Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09904


This item is only available as the following downloads:


Full Text
sr
TERCA FEUA 3L JE DEZE1BB0 II Itlt
Por anit adiandt 19$000
Pwto fintflfet para snbscriptar.
Parahyba, o Sr. Aqioo Alexandrioo de Li-
ma ; Natal, o Sr. Aotoalo Marques da Silva:
Araeaty, o Sr. A. de Leaos Braga; Geari o Sr,
J. Jos da Oltaira; Maranhio, o Sr. Joaqun1
Marques Rodrigues; Para, Justino J. Ramos;!
Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
PARTIDAS UUS COHKElOS.
Olinda todos os das as 9# horas do dia.
Iguarass, Goianus, e Parahyba nai segundas
|e aextaa-leirat.
S. Antao, Beterros, Bonito, Caruar, Altlnho
le Garaohuns as tercas-(eirat. .
Pao d'Alho, Nazaretb. Limoelro, Brejo, Pls>
Iqueira, Iogazeira, Flores, Villa-Bella, Boa-Vista,
lOuricury e Ex as quai tas-feiras.
Cabo, Serinhem, Rio Formoso, Uoa,Barreiros
lAgua Preta, Pimentelras e Natal quintas feiras.
[{Todos os correios pariem as 10 horas da manha)
I Laa ora u lt horai 57 minutos da larde-
9 Quarto crescente aos 50 minutos da manha.
17 La hela aa 5 horas e 31 minatos da tarde.
*5 Quarto minguanta aa 7 horas a 32 minutos
da larde.
31 La nota as 11 horas e 85 minutos da man:
PREAHAR DE HOJE.
Primelro as 4 horas e 54 minutos da maohis.
Segundo as 4 horas e 30 minutos da tarde.
30 Segunda. S. Sabino b. m.; S. Vonusniaoo m.
SI Terca. S. Silvestre p. ; S. Nominando.
1 Quarta. c& Cireumeisio do Senhor; S. Odilio
2 Quinta. S. Isidoro b. m.; S. Argee m.
3 Seila. S. Aprigio b.; S. Antera p. m.
4 Sabbado. S. Tito, discpulo de S. Paulo.
5 Domingo. S. Simeio Eilellits; S. Telesphoro.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relacio: tercas, quintas e sabbadosaslO horas,
Fazenda : tercas, quintas e sabbados as 10 horas.
Juizo do commercio : quartas ao meio dia.
Dito de orphioa : tercas e sextas ss 10 horas.
Primeira vara do civil: tercas sextas ao meio
dia.
Segunda rara do cirel: quarlas e sabbadoa a 1
horada Urde.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SUL,
Alagas, o Sr. Claudino Fsleio Das; Baha,
o Sr. Jos Martina Aives ; Rio de Janeiro, o Sr.
Joio Persire Martin.
EM PERNAMBUCO.
Os propietarios do pumo Manoel Figueira de
rana 4 Filho, na sua vrara praca da Indepen-
dencia na. 6 e 8.
PAUTE 0FF1CUL.
ip'
&
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente do governo do dia ZV de
dezembro de 1861
Officio ao Exbj. presidente das Alago.Co
o officio de V. Eifi., de 20 do crtente, recen!
duas colleccea dos actos legislativos da asseml
bla desaa provincia, promulgados na sessao ori
dinaria do correte anuo.
Dito ao commandaote du armas.De coofor
roidade com o quo solicita o Exm. presideote da i
Alagoas, em officio de hontem, airva-se V. Exc
da expedir asauas ordena para que o primein
cadete primeira sargento do nono batalho de in-
famara Manoel de Farias Lemos, siga pan
aquella provincia no vapor que se esperado nor-
te, para o que flcam dadas as convenientes or-t
dans, afim de depor como leatemunha no pro-
cesso de conselho de guerra a que tem de res-
ponder o capilao Jos Anselmo Volga.Fizeram-
se aa communicace necessariaa.
Dito ao meamo.Da conforaidade com o dia-
posto em avisa d reparticao da guerra, de 14
do crranle, sirva-sfe V. Exc. de expedir suas or-
dena, afim de que m eapiogardeiro da comps-
nhia de artfices desta provincia alga com guia de
passagem para o corso de guarnico do Amazo-
nas, levando torneo a competente (erramenla.
Dito \ao mesmo. Sirva-se V. Exc de aier
-constar aos commandantes da forjas o disposto
no aviso circular junto por copia, expedido pelo
ministerio da justica, em 16 de novembro ultimo,
estabeleceodo o modo de se effectuarem prisea
sem detrimento da liberdade individual. Offl-
ciou-se ao cbefe de polica no mesmo sentido.
Dito ao mesmo.Puso s mos de V. Exc. oa
processos de conselho de guerra dos soldados
Amancio Jos da Silva e Jos Nicolao dos Praze-
res, pertencenles ao dcimo batalho de inten-
tara Luiz Antonio Gomes e Fernando Thomaz
de Souza do nono da meama arma, e bem assim
do tambor Joaquim Ferreira, e aoldados Joo da
Cruz do Carmo,. Raymundo Nonato de Luna, e
Ambrosio Jos da Costa, lodos do segundo de in-
famara, afim deserem cumpridaa as sentencas
proferidas pelo conselho supremo militar de Jus-
tina nos mesmos processos.
Dito ao mesmo. Paaso s maoa de V. Exc. o
incluao procesto de conselho de inveatgacio feito
ao capillo do quarto batalho de artilharia a p
Jos de Cerqueira Lima, afim de servir de auto
de corpo de delito no processo de conselho de
guerra, a que tem elle de responder.
Dito ao inspector da tbesouraria de fazenda.
Por aviso do ministerio da agricultura, commer-
cio e obras publicas, datado de 13 do correle,
foram nomeadoa commissarios do goveroo impe-
rial nesta provincia o engenheiro fiscal da eatra-
da de ferro Dr. Manoel Buarque de Macedo, en-
genheiro W. Martineau, e o escriplurario dessa
tbesouraria Jos Francisco de Salles Baviera,
para que de accordo com os da companhla pro-
cedan) ao exame e tomadas de coalas das despe-
zas feilas nao so com a cooalroccio das difieren-
tes seccoes da mesma estrada, como lambem da
receita e despezs do seu costeio.
O que eommuoico i V. S. afim de que o faga
constar a esse em pregado recommendando-lhe a
prompta e exacta liquidacao de taes conlas, para
que em lempo competente aeja paga em Londres
a quantia a que o governo imperial se rssponsa-
bilisar para com a compaobia. Fizeram-se si
communicsces necessarias.
Dito ao meamo. Recommendo V. S. que,:
por coota doa feos que possam existir nessa
thesouraria, pertencenles a provincia do Rio
Grande do Norte, mande pagar ao cabo de esqua-
dra Manoel Ignacio Martina, e aos soldados Tho-
maz Jos de Aquino, Daniel da Silva Queiroz,
Francisco de Atsis Coala, e Francisco Martina dos
Finados, todos do corpo de polica daquella pro-
vincia, e que vieram em deligencia A esta capi-
tal, ama dala de seos vencimenlos a contar da
data em que receberam o ultimo pagamento, se-
gundo a guia junta que me foi apreaentada com
officio dd coa mandante do corpo de polica deata
.provincia.Commnnicou-se ao Exm. presidente
e ao commandante do corpo de policia respec-
tivo.
Dito ao mesmo., Transmiti V. S. para os
contenientes exames as primeiras e segundas
vias dss conlas de receila e despeza do hospital
militar deata provincia, relativas 'ao mez de no-
vembro ultimo, bem como copia do parecer da
junta militar deeaude, que examnou aa referidas
cootas.
. Dito ao mesmo. O brigadeir
das armas, referindo-se a co
fuera o director do hospital
declarar-me em officio numero,
datado, que o individuo admi
te de enfermara naquelle ost
23 do crranle, deixra o me
seguint*.
Oque eommuoico V.
ment e direcoao, __ '
Dito ao mesmo. Consta
pela reparticao da guerra, d 13 do correte, ha-
ver-se autorsado a aunullacao da quantia de
4:5685780 no crdito concedido essa tbesoura-
ria psra as despezas da rubrica Colonias Mili-
tares do exercici o de 1860a 1861. avistada
demonstrado annexa ao officio -de Y. S. de 3 de
malo ultimo, sob numer 21,
Dito ao mesmo.Constando de aviso da repar-
ticao da guerra, de 10 do corren te, que foi ap-
provada a deliberado que tomei demandar dar ao
escriplurario dessa thesouraria, deaigoado para ir
em commissao ao presidio de Fernando de No-
rooha, a gratificado de 150&0O0, podendo tal
abono ser considerado como ajuda de coato, as-
sim o communico 4 V. S. para seo conheci-
meolo.
Dito ao mesmo.O Exm. Sr. ministro da guer-
ra commuoicou-me em aviso de 11 do correle,
iver-se nsquell data designado ao ministerio
da fazenda, afim de ser o crdito concedido A es-
sa thesouraria para as despezas do exercioio de
1860 a 1861, augmentado com a quantia de rs.
9:5969759, no termos ds tabella junta por co-
pia.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Acuoso recebido o officio de hontem, sob nujmero
651, em qne V. S. me participou ha ver Jos, Au-
gusto de Araujo, dando por fiador Joaquim Ca-
nuto de Santa Anua, arrematado por un aino, a
cootar do 1 de Janeiro prximo vindouro, < ser-
vico da illumioacio de Goiann, por 293 rs. dia-
rio, e em resposta ten no dizer que api rovo
esta arrematado.
Dito ao mesmo. Com a inclusa copia da lo-
formacao miniatrada hontem pelo ex-thesoureiro
da extiocta administrado do patrimonio dos or-
Shao, fica aatisfeita a exigencia de V. S., cpoli-
a em officio de 12 do correte, sob ousoero
631, e por isso mande pagar ao capellio do colle-
gio das orpha a quantia de 7309000 em quaim-
dortam os vencimento, a contar de 20 de jabei-
vw deate snno 20 de jaoeiro prximo viodouro,
na razio de 2,000 francos no3nno, ao cambio
de 865 rs. o franco. coofornaVo sea contrato.!
Dito ao mesmo.Respondeodo ao officio que
V. S. me dirigi hontem, sob n. 651, leoho a di-
zer que pode aceitar o offerecimeoto qne fez Joao
Carlos Aagusto dt Silva, para se encarregar por
un trimestre do sustento dos presos pobres c< as-
anles da proposta que devolvo por copia.
ndante
ue lh
ha de
ntem
udan-
oo dia
no dia
para seu conheci-
de aviso expedido
Dito ao capilao do porto.Faco apresentsr A
V. S. psra ser inspeccionado oa reculas Manoel
Jos Vicente da Saudade e Justino Josquim Bo-
telho.
Dito ao director do arsenal de guerra.Com-
munico i Vmc. para aeu coohecimento, que, pe-
lo araeoal de guerra da corte tem de ser eovisdo
para esse conforme participou-me o respectivo
director em officio de 17 do crrante, sob n.
354, um modelo de enxergo ltimamente adop-
tado em substituido das esleirs, supprimidas
por aviso circular do ministerio da guerra de 5
de novembro ultimo.
Dito ao mesmo.Fa$a Vmc. desembarcar do
vapor Tocanftns e recolher a esse arsenal am
caixo cootendo 30 corrame completos, cons-
tantes do conbecimenlo junto, remellidos pelo
commandante goraldo corpo de policia da corte
com destino ao batalho n. 31 da guarda nacio-
nal desla provincia.Respondeu-se ao comman-
dante geral do corpo da policia da corte.
Dito ao agente da eompaobia de seguros mar-
timos segundado do Rio de Janeiro nesta capital.
Remello Vmc para seu coohecimento e de-
vida execucao, copia do aviso expedido pelo mi-
nisterio da agricultura, commercio e obras pu-
blicas em 9 ao crrante, sob n. 32, em solucio
ao seu officio do 9 de novembro ultimo, relati-
vamente a remesas do batanele das operace
que tem effectuado e continuar a eflectuar essa
companhia.
Dito aos agentes da companhia Braaileirs.
Pode Vmc. fazer seguir para o norte o vapor To-
canlini a hora indicada em sen officio de hoje.
Dito ao Dr. Francisco Goncalves da Rocha juiz
de direito de Tacarat.Remello a inclusa co-
pia do officio que dirigio-me o juis de direito
interino da comarca de Tacarat em 25 de no-
vembro ultimo, recommendo A Vmc. qne toman-
do em coasideracao o que nelle se expende d
as convenientes providencias logo que ehegar
aquella comarca.
Portara.O presidente da provincia resolve
remover o bacharel Joaquim do Reg Barros
promotor publico da comarca de Flores para a
do Bonito, vaga por ter sido nomeado juiz mu-
nicipal o bacharel Jos Antonio Coelho Ramalho.
Communicou-seao juiz de direito de Flores.
Dita.O presidente da provincia conforman-
do-se com a proposta do chefe de policia n. 1321
de 26 do correte, resolve nomear o bacharel
Amaro Joaquim Fonseca de Albuquerque para
o cargo de delegado de policia do 1* districto
dasta capital.Communicou-se ao chefe de po-
licia. >
Expediente do secretario do
t* governo.
Officio ao Sr. Luiz Jos Correa de S juiz de
direito interino de Tacarat.S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia ficando inteirado do conteu-
do do aeu officio de 25 de novembro ultimo, as-
sim Ihe s>;manda declarar.
Despachos do dia S9 de dezembro
de 1861.
Requerimtntot.
Abaixo asaigoadoa de cinco pravas de policia do
Rio Grande do Norte.=Dirijam-se a thesouraria
de fazenda.
Bernardo Jos da Costa.Como requer.
Padre Calmen.Dirija-so a thesouraria pro-
vincial, .
Jos Mauricio Teixeira de Albuquerque.Co-
mo requer.
Joanna Francisca dos Aojos. Como requer,
sendo este apresenlado ao Sr. director do colle-
gio das orphaas.
Tenerite Joaquim Flippe da Costa.Pasae por-
tara concendo a liceoca requerida.
Maria Poociaoa da Conceico. Como requer
devendo aer apresenlado ao Sr. director do col-
lego das orphaas.
Rita de Cassia Pacheco Orara. Como, requer
devendo este despacho ser apresenlado ao Sr.
director do collegio dos orpho.
COMANDO DAS ARMAS.
uarel-seneral do commando das
armas de Pernainfouco na eidade
do Recife em 30 de dezembro de
1861. .
ORDEM DO DIA N. 10.
O general commandaote daa armas faz publi-
co, para conbecimeoto da guarnico e devidos
Dos, que, leudse apresentado hoje nesle quar-
tel-general, viudo da provincia do Maranhao, o
major do eslado-maioj de 2* classe Francisco Ca-
mello Peasoa de Licerda, nomeado secretario
desle commando, eumpre que o Sr. capilao do
mencionado corpo Luis Francisco Henriques, cu-
jo lugar tem exercido, los faca entrega do rea-
pectivo archivo, com oa necessarios esclareci-
mentos: e visto como teuha de se recolher
corle o referido Sr. capilao Henriquea, em con-
sequencia de ordena do governo, o mesmo gene-
ral commsndan)e das armas, prevaleceodo-se
deata occaaiao, pirige oa seus sinceros sgradeci-
menlos e louv/es, pela dedicagao que empre-
gou no desempenho de seus deveres no pouco
lempo que servio sob as suaa ordena.
Assignado.Splidonio Jote Antonio Pereira
do Lago.
Conforme. Candido Ltal Fernira, capillo
ajudante de ordena encairegado do dealhe.
EXTERIOR.
CORRESPONDENCIAS DO DIARIO DE
PERNAMBUCO.
Haruburgo, 6 de dezembro de 1861.
De repente temos perante nos urna nova pos-
sibilidade de serias oceurreneias, cujas, conse-
cuencias nao ae poderA calcular.'
A qausr disco prm nao provm esta res de
Paris/TSar srn de Washington. O paquete a va-
por iuglez Trent, da linha entre Havana e S. Tho-
maz, que levl'va fiu bordo os dous commissa-
rios dos estados meridiooaes da America, o Srs.
Masn e Slidell desligados* para a Framja ea In-
glaterra, foi apprehndldo e viaitado durante a
sua vagem por Um navio de guerra dos Estados-
Unidos do norte, o S. Jacintho, e os doas ditos
commissarios, apesar do protesto do capitio do
Trent, foram capturados violentamente. O va-
por-paquete das Indias Accidentaos la Plata,
irouxe a noticia, disto para a* logia trra, e a seo
bordo o capilao do Trent, e bem ae imaginar a
indignacao geral que causou a ofensa da bsn-
deira neutra da Ipgltferra, contra todos os direi-
los da naces, pelo dito* navio de guerra norte-
americano.
O negocio foi immediatamente apresentado aos
legistas da corea da Inglaterra, e logo depois de
vinte e quatro horas os mesmos declsraram que
o procedimento do S. Jacintho era ama violacao
dos direilos da naces; por que mesmo na hy-
pothese que osySrj. Masn e Slidell podessem
ter sido consideraros como contrabando de guer-
ra na sua aualldaK de commissarios do estados
do sul, nao competa ao capilao do S, Jacintho
conduzi-loa violentamente de bordo; a sos com-
petencia era so da levar o Trent, como suspeito
de contrabando parante um competente tribunal
de presas, entregando ao mesmo a deciso.
Em consecuencia im mediata do dito parecer
dos legistas da cor, o governo ingles publicou
sem perda de lempo a probibicio da exportarlo
de salitre, e tomou as devidas medidas para com
toda a presta augmentar a sua etqutdra nos ma-
res das Indias 0cidentaei.
Ao mesmo lempo foi expedido, no dia S do cor-
rente um despacho para o ministro da Gra-Bre-
banha pelo do gabinete de Waahiogton, Lord
Lyoos, exigiodo satislacao e a soltura dos Srs.
Masn e Slidell. "
A queslao agora, se em Washington se dar
a satiafacao reclamada ou nao. Na Inglaterra pa-
rece que em geral se duvida nisso, suppoodo-se
que o S. Jacintho proceden tob expressa inttruc-
cao do seu goveroo.
Dado 6se caso parece inevitavel urna guerra
entre a Inglaterra o o norte da America, e as
conaequencias da mesma mui gravemente se fa-
ziam sentir por todo o resto da Europa. Um se-
rio eogajameulo da IaglaIerra na America per-
mitiiria na Europa a maia livre ac;So ao Napo-
leonismo.
A Russia se acha paralysada por difficuldades
flnanceirat, e ainda maia pelo movimento polti-
co no interior em coosequencia da abolicao da
eicravalara, o qual cada vez ganhi mais terreno.
Nao menos a Austria se acha abatida pelas dis-
sensoesinleriores com a Hungra e com a Venecia,
assim como lambem pela extremaisalamidade fi-
nanceira:
Somente a Prussia est em p ; porm ao mea-
mo lempo que a mesma por si s nao bastan-
te forte para reprimir a Franca, aceres ce que a
discordia na Allemanha nao deixa esperar dessa
ultima o pleno deseovolvimenlo das suas torgas.
O imperador Napoleo por isso indubitavel-
menle se tornara tenbor da tiluac.ao, e admit-
tindo que a Frao;a neate momelo lambem se
acha em difficuldades flnanceirat, nao sao ellas
asss serias para oppdr ainceros impedimentos
poltica parisiense. Ha pouco e sobretudo desde a
entrevista em Compiegoe, e ainda mais em coo-
sequencia da entrada de Fould no ministerio
francez, as eaperangas de paz linham comecado
consolidar-se de novo na Europa, e agora de
repente de novo nos echamos debaixo da presso
de serias apprchensdes de guerra I a Inglater-
ra os consolidados baixaram cerca de 3 % ; os
fundos publicoa de 3% os Franca, que grabas
entrada Fould no ministerio jtiobam excedido o
cambio de 70, se acham repellidos a 68, 50 e o
agio da prata na Austria que apenas se achava
reduzido 37*/, esl de novo slm de 40 "/.
O resultado final das eleices na Prussia, que
s ser decidido amanhaa, 6 do crrante, as
eleices dos deputados pelos eleitores, ser com-
municado pela nossa prxima carta.
At agora o xito das eleices de eleitores s
permute hypotheses respeito do resultado fi-
nal. Certo que o partido dos progressislss que
na ultima dieta ae achava representado tmente
por 20 memoras, tem conseguido grandes suc-
cessos.
Em Berln a sua victoria eleitoral se acha as-
segurada em todos os cercos, com excepcao de
um nico.
Em Koenigsberg, Dsnzig, Magdebnrgo, Poseo
e Colonia, a sua preponderancia tambem incon-
tealavel; em Breslau os votos se acham dividi-
dos entre libertes moderados e progressislss, e
espera-se ali um compromisso, segundo o qual
provavelmente serao eleitos candidatos de ambos
os partidos.
Do mesmo modo o partido progressista tem es-
peranzas indubilaveis em um numero de peque-
as cidades e cercos ruraes, especialmente as
provincias da Prussia, do Rheno e da Weatfalia e
em parte na provincia de Posen e as cotias di
Pomerania.
O partido feudal por coaira leve urna comple-
ta derrota, e ainda maior do que nes eleices
paseadas. as cidades elle suecumbio completa-
mente, e em parte nem leve a honra de um com-
bate eleitoral.
Somonte uos poucos cercos ruraes Ihe foram
fieies. Como os maia importantes candidatos do
partido do progreiso citaremos : os conaelheiros
OO supremo tribunal, Waldeck e Taddel ; o co-
uhecido membro da associanao nacional Schultze
Delittch; o anligo presidente do parlamento al-
lemo Loewc de Kalbe ; o anligo presidente do
cooselho de ministros da Saxooia de Carlowit;
o conselheiro Twtslen, conhecido pelo seu duello
com o general de Mtnteuffel ; o celebre proles-
sor Dr. Virchoic; o conselheiro da relacao Lene;
o general de Stavenhagen; o major Dr.. Beitxke;
o conselheiro iolimo Behrend ; o bario de Ho-
verbeck ; oSr. Dietterweg e outro. O bardo de
Vincke, o conhecido conductor da maioria na die-
ta passada recuaou aceitar esta vez a ejeicao, al-
legando por motivo as obrigaces que Ihe com-
pelan) como tutor doi fllhoa da sua irma, que
impedem urna longa ausencia da sua presente re-
sidencia
O verdadeiro motivo porm o sen desconten-
tamente com o ministerio, ao qual segundo as
suas antecedencias elle nao ae achara disposto
de fazer opposicao ; nao se julgando ao meamo
lempo na posirao de defeode-lo. Em todo o caso
se pode suppor que o ministerio tambem nio en-
contrar esta vez nos cercos dos progressislas o
absoluto apoio que Ihe era amigamente consa-
grado deaae lado, e sobretudo tem elle pones es-
perance de ver aceita a sua organiaaco militaj
aem importantes mulancas. Al meamo as pes-
soaa que durante a ultima dieta approvaram as
propostss ministeriaes na sus totalidade, se de-
claran! agora contra as meemas as suas fallaa
eleitoraea, e exigem urna considerare! diminuicao
do cargo militar, como entre outro o Sr. Rei-
ebensperger de Colonia, o conductor do partido
eatbolico.
Quasi simultneamente com as eleices prus-
aiaos, comecaram as novaa eleicei na Hesse
eleitoral, e ainda se acham em andamento. At
agora goveroo nio conseguio aioda nenhum
suceesso, e todas as eleices que lireram lugar
at hoje sao sem excepcao em sentido da consti-
tuido de 1831, violenlemente annullada pelo go-
verno.
J se pode tomar por certo que o governo tam-
bem dtta rez nio ter urna diela mais compl-
ceme como no anuo passado, e oo principio do
presente, e que a dieta detle anno s se rauoir
para declarar a sua incompetencia e recusar qual-
quer actividad* parlamentar.
Entretanto j comejam em algumas parles do
ptiz a recolar o pagamento dos impostos.
Em Carliruhe foi aberta no dia 30 de novem-
bro a dieta de Bade pelo grio duque, pessoal-
menie. Um parapbo da aua falla do ihrooo, que
causou a mais viva tensacio em toda a Allema-
nha, se refere sobre a traoiformac,o da cootli-
tuicao federal da Allemanha, e diz o seguinle :
a Os resultado de todos os esforens A bem do
nosso querido paiz sao sempre iosepsraveis do
futuro da notsa patria allema. Cada vez mais
seriamente se mottra a necessidade de consoli-
dar o poder e a auloridade da Allemanha, afim
de que debaixo de todas as eventualidades ds
sorte do mundo, possa ella preencher a sua alta
vocacao histrica.
Como seria possivel a satisfa$ao dos ioleret-
set polticos e Dicionaea deste grande povo, te
nao por meio de urna organittQo firme e ener-
gica, dando Allemanha aforra de urna vontade
central para representar o seu poder e o seu di-
reito, conferiudo assim independencia dos dif-
iranles estados um apoio inabalavel I Quaes ae-
jam as difficuldades para allingir esse fia, cont
firmemente com a votsa assiitencia nos compe-
tentes esforcos do meu governo.
J fallamos sea tempo da declaracao do go-
*aa
remo de Saxe-Coburgo na dieta federal, acerca
da necessidade o'uma reforma da cooslituicao
federal. A falla do throno badense agora a se-
guoda manifestado offlcial directa favor dessa
reforma.
A segunda cmara de Wurtemberg termioou as
suas discusses respeito da lei sobre a igreja
calholica, que deve substituir a concordata ^bm
Roma. Essa lei foi acceita quaai plenamente no
sentido das propostas do goveroo, apesar da op-
posicao do partido clerical. Vista a grande maio-
ria com que a segunda cmara "adoptou a dita
lei, nio se duvida que ella tambem pastar na
primeira cmara.
Os ministros dos grao-ducados de Saxe-Wei-
mar e do ducado de -tienburgo se acbavam lti-
mamente em Berln, para negociar com a Prutsia
respeito d'uma convenci militar, anloga a
coocluida entre a Prutsia e Saxe-Coburgo. Tam-
bem esli pendentes Iguaes negociares entre
oulros pequeos estadoa da Allemanha e a Prus-
sia, como de parte do ducado de Waldek, e, se-
gundo parece, tambem de parle de Brunawik.
A convenci martima entre a Prussia e Bremen
ser concluida brevemente. O resultado das col-
ledas para a esquadra allemia-prustiana j at-
ORiram a aomma de 1,600,000 francos.
Na Aualria a penuria financeira eat obrgando
a pasaos receioaot. O anno fioanceiro fiado, -'
outnbro passado, acabou com um novo dficit 'k
cerca 90 milhes de florn. Para cobri-lo pre
ciso um novo emprestimo ; porm, para ter a
autorisacilo de contratar um novo emprestimo,
o governo, em conformidade da constituicao de
26 de fevereiro do correnle anno, precisa da ap-
provaco do parlamento central. Em coosequen-
cia da recusa da Hungra, e da Croacia de man-
dar delegados para um parlamento geral da Aus-
tria, a reatisacio do parlamento central se torna,
porm, impossivel por ora, e ninguem poder
dizer por quanto tempo aioda. A necessidade
urgente, e nao possivel solv-la cooalitucio-
nalmenle. Nesta posicao o ministerio ae decidi,
pois, em contrario constituicao, de reclamar do
parlamento restricta presentemente reunido em
Vienna, no qnal s se acha representsda a meta-
de dos paizes austracos, a approvacio do em-
prestimo neceasario nao de duvida que o mes-
mo consentir ; mas tambem nio de duvida
que esse rompimento da patente de fevereiro da-
r novo alimento resistencia da Hungra. Acer-
ca da queslao da Transylvania nao se realisoa
anda nenhuma deciso final no ministerio. Um
resoltado preliminar a demisso do governador
da Transylvania, o conde Millo, do partido ma-
gyaro, e a sua tubstituigao por um militar, o ge-
neral conde de Creoneville.
LONDRES.
8 de dezembro de 1861.
Pelo paquete Magdalena, eolrado na porto
de Soutbamplon na manhia do dia 4 do corren-
te, com a mala do Braail, soubemos aqu que se
perder mais um vapor da marinha imperial, de
nome D. Pedro II, A entrada de Montevideo I O
Express, jornal de Londres, dando esta noticia,
ponderou que a esquadra brasileira tem perdido
nesles ltimos annos seis navios, sendo esses
successos dignos de lamentacio por se achar a
marinha de guerra do Brasil na sua infancia.
Deus permita que o infortunio, perseguidor da
nossa feote de mar, cesae para aemare de visi-
tar-nos com to duros golpes. A Inglaterra, que
de modo algum receia a preponderancia do Bra-
ail como potencia martima, deseja ver prosperar
a marinha do imperio, porque bem sabe que,
no caso de urna guerra entre ella e os Eslados-
Uoidos, muito Ihe conviria a tllianca do Brasil,
que ella buscara como por vezes a imprensa
lh'o tem aconselnado.
Os joroaea de Londres se abstiveram desta vez
de mencionar noticias polticas do imperio. Ha
algum tempo, porm, publicaram com relacao
ao Brasil que o goveroo de Washington recla-
mara contra a proteccao que o presidente do Ma-
ranhao dra ltimamente um corsario da con-
federacao do sul, quem, segundo se diz, foi per-
mitlido receber auxilio naquelle nosao porto.
Entretanto, segundo a meama folba, o nosso en-
viado em Waahington conseguio acalmar a sus-
ceptibilidade do governo americano, explicando
que as autoridades brasileiras foram eslranhas ao
enthuaasmo com que fura recebido o menciona-
do corsario, bavendo-lhe apenas permiltido re-
ceber algumas provises de bocea em conformi-
dade com urna das clausulas, que regulam a
oeutralidade proclamada pelo governo brasileiro
na luta entre os estados da coofederaeo ameri-
cana. E' de esperar, pois, que esse incidente, de
que se oceupou a imprensa inglezs, nio tenha j
ulterior seguimento.
Annunciam as folhas desta capital que Sua Al-
teza real o principe de Galles dever brevemen-
te fazer urna excursio pela Italia, indo ao Adria-'
tico tambem para visitar Corf, que como sabi-!
do a capital daa ilhas Jnicas que se acham sob '
o protetorado da Gaa-Brelaoha. O principe de
Gallea, porm, regrestar aqu a tempo para as-
aislir ao casamento da princeza Alice, sua au-
gusta irma.
Sua Mageatade a rainha continua a residir em
Windsor, onde recebeu ha dons dias Lord Me-
thuen e o coronel Seymoar de volts da viagem que
fizeram a Liaba para apresenlarem a el-rei D.
Luiz os pezames da familia real iogleza pelo fal-
licimeoto do Sr. D. Pedro V. de saudosa memo-
ria. Diz-se que a rainha farA prximamente urna
excursao a ilha de Wight, e tambem que ir pas-
sar alguns das em Itichmoud, as visinhangas
de Londres. Em Windsor tem ltimamente ha-
vido diversos conselbos de ministros sob a presi-
dencia de Sua Magestade, nos quaea tem sido pro-
fundamente debatida a crise em que ae acha a
Gaa-Brelanha com o governo de Wasnington, pro-
cedente de um Insulto que sobre a bandeira n-
gteza acaba de commetter o navio de guerra S.
Jacintho, da esquadra federa', americana.
Esle grave suceesso leve lugar debaixo das se-
guiotes circunstancias. No dia 7 do mez prxi-
mo passado seguir viagem da Havana para S.
Thomaz o paquete ingles- Trent sob o commando
do capilio Moir, e depois de haver navegado tran-
quilamente durante viota e quatro horas, quan-
do se achava no canal das Bahamas foi interrom-
pido por um navio de guerra americano que ali-
raodo-lhe dous tiros, am de salva e outro de me-
trana, intimou-o para que atravetaaase e mao-
datse a bordo daquelle vaso os seus papis. Ha-
vendo porm aendo detattendida eaia ordem, o
commandante do navio de guerra enviou imme-
diatamente contra o paquete, que todava ji ti-
oha parado, urna lancha com gente armada sobo
commando do teneale Fairfax, afim de que este
dsse busca naquelle paquete e procuraste sa-
berse ot commissarios Mr. Masn e Slidell, da
confedeucAo do Sol, se achavam a bordo, em
cujo caso deveria aquello offlcial prende-loa e
traze-los para bordado navio de guerra. Chafa-
do a bordo do Trent o tenente Fairfax declarou
que vinha de parte do capilio Wilkas, da corve-
ta americana S, Jacintho ;e qne lioha por mietao
visitar o paquete Trent. O commandante inglez,
porm, recusou-te peremptoriamente nio s i
permittir como al a apreteotar os seus pspes,
protestando demai contra o abuso da torca quo
fasis o offlcial americano; deste modo liria tai-
res ioulilitado a pesquisa daquella navio de guer-
ra, at urna clrcumstancia independente de sua
vontade nio vieste offerecer materia para aggra-

var-se aquillo que elle j contiderava insulto,
como fra a descarga de tiros com baila e me-
tralha e a visita a aeu bordo com gente armada.
Esse iocidente procedeu de se haverem decla-
rado como propriot Mrs. Matn e Slidell, quan-
do o lente Fairfax intimou o capitio Moir para
que Ihe entregasse aquellos commissarios do pre-
sidente Davis, pois nenhuma duvida havia de que
se achavam a bordo do paquete Trent, de viagem
para Inglaterra ; e hoje que esses individuos se
deram a conhecer, o offlcial americano, chaman-
do de bordo do S.Jacintho maior reforco.os pren-
den e levou para bordo do seu navio, apesar do
solemne protesto que fez o commandante inglez,
e o do almiraotado do abuso de forc,a que exer-
cera aquelle official para arrancar da sob a pro-
tecao da bandeira iogleza individuos que a ella
se baviam acolhdo. Nao obsta ule porm, foram
aquelles emissarios arraocadosde bordo do Trent
e levados para o S. Jacintho, que enlio permittio
aquelle paquete seguir sua derrota. Taes sio em
resumo os factosque motivaram a queixa que coa-
Ira o goveroo de Washington tem presentemente
a Gria-Brelanha.
Apena no dia 26 do mez ultimo chegou a Sou-
thamptom o vapor La Plata com a mencionada
noticia, o telegrapho trsnamitlio com rapidez pa-
ra todos os cantos da Inglaterra essa nova ; e
posteriormente a imprenaa relatou ludo circume-
tancudamente. O governo britnico, pela sua
parte, seguindo a correnle da opinio pnbhca
aqu, altamente indignada contra aquelle ultraje
feito ao pavilbao inglez, tomou sem demora o
expediente de consultar sobre a queslao osadvo-
gados da cora que expeditamente deram o seu
parecer, declaraodo Ilegal o acto do comman-
dante do navio de guerra americano, por haver-
se este constituido juiz em caua propria, qoan-
do-ihe cumpria. mesmo no caso de considerar
elle como contrabando de guerra os commissarios
Masn e Slidell, levar o paquete inglez com
aquelles individuos para um porto americano,
onde deveria ser a presa julgada por um tribunal
martimo ou de presas.
Nestas circunstancias, o goveroo britnico ha-
vendo adoptado os fundamentos daquelle parecer
dirigi ao gabioete de Washington urna nota em
forma de ultimtum exigiodo que foase conside-
rado como duIIo e sem effeilo o acto do commo-
dore americano e por conseguate a eotrega dos
prisioeiros, sob pena de a Inglaterra retirar im-
mediatamente de Wathinglon Lord Lyoos com to-
da a legaQio. Esta nota iogleza, que parece ter
completamente satisfeilo o amor proprio da ne-
cio britaoica, foi daqui expedida no dia 30 do
mez pastado, nio sendo provavel que seja res-
pondida antes de duas semanas e s para o fim do
mez correte que esperamos ter aqu cooheci-
mento detsa resposta.
Entretanto ninguem dissimula nesle paiz que
diOkilmente o governo de Washington se pres-
tar a dar a satisfago pedida ; e conseguinte-
mente a guerra enlre a Inglaterra e o Norte da
Unio surgir daquella difficuldade. O governo
britnico prepara-se ji para o peior dos casos,
ha vendo feito partir para o CaoaJ reforcoa mili-
tares, augmentado a aua esquadra as aguas ame-
ricanas, e at prohibi por urna proclamado re-
gia a exportajio de quaeaquer artigos de guerras
de Ioglaterra para paizes estraogeiros salvovcom
a competente autorisac.io : em Janeiro prximo
dever seguir para Quebec urna forte eaquadra.
A opioio publica aqu opta pela guerra, ue
por outro mel nio vier a ser restaurada a digni-
dade do pavilho nacional : o povo ioglez sao
muito bem que a Graa-Bretanha deve a sua opu-,
leocia ao reapeito em que a Inglaterra oo os seus
goveroos tem sempre manlido a bandeira nacio-
nal por toda a parte oade tem ella fluctuado.
Entretanto ninguem deaconhece neste paiz que
urna guerra entre dous paizes ser de desastrosas
e mutuas consequencias.
De Nora York escrevem em data de 22 de no-
vembro que os advogados do presidente Lincoln
haviam dado sua opiniao Acerca do suceesso do
Trent, declaraodo que A rala do direito daa gen-
tes era elle plenamente justificavel. Esta noti-
cia veio causar na praca de Londres o mais ter-
rvel effeilo, pois se presume que visla daquel-
le parecer o goveroo de Washington nio acceder
satisfacio pedida pela Ioglaterra.
ACQrma-se que Franca apoiar o goveroo bri-
tnico nesta reclamaco, pois tem a queixar-se
de um insulto que tobre o navio francez Jules el
Mane exerceu o metmo S. Jacintho poroecasiio
de viaila-lo. A inprenaa francez a tem plenamen-
te sustentado a justica da Ioglaterra na questio
do S. Jacintho ; e esta harmona de opinies
atlribuida firme e decidida vontade do impera-
dor Napoleo, que assim ordeoou.
Os prlsiooeiros do Trent apenas chegados a
seu destino no dia 13 do mez prximo passado,
foram logo eocerrados pelas autoridades federaes
no Torl Waxoranle, e ali ae conserravam al s
ultimas dalas. Lord Lyoos nao havia reclamado
contra o insulto feilo ao Trent, sendo provavel
que para esse fim esperaste por iostruccoes do
seu goveruo.
Do theatro da guerra nada ha de interessante ;
os belligerantes parecem querer entrar em quar-
teis de invern. Esperava-ae todava urna gran-
de batalba sobre o Potomac para o fim de no-
vembro. Port Royal coolionava em poder dos
federaes, que ali baviam desembarcado quioze
mil homeos. -*-*"
A expedigao contra o Mxico, em que sao par-
tes a Inglaterra, a Hetpanha e a Franca ; seguio
j para a Havana. As rcenles noticias, porm,
vindat do Mxico, annunciam que o presidente
Jurez ealava prompto a acceder s reclamacot
dos governo alliado, para assim desviar o gol-
pe que brevemeote deve feri-lo. ,Os gabinetes de
Londres, Franga Madrid, nio desistirio, tods-
va, do seu intuito, visto como querem alcanzar
desta vez urna garanta material j que tantaa ve-
zes tem sido Iludidos pela m f do goveroo
mexicano.
De Italia ha a mencionar os Irabalbos do par-
lamento italiano. O bario Ricasoli, depois de
haver posto sobra a mesa os documentos relativos
questio romana, declarou que lodos os esfor-
cos do gabinete de Turin para trazer a santa s a
um accordo haviam sido baldados. O estadista
Ratazzie o exministre Bouucompagn, fallando
sobre essa/jueatio, declsraram que apoiavam a
politica do gabioete, poia que eate procurara
sempre conseguir aquello fim de accordo com a
Franca, como asaim lh'o recommeodra a cma-
ra em um voto na sessao pastada. Mr. Boun-
compagoi dase mais que a Italia precisara armar*
se para libertar Veneza, eque depois teria Roma,
dando assim a entender que a Franca oceupa
Roma ameote pelo receio daa complicacea que
aioda possam resultar para a Europa de urna la-
ta entre a llalla e a Austria.
O goveroo italiano nao descoohece a necesai-
dado de armar-se, e com effeilo tem activado os
eos armamentos de mar e trra. A Italia espe-
ra por brevemente em p de guerra um exercto
de trezentos mii horneas.
Escrevem de Madrid que o goveroo hespanhol
acaba de dar os passaportet ao bario Tecco, mi-
nistro da Sardenba naqiiella corle. E' bem( sa-
bido que ha multe lempo o ministro sardo recla-
mava do gabinete de Madrid a entrega dos archi-
vo! diplomalicoi econtuliret pertencenles le-
gacao e consulado napolitanos, que hoje deixaram
de existir ; bem como que a isso se oppozera
sampre 6 governo hespanhol, sustentando que
nio recoaMtJ* oo ro de Sardenha o direito de
usurpar a propriedade que eslava na mao do
governo da rainha por deposito daa autoridades
napolitanas. O ra, nestas circunstancias o gover-
no de Turim ordenou aoseu ministro quedeixas-
se Madrid, ficando atsim interrompidas as rela-
cnes diplomticas entre esses dou paizes. E' no-
torio que a Heapaoha nio recoobeceu aioda
novo reino da Italia aob o sceplro de Vctor Em-
manuel; aatim como que havia retirado de Tu-
rim o seu mioistro logo que a Ssrdenha invadi
o reino de aples.
No dia 28 do mez prximo passado tiveram lu-
gar nesta capital, na capella catbolica franceza,
es exequias mandadas celebrar pelo conde de La-
brado para tuffragsr a alma de S M. El-rei D.
Pedro V. O corpo diplomtico concorreu todo a
essa ceremonia, que foi executada com toda a
a pompa sendo officianle o bispo de Troy e achan-
do-se presente sua eminencia o cardeal Wiae-
man. Grande numero de Portuguezes concorre-
ram quelie acto de pidosa devocio, testemu-
nhando lodos pelo seu ar contristado a dr que
aenliam pela perda de um soberano lio joven e
esperanzoso. A princeza de Joinville,-os duques
de Nemours e de Aumale, assistiram igualmente
a essa ceremonia.
Porto lO de dezembro,
Em 21 de julho de 1859 por motivo da morte
da augusta eaposa, escrevia o Senhor D. Pedro V
ao duque da Tercera, eotio preaidenle do con-
selho de ministros :
Nos quatro annos do meu reinado, eu'
os meu* povos temos sido companbeiros de
infortunio. Diz-me a consciencia que nun-
ca os abaodonei. Nio me abandonem elles
hoje, que procuro conforto e quasi nio o en-
contr se nio na religiio, que manda crr e
esperar, e as lagrimas que se coofundem
com as minhas.
Queira o duque traosmiltir a expressao
do meu sentido reconbecimento s corpora-
les e aos individuos que nos dias lutuosos
que acabam de.transcorrer, se lembraram de
que no meio delles ha alguem que padeceu o
padece muito.
E as lagrimas do povos misturavam-se eolio
com as lagrimas do monarcha deaditoso, e nem o
re nem o povo achavam lenitivo sua dr senio
na religiio do Crucificado.
E o rei chorava a perda da consorte,' e o povo
comparlilhou ds magos que to profundamente
locou o coracjio do seu companheiro de infor-
tunio.
E o povo nao abandonou o rei no transe an-
gustioso por que acabava de passar, como o rei
nao tioha lambem abandonado o povo as cala-
mitosa quadras de infortunios publico.
O pacto de amisade eolre o rei e o povo desde
ha muito eslava eslabelecido, mas esta seolida
carta do Senhor D. Pedro V de agradecimeoto
naco, veio firmar em solidas bases o amor do
povo ao rei, que esle, at a hora extrema da vi-
da, procurou com desvenada solicitado arraigar
ainda mais.
E le o Senhor D. Pedro V morrea amado como
elle amara, dizem-o as demoostraces de profun-
do senlimento com que toda a ocio recebera u
noticia da sua prematura morte. li-lo o cortejo
funreo do sahimento que acompanbou da mo-
rada passageira da vida para a morada eterna da
morte o cadver do mancebo que linha visto ca-
hir urna a urnana idadeque sdevla aorrir-lhe
prazeres e venturastodas ss illusoes da vida I
Di-lo a ceremonia lut;ubre da quebra dos escudos
que acaba de efiectuar-se nesta eidade, por ex-
celloncia invicta. Di-lo.... oh 1 nio preciso
mais 1 A carta do auguato irmio. que hoje em-
punha o aceptro hereditario dos Bragancat, diri-
gida ao Sr. marquez de Loul, ahi est para at-
reatar o quauto custou ao povo portugus a
pierda do primognito da Seohora D. Maria II.
\ ........ Nio posso comludo (diz o Se-
\ nbor D. Luiz I), apesar de opprimido pela
\ dr mais cruel, esquecer e deixar de agrade-
cer nio s aos habitantes das cidades de Lis-
boa e Porto, como lambem aos de lodo o
reioo, as provas de amor e aympathia que
deram por occasio da morte de meu sobre
todos querido irmao, el-rei o Senhor D. Pe-
dro V.
Quandoa dr e o lulo sio espontneos,
sio o mais valioso epitaphio a que um rei
pode aspirar......
E' bella a senteuca I e lio verdadeira como a
etpontaneidade as demoostraces de dr e sau-
dade do povo portuguez pela morte do rei lio seu
amigo.
O Porto aprsenla va no dia 9 do crrante am
espectculo sublimemente fnebre. Era o dia
destinado solemnidade da quebra dos escudos.
A praca de D. Pedro, ra da Porta doa Cirros,
largo das Freres deS. Bento, ra daa Flores, lar-
go de S. Domiogos, ra de S. Joao, praca da Ri-
beira, ruaa da Fonle Taurina da Altandega, dos
Ingleses, do Ferreira Borgee, de Bello-Monte, das
Taipat, de S. Miguel e de S. Bento, passeios da
Cordoanaria, pracaa de Carlos Alberto e de Vo-
lunlarios da Rainha, ra doa Carmelitas e calca-
da dos Clrigos, tinham as janellas guarnecidas
de lutuosas guarnicoes.
Na escadaria frooteira da igreja doa Clrigos
estavam todoa os parapeitos eoberlos de crep
negro, e sobre a gradera do pedra central, tam-
bem coberta de paonoa pretos, via-se nm fumo
em feslao, pendente das duaspyramides lateraee,
tendo no contro collocada urna eoca de perpe-
tuas e no meio deata adata : 26 de agosto efe
1861poia foi oaquella dala e naquelle sitio, que
o Senhor D. Pedro V, se digoou aasitlir ao fogo
de artificio com que os moradores da ra dos Cl-
rigos festejaram a ultima visita com que S. M.
honrou esta eidade. De sobre as pirmides cen-
tral e laleraes, no cimo das quaee se viam coras
de perpetuas, cahiam largos e compridoa fumo*
de eacomilha.
0 prestito sahio dos pacot da mnoicipalidada
ao meio dia. Priocipiava por quatro baiedorea
da cavallaria da guarda municipal com aa espadas
em funeral, e no meio dettes, e ap, o director
dos zeladrescom dous dos sea subalterno. Se-
guiam-te as bandas miiilares de cacadores o. 9,
e iofanlaria n. 18, enlre as quaes, guardadas aa
conveoientee distancias, iam dex tambores com
aa caixascobertaa de creps. Seguiam-so aa di-
versas corporaces e individuos que espontnea-
mente quizeram fazer parte do prestito, e logo
depois aa autoridades administrativas, consulares
e acamara municipal no meio de alas de porta-
machados com a bandeira verde e branca, com as
armas da eidade deaenrolada e toda coberta do
fumo.
Fechava o prestito a msica de infantera n. 5,
a da guarda municipal e dous esquadiet de ca-
vallaria n. 6, e guarda municipal.
as tres pravas de D Pedro, Ribeira e Carlos
Alberto, tstavam levantadas tres tarimas cober-
tae de luto, sobra cada urna das quaes se quebroa
um escudo.
Levavam oa 3 escudos os Srs. vereadores Ale-
Studre Soare Pinto de Andrade, viaconde de Pe-
lara Machado e Jote Cario Lope.
O prestito compunha-ae de mais de mil pes-
soat.
O presidentes das astociages do soccorroa
mutoM, levavam os livros que contioham os ai-
rars ligios da approra(io dos seos ettatutos,
cobertdl de tumo, O secretario da ataociacao In.


t*)
+*f**
duslral Portueo*, lerava com o memo epvol-
tono fnebre, o litro em q.ue o fina Jo mooarcha
se dignou inscrever-se como tocto daqaMllaiasse-
ciago, quando naugurou a eipoaigo industrial,
no di 35 de agosto desle atino.
10 vice-presideote da direcgo da socied'fie do
pa acio de crysial letata la n. bem caberla (jefa-
V
fixeram o meamo na igreja matriz, e bem assim
neate mesmo da, a sociedad* Civilisadora man-
do* dfzer ama missa de rquiem, i qual assis-
iiram can brandla accesos uns 500 menihros
deta sociedade e suas respectivas familias.
Em Vilta-Real tireram lugar urnas exequias
solemnes mandada* fazer na igreja de S. Pedro
IAfQO M M&iAM*UGO. -
TERQA f ElfiA 31 DM DEZEMBKO tf 1861;
- "Osa-
ai
tirara lodo*os sacerdotes da Villa, o rigario, ca-
pitular ama grande parta dos parochos das fre-
go*tias do eonaelbo.
Ka Guimaraes, segundo peridico all pu-
blicado, aeriam hontam de ler lugar, na igraja
de enmelo ntenlo deS. Demingos, os soflra-
gios por alma do Senhor O. Pedro V, que os
portugueses que regresaaram do Brasil, actual-
mente residentes u'aquella cidade, leoclooaram
a*tid*rel*ttrar.
Tiahaa resolrido dar resinarlo completo e 60
rs. em ainheiro a 24 pobres "ero lembrang* dus
14annos que o chorado morfetcha viran, distri-
buir 56 es mol as de I9COO, 500 e S40 rs. psra me-
rnoracio dos 56 dias que alm o'aquellea annos
tere de rida, a dar 6 maolaa e 6 amlas di 500
rs. a 6eotrera1os particulares para recordagio
dos .6 annos qae reioou.
Na illa da Figueir* derem hoje ter logar na
igreja matriz urnas pomposas exequias mandadas
fazer pela cmara municipal e poro, lendo ealo
pan esie flm promoridouma subscripgo.
N'esia Tilla, cumo em juilas oulras torras do
reino, teem Os sufragios per alma do jorem re,
sido acompanhados de actos de cari laue. A san-
ia asa da misericordia tem recebido uos 80#000
ris de esmolas.
Em Aveiro as freirs carmelitas flzeram cele-
brar no da 2 do correte un offlcio e missa de-
pro fundis solemne ; tendo igualmente sufraga-
do com urna missa rasada no dia 27 de norembro
a alma do senbor infante D. Fernando.
Em Valenga maodaram ranas senhoras dizer
na capella do Bora-Jesus ama missa no dia 22 do
crrenle.
Em Marieira de Cimbra honra no dis 12 solem-
ne exequias, tr.andadas fazer ns matrit aquella
rilla pela resoeclira monicipalidade.
Em Penan, a mesa da santa cas da miseri-
cordia fez celebrar na sus igreja no dia 22 do
pasaado, urna missa solemne com responso.
Ni igreja matriz da Poros do Varzim, por ini-
ciaiira do Sr. Luiz Francisco Gomes, presideote
da municipalidad*, bouve em um dos ultrnos
dias do no'embro paaaadouma missa dereottiam
a que asaialiram a cmara a oulras pessoas da
rill a suas immediag&es.
No Pezo da Regoa dis o correspondente de um
jornal deala cidade, que no dia 22 de norembro
maodou a cmara municipal celebrar um offlcio e
tniasa com msica adequada para sufragar a al-
ma do nosso eburado re, a expensas da muoici-
palidade. Assisiiram a eate religioso acto a c-
mara, as autoridades e grande numero de pessoas
de todas as classes, bem cumo tolas as contra-
rias
A igreja eitara com toda a decencia, coberla
de luto e com orna ega collocada na capella-mr.
A essa fnebre ceremonia atsistirsm os parochos
a padres das diversas fregueziaa do conselho.
A cmara nao tez coovites pessoses e smenle
por meio de editaes se dirigi ao publico, e isto
foi bstame para que coocurresse muita gente a
prestar a ultima homenagem dedr ao que sem-
pro vivera no corceo dos portuguezes.
CoDiU-no que se est fazendo urna subscrip-
go particular para novas exequiss.
Rgressou no oia 3 do correte a esta cidade a
commissao da muniripalidalo que foi Lisboa
com a meniagem de pezsmes a S. II. o Sr. D.
Luiz I e a seu augusto pal el-roi o Sr. D. Fer-
nando.
concebida nos seguales ler-
mensagem
A
moa
Senhor.;
a nago porlu
zoo, a (.a de prata com que o fallecido rai,: au- | Novo pala irmandade dos elerigos, s que assis-
gurou no dia 3 de aetemaro do corrente ao 10, a "
obra do projectado templo da todust'ia. O stere-
tario levara a litro em que foi latrada a acti da
inaoguracao, assunada por S. M.
OSr. vereador Alejandre Soaras Piolo de An-
drade, qneb-ou o Io escodo na tarima lf tapiada
na praga da Bibeira, o Sr. tiscoode de Poreira
Machado, quebrou o2 na tarima levantada na
praca de Garlos Alberto, a o Sr. Jos Carlea Lo-
pes, quebrou o 3" oa prega de D. Pedro.
Nesta praga, como fechada pela gradarla da
ferro, dos quairo lados, entrou para dentro della
a o prestito que goaraeeeo todo o quadradoj dei-
xan 1o o centro lirr* para a ceremonia, qua as-
sim fot maia impitnaate.
Recoihendo a cmara ao pago municipal (eram
3 huras), briosa a jnneila do centro, e ali ppa-
receu o Sr. veredor fiscal, com a baodeira do
senado, seguiram-se-lhe os outros veresdoreb que
abrirra lugar 00 centro ao seu digno presilente
o Sr. tisroo la.de Lanoaca, que descobrind*-*e,
deu signsl para que todus se descobrissem, al com
nma intungao em que se tradnzia o marcjriro
sentiraento, disse :aChor Portuguesa* que
mortoo nosso muito am*do rei o Senhot D. Po-
dro V I E mal pdle acabar, porque as lagrimas
lhe embargaran) a roz; a tal foi o poder ds
commogao que se commuoirou a ludoa os que o
presenciaran), porque poucos tiveram torga para
conter 4s lagrimas I....
O prestito era formado :
Pela direegio da associago commercial,
grande numero de associados naeiooaea a ea-
Irangeiros.
Deputages dos bancoscommercial, mercan-
til e caixa filial do banco de Portugal.
Deputages da alfandega, a admioialrago do
eorreio.
Directo da sociadade do palacio de Oystal, e
grande numero da socios.
Representantes da JireccSo da sociedade Hu-
manitaria, e da commiasao adaioislrador* do
asyla de meodicidade.
Intendencia da marinha.
Director das obras publicas, e conmaodant*
das barreiras.
Director e lentos da academia Polytechoica.
Professores da academia daa Bellas-artes a da
eschola industrial.
Repres-ntanle da empresa de ponte pensil.
D'putagoes da assembla porlueose, a socieda-
de Phylarmonica.
Dirxcgdes e muilos socios das seguales isio-
cisges :
Associago commercial de Beneticeucia.
Assor.iagao industrial Porluenee.
Caix* de crelito de socorros mutuos da asso-
ciago Induatrial Purluense.
Associago Renefica dos Ourites Portueosei.
Sociedade Monte Po UusicaL
Associago dos Typographos.
Sociedade dos Ouerarios Fibricaotes.
Associago Pnylaolropiua dos Sapateiros.
Associago dos Operarios Marcineiroa e Eata-
Ihadores.
Associago das Classes Laboriosas.
Associago dos Litoeiros.
Associagn UUlan dosTmtureiros.
Associago dos Pintores.
A*socist.o Fraternal de Benecencia de todas
as classes.
Associago Pbylaatropica daa Artos Podu-
enses.
Assojrfago Unio dos Sapateiros.
Arisciaglo Fraternal dos Ferreiros o Serra-
ibeiros.
Associago dos Alfsiites.
Associago Animico-commercial.
Associago dos Proprietarios Fabricantes.
Associagsu F, Esperaoga a Candada, de Vil a
Nora de Gaya.
Por parte da imprensa iam representados os
jornans iVaciunaf, Jornal do Porto, Diario Mer-
cantil, Diario do Povo. e Commereio do Porto.
A real sociedade Humanitaria aufraguu a al-
ma do S'nhjr D. Pedro V com missa solem-
ne no dia 27, na s calheiral. O templo forra-
do de preto. apreseniata o aspecto trale que in-
funde a casa de Deus quando ornada para ae en-
toarem as oragdes religiosaa pelos morios. Na
capella-mr lranUta-ae urna ega com as insig-
nias reaes. A medalba de ouro com que a Real
Sociedade Humanitaria condecorara o to cho-
rado a desdi toso mooarcha va-so all, pendente
de urna fila a pregada ao maulo real, por baixo
D. Pedro V1| de novembro da 1861.
OBciuu o Sr. anediago Vanzaller, oceupaodo
o Kvm. cabido capiiularaienta as suas cadeiraa.
A oragio fnebre fui recitada pelo Sr. Santa Arma,
abbade de S. Martinho da Barca, o mais dtsitoc-
10 na actualidad* dos pregadores qua sobem ao
pulpito purluense. A sua voz elocuente elerou-
se altura do thema, e por rze* foi aubliice na
exaltago daa virtudes chrislas que to grande
realce datam i inageatade do rei-Oomem, cuja
perda teri de ser pur muito lempo chorad*.
A amiga s portuealeme estar cbea a maia
nao poler ser As senhoras, em estrado levan-
tado, oceupavam os lados exiremos do -ruzeiro.
A nave central, em tudo o seu comprimario, li-
nha duas fileiras de bancos, cobertos de lulo,
oceupados pelos convidados. As naves latoraes
eslavam cheiasde povo, Alm dos membros da
Real Sociedade Humanitaria, assisiiram quasi
todos os consulado*, incluiulo o do Brasil, os pa-
rocbos, alguna officiaes generses, commandantes
e uffictaes dos corpos, deputages de |diversas
repaniges do estado, e outros esiabelecimeotos
particulares, ele.
Aseschula medico-cirurgica fez celebrar no
dia 29 do paseado, oa igreja do Cumo, urna mis-
sa e reapunso, a que asaiauram os lentes, a to-
dos o* estudaole* da mesis eschola. O templo
eslava adornado de creps, e na capella-mr le-
rantara-se um catafalco, em que se ria o escudo
real cooerto com um veu negro Entre duas fi-
guras syanbolir-as lia se e*t* lascripgan :
A ESCHOLA MEDICO-CIRURGICA
A' BSJIOLU
DE EL RE O SENHOR D. PEDRO V.
Par* o respooso disirioir*m-se tochas a todos
os assislentes, incluindo as senhoras.
Na igreja da Triodad* celebroa-se 00 dia 30
do pasaado urna missa solemne a expensas do
Sr: Angelo Alba, empresario da actual compa-
nhia lynca.
A parte cantante foi desempeahad* palos prin-
cipies artistas s cnmpaoftta, a parte inatru-
mental pela orch-slra do theatro de S. Joo. A
missa qua se caniou compostg* aotiga do mes-
tre de caprlla Antonio Leita, mas, segundo os
entendedores, nunca aqu ra axecutoda com ai
maestra com que o fra desta res. Na parte
musical foram, at hoje, oa sufragio* maw pom-
posos que se team feito pela alma da rei popular
que Ud cedo foi roubado 4 vida. O templo, ar-
mado e decorado como o exigia a ceremonia f-
nebre a qua se proceda, estara ttiteralmenle
occopado da povo trajeado pesado loto.
Neate meamo dia aaandau celebrar solemnes
exequias na aua igreja, a meza da ordena lar cai-
ra de N. S. do Carmo. OtoaMo cooerto de lulo
fazfa subreaahir na capella-mr, airares de nu-
merosas luzea, urna rica urna funeraria, aasenle
n'um pedaslal. Eo. rcord*g*o nos 24 anuo* que
contar* o Senbor J. Pedro V, o* malarios de-
ram vestido s igual numero de raaos pobres.
O fallecido mooarcha ara prior honorario da or-
den du Carmo. A este acto religioso assisiio a
princeza de Monttoart. irmia do finado reinar-
los Alberto.
Em Chara* hourerasa no dia 4 da correte so-
lemoes exequias ns matriz a expensas da socie-
dade Artstica. Segn 10 ais 0 correspondente
d um jornal desta cidade. n'aquella rilla, com-
parecern cero* do 150 membroa da dita aocie-
dade, 80 e tanto alumuos que (reqanism a ina-
traegio primaria, per lo de 100 ahora* coa pe-
sado luto, e alguna caratheiros da toar*. Aca-
ra-selutuosamenia decorada a capetra-mr e to-
da ig'eja, no centro da quai eleTara um
rico catafalco a *ot*r* altos* nam a* quiaa* per-
tugueza*. o manto, cepi.ro euro* real cobertos
da crep*. Durante aquella rrligiun un po-
nente acta ealit enm o* socio* toaas oa me ru-
nos com vela* cees*. Quando a rotor sagra-
do dissa c Morrea D. Pedro V I Ui.uu-m o a*-
so protector, o amigo da* arto* a a progr**-
so 1 Vimos qu**j todas a* senhoras atan-
tes bomens encho*r a* Ugnaas que Ibes das-
lisatam pela*faces....
No dia 28 de nova cobro toda* as kmandads*
contrarias sufragaram a una do boodoao
narchs, e na di* 29 lodo o clero d* Chato,
rouoido o de lguan dit reguetias pfMMMt
atal aconteeimeato que prirou
_.za de *m mooarcha bondoso, il-
lustrado a virtuoso, mergulhou a todos os por-
tuensr-s a cmara municipal da mida cidade
do Porto, Bel interprete dos aentimentos dos seus
administrados, na mais acerba e pungente coos-
teroago.
* O poro portuente, que a nenhum outro ce-
de em renerago, respetio e dedicago sos seus
soberanos, considera urna perda nacional a in-
fausta morte de S. M. o Sr. D. Pedro V, augus-
to irmo de vosaa roagesiade. Nao ha palavras
humanas que possim cicsirissr o profundo gol-
pe, que (01 dilacerar o affeituoso corago de vos-
sa magestade; s o balsamo consolador da reli-
glo chrisiia poder suavisar a magoa causada
por urna perda de tanta magoilude, exacerbada
ainda pelo infausto passamento de sua alteza o
serenissimo senbor infante u. Fernando.
Este povo, senhor, que taolo amara o seo so-
berano, acompanha a tossa magestade oa affic-
go e praoto, caussdo por lio inesperada fatali-
dade; a a cmara muoici-jal da invicta cidade do
Porto, roga a vossa magestade se digne acceilar-
Ibea os devidos pezames, e ao meamo temoo os
protestos de fldelidade, como rei destes reinos.
Deus guarde a precioaa rida de rossa mages-
tade por dilatados annos.
c Porto a pagos do cooselho, 15 de norembro
de 1861 O presidente, riscond* de Lagoaga
Antonio Lite de Fanl Guimaraes.Rsymundo
Joaqun Martins.Joaquim Jos Jos Carlos Lopes.Alexandre Soares Pinto
de Andrade. Antonio Wenceslao da Costa Dou-
rado.Domiogos Augusto da Silra Freitas Me-
nezes e Vasconcellos.Viscon ie de Perelra Ma-
cnado.Joaquim Rtbeiro de Faria Guimaraes. *
A res posta do Senhor D. Luiz I fui assim con-
cebida :
Pego-lhe, senhor risconde, que faga saber a
cmara municipal a aos habitantes da cidade do
Porto, quio grato fico is expresses que acabam
de me aer dirigida* *m seu nome pelo viscoode,
oa sua qualidade de presidente da cmara muni-
cipal. Tfao me er* neceasari* essa nota prova
para car convencido d* fldelidade do* habitan-
tes do Porto ao throao, e do amor que coosagra-
t*m el-rei, meu muito presado irmo.
S* o amor do rei para o sen poro um* ga-
rsina de fldelidade para a naci, nao cer-
tauente meoor a do amor de poro para o seu
rei. >
A cmara municipal de Alij tambera reaolveu
em aessio de 25 do pasaado enriar urna mensa-
g*a de pezames a el-rei o Senhor D. Luis lea
aeu augusto pai o Senhor D. Fernando, f ara da-
sem peo harem esta fnebre commissio deu c-
mara um rolo deeoofianca ao Sr. Maooel Pinto
de Araujo. depuiado pelo circulo de Alij, a aos
Sr*. Joaquim Pinto de liagalhaes, Antonio Ju-
lio de Castro Piolo de Uagalhes, deputados pelo
ultramar, mas naluraea da mesma villa. Os com-
missa rio* acam-se em Lisboa.
A clatse militar tamben nao tlcou iadifferenie
ao nubre a elevado empecino .com que todas as I
classes d* sociedade proeuram deixar ao* vin-
douros nio equivocas prora* de profunda e res-
peitosa renerago pelas |rirtudes que adornaram
oearage do homem e resplandecam na corda
do re, cuja perda tem sido por todos lio cho-
rad*.
A commisao oomeada na grande reunan dos
officiaes do cxercito, que nos fio* de norembro
ultimo leve logar na quartel general da divisio
militar do Porto, para s* concordar no modo por
que o exercilo nata do prestar nemenagem
memoria do Seohur D. Pedro V, deaempenhou-
se do aeu encargo propoodo, em absequeote
reuma j, apprutagio -lus oOlclae* all reunidos
que,endo a* virtudes moraes a* mais salientes
entre lodos os sealimenios nobres e aistiucios
que c*r*cteris*r*m o onareb* fallecido, deria
o padro que ae the erigas uaduz-los de um
modo qua merecesse sua approtagio l a* man -
sao dos justos, e que o mesmo lempo fosse bero
aceito por lodoso* camarades do exercilo, e qual
em rittude da civilego do seenlo lambem ho-
je considerado mus um elemento de paz e ordem
social, que urna praveegdo da guerra.
Assim foi a commisao de parecer que e pro-
darlo 'uma sub-eripgo que sa promoer no
exercilo veja convertido n'um capital de inscrip-
goes de divida pubUca, com o qual se dote, me-
diante autonsagu dos poderes pblicos, o sylo
militar e Raoa, afior de aeram all perpetua-
acata reoebida*, a tratadas dorante a vida, um
ceno numero da praca* iorslida* condecoradas
por aeges diatincta*. quer eslas sejam militares
o u bu man taris*, numero e*te que aera fizado
conforme e permiir os juros do capital re*li-
ada.
I Qu* perpetuameate no di* o smrtremri* da
Infausta morte do Senhor O. Pdro W ae celebra
urna misa* por sa* alma, i qual dererio a*aittir
oa ito* aafiad**, eq ent local propriado de
mesm* asila a erija, oompaeuade-a es fundo*
i* ubscripcM.^sm bu*to da eusrch* em coja
pdeatl s* gratar a losc.iagao:
' Ja. O, aTciiD V.
0*8*rcito armado em'lWl.
O parecer oa commisao foi uaaaimameflte sp-
prorado, bea como um coarHe per este flm di-
rigido a todo o exercito do conilaento, ilhss e
possessoes, e armsds, sem distioegio argoma da
clase*.
As duas reunid**- foram presididsi pelo sctoil
f;eneral commandaole da ditisio, e a commissao
oi composta do tooenie-general bario do Lor-
dello, presidente, amecha! de campo Jorge Vi-
dieal Silv, vi e-presidente, e dos vogaes Jos
Paulino de S Carneiro, tenante-coronel de in-
fantera n. 5, Alfonso Botelbo de Sampaio e Sou-
za, major deputa 10 da nago, Jos Mari* de
Srpa Pinto, major de estado-raaior do exercito,
Miguel B'ptlsta Maelel. capillo da engenharia,
Luis Pinto de liesquita Cartalho, a Jos Virgo-
lino Carneiro, sitares de rogador** o. 9.
A direegio d* oclertad* de pslacio de crystal
porluenee lem aido incansatel nodesempenho ds
espfnhoaa missio' que lhe est confiada. Com-
promettida to publica a aolemnemeote psra rea-
Usar o pensamento eminentemente patritico e
cttiiiador de letantar ne*t* cidade um palacio i
industria, a direegio tem risto cornados os seos
exforgos aeoo eomo desejara e era digna, ao
menos sem os grandes e graves embaragn* que
mullas vezes annullam oa mais bero calculados o
esperangosos. planoa para mprezas de certa or-
dem.
A direcgfto desta sociedade dando conta aos
atcionists* do andamento em que se actam os
Irabalhos preparatorios para a realisagodo pen-
samento que presidio formagio da empresa do
palacio de crystal, dis no seu relalorio aposen-
tado em assembla geral nos fias de novembro
ultimo, que com a importancia da primeira pres-
lago receida dos accionistas se acnam j com-
pradas 11 moradas de casas, e aproximadamente
1105 metros de terreno. Acham-se ajustadas
mais 11 morsdaa de casas, 50,500 metros de
terreno, para cujo pagamento ia a direegio soli-
citar a entrada de noa prestagio. Para o que
resta fazer de expropriagao espera-se que nao s
s pnsigo comparativamente mais abastada de
seus dooos, como a sua illustraco e patriotismo,
os levar a cederem de exigencias era alguns ca-
sos excedentes so duplo do que pode caber-tnes
em exproprisgio legal por otiiidade publica, jus-
tificada pela natureza restricta daquelli proprie-
dade, que possuiam enm obrigsgio de nao bem-
feitorisarem, visto achar-se destinada a expro-
priaco municipal para aformoseamento da loca-
lidade, aformoseamento que a aociedade do pala-
cio de crystal realisar em escala mais ampia,
reonindo-lhe um padrao de glora para a indus-
tria patria.
Se at prxima reunio do corpo legislativo
nio estirar amigarelmeote tratada a expropria-
gao ter a dfrergo bem fundada espersnga de
que a vontade augusta do mooarcha, que inau-
guruu os Irabalhos do palacio de crystal, e coja
perla a nago deplora, ser patriticamente com-
prehendida e acatada. Na proporgo 'do valor
por quaoto a direegio tem pago ou ajustado os
torreos j referidos, dere a expropriagao total
~ ,;^iiodo 118.450 metros qoadrados'd* terreno, que
pelo natural augmento do valor da propnedade
bemfeitoriaada em geral, e pelo deseotoltimeolo
da proapertdade publica promovido pela prxi-
ma communicago dos caminhos de ferro ssse-
gura aos accionistas um emprego proficuo para o
seu capital.
A direcgo contratou com os Srs. C. D. Youog
di C. fabricantes e empreileiros de obras impor-
tantes feitas semelhaniemenle oa Gra-Bielanha
e era outros paizes, s consiruegio de um edi-
ficio permanente de pedra, ferro e crystal do
compnmento de 320 ps e da lagura de 280 ps
completo 00 local escollado por 108:0009000
(ou lib. sterlina 24.000). Com o desejo de pro-
teger a seguranga dos ioteresses que lhe rsto
confiados, a direcgo estipulou que o contrato
seria defiaitivo logo que fosse acrescentsdo com
todas as eslipulages de seguranga de consirue-
gio, desigoagio dedimensoea de columnas, e ou-
lras partes componerles do edificio condigoes.
emfim usuaes ou requeridas em contratos desta
ordeme saoccionado por um distincto eoge-
nheiro inglez, cujs suloridade nestas materias
assegurasse a efflcacia da coostruego.
Por inlerveofio dus Srs. Bruno Silveira & Fi-
Iho, de Lood.es, commetteu-se este assumpto
Mr. Shields, cuja experiencia adquirida ns su-
perintendencia do palacio de crystal em Londres,
de 1851, e sua constante pratica oestes assump-
t"S asegura o bom desempenho desle encargo.
Mr. Shields oceupa se actualmente do exame dos
desenhos de delalhes, qae os contratadores lhe
vo foroecendo, e quando a direcgo tenha saoc-
cionado o contrato, comecar a susexecugio pela
remessa gradual dos malenaes.
A eleiglo das cmaras rounicipses dere ser fet-
la, como determina o cdigo admioislratiro, em
um dos diaa do mes de ootemoro designado pe-
los respectivos conselhos de districlns. E' desta
delerminagio do cdigo que procede serem feitas
era difl-reotes datas aa eleigea camaranas nos
ditersus conselhos em que est disidido o reino.
Era regra geral sempre eseolhido ifm do-
mingo.
O acto elettorst correu com regulirtdade na*
protincisa ao norte do reino. Foi em algumaa
localidades mais concorrido do que noticias ante-
riores fszism suppor. Apenas n'um ou n'uutro
conselho houte pequeos incidentes, muito oa-
lurae* do acto a que se proceda, e cujo interes-
se em sabe-loa nao passoa alm da localidade em
que elles se derara.
Os artistas do Porto flzeram urna grande reu-
nio uo domingo 1a do correte no theatro Ba-
quet para combinaren) nos meios a empregar
para o monumento que como dissemos na proce-
dente carta, pretenden) letantar em Urna das
pragas desta cidade i memoria do Senhor D. Pe-
dro V.
Nesla reuoio de mais de 600 srtistas resol-
veu-ae qoe a commissao para dar impulso a este
sentimento de gratidio dos artistas portueoses,
fosse a mesma que at entio bavia tratado dos
irabalhos preparatorios a deram a esta commis-
sao um roto de confianga, oomeando para the-
soureiro o Sr. Antonio Gongalres Noguaira.
Tambera os directores e operarios da fabrica
de fuodigio de Massaretlos projeclam letantar na
alameda de Massarellos orna columna, em cujo
capitel aera collocado o busto doSr. Dr. Pedro v.
Urna facha em espiral, rodeando a columna, ter
as datas era que o tinado mooarcha risitou os
differentes eslabetecimentos fabris do Porto. O
busto e a columna ser ludo de ferro fuodido e
(eiio na referida fabrica.
Em audiencia do 1* alstricto. criminal decidi-
se amigavelmente no dia 6 do correte a querel-
la dada por injuria peloa proprietarios do Jornal
do Porto, contra a folha saiyrica e burlesca, pu-
blicada neata cidade, e em que algumas vezes
I temos fallado, denominado o Rato.
Era juiz o Sr. Antonio Emilio de S Brandlo ;
advogado do autor o Sr. Joa Luciann de Castro
redactor principal do primeira citado jornal, e do
edictor respoosavel do segundo o Sr. Marcelino de
Mattos.

vezes que fosse dormir s casa para fszer compa-,
nhia su* rrmia. O fllho teimou e o pai parece
qae com pone* rontade, condescender*.
c Serla pasaado um quarto de hora quando so
oui'*m repelidas pancadas na proa do barco de
Jauoel Machado. Seguio-se o silencio de alguns
minino* e logo a pos o fllho era p no mel do
barco comegou a gritar ro de l-rat que ma-
taran) seu pai.
Longo espseo griteu assim, sem qu* ninguam
acudase apezsr de acontecer isto no caes junto i
praga e de serem os gritos lastimosos ourldes
grande distmeia. A guarda militar encarregada
da seguranga da alfandega que ficara 1 doze me-
tros da distancia nio acudi logoe menos os bar-
queirosnue passarana anoite nos seus respectos
barcas amarrados no caes. Fui entio qu* o Sr. Dr.
Bento de Magalhiea, vendo lato, labio de casa com
um criado, chamou os soldados da guarda da
alfandega, foi cora elles ao barco de Manoel Ma-
chado, e los de urna laoterna viram esto des-
gragado dentro da proa com largas e profundas
feridas feitas no rosto, na cabega e nos bragos, o
qual desde alguos minutos antes logo qoe ou-
vira fozes de quera ia soocorre-lo tinha comega-
do a clamar com roz eotraquecida, aqui d'el-rei
que me matn meu Ulho,prendara meu fllho
que me malou.
Quaoto mais o pai assim se qoelxava do fl-
lho, tanto mais esto se eaforgava por abafar as
vozes do pai, sganisando as suas.
a Logo se vio all o instrumento do crime quo
foi um eomprido podo lodo tinto de sangue. O
Sr. Dr. Magalhles mandou logo quo os soldados
ae poderassem do ulho de Hsnoel Machado e o
lerassem psra a cadeia o que s Tez sendo para
isso necessario quasi arrasta-lo at l ; tanto elle
se recusara a isso gritando que nio quera aban-
donar seu pai que estara a expirar 11!
A esse lempo o Sr. Dr. Magalhles j tinha
mandado pelo aeu criado e por um fllho de Fran-
cisco Santo Tbyrso, nico barqueiro que all ap-
pareceu, recado ao hospitalero, para ter aberto o
hospital e reeolher o ferido e aos facultativos do
mesmo hospital para que lhe rieasem pensar aa
feridas.
c O Sr. Antonio Jos Marlins Raposo, que en-
tio appareceu, tambera correu a casa dos mesmos
s pedir que uo se demorassem.
Quando o infeliz pai foi trazido para fra da
proa, vinha no estado mais lastimoso. A cabega
cheia de profundos golpes que cliegatam aos ossos
do crneo, cheio de mutilages o brago esquerdo
com que elle deteodendo-se do fllho lhe amps-
rava alguos golpes;o rosto mutilado por tal
forma que um dos golpes lhe abrir toda a face
esquerdade cima a baixo vedo-se-lhe por elle os
denles.
c A cabega e o rosto estarsm inteirameote co-
bertos de saogue empastado; os olhos envidra-
gados e mal podia suster-se.
< A custo foi tranaporlado para o hospital oode
o Sr. Juo Maris Regala e seu fllbo lbe pen-
saran) as feridas.
a Parece qu* nenhuma deltas mortal o que
provavelmente se dere a ter aido commetlido o
delicio dentro da proa do barco, oode per falta
da altura nao leve o parricida espago para vibrar
os guipes sua runtide. *
a Grimes de tanta alrocidade sao rarissimos
em qualquer paiz. Aveiro nunca oa vio. mui-
to para seolir a falta de polica desta cidade, que
chegou a punto de occasiuoar a fgida do deln-
queme. Anda bem que a Providencia nao quiz
a sua impuoilade, porque tendo multo lempo
para fugir, Ucou depois do crime o fiho parrici-
da,como que por urna torga sobrenatural, amarra-
do ao que elle j auppuohs cadver de aeu pai.
Abriram termo
de arti'haria, que fosse ao quartel para colher
maia minuciosas informages.
S M. a rainhacaibolica para celebrar mais dig-
namente o aoniversario no dia 28 de sea augusto
fllho, o prncipe das Asturias, mandou entregar
ao gorernatfor ciril da protincia de Madrid 600,000
realea cora applicago aos estabelecimentos de
beneficencia.
No seosdo heipaahol continuara o debata
obra o projecto de reapoata falla do throno ;
usar* ltimamente da palarra (sesso do dia 30)
oSr. Cyrillo Altares, fazendo se argaigdes ao
goveroo, entre oulras que a imprenss ministerial
aproveita-se de urna lieerdada (ora do commum
chegando 1 iovadir o sagrado da familia, ao passo
qu* imprensa da opposico oporimida e per-
seguida a ponto de procurar-se (azer que suocum-
bam as suas empresas.
No Ia do crrente f noito celebrou-se um
cooselho de ministros, cada ara explica o rao-
tiro da reunio a seu modo; a Correspondencia
ieclara que s tere per objeeto examinar e dis-
cutir o tratado poalal que est prximo a combi-
nar-se com a Fraoga. O cooselho celebrou-s*
de noito, perqu com o despacho do expedienta
ordinario e a necessidade desssislirem os minis-
tros is diicuasoes no senado, foi mistar escolher
orna hora extraordinaria, aflm de podar conside-
rar-!* detidamente naque lie importante as-
sumpto.
Nio tem o meoor fundsmento o boato pro-
pagado pelo Pueblo de que o goraroo pensa no
eocerramento das cortes. Se ebegarem a inter-
romper-se as sus* sesses, eousa de que o gover-
oo nem se quer remotsmente cogita, nio saria
por vontade delle, nem ainda porque oa debates
fossem lio lerriveis cont aoounciam as opposi-
gdes, mas porque se loroisse tio systematica-
menle ante-parlamentar a opposigso que eslor-
vasse a marcha do parlameoto.
O transviamento do camioho de ferro de Se-
vitha a Cdiz veriflcnu-ae a 141 kilmetros : por
motivo de abatero atierro sshirsm fura dos rail*
a machios e cinco carruagens. Os feridos e con-
tusos nio pssssra de 14, e nenhum sofreu gra-
vemente. O sertigo acha-se j reatabelecido.
No seoado amda progridiram os debates so-
bre a reaposte o discurso da cor).
Um despacho datado de 26 ooite em Madrid,
refere a ebeaada do vapor Berenguer trazando
noticias da Havaoa al dala de 6. Nesla j es-
lava preparada a expe ligio ao Mxico. Espera-
vam-se aa fragatas Lea/dad* e Concepcin ; iro
seis frsgstss de hlice, cinco outios vasos e ooze
vapores com oito batalhes de infantina, duas
bateras, dou* esquadres, tresealos ariilheiros e
dozeotos eogeoheiros; mandam-a* rage* em
abundancia, e material de sitio e para boapitaes.
Os navios vo avitualhados para tres mezes. .
Tralava-se all de crear dous batalhes de vo-
luntarios, orgaoisando-se milicias disciplinadas.
Aa eleigea municipses zeram-se com s maior
.ordem. S. Dcmiogos cootinuava a prosperar.
Sant'Anua voltou a capital.
Na tarde do dia 27 sahio para Cuba o general
Prim, depois de ter desembarcado o UUon as bar-
racas de campanha, e tomado carvio e aguada.
Os orgaos da imprensa de Nova-York trazem a
estupenda noticia de ler oflerecido o goveroo hes-
panhol o cargo de vice-rei do Mxico ao general
Miramoo E' al onde pode chegar a ioventita
dos oorte-americanos, cada vez mais propensos
a darem oolicias desprovidss at de verosimt-
lhanga
Entre as diversas inalrucges communica-
das ao general em chefe do exercito ae oceupagio
de Tetuio para quando ae ordenar a evacuagao
desta praga, delermioa-ae que aejam transporta-
irrao de carga :em 28 de no- \ dos para Ceuta e S. Hoque os enfermos, cuii es-
vembro a galera Europa par* o Rio de Janeiro ; tado assim o permiltir. ficando os que nio pode-
em 29 a barca Novo "
O drogado do autor pedio e tere licenga para
perguntar ao ru e seu adtogadose o artigo in-
crimina'o foi publicado com iolengo de offeoder
o Jornal do Porto. Que 00 cato affirmatiro con-
tinate a audiencia a 00 negativo concluira
cera urna salistagodada pelo reo ao autor.
O reo e o seu adtogaoo annuiram, auxiliando
o Sr. juiz esta deciso auiig el.
Os Irabalhos para ocaraiuho de ferro do norte
continan com aclividade. Na oosss carta de 26
de ooiubro ultimo, ^Usemos que os trabalho*
para asseular a ria frrea para Aveiios.na direcgo
de Coimbra, lioaam reeebtdo oaquelte mez no-
tavel iocremento, e hoje podemos acrescentar
que os esforgos para a cuncluso desta parle da
vi* forre* nao teem desde eoto diminuido. Os
atierros j chegam estrada que communica A-
reros cora Albergarla.
Espera-ae que a locomotiva possa percorrer
entre Ovar e Esmoriz dentro de poucos diaa, pois
esto j collocados os rails at pedo de Coriega-
Ca. A cootiouarem os Irabalhos cora tal rapidez
de crer que as lacomolivas chagen) por todo
o mez do prximo Janeiro al as proximidades de
Villa Nova de Gaya.
Em Aveiro commetteu-se na noite do ultimo
dia do mez protimo pasaado o mais horrendo e
execrando dos crines que desvairads razio do
homem p6Je coocebero parricidio !.... Feliz-
mente d-ae este crime era Portugal a to longos
ialerraloe, que quando a peona tem a registrar o
nome odioso de um novo parricida, j a memo-
ria ha eaqaeddo o do que se lhe ntecedeu.
Um jornal daquella cidade narra este crime da
maneira seguinle:
Na noite do dis 30 do mes prximo passado
Manee! Machado, barqueiro, morador Qesta cida-
de, eslava deitodo na proa do sea barco eade
nanitas vezee costumata dormir. A's 11 horas
ebegou o mesmo barco seu fllho Roque, mance-
bo de SO annos, e quiz passar a noito na mesma
pTt fonto de sea p. Manoel Machado nao que-
Tentador para o Rio d
Janeiro, e a barca Figueirente para a Baha, por
Lisboa ;em 3 de dezembro a galera Olinda para
o Rio de Janeiro, e a barca S. Joo para a Baha
em 4 o brigue Lopet para o Rio de Janeiro.
Em relagoaosdirersos sortos do Brasil:
Entraran) no Douro:era 30 de norembro a
gslera Saudade, do Rio de Janeiro, por Lisboa,
em 70 das.
Sahiram ;em 29 de norembro a barca Corea
para o Rio de Jaoeiro ;em 3 de dezembro o
brigue brasileiro Pernambueano para a Bahid.
Hespauka.
Madrid 11 de dezembro.
No domingo primeiro de dezembro em Madrid,
diz a Correspondencia, renficou-se oa Bolsa da-
quella cu a je o meeting da associago para a re-
turma das paulas.
A' hora meia abri a sessio o Sr. Pastor,
dando a conhecer o ihema que eslava em diacus-
sao, xpoodo em seguida os progressos da asso-
ciago que agora comega a aua lerceira campa-
uha.
Aberta a diacusslo teve a palavra o engenhei-
ro industrial D. Flix Marques, e entrou a fuudo
na quesio, depois de conaagrar urna recordago
memoria dos membroa da aociedade fallecidos
00 actual nao. Fez notar que no estsdo em que
se echa noje a in lusina, urna nago como a Hes-
panha que tom too obrecarregadoa os direitos do
importago de ferro e carvio, e prohibida a do
trigo, impoasiral poder marchar ao nivel daa
demais.
O Sr. Ximenes, disse era segoida, qua ae apre-
seniata em nome doa fabricaotea calales, para
rectificar a* apreciage* inexactos, que da aua at-
litude se tinbam emitlido e anuo paasado uaquel-
le recinto.
Os fabricantes, disse, nio ae oppe a urna re-
forma liberal as pautas ; querem-n's para que o
projecto de reforma nao sej* uaaa espada amea-
gadora, para que se corlara os oa ao contraban-
do ; porm, querem-u'a geral para que a barte-
la das malarias primas compense de cerlo modo
as suaa perdas.
Disse que oo hsvia contradiga o porque pedi-
r liberdade para o algodo em rama edado, por
que era doutiioa proticionisto nao sobrecarregar
s materias primas, oque os fiadores eslavam ac-
corde* na iblroducgio do* fio*.
Fallaram depoia os Sr. Ecbeguroy e Segovia,
concluindo o respeilevel Sr. I). Antonio Acal
Galiano, com um maguiuuo discurso, em qu* ira-
lou de explicar o porque da se achar filiado as
bandeiras da ture troc, nao obstante er conser-
vador em poltica, a pooto de baver quem aem
razio lhe chame reaccionario.
A reunio lermioou no meio da ordem mais
completa.
No dia 5 do correte, s 9 horas e meia da
noite, fui recebido por S. M. a raioha de Heapa-
oha, acompanhado pelo mioislro dos negocios es-
trangeiros, esa audiencia particular, o Sr. Luiz
Augusto Piolo Soveral, enriado extraordinario e
ministro plenipotenciario que foi de el-rei D.
Pedro V, para fazer entrega das novas credsn-
ciaea que o acredilam oaquella corte, como rs -
preseutante do novo mooarcha.
A ceremonia foi feila da seguinte maneira:
Previamente annunciado pelo senhor introduc-
tor de embaixadores, tere o Sr. Soveral a honra
de depositar as reaes mos a caria credencial que
o confirma na qualidade de enviado extraordina-
rio, e ministro plenipotenciario de S. M. el-rei
D. Luis I nesla corle.
S. M. a rainha, ao receber a dita carta, man-
fesloo ao Sr. Pinto Soveral o profundo sentimen-
to com qua tinha sabido o fallecimento de S. M.
el-rei D. Pedro V, e a salisfago que no meio de
tal pezar lhe csusava t-lo confirmado na hoa-
roaa misso que at all desempeahra to digna-
mente.
Ao mesmo tempo, o representante de Portugal
leve a boora de offerecer a sua magestade el-rei
a homenagem do seu respeito.
O gotentador de Gibraltar ruitou no dia 29 de
novembro a praga de Tetuo, acompanhado do
secretario militar, do secretario colonial do che-
fe de polica, um sjudanto deordens e o cnsul
de Hespanha. O vapor aviso inglez, de guerra
l'idenl. em que forera transportados, quando a-
ristoa o fnrieMsrtin saltou com rinte e um tiros.
rem ser transportados n'um s
do pessoal de sale necessario.
que nao pod
edificio a cargo
As madeiras e
outros objectos empregadoa no thealro, edificios,
etc., rend los em hasta publica.
No dia 1 de dezembro em Cdiz, s quairo e
meia da tarde passaram para bordo do vapor D.
Isabel II, atim de se transportaren) a Tnger o
principe Mnley-el-Abbaa e sua eomitira. Esta
declarou ao brigadeiro Riguelme, que o tem
acompanhado desde Curdora que parto profunda-
mente agradecido ao aculhimeoto que acbou era
Hespanha. Foi despedido com tolas as honras da
ordenanga. Muley-el-Abbas deixou 14.000 reales
para serem distribuidos pelos pobres. Diz-se que
ris'tar Tnger e Rubbut antes de dingir-se
corle marro quina.
No Io desle mez chegou ao porto de Valencia as
7 horaa da manha do dia antecedente a fragata
de guerra francesa Colon Irazeodo a seu burdo o
marecbal Peliseier. duque de Malakoff, proce-
dente de Argel, oode goternador geral. de pas-
sagem para Marselba. DesemDarcou isll horas
no Grso, que o porto daquella cidsde, oode
apezar de inesperado foi recebido com as honras
do estylo, e depois de curta demora volt >u ao
Grao, fazendo-se de vela s duas e tres quartos
da larde.
L.
Lisboa 13 de dezembro.
Occnpam-ae os animo* com o* testemunhos
de sentimento memoria do amado soberano que
Dos chamon para si no dia 11 de norembro, ser-
vindo de hnilivo esta saudade profuoda e un-
nime as bem fundadas esperangas qae os ho-
mens de todas as commuohes polticas pde no
novo reinado.
O Sr. D. Luiz tem por muilos ttulos direilo
sympathia dos Portuguezes e oa a maior esperao-
ga de que, aeguiodo o egregio eiemplo de seu
augusto predecessor, se ha da votar de todo o co-
rago felicidade e legtimos progressos dests
nago.
S. M. ha poucos diss dirigi so cobre presi-
dente do conselho do ministro o Sr. marquez de
Loul, urna carta que foi recebida pelo povo com
extrema salisfago.
Esto notarel documento resa assim :
< Meu charo margues. Ha dores que se sen-
< tem, mas que nao se podem expressar. A mi-
t nha urna dessas. Ainda nio eochutas as la-
c grimas pela morte de ora irmo querido, j
c outra campa se abri para receber outro ir-
< rao que todo se dedicara felicidade do aeu
poro. Nao posso comtudo, spesar de oppri-
< mido pela dr s mais cruel, esquecer, e deixar
c de agradecer nao s aos habitantes das cidadea
c de Lisboa e Porto, como lambem sos de iodo
o reino, as proras de amor e sympathia que
deram por occasio da morte do meu sobre to-
dos querido irmo, el-rei o Sr. D. Pedro V.
< Quaodo a dr e o lulo sio expoolaneos, sao
o mais ralioso epilaphio que um rei pode
< aspirar. Grande a rainha dr, mas pego so
< marquez que faga saber aos Portuguezes que
* igual o mea reconhecimeoto.D. Luiz, rei
de Portugal.
Lisbos, 1 de dezembro de 1861. a
S. A. o Sr. infante U. Augusto, pelo que se r
dos ltimos boletms dos meuicos da real cma-
ra, considera-se entrado em caovalescenga. Bas-
tante ae receou pe* sua vida.
A recepgo no pago para o* camprimeolos de
psames familia real foi no dia S.
Sua eminencia o cardeal patriareba de Lisboa
tinha addiado para o dia 15 do correte a fesli-
ridade da ordeui de Nossa Senbora da Conceigo
de Villa-Vigosa,quo se coaluma fazer annualmen-
le no coivenlo das religiosas da Estrella, e a que
assiste el-rei e a corte.
Esto adiamenlo foi por causa das exequias do
Sr. infante D Fernando que se flleram no dia
9 e aa o'el-rei D. Pedro V que tiveram lugar 00
di* II. Tanto urnas como oulras foram oama-
gestosa igreja de S. Vicente de Fra ood* actual-
mente est s patriarchal,por andar-se concer-
tando o aotiquissimo templo da eathedral da
Lisboa.
Em S. Vicente, como sabido, que est e
jazigd dos res da dynaslia de Brsganga. A
armagio da igreja as exequiss.do sereoisiimo
infante era muito rica.
OlBciou de pontifical o deo da s, o Sr. D.
O goternador e aua comitiva ao desembarcar Jos de Laoerda, tssistiodo o emioentississo car-
io ram reeebidos palo general Turrn com todo o'deal patriarchs. Uoure malinas, laudes e cinco
seu estado maior, fazendo-lhe as honras coradi- j absolticoes, s-ndo a msica do offlcio de David
gnas ao sea posto de teoeote general. Depois
de aceitaren) um refreaco, roontarara a cavallo e
dirigirara-se a Tetoao, onde lhe estara prepara-
do orna excellenie pousada, assim eomo para lo*
da a sua comitiva. All aertio-se-lhe um magni-
fico jontar No dia seguinte visitou Vad-Ris, e
quando voltou recebeu toda a oBclaridade e pre-
senciando em seguida as eroluc5ea militares exe-
cutadas por todas ss tropa* que all a acham, fi-
cando sorpreheodiJo do bom pacto dos solda-
dos, da rapidez e firmeza cum que exeeolaratn to-
dos os morimenlus. e da adianiada instrucgo
coa que se acharara, d que oaquelie dia deram
tio brirhanto prora. Urna das cousas, que mais
the prende* a attengo, foi a artillwia de moo-
tonha, cuja arma axaminou particularmente, ar-
ria receber o fllho, 011 satos lbe disse repetida deaaudo 10 seu jadale de ordea, que officUl
Peres, a da mitsa de Cberubini, e das tbsolvi-
ges de Jarda ni.
SS. MM. o Sr. D. Luiz I e o Sr. D. Fernando
II e 8. A. o Sr. infante D. Joo assisiiram em
sea tribuna a este acto fnebre.
A corte, o carpo diplomtico, los funcclona-
rios, associagoes de Lisboa e-nneaerosissimo con-
curso de fiis naeiooaea estrangairos eachiam
o templo. A ceremonia religiosa acabou||pela* 3
horas da tarde. Aptnhars-se o poto as ras
do transilo, dando assim el-rei e a ssu augusto
pai as mala sinceras demonstradnos de respailis
estima.
Oa atrios eitrsngeiros e portuguezes, tartos
no Tejo e aa fortaleza* beira-ajar, deram salta
fnebres de meia em maia hora.
AiUti UJBben al exequias qu se flzeram por
alma do Sr. D. Pedro V de saudosissima me-
moria.
0 templo eslava msgestosimente armado de
rain 1o e uro al I cimalha.
No meio do cruzeiro eievara-se um sobarbo
mausoleo. Penda do zimborio orna graode co-
rda d'onde desdara os armiohos reaes, lomaodo
a direcgo dis columnas da capella-mr corpo
da Igreja.
O reglo atoad era sobrepujado pela eort real
e centro.
Na base do eenoitphio lia-se esto inscripgo:
MTRDS V, PORTUGALLK BT ALGARBIOSUII
RKX.
Numerosos brandos ardiarn en) tomo dt ega
real e junto ao ultimo deg'o, oito lampadarios
com suas cagoulas alimentadas por alcool eleva-
vam a* sua* chammaa brujuleantes em derredor
do funreo monumento.
Depois da misst, oceupou s ssgrada tribuna o
reverendo eonego da s, o Dr. Antonio Aires
Martina, amigo depulado da nago portuguesa
actual eofermeiro-mrdo hospital deS Joa.
A orago faoebre foi digna de tao imponente
solemnidade Moldada secundo as mais seve-
ras formas da eloquencia sacra, pode considerar-
se uTia verdadeira inspirarlo.
Elevando-se desde o exordio s toda a altara do
assompto, o orsdor sustentou a mesma elevago
a magestade em todas as partes do seu notarel
discurso.
E com effelto, que mais bello campo oratorio
do que esta omraemorago do sentimento sin-
cero de todo um reino pelo inesperado golpe
com que approuve Providencia Dirina experi-
mentar a aua resignago, chamando para ai aa
flor dos annos e d'entre o expleodor das msis ra-
ras rirtudes um rei que, pela excetlencia de seus
dotes e pela illustrago do seu espirito, fazi* a
felicidade de Portugal I A memoria das aeges
magnnimas qoe ho de tornar immorredouro o
nomo do Sr. D. Pedro V, por i urna ligo af-
fectuoss, eomo que disposta pelo arbitro su-
premo das nages para ensinamento de res e
poros.
O chorado monsreha, disse o o orador, foi po-
pular e este o mais glorioso titulo. Nelle se
acha eomprehendida a seria de sacrificios que
essa grande alma fazia da propri* tontada, para
satisfazer aos deveres que lhe irapuoha a consci-
encia de sua alta missio constitucional.
As palabras commemoralivas do egregio exem-
plo qua o finado soberano deixoa so mando em
sus breve existencia, foram acolbidas pela ton-
viego de um auditorio que via oceupar cora tao-
ta dignidade a sagrada tribuna pelo mais fitl in-
terprete da aua dr
O thema da orago fnebre foi o verso 32 do
capitulo XVI dos Proverbios y
Melior $st paliens viro torti, el qui domi-
* natur animo siso, expugnalore urbi *ur d
O hornera paciente vale mais do que o ralo-
roso, e o que domina o su animo, mais do que
o expognador da* cidades.'
Da aua idade, exciunfto/o5r. Alves Mariins,
nenhum talvez se mostrease lio coobecido d*3l~
cousas poblicaa, 13o profundo em varios ramos,
da scienct* como o Sr. D. Pedro V ; e se o con- ~~
quistsdor das grandes cidades se enche de gloria
pelos seus eitos guerreiros, nao foi menor a glo-
ria que oroou a fronte do nosso chorado rei, tor-
nando mais rehernenie e dedicado o amor do no-
vo portuguez, nio s para si, mas para toda a
dynnastia reinante. >
O tacto sobre que o Ilustre orsdor mais se da-
tera, foi que duraole o seu reioado, nonca el-
rei D. Pedro V assignou urna nica conQrmago
de pena ultima, e usando em aua habitual cle-
mencia da regia prerogativa, commutava sempre
o outrs que oo cortasse a vida a um cidado.
Alguem extranhou qoe, vigorando ainda nos es-
lados pontificios a pena de morte, o distincto pre-
gador se demorasse na apologa da aboligo da
pona de morte, em presenga do nuncio apos-
tlico.
Peosem como quizerem os meticulosos adu-
ladores de ideas condsmnadas pela civilisago.
O Sr. D. Pedro V era fllho obediente da igre-
ja, espeilav* como poucos os praceilosdo e*ao-
gelho, e por ser to profundamente christo
que nunca jimais sanecionou o assassinato jur-
dico que oulras eras menos esclarecidas legaram
i geragio actual e que as tendencias da poca
acabaran) por exterminar dos cdigos das na-
ges cultas a sobretudo dos paizes catholicos.
Finalmente, o Sr. Dr. Alves Marlins prorou
mais urna rez que urna religio que langou i tr-
ra a primeira sement da liberdade, e hade ser
em lodos os lempos compalirel com as mais gran-
diosas aspirsges do progresso. O erudito ora-
dor, compendiando as rirludea do tallecido so-
berano, soube exprimir em phrases eioqnentes
de emogo christia o peosameoto liberal desse
espirito de eleigao que lio cedo foi gozar da eter-
na bemareoturanga.
OlBciou pontifical o deo da s, assislindo o
Sr. cardeal pairiarcha. A msica da missa foi de
Jordani e o Mera me de Jumelli. A corte, o
corpo diplomtico, tribuoaes, corporages, depu-
tados e pares, deputa.oes operaras, artsticas a
das sociedades de beneficencia, enchiam o tem-
plo de S. Vicente. Terminou a aolemnidade de-
pois das tres horas da tarde.
No dis S2 deste mes ter lugar a feslivida-
ae nacional ds ioaugurago do novo reinado, pe-
lo juramento que el-rei o Sr. D. Luiz I tem de
prestar em sessio real extraordinaria das cortes
geraes da oagio portugueza, e bem assim pelo
acto de acclamagio i que logo em seguida se
deve ali mesmo proceder, segundo ss dispostges
da carta constitucional. O dia 22 ser de grande
gala. A eata disposigo se deu publicidtde pelo
decreto de 6 de dezembro corrate, afim de que
todos os Portuguezes possam dar aa proras ds
potriolisrao e fldelidade, correspondentes im-
portancia e sigoiflcagiu de um acontecimenlo,
que, em todas as suss relagoes deve andar sem-
pre ligado cooserrago da paz publica, ma-
nuieogio das liberdades conslitucionaes e ao pro-
gresso e adiantomento da cirilisagao e prosperi-
dade geral do reino.
AfTirma-se que S. M. el-rei o Sr D. Lniz I tom
acolhido com a maior hondada e mesmo com en-
teroecimeoto todas ss supplicss que lhe lem sido
dirigidas pelos iofelizes quem o Sr. D. Pedro V
estendia a sua mo de protector e amigo. As fa-
milias com quera o chorado mooarcha comparta
a aua dotago, os mancebos que recebiam o'el-
rei mesadas para concluirem os seus cursos su-
periores, scharam no Sr. D. Luiz a mesma cari-
dade, a mesma dedicago peloa qne estudam.
El-rei ergue por este modo memoria oe seu au-
gusto irmo o melbor monumento de respeito e
saudade, elevando-se altura do subido aprego
em que todos tinhsm as qualidade* doSr. D. Pe-
dro V.
S. M. o Sr. D. Luiz I bouve por bem deter-
minar que os (judantes de campo e otflcial asr-
deos de seu augusto e chorado irmo o Sr. D. Po-
dro V, cujos nome* seguem, cootiouem na mesma
qualidade o exercicio de auas fuocges junto sua
real peasoa. Primeiro ajudante de campo, o ma-
rechal de campo Jos Feliciano da Silva Costa ;
ajudantes de campo,o marecbal decampo Jos da
Pina Freir da Fonceca e 0. Antonio Joa de
Mello ; brigadeiro Jos Gerardo Ferreira Passos ;
o corone].graduado em brigadeiro do corpo de
eslsdo-msior Carlos Mara de Paula ; o teoente-
coronel de infmiara D. Luiz de Mascarenhaa ;
otflcial s ordena, o capito graduado em major
de catallaria 7. D. Manoel de Sonza Coulinho.
Ao brigadeiro Claudio Caldeira Pedroso, dignou-
se o mesmo senhor conceder as bonras de aju-
dante de campo.
Est im minen te um schisis os Igreja Imitaos.
A quesio, como sensatamente disse ha diaa um
doa primeiros jornaes da opposigo, nao d go-
veroo ; d* conscieocia. Resolva-a a Europa,
que oio a-assumpto profane.
abe que se celebrara ni em Lisboa exequias
solemnes por alma do conde de Cavour, como op-
portunamete lhe refer. Os sacerdotes que etitso
celebraran! e o que pregou oas exequias, Acarara
spootsdos pelo paitido que alguos chamara.
no-catholico. O cerlo que sua eminencia o car-
deal palriarcha de Lisboa dissera terminantemen-
te era um despacho (que bam publico foi) que
deixava a cooscieocia dos parochos obrarem cada
um cumo entendesse respailo de taes sufra-
gios, quando a commissao italiana liona reque-
rido a sua eminencia que perojitiiaae que aa exe-
quias se fizessem n'uma dasparochiss ale Lisbos.
Os parochos da capital em sua graale rnsioria,
recussram-se. pretexto de que o conde de Cavour
morrera fra do gremio da igreja.
AQoal como lhe disse, nzerazn-se cora tods a
pampa os ditos sufTragios em Santo Antonio dfcA
S, qua um templo pertonceute S cmara mu-
nicipal da Lisboa.
8egulram-se logo de puto parte as manifes-
tacoea he*La. A cmara de Ltab* foi reeieUp.
plo psrtido liberal, era con la lampreas-
todo aua igrejs aquella .
religiosa pela ciuh da uoidade italiana, O conde
?

L___
-
s


*uju di #-ioiiuiico. *- Tata niR4 acvtTammKrmttm
A
de La inerva, o
ido pelt rYaeao, porque (diz tquelle jos
niniiearabrire quando ia pautado o Stg raijo Via

f
.
487:304*531.
iode.cttlp.wl I tWU feceila, ja multo avallada, comparanq>a
a. do. padre que deseram miasa, o capel-, cpm a dos boom antecedentes, fol a seguinte :
liooBBilter ato fot adaultide n a celebrar o Attanooge 4a Liaban......... 22&000|0
"ato aacncio na fttcueiia deS. Nicolao, La du Po................
se ihe ter opposto oreapectlvo prior. Segaio-sei Diu municipal.........
aras polmica epistolar era que taraou tambera
parta 4 na lado limpio, do outro o Poriugutx a R.
yoraM do Commercio de Lisboa.
Fallece o Si. D Pairo V. Quii a illa de Pe-
*afcOOO#043
136-
77.
| Iilo 6, no actual
------------ ---------- -.- ittaa W -
Hiew Bier amas exequias por tu. alma ; prepa- 4t.-83lg413, aomei de novombro,
439:47*1M
aioo ocooomico houve para
"i*n,s ceitaa effaciuadas a qu^ata de ri.
I.-83IS413, awmezde novombro, comparaado-as
ra-enMid.f4ra o oto; armad. eco, os mu.icoa | ceaa ae de dito mez no aooo olerior.
fSaSf." J" "?" e* W**11" a *u- s tork. porm, somra.s que liohia i-
lonmaes MitiUrea dsquella prca da Ruerra, os do oreadas por este sorras pelo oromeoto de
?***do, daioUltolivo, tt. ele, Depais de j 1861188t, tamo, o seguate:
una demora exceaaiv, ebega uso padre ao cru-
zeiro, declara aoicrcumstante* que ai exequias
nao se podiam ftzer, c por cousas 11 Sabida, as
cooUs, o prior di matriz da villa da Louriahao,
que tioha a.sistido s exequias do conde de C-
?Qur, (dra convidado para ser ara dos celebran-
tes em Penlche. Os seas collegaa, porm, julga-
ram-o excommttngado, a nao quieram eflkiar
coro elle.
A represen tagio que o padre prior da Louri-
nban dirigi ao Sr patriarcha e se l no Jornal
do Commtrcio de 13 do correte, um modelo
de cordura e man.idio evanglica. Peco-lhe que
a veja para fazer melhor idea do estado de.t. de-
ploravel questio. O padre dii que nao volta para
a sua parochia em quanto o prelado nao decla-
rar se elle incorreu ou nao em censura canni-
ca. Quem aabe onde ludo i.to ira dart...
Affirma-se geralmenle que o governo vendeu
companhla ingleza, concas.iooaiia do camioho
de (erro de Sueste (a Evora e Bej), o camioho de
ferro do Barreiro 4 Vendas Nova, com o ramal de
Setubal, palo, mesmoa 900 e Untos cont, por-
que a tioha comprado compaofcie do sul cha-
mada braaiteira. A mai. pequen, v.otagem oeste
contrato ter resultado para a fazeada publica
um excesso de 9 on 10 cont, de ri*. A compa-
obia inglese prescinda de todoa os privilegios de
que gozava a compaohia primitiva (a brasileira)
e que represeuieriam uo. 300 cont.; diz-.e que
ae obriga a alargar a via do Bul, a coostruir as
necearas estacos,sendo uro. no Barreiro.com
os respectivos caes para embarque e desem-
barque.
A meoma empresa, se obriga a sustentar urna
liaba de vaporee de forc* para atravea.arem o
Tejo, condoaindo de Lisboa ou para esta cidade
os pas.ageiroi e merc.dori.s qua se destina-
ren) a tramitar pelo caminho de (erro do sul e
Sueste. ,
A comp.ohia iogleza 4o caminho de (erro de
Sueate, obteve a coocesaao do prploogamento da
linha de Vendas Noras para Barba, Villa Vcosa
e outroa pontos.
As condiges em ue (oi (eita esta traoaaecio
aioda nao sao publicy AfolRosoeji-ofnciat ao
nega que o goyernjr-n* je realisa-la, mas, ao que
parece, negoci ultimado e qua o governo apre-
snnlar ao parlamento ua prxima reuuiao das
corles, am de receber a precisa sancc.o do cor-
po legislativo. Falla-se a ao protesto do capita-
lista Salamanca.
Foram publicados no Diario de Lisboa de 6 do
correte done decretos, cuja execuco Jete faci-
litar muito a cultura do algodao naa nossas ex-
tensas possesses do continente africano, e des-
envolver esta uova industria, que pote vir a aer
a principal (ante de riqueza daa uostas provincias
ultramarinas.
O governo (ez o que estata da sua parte para
promover a cuitara do algodao ; (ez pelo meos
o que comportara as nossas linancas e o que per-
mitala os poueos meios at hoje rotados para se
animar a industria e se remunerar o trabaltio das
agricultores do ultramar. Ser lisoogeiro agora
ver que oa capitalistas, os grandes proprietarios
coloniaes.corresponlem aos esforgos do governo
azendo tentativas que por eerto nao aero intrnc-
tuosas; e muilo honrar os horneas abastados e
inteiligente. o (acto de consagraren] ierra e ao
trabiino as (oreas que muiios perdem era decla-
mar e sconselhar sera traduzirem em (actos a toa
actiridade e a sua sciencia.
Receita oreada. ;
Alfandega de Lisboa.........
Dita do Porto................
Dita municipal...............
id *
Somaas cobradas............
205 256*160
68941B78
416:0381017
487304#a34
As providencias que se tomaram pelos citados
cretos, sao de bastante monta, e se os borneas
industriosos se quizerem dell.a aproreiiar, hio
de rer em poueos anoos que nao perderara o
lempo, a qua a cultura do algodao pode tambem
dar riquezas, adqueridas eom menos riscos e me-
nos eventualidades, do que algumas outras que
conslituiam o'saies o principal obiecto de corn-
mercio das costas da Arica.
O governo autorisado a gastar em cada anno,
i rtJr?te os priraeirs 'ros annos, at a quanlia
de 2O:OO0JK>00 com a compra de aemeotes de al-
godao, machinas de descarogar e quaesquer ins-
(rumentos agrarios para atultura e preparaco
do mesmo genero, com o fia de os destribuir
pelos cultivadores que se dedicaren) aquella cul-
tura as proviociae ultramarinas, podendo essa
deslribuicao ser (eita gratuitamente, ou por meio
de pagamentos i prazos, conforme ascircums-
taociasde cada um. Depois de assim (acuitados
os metoii de trabilho, cumpria recompensaros
que melhor uso Qzessem dclles ; o que se v
provideuciado pela iostituicao de seis premios
nnuaei. por especo de dez aooos, na provincia
de Aogola, importando todos em 7:000jj00, e
eoocedvuos aos agricultores qua melhore e mai.
exteosas culturas apreaentarem.
Pelo mesmo espaco de de dez anoos Dea isen-
ta de direitoi a exportaco do algodo as pro-i
rincias da Arica, bem como a introdcelo de
machinas, materiaes e utensilios necessarios
para a cultura dos terrenos e edificios que nellea
bajam de ser eoolruidos.
A concessio dos terrenos era o principal objec-
toque hivis a attender, porque se a acquisica
dellos se nao (acilitasse, todas as outras vanta
gens seriara depouco ou nenhum proveiio. Essi
conceasao (eita naeiooaes a e.trsogeiros, dif
rectameota e nao em basta publica, e mediante
o insignificante loro de dez rs. por heclar, p
que equivale a serem os terrenos concedidos grat-
uitamente, havaado s a rettriceio de nao pasl-
sar de mil hectrea o terreno correspondente
cada urna das coccesses.
Era iodispeosavel esta mitacie. Coavem (a.-
cultar os tarreaos, mas ni* Re modo que se pesf-
sam grandes exleoses, con o ttm de se cultivar
uma pequea parle, e impedir que o restante
fosse cultivado por outros.
Era possivel que ama compaohia, ou um indi-
viduo, receiaodo a cooeurreaieia, pediese para si
todo o terraao isponivet oa graade parta delle,
para impedir que outros colonos se fossem esta-
belecer oes suas visiohanjas.
Para evitar estes abitaos, contera e decreto de
4 do correte mea pradeDtes disposicoes. Eb)
primeiro lugir a extenso dos terrenos concedi-
dos devora sempre estar em harmona eom bs
meios de qua dispocerem os concessiooarios/e
a.sim se evitar que elle, pecam saais do que a
que poderem cultivar. Depois os coocessiom
rfos teem um anzo para aproveitarem os lar;
nos que Ibes orem aforados. Esse prazo
poder nassar de cinco annos, e flqdo elle
cooceasiouario remisso ou negligeote perder
terreno desaproveilado, e pela culpa de ter i
pedido que o mesma terreno fosse cultivado
outrem, pagar! por cada anno, e por cada het lar
a mulla de 100 a 1.000*000.
Temos, pois, animada a cultura de sigo Ja) e
nao pouca gloria cabe ao inteligente ministro ios
aegoeios d marinas e ultramar, o Sr. Caitos
Beoto da Silva, pela vigorosa iniciativa com jue
di impulso ao deseoTotrimento e prosperidide
de uma altura, por tantas con.iJeracoes eco
iicas destnala a reaujmar as nossas arovio
a frica.
Nenhum dos nossos compatriotas deixat
ver com aaii(aco unta tena de medid*,
unta efBcacts devem ter par o bem estar ueste
paiz.
Agita-senaia.proBs.com grande animaeo a
queslaode.alubrid.de publica.
O Jornal do Commtrcio de Lisboa, publceu
oa represeotaco que ser dirigida s cofias,
pedldo ao parlmeulo que se octupedecd|ida-
sRMte de.te momenloso assumpto. O governo
declarou pela impren.a. que tenciooava ipresen-
rjrscdfte. .. rjieidarieonelbadaspelalopl-
sllo publica. f
r A^f'"*'**. l'mlffl 9"e o Sr- marquez Ra
Doul, ministro do raioo apraseotar na prxi-
ma sessn um prejecto do reforma administra-
tiva.
Dos mapas de todos o. reodimenlos cobra-
da* pelos corres das alfanfogas; grande d Lis-
tos, a eoilo muoicipal /te Li.boi] no miz Re
novembro fio do, deduz-ae o seguale :
Differeoca maior............. 71:166J517
Este liaongeiro teiultado, que de mea para mez
vai tornando mai. proapero, prova que Portu-
l marcha oo bom caminho Oaaoceiro.
Comecaram o. trabalho. para a. fortificaces
e Lisboa. Alguos eogeaheiros partiram para
Oeiras, onde foram levantar plaotas para os
(jlsaos que se estio coofseciooando.
Segundo a lei da deaamoriisaco dos bens
das (reir., varios a imprtanles predios e pro-
priadades rusticas lem sido nesles ltimos dia.
rremalados, par um prego alto; do qae resalta
decidida vaotagem para as casas religiosas, pots
tendo o sea capital em titulo, de divida pubici
(in.cripges Ue 3 por cenlo) livraa-se dos pre-
juizosde adaiaistradores fraudulentos, do paga-
meolo de decimas, daapesas de concertos, ele,
etc. Um predio situado oa praca de D. Pedro,
que (Ara praga por 16 cootos, (oi arrematado
por 22coatoa, e assim como este, muitos mala
Ihe poda citar, do qae resulta estar sendo bem
aceita a execuco de.ta aaluiar medida.
A. intcripges estio a 46 1|247. No bolelim
da praga de Lisboa, que Ihe remello, ver a se-
guate obeervacao, que asss significativa ;
No merca jo de fundos observamos quo as
inscrpcdei tem tido mai. movimeoto, o qua
devido sarrematagdes a que se est proceden-
do, dos baos das freirs.
-* Os trabalhos do caminho da (erro do norte
proseguem com actividade. Nodistriclo de Avei-
ro, na ultima semana linham tido empregtdos 900
horneas.
O. atorros chegavam j i estrada qae commu-
nica a cidade de Aveiro com Albergara.
Na secgio de Ovar estio collocados os rails al
perto deCorlegaga, e e.pera-se que a IqemolV
va possa correr entre aquella villa e Kstnlriz den-
tro de poueos otes, e al IsVde Janeird de \$M,%
chegue is proximidades de Villa Nova de Gaya.
Honlem oo 1> tro normal deu-se a pri-
meira representacib \ Mead, tragedia em ver-
so de Legouv, traduzida primorosamente para
prosa e verso nacional pelo Sr. lleudes Leal.
A notas primera actriz Emilia das Nev, riva-
lisou com a grande Ristori, que em Lisboa, ba
dous sanos represenlou em italiano a mesma tra-
gedia. Era o beneficio da Ristori portugueza.
Em seguida Meda, reappareceu a chistosa e fi-
nssima comedia, c Retrato Vivo, em que Emi-
lia (az o primeiro papel. O eslimavel actor e au-
tor Cesar de Lacerda, tem n'esta comedia uma
parte diOBcil (a de Ral) que desempenhou muito
satisfatoriamente.
Este dramaturgo escreveu ltimamente um
drama,que, lido n'ums reuaiio de actores e Ili-
teratos obteve o mais lisongeiro acolhimento.
Destinase so theatro de D. Maria II.
O subdito portuguez Aolooio Pioto de Csr-
valho.julgo que natural da ilha da Madeira, aas
actualmeoie em Lisboa, annunciou ba diss ter
feto um descobrimeoto imporlaalissimo, em
virtude do qual as calmaras nao poderao mais
impedir a derrota dos navios de vella. Diz o ao-
nuociaote que a sua ioveocao consiste em um
novo motor auxiliar combinado com a pressao
atmospherica e com o peso especifico da agua,
sera precisao de combuslivel, nem de quaesquer
agentes de (orea mechanica. Quanto ao appare-
Ibo, diz elle que poder costar de 10 100 mil
rts, segundo a tooeligem dos navios. Afllanca o
inventor que esta descoberta ums reahdade, e
que vai immediatamente requerer o privilegio em
Portugal e n'outros p.izos, e que em breve (ara
eosaios pblicos no Tejo, defronte de Lisboa.
14
Seis da manhe.
O boletim do Pago que esta nolte (o recebido
pelaa redaeges da capital, diz que o Sr. infante
D. Augusto vai continuando melhor. Ouvi dizer
que oSr. infante D. Joio flera de cama, leve-
mente constipado. S. A. nao asiistio t exequias
do Sr. D. Pedro V no dia 11.
Houve uma reuoiao poltica oa calcida da
Estrella era casa do Sr. conde de Thomar. Fez-
se junegao do partido regeneradar comas reli-
quias da racgo carlista. Parece que o ex-dn-
que de Satdanha, que se aeha quasi de t>do res-
tabelecido de sua grave enfernudade, annuua a
tomar parle nesta colligagao opposiciouista, com
os Srs. Fontes e conde de Thomar (!!l) Estes
poolos de adrairacao devem ser comptehendidos
para quera oao tiver esquecido a historia coo-
lo'?.poranea e e teGot*" do que se passou em
1851 entre o velho marecbal e o Sr. Antonio
Bernardo da.Costa Csbral.
Fallava-se esta noite no theatro de S. Carlos,
do Cavour, par
autorldaae ecoraata.Ys, a no loemos d. coneti;
tuicio do patri.rebado e leu do ramo, Ihe dea-
risao como fosie justa, daa V. Eme. cooheci-
meoto pola, secretaria de estado dos oegocios
gecctesiastioo a de instiga, em tea officio de 4 do
o mez, de que por despa-ho da mssma data
jm preaeotago, re.olveodo que
c.da um do. parochos se deliberaste palo modo
qaelhe parecerse mais acertado.
E ">dubtvel oestas crcumstancias que, dei-
xaodo V. la. so arbitrio dos parochos s ampia
facoMade do adoptar a resol ocia que melhor
ib pareoste, quanto celebraclo ou nao cele-
bracao dos referidos suffragios solamnes. nio
tova, nem podi ter, inteoco da lapor pena ou
irrogar cenaura iqnelles que aa deliberassea
afflrraaliva oa negativamente. E dore cessir
toda ai hesllscio tal respeilo, quapdo se notar
qua Y. Em. limis considerou iocapazsa de
continuar a exercer quaesquer (uocges do sea
ministerio o. eclesisticos que tomaram parte
oa celebracio dos surTragoa por alma do conde
de Cavour oa igreja de Santo Autonio da cidade
de Lisboa no dia SI de oulubro pretrito.
Posto iato, .aria digno da maior reprovagRo
admitlr que qualquer eccleaiaatico, parocho ou
nao parocho, perteocente diocese de que V.
Em. pastor, nio coutente com dasapprovar
em sea peasameoto o procedimeoto e a resolu-
ao de V. Era., recusasse directa ou indirecta-
mente reconhece-la corto competente ou, o que
rala o aesao, prolendesse impr um castigo
quelles clrigos que, usaodo da ampia faculdade
que V. Em. Ihss conceder, tomaram parte oa
celebrago dos ditos suffragios.
Consts, pora, pela inclusa representacio,
dirigida Sua Mageatade el-rei peloa mesarios
da confraria do Saoliasimo Sacramento da re-
guezia de Peoiche, que, tralando-se de celebrar
no dia 28 de novembro pretrito, na igreja pa-
rochial da mesma freguezia, suffragios solemnes
pelo eterno descanto de Sua Mageatade Fide-
lsima el-rei o Senbor D. Pedro V, de muilo
saudosa memoria, achando-se
templo as autoridades
reunidas no dilo
. tocaos e grande concurso
de povo, para assistirem asta solemne demeos-
tracao de sentimento Dla grande perla que a
nagao porlugueza soffreu, e juatsrem as suas
preces s da igreja, rogan lo Deus pelo repous-
da alma do augusto finado; o parocho da (rea
guezia e alguos dos clrigos convidados, e pare
tal Om ali reunidos, se recusaran com geral -
publico escndalo, aljeola a natureza da solem-
nidade e mais circussataociaa expostas, celeo
brjgao dos ditos sulTrsgios, porque tioham como
tocurso na pea.do cxcooamunho o' orador ea-
carregado do paoegyrico ou oraco fuaebre, o
presbytero Jos Lene Meades de Almeida, paro-
o da treguezia da Louriohao.em razio de haver
Ociado as exequias, que, como dito flca, tive-
m lugar por alma do conde de Cavour.
Nesta. ciicumstaocias, manda Sua Uagestsde
I-rei remetter V- Em. a mencionada repre-
seojagao, para que V. Em., oblando a certeza
dos tactos nesta allegados, possa impdr ao culpa-
do ou culpadas a correegao canooica que Ihe
parecer justa, era desaggravo da sua auloridade
assim roeooscapada, e desaOroola do parocho
publicamente injuriado, por haver usado de uma
faculdade que V. Em. Ihe concedeu; pondo
assim termo 4 to repreheosiveis excessos, e
reprimindo o espirito de discordia e sclusma aa
igreja confiada ao seu paternal cuidado.
Oeus guarde V. Em. Pago, em 10 de
dezembro de 1861.Exm. e Rvm. Sr. cardeal
patriarcha de Lisboa.Alberto Aotooio de Moraes
Carvalho.
Sahio hoje para o Rio-Grande do Sul com
carregaroeoto de sal e mais gneros a escuna
bollandeza Jacob Johannt.
O vspor Navarre, eutrou esta noute vjndo
dos portos do Brasil.
O ultimo boletim do astado da sua Alteza
o seguate :
Sua Alteza o Sr. Infante D. Augusto conti-
iuci ?"i. Pac d# Bolem- de dezembro de
186110 horas da noute. (Seguem-se aa assig-
aaturas dos mdicos.)
Os fundos cooiinuam subindo, (echou-se
hoje o mercado a 47 1/2.
Nio se verifica a demissio do actual gover-
oador d Aogola : continua no seu posto.
O vapor Mindello, parte brevemente para
Bissau e C.cheu i levar tropa.
L.
DIARIO DE PERNAMBUCO.
ero que logo depois de abertat aa corlea, o que se-
r i 22 do correte, se tratar d'uma recompoa-
cao ministerial, Re que resultar sabir do minis-
terio o Sr. Mor.es Carvalho, ministro da ju.liga e
talvez outro dos aeu. collegas.
Sao pouco satisfatorias aa noticia, de Bis.au e
Cacheu ua frica porlugueza. O gento, em torga
de mais de 12 mil homeos, LevaoUra-se contra u
dominio do governo colonial. laa sahir tropas
m a muo'coe da guerra a toda pressa.
Afiirmava-se tambem que o goveraador da pro-
vincia d'Aogola, Sebastian Calheiros, seria subs-
tituido, parece que oor nao ter querido dar pos-
te do governo de Mossamedes i um individuo
que o governo da melropole aomera para aquel-
la commissRo.
Ao principio da noite, em alguos lagares p-
blicos achva-se uma inleres..oti..ima publica-
cao do Sr. I. M. da Andrade Ferreira. intilu
lada:
feinado t ltimos momentos de D. Pedro Y.
Remetlo-lha asta curioso folheto.
Os telegramma. hoje recebidos s 11 horas da
noite de Madrid, dio noticia de que c a logla-
i Ierra vai mandar 15 mil soldados para o Caoa-
d.O presdeote Locoln pedio 700 mil ho-
mena a 700 railhoes de dolan. Em conslau -
< tinopla em toda a Turjuia a miseria espan-
tosa.
Nos dias 12e 13 nio enlrou nenhum navio de
portos brasileiros, nem sahio do Tejo embrcs-
gao alguma par. o Brasil.
!* S.Falla-se oovameute em que ser dentro
em pouco substituido o Sr. bario de Moreira.
A' ultima hora.
11 1/2 horas da noute.
Receberam-se agora meamo os seguales
telegraramas de Madrid, trazendo a data de 14,
6 da tsrde.
Coosla de Paris que os Hespanhoes e France-
ses recomesar.m as hostilidades oa Cochio-
cbina.
f As operaces do deoutado Go'iho oo coo-
gresso hespanhol, sobre a coofederacao italiana,
causaram muita impresso ao joroahsmo fraccez
porque se suppoe que sopioiio publica em Hes-
panha contraria actual ordea de cousas os
Italia.
A erupcio do Veaurio continua. Os terre-
motos em aples succedem-se.
c Em Coastanliuopla ha crise monetaria e
reina um grande pinico.
Noticias de Berlim dizem que o re acha-se
affecladissiojo com as eleiges.
0
twtilueit!t Mt'TlhK^
Appareceu hoje no Diario de Lisboa,
arito expedido pelo minutario da iuslica a. .
cardeal patriarcha.
Nesta documento se v que a opiniao do go-
verno nio tem variado, e que continua firme em
seas priucipios.
A Opiniao publica festejou a medida. E' ella
como que o final da quettio das exequias em
Peoiche, por alma de Sua Mageatade el-rei oSr.
D. Pedro V, i que Iludo na miaa correspon-
deecia.
Eia o documento :
c Exm. e Revm. Sr.Ifsvendo lidoremettida
i V. Em. com o regio aviso de 2 de setembro
pretrito a represeolacio, que a eommlsaie da
Na lampada da vida bruxola hoje o ultimo
lampejo de existencia de mais um anno, que ae
some nos espacos das recordagoes ; pois que, na
revolugao dos lempos, completa hoje 1861 o cir-
culo de seus dias.
Compaoheiro dessa derrota, ote Diario termi-
na tambem o sea anno jornalistico ; e a chave
do tempo fecha hoje no jornalismo oa aossos tra-
balhos de mais um auno, mista Re recelos e de
esperances, R0 aocieda Jes e de dissabores, cono
sao sempre as emprezas de aoaso paiz, para abrir-
oos amaohia um novo, de horiaootes sempre
auspiciosos, e que se aprecia sempre sob o prisma
de uma etperauga aorta, impalpavel e que se es-
vae de ordinario ante a realidade.
E corresponder elle com ludo essa previsao
do desejo do melhor?
O futuro no-lo dir, qu&ndo, convertido em pro-
sete, imprimir em ludo o realismo Reste, pe-
ranle o qual cesssa as vises Re descoohecido,
e desapparecem as idealidades da vootade, tio
prompla em crea-las, quanto em v-las esvaeci-
das ou transformadas muitas vezes.
Como quer que seja, porm, deixaodo o uturo
aquella para quem os tres tempoa que marcara
as pocas, se fuudem em uma perenne actuali-
dad, um dever not corre, que (orea cumprir,
e que ora cumprimos por meio de um voto de
graiidio para e sincera.
Si n, aioda mais esta rez temos de agradecer
aos nossos assignaoles desta e daa mais provin-
cias a coadjuvagio que aos prestaraa no anno,
que termina, e que constitue o trigsimo stimo de
existencia desta Diario ; e o (szemos efectiva-
mente com a coosciencia daquelle qua salda um
debito de honra, ficando todava coa a obrigacio
moral de jiaais olvidar o obsequio recebido.
e no Coary, o
desde o comego da na-
0 vapor Oyapoclt, entrado dos portos do norte,
trouxe-nos noticias dessa parte do Imperio, com
datas : do Amazooas at 11, do Para al 21, do
Maraohao at 23, do Piauhy at 8, do Cear al
1 i R, Grade do Norte al 28, e da Parahiba
al 29 do corrente.
4moronas.L-ae na Estrella :
Segundo as informaedes que tere a bondade
de presiar-nos o Sr. commandaote Nuno, a va-
saolo do Solimoes este anno foi extraordinaria.
O vapor nao pode entrar em Teff
que anda nio aconteceu
vegacao vapor.
Do Coary em diante orlo comecava a enchsr,
aorem lentamente, e a partir de Tabatiogs com
mais forga.
Apazar Ritso. o Inca chegou sem o menor
embarago ao Huallaga.
Est, pois, demonstrado que, mesmo as
maiores vasiotes, franca a aavegagaoldo Su-
hmoea at uma grande extensio no territorio do
Per.
Coma a correle forte, de 4 railha, termo
medio, oa bancos mxdaa muitas vezes do lugar,
a assim, cideolalmente, a aavegagio pode ser
perpetua.
Logo, porm, que esta se torne aais (re-
queme, qae as mudangas da esoel sajara conbe-
cidas dianameole, os obstculo, de.apparecea.
Na cunflueacia do rio Negro e Solimoes o Sr.
commandaote Nuao achou 10 bragae da (ando, a
como a rasante deite aooo (oi de 5 bracas, proxi-
maraeote, segue-so que as encheate. ordinarias
a probindidade nesse ponto da 150 palios.
c Na dia 9 Ro crranla (oovembro) urna com-
mitsio coaposta das primera. autoriiade. d.
provincia foi palacio felicitar ao Exm. Sr. pre-
sidente em nema dos (unecionarius pblicos a
mais petsoas gradas, pela aaoeira justa e ecooo-
mica porque lem S. Exr. administrado a provin-
cia, e olferecer-lbe um baile, qae Rev ter lagar
no dia 24, aunivarsano da possa da presidencia.
t Moralidade, jutlica a acouoaia sio com ef-
(eito os pelastaes sobre que sesenta a a Jmiis -
tragio do Exm. Sr. Dr. Maaoel Ctemeptioo Car-
neiro.da Cuaba.
Estas bases ao sol las do progresso, traduzi-
das em fados, que esli patentes, cooslituem a
maior gloria do alministrador, que ssbo cumprir
K!IV.ulfl.re,M-fi qae eiD'n1,*fwioobrig.?de,a si corresponde s vi.ias do
subditos Italianos residente oa cidade de Lisboa j gorerw.
rugor no dia 4 (oorewbTOf ebttte <-
daato Ro praviaaia.
ai i eestoaa apis gradas do api-
ada faltou para que testa Tost completa,
laoto quanto permittea ao recursos da provincia.
< Tendo comecado i. 9 horaa da noite, o baile
terainou s4 da aaofihRi Ro dis 26.
No RU 21 (oovembro) chegou ao rio Pura o
Sr. Manoei Ureano 4a Enaarncao. Mandado pelo
*' ?' Dreldwtoea fevereiro deate anno cora
0 Ja de procurar algum trajelo do Purs para
?,?**. c,,n, d" ehoalrss, o Sr. Manoei
urbano viejn no dito rio, e seos afiaenies eerc
de nove mtesete que chegoa ao terreno da Boli-
ta, sem que descobrisse passagaa para o Ma-
deira como presemi.
Naooi coa ludo inructuosa a ua viagem,
porque achou as oasada. Re dauiaoim.ee de que
trouxe a vertebra e o denle, que indicam portea-
cer ao Sortano Moa.saurus campen, reptil
mannha (fossil.J
OSr. Urbano pretende para o anno entrar
pelo rio Iiuxiafluento do Madeira do lado direito
e que a aeompaaha at muilo longo a ver se des-
cobra oeste o trajelo procurado.
A boa vootade coa qua aa prestou o Sr. Ur-
bano para esta ooramissao. sea ioteresse alguna
mais do que o amor do desenvolvimeoto a pro-
gresso do aeu paiz, cima de todo o elogio;
cootioue o Sr. Urbaao a prestar ervigo. ties, qua
mereceri .. bencio. de todos es quo desejam o
eograudecimeulo do Amazona..
Para.Tudo quanto por all occorreu, apos o
ultimo vapor, acha-.e aa seguate oartadooosso
correspondente :
Desta vez mu pouco lempo resta-rae psra
tbe escrever estas linh.s.
* S. Exc. o presidente da provincia havendo-se
retirado para (ora da capital, oo vapor do Ama-
zonas, (oi ver o grande rio desle aome e visitar
alguna pontos mais notaseis do paiz, por isso
coosia que deixaria maior parte da sea corres-
poodeucia official prompta, por coo.equeocia na-
da bayendo de ootavel, a secretaria do governo
expela os negocios com possivel brevade.
Alera dalo nenhuma. tsmbem sao as novi-
dades; por que felizmente nesle fia de anno te-
mos ido em santa pai. Apenas tem continuado
no Diario do Amatnos e oo Diario do Grao
Pira, s apreciacio da ordena do ministerio da
lusiict man Jan ,io eassar as patentes de nortiea-
cao dos ouleiaes da guarda nacional de Camela,
no lampo da vice-prestdeocis do Dr. Leilio da
Ounhs.
A polmica parece ainds querer procrasti-
oar-se ; por que os dous partidos que esli em
lula, um delles ferido nos seus ioleresses a is-
piragoes com a dita ordem.
ltimamente tambem se suseitou uma ora
quesio por causa de publicages ecclesiaslicas;
islo o Dr. Tito Franco de Almeida propieta-
rio do Jornal do Amazonas, apresentando novas
condrgoes e melhoramentos com que appareceria
no anno viodouro o seu jornal, declarou que sa-
hna tambem o domingo, sendo e.la dia dedi-
cado aos nogocios eccl-siastcos, visto ter S. Exc.
Rvma. preferido a sua folha.
Diqui nssceu urna reclamagio de um eccle-
siastico por nome Gustavo Costa, declarando
que o Ezm. bispo o habilitara iaualmente para
taes publicagfles no Diario do Grao Para; por
isso que S. Exc. como pastor e pai nioguem
prefera, visto ser o protector de todos.
Este artigo quasi editorial appareceu no Dia-
rio do Grao Para e com elle nova polmica ce
vai reproduziodo ; mas o que certo que o
prelado diocesano escrevera uma carta ao Dr.
Tito F. de Almeida, abaixo transcripta, e quej
tere cabal refutagao do padre Gustavo.
a Pelo que se observa, aioda islo aqui nio ti-
ca, por que o padre alm de babil persistente
em seus principios.
Illm. Sr. Dr. Tito Frsaoo da Almeida. Em
resposts i presada carta qua me dirigi V.
&. em data de hootem, tenhe a declarar-lhe,
que nioguem eutorisei para tratar pela im-
prensa dos oegocios do Jornal do Amatnos
relativamente ao bispado, a que ministro do
Deus de psz, oao posso deixar da deplorar e
reprovar altamente a maneira por que se tem
exprimido tal respeilo um aembro do clero.
Aceite V. S. com a expressao do aeu pezar
a dos seotimentos de cousideracio a estima
cora que me preso ser de V S. servo humilde
eobngadissimo.f ANTONIO, bispo do Par.
Resideocia episcopal, 17 de dezembro de 1861.
N. B.V. S. poder fazer dasta declaracio
o uso que Ihe convier.
Disse-lhe na aioha anterior que se projecta-
va aqu entre os porluguezes, um magestoto u-
neral ao rei D. Pedro V.
Consta-me que se reuoiram 10 do corren-
te varios porluguezes, soba presidencia do res-
pectiva cnsul, e que deliberaran) no sentido
cima indicado, uomeando-se logo as commissoes
pela seguinte forma :
Coramissao para subscripg&o : Os Srs. Dr.
foaquim Baptista Moreira, Vicente Tedesch,
Josquim Francisco Fernaades, Antonio Joequim
Perelra, e Fernando Rigoni da Vasconcellos.
Coramissao dos arraojot do funeral: Os
Srs. Jos Cselano Bibeiro da Silva, J. Fernandos
do.Sintos, Joio Francisco Fernandes, Lourenco
da Costa Loureiro e Antonio Jos Goncalves
Sarapaio.
Commissio de recepgio na igreja : Os Srs.
Francisco G. da Costa, Augusto G. da Costa, Bru-
no Alvares Lobo, A. da Molla Marques, Gualter
i. Ribeiro, Francisco Antonio Cerdoso, Francisco
J. Pereira, Domingos Francisco Moreira, Jos An-
tonio Aflonsoe Francisco U. Teixeira.
Commissio da descripgao do (uneral : os
Srs. J. Joaquira Mendes Csvalheiro, Frsncisco G.
de Medeiros Branco e Francisco M. Teixeira.
Thesoureiro o Sr. Joaquim Francisco Fer-
nandes.
Dizem que os donativos ji andara por cinco
contos de ris, e que o (uneral ser.breve, pois
que o consol e o. mais membros encarregados
de levar effeito este negocio, lm deseovolvido
toda actividade e diligencia, devendo ter lugar o
acto na nosaa cathedral, templo raagniiico e es-
pagoso, onde cabem tontada tres mil pessoas.
Os negecius ommerciaes vio no mesmo es-
tado ; ainds ha muitas recelos por causa dos ne-
gacios da America e da Europa. Ha poueos dias
houve mais uma quebra.
. O tempo tem melhorado e felizmente com
elle a salubridade publica.
Alterages martimas sa"o as seguir-tes :
Navios descarga.
Barca portuguet* Fiordo fez.
Patacho portuguez Boa Nova.
Brlgue fraocez Beaujeu.
Dilo austraca Tanoredi.
Navios corso :
c Barca fraoceza Flor do Para.
Escuna americana //. Uallock.
Patacho dilo Fleutwood.
Dito inglez Florist.
Dito portuguez Tamega.
Espera-se por estes das oavios de Frange e
dos portos de Inglaterra ; de Lisboa o brigue
Ligeiro I, dito Feliz Ventura, e de Porto barca
Unido.
Maranhn. O cnsul portuguez escolhra qua-
tro commissoes, para o (uneral de S. M. o Sr.
D. Pedro V, sendo membros deltas iodutiucla-
mente os senhojes :
Dr. Claudioo de Arauio Guimaraes.
Dr. Joio Antonio de Carvalho a Oliveira.
Dr. Constantino de Mello Pereira.
Aolooio Joaquim de Lima.
David GoogaUes de Azevedo.
Francisco Antonio de Lima.
Jos Joaquim de Arevedo Almeida. -
Joio Caocio Pereira dos Prazeres.
Joio Ferreira Balthar.
Joaquim Alves da Silva.
Joaquim Jos Domingues Lima.
Joaquim Coelho Fragoso.
i'iaulty.Hara se desenvolvido ns capital a
(ebre amarella; felizmente atacando i muita,
mas ma tanda poucas peseoss.
O averno bivio comtcado e eaa bastante
prszer dos criadores e plantadores.
Cear. Nosso correspondente narra quanto
digao de mensio occorreu :
a Que techa psssado (esta alegre e feliz, no
Soso de perfeits e vigorosa saude, acompsnhada
o rorl venturas, e do prompto pagamento de to-
dos os seus assignaoles, i o que sincera o car-
dealmeote Ihe appeleco.
Itealisou aa a qua iba duae ; a Dr. /ot Li
berato Barrozo, hoje de faci e de direito pro-
motor publico da comarca desta capital.
O oosso prelado parti para s freguezia Ro
Cascavel no dia Si do correle ; inforoam-ao
que ot habitantes daquella localidade so prepa-
raran para recebe-lo Rigaameute.
No dia 2 do corrente deu-se em Sobral um
triste snecesso.
A's ti horas da maahaa Reste dia (oi-a ae-
i lo are uma cata om quo se achara esiabtlect
orna fabrica da (oget artlnciaeo, a na qual ata-
caria ro m Ruia do (ofaataR, a um bar-
ril da plvora 1
Ma w;easiao de se socar um busca-p, iodaa-
mou-se este; o logo coamuoieou-sa aos fogua-
tes, dando apenas tempo ao propietario Gaidtao
Jos Gondim, a aais aova das onao operarios
que com elle ah se achavaa, a procurarem sal-
jagao na faga, precipitaada-aa por ua. pona e
foram astas feiizes para llcarera Ileso da expo-
io qae se seguio a oa qusl pereceraa os dous
aeu. compaoheiros Benedicto Marques Ro Moraes
e Jos Vicente da Oliveira.
A eleigio primaria qae acaba de tac lugar na
provincia fez-se na aais parfaita paz; ji ba no-
ticia da qua.i todo, os pontos, a daqueilas de que
anda nio se rscobeu commuoicagao al agora,
est claro, que isso devido nio lar btvido oc-
curreocia alguaa desagradsvel, ou extraordina-
ria porque do contrario ji a presidencia estarla
disso iofermada,
O Cearente o. 1,503 de 20 do corrate, ea
artigo editorial, d como sabido e coobecido o
resultado da eleigio aa teda a provincia, o que
(ez espantar i aais de quatro que o leram, e
que Acarara acreditando qae so para a redaccao
daquelle jornal linha viodo partecipacio.
E* digno de attencio o final desse artigo que
(az honra finura do sea tutor. Aqui Ih'o traos-
crevo para que melhor pona aprecU-lo: O
partido conservador tem mais de dous tercos
do corpo eleitoral, par conseguale nio padece
duvida que serio eieitos os seua candida-
tos. >
Consta -nos que se spresentsm candidatos os
Srs. rs. Miguel Fernandes Vieira, Raymundo
Ferreira de Araujo Lima, Jaguaribe, Fraociaco
Domingues da Silva, desembargador Figueira,
conselheiro-Piragibe, Dr. Tristao.cooegos Pinto
pqr ventura sfi com pastoras ou msica marcial
se festeja o nasclmeolo do Salvador ?

i
uma
e Pompeo.
A excepgo do primeiro difflcil predizer
a qual dos quatro seguales dario os dous para
a Hala triplico.
Gosto muito da ianocencia esinceridade com
que foram escriptos esles quatro seguinUe I
A redac(io do Cearense convrn muito por
certo, que os conservadores eslejam disso con-
vencidos ; rnasesia-lo-ha a mesma redaccao?
Creio que nao.
O Cearense diz que nio pode predizer quea
serio os dous da lista trplice, alm da Dr. Fer-
naades Vieira ; pois eu, sera ter os coohecimen-
tos do Cearense, sem mesmo estar ao fado das
tricas e cbicaoas polticas, quaai qua me atrevo
a asseverar, que se os conservadores marcharen)
s urnas em debaodsda, e nio serraren fileiras,
nao de ser vencidos, apezar da sua forga num-
rica, pela columna serrada anda qge inferior em
numero, comaandada pelo redactor do Cearense,
e que teremos de ver a lista triplico compdr-se
dos Srs. Drs. Miguel Fernandes, Araujo Lima e
Pompeu.
Ao passo que o Cearense d como fora de
duvida a exclusio do seu redactor em chele, es-
te trabalhs toda a forca (o que eu muilo Iba
louvo) para alcangar quaot) voto pode engaar,
escrevendo esollicitando-os de pessoas que Pica-
ra ra sorprendidas e estupefactas quando leram a
sua ro8aiv. I
a Creio, porm, que as 6c/iai nao ptgaro, e
que os outro. j estio alerta, porque ae tem es-
cripto para as differeotes localidades, sdverliodo
os correligionarios do porigo que os ameaga, e
pedindo a uniio de votos em dous dos quatro
seguintes.
Nao sei quaes foram os dous nones recom-
mendados, mas eslou certo que senara aquellos
que mais probabilidades apresenUro de reunir
maior numero de votos, o que os outros dous des-
tnelos csvalleiros nio devem por forma alguma
levar mal este proeedimeoto de seus amigos,
fllho somonte da neceasidade Re salvar o partido
conservador do desar de ver figurar na lista tr-
plice o nome do seu mais terrivel adverssrio, o
chefe do partido contrario.
Tendo o Dr. Fernaodea .Vieira so retirsdo
par. o Par, deixaodo a eleigio correr na mais
completa liberdade, e sendo-lbe iodifferente que
fosse aleilo esle ou aquella de seas amigos, eslon
persuadido nao podia jamis prever a emergen-
cia de entrar na lista o chefe oposicionista, e
me convento que se aqui estivesse (aria o possi-
vel para que isso se nao realisasse ; creio, pois,
que elle nio deixari de applaudir o passo qua
aeus amigos e affeigoado acabam de dar para
esse flm, independenle de consulta, e approvagio
sua, por causa da falta de lempo para iss.
Acaba de chegar o Iguarass, e pelos jornaes
de que foi portador vi que tirina sido demiltido o
administrador da capatazia da alfandega desta
cidade o Sr. Jote Nogueira de Uollanda Lima.
Era uma medida reclamada pela ordem que
pareca ser constantemente perturbada naquella
repartigio, por esse empregado, e que me per-
suado vai ser reslabelecida com a sua ausencia.
O nosso porto esteve alguna dias despovoa-
do completamente de navios, nio obstante exis-
tiris em depsitos promptas a embarcar mais de
1,600 looeladaadeaasucar, cal, couros, algodao
e borracha, e os exportadores terem-se eslorgado
para frelar navios nessaeno Rio. para traos-
portareni esses gneros aos mercados e.lran-
geiros.
Chegou no dia 24 o brigue norueguense Ca-
prichosa, fretado no Rio, o qnalvem receber car-
ga de caf, decoola de uma casadessas, creio
que a do Sr. Kslkmaoo.
Pelo Iguarass direi o mais que por c oc-
correr.
Rio Grande do Norle e Parahiba.Hae de ira-
portante occorreu, aps a partida do Jaguaribe.
PERfilMBUCO.
REVISTA DIARIA-
Forros obsequiado eom o primeiro tomo da
Ktagem Imperial, qae compreheade a provincia
da Baha e a digrestio i Cschoeira de Paulo Af-
fonso ; pelo que confessamo nos gratos ao seu
digno autor.
O tomo seguinte deve oceupar-sedests provin-
cia cora a expoaigo do que leve lugar por occa-
siioda augusta visita de SS. MM. II. ella.
E' uma concepcao esta verdaderamente patri-
tica, visto que colecciona, e assim perpetua, to-
das aa demonstrares de verdadeiro monarchis-
mo, que foram dadas aos augustos hospedes ; so
passo que aos vindouros servir de medida para
sierirem o grao de amor a respeilo do povo ao
chefe da naci.
Alea diato, aprsenla esta obra o ioteresse de
conter o grande numero de notaa importanlissi-
mas, j relativas tapographia de alguos lugares,
j com relagio a historia de varios edificios, j
finalmente referentes elhmographia da algumas
localidades.
Achara-se coneurso, com o prazo de ses-
senta dias, os dous officios da pulidor do termo
do Cabo, aecumulaado um as (uuegoes de come-
dor, a outro as de distribuidor.
Os pretndeme* deverio habilitarse e instruir
os seus requerirnnntos na forma do decreto de 30
de agosto de 1851 e aviso de 30 de dezembro de
1854.
O Dr. Joaquim Ferreira Chaves, juiz muni-
cipal e.de orphios do termo de Iagazeire, entrou
em exucicio da respectiva vara.
Na sexta-feira da semana pesssda, no lugar
denominado Campo Grande, freguezia da B.-a-
Viata, foi- barbara e morlalmente espancado, pelas
7 horas da ooito, o cnoulo de nome Simio por
cinco individuos da mesas localidade ; os quaes
no entretanto, segundo nos informara, conser-
vam-se aeu salvo, sera quesetenha dado algu-
ma,provideocia no sentido de prende-tos, como
requer o caso, que nio pode deixar de aer um da-
quelles em que lem legar o procediraento offi-
cial.
Isto posto, ebaataos a aUaoglo da competen-
te autoridade, para que seja averiguado e pun
do esse delicio altenlatori
dual.
Remetiera o seguinte, que
snaa propalas palavrat :
aVa> redactores. Censts-oos que em certas
igreja. na missa de Pesia, as senhoras invadirn
a capaUa-mdr; no Liramala por exemplo, nie
obstante aa reiteradas observacpet do respectivo
capavtio, nao s ellas pralioaraa esta seta Re ir-
reverencia, como era amaos es pulpitos vio-so
rapazes debrugadoa durante todo o acto.
Pan eoerctar aemelhaate aeuto, temramos
que se Reto grades n.capeUa-mr, e (eehe-aa os
pulpitos atetas oceaste*.
Cootla-no mais que certaa iraaadades, que
apreaeotaraa poetaros em noite de Natal, o
querera (azar Re aovo no dia de Auno Boa ; en-
tretanto coosta-uos que ha ama pastoral de S.
Exc. Rva.* qae itw prohibe, a quando mesmo
niq a honraste, pedia o hora leaeo que eaa use
fiase bonito dai atetas igrojan, valo quo tleo-
to do seguraaca iadivi-
publicamos era
mista canta da por exemplo nao satisfaz 1
.aauisi i,,0, le C?nTlD 8 as lautas e exiraordiqanas mesa, que se apreseo-
lam nos consistorios de certas irmandades, e os
eetrondoso viroque paresia oceasiio se azem ;
oelizaente lato so deu na ooite de Natal, e con-
tinuar caso nio appareea uma providencia te-
lera, por quea competir, cootr. semelhanle des-
respeilo so templo de Deas.
Queiram, Sr. redactore, dar publicidade a
esta toacas liaba, ea su. oonceituada Revista
quo mllo'lhe agradecer o seu coo.teoie leitor *
Fidet Calomho. >
Ha alguna dias corre eotre n. o boato de
que se desenvolver em Cruangy, seis leguas
distante de Goianns, uma molestia com carcter
asustador, aa vata da seus tymptomat. e do
numero da petsoii que atseavt.
Apenas eonstou isso, foraa mandados para all
dous mdicos, duas ambulancia, quairo irmiar de
candade, ua lazarista e um capuchinho, am da
soccorrerea, quer oo phyico quer no moral, aos
que (orem atacados desse mal, to qual te tem
querido chamar cholera, e qae julgamos nio pas-
tar dessas molestias que appBrecem na muden-
ca de eatagdes, eom aais ou menos inteosidade.
conforme a localidade atacad..
Honlem reeolheu se i e.la cidade. de volta
das missoes em que se ach.va o Rvm. padre pre-
fetto da Penh.. Pr. Sebttiiao da Virgem. partin-
do na madrugada de hoje, o Rvm. Fr. Egydio de
Gerero, para Cruangy, afim de ministrar os soc-
corros espiriluaes is pessoas atacadas do mal rei-
nante.
Movimeoto da enfermara da casa de de-
tencao do dia 27 de dezembro de 1861.
Tiveram bsixa para a enfermarla :
JoaJosqaim deSant'Anna; (rialdade.
Amaro Jos de Mello; bronchite.
Aotonio Soare. da Silva; vacinado, (ebre.
Antonio Jos Ignacio ; idem dem.
Manoei Rodrigues de Souza ; idem idem."
Manoei Aotooio Pereira da Silva : idem idem.
Clemente Marcelino Gome. ; idem idem.
Joio Matheuados Santos; idem idem.
Clementino Jos de Sant'Aona ; idem idem.
Manoei Gomes da Silva Jnior; idem idem.
Francisco Antonio da Costa ; idem idem.
Laodro Jos de Souza ; idem idem.
Joaquim Jos de Sani'Anna ; idem idem.
Jos Rodrigues da Silv. ; idem Idem.
Raymundo Jos de Sani'Anna ; Idem idem.
Dis 28-
Teve baixa para a enfermarla :
Laurenlino Pioheiro ; febrn loflammatora.
Dia 29.
Tiveram alta da a enfermara -
Antonio Sosres da Silva.
Manoei Rodrigues de Souza.
Clemente Marcelino Gomes.
Joio Mathias dos Santos
Cleroeolino Jos deSant'Anna.
Manoei Gomes da Slv. Jnior.
Francisco Antonio da Costa.
Leandro Jos de Souza.
Dia 30.
Tiveram baixa para a enfermara :
Manoei (esersvo de Fraocis:o Manoei de Barros
Wanderley;; colite.
Manoei (escravo de Fernandes) ; ddres rheuma-
ticas.
Tiveram alia da enfermara :
Antonio Jos Maris.
Raymundo Jos de Sani'Aona.
Jos Rodrigues da Silva.
Joaquim Jos de Sant'Anna.
Antonio Jos Ignacio.
Passageiros do vapor Tocantins, sahido para
os porlos do oorte :Desembargador Andr Bis-
tos de Oliveira, sua fllha e 3 escravos, Quiolilia-
no Bernardo Henriques, Dr. Francisco de Serra
Carneiro, sua senhora e 2 escravos, Aotooio Au-
gusto Correa GuimarSes. CanioC. G. Alcofora-
do, D. Joaquina B. Meira da Fonseca, Daniel J.
Pereira Lima, Pabricio Gomes Pedroao, 1 fllho
menor e i criado.
Passageiros do vspor inglez Tyne, sahido
para os portos do sul : Olympio ae Medeiros.
Victorino Jos de Souza Trava.so, Jos Rodrigues
Pinto Colmbrs, D. Anoa Julia Baptista Cibral,
Jeronymo Lios Ribeiro, Joaquim Maria Ferreira
de Si.
Psssagelros do vapor inglez Tyne, vindo da
Southamptoo e portos intermedios :Christovio
Starr, Jos Ricardo Coelho Junior, Aotooio Jos
Martins, Joaquim Vieira Coelho, Marchelli Cis-
cme Pasquale, Pierre Meyer.
O vapor Oyapoclt, viudo dos portos do nor-
le, Irouxe a seu bordo os seguales passageiros:
L. J Rruoet, sua senhora e 3 criados, Leopol-
do Jos Rodrigues B., Candido Vieira Chaves e 1
escravo, John Watson, Francisco Camello Pessos
de Laeerda, Fraocitco Antonio do Nascimeoto,
Augusto Labelle. Emite Dedier, Theodoro Chris-
liausen e Manoei Jos Martins.
Seguem para e sul:
Manoei do Reg Medeiros, Jos Lama, Aoto-
nio Guiarte da Siiveira, Joio Antonio Moreira da
Rocha e i escravo, Francisco Jos de Souza N.,
Valerio Isidoro Alves de Souza, Miguel Joaquim
dos Santos, Antonio Fernanifes da Silva Leile, sua
senbors e 3 Ulhos.Joo Cassiano da Castro Mene-
zes, Francisco Januario de A. Galvo, 4 soldados,
6 recrutas e 7 escravos a entregar.
MORTALIDAD!- DO Mi 89 DO CORRBXTE .'
Anns Senhorlohs Pessoa deAmorm, Pernambu-
co, 80 annos, viuva, Boa-visla ; interile chro-
nka.
Jos, Pernambuco.A mezes, Santo Aotonio :con-
vulses.
Honorato, Pernambuco, 6 das, Boa-vista : es-
pasmo.
Dia 30.
Gregoria Francisc Coutnho, Rio de Janeiro, 65
annos, viuva, Boa-vista; (ebre intermitente
perniciosa.
Joauna Francisca Reges, Pernambuco, 40 anuos,
solteira, Recite ; repentinamente.
Americo, Maraohao, 9 aonos, Boa-vi.ta ; erysi-
peila.
Joio, Arica, 36 annos, soileiro, escravo, Santo
Antonio; congesto cerebrsl.
Manoei, Pernambuco, 10 anuos, escravo, Santo
Aotonio ; bcesso.
Caetaoo, A(rica, 46 anuos, soileiro. Boa-vista ;
ttano.
Maaoel Leonilo Bastos, Rio Grande do Norte, 20
annos, soileiro. Boa-vista ; elephaotteses.
Anna Theodora Ferreira de Mello, Pernambuco.
79 annos, viuva. Boa-vista ; cerebrite.
CHRONICI. JUDItURIA.
Tribunal do coiumereio.
SESSO ADMINISTRATIVA EM 30 DE DE/F.M-
BRO DE 1861.
PRESIDENCIA DO EXM. SB. DESEMBARGADOR
F. A. D SOUZA.
As 10 hora, da nianhaa, por se acharem s-
mente reunidos os Srs. deputados Basto e Lemot,
o Sr. desembargador presdeote abri a sessao
para mero expediente, designando para servir de
secretario o deputado Lmos.
Em seguida foi lido um officio do secretario do
tribunal do coramercio do Maranbio, em que ae-
cusava a recepto do deste tribunal, que Ihe fdra
dirigido.Que se arebivasse.
Leram-sc tambem dous requerimentos. um de
Joaquim da Silva Coelho, j informado pelo Sfr.
desembargador flscil, pedindo mairicular-se, e
outro de Antonio Jos Das e Loit Antonio Vl-
Jela, pedindo o registro do seu contrato social,
j tambem informado pelo Sr. desembargador
fiscal; do primeiro teve por despacho matri-
cule-se ; e do segundo registfe-se.
Tambem se mandou registrara procurarlo bas-
tante de Joaquim Filippe da Costa, que para este
flm (oi presente ao tribunal.
Eocerrou-se a sessao ao meio-di.
Pablicacoes a pedido.
rrix. 'n..,!Mi jii
O abaixo aasignaJo, retiraado-se para acor-
te, recorre irapreosa para despedir-se de sene
amigos, a queu nao leona podido dirigir-aopDO-
totlmeote, o osTerece-lhat *u diminutopreti-
mo. Aprovola tambora a occoaaie poro agrade-
cer ao Sr. Antonio Jote de Abroo Ribeiro e i sata
excelnntitainu tenhora, o boa iraUmento qae
prodigaiieeraa ao atoixo astigoado durante a
tempo em qoe foi caaxeiro do rao.ato Sr. Ri-
beiro.
Rocife 3 de dezembro de 18W.
Amaro Maiaekims dos Sanios,
'.* Ii ii> S tW'O
'
r


(*)

dUBio i noioiioco:
ll-igln i i. ,, ,.--------4-*U
TERCA flBA SI DB DEZfiMBRO DE ltl.
Ha ailo lempo que o que tora para n-asaos ao-
.epaseadoa religiue culio, a na ooastuetdo ios-
romeoto da prostituico, conerttculo de doas-
ido. Contrista o corceo do verdadeiro eetholico
o ver como hoja se ortica no da aniversario
do nascimeulo de Noato Seohor Jesu Chrtsto ;
dosapuarei-eu a devucao do presan*, em cseme-
moraclo des* sacrosanto myaUrio da Rwiompco
veu>o por quaai todaa aa partea a orgia. Etlare-
moa condemoados a lio lapide decadencia ?
Visto o que boje ge pralica, a priocpalsaeole
cesta Olioda, e enyecialmeole no presep* da Boa
Ora, rollamos aoe Srs. redactores do Diario de
Prnambuco de chamaren) 4 alKacio de polica
para ease ponto, am de que en lempo ea en-
tera calamidades, que podem ser bem (ateas a
familia e e sociedede.
Por este obsequio lhes seri eternamente agra-
decido.

tOMMlRCiO.
Banco do Brasil
A directora da caixa filial, saca -so*
bre o Banco do Brasil qualquer quantia
a ?uta, e ao par. Recife 1T de dezem-
Dro de 1861. O secretarioj, Francisco
JoSo de Barros.
Ca vallo, tocen*, 10 a 13
dem saUadei, 23 a
30 .....
dem idem. 16 a 20 .
dem de Prnambuco, Babia,
Maralo e Par pr t
Seceoa aalg., 26 a 30 %
eapiehartoa 16 e 20
Curlidoa 7 a 9 .
Mulhadua migados, 40
a46lb................
dem do Cear, Parahyba a
Macei por .. .
Seceos aalg. 30aS2.
Motilados a. 45 a 50
Comar. per libra bom. .
Ordinario ....
Eatanho por 112 Iba.....
Gamma ou buen* de paita por
(i rajaba, Ia qualid. 3|7
2 dita. .
lO a 7j0
7i6a ItiO
5(0 a 6[0
6ti2da7 d
8da8 1i2 d
9 d
7 d a 7 5|8 d
4da5d
H 1.4
94|0
por Oyapock, cooimaodante o cepillo da mar
e guerra Ghtvaku Mancebo.
Rio de |a*eirnt die. brigoe noruegoense
dem, da 410 toneladas, capitn L Kntttten,
equipegTm ti, em lastro ; a Roitroo Rooker
& C.
8. Praaciseo (Clifornia)118 das, galera ame-
ricio tabella, de 1300 looeladaa, capilo A.
S., equipagem 86. esrga lia a (ligo ; ao mea-
mo capitao. Veio refresoer e seguio para Li-
verpool.
Navio* tahidos no metmo dia.
Ctoalbrigue hamburgus Rmma, capilo Bol-
lesea, carga aiaucar.
Montevideobarca americaoa Rebecca, capilo
Sas E. Meckuer, carga assucar.
Alfandeara.
endimentodo dial a 28. ,
dem do dia 30. ... ,
590 021*420
19.202*993
609-2l4415
Movimiento da alfandeara.
74
^83
Volumea entrados com faiendaa..
i com ganeroa.
Volamos sabidos
a
com faiendas..
com gneros..
65
264
357
329
por-
s Manoel
Cuoha Irmos
ftC
a Jos de S
Francisco Al-
100 meios de
Descsrregam boje 31 de dezembro.
Brigue brasileiroBeberibecharque.
Brigoe portuguezS. Manoel I sal.
Barca inglezaSaraferro e carvao.
Patacho InglezZeromercadorias.
Barca ingleza Travellerfsrinha
Patacho americanoAobi Thantektaboado.
Importado
Vapor nacional jaguaribe, proc dente do
tos do norte, maoifestou o segua e :
167 ssccos farioha de mandio a
Joaquim Lobato.
27 ditos cera de carneaba
&C.
10 ditos algodo ; a Ser Filhoa|& C.
50 ditos (anuha de mandioca ;
Leitio Jnior.
186 meios de aola, 1 couro salgado ; a Aotunes
Gomes & C.
-391 tritios de sola ; a Jlo Jos de Carralho
Moraes.
2 garajos carne secca e sebo; a
ves de Pinbo.
43 sacros farihaj de mandioca,
sela e 480 c>urinhos de cabra ; a brdem.
Vapor nacional Oyapock, procedente dos porlos
do norte, manlf-aiou o siguite
250 barricas farinha de triso ; a Tasso Irmo.
300 ditas dita de diio ; a N. O. Bieber & C.
25 litas dita de dito ; a Matbeijs & Ferreira.
5 caitas tabaco picado em latas
xeira Baatos.
2 ditas dito dito ; a Matheus &
2 ditaa vinho do porto, 1 di
ordem.
c Exporta cao.
Dia 2S.
Brigue brasileiro Santa Barbara, para o Rio da
Prata, carregaram :
Amorim Irmos & G. pipas agurdenle.
Brigue inglez Kate Me. Lea, para Baltimore
carregaram :
Sauodera Brothers & C. 1.200 saceos com 6,000
arrobas de assucar.
Patacho inglez Harriet para o Qanal, carrega-
Patn Nash & C, 500 saceos com 2,500 arro-
bas de aasucar.
Patacho inglez Zero para Marsieillo, carrega-
Tisset rere & C. 2.000 saceos cojm 10,000 i
robaa de asaucar.
Barca americana Rabeca, para o Rio da Prata.
carregaram :
Jphoston Pater & C.. 325 barrica asaucar.
Vapor Trances Extremadure, para Soutbamptoo.
carregaram : r
F. Dubarry, 5 arrobaa de peonas de ema.
Barca ingleza Cootlance para Sandy Kook. car-
regaram :
Johnston Pater 4 C., 1,500 saceos
arrobas de aaaucsr.
Hecebedoria de rondas lotero)
ajeraes de Prnambuco
Rendimento do dia 1 a 28. 40.9191896
dem do dia 30. #.....4:098l38
45.018O34
a S. T. Tei-
lodrgnes.
la aapatos ;
com 7,500
Consulado provincial.
Rendimento do da 1 a 28. 101-423*080
" da 30......: 7.5761240
108:999#320
dem
BOLETIM.
LIVERPOOL, 8 1)8 DEZEMBRO DE 1861.
ImportacSo.
Livres de direitos para o vendedor.
Oeneros. Preco*
Algodo de Prnambuco por lib.:
Bom.
Mediano.. .
Ordinario. .
dem da Baha, bom. .
Mediano ,
_, Ordinario .
dem do Maranhao, Abra longa
Alcntara .
Itapicor ,
Casias .
dem da machina bom .
Mediano .
Ordinario. .
Assucar por 112 3 do Rio, b. .
Louro. .
Mascavado .
Idam de Prnambuco branca.
Louro: .
Mascavado .
dem da Bahia e Macri b. .
Louro. .
Masca vado .
Balsamo de cu pa iba por a, claro
Turvo. .
Borracha por fina. .
Mediana. .
Ordinaria .
Cabega de Negro
Sernamby. .
dem do Ceari, palles. .
Sernamoy. .
Cacao, por 112 libras:
Para bom.....
Bahia, a.....
Caf, por 112% Rio 1.a sorle.
Segunda .
Escolhido .
dem da Bahia primeira sorte.
Segunda
Escolhido .
dem do Cear....... .
Castanha por 112 s do Para a.
Cebo por 112 do Rio Grande :
Bom e duro.. .
Mediano. ...
Escuro. .
Cara de carnauba, por 112 .
Chifres, por 123 de vacea .
D* bol. .
Cintas doslos por tonelada:
Branca. .
Prata .
Clina por de cavallo .
de vaeca .
Cobre velho, p'.r Ib.....
Conros por 9 do Rio,
Seceos de 30 a 35 .
do 20 a 24
de tiraros, 35 a 40
Idam do Rio Grande, por :
Salgados.de 65 70 .
e do 45 a50
devacca 40 a 48%
12 3(4 d a 13 d
121|4d
12 d
12 1.4 d
12 d
11 3(4 d
13 d
12 1,2 d
12 d a 12 1|4
Nominal
25|0 a 29.
24,0
20|0 a 23.0
25(0 a 29,0
23,0 a 23,6
19|6 a Ttfi
25,0 a 29,0
23|6 a 24.0
19,6 a 23,0
1|8
1|7
1|9
l|3al,71i2
1|1 al,2
MI a 0(11
)-
Nominal
62,0 a 63,0
53,0 a 55,0
55| 58(
50, a54(
62(6 a 67(6
53, a55(
46| a 50,
58| a 60,
60, a68r
20,
52, a 52(6
5li
42| a 45,
70( a 80[
15, a 20[
80,
417fa 5 0|
3,11.
2,10 a 3(2
2)0 a 2,7
3.7 a 3(10
3(0 a 3,5
2,0 a 2(2
2.8 a 30
2(5 a 2.9
1,3 a 2,3
3* dita. .
Pescada. Ia qualidnde
2a dita. .
3 dita. .
Piriaba, Ia "ii .
2* 3' dita. .
Bagro, Ia qaalidada.
2a dita .
Jacaranda por tonelada do Rio.
dem da Bahia......
Gerzelim, por qnarteirao. .
Piasaava par 2240 Ib. do Para
da Bahia.....
Pixurim, por 112 Ib. bom .
Salsa parrilha por libra boa. .
Inferior.....
Tapioca por 112% Rio auperior.
Ordinaria ....
Uruc por % do Para bom .
Fundo/ e Cambios.
Fundos inglezes.
Banco de Inglaterra (acedes) Por 0|0232 a 234
Editaes.
0,8 a 1,1
S 20 a Sr* 2.->
g 14 10( a 18
65( a 70(
31
17 10, a 18
Nenhuma
58,
40, a45|
8 d a 9 d
Consolidados
Reduzidos. .
Fundos novos.
Belgas. .
Brasileiros
Dinamarquezes ...
Hespanhes......
o DiReridos .
Paaaivos. .
Hollandezes.....
*
Mexicanos......
Portuguezes 1856 1857..
1859..
1853..
Rdsso......
Banco de Franca (accOei).
3 90 314 a 91
, 96 3(8 a 90 5,8
. 90 3(8a90 7i8
Eatrangeiroa.
. .41,2-
. 599 a 101
, 4 ll2 87 a 89
381 a 83
, 350 l|2a 5lli2
34U,2a 42
3 16 a 17
2 1.261 a 65
4 98a 100
3 26 3,4 a 27
3 _46 a 47
3 _47 a 47 lt2
599 a 101
1|291a93
.- 2965
A cmara municipal deste eidade publica
para cooheclmento de seus municipes o offlcio
abaiio transcripto, que recebeu do Exm. presi-
dente da provincia, e pode-lhes que atteodendo
a recommendacao (eita por S. Etc., tratera de
empregar todos os seus esforcos na cultura do
tabaco, visto como, raceiando-se que da actual
guerra civil oua Estados-Unidos da America do
Norte, resulte grande diminuido na ana pro-
duccao.
Espera a mesma remara que nao deixario to-
dos os agricultores deste municipio de concorrer
para o deaeovolvimeoto de urna planta que trar
sem euvida grandes vantagena para aquelles que
se empregarem em cultiva-la.
Paco da cmara municipal do Recife em sesso
ordinaria de 21 de dezembro de 1861.Luiz
Francisco de Barros Rgo, presidente.Francis-
co Canuto da Boa-Viagem, official-maior servio-
do de secretario.
Quarta seceo.Palacio do governo de Pr-
nambuco 12 de dezembro de 1861.Seodo con-
sideravel o consumo do tabaco em lodoa oa pon-
toa do globo, e receiando-ae, que da actual guer-
ra civil nos Estados-Unidos da America do Nor-
te, e do abandono em que a cultura deseo ge-
nero tem cahido na Allemaoha resulte grande
diminuidlo na sua producto ; em eumpnmeoto
das ordena imperises, recommeodo cmara mu-
nicipal do Recife, que envide lodos os seus es-
forcos, para que oa lavradores seus municipes
se compenetrem da conveniencia de se entrega-
rem com maior efRcacia e ioleresae ao cultivo
daquella planta que sem duvida compensar em
innmeras vaotageos os sacrificios que titerero.
Por esta occaaio declaro a mesma cmara, que
a aociedane Auxiliadora da Industria Naciooal se
acha incumbida de diligenciar a obtenco de te-
nientes das melhores especies de tabaco, para
aerem deatribuidas peloa agricultores que as so-
licitaren!.A. M. Nuues Goncalves.
jtai
COMPAMU PERMIBCAJU
\avegacao costera a vapoi
Parahiba, Rio Grande do Norte, Ma-
cau do A*u\ Aracaty, Ceara',
Acaracu' e Granja.
O vapor Jsguaribe, commaodaole Lobato,
sahir para osportos do norte de saa escsla at
a Granja no da 4 de jsneiro as 5 horaa da
larde.
Recebe carga at o dia 3 ao meio dia. Eocom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at o dia
da sahida aa 2 horas: escriptorio no Forte do
Maltos n. 1.
Para a ilha de S. Miguel deve seguir com
multa brevidade o brigue escuna portuguez CUo,
capilao Domingos dos Santos. Recebe am reato
de carga a frete e passageiros : a tratar com A-
mortm Irmios, ra da Cruz n. 3, ou com o mes-
mo capillo.
Para Aracaty e Ass.
Hiale Dous Irmos : para carga trate-se com
Martina & Irmo, ou com o meatre Joaquim Jos
da Silveira.
Para
Fundos francezea. 4 1|2 93,75
t 3 69,40
Metaes preciosos.
Ouro em barra.. .P. once 77(9
Portuguez em raoeda. > 75|5
b Brasil.....
Onc,at hetpanholas. .
b b americanas.
Prata em barra ....
Palacaa brasileiras
Pesos columnarios heapau.
Pesos daa repblicas hesp.
mexicanos
>
B
a
B

B
>
B
b 77,6
b 75|6 a 76i0
b 73,6 a 73|8
b 5,1 Il8a5illi4
b 4,111|4
b i,ll 1,2 a 5(6
541115(88 4,11
b 4(11 3,8
. a 4(11 5,8 a 4|U
Cambio*.
. 90 d.d.521(8 a 52 li4
52 1|4 a 52 3,8
. 60 d. v.
. 3 m.d.11.19 3(4
i 13.8 3,4
25.55 a 25.60
. 3d. v. 25.25 25.30
CARGA PARA 0 BRASIL.
Moedat de 5 fr.
Crosadet novos ,
Lisboa. .
Porto. .
Rio de Janeiro.
Ameterdam. .
Hamburgo .
Parts. .
NaVIOS A'
CearLiada15 oe dezembro.
MaranhaoBrooksby21.
ParTil B.i-20.
PeroanibucoMarala7.
IlemEluabeth-25.
MeraNanphanle11.
demLile12.
demFrinculo14.
demDione12.
Numerario.Dinheiro continua em abundan-
cia, e pepal de primeira classe prazoa curtos
descontado com facilidade de 2 1(2 a 2 5(8 0i-
Algodo.Em 27 de novembro, receoea-se
nesia a noticia do ultraje felo bandeira ingleza
pelo cruzeiro do guerra americano S. Jacintbo.
Esta noticia com oa detalhes que a acompanh*-
ram causaram urna sensaco immensa, a ponto de
a* chamaren) rvuuloea para dar folgo e publici-
dade aos seniimontos da naci. Logo que os
aavogadoa da coroa decidiram que o proeedimen-
ta do capilo americano era cootra a lei interna-
cional, e que o governo inglez nao perderia lem-
po em exigir urna ampia aaliafaco ao gabinete
de Washington, o mercado de algodo priocipiou
a baitar, eto grande tem sido o desejode espe-
culadores para realiaar vendas que em numerosos
casos o preco fot tal que ficou sem reserve. A de-
ctinaco do ponto mais alto anda cerca de 2 d.
As entradas este anno, al 6 do correte, mon-
tara em 2,770,020 saccas, incluindo 96,925 do
Brasil. As vendas durante o mesmo periodo
montam em 3,907,380 sacas, incluindo 99,150
do Brasil. Em ser ncaru 605.200 saccas, inrluiu-
no 253.700 da America, 28.650 do Bree. 12,500
do Egypto, 550 das West Indias, e 309,800 da
India.
As aeguiotes sao as vendas efectuadas de dif-
ferentes gneros desde a punlicaco da noisa ul-
tima em 8 de novembro, a saber :
Asaucar.23,940 saceos e 70 caixas de 22(9 a
23,9 pelo de Prnambuco ; 23(9 pelo do Cear ;
2116 a 22,6 pelo da Babia ; 22( pelo de Macei, e
27[ pelo raneo de Prnambuco .Mercado frouxo
e precos tem declinado sensirelmeale desde a da-
la da nossa ultima.
Borracha.34 toneladas de 1 s 7 d a t s 7 1,2
d pela fina, e 10 3(4 d, a 11 d, pela cabeca de
negro. Mercado nominal a 1 s 9 d, aem haver
compradores. Para tentar vendaa vai haver lei-
lo no dia 12, maa pouco ae {ara. A ultima ven-
da em Londres foi de 2 toneladas da fiaa a 1 s 9 J
por Ib.
Caf.960 saccas aoa precos de 50 i pelo do
Rio, ordinario, e 61 s a 66 s6d pelo do Cear
Em viagem urna carga de 3,500 saccaa a 55 a 6d
livre de avaria particular.
Piasaava.15 toneladas a 18.
iJecara..
Cor reio geral.
Relaco das cartas securas rindas do norte
pelo vapor brasileiro Oyapock, para ossenho-
res abaixo declarados :
Antonio de Moura Rulio.
Francisco Blias do Reg Dantas.
Gurgel Irmo.
Joa Mara Ferreira Cunha.
Luiza Mara de Barros.
Manoel Gardoso de Souzs.
Monoel Jos Pereira de Mello.
As mslas que tem de cooduzir o vapor Oy-
apock para oa portoa doaul, aero fechadas ho-
ja (31; as 11 horaa do dia impreterivelmeote, e
so se recebero seguros at 10 horas.
Por esta sabdelegacia ae faz publico que se
achs recolhido casa de detenco a orden e dis-
posico deste juico o preto Marcolioo, que no ac-
to de aer preso declarou ser crioulo, com idade
de 24 annos, e que era eacravo do engeaho Ca-
beca do Porco, perleocente ao Sr. Bnto: quem
ae julgar com direito, compreos, que provando
legalmente Ihe ser entregue.
. Subdelegada dos Afogados 30 de dezembro de
1861.-0 subdelegado.
Jote Boarque Lisboa.
Saldes
oo
*0*ll*r>iO 40 {uO'lu.
* 0
* i. =
M
H
z
M
floral.
Athmotphtra
Diric(o.
3
3
o
e
| Inttmidadi.
I

3 S 8 3 I rmrktnkeit.
S
3 2 2 55
1
J .* 8 SS I Centgrado.
ss
I Bffrometro.
| Cisterna hydrt-
tf trica.

s
U
8
8
8
"8
8
2
8
g
S
8
I
Francex.
Inglez.
n
r-
s
n
6.
A emito claraste aa 11 horas e depois de fortes
* 1UI"**5, agoaceirot, vento E fresco e aaaim amanheceu.
Caes d'Apollo.
Grande baile em despe -
dida ao anno-de 1861 esauda-
co ao anno de 1862.
Terqa eira 31 de dezembro, ter lu-
gar um dos mais lindos e concurridos
bailes que se tenham dados uestes saldes
estando tudo preparado para o tornar
esplendido e magnifico.
Comecar as horas do eos tu me ( 9 da
noite), sendo as entradas para homens
a 2S000 rs. e para senhoras gratis.
Atsos martimos.
m m
8 da 1(8
9 d a 1(0
10 d
9 d a lid
9 d a 10 4
7d a 9d
6t|4da6 5{8d
6 d a 6 7,8 d
5 3[4d 61|4d
OClLAglO DA HARf.
Preamar aa 3 h. 44' da msaha, altura 63 o.
Baiit-mar aa 9 h. 32' da Urda, altura 0.9 p.
Observatorio do arsenal de marinha, 30 4odo-
sembr de 1861.
OSUHO STBPPLI,
1' enle.
Navio* entrado* %o dia 80.
Para e portoa oaurmedloa 7 das e 6 horas
do ultimo porto en 12 horas paquete a vi-
das
Messageries imperiales.
Agencia ra do Trapiche n. 9.
No dia 31 do corrate espra-se doa portos do
aul o vapor francez cEiiremadure, commao-
daole Auber, o qual depois da demora do coa
turne seguir para Bordeaax tocando em S. Vi-
cente (onde ha um vapor em correspondencia
com Gore) e Liaboa.
A companhia enarrega-se de seguraras mer-
cadorias embarcadas a bordo doa vaporea e rece-
be tambem dinheiro e objectos de alor com
destino a Londres em transito por Bordeaos e
Boologne.
Para as condieces frete e passageos a trstar
na agencia.
Acarac
O vapor Iguaraas, da companhia Pernambu-
cana, segu no dia 21 aleo Acarac, recebe car-
ga e passageiros : escriptorio no Forte do Maltos.
Para em direitura.
Sabe noa prximos diaa o bem conhecido hiate
Lindo Paquete, e s pode receber miudezaa: a tra-
tar com oa consignaiarios Almeida Gomes, Alvos
& C, ra da Cruz n. 27.
Rio Grande do Sul
Segn por toda a semana vindonra o patacho
nacional aTigre por estar recebeodo boje 27 de
dezembro a maior parte de sua carga ; recebe
anda cerca de 200 barricas de aasucar, e enera-
ros a freU : trata-se eom Bailar & Oliveira, ra
da Gadeia do Bacilo n. 12.
Para Lisboa.
A veletra e bem eonheeida barca nortugueza
Gratidoe. capitn Antonio Pereira Borges Pes-
ua, pretende seguir com inleira brevidade ;
iem parto de tea carregamento pronpto, para o
resto que Ihe (alta e patsegeiroi, para os quaea
tem excelleotee commoCos, trate-se com seas
coosigosiarioa Atevodo k Meodes, no seo es-
criptorio da ra da Cruz n. 1, ou com o capillo
oa prica.
Rio de Janeiro,
segu por estes dias o veleiro brigoe Cruzeiro
do Sul : pira a pouca carga que Ihe falta, e es-
cravos, Irata-se core os consignatarios Anlunes,
Guimares & C uo largo da Aisembla o. 15.
Para o Rio de Ja-
neiro,
pretende segufr com muila brevidade o brigne
nacional Veloz, tem parle de seu carregamen-
to a bordo ; para o reato que Ihe ftlla trata-se
com os seus consignatarios Azevedo & Hendes.
em seu escriptorio ra da Cruz o. 1.
Da ilha de S Miguel
espera-se al o dia 30 do corrente o patacho por
luguez Lima, por anthonomasia o Papa Milhaa,
de primeira marcha ; para o resto da carga e
passageiros, para os quaes tem escolenles com-
modos, trata-se com os consignatarios Joo do
Reg Lima & Irmo, na roa de Apollo 0.8.
Para o Rio Grande do[Sul Sfgue com muils
bre*'dade s barca Saudade, caplao Joaquim An-
tn!0 Das da Silva, recebe carga a frete e para
Iraiar com Amorim Irmos, [ra da Cruz o. 3.
Para o Rio de Ja
neiro
O veleiro patacho nacional Cspuao, pretende
seguir com muila brevidade, tem parte de seu
carregamenlo prompto, para o reato que Ihe falU.
passageiros e escravos afretes trata-se cornos
seus consignatarios Azevedo & Mondes, no seu
escriptorio ra da Cruz n. 1.
COMPAMU PEUMMBICAIU
DE
Kavegacao costera avapor
O vapor Persinunga commandante Moura, sa-
tura para os portos do sul de saa escsla oo dia 31
de dezembro aa 5 horas da tarde.
Recebe carga at o da 30 ao meio-dia, eocom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at o dia
da sahida as 2 horas : escriptorio no Forte do
Maltos n. 1.
Para a Baha segu o palhabote Soto Amaro,
para alguna pouca carga que Ihe falta trata-se
com seu consignatario Fraorisco L. O. Azevedo,
na ra da Madre de Deus n. 12.
LsMloes.
COK LANCHE.
No primeiro andar do sobrado na roa
Nova d.46.
[AO SIGNAL DA BANDEIRA.]
Pelas 41 horas do dia
TERQA FtIRA 31 DO COKRENTE.
O agente Guimares honrado com a coonanca
do IIIw. Sr. Dr. Antonio Tllela de Caatro lava-
res que se retira psra o centro da provincia far
leilao no dia. hora e lugar cima de seus ricos
movis como aeja mobilia completa de ceregeira
com lampos de marmore, guarda ronpas, com-
modas, orna rara cama a francesa com lodoa
seus accessorios. apparadores, um elegante loi-
lell de Jacaranda, completos apparelhos, calix.
copos, garrafas e outras muilas pecas de gosto e
que sem reserva de preco se vender.
BEM ASSIM
muitas obras de direilo, eogenharia, histricas
etc., etc. O referido agente tem com este leilao
encerrado seus trabalhoa no presente anno, agra-
decendo a franca coadjovsco de aeue amigos e
freguezea pelo que ae coofessa grato.
AVISOS llTV.rSOs.
Perguota-ae a commisso que por meio de
urna subscripcu tirou esmolas pela ra do Rosa-
rio, para um Te-Deum, e como se nao effecluas-
ae dito Te-Deum, par* que nao tem restituido os
dioheiros a aeua dono?
Precisa-so saber se reside nesta praca ou
fora Jos Joaquim de Amorim Bacellar; a iraUr
com Marques Barros & C, largo do Corpo Santo
n. 16 segundo andar.
Na noite de 29 do correte perden-se urna
pulceira de ouro, em urna das ras seguioles
Santa Tberexa e pateo d Carmo, ealreita do Ro-
sario e travessa da mesma, em seguida pela fron-
te do arsenal de guerra ao voltar para a ra da
Prata : a pessoa que a tiver achado e quizer res-
tituir mediante gratiflcaco, dirija-te a ruado
Santa Thereza n. 36.
Preciss-ie alugar urna escrava pira o aer-
vico interno de urna familia pequea, agradando
paga-se bem: quem tiver dirija-ae a ra da
Cruz n. 46, ou na roa do Atalbo, perto da caixa
d'agoa na Boa-Vista.
Aluga se o soto atsobradado da casa da
ra da Roda o. 23, o qual tem os segointts com-
modos: duaj entradas, urna por esta ra e ou-
trapela dos Patos, duas salas, um terraco, dous
quartos, cotloba, cacimba, sumidouro para agoas
servidas, etc., a tratar na praca da Independen-
cia o. 2i.
A abaixo assignada participa a quem con-
vier, que roudou a aua residencia para sen sitio
oa estrada Nova, ende cjolina a nsinar; ha-
vendo mestres de msica, piano, francez egeo-
graphia.
Mara Carneiro de Souxa Laceria Vllla-aecca.
Papagaio.
Da ra Augnsla fugio no papagaio ; quem o
tiver pegado, qnerando reelitui-lo, lee-o mes-
ma ra, casa o 60, que ser recompensado.
lOTKKIi
Terqa eira 14 do prximo vindouro
andarao mpreterivelmente as rodas da
primena parte da primeira lotera a
beneficio da matriz do Limoeiro, oo
consistorio da igreja de N. S. do Rosa-
rio de Santo Antonio, pelas 8 horas da
manh&a.
Os bilhetes e meios hilhetes acham-se
a' venda na thesouraria das loteras ra
do Crespo n. 15 enas casas commissio-
nadas. As sortes de 1000 at a de
6:0000 serao pagas no mesmo da da
exti-accao e por diante em todos os dias
uteis.
Abaixo vSo transcriptos os nmeros
dos 1100 bilhetes e 1000 meios bilhetes
remettidos pelo paquete Tyne para se-
rem vendidos legalmente por minha
corita pelo meu commissionado o Sr.
Antonio dos Santos Yieira na corte do
Ro de Janeiro.
BILHETES.
De ni a 888. 290 a 300, 519 a 552. 601 a 630,
632 a 635. 843 a 866, 891 a 900. 1001 a 1034,
1251 a 1280,1282 a 1285. 1401 a 1434. 1711 a
1729. 1731 a 1745. 2101 a 2119. 212S a 2136,
2365 a 8375, 2377 a 2399. 2567 a 2572, 2574 a
8600, 2767 a 2776. 2778 a 2800, 2968 a 3000,
3001 a 3034, 3*>1 a 3233. 3501 a 35<0, 3571 a
3584, 3747 a 3780. 3801 a 3813, 3815 a 3825,
3827 a 3835. 4229 a 4260. 4301 a 4033. 4508 a
4541. 4701 a 4731. 4941 a 4960, 4971 a 4984,
5025 a 5036, 5039 a 5052, 5054 a 5060. 5201 a
5233. 5420 a 5410, 5442 a 5453. 5701 a 5733,
5839 a 5850, 5871 a 5892.
MEIOS.
183 a 200. 360 a 377, 414 a 431, 733 a 750,
902 a 919.1120 a 1137, 1332 a 1319, 1558 a 1575
1682 a 1692,1694 a 1700, 1883 a 1900. 1983 a
2000. 2001 a 2018. 2233 a 250, 2483 a 2500.
2660 a 2665, 267 a 2678. 2873 a 2874. 2885 a
8900. 3133 a 3150. 3321 a 3338, 3433 a 3150,
3651 a 3662. 3f>( a 3669, 3981 a 4000. 4051 a
4067, 4184 a 4200, 4401 a 4417, 4684 a 4700,
4801 a 4817, 5106 a 5122, 5301 a 5317, 5512 a
5528. 5684 a 5700, 5915 a 5931
BILHETES DE ENCoMMENDAS.
235, 239, 511. 581. 631, 812.1098. 1281. 1730.
2363, 2524, 2933. 3080. 3231. 3521, 3568. 3591.
3716,3720, 3814, 3826. 3839 a 3867. 3869 a
3800. 4261 a 4270,15'6, 4559,4568. 4961 a 4970.
5005, 5038,5061 a 5070. 5261 a 5270. 5118 5U9,
5441, 5461 a 5470. 5761 a 5770y 5838, 5861
>87G.
i.
-
BIEIOSD^OS.
DITOS ICJAES.
2. 7 a 49, 51 a 59. 61. 62, 64 a 100. 107.
111,119. 121, 130.132. 135, 153, 705. 725. 762.
784. 921. 927. 932. 1110. lili. 1118. 1U9, 1186.
1313. 1519. 1611. 1873. 1934. 2015. 2222. 2230.
2159. 2605. 2611. 2612, 2856. 3151. 3460. 3466,
3494. 3499. 3633. 3687, 3926. 3927. 3932. 3934,
3968, 4036. 4605. 4821 a 4830.4861 a 4880, 5105,
5161. 5162. 5164 a 5168. 5170 a 5177, 5361 a 5370,
5391. 5561 a 5570. 5576, 5578, 5661 a 5670, 5961
a 5970, 5986, 5996, 6000.
O thesoureiro,
Antonio Jos' Rodiigues de Souza.
I Ao publico! %
H Leopoldo Ferreira Martina Ribeiro avi- 8
I sa ao publico que seodo depositario da 9
fgt escrava Cecilia, crioula, representando I
ter 40 a 50 aonoa, a qual se achava em 7
leligio pelo juizo da primeira vara mani- If
fciual detla eidade escrivo Saraiva, em 2
viriude de vicios realibitoriosque o com- I
' pradoroSr. l)r. Chrislovo Xavier Lo- I
E pes, aliaga contra o vendedor Luiz Puech I
que realisra essa venda por intermedio
do Sr leiloeiro Hyppolito da Silva, fu-
gira dita escrava da casa delle deposita-
rio anoonciante hontem (29 do corrente)
pelas 4 horas da tarde, da casa de aua
residencia ra da Imperairiz o. 40: ro-
sa portento as autoridades ou a qualquer
I pessoa que appreheodam ou a manaem I
8 levar ao anounciaole e que gratificar S
convenientemente.
ALUGA-SE um ou dous andares
muito decentes, para familia, em urna
das melhores e mais centraes posicoes
desta eidade. A tratar na ra do Quei-
mado, luja de fazendas, n. 18.
ALUGA-SE urna sala com alcova
e um quarto, propria para escriptorio
de advogado ou para homem solteiro,
em urna das melhores e mais centraes
posicoes desta eidade. A tratar na ra
do Quei mado, n. 18, loja de. fazendas.
Aloga-se urna preta de todo servico, cozi-
nha, engomraa, etc : quem precisar dirija-ae a
travessa das Cruzes o. 4. loja de calcado.
Preeisa-se alugar urna escrava para o ser-
virlo interno e externo de nma raaa de familia ;
oa ra da Cadeia do Recife n 53, terceiro andar.
Deaapuareceu no dia 24 do correte, de
Santo Amaro das Salinas, um ca vallo alaso fo-
veiro, cujo conhecido por ter as mos esmbe-
tadas por dentro, e nellas urnas ovas ; portelo
roga se a todas aa pessoas que o achar queira
lvalo padaria da ra da Matriz da Boa-Vista
o. 26. ou no lugar do desapparecimento a Domin-
gos da Silva Ferreira, que ser bem recompensado
Deaeja-se fallar com o Sr. Jos Machado dos
Saotos, Portuguez, a negocio de seo interesse ;
oa taberna grande da Soledade.
Precita aaber-se se nesta eidade exislem ot
Srs. Manoel de Oliveira Noia e Bento Jos Gui-
mares, quelle foi guarda da alfandega, e este
militar; ou algum prente delles qnetra aoouo-
ciar a aua morada, ou dirija-ae ra do Crespo,
loja n.6, esquas da ra do Imperador.
Obra primorosa.
Um santuario representando o calvario e santo
sepulchro, comeado o Senbor Crucificado, bom
e roo ladro, Nossa Seohora, Magdaleoe, S. Joo,
Cinturio e dous guardas do sepulchro, tudo de
madeira ecom perfeico ; quem o pretender, dl-
rija-se a ra do Crespo n. 8, loja da esquina da
ra do Imperador.
Perdeu-ae na manha do dia 27 de dezem-
bro desde a Capunga Nova al oa quatro cantos
oa Boa-Vista, urna toala toda de labyrintho aem
ealar anda incida ; a pessoa que achou-a e le-
va-la roa da Gloria n. 96, aera generosamente
recompensada.
Perdeu-ae no dia 29 do correle em Ooda
desde a praia de S. Fraocisco, rus do mesmo, at
abaixo da ladeira da bicca de S. Pedro, um re-
Ingio patete suiaso de ouro ; roga-se a pessoa
que o achou,-dirija-te a rus da Senzala Novan.
28 : d-se cerUmente todos os sigoaes e recom-
pensar-se-babem.
AtteoQo-
Previne-se as pessoas de bom gosto, que, d'a-
maohem dlaote encoolraro o hotel Trovador oa
ra larga do Rosario n. 44 aborto toda a noite,
asaim como excellente aorvete, boaa fruelas e do-
ces, refrescos feitos machios, e muilas outras
iguarias vootade dos concurrentes, como sejam
pudins, bolos, ete. ; emfim, o proprielario espe-
ra que todas aa pessoas que o quizerem honrar
com auaa preseacas, nao deixsro de sahirem aa-
lisfeiUs.
Alerta polica !!!
Pede-ae encarecidamente ao JUm. Sr. Dr, che-
fe de polica, que lauca suat vistea para aa ou-
merosaa casas de tabolagem, que exiale nesU ei-
dade, e com especialidade para as duas do Mea-
teiro e Poco da Psnella, intituladas Padre eFer-
rolko. J basta e>m tanto escndalo, sensores
trampolioeiroa I J,S muito o dioheiro qne haveia
ronbado dos iooxperientes rapazas e pees do te-
rnilla.
O grnlkm.
A pessoa
viada oo vapor Oapoek que reeeboo oa Pa
rahiba, cartas dirigidas. a Southa Metiera 4 .
desta praca, baja de as mandar aatregar boje sem
falla.
A mulata Hermina, filha de Mathil-
de, cabra, escra?a do Sr. Dr. Buarque e
que ltimamente foi vendida pelo Sr.
Dr. Jos dos Santos Nones de Oliveira,
ausentou-se no dia 27 do corrente da
casa do seu senhor, levando consigo
urna cria de 5 mezes pouco mais ou me-
nos : pede-se pois as autoridades poli-
ciaes a sua apprehencao, e a qualquer
pessoa que a levar a ra da Cadeia Velha
n. 25, se gratificara'com generosidade.
Da casa do abaixo assigoado fuglo no dia 13
do correle um preto escravo crioulo por come
Raymundo, de iiade30 toos, pouco mais ou
meos, com os sigoaes segatotes: batxo, secco
do corpo, pouea barba, tem oo dedo grande do
p esqueno nm deleito que forma um gancho,
levou caiga aznl, camisa de algodo, ceroula, cha-
pen de baia preta, levando mais comsigo om
cavallo rugo gordo com caogaths, um par de sac-
eos, urna rede, e enasta que fdra para banda do
engeoho Prejuky, sonde tem mulher e albos, o
Goiaaaa aoode tem pareles ; este escravo alle-
ga que tem ido a mandado do seu seohor, o que
tal oo hs : quem o pegsr leve ao Passelo Publi-
co, loja n. 11, de Firmiano Jnior.
Attencao
Fugio do Ritcho de Paaellaa, am mulato do
estatura baixa, corpo grosso, deotes limados,
ulnos pretos e grandes, caballos calalos, e ps
regulares, cujo mulato te chama Faustino, de
idade de 15 a 18 annos, levou ceroula e camisa
de algodo atul. Foi visto nesta praca em disa
da semana atrasada,em um comboi vindo daquet-
le lugar. Roga-se a todas as autoridades e ca-
piies de campo a captura do diio mulato, o
qual poder ser entregue no referido logar ao aeu
senhor, Domingos Antonio das Neves, ou nesta
praga ao Sr. Manoel Ignacio de Oliveira Lobo,
qne recompensar com generosidade. Outro-
aim, protesta-se contra quem c tiver acontado

Escrava.
pooco'fandoi.i____,
Giqui; a pea-
Compra-se urna escravt na ra de S. Francis-
co defronte do o 30. esquino do paleo do Parai-
io, p_.u sat!*2er nm. enr mmenda. com Unto
que saiba engommar e ir, e se garanta aua
conducta e aaude. ?w -
Veode-ie urna taberna com
bem atreguezada oo aterrioho do -.,
sua que qnizer cootratar. dirija-se a mesma ta-
berua a qualquer hora do dia.
Veode-se trsvHJsmeoto de 40 palmos, de
de muito boa qualidade, oa estacSo daa Cinco
Pootas ; a iraiar oa taberoa defroote da matriz
oova o. 2.
|I\a loja ao p do*
% arco de Santo]
| Antonio.
Ghegou a mais supe-
rior esUmeuha para ha*
H bitos dos irmos da or-
dem terceira de S. Fran-
cisco.
'
"Veode-se a metade do (terreno que
existe no becco doFerreiro freguezia da
Boa-Vista desta eidade, o qual terreno.^
tem apenas um telheiro e offerece bom
local para edificarle: na ra do Impe-
rador n. 54, primeiro andar para
tratar.
Numero 97.
Veode-se a verdadeira graxa n 97, contendo
cada barrica 15 duzias de poies: oo armsxem n.
4 defroote da porta da alfandega.
A. 16:000 rs. para acabar.
Manteletes de seda pretoa : na ra do Qnei-
mado n.47, Umbem vende paletotsde panno fino
forrado de aeda, pelo mesmo preco.
Novos cinteiros de fitas'com
pontas cahidas e franjas,
K loja d'aguia branca acaba de receber pelo
vapor inglez os to procurados e multo bonitos
cinteiros de fitas com pootas cahidss e franjas, o
por isso podem agora ser satisfactoria mete ser-
vidas as senhoras qne a deseiavam ; ellesacham-
e nicamente nadita loja d'aguia branca, roa do
Queimado o. 16.
1
I

J- FERREIRA YILLELA
RETBATXSTA
DA
AUGUSTA CASA IMPERIAL,
Boa da Cabuga n. 18, ,.* snala
e*rmda pelo pasteo alas matriz.
Retraloa porambroiypo, per melainoiypo, so-
bre panno encerado, aobre talco, eapeciaea para
pulceiras. alfinetea ou cassoleUs. Na mesma
casa exiale nm completo e abundante sortimento
de rlela ctos fraocezea e a me rica noa para a col-
locaco dos retratos. Ha tambem para este mes-
mo nm cassoleUs e delicados alfloelea de ouro
de lei; retratos em photograpfaia das priocipaea
persooageos da Europa ; stereoacopos o vistas
atereoacopicaa, aaaim como vidros para ambrotypo
e chimieaa pbolographicaa.
S Aviso aos pais %
% de familias 2
Manoel Jos de Faria Simoes 9
I professor particular de primei- W
9 ras lettras, na eidade do Rio For- 9
8# moto, e hoje morador nesta ci- #
dade, competentemente licen-
ciado pelo Exm. Sr. director W
W geral da instruccBo publica, 9
9 pretende abrir sua aula pelo me- 9
> thodo Gastillio no dia 7 de ja- 9
W neiro vindouro, no primeiro 9
9 andar do sobrado n. 25 da roa #
da Penha. 0
SO dito professor promette, aos 9
Srs. paes de familias, envidar #
todos os esforcos a seu alcance 9
afim de dar real approveitamen- 9
to a s*us discpulos e nao per- 9
der o bom conceito que tem pee 9
mereceu durante 18 annos que 9
exerceu q_u magisterio. 9
i_____________________________ __ -^j
r*
fi
'<
i
v


_______________________________________________________________________________. -.
r*-
'" %.

y
e da urna ama fon, petra-ie da
meia idade, par o servico da compras, na ra
Bella o. 38.
lten$ao.
Para as provincias de Pernambuco, Parabiba,
Grande do Norte, Gear e Alagoas, a saber:
i lea maniere!
lea seeaeM. ^Betrevant a l'armerem do Frogres-
sivo a Prograesista place do Carmo d. 9, et roa
daa Cr-aas n, 36.
Precia*-ae alugar ama eecrava que aeja de
boa contacta, para o servico de coiiohar e eo-
geeamat esa. urna casa da familia : na ra do Vi-
ajarlo n. I.
Precisa-se
OA
et la plus saleare de tous1
* V^toBte Po^inha de porta, contendo o kalendario, pocas geraes, nacionaes, dias
de galla, tabella de la Ivas, noticns planetaria, eclipses, partida*
de correioi, audiencias, e resumo de chronologia, a ris .
Folhinba de algibeira e variedade, a qual contm todas as materias das
de porta e mais tabellas do nascimento, e ocaso do sol, das ma-
res, casa e familia imperial, nomes e ttulos dos chefes dos
principaes estados do mundo, tabella da arrecadacSo do sello,
dita do porte das cartas, partida dos paquetes brasileiros e euro*
peus, tabella dos impostes geraes, provinciaes. e mumcipaes, re-
gulameotos de incendios, e entrudo, e algumas pusturas munici-
paes, artigossobre agricultura, economas, modo de fabricar gelo,
prognostico do fim do mundo, cotlecSo de remedios, a ris. .
Dita religiosa, contendo todas as materias das de porta, e mais tabellas do
nascimento,e ocaso do sol, das mares, casa e familia imperial,
nomes e ttulos dos chefes do principaes estados do mundo, ta-
bella da arrecadacSo do sello, dita do porte das cartas, partida dos
paquetes brazileiros e europeus, tabella dos impostes geraes, pro-
vinciaes, e municipaes, regulamentosde incendios, e entrudo, e al-
gumas posturas municipaes, trezenario e mais oracdesde S. Fran-
cisco de Paula, colleccSo de oracSes para todos os estados da vida,
e novena da Senhora Sant'Anna, a ris........
da alugar onfa escrava para o aervico da caaa,
sendo que eogomme e eoaaboe bem : a tratar em
F6ra da Portas roa doa Guararapes o. 90.
Precisa-se de ama ama para comprar e eoii-
abar m caaa do pouca familia : na ra do Ca-
bug n 3, segundo andar.
Alaga-se o prtmeiro andar da casa da ra
da Seniala Vetba n. 36: a tratar na ra do Cres-
po a. 19.
Precisa-se de urna preta que saiba engom-
mar, lavar e coilnhar, para urna casa de pouca
familia, pags-ae bem e aa promette mutto bom
tratameato ; na ra daa Cruzes n. 20, segundo
aadar.
Sociedade bancaria.
Amorim, Fragoso, Sntoa & C. sacara a tomam
saques sobra a praca da Lisboa.
Aluga-se o segando andar da caaa n. 183da
roa Imperial, a o aegnndo da ra da lmperatriz
a. 188 : a tratar na ra da Aurora n. 36.
O abano assigoado faz scienle aos herdei-
roa da finada O. Brites Sebastiana de Moraea,
proprietaria do engeobo Iohaman, que a dita se-
obora achava-ae a deverme 2:240 constante de
urna letra vencida em abril de 1860, correodo
juros, proveniente das reodas de cinco annos da
parte qua tenbo no referido engenbo, seodo a
renda annaal de 400, e de mais 1:200$ de trea
aunos que tena da veocer-se o terceiro dito em
znaio futuro de 1862, resallando toda a quan-
tia at 15 do corrate mez de dezembro, em
3.8951460 ; e para nao haver duvida faco esta
advertencia am da ficarem certiflcadoa, e no
tempo competente de auas parlilbas appartcerei
com os documentoa para seren aeparados os
bens precisos para esso pagamento.
Joao Marques Bacalbo.
Criado.
Praciaa-se de om criado para todo servico da
urna casa de pouca ramilfa ; a tratar na roa da
Cadeia do Recife n. 59, primeiro andar.
Aluga-se um escravo bom carroceiro, tam-
bera serve para criado de casa estraogeira, do
que ji tem pratica, ou para outro qualquer servi-
co : na raa do Livramento n. 22, terceiro andar.
&M*\
160
320
320
Acha-seno prelo o almanak civil, ecclesiastico, administrativo, agrco-
la, commercial e industrial, o qual sahira' no fim do mez de dezembro, nao po-
dendo ser antes pelas mudancas.
Precisa-se de ama ama forra ou captiva (pre-
fere-se captiva) para o servico interno e externo
de ama caaa de urna aenhora em Cachang, mas
que saiba cozinbar e eogommar bem, paga-se
bem ; a tratar na ra da Cadaia do Recife, loia
numero 11.
Furto de ca vallo.
Na noite de sabbado SI do correte para do
mingo furtaram dous quarloa capadoa grandes,
um rugo pedrez e o oolro preto com dous pea
calcados, ambos trabatham na carroca, e tem sig-
na! nos peitoa : quem souber delles participe ao
seo dono na raa Imperial n. 235, que ser gra-
tificado.
Aluga-se o primeiro andar da casa
n. 12, da ra do Encantamento muito
fresca, e com poucos commodos: tra-
tar na ra da Cadeia n. 33, com Joao
Ribeiro Lopes, ou no armazem da mes
ma casa.
D* casa do abaixo assignado desappareceu
no da 20 do correle um cabrinha de nome Be-
nedicto, de idade de 10 a 1-2 annos, levou camisa
de rlscadiohode cor, tem ums marca de ferida
em urna perna : quem o pegar leve-o ra daz
Trincheiraa o. 48, ou paleo (do Carmo n. 15, que
se recompensar.
Joaqnim Elviro Alves Silva.
C R. Pioke vai para Macei.
Preciaa-se de dousamsasadores de padaria,
que entendaos de fazer pao e bolacha ; os que
estiverem oestas circunstancias, dirija-se a pa-
daria da ra larga do Kosario n. 16, porto do
quartel de polica, que acbari com quem tratar.
O Sr. JoSo Hyppolito de Meira Li-
ma, queira appareoc nesta typographia
que se Ibe precisa fallar.
Madama viuva Lecomte.
Tam a boora de participar ao publico, e par-
ticularmente aos amigos e freguezes do seu Aa-
do marido, que ella contina por aua coota e de
aeus filhos menores com o negocio do sea bem
conhecido e afamado eatabelecimento, situado
ra da lmperatriz n. 7, que acha-ae completa-
mente aorttdo de perfumarlas de qualidades su-
periores, e especiaes, viadas directamente de
Paris, assim como muilos e variados objectos de
fantasia, de gosto, e ds ultima moda, proprios
para preseotesr nesta occasio da proximidade
daa testas.
Os consumidores de luvas da Jouvin, acbaro
sempre suriimentos frescos, regularmente che-
gados, pelos vapores Inglezes a Prancezes.
Ella contina a receber encommendasde quaes-
quer obraa de cabellereiro para ambos os sexos,
as qaaes serio executadas com toda perfeicao e
promptidao, e sobre ludo por precos rasos veis.
A sala da cortar os cabellos estar aberta, aos
seohores freguezes, das 7 horas da maohia as 9
da noite; o preco do corle de csbetlo aem frisa-
manto flxado 500 ris, corle de cabello o frl-
samento 1000 ris.
> Madama viuva Lecomte, tendo concluido o in-
ventario das fazendas e mafs bens do seu casal,
asta resblvida, psra dar prompta extraccio a
muitos artigos, de vend-loa a dinheiro, mais
barato do que de coslume.
Ella coala com a contiouacao do coocurso doa
numerosos freguezes de sen eatabelecimento, e
desda j declara, qua ella far todoa saus extor-
cas, para tornar-se cada vez msia merecedora da
confiase* da todoa.
Est para alagar a loja do sobrado da ra
da Aurora n, 80 : a tratar na mesma casa, se-
gando andar.
Quem precisar de ama ama para coziohar
e eogommar, dirija-aa a roa do Imperador n. 14.
D. R. Marliny a Guiller, natural de Madrid,
retira-se para a Europa.
A tintureira que morou nos Marlyrios mu-
dou-ae para a roa Augusta n. 16, porto para a
do Alecrim, sonde tem taboleta, e contina a Un-
gir de todas aa corea a preco commodo.
Os credores da toassa fallida da Jos Luis
Pereira Jnior sao convidados psrs reoeberem o
primeiro dividendo oa esas dos adminiatradorea
aa raa da Cadeia do Recife n. 4.
Aluga-se um mulato com 18 annos, pro-
prlo para criado : a tratar na roa da lmperatriz
numero 97.
Preciaa-se alugar urna preta que saiba co-
ziohar t S da Concordia a. 1, serrarla.
Alga-se um grande armazem no caes do
Ramos: a tratar coa Jos Bygino de Miranda.
= Charles Aron raliri-se psra Europa e dei-
xa por seu procarador Bernardo I aymundo Las-
serr.
Precisa se alugar urna escrava que
teja de boa conducta pan o servico
interno de casa de familia, engommar e especialmente cozinbar
e agradando perceber boa aluguel, e
tera" bonj tratamiento; na ra da Auro-
ra sobrado n. 58. '
Precisarse de um forneiro aa padaria ia
Si larga do Roaario o. 16, junto ao quartel de
Meta. Na mea a precisa-se de um eodahetsa
e aiojneaa aar neoito boca.
Precisa-aa de om caiieiro que tenha bas-
O dentista Numa Pompilio.
Ra estreita do Rosario n. 22, pri-
meiro andar.
planta den tes pela pressao do sr, por molas a li-
gaduras, e faz todas aa operaedes de saa arte.
Precisa-se alugar um preto, dando-se o
sustento, a paga-se mensa I ou semanal, para o
servico desta typographia : na livraria ns. 6 e 8
da praca da Iodependencia.
Na ra Direita, sobrado de um andar n. 33,
defronte da padaria de Jos Luiz, faz-se pastis
de carne, feitio de Pariz ; quem quizer mande
encommendarna vespera de fests : tambem se
tazeoa bandejas de bolinhosde diferentes model-
los.com muita perfeicao ; vendem-se doces sec-
eos de caj, liroao. mangaba, abobora. jaleas,
doces de ovos, e mais arranjos precisos para me-
sa, jalea de aubstancia.
Carvalho, Nogueira &. C. na ra
do Vigario n. 9 primeiro andar, sacam
sobre Lisboa e Porto.
Memorias
da viagem de SS. MM. II.
s provincias do norte.
Os seohores que subiere vera m para a impres-
sao daa Memorias da Viagem de SS. UM. II. s
provincias do norte, qaeiram mandar receber o
primeiro volume na livraria ns. 6 e 8 da praca
da Iodependencia, mandando levar o importe os
que anda nio o liverem pago.
Aluga-se a casa terrea n. 54 da ra do
Brum, propria para grande familia : a tratar na
ra dos Guararap*. d_ 46.
Na ra do Vigario u%33, primeiro andar,
precisa-se alugar um prelaf para fazer o servico
de urna casa de familia, preferiodo-se que saiba
tocar canoa de carreira.
Aluga se
o armazem n. 22 da ra do Imperador: a tratar
aa ra do Crespo n. 17.
O Sr. GejhTldo Correia Lima queira appare-
cer nesta typographia, que se Ihe precisa fallar.
NOVAS JOIAS
Serafim ii Irmio com loja de ourivea na es-
quina da ra do Cabug n. 11, confronte ao pa-
leo da matriz de Santo Antonio, franqoeiam ao
publico o escolherem aa maia modernas e delica-
das obraa de ouro muito em conla e novamente
ebegadaa ; garantem a qualidade do ouro, pas-
eando cor.ias com as necessariis declararles nos
recibos; tambem trocara w recebem para fazer e
concertar toda e qualquer joia : os mesmoa pre-
vioem que ninguem se dpixe Iludir por indivi-
duos que sndam vendeodo jotas por fra desta
praca, dizendo serem da/casa dos mesmos, pois
nunca liveram. nem lm pessoa alguma encarre-
gada de vender joias suaa.
Guimares Luz
em consequancia de estarem na liquidacao do
fiado, outra vez rogara a todos os sens devedores
em geral que tenham a bondade de vir ou man-
daren] pagar seus dbitos at o fim do mez de
jaoeiro prximo futuro; aquellea que assim o nao
ozerem tenham paciencia, que suas contas serio
entregues no principio de fevereiro ao procara-
dor para serem cobradas judicialmente. Recife
13 de dezembro de 1861.
Fogo do ar
Continua-se a receber encommendas de tudo
quanto for relativo a esta arte, ha muito contie-
nda fabrica de fogo de artificio do fallecido Ru-
fino : no bazar pernambucano da roa do Impe-
rador n. 6.
Aranaga, Hijo & C.sacam sobre
o Rio de Janeiro.
Compras.
Comprsm-se acedes do novo banco da Per-
nambuco : no escriptorio de Maaoel Ignacio de
Oliveira & Filho, largo do Corpo Santo.
Compra-se urna escrava com aa habilidades
precisas para ama casa de familia, e que tenha
bom comportsmeoto.
V andas.
Superior rep de Lisboa em
frascos.
Vende-se superior rap princeza-Braail em
frascos, chegado no utirao vapor francez Etlrt-
madure, na loja da boa-f, ra do Queimado
n. 22.
i A ra do Queimado !
numero 10.
Loja de 4 portas
S DE !
gFerro < Maia.;
E' chegado um completo sorlimento .
V das ssguiotes fazendas, o mais moderno '
A que tem app.recldo no mercado : l
Chapeos pretos para hornera.
Ditos de palha para senhora.-----*
Ditoa de pellica para meninos a meninas,
daa Borzeguins para homam e aenhora por
menos preco deque em outra qual-
W quer parte.
Riquissimss capinhss de grosdenaples
preto bordados para senhora.
Ditas de caxemira dita.
(P Casareques braocos bordados.
dBh Siotos donrados do ultimo gosto.
~? Eoleites de retroz e missanga.
W Baldes de duss sai as o mais rico que V
| tem apparecido. q$
Urna bar caca.
Vende-se ma barcaga do porte de 35 caisas,
encalhadano estaleiro do mestre carpinteiro Ja-
cinthoEleroao, ao p da fortaleza das Cinco Pon-
tas, sonde pode ser vista o examinada pelos pre-
teudentes ; vende-se a prazo oa a dinheiro ; a
tratar com Manoel Alves Guerrs, na ra do Tra-
piche n. 14.
superior qualidade corado
para acabar a 10,15, SO.
Ra do Queimado n. 10, loja
de 4 portas.
Vende-se panno verde, preto, azul eor de
caf, covado 39.
Casemira preta
1*600 e 1800.
Chales de touquim
SO 40
Superiores cortea de seda o maia moderno qua
tem viodo ao mercado a 90, 100 a 120J).
Sediohas de quadrinbaa e flores, superior fa-
zenda e moderno gosto, covado. 800. la e iy400.
Chaly, superior fazenda, covado, 500 rs.
Mimo do cao, fazenda para veatido de senhora.
ovado 500 re.
Talmaa e manteletes pretos a 18,10 e 25.
Superiores vestidos brincos bordsdos a 80, 25
a .Uv"
Caasaa francezaa Sosa, covado, 240 rs.
Corlea de cassas de salplcos. um 3 e 8X500.
Cortes de seda preta a 251. 30, 35 e 40.
Lencoa da aeda a 600 e 800 re.
Lia de qosdroa psra vestido de sdJbhora t ron-
pa da meninos, covado 240 rs.
Grosdenaple preto, covado 1280.
Chales de merino bordados a 4f.
Chitas frsncezas escuras, covado 240 rs.
Meias de algodio cr para homem a 4.
Cortea de velludo para collete a 3*500 e 4000
Paletots de brim a 3 e4
Chapeoa de sol do seda para senhora e meni-
nas a 3 e 4J.
Leques paja aenhora e meninaa a 3 e 4.
EspartilhoV para aennora e meninas a 3 a4.
ChsMos dr pellica para meninos e meninas.
Chapeos de palha para senhora.
Chapelinas de aeda para senhora a 8 e 10$.
Camisas abertas de renda para senhora a 2 e
3g000.
Grosdeoaple amarello com um pequeo toque
de mofo, covado 600 e 700 rs.
Paletot, caiga e collete de caaemira, pelo bara-
issimo preco de 25
Ceroulss escocezas, urna 1200.
Cortea de baregecom duassaias a 8 e 10.
Cortes de seda escoceza, superior fazenda, com
13a 15 covados cada urna 10.
Camisas inglezaa com peilosde linho e com nm
queno mofo, duzia 25$.
Paletots de alpaca, um 9.
Cortea de caaemira um 39500.
Cha lea de lia e aeda, superior fazenna, a 3|500
Lencos de cambraia de linho bordados com ti-
co, a 3. 5, 6 e 8.
Ditos de dita para homem, duzia, 6, 8, 10,12
e 14.
Setim preto maco o melhor que tem appare-
cido. covado 3.
Chapeos deso de seds para homem um 6.
Ditos dito de dita ingleza para homem, um 9,
10 e 12.
Baldes para senhora. um, 3 e 4.
Panno de linho do Porto com 12 palmos de lar-
gura para leoc.es, vara a 3200 e 3400.
Lencos de cambraia bordados com bico. duzia
a2$500.
Gallinhaa de cambraia bordaaae, ama 890 rs.
MaoguJloerMita difea, um tV
Camisas para meairios, duzia 15.
Pilo da liobo bordado, vara IjtOO.
Dito da de liso, vara l4J00.
Cortes de brim de linho, nm l600.
Loja das 6 por-
- tas em frente do
Livramento.
Chapeos deso de alpaca a hjf.
Duzia de melascrass para bosnem a
19200 e o par. ISO rs., ditas brancaa
muito flnaa a 2$5O0 a duzia, lencoa da
caasa com barra de corea a 120 rs. cada
um, ditos brancosa 160 rs., baldes da
20 e 80 arcoa a 3$. ISazinha para ves-
tidos a 240 o covado, chales de merino
ostampsdos finos a 5 e 6, tarlalana
branca a da cores muito fina com vara
amela de largura a 480 ra. o covado,
fil de linho liaos 640 ra. a vara, pe-
caa de eambrala lias fina a 3, caaaaa
de cores para vestidos a 200 rs. o co-
rado, mussulina encarnada a 320 ra o
covado,calcinhaapar* menina de escola
a 1$ o par, gravatinhae de tranca a 160
ra., petos para camisa a 200 rs. cada
um dusia 2. pecas decambrsia desal-
pico muito fina a 39500, pecas de bre-
tanba de rolo a 2. chitas francesas a
220 e 240 rs. o corado, a loja est
aberta das6 horas da manhia aa 9 da
noite.
I
as
Largo da Assembla
numero 15.
Ha continuamente neste estabeleclmenlo
segaintes fazendas para vender, por menos pre-
co que em outra qualquer parle.
Cera de carnauba da nova safra e primeira Qua-
lidade. 1
Cebo do Porto em pao e velas.
Sola ou raquetas de differentes qualidades.
Courinhos curtidos.
Farinha de mandioca muito ora, qualidade
igusl a de Muribeca, milho noro, saceos muito
grandes.
Vende-se um csrro noro de rolla inteirs
psraserTijo ds alfandega : quem o pretender, di-
rija-ae a ruada lmperatriz n. 26, E' pechincha.
Cera de carnauba de pri-
meira qualidade.
Vende-se em porclo e a retalho de urna sscca
para cima e por commodo preco: na ra da Ma-
dre de Dos confronte a botica n. 30.
_ Vendem-se libras esterlinss; no escripto-
rio de Amorim Irmaos, ra da Cruz n. 3.
Attencao.
Unco Pontaa osegalote : car rocas pera bol. dl-
S'.rTaU.'!.0' V\? SPKM-
r!I. -H ng'' ""^ rodH-para car-
^' .ttrnli 'os, torrsdores de caf coca
S i.* ^f"' d# fo". ndelraa. ferros de rol-
.. VL .-l" 1MaJ". dobradicas de cham-
toVri h^" V U""h0. Chadraa d fawplh.,
^.b^VoSso KS. ^R -
Novidade no tor-
radorj
23 targii 4o Teres) 23.
Qoeijoa flamengos muito Ireacaes, (befados
e640, m.nteiga ingleza flaca900 800r*! em
por5io se far abatimsnto, assim romo se lorram
outros muitos gneros pertenceotes a molhadoa
assim como sjm. saf, primeira aegauda aor-
ta, arroz, ralaa de eapermacate a carnauba, acei-
te doce e rinagra, a rinos, se rendem por ma-
noseo que em outra qualquer parto a dinheiro
Chapeos de palha.
O mais lindo aortimeoto de chapeos de palha
daa tormas aa maia modernas de Paria, para se-
nhoras e meninas, ricos sintos ultima moda, di-
tos com lacos bordados : na ra do Crespo o 4
casa de J. Falque.
Liquidaco
de fazendas modernas para
senhora.
Vendem-se ricoa enfeitea a tarea psra tabee
* S500,^6 3500' dltM B,oi, fi00 G.ribaldi
a 5$ e 5500 ricos cintos s 2500, ditos doora-
do* a 3$, golinh.s a 500 rs. ditas com boiosinhoa
\!r "" "i.Df!ll0,k 70 "- ^Baa para
A dinheiro.
Potassa da Russia,
A 200 rs. a Hora.
O bem conhecido deposito da na de Apollo n.
24 recebeu directamente peloiullimo navio a bem
conhecida e acreditada potassa da Rassia, e et
rendendo a 200 rs. a libra, dinheiro 4 rista.
Canarios
de Portugal muito cantadores
proprioa para presentes e por preco commodo ;
no armazem da estrella, largo do Psraizon.14.
MM & m
Esperanza.
forro para trabalhar
a tratar na roa da
Prociaa-ae de oro menino
em ama fabrica de velas
Cruz n. 26, armazem.
Antonio Jos Pereira aluga ou rende o seu
sitio em Santo Amaro, paasando a caaa da Hita.
Sr. Antonio Jos Gomes do Crrelo ; os preten-
deres dirijam-se a rus Nora n. 26, loja.
Criado.
Precisa-se de um criado rorro para todo servi-
co de casa de homem solteiro, a que airra para
carregar agua no chafariz: a tratar na ra da
Cruz, armazem n. 26.
ESTRADA DE FERRO
DO
Recife a Sao Francisco
(limitada.)
Pelo presente se ss publico qua do 1Q da Ja-
neiro de 1M1 am diaote todas as meresdorias
remetlidas para a cidade do Recife pala mesma
va farrea serio enviadas, se assim esigiram, da
ettacao das Cinco Ponlaa, palo mar para o depa-
sito dos Srs. Velloso & Dantas no caes do Apollo.
E. H. Brsmah.
Superintendente.
Festa A* Seniora do Nlon-
i craQUmda.
O lllm. Sr. D. Abbada de S. Barita, de secerdt.
cerno abaixo asaigeado, transiere a meeaaa fea-
tado dia 31 do correte mes para 12 de Janeiro
de1^.-M..oalLuUyi.eee.
Precisa aa da umalaesa 4,4* saiba coziohar
de taberna eseis intelligente : a tra-le engommar; airas da matriz de Santo Antonio
Boaario da Boa-Vists a. 88. la. 28, primeiro aadar. f
36, ra das Cruzes de Santo Antonio, 36,
PROGRESSIVO
- l^rgo do fcarmo
^
saces, Feiioria velho, seeeo e chamisso
Receben de sua encommenda pulcai-
f ras de cabello qua vende por 10 o par, s]
I braceletes de mosaicos a 6 cada um,
T agulhas victoria a 120 rs. o papel, pen- *
t tea de tartaruga a 8, 10 e 12$. precos %
| porque ninguem pode reoder (boa fa-
k senda) estes artigos nao se encontra em g
^ loja uenhuma porissoraoa ruadoQuei- V
j> mado n. 33 A, loja da Esperanca. |
Esperancareduz a exprs-i
sao mais simples.
g (A' DINHEIRO.)
9 Todos os artigos que estao na loja A
rs muito barato quem quizer ri comprar e
J rer : rus do Queimado n. 33 A, Gaima- *"
9 raes & Rocha. 9

SABAO.
Joaquina Francisco da Hallo Santos ariaa aoa
isua(roguezeadesta praca e oade fra, que tem
exposto i renda sabio da auafabricadenominada
RecifeDoarmazem doaSra. Travassos Janior
& C, na ra do Amorim n .58; massa amarada,
eaatanha, preta a outraa qualidadea por menor
prego qae de oatrasfabriess. No maamo arma-
bam tam faite oaeu depoaito d a valsa da carnai-
zasimplessam mistara alguma, como as da
compoaicao.
Lindas flores.
Na loja d'aguia de ouro, ra doCabugi o. 1 B,
receberam de sua propria encommenda um com-
pleto aortimeoto de flores, o msls (loo que pos-
si re eacontrar.proprias para enfeitea de caneca oa
vestido, cousa muito chique, qae e vende por
preso que admira, sendo a 800 e 1 o cacho.
0 Pavo.
Veoda-sa eslembas bordsdas psra meninaa a
1, loras de seda tanto psra aenhora como para
homem fazenda em perfeito estado a 800 ra. o
par, sintos de todas as qualidades para aeahoras
a meninas e ssiss bordsdas com multo gosto:
oa raa da lmperatriz a. 60, loia te Gams *
Silra.
Trocam-se
charutos por dinheiro.
Na laja d'aguia branca traca-so ama caizinha
de baos charutos suspiros por 2fi00 i oa apre-
ciadores da boa famsca dirijam-aa a dita loja da
agola breaos, rae de Queimado a. 16.
M t. NlfB & .
Bianteiga ingleza especialmenteescollhida a 800 e lWOO, eem porcioier abatimento.
Wein iraoceza a melhor do mercado a 700 rs. a libra e em barra a razio de 600 rs. a libra.
QueijOS flamengOS chegados neste ultimo vapor a 3W00.
QueljOS lundrQOS o melhor que ha oeste genero por serem muito frescos a 1*200 a libra.
QueijO pratO o melhor que se pode desejar a 1*9200 a libra e l100 o inleiro.
Cha hyssoil e preto o melhor do mercado de 1700 a 2)880 a libra.
PreSUOtO fiambre inglez hambnrguez a 720 rs. libra.
Presuntos portuguezes viudos do Porto de casa particular a 560 rs. por libra inleiro a 460 rs.
LTrr"f"d0S Daqae d* Por,* *enuino' Porw fino- Dec, Carcavellos, Camoes, Madaira
VinO BordeauX de superior qualidade diflrentes marcas a 800 a 1 a garrafa e de 8*500 a 10000 a duzia,
VinDO em pipa proprios para pasto de 500 a 600 rs. a garrafa ede 39800 a 480 a eanada.
Marmelada imperial eseolher de todos os fabricantes de Lisboa premiada as exposlcSes nniversaes de Londres e Paris a
000 rs. a lata, de urna libra e a 19700 as de duas libras.
BOCetaS com doces secco das mais deliceda frutas da Europa, e o mais proprio que ha para mimos, por serem ricamente enrolladas, e de
muito gosto a 3500 cada urna. '
FigOS em CaXinbaS de 4 libra muito frescos e grsmdes a 2000.
Peras SeCCa em eaixlnha de 4 libras chegsdas neste ultimo vapor a 3*500 e 19200 a libra, afianca-se ser o melhor qae pode haver nests
genero.
AmeixaS francezas em latas deS libras por 49000 e 19000 por libra.
PaSSaS em eaixinhas de oito libras, as melbores do mercado a 3 e a 640 rs. a libra, a em caixa de ama arroba a 99500.
Latas COm fructas de toS *s qualidades que ha em Portugal de 700 a 1 000 a lata.
CorinthiaS em frascos de 1 1[2 a 2 libras de 1600 a 29200.
FraSCOS de amendoa coafe'usdascom 2 libras, proprias para mimos, por serem muito bem enfeitadas e de snperier qualidade a S950O
cada nm. -
Gaixas SOrtidaS com ameixas, amendoas, passss figos, peras e nozes o que ha de mais proprio para mimos, de 49000 59000 rs.
por caixa de 10 a 12 libras, e 320 rs. a libra dos figos.
Lata COn? bolaxinha de SOda de diversas qualidades, e muito novas a 19460. e grandes de 4 a 8 libras de 2*530 a 4*500.
Conservas OglezaS francezas portnguezas de 600 a 800 ris o frasco.
Ervilhas francezas c portugueses a 720 rs. a lata, afianca-se serem as mais bem preparadas que tem viudo ao mercado.
Mascas Ulharim, macarrio e aletria as mais novas que temos no mercado a 400 rs. a libra.
Castanhas e nozes as meluores e mais novas por terem chegado neste ultimo vapor a 200 rs, a libra de nozas, a 59 a arroba ia
castanhas, e 160 rs. a libra.
Amendoas de casca molla a 400 ris alibra em porgo ter abatimento.
AzeitonaS de Lisboa novas e grandes vindas pela primeira vez ao nosso mercado a 3*500 a aneoreta.
Champanhe das marcas mais acreditadas de 15* a 20*000 reis o gigo de 1*500 a 2* a garrafa.
CervejaS das melhores marcas 660 rs. a garrafa o de 5 e 6*000 a duzia da branca.
Cognac a melhor qualidade que temos no mercado a 19000 a garrafa e a 109000 a duzia.
Genebra de Hollanda 600 ra. o frasco 6*500 afrasqueira com 12 frascos.
Chocolate o mais superior que leos tido no mercado portugus, hespanhol e francez de 19 a 1*20* alibra.
Vinagre puro de sboa a 240 rs. a garrafa e 19850 a caada.
Batatas em gigos oom urna arroba, as melhores qae ha no mercado a 1* o gigo, e esa porfi de 10 para cima a 800 rs.
Sebollas SOltaS novas e grandes a 1* o cento e a 89 o milbeiro, afianca-se que i visia da qualidade ninguem deiaari e> comprar.
Espermacete Superior aem averia a 7*0 ra. em caixa a a 760 rs. a libra.
Arroz o melhor do mareado a 100 rs. a libra a 2*700 a arroba do da India e 120 rs. a libra do Maralo,
Alpista e palDCO o mais limpo qae ha a 160 ra. a libra do alpiste e 240 re. a libra de paineo.
Vinagre bronco o melhor que tamos tido no mercado a 400 rs. a garrafa e 2*560 eanada.
HasSft de tomate m tatas de asna libra do maia acreditado aulor de Lisboa e viada a primeira vez a oosse mercado, d 19 a lata;
Araruta a melhor que aa podo desalar a 320 rs. a libra, e 160 rs. a libra da gemina.
ToucinhO de Lisboa o mais novo do mareado a 320 ris a libra e arroba a 109009.
k lm doa ajenaros anneaciadoa sooontrara o publico todo que procurar tendente a molhedos, e por menos dea por cenia do qua emfcaire
qualquer parte.


Fazenda
vesti
rni iim .para
o
to pelo
orgurdes
vlsts ueste mercado,
prago barallsimo, por estar
Ms, asslm como MtHis mr-
a*ta*es desol pare senhora:
uitu di Imperatriz o. M, toja de Gema &
SiLt.
Vende-se un escravo con Made da 04 an-
nos por SOtf por ter, urna fistola em ama peros :
a pauoa que qulwr, dirlja-s* I tua Direita n. 14.
Esponjas fiaas
Vende-ae
cada urna : d
branca d. 16.
as eaponias para rosto, a 2
do Qaisaado, loja d'aguia

Leite virginal
iirfallivel remedio para
sardas e panos.
O leite virginal ja besa coabflcido como reme-
d ieallivel para sardas e pannos, vende-se a
Ig rs. o frasco na ras do Queimado, loja d'aguia
branca n. 16.
N. O.Piebar & C.successores.rua daCraz
n. 4, tem para vender relegtos para slgibeira da
ouro a prata.
Touquinhas de setim, sa-
patinhos de dito bor-
dados, e meias de seda
para baptisado.
Aloja d'aguia braafcs acaba de despachar de
sas propria encommenda, um bello sorlimenlo
dos objectos cima, e de molto bons gostos, sen-
alo as touquiohas de setim moi bem enfeitadas
de Blas e flores a 69000, viudo cada urna em sna
cairioha, sapatiohos le setim branco muito bem
bordados a 3J rs e meias de superior qualidade
Unto brancas como cor de carne e pintadas a i$
rs. o par: qaem munido de dlnheiro dirigir-se
ra do Queimado, loja d'aguia branca d. 16, nao
dixar de comprar.
Cassas garibaldi-
nas na loja do
Pavo.
Vendem-se floissimas cassas garibaldioas sen-
do estas cassas as mais modernas que tem che-
gado a 3S0 rs. o corado na ra da lmperatiiz
n. 60, loja de Gama & Silva.
Peonas galvanisadas.
A loja d'aguia branca receben essas peonas
galvanisadas, de novissima e mal boa qoalidade,
e as esl veodendo a 29000 a caixioha com urna
groza. As primeiras dessas peonas foram offe-
reciJas 4 Garibaldi, e por isso irazem o aeu re-
tracto, e as referidas cairas se encentra o dis-
ticopeonas i Garibaldi.
S se encontrara na ra do Queimado, loja
d'aguia branca n. 16.
a\
Leques.
Vendem-se lindos leques de madreperola, o
mais lino possivel: na loja d'aguia de ouro, ra
do Cabug o. 1 B.
Lencos to%*cos muUo
Unos.
Veodaaa-ie lanos braocoa muito fios, pelo
diminuto prego de 5&4O0 a duzia, graude pe-
chincha : n loja da boa Da ra Queimado
numerosa. u
Caivetes fixS para abrir
latas. ~ V
Chegou nova remessa desses preciosos cai-
vetes fios para abrir latas de sardioha, doce,
bolachiohas etc., etc. Agora.pela feata cmese
muito dessas cousas e por isso necessario ter
um desses eaniveles cujo importe la, comprao-
do-se na roa do Queimado loja da aguia branca
n. 16, nica parte onda os ha.
Escencia de ail.
Para engommado.
Vendem-se frasquinhos com escencia de ail
coass ezcellente para engommado porque urna
gola delta bastante para dar cor em urna bacia
de gomma tendodemaisa maiaa preciosidade de
nao maochar a roupa como omitas vezes acon-
tece com o p de ail Gusta cada frasquinbo
500 rs : na ra do Queimado loja da aguia bran-
ca o. 16.
Micangas miudas de todas
as cores.
A loja d'agaia branca acaba de receber essss
procuradas micangas miadas que servem para
pulceiras e oulras cousas, e por isso avisa as
pessoas que ellas esperavam e as qu novamente
quierem comprar que munidos de 500 ris com-
praro um masso muito maiordo que os amigos,
Isso someote na loja d'aguia branca, ra do Quei-
mado n. 16.
Grvalas da moda.
Na loja da boa f, na ra do Queimado b. 22,
se encontrar um completo aorlimento de grava-
tas de seda pretas e de cores, que se vendem por
procos baratissmos, como sejam: esireitinhss
pretas e de lindas cores s 19, ditas com pootas
largas a 1)500, ditas pretas bordadas a 19600. di-
tas pretas para duas vollas a 2J ; na mencionada
loja da boa" f, na ra do Queimado o. 22.
Vende-ae o grande sitio denominado Cali-
na, sito aa (reguezia da Varzea, de muito boas
trras, que todo quanto se planta d ama granee
quaotidade, com urna casa de taipa j cobertja,
urna dita defazer farinfia, grande quantidade da
ps de cafezeiros, com diversos ps de fracteira,
como seja larangeiraa, coque'ros, etc., etc.;le
tambem vendem-se duas vaceas que dio bastan
te leite, urna deltas com a cria j i grande, e a
burro manso : a tratar na ra do Sebo n. 90.
Vende-se
azeitede dend ou palma, dito de amendoim qua
serve para luzes e machinas, mais barato do qu >
em qualquer oulra parte; na ra do Vigario
19, primeiro andar.
Arados americano se machinan
paralara roupa: emeasa dcS.P Jo
listn & G. ra daienzala n.42.
Feijo de corda.
No amaten de Taaso Irmios, ra do Amorinj
numero 35.
Liquidaco da Amra\
Vara a festa.
Eatr
bordados m catbraia
tfanspareute.
Na loja d'aguia branca se echa um bello sorti-
meoto de entremeto* bordadas em fioa eambrsia
transparente, e como de seu costum est ven-
dando baratamente a 19200 a peca de 3 varas,
tendo quaniid.de baatante de oda pedrio. para
vestidos ; e quem tiver dtnheiro approveitr a
occaalco, e menda-loi comprar na ra do Quei-
ido, loja d'aguia branca n. 16.
Esperanza.

*
Ra do Queimado n. 33 A.*
Receben directamente e a seu pedido g
tinta iogleza azul preta da verdadeira, I
esta tintase faz uolar pela grande diffe-
renca em tudo qoer na duracao quer na
limpidez do liquido e anda mais recom-
menda-se os potes que alm de serem
de urna louga mais alva que a ordinaria
tem na boca urna pequea cavidade que
facilita a sabida da tinta, affhocamos qae
ninguem tem .por isso s se deve pro-
curar aa loja Esperance ra do Queima-
do Guimaraea & Rocha, pote de 1|4 a
400 rs., de 1|3 a 800 rs.
Agulhaa Victoria pela aceitacao qae
tem tido estamos prevenidos de grande
e variado sortimeoto e se vende a 110 V
rs. o papel: loja Esperanza. $|
Sintos com Arelas de ac a 19500, ve- m
nbam de presas que nao chegam para 2
qnem quer, douradns e prateados i l),l
eat-se acabando. aja
*** HII0 ftft
Agulhas imperiaes.
i Tem o fundo dourado.
A loja d'aguia branca tendo em vistas sempre
vender o bom, mandn vir, e acabam de chegar
aqui (pela primeira vez] as superiores gulhas
imperiaes, com o fundo dourado e mui bem fei-
tai, sendo para alfaiates e costureirna, e costa
cada ?apel 160 rs. A sgulha assim boa anima
e adtaota a quem cose com ella, e em regra sao
mais baratas do que as oulras; qnem as com-
prar aa roa do Queimado, loja d'aguia branca n
16, dir sempre bem deltas.
Mui bonitas
e boas fitas brancas de chama-
lote, franjas e trancas.
Aloja d'aguia branca acaba de receber de sua
encommenda diversos artigos de gosto, e proprios
para enfeites de vestidos de noivss ou convida-
das, sendo bicos de blond da diversaa larguras,
franjas brancas e de cores, trancas brancas com
vidrilbose sem elles, cascarrilhas brancas e mu-
tas oulras cores, finas e delicadas capel las bran-
cas, bonitos enfeites de flores e cachos sollos, lu-
vaa de pellica enfeitadaa primorosamente, mui
bonitas e boas filas de chamelote, e emQm mul-
los outros objectos que a pedido do comprador
serio patentes, e vista do dinheiro nao ae dei-
xar de negociar : na loja d'aguia branca, ra
do Queimado n. 16.
Tiras
bordadas em ambos os
lados,
Vendem-se liras decambrais bordadas em am-
os oos lados, que pela lsrgura bem se pode par-
tir a meio, para saias e outras muilas cousas
custa cada tira 19200: na ra do Queimado. loja
oaguia brabca.n 16. *
Polasla
americana.
, VeiMe dcWjpboi era mao uso,
um celeste e outro terrestre, proprios
ptt bezo se aprender gebajrrphia. Os
ettudahtes que bl pretenderem podem
dirigir-se a livraria universal de Guima-
raes& Oliveira, na ra do Imperador.
tiras bordadas.
Vende-se finissimas tiras bordadas a i$ e 2J500
a peca, babados freoeezes muito finos e com
bordados multo Undosa i$, 2&500. 3f e 4|500 a
peca : na rm do Queimado loja de miudezas da
boa fama n. 35.
Agulhas francezas
Vende-ae agulhas francezas de fundo dourados
das melhores que tem viado ao mercado a 160
rs. o papel, cartelras d marroqlm com agolhas
sortiaas e todas de muito boa qualidade a 19
cada urna, ditas de papel doorados e com multo
bom sortimeoto a 320 rs., csixinhas com 100
agulhaa sortidas muito boas a 2(J0 e 280 rs. ca-
da urna: na ra do Qdeimado loja de miodezas
da boa fama n. 35.
Vende-se
Espirito de vioho de 38 graos a 1J600a ca-
ada ; na roa das Cruzes o. 24, esquina da Ira-
vessa do Ouvidor.
Vendem-se beatas mansas da roda, bols
mansos para carro, quarlos, carros : quem'pre-
cissr de algum destes objectos, pode dirigr-ie ao
eogeoho S. Jos, freguezia da Luz, dislaAte) des-
la cidade 5 legoas. ir
Fitas de chaina lo-
te muito boas e
bonitas.
A loja d'aguia branca acaba de receber pelo va-
por inglez sus encommenda de boas, bonitas e
largas fitas de chamelote brancas e outras cores, \
as quaes sao excellenles para cintos, lseos, etc.,
de vestidos psra casa me ritos e bailes, assim como '
para lagos de bouquetes, cioteiroa de changas e
muitaj outras diversas cousas, e como de seu
costume os pregos sao menores do qae em outra i
qualquer parte; assim quem munido de dinhei-
ro, dirigir-se a ra do Queimado loja d'aguia .
branca o. 16, ser bem servido.
Para acaban
Na ra do Queimado n. 10J
loja de 4 portas.
Vende-se chapelinas de seda para se-
nhora a 8$.
Organdya padroes os mais modernos a M
600 rs. a vara. jf
Scdinhas de quadrinhos a 800 rs. oco- 3
vado. m
Casacas de panno preto muito fino a S
203(100. M
Manteletes pretos a 150 e 20J. S
Kiquissimos vestidos de seda de cores W
e pretos o mais moderno que tem appa- aja
recido e por baratiasimo prego.
Potassa daRussia.
Vende-se potassa da Russia da mais nova e
superior qae ha no mercado e a prego muito
cammodo: no escriplorio <*e Manoel Ignacio de
Oliveira & Filho, largo do Corpo Santo.
As verdadeiras linas de
Beiriz. ra dos,
acreditada bola
Foraaudes ds Silva
i.\tii:
araruta. lodo o.ttjMto neata aaai P.m como o
po e bolacha fefo das melhores farinlias e
traba hado com o malcr asseio pesilvel, farinba
a melhor do mercado a 180 rs. a libra.
Vende-se por commodo prego, ama carro-
ja e boi: naa Cinco Pontaa cocheira n. 141, can-
fronte a estagio da via terrea.
Vendem-se 400 ou 500 patatee brssileiros
e colunaros : na ra daa Cruzes n. S2 se dir.
Ven de-se um cabr-
eo conjmodoj na raahmaltU da
sobrado "
o.
33.
No Manguinh casa n. 43, ?ende-se
dous bois mansos para carroij e pot
barato preco.
. Vende-se ama eperava sem o menor de-
leito e achaques, de 18 aonos de idade pooco
mais ou menos, por motivos que oto desagrada-
r ao comprador; na roa de vigario o. 8, segun-
do andar.
POTES PARA RAPE.
Recfeh?5,^laoljadolna8nlfiC09p0tMp,^, r'pC*IB rlb" de t,rr,cha: d Cadeia do
(511 (SiMlISEOto.
e retroz.
rndem-se manas de retroz ] rvatas a
00 re. : na raa do Qoeiaaado n. la lofi ta
boa f. '
Guimares k Villar.
Ra do Crespo numero 17.
Vendem baratsimo,
Cambraias da China bordadas. n. pecif. 0 mais rico Orlimeoto %(en.
das Boas para senhora e meninas, dao-se amostras.
Manteletes e CapaS de gro, prel0 bordados, o que pode harer de mais gosto e pregos
commodos.
Chapeos de seda para senhora de muUo bom gosto. m cada um e de Ihl de
Italia ricamente entenados a 28j> para acabar.
Camisas inglezas para homem de 1ono tlend. mimmfO* prego. ,eguin-
tes a 35 e 40 a duzia.
OUpaS JeitaS para homens e meninos, sobrecasacos, palefots. caigas, seroulas, meias etc.,
etc e outros muitos artigos.
Jouvin.
o? para a
Vende-se potassa americana muito nova e de
Superior qualidade: no escriptorio de Manoel
Igoacio de Oliveira & Filho. largo do Corpo Sau-
o o. 19.]
CHAPEOS A GARIBALDI.
Ra da Cadeia do Recife, loja
n. 50, de Guuha A Silva.
Os mais modernos chapeos a Garibaldi e chi-
ques, de palinha e feliro, mui lindos, e se ven-
dem pelo barato prego de 10 e lzj>.
Paletots a Garibaldi.
Paletots de seda a moda Garibaldi, imitando o
mais oisaimo brim trangado decores, muito pro-
prios paraos bailes, testase passeios campestres,
pelo diminuto prego de lOtf.
Chapeos baratos.
Chapelinas de seda para senhora, pelo barats-
imo prego de 8#, chapeos de seda e de merino,
bem enfeitados, para meninos e baplisado a 6 e
78, ditos de palha e seda para senhora a lg, di-
tos de seda decores, copa baixa, psra homem a
of, ditos de casemira de cores, pelo diminuto
prego de ifOOO, chapeos de castor baanco sem
pello, bonitas formas a 123, bonets franceses de
panno para meninos a J5O0e 3j.
Guardanapos e toalhas.
Duzia de guardanapos para mesa a S e 25400
toalhas para mesa de 1(4, ifi e S varas a 1JO0O,
yoOO e 29.
Vestuarios para meninos,
de fuslao, nreit&dos, a 8jf, bal5es para senhora
a 355OO, bonitos vestidos de phautesia pelo bara-
to prego de 12$, aloalhado de linho adamaicado
com 8 palmos de largura a 2J2W a vara, mantas
de tilo branco, manteletes, leques de diversas
qualidade?, gollinhas, manguitos, sedas de qua-
drinhos, e outras muilas fazendas que se ven-
dem por barato prego na referida loja cima.
Fabrica do Monteiro.
Crystalisaijo e refinado
de assucar.
Deposito na roa de Apollo o. 6, e praca
da Boa-Vista a. 26.
Este importante estabelecimenlo contina a
fornecer os seui innmeros freguezes do alvo e
puro assucsr crystalisado, em p e em pies, 1.*
e 2.a qualidades, pelo prego de 160 e 200 rs. a
libra, o do refinado a ICO, 120 e 140 a libra, sen-
do que em gros3o o comprador ter em deaconto
favoravel. Nos mesmos depsitos tsmbem se
vende mel de assucar a 600 ra. a caada, e car-
vio animal em p a prego commodo.
Grande liquidaco da
Arara.
PARA ACABAR.
Vende-se pegas d madapollo fino entestado a
39, cortes de casemira preta a 35, ditos fiqos de
cores a JfSOO, cortes d fusto a lf 120, tapete
para forrar salas a 600 rs. o cqvado, al de linho
branco e de cores a 200 rs. o' covado, tarlataua
de corea e brancas a 800 rs. a vara, ricos cor-
tes de cambraia braneos e de cores de babados
a 2|800 e 3|, ditos de tarlaUna de 3, 4 e 5 baba -
dos a 355OO, ditos entestados com entre-meios a
68, cassas a turca para Vestidos a 240, 280 e 320
rs. o cov.ad9.diU8 garibaldioas a 860 rs. o cova-
do, lia de quadrinhos para vestidos a 280, dita
ehiara entestada s 400 rs. o covado, sala bailo
de nova ioveocio de 14 e 30 arcos a 31500 e 4$,
ditas He madapoto a 3J, sais de cordo qu faz
Vende-se cortea de chitas finas com 13 cova-J
dos a ffoOO, ditos de riscado chioez a 28500, di
de chitas inglazas a 19500, ditos de riscado 1 |
ribaldi a 2$800, pecas de cassa adamascadas pa-
ra cortinados com 20 vsras a M. ditas de 10 vi-
ras a 49500 e 39, pegas de cambraia de salpicos
LywidW-^ iind Arara'd4 port, h- ** *<*'ml"
de merino estampados a 2|500. ditos de ponte1 a 1
redonda a 69. ditos.de/roxe a7J. chitas a 160e L1UY&8 AC *OUVIH.,
280 rt 4Mr a lOSJSSmL *sVaV0at!l Veedem-se as verdadeiras lu vas delouvin, ehe-
Acabam de chegar pelo ultimo vapof
loja d'aguia branca, na ra do Queima9tf**-16;
tendo de todas as cores.
- --ffltlAIL -
sem segundo.
Na ra do Queimado n. 55, loja de miudezas
de Jos de Azevedo Htia e Silva, esi veodendo
tudo muito barato para apurar dinheiro, pois o
que presentemente mais precisa.
Groza de pennas de ago de diversos mo-
dellos a................................ 500
Cairas com agulhas francezas a.......... 120
Cairas com alfinetes a.................. 60
Cairas com spparelhos para meninos.... 240
Ditas com dito para grandes a.......... 500
Baralhos porluguezess............120 e 200 I
Groza de botdes de osso para caiga, pe- i
queoos, a.............................. 120
Tesouras para uoha muito finas a...... 400
Ditas para coatura a.................... 400
Baralhoa franceses muito finos a........ 3X0
Agulheiros com agulhas a............... 80
Caoivetea de 1 folha muito finos a 80 e 160
Pegaa detraoga de lia com 10 varas a.. 200
Pegas de franja de lia com 10 varas a.. 800
Pares de sapalos de traoga a............ 1*180
Carlas de alOoetes francezes a.......... 100
Escovae para limpar dentea a 200 <;.. 400,
Massos com grampos muito tinosa.... 40.
Cartoes com clcheles com algum de-
feilo a............................... 20
Ditos de ditos de superior qualidade a 40 i
Didaea de ago para senhora a............ 100
Rialejoa com duas vozes a.............. 100,
Ditos com 4 vozes a.................... 200
Eofiadores para vestidos, sendo muito
grsodesa.............................. 80
Cairas com clchales francezesa........ 40
Cartas de alfinetes para armagao a...... 80
Charuteiras muito finas a................ I9OOO
Tinteiros de vidro com tinta a.......... 160
Ditos de barro com tinta superior a.... ISO
Ara preta muito fina, libr*............ 120
sem segundo
Ra do Queimado n. 55, defronte do sobrado
novo, esl disposto a vender ludo por pregos que
a todos admiram, assim como seja :
Frascos com agua do Lavando multe su-
perior e grandes a.................... 800
Duzia de ssboneles muito fios a...... 500
Sabooetes muito finos a................ 160
Ditos ditos muilo grandes a............ 200
Frascos com ebeiro muito finos a...... 500
Garrafas com agua celeste superior a .. ljjOOO
Frascos com banha muito fina a........ 240
Ditos com dita de nrso a................ (00
Frascos de oleo de babosa a............ 240
Ditos d dito muito finos a 320 e...... 500
Ditos com banha transparente a........ 900
Ditos com superior agua de colonia a... 400
Ditos ditos frascos grandes a............ (UO
Ditos de macagi e ae oleo a............ 100
Lioha branca do gaz a 10 rs. tres por
,.dou..................v.......... 30
Lioha em cartio de Pedro V com 200
jardas a .............................. qq
Dita com 50 jardas a...................% 20
Duzia de meias cruss muito encorpadas a S94O0
Dita de ditas muito superiores ........ 49500
Ditas de ditas brancas para senhora a.... 3JO0O
Bicos da largura de 3 dedos, vara a .. .. 120
Groza de botdes de loaca a.............. 160
Carriteia de llnha com 100 jardas a..... 30
Duzia de phosphoros do gaz a........... 240
Dita de ditos de vela muito superiores a 240
Pejas d fita para cs de todas as larguras 320
Franjas.de lioho para toalhaa (vara).... 80
Bicos das libas por todo o prego, por i pedido
qae tenho do fabricante pera acabar, e per isso
nao se olba o que cuslou, e sim o qae di.
Ra da Senzalia Nova n. 42.
Norte estabeiecimento ?ende te: ta-
chas de ferro ooado libra 110 rs. dem
de Low Moor libra a 120 rs.
LOJA E ARMAZEM
DE
Joaquim Francisco dos Santos
40la do Queimado40
Defronte do becco da Congregago, letreiro verde.
VENDE-SE O SEGU1NTE:
Para casamentas.
Ricos corles de vestido de D16 ou blond de seda branca com ramo e cepells o
mais moderno e superior que ha nd mercado.
Para bailes.
Lindos corte de vestidos de fil ou blond de seda branca bordados a branco e
cores.
Ditos de tarlitana branca bordados a branco e cores.
Ditos de cambraia branca bordados a branco com multa elegancia.
Ditos de barege de seda de cores com barras e listas, novos gostos americanos.
Saias bordadas
Ricas saias de cambraia branca bordadas com o mais apurado gosto e mais finas
que ha no mercado.
Ditas de dita recortadas mais bsratas.
Para baptisados. .<;
Ricos corles de vestido de cambraia branca bordados com multe elegancia, o
naaa moderno a mais superior qae ha no mercado.
Manteletes.
Ricos msnteletos de seda de cores e pretos bordados e liaos .m enfeites. bem
como arrendados, par pregos commodos.
Lencos.
Ricos longos de cambraia de lioho bordados a 39,49 e 59 cada um
Chales, X
Ricos chales de lonquim braneos bordados de ponta redonda e de 4 ponas.
Alean das fazendas cima mencionadas tem um grande sortimeoto de todas as
nquaiidades, que nao e possivel mencioosr-se pelo grande espago que tomara
Vendem-se saperiores presuntos ieglezea para
fiambre a 600 rs. a libra : no armazem de Ttsso
Irmaos, roa do Amorlm n.35.
Matheus & Rodrigue*, em* ieu escriptorte
na rus do Vigario n. 10, tem para vender:
Ricos e elegantes pianos.
Superior vinhodo Porto em caixft de urna duzia
Balangas decimses.
Superiores charutos da Baha dos primeiros fa-
bricantes.
Fumo em folha superior.
Pregos e enxidas porluguezaa ; cujos artigos se
vendem por pregos mdicos.
Vestidos de casamento.
Ricos vestidos de blonda com manta,
8 capaila e sala de setim.
N. 20Ra da lmperatriz---N. 20
O barateiro Duarle acaba de receber novo sortimeoto de fazendas que retslhs sendo a di-
nheiro aos seguales pregos como tejan cassas bordadas proprias para cortinados, babados ou
mosque eiros a 1J6O0 a pega, cambraia grossa com 8 varas cada peca ptima fazenda para peneiras
mosqueteiroa. saias e forro de vestidos a 1900, mussetinas largas das seguales cores verde, azul
preta, roza, encarnada e branca a 200 rs. o covado, cortes de rlauissimas lana escuras com babados
contando cada um corte 24 covados a lj o corte, velludo de seda das seguintes cores cinzeoto
verde azul e preto, excellente fazenda para vestidos de senhora e roupinha de enancas pelo bailo'
proco de 29600 o covado, cortes de cambraia fina com sslpicos miudiohos a 59, tiras bordadas e n-
tremelos ai i$ a pega, gollinhas bordadas muito finas a 1, chitas com algum toque de mofo a 16n
rs. o covado. pellos para camisas braneos e de cores a 160 rs.
----------------- --------!-------------------------------
Vendem-se canoas de
amarello e bordozinho,
de diversos comprimeotos, multo proprias psra
carreira e otarias, para cooduegao de barro, seu
prego commodo ; a escolher a gosto, no estalei-
ro do Sr. Joaquim Antonio Rodrigues, ra do
Brum defronte da fabrica dos Srs. Villaca, lrmio
& Andrade : a tratar na ra da Gadeia do Recife,
loja de ferragens n. 44.
A musselina do Pavao a
200 rs. o covado.
Vende-se musselins branca com 4 1|2 palmos
de largura fazenda muito fioa pelo diminuto pre-
go de 200 rs. o covado, cortes de cbita ingleza
com 10 covados cores fizas a 19500 rs., ditas de
musselina branca com 10 covados a 29. tudo
para apunr dinheiro: na rea da Imperatriz n.
60, loja de Gama & Silva.
Chapeos do Chile.
Na ra Direita n.76 vende-se chapeos do Chi-
le muito finos de copa alia e aba larga, (a Gari-
baldi}, ditos de copa baiza aba larga ( barraca),
assim como de oulras qualidades, de gosto mo-
derno, por pregos razoaveis.
Potassa da Russia e cal de
Lisboa.
Vende-se na ra de Apollo n. 20, armazem de
Amorim Alfonso & (J.
Oleado pintado.
Na ra Nova n. 41, loja e fabrica de
chapeos acaba de receber um bello sor-
timento de oleado com ricos desenhos e
gosto moderno, propiio para cima de
mesas e bancas, e vende-se por preco
commodo
Attenco,
Chegou na ra do Queimado o. 39, loja de 4
portas melpomeoe Imperial com f palmos de lar-
gura a 29600 o covado, o mais moderno e apara-
do gosto que se pode encontrar para vestidos de
senhoras e meninas.
Casemira a 3#500.
Veade-se casutaira nfesta* pava cateas e pa-
letotea 39500 curte de eelea, oe a Ho corado:
a roa da Imperatrt n. 60, loja de betle.
{
Gollinhas
de traspasso bordadas em
cambraia fina
Vendem-se a 29 cada urna : na ra do Quei-
mado, loja a'aguia branca n. 16 A obra boa e
o lempo proprio ; a ellas, freguezas, antes que
se acabem.
Lentilhas.
As melhores e mais saborosas de todos os le-
gumes, muito frescas e leves para o estomago, ae
preparam de lojtae as maoeiras e propriaa para
potar : acham-ae a venda nos armazena Pro-
gressivo e Progreaiisla do largo do Carmo n. 9e
ra das Cruzes n. 86.
Novidades, o que a festa.
Vende-se gorgurao da seda e linho, fazenda
nova para vestidos s 320 o covado, fusilo de li-
oho para paletots e roupa de meninos a S20 o
covado, enfeites para senhora, e cintos do ulti-
mo gosto : na ra da Imperatriz, loja da arara
de 4 portas n. 56, de Hagalhaes & tiendes.
Gal de Lisboa
Vende-se barra corneal uova de Lisboa che-
gada hornera, ne muito acreditado deposito da
ra do Brum a. 66, armazem de David Ferreira
eqBtar.
Na ra da Pa, cocheira u. 44. ha pera ven*
der-se ama linda parelha de cavallos caelanbos
rozilhos, j onsinada, e all se dir quem a vende
f $# #* *&
fLoja das 6 por*f
tas em frente do Li-* g
Roupa feita multo barata.
Patetois ie panno fino aobrtcasacos,
io.ditpa
tos de
Superiores
8
vestidos de seda, de cambraia bordado,
de phantasia,chapeos de palba, enfeites
modernoa para cabega, capas e mantele-
tes con pridos o mais moderno, sedas e
l de quadriobo, cambraias de corea, ee-
partilhos, slotos, leqoes, aiias balo,
meisi elsticas e camisa de linho pare
senhora, fil e tarlatana para vestidos,
chales de ponta redonda e manguitos
modernos.
Roupa feita.
Caigas, colletes, paletots e sobrecaaacos
de panno, casemira, chapeoa de castor,
botinas de lleli.
Pfcraacabij\
Colchas de la e seda propria para cama
ou coberta de piano a 59, manguitos e
gollas bordadas de linho e de fuslao a 29,
teda de quadrinhos a lftOO, liazioha a
640 rs. o covado : na loja n. 23 ra da
Cadeis confronte ao becco largo de Gurgel
& Perdigo.
isem
laoga.cal
cores, de br _
ge. eaasiese eom
i
m
8ga. eaviaas eom Rollo ale linho muito X
flQM, ditas d algedio. chapeos de sol *
^e^pwis 49 oadajinn t^
~'9MBfl
_ j cores, d gan-
ello ato linho muito
espadn, de biinha ciboTdoursdb: u roa
ondego n. 67. ^^^'
do

NOVA
exposiijo de can-
dieiros econ-
micos.
O proprielario deste novo estabeiecimento avi-
sa ao publico e a todos os consumidores, que tem
recebido um grande sortimento de candieiros de
novo modello, riquissimos para ornar salas, lodos
esmaltados de diversidades de cores, desde o
mais rico at o mais ordinario, assim tomo um
grande sortimento de gas de primeira qualidade,
pelo prego mais barato que se pode encontrar;
assim como tsmbem meias latas, e as garrafas :
na roa Nova n. 24, loia de Vlanna.
Polassa da Russia.
Vende-se emeasa deN. O Bieber &
C, successores, ra da Cruz n. *
Meias para s*n\\ra.
Vendem-se superiores meias para senhora pe-
lo baratissimo prego de 89840 a duzia ; na loja
da boa f, na ra do Queimado n. 21.
xmmmm sew tmmmm*
" A loja da bandeira
tem para vender de boa S
qualidade folha, estanho-
e bacas de
S senecupa prego favorito.
SlNova loja de l'unileiro daj
! ra da Cruz do*Recife
* numero 37.
Manoel Jos da Fonseca participa a
todos os saus freguezes tanto da praca
cmodo mato,ejuntamente aorespeita-
velpublico, que tomou a deliberarlo de
H balxaro prego de todas assuasobras.por
u cajo motivo tem para vender um grande
9 sortimento de babs e bacas, tudo de
dfferenteslmannose dediversas cores
, em pinturas, e juntamente um grande
[sortimento dediversss obra,contendo
banheiros egamelas compridas,grandes
epeqaenas, machinas psrs caf e cane-
cas para conduztr agua grandes e peque-
as, latas grandes para conservsr farl-
nha e regadores ao uso da Europa, ditos
grandes e pequeos ao nso do Brasil a
camas de vento, latas de arroba a 19,
bahsgrandes a 49 e peque noa a 600
rs., bacia grandes a 59 e pequeas a
800 rs..cocos de sza a 19 a dosia re-
gadores regulares muilo barate, ditos
pequeos a 400 rs., de todos estes objec-
tos ha piotadoa e em branco e tudo mais
se vende pelo menos prego possivel: na
loto da bandeira da ra da Cruz do Re-
cite n. 37.
xmmmmvs mmsnmm \
Relogis,
Vende-se em easa de Johnston Palor 4 G.;
ra do Vigario n. 3 nm bello sortimento da
ralogios de ouro, patente inglez, denm dos mais
afamados fabricantes de Liverpool; tambem
nasa variedade de bonitos tranceln?para os
mesaos.
Plvora.
Vende-se plvora de superior qualidade e
chumbo de muoigao por menos deque em oulra
qualquer parte; tratar no escriptorio de Antonio
Cosario Moreira Dias, no Forte do Uaito. tai da
Moeda n. 27.
Luyes de Jouvin.
Na loja da Oda F na ra de Queimado n. 22,
sempre se encontrarlo as verdadeiras lavas de
Jouvin tanto para homem cerno para sea hora,
advertiodo-ae que para aquelles ha de muito
lindas cores, na mencionada toja da BOe F na
ra do Queimado n. 22.
Banha fina
em eopos grandes.
.' leja d'aguia branca aviaa a asa boa refee-
zia que chegada a apreciavel banha fie>a-saoo-
pos grandes, e contina a vende-la mais barato
do ene em outr qualquer parto: na ra db Que-
made loja d'agaia erales 6.16.
Potassa da Bassia e cal de
Lisboa.
No bem eonhecido a acreditada deposito da ra
4a Cata, d0 fta*ift a. andar a tar-
dadora potassa da aosto J>a da suserioi
qualidade, aaaim como tambem cal vlraem am
I
k


T

LKAliO
FEIRA 81 DEZEMBRO | 1

.. """"

BOM E BMtATO S NO
Francisco Fernandes. Duarte
Largo da Pealia
mais si va que ha no mercado 480 rt. libra
Continua-se a vender ueste armazem de molhados os
melhore ganaros que vem o mercado, a por muito maooa prego do que era oulri qualquar parte,
para o que recebe o propietario era todos o; vapores da Europa, a maior parte de aeua geueros,
eiaataieoa por passoas enearregadas, para este'Ora ; por taso novamente participa aoaseoa freguezes.
ooi s *e Srs. 4a praga coino de engenhos e la verdores, que queirara seguir en progresao, que
nao deiiera ao menos de comprar a primeira vez auaa eocommeadas, certo de que bao de gostar,
para o que oio se pouparao oa proprielarios, em prestar toda attengo, e meamo em serviros por-
tadores menos praiicos. tao bem como ae viassem oa Srs. pessoalmeate; e abaixo meosionamos
os prego de alguna gneros, por onde se pode julgar que rendemos baratissimo.
I&amieigd ingieza a ,,,, 8upetlor qne ha no ,n,rc,do 800 rs e 1000 a libra em
barril ae (ar abalimento.
LaBtaiga Irauec/ift muUo noTa, 640 rf a Ubra e tm bartil t ^ Tt
Cka pro\a, hyssou e preto mai, ,aperiorM d0 mercad0 Wi00i mt0t
a 1*600 rs a libra e afianga-se a boa qualidade.
\|UQljOS aO relttO ch.eg,d0, nasta ultimo vapor a 2#800, ditos do vapor passado
*9600.
^" V*"* ss melhores que se pode desojar a 40 e 120 rs. cada urna.
rreiTlillO ngleZ. pr0pi08 para fiambre a 900 rs. a libra, em porgio se lar abati-
se %t o.
rrcxuuto do remo 0 que h4 dt bom neile 0 a 480 a libra inteiro
140 rt.
Batatas novas em gig08 de umaarroba a 1# cada um
* *" o melbor petisco que pode harer por estar prompto a toda a hora a 19 a libra.
Coaeiauo do reiao ,360 ,Ibra, arroba ,9|500
Chongas e paios mult0 noToa a 7ao a 1bra
BanVia do poreo refinada,
em barril a 440 rt.
\xeitonas multo novas, 3S00O r. .nCor.t... em,.... *4o.
Latas com bolaxluha do soda contendo difJerenle. qQalidade9. 1|M0,
am porgio se far abalimento.
**** a mais nova do mercado em latas de ama libra por 900 rs., diiaa de
duas ditas por 19700.
Alarme la a imperial d0 araraad0 Abreu e de ontroa muilos flbrlcantei de LUb01
a 19 a libra, em latas de 2 libras por 19800.
Uft irtft.ueez.as a| n,eihorei que te pode desejar em meias latas por 500 rs.,
tambera tem porlugueza me latas enteiras a 640 rs.
VjUOeOlate ir&ncez e hespanhol ebegado neste ultimo vapor a 1J200 a libra.
1 ASS&S proprlas para podQ1 a goo rs a ,ibra>
OO ai perqu em |alag de 2 llbr elegantemente anfeitidas a 1J200 cada urna.
fcaSpermasete ,operior de 4, 5 e 6 em libra a 760 rs. e em caixa a 740 rs.
B W *el** ^ P8U d" melh0re, "Ud,d ha em P"lsl '
\n\endah s conoitaaas. Ubra, dil em Blolo. m dlla com calca
a 480 rs.
Nozes o eastanhas
IB. 11* para aopa a 640 rs a ,jbri e em calxinha de 6 a 8 |brai ie far abalimento.
Metria, macar rao o ta U* rim a 400 rs libra, 9m caixa a 9,
30\aainna franceia muUo noTa a w ra a ybra
Vari ana do Warannao muiloalfa echeiroaaal60rs
uia de engommar, o que se pie desejar por ser muito alva a 100 rs. a libra.
YipiSVa BBUk,0 novo elimpo a 160 rs a libra o em porfi se far abalimento.
J vg o respeitavel publico, que aQaocando-ae a boa qualidade dos gneros cima mencio-
nados, se vende muito barato, e petos quaes se poder julgar todos os demais aue oio foram an-
nar>Aii4n>
piladas muito novaa a 160 rs. a libra.
naociado.
Paletots
brancos.
Vendem-se superiores paletots de brim branco
do puro lioUo, pelo baratissimo prego de5$ : na
ra do Queimado n. 22, na bem conhecida loia
da boa f.
Delicadas escovas
cabos de marfim e madre-
perola, para (impar
dentes.
Na verdadeuma eseova para limpar pentea
sempre necessaria em qualquer toucador, e com
especialidade no da senhora que preza o asseio,
e para que elle seja perfeito mandar comprar
una dessas escovas d rabo de marfim ou ma-
dreperola que costana 23 e 35 rs., mioja d'aguia
branca, na ra ra doQueimado n. 16.
Navalhas (Taco
com cabo de marfim.
Vende-ae na loja d'aguia branca nui Qoasna-
valbas d'ago redaado com cabos de marfim,
para assegurar-se a bondade dellas baata dizer-
se que sao dos afamados o Acreditados fabrican-
tea Roizers & C, cusa cala estojo de duaa a-
vainas 8J00O: na ra do Queima Jo. loja d'aituia
ftraoca. n. 16. 6
Entre-meios bordados em
cambraii traospareute.
Na loja da aguia branca vende-se entremeios
bordados em fioa camoraia traaspireate t l|a
pega de 3 varas, prejo esto porque s se scha em
dita loja da aguia branca ra do Queimado n. 16.
Adeiie se q*e de cada padrao tem bastantes
pecas para vestidos.
Vendem-se os eageDhos
S. Pedro e Espirito Santo, am-
bos moentes e corren tes e
d'agua, sitos na freguezia de
S. Bento comarca de Por^
Calva e proviueia de iagoas,
o primeiro tem casa de enge-
nUo er'poucas obra, pdrm
i quatro rail poa, o ie-
>ra boas obras, por^a
sd safr^ dous miV paes;
aruada Cadeia do Recife n.
2d, pritteiro andar, que acha-
ra com quem tratar.
Bonecas bonitas
com rosto, e meia perna de
porcelana.
Vende-se mui bonitas bonecas com rosto, e
meia prrna de porcvllana aos baralissiroos oreos
de 240,360,500.560. 6 720. 800 e 1*000: isso
ni ra do Queimado, loja d'aguia branca n. 16.
Novidade sem igual na
loja do Pavo
Acaba de cheg-r a este estabeleclmeoto um va-
riado sortimenlo de organdys, proprios para ves-
tidos sendo os goslos ltimamente oovos, e se
veodem a 720 ris o covado por estar muito pr-
xima a fesia, lassim como vendem-se os msis
ricos e modernos enfeiles para cabeqa de tenbo-
ras: na roa da loperatriz o. 60 loja de Gama &
Silva.
Grande
Superiorea paletots de panno preto mullo fino,
obra muito bem feita, pelo baratissimo preeo de
2> ; na ra do Queimado n. 2-2, na bem conhe-
cida loja da boa f.
A3#00
Chpeos de palhiob* fina infestados para me-
ninas ; na rata do Crespo o. 10.
A Vendem-se superiores lencos frsncezes a imi-
tacio dos de lioho, muito proprios psra os taba-
quistaa por aerea) de cores escuras e fizas, pelo
baratiesimo preeo de 5 e 6f a duzia : na ra do
Queimado n. 1-2. na bem conhectda laja da boa f.
Fil liso e tarlatana.
Vende-se superior fil liso e terlstsoa brsnca
de corar, pelo barattaaimo preeo de 800 ra. a
vara ; na bem conhecida loja da boa 16, na raa
do Queimado n. 22.
ToaWias para maos.
Vendem-se muito boas toalhaa para mios pelo
barato preeo de 59 a duzia ; na ra do Queima-
do n. 22, na loja da boa f.
Ricos eaeites.
Veodem-le ricos e superiores enfeiles os mais
modernos que ba, preos e de cores, pelo bara-
tissimo preeo de 6 e 69500 : oa loja da boa f,
na roa do Queimado n. 22.
Cambraias de cores.
Vendem-se cambraiaa francezas de lindas co-
res, pelo baratissimo preeo de S80 a covado ; na
ra do Queimado a. 22, na bem conhecida loja
da boa f.
Cambraias francezas finissimas.
Superiorea cambraias francezas muito tinas, de
muito bonitos padroes, pelo barato preeo de 700
rs. a vara : na loja da boa f, na ra do Queima-
do n. 22.
Cambral* Usa.
Vende-se cambraia lisa transparente muito fi-
na, pelo barato preeo de 4 e 5$ pega eom 8 1|2
varas, dita tapada muito superior, peca de 10
varas a 6f : na ra do Queimado n. 22, na loja
da boa f.
Bramante e atoaWiado de
lioAio.
Vende-ae superior bramante deparo lioho com
duas varas de largura a 2#400 a vara, assim como
atoalhado adamascado tanbera de puro lioho,
com 8 palmos de largura a 2s500 a vara : na bem
conhecida loja da boa f, na ra do Queimado nu-
mero 22.
Cortes de ealca.
Vendem-se cortes de caiga de meia caaemira
de cores escuras a 25 cada corle ; na loja da boa
f, na ra do Queimado n. 22.
Port bouquels,
Dourados com cabos de ma-
dre i> ero la.
Chegarara opportunaroeote para a loja d'aguia
branca os bonitos port bouquels dourados e es-
maltados, com caboa de madreperola, conforme
sua propria encommenda, fiesndo assim remedia-
da a falla que havia desses port bouquels de gos*
lo, os quaes chegaram bem a tempo para os di-
versos casameotos e bailes que se cootam nesses
dias, por isso as pessoaa que por elles esperavam
eas que de novo es quizerem comprar dirigi-
rem-se munidos de dioheiro loja d'aguia bran-
ca, ra do Queimado a. 16, que eoconiraraoobra
de bom gosto, baraieza, agrado e ainceridade.
de cambraieta.
Vendem-se superiores salas de cambraieta mui-
to fioa, com 4 paonoa, pelo dimiouto preeo de
59; a ellas, que sao muito baratea: na ra do
Queimado n. 22, na bm conhecida loja da boa f*
ioSooo.
E' na ra do Queimado o. 80 loja de quatro
portas que se vende os melhores chspeos de se-
da de formas mais modemaa e bom gosto.
jUteoca
X.43 Ra do A ilion ni X **
Amenas novas o melruir quo se pi_
pelo barato prego de 12fcalxas com i arro
16 iibras : eatao se acabSSo.
s
4 grande liquido da
loja do Pavo,
Varuadlmperatrizn.60
DB
Gama Silva.
Acaba de chegar a este eltabeledmeato um
grande e variado aortimeotode fssendas proprias
para a festa, e seus donos resolveram venderem-
os- por pregoa baraliuimoa p-r estar no fim do
aono e quererem apurar* dioheiro, como sejam :
i assas.
Um lindo aortimento de cassaa de varias corea
e qualidades, que vendem a 240 a 280 rs. o co-
vado.
Chitas a 240.
Vende-ae finissimas chitas francezas escaras e
alegre*, fazenda que sempre se vandeu por urna
pataca e acaba-se a 240 r*. o covado : na raa da
Imperatriz n. 60, loja do Pavao.
Musselina a duzentos rs.
o covado,
Vende-se musselina branca com 4 e meio pal-
moa de largura a 200 rea o covado e dita de
cores matizadaa largura de chita a 200 res o co-
vado na ra da Imperatriz n. 60 loja do Povo.
S o Pavo em li-
\ quidaco.
Ricos sintos dourados lisos e com lisliohas a
29500, calcinhas bordad*bara menioos a lyOOO,
guiliohaa com maoguilos a 1&600, goltiohas de
traspasso a lf, oitas sem ser de tratpasso a 500
rs. (uvas de sed,a em perfeito estado a 500 rs. o
par, chapeos deso de aeda com franja muito de-
licados para senhora a 38500, chales grandes de
merir.6 a 2&V00. ditos de rede bordsdos a 8 cada
um, manguitos de cambraia bordados muito finos
a 800 e lg. enfeiles para cabeca a 2$, para me-
ninas a 640 rs
Parahomem.
Vende-se na loja do Pato um completo sor-
timenlo de roupas, como s-jatn : palitos de pan-
no o caaemira de todas mira preta e de cores, ditas de Drim de todas aa
qualidades, Camilas francezas lano para bomem
como para meninos por pregos mais commodos
do que em outra qualquer parte. Dio-se amos-
iras de toda* aa fzenUaa que em nossos aonun-
cio8 se v, deixando ficar peohor : aa ra da Im-
peratriz n. 60, oode tem um pavao pintado do
lado defora, e para nao lia ver engaos de noite
tem um distico por meio de urna luz em que diz
O PAVAO.
Lazinhas a 280 rs. o
covado.
Vendem-se liazinhas de quadros para vesti-
do, fazenda de apurado gosto a 280 o covado ;
na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavio.
La chioeza a 400 rs.
Vende-se lazinhas entestadas a 400 ra. o co-
vado: na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavio.
Cambraias de seda.
Vendem-se finissimos corles de cambraia de
aeda com dous babados e de apurado gosto a
4*500 cada corte : na loja do Pavao.
Vestidos brancos.
Vendem-se finissimos corles de cambraia la-
vrada com babados e duaaaeUs. fazenda que se
vende em qualquer parte a 80000 rs o Pavao
eali torrando por quatro mil ris, ditoa com bu-
ras bordado* a 2J500, 3 e3500: na ra da Im-
peratriz n. 60.
Calbralas de sal-
J picosa 4#000.
" ^wi cambraia branca com aale
Feijo em saceos.
Na ra do Vigario n. 10, escriptorio
de Matlieus & Rodiigues, tem para ven-
der muito superior feijao em sacco.
Aguihas imperiaes
tem o fundo dourado.
A loja d'aguia braocs, tendo em vista sempre
vender o bom, mandou vir de sua conla essas
superiores agulbas imperiaes, as quaes acabara
de chegar (pela primeira vez) tendo os fundos
dourados e pontaa mui bem liradas, e cusa cada
oapell60aj. Cozer-se com urna agulba asaim
boa, cima a adianta quem trabalha, por isso
dirigiremse ra doQueimado loja d'aguia
brenca n. 16, que sero bem servidos.
ftuaaa aeiuaia So va n.42
Vende-se am easada S. P.Joniston 4C,
llinso silhSesagUzeSiCaadaairoie casti$aei
broDseados,lonas agiotes, flo devela,chicla
paraearros, a montara,arreioi para carro de
am aloas oavaloi relogio ida ouro paienia
nglax.
1 picos miudi-
8 X ,8r" cada corle, pelo barata
Me simo pregoTle 48000, sendo fazenda que sempre
se vendeu s 79000: na rui da Imperatriz n. 60
loja de Gama & Silva.
Nova california ;
de
Fazendas baratas.
Ka roa da Imperatriz i.48,jinto a*
padaria franceza.
Corlea de cambraia branca com babadi- J
nhos 4a e 49500 superior 59, cambraia li-
:za com 8 1 [2 vara 3$. 39500, 49. ditas de J
Escossia 59, e 69. rico* enfeiles para se- J
ahora 69e6J500, sintos os mais delicados 2
para seobora 39500.3*. chapelina para cri-
2 aoq* gosto ingles 3500.49, para bapUsada
m 39, corles de vestido de seda Escusseza de
bonitos gosto 129 esto se acabando, ri-
coa leneos deUbyrioiho 19.1(200. chapeo
V 4a sol uara seobora de bonitas cores, lisos *J
S59, cabo de marfim 59500, cortes do cam- 9
braia brancos com flor de leda 5|. risca- #
}io francez 200 ris o covado, completos #
eorlieaeolos de batoas da arcos 89, sort-
aaeataa da meias para menino o menina
fSOOa lia ri* o par. chales de UrlaUna
4e cores a 140 ris, lencos tranco com bar-
ras 160 ris chitas ioglezsa a 180 a 200 ra.
dita trancis a 240 a 280 ri. o eavsdo
Sj) s>e(ae de cambraia de forro eom 9 varaa #B
CASSAS LAVRADAS
Vende-ae cassas lavradas faz<>nda do ultimo
gosto pelo baratiesimo prego de 3)500 : na ra da
Imparatjiz n. 60, loja do Pavao.
Sedas a covados.
Vende-se gradeuaptes prelo muito iocorpado
a 15500, 19800 e 290OO, dito edr de rota, azul e
amarello, sarja branca lavrada para vestidos de
noivas, e outras qualidades de sedas por precos
baralissimos : na rus da Imperalriz n. 60, loja
do Pavao.
a
CHAPELINAS
f)#00 cada urna.
GE LO
n.
*
Mi
namero
T
rl'"
amv
Chslay*i Lajaxslta) a ,14* o. i
a pN4j 4A '
No deposito 4i ffifk ra do Apollo
31, vende-ae ajelo de lioje em cliaa>tjsj
arroba a Zffit, e meta arroba ^(000,
a^siOreis: Umbem -ecebe-se
Vende-se salitre de primeira qualidade por ma-
nos do que em outra qualquar parte : no arma-
zem de Antonio Osario Moreira Dias, 00 Forte
do Hattos, ra da Moada d. 27.
Importante
Annuncio
Na loja da diligencia, de GuimarSes Ir-
mao, na ra do Queimado n. 65.
Cartoe* de clcheles franceses com 14 pares a
20 rs.
Botos de cores psrs casacos e paletots a 240
a duzia.
Ditos para calcas muito finos a 160 a groea
Trancas de lia para vestido, a peca a 40 ra.
Lia tiara bordar muito fina e lidas cores, a li-
bra a 79.
Maasoscom grampos a 40 rs.
Liohas para bordar, a miada a 40 rs.
Ditaa de peso muito finas, miada grande a 240.
Franjas de linho para vestidos, a vara a 120.
Apparelhos de porcelana para meninos, pinta-
dos e dourados a I96OO, 2J. 29500 e 3.
Carina com alflnetes a 100 ra.
Paneis com alfinetea cabera chsta a 40 rs.
Eofeites para seobora muito finos a 3, 4 e 79.
Siatoa muito fios para seobora a 29 e 29500.
Meta de laia e pretaa para padre que sempre
se venderam a 29 a 640 ra.
Enfeiles com flores uara senhars a lf.
Colheres de metal muito finas para sdps a 10a
ta. duzia.
Garfoa do meamo metal a 49000 a duzia.
Aaaim como outras mullas miudezaa finaa e ba-
ratas, qae deixamos da mencionar, aera nia sa
lotear tanta mascada.
Novos enfeiles e cintos
A.laja dfaajaj breaoa acba-ee eocaataaai|a
Vende-se ehapelinaa modernas enfeitadas com
muilo gosto para senhora a 69OOO cada urna : na
ra da fmoeraiz n. 60, loja do Pavio.
Leiigos para mo.
Veodem-ae muilo delicados lencinhos de cam-
braia de linho com labyriolho a 29500, ditoa de
muito gosio a imitacao oe labyriolho a 800 e
1$0: na ra da Imperatriz n. 60, loja do
Pavao.
Phantasia asis mil ris
Vende-se muito ricos vestidos de faotazia com
babado* de muilo bom gosto, fazeodaa de 12^000,
por 69OOO, na ra da Imperatriz n. 60 lojs do
Pavio.
Filos.
Vende-s fi' de linho bordado fazenda muito
fioa a I9OOO a vara, dito lizo a 800 rs., tarlatana
branca e de todas aa corea a 800 ra. a vara ; na
loja do Pavio.
Vestuarios a cinco mil
ris.
Ricos vestuarios de seda par menioos, fazenda
de 129 por 59OOO ; na roa da Imperatriz n. 60,
laja o Pavao.
(Cambraias lisas.
Veodem-se pecas de cambraias lisas, fazenia
muilo fina, com 10 e meis vara cada pe;a, pelo
preeo de 59OOO a peca, ditas de 8 e meia varas a
29500, *9. 39OO e 4g. ditos de 6 e meia vara a 29
e 296OO a oeca, ditos para forro coro 8 e meia va-
ras a 1J600 e 2$ : na ra da Imperatriz, loja do
Pavio.
Baldes sem ferro a
3$200.
Vendem-se muilo superiorea saiaa de oordio
que fazem aa vezea de balio, loraaodo-ae maia
recommeodaveis por se poderem lavar e engom-
mar, a 39200 bada urna: aa ra da Imperatriz o.
60, loja do Pavio.
aaotidA de um bel'o a vaiiado sorlimeato de
fciles de di Iteren tes qualitades a goal*, .0* mais
asaim como
liodojqua 4 oossivel eoconirs-ae
aa igualaaenie taa. aoiuda da hnatiMi atoaos
dourados e prateadoa, sendo lisos, de listres, e
matizados, aben aaaiaa aa de ponas cabidas,
do paWttOsl pm+Mltwmt lo tendo de todo maiu van Mttafaaa* o bom -gaaio
go qoe seja d.arameWe, ate4 w- se ******* *** ******* atoa*.
acabe o gelo. !gQu branca d. l,
Taixas.
Maior reduccao atoa presos para acabar.
. Vendem-se aa armazem da> Braga Sua A C.
aa na da Itoeda, taixa de- farra aado do mal
acreditado (abrcete Edwir Manr a 100> rs. per
libra, aa msamas que aa veaiaa por 120 r*.
llores fim
I A' loja d'agai* hcaaea acaba de d>*paihar um
bailo aovtiMHa de floree loas e deliaaitas pre-
piia para enfeiles de cabeca a vestidos para aa-
samenlos e bailes ; quera a* vir sem dnvida ae:
Vagrar da aehaf (1 urea tao parfeilas a Siafesjas
rtia da ^imaoo, lojad'a- iaae aa ras a Qaaimada baja d'aMla antoa
n. 16.
Vende-se iia ra do Apollo
q. 3f defronte do theatrp a A$
a arroba, meia arroba a 2$500
e a 160 rs, a libra.
A loja d'aguia
branca um deposito de
perfumaras finas.
Esta Toja por estar constantemente a receber
perfumariaa finaadesoas proprias eocommendas,
bem ae code dizer que est constituida um depo-
sito de ditas, tendo-as sempre dos melhores e
mais acreditados fabrirerites, como Lubio, Piver,
Coudray e Sociei Bygieniqon, etc., etc. ; poH
laso, quem quizer pro*r-e do bom, dirigir-se
a ra do Queimado, loja d'aguia branca o. 16, que
achara sempre um lindo e completo sorlimeolo,
leudo de man a mais a elegancia dos frascos, e a
baraieza por que se vendem convida e anima ao
oamprador.
Carros e carrocas
Em casa de N. O. Bieber
A C. successores ra da Cruz
numero 4.
Vendem-se carros americanos mui elegantes
e levee para dna* e 4 pessoas recebem-se eo-
commendas para cujo fim elle possuem msp-
pas com vario* desenlio*, tambem vendem car-
rocas para eonduccao de assucsretc.
Para homeni.
Pilitots de casen-iira a H 9 e 12. ditos d brim
de iodos i>recne, calcas deca&emira de eores e
pretas a 6$ e 79. ditas de brim a 19, I96OO, 2$ e
2i500 : na ra da Imperatriz loja da arara de 4
portas n. 56, deM*glhaes & Mmdes
Veode-se um carro eni bom estado com 4
rodas : quem n pretender vi a ra do Pdre Flo-
riano, casa n 31, que achari com quem tratar
este negocio, e se o por prego commodo.
Cal virgem de Lis-
boa em pedra.
Vende-se a mais nova e superior que ha no
mercado por prego baratissimo, unicameolo 00
largo do Corpo Saulo o. 19, trapiche da Compa-
nhia.
Acaba de
chegar
ao noy armazem
DE
B4ST0S & REG
Na ra Nova junto a Con-
ceicu dos Milita-
res n. 47.
Dm grande a variado sortimenlo de v
roupas le las, calcados e fazendas e todos &
este* s* veodem por preces mu 10 inodi- '
tica dos como e. de seu costo me,assim como
sejam sobrecasacoa de auperiores panno*
e casacos feitoa peloa ltimos Qgurinos a
S69,289, 309 e a 359. paletoia doa meamoa
pannos pr-to a 16g, 18f. 1US e 1 24c,
ditos de casemira de er mescl-do e de
novo* padroes a 149. 16, 1b9/2"9 e 249,
ditos saceos das raesmae caseairas de co-
res a 99. 109.12 a a 14. dito\prelo pe-
lo diminuto prego de 89. 10, e?l J$, dito
de sarja de seda a sobrera sacados a 129,
ditos de merino de cordao a 12, ditos
de merm chines de apu rado gosto a 159,
ditos de alpaca preta a 79. 89, 99 e a 10,
ditos saceos pretos a 49, ditos de palba de
seda fazenda muito superior a 4500, di-
tos de brim pardo e de fuslao a 3500, 4
e a 49500, ditos de fuslao branco a 49, 8
grande quantidade de calesa de casemira *
; preta e de corea a 79, 89, 99 e a 10, ditas
pardas a 39 e a 49. ditas de brim de cores
tinas a 23500, 39, d500 e a 4g duas de
brim brancos finaa a 49500, 5$, 59500 a a
69, ditas de brim lona a 59 e a 65. colletes
de gorguru prelo ede coras a 5| e a 6f,
ditos de casemira de cor a pretoa a 4J5O0
a a 59, ditos defustao branco e de brim
a 39 e a 39500, ditos de brim lona a 4|,
ditoa de merino para lulo a 49 a 49500,
calcas de merm para 1 uto a 4f 500 e a 5f,
capas da borracha a 99. Para meninos
de todos os laman nos : caigas de casemira
preta ed# cor a 5f, 69 e a 79, ditaa ditas
de brim a 2i. 3 e a 39500, paletoia as-
eos oe casemira preta a 6J e a 70, ditos
da cor a 69 e a 7f, ditoa de alpaca al3,
aobrecasacoa de panno prelo a 129 e a
14, ditoa de alpaca preta aba, bonete
para menino de todas aa qualidades, ca-
misas para meninos de todoa os laman hoa,
meios ricos vestidos de cambraia feitoa
Sara meninaa de 5 a 8 annos eom cinco
abadoa lisos a 89 e a i 2$, dilos de gorau-
rao de cor e de laa a 5 e a 69, ditos de
brim a 39, ditos de cambraiaricamente
bordados para baptisadoa.e muitas outraa
fazendaa e roupas feitas qne deizam de
aer menciouadaa pela sus grande qnanti-
dade; assim como recebe-se toda equal-
quer encommenda de roupas para sa
mandar manufacturar e que para este fim
tamos um completo sortimenlo de fazen-
das de gasto e urna grande offleina da al-
faiate dirigida por um hbil mestre que 1
pela auapromptida e perfeico nadadei-
xa a desejar. *
Aliento
Vendem-se caixSes vasio proprios
para bahuleiros.funileiros etc. a 1 $280:
quem pretender dirija-se a esta tipo-
graphia, que ahi te dir' quem ottem
para vender.
Vndese
na ra doQueimado n. 19
o Sf guinte.
Pegas de cambraia fina adamascada para corti-
nado coro 8 \\t varas, pelo barato prego de 5900.
Toalha* de lioho adamascado para mesa a4#.
Cambraia de.salpico* raudos n-niio lindas a
59 a pega, ditas de ditos miudinhos finas s 49500.
Leogoe de bramante de linho 39000.
Carnbraia ailada para forro da vestido, com
8 1|2vansa pegs por 29.
Grandes col has de (utlo lavradas afta.
Chapeo* eoleiimioB muito lindos, proprios pars
m oninos a 7 cada u m
Cobetlae df chita, gosjo chiner, a 1|800.
fifia* apella* par ooia, de Asir 4* la.rqnja.
(7 palmas de]*rgo 600 rs. a vara
lefM. a 1900.
Batuta ingleza.
Vende-se batata inglesa em aigoe, aomente ao
armszem de Barros A Svlv, ttsvessa Ula Madre
de Dos n. 57.
Novos candieiros para gaz
grande sortinaento de candieiro
para gaz, dede o mais barato at o
mai rico que tem rindo a este mercado:
na ra da Senzala Nova n. 42.
Libras sterlioaa.
Vende-se no escriptorio da Manoel Ignacio de
Oliveira a Fiiho largo do Corpo Santa."
Pannos faos
a 2,000 rs'
Vende-se peono preto cor de caf s 29 o co-
vado : na ra da Ioaptrajru n. 60^ loja do pavio.
Cera de carnauba de pri-
meira qualidade.
Vende-se em porfo e a retalho da urna seca
psr* cima, e por commodo prefo: na ra da Ma-
dre de Dos confronte abolir n. 80.
Asteas de acopara
baldes de se-
nhora.
Vende-ae a 160 e 200 rs. a vara : na raa do
Queimado loja de miadezas da bnafama o. 35.
Lutas de pellica de
Jouvin.
Vende-se aa verdaderas luvas de pellica de
Jouvd para bomem e senhora a 29500 o par : na
ruado Queimado loja de miuaezas da boa fama
Da *K).
Cintos do ultimo gosto.
Veode-se cintos donrados e de palha o mais
bello que possivel eneunlrar-se, p*lu barotiesi-
mo prego de 39 cada am, ditos de tita da- muito
lindo gosto* a SJ ; tambem se vende firellas
muito lindas e de mullas qualidades proprias ni-
camente para cintos a 29; na ru do Queimado
loja de miuderae da boa lima o. 35.
Enfeiles paracabeqa
Vndese os mais modernos enfeiles qoe tem
viodo a esle mercado, e de o mas qualidades a
7 e 8v000 cada um, ditos pretoa eom vidrilho a
18500: ns ra do Queimado loja de miudezas da
boa fama o. 35.
laa muito fina para
bordar
Vende-se a 89 a libra: na ra do Queimsdo
loja de miudezs da boa fama n. 35
Cabellas e ramos para casa-
mentes e bailes.
Vende-se muiiesimo finas e ricas espertas
brancas psrs noivas, com o competente rano para
o peito, pelo baratsimo prego de 10 e 12J. ra-
mos de flores muilo linas e de muito lindas co-
res a 39, niios mais Inferiores pouea cousa a I9,
19500 e 29: na ra do Queimado loja de miude-
zas da boa fama n. 35
Luvas de diversas quali-
dades
Vende-se muito superiores luvas de carourca
para homens a 9 o par. ditas de flo de escossia
3 uranoes e de corea a 800 is..
feiudas pars senhora a 2$,
a 19 : na ra do Queimaoo
boa fama n 35.
ditas de seos en-
ditas de torsal pretaa
loja de miudesas da
uc ^
di- *
a?
1 A\\cotes Ar gosto o multo
iones.
Vende-se muito boniloschicles de baleia com
casies de marfim e de metal para borneas e se-
nhoras a 4 e 59 mono bons a 39. oitOs de junco porm muito bem
acabados a 1$: na ra do Queimado loja de miu-
flezas da boa lama n. 35.
O abaz? 8 para seulvora e
meiiiaes.
Vende-se pelo baratissiao e admirave] prego
de 3 e 49 cada um, e affianga-se que quem os vir
nlo deixar de comprar, lo bonitos e uteis sSo
elles : na ruado Queimado, na loja de miudezas
do boa fama n. 35.
Tiuta bein coohecida e acre-
ditada para escrever.
Vende-se cada frasco a 500 rs e dos grandes
s 800 rs.; esta tinta 6 azul oa occaaiio em que
ae escreve e por muito pouco tempo fles preta a
bem preta, harer.no a vanlagem de servir para
copiar cartas : na rus do Queimado loja de miu-
dezas da boa fama o. 35.
Opiata iogleza
para dentes.
Est finalmente remediada s falla que se seo-
lia desss apreciavel opiata ingiera tao pxoveilo-
sa e necessaria para os dentes, Isso porque a To-
ja d'aguia branca aciba de recehe-1* de sua en-
ommenda, e continua a vende ta a I950O r*. a
calza ; quem qolzer conservar aeua dente per-
eitos prevenir-se mandando a comprar em
dita loja d'aguia brsnca, ra do Qqdimado n. 16.
Vendem-se aa Ierras chamadas Sircnc
qoe fleam prozimas ao snl dacidads da Victo i
(Santo Aolo) entre os engenbos Pedrel'ra e Es-
pirito Sanio, com boas proporefles par planla-
goes de caf e algodao. Nao elige se dioheiro
vista, bastando que pague o comprador uro juro
mdico pelo temi que convenrionsr-se p paga-
mento total : a faltar com seu proprielarfo o Dr.
Reg Dantas, no engenho Goiabetr, de Santo
Amaro de Jaboatao.
lUa pa
Alirodio cor 7 o
Vende se na ra da Paz coxeira o.
44, urna parelha de cavalloi para car-
ro, por paeco commodo.
Bom fumo de Garaohuns.
Vende-aa o verdadeir fu ato dea aapoeiaaa de
Garanhuns ; na taberna oo pregreseivo da aaaael-
1 da roa da Aragao n. 36.
Era\ofr fttg.i>os
Uqcqei.
Soul
dea para vendetta seo crescido deposito de r
gi*t'lto o fabriaaBia terse retirado d
io ; convida, ponanlo, 4spessoas que qui
poasuir um*ooi relnnio da ouro asata do c4
lebjre fabricante fcornby, a apro1-
pQrtunidade sera perda de ten -a vir com-
pra-Ios por commodo .preeo o ea icrlptorio
ro do Trapiche n.18.
Ausentou-le de casa de seu sphor no da
3 do correte mej o escravo Antonio, de nigio
Casssoge, ida de 40 arijos, pouco mais orj menos,
estatura regular, com. os signaes seguintes : am
urna das orelb**tem om taco tirado, en un dos
quitlos tem om defeo que pelo qnal poza no
andar pelo p. tem debaizo do queizo eaquerdo
tres buraco*, lishal de dentes tirados : quem o
tiegarqueira lvalo 5 roa do IfflprratfcT 0. 78,
erreiro aodar. que ser rfcompenssao. H foi
vistg em'Ig
flt'JSp
o escrvo r
seula 20 ann de dentes na
: TinrCc OTlaso
esti eom
caiga de ca assa de algodao,
mttho tadlr i, foi risto
no ajanguiaho, a 4 provavel que ande por perto:
auam o t^tar e lava a f leel-
te n. 59, phmeito sudar, ri |ener*molo
recompensado.
I I



ill' ''i I
=
"1- >
DIARIO ftft IIMAMBUCO. ** TERCA FBJRa 31 *| DEZB^BRO DE 18*1

Litteratura.
.
A civiiisaei ntderia. |
(Conlinuacio.)
raode onde vos vem |esta |esperirci
k proprio excesso do mal. E' tRomi
fcam boje ; Rom oio peas ser vencida;
a-se o dii do triumpho, porque,
boj reeiao vencer ou succurabir.
Domis os graodea horneas, eotre ostros pe'
lietre, tiveram a in lenca o deue grandioso
triaaipho ; a tradiccio o promette ; os santos o
rofttlaass ; e Pi IX o anouncia (Leda o sea
iscurso do archiduque Culos, assim como a ul-
tima a I loen j o.)
O dogma que glorifica a Virgem sem macla
j um presagio dfsee itiampbo; ahi est a r-
volucao da Italia com as imi calumnias, tral-
coes, morticinios, e annexacoe, para esclarecer
anda os maia cegos.
II
A civilisacSo denominada moderna datado ,
do ultimo secuto, o qual c pela declaracio dos
direilosdo bornear poz fim ao aniigo rgimen.
Entendida no sentido revolucionario a civiliaaj-
Qo moderna o direito independencia compu-
ta do homem, o direito rebelliao contra Deus
contra qualquerautoridade legitima, ou seja do-
mastica, publica on religiosa. E' a deslrutcip
radical de toda tiierarchia, quer na soeiedade,,
quer na familia, qoer no individuo : a negaba
radical do direito divino.
Eat orna patarra, comojj mais cima dissemo
a revoluc&o toma por base legal todas as deca
dencias e vicios da natureza, consequeocias ne
cessarias do peceado original, logo que se repel.
le voluntariamente e por principio o reparador
do mundo.
Mas 6 preciso que a cirilisaco moderna s
entregue sem contestado revolucio ; porqu
de 89 para c duas correles arrastamem senti
do diverso os homeos e as uacoes. Assim o er
no lempo do enligo rgimen ; assim o era na e
dade med'a, e tambem antes da iocarnacao i
porque c as obras do Omnipotente todas as coa-
sas sao duplos e oppostss urna a ootrao bem ei
o mal, a sida e a morte, o justo e o peccador. i
Os individuos e aa naces sempre tiveram qoe
scolher entredous partidos: e bem que os ho-
rneas nem sempre sejam eoosequeotes, todavia a
lgica abi esti para esclarecer-nos : a arvore
cae do lado para onde se inclina.
Entretanto a Providencia nanea deixoo appare-
cer to claras como em nossos diasa vida e a
morte. Cada vez se torna mais evidente que de-
venios escolher entre o catholicismo completo e
a revolugao completa, entre a ordem chrislia na
familia e no estado, assim como na egreja, e a
abolicao na religilo, soeiedade, familia e pro-
priedade : porque os principio! dos direilos do
homem tudoanoiquilam: as suas coosequencias,
urna vez elles adoptados, apparecer com o
lempo.
Doremos ainda repetir que nestes lempos de
fusao nao ba no mondo mais que dous terreos,
que attrahem a si toda a humanidad* : porque
todos excepto Mara pertencem] a revolucio pelo
peceado origioal, todos pertencem ao cristia-
nismo pela redempeo. Convem observar que
nascemos revolucionarios, e escravisados aa pec-
eado; e posto qoe teohamos liberdade de/saco-
dir as noasas cadas, liberdade que nos vem da
mortede Christo, todava ella nao existe en facto
seno na egreja catholics.
O homem vive urna vida dupla a vida indi-
vidual, e a vida commum ou social ; porque elle
por natureza social nao menos do que racional.
Seudo racional livre. Assim como a egreja
coota oo seu seio, hoje sobretodo, urna multido
de lilhos parricidas e degeneradas, Albos das
trovas, qoe de catholicos s teem o nome; assim
tambem o protestantismo, e at mesmo a iofide-
lidadecontam orna moltido de almas rectas que
s esperam por um appello da Providencia, mui-
tos dos quaes sem o saberem pertencem j al-
ma da egreja.
Mr. Guizot, lord Normamby, Abdel-Kader, sao
exemplos disto. Osespiritos eminentes se acbam
sempre mais chegados nos do que nostos ini-
migos. Os Ilustres convertidos, que fazem boje
a gloria do catholicismo, viviam na boa fe, antes
de se esclarecerem completamente.
Qoantas almas rectas nao existem entre as po-
pulares dissidentes I Os nossos missionarlos da
Crimea que o digam.
Mas someote Dos perlence os segredos do
coraQo : quanto nos, occopemo-nos do que
est publico e visivel a todo o mundo, isto as
dootrinas sociaes.
Ainda que o homem seja livre, por isso que
racional, nao se deve esquecer todava que elle
nasceo tambem para a soeiedade, e que esta ser-
ce sobre qaasi todos os bomens um imperio so-
berano, e orna grande influencia. Eis-aqui por-
que de ordinario se catbolico entre as naedes
catholicas, e revolucionario entre os dissidentes.
Bem eolend'do, fallamos das nagoes que sao ca-
tholicas ou inflis como nacea ; porque hoje ha
algumas que s de catholicas lem o nome, sirva
de exemplo o Piemonte : outras ao contrario
o sao de coracao como nos, exemplo os Bl-
garos.
Mas se os dous terrenos, de que fallamos, fl-
cam obscuros qoanlo s almas os corpos, po-
rm, e as donlrinas sao sempre visiveis todos
os olhos. Passemos em resenha a sua historia
resumida desde a origem al os nossos dias : o
meio de melhor julgar o presente e o futuro.
III
A ordem oriunda de Deus, e reslabelecida mais
perfeitamente ainda pela iocarnacio, comprehen-
de duas sociedades distinctas.
A soeiedade humana, governada e esclarecida
pela aotoridade e pela razio dos homeos, e noida
por lagos humanos, isto os do saogue.
A soeiedade espiritual, ou a egreja, governada
e esclarecida pela autoridade e revelado divinas,
e unida por um lago divino a caridade: por-
que o che/e da soeiedade espiritual Deus, a sua
palarra a palavra de Deas, o seu espirito o
de Deus.
Compostas das mesmas pessoas as duas so-
ciedides se achara estreitameote unidas pelamo
de Deus, uoiao de qoe resultara doas condices :
a hierarchia de orna parte, e de ootra om espiri-
to commum,; Eis-aqui porque os padres ensinam
que a graga foi sempre necessaria rectidao da
natureza.
Assim como o homem nao poderia viver se o
corpo oo estivesse subordinado alma, e sem
om vinculo commum entre ambos cojo foco o
coracao; assim tambem o christao, e portanlo a
soeiedade ehristfla nao poderia existir se nao fosse
a subordinarlo do temporal ao espiritual, e se o
espirito de Christo nao ligasse as duas ordena.
Sem dovida Deus poderia ler dado ao homem
somente a vi ia natural, e neste caso o homem
oio teria precisio dos soccorros sobrenaloraes
para conbecer e attiogir seo fim. Porm c nao
se pode concluir da possibilidade para o facto.
Urna ordem porara/nie natoral, ainda qoe possi-
vel na tbeeria, nao o na pratica do momento
em Qoe Dos qoiz fazer e fez ootra coosa. Se-
parando o que Dos unir o homem suici-
doo-se.
Porm a misericordia de Dos veio em seu au-
xilio, e a queda do homem. em vez de destroir o
llano do mesmo Deas servia pare mais confirma-
o. O germen divino qoe a homanidade alimen-
tara do sau seio preservou-a. a Deas msudou
seo Qlho Mravsalvar o mondo, a Por consegua-
te a natureza regenerada excede em perfeicio i
natureza creada. Berna venturada falta, diz a
egreja, qoe nos deu um tal Redemptor.
No plano primitivo o Christo so devia governar
directamente a ordem espiritual e sobrenatural.
A ordem natoral e humana dependa inicuamen-
te do homem, sobmettido todavia i f e reodendo
homenagem Christo, e subordinado o natural
ao sobrenatural; porque a plena liberdade de
Adi nao era independencia. Por maior que
fosse a sua sutoridade, acbava-se dependente da
de Christo; por mais esclarecida qoe fosse a sua
razio, achara se subordinada f: por mais rec-
ta qoe Idsse sus veotade, a caridade devia
gula-la.
No plano primitivo o homem ao homem so-
mente obedeca na ordem da natureza. Sem du-
vida Adi possuia todos os ttulos posslveis para
o poder; porque possuia a plenitude da sciencis,
todas as virtudes, e demais era o pie de todos
ps hmeos : mas emfim, por mais pereito qoe
fosse, oio deixava do ser homem.
[Continuar-H-ha.)
4758, fallecen ltimamente em Rommerwille
(Virginia,) com 1 annos, deixsndo dous fllhos,
o mais boto dos quaea tees 97 annos.
A longevidad desta familia partee heredi-
taria.
O pae de William morreu em 1779, da edade
de 132 annos.
Ha pouco, dis um peridico americano, o ge-
neral separatista Evaas, paliando por Rommer-
Ville, viu na soleir* de urna porta um ralbo de
100 annos, que chorava.
O general perguntoo ao velho porque cho-
rava.
E* porque meu pae me bateadisse, apon-
iendo para outro aociio.
Porqae lhe bateu voc 1 pergunton o gene-
ral William Craft, pois era este o pae do velho
centenario que chorava.
E' porque faltou ao respeito i sua av, res-
poodeu William.
Esta av vive ainda e conta 148 annos.
William recebeu em 1761 urna bala oo lado di-
reito, a qoal nio ae lhe pode extrahir. Aos es-
tragos eausados pela bala se attribuiu a morte de
William, que a soa familia julgou prematura.
PAE FEROZ.
_ Commetteu-se no dia 15 de oovembro um ter-
rivel crime na communa de Nouvelles-lez-
Mons, na Blgica.
Um carvoiro, que trabalhava e habitava na
dita communa, coohecUo pela alcooba de Cava-
co, regreasou do seu irabalho depois do meio dia,
e sem esperar por aua mulher, que tioha sabido,
sentou-se mesa, porm viu que a carne que
tinba sido preparada para elle tinha desappare-
cido do prato.
Interrogou seo filho, de 4 annos de edade, o
qual coofessou que tioha comido a carne.
A colera do pae foi tal, que agarrando no filho
pelas pernas, lhe despedacou a cabera contra- a
parede. A morte foi instantnea.
O feroz pae sahiu de casa para o trabalbo sem
nenhuma cemmocSo.
Alguna instantes depois, a me voltou casa e
ficou aterrada vista do cadavar de seo filho.
Nao 8ospeilando seno de seo cruel marido,
correu i casa do burgo-mestre da localidade e
lhe coutou a desgraca que acabava de lhe acon-
tecer.
O magistrado dirigla-se ao logar do crime e de
li ao aitio onde o assassino trabalhava e o pren-
den. Este confesiou o seo crime.
Variedades.
FAMILIA PRIVILEGIADA.
k Tflnf? Cm, ***** *M *lbre Was-
hington durante a guerra da independencia de
CAMINHO ORIGINAL.
Diz urna correspondencia de S. Petersburgo,
em data de 19 de oovembro :
O invern, ioitallado sbitamente, de um ri-
gor extremo para esta poca do anno.
Honlem a temperatura variou de quioze & viole
grius.
Atravessa-se j o Neva p, e em breve po-
derio andar os trens sobre o gelo.
Um negociante, Mr. Solodoroikow, achou um
meio de applicar o vapor aos trenos. Promette
orgaoisar treos para passsgeiros e mercadorias
enire S. Petersburgo e Groostadt.
Segundo os seus clculos, levar 3 quartos de
hora a percorrer esta distancia, que de 35
versts.
A locomotiva e os wagons serao fixos sobre
palxns.
Sobre o gelo praticar-se-ha urna estrada espe-
cial, sem carris, para estes trens.
A invengio original.
E digam l, em presenta disto, que os poros do
norte sao fallos de imagioacao I
PORT-ROYAL.
\0 desembarque das torgas federaos dos Eita-
dos*Unidos, em Port-Royal, d algum interesse
a seguate noticia :
Port-Royal fica umis 15 milhas ao sudoeste
de Charlestoo, e egual distancia de Sevannah
A entrada da baha apenada entre as ilbas llil-
ton-Head e Santa Helena, com quanto tenha, por
vezes, 3 milhas de largura.
Como quasi todas as enseadaa do sul, fecha-
da por urna barra, em que podem entrar navios
grandes; porque na mar alta tem 23 ps de
agua.
O interior da baha abrigado, e forma um ex-
cellente ancoradouro.
A' 15 milhas ao mar est a cidade de Beaufort,
[que nio pode ser abordada por navios que calem
mais de ll ps de agua.
A' algumas oilhaa atraz passa o caminho d
ierro que laja Cbarleaton e Savannah.
Tambem ol se pode ir por um canal que corre
entre a enseaoa Royal e a ilha de Santa He-
lena. /
Toda aquella regiio cortada de pantanos,
nos, ilbotaa e bancos de areia.
Os arrabaldes de Beaufort, do lado da Ierra fir-
kne, sao de urna admira?el fertilidade e perfeita-
mente cultivados. A populacio negra alt derra-
mada considerare!.
Levar a guerra aquello distado como leva-la
S frica.
O HUNDO MARCHA.
O deputado italiano, Mr. Agudio, descobriu re-
eenlemente um processo engeohoso para fazer
lubir as locomotivas, os maiores declives, isto
por meio de urna forca bydraulica, que pode ope-
rar 8 e mesmo 10 kilmetros.
A experiencia deu o mais completo resultado.
3 relatorio da commissio de l'loreuca, intira-
mente favoravel ao inventor.
GRANDE RIQUEZA.
E' til a opulencia das fortuoas nobiliarias em
nglaterra, que este anno lord Stampford, gastou
9.080 libras [49:5009,} na compra de potros, de
im anno.
EXPERIENCIAS CURIOSAS.
Fizeram-ae ltimamente experiencias curiosas
obre o estado do pulso na serie animal.
Preciaou-ae para esta experiencia muila cora-
em e paciencia, porque foi praticada em aoimaes
uito perigoaos, taea como o leao, o tigre, o lo-
o, a hyeoa, etc.
O pulso deu por miouto 124 pulsaces, e de-
ois 94, quaodo o animal eatava mecos agitado.
No aovaco e na veriiba o leo dava 40 potas-
es por minuto e 16 respiracei. O coracao do
tigre baria 96 vezes por minuto; o tapir dava 44
(ulsacea ; o cavallo 40; o lobo 45; a rapoaa 43 ;
c urso 38; o macaco 48; o ganco 110; a galli-
nha 140 ; a aguia 160; o milbafre 150; o mo-
cho 110, etc.
JA raa d 80 pulaacOes, a salamandra tambem
80. O coracao do lagoatio bate 76 vezes por mi-
nuto. Foi impossivel sentir as palpitaces arto-
naea do coracao do elephante, porque a grossura
da derma e a pequenez dos raaos o impediam.
O rato d 120 pulsaces ; as lagartixas 3 e aa
borbotlas 60.
O qoe mais notavel oestas experiencias a
grande oniformidade as palpitares circulatorias
em organisacoes lao diversas.
EXERCITO BELGA.
1 O orcamenlo belga de 140 milhdes de francos
(rs. 25,200:0009.) e comtudo aqoelle paiz lem um
exercito de 75.000 homena, 10,000 cavallos, e
" pegas de artilbaria.
150
HORRIVEL ALLUCINACO.
I Urna carta de Doblin (Irlanda) de 20 de norem-
bro diz:
j Urna das mais terriveis trsgedias que se teem
dado oesla cidade ha muitoa annoa leve logar es-
ta maohia, entre 9 e 10 horas, n'uma casa de
Soulb-Cumberlindstreet.
Um individuo, qoe foi algumas vezes criado de
hospedara em Bray, eslava dssarrumado desde
selembro.
Cahiu n'uma profunda miseria, tendo apenas o
indispensavel para nio morrer fome.
Tioha pouco pouco, vendido todo que tinha.
Esta maohia leve urna desavenga com sua cu-
nhads, por causa de om collerioho qoe nio acha-
ra, e, irritado, correa para ella, ferindo-a na
onte esqoerda com urnas tenazes.
j A cunhads pode fogir, mas, ioterpoodo-se sua
p'ropria mulher, dirigiu contra ella a sua ira, fa-
zendo-lhe moitos ferimenloi.
A mulher pode tambem fugir e eoto elle rol-
tou toda a sua raiva, que ra impotente, contra
sua conbsda e sua mulher e contra os fllhos, e,
apoderndole do mais novo, de dous annos, com
ama faca lhe cortou quasi a cabeca. Depois cor-
tuu o pescogo ao segundo.
Este ultimo crime o fez cablr em si, porque
comecon s gritar por soccorro.
Qusndo as pessoas que acudiram chegaram ao
lugar da tragedia, encontraran!-o sentado e
chorando com alfliccio junto dos cadveres de
seus Albos.
Deixoo-se prender sem resistencia e foi logo
entregue polica.
PROPHETA TURCO.
Dizem de ConiUntinopla GoMla de TrittU :
Falla-ie multo d'um velho esttologo que ha-
bita em Conatantinopta e que lem predito moito
grandea acootecimentos.
Dis-se qoe elle annunclra, no momento da
elevaclo de Abdul-Medjid ao throno, anoo da
morte do priocipe e que a sua predieso se con-
firmara plenamente, e que do mesmo moda jaba
anuos predissera a elevacto de Abdul-Azis-
Pouco depois deste subir ao throno foi easa
do astrlogo, para conhecer a doracio do seu rei-
nado ; porm, o velbo nio lhe qulz, por modo
nenhum, dizer nada tal respeito.
Muitaa novas predceles relativas aeonteci-
meotos interiores do serralho, se confirmaran!
ainda nos ltimos lempos.
O sult inslstiu novamente com o astrlogo
para saber a duragao do seu reinado, e o velho
acabou por lhe dizer estss duas palavras; nove
mezes. ,
E' o que se eonta no publico.
O facto que o propheta, que um velho sa-
cerdote grego, habita o palacio de Dolmabagda-
he, que tem liberdade para andar por elle livre-
mente e receber ali as suas visitas, maa que lhe
nio permittido sabir do palacio debaixo de ne-
nhum pretexto.
O que notsvel que ninguem agora quer
comprar o retrato de Abdul-Aiis.
PROCESSO FALLADO.
Fallava-se multo em Paris do processo que
Mr. Fould filho, ia tentar contra seu pae, actual
ministro da fazenda, por este lhe recusar o coo-
sentimenlo para casar com mademoiselle Valiere,
actriz do theatro francez.
NAUFRAGIO.
Perdea-se totalmente a crvela vapor Prony,
da marinha de guerra franceza, na viagem para
Charlestoo, onde ia em urna commissio.'.
PROGRESSO.
Mr. Czermak drigiu*a academia das sciencias
de Paris, urna memoria sobre a applicaqo da
photograpbia lariogoscopia, e em que anoun-
cia que se consegue perfeitamente tirar imageos
simples ou estereoscpicas das regides naases ou
larngeas, lluminando-aa com osespelhos do la-
ringoscopio.
Para abonar a sua assercio, junta sua me-
moria algamas das imageos que obteve, as quaes,
segundo diz o Cosmos, provam que a photogra-
phia pode fixar e mostrar em relevo, cavidadea
orgnicas que de outro modo nem mesmo era
possivel ver.
QUE CASTIGO.
Mr. Lio ton communicou ltimamente soeie-
dade asitica de Loodres, orna obra aobre os cas-
tigos que ioflingem os tnbuuaes chinezes.
Um cornmerciante do celeste imperio, aecu-
sado e convencido de ter assassinado sua mu-
lher, foi condemnado privaco do somno at
morrer.
A execocio da sentenca teve lugar em Amoy,
em juoho ultimo.
O condemnado foi recolhido na prisio, vigiado
por tres guardas que se rendiam alternativamen-
te, e que noite e dia impediam o condemnado de
dormir um s momento.
O commerciaute viven assim 19 dias. Desde
o oitavo os seus soffrlmentos eram taes que elle
supplicava aos guardas que o matasiem.
REMEDIO CURIOSO.
Um jornal de Londres sonancia que lord Keatb,
que na muitos annos soffria da gota, se curara por
um meio muito simples.
E' o'um grande tonel, onde eslivera por cinco
annos um vioho generoso, que o lord gotoso met-
teu o corpo, menos a cabera, que om buraco fei-
to ai hoc permittia Bear ao ar. Hergulbado no
penetrante vapor que se soltava do interior do to-
nel, aquecido a certa distancia, por tal modo se
impregnou do sueco uoctuoso e capitoso, que o
liraram embriagado, sem sentidos.
Deitado depois n'um leito queote, preparado
pelos seus criados, transpirou abundantemente e
quando sa desembriagou do calor e do vapor,
saltou abaixo da cama lesto como se sabisse das
ondas da fonte da mocidade, remojado eaem ddr
alguma.
Se a cousa ledra como assegura o jornal de
onde tiramos a noticia, podemos por nosso turno
accrescentar que nio nova. Monttinne, nos
seus Essais, sea memoria nos nao falht cita um
persooagem inglez, que imaginou tom banhos
em vioho de Malvasia, para se curar (
o atormentava e da qual se viu inteic____it....
sabida do precioso e benfico liquido.
EXEQUIAS POR EL-REI EM PARS.
Nao obstante terem j oa leitores, pela carta
do nosso Ilustrado correspondente de Paris, cir-
cumstaociada noticia das pomposas exequias que
ali fez celebrar a legacao portuguesa por alma do
rei muito amado, publicamos tambem em seguida
o extracto de urna carta de urna seohora, escripia
de Paris efe 21 do novembro ultimo, com que nos
obsequiou um nosso amigo de Lisboa, porque
sempre lldo com interesse tudo quanto se retira
este assumpto. Correspondemos assim tambem
i delicada silencio que se teve para comooico.
Eis o extracto :
c Fui boje, assim como foram lodos os mais
Porluguezes residentes em Paris. aasislir s exe-
quias que se celebraram na egreja da Magdalena
pela alma do Sr. D. Pedro V de saudosissima e
grata recordado, e que na opioiio de todos foi
um acto dos mais solemnes que se lem feito neila
cidade.
A egreja eslava armada ricamente, e no cen-
tro levantaram a eca real debaixo de um docel
acompaohada das insignias reaes e cercada de
luzes e tocheiros com fogaros com luz esver-
deada.
Todas as cadeiras para os convidados esla-
va m cobertss de prelo com gales de prata
a Nio posso desetever a riqueza das vestimen-
tas dos padres que cantaram a missi, nem o es-
plendor do acompanhamentodoarcebispo de Pa-
ris que cantou as absolvieses.
_ Todos os meninos do coro que sao muitos e
sao os que caotam as oragoes acompaohados s
pelo orgao, mas por um modo que peoelra a al-
ma, lioham sobrepelizes brancas lio comprldaa
que quasi Ibes chegavam aos ps, e s deixavam
ver por baixo urna mi travessa dsa batinas es-
carales. Na cintura tinham faxas pretas. Todos
osootros empregados da egreja vestiam calcio e
meia, de rigoroso luto.
c A concurrencia foi immensa nio s nos dous
tercos da egreja qoe se lioham reservado pira os
convidados, como ns ootra parte qoe ficou livre
para os ootros fiis. Nio havia nem dentro, nem
ra da egreja um s soldado de servico, e apenas
se viam alguna sergens de ville,
a A egreja pareca orna grande aala, na qual
lodos os empregadoa da legacio, veattdos de far-
da, andavam cooduzindo as aeohoras e todos os
convidados para os lugares que lhes estavam des-
tinados ; maa tudo isto se fazia com um respeito,
e recolhimeoto qoe nada ae parece com o que se
fez em algumas egrejas de Lisboa ; ninguem fal-
lava, nem conversiva, nem mesmo se senta tos-
sir, porque todos abafavam a bocea com oa
lencos.
Estsvam todos os ministros do imperio e to-
dos os altos fuocciooarios de Paris.
O imperador fez-ae representar pelo duque
de Bassano, e achavam-ae presentes os ministros
de todas as oaedea com o pessoal das suas lega-
edes, o que formava um immeoso coocurso. Os
ministros da Peraia eTurqua e seus empregados
estsvam de farda moda europea, mas os pri-
meiros ttnham na cabeca uns carapucos pretos, e
os seguodos uos barretes vermelhos, que nunca
tiraram.
c As senhoras porloguezas estavam em orna
tribuna.
a Oa porluguezes estiveram todos juntos em
om logar separado. >
OBRA ADMIRAVEL.
Segundo u cartea do Moole|Cenis, a perfura-
Cio do loonel n'uma rocha de marmore progride
rpidamente. Este tunnel quo rae unir a Italia
Franca, ter 12 kilmetros de exteniao.
V ROMAMCE.."
O Precursor de Anvers publica n extracto de
ana carta de Vacsovia que explica clrcums-
taaciis myiterioias de urna morte aonuociada
pelo telagrepho e qoe dis assim :
< Lembrar-vos-heis qu ltimamente os des-
pachos lelagrapbicos aorrandaram s> morte do
general Gerstensweig e a doenca do conde Lam-
E' um romance trgico.
O general Gersteoazweig, obedeoendo s ins-
pirscees de urna servidade desmedida e tambem
certaa ordens, preodeu om grande numero de
polacos, de que anchen a cldadella.
Receiou-ae per isto urna revolocao na ci-
dade.
Neata eveoloalidade, nm grande numero de
presos era om grande embarazo, e o comman-
danle da cldadella, de aocordo com o conde
Lamberl, soltou muitos dos presos.
O general Gerstensweig, furioso, foi procurar e
conde Lamber!, lancou-lhe em rosto ter cedido
ao medo e chamou-tbe fraco.
Muitos ofTIciaee de estado-maior estavam pre-
sentes.
Era forcoso que se batessem, mas como um
doejlo entre dous altos persooagens, cerno eram,
podiam ter graves inconvenientes, decidiu-seque
tiraisem sortes para que om delles se suici-
dasse.
A sorte condemnou o geaeral Gersteoszwelg,
que disparou tres tiros de pistola na cabeca. S
o terceiro o feriu mortalraeote.
A partida repentina do general Lamber! para
S. Peleraburg lem neste facto a explicacio.
ESTATUA DE COLOMBO.
Levanlou-se oa praca de Saiot-Ferrol em
Marselha, a estatua de Chriitovio Colombo, feta
pe esculpior Jos Sicker.
1MPRENSA PRUSalANA.
A tiragem que na actualidade fazem osjoroaes
de Berln a seguinle :
Gazea do Povo 30.000 exemplares, Gaxela
de Vois 140,000, Gaxeta Nacional 3.100, Csela
da Cruz 7,500. Publicista 7,100, Gazeta de A-
pener 5,500, Folha Popular 530, Gazeta da Es-
trella (semi-ofcial) 4,000, Gazeta da Bolsa
2,000. Gazeta do.Banco e Commercio 1,700e Go-
zela dos Tribunaes 700.
A REPBLICA DE ANDORRA.
A repblica de Andorra, cujo presidente mor-
reu ha pooco, rege-se aioda pela conslituicio e
leis do lempo de Carlos Magno, e em virtude de
om tratado que celebrou em 820, recoobecendo
a soberana foudal da Franca. Paga um trbulo
ano nal de 960 libras de 20 sollos cada urna. A
capital da repblica Andorra, que lem 2,000
habitantes. Toda a repblica lem urna povoa-
9.ao de 15,000 almas, e estj sujeita jurisdiccio
ecclesiaslica do bispadode Urgel.
O seu governo compoe-se de um conselho so-
berano de 24 individuos, nomeados pelas paro-
chias, e celebram cinco sosses cada anno. O
conselho elege o seu syndico ou procurador ge-
ral, cuja auioridade vitalicia.
A jusilla administrada por dous vegueros,
um de Andorra, nomeado pelo hispo de Urgel, e
outro francez nomeado pelo peifeito de i'A-
tiege.
As causas crimes sao julgadas por estes ma-
gistrados, com iulerven(io do conselho soberano
do juiz de appellacio das causas civeis, como
cooselheiros. Julgsm, sem regras fizas, segun-
do a sua consciencia, como jury.
Os juizes que julgam as cauaas civis, sao no-
meados pelos vegueros de Ires em tres annos.
E' um povo conservador no rigor do termo.
PARRICIDIO.
Em Beaumont, Blgica, loram presos dous ir-
maos, aecusados do assassinato brbaro de seu
velho pae, que cootava 75 annos.
O infeliz velho tinba cedido^aos Olhos todos os
seus bens, com o encargo de urna penaao alimen-
ticia.
Como os lilhos lhe nao pagavam a pensao cha-
mou o ao juizo de paz, porm na aseabas se-
guinle appareceu assassinado n'um bosque para
onde o arrastaram.
Ha crimea lao horriveis, que custa a acreditar
na possibilidade de que possam ser perpetrados 1
CONSUMO DO TABACO.
Segundo as esta tisticas inglezas, lodos os que
oa Amrica osam tabaco, fumam annualmente
om peso igual ao pao consumido por dez milhes
de inglezes.
A Inglaterra, que nio produz tabaco, compra
annualmente 15 milboes de tabaeo americano.
Hamburgo, que lem150,000 habitadles, conso-
m 40.000 charutos por dia.
Na Dinamarca o consumo annual de2kilo-
grammaspor cabeca.
Na liollaoda a proporrao anda maior.
Na Austria a cultura do tabaco cobre 40,000
heclares.
Em 1854 a produccao e consumo do tabaco em
todo o mundo era de 253 milhdes do kilogram-
>s o- a*n grammas por pessoa.
DUELLO.
A Correspondencia I^Uer d os seguinles es-
clarecimenlos sobre as camas do duello que l-
timamente houve entre o geoeral Bixio e o coro-
nel Agneta :
c Turin 18 de novembro.A grande noticia do
dia o duello que houve ltimamente em Lo-
caroo (Suissa) entre o geoeral Bixio e o coronel
Agneta. Este ultimo tinba recebido urna bofe-
tada do geaeral, pertode Palermo, antes da en-
trada de Garibaldi, e aoffreu o insulto para nio
prejudicir o xito da causa italiaoa.
Depois da conquista das duas Sicilias, Agneta
deu a sua demissao e eoviou um cartel ao gene-
ral, que nao respondeu.
Atacado nos joroaes, o general Bixio declarou
que se nao batera com um homem que fora sus-
tentado em Alexandria do Egypto por urna mu-
lher de mi vida.
Agneta provou que s estivera dez dias no
Egypto. O general Bixio declarou entio que se
engaara e acceitou o desafio.
O duello foi pistola.
O geoeral foi ferido oa mi direita, da qual a
baila lhe quebrou todos os ossos.
A gravidadeda ferida fez com que principio,
se dissesse que o genera linha morrido, porm u-
ma carta do deputado alciliaoo o doulor Braico,em
quediz niu|ser necessaria a ampulacio do braco,
sssevera, comtudo, que a viagem que o general
fez Genova, autt-s de lhe extrahirem a bala,
poderia ter influencia m.
Assim terminou este conflicto, que toda a gen-
te lamenta, porque o general Bixio, pondo de
parte o seu carcter arrebatado, estimado pela
sua rectidao e bom senso. Ha esperanzas de
que se cure.
EXEQUIAS EM PARS.
As exequias do rei de Portugal e de seu irmio
o infante D. Fernando fizeram-ae hoje (21), diz o
Jornal dos Debates, na egreja da Magdalena.
A entrada e o interior da egreja estavam
cobertos de negro.
No meio da nave levantava-se um catafalco
por baixo de um docel orlado de armioho e Ilu-
minado como urna capella ardente. Sobre o
catafalco estar urna cordi real e na armario o
escudo d'armas de Portugal.
A embaixada porlugueza eslava representada
pelo visconde de Paira, ministro plenipotencia-
rio, e todo o pessoal da legacio. O conselbeiro
Dantas, secretario da legarlo, visconde de Aleo-
chele e major Navarro de Andrade, cooselheiros
da legacio; Mrs. Lencaslre Saldaoba o Cabral,
secretarios; e M. A. P. de Souza, addido, faziam
as honras da ceremonia.
O imperador estar representado pelo duque
de Bassano, seu primeiro camarista, e general
conde Roguet, um dos seus ajadaotea de cam-
po ; a imperatriz pelo duque de Tascher de la
Pagerie, seu primeiro camarista.
Havia lagares reservados para o corpo diplo-
mtico, que eslava no seu completo.
O principe de Melternich e o conde de Porta-
les, ausentes de Paris, estsvam representados
pelo conde de Mulinen e principe de Renas, seus
ptimeiros secretarios.
Os ministros convidados para ama reuniio do
conselho, a qoe devia presidir o imperador, em
Compigne, pediram desculpa ao embaixador
de Portugal; porm, tendo o imperador adiado
a reuolio, por motivo das exequias, quasi todos
os membroa do gabinete se apreseotaram ainda.
na egreja da Magdalena.
Vimos all M. Thooveoel, o mirechil Vaillant,
o condeWalewiki, Mr.Fould, Mr. Rouher, o ma-
recbal Magoao, Mr.Boitelle, etc.
Os empregados do gabinete do ministro dos
negocios estrsogeiros, os chefes dss difiranles
repartieres do ministerio os addidos das difieren-
tes legacea, todos os portogueies de deatinecio
residentes em Psris, um grande numero de nota-
bilidades da soeiedade parisiense, sssistism
egualmeute i esta ceremonia.
A mise foi dita pelo parocho da Magdalena. O
cardsil Morlot, arcebispo de Paris, den a absol-
T50.
MENSAGEM AO REI.
A colonia francesa residente em Lisboa dirigi
el-rsi o Sr. D. Luir I a seguinte raenssgem:
Seuhor :
ua fsaneezes residentes em LisN. mu nj>
primir.a Vosea Megestade .a profunda Mor qae
lhes cansn a morte lio prematora da et-rel D.
Pedro Vos parte que tomaos na immeosa
aralcclo da familia real.
Mullos d'eotre nos, senhor, assistiram ao Des-
ciment do excellente soberano, cujo atbaade
acompaohamos honlem ; fomos quasi todos tes-
temunhas da coragem, heroicamente chrtstaa,
com que D. Pedro arrostoo, durante a terrivel
epidemia de 1857, a morte que acaba de abreviar
tio cruelmente os seos dias. Nunca podramos
esquecer que para esta admiravel dedicado nio
exittiam naciooalidados, e qoe, portaguezes ou
estrsogeiros. todos tinham aoi olbos de el-rei oa
meamos direilosos do iofortunio.
Depois de ter dado memoria de D. Pedro V
este justo tributo de homenagem, que nio pode-
ria, todava, pagar a divida do noiso reconheci-
mento, suppllcamos Vossa Megestade se digne
contiouar a uaar para comnosco da precioss be-
nevolencia com que aos honrara o seu augusto
irmao, affirmaodo el-rei que achara em nos o
mesmo respeito e a meama dedicaco que consa-
grramos ao virtuoso principe que doixou de
exislir.
Somos com o maia profundo reipeito de Vossa
Magestade muito humildes, obedientes e dedi-
cados servos.
(Seguem as asiigoatoras.)
Lisboa, 17 de novembro de 1861.
MANIFESTACES DE SYMPATHIA.
Como prove das sympathiaa que linha em
Barceliona o joven rei de Portugal D. Pedro V,
basta dizer que foram pesaoalmeole demonstrar
ao coosnl portugus o aentimento de que ae
aehavam possuidos pelo fallecimenlo do dito
monarcha os cnsules de varias nace*, muitos
particulares e urna deputaco da filial da asso-
ciaco Iodustrial Portueos, a qual, no di em
que se recebeu a noticia de lio triate acontec-
ment, ae reuni em sesiao extraordinaria e en-
viou os pezimos ao augusto pae de S. M. F.
PANTHEON REAL.
Do Gremio Alemtejano tramcrevemos o se-
guale :
A antiga casa dos reis, no convento de S
Vicente de Fra, onde se depositavam as pessoas
da augusta familia de Braga051, nio correspon-
da ao fim pira que fra deslinade, por ser de
limitadas dimenses e estar situada em impro-
prio local.
Ha poucos das concluiram-se os necessarios
arraojos na casa do refeitorio do mesmo conven-
to e para ali se trasladaram oa alales que con-
teem os restos mortaes dos reis, principes e
pessoas da familia de Bragan;a, que jaziam na
antiga casa.
O novo pantheoo quadrilongo, com arcadas
de cantara e pilares da mosma, guarnecidos
pelos dous ladoa com cas.
Na parede do topo est o altar de marmrea
de corea escuras, em mosaico, rnalo com docel
e espaldar prelo.
Em frente do altar, dentro de um arco de
cantara, est collocado o magnifico tmulo do
senhor rei D. Joao IV, primeiro da dynastia de
Bregones.
as duas cas, prximas ao aliar, esli os
atades de S. M. I. o senhor D. Podro duque de
BragaoQa e o da ratohi a senhora D. Mara II;
sobre o primeiro veem-se as duas coras imperial
e real e aobre o segundo a cora real.
as outras cas collocsram-se lodos os mais
caixdes que se trasladaram do aotigo jazigo.
O pavimento de marmore escoro em xadrez.
Dio claridade esta casa onze jaoellas rasga-
das, convenientemente guarnecidaa com gradea
de ferro e redes de rame, que detendem os
vidrosde cores, que dio a luz necessaria.
Entra-ae para o jazigo por um vestibnlo, onde
sobre a porta se l, em letras de bronze dourado,
a seguate ioscripcio:
REAL JAZIGO
dos monarchas, principes e mais pessoas reaes
da serenissima casa de Braganca, que, no
reinado de Sua Magestade el-rei D. Pedro \,
mandn erigir seu augusto pae, el-rei D.
Fernando II, regente do reino.
1855.
Em cada caixio ha urna chapa de bronze
dourado, tendo no centro a ioscripcio que de-
signa a pessoa real que ali jaz.
Do mosteiro de Belem foram trasladados para
este pantheoo os atades que conteem os restos
mortaes de el-rei D. Affoosa VI, do principe D.
Theodosio e da infanta D. Joanna, todos filbos de
el-rei D. Joao IV. /
Tambem vira trasladada da paroehial egreja
de S. Pedro de Pena Ferrim, em Cintra, para
este novo jazigo real, a rainha D. Carlota Joa-
quina.
E da egreja de Marvilha, em Sinlarem, a in-
fanta D. Mara da Assumpcio tambem parece
que ser trasladada para esta casa.
As cinzas de Luiz de Camdes virio, segundo
o pensamento da el-rei D. Fernando, repousar
ao lado dos reis de Portugal, oeste mesmo
jazigo. a
Deade entio mais tres cadaves foram avultar
naquella fnebre galera, os da rainha D. Este-
phania, infante D. Fernando e el-rei D. Pedro
V, tres memorias luctuosas para orna familia de
reis e para urna naci ioteira.
UNS TUDO E OUTROS NADA.
Calcula-se em Inglaterra que o marquez do
Westminsler tem 1.800:000 libras st. de renda
por anno, o duque de Bedford 1:000:000 de li-
bras st., a marqueza de Loudonderry 500:000 li-
bras st. e assim muitos utros nobres. Mais de
cincoenta desles possuem fortunas que lhes dio,
segundo se calcula, para mais de 50:000 libras
st. de renda annual 1
h
ROMANCE TRGICO,
Ha dias dirigio-se um mancebo de 24 annos so
?d*IS' BH*'io *". di o eJor-
Na raaobla seguinte urna joven dams de 18
annoa foi ter com o mancebo. Amboa ceiaram na
aala eommum ae mostraran muito alafres. No
awolnto fjedlam o almoco e pagaram a eonta.
retas 11 noria un creada eitrou no qusrto
onda os servir e vio um hofrivel espectculo.
O mancebo eslava estendido no chao, no meio
de om lago de aaogue, o a joven dama, paluda
como om leocol, estava sentada perto da me-
za, com a cabeca apoiada sobre os brs$os.
A criada, atterrada, gritou e toda a gente do
hotel acudi.
Vio-se entio a joven dama levantar a cabeca e
o saogue repuxar-lhe do peito.
A polica, qae foi logo chamada, mandou trans-
portar os dous jovens para o hospital.
As cartas que o mancebo ple anda Indicar
com a mao, no momelo em que o collocavam
oa maea, explica vam o facto.
Os desgranados, onidos pelos lagos do smor,
tinham tomado a resoluto de morrer juntos. Pa-
ra isso o mancebo descarregou urna pistola no
peito da joven e depois cortou ai proprio o pes-
coco.
A joven morreu na noite do dia 19 e o eilado
do mincebo tambem oio dava esperances.
EMPRESTIMO EXTRAORDINARIO.
Um projecto deempreslimo verdadeiramente
extraordinario foi apresentado honlem (27 de no-
vembro) na Bolea de Londres da parte de D. Joao
de Bourboo, de Heapanha, Qlho de D. Carlos,
que se aprsenla como campaio da liberdade, em
opposicao eo absolutismo da rainha actual.
Os agentes do principe, Mrs. Bernal, O'Do-
cherty, Newraan & C deciaram que c por urna
morte natural, por urna revolucao, pela primeira
ioaurreic3o ou pronunciamenlo, caso que nio
raro na poltica heepanhola, a rainha dere perder
o seu throno, e que, em tal caso, o principe D.
Joao de Bourboo a nica pessoa que o pona oc-
cupar, porque ao mesmo lempo o herdeiro le-
gitimo e o eleito pelo suffrsgio da oacio heipa-
ohola. '
Na previsio da sua elevaco ao throno, even-
lualidade que qualquer dia pode dar-se, e do-
rante a qual necessariamente ae cerecero fundos,
propoe-se realisar um empreatimo pela emissio
de 4:000 ttulos de 1:000 lib. st. cada um, ra-
zio de 10 por cento do aeu valor nominal, for-
necendo o priocipe 84:000 lib. si. Os litulosleiio
um juro accumnlado de 3 por cento sobre o va-
lor nominal. O capital e juros devem ser pagos
com o producto daa propnedades da cora logo
depois que a proclamado de D. Joio como re
de Hespanha, se posas faier ou por oulros tormos
quando a venda se poder realisar.
ESTATISTICAiCURIOSA.
Segundo as ultimaa eitatislicas, diz um jornal
estrangoiro. a populacho da logia ierra, ncluin-
do o condado de Gales, de viole milhes de al*
mas. S a de Londres da 3 milhes.
A estatislica d 35:000 ladros e raloneiros as
cinco priocipaescidades, figurando a capital nes-
ta cifra por 10:000. No resto do paiz d a esta-
tislica 125:000. de modo que o total dos ladres
monta a 170:000. Com os 25:000 qoe se acham
as prises chega o numero dos malfeitores
195:000 I
O numero de pobres soccorridos pela naco
de 1.870:000. r "
Resulta d'aqoi que a populacio honeata e tn-
balhadora sustenta dous milhdes de peisois que
oio trabalham ou se dedicam ao roubo e ra-
pia!
O PADRE LACORDAIRE.
Confirma-8e a morte do Rev. padre Lacordaire.
Lacordaire nasceu em Recey-Sur-Ourse 22
de maio de 1802. Cursou lodos os seus estudos
em Dijoo, onde se ioroou notavel pelo ardor das
suas opioioes voltuiaoas. Dirigiu-se Paris e
fez ali a aua etlra como advogado.
Entrou em 1824 00 seminario de S. Sulpicio e
tres annos depois ordenoa-se. Foi capellio do
collegio da Juilly, onde ae relacionoa com o c-
lebre autor do Essai sor l'indeferenee. Dei-
xou-se subjugar por Laraeanaise foi om dos seus
mais distinctos descl|>ulos.
A revolu;ao de 1830 eocootrou-o capellio do
collegio de Heoriqae IV. Passou depois a ser
um dos redactorea do c Aveoir .
Levado aojury em Janeiro de 1831 pela auda-
cia das suas ineorias, advogou elle proprio asna
causa e foi abaolvido.
Foi depois julgadona cmara dos pares com
Mrs. Montalembert e Coux, por ter aberlo, sem
aulhorisacio, urna escola livre, e foi coodem-
nado em 100 fraocoa de multa.
As theoriaa dos redactores do Avenir (Fu-
turo) impressionaram a corte pontificia e provo-
caran) a publicaco da famosa carta eocyclica de
Gregorio XVI. Lacordaire e Lameonais foram
Roma. O primeiro sobmelteu-se, o segundo vol-
tou a Franca ioabalavel oas suas opioider.
Regressendo Paris, Lacordaire dedicou-se i
oratoria sagrada.
Abri em 1834 as conferencias de c Notre-Da-
me, a que tiveram o privilegio de attrahir urna
multido immeosa, seduiida pelo arrojo da lin-
gnagem do orador.
Fez urna segunda viagem Roma em 1836, foi
bem recebido do papa e escreveu a sos a Lettre
sur le Saint-S/ge. Entrou no convento dla
Minerva e a Q de ab.rH de 1810 tornou o habito de
dominico,
O novo frade pregador reapparecea 00 seguinte
anno com o aeu habito branco no pulpito de No-
tre-Dame. >
Quando rebentou a revolocjio de fevereiro, La-
cordaire lembrou-59 das suas antigs doutrinss
republicanas.
Apreieotou-se nos clubs de Paris, que o ap-
plaadiram.
Eoviado assembla cooslituinte, pelos eleito-
res daa Bocas do Rhone, sentn-se na extrema
esqoerds (Montanha.)
Nao teve grande xito oa tribual parlamentar,
o qoe o determinou a deixar a scena poltica em
15 de maio.
. Foi eleito (rnembro da academia franceza em 2
de fevereiro de 1860.
E' BEM ENTENDIDO.
as novas initruegoss do almirantado ingle ba
seguinte artigo:.
t E* prohibido aos aspirantes, contra-meatres
e manoheiros fnmar cachimbo on cbiruto. antee
da edade de 18 anuos.
JUSTIFICOU O NOME.
O navio da marinha franceza que ae incendion
em Valparaizo chamava-se c O Infernal. Era
um transporte de vela de 800 toneladas.
Tinha bordo plvora e carvio para o servico
da divisio naval franceza:
O fogo foi resultado de orna combuslio espon-
tanea produzida pela fernientacio do carvio mi-
neral.
SAHIO-SE MAL.
A' porta da fortaleza de S. Peleraborgo, onde
foram encerrados os estudiles que se revolta-
ram, ama mi atrevida foi collocar urna eepecie
de cartaz, quedizia: a Uoiveraidade de S. Pe-
tersburgo. o
Infelizmente, o autor do epigramma foi sor-
preendido no acto e encerrado na nova a Uoi-
versidade I
SUPERST1QO ESCOSSEZA.
Entra as soperstices eseossezas, que nem o
lempo nem a ctvllisacio pode^am destruir, cita-
so urna dos pescadores da costa oriental de Fife,
que teem horror ao porco, do que s oavir o no-
me para elles um presagio funesto.
Se encontrara um porco no caminho, quando
vio para o mar, regreisam e suas cabanas.
Um padre de orna d'aquellas sldeias de pesca-
dores fallou da supersticio das luaa ovelbas a
outro padre seu amigo, que mostrou incredoli-
dade.
Combinaram qoe o padre eslranho localidade
se sentara na cadeira do coro e loria o capitulo
da escriptura que falla do rebanho de porcos em
que o demonio se refugia.
Ao primeiro versculo em que se falla de por-
cos, ama leve ioquietaco se espalhou no audi-
torio, procurando cada um por a mi em algum
ferro ou dos pregos das solas dos sapatos para af-
fugeotar a funesta influencia.
A repeticio da] palavra porco augmenlou a
commogo e todas as boceas soltaram as palavras
conjuradoras -.ferro fri.
O padre repetio orna terceira vez a palavra
porco, e eolio lodos os parochianos, aterrados,
se precipitaran! para u portas, correndo bom
correr, com receio de que o espirito maligno
fosse primeiro que elles eotrsr nss suas esbsnas I
Todos os poros teem as sais superslicei, po-
rm esta deve ir coota das mais singulares.
HONRAS CAVALLARES.
Ha na Russia um eslabelecimento muito singa-
lar. E' o hotel imperial dos cavallos invlidos,
Hlabelecido no parque de Ttarkoe-Selo, para os
eoimaes privilegiados qae estiveram ao servico
do imperador.
Ha om cemilerio especial aooexo ao hotel, com
pedras tumulares qne indicam o nome dos caval-
los morios o o dos soberanos que os montaram,
e, quaodo ha motivo para isso, as batalhas e
acootecimentos memoravais em que tomarem
parte.
GRANDE TORMENTA.
A'cerca do borroroso temporal que na primei-
ra semana de novembro reinou em Inglaterra,
diz nm jornal de Loodres de 13:
No domingo ultimo urna terrivel tempestado
aliroa i coste m grande nomero de navios; O
temporal rebentou mais forte ua capital e nae
costas do nascente e poente. Em frente de Li-
verpool aossobrou s barca < Prompt e perece-
ram 15 pessoas. As correspondencias de Brid-
lington, dizem que s naquella parte da costa
havia 107 navios encalhados.
Desde Hsmnec at Flamboroagh nio se viam
ionio fragmentos de barcos fluctuando.
Em Great-Yarmouth, em Shlelds, o foracio
res numerosos siaistrot.
Ae norte de Flsmboroegh, foram muitos navios
i costa.
(Commircio 4o Torta.)
t
f)
PERN. TTP DE M. F. PE FAMA & FILHO. tafo


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EGKORUZVJ_2SBVKF INGEST_TIME 2013-04-30T23:55:57Z PACKAGE AA00011611_09904
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES