Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09917


This item is only available as the following downloads:


Full Text


AIIO XXXVIII
. HIERO 13.
Ptr tres aezes adiantados 5$000
Par tres aeres veacidos 6$00
SEXTA FEIBA 17 BE JAHEIHO DE IS62.
Paraana adiaitada 19|00O
Porte fraara pira tnkacriiter

ENCAttREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORE
Parahyba, o 8r. Amonio Alexandrtno de iji-
m; Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ;
Araeaty, o Sr. A. de Lemos Braga; Cear o Sr.
J. Jos de Olireira; Miraohao, o Sr. Joaqulm
Marques Rodrigues; Par, Justino J. Ramos;
Amazonas, o Sr. Jerooymo da Costa.
DIARIO DE PERNAMDICO.
'I------------- "
PARTIDAS DOS COR REOS.
Alr_j .. n.< .. BOUBXVO \r\ve l\r\ IID7 rvD i.vrmn
PARTIDAS DOS COR REOS.
Olioda todos os dias as 9,' horas do da.
Iguarass, Goianna, e Parahyba as segundas
e sexlas-feirs.
S. Anto, Bexerros, Bonito, Caruar, Altinho
e Garanhuoa oas tercas-feiras.
Pao d'Alho, Nazarelh. Limoeiro, Brejo, Pes-
queira, Iogazeira, Flores, Villa-Bella, Boa-Vista,
Ouricurye Ex oasquaitas-feiras.
Cabo, Serinhiem, Rio Formoso. Una, Barreiros
Agua Preta, Pimentelras e Nstsl quintas feiras.
(Todos os eorreios partem as 10 horaa da manhaa
EPHEMERIDES DO MEZ DE JANEIRO.
7 Quarto crescente as 8 horas o 41 mnelo*
manhaa.
15 La cheia as II horas e 14 mnalos ds man.
1S Quarto mioguante aa 5 horas e 56 minutos
da tarde.
29 La ora as 5 horas e 7 niatos da tarde;
PREAMAR DE HOJE.
Primeiro ss S horas e 6 minutos da manhaa.
Segundo as 6 horas e 30 mnalos da tarde.
DIAS DA SEMANA.
13 Segunda. S. Hilario b. ; S. Emilio m.
14 Terga. S. Flix p. m. ; s. Meciina t.
15 Quarta. S. Amaro ab.; S. Secundioa m.
16 Quinta. Ss. Berardo, Acursio e Otho mm.
17 Sexta. S. Anto ab.; Si. Eleusypo mm.
18 Sabbsdo. A cadeira de S. Pedro em Roma.
19 Domingo. O SS. Nome de Jess; S. Canuto.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintes.
Relajo: tercas e sabbsdos s 10 horas.
Fazeoda : quintas s 10 borss.
Juizo do commercio : segundas ao meio dia.
Dito de orphaoa: tercas e sexlaa s 10 horas.
Pnmeira vara do civel: tercas o aextas ao meio
da.
Segunda vara do civel
hora da tarde.
querase sabbados l
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SUL
Alagoas, o Sr. Ciaudino FaUao Dias : Bah4
o Sr. Joa Martin. Aire.; Rio de Janeiro, o 9t.
Joio Persira Martin. OT
EM PERNAMBUCO.
Os proprietarios do pumo Manoel f iguefra de
Faria & Filho, na aua lirraria praca da Indepen-
dencia ns. 0 8.
PARTE OFFICIAL
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente do da 14 de Janeiro de
I8
Oflicio ao Exm. presidente do Cear.Declaro
I V. Exc. em resposta ao su oflicio de 10 do br-
rente sob o. 1, que a despeza (eita com o Alele e
cabo de linho remetlido para essa provincia (oi
paga pls tbesouraria provincial.
Dito ao commandante dfA armas. Transmu-
to i V. Exc. as guias dos voluntarios Emigdio
Marcolioo de Mello e Jos Martina dos Pasos,
os quaes assentaram praca na provincia do Rio'
Grande do Nort, com destino ao 9* batalhiio de
infiotaria estacionado oests, conforme cumrou-
nicou-me o respectivo Exm. presidente era offl-
cio de 8 do corrente.Commuoicoa-se ao presi-
dente do Rio Grande do Norte.
Dito ao mesmo.Envi A V. Ere. a inclusa re-
Iar;ao que me foi remedida pelo Exm presidenta
da Parahiba, das alteracoes que leve no mez de
que vai ealodar na escola "central.Commaoi-
cou-se ao commandante das armas.
Portarla.O presidente da provincia annuindo
ao que foliciiou o cnsul de Portugal convida ao
Illm. Sr. inspector da thesouraria provincial para
com os empreados desss reparlicao assistirem
ao oTicio (uoebre que os cidsdios portuguezes
residentes nesta capital teem de mandar celebrar
no dia 17 do crrente, na igreja do Espinto San-
to, pelo eterno descanso de S. M. F. o Sr. D.
Pedro V.Iguaes communicaces se flzeram aos
odiciaes da armada, exercito, guarda nacional,
desembargadores, presidente da releco, chele
de polica, commandante do corpo de policia,
director do arsenal de guerra, juizes municipaea,
juizes de direito e so Eira, bispo diocessoo.
Expediente do secretario [do
Ko vern.
OTicio so commandante superior interino da
guarda nacional do municipio do Recife.S.
Exc. o Sr. presidenta da provincia manda de-
clarar V. S. que aceita e agradece o geoeroao
olTerecimeoto que faz o capilao do batalho de
reserva da guarda nacional desle municipio Jos
dezembro ultimo oo corpo de guaroieao aquella Mara Freir Gameiro, no offlcio que acompa
rtrnvfniMa nnrla sqpp* Irliti. ,, QO ..4.a. *- ano s_ *- ...
provincia onde servia addilo. o 2o cadete do 10
batalho de infamara Epaminondas Ascencio de
Avila.Communicou-se ao presidente daj pro-
vincia.
Dito ao meamo.Sirva-se V. Exc. de provi-
denciar para que os odiciaes superiores dofeter-
cito que flzeram parte da junta que julgbu em
aeguoda e ultima instancia o procesao do soldado
do corpo de policia Rsymuodo Jos Ferreira
comparegam neste palacio, s 11 horas do dia 20
do corrente, aflm de reconaiderar-se a eciso
proferida no mesmo procesao em vista do que pon-
dera o commandante daqoelle corpo no oflicio n.
19 de 13 deate mez, junto por copia Communi-
cou se ao juiz de direito da primeira vara.
Dito ao commandante superior de Garantios.
Verificando ae da ioformsgo junta por copia
ministrada pelo delegado do policia desse termo
e documentos que a acompanhou efoi transmi-
tida pelo chele de policia com o ofDcio de 8 do
correte, sob n. 30, que o individuo preso a que
aliude o oflicio de V. S. n. 76 de 6 de novembro
do auno prximo passsdo, oso era guarda nacio-
nal e aim perlencia ao numero daqucllesque por
Iei devem preslar-se aoservico da polica, foi re-
gular a sua prisao pelo facto de desobediencia por
elle praticado, conviudo que para evitar a es cou-
flictos se remetta ao delegado urna relac.au dos
guardas nacionaea qualificados.
Dito ao chefe de polica.Tendo aceitado o
generoso offerecimento que faz o Dr. Jqio Bap-
tista Casanova para prestar gratuitamente aos in-
digentes deste distrigto que forem accommettidos
do cholera-morbus, caso se transmuta ella a esta
capital, nao s os seus cuidados mdicos, mas
tambem os medicamentos homeopathiaos de que
elles necessitarem. assira o coramuoiop V. S.
para seu conhecimenlo e aflm deque o faga cons-
tar as respectivas autoridades.
Dito ao ioapector da thesouraria de fazeoda.
Tendo em vista a informacao ministradla por V. S.
em data de honlem e sob n. 23. oiautoriso a
mandar pagar a quantia de 1:052*100 em que se-
gundo a conta em duplicata que devolvo coberla
com o oflicio do preiideote do conaelho adminis-
trativo do arsenal de guerra de 20 de dezembro
ultimo aob n. 93 importam os di (fe rentes objectos
vendidos por Santos Coelho ao mesmo conselho,
com destino ao hospital militar.Communicou-
se ao conselho administrativo.
Dito ao mesmo.A' vists da suainprmscao de
10 do corrente sob o. 17, approvei os contratos
gue eflectuou o conselho de compras navaes para
differeates fornecimentr-s como consta dos dous
17 e 23 de
uhou o de V. S. de 13 do corrente para pres-
tar gratuitamente os medicamentos de que ne-
cessitarem os guardaa pobrea do 3 batalho que
forem accommettidos do cholera-morbus, caso
se transmuta ella esta capital.
Dito ao Dr. Loareoco Francisco de Almeida
Citaoho.S. Exc. o Sr. presidente da proviocia
manda aecusar receido o oflicio de 29 de de-
zembro ult'mo, em que V. S. participou que,
por harer recebido commuoicaco de sua remo-
cao para o Brejo, deixira no dia 22 do mesmo
mez o ejercicio da vara de direito dessa co-
marca.Communicou se 4 thesouraria de fa-
zenda.
Dito ao Sr. Joaquira Ignacio Ribeiro Junioj.
O Exm. Sr. presidente ds proviocia manda de-
clarar 4 V. S. em resposta ao seu oflicio de bo-
je datado, que aceita e agradece o generoso offe-
recimento que V. S faz para prestar gratuita-
mente todos os medicameotos precisos s pes-
soas pobres do primeiro districto da freguezia
da lija-Vista que forem accommeltidas da epide-
mia reinante, caso se transmilla ella a esta ca-
pital.
Despachos do dia 14 de Janeiro.
Rtquerimentot.
Eulalia Francisca Ferreira. Como requer
sendo esta apresenlado ao director do colle-
gio.
Joio Francisco Nunes*Nao ha que deferir
avista das informales
Joo Carlos Augusto da Silva.Remetlido a
cmara municipal desta cidade para alteoder ao
supplicante como for justo.
Vicente Thomaz Pires de Figueiredo Ornar
go.Ioforme o Sr. juiz de paz do segundo dis-
tricto da freguezia de S. Fre Pedro Goocalves do
Recife.
dos seus homens de estado, a menos que nio re-
geite os juizos ds sua propria jurisprudencia, nao
pode levantar um conflicto comuosco 4 proposito
deste grande acto (applauaos prolongados). Po
demos referir-nos aos seus anoaes, aos seus ac-
tos, s declamaces dos seus homens de estado,
e principalmente aos juramentos dados pelos
seus juizes os mais distioctos, para justificar a
conducta que aquello bravo official julgoa conve-
niente ler (applauaos).
c O seoso commum eosina-nos, sera que te-
ohamos neceasidade de consultar os Irnos de di-
reito, que nao necessario que se transporlem
armas, plvora, ou muuices, para que ae faga
contrabando de guerra.
c O* homens que sahem d'entre nos com o flm
de ir formar urna confederarlo, ou de destruir o
nosso governo, eslo por este facto em estado bel-
ligeraute, e o navio que os transporta est igual-
mente envolvido em urna operario de beligeran-
tes como se tivesse 4 bordo armas ou muuices
de guerra.
O sophisma deve cahir em face da razio, e
ninguem pode emittir duvida em samelhante
questao.
Pela minha parte, anda que nada aeja mais
deploravel para nos do que urna lula com a In-
glaterra durante este grande conflicto em que
estamos envolvido, leoho a confianca se essa lu-
la rebentar, que Ihe poderemos fazer face como
homens ( estroodosos applauaos); que estamos
promptos nao s como cidados aos Estados-Uni-
dos, a adoptar como nossa a conducta do nosso
bravo official, mas que estamos promptos tam-
bem adefeod-la pelos meios da diplomacia, e
se fr necessario com o auxilio de canhio ( rui-
dosos applauaos). as circunstancias actuaea de-
secarnos a paz com todas as naces; desejaroos
principalmente a paz com a Inglaterra ; mas te-
oho toda a confianca em que no compraremos s
paz 4 custa da nossa degradaco (longos applau-
aos). Todos desejamos a paz com a Inglaterra,
mas confio que nunca pediremos nada que nio
seja justo, e que nos nio submetteremos a cousa
alguma que deixe de o aer (longos applauaos.)
[Jornal do Commercio de Lisboa.)
INTERIOR.
termos por copia inclusos datados de
dezembro ultimo.
Dito ao inspector di thesouraria provincial.
Respoodeodo o oflicio que V. S. ma dirigi em
20 de dezembro ultimo, sob o. 646 aeompaohado
de copias da correspondencia havida com o ioa-
pector da thesouraria de fazeoda, Acerca do en-
contr que realisou da quantia de 52$280 rs.
que se acha a derer aquella i essa repartic4o,
proveniente da indemnisacio que raandou fazer
a thesouraria provincial da Parahiba e o valor
das espadaa do corpo de policia dosja capital re-
colindas ao arsenal de guerra, tenha a diier, que
visto j ter sido levsda a crdito ossa quantia.
ae achar e feita a reepectiva escMptujracio aobsis-
4a o encontr de que se trata, mas que em casos
identiess s por ordem da presidencia deve isto
ter lugar.
Dito ao preaideote da relaco.Remello 4 V.
s- P* iue se sirva de tomar em considerado o
offlcio por copia de 4 do corrente, sob n. 1 em que
o Exm. presidente do Cear solicita decisao para
os procesaos dos reos Joio Alves Ferreira, Fran-
cisco Rodrigues dos Prazeres e Bento Pereira do
Monte.Commonicou-se ao preaideote do Cear.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.Por
parla do capilao do porto ser mandado apre-
senlar V. S. para ser alistado ba compaohia
de aprendizes marinbeirs, o recrnla Joo Bap-
tisla da Paz.Communicou-se ao capilao do
porto.
Dito ao director do arsenal de guerra.De
conformidade com o que aolicitouf o brigadeiro
commandante das armas em oflicio n. 81 e data
de honlem, mande Vmc. fornecer oa objectoa
precisos aos corpos das guardas desta gugroifjio,
constantes do pedido junto.Commanrcou-se ao
commandante das armas.
Dito ao commandante do presidio de Fernan-
do.Da Vmc. aa satas ordeos aflm da q aa
pnmeira opportuntlade seja enviado para ar-
senal de guerra o maior numero desapatos que
fr possivel msnufaclurar-se neste presidio, vis-
to a falta qoe ha delles nsquelte Mtabeleciment
pera a satisfacao das requisiaoes dos diversos
corpos desta guarnicio.
Dito ao mesmo.Antes de ser-me entregue
o offlcio de 9 do correte em que Vmc. solicita
providencias no sentido de ser esta presidio
abastecido de vveres alimenticias ji Jisvia eu
tomado deliberacio de permitlir que para all
seguase o bisle Sergipano.
Dito ao jais municipal do Ex Haja Vmc. de
remetter qnanto antea copia doledilal que ah
tnaodou publicar poodo em concurso os offlcios
da tabellio do publico judicial e notas e escri-
v3o de orpbios, capellaa e residuos desse termo,
conforme commuoicou-me em cfficio de 26
dezembro nltimo.
Portara.O Sr. gerente ds Compaohia Per-
nambucana mande condutir para a provincia da
Parahiba 18 barris de plvora para o Ceari 28
ditos, os quaea aerio remettidoa para bordo pe-
lo director do arsenal de guerra;, deveodo o rea-
peclivo frete aer pago ptr aquellas provincias.
Commonicou-se ao arsenal de guerra.
Dita.Os Srs. agentes da Coa panhia Brasile-
ra de Paquetes Vapor mandem dar urna pas-
sagem de estado no vapor Tocantins, para o Rio
da Janeiro, a D. Maris Jesuioa Lmorim do Val-
le, mulher do desembargador Severo Amorim
do Valle.
Dita.Oa Srs. agentes da Co npanhia de Pa-
quetes Vapor maodem dar t aosporte para a
Babts, por conta do ministerio ds guerra, no
vapor que aeguir amanhia para o sul, ao capi-
lao do 8# batalho de infantaria Theotonio Joa-
COMUNDO DAS ARMAS.
Quartel-general dn ominando das
armas de Pernambueo na cidade
do Recife em 16 de Janeiro de
l6t.
ORDEM DO DIA N. 23.
O general commsodaote des armas, declara
para sciencia da guarnicio e fins convenientes,
quenesla data se apresentaram vindos da corle
os Srs. msjor Mauricio de Sonza Tavora e alteres
Francisco Ignacio Manoel de Lima, ambos do 10
balalnio de infantaria, e honlem vindo da Baha
o Sr. alteres do 9 batalho da meama arma, Joio
de Souza Feitoss, os quaes Acara recolhidos aos
respectivos corpos.
Assigoado.Solidonio Jote Antonio Per tira do
Lago.
Conforme.Candido Leal Ferreira, capito
ajudantede ordens encarregado do detalhe.
res anda desta vez nio cooseguiram apoderar-se ultimo por 6O0J400O, preco a que foi levado por se
do dmneiro. Logo que o lelegrapho commuui- haver posto em competencia com o 9edro l que
cou esta oceurrencia, o governo expedio urna for- o fazia aoteriormente, e que nio ae quiz suieitar
ca de 10 pracas da cavallaria de lioha, para au- a faze-lo por tio diminuta quantia.
xiliaro delegado da malta de S. Joioas diligen-
cia 4 que ia proceder para a captura doa delin-
quenles ; porm ella perdeu o trem, e portaoto
EXTERIOR.
ESTADOS-LAIDOS.
Segundo os jornses da America publicamos em
seguida, o que occorreu no meetiog que teve lu-
gar em Bosloo em honra do commandante de S.
Jacinlho, e bem assim as explicacea dadas por
aquello official sobre a sua conducta respeito
do Trent.
a Antes de resolver o que pratiquei, disse o
capitio Wilkes coosullei aa autoridades, Keot,
Wheaton e oulras, e coovencl-me de que os
a commissarios ou os c ministros > (do sul) co-
mo elles se intitulavam, nio estavam revestidos
dos direitos que perteocem a semelhantes ttu-
los, quando sio regularmente conferidos. Desde
logo, julgando que tinha direito da a'pprehender
os despachos escriptos, considerei como evidente
qoe tinha tambem o direito de laucar mi dee-
sas < commissarios como despachos personifi-
cados ( rizos e eslroodosos applauaos. ) Tomei
pois sobre mim dizer quelles seahores que hou-
vessem de exibir os seus psssaporles do governo
da. Uniio ; e como o oio podessem fazer pren-
di-os. Direi, em honra dos officiaes e equipagera
oo nsvio, que as ordens que eu dei foram execu-
tadas com o meame espirito com que aa havia
transmiliido; nem ama palavra se proferto, neos
um acto sa commelteu que nio fizesse honra
marinha americana, (estrondosos applausos.) Jul -
guei-me com direito de apreaar o Trent, mas to-
mei o partiJo de deixar seguir o navio, apezar do
inconveniente de privar d'esla maneira a minha
equipngem de urna presa que valia 150 mil dol-
iera. Sinto algura orgulho e algum prazer em de-
clarar que nio ha bordo do S. Jacinlho um
nico homem qoe nio declarases que eu tinba
procedido bem, (applsusos eolhusiasticos.}
quim de Almeida Fortuna, e para a corte ao 2*
cadete 2 aargento do 9 batellilo de iofantaria
Joaqulm Hara da Cunba Reg

Lopes Fereira,
Um dos magistrados de Boston, Mr. BIgelow,
proferio no mesmo raeeting asseguintes patarras
depois do discurso do capitio Wilkes.
c Ha circumatancias em que um homem nio
carece de consultar os livros de leis para tomar
conselho, ou dirigir-se a juizes para conhecer o
aeu dever.
< O aeu coracio, os seus iostinctos Ihe dizem
de oque elle tem a fazer, e ainda que o valente ca-
pitio, se achasse fortalecido, como disse, por ha-
ver recorrido ao texto de alguna livros, creio
comtudo, que elle obrou msis segundo os oobres
iostinctos do seu corac.au patritico, do que se-
gundo os textos a que elle pode ter recorrido nos
livros de direito (ruidosos applauaos.]
c Em que caso se achara elle ?
c Havia dous homens que eram senadores dos
Estados-Unidos; que, inflis aos seas juramen-
tos, inlieis ao aea pai, tioham abandonado eaae
paiz e se dirigiam em misso junto de potencias
eslrangeiras. E para que flm ? para tomar medi-
das tendentes a confirmar a aua deslealdade e a
de outros como elles, e psra poder, com o au-
xilio das poleocias estraogeiras, destruir a nossa
bella orgaoisaco e o nosso governo.
< .... O procedimeoto do official que se acha
preseole, suscita seguramente ama gravissima
questfio de ioteresse nacional.-?'
c Sem pretender ter profustdado a questao,
posso dizer que a Inglaterra, e a quem os nio
renegu oa sua propria conducta e as deetaracoes
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE
PERNAMBUCO.
BAHA
11 de Janeiro de 1862.
Esteramos aociosos por ooticias dessa provin-
cia ; porque as que nos trouxe o Oyapock, oo dia
2 do corrente, foram muito ioquietadoras, e nos
poz em completo sobresalto.
Se com effeito o cholera eslava abi fazeodo seus
costomados estragos, nio tardaramos tambem
em receber a visita de tio terrvel hospede, e
eolio a Bahia aoffreria um rude golpe, que nio
acredito que podesse resistir ; porque a encontra-
ra em convaloscencs.eofraquecida ainda bistan-
le pela crise porque psssou, e de que agora se
vae levantando, reoascendo para a vida e para a
alegra.
Nada mais foi preciso do que eale grito suspei-
loso psra entorpecer o movimeoto extraordinario
que se notara na populacio, que toda se engolfa-
ra nos gozos da testa, que, unnime em um s
pensamento, o de se divertir, se espalhava por
todos os lindos arrebaldes, a procurar urna atmos-
phera msis ssudsvel que a da cidade, o ar fresco
e balsmico dos campos, os prazeres familiares
que s shi se podem fruir, somora de urna co-
pada aruore, ou as excellentes cssas de recreio,
que por aqu abundara.
A administrado com o louvavel intento de nio
ser apaohada de sorpreza, cuidou logo de tomar
as mais promptas e acertadas providencias, de
combinaceo com a asmara municipal, e com a
directora de saude do porto.
Desde logo, pois, se estabeleceu o servigo da
limpeza de toda a cidade em quatro districtos,
entregue cada um i inspecQo e vigilancia de
um venador da cmara, que teri aua disposi-
cao 10 Africanos livres.
Publicou a mesms cmara edtaes convidando
a populacio adoptar todaa as medidas hygie-
nicaa em auaa moradas, alimentacio, e em todas
necesidades da vida;
Recommendou aos seus Aseses e ao Dr. medi-
co da cmara a mais rigorosa observancia das
postura, e a policia sauitaria dos mercados, ma-
tadouro e prises publicas.
Submetteu approracio do Exm. Sr. presiden-
te urna postura eslabeleceodo visitas domicilia-
rias, para vedar a conservacio d'aguas servidas,
lixo e immundicias as casas, quiniaese pateoa ;
O que de inconlestavel conveniencia.
Sollicitou providencias para que pela capitana
do porto se d prompto cooanmmo aos restos ani-
maes, que houverem de aportar ao ltttoral.-#
Alm destaa deliberacoes da cmara o digno
senhor chefe de policia, por sua parte, tem lo-
mado as mais convenientes medidas, e S. Exc. o
Sr. presidente mandou 4 eslacao naval qoe fizes-
se fundesr todos os navios, quer de vela, quer
vapores, procedentes desse porto no ancoradou-
ro de observacio, aflm de serem visitado pela
directora da saude do porto, que tara desinfec-
tar, dizem que no mar grande (ilha de Itaparica,)
os que esliverem no caso de paasar por eale pro-
cesso.
Felizmente das noticias recebidss hontem pelo
brigue ingles Dante, colhe-se que. Deas se amer-
ciou de nos, e nos poupou esta desgraca, que
bem merecemos.
Descnidosos vivemos em cidadea imtnaodas,
quando as podamos trszer o mais aceiado que
possivel; por nossa incuria, nosso deleixo tem
os transformado (completamente o nosso outr'ors
to salubre pas, afeito delle urna erra inhspita.
Creio que nao ha urna s correspondencis mi-
nha, em que nio se veja um protesto solemne
contra este estado de cousas; mais de urna recla-
macio bei teilo nellaa para a limpeza da cidade ;
para diapertarmos do lethargo, porm, foi neces-
sario que o ioimigo nos batese porta, elle que
j ha seis aonos nos tomara de assalto, e nos fl-
zers as mais horrireis devaslacdcs.
E" sempre assim ; a previdencia a qualidade
negativa de nosso csracter.
Estimei saber que o mal qoe assolou a peque-
a poroaclo de Cruaogy, circumscreveu-se intei-
ramente localidade ; e que ji havia desapare-
cido, para traoquilldade de meu espirito; que se
alarmara com a iofelieidade dessa bella e rica
proviocia, 4 que dedico as maiores e mais sin-
ceras sympalhias.
O Brasil todo ae acha em aituaco tal que tem
muito a temar de urna calamidade desta natureza
agora : ella a prostsria para oio sa levantar mais
nestes vinte annoa.
Escapamos de bs, na verdade, e s sinto que,
nem ao menos este como que aviso do co, nos
seja proveitoso ; porque tornaremos cahir na
apathia e nio removeremos as cansas que podem
produztr o mal, e depois alimeola-lo. Porm
passemoa outro assumpto.
Terceira tentativa de roubo mi armada se
reproduziu na liaba terrea, occasionando aioda
ferimeotos graves I Foi no dia 3 do correte ata-
cada por ama malta de salteadores armados a es-
colta que acompanhava oa conductores do diohei-
ro para pagamento dos operarios, alm da Feira
Velha. Sahio gravemente teri lo um Ioglez e
alguna soldados de cavallaria, mais os malfeito-
chegou larde. O digoo senhor chefe de policia
lera sido incansavel as pesquizas, e j prendeu
tres sujeites sobre quem recahem as mais vehe-
mentes suspeitaa, os quaes esto sendo interroga-
dos. Um delles, de nome Francisco Romio foi
preso ua villa de Alagoiohas, depois de oppr
formal resistencia, auxiliado por algumas pessoaa
do povo, talvez Irabalhadorea deapedidos ; por-
que a medida que o aervico ae vai adiaotando
para o interior, a empreza achs-os i menores
soldadas, e oio precisa, por cooseguinte, dos que
al entio empregava por muito mais ; o que tem
produzdo bastantes descontentes.
No da de aono bom celebroo-ae a testa do Se-
nhor dos Navegantes, na capella de Nossa Seoho-
ra da Boa-Viagem, sita no liltoral desta baha
era um doa mais liodos lugares, com grande pom-
pa e concurrencia.
A sacrosaota imagem, que tora depoaitada oa
vespera. na igreja da Cooceicio da praia, aahiu
em procisaio e embarcou na galeota ; no arsenal
de marinha, e acompanhala por mais de dez es-
caleres dos navios de guerra em que iara os offi-
ciaes do msrioha, por dous vapores, apinhados
de povo, um dos quaes reboesva a galeota, e por
um sem numero de saveiros i vela e embandei-
rados. e por grande porcio de barcos e canoas,
seguio para ali, formando todo o prestito bellis-
simo e animado espectculo. O lempo eslava
magnifico e o terral do N O regular que durou at
perlo de urna hora da tarde impellindo todoa es-
tes vehculos, mais pittoresea toroavs esta acea,
i que muitos annos nao eu assistia, e que talvez
porisso medeu mais prszer, por lembrar-me re-
cordares da lnfancia.0 Sr. Vera Lioo, juiz da
testa esforcou-se em dar-lhe todo o lusimento, e
em sua casa, durante todo o dia, conservou urna
lauta mesa para obsequiar aos seus amigos.
Foi nomeado thesoureiro garal daa loteras o
Sr. Lino Jos Teixeira, cidado conspicuo, qoe
talvez possa acredita-las.
A mesa administrativa do hospital dos Lazaros
exonerou do lugar de administrador d'aquelle ea-
tabelecimento o teen te Thomaz Gomes de Aze-
ve lo, e nomeou para subslitui-lo o honrado ci-
dado Manoel Francisco Gomes.
A mesma mesa nomeou una commissio com-
posta dos sentios Gonzalo Alves Guiraares,
commendador Heira, e coronel Seuto S, aflm
de empossar o nomeado, e examinar aa coa-
las e inventarios que tem de prestir o ex admi-
nistrador.
9 Dr. em medicina Nicolu Tolentino, que in-
felizmente padece do mal de S. Lzaro, e acha-se
n'equelle po ehumanitario estabelecimenlo pu-
blicou bontem no jornal urna carta de felicilacao '
ao Exm. Sr. Dr. Chaves, pelaa ulilissimas provi-
dencias que tomn? ara levanla-lo da decadencia
em que jazia, e com effeito foi este um dos actos
iospirados, do meu presidente de predilecto.
Foi prszo na Cichoeira, no dia 31 do mez pas-
sado, e recolhido Aciden 'aqoelia cidade, Pau-
lino Fernandos de Carvalho, pardo escuro, reo
Este anoo tendo sido coovidados por editaos os
donosdaslypographiasa apresentarera suas pro-
postas, o flzeram do Pedro II e Cearence ambos
pela quantia nio menor ds l:OOOA0OO.
Neste caso foi preferido o PedVo //, e nem po-
da deixar do o ser, ainia a meu ver, quaudo i
sus offerta fosse por quantia alguma cousa maior,
por que falla diaria, e ten lo de dar 50 exera-
plsres de cada numero ao governo, nem por laso
a fornecer 300 tullas por semana, quando aquel-
lo a dara 100.
Creio que ninguem em taes casos deixaria de
assim obrar; e ao Cearenee cumpria de certo,
aer o primeiro a assim se exprimir qusndo hon-
vesse de noticiar a seus leitoresja cesssssio ds pu-
blicado do expediente do governo em^uas co-
lumnas.
Eis porm a maneira por que o fez O pro-
prietario deate jornal cootratou a publicac.au des-
te trabalho, que comprehende 50 assignaluras, e
a pubhcaQko dos relatnos, e lato em separado
no anno de 1860 or 350$ em 1861 por 601MWO0.
dous aonos por 9500000 s
a Para o anno de 1862 cootralou a empresa do
Peiro U por l:000$00.
a Nio nos queixamos, e nem invejsmos esse
cootrsto que nos causou bastaote prejuizo, at
mesmo por que o Cearenee precisa ds mais liber-
dade de acc^ao
S queremos registrar mais este fado para
mostrar ao publico a igualdade de direito com
que somos tratados.
Nio aed maior sem razio I
Por ventura oio se sujeitou o Pedro II a todas
aaconiccdas a que se submetteu o Cearenee 1
Nio recebe em compensarlo a mesma impor-
tancia, que aquello exiga ?
Nio haver detigualdade entre om peridico
que apparece diariamente,e aquello que s se pu-
blica duas vezes por semaoa ?
Nao se desacreditar o escriptor que assim
procede ?
Nao seria mais bonito, mais honesto mesmo
que o Cearenee era lugar do que disse, e em que
se nio ha m f pelo menos ha inco.:sideracaj,
se limitasse a escrever.
Este jornal deixa de publicar o expediente
do governo oo correte auao, por que nao Ihe
conviudo faze-lo por menos de 1:000$, e sendo
este preco o mesmo por que se oftereceu o Pe-
dro II, fui esle preferido em rszio de ser jornal
diario.
Isto contribuira por sem duvida para que
fosse mais acreditado em seus ariigos ; mas a im-
prensa pouco se Ihe d disso, o que quer qusnlo
em opposico, faze-la a torto e a direito.
Na miohi opioio muito perde com isso.
Aioda nao ha muito lempo dizia o Cearenee :
As repetidas scenas de singue que infeliz-
mente tem aasignalado as cleiqoes primarias
desde 1852 para c, desde o dominio exclusivo
da faccao dominante justificara de alguma ma-
neira esse aparato militar, que como disse o ex-
presideute Dr. Uarcellino, ao meos se evitar o
i material. A oio serem esses justificados
Se eu oio tivesse medo de passar por maldizen-
te, Ihe dara o significado disto.
Consta-me que ji foi pronunciado o alteres Joo
caetano de Azevelo. que pela impreosa fez ac-
cusagoesao ex-capataz desta alfandega, o quai no
tribunal do jury lera de apresentar aa proras do
quo escreveu.
O que admirou a todos, foi que tendo versado
a aecusaco sobre varios pootos, o ex-capataz 16
o chamou responssbilidade por dous.
Um delles abertura de urna caixa de vioho
do Porto donJe se tirsram algomas garrafas o
outro. a vootade de oceultsr uaa caixa de cha
com o pezo de cerca de duas arrobas, qje tinha
vindo de meos na folha da desesrgs. 4 qual o
ex-capataz conferio e deu como exacto.
Quaoto aol, o ex-capataz quando delle ae
quiz justificar pela impreosa, o conflrmou, com
a resposta do dooo do vioho; e quaoto ao 2"
dizem-rae, valha a verdade, que a folha da dea-
carga, e a escripturacao do livro do respectivo
armszem d'alfaodega, o demonstra evidente-
mente.
lia de ser umt sesiio de jury importante e a
que eu pretendo, ae Deus quizer assistr.
Anda nao foi coaderaoado pelas injurias, nem
pronunciado pelas calumnias o aulor figurante
do* artigos publicadot oo Cearencecontra o guards
mor.
Informam-me que o motivo nio querer o dig-
no chefe de policia aceiUr o reapoossvel que se
apresentou. e que o ex capataz procura por meia
de urna justificago que deu, moslar que nio
proletario, porque o hornera armador de igra-
ja, foisachristo da capella de Arronches, e
proprietario de urna casa que vale 300V
Armador de igreja no Cear, e ainda de mais
em Arronches lili
Que irrizo I I
Affiaocara-me que a tal casa avahada em 300*,
urna choupana coberla de folha da palha de
coqueiro 1
Deus me livre, metter-se-me em cabecs provar
que sou mnlher, porque estou certo que o con-
sigo.
O hornera creio que recorreu a este meio, por
nao ter podido encontrar quem se prestasse a to-
mara paleroidade do que mandou escrever: a-
pezar deter aodado pelo quartel do Io batalho
de guarda naciooal ofTerecendo200 a um guarda
queoquizesse assignar.
sr o que culhe quera faz da impreosa pelouri-
nho, edesabafj do paixes.
O Jaguaribe proce lente deesa, chegou a 9 e
segu boje psra Acarac e Graoja.
Esto carga: o brigue norueguense Capri-
ciosa, e barca iogleza Anne Logan.
No dia 3 do corrate, celebrouse ns cathedral
deata cidade urna miasa pelo eterno descanso da
alma de S. H. Fidelissima o Senhor D. Pedro V
de saudosa e grata memoria. Foi mandada dizer
por um Portuguez, e assistirara a ella grande nu-
mero de subditos de Portugal e Brasileiros.
Conta-me que pelo cnsul portuguz vio ser
feitas exequias solemoes pelo chorado rei.
Au revoir.
pronunciado por crime de ferimeotos graves per- motivos, o tacto de cobrir*ae a proviocia de tro
nfAl.*.. IOC'________-______A ______:__ *sJI fin lima ol.ii.T,., sa sil aanT ... > l.l.l.
pa para urna eleico primaria era um triste epi-
gramma liberda que muitos dos officiaes principalmente do exer-
cito, merecem do publico pelo seu procedi-
meoto impareial oas dirersss eleices, confiamos
muito na imparcialidada do actual administra-
dor
Isto lia-se no Cearenee de 8 de novembro ;
prelados em malo de 1855, na pesaos de Joaquira
Luiz Alves.
Algumas oulrss prises importantes se tem
tambem feito em outras localidades.
No dia 3 bouve una solemoidade fnebre na
igreja do Imperial Mostelro do Desierro por al-
ma do finado Sr. D. Romualdo, arcebiapo, mar-
quez de Ssnla Cruz, mandada celebrar por aua
illustre familia. Assistirara i esle acto modesto
diversas corporaces de irmias de caridade, ac-
companhadaa de algumas daa meninas que edu-
cara ; muitos ecclesiasticos seculares, e regula-
res de diversas ordeos, e multas outras pessoas
amigas do venerado finado, que deixou um va-
cuo na igreja brasileira ditflcilimo de preocher-ae.
Tambem ae celebraram muitas missas em va-
rios templos no mesmo dia anniversario| de pes- nnmra que se considere.
smenlo.
Faileceu no dia 7 do correle o Dr. Joa Flo-
riodo de Figueredo Rocha, que viera da cite no
vapor Oyapock em aua ultima viagero, bastante
doepte de urna diabetis. O finado fot hornera mu
datiocto as sciendaa, e gozava no Uto de Janei-
ro da estima geral por suas preciosas qualidades.
Deixou urna grande fortuna feita com toda a
probidade, 4 custa de iocaosavel economa.
H noticias do 5o deslricto, e faltando ainda
poucos collegios esto os diversos caodilatos col-, ^eu ?
locados na situscio seguiote :
Jos Pereira da Silva Reia.............. 491
Braulio X. da Silva Pereira............. 443
Coronel Rocha Medrado................. 411
or. Jos Marciano Campos.............. 401
Dr. A. Cizar Spinola Zama.............. 400
F. Nolasco da F. Autunes............... 389
Dr. Gssparioo II. de Castro.............. 376
Dr. Francisco Monteiro.................. 340
Or. Trsjsoo da Silva Reg............... 312
Dr. Ciocioato Pinto da Silva........... 310
Dr. J. J. de Oliveira Juoqueira.......... 304
Dr. Antonio de Souza Lima............. 254
Dr. J. Ayres de A. Freitas.............. 161
A nossa alfandega renden al hontem.........
123:1729597 ; o coram-rcio est um pouco entor-
pecido por cansa daa festss ; continuamos ter
grande prodcelo, e deade o dia 5 que somos ob-
sequiados com churas copiosas, e trovoadas, que
os agricultores esli abeocosndo:
no
compare agora o que entio dizia com o que pu-
blicou em aeu o. 1506 de 7 do correte (menos
de dous mezes) e veja em que palpavel cootra-
diccao cahio a Quanto porm dealribuicio
de torca por todo o resto da proviocia (salva a-
peoas o Grato) com grandes incommodos da
tropa, e despezas dos cofres pblicos, foi certa-
mente cautela de mais, injustificavel de qualquer
Era novembro eaxergava tanta juttificaco,
hoje injnttificavel de qualquer maneira I
Quando querer o orgao da opposico ser a-
creditado ?
Quem Ihe aflancou que a paz quo reinou as
eleices, nio foi devida a prudeote medida toma-
da por S. Exc, e pela qual a provincia em ge-
ral Ihe grata a reconbecida ?
Onde j se vio mais liberdade em eleI;o do
que a que se observou na que ltimamente se
PEHNaMBUCO.
Cear.
Fortaleza, 11 de Janeiro de 1862.
No dia 31 do prximo paasado chegou a este
porto o Tocantins, nio trazendo a correspon-
dencia da Europa de que foi portador o vapor da
lioha de Southamptoo. Este facto veio mais urna
vez demonstrar a neceasidade que ha de aer mu-
dada a aahida dos vapores da companhia brasi-
leira do Rio de Jadeiro para o norte.
O governo imperial ordeoou, verdade, que a
companhia Peroambncaoa regulasse a sahida de
seus barcos de maneira, a poder conduilr as ma-
las da Europa ; a que a Haraohence o fizesse
tambem de modo, que viessem squi chegar a
lempo de tomar aa do Maraohio e Para,
Tanta ordem, tanta altoracio, quaai sem pro-
veito, ao passo qoe o pequeo retardamooto de
dous diaa na sahida dos vapores do Rio reme-
diar tado ; e com esta medida pouco lucrar
eata proviocia, a do Harsnho nada, e a do Para
vira a soffrer, por que, a correspondencia baldea-
da de vapor para vapor, chegara ali depoia do
paquete da compaohia brasileira qne sahir de
Pernsmbuco 6 oa 7 dias depois da Pernsmbu-
cana.
Ainda haoutra razio a que muito se deve al-
teoder. e que a companhia Maranhence faz as
suss visgens menselmenta e aa outras duas de
15 em 15 dias.
O Cearenee orgio do partida soit iisant libe-
ral esleve para desaparecer da arena joroalislica,
por eocomraodos cresseotes de saude, occu pa-
ces Iliterarias, e excessiva despea que cusa a
seo redactor.
Se S. Exc. nio tivesse lsncado mi da medida
que tomou, e houvesse o menor disturbio em
qualquer localidade ; Deus nos acuda, o que nio
dira o Cearenee da improvidencia do presidente,
imprevidencia tanto menos desculpsvel quanto
os tactos dsdos em anteriores eleices o devisra
ter posto de sobre-aviso ?
Falle agora muito embora o Cearenee mas sem
rszio ; ao Sr. Duarte de Azevedo cabe a gloria,
de teratravessado a quadra difficil de urna elei-
co, sem haver que lamentar uuia victima, um
arranhio se quer, conservando-se a provincia
toda, na mais completa traoquilldade e socego.
O resultado dos collegios da capital, Haran-
guape, Aqairaz, Ciscavel, Baturil, e Aracaly
o seguiote :
Dr. Fernandes Vieirs.' 199
Dr. Jaguaribe .... 167
Dr. Araujo Lima 162
Dezembargador Figueira 85
> Domingues 74
Conego Pioto .... 69
Dr. Pompeo.....56
Dr. Araripe.....20
Coronel Piragibe ... 12
Ji v poia que os tactos vio confirmando o que
Ihe dase oas minhss anteriores.
O Dr. Jaguaribe que se suppuoha o mais fraco,
tem por isso mesmo reunido mais votaQio, por
que seus amigos sabedores de que elle oio pes-
cava um voto dos collegios liberaos tem procu-
rado dar-lhe maior votacao possivel, tirando
mesmo alguma ao Dr. Fernandes Vieira. a cojo
reapeito nao havia a menor duvida, e por isso se
vio no collegio da capital ler este menos dous
votos do que aquella.
Nio ha mais probabilidade de entrar na lista
triplica o Dr. Pompeo.
E' ntaselo procedimeoto da opposico nesta
eleicio, a a prova a maneira por que se portou
no collegio de Maranguape, onde tinha 21 elei-
tores seus, em virtude de convenio qne ali se fez,
e de qne Ihe dei conta.
Compaieceram 37 eleitores faltando 6 dos con-
servadores, despeitadoa por causa do tsl conve-
nio, e a votacio fot:
Dr. Feroandes Vieira 28
Dr. Jaguaribe .... 28
Dr. Pompeo.....21
Dr. Figueira.....12
Dr. Araujo Lima 9
Dr. Araripe..... 5
Conego Pinto .... 4
Dr. Domingues .... 3
Coronel Piragibe ... 1
Est claro que os 31 liberaos votsram i carga
cerrada no Dr Pompeo, mas a quem deram os
Se de todo nao sa eclipsou, delxa por em
quanto de publicar-aa duas vezes por semana I outros votos ?
passando a f-lo urna a. Eale jornal publicou I Pois os Srs. conego Pinto, .
nos dous ltimos annos o expediente do governo, I que ae dizia aerem da chapa's
cujo trabalho contrato oo 1* por 3509000 e no 1 mero de votos qne Ihe deram ?
a corooel Piragibe
merecersm o na-
REVISTA DIARIA.
Informtm-nos que na ra da Concordia existe
um deposito de estreo, que sendo tirado daa
cocheiras, all deposto por uns csrroceiros da-
quella ra, para seus fins particulares.
No entretanto parece-nos que isto urna cou-
sa intoleravel ; e quando se limpam at as
praiaa,oio razoavel qua se coosiota um serae-
Ihanle deposito, verdadeiro foco de infeceo no
centro da cidade.
E assim, pedimos ao Sr. fiscal que, verificando
a exactidao desta noticia, d neste caso as pre-
cisas providencias para a remocio do tal depo-
sito.
O estado de damnilicacio, em que se acha
a estrada de Oliuda, urge por breves reparos ;
pois que a nio darem-se estes, em pouco flear
ella iolransitavel. O invern que est a entrar,
ou mesmo quaesquer churas qae apparerarn
mais avuliadas, reduzi-la-hlo essa coodicio,
para os carros a mnibus principalmente, quando
nio se providencie ji.
De presente o transporte para esses vehculos
j aprsenle all seus inconvenientes, e inspira
serios receios, sendo um precipicio o tramito por
essa estrada nelles, peis a cada momento tem-se
vista a poislbibilidade de um desestre, de urna
dasgraca, de um iocommodo, quando nada, como
aioda ha pouco deu-se.
Alm destes motivos que autorissm os reparo?,
alm destas rszoes que justificam a piovidencia,
deve ser considerado que, sendo em principio
insignificante o trabalho e pequea a despeza, j
nao acontece assim, quando logo nio se fazera os
precisos concerlos em ama obra qualquer. Neste
caso, cresce a deteriorarlo, soffre o publico, e
quando se queira reparar, as despezas equivalern
urna obra nova ; o que mais onera aos cofres
publicas, cujo dispendio poderia aer muita menor.
Isto posto, cumpre que sejam tomadas desde
j as providencias necessarias, que nao vem por
certo muito cedo.
A junta de justics, havendo-se reuoido no
dia 12 do correte no palacio da presidencia, re-
formo para um anno a pena de 2 anoos de pri-
sao, imposta pelo conselho de julgameoto do
corpo de policia ao soldado Joao Jos de Santa
Aona, deliberando a mesms junts que, havendo
sido perdoado ao reo o crime de primeira deser-
tan por decreto de 7 de setembro de 1859, nio
poda ser a segunda desercio considerada como
aggravada pela reincidencia.
Tomando igualmente conhecimenlo do pro-
cesso do cooselho, que responder o soldado
Raymuodo Jos Ferreira que tora condemnado
em primeira instancia pena de um anno de
prisio, deliberou aooullar o mesmo processo, em
razio de Ihe faltar o conselho de disciplina, i que
nao se havia procedido em raxo de ser aoti-
quissima a desercAo, e nada constar do referido
solalo, seoio a simples nota de desertor.
Fra relator o juiz de direito da primeira vara
criminal.
Depois d'amanhia (19 do corrente), deve
reuoir-se no consistorio da respectiva igreja, a
irmandsde de Nossa Senhora da Boa-Viagem,
para tratar, em face dos arta. 14 e 15 do com-
promiss3, da eleicio consignada nos precitsdos
artigos, sendo psra desejsr que se nao faca es-
perar a assisiencia dos irmBos eos um aclo tio
ponderoso, em que vai a boa direccio do patri-
monio da referida irmandade, a o aelo da capella,
que achando-se notavelmente arruinada, j care-
ce de reparoaem si, reparos que ora sao axeqni*
veis por haver com que i eilea necorrer presen -
temeote: porquanto reparados como esto oa
predios que consttuem o patrimonio, okvio
que os reodiraentos actuaos pdem ser a elles
applicados, na parle correspondente & nscessi-
dade.
Tando vindo de passagem para o Haranbio
o Exm. presidente nomeado para essa provincia,
Antonio Manoel de Campos e Mello, hontem se-
guio esse destino no mesmo vapor.
Durante a demora de S. Exc. nesta cidade, vi-
sitn alguos eatabelacimantoa da compaohia do
Exm. Sr, Nuoes Goocalvea.
Honlem pelas 8 horas da larda tiveram lu-


*

... -
=
DIARIO DE PEINAMMJCO; SUTY
17 DE JANEUO DE 1862.
*
Car es esperas do funeral de S, M. F. no, Eipi-
riioSioto ou Collegio. '
A sigoal de aununcio adaioe torre foi exe-
culada (tela orchestra mi oufeerlara '.unebre ; I
qul ttefeiram-se as vesperal de ficio de fina-
dos pelo coro ecctesiaslico, sendo alternada com
Mica magnficat. Tanatee cerernom
ota a absoljgio do tmulo. ___
A concurrencia de peaaoas ovajraro>, e *guw-
4a que lli achavj-ae fez aah 4mr Javidas
O templo ficou abetlo vL Ce puMn, fue fct
crescido.
Oo Rio Grande do N ve escre awgointc:
a Villa do Apodi, 25 ae ( MNftbW de 61.
Boas feslea e roe l horas e iredee de adno..
ijlaaca ouvio izer qu6 leste Rio Grande do
aa aos empreg dos com genmuns f
fots %B ase lempo, que ditem j l foi, nao
tarda a T nir, A duvi.1 est ero haver geri-
aroesque eheguem par sao
tnoitoa mezes nada recetera
t melhor que o theaouro lA
mua ou cousa que os va essero, porquanlo a
aniaior parte nao tem coro qa tes comprar
E o cofre geral que se ju
Acha-se lambern esse a
(treza que fiz d. e lal que pi le dormir s portas
bertas 1
Ah anlam os juires e
vivero a ver jurar testemunh s hi tres ou quitro
mezei ; poUre Rio Gran le 1
Acabou-se a eleicao de
boa paz, os nortinas li/.erami
Cootam que un dos ron Jos, ao *ec apurar
M a uiitma lista exclamara
Deus se lembre do misero Portugal. Antooio, de 30 annes, ratural desta oroveeia
leu amigo, en alo crelo e at despreso de ganhador. escr.ro de Augusto Coelho Leiu nor
coracio a idea de envenena meato, tenhb minha andar fgido. ?
convtcrao bem formada a tal respeito ; lastimo a
coto nsiir.10.
-
im momento para
inajptes das suas
irir tantos, que ha
e tiesse estada se -
es pagasse com ga-
X*v& iovulneravel ?
enhiK em urna ma-
o dos Perros em
t 91 supplentes
Deveis o triurapha vossa
A' ficc.io, blasonado res ;
Com raais razio fora
Se os ledcs fossera p
Uo curioso traduzio o
Se os lees, se os solista
pintores, a qualiticacao.
Ellos leem sus razio.
J ha cbuvido por ilg
nao por aqni.
Pelo Serid desta proyocia e Baturit (do
ear) ha bagagens ; o rio J sguaribe j encheu.
O lempo prometa chu ras
Ciras.
De ama carta de LisbJ em data
psssado, extractamos o segu
mesmo fugo eu, e coroigo g<
tuguezes que com lagrimas
anales ds patria, ferida no ci|
le mortuaria que continua
meles golpes nos pagos de
principes !
Tivemos o dia de festa io natal lio fnebre
romo se ao lado de nossa? i lesas livesiemos no
leito da morte asa flllio quer
a A patria curvada e lacr
ata'tes que, eos jazigos re es de S. Vicente de
Fra, encerram os restos dq"
principe multo querido, de
humille e chrisia em is
craoiissima prov.
O dia 22 do corrale f.
ncclamacao do novo ri>i; o i>
aniu'ici'.i a ii'irno).;."i i di
con es la ve I do reino para fun
turne em taes ceremonias,
e naquelle dia, todo gali cobcorreu a saudar o
nov.i rei ; eu nao faliei as (II iras de militares de
espectadores e s oo lerreiro
que el-rei vinha s, s disse
o_eoiid<>3tavel* mas nio ple assistir a acclama-
?is por se achir gravemaue incomra3lalo;
pertou-se-me o cor^cio e
Uanquillisar-me, ueste estvl
ajae (>ela ra Area se encami
de S. Domingos, ancieso ag
rto ultimo coche da casa real
o novo rei, nao dei f dis pi
que em Bleira de coches e
a procissao real, nalmeste ilescorlinei ao looge
as alas de lanceiros que gdardavam outras de
archeiros aue s p clrcumi. vam
puz-me em ponas de ps
e.......vi o joven rei s, di
a tranqailiidaoe e serenidad !
possata oaquella solemne
compoodo da melhor forma
javs as turbas que o saudaniara respeitoas,
ana primeira ereal passagemj.
a Ah I meu amigo, eu I comprehenli per-
feitamenie o estado doloros daquolle coragao,
que o apesar de joven foi edjcado sob os auspi-
cios da verdadeira philosop lia ; estes princtiiies
que fazem o nosso melhor e
do orgulhn, cujas virtudes e
cides em luda Europ, nao sfe deixam i
sua ephemera posico e graadez, para
familia
nosso,
litoral.
Iiimo verso assim
fessera, zessem
mas parsgens, mas
a e Baturit (do
aribe j encheu,
cedo oestes lu-
de 27 do
iie:
cegueira popular que de um
outro pode fazer victimas in
desarrasoadas aprehendes.
A fataliade persegue desapiedade
real pstvawioaB
A awaste natrawisv no pases as^ns*. da rafa
por eN* dsaesrrafMdo asas alpes de Hev
traicS'* r
s O aswo rtsie eaarfornw le ajas as i dota* de
su tnaasais e cota* otea
sugeitaas s aaasssasiaaiies <>> qaw estao aantfo
viciMssa. e na ***c* a ua aMk d*asu> Mirar
constante, ao ver desaparecer do mundo um
soda outro da Uo pt wt^, faioh* os
olhos a razio e a verdade para nao ver o
exeroplo na casa do isinho, du parante e do
amigo aonde em pouro sspaco de lempo vio
cahindo fulminadas pela mora urna familia
inleira II
Eu, meu amigo, chorando a fatalidade que
chio obre a patria, oas pessoas reaes que amo
de coracao, curvo humildemente a cabeca as de-
lerminages do Eterno, prometiendo s mim mes-
mo urna eterna e dlorosa saudade por aquelles
que conheci na trra dolados de virtudes ruui pou-
co communs nos de igual esphera.
a Estamos a 28.
c A nossa muito amada e interessante familia
real, que ha dous mezes se comauoha de cinco
rapazes perfeitos no phy*ico e amia mais uo roo-
ral, ests familia digo, est hoje reduzida a um
nico membro na uessoa do Sr. rei D. Luiz lili
Falleceu hontera o infante D. Joao I Admirar-me-
hei se amanha os jornaas annuociarem offlcial-
menie achar-se alterada a saude de S. M. el-re ?
A grande fatalila le que cahio sobre a augusta
familia nao tem dado causa aos desvarios popu-
lares, que nio tendo mais lagrimas para derramar
por seus sympatiicos principes levantam-se na
forca de sua dr desvairndos e Iremen los par
ouvirem rugindo os instigadores polticos, que ao
oavido lhes nomeiam um crime I E, um fnebre
misterio lhes apona o pretendido autor ou auto-
res ?! I Se o povo s pela sympalhia, se ach em
lio silbido grao de czallscao pela desgraca que
perseguo a resl familia, que admiraco me pode
causar a noticia que Deus afasle, de que a saude
d'el-rei se altera e por Aro suecumbe ? Nao tem
o misero justas causas a aeu mximo desanimo ?
Hovimento da enfermara da casa de dstea-
cfto da.dia 1 docorrente.
Teve baixa para a enfermara :
Joo Maooel Pereira Gomes; chsgss.
os
Fero
fir
SVrgtt
de
norte :W de Barros OTiveirs. o desertor JoSo Pereira de
Medeiros Furlado, Maooel Marques Cimacho. Au
gusto Gomes da SHa, Cypriano Antonio Rodn-
Bues. Jos. Pedro Bapliati Carneiro. Joaquim da
Cosa Seram, Manuel Gomes Moreira, Manuel du
Castro Lima. Alexaodre Jos da Silva, Ernesto
Adolpho de VasconceOos Chagas, Domingos de
.-ouza L^o Jnior, Luiz Sand. Ugolino Ayres (fe
Frenas Albuquerque, Dr. Gonealo de Almeida
Santos.
Passsgeiros dsbrigue brssileiro Otindo, vio-
do do Porto : Maooel Gouva, Candrta Emilia
da Silva Bernardino Francisco de Moraes Sar-
t?5 S"*?S" Rioel". Aveltti Rodrigues,
Jos de Magalhaas, Jos Mara de Moura.
HORTALIDADB 00 DIA 16 DO CORnENTB :
Maris, Pernambuco, 11 das, Boa-Visla
tao.
a descarregar tre-
nossos lio queridos
do I
mando
sobre dous
re muito amado e
xou aquella posicao
enga de mais urna
declinado pira a
ogr^mma das festas
principe D. Joo
ccjooar como cos-
povo deixou o luto
do pago que sube
eu, e D.Joo nao
lebalde deligeociei
esperei o cortejo
nhava pira a igreja
ardava a passagem
que Jevia coodoiir
rsonagens da c6rle,
eos treos formavam
Meu amigo, resigna-te i mo puderes, que o \ E se tao grande e tremeoda infrlicidade succe-
ando parte dos por-1 desse por nossos pecuados, eu havia acompaohar
sentidas chora-n os ,s lurbas em suas suipeilas absurdas e demasia-
rigSo pela fatalida- demente offensivas ao amore dedicago nacional
para com esta virtuosa familia de principes, con-
tra a respeilavel classe medica do pago, compos-
la dos caracteres mais respeitaveis por sou saber
acrisolado, e nunca desmentido amor a augusta
ferailia, cujos mettfbros viram nascer, e finalmen-
te contra os familiares do pago, compostas da an-
lipros liberaes, escolhidos entre os mais por leal
dedicacao a causa da liberdade e a dynaslia rei-
nante ? I Nio. meu amigo, mil vezes nio ; podes
crercom toJa a f, que reina tanto en venena mea-
to no pago como em nossas casas.
_D. Peiro Vfoi victraa do fallerimento de seu
irmo D. Fernando, e D. Joo toi victima do fal-
lecimento de ambos I B' esta a sorte dos bon,
quando o moral est affeciado da forma porque o
de va estar o dos nossos bons principes, qualquer
accidente abre a porta ao tmulo.
l tranquilla,
nao se chora, ts physionoroias apresenlam geral-
menie uina proslr.gio de espirito, e nulo mesmo
urna insensibilidade que me nao agrada ; Qgura-
serae a suspensflo rpida do temporal desfeito,
para dar lugar ao trovao que acoo panha o relm-
pago provocado pelo raio desbastador.
Deus tenhi misericordia de us e de seu Por-
tugaN
Ets o dcimo
Bolelim oficial.
Na carta, a que nos referimos no additamen-
to ao bolelim de hootem, escripta de Goiaona ao
Exm. presidente da provincia.diz o Dr. Jos Joa-
quim Firmino que a Lapa urna povoago de
gente sem humanidad que sprocurava necasiao
de apropriar-se do espolio do Dr. Jos Joaquim
de Souza, e que, vollaodo o Dr Araenco Guima-
raes para Nossa Senhora do O", on lomando incremento, os habitaotes daqu-lla po-
roagau Qcaram abandorudos e entregues aos seus
proprios recursos, sendo por Uta de crer qu^ o
iholera IraDalha alli forleuiente. pois que mesmo
os curiosos nao querem l irseuo por muilodi-
nheiro, no que tem rao, porquanto, seguodo
elle pensa. s por muito iniereise se viva no
meio de rente semelhante a com lal epidemia ; e
conclue dizen lo qu o mal se approxirna daquell
cilade., e breve estar dentro, porque as tholer-
nss j se vio tornando Torips.
Em um oflcio de 8 desle mez, dirig lo de
Nossa Senhora do O' S. F.xc, diz o Dr. Amprico
Ouioinres que se arh3 seriamente enfermo, e por
isto inteiramente inhabiliado a preencher osseus
des-jos, dando fielmente conla da comraissio es-
pinhosa de que S. Exc. se dignou de eucarrega
lo, e pede que mande quanto antea substitui-lo,
am de que S. Exc. nao lenha a menor causa ero
as consequencias fuuesti que brevemente o
aguardam, se elle se nao subaett.-r a trataroeuto
eaginlo contra os couveniente.
lutavarn a alma I Em um oflcio de 11 do corrente, dirigido da
de mal disfargada [ Lapa S. Exc, descreve o mesmo doutor a roo-
duas lariaias de i lesna que tem observado e pelos symptooias o
que dirig ao Se- | cholera morbu, e d parte delersiio alli ac-
o real coche,
para melhor ver,
ligencisndo mostrar
que de certo nio
occas'n ; o misero
phisionomia cotle-
em
mais bem entend-
saber eram conhe-
u Mr da
elles o
reinar olhVin, tnrono soffribr: o coragao destes
pobres mocos despedagado cum a perda de dous
irmios qu-ridos, vendo mu pioximo utd novo tu -
mulo *bf rio para receber o3,tn lo inulilisado oi
(D. Augusto) que escapando a terrivel enfermida-
de que nos roubou os dous primeiros, viv pora
snffrer o estado rechitico em que se acha ; esto
pobre mogo digo, nao poda apeseotar-se o'oulra
forma no solemne dia de sua) dcclamagao : eu o
vi visivelmetue coutrafeito,
forli'tin.os motivos que Ihe e
ao ve-lo passsr em lal estado
tranquiltioade, nio pude cont
envnita com a mmial piece
^.STaT? -* i:"* Heriqu*.CeS* fcr
u^^ir*fiih**' VST J#!* fcnteis* d.
!l!^",h0,,^1 "1enar,sanrisAI
ves6aanho. Anaastio'Atoos da Asaat Marcla-
u J!T,UCoe'& TtWl Baras7ea..lcanti,
MatlkB Feliciana brote* Masa d#J*u!.
Passageiros do vapor Paran, sattido para
Spaf4-tWfHWte- : Wattai fca> hw.M
le-
ana-
Eliseo, Pernambuco, 2 annos
zarca.
Maria da Conceigao do Bomflm
M annos, viua, S. Jos ; scirrh.
Laurentino. Peroarobuco, 2i annos
escravo, Boa-Vista ; febre maligoa.
Anna, Pernambuco, 4 das, Boa-Vista
pasmo.
Rachel Salina de Amoriro, Peroambuco. 31
nrtos, solteira. Boa-Vista; enletite.
Mara. Pernambuco, 6 mezes. Santo Anloni
convulsoes.
Anna Joseflna de Mello Portorarreiro, Pernain-
boeo, 60annus, casada, Boa-Visla
pol monares.
Castaa Usria Magalhes Pern.mbuco, A8 an-
no', casada. Boa-Vista ; cancro.
J anna, Peroambuco, t annos, Boa-Vista
engue aguda.
S. Jos
Pernambuco,
solteiro,
es-
3!
lio
ar'
tubrculos
I an-
ie-
Correspondiicia5<.
Sr. .'.Oaciore*. Teodo apparecido no peri-
dico Liberal de 8 do correle mez o Sr. Ca-
nuto Jos Per-ira de Lucena, todo cheio de cato-
lice e santimona, como um verdadeiro beguino
que narrando seu geiCo um faci, que se deu
entre mim e elle proposito de um atlesiado
que me pedio sobre sus conducta, forgoso que
eu, pondo por momentos Iregoas dr, que me
acabruoha pelo recente e prem-turo pasamento
de minha prezada esposa, vei.ha somante por
amor da minha repuiagSo restaoelerer a verdade
adulterada, e a que e mistar, que S. s. d'ora ero dianie. abra
maodosyslena, qne ha adoptado de occullar a
verdade. .empre que itto ihe fax canta, e revestir
os r.icioS que narra, de circu stancias exclusi-
vamente fornecjdas pela ra (erUimima e bem
con litada astucia,
Di?se o referido Sr. Cinuto. no peridico
que alludo :
Uro desses alteslados acha-se riscado ; mas
* airares de.se defeilo se v perfeilamente a as-
Hgn.8l-'JraDd0 Sr Pt,lr0 Barb0" da Silva, irmao
do Joao Barboza da Silva, que assim procedeu
por antever que, prestando-m'a, iria eu publi-
car os defeilos de seu irmo, como nio lh'o
o negiiei, quando podia faz-lo.
Beato trecho o que ha de verdico apenas n
seguinie : rxscadura do altestado a que alinde
o Sr. Canuto tudo o mais falsissimo.
Kis como o faci se passou :
a.A?*V'A mei de a8sl ullimo o mancio-
Zi lr-Ltc,aio- co um semblante lodo jesu-
tico, e mcuifsudo-ae victima de peisuwicoea
propnaa da Turqua, apresentou-se eoi, roislfa
casa no engenno Rola, termo da Escada, ped.n-
do-me para aite.Iar acerca de sua conducta, afim
en.ao elle me'horme"19 s ^'"ler ( dizi.-me
' ," T t,roce",)' '1UB o aeu trmo
o amigo, o leuei.le-coronel Joao Bsrbolt da Sil-
va, subdelegado de policia .do Boin-Jardi co-
rana do Limoeiro, pretenda conira elle'ins-
3 ti r ,[".
Praa do Recifel6de
Janeiro de 1862.
tVs quatro Vmvt U Urde.
Cotaces da judUi 4e Cfrrttores.
Nao bouveram coia{esu
J. da Crin I
John Mis
4 !><**
Rendimento dodJsl S 15. .
IdTaar Ja dts IB
-pWafdente.
icrsaario.
179:1879750
. 0.171*103-
191.46U853
Mo-rlamento rfa alfanctefrav
Folumes sntrados com fazendas..
' a" aom gneros..
Volsmes sahldos
>
com fazendas..
com gneros..
97
109
= SOf
344
- 413
Desea rram m bote 17 de Janeiro.
Bngue dinamarquezSusanafariaba.
Bngue ioglezNaulelusmeresdoria.
Barca francezaColiga ydem.
Bngue hespanhol-Novo Martincharque.
Imporfafo.
Barca franceza Cotigny, viuda do Havre, con-
"Bj*' Tisset freres, mantfestou oseguinle
868 barricas omento, 600 gigos batatas, 25
canas queyos. 600 barns e 200 meios manieiga
de vacca. 170 fardos papel de erobrulbo, 2 ma-
las e 1 embrulho mercadorias ; a ordem.
Ex porta to.
. Da 15 de Janeiro.
arigue frsncez Palettro, para o Havre carre-
garam;
Tisset-freres. 208couro salgados com 6.485 li-
bras, e 102 saceos com 518 arrobas e 26 libras de
algodao
Brigue norueguense Idum, para o Canal, car-
regara o> :
G. J. Aslley fi, c., 1.200 saceos com 6,000 ar-
robas de assucar.
Viuva Amoriro & Filho, 1,003 saceos com 5,000
arrobas de dito.
Brigue porluguez Soberano, para Lisboa, car-
regaram :
Bastos Irmos, 44 saceos e220 arrobas de as-
sucar.
Brigue americano Brolhert, para o Rio da Pra-
ta, carregaram :
Bastos Irruios, 150 barricas com 903 arrobas e
30 libras de assucar.
Brigue chileno Meleor, para o Rio da Praia,
carregaram :
Amoriro Irmaos, 350 barricas com 1,518 arro-
bas e 26 libras de assucar.
Patacho ioglez Busy, para Greenck, carre-
garam :
Adamsoo Howie & C, 500 saceos com 2,500
arrobas de assucar.
Barca ioglrza Pritcilla, para Gibrallar, car-
regaram :
Paln Nash & C, 500 saceos com 2.500 arro-
bas de assucar.
Barca ingleza Cosmopolire, para Liverpool, car-
carregaram :
Patn Nash & C, 1,180 saceos com 5,900 arro-
bas de assucar.
Hecebeiloria de rendas Internas
ageres de Pernambneo
Rendimento do dia 1 a 15. 13:0379432
dem do dia 16...... 599*740
13:6375178
tihor en. prol do moc"re 1....... icomraellilo dessa affeccao o Dr. Jos loaoainda
i missa militar no campo requeno I Souza no dia antecedente, dizen lo que naquella
viclimas
do corrente seu
nio pola asststtr
declarou-se Ihe
-se. no dia 24 o
onsiderado gra-
vo delibera um
o dia 25, a idea
j amiga mas
xarceoar horri-
s para derramar.
por insliga-
publiea, e es-
Hg dos pagos da
urna peiigio a
le SS. MM. do
do ministerio
esticos da real
pelo eterno descango do nssd sempre chorado
D. Pedro V, elle assislio lod s tropa existente
na capital, iafeli/menle foi un dia de oevoeiro
frioe hmido, o principe D. J ao assisiio a ella
na quahdade de Coronel dos linciros, e testa
de seu respectivo corpo; o nsvcieiro foi tao denso
que se nao vis a dous roetroj de distancia, e
como podas suppr ali esteva a tropa e povo a
p quedo e doscoberlos, D. Jn|o reeoiheu-se ao
pagoconstipadisaimo, no da i
estado ggravou se, no dia 2
a acclamacio de el-rei no dia -
um lypho ; o povo sobresalto
estado do sogusto enfermo
vissimo pelos assislentes; o p
meeiing no lerreiro do pago par
d) euveuenamento no pago, id
que esta uliima fatalidade faz
velmenie o povo.
O povo nio tem mais lagrim
a em sua mxima consterna :o propoem-se
a commeiter desatinos a suspefta de envenena-
meato assim se poda dizer feral, boa parte
_o de coDvjcgao, a maior par
ooes dos perturbadores da orde
peculadores polticos.
No dia 25 reunio-se o meeli
cmara n unicipal, fotmularam
el-rei; 1, pedindo a retirada
pago; 2o, demisso immeaial
actual; 3, reforma total dos do
casa ; tudo a bem da saude e preciosa vida de
SS. MM. El-rei o Sr. I). Luiz I aW*eoiou-se a
principal viranda de palacio, fi receido coa
frenticos vivas, quiz fallar ao pao. mas com-
aiodo pelo que senlia dentro e vip fra do pala-
cio, retirou-se solugando! el-rei D. Fernando
conseguio fallar, agradecen o interesse popular e
recornmeodou ordem, prometiendo sahir eom
el-rei naquelle mesmo dia para fra de Lisboa,
a Nestes.ioierira es bandos que pearam aguar-
dando o resultado da peligo viram entrar os
ministros para as respectivas secretarias, o povo
principiou a rosoar terrivelmente, a samelhan-
ca de leo quando esfomeado v prxima a presa,
eesle estado passou aoa grites remendos de'
morram os traidores os envenenadores.
C Depois.........iDvadiram as secretarias, os
ministros retiram-se para o arsenal, para onde
eiiste rommunicajps ioleriores. T
A noute os bandos llzeraro desacatos,maltra-
taram o conde da Ponte, vesdor da casa real,
apedrejaram alguna palacios coma o do Loul'
Tbomaz, Vallada, etc.
Do supplemeolo, ao Jornetl do Commercio
do da 25 que envo, vers com mais nnnuciosi-
dtde o que occorreu no dia de festa......
D. Joo segundo oa boletins officiaea acha-se
en estado gravusimo, a segundo a oz publica,
eai morto desde ante-hontem, nao convindo ao
overao ocelara-lo para oflu exasperar as furias
populares; a creBga da envenenamenlo est tao
Jortetnente arragada, que ier verdica a morte
oo principe, recelo muito pela vida de varios
peraonagen racoahecidoa por lavan,la,, cumo
taes apontados como ea propioadorea de
Teneno I
Infelizmente as coincidencias sao tantas e
taes que tem feito abalar razes fortes a elafas
a quando estes horneo de forte e esclarecida
inteligencia, se deixam vencer da xisleocis do
iaM, o qnt fuctder a mxima parte do
povoago a epidemia continua a fazer
pelo que se tornara precisos mais luuns me.ii"
eos, vi.sto que j se acham fatigados os que estao
ero cooimh.-u.
S. Exc. mandou retirar rfa Luz o Dr. Anl >nio
Agripino Xavier de Brito, visto que seus serv-
gos mdicos podiam ser alli dispensados.
Um hornero, residente na ra d> Gamboa do
Carmo da freguezia de Santo Antonio desta ci-
d'de, iodo Lapa ver o Dr. Jos Joaquim de
Souza, e d'alli voltando.foi accomraettido hoiitem
larde de dyarrha, a hoje pela roanha, ag^ra-
vando-sa seus sulTrimeoios, apresentou os.'ymp-
tomas do cholera morbos.
c S. Exc, considerando eai que a pessoa af
fectada proceda de lugar em que reina epidmi-
camente o cholera-morbus, a ou .indo a commis-
sao central ae soc-orros mdicos, resolveu que o
doenle e sua familia fosaera transportados para a
casa que nos Colhos serna outr'ors de hospital
de earidade a se acha vasia, na intengio de isola-
los, e evitar aqu o que tero silo ooservado em
oulros lugares, como Pedras de Fogo, Lapa, Luz,
etc., em quo o mal desenvolveu-se e propsgou se
depois de importado por pessoas procedentes de
leos epidemieee.
A casa, em que resida o doenle, nao offere-
cia as cjndicoes higinicas que davem ser exigi-
das ero laes casos, e isto foi mais urna razo que
levou a comraissio central a subscrever remo-
co do doenle, Consignando-se por esto modo
solamento da pessoa affeclada, e melhoramento
de condiges hygienicas.
E* verdade que muilas pessoas, itopellidas
pela curiosidade, peoeiraram o se demoraran no
aposento desse doente, a por consequencia com
elle se pozeram em contado ; roas, mesmo assim
a medida ple dar o resultado que della se pro-
cura conseguir.
Foi resolvdo que os facultativos encarrega-
doa dedistrictos procedes-m visitas sanitarias
as casas de seus districtos, alim de que bellas
sejam observadas aa medidas hygienicas adopta-
da; n nessas visitas lero de ser auxiliados por
agentes munleipaes ou policiaes.
c A' vista da resologio lomada o doente da ra
da Can,boa do Carmo foi removido para a casa
dos Coelhos.
Tendo motivo para nao dar muito pio s pa-
lavras do Sr. Canuto, e conhecendo, alero disso
como um homem prudente, cavalheiro e genero-
so o meu referido irmo, que tido como tal em
loda aquella comarca, e at, ha bem poucus an-
nos, pelo mesmo Sr. Canuto, e sabendo de scieo-
cia propria que, se esse meu irruao quizese lo-
mar do dito Sr. Canuio algoras viuganca da na-
tureza da que elle aniolhava, esta nao so verifi-
cara por meio de procesaos, roas sim por meio da
prisao imp/esmerife, por estar lile por eiautori-
lado para assxm o fazer, como rao ignora o pro-
prio >r Canuto, dectarei-lhe que nao me era
possivel sai.sfazer ao seu ped.do, mesmo porque
naodesejava. aluda que indirectamente, figurar
coro o meu nomo em urna luta lo asquerosa,
cont a (u^ ha provocado e entretido o mesmo
2>r. Caoiito/sontra .sse meu irmao, e outras pes- -
soas de roiuha familia. K
A' vista desta minha decisao, retirou-se o Sr
Canuto, voltando dous dias depois, se bem me'
record, com os alteslados que publicou ossia-
nados pelos raeus irmios Jos Rulino Bez'erra da
Silva a Virginio Barboza da Silva, aos quaes
acoropanhei desta vez pelas repetidas instancias
que de novo roe lizera oJSr. Canso para allestar'
asseguranjo-me. que at aquella data nada havia
dito e feno contra o sobredito meu irn o, e que
09 atlestados, que andava promovendoem favor
de sua conduela, s leriam uso, se apparecesse o
tai processo, e isso mesmo como documentos que
deviam ser juntos ao summano.
Mas, succedendo que nesse cmenos chegasse
do Limoeiro o meu cunhado o Sr. Joo Xavier
Pessoa de Mello, e roe ioformasse do papel ridi-
culo e infame, que acabara de representar ali o
mesmo Sr. Canuto, mancommunado eom um mi-
Z 0c,al ae. ?rpR,8' coolra meu sobredito
irmao, extnrquindo. falsa f. alteslados de pes-
soas simplonas contra a sua reputago, como
ella propri.s j o decl.raram por es.e 'mesmo
Oiaro. em numero de treze, nao me pude furlar
a uro sasonio de iniignago-riscano o atteita-
do que ja havia escripto e probibindo-lhe
uzesse delle um uso qualquer.
Consulado provincial.
Rendimento do da 1 a 15. 56:648362
dem do dia 16......; 1.164*151
57:8125513
Navios enlradot no dia 16.
Terra Nova 32 das, barca ingleza liabelly Hi-
dley, de 232 tonelada, rapilio R. Bulley. equi-
pagem 12, carga 2,800 barucas com bacalho ;
a Saunders Brothers.
Liverpool 43 dias, galera ingleza Anne Longton,
de 64H toaeladas, eapitio S. Longton, equipa-
gem 20, carga fazendas e carvao ; a Juhuston
Pater & C Seguio para a Baha.
Porto 32 dias, brigue brasileiro Olinda, de 214
toneladt, capuao Hermino Deorleciano de
Loyolla, equipagem 12, Carga albos, btalas e
sal; a Bailar & Oliveira.
Navios sahidos no mesmo dia.
Rio da JaneiroBrigue brasileiro Belizario, ca-
pito Manoel C. Ferreira, carga assucar e algo-
dio Foram tres escravos a entregar.
Rio da PrataBrigue americano Brolhero, capi-
to S. G. Brnks, carga assucar.
Portos do NorteVapor brasileiro Paran, coro-
mandante Joaquim de Paula Guedes Alcofo-
rado.
Ilha de Fernando Hiala brasileiro Sergipano.
capilo Hearique Jos Veira da Silva, carga
difirante gneros
MossorHiate brssileiro Aracaty, capillo Joo
Heorique de Almeida, em lai-tro.
co Canuto da Boa-Viagem, ofaicial-maior servin-
do de aecretario.
Quarta seccao.Palacio do goverao de Per-
nambuco 12 de dezembro de 1861.Sendo con-
sideravel o coosumo do tabaco em todas os pon-
to do globo, e receiando-se, que da actual guer-
ra civil nos Estados-Unidos da Amarice do Nor-
te, e do abandono ea que a cultura desso ge-
nero tem eafaa. na Alternas** rasadle grawde
diminuigaeaa aa pvaevgia ; em.'caaiprimeato
das ordetwimpastees, nworoavado/asmara au
mcipal de Reatf,qae envide teeaaea seaaaa-
forgo, bwb qee m Itmadoaa aW muaaaipes
se compaaatreaa a eaaeeniaaato a* se eafsega-
rem cent aioa- effleaab e aaeiesee ao tellivo
daquella pl.nU que see daf*a c*aeenev ero
innmeras vantagens os sacrificios que fizerem.
Per esta eeeasio declaro mesma cmara, qu*
a aociedade Auxiliadora da Iodusjtria Nacional se
acha incumbida de diligenciar a lablengo de te-
mantes daa me!llores especies de tabaco, para
seren deslribuidas pelos agricultores que as so-
licitaren!.A. M. Nuoes Googalves.
Ia ecgJo.Secretaria do governo da Peroam-
buco 13 de Janeiro de 1862.
Pela secretaria do governo so fi pnbiico aos
Sis. Eduardo Daniel Cavalceoli Vellez de Guiva-
l. Francisco Pereira da Cosa. Aihooo Gomes
Cordeiro de Mello, Joo Valeriano Pessoa de La-
cerda, Agoalinho Ferreirs da Iva, Jos Se-
rapiaoBezerra de Mello, Josl Cezar de Mello
Falcao, Joa Antonio PesUo, jlaquin Goocalves
de Faria, Manoel de Souza Barbosa, Jos doa
Sanios Silva MeJei ros Jnior e Maooel Jos Pa-
checo, que adiando se competentemente informa-
das aa anas petiges.hsjam de solicita-las na mes-
ma repartigio para pagar o respectivo porte, afim
de. 8eguirem seu deslinos.
y O Illm. Sr inspector da thesoursria pro-
ipcial manda fazer publico piara coohecimeoto
ntdreisados o art. 48 dsj le provincial n.
dds
510 de 18 de junho do correle anno.
Art. 48. E' permitido pagar-se a meia siza
dos escravos comprados em qualquer lempo an-
teiior a data da presente let iudepen lente de re-
validago e mulla, uma voz, que os devedores
actuaes desle imposto, o fagaui deotro do exerci-
cio de 1861 a 1862, os que ni o fizerem ficaro
sujeitos a revahdago e multa em dobro. sendo
uro tergo para o denunciante! A ihesouraria fa-
r anounciar por edital oos priroeiros 10 dias de
cada mez a presente disposigto.
Ejiara constar se mao'Jou alfixar o presente e
publicar pelo Diarto
Secretaria da thesouraria I provincial de Per-
nambuco, 8 de julho de 1861L
0 secretario,
A. F. da Assumpgac.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimenlo de resUugo da junta da
fazeoda, manda fazer publico,Ique a arrematagin
das obras do calgameoto da ra do Imperador e
Campo das Priocezas, e da coberta do edificio des-
tinado para o Gymnosio Provincial, ficou traos-
erida para o da 23 do correle.
E para constar se mandou afiliar o prsenle e
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco. 9 de Janeiro de 1862.O secretario, A.
F. da AnnuDCiaco.
Secretaria
par eesrever, pesando 2 oness, valor
da libra 2g.............. e
dem dem3embrulhoi de papel ho
lnda, pesando 3 libras, alor da
300 rs.......#
Mdir'-;~1 c,i" T*" T8lr arbitra-
do no r..........
Marca S.i ojUs eom flor da macella,
eeeende brote 90 u ^Mo ator da 400 r. .
Maea J^a. elias vazias, vslor ar-
u nS* ,,s 32 ":
M,,**0,*'-C-*^rricom cimeoto ne-
J krirse 960 i.ra 10 0/0, liquido
SBtdj), aatorae^i 500 rs. .
Marca diamante C8 caixas vaiiis va-
lor de lodes 800 rs. .
Armazem o. 10.
Marca diamante (IBP.1 caixa com 4
tiras de cassa estampada, de 34 a 36
polegades, tres v (4), valor da vara
500 r. .....
Marca FSS.1 dita com 4 boies com
tinta prea para atrever, pesando 13
libras, valor da 100 rs.....
Marca diseante MGHS.1 dita com
100 fenes para davinas, valor de 1
360............
Marca FCB 1 dita coro 12 rrurbados,
peso liquido 42 <8, valor dr S 300 rs.
Marca leireiro.1 oit rom 12 Hvree
dn msica encadernados, pesando 2
1/2 libras, valor da Id din dem.1 retrato de familia e um
quadro com estampa, valor arbitrado
09OO r .......
Marca VA&F 1 dita com 2 lata com
chocolata em pao. pesando as mes-
roas 65 Armazem n. 11.
dem idem.=8 rodetes de ferro, valor
arbitrado I6J000........
135
900
300
329400
320
13500O
800
1500
ipoo
369000
12(600
50000
89OOO
529OOO
que
A' 6 hra da larde de 16 de Janeiro
1862.
de
c Dr. A quino Fonceca. a
~" Po'am recolhidos easa de detenco no da
15 : a ordem do subdelegado do Recife, ocrionlo
Leopoldioo de 25 annos. natural de S. Francisco
solteiro, ganhador, escravo de Joo Alves dos
Santos, a requisigo de Antonio Luiz de Olivem
Souza 4 C.; a ordem do de Snto Antonio. Luiz
Gooraga da Cunha, por embriaguez, Zferino
pardo, tfe 24 annos, natural de Macei. casado'
dado agricultura, escravo de Joaquim Travassos
Cerloo, a requisigo deste por andar fgido, Ma-
noel, crioolo de 30 annos, natural de Macelo, sol-
teiro, ganhador, escravo de Antonio B. da Gua-
rni cono suspeilo de andar fgido, a Patiicio,
escravo deFelippe de tal, por ser encontrado de-
pois do loque de recolher sem bilhete do senhor ;
a ordem do da Magdalena o pardo solteiro Joa-
qoim Jos Ramos, de 35 annes, natural desta pro-
vincia, oleiro, por insultos; a ordem do dosAfo-
gados o preto solteiro Joo, de 32 annos, natural
*a Cabo, dado agricultura, escravo de Manoel
p Sr. Canuto nao leve uma palavra parase
defender nessa occasiao, e conscio da sua mise-
ria calou-ae, proroeltendo-me. que cao fara uso
nenhum da semelhante altestado.
am\v Sr" GaDU, mui, fci em eogaoar, e
difflcillimo de ser engaado: tem eale mrito
que todos geralmente lbe reconhecem I
Dos meus prenles, moradores naquelle termo,
o Sr. Canuto nao teria obtido um nico altesta-
do, sequr em favor de sua conducta, se por
ventura elles nessa occasiio nao estivessem S.
goorancia absoluta das aegoes prfidas por S. S.
praticadas. v
Isto que venho de dizer oov do meo proprio
irmio. o roaior Jas1 Rufino Barboza da Silva, que
perguntou-me a rszio porqae nioinutihsei igual-
mente o seu altestado 8
Mas nada lo revoltanle, como o seguate Ir-
cito >
O memo Sr. alferes Joo Xavier foi leste-
menha do pedido, que me fes o Sr. Pedro Bar-
bosa da Silva psra nscar aoa asaignatura. di-
rendo nio desconhecer os defeitos de se ir-
mao a.
Que ryrrismo em calumniar \
Felizmente o Sr. Canuto Jos Pereira de La-
cena J est bem conheexdo na provincia I O pro-
eeoimenio vargonhoso que tem tido para com a
familia qee pertence, est hoje no dominio pn-
biico ; e portento, nao ha quero possa ligar f s
soas palavra, ovando elle o primeiro a des-
9) ea a. fM C CJB a. es 0 a i m Horat.
n c 3 e e co B w B 3 a C j 1 Alhmospher a
V V Z O Diriecao. M H e
1 aa O C 0 es I 1 1 Intimidad!.
-a 00 o> 00 y 1 1 FarhsnhAit. 1 es m m 0 0 0
1 MI O oa 03 13 a lo 1 Cmtigrado. p
O ^a -a ^1 1 ffygromitro.
0 O 0 Cisterna hydr mitriea. - 1 i
a a a Cn -4 ec 0 "o "0 fcO "8 o 01 s Francex. ts > 0 i
Ingles.
c
r:
a
H
A noile clara, vento NE fresco que abonaocoa
gradualmente at ao aroanbecer.
OSCILAglO DA MAR.
Preamar as 6 h 6' da larde, altura 6,8 p.
Baixs-mar as 11 b. 54' da manha, altura 1 p
Observatorio do arsenal de marinha, 16 de Ja-
neiro de 1862.
ROMANO ST1PPLB,
1* tenante.
Emaes.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimenlo da resoluco da junta da
fazenda, manda fazer publico, que a arremataco
da renda dos predios do patrimonio dos orphos
01 transferida para o dia 16 do corrente.
E para constar se mandou afflxar o prsenle e
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Pr-
nambuco 4 de Janeiro de 1862. O secretno,
Antonio F. da Annunciacio.
A cmara mnnicipal desta cidade publica
pira conhecimento de seus raunicipee o offloio
abano transcripto, que recebeu do Exm. presi-
dente da provincia, e pede-lhes que attandendo
a recommendacao feita por S. Exc, traiem de
empregar todos oa aeus esforcoe oa cultura do
tabaco, visto como, receiando-se que da actual
guerra civil nos Estados-Unidos da America do
do governo de Pernambuco
14 de Janeiro de 1862,
Pela secretaria do governo Se faz publico para
conhecimento de quero ea>caaaac possa, que se
acharo em concurso os dous officios de labellio
do publico judicial e notas du termo de Flores,
aecuroulando uro os officios de escrivio de or-
phos, capellase reiiduos, a o ouiro os de es-
crivio das execuces civis e criroes : os preteo-
dentes hajaro de apresenlar seus reiuerimenlos
instruidos na forma do decreto n. 817 de 30 de
agosto de 1851. e do aviso n 252 de 30 de de-
zembro de 1854, no prazo de 60 dias, cootados
desta dala.Joo Rodrigues Chaves.
Pela inspeccio da alfaoJegaj se faz publico, que
no dia 20 do correte, depois do meio dia, se bao
de arrematar em hasta publica porta oa mes-
ma repartico, de conformidaldo cora o disposlo
oo art. 302 do regulamentu de 19 de setembro
de 1860, livre de direttos ao arrematante as
mercanorias abaixo descripias j snnunciadas,
por edital de 30 oias datado de II de novembro
do anno prximo lindo, a saber:
Armazem n. 1.
Marca JBGA.1 caixa coro 2 vldrns
com ac de 2/8 de espesura, com
1334 polegadas (4) de superficie. Va-
lor da pol. (4). 13 ris___[...........
dem HM.2 caixas com 2 padras In-
mutares (sendo uma queDrada). Valor
arbitrado de ambas IO9..............
Armazem o. 4.
Marca letreiro.1 pnle, alias boio de
barro com soda caustica, peso bruto
10 libras, tara 30 0/0, liquido 7 lib.
Valor da libra 300 rs..................
Armazem n. 5.
Marca letreiro.1 embrulho com 1 co-
bertor de lia pesando 13 libras, valor
da libra 781 rs........................
dem dem.1 dito eom 10 peca da ca-
darco da seda, peso liquido 3 <2. Va-
lor da I69606...................... 49g998
dem dem.1 dito com 54 livroa bro-
chados, pesando 40 <8, valor da
1 $000.........m.............
Idero dem.1 dito coro uro caderno de
msica, pesando 1 dem idero.1 caixa coro uro retrato
com moldura dourade, valor arbitra-
do 5#000..............................
Marca MO&C 1 dita com 80 de ra-
p nacional em mo estado, valor ar-
bitrado da 3 300 rs..................
Muca letreiro. 1 caixa com 42 livros
brochado, peso liquido 23 8|.............................. 23SO00
dem idem.2 ditas com 24 enfeiles de
flores de panno para cabeca, pesando
36 ooc89, valor da onfa 15.......... 369000
dem idero.15 paras da mairafas (ca-
bello humano) pee liquido meia li-
bra valor da <3 5..................
Idero idero.1 gamella da madeira pe-
sando 2 (|), valor da (a) 19200........
Marca AT.1 caixa com 66 grvalas de
seda simples, peso liquido 3 libra*
valor da dem dem.1 cexia com louca d. 3,
pesando liquido 10 iS, valor da <8
Idemsouu n. 2 pesando 7 vaior "da
va, 134 rs ,...........................
Marca letreiro.-1 caixa com 6 reloios
de ouro, valor de 1 IOO9OOO..........
dem dem.1 sacco com 2 obras im-
pressas ene-ademada, pesando 3 li-
bras, valor da (fi lajoOO..............
dem idem.Letras impiessas pesando
2<3, valor da <8 3>..................
dem ideroAnvelopes, pesaudo >W.
valor daS 800 rs......................
Arroazem n. 8.
Marca ASCuoha.1 pacote, duaa obras
impressasencanernadas, pesando 5 <3,
valor da <8 19500.....................
Marca B traveasao 60 camslras coa
albos, pesando 78 (f>, valor da 19.
Armazem n. 9.
Marca ARM.1 caixa com um sacco
com feijao. peso liquido 2 valor
da (j) 19............................
dem dem.1 parco de noaes s granel,
pesando 24 <3, valor da $ 3j20O...
dem idem.1 lata com aalpice*. valor
da 300 rs..........................
Marca 1*6.1 caixa com 2
>ro prsenle e
. I63OOO
1:386j825-
Alfandega de Peraambuco, 9 de Janeiro de
186iLO inspector, Bento Joa Fernandas Barro.
.' O Illm. Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial, em curoprimeulo da resoluco da junta
da fazenda. manda fazer publico que no da 30-
do corrente se ha de arrematar a quero mis der
o imposto de l 0|0 sobre a renda dos terrenos
oceupados com o plaolio do capim no municipio
do Recife, avaliado annualmente em 4:1209.
A arremataco ser feita por lempo de 33 me-
zes, a coolar do 1." de outubro de 1861 a 30 de
junho de 1864.
As pessoas que se propozerem a esta arrema-
taco, comparecam na sala das sssoes da refe-
rida juola no dia cima mencionado, pelo meio
dia. e competentemente habilitadas.
E para constar se mandou aduar
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
oambuco 11 de Janeiro de 1862.O secretario,
A. F. d'Annuneiaco.
Pela inspeccio da alfandega se faz publico,
que no dia 18 do correte mez, a porta da mesroa
repartico, e depois no meamo dia nao de arre-
matar, sendo a arremataco livra de direitos, 46
caixas com cebles da marca B & P com 4,09i
libra, vuite qualro dita* da marca B A C con
2,136 dita, dezenove ditas da marca M T com
1.691 dita, ou 247 arrobas e 17 libras 1,000
ris a arroba, segundo a tarifa, total 2i7531
ris; qualro ditas da rosrea S U L, pesaodo
liquido onze arrobas, vindas de Lisboa pela bri-
gue porluguez Soberano, entrado nesie porto no
01a 3 do andante, e abandonadas aos direitos por
Thomaz de Aquino Fonseca Jnior, e Tasso
Irmos.
Quarta seccao da aliandega de Pernambuco 15.
de Janeiro de 1882.-1 escriturario,
Firmino Jos de Oliveira.
^eciani^otjaa.
149742
10*000
2S100
29343
409000
ISOOO
55000
249000
com
129500
294OO
609000
2J0OO
938
6OO9OOO
49500
6J0O0
3J200
Tribunal do commercio.
Pela secretaria do tribunal do commercio de
Peroambuco se faz publico que nesta data foi ins-
cripto no livro de matricula dos commerciaotes
o Sr. Joaquim da Silva Coelho, cidaiao portu-
gus, de 40 annos de idade, domicilia 10 e estsba-
lecidn na provinna da Parabioa do Norte
casa de commercio de grosso trato.
Secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambuco 10 de Janeiro de 1861.
Julio Gulmarae?, official-maior.
Pela mesma secretaria se faz lambem publico
que Antonio Sehalappriz. socio da casa coromer-
cial de Joio Keller & C. foi da mesma disligado
no ulnmode dezembro findo, continuando aquel-
la sociedsde sob a referida firma e as mesmas
coodicoes.
Secretaria dia ut suprs.
Julio Guimares, offlcisl-maior.
Pels mesma secretaria se fas igualmente du-
blico que a firma de D. P. Wild & C, estabele-
cida eesia prca, flea substituida pela de Wild &
Just, composla dos mesmos socios, e que a mes-T
roa seciedade contina como al agora sob as
mesmas coodicoes do contrato de 3U de novem-
bro de 1859.
Secretaria dia ut supra.
Julio Guiroares, official-maior.
Pela mesroa secretaria se faz publico que na
dsta infra fica registrado o contrato de'sociodide
de Viceoie Ferretra da CsU e Joaquim Filipye
da Costa, guelle porluguez e e>le brasileiro do-
miciliado e estabelecidos nesta cidade com'casa
le commercio de gneros da e-tiva por grosso
sob a firma social d.f Vicente F-rreira da Costa
C, devendo durar a mesroa sociedsde por esoa-
go de tres annos, contados do o"0 correte
roez. cm o capjtal de 100:0009 foroeciios por
amos em partes iguaes.
Secretaria II da Janeiro de 1862.
Julio Guimares, official-maior.
InspecQo do arsenal de ma-
riuha.
Faz-se publico que a comraissio de peritos des-
te arsenal examinando na forma determinada no
regulamento acoropanhaodo o decreto n 1321
de 5 de ie-ereiro de 1854. o vapor Camar'asine
da companhia Vigilante, achou o em estado da
poder continuar no servteo em que se acha
Inspeccaodo arsenal de marinha de Pernam-
buco era 16 de Janeiro de 1862.O inspector
Hermenegildo Antonio Barbosa da Almeida
Desde o dia 15 do corrente al 15 da feve-
reiro prximo vindouro, esto abenas as matri-
culas na secretaria do gyrooasio. Recife l da
Janeiro de 1862.O secretario. A. A. Cabral.
confiar deltas, invocando os tesiemunhniTnasast n
proprias cuoh.dss orphlas, e o,?nr.mi?o. io! i 1^ ",0,to irande a"n,0 PTo-
santos evangelhes psra comprovar aa suas propo-
SIQOe III r r
Forte loreima I Nio aei quando o Sr. Canato
querer terjmno I Deus se amrele da aoa i-
eio fragilidad! I
"> ^. Ptro fmrbota da Silva.
Uomes Perrelra, como sospeit de andar fgido ; I Hfe 1* da Janeiro de 18flf.
a ordem do do Poco da Paoflla o preto solteiro I
dueco.
Escara a mesma cmara tjue Bao deixarao to-
dos os sgriculiores deste municipio de ceocorrer
para o deaenvolvimento de uma planta que trar
sem duvida grandea vantagens para aqoelies que
se empregarem am coltt-e-la.
Paco da cmara meoiripel do Recife ea sessio
ordinaria de l de dezembro de 1861.Luiz
Francisco de Barroa Reg, preaidente.Francli-
com 2 massos de
vallas de alearinas, pesando 1 8 e 1/2
valor da % 600 rs................."
Sem marca.1 dita com 36 frascos de
mostarda em p, peso bruto em fras-
cos 30 24 <8, valor da dem idem.1 dita com ptxe de alca-
Irn, pesando 22 e, valor da ij> 9..
Marca letreiro.1 pacote com 12 limas
para ferreiro, pesando 23 S, valor da
libra 400 re............. ..............
Sem marra.2 pranehoes de pinho, va-
lor arbitrad de ambos 4a............
Marca letreiro.2 alados 2 duziss de
ps com eabo, pesando 74 "S, valor
da <8 200re........................
Idea idem.S feites de folha de iu-
rn. pesando 80 <8, valor da 9 400 rs
Marca diamante.1 barril vino, valor
I9666......sHaB*............
Marca M.1J Kr cervej' a'r'ri'na-
da, valor *M. I9666 rs..........
are BO.1 Tia caixa com obras
iropressas brochadas, aesaedo 14 9,
valor da 9 19........................
dem idem.1 daala da lapia pretoa
7500
789000
29400
9J000
Arsenal de guerra.
Por ordem do Illm. Sr. coronel director da
arsenal do guerra se faz publico, que nos termos
de 1860, se tem. de mandar manufacturar o
seguinte :
160, sobrecasacos de panno verde.
175, calcas de dito panno.
360, frdelas de brim.
501, calcas de brim.
501, camisas de algodosioho.
501, pares de polainas de panno preto
Quem quuer rremalar o fabrico d'e ditos
artigos. no praso de 20 dias, comparece na sala
da directora do mesmo arseosl, pelas l horas
da manha. do di,,20 do corrent'e es. Jom ,0.
llTZr qU Joo Ricarda da Silvas.
Conselhfj admiBistrativo.
O conselho admimstraiivo para fomeciraeolo
do arsenal de guerrs tem de comprar oa ocins
eguintes : a?jwo
Para o 10'batalhio de infamarla da linba.
3caldeiras da ferro para 100 pracas.
4 colheres de ferro,
anchada.
I 4 espumadeiras.
4 trarfos de (erro.
14J800 3 ps de ferro.
13 vasos deslimpeza.
329OOO 20 cordes para canudos de inferiores
imm 1 ..., P*r' i fo',a.,e" Ilamaracl.
lfoob 1 maitro para bandeira. ^
t bandeira grande de Alel.
3 ps de ferro.
1 remo de governo para canoa.
tiannn1 *n k. f*n """P1'' militar.
149WU 1 ou cobertores ou mantas da lia
124 camisis da meia.
900
69384
19443
992OO
4900o|7
5666


MWiMnrwo mmxl mu 17 w
*
Para previmento tos atmaxcoa do eraenai de;
guaren.
30 resmas de papel almajo de priaeira sotte.
90 diaa de dito dito pautado de primelra orle.
2G>massos d obreiai.
11 grozas da peana de ce de boa qtaaiido.de.
20 quiotaea de ferro ingle* em barra de 1 li2 po-
legadai.
SO ditos de dito dito quedrado de 5(8.
t2 arrobas de arcos e (erro de 1 1|2 polegadaa.
Queta quier vender tasa objeclos aprsente aa
aaa propnetae em carta fechada oa aectetaria do
coeaelho as 10 horas da miabas do da 22 do
trrenle mez.
Sala das sessoes do conselho administrativo
para focoeciraaoto do arsenal de guerra, 15 de
laoeiro de 1862.
Bento Jote Lamenha Lins,
Coronel presideote.
Alexandre Augusto de Frias V\ llar.
Majar vogal e secretario interino.
Por esta aubdelagacia se faz publico que se
echa recolhtdu a casa de deteogo e pretoj Joo,
que (oi preso pela patrulha roodauta 4s 10 horas
da narle, por snspeito de estar fgido, o qoal de-
otaroa ser cscre-vo de J.ro Gomos orador ero
Clasele, quena ae julgar oei direito oomjpaseca
3ue Ihe ser entregue. Afugados 15 de Janeiro
e 1852 0 subdelegado, Jos Busrque Lisboa.
Consulado provincial
Pela meas do consulado pro'incid ae declara
que no da t de Janeiro corrale se priociqiou a
cootar as 90 das triis marcados para a coDranga
a bocea do cofre do primeiro semestre da tamo
aanceiro vige-uto de 1861 a 1862 do imposto de
20 por ceulu do consumo de agurdenle das fre-
garas desta cidsde, Afugados, S. Lourengo,
Satirio Amaro de JaDoatao, Vartea e M o Hataca e
que catn ceaaprehenlidos na mal* dHiernama-
01 no arl. 50 da lei provincial n. 3i6, tolos os
conlribuintea que pagarem depois de flndoi ditos
30 das.
Mesa do cenBuU'to provincial de Pernalibuco
15 de Janeiro de 1862.
T. M F. Pereira da Si va.
Consulado provincial.
Pela mesa do consulado provincial se fia pu-
blico que os 30 das uleis marcados para ac-
branca a bocea do cofre dos impostos de 4 por
oslo sobre os e*tabelecimeotos de fora da cida-
de, preses de algodo. typograpnias, cochpiras,
cavallarices de aluguel, boleo, bolequiug, casas
de pasto e fabricas, de 8 por ceoto sobre oi con-
sultorios mdicos cirurgicos, carlorios e eicnp-
torios, de 12 por cento sobre os estabelecia entes
de coairaercio em grosso e a relalho, armazeos
de recolher, de,deposito e trapiches, de 5( por
cento sobre casas de modas, de buhar e tojas
que venuerem chapeos e roupa feila eslrao^ei-
ra, de t:0U# sobre asas baacarias, comnisso
e orivilegios, de 5001 sobre casis baocariaa com
en.ii-) e aem privilegios, de 3000 so^re casas
hincaras sem emissao, companbias auony as e
encas, de 2009sobre casas de cambio, de )00 rs
por loii'-Uda das alvarengas e canoas embrega-
das no trafico da carga e descarga, de 30$ por
escravo empregado no servico das mesmas al"a-
reogas, de 1009 sobre corretores couimeriiaes,
de 50j) sonre corretores de estraves, e finalmen-
te o imposto sobre carros de aluguel e paiticn-
lares de 2 e 4 rodas, carrogas. vehculos ddcon-
ducao e mnibus se priocipiam a eontsr dd dia
16 de jan-iro correte.
Mesa do consulado provincial de Peroanjbuco
15 de Janeiro de 1862.
T M. F. Pereira da Silva!
Pela subdelegada de polica da Capuoei se
faz publico, que se acha recolhido casa d > de-
tengao um preto que diz chainar-ae Joo, e ser
escravo de Antonio Temporal, morador na r la da
Palma, o qual fora preso por suipeila de estar
fgido ; quem ae julgar com direito ao mesmo
escravo, corspareca nesta subdelegada, que pro-
bando o seu dominio Ihe ser entregue.
O subdelegado supplente,
Manoel Gentil da Costa Alve
Gooipabbia de ca vallaria.
Nao leudo apparecido hoje licitantes ao f rne-
clmento do rancho e forregeos, na furnia do an-
nuncios publicados por este Diario nos dis 4 e
Nor-
me-
ala
zeo-
paca
li-
mpa-
d tratar con ioa Joaquim Airea da
Collo
Silfa-
Rio de Janeiro
O veleiro e bem coobecido brigue nacional
Damio pretende aeguir com muita brevidade,
tem parte de seu carregameolo prompto ; pata o
resto que Ibe falla, trata-ae com oa aeua consig-
natarios Antonio Loiz de Oliveira Azevedo & C,
noaeu escriplorio ra da Cruz n.l,
Para.
Baa direitura o nalh abte Sania Cruz recebe
carga a frele a tratar com Caetano Cyriaco da C
M. & traad; na lado do Corpo Santo a. 3.
Rio de Janeiro
Pretende aeguir com muita brevidade o patacho
nacional C*oam, tem parte de seu carrega-
mento prompio : para o resto que Ihe taha, tra-
ta-ae com os seua consignatarios Azevedo & ateo-
des, seu no eacriptorio ra da Cruz d. 1.
CQMPANBIA PERKiMBDCAIU
DB
\ayegacdo costeira a vapor
Parahiba, Rio Grande do Norte, Ma-
cau do Assu', Aracaty, Ceara',
Acaracu' e Granja.
O vapor Iguarass, commaodante Vianna,
sahir para oa portos do oorte de sua escala al
a Granja no dia 20 do correute mez s 5 horas
da tarde.
Recebe carga al o dia 18 ao meio dia. Eo-
commendas, passageirose dinheiro a (rete at o
dia da sabida s 2 horas: escriplorio no Forte
do Mallos n. 1.
ferecide : terca-fefra ti de correte pelas 10
horas da maoha a ra da Cadea do Recife o...
onde o aaeamo eatebeteciinenlo.
Di
Armaco e dividas da taberna
sita na raa Imperial a. 193.
Emsooi mus lotes.
SEM BESERVA DE PREQO,
Segnda-feira 20 do crvente
as 12 /toras do dia.
O agente Guimaries porconla e risco de quem
pertencer vender em leilao a excellente grog-
cao com gaz e oais perteoces, e tambem a di-
vidas constante da relelo aaa ae acha em poder
da referido agenW.
E bem assirn
ama pon,o de fumo em folha de primeira qua-
lidade e reato de molhadoa.
Transferencia do leilao
DE
Madapolo, chitas etc.. em um
oumais lotes.
Terca feira 51 do correte.
SEM RESERVA DE PREQO.
O agente Guimaraes nao haveodo effectaado o
leilao annunciado para o dia 16 do corrento tem
transferido para o dia cima pelas 11 horas, em
o seu armazem na ruado Imperador n. 37. Con-
vida de novo aoa Srs. paea de familia e a lodos
que ama a economa para comprarem com 5 por
ceoto de differenca.
Aluga se o sitio da porta
da caixa d'agua em Apipu -
eos, com idnmeros pt de
fructeiras, e casa para grande
familia: a tratar no | Recife,
ra do Brum n. 33u
Na rna Augusta n. 100, lava-ae e engom-
ma-se com preferencia roupa da senhori.
Na ra da* Gruze* n. 35, preci-
ca-se de um oficiat de birbeiro.
Para a Baha segu o palhabote S-nlo Amaro,
para alguma rouca carga que Ihe falta trata-ae
com seu consignatario Francisco L. O. Azevedo,
na ra da aladre de Deus n. 12.
io de Janeiro
r-
7 do crrente, a excepQo do Sr. Antonio
berio de Souza Lealdaoe, que offereceu o f
cimento de ditas forrageos por um preco
alto do que o marcado pela thesouraria de fa
da : de novo o capilao commaodanie e
para o da 13 do crreme a concurrencia d
citantes s 10 horas, na secretaria desta co
nina.
Ouarlel do Campo das Priocezas, 9 de japeiro
de 1862.
M. l'or&rio de Castro Araujo, capilao com
Oa ote.
Por esta subdelegacia de novo se faz
co que se acha recolhido delengao o preto
colino, que declarou estir fugilo da casa del
senhor, de nome Bnto, do eng^nho Cnbe
Porco; assi'ii eomo se acham Jopositados4 c
los, 1 ruco pedrez, e outro ra Antonio Jos do Ctrmo, conhecilo por Ante nio
do Barro, a quema voz publica o indi|{ita ocio
da compaahia dos industriosos em furto de ci vat-
ios, u a outro mellado, tornado a Joo Evangplis
ta de Mendoncta por denuncia de ser furUde
outro ru;o pequeo sujo.com diversas cruzesj
malo a outro iovituo por furtado, e sg
consta que o dono mora nos Vnrraelhos, fre
zia de lpojuca : portanto, quem se julgar
direito a urna e oulra cousa, comparoca. qne tro-
vando, Ihe ser eotre gueia dos Afugados 11 de Janeiro de 1862.
subdelegado supplente, Jos Buarque Lisnoa
de
dia do Recife.
O IIIm. Sr. teaeole-coronel Justino Pereir
Parias, Ihesoureiro esmaler interino da santa ca-
si de misericordia do Recife, manda fazer publi-
co que no dia 20 do correle, pelas 10 horas da
manha, faz pagamento das respectivas merJsa-
lil.ides vencidas at dezembro ultimo as amas
que comparecerem acompauhadas das crianaas.
Secretaria da santa casa de misericordia do
Recife, 9 de Janeiro de 1862
F. A. Cavalcanti Coutieiro,
Escrivo.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo, para fornecimebto
do arsenal de guerra, lem de comprar oaobjei tos
seguintes
Para provimeoto dos armazens d o srsenal de
guerra
20 duzias de taboas de louro de assoalho.
15 duziaa de ditas de pinho de 3|4 de grossura.
5 duzias de ditas de dito de assoalho.
Quem quizer vender laes objeclos aprsenl-
as sua- proposlas em carta fechada na secretaria
do conselho, s 10 horas da manha do dia 17 do
correte mez.
Saladas sessoes do referido conselho, 10 de Ja-
neiro de 186.
Bento Joti Lamenha Lint,
Coronel presidente.
Jlexandre Augusto de Frias \il ar.
Mojor vogaleaecreterio nterin .
rasos m&iimo.
O brigue nacional Veloz pretende seguir com
muila brevidade, tena parle de seu carregamento
a bordo : para o resto que Ihe falla, trata-ae
com oa aeus consignatarios Antonio Loiz de Oli-
veira Azevedo & C, no seu escriplorio ra da
Cruz n. 1.
Para o Rio de Ja-
neiro.
Seguir com teda a brevidade para o porto in-
dicado, o veleiro e bem conhecilo brigue En-
cantador : as pessoas qoe nelle quizerem car-
regar poderao dirigir-se ao escriplorio da viuva
Aoiorim & Filho, a ra da Cruz n. 45, para
tratar.
Precisa-se de um distribuidor para
este Diario: Da livraria n. 6 e 8 da
praca da Independencia.
Todos os bomens honestos deata cidade
teem visto a maneira desabrida, porque tenho
sido tratado por alguem, s porque aprouve ao
finado Jos Fernando da Cruz fazer testamento e
nelle numear-me seu lestamenleiro, depois de
haver-tbe eu duraoU vida prestado servicos a
que elle nao p le deixar de mostrar-ae raco-
nbecido. Um dos meioa com que procurara des-
conceituar-me, a insereno de annuncins que
s demonstrara a cobarda de quem os confec-
ciona. Tranquillo em minha croscicncia, sel
dar o valor que merecem almas tao igoobeis, e
apenas tratarei de vigiar sobre a minha existen-
cia, corto quem qner que foi o autor do annun-
cio publicado no Diario de Pernambuco ai hoj-
de que, se pode ser desconhecida a deslilao
da roa Imperial, nao o por certo o gabinete
chimico, onde se preparara venenos propnos a
roubarem a existencia daquelle de quem por ven
tura se espere urna fortuna, sem que custe os
suores do hornera laborioso. Sou grato me-
moria do fallecido Jos Femando da Cruz, cum-
pro um dever de consciencia ftzendo com que
sua derradeira vontade aeja religiosamente curo-
prida, hei de com aa (oreas da heraoca satisfa-
zer aos empenhos da testamentaria, e deixo
Frovideocia o cudalo de punir aquelle que ru-
mina meios indecorosos e qwc comprometedo-
res da alheia existencia. At aqu chega por ora
o meu protesto contra o em prego deases meios
igoobeis. O publico ser em denlo lempo in-
formado de crias emergencias. Recife 16 de
Janeiro de 1862..
Baiiliano de Magalhes Castro.
A commissSo encarregada do funeral
pela asentida morle de S. M. Fidelissima o
Sr. D. Pedro V, declara que no dia 17 do
corrente pelas 10 horas di manha tm de
celebrar6m-ae aa txeiui.aa na igreja do
Espirito Santo pelo repouao eterno do
mesmo augusto senhor, precedeodo a esta
solemniddde as vesperas que devem prin
ciplar as 5 horas da tarde do dia 16 ; e
tendo Ihe faltado lempo para dirigir no
geral convites directos, esta commisso
pede desculpa desta Taita a qualquer pes
oa que lenha deixado de ser convidada e
que relevada tal omissao se digna asaialir
a este acto.
Conta igualmente esta coramislo que
todos oa seas compatrioiaa residentes nes-
ta capital darlo urna demonalrago pu-
blica do verdadeiro aeotimenlo por lo
irreparavel perda, e espera a assislencia
dos meamos no indicado dia, e preslarSo
assirn a hamenagem devida do uosso vir-
teoM) soberano,
hecife 11 de Janeiro de 1862.
J. H. Fereira.
Jos Antonio de Carvalbo.
Jos T-ixeira Bastos.
Joaquim Monteiro da Cruz.
Jos da Silva Loyo.
Oommisso encarregada do funeral
pelo passamento de S. H. F. o Sr. D. Pe-
dro V. de saudoss m#rnori, leudo j te!-
lo convites aos Illms. Srs. chafes de to-
das as repartirles, aQm de se di'gaarem
assistir com seus empregados as exequias
que devem celebrarse no dia 17 do cor-
rente, pede muito respeitosameole des-
culpa aos mismos Srs. empregados de
nao ter dirigido convites a cada um de
per si por falla de lempo, esperando com-
tudo que se dignarlo comparecer a um
acto lodo i io e religioso, e desde j esta
commisso Ihe tributa a maia elevada
gratido.
Jos Ileorique Ferreira.
Jos Antonio de Carvalho.
Jos Teixeira Bastos.
Joaquim Monteiro da Cruz.
Jos da Silva Loyo.
V O Dr. Carolino francisco de Lima San- 9
aja io?, mudou-as da ra das Cruzes para a 9
do Imperador, sobrado n. 17, era frente $
9 da igreja de S.|Frdncisco, oodo continua ft
9 no exercicio de sua proso de medico.
Advocacia.
- XA
LEIL40
ara
Segunda-feira 20 do corrente.
Costa Carvalho autonsado por urna pessoa que
se relira par fora da provincia far leilao de to-
dos os seus movis que se acharan patentes no
acto do leilao, devendo o mesmo leilao ter lu-
gar no 1 andar do sobndo da ra das Cruzes nu-
mero II.
LEILAO
DE
Louca grossa de
barro e vidracU.
O agente P%stana autonsado pelo Sr. Haooel
de Uenezes far leilao de sua loja de louga em
um ou mais lotes, na ra da Cadeia do Kecife
n. 8: quinta-feira 16 do corrente pelas 10 horas
di maoha no mesmo eslabelecimento.
LEILAO
Sexta-fe.ira 17 do corrente
O agente Pinto far leilao com autortaaco do
Illm. Sr. inspeelor da alfandega, em presentado
cnsul americano, e por coma e riaco de quem
pertencer, da 2 botes, 2 velas, 4 remos, t temes,
2 aguihas delbarear e 2 ancoretas < bjectns sal-
vados da barca americana i. H. Gamble, ca-
pitn Jobn Powel, aa 11 horas do dia cima
mencionado, no trapiche da alfandega.
Nt-sti mtisma occasio
vender tambera em presenta do cnsul de S.
II. Britanoica, 1 bote com vela e remos, 2 gu-
illas de marear, 2 espadas e um lamoeo, objec-
los salvados da galera americana Glantanner.
LEILAO
O advogado A. R. de Torrea Baodeira tem o
seu escriplorio na rasa 10 sua residencia na ra
do Imperador n. 37, segundo andar, entrada a
direita ; e ahi pode ser procurado para o exerci-
cio de sua proflsso. Eii prompto para encar-
regar-se de qualquer defeza e para tratar de
questes forenses, em qualquer lugar fora desla
cidade e protesta a maior solicitude no desem-
penho de suasobrigaces.
O bacharel A. R. de Torres Bsndeira, pro-
fessor de gengraphia e hi-tona antiga no Gym-
nasio desla provincia, continua a ensioar os pre-
paratorios seguintes:
L'iiaua franceza ;
Lingua ingleza ;
Geograuhia e historia ;
Philosophia ;
Rheturica e potica.
Para mais coramodidade doa alumnos que se
quizerem habilitar para exames no rcezde mar-
co futuro, tem reaoWido nao someote abrir cur-
sos especiaes de qualquer das disciplinas indica-
das, mais anda prestar-se a dar licoes em sepa-
rado, mediante um ajuste rszoavel.
Est prompto para leccionsr em qualquer col
legio ou casa de educaco, bem como era casas
particulares.
Pode ser procralo em sua residencia, na ra
do Imperador n. 37, seguodo andar, entrada I
dir la.
Precisa-ae da quintia de 300$ a juros a
prazo de 8 mezes, sob hypothec* n'um escravo:
quem pretender esse nesoeio dirija a esta lypo-
graphia urna caita com as iniciaes M. E K. O.,
oa qual indique o seu nome e moradia, para ser
procurado, devendo Gxar-seo negocio at o um
do correte mez.
Na ra do Livramenton. 7 primelro sobra-
do, ha para aluitar-se Squartus por prec,o muito
commodo : que* pretuder dirija-se ao mesmo.
Precisa-se de urna ama que saiba enaaboar
e engoramar para casa de pouca familia i a tra-
tar ua loja da boa f ra da Imperatriz.
O Sr. Ilermogenes Noberto de
Gusmao, queira vir a esta Typographia
a negocio.
Na rea nova de Santa Rita n. 40, ae dir
quem d dinheiro a premio.
SA
oja de lou^a de barro e
mais objectos para li-
qui'.aco
Terca-feira 21 do corrente.
Manuel de lenezes tendo de retirar-a* deata
provincia a tratar de ua saude vender em k-i-
lo feito pelo agente Peataans, eua loja de lauca
em qual iem oa objeclos aeguintea: alquida-
rea de barro e vidraSos de diversas qualfid<>,
cadeirts, apparelhes de metal, baldes de pao
para compras de easa, balaios, brinqaedea para
meninos da diversas qaalidadas, caoecoi, chi-
cras e pires, copas da Santa, diios da provincia,
cdoos de landrca. qaarrinhas, resfriadeiras, ea-
cavas para lavar cesas, ditas paam varrer, diaa
defaaenba, ditas de paltia, frM Ips, jarras de
differenles tamanhos qoiHdjJJ % garrafas de
vMro, noniiUM. qaartinhas T llm outros
ot>jecWi que seria lmpossivel aas numerar, e
que lado se achara patente aes compradores e
10 de Janeiro,
egoe air estes diaa o veleiro brigue cCruajeiro
do Sul : para a pouca carga que Ihe falta, e ea-
cravos, trata-se com OS consignatarios Antunes,
Guimaraes C no largo da Asaembla n. 5.
Freta-d* para qualquer do por-
tos do Rio da Prata, o brigue nacional
Norma, de lote de 296 tonel la das, e de
primeira darase: tratase: com o teu
consignatario Domingos Ferreira Mia,
na ra de Apollo n. 37.
Sabe imprelenvelmente no dia 21 do cor-
ren* para Aracaty histe aacional alovonci-
vela>, teevdw alguese cara pMMgeiras; eiaaai
quizer carregar ou ir de passagem, dinja-se a .
bordo do refer !o hiata iaato trapiche do al-1 ser vendido sem reserva pelo maior pre;o ot- Altencao

Traspasas-se o arrendameoto da taberna da
roa das Cinco Ponas u. 71, lendo lo smenle
armsQo e muios commodcs, e bastante aftegue-
zada para o mato.
Aula de merlinas
Mara Filippa Santos, competentemente auto-
risada em vlrtudeda lei, declara aos pais de anas
alumnaa, como lambem ao reapeitavel publico,
que est aberta a aaa aula de ioalrucco prima-
ria, recebendo int-rnas e externas, e alm das
materias qoe constituem o mesmo eosioo, ensioe
francez, piano, costura cha, bordados, fazer flo-
res de todas as quahdadea, vestir anjos, e vende
todoa osnecessarios para bordados, como seja,
ooro, froco, sedas, la, etc : na ra do Vigario
n.5.
A pessoa que quer permutar a casa terrea
n. 57 em Santa Rita, por eaeravoa de servico, po-
de apparecer, querendo, oa ra das Cruzes, so-
brado n. 9, lato direito, quem val da ra do
Queimado para S. Francisco, penltimo sobrado,
qne ae far negocie.
Ra das Cruzes n 4,
fabrica de charutos,*, vende-se charutoa a loftjo
milheiro, de fume ta Bahia, velas de composi-
fo a 119 a arroba, a em porco faz-ae abali-
mento; aQanga-se a boa quslidade.
lojeceao Brow
Remedio infallifel contra as gnor-
a-tiea antigs e recentes. nico depo-
sito na botica franceza ra da Cruz n
O capito do brigue bespanhol
Novo Martins, nao se responsabilisa
por algumag despezas feitas pela sua
tripolaco.
ilma
Na ra Nova n. 32, preciss-se de urna ama
para cosinhar e comprar.
Precisa se de um forneiro e de um traba-
Ihadorde masseira : na padaria da ra Imperial
o 51.
Acha-se em poder do abaixo assignado um
binculo, quem fdr seu de no apparega que pa-
gan 1o as despezas Ihe ser entregue istu no pra -
zo de 3 das : ua ra do Trapiche n. 8. Recife
15 de Janeiro de 18G2.
JoSo Cancio do Reg.
Precisa-sede urna ama para lavar e en-
gommarpara dous hmeos solteiros : na. ra da
Palma sobrado n. 41.
^W 3ifc SSr 3 5aB5 918" 5W> VB Si M
Iostrucgo particular
O abaixo assignado competentemente
| provisionado pela directora geral de iris-
{trurco publica para ensinar primeiras
leltras, laiim e francez, acha-se no exer-
cicio de seu magisterio desde o dia 13 de
Janeiro do frrenle, coi sua mesrna resi-
I (enca na ra Nova n. 58, on le continua
a receber alumnos internos e externos,
| advarlindo porm que s Ihe contera SI
? admitlir 10 pencioniatas e que nao exce- 2
w dam de 12annos de ilade. Recife 15 de |
S Janeiro de 1862.Jos Mara Hachado da 52
w Figueiredo
Aluga-se uro sobrado do um andar, soio, e
seu grande armazem, cuja casa nova e a pou-
cos dias acabada em sua construya, com ami-
tos commo los, alen, destes um gande quintal, e
sua cacimba, com exctllente agua, sej$ia o so-
brado oa ra do Brum n. 31 (juntu Tdd1r,So do
Sr. Uovoman] e tem no fundo do quintal, oulra
frenle feita, e cora 2 portaa que do sahida par.'
0 caes, e ludo se aluga por prego nsoavel.
Queru a pretender entenda-se com Jos Antu-
nes Guimaraes, morador na Soledade, ra de
Joo Francisco Vieira n. 60, tslo de manha at
7 1/2 horas, e de tarde daa 4 em diante; em
falta no Recife, ra do Crespo n. 25 loja do Sr.
Antonio Goncalves de Oliveira.
Pharmacitt.
Um moco chegado recentemento do norteoffe-
rece-se para praticante de pharmana e d abono
de sua conducta : pode ser procurado na ra Im-
perial n.5, priraeiro andar.
Aluga-se a casa da ra da Roda n 23, cons-
tando de loja com urna sala, cinco qusrlos, co-
zinha, cacimba, sumidouro para ngjas servidas e
entrada por duas ruaa ; bem como se aluga tam-
bera o solo assobradado da mesma casa, com
urna sala espacosa e oulra mais pequea, dnus
quarlos, cozmha, sumidouro para agoas servidas
e entrada pelas ras da Roda e dos Palos : a tra-
tar na praca da Iodepend-ucia n. 22.
Ausenlou-se ds casa do abaixo assignado,
no di< 15 do correlo, um menino pardo, de Do-
me Maooel, de 12an.nus de idade pouco mais ou
meaos, levando vestido caiga e camisa de riscado
azul e chapeo de palha : cujo menino Ihe fui en-
tregue pelo Sr. subedelegado de S. Jos, por um
termo que passou peranta o mesmo Se. subdel-
galo : rogo, portanto, a quem o apprahender
que ae digne levar ao mesmo abaixo assignado
oa ra da Santa Cruz casa n.17.
Recife, 15 de Janeiro de 1862.
Joo Antonio da Silva Pessoa.
Precisa-se de urna ama (prtferiolo-se es-
rrava) para cozinhar e eogommar : na ra do
Crespo n. 1.
Precisa-se alugar urna preta es
crava, que saiba fazer o servico de urna
cata de pequea (amiba: na ra do
Pilar n. 123, segundo andar.
Previno a quem convier que nao
mando por pessoa alguma pedir ou
comprar cousa alguma para mim ou
para minha familia e por iaoo s me
responsabilizo pelo que eu fr pessoal-
mente comprar.
Francisco Vicente dos Santos.
AGITADOR DYN11HC0
SO BOUffOR
anuir., i. ra.
Para a preparac dos edica-
nicnlos homeopathieos.
Oa medicamentos preparados por eata machina
ao os unicoa, com que ae podem contar no cu-
rativo das molestias perigosas. E como aeja o
CHOLERA MORBU5 ama d'aqoellaa que nao
adoaiuem delaoaas e experiencias, cumpre pre-
ferir asses medicamentos a outrua quaesquer, ae
quizerem tirar da homeopsthia os vanlajosos re-
sultados que ella assegura.
Achara se a venda carleiraa e meisa carteiras
especiaes contra o cholera, acompaohada das
competentes instruccoes, pelos precos conheci-
dos, na pharmncia especial homeopalhica, ra
de Sanio Amaro (dundo Novo) n 6.
N. B. Oa homens de bora senso reconhecero
certamente que aendo o Dr. Sabino a foole pura,
d'onde emanou a horoeopalhia em Penarobuco
e em todo o norte, elle o nico immediata-
mente intereasado no seu crdito e no seu pro-
greaso, e por ronseguinte to somente nelle
que se pode encontrar garantas, quer em rela-
co applicago da scieocia no curativo das mo-
lestias, quer em relaco preparaco dos me-
dicamentos.
Na pbarmacia do Or. Sabino trabalham cons-
tantemente debaixo le suas vistas immediatas,
nos lempos ordinarios, dous empregados (um
braaileiro e outro francez quem paga ordena-
dos ventajosos), os quaea sao ajudados por mais
tres ou cinco pessoas, quando o servico o exige,
oa destillaco d espirito de vinho e d'agua, no
manejo daa machinas, oa desecaco dos glbu-
los, na distribuido das diluieoea etc., etc.
' evidente que para o Dr. Sabioo exercer a
homeopathia, como geralmeate a exercem, e
preparar medicamentos como por ahi preparara,
nem eram precisas tantas despezas com o pes-
soal, com machinas e com a oblcnso das subs-
tancias as mais puras possiveis, e nem tanta vi-
gilancia e trabalho na preparaco dos medica-
roentoa ; mas elle nao se contenta com o bem,
queja tem feilo, dando homeopalhia s oopu-
laridade de que guza: elle quer eleva-la ao
maior grao de perfeico dando aos seus remedios
a maior infallibilidaae possivel em aeus ffeitos
O Dr. Sabioo nao aspira someote os gozos ma-
tenaes da vida; elle se desvanece em ler nos li-
vros estrangeiros que a sua propaganda em Per-
nambuco foi lo brillianie que nao tem na Eu-
ropa nentiuma analoga (JORNAL DE MEDICI-
NA H0ME0PATHIC4 DE PARS, tomo 4., pa-
gina 691 ; e CONFERENCIAS SOBRE A HOME0-
PATHlA, por Granier, pagina 102); mas a sua
ambico muito mais elevada ella se dirige a
legar aa geraces futuras um nome estimavel
i>ela gravidade e importancia doa seus servicos,
pela sinceridade de suas coovlcces, e pela fir-
meza do seo carcter.E' por isso, e para isso
que elle trabalha ; e trabalha muito...
O nr. Sabino procura e deseja a eslima dos
homens sensatos; aos zoilos deixa elle a lber-
dado de mord-lo a sua vontade.
Aluga-ae o 2o andar da casa n. 193 da ra
Imperial : tratar na ra da Aurora n. 36.
Anda est para alugar a casa da ra da
Assuropco n. 46, tendo sala de frente e oulra
de detraz, 3 quarlos, cozinha e um grande aoto
com duas salas e nm qurto, quintal, cozinha e
porlo de sahida para Iraz: a Iratar na ra Di-
reita n. 106, taberna.
Aviso importante.
Aos D^es de famili
para o commercio,
Lieea da i>gua iaflata Baste : oa roa
Larangeiras o. 18. primeara anear.
OiecreL da Boa-Viagem erecta na porjac^o do
mesmo nome, faz.' cente a todos os seo
irmaos que domingo 12 nSo pode haver
mesa geral para a eieco de ora mesa
regedora como foi anuunciada. por fei-
ta de numero legal de irmaos, pelo que
esta de noo marcado pelo irmo jiatz a
dia domingo 19 do corrente pelas 9
horas da inanliaa no consistorio da fs-
pectiva igreja, nao o para o indicado
como parase tratar de objectos de gran-
de interesse. E*pera ae portanto a
maior concurrencia dos re*peitaris ir-
maos em geral.
Aviso.
Como neste Diario tem apparecido
annuncio pedindo ao Sr. Brasiliano de
Magalhes Castro, como testimenteiro
do finado Jos Fernandea da Croz o pa-
gamento das despezas do funeral do
mesmo tinado, o abaixo assignado de-
clara que nao o autor de semelhantes
annuncios e nem autorisou a pessoa al-
guma para o fazer, por estar certo nao
ser este o meio legal, antes reprora se-
melhante procedimento.
Jos Pinto de Magalhes.
->- Precisase de um escravo para
servente do hospital da ordem terceira
de S. Francisco que seja hbil e sem \yi-
cios: a tratar com o mordomo no pateo
do Para izo n. 10.
!,ou-
area
hica
parle
) em
p^es
O bacharel Atnerico Fernanes Trigo de
reiro prope-se a ensinar por casas parlicu
as seguintes materias: grammatica philosoif
da lingua nacional com especialidade n
orihographica, a lingua franceza (consistind
pronuncia, escripia, traduego e locucu); Igeo
graphia, historia sagrada e historia do Brasil;
philosophia racional e moral; e duutrina chris-
lai, ,is quses po lero constituir na falta de me
Ihjr syslema, a instrurro lilteraria, e moral de
urna senhora ; ou, pelo menos, urna habilitarlo
necessaria para a nC'iuisicao posterior de conhe-
ciirenlos mais profuudos. Lecciona igualmente
as mesmas materias e outras de instruccio pri-
maria e secundaria por collogins e aulas parti-
culares de aaaboa os sexos; podenrio ser procu-
rlo pora eaaa tiro por meio de carta, que ron-
tenhi as oecesserias indicarles, entregue Oa co
sa de sua residencia, na ra da Saudade n. 9.
A!uga-se p sobrado da ra da Penha n. 29:
a tratar na mesma ra n. 5.
Gabinete Portuguez di
Leilura.
A directora scieniiQca a todos os Srs.
associados, que, tendo tilo logar hont-m
as exequias mandadas celebrar em ooai-
desta assoritco ror alma de S. M. P. o Sr.
D. Pedro V na igreja de N. S. da Conoico
dos Militares, haver ain la us dias 16, 17
e 18 do corrente tres missas diarias no
mesmo templo das 7 as 9 horas da maoha,
86ndo no primeirn dia por alma do Sr. O.
Pedro V, no segn lo por alma do Sr. in-
faute D. Fernando, e no terreiro por alma
do Sr. infante D. Joo ; e ranaa a todes o
Srs. a rem comparecer a eatea actos religioso*
para omero pelo eterno repoure da iu
gustos liria'lo?. O templo conservar-a*, ha
lambem aberto por algn* dias das C horas
da tarde as 8 da nuile O Gabinete conti-
nuar a eslar fechado nos tres menciona-
dos dias.
Secretaria do Gabinete Portogner de l>t-
tura em Pernambuco 15 de Janeiro de 1862.
Joaquim Gerardo de Bastos,
______________ 1 errlrj..
Licts
da lingua nacional, latim, inglez e francez, em
rasas particulares, sendo as li?5es de inglez e
francez pelo melhodo de OllendorlT, methodo pe-
lo qual ensinam-se hoje as liuguas na Europa;
na verdade o nico que ensinar com lerleicao a fallar, escrever e tradu-
cir una lingo* eslrangeira : na ra da matriz da
Boa-Vista n.34.
Precisa-se de urna aaa que eozinh*, en-
gomme e compre : na rus do Litramenlo n 9.
aegundo andar.
Precisa-se de urna ama que saiba oiinhar
e fazer o servido interno de urna casa de pi oca
familia ; dirija se ao segundo colar da caaa da
ra do l.ivramenlo n. 20.
Fugio do sitio da Ilha, fregueria da Vrza,
o paro o eseravn Rene auto, aue represei.ta ler
30 anoos de idade, tem os signaes seginnts : rs-
latura regular, rosto descarnado, falla d um
dente oa frenle, procurou a direceo de S. Lo-
renco da Halla, e foi visto as visiohincas fio
engenho Pitangueira, sito na mesma legueji :
rogase as autoridades policUes qu>
noticia o favor prender, e gratifica-*e
capilao de campo que o ctpturar e
referido sitio denominado Ilha.
(elle ii>er
a qualquer
levj-lo *u
i m\M\n MLLtLA
RETRATISTA
DA
Caixeiro.
Offerece-se um moco tiablilado para exercer
a profltso de caixeiro em qualquer casa da ne-
gocio; Iratar na loja de chapeos de Mala Ir-
maos no arco do Sanio Antonio.
Preciaa-ae de MOOff, a premio astro hypa-
tneca em bens de raiz ; quem preteoder dirija-
se a traveaaa Sa ra das Cruzes, laberna n. 12,
ou rna do Qaeimaao, teja 4a baa fama.
Precisa-ae alugar urna ama de leite torra
ou eacrava, qe nao tentia fllnoa : na traveasa
do pat*o do Hospital do Pararte a. 1S.
A.luga-seoaeganae*/idird(.aobf4eS* roa
4a Paella n. ti eom bastantes eoanaaaSvs a tra-
tar do pateo do Hospital 4o Paraia a. ti.
AUGUSTA CASA IMPERIAL,
Baa do Cabuaj n. 18, I.* andar,
entrada pelo pateo da matriz.
Retratos por ambroiyuo, por melaioutypo, ao-
bre panno encerado, sobre talco, especiaes para
pulceiras, alfinetes ou cassoletas. Na mesma
caaa existe nm comnlelo e abundante aortimento
de artefactos francezea e americanos para, a col-
locaco dos retratos. Ha tambem para este mes-
mo llm cassoletaa e delicados alfineles rje ouro
de lei; retratos em photographia das prikicipaes
persooagens da Eu opa ; slereoacopos el vistas
slereosc >picas, assim como vidros para am iroiypo
e chimicas pbotographicas.
Madama viuva Lecomte
Tem a honra de participar ao publico, i parti-
colarroenle aos amigos e tregttzes do seul finado
marido, que ella continua por,'sua conta e de
seus fllhos menores com o negocio doa^u bem
coohecido e afamado eslabelecimento, situado na
ra da Imperatriz o. 7, que acha-ae completa-
mente surtido de perfumaras de qualida es su-
periores, e especiaes, viudas directame ita de
Paris, assim como muilos e variados objeitosde
phanlasia.da goato e da ultima mooa, poprias
para presenter nesia occasio de proxi nidade
das feslas. Os consumidores de lu vas de ouviu,
acharao sempre airlimontos frescos, regularmen-
te chegadus, pelos vapores ingieres e francezea.
Ella continua a receber encomineudas de quaes-
quer obras d cabellereiro para ambos oaisexos,
aa quaea aero executadaa com toda a perfeico e
promptido, e sobre ludo por precos raziavnis.
A sala de cortar cabellos estar aberta aos Benho-
res freguezes, das 7 horas da manha Is 9 da
noe ; o preco do corle do cabello, aem frua-
meoto fizado a 500 rs., corle de cabelld e fri-
samento lgOOO ra.
Madama viuva Lecomte, tendo concluido o in-
ventario das fazendas e mais beos do seu'casal,
eat resoUida, para dar prompta exlraco a mui-
toa arligos, de vende-los dioheiro, mais barata
4o que do custume.
Ella conta com a cootiouaco do concurso dos
numerosos freguezes d sen eatab'lecimtnto, e
desde ] declara, que far todoa os esforcos para
tornar-se cada vez mais merecedora da conan-
ca de lodos,
Oa abaixo assignados fazem saber ao pu-
blico e com especialidade ao carpo commereiil,
quede commum aceorda 4esapartaram a sorie-
dade que linhtm neata praca com a firma de Pe-
reira & Maraquea ente odia 30 da detemtwo aro-
lima alada. 1 ca da ectiva e paaaivo a rjaaaa do
a rio freir. Pernambuco 14 de janeira de
18.-U'iatadio Coliseo Pereira Jnior.Aalo-
m Caelano Martina Marques.
Urna neaao* canela e habiiiuda para ensi-
nar priaaeiras letras, piano e monea, etc.. offera-
ce-ae para aar a alabar parte faara desla
cidaa* : na roa de Moras .7
Offerece-se de ama issoa tan anawaaaar
faser aaaa aiaaaaaarsfc*.: aa riza 4o UWastatro
numero 4.
COill'AMHA DA VIA FRREA
DA ^
Recife ao Sao Fran.cisco.
LIMITADA,
Atteuco.
Noa domingos e diaa santos at ootro aviso aa
passagens de ida e volla, no mesmo di, das
Cinco Ponas a Gscada aero pelo preco daa a-
gelsa, a saber:
1 classe 65 2* 4e500
3 3*100
A partida dos Ireos ser romo de costme, de
manha das Cinco Ponas ss7 horas e 30 acian-
tos e de larle da Escada as 4 horas.
Assiguad"E H. Braman,
Superintendente.
<*&**''**>
* 3llua estreila d lUsario3 (
Francisco Pialo uzono continua a cal- a>
locar denles arliflciaes tanto por meio de 9
molas como pela presso do ar, aaa ra- 0
cebe paga algama sem que aa obras nao f>
fiquem a vontade de aeua donoa, lem s4a aa)
outraa preparacoea aa aaaia acreditadas S
para eonaervacao 4a bcea.
Publicares do Instituto Ho-
meopathico io Brasil.
THESOIRO BOMEOPATHiri
O
VADE-MECl DO H01F0PATHA.
(Segunda edic dera vel mente augmen-
tada.)
Diecititarit lar dejaediciM -
meaaaliict
pilo aa.
SABINO 0 L PI|H0.
Canaiauaja ai aaaignaUraa aara aataa aaiaa a
taief bracaaraat ai"' -
y Ra de Santo Amaro (Mua4a IlaaTOj a. a.
I


I
DUUO DMIRNAMIUGO. SEXTA WUk \+*& J*MIM DB UI
*
Ama.
Precisa-se de urna ama (orra gucsptiva [prefe-
re-ee captiva) para o aervico interno e externo de
una eaaa de una canora en Oxangi, maa que
saibi cosinhsre engommar bem: paga se bem, i
ratar na ra da Cea do Recite tuja o. 11.
Medico. 3
O Dr. Brancante pode ser procurado a #
qualquer hora na cata de aua residencia,
na ra 4o Imperador n. 37, segundo an-
dar, para o ezercicio de aua proflssao.
:.
rasa m
Sociedade bancaria
Amorim, Fragoso,S*olos & C.sacam e toman:
aqaea sobre a praga de Lisboa
Guimares em coDsequaocia de estarem na liquidarlo do
fiado, oolra fez rogam a lodos os seos devedores
m gerai que tenham a boodade de-vir ou man-
daren! pagar seos debiloa at o fim do mez de
jaoeiro prximo futuro; aquellea que assim o nao
flzerem tenham peciaocia, que suas coolas Serao
entregues no principio de feereiro ao procura-
dor para aerem cobradas judicialmente. Recite
3 de dezembro de 1861.
Memorias
da viagem de SS. MM.I1I.
s provincias do norte.
Os seohores que subicreversm para a impros-
sao das Memorias da Viagem 'de SS. MM. II. s
provincias do norte, queirara mandar receber o
primeiro volurae oa livraria n. 6e 8dapraca
da Independencia, mandando levar o imporle os
que ainla Dio o liverera pago.
Aluga se
o armazem o. 22 da ra do Imperador : s t
na ra do Crespo o. 17.
OSr. JoSo Hyppolito de Me'ii*a Li-
ma, queira apparecer nestatypogriphia
que se Ihe precisa fallar.
Mudanca
Firmo Candido da SiWeira Jnior tendo muda-
do a sua toja de miudezas que tinha na ra da
Cadeia do Recite n. 49, para a ra Direita |n. 64,
participa aos seus freguezese ao publico, que vai
vender todas as tazendas antigs por mttade de
seu valor, alim de liquidar dita toja.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado n.
37 da ra do Imperador : a tratar no eguodo
andar do mesmo.
Precisa-se alugar um prelo, damlo-se o
atento, e paga-se mensa) ou semanal, para o
ervic.0 desta typographia : na livraria ns. 6 e 8
Qa praca da Independencia.
Consultorio
Medico- -cirurgico
DO DOUTOR
3Roa da Gloria casa do fundo3
Existem medicamentos homeopsthicosos mais
bem preparados e do toda a efficacia. sempre re-
novados, pela muito grande extraccio e procura
que temdeido isso ao MXIMO CRjEDITO
de que gozam em todas as provincias du Brasil.
Gootioaa-se a vender pelos presos do costu-
rae e achar-se-ha as carteiras especiaes para o
iratamento do cholera-morbu?, com os Seus com-
petentes (olhetos e separadamente os preserva-
tivos em tinturas e glbulos, contorme auizerem.
O crdito de que gozam estes remedios e a
preferencia com que sao procurados, niela certe-
za de seus effeitos e pela inalterabilidade dos
glbulos, dispensara de quaeiquer recomrren-
dacoes.
O que bom e est provado, leva comsigo as
iecommend(es.
O Dr. Frederico Sehutz,
mudou seu consultorio medi-
co-cirurgico, para a ra da
Imperatriz n. 30, aonde da
consultas todos os dias; das 7
s 10 horas da manha
ESPECIALIDADES
Molestias dos olhos.
dospulmes.
secretos.
da pelle.
Recados a escripto.
Aluga-se um armazem na ra do caes de
Apollo n. 7 : a tratar no pateo de S. Pedro nu-
mero 6.
O Sr. Jos Aotonio de Souza tem urna car-
ta com urna encommenda para lhe ser entregue,
na ra do Imperador o. 46. Na mesraa casa ven-
de se ou aluga-se urna canoa bem construida
que carrega 900 lijlos.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da
ina da Imperatriz n. 40 ; a tratar na mesmo.
Aluga-se urna preta captiva, que saiba co-
zinhare fazer todo servico de urna casa de pouca
familia : n ruado Queimado, toja de fazeodas
Damero 69.
0|stSIS-Mt-8989SSt
itiollegio do Bom Con-;
seibo.

9 Ra da Aurora n 50.
d O director tem a satisfago d,e annuD- *JI
t ciar ao publico,que o Sr. Carlos Alchorne #)
ag> rege a cadeira de ioglez, em lea insti-
m tuto. a
(/999 ***
Traspassa-se a chave da
loja da ra da Cadeia do Reci-
fe n. 50 A, muito propria para
quem se quizer estpbelecl1,
por ter simplesment
cao. e serem muito b
a tratar na mestna 1
Aluga-se o primeiro andar
de Apollo o. 30, com bastantes
parte da mesma para escriptor
armazem da dita casa.
Na padaria do Chora-menina
recita de um bom amassador.
a arma-
>m local:
ja.
a casa da ra
em modos, ou
a tratar no
ae dir quem
precisa de um bom amasse
Na ra Direita n. 91 existe orna carta para
o Sr. Kodolpho Laurentino vinda da Gameleira.
Precisa se de urna criada Iporlugueza que
saiba coser e engommar ; na roa do Queimado
numero 12.
Pede se ao Sr. Maximiauo Fraooisco Peixo-
to Duarte que dirija-se ao hotel Ida roa do Impe-
rador o. 16, a (aliar com a dona ido mesmo.
Para as provinCTas de Pernambuco, Parahiba, Rio
Grande do Norte, Cear e Alagoas, a saber:
Folbinha de porta, contendo o'kalendario, pocas geraet, nacionaes, dias
de galla, tabella de salvas, notims planetarias, eclipses, partidas
de correiot, audiencias, e resumo de chronologia, a ri .160
Folhinha de algibeira e variedade, a qual contm todas as materias das
de porta e mais tabellas do nasciment, e ocaso do sol, das ma-
res, casa e familia imperial, nomes e ttulos dos chefes dos
principaes estados do mundo, tabella da arrecadaqao do sello,
dita do porte das cartas, partida dos paquetes brasileiros e uro-
peus, tabella dos impostos geraes, provinciaes. e municipaes, re-
gulameutos de incendios, e entrudo, e algumas pusturas munici-
paes, artigossobre agricultura; economas, modo de fabricar gelo,
prognostico do fim do mundo, collecao de remedios, a ris. 320
Dita religiosa, contendo todas as materias das de porta, e mais tabellas do
nascimento.e ocaso do sol, das mare's, casa e familia imperial,
nomet e ttulos dos chefes dos principaes estados do mundo, ta-
bella da arrecadaqao do sello, dita do porte das cartas, partida dos
paquetes brazileiros e europeus, tabella dos impostos geraes, pro-
vinciaes, e municipaes, regulamentos de incendios, e entrudo, e al-
gumas posturas municipaes, trezenario e mais oracoesde S. Fran-
cisco de Paula, colleccao de oracOes para todos os estados da vida,
e novena da Senhora Sant'Anna, a ris........520
Dita com almanak, contendo o (calendario, pocas, noticias planetarias,
partidas dos correios, tabellas de imposto, etc. etc. e o almanak
cevil, judiciario, administrativo, agrcola, commercial, e indus-
trial, desta provincia, a ris......... l^OOO
Com os Srs. Henrique da Fonseca
Coutinlio, Jos Florencio de Oliveira e
Silva, Lucio Alves de Oliveira e Silva,
Carlos Augusto da C. Ribeiro, e Manoel
Jernimo de Albuquerque, precisa-se
fallar na ra do Crespo, loja n. 20, B.
O abaixo assignado faz publico que o Sr.
Joaquim Luiz Ferreira Leal se acha associado em
sua caaa commercial da ra de Santa Cruz n. 7,
desde o dia 1. de dezembro prximo passado,
em cooformidade dos papis de trato que assig-
nou com o mesmo seohor. Recite 11 de Janeiro
de 1862.Luiz Uoreira da Silva.
Ainda est para alugar a casa da ra da
Assumpco o. 46 com 3 quaitos e 2 salas, cozi-
oha e um grande soto com 2 salas e t quarlo,
casinha e portao de sabida para o becco. offere-
ceodo grandes commodos para graode familia :
a tratar na ra Direita o. 106, taberna.
O agente de leudes abaixo assigoado, tendo
desde outubro do auno prximo passado acabado
com o armazem que tinba na ra do Vigario n.
22, avisa pelo presente aos seus amigos e ao pu-
blico, que o acharo sempre a cumprir exacia-
mente com os deveres de agente no bazar n. 6 da
ra do Imperador, onde pndero deixar seua avi-
sos, que serao fielmente executados. O agente
de leiloes, Evaristo Mendes da Cuoba Azavedo.
Precisa-se de um bom cozioheiro : na roa
da Aurora n. 50.
O abaixo assignados avisara ao respeitavel
publico e principalmente ao respeitavel corpo do
comrcercio, que dissolreram amigavelmente a
sociedade que tinham oa loja de ferragens da ra
do Queimado u. 73, que gyrava sob a firma do
Fonseca & Vitrina, ficaodo todo o activo e passi-
vo a cargo do socio Vianns. Recite 31 de de-
zembro de 1861.Aotonio da Fonseca & Silva.
Antonio Jos Barbosa Viaona.
Aluga-se o segundo andar da casada ra
da Senzala Velha o. 48 : a tratar na loja do
mesmo.
Precisa se de urna ama i para cozinhar e
engommar, sendo para cozinbar com perfeicao,
nao se olhaodo a pre;o: a tratar na loja da ra
do Queimado n. 46.
Na ra Velha n 27 precisa-se de um cai-
xeiro de 10 a 12 anoos, e que j teoha alguma
pralica de taberna.
Aluga-se o segundo andar da ra das La-
rangeiras o. 14 : a tratar na ra Nova n. 20.
D. Antonia Mara da Rosa,
adiando se antorsada pelo llliii. Sr.
director da imtruccao publica, para
poder leccionar no ensino primario,
participa aos paes de familia, e ao pu-
blico em geral, que se acba com a
sua aula a berta, desde o dia 7 do cor
rente na ra do Vigario n. 19, es,-
gundo andar.
Claudio Dubeux, propietario das linhas de
omnibns, faz .cente aos seohores assignanles da
carreira de Olioda, e a quem maia coovier, que
ve-se toreado a retirar provisoriamente, no Um
do correte mez, o mnibus da respectiva lnha,
at que se concert a estrada ; visto que oa lu-
cros nao sao equivalentes aos prejuizos que est
soffrendo por semelhante causa, devendo, porm,
os mesmos senhores flear entendidos de que,
coacerlada que seja a referida estrada, contina
a carreira do mesmo mnibus, como de coslu-
me; e mesmo IIcara aem efleilo este aviso se at
o fim desle mez flear a dita estrada prompla e
bem traositavel.
Louis Sand, subdito da Baviera, retira-se
para o norte.
Quem tiver um moleque para alugar, de
12 a 15 anoos, e que sirva para o servico domes-
lico de urna pequea familia, dirija-se a ra da
Cruzn. 45, armazem.
Aranaga, Hijo & G. sacam sobre
o Rio de Janeiro.
Na travessa da ua das Crzes n.
2, primeiro andar, continuase a tingr
com toda perfeicao para qualquer cor,
e o mais barato possivel.
S Casa de drogas.
j^Largo do Paraizo n 8, pri-
9 meiro andar.
Bb Nesle estabelecimeoto encontrar o
respeitavel publico e as pessoas que se
s8P dedicam a medicina homeopathica os
g bem prepralos e verdadeiros medica-
memos, viudos de Parla da pharmacia
19 de Mr. Catellen.
A Assim como carteiras, tubos e globu-
v los ennertes, vidros de urna onca al 8
9 oncas, quer com medicamentos quer va-
^ zios.
gQ| O proprietario vende por menos prego
do que em outra parte, pois recebe di-
fp rectamente.
wmw- ix^ *y \*r ^w^ vkr i*t ^*y ittr -^JF- ^j^- -mr ^4y Urna mulher capazo de bom comporta-
ment offerece->e para coser em qualqner casa
eslrangeira ou brasileira sendo de familia, tam-
bora presla-se para algum servico que for pre-
ciso : quem a pretender dirija-se a rus Bella
o. 45.
Aluga-se o segundo andar n. 22 da ra es-
trella do Rosario, para ver no primeiro andar e
ajustar na rui da Penha n. 5, sobrado.
Precisa -se de um rapasziobo para trabalhar
com amlquarto : quem quizer, appareca das 9
horas s 2 do dia, na ra da Floreatioa, na caaa
da esquina que volta para a rus de Santa Isabel.
O abaixo assignado por causa
de seus encommodos de moles-
tia passa por em quanto a habi-
tar no seu sitio do Arraial, onde
continua com o seu estabeleci-
ment de instruccao primaria e
secundaria, cujas aulas estarao
abertas no dia 8 de Janeiro.
Jtronymo Pereira Villar.
MM,
Attencao.
Quem precisar de ama ama eacrara para casa
de homem soJleiro, ou meamojpara todo o ser-
vico de urna caaa de pouca familia, nao engom-
mar, por 209 monsaes; quem qjuizer pode diri-
gir-se ra de Sarita Rita n. 35, das 6 horas da
manha at as 10 112, e a tarde do mel dia at
as 41)2.
Aluga-se a casa terrea sita na roa do A ta-
piro em Olinda n. 43 ; a traas em Santo Aoto-
nio, ra da Paz, outr'ora do Cano o. 9. Na mes-
ma casa precisa-se alagar ama preta eacrara da
idade media.
Gabinete medico cirurgico
Ra das Flores n. 37.
Serao dadasconsbllas medlcas-cirurgi-
cas peloDr. EstevSo Gavalcanli de Albu- O
querque daa6 sslO horas da manha, ac- ti
cudiodo sos chamados com a maior bre- 9
vidade possivel. j
1' Partos. flj
2.* Molestiasde pelle. 9
3.* dem do olhos. aj)
4.* dem dosorgos genitaes. aj
Praticara toda equalquer opraco em $
seu gabinete ou em casa dos doaotes con- gj
forme lhes fr mais conveniente. 9
.Prtcisa-se
alugar urna escrava para enssboar e engommar
em casa de pequea familia, paga-se bem : a
tratar ns ra dos Guararapes em Fora de Portas
numero 30.
Precisa-se de urna ama preferindo-se es-
crava no pateo do Ter;o n. 26.
Cosme Jos dos Santos Callado saca sobre
da praga da Babia.
MOftaKOB MMeWS-SSMUIS tt
IIua da Cadeia-Velha n. 52. t
Esta aberta e j trabalhando a nova
escola particular de insirucio elementar if
da ra da Cadeia-Velha n. 52, terceiro S
andar: o respectivo professor, contiouar ]
a empregar oa seus esforcos, para o com- 3
pelo sproveits ment de seus discpulos. '
OUerece-ie para ama de casa de pouca fa-
milia ou de homem aolleiro, urna mulher com
habilitacoes precisas : a tratar na ra do Pilar
numero 93.
Aluga-se o segundo andar com solio do so-
brado n. 46 na roa da Aurora.
SOCIEDADE
M1LIU MlfflDIIIA.
Por i.ropm da rommisrio uirt-ctura participo
aoa aenhorea socios que a abertura da aala tere
logar no prximo domingo 19 do correle mei, e
Dio amannaa 16, como determinan) os estatutos,
por priocipiarem nesse dia as vesperaa das exe
qoiaa que no dia 17 se ho de celebrar pelo eter-
no repooao o'alma de S. M. F. o Sr, D. Pedro V
de aandosa memoria.
Secretaria da aoeiedade Bella Harmona 16 de
Janeiro da 1862.O 1.* secretario, Silva."
Precisa-sa de urna ama psra o servido interno
e externo de urna casa de homem solteiro : a
tratar na ra Direita o. 55.
Aluga -ae por prego mdico urna pequea
casa na estrada Lasserre da Gapuoga, tendo quia
tal plantado do arvoredos e poco d'agua de be-
ber : trata-se na ra larga do Rosario o. 20.
Aluga-se urna 'excedente casa terrea no
Poco da Paoella junto ao sobrado do pateo da
matriz, a qual tem accommodac.oes para duas fa-
milias estarem separadis, dase por aOtOOO por
dous mezes : a tratar na ra da Cruz n. .
Quem quizer dar quantia de 3:000$ a pre-
mio com bypotheca em um sobrado de dous au-
dares oesta cidade, annuncie.
. Precisa-se alugar urna preta forra ou cap
Uva j idosa, para urna cata de duas pessoas ; na
praga da Boa-Vista n. 22. botica.
Existe aqoi um mogo de idsde de Stannos,
filho do Rio Grande do Norte, que deseja ser em-
pregado de caixeiro ou msroo de qualquer ad-
ministraco de agricultura, de que tem cooheci-
mento e d garanta de aua conducta : quem
precisar, procure na botica da ra larga do Rosa-
rio o. 34, que achara com quem tratar.
11
Precisa-se alugar urna ama para o servico io-
leroo de urna casa de familia, que saiba cozinhar
e eogommar : a tratar na ra larga do Rosario
n. 12, segundo andar.
Precisa-se de um criado para urna casa es-
lrangeira, dando-se preferencia a escravo : na
travessa da ra do Vigsrio n. 27.
1 "" S/ J' F# R-R 1ueira dirigr-se a ra da
Lapa o. 1J a negoeio que nao ignora, do contra-
rio ser chamado pelo seu propiio nome.
WKaK-9i6aHfl6M69W9Hfll
Medico. I
O Dr. Rocha Bastos, est residindo
ra da Cruz n. 11.
na
RETRATOS
DE
NOVO GOSTO.
Retratoa de novo goslo
Retratos de doto gosto
Retratos de novo gosto
Retratoa de novo goato
Hawleyotypo nova invenc
Hawleyotypo nova invengSo
Hawleyotypo nova inveogio
Hawleyotypo nova invengao
Hawleyotypo nova inveocao
Precos baixado para pouco
tempo.
Precos baixado para pouco tempo
Pregos baixado para pouco lempo
Precos baixado para pouco tempo
Pregos baixado para pouco tempo
3#000 55000 10^000 205000
3J000 5|000 IO9OOO 2O9OOO
39000 59000 109000 2O9OOO
39000 59000 10/000 209004
39OOO 5JOO0 109000 2O9OOO
Para retratos
Para retratos
Para retratoa
Para retratos
Pars retratos
Explendido quadros dourados
Explendido quadros dourados
Explendido qfladroa dourados
Esplendido quadros doursdos
Explendido quadros dourados
Vende-se machinas para re-
tratos.
Vende-se
Veode-se
Vende-se
Vende-se
Gaixas
Gaixas
Caixas
Caixas
Caixas
Todos
machinas para
macbinaa para
machinas para
machinas para
de lindos
de lindos
de lindos
de lindos
de lindos
venham
retratos
retratos
retratos
retratos
gostos
gustos
gostos
gostos
gostos
ver
Todos venham ver
Todos venham ver
Todos venham ver
Todos venham ver
Vestidos pretos mais proprios
Vestidos pretos mais proprios
Para tirar retratos
Para tirar retratos
A. W. Osborne retratista ame-
ricano
A. W. Orboroe retratista americano
Rut do Imperador
Ra do Imperador.
3Sf 33tt ^-^fiHMS&BSttMSMStlz'
1|^ *11 SfalW mdlW WWf9 VkransWSnrW WBaTWa^aaWW a*
Dentista de Pars, i
15Ra Nova15 I
fradaricGautier.cirargiaodentista.lazi
(odas as operacoes da sua arta colloeaj
dantasartificiaes, tudocom a superiori-
dadeaparfarcaoquea pessoasentendi-
das Ihareconhscem.
rent iguse posdentifricios te.
CONSULTORIO ESPECIAL BOMEOPATHICO
DO DOUTOR
SABINO O.L. PINHO.
Ra de Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
Gonaultas todos os dias uteia desde as 10 horas
at meio dia, acerca daa seguales molestias :
moltsliat da mulhtret, molestias das crian-
cas, molestias da pelle, molestias dos olhos, mo-
lestias sypMlitieas, todas as espeeitt di ftbres,
ftbrts intermitientes t suas consequeneias,
PHARMACIA ESPECIAL HOMEOPATHICA.
Verdadeiros medicamentos homeopathicoa pre-
parados som todas aa cautelas necossarias, in-
(alliveisem seua efTeitos, tanto em tintura,como
em glbulos, pelos precos maia commodos pos-
veis.
N. B. Os medicamentos do Dr. Sabino sao
nicamente vendidos em sua pharmacia ; todoa
que o forem fr a delta sao falsas.
Todas as carteiras sao acompanhadas da um
Impresso com um emblema em relevo, tendo ao
r6dor aa seguintes palavraa : Dr. Sabino O. L.
Pinho, medico brasileiro. Este emblema posto
igualmente oa lista dosmedicameotos qua se pa-
l, As carteiras que nio levaram esse impresso
assim marcado, amboratenham natampa o no-
na do Dr. Sabino sao falsoa
sj
i
I
Attenco
Precisa-se de officiaas de alfaiate e coslureiras
peritas; na ra da Cadeia o. 18, primeiro andar,
officioa de J. Mercier
Aluga-se um primeiro aodar do sobrado si-
lo na ra da matriz da Boa-Vista n, 26: a tratar
na loja do meamo.
Novo nielliodn
pratico-lheorico para aprender a ler, escrever,
tradozir e fallar ofrancez em seis mezes, segun-
do o facilimo systeroa allemio do Dr. H. Ollen-
dorff por Cicero Peregrino, obra inteiramente
nova, e nica escripia em portugoez por aquelle
systema, approvada pelo cooielho director de
inatruccio publica desta provincia, em aessio de
10 de outubro deste aooo ; dous volumea de
perto de 500 paginas em oitavo francez 79000.
Recebem -se assignaluras na ra do Queimado n.
26, primeiro andar, eacriptorio.
Ama.
Precisa-se de orna ama forra, prefere-se da
meia idade, para o servico de compras, na ra
Bella o. 38.
Fraociaco Ferreira da Silva, proprietario da
taberna da ra da Saota Cruz, esquina da ra da
Alegra, tendo de ae retirar para fura do imperio,
faz ver a todos oa seus devedores para que lhe
venham pagar por eapaco de 15 dias, a contar
deata data, flodoa os quaes pnssari a cobrar ju-
dicialmente ou a publicar seua Domes por este
Diarlo.
Carlos Alchorne, habilitado perante o con-
seibo central de iostrurcao publica oa corte, e
oa conselhos de Ditrucio publica da Baha e
Pernambuco, tem aberio sua aula na ra das Le-
ra geiraa n. 18, primeiro andar.


9

bacharel Witruvio po-
de aer procurado na ra
Nova o. 23,sobrado da es-
quina que volta para a
camboa d Carmo.
I
O Dr. Joaquim Jua de Campos, advogado,
morador na rus da Imperatriz n. 33, primeiro an-
dar, tem neceasidade de fallar ou com um Sr.
Joao de tal Molla, filho natural da Sra. Mara Ze-
ferina do Espirito Santo, que morara ha cerca de
20 annos na ra das Cinco Ponas desta cidade,
ou com algum filho, ou outro descendente da-
quelle Sr. JoSo da Molla, no caso de ter elle fal-
lecido, ou com a propria Sra. Mara Zeferina, se
ainda existe. E' para tratar de negocio do iote-
resse destas pessoas, que o podero procurar na
dita sua casa, ra da Imperatriz, em qualquer dia
til, das 7 s9 horas da manha, ou das 5 s 7
da tarde.
Urgencia.
O Sr. Joio Claodiano de Ioojosa Varejao tenha
a bondadede apparecer na roa do Queimado o.
84, loja, aBm de cumprir com o seu trato, aem
o que uao deve se retirar deata prsca.
Aviso.
A directora do collegio Saota rsula, abaixo
assigoada, avisa aos pala do auaa alumnaa e a
quem mais convier, que em virlode do artigo 19
do* estatutos, principiara os trabalhos do referido
collegio no dia 7 do crreme mez. A directora
envidar todos os exforcos a seu alcance par* oio
deemererer do cnceilo adquerido no primeiro
auno de seus trabalhos, e adro de que os palada
suas alumnaa flquem completamente aatiafeitua
rom a educacio de suas Albas. O collegio cooii-
na na ra Pormoaa, aobrado n. 15, aonde a di-
rectora ser encontrada a qualquer hora do dia.
rsula Alexaodrina de Barros.
APPROVACiO E AIT0RISAC0
DA
mum iiiPiiiM m i Qiciist
E JUITf CENTRAL DE HYGIENE PUBLICA
CHAVAS MCeiCllAEt
*
ELECTRO-MAGNTICAS EPISPASTICAS
De Ricardo ttirk
Para serem applicadas s partes affectadas
sem resguardo nem incommodo
r 11 i00 e8UsCHAPA8-,SLBCT,0-,,A6ITiCA8-EH8PASTiCA8 obtem-se urna cara radical e in-
falltvei em lodos os casos da inflammacao ( cansa<0 ou falta de respirado ), sajan internas 00
exiernss.como do ligado, bofes, estomago, baco, rins, ulero, pello, palpitarlo da coracao, gar-
ganta, olhos, erysipela, rheumatismo, paralysia e todas as affecces nervosss, ele., ele. Igual-
mente para as diflereotes espacies de tumores, como lobinhos escrfulas etc., seja qual fr o sao
taraaHhoe profundeza por meio da suppuraco serio radicalmente extirpados.
O uso deltas aconselhado e reeditadas por habis e diittnctos facultativos, sna eficaia in-
cotestavel, e as innmeras curas oblidas o fazem merecer e conservar a confianca do publico
que ja tem a honra de merecer, depoisde 24 annos de existencia e de pralica.
As encommendas das provincias devem ser dirigidas por escripto, tendo todo o cuidado
de fazer as necossarias explicaces, se as chapas sao para homem, senhora ou crianca, decla-
rando a em que parle do rorpo existe, se na cabeca, pescoco, braco coxa, perna, pe, ou tronco
do corpo, declarando a cicumferencia: e sendo inchscdes, feridas ou ulceras, o molda do sea
amanho em uro pedaco de papel e a decaracao onde exislem, afim de qoe as ehspas seiao da
lorma da parte afectada e para serem bem applicadas no seu lugar.
Pode-se mandar vir de qualquer ponto do imperio do Brasil.
As chapas serio acompanhadas das competentes explicaces e tambem de todos os acces-
orios psra a collocacSo deltas.
Consulla as pessoae que o dignarem bonrar com a sua confianca, em seu esariptorio, quo
se achara aberio todos os dias, sera excepeo, das 9 horas da manha s i da Urde.
119 Ra do Parto ||9
PERTO DO LARGO DA CARIOCA
e m fmmmmm
Para as encommendas ou inforrnsrjes dirijam-se a pharmacia de JoBA'exandre Ribeiro,
ra doQbeimadon. 15.
IOTERMTO
DE
|||Estabelecido no lugar da Capuiiga, um das arrabaldes'
mais prximos da cidade da Recife.
DIRECTORO BACHAREL EM MATHEMATICAS
Este estabelecimeoto de.educacSo e instruego principiar a funecionar e rece-
ber alumnos do dia 10 de Janeiro prximo futuro em dianle.
Os commodos, o asseio. as boas condicoes hygieoicas dos ediOcios destinados
s funegoes do estabelecimeoto, a ordem e legularilade do servirlo no intrnalo, a
dedicacao e zelo que empregaro o director e os professores a bem do aprovei-
mento e progresso dos alumnos, sao circumslanciss que devem animar e garantir aos
paes de familias que desejam dar a seus fllhos umaedu;ago regular.
Cadeiras de ensino.
Primeiras leltrasdividida em duas ctasses, tendo cada urna o seu professor__
portugus, latim, fraocez, ingle, arilhmetica, algebra e geometra, geographia e
historia, philosophis, rhetorica, desenho, msica, daosa e gymnaslica,
Nos estatutos do intrnalo que esto a disposigao de quem os quizer ler se
g*|g acbam consignadas as condiccoes de entrsds.
^

ELIXIR DE SALDE
WMTE3
itrolactato de ferro
l3nleo def oU na boea de Joaquim MarnVo
da Crax Crrela., ruado Cabag n. 11,
5bu Pernambuco.
O Dr. H. Thermes (de Chalis) aotigo pharmaceutico^apresenta hoje urna nova preparacio
de ferrocom o nome de elixir de cilro-lactato de ferro.
Parecer ao publico um luxo emprearse um mesmo medicamento debaixo de formulas to
?arjadas, maso homem da scieocia compreheode anecessidade e importancia de urna tal varie-
dade.
A formula um objecto de multa importancia em therapeulica ; um progresso immenso,
quando ella, maniendo a esseocia do, medicamento, o torna agradavel, fcil e possivel para todas as
idades, para todos os paladares e para todoa 03 temperamentos.
Das numerosas preparacoes de ferro at hoje conhecidas nenhuma reune lio bellas qualida-
des como o elixir de citro-lactacto de ferro. A seu siboragradael, rene o lomar-seem urna pe-
quea dose, e ser de urna prompla e fcil dissolugao no estomago, de molo que completamente
assimilado;eo nio produzir por causa da lactina, que conlem em sua composicio, a cooslipacio da
ventre frequeotemenle provocada pelas outras preparacoea terrogioosaa.
Estas novas qualidades em nada alterara a scieocia medicamentosas do (erro, que sendo nata
substancia da qual o medico se nao pode/dispeusaa em sua clnica, de incomparavel utilidad*
qualquer formula que lhe d propriedadep taes, que o pratico possa prescrever sem receio. E* o
que cooseguio o pharmaceutico Thermes com a preparado do citro-lactacto de ferro. Assim este
medicamento oceupa buje o primeiro lugar entre as numerosas preparacoes ferrogioosas, coa o
atiesta a pralica de muito mdicos dislinclos que o tem ensatado. Tem sido empregado como im-
menso proveito naa molestias de languidez (cblorose patudas cores ) na debilidade subsecuente aa
hemorrhagias, as hidropesas que appairecem depoisdas intermitentes na inconlioencis: de urinas
por debilidade, as perolas brancas, na escropnula, 00 rachilismo, na parpara heraorrhagica, oa
convalescencia das molestias graves, na chloro anemia daa mulheres grvidas, em todos oa csea
em que o sangue se acha empobrecido ou viciado pelas fadigas, aTecees chronicas, cachexia tuber-
culosas, cancrosa, syphilica.excessos Venreos, onanismo e uso prolongado daa precaucoes saor-
curiaes.
Estas enfermidades sendo mui frequenles sendo o ferro a principal aubataneia do que
medico tem de laucar mi para as debelar, o autor do citro-lactato de ferro merece louvores
recoohecimento da humanidade, por ler descocerlo urna formula pela qual ae pode seos recalo
do ferro.
Consultorio medico-cirurgeo
-R\]\w\ GLOUliY CASA. DO FINill &.0--3
Consulta por ambos os systemas,
Em consecuencia da mudanca para a sua nova residencia, o proprietario desle estabeleci-
ment acaba de fazer urna reforma completa em todos os seus medicamentos.
O desejo que tem de que o remedios do seu estabelecimeoto nio se confundan coas os de
nenhum outro, visto o grande crdito de que sempre gozaram e gozam ,0 proprietario tos tornado
a precaucio de ioscrever o seu neme em todos os rtulos, devendo ser considerados como faleilon
dos todos aquellea que forem apmsentados sem esta marca, e quando a peasoa qoe oa asandar eeaa-
prar queira ter maior certeza acompanhar urna conta assigoada pelo Dr. Lobo Mosaozo aa pa-
pel marcado com o sen nome. '
Outro aim : acaba de receber de Franca grande porfi de tinctors de acnito e belladona, re-
medios estes de summa imporUncia e cujas propriedsdes sao to coohecidaa que oa mesmo* Srs.
mdicos allopathas empregam-as constantemente.
Os medicamentos avulsoa qur em tubos qur em tincturas cualarlo a 1} o vidro.
O proprietario deate estabelecimeoto annuocia a seos clientes e amigoa qoe tem comaaodoe
infflcieotes para receber alguna eecravos de um e outro sexo doeoles ou que precisen) de algasu
operacio, afflangaodo que serio tratados com todo o disvelo e promplidio, como sabes la
aquellos que j tem tldo escravos oa casa do annunciante.
A aiiuajMbpagniflca da caaa, a commodidada dos banhos salgadoa sio oulrss tantas
gens para o f^Hpio restabeleciment dos doentes.
Aspessawque quizerem fallar com o annunciante devem procura-lode manhia al 11 _
e de tarde daa 5 em diante, e fora destas horas achario em eaaa peasoa com .quem a* poeoEJo ea-
nder : ra da Gloria a. 8 eaaa do Fundi.
Dr. Lobo Aros-coso.




Precisa-se da un ana iku, {ana ou es-
eras* para eoziahar a fosar jeomoras do diario da
na a eaaa de ponca familia : a tratar con Leal &
Irmio, na roa da Gadeia do Recito n. 56, escrip-
torio.
--------------

MARIO M MaUfAMB^. 8KITA FlUda. 17 DE JaNUBO.V]lUi. ,
JUML
ra o servijo interno
ouca familia : na ra
dar.
ianna rai i ctdadede
e.
r enearregar da tola
reatando llanca, diti
Precisa-se de ama ama
externo de urna casa de
do Cabug n. 3, segundo
Bernardo Pernindea
Geianoa tratSr de sea sau
A peasoa que se qui
a cobraoja de urna casa,
ja-se a na Nova n. 18 para tratar sobre b ajaste.
y. A. Caj avisa aq respeitavel eorpo de
commercio deata pra$a e a seas fregueses, que
nesta data deixou de ser ssu eaixeiro e eocarre-
gado doa negocios de sua i casa o Sr. Thomaz de
Aquno de Carvalho ; mui o agradece ao mesmo
Sr. Carvalho o grande inte esse e aclividade que
semore tomou pelos neg ios de sua casa. Reci-
te 13 de Janeiro de 1862.
A peasoa que annum iou Tender ama casa
no bairro do Recite de doi s andares e solao, po-
de dirigir-se a travessa d Madre de Dos n. 1,
segando andar, que te di i quem quer.
Preciss-se de 5009 s premio sobre garanlia
de id ptimo escrsvode i enos de 90 anoos : an-
nuncie.
O abaiio assignado I u sciente so respeita-
?el publico e principalrc ote ao corpo de com-
mercio que vendeu a aua taberna que tinha no
Campo verde, ra do Soc< 50 n, 44-, aos Sis. Af-
fonso & Rodrigues, no dia 21 de dezembro prxi-
mo passado, de cujo impoi le -me aceitaram letras
vencer. Recite 16 de j meiro de 1862.
Jos Ribeiro de Lemos Dusrte.
O abaixo assigoado taz icienle ao respeita-
vel publico que perdeu no) dia 15 do corrente s
7 horas da noite, vindo de seu estabeleciruenlo
de Campo Grande desde igreja de Belem at
na Soledsde, urna carteiraide marroquim escara,
na qual tinha duas letras, ama da qaaotia de
2000 a veneer-se em 24 deljooho do corrente an-
no, e outra da quantia deB419 a vencer em 21
de setembro do corrente a ano, aceitas pelos Sra.
Affonso 4 Rodrigues ; a upa letra da quaotia de
11283179 que pagou a Berdardino Jos da Costa,
aacada por Miguel Jos daJGosts com urna letra
aceita por Atooso & Rodrigues, algumas coolas
com recibos e uos valea i s Aolooio' Carlos de
Lemos Daarte, ama relaci de dividas da taber-
na do Campo Verde : por i so roga a quem achou
que no caso de a querer ei tragar levar ao Cam-
po Graode no seu estabele mooto, ou na ra dos
Pires, na taberna de Joao Marques Fernandos,
quesera recompensado, vi ito a ninguem servir
ditos documentos, que j a todos tem avisado.
Recite 16 de Janeiro de 18 2. A rogo de Jos
Ribeiro de Lomos Dusrte Jernimo Jos da
Costa.
Vendo-so una casa do taipa eoberta de ta-
inas, no lugar da eatrada Nova, com 15 palmos de
frente o 25 de comprimenlo: na ra de 8. Jos
o. 58.
Feijo preto
muito novo ebiri
ra nova de Santa
man-
Farinh
e nnica mente
em n. 19.
di oca
Atteneo.
Tasso rmeos fazem publ
S. Bento da Parahyba Ihes S devedor da quaotia
de vinte contos nnveceotoi e dezeoove mil du-
zentos e dez ris [ 20:91992 0), por transferencia
co que o convento de
ora Jos Laiz Pereira
onferida pelo- ex-D.
de urna conta correte
Lima & C, assignada e
abbade Pr. Jos da ExalLaco Marques, em 12
de margo de 1860. Alm do premio de um e meio
obrigado o referido
nao obstante
para esse Ora, fazem
ontade que esli sof-
rendo tal desembolsos^ a que era tempo al-
guna se empreguo o arg)
ment dos uros, para o q
abaixo assiguados, que sem
promotos a receber a ref
vencidos, e protestara nada
gum ; declarando mais qujo
codeles da referida cont
Pereira Lima dC.e Maootl Rabello Olaoda Ca-
boclo. Recite 15 de janetri
a clausula exarada
por cento ao mez a que fici
convento a pagar, con foro
na referida conta correte. como al o presen-
te nao lhestenha sido possirel receber a referida
importancia e os juros dec irridos,
as diligencias empregadas
publico que nao por sua
al do grande aug-
al nao concorrem os
pre esliveram e eslao
irida conta e os juros
abater em tempo al-
no dssooeram os
os Srs. Jos Luiz
de 1862.
Tasso Irmo?.
entregue ao canoeiro
de roupa para ir pa-
fni entregue em um
S. Pantaleo
que
No dia 2 de Janeiro fo
Manoel Antonio urna trouxa
ra o Monteiro, e a trouxa
dos porlos da Casa Forte al os Apipucos, e al
esta data anda nSoapparefleu ; por isso pede-se
a quem receber que entregue
na taberna do Sr. Mmoekioho, inspector,
ser gratificado.
Offerece-sefum meni
eaixeiro de botica : quem
este Diario.
O Sr. Jos Maria Pa
o favor de se dirigir ra
n. 13, a negocio que nao i
Precisa-se de urna a
mar: na ra do Imperad
dar, entrada a direits.
A pessoa qoe aoouodou querer vender um
sobrado de dous andares e solao, dirija-se a ra
da Cadeia do Reofe n. 42, loja.
Aluga-se a loja do sobrado n. 50 da ra do
Sebo, na Ba-Vista, com sufflcientes commodos
para familia, muito fresca, com cuzioha, quiotal
e cacimba, e prego commoio : a tratar no mes-
mo sobrado.
de 14 aooos para
recisar annuncie por
do de Magalhes faga
ireita dos Afogados
ora.
a para lavare engom-
r o. 37, segundo ao-
Ana
para tratar de dons
tratar na ra da Seu-
icravo para fazer com-
Precisa-se de urna am
meninos de 5 a 7 aonos :
zal Velha n. 96, padaria.
Precisa-se de um
pras etodo o mais servicoldiario de urna casa de
pouca familia : a tratar |om Leal & Irmo, na
ra da Cadeia do Recite, asenptorio o. 56.
Piecisa-se de um esersvo para cozinbar,
fazer compras e todo o mais servico diario de
orna casa de pouca familia : a tratar com Leal
& Irmo, oa ra da Cideiii do Recite, escriptorio
numero 56.
Lourenco de Freitas
rentino de Azovedo partic
blico e com especialidade
Co, que oesta dala apartiram amigavelmeote a
sociedade que tinhara na
Direita n. 104 sob a razoj
oja de fazenlas na ra
de Lourenco de Frei-
tas Guimares & C, tican lo respoossrel pelo ac-
Gui
maraes. Recife 16 de
tivo e passivo o socio
Janeiro de 1862.
Precisa-se ne um n gro Qel e que
bebedor para todo serico,
semana ou por mez : din
Lourenco de Freiiis
ao respeitavel publico e
corpo de commercio, qee
Guimares e Jos Lau-
pauo ao respeitavel pu-
ao corpo de coramer-
nao seja
paga-ro bem ou por
a-se ao hotel inglez.
Guimares participa
com especialidade ao
vendeu ao Sr Joaquim
Jos da Costa Fajozes Jnior a arma(o o todas
as fazandas existentes eti sai loja sita na ra
Direita n 104, assim co no parle das divflas,
como consta do balaoco dado nesta data, fleando
responsavel por todo o paisivo o abaixo assigna-
do. Recife 16 de Janeiro de 1862.
Precisa-se alugar a netade de urna casa ou
mesmo um soto em casa de familia, quanlo d
para morar duas pessoas: a tratar neata lypo-
graphia, ou na prs$a da Independencia ns. 6 e 8.
Precisa.se de 40g i premio, dando-se por
garanta dessa quaotia escravos e Usnca idnea,
porespaco de i a 6 mezesi e pagando-te mensal-
mente o premio que coovjncionar-se.
de Santa Galharina, a mais nova que ha no mer-
cado : vende-ae ensacada no araoatem n. 1S da
ra nova de Santa Rita, e por medida a bordo do
brlgue Midas, defronte do arsenal de guerra.
Veode-se am cavallo mellado com dinas
brancas, novo e muito maoso, bom de cabriole! :
a tratar oa ra da Santa Cruz n. 1. ^
Pifulas
vegeto depu ra tivas-pau-
listanas.
PLANTAS E RA1ZES MEDICINAEs BRASILE-
RAS DO DESCUBRIDOR
Carlos Pedro lltchecoin.
Estas pilulas paulislanas, j lio conhecidas o
to afamadas em todos os lugares deste imperio
pelas maravilhosas curaa oblidas com seu oso,
sao as provas evidentes o incootestaveia de suas
acedes e influencias que operam em todos os ca-
sos de euTenuidades. As ditas pilulas sao as me-
lhores que at agora sedescobriram, pelo motivo
que ellas sao nicamente compoalaa de puros
Tegelaes, recolhidos nos campos e matos da pro-
vincia de S. Paulo, e ellas sao sem duvida de
urna efftcacia incootestavel. Tralamenlos com-
pletos de morpha, hydropesia.erysipella branca,
etc. etc.; na ra do Parto o. 119, no Rio de Ja-
neira, e em Pernambuco na pharmacia do Sr. Jo-
s Alexandre Ribeiro, ra do Queimado n. 15.
E' chegado na taberna da ra da Cacimba n.
2 com frente para a ra do Vigario, urna pprc.o
de gingibre os fabricantes da gingibirra a elle
antes que se acabe.
\. 43 Ra do Amorim N. 43.
Ceblas a 600 rs. o cento.
Pao de Senteio
Contina haver o pao de Senteio na padaria em
Santo Amaro atraz da fundicao do Sr. Star, e as
seguiotes casas no Recita, praca do chafariz, ra
do Brum, taberna n. 47, ra da Imperatriz, ta-
berna n. 22 ; em Olinda nos Quatro Cantos, de-
posito de assucar defronte da botica, casa ama-
relia, nos das de quartas e sabbados de cada se-
mana.
Luvas de pellica pretas.
Vendem-se as luvas pretas de pellica com pe-
queo toque de mofo por preco baratissimo ; na
loja d'aguia de ouro, ra do Cabug n. 1 B.
Vende-se por preco commodo ums mobilia
de amarello, 2espelhos grandes, 1 candelabro de
4 luzese 2 pares de lanternas, tudo de vidro, 2
quadros, 1 armario envidracado : quem preten-
der dirija-se a roa dos Marlyrbs o. 13.
MMQU LOW-NOOB
Roa daSenzalla Nova n.42.
Reste istabilicimento contini ahsvsru*
ompUto sortmanto dimoendissateiasmoen-
i*s paraanganho.stachinss da vapor ataixai
farro batido cosdo.is todos ostsminhoi
Pra dito,
Vende-ae feijo malalinho muito novo em
pequea e grande porco ; na ra Direita n. 8.
Vendem-se 8 cadeiras e 1 par de consolos,
tudo de amarello, por prego commodo ; na ra
do Nogueira n. 21.
Taberna.
Vende-se o eslabelecimenlo de molhados da
ra 4a Imperatriz o. 4, um dos melhores lugares
da Boa-Vista, muito bem sortido ; a tratar na
taberna grande da Soledade a qaalquer hora.
Batatas baratas
Vende-se batatas a 640 rs. a arrobas e 40 rs. a
libra : na ra Nova n. 69.
Cal virgem.
Veode-se cal virgem de Lisboa chegada lti-
mamente : na ra do Rosario estreita, taberna
n. 47.
Vende-se urna negrinha muito linda, da 6
innos de idade : na ra Direita n. 8.
Ein casa de N. O. Bieber & C ,
successores, ra da Cruz n. 4, vende-se
Taixas para engenho.
Forma para assucar.
Vinho Bordeaux em caixas de 1 duzia.
Bombas para cacimbas.
Plvora embarrizinhos. ^^^
Loja amarella. g
Ra da Gadeia confronte ao becco
Largo.
Ricas capas pretas compridas, mante-
letes modernos de se la e tilo.
Vestidos bordados de cambrsia, duas X
saias, pafos e babadinhus.
Vestidos de seda cores escolhidas e de 1
pbsntasia.
Sedas de quadrinhos, grosdenaples e
moreaotque.
Manguitos e gollas bordadas com per-
eielo.
Cassas de cores, chitas finas, tarlatans,
fil etc.____________ ___________
Para as noivas.
Vestidos de blonde com saia de selim
mant, capwlla. todos os perlences.
Novidade.
Chapeos de palha fino, leques, man-
guitos, pentes, espartilbos, chales ponta
redonda, perfumara etc.
SYSTE1A MEDICO HODELLOWAY
PILLAS HOLLWOTA.
Este inestimave especifico, eomposlo inteira-
mente de hervs medicinaos, Dio contera mercu-
rio era alguma outra substancia delectara. Be-
nigno mais toara infancia, e a eompiei$ao mais
delicada, igualmente prompto e seguro para
desineigai o mal na compleico mais robusta;
enteirameote innocente em suas opera;5ese ef-
feitos; pois batea e remove as doencas de qual-
quer especie e grao por mais antigs e tenazas
qus sejam.
Entre milbares de pessoas curadas com este
remedio, mu tas que ji estavam s portas da
morte, preservando em seu uso conseguirn)
recobrar a saude e lonjas, depois de haver tenta-
do i n ultimen te todos os oulros remedios.
As mais afflictas nao devera entregar-sea des-
esperado; fajara um competente ensaio dos
efficazes effeitos de3la assombrosa medicina, e
prestes recuperarlo o beneficio da saude.
Nao se perca tempo em tomar este remedio
para qualquer das seguiotes enfermidades ;
Febreto da especie.
Gotta.
Hemorrhoidas.
Hydropesia.
Ictericia.
Indigestoes.
Infla mmacSes.
Irregularidades de
menstruacSo.
Lombrigas de toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na culis,
Abstruccao do ventre.
Phlysica ou consump-
co pulmonar.
RetenQo de ourina.
Rheumalismo.
Sympiomas secundarios.
Tumores.
Tico doloroso,
Ulceras.
Venreo (mal)
ticos.
Accidentes
Alporcas.
Ampolas.
Areias ( mal de) .
Asthma.
Clicas.
Gonvulses.
Debilidade ou extenua-
co.
Debilidade ou falla de
forjas para qualquer
cousa.
Desinleria.
Dor de garganta,
de barriga.
nos rins.
Dureza no venire.
rLnfermidade no ventre.
Ditas no ligado.
Ditas venreas.
Cncbaqueca.
Herysipela.
Febre biliosa.
Febre intermitente.
Vendem-se estas pilulas no eslabelecimenlo
geral de Londres n. 224, Strand, e na loja
de todos os boticarios droguista e oulras pessoas
encarregadas de sua venda em toda a America
do Sul, Havana e Hespaba.
Vendem-se as bocelinhas a 800 rs., cada
urna deltas conlem urna insirucejio em portu-
gus para explicar o modo de se usar destas pi-
lulas.
O deposito giaal em casa do Sr. Soum 1
pharmaceutico, na ra da Cruz n. 22 em Per-
nambuco.
REMEDIO.NCOMPARAVEL
UNGENTO HOLLOWAT
Milhares de individuos de todas as oacfies
podem testemunhar as virtudes desleremedio
iucomparaveleprovarara caso necessario, que,
pelo uso que dalle fizeram tem seuAorpoa
membrostnteiramentesaosdepoisdehaver em-
pregadoinutilmente outrostratamentos. Cada
pessoa poder-se-haconvencer deseas curas ma-
ravilhosas pelaleilura dos peridicos, quelh'as
relatam todos os das ha muitos annos; e a
maior parte dellas sao to sor prendentes que
admirara os mdicos mais celebres. Quantas
pessoas recobraram com este soberano remedio
o uso de seus bracos e pernas, depois dedo?
permanecido longo tempo nos hospitaes, o tes
deviam soffrer a amputacao 1 Dellas ha mu-
cas que*iavendo deixado esses, asylos depade-
timenios, parase nao submeterem aessaope-
racSo dolorosa foramcuradas completamente,
mediante o uso dessepreeioso remedio. Al-
gumas das taes pessoa na entusan de seu reco-
nhecimento declararan estes resaltados beneS-
cosdiante do lord corregedor e outros magis-
trados, afimde maisautenticarem sua afirma-
tiva.
Ninguem dosesperaria do estado de saude si
livessebastante confianza para encinar este re-
medio constantemenleseguindo algum tempo c
tratamento que necesstasse a natureza do mal,
cujo resultado seria provarincontestavelmente.
Que tudo cura.
O ungento he all, mais particu-
larmente nos segnIntescasos.
Chapeos de castor.
Vendem-se chapeos de castor de primeira qua-
lidade a 8, que ji se venderam a 16#, para
acabar: na ra da Imperatriz, loja n. 20, Oo
Duarte.
Chapeos enfeitados.
Vendem-se chapeos enfeitados mullo reeom-
meodaveis para as meuinas que eslao passaodo a
festa nos amenos arrabaldes desta heroica cidade,
a pre?o de 2 cada um : na ra da Imperatriz,
loja n. 20, do Duirle. Na dita loja aeima acharao
continuadamente os senbores consumidores um
Erando e variado sortlmeoto de fazendas, ludo
aratissimo.
Sitio na Varzea para
\eiider.
Vende-se um sitio na matriz da V*rzea mar-
gena do rio Capibaribe junto ao do Calazans, com
casa de vivenda e diversas srvores de fructo,
proprio para morada oa paisar festa : a -tratar
noaitio do Ambol que Sea por delraz do sitio
do padre Dmaso, ou em Olinda defronte da igre-
ja de Guadalupe.
Aos senhores sacerdotes.
Acabara de ebegar loja da boa f, na ruado
Queimado n. 22, meias pretas de seda muito su-
periores, proprias para os senhores sacerdotes
porserem bem compridase muito elsticas ; ven-
dem-se pelo barato preco de 6# o par, na men-
cionada loja da boa f, na ra do Queimado nu-
mero 2S.
Riscado monstro.
Vende-se riscado moustro^azenda muito eco-
nmica para o uso domestico por ler grande lar-
gara e o sea preco ser de 200 rs. o covsdo: na
ra da Imaeratriz, loja n. 20, do Duarte.
Sebo do Porto,
Em caixinbas de urna e duas arrobas fazenda
superior e precos commodos : no largo da As-
semblan. 15, armazem de Antunes Guimares
A C.
iv RA DO QUEIMADO M.A6
PAhpBMDEMTIMEllT
DE
DE
SEROUPKSP
Aviso.
Vende-se urna machina elctrica oo magntica,
e tambem umaa cadeias magnticas, tudo por
preco commodo; na ra do Livramento n. 28,
primeiro andar.
CARTES
V
Carloes de visita de novo gosto
Carioes de visita de novo gosto
Cartdes de visita de novo gosto.
Urna duzia por 16#000.
Urna duzia por 16g000
Urna duzia por 16g000
Urna duzia por 16(000.
Retratista americano.
Retratista americano
Retratista americano
Retratista americano.
Ra do Imperador.
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Ra do Imperador.
Cal de Lisboa.
Vendem-se cal virgem de Lisboa em pedra, da
mais nova que ha no mercado por ter chegado
no ultimo navio ; na ra de Apollo n. 24, arma-
zem de A. Jos T. Bastos & C.
Soilimento completo de sobrecasacos de pinno a 259, 289, 30 e 359, cssacoi muito bem
fitas a 25_8, 28J!, 308 e o5|, paletots acasacadoa de panno preto de 18 at 259, ditos de casemira
d e cor a 159, 18J e SOf, palelots saceos de panno e casemira de 8J at 149, ditos saceos de alpaca
merino o la de 49 at69, sobre de alpaca e merino da 79al 109, calcas pretaa de eastmira de
89 al 148, ditos de cor de 79 at lOf, roupas para menino de todoa os tamaohoa, grande sorli-
mento de roupaa de brins como sejam talcas, paletots e colletos, sorllmenlo de colletes prelos ds
aetim, casemira e velludo de 49 a 9|, uitos para casamento a 59 e 69, paletots brancos de bra-
mante a 49 e 5f, calcas brancas muito finas a 5g, e um grande aortimento de fazeodas Un s e mo-
dernas, completo 8orlmeotude casemiras inglezaa para homem, menino eohora, aeroalas de
' linho e algodao, chapeos de sol de seda, luvas de aeda de Jouvio p.ra homem e seohora. Te-
mos urna grande (anrtca de altaiate onde recebemos eucommendaa de grandes obras, qoe ara
isso est sendo administrada por um hbil meslre de samelhanle arte e um peasoal de mais de
cincoenta obrsiros escoltados, portanto executamos qualquer obra com promptidao e mais barato
do que em outra qualquer casa.
ARMAZEM
ra
ROUPA F
Joaquim Fo dos Santos
40Ra do Queimado40
Defronte do becco da Congregacao letreiro verde.
Nesle eslabelecimenlo ha sempre nm sortimento completo de roupa taita de
todas as qualidades e tambem se manda executar por medida vontade doa fregue-
ses para o que tem um dos melhores professores.
Alporcas
Gaimbras
Callos.
nceres.
Cortaduras
Dores de cabeca.
das costas.
dos raembros.
Enfermidades da cutis
em garaI.
Ditas de anus.
Erupcoes escorbticas.
Fstulas no abdomen.
Frialdade ou falta de
calor as extremida-
des.
Frieiras.
Gengivas escaldadas.
Inchacoes.
Inflammacao do Qgado.
Compras.
Compra-se um ou dous balcoea de amarel-
lo, em bom estado : quem tiver annuncie.
Compra-se um setlijn ioglez ji usado, po-
rm em bom estado ; a tratar oo Porte do Mal-
tos, ra do Burgos o. 31J padaria.
Compra-se 3 venezianas em bo*n estado
pira veranda: na ra do Crespo n. 18.
Compra-se urna esCrava moca que sstba
engommar e cozinbar, a urna casa terrea dos
tres bairros : na ra das Cruzes n. 22.
Roupa eita.
E' esse eslabelecim.nlo o especial em
roupa feita j em preco como na quali-
dade, palilots, calcas, colleles, sobreca-
cas, sobretudo, cacas de borracha ele.
Inflammacao ds[bexigi
da matriz
Lepra.
Males das pernas.
dos peitos.
de olhos.
Mordeduras de replis.
Picadura de mosquitos.
Pulmoes.
Queimadelas.
Sarna.
Supurares ptridas.
Tinha, em qualquer
parte que seja.
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
do ligado.
das arliculaces.
Veas torcidas ou no-
das as pernas.
v3
as.
Ra Novft n. 18.
II. A. Caj avisa a seus antigua freguezes que
Dio podendo acbar com leu eslabelecimenlo de
fazeodas e rouiias fetas, contina sempre em II-
qoilaco, recebando encommenias de qualquer
Obra de alfaiale. e para liso tem um contrames-
tre sempre prometo paral receber qoalqner en-
commenda, aendo servidop com promptidio co-
bo eram, l.ndosus casa um grande sortimento
de roupas feilas e fszeodaa pelo mais baixo prs-
50 ( dinheiro) que se pode encontrar.
Calcado.
Botinas de Meli muito frescas a 129:
na ra da Cadeia n. 23, de Gurgel &
Perdigo.
uvmmim mam eKstnaiHiettex
Vende-se um sitio
pequsoo na estrada de Joao de Barros em frente
ao da Exm.a vrscondessa de Goianoa, com mui-
tos ps de laraogeiras, coqueiros, maogueiras e
outras arvores fructferas : a tratar oo mesmo
sitio.
Venda de una loja,
Veode-se ama loja de mudezas na ra Direita
com muito poucas mudezas propria para um prin-
cipiante, etc. ; vende-se tanto a dinheiro como
a prazo com boas firmas : a tratar oa loja da Vic-
toria, de Fajoies Junior.oa ra do Queimado nu-
mero 75.
Attenco.
Borz.gulos ds couro de lustre de Nantes para
meninos de 6 a 13 ann a 39 o par : na ra do
Queimado o. 45, loja Oo serlaoejo.
H. A. Caj tem para vender continuada-
mente os m-tenaes a.gaiates : lijlos de acena-
ria grossa, ditos balidos, ditos tapameoto largo,
ditos de lairilho. ditoa da cacissBa, telhas com
23 polleaadas de comprimenlo, H oa parle mais
larga que na mais estrella ; manda botar em
qaalquer maro por ser a olaria a margem do rio,
e qoaoto as qaaliJades polem ser examinadas na
ra Nova n. 18.
Vende-se este ungento no estabelecimenlo
geral de Londres n. 244, Strand, e na loja
de todos os boticarios droguista e outras pes-
soas encarregadas de sua venda em toda a
America do sul, Havana a Hespanha.
Vende-se a 800 rs,, cada bocetinba contm
urna instrueco em portuguez para explicar o
modo de fazer uso deste ungento.
O deposito geral em casa do Sr. Soum,
pharmaceutico, na ra de Cruz n. 22, em
Pernambuco.
Vendem-se as Ierras chamadas Sircnc,
que ficam prximas ao sal da cidada da Victoria
(Santo Antao) entre os engenhos Pedreiras e Es-
pirito Sanio, com boas propor;5es para planta-
ces de caf e algodao. Nao exige-se dinheiro i
vista, bastando que pague o comprador nm Juro
mdico pelo tempo que convencionar-se o paga-
mento total : a fallar com seu propietario o Dr.
Reg Dantas, no engenho Goiabeirs, de Santo
Amaro de Jaboatio.
Delicadas escovas
cabos de marfim e madre-
perola, para limpar
dentes.
Na verdade ama escora para limpar pentes
sempre necessaria em qualquer toucador, e com
especialidade no da senbora que preza o aaaeio,
e para que elle seja perfeito mandar comprar
asa deseas escovas de cabo de marfim oa mi-
dreperols qae cuss m 28 e 39 rs., as loja d'aguia
branca, oa ra ra do Queimado n. 16.
Vende-se
azeilede dend oo palma, dito de amendoim que
serve para luzese machinas, mais barato do que
em qaalquer outra parte; na roa do Vigario o.
19, primeiro andar.
armazem em progresso
DE
Jos de Jess Moreira & C.
Ra estreita do Rosario, esquina da ra
das Larangeiras n. 18.
Oa proprietarios deste eslabelecimenlo estao
resolvidos vender por menos do que em outra
qualquer parte por vir diversos gneros por con-
ta propria : minleiga ingleza flor a 800 rs. e 720
a libra, dita franceza a 640, em barril fazemos
abatimento, cha hysson a 298OO e 89400 a libra,
queijoa do ultimo vapor s 3 e 2J800, arroz a 100
rs. a libra, gomma muito boa a 100 rs. a libra,
massa de tmale a 800 rs., em porgao taremos
batimento, em latas de ums libra, marmelada
do melbor fabricante de Lisboa a 800 rs. a libra,
vinho muilo superior, Figueira, a 560, 500 e 400
rs. a garrafa, ameodoas a 330 a libra, milbo sl-
pista a 160 rs. a libra, aletria, macarro, e mais
massas a 400 rs. a libra. Alem destes gneros
outros mullos tendentes a molhados que os pro-
prietarios se responsobilisam pela boa qualidade.
Vende-se um sobrado oo bairro do Recife,
de dous andares e soto, com 33 palmos de lar-
gura e 130 de fundo, com um pequeo quintal :
quem o pretender annuncie por este Diario para
ser procurado.
Vendem-se superiores meiss de lia curtas
e compridas, peonas de seo e caetas especiaes
muito recommendadas pelo Sr. Guilherme Scul-
ly, professor decalygraphia : na ra da Cadtia
do Recife n. 7, loja de mudezas de Guedes &
Goncslves.
Vendem-se osengeDhos
S. Pedro e Espirito Santo, am-
bos moentes e corrente s e
d'agua, sitos na freguezia de
S. Bento comarca de Porto
Calvo e provincia de Alagoas,
o primeiro tem casa de enge-
nho e poucas obras, porm
safreja quatro mil pes o se-
gundo tem boas obras, porm
s safreja dous mil pes:
quem pretende-los dirija-se
a ra da Cadeia do Recife n.
26, primeiro andar, que acha-
ra com quem tratar.
Cheguem ao barato antes
que se acabe.
Na loja de fazendas na ra da Madre de Dos
n. 16, defronle da guarda da alfaudega.
Chitas escuras com toque de mofo cores fixas a
160 rs. o covado.
Ditas inglesas escuras pannos finos a 160 rs. o
covado.
Ditas francezas escuras a 200 rs. o covado.
Ditas superiores a 240 rs. o covado.
Ditas multo linas a 260 e 280 rs.
Ditas assento brsoco a 220 rs.
Velnutioa piolada a 3i0rs.
Bnro riscado para calca a 160 rs.
Iladapolao muito Gno com pequeo deleito a
49500 a peca.
Brim americano largo a 320 a vara.
Dito trancado de linho a 19 a vara.
E oulras multas fazeodas qoe se vendem ba-
rato para acabar (a dinheiro a vista.)
Chapeos do Chille
Na ra Direita o. 76, esquina do becco doa Pec-
caos Mortaes, vendem-se chapeos do Chille
muito finos de copa alia e aba lagga (a Garibsldi)
e de oulras mu tas qualidadea de gosto moderno;
assim como tem grand%sortlmeolo de llvros em
branco para escripturacao, lado por precos ra-
zoaveis.
Casacas ae panno preto a 408,
35J e
Sobrecasacos de dito dito a 359 o
Paletots de panno preto e de co-
res a 359, 309, 259,109.189 e
Ditos de casemira de corea a 229,
15$,125,7 e
Ditoa de alpaca prela golla de
velludo francesas a
Ditos de merino sdtim pretos e
de cores a 9f tj
Ditos de alpaca de] cores a 59 e
Ditos de alpaca prela a 99,79. 59 e
Ditos de brim de cores a 51,
49500, 49 e r
Ditos de bramante de linho b an-
co a 69, 5g e
Ditos de merino de cordo preto
a 159 o
Calcas de casemira prela ede co-
res a 119, 109, 98, 79 e
Dilas de princeza e merino de
cordo preto a 59, 69500 e
Ditas de brim brsoco ede corea a
59. 495OO e
Calcasde ganga de cores a
Collete de velludo preto e de co-
res lisose bordados a 128,99 e
Ditos de casemira preta e d* co-
res lisos e bordados a 69,
59500,59
59000
5J0U0
59000
39M0
2'0
19280
2!00
lfSOO
79OOO
2*000
79OOO
1800
9500
KVV
Ditos de selim preto uuu .
309OOO Ditos de seda e aetim branco a 6 e 5J0U0 5''*
30$000 Ditos de gorgoreo de seda pretos ^
e da cores a 79, 69, 49
209000 Ditos de brim e fusiao branco a
3S500. 29500 e
99000 Seroulaa <1 brim de linho a 29 e
Ditas de algodao a 19600 e
109000 Camisas de peito de fusta o branco
ede cores a 29400 e
85000 Ditas de peito de linho a 59, 49 e 3*000
39500 Ditas madapoln brancaa e de
38500 cores a 39 29500, 29
Chapaos pretos de massa francesa
39500 forma da ultima moda a 109,
88500 e
49000 Ditos de feltro a 69, 59, 49 e
Ditos de aol de seda inglexas e
89000 francezes a 11$, 1*9, tt| o
Colsrinhos de linio muito finos
69OOO novosfeitios da ultima moda a
Divos de algooao
495OO Relogios de ouro ostente e hori-
zontal a 1008, 909 80f e 701000
28500 Ditos de prata galvanisados ps-
39000 tenle e horizontaes a 409 SOfOOo
Obras de ouro, aderecoa e meios
89OOO adereces, pulceiras, rozetaa e
sneis a 9
Toalhas de linho duzia 108. 69 e 98000
3$500 Dilas grandes para mesa orna 39 e 4*00^
..
Espooj^s finas
para o rosto.
Vende-se mui Qnas esponjas para rosto, a 29
cada urna : na ra do Queimado, loja d'aguia
branca n. 16.
Leques.
Vendem-se lindos leques de madreperola, o
mais fino possivel: na loja d'aguia de ouro, ra
do Cabug o. 1 B.
Cera de carnauba
Primeira quilidade e precos commodos : no
largo da Assembla n. 15, armazem de Antunes
Guimares de C.
Para o funeral do dia 17 do
corrente.
Superiores luvas pretas de Jouvm para homem
pelo baratissimo prego de 29500 o par : na ra
do Queimado n. 22, na bem conhecida loja da
boa f.
Opiata ingleza |K
para dentes.
Est finalmente remediada a falla que se sen-
lia dessa apreciavel ptala ingleza to proveilo-
sa e necessaria para os denles, isso porque a lo-
ja d'aguia branca acaba de recebe-la de sua eo-
commenda, e continua a veode-la a I950O rs. a
caiza ; quem quizer conservar seus denles per-
feitos prevenir-se mandando-a comprar em
dita loja d'aguia branca, ra do Quaimado n. 16.
Fendem-se os engenhos
Ilha do Morgado, sito a mar-
gem do Pvrapima, e Po-San-
Rue sito a mirgem do Seri-
nhem, com safras, escravos,
boiada, e mais pertences ; re-
cebem-se em conta predios
na cidade, ou seus arrebaldes
e os pretendentes podem en-
tender-se com o proprietario
dos nesnos engentas, de-
sembargador Alvaro Barbalho
Ucha Cavalcanti
Batatas.
Vendem-se batatas ltimamente chegadaa di
Lisboa s 640 a arroba : 00 armazem n. 10, tra-
vesea da Madre de Dos.
Meias para sent ra.
Vendem-se superiores meias para senbora pe-
lo baratissimo prego de 89640 a duzia ; na loja
da boa f, na ra do Queimado o. 32.
Vende-se o grande sitio denominado Cala-
a, sito na freguezia da Varzea, de muito boas
torras, que lado qasnto pe planta di urna grande
quantidsde, com ama casa de taipa Ji eoberta,
ama dita de fazer ftrinh, grande quanudade d
ps de cafezeiros, com diversos ps de fructeiras,
como seja laraogeiras, coquetos, etc., etc.; e
tambem vendem-se duas vaesaa que dio bastan-
te letta, ama dellas com a' cria ji grande, e am
burro manso : a tratar na roa do Sebo n. SO.
Para engommado.
dem-se frssqainhos com escencia de anii
excedente para engommado porque urna
ella baataole para dar ror em na baca
de gomma leudo de mais mais a prectosidaoe de
nao manchar a roupa como moitaa vezes acon-
tece com o p de ail Cusa cada frasqainbc
500 rs. : na ra do Queimado loja da agoia rea-
fLoja das 6 por-|
tas em frente do Li-
vramento.
Roupa feita muito barata.
Paletots de panno Ono sobrecasacos,
ditos de casemira de cor de fusiao, ditos
de brim de corea e brancos, ditos de
gsngs, calcas de casemira pretas de
corea, de brim branco e decores, de gan-
da, eamiaas com pello de listbo Baile
finas, dilaa de algodao, chapeos de sel M
de alpaca a 49 cada asa. m
Obras de Bocage.
Vens-se em segunda salo as obra* eeas44s
do Cebof a>. 3.
I
i
de Bocage
andar.
na isa
Libras sterlinaa.
Vende-ae no escriptorio de Hanenl Igaede da
Oliveira e Filho larga da CerpoSaato.


6
DLtJM DC PEWMMfl 8EITA Wi 17 *B fftSRfto ME 1191
Loja das 6 por-
tas em frente do
Livrainento.
Chapeos de sol de alpaca a 4#.
Duzia de meiaacruea para horneas a
18300 e o par a tS6 ra., dita brancas
muilo Unas a 2J500 a duzia, lencos de
cassa com barra de coree a ISO ra. cada
un, ditoa brancosa 160|ra., baldes da
80 e 30 arcos a 3g, laziloha para ves-
estampados finoa a 53 e 69, tarlatana
branca e de cores muito Ifina com vara
e meiade largura a 480 n. o corado,
fil de linho liso a 640 ra. a rara, pe-
pas de cambraia lisi fina a 39, casase
decores para vestidos a B00 rs. o co-
vado, roussulios encarnada a 320 ra o
corado, calciohas para menina de escola
a 1J o par, graratiohea de tranca a 160
ra., petos Dar camisa s 200 rs. cada
uro duzia 29, pecas de cambraia de sal-
pico muilo lina a 39500, pecas de bre-
tnoha de rolo a S9. chitas francezaa a
220 e 240 rs. o covado, a loja est
berta daa6 horas da manhaa as 9 da
noite.
Asteas de acopara
baldes de se-
nhor.
Vende-se a 8 nDri : aa rua ,j0
loja de miudezs8 da boa fama n. 35.
Vende-aa a 160 e 200 rs. a vara
Queimado loja de miadezas da
os rua do
Luyas de pe
Jouvin.
boa [ama o. 35.
ica de
Vende-se as verdadeiras luvas de pellica de.
Jouvio para homem e senhora 29500 o par : na
rua do Queimado loja de miudezas da boa (ama
n. 35.
Ciatos do ultimo gosto.
Enfeites para cabera
Vende-a* os nafa modernos enfeites que lem
^Da "*8 n,ercwl0. aanifaa qualidadee a
IS ua' 'lil0 *nio* ** Wlh
11500: na rua do Qoeimado loja ezniudezas da
boa fama d. 35.
Laa muito fina para
bordar
Queimado
Luvas de diversas quali-
dades
Vende-se multo superiores luvas de canorca
para faomens a 29 o par, ditas de fio de escossia
brsncas e de cores a 800 ra.. ditas de aeda en-
tenadas psra senhora a 2$, ditaa de toraal pretas
a 19 : na rua do Queimado loja de niudeaaa da
boa fama n. 35.
Chicotes de gosto e muilo
fortes.
Vende-se muilo bonitos chicotea debaleiacom
castoes de marfim e de metal para homens e se-
nhoras a 4 e 59 ca la um, ditoa de estallo tamben
muito boDs s 39, ditos de junco porm muilo bem
acabados a 1g : na rua do Queimado loja de miu-
dezaa da boa fama n. 35.
Oabaz.es para sahora*, e
mebinas.
Vende-se pelo baratissimo e admiravel preco
de 3 e 49 cada um, e disnea -se que quem os vir
nao deixar de comprar, lio bonitos e atis s8o
elles : na rua do Queimado, na loja de miudezaa
do boa fama n. 35.
Tinta bem conhecida e acre-
ditada para escrever.
Vende-se cada frasco a 500 ra e dos grandes
a 800 rs.; esta tinta azul na occasio em que
se escreve e por muilo pouco lempo fica preta e
bem preta, haveodo a vanlagem de servir para
copiar cartas : na ros do Queimado loja de miu-
dezaa da boa fama n. 35.
Agulhas imperiaes
tem o funflo dourado.
A loja d'aguia branca, leodo em vista sempre
| vender o bom, mandou vir de sua conta essaa
Vende-se cintos dourados e de palha o mais I superiores agulhas imperiaes, as quaes acabam
bello que possivel eocontrar-se, pflo baratissi- i de chegar (pela primeira vez) tendo os fundos
mo preco de 39 cada um, ditos de fita de muito dourados e pontas mui bem liradaa, e cusa cada
lindos gostos a 2$ ; tambero se vend Gvellos papel 160 rs. Cozer-se com urna agulha aasim
muito liadas e de muitas qualidades proprias uni- boa, anima e adiants quem trabalba, por isso
carnele para cinlos 2# na roa do Queimado dirigirem se rua do Queimado loja d'aguia
loja de miudezas da boa fama n. 135, I brenra n. 16, que sero bem servidos.
ARMAZEM PROGRESSO
Francisco Fern miles Duarte
a qualidade de todo qualquer genero
vende-se por menos 5 a 10 por cento do que em oulra
|a mais superior do mercado a 800 rsa libra, em barril se far
Afianca-se a bd
comprado nesle armazem, assirx c
qualquer parte.
M.aii,eiga ugleza
abatimento.
rA*ntaig* f t auw&zfc. mal8 n0Ta. 600 ., em bm1> e 640 r8-, Ilbri>
$ui|n* do rei ao cJcgad0S aMle
Qu-iyDS lonirlEiOrt
a 19000. .
-,. \iroia, Viy^sotk e preto
2$000 rs a libra.
"res.unto pa*& iiamlire ffi
Pr*3wmt d*i r-iao
S tame
a agooo.
-Chapeos de palbtalM fina entestados para
ninas ; oa do Crespo o. 10.
Aoi tabaquistas.
Vendem-se superiores lencos frsncezea imt-
tacio dos da liaba, mello proprioe pera o taba-
quistas por aereo de corea escuras e fizas, pelo
baratissimo preco de 5 e 65 a duzia : na rua do
Queimado n. 22, na bem conhecida laja da boa fe.
Fil liso e tarlatana.
Veode-se superior fil liso e tarlatana branca
e de corea, pelo baralieatmo preco de .800 rs. a
vara ; na bem conhecida loja da boa fe, na rua
do Queimado n. 22.
ToaVVias para maos.
Vendem-se muito boas toalhas para maos pelo
barato prego de 59* duzia ; na rua do Queima-
do n. 22, na loja da boa f.
Rios enfeites.
Vendem-se ricos e superiores enfeites os mala
modernos que ha, pretos e de cores, pelo bara-
tissimo preco de 6 e 69500 : na loja da boa f,
na rua do Queimado n. 22.
Cambraias de cores.
Vendem-se cambraias fraocezas de lindas co-
res, pelo baratiisimo preco de 280 o covado ; n
rua do Queimado n. 22, na bem conhecida loja
da boa f.
Cambraias irancezas finissimas.
Superiores cambraias frsncezea muito tinas, de
muito bonitos padroea, pelo 'barato preco de 780
ra. a vara : na loja da boa f, na rua do Queima-
do n. 22.
Cambraia Visa.
Vende-se cambraia lisa transparente muito 1-
ns, pelo barato prego de 4 e 5f a pega com 8 1|2
varas, dita tapada muito superior,, pega de 10
varas a 6J : na.rua do Queimado a. 22, oa loja
da boa T.
Bramante e atoaYtiae de
Vi aho.
Vende-se superior bramante depuro linho com
duas varas de largura a 29400 a vara, aasim como
atoalhado adamascado fembem de puro linho,
com 8 palmos de largura a 29500 a vara : na bem
conhecida loja da boa f, oa rua do Queimado nu-
mero 22.
Cortes de caVc.
Vendem-sa cortea de caiga de meia casemira
de cores escuras a 2g cada corte ; oa loja da boa
f, na rua do Queimado n. 22.
Port buuqoels,
Dourados com cabos de ma-
dreperola.
Chegaram opporluaaavenle pera a loja d'aguia
branca os booitos port bouquels dourados e es-
maltados, com cabos de madreperola, conforme
sua propra encommeoda, (loando assim remedia-
da a falta que havia desses port bouquets de gos-
to, os quaes chegaram bem a lempo para os di-
versos casamento* e bailes que se contara nesses
diss, por isso as pessoas que por elles esperavam
e ss que de novo os quuerem comprar dirigi-
rem-se munidos de dioheiro loja d'aguia bran-
ca, rua do Queimado a. 16, que encontrarlo obra
de bom gosto, barateza, agrado e sinceridade.
w
ultimo vapor por 3(000.
de superior qualidado e muilo frescaes a 800 inteiro, em libra
os melhores que ha no mercado 39000, 29600,
uito novos a 530 rs. a libra,
de supsrior qualidade a 410 rs. inteiro, e 480 rs. a libra,
o melhor pelisco }u|e podo haver por estar prompto a toda a hora a 19 a libra.
^ asit* o reiio 3S0 rs,, llbr,t e arroba ,9000
Choadeas e paios cliegldos Desla uUino nav0> a 75J0 rs a libra
ftanVia d* parco^efiiiiad* 480 r, e em Uli com 10 u ^^ rs< e
se for em barril a 4401 rs. a libra.
^larmeV da imp^ri4\ d0 ,famad0 Abrea e dfl 0U(r08 muilos flbriCfl0le8 de LUboa
a 900 rs. a libra, ero Utas de 2 libras por I96OO aanca-se a boa qualidade.
HA* d iMMrta pm ,1. de urna libra por 900 rs.
A^meadoas e esntettos em lsla8de2 Iibra8 conlendo differenle8 qudlidade8,
muo propno para m mo, a 2j000.
Calcado
45 Rua Direita 4S5
Ougamt.. OugamL.
D traste indMpeoaavel ao homem civilisado
sem cootradito e sap.to 1 E' ella lio necessa-
no como o pao ao estomago. Tolera ae um
chapeo jaca ; ama casaca de ajuetar taboado :
um veslido desbolado ; mss o sapato acslceoba-
do e rodo, botina sem lustre e j. descosida
urna indecencis, um insulto ao orgao visual de
um chnslao. E' por lato graves consideraces
que o proprielBTio oeste esrabelecrn enlu.
acabando de receber um magnifico sorlimento,
roga sos seus freguezes aa apreseem em renovar
o calgado velho visto eslar-mos oa feala ;
vjame
Homem.
MILIES (chagre privilegiado) frescos co-
mo a agua do Prala......
BOMBGUINS.inteiricoe (Rocthlld) .
diversos fabricantes. .
lustre pichincha. .
sapatoes de Nantes, vaqueta de lustre
b,le'i...........
Ditos Nantes batera. .....
149000
9950O
88OO0
5|500
69000
596OO
59UQO
'"8'eiea........4j50O
Nantes meninos.....395K)
lustre (sol e vtrs.....S9SUO
(urna sola).....8|000
de tcaoca porlugueM. 2fOUO
franceza. ; lj>500
Seuhoras
BOTINAS gaspa alta e laco inglezes de





>
*


>
>
duracio iocalclavel.
fraocezas (laco). .
oem laco.....
gaapa baixa. .
oulros (32. 33 e 34).
de menina (Joly). .
Sapalos (Joly) com sallo.
( ) sem salto. .....
*****.........
lustre (32. 33, 84).....
econmicos para casa. .
Alem diiso um variado e abundante .
ment de ludo o qe ecessario a sapeleiro pa-
ra ezecutar qualquer obra.
6J0OO
52500
52000
41800
4&00
49500
39<0
250OO
800
800
500
sorti-
Vende-se fszenda denominada lindeza, optims
para vestidos a 160 rs. o covado : oa loja do Do-
arte, rua da Iroperatrizn. 20.
Alteiitfo
Vendem-se caixCes vasios proprios
para bahuleiros.f unileiros etc. a 1 #280:
quem pretender dir.ija-se a esta tipo-
gnphia, que ahi se dir' quem ostem
para vender.
Cera de carnauba de pri-
meara qualidade.
Vende-ae em porgao e a retalho de urna saces
psra cima, e por commodo preco: oa rua da Ma-
dre da Dos confronte abolida n. SO.
CAL DE LISBOA EM PEDRA.
Da mais nova que ha no mareado e por prego
muito razoavel : vende-se na rua do Apollo n*
88, armazem do Tarroso.
Leite virginal
infallivel remedio para
sardas e panos.
O leite virginal j bem conbecido como reme-
dio infallivel para sardas e pannos, veode-se a
z* rs. o irasco aa ras do Queimado, loja d'aguia
branca n. 16.
A loja d'aguia ,
branca um deposito de
perfumaras finas.
Esta loja por estar coojianteroenie a receber
perfumaras floasdesusa proprias encommendas,
bem se pode dizer que est constituida um depo-
sito de dilss, lendo-aa sempre dos melbores e
mais acreditados fabricantes, como Lubin, Piver,
Coudray e Societ Bygienique, etc., etc. ; por
uso, quem quicer prover-se do bom, dirigir-se
a roa do Queimado, loja d'aguia branca n. 16, que
achara sempre um liodo e completo sorlimento,
leudo de mais a mais a elegancia dos frascos, e a
barateza por que se vendem convida e anima ao
oomprador.
Carros e carrocas
Em casa de N. Bieber
A C. successores rut da Cruz
numero A.
Vendem-se carros americanos mui elegantes
a leves para duas e 4 pessoas e recebem-se en-
commendas psra cujo fim elles possuem map-
pas com vanoe desenbos, tsmbem vendem car-
rocaapara conducceo de aaaucaretc.
\feflde-se
na rua do Queimado d. 1
o sf guinte.
Pecas de cambraia fina adamascada para aaiH
nado com 8 lt* varas, pelo barate arece deaaVM
Toalhas de liobo adamaacado paTaiaaaVlsL
Cambraias de salpicos raaNloa muito liaooa
59 a pega, dilas de ditos miudiohos laas a 4*500
Lengoes de bramante de linho a 89000.
Cambraia ailada para lacro da vestida ceas
8 1|2 varas a pees por t$. '
Grandea colchaa de fuatio lavradas es.
Chapeos eofeitados mullo liados, proptioa para
meninos a 79 cada um.
Cocerlas de chita, gosto chinez, a 11800.
Ricas capellaa para noiva, de flor de laraaja.
Algodio com 7 palmos de largo a 00 rs. s vara
Lengoes de panno de linho a 19000.
Soahsll Mellon & C, toado receido ar-
den) para vender o seu creacido deposito da rala
gioa visto o fabricante ter-se retirado do Mata-
ci ; coovids, portsnto, s pessoas qae quizares
possuir um bom ralogio de ouro oa prata 4* c-
lebre fabricante Kornby, a aproveiUr-M 4a op-
portunldade sem perda de lempo, para vir coas-
pra-loa por commodo preco no aeu escrlptorio
rua do Trapiche n. 18.
Obras de ouro
com brilhantes.
Na rua da Cruz n. 54, no armazem
de Aires & C.
Livros em branco
Proprios para escripturacao : na na
da Cruz n. 54, no armazem de Aires
&C.
Taixas.
Vende-se
farinha de mandioca de superior qualdile, mui-
to nova, e em ludo agradavel, em pcrgops'orao-
des e pequeas a vontade dos compradores e pre-
gos muito mdicos: a bordo do *>rigue Midas
ancorado defronle do caes do arsenal de guerrs
Vende-se o engenho Santa Luzia, sito na
freguezia de S. Lourengo da Matla.lou a dioheiro
*ou troca-se por casas nesta praga : iquem prcten-
Sder dirija-se rua de Horlas n. 7,1 desde s 10
'horas da manhaa al s 4 da tan
de Cambraieta.
Vendem-se superioressaias de cambraieta mui-
to lina, com 4 panoos, pelo diminuto prego de
59; a ellas, que alo muito baratas: na rua do
Queimado o. 22, na bem conhecida loja da boa f'
foSooo.
a 500 rs.
e porluguezas em latas de 1 libra, por 610 rs. dilas em meias
a 400 rs. a libra e em caia a 89.
e 19000 rs. a libra.
AA*?*i?ia, a*>c^rr&> a t* Yi risa
LUMiCss muito novas a 100 rs. a libra
nOllO VfMiCi*'/
" ra carloes muilo enfeitados proprios para mimo a 600 rs.
! .eiir ngieza a nois 8uperior qu9 hs a i^/m T3 a afj em ixa ge fjr
aba.imentu.
foeiiabTa ie Rollan la
Yinkos enga?s?&*idajs
tarta, Bajas do Porto, a 19800 em can* se fai aoatiment.
.a^pagae de diperentes marcas a 169 a duzia e a lflOO g garrafa, alanca-se a boa
qualidad*.
, "* e de outras niuiias marcas a 09 a duzia. e
a 500 rs. a garris.
w uiio esa pipa Por,0> jiisboa e Figueira a 3>b0Qt 4 e 4$500, canada
^uperma&etii Mperior a 740 ri> em caixa> m tu a ^
Biataa uo^as em gig0, de uma arroba, ^
-n COiaiC os mais superiorel hespanhol a 1J200, fraocezaa i&. porluguez a 800 rs. a libra
ITiSog a c?uimdT
* ooft n0701' em c""8 de 8 librS Por S500, eem libra a
) \) rs*
a 690D0 rs. a frajqueira, e 560 rs. o frasco.
lagrimado Douro a 19600 rs. a garrafa, Porto uno, Fei-
de engommar, muito Iva a 100 rs. a libra.
fiaMM
iVzeitn doce refln,doa m
P-altos de deu\es llMlj,
Coctelet%a inglezas
Solaxluha iugleza a
\iaeix.ai franeer.as *- frMC01 muit0 riooe com 412 librss 3 m dUal
luguezes a 480 rs. a libra.
* J<**<* para ltmpar facas s 200 ra. cala um, em porgao se f*r abatimeolo.
^"".ffejaa a7 ffaaco8 del e lt2 libra muito novas a 800 rs.
Independie dos gneros annuncia los encontrsri o respeilavel publico grande sorlimen-
to do gneros, tude de superior qualidade.
Eritre-ait0s oordados em
garrafa e em caixa a 99.
r-perfdico a 240 rs. o mago,
proprias para fiambre a 800 rs. a libra.
mais nova do mercado a 49 a barrica e em libra a 320 rs.
E' na rua do Queimado n. 39 loja de quatro
portas que se vende os mlhores chapeos de se-
da de formas mais modernas e bom gosto.
Rtaa$enmaNoTafi.42i
Vende-sa em casrde S. P JonhstoB &C,
lilinse *ilb.5esnglezes,candeirot<] casticaes
bronzeados,lonas nglezas. Go davala,chicott
para carros, s raoniaria,4rr*iospar carroda
um o fous ralos ralogio sda ouro paianta
Dglez.
Navalhas d'aco
com cabo de marfim.
Vende-s na loja d'aguia branca mui finas oa-
valhas d'ago refinado com cabos de marfim, e
para asspgurar-se a bondade dellas basla dizer-
se que sao d09 afamados e sereditades fabrican-
tes Roduers & C, custa cada eslojo de duas na-
valhas 89000: na rua do QueimaJo, loja d'aguia
branes, n 16.
Manteiga iaglnza fl >ra 800 rs
a libra.
Francza a 640, toucinho a 320, erviiha a 100
rs., banha refinada a 480, alpista e paingo 180,
gomma de araruta a 100 rs. : na rua das Cruzes
n. 24, esquina da travesea do O.mdor.
Capellas e ramos para casa-
Wfintos e bailes.
Vende se mwiissimo finas e ricas cspellas
brancas para noivas, com o competente ramo para
o peito, pelo baratissimo prego de 10 e 129. ra-
mos de flores muito linas e de muito lindas co-
res s 39, Utos msis inferiores pouca cousa a 19.
19500 e 29: oa rua do Queimado loja de miude-
zas da boa fama n. 35.
I Loia amarella I
SConfronte ao becco largo.S
Gurgel 4 Perdigao receberam ricis ,^
capas e manteletes comprulos, sedas de P
^ quadros, vestidos de cambraia borda- ^
ggg dos, vestidos de blonde, lasinhs de dif- <&
fereols qualidades, tintos, cassrs or- '
gandys : na rua da Gadeia loja n. 23 9
dse
ente.
carnwpii transare
Na loja di guia branca vende-ae ntremelos
bordados em fioa cambraia traosparoate 19 a
pega de 3 varas, pre;o eata porque ao se scha em
dita loja da aguia branca rua do Queimado 0. 16.
Adverle se que de cada padrao tem bastantes
pegas par* vestidos.
Potassa da Russia
Veode-se emeasa deN. 0 Bieber
C, successores, rua da Cruz n. 4*
Paletots
brancos.
Vendem-se superiores psletols de brlm branco
de poro linho, pelo baratissimo prego de 5f : oa
rua do Queimado n. 22, na bem conhecida loja
da boa f.
aa offleina de (erreire da roa do JasaAm a. 24,
Os borros e es vatios existentes no armazem' om cerro oova.de 4 rodas feito com lodo es-
do Sr. Andr de Abreu Porto, defronle do arae- mero, aasim como dona cabriolis tamben) as-
nal de marinha"v*ndem-se a vontade e eseo- vos e de mui apurado goale, todo por preco com-
Iha dos compradores: na rua do Trapicha n. 4 modo: quem oa pretender pese idgir-se
primeiro andar. *r l mesma offleina a qualquer hora do dia.
lores finas,
A' loja d'aguia branca acaba de despachar um
bello sorlimento de flores finas e delicadas pro-
prias para eofeitea decabegs e vestidos para ca-
samentas e bailes; quem as vir sem duvids se
alegrar de achar florea to perfeltas e delicadas:
Isso na rua do Queimado loja d'aguia branca
n. 16.
Espirito de vinho de 38
graos.
Na rna das Cruzea o. 24, esquina da travessa
do Outidor, a 16U0 rs. a canada.
A 4,060 rs
A duzia de serveia branca e preta, e de marras-
quino : no bazar da rua do Imperador.
4 500 rs.
Vasiourai americanas e ciscadores ingleses:
no bazar da roa o Imperador.
Vende-se
Maior reduccSo nos precos para acabar.
Vendern-je no armazem de Braga Son & C.
na rua da Moeda, taixas de ferro cuado do mui
acreditado fabricante Edwin Maw a 100 ra. por
-ir:i, as mesm Cale potassa.
Vendem-se estes dous gneros no bvm conbe-
cido e acreditado deposito da roa da Cadeia do
Recife n. 12. por menoa prego do qua em oatra
qualquer parte, afiaogando-ae a boa qualHade.
A cal chegou a quatro das pelo brgue Sobe-
ranos, e a potassa legitima da Rusus, chegada
pelos ltimos navios da Hamborgo.
Mantas de retroz.
Vendem-se mantas de retroz para grvalas a
00 rs. : na rua do Queimado n. 22, na loia da
boa f.
36, roa das Cruzes de Santo Antonio, 36,
PROGRESSIVO

SI
nctar, Carcavellos, Cames, Madeira secca, Feitoris vafeo, ecco e cfcsnis
Par
is a
DE
l^rrfrS! 1DgltZa sPecialmnteescollhida a 800 e l?W0O, eem barr ter abat meato.
Uiein iraUCeza a melhor do mercado a 700 rs. a libra e em barris a razo de600 rs. a libra.
QueiJOS flailieUgOS chegados oeste ultimo vapor a 39000.
UueijOS luudrinoS omelhor que ha ueste genero por serem muito frescos a 1?>200 a libra.
r 'r, PFat meIhr qU9 8e pode desejar a mo a ,ibri e l^100 inteiro-
(. h hyssOQ e preto o melhor do mercado de 18700 a 29880 a libra
Presunto fiambre ng,ez. bambuc 720 rs. ubr,.
FreSUDtOS portuguezes IbHh do Porto de casa particular a 560 rs. por libra e inteiro a 460 rs.
VintlO engarrafados Duque do Porto, genuino. Porto fino.
v h *' i*300 8garrafa'e 13500 *duzia-
inDO BordeaUX de superior qualidade diflrentes marcas a 800 a 1 a garrafa ede 89500 a 109000 a duzia,
nO em pipa proprios para pasto de 500 a 600 rs. a garrafa ede 39800 a 49800 a canada.
Marmela.ia imperial aescolher de todos os fabricantes de Lisboa premiada as exposi$5es universaes de Londres
900 rs. a lata, de urna libra e a 1D700 as de duas libras.
DOCetfiS com doces seeco das mais deliceda frutas da Europa, e o mais proprio que ha para miraos, por serem ricamente enfeitadas, e Ja
muito gosto a 39500 cada uma,
FigOS em OaxinbaS de 4 libra muito frescos e grarades a 29000.
Peras SeCCa emcaixinha de 4 libras chegsdas neste ultimo vapora 39500 e 1#200 a libra, afianca-se ser o melhor qae poda havec nesta
genero.
Ameixas fraocezas em latas de5 libras por 49000 e 19000 por libra.
PaSSaS em caixiohas daoito libras, as melhores do mercado a 39 e a 640 rs. a librs, e em caixa de uma arroba a 99500.
Latas COm frUCtaS da lodas as qualidades que ha em Portugal da 700 a 1900U a lata.
Corinthias em frascos de 1 l [2 a 2 libras de 19600 a 29200.
Caixas SOrtidaS com ameixas, amandoas, passas figos, paras e nozes oque ha de mais proprio para mimos, do 49000 a 59000 r*.
por caixa de 10 a 12 libras, e320 rs. a libra dos figos.
Lata COn? bolaxinha (le SOda dediversas qualidades, e muito novas a 19450. e grandes de 4 a 8 libras de 29500 a 49500.
Conservas inglezaS francezas pounguezas de 600 a 800 ris o frasco.
UrVlltiaS francezas e porluguezas a 720 rs. a lata, afianga-se serem as mais bem preparadas que tem vindo ao mercado.
Mas- as talharim, macarrao e aleiria as mais novas que temos no mercado a 400 rs. a libra.
AmendoaS de casca molla a 400 ris alibra em porcao ter abalimento.
AzetonaS de Lisboa novas e grandes viadas pela primeira vez ao nosso mercado a 39500 a ancoreta
Champanhe das marcas mais acreditadas de 159 a 209000 reis o gigo de 19500 a 29 a garrafa.
CervejaS das melhores marcas a 660 rs. a garrafa de 59 69Q00 a duzia da branca.
Cognac a melhor qualidade que temos no mercado a 19000 a garrafa e a 109000 a duzia.
Genebra de Hollanda a 600 rs. o frascos 69500 afrasqueira com 12 frascos.
Chocolate o mais superior que temos tido no mercado portugus, hespanhol efrancez de 19 a 19200 alibra.
Vinagre puro de lisboa a 240 rs. a garrafa e 19850 a canada, \
Espermacete Superior ser a vari a a 740 rs. em caixa a 766 rs. a libra.
ArrOZ o melhor do marcado a 100 rs. a libra e 29700 a arroba do da India e 120 rs. a libra do Maranho,
Alpista C painCO o maislimpo que ha a 160 rs. a libra do alpista a 240 Te. a libra do painoo.
Vinagre branco o melhor que temos tido no mareado a 400 rs. a garrafa a 29560 a capada.
Massa de tomate em l*1'* de ama libra do mais acreditado autor de Lisboa e viada a primeira vez a nosso mercado, da 19 a lata, -,
Araruta a melhor que se pode desejar a 320 rs. a librs, e 160 rs. a libra da gomma.
TOUCI Ilho de Lisboa o mais novo do mercado a 320 reis a libra e arroba a 109009.
Batatas em gigoscom uma arroba, as melhores que ha no mercado a 19800 o gigo.
Leti I fias fraacezas, as melhores e mais saborosas de todos os legumes a 500 rs. a libra,
NozeS as melhores e mais novas por terem chegsdo neste ultimo vapor a 200 ra, a libra.
PalitOS HxadOS para denles a 200 e 160 rs. o mago com 20 massinfaos a flor a 280 rs,
Latas com sardinha de Nautas muito novas a 44o rs. a lata.
Velas de Carnauba ecomposicao de superior qaalidade a 400 rs. alibra e a 119500 a arroba.
1 re. alibra.
i.
Bolachinha iugleza laglua a maia nova do marcado a 49 a barrica a 820
A lam dos gneros annunciados encontrar o publico tudo que procurar tandete a asomados, e per meaos
qualquer parta.



w
?
DW1(J DI nWUWKCO RITA IWRA 17 DI JMfMO M fSffS
\
ntremelos
bordados cm cambraia
transparente.
Na loja d'aguia branca se aeha um bello lorti-
mento de entremeto* bordados era fina cambraia
transparente, e como do sea coatume est veo-
dendo baratamente a 19200 a peca de 3 varas,
tendo quantidade bastante de cada padro. para
vestidos ; e quem tWer dtoheiro approveilar a
oecasio, manda-loe comprar na ra do Quei-
mado, loja d'aguia branca n. 16.
Agulhas imperiaes.
Tem o fundo dourado.
A. loja d'aguia branca tendo em vistes sernpre
vender o bora, mandou vir, acabara de chegar
aqui (pela primelra vez) aa superiores agulhas
imperiaes, com o fondo dourado e mui bem fi-
taa, sendo para alfaiataa e costureima, e cuela
cada papel 160 rs A agulha assim boa aoima
adianta a quem coae com ella, e em regra sao
mnis baratas do que as outras ; quem aa com-
frar o ra do Queimado, loja d'aguia branca a
6, dir tempre bem deltas.
Mui bonitas
e boas fitas brancas de chama-
lote, franjas e trancas.
Aloja d'aguia branca acaba de receber de sua
encommeoda diverso* artigo* de gosto, e proprioa
para eneiles de vestido* de noivsa ou convida-
das, sendo bicoi de btond de diversas largura*,
franjas brancas e de cores, trancha brancas com
vidnlhose tem elle*, casearrilhaa brancas e mui-
tss outras cures, fioes e delicadas capellas bran-
cas, bonitos enfeites de flores e cacho: sollos, Iu-
vna de pellica enfeitadas primorosamente, mui
bmnias e boaa Atas de chamelote, e tmflm mui-
o outros objectos que a pedido- do comprador
sero patentes, e vista do dinbeiro nao se dei-
xar de negociar : na loja d'aguia branca, roa
do Queimado n. 16.
Tiras
bordadas em ambos os
lados.
Tabaco
Vende-se pelo barato precio de lj}500
a lata com urna libra do encllente e j
bem condecido tabaco americano, pro-
prio para cigarros, e o melhor que tem
rindo ao mercado: na ra da Gadeia
n. 17.
Geographia
Vende se dous globos em meto uso,
um celeste e outro terrestre, proprios
para bem se aprender geographia. Os
ettudantes que os pretenderem podem
dingir-se a livraria universal de Guima-
raes & Oliveira, na ra do Imperador.
Tiras bordadas.
Vende-se finissimat lira* bordada* a2| e2|500
a peca, babados francezes muilo lios e com
bordados muito Undosa i$, 25500, 3J e 45500 a
pega : na roa do Queimado loja de miudezas da
boa fama n. 35.
Agulhas francezes
Vende-se agulhas francezas de tundo deurados
das melhorea que tem vindo ao mercado a 160
r*. o papel, carleiras de marroquim com agulhas
sorlidas e toda* de muito boa quslidade a 1)
cada urna, ditas de papel dourados e com muito
bom sodimeolo a 320 rs., caixinhai com 100
agulhas sorlidas muilo boas a 2U0 e 280 rs. ca-
da urna : na ra do Queimado loja de miudezas
da boa fams n. 35.
Fitas de chamalo-
te muito boas e
bonitas.
A loja d'aguia branca acaba de receber pelo va-
4>or ioglez sua eocommeoda da boa*, bonita* e
largas Otas de chamalote branca* e outras cores,
as quaes sao excedentes para cintos, lacos, etc.,
de vestidos para cssamentos e bailes, assim como
para Isqos de bouquetes, cinleiros de criaocas e
militas outras diversas cousas, e como de seu
Pechincha.
Vende-s por retomado preco uro sitio aa
Turre, cercado de timo, com be casa da vivan-
d. aatrioari, cacimba da boa agua par beber,
com o baoho do famoso Caplbariaas porta e
bastantes arvoredos de fructo ; a tratvr eom 0
9r. Jos Azevedo Andreda m do Crespo ou
com o propretario do mesmo sitie Jos Mariano
de Albyquerque na estrada doCexaog.
>a loja de fer/ag^ns na
ra n Cadeia n. 44.
Veo de-se a verdadeira graxa n. 97, do muito
intign e bem acreditado autor Day and Martin,
em barricas com 15 duzias de bolr.es e a rela-
lho por oreco commodo, e igualmente colla da
Baha em saceos as libras, e canoas de carrei-
ra de diversoscornprimeotos vootade doa pre-
tendeles.
Novidade no tor-
radorl!!
2a Largo do Terco 23.
Queijos flamengos muito Irescaes, chegados
oeste ultimo vapor a 39. manteigs francesa a 790
e 640, menteig inglesa flora 800 e 800 rs em
porreo se far.i abatimauto, assim como se torram
outros muitos geoeros pertenceotes a molhados,
assim como sjam, caf, prlmeira e segunda sor-
te, arroz, velas de espermacete e carnauba, azei-
te doce e vinagre, e vjuhos, se vendem por me-
nos do que em oulra qualquer parte a dinbeiro
vista.
Para o funeral do Sr. D.
Pedro V,
Veodem-ae superiores luvas pretas de pellica
\ de Jouvio chegalas no ultimo vapor francez, pe-
lo baratiobo preco de 2500 cada par : na ra do
Queimado, na bem couhecida loja de miudezas
ta boa fama n. 35.
. Os burros e caballos existentes no armaxem
do Sr. Aodr de Abren Porto, defroote do arse-
nal de marinha, vandem-se a vontade e escolba
dos compradores : tambem *e vendero do mes-
mo modo cssros muito superiores, que servirem
' psra agurdenteouroel: na ra do Trapiche n.4,
- primeiro andar.
eo"meTsVre^s"so"mMoV,do^ gg *Ul*TloSbV |llllllILO-.
qualquer parte; aasiro quem munido de dinhei- | 2f\frap: Jn
Vendem-ae tiras de cambraia bordadas em am-
os oos lados, que.pela largura bem se pode par-
tira meio, pin satas e outras muitas cousas,
Costa cada lira 19-200 : na ra do Qui imado, loja
oaguia branca o. 16.
Polassa americana,
Vende-se potassa americana rauilb nova e de
superior qualidade: no escriptorio de Hanoel
Igoacio deOlireira & Ftlho, largo do Corpo San-
"chapeos a garibaim
Ra da Cadeia o Reoife, loja
n. 50, de Gunha A Silva.
Os mais moderaos chapeos a Garibaldi e chi-
Sues, de palinha e feliro, mui lindos, e se ven-
em pelo barato prec.o de 10 e lt$.
PaletoU a Garibaldi.
Paletots de seda a moda Garibaldi, imitando o
mais floissimo brim trancado decores] muito pro-
prios pan os bailes, festas e passeios campestres,
pelo diminuto pre^o de 105-
Cliapeos baratos.
Chapelioas de seda para senhors, pelo baralis-
simo yeco de 89, chapeos de seda e de merino,
bem eufeilados, para meninos e baptisado a 6 e
79, ditos de palha e seda para senhors a 105, di-
tos de seda de cores, copa baixa, para hornera a
6f, ditos de casemira de cores, pelo diminuto
prego de I96OO. chpeos de castor baaoco sem
pello, bonitas formas a 128, bonets francezes de
panno para meninos a t)500e35.
Guardanapos e toalhas.
Duzia de guardanapos para mesa a 25 e 29400,
toalhas para mesa de 114, 1 2 e 2 varas a I9OOO,
19500 o 29.
Vestuarios para meninos,
de fusilo, eofeitados, a 89. baldes pura senhora
a 3)500, bonitos vestidos de phautesie pelo bara-
to prego de 1-2$, aloalhado de lioho adamascado
com 8 palmos de largura a -23240 a vara, mantas
de fil braoco, manteletes, leques de diversas
qoalidades, golliohas, manguitos, sedas de qua-
drmhos, e outras muitas fazeodas que ae ven-
dem for barato prego na referida loja cima.
icaba dci
chegar
novo armaz<
DE
B4ST0S & REO
Na ra Nova junto a Con-
cei^o dos Milita-
res n. 47.
Um grande e variado sortmenlo da
roupas feitas, calgadoa a fazeodas e todo*
este* vendem por pregos muito modi-
ficados como de seu costu me,assim como
sejam sobrecasacos de superiores pannos J
e casacos feitos pelos ltimos figurioos a 8
269, 88, 309 e a359, paletots dos mesmos S
pannos preto a 16J, 185, 2U}j e a 249, I
ditos de casemira de cor msela do e de
novos padres a 149. I69, I89. 20 e 249,
ditos saceos das mesmas casemiias de co-
res a 99, 109,129 a a 149. ditoa iretos pe-
lo dimiouto prego de89, 109, e 25, ditos
de sarja de seda a sobreca saca dos a 129,
ditos de merino de cordo a 1 !J, ditos
de merino chines de apurado go lo a 159,
ditos de alpaca preta a 79, 89, i 1 e a 109,
ditos saceos pratos a 49, ditos d palba da
seda fazeoda muito superior a <
tos de brim pardo e de fusto a
e a 4950O, ditos de fusto bra
grande quantidade de caigas di
preta e de cores a 79, 89, 99 e a
pardas a 39 a a 49, ditas de brl
Anas a 25500, 39. 39500 e a 4 ditas de
brim brancos finas a 49500, 5f ,[59500 e a
69, ditas de brim loni a 59 e a 61, colletes
de gorguro preto e de coras a 55 e a 05,
ditos de casemira de cor a pret is a 45500
e a 59. ditos de fusto branco e da brim
a 39 e a 39500,ditos de brim lona a 45,
ditos de'merin para luto a 49 a 49500,
caigas de merino para lulo a 4f >00 e a 5f,
capas de borracha a 89. Para meninos
de todos os tamanhos: caigas de casemira
prefa eda cor a 55, 69 e a 79Jditasditaa
de brim a 2J, 39 e a 39500, paletots sac-
eos ae casemira preta a 65 e a) 79, ditos
de cor a 69 a 75, ditos derflpaca a|39,
sobrecasacos do panno pret a 129 e a
149, ditos da alpaca preta a 5, boneti
para menino de todas as qualidade*, ca-
misas para meninos de todos os tamanhos,
meio* rico* vestidos de cambraia feitos
Eira meninaa da 5 a 8 annqs com cinco
abados liso* a 89 e a 125, ditos de gorgu-
ro da cor a de las s 5 e a f, dito* da
brim 139, ditos da cambraia ricamente
bordado* para baptiaado*,e muitas outras
fazenda* roupaa feita* qu deixam de
ser mencionada* pela sua grandeqaaoti-
dade; assim como recebe-sa toda a qaal-
quer encommeoda do roupas para se
mandar manufacturar a qua para este fim
tamos um completo sortimaroto de f azen- !
dasdegosto a orna grande offlein. da al-
faiato irtsjMa per m hbil meitre que
pala sua promptid eptrfoicaonadadei- J
xaadeaeiar.
ro, dirigir-se a rus do Queimado loja d'aguia
branca n. 16, lera bem servido.
loja dej
Para acabar*
Nd ra do Queimado n. lOjj
loja de 4 portas.
Vende-se chapelioas de seda para se- 2
nhora a 89.
Organdys padrOes os mais modernos a &
00 rs. a vara.
Sedinhas de quadrinhos a 800 rs. oco- J
vado.
Casacas de panno preto muito fino a S
203000. H
Manteletes pretos a 159 e 20. S
Riquissimos vestidos de seda de cores ^
e pretos o maia moderno que tem appa- at
recido e por baratissimo prego.
Potassa da Russia.
Vende-se potassa da Russia ds mais nova e
superior que ha no mercado e a prego muito
cammodo: no escriptorio e Mvnoel Ignacio de
Oltveira & Fiiho, largo do Corpo Santo.
As verdadeiras luvas de
Jouvio.
Acabara de chegar pelo ultimo vapor para a
loja d'aguia branca, na ra do Queimado o. 16,
sendo de todas as cores.
sem segando.
Na ra do Queimado n. 55, loja de miudezas
de Jos de Azevedo Maia e Silva, est vendendo
tudo muito barato para apurar dioheiro, pois o
que presentemente mais precisa.
Groia de peonas ue ago de diversos mo-
dellos a................................
Ca xas com agulhas francezas a..........
C-iis com alfineles a..................
Caixas com apparelhos para meninos..,.
Ditas com dito para graodes a..........
Raralhos portuguezes a............120 e
Groza de boles de osso para caiga, pe-
queos, a..............................
Tsouras para unhi muito finas a......
Ditas para costura a....................
Baralhos francezes muito finos a........
Agulheiros com agulhas s..............
Caivetes de 1 folha muito finos a 80 e
Pecas de tranca de la com 10 varas a..
Pegas de'franja de la com 10 varas a..
Pares de sapalos de tranca a............
Carlas de alOoetes francezes a..........
Cscovas para limpar deotea a 200 e....
Massos com grampos muilo fiaos a....
Cartoes com clcheles com algum de-
feito a ...............................
' Ditos de ditos de superior qualidade a
Didaes de ago paraseohora a............
Ra lejos com duas vozes a..............
Ditos com 4 vozes a....................
Bufiadores para vestidos, sendo muilo
graodeaa..............................
Caixas com colchles francezes a........
Cartas de alfioetes para armagao a......
' Charuteiras muito finas s.............*...
Tinteiros de vidro com tinta a..........
Ditos de barro com tinta superior a....
Ara preta muito Gnu, libr.............
500
120
60
240
500
200
120
400
400
320
80
160
200
800
1480
100
400
40
20
40
100
pela
marmore.
A loja de marmore tendo de apresen-
tar concurrencia publica o que ha de
mais novo em fazeodas, tanto para se-
nhoras como para homens- e meninos,
sendo que para este fim espera de seus
correspondeotes de Inglaterra, Franca e
Allemaoha as reraessas de seus pedidos,
tem resolvido, antes de spresentar o no-
A vo sortmenlo, liquidar as fazeodas exis-
lentes, o que effectuari por pregos mo-
dicos e para cuio fim convida o respeita-
vel publico a aproveitar-se desta emer- D
gencia.
Funileiro e vidraceiro.
Grande e nova officina.
Tres portas.
31Ra Direita31.
Neste rico e bem montado eslabelecimeoto en-
contrarlo os freguezes o mais perfeito, bem aca-
bado e barato oo seu genero.
URNAS de todas asqualidades.
SANTUARIOS que rivalisam com o Jacaranda.
BANHEIRuSde todos os tamanhos.
SEM1CUP1AS dem dem.
BALDES dem idem.
BACAS idem dem.
BAI1US idem idem.
FOLHA em caixas de todas aa grossuras.
PRATOS imitando em perfeigo a boa porcel-
lana.
CHAI.EIIUS de todas as qualidade*. ,
PAMBLLA8 idem idotn.
COCOS, CANDIE1ROS e Qandres para qaal-
quer sortmenlo.
V1DROS em caixas e a retalho de iodos os ta-
mandando-se maohos, botar dentro da cidade,
em toda a parle.
Recebem-se encommendas de qualquer natu-
reza, concerlos, que ludo ser desempenbado a
contento.
SABAO.
Joaqun Francisco d Helio Santos risa aos
saasfraguezesdesta praga e oade fra,qae tem
axposlo i venda sabode a fabrica lenominada
Recitanotrmazem dosSrs. Travasaos Jnior
& C, na ra do Amorim n .58; maasa amarella,
castanha, prata outras qualidado* por menor
prego que de outrasfabricas. No moamo arma-
bem tem feito o seu deposito devalas da carnaa-
xaaimplesfom mistara algoma, como aa da
ompoaico.
Lindas flores.
Na loja d'aguia de ouro, ra doCabogi n. 1 B,
receberam de sua propria encommeoda um com-
pleto sortmenlo de flores, o mais (loo que pos
sivel eucootrar.proprias para enfeites de cabegaou
vestido, cousa muito chique, que se vende por
prego que admira, sendo a 800 e 19 o cacho.
A toja da bandeira
tem para vender de boa
quaHade folha, estanho-
e bacas de
senecupa prego favorito.
lova loja de funileiro da!
na da Cruz do Recife
numero 37.
Manoel Josds Fonseca participa a
todo* os seus freguezes tanto da prtca
cmodo mato.ejuntameBte aoreepeita-
rel publico, que tomou a deliberado de
balxaro prego de todas assuas obras,por
eujo motivo tem para vender um grande
sortimentn de babs e bacias, ludo da
differentes la machse dediversss cores
em pintura*, e juntamenteam grande
sortmenlo dellversas obr*s,conlendo
banheiros egamelascompridas,grandes
pequeas, machinaa para caf e cane-
cas para conduzr agua grandes e peque-
as, latas grandes para conservar fari-
nha e regadores ao uso da Europa, ditos
grandes e pequeos ao uso do Brasil o
camas de vento, latas de arroba a 19,
bahsgrande 1 a4| a peque nos a 600
rs., baca grandes a 5 e pequeas a
800 rs.,cocos de aza 1 1} 1 duzia re-
gadores regulares muito barato, ditos
pequeos a 400 rs., de todo* este* objec-
tos ha pintados e em braoco e tudo mais j
se vende pelo menos prego possivel: na 1
loja da bandeira da ra da Cruz do Re- 3E
cife n. 37.
Plvora.
Vende-se polvera de superior qualidade e
chumbo de munigo por menos do que em oulra
qualquer parle; tratar no escriptorio de Antonio
Cessrio Moreira Das, no Forte do Hallo, ra da
Moeda d. 27.
LuwiSdeJouvin.
Na loja da Boa F na ra do Queimado n. 22
sernpre se encontraro as verdadeiras luvas de
Jouvin tanto para hornera como para senhora,
advertindo-se que para aquelles ha de muito'
lindas cores, na mencionada loja da Boa F na
ra do Queimado n. 22.
Banha fina
em copos grandes.
A' loja d'aguia branca avisa a sua boa fregue-
zia que chegada a apreciavel banha fina em co-
poa grandes, e contina a vende-la mais barato
do qae em outra qualquer parte : na ra do Quei-
mado loja d'aguia branca n. 16.
fu do Queimado n. 10,
loja de 4 portas de Fer-
ro Maia,

vendem-se assegoinles fszendss por melada de
seos valores somente eom o flm de scabar.
Chales ds touquim o melhor que tem appare-
cido no mercado a 8.10, 15, 20 e 30J.
Sedinbas de qaadrinhus, corado, a 800 e 1|.
Chaly e barege, corado 500 rs.
Mimo do co, corado 500 r*.
Caasa frsnceza, covado 740 rs.
Corle* de casia de salpicos a 39.
Groidenaple preto, covado 1#.
Dito aman lio, covado 600 rs.
Chale* de merino bordados a matiz a 4f.
Corles de velludo de cores para collete a 3$.
PaletoU de brim de cores a 39.
Leogos de seda de cotes, um 60Or.
Chapeos de palha para senhora o mais moder-
no e rico que tem apparecido a 12, 14 e 159.'
Ditos para meninas e meninos por barato prego
bonete de palha para meninos idem.
Cortes de seda de qnadros, azeada muito su-
perior s 89.
Paletots de alpaca preta a de cores s 8g.
Tarlatana de la com palmas matizadas, fazen-
da moderna e propria para vestidos de senhora e
meninns, covado 400 rs.
Cbepelinbas de seda para senhors, urna 6|.
Heias para menina de 2 a 8 ancos, duzia 29.
Vestidos pretos bordados a reliado.
Ditos ditos com babados.
Ditos de cores, riquissima fazenda.
Panno fino de todas as cores, covado 21500 e
3JO0O.
Manteletes pretos lisos a 12 e 159.
Ditoa ditoa bordados o mais rico possivel.
Cortes de nova fazenda intitulada mossambi-
que, propria para vestidos de senhora.
Atoalhado de linho com 10 palmos de largura,
vara 2#.
Bramante de linho, 12 palmos de largura, rara
29000.
Uno de dito muito fino a 28300.
Chalea de la e seda a 29.
Alem dasfszendas cima mencionadas ha mui-
tas outras de apurados gostos, que se vendem por
dimioutos pregos.
Luvas pretas de pellica
Chegaram no vapor francez novas luvas de
pellica pretas e outras cores para hornera e ae-
nbora : quem dellas precisar, dirigir-se direc-
tamente i ra do Queimado, luja d'aguia branc
o. 16, qne rea bem servido.
Relogios.
Nws enfeites e cintos
dourados.
A loja d'aguia branca acha-se rcentement*
provida de um bello e variado sortimeoto de en-
feites de differentes qualidade* a gosios, os mais
lindos que possivel enconlrar-se ; assim como
eat igualmente "bem soitida de bonitos cilo*
dourado* e praleados. sendo liso, de listra*. a
matizados, e bem assim os de pona* cabida*,
tendo de tudo muito para *aiiafazer o boa gosto
do comprador, que munido de dinbeiro alo dei-
xsr de comprar : na ra do Queimado, loja d'a-
guia branca o. 16,
Na padaria de Antonio Fernandes da Silva
Beiriz, ra dos Pires n. 42, vende-se a mait
acreditada bolachinha igual a ingleza, dita Ce
ararula, todo o trabalho neita raa bees romo o
pao e bolacha feilo das melhores fariehas e
irabalbado com o maicr ssseio possivel, faiinba
a melhor do mercado a 180 rs. a libra.
Lavas Ae Jouvh.
Vendem-se as verdadeiras luvas de Jouvin, cha-
fadas por este ultimo psquele da Europa : ca
loja d'aguia de ouro, ra do Csbug n. 1.
Gollinhas
de traspasso bordadas em
cambraia fina. #
Vendem-se a 29 cada urna : na roa do Qum-
mado, loja o'aguia branes o. 16 A obra boa e
o tempo proprio ; a ellas, freguezss, antes qu*
se acaben).
Noves cinteiros de fitas com
pontas cahidas e franjas,
A. loja d'aguia branca acaba de receber pelo
vapor ioglez os to procurados e metilo boi it s
cinteiros de fitas com pontas cabidas a franjea, e
por isso podem agora ser satisfactoriamente ser-
vidas ss senhorts que a desejavam ; ellesacbam-
se nicamente na dita loja d'aguia branca, roa do
Queimado n. 16.
Chapeos de palha.
O mais lindo soriimento de chapeos de palha
das formas ae mais modernas de Pars, para se-
nhoras e meninas, ricos siotos ultima moda, di-
tos com lagos bordados : na roa do Crespo o. 4,
casa de J. Falque.
Vende-se' emcass de Johnston Pater C.,
roa do Vigario n. 3 om bello sortimento da
reiogiosdeouro,patente ingles, de um dos mais
afamados fabricantes de Liverpool; tambem
uri variedad* de bonitos tranceln*psra os
masas os.
Novo paquete das novidades
23-Rua Direita-23
Neste novo estabelecimento achar o publico um grande sortimeoto tendente a molbados
tudo por prego mais barato do que em oulra qualquer parte :
Manteigs ingleza especialmente escolhida a 800 e 960 rs. a libra.
Dita francea a melhor do mercado a 720 rs. a libra.
Queijos flamengus chegados no ultimo vapor a 29800 e 3fi.
Che hyson e preto a 29 e 29880 a libra.
Vinho engarrafado doa meihores autores a 19 e 19200 a garrafa.
Vinbo de pipa proprios para pasto a 500 e 560 a garrafa.
Marmelada imperial doa meihore autores a 900 rs. a libra.
Ameixas portuguezas a 480 rs. a libra.
Passas muilo novas a 500 rs. a libra.
Lata com boi-chiobis de.differentes qualidades a lglOO.
Conaervas inglezas as malhures Massas, laibarin, macarro e aletria a 440 rs. a libra.
Cerveja das melhores marcas a 560 a garrafa.
Geoebra de hollanda superior a 500 r*. a botija.
Velas de carnauba a 440 rs. a libra.
Ditasde espermacete a 760 rs. a libra.
Vinagre puro de Lisboa a 320 rs. a garrafa.
Arros a 100 e 120 rs. a libra.
Alpiste a 160 rs. a libra.
Toucioho de Lisboa a 360 rs. a libra.
Alm dos gneros annunciados achar o publico um grande sortimeoto de um tudo tenden-
te a molhados mais barato do que em outra qualquer parte.
g Mi gangas iiiiiidas de todas
as cor#?s.
A loja d'aguia branca acaba da receber e
9500, di-
39500, 49
co a 49,
casemira
10, ditaa
decores
80
80' procuradas micaogas miudas que servem psra
19000' pulceiraa e outras cousas, e por isso avisa as
160 pessoas que ellas esperavam e aa que oovamente
120. qolzerem comprar que munidos de 500 res coro-
120 praro um masso multo maiordo qor os antigos,
Isso somente na loja d'aguia branca, ra do Quei-
mado n. 16.
ATTENQAO
Sortimeoto completo de foizeodas e roupas feitas
No deposito do gelo ra do Apollo
n. 31, vende-se gelo de boje em diante
arroba a 5#500, e meia arroba 2f000,
e a libra a 160 ris : tambem v-ecebe-se
assignaturas das pessoas particulares lo
go que seja diariamente, at que le
acabe o gelo.
Grande
]PHffi3S3ffi&
Superiores paletots de panno preto muilo fiac,
obra moito bem feita, pelo baratissimo peafai de
209 ; na ra do Queimado n. 22, na bem conhe-
cida loja da boa f.
Bonecas bonitas
com rosto, e meia perna de
porcelana.
Vende-se mui bonitas bonecas com rosto, e
meia perna de Dore-llana ana baralissin.ns prreo*
de 240, 360,500. 560. 640,720. 800 e I5OOO : lito
na ra do Queimado, loja d'agoia branca n. 18.
Machinas americanas. *
Em casa de N. O. Bieber & C, succesiorss,
ra da Crus n. 4, vendem-se :
Machinas para regsr hortaa e capia).
Ditas para deararofar milho.
Ditas para cortar catira.
Selin* com pertence* a 109 e 209.
Obras de metal principe praleadas.
Alcatro da Suecia.
Verniz de alcatro para navios.
Salsa parrilha de primeira qualidade do Par.
Vinho Xerez de 1836 ero caiaa de 1 duna.
Cognac em caixas de 1 duzia.
Aradoa e grades.
Bnlhantes.
Carrogas pequeas.
N. O.Bieber & C.suceessores.rua daCrts
n.4, tem para vender relogios para algibeira de
ouro e prata.
N. 48-rlua
da lmperatnzN.
48
sem segundo
Ra do Queimado n. 55, defroote do sobrado
novo, est disposto a vender tudo por precos que
a todos admiram, assim como seja :
Frascos com agua de Lavande muito su-
perior e grandes a.................... 800
Duzia de sabonetes muito linos a...... 500
Sabooelea muito finos a................ 160
Ditos ditos muilo grandes a............ 200
Prascos com cheiro muito finos a...... 500
Garrafas com agua celeste superior a.. 19000
Frascos rom banha muito fina a........ 240
Ditos com dita de urso a................ 600
Frascos de oleo de babosa a............ 210
Ditos de dito muito finos a 320 e...... 500
Ditos com banha transparente a........ 900
Ditos com superior agua de colonia a... 400
Ditos ditos frascos graodes a............ 600
Ditos de macaca e oe oleo e............ 100
Lioha branca do gaz a 10 ra. tres por
dous e a.............................. 29
Lioha em carto de Pedro V com 200
jardas a .............................. 60
Dita com 50 jardas a.................... 2H
Duzia de meias cruss muito eocorpadas a 29400
Dita de ditas muito superiores a........ 49500
Dits* de ditas brancas para senhora a.... 3J0OU
Bicosda largura de3 dedos, vara a..... 120
Groza de botoes de louce a........,..... 160
Car rilis de linha com 100 jarda* a..... 30
Duzia de phosphoros do gas a........... 240
Dita de ditoa de vela muito superiores a 240
Pe^as de fita psra coa de todas as Isrgurss 320
Franjas de linho para loa I has (vara).... 80
fleos da llhas por lodo o preco, por pedido
qae tenno do fabricante para acabar, e por isso
nao se olba o que custou, e aim o que d.
Ra da Seozalla Nova n. 42.
Neste estabelecimento rndese: ta-
citas de ferro coado libra 110 rs. idem
de Low Moor libra a 120rs.
Grvalas da moda.
Na loja da boa f, na roa do Queimado n. 22,
te encontrar um completo sortimeoto de grava-
tas de seda pretas e de cores, que se vendem por
precos baratissimo*, como sejam : estreitinbas
pretas e de linda* cores a 19. ditas com poota*
largas a 19500, ditas pretas bordada* a 19600. di-
ta* pretas para duas rollas a t$ ; na mencionada
loja da boa f, na ra do Queimado n. 22.
Urna bar caca,
Vende-se ama bsreaca do porte de 35 caiaa,
encalhada no estaleiro do mestre carpinteico Ja-
cintbo Elesbo, ao p da fortaleza das Cinco Pon-
tas, sonde pode ser riela e examinada pelos pre-
teudentes ; vende-se a prazo oo a dinbeiro ; a
tratar com Hanoel Aires Guerra, na roa do Tra-
piche n. 14.
Lentes tarascos multo
ftaos,
Vendem-se lencos brancos muito finos, pelo
diminuto preco de 29400 a duzia, grande pe-
chincha : na loja da boa f, na rea do Queimado
numero 22.
Caivetes fixos para abrir
latas.
Chegou nova remess* desies preciosos cai-
vete* Osos para abrir lataa de ardoha, doce,
bolachiohas etc., etc. Agora pela feita come-se
muito dessas couias e por lito necesaario ter
om desses caivetes cujoimporte 19, comprao-
do-ae na roa do Queimado loja da aguia branca
n. 16, nica parte ood* os ha.
Arados americano se machina-
paialara roupa:emcasa deS.P. Jos
hston & G. ra da4txzata n.4S.
Feijo de corda.
No armasen do Tasso IrmJos, roa do Amorim
numero 85.
Junto a padaria franceza.
Encontra-se neste estabelecimento uro completo snrliment<> de roupas de todas as qualida
des eomo sejam paletots 'e^lpaca preta de 39a loj, dilos de merino preto a 79, dito de panno
preto saceos a 79. 89 e 129, ditoa de casemira de 7j>, 99e 123, ditos de alpaca de cor a 39500. 49 e
79 ditoa de meia casemira de cor a 49OO pretos a 5g. dilos de brim pardo e de cores a 39500 e
49. ditos branms de bramante a 3950(1 e 49, ne brim trancado a 49500, sobrecaaaco de panno preto
a 16, 189 205, dilos eom gnlla de velludo a 189. soriimento de calcas brancas de biim a 29500
89500 a 49. ditas de cor a I96OO. 29, S$500 e 3a. Um de gana* de cor a 2-700, de meia casemira
a 39, 395110 e 69, ditas da casemira superior 6J500. 79500 e 99, ditas pretas a 4S&00. 79, 89 e lt>9,
e de outras muitas qualidades, sortimeoto oe collete de todas as qualidades. camisa* francesa* oe
Indas as qualilades e preco, seroulas de alaodo. de bramante e de linho por pregos admiraveis.
Um soriimento de roupas para meamos de diversos tamanhos, chspos francezes para caneca de
todaa as qualidades, chapeos deso de seda a'miravel pechiocha para liquidar a 59500 e 69, ditos
psra senhora a 4$ e 59. e outras muitas qualidades de fazeodase roupas feitas que se afiance ven-
der par pregos commodos.
Leite
Vende-so leite puro so p da racca ; na ra de
Sobo n. 35.
Kscravos Um
( {:.
GRANDE DEPOSITO
DE
totjcA m tmmu
DO
Pugio do engenho Pedras frgoezia de Bar-
reiros no nia 8 de dezembro de 1861. o preto Ji-
nuario, crioulo, idade 25 a 30 aonos, alto e cor-
pulento, pouca barba, ps apdheiados, e t*ra
escrotos volumoaos, bem ladino, o referido
prrlo fni doSr. Flix da Cuoha Teiseira, mora-
dor em Fura de Portas desta cidade, e coost* ter
muitos conhecirnentos em Maneota : roga se a
aprehenso do dito preto podendo ser entregue
ao Sr Jos Joaquim Gomes de Abren oe rus do
Imperador o. 17 ou no engenho Pedras, que ae-
r generosamente recompensado.
Aviso.
Barbaliio (Cabi.)
41-RIA DO IMPERADOR-41.
Neste deposito existe grande qvanlldade de louca e de toda* as qualidades. o que se pone
desejar de bem fabricado e sernpre fre, eomo sejam jarraa, resfriadores, muriegoes, quartinhae, garrafas, copos para agua ate.
De obras vidradas.
Tem ricos rasos para flores, talhss, alauidare* de todos os tsmanhos, ssaedeirae, boioes
eom lampos esem elles, panellaapsra bater-sebolo, cacerolas, entusas, frigideiras o muitas ou-
tras pechas qae seria enfadooho mencionar.
O propretario desta fabrica a primeira deete genero entre ne eapera obter do respeilavel
publico animaclo e concurrencia e para conseguir esae flm rende e ana {009a mais bsete do que
at aqu *e venda neata cidade.
Aprompta qualquer factura para exportar, alm do* pTecot commodo* peanjae vnate di 10
por canto de aDate para quem comprar de 290*) para cima e dessa qaantia aira, afeaos tarto 5
por canto.
Qualquer encommenda pode ser entregue no deposito da fabrica ra do laspetafer a. 41.
No da 28 de jnlho de 1861 fugio do Gurinhe-
sinho, fregoezia de Guarabira, o escrao Joa-
quim, cabra, com 40 aonos, cabello* 1 re loa *
quasi carapinhos, tem o roato descarnado, posea
barba, pannos pretos as duas faces, naris afila-
do, olhar velhaco, bocea regular, denles inieiru*,
limados e gastos, pesclo bem grosso desde a
nuca at o tronco, hombros cahidoe a poni de
nio sustentarem os suspensorios, altura regular,
p* e roaos grandes, chaboqueiros, >beis do
veias, muito bem empernado, tem bons bracos,
falla pouco, cortes, gosta de canlar Idas, ri*
acoatomado a almocrevar e a tirar gado romo
tangeoor. Don* dias depois de fgido api reren
em Bezerros, d'oode eio para o Recife em pro-
cura de certo individuo que lbe dea valhaeontn,
e presume-se que est agregado a algum roga-
ndo. O dono protesta usar da todo o rigor da lei
contra quem o tiver oceulto : quem o pegar i-o-
de leva-lo ao seo senhor Jos Justino da Osla
Brito, no logar mencionado, oe ao reverendo Dr.
padre Joaquim Graciano de A reojo na ra da
Santa Crus n. 64, que ser generesameole re-
compensado.
Atteocao
Fagio do Rischio de Psnellss, om mulato de
estatura baixa, corpo grosso, deoles limados,
olhis preto* e grande*, cabello* cazianos, o pee
regulare*, cojo mulato se eh*aa Fo*tioo. 4o
iaade de 15 a 18 annoa, levoo corela e eaati**
de aigodSo asul. Fot visto neste prata ee> ellas
da semana iraada,em oes combo i vin le logar. Roga-ae a todaa aa aulori
pitees de campo a captara do d
qual porrer aer entregue no refer* 1
aenhor, Domingo* Antonio das Heves,
praga ao Sr. Hanoel Ignacio JB*lie *>>,
qae recompensar com aaatfMalfMB. Oeara-
i sim, protesta-se contsa qaeeae ver acostado


F"


i i i
DIARIO DE PMNAMBUCO, SEXTA FURA 17 DI JAMURO DE 116*
Litteratura.
Carta pastoral do ftm. e Reva. Wspo
do Maraoho, sandaido e dirigindo
algomas exhortaces aos seos dioce-
saios. ,
D. Fr. Luiz da Concedi Saraira. por merr de
ens e da sacia s apostlica, bise do Mara-
nhao, ifo couaelbo de S. II. o Imperador, ele.,'
ele, ele.
A lodos os nossos diocesanos", sade, paz e
begio en Jesus-Christo, nosso Redemplor, e
consolsgio do Espirito-Sanio.
Dura a carreta que heje so abre dianle d
nos, i roaos e filhos milito pinados, como difficil
e arduo o ministerio que paterno* de exercer.
Quando consiieramos qae prouve ao principe
magnnimo, que manda sobre o vasto imperio da
trra da Santa Cruz, designar-nos na obscuridad
do nosso claustro, para^paceoiar urna parte do
rebaoho dcil de Jesus-Chnsio, na diocese do
llaranhio, e entrando profundamente em nos.
nenhuma vUlule nos redouhecemos propria e
elilicsnlo. no exemplo, na patarra e na saoedo-
ria, para assegurar um suedesso feliz a essa ans-
ia missio, que nos priroeiros dias do chrstianis-
ni i nenhuma -oulra recompensa linha, que nao o
martyrio ; nao pojemos oejeultar-vos diversi-
dade de pensamentos contrarios que nosassaltam
o espirito, e prostados aos pea de Jess-Christo
eotraaios em muita atribultgio e temor, de que
na escolha de um indigno pastor queira o Senhor
exercer o mais formidavel Castigo que contra um
povo pode extrahir dos thesouros de aua justiga.
A obediencia porm, que por um vol solemne
hiamos protessado, nos (jai podia aconselhara
renuncia vida da grag, a que Deus pelo ora-
culo do soberano nos chama va.
_ Novel, qual ootro Samuel, as rerelacoes di-
vinas, por nao conhecer a voz do Senbor esta-
mos confundido, e tremendo diante do peso que
temos de carregar, confiando s6 naquelle, que
todas as vezea que quer, mostra as maravilhas do
ieu poder. A oossa indigniJaue, pois, aera a
nica base de loJa a nossf solicitude, esperan Jo
do cu toda a torga toda a iriude e todo o saber
pan cumprirmos os seus sanl >s designios
Estaremos por ventura llulidos? Ah 1 A Pro-
vi lencia de Deas, immenju e sempre adoravel
em todos os lempos, tem ostentado seu infinito
poder pan confundir os grandes do mundo, ser-
vindo-se dos mais pequeo* e humildes, fdra de
toda a compreheosio ds sabalona e prudencia
humana, para satisfizer [completar os ineffireis
Qns da creagio. Nao podemos dcixsr de Qcar
extasiado e chaio de admiraco e eipaolo diante
desle assombroso eincomprehensivel poder, que
faz do fraco instrumento poderoso do trabalho e
da fortaleza, que eleva a humldade ao sublime,
e confia ao que nao merejee a maior digoidide e
grandeza. Temos diante dos olhos o grande fic-
to do ebrislianismo para abonar quanto vos ha-
vemos dito, e mostrar-nos que Deus grande
Sabemos que antes desle estupendo successo to-
da a sabedoria dos philusophos e dos sabios se
quebrara at dianle do dogma da unidade do
Ente-Supremo, dogma que por ser eminentemen-
te philosophico nos mosjra at que gru de des-
vairamenlo susceptivell a razio humana. Fui
preciso que Jess Christo nos moslrasse a luz
pelo Infinito sacrificio do Calvario, e que, reha-
bilitando a humariidade apa favores da sua mise-
ricordia, podesse reconciliar o honem perdido
com o sen eterno Pae. CJonsumma lo ludo, e de-
pon de trazer nos esta redempeo que ha qua-
reula scalos fdra tantas Vezes prometlida, aca-
rnos aptos pan sermos salvos.
Se.o oascimenio, vida, pregsgio, morte, e fi-
nalmente a resurreigao deste divino Messias fdra
preced la e acompanhad* de prodigios, nao me-
nores prodigios segunao ao estabelecimento do
chri-iiinismo. Uenemos que os sabios digam se
aetnelhaute empreza poda ser obra de entes mor-
taes : elles qu i comparen os meins de que esta
sabedoria increada se ser iu, com os resultados
do successo I Se doze apastlos tirados d'eotre o
pavo mais detestado e des irezivel, leudo por con -
dicao a humille profissau de pescadores, ruj-so
excessi va mente ignorantes, sen oulras armas que
o roariyrio, sem outrosta entos que a luc divina,
sem outras riquezas que i f, podiam, a nao ser
obra de Deus, levar o Evi og-lho aoode ouoca as
aguias afamadas dossobei'bos Romaoos, poderam
cnegar; e elles comnosco irmios e lhos muito
amados, nao podero flor mudos, exclamando
cheios de recoohecimenlc eadoragiocom o apos-
ito : Oh I Incompreheiisiveis juizes de Deus!
quo inresligavels sao os vossos camiohos I
Nao podemos, nem dnvemos oceultar-vos a
nossa iodignidade. Aquelie qu>> perscuta os rins
e os coraces, que srvense dos fracos para con-
fundir os fortes, que at das proprias peoras pude
formar os Olhos de Abraho, aera nossa uoica
esperanca e consolacio. e vos confessamos com
tanta franqueza quanta iozenuidade o espanto e
temor que nos causou esta inesperada escolha
para o episcopado, porque eaiamoa immensa -
mente impressionado pelo enorme peso que te-
mos de carregar, peso que na phrase do prophe-
ta (f) formidavel aos mesmos anjos. Ass'tn,
amados lhos, como poderemos prescindir de to
dos vos, e daquelle concurso lo importante como
voluntario que temos direito de esperar de vossas
luzes e de vosaa piedade ?
E' pois ao Iilro. e Revm. cabido, que por escala
(1) Izis cap. IV v. 9. ; ~
VOLHETIH
0 PAIZ DO MEDO O
PO
A. DE GONDklECORT.
po
)NDR1
(Costurnes dos nmades.)
primeira parte.
"ivf
(Conliouegio.)
As pessoas, quo comvupham a casa de Seelis-
- berg, para onde cnnduzraos o bario Walier da
Seelorf, cooslavam no lempo desta veridica his-
toriala baroneza viuva Vernica de Gootlieben-
Seelorf, do bario Arnold #Am>tadt-Seelorf, e
de sua esposa a bella Tbereza. Apesar da sua
edade, ou ates por ceus dessa mesma ed-ade
pois ceno que basta mulitas vezea urna creaaca
para dar vida e alegra & i ma casa, nao esquece-
- remos a pequeoa Magdale la, linda meoiaa de ca-
bellos louros, nasuda d< uoiao de Tbereza com
eu primo o bario de Ari od.
Nao obstante a modesta abastanca, com que se
tralava a baroneza viuva antes do caaameuto de
Thereza de Seelorf, sua s brioha e pupilla. exia-
tiu sempre em sua casa ima numerosa criada-
gem babiiuida de lempos immemoraveis aos usos
feudaes e costumes pairi rchaes ; e depois que o
joven barao de Amsladi ti ouxe de dote i aua pri-
ma dous millies, as ler as de Seelisberg aug-
meotaram, e a casa, onde a viuva nada quiz mu-
dar, lornou-se quasi que >equena para conter os
criadoi.
A bareoeza viuva, penonagem de grande ori-
ginaidide, tinha pouco mais de sessenta annos ;
e posto que, encarada de Face onde perfil, pare-
cesse muito mais eovelhicido osea semelbanle
viril, poato que andasse um pouco i cuto, e coro
as costas um tanto curva las, todava promellia
aos ''e casa vr a ser, coa o e diz commummen-
te, o epitaphio do genero humano.
Era o typo raro dessas mulherea, que vivendo
no oo5*o seculo carregam cjmaigo no moral e
no physico toda a bagagem aristocrtica dasgran-
des damas dos seculos >assados. A' excepcio
do seu peoiiado, que i> aproximava alguma
cousa do uso moderno, udo o mais a fazia so-
breahir como urna das G loilieben do lempo dos
imperiaea, que metlidas em esculpidas molduras
decoravam o aalao e o vestbulo da casa de sua
descodenle mu remota. Usava ella de amas
mangas cartas que oeixi vsm-lhe descoberto
grosns bracos maiculinos, um corpiobo quede
aperlado nio sei como a nao fazia estalar i cada
palpitacio, e finalmente urna saia de velludo en-
carnado, cajo dimetro j em pocas remlas
preludiase Dtlraragaote aoaplidao das soiai mo-
dernas.
Os olhos de um verde de esmeralda, brilha-
ram oa se amorteciamnio segundo a agitarlo
iraoquillidade do pensamento, mas egundo a
jMnUde q.uea>e3oava esae peoaamento, exaiian-
;o-o e arrefeMaio-o i leu gosto. Sobre a face
^Bride Diario n. 19. '
jerarehica daremos primeiro exhortar e dirigir
nossas primeirai expressdes de cordial affecto,
* ^.1" deste estreitameoto no amor de Je-
sus-Christo, trabalhando no espirito da egreja,
Cuja bandeira a unidade da f, possamos levar
a consolacio ao aflicto, e assim colhendo os fruc
tos abeocoados, nos tacamos verdadeiros berdei-
ros dos thesouros iaaaaoilaes. ^
E como podar etta corporacao, que fcomn4>
mora a mais hastiosa e monumental aotiguldade,
e que nos primevos lempos do ebristianismo dis-
tioguiu-saienlaa) os mais devoladoa chnsiaoa da
<*greja ntenle e reprsenla ainda boje o amar
da ( cntlslaa, e o arn,or da cr%oca deste antgn
presbyterio. conservando, ainda quesob forma
diversa, toda a pureza do espirit) da egreja, que
o da paz, da caridad- e da harmona, como po-
deri recusar da melhor voniade suts luzes para a
direccao de nossa inlelligencia, suas ririu les para
aoimacio de nossa fraquesa, seas osforcos para
auxilio de oosso ministerio, que o mioisterio
de Deus ? Se no espirito do concilio de Trento os
conegoa sao os olhos do bispo, como camiohare-
mos sem elles 1 Porque nio soccorrerio elles i
nossa inlelligencia no que ha de mais difflcil e
oceulto nos livros sanios, as maravilhosa serie
da tradiccao, as immemoraveis e sapieotissimas
decises dos concilios e dos summos pontfices,
e as doutrinas dos sanios padres, que com tanta
pericia quanto talento se oceuparam das mais
abstractas e difilueis questes de controversia,
abraogendo com luminosa peoetraco todo o dog-
ma, toda a moral, e coadjuvararo poderosamente
i egreja na direegao suare dos destinos de seus
filhos, desforrando, os da tyraonia e da roa f dos
heregea, dos sophisias e aos incrdulos? Como
ainda recusar o amor, a sabedoria e o exemplo a
tolo o clero e povo de nossa diocese esta Ilustre
corporacio que ornada com o titulo de senado
da egreja, e deixar de distribuir a virtude aos co-
rafdes perdidos, o saber aos ignorantes, o pao ao
faoiinlo, o veatido ao que est n?
E' pois com as mais fundadas e poderosas ra-
zos, e ebeio do mais vivo amor e consolacao,
que vos saudamos, esperando de vos todo o all-
'o s fadgaa de noaso ministeiio. E' despido
de toioaquelle espirito de domioacao, que o
apostlo taoto estigmaliaa e coodemoa (2), e
cheio ao desejo de ganhar almas para o cu,
antes com a ternura de pae, que peios deveres
de auloridade. que nos dirigimos e recommenda-
mos ao reverendos parecbos, nossos companhei-
ros na dlstribuicio do pasto espiritual, que, como
guardas avaocadaa, na phrase do prophela, e pos-
tados dia e noule diante dos muros da cidade
santa (3). nao cessem da pensar no tremendo
encargo que contrahiram na direccio de suas
parochias. Nao vos sio descoohecidos osaua-
(homas que os iivros santos fulminam incessan-
temente contra os pastores negligentes, que.-es-
cutanJo mais os seus commoJo^, que aa neeessi-
dades do rebaoho, deixim as almas confiadas
sua solicitude exoostas a voracidade do lobo,
para vos nao esquecerem vossos santos deveres,
porque no dia tremendo daris comnosco coala
do rebmho que vos fui confiado.
Nos nao nos podemos escusar dessa solidarie-
dade ; ella ser a balm;a onde -o premio e o
castigo devem ser repart los. E para excitar o
nosso z-lo e amor paternal, quio bella e tocante
nio irmios muito amados, aquella imigem do
paator solicito apa da orelha desgarrada, e que
depois de a ler encontrado, regosija se de a tra-
zer nos hombros com a maior e mais festival de-
monslracao de jubilo e conientameoto I
Quao digna nao ella de uossa constante me-
diacao, pois que represenlaodo o Pastor dos pas-
tores, J'Ss Christo, emtlm, nosso Mestre e oos-
so Senhor, como modelo uos fz sentir ao mesmo
lempo a importancia de nosso oflicio, despertan-
do e revelando-nos o zelo que de vemos empre-
ar para silracao das almaa 1
Se em todas as pocas a egreja do Deus tem
sido cruelmeote alacaJa, e se em tolas lem ella
victoriosamente vencido, porque Deus tem pos-
to urna barreira inreociol s tentativas do erro
e da mentira, para assim rectificar suas eternas
promessas. O cu e a ierra passaram, mas nun-
ca nenhuma das suas patarras (4). Se durante
dezenore seculos tem ella guardado com toda a
ourea o grande deposito da f e dos costumes a
dt-speiio das persoguiijes e heresias, porque
sempre fiel s suas promessas, lio magnifica!,
como consoladoras, tem constantemente suscita-
do apostlos, evangelistas, pastores e doulores,
que, depositarios da sciencia, e verdadeiros raes-
ires da moral, hao esclarecido os povos, ensi-
nando-lhes ocaminho do cu para honra, gloria
e saotitlcaco do corao mysiieo de Nosso Senhor
J-sus Christo (5). lloje, porm, irmaoa e fllhos
muito amados, que a santa e immaculada egreja
se r amparada contra os ionoradores, grabas ao
ultimo concilio geral, quo llel interprete de todas
as verdades cainolicas, eslabeleceu os meios de
vencer e destruir o espirito fas trevas, desenga-
nando-o da improlicuidade lodos os seus intentos
e esforgo, que deremos desanimar daquelle ze-
lo, que lautos triumphos tem produzido, e que
fecundando a sement da dias palavra, tem li-
vraJo de morte eterna a tantos milhares de al-
mas perdidas?
Nao, nio esperamos de vos este procedimenlo
nem lo vergoohosa negligencia, mas confiamos
que poobaes em pratica a regra que nos acoose-
Iha oevaogelho, nica que nos pode elevara al-
Act. c. 9 v. 16.
Isaias c. 6 v. 6.
S. Marc. c. 13 v. 31.
Al Ephes. c. 4 v. 11 e 12.
carnuda, mas de ossos salientes, via-se percor-
rerem ligeiros estremecimentos nervosos, indicio
dos temperamentos exaltados, que domioam a
reflexio. O queixo dividido ao meio era aemea-
do aqui e acola de algumas pilhss de um cabello
branco que em certas occasides davam sua
physioaomi* j severa tal austeridade, que mui-
to se aproximava malvadeza. Usava de rap
mais por aatucia do que por prazer, e sempre
deixava-o cahir em porcio prodigiosa ao redor
de si: quando no meio de um dialogo quera ga-
nhar teropu para refleciir entre duas phrases,
ou para responder convenientemente qualquer
pergunta. sorvia urna pila la a longos intervallos,
maneira dos velhos procuradores das come-
dias.
A baroneza pouco se oceupava dos t.abalhos
habiluaes do seu sexo. Costuras, tecidos e*bor-
dados, nada disto Ihe agradara ; e de mais ella
nio tinha propensio para essas cousas. Em
compeosacio tiuha urna caneca frtil, um espiri-
to aem destreza, mas exacto, fastidioso para as
mulheres que professara o bom gosto de preferir
a graca natural a artificial a estudads, e muito
agradavel grande cathegoria de homens que,
praaenteiramente serios, 4 lodo o proposito que-
rero sondar anda as cousas mais superficiaes.
As suat phrases enm cartas, seu gesto impe-
rioso, e seu coracio de urna insensibilidade oc-
culta sob apparencias de generosidade com que
calculara as suas acedes. As pessoas engajadas
ao seu servico, lemiam-a bastante, e nao menos
a odiavam, e essas pessoas professavam terna if-
eicio sua sobrioba, a baroneza Tbereza de
Seelorf, que era ama aenhora completa em todo
o sentido da palavrs.
Thereza era filha de um irmio do marido da
barooeza viuva, e deacendia em linha recta do
bario Walier, morlo na batalha de Sempach. Es-
se ramo nio era rico, como dissemos, mas gosa-
va de grande coosideracio na Suissa Quando
Thereza, educada em Seelisberg com tola a sim-
plicidade, begou aos dzoito annos, fot pedida
em casamento por diversos csvalbeiros, entre
elles aeu primo Walter, o qual descenda como
ella do ramo mais velho dos Seelorfs.
Walier, eatudaole da universidade de Heidet-
berg, nio possuia fortuna; e a natoreza ten do-o
dotado de ardeote imaginario, espirito fcil de
cultivar-se, forcas alhlelicas, e coregem a toda
proa, recusra-lhe a gra;a do semblante, e ele-
gancia das formas.
Era um moolanhez de rude tempera, que des-
presara os requintes da arle de agradar, del-
xava-ae nicamente levar pelos impetos arreba-
tados da franqueza. Grajas squalidades dos seus
defeilos, e aos defeitos das suas qualidades, Wal-
ier, que se lioba violentamente enamorado dos
attractivos de sua prima Thereza, foi dos adora-
dores desta, aquelle que ella miisdeslinguiu e o
nico quera amou.
Esse sentimeoto manifestado abertamente por
parle de Walier, mas tmidamente oceulto no co-
rceo da Joven, nio tardou muito a inquietar a
barooeza viuva, que servir de mi sua pupil-
la; e por tal maneira se honre, que Tbereza des-
posou o bario Arnold d'Amsladt-Seelorf, seu pri-
mo pelo ramo mais moco, e opulento mancebo
dado ao oficio das armas e empregado no serri-
co da Frafl(a.
Como se rompern) os rinculos que deriam
prender o destino da bella Thereza ao do seu mu-
tura dos nossos deveres, fazendo-nos verdadeiros
cooperadores dos ioteresses do reino de Dens.
Nio nos licito hoje nenhuma oulra esperanca
cootolacio.
Aocloso. pois, por conhecer ros, e sentir i
perto o reflexo do rosso saber, e de roseas viril-
des, que j nos foram representadas no llusire e
virtuoso BMJC. que aouba inapirar-
teza, quasalsr de vs se separo*
preclarof^levadiuimos toereeim
a s metropolitana deste rnperio,
o momento feliz de ver-nes entre v
pre dodl ao prazer que agora nos _,
os vestigios das virtudes e exempl,
bastes, e poder satisfazer nossos der.
l ponamos levar Unitivo a tanta tri
legre presenciemos que os deveres do rossi bf-
Hcio aio perfeitimeoie salisteitoa com agrado de
euse aproreilamenlo de ootsas orelhas, e que
vos sempre solilos na admiuislraco dos sacra-
mentos no exerciciode todas as obras de canda-
do, protegen Jo os pobres, consolando os afilio-
tos, visitan J ot enfermos, e por todos pediodo
a Deuaoo sacrosanto sacrillcio da missa.facaes
descer do cu a graca que os eneamiohe a serem
boos chrisiios, boos paes, boos filhos, boos cida-
dos. fiis e reverentes subditos do moaarcha,
que felizmente oceupa o ihrono brasileiro. Sio
estes o nossos rolos que esperamos ver realisa-
dos no procedimenlo dos reverendos parochos e
sacerdotes seculares e regulares que pelo seu
mioisterio sio oulros laotos cooperadores da vi-
nha do Senbor.
A todos lembramos que se a elevac,ao do rosso
mioisterio se revela com tanto brllho pelo actos
de caridade e pela oraco, que sem ella nenhu-
ma misericordia poasivel, que nao cesseis de
faze los companheiros ioseparaveis de vossas
pregiQes, revestindo desle molo a palavra san-
ta com aquella belleza e subiimidade proprias da
verdade evanglica. E pois que vos, seohores
pregadores, sois os encarregados, na phrase do
Homem Deus, de sahir a seroear a palavra divi-
na (6), e sois o sol da ierra, nt expreasio do nos-
so Salvador (7J, nio vos devela esquecer que,
como o sal, leades a missio importanlissima de
conserrar os aios, e preservar os j locados da
Corrupco que lavra. Por mais adornada que
for a vossa predica, as galas do eslylo, na
loucaoia da phrase, na elegancia e subiimidade
dos pensamentos, toda essa pre Jara mullicor
brilhar apenas aos olhos dos ouvinles, mas nun-
ca ser um espelho de luz baslsole para reflec-
iir na cooscieocia culpada a sanlidade da virtu-
de ou a hediondez do vicio ; e nem ringario as
semeotes que houverdes semeado, se ellas oio
vierem fecundadas pelas obras e pelos exemplos
vivos, nicos que fario que a vossa elocuencia
desea cheia de uaccioal o fundo dos coraces;
porque o melhor conceito que eocher do empha-
se em rosaos discursos ser certameote o coa-
ceito que de vossa vida Qzeram os ourioles.
Nao ros esqueca que nio foi o eaiado da funda
de David quem derribou o gigagte, mas a obra da
sua podra. E guando o Creador resolveu coa-
verter o mundo, maodou sea (lino eleilo hornera.
O Filho de Deus, emquanto Deus a palavra de
Deus ; o Filho de Deus, porm, emquanto Deus
e homem, a palavra e a obra de Deus juntamente
(8); de modo que ale de sua palavra desacom-
panhada de obra, reflete um preciatismo toclo-
go (9), nao fiou Deus a convenio dos homens,
antes oa uniio da palavra de Deus com sua obra
fez consistir a efAcacia na salvadlo do muodo.
E com effeto, de que servir, e que fruto pro-
duzir a paiavra divina, se o pastor que a repartir
oio tiver a cooecio profunda de sua alta missio,
ou nio estiver revestido e ornado com todas as
virtudes proprias do seu santo sacerdocio? Sem
urna vida pura, autorisala por actos constantes
de virtude, elle nio fara mais do que pregar aos
sentidos, sem mover o coracio: em lugar de
chamar os peccadoret ao arrependimento, auto-
risa-los-h* no vicio e no crime loroaalo-je des-
presivel aos olhos das proprias orelhas. que oio
enxergarao oeste mioisterio seoio um indigno
pastor, que no publico represeola miseravel-
mente um papel de cmico, e por seus escnda-
los profana a casa de Deus.
E para vos propor o modelo de um bom prega-
dor a semear a palavra de Deus, contemplemos,
irmios e filhos muito amados, aquelle veoeran-
do Baptisla, o qual, se pregava a peniteocia,
mostrara oo descarnado corpo o retrato rude da
aspereza. Se exhortara ao jejum ou abstinencia,
seu sustento eram os gafanhotos e o mel silves-
tre; e quando suas palavras conlemnavam a so-
barba, ou reprehendan! a raidade das galas e
pregavam o desapego do mundo, puoha no exem-
plo iioio do olhos doi ouviotee o homem ves-
tido com as cordas e o cilicio rais das carne*,
abaodooando as cortes e os palacios pelos deser-
los e as covas.
Se esta diocese oio ettivesse lio pacifica, co
mo sabemos, nio seria anda esta occasiio op-
porluoa para fazer-vos sentir as obrigaedes par-
ticulares de cada um. Todos vos deveis estar
bem ioleirados nos deveres impostos pelo conci-
lio tridentino, a lodos os que esli encarregados
do officio de cura d'almas, para vos nio lludir-
des com a paz que actualmente goza este oosso
rebaoho.
Em todo o tempo devemos estar vigilantes e
sempre fortes na f, resistindo ao adversario que
oio deixa de cercar-oos. Nao seja oosso silencio
l
(81 Joio 114.
(9j Vi
) S Msth. 13-3.
) S Math. 5.
Vieira, Sermtt.
I causa do desvio do rebaoho que Jezus noslcon-
flon. emotivo para nos mesmos nos repreheo-
25*?! elhenle propheta, Voctmikiquia
2~* l10'- nl imitarmos os pastores de Israel,
fm o mesase prophela (11) quando os descreve
Nimio oa censura.
. '5,lo como trombetas soar as nossas vozes
9 esperanzosos as luzes e virtudes do Espi-
o Santo, para o pereito desempenho de nos-
sos deveres sacerdotaes, nao suspendamos o oos-
so fangoso, mas glorioso trabalho, fazeodo-nos
por merecer aftm de podermos contribuir para a
salragao das almas, Sendo estes os deveres do
sacerdocio de Christo, nio podemos ter para
comvosco linguagam divorss. Todos nos deve-
mos saber o que Jezus Christo exige de um sa-
cerd,0t.8- 1u. Por ser o ministro encarregado dos
verdadeiros ioteresses do cu. oiodeve autorisar
com seu exemplo qualquer procedimeoto que of-
endaos seus rasa lameotos. Uogido com o oleo
sanio, dispeosador do a loravel e preciossimo
pangue do Redemptor, nio dee coodemnar-se,
profanando o seu carcter, e rebaixaodo am sa-
cerdocio que os proprios aojos iovejam.
Illustrae vossa inlelligencia, puriflcae vosso
coracio, e so assim podereis ser a luz do muodo
o sal da trra. Nao deixemos de ter dianle dos
olhos por um a instante aquellas severas pala-
vras do propheta, quaodo exprobrava os pecca-
dos dos paatores de Judi, e coudados na mise-
ricordia do Senhor. ioploremos-lhes a graua de
oao permitlir que se venfiuem em nosia dioce-
se aquellas duras repreheoses, e que o santua-
rio nio seji a orige dos pecados do povo. Re
grem a nossa vida aa boas obras; procuremos
para as oossa* acedes lodo o possivel merecimen-
to aa pratica de actos inspirados pelo amor e le-
mor de Deus, qua ioflue em nossos coraces,
sem que peroeb>m s. forlicaudo-oos na cari-
da le por meio de boas obras, pela Irequeotaso
dos Sacramentos, pela lembranQa dos seus beoe-
Hcios (13) em velar sobre esta rebinho de Jezus
Christo que elle tsnto amou, para saotirJca-lo, e
torna-lo em egreja gloriosa, sem mancha, sem
deleito, mas santa e immaculada (14).
Assi.li j vimos, irmios e filhos muito ama-
dos, que Deus estabelecendo esta religiSo, quer
que todos os vvenles sa aproveitem do beneficio
que Jezus Christo nos trouxe, e com o flm de
salvar a lodos, lonliou aos seus discpulos o po-
der de ligar e desligar, deixaoJo-aos lodos os
meios de salvacio, e que esta sui egreja seja a
sociedadedos fiis de tolo o mundo, unidos pela
mesma proflssio de f, participando os mesmos
sacramentos, e com submissao aos pastores le-
gtimos, especialmente ao soberano pontfice,
que gota do primado de honra e juris liccio.
Se pois o Sslrador quer que a sua egreja seja
urna, sania, calholica e apostlica, confirmando
esta verdade, quando represeola a egreja como
um reino, cujo chefe o soberano pontfice, ad-
vertinlo-nos que um reioa dividido destruido
(lo) ; se elle nos diz: a Eu ainda leoho outras
ovelhas que oao sio desle curral, preciso que
eu as cooduza, e eatio nio ter mais que um
curral e um so pastor (16) ; s Pedro re-
presentado como o pae de familias sempre amo-
roso e solicito oo cultivo de sua vioha, quando
pede a lodos conta dos seus servicos, fazeodo de
todos os fiis umasd familia completameule uni-
da a Pedro; eomo vos nao desperla re, paes e
maes de familias, e fiis detta oossa diocese, pa-
ra cada vez mais eslreilardes esie vinculo, e fa-
zerdes-vos agradareis a Deus, que quer que vos-
sa saotificacio seja a expressio fiel e estricti do
vosso bipiismo e da vossa f?
De vos a religiio espera lado; de vossa uniio
matrimonial derem nascer tolos os bens espiri-
tuaes e lemporaes para a egreja e para o Estado ;
por quanto, nio representando vos nada menos
do que aquella egreja domestica de que falla o
apostlo S. Paulo, deveis aer os pnmeiros dis-
pensadores do alimento espiritual, que taoto av-
venla o coracio e a alma, como o leite nutre o
corpo, coocorreodo, por meio de nma educac.au
religiosa para a felicidide desta vida da familia,
que depende de um amor lio puro, e todo seme-
Ihante ao amor que Jezus Christo tem sua
egreja.
Instru ios vossos filhos oessas Verdades, ani-
mados pelo amor e temor de Deus, nio podero
deixar de ser bons chrisiios e bons cidadios, tan-
to para garanta da ordem publica, como para
satisfaco dos deveres para com Deus, que pro-
videncialmente confiou aos vossos cuidados essas
suas innocentes creaturas, para giorifica-lo, e
honrar a patria por suas virtudes polticas e chris-
lias.
Desenganae-vos; ra da egreja calholica ne-
nhum bem solido e santo possivel. E' a nes-
tas verdades eaiauaUas do cu no cumprluieolo
exacto dos preceilos do Evaogelho que as tribu-
laces, as privaces e angustias desta vida po-
dem encontrar o cooforto e lenilivo, pois que a
desesperacao inseparavel da descreoca e da in-
credulidade. Agradecendo a Deus os beneficios
que todos os das recebis, testemunhando-lhe
vossa alegra na presenta de vossos filhos, ensi-
llando a estes a ter o recoohecimenlo e adoracio
digaa do Redemplor, e a comprehender os pre-
ceilos do chriatianismo, vos Ibes proporciooareie
os meios para se aalvarem* e, mostrando-lhes
10) Iaiaa65. '------
H) 56-10.
12) Izaias 581.
13) S. Joio c, 14 v. 21, 13, 24.
14) Ad. Ephes 5, 25, 28.
15) Math. c. l v. 25.
16) Joflo e. 10 v. 16.
to amado ? Que sceoas nio se dariam de mudo
desespero da parte da resignada joven, e de fo-
gosos transportes da parle de Walter? E' oque
o leitor ficar sabeodo se quizer comnosco pro-
seguir oa presente oarracio. Por agora limitar-
oos-hemps a diser que mademoiselle de Seelorf
despediu seu primo Walter com appareocia de
perfeita vpniadee liberdade, posto que enrgica-
mente contrariada ; e Walter desappareceu do
paiz, onde oio tardou acorrer a noticia mcoalei-
tads da sua morle.
Thereza revestiu-se de loto sem affeetscio :
oioguem viu nem podia ver nesse lulo o testa-
ra un ho de um pe/ar que a compromeltesse ; e
todos bem ou mal julgando os seotimentos n-
timos daquella pobre alma criam que o titulo
de esposa, e a belleza assim como o amor de Ar-
nold d'Amstadl haviam conseguido extinguir a
recordacio do bario Walter, de quem nio se fal-
lara em Seelisborg mais que urna rez ao aooo,
islo no dia aooirersario da sua morle.
Tbereza era muito bella dessa belleza rapo-
rosa que adorna com taota magia as frootes peo-
salivas das joveos allemias. Seus liodos olhos,
nadando de melancola, exprimiera bem o estado
de sua alma fcil em intimidar-se, e muito fraca
para sustentar qualquer lula, salvo todava aquel-
las em que a sua pureza se achasse coopromet-
lida. Essa mulher delicada como o lyrio, e como
o lyrio destinada a perecer talrezao primeiro im-
pelo do Aqulo, accedeu sem murmurar tyran-
nica rootade de sua tia e totora, recebeu sem es-
panto a orio de seu esposo, e aem prazer a gran-
de fortuna que este trouxe i sua lastimavel po-
breza.
Nella tudo era de urna delicadeza exquisita :
sua alma excessirameole terna nio podia ter por
involucro seuio um corpo frgil, que era como
que animado dos estremecimentos da sensi-
tiva.
Seu marido a idolatrara, e se de sua parte ella
nio se mostrara apaixonada-, pelo meos foi sem-
pre reconhecida ponto de eniernecer-se slgumas
vezes. Era urna santa mulher para aquellos que
a viram entregue aos seus deveres de esposa, e
para Aquelle sobretodo que do alto r os mais
recnditos mysterios dos nossos coraces. Os pas-
lorezinbos que a encootraram em seus passeibS
margem do lago, sorriam-se para ella, como se
quizessem exprimir nos labios os frescos raios de
sua lufantil alegra; os reinos pararan para eau-
da-la como ao sen bom aojo ; e as mulheres.
mocas e velhas, quando a viam passar faziam-lhe
urna profunda reverencia com essa muda aympa-
thia com que quasi sempre adenham aquitlo
que o homem nunca compreheode__a tristeza
sob a mascara da felicidade.
Quando a baroneza d'Amsladt tornou-se mi
lodo o sea aer traosformou-se. Cada dia as
mioziohas alvas e rseos labios da pequeoa Mag-
dalena deixavain flear, por assim dizer, o cunho
delicioso de suas caricias no fundo de um cora-
cao, oode derramavem um beoeco orralbo; e o
pobre lyrio assim fecundado pareceu reaoimar-se
na sua baste, para
sua pila
o nasqia
nos labios e na alma oa baroneza, oio tere o po-
der de mudar a sua natureza i ponto de dar-lhe
una llvie independencia respeito de sua lia, e
para com sou marido, esse abandono, que t
fructo precioso do amor eothusiastico. Nao pro-
ire itrio asaim lecuoaaao pareceu reaoimar-se
sua baste, para bfilhar com todo o vigor de
primeira floreaceSga. Com ludo a alegra, que
ascjmento de Magdalena imprimi oa fronte,
corou hbertar-se da sua ltela mais agradarel
que pesada, por isso que lhe dispensara o cuida-
do de cerlos affazeres domsticos ; e com esse
eocanto proprio de seu sexo, possuiodo a fran-
queza do seu primo Walter, nio teria sido since-
ra, se ao barao Arnold dsse oulros peoboresque
nao os de infinito reconhecimento pelo thesouro
que lhe riera de sua uoiio.
d'L".P.r,ie,T,a.m0? "0S '"i'0"" DarSo Arnold
nu?!fdl-Seell0,f e Deu Permitlir que elle
rolle de sua riagem temeraria Kussnacbt, ainda
muito teremos que dizer seu respeito.
yollemos agora Pompidoo, quem deixamos
airigioo-se ao aposento da joven baroneza.
Madama Thereza (chamavam assim barooeza
d Amsladt para au coofuDdi-la com sua lia
anda mesmo no nome) linha o coslume de le-
?h^Kae B,al,0Ce.B>. ,fl"> de oceupar-se de sui
lllbinha.que dorma n'um quarto vizinho aoseu
noiaiePOrl* C0DSerT,Ta-"e aer' de dia *. de
n.T.,efg.ri*me 7end?- d<>"Dr. dizia essa ter-
na mae fallando do zelo e vigilancia que exercia
sobre sua querida filha : o seu descanco doura os
meiw sonos, e eu despertara se elle fosse sus-
poOSO.
JL'inTt a'Amsl\h fllhioha nos joelbos,
com ella briocava. e cusa de mullos beijos dei^
nnVVB"r"1,,e 01 ". msrrotar-lhe o
lenco do pescogo, quando a criada eotrou segui-
da de Pompidou. Gragas sua preoecupaco, Ira-
cas ao tapete que cobria o assoalho, a oarSeza
nio ouviu camiohar-se alraz de si : foi a peque-
a Magdalena que, sorprendida n'uma de luis
agradaveis provocages, pela aubita apparicio do
meosageiro aquielou-se de repente, occultan-
do o semblante travesso no seio de sua mi, como
para ah abrigar-se de algum perigo.
Eolio a baroneza voltou-se vivameote.
Louquioha 1 disse ella i menina. Pois nio
conheces o leu amigo Joio ?
Magdalena ergueu a cabega como fazem os pas-
sariohos para se desembaragarem da aza que os
cobre, e a sua boquioha mimosa dirgiu aoantigo
serviior um deases sorrisos cheios de pura gra-
?, cujo segredo todos nos deixamos ficar no
bergo. ^
S um caso extraordinario, contionou The-
reza dirigindo-se ao Gsscio, poderia decldi-lo a
viratiqui, Sr. Pompidou. Acaso na Treib faz
mais calor que em Seelisberg ?
Ah I seohora I nio me falle no abomina-
vel clima desle paiz. Dou-me por feliz, quando
posso anda soprar os dedos ; e ceno que eu
oio seria capaz de a Uro otar os qua tro reotos
cardeaes para rir Seelisberg, se i isso nio fos-
se toreado.
Porgado ? perguMoo a boroneza mostrando
alguma curiosidade.
Que dunda I por rentura nio sou criado
de todos, depois que deixei de s-lo de Y. Exc. ?
O senhor nuocs foi meu criado, raaa aim
de minha tia : se o tiressesido, eu oio teria ani-
mo de po-lo porta com semelhaole estacao.
Bem o sei : lodo o muodo conhece a sua
bondade, aenhora, e nBo ha quem nao a ame.
Liaongelro I
On I nio lisonja 1 E' o que ougo diser
aos marlnbeiros, e s comadres da monlaona ;
o que sei por experiencia propria. Al o ve-
lho Kaoll diz que em qualquer lempo, ainda
que o lago estejt peior do que esleve a ooite
ao mesmo lempo quaes os meios que ot devora
conduzir para procurar a felicitad* temporal, vos i
os polereis lostruir com o exemplo de Nosso Se-
obor Jezus Christo, que, obedieole al norte,
sempre se distingui e assigoalou em tolos os
das da sua vida mortal pelo respeito. submissao
e UleliJaJe aos poderes da Ierra, pregando a to- i
dos os seus verladeiros seguidores: Dae a
Deus oqe de Deus, a Cezar o que de Ca-
zar (17).
Bata douinna, irmios e filhos oWito amados,
eosiosda pela egreja e recoromenlad/a pelo prl'o-
cipe dos aposloios, nos dirigir para exhortar-
mos a todos, confirmando os oa (, afira de que
a vocagio decida um se faga cerlai mediante os
infinitos merecimentos de Nosso Seohor Jezus
Christo. Ella oos ensina anda tolos os precei -
tos para regular nossas aceas, aprfseotaodo-nos
por modelo urna moral purissima euma caridade
admiravel. Quando o Divioo Mestre nos falla,
oos exhorta do seguinte modo: k Aquelle, diz
Jezus Christo, que guardar os mees msnlameo-
(os, o que me ama, elle ser amado de meu
P.1' mesmo o amarei e me farm delte confie-
dlo (ig). Ninguemama verdadeinameoie a Deus,
aem que ame a seus irmios, aos eatraogeiros e
aos seus proprios inimigos (19). E apresentm-
do-oos o motivo, diz-oos: Adiae aos vossoa
inimigos. sfim de quesejaes fllhs do Pae Osles-
te. que iz bem a todos (20). sf Que o hornero
oos lenhi e olhe como miuistro de Jezus Chris-
to, e dispeosadores dos mysterios de Deus pois
que eslabeleceu os bisos para regereo a ezre-
ja de Deus (l). 6
S. IIatheus declara que tudo quanto elles liga-
rem, ou desligaren) sobre a trra, ser ligado ou
desligado nos cus (*2). Se porm Daus, encar-
regta Jo a todos os apostlos que ensinaasem a
todas as nages, e que pregassem o Erangelbo a
tola a creatura, comroelten Jo-lhes a auloridade
de ensioar, o que Importa adejulgar qualquer
doulrioa conforme ou contraria a de Jesus-Chris-
to, approvando a primeira e reprovanlo a segun-
da, dio eocarregoa a Pedro someote eslas tune-
ces, mas a osle diz mais : c Apascentae os meus
cordeiros e as miabas ovelhas (23) : em presen-
ta desses preceilos, os, irmios e filhos muito
amados, estamos vivameote esperanzosos, que
como bons chrisiios ouvireis, e com iocindade
recebareis a voz do pastor que Deua escolhou pa-
ra reger esta sua egreja ; pois que Jesas-Christo
disse a seus apostlos: c Guardae fielmente a
doulrioa que vos leoho confiado, e eoanae-a aos
oulros (2i) .
Nio deixamos de comprehender que ama dou-
lrioa revelada que coutraria tanto os preconcei-
tjj e as ioclioages da natureza, quanto subju-
ga o espirito e aperfelgs o coracio, nio pode
deixar de ser impugnada por lodos os horneas de
espirito vio, e obstioados em tu lo subordinar as
regras de urna philosophia errada e faliaz, e em
lu lo discutir com a razio detvairada. Esses po-
rm, assim como sao tebeldes as doutrioas puras
do ebristiaoismo, oSo eucontram tambem incon-
veniente para repellir as doutrinas de qualquer
religiao, de qualquer soita ou escola philosophica.
Na j podeodo nunca, nem narmooissr-se com
Deus, que a summa verdade, nem com os seas
proprios pensamentos, com op quaes virem em
lula continua, cahindo de cootradiegio em coo-
tiadicgio, pre.ipitam se debrugos no abysmo do
erro, da descreoga, da heresia, da blasphemia.e
tudo arvoram em syslemas de crengas, tio mul-
tiplicados como as iegies das trovas. Eothusi-
astas adoradores da razo humana, tao orgulhosa
como fraca, inveolam motivos para aua f, phan-
tasiam syslemas e opinies chimeneas, e substi-
tuem e preferem por Qm suas luzes a razio divi-
na. Esla sedcao e rebelda incomprehensirel,
que coostitue a base e o fuddameuto do proles-
lismo, rae desgragadmenle! ioficiooaodo a mul-
los dos calbolicos incautos ou osipieotes, os
quaes, semelhaag dos seus iafelizes sectarios,
nio crem no que Ihes agrada e no que coohecem,
amoldam a palavra de Deasla sua iolelligaocia, a
aeus esprichos, e, o que mais horrirel, oh l San-
io Deus 1 aos seus proprios ricios I Espirito sa-
tnico, que urnas rezes ofgulnosameoie esposa
todas as heresias, e outras pjarlilha miseravelmen-
te todos os erros philosophicos.afiligindo a egre-
ja, que ni lautos filhos perdidos para si e para
Deus I
Espirito sanatico, que, destruiodo, diz que re-
geaera ; que, iorerlendo tildo quanto ha de pu-
ro ede santo, chama a piedade baixeza, a cons-
ciencia escrpulo, a modestia misaolhropia. A'
caridade ebrialia, cbama-lhe humanidade, bene-
ficeocis ; ao amor do prximo, pbilantropia ;
devassidio, prazeres da vid j ; disciplina eccle-
siastics, opioies ultramontanas; s penaseano-
"icas, o solo, abuso de juriaaMcfao, im prudencia:
ao suicidio, herosmo. Ousam al sem pejo re-
montarem-ae aos pnmeiros dias da egreja as-
cente, e a ver nos apostlos qualidades diflereo-
tes e a caracteres cootraditorios ; altes os enxer-
gam cheios de profunda estupidez, e deumagros-
seria desmedida, dolados ao mesmo tempo de
prudencia consummada e de urna coragem he-
roica, um fanatismo iatoleravel e um zelo so-
licito para a gloria de Jess Christo, urna cega
ambigao, e um desejo ardeote para o martyrio I
77"
Math. c 22 v. 21.
(18 S. Joio c. 14 r. 21.
(19 S. Lucas c. 10 r. 31.
(20) S. Maibeusc. 5 r. 45.
(21) Act. c. 20 r. 28.
(22) S. Math. c. 18 r. 18.
(23) S. Pedro c. 5 r. 2.
(24) Timoth c. 2 r. t.
passa-
passada, arriscar-se-hia a ir mandado de V.
Exc. buscar um oovello de liaba Lucerna ou
a Kussoacht. .
A tempestsde estere forte na ooite
da ? iolerrompeu a baroneza.
Pela saossima Triudade 1 ,.
Nao Jure, meu amigo; tioba-me promet-
tido deixar este mu costme.
Perdi I Nio o fago por mal; alm de que
o peccado nio lo grande, por isso que creio
aas tres pessoas divioas.
Mas eolio o lago estere furioso ?
E aioda est.
Espero que nio temos algum sioistro a la-
mentar. Os nossos marioheiros sio prudentes;
Kaoll principalmente nao ae atreve a navegar
quaodo o lago est encrespado.
V. Exc. fia-se no velho ?
Como I exclamou a barooeza com emoglo
procurando lr oos olhos de Pompidou.
Digo, replleou o Gsscio muito astuto para
ignorar que madama de Seelorf nio tinha co-
nbeciraento da louca temeridade de aeu marido
que o pap Kaoll vaidoso como um rapaz
desaQaodo-se o seu amor eroprio, seria capaz
de passarpelo fundo de ama agulba, isto en-
tre Wytenstein e Brouooen em tempo de bor-
rasca. .
Responda : traz-me alguma noticia terri-
vel ? pergnolou arrebstadameote a baroneza es-
queceodo-se de sua Alba, que poz-se a chorar
assostada com o abalo repentino que soffrera.
Eu, aeohora ? asseguro-he. .
Nao me engae : estou certa de que vio
meu marido; talvez que elleke livesse embar-
cado esta ooite para Lucerna ba barca do velho
Kooll. ..
Pompidou pensou que nio deria Irahir o se-
gredo do bario de Seelorf: cpmpreheodeu que
esse intrpido mancebo teria suas razes para
oceultar o camioho perigoso que escolhcra.e oio
custou pouco a mentir para dissipar os receios
da barooeza.
Nio era no senhor de SetSlorfqne eu pen-
sara quando fallei do amor proprio de pap
Kooll ; mas de um estrangeiro que por elle foi
bootem ooite cooduzido Treib por entre taes
rajadas capazos de virar urna fragata. Quanto
ao Sr. bario, nio sei oode est,
E esse estrangeiro que o
Sim, seohora.
Como se chama elle ?
Igooro o seu nome : mas este bilhete me-
lhor o dir V. Exc. do que eu,
A baroneza tomou o bilhete que lhe estendeu
Pompidou, e apenas olhou para [o subscripto, es-
tremeceu. A letra nio lhe era desconbecida. O
seu semblaoie oobre e suave cdbrio-se de sbi-
ta pallidez : levaotou os olhos para o cu ; de-
pois aperlaodo fortemeote ao seio a sua fllhi-
oha, rasgou o sobscripto com a mi trmula, e
laogou um grito abafado seguido de algumas pa-
tarras entrecortadas :
Sabe... diga-me .. sa
que lhe deu este bilhete o
sua propria mi ?
Sim, seahora ; por que
minha presenga.
E esse viajante e
ficou na Treib ?
Doro lerar-lhe a resp
au.
Seita desastrosa, que oascida de perversos
sanguinarios, funda-so eos peasaraeatM desrai-
rados e extravagantes, se propega Insidiosas
ie aas familias, insinuando-se pelas trevas da ig-
norancia, e pela iodifferenga descuidos, dos lem-
pos nos nimos incautos, loman lo como a ser-
pele do peccado as tornas sedectorss. F.gi
nK ve,0lbo' muU* roados, fugi deesa* pro-
LU**,!. *xdores. q*t Minlrndj.-
or?lh..r"nh-0 f"1 col a. pellas ata.
ovelhas. mas sao lobos devoradores.
contra essa aoberaoia da razio sea a rerola-
gao protesta o, erros dos profundos polilieos,
on^g.r"n!*mP.h.,,0,opho, d0 ">ios bistorln-
dores. Os males que ella tem produzido c-
trastam cora os bens que o calholieisao leas asi-
lo. Sao admirareis os etieitos ciris o poli Ucee
que o christiaoismo tem falto nascer era todas
nages que bao lido a felicidade de o aprestajnr
Diz um grande escriplor qua a ello devemos a
deceocia, a honra e a dogura dos costumes ; que
as suas verdades e principios, quando boas gra-
vados no corago do homem, fortificara asis os
nossos seotimentos, para compreheaderaes os
deveres de eidadio.doquea falsa honra das sse-
narchias, as virtudes humaoasdas repblicas a
terror servil dos estados despticos (). A mil-
giao chnsla pois, fado admiravel I que parece
oio ter outroobjecto que a felicidade eleroa
sem dunda anda o mais forte e aaelhor apoio
para a oossa felicidade oesta vid.
Nenhuma oulra lioguagea podeaos lar, repe-
timos, porque asta a liogoagea daogrej*. soca
da qual oao ha aalvagio. Sopor eslas rereiages
pode o homem aaber donde sabio, para oode ca-
minha e para o que destinado ; a ellas lhe po-
dero mostrar, que j oslara desviada alas reve-
lacbes primitivas a sua origea. e qual aova eax
sua existencia em relagao aoa fina da sua Croacia
e liberta-lo dessas paixes humilhantes. que a
Philosophia taoto engrandeca e alimentara por
meio dos syslemas lio absurdos, coao contra-
dictorios, attribuindo ao acaso a origea desta
cresiura raciooal e lirre, mareando o sentiaea-
talismo, cono a uoica espbera e limites da sua li-
berdade, e o nada como o Qm da exateocia e
mostrar-lbe loda a sua grandeza, habilitando- a
reremum da essa face loainosa, quo toda
amore misericordia, por meio de urna moral lia
pura, saola e sublime como a diriadade de
aulor.
(Continuar-te ha.)
Variedades.
BANCA-ROTA.
O banco de deposito de Londres declama-so
em banca-rota deixando arruinadas innumerareis
familias.
Este acontec ment produziu urna grande sen-
sagao.
A perda monta a 300,000 libras (1,350 conloa
de ris.)
Os directores eram acensados de fraude e
questio foi lerada ao tribunal compleme.
OFFERECIMENTO NOTAVEL.
L-se no Monileur de la Cordonntrit :
c Um grande numero de operarios sapateiros
de Pars lireram a feliz idea de offerecer a Gari-
baldi um magoifico par do botas de montar.
O here de Csprers, acceitando este offereci-
mento, pareceu vivamente impressionado de urna
tal mostra de sympatbia.
NAO LHE VALEU "o DINHEIRO.
Le-se oa Gaxeta de Augtburgo :
Em Badn, o eomili dos burguezes recusaa
quasi por unanimidade, o direito de burgaezia aa
barao de Rothscbil, apezar de ter naquelle paiz
graodea propriedades compradas por alto preco a
de ser a sua preteogao vivamente apoiada palo
governo. "
llano grio-ducado de Bade urna lei. segundo
a qual admissao de um Israelita coa direito de
i*? a 0'ama commuoa, onde at entio aio
exista, depende nicamente da commuoa.
NAUFRAGIO.
A galera Nova Subtil que bontem ao entrar
oarra encalhou as pedraa da meia laranja, per-
deu-so completamente. Esla noite foi ao fondo
e della nio se poder salvar cousa alguaa, a nio
ser a masireacio, que hoje a 9 horas andar
tratando de tirar. O piloto-mr diz que dra can-
sa ao cocal he da galera o ter-I he escasseado o
vento quando ella vioha i poota do Cabedello.
Do carregameoto que conotava aa maior parte
de assucar o caf oio se pode salvar nada.
A galera vioha do Rio de Janeiro e ora pro-
pnedade dos Srs. Aranjo & Dias Pereira, coa-
merciantes naqaella praga. O consignatario aat-
ta cidade era o Sr. Flix Pereira Barbota Brasa.
Tanto o casco como quasi todo o carregameoto
estararn seguros no Brasil, e apeoas naa compa-
obias desta cidade ha segura urna parle muito
insignificante.
NOVA OPERA DE~VgRDI.
U celebre compositor Verdi parta para S. Po-
lersburgo onde deve dirigir a execucao d'uma
nova opera que compoz para o Iheatro impenal
daquella capital.
Esla partitura tem por ltalo La Forza del
Destino e foi escripia em menos de dous me-
at6f
[Commereio do Porto.)
(25) Esp. dat leu 24 e 3 s 6.--------------------
enra a mira?
se a pessoa. .
creveu.., com t
foi elle escripto na
estrsngeiro. .
ta f rocha da Wiz-
A' rocha de Wizoau em Seelisberg ?
Justamente.
V f Jepressa; diga-lheque o receberei
j mas parta ... o que est esperando ?
Para que me olha assim sem morer-se?
Eu parto, seohora, eu parto ...
Pompidou affastou-se precipitadamente A
barooeza toroou a lr era roz baixa as corlas li-
ohas que tanto a tinham impressionado.
Oh I minha fllhioha I exclamou ella co-
bnndo de beijos os cabelloa loaros e as faces da
pequeoa Magdalena ; s meu anjo da guarda I
protege-me, e defeode-me ... d-me coragem
para nao ser fraca viera cruel I Que por la can-
sa Deus de misericordia renha em auxilio da
tua pobre mi I
Em quanto Thereza assim fallara, procurando
conter as lagrimas qae lhe saltaraa dos olhos.
Magdalena amarrotara coa suas aiozinhas
papel que tioha a assigoalura de Walter de Sea-
lorf.
Eis o que continha aquelle papel :
< Espalhei e fiz espalhar-se o boato da minha
morle : porque ? A senhora bem o pode compra-
hender, minha prima. A sua felicidade exiga
que eu nio fosse desle muodo, o oio qoerendo
deshonrar-me aos meus proprios olhos recor-
rerlo ao suicidio, Dngi t-la livrado para sea-
pre da minha importuna presenga. Hoje essa
felicidade chegon ao seu cumulo ; mas en ,
eu tenho necessidade absoluta de fallar-lhe.' Sa
esta merisagem nio fr aceita, ae recusar a gra-
ca de receber-me esta mesma manbia, apesar
de sua tia, a senhora dar coolas Dous da an-
ona morte, porque o mea singue correr juoio i
Wiznau, onde espero tranquillo a sua suprema
decisio. Bem sabe que sou hornea de patarra
rFallar dt Seehrf.
Pompidou apressou o paaso, a chegon arque-
ante ao lugar onde o esperara Walter.
Bolo, perguntou este, a respoata f
Ella o espera, seohor, corra depressa asa
creio ser bem recebido. Pora permita V S
que lhe diga urna cousa antea de partir se iulaa
que madaaa Thereza nao ama i tan marido aa-
gaoa-se redondamente ; pois vi quasi desfalle-
cer do reeeio nicamente de qae o Sr do Se-
elorf se tivesse exposto no lago noite paasada.
Pode ser I murmurou Walter.
Eu c tenho certeza.
Pode aer I repatiu o fingido Ingles roa aa
sonlso desdeohoso. As mulheres sio todos aa
mesraas... caprichosas at loroarea-sa faro-
les I Volte Treib, aeu caigo ; por ora nio te-
nho precisio dos aeus servigos. Nio diga ah a asa
a palavra meu respeito : explique a sua au-
sencia como quizer, e guarde-ae do dizer a di-
reccio que me vio tomar.
Pouc depois de haver despedido Poapideu
Walter penetrara no aposento de Thereza. *
De todos aquelles que o viraa approximar-se
coa um passo tmido, o coao eslranbo s pea
aaa da cisa, nioguem pensou no baria Wallar
de Seelorf qua todos julgavaa enterrada r
algum canto de urna daa quatro on ataca
do mando.
i
(Contiamar-m-Aa.)
PERN. TTP. DE M F. DE FARIA FILHO.



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EL9IWTTVH_I08PGP INGEST_TIME 2013-04-30T21:37:32Z PACKAGE AA00011611_09917
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES