manteletes, leques de diversas
qualidades, gollinhss, manguitos, sedas de qua-
drinhos, e outras muitas fazendas que se ven-
dem por barato prego na referida loja cima.
Fitas de chamalo-
te muito boas e
bonitas.
tor-
Veodem-se as verdadeiras lu vas de Jouvin, che
Radas por este ultimo paquete da Europa
loja d'aguia de ouro, ra do Cabuga n. 1.
Hielas para senara.
Veodem-se superiores meiaspara senhora pe-
lo baratisimo prego de 39840 a duzia ; na loja
da boa f, na ra do Queimado n. 22.
Vendem-se burros gordos e mansos : no
eogenho Jurissacs, do Cabo : a tratar alli com o
Sr. Domingos Francisco de Souia Leio.
Novidade no
radorl
23 Largo do Terco 23.
Queijos flamengos muito frescaes, chegadps
oeste ultimo vapor a 39. manteiga franceza a 720
e 640, manteiga iogleza flor a 900 e 800 rs., em
porcao se fsr abalimanto, assim como se torram
outros muitos gneros pertencentes a molhados,
assim como sejam, caf, primeira e segunda sor-
te, arroz, velas de espermscete e carnauba, azei-
te doce e vinagre, e viuhos, se vendem por me-
nos do que em outra qualquer parte a dtnheiro a
vista.
N. O.Biebsr & C.successores.rtia daCrex
3 n. 4, tem para vender reloglos para algibeira da
(Ouro e prata.
Os burros ecavallos existentes no armazem
do Sr. Andr de Abren Porto, defronte do arse-
nal de marinha, vandem-se a vootade e escolha
dos compradores: lambem ae vendero domes-
reo modo castos muito superiores, que servirern
._. \ para agurdente oumel: na ra do Trapiche n. 4,
A loja d'aguia branca acaba de recebe-pelo va- J fro andsr<
por ioglez sua encommenda de boss, Dooitas e r
largas fitas de chamalote brancas e outras cores, WMM^kre3-&IS&IA$K5tQ &MMS A
as quaes sao excellentes para cintos, lagos, etc.. 1 *"*J< ** ""*?., g
de vestidos para casamentse bailes, assim como,! InfAnAttGA Illlitlli'A
para lagos de bouquetes, cinteiros de criangas e
muitas outras diversas cousas, e como de seu
costume os pregos sao menores do qae em outra
qualquer parte; assim quem munido de dinhei-
ro, dirigir-se a ros do Queimado loja d'aguia"
branca n. 16, ser bem servido. ____t
iualo O
Para acabar.
* Inleresse publico.
Offerecido pela loja
de]
marmore.
A loja de marmore tendo de apresen-
lar a concurrencia publica o que ha de
mais novo em fazendas, tanto para se-
nhoras como para homeos e meniuos,
sendo que para este fina espera de seus
correspondentes de Inglaterra, Franga e
Allemanha as remessas de seus pedidos,
lem resolvido, antes de apresentar o no-
vo sortimento, liquidar as fazendas exis-
tentes, o que effectuar por pregos m-
dicos e para cujo flm convida o respeila-
vel publico a aproveitar-se desta emer-
gencia.
isKttaa-nxi*aaHn aras*
e vidraceiro
8
Acaba de
chegar
novo armazem
DE
BASTOS & REG
Na ra Nova junto a Con- o
ceicao dos Milita-
res n. 47.
Um grsodt e variado sortimento da
roupas feitas, calgados a fazendas e todos
estes as vendem por pregos muito modi-
ficados como de seu costume,assim como
sejam sobrecasacos de superiores pannos
casacos feitos pelo ltimos figurioos a
J69,283, 308 e a 359, paletots dos inesmos
pannos preto a 16J, 185, 209 e a 24,
ditos de casemira de cor mesclado e de
novos padroes a 148.16#, 188.208 e 248,
ditos saceos das mesmas casemiras de co-
res a 98,101,128 a 148, ditos pretos pe-
lo dimiouto prego de 88, 108, elj, ditos
de tarja de seda a sobrecasacados a 12,
ditos de merino de cordo al2j, ditos
de marin ehinez de apurado,gosto a 158,
! ditos de alpaca preta a 79. 89, 99 e a 109, tt
i ditos saceos prstos a 49, ditos de palha de
i seda fazeuda muito superior a 49500, di- S
1 tos da brim pardo e de fustao a 39500, 49 g
e a 49500, ditos de fustao branco a 49, 1
grande quantidade de calcas de casemira
preta ede cores a 79, 89, 99 e a 10,ditas
pardas a 38 e a 49, ditas de brim de cores *
anasaiJ500, 38, 3500 e a 4$,"ditas de
brim braocos finas a 48500, 55, 59500 e a
69, ditas de brim loni a 5 e a 65, colletes
de gorgurao preto e de coras a 55 e a 65,
ditos de casemira de cor pretos a 45500
59, ditos de fustao branco e de brim
a 39 88500, ditos da brim lona a 45,
ditoa a merino para luto a 49 e a 49500,
caigas de merino para luto a 45500 e a 55,
capas de borracha a 99. Para meninos
de todos oatamanhos: caigas de casemira
5rea e da cor a 55, 68 e a 79, ditas ditas
e brim a 25. 39 e a 39500. paletots sac-
eos de casemira preta a 65 e a 7, aitos
de0T4#f oa7J, ditos de alpaca a|39,
sobrecasaeos de panno preto a 129 e a
149, ditoa de alpaca preta a 58, bonets
para menino de todas as qualidade, ca-
sratnennos de todos os tamanhos,
meios rit> Vestidos de eambraia feitos
para meninas de 9 8 annos com cinco
baados lisos a 88 e a 12$, di tos de go rgu-
rio da cor e de la a 5* e a 69. ditos da
brim a 38, ditos de eambraia ricamente
bardados para oaptiaadoa,a muitas outras
upas feitas deixam de
pela fcdeqsanU-
> reeebe-se toda eqaal-
i de roupaa para se
^^Bt e que para este fim
rtimento defazen-
imi grande offleina da al-
. hbil mestre que
e perfeigao nadadel-
Na ra do Queimado
loja de 4 portas.
Vende-se chapelinas de seds para se-
nhora a 83.
Orgsndys padrOes os mais modernos a
600 rs. a vara.
Sedinhas de quadrinhos a 800 rs. oco-
vado.
Casacas de panno preto muito fino a
20000.
Manteletes pretos a 159 e 209.
KiquMsimos vestidos de seda de cores
Se pretos o mais moderno que tem apa-
recido e por baratissimo prego.
Potassa daRussia.
Vende-se potassa da Russia da mais nova e
superior que ha no mercado e a prego muito
cammodo : no escriptorio rie Manoel Ignacio de
Ollveira & Filho, largo do Corpo Santo.
4s verdadeiras .uvas de
JotlViB.
Acabam de chegar pelo ultimo vapor para a
loja d'aguia branca, na ra do Queimado n. 16,
sendo de todas as cores.
Ra da Seuzalla Nova n. 42.
Neste estabelecimento vende-se: ta-
chas de ferro coado libra 110 r. idem
de Low Moor libra a 120 rs.
Melhodo Ollendorff.
Segunda-feira 3 de fevereiro se abre a aula de
francez pelo methodo Ollendorff, approvato pelo
conselho director de instruego publica desta
provincia.
j Joaqaim Francisco da Mello Santos avisa aoa
Arithmetica methodo Pesta- ;;;xeSSyA^
lOSSl. i Recitanosrmazem dosSrs. Travassos Janior
Approvsdo pelo conselho superior de instruc- 4 C, na ra do Amorim n .58; massa am la,
can nuhlira de. Portueal eastanha,preta a outras quali
gao panuca ae oriugai. ____ 4 __------lu...,.rhti, Nomesmoarma-
o mais
Yo Csldei-
lojadabandeira
tem para vender de boa
qualidade folha, estanto*
e bacas de
senecwpa prego favorito.
Nova loja de 'unileiro da
ra da Cruz do Recife
numero 37.
Manoel Jos di Fonseca participa a
todos os seusfreguezestanto da prsga
cmodo mato.ejuntamenteaorespeita-
velpublico, que tomou a delibersco de
baixaro prego de todas assaasobras.por
cojo motivo tem para vender um grande
sortimento debaha e bacas, tudo de
diferentes lmannos e dediversas cores
em pinturas,e juntamentenm grande
sortimento dediversas obras,contendo
banheirosegamelascompridas,grandes
e pequeas, machinas para caf ecane-
cas para cooduzu agua grandes e peque-
as, latas grandes pira Conservar fari-
nha e regadoresao uso da Europa, ditos
grandes e pequeos ao uso do Brasil e
camas de vento, latas de arroba a 18,
bahsgrandeta 49 e peqaenoaa600
rs., bacia grandes a 59 e pequeas a
800 rs..cocos de aza a 19 a duzia re-
gadores regulares muitu barato, ditos
pequeos a 400 rs., de todos estes objec- W
tos ha pintados e em branco e tudo mais
se vende pelo menos prego possivel: na fk
loja da bandeira da ra da Cruz do Re- jd
cife n. 37. 9
Vende-se a armagao da lojs da ra Direita
n. 56, muito boa para qualquer negocio : a tra-
tar na mesma.
LuvasdeJouvin.
Na loja da Boa F na ra do Queimado n. 22
sempre se encontraro aa verdadeiras luvas de
Jouvio tanto para homem como para senhora,
advertiodo-8e que para aquelles ha de muito
lindas cores, na mencionada loja da Boa F na
ra do Queimado n. 22.
eanha fina
em copos grandes.
A' loja d'aguia branca avisa a sua boa fregue-
zia que chegada a apreciavel banha fina em co-
pos grandes, e contina a vende-la mais barato
do que em outra qualquer parte : na ra do Quei-
mado loja d'aguia branca n. 16.
loja de 4 t
rao (
39.
tndem-se ataegoietes fazei d8
sane valores somente com yUm <
^Chalis da finiquito o 1**$* ""
cid* no mercado a 8,10, 15, e 30f. ^
Sedinhas de qusdrinhosrellvado, a WW e 19.
Chaly e barege, covado.fiOO rs.
Mimo do co, covado 500 rs.
Cassa franceza, covado 740 rs.
Cortes de cassa de salpicos a 39-
Groadenaple preto, covado 19
Dito amarello, covado 600 rs.
Chales d merino bordados a matiz a A.
Cortes de velludo de cores para collele
Paletots de brim de cores a 39.
Leogos de seda de cores, um 600 rs.
Chapeos de palha para aenhora o mais moder-
no e rico que tem apparecido a 12,14 e!59.
Ditos para meninos e meninos por barato prego
Bonets de palha para meninos idem.
Cortes de seda de quadros, fazenda muito su-
perior a 89.
Paletots de alpaca preta e de cores a 8$.
Tailatana de la com palmas matizadas, fazen-
da moderna e propria para vestidos de senhora e
meninas, covado 400 rs.
Chapelinhas de seda para senhora, urna 6$.
Heias para menina de 2 a 8 annos, duzia 29.
Vestidos pretos bordados a vellado.
Ditos ditos com babados.
Ditos de cores, riquissima fazenda.
Panno fino de todas as cores, covado 2|500 e
3SO00.
Manteletes pretos lisos a 12 e 159.
Ditoa ditos bordados o mais rico possivel.
Cortes de nova fazenda intitulada mossambi-
que, propria para vestidos de senhora.
Atoalhado de linho com 10 palmos de largura,
vara 29.
Bramante de linho, 12 palmos de largura, vara
29000.
Dito de dito muito fino a 39300.
Chales de laa e seda a 29.
Alem das fazendas cima mencionadas ha mui-
tas outras de apurados gostos, que se vendem por
diminutos pregos.
Chapeos do Chyli.
Na ra Direita n. 76, esquina do becco dos
Peccados Mortaes, vende-se chapeos do Chyli
muito Qno3 de cops alta e aba larga a Garibaldi
e de outras muitas qualidades de gosto modernos,
assim como um grande sortimento de livros em
branco para escripturagao, tudo por pregos ra-
zoaveis.
Vendem-se folhetos com o retrato do Sr. D.
Pedro V, contendo o sen reinado ltimos no-
\ obra mui apreciavel para oa Poriugme-
lo barato prego de 19: ds roa do Qaaiaaa-
do, ioja 8e miudeiaa da bol' fama n. 85.
irmazem de louca
8~Roa da Cadeia do R<
Grane liquidoslo
todo pretjo.
Tambera se vende o eslabelecimeoto com ba-
timento.
Louga vidrada de differeotes qaalidades.
Vasos de diversos tamanhos para manteiga, do-
ce etc.
Jarras finas grandes e pequeas.
Ditas entre-Anas e msis inferiores.
Potes de difterentea tamanbos.
Jarraa e jarres para cosinba.
Resfriaderas [ou garrafas) de differeotes gostos.
Quartiohas grandes e pequeas.
Copos da Bahia e da trra.
Muringues finos e entre-finos;
Fogareiros para defumar.
Baldes de pao proprios para compras, eocheirat
e navios.
Escovss de lavar casa e navios.
Vassouras de cabello, piassava e palha para
varrer.
Espanadorea de cabello para carro, asesa etc.
Carrinhos de differentes tamanhos para maniate
brincar.
Cestinbas para menina de escolas.
Balaios sortidos.
Cestas para compras sorlidas.
Capachos redondos para meio de sala.
Garrafas de vidro brancas e de cores para v-
nho, licores, agurdente etc.
E outras muitaa fazendas que seria difficil
mencionar as quaes se vendero sem reserva de
prego por o dono do estabelecimento ter de re-
tirar-se.
Legues.
Relogios
Ysnde-s em casa de Johnstorj Pattr & C,
rna do Viga rio n. 3 um bello sortimento d
ralogiosdeouro,patente ingle?, de um dos mais
afamados (bricantes de Liverpool; tambas
una variedsde da bonitos trancelinspara 01
mesaos.
Grande e nova officina.
Tres portas.
31Ra Direita31.
Neste rico e bem montado estabelecimento en
centrarao os freguezes o mais perfeito, bem ac
badoe barato no seu genero.
URNAS de todas as qualidades.
SANTUARIOS que rivalisam com o Jacaranda.
BANHEIROS de todos o lamauhos.
SEM1CUP1AS dem idem.
BALDES lUeuj ldom.
BACAS idem idem.
BAHUS idem idem.
FOLHA em caixas de todas aa grossuras.
PRATOS imitando em perfeigao a boa porcel-
lana.
CHALE1RAS de todas as qualidades.
PANELLAS idem idem.
COCOS, CANDIEIROS e (landres para qual-
quer sortimento.
VIDROS em caixas e a retalho de todos os ta-
mandando-se maohos, botar dentro da cidade,
em toda a parte.
Recebcm-se encommendas de qualquer oatu-
reza, coocertos, que tudo ser desempenhado a
contento. I%l
SABO.
(Novo paquete das novidades
23-Rua Direita-23
Vendem-se lindos leques de aadreperola,
mais fino possivel: na loja d'aguia de ostra,, rea
do Cabug o. 1 B.
As senhores sacerdotes.
Acabam de chegar loja da boa f, oa rna do
Queimado n. 22, meias prelss de seda muito ae-
periores, proprits para oS senhores aacerdotea
porserem bem compridase muito elsticas ; ven-
dem-se pelo barato prego de 69 o par, ae men-
cionada ioja da boa f, na ra do Qaeimado nu-
mero 22.
Aos fabricantes de velas.
O aotigo deposito de cera de camaina e sebo
em pao e em velas, estabelecido no largo da As-
sembla n.9, mudou-se para a ra da Madre de
Dos n. 28, quasi defronte da igreja, onde conti-
na a haver um completo sortimento daqoelles
gneros, que se Tendem por pregos rexoavots.
Escravosfugiaofe.
Neste novo estabelecimento achara o publico um grande sortimento tendente a molhados
tudo por prego mais barato do que em outra qualquer parte :
Manteiga iogleza especialmente escolhida a 800 e 960 rs. a libra.
Dita francea a melhor do mercado a 720 rs. a libra.
Queijos flamengos chegados no ultimo vapor a 2$800 e 3$.
Cha hysen e preto a 29 eSj)880 a libra.
Vinho engarrafado dos melhores autorea a 19 e 19200 a garrafa.
vinho ae pip piupiiu p*,. p-..o =;o0 e 560 a garrafa.
Marmelada imperial dos melhores autores a ono rs. a libra.
Ameixas porloguezas a 480 rs. a libra.
Psssas muiip novas a 500 rs. a libra.
Latas com 'JL\rchinhjs de differentes qualidades a lg'tO.
Conservas irVgleras as melhores do mercado a 800 rs. o frasco.
Massas, talhorin-, macarrao e alelria a 440 rs. a libra.
Cerveja das melhores marcas a 560 agarrafa.
Genebra de bjlanda superior a 500 rs. a botija.
Velas de carnauba a 440 rs. a libra.
Ditas de espermscete a "60 rs. a libra.
Vinagre puro de Lisboa a 320rs. a garrafa.
Arroz a 100 e 120 rs. a libra.
Alpista a 160 rs. a libra.
Toucinho de L'sboa a 360 rs. a libra.
Alm dos gneros annunciadosachar o publico um grande sortimento de um tudo tenden-
te a molhados mais barato do que em outra qualquer parte.
eastanha,preta e outras qualidsdes por menor
^^wuo;ui,s., prego qee de o.trasfabricas. No mesmo arma-
GrammatlCa por UllermanOO. jjemtemfeitooseudepositodevelasdecarnai
Approvada pelo conselho director de I. P. do
Rio de Janeiro. Na escola central do methodo
Castilho, ra das Flores n. 3, a qual recebe mais
4 pendonistas quo nao excedam a 10 annoi de
idade.
do Rio, muito novo e barato.
Farinha de mandioca
de Sinta Catharina, a mais nova que ha.
Vende-se um e outro gneros ; na ra nova
de Santa Rita, armazem n. 19.
' \ende-se nm sitio
! pequeo na estrada de Joo de Barros, em frente
do da Exma. viscondessa de Goianna, com mui-
tos ps de larangeiras, coqueiros, mangueiras, e
oulras arvores de fructo ; a tratar no mesmo
sitio.
Muitas fazendas
baratas na ra da Impera-
triz n.60, loja dopavo.
Gama & Silva, donos deste estabelecimento,
tem resolvido vender as suas fazendas por pregos
baralissimos como sejam:
Musselins branca com 4 l|t palmos de largu-
ra, covado a 240 rs.
Gbitas escuras com pequeo toque de mofo,
covado a 160 rs.
Ditas matizadas sem mofo, covado a 60 rs.
Corles de ditas com lOcovados a 19500.
Cortes de chitas francesas escaras e alegres,
fazenda muito fina e de cores seguras, com 10
covados, 29600.
Chitas fraocezas, fazenda superior, covado a
260, 280, 300 e 820 rs.
Lazioha de quadros para vestidos, covado a
Ditaa muito finas e modernas, covado a 440 rs.
Cseas de cores, fazenda ioteiramente nova,
covado a 260, 280 e 300 rs.
Ditas garibaidinas, fazenda flnissima, covado a
360 rs. ,
Mui bonitas
e boas fitas brancas de chama-
lote, franjas e trancas.
Aloja d'aguia branca acaba de receber de sua
encommenda diversos rticos de gosto, e proprios
para enfeites de vestidos de noivas ou convida-
do, se ndd M IMaAfcJHpod de diversas larguras,
franjas branca PVSres, tungaa brancas com
vidrilhose sem viles, csscarriibas brancas e mui-
tas ontrasores, finas e delicadas capellas bran-
cae,onitoenfeifli de Horra e cachos sollos, lu-
rfi de pellica potetsds'lfcimorosamente, r*.oi
Hkitas eboas fitas de chamalote, e emfim mui-
tos outros objectes que a peSdo do comprador
serio pateatM, e tiMi oheiro nao le a>l-
xarl de negociar: na loja d'Sgoia branca, rea
do Queimado o. 16.
ATTENQO i
zasimplesiem mistara algnma, como asds
composigo.
Lindas flores.
Na loja d'aguia de ouro, ra doCabug n. 1 B,
receberam de sua propria encommenda um com-
pleto sortimento de flores, o mais fino que pos-
sivel eucontrar.proprias para enfeites decebegsou
vestido, cousa muito chique, que se vende por
I prego que admira, sendo a 800 e 19 o cacho.
Mi cangas miudas de todas
as cores.
Aloja d'agoia branca acaba de receber essas
procuradas micaogas miudas que servem para
pulceiras e outras cousas, e por isso avisa as
pessoas que ellas esperavam e as que novameote
quizerem comprarle munidos de 500 ris com-
prarlo um masso muito maiordo qae os antigos,
Isso somente na loja d'aguia branca, ra do Quei-
mado n. 16.
&m MI! ME* S>MJSTOT
Sortimento completo de fazendas e roupas feitas
da ImperatrizN.
N. 18-Rua
8
Junto apadaria franceza.
Grvalas da moda.
Na loja da boa f. na ra do Queimdo a. 22,
se encontrar um completo sortimento de grsva-
tas de seda pretas e de cores, que se vendem por
pregos baratissimos, como sejam : estreilinhas
frease de lindas cores a 19. ditas 'com pontas
argas a 19500, ditas pretas bordadas a 19600. di-
tas pretas para duas voltas a 1$ ; na mencionada
loja da boa f, na ra do Queimado n. 22.
Urna barcada.
Vende-se ama bsreaga do porte de 35 caixas.
encalhada no estaleiro do mestre carpinteiro Ja-
cinthoElesbao, ao p da fortaleza das Cinco Pau-
tas, aonde pode ser vista e examinada pelos pre-
teudentes ; vende-se a prazo ou a dinheiro ; a
tratar com Manoel Alves uerrs, na ra do Tra-
piche n. 14.
luengos braceos mito
Wnos.
Vendem-se lengos brancos muito finos, pelo
diminuto prego de 59400 a duzia, graude pe-
chincha : na loja da boa f, ni ra do Quoimado
numero 22.
Caivetes fixos para abrir
latas.
Chegou nova remessa desses preciosos cai-
vetes fixos para abrir latas de sardinhs, doce,
bolachiohas etcsr, te. Agora pela fesls epme-se
muito dessss cousas e potisso neceeifpteter
um desses caivetes culo importe 19, caMhD-
do-se nartjB QueitriMo ioja da aguia btlbca
-
rfbie machina-
t!emcn$aciS.P^o
Rt*ftai* n.
ijo'de corda
doTasso Irmlo^f
Encootra-se neste estabelecimento um completo sortimento de roupas de todas as qualida-
des como sejam paletots de alpaca preta de 39a lftf, ditos de merino preto a 79, dito de panno
preto saceos a 79, 89 e 1)9, ditos de casemira de 79, 99 e 12*, ditos de alpaca de cor a 39500. 49 e
79, ditos de mei casemira de cor a 49500 e pretos a 5g. ditos de brim pardo e de cores a 39500 e
49, ditos brancos de bramante a 89500 e 49, de brim trangado a 49500, sobrecasaco de panno preto
a 169, 189 e 20$, ditos com golla de velludo a 189, sortimento de caigas brancas de brim a 29500,
89500 49, ditas de cor a I96OO, 59, 2|500 e 39. oitas de ganga de cor a 2}700, de meia casemira
a 39, 39500 e 69, ditas de casemira superior a 6S50O.-795OO e 99. ditas pretas a 4S500,79, 89 e 109,
e de oulras muitas qualidades, sortimento de collete de todas as,qualidades. camisas fraocezas de
todas as qualidades e pregos, serculas de algodao, de bramante e de linho por pregos admiraveis.
Um sortimento de roupas pare roeBinos de diversos tamanhos. chapeos francezes para cabega fle
todas as qualidades, chapeos deso de seda admiravel pechincha para liquidar a 59500 e 69, ditos
para senhora a 4| e 59, e outras muitas qualidades de fazendas e roupas feitas que se aflanga ven-
der por pregos commodos.
Meias pretas de seda.
Vende-se meiat de seda pretas para senhora
fazenda mullo superior pelo baratissimo prego
de 19o Par : a ra do Queimado na bem co-
nhectda lojs da boa fama o. 35
Linhas de cores em nvelos.
Vende-se linhas de cores em nvelos fazenda
em perfeitissimo estado pelo baratissimo prego
de 19 a libra : na ra do Queimado loja de agu-
dezas da boa fama n. 35.
Tentos para voltarete.
Vendem-se superiores lentos para voltarete
pelo baratissimo prego de 49 cada caixa : na ra
do Queimado loja de miudezas da boa fama nu-
mero 35.
n. 16, unida"
Ara
Papel de peso a^a resma.
Vende-se na ra do Queimado toja de miude-
zas da boa fama n. 35. -
Bicos de linho barato.
Vende-se bonitos bicos de linho de dous a
ouatrOtdedos de largura fazenda muito superior
pelo B*atissimo prego da 240, 820, 400 e 480 rs
a vara, vende-se por tal prego pela raiSo de es-
tarem muito pouc cousa^tticaldidos, tambem se
vendem pegas de rendas lisas perfeilamente boaal
com 10 varas cada pega a 720, 800 e 19. ditas
com salpicos muito bonitas e diversas larguras a
19200, I96OO e 29 a pega, ditas de seda a 19 ca-
da urna pega: na ra do Qieioudo na bem co
nhecida loja de miudezas da boa Cama n. 33.
Agua de
Vende
Leques de madreperola.
Vende-se mui lindos e finissimos leqnes de
madreperola pelo barato prego de 168 ca* ui} :
na rna do Queimado loja de miudezas da boa ta-
ma n. 35.
Excencia de auil para engom-
mado.
Venda-se cada um frasquinho pelo barato
prpgo dfiSOOrs. : na rus do Queimado loja de
miudeziada boa lama n. 35.
Tendo-se ausentado da casa de sel seohot
o preto crioulo de nome Bonifacio, que raproo-
ta ter 30 annos, pouco mais oa menos, olboo
grandes, baixo e grosso do corpo, nadegas grae-
des, ps apalhetados, muito regnsta. e costuma
andar de paletot de riscado e bonet de ourello
oo chapeo de palha, costosas a fugir pan M
bandas de Beberibe e Olinda : roga-s se autori-
dades policiaca e capitea le campo o aaade
pegar e levar a seu senhor no caes do Raaaee 1.
4, que serao generosamente recompensados.
Anda continua a estar fgido o preto An-
tonio, de naci Cassange, idade 40 sanes poco
mais on menos, estatura regular, com os signa es
seguintes : em urna das orelhas tem na toce ti-
rado, em um dos quartos tem oa deleito
pelo qual pucha um oouco no andar pelo p, tea
debaixo do queixo esquerdo tres b.r.oo., *>l
da llanta* lirado*, lem oa frente di bocea falla
de alguns deotes: roga-se a todas aa autorida-
des policiaes e capitaes de campo a sea captan
e leva-lo a ra do Imperador n. 73 tereeiro an-
dar que aer bem recompensado, assim come a
qualquer pessoa particular, o proprietario desda
j protesta de errpregar todos os meios qae a le
Ihe faculta contra qualquer pessoa que o teaha
occullo. assim como ha noticia de qae J estivera
em Iguarass e que dahi se retirara levaado ea
sua companhia urna preta forra dizendo taabea
ser forro.
Fugio do engenho Cuyambocs sito ta fre-
guezia d'Agua Prela, em dias do naide molo OO
auno prximo passado, o escravo Victorino, tea
os sigoaes seguintes: crioulo, cor fula, estatu-
ra um pouco baixa, olbos mnito vives, loeooi
de viola, bastante aambista; adverte-M qeo O
dito escravo j fui possuido por nm senhor de
angeoho do norte da provincia, e por lato sop-
poe-se andar o mesmo para aquellas logares:
quem o apprehender, qaelia condozi-lo ao aes-
mn eogenho, ou no Kecife, casa n. 28, aa rae da
Matriz da Boa-Vista, que ser generosaaeate ro-
compenaado.
Fugio no dia SO do correte de bordo do
patacho Capuaroa, o escravo criollo mariohei-
ro de nome Antonio, idade 19 snnot poocomsis
ou menos, altara regular, rosto comprido e coa
alguns signaes de bexigas. levou caiga a caaiaa
azul : quem o pegar leve-o ac escriptorio da
Antonio Luiz deOiveira Arevede e> C. rae da
Cruz n. 1, ou a bordo do dito patacho qoe ser
generosamente recompensado.
Fugio do eogenlr Pedraa fregaezia de Bar-
reiros no dia 8dedezembro de 1861, o preto Js-
nuario, crioulo, idade 25 a 90 sobos, alta o cor-
pulento, pouca barba, (es apalaetadcs, o tea
escrotos volumosos, bem ladioe, o referido
prato foi do Sr. Flix da Cunha Teixeire, mora-
dor em Fora de Portas desta cidsde, e coasta ter
muitos coobeciteenloo ea Ha ricota : raga-so a
aprehenso do dito preto podendo ser eotregaa
ao Sr Jos Joaquia Gomes de Abroa na rae do
Imperador n. 17 oa no eigettao Pedtt, qoe se-
r generosamente recompensado.
Fugio no dia 19 do corralo o escravo Be-
nedicto, tem os sigoaas seguintes: eiioalo,
cor preta, estatura regola, pescoco balso e pao-
so, pouca barba, lem falta de deotes, olbar soa-
brio, representa ter 36 annos do idade, tea o
dedo index ds n.o csqurrds mais carta sea
unha, tem urna costura de ftida aa caaella da
perna direita anda por acabar de fechar o tros
sempre a caiga da dita perna mais descida, levoa
vestido calca de algodao aual e cantee da caita
roa e chap'eo de baeta prela ji velfce coa aco-
chas de tinta verde, deseoofle-se qoe esteje tra-
balhando em alguna ciara por entender da aC-
iiio ou que esteje em algum sitio, e deede j so
protesta contra quem o uver : rofo-ee Oiato-
ndadas policiaes, es pitaes de campo e captara
do mesmo, a entregar na ra dos Guaranaes*.
28 em Fora de Portas, que se pagar gentroaa-
mente.
V
Attenc&o
Fugio
Taixas
pomada >-
para engenho.
Grande redueco nos pre5
do Rlacho de Panetlas, aa Bolate OO
estatura baixa, corpo groase, deotee tinados.
olbos pretos e graades, caoottoo eaxiadea, dale
regulares, cuje- mtalo se abana Faustino,
idade de 15 a 18 aanos, levoa ceroala e
de algodao soat.' Foi vtsto neeta praca i
da semana Uaeada.em am conaai viada l
le kigar. Roga-se a todas aa aoleridadeo
pitaes decampo I captaras dte njela, o
qaai poder ser_eafttc(r*e no ratertdo laeje* aa ota
senhor, DomingorAntonio dea NotOf, o Mala
oruga o Sr. Msooel Ignacio de Olivelra Lobo.
que recoafltopOt com gMaoWldade. oero-
stm, pTotoaraVso-lontra quem c tiver scoalado
Attei
fara. acabar.
Son S C ^taa-para vtajder
-aauado do mal
fado
100
do Trapt
it'ii Ann
i



Variedades.
DIARIO DE PERNAMBDCO4 SEXTA MU 91 D AHElRO DE 186i
'" "'" --------~---------------------
#

/
I
/
]
TESTES
O conde de W Minerva, eoearregado de neg-,
oi de Italia, junto da corte de Lisboa, dirigi
o Sr. ministro doa negocios estrangeiroi o se-
guiote despacho acompaohaodo a copia do que
aquello cavalheiro eovira o bario Rtoasoli :
Lega gao de Sus Magestade o rei de Italia.
Por occasiao da chegada das cartas, que anoun-
ciavam offlcialmeDte corte de Turin a morto do
Sua Magestade o rei D. Pedro, o goveroo deSua
Magostado o rei de Italia ordenou ao absixo *a-
aigoado, aea eoearregado de negocios, que uzea-
se oovamenta conhecer familia real de Portu-
gal e ao goverao portuguez o vito e profundo pe-
r que Sua Magostado, o seu goveroo e toda a
nacfio Italiana sentirm por este triste aconteci-
mento, e que exprimase ao mesmo lempo a es-
peranza de que no reinado do illustre soberano,
que aeab de aucceder 00 throu*, ee estreitario
e rmarao cada vez mais entre os doua povos os
lagos de amisade e sympathia.
3 abaixo aasigoado nao pode execatar melhor
a ordem que acaba de receber, do que transmit-
tindo S. Etc. o conselbeiro o'estado Antonio Jo-
s d'Avila, ministro dos negocios estraogeiros de
Sna Magestade Fidelissima. a inclusa copia do
despacho do ministro dos negocios estraogeiros
de Sua Magestade o rei de Italia, e aproveita ao
mesmo lempo esta occasiao para renovar S.
Exc. o Sr. Avila as seguranzas da sua alta consi-
deraco.
Lisboa, 21 de dezembro do 1861.A' S. Exc. o
Sr. conselbeiro d'estado Avila, ministro dos ne-
gocios estrangeiros de Sua Magestade Fidelissi-
ma.Dada Mimrva.
< Tradcelo.Turin, 11 de dezembro de 1861.
Sr. conde.No meu despacho telegrsphico de
15 de novembro pedi-vos que exprimisseis fa-
milia real de Portugal a parte que o rei e o seu
governo tomaram na desgraga que ferio augus-
ta casa de Braganga, e o paiz cujos destinos Ihe
esto condados. A chegada das cartas que par-
ticipan) oficialmente a Sua Magestade o rei,
meu augusto seohor, este par sempre lamenta-
?el acooteclmento, me proporciona urna nova
oecasio de vos rogar que fgaos notamente co-
nhecer ao goveroo lusitano os seotimeotos de
que estamos possuidos oesta circumstancia.
O illustre soberano, que a morte accommetteu
no principio de um reinado glorioso, nao era co-
nhecido na llalla s pela reputago que as suas
virtudes e o recoobecimeoto do seu povo lhe li-
ona grangeado. Ha alguns aooos fez elle urna
corta visita a Tarn, e nioguem pode esquecer
entre nos a benevolencia e affabilidade das suas
palavras, a graciosa digoidade do seu porte. A
popularidade que elle assim lioha sdquirMo en-
tre nos augmeotou alada, quando se coaheceu a
coragem com que expoz a sua vida, visitan lo os
hospitaes de Lisboa, onde a febre araarella li-
aba apparecido. A pressa que o re D. Pedro se
dea em reconhecer o reino de Italia lhe tinha
ltimamente dado ainda maiores ttulos ao amor
dos italianos. Seris, pois, Sr. conde, o inter-
prete dos seotimeotos da naci italiana, nao me-
nos que dos do rei e do seu governo, exprimindo
familia real de Braganga o vivo e profundo des-
gosto que experimentamos.
Digoae-vos acrescentar que a nossa mais chara
esperanza 0 que principe illustre que a Provi-
dencia acaba de chamar ao throno de Portugal
haver por bem seguir para com a Italia o exem-
plo do glorioso soberano a quem succede, o que
assim se flrmaro e estreitaro cada vez mais as
relaces de amisade que exislem entre dous po-
tos que gosam o beneficio de iostituicoes anlo-
gas. Aceltae, senhor, etc. etc.Ao Sr. conde
Oella Minerva, eoearregado de negocios de Ita-
lia, Lisboa.(Assigoado) Ricasoli.
a meses se rio oiratprido o sonfo das tres
que a pra*feg sabio a 3 de outubro,
itSba, que foi a da mi.
em 1-de dezembro, como temos dito.
Anda o chronlsta dominicano omilte que 0 fi-
lho mais velho do infante tambem monto em 1
de agosto do mesmo ano da 1534, os villa de
brante 1. ".-
Indigna cousa de homem christao dar era-
dito a sonhoa, como i certezas {falliris diz
Pr. Luiz de Soma, mas logu acresceata que boof
aso despresaros aoahos, e quasi que os consi-
dere como advertencias: boa fe do dominicano.
O facto que urna familia, eolio a mais pode-
rosa do reino, depois do rei, se extioguio com-
pTetamenic em cinco meses.
A historia do casamento do infante D. Fernan-
do singular.
Francisco Coutioho, conde de Marialva. casa-
do com D. Brltes, condesas de Loul, era hornera
j iJoso e possuidor de orna avultadissima fortu-
na, gozavs da maior eslima e considerado na
corto, nao s pela sua nobreza e opulencia, se-
0 PWNCIPE .
O principe Alberto era um : .iores dse-
ohadores dos tras reinos ran-Bre-
lanha. Tinha trabilhado com a rainha n'um l-
bum magnifico, com posto da 63 estampas, gra-
vadas por elle mesmo i agua forte, e em parte
copla de desenhos feitos pela rainha antes do seu
casamento. Para tirar os tras ou qnalro exesn-
plares, que elle destinava sua familia s, o, prin-
cipe chamou para o palacio de Windsor um ope-
rario chamado Strange, que trabalhava sus" is-
la,porm este homeoj, comprado pelo editor Prior
(o lao deslro para engaar a vigilancia do au-
tor, (fias pode tirar 32 deseohos.
O exTlo aoimou Prior, que as columuas do
Times annunciou a venda e levou a impu-
dencia ao ponto de prometter urna exposigo pu-
blica. A familia real resentiu-se muito mas nao
deu moslras d'isso. No dia fixado. quando as
portas da exposicaose abriam maltidao impa-
ciente, um constable se apresentoa com a sua
varioba de marfim na mi.
Feehou-se a sala, apprehenderam-se as gravu -
-/, uj;U pu oua uuuiccn c uf^.,.,., It- i'ccuuu-ae 0 9910, (Hireiieniipriin-se sgrani-
nn tambem pelos servigos que zera em frica, rase instaurou-se uro processo criminal contra
NOTICIAS HISTRICAS.
El-rei D. Manoel teve da sua segunda mulher,
a rainha D. Mara, o Infante D. Fernando, que foi
duque da Guarda e de Trancoso, o qual oasceu a
5 de junho de 1507.
Pareceu que este principe nascera fadado, se-
nao para um alio destino, para urna vida afortu-
nada; qoiz, porm, a sorte que negra fosse a
so a estrella.
Dizem que era mullo applicado s letras e par-
ticularmente ap estado da historia, da qual ps-
tala ama preciosa livrarfa. Damiio de Ges re-
fere que o iofanle presava a historia, mas nao a
fabulosa; comtudo, diz que lhe mandara o de-
buto de urna et'ot icouo de toda a sua pro-
genie desde No at al-re o. Manoel, para a fa-
zer lluminar pelo illuminador mais clebre desse
lempo, o mestre Simio, de Bruges, em Flan-
dres.
A arvore genealgica, desde Ne, oeste caso,
era lalrez urna veleidade aristocrtica, pois que
nioguem dir que nio fosse urna fbula.
Affirmam os chronistas que o infante D. Fer-
nando lioha em muita conta os horneas letrados
e que signos contemplava com tengas e outros
favores.
Fr. i.uiz deSouzs, na a Historia de S. Domin-
gos refere respeito do infante D. Fernando
um caso estranho. Conta, pois, o erudito e ele-
gante escriptor o seguiote:
Acbava-se acaso o infante na villa da Azi-
nhaga. Levantando-ae urna manhia, referi aoi
dalgos, que o vestiam, que sonbra aquella coi-
to que vira sahir de ama casa em branles tres
tumbas juntas a cobertas de negro. Era o lofan
te de animo grande, bom christao e nada agou
rento ; nenhum caso fez do sonho. Ao segundo
dia chegou-lhe recado de ser fallecida a Sra. D.
Luiza, ana nica Ulna, que j nao lioha ouira.
Era por outubro do auno de 1534: foi corren Jo a
consolar a infanta, que amava com grandes ex-
tremos. Adoeceu logo e falleceu aos 7 do mez
de novembro seguiote, e a coadessa sua mulher
foi apoz elle, sem se metter mal lempo em meio,
que quaoto houve de 7 de novembro at 9 de de-
zembro. De sorte que no espigo de poaco mais
no tempo de el-rei D. Alfonso V.
Lembrou-se Francisco Coutioho de elevar
maior grandeza a sua familia, intentando casar
sua Olna D. Guioroar com o infante D. Fernando.
Fallo* oeste projecto el-rei D. Manoel, o qual
o ou vio com agrado, e comquanto o infante fosse
menor, concordou no proposto casamento. D.
mnn. ._. a ---- .------------1-----i\ 7-j F r --------.... -.-_ -...i0iurna, aus ueuaiei que compra-
menor, concordou no proposto casamento. D. perdao do infeliz, mas como se nao pode em In- ra. O rapaz de Ruio tirou da algibeira do oale
Gulomar era a mais rica herdeira di sua cOrte e glalerra alliviar nioguem de urna mulla imposta tot Valvdre deGeoree Sand e eotreaou-sa lam-
>fl dnla raiini nnhruit Ha ana familia noln Ifik.mnl As. iioliaa f... _:_ J^_____I___i 41 r\An. i l_ra_. ^ .. ""
ao dote reuna a Dobrttza da sua familia.
w.v mi m uwwica. El-rei ). Maooel raorreu antes de se Tendear berto que pagou as 1:000 libras ( 4:3008000 ris )
o casamento de seu Qlho com D. Guiomar Coat
nho, herdeira das casas de Msrialva e de Loul,
mastudo estava ajustado para que viesse a reali-
sar-se logo que o infante chegasse i edade nubil
Morreu o rei e no seu testamento deixou nxpres-
so o desejo que tinha de que o projectado eolace
se verificasse.
Depois da morte de el-rel D. Manoel, apparece
o marquez de Torres-Novas, D. Joo de [.encas-
tre, filho do duque de Goimbra D. Jorge, mestre
de S. Thiago, e fllho nalural de el-rei D. Joo
II, a oppr-se ao consorcio da condena D. Guio-
mar cora o infante D. Fernando, declaraodo que
com ella contrahira matrimonio clandestino.
Francisco Coutioho, apenas lhe conatou o pro-
cedimento do marquez de Torres-Novas, veio
corte queixar- se a el-rei D. Joo III. Dizia o
velho guerreiro que j nao tinha bracos para se
desafTronlar de tamaoha iojuria ao seu nome e
que o iofante ainda os nao lioha para pugoar pela
honra da sua noiva, e por isso s na jusliga do
re poda achar o justo desaggravo da injuria que
lhe flzera o marquez. Alem disso, expz el-
rei quinto aquelle consorcio fura favorecido por
el-rei seu pae, que no seu testamento o deixra
muito recommeodado. A aotoridade da pessoa
do conde de MariaUa, a defereocia pela sua ve-
lhice, pois j cootava perto de oitenta ancos de
edade, e pelos servidos que prestara ao paiz, In-
fluiram aioda mais no animo do rei, para atten-
der s queixss do velho cavalheiro de frica.
Maodou ouvir urna junta dos letrados mais auto-
risados e,depois disto ordenou que o marquez de
Torres-Novas fosse encerrado no castello de Lis-
boa eque seu pae, o mestre de S. Thiago, duque
de Coimbra, sahisse da corte.
O marquez nocedeu da sua empreza ; custa-
vi-lhe a desistir de um bom casamento, e pz
demanda condessa para lhe embargar o consor-
cio com o infante. O pleito durou nove anoos.
Assim lograva o marquez embiragsr um consor-
cio que tanto ambicionava e qae elle devia dese-
jr ardeotemente, quando nao fosse seno pelo
dote da nolva.
El-rei D. Joao III, porm, talvez enfastiado
da procrastioacao do processo, convocou urna
junta de canonistas e de theologos, eos quaes eo-
carregou de perguntar coudessa D. Gulomar,
em toda a liberdade, se na verdade era clandes-
tinamente casada com o marquez de Torres-No-
vas. D. Guiomar rsspondea negativamente, co-
mo sempre responder durante o processo. A-
oal foi a causa sentenciada a favor do infante e o
consorcio realisou -se.
D. Guiomar era oeta de D. Henrique de Mene-
zes, conde de Loul e de Valenca, e de D. Guio-
mar, Qlha de D. Fernando I, duque de Braganci.
Pelos seus paes e pelos seus avs era illustrissi
ma a sua nobreza. O iofaote D. Fernando rece-
bera d'el-rei seu pae, avnltadissimas doaedes,
de maoeira que esta familia competirla, se oo
excedera, em podero e opulencia '< A Bg.0-
ja.
i. casa do infante tinba mais de 250 moradores
eem tudo era sumptuoss e grande.
Nao concordia) os chronistas na poca do casa-
meoto, que deveria ser em 1529 ou 1530. Pouco
tempo durou a ventura para quem pareca desti-
nado a gosa-la por dilatados sonos e a traosmit-
ti-la urna geraco gloriosa. Ao cabo de tres
ou quatro annos, e em cineo mezes, extinguiu-se
a familia. A morte devastou-a e nao deixou um
s ramo de arvore to frondosa O Iofaote coo-
tava apenas27 aonos, oslhos 3 ou 4 e a infanta
U. Guiomar devia de ser aiods mu moga.
Osbeos do infante reverleram cora e parte
dos da infanta D. Guiomar reclamou-os e hou ve-
os seu primo co-irmao D. Fernando Coutinho.
Em tempo de Philippe II, os restos mortaesdo
infante D. Fernando, que estavam no cooveolo
de brante, loram trasladados para o convento
dos Jerooymos de Belm, jazigo da familia de
- el-rei D. Maooel, e no tmulo lhe pozeram um
- epitaphio, que em portuguez quer dizer : a Aqu
FOLHET1M
0 PAIZ DO MEDO O
POR
A. DE GONDRECOURT.
(Costumes dos nmades.)
PRIMEIRA PARTE.
VIII
(ContDuacao).
Asdnas personagens, de quem nos oceupamos
ha alguns instantes, atravessaram aaldeia, e pa-
raran) espera de Walter na primeira volla que
fazia o camioho de Scbwitz na direceo de Io-
genbohl: ali viram-se elles livres da curiosidade
dos ociosos, porque o lugar ai deserto.
O mais velho dos dous nio liaba bem viole e
seis annos ; o oulro apenas contara vinle e qua-
tro: ambos trajavam da mesma forma. Urna ca-
misa comprida de algodio, talbada no pescoco
como uiam as mulheras na Europa, descia-lhes
at o meio da perna, deixando fi vista os mscu-
los dos bracos um pouco magros, porm nervo-
sos : dous burnous, um branco e uno, o oulro
prelo e mais encorpado, cobriam-lhes as costas
sendo o preto sobreposto ao branco, mas arran-
jados de tal forma que o capuz do branco Qcava
por cima do capuz do prelo : urna cinta de couro
aperlava-lbes a cintura, e nella se achavam pre-
sos quatro cannicos do cumplimento de cerca de
um p cada um, e ama pequea faca muito alia-
da medida n'uma balnha de pao.
Quando os correios do sul argelino parlem para
urna viagem longa, guardam as suas provisdes de
bocea nos cannicos de que fallamos : essas pro-
visdes constam de algumas oncas da farinha de
trigo torrada, quecbamam rotuna, e que des-
manchara em pequea porco d'agua em cada
urna das suas raras collacdea.
Nosps trsziam cothurnoa grosseiramenle fa-
bricados com pella da camello ou de cabra: tra-
ziara mais dependurada ao peacoco urna peque-
a ancoreta de pella de bode, ao que dio o ooae
de chxbouta, onde poderiam caber tres litros de
agua: Analmente conduziim um alto basti que
Ibes ajudava a andar, nica arma, alm da faca
de que coitumam a servir-se os rejoais e quer em
visgem quer nao.
As duas personagens poaco differiam no talhe
qae era alto delgado e mai destnelo. Pelas
porcoes geomtricas do corpo, pele vigor a j
os, poderiam servir de modUi
para a estatuira aliga. Os ps seceos e arquea-
(*) YW HmU n. 84. \
jaz o infante D. Fernando, successor e protectoi
dos vares doutos Commemorando assim o sea
amor s letras e aos scui cultores.
Os restos morlaes dslinfaota D. Guiomar Qcaram
no convento de branles, por assim o ter dispos-
to por sua ultima vontade.
O um prematuro desta familia e o que occor-
reu por cansa do casamento do infante eonsistue
urna historia dramtica com seas visos de tra-
gedia.
trel na gire, e como o comboy ia partir, aflojei-
meno prlmeirowagoo, onde encontr! um man-
cebo de viole tinte e um annos e ama rapari-
ga, que devia ter a mesma edade. Nio erara ca-
sados, oem irmiof, neo prenlos, nem coohecl-
"dos. O rapaz era 4o Ruio pari onde voltava de-
poisr da ter passado um mez em Par. Disie-
m o elle. A rapariga era do universo e passaiava
no mundo como em larra so i. Nao m'o disie
ella, mas vii-so.
Seolei-me, lenlo quasi defronte a lia in va -
res. Na roonUohs fronteira anda figura o'coa>
vento dea Celestinos, j traaaaaaado am fcabita-
caonobre. raa ilba no artfo^fb rio
despezs -de duas pontes, alm da outra muito
anHgs. que amigamente servia para o transitte.
i qK* ho'e i T*6 d*,,ha B>rP| fronteira.
Lembrei-rae de que conheci* na villa um jar-
dineiro que me servir em Aoleuil a fui procra-
lo. Mora na ra Gte-vigne. ao subir du sitio
onde d sntos era a porta de Chante l'oie. O no-
aprender antiguidades de Mants.

os dous culpados. Strange, fugiu para Fraoga
com Prior, porm voltou Inglaterra e foi preso
em casa de sua mulher e depois condemnado co- lindos de preto, que nioguem dava nela irra-
mn n.\mnlii.a Hn n.liln. D.Ia. f A____.. .. A* nm\ !! 1 .
mo cmplice do editor Prior dous annos depri-
sio e 1:000 lib. al. de multa.
Eolio o principe Alberto iolerveio e obleve o
pelo tribunal de justica, foi ainda o principe Al-
pelo pobre operario,
crime.
que a miseria arrastra ao
PASSEIO A MANTS.
Imagina muita gente que lie divertida trra
Pars que oinguem aqai se enfastia Andam as
distracedes a perseguir os que se nao querem
distrahlr. Nao tem raaos a medir a mocidade fri
vola. Em nenhuma outra parte enconlra a edade
madura melhor emprego de tempo, Vem a ve-
Ihice buscar descanso e conforto oeste abencosdo
ponto das margeos do Sena.
Tudo isso cerda lo, e, todava......Todava
que? Aborrece-se am hornera nesta boa cidade,
como um janta que mandassem de castigo para
Avelans de Gaminho ou pira Moimeola da Beira.
Boas terral estas duas I Pomo affirma-lo. queja
por l aodei. Excellentes villas de provincia,
curiosas para o viajante, de aspecto risouho
quem chega, mas......muito mais agradareis a
quem parte. E' Pars no seu tanto como Avelans
de Caminho e Moimenla da Baira. Abundara os
todava e os vas.
Nao pretendo dizer cora isto que seja inspida
a capital de Franca. Dos me defenda da se-
melhante heresia. Quero s consolar o ieitor que
nunca veio a Pars, convencendo-o de que na
hora em que elle boceja e se espreguiga na as-
sembles, dando breca o Porto e a sua monoto-
na, fazem oulro taoto milhares de pessoas en-
tra a ponte de He rey e a de lena, dos dous lados
deste risonho Sena, que todos os veroes por des-
enfado engole duas ou tres duzias de pirizlenses.
E' essencial a disposigno de espirito para que
cada qual se divirta. Nao basta achar man os
divertimeotos. Enfastiara os prazeres quem os
nio deseja, e, no lira de tudo, prazeres, diver-
timeotos, dtslrac;es sao oomes que se podem
applicar com egual razio ao baile mascarado da
grande opera e partida de gamao dos dous
ginj.is do Tolenlino.
Ora, pois, ha borss na vida em que o mais en-
tendido no segreo de nio se enfastiar m Pars,
nio sabe tirar deste magnifico instrumento de
prazer um nico som que lhe consol a alma.
Pars para esses como a melhor rebeca de Stra-
divarius para quem nio sabe tocar. E intil
iusistir. Nao ha em Paria modo de vencer o a-
borrecimento parisiense. Nio se cura com o pel-
lo do mesmo cao. E' mistersinir da regio em-
pestida e ir respirar outros ares.
E' o que eu fago, Em me chegaodo a miuha
vez, nao vou ao bosque de Bolonha, nem aos
Campos Elysios, nem aos Boulevards, nem ao
Palais Royil, nem aojardim das Tulherias. |l)o
sitio onde me sggride a enfermidade caminho
para agareque me fica mais prxima, escolho
as linhas que partem d'ali urna trra que nao
seja minha conhecida, tomo bilhete para ella,
embarco-rae era um wagn em que j estejam
outroi viajantes e principio o tralamenlo da mo-
lestia. A" '">> do slguiulloras regrosso U Pa-
ri* iuioiramente curado, e com grande appelite
das aisiraccoes parisienses. Ao sabir da gareen-
canla-me qualquer realejo de m mqfta, como se
ouvisse a harmona celeste do PoliuM.
Assim me succedea ha das: Sahi le casa, des-
ci pela ra de Amsterdam, enlrei na passagem
do Havre, passei na ra Caumarlin e aahi por
ella para o Boulevard. Ali parei defronte da toja
de Giroux, onde esli sempre reoslos quadros
liodissimos de autores coohecidos. Nesse diaera
raagniQca a exposigao e graode a concorrencia
dos curiosos. Enlrei no grupo, e aioda nao tinha
olhado bem para o quadro do centro, quando se
me abriu a bocea em (remedissimo bocejo. Nao
esperei segundo. Tornei pela ra de Seze at
que chamam de la Ferme des Mathurins e em
poucos minutos dei entrada no caminho de ferro
do Havre. Eram II horas o 20 minutos, la par-
tir o expresso. Comprel bilhete para Mants e
enlrei na sala dos viajanies.
Escolhi Manes por ser o primeiro ponto em
que me seria fcil almfar e tambem por me
parecer qua, se eu podsse divertir-me a pouca
distancia de Paris, era melhor nio ir mais Ion-
ge. E escolhi bem. Minies urna pequea villa
do departamento de Stine el Oise, que nio pro-
cura macaquear a capital, antes cooserva quaoto
pode o carcter de trra provinciana. Julgar-
raa-ia grande distancia de Paris, se a elegan-
cia da sub-prefeitura e do jardim que lhe serve
de entrada nio .recordasse a Avenue de Cimpa-
rairice ou o Pare det Princes.
Nao interrumpamos a ordem cronolgica. En-
Pois esta era bonita e bem ajaezada. Paletot de
velludo preto, vestido cor da castanha, chapeo
egual, luva chamois, regalo de verdadeiro attra-
can e sorobnnha branca. Tinha olhos azues, aos
.uaesservlam de respleodor loogas pestsnas ne-
gras e de docel espessas sobraocelbas da mesma
cor. Faziam tal arruido os olhos azues encaixi-
gularldade vulgar do nariz e da bocea.
Apenas se poz em movimento o comboy, e
a teto Jornal dos Debates que compra-
dos parecan: obedecer molas de sqo : cada
fluctuaso dos burmous via-se-lhes os msculos
das pernas que se destacavam em relevo, como os
de um cavallo de raga vigorosa : a alvura emba-
jada dos seus denles largos e bem disposlos as-
sentava perleramente na pallidez dos labios um
pouco grossos, como no typo dos negros : a face
ossuda e saliente, um taoto broozeada, apresen-
lava de vez em quando alguns reflexos de vivaL
animagao, provenientes dos ardeotes ralos qae
despedan) doas olhos pretos, profundos e som-
breados, indicio caracterstico da pbysionoma
rabe.
A' um signal qae Ihes fez Walter para indicar
que nio devlam desconfiar do sea compaobeiro,
os reggabs dola se approximaram vivameaua'
spoderaram-se da sua mao para *eijarem-naVe
comegaram esse longo ceremonial de reverencias
que a pueril civilidade dj Koram impde todo'
o Qlho do prophata, quando enconlra o seu inte-
rior. v
Eolio, Mohammed, diise Walter, dirigindo-
se ao mais alto e mais idoso dos dous regaabs
i pacieocia j te vae fallando ? '
Senhor, respondeu Mohammed, a pacieocia
nunca me faltar, querendo Deus, aenio na hora
em que o meu corpo nio poder mais obedecer-
te ; porque entio eu estarei prximo do tmulo.
Muito bem. E tu, Slimann, coolinuou Wal-
ter, nio teos pezar de haver deixado as tendas de
leus irmaosos Ouled-Moulat ? Por ventura
nao sonhaste ainda que na tua ausencia elles sa-
quearan) ricas caravanas, e que perdeate a tua
parte do saque?
Seohor, sou tea servidor; por isso s me
oceupo de tua vontade, responden Slimann ; e,
querendo Deus, nunca verei nos meussoohos se-
no o cumprimeoto dosteus projectos. Nio te-
nho pezar de haver deixado o paiz dos meus ir-
ruios, nem o sol que se ergue e se oceulta por
detraz das oossas areias.
Eotretanto faz muito fro nestas tristes mon-
tanbas, que vos conduzi.
E'o paiz dos christaosnao pode ser bom,
disse Mohammed. Os christaos sao j persegui-
dos nesle mando pelo aojo das trevas; porque a
a luz do cu mui pouco os allumia ; gosam do
fro na ierras gosarao do calor na morada dos
reprobos.
Walter traduzio & Klein e que acabara de dizer
e de ouvir; e acrescentou :
Eis como os leus subditos le hio de ser de-
dicados, futuro sultio.
Urna observagio, disse Klein ; parece-me
que estes senbores nio te tratam l muiio caral-
lei rosa mente, e isso nem te ofrende I....
' Porque?
Porque fallsm de christios com tanta sem
ceremonia 1....
E o aj tem? *
O que tem I Dar-se-ha acaso qae t sajas
um renegado ?
Walter respondeu com um signal de cabega
affirroativo, e abaixou os olhos tristemente.
Diabo I replico Francisco. Eis um caso
especial, como dizia monsir Oateuichneider, nos-
so profesor de geometra em Heidelberg. Ser
preciso tambem que eu te imite para sor coroado
em algam canto do leu sanar ?
Serias ssslm mais poderoso.
, Esl bom ; isto 4 um pequeo escrpulo
kjue, teoho e talvez consiga vencer a difficuldade:
a minha cooiciencia de fcil accommodar. Con-
tina a tua conversado; mas diz-me primeiro que
lingua fallas? Os meus ouvidos nio conhecem
as consonanciss rabes.
Fallo a lingua dos nmadeso touaregh.
Urna algaravia ?
Como quizares ; porm urna algaravia que
se acha espalhada por immensa superficie terri-
torial de nao menos de quatroceotas leguas.
Por Venus I qaero applicar-me ao toa-
regh, o que far cinco lioguas vivas e doas mor-
as na minha bagagem de polyglotto. meus
anligos profesiores I Que gloria que deveis ter
com o zelo do vosso velho discpulo I Coolioa,
bario, nao te importes comigo, tenbo a mana de
fallar sozinho algumas vezes.
O hornera, que ambos vedes aqai, replicou
Walter fallando aos reggabs e designando Fran-
cisco com o olbar, ma dedicado por amisade :
um terairelgueneiro, um djouad [oobrel ins-
truido em toda a* cousas. Dnfargou-se para
poder chegar f aim sem que fosse reconhecido,
e por isso o estaes vendo coberto dos andrajos de
derviche. A elle est iacumbida a parte mai*
perigosa do negocio que nos todoa aqu condu-
zio. O momeom de oosso libertamenlo nio eit
muito longe ; bem dapressa, qoerendo Deus, rol-
laremos a gozar di sombra daa oossas ricas pal-
meiras ; bem deptessa s missao que me conflou
o todo-poderoso ter um pleno sueessso. Ama-
nhaa dirlgi-vos cass que habito oa Outra mir-
gem do lago ; ebegareis ali como chegastes aqu
na qualidade de viajores que querem visitar o
paiz : fingiris nio conhecer nem mim nem ao
meu companheiro, eeuacharei meios de preve-
nir-vos quando fr-preciso dar-vos algumas ins-
trueges. Por agora deixo-vot; a salvacio de
Deus esteja comvoico I
Os reggabs ouviranrcom grande attencio o que
Ihes disse o seu amo : i cada urna das suas phra-
ses respondiam conforme o uso rabe com a pa-
lavraWf que aigoiflca siro.; e quando aquel-
le acabou de fallar, inclinaram-se at alturs do
seu hombro para beija-lo como tinham beijado
a mi.
Walter e Klein voltaram aldaia.Mmbarca-
ram ds novo na bateado velho Kooll.
Para onde vamos, myltrd ? perguntou o
bsrquelro.
Para a Treib, respondeu Walter i e depois
virsndo-ie pera Francisco accralfafS i Estoa
iillsfeilissiroo com o seohor, e qu pMrva-lo
tot valvdre de George Sand e entregou-sa lam
bem i leitora. Nao digo que fosse grosseria,
porque ao esbo de tuda nao era ofllcio nosso di-
verBr os viajantes do Havre, mas em um rapaz
de il annos era, pelo menos, descuidse indif-
lerenga proferir a prosa da oeta do marechal da
Saxonii poesa d'aquelles bonitos olhos.
Aqui poda o aojo tentador exclamar de novo :
f vos juro
De diabo que souarrependi-me
De por lio filio mel na bocea d'asno,
como no canto nono da D. Branca. Por mais que
a menina se reraechesse no seu lugar, abrase
e echasse com estrepito o sacco de noite, tos-
sisse, suspirasse e bstesse compasso com o p,
como se eslivra ouvindo msica, o joven Ieitor
do George Saod nao dava accordo de si.
Creio que com esta pertinazindifteranga se es-
timulou o amor proprio da viajante e que no sea
mimo corajoso resjlveu vencer ou morrer n'a-
quelle spero combate entre uns olhos azues e o
estylo da baroneza Dudevant. Com effeito, fu-
zilaria do suspiro, da tosse, da agilagio e do
compassosuccedeu a'artilharia. Agora cabio o
sicco aos ps do mancebo, que era obrigado, por
corlezia, a levanta-lo do chao. Merei, pardon,
monsxeur, e urna olhadella que era fragatas
cobertas de ferro sao capazes de resistir. Logo
era a sombrinha que^ escorregando em direceo
artisticamenie combinada, se entalava entre as
mantas da viagem dos dous combateotes. Se-
gundo acto cortez, segunda phraso de desculpa
da raetralha de um sorriso gracioso, era que a
bocea mal contornada se ailastava para deixar ver
deotes bellissimos.
J nao tinha mais que deixar cahir a pobre ra-
pariga. O olhar meigo principiara a tranformar-
se em vista feroz. as faces purpurava a ira ou
a vergooha. A viciosa vergoaba, que a outra___
Deus sabe por cima de que moinhoi se lhe fra
cora a coifa. como dizem os francezes.
Afinal, resolveu por termo peleja em um der-
radeiro esforgo. Queixou-se de calor e pedio ao
rapaz que abriss6 a vidraga do seu lado. Ainda
nao estava prestado esleservigo e j ella falla va
do tempo, da ausencia do fro e de tantas outras
cousas, que nem elle poda ler Valvdre, nem
eu continuar um artigo de Prevoil Paradol acerca
dos Estados-Unidos.
Diz-se as proviocas do norte de Portugal que
os que nao tem que fizer (azora colheres. Aqui
fazem perguntas. O ioterrogario do rapaz de Ruo
foi loogo e minucioso. O meu foi mais curto por
ser reo de pouca importancia. Ah soabe donde
era o mancebo, que eslava para casar e que vie-
ra Paris cuidar dos preparativos do noivado
Eslava explicada a iodifferenga do nosso compa-
nheiro. Era urna aotecipagio de fi lelidade con-
jugal, qorno as que fazem os ministros da falenda
sobre os organillos futuros.
Seguiram-se aos interrganos as Cinfissoes.
Madama era baroneza e ia embarcar no Havre
para Inglaterra, donde passaria Havaoa. Ali
estava o o.-pco oaiiranao-a. Lom tal precita-
gao partir, que deixra era Pars doente a criada
e por isso viajava s.
Parecea-me que asta historia, excluindo a idea
de conlinuidade a quaesquer relages que pro-
viessem desta viagem. abalou algum tanto os
boos sen limemos do mancebo. E' certo quo dali
para diaole nao houve amabilidad de que nao
usasse para com a menina dos oihos azues. At
lhe disse que talvez livesse no dia seguale de ir
ao Havre para negocios importantes.
Com isto ebegavamos Mintes. Despedi-me
destas duas excollentes almas, deixando o re-
belde submettido e a supposta baroneza celebran-
do a victoria e nao menos contente de me ver
partir.
Almocei era Mants. Excelleote pastellao de
foiegras de Strasburgo.ovos fresquissiraos chim-
bertin magnifico, queijo de Neufchalele cteme-
nos mu. Fique! como um padre, dizia-se d'an-
lei, quando os padres tinham que comer e co-^
miam o que tinham. Gomo um agiota deve di-
zer-se agora, porque sao elles quem tem e quem
come.
Dali fui passear pela villa. E" bonita, mas
oao merece descripgao. A egreja aotlga e de
primorosa architectora. Entarreraram nella o
re Philippe Augusto em 1223, mas nao ficou l
muito tempo. Do tmulo nem ba vestigios,
paria assumpto um archcologo a torre de S.
Maclou e no resto das muralhas pode um anli-
quario entreler-se algumas semanas.
Esl Mants oa margem esquerda do Sena, em
urna pequea encosta. A ponte extensa e bem
cooslruide, o caes espacoso e com bonitas arvo
Assim mesmo, nao era inteirameote destituido
de conhecimentos e Iradiges histricas o muito
hoorado Sr. Pellisson, meu ex-jardineiro,por]que
I para logo me poz em pralos limpos a historia da
porta de Chante l'oie. Foi o ciso que vleram no
lempo do Bofethsa os Normandos atacar a villa
de Meles Dormiam somno solt as roldas e
vigas,e ja ism aubindo as muralbas os invasores,
quando uns gansos que andavam no muro a to-
mar o fresco comegaram a grasnar, accordaram
os cldadaos maotezes e foram causa da salvacio
da villa. *
Olhem se eu livesse Ido casa do tal advoga-
do 1 Estou a v-lo a mostrar-me a genealoga
dos gansos de Mants, para me provar'que eram
descendentes por varona dos gansos do capitolio,
acerca dos quaes me obrigaram a fazer urna
dissertagao histrica no meu ultimo anno de la-
ura 1 FolKuei de ver o capitolio romino trans-
portado Mants, mas nio quiz saber mais. Eu
creio que os laes gansos eram. aperar de tudo,
algum tanto degenerados, porque, segundo vi no
Bouillet na rainha volla i Paris, j nao grasna-
vam era 1807 ou grasnavam mal. Nesse son
Ouilherraeo bastardo assiltou a villa, lomou-a e
deu-lhe sique. Vae oa f do Bouillet. que au-
tondade muito suspeila.
Fui cera o raeu ciceroni loja de um rtc--
ftrac de Mantos. Em casa deste honrado adlo
eocontrei urna bsta, que fra do duque de
Bouillon, segundo elle dizi, e que mim me pa-
receu arranjada modernamente. A corooha era
lao bem feita como a de qualquer davina. Al-
guna armarios anligos, porcelanas falsas de Ne-
vera pira engaar basbaqoes e urna grande mesa
de embutidos de marfim, tendo no ceolro as ar-
mas da familia de Bethuue.
TI ve desejos de comprar a mesa, pela qual o
adlo pedia 23 francos, mas resist leniago.
Ao sahir da casa, disse para o jardioeiro que me
acompaohra :
Linda mesa.
Aquillo sio trastes que foram de Rosny.
Pois Rosny perto d'aqui ?
Muito perlo, e ba annos venderam-se os
trastes velhos, qaando a duqueza de Barry com-
prou a quinta, e ainda apparece algum de vez
em quando.
Fiquei contente com o achado, porque rae ha
de servir para fazer presente a urna pessoa muiio
apaixomda do ministro de Henrique IV, e per-
guntei ao jardiusiro se tiavia oulros adelos na
villa.
Nao ha, nio senhorme responleu o Sr.
Pellison.Como estamos perlos de Paris, lodos
nos andamos na pesquiza de antigualhas para
veoder aos que da cidade as voem comprar aqui.
E voc tem alguma ?
Agora s tenho um leque, que foi da con-
dessa du Barry, mas nio o vendo. E' urna recor-
dsgo-de familia.
Como assim ?
Meu avO era jardioeiro da condessa em Lu-
ceones, perto de Marly. Ellaandava no jardim,
quando a foram prender, e deixou cahir o leque.
Meu av apanhou-o e tera-se conservado na fa-
milia at agora. Ii-lhe cuitando caro. Aquella
gente exiliada quera prender meu pae, que era
aioda mogo. Se oprendessem, estavamorto. Nao
descangava n'esse lempo a guilhotina. Feliz-
mente, havia enlre os patriotas um olHcislque
era coohacido da nossa familia, o qual asseverou
que mea av quera ser soldado, e, se noiioha
ido alislar-se, era por lhe dever dinheiro a con-
deisa e estar a v6r se o recebia. Com isto esca-
pou, porm teve de acompanhar o bando at Pa-
ris e sentar praga da soldado,
Quando chegimos casa do jardioeiro, ped
para r o lequo, e, apenas o abr, descobri o
mais liododeseoho e pintura de Watteau que te-
nho valo na minha vida. Seguramente, s Luiz
XV poioria dar um presente d'estes.
Sabe o prego o'este leque ?perauntei eu
i Pellisson.
J me davam 5.000 francos, porm eu nao
o quero vender. Nio sou rico, mas se meu av
o nao livesse apaobado do chao, havia de passar
sem isso. Pois eolio fago de conta que o oo
lenho.
A* 3 horas e 50 minutos parta o expresio para
Pars. Fui-me aproximando da gire. Nolei que
na principal ra da villa o letreiro das esquinas
ora uiaia ra Real, ora roa Nacional. Quiz sabe'
/ causi. Disserara-me que amigamente era Rea
junto mim em quanto demorar-me neste paiz,
onde se ha de eoearregar de guiar-me, assim
como o velho Kooll, para que eu o fique conhe-
cendo perfeitamente.
Ai de mim, meu bom senhor I disse o men-
digo com a humaoidade propria di sua condigio ;
V. S. extremamente complceme em querer
servlr-se de um pobre ceg como eu. Se ao me-
nos podesse ver ioda mesmo por um olho, que
orazer nio terla em eonduzi-lo por toda a parte I
Nio importa; quero assim mesmo utilisar-
me do seu preslimo, e do nosso bravo bar-
queiro.
Chegando i Treib, Walter ordenou ao eslala-
jadeiro que fizesse preparar ora qaarto para o
mendigo, e repetiu-lhe que este lioha deservir-
Ine de guia emquanto se demorasse na txcellen-
te hospedara do mestre Mesmer.
Patarra de honra I o homem oo esl real-
meote no sen juizo, peosou Pompdou ouvindo o
sen futuro amo exprimir um desejo lio extra-
vagante. *
Rapaz, disse Walter voltando-se para Pom-
pdou, suba ao meu quarto, tenbo algumas ins-
Irucges a dar-lhe.
E quando achou-se no quarto com o Gascio__
o bario coolinuou :
Feche bem as duas portas, mea amigo, de-
sejo que oinguem ouga urna patarra do que voo
dizer-lhe, que negocio muito grave para am-
bos nos.
Bom pensou Pompidou. Aposlo qae vae
mudar de itinerario. Mas eu prometti servl-lo se
elle me levasse para um paiz onde te vitse o sol ;
e neste ponto estou disposto nio ceder: pro-
ffletteu-me clncoenta graos de calor... eu conten-
to-me j com qaarenla. E accrescentou em voz
alta : Senhor bario, V. Exc. pode fallar sem re-
eeio, as portas esli bem fechadas, e ningiiem
nos ouvir. Alm disto, faz aqai tanto fro, que,
Deus me perde, as palavras quasi qae gelam
oo ar I
IX
A barooeza Vernica de Gootlieben-Saelorf,
quem chamavam simplesmente madama a viu-
va tinha por habito levantar-ae muito tarde, e
segundo o antigo coslume aristocrtico, determi-
nara do leito todos os aflazeres da sua casa, ali
mesmo dava audiencias aos seus criados, recebia
do guarda portio as communicagoes exteriores, e
do mordomo ai interiores.
O Jeito de madama a viuva era desse modelo
migo, que ainda hoja se v nos velbos castellos
feudaes : alto e deforma quadrada, acharase
colloeado sobre em estrado com dous pequeos
degros, e rematara n'am sobreeu de tapegaria
asseote em quatro calumnia de carvalho retorci-
das : quatro cortinas, tim de tapegaria, re-
presentando assumptosmythologicos, corriam so-
bra es vares vontade da castellaa, ou para pro-
tegar-lhe o somno, ou para por vista a sua im-
portante magestade.
e que depois passra Nacional. Perguntei se
agora ia ser Imperial. Responderam-me que nao.
O governo reslitue os anligos nomes para dar o
exemplo da cooservsgao das tradiges histricas.
Ajuizado governo. Euj tinha visto em S. Dinir
restauradas as flores de liz na grade que cerca
a entrada do jazigo dos Bourbons.
i Chegou o comboy do Havre. C estou dentro
d'um wagn. A' um canto vejo urna irmia da
candade, que scompanha duas meninas de 10
12 annos. Representa pessoa qae aioda nio che-
gou aos 40. Defronte de mim senta-se um ho-
mem bastante mogo, bem parecido, olhos vivos,
biRode bem tratado e maneiras militares, que
nao dizem com os trages. Pargunta-me, sem a
menor sem ceremonia, se vou Paris.
Madama a viuva, brandamente reclinada entre
tres enormes travesseiros mostrava-se s pessoas
de sua casa, vestida de um penteador de selim
encarnado, tendo na cabega ama touca guarneci-
da de canotilhos. fitas e rendas, os dedos cheios
de anneis preciosos, e em urna das mios a sus
caixa de rap. Urna pequea secretaria achara-
se ali seu lado, muoida de papel, pennas e tin-
ta, podendo-se ella chegar ao mesmo tempo
por tres lados rodeando-se um antepro que ser-
via para defende-la, eem caso de necessidade
prohibir a approximagio castellaa de qualquer
vntanle contra a vontade desta.
Era assim qae madama a viuva fazia a sus pri-
meira collagio pela manhaaou primeiro almogo;
e coma com grande apetite na prsenos de quem
quer qae fosse que ali se achasse, e com o maior
desembarago, qual um mooarcha do tempo era
que as cabegas coradas faziam publicas as suas
refeigoas quotidianas.
No dia em qae o bario Walter se apresentou
no aposento da madama Tbereza, dia que foi eguil-
mente assigdalado pela rolla do bario Arnold
Seelisberg, a baroneza viu?a de Seelorf retebeu
mais cedo do que costumava ao sea mordomo e
quarda portio. Cada am destes doas servidores
declaroa que vira Joao Pompidou encarmiohar-
se para a casa em compaohia deum desconheci-
do, o qual eotrou no pateo da honra pela porla
principal ; que Pompidou tinha logo voltado, e o
desconhecido fra racebido por madama Tbereza
mas nio demoroa-se muiio.
E viram esse bomem psra onde ia ? pergun-
tou a baroneza viuva.
Nao, senhora ; porque recebendo-o mada-
ma a barooeza, julgamosqua nio deviamos oceu-
par-nos delle.
Ambos sio dotados de urna sagacidade bem
mediocre, pois devem saber que Ibes pago para
nao ter o trabilbo dequestionar a minha sobri-
nha sobre aquillo que lhe apraz occullar-me.
Pelo menos repararam bem para elle, e podem
recoohece-lo se o virem de novo ?
Quinto i isto, reparamos bem. De mais, se
madama deseja obter esclareeimeotos mais am-
pios nada mais fcil do que interrogar o Gas-
cio Pompidou. Nio nos cuita ir procura-lo
Treib.
Mas bem sabem qae Pompidou Gaicio e
por conseguinte astuto : alm disto tem suas r'a-
zoes para querer-me mal, e se lhe convier nada
dir, que satisfaga. Voltem aos seus aflazeres ;
eu reflectire sobre este pequeo caso, edar-lhes-
nida da olla do Sr. bario d'Amaiadt, quando
chegar da rugem que fez noite paseada.
Ji vimos a maneira porque o bario" Arnold foi
convidado i ir lar eem sua lia, e cora elle folle-
mos ao aposento da madama de Goolllefceo.
Finalmente ei-lo de rolla, raen sobrioho:
seja bem rindo. Tome ama cade ira, e sente-se
aqai junto de mim ; bid ter malte qae dlzer-
Sim, seohor. De l rim e para li rollo.
Mas ole 4 Francs f
Nio, senhor.
T lg0r.,1; A ,M Pyfo">" merMiesal.
Deve aer Italiano oa Hespsnhol.
Son Portugaex.
, '" A* I eu estire para Ir i Liseee e Parta be
doas anua*.
Por divertimeoto ?
* E* *!?" ne*c'os de coamercie.
Bailo o Sr. negociante.
aim, senhor Dirijo a fabriea de met eai e
najo por conta 'ella. M
Eu devia ter adevlohido lado Ule. S >
commis.ano .j10,e fuli|, corn pe,-,.^ "
soas que encontr sem as conhecer. Pola iiim
ha de deshancar Vo iol.rroga-lo. coraoTpre-
curador imperial tarta Jud, se o colhern ase
alguma das ratoeiras qae Iba esli sraadaa m
esse mundo... rwt
Entio qual o seu eomaerde ?
Fabrico boles de.... madotra do ir
quando preciso, viajo. Ha pouco fin da Hot-
landa. Que paiz Voltajre tiaba razio. T paiz
de anaea, de gintos a de canslha.
Note-se qae nio ha commia-t>oyf*r, n
nao cite as peiores obras de Voluire e de Bee-
seau, o Boo sens da tira Mesliar e ftcaalt |
Brun.
E sempre foi essa a sua occopago f
Nio, seohor. Aprend mechaoica e oelroe
estudos. Depois entre! para a arlilhara, ende
cheguei aer alteres. Fund mull bala para e
guerra da Crimea, fiz pacas retadas a estar pa-
ra sahir lente quando dei balsa.
E porque deixou o servlgo ?
Ento que quer ? Fui creado coa o beta*
e nunca me sahiu da idea. De esda vez qae vi-
nha com liceoga casa, lioha desejos da sio fal-
tar mais ao regiment e do flear com aau eae a
fazer botos.
Pola oo lhe agrada mais a vida mirHar ?
Nio. A creagio poda muiio. Ee ra creado
a ver fabricar botes, e, qaando fabricara lastra-
mantos de guerra, rioham-me as Majadea da
botao, que era urna cousa iocrrel. Afioal ai
pude resistir. Pdi liceoga mea pae. Ella asta
velho e precisara de quem o ajodaese. Deapi a
farda e enireguei-me inteirameote ao botn.
E agora nn tem saudades da artiihsris ?
Nunca. Lembro-me com goalo do serrieo
militar, dos meas cantaradas e dos aeus superio-
res, ms na minha fabrica mando eue li nada-
rara elles. Em summa, cada na lea a sea ma-
na. A minha esta.
Ora eu tinha ouvido dizer que a farea do coa-
soante obrigira a braoquear formigas.que a forea
do amor aioda fazia cousas peiores, qae a forc
do vapor, da electricidade.... e de nio eai aaae-
tas cousas mais produzia oileitos aararitaoeeo,
mas confesso que da torga do bolio ainda sao ti-
nha ouvido fallar. E todava, ali estava oa ho-
rnera que deixou barcos e redes coao te diz tos-
vez desde o lampo do apostlo S. Pedro, pera aa
dedicar coicamente a coarerter cseos e poetas
de aoimaes em primorosos botoea. Nio ee poda
censurar. Antes abotoar o mando, do qae fes-
la-Io ou langar-lhe balas ardentae e fogeetee
COI^rt V r?.
No meio d'esta conrersage, a irala da canda-
do perguotou-me que horaa eram, o depois da
agradecer a resposta que lhe dei sjaotoa.
O senhor: Portuguez I Nao sei qae mal
zemos aos seus compatriotas. iVio
amigos.
Eu estou fra de Portugal ha muitos
nos.
Mas sabe o mal que li nos tea feito ?
Ouvi dizer qae o povo nio goitava da
maas da candade eslraogeiras.
Mas eolio para que nos mandaraa
car r
Se Ihes pedir qae fotsea e aa receboraae
mal, merecera oa meus compatriotas laaaaba cen-
sura, como mereceran) as senhoras, se leate-
sera em se inlroduzir entre o poro qae aa aae>
quizease. Por muito que ralba o serriee eae to-
zem e sei que vsle muito a paz mtarea
urna nago vale muito mais.
Mas nos nio perturbamos cousa altaae. Ne
somos a propria paz.
Bem sei, minha senhora. Ea fallara esa
nypolhese.
Neste ponto chegamos i ama estagao iaterae-
dis entre Pars e Mantea. Descerara ali a iraaa
oa candada e as duas meninas e aa laeei s cea
o ex-alferea de artilharia o com aa sanelo
gordo e luzidio, qae veio sentar-so aa i
lado.
Compcou logo conversago coaooeee
do theatro e deu-oos parle de que era aocrefane
do maire dequelle ailio. Falln de outras aaitee
cousas, porm rollara sempre aoa memete*
relrtivos a iheatro com certa iosisleucia de ave
nenhum de nos aderiohara a cansa. Afioal de-
sembuchou. Trazia na algibeira ua artigo de
Paul de s. Vicior, publicado na Prest*, e ema-
na ouviuies pin a leitora daa observagee qee
as horas de ocio administrativo e municipal ts-
crevira para refulagao do crtico.
Sacou um papel, cajo mo estado indicara
que nao eramos nos as prmeiras rictiaat, e
prinripiou a leitura am ros declamatoria mtm
roufenha < montona. O hornera dos botoea eder-
meceu lerceira ou quarla phraae. Eu ai* des
mais accordo de mim, al qae acordti ao aoa daa
pafavras sacramentaos; Faite favor atoa asar
bheles. O secretario aioda lia.
Salamos pelo wagn fra ia gargalhadas e a*
rim para cisj dar parle aoa moas roano! riel oa
como um uoivo, uma lorette, orna villa de pro-
vincia, um artiiheiro fabricador da otees, ama
irmaa de caridide a o secretorio de aa aeire
entidades disparatadas a poaco divertida* poers
ser antidoto efil.-az contra o soleen da' lidio*
m.is alegre e folgazia da trra. Similia simi-
bus curantur.
Nabicodososob.
( Coaowrcio ato Porto)
I
nr-
Deus sabe como estoa aaciosa por ra-
me, e s
vi-lo.
Madama de Glolliebea costumsra a tallar i
maneiras arrogantes aos seas amigos, a aos seas
criados: mas ao sobrioho dirigs serapre pbraeee
eiiudadas o ilfectuosas, de modo que so tersara
quasi alfavel para com olio. Easa affeaiitdade
estendia-se at Thereza. porque era preciso aso
desagradar a Arnold, caja opulento forlaoa
pria respeilar.
barao d'Amsladt illudia-se i respailo _
modo com que o tratara ana Ua ; asa Thereza
*tinha-o no ralor merecido, pois naos* i
com taes appareocias. Todaria satisfeito
atTeigyo iigija, guardara-ae de deeeafaaar aaa
marido sobre aeolimeotos que, oaa ras sralai*
cidos, seriam capazas do parturbar-lba a pea do-
mestica.
Pois saiba, miaba querida ta, qae estivo
hootem poolo de afTogar-rae. Vrac. ao tos i
idea do como estara o lago lerapeataaeo
passada.
Porm a sua viagem nio foi por tetra T
Qual I E lioha eu lempo para tose? Se Usa*
se ido Kusnacht por ierra nao estara
aqu de folla.
. E' ul> ; mas qua impmdaocia,
oriuho I lacnlicar a vida por lio poaco !
Ah minha lia, pelo que rejo me,i_
ce-me muiio mal. Tio pouco I Pois ale safe
estou louco de ciuae, de colora, e... atoe*
sa-lo ? louco de torrar I...
~~ .L\.d0*10 P "," MrU Mareaaa t
Lnuo Vmc. nio loe com alieocaaaaaacarta
anonyraa. Aqu a tem.leia de OOeaVlaad
cada uma das palavras desta eecriat ---^'
goadi...
Diga anles. man sobrioho a desta eeeriata
abencoaoa pois que. gragea i. sea* rerr
ei-lo preveuido...
Finalmente chegou a coofesaar I
peu Arnold com arrebenlo. J esto n
nao devia desesperar esaa carta aaeerran
que a ella devo o estar prerenide.
A viuva sacudi a cabega eem slgex. 1
go, abriu a .ua caixa de rap, tome* daaam
pitadas consecutivameuta, e fina! dina* :
Valha-me Deus, raeu sobrino* I sio pro-
ciso eicsodalisar-se : olbe qae pan dtx*r-ih* a*
cousis dev a gente penaar boa ea cada a
vra. Toda a carta anooyaa neaea fondo
presivel ; mas oao se aegee ene al* defamoe I k
rar o'ihi algum proreite : a toi isso aa i
mei estar prevenido. Vjeme* t ara
sa um pouco. Vanos lar a rabeo eat*
ve I papel, a discutamos sobre o
Euo que lhe aununciaram com
Ouga.
KCoatinaar-se-*.)
PBRN. TTP DE M. F. DE FAMA ex FILHO, W.
W
MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EXWRCC4QO_L66NXB INGEST_TIME 2013-04-30T23:32:09Z PACKAGE AA00011611_09929
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES