Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09905


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO XUV1I IQlfilO I
OUIITA FE1IA 2 DE JilEUO BE 1112
Pp tres meies tdiaatas 5 $000
Ptr tres raes Teicides 6$000
DE
Poraiitadaitirf 49|000
Parte frute Mn ifeeriptor.
I
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPgAO DO NORTE
; Parahyba, o Sr. Antonio Alexaodrino de Li-
ip*; NU1, o Sr. Antonio Marques da Sil?a;
Aiacaty, o Sr. A. de Lemos Braga; Ceari o:Sr.
1 Jos de Ollveira ; Maranhlo, o Sr. Joaquim
rfsrques Rodrigue; Psr, Justino J. Ramos;
^ Tiaztyiai, o Sr. Jerooymo da Costa.
I
PARTIDAS DOS COR REOS.
Olinda todos os das as 9% boras diyiia.
Iguarass, Goiaana, e Parahyba as segundas
e seztas-teiras.
S. Antio, Bezerros, Bonito, Garuar, Allinho
e Garanhuns naa tergaa-feiras.
Pao d'AIho, Nazarelh. Limoeiro, Brejo, Pea-
Sueira, Ingazeira, Flores, Villa-Bella, Boa-Vista,
uricury e Ez as qua. tas-feiras.
Cabo, Sernhem, Rio Formoso, Una, Barreiros
Agua Preta, Pimentelras e Natal quintaa feiras.
(Todos os eorreios parlem as 10 horas da manhiaj
EPHEMERIDES DO MEZ Dft JANEIRO.
7 Quirto crescente ss 8 hosas e 41 minntot
iiali.
15 La chela aa 11 horas e 14 niatos ds man
22 Quarto mingaanta ai 5 hdras e 66 minuto*
da tarde. /
29 La ora as 2 horas e 7 mnalos da tarde:
PREAMAR DE HOJE.
Primeiro aa 6 boras e 6 mnalos da manhia.
Segando as 6 boras e 30 niatos da tarde.
DAS da semana
JO Segun'da. S. Sabino b. m,; S. Venuitiniano m.
31 Terca. S. Silveatre p. ; S. Nominando.
1 Ruarla. s%> Circumciao do Senhor; S. Odilo
% Quinta. S. Izipro b. m. ;^. Arjeft.
9 Sexta. S. Aerigio b.; S. Antera?, m.
4 Sabbado. S. Tito, discpulo de STPaulo.
i Domingo. S. Simeio Estellite'; S. Teleaphoro
AUDIENCIAS DOS TRIBUNABS DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e qnintss.
rielaco: tergas, quintal e sabbadosaslO horas
Fazenda : tergas, quintas e sabbados ai 10 horas!
Juizo do commercio : qaartaa ao meio dia.
Dito de orpblos: tercas e sextss as 10 horas.
Primeira rara do civil: tercaa sextas ao meio
dia.
Segunda rara do civel: quart i e sabbados a i
horada tarde.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SOL,
Alagoas, o Sr. Claudino Falcao Dias; BsAoo.
o Sr. os Martina Airea; Rio de Janeiro. e 8r.
Joio Pereira Martina. '
EM PERNAMBUCO.
v 2t* pJKS?Uri0> d0 pu,, "I Figueiroa da
Pana $ F'lho, na saa lirrarla praca da Indepen-
dencia 'Oi.-4> a 8.
PARTE OFFICIAL
60VEHN0 DA PROVINCIA.
expediente do go verno do dia 88 de
dezembro de-46411
Ofllcio ao brigadeiro commandante daa armas.
-Sirra-se V. Ezc. de informar acerca do que
i Ao Jos Roberto I'sdilha no incluso requeri-
D uto. /
)ito ao chefe de polica.Remetiendo por c-
V. S. o aviso expedido pel ministerio de
cultura, commercio e obras publicas, era 16
correle com referencia ao facto lameotavel
ce orrido na estriba de (erro desta provincia,
> oramendo-lhe que proceda as oecessarias pes-
. jas, aflm de que tejara descobertos os culpa -
fioi de tja) funesto acootecimeato, contra quem
*> devqjBTproceder como fr de direito.
"'j2 niesmo.A' vista do que expoz V. S
:u oficio de hootem, datado sob o. 1,329, cooce-
ao delegado do termo de Caruar Manoel
-mano de Miranda, quioze dias de licenca para
i a esta capital.
lito ao commaodante do corpo de polica.
le V. S. dar baixa ao Io sargento do corpo sob
commandoQuiotiliano de Mello e Silva, visto
flnalisado .o seu eogajameoto como informa
S. em oQkio de hontem dtalo e aob n. 567.
uto ao commandante superior de Santo An-
Haja V. S. de expedir seas ordena para que
i reonido 12 o numero de pragas da guarda
iooal, destacadas no municipio da Escada.
to ao inspector da tbesouraria de fazenua.
imnico V. S para seu conhecimento e exe-

Cirlos Adolpbo Alchaoni. Remettido ao Sr.
Dr. director geral da iostruegio publica, para at-
teoder nos termos do artigo 8! 4 da lei n. 369
de 14 de maio de 1855.
Fielden Brothera. Informe o Sr. inapector da
tbesouraria de fazenda.
Fielden Brothers.Informe o Sr. inspector ds
tbesouraria de fazenda.
Dr. Joio da Silva Ramos.Informe o Sr. ins-
pector do arsenal ce marioha.
Joaquim Severiano Nogueira.Nao tem lugar
vista das informacoes.
EXTERIOR.
Estados-Uaidos.
Urna carta de Nova Orleana refere os seguiotes
promeoores acerca do combate que houve entre
as forjas bloqueadoras dos Estados-Uaidos e a
esquadrtlha confederada:
A expedieo, sob o commando de Hollins
consta va da batera fluctuanle de ferro Maanas
armada com urna peca de arlilhiria de 61; do va-
por Calhoun, com urna peca de 24 e duas de 18;
do vapor Ivty, com urna raiada de 32; do vapor
Jukson. com duas columbrinas de 8; do vapor
Mac Rea, com um morteiro de 74, 4 columbrinas
e.oms pega raiada de 24; o vapor Tuscarora,
com urna columbrioa e urna-pega raiada de 31, e
do guarda coataa Pickeixs, com urna columbrioa
e 4 pegas de 24.
t Os navios bloqueadores eram o Richmond,
Preble, Water Witch, Vincennes e o transporte
ao que por aviso de 11 do correte ordenou o Joseph H. Joone, montando o total de 53 pecas de
a. Sr. ministro da fazenda que seja admittido animan*.
si

t
que seja .
'rrirnessa tbesouraria na qualidade deaddido
ficial da secretaria da Parahiba Jos Querino
Ges.
ito so mesmo.Recommendo V. S. que em
a do incluso pedido, que me foi remettiao pelo
;adeiro commandante daa armas com offico
26 do correte sob o. 2,142, mande adiantar
almoxarife do hospital: militar a quantia de
X)g000 para occorrer a despeza daqoelle esta-
cimento na primeira quinzena do mez de ja-
0 prximo vindouro.Commanicou-se ao
mandante daa armas.
ito ao mesmo.Com aviso de 12 do correte
etteu-me o Exm. Sr. ministro da fazenda para
a devida execuco o decreto de 7 deste mez
> qual S. M. o Imperador houve por bem no-
r chefe de secgao dessa tbesouraria o 1 ea-
(urario l.'mbehuo Guedes de Mello, constao-
i communicagao em que se acha na thesou-
a de fazenda das Alagoas. O que communico
- S. para seu conhecimento e direcgo.
Ito ao mesmo.O Exm. Sr. ministro da a-
la reme(Jflu-me com aviso de 12 do correle
ecretos pelos quaea S. M. o Imperador bou
or bem nomear 1* escripturario dessa tite-
ara 2* Joaquim Pereira Bastos, 2o escrip-
lio o 4* (Jlyases Pernambucano de Mello e
- tal da respectiva secretaria o amanuense An-
n. Martios de Ssabra Lemos O que communi-
co V. S. para seu coohecimeoto e directo.
0 ao inspector da theaoajfcria provincial.--
ista daa inclusas cootas que me foram re-
das pelo chefe de poMcia com offlcio de hoo-
' iob n. 1328, mande V. S. pagar a quantia de
M' lo em que importa a ferramenta comprada
administrador da casa de detencio a Anto-
jos Saotos Olireira & C. e a Jos Francisco
i para a ofcioa de ferreiro daquelle estabe-
ento.Commuolcou-se ao chefe de polica.
1 o ao director do arsenal de guerra.Mande
receber do respectivo commandante e fazer
cerlo de que precisa o armamento e correa-
je se acha deteriorado, do batalho n. 4 da
a nacional deste municipio.Communicou-
commaodante supexior do Recife.
o ao meimo.Transmuto por copia Vmc.
seu conhecimento e execuco o aviso de 13
rrente em que o Exm. Sr. ministro da guer-
iprovando as redceles que de conformida-
m o aviso circular de 15 de oulubro ultimo
1 feitas no pesaoal desse araenal, declara que
do aviso circular na parte relativa a am-
idas devecoosiderar-se extensivo todas aa
que se fazem no mesmo arsenal e nao un
5le as de que carece o edificio.Commu-
-se tbesouraria de faienda- -
> ao mesmo.Constando de aviso da re-
5o da guerra de 13 do correte haver sido
rada a deliberaco que tomei de autor isa r
:. a mandar eliminar da companhia de
jizes desse arsenal o tete menores cons-
da relaco que veio annexa ao sen ofllcio
' de novembro ultimaSOb n. 339, viato terem
Igados iocapszes da todo o servido em ios-
> de saude porque passaram, assim Ihe o
anico para seu coifliecimeoto e direceo.
ao bachirel Henri^ue Pereira de Lucens.
dando da particiua?ao da secretaria de es-
91 negocios da juttiga de 6 deslo mez, que,
creio de 4 !c "". smo S. M. o Imperador
por bem nomear i Vmc. para o lugar de
unicipal e de orphaos do termo de Goan-
im Ih'o commdoico para seu conhecimeo-
lim de que entre quanto antes em exercicio
odente de ttulo, que apresentara dentro
0 de 3 mezeaa contar deata data.Fize-
i as communicscoes oecessarias.
ao engeohairo W. Martinean,Cornea in-
Spia da loformaco do inapector da alfandega
I qual concorda o da tnesouraria de fazenda
do o ofllcio que Vmc. me dirigi em 21 do
e acompanhado de copia de csrta, que Ihe
m oa empreiteiros da ponte de ferro entre
ro deSaofa Iaabel e a ra da Aurora rea-
nte a isvocio dedireitoa para os maleriaes
I trios construeco da raesma ponte. O
v. me. ar constar aos referidos emprei-
iroa. /
l.t Pe j secreta ra do go verno remette-ae
Manoel Salgado Accioli e a Sra. D. Luiza
i: ca Acaioli, para sus scieocia o aviso por
tflttsc ^pMIda pets tMrli;ao da sgri-
ertic *hras pblicas em 27 de
Bofeo a&i Hivamente a con-
' Dr*vfJft^ -'"efi de aervldo da
[ajii companhia da es-
dajort dh.'Tamandar ao lio
aob, XU.M
oa^Bpr-." .^H- g provincia, teodo
ommandante supe-
.cional do municipio
trente, resolve pas-
Iferes da segunda
ero 3 de iofantaria
Ionio Cordeiro da
incapaz do aervico
tf devendo carag-
for designado pelo
jparior. Communicou-
i* provincia, atteodeodo
ote reformado da enliga
pe da Costa, e lo-
ante superior deste
eaolve conceder-
Europa tratar
Na sexta-feira a noite sshio a esquadrilha do
forte Jaksoo, iodo na frente a batera Manassat.
A noite eslava muito escura, e a citada batera
embicou com um navio federal, destruiudo-lhe
completamente a prda. Ouviram-se immediata-
mente muitos gritos, soltaram-se foguetes do na-
vio abalroado, senlio-se locar a rebate nos navios
bloqueadores, e minutos depois cabio um ebu-
veiro de bailas em volta de Manauat que duran-
te a refrega linha aoffrido alguma decomposigo
na machina. O Tuscarora e o Wolson, apoderam-
se de 5 lanchos.
Qusndo amanhecea a nossa esquadrilha co-
mecou a perseguir os nsvios inimigos que se re-
tiravam, e enlo quecomecou um forte comba-
te, que durou at aa 8, recebendo o Richmond
muas bailas. Os disparos dos oavios federaea
eram muito mal dirigidos, por issoque nenhuma
avaria cauaaram aoa nosaos.
Terminado o fogo, a esquadrilha voltou pa-
ra a cidade com o transporte Joseph H. Joone,
canegads de carvo, que tinba conseguido esca-
parse durante o combate. As nossas tropas
queimaram um graoda quantidada de madelra
que os iuimigos tioham accumulado para construir
furticages.
O navio mettido a pique foi o Pineennet, e
nao o Preble, como se disse.

prejudica necessariameote o outro em grao cor-
respondente.
Tenbo a convicio de que o goveroo britnico
oo pode ter a menor duvida sobre este ponto ;
poam a nao aer assim, pqsso tomar aob mioha
rerponsabilidade o dizer que o presidente dos
Estados-Unidos, quando coohecer easas duvidas,
por certo nao perder occasio alguma de as dia-
alpar. *
Ouso afflrmar que nada ha na prisao desle
com mstanos revoltosos que dava receber urna
interpreMco hoalil da parte da Inglaterra. Os
seus homeos de estado nao porao em duvida o
diteilo legal que tem todo o navio de guerra ame-
ricano de visitar qoalquer navio de commercio
que se toroe suspeito de conter a bordo contra-
bando de guerra. Este direilo nunca foi aban-
donado pela Inglaterra; at Ihe foi garantido pelo
tratado de Paris, e as pegas ioglezas, que abrem
as suas boceas ameagadoras em quasi todos os es-
treitos e libas do globo, sao orna prova evidente
de que ella considera este direito como um da-
quelles cuja efficacia pode nao se ter aioda di-
sipado. /
Sera duvida ha alguma cousa irritante e rexa-
toria no exercicio deste direito, mesmo as cir-
cunstancias mais favoraveis, e de crr que nao
vem longe a poca em que oa estados martimos
do mundo chegaro a um accordo pira colloca-
rem o commercio das poteocias neutraes ao abri-
go de semelbanlea vex^coes. O governo dos Es-
tados-Unidos ha mais de cincoeota annos que
tem este lim em vista ; e foi por isso que no co-
meto deste secuto e ni iofsncia da nossa naco
susteoiou urna guerra contra a potencia marti-
ma mais poderosa do mundo ; e anda boje o
advogado persistente junto de todaa aa cortea ma-
rtimas ds Europa de um recoohecimento mais
liberal dos direitos do commercio neutral do que
aquello que as outras grandes naces martimas
teern al hoje adoptado.
Porm at que esles direitos sejsm protegidos
por garantas internaciooaes convenientes, sobre
urna base ampia e duradoura, aem duvida a In-
glaterra nao pode queixar ae de um acto, de que
a sua propria historia naval aprsenla lio nume-
rosos precedeotes.
Que os captivos do Trent sajam ou oo contra-
bando de guerra urna qoeatao sobre a qual os
dous goveroos nao podem ter difliculdade seria
em chegar a um accordo. Se o Sr. Seward nao
pode demoostrar ao conde Russell quo elles o
sao, tambem o conde Russell nio pode demons-
trar ao Sr. Seward que elles o nao sao Se fos-
sem, como todss as autoridades concordsm em
e apreaeotavam, fez penetrar oo coracio de
muitos delles a auspeita de que os seusirmos
de Inglaterra Ibea desejam mais mal do que
bem ; porm oa homeos de estado, a quem eato
oonflados os interesaos polticos uestes dous gran-
des povos, procedem com maiorrespoosabilidade
e mais pura illuatrac&o, e podis ter a certeza de
que um acontecimeoto lio desastroso, como urna
erra entre a Inglaterra e a America, nio pode
offectuar-se sem outras e mais graves preoecups-
oej do que ss que at hoje tm sido dirigidas a
orna ou oulrt das duas naces.
Winfield Scott.
HESPANHA.
Tratado concluido entre a Hetpanha e Marrocos,
e que foi lido no congrteo.
Artigo 1. Aa tropas hespanbolss evacuarlo
Tetuio, logo que o governo marroquino tiver pa-
go trea milhei de duroa.
HArt. 2o. Os dez milboes de duros que devem
completar a indemnisago de guerra, estipulada
nd tratado de paz, sero recebidos por metade da
recolta das alfandegas de todos os portos do Im-
peli, deixando o sultio i disposicao da rainha
de Hespanha o cuidado de oa fazer cobrar por
agentes hespanhoes. .?-
A'l^8o. Os agentes "hespaohoea.encarregados
d.a"te .exaBe deata'pe/^pcao, eotraro ao exer-
cow das suas funecoes'nm.mt anteada evacua-
gao?de Tetuao pelas tropas' fies'panholas.
> i '' **' ^ demarcacio dos limites da prar^a de
Mejilla aera baaeada no Iratado de 1859, e os
marroquinos farao entrega antes da'evacuagao
~
W?a
t. 5*.
de Tetuio.
O Iratado de commercio de que faz
io o tralado de paz, dever ser igualmente
uido antes da eracuicao de Tetuio.
6. S. M. a rainha teri a liberdadede
r em Tetuao urna casa de missionarios ana-
que existe em Tnger. Os missionarios
teraaj o privilegio de exercer o seu santo ministe-
rio em qualquer ponto qae seja do imperio de
Marrocos, e as suas pessoaa, habitacOes e casas
de tsylo estario aob a proteceo especisl do
Art 7a. As condi;des estipuladas nos artigos
precedentas, deverao aer postas em em execuco
oo-prazo de cinco mezes, a contar do dia em que
o califa Muley-el-Abis tiver entrado em Tnger,
o que lera lugar immediatamente depois da eva-
cuadle de Tetuao, ae o governo marroquioo as
execatar antes do tempo proscripto.
Art 8. Os artigos do tratado de paz de 26 de
1860 conservam a saa forca o o seu t-
admiilir, agentes da rebe.lliao, aera difficil de con- | gor, em quanto' nao bouver alguma cousa que se
tas ulteriores, em relagio escolba das pessoas
que, em consecuencia das mulsncas necessarias
podem aer chamados distecao futura dos comi-
tados, deixo-vos o cuidado de faser continuar a
expediQio dos negocios correles ds administra-
co dos committadoa e das eidades livrea, at a
ostallacio de novoa ergios, pelos empregados
actuaos, e sob a garanta e responsabilidad pes-
aoal doa individuos encarregados desse cuidado,
aflm de que o servico publico oio experimente
oterrupcio.
A mioha lugar-tenencia real, depois o ober-
gespans, administradores, e outros chefes de
committidos, e os burgo-meslres das capitaea
Bade e Peatb, so.#brigaos a obedecer pootual-
mente, e aem opposi;io ao meu lugar-tenente
no reino da Hungra, que nomeio, pelas pre-
sentes, psra todas as medidas qtfv) ello posia to-
mar relativamente administraco publica do
paiz.
c Recebareis inclusa aa ordena que ao mesmo
lempo dirijo ao meu ministro da guerra, relati-
vamente aoa proceasos e ao julgamento pelos Iri-
buoaes militares dos crimes e deudos determina-
dos contra a manutencao da ordem publica e se-
guranca das pessoas e propriedadea.
Da mesma maneira que eatou firmemente
resolvido a restabelecer no maia curto prazo poa-
aivel, pelas medidas excepcionaes e lempoririaa
cima mencionadas, 4 ordem publica alterada
no meu reioo em consequencia de manejos de-
ploraveis para entio poder proceder por meioa
cooatilucionaes a soluso das desintelligencias
existentes, tambem julgo dever declarar de novo
a resolucio iov.riavel em que estou de manter MonaTtoktZSZISSTZS, T ""^
igualmente de futuro, em toda a sua plenitude S2g&*A"Sg*g '''!'"' *"
igualmente de futuro, em toda a sua plenitude
e io viola vel meo te asconcesses feitaa, em virtu-
de do meu diploma de 20 de oulubro, ao meu
Hungra, em relami restaurscio da
suarconsliturclo. do.Te s dSroitoa TSSSlS ^.r^n", M\' "' eDlrereDd K "
da sua dieta, e da. sua. instllucoes maniciSSel r5'r ".L0'" "08 8U1 m".ch '"umph.l. A
da sua dieta, o daa suas instituiges municipaes.'
a Vienos, 5 de novembro de 1861.
Francisco Jos, m. p.
Caro lenente-feld-marechal conde Palffy,
a Nomeio-ros meu lugar-tenente no mea rei-
no da Hungra.
Vienna, 5 de novembro de 1861.
a Francisco Jos, m. p.
;JT*a Km,
fe reque
da o clon
r*o
dante
atoH^iote a
- O p
Os joroaes americanos referem da seguate ma-
neira a demissio do general Fremoot:
No dia 2 de oovembro, alguna destaca mea-
tos inimigos acbavam-ae a urnas doze milhas das
nossas tropas preparavam-se estas para marchar
coutra elles, quando o general Fremoot recebeu
ordem de Washington para dar a sua demissio.
A noticia espalhou-se rpidamente no cam-
po, e causou a mais viva indigoaco.
Um grande numero de officnes annunciou
que dara a aua demissio, e mullas companhiaa
depuzeram aa armaa, declarando que oio com-
bataos seno debaixo das ordeos do general Fre-
moot.
O general procurou Iraoquillisar os officiaes
e os soldados, invocando o aeu patrioliamo, e
supplicando-lhea que nao abaodonassem o sen
posto. Depois dirigi aa tropas a aeguiote pro-
clamacao.
SoringQeld (Missouri). 2 de novembro.
Soldados do exercito de Missouri.
Conforme aa ordens que hoje recebi, despe-
co-me de vos. Anda que o nosso exercito tenha
aido formado pressa, temo-nos engrandecido,
e eslava familiarisado com o espirito de bravura
que tendea mostrado oa defeza do nosso paiz, fa-
zendo-me prover para vi urna brilbanto carrei-
ra. Conlinuaecomo comeosles, e dae ao meu
successor o appoio cordeal e enlhuaiaalico queeu
~ vos recebi. Rivalisae com os gloriosos exem-
plos que tendes ji dsdo, e eu me lisongearei do
oosso exercito, que eu tratei de reunir.
Soldados, sioto deixar-vos, agradeco-voa
sinceramente a deferencia e a con nanga que sem-
pre me teoaes testemunhado. Lamento profun-
damente nao vos ter conduzido i victoria que es-
taris promptas para alcanzar : maa reclamei o
direilo de compartilhar com vosco da alegra de
cada triumpho, e conservo sempre a confianza de
permanecer peaaoalmeole na lembran;a dos meus
compaoheiroa d'armaa.
John Fremont major general.
A noite aa msicas dos regiment! foram dar
urna aeronata ao general. Este, anda que nio
exerce as suss funecoes contina a examinar o
terreoo, em cujaa mmediacdea se espera um
combate prximo.
O inimigo est acampado em Winsoo-Creck.
O general Fremont prepara-ae para partir
para S. Luiz. No campo reina a maior tristeza.
A guarda do corpo do general dea a aua de-
missio, e vai debandar. >
O general Scott, antigo commaodaote em che-
fe do exercito federal, que acaba de chegar a Eu-
ropa, dirigiu a um dos seas compatriotas a ae-
guiote carta, sobre o apressmento dos com mis-
sarioa do sul, eque tem sido publicada pelos jor-
oaes :
Meo caro senhor.
Tinheisrazio em duvidarla declarado que me
imputada, altrbue-ae-me eu ter dito que o ga-
binete de Washington dra ordem para se pren-
deren) oa Snpltaaoo 6 Slidell mesmo quando es-
livessem protegidos por urna bandeira neutral.
A verdade obrgjupe a dizer que nao sei ae este
ponto foi discoVBraelo governo.
Quando aahill||fova-York, ignora va-se aioda
que o S. /aetniAffmvia regressado a aguas ame
ricanas, e suppunha-se geralmente que esles se-
ohores se haviam dirigido para Cuba alim de em-
barcarem de novo no Nathville, em perseguido
do qual o James Adger e outros navios do cruzei-
ro haviam sido expedidos.
Creio poder provar em poacas palairaa que nao
ha motivos serios de inquietado acerca daa nos-
sas relacei com a Inglaterra, ae, como o con--
fessam os horneas que eitao testa daquelle
paiz, ae nio pretende excitar aa dissensoes na
America.
Em primeiro lugar julgo superfino dizer -vos
que os mais simples inslinctos de prudencia, as-
sim cosi os de boa vizinhan;a, levam o nosto
governo a oio encarar neohum sacrificio honroso
cerno de mais para conservar a amixade da Graa-
Bretanhs. Isto deve parecer evfieote a todos.
Em perodo algum da nossa historia a sua ami-
zada foi de maiof importancia para o nosso povo,
m o nosso goveroo esleve em
aiorea sacrificios psra a man-
teo unidas por sympsthiss
es, sociaee, polticos e re-
mo
vencer os espirites imparciaea de que elles eram
contrabando de guerra em menor grio do que
um punhado de soldados rebeldes ou urna bate-
ra de pegas hoslis. _
Porm, mesmo quando hsja difllreotes opi-
nies teste respeilo est claro que o nosso go-
veroo tinha razea sufficientes para presumir que
exercia um direito. Por cooaequeoci
abrigo da suspeita de ter por vontade propria
violado as relaces de araizaje que oa dous pai-
zes declaram ter desejo de manter
tivar.
Ihe tppooha,
possivel.
moVob
e serio ratificados o mais breve
t;
tenTs'no C/amor/jnal de Madrid, de 6 de
novembro, o aefcainte : '* -4
a O Sr. Salamanca recebeu do governo de Tu '
rin, por ordem do rei Vctor Emmaouel, a lison-
esti ao geira commuoicacao que em seguida publica-
mos ; sempre dispostos a ser justos com todos
os que se distinguem pelo saber, pelo engenho
e de cal- : ou pelas obras, felicitamos 6 Sr. Salamanca pelo
disuado testemunho deaprego que recebeu, de-
O argumento que consiste em se dizer que de- cejando que elle Ihe sirva de estimulo para con-
viamos levar o Trent para um porto e faze-lo I liouar empregando aa auas faculdadea no servico
condemnar por um tribunal de capturas, para fi-. dos progressos maleriaes, e de adiaotamento da
car justificada a prisao de qustrj de: passageiros, ] civilsagio.
fornece urna base mui limitada para servir de Eia-aqui o documento a que nos referimos :
ponto de controversia seria entre duas grandes Tarn, 14 de norembro de 1861.
nacoes. Exprimindo-a por outras palavras, a Mioiaterio das obraa pabcas.Secretsria
nossa offeosa teria aido maia pequea sendo aliia geral.Exm. Sr.Com muita aatisfaeso cumpro
maior : o mal feilo bandeira brilannica teria
sido miligado so em vez de se preodsrem os qua-
tro revoltosos, se appreheodease o navio, se re-
tivessem todos os passageiros dorante semanaa,
e ae coofiscaase a carga. Nao me admira que o
espilio Wilka encarasse de outra maoeira o aeu
dever, o que era devido s relscoes amigaves
que exislism entre os dous goveroos. 0 bem co-
nbecido senso commum do povo inglez, appro-
var tambem aa diligeociaa que o capilio ame-
ricano fez para tornar um dever penoso o menos
vexalorio possivel para todas as panes innocen-
tes. Assim o espero.
Se nestas circumstaocias a Inglaterra julga do
seu dever, para iotereases da eivilisaco, insistir
na entrega das pessoas que foram arrebatadas i
proteccio da sua bandeira, ser aem duvida al-
guma, pela cooviegao de que a jurisprudencia
relativa aoa direitos dos neutraes, em cujo esta-
belecimento ella lomou a paite dominante, recla-
ma urna revaao ; e com urna disposiQo conve-
niente da sua parle em ealabelecer esse direito
sobre bases justas, humanas e pbilosopbicas. Por
outra parle considero-me feliz em ver n'um doa
priocipaes peridicos de Londres urna reflexio perar, com toda a coofianga, que terio igual aor-
ura dever mui grato para mim expressando a V.
Exc a sslisfagio do meu soberano pela construc-
gio felizmente terminada do caminbo de ferro de
Bolonha a Ancooa, o qual foi aberto ao pubiieo
muito antes da poca estipulada. Trabalho tao
completo em tio curto tempo faz a apologa do V.
Exc, em quem rivaliaam a eapseidade e o zelo
necessario para vencer todas aa difficuldades.
Foi com estas qualidades que V. Exc. soubo, nao
s cumprir seuao exceder os compromlssos con-
trahidos.
Pelo que me toca, sinto especial prazer em
accrescentar que el-rei se mostrou mu satisfeilo
da festa da ioauguragao, para a qual V. Exc. coo-
perou, e cujo acto fot expleodido alem de toda a
expressio, e tal que deixou no animo de 8. M. e
de quantoa a elle assistiram as mais agradareis
impresses.
Aproveito pois esta circunstancia favoravel
para annunciar a V. Exc. que o governo de el-
rei est* pelo que Ihe diz respeito, animado de
iguaes senlimentos de satisfagio e elogio pelo fe-
liz xito da obra.
Sirva este proceder de argumento para es-
A segulnte caata de Varsovia deixa avaliar
qual a angaatioza sitaagio em que se encon-
trara as provincias polacas:
O rgimen do estido de sitio toma-sa cada
vez mais rigoroso, As visitas domicilianiase as
e prsdes continuara : tera-se concedido aos agen-
tes um premio de dez kopecks (80 res .pouco
maa ou menos) porcada prisao qae fiear, e em
-ido se diz, na^quem por este meio faga bem
"eiaflda.
g#n1re-ptj>qeumpom aoJiai._
mas, e os soldados mesmo, mostram-se cada vez
maia grossoiros; o mais ftil pretexto basta para
deter e levar preso os trsnseuntes. Existe grande
numero de presos cujo crime consiste em 1er si-
do encontrados na ra i noite sem linternas .
Trabalha-se em traosformsr em barracas pa-
ra o invern aquellas em que estio acampados
os soldados as prsgas e jardios pblicos. Esta-
mos aioda mu,distantes do termo da oceupagio
militar, que faz com que a cidade psrega urna
praca conquistada.
ltimamente, tem chegado grande numero
de generaos, e entre elles alguna notaveis enge-
nheiros, como Tottlebeo, e Hanseu A sua pre-
enga tem dado lugar a diversas coDjact.uras. e
ha quem imagine que se trata nada menos do que
de cercar a cidade de um systema de reductos e
postas fortificados qae nos tolba al a intengio
de peatanejar sequer.
As noticiaa das provincias sio cada vez mais
tristes. Em toda a parte ae fazem prizdes e se
commeltem grandes atrocidades. Era Piolkow
chegaram as cousas a tal ponto, que o governo se
viu obrigado a revogsras disposiges da autori-
dade militar, e at a separar do servigo o gene-
ral Wagnet, qae all commandava.
que tende muito a justificar ata iofereneia. Fa-
zendo alluso s decisoes dos tribunaea de almi-
rantado inglezea, que agora se citam era abono
da captura dos rebeldes a bordo do Tren 1, o Ti-
mes de 28 de novembro lindo diz :
A atteoder s a autoridades, o testemunho
te aa demais amprezas a que presta o seu con-
curso moral e financeiro. Para animar a coo-
Qaoga lio bem estabelecida em V. Exc, vem a
fauala noticia da abertura do tragado do camiobo
de ferro da Capua a Presenzano, o qual tem por
alicoree um ponto em que ae enconiram as mais
lada. Isto faz com que se augmente tambem a :
divida de gratidao para com V. Exc, e eu, sa-
lisfazeodo-a com a presente, rogo-lbe que accei-1
te em particular os aentimentos da minba mais
diilincta consideragao.O minialro,
i Peruzxi.
a Ao Exm. Sr. D. Jos Salamanca, gro-cruz!
de varas ordens.
e em periodo a
cendigdes de a
ter. As duas ot
e interesses cora
Ugiosos, quasi ti
ooidos a um s corpo, a nioguem
te qae nio ssiba que aqulllo que prejudica um
da lei internacional mostra aempre que um navio legitimas e elevadas aspiragdes ds Italia resuici-
de guerra belligerante tem o direito de fazer pa-
rar, visitar e proceder a ama busca nos navios
mercantes em alto mar...........................
... Devemos, porm, recordar-nos de que
estaa decisoes foram proferidas em circumstao-
cias bem differentes das actuaos. Os vapores Des-
sa poca nio exiatiam, as malas que transportam
caitas que interestam a todas aa oa'cea da trra,
eram desconhecidas. Combatamos pela noasa
existencia e fazemos eniao o que nao latamos, o
que nio permittaaos que os outros fizessem, e
o que cerlamenle os outros nos nao deixariam
fazer hoje.
Se a loglalerra, como suppomos, eiti disposta
a contribuir para tirar guerra metade dos seus
horrores, acceitsndo as ideas que, por vezes e
sem cesssr, Ihe tm sido recommendadaa pelo
oosso governo, e que recommeodam tambem to-
dos os principios de justlca e de humaoidade,
ella nio encontrar na visita do Trent materia
alguma para entrar em questio com o oosso go-
veroo.
Tenbo a certeza de que o preaidenle e o povo
doa Estados-Uaidos leriam o maior prazer em
dar a liberdade aoa prisioneiros, por maiaim-
perdoaveia que fossem ss suaa offensas, se assim
podessem emancipar o commercio do mundo.
Por maior que fosse hoje a nossa desvntagem
na crise actual, abandonando eases privilegios de
belligerantes que sio ainda saneciooadoa pelo di-
reilo das gentes, sinto nao assumir mais leve res-
ponaabildade. dizendo que oa Estados-Unidos se
mostrsriam fiis & sua poltica tradicional aobre
este assumpto, e ao espirito das suasinstiluicoes
polticas.
Por outra psrte, caso a Inglaterra nio eslives-
se preparada para fizer um sacrificio correspon-
dente, oo visse que nio est anda em estado de
abdicar as vantagena que o cdigo martimo ac-
tual cociere a urna potencia naval belligerante,
cortamente nio querer ella collocar-ae em urna
falsa poiigao, pediodo-nos que o fagamos. Por
consegointe, nos dous casos nao vejo como ss
relagdes amigaves dos dous governos corraos o
perigo de um rompimeolo.
Que o recoohecimento mui prompto, como bel-
ligerante, de homeos que, por maia numeroso
que fossem, constituiam urna manifesta maioria
aa naco, ferio profundamente oa aeotimea
Austria,
A Gaxeta de Vienna publica a se guio te carta
do imperador d'Auslria :
a Meu caro conde Forgich.
A insubordinagio dos municipios hngaros e
a sua resistencia prxima da rebelliao coulra to-
das as medidas destinadas a chegar a urna aitua-
gio regular, sao urna ameaga cheia de perigoa
para a manutencao da ordem em geral, aeu que
as autoridades, oa sua orgaoisagio actual esto-
jara sufficientemenle protegidas pela applicagio,
tal como se lem feito ctualmeute. daa lea pe-
nses do paiz cootra aemelhaatea
iveroente deploraveia e deaappr
de materia dos meus subditos,
seohorae da desobediencia
E' do meu dever de aob
vontade, por limites a este
reatabelecer de aovo, pela
tuaiio regalar, a obediencia
do governo.
C'imtudo, oensiderand
medidas extraordinarias e
de incompativei rojOi f-
aeada as leis de ,liL? J
Iho real de logar f%''-ia
teodendo que a sorrao{a
novo a dieta edaiei rei'J
dar urna soloolr cootiil'iolooi
o Segundo as noticias da Polonia, a segulnte
circular foi clandestinamente espalhada em Var-
sovia para regular a celebrscio do 31. aniver-
sario da grande insurreigio de 1830 :
Imios:Est ebegando o aooiversario'da
insurreigio de 29 de novembro ; no estado actual
do paiz, esta festa, a maior das nossas testas, na-
cionaes, deve ser celebrada em toda a antiga Po-
lonia da maoeira segrale: Reunidos no lar do-
mestico, no seio da familia, consagraremos este
dia a penaar no grande acto de dedicagao nacio-
nal Os erros e insuccessos do passado sero os
nossos guias psra o futuro quando do peito da
nago sahir o grande grito: Exurge I Reonam oa
paes de fsmilia.'os pstronos, os superiores em
em torno de si os seus subordinados, e far.am-
lhescomprehendar a agnificagio d'esta reco'rda-
gio nacional.
Em toda a cidade deve reinar urna tranquilli-
dade aolemne, para provarmos sos nossos inimi-
gos que sabemos ser prudentes qusndo neces-
sario e peraeverantes sempre. Qualquer novo
sacrificio aeria n'ese momelo ioutil cousequen-
cia criminosa.
as localidades onde as egrejss estao abor-
tas, alm das reunios de familia, devem cele-
brar-se servigos solemnes.
Correspondencia do Jornal do
mercio.
Montevideo, 17 de o o ve rabe"
A revolagio prosegue oa sin ciare
phal pela desmoronada Cj
Mas como por fortunj
pelas ideas de veri
derrota du sosa ene**, o. jAu4oa,Rolon re-
signo* o mando, qae reoaaio u eaftn Dr. Bo-
ln filiado 00 partido libirT W -T
Na provincia de Entre-Ros hoave uau ua-
daoga de idaa, acceitando aosseuaUa provin-
cial o pensament do general Urquiza coastenedo
na lei aeguinte:
Art 1.a A provincia de Entre-Ros rsase-
me em toda a sua plenitude o exercicio da sobe-
rsnia que Ihe propria, al que, reunidas outra
vez as provincias argentioaa, debaixo da contti-
tuigao federal jurada, ae acbe a naci eu sudo
de completa paz.
Art. 2. A provincia de Eotre-Rioa declara-
se em paz com todaa as provincias argentinas.
guardar tambem os pactos que a ligam s acea
estrangeiras. *^
Art. 9P Todos os estsbelecimeatos o proprie-
aades da oacao que essotirem oo territorio a
provincia serio conservados sob deposito aguar-
da do governo.
Art. 4. As alfsodegas da provincia serie
tambem administradas pelo goveroo da mesma
at a reorganissgio dos poderes oasioases, e at
que por elles se reguiem os meios de satiafazer i
esta proviocia a divida da oago.
Art. 5." Fica o poder execalivo plenameaU
aotorisado a executar e regalimeolar a presenta
le, que ae communicar todas as provincias
confederadas, e i oages com qae a Repblica
eat em relagdes.
Art. 6.* Communiqae-se, le.
Promulgada esta lei, roaasamio o general Ur-
quiza o governo. eocarregaodo-aa daa relaces
herdeiro da presidencia, apodersodo-se .
archivos pblicos, e procurando reaUr as suaa
machiavelicas segociagdea com o general Mitre,
que com multa corlezia o vai eotreleodo para nao'
7 do corrente appareceu este ultimo em Bueoos-
Ayres, onde apenas se domorou qustro dias, re-
gressando depois ao Ros ario, aem qae oingaesa
possa dizer com certeza qual foue o dos da sen
viagero.
Entretanto contina tambem pelo iilerior vic-
toriosa a ravolugio. Depoato o governador de
(.ordova, e batidas em todss as direegoes as suas
Sf. Taboedas, jaste da mais da
..uikj homens derrotaram o exercito de Catamar-
ca, commandado por navarro, eu consequencia
do qae se proounofoa pela revo*agio esta provia-
Cas*
h1* e Luiz' 80',ern,or Pelo triateuoole ee-
lebraUuao Sa, hoave um proouoeiameoto diri-
gido pelo coronel Loyola, pertencente ao partidle
liberal.
S. Jaare*olucionou-se Lamben pela aetiua
vez oestes dez ltimos annos, de modo que oio
considero Inverosmil a ooticia qae o Saintonge
. inostraz de haver cahidu prisiooeiro o mesmo
Juao Sa a quem o commaodaote Ordooes perse-
gua eoazmeole com ama forga volaote da 900
homens protegida pelas tropas dos coronis Bi-
gorria, Saodes, e Ritas, queformam a vanguarda
da expedigo confiada ao general Pauoero.
Em consequencia deslea acontecimeoloa, todos
os dias se rom a presentar ao governador Mitre,
ou s antoridades que Ihe obedecem, urna multi-
dio de chefes, officiaes e soldadoa do dabaodado
exercito federal. Nota-se eolre esles o coronel
Cabaza, chefe da esquadra de Urquizs, que pas-
sou a ser commandada por Cordero.
Sendo de muita importancia o dominio dos ros
nao quer o governo de Baeuos-Ayres aventurar
um combale, sem ter a seguraoga de um trium-
pho. e para isso trata de retorcer a aua esquadra
comprando o vapor braaileiro Mrquez de Caxxat
e um navio de vella, qae estao ambos armando
em guerra com toda a precipilecio, apezar da
asseverar-se qua os navios de Urquiza abando-
naran] o seu funleadouro segurado Partfii a-
cima.
Os effeitos da cooflagragio na Repblica Ar-
gentina repercutem neceasariamenle na Banda O-
riental, onde o partido do poder commelleu a
imprudencia de manter vivo o rancor, perpe-
tuando as proscrpgoes que aesegutrsm i malan-
ga de Quinteros; e aioda que me perauado quo
nao na tengio de invadir o paiz, a conicieocia
destes homeos os ioquieta'e obrlga a tomar me-
didas de seguraoga que podem originar conflictoo
aps dos quaes veoha a violeocia, que torna no-
cessaria ama rerolucio em que por certo se nio
pensa.
Por sgora limitase o goveroo a remontar e
exercito o a mobiliaar a guarda nacional, o qua
traz descontentes os povos.
Coiocidiodo estas medidas com o ton quo lo-
mou a discussio doa feitoa do passado. promovi-
da pelo partido blanco a respeito da victoria de
Lanada de Gmez, talvez para arrancar medidas
njpressivas cootrs os seus adversarios que nade
lhes fieam devendo em altivez de oscriplos
mima pava K* r.... 4...____
r*
L
-------- ------- VMS -""" UD t
guma razio ha para dizer qae aira?
poca de crie.
Na parte administrativa neohum
deu digoo de referir-se.
Chegou da Inglaterra
Salto, destinado a
porto o a povoag"-
tos intermedia'
oecessidade .
ajasB ~'o*%>
d
IWtERtOR.
larscR
re
tiQ
pr
civilisagio, fu
sobre as ru
se leva
riger* 1
!>i!. ;
a
i
U
>U
c- fode
bc" neceaaida-
actual, ba-
r eu conae-
feulro lado at-
ar convocar de
lungra alim de
ds questes que
os dous bragoa estio dos meus compatriota!, oio serei eu quem o 1
guem lio Igoorao- gue ; tambem oio oegarei qae este acl, ju
a algunas de suas consequencias lgicas qu
existem au
restabel
offerega a
suspeo
cimen
corpor.
de8_
do roas;
como a c
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO
, podf -rAlisar-se logo que o
a* o'ua_ aimioistragao regular
..udlgoes i'^esejolNis, tenho ordenado
leraporarbuesfS, e at ao reatabele-
idero cublii alterada, a actividade
rei'iuradeupelas miobaa ordenaogn
ntaS^kjaalMolido das leis precitadas
^WiWilJr de logar-tenencia, assim
! municipio do psiz, e dis-
ujbmmissao ainda existente dos
laifitos e das repraeoolagoes das
'res.
ndo-vos da execucle da miaba
1 e attendendo a roasas propos-
11 {Kavrtiba,
.tas e mo-
.0 do bem, a-
_ estas bellas re-
^ercio eslraogeiro.
.u> de Gmez tem aido fe-
. altados. O geoeral Flores oc-
,..encia a cidade de Santa-F, oo-
seguida a paz todos ot moradores,
.a proclamagio que faz hoora aos principios
e Buenos-Ayres defende.
Pascual Roaaa, Mascarilla e demais chefes dis-
persos da Coofederagio, depois de lerera procu-
rado ioternar-se no Chaco, passaram o rio Para-
n buscando a protecgiu do general Urquiza.
Na provincia de Corrientea rebentou urna revo-
lugio liberal qae, principiando nos departamen-
tos da coala doUrugoay.S. Roque,Monte Caseros e
Coruzucaati, capitanela por D. Raymundo Re-
guera, estendeu-se .ament por toda a pro-
vincia, e eapecialiMdnte s povoag5es de Goya,
Empedrado o Baena-Vista. A columna revolu-
cionaria marchou tmmediatameote aobre a capi-
tal da provincia, o o aeu chefe dirigi ao gover-
nador Roloo urna nota pedipdo-lhe que ae reaix-
oasse a abandonar o poder, se quera evitara ef-
fuiio de sangue ; mas o goverosdor preferio ten-
tar primeiro e sorte das armas, mandando mar-
char cootra os revolucionarios o coronel Cayeta-
no Virasoro com urna columna de 1:000 homeos.
Ignoramos os pormenores do que se pissoe, ajan
o resaltado foi que Tirasro lev por conveitep-
te capitular, subeaeltendo-se o comroaudehCa-
eeree e oolros do exercito federal,
da coasequencia da iolimscio recebida e da
i\JM E JAIVEaO
ii de dezembro do 1864.
Coarta-lea que o Sr. usjor Francisco Priaae
0 -a Aguiar pedio o oblare demissio do car-
bj de presidente da provincia do Slaraohao,
que se acha nomeado para subslitoi-lo o Sr. eee-
selheiro Antonio Maooe^de Campos Mello.
Por decreto de 16 do corrale foi nomeado es-
crivio do araenal de guerra do Para Joio Antonio
Barbosa de Ulivaira.
Por decreto do 21 tambem do corrate foram
nomeados segundos cirurgioes do coree de seede
do exercito oa Drs. em medicina Jos Mara de
Souza Fernaodes e Firmino Jos Doria.
Por decreto de 16 do correata foi nomeado
praticante da cootadoria da marioha Leis Jos
de Souza Sheveriu para o lugar de quarto escrip-
turario da mesma repsrligio, sonde substituido
naquelle emprego por Jos Caaiuiro do Cooto.
__ 84 __ ',.--
Foi designada ao juiz de diajafie Didiue Aga-
pito da Veiga a comarca de Castro, na provincia
do Paraoi, ficaodo aeueJMfa o decreto qae Iba
detignou a de Guarapuav.
Foi nomeado o bacharel Joa Figeeitede de
Aodrade juiz nauoMeel e de orphaos da Eetceilo,
oa proviocyd b Rio de Jaoeiro.
Foi coa a demissio que pedio o bacharel
drigues do lugar de juix _
dfe Itajub.em MlaarGeraos.
Miguel Jos Coelho da Silva da
lados offlcios de labelliao a eterivio de
_, os provincia eo Rio de Jaeeiie.
. .. nomeado Joa Joaquim da Siivoira seejeaw
commandante da aeceo do batalho de roauon
n. 82 d guarda nacional do Rio Grande de Sari.
Fot conmutada au gales pereeleae o pee de
morle qae foram condemnadoa ae reee aetta-
ros Jacob, pelo jury da villa do Pai ou
J




tuaio ti rifiimiDco. -. quinta fura s e janei&o 4 sea
Genes, e Jos Congalre
Grande, da provincia a '
orvdo Cimpina-
Por decreto! da 21 do correal* fon comea-
dos os Srs.:
Eduardo Yaz de Carrslbo. para o emprege de
admioiatrador das capttszias da alfandega da
corle ;
Thomaz Velloso Tarares pira idetico lugsr
na alfandega de Albuquero.ee em MatU'Grosso,
aendo exonerado Joao Garra da Slteetf ;
Por portara de 9 foi aomaads amanuense da
secretaria da theaoararU de Pnrf*mbuco Jasuino
Rodriguei Cardoao.
r' <*
Em coosequencja de eammaica<;oes raesbidas
\
J
Friuciieo BaplisU da Rocha. Alfredo Gandido
Guimaree e Lolt FraocJieo Murioelly, para 2"
cirurgiea do corpo de saude do exercito. De-
creto de 14 de dezembro correte, nos termos do
art. 156 do regula ment do mesmo eorpo, appro-
vado pelo decreto n..i.2Q0 de 7 margo de 1857.
Do Sr. padre Franciico Mara Pereira da Cu-
nha. para capellio-alferet da repartido eccle-
aiatica do ezercito. Decreto de 11 de dezembro
torren te
< Mtrfi,- De 8r. ente retncmado do
cite, LoureagodaGotU Veiconcelloi, do lu-
gar de petteir da escole auxiliar miliUr da pro-
rlnein de Rio-Grande de Sol.
Tren/iMtoa.tts 8ra. m ajorstMauricio
de Soma Tarora, d eerpo de guarnleao da Ui-
35^
pelo Sr. Dr. chefe di polleia da corta, a da pea- nes-Gerasa Ata o 1* bataUaa da tohnlaria,
quitas minuciosas ^oc elle (eitaa por ordem do
goveroo, dirigio-se o Sr. Dr. chefe de polica da
provincia do Rio de Jaaeiro, na noile de 90 do
correte, acompanhado por urna forgs do corpo
policial da corte, para a reguezia do Bmanal,
municipio de llaguahy, aflm de dar busca na a-
zcuda da Pirlpiri.
O resultado desU diligencia foi a apreheoaao
de apparelhoa e machinas para o fabrico de pa-
pel-moeda, aele chapas para notas do banco do
Brasil do valor de SttOgOQO, dual para as do ban-
co Rural e Hypothecario de 500000, dous revol-
ver de aeis Urea e una puohal, e a captura de
qualro individuos, doua heapanhoes e doua bra-
sileros, que se acbavam na caaa da referida fa-
zanda, invigilados como autores do crime. lim
dos primeiros resisti priaao, adiaparando con-
tra a forca um tira de revolver, que ferio leve-
mente ees eoldado, e s ple ter tubjugado de-
pois de algoma lula.
O Sr. chefe de polica da provincia regressou
honiem & eata corte, e igualmente a forca poli-
cial eonduziodo oa referldoa preaos, teodo deixa-
do o Sr. delegado de llaguahy, commendador
Manuel Jos Cardoao, que tambera compareceu
diligencia, eaearregado da captura de mais doua
individuos.
Consta-noa que alm das mencionadas prises
se effectuaram tres nesta cidade.
O Sr. Dr. chefe de polica da corte foi honiem
aoa bancos do Brasil e Rural certificarle da exis-
tencia das cbapaa com que se estampam as res-
pectivas notas, e verificou que nao faltava ne-
nhuma.
-2*- 9
Entrou hootem do Rio da Prati o paquete fran-
cez Saintonge, com dalas de Buenos-Ayrea at
15, e Montevideo at 7 do crreme.
A noticiosa carta do nosso correspondente dis-
pensa-nos de entrar em grande deseovolvimen-
to & respeito dos ltimos succeasoa da guerra ar-
gentina.
Depois da acgao ganha em Canad de Gmez
pelo general Flores, a qual dea em primeiro re-
sultado a ioleira oceapagio da provincia de San-
ta F, parece por toda a parte ter marchado com
vento em popa arevoluco contra o goveroo fe-
deral. Cordova, Corrientes, Catamarca, Santiago.
S. Luiz e S. Juan, ou ja expulsaram completa-
mente os antigos gobernadores, ou os lem em
aperto tal, que mal lhe pode ser possivel conti-
nuar a mantee a aua autoridade.
Em Cordova deu a ebegada da columna expe-
dicionaria do general Paunero o ultimo golpe ao
j vacillante goveroo de Alende. Daqui destaca-
ra aquelle general, que ultima dala tiuba esta-
beiecido o aeu centro de operagoes em Villa -
Nueva, ama torga commaudada pelos coronis
Baigorria, Rivas e Saodes, em apoto de Ordon-
nes, qne, se podemos dar crdito s folhas de
Buenos-Ayrea, penetrara com sos dous bomens
na provincia de 3. Luiz, onde reunindo logo mais
do 300, e vendo crescerem-lhe as torgas, me-
dida que avaacava, liona j reduzido o goreroa-
dor Juan Sa capital com 70 soldados por guar-
nirn I
Em Santiago a geoeraes Taboadas nao s der-
rotaran em Boyada Corral as forjas invasores de
Navarro, governador de Catamarca, mas al, pe-
netrando nesla rama provincia, hastearam alli o
pendo da revolta contra o enligo governo, que
baqueou desde logo.
S. Juao, talvez a mais revolucionaria das pro-
vincias suas irmae, tambem desta vez se nao
dexou car atraz, e alli igualmente pereca a
surto das armss mostoar-se adversa ao partido do
gorerno do Paran, que, se anda se conserva
organisado, lmente, segundo querem as folhas
portenhas oa sua violenta linguagem-, para con-
summar mais alguna roubos e exlorsoes antes do
seu enterro.
Em Corrientes leve o governador Rolon de ce-
der o posto outro Rolon, com a difereoga po-
rm que aquelle segua as partes da j quasi de-
funta confederarlo, e este aa da revolucao.
E com razio podemos dar j por defunla a con-
federado, pois que o mesmo Urquiza a reoega.
Proclamou este a independencia e neulralidade
da sua provincia de Entre-Ros, at que na rep-
blica se restabelega a ordem ; declarou debaixo
de sua guarda lodos o estabeleclmenlos nacio-
noea ailos na mesma provincia, em penhor do
que a repblica lhe deve; e trata de apoderar-
se ou apoderou-se j da capital da confederarlo
e do terrritorio fedaralisado. .
Mas, por mais que proteslasse que quera a
paz, era de crer que as torcas de Buenos-Ayres.
ou outras quaesquer nao tardassem a invadir-lhe
a proviucia. Pelo menos j por isto principiara
a bradar a imprensa portenhar
Assim, se a posicao desle ciuJiluo nao por
ora lo desesperada como a pintavatn as ultimas
noticias reeebidas de Montevideo, tambem nao
parece por muito lempo sustentare!, mrmenle
depois'que Corrientes, que urna linha imagina-
rii divide d'Eotre-Ros, e donde elle lirava grao-
de parte da sua forga, abragou o partida adverso.
Nao tiobam vindo anda s mos as duas es-
quadras. Buenos-Ayres reforgara a aua, e Ur-
quiza maodava desarmar a delle, ordem que os
ofciaes recusaran) obedecer, o que fez com que
oa peridicos porleobos nao quizessem ver seno
urna larga nesla intimaco de desarmamento. O
commandante das forgasnaraes entre-rianas de-
sertara para o Rosario, sendo substituido por Car-
nero.
Tudo nos deixa, poii, ver ura prximo desen-
lace.
Entretanto continuara regular em Buenos-Ay-
a
ii:.
marcha administrativa, renascendo a con-
loo o favor das noticiaa do theatro da guer-
imando-se o commercio. De 432 pe -
kam as oncas abaixado a 398.
epuiados discuta o projecto
r%f fundos al o valor de.....
.el, que se venderiam ao par
*mp
ao auno.
tiHe ncupava-se com a
e Cuasi aas.queeacon-
iiauhu
>
M
Uruguay,
Da ordem
tem pela repartida
o seguiole :
Tendo chegado ao co.
teoenle-general marquez oc
do conselho de ministros, ministro' aecrc
de estado dos negocios da guerra, q x:. Sr (
ronei graduado Joo Francisco Meno. Barreta,
sendo autoriaado para despeneer a quantia dj
2:350 com a cooclaso e reparos dos barraco,
construidos na Tapera do Trllha, e qne serrem de
aquartelamento ao 2o regiment de carallaria li-
geiraaobMuinterioocommaodo.deixra de rece-
ber aquella quantia, levando a efleito as mencio-
nadas obras sem dispendio algum dos cofres p-
blicos, manda elogiar o mesmo Sr. coronel por
ease serrino que prealou, zelaodo os iotereises
da fazeoda nacional.
JVomeafdas.Do Sr. mejor do corpo de esta-
do-maior Qe 2a classe Sebastiao Antonio do Re-
g Barros, para rojal do conselho administrativo
de compras para fornecimento do materui do ex-
ercit de arsenal de guerra de Pernamboco.
* :.tt">>01 ridullo do corpo de engenhei-
roa Jos Mara Jaciolho Rebetlo, pera o lugar de
proiessor da cadeira de mathemalicas applicadas
da academia da belias-artes. Decreto de 30 de
noveabro fiodo.e aviso do ministerio do imperio
ue li da dezembro crtenle.
t Dos Srs. 2" lenles de corpo de ariilhars;
d Amazonas MacrinH-soeadio Ferreira e Silva,
serafim doa Aojoa Alrla-fvieLlbeophilo Car-
doso para os lugares, 1 dTijWaBle, o 2 de
quartel^estee. o 3 de eecreario d mesmoj
e Do Sr. alftres do V batalbao de rofantaila
Joao de Castro e Silva, deste balalhao para aquel-
le eorpo. Decreto de 14 de dezembro correte.
c Dos Srs. capities do corpo de guaroQ&o de
Minas-Geraea Jos Henrique de Souza Aginar,
para a 6* companhia do batalbao de caladores de
Halo-Grosso; e deate balalhao para a 6' com-
panhia daquelle corpo, Antonio Alexandrino do
Mello. Decreto de II de dezembro correte.
- 25
Pelo paquete vapor Api, entrado dos portos
do Sol, recebemos dalaa de Porta-Alegre al 14,
do Rio-Grande at 18 e de Santa Catharina ate
26 do correte.
Continua va m as sesses da assembla provin-
cial rio-grandense, tendo j paasado em 3* dis-
cusso o projecto da fusgao da forca policial. Oa
debates tinham sido animados nos ltimos diai,
discutindo-ae um requerimento relativo actos
pralicadoa pelo juiz municipal de S. Gabriel.
No dia 2 abrira-se sa capital ds provincia a ex
po9icao industrial e agrcola, qual concorda dia-
riamente grande numero de visitantes.
Sobre esta occurienca diz a Ordem:
A' chegada doa Exms. Srs. bispo diocesano,
vice-preaidente da provincia, assembla provin-
cial e mais convidados, o Sr. Cerdoso de Salles,
vice-preaidente da commlsso directora, abri a
sessio inaugural, seguindo-se pelo secretario, o
Sr. Nery, e leitara do relatorio doa trabalhoa, e
depois um discurso do Exm. Sr. rice-presidente
da provincia e presidente da commissio, anlogo
ao aeto.
a Terminado este discurso, tomou a palana o
Exm. Sr. bispo diocesano, que em pbrase clo-
quete, erudita* e ebeia de uocco evanglica, fez
sentir quanlo o christianiamo influe em todos os
progressos, e quanto as corporales religiosaa ti-
nham por sen turno coadjurado a agricultura e
industria. Termioou com a benqio doa objectos
da eiposicao, que pasaou a examinar acompanha-
do do Exm. Sr. rice-presidente.
Dentro do edificio tocara a musiea do Sr. Me-
danha, e fra a dos menores e do V batalho de
iofaniaria.
O concurso foi numeroso e parela alegre-
mente sorprendido por aquelle novo espect-
culo.
c A nona primeira exposic&o excedeu todaa
as expectativas, pelo numero, vatiedade e mes-
mo primor de algans objectos.
c Nao nos possivel ainda dar urna noticia mi-
nuciosa de todos elles, visto que oem tivamos
ainda lempo de os examinar, nemest feita a sua
classidcagio, sem a qual nao possivel ama des-
cripQ.io methodica.
< Grabas Deus, j a nossa exposico ama
reildade.
e J nao*illu>tram nicamente o paiz as lulas
intellecluaes que nada valem quando se nao tra-
duzem em lacios.
< Alargou-se a arena para receber lutidores
de todas as classes, consignando todos um pre-
mio aos seui estorbos e urna corea aos sena trium-
phos.
Segundo o discurso do Sr. aacretario da com-
misso directora, foram expostos 580 objectos,
que a meama commissio classificou deste modo :
Ia secgo, productos oaturaes........... 43
2a productos agrcolas........... 150
3* productos mineraes.......... IOS
4* productos manufacturados e
artsticos................... 281
O Corrtifi do Sul, referindo-se misso apos-
tlica de queja demos noticia, diz :
Domiugo passado abri S. Exc. Revm.a mis-
ao apostlica, quo confiou ao zelo do reverendo
padre Caetaoo de Xroiua.
* SaExc, precedido djs
Cecilir, Rosario, Almas e Sacramento^ conduzio
sob pallio rxo a imagem do Cruxificado, cercan-
do-o e precedendo-u o clero da cidade e seus se-
minaristas. -
A cathedral estar hea. A' cuito rompeu
o prestito episcopal al a capella-mr, e ahi o Sr.
bispo, exhortando os diocesanos a abrir os cora-
coes palarra divina, mandou lerar pelo Sr. pa-
dre Veras a imagem ao Rer. missionario que oc-
cupara o pulpito, e declarou a misao aberta em
toda a diocese.
Desde eolio o Rerm. padre Caelano lem pre-
gado de manhia e de tarde, sempre com nume-
roso e ltenlo auditorio; figurando entre este
muitas notabilidades polticas e iliterarias, e a
mais grada roda da cidadp.
Havia em Porto-Algre noticias de Algrela al
22 do. pasado. Na vespera tinha sabido para S.
Gabriel o 3" regiment de carallaria, comman-
dado pelo Sr. tenenle-coronel Peixoto. Grande
numero de habitantes acompanhou aquelle corpo
at ao primeiro pouso, e ofereceu-lhe ahi um
janlar em nome do commercio.
Do Rio-Pardo tioha-se recebdo urna noticia
que causara grande consternarlo.
rSabbado passado meia-ooite (diz tima carta
escripia redaccSo do Comi), sentio o Sr. Boa-
ventura Nelsis da Cunhs, morador no Iruby, ter-
mo do Rio-Pardo, que tinba-se incendiado, ou
que eslavam-lhe incendiando a casa.
< Acudi ao fogo sahindo porta a bradar pe-
la genle, quando desfecbam-lhe um Uro, e o sem
ventura caluo redondo. V a misera consorte o
triste caso, e corre a soccorrer o marido, e novo
tiro faz urna ora rictima ressupioo....
O acaso linha levado esse dia casa do Sr.
Nelsis urna sus (Iha caaada com um mogo nego-
ciante em Rio-Pardo. Este se alira ao conflicto
para valer ao sogro ; mas ao surgir da porta, ou-
tro tiro o estende ao p dos anteriores, e com-
pleta aquelle quadro horrendo ao clariodaacham-
maa, que devoraram o alrergue da desdiiose fa-
milia que o bacaraarte homicida linha ido ceifan-
do um aps outro.
a Os assassioos fugiram entio, nao noa dizem
se porque a gente da cssa os espantasse, ou ae
porque houvessem completado a obra aangrenta
que al alli os levara.
c A noticia ehegou ao Rio-Pardo domingo pas-
sado larde, e logo na segunda-feirade manhia
cedo segua o delegado policial, o Sr. Dr. Abilio,
com urna escolta de 10 guardas nacionaes e um
official, que requisilra ao commandante supe-
rior da mesma cidade.
Nao sabemos mais nada, nem queremos cona-
ir-nos echo de supposicoes mais ou menos
que ora applicam esta cataslropbe tre-
mo urna viogaoca herdada, ora como
urna looga e complicada deman-
os, porm, que entre ai vic-
1 auccesso dizia-se hontem ter
habr crisola, que fura de-
prebende-se de urna caixs com cognac encontra-
da no mar poli galera trance Margarida, por-
lencente carga daquelle navio. >
A mesma folha di ai aeguintes noticias:
c Na manhia do dia 2 fot encontrado morloom
eu camarote, victima de um ataque de apople-
xia, o capitao da escuna ingleza Princue Roy al,
ancorada do porto do Norte, Sr. Thomaz Harria.
O Sr. cnsul de S. M. B. fez conduzir o ca-
dver para ctdade, dee sepultura no #<-
Varo dos ffkt9.*t$$, awistiMo ao soterr mut-
*a capilaec a navio.
a Cartas 4e Sania Victoria do Palmar ana di-
tero que o nosso rlee-opniul 4a Maldonado van-
deu todos esaalvadoa do caioo do grande tafor
de uerja naufragado /areiwu; seu djous
granJei*icalereaaalva-ridaa, dous botes e ma
linda canoa do commandante, tudo em perfeilo
estadsjjpelf ridicula quantia de 15 eneas ou 480J
d nosiaoeda I
a NingueOl Soube do semelhaute renda seno
depois della estar realitada, por nio ter preced-
do anuuucioa ou editaes pelos quarteires como
de costume.
Dizemt-008 que fiaviam muilos pretendentes
aos escaleres, e nio menos aos botes, canoa e aos
muilos prajpche*, e mais madeiras de ralordo
casco do vapor: no que se leria aperado mais de
tres coolos de rea, se nio fosee- essa renda feita
com lauta pfteipitagio e falta de regras eatabele-
cidas em taea casos.
< Nossas cartas nio culpam ao Sr. rice-con-
aul; lamentara aomeote o trille m que lireram
os restos do Paraguass, e a boa f daquetle
agente braseiro, que por falla de pratica deixou-
ae iiludir.
a Seriam duas horas da tarde, quando, eahlodo
inesperadamente um forte e continuado tufiode
renlo, se eneaminhara de noiso porto para a bar-
ra em seu pequeo bote o pratico Sr. Joa Pa-
dilba, e nao podeodo resistir i tanio renlo e mar,
IofoUgdequemfaUar,
Ao $tr*9 do sulto-,
Chopo Broceiso. ou prifio,
E pr Iro, pobre coitaao I
Val para a pra* m
A carne podre m-r
Ao pobre poro f\
Creii, sargento,
A onde ei
Mora serapri
Azeite doce
Vinagre fila
oca^zinfcamo!
A ma
Fedendo
foi deagragadamenteaubmergido pelas ragas, aem
que at o momento em que escreremos estas li-
abas se saiba o flm daquelle infeliz homem, que
nao pode ser outro sanio o de urna morte deses-
perante e lamentare!.
Ao negociante nio matriculado desta prac,a,
Sr. Jos Moreira da Coala Sol, foi aberta a fallen-
cia, i seu requerimento, pelo juizo do commer-
cio da segunda vara.
A reuoio dos credores est marcada para
quarta-feira.
L-se no Commereial de 6:
< De Jaguaro. Hontem ehegou o vapor Rio-
Grandtme, pelo qual recebemos A Lei e carias
do nosso correspondente com data de 3 do cor-
rente. /
* J tinham priucipiado aa matanzas por aquel-
lo lugar, aiada que em pequea escala. Os ga-
dos estavam regularmente gordos e a eslaco
corra muito bem. O morimenio commereial era
muilo limitado e pouea coaftaoca baria na praga.
< Muito breve se esperare naquella cidade o
chefe de polica, Dr. Xarjer da Cunta e Dr. Aril-
la. A preaenca de chele de polica loxiiava-se
muito neceasaria por cauaa da desorganisaVao em
que eslava esta ramo do serrico publieo.a
No dia 17 celebraram-se missas na igrjfdo
Carmo por alma de S. M. o Sr. D. Pedro V, tea-
do sido convidadas pelo rice-consulado de Por-
tugal para acompanbarem os subditos portugue-
zes naquella solemnidade, a cmara municipal,
aa autoridades ciris e militares, a officialidade da
guarda nacional e da primeira linha, e todas */
pesise de coosideracio residentes na cidade. j
Na capital da provincia annunciavam-se tam-
bem exequiaa solemnes ordenadaa pelo respecti-
vo agente consular.
Recebemos folhas de Mallo-Grosio at 10 do
pasudo. Nada occorrera do importancia.
J era alli sabida a noticia da exonerarlo do
Sr. Aleocaatro e da aua subslituicio na presiden-
cia da provincia pelo Sr. eonselheiro Ferreira
Penna.
/
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA-
danta do meaaae belIThio.
Do Sr. alferee reformado do exercito Justo
da FratUaMeseareabaf, para o lagar de porteiro
? 2*L*al,xU*T m,HUr a* Provincia do Rio-
Wraaaa em Sal.
gaa Sra. dotatore em medicina Evaristo No-
*??% Onrma Fredenco de Camlho SIJt,
Paran i, e se
ourir o ri-
que d9^H bM batalha,
grande eitnB (ronieira
Ha loda
publica, pois no cas de
cont-la, por acbar-ae.esta k~ :i"roI!a
linha, e guarda nacional JeaUceJa em M^k|
estado de disciplina, sem armamsno e ora*a-
aa(ae.
Fui removido o bacharel Joaquim do Reg Bar-
ros, promotor publico de Florea, psra igualHgar
icmandalei de Saat n comarca do Benito.
Foram nomeados' commissaiios do gorerno
imperial nesla prorincia, para examinar e tomar
conlas das deapezas com a conitrucgao das dille-
rentes seccoei da via frrea, bem cmoda reeei-
ta e deapeza do respectivo coateio, oa Srs. eoge-
obeiroa Buarque de Macedo e Martioeau e escri-
turario da theaouraria de fazenda Jos Francisco
de Sales Bariera.
Eitei commissirios derem funeciooar de com-
binado coa oa da companhia, e Ihea recom-
mendada a prompta e exacta liquidicao daa refe-
ridas coalas para oa lins convenientes.
O Sr. mejor do estado maior de segunda
classe do exercito Francisco Camello Pesaos de
Licerda, secretario nomeado para o commando
daa armaa deata provincia, aendo feilo sua apre-
senlaco no quartel general, assumio as funces
d'esse lugar. '
Domingo ultimo foi no Monteiro tirado do
rio o cadver de urna moca, que se afogara. Per-
teocia ella a urna familia dos Apipucoa, aoode
morara, e aoode tambem tere lugar aeu misrri-
mo lim.
Remettem-nos o aeguinle communicado,
qne damoa em suas proprias palarraa, aem modi-
fica;io alguma, nem responsabilidade moral de
nossa parle :
Um fado bem curioso pela aomma de mora-
lidade, que de ai resceode, se acaba de dar no
dia 25 do crreme depois da missa do gallo.
Ha um cerlo lugar bem perlo das etlacoea
da ra frrea urna igrejioba, oa qual a raspectira
irmandade mandou celebrar pelo aeu capellio a
mista de natal, tendo a generoaidade de ofere-
cer-lhe, para aeus pastis, o que rendette a tai-
va. Ftodo o tanto sacrificio, tomou em suas
mos o digno capellio o emblema de Deaa Meni-
no para di-lo a beljar ao poro, como de cos-
tume, e um deroto irmio da predilecta salra.
< Urna aenhora quo caaada com urna pessoa
que lem o cogoome de lugar em que eata histo-
ria aa deu, querendo tambem offereeer a sua es-
mola para o Menino Deua, approximoo-ae ao ir-
mo da aalra, e lbe pergunlou ae deaeiando ella
dar somente quinheios res de esmola, poderis
ser acce.ta a nota de mil ria que apreaentsva,
retirando a moeda de quinheolos ris em prata
que via na salra, o que lhe foi respondido pela
aflirmaliva, maa eia que ao vericar-se o troco da
sedula pela moeda, acode o nosso bom capellio
com ama das suas escoltadas, e aeostemadas, e
assim se exprime:
Isto nio se asa O dinheiro que cahe na
salva, aagrado III nio codsoIo, Rio pesio con-
sentir mesmo, que isto se pulique em miaba
presenta III
< Ao ouvir esta repreheosao a excellentissima
tenbora deixou canir de novo na bemdila salra
a moedi retirada, deixando costra oa dictames
do teu coracio a sedula de mil ris para os pu-
len do reverendis8imo
c E o que fazer-ae? Coda-lo apenaa como ahi
Oca.
A' reapeilo do que j deixamoa dito relati-
vamente easa construeco, que ora ae faz aa
ra do Pilar, addiciooa alguem, que cmara
cabe a responsabilidade della ; ralo que da mu-
nicipalidade parti a permissao dos coocertos da
mesma, ao passo que ae preterio atiim ao Sr.
Jos Goocalrea Bellrio de aaer ou mandar cons-
truir a aua caaa no alinhamento daa demala da-
lla ra, como estavam as que elle demolira
de levantar a aua propriedade.
occorre indagar se de faci da con-
para coocertos, decorre aquella
Estamos s com dous juizes municipio His-
pientes em exercicio, porqueulo o juiz de d.reilo
suspendeu oa qualro primeiros, e alguna asto
aendo processados.
t O Sr. coronel Fernandes pblere tres meses
de licenga : passou o comotaiula superior ao Sr.
tenenle-coronei Joi JoaoUn d'Aiiumpcio, e o
da fronteira ap Sr. c.piU-^iaardo. >
bobre o navio naufragado Jt>ue luppoe-ie per-
teneerrm os muilos destrocos qaaaeaaa ppareci-
do em tods a coala do Rio-Grande, da o Diario
desta cidade de 4 do crrente :
. \ ,t*Pho da^Jjarca porlugueza feertto, en-
trada de Montevideo", Phque alli corra a noticia
de ler-to perdido urna galera (ranceza com car-
regameolo de vinhos, varios geaeroi e 120 pai-
sagelros. ^ "
O mesmo capilaaem ia riagem eneonUoa
Pipas e caixoes boiaodo, assim como alguna or-
pos.
< Corra all que o navio que jeMa-aa perdido
"" fnceza Mutt Pacha, aahida do kVw-
doi Pfrj^uonos-Ayre de afMlo; tala e-
*r*f.
do ei
proporrdeiV
qu existe iiisp1
Jotera i,ua
l leria, n ** pn
Reco
riel Peticba
Goo*
~ toda
fazer urna ora edificacio, sem
lentes, nem observancia do
i respeito da ma-
i porta que o seja.
< carta do fur-
Esla carliuiis
E' lestemuoha
Do nosso feio
Houve aqui recrulamento,
Como ninguem nunca vio
Muita erijo, desafio,
Alm de ser por uaanca
Ojogninho da vtngaaca,
A casa 4o cidadao,
Sem reserva varejada-
A conttiluicao pisada,
A audacia goveruando,
Otcaaioasa recrutaadoll
Vfc
As ruis chelea de Uto,
Serrindo de aalgadairas,
Velhacadas, ladroeirai,
Sambiohas, deraaaid&ai,
Porcoi, cabritos, leudes!....
Muito menino peralta,
Muilo ladro de quintal,
At o proprio fiscal,
Furia a Itnha do cercado,
Onda j foi agarrado!..
O jury do Apody,
Foi aargento asiigoalado,
O innocente e culpado,
Soffreram sem distinti.
Severa condemnagio!
A dama do municipio,
Acabou auai ses-es,
Eu ri bellas discuss&es.
Sobre o local maia azado,
Para a praca do mercado.
Querem uns que n'alagda
Oulros juntoJia matriz,
Maia oeobum sabe o que diz,
E se ha de harer asoeira,
P'ra que negocios de feira 1
Eu fallando por tuetaphora.
Vejo em tudo capiaga,
O pobre poro quem paga
Tanta sandice, ssrgento,
Com o fulano sustento J
A noisa grande mutique.
Val assim.. que cassuadas !
Rabecas desafinadas,
Clarinetas, rioldes,
E bellas variacoet! I
De Porlslegre nio ha,
Cousa qu'attengio reclame,
Muita fome, pouco rame,
Muila sede, pouca gente,
Que nio goile de agnardente.
Pao doa Ferros se prepara
Para a lula d'elei;io,
Creio muito, com razio,
Que o sul aem guerrear
Ha de por m triumphar.
Os carracet eu desmancho,
Com um espirro, sargento,
S'eu nao fallar arrebento.
Contra quem chupa calado,
Um oleoso ordenado I
Creou-se a ora comarca,
Chamada de Mossor,
Foi miozinha de guig
Para quem ? nio aei, sargento,
Pois nao houve pensamento;
Foi removido o Delfino,
Segu para Pao do Albo,
Canio-lhe o doce no coalho,
E ebegou a remocio,
N'uma bella occaaio.
Foi aqui muito querido,
Muilo bem conceituado,
Excellente magistrado,
Juiz recto, juiticeiro,
Muito sincero, e faguelro. '
Esqueci-me relatar-lhe,
O Inumpho da Thereza,
ConAp# a razio a riqueza
Cornee a aqui no serto
A perder a presumpeto.
Que Daaco I Que ehurrio I
Para oa taea falsos seohores.
Agora lado tremores,
Tudo queixas, tudo offensa,
Contra tao justa senleoca.
Emim, a penna levanto,
Embora contra a vontade,
Eu sou cnrjjp.aquello rade,
Que tantas horas pregou,
Qu'at sozioho ficou.
Algumas queixas ouvimos na terca-feira
contra o fechamento da mala do vapor Oyapock,
Sa lt horas da manhia, devido a ter de sabir o
vapor s 5, em coosequencii da mar ; mas, ha-
vendo S. Exc. o Sr. preaidente da provincia,
mandado espadar a sahida para as 5, a agencia
recebeu todas as cartas e jornaes que lhe foram
apresentados, competentemente sellados, fazeo-
do-os seguir pela mala especial, que alli costuma
baver.
Seguio no Oyapock, afim de tomar conta
da presidencia do Rio-Grande do Sol, para que
foi designado pelo goveroo imperial, o Exm. Sr.
desembargador Francisco de Assis Pereira Rocha,
com aua Exma. familia.
Nsibe desejamos prospera e feliz viagem, e
que nenhum bice encontr na nova carreira que
vai encelar, aendo comprehendidoe devidamen-
le apreciado por aquelles cujos deslinos vsi di-
rigir.
Remetierais-nos o seguinte, que publica-
mos, para que se deem as providencias neces-
sariaa:
c Sr. redactor da Revista Diaria.Por amor
do tramito publico pego a Vmc. que chame a at-
teneio de quem de direito for, aobre o abuto
que praticam os arrematantes das barreiras naa
estradas da prorincia.
< O regulamento de 23 de agosto de 1859 diz
no art. 11:
O arrematante ou administrador da berreira
nio poder sob pretexto algum conservar o
respectivo porto fechado, quer durante o dia,
quer de noile, salvo o caso em que, como me-
dida de polica, ou seguranza publica, receber
ordem superior por escripia.
c Entretanto conitante a pratica de fecha-
rem-se as barreiraa at de dia, com interrupgo
do transito, quando isso coorm aos recebedore
para melhorcobrarem o aeu riotem. Durante a
noile quasi todaa sao fechadas, e urna campa-
nha, primeiro que acorde o recebedor e veoba
abrir o portio I
Ainda ha coma de 5 dial, havendo um in-
cendio em Jaboatio pela volta das 9 horai da
noile, e querendo as pessoas que moram equem
da barreira prestar os seus serrigos, ou deixaram
de o fazer, ou lireram de galgar o porto !
Quem o inspector ou fiscal desse servigo ?
quem deve tomar coohecimeoto do abuso dot ar-
rematantes 7
Parece que doto ser o director das obras pu-
blicas, [art. 6) oa 0 inipecloc da thesouraria pro-
vincial. A qaalquer delles pego prorideocias,
ou pedi-las-hei ao 3r. presidente da prorincia.
c 0 viandante.
Somos informado! de um faci que Unto
abona a regularidado da marcha da jusliga, que
nio podemos deixar de traze-lo ao dominio pu-
blico.
Francisco Antonio de Souxa Braga, residente
ha cerca de 20 aonoi nesta prorincia, contratara
matrimonio com nma tenhora que ainda hoie se
conserva na ana do Caldereiro, sendo padrinbo
deste acto o Sr. Antonio Vital de Oliveira, mo-
rador i ra do Livramento, e o Sr. alfares Gal-
rio, morador a ra do Padre Floriaoo.
Constando-not por foole segara que o meazao
Souza Braga riera esta cidade ha carca da 5
annoi distruir o assento do caiameato aflm de
efrectuar outro na provincia da Babia, e rea-
lizando niqaella prorincia novo casamento, como
o attestou em juizo o Sr. Dr. Pedro Antonio Ca-
r, entrou o Sr. r. promotor publico por lriai
averigaagdes que o lerarim dlrtglr-aa i auto-
ridade competente, requereodo a prsio de Son-
te Braga e a instiuracio da competente procesa.
Em vista de um offlcio do Dr. chefe de polica
Baha, cuja leitura nos foi permittida, pode-
afRrmar que o novo bigamo est sendo con-
processado, devenda aer lubmetlldo i
oto na prxima letsio do jtfrjr da copi-
aste iriumpho da accio da Juetjca, ejiclla-
ao Sr. Dr. Gnimio Lobo, promotor publico.
ncettttoi hojeen a ooni o tara paglrra, o
lindo romance histrico a de costumes do Sr. da
Goodreeourl, e para elle chamantos a alleogiorta
nossos leilore, para que Dio percap o prefacio
que, parecenao enfadonho, entretanto a chave
de todo o romanc, e o nico meta de bem aa
comprehender 0 aater.
Nos diaeSS a29 do crrante foram reco-
lhidoa a caaa de detencio 21 homense 7 mulhe-
rea, aendo 19 lirres a 9 escraros, a aber: a or-
dem do Dr. chefa da BoliceAri liJttMiMn. di'
gido do 3o dtits WL$ tWm ad
do Recife 4, il TesiflUo di
'Menoel Civaluat da
de Santo AntalHf 3, hBsMM P4s
erara de D. H*vain(flKeKbpMrie}l
eicravo de Antonio ifiqajiaa "^Sefe, a rdem
de S. Jos 5, inclusive o lajgp Maooel, aacr .
de Fernando de tal, e ocrioulo Remigio, escravo
do padre Gervasio, a ordem do da Boa-visia 5,
inclusive oa crioulos Fellppe, eicraro de Fausti-
no Jos dos Santos, Raymundo, escraro do Dr.
Jos Sergio Ferreira, Benjimio, escravo de An-
tonio B. Rodrigue! Selte, e Mara, escrava de T.
II. Damayer, a ordem do da Capuoga 3, e a or-
dem do do Pogo da Paoella 1, que o cnoulo
Vicente, escravo de Joio de Carvalhq.
O vapor Oyapock, tbido para o porloido
aul, conduzio a sea bordo os seguales psiia-
geiros:
Simio Sampaio Leite, sua senhora, 1 filno, 1
cunbado, 1 ama e 3 escraros, Exm. Sr. desem-
bargador Francisco de Atsls Pereira Rocha e aua
familia, Nicolao Mineo e nm fllho, Antonio Mi-
gliado &., Juvenal de Mello Carramanhos, Jos
Antonio de Paiva, Joio Baptista de Caatro, Joa
A. de Magalhaea Csslro, Melcades A. de Azeve-
do Pedra, e em escravo, cadete Maooel da Parla
Lemoa, Maooel Rodrigues Villar e um escravo,
M. Antonio Walfteon, Luiz Francisco Henriquea,
tenle Antonio da Rocha Bezerra Cavalcaoli,
cadetea Bernardo Rabello da Silva Pereira e Joa-
quim Mara da Cunha, Dr. Antonio Caelano Se-
ra Navarro, aua senhora e ama escrava, Jos de
Souza Magalhies, Lourenijo Antonio Dtaa, Anto-
nio Googalresdo Mego Vianna, Francisco Jos de
Alencar, C. R. Teuck, Dr. Epifanio Bittencourt,
sus senhora, um filho e 1 escravo, Joa Rodri-
gues Vlenos, Lourengo Bezerra Caralcanli de
Albuquerque Laeerda e um escravo, Guiomar Go-
mes da Silva, Vicente Pontea de Oliveira, Ha-
noel Gomes de Oliveira e aua aenhora, Jos Ma-
ra de Carralho Juuior e um criado, Joao Luiz
Gongalrea, Jos Msria Pereira, G. A. Sucow,
Joaquim Antonio de Moraes, 2 soldados e 6 es-
craros a eutregar
Movmeolo da nfarmaria da cata de deten-
cao do dia 31 de dezembro de 1861.
Tiveram baixa para a enfermara :
Mauoel Gomes da Silra Jnior ; colite.
Antonio Pereira da Silra ; ulceras venreas.
Andr (escraro de D. Leonor); chagai.
Vicente (escravo da Joio de Carvalho Paes de
Andrade); febre. a
MORTALIDADE 00 DIA 31 DO CORRERTE :
Eugenia, Pernambuco, 1 mez, Santo Antonio ;
espasmo.
Francisco,Pernambuco, 4 mezus, S. Jos; gas-
tro interite.
Joao de Pioho Borges, 56 annos, solteiro, Boa-
viala; amolecimeolo cerebral.
Serrulo, Pernambuco, 8 dias, Boa-rista ; ttano.
Mana Seoborioha Bandeira de Mello, Serinhem;
um tumor maligno no estomago.
Mortalidade do Io a 31 de dezembro de
1861: 48 homens, 39 mulheres, 56 prvulos li-
rres; 12 homens, 12 mulheres, e 9 prvulos ei-
cravos. Total 176.
3333S8S=^nEt
ao ralbo, deipontou boatem ao
o aova aaaa da 1MB,
; correr coma
coso am desojo ejao
damaa principio bata
ilicos ; e com ellas
ivo aono de existencia
tica, na irapi
conquistado ama repataeJio par
principios de terror ao Mtt geral da nacia, nao
intereisea peculiares dos Braaileiros, coi '
e harmoarisadoa como derem ser.
Solcitos, como haremos sido, no
dos oous, que ligam-sa rida do escriptor pa-
blico ; reitnctoa observador*!, coaaa taaaa-la
lambem sido, dos compromiaaos que ne meamos
temos cresdo e nos haremos imposta eas aadaa
longa rida joroalislica ; disparaos ora deate eeo-
digio, para offerecermo-la em garanta 9 patu-
co, sem que esregamos portanio acate rnaasaato
de deifizermo-ooi em promessas, que no dia se-
guinte, pode muito bem ser, tenham de nulli-
csr-se.
Se todaris esta peculisridade oa aa taaa cir-
cumstanciaa forram-nos oa eximem-nos de ama
protestacio desta ordem, nao nai dispeasam aa
entretanto de fatermoa sentir aa publico, qaa, aa
prosecugio doa nossos trabalhoa no correte an-
uo, continuaremos a desenrolrer a nossa sclci-
tude e a desempenhar os deveres qaa delles de-
correm, esperando niilo ame correspondencia
exacta ; pois que della resultar iguslmeate o
ficarmos habilitados com suficiencia para aquella
observancia.
Terca-feira j s oito horaa da noile fuodeoa
em nosso porto o vapor francs Bxlremmdure,
vindo do Rio a Babia, adianlando cinco dias do
primeiro e um da segaoda.
Sob aa rubricaa Exterior e Interior socoatrarao
os leitoree o que ha de imporiaote do Rio e pro-
vincias do Sul; quanlo Babia nada occorrea
depois da sabida do Toeantitu.
CAARA MUNICIPAL DO RECIPE.
4* SESSAO ORDINARIA AOS 18 DE DEZEMBRO
Presidencia do Sr. Barros Reg.
Presentes os Srs. Henrqaes da Silra, Reg,
Ser, e Mello, abre-se a seasao, e elida eap-
prorada a acta da antecedente.
Leso o seguinte
EXPEDIENTE.
Um offlcio do Exm. presidente da prorincia,
recommendaodo-lhe remenease a cmara com
toda a breridade as'.informsges exigida! naa cir-
culares de 8 de julho e 1* de agosto ultimo, re-
lativamente a produego agrcola e industrial
deste muoielpio, e bem assim da estilstica da
poulacaa,o da qualidade e valor dos productos
industriaes.Queso officiasse aos scaes, orde-
nando-Ihescumprissem com urgencia ae portaras
que sobre laes objectos Ibes dirigi a cmara
em 22 de julho e 5 de agosto paaaado, afim de
que se satisfizesse a ordem de S. Exc.
Outro do mesmo, recommendando que a c-
mara lhe remettesse at o ultimo de Janeiro pr-
ximo viodouro o balance, orgamenlo e cootaa que
derem aer annualmente apresentadas a assembla
legislativa provincial, assim como urna exposigio
das necessidades do municipio, afim de serem
levadas ao conhecimento da mesma assembla-
Que se cumprisie.
otro do meimo, dizeodo que sendo comide-
rarel o consumo do tabaco em todos oa pontos do
globo, recelando-se que da aclual guerra dril
dos Estados-Unidos da America do Norte, e do
abandono, em que a cultura de aemelhante ge-
nero tem cabido na Allemanha, reaulte grande
diminuicao na tui produegio, recommenda, em
rirtude das ordens imperiaet, que a cmara en-
vide todos os seus esforgos para que oa lavado-
res deste municipio se empregaem com a maior
eficacia no cultivo daquella. planta, que aem du-
rida compensar em innumeias vantagenaos sa-
crificio:* que izerem.Posto em diicussao. deli-
berou-ae que se publicaste o offlcio de S. Exc.
noi jornaes, e que se animaise a lodos es lavra-
dores desl municipio a concorrerem com seus
eiforgoa para o bom resultado de urna medida de
tanta vantagem pira o paiz.
Outro do mesmo, duendo que psra resolver
acerca da reflexao que fez a cmara em oficio de
6 do correle, com relacio ao cumprimento da
ordem de S. Exc. de 4 do meamo mez, conven
queso lhe informe se a obra da eatrada do ma-
ladouro publico desta cidade, contratada com
Jos Augusto de Araujo ae acha em execuco.
Que se ioformasse a S. Exc. que a obra da ea-
trada de que se trata, logo que foi contratada te-
re principio a sua execugo, e acha-se feita quasi
urna parte desie trabaiao.
Outro do delegado auppleote do primeiro dis-
tricto deste termo, commuaicando que tendo (ti-
to des riiitaa sanitarias nos diversos estabeleci-
meotos publicoa desta cidade, ae mandaise pa-
gar aos Dri. Jos Soriano de Souxa, Antonio
Agripino Xarier do Brilo a Joaquim da Silva
Guimio a importancia daa metmaa visitas.
Poslo em discussao, resolrea-ae responder ao
delegado que lando a cmara empregados seus
incumbidos das risitas sWrtarias, s aos mdicos
que a eales acompanham que tem obrigagio de
pagar as risitas, e nao aquellos que para ene Bm
sao chamados ex-of&cio por outras autoridades.
Outro de eogenueiro cordeador, informando o
requerimento de Jos Augusto de Araujo, que
pede para ser examinado a recebido o primeiro
tango da estrada do matadouro publico, declara
que o dito primeira tango da rxeima estrada est
completo, maa nao aperfeigoado, pois falia-lhe
ser abaulado, e observa que esse abaulamento
aio pode ter lugar agora, riato que o peticiona-
rio eati aterrando o que falta da dita estrada.
Mandou-se pagar.
Outro do mesmo, communicando ter recebido
ordem para mandar construir urna pontezinba
que dsie passagem da liba doa Ratos para a ra
do Hospicio, e tratando de execntar eaaa obra,
obserrara que aa aguaa corriam no reipecliro ca-
nal com grande rapidez, e que a largura delle
aproximara-ae da 80 palmos, reolveu dar-lhe
maior solidez do que ae principio julgava aecaa-
saria, e contratou a execugo da obra com o mea-
.re carpioa Rufino Maooel da Cruz Cousteiro, a
quem mandaste a cmara pagar aadespezas con-
forme a conta que remeltii.Ordenou-se ao pro
curador que pagaase.
Outro do mesmo, declarando tor-se dirigido s
ras do Rangel e da Praia para medir o bacco
que atrareaia de urna para oalra entre aa easaa
na. 26e 28 na ultima dealas ras, achou que a
sua largura de aele palmos e algumaa polegadaa.
Que se officiasse ao procurador para receber de D.
Mara Joaquina do Patrociolo Dutra melad* da
quaaiia offerecida por palmo de terreno queoecupa
a dita ira veas, e nesle sentido deapachea-se a
peligao. ^.
Outro do procurador, communicando la aid
julgada no tribanal da relaco, favor da cma-
ra, a questo que contra a meama mova Basilio
Aires de Miranda Varejo.lotejrad.
Dipacharam-aa as pelicoes ddFraociaco Ma-
noel Cuneiro de Cunha, Jovial Bandaira eVa
Mello, Dr. Joio Nepomueaoe Diaa Fernaniea,
Jos Augusto de Araujo, ManasU do Mascimts-
Rodrigues fraaga, Ur. E|dowda JUabyde Lo-
Moscoso, Zefarino DiasJJarreto s teraolou-se
sestao.
Eu Fraocisco Canillona Boa-Visgem, official-
NOTICIAS COMMERCIAES.
Montevideo, 16 de dezembro de 1861.
Cambios.Sobre Londres 42 d. por peso,
a Sobre Fringa 81 fr. por ooca.
Sobre Italia 83 fr. por onc.
Sobre Rio de Janeiro 30)500 por
onga.
Fretes.Inglaterra, 40 ib. couros salgados, 80
sh. diloi leccoi, 42 ib. 6 d. pipas de sebo e gru-
a, 30 sb. fardos, 25 sh. toos. ossos, 90 sh. cha-
ires e 5 por ceoto de envoltorio.
Himburgo.40 sb. couros silgados. 80 si., di-
tos seceos, 35 sh. fardos e 5 por ceuto de envol-
torio.
Havre.45 fr. couros salgados, 90 fr. ditas sac-
eos, 50 fr. fardaa e 10 por cento de envoltorio.
Estados- Unidos.Meio c. couros seceos, 1/4
ditos salgados, 7 palaces fardos e 5 por ceato
d envoltorio.
Havaoi.7 rl. quintal de carne em navio has-
ptohol, nominal.
Brasil.Carne 4 rl. para o Rio, 5 para a Ba-
ha e 6 para Pernambuco, 3 1/2 palacea pipa a
5 por ceoto da envoltorio.
Buenos-Ayres, 14 de dezembro de 1861*
Ongaa vendidas, 25,156.
Vendas dinheiro. do primeiro prego, 3961/2.
Seguintes, 396, 393.
Sabbado 21 de dezembro de 1861^-390,
392 1/2.
Varioa prazoa, 290.
ltimos a dinheiro. 394 1/2.
Rio Grande do Sul, 15 de dezembro de 1861.
Esta quinzena foi importante para a praca, pe-
las arulladaa cotradaa de generoa que boureraat
tanto nos de estira como em outras dirersas
mercadoriai, porem aa rendas tem eido no geral
insignificantes por ettarem quaii todos os arti-
gos, uns em descarga e outros bordo.
O mercado esl um tanto apalhico e pouco ten-
de a desearolrer-se, por falta de pedidos do la-
tdrior.
Assucar.Estere em complete apatbia ; a os
supprimeotos que houreram. una arasazeaaram-
te e alguna lotes foram para o interior. As co-
tagoea sao as da naasa ultima revista, mas muito
frouxas.
Caxaga.Pequenaa rendas de 839000 a 90#000.
Sal.Eotraram 40,000 alqaeires e anda ha
bastante no mar para dianr, ultimas rendas ds
800 a 850 rs. o alqueire.
Xarque.Todo o que ae beneciou das entra-
das da la passada esl vendido, porm realieoa-
se sempre em declinagao, sendo j ss ullimas
compras feitas 2|300a arreba.
As entradas de gados em Pelotas nao tem cas-
cado e conta-se que nesla lea 4a dezembro a
malanga deve exceder a 40 mil rezea, porque
muito gsdo entra do Estado Oriental, afim da o-
ritar o pagamento de direitoa que ae cobra de 20
do crreme mez em dianle.
Gorduras. Vio accumulaodo-ae asistencia!
em Pellas e oulros pontos. Ai rendas alate
qainzeoa foram cerca de duas mil arrobas a 3|80U
a graixa a 59000 o lebo. Tem bavido offerla doa
compradores para graixa e sebo millarada a...
4)300; nio tem sido acaitas pelos iarqueado-
res.
Couros vaceuns seceos. rvaata quintana s
houve um traoiacgio de 3,800 a 4,000 coaros a
barrer a 255 n, a libra. Pelos pesados e esco-
lhidoi tem exigido Os barraqueiros da 295 a 3IC
ris a libra; nada sa tem feita a estes preces. As
existencias boje aio pequeas, porm vio deseen
do partidas de vulto da Campanha atraz das ate-
Ihore cotegee que tea alcancado.
Ditos salgados.Todos os couroa qaa sa beae
liciaram oa lea passada ae compraras, alean
gando os procos da 160 ris os de aovilbo, a 13
ris os de vacca, PareM que nao ha dieposir
dos exportadores para coutinuarem a dar este
pregos, e parte dos que se vio preparar aest
mez estio para dispr. Al noticias recabidas ai
animara a exportacio. \
Cambios.baccaram-ee. ibr LutfS c?i8 090
a 2i}, e 24 5/8. Falla-sedaue houve aoaa iraa-
ncgo reservada um poucA cima daslaa cola-
ges. 1
Sobra Paria siecaram-se 25,000francos em va-
ris quaolia a 3S8 rs.
Sobre o Rio de Janeiro moalam a 195:0001000,
sendo: ""
60:00O000 a 6 0/0, 10 diaa.
10.0004000 a 4 0/0, aJJ
15:000UOO a 3 0/0, M
Fretea.Fretaram-se 3 narioa para a Canal a
52 1/2, 5 0/0 e 60 1/2, 50/0.1 ingles para Nw-
York de 206 toneladas por 550 Ubraa eslertiaas,
1 nacional para Pernambuco eu direitats, por
440 n. por arroba.
16
Cambies sobro Londres, 24 1/2 e 24 5/8.
a Pars, 388.
c Hambargo, 740.
c c Rio ds Janeiro, 3 a 4 pos eento
90 di., 6 por centc 16 a.
a, a Pernambuco, nominal.
Babia, nominal.
Moada nacional papal, 7 V*. a 7
por canta. r
c Oaro naeioaal, 8 O/a
Fretes para a Rio de Jaaeiro, a 300 e 3*0 rs.
c < Baha a 360 e 400 rs.
e < Pernambuco a 500 rs.
Inglaterra, coarca salgado^ 60 li


cate, 17 1/2 S por
5 par ceoto.
c
cento.
_ Bahia, 23 dedettmbro de 1861. t
CamWo.-Sobre Lavsdrea. 26 J/8 d. f*x t*.
Sobre Paria, 8mTm rs. a fr. vm.
c Sobre Hambargo, 670 Ti. m. b.lom.
Sobre Lisboa, IOS a 1111/0 da y>m.
nom.
Moedaa.DoMoa bespanhoes, 31 $300 a 2ttW.
a da patria, 312000 a 3IJ500
' Pegas da 6*40velhis
e deHOOO-
Patacdee brssHetrae, SffOO.
rteipaabona. 9*1.
c masieanoa. l|96p<'
Fretea.Para Bromen e Hambug
nft^rvdar'"" ;-8a1/l
Gi^arallM?7|^aal^to
Canal oa pacta JglM t 65 stb. sor

too.

C
CaatiBiadi %x% .ek. m, um.

------^"Jl^asT-
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO


QUINTA ftUU % 01 JANERO ..

*
A jusli^a
' gocemos, eeja
sacio : assim o diHin ___
W"
e retira, astm a seciedade perece,
'tic nao existe.
W"?p.Pi, oa sua i
n
mencionar > aw u sobbame
cerwienaa abiii neta administra'
Sr. Ur. Amonio liarcelioo Mue*s G
no presiaee*- a> Sea rimo-noi i aomeicle ddojr. Dr. Amaro Jos-
quim Fonsecs da Albu iu-rqye, para delgate40
pelleja do termo e^lsTfspItal, cargo que\ Jomo
uppleale eseccis o ano saohor ka ornes.
"'-dos pelas circumsiaocias que Tarcos tefe-
, nao nos possitel deiiar do dirigir ao Eira.
S. presidente da provincia e ao digno Dr. ebefe
polica, era norae de lodosos cidados ao-
itos, o un i* aiRiiicattTo agndecimeolo por lie
'Mdf omeacao.
3 Sr. Dr. Amara, occtipando eata cargo core
toda a iaieirea e honestidad?, a aom a maiur
dedlcacio, sen 10 como es moco qne reuoe i
itelligecia uma pru lente ecircumspect ener-
ga ; prestando ao publico o maia releraolea sar-
vicos, nao devia por serle aer preterido por oulro
que anda mease de faier-se couhecido.
0 Sr. Dr. Amaro, nesses poneos metes 4e exer-
clcio mosirou que linba a oeeeaasria capaeidade
para boa deeempeohar o cargo que Ihe fui con-
fiado, e conhcendo-o de peno orno o conhece-
reos, podemos fliancr que ella s estimou este
acto do governe pelo lado do testemuuho que Ihe
deu, do aprecoemque liona os aeua boos ser-
TCiiS.
Todos aibomos que os cargos de delegados e
subdelegados de poli, ia oceupados por hoiuns de
prooidade, a Ihes p te servir de n juieijces e
de dis8abores, e nao sao estes horaeoa os que
Procurara occupa-los, maa aqoellea que pomo
escrupulosos sarveea-ae deilea por ura molo de
vida ; coraj escandalosa o infelizmente acontece
por multas parles. >
Otaia qua viseemos preeochidos todos estes
cargos cora pessoas oo carcter e probidado do Sr.
Dr. Amaro.
Ao raesmo senhor agora cumpre-nos pedir per-
di pea liaerdade coa que latvez ofendernos a
su a modestia.
Uta aeniimeoto de prazer nos fez aahlr do al-
elo a quecoslumamos viver entregue j ntre-
nlo asseguramo* ao Sr. Dr. Amaro que fare-
jos votos pela sua conservado no lugar. Assiss
O desejamos.
Juttu$.
COJf Af KKCilO.
Banco do Brasil
. irectoria da caixa filial, saca so-
bre (. Banco do Brasil qualquer quantia
a vist. e ao par. Rectfe 17 de dezem-
bro de '861. -0 secretario, Francisco
Joao d Barros.
.ovo banco
DE
Peroambuco.
E.M 31 HE DEZEMBRO DE 1861.
a presente semana a 10*/*
ao 4 mezas, e a 12 */* ale u
nheiro era contas Corremos
pelo premio e prazo qus so
o auno al o [
ale 6 mezes, e lo
simples oa cora
couvencionar.
teodlmentodo di
dem do dii 31.
Hovlmenl
Volames entrados 1
\ co
tensas
%. .
. 609 24S415
. 9.2678
618 4895-201
alraudesxa.
andas..
eros.. 43
= 43
43
da Europa, ma-
llartins.
i
Volames sahidos co endas.. 15
c > con. eros.. 28
Desear ras;* m hoja tea janeeiro.
Brigue brasileiroBeberiM-charque.
Patacho americaoo Aobi anlertaboado.
srca inglezaTraveller 0ha.
itacho InglezZaro-mere, )rfas.
rea inglezasrahferro 'atvo.
Iinportac
'apor inglez Tyne, procet
estoa o seguiute:
tO calxsa queij'is ; a Perreir,
' aitis diius ; a Taaso Si I'
ditas ditos ; a Krsbbe To-
ditas e 2 f-' -""h & C.
ido lazmJas de diversos tecidos,
eos de sol de seda, reodas. Olas eoutros en-
s, 2 volu mes amostras ; a Joao keiler & C.
caixa relogios, 2 ditas fazeodas diversas; a
ilrtaiilim A C.
inxa c iicadn : a Augusto C. de A bren.
diias q leijos ; a Breuder a Brandis.
lita reinas, 1 dita fazenda de aeda ; a Linden
&C.
Has sidas, 1 dita joias, 1 embrulho amos-
a Sibe Schmeiau &_ C.
iixa mercadonas; a Cmara & Gwimsres.
iu obraa de orate ; i F, J. a S. Guarni.
ilaa manteletes de seda, peales, escuvas, la-
diversos objectos ; a Ferreirs & Araojo.
ards fazeodaa de lia ; a P. Mui.hud.
.-.iixas fazemlas e estufos de algodao, 1 em-
ito amostras ; a E. A. Burle Si G.
aaitaa sedas, turas niercajorlas : Mello
&C.
iia joiaa ; a S. Blum.
ilaa macas culUrmrtos de boho e fazendas de
a Ramos Uuprat A C.
) barra msoieiga, 2 caixas lirros, 1 embrulho
.ostras ; a Saunders Brothers Si C.
uxas obras de ferro, 8 ditas fszeodas de
>, 1 embrulho amostras; a Mills Lstham
ras de ferro. 1 caixa obres de diio, f
ipa, 1 embrulho amostras ; a C. W. R.
n,
a lirros; a J. Canoao.
1 um colchao de mola ; a J. Oliver.
s e 2 barricas queijos o presaales; M.
Ponte.
a chapeos de sol, 2 vetaaes amostras ; a
boa & C.
objecloi do escriptorio ; 1 Wariag Bro-
amostras ; a Aires Si C.
calcado : a W. Raeunson.
roupa, d ditas ooras de ferro ; a S. P.
&C.
oichas ; a alatheus & Rodrigues,
paleta; a Siqeeira.
cha, 3 ditas seltiae: e L. 1. Siqueira
>piaia, la pie etc.; a Marcelino Dornel-
a,
ris man taiga, 1 embrulho amostras: a
s queijos, 1 dita amostras, 2 barricas
.0* ; a Somhall Mellors di G.
. caixa juiae; s Cha. Gordo.
1 embrulho aaolras ; a A. P. de Otiveirs.
1 dilo 4itaa ; a C J. Asiley Si C.
1 caixa roupa, i TObime peciesicos; aj. Whi-
tefleld.
1 caixi roapa ; a Was. Braman.
1 dita proTiaoea; 1 E. II. Bramab.
1 embrulho amostras; a Aikwnght & C.
2 embrulheedesenhos, 9 Totumes amostras ; a
Adamsoa H. A C
1 embrulhp aatestras; a Barroca Si iedeiros.
1 dito dius ; a Rostron Rouker 4 C.
1 dito peno Jicos; a C. L. Cambronoe.
/ dito amostras; a H. Gibaon.
1 caixa oojacius paittcitiaree ; a G. Goaper.
1 dita di toa de esenptorio ; a B.'Poraier & 6.
1 embrulbo arpesiras; *^aton PaUr Si G.
1 encapaoo Urro ; a. A- M. C Soarea.
1 caixa mercadorias; a Caaiu Jnior A C
4 smbruihtts amesUaa; a Psioa Nasb 4 C*
20 caixas saacies; a Loii los a Coala Aano-
1 aixuVeJXo moi/s* i a J. Gati.
a H. S. Euieaa.
lis; 'iN, O, Bibet 4 c,
Do ai. JO ee d-aemaro.
Barca nglsza Conifoaee, para Saudy Kook,
carregaram :
lehlisto* Pmr d C-, 80 saceos 4,000 ar-
rons da aasucir.
Barca 10gl.ua A iza HmrtU, para Lirerpoel,
carregaram :
C. J. Asiley ; C, 1,100 aaccos com 5,500 arro-
bas de assucar.
Bf'gijs logittSavannah, para o Cil, carra
C. J. Astley Si C., 900 siccos com 5.400 arro-
bas de assucar.
Brigue inglez Ueliora, pars o Canal, carre-
garam :
Patn Nash A C, 700 saceos com 3,500 arrobis
de assucar.
Birca portuguesa Graido, para Lisboa, car-
regaram :
Jos da Silva Luyo Jnior, 1,200 saceos com
6,000 arrobaa de ansucar.
Policiano Jos Gomes, 262 saceos com 1,310
arrobas de assucar.
Antonio Alfonso Perreira, 40 ditos com 200 ar-
robas de assucar.
Almeida Gomes Alvos & C, 20 saceos o 4 bar-
ricas de assucar.
Manoel Goocalves da Silrs, 87 couros sal-
gados.
Joaqun Luiz Alvos Visaos, 900 couros sal-
gados.
Patacho inglez tarriet, pars o Canal, carre-
garam :
Paln Nash & C 1,520 saceos com 7,600 arro-
bas de sssucar.
Becebedoria del rendas Internas.
ajeraea de Pernambueo
aeodtmento do dia 1 a 80. 45 018*034
dem do dia 31......6:784j331
51.80-25365
RENDIMENTO DA RECEBEDORIA DE RENDAS
INTERNAS GERAES DE PBrtNAMBUCO DO
MI'./. DE DgZKMBitO, A SABER :
Ronda da lypnuraphia nacional... 21*000
Rendas dos proprios naeionaes.. 490a50o
Poros do terrenos de marinha .. 219g8o4
Laudemios....................... 15U0U75
Siza dos bens de raz............. 6 7429323
Decima addicional das corpora-
les de mao mora............. 4:428$405
Din-itos nuvos e velhos e de
chancellara.................... 634*663
Dito sobre barros do interior. 4S80O
Ditos de patentes dos oCBciaes da
guarda nacional................ 6*000
Diurna de chancellara........... 1:856*350
Multa por infraeces do regula-
menlo.......................... 310*496
Sello do papel fixo................ 4:295*oOi
Dito do proporcional............. 9.979*278
Premio de depsitos pblicos.... 42J:36H
Emolumentos................. 251*000
Imposto sobre lojas e casas de
desconlos............ 17:722*466
Dito sobre casas de movis, rou-
pas, ele. fabricados em paiz es-
tiangeiro............ 2:160*000
Taxa de escravos........-. l:9O8$O0O
Cobranza da divida activa 112*560
Indemnisacoes............ 164*270
51:802*365
Recebcdoriade Pernambueo 31 de dezembro de
1861,
O escrivSo,
Manoel Antonio Simes do Amar al.
Louaulailu itruviaaclnl
Rendimento do da 1 a 30. 108:999*3x0
dem do da 31......; 6.557a9oS
1I5^&728
RENDIMENTO DA MESA DO CONSULADO PRO.
VINCIAL EM OMEZ DE DEZEMBRO DE 1861.
A SABER :
Direitos de 90 rs. por (|) do as-
sucar exportado......... 54:562g506
Dito de 20 rs. por caada d'aguar-
dento. etc...................... 1:116*040
Dito de7 OIq do mel....... I9OOS
Dito de 8 por cento de couros
seceos, verdes e espichados..... 1:533$185
Dito 2 01o idem do algodao expor-
ado............... 2:063*165
dem idem de 5 idem dos mais
gneros exportados....... 508*755
nonata.. 20 rs. por sacca de
aioodao exportado ....... 692$ 480
BScravos despachados............ i:65J|00
o rs. por meta siza do es-
cravos.............. 3:03fi$i00
Sello i de herancasc legados. 12i$620
Dito de t 0| sobre os premios
maiores das l.,i-nas............ 810*000
10 poncento de novos e velhos di-
reitos dos empregados provin-
cues............. 227316
Imposto de 3 por cento sobre a
adividaactiva.................. 223* iOo
Dito de 12 0|0........... 5tjltJO
Imposto de 5U 0|O................ 20i000
Eniolu'iientos de polica..... 8*600
Rcstituicoes o reposices..... 76*060
Multas por infraeces ...... 319*745
Juros da decima.......... 1*6x0
50,0 sobre as rendas dos bens de
raz das corporscoes de mi
morta ........" 1.0039164
Decima dos predios urbanos 45:4335883
Seio U|0 soore o produelo de ca-
da leilo........................
19580
59*00
*9"00
i*
1*iOO t9M0
9 8|(l00 92000
P^30*000 39000
b 459000
120 130
10*000 129000
(a) IftaOOO 18*000
12*000 JiJOOO
89000 IO9OOO
A.
carnada..'
Dita branca..... .
Diia ordinaria /. ....
Dita do Brasil........
l.-nho da ludia..............
Melaco............
Oleo u copahiba ......
Pimenla da India......
Salitre da India..............
Salsa parrilha supeiior.... .
Dita oua raaular.......
Dita dita ordinaria......
Trigo estrangetro ....
Tapioca bes..........
Uwu..............
Urzaia de Angela Bangas-
la suuerior.........
Dita de dita ordinaria ....
Dita de Cbe Verde.....
Vaquetas do Maraohlo.
Dita da Peruarabuco
Exportafio
Aguardante de vioho. Alm. 6*200
Azeite doce.......
< de purgoeira .
A mendos doce fin milo
Baoha de poreo.....
Batatas..........
Cara branca em grumo. .
Dita dita em velas....
199 tollas, 2 calas e 99 fardos de alhos. 50 aecore-
169 Us revasa, 83 pedrea, 99 ol ta da sardi-
IJe 10 u> sinendoaa, tlt -iiss de bata-
190 taa, 13 iierr a 190 calxotes isra 20 volu-
150 mes eiversos.
3*600 Mtanle (brig. poil.) com 47 pipss 16 netas
1J200 ditas 199 barra 1 catxute e 1 aurrela de vlnho,
1*150 28 pipas e 113 serna de vinagre, 1 pipa e 146 bar-
I9OOO fisde aaeite docv-, 50 barris carnes. H de louci-
3**00 nho, 5|de ehourlcu, 113 saccoa de feiiio, 7 cai-
6001IAV d" H2* t5 '' de "O*"". 0 barris de cal,
40 barra 58 barricas e 88 metas Ollas dassrdinhas.
59600,100 saccaa de farelloa. 240 semeas, 308 lagos, 100
** ;*. olaUt. 9 de doce, i gamela de cera.
640
I9200
120
700
2*600
140
l
109000 12*000
7*1)00 99000
7*)0 109500
urna 19 00 liOU
< 1J8O0 29000



a
Ib.
>
B
M
A
A
@

4*HiO
2*500
392OO
320
380
400
110
420
340
7*000
4930o
2|600
300
4*200
360
400
420
Izo
430
380
10*001
20*000
4*000
109000
400
90
4*s00
1*860
710
760
4*000

P.
759000 8II9000
90*000 95*1100
389000 409000
40$000 45*000
Cebolss.
Onleio.....
Cevsda.....
Carne de vacca.
d de porco
Chouricaa......... (
Farinh de trigo..... B 9*000
Milho............ A 370
Paios. ........... Dus.
Presontos......... @
Sal.........Moio 19700
Trigo rijo do Reino.....A 580
Dito mulle......... 660
Toucinho..........(]D _3g800
Vinho de Lisboa tiuto .
Dito dilo branco ....
Vinagre de Lisboa tinto
Dito dito branco......a
Cambioi.
Londres 90 d|d......53 3/8
Pars 100 d|d.......531
Genova 3 oi|d.......528
Hamburgo 3 m|d.....47 3/4
Amsterdam 3 ro(d.....42 50
Madrid 8 d[v........930
PorluSdjv.........psr.
Metaos.
Per;as de 8*000 .... 8*020 8*040
Uncas haspanholas 14s900 15*100
.Ditas mexicanas. ... 149100 14*200
Aguias de ouro dosEsla-
do.-Unidin .... 18*250 18*i00
Soberanos (a prala). 4*190 4*500
Ouro cerceado (a oaro) 1*980 2*010
Patacas hespanholas 930 950
Dilas brasileiraa ... 930 950
Dilas mexicanas 930 950
Cinco francos .... 875 885
Prata portugueza (marco). 7*950 8*020
Fundos o acc5ss.
3 por canto da astenumeoto 46 1/2 a 47
167 caitas do dita em velas, 7 barricas de dila
asa grunse, 44 de cavada, 50 calas, 60 e meias
dius efiOquartos de passas, 78 Totumes de dro-
gaa o 41 diverapj. w
PwirTH"*i0 'bri* P0,,>) C0B1 287 *'nbo, 168 de vinagre, 10 caixas o 24 barrio de
azeite, 60 barra de cara ensacada, 90 de touci-
nho. 50 barris e 30 ancorlas de ckwerico*. 10
barra de banha. 78 3i5 moioa da ssl, 100 barri-
Jsrloha, 18 saceos de fe.jio, 4 de grae;.
2ia ancorlas de aieilonas, 225 canas de cera
'o velas,gde canalla, 14 de calda da lmales,
25 de queijos, 316 anotes de figos, 4 golpelbs
de amendoa, 13 volomes de drogas, 4 oerrwaa e
10 barra do cal em pedra, 80 cauaa de mssas, 4
saceos de comioho, 47 caixas, 94 oas, 148
quarioae 5 volumes de passas, 10 barricas de
carvao animal, 101 calas o 600 motaos de ce-
nlas, 900 canas a 2 caoastrae de batatas. 14
saceos do oozes, 10 barricas de bscalhio, 14 po-
dras da cantara e 119 voluntes diversos.
Feliz Ventura (nrig. ,.ort.J cot -4 caiaa e
82 oirria de vinho. 66 de vinagre. 84 ditoe o 20
bilbas de aziin, 118 narria de carnea, 101 caiaa
de masaas, 350 de batatas. 38 de cera, 16 de ge-
oebra, 350 ancor-tas de azettooaa, 100 Oarrtcaa
e clem p, 124 volumes de figos, 60 caiaa a
1,200 mothos de ceblas, 206 motos de sal, 710
vlamaa de louca de barro, 21 peoras, 51 canas-
iras de castanhav e 218 vulumea diversos.
<*>
Baj^oaajvas Wfc. w &
. fttmAiie tTBFK.1,
1* lenle.
^ .
Para

a

>
a



i)
Coupons
Divida differida .
Banco de Portugal. .
Dito commercial do Porto
Dito Mercalil do dilo .
46 1/4 a 46 1/2
41 3/4 a 41 1/4
587*000
2589000
250*000 a 260*000
a 589*000
a 2*0*000
Revista commercial
De 12 da oovembro a 11 de dezembro de 1861.
Durante o periodo desia revista o uOisrJUter-
cado estere quaai totalmente estacionario, a seo-
tidiasima morte de Sua Ma^stade El Re D. Pe-
dro V. coocorreu consideravimeete pars essa
apathia, e alm do ioaignttlcantea transaces des-
ttoadaa pela maiur parte s urgencias do consu-
mo, poucas observagas temos a notar nos segua
les gneros, que descrevemos.
Nomercado de fundos, observamos que asios-
crip;oes lem tido msis movimeoto, o que devi-
do as arremsces que se esta procesando dos
bens das freirs.
1:3771817
115:5579228
Mesa do consulado provincial II de deiembro
de 1861.
O 3* escripturario,
Antonio Rodrisraes de Albuquerque.
REVISTA COMMERCIAL.
LISBOA. II DE DEZEMBRO DE 1861.
Preros correutes dos geuerot (Uioiporlaco do
Brasil.
Algodao de Pernambueo. % 190
Dito do Maranho e Para. a 199
Dilo de Angola ...... 159
U da i*.a................., 099
Assucar de Pernambueo b. (S 1*700
Dilo mascavado .....a IJlO
Dilo do Rio de Janeiro m. 1*158
Dito da Baha b..... 19*10
Dilo dilo mascavado 1*100
Oiie de Menea**, es. 9900
Dita do "ari bruto ... 19350
Dito de Cafco Vsrde......209
Dito da India.................. 19801
Agurdente de canna do Brasil P 48>tXO 50900o
220
210
155
100
2*509
18600
1*350
1*800
1*100
1*400
i*soo
2*-00
2*000
Alplaia .
Arroz da Indis.
A 5*9
GOa : m 39100
Arroz da M.raubo eParisup. 6*2"K)
Dtiti dttto b m ....... 5*900
Dito dito ominarlo.....> 5*200
Dilo dilo mi'Jdo. ...... 49OOO
Caf do Rio primera sorte 38800
Dito dilo segunda dUo. ... 99039
Dilo dito lercera dita 39000
Dito do boa escotas. ... 29sX)0
Dito de Cabe Verde ..... d 48800
Mito de 9. T. Principe. 4gM
Dito do Angols........ 3*800
Cacao do Para ;.......b 3*00
Dito da Baha........a>
Dito da SaaTkero.....d
Cairo**-hela........M.......
Ceca amaretla da A gata
Ota dala de eageato.....
Craeo da Manneao......
Cravo de Giroe.......
Chifres .... M.
Couros seceos de BJe ..... A
ICenros rerdes do Par*.
Ditos *ep*c*aoa aUa Mitas .
Dito.e>tead.Bais.a. ...
Dtlea 4i4e* de A*t-l* ...
'Dtios ditos 9 Ptroirobee, ,
650
39600
69400
9*200
59400
49209
49000
39500
3*200
21100
59000
46299
49090
4ai>00
3*300
3*350
40*000
90
440 54
100 191
899900
Assucar.As entradas foram de 70 caixas e
39 barricas do Rio de Janeiro, 252 caixas 6 bar-
ricas e 432 saceos da Baha : 4371 saceos e 32
turneas de Pernambueo, 505 barricas do Para,
8 barricas e 132 saceos do Maraohao, 3 barricas
e Cabo Verde, 30 de Liverpool, 71 volumes de
Londres, 124 ue Demora.
A desanimacao qua oolamos oa nossa ultima
revista lem couiinuado, e as compras limilam-se
progressivamente ; em algomaa qualidadea os
irncos tem declinado, e priocipakmeule nos maa
cavados regut s e T^nariuS diflerenca (oi sen-
stvel, Qcando'e'sies S0* ""pletamente des
Miados.
A existencia desle genero
Caias feixos giKos ba.
1319 890 903 4073 ..< (
Algodio.Eobarcou-se ama partida para logia-
rerrs, e despacharam-ae algunas marcas para o
consumo. O deposito est quasi extiucto, e os
preeos tireram a allera^io que notamos. Nao to-
mos a notar entrada alguma.
Aauareeole do Brasil.As vendas que tiveram
lugar foram aoa precos colados, e em transac-
ges insiguifieaniea obteve o prece de 509000 rs:
As entradas foram de 168 pipas e 1 barril de
Pe carabuco.
De Glasgow entraram 50 cascos e 32 pipas.
Ateite.l'ouca aoisaaco, mas os procos con-
serva m-SH eosa tirmeza.
Arroz.As qnaiidaaes boa* tem prosapia vea-
de e sao procralas; as interioras contiounm a
ser despreadas pelos compradores.Os suppri-
meotos sfcegedos foram de 3038 aiqueiree do Pa-
ra : e 2U9aarcos de Liverpool
Al plata Kolraram de GibraHar 165 barris
poucas vendas.
Caf.As' traosacQes para reexportar cesss-
ram completamente, ss pira consumo resumi-
r ra-se, neslas us pregos declioaram, e naquellaa
diulcilmeute ae sustenta ss.As entradas oe 2017
saccaa do Rio de Jaaeiro ; 150 de Loaodo, 717
de S. Thom e 13 de Cano Verde.
Cera. fiteram-se algumas vendaa para reex-
portar para Genova om reduce** aoa procos.
De Loanda entraram 382 gamellas, e de Bea-
guella 39 oias.
Cacto.losigaicantes vendas.
ftao houve entrada alguma.
Couros Os preces sao nomloaes por falla de
Ira aseeedes.
Entraram da Pernambueo 602 ; da Balia 2979;
do PsrS 19367; Oo Maranho 4887, e vaquetas
220; de Luanda 2431; de Beoguella 62 ; o ae
C.D* Verja 376.
tiomroa copal.Poecas Uanesc^oes. Af estira-
das furam de 186 saceos de Baoguvlla.
Gomma do Branl. Os Breos baixaram, a re-
ceia-se nova redueco emeemaequencia dos sup-
primelos que tivesuee, q* {or*radw 74 barricas
duRio oe, Janeiro.889 s.cf* de VecoaeaDuco 1761
t(2 paoeiros e 14 saccaa do Marauhao.
Melaco.Bm razio dos suppnmeotus chegsdos
es precos bdiiaraio, e maior teria sido a baila ae
nio fura a reeiporiaceo que ae eHctuee do urna
carga para Inglaterra.
Aa entradas foram de 320 cascos e 930 barris
do Par na m buco ; 52 B*sn a Babia 2u8 cascos
de Porto Rico, e 41 ae Demarra.
Marum.Entraram de Loaoda 534 ponas, da
Moes*m-Vs 90.
Este genero est despresado.
Hearrilha.Poucsa vendas. Do Par en-
,91 rollos,
m-10 eflteiuado bastantes embarques,
o Brasil, como para os differeoles por-
angeiro.
Urxella. Aa traosaccoes efectuadas sao de
pequea importancia.
Entraram de Luanda 160 saco*, o da Cabo Ver*
de atO ditos
Vioho
Barra de Lisboa.
E .iradas.
Novembro 12 Saudade, Fonseca, Rio de Ja-
neiro.
13 Hortence, Romio.
14 Oneila, B-via, Snuthampton.
Bearn, la No, Brasil.
Athole. (barc. iogl.) Lecleaa, Per-
nambueo.
16 Plor de 9. Simio, Lima, Pernam-
bueo.
i) Esperance, (barc. ranc.) Leine.
Rio de Janeiro.
Mane Loiae (barc. fraoc.) Andu-
bon, Babia.
Florn la, Souza, Pernambueo.
18 Nora Sublil, Feroandef, Ato de
Janeiro.
20 Activa, Rosa.
23 Palmeira, Rocha, Para.
P. S. Maiis, (barc. amer.) Mans,
Rio de Jaoeiro.
> Linda, eves, Para
28 Extremadura (), Trollier, Brdeos.
30 M>g Islea (v.). Woolward. Brasil.
Relmpago, Fonseca. Pernam-
bueo.
Napoleio, Carnelro, Rio de Ja-
n>-iro.
Seohora da Conoeirao, Souza,
Baha.
Dezembro 4 Mara, Barbosa, Rio de Jaoeiro.
6 Anglica I, Valverde, Maranho.
Barros II, Barros, Rio de Janeiro.
Sabidas.
Novembro 14 A. E. Vidal.^barc. hamb.) Eschen,
Rio de Janeiro.
- Pollnx, (pal. amer.] Sechuien, Rio
Grande do Sul.
Acadian (pal. ingl.) Wiiliao, Rio
Gramo oo Sul.
Baaro (v.), la Noe, Brdeos.
Oneida (v.) Beira, Brasil.
19 Brazilio Pach^t, (pal. holl.J. Ny-
rnan, Rio Grande do Sul.
25 Laura (bate, americ.), Pieerse, Rio
Grande do Sul.
28 Tnerea I, Campos, Rio Grande do
Sul
Josephina, Souia, Btaia.
Ltgeiro, Santos, Pari.
19 Su be raou. Almeida, Pernambueo.
a St*rra Nerada (barc. americ.) Foa
Aer, Rio de Janeiro.
Eitramadure (v.j, Aebert, Brasil.
30 Kate Stevrarl, (pilh. amer.) Ma-
mor, Rio de jaoeiro. N.
N^w-Roy (pal. iogl.), Puestoo, Rio
Grande do Sul. \
Feliz Ventura, Silva, Part.
Catharina (uat. bol.}, Bakker, Rio
Grande do Sul.
Magdalena (v.), Woolward, Sou





>
A caraira manciaal desta eidade publica
para coohecimoot* de seus meaieipes o offloio
aoaixo irauscripto, que reerbeu do Exm. pru-
dente la provincia, e pe4e-lhsue sttenaendo
a recommeodacao eita por 8. Eic, trateaa de
em pregar todos oe seos esforcos oa cultura d<>
tabaco, visto como, receiando-se que da actual
guerra civil noa Estados-Unidos da America do
Norte, reault* grande dimnuicao na sus pro-
duces o.
Espera a mesms cmara que nio dallarlo to-
dos os sgricuiinres desle municipio do cDcorrer
para o doseovolvimeolo de urna planta que irar
sem duvida grandes vantageos para aquellas que
se empregarem em cnlliva-la.
Paco da cmara mam iuM do Recife em sessio
ordinaria de 21 de dezembro de 1861.Luiz
Francisco de Birros R-go, prsidenle.Francis-
co Canuto da Boa-Vlagem, offlcial-maior servio-
do de secretario.
Quarla sec^ao.Palacio do gnverno de Per-
nambueo 12 de dezembro de 1881.Sendo con-
sideravel o cooaumo do tabaco em todos os pon-
toa do globo, e receando-se, que da actual guer-
ra civil aoa Esladua-Unidoa da America do Nor-
te, e do aban.ioao em que a cultura desso ge-
nero lem cahido oa Aiieraaohs re.-uiie grande
diminuicio na aua produccAo ; em rumpnmento
das rdeos imperises, rerommendo cmara mn-
nicip.l do Recife, qne envide todos oe seua ea-
forgos, para que os lavradores seus municipes
se compeoetrem da conveniencia d* ae entrega-
ren) com maior effiuacia e interease ao cultivo
daquella planta que sem duvlda compeosari em
innmeras ventagene es sacrificios que ruerem.
Por esta oCcaalio declaro S meama cmara, qua
a aocieda le Auxiliadora da Iodustna Narional se
acha incumbida de diligenciar a obiencio de s-
mentes daa melhores especia de tabaco, para
aerem dealribuidaa pelos agricultores que as so-
licitaren].A. M. Nunea Goocalves.
CVHIRA MIXICIPAL DO RECIEE.
A cmara municipal ao Recife tendo r-cebilo
do Iastilulo Histrico Brasileiro o ofAcio qua
abaiio vai traitacripio, couvida a todoa os aeua
municipea para que cuncorram- para a realisacao
dessa obra de tanta honra para o Brasil, subs-
crevendo na secretaria da meama cmara asquao-
tiaa de que quizerem disi r, nio podendo aer
meaos de I9OOO, nem maia de 10*000.
Corle do patriotismo que caraclensa todos os
Peroambuceos, a cmara mnoicipal do Recife
espera que ae prestsrao de boa vontade i reali-
sacao desle grandioso Um.
Pago da cmara municipal do Rcife, em aes-
sao de 28 de Barros Reg, presidente.Francisco Canuto da
Boa-Viagem, oBicial-maior servindo de secre-
isrio.
Iilms. Srs.O Instituto Histrico Brssileiro, a
que presta S. M. o Imperador a sua immediata
prolecco, resulveu que se levantasen nesla corte
urna estatua a Jos Bonifacio de Andrade e Silva,
* se engisse um tmulo digno de seus preciosos
despojo; sao paginas da historia escdut'S em
brouze e mar more pela gratioio brasileira, e que
devem transmiilir 4 posteridade aa triii;6-s glo-
riosas que se ligara a um doa grandes vultos na-
eionaes, e um dus primeiros colloboradores as
nossa iolependencis.
Os abano assigndos, membros da oommisiio
a que o Ioslilulo Ilistorico ineumbiu lio nobre
misso, accordaraui recorrer ao auxilio de ludas
as cmaras municipaea do imperio para que pro-
movam subscripfes populirea ntreos seus mu-
nicipes. visto como o monumento devo ser feto
a expensas do povo.
A commissao dasejando qutodosos Brfui-
leiros possam Concorrer para to patritico mo-
numento, quaesquer que sejam as suas fortunas
lixou o mnimo e o mximo das quanlias entre
le109
Devendo a estalas ser inaugurada 00 da 13 de
junho ue 1863, centesimo anuiversano natalicio
de Jos Bonifacio de AndraOe e Silva, a cumaris-
sio espera que VV. SS. se digoem de coadjuva-
la em lio louvavel empeoho, activando e aprea-
aTrdo a subscripcio, cojo resultado ser publl-
cadf oas folhas diarias oesta capital.
Deus guarde i VV. SS.Rio de Janeiro, 18 de
agito de 1861.Illms. Srs. presidentes e verea-
dorea da cmara municipal da cidale do Recife
da provincia de Peroaubuco.Euzebio de Qudi-
roz Coutiuho Mattosu Cmara.Joaquim Nuiber-
to/de S.iuza Suva.Ju4o Mnoet Pereira da Sil-
k. Brio de Mau. Jos Ribeiro de Souza
oole.Manrique de B-aurrepaun Kohan. Dr.
Rio de Janeiro,
segae por estes das velelro brifee Cruzeiro
do Sul : pira a pouee carga qua Ib* falta, e es-
cravos, trata-ae com os consigo-Urio Aniones.
Ouimaraes & C no largo da Aseembles n 15.
I^ara o Rio de Ja-
neiro,
pretende seguir cena multa brevidade o brigue
nacional Veloz, tem parte de sen rarregamen-
10 a bordo ; para o resto que IM fita, trata-a*
com os aeoa consignatarios Azevedo \ Mondes,
em aeu escriptorio roa da Cruz a. 1.
Para o Rio de Ja-
neiro,
O veleiro patacho nacional aCapean, pretende
seguir com mulla brevidade, tem parte de aeu
carregemento prompto, para u real que Ihe falta
passageiros e egrravog a fretP traa ae coro os
seus consignatarios Aievedo 4 Meodes, 00 seu
escriptorio ra da Cruz o. 1.
Para a Baha segu palhaDuteaS-nto Amro.
para alguma couca carga que Ihe Ma trata-a*
com seu consignatario Frsn. isco L. 0. Azevedo
ns rus ds Madre de Deus o. 12.
Lfiloes.
LEIUO
DO
Ouarla-eira 8 de Ja-
neiro de 1862.
DE
Magdalena ..
thamplon. \ / Wudio Luiz da Costa.Tnomaz Gomes dos San-
Dezembro 3 Warrisburg (gal. amer.) Wiswel, ,9-F- s- Dl > ola.
Rio d J metro. r"S~~J
4 Chiripa (brg. bras.) Rio da Prata.
5 Acera (nal. iogl) Weary, Rio Grao-
de do Sul.
6 MazuOr^ttritviogl.), Hall. Baha.
7 Rio Gran e (barc. oorug.) Nu-H"Tirs
"Brraviala (barc. bran.) Silva, Rio
de Jaoeiro.
o Constante, Res, Pernambueo.
C.M.u::.'^iSila, Btaia.
Helena /"brig"- Suec.J Vandal, Rio
ae Janeiro.
Embarcacoes carga.
Rio Grande do Sul.P.tacho Henrtce-_
Sotoa.=:Palacho Mathilde e Adelaida. "~ >,
Rio de Janeiro.Barcos Mara Luics, Venas e
Vencedora, galera Paimyra o brigue Uniio.
Bania.Barcas Caledonia e Figueirense e ga-
lera Vaseo da Gama.
Peroantajco Bagues Bella Figueirense, Fio -
nano e Relmpago.
Maraahio.Patacho Boa F, e brigue Ang-
lica.
Par.Escuna Cathariea, brigue Ltgeiro e
barca Liada.
Movufeeri'o dopo to.
Navios entrados no dia 31.
Montevideo32 diss, barca ingleza Cosmopolite,
de 294 looeladaa, capitio John Bell, equipa-
gem 14, earga 48 burros e 9 carelios; a ordem.
Rio de Janeiro31 dial, brigue brasileiro Midas,
de 199 toaeladas, espitio Manoel Francisco Ne-
, gu-irs, equipagem 10, carga 6,520 alqueires
da ariuba ue mandioca ; a Guilherme Carvalho
4C. A.
Navio xihUos o meiino dia.
Bio Grau'te do SulBrigue braaileiro Mafra, ca-
piulo Joaquim Ramos de Oiiveira, carga as-
secar. \
Perios do Sul Vapor brasileiro Oyapock, com-
'maodante G. Maucobo.
Macei e nonos intermedies Vapor brasilei-
ro Perfinuni/a, commandaote M. R. dos S.
Jdoura. \
-jjaravOjs.
ado provincial,
consulado proviocial se faz pu-
blico que os 30 oi branza i bocea do cof e. do 1. semestre do snno
oanceirode 1861 a 1861, dos imposlos da dci-
ma urbana, e de 5 0|0 sobre a moeda dos bens
de riz parteuceotes t corporaedes de mio-mor-
ta, (miam-se uo dia#9 de jaoeiro viodouro ; as-
sim como que no di 2 do memo mez se prin-
cipian) a contar os 30 dias otis, marcados para
a cobraoca do 1." semestre do imposto de 2 00
do coosummo aguardante.
TBfisa do consulado provincial de Pernambueo
31 de dexVBJro da 1861
T. nK ? Pereira da Silva.
Por esta subdelegada 2 faz publico qne se
acha reeolbido casa de detengo a ot'TH e dis-
posicao desle joizo o prato Marcolino, que no ac-
to de aer preso declarou ser crioulo. com idade
de 24 aooos, e que era escravo do engenho Ca-
beca do Porco, perteoceole ao Sr. Bnto: quera
se jalgar com direit, comparec, que provaodo
legalmente Ihe ser entregue.
Subdelegara dos Afogados 30 de dezembro de
1861.-0 subdelegado.
Jos Buarque Lisboa.
Ariios maritiDu\0.
48 burros
E
9 cavalios.
Alerta senhoresde
engenho.
John Betl CHpito da barca
iaglf.za C.-suiop iJite, far lei-
lo por inttfrveuco do ageute
Vicente Ca margo, no arma-
zem do Sr. AudrA de Abreu
Porto defronte do arsenal de
mtriha, dos menci -nados
inimaes ao correr do martel-
lo e notando os pretendientes
que estes a ni fuaes se taran-
tera por seren njuito mansos
e seren escolhilos e sao os
primeiros que tem vindo a
esta proviucit peU mansido,
o agente convida aos Srs de
engenho e aos proprietarios
de mnibus a virem a elles no
mencionado dia as 11 horas
em ponto
4 VISO *liV"fii4hN
Grande laboratorio de la-
vagew.
Os dooos das raucas "-- -*
lelarados podero mand-
n* orumpias : 87, ?
141. 248. 1.J.5?
212, 3, 243,198.
>ros
abaiio de-
Tue es-
Z -a
Horas.
a
a
w
; w
pa
a:
n
%~
3
S
o
AlnmospKtra
Diretfio.
I
| Inttmidadi.
J__
d 8 S 2 rj IF.raa.W.I.
/.
S S5 g
a*
2 2 2 i
I Canliarao'o.
gyfromatro.
CUttrna hydr-
am i -
Mrica.
.As>4f4rsecessaeatsu}tQtoa4gsfteaa. 5 S ^ [francet.
*
9
ti3
i.
Si
r*tkt.
P^r em di rei tura.
Sabe noa prximos dias o bem conhecido hiate
Lindo Paquete, e s pode recoser aiudeas: a tra-
tar com os consignatarios Almeida Gomes, Alvos
& C, rus da Cruz o. 27.
Acarac
O vapor Tguarass, ds companhia Perna'mbu-
eana, Siegue no oa 21 aleo Acarac, recebe car-
ga e passageiros : escriptorio oo Porta do Mallos.
Para Lisboa.
A veleira e bem coohecila barca portogueza
GraiidSo. capillo Antonio Pereira Borgea Pea-
tana, pretende seguir com ioteua brevidsde ;
tem parte do seu rarregameoto prompto, para o
resto que Ihe falta o passageiros, para os quaes
tem excallentes commodos, trata-se com seus
conaignaiarios Asevedo A Mandes, no seu es-
criptorio da ras da Cruz n. 1, oo com o capitio
oa praca.

I i i COMPAIWU PBI>*1 MJCAIU
i Xavegacao costeira a vapor
m
tes, e o marcado couaerva-M sobj potjaa
So. Jf
de vinagre. Sil de carrea STB saccas do semeas,. oscilacio vt Vaftt
425 barris de es!, W$ cssm t 00 nolbos 4t ce-1 Pre.mar ss 4 b. 30' da -ashftTvif7, p.
Parahiba, Rio Grande 4o Norte, Ma-
can doAswi' Aracnty, Cestra',
Acarac' e Granja.
0 vapor fJaguarioe, camroaodata Lobato,
sahir para es partos de ntsto o sua scala at
a Granja no da 4 U jsako as 5 bogas) da
Isrde.
Recebe cawa al m da 3 ao saoio daa. tasas
jneddas, passageiros e diuheiro a freto al o la
da sabida as 8 horas: tscriptorio io Forte do
Mallos B, I.
em abono alas pilulas ?jg-etaes de-
purativas paulistanaa.
Tumor caucroio.
Desde 1852 conservo ama viva a grata lembraa-
ca de ura curativo qua obtive aom a applicacSo
das dilas ululas em urna paaaoa de minha casa
que snfliia um tumor cancroso ae paito esqaer-
do. Tendo ji mullo consultado com protassores,
resolvern) esses ser preciao fazer-se apara^o,
porsn a doante nao se schavacom animo de aof-
fre-la. Lambrei-me ronaattar ao aator destas
plalas, e este me asseverou qae os s^us reme-
dios t-riam aofTlcienie forca para resolver e dis-
solver o tal tumor sem ser preciso recorrer i
operacao. Esta promessa era para asa ia pau-
cs esperanca, porm oo lardei a ver a verdede,
pois que em 12 Ws de trat o tomor, Gcando o peito oereilo.
Portanlo, nascando hoja a oecessidade de fa-
jar eoahecer a viriade ffaete remedio, Julaaei sor
nevar meu publicar o presente aaa beoefteio do
autor, e das pesoss que se seharem oo caso qus
venho de mencionar.
Santos 31 de jaoeiro de 1858.Fraeisco Cor-
ris da Silva.
DEPOSITO GERAL.
119Kua do Parto119.
RIO DE JANK1RO.
K EM PEKNaMBUCO
NA
fha^asaosa do Sr. Jos Alexsrtidre H.
berro, ra do Queimado n. t5.
Eterna PELA eCBA OBTIDA
grsia*>e inflaansataf-aia ale
Eu sbaiio assianadu crrutico que lendo
cido urna grande inflammacau do gado, a qual
me tomava a raapirar;o e me causara muito cao-
oacn, per espago*de multo larevo, a toada laMo
todo o poasivoi para obles asalhota, e oo ac!
do,alivio alguna, per ulhmo
Sr. Ricardo K.i.k, escrig
e este saohor applicar
dieioaes. Aquel pe-fe
poco de 3 diss. Pelo
grato.Carlos CuMsaudK
Aeba-ee justa o contrat
je do ealcado do rea do U
algaeas tlver algama reilaataciel
ss o asm a ras o, 7, loja, oestes 1

)

I
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO
MiTlLDiO


T
(*)
T
'>fU
*
I&aUMCCO. ff QUINTA fllBA 2 DE JAflEIKO OB 18%S
fumas rasa
Para as provincias de Peroambuco, Par'
Grande do Norte, Cear e Alago*" tj~
Folhinha de porta, contendo o kalendario, pocas^.,...,., nacionaes, das
de galla, tabella de salvas, noticias planetarias, eclipses, partidas
de correiot, audiencias, e resumo de cbronologia, a reis .
Folhinha de algibeira e variedade, a qual conten todas as materias das
de porta e mais tabellas do nascimento, e ocaso do sol, das ma-
res, casa e familia imperial, nomes e ttulos dos chefes dos
principaes estados do mundo, tabella da arrecadacSo do sello,
dita do porte das cartas, partida dos paquetes brasileos e euro*
peus, tabella dos impostes geraes, provnciaes. e municipaes, re-
glamentos de incendios, e entrudo, e algumas pusturas munici-
paes, artigos sobre agricultura; economas, modo de fabricar gelo,
prognostico do fim do mundo, cotlecao de remedios, a reis. .
Dita religiosa, contendo todas as materias das de porta, e mais tabellas do
nascimento, e ocaso do sol, das mares, casa e familia imperial,
nomes e ttulos dos chefes dos principaes estados do mui/do, ta-
bella da arrecadacaodo sello, dita do porte dascartas, partida dos
paquetes brazileiros e europeus, tabella dos impostes geraes, pro-
vinciaes, e municipaes, regulamentos de incendios, e entrudo, e al-
gumas posturas municipaes, trezenario e mais oracoesde S. Fran-
cisco de Paula, colleccao de oracoes para todos os estados da vida,
e novena da Senhora Sant'Anna, a reis. ......
160
320
520
IjOTERI
1
Terca-feira 14 de Janeiro corrente,
andarao impreterivelmente as rodas da
Erimeira parte da primeira lotera a
eneficio da matriz do Limoeiro, no
consistorio da igreja de N. S. do Rosa-
rio de Santo Antonio, pelas 8 horas da
manha.
Os bdhetes e meios hilhetes acham-se
a' venda na thesouraria das loterias ra
do Crespo n. 15 e as casas commissio-
nadas. As sortes de 100$ at a de
6:000$ serao pagas no mesmo dia da
extractte e por diante em todos os das
uteis.
Abaixo vao transcriptos os nmeros
dos 1100 bilhetese 1000 meios bilhetes
remettidos pelo paquete Tyne para se-
ren vendidos legalmente por minha
conta pelo meu commissionado o Sr.
Antonio dos Santos Vieira na corte do
Rio de Janeiro.
BILHETES.
De 267 a S88, 290 a 300, 519 a 558, 601 a 630,
632 a 635. 843 a 866, 891 a 900. 1001 a 1034,
1251 a 1280,1282 s 1285,1401 a 1434. 1711 a
1729. 1731 a 1745, 2101 a 2119, 2122 a 2136,
2365 a 2375, 2377 a 2399, 2567 a 2572, 2574 a
2600, 2767 a 2776, 2778 a 2800. 2968 a 3000,
3001 a 3034, 3201 a 3233, 3501 a 35-20, 3571 a
3581. 3747 a 3780. 3801 a 3813, 3815 a 3825,
3827 a 3835. 4229 a 4260, 4301 a 4333, 4508 a
4541. 4701 a 4731. 4941 a 4960, 4971 a 4984,
5025 a 5036, 5039 a 5052, 5054 a 5060, 5201 a
5233. 5420 a 5440. 5442 a 5453. 5701 a 5733,
5839 a 5850, 5871 a 5892.
MEIOS.
183 a 200. 360 a 377, 414 a 431, 733 a 750,
902 a 919.1120 a 1137. 1332 a 1349. 1558 a 1575
1682 a 1692,1694 a 1700, 1883 a 1900, 1983
2000, 2001 a 2018. 2233 a 2250,
2660 a 2665. 2667 a 2678. 2873 a
2900. 3134 a 3150. 3321 a 3338,
3651 a 3662. 3664 a 3669, 3984 a
4067, 4184 a 4200, 4401 a 4417,
4801 a 4817, 5106 a 5122, 5301 a
5528. 5684 a 5700. 5915 a 5931
BILHETES DE ENCOMMENDAS.
235, 239. 511. 581. 631, 842.1098,1281,1730,
2363, 2521, 2933. 3080. 3234. 3521, 3568. 3591.
3716.3720. 3814, 3826, 3839 a 3867. 3869 a
.1900. 4261 a 4270, 456, 4559,4568. 4961 a 4970
5005. 5038, 5061 a 5070. 5261 a 5270. 5418.5119,
5441, 5461 a 5470. 5761 a 5770, 5838, 5861 a
l FERREIIM VILLELA
RETRATISTA
DA
AUGUSTA CASA IMPERIAL,
Ba .do Cabug u. 18, 1.* andar,
entrada pelo pateo da matriz.
Retratos poratnbroiypo, por melaiootypo, so-
bre panno encerado, sobre talco, especiaos para
pulceiras, alfinetes ou cassoletas. Na mesma
casa existe no completo e abundante sortimento
de artefactos fraoceze. e americanos para a col-
locadio dos retratos. Ha tambem para aste mes-
mo lira cassoletas e delicados alfloetea de ouro
de lei; retratos em photographia das principaes
personage.ns da Europa ; atereoacopos e vistas
slereoscopicas, assim como vidros para ambrotypo
e chimicas photographicas.
ELIXIR DE SAUDE
I trolarla! o de ferro
nico deposito na botica de Joaqun* Marlinuo
da Crax Correia., ra do Caoug u. U,
em Pernambuco.
u f.rrAP ?'Jltry (de.ch,ale8) % Phrmaceutico:apreienta boje urna ora preparago
de ferrocom o nome de elixir de citro-lactato de ierro "i>""V"'
wri.?.?TAVmL dale. ciencia comprehende anecessidade e importancia de urna tal varie-
a.HAJi>.rm-U,!li aT bjeCl de ">ull importancia em therapeutica; um progresso immenso,
?d.d?. EE^d a,e"eoc,a d0 ned'cameoto. e^oa agradavel. fcil e possivel para todas ai
dades, para todos os paladares e para todos os temperamentos
A*mnSlSfaT*?,"pt"P?f i?"0 V*. hoi conl>cidas neohuma rene to bellas qualida-
I h2 el.x.rde citro-lactacto de ferro.* A seu sabor .gradual, rene o tomar-se em iu ...
rimiSE*. JL1T' PrmP 6 fJC1 di?8olu5So n estomago, de modo que completamente
.ATriad?, P duz,r Pr da ". qe coolem em sua composicao, a cooatipacio de
veotrerequentemenle provocada pelas outras preparagea lerroginoas pagauue
.h...nnu!iI,0T81 1ualld.8do8 em poda alterara a sciencia medicamentosas do Ierro, que sendo urna
-.J rlqfal m,ld,e2A,e "a- ? disPeu8aa 8 dioica, de incomparavel utilidade
Zi 2i.2T 2U6 lhe dProPed8de8 t. 1e o pr.tico posa, pre,screver sera recelo, "o
lH^Pb4r?aCeul,C0,Th^rme.8 com a Pr*PC do citro-l.cl.eto de ferro. Assim este
"ff... "I rCC^pa hya Prlme'.ro. lugar entre .s numerosas preparares ferroginosas, com
atiesta urlica fin mniln mmtinna iti.i hai. n... i_________ j- r r f r"""f vul"
222ES?" -S.K-!?f:*S*f .w .- aSBS 'jSVr^^S^Si.:
convalecencia das moleatias graves na chloro anemia das mulheres grvidas, em todos os casos
,1 222 M !&!. e.mpobrec,ao ou ,8<1 Pelas fadigas. aflecoes chronicas, cachexi. luber-
curUea nCr0"' yPhUll,c. ewessos venreos, onanismo e oso prolongado das precao56es me-
hJ5?1 .e[ermda,,!s sendo mu frequenles sendo o ferro a principal substancia de que o
medico tem de lae mao para as debelar, o autor do citro-lactato de ferro merece louvore. e o
humaoidade, por ter descoberlo urna formula pela qual se pode sem receio
recoohecimento da
do ferro.
a
2483 a 2500.
2874, 2885 a
3433 a 3150,
4000, 4051 a
4684 a 4700,
5317, 5512 a
5870.
1.
MEIOS DITOS.
8
II
DITOS IGUAES.
2, 7 a 49, 51 59, 61. 62. 64 a 100, 107.
111, 119. 121. 130. 132. 135. 153. 705. 725. 762.
784. 921. 927. 932. 1110. lili, 1118.1119, 1186.
1313, 1519,1611. 1873. 1934. 2045. 2222. 2230.
2459. 2605. 2611. 2642. 2856. 3151. 3460. 3466.
3494. 3499. 3633, 3687. 3926. 3927, 3932. 3934,
3968, 4036. 4605. 4821 s 4830.4861 a 4880, 5105,
5161. 5162. 5164a5l68. 5170 a5177, 5361 a 5370,
5391. 5561 a 5570. 5576. 5578, 5661 a 5670, 5961
, a 5970, 5986, 5996, 6000.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodiigues de Souza.
gewawineH.'dNewfxie ansusN
J Ao publico! g
Leopoldo Ferreir. Harlios Ribeiro avi- 8
Ssa ao publico jue sendo depositario da 9
fscr."a ,99cilia' x"oula, representando 1
8ler40ao0annos, a qual se achava em
leligio v>- -rimeira vara m.ni-
*** r'r "o Saraiva, em
'ios que o c,n"
----------u Aavier Lo- ^
aira o vendedor Luiz Puech.fl
8-^ que realisra essa veoda por intermedio*^
do Sr leiloeiro llyppolito da Silva, fu-
gira dita escrava da casa delle deposita-
rio anounciante bontem (29 do corrente)
pelas 4 boras da tarde, da casa de sua
residencia ra da Imperairiz n. 40: ro-
Sga portaoto aa autoridades ou a qualqaer
peaso. que appreheodam ou a manaern I
8 levar ao aonuncianle e que gratificar
convenientemente.
ALUGA-SE um ou dout andares
inulto decentes, para familia, em urna
das melhores e mais centraes posicoes
desta cdade. A tratar na ra do Quei-
mado, luja de fazendas, n. 18.
ALUGA-SE urna sala com alcova
e um quarto, propria para escriptorio
de advogado ou para homem solteiro,
em urna das melhores e mais centraes
posicSes desta cidade. A tratar na ra
do Queimado, n. 18, loja de fazendas.
Alug.-se um. pret. de todo servico, coii-
nha, engomma, ele : quem precisar dirija-se a
travesa dts Gruzes o. 4, loja de calcado.
Precisa-se .lugar urna escrava para o ser-
vico ioteroo e externo de urna casa de familia ;
na ra da Cadaia de Recite n 53, terceiro andar.
Deaapparecou no dia 24 do correte, de
Santo Amaro das Salinas, om cavallo alasao fo-
veiro, cujo conhecido por ter as raaos cambe-
tadas por dentro, e aellas urnas oras ; portaoto
rogase a todaa as pessoas que o acbar queira
lvalo padiria da ra da Matriz da Boa-Vista
n. 26, ou do lugar do desapparecimento a Domin-
gos da Silva Ferreira, que aera bem recompensado
Deseja-se fallar com o Sr. Jos Machado do.
Santos, Portoguez, a negocio de seu interesse ;
na taberna grande da Soledade.
Precisa-se alagar um prto, daodo-se o
aaateoto, e paga-so mensal ou semanal, para o
servico deata typographia : na livraria ns. 6 8
da prs;a da Independencia.
Alug.-se ciss terrea n. 54 da ra do
Bram, propria para grande familia : a tratar na
roa dos Guararapta n. 46.
O Sr. Geraldo Correia Lima queira appare-
cer nesta typographia, que se lhe precisa fallar.
(9
Aviso aos pas
de familias I
Manoel Jos de Faria SimOes W
professor particular de primei- 9
ras lettras, na cidade do Rio For- @
moso, e hoje morador nesta ci- 9
dade, competentemente licen- 9
ciado pelo Exm. Sr. director
geial da instruccao publica, O
pretende abrir sua aula pelo me<
tfcodo Castilho no dia 7 de ja-
neiro vindouro, no primeiro
andar do sobrado n. 25 da ra 0
da Penba. $$
O dito professor promette, aos 9
brs. paes de familias, envidar g)
todos os eslorcos a seu alcance *
aim de dar real approveitamen- $t$
to a s?us discpulos e nao per-
der o bom conceito que tempre &
mereceu durante 18 annos que
exerceu o seu magisterio. g
Consultorio medicocirurgico
VK1]\1IA. GLORIA CASA. OO TOND&O-S
Consulta por ambos os systemas,
Em consequencia da mudanga para a sua nova residencia, o proprietario deste estabeleci-
mento acaba de fazer urna reforma completa em todos os seus medicamentos lora
nhm 3 ST de 5ue 8 "medios do seu estabelecimeoto nao se confundam com os de
nenhum outro, visto o grande crdito de que sempre gozaram e gozara ; o proprietario tem tomado
JPEEft! de.'D8Cre,,efr 8e "orne em todo, os rtulos, devendo ser consideVados orno aSca-
iZ tZXfZlT l!*m aPresetll8d08t 8e esta marca, e qu.ndo a pessoa que os muda. ooS-
K"mrc?do"n^aenoeLVCOmpaDhar Uma Cla 8MgDSda pe' Dr- ^^Mossozo em p"
*!.-ir0 Am : acab8de re.ceber de Franc. grande porcao de tincturs de acnito e belladona re-
^,.etuSnde,KUmmaimp0rUt,C,aecujas P'opriedadessoto conhecida. que os me.mosSrs
mdicos allopathas empregam-as constantemente. um ors.
Os medicamentos avulsos aur em tobos qur em linduras cuslario a la o vidro.
..,mni .f. Pnetan0tdesle.eslabelecunenl nnncia a seus clientes e amigos que tem commodos
^fr.ri0 i8"r" feHeber *lgU?i t80" de um e oulro 8M0 deotes ou que precisen? StSS
opera9ao. affiao6aado que serao tratados com todo o disvelo e promplido. como ..bem fo&-
RETRATOS
DE ^
NOVO GOSTO.
Retratos
Retrato.
Retratos
Retratos
de
de
de
de
Hawleyotypo
Hiwleyotypo
Hawleyotypo
Hawleyotypo
Hawleyotypo
aquelles que i tem tido escraros na casa do aonuncianle
. A 8llua5ao niagniflea da casa, a commodidade dos banhos salgados sao outras tantea vanta-
gens para o prompto restabelecimento dos doentes. o -a ira nuia. v.nia-
iQ i.m'-PS880?8 ,lue1. Dr. Lobo Mscoxo.
O Na ra do Vigarlo a. 33, primeiro andar,
precisa-se alugar um preto para fazer o aervico
de uma casa de familia, preferiodo-se que saiba
tocar canoa de carreira.
Aluga se
o armazem n. 2S da ra do Imperador: tratar
na ra do Crespo o. 17.
Precisa saber-se se nesta cidade existem os
Srs. Manoel de Oliveira Noia e Beoto Jos Gui-
mares, quellefoi guarda da aifandega, e este
militar ; ou algum prente delles queira anoun-
ciar a aua morada, ou dirija-se ra do Crespo,
loja o. 8, esquina da ra do Imperador.
Obra primorosa.
Um santusrio representando o calvario e.inlo
sepulchro, coolendo o Senbor Cruxiflcdo, bom
e mo ladro, Nossa Sen hora" Magdalena, S. Joao,
Cinlurio e dous guardas do sepulchro, tudo de
madeira e com perfeigao ; quem o pretender, di-
rija-se a ra do Crespo o. 8, loja d. esquina da
ra do Imperador.
Perdeu-se na manha do dia 27 om
estar ain.ia i-= ",ia loda de labyril>lho sem
T._, -ioa ; a pessoa que achou-a e le-
u-ia ra da Gloria n. 96, ser generosamente
recompensada.
INTERNATO
DE
mm
novo goslo
novo Rosto
novo gosto
novo goslo
nova iiivencao
nova invenc3o
nova ioveno
nova invengo
nova invengo
Presos baixado para pouco
tempo.
Pregos baixado para pouco tempo
Precos baixado para pouco tempo
Pragoa baixado para pouco tempo
Pregos baixado para pouco tempo
35000 55000 105000 205000
3|000 5*000 iojwoo 20j>000
3JIO0O 5J000 10JJ0OO -20000
39OOO 5JO00 10/000 20*004
3JW00 5J000 10#000 20*000
Explendido alfmetes de ouro
Esplendido alfioetes de ouro
Explendido alfinetes de ouro
Explendido alfioetes de ouro
Expleadido alfioetes de ouro
Para retratos
Para retratos
Para retratos
Para retratos
Pars retratos
Explendido quadros donrados
Explendido quadros doorados
Explendido qQadros doursdoa
Expleudido quadros dourado.
Esplendido quadro. dourado.
Vende-se machinas para re-
tratos.
machina. para
machinas para
machinas para
machinas para
de lindos
Vende-se
Vende-se
Vende-se
Vende-se
Gaixas
Caixa.
Caixas
Caixas
Caixas
Todos
Todos
Todos
Todos
Todos
retratos
retratos
retratos
retratos
gostos
gustos
gostos
gostos
gostos
ver
*
iembrias u mm
ua ii. wmtm
\ AS PROVINCIAS DA
BIHII. VPEIKiBUCO, PIMHVII, ILI60IS
SEHfiJPEjE ESPWITO-SWO.
SETE VOLUMES
com os retratos de SS. MI. e das ser-
nissimas priacezas as Sras. D.
Isabel e D. Leopoldina. 7"
Com quaoto e.l. publicgao exceda mutini-
sima. paginas s que se havi.m calculado, o qua
devido .0 augmento de rauitai pegn que pos-
teriormente no. (orara remettid.a, sbatelo
primitivo prego anonadado de 12* em brochara
e 15 encadernadospeloa 7 volumea para o. Srs.
..signantes que tem satisfetlo .. condige. do
programms poblic.do p.gaddo prerioanie, .
inda para aquelles que pagarem ao recebimeo-
to do Io volume. Concluida a inpresaao, coa-
t.ro os exemplsres que rest.rem, 20} em bro-
chura e 5 encadernado*.
CONTINUA A SURSCREVER-SE EM CASA DOS
SENHORES:
Rio de Janeiro. Major Bernardo Xavier Pin-
to de Souza.
Bihia. Joaquim Lopes de Carvalbo & C.
Rio Grande do Su I.Antonio Eslevao de Bil-
tencourt e Silva. (Typographia do Dimrio Jo
Rio Grande.)
Porto-Alegre.Joaquim Alves Leite. (Livra-
ria.)
Pernambuco.Commeudador M.aoel Figoei.
r0. de F.ri.. (Typographia do Worto de. Per-
nambueo.)
Para.B.ro de Ar.ry.
Em todas as casas cima mencionadas aelta-sa
a parte j impressa da obra diaposiclo do. Sr.
assigoanlea.
^Estabelecido no lugar da Capunga, um dos arrabaldes
mais prximos da cidade do Recife
DIRECTORO BACHAREL EM MA.THEMATICAS
SESHAISirj) PliliftA ifj) 6fiQ).
funecionar e rece-
Este estabelecimento de edocagao e instruego principiar a
beri alumnos do dia 10 de Janeiro prximo futuro em diante.
l. f..?JJ^mJn0?a, as.,ei0 "" coodigoes hygieuicas dos edificios destinados
isfuoCQoes do estabelecimento. a ordero e tegularidade do servigo no 10 ter o ato 1
dedicagao e zelo que empregaro o director e os profesares a bem do aoroc
MH? ment e progresso dos alumnos, sao circumstaocias que devem animar e fiaranti
^^ paes de familias que desejam dar a seus filhos uma edoeago regular.
Cadeirus de
Primeiras leltrasdividida
portuguez. latim,
historia, phiiosoph
aproveitt-
r aos
entino.
illrasdividida em duas classes. teodo cad -r-"seu nrnrnr
francez. inglez. arilhmelica. '--1 mt,ia LP.K
hia, rhetorica, de-/- JSg8 8>eph.. e
i,-!-,!,'fs d0 in'ernato que esto a 'disposigo de quem os quizer 1er se
acnam c^;,gn,aa8.as condiegoes de entrada.
Gabinete medico cirurgico.j
Ra das Flores n. 37.
Sero dadsscons<as medlcas-cirurgi-(
cas pelo Dr. Estevo Cavalcanti de Albu- I
querque daa 6 as 10 horas da man na, ac- I
% cudindo aos chamado, com m.ior bre- I
% vidade possivel. (
0 l- Partos. (
^ 2.' Molestias de pella. |
0 8.* dem do olhos. <
0 4.* dem dos orgo. genit.es. 1
.y Pr.ticartod. equalquer operago em 1
aj) seu gabinete ou em es. do. do.nte. con- ,
^ forme lhe. fdr m.ii conveniente.
Perdeu-se no di. 29 do correte em Oiiod.
de.de a praia de S. Francisco, ru. do mesmo, at
abaixo da iadeir. d. bicc. de S. Pedro, um re-
logio patente suisso de ouro ; roga-se a pessoa
que o achou, dirij.-se ru. da Seozala Nova o.
28 : d-se certamente todos os sign.es e recom-
pensar-se-ha bem.
Attenco.
Previne-se a. pessoas de bom gosto, que, d'a-
manhem diante encootraro o hotel Trovador na
ra larga do Rosario n. 4* aberto toda a noite,
assim como excedente sorvete, boaa fructas e do-
ces, refrescos feitos machina, e muitas outras
iguarias vontade dos concurrentes, como aejam
pudins, bolos, etc. ; emfim, o proprietario espe-
ra que todas as pessoaa que o quizerem boorar
com anas presengas, nao deixaro de sahirem sa-
tisfeitas.
Pergunla-se a commissao que por mel de
urna subs:rip?ao tirou esmolas pela ra do Rosa-
rio, para um Te-Deum, e como se oo effectuas-
se dito Te-Deum, para dinbeiro. a seus dono?
Preciss-so saber se reside nesta pr.c. ou
for. Jos Joaquim de Amorim Baeellar; tratar
com Marques Barros61 C., largo do Corpo Saolo
o. 16 segundo andar.
, Precisa-se .lugar um. escrava par. o ser-
vigo interno de um. familia pequeo., agradando
paga-se bem: quem tiver dirija-se a roa d.
Cruz o. 46, oh o. ra do Atalho, perto da caixa
d'agoa aa Boa-Vista.
Aluga se o solio assobradido da casa da
ra da Roda n. 13, o qual tem 08 seguinUs com-
modos : duas entradas, uma por esta ra o ou-
tra pete dos Pato., duas salea, na trrico, dous
quartos, cosloha, cacimba, suaidouro para agss
semd.i, etc., a tratar na pr.ga da Independen-
cia o. tt.
4PPR0VAC10 E AITORISACO
DA
E JUNTA CENTfiAL DE HYGIENE PUBLICA
CHAPAS COICilAES
ELECTRO-MAGNTICAS EPISPASTICAS
De Ricardo Mirk
Para
serem applicadas s partes afifectadas
sem resguardo nem incommodo
Com estas Chapas-elbctro-iugneticas-ewspasticas obtem-se uma cura radical e n-
f.Hivel em todos os casos da inflamraaco ( catwvp ou falta de respiraco ), sejam internas ou
externas,como do figado, bofes, estomago, bago, rins, ulero, peilo, palpilago de corceo, gar-
ganta, olhos, erysipela, rheumatismo, paralysia e todas as affecces nervosas, etc., etc. igual-
mente para as differeotes especies de tumores, como lobinftos escrfulas etc., seja qual fdr o sea
tamanno e profundeza por meio da suppuraco serio radicalmente extirpados.
O uso deltas aconselhado e receitadas por habis e distinctos facultativos, sna efficaia in-
contestavel, e as innmeras curas obtidas o fazem merecer e conservar a confiarla do publico
que ji tem a honra de merecer, depois de 24 annos de existencia e de pratica.
As encommendas das provincias devem ser dirigidas por escripio, tendo todo o cuidado
de fazer as necessarias explicsces, se as chapas sao para homem, senhora ou criaoca, decla-
rando a em que parte do rorpo existe, se na cabeca, pescoco, brago coxa, pama, p, ou tronco
do corpo, declarando a cicumferencia: e sendo nchaces, feridas ou ulceras, o molde do seu
famanho em um pedacp de papel e a declaraco onde existem, afim de que as chapas seio da
torma da parte affectada e para serem bem applicadas no seu lugar.
Pode-se mandar vir de qualquer ponto do imperio do Brasil
As chapas serao acompanhadas das competentes explicacdes e tambem de todos os t
orlos para a collocagao dellas.
Consulta as pessoaa que o digoarem honrar com a sua confianza, em seu esariptorio,
se achar aberto todos os dias, sem excepgo, das 9 horas da manha s 3 da (arde.
119 Ru% do Parto ||)
PERTO DO LARGO DA CARIOCA
i m fUMhmmM
Para as encommendas ou informaces dirijam-se a pharraacia de JosAlexandre Ribeiro,
ra do Qbeimado n. t9.
os acces-
que
de lindos
de lindos
de lindos
de lindos
venham
veoham ver
venham ver
veoham ver
venham ver
Vestidos pretos mais proprios
Vestidos pretos mais proprios
Para tirar retratos
P*r* tirar retratos
A. W. Osborne retratista ame-
ricano
A. W. Orboroe retratista americano
Rui do Imperador
Ra do Imperador.
ganis mmmmmmwimx
Dentisla de Pars.
i 5 Ra Nova 15
r*r Jar icGautier,c ir urga odentisla,(az3
todas as oporaces da sua arta ecolloea]
dentesartilciaes, tudocom a suporiori-j
dade ep arfaico que a pessoasentendi-a
das lhereconbecem.
Ttm *gu3 a ptSsjteoxi/rfcv te.
CONSULTORIO ESPECIAL B01E0PATHIC0
DO DOLTOR
SABINO O.L. PINHO.
Ra de Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
Consultas todos os dias uteis desda as 10 horas
at meio dia, acerca das seguate, molestias :
molatiat da mulhere$, moUttiat dat crian-
S; molestias da pille, molestias dos olhos, mo-
tiat syphilxcas,todas as especies dt fibres,
ftbriiintertnitUnttitiuai consecuencias,
FBARaUCL ESPECIAL HOHBOFATBICA .
Verdadeiros medicamentos homeopathicoa pre-
parados som todas as cautelas necesaria., in-
f.lliveisem seu. effeitos, tanto em tintura,como
am glob.lo,pelos pregos mais commodos pos-
iv.is.
N. B. Oa medicam" os do Dr. Sabino sao
laicamente vendidos s so. pharmacia ; todos
que o forem fra dei; t sao falsas.
Todas as carteira. sao acompanhadas de om
impresso com um emblema em relevo, tendo ao
redor aa seguintes palavraa : Dr. Sabino O. L.
Pinho, medico brasil eiro. Este emblema i posto
Igualmente n. li.ta dos medicamentos que M pe-
do, Aa carteira. qae nolovaremesseiapreaso
a..im marcado,emboratenham natampa o no-
va do Dr. Sabino sao falaoa
3~Roa estreita 4a Rosari*- K i
Francisco Pinto Uxorio contiou Cbt
) locar dente, artifici.e. tanto por tio
) molas como pela presso do ar, -0 '
m cebe paga alguma sem que as i ... _io
^ fiquem a vontade de seus Joos eB
0 outras preparares as mais cr/ediudV. '
ampara conserv.go da bocea. / """"" I
% ;
- Coapraa-se garrafas vas/^T JCiSfcfl
espirito, d. roa DirU. n. 17.(
Antonio Pires Ferreir.
Souza Martios, tendo de
uaa missa pelo eleroo
Jos Rodrigues Coelho
dam a todos os seus p
igutlmeote aos amigo.-
i ...islirea este acto
9 horas da manbaado
igrej. matriz da Boa
da
= U. f. Wiu 4 C.
po do comaercio que
Arma social ser subst
e que autori..m o Sr.
oar por procurago.
1862.
Na ra do
t o repela*ei Cvr-
je ea di.ote .aa
pela de Wild A Iart
eaeyer para assig-
fe 1* de Janeiro de
mperador, botica n.
44, precisa-se de uma pessoa com praii-
ca de pliarmac?
SMt,
I
bacharel Witruvio po-
de aer procurado na ra
Nova o. 23,sobrado da es-
quina que volta para a
caaboad Carao.
:
| _____________________
Publicayes do Instituto Ho-
meopathico do Brasil.
TIIESOIRO IIOMEOPATIIU 0
O
VADE-MECII DO H0BF0PATUA.
(Segunda ediccao consi-
deravelmente augmen-
tada.)
Diccionario popular de mediciaa ka-
nieopa tuteo
PILO ER.
SABINO OL PINHO.
Conlinu.m as .signaturas para ests. obra. .
SOfOOO em brochura at dezembro. Desse teapo
ea diante aa .asignaturas serao elevadas ara.
tama.
Ra de Santo Amaro (Muido Novo) n. 6.
Escravo.
Precisa-se comprar oa eseravo qte tenba de
id.de 18 a 10 annos, s.baodo oficio de alfaiale,
olo duvid. pagar bea pago, alado habilidoso
no mesmo offlcio; na ras Nora a, 47.
Precisa se F a urna casa estrange
de Familia, u ama para o ser?i temo que sa cozinhar e engommar
agradaBdp ^-se bem: a tratar
ra de Apollo n. o, bJu-,^ Q u
tro.
N. O. Saber & C, tuccesores fa.
publico, que desejando o Sr. Franc
D. Feuerbeerd de retirarle para E-
pa, deixa o mesmo desta data em di
de azer parte de sua sociedade.
nambuco 1 de Janeiro de 1862.
Quem tiver coritas com F.
Feuerheerd, queira entrega-las no
dias no escriptorio de N. O. Bieber
seccesso res, para serem pagas.
Gabinete porlugnez d
Leitura.
De ordea do Illa. Sr. preiidente do
deliberativo, sao convidados os senhores
lh6ros reunirem-ae ea sessao exlraor
sabbado 4 do correte, .. 6 horas da lar
aala das sessoe. do mesmo gabinete.
SecreUria do Gabinete Portug.ez de
em Pernambuco 1.a de aneiro da 186J.
M. S. Pioheiro
1.a secreUric
Alug.-se aa escolenle sobrado o
acabado, muilo .rejado, com belliasia
compoato de um andar com ptimos cor
ua ampio .olio e vatio armazem, por i
.s razo.vel; na ra do Broa o. 31, en
com Joa Aotune. Guimaraet.
Atiso.
e da.
A director, do collegio Sao!. Ursul
assignada, avia. ao. pal. de suas al.
quem m.i. convier, que em viitode do
do. estatutos, principiam os Ir.balboa d
collegio no da 7 do correte aei. A
envidar lodo. o. exforgo. .en alcauc
de.merecer do conceito adquendo no
auno de seus tr.balhoa, e .Um de qae'
su., luanas fiquem completamente
coa a educagio de aoas Albas. O eoUet..
n. na ra Foraoaa, sobrado o. 15, .oo.i
rectora aera encontrad, a qualqaer haca
nala AUxaoeriaa de Barro..
Despedida.
Siaio d Saapaio Leite, retirando-, aw vaper
Oy.pock para o Rio de Janeiro, aseases u
por esta forma da. pe.aoas da non afrf.ee,
quem nao o pode azer pfssoala.nl*, nl.rerea
do naqoella corte o seo insigolficaaie afesao.
Preciaa-ae de ana .as. de leite : n. ra do
Hospicio o. 52, casa de Thomaz de Aqaiavo Fea-
seca.
Precisa-se ile aa coixeire de 1S a II aaaes,
que lenba alguaa pratica de taberna : anea
pretender, dirija-se a roa do Livraaeeto a. 8.
Despedida.
Teodo de seguir boje para a corte, e nao
sendo possivel despadlr-ae aaria de faina na
offici.e. o cadete, desta gnamicao, aaaw 4e te
d.. as pessoas qae hoersraa-ae cees eaa aad-
z.de, veoho pela imprensa deacalaar-ae 4a asan
falla involuntaria e coofessar-ste sin asa ta
agradecido. Recife 31 de descaer da 18f I
Amonio da Bocha Bexern Caeirlcaaii.

MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO


DUew f i tk^4lo
*
.-
--------
01 Ur
Precisa-se de ana ata* forra, prefere-se de
!eia idade, par* o artico de compras, aa ra
ella n. 38.
AUen^o.
Lentillea Le meilleur et le plua salubre d tous
les leguas es, rafraicbissaDt, et legei l'eitomac.
Se preparen! de toutes les manieres et toules
les Musses. Se tro van t a rrmaxem do Progres-
siro e Progresarla place do Carmo n. 9, et ru
das Crazas a, 36.
Precisa-se alugar urna escrava que sejs de
boa conducta, para o servido de cozinhar e en-
gommar em urna casa de familia : na ra do Vi-
gario n. 1.
Precisa-se
de alugar urna escrara para o semgo de casa,
sendo que engomme e ensaboe bem: s tratar em
Fra de Portas ra dos Guararapea o. 30. i
Sociedade bancaria.
Amoriro, Fragoso,Smtoa & C.sacara tomara
nques sobre a praga de Lisboa.
MML
Precisa-ae de usaa ama forra ou captiva (pre-
fere-se captiva) para o ser vico interno e externo
de urna casa de urna seohora em Gachang, mas
que salba cozinhar e engommar bem, paga-se
bem ; a tratar na ra da Cadeia do Recite, loja
numero 11.
Aliaga-se o primeiro andar da casa
n. 12, da ra do Encantamento muito
fresca, e com poucos commodos: i tra-
tar na ra da Cadeia n. 33, com Joao
Ribeiro Lopes, ou no armazem da mes
ma casa.
Da casa do abaixo assignado desappareceu
no dia 20 do correle um cabrinha de come Be-
nedicto, de idade de 10 a 12 annos, levou camisa
de riscadinho de cor, tem urna marca de ferida
em urna perna : quera o pegar leve-o A ra daz
Trincheiraa n. 48, ou pateo |do Carmo n. 15, que
se recompensar.
Joaquim Elviro Aires Silva.
O Sr. Joao Hyppolito de Metra Li-
ma, queira apparecc nesta typograpbia
que se Ihe precisa fallar.
Est para alugar a loja do sobrado da ra
da Aurora o. 80 : a tratar na mesma casa, se-
gundo andar.
Quem precisar de urna ama para cozinhar
e engommar, dirija -se s ra do Imperador d. 14.
D. R. Martiny e Guiller, natural de Madrid,
retira-se para a Europa.
A tintureira que morou nos Martyrios mu-
dou-se para a ra Augusta n. 16, portao para a
do Alecrim, sonde temtaboleta, e contina a Un-
gir de todaa as cores a prego commodo.
Os credores da massa fallida de Jos Luiz
Pereira Jnior aio convidados para receberem o
primeiro dividendo na oss dos administradores
Continua-se a recebar encommendas de tudo
quaoto for relativo a eata arte, ha muito coohe-
cida fabrica de fogo de artificio do fallecido Ru-
fino : no biza* pernambucaoo da roa do Impe-
rador n. 6.
- Aranaga, Hijo & C. sacam sobre
o Rio de Janeiro.
liOiap-as,
Comprara-se iccoes do novo bsnco de Per-
oambuco : no eicriptorio de Hanoel Ignacio de
Oliveira & Filho, larga do Corre 8anto.
Compra-se orna ascrave com- as habilidades
precisas psra urna cata de familia, e que tenha
bom comporlsmeato,
Escrava.
Compra-ae ama escrava na ra d S. Fmucis
codefrouta do n. 30, esquina do pateo lo farai-
zo, para saliaaxer una encommenda, com unto
que seiba engommar e lavar, e te garanta sus
conducta a aaude.
6'tas.
Urna barcada.
Vende-ae ama barcada do porte de 35 caixas,
eocalhada no estaleiro do mestre carpinteiro Ja-
cintho Elesbo, ao p da fortaleza das Cinco Pun-
tas, aonde pode ser vista a examinada pelos pre-
tendentet; vende-se a prazo ou a dinheiro ; a
tratar eom Manoel Alvet Guerra, na me do Tra-
piche n. 14.
na ru da Cadeia do Recite n. 4.
'Aluga-se um mulato com
a tratar na
18 annos, pro-
rus da Imperatriz
prie para criado
uamero 97.
/ Precisa-se alugar urna preta que saiba co-
zinhar : na ra da Concordia n. 1, serrara.
I Aluga-se um grande armazem no caes do
Ramos: a tratar com Jos Hygino de Miranda.
= Charles Aron retira-se psra Europa e dei-
xa por seu procurador Bernardo Raymundo Las-
serr.
Precisa se alugar urna escrava que
seja de boa conducta para o servico
interno de casa de familia, e que saiba
engommar e especialmente cozinhar
e agradando perceber bom aluguel, e
ter bom tratamento: na ra da Auro-
ra sobrado n. 58.
Precisa-se de um forneiro na padaria da
ra larga do Rosario n. 16, junto ao quartel de
polica. N* mesma precisi-se de um coz: iheiro
e nao precisa ser muito bom.
Precisa-se de um caixeiro que tenha bas-
tante pratica de taberna e seja inlelligente : a tra-
tar na ruado Rosario da Boa-Vista o. 56.
NOVAS JOIAS
Serflm & Irma o com loja de ourives na es-
quina da ra do Cbuga n. 11, confronte ao pa-
teo da matriz de Santo Antonio, franqueiam so
publico o escolherem as msis modernas edelica-
das obras de ouro muito em coala e novameole
chegadas ; gsranlem a qualidade do ouro, pas-
eando contas com as necessariss declaraces nos
recibos; tamben trocam e recebem para* fazer e
concertar toda e qualquer joia : os meamos pre-
vinem que ninguem se deixe ilUdir por indivi-
duos que andam vendendo joias por fra desta
praca, dizendo serem da casa dos meemos, pois
nunca tiveram, nem tm pessoa alguna encarre-
gada de vender joias suss.
Guimaraes Luz
em contequencia de estarem na liquidac&o do
fiado, outra vez rogara a todos os seos devedores
am geral que tenham a boodade de vir ou man-
daren) pagar seos dbitos at o fim do mez de
Janeiro prximo futuro; aquellos que assim o nio
Izerem tenham pacinocis, que suas contas serio
entregues no principio de fevereiro so procura-
dor para serem cobradas judicialmente. Recife
13 de dezembro de 1861.
hRAD0QUEIMAD0 MA6
PAt>hGRMDE20mMEHTo
^DASEROUPKSf
Sortimanto completo de sobracasacos de panno a 250, 289, 300 e 359, caaacos muito bem
taitas a 25g, 28g, 30$ e 351, paletots acasacadoa de panno preto de 16 at 259, ditos de caaemira
de cor a 159,181 e 20f. paletots saceos da panno e caaemira de 89 al 149, ditoa saceos do alpaca
m crin a la de 49 at 69, sobre de alpaca e merino da 79 al 109, calcas pretaa de caaemira de
89 at 14$, ditoa de cor da 79 at 10$, roupaa para menino de todoa os lmannos, grande sorti-
mento de roupas de brins como sejam calcas, paletots e colletes, sorlimento de colletas pretos de
setim, casemira a velludo de 49 a 9|, ditoa para casamento a 59 e 69, paletots brancos de bra-
mante a 49*5/, calcas brancas multo finas a 6f, e um grande sorlimento de fazendas fina a e mo-
dernas, completo sorlimento de casemiras ioglezaa para homem, menino a senhora, seroulas de
linho e algodo, chapeot de tolde teda, luvaa da teda de Jouvio para homem e aenhora. Te-
mos urna grande fabrica de alfaiale onde recebemos encommendas de grandes obras, que para
isso est sendo administrada por um hbil meatre de aamelhante arte a um peasoal de mais de
ciocoenta obreiros escolhidos, portanto executamos qualquer obra com promplido e mais barato
do que am outra qualquer cata.



Ra doQueimado n. 10, loja
de 4 portas.
Ven ie-se panno verde, preto, \ azul acorde
caf, covado 39.
Cisemim preta superior qualidada covado
19600 e 1&800.
Chalea de touquim para acabar V 10.15. 20.
30 e 409
Superiores cortas .! la o mai/'moderno que
tem viodo ao mercado a V0, 100yeM209.
Sediohas de quadrinhas e fiares, superior fa-
zenda e moderno gosto, covado, 800, 1* a 19400.
Chaly, superior fazeoda, ovado, 500 rs.
Mimo do co, fazeoda pa/a vestido de aenhora,
ovado 500 ra. /
Taimas a manteletes pretos 118, SO e 259.
Superiores vestidos brancos bordados a SO, 25
e 309. /
Cassas francezaa finas, covado, S40 rs.
Corles de cassas de salpicos, um 39 e 3$5O0.
Cortes de seda preta a 25g, 30, 35 e 40$.
Lencos de seda a 600 e 800 rs.
Lia de quadros para vestido de seohora a rou-
pa de meninos, covado 240 rs.
Grosdenaple preto, covado 19280.
chales de merino bordados a 4$.
Chitas francesas escuras, covado 240 rs.
Meias de algodo cr para homem a 49.
Cortes de velludo para collete s 39500 e 45000
Paletots de brim a 3 e4#
Chapeos de sol do seda para seohora e meni-
nas a 3e 41.
Lequea para senhora e meninas a 3 e 49.
Espartilnos psra sennora e meninas a 3 e 4Jf.
Chapeos de pellica para meninos e meninas.
Chapeos de palha pora senhora.
Chapelinas de sedo para senhora a 8 e 10$.
Camisas abertas de renda para senhora a 19 e
3$000.
Grosdenaple amarello com um pequeo toque
de moro, covado 600 e 700 rs.
Paleloi, caiga e collete de casemira, pelo bara-
tsimo prego de 259
Ceroulas escocezas, urna 19200.
Cortea de barege com duasaaias a 8 e 109.
Cortes de seda escocesa, superior fazeoda, com
13 e 15 corados cada um a 109.
Camisas inglesas com peilos de linho e com um
queoo mofo, duzia 25$.
Paletots de alpaca, um 99.
Cortes de casemira um 39500.
Chales de lia e seda, superior fazenoa, a 19500
Lencos de cambraia de linho bordados com bi-
co.a 39. 5, 6 e89.
Ditos de dita para honfem, duzia, 69, 8, 10,12
e 14$.
Setim preto maco o melhor que tem appare-
cido. covado 39.
Chapeos de sol de seda para homem um 69.
Ditos dito de dita ingleza para homem, um 99.
10 e 129.
Bales para senhora, um, 3 e 49.
Panno de linho do Porto com 12 palmos da lar-
gura para lences, vara a 39200 e 39400.
Lencos de cambraia bordados com bico.'duzia
a 2$500.
Golliohaa de cambraia bordadas, ama 820 rt.
Manguitos de dita ditas, um 19.
Camisas para meninos, duzia 159.
Fil de linho bordado, vara I92OO.
Dito da dita lito, vara I98OO.
Cortes de r de linho, um I96OO.
w
,
Loj&iStei.'i por-
tas em frente do
Livrainentt.
Chapeos de sol de alpaca a 4|.
Duzia de meiatcruaa para hotsem a
19200 e o par a 120 rt., ditas brancas
muito finaa a2$500 a duzia, lencos da
cassa com barra de cores a ISO rs. cada
um, ditos brancos a 160 rt., balea da
20 a 80 arcot a 3$, laazinha para ves-
tidos a S40 o covado, chales de merino
estampados finos s 59 e 69, larlatana
branca e de corea muito fina com vara
e meia de largura a 480 rs. o covado,
fil de linho liso 640 rs. avara, pe-
Cas de cambraia lisa fina a 39, cassas
de cores para vellidos a 200 ra. o co-
vado, mussulina encarnada a 320 ra. o
covado,calcinbas para menina de escola
a 1f o par, gravatinhas de tranca a 160
ra., petos para camisa a 200 rs. cada
um dusia 29, pegas de cambraia de sal-
pico muito fina a 39500, pecas de bre-
tanha de rolo a 29, chitas francesas a
220 e 240 rs. o covado, a loja est,
aberta das6 horas da manha as 9 da
noite.
UtXSnSULUEEKEE' _
Largo da Assembla
numero i o.
Ha continuamente neste estabeleclmento as
seguintes fazendas para vender, por menos pre-
go que em outra qualquer parte.
Cera de carnauba da nova safra primeira qua-
lidade.
Cebo do Porto em pao e velas.
Sois ou vaquetas de difiranles qualidades.
Courlnhos curtidos. ^
Farinha de mandioca muito nova, qualidade
igual a de Mutibeca, milho novo, saceos muito
grandes.
A dinheiro.
Potassa da Russia.
A 200 rs. a libra.
O bem conhecido deposito da ra de Apollo n.
24 recebeu directamente peloiultimo navio a bem
conhecida e acreditada potassa da Rusiia, e est
Tendeado a SOO rs. s libra, dinheiro vista.
Vendem-se libras esterlinas; no escrito-
rio de Amorim Irmaos, ra da Cruz o. 3.
Attenco.
Vende-se confronte o poriio da fortaleza des
Cioco Ponas otegalnte : earrocaa para bei, di-
tas para aavalloa para agua, caniofco pan traba-
lhar o< alfaudega, ditoa da asta, ro aa paca car-
roca e carrinhos, eixos, lorradoret aa caf cota
fogao, boceas de (orno, bandeiras, ferros de fal-
tas de todaa aa qualidadet, dobredicae da chum-
bar de todos os ismaohot, (echaduras da ferrolho.
ferroiho de chapas, ferro de embutir de todoa oe
lmannos, e poilaode ferro
Novidade no tor-
rador!
23 Largo do Terca 23.
Queijos flameogot muito Irescaes, chafados
oeste ultimo vapor a 39. manleina francesa a 720
e e40, manteiga inglesa flora 900 e 800 rt., ata
porcao ae fsr abatimanto, assim cono se to'rram
o u Iros muitos gneros perlenceotes a molhadoa
assim como sejam, aaf, primeira a segunda sor-
te, arroz, velas de espermacete e carnauba, aiei-
te doce e vinagre, e viuhot, te vendem por ma-
nos do que em outra qualquer parte a dinheiro a
2 A ra do Queimado 8
numero 10. |
| Loja de 4 portas
5 DE I
gFerro < Maia.5
E'chegtdo um completo sortimrnto 5
das saguintes fazendas, o mais moderno V
fj| que tem apparecido no mercado : fjfj
Ou Chapeos prels para bornea.
f Ditos de palba para senhors. w
9 Ditos de pellica para meninos a meninas. A
A Borzeguius para homem e seohora por m
~ menos pre^o de que em outra qual- s
quer parte. ^
0 Riquissimas capinbss de grosdensples A
preto bordados para senhora.
Ditas de caxemira dita.
O Caiaveques brsncos bordados. A
% Sintos doursdos do ultimo gosto.
^ Eoleites de retroz e missanga.
W Bales de duas saias o mala rico ^jue w
{ tem apparecido. A
^ $$$
Chapeos de palha.
O mais lindo sorlimento de chapeos de palha
das formas as mais modernaa de Pars, para se-
nhoras e menioaa, ricos sintos ultima moda, di-
tos com lagos bordados : na ra do Crespo a. 4,
casa de J. Falque.
GRANDE DEPOSITO
DE
Mi
Pracias-se de um menino forro para trabalhar
am urna fabrica de velas; a tratar na ra da
Cruz n. 26, armazem.
Criado.
Precisa-se de um criado forro para todo servi-
o de casa de homem solteiro, e que sirva para
arregar agua no chafariz : a tratar na ra da
ruz, armazem n. 26.

>
ESTRADA DE FERRO
DO
cife a Sao Francisco
(limitada.)
o presente se faz publico que do 1 de ja-
de 186S em diente todas as mercadorias
tidas para a cidade do Recife pela mesma
rrea aerao enviadas, se assim eiigirem, da
o das Cinco Ponas, pelo mar para o depo-
is Srs. Velloso & Dantaa no caes do Apollo.
E. H. Braman,
Superintendente.
tatWSenUora do Mon-
to cmOVmdo.
O lllm. Sr. D. Abbade de S. Bento. da aceordo
com o abaixo aseigoado, transferio a mesma tes-
ta do dia 31 do correte mez para 12 de Janeiro
de 1862.Maooel Luiz Viraes.
Memorias
da viagem de S. MM. II.
s provincias do norte.
Oa seohores que tubicrevertm para a imprea-
sao das Memorias da Viagem de SS. UM. II. s
provincias do norte, queiram mandar recebar o
primeiro voluma na livraria ni. 6 a 8 da praca
da Independencia, mandando levar o importe os
que ainda nio o tirerem pago.
Precisa-se de um negro captivo oa forro
para eoaduzir Uboleiros de comidas pare fra :
oa nr larga do Rosario n. 25.
DO
B %RBALHO (CaB<>.)
4I-RIIA DO IMPERADOR-41.
Neste deposito existe grande quanlidade de louco e de todas ss qualidades, o que se pode
desejar de bem fabricado e de boa qualidade de barro, coma propriedade da conservar a agua
sempre fris, como sejam jarras, resfriadores, muringues, quartiohas, garrafit, copot para agua etc.
De obras vidtadas.
Tem ricos vaios para dures, talhas, alguidsres de todos os tamanhos, assadeiras, boioes
com lampos esem elles, panellaaparabaler-sebolot, cacerolas, enfuzas, frlgideiras e muitas ou-
tras pecas que seria enfadonho mencionar.
O proprietario desta fabrica a primeira deste geoero entre us espera obter do respeitavel
publico aoimaco e concurrencia e para conseguir esse m vende a sua loUQa mais barata do que
al aqui se venda nesta cidade.
Aprompta qualquer factura para exportar, alm dos presos commodos porque vende d 10
por ceoto de abale para quom comprar de 1009 para cima e deesa qnantia para menos 'erao 5
por ceoto.
Qualquer encommenda pode ser entregue no deposito da fabrica ra do Imperador n. 41.
&IFH
ARMAZEM
ROUPA FUTA
Joaquim F. dos Santos,
40Ra do Oueiniado40
Defronte do becco da Congregacao letreiro verde.
Neate eatabelecimento ha sempre am sorlimento completo de roupa falta de
todas as qualidades e tambem se manda executar por medida vontado dos fregue-
ses para o que tem um doa malborea profesaores.
36, ra das Cruzes de Santo Antonio, 36,
PROGRESSIVO
1.
rA
Casacas ue panno preto a 40S,
33$ e 309000
Sobrecasacosdo dito dito a 359 e 309000
Paletots de panno preto e de co-
res a 359, 309, 25. 109,189 e 209000
Ditos deeasemirs de cores a 2J,
15$. 129.79e 99000
Diloi de alpaca preta golla de
velludo fraacezas a IO9OOO
Ditos de merino setim pretos e
de cores a 9$ e 89000
Ditos de alpaca de cores a 59 a 89500
Ditos de alpaca preta a 99,79.59 a 8$500
Ditoa de brim de cores s 5$,
49500, 49 e 39500
Ditoi d bramaote de linho braa-
co a 69. 5$ a 490OO
Ditos de merino de cordio preto
a 159 e 89OOO
Calcas de casemira preta a de co-
res a 129. 109. 9$, 7$ o 69000
Dilaa de prioceza e merino de
cordao preto s 59, 68500 a 49500
Ditaa de brim branco ede corea a
59. 49599 e 2$500
Calesa da ganga da corea a SfOOO
Collete de vellido preto e de co-
res lisose bordados s 129,99e 89900
Ditos do casemira preta e d co-
res litot a bordados a 69,
59500,59 3J.500
Ditos de setim preto
Ditos de seda e setim branco a 6 e
Ditos de gorguro de seda pretoa
e do cores a 79, 69, 49 e
Ditos de brim e fustao branco a
3$500, 29500 a
Stroulas do brim de linho a 29 e
Ditas de algodo a I96OO e
Camisas da peito defustao branco
ede corea a 29400 a
Ditas de peito de linho a 59, 49 a
Ditas de madapolao brancas e de
cores s 89. 29500, 29 a
Chapeoa pretos de massa fraoceza
forma da ultima moda a 109,
8$5O0e
Ditos de feltro a 69. 59, 49 e
Ditoa de aol de seda ingleses a
franceses a 14$, 129, 11$ a
Colarinhot de lineo muito finos
novotfeitioe da ultima moda a
Ditos da algodo
Relogiot de onro patenta o hori-
zontal a 100$, 909. 80$ a 70J000
Ditoa do prata galraniadot pa-
tente e horizontaea a 409 30$00o
Obrat da ouro, aderaeoa a meioa
adeMcea, pulcelraa, rosataa a
snaii a 9
Toalhss de linho duzia 10$, 69 a 91000 t
Ditas grandes para meaa urna 3 e 49000S
59000
5*000
59000
39000
29200
19280
292OO
3000
l$6O0
79OOO
29OOO
79000
9800
9500
Mailteiga igleza especialmenteescollhida a 800 e IfOOO, eera porcao ter abatimenlo.
dem tranceza a melhor do mercado a 700 rs. a libra e em barris a razio de 600 rs. a libra.
QueijOS flamengOS chegados neste ultimo vapor a 39000.
QueiJOS lundrinps o melhor que ha neste genero por serem muito frescos a 18200 a libra.
QuejO pratO o melhor que se pode desejar a 1200 a libra e HMOO o inteiro.
Cha hyssoil e pretO o melhor do mercado de 1&700 a 2#880 a libra.
Presunto fiambre inglez a hamburguez a 720 rs. a libra.
Presuntos portuguezes vindos do Porto de casa particular a 560 rs. por libra inteiro a 460 rs.
VinhO engarrafados Duque de Porto, genuino. Porto fino, nctar, Carcavellos, Cames, Madeira secca, Feiloria velbo, secco 1 chambao
VinnO oOrdeaux de superior qualidade difirentes marcas a 800 e lt a garrafa ede 8|500 a 109000 a duzia,
VinhO em pipa prapritt para pasto de 500 a 600 rs. a garrafa a de 39800 a 49800 a caada.
Marmelftda imperial a escolher de todos os fabricantes de Lisboa premiada as exposigoes universaes da Londres a Pars a
000 rs, a lata, de urna libra e a 19700 as de duas libras.
oOCelaS com doces secco das mais deliccda frutis da Europa, e o mais proprio que ha para mimos, por serem ricamente enfeiladas, a da
muito gosto a 39500 cada urna.
FigOS em caxilinas de 4 libra muito frescos e gramdes a 29000.
Peras SeCCa em caixlnha de 4 libras chegadas neste ultimo vapor a 39500 e 19200 a libra, afianca-se ser o melhor que poda have nesta
genero. fc
AmeixaS francezas em latas de5 libras por 49000 e 11000 por libra.
PaSSaS em caixinhas de oito libras, as melhores do mercado a 39 a a 640 rs. a libra, e em caixa de urna arroba a 99500.
Latas COm fructas da lodas s qiwlidades que ha em Portugal de 700 a 1900U a lata.
Gorinthias em fraseos de 1 ij2 a 2 libras de 19600 a 29200.
FraSCOS de amendoa coufeadascom 2 libras, proprias para mimos, por serem muito bem enfettadas a de superiar qualidade a 29500
eada um.
Caixas ^ort id as eom ameixas, amendoas, passas figos, peras e nozes oque ha de mais proprio para mimos, de 49000 a 59000 rs.
por caixa de 10 a 12 libras, e 320 rs, a libra dos figos.
Lata COm bolaxinha de SOda de diversas qualidades, e muito novas a 19450. e grandes de 4 a 8 libras de 2*500 a 49500.
Conservas,inglezaS francezas a portnguezis de 600 a 800 ris o frasco.
Ervilhas fratfezas portuguezas a 720 rs. a lata, afianca-se serem as mais bem preparadas que tem vindo ao mercado.
Mascas talharim, macarrao e aletria as mais novas que temos no mercado a 400 rs. a libra.
Casia unas e nozes as melbores e mais novas por terera chegado neste ultimo vapor a 200 rs, a libra de nozes, e a 59 a arroba da
castanhas, e 160 rs. a libra.
Amendoas de casca molla a 400 ris alibra em porcao ter abatimanto.
AzeitonaS de Lisboa novas e grandes vindas pela primeira vez ao nosso mercado a 39500 a aneoreta.
Champanhe das marcas mais acreditadas de 159 a 209000 reis o gigo de 19500 a 29 a garrafa.
CervejaS das melhores marcas a 560 rs. a garrafa e de 59 a 69000 a duzia da branea.
Cognac a melhor qualidade que temos no mercado a 19000 a garrafa e a 109000 a duzia.
Genebra de Hollanda a 600 rs. o frasco a 69500 afrasqueira com 12 fraseos.
Chocolate o mais superior que temos tido no mercadoporluguez. hespanholVefrancez de l9a 19200 alibra.
Vinagre puro de lisboa a 240 rs. a garrafa e 19850 a caada. / e)S
B atattS em gigos com urna arroba, as melhores que ha no mercado a 19 o^igo, a em porc,o de 10 para cima a SOO rs.
Sebo lias SOltaS novas e grandes a 19 o cento e a 89 o milheiro, afljrn^a-sa que vista da qualidade ninguem detxarf da comprar.
Espermacete Superior sem anria a 740 rs. em eaixa a a 760 A. a libra. ,'
ArrOZ o melhor do marcado a 100 rs. a libra e 29700 a arroba do da India a 120 rs. a libra do Maranho, /
Alpista O painc, O o mais lmpo que ha a 160 rs. a .libra do alpista a 240 ra. a libra do painco. f
Vinagre branco o melhor que temos tido no mercado a 400 rs. a garrafa e 29560 a caada. /
Massa de tomate em latas de urna libra do mais acreditado autor da Lisboa a vinda a primeira vez a nosso mercado, da 19 lata.
Araruta a melhor que se poda desejar a 320 rs. a Hbra, e 160 rs. a libra da gomma. /
Toucinho de Lisboa mais novo do mercado a 320 reis a libra a arroba a 109000.
A lera dos ganaros annuneiados encontrar o publico ludo que procurar undante a molhados, e por/manos daz por canto do que aaa
qualquer parte.
l
-
m
m


-
A
siaiO Di
a t JHeit>bi uta
Veo lo-se um eecravo con idade de 5* io-
dos por SOS por ter um# flslule ea MR* uerna '
a pessoa que guiser, dirija-se a rua Direita o. 14.
teite virginal
inftlive! remedio para
sardas e panos.
U UU virginal j baos cuohaciJo cobo rama-
di iofallivel para sardas peones, vaode-se a
SI ra. o fraseo ua mi doQuaimado, loja d'aguia
ranea o. 18.
N. O.Biabar & G.aaceeesores.rua da Crai
a. 4, tem para reoder relogios para algibalra da
euro eprala.
Esceocia de ail
Para en?Qmma Van le ti-aa fraiquiphoa com escencia 4a ail
consa encllenla para aogomraadQ porque urna
gota dalla bastante para dar rdr em una baca
da gomnoA teodo de mais a mai* a preciosidade da
nao manchar a roupa como omitas vetes acon-
tece cura o p da ail Cuita cada fratquinho
500 rs ; na ra do Queimado loja da aguia bran-
ca o. 16.
Mieangas miudas de todas
as cor**s.
A loja d'agaia branca acaba da recebar esiaa
procuradla utc*ige miudas que srveos par
pulceiraa e outras cousas, e por isso avisa ai
peasoas que ella*) espera vara a |i que nevamenla
quizerem comprar que munidos de 500 ria coro-
praro um masso multo maiordo qor os amigos,
lato smente na loja d'aguia branca, ra do Quei-
mado n. 16.
Grvalas da moda.
Na loja da boa f, na ra do Queimado b. 21,
ae encontrara um cmplelo sortimento de grava-
tas de sede pretaa a de eores, que se vendem por
precos ba Milsimos, como sejaro: eilreitiohas
pratas o do Im.ina corea a 19. ditas com pontaa
largis a 1>500, ditas pretas Duriadas a 1J600. di-
taa pretas para duas aellas a if ; na meucionada
loja da boa f, na ra do Queimado n. 23.
Veode-s* o grande aitio denominado Cala-
a, aito na freguetla da Vanea, de multo boas
trras, que ludo qaanto ae planta d ama grande
qusntidsde, com urna easa de laipa j coberla,
uma dita d (azer firioha, grande quamidade da
pee de cafezeiroa. com diversos pea de fructeiras,
como seja larangeirae, coqueros, etc., e|r.; e
tambera vendem-se duaa vaccaa que dio bastan-
te teite, urna deltas com a cria j grande, e o
burro manso : a tratar na ra do Sebo o. 80.
Vende-se
azeile de denle ou palma, dito de amendoim que
serve para luse machinas, mais barato do que
em qualquer outra parte; na ra do Vigario o.
19, primeiro andar.
Eutremeios
bordados em cambraia
transparente
Ha loja d'aguia anca ae acha um bello toril
tolo o ntremelos bordados em Oaa cambraia
transparente, e como de aeu coilume est van-
eendo bara|sDjonte a 120U a peca de 3 varee,
leudo quantidade bulante de cada padrao, para
vestidos ; e quem liver dtnheirp approveiter a
occaaiao, e manda-loa comprar na rna do Quei-
mado, loja d'aguia branca o. 16.
Esperaoca.
fLoja das 6 por-S
tas em frente do Li- #
vrameuto.
a Roupa fit muito barata.
Paleloia de panno tino eobrecasacos, ,
j ditos de casemira de cor de fustao, di los jB
de brim de cores e braocos, ditos da
ganga, caigas de casemira pretas e de w
9 cores, de brim branco decoros, de gao- tt
tea, camiaas com pello de lioho multo a
finas, ditas de algodao, chapeos de sol "
de aluaca a 4# cada um. ($$
Esponjas flaas
para o rosto.
Vende-se tnui Sosa esponjas par* roito. a fe
cada ama : na rtia do Queimado, loja d'aguia
branca n. 16.
Novas cartas de abe.
Vendem-se novas cartas de abe a 20 rs. cada
ama augmentadas por M*ria B ceicao, as quaes rooira 25 paragraphua de diph-
th'i'igos, e as acta** em uso s tem de 8 a 9 ; os
meniins com muita a.ili lade a comprehendem
e loes faciuu qualquer leuura. Alem do aug-
mento contera urna serie de nomes de diversos
objectos le que ekles esto mullo a par, assim
como aoa senhutes pas de familias grande parte do
que gistavam, porque os meninos nao aprendiera
lodos os diphlhonKus, pur isso se embaracavam
com qualquer leiturs uor mais fcil que (osse. 0
melhoramento que elUs hio de produzir in-
fdli-'el Segundo
jRua do. Queimado n 33 A.]
Becebeo dilectamente e a atu pedido
tinta ingleza azul prela da verdedeira,
esta ilota ae faz notar pela grande diffe-
renga em turto quar na durarlo quer pa
limpidez do liquido e anda rueia racom-
meqda-se os potes que alera de aerara
de urna Iouca mais alva qoe a ordinaria
tem na boca urna pequea cavidade que
facilita a lahida da tinta, afflmeamos que
oinguepi tem por isso s se deve pro-
curar na loja Esperanga ra do Queima-
dn Guimaraes R>cha, note df 1[4 a
400 rs..del|a a 800 ra.
Axulhea Vuloria pela aceitago que
tem tido estamos prevenidos de grande
e variado surtimento e ae vende a ISO
rs. o papel: lija Esperaofs.
aA Siolos com uelas de ac a 10500, ve-
I oh*m de presas que nao chegam para
(*4 quem quer, dourados e prateadoa a 81,
9 est-se acabando
jf amm*m os
Agulhas imperiaes.
Tem o fundo dourado.
A loja d'aguia branca teodo em vistii aempre
vender o bom, mandou vir, e aoabam de ebegar
aqui (pela primeira vez) as superiores agullus
imperiaes, com o fon io dourado e mu bem f--
taa, sendo par alfaiates e costureina. e cusa
Cada papel 160 rs A agulba assim boa anima
e adiaola a quem cose com ella, e em regr seo
mais baratas do que as outras; quem as com
prar ni ra do Queimado, laja d'aguia branca o
16, dir sempre bem deltas.
Mui bonitas
^e boas fitas brancas de chama-
lote, franjas e trancas.
A loja d'aguia branca acaba de receber de aua
encommenda diversos artigos de gusto, e proprlos
para enfeiles de vestidos de noivis ou convida-
das, sendo bicos de biond de diversas larguras,
franjas brancas e de cores, trancas brancas com
vidrilhuse sem piles, cascarriibas brancas e mui-
taa outras cores, finas e delicadas cabellas bran-
cas, bonitos enfeiles de flores e cachos sollos, lu-
sas de pellica enfeiisdaa primorosamente, mui
bonilaa e boas fitas de chamal ote, e eraflm mui'
los outrns objectos que a pedido do comprador
serio patentes, e vista do dinheiro nio se dei-
xari de negociar: oa loja d'aguia branca, roa
do Queimado n. 16.
Tiras
hordadas em ambos os
lados.
Vendem-ie liras de cambraia bordadas em am-
es ooalados, que pela largura bem se pode par-
tir a raeio, pin ams a outras muitai cousas
casta cada lira 19200: oa ra do Queimado, loja
oagula branca n. 16.
Polassa americana.
Vende-se potaeea americana muito aova e da
aupenor quahdade: no escritorio de Manoel
Ignacio de Oliveira & Filho, largo do Corpo San-
CHAPEOS A GARIBALM
Ra da Cadeia o tteoife, loja
n. 50, de Cunha A Silva.
Oa mais moderos chapeos a Oaribaldi e chi-
ques, de palioha e feliru, mui lindos, e ae vao-
dem pelo barato preco de 10 e \t#
Paletots a Gai ibaldi.
Paletots de seda a moda Ganbaldl, imitando o
mais Qssimo brim trancado decores, maitopro-
prius part os bailes, festaae peaeeios campestres,
pelo diminuto prego de I0J>.
Chapeos baratos.
Cnapelioas de seda pan senhora, pelo baralis-
eirao prego de 8, chapeos de seda e de merino,
inos e baplisado o 6 e
para senhora a IOS, di-
tos de seda decores, copa baia, para horuem a
6f, ditos de casemira de cores, pelo diminuto
prego de 1J6U0. chapeos de castor baanco sera
pello, bonitas (urmas a 13g, bonets francezes de
panno para meninos a tySOOeSft.
Guardanapos e touihas.
Duzia de guardanapos para mesa a Sf e 2^400
ljSOePr* me" d* ,l4',l2 '*" 9m'
!2^jl \A*T qU8 "* I"" oeaUdoa7para"meoTnoV e bapiisado
a comprehenierera, sem oostaculo algum po lera 7A ditos de palha eseda
passar para o manuscriptu (vulxo) imvresso. O
pspel o m ais encorpa lo possivel. Ellas tem
aido applaudidas pelos aenhorea prof-siores, alem
de um rao le numero de hmeos llustrados co-
mo sejara : os Srs. Dr. Suares da A te ved o, Fei-
tosa, Drummood e B->rge* Cirneiro, e outros
muilos que agora me nao occorre seus nomes.
ti'las vo rubricadas pela autora ; as que se en-
cootrarem sem ella aerao considerabas coDlra-
feitas : defronte da matriz da B ia-Vista n. 84 e
na lirana ao pedo arco de Santo Amonio.
Superior rap de Lisboa em
frascos.
Vende-se superior rap orinceza Brasil erafras-
eos, chegado oo ultimo vapor inglez Tyaea ; na
luja da boa f, ra do Queimado o. 22.
Vende-se o sobrado de dous andares da ra
das Larangeiras n. 14 ; da ra da Mangueira nu-
mero 8.
Bourgogne
Em casa de Rothe& B'douuc vendem-se cal-
as cora 4 dunas de vmhu Bourgogne primeira
qusIMade a melhor que lem vlndo para este
mercado.
Vestuarios para meninos,
de fuitao, enfeiladus, a 8|. baloeg para seohora
3J500, bonitos vestidos de ph*uteala pelo bara-
Vende se dos globo* em meto uso,
um celeste e nutro terrestre, proprioi
para bem se aprender geographia. O
estudantes que os preteoderem podem
dirigir-se a livraria universal de Guiraa-
res& Oliveira, na ra do Imperador.
Tiras bordados.
Vende-ae/floissimaa tiraa bordadaa a If e 5J500
a per;a, babadoa francezea muito unos a cea
bordados muito Undosa Sf, 2*500, 8| a 41500 a
pega: na ra do Queimado loja de miudezas da
boa fama o. 35.
Agulha$ francezes
Veade-ae agulhas fraocezaa de fuado dourados
das melboree que tem indo ao mercado a 160
ra. o papel, earteiraa de marroquim com agulhs
aortidas e todas ae multo ba quslidade a 19
cada urna, ditaa da papel dourados o con mullo
bom aortimeoto a 8*0 ra., eaitinbas com 100
agulhaa sortidas mullo boaa a 2o0 e 980 rs. ca-
da orna : oa ra do Queimado loja de miudezas
da boa fama o. 85
M padaria da Aotooio remanes da Silva
Beiris, ra doa Prea o. 4, ve<.de-ae a muito
acreditada bolachinha igual a ingleza, dita da
araruta, todo o trbalho neala rasa beta como o
Moe bolacha feilo das melhorea feriabas
"P" hado cota a buct asieio posiive, (atiaba
a melhor do mercado a 180 rs. a libra.
Vende-se por commodo proco, ana carro-
ca o boi: oaa Cinco Puntaa cocheira o. Ui. con-
fronte a esta gao da ia terrea.
Atti>n$ao
Veada-H m cabtiolrt de dan rodas por pre-
go commodo : na ra da mattii da Boa-Milla,
aobrado a. 83.
No Manguinho casa n. 43, veade-se
dous bota mansos para carroca e por
barato prero
Vende-se ama escrava sem e menor de-
leita o achaques, de 18 annoa de idada peueo
{mais ou menos, por motivos que oto desagrada-
para
Vende-se
POTES PARA RAPE.
Recite nh75r"oTa do m8gafl0,p0le8P'r*rapM1B rolhM de t,rracha : na roa da Cadeia do
Guimaraes k Villar.
Ra do Crespo numero 17.
. Vendem baratissimo.
te muito boas ecam5r?iasdaeftina bordadas> n tml. ,,.,. ,.,.
i da flnaa para senhora e meninas, do-ae amostras.
DOnitHS. 'ManteteleS e Capas de gro, pret0 bordados, o que podo haver de mai. goato arego,
commodos
Chapeos de seda para senhora it
Vende e a metade do terreno que
ejpiteaobtvcco ooFerreiro treguaxiat da
Boa-Vala desta cid a de, o qual terreno
tem apenas um telheiro e otierere bom
local para edificarlo: ..,, ^ pg.
rador n. 54, primeiro andar
tratir.
Numero 97.
Vaada-ae a verdadeira gnu a 97,
cada barrica 15 duziaa de polea: no armase* a.
4 defroote da porta da alfandega.
Veude-se travejamenlo de 40 pal moa, 4aj
de muito boa quahdade, oa ealeglo dea ave
Pontaa ; a tratar oa taheioa defroote da matriz
nova n. 2.
Mantas de retroz.
Vendem-ae mantas de retroz para grvalas a
00 rs. : na ra do Queimado o. *2, oa loja da
boa f.
Espirito de vinho de 38 graos a 160O a ca-
ada ; na ra daa Cruzas o. 24, esquina da Ira -
veasa do Ouvidor.
Vendem-ae bestss mansas da rods, bols
mansos para carro. quarlVs, carros: qnem pre-
cisar de algum desteaobjectos, pode dirigir-ae, ao
engenho S. Jos, freguezia da Luz, diataote des-
ta cidade 5 legoas.
Fitas de chamlo-
lioho fazenda muito boa peloa pregoa aegoio-
A loja d'aguia branca acaba de receber pelo vi-
K.S?-^v..r.: :.: olais:.: i ~',nTto:zzez: r'Zb\r
ZV^^^nZ\1XS:.!X:i: Guisas ingtezas para homem df'
para lagos de bouquetea. cinleiroa de criangas o *** 35 40a a duzia.
muilaa outraa diversas cousaa, e eomo de aeu RoWDaS fetax u
eoaiume oa pregoa sao menores do qae em outra \,. J p'" bato** e menino, aobrecasacoa, paletots, caigas, seroulas, meias etc.,
qualquer paite; assim quem munido de dinhei-! et ou,ro n"Uo 'o*-
ro, dingir-se a ros do Queimado loja d'aguia ----- __________________________________
branca n. 10, ser bem servido.
Para acabar.
Na ra do Queimado n. 10]
loja de 4 portas.
Vende-se cnapelioas de seda para ie-
nhora a g>.
Orgiodya padroea os mais moderos a
600 rs. a vara.
Sedinhaa de quadrinhos a 800 ra. o co-
rado.
Casacas de panno preto muito fino a
20 Maoteletea pretos a 153 e 208.
Riquissimos vestidos de seda de corea
o preloa o mala moderno que tem appa-
recido a por baralissimo prego.
N. 20Rua da Imperatriz-N. 20
I O barateiro Ouarte acaba de raceber doto aortimeoto de fazeodas que retalha sendo a di-
nheiro aos seguintes pregos como s*jam : caaaaa borda taa aropriaa para cortinados, babadoa oa
mosqueteros a 1|600 s pega, cambraia gruesa com 8 raras cada peca ptima fazeoda para peneiras.
mosqueteiros. saias e forro de vestidos a 1600, muss-linas largas das seguintes core, verde, azul
preta, roa, encarnada e branca a 200 ra. o corado, cortes de riqaissimas lui escuras com babados
contendo cada um corte 24 corados a 10 o curte, velludo da seda das seguintes core, cinzento
verde, azul e preio, excedente fazeoda para vestidos de senhora e roupinha de enancas pelo baixo
prego de SaBOOo covado, corlea de cambraia fina oom salpicos miudinhos a 5*. tiras bordadas e en-
treoalos 11 if a pega, golliuhas bordadaa mailo finas a 1, chitas com algum toque de moro a 16n
ra. ocovadu, penoa para camisaa braocos a de corea a 160 ra.
G1
Em casa de Bolhe & Bi-loulac esli ex-
posios pira vend* una sppsrelbos de prate co-
leada muito booitoa e por prego razoarel: oa
ra do Trapiche o. 18.
Novos enfeiles e cintos
dourados.
A loja d'aguia branca acha-se recentemente
provida de um bl'o e variado aorlimento de en-
feiles de dtfferen'es quslHades e gostos, os maia
lin-ies que ossivel eoconirsr-se ; assim cpmo
esti igualmente bem soitida de bonitos cintos
onrados e praleadus. sodo lisos, de listraa, e
matizados, e bem assim os de pootaa chidas,
teode e tudo muilo para satisfazar o bom gosio
do comprador, que munido de dinheiro nio dei-
xarl de comprar: na ra do Queimado, loja d'a-
guia branca n. 16,
FfiUo em saceos.
Na rtra\do Vigario n. 10, escrptorio
de Matheut^ Rodrigues, tem para Ten*
der muito superior feijio em sacco.
Agulh
iperiaes
tem o fondo aperado.
A loja d'aguia braoca, ietHo em vista aempre
vender o bom, mandou viras la coala essaa
superiores agalhas impertaea. as quaea aobam
de ehegar (pela primeira vez) ledo oa fundos
dourados e puntas mut bem tiradas, ecusta cada
- papel lflOrs. Cozer-ae com orna aa\ha assim
aoa, anima e adianls i tuej^HHneojr laso
4 dirlirem se i roa do Queta
hUBCd B. 16, que serio bem servidos.
to prego de 12>, aloalhado de lioho adamascado
com 8 palmos ae largun a 2J240 a vara, aanlaa
de tilo branco, maoteletea, tequea de diversaa
qualidades, gulliobaa. maoguilus, aedsa da qua-
drinhos, e oulraa multas fazendaa que ae ven-
dem por barato prego oa referida loja cima.
Lentilhas.
As melhorea a maia aaborosas de todos o. le-
gumes, muito frescas e leves para o estomago, se
prepsram de todas as maoeiras e proprlas para
jantar : achara-ae a venda nos armazens Pro-
gressivo e Proaressiata do largo do Garmo n.Se
ra daa Crazes n 36.
Gal de Lisboa
Yende-sa "arria com al nova de Lisboa ebe-
gadahnntem.no muito acreditado deposito da
ra do Brum o. 66, armazem de David Ferreira
qfitar
Na roa da Paz, cocheira n. 44, ha para ven-
der euma linda paralha de eavalloa eaatanhos
rozilhos, j cnsinada, e all ae dir qoem a vende
Vende-se u'ea earteira de ama s face e um
espedirn de baiaha e cabo dourado : na ra do
Mondego n. 67.
Luv** de Jouvin.
Vendem-aae aa vevdadeiras lu vas de Jouvio, the-
Mdas por este ultimo paquete da Europa : oa
loja d'aguia de ouro, ra do Cibug a. 1 B.
Gollinhas
de traspso bordadas em
cambrairt fina
Vendem-se a 2g cada ama : oa roa do Quei-
mado, loja d'aguia brnev o. 16 A obra 4 boa e
9 lempo proprio ; a ellas, freguesa!, antee que
ae acabem. m
Novos cinteiros de fitas com
pontas Ctthidas e franjas,
K loja d'aguia braoca aesba de receber pelo
vapor ingle a ale proeeradoe e asalto beeitta
cinteiros de fita, com pontaa cabidas e franjas, e
pM iad-aedeo aaoea eee suiafariei batate ewt-
vidsa as sephoraa qoe a daaeiavam ; lies acha so-
ae nicamente na dila loja d aguia braoca, roa do
Qoeimado o. 1*.
Potnssa da Russia.
Veode-ae potisia da Russia da mais nova e
superior qae ha ao mercado e a prego muito
cammodo : no escrptorio "e Manoel Ignacio de
Oliveira & Filho, largo do Corpo Santo.
As verdadeiras lavas de
Jouvii.
. Acahao.de ehegar pelo ultimo vapor para a
loja d'anula braoca, rr ra do Queimado o. 16,
toado de todaa as core.
pija
sem segundo.
Na ra do Queimado n. 55, loja de miudezas
de Jo- de Azevedo Mata e Silva, est veodendo
tudu muilo barato para apurar dinheiro, poia o
ue presentemente mais precisa.
roza de pennaa de agdade diversos mo-
dellos 0................................
Chus com agulhas (rancezis a..........
C-ixasCom lnel-a a..................
Calxaa com apparelhos para meninos....
Duaa com ailo para grandes a..........
Baralboa portugueses a............120 e
Croza de boles de osso para ca'.ga, pe-
queos, a..............................
T-souras para unha muito Anas a......
Oitaa pare costura a....................
Bariihos franceses muilo Dos a...,.,,.
Agulh-iros com agulbaa a..............
Caivetes de 1 folhs muito Booa a 80 a
Pegas de tronga de lia com 10 varas a..
Pegaa Oe franja da la com 10 varas a..
Pa>es de sapalos de tranca a............
Carlas de alfloetes francezes a..........
Escoras para limwar deotea a )0 e....
Masaos com grampos muilo finos a....
Carices com clcheles com algum de-
feito a...............................
Ditos de ditos de superior quslidade a
Didaea da ac parasenhura a............
Rialejos com duaa vosee a..............
Ditos com 4 vozes a....................
Rodadores para vestidos, sendo muito
grandes a..............................
Caixaa com culch'les francezes a........
Cartaa de alQuetea para armagSo a......
Ch.ruteras muituuas a................
Tinteiros de vidro com Unta a..........
Dos de barro com tinta superior a,.,.
Ara preta muito fina, libr*............
Fiiileiro e vidraceiro.
Grande e ora oficina.
Tres partas.
I 31Ra Direita31.
Neale rico e bem montado ealabelecimeoto en-
conlrsro os fregueses o maia perfeito, bem aca-
bado e barato oo sea genero.
URNA* de lodas as qualidades.
SANTUARIOS qoe rivatisam com o Jacaranda.
BaNHEIKuS de lodos oa tamanho.
SEMICflAS dem tdem.
BALDES idem idem.
Bacas dem dem.
BAHS idem idem. (
PULH a em caixaa da todaa aa apseuras.
PRATOS imitando ero psrfeigo a boa porcel-
laoa.
GHALE1RAS de todaa aa qualidades. *
PANBLLAS Idem idem.
COCOS, CANDI El ROS o (landre, pata q.al-
quer soriimenio.
VIDKOS em caixaa e a retalho de todos o. ta-
mandando-aemanhoa, botar denlro da cidade,
em luda a parte.
Reeebem-se encommendas de qualquer natu-
reza, concertos, qae tudo ser desempenhado a
contento.
SABAO.
Joaqalm Francisco d Mello Santos avisa aoa
aaufraguezesdeata praga e os de rs.que tos
axpo.to i venda aabioda saa (abricadenominada
Reciteootrmazem dosSrs. Travaaaoe Jnior
& C, oa roa do Amorim n .58; maaaa amaralia,
castaoha, preta oatraa qualidadaa por menor
prego qae de oatraafabricaa. No meamuarma-
bem temfeio e.eu depoeitodovolaa 4e carnea*
zasimplea um mistura lgurna, como aa de
eompoaigao.
Lindas flores.
Na loja d'aguis de ouro. ra do Cabug o. i B,
receberam de aea propria encommenda um com-
pleto aorlimento de florea, o mala uno que poa
aivel eucootrar.proprtas para enfeiles de cabegaou
reatido, cousa muito chique, que ae vende por
prego que admira, sendo a 800 e If o cacho.
Vendem-se canoas de
^aimrello e bordozinho,
de diversos comprimeotos, muito proprias para
carreira e olarias, para conduegao de barro, aeu
prego commodo} a escolher a goslo, noestalei-
ro do Sr. Joaqataa Antonio Rodrigues, roa do
Brum defronte da fabrica dos Srs. Villaca, Irmio
A Aodrade : a tratar na ra da Gadeia do Reclfe,
loja de ferragena n. 44.
|
J
500
120
60
210
500
200
120
400
400
320
80
160
200
800
19*80
loo
400
40
20
40
100 :
100
80
40
80
1*000
160
110
120
se ni segundo
Ra do Queimado n. 55, defronte do sobrado
aovo, est disposto a vender tudo por preroa que
a todos admiram, assim como seja :
Frascos com agua de Lavando muito su-
perior e grandes a....................
Duzia de sabonetea muito finos a......
Sazneles muito finos a.........,,..,..
Ditos ditos muilo grsndes a............
Frascos com ebeiro muito fleos a......
Garrafaa com agua celeste superior a ..
Fraacos rom banha muito fina a........
Dilua com dila de urso a................
Frascos de oleo de babosa a............
Di ios de dito romto finos a 320 e......
Ditos com bsoha transparente a........
Ditos com superior agua de colonia a...
Ditos ditos frascos grandes a............
Ditos de macagi e ue oleo a............
Linha biaooa do gaz a 10 ra. tres por
duus e a .......................,......
Linha em carteo de Pedro V com 200
"d ..............................
Dila com 50 jardas a............... ___
Duzia de meia cruaa muiu eocorpadaa a
Dita de ditas muilo superiorea a........
Dtles de ditas breocee pera seohora a....
Bicosoa largura da3 ledos, vara a... ..
Grasa de boies de loeea a..............
Carriteia deinraa enm 100 jardas a,....,
Duzia de peaphorea de gaz a...........
Dita de ditos de vela muilo superiores a
Pegaa de Ata para c6s de lodaa aa larguras
Frbias de linha para loalhaa (vara)....
Bicos daa linas por todo prego, por pedido
qae leoho do fabricante para acabar, e per isso
oaa se olba o que cuatou, o aiaa o que d.
Rua da Seozalta Nova n. 41.
Nesle esralselecimento eodeae: ta-
chas te ferro coado itbrst 110 rt. idem
de Low rVloor libra a ItOrft
800
5U0
160
200
5UO
1)000
240
600
240
500
900
400
6u
100
20
60
2ii
IteOO
45D0
3SU00
120
16
30
240
240
320
CA
rUNDIGiO LOW-MOli
Roa daSenalla Nova b.42.
Resta aslabeleeimeato contina aaaveruai
om plato sor ti asea to demoenda 1 a ai a s moen-
das oaraaoganho.Bisehins da vapor eiaixs
farro batid"* a coado.de todos ostamanhos
para dita,
'REIMEDIQ INCOMPARAVEL
Milhares de individuos da todas as na$oei
pdeos taitemunkai ai virtudes desta remedio
ineompara vale provarem caso n acesia rio, que,
palo uso que delia fizeram teta seaerpos
membrosiineirs men te saos depoisda haver em-
prefadoinutilraenta ootrostraiameatos. Cads
pessoa poder-Ee-haconvencer desuseuras ma-
r vil bosas pala leitura dos peridicos, qualh'as
ralaiam todos os das ha muitoa annos; a a
aaaior parla deltas sao lo sor praDderitas qua
admiram oa mdicos mais celebres. Quaniai
pessoa s recobra raro com este soberano remedio
o oso da seos bracos a pernas, depoia dedut
permanecido longo lempo noa hospiuea.o taa
deviam offrer a ampntagao I Dallas ha mui-
cas quehavendo deixado esses. asylos depsda-
timemos, parase nao submaterem aassaope-
rago dolorosa foratb curadas compleUmenu,
mediante o uso dessepreeioso remedio. Al-
gumaa daa taes pessoa aa eofusao de seo raco-
nbecimento declararas estes resultados benafi
eos diante do lord eorrepedor e outros magis
Irados, afimde mais autenticaren sus a Brma-
iva.
Ningueti desesperarla do estado deaaode aa
tivease bastante confiaoce para encinar este re-
medio constan lemeatt-seguindo alpum lempo o
tratamento que neeesstassa a natureza do mal,
cujo resultado seria provarineontesuvelmenta.
Qae ludo cura.
Ouagueato aaeutll, mala partleai
laaranente nos seajatanes casos.
Vestidos de casamento.
Ricos vestido! de bloode com manta,
capella e sala de aetlm.
Superiores
vestidos de seda, de cambraia bordado,
de phantasia,chapeos de palha, enf-ilea
modernos para cabece, capas e mautele-
lea con pridos o mais moderno, aedaa e
II de quadrinho, cambraias de cores, es-
partilboa, aibtoa, laques, salas balao,
meias elasticaa e camisa de linha para
aenhora, fil e tarlalaoa para vestidos,
chales de pools redooda e manguitos
moderooa.
Roupa iVita.
Calca, colletea, paletotae sobreessseos
de panno, casemira, chapeos de castor,
bolinaa de Meli.
P* ra acabar.
Colchaa de la e seds propria para cama
oa coberla de piano a 5, mangoilos e
gollas bordsdaa de linho de fu-lio alf
seda de quadnnhua a IftOO, liazinha a'
640 ra. o corado : na luje a. 23 roa t
SCadeis confronte ao becco largo de Grgol
& Perdigo.
ri HKaMKffl eatfttt flMMOWBsi
NOVA
exposiijo de can-
dieiros econ-
micos.
O proprielsrio,d*ate novo esiabelecimentoavi-
sa ao publico e a lodoa oa coosumidoree, qae tea
recebido um grande aeitiamle de eaadieiroe de
novo aodello, riquissimos para ora*r aalaa. todos
esmaltados de diversidades da cores, desde e
maia rico al o mais ordiosrio, assim como na
grande sortimento de gss de praeira quslidade,
pelo prego mais barato que ae pode encontrar;
assim como tamben) metas latas, engarrafas
na rua Nova n. 24, lela do Viaooa.
Polassa da Kussia.
Vende-se em casa de N. O Bieber A
C, successores, rua da Cruz n. 4a
Meias para sn\\Ta\.
Veodem-;e superiores meiaapara senhora pe*
lo baratiaaimo 1 reg de S|840 a duzia ; na loja
Chapeos do Chile.
Na rua Direita o.76 vende-se chapeos do Chi-
le muito fieos da eepa alta a aba larga, (a Gari-
baldi], ditos de copa baisa aba larga ( barraca),
assim como de outraa qualidades, de goslo mo-
derno, por pregos razoaveis.
Potassa da Russia e cal de
Lisboa.
Veade-se na rua de Apollo n. 20, armazem de
Amorim Alfonso & C.
Oleado pintado.
Na rua Nova n. 41, loja e fabrica de
chapeos acaba de receber um bello sor-
timento de oleado com ricos deseahos e
gasto moderno, proptio para cima de
meta e banca$, e vende-se .por preco
commodo.
Len^o tora*eos muilo
iiiioa.
Veodem-ae Isngos braocos muito Unos, pelo
diminuto preco de 29400 a duzia, graude pe-
chincha : na toja da boa f, na roa do Queimado
numero 22.
Caivetes ixos paraabrir
latas.
Chegou oo va re mena deaaaa preciosos cae-
retes flioa para abrir latas de sardinas, doce,
aolacbiohaa etc., ele. Agora pela fesla cose se
autio desasa couaaa e por iaao A saceeeasia ter
um deesas caivetes cujo irapofle 6 leVeaweaseo-
do-ae oa rua do Queimado laja da gela eraaca
o. 16, o alea parte ooe oa ae.
Arado aenericaaose neechina-
psratava rouparemeasa deS.P. Jos
baton 4 C. rua da nzala n.4S.
Feijo de corda.
Ifa arsaatea H Taeae Ir aloe, re do Amori^
nvtmero-a*.
Alporeaa
Cuatera a
Callos.
Aneares.
Cortaduras
Dores de caneca.
daa coatas.
doa raeabros.
EnferaMdedes da cutis
em geral.
Ditas da anua.
Empece* escorbatiess.
Fistulss no abdomen.
Frialdade ou falu de
calar as extremida-
des.
Frieiras,
Gengivas escaldadas.
Incbacoes.
Inflammacao do figado.
lnflaansaeio da|bexiga
da matriz
Lepra.
Males das pernas.
dos peitos.
de olhos.
Mordeduras de reptis.
Picadura de mosquitos.
Pulraoes.
Queimadelas,
Sarna.
Supurag5es ptridas.
Tinha, em qualquer
parte que seja.
Tamor de ervos.
Ulceras na bocea.
da figado.
das articulaees.
Veiaa toreidas ou no-
das as pernas.
Vende-se este ungento no estsbelecimanto
geral da Londres n. 244, Strand, e na toja
de lodos os boticarios droguista a outras pes-
soaa encarregadaa de aua venda em toda a
America do aul, Havana o Heapanha.
Tanda-se a 800 rs., esds bocel aba conten
ums instrueeio em poriugoes para explicar e
modo de (aaer uso desta uagaente.
O deposito geral em casa do Sr. Sooa,
pharniaceutico, na ^rua de Cruz n. J,
Pernambuco.
da ba f, na rua do Queimado n. 21.
I
>l
Trocam-sc
charutos por dinheiro.
Na loja d'aguia branca troca-aa ama caixleaa
de boas charutos seapiros por fOO : oa ipra-
ciadareada boa fumiga dirijam-se a dita loja da
aguia branca, rua do Queimado a. 16.
Casemira a 35G0.
Vende-sa casemira rafretaste aere eelcaa a ae
letete a 3*m e cerU ae aeree, e. 2 eHUasec
na rea da laperatria a. 60, laja e aavio.
Legues.
gta
t el
atSsJt
A loja da bandein
tem para vender de boa
qualidade folha, estanho-
e bacas de
senecupa prego favorito.
[Nova luja de funtieiro da!
rua da Cruz do Recife
numero 37.
Manoel Jos da Fonseci participa e
todoa oa aeus (regaesea taoto da ersea
cmodo malo.e ja otaaenie ao rastel la-
ve! pablico, que lomea a delibera;} oe
balsar O prego de todas as s*as obras, jor
cujo motivo tem para vender aa graasJe
aortimeoto dbanos e baciaa, toda de
dlfferenieslamaahoae dediverata crea
em pinturas, e juntaaenti em grsaee
sortimento de-ltversss obraa.coateaee
baohelros egamelascompridaa.grss>es
e peqaenas, machinas para cal e rebe-
cas para cooduztr sgnagraadea e peqee-
oas, latas grandes para conservar fari-
nha e regadores ao uso da Europa, ditos
graodea e pequeos ao oso de Brasil e
carneada vento, lataa de anoto a 1,
bahsgrandes a 4g peque aoa a 600
ra., bada grandea a 5* e pequeas a
800 rs.,cocos de asa a 1| a dasia re-
gadores regulares mailo barato, ditos
pequeos a 400 ra., de todoa eatea objec-
tos ha piolados e em branco e teda mais
se venda pela aeaoa preco possivel: oe
Sloja da bandeira da rea da Cas de le
cifeo. 37.
RelogioSe
Vende-sa em casa da Jobillos Fater d C
rua do Vigario n. S sm bello aortiaesto
rslogios de ouro, patn le ingles, de na doa a
afamados fabricantes da Liverpool; toBB
orna vsrisdada de bonitos Irasealiai para
msalos.
Plvora.
Vende-se pelvora de superior qaaHdade
chumbo de municio por menos do que ea ee
qualquer parle; tratar no eacriptorie de Aato
Cesa,io yoreira Dias, no Fatle do Malte, t
Moeda n. V.
Luyas de Jouvio
Na loja da Bde F aa rea do Qaeiaee s
sempre se eacootrario aa verdsdeirae saeat
Jouvin taalo para humea cobo pera aesr
advertindo-se qoe pare aqueHea ha de a
lindas corea, aa meneionada loja d Boa K
rua do Qoeimado a. 22.
eanha fio.
em copos grandes.
A' loja d'aguia arasee aetae a aee lea eVessit.
lia que ebegada 4 apreria*el banha Sos ea ce-
pos grandes, e contina a veaale-la aaM barata
do qae ea outra qualquer parlo : oa rae de Qeei-
made lo| d'aguia traeca n. 16.
Poiassa da Russia e cal e
Lisboa.

No tea eonhficido a acteditade 1atsalta da tas
. Cadeia do ^TlS^n^SSiS
Ira qaarqaer parte.
saarstesdaqsaeaa
t
^SJr
Isa
MItii Ann


s
.-i^M-**'^0**^*i>-<**n*|fc, -
0*4114 ?*.tlPAM*O#. WSS.1> FIB4 M JANEIRO M iMa
i .-
IE BARATO SO NO
V
mcisco Fernandes Duarte
Largo da Penlia
*
superior qne ha do mercado i 800 n 19000 a libra ero
ua-se a vender ueste armazem de molhados os
una ub ao mercado, por muilo menos prego do que em outra qualquer parte,
o proprielario em toJus oa vapores da Europa, malor parle d seus gneros,
loas eocsrregadss, para eate fim ; por iaso novamente participa aos seos treguezes,
a pr*fa como da engeohos lavadores, que queiram seguir em progreaso, que
anoa de comprar a primeira vez suas eocommeodas, certo de que hao de gostar,
poupari os proprielarios, em prestar toda atleocao, e meamo em serviros por-
aticos, tio bem como se viaeaem os Srs. pessoalmeole; e abaizo memion mos
os gneros, por onde se pode julgar que rendemos baratsimo.
& ingleza, mal,
ril se fari abatimento.
a ir\i\eexa mull0 nof,, 640 rij, hbu e tm birrU t m rit
*\k projla, hysson e pteto os mai. soperiorM d0 mtKtQ tm0t #600
e J600 rs a libra e afianga-ae boa qualidade.
^ *jSi *C chegadoa acate ultimo vapor a 2#800, ditos do vapor passado
^* ss melhores que se pode desejar a 40 e 120 rs. cada urna.
reZUMO ngleZ pr0ptios para fiambre a 900 rs. a libra, em percio se far abati-
mento.
reanlo do reino
410 rs.
\Utt\s novas
aiatne
o que ha de bom ueste genero a 480 ri. a libra e inteiro
cootendo differentes
qualidades
a 19440 e
de
em gigos de urna arroba a 19 cada um.
o melhor petiaco que pode barer por estar promplo a toda a hora a 1} a libra.
oueinno do reino 360 rt., llbrt e ,troDa t9|500
Vionricas o palos moilo noTOI, 720 nbr,
anna do porco retinada, mal ,lva qu6 ha no mercad0 a m r# a UbM
e em barril a 440 rs.
WitOnaS UinO nOVaS 3<000 r. a .acrela. em garrafa 040 r..
itas coa bolaxinna de soda
m porcio se far abatimento.
****a raais ora do mercado em lata de urna libra por 900 rs., ditas
-as ditas por l7O0.
-calaa imperial d0 a(amad0 Abreu e deoatros muitos fabricantes de Lisboa
9 19 a libra, em Utas de 2 libras por 19800.
r\'UUS i raneezaS minores que se pode desejar em meias latas por 500 rs.,
I tambero tem portuguesa me latas eoleiras a 640 rs.
nOCOlate franeeZ e hespanhol ehegado neale ultimo vapor a 1,200 a libra.
tSSaS propriM para p0dim a 800 rs. a libra.
ttCe de alperene em lala, de Ubra, elegantemente aneitidas i lf200 cada ama.
ipermsete ,uperior de 4, 5 e 6 em libra a 76^ rs. e em cala 740 rs.
tas ^!2f *clxo em *osU d meih" "**. < h *****
19400. ^
mendoas coneiidas a ls.
a 480 rs. W
oies e easlamnas
slreWinna
A3J000.
Cbapeoade palhioba fina entestados para me-
ninas ; na ra da Crespo o. 10.
Aos tabaquista*.
Vendem-se superiores teneos frineezes a losl-
tacao doe 4* linbo, multo proprios para oa taba-
quiataa por serem de cores escuras e lias, pelo
baralissimo preco de 5 e 6| a dazia : na ra do
Queimado n. 12, na bem conhecida laja da boa f.
Fil lito e tarlatana.
Vende-ie superior fil liso e tarlatana branca
e de cores, pelo baralissimo preco de 800 rs. s
vara ; na bem coobecida loja da boa f, na ra
do Queimado n. 22.
Toninas para maos.
Vendem-se mnito boas toalhas para maos pelo
barato preco de 59 1 duzla ; na ra do Queima-
do n. 22, na loja da boa f.
Ricos enfeites.
Vendem-ae ricos e superiores enfeites os maia'
modernos que ha, pretoa e de cores, pelo bara-
lissimo prego de 6 e 69500 : na loja da boa f,
na ra do Queimado n. 2.
Cambraias de cores.
Vendem-se cambraias francesas de lindas co-
res, pelo baratiasimo prego de 180 o corado ; na
ra do Queimado o. 22, na bem conhecida loja
da boa f.
Cambraias francezas fnissimas.
Superiores cambraias francezas muito Boas, da
muito bonitos padres, pelo barato prego de 700
rs. a vara : na loja da boa f, na ra do Queima-
do n. 22.
Cainbraia Usa.
Vende-se csmbraia lisa transparente muito fi-
na, pelo barato prego de 4 e 5f a pega com 8 112
ratas, dils tapada muito superior, peca de 10
varas a 6f : na ra do Queimado n. 22, na loja
da boa f.
Bramante e atoainada de
linno.
Vende-se superior brsmante de puro linho com
duas varas de largura a 29400 a Tara, assim como
atoalbado adamascado tambera de puro linho,
com 8 palmos de largura a 29500 a Tara : na bem
conhecida loja da boa (, na ra do Queimado nu-
mero 22.
Cortes de ealgs.
Vendem-se cortes de caiga de meia eaaemira
de cores escuras a 2g cada corte ; na loja da boa
f, na ra do Queimado n. 22.
Port bouqoets,
Dourados com cabos dema-
dreperola.
Chegaram opportunameote para a loja d'sguia
branea oa bonitos port bouquols dourados e es-
maltados, com cabos de madreperola, conforme
sua propria encommenda, Ocando assim remedia-
da a falla que havia desses port bouquets de gos-
to, oa quaes chegaram bem a lempo para oa di-
versos casamentes e bailes que se conlam oesses
dias, por isso as pessoas que por ellea esperavam
e as que de doto os quizerem comprar dirigi-
rem-ae muoidoa de dinbeiro loja d'aguia bran-
ca, roa do Queimado a. 16, que encontrarlo obra
de bom gosto, barateza, agrado e sinceridade.
de cambraieta.
Vendem-se superiores saias de cambraieta mui-
to fina, eom 4 pannos, pelo diminuto prego de
5|; a ellas, que sao muito baratas: na ra do
Queimado n. 22, na bam conhecida loja da boa f-
Calcado
45 Ra Direta 45
Ougamt.. Ou$am!..
O traale indiapensavel ao homem eivilisado
sem contradigio o sspato I E' elle tio necessa-
no como o pao aa estomago. Tolerase um
chapeo jaca ; urna casaca de ajuatar taboado :
um vestido desbolado; mss o sapato acalcaoha-
do e roldo, a bolina aem lustre e j descosida
urna indecencia, um insulto ao orgio visual de
um chrietao. E" por lao graves conaideracoes
Ia* Proprietario deste estabelecimenio.
acabando de receber um magnifico sortimento,
raft aos seus freguezes se apreaaem em renovar
o calcado velho, visto eatar prxima a feata ;
vejam
Homem.
MILIES (chagra privilegiado) frescos co-
mo a agua do Prata......
BRZEGUINS>teiricos (Roctnlld) .
> Tersos fabricantea. .
, lustre pechincha. .
bapaloes de Nuiles,.vaqueta de luatre
biteria...........
Ditos Nantes batera. ..... .
149000
99500
89000
5f300
libra, ditas em milo a 800 ra., dita com casca
piladas muito novas a 160 rs. a libra,
para sopa a 640 rs. a libra e em caixiohas de 6 a 8 libras se far abatimento.
letria, macar rao e tattutm a 400 rs a llbra, emcaixa. ^
evaainna franceia mui0 n0Ta a wo rs a Ubra>
xrinna do Marannao mulloaUaechero,a,160M
mma de engommar, o que se pJe desejar por ser mnito alva a 100 rs. a libra.
* ,. 7_ DJult0 noTO e limP 160 rs a libra e em porgSo ae far abatimento.
J v6 o respeitavel publico, que afiaogando-aea boa qualidade doa gneros cima mencio-
s, se vende muito barato, e pelos quaes se poder julgar lodos os demais que nao '
iados.
foram an-
Paletots
brancos.
;ndem-se superiores paletots de brim branco
uro linho, pelo baralissimo prego de 5$ : na
do Queimda n. 22, na bem conhecida loja
a boa f. *
delicadas escovas
abos de marfim e madre-
perola, para limpar
dentes.
ia verdadeuma estova para limpar peotes
ipre oeeessaria etn qualquer toucador, e com
ecialidade no da senhora que preza o asieio,
ara que elle seja perfeito mandar comprar
a deseas escovas de cabo de marfim ou ma-
peroli que custsm 29 e 39 rs., na loja d'aguia
nca, oa ra ra do Queimado n. 16.
Navalhas (Taco
com cabo de marfim.
i Je-se na loja d'aguia braaca mui finas na-
s d'aco refinado com cabos de marfim, e
ssegurar-se a bondade dallas basta dizer-
sito dos afamados e acreditados fabrican-
Uers 4 C, custa cada estojo de duas aa-
89OOO: na ra do Queimalo, loja d'aguia
, n. 16.
re-meios bordados em
iinbraia transparente.
a da aguia branca vende-se ntremelos
s ero fina cambraia transparente a 19 a
3 varas, prejo esta porque s se scha em
da aguia branca ra do Queimado n. 16.
se que de cada padreo tem baatantes
ra vestidos.
Vendem-se os engerhos
i" ro e Espirito Santo, am-
oentes e correntes e
i, sitos na freguezia de
ito comarca de Porto
'.provinciade Alagoas,
eiro tem casa de enge-
poucas obras, porm
1 (fuatromilpes, ose-
> tem boas obras, porm
freja dous a\ pes:
pretende-los dirija-se
da Cadeia do Recife n.
rimeiroaodar, que acha-
nguen! tratar.





>
69OOO
59500
59OOO
49500
39500
5920O
3|00O
28000
19500
ingleses.......
Nantes meninos. .
lust (sola e vft.....
(urna aola). .
de (ranga portuguesa. .
fraiyieia. .
Sennoras.
BOTINAS.gaipa alta e laco inglezes de
duiagio iocalcularel. 6J0OO
fraiceaa (lago).....; 51500
> de menina (Joly)..... 450
seo laso. ; 5,
gaipa baixa....... 4,
oulros (32, 33 e 34). : 4,500
Sapatos (Jolj) com salto...... 39200
> ( sem sslto. ..... 2000
> Upete........, 800
lustw (32, 33, 34)..... 800
econmicos para casa. 500
Alem diaas um variado a abundante aorti-
mento de tmo o qae necessario a aspateiro pa-
ra executar qualauer obra.
Pannos finos
a 2,000 rs
Vende-se panno preto a cor da caf a 2# a ao-
vado : na raa da Imperarrtx n. 60, laja- da pavo.
Cera de carnauba de pri-
meira qualidade.
Vende-se em por?o e a retalho de urna aacca
para cima, a por commodo proco: ni ra da Ma-
dre de Dos confronte abotica n. 30.
Bom rumo de Garanhuns.
Vende-se o verdsdeiro fumo das capoeiras de
Garanhuns ; na taberna do progreaaivo da estrel-
la da ra do Aragao n. 36.
A loja d'aguia
branca um deposito de
perfumaras finas.
Esta loja por eatar constantemente a receber
perfumaras finas de suas proprias encommendas,
bem ae pode dizer que est constituida um depo-
sito de ditas, tendo-aa seropre dos melhores e
maia acreditados fabricantes, tomo Lubio, Piver,
Coudray e Societ Hygienique, etc., etc.; por
isso, quera quizer prover-se do bom, dirigir-se
a raa do Queimado, loja d'aguia branca n. 16, que
achara sempre um lindo e completo sortimento,
teudo de man a mais a elegancia dos frascos, e a
barateza por que ae vendem convida anima ao
oomprador.
Carros e carrosas
Em casa de N. O. Bieber
A G. successores ra da Cruz
numero 4.
Vendem-se carros americanos mui elegantes
e laves para duas e 4 pessoas e recebem-se en-
commendas para cujo fim ellea poaauem map-
pas com varioa desenos, tambem vendem car-
rojaapara conducQao de assucaretc.
Cal virgem de Lis-
boa em pedra,
Vende-se a mais nova e superior que ha no
mercado por prec,o baralissimo, unicameoto no
largo do Corpo Santo o. 19, trapiche da Compa-
nha.
lolooo.
E' na ra do Queimado o. 39 loja de quatro
portas que se vende os malhores chapeos de se-
da de formas mais modernas e bum goslo.
Uteiicao
Bonecas bonitas
com rosto, e meia perna de
porcelana.
Vende-se mui bonitas boneess eom rosto, e
meia perna de porcellanaaosbaralissiroos precos
de 240,360,500,560. 640,720, 800 e IJjOOO : iaso
na ra do Queimado, loja d'aguia branca n. 16.
Novidade sem igual na
loja Mo Pavo
' Acaba de ebegar a este estabelecimento um va-
riado sortimento de organdys, proprios para ves-
tidos sendo os goslos ltimamente novos, e se
vendem a 720 ris o covado por eatar muito pr-
xima a fesia, {assim como vendem-se os msis
ricos e modernos enfeites para cabera de senno-
ras: na ra da Imperatriz n. 60 loja de Gama &
Silva.
Grande
Superiores paletots de panno preto muilo fino,
obra muilo bem feita, pelo baralissimo prego de
209 ; na ra do Queimado n. 29, na bem conhe-
cida laja da boa f.
Champagne
do autor f.hatftau Laronzire a 149 o gi-
i* duiia; na pra?a da Iodepandencis

i
:
I
Nova california
DE
Fazendas baratas.
[Na roa da Imperatriz n. 48, jnnto aj
aadaria franceza.
Cortes de cambraia branca com babadi-
nhos 49 e 49500 superior 59, cambraia li-
za com 8 1[2 vara3|, 39500, 49, ditas da
Escossia 59, a 69, ricos enfeitea para se-
nbora 69e 6(500, sintos os mais delicados
para aanhora 29500,39, chapelina para cri-
an ja gosto ingles 3&500,49, para baptisado
39, corles de vestido de seda Escoasexa da
bonitos goslo 129 eslao se acabando, r-
eos lerdos de labyriothe 19. lf200. chapeo
de aol para senhora de bonitas cores, lito*
59, cabo da marfim 55O0, cortea de cam-
braia brancos com flor de seda 59. ruca-
do francs 200 ris o covaOo, completo*
sortimeotos de baldes de araos 3#, sorti-
mentos de meias para menina e menina
200 a 140 ris o par. chales de tarlatana
de cores a S40 ris, lencos braacocam bar-
ras 160 ris chitas inglesas a 180 a 900 rs.
dita fraaeexa a 840 a 280 ra. o avado
ecas de cambraia de forro com 9 varas
R. 43 Roa do Amorim N. 43.
Ameixaa novas o melhor quo se pode encontrar,
pelo barato prego de 12f caixas com 1 arroba e
16 iibras: esto se acabando.
RuadaSenzaIaNoyan.42
Vende-se em casada S. P.Jonhston C,
ellinse silbSesQglezes.eandeciro*e easti$ses
bromeados,lonas agieres, fio dsvsls,chicots
para carros, a oniaria,arraofpara earrode
um alous cvalos relofioide ouro patenta
ngler.
Vende-se urna taberna com poucos fundos,
bem afreguezada no alerrinho do Giqui; a pes-
soa que quizer contratar, dirija-se a mesma ta-
berna a qualquer hora do dia.
SYSTE11 MEDICO HODELLOWAY
PILULAS HOLLWOTA.
Este inestimavel especifico, eomposto iateira-
mente de hervas medicinaes, nao conim mercu-
rio nem algoma outra substancia delecteria. Be-
nigno i mais tenra infancia, e a compleicio mais
delicada, igualmente prompto e seguro para
desaneigar o mal na compleico mais robusta;
en le rameo te innocente em suas operajoese ef-
feitos; pois busca e reraove as doenr^asde qual-
quer especie e gio por mais antigs a leazos
que sejara.
Entre mimares de pessoas curadas com este
remedio, muilas que j estavam s portes da
mora, preservando em seu uso conseguirn)
recobrar a saude e foroas, depois de haver tenta-
do inultimente todos os oulros remedios.
As mais aftliclas nao devera entregar-se a des-
esperaco; fajara um compatente ensato dos
efiieazes effeitos des la assombrosa medicina, e
prestes recuperarao o beneficio da saude.
Nao se perca lempo em tomar este remedio
para qualquer das seguintes enfermidades;
i
:
S* I : juato a padaria franceza n. 48.
GELO
No depoiito do galo ra do Apollo
?ende-ie gelo de bote em diante
a 3j?500, e meta arroba 2#000,
Accidentes epilpticos.
Alporcas.
Auplas.
Areias ( mal de).
Aslhma.
Clicas.
Gonvukoes.
DebiliJade ou extenua-
cio.
Debilidade ou falta de
foreas para qualquer
cousa.
Desinteria.
Dor de garganta,
de barriga.
noa rie.
Dureza no ventre
Enfermidade no ventre.
Ditas no ligado.
Ditas venreas.
Encbaqueea.
Herysipela.
Febre biUos.
Febre intermitente.
Febreto da especie.
Golla.
Hemorrhoidas,
Hydropesia.
Ictericia.
Indigestos.
InAammac,des.
Irregularidades de
menstrua^io.
Lombrigas de toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na cuta,
Abstruccao do ventre.
Phtysica ou consump-
rao palmonar.
Retenr^ao de ourina.
Rbeonatismo.
Sympiemas secundarios.
Tumores.
Tico doloroso,
Ulceras.
Venreo (mal) .
Vender se estas pilnlas no estabelecimenlo
geral de Londres n. 224, Strand, e na loja
de todos os boticarios droguista e ouKM pessoas
enearregadM de ana anda a toda a America
do Sul, Havana e Hespanha.
Vendem-se as bocefinnas a 900 rs cada
instruocaa asa partu-
uma deltas contera urna
e a Ubra .160 rk : tamban r!bo g *"* "#"* e ***** ****?'
aarignafarKr dai pessoa* particular*1**
go que aeja diariamente, at que
acabe o gelo.
deposito gual. -em casa do Sr. Soua
sTpawssaiaiswicov m nada Gru n. Si era. Per-
njwteo.
Importante
Aliso
Na loja de'.4 portas da ra do Queimado n. 89,
acha-se im grande armaxem com todo o aorti-
mento da roupas feitas, para cujo fim tem mon-
tado urna officina de alfaiate, eatando enearrega-
do della um perfeito mestre vindo de Lisboa, pa-
ra desenpenhar toda e qualquer obra que se Ih-
encommende; por isso que fax um convite espe-
cial a todas as pessoas com eapecialidado os
Illms. Srs. afficiaes tanto da armada como do
exercito.
Fa-se fatdas, fardes com superiorespreparoa
e muito bm feitas, tambem trata-se faxer o far-
damento iodo completo conforma se usa no Ro
de Jane.ro, tanlo que tem os figurinos que de
li vieran) ; alm disso fax-se maia casaquiohaa
para montara, frdelas ou jaquetas, bem como
colbtes a militar para os Srs. ajudantea de esta-
do maior e de cavallaria, quer seja sngalos oa
bordados a espequilha de ouro ou prata, tudo ao
gosto da Europa, tambem prepara-se becas para
desembargadorea e da qualquer juix segundo o
estylo de Coimbra aonde se faxem as melhores
onhecidaa at hoje, assim como tem muito ricos
desenhos a matiz de todas as cores proprios para
fardamento de pagens ou criados de libr que se
far pelo gosto franceza. Na mesma casa en-
carrega-se de faxer para meninos jaquetas a
franeexa bordadas ao mesmo goato. AfEanr^ando
que por tudo se fica responsavel como seja boaa
fazendas, bem feito e bom corte, nao se falta no
dia que se prometter, segundo o systema d'ondo
veio o mestre, pois espira a honrosa visita doa
digooa senhores visto que nada perdem em es-
perimentar.
Na loja d'aguia de ouro, ra do Cabug n. 1 B,
recebeu um completo sortimento de gollinhas de
missanga, sendo de todas ascorea
Injecco Brow
Remedio nfallivel contra as gnor-
rheas antigs e recentes. nico depo-
sito na botica franceza ra da Cruz n.
22. Preco Z$-
Na loja ao p do|
arco de Santog
Antonio. jj
Chegou a mais supe-
rior estamenha para ha- '
bitos dos irmos da or- %
dem terceira de S. Fran- i
eisco.
mmmmmmwi'mmmmm
Batata ingleza.
Vende-se batata ingleza em gigos, somente no
armaxem de Barros & Silva, travessa da Madre
de Dos o. 57.
Libras sterlinas.
Vende-se no escriptorio de llanoelIgnacio da
Oliveirae Filho largo do Corpo Santo.
Tanas.
Maior reduccao nos precos para acabar.
Vendem-se no armazem de Braga Son 4 C.
na ra d Moeda, taixas de ferro cuado do mui
acreditado fabricante Edwin Haw a 106 rs. por
liara, ti mesmss que serendiam por 120 rs.
Flores finas.

A' loja d'aguia branca acaba de despachar um
belto sortimento de flores finas e delicadas pro-
prias para enbitea de cabera e vestidos para ca-
samento* e bailes; quem as vir sem duvida se:
alegrar de a cha r flores to peTfeitas a delicadas
tasa na ra do Queimado loja d'sguia branca
0. tfl.
A 16:000 rs. para acabar.
Maneteles le seda pretos i* ras do Qaei-
madon.fr, UfrHrem vende paletots de ptroo Uno
tbtVMtr'M' seda, p^elo1 metnro pfpe'i
Acaba de
chegar
ao novo armazem
DE
B4ST0S & REG
Na ra Nova junto a Con-
ceico dos Milita-
res n. 47.
Dm grande a variado sortimento da ,
roupas feitas, calcados e fazendaa e todoa
estes se vendem por precos muito modi- 1
cados como e de seu costume.assim como
sejam sobracaaacos de superiores pannos
o casacoa feitos pelos ltimos figurioos a
369,28, 30* e a 35, paletots dos mesmos
pannos preto a 16|, 18f. S0| a a 24,
ditos de casemira de cor mesclado e de
novos padres a 14. 16, 18, 20 e 24,
ditos saceos daa mesmas casemiras de co-
res a 9, 10, 12 a a 14, ditos pretos pe-
lo diminuto preco de 8, 10, e 12f, ditos
de sarja de seda a sobrecasacados a 12,
ditoa de merino de cordao a 12, ditos
de merino chinez de apurado goato a 15J,
ditos de alpaca preta a 7, 8, 9 e a 10,
ditos saceos pretos a 4, ditos de palha de
aeda fazenda muito superior a 4500, di-
tos de brim pardo e de fustao a 3&5U0, 4
a a 45500, ditos, de fusto branco a 4,
grande quantidade de calcas de casemira
preta e de cores a 7, 8, 9 e a 10, ditas
Sardas a 3 e a 4, ditas de brim de cores
as a 23500, 3, 3500 e a 48, ditas de
brim brancos finas a 4500, 53, 5500 a a
6, ditas de brim lona a 5 e a 6|, colletes
de gorgurao preto e de coros a 53 e a 6J,
ditos de casemira de cor o pretoa a 41500
e a 5, ditos de fusto branco e de brim
a 3 e a3500,dilos de brim lona a 41,
ditos de merino para luto a 4 e a 4#500,
calcas de merino para luto a 43500 ea5f,
capas de borracha a 9. Para meninos
de todos os lmannos : calcas de eaaemira
prefaede cor a51, 6 e a 7, ditas ditas
de brim a 23, 3 e a 3500, paletots sac-
eos de casemira preta a 61 e a 7, ditos
de cor a 6 e a 71, ditos de alpaca a|3,
aobrecasacoa de panno preto a 12 a a
149, ditos da alpaca preta a 5, boneta
para menino de todas as qualidades, ca-
misas para meninos de todos os tamanhos,
meios ricos vestidos de cambraia feitos
Eara meninas de 5 a 8 annos com cinco
abados lisos a 8 e a 121, ditos de gorgo-
reo do cor e de laa a 5 e a 6, ditoa da
brim a 3, ditos de cambraiarieamente
bordados para baptisados.e muitas outras
fazendaa e roupas feitas que deixam de
ser mencionadas pela sua grande quanti-
dade; assim como recebe-se toda equal-
quer encommenda de roupaa para se
mandar manufacturar e que para eate fim
temoa um completo sortimento de fazen-
das de gosto e uma grande officina do al-
faiate dirigida por um hbil mestre que
pela suapromptida eperfeioo nadadei-
xa a desejar. X
tmmmmmmmmmmm
Alteneo
Vendem-se caixues vastos proprios
parabahuleiroi.funileiros etc. a 1$280:
quem pretender dirija-se a esta tipo-
graphia, que ahi se dir' quem ostem
para vender.
Veode-se
na raa do Queimado n. 19
o seguinte.
Pe as de cambraia Doa adamascada para corti-
nado com 81|2 varas, pelo barato prego de 50O0.
Toalhas de linho adamascado para mesa a 4.
Cambraias de salpico granaos naito rindas a
5 a pega, ditas de ditos miudinhos finas a 4S00.
Leocoes de bramante de linho a 3000.
Cambraia ailada para ferro de resudo, eom
8 1)2 van* a pees por 2f.
Grandes colchet de fustao lamdas a 6.
Chapeos eopitaos muito lindos, proprios para
meninos a7f cada am.
Coberlaa de chita, gesto chinez, a1600.
lien capellas para noiva, de flor de laranja.
Atgodio con 7 palmos de largo a 60 rs. a vara
Leocoes de paano de linho a 1f00.
9oa%al Melrors A ., teeao reeetMc or-
dem para vender o seu creaoMe sTeaswlto darslo-
gto treto e fvMcatrte ter-aareHrat* #*seta-
cio : coavtda; portaolo, iafsaoaa ajs/ qdamsjej
possnir m boas reroglo ** a*ro a# prata do ad-
lebre fatMSnta Kernby, a aprtrreRar-ee i tm-
ontdade sem perda da tema*, para rlr eett-
foje coima* preeo no u esertfov
*oMrkrien..
Asteas de ac para
baldes de se-
nhora.
Veade-sa a 180 e 200 rs. a vara : na raa do
Queimado loja de mladezas da boa fama n. 85.
Luvas de pellica de
Jouvin.
Vende-se as verdadeiras lavaa de pellica de
Jouvin para homem e senhora a 2500 o par: na
ruado Queimado loja de miudexas da boa fama
n. 35.
Cintos do ultimo gosto.
Vende-se cintos dourados a da palba o mais
bello que possivei eoeootrar-se, palo baralissi-
mo prego de 3 cada am, ditoa de fita de mallo
lindos gostoa a 21; tamben ao venda nvellae
muito lindas e de multas qualidades proprias ni-
camente para cintos ? 5; na ra do Queimado
toja de miudezaa da boa fama n. 35.
Enfeites para cabeca
Vende-se os mais modernos enfeites que tesa
' ia*r!nn8leinere,d0' e de mail" qualidadea a
? nn. Cda n"4.diloe pretos com vidrilho a
hSTf.m ? ruaKd0 Qaeim<,<> l de miudezas da
ooa iama n. o.
Laa muito fina para
bordar
Vende-ee a 8 a libra : na ra do Queimsdo
loja de miudezis da boa fama n.35.
Capellas e ramos para casa-
mentas e bailes.
Vende-ae muilissimo finas a ricas capellas
brancas para noivas, com o competente ramo para
o peno, pelo baralissimo preco de 10 e 12 ra-
mos de flores muilo finas e de muito lindas eo-
Il8K^*,nda,0,-m,8 nferio*es penca cousa a 1,
t500 e 2: na ra do Queimado loja de miude-
zaa da boa fama n. 35.
luvas de diversas quali-
dades
Vende-se muito superiores luvas de camurca
para homens a 2 o par. ditas de Do de escossia
brsncaa e de cores a 800 rs., ditas de seda eu-
leiladas para senhora a 2J, ditas de loraal prelas
a 1 : na ra do Queimado loja de miudezas da
boa fama o. 35.
Chicotes de gosto e multo
fortes.
Vende-se mnito bonitos chicotes de baleiacom
castoes de marfim e de metal para homens a se-
nboras a 4 e 5caJa um, ditoa de estallo tambem
muito boos a 3, ditoa de junco porm muito bem
acabadoa a ftjj: na ra do Queimado loja de miu-
dezaa da boa fama n. 35.
Gabaif s para senAiora* o
meninas.
Vende-se pelo baratiasimo e admiravel preco
de 3 e 4 cada um, e affianca-ae que quem os v'ir
nao deixar de comprar, lo bonitos a atis s3o
elles : na ra do Queimado, na loja de miudezaa
do boa fama n. 35.
Tinta bem conhecida e acre-
ditada para escSever.
Vende-se cada frasco a 500 rs e dos grandes
a 800 re.; esta tinta azal na occasio em que
se escreve e por muito poueo lempo fita* prala a
bem preta, haveodo a vantagem de servir para
copiar cartas : na ros do Queimado loja de miu-
dezas da boa fama o. 35.
Opiata ingleza
para dentes.
Est finalmente remediada a falla qae se sen-
ta dessa apreciavel opiata ingleza lao proveito-
sa e necessaria para oa dentes, isso porqaa a lo-
ja d'aguia branca acaba de rectbe-la de sua en-
commenda, e conlinua a vende-la a 1500 ra. a
caiza .- quem quizer conservar aeus denles per-
prevenir-se mandando-a comprar em
feito
dita loja d'aguia branca, ra do Quaimado n. 16.
A

i i .i r
Vende-se na ra da Paz coxeira n.
44, uma parelha de cavallos para car-
por prec,o commodo.
ro
Escravos fgidos.
Attenco
Fugio do Rischo de Panellas, um mulato da
estatura baixa, corpo grosso, dentea limados,
olhos pretoa egrandes, cabellos cariados, a ps
regulares, cujo mulato se chama Faustino, de
idade de 15 a 18 annos, levou ceroula e camisa
de algodao asul. Foi visto nesta praca em dias
da semana atrasada,em um comboi vindo daquel*
le lugar. Roga-se. a todas as autoridades e es-
pitaos de campo a captura do dito mulato, o
qual poder ser entregue no referido lugar ao sea
senhor, Domingos Antonio das heves, oa nesla
praca ao Sr. Hanoel Ignacio de Oliveira Lobo,
que recompensar com generoaidade. Outro-
aim, proleata-se contra quem c Irver aeoulado
A mulata Hermina, Giba de Malhil-
de, cabra, escrava do Sr. Dr. Buarque e
que ultimamen te foi vendida pelo Sr.
Dr. Jos dos Santos Nnnes de Oliveira,
ausentou-se no dia 27 do correnle da
casa do seu senhor, levando comsigo
uma cria de 5 mezes pouco mais ou me-
nos : pede-se pois as autoridades poli-
ciaes a sua appreheneao, e m qualquer
pessoa que a levara ra da Cadeia Velba
n. 25, se gratificara' com generosidade.
Da casa do abaixo assignado fugio no dia 13
do corrate um preto escravo crioulo por nome
Raymondo, de idade 30 annos, pouco mala oa
menos, com os sigoaea seguales: balso, secco
do corpa, pouea barba, tem no dedo graade do
p esquerdo um defeito que forma um gancho,
levou calca azul, camisa da algodao, ceroula, cha-
peo de bata preta, levando maia comsigo am
eavallo rugo gordo com cangalha, um parda sac-
eos, ama rede, e consta qae (ora para banda do
engenho Prejaky, aonde tem mulher a ulnas, a
Goianna aonde tem prenles ; esto escravo alle-
ga que tem ido a mandado do sea senhor, qae
tal nio ha : quem o pagar lava ao Paseeio Publi-
co, loja a. 11, de Pirmiaaa Jnior.
Ausentou-se de casa do seu setihor ao da
3 do correle mez o eacravo Antonio, da necio
Cissange, idade 40 annos, pouco atis oa meae,
estatura regalar, eom os signaos segaiates : tan
uma das orelhas tem um taco tirado, asa am doa
qusrtos tem um deleito que pelo qual paxa ao
andar pelo p, (pm debaixo do qaeixo saquera
tres buracos, aignal de dentea tirado ; qaasa
pegar queira leva-lo i ra do Imperador n. 7,
lerceiro andar, que ser recompensada. JA sel
visto em IguarassQ.
Deaappsreceu na sexta-feire SO do corrate
a escravo cabra Olegario, baixo, magro, rapre-
sen 1 20 annos da Idade, tem falta do denlas aa
frente, sal com annainSo da frialdade. e por laso
um pouco iachad^aahM sem chapeo, e est cea
:aSra a camisa da algodao,
HKWHcuica (oro. mi violo
>hu' 'l qaj*por pasto:
1 *i MM tu da Cadeia do Reci-
m andar, w |eneroeeaieole
ELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO
:
LAOO
1
a-fe


r
i
I
*
DUEIO M riMAMBUCO; QUINTA fERl 3 DI JiNElRO B 1842
Litteratura.
paris Medie*),
i
lfsmoridf de un widieo.
Tinha desoito annos quaodo conclu os meus
estado* era philosophia, lomando o grao de ba-
charel; un dia meu pae me ebamon 4 parte e
dirigi a tradiccioaal pergunti :
Meu fllho I que carrelra desejas seguir, a
militar ?
Confesso, respond ao autor de meus das,
nao teaho amor nem espada nem s charla-
teiras.
Eolio queres ser advogado 1
Receio que me falte a eloquencia I
E commerciante ?
Tambero nio me agrada o eommercio.
Pois eolio bas de ser medico.
Medico......, nlo me lembrava tal; mssj
3ue me nio agradara m ascharlateiras, a toga e o
iario e o razo, deTo escolher algum modo de
vida : declare!, pois, que quera ser medico.
Isto dito, trataram-me da bagagem e miod-
ram-me Pars ettudir medicina, com 150
francos par mez para pagar casa, comida, vestua-
rlo, as minhas matriculas, e as minhas entradas
no baile de Chaumiire.
E' (ora de dunda que eu tinha rocico.
II
A primeiro consulta.
Depois de oito annoa de urna vida amargurada,
depois de ter psssado por todas as phtses, de
praticante e de alumno interno, cbeio de palho-
logia, saturado de dioica e exsudando tbera-
peuiica por todos os poros, apreseoi*i-me a de-
fender Ihtes com tanto orilho, como os demsis
centeoares de doutores que se aglomerara todos
os aonoa na faculdade de Parla. Feito islo, do-
rara-me iim diploma que rae autorisara para
ligar, sangrar, cortar e trinchar as pessoas, que
tivessem a boodade de me honrar com a sua
confiaoga nos 86 departamentos que compe o
famoso paiz da Fraoga e suas possesses de
ultram
. Eu contara com elle para o ter como o meo
primeiro diente, esse primeiro cliente tio ambi-
cionado ; tire, porm, de renunciar i tal espe-
rance.
- Firmei ins vates para acabar de pagar ao
homem que incumb de enlapelar o meu gabine-
te rencendo-se o praso, j me reputara cerca-
do por urna turba d'aguazis que me levaran para
a priao de* (Slichy.
Effectiramete em urna mlnbia bateram
miolia porta: sahi da cama raesmo em camisa
para abrir e vi entrar qualro horoens de m ca-
tadura. Ele um aguazil, escoltado pelos seus
aclitos, que rioha embargar-me os moris.
Urna hora depois, quando a porteira veio
arranjar-me o quarto, entregou-me ama folha de
papel sellado; era a despedida com que me
ameacara o dono da casa. Desde pela manbia
al noute soara a campaohia, agitada pelos
meus credores; i um escndalo uccedia-se
oulro; atraz do aapateiro vlnha o alfaiate e de
traz desto o chapellelro e ssslm successiramenle,
de maneira que cheguei a ver-me na triste ne-
cessidade de aahlr do mea domicilio desde que
amanhecia para aodar errante pelas ras de
Paris. Felizmente estaramos no rerao.
Esgotada a paciencia, cheguei a nutrir ideas
de me soicidar. Tal era a minha silaegao ao
cabo de tres mezes. Assim despertara dos meus
sonbos.
V
Licoes e conielhos de um especialitta.
Em um dia que atraressara cabiabaizo o
boulerard, sem prestar attenco 6s carruagens
que cada passo ameacaram atropellar-me, ouri
chamar-me; Cabassol I Cabaatol I
Voltei a cabega e eocontrei-me com um de
meus antigos condiscipulos, um tal Lipincheux,
mancebo mui iotelligente e estudioso; juntos
defendemos theses e no mesmo dia recebemos o
grao.
Lapiocheuz fez-me ir seo lado em urna ele-
gante carruagem e insisti comigo para almocar-
mos juntos, de tal maneira que fui coagido a
acceitar.
Naturalmente entramos logo a fazer mutuas
confidencias.
quando urna carta me annunciou a triate noticia
do fsllecimento de meu pae, que morrera com o
sentimento de que nao fdra eu quem lhe aasis-
tisse na aua doenca.
Depois de render-lhe o tributo de ligrimas que
mereca, consegu dominar o meu aeotimento
com urna resolucio riril, e consgrenme em
corpo e alma aos noros dereres que os meus
dous ttulos de medico e orphio me impunham
para com a sociedade e para comigo mesmo.
Diminuta era a heranca que me legou meu
pae, pois s chegou signos mil francos, com os
quaea eu de eerto nio poda fazer grande figura
no mundo. Deata forma, depois de pagar as
dividas cootrahidas em tamos annos da minha
rida de estadante, um pouco cheia de irregula-
ridades, e depois de comprar os movis que de-
r.
Estira dispondo-me para tornar i minha trra, Y Querido amigo, diss*-me Lspiocbeoz, en-
chendo-me o copo d'um excelleote rinho de
Champagne, com o qual regamos ornas delicio-
sas ostras d'Ostende, tomaste a medicina pelo
seu lado mu, segundo rejo, ests cem annos
atrazado. Aposto que se for i tua casa encontr
oo leu gabinete um quadro que representa Hyp-
pocratet recusando os presentes de Artaxtrxes,
umacareira^e urna pega anatmica de gesso e
cartio d'Auzou.
Accredito que ters a candara de responder
quaotos forem consultar-te, seja qual for a doen-
ca que tenham, febre typhoide, phthysica, in-
flamacao de rentre, ddr nervosa, gastrite, gat-
Iro-interite, etc.
Uto foi o que te perdeu, e o que perde to-
dos os facultativos jovens.
Cometa, meu querido amigo, por dar de pre
riam adornar o meu gabinete, flcaram-me ape- seDte essa estampa ao teu porteiro ; rende a tua
as dous ou tres dobres, que pus macbioalmen-
te sobre a chamin, como para indicar aos
clientes qual en a tarifa das minhas consultas.
Mandei tambem collocar sobre a porta da
mioha habilegio urna lamina de cobre, onde se
lia esta inscripcao : Cabassol, doutor em medici-
na, horas de consulta das 12 s 4 da tarde.
Com bem profunda emogao enlrei pela primei-
ra vez no gabinete e me sentel na cadeire,
embrulhando-me no meu pilot. Tomei um
aspecto grare e esperei a entrada dos clientes.
Deu urna hora, deram duas, depois tres e a
final quatro, aem ae apresentar doeote algum ; o
que me obrigou a leraotar a sessao.
III
O sonhos de um medico.
Nao dere sorprehender a falta de clientes no
primeiro dis,dizia comigo passeiaodo em um dos
boulevards: o celebre doutor Veron refere as
suas memorias, que estere tres mezes espersndo
o seu primeiro cliente, o qual foi urna doente
que lhe nao pagou, apezar do Dr. Veron ter
salvado de urna epislaxsi.
Traoquillisado com to consoladoras reflexet
determlnei celebrar a ioaugurscao do meu gabi-
nete obsequiando me 4 mim proprio com um
modesto feslim no restaurant de Vefoar. A'
sobre-mesa mandei rir mei garrafa de rinho de
Champagae, e lembra-me que ao dear-me ria
j a rida e a medicia debaixo de'um aspecto
mui agradare!.
Apenas te fechsram as minhas palpebras, jul-
guei ver que tinha em rolla do peacoco urna
enorme grarata branca, com os seus correspon-
dentes corteiriobos at s orelbas, e quo coma
no caf de Paris rodeado de urna numerosa turba
de aduladores e parsitas, qu em seguida me
escoltaran: at ao theatro da Opera. Ali as
sylpbides do corpo de baile sahiam ao meu en-
contr dansando os seus passos mais voluptuosos,
em quinto a Tagliooi e a Essler passaram as
suas mios pelos caracoes da mioha cabelleira.
Eu redigta peridicos e linba carroagem, riria
em nm palacio onde dar sobarbos jantares, e
por ultimo um-editor Tinha offerecer-me cem
mil francos para lhe eu dar as minhaa me-
moras.
Eis o que sonham todos os mdicos noricos.
IV
0 despertar de um sonho.
Iam-se os dias, eorriam as semanas e passa-
ram os mezes sem eu rer assomar oo borisoote
o mais mnimo cliente. Achara-me j reduzido
aos meus ltimos na plenes eo phaolasma amea-
gador do senhorio apparecia diante dos meus
olhos.
Deria so meu alfaiate, deria ao meu aapateiro
e tambem ao meu cbspelleiro.
Tioha sido obrigado a despedir a creada do
gorerno, para limitar-me urna simples creada,
que tambem deizei para me arraojar com a
porteira, e esta j deria dous mezes. Espera-
ra pagar-lhe em risitas, o marido, porm, tendo
adoecido nio quiz chamar-me.
pega anatmica e expulsa da tua casa esse horri-
rel crneo, que aisusla os clientes, tanto do se-
xo masculino, como do femioioo. Determina
que o teu gabinete se assemelhe um sali ; oc-
culta o pratico detraz do homem de sociedade,
pois que na actualtdade o melhor mlico aquel-
lo que menos se parece com o medico.
VI
O especialista.
E em seguida, cootiouou Lipincheux, faz-te
especialista.
O antigo medico, o medico encyclopedico que
trata todas aa doengss, esl j gasto, completa-
mente fundido; j se nao accredita hojo seoio
nos especialistas.
Ha especialidades para as doengaa do ourido,
para as dos olhos, para as do nariz, para as da
bocea, etc. etc. Cada membro tem as suas eo-
fermldadea: e por consequeocia o seu medico,
Jue se encarrega de cura-las radicalmente. Isto
o que na nova lioguagem se chama um espe-
cialista.
Todas as especialidades estio j troncadas, o
que nio impede que todos os dias se inrentem
outras oras. Eu descobri urna soberba, que re-
servo para o futuro, cedo-t'a generosamente,
bandono-te a especialidade do dedo grande do
p.
Cura radical das desocas do dedo grande do
p I Isso pouco l Callos, olhos de perdiz,
uuheiros, jometes, frieiras, panaricios, sao um
conjuocto de affecces summameote lucrativas,
que preciso arrancar das mios igoorantes que
hoje as tratara. Cbegon a poca da rerdadelra
medicina, acabar com os empyricos e charlalies.e
anfloerar-ee, finalmente, da clientela doapedi-
orru. Acredita-me, nio vtcilles em laogsr-te
esta vereda, incumbindo-te fraocamente da es-
pecialidade do dedo grande do p.
E tu, perguntei a Lapincheux, que espe-
cialidade cultivas?
A Pinguifactura.
liso que diabo ?
A arte de fazer engordar as pessoas von-
tade, de levar a materia adiposa, que o vulgo
d o nome de gordura, sobre todo o organismo
em geral ou sobre esta ou aquella regiio do cor-
po, como aos bracos, s pernal, s barrigas des-
tas, aos hombros, finalmente, onde se quizer.
Lourores me sejam dados, e mioha especiali-
dade ; teoho feito com que o merioaque nio se-
ja j senio urna pdarra ria e a humanidsde
doeote pode rer-se lirre delle para sempre.
Escuso dizer que nio s possuo o meio de fa-
zer engordar, possuo tambera o de fazer enmagre-
cer ; a mioha especialidade, como res, tem um
duplo carcter, e dirige-te duas classes da so-
ciedade, summameote numerosas, a dos gordos
e dos magros.
Desta forma os meus freguezes, e sobre tudo o
sexo feminino, nio me dio um momento de des*
canso, porque a obesidade ou a magresa sio os
graodes flagellos do bello sezo.
Vae soara hora ds minha consulta e entiove-
rs como o sali de eapera est chelo de gente e
que o pateo pequeo para o grande numero de
cai.'uagens, que ali affluem.
EfTeciiramente era assim e nio podia negir-se
o xito da pioguificturs. Ditsiparam-se eolio as
trevas medicas ea que rir i; os meas olhos. tan-
te lempo fechados, abrinm-se finalmente i lu
da eapeciaiidade e resolv langar-me de corpo e
alma s doengaa do dedo grande do p, detpre-
sando as outras.
VII
O doutor Hosbeef.
O pedicuro esl menos arreigado nos coslumei
e nos babitoa da soeledade moderna, do que ima-
ginara o meu amigo Lipincheux. publico nio
quiz deixar-ae cahir no anzbl das enferraidadea
do dedo grande do p: nio ri mais doentei do
que os poucos que se queixaram Lipincheux.
Eite, faga-lhe joitica, mandaramoa immedia-
tamente ; as suas risitas, porem, nio eram bas-
tiles pera me poder sustentar, o que me leroa
s conreocer-me de que deria renunciar minha
eapeciaiidade.
Porem onde encontrar outra ?
Em qtratrto procurara ama tda. regiatara lo-
dos os cantos do meu cerebro; soUbe pela minha
porteira que ia lor um rival sendo prevenido de
que nm famoso medico alugara o primeiro andar
dt casa.
Este famoso medico ehamara-ie Jos Lsgia-
geole ; tinha sido meu condiscpulo, e sem me
querer geber, posao-aflirraar que algasias rezes
o ajudei a sahir-aa.4Sem dosseui eximes. Natu-
ralmente a poKeira diese lhe o neu nome, pois
apenas se iestallou na sua habitacio mandou-me
um bilhete de-risita-; u onriei-lhe o meu, reio
fazer-me urna visita, paguei-lh'a e logo nos eo-
cootrarnos debaixo do mesmo pontb de confiaucs
que ouir'ora. Eu disie-lhe que renunciara 4 me-
dieiaa einthetica pela medicina especial e que
me consagrara ioteirsmente cura radical das
molestias do dedo graode do p.
Lagingeole perguatou-me se ganhara muito
com tal especialidade, e eu conffssei-lhe que
nem ao menoro necfcsiaro 'para cimer batatas.
Nio me -admira,*m feplicoi ; pola julgo
que a poca- das espe-ciiliddes pvwrn j. E' Tar-
dado que tireram urna poca Brtliaole, porm
desappareenram como ds metoros .ue eruzam o
espago. Tambem ea eitire quaai cahir em fa-
zer-me especialista, salvei rae, porm, em um
feliz momento de reflexio. Como me vera boje
se tiresse seguido aquello primeiro impulso ?
Sem um real prorarelmente ; en qnanto quo
hoje teoho carroagem ; urna magoiica casa e a
melhor clientela de Pars.
E como chegasle a conseguir Use?
Por um caraioho mui curto e pelo mais eo-
genboso dos syslemas, islo (azeodo o contra-
rio de tudo o que os demals teem foto al hoje.
Os meus collegas ordenam dieta um doeote,
eu permitto-lhe comer; sujeitam-o i um rgi-
men de xaropes, eu indico o rinho le Bordus ;
quaodo os outros consentem o chuckar um pee-
coco ou aza de um frango, ea autioriso o uso
d'um beefsleack: se os outros nic consentem
mais do que algumas Rotas de vioho em agua, eu
quero que o doente beba tres copos de Chateau
laffile e muitas rezes de Chambertin.
A historia est em saber escolher hbilmente
os eofermos, porque nesse caso este regimennro-
duz resuliadoi infallireis. Incumbr-se o colle-
ja d'um indiriduo extenuado por espago de tres
ou quatro mezes por um rgimen debilitante, e
comece a dar-lhe beefsteack e rinho de Bordus.
Estes tooicos fazern elTeito; as forgis roltam e
resalta urna melhora sensirel para o doeote, que
bem diz o seu nome e o proclama como o me-
lhor medico do universo. Que esta ceibora du-
re um anuo ou urna semana, ara me: oa um dia,
pouco importa : o essencial manifeitar-ae, pa-
ra se poder dizer em seguida : se me tirera con-
sultado antes I
Os meus companheiros appelidan-me d'empy-
rico e charlatio; chamam-me Doitor Rotbeef;
eu deixo-osfallar, e limito-me asalpici-los com
a lama que lerantam as rodas da minha cirrua-
gam.
E agora, accrescentou Lagingeola, queres que
te d um excelleote cooselho para podeies sahir
de difficuldades?
Nao pago outra cousa.
Despede-te para sempre do esperialismo e
das especialidades.
J.
Diz um eterno adeus s molestias do dedo
grande do p.
J est dado.
E abraga a medieim extica.
Perguntei Lagingeole o que se entenlla por
medicina extica, e elle disse-me o seguios :
VIII
A medicina extica.
Com este nome designo a medicina exercita
porqualquer medico, quer seja huogaro, bohe-
mio, rusto oo poltco.
Este genero de medicina gosou sempre de
muilos crditos em Paria; nesla occasiao, po-
rem, chega ao pooto de fazer extraordinario fu-
ror.
Faze-te, pois,' medico huogaro, porque este
o que est mais em moda ; os mdicos ruisos,
polacos e bohemios sio j alguma couta antig-
uados.
O medico hngaro um homem que traz urna
enorme cabelleira loura com grandes caracoes,
oculoa de ouro, urna vestimenta muito agiloada,
e um cinto de mil cores com s sua respeiiarel
tirela. Mdicos haogsros ha que trazem brin-
cos as orelhas ; nao porem, iodispensarel
este adorno, gracioso, mas eocommodo.
Nao precito que o medico huogaro aaiba mais
do que quinze ou rinle patarras de francez, as
quaes derem aer pronunciadas o mais mal que
possa ser. O medico hngaro, na qualldade de
hngaro, aabe o francez, como as demais lioguis,
mas oceulta-o, afim de conservar a sos aurola e
prestigio exticos.
O medico hngaro nunca toma o pulso, nem
manda mostrar a lingos aos seus doeoles ; apal*
pa-os, etcela-os, tora-os e fa-los vlnr tomaodo
difieren tas posigdes, e em eegoida pasta a escre-
ver es um pedagode papel sujo urna receita qae
preciso traduzir. Felizmente o medico hnga-
ro indica tempre um pharmaceutico alguma cou-
aa maggitr, nico que tem a boa fortuna de de-
cifrar aaauas prescripcea.
Para obter um xito completo deve o medico
huogaro adoptar cario ar myslerioto e fazer es-
palharcom destreza o rumor de que pert&oce
urna celta de intimidados, e o seu Iriumpho ser
muito maior se se chegir a suspeitar que na aua
patria eti condemnado morte.
Tambem ser conveniente o descuiJar-se mui-
to do seu vestuario, trazer as uohts negras, a
barba em desalinho e muito porco o colleirioho
di camisa ; o traje sujo de rigor.
IX
A medicina em la bemol.
Os italianos sio os que monopolisam a medi-
cina em l bemol.
O medico italiano fui intimo amigo da Patta,
da Catalani; da atieran, da Sontag, da Grixi,
e de todas aa modernas cantoras. Lembrea-se
*t da Grasiari, e pouco Ibe falta pera contestar
quo assistiu s repreaentagoes das operas de Pac-
n* e que pateou a Armida ds Gluck.
E' cousultado para todas as doeogas da larynge.
Os scepticos duridam em geral de que elle seja
medico, anezar de ter mostrado em certa occa-
siao um diploma de doutor, conferido nao sei
por que faculdade de Mana, Carrra ou Piombi-
no. Tando se lhe nio exige, e os seus clientes
ficam completamente satisfeitos, se de rez em
quando rio a sua casa para prorar dos macar-
rn*.
O mlico italiano tem sempre alfeuma couaade
cosinheiro e de oculista ; comtudo se o aporta-
ren muito sae tambem deotista.
O medico italiano foi sempre o primeiro que
tere a eogeohoit idea de fazer comer caracoes
aos cantores; que soffrem urna exlincglo enroni-
ca.de roz. Este tratameoto, que conslituia a
gloria do seu inventor, est j gasto e precito
imaginar outro.
O caracoes precisara de um substituto.
POLHETIM
O PAIZ DO HIEDO
POR
A. DE GONDRECOURT.
(Costumes dos nmades.)
PREFACIO.
I
No presente seclo, diz um escripto notarel
sobre o dasenrolrimeuto da nossa prosperidade
na Argelia, (1) no presente seculo um mesmo ho-
mem pede ver, desde sua jurentude at edade
madura, o estandarte da Fraoga plantado pela
primeira rez nos maros d'Argel, urna auperncie
de aessenta mitades d'bectares, conquistada e pa-
cificada, cidades europeas snbstitoindo s caba-
nas dos rabes, cinco seis mil navios mercan-
tes oceupaodo todoa os annos nos portos o logar
dos corsarios, finalmente um dos estados barba-
rescos transformado n'uma trra ciriliaada, qae
j faz parle dos mercadoado mando.
esta ama rentado iocoelastarel que por eer-
to pasear dos cootos do soldado, das confiden-
cias da broebura para os boletios do Monitor,
para as grandet paginas da historia.
Mas, perguntar-nos-hio, porque j nio pas-
soo ? Ser por indtfferenca ? Por rentara sere-
mos dos menos altiros de nossa propria gloria do
qae o foi da sua o poro romano ? Estes sesseota
milboet d'heotares custar-nos-hiam a conquistar,
a pacificar o*a cirilisar menoa combates, menos
trabalhOB e sabedoria, do qoe foram precisos s
.tegioes ao senado da capital do mundo para
sabmetter as Mauritanias ?
Nio, certamenle : porm as paixdes qoe tanto
dominara aos bomeos obstam i que a rerdade ap-
parega logo em todo o aeu briiho, quando paita
pela bocee de (enumerareis tealemuohas; eos
historiadores tarde podem comegar sua tsrefi, se
procurara ser claros, sinceros enostructlros.
A historia em geral s respeitada sob a gide
do aecnlo qoe succede sos acontecimeotot que
ella relata, porque s entio, depois de peos j
trabalho, o historiador pode formar ama opinio
iodependente das apreeiages toteressadaa dos
contemporneo! dessea acontecraentos.
Assim, collocado 4 ame certa distaseis dos tac-
tos, o historiador presta en ourido recto i todot
os chos do pesiado; elaseifiet com tmparciali-
dado os seos elementos, estoda-os um por nm,
sem respaito exagerado para com os mortoi, sem
lisonja pare com os Tiros.
"(1) O governo da Argelia dude 1853 sit 1858,
peto coronel de estado-motor F. Ribourt.
...
X
A medicina oriental.
Chegis directamente das maia remotaa extre-
midades da Azia, do fundo da frica, do Japio
ou do paiz dos Niams-uiams ; ueste, ultimo caso
preciso procurar um criado que tenha cauda.
Estirestea dez aunoa ao serrigo do tulto dos
Gangaridos; fostes rinle aonoa medico da cma-
ra do Gram Lama, ou primeiro parteiro durante
outroa quinze de S. M. a raiohadeSab.
Chegas em ria recta da corte do Preste Joio
das Indias, que te fez presentes brilbaotes para
ficares seu lado, mas tu os recusaste somente
para te consagrares em corpo e alma ao allirio
dos leus compatriotas, para estes se nio rerem
parados do resultado das tuai iaresgaces.
Este resultado costumaser ordinariamente um
especifico universal: balsamo, ungento, xarope
ou pt que o medico oriental recolheu as seas
largas riageos o cujos milsgrosos resultados po-
de comprorar maia de ama rez as cortes dos
diversos potentados, cajos serricos estere.
Os amantes do mararilhoso abuodam mais do
que geralmente se peota netta poca de acepli-
cismo ; por isso a medicina oriental tem tantos
admiradores como a medicina hngara, anda
que nao tio todos de urna mesma calhegoria so-
cial. O bairro aristocrtico de S. Gregorio prole-
ge a medicina extica ; nos bairros commerciaet
da clatse media de S. Martin, S. iooiiio, Pois-
sonire e Moot-marire, onde se.acredita aa me-
dicina oriental, emquaotoque a medicina italia-
na apenas estende a sua influencia mais alem
dos arredores da opera e do theatro Ventidour.
XI
O emprego dos fluidos.
Eu lioha mal Jila vocacSo para a medicina ex-
tica ; por isso renuncie! representar o papel de
huogaro, de italiano ou medico da cmara do
Prestes Joio, o comtudo precisare rirer e os
meus recursos esgotaram-se.
Torosra-ae a reoorar na mioha mente a idea
do suicidio, quando em certa mauhaa se apre-
seotou em mioha casa um iudiriduo de urna
bem m physionomia trazeodo me urna carta con-
cebida nosseguiotes termos :
Meu querido amigo,
c O portador desta um dos meus amigos, o
c muito honrado Sr. Trimpolins, do qual sem
durida leras ourido faltar. Cedeado minha
recommeodagao tem o Sr. Trampolios a bon-
dado de te eacolher entre rite competidores
para um emprego da mais alta importancia na
< empreza que ae prope e cujo plano elle mes-
ce mo te explicar. Espero que cheguem um
accordo.
Recebe um abrigo de
Lapinheux D. M. P.
Caralleiro, disse Trampolios, queira ter
i boodade de ae sentar.
Nao seencommode, diste elle sentando-se.
O meu amigo Dr. Lipincheux falla-me de
um negocio...
Que ea expliesrei V. S. em duas patarras.
V. S. sabe que a arte dramtica est em maras-
mo e que a nobre profistao de saltimbanco esl
perdida. Daqui resulla que estou disposto a re-
nunciar ellas e rer como me don com as con-
sultas magnticas. Eu aou muito reino e muito
feio pan o publico poier ter-me por baitaote
extra-lucido, leobo, porm ama discipula que
parece talhada de proposito para ludo o que for
magntico : quero fallar da eocantadora Zeferi-
na ; V. S. re-la-ha e me dir o que lhe parece
quano a conhecer.
Abio, pois, continuou Trampolios, um gabi-
nete te consultas magnticas, dez trancos, on-
de, com auxilio do fluido sooambulico, farei pe-
netrar qualquer pessoa em todot os segredosdo
futuro. Annunciarei os regressos dos viajantes
e at martes ; denanciarei todas as iofelicidadas,
farei descobnr os objeclos perdidos ou roubados,
serei a Providencia dos b/rdeieea, det amantes
dot zetosoe e das pettoii cootra quera se tenha
rioUde o quloto mindameoto.
..'^Jdv'ejo, porm. meu charo tenhor, em que
lhe futa servir em tudo isto.
Atienda V. S., tteola e ve-lo-hs. Nio
aou homem que me contente com fazer uese vul-
gar corapeteocit mircomancia e 4 cartomancia,
tio quarolque a minha Zeferioa le aprsenla sim-
plestnente como mula de mademolselle. Leoor-
mand, oio tenhor ; ea aspiro i qae, vendo urna
porciode ciballo. um pillo da barba, uro tengo
de algibeira, um boto di carniza, ou qualquer
oulro objecto que tenha pertencldo pettoa por
ria de quem te faz a consulta, aderinhe a minha
filha todaa as molestias que soffre, e naipe os
remedios com que sehio de corar.
Mas como a eolicia de tua natureza inlromet-
lida, pode dat-fe o cato de rae rer denunciado
peraote os tribunaes e condemnado poretercicio
i Ilegal da medicina. Consentira eu, acaso, que
a minht pobre Zeferioa fosse apodrecer em urna
lbrega masmcfra T Nao I jamis !
Neceisito, por tanto, agregar um medico espe-
cial ao meu gabioete de somnambulismo, para
aasigoar ai receitai do fluido, ao qual se dar urna
retribuido de 200 francos por mez ; tal vez me
alargue at 300 se me salistlzer com o seto e ai-
si duidade d'este empregado.
Someote pela recommeodagao de Lapocbeax
que fago V. S. o offerecimeoto desta posigao
tio iorejavel, que me foi aollicitada por urna mal -
tidgo de mdicos recente mente formados, che-
gando alguna at a propor-me um abatimento.
Desta forma, dig-lhe que toque estes cinco, e
desie hoje de tarde pode V. S. entrar em exer-
cicio, pois que boje mesmo se abre o meu gabi-
oete de consultas.
Com vergonhs o digo, forcoso, porm, con-
fessa-lo ; aceitei a ollera deTrampolina ; cons-
titu-me teu humilde empregado razio de 200
francos por mez, pois que todo o meu zelo nio
cjnscguiu elevar essa paga nem um centesimo.
E se ao menos eu podesse recebe-la sempre, me-
os mu, mat acooteceu que, por falta de clien-
tella, foi Trampolios obrigado a fechar o sea ga-
binete e eu e ir experimentar fortuna por outra
parte.
XII
Urna pasta pelo amor de Deut.
Como pricipiou o Dr. Veron a edificar o es-
plendido edificio da tua fortuna ? Por urna pasta,
urna simples patta antiphlogistica, elulcoraote, e
peiloral 1 Porque oio hei de crear tambem urna
pasta ?
Isto d'attrieuigao da pharraaci*. me dir al-
guem, e
comece a
fallera na
rerdade es
Alm disi
posso inven
d'autor fietici
para temer que quanlo a gente
ir alguma cousa em politica lhe
para lhe cortar os vdos; mas em
;o preoecupa-mebem pouco.
podor por em durid que eu
ma pasta, e pr-lhe um nome
. tal como pasta do Durand, pasta
Marlim, pasta Coquerand ou pasta Chaudoreillo.
O que importa para urna pasta que os mdicos
a recomendem e parece-me que Lipincheux e
Lagiogeole nio me negarao este favor.
Eia, pois, rejamos que classe de pasta vou in-
ventar e que titulo Ibe hei-de dar. Muza do
eraollieote e .lo aotiphlogistico, inspirae-me I
Mas, agora me record que quando o Dr. Ve-
ron quiz fazer correr muodo a sua pasta, comegou
por se associar um pharmaceutico. Imitemos
esso grande homem ; procuremos um Regoauld.
XIII
Ao que chegou na atualidade a pharmacia.
Com tal iotesgo dirijt-me urna tarde boti-
ca do meu visinho Tristepate e expuz-lhe o meo
plano. Encolhej os. hombros e disse-me :
Eolio V. S. quer torentir ama pasta?
E por que nio ?
-* vWS. j Ibe poz o borne
A{uda se ha. de estudar essa parte.
ElD dez mil napolees psra gastar em an-
nuncios ? ,
Nem se quer ao menos um.
, Pois entio permitta-me que lhe diga que
ese* louco ; V. S. suppoe que se iraprorisa urna
nefttTJs duas por tres ? Figurase -lhe lalrez que
oio ha msis do que dirigir-te aos catarros obsti-
nados e s constipacoes tenazes para que ellas
lhe respondam logo ? Pois esl muito engaado.
Actualmeote nada ae coosegue sem a publicidade
o reclamo eo aonuoeio sao'as duas azaacom qae
vi a gloria, e sem ellas, meu amigo, impos-
airel elerir-se cima do uvrel dos pissetos das
ruis. Succede com urna pasta o mesmo que cora
as comedias ou ot llvros, se Taita o bombo, nio -
guem tem rer aquellas, nem compra estes.
Sabia tambem que as paitas fazem-se ama
guerra enea migada, que se destruem e se conso-
mem urnas s outras, e que o publico rse-se
cansaodo j de as comprar. Por outro lado a
pasia seguiu o morimento democrtico, passando
do estado individual ao estado collectiro. Ha j
algum lempo que se formaram raas pharmacias
por aeces, urnas therapeuticas, outras hygieoi-
cas, outras pathologicas, as quaea monopoluam o
eommercio da pasta, da pastilba, da pilula e do
xarope.
Eis porque preciso lempo, e muito temporal-
vez, para eaererer-te a historia da nossa precio-
sa colonia argelina, para aerem desenvolvidas
em honra dos nossos soldados quo combateram,
e dos ebefes que os dirigiram, ai mil e ama le-
gendas aoalysadas na nobre phrase que colloca-
mos freote desto lirro.
Porm se aos laboriosos historiographos daa
geragoes que saccedem aos conquistadores com-
pete celebrar os feitos de seos antepassados, aos
que testemaoharam as coaquistas cabe tambem o
derer de deixar como berenga aos seus riodou-
ros o maior numero de verdades possirel, que
thes facilite o trabalho e indagagdes.
Esse derer tomamos peito cumprir, porque
de ha muito que nos acharaos apaixooados, com
lodos ot ardorea como ternuras do oosso eothu-
tiasrao, por essas poticas regies em que hoje
flucta o fiel estandarte da patria, por essss ras-
tas provincias onde o sol broozeou as faces dos
soldados de Sebastopol e da Italia, por easa Ierra
frtil, por easas inhspitas areias, onde vimos a
Fraoga desthronar a barbaria, e fundar finalmen-
te a civilisagio.
II
Todo aquello que emprehende a difcil larefa
de eacrerer a historia de um poro, aotea de co-
Iher os tactos com que tem de eocher o seu lirro,
dere applicar-se ao estudo do costumes desse
poro, sonda-lo no seu lar domestico, visitar os
paizes em que elle Tiren glorioso, rico oo pobre,
lirre ou escraritado, vencedor ou vencido. *
A historia verdadeira, instructiva e completa
forma-te de tres elementos, que nio podem es
lar separados os tactos, s cor, a philosophia.
O bittoriidor dere ser ao mesmo tempo chro-
oiata, pintor e philotopho, sob pena de nio tor-
nar-se ultil e rerdtdeiro. Ora, oio sio pinturas
da phaolasia que coorm 4 aereridade da histo-
ria, mat pioturas reees, copladae de natureza.
Cada trico do piocel dere exprimir ama aeme-
Ibaoga, porque o lino do peasador se perde 14
onde os fictos sio despidos de cor, pois a cor
a luz.
Etsa luz, tio essenciil 4s obras profundamente
meditadas, nio o menos por corto aoa ntrete-
nimenioi familiares do romance, que, em nossos
dias sobre tudo, tem adquirido urna importancia
Iliteraria cooilderaret, por mais que o oeguem
certos espirites astt exclusivos.
A historia deecrere os annaes dos poros : o ro-
mance deacrere esses aooaes daa aociedadea que,
gragas proreiloua iodiacricot, lio destinados
a mostrar os bomeos despidoe de soso paixdes,
longo do tbeetro em que se hito trpido pare a
petteridade modelos de rirludos, acelralos ou
Mtoes. Prefacio ou appeodice o romance em to-
do o cato o complemento da historia ; e i ooa-
[eo rer, depomos a nossa pedrioha para o Inluro
dificio da histeria dos Franceses na Argelia,
errando a vida dos lhot do propheta ni
lempos em que ellos lularam, com (loria, contra
a nossa inratao, contra o nosso genio, poder e
moral, nenes lempos em que al resistiram aos
nossos beneficios.
III
A frica francesa, como j distamos, um paiz
contendo sessenta milhoes d'hectarea, confinando
com o Mediterrneo ao norte, e com o grande
deaerto ao sul. Pde-ae, pois, dizer que ae acba
entre dous mares, um aquelle em que a tem-
pestado eleva montanhas de ondas, o outro
aquelle em que o sopro abrazador do gembli [l)
amooida e dispersa neroeiroa de areia.
Cerca de ceolo o cineoeola leguas separam as
cotias di Provenga das costas argelinas, ao pao
qoe oecesaario aodar-se porto de quitroceotis
leguas para se passar do sul da nossa colonia ao
rico territorio de Sondan. Estis qualrocentas le-
guat pertencem ao grande deserto, e offerecem
eos viajantes das caravanas o espectculo sor-
prendeote dos mais sombnss o dss mais mages-
tosas tristezas da natureza. (9)
O Mediterrneo semeado de ilhaa que sau-
dam os oavios, pois que ellos ahi achara portos
de refugio, o sitios qae fallara de Ierra aos mar-
timos fatigadoa de ao contemplar cu e mir.
O Sahara semeado em longos ioterrallos de
oaiis, em que OS paciente! e corajosos peregrinos
param para respirar. Essee oasis celebrados por
poetas, que nunca os risitaram, figurara niohos
verdura, onde o Creador deizou cahir um ralo
de sua piedade, quando sua myaterioia boodade
laucn essa enorme massa de aris sobre um dos
cantos da superficie do globo.
Os rabes, na sua lioguagem Agorada, dio o no-
mo de mar ao grande Sahara, e os dromedsrioi
em que os homens exploram as immeosas soli-
dos do deserto, tio considerados ha muilos s-
culos como navios ao uto daa caravanas.
A figura deque nos serrirnos para desigoar ot
limitet dai nostas putieiiet argelinas ao sul o
ao nortenlo iorengio nossa, maa sim do poro
rabe, que possuo o dom de poetitar todo com
muita rerdade, e muita graga.
O navegantes itriveitam os marea com o au-
xilio da bussols; as eararaoas atraressam os
desertot regulando-se pela carta celeste, e lo-
mando iqui o acola per ponto de mire algumaa
daa moflannos pulrerulenlti, qoe ota prodigiota
distancia urnas daa outras iodicam um rago iti-
nerario a aeguir-se aquellei que detejam en-
contrar um pouco de agua netse terrirel paiz da
aede.
O grande deserto habitado ? Sim, por tribu
poderosa/, em geral denominada Touareghi, que
ie diridem as tegaintes principies;
1* Os Arguer, leste, entre os oasli de R'dt-
(2) Gembli, vento qoe sopra do tul coa 'bo-
lencia : o vento psttifero que reina oo Egypto.
(13) O verdejante ralle de Sdi-Manaour parece-
nos que ama rootelra de Soudao. Fallaremos
delle para diante oa historia qoe emprtbendeaos.
Estas pharmacias teem o seu graode conselho
de vigilancia, os seus accionistas, o seu gereote;
dispoem de capitaes considerareis e oa mdicos
mais celebres tio interessados nellas. V, pois,
V. S. lutarcom o mooopolio o rer como see
com as mios na cabera.
Jnioha boticarios I continuou Tristepate ; o
orgulho que aos perdeu. Ab I Bem o dira meu
at meu pae, quaodo este, em uoiio com oa
seus companheiros, tere o funesto amor proprio
de nio querer ministrar um clyster. Meu filho,
repeta sempre aquelle aociio, privaste-te total-
mente de gaohar dose ou quinze libraa loroezas
cada dia, nio te custaodo mais do que ter urna
pouca o'agua queme na cosiohi; dia chegar em
que lances de menos no teu lirro essa rerbat
Sim ; lango-a de meos, deplorando a sua
perda com lagrimas de saogue. O clyster resti-
tair-me la aminhi indepe
anda podesse tornar a eeapt
V. S. sabe como eu rro
pal Hallado pela osa prop
vivo oa maior esenridio, na
tou escravo d'um medico. E
cliantei, rerdade, porm la
um tanto do qoe vendo,
colliborador ; elle embolse c
crot, lera o mate limpo de m
e com tudo teaho que agrade
mudamente o meu chapu,
a fallar, ficaria te tem cliente
plelameote arruinado e oio
Curso mais do que despejar i
conledo do frasco do lindan
Veja, pois. V. S. ao qae ehi
a phirmflcia, e anda tem
d'uma pasta I joreo ioseoaat
ou a casa do Dr.Blaodo o dei
Sabi de casa do irasciral
toso, desilusionad e p erg un
o qoe ii aer de teda. .
,Wv
A catailiodem :-me*em\
de meus imigoriomf Mkeirot
dioso cora olm e. disoeeedor i
prediziamos urea rpida forlu*
Callada I Ser S meu quer
Ola mea amado Bsrbioch
Que fazos ?
Eu exerco a medicina, e ti
Eu a cirurgia, que maia
E tambem mait lucrativa ?
E muito, gragea ao mei ay
Com qae t teas un valen
Sem systema actualmeote
couta alguma.
Encarrego-me por ajuste de qualquer opfot
cirurgica. mas com a condlgio de aer deato *
nheiro adiaotado, o qoe muito comisada pe
o cliente, pois lhe oio peco na la depois. Ter
opotacoes de primeira, de segunda o de teret
classes, como os eotarrot oa como oo uradjos
envi pelas casas a toballa segaioie :
Eslabelecimento de opermcet mor mitutt.
Birbaocb D. M. P.
"etoese 8"
Amputigao de peroa.... 1000 francos
dem de brago......... 8M
Desarticulago.......... tfjOO
ncro.................. 1500 >
Pd/................... SOOO >
O cloro for mo pago parte.
Eis a minha tarifa offlcial ; nao I
inconveniente em rebaixar alguma >
se tornar necessario. Aqu ooie me i
j cortado perna por rite e cinco ..
brigoi por sete francos e cioeoeota cantil
Isso um modo bem repreaosetvel. e
criminoso de exercer a medicine.
Chama-lhe o que t qaizeres; que t
to que i mim rae-me muito bem com este s
tema, e que o prefiro muito ao qae sesfteg
d antes.
E qual o qae d'antes empregavoo?
E' o sogointe :
XV
O direilo de commist
Harer cousa de tres eo s*
Barbaoch, eocootrara-me comp
gragado, o tinha resoirido expatran-^
exercer a proflssao oa Australia oa ka Cali,
e para tal fiar fot pedir algumas cartas de
commeodagao i om dos neasen
co afamado, que tem grandes
gl atrra.
Elle estimsrel nosgrapbo, como die
Veron, demonttrou-me sempre hrtenlo bao*
leocia, couaa que muito paucas a uceada o a
as lhe flz taber o caso, afeioo-oae ptvjac
deixar Parii, qasliflcaodo-o de abaarda. Ma
bem, mea imgo, ao qae ieocioa tozar; f
mente agora teoho tres dorales jss eses
ser operados em poneos diae: ai* peieaaa n
diadas e que pegario como ovide ; ssio
quero que faga eatat tret osocetOee, coen
tornar V. S. a subir, oio pessaodo sais ot
California.
Ourindo iifb, julgoei rr so mea istdrloca
um destes renerareit protectores que epparec
naa comedias do antigo ineatro o ia 4 proaatt
me 4 leus pi para Iba palealear a miaba sea
dio, quaodo elle me contere, dizeoda:
Eu incutnbo-me de Ibe pagarom i mil 'H
eos por cada ame dest.s eperages, os tres
fraocos por todas, de coja quanlia os cabra
um pequeao direito do commitsto, viste s cw
por ceolo, conforme o eostomo.
Diwimulando como pode a eetreskss* sss
proposites me causavam, aeceitei o
com mil protestos de greldio el
pirte.
Em pouco tempo me achei imtssjsido, f
eiclotirameote, de toda a parta cirergic
clieotella desle senbor e da de varios caeasai
ros seus 4 quem linba posderedo o misse
dez e aigilo, poii, segundo Ibas baa dolo,
julgivo incapaz de embolsar o prsdarto ds i
operacao, deixaodo dasalitfjzer odtreitsdsc<
misado.
Desla forma gensove ea bastiste diohoiro.
ate:-.:
mes e de R'il o a monlaoha d'Hogguar, dez
diat de joroada de Iotalah, na direegio do Tim-
Bokton (Tumboucton) cidade de Soudao.
2* Os Hogguar, em torno da moolanha do mes-
mo come, monlaoha muilo elevada, que pelo in-
vern te conserva coborta de nevo e cuja cadeia
separa as aguas do lago Tchad das do Bahar-el-
Nil, qie chamamos oNiger.
3a Ot Ahir, ao sul de R'a t.
4a OsLamden, 4 rite dias de jornada ao aul de
Hoggaar, e os alturas de Tim-Boktou.
5a Os Kelouel, 6a os Boudal, 7= os Kelgueras,
e 8* os llissa, as quaes todas ae esteodem oes-
te entre a popalagio negra do Soudao e a raga
branca do oorte do continente africtoo.
Os Touareghssioquati brancoi. Habitara em
gourbis (cabail) e tendas de palles cortidas ;
nunca se apreatnlam em publico ; porm auai
mnlheres, contra o uso pratiesdo oo maior parle
dos paizes musulmaoos, oio trazem rea e gosam
da maior liberdade poiairel. Ot Touareghs ali-
mentam-se do producto da caga, e tambem dos
seus rebsnhos de camelos, especialmente decir-
neiros de pello roeo, que postuem em quantidi-
de iooumerarel.
Ot Tuuaregbs do sul oceupsm-se os caltars do
arroz e do beheu ; os do norte nao tem outro of-
Qcio seoio a pilhagea. As caravanas pagara tri-
buto tanto i uns como 4 outros, para poderem
percorrer com alguma seguraoga etaes immenaoa
paizes e silenciosos, ot quaea se rem oa necea-
aidade de atravessarem afim de aer eslabeleoida a
commuoicacio commereial enlre a regiio do Me-
diterrneo e o paiz productivo do Soudao.
IV
Teremos ocessiio de fallar anda dos Toasre-
gbs, quaodo descrevermoi ot cotlumes das po-
pulagoes do Sahari. Aqui apenas faremoa al-
gumaa obserragea deatinadaa a eiclarecer a mar-
cha de urna narragio, onde encontrarlo algomas
notos proreltosas aioda meamo aquelles que exi-
gem objeclos de seria reflexio em trabaiboa de
mera pbanlesia.
Determioamos ao norte e ao aul os dous pro-
cipaes limitet geographicos da nossa colonia ar-
gelina, colonia que, de 1852 1857 em razio
da duplico cooqitta da Kabylia o das re-
gidas do Sahara, tomou a mageitoss importancia
de om imperio aituado trila e seis horat de
Minelbi, gragas ao rapor, o alguna minutos de
Paris, gragas ao fio elctrico.
A luccinta deflnigao que demos, dere ser com-
pletada por urna rpida exposigao do plano em
relevo da nossa frica fraotezs.itlo desse rie-
lo paii comprehendido entre o Medilerraneo e o
grande desorto.
A Argelii alrareasida, de ste 4 oeste, pela
cordilbeira do Atlas, que diride o territori
muitas zonas oaturaes. Do Mediterrneo
occidental do Alias se eitende o Te ou
cernaos; alm, tobre ai eminesciaa
mesmo Atlas, so est oo paiz das altas
em pouco me pirecea ama
balhar pera oa outros,
servo, por isso pensei a maseira i
la escraridio ; conceb, esli, toes sytMsi
curar por empreitida, com qual ma eos s
mararilbas, e em prora disto lo diret que te
ceder um certo numero de cliesla, sem tasor
rece bio de fazer em bom jeiza de ti palalaav
de toa casaca e do tea chapea. Naa ja
rm, que tio milioaarios, pas sis ss
quedes que pagam 4 seit vnicas, esos, ejes im
porta itso I no oooos systema sss ha cjss bal
lora cousa alguma, sem memeie visifao dss
vileos, porque o qae nio rae so orees, vae
quantidade.
[Conlinumr-Mkm.)
o dos chotis (4), Ierra quasi despovoads, planicie!
immeotai e ondulosos cobertss de di e de al-
pha (5), de que te alimeotamem cortes pocaa os
rebanhos das tribus distintos. Ali comer o Sa-
hara argelino, paiz das patmeiras e doa pastores
nmades, onde o riajante, rendo-se rodeado de
profundas solides, reconhece qae camioha para
o ocano dos cabedelos, para o grande mar daa
areias.
Entretanto os lados da rolla orieolal do Altai
lio em muilos lugares de urna rica ferlilidade, de
um variado aspecto de valles, ribeiros, oasis e so-
berbas culturas. A mor parte das tribus que ha-
bitara eises paizes ditosos poderiam passar, no
ctso de necessidade. sem o trigo que os Arabos
do Tell vendem aos Sahtrianos. Elles morem-se
como verdadeiros nmades naquelles grandes es-
pagos, desde os oasis, e os kiours (6), que sio
seus celleiros de reserra oa mootmha, al os
Confina da regiio des areias favorecida pela na-
tureza, por isso que ali a mala pequea chura
eitendo ira tapete de verdura. Segando aa es-
tacos cooduzem os seus rebanhos para o sul oo
para o oorte, fazeodo-as parar em pontos deter-
minados, ou na visiohanca das tribus qne rodeiam
o grande deserto, ou as frooteiras do Tell na ex-
tremidade das altas planicies.
As mais importaotes entre easas trios qae vi-
vera, parte nss villas, parte as suai tendas, aio:
Os Amours, estabeleci loa no Djebel-Amour (7).
Esta tribu poasue um territorio rico o pittoroaco,
ditpe de am rebinho variado de cerca de 130,000
eabecat, coota com 12,000 habitaotes, e pode por
era p' de guerra 600 homens de cavallaria e
1,500 de infantarit.
Ot Laghouat-Ksul potsuem am rebaoho de
4,000 camellos e 79,000 orelhas e cebras : sai
populigio de 6,000 almas, e pode foroecar
contingente de 400 homeos de caralteris- <
de intratarla.
Os Uarars, rica e poderosa tribu da 96)069 al-
mas, ditpoem de 2,000 ciralloade axeetlaate ra-
Si, de 2,000 eimeloi, e de um rebaos de cerca
b 600,000 cabegai, tendo 500,000 orelbis. Po-
li) Chottpalavra genrica qu os Arabis dio
lodos os lagos ioleriores qae se eocoolram so-
bre ss sitas planuras, o no Sahari argelino. El-
las cbamam tambem choti-el-bahar s margent
arenlas do mar.
(5) O dis eo alpha sio plantes de alguma sor-
te providenceos em certos paites. Os cavados
lio vidoi do dis e dio desgoslam do alpha.
(6) Ksourt (oo aio gal se ktar)cata graode, en-
tallo : patarra aribe ue por urna paquena cor-
rupcio pissoJKsera a lingai hespaoholaAl-ei-
sar (al-oj. r9lsesar de Serilba, eattello cons-
truido pete* atesaros, e que servia eos seos rola
de residssc ,dea seguramtnte chamado -tlktew
<7) Lugef basdenbeto afamado por suM sguts,
e ricos valles.
dem oppr so ioimigo 1,500 boa
ria o 3.000 de infamara.
Oa Hamiant, divididoi em daee fraccoee, i
tio menos aumerosos, nem aseses riese cas
liaran.
Ot Ouled-sidi-chikh, egualmeste diridMoc
duas grandet fraegetChanga t Ghmrml
etteodem-se deede as ioclioagdae
Atlas al o graode deserto. Devea
considerarel que exercem sobre tedas as sav
gdes tahiriaoas, illostre o santa orifsm
chelea deseeadaotes, diaem elle, da
Bekker-Saddik primeiro ka'ifa
tidos em grande reneraco tm lado o
tas tribus se bio declarado tese sir liosos (
dours), e gloriam-ee desse litis: p
a anualmente crescidas reodas, alado i
aa tuas supplicas, e asas proteccJm.
A' ste e eo tul dos Amours oa Omtm-H,
Larba, e oa provincia de CoaslanuSa as
oe Charte*, es Chtrgui, os Aftasatljs, ea
em urna especie de boulerard, qae so
deede e regencia de Tuois al as roste
Mirrocos, todo o territorio da sosos cea"
qae a trra nlo so recaa absoluteaeste
melo de seos habientes.
Assim para chegar-se ao Sahara, prop
dito, oa graode deaerto, ou ae parte ds.
Oran oa de Conatenlioa, principa* Ict
oossas tres prortocies, -s ibstjtds a a
regies algumas feriis, o aaisr saris
a todas ellas anoexadaa s semas ssese
o nome de Sahara argcliac, ss ""
O maior austero dss tribu sss
foram aubaetlidee posea
1851. Aa ooteoe colooiaa
litaram, o ollas recooheceraia o saaar
de ; porm a eua aebmifso sss ova a
O oossoc pottos aate araacadso as
graode diataocia deltas, ala podtea w*
toccorr-lat, o laot dlxavaa-aa
doe agitadores, qoe viadoe sos rsessea
aa arraalavam rebelilio esa aaga
ao, caricia ssaMceo.
Desde o anuo do 1852 es de 1854
geral eoode landos estere eocacrofscV
o limitet do nosso ia pari arpoUso* a
do logo defioiiiraaoote s seis dsai,
u tribus irreaolutaa, o dt
frooteiras naturaea oa liaitee ds
to, isto tendeado o iavaass ases
plantar o seu estiodarte deede se psssU
nomsdes at o oasis ds Osatfla, i aeis
ta dias do ritgea do litoral!
PERN. TTP DE M. F. DE FAWA FlL
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EWSPITHLA_P3PH3O INGEST_TIME 2013-05-01T00:36:20Z PACKAGE AA00011611_09905
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES