Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09926


This item is only available as the following downloads:


Full Text
.
1110 IIIV11I. HOMERO 22.
Per tres mezes adiantados 5$00O
Por tres eses veicidos 6J000
DIARIO
TERCA FEIRA 28 DE JAME1B0 BE ltf2.
Per aiit adianUde 49$00O
Perte fraico par o gibseriiUr
ENCARREGADOS DA SU
QAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Aniooio Alexaodrioo de Li-
ma ; Natal, o Sr. Antonio Marques da Silra ;
Aracaty, o Sr. A. de Lemos Braga; Cear o Sr.
J. Jos de Olireira ; Maraohio, o Sr. Joaquim
Marques Rodrigues; Par, Justino i. Ramos;
Amazonas, o Sr. Jerooymo da Gosts.
PARTIDAS DOS COR REOS.
Olinda todos os das as 9)4 horas do dia.
Iguarass, Goianna, e Parahyba Das segundas
e seitaa-feiras.
S. Antio, Bezerros, Bonito, Caruar, Altinho
e Garaohuoa oas tercas-feirai.
Po d'Alho, Nazarelh. Limoeiro, Brejo, Pea-
queira, Iogazeira, Flores, Villa-Bella, Boa-Vista,
Ouricury e Ex as quai tai-feira.
Cabo, Seriohiem, Rio Formoao, Dns.Barreiros
Agua Preta, Pimeoteiras e Natal quintas feiras.
(Todos os crrelos partem as 10 horas ds maohaa
EPHEMERIDES DO HEZ DE JANEIRO.
7 Quarto creacente aa 8 horas 41 niato*
maobia.
15 La cbeia aa 11 horas e 14 mina toa da nao.
SI Quarto minguanie aa 5 horas e56minatoa
da larde.
39 La nova aa8 horas e 7 minutos da tarde:
PREAMAR DE HOJE.
Primeiro aa 3 horas e 18 minutos da manha.
Segundo as i horas e 54 minutos da tarde.
DAS DA SEMANA.
27 Segunda, s. Jlo ChrysostoBO b. doulor.
28 Terca, S. CyriHo b.; S. Lenidas m.
29 Quarta. S. Fraoiaeo de Salea b.; S. Sulpicio.
30 Quinta. S. Martioha v. m. ; S. Jacinlha t. f,
31 Sexta. S. Pedro Nolaaco ; S. Cyro m.
1 Sabbado. S. Ignacio b. m. ; S. Brgida v.
2 Domingo. Purificago de Noass Senhora:
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relagio: tercas e aabbadosslO horaa.
Pazenda : quintas a 10 horaa.
Juizo do commercio : segundas ao meio dia.
Dito de orphioa: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira Tara do civel: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda Tira do elrel: quartas e sabbados 1
hora da tarde.
ENCARREGADOS DA SUBSCMIPCAO DO
Alagoas, o Sr. Oaudino Palcio Das -
o Sr. Joa Martina Alfas; Rio da Jsawa>~
Joio Persira Martina. ~"*' **
EM PERNAMBCO.
Os proprietarios do diario Maooel Flgoeire da
Paria & Filho, na saa livrsrta praca ala Ii
dencia na. 0 a/S.
PiRTE 0FF1CUL.
Ministerio do Imperio.
3* secgio.Rio de Janeiro. Ministerio dos oe-
ocios do imperio, em 10 de Janeiro de 1862.
llm. e Exm. Sr.Sobro aa leis dessa provincia
promulgadas no aooo de 1859 oi ouvida a sacgo
dos negocios do imperio do cooselbo de estado,
e de conformidid com o parecer da mesma sec-
cSo, exarado em consulta de 29 de norembro ul-
timo, declaro a V. Etc. o seguate :
1* A resolujao o. 490 de 17 de setembro, que
Teraa sobre ju&llagdes e apoientadorias de certoa
e determinados empregados, irregular e exor-
bitante das 'acuidades concedidas as assemblaa
provinciaes, como tantas Tezes ae tem declarado.
> Nao consta que fo'ssera previamente appro-
rados pelo prelado diocesano na parte religiosa
oscompromissos das irmandades de S. Benedicto
da freguezia da cidade do Paros "lyba, de Nossa
Senhora do Rosario da mesma cidade, do Senhor
Bom Jess dos Paasos, de S. Benedicto e de Nos-
sa Seohora do Rosario da cidade de Oeiraa, ap-
prorados pelos actos nj. 466 de 12 de julho. 472
de 16 de agosto, 481 de 10 de setembro, 466 de
18 de setembro, e 489 de 14 do dito mez.
O governo imperial resolve portaato submelter
considerado da assembla geral legislativa a
citada lein. 490 ; e cumpre que V. Exc. declare
se aquellos compromissos foram aprovados na
parte religiosa pelo bispo diocesano, como deter-
mina a lei.Deua guarde a V. Exc. Jos Ilde-
fonso de Soza Ramos. Sr. presidente da pro-
vincia do Piauhy.
J 3* secgio.Rio de Janeiro. Ministerio doa ne-
gocios do imperio, em 10 de Janeiro de 1862.
Illm. e Exm. Sr. Sobre as leis dessa provincia
promulgadas no anno de 1860 fui ouvida a secgio
dos negocios do imperio do conseiho de estado, e
de cooformidade com o aeu parecer, exarado em
consultado 27 de juoho do anno prximo paisa-
do, declaro a V, Exc. o aeguiote :
1 Fallara os compromissos das irmandades ap-
provadoa pelas reaolugoes os. 933, 936, 952, 961.
963,e 966.
2* A resolucao n. 944, que no art. Io 5 esta-
belece um imposto municipal de entrada e salu-
da, e no art. 2 decreta direitos de exportacao
sobre o sal, esl no mesmo caao aquellas a res-
peito das quaes a dita seceso tem (eito seotir a
necessidade de urna deciio do poder legislativo
que define a natureza de taes impostos.
3o Nu se descobre qual a razio do diapoato na
resolucao u. 947, que declara valida urna nomea-
Co feita pelo vice-presideate da provincia, por
ser conforme a lei.
4S O privilegio concedido pela resolugio n. 948
exorbitante das atlribuices das assemblas pro-
vinciaes, como ae tem declarado por vezei.
5* Na resolugio o. 953 ( posturas da cmara
municipal da cidade da Granja ) nota-se : 1 o
arl. 112, qie manda ratear pelos presos pobres
certa parte do producto da arrematarlo dos por-
cos qua vagarem pelaa ruaa. Isto offende o di-
J**J.dft propriedade, por que esse producto, de-
duzidas aa dspotos o a multa, deve sor onttegue
aoa donos dos porcos: 2o o art. 116, que estabe-
lece um imposto de imporlago no municipio,
diaposigo esta que est na mesma razio do art.
1 5 da supra citada resolucao o. 944. Em caso
idealcese acha o art. 120 ; 3o osarts. 119 e ll
que coritem objectos de lei geral, em relagio ao
crime ;4* o'art. 122, cuj disposigio vai prejudi-
car os impostos geraea ; 5o finalmente, o art. 123
que offende o tratado com a Franca.
6o Sao menos regulares as segutntes disposi-
c5es da resolucao n 951 (posturas da cmara mu-
nicipal de Santa Quitara ); Io o art. 30, que im-
pe aos proprietarios de trras a obrigagio de
abrir estradas, creando assim oous pessoal que
tem merecido o reparo daseego em casos seme-
lhantes ; 2 oa arts. 32. 33 e 45, que rezam de
objectos regulados por lei geral, proprios dos c-
digos ; 3* o art. 40 ao qual cabe urna censura
igual a que ae fezao art. 112 da resolucao n. 953.
7o Na resolucao o. 961 ( posturas da cmara
municipal de Quexeraraobim) nota-so : Io os arts.
11,12 e 18, e o 68 quaolo a botica, que intromet-
tem-se na reguiagio do exercicio da medicina e
pharmacia, que perteoce a lei geral, e est pro-
videnciado pelo decreto de 29 de setembro de
1851 ; 2o os arts. 75, 76,77, 78, 83, 101 e 109.
que acbam-se oas mesma circunstancias dos arts.
32, 33 e 44 da resoluto n. 954, pois tralam de
objectossujeiios aa disposigoes doa cdigos e re-
gras de direitos ; 3 o art. 102, que semelhan-
te ao 30 da resolucao o. 951 e incorre em igual
censura.
A' vista de taes considerares resolve o gover-
no imperial submelter a considerado da assem-
bla geral legislativa os mencionados actos, cum-
priodoque V. Exc. remella copias dos cinco com-
promissos cima referidos.
Deus guarde a V. Exc. Jos Ildefonso de
Souza Ramos. Sr. presidente da provincia do
Cear.
8 Suas Magostados Imperiaese Augustas Prin-
cezas serio conduzidas debaixo do palio pelos
membros da Illm a. cmara municipal. Depoia do
comprimento do eatylo por-se-ha o preattto em
marcha pela ra que ladea o campo da Acelama-
cio, e descendo pala roa dos Ciganos entrar na
praca da Constituido.
9 A ordem do prestito ser a seguinle, sem
prejuizo de precedencia :
Os juizes de paz em exercicio, os delegados e
subdelegados de polica, com as suas insignias ;
Os commandaoles e offlciaes dos corpos poli-
ciaes ;
Os notarios pblicos ;
Os juizes territorises e os promotores pbli-
cos;
Oa cheles, secretarios e offlciaes das secretarias
de polica que se acharem na curie ;
O presidente e membros da junta central de
hygiene publica e do instituto vaccinieo ;
O procurador, oa ebefes e os offlciaes da secre-
taria, contadoria e tbesouraria da IIIma cmara
municipal ;
Os offlciaes das directoras da administradlo da
provincia do Rio de Janeiro e da aecretaria da
asserabia legislativa da mesma provincia ;
Os empregados das secretarias do tribuoal do
commercio ;
Os empregados da recebedoria do municipio,
da alfaodega, do thesouro,1da caixa de amortiza-
gao, e mais repartieres da corte ;
As deputacdfls enviadas pelas sociedades lilte-
rarjas, scientificas, artsticas e d* beneficencia,
estabelecidaa com aulorisacao do governo ;
As commissoes paroebiaes que coadjuvaram a
commisso erectora da estatua ;
Aa deputacea enviadas pelas cmaras muoici-
paes, e os membros destas que ae acharem na
corte ;
Os directores esecretarios dos bancos, das es-
tradas de ferro, e mais companhias commerciaes
e industriaos autorisadae ;
Os membros da commisso da praca do com-
mercio ;
Os directores e redactores des folhas diarias ;
Os directores e inspectores da theatroa. e mem-
bros dos conservatorios dramtico e de nu-
nca ;
Os membros da directora ds instituto agrcola,
e da sociedade Auxiliadora da Industria Nacio-
nal ;
Os membros do cooselbo director, e delegados
da instrueco publica ;
As congregarles da academia das bellas-artes,
faculdade de medicios, escolas ceotral e de ma-
rinha, instituto commercial, collegio de Pedro II,
com seus ebefes frente, e os do museo, do ar-
chivo, da blbliotheca, institutos, escolas, e eata-
beleciaenlos pblicos de educacio, iliterarios e
scieotiQcos ;
Os membros da academia imperial de medici-
na, do instituto dos advogados, e do instituto his-
trico e geographico brasileiro ;
em alaa pelaa ras do Thealro, Ouvidor e Dlreita
at o paco imperial. O prestito, guardando a
mesma ordem, se diriglr por essas ruaa, sendo
Suaa Majestades Imperiaes e Augustas Priocezas
conduzidas debaixo do palio pelos membros da
commisso encarregada de erigir a estatua at o
paco imperial da cidade. 08 membros da Illma.
cmara municipal Iro depoia do palio.
20. No paco imperial ter lugar o cortejo a
Suas Mageslades Imperiaes, e bem assim a recep-
cio das commissoes das cmaras legislativas, das
assemblaa provinciaes, das cmaras municipaes
e associaijes oaciooaes e estraogeiras.
21. Os moradores das ras e pragas porque tem
de pastar o prestito serio convidados pela Illma.
cmara municipal a guarnecern) as frentes de
seus edifficios com cortinas, estandartes e festes
de flores, e a maodarem juncar aa colgadas de fo-
lhas aromticas.
Rio de Janeiro, 17 de dezembro de 1861.(As-
signados).Euzebio de Queroz Coutinho Maltoso
Cmara.Roberto Jorge Haddock Lobo.Poly-
doro da Fooseca Quintanilba Jordio.Joao Al-
fonso.Lima Nogueira.Dr. Domingos de Aze-
vedo Gouiinbo de Duque -Estrada.Visconde de
Bomfim.Iti'iro Borges Monteiro Dr. Joio de
Oliveira Fausto.Joaquim Noberlo de Soasa e
Silva.Conforme, Joa Bonifacio de Nascentes
de Azambuja.
Ministerio da justica.
DECRETO N. 2,872 DE 31 DE DE'EHBRO DE 1861
Altera o decreto n. 1,909 de 28 de marco de 1857
no que dix retpeito a substituido do juit de
orphot e dos juizes de direilo das varas eri-
minaes da capital do imperio.
Hei por bem, em cooformidade do art. 211, pa-
ragrapho 10 do regulameolo o. 120 de 3l de Ja-
neiro'de 1842. decretar o seguinle :
Art. 1 O juiz municipal da 1* rara da capital
do imperio substituir ao juiz de orphlos.
Art. t" O juiz municipal da 2* vara serio subs-
tituto dos juizes de direilo das duas varas cri-
minaos.
Art. 3o Ficam revogadas as disposiQoes em con-
trario.
Francisco de Paula deNegreiros Sayio Lobato,
do meu conseiho. ministro e secretario de estado
doa negocios da juslica, aatim o leoha eatendido
o faga execular. Palacio do Rio de Janeiro, em
31 de dezembro de 1861, 40" da indepeodencia e
do imperio. Com a rubrica de Saa Magostado
o Imperador. Francisco de Paula de Negreiros
Sayio Lobato.
GOVERNO Di PROVINCIA.
Expediente do dia 4 de Janeiro de
taes
Officio ao brigadeiro commandaote das srmas.
Sirva -ae V. Etc. de expedir aa convenientes
ordeos para que aa 11 horaa da manha do dia 28
do correle esteja urna guarda de honra postada
Os membros do clero secular e regular:
Os membros ds administrado da santa casa da eni renle d co"et <* Carmo, para aaaistir ao
Misericordia, ordens terceiras e religiosas, e mais
estabelecimeotos pois e de caridade ;
As peasoaa que por seus empregos oa conde-
cora;oes gozam de honras militares ;
Os offlciaes da guarda nacional, do exercilo e
da marinha imperial ;
Os advogadoa do conseiho de estado ;
Os chefes e offlciaes das secretarias de estado
e das cmaras legislativas ;
Os membros dos tribunaes do commercio, do
conseiho naval, da relacio, do supremo tribunal
de juslica e do conseiho supremo militar ;
Os presidentes das provincias e seus secreta-
rios que estiverem na
acto da iostailacio da sociedade archeologica per-
nambucana.
Dito ao inspector da thesouraria de fazeoda.
Mmde V. S. adiaotar ao capillo do estado maior
da seguoda clisse do exercilo Luiz de Franca de
Carvalho tres mezea de aoldo como pede no re-
querimento que iocluao remello i V. S., visto
ter sido promovido aquella posto, por decreto de
2 de dezembro ultimo.Communicou-se ao com-
mandaote das armas.
Dito ao meamo.Em vista doa iocluaos reque-
rimientos, que vio coberlos com copia da iofor-
macio do inspector do arsenal de marinha de 21
20deste mez ns. 2S2 e 13.-Communicou-ae ao
director daa obras'publica.
Dito ao mesmo^-Autoriao V. S. nos termos
de sus ioformacio de 20 do correte sob o. 26,
n,s.n,a?.r PaB Jeauino da Costa e Albuquer-
que Mello a qaaolia de 1:314*500, a que tem di-
reilo, por haver feito de cooformidade com o sea
eootralo os coocertos das rampas do porto das
Canoas e do ces do Apollo.
Dito so mesmo.Ao negociante Joa Joaquim
Pereira de Mendonja, mande V. S. pagar con-
forme requisiioa o chele de polica em officio de
bootem aob n. 117, acuantia de 115*000 ris,
despendida nos ojezt de outubro a dezembro do
anno prximo paasadp, com o sustento doa pre-
sos pobres da cadeia do Bonito, como ae v da
coota junta.CommuDicouae ao chefe de po-
lica.
Dito ao mesmo.Recommendo V. S. que de
cooformidade com a aua ioformacio de 21 do
correte sob o. 31, dada com referencia a da
contadoria dessa lljesouram, mande furuacer os
objectos constantes dacelacao junta por copia,
que ae fazem precisos para a escola de instrac-
cio primaria do collegio doa orphos de Santa
Thereza em Olinda, segundo coosta de offlcio do
director geral da inairuccio publica, datado de
10 do correle e sob o. 8.Communicou-se ao
director geral da instrueco publica.
Dito ao mesmo,Em solucfio a consulla, que
faz V. S. em seu offlcio n. 25 de 18 deste mez,
teoho a declarar-lhe paca ana scieocia e direccio.
que a renda do imposto decretada no art. 40
42 da lei do ornamento* vigente, deve ser total-
mente appiicada a disposicio do arl. 21 da mes-
ma lei, nio obstante, a limitagao da respeciiva
coosigoagio; deveodo V. S. mandar entregar a
quem competentemente for, o que se liver arre-
cadado at hoje por coota desse imposto.
Dito ao capitio do porto.Em vista desua io-
formacio de hontem datada sob o. 7, deixo de
ordenar a soltura do recruta Jos Igoscio Perei-
ra da Silva, de que trata V. S. em outro officio
sob o. 5 e data de 14 do correle.
Dito ao mesmo.Strva-se V. S. de provideo-
ciar em ordem a que os vapores da compaohia
brasileira nos dias do aabida deala porto se con-
servera no ancoradouro do costme aquem do
pharol, onde devem receber os paaeageiroa sem-
pre que assim o permutam as encuernes da mar.
Dito ao director do arsenal de guerra.Ao of-
ficio de Vmc. o. 31 e data de 21 do correte,
respondo-lhe dizendo que, lego que for requiai-
tado por parte do recolhimeolo de Iguarass a
africana livre Germana que ahi se apreseolra
com sua til ha menor Sil vina, estando ao servico
daquelle recolhimeolo, mande Vmc. effecluar a
entrega.Communicou-se ao curador dos africa-
nos livre.
Dito ao mesmo. Forne^s Vmc. os objectos
cooslantes dos tres pedidos juotos em duplicata,
os quaes sio precisos a-fortaleza do Brum para o
servico da respectiva escripiura*io e para as sal-
vas que lem de dar no correlo anno.Commu-
nicou-se ao commandaote daa armas.
Dito ao director das obras militares.Devolvo
o relatorio que veio sonexo ao aeu offlcio de 17
do correle aob n. 10, ailm de que seja organisa-
do de cooformidade com o disposio no final do
aviso da reparligio da guerra de 7 deste mez,
junto por copia.Igual ao director do arsenal de
guerra.
Dito ao mesmo Pode Vmc. mandar collocar
os dous apparelhosde limpeza noquartelda com-
piohia fiza de cavallaria pela quantia de 165*
constante do ornamento anoexo ao seu offlcio de
hootem datado aob o. 14, a que reapoodo.Com-
do correte, sob o. 71, mande V. S. pagar a Ray- municou-se a Iheaouraria de fazends.
Dito ao director das obras
. das assemblss provincias e os m?a a" ? dV """' ""P.0'1"0" de 278
membros destas qne se acharem na corte palmea de ped a de cantara bruta que foroeceu
Aapessoaa coodecoradaa coma medalha da decooora'd.Je com o aeu eootralo para a mu-
guerra da iodependencia ua ,, da ,,,,, fle Noguelr,t rSo ae qqq rel8 0
Os offlciaes da casa imperial ; P'J"0-
Oa mdicos da imperial cmara, guardaa-rou-' DUo 5? -neamo.-Restituo a V. S. coberlos
pas. titulares sem grandeza, e as peasoaa que ti- com ?T d0 brigsdeirocommandante das ar-
verem carta do couselho n"' de 3 do correle, sob n. 10, o requenmeolo
Oa mocos fidalgos e fidlgos cavalbeiroa ; e d<>cun"nls comprobatorios das despezaa feitss
O portero da imperial cmara, e o teneto da
imperial guarda de archeiros ;
Os veadores, os gentis-homens e officiaes-mf)-
res da corte ;
Os prelados das religides e os bispos ;
Os grandes do imperio ;
Os ministros e os couselheiros de estado, e os
membros da assembla geral ;
Os membros da Illma. cmara municipal com
as varas do palio
pelo teoente do 10 balalhio de infamara Joa-
quim Rodriguea de Souza, com o aluguel de um
cavallo para conducio de sua bagagm as mar-
chas que fez em objectos de servido no ceotro da
provincia das Alagoas, e desta, aflm de que de
cooformidade com a sua informaban o. 39, de 22
do correte, maode pagar someote a quiotia de
21*600, a que lora direilo esse offlcial. Commu-
nicou-se ao commendanle daa armas.
Dito ao mesmo.Expeca V. S. as suas ordens
mez de fevereiro prximo
Suas Mageslades Imderlaes e Augustas Prince- i 9"' zas sob o palio "Ddouro a Janeiro do aono de 1863, aeja abonada
Os membros da commisso encarregada de erl-1 f Pr.e8lacao men"1 < 20. a Wo pre-
gira estatua > le"d9 consignar nesta provincia, o lente do
10. A tropa, formada em alas, ir-se-ha met- or de ""o le Goyaz Antonio Diooizio
tendo em columna aberts proporco que Wr de Soito Gondim, para ser entregue ao sen pro
PROGRAMKA PARA A 1NAUGURA$0 DA ESTATUA
EQUESTRE DO SR. D. PEDRO I.
1 Logo ao romper d'alva do dia designado
para a inaugurado da eatataa eqoestre, votada
memoria do fundador do imperio, daa eminencias
da cidade aubiro ao ar gyraodolas e haveri re-
piques de sinos em todas as igrejas, embandeira-
mento das fortalezas e vasos de guerra*, e as sal-
Tas que se reproduzirio oas horas do coslume.
2 A estatua amanhecer coberla com um veo
e a praga adornada com bandeiraa e flores.
3* A raranda histrica do theatro de S. Pedro
de Alcntara ser convenientemente transforma-
da em tenda imperial.
Alm das patsoas da corte, serio admitlidas
oa varanda oa membroa da assembla geral, da
deputacea das assemblaa provinciaes, da Illma
cmara municipal, da commisso encarregada de
erigir a eatalua, e o estatuario As janellas di-
reita da varanda serio reservadas ao corpo diplo-
mtico e cooaular.
4o Erigir-ae-ha em lugar conveniente da praca
crelo e altar para a celebracio da ceremonia re-
ligiosa, deixando-se eapa^o livre em torno ao
monumento, guardado por cordio militar para as
pessoas do prestito inaugural.
5o O acto da inaugurado comecar a 10 ho-
ras da manhia, deveodo j estar formados em pa-
rada os corpos di guarda nacional e do exercilo,
parte delles contornando a pra^a da Cooaiiiuicio
apoiada a direita da linha oa esquina da travesaa
do Theatro com a retaguarda para a ra Sete de
Setembro,e os outros postados em alas pelo campo
ds Acclamacio com a direila na porta principal
do paco da Illma cmara municipal, estandea-
do-se al a eaquerda da ra dos Giganos, e por
esta at praga da Coaaliluicao. Urna batera de
artilharia dever tchsr-se enllocada no morro de
Santo Antonio.
6* A comminio aocarradada de erigir a eststaa
e todas as pessoas convidadas para tomar parle
na inauguracao, ae reuoiro oo paca da Illm. c-
mara municipal, onde esperario por Suas Ma-
geatades Imperiaes e Augustas Princesas.
7* Suas Mageslades Imperiaes e Augustas Prio-
cezas aa dignarao de dirigir-ae em eoche ao pajeo
municipal. Urna gyrandola queimada na quinta
da Boa-Viat, e respondida por outraa duas na
ponte do canal do Mangue, e no Roci da cidade
Mora, annaociario a partida de Suas Mageslades
IoptrUw.
_ proporco
passaodo o prestito, e o acompaotur, tomando
depois a traca da Coostituicio, ou em suas imme-
diacoesa formatura que melhor coovier.
11. Entre as alas formadas pelos bispos e gran-
des irio aa inaigoias seguinle :
Io O manto do fundador do lmperiro.
2 A espada do Ypiranga.
3o O aatographo da cooetituigio.
4o O estandarte da Independencia.
5 A corda imperial.
6* O aceptro.
Por intermedio da aecretaria de estsdo dos ne-
gocios do imperio serio opporluoamente desig-
nadas as pessoas que devem cooduzir as insig-
nias.
12. Ao apparecimento de Suas Magestades Im-
periaes a Augustss Princesas, na varanda do thes-
iro, a tropa formada em parada tari a continencia
do eatylo, e o prestito ir becupar o recinto a a pra-
ga circulando a estatua.
13. A commisso,tendo saa frente o seu pre-
sidente, percorrer em torno a estatus, e exami-
nando se tudo se acha prompto para a ceremo-
nia, se dirigiri a S. M. o Imperador, a Iha pedi-
r a graca de pegar em urna das pontaa do veo,
e de designar as pesssoss que devem pegar naa
oulras.
14. Executsdo tsnlo iostromeotsl como vocal-
mente o hymno da independencia peloa artistas
convidados para ieso, cahir o veo e apparecer
a eatalua ao grito levantado pelo presidente da
Illma. cmara municipal deViva a independen-
cia nacionalque teri respondido pelas pessoaa
do preatito, tropa, etc.
15. A tropa em parada apresentsr as armas,
abaleodo as bsneiras e tocando todas as baodas
de msica o hymno da independencia. Nessa oc-
casiio se desenrolario o estandarte da indepen-
dencia e o aulographo da cooalituicao.
16. A artilharia collocada no morro de Santo
Antonio aaadari a estatua com as salvas do eaty-
lo, alternadas com as descargas da iofantaria for-
mada em parada,
17. Terminada as salvas, dY-aa-ba principio
ao Te-Deum, fiado o qual teri lugar a lei-
tura de discursos anlogos por parte da Illma. c-
mara municipal o da commiasao encarregada de
erigir a eatataa, Qcando as felicitacoea dasdepu-
lages reservadas para aerem lidas no pago impe-
rial, em auas recepgoes.
18. Em segoida, desfilar toda a tropa em mar-
cha de continencia pela freole da ealatua e da
varanda do theatro locando as bandas marciaea
o hymno nacional.
19. Os batalhoei da guarda nacional do exor-
dio que forero, designados, se postaxio de novo
curador Jos Mara Ferreira da Cunta.Commu-
nicou-se ao commaodanie das armas.
Dito ao meamo.Deferindo a supplica do l-
ente do 10 balalhio de iofantaria Joaquim Ro-
drigues de Souza, constaoie do incluao requen-
meolo que veio aouexo ao officio do brigadeiro
commandaote das armas, datado de bootem, sob
n. 149, recommendo a V. S. a expedico de suaa
ordens para que pela collectoria da villa d Flo-
rea, aeja paga nos davido lempos ao procurador
desse offlcial Francisco Perelrade Brito, a quan-
tia mental d 10*. que elle pretende consignar de
aeu aoldo, a cootar do 1 de fevereiro prximo
viodouro at 30 de dezembro do correte anno.
Communicou-se ao commaodanie das armas.
Dito ao meamo.Tendo-me participado o bri-
gadeiro commandaote daa armas em officio de
23 do crrante, sob n. 146, haver o paisano Mi-
noel Caelaoo Demetrio deixado naquella dala o
lugar de ajudaote de enfermeiro do hospital mi-
litar, assim o communico a V. S. para seu coobe-
cimento.
Dito ao meamo.Balando nos termos legaes os
inclusos documentos que me foram remettidoa
pelo chefe de polica com offlcio de hootem, aob
o. 114, mande V. S. pagar a peasoa que para isso
se mo*irar antorisado a quaolta de 9*, diapeodida
pelo, delegado de Po d'Alho, com a condugio do
Dr. Luciano Xavier de Moraea Sarment quando
seguio em commisso medica para a (raguezia da
Luz.
Dito ao inspector da thesouraria proviocial.
Ceno do contoudo de aua ioformagio de 21 do
correte, sob n. 30, dada acerca do requerimen-
to em que o Dr. Joio Jos Pinto Jnior pede que
asa effoctuada a realiiuic^p que pelo art. 39 da
lei do orgamentj vigente se manou fazer aoa
aeua tutelados filhos do fallecido teoente coronel
Pedro'Jos Carneiro Monteiro na importancia de
1.356J000 ra., recommendo V. 8. que mande
eil'eciuar essa resttuigiocom a quaotia que an-
da houver da que foi consignada pelo citado art.
39. ficando o maia para aer satiafeito quando hou-
ver quota, cario de que opporluoamente serio
abarloa os crditos especiaea que ae loroarem
precisos para pagameolo daa deapezas indlspeo-
ssveis e que forem occorreodo pela verba even-
tuaaa.
Dito so mesmo.Nao obstsnte fleque V. 8.
pondera em sus ioformagio de 7 do crtente aob
n. 5, msode por em hasta publica os reparos da
primeira parte da estrada do norte, servinao de
base a essa arremat>cao o orgamento e clausulas
constantes das copias juntas e com o przo de
viole das, attenia a necesaidade de taes reparos,
ssgundo declara o director da reparligio daa obras
pubUcis en offlcio de 13 de dezembro ultimo
_ publicas.Para po-
der reaolver acerca da entrega do beneficio da 3*
parte da i lotera concedida a favor das obrss
da matriz da S. Luurengo ds Malta, como pede a
respectiva irmandade, faz-se preciso qne Vmc.
mande qua oto antea orgar a despeza neeeaaaria
para a conclusio da obra dsqaella matriz.
Dito a cmara.muotcipal da villa do Bom Con-
seihoCom a inclusa copia da ioformagio mi-
nistrada pela thesouraria provincial, respondo a
1* parte do officio que me dirigi acamara mu-
nicipal da villa do Bom Conseiho em 13 de de-
zembro ultimo, declarando ao mesmo tempo que
opporluoamente aera apreciada pela assembla
legislativa provincial a necessidade de concluir-
se a matriz daqoella Tilla.
Dito a cmara municipal de Flores.Declaro
a cmara municipal da villa de Flores em respos-
ta ao seu offlcio de 8 do correte, que lhe serio
enviados logo que sejam recebidas por interme-
dio das sociedades auxiliadoras da industria na-
cional aa sementes de que trata o seu citado of-
flcio.
Circular sos juizes de direito e municipaes.
Recommendo i Vmc. a fiel observancia do aviso
circular junto por copia, expedido pelo ministe-
rio da juslica em 16 de novembro uliimo, estabe-
leceodo o modo de se edectusrem prisoes sem
detrimento da liberdade individual.
Dito aos meemos. Remello i Vmc. para
seu coohecimeoto e execugio (na parte relativa a
essa comarca) copia da portara desta data pela
qual determioei o modo por que eate juiz deve
ser substituido em seus impedimentos.
Dito ao Dr. Joio Antonio Beltrio de Araujo
Pereira e outros membros da commiasao da fre-
guezia da Luz.-Sirvam-se,VV. SS. de commuoicsr
a esta presideocia o resultado da aubscriocio que
esli encarregados de promover para millar as
despezaa com a epidemia reioanie nessa fre-
guezia.
Dito ao gerente da compaohia pernambucana.
Transmiiio por copia i Vmc. para seu conhe-
cimenio o aviso circular de 27 de novembro ulti-
mo em que o Exm. Sr. ministro da guerra de-
termina que ae oio passem em depuesta as or-
dena para transporte de offlciaes ou pregas de
pret, e os aiteslados dos respectivos desembar-
ques dos quses seoio paaaari certidio sobpre-
teito algum, declara que aerviodo taes docu-
mentos de ttulos de divida para as companhias de
navegagio haverem seu pagamento; cum-
pre aos respectivos agentes ter toda a cen-
tella para que ne oio extra viera.Igual aoa s-
gentes da companhia brasileira de paquetea a
vapor.
Dito ao Dr. Ealevio Cavalcaoti de Albuquer-
!|ue.Nao lendo aceitado a commiaaio de que
ora encarregado o Dr. Domingos Soriano de
Souza para preatar seus cuidados mdicos aos
aferraos indigeutes das russ comprehendidas
no 3o dialricto da freguezia de S. Jos constante
do plano incluso por caso seja invadida eata ca-
pital pela epidemia reinante em Goianna com
symplomas de cholera, deaigno Vmc. para
o' substituir no referido dialricto, e confio
oo seu zelo e dedicagio pelo bem geral por espe-
rar oa seus bons servigos que opportunameote
serio tomadoa em cooaideragio arbiiraudo-ae-
Ihe a devida gratifleagio. Communicou-se ao
ebefe de polica.
Portara.Os aeoaores sgentes da companhia
brasileira de paquetea a vapor maodem dar ama
paasagem de estado para a Babia no primeiro
vapor que vier ds norte so religioso franciscano
Fr. Miguel de Nossa Senhora do Carme.
Dita.Oa aenbores agentes da companhia bra-
sileira de paquetea a vapor.Mandem dar trans-
porte por coota do ministerio da guerra para a
provincia do Par oo vapor que se espera do
sul, ao 2* teoente Manoel Jsciotho Marquetde
Oliveira, que ral reuntr-ae ao 3* balalhio de ar-
tilharia a p que ficou pertencendo.Commu-
nicou-se su commandaote das armas.
Dita.Oa aenbores agentes ds companhia bra-
sileira de paquetes a vapor maodem dar trans-
porte para a corte por coota do ministerio da
guerra no vapor Paran com destino ao corpo de
guarnigio de Minas Geraes ao major Joio de Cas-
tro e Silva, sua mulher e seus filhos eotre 15 a 5
sanos deidade, e bem assim o lente Miguel
Augualo Barbalho Picango com dealino ao corpo
de guarnigio do Paran.Communicou-se ao
commandaote das armas.
Dita.Os senhores agentes da compaohia bra-
sileras de paquete a vapor mandem dar trans-
porte para a corte por coota do ministerio da
marinha no vapor que se espera do norte aos
nove recrulas de marinha Belarmioo Antonio
do Espirito Santo, Manoel Joaquim do Nascimeo-
to, Miguel Archaojo Ferreira, Jos Laureoiino
de Meoezea, Sabino Candido do Nascimenlo, Ma-
noel Floras dos Santos, Maooel dos Santos Bar-
ros, Jos Ignacio Pereira da Silva e Maooel Fran-
cisco do Nascimenlo.
Dita.O preaidente da provincia, usando da
attnbuicio que lhe confere o 10 do art. 211 do
reglamento o. 120 de 31 ae Janeiro de 1842,
determina que as aubsituiges dos juites de
direito das comarcas ds provincia se observe o
seguinle:
Art. 1 1. O juiz de direito da primeira vara
da comarca da capital ser substituido : 1 pelo
juiz muoicipsl de Oliods, 2" pelo da primeira vara,
3o pelo da segunda, 4o pelo de Iguarass.
3. O mesmo jfliz muoicipsl ou supplenie
nio poder accumular duas vsras de direito e
passir a ultima que vagar so juiz a quem tocar
no seu impedimento o emquanto eate durar.
Arl. 2. O juiz de direito da comarca do Rio
Formoso ser substituido : 1 pelo juiz municipsl
do Rio Formoso, 2o pelo de Seriohiem, 3 pelo
de Barreiros.
Art. 3. O juiz de direito da comarca de Santo
Antao ser substituido: 1 pelo juiz municipal de
Santo Antio, 2 pelo da Escada.
Arl, 4*. O juiz de direilo da comarca do Bonito
ser substituido: 1 pelo juiz municipsl do Bo-
nito, 2o pelo de Caruar.
Art. 5' O juiz de direilo da comarca de Gara-
nhuns ser substituido : 1 pelo juiz municipal
de Garanhuos, 2 pelo do Buique.
Art. 6o. O juiz de direito da comarca do Brejo
ser substituido : Io pelo juiz municipal do Bre-
jo, 2 pelo de Cimbres.
Art. 7o. O juiz de direito da comarca de Flores
ser sobslituido: 1 pelo juiz muoicipal da Villa
Bella, 2 pelo de Iogazeira, 3 pelo de Flores,
quando turereado o logar por decreto.
Art. 8o. O juiz de direilo da comarca da Boa-
Vista ser aabstituido : 1 peto juiz muoicipal da
Boa-Vista, 2o pelo de Cabrob, 3o pelo de Ouri-
cury, 4 pelo do Ex, quando for creado o lugar
por decreto.
Arl. 9. Oa juizea de direilo das comureas do
Cabo, Po d'Alho, Natareth, Goianna, Limoeiro
e Tacarat serio substituidos pelos respectivos
juizes muoicipaes.
Ait. lo. Os juizes de direito na falta dos juizes
municipaes serio substituidos pelos supplentes
desies, observando-ae oio s a ordem em que oa
dito juizes municipaes se acham deaigoadoa para
a substituido, como tambem aquella em que es-
lio os supplentes as listas de suaa nomeages.
2a secrao.Secretaria do governo de Pernam-
buco, em 27 de Janeiro de 1862.
Pela aecretaria do governo se faz publico aos
Sr. Franciaco de Paula Leite, Joio Jos Pereira
de Lyra e Aolooio Bezerra da Cuoha, todos prs-
leodeoles aos officioa de panidores do termo de
Nazarelh ; aos Srs. Jos Aotooio Pestaa, Jote
Serapiio Bezerra de Mello e Jo Cesar de Mello
Falclo, prelendeniea aos do Limoeiro; Agosti-
nho Ferreira da Silva e Joio Vsleriano Pessoa
de Lscerds, sos de Gsraohuos, que, achando-se
competentemente informadas as suas peiicoes,
hajam de solicita-las na secretsria do governo
para pagarem o competente porte, aflm deaegui-
rem seus deslinos.
Joao Rodrigue Chaves.
nomeadoa : iospector da alfandaga Jas Alami
o bacharel Jos Aotooio do Magslhses Beata* :
procursdor fiscal di thesooraris #> azeal. 4a
mesma provincia, o bacharel Aristides ata Silvai-
ra Lobo ; thesoureiro da mesma thesaursris
bacharel Flix da Costa Moraea ; primeiro caav
lereote da alfaodega da corte, o priaaeiro esertp-
turano Joaquim Antonio do Azevedo priaaeiro
escripturario o sjudsnte do gusrda-mr, lav
Joaquim da Gama e Silva ; ajudaote de gaards-
mr, interinamente, Jos Ferreira Pinto.
Por decreto da mesma data (oi coocsdids a da-
missao pedida pelo procurador fiscal Ja ihesoa-
rsns dsa Alagoas, bacharel Antonio de Carvalho
Raposo.
Por decreto da mesma data foi aposentad*
thesoureiro da Ihesoarsria da fazeoda Jas Ala-
goas, Francisco Dias Cabral.
Parle hoje. por Pelropolis, para a proviawta Ja
Mioaa-beraes o chefe da commiasao ntinasasha
e hydrogrsphica, Dr. Emaouel Liis, eocarregs-
do pelo governo imperial de proceder s* rece-
nhecimento e explorsgio do ro de S. Franciaco
desde a cachoeira de Pirapra at a aasa sor-
teles, e so levantsmento das plantas, soadaajeas
plaoo e orgamento das obrss necesssriss pan
tornar praticavel a sua navegagio nos lugares sea
que ainda nio o for, assim como coobeeer a la-
dos os obstculos nsturaes qua acluali
embaragam, e os meiosde remes-loa.
O Sr. Dr. Lisia anxiliado nessa coa
por doas sjudaotes. os Srs. Ladislao it Sewta
Mello Netto e o 2* teneute do corpo da eaae-
nheiros Eduardo Jos de Moraes.
cata i
Toraou -pose hootem a nova
Praga do Commercio, e elegeu :
Presidente, o Sr. veador Joa Joaqui
ma e Silva Sobriobo.
Secretario, o Sr. Vicente
Castro.
Thesoureiro, o Sr.
galves.
a
Li-
Cyrilo Rodrifsws
Francisco Antonio Gasi-
Em reuniio de hontem forsm designados pora
os cargos ds directora os seguintes sobares:
v ice preaidente, Dr. Joaquim Alexaadro Ja Si-
queira.
Thesoureiro, Joio Henrique Ulrich.
Secretario, Manoel Jos Teixetra Jonior.
Adjuntos, Joao Coelho Gomes Filho, Jaa
Machado Coelbo.
Foram eleilos conselheiroa oa Srs. Jaa Gaa-
slves Victoria, Dr. Antonio Flix Martin Dr.
Firmo de Albuqaerqae Dioiz. Theophilo Bene-
dicto Oltooi, Jos Machado Coelho da Castra,
Manoel Monteiro da Lux, Jos de Miranda li-
bciro, Ur. Domiogos de Azeredo Cooliobo Du-
que Estrada, Emilio Priva!, Jos Joaquim a Li-
ma e Silva Sobrioho. Domingoa Jos da Caata
Braga e Joao Estevio da Cruz.
16
Por portara de 11 do correte, foi Horneado
pratiesole o Sr. Arihur de Castro, da albstiema
da edrte.
Despachos do dia 4 de Janeiro.
Requerimentot.
Tenente Antonio Domingos de Sonto Gondim.
Oirija-se thesouraria de fazeoda a quem se
expede ordem no sentido que requer o suppli-
ca n te.
Aniooio Gongalves dos Santos.Informe o Sr.
inspector da thesouraria proviocial.
Major Caodido Emigdio Ferreira Lobo.Infor-
me oSr. inspector da thesourars provincial.
Guilherme Pinheiro Rosa. Nio tem vaga.
Jesuioo da Costa de Albuquerque Mello.Di-
rija-ae thesouraria provincial.
Dr. Joio Jos Piolo Jonior.Dirija-se the-
souna proviocial.
Joio Hypolito de Meira Lima.--A' vista da io-
formagio oio tem lugar o que requer.
Joio Cbryaostomo de Gusmio.Informe o Sr.
Dr. chefe de polica.
Joio Hypoliio de Meira Lima.Deferido com o
deapacho deata data.
Padre Joio Joa de Araujo.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria provincial.
Dr. Manoel de Figueira Fari* Passe portara
coocedendo a lieeng* pedida com vencimentos.
Maris Joaona Ferreira do Espirito Santo.Di-
rija-se ao Sr. Dr. director geral da intiruccao
publica.
Emquanto o capitio do vapor Bario de Man
que sabio para Santos, apreseotavs hontesa oa
seus papis visita da polica, fai o vapor, caja
manobra diriga entio o eootrs-meslre, encima
do patacho nscional Triumphv da lnvejm, qaa
estava tundeado e espera da mesoas visita,
aura de seguir viagem, e deixou-o sem gurap,
causando-lhe muilas outras a varas.
O vapor, que pouco soffreu no encontr, par-
tiu pouco depoia delle.
Sshia hontem a reboque para Bourbon a ga-
lera franceza Lombord, estando, eamo de cela
me, o piloto i pros, quaodo ao chegar em freo-
te de Villegaigoon paroo. O vapor da reboqae
recuou r, e indo de encontr galera bslea
sobre a perna do piloto, esmagaodj-a sobre a
ancora do mesmo navio.
-17~
Foram comeados :
Prticantes da alfandega do Rio do Janeiro :
Joao Eugenio da Rocha Galvlo a Eduardo Carlea
Rodrigues de Vasconcellm.
Praticantesda recebedoria do Rio de Jaaeir* :
Jos Feliciano de Noronhs Feita I. Domingoa
Lobo Salgado, Maooel Francisco da Costa Thibso.
Praticante da thesouraria de lateada daa Ala-
goas : Ricardo Benedicto de Bivar.
INTERIOR.
RIO DE JANEIRO,
9 de Janeiro de 1862.
Por decreto de 31 de dezembro do anno paaaa-
do foi concedida a Joio de Souza Carvalho J-
nior a demiaaio que pedio do emprego do chefe
de seccio da thesoursria de fazeoda do Paran.
-11 -
Teve a merc do titulo de cooselho o Sr. co-
nego Gerallo Leite Bsstos, offlcial-miior da se-
cretaria da cmara doa Srs. senadores.
Partem hoje s 5 horss da maohaa a corveta
imperial-Marinheiro e a caohonbeira Belmonte,
deveodo ambas seguir juntas pela Baha, Per-
oambuco, Maraohio e o Par, onde, depois de
lerem passado oa guardas-msrinhss para a Bel-
monte, iri esls explorar o rio Amazonas.
Ambos os navios demorar-se-bio trex mezes
no Psr.
A Impirial-Harinheiro, no regresso da Bel-
monte, reeeberi a seu bordo os guardas-mari-
uhas e seguir psra s Europa, voltando a Bel-
monte para o nosto porto com escala por todas
aa provincias do norte.
- a
Por decreto de 11 do correte foi concedida ao
Dr. Msnoel Antonio Marques de Pars, 2 ciror-
giio do eorpo de saude do exercilo, a demissio
qne pedio do aervigo militar.
Por decreto da mesma data foi transferido, pa-
ra a 8* compaohia do balalhio de oagadores de
Matlo-Grosso, o capitio do corpo de guarnign da
Maraohio Fehppe Nery Monteiro, a para 4* com-
paohia deste corpo a capitio daquelle balalhio
Antonio Jos Baptsts Camacho.
Por decretos e tito los de 11 do crrante (oran
Celebrou-se hootem, is 11 horss da ntaabia,
a sessio solemne do eneerrameoto da exposigio
nacioual, achando-se presentes todas aa Srs.
ministros, os membros da commisso directora o
do jury geral, e maia de 300 expositores.
Forio pronunciados os discursos seguales
Pelo Sr. msrquez de branles : :
Illm. e Exms. Srs. presidente do coa seibo a
ministros e secretarlos de estsdo. Sogale
decreto de 17 de julho ultimo, a coaaasiseaea
que teoho a honra de presidir loi iostitaida para
os finade orgaaisar ama exposigio daa aeaeoe
productos, de escolher d'eotre oa ex postes ea
que devessem concorrer exposigio universal
de Loodres, e de apreciar e julgar, caata jsry,
aquelles dos mesmos productoa a cajas exposi-
tores seriara adjudicados os premios estabais-
cid os.
t Dando hoje por camprido o primeiro deetes
flns, jolga a commisso do sea dever ptitear
como pode desempeohs-lo, a qtunde
deaempenhar os ootror;
Desde o fauato dia S de dezembre do
psssado, em que fot abara, nio eessou a exps-
aigio nacional de atirahir a atieogio p a tica ;
e, augmentada depois com os vsliosos seseabas)
que foram soccessivsmenta chegando de des pro-
vincias do norte e de trea do sal, paseos ella a
crear msis geraea sympalhias e a ser devidaeaea-
te apreciada por oaciooaes e eslraegeiroe.
c As provincias que concorreraet nposarlo
nacional foram aa do Par, Amazonas, Caer
Piauhy, Rio-Grande do Norte, Parabjrbe, Per-
nambuco, Sergipe, Baha, Miaas-Gerssa, apirite-
Santo e Paran.
c A de S. Paulo remellen sigas prsslaclee
por intermedio do respectivo presides te a o
peaaoas particulares ; e as de Maito-Groaso, Gayas.
Maraohio e Sao la Calbarlna foram s pea as bsosj-
conadas em poucos rtulos, iodicanea ebjseiea
de sus produegio, expostos por ioSIvtssws resi-
dentes nesta corte. Temos, poraa, rebseta M
em que todas ellas, ns segeiote exeeeicio, Ma)
de hombrear vantajoeameote com as maia rteaa
de suaa irmaas ; e nio aeri eaoa o tafea fo-
cando doa resoltsdos qus aguardamos ata aas
hoje termina.
Sao lio s commiesio qne nio cha
tempes os productos que figararam aa
provincial do Rio-Grande do Sul, a qaa
enriquecido mais a nscional, seo deve bota en-
cerrar-se. ^^ajsw ^^
Nos 42 diaeman que estere aborta loi a -
sa exposigio feMtP
tribuigio dos b ^P
que preferiam vi- p{
fura gratuita, pt,
perial, a somma
como foi, ea orna i _
ds aua diaria arrecaacae, t
recolhida, aoa oa jarse tufli taaja, aa
o governo imperial boa ver da Mate*.




\ u i.i inri m xt nn |,wa.
DIAMODE PEBHAMBCCO TERU faA 18 DE IMEIRO DE 1861.

Compras se a commissao de poder slteatar a
regulandade, crcumspeccio e partios eeaa qoo
ae cooduairam, liada no das da maior con-
curreocia, todas as peesoss que visRaram a ex-
poticao nacional. Koabuas aioUtro casual a
voluntario, nenham conflicto ou iufraccio dos
regulameotea exigi a appUce$io d*a medidas
repressivas que haviam aido alopiadas, como
acooselhava a prudencia. Estelecta, quea coa-
miaso se ufana de lesterauober, alta de rutar
a boa ndole doa noaaaa conctdadioa, revela o ja
aubido grao de eivilissco a que tetos aiiia-
gido. ,
A commissao compraz-se Ifeslaeo'.e de ma-
nifestar a sua ioteira satisfazlo pe* Mxittv dtt-
creto e constante que lhe lora ptetlado poias au-
toridades policiaea.
a J encelado e adlanUdo se ach o trabalho
indispenaavel para ser prehenchido o segundo
fm da commissao. A esculla e remesa para
Londres de alguna productos domos ser conclui-
da e effecluada pelo vapor de 8 de ferereiro pr-
ximo futuro.
Animados do patritico desejo de desempe-
nhar como Ihes curnpre, o ultimo e tmportanta
flm, os jurys especiaes tralarao desde boje de
adiar e completar a sai melindrosa larefa, que
aliaz mal podia ser aviada, com a pausa e re-
flexo neceasarias, durante a permaneote frequeo-
cia da exposico. E asaim nloduvida a commis-
sao que,so tes dodis que o govetjbB imperial hou-
ver por bem flxar para a solemne disuibuico doa
premios, flearao terminados os trabalhoa da a-
preciado e julgamralodos productos axpostos.
< Coocluuei, Exms. Srs., reilersodo cordial e
respeitosameote, en nome da commissao, as
sinceras grecas que no acto da abertura renda-
mos a Sua Magostado o Imperador por navar
ordeoado a exposico que vai euceirar-ae.e expri-
miodo com a maia vira aaliataco o reeonheci-
meotu da mesma commissao pela beoevoleocia
constanta, o apoto efBca com que tora hoorada
ei auxiliada en geral por W. EEics., e em par-
ticular pelo Exm. Sr. ministro da agricultura e
commercio.
Pelo Sr. ministro das obrss publicas, commer-
cio e agricultura :
< As ideas de iacontestavel e garal ntilidade
trazem em si o germen do proprio deseovolvi-
mento e realiaacao.
Apeoaa aventadas diffundem-se, excitara o
xelo e actividade de grande numero de Coopera-
dores ; e o que momentos aotes era simples peo-
samento, toma corpo e ae ostenta com loucaoia.
A exposico. que encerra-ae boje, nova
prova do que deixo dito.
< Por decreto de 17 de julho do aooo prximo
possado foi oomeada a commissao ceolraf in-
cumbida de promover e dirigir esta solemne testa
industrial : e a 2 de dezembro, dia sempra me-
morasel paraos Brasileiros, as portas do palacio
da exposico se deviam abrir.
Esireito era o iotervallo da lempo, e grandes
as difcuidades a superar ; apezar de ludo, pu-
rera, a mais firme cooflanca no bom xito da
empreza Qcou de certo excelida.
Os aalea deste vssio edificio enchsrao-se
de productos oaturaes e industriaos, que do
idea, posto que Iraca, da riqueza do nosso sola e
das furcas productivas do paiz, e que auxiliados
pela compararlo e esperance de urna ouira reu-
Dio semelhaote, activaram os estorbos dos pro-
ductores e desenvolveram a fortuita particular e
publica.
A' commissao directora da expsito na ca-
pital do imperio ae devem cm graode parle os
resultados que agradavelmenle nos sorprelieo
deram, e em oome do goveroo cabe-me o prazer
de agradecer-lhe o importante aervijo que
prestou.
Resta ainda commissao separar os objactos
para a exposico universal em Londres, e aqui-
latar o merecimento dos productos aqui ex-
postos : tarefa lio delicada aer de certo deiera-
penhada com a mesma inlelligencia a boa voots-
de de qne lem dado tantas provas a
Amaiihaa haver seasao do jury geral a 10
horas da maohia e da commissao directora ao
meloda.
A commissao directora convida aos Srs. mera-
broe do jury geral para reuoirem-se todos os
das no edificio da exposico, alim de realisar-ae
com a maior brevidade o duplo trabalho da es-
colha dos objectoa para a exposico uoiveraalem
Londres e da apreciado dos que deverem ser
premiados.
18
Etcrevem-nos da estajeo dos Macacos em 16 do
correte:
a Ha dias coostou ueste lagar que no rasgo
da estrada de ferro (inha sido assassioado um ho-
rnera, e hoje filiando com irabalhadores dessa
eatrada perguotei-lhes se fora iato verdad e qu-m
era a victima. Diaseram-me que o hornera raor-
to era um trabaihador j idoso, que no dia
em que fura assassioado, viudo para Macacos,
convidara um tal Romea para acompanha-lo, e
que eate nao aceitara o convite; que dous outros
individuos, porra, acompaeharaoa o finado le-
vando um urna cavadeira e oulro urna foace; e
emlim que oo dia aeguinte sppareceu o pobre ho-
rnera morto, apreaentando um golpe de fouee
que. segundo diztm, quasi lhe cortou o p, outro
na cabecs, e com a cabeco em podacos segundo
pareca em coosequencia de tiro.
O maia triste que, pelo qae acrescentam
os mesmos informantes, siods jas o cadver no
mesmo lugar, a j em estado adianlado de pulre-
faego.
c Consta mais que o infeliz trssis dioheiro,
sendo pois presumivel que o asssssinassem psrs
roubs-lo.
Ser bom que se acautelen os que em razio
do estado deploravel em que se acha a estrada
que segu para oa Meodes psra Vassouras pro-
curam o rasgan psrs evitaren quebrar alguna a
perns. a
20
Reuni se ante-hornera a commissao dlreetora
da exposicio oacioual, aob a presidencia do Sr.
marquez de branles, achsndo-se presentes os
Sra, conde de Baependy, visconde de Barbscena,
cooaelheiros Das de Caralho a Mam Sarment,
coronel Coulo Soarea. Urs. Burlamaque. Bernar-
do Azambuja eAodrade, Atesado eFernandes da
Cunha.
O expediente constou da um requerimante do
Sr. Jos Daugas Mlrsoda, proprietario da fabrica
de buhares situada oa ra da Alfsodega n 14*2
pediodo que a commissao solicite do goveroo im-
perial a oecessaria modicagao sobre os direitos
que pagara os bilharea importados doa potes ee-
traogeiros. para que possa prosperar no paiz essa
industria, que j est ah to desenvolvida apar-
eir;oada. Reaolveu-as que s commissao julgava-
ae imeompetante para solicitar do gorerno a pro-
teccao requerida.
Toma rara -ae oeste conferencis as seguio tes re-
soluQoes :
Ia. Que do dia 30 da correte ases em dianta
ser am smente admittidos no edificio d* exposi-
coes os membros da commissao directora e do
jury geral, sendo absolutamente prohisido o in-
gresso do pesaoas eslranbas, pois que, alm da
coovir fazer-aa o trabalho do jury sosa neahuaa
interrupcao, era neceaaario acautelar qualquer
extravio dos objeetos axpoatoa, recahiado toda s
responsabilidada sobre os individuos encarrega-
doa da guarda das diversas salas.
8\ Que era ioadmiaaivel, seso nenhuma excep-
gao, a preieoc,o dos expositores qua deaejaa ven-
der em leilao, oo proprio edificio ds exposico
alguna objeetos que all forana expostes.
. '* Qu* "ara entregues adoamistracao do
jardim botnico ss raizes, batatas a oulraa ae-
mentes expostas que se achara am estsdo ds
vegelafo afla de que aojara ah auidaaoeameote
Slantadas a cultivadas, referilo ae, porm, eata
eliheraco somante ana producios dasaa natura-
xa qae foram remanidos das provincias com a
clausula de ficarem diaposicao da commisao
directora.
4a. Que fossem apresantadas na prxima con-
ferencia as contas ralalivu arracadaeao da quan>
lia de 15:3(375. psovcaieola da vaoda de bilhetes
oe entrada para a visita da exposico, afim da
aerem remetidas ao ministerio de agricultura.
para dar-lhea o conveniente destino.
at-M"-""10 MDC*rr,**d- renessa dos pro-
12L f V!i pm iglo oirarasl era
Londres foi aulonsada s oespaoSer a auaolia oe-
SnadP*m*.d*Mmpf ^ '*l w!".
caixss de madaira.e quaeaquer outros obsaelos
odispeasaaea para a boa MdlcUmunato a
coaservcjo doa, asesaos prodeaoa.
Depoii do fUa a defliiilivs ese o ib.. Mriohe-
mados a dar o sau consent meato a expositores
dos objectoa qua torem preUrides para a x|.aaU
$2o uiveraal, e asa seguida se soounciar o ai a
; em qae dse coenocu a rasUlai(So da todos oa
objectoa axpostos.
guite haver reoctio do jury geral s 10 horas
a maohaa.
CQMESPONOENCIA DO DIARIO DE
PERNAHBUCO.
Baha, 24 de jaoairo de 1862.
A compaohia braaileira de paquetea vapor,
naprnsaaa do vtlajsiao brtsjaaird yolero, aat
monflaooo caasi) napeiural pubiiM, seis me-
zas pasa a I
No ka dia actto para < aia *os paquatas }
DHiguaaj podo aooir com alias, a t4o isto eauea
um aepsisel tfwslafajo aaa^ajaocio, coapa se
j nao vaxasoon H emloaaeo cora qua pile
ueta. A comauoltia real logias, dea que
ioaugoroo o aeu servido, uns poucos de anooa,
aioda oo mudou urna a tzj oio houva cir-
cumstsocia al agora, por maia podeross que
fosas, que a obrigasse faltar pootualidada que
distingue.
Coota-se que o noiso ministro em Londres,
precisando mullo eovisr ums vez por um dos
paquetes certa correspondencia importanlissiras,
que nao podia estsr prompts hora annunciada
para fechar-ia a mala, mandou pedir um adia-
mento de duas horas oa partida, e que psts lhe
foi negada porque nao era possivel farer altera-
cao; ao mesmo lempo que recebia elle essa ne-
gativa, reeebia tambem om ofTerecimento deli-
cado do a I mira Diado ingles, pondo sua dispo-
gicSo um vapor o guerra ingles para o trans-
porte de sua correspondencia. Tal a pontuali-
dade iagleza.
A companhia fraoceza igualmente tem sido
poatuslissima ; porque aos dous paizes se pansa
e pensa-se bem, que a pontualida ra condicao deste s<>rvico; s mais importante
vaotagem da navegsce s vapor; a garaotria
das maia eonsideraveia traosaecdes commer-
ciaes. "
A nosss companhia ainda nio teve lempo de
estudar os dias mais convenientes psra a sabida
de aeus paquetes; o nosso goveros a atrapalha
por seu Isdo com ss su*s ordens; qusndo esta va
anoanelado para 4 e 20, sahiam 8 e 24, agora
que o fora para 7 e 23, como era anteriormente,
e como mata convm aos ioi-ressos importantes
de todo o norte, como o Diario ds Pernambuco,
lem provsao exuberantemente, eis chega o
Oyapock hontem, inesperadamente, tendo sahldo
201 Quanlos prejuizos oo soffre o commercio
com estas mudancas I E' um clamor geral por
toda a parte. Eu mesmo proteato contra ollas ;
porque nlo asperava agora estar as carreras lhe
escrevendo, para nao perder o paquete.
Desla forma vou oerdendo o crdito que pouco
poaco baria adquirido cas columosa do seu
Diario; porque oso me possivel ter o esmero
com que eosturoava limar minhas primeiraa
correspondencias.
Em mioba opinio o servico ds nossa compa-
nhia devta ser modificado da maoeira seguiote :
como temos de 15 em 15 diss noticias ds corte
pelo paquete ioglez e francez, colloearia o ceotro
de nossa linha de paquetes no porto do Recife,
donde elles partiram para o norte rite e quatro
horas depois ds chegada daquelles, qoer quando
viessem do sul, quer qusndo chegaasem da Eu-
ropa. Os vapores que recobessem a correspon-
dencia do sal, deveriam demorar-ae no Para 48
horas, e esteoder a linha al New York, pondo
assim em commumcaclo o imperio com os Es-
tados-Uoldos.
Nao nos cansaremos em demonstrar o grande
impulso que receberia o nosso paiz, com esta
simples alierago; nem as riquezas que afflui-
riara ao porto do Par. Alm disso sao de sim-
ples intuicao ss vantagens polticas qae d'ahi
resultariam. A nica objeceo sena contra o raeu
projecto, que recommendo ao estudo de nossos
horneas de estado, consiste em que ss nossas
communicacoes de Pernambuco para o sul Oca-
riam entregues servlcos estrangeiros; mas est
cai, logo que se considerar que os vapores de
guerra que possuimos nos do a precisa indepen-
dencia, sempre que as circumstaocias o exi-
girem.
Hoje que a bandeira amerieam, e lalvez em
breve a baodeira inglezs, correm as eventuali-
dades da guerra, e nio oferecem garantias au
commercio, era a oppurtu'iidade de dar todo o
desenvolviroento a nosss nsvegaco, e este seria
o primeiro e meis accelerado peaso.
Mas nos nao nos approveitaremos deste eosejo
quo a fortuna nos aprsenla; porque nos falla
tioo e previdencia.
Ora veja aonde me levou a falta de pontualldade
de nossa compaohia I.
Noticiador desta Ierra siods nao lhe disse pa-
lana respeito dola I E' tempo de ciogir-me ao
pspel de enrmala.
0 Exm. Sr. cooselhelro Anio por ora neo tem
ttdo occasio seno dse preoccnpsrcom as pro-
videncias pars oos poopar visita do horrivel
viajaote que ora se hospeda as margens do rio
Goyanoa, nasas provincia.
Gregot e Troyannot, em prega m todos os molos,
ladoa oa esorcos para que 8. Exc. ae maoffeste
por um oa por outro lado poltico ; mas alada
oao conseguirn o que desejsm,porque elle.qual
hbil piloto, vai navegando por raeio dos esco
Ihos, evitando ora um, ora outro, ssm aeguir
derrota certa oeste mar embarazado e reclfoso.
No dia da fasta do Seohor do Bomfiea, qae foi
esplendida, a extraordinariamente concorrida
esto snno, procursrsm alguna membros do par-
tido liberal, quo cem S. Exc. janiaram em casa
do digno theaoareiro, o Sr. Or. Freir de Carvt-
Iho. provocar urna deelaraco no sentido de seas
desejos; foram lladidos era susa esperances ;
poucos das depois dando o Sr. Dr. Pedroso til ho
um baile, por ser o saaiversario de sua espoza,
a ulha do Exm. Sr. baro da S. Loureoco, a que
S. Exc. tambem coocorreu, na ceia houveram
varios brdea politicoa feitos por conservadores e
aotigos 8aquaremaa; qua igualmente oao poda-
ran obter urna deelaraco franca. O proprio Sr.
barao de S. Loureoco com o aeu hbil discurso,
mu honroso ao Sr. Anlo, oo foi maia feliz que
oa outros oradores.
Ueste modo esto lodos desconfiados, e semi-
desconteolee; porque nio quereos presidente
imp.arcial, jusliceiro, a creador, mas ala hornera
de partida exclusivamente.
Nio tardar assim a romper a opposieo, quer
de um, quer de outro lado, se nao me engao
neaia apreciado que faco dos fastos quo vou oto-
servsodo; o que possivel sueceder ; parque os-
da eotendo de poltica, aem quero envolver-me
aelia.
Teoho lido no papel muitss e militas providen-
cial para noa liara* do flagollo do cholera; oxige,
porem a verdad a que lhe diga qua a noaaa ci-
dade continua no meamo daaaceio, que, ae ha
melhoramento, impereoptiv| por ora.
Agua-ae em oossa imprensa agora a questo
do Sr. hispo do Psr, com o Sr. ex-espitular desta
diocesa, qae foi reprehendido em tormos vehe-
mentes pels curia romana, por harer suspendido
aquella.
Nao entro na discusso desta grava asaampto;
porque nio tenbo conheeimaotoa para iaao.
Deploro, sisa, qae o claro bahiaoo hoje ae
ache dividido em dous partidos ioimigos, am
teodo por ebefe aquelle Sr. ex-apUular, o outro
o Sr. cooego vigsrio Fonceca Lima, que est
mais de seis aseses na corte, os quaes se guer-
reiarn anim >sa, e eaeandatosameata.
O digno Sr. arcabiapo, que sabe mais disto do
qua o sea correspondente, devera lar j can) saa
psiavri autorsada procurado por cobro tantos
desvarios, tomando as medidas eoergicas que o
crdito da aossa reifgio, to atacada aeetes lem-
pos, raeUma urgentemente ; porem alie, talves
cora o coracociieio de dor, e com reooio de pro-
duzir maior mal, tem guardado completo silencio,
o qua lem aido censurado gerelmoote. Deoe o
inaoire aa saa ardua tarafe.
No domingo 14 do correala, larda, foram la-
vadea em procissao da igreja do Rosario de Jalo
Pereira para a des Aflicta*, tedas as Imegens
pertencoatee asta ultima, qae iH tinham sido
depositadas durante oa reparoa quo elta preci-
sava.
Hau ve ama extra ordinaria concurrencia i este
acto soiemao a rellgiaae, a qaal alo dimiaaio
naa tres noites seguiotes, em qua a Sacrosanta
Imagem do Seohor eslava esposta.
Um crelo de msica collocado fora, em que as
bandas militares tocarara excellentes pecas, s
a bello loar qua fasta, convidara alada mala os
devotos.
Falleceu oo da 13 o Sr. Jola Josa Rocha
Vianna, primeiro coafaraota da aifandoga, oqual
servia desde 1815, a ae distingui sempre, con-
forme diz a Jornal a Bakia, por sua proatdade.
No expedienta da preaieoaaa de 9 depara-sa
caen am affldo moi trrtereMSnse para a comaer-
asa ooefa provincia dirigido ommWsio anear-
regada da exploreco a melharaoseotas da otra-
tr.tthcUA \^^jLf^mfJ9V!^..^J9^f^ pravWrKMia,. Mi(J#Mte ptanu antli.'
meato do Unco da estrada qae abrioge as tres le-
guas desde Sania Isabel ar a bocea da Malta, a
planta das obras a'arie necessanas, sendo todo
acompanhado dos ocsameotosdelalhadoi^ A pre-
sidencia recommeoda tambem que oesta occasio
se lome nota de certoa dados estalisticos ceres
do transito deasa eatrada.
Pelas autoridades da Peira de Santa Anna j
fot tJreso, e ae acha recolhido cadeia dacidade
de fgflll

qae com ella
lia*
les maila* coaasaet.
sado pa districtp da
10,
os ieteteesjanles so*
ds Cacpaojra, o i
Arma, tambero
fugira, at)(or e
i'das ao da 15
Sa ialpvo d'aqo
Ottlrss prises,
CieaJafe, tem co*Mguidq f|zet pliiajsileate po-
Iicls. que, aob a anergA adaarwialraoao do Sr:
Ur. Frenas Henriques, se vai collocaodo oa al-
tura da sub use ais*!* "qooTh eomeoie e toda
o paiz civilisado. Sua senhoris, sobre lado, tem
sido iocsnsavel em proscrever certas pslsvrss
mu offensiras maralidade publica, uaadas pelos
africanos de um e outro sexo quando morcam
fructas, e outros objeetos qae veadem peles rusa.
J se (am procurado laogar o ridiculo sobre a
autoridade qae assim Iffuvavelmeple procede ; e
estoo al que os proprios policiaea bussm de
suss recommendaedes ; porqoe nao sai que disbo
de reparo merece o mercar-se quiabos, para aa
mandar mercar qaigorabs; nem raspadura, psra
raspa doce etc.
Temos (ido oo principio deste tnez algumas ma-
nifestagoas de ioceodloi insigalflcsatei, que
promptamente foram abffados
No dia 18 seguio psra ergipe o Exm. Sr. D.
Domingos Quinoo de Sooza, bispo dedoyaz, qoe
bsvli pouco chegado da corte.
Os grandes calores deste mez hio sido nocivos
a algumas pessoas, que aaecumbiram i ataques
cerebraes, quasi que fulminantes.
Os negociantes recebedores de sabio do Rio de
Janeiro representaran) ao governo contra a im-
posto de 50 por ceoro ( do ornamento provincial
vigente ) aobre casas que vendem aquelle genero
fabricado em oatra provincia.
As pracas do 8o batalho ae tera comportado
muuo mal aqui, e sao j ootaveis os factos de
insubordinadlo por ellas praticadas. O Exm. Sr.
commandanle das armas, entretanto, nao mi-
litar que acorocOe s indisciplina,e nao posso com -
prehender como ella pode assim Uvrar. E' ver-
dade que alguna ofBctaes tem se excedido muilo,
e desmoralisado, por meio de nojentas corres-
pondencias que pejsm os jomaos desta capital.
Acha-se nesta cidade o Exm. Sr. bario de
Maroim, que veio trazer, para serem examinadas
as vjceras de sua eoteada, fallecida era Sergipe,
e que corra ter aido envenenada, tendo esae
boato tomado tal vulto, qoe foi o corpo exhuma-
do 22 dias depois da mrte 1
O mcanaavel Sr. Dr. Jonathas Abott professor ju-
bilado da facnldade de medicina di Bahia, publi-
cou um excelleote trabalho com o titulo Mippa
demori trativo das prepararles existentes no gabi-
nete de analomia da faculoade de medkiua da
provincia da Bahia, creado pelo conselheiro Dr.
Jonathas Abott. >
Na ultima tentativa de roubo na via farrea acha-
se mui comprometido um alfares da guarda na-
cional, e secretario da cmara municipal da villa
de Alagoinhas, de nome Jos dos Sanios Silva, o
qual foi recolhido ao qaarlel do corpo de polica,
juntamente com Francisco Romao da Cunha, im-
plicado neasa grave oceurrencia.
Est preso aqui o criminoso de diversas mortes
Jos CyrUco Pereirs, pardo escuro, qae foi cap-
turado na matta de S. JoSo^ o qual diz-se que
tambem criminoso de morle nessa provincia, e
escravo de Albino ou Alvino de tsl, que ah se
acha na casa de detenco, igualmente por crime
de morle, perpetrado oa pessoa de um offlcial do
exercito.
O Sr. Simio Moreira Gomes sobre o qusl pess-
rs s gravp imputaco de haver sido o autor do
assassioato da cabra Domingas de Alleluia, foi
posto em liberdade por al var do juizo munici-
pal da segunda vara. Corre que esta decito foi
bastante justa.
No dia 21 do correle occorreu ara sensivel
deastre na estrada de ferro, de que foi victima
Maooel Joaquim Rodrigues, de ldade 18 anoos,
pouco mais ou menos
O lofeliz ao aproximar-ae oa trens para a esta-
co de Gequitaia, saltn pata encaminhsr um
vagn de uarga para o armazem das mercadonas.
Depoia que iam os trens em segoimenio para a
esta;io teotou sutrir para om carro?' rtta ocec-
siio perdeu o equitibrio por haver dado de en-
contr em um monlo de carris enllocados paral-
lelos estrada ; cahio sobre os trilhos passando-
the por cima do corpo trea carros, que o deixs-
ram em am estado didlcil de piot>r-se e hor-
roroso.
Para esss provincia seguiram em lastro no dia
20 o brigue inglez Dante, e o patacho da mesma
naci Annie aune, e aote-honlem a barca por-
tuguesa B$peranca, em laatro de sal
Amanhia para ahi aahe a eanhooeira de guerra
nacional Belmonte, commandada pelo distiocto
Sr. 1 lente Mariz e Barros, a qaal vai em via-
gem de instruceio so rio Aaazooas, combinada
com a crvela Imperial Marinktiro.
A eacuna Carlota ainda eat contratando aoa-
rinheiroe para poder seguir.
A nnssa alfaodega randeu at hontem.........
325:126|684 ; o cambio sobre Londres des 25
3/4, sobre Paris 365 por franco, aobre Lisboa de
lU6 119 O/o de premio.
O sssucsr brsneo est colado det|500 2j?700
e o mascavadode lgSOO ip700. Ha abundancia
oos depsitos.
A compaohia bahiaoa estabeieceu o servico de
dous vapores para a Barra, commodidade que tem
sido mui spreciads pelos moradores daquelle er-
raba ide.
rtr#a da ferro um individuo. Hoje afinza-
me pesaos bom Informada que electivamente
hsvism asssssinsdo um trsbalbador da mesma
eatrada ; hornera de idsde, com urna foucada na
abeja a outra no p, que quasi ficou decapado.
0 roeto do infeliz eslava completamente desfigu-
rado, como ae lhe tivessem disparado um tiro
ueima roupa. Suppde-se que psrs roubar o
delicio.
z fora
ous tra-
lla e oa-
destinados psra a exposico uDirerisl, e no dia te-
DIARIO OE PERNAMBUCO.
Recebemos pelo vspor nacional Oyapock, jor-
naea a carias com as seguales dalas : Hio de Ja-
neiro 20, Bahia 24, Sergipe 15 a Alagoaa 27 do
corrale. Oa leitura dalles colbemoa o que se-
gu, alm do que os leitores eocontraro sobre a
rubricainterior.
t). Paulo.Lavrava am Guaratlba a bexiga, j
teado feto 63 victimas em poucos dias, e haven-
do um crescido numero de peisoas atacadas.
A /(vista Commercial de Santas, sobre os es-
tragos causados pelas prolongadas chovas de 5 a
o o correla, eeoreva i
c Oe estragos que a immensa ohuva nos diss
5 a a do crreme flroram. ao multo grandes.
Participam-noa que a aotiga pantecoberta do Cu
baio aoffreu aullo daaoo e que a nova ponte
de tarro, que a empresa da eatrada da ferro mao-
deu construir sobre o rio Cubato foi ioteiramenle
destruids pela forcea das aguas da serra. Consta
toa o Cubatio onde hou ve urna coraplaia loouna
daeio, murreram sesaenta e tantas bestas daa
tropaa que ahi eatavam arranchadas, e que trln-
ta o tamas morreram nos pastos desta cidade.
Cala tambem qua grande parte da cargas se
perder m.
De Mugy, onde as sguaa tambem Gzeram
grande estrago, veio ante-hontem o sdaver de
um trabaihador da estrada de ferro, que lutando
aa salvaco de eutroe, morrea afgado.
O prejuizo qua a compaohia da astrsda de
Ierra aoffreu em suss obras ji feitas. deve ser
enorme.
a Tambem diversos predios desla cidade foram
bastante damnificados.
rtidde Janeiro.Le-se no Comi Mercantil:
Hontem (H) aa 8 1t2 horas da tarde, qoaodo
devis partir o trem da estrada de ferro de t). Pe-
dro II para Macacos, epraseotou-se na stsco
da corta ama eenhora fraoceza daceotemeote
trajada a comprar um bilhele de segunds elasse
pars sqaella direece ; e eflectnara o pagamento
em eineo moedas falsas de if.
O ncerregado da venda dos bilhetes avisou
immediaiaraeole ao agenta, e este da ordam do
inspector geral do trafego releve a paessgelra
at qoe reeebease ordem do Sr. chefe de polica,
s quea se eommunieou incontinenti o fado. A
passsgeira esleve detida na sala ds spera das se-
nhoras. Ahi depois da ter sido all entregue
policie, mandou o agenta examinar urnas tsboss
do sssoalho que se havia ultimajiente levantado,
eomo em ontros lagares, para reviatsr-se o bar-
rolamtnto da eitaco (exame mandado fazer por
aeharem a laboaa fra doa aeus lagares), e eo-
oootraram-se doua embrtilhos, um de pspel a
euiro de panno, e;ume pequea lata eonlenio
1r9#daa memaa moedas, sendo que ss coplidas
oa lata importavam em 100, envolvidas am sl-
godlo em rama, e eataado o resto nos outros
oos embrulhos. Todos os objactos foram ia-
raediatameate remettldos so 8r. ehefe de polica
da corte.
Im data da ooolen (17J eacrevem-nos de
Macacos -
< Ha dias coostou aqui que fora assasiinado na
[Decido commetterssn
ibe-se maia que no dia
saaaioado, esiivera am
Ihadores, tendo um |e|
> urna fouce.
_a Apezar de ter recebido pa
rrido, o inspector dei|ra>se
ante era casa e neohuaa prov. __
ersepuHadQ o cjdaver do assassioado, que j
eihala mo eheiro e est eipeele aos elaa.
Espirito Santo.O preaieenle da provincia vi-
aitra a colonia de Santa Isabel, erarlos do mes
passado. Nata occorrera de importante.
Bahia Oj assassioatos snecedism-se qussi
que diariamente, sem que nem sempre a polica
foise feliz na captara dos assassinos, eomo se ve-
r dos seguiotes trechos do Diario:
No da 15 do mez passado no lugar denomi-
nado Alto da Candla ds freguesla de S. Bslevlo,
do termo da Oachoeira, foram assassinados o
crirjuloJoSo Amonio, uma sua amasia parda de
oome Mara Gerroaqa e um (libo menor desta;
sendo indignado como autor de lio atroz delicio
uru oulro criouloda oome Maooel que estira 10
servico do assassioado, e que na mesma noite
dessa deplorare! oceurrencia, se poz em fuga,
levando em aua companhia a parda M na, tambem amasia de Joio Antonio, dous caval-
los deste, armas e outros pequeoos objeetos.
< A polica iovida os seos esforcos pars a cap-
tara do crtmiooso
Depois de estar nos prejos s noticia aclms,
lomos intormsdos de que foi preso pelas autori-
dades da Feirade Sants Anna ej seacha na ca-
detada Cachuejrs, o suior dos barbaros sssass-
oalos que fleara expostos: bem como a sua com-
plica Maria Juliana, sendo o nome ioteo do as-
sasaioo Manoel Jos de Santa Anna. Esto heci-
ooroio nos interrogatorios a que respondeu sute
o delegado da Peira de Santa Anna eaubdelegado
de S. Estevo, districlo da culpa, confessou ter
sido o perpetrador das tres mortes I
< Mo dia 15 do passado, oo alto da Candis,
districlo de S. Estevaa, foram assrssioados o
crloulo Joio Antonio, a parda Germana e um
menino filho desla por oulro crioulo Manoel Joa
de Saot'Aona, que era slugado daquelle, O ss-
sassino, depois de lunar dous cavallos e vanos
objeetos perteocenles ao asssssinado, fugio em
compaohia da parda Mara Juliana, tambem ama-
sia daquelle.
a O Sr. delegado, aabendo do occorrido por
varias pessoas d'alli viodas, officiou ao subdele-
gado, que respondeu ser exacto.
Deixou de haver corpo de delicio, porque
oessa occasia o subdelegado se schava nesta ci
dada e deixou de passar o exercicio ao sup-
plente.
c Consta-nos que os corposesliversm insepul-
tos por alguna dia;.
No dia 1. do correte foi brbaramente as-
sassinado, no districto do Sap, o pardo Luiz
Evangelista da Cruz com tirse culilsdss. Mo
baveodo no lugar subdelegado, e tendo o juiz
de paz noticia da morte, achaodo-se o corpo in-
sepulto por mais de 24 horas, procedeu corpo
de delicio.
a Ignora-se quaes os autores de semelhante
allantado.
a No da 7, tendo o subdelegado 4.* supplente
ds Moretiba noticia de que em sua propria casa
ra asssssinada urna Africana de nome Domin-
gas, cujo corpo j se achara em estsdo de putre-
facto, procedeu ao competepte corpo de delic-
io, sendo preso como suapeito de t-la assassi-
oado um Africano de neme Jacob, amasio da as-
sessioaja, e escravo do Sr. Carlos Pereira da
Molla.
c No dia 20, Bernardo Rlbeiro assassioou com
oito tacadas Eulalia de tal, no Jabur (costa da
ilha de Itaparica). Aa circumsiancias, que acom-
panh'sram o crime. parecem mostrar que Ber-
nardo rViheir foi levado aquella acto de malva-
dez, por accesso deTjiome.
' c Eulalia fora sua amazia al pouco tempo :
ltimamente foi viver eom um inspector de qear-
leirio, em coja casa foi matar Bernardo Ribeiro
la 10 horas do dia, c negando a ponto de dar duaa
tacadas tambem oo seu suceessor, que nada mais
fez do que gritaraqui d'el-rei com todas ss for-
qss de seus pulmes.
O criminoso fugio. A subdelegada procura
prende-lo. O corpo de deudo foi feto pelos Srs.
Dra. Botelho.
a No da 4 do correte, no lugar denominado
Vinhalleo, da villa da Birra do Rio de Coolss,
um individuo de oome Joio Candido, pardo, na-
tural do serlso da provincia, matou com om tira
a Jos de (al, acabocolado, filho do districlo de
Una, e com seis grandes eutitadas na eabeca
sua propria mulher, Carlota de tsl, psrds escure,
tambem natural do serlio, encontrada por elle
em adulterio com o asssssinado. O criminoso
poz-se em fuga, logo qne Consummou o alten-
fado
L-ss mais no mesmo jorosl:
a No dia 4 do correte, partlndo da villa ds
PuriQcac,o dos Campos, por ordem do respectivo
subdelegado, um cabo a tres guardas polieiaea,
em diligencia de prender a Pedro Balbino de 81,
reo proouociado por furto de cavallos e indigna-
do pels vos publica como Implicado em ostros
crimes, so chegsr taes prs;as so logar da mora-
da do dilo criminoso, ashio este fra da cass, ar-
mado de um ca vinote, e dispsrou um tiro sobre o
guarda de oome Jos Aleixo, que por desviar o
corpo apenas Qcou ferldo em urna mo. Preao
enilo, com algom esforco, o referido criminoso
e recolhido & cadeia daquelle villa, vsi ser com-
petentemente processsdo pelo crime de resisten-
cia, conforme determinou o Sr. Dr. chefe de po-
lica, que segundo oos coosla, tambem reeom-
meodou ao delegado (oda a vigilancia aobre o
preso.a
Apenas constou presidencia officialmente
o mal qae se desenvolveu em Cruaogy etc., fet
etle publicar medidas para o caso de ser a pro
vincia invadida, nomeando commisses especiaes
para o aceo da cidade e seus arrabal lea, e para
o soccorrimenlo das pessoas affectadaa do mal.
Quaotoao mais que por all tem occorrido,
enviamos os leitores para a carta do nosso cor-
respondente.
Sergipe.Achavm-se concluidas as eleicfiea
para deputados provioeiaea, tendo sido eleitos es
Sra. :
Bario de Propria.
Erico Pretxtalo da Fonceca.
Padre Pedro da Silva Correa.
Dr. Alexandre Pinto Lobio.
Antonio Elias de Manos.
Antonio J. Pereira Guimarles.
Dr. Dionizio Rodrigues Dsntss.
Antonio Carneiro de Menezes.
Dr. Jus Martina Fonles.
Jos Moreira Guerra.
Francisco Teixeira de Paria.
Ignacio de Mello Pereira Bolo.
Dr. Manoel L de Azevedo Araujo.
Dr. Jeaulno Pacheco de Avellar.
Dr. Benicio Dantas Msrtios.
Dr. Manoel da Silva Reg.
Dr. Manoel de P. Cesar Garcez.
Dr. Antonio N. do Almeida Castro.
Joio Antonio de Moraes.
Jos Vicente de Souza.
Dr. ftayaundo de Valoy Galvao.
Dr. Jos Lourenco de Magalhes.
Dr. Goocalo Vieira Tellea de Menezes.
Antonio Manoel de Praga,
fadoda.No da 28 do correte foi barbar-
mente eapaocado em urna daa ras ds cspitsl, o
sexagenario Manoel Joaquim do Reg, por An-
tonio Juvencio MoMotro de Lias, pelo simples
felo daquelle pedir-lbe madssse ver a roupa,
que encomraeodra, e achava-se prompts desde
dezembro. C o requiote ds metvadez 1!
O medico, encarregado do tratamento das
pessoss afteetsdas ds febre amsrells na vlrla da
Iroperatriz, dirigi o offlclo que segu so Exm.
presidente da provincia.
Villa da Imporalrit, 10 de laoeiro de 18tt,
film, e Exn. seohor.Depois do meu offlclo
dirigido V. Exc. em 13 do crranle, em que
commnniqnei V- Exc. ter aqui eu ehegado no
dia 10 encontrando 10 doentes accommettldos de
febre biliosa que aqui reina epidmicamente,
mas sem carcter sssustsdor, teoho a sccrescen-
tsr qae contioasea a ser affectados ontros mas
sem gravldade, spetar das freqoentes recahidis
qne, snpponho, serlo devidas em grande parte I
pouca observancia do rgimen diettico.
Nao lecho a lamentar caso algum fatal, alea
de r/a no dia 11, sendo esse caso, como pondere)
V. Re. aa moa oflreio de 13, devido antes 4
incuria do doente do que grividade do mal.
t Nlo posso delxsr flear em allnelo a coadja-
vsclo efflcas que me tem aido prestada pelo dig-
no delegado de polica deste termo.
Aguardo as ordens do V. Ere. Deas guarde
a V. Exc. lila, a Bxm Sr. Dr. Aotucio Alves da
Sousa Carvalho, digoiaeimo presidenta.
Dr. Joio Francisco Diaa Cabral.
L-se no Diario do Commercio :
t No dopjtnia (19) |a pirana # larde funda ou
era nosso jora a 'apar Ypinfga, destinada ir
fa^eruma rlagla de Intrusle do aerte coa 4
aspirantes. ^
Titrpa partido d0 Rio da Janeiro no dia 14
j proxiap passado par Maeah, ata da iieo-
nhecer a pedral en aae slinha partido o va-
por Hermm : aeata vllgaus gasta 10 da, e
parti io de Maeah oo dia 28 do passado oeste
parlo oa urna viagam da 31 diaa, porque en-
contrn aempre vento nordesa a or-nordetta,
contrario aua marcha.
a Esta longa a m visgem, a o nio ter sido
empregado oella o vapor, fez soffrer muitss pri-
vaijoea toda equipagem.
Os maotimentos a sgus quasi que (allsrsm.
a Consta-nos que se demors aqui por alguns
das fmquaote faz alguna reparos de que neces-
Bit*, e nesta sentido o seu digno commandanle o
Sr. 1,* taante j se eoteodeu com o Exm. Sr.
prest tente.
< Dsqui tem de seguir para a liba de Fernan-
do de Noronha. >
NOTICIAS COHHERCIAES E MARTIMAS.
Rio de Janeiro, 19 de Janeiro de 1862.
Fizeram-se saques :
Sobre Londres 25 1)4 a 9 d. v.
Sobre Lisboa e Porto : a 110 por cento vista,
115 30 d.,114 60 d.e 113 90 d.
Venderam-se algumas oo$as hespanholas
30J3O0, e 75 apolices de 8 por cento 9.1 par
cento, e 101 acedes do banco do Brasil I 679000
rs. de premio.
Chegaram, procedentes de Pernambuco :
12, o brigue Maria habel, com 12 dias de via-
gem ; e f 16, a barca iogleza Traveller, eom 9.
Sahfram para Pernambuco : 10, a barca
ingleza Snotoo ; 11, n brigue Trovador, to-
cando na Bahia ; 14, a barca franceza Virgile ;
e 117, o brigue francez Auguste.
Eslaam carga para Pernambuco : a bar-
ca Iris, o brigue-escuus Joven Arthur, nacio-
naea ; a barca Manoel, franceza ; e a barca Fus-
lier, Inglesa,
Bahia, 23 de Janeiro de 1862.
Cambios.-Sobre Londres s 90 ds. 257i8, 253i4
e6d. 1.
Sobre Paria370 rs. o fr.
Sobre Lisboa 108 a 112 por cento de
premio.
Moedas.Dobles hespanhoes 318500 a 32SO00.
da patria 319 a 311500.
Pecas de 68400 velhas
de 49
Patacdea brasileiros 29100.
hespanhoes 2J100.
{mexicanos 19900 a 2*.
o e Hamburgo 65 a 80 scb. por
tonelada.
Gibraltar 77 \\ sch. por tonelada.
Csnal e porto inglez 55 sch por tonelada
Continente 78 1i2 sch. por tonelada.
Liverpool 40 a 45 sch. por tonelada.
New-York 50sch, por tonelada.
Marselna 65 scb. por tonelada.
Ao obsequio dos Srs. Matheus Austin & C,
negociantes de nnssa praga, devenios recepcao
do numero de 19 de dezembro do Courrier des
Etals-Unis, jornal que se publica em New-Yotk,
do qusl foi portador o brigue hespsnhol Belisario,
adianlaodo noticias ds Europa al 6 a dos Esta-
dos-Unidos at (9 do passado, as quaes se res-
meos oas seguintes:
_ Inglaterra. Cootiousva a eicilajao pela quss-
lau do Trenl, sem dar mostras de diminuir. O
mercado monetario achava-se sobra-excitado, co
mo anda se oio Uvera apreseolsdo desde o co-
eco das diffjeuldedes.
Aioda ara desconhecida a deciso do goveroo
americano sobre os negocios dos Estadoa-nidos,
a vista ds publicacoo feila em Pars pelo resi.ee
tivo cnsul, de urna carta do general Winfield
Scolt, na. qual declara formalmente que o aeu go-
verno nao auiorisra o aprisionamento dos com-
misaarios de sul, e que nenbums probabilidade
ha de urna guerra entre ns Estados-Uoidos e a
Iaglatarrs, menos que tactos mais importantes
occorrarji.
Os jornaes de Londres sao concordes em que
a Inglaterra est decidida s retirar o sea eoviado
a recoohecer a coofoderaco do sol, e a levantar
o bloqueio dos seus portus, caso recose o gover-
oo americano dar as salisfac,des exigidas.
Aps um conselho privado no palacio de Wind-
sor, foi publicada urna proclamarlo real, prohi-
bindo a exporlagao de armas, munigoes, equipa-
gens militares e chambo para o eslraogairo.
Corra aeharem -s no canal inglez, parto de
Sorliognaa, corsarios federaos e confederaos, pelo
que foi ordenado que duus navios de guerra in-
glezes escoltaasem os vapores do servido das In-
dias occideotaes.
Em uro banquete dsdo em Rockdsla Mr.
Bnghl, foi lida urna carta de Mr. Cobdeo, pedio-
do a suspeosio de juizos sobre o oegocio Slidell
e Masn, at qua se soubesse se o goveroo ame-
ricano autonsou-o, accrescentando o seguiote:
a Se o geverno americano assumisse a raapoa-
sabilldade do tacto, deveriamos reclamar se ds-
se, s deliberagoes dos cooselheiroa legses, a mes-
ma alteocoo que daro ellas a doa da Inglaterra.
Comtudo, qualquer qua soja s deciso nesta con-
troversia legal, nao podaramos esperar conse-
guir uielhor resultsdo por meio de um sppello s
srmaa.
Mr. Cobden contlue m favor de urna re visa o
do cdigo martimo internacional ; a diz que a in-
tervengo da Franca a Inglaterra, qualquer qae
seja, apenas eggravar e prolongar a lula, lal-
vez produzindo ama guerra civil ao. sul, qne des-
truira ioteiramenle a cultura do algtodo em todo
o paiz. T
Mr, Briglh pronuociou um bello discurso, em
que repellio a idea de haver a tarifa protectora
des Estados-Unidos provocado a rebelliao.dizen-
do qne ella cascara da eacravido ; ijpeusaodo.
entretanto, emittir ama opinio motivada sobre
s legalidade do aprisionamento dos commissanos,
porque espera em breve ver deelirado ottkial-
meoie ter o commandanle Wilkes obrsdo sem
autorisacao do governo, coocluiodo por desappto-
var com energa oa aentimentoa bellicosos que
lem sido manifestados.
Continuara m oa preparativos de guerra, achen-
do-se j promptas a partir para a Canad, nu-
merosas for$as, e sendo chaaadoa quasi que dia-
riamente os marinheiros desembarcadas; para
bordo de seus navios.
O algodo baixou 1 1 1/4 d. regulando ss
vendas da ultima semana por 29,000 balas, che-
gando mesmo a baixar 2 d. em algumas oegrcia-
QvS. Os consolidados ticaram 90 1 1/4 89 7/8.
Franca.Diversas verses corriam aobre a po-
aico qne oceupar esta potencie ns questo ame-
ricana, dizeodo uos qua se conservar neutra, e
outros que empregar os exercilos do larra e msr,
sendo a mais aegoida a da qua ella ae apresen-
tari eomo medianeira para a recouelliaco da
Amrica com a Inglaterra.
Carria em Pesia qae o ministro francez em
Washington annuneira so seu governo haver o
gabieeie americano recusado s Irsnsraissio daa
deapachos dirigidos aos consoles frsncezes em
Charleaton e Nova-Orleins palo goverao do im-
perador.
N'am artigo sobre s questo aoglo-americana,
diaa Patrie, qua nehum interease lem a Franca
aa aua aolucjo ; porm qae aa a Inglaterra deixar
da exigir aatisfaco, audar-sa-ha a faca daa cou-
sas, e se ella reconhecer os aslsdos da sul, eolio
s*airas poteociaa europeas davarlo infallivel-
menie lomar providencias no aaalida da garantir
oa ioteresses da aeus subditos, aisaejaodo o flm
da guerra. Finalmente que urna vez reconbeci-
da a confederadlo de sol por urna das grandes
potencias o gosaado doa direitos pblicos inhe-
rentes, demaia eatadaa deverio exaaiiaar que
aiiitude Ibes dictaren aeeslhsnles modifleacoes,
e qne o gabinete de Washington sorregar eam a'
resaonaabilidadade ama solucao imposta Eu-
ropa pelas oecoeaidades do coamercio a pola ia-
flaeacia poltica.
/toia. Contra todaa aa previaoes, Garbaldi
choglrsa Zariaa a apresentra-se aa cmara daa
deputadoa, atado eooUouara a diaoosaao romana
enapolitans.
0 Sr. de Ratszii expozo mo resultado dsa ne-
gociares relativas i Roma, e declarou estar
convencido de que o governo francez deseja por
termo occapseo de Roma, e que sincero
amigo da Italia; coocluiodo por doclarar qua sua
ultima visita Frsnco foi puramente pessosi,
dando assim um desmentido aos romore deifa-
roraves que corriam.
Havia ehegado Parla aadaaa Eostis, aalber
do secretario de Mr. Slidell, qae fftra (asu posea-
neira coa aea manda, acoapaahada poto coro-
nel Lemnt, da Lualaoia, qoe seacbava Igaalaao-
te bordo do fra*t,
Estados-Unidos. Tanto oo sol cosao ao aorta aa
espirito* aa achavam preoceupaJos eom a qasasa
dos coramissarios, j seodo aabida am Rieaaaead
a akagada de am mensageiro especial, asilada
de aapaahfa psrs lord Lyons.
P praaaate a# columnas dea joraaes viabaa
chalad coaliousaame dedescrpcOesdoasa tarri-
vel inieadta, qaa lisera lugar em Charteslea.
0 Interaae qaa lospiram aa vidiosas garal
ae acha be a Plenle noa credttoa votado* fot da-
lasaaa legistaUraa, taes que f 150,000 pala Virgi-
nia, 9100,000 pela da Georgia, e subscrip^oaa prav
movids* am Mobile, Nova-Orlaaas. Maapbis a
Lil lie-Rock. *
As propor(des do incendio sao msioraa do qaa
se suppoz procipio, porqunto Bearasa ao lo-
do perdidas : a igreja dos quakera, oa eelabaet
memos ds Cana Ecoooaica, a do tipraaea do
Sul, a caaa do bispo Byncb, a i rezan Ua mil bataa
de algodo, que eatavam armazenadaa aa fabrica
dos Srs. Me. Cabe et Haenkel.
O Correto ae Charlatn, dis qaa aaa aaica
coosoUcao ha, a o interease com qae se pooa-
lacoea pretas, borneas e mulheres, procurarssa
extlogir o incendio.
Achava-se deflonivsaenie incorporada coa-
ederarao do sul, o Keuiucky, tendo j aido Bo-
rneados dous commissanos para o representaraa
no coogresao confederado ; alo alies aa Sra. Hea-
ry C. Buroett e o juii Monroe, da familia do ce-
lebre presidente deste nome.
A' todos 03 momentos se espera am desenlace
definitivo eotre Columbas e a Cairo, lato coaMag
federaes j oo pdem permiitir commaoicagos
desta cidade com o exterior, procurando cairlen-
lo elles occuliar aeus preparativos.
J havia ehegado s margens do Savannab a
frota carregada da pedraa ; estando os uaiaaistaa
oceupadua em meiter pique os navios tora, a oa
separatistas dentro da barra entre o (orto PeJaaki
e Savannah.
Alguna otBciaes sao de opinio de qne, aa vas
de atacar Porto-Real, se deveria assaltar eata for-
taleza, o qoe nao seria difflcil, a meamo prodazi-
ria a tomada de Savaonab, talves qae sea dar
um tiro.
Oizia-se j estsrem concluidos ns trabalhoa da
commisao ^nomeada pelo congresso para exami-
nar os contratos celebrados pelo governo a por
seus agentes.
Na psrte coohecida desses Irabeloos ae Moa
singulares revelarles.
Ellas pruvsm que os intermediarios ensprega-
dos pela administrarlo nao peccara por excasso
de delicadeza; seodo mesmo censurado Mr. Wat-
es pela compra de certos navios, oo antea por
sua negligencia na veriOcaco daa operacooa do
seas agentes.
Mr. Fremont tsmbem nao paopado neasa
devissa, pois aua a empresa daa foriineatoa da
S. Louts trstsda de extrava$anU t fraudu-
lenta.
A commissao conclue pedindo o confisco doa
bens de todos aquelles que fiserea* contratos,
afim de serem os cofres iodemnissdos das de-
fraudares.
O here quasi que esquecido do Lesiagtoa.
coronel Hulligan, leve a hoora de aar recebido
ofilcialmente na Cuy Hall de New-Jork, coa
flm de ser enviado a Washington, onde preceder
Mr. Fremonl que parece pouco decidido a deixar
aquella cidade.
A' ultima hora leem-se os seguioles despachos
telegrsphicos :
< Frederic, 18 de dezembro. A brigada do
geoeral coofederado Jarksoo, postada nesta cida-
de, foi elevada 9,000 bomeoa; preleadeado
este general atravessar o rio acias das quedas
a'agua, a marchar sobre Williama-porl.
Dizia-se que o coronel Leonardo loara
todaa aa medidas para defender a prae* a dispu-
tar a passagern do rio. O quinto do Coonecticat
chegra Williams-porl eom aaa batana. Ua
desertor diz que, eotre oa sollados da Jarksoo,
uns acharam-se resolvidos a segoi-lo al a in-
ferno, era quanto que outros recusavaas pasaar
o rio, deciso bxa do general Jarksoa.
c O geoeral Banks 4ra providencias, a a bri-
gada do general Williams eslava prosapia a
marchar.
< Alguns avisos dizem qaa Jackson alo toa
sufficienie tropa para atravessar Potoaac.
< Diz-se que esto manhia se oavirasn tiros do
fusilarla psra ss bandas de Uagarstowo a de
quedas. >
? Washington, 18.O geoeral Boell lelegraphi*
de Louis-rille que a divieo Me. Cook est a
Muofordrille, e o geoeral Milchell aa Baeoas-
Creck. Elle julga que I. illicoffer tar da retro-
gradar para as margens de Curaberlanl, aflea do
se prepersr. Era um pequeo encontr do
guardas-svancadaf, os confederados foram do-
bandados.
c Harriaburg, 18. O governador Curta vai
publicar uaa proclamarlo, convidando saos
concidados s se organisarem militaraenta para
a defeta do estado.
< Dentro em pouco elle tara aaa visgem 4
Washingtoo, afim de combinar com ss autorida-
des a maneira da defeza do ro Delavara a do
lago Erie.
1 Mll TI I A no I
___PERNAMBUCO.____
RCVIST DIARIA
Aioda desta vez chegon o vapor do sal antes
daquelle que sa esperava da Europa ; a se eate oo
chegsr hoje, flearao aa provincias do aorta coa
15 dias de alrazos nss noticias daquella parta do
munio; e por conseguiota naa aa podar* apro-
veitar das noticias commerciaea, para a vaoda dad
gneros de sua produeco.
Nao bavendo, coao j teme-la indicado, alili-
dade nessa presteza de expadico da vaporeo do
Rio, oio devem ser desprezadoa conseguioteaea-
te por semelhante modo oa intarassoa da qaatro
proviocias do norte da maior iaporlaacia ; aa
quaea por essa expedico adiantada Inda pardeas
oa falla das noticias dos panes Irintallaatloe*
ao passo que as oulras nada adiaaUm aa lacraa
coa ella.
Hoja peles 11 horas da aaahoa teas lagar a
iostalloc.au da aociedade archeologica peraaabu-
cana, ns convento do Carao deata cidado ao sa-
lo era que se ach insultada a aibiiotbeca pro-
vincial. ^
Coao j aiaaamoa. tea o dia da hoja do pro-
senciar com o seu sol bnlhanle aa tai la, ano la
de perpetuar o nome doa aoaaos aatoraa, levaa-
do-o mais remota poaleridade, daais do kavo-
los exhumado daa travos ds aattgaadodo am
que miogua de uaa aaaociacaa daata na la reza
lem al hoja estado coa delriaeat* doa as aaa
foros.
O dia da hoja aera, poia. dora avante duplica-
da mente notavfcl para noa outros parnaal
e coa satisfaca qua aqui iaaaraaoai
saudacao potica que aobre ella aaa can
28 DE JANEIRO DE 1809.
Oh I qaaoto hoja exulta ufaaa
O povo peroaaboeaaa.
Todo caberla da glora.
Recordando Iriuaphanla
Essa pagina bnlhanle,
Qaa ornamenta a noaaa historia I
Como hoja o sel rsioo liada,
Do norisoole surgiodo,
Psra illumioar a larra,
Terra, que ao jugo hollaodez
Taotaa resistencias tas
'T que o esmagou aa guerra I
E a Veoeza d'America
Devera ter lyra homrica,
Pra ser sssls celebrada,
E cantada sem desdouro
Em sublimes versos d*ouro,
De victorias coroada I
Sim : aa patojee taBanhas,
Ae aaia heroksa focanhaa
De nosss intrpida gente,
Doa padrees do naaaa gloria
Hoja oos reea i aeaorta.
Oo modo aaia eloqueata I
Haartaaa Diaa. Negrairoa.
Caaaro, oulraa guarraUaa,
E berea havia aate :
Mil prodigM* do volar
Pta*uaeai lavar
Da Boato realauraca* I
Enes berea ea noss'alaa
Revivam sempre, e a palasa
, Teoham de seus nobres Miad:


DIARIO Dfi PBHNAMBUCO. TEBU IRA 18 OS JAJWJJK) D 1861.
T-r

-

Fot coa a sepila oa peana,
Om ella dona toeteaaoho
D'aaor m como eireiloa!
Arrleeando a propria vida,
Da faena iCTroaUodo 4 lid*.
Nasa bala da nalo,
Nea a abara da matralhi
Arredara-oe da balalha,
Paloa brioa da necio 1
Doua aaaaloa, a oito annoa
roana, que oa perntabucano
Tirara a rastaurscio
Do dominio da Uollanda,
Sa. j haailde, ji branda,
loa hb oppoacio i
Foi Joio Paraaadaa Viaira,
Inalylo baroa qia a baudaira
Arrorou da Portugal
Naala provincia : o tomou-i
Doa balaros, om paaaoa ;
E antron na capital!
Ahi Sigismando aap'rara
Neceo ganara!, a 'atara
So, aan quito, a i p :
Brralo alia hegou-e.
Cobo aa imigo nao (oae;
C tratoa-o baaa at I
Paito o raago da bondade,
Toma aa charai da eidade,
Qaa Iba entregara Viaira,
Entra acclamacoee gene,
Entra riraa laatiraaa
Do poro, a da tropa inloira !
Funeuco de Figuairoa,
Maatra de campo, j roa
A* tomar aa oatraa preces :
A larra da Santa Cruz
Toda, em brore, tare jaa
Da benir taalaa desgranas I
A lembranea de tal dia
Eocba da bonra, d'alegria,
lata provinaia gentil,
A minba larra natal
Pernambuco, em riral
Em todo o rico Brasil 1
-* Apreaentoa a companhia de seguros Indem-
nisadora o sea relatorio e a exposico das ope-
ragss do anao liado ; e denos pegas resilla a
prosperidad do seu estado econmico, porquan-
lo reaultou o dividendo de 20 por ceoto sobre o
capital realisado, ficaodo em reserva deste e dos
anuos anteriores a quaolia de 113:5714245.
Oa seguros tomados durante o mesmo eapaco
mootaram a 4,137: >Wg976; a (oi pago doa ainie-
troa oecorridos 9:4660353.
Dasles dados da estilstica fipanceira da refe-
rida compsabis ve se, que a forlana tem-lhe sor-
rido em suas oparaces de risco ; e esta coodicio
tal que, na bypothese de dissolrer-se ella pre-
sentemente, teriam os respectivos accionistas de
haver capital superior qaelle da entrada de cada
um.
A dmioislucao novamenle eleita compe dos
Srs. :
Joio Piolo de Lemos, presidenta.
Joio Antonio de Azeredo Santos Jnior, secre-
tario.
Heoriques Bernardos de Olivaira, secretario.
Joio da Silva Regadas, director.
Francisco Joio de Barros, idem.
Jos Jacome Tasso, idem.
Miguel Jos Alves, suppleote de director.
fJJJuao Baptiata Frsgoao, idem.
A commissio de cootas cou con posta dos
Sra. :
Laiz Jos da Costa Amoros.
Antonio Marques de Amorim.
Carlos L. P. Hoeck.
Tamoa cartas do Citle do Rocha da 17 a
25 do passado, subscriptas pelos Srs. Jureocio
Antonio dos Sautos Mondonga o Joa Torquato de
Si Cavalcaoti, que se queizsm do crrelo ; por-
quaoto niquellas datas somonte tinham recebido
os Daros at o flm de setembro, a assim mesmo
lodo truncados I
Ora, a nio ser de proposito, paraca que nio se
poda dar urna lio inslita demors a talla; pota
ue a remesa realiaada cosa a maior pontuali-
da possivel as segundas e quintaa-feiru de to-
das as emanas.
Para isio nio ha obsorvacao, aenao a mera coo-
sigoscao do aclo, que aqai registramos. Toda-
va, lembra-noa um amigo, que aa acha presente
ao tragarme* estas linhas, que os mezas referidos
foram da eleicio, em cujos lempos cam suspan-
aas as garantas da probidade. Pode muilo bem
aar isto I
Dirigem-oos a segainte communiucio, qae
publicamos eom o Qm de aet vri6eada a eiacti-
dio respectiva pera que oeste caso appareca al-
guma providencia sobre o abuso alli notado :
Depois de ficar, por doua annoa, iolerrom-
pido durante o interno o transito doa carros, e
mesmo dos carados, desta eidade para o Jaboa-
lao, im consequencia dos grandes aloleiroa na
estrada da victoria, trala-se agora do empedra-
maoto de cortos lugares della, por meio de ar-
ramataQo :
< Acreditamos que o goreroo contratou o em-
padramaulo, o nio o embarreamento oa ami-
ntenlo; mas o material qua v-ae empregado nio
paasa de torrees de arela, por tanto nio satis-
fszem as coodices do contrato, e menoa o fim
que ae tem em tisis, salvo ai prateode-se reno-
var por trimestres essa obra.
Era poia de conveniencia que o Sr. director
dss obras publicas cbegasaa al ao Barro, aflm
da melbor apreciar esse estado, para sobre elle
providenciar como cumprir. >
Dirigem-nos igualmente o segainte :
a Bem que os esforcos por Vmc. empregados,
Sr redactor da Revista, relativamente a malho-
rar o tarrico do correio do Cear, nio teaham
sido eoroedoe com aquella resultado qaa era de
eaperar, nem por iaso daremos conaervar-noa io-
differentes aoa males da meama naturas que noa
peraeguem ; poia ral-sa elle tornando epidtmi-
eo nsqaella provincia, a ponto da granar ji por
differentea locacidades do ceolro della.
< A agencia do Aracaty oio naga aer filial da
dminulracio, pois della ha as mesmas queixas,
e com fundamento ; e isto podeodo estender-se,
mss devendo ter um paradeiro, importa que re-
corramos ao aeu intermedio, para chegarem noa-
sea vozea at o gorerno proviocial com o fim de
obviar a continuado da aamelbanlea ioconve-
niaoles. Isto tasemos com esUs liohaa, pedindo
a sua interrencjto na inserco dellaa, Sr. redac-
tor ; a pelo que aceite etc. etc.
Da urna caria escripia da Sobral em 11 de
Janeiro do correle, extratamos a seguinle parte :
c Tinba dado orden para Iba aar remotlida a
sola que tinha comprado pelo Igparau, mas
de proposito slguem da barra espalhou alli, aqai
propalarais Igualmente, que aqaelle vapor oio
vinha ; em consequencia do que o hiato Sobra-
lente, tiro* dahi alguma vintogem, e aabindo
demorou-ae lora da barra, tomando alli a carga
proporcao que ia deseando daqui.
< O mea amigo alli, embarcou nelle tambem a
sois, qaa au destinara para o Iguarats, o caso
qua podeodo a astas horas j oslar rendida
naaaa se tiresse ido pelo vapor, lenbo toda a
certeza qua a estas horas ella anda nao estar
nem pelo Cear, porquantoaa ullimaa noticias da
Barra, anda alli o dio tundeado fra, peciiin-
ebe, como ellea shi costamam faser, e de qae eu
fui rictima mais da ama rez, em que contando
sabir uaquelle/diu, ficar a risgem adiada para
as seguintes aguas, a atioal so sabia nss oulras,
qoando Deus quera nem neaaaa.
Felizmente livroa-noa diaao a Companhia
Peroambucan, com coja pontualidide. noa te-
mos achado, e pede a rerdade, qae se digs, mui-
to bem servidos. Seus freles sao inferiores aoa
doa navios de rea, os gneros mailo nene treta-
dos e acondicionados ; e o qae maia; tamos a
certeza de nossas demoraa fra de caes.
a Recommeodo-lhe pois, qua a minha carga
quero-a toda pelos vapores : peco-lbe que nio
ceda a pedidos, porque oa qua oatr'ora pretera
niales, hoje acho-me daaangaaado pala propra
experiencia. Bula da logros.
Depois das charaa de que Ihe del noticia, e
qua caussram as chelas de que Ihe fallei, o lam-
po tem suspendido etc. etc.
Ei o vlgesimo-Ureeiro
BOLETIM OFF1CIAL.
a Em um offlcio da 21 do crranla, dirigido ao
Exa. presidente da provincia, offlcio que pro-
manemos traoacravar, a deixoa de ae-lo por can-
m de aaa extaosio, diz o Dr. Firaino que no
dii antecedente, aa cholencas, iendo-seepalha-
do pala eidade, deefechtram em horrivd cholera,
asteado at 11 horaa da noile do dia siguite
eiaeo posaoas, e aecommetlendo riale, dos qaaas
dous graramente, a qae o aal pereda querer
combater alli coa forja ; accreecenUndo qaa.
a aa 1856 o mximo da mortalidad foi da 45
paaaoa aa 24 hora, aaiur ser agora o amar o
a qaa aa elevar aa coaaaqaancia da aaa inten-
sidad, o qua todava nio di cobo infallirel.
Diz maia qaa a cholera actual nio aague a
marcha do ontro aa aaa aecoamaUimanlo, por-
Juaoto o de 1856 andar paaeo, a eata caminha
a salto, tendo potado de Cacboaira para aqaella
eidade, deixaodo am intarrallo da 4 lega** in-
tacto, a qaa paraca qaa aaaa affeccio aa quar
fszer coohecer paloa incrdulo qaa por alli ha,
aflm da tira-Ios da incerteza.
a Dis aaia, qaa irisa da informacio do de-
legdo de polieia major Barros, dada aa 21 do
crrante, o cholera eali moderado em Cruaogy.
tendo a mortaiidade chegado a 12 paasoas por 24
horas ; qua am Timbiuba matara da 12 a 16, fi-
gurando entra esta o capellao Fr. Joa da Santa
Mara Magdalena Bruna, qua prestar ralevaotea
servico, a o propratario do eogenho Silgado ;
qaa na Lapa achava-ae moderado, em N. S. do
O' notara matrairo, tasando 4 victima por dia ;
aecraaceoUndo que julgava qaa alli raaobraria
de forca, poia qua asa molestia nunca ae despe-
de da ua lugir aam faxer grande aunada.
Diz maia, qua na atpactatira, a quai na arte-
ra de qae o mal na eidade aa tornara intenao,
mandara faenar aa escolas publica o particula-
res, aQm de qae o meninos poiaaa aar melhor
obaarradoa por una pas, a aa atolhea aa lempo
os aym ploma cholenco que sobrevisten), e com-
manica qae aa acha quasi prompto o hospital,
poaco restando a faxer para ficar concluido o qua
aa conseguira at o dia 25.
Diz mais, qua i eidade aa recolheram no dia
21 as irmiaa de caridade com o padre Lazariata,
procedentes de Craangy, a qua at aquella data
de pouca ulilidada ellas tem ido por aer a po-
pulacho daqnallea campo maito uplbada,o que
nao le di alli, a por isto ver o que faro.
Diz emfim, qua am de seus maiorea cuidadoa
a Inhomacio doa corpo, pelo que se v obn-
gado a ir duas veres por dia ao cemilerio, o qae
00 eogenho do coronel Vianna j ae tinhaa da-
do dez casos ; e cooclua dizendo, qae estando o
mal na eidade, o major Barro mudarla para as-
s sai residencia, o que latvez aoja causa de dea-
animo da populacio do centro.
Em ua offlcio de 24 do correte, dirigido de
Uoiaona S. Exc, diz o major Barros, delegado
de polica, que o cholera ra invadiodo conti-
nuamente com pauo accelerado, da aorta que.de
sua ultima communicacio al ia 11 horaa da noi-
le da dala suprameociooads, tinham suecumbido
quatro pessoss, e sessenla a nove ae achavam ac-
commettidas, das quaes qualro somonte em pe-
rigo, e qae em N. S. do O' ia dando alguna com-
bates mais fortes, pelo que tinham morrido, do
dia 21 a 22 i maia noite, em todo o dislricto 18
pessoas, a havis multas affecladaa.
< Diz mais qae n Lapa o mal conlinaava a le-
vantar o acampamento, nada podendo commu-
nicar reipeilo de Cruaogy, Timbaub e Pedra*
de Fogo, por oio ter recebido partecipaces, u-
beodo somente por particulares qae na Serrinha,
pertencente este ultimo dislricto, tioba feito es-
tragos ; mu, accresceola, que, pertencendo pirte
da Serrinha i Parabiba e parle i Pernambuco,
era bem provavel que os estragos nio fossem to-
dos do lado desta provincia, tanto mais qusoto o
respectivo subdelegado de polica nada Iba tioba
coromonictdo; a cooclua dizendo que ssbis por
offlcios receidos, que em Tejucupapo iam appa-
recendo aymptomaa que Ihe faziam crer que o
cholera se spproximars, e qae em compsohia do
Dr. Firmioo visitara, desda que alli chegou, duas
vezes por dis os doentes da eidade a de seas ar-
rsbaldes.
< Em um offlcio de 23 do correte, dirigido da
mesma eidade S. Exc, diz o Dr. Firmino qae,
desde que alli suecumbio o primeiro cholenco,
elle tinha prohibido as iohumacoea oos templos,
qualquer que fosse causa da morte, afim de
evitar que se revolveuem ss ierras ptridas des-
ees lugares, pelo que vio-so obrigado a ter no ee-
miterio um administrador e dous coveiroa, fal-
lando-lbe anda engajar coaductores de deunto
e um carroca, o que tari, ae creacer a mortaii-
dade ; e que as noticias roeebidaa oaquelle da
do Itambenio eram boa, visto qae se dula qua
na Serrinha tinham moriido de 16 do correte
al data da sea offlcio quarent e tantas pes-
soas sem o menor soccorro, nio obstante ter elle
mandado urna ambulancia ao subdelegado de Po-
dras de Fogo, e coostar-lbe que alli exista outr
remeltida da Parabiba; de sorte que er que es-
sa geote est i capera qaa o goreroo lha vi dar
os remedios a beber; e eccrescenla qaa oa pon-
to intermedios entre Cachoelra e Goianna j es-
tavam sendo atacados, parecendo que o mal ti-
nba querido melter eues lugares entre dous fo-
go, e qae por diversos engenhos dess looali-
dad Iam anda morrendo com alguma reserva
liTrc a eraros, mas que em breve o ataque se-
ria geral.
Diz mais que na eidade o ataque tem aido s
por um a entrada at ao meio da ra que guia pa-
ra seu ioterior, sendo as oulras ras accommet-
tidas somante de cholerinas; e que os dous indi-
viduos, que elle espera va no cemilerio, segundo
comaiunicoo em sua caris de 22 deste mez diri-
gida S. Exc, sinda vivan), e tardedaram es-
perances de rutabelecimenlo, entretanto que urna
doente que julgava salva, suecumbira tarde,
prestaiido-se por este modo as maia bem funda-
da esperanzas; e termina dizendo que em N. S.
do O', segundo offlcio do Dr. Amerco Gaimaries
de 22 deste mez, confirmado pelo subdelegado,
que alli morreram no dia 21 dezeuia pesaos, o
que, teodo-se espalhado pela msonia a noticia
de ter suecumbido o vigario de llamb, essa no-
ticia se nio confirmara, j estando melhor do
ataque de cholera que soffrers.
< Nesta eidade e em auas immediacoes nio ha
caso algum de cholera-morbus.
a A's 6 horas da larda de 27 de Janeiro de
1862. '
Dr. Ajuioo Pooseca.
a Illm. Sr.Tendo ido conforme orden
que reeebi de S. Exc o Sr. presidente da provin-
cia onde exist o cholera, encootrei em Jandla-
hy urna preta que tinha loffrido o mal em con-
valecencia ; em Sorra Verde nada baria ; am Bar-
ra de Nstuba encootrei ooze doentes, oilo accoo-
rnettidos.a quem mediquei Irea em convalesceoca,
e duas matherea que cahirsm na noite de 17 ; no
dia 18 chegoa o cirurgio Machado mandado pe-
lo governo da Parahiba, que l ficou na minha
retirada no dia 19, e o povoado estavs desassom-
brado ; em Palos nada havi; em Amora e
Triorophograssou o mal, do que morreram dous;
em Tabatinga de cima nada havia; entre Tabatin-
ga e Tabocas haviam dous doentes a quem me-
diquei ; em Poco (Jomprido lioha chegado um
medico por isso oio fui li ; em California gras-
soo o mal teodo morrido duas pessoas, sinda exis-
ta urna negrinb com diarrba ; ea Maravilba
existia m oilo doente com cholera em coovales-
ceoca inclusive a senhora do eogenho que reca-
bio hootam pela mtnhi, a quem mediquei; as-
sim como om prel que foi accommetlid, a
quem mediquei e minha sabida aa Irea hora
da larde eatavam melhores.
E' qusnto teoho a hoora de levar ao conhe-
ciaento de V. S. a quem tributo estima respeito
e consideragao.
Dos guarde a V. S. Povoaco do Jardim
na comarca do Limoeiro 21 da Janeiro de 1862.
Illa. Sr. lente Jos Antonio Putans D. dele-
gado de polica dests comarca.Francisco Maria-
no de Araojo Lima, segundo cirurgiio da armada
reformado.
BEr*RTic,o oa polica.(Extracto da parle
do dia 26 de Janeiro):
Foram recolhidos casa de detencio no dia
25 do correte : a ordem do subdelegado do Re-
cite o pardo Maooel Luiz da Silva, de 25 anno
de idade, ferreiro, e o portuguez Antonio Augua
lo da Coat Guimarea, de 36 anno, martimo,
ambos por embriaguez ; i ordem do de Santo
Antonio o croulo Manoel da Paixio, de 18 an-
no, carreiro, por desorden), o pardo Joio Wen-
ceslao do Jeau da 30 anno, cerpioa, por em-
briaguez, o o croulo Candido, eacravo de Jos
Flix Nepomaceoo, de 30 annos, dado i agricul-
tura, i requisigio da Joio Baptiata doa Santo
Lobo.
27-
Foram recolhidos i mesma no dia 26: a ordem
do Sr. Dr. chafe de polica, e presos pelo lente
Joio Pereira Lago o crioolos Cyrisco Alves de
Josas, de 21 anno, Tbomaz d Aquno Aire do
Nascimeolo, tambem de 21 anno, ambos barbei-
ros, e Manoel Jos Severaoo, de 24 sanos, pe-
dreiro. o primeiro por desobediencia ia ordena
da polieia, a dirigir expraudea insultaou o di-
to lente, a oa dous uliicao por ae opporem i
prisio daquelle, catando o de nome Manoel Jos
armado da urna upada ; i ordem do subdelegado
do Recite o belga Liaimo Harn, de 32 annoa, jor-
naleiro, o portugus Jos Peoone, da 22 an-
noa, aettrador ambo por eslerem am desorden ;
1 i ordem do delegado da Santo Antonio o crlonle
Mercal, eacravo da Joaquia Joa *o44gBBda
CoaU, 4a 26 Boa, gaifcadar, por daoriaa :.*
ordaa do da 8. Joa Aolonio Pedro da Alaaaor*
ra a Silva, aa 30 aaaa, pintor a a parea Porflria
Jarearan Xavier 4a Saliu da 23 ansas, cai-
scira, por vrigacei policiaas, at aagaa-
d ordaa ; ordem do da Boa-rlata Lino Go-
au da Silva Maia, croulo. 18 annoa, mareinei-
ro. i diapoaicio 4o Sr. Dr. ahefa da polieia gara
roana.
Momanto da enfermara da c da deUn-
cio do di 27 da Janeiro:
Ti vera m alta da enfermarla : .
Joa Silvestre da Silva, a Manoel, estrave' 4o
Sr. Parnandaa.
Tiveroa Baixa para a enfermara :
Rozando Francisco da Silva ; urticaria.
Jo Francisco Caipira ; dem.
Fehppe Pereira doa Santo ; caphalalgia.
Joaquia, (Africano Hrra); daflaxo.
Joa. eacravo da Joa Caetauo; idea.
O vapor braaileiro Oyopock, rindo doa por-
to do aul, trouxe a aeu bordo para eata provin-
cia oo sogaiotao paatagairoa:
Manoel Cordelro. Franciaeo Augusto da Mallo,
Fraociaco da Medeiroa, Joa Jadntho Barga.
Cario L. Gen, Joa Cardoxo da Cunba, Urania D.
da Manases Dora, Joa Martina Ros, Antonia Al-
va de tervalho, Antonio de Castro Alves Joo
Barato de Alaetda a aa criado. Coerado M. Sal-
vador, Luiz Antonio do Moaezee, aae aebrinba a
4 fl boa aooorea, E. Fale, T. de Castro Lia,
Carlota Josafs, Manoel Gome do Almeide Letto,
Manoel Goncalvea Mooteiro, Leandro FraocUaa
Borgu, ana aeahora, 2 filboa monona e 2 cria-
dos, Joaquina Leite Costo Belem, L. Drny, Laiz
de Amorim Lima, Francisco Jos de Meraee Por-
to, E. Jos Navea Andrade Estanislao aUvu de
Auis Bulbes, Anastocio Pinto da Alaeids, An-
tonio Coalhe Pinto. Joa da S. Ferro. Joa Joa-
quim de Oliveir, Henriqae da Costa Rodrigaea,
Fraociaco de 011 veira Coelho, Antonio Ignacio do
Souza Falcio, Josefa a entregar a Joio Baptisla
Chaves Peixolo.
Sogaem para o norte :
Luiz JoaC de Medeiros, Luii Francisco Aires,
Manoel Rolemberg de Almeide, aua aeohora e7
eacravna, Candi-o A. A. Caldas e ana senhora,
Anglica Rosa do Amor Divino e Vicente Ferrei-
ra de Paria.
A canboneira a vapor Bclmontc, rinda dos
portos do sul, tron a sen bordo oa aegnintos
passsgeiroa:
Primeiro tenente Joe Luis Teixeira, o aeguodo
dito, Speridlio Rodrigues Vas, o goarda-maroha
OcUriano Vital de Olireira, o aeguodo cirurgio
da armada Dr. Luis Ferreiro da Rocha Lina, e o
alteres Tbomaz Jos Labre.
M0HTAL1DADE 00 OA 26 00 C0RKBRTE.
Clara Senhorloha Borges. Pernambuco, 50 annos,
viuva, S. Jos; erysipella.
Rita Hara Rosa de Jess, frica, 93 anno, vie-
ra, S. Jos ; idem.
Mari, Parnaabuco, 2 mezo, Boa-Visto; cbo-
qaeluxe.
William Albus, Blgica, 23 annos, solteiro, Re-
cite ; gsstro intestinal.
Manoel Ignacio de Carvalho Maodooca, Pernam-
buco, 22 annos, solteiro, Recite; febre perui-
ciou.
27
Mara da Hora de Carvalho, Pernambuco, 70 an-
noa, viva, Boa-Viste ; allopecia.
Macario, Pernambuco, 25 anno, caaado, Recife;
congeslao cerebral.
Francisco, Pernambuco, 20 mezes, Boa-Vista ;
gsstro ioterle.
Luiz Ferreira d'Assumpcio, Pernambuco.68 an-
nos, viuva, S. Jos ; eryaipella.
Francisco da Costa Faria, frica, 70 annos, sol-
teiro, Recife ; tetaoo traumtico.
Antonio, Pernambuco 90 annoa viuvo, Boa-
Vists ; idem.
Felicidade, Pernambuco, 18 anno, aolteira, eo-
crava, Santo Aolonio; plenra-peuoomia.
Luiz Ferreira do Naacimento, Pernambuco, 23
onoa, aolteiro, Boa-Vista ; febre typhoide.
Mara do Rumio, frica, 49 auno, riuro, Re-
cife ; aaeite.
CMARA MUNICIPAL DO RECIFE.
SESSAO EXTRAORDINARIA AOS 10 DE
JANEIRO DE 1862.
Presidencia do Sr. Barro* Reg.
Presentas os Srs. Henrique da Sil*, Mello,
Rogo, a Seve, abre-se a aeaaao, e lida a ap-
provada a acia da antecedente.
OSr. presidente Barros Reg declara qae a
rszio, pela quil convocara cmara para boje, foi
para tomar algumaa provideocias no aenlido da
ultimas ordena do Exm. presidente da provincia
sobre o asseio e limpez da eidade.
O Sr. Reg, pedindo a palavra, declara tambem
qua o Bia>. pcoaideote di provincia, teodo inaa-
dado procurar um veriador, i quem encarregasae
ie providenciar que os eolulhoa e immuodices
existentes nos diversos pontos dss praia dula
eidade, fossem cobertos com carnadas de areia,
alim de oio exalarem miasmas com o calor do
sol, e assim desenvolverse com mais rigor a epi-
demia do cholera-morbus se por ventura appa-
recesse nesta espita!, elle vereador bavla S.
Exc eocarregado desta commissio, a qnsl ji es-
tavs senJo camprids, porqae tioha coolratado
uta servico com urna pessoa habilitada para o
fazer.
Parto em disco asa o, resolreu-sa que, a cha o-
do-se ji em execucio esta ordem de S. Exc. rea-
lava someote pedir-ie-lhe que se digoasse dar or-
dem a thesouraria da faxeoda par uliatazer as
contas que Ihe fossem apresenladas estando pela
cmara legaliuda, bem como aa da mais des-
pezas que se fizessem, alem das ordinarias, con-
forme a ordem qua baria da do S. Exc verbal-
mente ao referido veriador.
Leu-te o seguinle
EXPEDIENTE
Urna policio, com dupacbo da presidencia, do
Joio Carlos Aagusto da Silva, na qusl pedia ao
governo Iba permiltissa ezpor a venda no aer-
eado publico, e por preco de 180 res a cuia, ama
porcio de farioha ( mil alqueirea, ) que tinha em
deposito a qual recebeu de Santo Camarina.
Posto em discusso, deliberou-ae informir a
S. Eta. que a cmara nio ae oppunha a proteo-
ci do policioaaro, tanto mais porqae o mercado
ji sa reaeolia de falta deste genero, cujo preco
cada di i sendo elevado.
Um offlcio do jaiz de paz, tarcelro rotado, do
primeiro dislricto da freguezia da Santo Antonio,
coramaoicando ter entrado em axercicio por im-
pedimento do segundo volado.Inleirad.
Outro do jniz da paz do aeguodo aono, do
quarlo dislricto da freguezia dos Affogados, de-
clarando ter-se mudado do dislricto. Que sa
chsmaase o snpplente.
Outro do scal da freguezia de S. Jos, com-
muoicando que a farioha tem eacauiado consi-
deravelmenle no mercado de ana frtguetia, e a
pouu que tem entrado Irazida por atraves-
dores, que sao conhecido como moradora no
Affogados, Barro a Tigipio, conclaindo o mesmo
fiscal, lembra que a cmara pode lomar urna pro-
videncia por intermedio da polica.lotairada.
Mandou-fe recommendar de novo ao scies
empregsssem todas aa diligencias que conbeaaem
em suas torcas para qae ae removeaeea os tocos
de immuodices, entulhos, o ledo o mais que exis-
tiese as mas e pregas que prejudicasoem a sa-
lubridade pablica.
Tendo o fiscal anpplente em exercicio da fre-
guezia do Recito, consentido que Franciaeo An-
tonio Pereira de Brilo, tutor doa menores lbos
de Joio Athanazio Das. Uzease concert em a
usa n 120 da raa do Pilar, pertencente a aeea
tatellado, para oa qaae oio baria obtido li-
ceoca, foi o hubo aupplente, a reqaeraenlo do
Sr. veriador Mello, suspenso por 15 diss, e msn-
dou-ae que o fiscal suppleote da freguezia de
Sanio Antonio eotrasM em exercicio, rielo echar-
se com para de doente o proprelario.
Dupacharam-ee u peliedea de Fraociaco An-
tonio Pereira de Brio, Dr. Franciaeo da Araejo
Barro, Dr. Ignacio Firmo Xavier, Leiza Mara
de Brroa, e leraatou-ae a aasaio.
Ea Francisco Canato da Boa-viagem, offlcial-
maior a escrevi oo impedimento do secretario.
Bao Reg, presideote.lien rio es da Silra.
Reg.Mello.Leal Ser.
n Descont de lelrac
10, a 12 0(0 ao anno.
' Cambio.
obre Londre -*, divr 25 1|4 o 25 lr2 d. por
IJJOOO.
.______. Frote.
Aaaraa da Parahiba paro o Cnal-65i e 5 0i0
por tonellada.
J. 4a Gnu Mueloprendante.
Joba attoaacrelario.
. 348.89H745
. 14:411*532
aoBdlmentododLiat.
Idea de dia 27. .
353:3044277
Editaos.
Ofil
_lo ala alfa_
?alamntradoomfaxanda..
eea ge
171
197
15
21
373
126
Vleme ahldo aam la senda..
* coa generan..
Daaoarragna hale 2B 4a neiro.
Barca loglezaNauphantomarcadoras.
Borco Dgleu_paitMl5a_WeiD.
Biigaeingles-Spy-idem.
Logre inglesN. fe. V. A.-idem.
Brjgue portugusAmalia 1idea.
Brtgae bunanbolDoaa de Janeirocharque.
Pitocho americanoAlparcacoaroa e cabelloa.
Borco fronceieIurd-corrao.
Barca franceza MagondieMam.
B-.,M D6w*o Pmlmata' rinda de Liverpool,
cooslgoada o Sanndera Brolbera A C., aanifoa-
lon o aeguinte:
**" o micbini; a J. Oliver.
14 fardos a 9 caixaa fasendea da algodio e de
liaho ; a Adaaaon Howie C
4 caixaa p rea un toa, moatarda a niuouto; a J.
r. Lima.
1 barril carreje, a 3 harria tinho aeras; a
Phippo Brotben & C
. I7 ?U'.a 5 4 ardoa *ondoo o 1 coito doce; a
J. Ryder & C.
6 narric vidro ; Isidoro Halliday & C
5 Urdo bzandaa de algodio a cobertores do
dito ; a Geb Kalkman 4 C.
1W fceo* Pimento, 100 diloa aroi, 100 caixu
*" '2 <*i*eonella, 14 barricas crveja, 2 di-
tos a 89 gigos louca. 50 calas folha de Flandres,
2 ditas Untes, l dito objecin de eacriplorio, 113
fardos a 78 caixu fazaodude algedao, chalu de
lia, baetsa, ereguellu, estopa, o, chapeos de aol
de sed, de algodio, de alpaca, ate, 4 cedo a
1 volme amostras, 50 barr manteig, 100 dilo
pue, "25 ditos alcatrao, 50ditos ulitre, 50 ditos
baobs da porco, 10 caixas palitos de fogo. 250
toneladas a 15 qaiotoes csrvio de podra: a Sann-
dera Broihera & C.
97 gigos a 6 barricas loar;., 32 fardos e 4 cai-
x fazeodu de algodio; a Johoilon Paler A C
50 narria mautoiga ; a Tasso Irmioa.
50 dito dito ; a Amorim Irmaos.
Bngue braaileiro Velos, rindo, de Banoa-Ay-
ru, manifulou o seguinle :
2,800 quintses htspsnhoes de carne de char-
que e 60 aouroa accoa ; a ordem.
Vapor nacional Oyapoci, procedente do por-
tos do sul, manifulou o seguiole :
1 caixio igoora-ae ; a J. Keller & C.
1 cilx idem ; Rostron Rooker & C.
2 ditas idem ; e Ferreiro 4 Araojo.
ol latas idem ; a Azarado A Meodes.
5 saceos idem ; a J. da Coala Araujo.
1 caixo idem ; a Scbafeitlin A C.
1 csixote idem ; a uixa filial do banco de Per-
oambuco.
1 pcete idem
1 uixote idem
1 dito idem
1 dito idem
a Tbomaz & Ilsrding.
a Antonio L. M. Falcio.
a Francisco Baltbazir da Silra.
Laiz M. de Almeida Pinto.
2 latas idem ; a Johoatoo Paler & C.
1 boceto idem ; a Manoel Tarares Cordeiro.
12 volamu ; a diversos.
Exporta o
Do dia 25 da jaaeiro de 1862.
Brigue nacional Normo, para Lisboa, carra-
garam :
Tasso Irmioa, 100 saceos com 318 arrobas o
25 libra de gomma.
Carvalho Nogueira A C, 400 saceos com 2,000
arroba de auncar.
Bares inglesa tabella Byllty. para Liverpool,
carregaram :
Sannder Brother de C, 1,500 couro com
44,955 librss
Patacho dioamarquet Mima, para o Canal, car-
reasram :
Kalkuann Irmao, 2.000 coaros sslgsdos com
39 388 libra.
Brigue norueguensa doun, para o Canal, car-
regaram :
C. J. Astley i C., 818 saceos com 4,090 arro-
bas de auncar.
Barca americana B. Plaribus Unum, para Mr-
sille, carregaram : w-
TUset freres, 900 saceos com 6,500 arrobas de
assucar.
Barca franceza Uard, para Marulba, carro
garam :
N. O. Biabar & C, 2,000 uccos com 10,000
srrobaa de assocar.
eeasbaxlorlei ala rendas Interna,
ojeraeo de Pernasnabneo
Randiaento do dia 1 a 25. 22:796J023
dem de dia 27.......5:833g046
la. 8r. inspector da Ihuoarara pro-
vincial, aa caapriaanlo da reeolucio da janto
de feseada, manda toser publico qae no ato 80
do crrante se ha da arrematar a qaea aaia dei
o ia posto de 10 0|0 sobre a renda doa torren
oceupado coa o ptaotio do upim ao annidpio
do Recife, avallado annualaente ea 4:120*.
A arreaatoco aera toito por lempo de 33 Ba-
ses, a contar do 1.a de ou labro de 1861 o 30 do
junnodei864.
As pesooas qno oo proposorea a esto arrami-
tocio, eomparecom oe uto daa aouoea da refe-
rida janto no dia acia a mencionad, pelo malo
dia, a competentemente habilitada.
E pon conotor ao aondoa afiliar a presente o
publicar palo Diario.
Secretaria da theeoararia provincial de Per-
oambueo 11 de Janeiro de 1862.O secretorio,
A. F. d'Aonanciacio.
. O Ulm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial em comprmanlo da reeolucio do janto da
tosenda, anuda toser publico, qua oo dia 30 do
corrento rai novamenle a praca paraaer arraaa-
toda a quem maia dar a renda da eM pertecento
oo patrimonio dos orphios.
E para constar as mandoa affixar o presente e
publicar palo Diario.
Sccraiari da theeouraria provincial de Pernam-
buco 20 de Janeiro de 1862.
O seeretorio,
A. P. d'Annuneiacio,
Illa. Sr. inspector da theeouraria provincial,
o caaprimenlo da ordaa do Exa. Sr. presi-
dente da provincia, de 16 do crranla, a a oda fa-
zer publico no dia 30 do meamo, vai novemanto
praca, a obra da coberto do Gvmuasio Provin-
cial, a reliad em 28:5579100 rs.
E para constar se mandou affixar o presente o
publicar pelo Diario.
Secretarla da theaoararia prorincial de Per-
nambuco 20 de Janeiro da 1862.
O inspector,
A. F. d'Aonanciacio.
O Illm. Sr. inspector da Ithuoararla pro-
vincial, em cumprimenlo da ordem do Exa. Sr.
residen te da provincia de 24 do correte, man-
fazer publico que no dia 20 da farereiro pr-
ximo futuro, persnte a junto da fazenda da mes-
ma iheaouran, sa ha de arrematar, i quem por
menos fizer a obra doa reparoa da primeira parle
da utrada do norte, avahada em 4:000*000 res.
A arrematado ser feita na forma da lai pro-
vincial n. 343 de 15 de msio de 1854, e sob a
clausulas especnes abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a essa arrema-
taca o com pareo na ni uto daa aeuea da referi-
da prac, no dia cima mencionado, pelo meio
dia, competentemente habilitadas.
E para constar se mandou affixar o presente e
publicar pelo Diario.
Secretoria da thesoararia provincial de Per-
nambuco, 27 de Janeiro de 1862.
O secretorio,
A. F. d'Annuneiacio.
Clausula especiaos para a arremalacio :
1.* As obra dos reparos da primeira parte da
irada do norte serio feitas de conformidad com
a respectiva descripcio e orcameuto na importan-
ca de 4:0004000.
2.a Serio principiada aa obras no prazo de 30
dia, e concluidas no de quatro mates, cootados
ambos os prazos de data da arremalacio, o oo
caso de fallar a qualqner dutas coodieces, seri
pplicada a dispoaicio dos artigo 31 a 32 da lei
provincial n. 286.
3.a No caso de conceder-se ao arrematante
qualquer prorogaco de prazo, pagar o mesmo
arrematante a mulla de trezentoa mil ris, por
cada mez, de prorogaco.
4.a A importancia das obras aera paga em nma
so prestacio, qaando estiverem concluidas, que
era logo recebida delioilivameote.
5.a Para ludo mais quanio oio fdr estipulado
no ornamento nem neslas clausulas, seguir-se-ha
o que diape^a reapeito da lei prorincial numero
286.
6.a Nao ser atlendida reelamagao alguma ou
em qualqaer lempo por parte do arremtame,
tratando a exigeocia de indemnisacio, seja qua|
fdr a causa que para tal fim allegar.
Conforme.A. F. d'Annenciicio.
Ueciaraces.
28:629069
Consolado provincial.
Rondimento do da 1 a 25. 80:1854647
dem da da 27......: 4.824f8(6
85:010*493
*.()? mwrto do porto.
Navios entrados no da 17.
Rio de Janeiro e porto intermedios8 din, va-
por braaileiro Oyopock, commandanta o capi-
tio de mar a guerra G. Mancebo.
Rio de Janeiro16 da, brigue inglez Ella Gla-
dslon, de 324 tonelada, capitio A. W. Tooge,
eqaipagem 10, em lastro ; a Rostron Rooker
&C.
Baha 2 das, canboneira a vapor Belmonle.
eommandanle o Ia tenante Antonio Cario de
Matiz e Barro.
Dunkerque37 das, patacho francas George, da
210 tonelada, capilio Dammao, equipegem 9,
carga cemento, batato a urvao de pedra ; a
Coucanaa Douboarg.
Navios tahidot no mesmo dio.
Canal Brigue noruegueuae dem, capilio L.
Kouduo, urga aasucar.
Gibraltar Barca inglesa Preseilla, capilio II.
Baxter, carga auucar.
COMMKMCIO.
Praea do Recife 27 de
Janeiro de 1862.
Vs qualro horas da Urde.
r.ocies da junta de car reteres.
Accou.
Noro Banco de Peruambuco 6 0(0 do pre-
mio.
0 ew S 0 - sr (O m m Eorot,
9 3 5* m B B 5* B Athmosphtra o
V B w ;"| irtetdo. a iT pj 2 a
5 w w os o es a 8 1 Intensidad. 1
-4 0B s 2S s ! 1 Fmrhtnhtit. 1 4 a* m U O m s *> e 3 a.
lo | Centgrado. ii r
e a -a e o a S e 8 S a h Hygronetro. o
o o 1 Cisterna Kydr mtrica. a- 1
8 S 9 .a Francs. i O
| Inglez.
A noite nublada a de agoaceiro, rento E fretco
e aula amanheceu.
OSCILACtO DA 'AH.
Preoaor oa 1 h. 18' da torda, altara 6, p.
Bain-mar as 8b. 6' da maahia, aliara 1.3 p.
Obaer velorio do arunal de aariaha, 27 da Ja-
neiro de 1862.
nOHAHO STIFM.I,
Ia teen la.
Correio geral.
Relario das cartss seguras existentes na admi-
nislracio do correio desta eidade para osseuho-
ros abaixo declarados :
Aolonio Fernandes Trigo de Loureiro.
A. Jos Rodrigues Souza.
A. Vuelta de Castro Tarares.
Deocleciano Pire Teixeira.
Gaspar Joaqaim Corma Menezes.
Goncalo Joio Silva Forte.
Juventio Verisiimo dos Aojos.
Joao Bsplista Pereira Lobo.
Joio Ferreira Santos Jnior.
Joio Jos Carneiro Mora es.
Jos Castao Carvalho.
J. Leopoldo Bourgard.
J. Soriano Souza.
Luia Mara Barros.
Msria da Coocaico e Silva.
Maiimiano Francisco Duarte.
Mariano Lopes Rodrigues.
Trajano Augusto Carvalho.
Correio
Pela admioialrecao do correio desla eidade se
tos publico que aa malas qua deva conduzir o
vapor Oyapock chegado hontem dos porto do
aal, e com dutioo aoa do norte, aerao fechada
boje (28] a 3 horas da tarde. Seguram-se unas
al aa 2 horu
CoDselho admiaistiativo.
O conselho administrativo, para forneciment
do arunal de guerra, tem de comprar os objectos
seguintes:
Para o tlmoxarifado do arunal da guerra.
20 ruma de papel almaco de 1* sorte.
20 dita de dilo dilo paulado de Ia sorte.
20 mocos de obreias.
12 grosas de peonas de ajo (de boa qualidade).
Quem quizer vender toes objectos spruente
ss suas propostas em carta fechada na secretaria
do conselho, s 10 horaa da manhia do dia 29 do
correte mez.
Sato do referido conseibo, 22 de Janeiro de
1862.
Bento Jos Lamenha Lins,
Coronel presidente.
Mexandre Augotto de Frias Villar,
Major rosal aecretario interino.
Couselho administrativa.
O conselho administrativo para fornecimento
do arsenal de guerra lem de comprar os objectos
uguintos :
Para o quartol general.
2 lavatorio com jarro o bacas.
2 espanadores.
12 quartinbas.
Pora o 9* batolhao de intentara.
6 rumaa de papel almaco.
6 caixu de pennaa de ac.
200 peonas de Raneo.
2 caivete.
6 garrafas de Unto para escrorer.
6 duxiss de lapis de pao.
6 librss de arela para escripia.
36 exernplares de colleccoes de cartas psra
principiantes.
36 taboada.
12 grammaticaa porlaguezas por Monte-Verde,
ultima edicio.
12 compendios de srilhmetics por Avila.
12 pautas.
96 traslados.
6 podras para escripia.
18 lapia de pedra.
Para fornecimento Jo corpo da guaroicio da
Parahiba do Norte.
40 bonete conicoa com virolaa.
560 bolu da metal amarello lisos.
360 ditos pequeoos de dito dilo.
Quem quizer veoder taea objectos aprsenle ss
sass propoetoo em carta fechada na secretaria do
conselho, ao 10 horas da manhia do dia 31 do
correte mez.
Sala 4a referido conselho, 22 de jsoeiro de
1862.
Bento Jos Lamenha Litu,
Coronel pruidento.
lexandr Augusto de Fri Villar,
Major rogak aecretario interino.
Gaigelka adraiaistraliva.
0 conselho admiototraiiro para
do arsenal de gaarra tem de coaprar oa eofactoe
egeintu :
Pora o hospital militar.
100 colehoee chotee de peina para aaaa 4o
forro.
100 fraveeeeiroo cboioe de Ua de flaca ou ae-
Iha para u ditas.
400 toncos de panno de algedio d'uma ao lar-
gara, em aaa falt trancado.
400uaisotoa do algodio boa topada eeeaaa-
tento, com vera e qaarto da comprimeelo, qae
ojaoa larga e folgadu, toado na bolio ao ee-
lorinbo, am em cada panno e dono na abortar,
endo oa botoee pequeo a 4a osea.
800 corado da beato tapada, encamada.
50 parea de meta de lia aosa
50 chinella de lia.
SOcaatoaa de algodio do mumo panno du ca-
misolas. "
50 ceroula de dilo dilo.
50 tolhero (fau a garl}.
100 cnlheru.
50 orioes com tempe.
6 cubos de ferro com lampa.
2 jarra grandu de nano.
300 fronnaa de algodio da acema qualidade
dos toncos.
50 loa Ibas do linho coa rara e aoia de com-
primeato.
4 cocos de folha.
100 pratoa do folha debrada.
1 apparelho completo para cha, de lonco aznl,
de 24 chicaras e pira, sendo a cafataira susti-
tuid por am bule.
6 bacas de rosto, de loaca.
3 lavatorio da ferro.
24 pratos de louca, undo 6 fundos.
0 copos de vidro.
6 tijellts de louca.
2 fogareiros de ferro.
2 grelbas de ferro.
2 bandeijas de ferro, grande.
100 tijella de folhas com azat para coutar 2
librea d'sgu.
100 caneco* de dilo com t$ para contar 1 li-
bra d'agua.
1 bandeja de dilo menor.
50 brreles de lia.
6 quarlinhaa.
6 panellas de ferro coa lampa, undo 2 do 10
gales, 3 de 8, e 1 de 6, forradas de porullso.
2 eauarolu, undo 1 de 8 galee e outra da 6
ditoa, forradaa de porcellana.
50 banquetas oa banquiubu.
150 toalhas do tamanho daa banqainhu.
2 laboleiros grandea de madeira para cou-
duccio.
2 messs de 5 palmos com gaveta.
6 cadeiras de palhinha.
4 chaleiraa grandea de ferro daa maiores que
hoaverem no mercado, um porcellana.
2 lanleruas com ps de bronze.
10 escora de cabellos curtos.
2 escrivtninha de lalio.
8 bacas de folbe para lavagem de pea com 8
palmos de circunferencia.
2 bules grandes de folha para 50 a 60 chicaras.
Quem quizer veoder lau objeclos aprsente as
suaa propostss em caria fechada oa secutara do
conselho as 10 horas da msohia do dia 29 do
correte mez.
Sala do referido cooselho, 22 de Janeiro de
1862.
Bento Jos Lamenha Lins,
Coronel pruidento.
Alexandre Augusto de Frias Villar,
Major voga 1 secretario interino.
Conselho administrativa.
O conulbo administrativo, psra foroecimeulo
do arsenal de guerra, tem de compraros objectos
aeguinles:
Para o armazem do almoxarifado do arsenal
de guerra.
12 costados de amarello.
10 eniameis de madeira de qualidade com 20
palmo de comprimenlo e 6 pollegadaa de groa-
aura.
5 duiias de toboas de pinho de forro.
2 frascos detiuls carmim.
2 diloa de dita azul.
Qaem quiur vender lau objeclos apruenle as
propostas em carta fechada, na secretaria do con-
conselbo, is 10 bous ds msnbi do dia 29 do
correle mez.
Sala do referido conseibo, 23 de Janeiro de
1862.
Bento ios Lamenha Lins,
Coronel pruidento.
Alexandre Augusto de Friat Villar,
Major vogal secretario interino. .
Consulado provincial.
Pe me do consulado provincial se fsz pu-
blico que os 30 das uteis marcados psra a co-
braos a bocea do cofre dos imposto de 4 por
ceoto sobre os estabelecimenlos de fors da eida-
de, prensas de algodio, typogupbiaa, cocheiras,
cavallaric de sluguel, notis, botoquio, casa
de pasto e fabricas, de 8 por ceoto sobre os con-
sultorios mdicos e cirurgicos, cartorioe escri-
torios, de 12 por cento sobre o eslabelecimonte
de commercio em grosso e a retalho, armazem
de recolher, de deposito e trapiches, de 504000
res sobre casas de modas de buhar e lojss
que venderem chapeos e roapa feita estrangei-
u, de 1.0004 sobre casas bancarias.com emisso
e privilegios, de 5002 sobre casa bancariu com
emissao e sem privilegio, de 3004 sobre casas
baucarias sem emissio, compsnhias soonymss e
agencias, de 2004 sobre casas de cambio, de 500 rs
por tonellada das alvarengas e unoss emprega-
das oo trafico da carga a descarga, de 304 por
ucravo empregado no servico dss mumss alva-
renRas, de 1004 sobro correteros commerciaes.
de 504 sobre corretores de esersvos, e finalmen-
te o imposto sobre carros de sluguel e particu-
lares de 2 e 4 roda, carrocu, vehculo de con-
ducho e mnibus se prncipiam a conltr do dia
16 de Janeiro correle.
Mesa do consulado proviocial de Pernambuco
15 de Janeiro de 1862.
T. M. F. Pereira da Silva.
Santa casa de misericor-
dia do Recife.
O Illm. Sr. lenenle-coronel Juatino Pereira de
Farias, thesoureiro esmoler interino da saota ca-
sa de misericordia do Recife, maoda convidar aa
amss ds casa dos expostos que nio comparece-
rn) revista de pagamento do dia 20 do corre-
la, que o facam impreterivelmeote no dia 90, in-
do acompaobadas daa respecliveo enancas para
serem paga daa mensslidadu vencidas at de-
zembro do anno prximo pauado.
Secretaria da santa casa da misericordia do
Recife, 21 de Janeiro de 1862.
F. 1. Cavalcanti Cousseiro,
Eacrivio.
Consulado provincial.
Pela mea do consulado provincial se declara
que no dia 2 de Janeiro correle ae principion a
cootar os 30 diaa uteis marcados para a cobraoca
a bocea do cofre do primeiro semestre do anno
Onancetro vigeole de 1861 a 1862 do imposto da
20 por cento do contorno da agurdente du fre-
guazias desta eidade, Afogados, S. Lonrenco,
Santo Amaro de Jabostio, Varzea e Mnribeca a
que cam comprehendidos na malla determina-
da no arl. 50 da lei provincial n. 346. todos os
coolribuinles que psgsrem depois de Ando ditos
30 diss.
Meu do consulado provincial de Pernambuco
15 de Janeiro de 1862.
T. M. F. Pereira da Silra.
Aysos maritaosT
Para

MUTILADO
egue por utol/du, 0 veleiro hrigue efirezeiro
_! \: >"" P>c H qa 1 |M.
r-V^UratVM M.o coaaiwalaraa; letones.
Guimirae & C, no largo da AaoeaMa n. 15.
"T jKod#-*o o hiato Jagnaribe. aovo, de pri-
HtaTTtogem, a diaheiro, a preso, a troco de
roo on proprledadu, e qual acba-ee defroo-
cou do Raaoo : o trotar na raa de Crespo
"* 14, lojo. ^


'" "F"

DIABI DE PERKMBCO. T&RQk FEIBA SS
IRO DE 1862
Para Lisboa.
Puteado seguir com muita brevidade o veiei-
ro |MtHM nacional Beberibe, tem parte de seo
carregamento prompto parao reato que lhe {al-
l trata-se con oe leus consignatarios Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo& C, no sea escripto-
rio rus dt Craz n. 1.
>AM&]
Para a Banla aegue o pathabole cganlo Amaro,
para alguna pouca carca que lhe falta trata-ae i
com aeu consignatario Francisco L. O. Azevedo,
na rea da Madre de Deus d. 12.
Porto.
Segu com breTldade para o indieado porlo o
brigue portugus Amalia i, de primeira ciasse:
para o resto da carga e pasaageiros, trata-ae com
Canea rmeos 4r C, roa da Madre de Dos o. 3,
ou com o capito na praca.
nVtt
C01PAN BUOIU
'S* d" "*', Pilhahete aGsribaldi, capitio
Custodio Jos Vianoa ; a tratar cen Tasso r-
meos.
Para a ilha de S.
Miguel
sahe com a maior brevidide possivel o pslacho
portugoez Lima ; para o resto da carga e pas-
sageiros, irata-se com os aeus consignatarios Joao
do Reg Lima & Irmio.
DAS
Messageries imperiales.
.,---------------------------------------------i
leilio por eonts e risco de qaea perleocer dea
fazendas cima declaradas.
TAMBM
pieles ade-
DE
Navegado costeira a vapoi
O vapor Jaguaribe, commandante Lobato,
sahira para os portos do sul de sua escala no
dia Io de le?ereiro as 5 horaa da tarde.
Recebe carga at o da 31 ao meiodia. Bncom-
mendas, pasaageiros e diuheiro a (rete at o dia
da sahida as 2 horas : escriptorio no Forte do
Natos d. 1.
Rio de Janeiro
O brigue nacional Veloz pretende seguir com
umita brevidade, tem parle de seu carregamento
a bordo : para o reato que lhe falla, trata-se
com os seus consignatarios Antonio Luiz de Oli-
veira Azevedo 4 C, no seu escriptorio ruada
Cruz n. 1.
C0IP4NBIA PENU1BUCANA
DK
Navegaco costeira avapor
Parahiba, Rio Grande do Norte, Ma-
cau do Assu', Aracaty, Ceara',
Acaracu' e Granja.
O vapor Persinunga commandante Moura, ss-
hlra para os portos do norte at a Granja no dia
5 de fevereiro as 5 horas da larde.
Recebe carga at odia 4aomeio dia, encor-
mendas, pasaageiros e dinheiro a frete at o dia
da sahida as 2 horas : escriptorio no Forte do
Mattos n. 1.
REAL CONPANHIA
DE
Paquetes inglezes a vapor
At o dia 28 do corrente espera-se da Europa
uui dos vapores deata companhia, n qual depois
da demorado costutuo seguir para o Rio de Ja-
neiro tocando na Babia, para paisageusetc, tra-
ta-se com os agentes Adamsoo Howie & C, na
ra do Trapiche Novo n. 42,
A
Rio de Janeiro
O veieiro e bem conhecido brigue nacional
Uamio pretende seguir com muita brevidade,
tem parte de aeu carregamento prompto ; para o
resto que lhe falta, trata-se com os seus consig-
natarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C,
no aeu escriptorio ra da Cruzn.l,
Para o Rio de Ja-
neiro.
Seguir com leda a brevidade para o porto in-
dicado, o veieiro e bem conhecido brigue En-
cantador : as pessoas que nelle quizerem car-
regar poderSo dirigir-se ao escriptorio da viuva
Amonto A Filho, a ra da Cruz n. 45, para
tratar.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
MPMUS & WflME.
At o dia 3 do fevereiro esperado dos portos
do norte o vapor nacional Paran, commandan-
te o prmeiro-tenente Joaquim de Paula Guedes
Alcanforado, o qual depois da demora do costu-
me seguir para os portos do sul.'
Desde j recebem-se passageiros, e engaja-se
i carga que o vapor poder conduzir, a qual de-
veri se embarcar no dia de sua chegada, dinhei-
ro a frete e eocommeudas at o dia da sahida i
3 horas da tarde : agencia ra da Cruz n. 1, es-
riptorio de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
AC
Rio de Janeiro
Pretende seguir com muita brevidade o patacho
nacional Capuam, tem parte de sea carrega-
mento prompto : para o resto que lhe falta, tra-
ta-se com os aeus consignatarios Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo & C-, no seu escriptorio ra da
Cruz d. f.
Para o Porto.
Segu em poneos dise a barca portugueza
\ Flor da Mata, por ter parte do seu csrregsmen-
\ to prompto ; quem quizer carregar ou ir de pss-
\8Bgem, dirija-se ao consignatario do mesmo em
sWfl escriptorio ds ra do Apollo o. 43, segundo
andar.
Para o Rio Grande do Sul
tabir com toda brevidade o muilo veieiro pa-
tacho nacionaY^Arapehy; recebe carga e escra-
vos a frete, paraNujue trata-se com Manoel Ig-
nacio de Oliveira escriptorio n. 19, ou eftm^apitao a bordo.
Sahira em das do correte
sileiro Norma, de primeira el
pisto de s secos : trata-se com Domingos Fern
rus do Apollo i, 37.
Cear,
Segu por atea cinco dlaa por ter j
ara <
o brigue bra-
o com-
talta500
Ma.a.
No dia 31 do corrente espera-se dos portos do
sul o vapsr francs Guienne, commandante
Enout, o qual depois da demora do costume se-
guir para Bordeaui, tocando em S. Vicente
(onde ha im vapor em correspondencia com Co-
ree) e Lisboa.
A eompanhia enoarregs-se de segurar s mer-
esdorias embarcadas a bordo doa vapores, assim
como tambera recebe dinheiro objectos de va-
lor com destino a Londres em transito por Bor-
desux e Boulogne.
Para aa coodieces, frete e psssagens a tratar
na agencia.

Leude?.
5!
vender joiaa de ouro como seje comal
recos, aneis, transcelins, escoletas etc.
CoDlinuaco do leilao
DE
Fazendas, flore artificiaes, completa
mobilia de Jacaranda e pecis avulsas.
Hoje 28 do crrante das 3 ho-
ras as 6 da tarde.
O gente Guiraares por aulorisacio da Mada-
ma Traversa continuar o leilio anouoeiado na
ra da Aurora p. 10, por baixo do sobrado da
Exm." baronesa da Victoria, dos objectos cima
declarados. Para mais facilidade e commodo doa
Sra. pretendeotea haver botea para tranaporie
dos meamos junto a nova ponte.
dol
LEILAO
Terca-feira 28 do corrente.
O agente Pinto fir leilao sem reserva de pro-
co e por conta e risco de quem pertenoer, da
armacio existente na loja do sobrado da rus Di-
reita n. 54, s 11 horas do dia cima raeocio-
oado.
LILAO
DE
MADEIRAS.
Terca-feira 28 do corrente.
A requerimento de Francisco Jos Regallo e
por despacho do Illro. Sr. juiz municipal da pri-
meira vara e por conta e risco de quem perleo-
cer, o agente Pestaa far leilio de urna porjao
de travs e caibros e taboas em mo estado e j
aonuncisdss em outra ocessio, o qusl foi sus-
tado a requerimento do Sr. Manoel Pereira Cal-
das, afim do]mesmo senhor querer tazar urna vis-
tona naa referidas madeirase como ja a fizeise
far-se-ha o leilio no dia cima mencionado as
11 horas da manhia na.rua do Apollo n. 19.
LEILAO
Quarta-feira 29 do corrente
O agente Pinto sutorissdo pelo Sr. Thomsz
Hirrison, que relirou-se com sua familia para
Inglaterra no vapor de 14 do corrente mez, far
leilao dos objectos abaixo declarados a aaber:
Urna rica mobilia de Jacaranda, am excellente
piano, guarda-roupa, guarda vestidos, appara-
dores, tocadores, commodas, mesas, marquezas,
cadeiras, camas de ferro com eolebes e iraves-
seiros, lavatorios, espelhos, urna machina para
lavar roups, um cyliodro proprio para masas,
louga, vidros, lampeoesdegaz, differeotes qua-
lidades de vinhos, genebra, wisk, 4 duzias de
garrafas com vinbo de Borgonhe e muitos outros
objectos que desde j se acham patentes ao exa-
me dos preteodeotes no armazem da ra do Im-
perador o. 73, onde se effectuar o leilio:
Principiar as 10 horas.
SS*~ The auctiooeer hopes to see a good as-
semblage of Mr. Harrison friends.
LEILAO
De ouro, armacio, fiteiros, dividas, e
um completo ferramental de ourives
A DINHEIRO O A PRAZO
Terca-feira 28 do corrente.
AS 11 HORAS.
Manoel Jos da Guoba Parias, de sccordo com
seus credores por ioterveogao do agente Guima-
ries, far leilao em um, ou mais lote de sua loja
de ourives, sita na ra ealreita do Rosario n. 6,
consistindo no que cima se declara, sem reserva
de preco.
Importante
leilao de fazendas e diver-
sas miadezas,
DE
Urna loja a retalho.
Quinta-feira 30 de Janeiro
as 10 horas do dia.
Ao correr do martello com lanche.
^TCosta Carvslho sutorissdo pelo dono da loja de
fazendas da ra do Cubug n. 8, que tem de
acabar com este estabelecimeoto para pagamen-
to de seus credores, fsr leilao por intervengo
do mesmo agente, do mais completo sortimento
de fazendas Unas e grossas, fazendas de asda,
cbapelinas psrs senhors, pannos finos, casemi-
ras e muitos outros objectos que seria enfadonho
mencionar-se, O mesmo agente Costa Carvslho
espera a concurrencia de seus amigos e fregae-
zeseem geral do respeitavel publico, vistolbaver
objectos que se poder laucar e arrematar por
muito menos de mil ris, garaotindo nao eogei-
lar a offerta que ebegar-se a lhe offerecer, por
nao ter limite.
idMl&Q
Quarta-feira 29 do corrente.
O agente Pinto far leilio no dia cima men-
cionado, de dous carros sendo um de 4 rodas,
grande, forrado e pintado de novo, outro de 2
rodas em perfeito estado :
Nesta mesma occasio
vender ums excellente escrava.
Estes objectos serao vendidos sem reserva de
prego, na ruado Imperador o.78.
hWLM '
Em loles a vontade dos compradores.
DE
Chitas, madapolao, brins para calca,
meiai para homem e senhora, visitas
ecapas de seda, cortes de collete de
gorguro e paletots depanni fino etc.
AO CORRER DO MABTELLO.
Qointa-feira 30 do corrate das 11 ho-
ras as 2, e das 4 as 6 da tarde.
kO agente Guimaraes em seu armazem aa ra
^operador o. 37, no dia e hora cima far
Ayisos drefso.
Ama.
Preciss-se de urna ama para o servico de urna
casa de pouca familia : na prega do Corpo Santo
d. 17.
Aluga-se um srmazem na rus do Apollo n.
13, defronte so thealro, muito proprio e com
commodos para receber quaesquer gneros : a
tratar com seu dooo na rus da Gloria o. 87, se-
gundo apdar.
Precisa-se de unja ama para engommar e
izer : os toa do Rangel n. 7, segundo andar.
cozer
AO POVO
Na quinta-feira 30 do correte, pelas 10 horas
do dia que se fsr o leilio sem limite, de to-
das as fazendas existentes na loja da rus do Ca-
bug n. 8, quaUjuer pessoa pode arrematar o
que quizer al objectos de menos de mil ris. E'
uma dessas pechinchas que raras vezes se encon-
tr. Haver lanche.
Gaixeiro.
Um rspaz que est arrumado em taberna de-
seja-se arrumar em armazem de trapiche por se
adiar com babilitaces necesssrias.por ter muita
pralica de commercio: quem quizer utilisar-se
de seu presumo dirija-se a esta typographia em
carta fechada com as ioiciaes K. P. M.
Joaquim Jos da Costa Pajozes Juoior, par-
ticipa ao publico e especialmente ao corpo do
commercio, que desde o dia 24 do correte, que
vendeu ao Sr. Antonio Jos Leite Bastos a sua
loja de miudezas, na rus Direita n. 77, livre e
dissembara;ada.
Aviso.
Precisa-se alogar um sobrado de um andar em
qualquer dos dous bairros, Santo Antonio ou S.
Jos, que teoha conmodos suficientes para urna
familia, paga-se bem: quem liver dirija-se a rus
Augusts n. 92, ou no passeio loja n. 11, para
justar.
a- Yende-se umi duzia de cadeiras meia de
fora e meia feita na Ierre, um par de consolos,
um fiteiro para loja de charutos ou sigarreiro,
um barrto e uma masa grande com os ps tor-
neados, ludo de amarello : na ra larga do Ro-
sario n. 30.
Batatas.
Vende-se bat tas ltimamente chegadss de
Lisboa a 640rs. a arroba: no armazem n. 10.
travessa da Hade de Dos.
~- Veode-se una trave de 75 palmos de com-
primo e 10 pollejsdas en, quadro.de superior
qualidade (de funlo^ ssaim como canoas de car-
reira de diversos tsmanhos, por prego commodo :
na loja de fersagens da ra da Cadeia n. 44.
ScWas baratas.,
Ocento aSOOrs. e em molho a 800 rs.: na
ra da Imperatriz n. 49.
Zefre para vestido.
Chegoa psrs a loja da victoria grande sorti-
mento de zeflrepsra enfeites de vestido ou para
outra qualquer obra que se queira bular pelo
barato preco de 500 rs. a pega com 10 varas : na
loja da victoria na ra do Queimado n. 75, junto
a loja de cera.
Caixinljas vazias para con-
tritos.
Muito lindas caitinhas vazias para se botar
confeitos e dar de presentes 200, 3x0 e 400 rs.
cada caixinha. na loja da victoria na ra do
Queimado n. 75, junio a loja de cera.
Liuhas de croxele em nve-
los raonstros.
Multo boa linha de croxele para bordado em
noyelpa monstros por serem muito grafl!je a
400 rs. o novelo : na loja da victoria na roa do
Queimado a. 75, junto a loja de cers.
Yende-se ura carro de 4 rodas novo, rece-
bido ltimamente de Franra, todo forrado de
seda, com os competentes srreios praieados,
obra de muito bom gosto, sendo este caleche o
mais bonito que hoje existe nesta cidade : a tra-
tar Ba ra do Trapiche n. 14, primeiro andar.
Desinfecto.
O abaixo assignsdo vende em sua botica na
ra Direita n. 88, os seguintes desinfeetsnies por
ter para isso o apsrelbo necesssrio. Caloro para
desinfectar o es pago de 310 ps cbicos por 29,
liquido desinfectante das materias fecses ums
garrafa 19, pos desinfectantes das mesmas ma-
terias uma libra 1g, liquido para mergulhar a
roupa dos accommetlidos a 640 rs., sgos chloru-
retada que aupre a de labarraque aomeote na par-
te da desinfecto por ser carregada 10 vesos mais
do chloro (pelo que declaro que nao se faga del-
la uso interno) 1#.
O publico desla cidsd6 deve estar lembrado
deque neste Diario foi transcripta ums corres-
pondencia do sul, na qual decarou-se, que, em
uan dos portos onde graaaava a ebre amarella o
commandante de m dos navios surtos n'aquelle,
conservando o chloro em o seu, foi o nico pre-
servado do mal, ao passo que os mais soffreram
e houveram muitas victimas.
Para o desempeoho ds "desinfeceo scompa-
nbara explicacio.
Jos da Bocha Prannos.
CONSULTORIO ESPECIAL H01E0PATHIC0
DO DOUTOR
SABINO O.L.PINHO.
Ra de Santo Amaro (Mundo
Noy) n. 6.
Consultas iodos os das a teis desde as 10 horas
al meio dia, acerca daa aeguiutea moleatiss :
molutiat da mulhtret, moettiat dai crian-
cas, molulias da ptllt, moltttiat dotolhot,mo-
U$tim$ypK\Micai,toda$ as etpecitt dt ftbrtt,
fibra inttrmtentet t tuai conteqvenciat,
PHARaUCU KSPBC1AL H0UE0P4TUICA .
Verdadeiroa medicamentos homeopatbicoa pre-
parados som todas as cautela s necessarias, in-
falliveisem seus effeilos,tanto em tintura.como
sm glbulos, pelos presos maia commodos pos-
siveis.
N. B. Os medicamentos do Dr. Sabino sao
snicamente rendidos en? sua pharmacia; todos
que o forem (ora della sao falsaa.
Todas as carteiras sao acompanhadas de um
impreaso com um emblema em relevo, tendo ao
retfor as seguintes palavras : Dr. Sabino O. L.
Pinho, medico braslteiro. Este emblema posto
gualmente naliata dos medicamentos qu se pe-
le. As carteiras que nio levarem esao impreaso
assim marcado, emboraienham na tampa o no-
rae do Dr. Sabino sio falsos
ROUPA FUTA
Joaquim F. dos Santos.
40-Rua do Queimado40
Defronte do neceo da Congregado letreiro verde.
Neste estabeleqimento hs sempre um sortimento completo de roupa feita de
todas as quahdades e tambem se manda executar por medida vontade dos freaue-
zes psra o que (em um dos malhores professorss.
5isa-se
alugar urna escrava pira o s*csj(o. interno e ex-
terno de* csss de famflis na (44 ala Cadeia do
Reclfe o. 53, terceiro andar.
. "7, PerJaSiiO H? anoelio de OW com a Orma
*6.H- e K., desde f 9oa,-Vit| al a. ra da Ca-
oea do Reciie : roga-se a pessoa que o schou
que o leve a liatasM do {Mari ate Peroamboco,
praga de Independencia aa. 6 e 9, que aera re-
compensada.
Casacas ue panno
351 e
Sobrecaaacos de dito dito a 35| e
Paletots de panno preto e de co-
res a 35, 30, 25J, 10, 18 e S0000
Ditos decasemira de cores a 228
. 15|.l2. 7 e
Ditos de alpaca preta galla de
velludo francesas a
Ditos de meriu selim pretos e
de cores a 9J
Ditoa de alpaca de corea a 59 e
Ditoa de alpaca preta a 99,7, 59 e
Ditos de brim de cores a 51,
. 4500,4 e r
Ditos de bramante de linho b so-
co a 8, 5f e
Ditos de merino de cordo preto
a 15 e
Calcas de casemira preta e de co-
res a lt. 10,9#.,7e
Ditas de princeza e merino de
cordao preto a 5. 69500 e
Ditaa de brim branco ede corea a
59, 49500 e
Calcas da ganga da cores a
Collete de velludo preto e de co-
reslisose bordados a 129,99 e
Ditoa de casemira preta e d* co-
rea lisos e bordados a 89.
59500,5
309000
309000
99OOO
IO9OOO
89000
89500
3S500
38500
4000
89OOO
69OOO
49500
2J500
39000
8000
3(500
Ditos de setim preto 59000
Ditos de seda e selim branco a 6 e 59000
Ditos de gorguro de seda pretos
e da cores a 7, 6, 4 e 59000
Ditos de brim e fustao branco a
3J500, 295OOe 39000
Se roulas de brim de linho a 2 e 2200
Ditas de algodao a 1000 e I928O
Camisas de peito defustio branco
ede corea a 29*00 e 29200
Ditaa de peito de linho a 5, 4 e 3*000
Ditaa de madapolao brancaa e de
corea a 3. 29500, 29 e 1J6O0
Chapeos pretoa de masa franceza
forma da ultima moda a 10,
8S500 e 79000
Ditos de fellro a 69, 59, 49 e 29000
Ditos de sol do seda inglezes e
francezes a 14g, 12, 11$ e 7000
Colariohos de linbo muito fines
novotfeitios daultima moda a 9800
Divos de algodo 9500
Relogios de onro patente e hori-
zontal a 1008, 90. 80 70(000
Ditos de prata galvaniaadoe pa-
tente e horizontaes a 40 e 30(000
Obras de ouro, sderecos e meios
aderecos, pulceiras, rzalas e
sneia a 9
Toalhss de linho duzis 10$, 6 e 9(000
Ditas grandes para mesa uma 3 e 4jt00!
Ispecial h^Biieoiiathieo
id imiiwi -
Ra das Cruzas n. 30.
Neste consultorio pode ser procurado o respectivo proprietario qualquer taors, havendo
ah sempre grande sortimento dos verdadeiros medicamentos homeopalhicos, preparados em Pa-
rs (ss tinturas) por Calillan e Weber, os mais acreditados phatmaceuticos do universo como
preparadores de remedios de homeopalhia.
O proprietario deste consultorio no pretende, todava, que sejsm os seus medicamentos
infalliveis, porque nada ha infallivel em fados humanos; nem to pouco superiores aos que por
ah se preconisam, porque ceno que o que n fiemos, outro o pode egualmente fazer to bom
se nao melhor. Mas ahanca que nelle nao ha traficancia, e que o servico da preparacao corre
pela mesmo proprietario, que nao tendo grandes commercio de carteiras, srfia-se suffiriente para
sali?f*z-r s necessidades daquella preparado.
Neste consultorio acham se venda elementos da homeopalhia, acommodados intelligencia
de qualquer pessoa ; assim como presla-se gratuitamente o seu proprietario, com seus esforcos e
medicamentos, todas os peaaoaa necossitadap, sera distincco alguma, que o procurem, poia
que o seu msior prazer ser ulil humanidale soffredora.
IFUUM
Para as provincias de Pernambuco, Parahiba, Rio
Grande do Norte, Cear e Alagoas, a saber;
Folhinha de porta, contenido o kalendario, pocas geraes, nacionaes, das
de galla, tabella de salvas, notims planetarias, eclipses, partidas
de correiot, audiencias, e resumo de chronologia, a ris .160
Folhinha de algibeira e variedade, a qual contera todas as materias das
de porta e mais tabellas do nascimento, e ocaso do sol, das ma-
res, casa e familia imperial, nomes e ttulos dos cheles dos
principaes estados do mundo, tabella da arrecadacao do sello,
dita do porte das cartas, partida dos paquetes brasileiros e euro-
peus, tabella dos impostos geraes, provinciaes, e municipaes, re-
gulamentos de incendios, e entrudo, e algumas pusturas munici-
paes, artigossobre agriculturaj economas, modo de fabricar gelo,
prognostico do im do mundo, colleco de remedios, a ris. 520
Dita religiosa, contendo todas as materias das de porta, e mais tabellas do
nascimento, e ocaso do sol, das mares, casa e familia imperial,
nomes c ttulos dos chefesdos principaes estados do mundo, ta-
bella da arrecadacao do sello, dita do porte dascartas, partida dos
paquetes brazileiros e europeus, tabella dos impostos geraes, pro-
vinciaes, e municipaes, regulamentosde incendios, e entrudo, e al-
gumas posturas municipaes, trezenario e mais oracoesde S. Fran-
cisco de Paula, colleccao de oracoes para todos os estados da vida,
e novena da Senhora Sant'Anna, a ris........520
Dita com almanak, contendo o kalendario, pocas, noticias planetarias,
partidas dos correios, tabellas de imposto, etc. etc. e o almanak
cevil, judiciario, administrativo, agrcola, commercial, e indus-
trial, desta provincia, a ris......... 1#000
.Ama.
Precisa-so de uma para comprar e coziohir
para um homem solteiro morador no mato :
quem quizer dirija-se a ra do Queimado n. 38.
Joaquim de Azevedo Pereira Jnior vai a
Parahiba tratar de negocios que de ioleresse.
Precisa-se alugar um escravo, dando-se o
sustento, e paga-se mensa! ou semanal, para
vender pao: na padana de AntonioBaptiata Ro-
drigues, em Apipucos, junio do sitio do Sr. co-
ronel Sebastian.
Joo Guilberme Rorner, armador de corti-
nados (na ra do Hospicio o. 37) participa ao res-
peitavel publico qoe tem receido excellenles
molduras douradas para cortinados de janellas,
tambem vende borlas, cordo, galleras e patera
de bronze que pertente ans ditos.
Saques sobre Portugal.
Manoel Ignacio de Oliveira & Filho saccam so-
bre Lisboa e Porto : no largo do Corpo Sanio,
escriptorio n. 19.
Aos fabricantes de velas.
X) antlgo deposito de cera de carnauba e sebo
en pao e em velas, eslabelecido no largo da As-
serabla n.9, mudou-se para a ra da Madre de
Dos n 96, quasi defroole da igreja, onde conii-
trTB liaviT om completo sortimento daquelUs
gneros, que se vendem por preces rizoaveis.
Feitor,
Na Eatanpia, sitio que faz esquina para o Ca-
miobo nove, pertencente a senhora viuva Teixei-
rs, precisa se de um feitor.
- Aluga-se o primeiro endar do sobrado n.
37 da ra do Imperador: a tratar nn segundo an-
dar do mesmo.
Precisa-se de ums ama que ssibi cotlnhar
o diarlo de uma casa: na tua Nova n. 47.
Pugio no dia 25 do correle da casa o. 104
da ra Augusts um coocliz muito domestico e
cantador ; roga-se a quem apprehender leve-o
ao lugar cima dito que ser bem graliticado.
O abaixo aasigoado pede que ninguem com-
pre trea travea de fundo de trinta e oito palmea
a quareota, e com as marcas A. V. M, e contra
marca dous riscos em erar, que furam furtidas
do mesmo abaixo assignado, tambem se recom-
pensa a quem das meamas der noticia, na rus
nova de Santa Rilta n. 11.
Joao de Brito Correia.
Vende-se uma negra mo;a com algumas
habilidades, por preco commodo : a tratar oa ra
da Praia n. 35 primeiro andar.
Precisa-se de um caixeiropsra uma loja de
miudezas; ra Nova o. 30.
Aviso.
O abaixo assignado, liquidante da urma de Ju-
lio Augusto Torres* C, a qul gyrou na botici
n. 24 da praca da Boa-Vista, avisa aoa seohores
devedores da mesma para qoe nao paguem a pes-
soa alguma que nio aprsente procurarlo do
abaixo assignado, sob peos de psgarem segunda
vez, oois nao considerar legal qualquer outra
autoriasfio que aprsenteos.
Jos Fortunato dos Siotos Porlo.
Precisa-se de urna ma para coziobar i
comprar: na ra do Imperador n. 37, segund)
andar, entrada direita.
Perdeu-se no domingo 26 4o corrente, na
eita^ao daa Cinco Ponas, ao sahir do trem dt
manhai, do peacoco de ama crianca um trance
Um fino, urna moeda, um buso e ama Oga de cc-
ral, tudo encaatoado em ouro : roga-se a peaaoi
que achou. queira levar a seu dooo oa roa Au-
gusta n. 24. ou a ra da Sanzala Nova o. 6. av
se recompensar com 10. H
Aluga-se um armazem na ru do caes di
Apollo n. 7; a tratar no pateo de 8. Pedro nu-
mero 6.
Precisa-se de um csixeiro de idade de12i
14 annos, prefere-se os mais novos chegados
tratar no paleo de S. Pedro n. 6. ,
Vende-se uma escrava de idade 26 annc
bonita figura, engomma, cozinha e la perfeitt-
mente.; na rus larga do Rosario n. 48. padaria.
O bilhete 642, da quarta parle da primein
olera, concedida para a ediOcagao da casa d>
Gymnasio. perteoce a Exma. Sra. D. Mar
Adelina Gomes de Miranda, residente no Amazo-
HAS. ,
1I1M
____________ jl
Vendem-se bombes e aasentam-se em cacim-
bas, e coocerlam-se de todas aa qualidsdes a-i
zem-ie eocanamentos de chumbo, de ferr e del
tolha para aguas, coocerlam-se obras de lour.ag I
aajim como jarros, boccaes de lanteroa, e ep'pa-
relhos tlnoa, e vendem-ae obras de fohe de Flao-
ires por prego muito commodo : as pessoas aua
pretenderem algum dcales objectos, dira-se a
ra da Imperatriz n. 43, loja de tonileiro fnlo i
padaria do Costa.
Vendo-se o engeoho Coqueiro, silo na fre-
guezia de Una da comarca do Rio Formoso nj
provincia de Pernambuco, e tem as vantagens <
commodidades seguintes : mde com agua muitc
bem, duas leguas de distancia para o embirque.
bom cercado, bom de produeco, e lera anas ma-
tas, e obras tem aquellas de necessidade para si
lucrar, e recebe parte do valor em dssobrigas na
cpital : a tratar no mesmo eogenho com o abai.
xo assigoado.Jos Luiz de Barros.
Attenco
Vende-se leite puro a pataca a garrafa : nt ra
do Trapiche na porta do hotel Francisco.
Vende-se urna mulata de 24 annos da ida-
de, muito sadia, engomma muito bem e cozinha
o trivial de orna casa.: a tratar na ra da Cadeia
do Recife n. 62, segundo andar.
Attenco.
No trapiche defronte do Binco vende-se uma
batanea romana propria para armazem de assu-
car, em muito bom estado e completa de presos
os preteodeotes dirijaro-se a rus Nova n. 14 ter-
ceiro andar, que se far todo negocio.
-Precisa-te comprar um berco de madeira,
em bom estado : na praca da Boa-Vista n. 22, bo-
llCfl*
Roga-se a pessoa a quem por equivoco foi
entregue era dezembro 1 par de bolins, 1 lao.er-
na. 1 amolador, el machina de espremer fructa,
naja de declarar sua residencia para ser procu-
rado os objectos cima mencionados, e sendo pos-
sivel deixar laes objectos na casa n. 13 da rea
de Santa Rita, seaundo andar,
A pessoa que acbou uma carteira de homeo-
palhia de 24 lubos, e quizer restituir, pode faze-
lo, dinamito eo o ra da Imperatriz, loja de cal-
cados o. 46. do Sr. Vianna, a qual pertence a
Fredenco Chaves.
Precisa-se de um caixeiro portugus de 18
annos para cima, que teoha bastante pratica do
taberna om Fora de Portas, roa do Pilar o 84.
Vende-se uma taberna situada no melhor
lugar di Boa-Vista, com proporcoes psra habita-
gao de familia, por ter um bom solio com quar-
tos e jsnelas, bom armazem, cozinha, quintal
murado, cacimba propria, vende-se por seu do-
o retirar-se para fora a tratar de sua saode : a
fallar com o Sr. Braga, na loja de aelleiro oa ra
Nova.
Vende-se oa permuta-se a fazenda por ca-
sas nests cidade, de criar gados, denominada A-
margoao, slla. na fraguezia do Assu. do Rio Gran-
de do Norte, qual tem trea legoas de trra de
frente e uma tegoa de fuodo, com uma boa casa
de 'iveoda, ando porcao de gado, alguna es-
jallos, etc. : > tratar na ra da Cadeia do Reci-
te n. 48.
Ama de leite.
Precisarse de urna ma de leite ; na ruada
Cadeia de" Reclfe, loja o. 50. de Cunba Silva.
Preciss-se de ura trabalhador rjani tima re-
finagao, quetenha pratica, paga -se-lhe 6etn sgrs-
dando : a tratar no deposito da ra do Rangel
numero 9. f
Mademoissle Margarita Lonsrde vs\pouT Rio
de Jainnair par le vapeur*"francais du v2 frevier
1862. ^ ',;
Precisa-se de ums anta que ssiba cozinhar
e engommar para casa de homem solteiro ; na
rus do Carnario n.13
Aluga se o primeiro andar da ra'da Im-
peratriz o. 40 ; a tratar no mesmo.
Precisa-se de uma ama'que ssiba engom-
mar, preferindo-se escrava ; na roa da Impera,
iriz n. 40, segundo andar.
Compram-se Diarios a 120 rs. a libra : na
ra estrella do Rosario n. 1, casa do Pocas.
Antonio Luiz ds Fonseca Bastos, relira-se
psra fora da provincia.
Na ra da Fundilo em Santo
Amaro, est para se vender uma pe-
quena taberna com um diminuto fundo,
muito propria para um principiante :
quem pretender dirija-te a mesma.
R ans Srs. Agwwr, Ramos & C, que, se a luva foi
atirada no primeiro snouocfo do Assignaote, nio
apaohacem-oa agora, psra nao flear impregnada
de lama, lama qoe o seu grande laboratorio nao
poder lavar. Se nio faz conta ao laboro lavar,
como estipulsram em sua tabella, reformen]-na,
como j disse o Assignante em om dos meamos
sonuncios, de modo a nio admitiir a menor duvi-
da, psra depois nao terem a sem-sereraonia de
dizer quec o mundo esi eheio de gante que se
quer fazer esperta. >Um inleressado.
PABIA AIASAS.
Na ra do Crespn. 17, Guimaraes & Villar.
Vendem manteletes pretos de guiper a 15$ cada un.
Cortea de lia com babados tendo 26 aovaeos cada corta para 5f cada um.
Cortes de vestido de phantasja em cariosa faienda de muito gosto a 15* o corle.
Manguitos de cmbrala a balo bordados a 3| o par.
Bales de musselins com babados a 5J500.
Chapelinas de seda para senhora a 104 cada uma.
Chaoelioas de palea de Italia a 254 cada uma.
Outraa muitas fazendas que se vesderao por preces earatisaimos, l psra acabar.
MIi itiiI rv^k



.
_
-~

\
Inh lm)i bM publW que convena de
d|IWtM MNtOk *tlf da quiniia.
4. viole conloa, aorecalps. 0 dezeoove mil du-
ztntoi e de* ris ( ():91ft|lt0), por transferencia
do MnU earraqli coa #*) laix Pareira
Lima & C, aaaigntda e conferid* pelo ex-D.
abbade, Kr, Joa oa Eifltacao |f*r<|bea, em 12
de ruarlo ttfj. Alm do premio de um e meio
- por coarto oo mez a que Ucea oarigtdo o referido
convento a pagar, cooforme a clausula ezarada
u* referida coota correte. K como st o prsen-
le nao lhe* teora Ido posaivel receber a referida
importancia o oa jaros decorridos, nio obstante
s diligencia qmpregada*, para eise flra, fazem
publica fue nao 4 por sua vontsd* q* esto sof-
freojo m desecbalo, para que era lempo al-
gum ae empregue o argument do grande aug-
mento dos juros, para o quil nao coocorrem oa
a,baixo assigoados, que sempre estivenm e alio
promplos a receber a referida coola e os juros
Tencido, o prolastam nada abalar em lempo al-
gum ; declarando mais que nio desooerain os
cadentes da referida coma os Sra. Jos Luiz
Pereira Lima & C. e Hanoel Ribello Olaoda C-
boclo. Recite 15 de Janeiro de 1862.
Tasso Irmaos.
O Sr. Joo Hyppolito de Meira lar
uta, queira apparece*- nestatypographia
que se lhe precisa fallar.
!
Medico. 5
O Dr. Braceante pode ser procurado a
# qualquer hora oa eaaa de aua residencia,
na ra do Imperador o. 37, segundo an-
dar, para o exercicio de sua proflsso.
s
i
Alugam-s
raa da Atraiga
6.7.
-se 3 casas terreas meia-aguss na
o n. 1 : a tratar oa ra do Raogel
Sitio,
Aluga-se um excelleote sitio oa estrada dos
Afflictos, o quarto depois da capella, com mitos
arzoredoade (ructo, reedificado e pintado de no-
vo, com bom poco d'egoa de beber e outraa com-
Hiodidades : a tratar no mesmo com sua proprie-
laria D. Margarida Francisca Xavier, ou Da ra
Augusta o. 60.
Bernardioo Francisco de Azevedo Campo*
faz scieote aos senbores trapchenos o a todas as
mais pessoas. a quem interessar saber, que oetta
dala comprou ao Sr. Joaquina Pereira Ramosa
taberna o. 40 da ra estrella do Rosario, hvre e
dosembaracada de qualquer divida.
O bacharel Joo Antonio do Souza Ribeiro
pode ser procurado para o ezercicio de aua pro-
niso de savogado, todos oe dias at aa 4 horas
da tarde, oa casa de aua residencia, ra das Cru-
zes.n. 35, primeiro andar.
j, Precisa-se alugar um preto, dando-so o
sustento, e paga-so mensal ou semanal, para o
survigo desta typographia : na livraria os. 6 e 8
la prsja da Independencia.
Caixeiro.
Na ra da Madre de Dos n 18, se dir quem
precisa de um pequeo dos ltimos chegados
paracaizeiro de loja de fazeudas nesla praga.
Precisa-se de urna ama que saiba cozi-
nhar e engomraar: quem quizer dirijs-se
atraz da matriz da Sanlo'Autonio n. 28,
primeiro andar.
A quem interesjsar.
aciedade bancada.
Amerinj, Fr*go*o.Santo* & 6. .qam o tomata
laquea *obre a praga daxisboa.
Wf^*B^*W*^MC*WM4j*W-M**)Mft4j***M*l
j~n^7p8ftcTu"lar:T'
O abaixo assiguado competentemente
provkippado pela directora geral de ios-
traerjao pqblic* para tasioar primeiras
lettras, latilefrancez, acha-se oo exer-
cicio de leu magisterio deadq p da 13 d*
Jaaeiro do correte, *m aua nteetaa rsi-
dencia na ra Nova n. 58, onde continua
a receber alomaos eternos o exteroos,
advirtindo porm que s lhe convem
admlttir 10 pendonistas e que nao exce-
dan de 12 ancos de i lado. Recite 15 de
Janeiro de 1882.Jos Mara Machado d*
Pigueiredo.
mmmmm mmmmm
-Aranaga, Hijo & C. sacam sobre
o Rio de Janeiro.
Precisa se de urna ama s para cozinhar e
engommar, sendo para coziphar com perfeigo,
nao se olhaodo a prego: a tratar oa loja da ra
do Queimado n. 46.
Quem liver um moleque para alugar, de
12 a 15 aouos, e qqe sirva para u servir domes-
tico de urna pequea familia, dirija-se a ra da
Cruzo, 45,armazem.
Aviso.
A directora do collegio Saota rsula, abaixo
assigoada, avisa ao* pais de suas alumnas e a
quem mais convier, que em virtude do artigo 19
do* estatuto*, principiam os trabalhos do referido
collegio no dia 7 do correte mez. A directora
envidar todos oa eiforgo* a aeu alcance para nao
desmerecer do cooceilo adquerido no primeiro
uno de seus trabalhos, e atlm de que os pats do
suas alumnas fiquem completamente silisfilos
com a educaopo de suas filhas. O collegio conti-
na na ra Pormosa, sobrado n. 15, aoode a di-
rectora ser encontrada a qualquer hora do da.
rsula Alexandrina de Barros.
Ama.
Precisa-se de urna ama forra, prefere-so de
meia idade, para o servico de compras, na ra
Bella o. 38.
Na travesa da tua das Cruzes n.
, primeiro andar, continua-so a tingir
com toda perfeiqao para qualquer cor,
e o mais barato possivcl.
Consultorio
Medico-cirurgico
DO DOTOR
HJM 1MM0.
3Roa da Gloria casa do fundo3
Exisiem n.edicameulos horoeopalhicos os mais
bem preparados e do toda a eflicacia. sempre re-
novados, pela multo grande exlnrcao e procura
que temdevidoisso ao MXIMO CRDITO
de que gozam em todas as provincias du Brasil.
Continua-so a vender pelos precos do co-lu-
me e achar-ae-ha aa carteiraa especiaea para o
Iratameolo do cholera-morbus, com os seus com-
petentes folhetos e separadameote os preserva-
tivo* em tinturas e glbulos, cooforme quizeren.
Guando levaotamoa a I uva que nos arremessou. edito de que gozam este, remedios e, a
_____.?. ..i^., ,.,,.._ preferencu com que sao procurados, pela certe-
za de seus elfeitos e pela ioallerabilidade dos
o nossoex-assigoante com seu primeiro corarou-
oicado, foi smente por tornar-nos mais clara
(se tal possivel) a nossa tabella de prego*, am
de prevenir que qualquer, sophismando nosso
annuocio, eoteoda por roupa misturada a juuc-
gao de muitas per-as grandes com urna ou outra
peta pequen*, como ha tnuito quera queira ta-
zar, remeltendo-nos grande numero de camiaa?,
vestidos, e um par de meia e um lengo. Quau-
do exigimos 40 rs. por pega, sendo a roupa mis-
torada, eoteode-se que esperamos achar a devi-
da proporco entre as pegas grandes e pequeas.
S! asta a nica jnterpretagio razoavel que se pu-
tear a nosso annuoeio, o contrario prajudi-
car-oos, e nos defenderemos nossos direitos em
qualquer terreno para que tormos chamados.
Aguiar, Ramos & C.
Precisa-se
do urna ama que saiba engomraar ou cozinhar
para pouca familia : na ra do Trapiche u. 18.
-**
9 O Dr. Carolioo francisco de Lima San- aja;
O los, raudouss da ra das Cruzes para a aja
ajp) do Imperador, sobrado n. 17, em frente
>) da igreja de S. Francisco, onde continua
IB no exercicio de sua prolisuio do medico 9
)
Offerece-se um mogo Drasileirocom bastan-
te pratica de commercio, pois j tem negocio
seu, offerece-se para tomar conta de qualquer
estabeleeimenlo por balaogo e dar comphmento
ao que receber, ou psra cixeiro ae ra ou co-
branga, e para este fim d pessoas neeta praca
que garanta a sua conducta : quem precisar ou
queira fazer qualquer negocio, anooocie para ser
p rocurado.
Chama-se a atlengo dos reverendos viga-
ros desta diocese para a seguinte declaraco :
Eugenio francisco Paes Brralo, lilbo de Fran-
cisco de Paula Pas Basrelo, acha-se empedido
legalmeote para s poder casar-se com Mara da
C. B., oquemaitoaerecommenda principalmen-
te ao vigario de S. Lourengo da Malla, onde
Eugenio natural, ao de Maraoguape onde mo-
rador, e do passo de Camaragibe em Macei on-
de consta ter contratado um outro casamento.
Precisa-se de urna ama, preferiodo-se es-
crava no pateo do Tergo o. 16.
Empalhaco.
Na ra do Imperador o. 24 empalham-se obras
mais barata do que era outra qualquer parle, e
so vende janeo e palba prompta, ludo islo mais
barat) possivel.
Bailar Si Oliveira saccam sobre Lisboa e
Porto.
Jos Soares de Azevcdo, profes-
sor de lingua e litteratura nacional no
Gymnasio Provincial de Pernambuco,
tem aberto em sua residencia, ra nova
de Santa Rita n. 47, as aulas de
GE01UPHIA. E HISTORIA
LINGUA FRANCEZA
PHILOSOPHIA
ORATORIA E POTICA
As aulas sao todas de tarde: come*
cam s 2 horas e acabim s 7.
O abaizo assigoado morador oa Capuoga,
previne qualquer pessoa, que qoeira algum
negocio ou entrega de cartas, dirija-se ra
da Seozalla-velha n. 28.Francisco Tiburcio de
Souza Neves.
Precisa-se de um criado para casa de fa-
milia, e de urna ama que saiba cozinhar e en-
gommar, preferindu-S'! uros que trabalhe em
massaa e doces : na ra da Cadeia do Recite, loja
de 4 portas n. 24.
de quaeaquer recommen-
levs comsigo as

TEgC4:WlBA!?8 DE UNWRQ PE 86J
Precisa-se de um oozinheiro, ou
1 captiva, par urna
dohJ^ familia : a tiatar na ra
r^ andar das 10 horas, as 4 da tarde.
Aluga se urna escrava para o ser-
V90 interno e externo, de casa de fami-
lia : na ra da Gadeia do Recife n. 53,
terceiro, andar.
IQTfiBU
Tendo sida interceptada a yenda das
nossa loteras na corte do Rio de Janei-
ro, e nao podendo esta nossa provincia
s por si comportar j loteras do capi-
tal das entao existentes pelo motivo da
venda que aqui se faz de grande quan-
tidade de bihetes, que por negocio
anda que illicito nandam vir daquella
corte, resolveu o abaixo assignado pro-
por na forma da le ao Exm. Sr. presi-
dente da provincia, o plano abaixo trans-
cripto para as extraces das nossas lote-
ras, o qual foi approvado : e na ver
dade aquelle que pode fazer e que mais
possa agradar ao respeitavel publico,
as circunstancias actuaes nao s por
estarem suas sortes grandes em propor~l
cao com o valor dos bihetes, como por
conter anda mais de urna terca parte de
premiados. A lotera que segundo a
tabella deve ser extrahida a quarta
parte da primeira, a beneficio do Gym-
nasio Pernambucano, os bihetes e quar-
tos e meios bihetes, acham-se a venda
na respectiva thesouraria na ra do
Grespo n. 15, e as casas commssiona-
das. As rodas anda rao impreter bel-
mente no dia 6 de feverero.
PLANO.
4000 bihetes a 40.............. 16:000000
Beneficio e sello de 20 por ccnlo. 8:200000
Liquido.
1 Premio do............ 4:0009
1 Dito de........ 2:000
1 Ditodo................ 400
1 Dito de............ 200jj
3 Ditos de 100J........ 300
6 Ditos de 40........ 2*0
13 Ditos de 20........ 260
40 Ditos de 8......... 320
12:8008000
1270 Ditos de 4.
1336 Premiados.
2664 Brancos.
5:080$
---------12:800000
BATATAS.
Vendem-e em eaixas de urna o da duaa arro-
baa : no armszem da ra da Madre de Daos ou
aero 12.
Vende-ie nota escrava crioula de idade 25
aonos: quem a pretender dirija-se a ra dos
Guarsrapes a. 64.
Jheguem s fazendas ba-
ratas, antes que se aca-
bem.
Na loja de fazendas da ra da Madre de
Dos n. 16, defronte da guarda da
alfandega.
Madapolao lino a pega 4|800.
Chita* Unas escuras a 160 rs. o covado.
Ditas francezss campo branco a 200 ra
Ditas escuras muilo unas a 240, 60 e 280
Pe^as do ditas rAxas com 32 corados por 6.
Alpaca tina de cor a 360 e 400 rs. o covado.
Corte* de seda pretos para collete a 2}.
Gasemira preta, fizenda superior, o covado a
l|800
Lencos de seda de cores 500 rs. um.
Chales de cassa pintados um 500 rs.
Velbutioa pintada para vestido a 400 rs. o co-
vado. E outras muitas fazendas que se vendem
barato para acabar (dioheiro >' vista) ; de todas
se daro amostras com penh"^,
CARTOES
DE
VISITA
DE
Cartoes de visita de novo gosto
C*rt6es de visita de novo gosto
Cartdesde visita de novo gosto.
Umadu/ia por 16#000.
Urna duzia por 16g000
Urna duzia por 168000
Urna duzia por 16$000.
Retratista americaao.
Retratista americano
Ketraltsta americano
Retratista americano.
Ra do Imperador.
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador-
RA DO QUEIMADO N?46
$BANDEMTIMENT
DASEROUPKSf
Sortimento completo de sobrecasacos de pinoo a 25, 28, 30 e 35, casaros muilo bem
taitas a 258,'28g. 308 e 35|, paletots acasacado* de panno preto de 16 at 15, ditos de casemir.i
de cor a 15, 188 e 20$. paletots saceos do panoo e casemira de 8 at 1 i, ditos saceos do alpaca
m eri a la da 4 at 6, sobre de alpaca e merino da 7 at 10, calcas preta* de casemira de
8 at 148, ditoa de cor de 7 at 108, roupaa para menino de todos os tamanhoa, grande sorti-
mento de roupa* de brins como teiam taigas, paletots e colletas, sortimento de eolletas pretos da
se ti m, casemira e velludo de 4 a 98, ditos para calamento a 5 e 6, paletots bra neos do bra-
mante a 4e 5f, caigas brancas multo finas a 58, e um grande aorlimento de fazendas fin s e mo-
dernas, completo sortimento de casemiras ingieras para homem, menino aennora, aeroulaa d
linho e algodao, chapeo* de *ol de teda, |uva* da *eda de-Jouvin para homem e senhora. Te-
mos urna grande fabrica de alfaiate onde recebemos eqcommeodas de grandes obra*, quo para
isso esta sendo administrada por um hbil raeslre de aamelhanle arte e um pessoal de mais rt
cincoenta obreirot escolbidos, portanlo ezecutamos qualquer obra coro promptido e mais barato
do que em outra Qualquer casa.
glbulos, dispensam
dac".
O que bom e est provado,
recoromendagfs.
Roga-se aos senhores abaixo mencionados
que tenbam a bondade de dirigir-se ra da Ga-
deia n.55, psra tratarem de negocio que nao Ig-
noran) :
Jos Silvino da Costa.
Joo Valeolim Dias Vilella.
Hanoel Bento Alves de Hacedo.
Hanoel Candido Pereira de Lira.
Jos Antonio Rodrigues Canato.
M*o o el da Cruz M.u'ttns.
E luardo Keruurlliy.
Joaquim da silva Neves.
Amonio Francisco deAndrade.
Ha para alugar um terceiro an
dar multo fresco e commodo, na ra do
Encantamento, e urna casa tema no
becco dos Burgos: a tratar na ra da
Cadeia n. o3, com Joao Ilibeiro Lopes.
Tendo desapparecido no dia 20 do correle
do sobrado da ra da Imperatriz n. 36, segundo
andar, por ter sido roubado por um criado ae no
me Mmoel Cabocolo, de idade de 45 anno.s, pou
co mais ou menos, que servia oa mesma casa
como tal, e que evadio-so : um relogio meio
chronnmetro de prata dourado n. 1174*, e 5080,
roga-se a todos que ou a quem for cfferecilo por
compra de aporehende lo e levar na mesma casa,
cerlo de ser recompensado. O mesmo calmelo
tem servido om differentes casas, estando lti-
mamente, segundo disse elle, no sobrado que
occopado pelo hotel trovador, no terceiro andar,
servindo a um estudante.
Precisa-se de urna ama pira cozinhar a en-
gommar em casa di pouca familia : a tratar oa
ra da Sania Cruz n. 61.
Aluga-se o terceiro andar do sobrado n. 22
da ra do Vigario, eoaloguel barato : quom o
preter 1er dirija-se a ra Direita n. 91.
Alugam-ae d segundo e terceiio andares do
sobrado da ra dosTanoeiros n. 5, muilo fresco:
a tratar na ra da Cruz du Recife n. 31.
Pordetraz da ra da Concordia aioda exis-
iem alguns terrenos na urimeira e segunda ra
projectada, e traspassam-se por precos muito ra-
zoaveis, alteadendo as proporcoes que ufferecem
para sua edificacao : as pessoas que se quizerem
approveilar da commodidade do prego, dirija-se
a ra larga do Rotarlo o. 16, padaria, que acha-
ro com quem tratar.
Joao Ferreira dos Santoi faz sciente 10 res-
peitavel corpo do commercio que nesta dala
comprou ao Sr Sebasiiao Luiz Ferreira a taberna
n. 4 da roa de lionas, livre e esembirag^da de
qualquer divida que possa apparecer, por ser
com auloriss(o per uro abaixo assignado pela
maioris dos credores do mesmo Sr. Sobastiao
Luiz Ferreira. Recife 27 de Janeiro de 1862.
0 dentista NuniaPompilio.Jl
1
4000 Bihetes.
N. B. As sortesmaiores de 400$, estao
sujeitas aos descontos das leis. Thesou-
raria das loteras, em 20 de Janeiro de
1862. O thesoureiro, Antonio Jos
Rodrigues de Souza.
ContormeFrancisco Lucio de Cas-
tro.
Precisa-se de urna ama somente pira cozi-
nhar cora regularidade para um hornera solteiro,
prefere-se escrav* a tralar na ra da Palma 11.
78, das 6 s 8 horas da maohaa, e das 3 da tarde
em diaote.
Alugi-se um sitio no lugir da Magdalena,
principio da Iravessa do Luca, com casi .le pedra
e cal, duas baixas de capim para 111 remo e vern,
e mullos arvoredosde frurto : a tratar no Campo
Verde, ra do Palacio do Bispo 20, sobrado.
Acha-se contratada a venda da casa trro*
n. 32 sita na ra Augusta desta cidade, quem li-
ver de oppor-se a realisaro deste negocio o
aonuocisr por esta futra no prazo de 8 das,
coolados do dia da primeira publicado deste.
Compras,
Na ra do Trapiche Novo n. 42, comprara-
se moedia de ouro de qualquer qualidade.
Gompram-ce acroes do novo banco Je Per-
nambuco ; no escritorio de Manloer Ignacio de
Oliveira & Filho, largo do Corpo Santo, escrip-
torio n. 14.
Compra-se
Urna boa escrava, que nao exceda de
30 annos de idade, e de boa conducta,
e que saiba azer o servico de casa espe
cial.nenie lavar e engommar: na ra
da Aurora primeiro andar do sobrado
n. 46.
Compra-se um carro de volla
io'eira e
que esteja em bom estado e um boi proprio pa-
ra o mesmo : oa ra da Gadeia n. 24, primeiro
andar.
Precisa-se comprar um escravo de naco,
robusto, sali, de bous costumes, e sem vicios,
para o servico de urna cocheira : a pessoa que o
tiver e quizer vende-lo, dirija-se ao escriplono
d Manoel Gongalves da Silva, ra d Cadeia do
Recife o. 39, que achara com quem tratar.
-:
a,
la-
im&
Precisa-se alugar urna ama para o servico iu-
lerno de urna casa de f.iraiiia que saiba cosionar
e engommar agradando o eemgo nao se duvida
pagar bem : a tratar oa ra larga do Rosario n.
12, segundo andar.
Precisa-ae de urna ama, preferindo-se es-
crava, para coztohar eengommar: na ruado
Crespo n. 1.
Precisa-se de urna criada porlugueza, que
saiba cozer e engommar: oa ra do Queimado
n. 12.
Joao Coelho da Silva residente oa cidade
d'Areia, faz aciente ao Sr. Virginto Franciico da
Silveira.quequerendo vender urna pequea par
te que lhe tocou no escravo Flortaoo, no inven-
tario procedido 001 bens deixados pelo seo fina-
do pae Simo Bizerra da Rocha, pode dar suaa
ordana para aquelle lugar a tratar com o mesmo
cu oa falta com seu obrioho Antonio dos Sinto
Ct*ih*ilra.
Leiteao p da race* : o roa Impreial nu-
mero 1.
22
Raa estrella do Rosario
primeiro andar.
Bola denles erliciaes por molas o li-
gaduraa e pela pressao do sr. Systema
americano sera arrancar aa raizes, e faz
todas as operaces de sua arle, com
promptkdao e limpeza.

I
I
^av*^saai^Pf^*W ^^VmWW ^^Ws^W^^w a>
Os abaixo assigoaios declsram ao respeita-
vel publico' e especialmente ao corpo do com-
mercio, que amigavelmenle dissolveram a socie-
dade que tioham na loja de calcado da ra es-
trella do Rosario qe gyrav* soba razio de ll.iia
Mendes & C., pssaando do 1. do rorrete em
oanle a gyrsr oa razio de Manda* & c, fic*n-
do a liqodaco da extiocta firma a cargo da nova
firma. Recife 24 de Janeiro de 1861.
Joaquim Francisco dos Santos Maia.
Joao Jos Mendes da Silva. '
Preciisa se de um oficial de bar-
beiro: na ra das Cruzes n. 35.
AttencAo.
Vende-se paos de superior qualidade,
vrados e por lavrar na ra das Cruzes n. 38.
Cascarrilha.
Chegou para a loja da victoria grande sorti-
mento de casearrilha de todas as cores e largu-
ras e so vende mais barato do que em parte al-
guma, por isso venham a loja da victoria na ra
do Queimado n. 75, junto a loja de erra.
Bolcinhas de borracha
para fumo.
Muilo lindas bolcinhas de borracha psra guar-
dar fumo pelo baraliasimo prego de 1J00, 1f,
800 rs. cada orna : na loja da victoria na r-ua do
Queimado n. 75, junto a loja de cura.
Eafeites para seuhora.
Linios enfeites para cabeca de gosto o mais
moderno que lera ipparecido a 5g, 59500 e 6J) .
oa loja da victoria oa ra do Queimado n. 7j,
unto a loja de cera.
Phosphoros de seguraoga.
Caixinhas com mil e tantos phosphoros de se-
guranga a 160 r*. a caixinha que s pela segu-
rangs delles por livrsr de incendio sao do graca:
na Inji da victoria na rus do Queimado u. 75,
junto loja de cora.
Meias baratas.
tteias pintadas para homem a 120 e 160 rs. o
par, ditas brancas para menina a 180 ra. o par,
ditaa do la* par* o fri a 500 rs. o par: na loja
ds victoria oa ra do Queimado o. 75, junto
loja de cera.
Galanterias de gosto
E' o que pode haver de roaii gosto ero galan-
teras de viaro e porcelana como aejam jarros,
frasquiohos e garraflnha*, manteigoeiras e assu-
careiros, jamnos psra boqueta de craro e ou-
traa muitas cousaa : na loja da victoria pa ra
do Queimado n. 75, junto a loja de cera.
armazem em progresso
DE
Jos de Jess Moreira & C.
Hita estreita do Rosario, esquina da ra
das Larangeiras n. 18.
Os propietarios desto estabeleeimenlo esi3o
resolvidos vender por menos do que em outra
qualquer parte por vir diversos gneros por con-
ta propna : roanteiga ingleza flor a 800 rs. e 720
a libra, dita franceza a 640, em barril fazemos
abatimento, cha hysson a 20800 e 2$400 a libra,
queijos du ultimo vapor a 3jf e 2$80l>, arroz a 100
rs. a libra, gomraa muilo boa a 100 rs. a libra,
masa de tomate a 800 rs., em porgo taremos
lniiruentn, em latas de urna libra, marmelada
du raelhor fabricante e Lisboa a 800 rs. a libra,
viuho muito superior, Figueirs, a 560, 500 o 400
rs. a girrafa, ameudoas a 330 a libra, milbo al-
pitti a 160 rs. a i'bra, alelia, rcacarrao, e mais
massas a 400 rs a libra. Alem Oestes gneros
outros mullos tendentes a molhados que os pro-
pietarios serespoosabilisam pela boa qualidade.
Aos-tabaquistas.
. a 120 e a J60 ris.
ptimos lengos para rapS, que se venderam a
500 ris pelo diminuto prego de 120 e 160 ris :
a ellos amantes da pitada, notes que se aci-
bera, pois a porgio ditiiouta, se nao aprovei-
tareui esta bella occaaio ticarfioseui elles : ns
rus do Queimado u. -fS, loja de Julio 4 Coo-
rado.
Miudezas baratas
Na loja da victoria na ra do
Queimado juuto a loja de
cera.
Clcheles fraocezes em cario a 40 rs. 1
Allineies francezes cabeca chata a 120 rs. a caria.
Papel com cenlo e tantos alAoeles a 40 rs. o
papel.
Linhas victoria em carrilel com 200 jardas a 60
rs. o carrilel.
Ditas de 200 jardas de Alexander a 900 rs. a du-
zia.
Ditas de 100 jardas brancas e de cores a 30 rs. o
carrilel.
Ditaa de Pedro V brancas e de cores a 40 r*. o
carlao.
Grampos a 40 rs. o mago.
Enfiadores brancos a 60 e 80 rs.
Carleiriohas com agulliss francezas a 320 rs.
Trancas brancas de linho a 100 rs. a pega.
Agulhai de enflar vestido a 40 rs. cada urna.
E outras mullas miu eza* que se affianga ven-
der baiato psra quem comprar victoria sempre
contar: oa loja da victoria na ra do Queimado
n. 75, junto a loja de cera.
Attenco
*
Veode-se urna barcaga nova com apparelho ou
sem elle, de lolagao de 25 caixa?, e construida
com as melhores madeires : quem pretender di-
rija-so a,ra da l'r-ia o. 9, sricazem.
Aos portuguezes.
Acaba de rhegar a ra do Queimado, loja de
miudezas n. 51, os retratos da familia real por-
lugueza. A occasiao opporluna para os portu-
guezes amantes da monarchia ornaren) suas salas
com os quadros de lio illustres principes. Sao
pouros e o prego dimioutitsimo em rebgo a
estima que geralnienle se tributa aos augustos
descendentes da finada rainba de Portugal a Se-
nhora D. Maria II.
Kiees QM0K9K fiK9KSiQS3fil
gNo sobrado amarello nos }|
S4 cantos da ra do Quei- JJ
mado n. 31, loja do An- g
nio de Moura Bolim, j
U vende-se :
| Camisas de meia de li pura e finas a 29, *J
I 2500 e 3. ||
75 Seroulasde meia dla pura linas a 2#, x
3* 2*500 e 3$. M
Z Tapete* grandCa para forro de salas e .
H quartos a 159.
X Alcatifa em pega o covado a 500 rs.
Toalhss de linho pardia para ruaos e $
rosto a 1J>. p
Borzeguins mglezes de superior qualids- jp
de a 109. 2|
fp Hitos dilos gaspeados a 7$.
Bazar de raluugas
Cera de carnauba
Primeira qualidade e pregos commodos : un
largo da Assembla o. 15, armazem de Anluuta
Guimares & C.
Opiata ingleza
para (lentes.
Est finalmente remediada a talla que se sen-
lia dessa apreciavel opiata ingleza tao pruveilo-
sa e necessaria para os denles, isso porque a lo-
ja d'aguia branca aesba de recebe-la de sua en-
con meniia, e continua a vende-la a 1J500 rs. a
caixa ; quem quizer conservar seus denles per-
fectos prevehir-se mandando-a comprar em
dita leja d'aguia branca,ra do Queimado n. 16.
Vende-se o grande sitio denominado Caia-
na, sito na freguezia da Varzca, de muito bota
trras, que ludo quanto se planta di urna grande
quantidsde, coro urna casa de taipa j coberla,
urna dita de fazer ftrinha, grande quantidsde da
ps de cafezeiros, com diversos ps de frucleiras,
como seja larangeiras, coque'ros, ele, etc. ; <:
tambem voodera-se duaa vaccaa que dao bastan-
te leile, urna dellas com a cria ja grande, e am
burro manso : a tratar na ra do Sebo n. 20.
Machinas americanas.
Em casa de N. O. Ttieber 4 C, successores,
ra da Cruz n. 4, veodem-se :
Machina* para regar horlas e capim.
Hilas pora descarogar milho.
1 Ditas para cortar ca.im.
! Selins com perteoces a 10g e 20.
e DnnquedOS para menmOS e ; Obra* de metal principe prateadas.
triPTiinna Alcatrao da Suecia.
Ila!* I Verniz de elcalro
para navios.
,
Na ra Direita n. 7 defronte da grande Salsa parrilhade primeira qualidade do Par.
fabrica de tarnancos.
gNeste eslabeUcimento novo se encorlrario
sempre grande sortimento de calungas e brin-
quedos de todos as qalidades e pregos pira me-
ninos e meninas, assim como tambera charutos
tiuio bons e baratos, lanto em caix como a re-
talho.
Vinho Xerez de 1836 em eaixas de 1 duii*.
Cogoic em eaixas de 1 Juzia.
Arados e grades.
Brilhanles.
Carrocas pequeas.


Loja amarello.
Ra da Cadeia confronte ao becco
Largo.
Ricas capas pretas comprldas, r?aote-
leies modernos de seda e tilo.
Vestidos bordados de cambrtii, duas
saias, palos e bobadinhos.
Vestidos de seda cores escnlhidis e de
phantasia, laasinha de cor a 500.
Seda* de quadriuhos, grosdenaples e
moreantique, lia matisada a 610 rs.
Manguitos e gilas bordadas cora per-
feigao.la "transparente a 640 rs.
Cassas de cores, (hilas lina*, tarlatana,
fil etc., baregede laa a 640 rs. _____
Para as noivat.
> Vestidos de blonde com aaia de selim
I manta, capella. lodos oa peilencea.
Novidade.
Chapeos de palha lino, leques, man-
guitos, pentes, esparttlbos, chales ponta
redonda, perfumara etc.
*
e mansos
w no armazem de Andre de Abreu
Porto confronte ao arsenal de
v^ marinha, tambem se vendem
| cascos escolhidos que servem
$ tanto para agurdente como
^ para mtl : para tratar-se no
0 escriptoro de Scott Vi ilson &
sjg C, ra do Tiapiche n. 4.
@e @#^@
Esceocia de ail
Paraengommado.
Vendem-se frasquinhos com eiceucia de ail
cousa excellenie para engommado porque urna
gola della bollante para dar i6r em. una hacia
da gomma tendo de mais a mais a preciosidaae de
nao manchar a roupa como mullas vezes acon-
tece com o p de ail Cusa cada frasquinhc
500 rs. : na ra do Queimado loja da aguia bran-
ca n. 16.
Delicadas escovas
madre-
para limpar
Mf%mm mmm m cabos de martim e madre-
rVendem-se burros gordos^
perola,
denles.
Na verdadeuroa escov* psra limpar penlrs c.
I sempre necessaria em qualquer tomador, o cuoi
eipecialidede no ds senhora que preza o afieio,
e para que elle seja perfeilo mandar comprar
uva dessas escovas de rabo de marflm ou ms-
Ireperoli que custsm 29e 39 rs.", njlojs 'aguia
branca, na raa ra do Queimado o. 16.
'1
81
&m
Vende
se
Roupa fetta.
E' esse estabeleeimenlo o especial em
roupa feita j em prego como oa quali-
dade, palitots, caigas, colleles, sobreca-
cos, sotretudo, copas de borracha etc.
Calcado.
Bolinas de Meli muito frescas a 12}:
na ra da Cadeia n. 23, de Curgel & ^
Perdigo.
Chapeos de castor.
Veodem-se chapeos de castor de primeira qua-
lidade a 88, que jasa ven ieram a 16f, 6 para
acabar: oa rus da Imperatriz, loja o. 20, do
Doarte.
Fivelas para cinto.
Ttiras (velas de msdreperola psra cintos pelo
barato prego de 1J600: na foja'da victoria oa
roa do Queimado n. 75, junto a loja de cer*.
1
Loja das 6 por
tas em frente do Li-
vramento.
Koupa feito muito barata.
Paletots de panno fino sobrecasacos,
dilos de casemira de cor de fuslao, dilos gi
de brim de cores e brancos, ditos de <
9 ganga, caigas de casemira pretas e de-'
@ cores, de brim branco e de coros, de gao- ^p
n. ga, camisa* com peito de Moho muito a
f Onas, ditas de algodo, chapeos de sol '
'. $y de alpaca a 49 rada um. jgl
Fudem-se os eogenhos
liba do Morgado, sito a mar
geni do Pvrapama, e Po-San-
gue sito a mrgem do Seri-
nhem,com safras, escravos,
i boiada, mais pertences ; re-
cebem-se em conta predios
na cidade, pu seus arrebaldes
e os pretendentes podem en-
tender-se com o proprietario
dos mesmos engenhrs, de-
sembargador Alvaro Barbalho
Ucba Cavalcanti
Esponjas fia as
para o rosto.
Veode-se mol floas esponja* para rosto, att
na ros do Queim*do, loja d'aguia
azeilede dend ou palma, dito de ameodoim que
serve para luzese machinas, mais barato do que
era qualquer outra parte ; na ra do Vigatto n.
19, primeiro andar.
Simo de Nao tus,
obra completa, ntidamente impresas, lypo gran-
de e intellegivel, papel claro, formato accoramo-
dado o maisposiiiel, encadernido com meia en-
cadernago, com seu rotulo dourado, e pelo en-
ligo prreo de 1$ cada volume : na ra do Im-
perador d. 15.
Urna loja de fazendas.
Para pagamento dos credores vende-se a leja
de fazendas da ra do Cabug n. 8, cuja csa j;i
a um anno se est tratando de sua liquidagan
para o referido Um. Olferece grande viotagem a
quem se queira estabelecer : trata-se na meim
loja, ou com o* Sr?. Ferreir* & Ariuje, ro* da
Cadeia do Recife.
ranno de algodo da
Baha.
Vende-so no escrlplorio de Aolooio Luiz
Oliveira Azevedo & C, roa da Cruz n. 1.
de
cada orna
branca n. 16.
vende tirelas para cintos o mais bem dourado quo
possivel e dos mais lindos gostos que tem viudo
a este mercado, pelo baratitsiroo prego de 29500
cada urna, carleiras com guiris* as mais bem
sortidas que se pode desejar, e em quaolo a qua-
lidade nao pode haver nada raelhor, ptlo barato
prego de 500 rs. cada carteirs, peonas de ago ca-
ligrophi verda'deras a 2J cada caixinha com Y
duzias, diies de langa verdadein* n. 131 a 19200
cada groza, ditaa muito boas ainda nao contien-
das a 500'rs. a groza : oa ra do Queimado, na
bem conhecida loja demiudezaid* boa (ama nu-
mero 35.
Cerveja.
Krabb Thom & C. vendem no seo eicriplorio,
n* ros do Trapiche o. 17, cerr ja branca da afa-
mada e bem conhecida marca-Allsappa-^O pra.-
la de excelleote qualidade, eos birrlea de garra-
fa* e meta* garrafa.
Vende-se ama tartiroga criada em casa,a
qual j d par* maia de um* libra, prepria para
queaa a quizer criar : ea fofa de Pottaa, roa od
Pilar n. 31. Na dnbinh se ti 400J i jaros
sobro penhor o hypolheca.

-L-
f" -" *



-^-------

6
DIARIO DE PEBNAMBUCQ* TEBCA ftURA S8 DE JAMlto DE 186te
GELO
No deposito do gelo ra do Apollo
n. 31, rende-se gelo de boje em diante
arroba a 3500, e meia arroba 3|000,
e a libra a 160 res : tambem recbense
asignaturas das pessoas particulares lo*
go que seja diariamente, at que se
acabe o gelo.
|Loja das 6 por-
tas em frente do
Livramento.
Chapeos de sol de alpaca a 4f.
Duna da malas crasa para houem a
1**00 e o par a 120 ra., ditas brancas
multo Anee aS|500 a duzia, leocoa da
casas coqj barra da corsa a ISO rs. cada
um, ditosbrsncoss 160 ra., bales da
SO a 80 arcos a 3J, laxioba para ras-
tillos a S40 o corado, cbalss da marin
astampadoa finos s 5| e 6,, tarlaUai
brsnca da corea muito fina com rara
a m sis de largara a 480 ra. o corado,
fil do lioho liso a 640 rs. a rara, pe-
gas de cambraia lias fina a 39, casias
de cores para rostidos a 200 ra. o so.
rado, mussulina encarnada a 3S0 rs. o
corado, calcinhaa para menina de escola
a tf o par, graratinhas de tranca a 160
rs., petos para camisa a 200 ra. cada
um duiia 29, pecas de cambraia da sal-
pico muito fina a 34500, pecas de bre-
tsnha de rolo a 29, chitas francezaa a
2S0 e S40 rs. o corado, a loja est
aborta das 6 hora a da manhaaa 9 da
note.
M j. i .gagggggg ==.
l^iiMJMmlFiiiWWtllmKliWKsMiMMl
Grande
Superiores paletots de panno preto muito fino,
obra muilo bem feita, pelo baratissimo proco de
209 na roa do Qaeimado n. 22, na bem conhe-
cida loja da boa f.
Vendem-se oilo rsccas paridas de noro o
boas de ltite ; no engenho Junqueira, comarca
do Cabo.
Calcado
45 Roa Direita 45
Ougam!.. OuqamJ..
O traate indisptasarel so hornea cmltsado
seas contradicho o sapato 1 E' elle to necesss-
ro como o pi ao estomago. Tolera- ae um
chapeo jaca; urna casaca de ajnatar Uboado ;
um resudo destratado; mas o sapato acslcsnhs-
do e rodo, s botina aem lustra e j descosida
ama indecencia, um insulto ao orgao risusl de
um christso. E' por lio grarea coosiaerecoee
que o proprielsrio daste estebelecissento.
acabando de recebar um msgnifleo sorlimento,
roga sos ssus (reguezes se apraeaem em renorar
o calcado ralbo fisto eatsr-moa na festa ;
rejam:
Homem.
M1LIES (chagra pririlegisdo) frascos co-
mo a agua do Prata......
BORZEGUINSinteiricos (Roclhlld) .
dirersos fabricantes. .
lustra ptehincha. .
Sapaldes de Nantes, vaqueta de lustra
btteria. ,.......
Ditos Nsntee batera.......
149000
99500
8S000
5J500

ingieras........
Nenies meninos.....
lastra (sola rirs.....
(urna aola).....
de tranca portuguesa. .
a franceza. ;
Senhor&s.
BOTINASJgaspa site e laco ingieras de
lunco iocalculavel
69000
59600
59000
49500
39500
59200
81000
SfOOO
19500
l
i v
fraocetas (laco). .
sem laco. ....
gaspa baixa. .
> outros (32, 33 e 34).
de menina (Joly}. .
Sapatos (Joly) com salto. .
> ( ) sem salto. .
tapete......
luatre (32. 33, 34). .
> econmicos para casa.
Alem diaao um rariado e l_
ment de tudo o qeei necessario a aapateiro pe-
ra executer qualquer obra.
A 320 rs. o covado, grande
pechinoha.
Vendem-se superiores cambraias francezas de
muito bonitos padres a 320 ra.o corado, fa-
zeoda muito fina que aempre rendeu-ae por 800
e 19 a rara, renbam por ellas, antes que ae aca-
bem; na ra do Queimado n. 22, na bem eoohe-
cida loja da boa (.
6|000
*fHQ
5
4
4U
49500
39*00
SfOOO
800
800
500
abundante sorti-
ARMAZEM1R0GRESS0
Francisco Fernandes Duarte
Largo da Penlia
Afianca-se a boa qualidade de todo qualquer genero
aalP u dr u2* "^mazeID, "Miin 'omo 0fl-" P nos 5 a 10 por cento do quem outra
?* Illglea mtlt ,operior do mercado a 800 rsa Ubra, em barril se far
abalimento.
Mantciga fnnccu a Mli D0Ta. m ., ,m barrilf e 640 m, UbHm
Quelios do wlio,hl|ld0IMlle lltlB0 Tapor por3^
a 19000 de 8uperlor 1",,ldtd e n"'1 frescaea a 800 inteiro, em libra
** **&*!(?* ^Tet -. que b. no mercado 39000. 2,600.
Prewmto pata ambte moUo nOTOI. 500 llbr8
e un o ae reino d- ,ap-rior quaaade a 440 ri> lnieir0t e 480 rl,, liDrl<
me o oielhor pelisco que pode harer por estar promplo a toda a hora a 19 a libra.
Xoneinho do reino .3W ri a*... arroba a9|000
Chongas e palos chegid08 neiU ullino na?i0f a m a libra
ste!CV?na?K*'<80"- ..!. com 10 libras, por 49500 ra. .
se for em barril a 440 rs. s librs. ^^
Mar melada imperial d0 f d0 Abrea de outroi miil0i fabrleaolei de Li|b0l
ja em ,lbru por 1*600 aflaDc-se a boa qualidade.
a&aea de tomate em ial de Uma ubra por 9001*.
Xmeadoase coateltos^aU8d,2 iibra8 C0Blend0 dlffwenleiquaUdadei,
multo propno para mimo, a 29OOO.
1 a 500 r?UCeZa8 portug"ei" em ,at" de 'Iib". P W d>" "!
\ielria, macarrao e talnarim im
* ^-.mama a 400 rs. a i,Dra flm ctjla a ^
a*0!?8 m"U n 10"' Ub"* 6 im"' Iibr>-
p em maito enfeitados proprios pars mimo a 600 rs.
abalimeote. ** mU 8up*rior qte ht ,,00 "" 8"fi em caisa ae far
Genebra de ollanda.
t-ri.^S o I."|riJ?Md0 Doaro l600 "'. Porto fino, Fei-
^ *" Ouque do Porto, a 19S00 em astea se far abatimento.
eaux dai maia acrediladM marcasa 1# a garra(a e emMlxt t ^ dtl|a
** de differenles marcas a 169 a duxia e a 1$500 g garrafa, afflaoca-ee a boa
Verdadeita setveia cebrimua. 0.traa nuila9 m.rea.. ^. daiia,.
a 500 ra. a garrafa.
V mUO em pipa Porl0f Lilboa e Figaaira a 3,500, 49 e 49500 a ranada.
liSper msete itperor a 740 tm uil,t e 760 a ,ibra#
Batatas novas em gig0, de nmaarrob,, 1##
^n COiate 08 ma, 8Bperiorea. hespanhol a 1|200, franraz a 1|. portaguez a 800 rs. s libra
gos aa couimadre ,nuUo noroii eni nilu de 8 Ubras or j^ e eni Ubia a
o'm rs.
UOmma de engommar, muito aira a 100 rs. a libra.
Ameudoas de caaca mo,e a m tt a bra
^zeite doce renild0 a m r8> a gunU t flm m|m t H
Palitos de denles
w l,xad0, com perforo a 4o rs. o mago.
Costeletaa inslexaa _. ...
*Wiam9 propnaapara fiambra a 800 rs. a bra.
nolaxlnna maleza
_ vat* ais dots do mercado a 49 a barrica e em libra a 320 rs.
luguezas S* "ibr."60* m"U rC0' Cm *ll2 Ubr" por 3*500, dU* P'"
1. J010 para imparfaeaaa 200 rs. cada um, em porcao se sra abatimento.
3erCjaS em fra8C08 del e 1(2 libra muito novas a 800 rs.
Ioiepen lente dos generoa anounciados encontrar o respeitarel publico grande sortimen-
>o ue gneros, tudo de superior qualidade.
69000 rs. a frasqueirs, e 560 rs. o frssco.
A 31000.
Chapaos de palhinba fina enfestados para me-
ninaa ; na ra do Crespo o. 10.
Aos tabaquistas.
Ki..X!B!m;Mu"lperi0fM l,BC0 "ncesas a imi-
tacio doa da lioho, muito proprios pars os taba-
totea por aerem de corea eacuraa 7 fizas, pelo
n-rnPreT d\5 I die : a ni do
Queimado n. S2, na bam conbecida laja da boa t.
Fil liso e tarlatana.
Vende-se superior fil Uso e tarlatana branca
o de corea, pelo baralieaimo proco de 800 rs. a
or*Q..i.TnM,dd' l0i' d b0' f' '"
Ricos eaeites.
Jj'I!"n'M 60* P"*raa eofeitea os msla
moderaos que ha, pretoa e de cores, pelo bara-
Ussimo preco de 6 a 69500 : na Q da boa f,
na raa do Queimado n. 22.
Cambraias de cores.
Vendern-se cambraiaa francezaa do lindas co-
ras, peto bsrstiMmo prego de 280 o corado ; na
rat0?x"a,,don-2a' eonhedda loja
da boa f.
Cambraias francezas iinissimas.
Sapertorea cambraias francezaa muito finas, de
muito bonitos padroes, pelo barsto preco de 700
rs. a rara : na loja da boa f, na ra do Qaeima-
do n. 22.
Cambraia Usa.
Veade-ae cambraia lisa traoaparente muito fi-
na, pelo barato prego de 4 e 5f a peca com 8 li2
rarae, dita tapada maito superior, peca de 10
raraa a 6f : na ra do Qaeimado n. 22, na loja
da boa f. *
Bramante e atoalnado de
linno.
Teode-ae superior bramante de paro linho com
daas raras da largara a 29400 a rara, assim como
atoalnado adamascado tambem de paro lioho,
com 8 palmoa de largura a 29500 a rara: na bem
conhecida loja da boa f.na ra do Qaeimado na-
mero 22.
Cartea de calca.
Vendem-se cortes de calca de meia casemira
de cores escaras a 2$ cada corte : na loja da boa
f, na ra do Queimado n. 22.
Port bouquets,
Dourados com cabos de ma-
dre pe rola.
Cbegsram opportuoamente para a loja d'aguia
branca os booitoa port bouquets dourados e es-
maltados, com cabos de madreperola, conforme
sua propria encommenda, Oxsndo assim remedis-
da a falta que hara deasea port bouquets de gos-
to, os quaes chegsram bem a lempo para oa di-
rersoa cassmenlos e bailes qae se conten nesses
diaa, por isso as pessoaa qae por ellea eaperaram
e aa que de noro oa quizerem comprar dirigi-
rem-se munidos de dinheiro loja d'aguia bran-
ca, ra do Queimado a. 16, qae enconiraro obra
de bom gosto, barateza, agrado e ainceridade.
Mali
de cambraieta.
Vendem-se superiores salas de cambraieta mui-
to tina, com 4 pannos, pelo diminuto prego de
59; a ellas, que sao muilo baratea: na ra do
Queimado n. 22, na bem coohecida loja da boa f*
10I000.
E' na raa do Qaeimado o. 89 loja da qualro
portas qae se rende os melhores chspeos de aa-
da de formas maia modernaa e bom goato.
Ruada Senzala No ya n. 42
Vende-se ata eassdeS.B.Ionaston6C,
ellinse silh5esaglezes,eandssiross essticaes
bronzaados,lonas agieses, fio devela,chicote
aracarros, a montaa ,arreiotpara arroda
usa loas talos ralogio ida are atante
nglas.
Navalhas d5a?o
com cabo de marfm.
Vende-se na loja d'sguia branca mai finas na-
ralbas d'aco refinado com cabos de msrfim, e
para assegurar-se a bondade dolas basta dizer-
se qae sao dosafamadoa e acreditados fabrican-
lea Rodgera & C, custa cada estojo de duas Da-
inas 89000: na ra do QueimaJo, loja d'aguia
branca, n. 16.
Noves enfeites e cintos
dourados.
A loja d'aguia branca acha-se recentemente
prvida de um bello e rariado sorlimento del en-
feites de differentes qualidades e gostos, 03 mais
lindos que possirel encontrar-se ; assim como
est igualmente bem aorlida de boniloa cintos
dourados e praleados, sendo Usos, de listras, e
matizados, e bem assim os de pontea cabidas,
tendo de tedo maito pera aatisfazor o bom gosto
do comprador, que munido de dinheiro nao dei-
xar de comprar : na ra do Qaeimado, loja d'a-
guia branca n. 16,
Flores fiaas,
Entre-meios bordados em
cambraia transparente.
hnrti.ISi!.'!! Sguia bra.nM '"le-ee enlremeioe
i2SA?iiJ?.floae"mb,,it lr"P"ente 19 .
SS*lte di .?.Pk 5 Mla po"ue e em
Adrarte-se que de cada padrao lem bastantes!
pecas para reslidos. aaniei
Poiassa da Russia.
Vende-ie em cata de N. 0. Bieber
C, successores, ra da Cruz n. 4*
Paletots
brancos.
Vendem-se superiores paletots de brim branco
i* puro linho, pelo baratissimo preco de 5f : os
raa do Queimado n. 52, na bem coohecida loia
daboaf.
Os burros e carsllos existentes no armazem
do Sr. Andr de Abren Porto, defronle do arse-
nal de msrinhavendem-se a rontade e esco-
lhs dos compradoras: ns ras do Trapiche n. 4
primeiro andar.
EXPSITO
DE *
Candeeiros econmicos
e gsz bydrogenio de primeira a segunda quili-
dade : na raa Nova n. SO e 24 loja do Vianna.
..I" I,nde'B- tooeletoe, pipas a narria que fo-
ram de azeite, arqueedos da ferro, tambera se
u? nM' PrPr,; P" sbrir, travs de
loara de 35 palmos a 40. travs de 50, madeire
ae tundo, prsochdee de sicoplra de 80 palmos da
compndo al 60, pranchoea de oilicica, ama car-
roca nova psrs cavallo, um carro de 4 rodaa para
bol ums carroca e um bol: na ra nova de San-
ta Hita n. 11 defronte da cacimba da ribeira da
freguezia de S. Jos.
Ra do Queimado n. 19.
Santos Coelho tem para
vender o seguate:
Esleirs da India de 4, 5 e6 palmos de largo
proprias para forrar carnea e aalas.
Lencoes de bramante largos a &> cada um.
Coberlaa de chita a chinexa a IgSOO.
Lencoes de panno de linho fino a 2S.
Tosihss adamascadas de Mnhn na m
adamascadas de linho para mesa a 49.
Chita franceza com defelto de avaria a 160 rs.
o covado.
Toalhas de fuslo
uma.
para moa a 500 rs. cada
Colchas de fuslo sdamascado grandes a 6i.
Cambraias de cores a 160 o covado.
Goiohaa ricamente bordadas e de traspssso s
Farinhade
de mandioca.
O deposito da melhor farinha de mandioca
neate mercado no armazem da ra da Madre de
Lindeza.
Vende-se fazenda denominada lindeza, ptima
para vestidos a 160 rs. o covado : na loia do Du-
arte, ra da Imperatriz n. 20.
Atteafo
Vendem-se caixdes yasios proprios
para bahuleifos.funileiros etc. a 1$280:
Cera de carnauba de pri-
meira qualidade.
Vende-se am porcao a a ratelbo de uma sacas
para urna, por commodo preco: na raa da Ma-
dre da Dos confronte abotica n. 90. -
Leite virginal
infallivel remedio para
sardas e panos.
"'tk'irgwal j bem conbecido como rama-
dio infallivel para ssrdas a pannos, rauda-so a
g ra. o (rasco na ra do Queimado, loja d'aguia
branca n. 16.
J"-laBa*$e oni" UrrM fl Wpa, tendo
um oiteo de padre a cal, quintal com arvoredos
ZSS dmb. e" Proprio, aite na Gapun-
5! SMT!^U",'*m d" Crtoutes n. 16, a qual na-
NaawoT m%X '' tr*tar M r"' **' T"nhrtr*
Aloja d'aguia
branca um deposito de
perfumaras finas.
Esta loja por estar constentemoate a recabar
perfumaras finas de suss proprias encommendas,
bom se pode dizer que est coostitaida um deoo-
mi.!dlH'Und,0:a? "*** dM "lkoraa e
mate acreditados fabricantes, aomo Labio. PUar.
Coudray e Societ Hygi.Diqoe, etc., ele*. ; por
isao, qem quizer prover-ea do bom, dirimr-se
a raa do Queimado loja d'aguia branca n. K
urfnV.e.p,? "m llodo.e ** sortimento.
teudo de maia a maia a elegancia dos frascos, a
SoSprado?/ qM M feDde Sf8 *"
Carros e carrosas.
Km casa de N. O. Bieber
C. successores rut da Cruz
numero 4.
2rs-s-jKs.-iita.-u.,... jt v^,v.:'ffir?.,ia&?:.*s
acreditado fabricante Edvrio Maw a 100 rs. por
Ubra, as meamaa asi seveodiam por 120 re.
leade-se lariaba
de mandioca de superior qualidade em
accos, por preoo muito commodcs:
nos rmaseos de A ntunes Gttxiaraes a
C. confronte ao trapiche de algodSo.
Riscado monstro.
Vende-ae rtoaado monatro* axenda maito ac-
oomica para o aa* domestico por ter randa lar-
gura e o seu preco ser de 00 ra. orada: na
ra da Imaeratriz, loja n., ato Daarte.
Na padarte de Antonio Fernandes da Siha
Belriz, ra dos Pires n. 4t, veode-ee a Mito
acreditada bolaehinha igual a ioglaza, dte de
aramia, todo o trabalho acate casa bem aomo o
pao a bolacha feito dea melhores fariabas a
trabalhado coas o maicr aralo poeetvel, farinha
a melbor do mercado a IBO.ra. a libra.
rilNDICiO LOW-MOOR
Ria4aSeiiallIfTai42.
este sstabaleeimento eontinos shsvsrnn
omplato sortimento daaoanda semaia s moaa-
dss paraangenho.machinas da tapor staiaa
te farro batid* eosdo,de todos aitamankos
para dito,
Soahall Mellon & C, toado receido or-
dem para vender o sea crenido deposite dorslo-
gios vjsto o fsbricsnta ter-aa retirado do nego-
cio ; convida, portento, is pessoas qae qaixerem
poaauir um bom ralogio de oaro oa prata do c-
lebre tebricante Kornby. a aprovettar-ee da op-
portaoldeda ram parda da tempo, para vir om-
pra-Ioa por commodo preco no aea aaaripterio
ra do Trapicha n. 18.
Taixas.
pa. com vario, desenos"; iSSimTZr*
ar-
rocaspara condcelo deaaaacarato.
Vende-se
fsrinha de mandioca de saperior qualidade mai-
to nova, e em tudo agradavel, em porces gran-
des e pequeas a vontade dos compradores e pro-
cos muito mdicos: a bordo do brigue Midea
aoeorado defronle do caes do araenal de guerra,
quem pretender dirija-se aestaVipo- tlOmllia -
graphia, que ahi ,e dir' quem ot&lrSZfZT^SlZStfg!:
berna da esqaioa. '
para vender.
Gal e potassa.
Vendem-ae estea doas gneros no htm eoohs-
cido a acreditado deposito da raa da Cedis do
Recite n. 12, por menoa preco do que em outra
qualqeer parte, aOsncsndo-se a boa qualidade.
A cal chegou a qaatro diaa pato brigue eSoao-
ranoa, a a potassa legitima da Russia,
pelos altimos navios da Hamburgo.
ehegade
Mantas de retroz.
Vendem-ae mantea da retrox para grvales a
W ra.: na ra do Queimado n. ti, na lote da
Doa le.
36, ra das Cruzes de Santo Antonio, 36,
PROGRESSIVO
DE
libra.
A' loja d'aguia brance acaba de deepachar um
bello sortimento de florea finas e delicadaa pro-
prias para enfeites de cabeci e vestidos para ca-
sa montos e bailes; quem as vir aem du vid a se
alegrar de achar florea lio perfeilas o delicadas:
isso na raa do Queimado loja d'aguia branca
n. 16.
Gollinhas
detraspasso bordadas em
cambraia fina.
Vendern-se a 2| cada uma : na ra do Quei-
mado, loja d'aguia branca n. 16 A obra boa e
o lempo proprio ; a ellas, freguezss, antes que
se scabem.
Sebo do Porto
Em caxinhaa de ume e duas arrobas, fexeode
superior e proco commodo: no largo da assam-
bla n. 15, armazem de Antones GuimsrSes &
c.
Attentjo.
Vende-se um ptimo piano de mess, proprio
para aprender, por pre$o tio barato que vista
nao aedeixar de comprar: na raa Augusta nu-
mero 90.
Bonecas bonitas
com rosto, e meia pernade
porcelana.
Vende-se mui bonitas bonecaa com rosto, e
meia perna de porcellana aosbsralissimos procos
de 40,360,500.560. 640,720. 800 e ifOOO: Uso
ns ra do Queimado, loja d'aguia branca n. 16.
Luvas de pellica pretas.
Vendem-ae as luvaa pretaa da pellica com pe-
Iqueoo toque de mofo por preco baratissimo ; oa
loja d'aguia de ouro, ra do Gabug o. 1 B.
Madre de Dos
n. 12.
Estabeleceu-se oeste vmazem um deposito
constante de cera de carnauba em pi e em
velas.
Wem^ 5L51
0HM flm^nShrd0merMd0 70 "">' barr, rsrao de60O rs. a ...
Uueijos flamengos ch.g.dos nos,, ri* ,apor. 3#ooo.
UuelJOS iundnnOS omelhor que ha nasto genero por seren muito rosco. a 19200 a liara.
rfcl Prd me,br qU' 8fl Pde deSeJar a mW> a libra 00 o inteiro.
L na nysson e preto o melhor do mercado da 197*0 a 2,880 a Ubra
Vnho en!,Pf drtUrfUeZeS '^^^oePcul.r.560rs.porlibr..iotoiro a 460 rs.
a 200 e 1,300 Z!f!* **?!l!!?'A?0: Pr, fiD' 0-ettr' **** Camoes. Madair. sacca, Paitoria verno, raexo chamMo
Vinho Rn H "oarra,a 130000 a duna.
Vinho rS.tt de 8uperir q,uIdd dffrente8 marMS' 80' "' ,r"f' *8500 <*.
M.T.1 !P-P Pr0pnfm P"410 d* 500 "' mmk do 39800 a 4,800 a caada.
luarmeada imperial a oscolher do iodos os fabricantes da Lisboa premiada du xposlcdas univ.rs.es ds Londrw Pars s
uu rs. a lsts. de ums libra e a 1700 as de duss libres.
mito ^riSoO dc,dsnumadeU0Cdt *"*** Em0f$> m''S prpri qU* ta ** mi^,0S, *" Mrem <*mm* ***** *
FlgOS em CaxinhaS de 4 libra muito fraseos e grsmdes a 2,000.
Peras SeCCa em caixioha da 4 libras chogadas oeste ultimo vspor a 3|500 e 1*200 a libra, .tianca-se sar o naalaor que pd h.vet nte
genera.
ameixas francezas em latas deB libras por 49000 o 1,000 por libra.
Passas am eaixinhas da oilo libras, as melhores do mercado a 39 a a 640 rs. s libra, a am caixa da uma arroba a 99500.
Latas COm fmetas da todas as quslidades que ha em Portugal de 700 a 1,000 a late.
GorinthiaS am fraseos do 1 lil a 4 libras de 1,600 a 29200.
GaixaS SOrtidaS com aawaa, amendoas, passas figos, paras e nozes o que ha da mais proprio para mimos, da 49000 a 69000 rs;
por caixa de 10 a 12 libras, e 320 rs. a libra dos figos.
Lata COm bolaxnha de SOda dodiversas qualidades, e muito novss a 19450. a grandes de 4 a 8 libras da 28600 a 49500.
Conservas OglezaS frsncozss portuguesas de 600 a 800 ris o frasco.
ErvilhaS francezas a portuguesas a 720 rs. a lata, afianca-se serem ss mais bem preparadas que tea vindo ao mareado.
MaS as talharim, macarrao e aletria as mais novas que temos no mercado a 400 rs. a libra.
Amendoas de casca molla a 400 ris alibra am porgao ter abatimento.
Azeitonas de Lisboa novas egrandes vindas pela primeira vez ao nosso mercado a 3,500 a ancorte.
Champarme dss marcas mais .editadas de 15, a 20,000 res o gigo de 1,500 a 2, a garrafa.
Cervejas das melhores marcas 660 rs. a garrafa a do 5, a 69OOO a duzia da branea.
Cognac a melhor qualidade que temos no mercado a 19000 a garrafa o a 109000 a duxi..
Genebra de Hollanda a 600 rs. o frssco a 69500 a frasqueira com 12 fraseos.
Chocolate o mais superior qae temos tido no mercado portugus, hespanhol a francas da 19 a 19200 a libia.
Vinagre puro de lsboa a 240 n. a garrafa e 19850 aeanada,
Espermacete Superior sem avaria a 740 rs. am caixa a a 760 rs. a libra.
ArrOZ o melhor do marcado a 100 rs. a libra e 2,700 a arroba do da India e 120 rs. a libra do Msnnho,
Alpista e painQO o mais limpo que ha a 160 rs. a libra do alpiste a 240 re. a libra do paiaeo.
Vinagre branco o melhor que temos tido no mercado a 400 rs. a garrafa 2,560 a caad..
MaSSa de tomate em latas de uma libra do mais acreditado autor da Lisboa a vinds a primeira vas a nosso aereado, del,, lata;
Araruta a melhor que se pode desejar a 320 rs. a libra, o 160 rs. a libra da gomma.
T0UCDh0 de Lisboa o mais novo do mercado a 320 res a libra e arroba a 109000.
BatattS em gigoscom uma arroba, as melhores que ha no mercado a 1,800 oglgo.
LeDtilbas fraieezas, as melhores e msis ssborosas de todos os legumes a 500 rs. a libra,
Nozes as melhores o maia novas por taram chegado nesie ultimo vapor a 200 rs, a libra.
Palitos lixadOS para denles s 200 e 160 rs. o maco com 20 massinhos a floara 280 rs,
Latas com sardinha de Nantes muito novas a 440 rs. a lata.
Velas de carnauba eeomposicao de superior qualidade a 400 rs. alibra a a 12,500 a arroba;
Bolaehinha Ogleza inglesa a mais novado aereado a 49 .barrio e 820 rs. libra.
k lem dos ganeros anonadados encontrar o publico todo que procurar tendente a molhados, o por manos das por sato do qw esa o*
qnalqoer parte, r- i~



M**ie M tlH&nUflO TtftjA fllB It M JARBRO JB IIM
ntremelos
bordados cm cambraia
transparente.
Na toja d'aguia branca te ach um bello sorli-
aneoto de eniremeios bordadoa em Ana cambraia
transparente, e como de seu costume eat Ten-
deado baratamente a 1)200 per>a da 3 raras,
tendo quantidade bailante de cada pedrio, para
vesiidos e quem Uver dinheiro approveitar a
occaaiio, e maada-loi compiar oa ra do Quei-
mado, loja d'aguia branca n. 16.
Agulhas imperiaes.
Tera o fundo dourado.
A loja d'aguia bracea teodo em viatsa aampre
vender o bom, mandou ir, e acabam da chegar
aqui (pela primeira vez) as euperiorea agalhas
iruperiaes, com o fu lo dourado e mu bem fai-
taa, sendo para alfaiates e costureiras, e coala
cada papel 160 rs. A agulba aasim boa anima
e adtsota a quem coae com ella, e em regra sao
mais baratas do que asoulras; quem as com-
prar oa ra do Queimado, loja d'aguia branca o
16, dir aempre bem deltas.
Mui bonitas
e boa* fita8 brancas de chama-
lote, franjas e trancas.
Aloja d'aguia branca acaba de reeeber de sua
eneommanda diversos artigos de gosto, e proprioa
para eofeites de vestidos de noivss ou convida-
das, sendo bicos de blond da diversas larguraa,
franjas brancas e de cores, tranjas brancas com
vidrilhose sem pites, cascarriihaa brancas e mui-
tas outrascores, finas e delicadas caoellas bran-
cas, bonitos enfades de flores e eaebos sollos, lu-
vas de pellica enfeitadaa primorosamente, o>ai
bonitas e boas filas de chamalote, e eroflm mu-
tos outros objectos que a pedido do comprador
serio patentes, e vista do dinbeiro nao se dei-
xar de negociar : na loja d'aguia branca, ra
do Queimado o. 16.
Tiras
hordadas em ambos os
lados.
Veodem-se tiras de cambraia bordadas em am-
os ooa lados, que pela largura bem se pode par-
lira meio, pin salas e outras muitas cousas,
custa cada tira 1*200: na ra do Queimado, loja
oaguia branca n. 16.
Pota americana,
Vande-se potassa americana rouito nova a de
superior qualtdde : no escriptbro de Manoel
Ignacio deOliveira & Filho, largo do Gorpo San-
1 CHAPEOS A GARIBALDI
Ra da Cadeia do Recife, loja
n. 50, de Cunha A Silva.
Os mais modernos chapeos a Garibaldi e chi-
ques, de palinha e fehro, mui lindos, e se ven-
dem pelo barato prego de 10 e lty.
Paletots a Garibaldi.
Paletots de seda a moda Garibaldi, imitando o
mais Qoissimo brim trancado (La cores, maito pro-
prios par os bailes, Testase passeios campestres,
pelo diminuto prego de lOfc.
Chapeo* baratos.
Chapelioas de seda para senhors, pela bsrstfs-
simo Meco de 8>, chapeos de sela e de merino,
bem eofeitados, para meninos e baptisado a 6 e
79, dltoa de palha e seda para senhora a lOf, di-
tos dei seda decores, copa baia, para homem a
6, ditos de casemira de cores, pelo diminuto
preco de 19600, chapeos de castor baaoco aem
pello, bonitas formas a 12J, boneta (raocezes de
panno para meninos a Sjiio e 3).
Guafdanapos e toalhas.
D'izia de gusrdaeapos para mesa a 2J e 29100,
toalhas para mesa de li4,1[2 a i varas a 1901)0,
19500 e 20.
Vestuarios para meninos,
de fuilio, enleitados, a 85, bales para senhora
a 3J5U0, booitos vestidos de phaulesia pelo bara-
to preco de 12f, atoalhado de lioho adamascado
com 8 palmos de largura a 2S*2iO a vara, manas
de fil braoco, maoteletes, leques de diversas
qualidades, gollinbas, manguitos, sedas de qua-
drinhos, e outras muias fazeadas que se ven-
dem por barato preco oa referida loja cima.
KNft 9ISS3SS'-M99I3 -MQ9#39t?9MM
Acaba de
chegar
ao novo armazem
DE
B4ST0S & REG
Na ra Nova junto a Cou-
ceico dos Milita-
res n. 47.
Daa grande variado sortimento da '
roupaa feitas, cateados fszeodas e todoa I
estea aavendem por precos maito znodi- <
cidos como 4 de seu costume,assim cerno 1
sejam aobrscasacoa de superiores pannos !
a casacos feitos peloa ltimos figurinos a 1
269,*89. 30} e a 35a, paletots dos mesmos
pannos preto a 16f,18f, 20J e a 249, '
ditos da casimira de cor mesclado e de '
novos padree a 149.I69, I89,209 e 249,
ditos saceos das m asm as casemiras de co-
res a 99, 109,129* a 149, ditos pretos pe- !
lo dimiouto preco de 89, 109, e US, ditos
de sarja de seda a sobrecaaacadoa a 129,
ditos de merino de cordo a 12 J, ditos
de merino cbioez de apurado gosto a 159,
ditos de alpaca preta a 79, 89, 99 e a 109,
ditos saceos pretos a 49, ditos de palba de
seda (aienda muito auperior a 49500, di-
tos de brim pardo e de fusto a 89500, 49
e a 49900, ditos de fustio braoco a 49,
grau'l* quaotidade de calcas de casemira
preta e de cores a 79, 89, 9 e a 10, ditaa
pardas a 39 e a 49, ditaa de brim de corea
nnasa2$500, 39, 39500 e a 4f, ditaa da
brim orticos Anas a 49500, 5$, 59500 a
69, ditaa de brim lons a 59 e a 65, cohetea
de gorgnro prelo e de corea a 5fTTMt
ditos de casemira de cor pretos a 4X500
a a 59. ditos de fusto braoco e de brim
a 39 e a 38500, ditos de brim lona a 41,
ditos de merino para lato a 49 e a 49500,
calcas de merino para luto a 4$500 e a 5J,
Capas de borracha a 9|. Para meninos
de todos os lmannos: calesa de casemira
preta e de cor a 5f, 69 e a 79, ditaa ditaa
d* brim a 2J, 39 e a 39500, paletots sac-
eos ae casemira preta a 65 e a 7, ditos
de cor a 69 e a 71, ditos de alpaca a|39,
sobrecasacos de panno preto a 129 a a
14, ditos da alpaca preta a 59, boneta
para menino de todas as qualidades, ca-
misas para meninos da todos os laman hos,
meios ricos vestidos de cambraia feitos
Eara meninas da 5 a 8 tonos com cinco
abados liaos, a 89 a a 1 ditos de gorgu-
rio de cor e de la a 59 e a 69, ditoa da
brim a 39, ditos da cambraia ricamente
bordados para baptisados.e muitas outraa
(azendaa e roupaa feitaa que deixam de
ser meneioudas pela aua grandeqeanti-
dade; tssia como reeeba-aa toda eqaal-
quer eneommanda de roupaa para se
mandar manufacturar a que para cate flm
tamos am completo sortimento de fazen-'
das de gosto e ama grande o IB cia d a al-
stala dirigida por um hbil meatre que
iala saapromptldi e perfeieionadadei-j
vaWaM sv** avNvJws^MvT*]
Gwgraphia
Vende se dous globos em meto uso,
um celeste e outro terrestre, proprios
para bem se aprender geographia. Os
estudiantes aua os pretenderem podem
dirigir-se a livraria universal de Guima-
restiOliveira, na ra do Imperador.
Aos Srs, consumi-
dores de gaz.
Nos rameos do caes do Ramos os. IB a 36
na rna do Trapiche Noto (00 Recife) 0. 8, ae
vende gaz liquido americano primeira qualida-
de a teceolemeotechegado a 149 a Uta de cinco
galles, aasim como ae veodam lataa de cinco
garrafas e em garrafas.
Noves cinteiros de fitas com
ponas cnidas e franjas,
\ loja d'aguia branca aesba d reeeber pelo
vapor inglez os tao procurados e maito booitos
ciateiros de Blas com pontas cabidas e franjas, e
por isso podem sgora ser satisfactoriamente ser-
vidas ssseohoras que desejavam ; eliesachat-
se nicamente nadita loja d agulabranca, ruado
Queimado n. 16."
Chapeos de palha.
O mais lindo sortimento de cbspeos de palha
das (Armas as mais modernas de Paris, para ae-
nhoras e meoioaa, ricos Siotos altima moda, di-
tos com lacoa bordados
casa de J. Falque.
Chapeos enfeitados.
Vendem-se chapeca eoaitaaoi matto rcen-
meos* vele para as maainae sue eslo passaodo a
(cata nos aneaos arrabales deats heroica ciiade,
a praco de ty cada am t na ru da Imperatriz,
loja cz, do Duarte. Na dita loja cima arbarao
coolinnadamente os seohorea consumidores um
grande e variado sortimento de (azendas, ludo
baratiasime.
Luvas de JouvVii.
Vendem-aeaa verdadeiraalovaade Jeuvto.ehe-
gadas por eate ultimo piquete da Europa : oa
loja d'agoia de ouro, ra do Cabogi o. 1.
Meias ^ara smiYi*ty.
Vendem-se superiores meias para aenhora pa-
lo baratissime preyo de 89840 a dalia ; oa loja
da boa f, na ra do Queimado o. 91.
Vaode.se s loja de miadezas da ra do Ca-
bug n. $ 1: quem a pretender, dirija-se a nea-
ma ras o. 4, que achara com quem tratar.
Novidade no tor-
rador!
23 Largo do Terco 23.
Queijos flameogoa muito (rescaes, chegados
oeste nltimo apor a 39. msnteiea franceza a 720
e 640, manteigaiogleza flora 900 e 800 rs em
porcio se (ar abatimanlo, assim como se torram
outros mullos gneros peAencentes a molbsdos,
assim comosejsm, sal, primeira e segunda sor-
te, arroz, velaa de espermscete e caroauba, azei-
. te doce e vinagre, e viuhos, se veodem por me-
na ra do Crespo o. 4, j nos do que em outra qualqoer parte a dinheiro
vista.
1 "
Fitas de chmalo-lx^^::^reteU0Tet'ta,i
bonitas.
reloglos para algibeira da
" oaro e prata.
i-\ IVhlIlf's'l rtAnQ f\ Oa burros e cavallos existentes no armazem
LC3 lilil LU 1-1UO C do Sr. Aodr de Abren Porto, defronte do arse-
nal de marioha, vendem-se a vontade e escolha
dos compradores: lambem ae venderlo do mes-
roo modo cseos muito seperiores, que aervirem
A loja d'aguia branca acaba de recebar pelo va- ."-f"^"6 U mel'' D" ra" d T"P^6 *'
por ingles i aua eneommanda de boas, bonitas '
largas fitas de chamalote brancas a outras cores,
ss quaea sao excedentes para cintos, lagos, ate.,
de veetidoa para calamentos e bailea, assim como
para lieos dabonqnetea, cinteiroa de criao;aa e
muitas outras diversas sousas, e como da seu
costume os precos sao menores do qae em outra
qaalquer parle; aaaim quem munido de dinhei-
ro, dirigir-se a rus do Queimado loja d'aguia
branca o. 16, ser bem servido.
*
del
Na ra do Queimado n. 10
8 loja de portas.
_ Vende-se chspelinss de seda para sa-
l nhora a 89.
Orgmdys padr&es es msis modernos a
600 rs. a vara.
Sedinhas de quadrinhoa a 800 rs. o co-
rado.
Gasseas de panno preto muito fino a
909000.
Manteletes pretos a 159 a 209.
Riquissimos vestidos da aada de corea
e pretos o mais moderno que tem appa-
recido epor baratissimo preco.
Oleo de liohaca.
m bsrris gales oa libras, pelo preco o mala
baralo pbssivel : oa taberna da roa do Caldei-
oiro n. 94.
Wfw* sa mm
4 loja da bandeira
tem para vender de boa
qualidade folha, estanho-
e bacas de
senecupa prego favorito.
Nova loja ae funileiro da!
ra da Cruz do Recife
numero 37.
Manoel Joad Fonsecs participa a
todoa os aeus(raguesetaoto da praca
cornado mato.ejatamente aerespelta-
velpoblco.qoetomous deliberacao de
balxaropreeo de todas assaasobrss.por
cojo motivo tem para vendar am grande
sortimento de bshs e bacias, tudo da
amerantes tamanhose de diversas cores
em pinturas, e jootamenteam grande
sor ti manto delirorass obras, coDtendo
hsoharoaegamelaaeompridas.grandes 8
epequenaa, machinaepara caf eeaoe-
ca para conduzr aBua grandes e peque-
as, latas grandes pin conservar arl-
nha a regadores ao uso da Europa, ditos
grandes a pequeos ao uao do Brasil e
camas de vento, latas da arroba a i,
babusgrindef.49 a pequeos a 600
rs., baca grandes a 59 a peqoenaa a
ou ra.,cocos de ssa a 19 a doa re-
gadores regulares muito barato, ditos
pequeooe a 400 re., de todoaeatea objae- -
toa ha pintados e em braoco a tudo mais
se vende pelo menos preco possivel: oa 1
toja da bandeira da roa da Cruz do Re- K
cite n. 37.
xmmmmws mmmmmm
- Vode-se urna mobilia de jacaraodi de bom
gosto*. a Luis XV, quasi nova; oa ra de Sania
lula n. lo.
8
500
1
Potassa da Russia.
Veode-se potassa da Russia da mais nova e
superior que ha no mercado e a preeo maito
cammodo : escriptorio He Manoel Ignacio da
Ollveira 4 Filho, largo do Corpo Saoto.
As vertlaileiras uvas de
Jouvd.
Acabara de chegar pelo ultima vapor para a
loja d'aguia branca, na ra do Queimado n. 16,
sendo de todas as cores.
sem segundo.
Na ra do Queimado n. 55, loja de miadezas
de Jos de Azevedo Mala e Silva, est Vendendo
ludo muito barato para apurar dinheiro, pois o
que presentemente mais precias.
Grora de peonas de ac de diversos mo-
deiloa a......,.........................
Caitas com agulhaa (raoeezas a...,......
C'ixaa com alfinetea a..................
Ca xas com apparelbos para meninos....
Ditaa com dito para grandes a..........
Bsralhoa portuguezeaa............130 e
Groza de botes de osso para caiga, pe-
queos, a.............,..........,.....
Tesouras para uha muito finas a......
Ditaa para coatura a......,.............
Baraihoa (rancezes muito finos a........
Agulheiros com sgolbas a.,............
Caivetes de 1 folha muito finos a 80 e
Pecas de tranca de lia com 10 varas a..
Pecas de franja de lia com 10 varaa a..
Pares de sapatos de iraoca a............
Carlas de atdoetea francezes a..........
Escoras para limpar denles a 00 e....
Massps com grampos muito Soos a....
Carldes com clcheles com alguna de-
leito a...............................
1 Ditos de ditoa de superior qualidade a
Didaea de ac.o para senhora a............
Rialejos com duas vozea a..............
Ditoa com 4 vozes a....................
Eutiadorua para vestidos, aeodo muito
grandes a..............................
Caitas com clchales (rancezes a........
Cartas da alflnetei para armscAo a......
Charutelras muito Qoaa a................
Tinleiros de vidro com tinta a..........
Ditos de bsrro com tinta auperior a....
Ar* preta muito fina, libr.............
pal
100
900
80
40
80
I9OOO
160
110
120
sem segundo
Ra do Queimado n. 55, defronte do sobrado
novo, eati disposto a vender ludo por precos que
s todos admiram, assim como seja :
Frascos com sgua de Lsvaode muito su-
perior e grandes s.................... 800
Duzia de sabonetea muito fios a...... 500
Sabonetes muito Anos a................ 160
Ditos ditos muito grandes a ............ 300
Frascos com cheiro muito finos a...... 500
Garrafas com agua celeste superior a .. I9OOO
Frascos com banha muito fios a........ 240
Ditos com dita de urso a................ 600
Frascos de oteo de babosa a............ 210
Ditoa de dito muito finos a 320 e...... 500
Ditos com bsnha transparente a......,. 900
Ditos com superior agua de colonia a... 400
Ditos ditos frascos grandes s............ 600
Ditos de macag e oe oleo s............ 100
Lioba branca do gaz a 10 ra. tres por
dous e a..............................
Lioha em carlio de Pedro V com 200
jardas a .............................. 60
Dita com 50 jardas a.................... 20
Duzia de meias cruss muito eocorpadas a 2*400
Dita de ditas rouito superiores s........ 48500
Ditss de ditas brancas para senhora a.... 3J0OO
Bicos da largura de 3 dedos, vara a..... 120
Groza de botes de louca a.............. 160
Carrtteiaxde lioha com 100 jardas a..... 30
Duzia df phosphoros do gsz a........... 240
Dita de ditos de vela muito superiores a 240
Pe^as de fita para cs de todss as larguras 320
Frsnjss de linho para toalbaa (vara).... 80
BicqMss Ilhaspor todo o preco, por pedido
qae tetrao do fabricante para acabar, a por isso
nao se olha o qua custoq, e slm o qae d.
Ra da Senzalla Nova n. 42.
Neste etas>elec!neoto Tendea*: ta-
cha alt ferro cemo libra 110 ra. dem
de Lo* Moor libra a 120 n.
Inieresse publico,
[Offerecido pela loja
marmore.
A loja de marmore lendo de apresen-
tar concurrencia publica o qua ha da
mais novo em fazeodaa, tanto para se-
nhorag eomo para homeoa e meninos,
sendo que para este fim espers de seus
correspondentes de Inglaterra, Franca a
Allemaoha as remessas de seos pedidos,
tem resol vido, antes de apreaeolar o no-
vo lortimenlo, liquidar as (azendas exis-
tentes, o qae effeetnar por precos m-
dicos e para cojo flm convida o respeila- 1
vel publico a aproveitar-se desta emer- 1
genela.
B^MJifiW-^?ft'aratesi)^ SMNSXf
Funileiro e vidraceiro.
, Grande e nova oflicina.
Tres portas.
31RuaDireita31.
Nesie rico o bem montsdo eatabelecimento en-
conirarao osfreguezes o mais perfeito, bem aca-
bado e barato no seu genero.
URNAS de todas aa qualidades.
SANTUARIOS que rivalissm com o Jacaranda.
BaNIJEIBuS de iodos os lamauhoi.
SEMICUl'lAS dem dem.
BALDES dem dem.
BACAS idem dem.
BAHUS idem idem.
FOLll A cm ois. do Inri. eroiurai.
PRATOS imitando em perfei;ao a boa porcei-
lana.
CHALE1RAS de tedas aa qualidades.
PANELUS idem idem.
COCOS, CANDIEIROS e Oaodres para qaal-
quer sortimento.
V1DROS em csixss e a retalho de todos a lar
maodsndo-se manhos, botar dentro da cidade,
em toda a parte.
Recebem-se eocommendas de qaalquer natu-
reza, coocertos, que ludo ser desempenbsdo a
contento.
SABAO.
Joaqilm Francisco da Mello Santos aviss aos
ssasfreguezesdests praga e osde fra, que tem
axposto venda sabiode snsfsbrlcadenominada
.Recifenoirmazem dosSrs, Travesos Janlor
& C, na ral do Amorimn.58; masss amarella,
castanha,prata a outras qualidades por menor
preco qae de oalraafabricat. No mesmo irmi-
cem temfeito o seu deposito devalas de caroaa-
saslmpleiiam mistara slgnma, como as da
compoaicao.
t Lindas flores.
100 Ns loja d'aguia de ouro, ra do Cabegi n. 1 B,
400 receberam de sua propria encommeoda um com-
40. pelo sortimento de flores, o mais fino que pos-
j sivel eucootrar.proprias paraenteites de cabecaou
10 i vestido, cousa moiio chique, que aa vende por
40' prego que admira, aeodo a 800 e 19 o cacho.
1 Mi cangas miudas de todas
LuvssdeJouvin.
Na loja da B6a F na ra do Queimado n. 22
sempre se encontrarlo as verdadeiras lavas de
Jouvin tanto para homem como para senhora,
adrertindo-se que para aquellea ha de muito'
lindas cores, na mencionada loja da Boa F ns
ra do Queimado n. 22.
Baiiha fina
em copos grandes.
A' loja d'aguia branca avisa a sua baa fregoe-
zis que chegsda a aprecia vel banha fina am co-
pos grandes, e contina a vende-la mala barato
do qae em outra qualquer parte : na ra do Quei-
mado loja d'aguia branca n. 16.
toa do Queimado n. 10,
loja de 4 portas de Fer-
r Muia,
vendem-se'sssegoiotes (azendas por melada da
seus ralores Bornete com o flm da acbar.
Chelea da touquim o melhor qua teta appare-
cido no aereado a 8,10, 15, Me 30|.
Sedinbaa de quadrioboa, cavado, a 800 a 1J.
Chaly e barege, covado 500 ra.
Mimo do co, covado 500 ra.
Cassa francesa, covado 746 ra.
Cortea de cassa de aslplcos a 9f.
Groadeoapte preto, covado IV.
Dito amarello, eevedo 600 ra.
Chales de merino bordados a matiz a 4f.
Cortea de velludo de corea para colleta a 3#.
Palatota de brim de corea a 3.
Lencos de seoa de coree, am 600 rs.
Chapeos de palha para aenhora o mais moder-
no e rico que tem apparecido a 12,14 159.
Ditos psrs meninas e meninos por barato pre?o
Bonels de palba para menlooa idem.
Cortes de seda de qoadroa, fszanda muito su-
perior a 8.
Paletots de alpaca preta a de corea a 8f.
Tarlataoa de laa com palmaa aoatiiadaa, hien-
da moderna e propria para vealidoa de aenhora a
mamona, covado 400 ra.
Cbapeliobas de seda pira aenhora, ama 6f.
Meias para menina de S a 8 annoa, duzia 2#.
Vestidos prtoa bordados a vallado.
Ditoa ditos com bsbados.
Ditoa de cores, riquissima fazenda.
Psnno lino de todss aa cores, covado 2J500 e
3S000.
Manteletes pretos liaos a 19 e 15#.
Ditoa ditos bordados o mais rico possivel.
Cortes de nova fazenda intitulada mosssmbi-
qne, propria para vesiidos de seohora.
Atoalhado de linho com 10 palmos de largara,
vara *>.
Bramante de linho, 12 palmos de largara, vara
2JW00.
Dito de dito maito fino a 2*300.
Chalea de lia e seda a 2$.
Aiem daa (azendaa cima mencionadas ha mui-
tas outraa de apurados goatos, que se vendem por
diminutos presos.
Luvas pretas de pellica.
Chegaram no vapor franeei novas lavas da
pellica pretas e outras coras para homem e se-
nhora : quem dellaa precisar, dirigir-se direc-
tsment<> I roa do Queimado, loja d'agoia branco
n. 16, qae rer bem servido.
Relogios.
Vands-is aracisi de Jobnitoc Putar 4 C,
rus do Vigsrio n. 8 nm bello sortimento da
rslogiosdaouro.pstenleiDglsi.dsum dos man
sfsmsdot fibriemtes de Liverpool; timbs
ama variadade de bonitos irancelir; para os
masmoi.
D. Pedro V.
Veodem-se folheloa com o retrato do Sr. D.
redro V, contendo o seu reinado a ltimos mo-
mentos obra mui aprectavel para os Portugue-
sea, pelo barsto prego de 1}: oa roa do Qaaims-
do, loja da miudezas da boa fama n. 85.
Armazem de louca vidrada
8--RiaiaCileitdRs3cifs3^8
Grande liquida^o por
todo pre?o.
Tambem ae venda o e>tablccimeota com aba-
Louca vidrada de differeotea qualidadaa.
Vasos de diversos tamaobos para sosoleifs, da-
ce ec.
Jarraa floaa randas a pequeas.
Ditaa entra-Boas e mjs inferiores.
Petes de dilereotes tamanhoa.
Jarras e janea para coaioha.
Reifriadeirat (ou gu nfas) de di (Tanatee gostos.
Quarlinbaa graodea e pequeas.
Copos da Babia e da larra.
Uuringuea flooa o eotre-finoa;
Fogareiroapara defumar.
Baldea de pao proprios para compras, cochoiraa
6 DSVlOS.
Eacovaa da lavar caaa a navios.
Vaaaouraa de cabello, piasaava palha para
Espanadoree de cabello para carro, mean ate.
lamnhos de diflerenles tamanhoa para snenioe
brincar. r
Cealmbaa para menina da escolas.
Balaioa sortidos.
Cestaa para compras aortidaa.
Cspacboa redondos para meio da sala.
Garrafaa de vidro braocaa a da corea para vi-
oho, heorea, agurdente ele.
E outras muias fazeodaa que seria diflkil
mecciooar as quaes se veoderio sem reaerva do
prego por o dono do eslibelecimento ter de ra-
tirar-se.
Leques.
Vendem-se lindoa lequea de madreperola. o
oc'abugroMB.-' D',0" *** de0W0' "
Aos senhores sacerdotes.
Acabam de chegar i loja da boa f, na roa do
Uueimadon. 22, meias pretaa de aeda moito se-
periores, propriaa para oa aeobores sacerdotes
porserem bem compriesae maito elsticas vesj-
dm se pelo barato prego de 6 o par, oa'men-
cionada loja da boa na roa do Qaeimado nu-
mero 21.
Novo paquete das novidades
23-Rua Direita-23
Neste novo estsbelecimento achar o publico om grande aorlimento (endent a molhidoi
tudo por preco mais bsraio do que em outra qualqoer parte :
Manteigs Inglesa especialmente eacolhida a 800 e 960 ra. a libra.
Dita (ranrea a melhor do mercado a 720 rs. a libra.
Queijos flsmengos chegados no ultimo vapor a 2800 e 3*.
Che hysoo e preto a 2# e 2J880 a libra.
Vinho engarrafado dos meihores autores a 19 e 1*200 a garrafa.
Vioho de pipa proprios para paito a 500 e 560 a garrafa.
M3roielada Imperial dos melhore autores a 900 rs. a libra.
Ameixai por!ueo>a o 4HO rs. s libra.
>*> multo Den 300 rs. a libra.
Latas com bolrchiohasde difieren tes qualidades a 1|400.
Comeras inglezas as meihores do mercado a 800 rs. o (rasco.
Mtssas, talharirp, macarrao e aletria a 440 rs. a libra.
Cervejs dss meihores marcas a 560 a garrafa
Genebra de hollanda superior a 500 rs. a botija.
Velas de carnauba a 440 rs. a libra.
Diissde espermaeetea 760 rs. a libra. *
Vinagre puro de Lisboa a 320rs. a gsrrafa.
Arroz a 100 e 120 rs. a libra.
Alpiste a 160 rs. a libra.
Toucioho de Lisboa a 960 rs. a libra.
Alm dos gneros annunciadosachara o publico om grande aorlimento de um todo tenden-
te a molhadoa mais barato do que em outra qaalquer parte.
240
500
200
120
400
400
320
80
160
200
800
Escravos futios.
ATTENCAO I
as cores.
A toja d'aguia branca acaba da reeeber esaas
procuradas micangas miudas qae servem para
puleeiras e ouiras eousss, a per isso avias as
pessoas qae ellas esperavam e as que novamente
quizerem comprar que manidos de 500 ris com-
prarlo um masso muito maior do qur os sntigos,
laso aomeote na loja d'aguia branca, roa do Quei-
mado n. 16.
Grvalas da moda.
Na loja da boa f, na ra do Queimado o. 22,
se encontrar um completo aorlimento de grava-
tas de aeda pretaa e de cores, que se vendem por
precos baratissimos, como sejam : eatreitinbas
pretas e de lindas cores a 19, ditas com pontea
largaa a 1)500, ditas pretas bordadas a 19600. di-
tas pretas para duas rollas a 2$ ; na mencionada
loja da boa f, na ra do Queimado n. 22.
Urna bar caca.
Veode-se una barcada do porte da 36 eaixas,
encalhsda no eataleiro do meslre carpinteiro Ja-
einlbo Eleibso, ao p da fortaleza das Cinco Pon-
tai, aoodo pode aer vista e examinada paloa pre-
teudentea ; vonde-ae a prazo oa a dinheiro ; a
tratar com Hanoel Alvaa Guerra, na rus do Tra-
picha n. 14.
Lencos toatteos mullo
ftnos.
Veodem-se la$os brancos muito finos, pelo
diminuto preco de 2#400 a duzia, grande pe-
chincha : na loja da boa f, na ra da Queimado
numero 12.
Canivetesfixos paraabrfr
latas.
Chegou nova remesa a deeses preciosos cai-
vetes flxos para abrir latas de ssrdinha, doce,
bolachinhas etc., etc. Agora pela (ests cmese
muito dessis cousas e por isso necesmio ter
um desses caivetes tujo importe l|, comprso-
do-se na ra do Queimado loja da agala branca
0.16, nica parle onde os ha.
Arado i americano le machina-
patalava roupa:emcaii dS.P. Joi
Ustoii 4 C ru* daiQa*vaU,n.4t/
Feijo de corda.
No srrnstem de fasi Ifmioi, rus *o Amorim
numero 5.
MS 11 ME IP^LHITDf
Sortimento completo de fazeadas e roupas feitas
IDES MD.
da ImperatrizN. AS
N. 48-Rua
Junto apadaria franceza.
Encontra-se neste estsbelecimento om completo sortimento de roupas de todss as qualida-
des eomo sejam paletots *e alpaca preta de 3} a lOf, ditos de merino prelo a 79, dito de panno
prelo saceos a 79, 89 e 129, ditos de casemira de 79, 99e 114, ditos de alpaca de cor a 39500. 49 e
79. ditoa de meia casemira de cOr a 49500 e pretos a 5f. ditos de brim pardo e da cores a 39500 e
49. ditos brancos de bramante a 89500 e 49, de brim traorjado a 49500, sobreeasaco de psooo prelo
a 169. 189 e 205, ditos com Rolla de velludo a 189. sortimento de calcas brancaa d* brim a 29500,
895OO a 49. ditaa de cor a I96OO. 29, t|600 e 39. oita* de ganara de cor a 2700, de meia caaesaira
a 39, 89500 e 69, ditas de casemira superior a 6S50O, 79500 e 99, dilaa pretas a 41500,79, 8 e 1119,
e de outras metas qualidades, sortimento de eullete de todas aa qualidadea, camisas francesas de
todsa aa quali lades e precos,seroulae da algodao, de bramante e de linho por precos admirareis.
Um sortimento de roupas para meninos de diversos tamanhoa, chapeos frsocesea para cabera de
todas as qualidades, hapos deaol de aeda admiravel pechiorha para liquidar a 59500 a 69, ditos
para senhors a 48 e 59, e outraa muitas qualidadea de fazeadas a roupaa faitsa que se auanca ven-
der por precos com modos.
-r Anda fngido o preto Joo, de naci, bem
fallante, eatalura e corpo regalares, representa
ter 35 annoa, com carne sobre os olhos, noca co-
nhecido por ter una calombos no rosto, a anda
sempre com nm lenc,o amarrado ooa qucixos, le-
ve u diversa roupa que ae nio aabe de que asar
tem de coalume embreagar-ae, a anda pelos ar-
rabales desta prsfa : roga-ae a captura delle, e
Ieva-lo ao sea senhor D. S. Campos na do Im-
perador o. 28,
Ainda continua a estar fngido o preto Ao-
lonio, de naci Cassenge, idsde 40 annoa poaco
mais oa menos, estatura regular, coa oa sigaaea
seguiotes : em urna das orelhas tem am taco ti-
rado, em um dos quaitoa tem as deleito
pelo qual pocha um pouco 00 andar pelo p, tem
debaixo do queixo esquerdo trea baracoa, sigoal
de denles tirados, tem na frente da bocea falla
de alguns denles: roga-ae a todsa aa autorida-
des policiaes e espitses de campo s sua captara
e Ieva-lo a ra do Imperador o. 73 terecina an-
dar que ser bem recompeossdo, aasim como a
qualquer peasoa particular, o proprieiario desde
j protesta < >>- r.culta contra qualquer peaaoa aua o teora
occuito, assim como ba noticia1 oe quja eativera
em Iguaraaa e que dahi ae retirara levando eos
sua compaohia uma preta forra dizendo tamben
ser forro.
Fugio no dia 1." do corrente a eecrava Boas,
prela, meia emsrellada, denles largos, doss veas
empoladas 00 pescoco, (alia mamo, dedoa daa
maos torios, vestido branco com dous palos nao
maogas, e um panoo preto velho: quem apegar
leve-a ra do Rangel o. 41, primeiro andar,
que ser gratificado.
Faaio do eogenho Covamboca sito na fre-
guezia d Agua Preta. em diaa do mezde bom do
auno prximo paasado, o escravo Victoiino, lasa
os signaos seguintes : crioulo, cor fula, estatu-
ra um pouco baixa, olhoa maito viroe, locados
de viola, bastante eembista; adverle-so qee o
dito escravo j fui possuido por nm senhor de
angenho do norte da provincia, a por lato sop-
poe-se andsr o mesmo para aquellas logares :
quem o apprehender, quelra conduzi-lo ao ases-
ten eogenho, ou no Kecie, caaa o. 28. na roa da
Matriz da Boa-Vala, que aer geuerosamenie re-
compensado.
Fugio no dia 10 do correte da barate alo
patacho Capuama, o escravo crioulo matiabei-
to de nom Antonio, idade 19 annoa pouco msis
ou menos, altura regular, rosto compride o coas
alguna sigoses de bexigaa, levou calca o camisa
azul : quem o pegar lee-o ao escriptorio de
Antonio Luiz de O iveirs Azevodo 4 C. roa da
Cruz o. 1, ou a bordo do di 10 paiacho que ser
generosamente recompenaado.
Fugio doengenbo Pedrea frguezia do Bar-
reros no dis 8 dedezembro de 1861,0 prelo Js-
nuario, crioulo, idade 25 a 30 anoos, alto o cor-
pulento, pouca bsrbs, ps spalheladoa, a tem
escrotos volumosos, bem ladino, o referido
prelo foi do Sr. Flix da Cunha Teiseira, mora-
dor ero Fora de Porlaa desta cidade, consta lar
muilos coohecimeoios em Maricota : roga as) a
aprebeosio do dito prelo podando ser entregue
ao Sr Jos Joaquim Gomes de Abren na roa do
Imperador o. 17 oa no eigeobo Pedrea, qua ot-
ra generosamente recompensado.
Meias pretas de seda.
Veode-se meias de seda pretas para senhors
fszenda moito superior pelo baratissimo preco
de I90 par : na ra do Queimado na bem co-
nhecida loja da boa fama n. 35
Liuhas de cores em nvelos.
Vende-se linhasde cores em nvelos fazenda
em pereilisaimo estado pelo baratissimo prego
de 19 a libra : na ra do Queimado loja de miu-
dezas da boa fama n. 35.
Papel de peso a 2$ a resma.
Vende-se na rus do Qaeimado toja de miade-
zas da boa fama n. 35
Bicos de linho barato.
Vende-ae bonitos bicos de linho de dous a
quatro dedos de largura fszenda muito auperior
pele baratissimo preco d* 240, 320, 400 e 480 rs
s vara, vende-se por tsl preco pela razio da ce-
laren) muito pone* cousa encaldidos, lambem se
veodem pecas de reodas lisaa perfeitamente boas
com 10 varaa cada peca a 720. 800 e 19. ditas
com salpicos maito bonilss o diversas larguras a
19200, 19600 a 29 a paca, ditas de aeda a 29 ca-
da ama pega: na ra do Queimado na boro ce
nbecida loja da miudazia da boa fams,. 35.
Agua de lavander e pomada
Vende-se superior sgua de lavander Inglesa
pelo baratissimo prego de 500 e 640 rs. cada fras
cq, pomada muitissimo dos em pos grandes a
500e a 19, vende-ae por Uo barato preco pela
Aviso.
Tontos para voltarete.
Vendem-se superiores lentos para voltarete
pele baratissimo preco de 49 cada caixa : na roa
do Queimado loja da miudezas da boa fama nu-
mero 85.
Leques de madreperola.
Vende-se mui lindos e flnissimos leques de
madreperola pelo barato prego de 169 raa am :
na rna do Queimado loja de miudezas da boa fa-
ma o. 35.
Excencia de ail para engom-
mado.
Vende-se cada om frssquinho pelo barato
preco de 500 rs. : na rus do Queimado loja de
miudezas da boa fama n. 85.
Taixas
para engenho.
Grande redueco nos precos
para acabar.
Braga, Son <& C. tem para vender na roa da
Moeda latas oe (orre toado do mui acreditado
fabricante Edwin llayr, a 100 ra. por Hora, as
roesmas que ae vendan a 180 ra.
grande quantldade que ha: na roa do Queimado j sar dlrrja-se a roa do Trapiche a.
na toja de miadezas da bos fams n. 95. 1 da fizendss.
quem prect-
44, aromen)
No dia 28 de julho de 1861 fugio do Guriehe-
linho, (regaezia da Guarabira, o escravo Joa-
qun), cabra, com 40 conos, cabillos trata*
quasi carapinbos, tem o rosto descarnado, poeea
barba, pannos pretos naa duas faena, asarte sita-
do, olhar velhaco. bocea regular, denles Inieiros,
limadoa o atoa, paacofe POS groes desde a
nuca at o tronco, hombros cnidos a pealo do
nao suateetarem os suspensorios, altara regalar,
ps e mios grandes, chaboqueiro, rheioa ate
veias, muito bem empernado, tem bona bracos,
falla pouco, cuuez, gosia de esotar *, eos
acostnmado a almocrevar e a tirar t,He> cacao
tangedor. Dous diss depoia de fgido apparecea
em Bezerros, d'oode veio para o Recita eos pro-
cura de cerlo individuo que la Oa velaacaof.
e presume-se que esi agregado a algas* eoara-
oho. O dono protesta usar de todo o rigor da le
contra quem o tiver occulto : queaa o P*a>sr po-
de Ieva-lo so aeu senhor Jos Justiao da Casta
Briio, no logar mencionado. 00 ao reverenda Dr.
padre Joaquim Graciano do Araujo na roa da
Santa Cruz n. 64, qua aer generoaamenU re-
compensado.
Attenco
Fogio do-n'schio de Psoellss, am saalata a
eslstora bs corpo groase, dente a Hi
olhoa pretr
regatare,
idade de
de algod'
da sem-
le log
pitie
ataja'
de-
BaVl
andes, cabellos castada*, p*
mulato se chema f agalle, a
tfv-
'qae recdlmpao
sim, pr ^sta-
18 annes, levos ceroala 1
ut. Pt visto nesta araos 1
r'sada.em om eosaaei vina* (
.oga-se a todas aa at*
campo a captara do alHavl
i ser entregue no ifftaloajatamao
ioteingoa Anidlo da* ivaj
aWWri Mm fssafsaaa.
se contra sjnom c t
aVli iTili rSr%l


DliRIO DE BRNAMBCO. TERQ FEIkU 28 DI JAHEIRO DE 116.
LitteraUra.
Retros&vjcto polilica 4o anno de 1861.
PAR exterior.
Americm.
Repblica oriental do Uruguay.
III
(Cootlouacio.)
Os emigrados pelo meooi os mais importantes
d'entre elle*, cotenderam que a lei da amolalia
tal qual lora totada os obrigava a entrar na pa-
tria por urna especie de torcas caadinas porque
nio quizaran pastar e repelliram o favor que se
lhes offerecia. Fcil de prever era o resultado.
Encorporaram-ae ao exereito de Buen os-Ay res,
occoparam nelle elevados poilos, lomsram parta
Sos seus triuoapbos, e boje enconiram-se arma-
os, rodeados do prestigio da victoria, e com
direito nao s a sympatbias que j lhes dedicara
oa vencedores argentino*, mas tambera mais
positiva gratidio. Nlo ha duvida que o govvroo
oriental se tem conservado neutro durante este
periodo na qoeelio irgentina, nlo dando Bue-
nos-Ayres motivo, pelo menos coohecldo. de au-
torisar ou favorecer qualquer aggressao contra
elle. Tambem emendemos que um dos objectos
da missao que da parte de Buenos Ayrea des-
empenhoo o Dr. D. Francisco Pico, foi assegurar
ao governo oriental que o daquelle ouiro estado
nio favoreca as ulteriores angresses que podes-
sera tentar os emigrados que se tinham encorpora -
do ao aeu exereito. Mas cima da vootade e das
combloacoes dos governos est a lgica ioeiora-
vel dos fsclos, dos interseos e das paixes hu-
manas.
Por intil temos recordar aqu os antecedentes
e as anlipalhias que, dos homens da situscio le-
galcente existe no Estado-Oriental, dividera os
do partido victorioso na Repblica Argentina. E'
para recetar que esses deplorsveis motivos de re-
ciproca repulso ainda mais se avivem cora a
preaeoca dos vencidos argentioos no territorio
oriental, eeu natural refugio, e pelas sympaihias
deque antigs amiaades bio de rodea-los.
Os emigrados orientaos astio armados, orgsoi-
sados, prximos da patria, e as operaces da
guerra ainda nio concluidas podem colloca-los,
e provavelmente victoriosos, sobre as mesmas
margeos do Uruguay. Se o atravessam, se desee
ou de outro modo deafraldam em territorio orien-
tal a sua bandeira sympathica a Buenos-Ayrea,
se levanta m o seu grito de guerra que ser o
mesmo que trumphou em Pavooe na Ganada de
Gomes, poder a commocAo elctrica que tudo
isto produziri na opiniao victoriosa em Buenos-
Ayres permittir ao goveroo porlenbo que impas-
sivel abandone a um triste deslino os que como
correligionarios aeabavam da combater com elle
e por elle ?
Confiamos na lealdade do general Uitre, na
ana moderacio, oa aua iotelligencia que o tari
ver que antea de pensar no Estado Oriental deve
tratar de assegurar a pacificacio e a orgaolsacio
da Repblica Argenliua. Mas, como ji deixa-
mos dito, a lgica doa factos e das pstxes toe-
xoravel, eos impulsos da opiniao costumam ser
tanto mais irresistiveis quanto mais se aparlam
dos calclos da fria razio do estadista.
Em lodo o casodeixa o anno de 1861 este pon-
to negro no boriaonte poltico da Repblica
Oriental. Posto que looge ainda, poderiamos
pensar que esse ponto ngro principia a exercer
malfica influencia sobre os espritus orieotaes,
se quizessemos aprecia-la pela cegueirade odios
fratricidas que parece aooderar-se da impreosa
mootevideana. Com effalto vemos os peridicos
das ultimas datas eotregues is mais odiosas e
funestas cecriminaces sobre o passado dos dous
partidos que tem eusanguentado e atormentado
a Repblica. Essa recriminacao, que a nada que
seja til podem levar, e que os amigos da paz e
do bem estar daquelle paiz nunca podero con-
demnar com a severidade que merecem, sio um
mi presagio.
Com ludo, entre o presagio e a reatidade, en-
tre a nuvem ao longe que indica o furaco e que
pode deixar de precede-lo e o mesmo furacio,
medea sernpre um espado que a prudencia hu-
mana deve aproveitar para precaver-se, resguar-
dar-so e evitar os ostrsgos possiveis. O verda-
dero preservativo, o mais efficaz para raios da
patria dos Orientaos o esquecimeoto do pas-
sado.
E' por senlirmos que a concordia a primeira
nocesaidarln da *ituac.io em que o anno de 1861
deixa a Repblica, foi que logo nomo dosUs li-
-u..i,^.milo lib.>uj Jo iinoid.r t,o Oiitll-
taes a importancia vital da paz, indicando-lhee
quenellea meamua reaidem os meios mais segu-
ros de conserva-la e consolida-la. Os outros re-
siden) as boas relaces ioternaciooaes, especial-
mente com os visiones, e desuppor que o afaa-
tameoto, o isolamento em que a Repblica pa-
rece ter querido pr-se oestes ltimos lempos,
nio resista mnito simples iotuigo dos incoo-
Tenientes de um systema cuja primeira coose-
quencia seria a nio compensada perda da torga
moral que devera resultar-lhe das relaces sin-
ceramente cordlaese cultivadas com esmero.
Eotre os negocios exteriores da Repblica no
anno fiodo, o mais importante aem duvida o das
reclamacoes aoglo-francezas por prejuizos das
passadas guerras.
Como sabido, sobre a Repblica se flzeram
pesar todos os prejuizos das guerras por que tem
passado, sem se alieodernem natareza nem i
origem das calamidades que as produziram. Por
exemplo, os prejuizos occasionados por urna
guerra que a Fran;a e a Inglaterra tinham de-
clarado, e em que a Repblica nao fuera mais
do que defender-se, pem-os aaaellas potencias
totalmente a cargo da Repblica agredida. E ella
resignoa-se.
Para averiguar a legitlmidadedos prejuizos que
se reclamaasem, e proceder i sua liquidacao, es-
tabeleceu-se umacommisaio mixta.
Houve natural desacord entre os respectivos
commissarios sobre a iegilimidade ou importancia
de algamas reclamacoes, e dissideocias funda-
mentaos quanto aos principios e jurisprudencia
que deviam seguir-se. Gestas dissideocias oaa-
ceraminterminaveis discusses, eolorpecimeotos
e demoras, at que por fim a Franca e a Ingla-
terra cortaran) todas as difficuldades, avahando as
reclamacoes, cujoexamee liquidadlo estsvam por
fazer, em cinco milhes de pesos, que venceriam
joros de 50 por ceoto at Anal pagamento.
Tioha a Repblica nomeado ministro para a-
quellas cortes, e um dos priucipaea objectos da
sua missao era tratar de semelhaote assumptu,
importaotissimo para ella, nao s pelo lado pe-
cuniario, mas tambem por causa dos principios e
da jurisprudencia queso eslabeleciam. A Franca
e a Inglaterra declararan) categoricameote que
aobre tal assumpto nem em Paria nem em Loo
ares escutariam o ministro nomeado, embora es-
tivessem pronaptas a receb -lo e ouvi-lo aobre os
outros da sua miaaio.
No extremo em que o collocavam, e para con-
cluir de ama vez, ofTereceu o governo oriental
3,000,000 pagareis no correr de trila anuos com
0
FOLHETIM
ORIGINAL DO DIARIO DE PERNAMBUCO.
mmmWmmm
XCVI
usuario.Um drama do mar.
XII
Volvamos agora por um momento nossa silen-
cio para Buenoa-Ayres, onde deiximoa Eduardo
encarcerado em urna immunda prtsio, phaola-
siando os mais bellos projectos sobre a perspec-
tiva lisoogetra que aprsenlaram seas negocios
amorosos, grabas essa serie de circumataocias
coohecidas dos leitores, que o sjudaram maravi-
lbosameote. \.
Elle abeueoava as perseguidos de S, que for-
caram Elvira a dar-lbe o coosepso desejado para
ama uniao que nanea se reatuaria, ae isto nao
fora ; nao se caosava de pensar com alegra em
ludo que Ibo auccedia alguna dia>* e nao se lhe
dava o iocommodo que eslava/*
de que em breve tea urna ce
clavel na posse de sua lioda pi,
lava com o ardor exaltado da p
sual, que possivel imagi>tx-ae.
Rosas 0 mandara ir sua
rogara com altivez; mas elle ..
to cora arrogsncia ; desesperando
nio ousava castigar sua audacia, e
u queaio difficuitoaa com o
***s ji ha Mam reclamado que
srdade, o que finalmente
juros de 3 por eento. Por ultimo a Franca e a
Inglaterra decidirn) o que baria de ser4,000.000
de pesos eom juros de 5 por cento, e ponto j
aasentado este.
Exigiram porm anda por cima que ao paga-
mento de capital e juros se obrigassem mu es-
cialmenle aeteraginadsa rendas. -
Responden o governo orleotal queisso nio po-
da faze-lo, por acbarem-ae taes reodss bypo-
thecadas ao Brasil por tratados anteriores e mui
confiedlos. Apeiar deasa (uudadissima declina-
toria, sustentaran) aa duaa grandes potencias a
aua exigencia, e ao cabo parece ler-se concorda-
do em esperar que o corpo legislativo oa aua
prozima reuniio faca ama satisfactoria designa-
gao das rendas que devem hypothecar-ae ao pa-
gamento dos ji dealgoados capital e juros.
Nio podemos deixar de ter serias du vidas sobre
a conveniencia das iraposiges, j de principios,
ji de obrigacoes pecuniarias, para as mesmas po-
tencias que aa faiem. Alem de nio haver nem
verdadeira forca moral, nem verdadeira influen-
cia benfica que nio leona por baae a jnslica e o
uso moderado e diacreto do poder material, pa-
rece-nos evidente que se, no caso de que trata-
mos, se abrase com o estabelecimento de cerloa
principios a porta a que a Repblica toase, como
de recelar, acabrunbada de reclamacoes de to-
dasaa parles, impondo-se-lhe, como esl em risco
de acontecer, obrigacoes superiores s suas for-
c.ss, o resaltado seguro seria desvia-la da boa
senda porque vai marchando, e que com ajuda
da pax e do lempo a levara a um eatado de per-
feita aolvabilidade. Arredada a Repblica dessa
via, opprimida por obrigacoes que nao poderia
satlafazer, e aaaim laucada outra vez no cahos fi-
nanceiro, effeilo algumas vezes, porm causa ou-
tras, doa Iranstoroos e desmandos polticos, quera
ganharia ? Os credoresque livessem creado essa
sttoacio e com ella a iosolvabilidade e a desor-
dena que diminuira a produccao e por coose-
guinle a renda ? Nio por cerlo, e ae boje es-
quecem que a aolvabilidade do devedor a me-
Ihor daa garaotias, hio de comprehend-lo bem
assim que a tiverem destruido. Difficultar a ai-
tuaco de um goveroo ede um paiz, qirando isto
pode produzir disturbios e embsrscos, querer
crear novas reclamacoes que ajuntar s antigs.
Parece-nos que estas questes nio teem sido
estudadas, pele menos pelos que offlcialmente as
teem tratado, debaixo deate aspecto, que todava
pralico e mui digno de oceupar a silencio dos
respetivos governos. E' tambem estudando essas
questes debaixo do aspecto geral e complexo
que indicamos, que podem descobrir-ie os meios
de conciliar os interesaos legtimos dos credores
com os altos ioteresses que de envolta com oa
seus proprios comprometteriam elles mesmo com
exigencias e imposicoes que se quebrariam dian-
te do eacolho da imposibilidade.
E' este o outro pooto negro que vemos no ho-
rizonte da Repblica ao cabir do anno de 1861.
Mas esse poderia desapparecer mediante opportu-
oos e habis esforcos que com evidente provei-
to de todos levaseem a um ajuste geral, equita-
tivo, fundado na razio e accommodado s torgas
do paiz, ajuste que possivel e que seria o ni-
co exequivel e duradouro.
O estsdo das relaces com o Brasil defioio-o o
mesmo presidente Repblica nos seguales ter-
mos da sua ultima meosigem :
As difficuldades a quedeu lugar o tratado de
permuta pode dizer-se que detappareceram.
a As relativaa ao tratado de modi/icares de
1857 foram satisfactoriamente solvida.
As questes pendente com o Brasil sao pou-
caa e de mui fcil resoluco, urna vez que baja,
como se deve esperar, boa f e lealdade em am-
bas as partes.
a Reduzem-sa convenci celebrada sobre
prejuizos oe guerra que foi rejeitada pela honra-
da cmara ie senadores no periodo anterior, e s
reciprocas reclamacoes sobre aggravos recebidos
por Brasileiros e Orieotaes em suas pessoas e pro-
prledades.
O Brasil, em presenta das estipulares do tra-
tado sobre emprestimo entre a Repblica e o Im-
perio, nio pode empenhar-se era austentar que
tlque indefinidamente aberto o expediente da di-
vida publica ; nem pode desconhecerque aa con-
cesses em que se cooveio por circumslancias es-
pecialismas, e que nao podem repetir-se com a
Franca e a Inglaterra, nio devem nem podem
servir de antecedentes para nulros casos.
Quaolo divida, ser regalada, nio o duvi-
deis, com a mesma boa f e lealdade com que le-
nho regulado a de muitoa credores do Estado, a
Esta deQnicio explicada pelos factos a se-
guinte :
Tratado de permuta, difinitivamente repellido.
Oesta forma desappareccram as difleuldades a que
dera lugar.
Tratado de commercio de 1857, annullado. E
desla forma foram "satisfaloriatnente resolvidat
as difficuldades que lhe erara relativas.
Conseuco aobre prejuizos de guerra, rejeitada
pela cmara doa aenadores ; e esta rejeicio sus-
tentada pelo presidente da Repblica, fundado em
que aa concesses feitas Franja e Inglaterra
nascem de circumttancioi especialissimat que
nao podem repetir se.
Reclamacoes sobre aggravos a pessoss e pro-
piedades, eotregues ao curso ordinario deates
asaumptos, que geralmenle uio conduz a resul-
tado algum satisfactorio.
m

!33PS:-------'
eceodo, cerlo
sacoioapre-
ueelleanhe-
i mais seo-
e o nter-
este se-
no, que
'eo de
cajos
i mu cajos
eileJ .^slo
de >-se a'aK
A respeilo da divida declarou o presidente es-
tar prompto a regular eata materia com boa f e
lealdade como tem feito com outros muitos cre-
dores.
Relativamente aoa dous primeiros objectos,
tratado de permuta e tratado de commercio de
1857, cuja aanullacio faci consummado, e ao
que parece a aprazimeoto das duas partes, limi-
tar-nos-hemos por esta occaaiio a appellar para
o lempo. Demooslrar esle, e talvez nio larde,
se oa dous goveroos cortando aa difficuldades as
evitaram e simplificaran), ou se a troco de pas-
sageiro allivio prepararam aos dous paizes senos
e delicados conflictos.
Dando conta da tei que crea um imposto sobre
a exponacflo do gado em p e de outros produc-
tos orieotaes pela frooteira de ierra para a pro-
vincia do Rio-Grande do Sul, j in Jicamos que
de neceaaidalelem esse imposto de ser progres-
sivamenle augmentado. Taolo por isso, como
porque o mesmo imposto e as paa Qscaea qua a
sua percepcio exige, vio arrasiar intereasea ar-
raigados o habitse ideas que se nao podem fa-
zer desapparecer lio sbita violeotameole como
ae aonullaram os tratados que os altendiam, pa-
rece-nos para reeeiar-ae que o espinto que des-
ganadamente reina entre os povos fronteiros dos
dous paizes chegue a suscitar graves e mltiplas
difficuldades e perigos.
O mal-estar que as frooleiras se experimenta,
o funestissimo antsgonismo que divide s popu-
lacesdeum e outro lado da lioha imaginaria
que as separa, vai augmeotar-ae aem remedio
pela Dova ordem de cousas. E se ambos os go-
veroos nao realizarem a esperanza qua ainda nos
resla de approximaram-se cordialmeote para evi-
Qaando Eduardo se apreseolou bordo da
Berenice. e foi informado de que o Pandour hava
partido, conduziodo Elvira ; qoando aoube que
esta havia inspirado urna grande paixio de Hor-
van, e que tambem a partllbava, e que, alera
diaso, o que era para elle a noticia maia grave
D. Pancho o D. Cooauelo lioham finalmente ac-
cedido ao casamento dos dous amantes, que se
devia realisar logo que ebegassem Moolevidu,
para partirem promptamenle para a Franca, pos-
suiu-se de um desespero hnrrvel; jurou viogar-
se da traicio de que fra victima ; dominado por
um ciume que o ralava iateosa e extraordinaria-
mente.
Todos osiostictos meas, toda a sua perversida-
de de carcter lhe acooselharam logo um plaoo,
que tratuu de por em execucio, plano medooho,
abomiaavel, capaz de germinar aomeoteoo cere-
bro de um malvado j habituado, e endurecido
oos maiores crimes.
Nio podendo, vista de seu contacto, despe-
dir-se o'aquelle porto do aervico da Berenice, Dio
heaitou em deaertar, e tomar urna paaaagom de
proa no paquete inglez, declaraodo ser hesps-
ohol, e ter oeceasidade de ir para Hontevidu,
onde o cbaraavam seus inleresses.
Sem dificuldade algumaconseguiu ser admit-
tido, e poucas horas depois de suspender o Pan-
dour, aahiu o Spy.
Contrariado da mesma aorte pelos ventos do
SE, nao pode este navio, chegar senao um da
depois o'aquelle, e eolio veriticou elle que ebe-
gra tarde; que oao podia msis impedir aquella
odioso casamento ; nem separar os dous dtiosos
amantes, que nessa bora goaavam oa maia deli-
ciosos inatentas.
Eduardo trazia um inferno do corac&o; toda a
vez que conaiderava na decepcio porque paasra,
entrara em um furor indescriptirsl; elle aoflria
tar esse augmento de mal-estar, primeira conie-
quenca da aouullagio do traiado do commercio,
pelos accordos que a mesma natureza das cousaa
est exigindo, ninguera dever aorprender-se dos
conflictos que por ventura rebentarem as froo-
leiras.
Se, deixando-se correr tudo 4 revelia, ae tra-
var urna luta armada entre populacio e popula-
cao o que faro oa goverooa ? Aiteoda-se em-
quanto lempo a lio grave assumpto que nao se
pede resolver nem com disserlaces sobre pontos
de direito, nem eom recrimiuaedes cujo uoico
resultado s po'de ser azedar e augmentar as di-
fficuldades. Trsla-se de interesaos consideraveis
que se tem deixadn arreigar e estender; trata-
se de hbitos e idaa j enraizadas tambera, e que
com boa razio se nao pode esperar poder supri-
mir de um golpe, sobretodo em populacoes como
as das nossas frooleiras do Sul.
Pelo que toca 4 convenci por prejuizos de
guerra, cuja rejeicio o governo da Repblica ans-
ente, permitlir-Dos-heraos ligeiras observacoes.
A base da convenci era egualdade entre Bra-
sileiros e subditos de oulraa oaes, e a applica-
ci dease prioctpio internacional ioconteatado
ineontestavel que declara que o que a reapeito de
prejuizos de guerra ae Uzease a favor dos subdi-
tos de outraa naces seria em egualdade de clr-
cumsianciaa extensivo aos Brasileiros. Nesse
principio de egualdade e sua applicacio se cifra-
va a convenci, e esse principio e sua applicagao
nem mais nem menos, foi o que se rejeitou.
O que para sustentsr um acto iosustentavel
allega o goveroo da Repblica em relacio a
Francezea e Inglezes dos parece conlraprodwcen-
tem. Se estes, como se afflma, eatavam em cir-
cunstancias especialissimas que nio podem repe-
tir-se, longe de ser isso razio para rejeitar a
convenci, era-o, e mui poderosa, para que ella
presurosamente fose approvada por parle da Re-
pblica, visto o Brasil obrigar-se a nlo exigirse-
nio o que em igualdade de circumataociaa a ou-
tros ae outorgasse e sendo certo, como asseverao
goveroo orieotal, que o ajuste com a Franca e a
Inglaterra ae funda em circunstancias especialis-
simas que nao podem repetir se, era a conven-
ci o documento maia explcito e decisivo de que
a Repblica podia armar-se para repellir toda a
preteocio do Brazil a tal reapeito.
Nesles termos, oa a rejeicio da convenci em
questio um aclo gratuitamente offenaivo, ou de
tacto nio exislem essas circunstancias especialis-
simas que servem de base ao ajuste anglo frao-
cez e oeste caso equivale a rejeicao a querer
collocar os Brazileiros fra do 'principio da
egualdade, com o queuenhuma naci pode resi-
gnar-ae, poia que aresigoacio seria um abando-
no do sea direito e a amesquinhacao da sua po-
sicao internaciooal.
Quanto sua divida com oBrazil, affirma o go-
verno oriental que a regular, de modo quedissu
se nio possa duvidar, com a mesma boa f e le-
aldade com que tem regulado a de outro muitos
credores do Eatado.
A' vista de tal declaracio, e das exigencias de
oulras potencias que podem prejudicar aa garan-
ta da divida brasileira, nio podemos deixar de
suppr que esle assumpto tere sido objecto da
mais constsote solicilude da parle doa doua go-
vernos; roas sentimos dzer que ao expirar o
auno de 1861 nio era conhecido o resultado,
nem mesmo se acredita va que o pudessem con-
seguir satisfatorio aquellea eatorcos cuja existen-
cia suppusamos.
Fioslmeoie, a respeilo das reciprocas reclama-
coes por crimes e aggravos contra pessoas e pro-
priedades, temos por seguro que estes aaaump-
tos, cuja natareza especial exige medidas apro
priadas e enrgicas, se lm conservado em um e
outro paiz no decurso de 1861 fatalmente amur-
rados marcha lenta, automtica, estril, con-
vertida em pragmtica e em habito para os negj-
cios do expediente ordinario das secretarias.
Emquaoto os governos neo arrancarem da po-
eira e dos babiloa das suas reparlices as recla-
macoes a que nos referimos, e tomando-as as
propriaa raios lhes nio consagraren) urna vootade
sinceramente decidida a por termo 4 impunidade
doa crimes, aligura-ee-nos sem remedio o mal, e
esle, crescendo no correr dos anuos perdidos para
a repressio, ha de irazer por Um as suas oatura-
es coosequencias.
Deixou pois o aono de 1861 sem soluco todas
as questes, lodos os negocios que interessam as
relaces da Repblica com o Imperio. Nem oa
aucceaaos argentioos, i,um* p.onsequeneiaa podem
...,., .vu.uiauje.ntc in-ia de peno
a paz do Eatado Oriental, e os iotereeses e a
tranquillidade daa fronleiras do Sul do Imperio,
lm sido bstanle efficazea psra produzrem urna
approxmacio cordial e viaivel entre os dous go-
veroos.
Pelo contrario tudo faz suppr que ae algum
acootecimento, que nao poderia claaajficar-se de
absolutamente imprevisto, reclamaaae dalles
urna acQo commum em serico de qualquer iu-
teresse essencial que a ambos importasse, seria,
quaodo menos, mu embarazosa a poaic&o doa
doua goverooa.
Sio esles os resultados do ensejo que no anno
de 1861 se fez de urna poltica de iodilTerenca e
tralamento absoluto.
IV
Repblica argentina:
Ao coosignar no noaso retrospecto de 1860 a
reconstituido da repblica aigeoliua, e as de-
monstracOes de fraternal reconciliado do general
Mitre com o presidente Der jui e general Urquiza,
escrevemos :
o Ficou, pois unida e constituida a repblica
argentina.
Este acootecimento lio recente que ainda
nio possivel formar um juizo sobre a solidez
da obra. Estamos uo momento do eoihusiasmo
dos que, satisfeitos, s vem em dilatado o hori-
soole nuvens cor de rosa Iluminadas pelos raios
fecundantes do sal; e da desolada desesperarlo
dos outros que, perdidas as espera ocas fortaleci-
das pelo triumpho de Cepeda, ferelos as suas
erencas ou ooa seus ioteresses, pensam que na-
quellas centelhas de lu brilha o raio de novas
tempestades queso avlsinham.
Estaa palavraa de duvida sobre a solidez de urna
obra cujo objecto oos era sinceramente sympa-
tbico, nasciam nao a da falta de f no bom soa-
so dos partidos do Rio da Prata, para fazer por
calculo, j que nio por virtude cvica, aboegacao
dos odios pessoaes que mais do que as douirinas
oa dividem, mas tambem de nao acredilarmos oa
possibilidade de manter-S6 a concordia que aca-
baa de osteotar-ae entre o governador de Bue-
nos-Ayres, o presidente Derqui e o general Ur-
quiza.
A concordia quer na aegao, quer oo passame-
lo desvaa tres entidades que Qcavam em scena no
theatroda poltica argentina, repreaenlando cada
urna inleresses cuja diveraldade era- aggravada
pelo eapirito de localidade e polas tradices e
paixes de partido, era um problema de soluco
dilicil.
Relativamente ao presidente Derqui e ao gene-
eolio tormentos que a liogua humana nao pode
sequr esbocar.
Mas oio ers homem que se curvasse 4 lei do
destino, ou que ae aubmeltesse aquello facto
consummado.
Nio aoubera previoir; porm lioba animo pa-
ra punir.
Seu odio exiga que acompanhasse aquellas
duas creaturas, que deviam er victimas de sua
vinganca ioexoravel.
Em harmooia coro seu projeclo diablico foi
propr-se bordo do brigue, onde oinguem o co-
nhecia, nem al o proprio commaodaote, para
conlraiar-ae como marlnheiro, e o inmediato
naoduvidou acceita-lo, como grumete, para subs-
tituir o moco das luzes que bavia morrido, e por
ler ralla de algumas pra^.i oa guamico.
Eatava, portelo, inalallado, como deaejava
nease navio; poderia lodos os das observar o
joveo par entregue ventura dess felicidade,
que elle bem depressa promeltia transformar em
urna tremenda desgraca.
O acaso continuava a servir aos seus intentos;
o em prego que lhe deram de mogo das luzes, e
de ajudanle do fiel do purSo, justamente o que
lhe convioha, nio a para vivar maia oceulto, e
oio poder ser recoohecido alguma vez por Elvi-
ra, como para a execucio do sea plan*.
Da mesma sorte que orna sympalhia'nstincii-
va allrahtra logo para Elvira a afTecao dos mari-
nheiro8,assim tambem Eduardo foi por elles ac-
colhido eom um seotimeoiode repulsio, que nio
era eomente devido i differenca da n'aeionali-
dade.
E' que a phyaionomia desse homem assis de-
notara a sea sima perversa.
Desda) o primeiro instante, pois, de sua entrada
4 bordo, Eduardo foi o alvo daa zombarias de
seus carneradas, que o appellidaram com o ainis-
ral Urqniza, j4 eolio nos psrecia inevitavel o an-
tagonismo que devia senara-los.
t Coohecemos, dizemos eolio, e ha annos que
pvoduemos nos reirospectos aoouaes deste Jornal
difnculdadea que neeesaariamente havia de pro-
duzir a separado entre o poder legal e o poder
atjaelot, ainda existente, e que s a duracio da
paz pode destruir. v
e Cerlo gru de antagonismo entre o presiden-
te constitucional da repblica e o general Urqui-
za tneoitavel. *
E acresceotavarnos :
Este antagonismo facilita e garante a prepon-
derancia de Bueoos-A-yres.
Sem poder extioguir o anlagooismo inevitavel
o governo de Bueoos-Ayres com o presidente
Derqui e o geoeral Urquiza, devia esta clrcuma-
tancia produzir urna tula eotre eales e a influen-
cia predominante que o general Mitre represen-
l*Ta; P/edoroiointe dizemos, porque a influen-
cia de Buenos-Ayres se apoia no elemento hiato-
rico e nos meios relativamente muito aventajados
que Ibes dio a aua civilisscio e a sua riquezs.
Como se um destino ioexoravel se aprazasse
era precipitar a nova tace em que devia entrar a
lula entre Buenos-Ayres e a antiga coofederacio,
sem deixar espaco entre a ultima notado hymno
da Uniio e o primeiro grito e primeiro aaogue das
novas discordias, veo a barbara hecatombe de
S. Juan inlerromper a paz e a uuiio jurada
apenaa.
No ultimo retrospecto narramos como o presi-
dente Derqui e os geoeraea Uurquiza e Mitre, reu-
nidos para tomaren) em coosideracio o estado da
provincia de S. Juan, reaolveram para evitar no-
vos disturbios, dirigir urna cartacollectiva ao go-
vernador Vrasoro,convidando-o a anouociar vo-
luntariamente ao goveroo daquella provincia ; e
referimoa tambera como, emquanto eate accordo
se tomava, era o governador Virasoro deposto e
morto por aquellas mesmos que poucos annos
antea tinham deposto e morto o governador Be-
oavides.
Aceitara Boeeoa-Ayres a solidariedade desta
violencia e deste saogue ?
Tal era a pergunta queentio nos faziamos.sem
suspeiiar sequr que, anda antes delta respondi-
da, urna carnificina horrivel, e que revelava a
existencia de um successor dos mais barbaros
caudilhos viria faze-la esquecer.
Conhecidas a deposito e morte do governa-
dor Virasoro e a inatallago de oovo governo de
que era cltefe o Dr Aberaatain, ctdadio illuatre,
ae grande rectidio de carcter e de costumes, e
sympalhico 4 causa de Buenos-Ayres, nomeou o
governo nacional urna commlssio encarregada de
investigar oa factos e tomar as medidas que oca-
so requeresse.
Para esta commissao foram escolhidos o coro-
nel Sea, goveroauor de S. Luiz e perlencente ao
auligo partido chamado federal, e os coronis Pau-
nero, Cooeza e La Fuente, trea correligionarios
do coronel Mitre.
Desde logo se suppoz que, embora o coronel
Saa eslivesse nio s em miooria, mas at mesmo
em uuidadeoa commissao, era elle, alm de che-
fe da forca armada em que os commissarios po-
dan) apoiar-se, o depositarlo do verdadeiro pen-
samenlo da poltica do Paran.
A divergencia que se previa estalou apenas, a
commissao se avizinhou do theatro dos succeesos,
querendo o coronel Saa vencer ferro e fogo to-
da a resistencia que S. Juanoppuzease a entregar
os autores da deposico de Virasoro, e entregar-
se a si mesmo sem coudicoes discrigao do go-
verno nacional que elle rpreaenlava.
Pela sua parte queriam os outros tres corooeis
que se tratasse com Aberastaio, e que tudo se
eotendesse e ajuitasse com ello por meios bran-
dos e conciliatorios.
No seio da commissao estavam, pois, represen-
tados os dous partidos que iracundos scabavam
de tornar a pr-se era p para volverema com-
bater em oome e por causa de seus velhos odios.
Uro, levando tudo ferro e fogo, quera exercer
urna vioganca e um escarment de partido. O
outro, aceitando o governo do Dr. Aberastain.
buscava, negociando com elle, consolidar o\trium-
pho que elle symbolisava.
Hayeria termo mJio entre estes extremos?
DifTlcil dize-lo, mss uestes luUs de partidos
quasi impossvel eocoolrar o justo tnaio.
Estabelecida a divergencia, oiaaolveu-se a com-
missio, relirando-se para Bueoos-Ayres oa coro-
oeis Paunero, Coneaa e La Fuente, e apreaen-
lando-se o coronel Saa, como nico representan-
te do governo nacinn.l, para exnutai forca de
armas os teas violentos designios. Neste intuito
requjtioa tambem o auxilio dasforcas da Rioja,
commaodadaa pelo general Penalosa.
Preparou-se o governador Aberastain para re-
eistir, sanlndo da cidade freota daa torcas que
pode reunir, e em cujas llleiras ae via a flor da
populacio deS. Juan.
No uia 11 de Janeiro, nos campos do Pocito,
desde eotao de sangrenta celebridade, se encon-
traras) oa dous exereito?.
Aberastain foi completamente vencido, e o
vencedores derramaran) sangue sem necessidade
e sem piedade, convertendo a victoria n'uma car
olearia.
No campo de batalha ficaram algunscentoa de
morios e muitos prisioneiros, eotre os quaes o
mesmo governador Aberaatain.
Este cruento desenlace encootrou o presidente
uerqui rodeado de um ministerio de coociliaco,
era que aa ideas de Bueoos-Ayres eram represen-
tadas por D. Norberlo Rieaira e D. Francisco Pi-
co, e a pessoa do geoeral Urquiza pelo general
rraocta, ministro da guerra.
Apenas chegaram as primeiras noticias da san-
guinosa jornada do Pocilo, maoifestou o presi-
dente Derqui a resoluto de ir em pessoa tomar
conia do sangue derramado, deixaodo at eotre-
ver que restabeleceria no governo o Dr. Aberas-
taio. Foi sem duvida depois disto se lhe haver
asaererado, que o governador Mitre dirigi a ae-
guinte proclamasao ao povo de Buenos-Ayres,
cuja todigoeco se fazia sentir por todos os mo-
Concidadios I o brbaro atteotado de que
toi victima a heroica e desbragada proviocia de
s. Juan nio pode aer indiffereote ao povo de Bue-
nos-Ayres, e impe-me o dever de dirigir-vos a
palavra, sp6zar de bnver-se o goveroo de ante
mi pronunciado aobre a poltica pacifica que a
este respailo cumpria seguir.
Como provincia federada, nao pode Buenos-
Ayres deixar de protestar com toda a forca do
seu direito contra aa violcea da cooatiluicao
comraetudes pela iolerveocao armada em S. Juan
e contra o violento derribamento daa suas auto-
ridades emanadas da soberana do povo; e seu
dever fazer ouvir a sua voz para aoathematisar o
assassinato do governador Aberastaio, victima
innocente das prerogalivas proviociaes.
Como povo, o argentino nio pode deixar de
condemnar com toda a energa de sua alma o
sangrento sacrificio de seus irmios.
Como homens, todos os babitaotes da pro-
vincia de Buenos-Ayres devem exeersr em alia
voz as atrocidades inauditas perpetradas em S.
tro oome de hibou, como para indicar a relacao
que entre elle e eata are de rapia exists, na
opiniao delles.
Surgi Analmente o da seguiote marcado pa-
ra a partida, e pode-se cooceber quanto custaria
a separagao de Elvira dos bracos de toda a aua fa-
milia.
Pareca que tinha aobrevodo 4 esta excelleote
e virtuosa gente urna grande e irreparavel dea-
graga, ao v-la choroaa, triste e abatida I
D. Consuelo, especialmente, oio dormir toda a
noile, e lioha os olhoa iojectados do aaogue das
lagrimas que profusamente derramra, e da loa-
ga vigilia que tizara.
Seus pensamentos todos eram sombros e car-
regados ; urna voz interna lhe dizia que nunca
mais lomara 4 ver eata filha querida, a maia
querida que tinha; porque tora o primeiro pe-
obor de aeu amor, e nella se comprszera em re-
ver as nobres e adora veis feiges de seu esposo,
esbogadas em um typo mais delicado e perfeilo.
Procurara cora eaforgo disfargar eitas impres-
soes ; refugiou-se aos ps de N. S. del Carmen,
a santa de seu nome, fez-lhe ss mais fervorosas
aupplicaa ; maa nunca pJe diasipar estas ainis-
tras appreheoaea ; o que ae lhe augurara como a
eoofirmagio de suas suspeilaa.
D. Pancho, este se persuadir que teria msis
torgas para resistir 4 este rudo golpe; na occa-
aiio propria, porm, recooheceu que aua energa
se agotara inteiramente com a luta anterior ;
eslava alquebrado, e rendido 4 dr delta separa-
do prematura.
Os dous velhos queriam mutuamente consolar-
se, mas aa lagrimaa Ihea embargavam aa vozea e
cahiam nos bracos um do outro cada vez mais
affltctos e penalizados.
Era um vacuo que se la fazer na vida dalles,
que jamis se poderla preenchar. As outras me-
Juan pela intervencio armdi, com toda a fero-
tidade de urna horda de selvsgens.
c O governo de Buenot-Ayre etl teguro de
que ene horror tero enrgicamente condem-
nado pelo governo nacional; nio duvida que
aeus autores serio castigados, e eoota que todos
os homens de coracio e de principios da repbli-
ca Argentina se levantario para amaldicoa-los e
apoiar de urna maneira efficaz a accio enrgica
que ao chele da naci toca por em pratica.
Se as segurangis que nos deram se oio res-
inaren), conta o governo de Bueoos-Ayres cora
a vosss dadicago e patriotismo para mauUrmos
a posicio que noa compete dentro dos lmites do
nosso direito, conservando entretanto a mageala-
de de um povo livre que repousa e confia nelle.
c Sauda-vos o voseo amigoBartolom Mitre.
De proposito regislamos esle documento por
provar as disposiges que oestes momentos o go-
veroo do Pirana manlteatava aq geoeral Mitre e
4 poimcn a que este ae via indecltnavelmeote tor-
eado, e que devia produzir um rorapimento posi-
tivo se nio chegasse a realizar-M o que se lhe
nava assegurado.
J4 por esse tempo eram conhecidos todos os
negros episodios de que fra theatro a infeliz ci-
oade de S. Juao, onde nem aa looffeosivas pro-
priedades, nem a honeslidade, e em algans ca-
sos nem mesmo a vida das matrooas e das don-
zellas foram respeitadas pela soldadesca licencio-
sa e infrene que sobre ella arrojara o coronel
Saa. Pouco depois recebeu-se a nolicia de que
o governador Aberaslsin tioha sido espiogardea-
do. Esla noticia, que logicameote devera robus-
tecer as resoluces em que o goveroo naciooil
protestara achar-se, mudou-as completamente
O ministro da guerra expedio ao coronel Saa
urna nota, cujo espirito se revela iateiro oeate
paragrapbo: a O goveroo nacional deseja signi-
ficar por intermedio de V. Exc. sos chefes, offi-
$'" e tropa que compoe o exereito 4s ordeos
de V. Exc, que sprecia devidamente o valor que
ostentaran) e a maneira digna por que cumpri-
ram o seu dever, dever triste, mas oecessario.
A viata deste aclo, de que oio tinham tido co-
nhecimento previo, renunciaran) os ministros
Riestra e Pico as suas pastas, fuodsndo-ae na sua
completa discordancia dos votos dirigidos ao
commisssrio Saa em assumpto de tio graves con-
secuencias como o de S. Juan.
Tio pasmosa mudanga naa disposiges mani-
fealadas pelo presidente Derqui foi explicada pe-
la resolucao, que o general Urquiza acabara de
lomar, de pr-se 4 frente do partido federal,
tnuraphante na lanc de Saa.
Parece ler sido sincero o deaejo do presidenta
Derqui de ir pessoal mente provincia de S. Juan ;
mas, fosse que os propsitos declarados contra-
riassem as ideas do geoeral Urquiza, receioao de
qua urna vez fra do Paran pudesse o presiden-
te arrojar-ae aoa bracos de Buenos-Ayres, ou tos
se que nio quizesse quebrar a forca moral do co-
ronel Saa, o cerlo que o geoeral Francia, mi-
nistro da guerra, fez sentir a Derqui a impossibi-
lidade em que se via de sahir da capital. Tal-
vez o presidente comprehendesse bem que a for-
ga material qae o cercava dependa de outra au-
toridade que oio da sua, e comprehendeodo-o,
se resignasse i situagao que nio podia evitar e
lbe aceitasse a respoosabilidade.
_ E' intil dizer que, approvando o governo na-
cional os attentados de S. Juao, e pondo-se 4
freole do partido federal, era absoluto o seu rora-
pimento com Bueoos-Ayres, e flcsva o destino
da repblica outra vez entregue aos azares e in-
fortunios de urna guerra civil.
Fagamos ao general Mitre a justiga de reeonhe-
cer que, ainda do extremo em que o collocava a
mudanga de poltica no Paran, fez prova de um
dos mais estimaveis dotes do estadiala, resistindo
4a exigencias do seu proprio partido e compro-
metiendo a sua popularidade, para evitar, nego-
ciando e appellando para a decisao do coogresso.
a guerra civil que era immnente e podia rebe-
tar a lodo o momento.
Com este desigoio dirigio-se ao goveroo nacio-
nal invocando a razio, e aos goveroos daa outrss
provincias confederadas diligenciando um pro-
nunciamenlo moral que dispensaase o extremo
recurso 4s armas. Mas, como dissemos, os par-
tidos tioham-se posto de p liante de S. Juan e
o aaogue ali derramado ioterpuzera-se eotre el-
los, de modo que impossvel era todo o accorJo
fraternal, pelo menos naquelle momelo.
A reiccio contra o pacto do 11 de novembro
era completa.
N j retrospecto do son de 1860 ji demos noli-
cia daa quesies relativaa a alguna senadorea e
deputados que, aegundo a inlelitgencia que Bue-
oos-Ayres dava a um dos artigos da conalituigao
reformada, deviam deixar aa suas cadeiras, edas
ordeos que de conformidade com essa iolelligen-
cia expedir o presidente da repblica.
Tambem dissemos eolio que as provincias s
quaea se ordenava a eleico de novos represen-
tantes recusaram faz-la, sustentando os que ti-
nham no coogresso. Persistir.m ellas na aua re-
solucao, e oa senadores e deputadoa a quera Bue-
oos-Ayres negava esso csracter vieram ao Para-
n lomar assenlo no coogresso.
No estado em que se achavam os nimos era
de aobra este tpico de divergencia para produzir
grave conflicto. Mas, como se se temesse que
isso nio bastasse, resoWeu-se fechar as portas do
coogresso aos deputadoa de Bueoos-Ayres.
Tinha este estado eleilo os seus deputados
conforme a sua lei deeleicoes, e fslta de outro
foi este o pretexto escolhido para fundamentar de
algum modo a exclusio j decidida.
A* 4 de abril reuniram-se em sessio prepara-
toria algans deputados que nio faziam numero
legal para deliberar. Eram viote e duas as pes-
soas reunidas com esse titulo, algumas das quaes
nem o carcter tinham de deputados, mas que,
apezar disso, se julgavam autoridades para exer-
cer era sessio preparatoria verdadeiros actos le-
gislativos. A esta reuniio assistia como deputa-
do um ez-ministro que deixra de ser represen-
tante por iocompatibilidade constituciooal; assis-
tiara aub-secretarioa de estado quo, para poderem
cootinuar ooexercicio de funeges legislativas,
lioham solicitado urna ceuga que lhes fra ne-
gada ; assistia, nomeado conjuntamente por urna
proviocia e pelo territorio federaliaado, um de-
putado que sustentava a saa dupla representa-
gao, fazendo coocorrer o aupplente ; aasistiam fi-
nalmente os que, em virtude da indiligencia da-
da por Buenos-Ayres e pelo mesmo presidente da
repblica a um artigo da constituigao reformada,
tinham perdido a aua representago. A deputa-
gao de Buenoa-Ayres, apezar de reclaraa-lo, nao
foi admittida s sesses preparatorias.
Os horneas reunidos em sesses preparatorias,
e que ainda sendo todos incontestavelmente de-
putados, nio eatavam nem em occasiio nem era
numero legal para decidir urna queslao que im-
portaba a inlerpretragao da lei coostiluciooal,
ezpediram a 7 de abril o decreto seguiote :
c Art. 1. Ficam deaapprovadas as eleigoes fei-
tas a 6 de Janeiro do aono correte pela proviocia
de Buenos-Ayres para deputadoa ao coogresso
nacional.
-*
ninas, as duas irmias, e os rapazes, por sus par-
te, promettiam mitigar-Ibes as saudades com o
excesso de seuscuidsdos. ede seu smor ; porm
Elvira era a alma daquella casa, o encanto da-
quella familia, o aojo do lar domestico, a alegra
dos prazeres, a coosolagio dos soffrimeotos.
Niogoem poderia mais desempernar salisfato-
riamenle a mliaio que ella exercia, apoderarse
da influencia que ella possnia, aubatitui-la, em-
fim. oa afTeigo gersl.
Eu demoro-me de proposito na descripcio deste
pooto; porque uuoca vi familia mais unida, nem
respeitavel ; ella apresentava um quadro encan-
tador, um destes quadros divinos do pincel de
Rerabreudt.
Aquelles, pois, nio ersm, como mullos de nossa
sociedade egosta, tio aova alada, mas j lio cor-
rompida, que coDsideram suas filbas como pesa-
dos fardos, d que tem pressa de se ver livres.
Elles queriam casar as suas, verdade; por-
que oio podlam sernpre ampara-laa e protege-
las; mss nio ae ioquletavam em faze-lo lio r-
pidamente.
Por mala doloross, porm, que fosse eata sepa-
racio, era misler effecUa-la. De Morvan conse-
gua arrancar aua eapoaa dos bracos dos seus. e le-
va-la para bordo.
Ali jl achou cada homem e cada conta em seu
lugar, primeira condolencia de um navio de
guerra, como dizia Nelsoo.
Icadoa oa ltimos esealeres, posto o (erro 4 pi-
que, e cagado o panno tez-se signal pedindo II-
ceoca ao almirante para seguir a commissao or-
denada, e com a afirmativa deate, acabou-ae de
auspeoder, e orienlou-ae lodo o panno coa valien-
temente, seguindo o brigue com amura por B.B.,
na direcelo da Pona de Carretas.
O almirante francs, para dar anda urna prova
de sua estima de Morvao, faz-lhe elgnafelo-
Art. 9. Communqua-se ae poder esecadiv*
da nacao para que, coa aaior hrcwMatfa) sjeassa-
vel, mande proceder a novas eleicoes aa tiilcaia
proviocia, conforme o art. 37 da cewsrtharict na-
cional e a lei eleiloral da 4 de julbo de 185
Os deputados de Buenoa-Ayres, rr~
communicacio deale decreto, dirigir i
testo ao presidente da repblica e retiraraa
para a sua proviocia. Oulro taolo Ozerai
senadorea, que, convidados pelo senado
parem os seos asseotoa. declararais que
fanam senao depois de decidida a queslie
deputadoa da ni proviocia.
Estes deputados dirgiram maia tirde aoe i
eleltorea uro aoaoifesto, em que, depon o ex-
posto o occorndono congresso, tazem as trans
simas revelacdee que vio lr-se :
c Nada dislo seria de granle eoosequencis para
a repblica, se fosse permillido traduzir coas*
simples intriga para o partido liberal o qoo aca-
ba de ter lugar na cidade do Paraoi e a coedacu
daquelles deputados como simples obra dan sass
animosidades de partido.
c Maa oie eata a verdade.
A verdade desgragadamenle maia seria de
consequencias msis funestas.
A verdade, que j nio pode oeeultar-M seaa
delicio de traicio i patria, eoganaado o povo so-
bre sua sorte, que o presidente da repblica so
acha opprimido pela coerci do general Urqaize
cuja influencia pessosl propende para esteoder-s
tambem aobre o coogresso da nagio.
Oa deputados por Buenos-Ayres praoeoeia-
ram coro dr que o poder executivo nacional ao
pode obrar na eaphera dsa suaa altribuic&ea. enl-
locado como ae acha deotro de um circulo de Ier-
ro tracado pela mi do governador de Eoire-Rioo
era cuja provincia est collocado o presidente ti,
repubhca como um preso poltico oa sua propria
< Na preseoca dos homeos e das cousaa forma-
ran) oa deputados de Bueoos-Ayres eata trstieei-
ma cooviccio bem como a de que o geoeral Ur-
quiza oao a ezpressio da repblica nem aa sa-
mo da aua propria provincia, no funesto cauti
que leva.
a J nio est na sua mi a bandeira de ten
gnjade nacional, e os povos lea-so cooveneido
de que aquelie geoeral te apoderou delU basta-
lo, nio s umao que lodos elmejavam, maa mb
missao de Bueaos-Ayres. manteado estopis as*
a ameac. perpetua do eo governo pessoal. a
cT am ,he,,ro "'?,Mo *" *'"
A bandeira da integriJade oacial a eme le-
vantan) noje todos os povos livres da repoMica
com Buenoa-Ayres i aua trente, desejosos de dar
a cooitiluicio e is autoridades delta eatesadea a
garanta e vigor necessarioa para que esaa iate-
gndadeseja um feito fecundo em prsperos re-
sultados. r
a A deputacao de Buenos Ayres cooeluir ea-
te maoiresto declarando a aeus eleiloree oatra
verdade nao menos importante do que as can-
sagradas.
a Os deputados de Bueoos-Ayres, como os dig-
nos deputadoa liberaos de ou tras provincias, ad-
quiriram a cooviccio.de que mui difcil conciliar
a liberdade do coogresso nacional cosa a sua
permanencia na cidade do Paraai.
< A primeira condigao para a existencia da aaa
corpo deliberante consiste na llberdade da pala-
vra, que s pode existir emquanto taolo a eorpo-
ragao como cada um dos seus aesaatoe estivo-
rem garantidos da coaegao o do ioaulto ;] e a ci-
dade do Paraoi est recheiada de lodos os ele-
mentos damninhos dos partidoa reaccionarios
que, fgidos de ceiros livres da repblica o pos-
tos noje ao servleo do general Urquiza, asaios co-
mo coasrtluem a phalsnge oppressora daquella
honrada populacio, aio tambem a ameaea cons-
tante e brutal de toda a voz livre que ae levanta
no coogresso.
Este manifest est assignado por los Mar-
mol, Emilio Mitre. Emilio Castro, Manee! A.
Mooies da Oca, Rufino de Elizalde, Adolpbo Al-
aina Manoel Quiotaoa, Francisco de Klizaldo, Jo-
s Mana Cintilo. Antonio Cruz Obligado, Jas
Mana Guitierrez.
Aclarou-ae eolio a situecao completamente.
Bueuos-Ayres tinha sentido que a aoa iocor-
poragao pacifica s oulraa provincias peis la-
va-la a eatabelecer a aua preponderancia sobro
ellas. Quera poia a pss. O general Urqoiza a
o antigo partido federal tiobam adqaerido a mes-
ma connegao, e viaro j que a incorporaco o
Buenos-Ayres nio vencida, a iocorparacio do
Bueoos-Ayres com todas as seas ideas ateos os
seus homens, lhes observara o poder e a ia-
tluencia. Ers por isso que se realisava o pbeao-
meno dos mesmos homeos que havia peuco oais
de do) anno decretavam a guerra o chegevem a
solicitar alliangas eslrangeiraa para incorporares
Buenos Ayres s culrss provincias argentinas,
.ao relrocedorem ante nova guerra que ira des-
Tazer-lhe a sua propria obra, expulsando Bueaos-
Ayres do gremio nacional.
Chegadas as cousaa a eate ponto nao podia
evitarse a guerra ede facto Dioso ovitoa.
louhl oos parece historiar os preparativos aaa
para ella flzeram as duaa partee o aa medidas do
guerra fiscal com que romperam aa saas hostili-
dades. Smente consignaremos o facto do. Irada
a provincia e o goveroo de Cordova aai'feslada
sympaihias pela causa de Bueoos-Ayres, baver-
se dirigido a ella em peaaoa o presidente Dars..
e apoiado pelas torgas do coronel Saa o pelea
contingentes de oulras provincias, denosto ase*
tondades cordovezas, subslituindo-as por hoaaeoa
da sua contienes, e resnindo all um corpo do
exereito viodo com elle iocorporar-se s torgas da
geoersl Urquiza. que J eslava na proviocia So
banta F, e a quem linba aido encarregada a su-
prema direccao da guerra.
Ao sshir a" campo o general Mitre, resolvea
governo de Buenos-Ayres manifestar aos estadas
visiphos. por meio do ageotes confldenciaes oa
motivos da guerra que ae preparava easina-
goes de sua poltica. Neste intuito foram envin-
os D. Jos Marmol ao Rio de Janeiro, D. Fran-
cisco Pico a Montevideo e D. I.oureozo Torres aa
laraguay. Desconfia-ae que a missao da Sr
Torres tinha tambem por objecto reclamar ai
efTecii-idade da garants que o governo do Para-
guay prestara ao pacto de 11 de aoveaera.
Por esta mesma oecasWo a presentaras)-se
como mediadores os ministros da Inglaterra
Franca e Per. ^ m
Coraprida e laboriosa foi a negociacie aaaa
desgragadamenle oenhum remita*o alil proda-
zio. Dos respectivos protocolos ae pode dedazir
que de neohum dos lados havia desojo ss acaro
de conciliagao naquelle momento.
As bases apreaenladaa como ultimtum paan
governo oaciooal sio seguinles :
< Arl. f A dianlar-ae-ha a incorpofacao dos so-
nadores e deputados ds provincia de Basaos Ay-
res ao coogresso nacional ioatallado conforme aa
rls.... da cousttuicao.
(Continuar-H-km.)
giando-o pelas manobras que havia execatado
despodinlo-sedelleedeaus goarnico coa'aa
mais nobres palavraa por meio do teleaxsoko asi
bandeiras. w ^m
De Morvan, cheio de reconheciraenlo agrade-
ceu, velho ruarioheiro aquella distiaceso loa
publica e tio epreciavel, que alie trsduzisatad
sua gente, e quando paasou alm da fraaaU doov-
Ihe urna salva de quioze Uros 4 que a tracaa-
chefe corrasponJeu immediatsmeou coa sota.
Tu Jo pareca sorrir ao nosso sympalbiea nardo.
Parta para a FranCa aflm de rever aos ato, sa-
berlo de gloria e ecompaohado pela aalheri
amavel que conhecia, que ere agora aaa es
dedicada. Seus projectos, portalo, caaianai
para o desenlace que quera. Esla viagea son
a nica que feria para viver Analmente descan-
sado em sua querida Bretanha, gozando as deli-
cias da vida socegada da familia.
QuSo longe eslava elle da suseeitar, Elvira,
que o seu maior inimigo aa acoapaahava wm*
sua sombra, e que ali, oode devisa prsaoastr,
que ninguem deveraa temer, havis aa odto
implacivel que os vigiara sea ceesar para Irsaa
tornar lo loa os seus intentos I Ah I aa eilea pa-
deasem adevinhsr oaquells aoasalo aaa a ne-
me m admiiti lo pelo iaaodisto m
quem mais tinham 4 temer aa aaado I
Feliz ou infelizmente os moraos ala I
dom de presciencia ; a dostiss 4a
Elvira e de sou esposa se doria caaprr.
E.A.
[Continuar-M-ha.)
PERN. TYP.DBM P, DE FAaUA x Hl aW. Wefr
MT LDOL
Jl FGVFi
I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EEZFYXKI8_MX1JSA INGEST_TIME 2013-05-01T00:00:28Z PACKAGE AA00011611_09926
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES