Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09897


This item is only available as the following downloads:


Full Text
lili IIIH1 1DMII0 295
Ht iileW4WnU1g 5JOoO
Por ifmmibntUu 6fOQ0
am M *i,*t%&_^. ^^aa^^*-***11** ** *u
SABBADO 21 II DEZEMBRO II Ull
PtriiB#adiUdi9|000
Ptrle fraie t para t ubseripttr.
Fviiiin
e
-PARTIDAS UU COKKEluS.
Slinda todos os dias ai 9} horas do da.
;uarass, Goianna, a Parabyba naa segundas
e sextas-feiras. .
S. Antao, Bezerros, Bonito, Garuar, Altinho
e Garaohuns as tercas-feira.
Pi d'Albo, Nazaretb. Limoeiro, Brejo, Pes-
queira, Iogazeira, Flores, Villa-Bella, Boa-Visla,
Ouricury e Ex dss qua tis-feirat.
Cabo, Serinhem, Rio Formoso. Una, Bsrreiros
Agua Preta, Pimeotelras e Natal quintas feiras.
(Todos os crrelos partea as 10 horas da manhaa)
-
-
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPQAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexaodrino de Li-
ma ; Natal, o Sr. Antonio Marques da Silra;
Aracaty, o Sr. A. de Losaos Braga; Gear o Sr.
i. los de Oliveira; MaranhSo, o Sr. Joaquina
Marques Rodrigues; Pari, Justino J. Ramos;
Amazonas, o Sr. Jerooymo da Costa.
EPHBMEfUDES DO MEZ DB DEZEMBRO.
t La aova ss 11 horas* 57 patos dt tarde.
9 Quirto crescente sos 50 minetosda manba.
17 La heia as 5 horas 31 minutos a larde.
25 Quarto mingaante as 7 horas e 32 minutos
da tarde.
31 La ora as II horas o 35 minutos da man:
PREAMAR DE HOJE.
Primeiro ss 8 horas e 30 minutos da manhia.
Segando as 8 horas e 54 minutos da tarde.
DAS DA SEMANA;
16 Segunda. Ss. Anaoias, Ataras eMizael mm.
17 Terca. S. Banholomeo de S. Geminiano.
18 Quarts. N. Seobora de O'; S. Espiridio f.
19 Quinta. S. Fausta; S. Dao m.; S. Paurillo.
SO Sexta. S. Liberato m. ; S. Foligonio b.
21 Sabbado. S. Tbom ap.; S. Temiatocles m.
II Domingo. S. Honorato os.; S. Floro m.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commereio : segundas e quintas.
Relacio: tercas, quintas e sabbadosaslO horas,
Fazeoda : tercas, quintas e sabbsdoaaalO horas.
Juizo do commereio : quartas ao meio dia.
Dito de orpbios: tercas e sextas aa 10horas.
Primeira rara do civil: torgas aextas ao meio
dia.
Segunda Tara do cirel: quartas e sabbados a 1
horada tarde.
ENCARREGADOS DA SUBSCBJPCAO DO SDL,
Alagdas, o Sr. Claudino Falclo Dias; Baha,
o Sr. Jos Uartins Aires ; Rio de Janeiro, o Sr.
Joo Psraira Martins.
EM PERNAUBUCO.
Os proprietarios do diario liaaoel Figueirda de
Faria & Filho, na ana lirrarta praga da Indepen-
dencia ns. 6 e 8.
PiflTE QFFIC1U.
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente do gorerno do dia 18 de
dezembro de 1861..
Officio aa brlgadeiro commandante das armas.
Sirra-se V. Exo. de exjedir suas ordena Sara
que sem prejuizo do destacamento existente na
villa de Ouricury siga para cada ama das de Flo-
res e villa Bella urna Correa de 15 pracase una su-
balterno do corpo de guaroigio dests provincia,
ae for peasivel, e quando nao de 10 pracas sob o
commaodo do mesmo subalterno.Fizeram-se as
deridas commuoicaces.
Dito ao mesmo.De conformidade com o avi-
se do, ministerio da guerra de3do correte, jun-
to por copia, mande V. Exo. proceder eooslho
da investigado sobre o soldado do dcimo bata-
lhao de iataotaria Hanool Hilario de Santa Rosa
pelo crime de haver (erido a um cantarada.
Ditoao mesmo.Respoodendo ao officio desse
commaodo aob n. 1969 e data de 30 de norem-
bro ultimo, leobo a diaer que (oi regular o pro-
ce Jimena de delegado do cirurgio mor do exer-
cito mandando curar pelos facultativos militares
o fornecer-lhea remedios pela pharmacia, aos
empregados do hospital militar e mais pessoss
de suas familias.
Dito ao chele de polica.Commuoicaodo-me
o cnsul da Suetia e Noruega oeeta cidsde Cirios
L. P. Roeck que de rolti de sua viagem i Euro-
pa, assumira o exercicio das fuocges consula-
res; aasim o communico i V. S. para seu co-
nhecimento. Fizeram-se as deridas commuoi-
caces.
Dito ao mesmo.Nao seodo actualmente pos-
sirel por deGcieocia de for^a augmentar-ae o des-
tacamento de Agua Preta, assim o declara i V.
S. em resposta ao seu officio n. 1284 de 16 do
correte, para que 0 faga constar ao respectivo
delegado.
Dito ao mesmo.Em data de 17 do torrente
mandei dissolver o destacamento da guarda na-
cional existente no termo de Iogazeira ; e deter-
minei ao commandante do corpo de polica que
reduzisse a 18 o numero de pragas do destaca-
mento do Cabo, i 16 e do destacamento de Ca-
ruar, sendo augmentado com 3 o do Pi d'Alho
e com 8 o do termo de Goiaoua; o que commu-
nco i V. S, para seu ceohecimento, e em res-
posta ao seu officio e. 1255 de 10 do correle,
com referencia a outro do delegado do ultimo
d'tquelles termos.
Dito ao proredor da Santa Casa da Misericor-
dia.Respoadeodo o officio que V. S. me diri-
gi em 12 do correte teoho a dizer, que aoso
es* que se fsgam aa obras necessarias ns parte da
igreja da Misericordia do Olinda, para accommo-
dacao dos alienados, como prope i junta admi-
nistrativa dessa Sania Casa, se as despezas que
tenham de occorrer com aemelhaotes obras, fo-
rera feitas por conta da subrencao dada peloa
cofres provinciaes.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Tendo em vista a sua informscao de hontem sob
n. 1210, auloriao i V. S. a mandar pagar aos
emprezarios da companhia da illuraioagio a gaz
nesla capital a quaotia de 22I&940 rs., em que
importa o gaz conaumido nos metes de selembro
e outubro ltimos, com a illuminagio do arsenal
de marinha como se v das contas que devolvo
cobertas com o officio do inspector do mesmo
arsenal, de 85 de novembro prximo lindo, sob
n. 16.Gommunicou-se ao inspector do arsenal
de marinha.
Dito ao mesmo Resliluo 4 V. S. o inclusos
decumeotos, attm de que nos termos de suas in-
formagoes de 17 do correte sob os. 1211 e 1212,
mande pagar aos emprezarios da illuminagio 4
gaz desta capital a quantia de 7618400 rs. em
que importa o gaz consumido com a illuminacio
dos quarteis dos batalhes quarto de artilharia a
p, nooo e dcimo de infantaria, e companhia li-
sa de cavallaria, bem como do hospital militar
durante os mezes de setembro e outubro deste
aono.
Ditoao mesmo. Sirva-so V. S. de expedir
suas ordena para que a collectoria da comarca de
tiranhuns pague os vencimentos do destacamen-
to do termo de Papaeaca, e remetteodo-lhe V. S.
quaoto antea aa quanlias que julgar necessarias
para esse m no caso de nao ter aquella collec-
toria os fundos precisos para esse pagamento co-
mo ae evidencia do termo junto por copia do of-
ficio que me dirigi em 29 de novembro ultimo,
o lente Joaquina Cardozo dos Santos comman-
dante do mesmo destacamento e delegado do pre-
cito termo.
Dito ao mesmo.Mande V. S. ajustsr comas
e paasar aa compeleates guias ao tenente Joao
Adolpho de Sooza Barreito e alteres Carlos Jos
Vao-Ns os quaes seguem, este para i corte, afirn
de habilitar-se na escola do Uro, e aquella para
a provincia da Babia, a reunir-ae ao stimo ba-
talhao de infantaria i que pertence.Communi-
cou-se ao commandante das armas.
Ditoao mesmo.Coostaodo de officio do direc-
tor da secretaria de estado dos negocios da agri-
cultura commereio e obras publicas, datado de 5
do correte, que foi demitiido por portara na
mesma data Manoel do Nascimento Cazado Lima,
do lugar de agente do correio da villa Bella, e
Borneado para o sobstituir Jos Balsabinio Gon-
calres, assim o communico V. S. para seu co-
nhecimeoto.Communicou-se ao administrador
de correio.
Dito ao mesmo.Anuuindo ao que aolicltou
o brigadeiro commandante das armas, em oficio
de hontem, sob n. 2084, recommendo i V. Exc.
que mande pagar ao capitio Luiz Francisco Hen-
riques secretario interino daquelle commaodo, o
sold do crtente mez e as miis rantagens que
Ibe compelirem relativas a graticaco do seu
emprego-, visto ter de seguir para a corte no pri-
meiro rapor que se espera do norte.Commu-
nicou-se ao commaodante das armas.
Dito ae mesmo.Constando de officio do di-
rector da secretaria de estado dos negocios da
agricultura, commereio e obras publicas, datado
de 6 do correte, que por portara da mesma da-
ta foi nomeado Tiburtioo Ferreira Cmara para o
logar de agente do correio da villa de Flotes, va-
5o pela demitsio concedida a Antonio Domingues
e Aodrade, ronceado o nomeadu 50 por eento
de rendimeoto da agencia, e seodo-lhe fixada a
graticaco aooual de 120*000 para lhe ser pre-
eochida no caso era que pela porceotagem o nio
pcefaca, assim efcomaiuuico & V. S. para seu
oohecimento.Communicou-se ao administra-'
dor do correio.
Dito a thesouraria provincial.Mande V. S.
effectuar com brevidade o pagamento que por
officio de 25 de norembro ultimo ordeoei que
fosse feito ae arrematante da obra do alto da
Maneota na Importancia de 2:123*550 rs. prove-
niente da terceira e quarta pt alacio daqualla
obra.
Dito ao mesmo.*-Em risu das inclusas tontas
que aae forana remetlidas com officio da repart-
alo de polica de 14 do comente sob n. 1276 e
1177, mande V. S. pagar a Simplicio Jos de
Mello, quaotia de 381400 rs., e a Florimundo
Manaes Lias a de 67#600 rs. despendidas com o
sustento das presos pobres da adata do Biejo'e
da villa da Estada, aendo esU nos exea de ou-
tubro e noeaabro ultime, aquellas ae j iUdo
rez de norembro.Fize/am se M commenica-
coes McejeatJM.
Dito ao mesmo.Recommendo i V. S., que
aos termos de sus informacao de hoje sob n. 639,
dada icerca do requerimento do repreaeolaote
de llera n Gren & C, pro rogue ateo dia 20 de
Janeiro prximo rindouro o prazo marcado para
a arrematagio da obra da colloctgao de carros
de farro desta cidade at Apipucos.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.
Constando de aviso da reparticio da marinha
de 5 do correte haver sido nomeado o captlo
tenente Francisco Jos de Oliveira, commandan-
te da companhia de eprendixeS artlleos desse
arsenal; assim o communico i V. S. para seu
conhecimento e direccao. Communicou-sa i
thesauraria de fazeoda. .
Dito ao mesmo.De conformidade com o dis-
posto no aviso da reparlico da marinha de 7 do
correte, mande V. S, dar baixa aos aprendizes
desse arsenal Francisco Percilaao de Souza, Jus-
tino Lopes da Silva, Ladislao Francisco de Lima,
Jos do O' e Joao Francisco Clemente, os tres
primeiros pertencenles a companhia de aprendi-
zes artfices, e os ltimos a.de aprendizes marl-
nheiros, visto terem sido julgados inaptos para
o serrico em inspeceo de saude.
Dito ao capito do porto.Sirra-se V. S de
mandar pdr em liberdade o recruta Marcellino
Tarares de Araujo, que prorou isencao legal.
Dito ao juiz municipal de Serinhem.Re-
meti i Vmc. para sua sciencia e derida execu-
cio copia do aviso expedido pelo ministerio da
jusiiga em 14 do nnyembro prximo Hado, com
referencia a materia do officio desse juizo de 22
do maio ultimo, declarando serena ap pilcareis
aos axposlos em ctsas particulares as disposicoes
doalrari de 31 de Janeiro de 1775, e afim de que
quanto antes se proceda as deligencias nelle or-
denadas em favor da preta Cypriana e aeus dous
ihos Constaotina e Marcolino por intermedio do
curador de orpbios e promotor publico, a quem
nesta data officio oeste sentido.Fizeram-se as
coramunicaccs necessarias.
Dito ao juiz de orpbios da capital.Commu-
oico i Vmc. paja seu conhecimento que leudo
em vista o que expoza directora do-col'egio das
orphaas no officio que acorapaohou o do director
geral da iostruccio publica datado de 30 de no-
vembro ultimo, aulorisei o mesmo director a
mandar retirar daquelle collegio aa educandas
Uarianoa Clara e Julia de Oliveira, visto que leu-
do sido ellas por rarias vezes aconselhadas e
admoestadas por aquella directora nio se teem
corregido de seu mi procedimeato.Communi-
cou-se ao director geral da iostrucc,ao pu-
blica.
Dito ao juiz municipal da villa de Flores.
Remetiendo i Vmc. o incluso requerimento de
Joio Manoel da Silra, preso na casa dedeteogio,
a que se refere o officio por copia do chefe de po-
lica n. 1274 de 14 do correte, afim de que in-
forme o motivo da demora que tem havido no
seu julgamento, determino-lhe que o requesite
para responder ao jury na primeira sessio judi-
ciaria que for convocada, preparando com a pre-
cisa antecedencia o respectivo processo.
Dito i cmara municipal do Recite.Ao officio
que me dirigi a cmara municipal do Recite em
12 ao corrate too u. 80, Scvixa rf* giatiSca^au
que pede o administrador do matadouro publico
pelo trabalbo de que se acha encarregado de ar-
recadar o imposto de 500 rs. por cabera de gado
morto para o coasumo naquelle eslabelecimento :
teaho a dizer a mesma cmara que arbitre a gra-
liticacio que entender razoavel de conformidade
cem o disposto no art. 81 da lei do 1 de outubro
de 1828.
Portara ao gerente.O Sr. gerente da compa-
nhia Pernambucana mande dar urna passagem
de estado para o Rio Grande do Norte no vapor
Iguarafs ao administrador aposentado do correio
aquella provincia Jos Leio de Mello Acucena.
Dita ao mesmo.O Sr. gerente da companhia
Pernambucana mande dar urna passagem de es-
tado para o Rio Grande do Norte no rapor Igua-
rass ao segundo conferente di ajfandega desta
cidade Jos Antonio Waoderley.
Dita.O presidente da proriacia conformndo-
se com o proposta do director geral dos indios,
datado de 2 do correte, resolre nomear de con-
formidade com art. 2' do decreto n. 426 de 24 de
julho de 1815, o cidadio Antonio Jos da Cruz
para o lugar de director dos indios da aldeia da
ilha de Santa Mara na comarca da Boa-Vista.
Communicou-se aodiretor geral dos indios.
-----gaeiredo, Jos Bello de
ndas como meihor podessem. Arrearam-ae os Araujo e Dr. Luiz Pereira Piolo; os Portuguezes
escalares Jos tarcos e lancaram-se oelles ao mar; i Jos de Almelda Nunes, Jos de Faria F. M. Dies-
tra destes, batendo-se de encontr ao rapor que os Praocezes P. Mourth, e S. T. Palena e seis
j se submergia, fez-as em pedacoa, e os iofeli-
aes foram (aneados ao mar, .que os ia derorando;
alguns seguraram-ae a taboas, outros a caixdea
que boiavam, outros em capoeiras degaliohae,
outros em remos; cada um noque deparara; e
outros li tam para os abyimos do mar deba lando-
se com a morle que tio prematuramente os ar-
rancara do moodo e doa bracos de seus esposos
e esposas, de seus pas, de seas filhos, de seus ir- [
snios o do seus amigos. Cerca de 40 peasoaa ae
repuiam moras no naufragio; todas as mu-1
Iheres perecern), de duas familias nio ae salvou I
ama s pessoa, sendo urna das familias a do ca- |
Eitao do porto de Campos oorsmeute nomeado; i
ouve urna aceoa pathetica e que confrange o co- j
rac.o ao teferi-la ; urna mii de joelhoa abracada i
com duas ulhinhas que eram dous aojos pedindo |
salvajio para ellas e arraatando-se aos ps dos
passageiros, que nio dispunham tambera do mais
pequeo recurso e que iam sendo decimados por
sua vez; emlim riramsumir-se as aguas aquel-
la mii abracase com suas Albas e os chapeozi-
nbos dss meninas boiaodo ; esse cadver vimos
nos t seus bracos anda exprimiam oa eaforcos
que lesa malfadada para proteger suas adoradas
Ulhii hai. Um estudante do 6o aono do collegio
ro II aalrou-se agarrado a um caixio em
ulia urna imagem de Nossa Seohora; in-
lizaenle essa imagem santa e salradera deaap-
pareceu; parece que s quiz fazero milagre; o es-
tudante nos parece um moco motalisado e crete;
o Sr. Codeso, que acabara de fazer urna viagem
looga percorreodo a Europa ioleira e trazendo al-
gumai preciosidades, aalrou-se milagrosamen-
te perdendo tudo quanto trazia ; outro pasaagei-
ro, que trazia toda a sua fortuna em joias e 5:000$
em dioheiro perdeu tudo. Os que nio perder ru
a vi Ja perderam quanto traziam. Um filho e um
ntto do Sr. viscondo de Araruama salraram-ae
milagrosamente. O Sr. Urnellas, commaodante
do rapor, estere em risco de rida e foi salro com
suman diliculdade. No escaler do rapor sslra-
escraros.
Os Srs. Januario da Silra Sacaren), Francisco
Fernando Ribeiro Naveta e Jos Aires Carooiro,
destioaram-se a Macah, e all desembarcaram
antes 4o naufragio.
Da tripol*;o do Mermes salraram-sa 20 pes-
soss, ignorando-se a sorte do foguista e de um
eseraro cozinheiro.
[Jornal do Commereio de Rio.}
PERNAMBUCO.
ii tu II lid
dSvPidr
djw o
felizniei
REVISTA DIARIA.
Por portara de 19 do correte foram promori-
dos no corpo de policia os Srs.:
Francisco Borges Leal, i capitio da 1* compa-
nhia.
Jos Antonio de Albuqaerque, 4 lente da 3a
dita.
Joaquim Herculsno Peretra Caldas Jnior, i al-
teres da mesma.
O Sr. capitio Borges Leal continua a prestar
seus serricos ns companhia de urbanos, que lhe
estar eocsrregada.
Na quiota-feira ultima deixou de dar-se a
arrematacao anounciada da obra do calamento
da ra do Imperador, e da collaco dos carris cha-
mados urbanos por falta de licitantes a urna e
outra empreza.
Na quarta-feira i noite deu-se na freguezia
de S. Jos um rapto de moga, sendo o autor delle
um individuo ji arezado a esse crime. E' neess-
ssrlo, pois, que a policia tome i poito o Tingar
essa offeosa a honra das familias, afim de que des-
ta nova victima de sua lubricidade nio faga elle
urna outra douda.
Em consequeneia de resolucao do governo
imperial, exsrada no aviso do ministerio da guer-
ra de 27 de norembro ultimo,
. acham-se redadas
ram-si 12 pessoaa: oslas ebegando i cidade par-1 as bsixas no exercito por meio pecuniario, sendo
Expediente do fceeretario do
governo*
Officio ao commandante do corpo de polica.
S. Exc. o Sr. presidente da proriacia manda de-
volver a V. S. o processo a que foi submettido
o soldado Flix Marques dos Santos, afim de ser
cumprida a sentenca nelle proferida pelo respec-
tivo conselho de julgamento.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Remello 4 V. S. de ordem de S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia a Inclusa ordem do thesouro
nacional aob o. 292.
Despachos do dia 18 de dezembro
de 1861.
Requerimentos.
Antonia Mara de Jess.Nao tm lugar.
Bernardo Joa da Costa.Informe o Sr. direc-
tor geral da iostruccio publica.
Candida Senhorioha de Jess.Informe o Sr.
director geral da instrueco publica.
Demetrio Coelho e outro.Nio tem lugar o
que requeren) os supplicantes risto como o ser-
vico a que se referem constitue obrigacio iohe-
reale dos cargos deque se acham revestidos e ji
com vencimentos fizados por lei.
Feliciaoo Marques Vlsnna.A thesouraria pro-
vincial tem ordem para pagar ao supplicante com
brevidade.
Feliciano Marques Viaana.Informe o Sr. en-
geoheiro director da reparticio das obras pu-
blicas.
Jos Joio Garibaldi e ostros.Nio ha que de-
ferir administrativamente.
Joao Luiz Ribeiro de Farias.Informe o Sr.
eogenheiro director da reparticio daa obras pu-
blicas.
Major Jos Sergio de Albaquerque a outros.
Concedo a licenca pedida.
Joaquim Jos do Nascimento Waoderley.
Selle e rolte.
Joio Hyppoiito Moreira Lima.Re m el t id o ao
Sr. director das obras publicas para atteoder, co-
mo coorier.
Thereza Bezerra Cavalcanti.Pode seguir.
Urbano Mameda de Almeida.Informe o Sr.
inspector do trienal de mtrinha.
Urbano Mameda de Almelda.Informe o Sr.
inspector do ataeaal de marinha. <
a carta sobre a qual motivamos a nossa Gaxetilha. ls ; algamas se arraataram de joelhos, implo- | Guedes, Dr. Maooel Antonio de Almeida Aoto-
do Io de correle. i noo a Deus e aos horneas proteccio e amparo; ; oto Ribeiro da Silra, Antonio dos Reis Piolo An-
A perdado rapor Hermet aa barra Macah ar-oe horneas trataram de despir-se e de salvar as Ionio Jos Pereira de Figaeiredo. Jos Bello de
rasloa comsigo a extioeco de muitas vidas, e
ebnsignou em nossos annaes martimos, entre pa-
ginas tao de fresco ennegrecidas, mais urna recor-
dacao dolorosa, mais urna lembranca triste.
Era mar de lagrimas parece comefJeito pere-
grinar a nossa marinha ; parece quera, mi sina
acompanha o oosso pendi naa regies do oca-
no, quer 4 sombra dlla procuremos a sciencia e
O estudo pratlco, quer com elle demandemos|por-
tos vizinhosem mira de fortuna ou movidos,por
ntimos interesses.
As catastrophes se aoeiudam ; a urna desgrana
succede em breve outra, ao praalo nio ha mato
acordado por um infortunio, segu o praoto derra-
mado aobre nova chsga ; e nesta aequencia de
affliccoes quasi constante o soluco, o luto
quasi perenne.
Agora nao em arrodos mares que temos de
lamentar eom um naufragio a perda de muitas
existencias ceras ; mais perto, a poucas le-
guas de nos, que em alguns minutos pere-
cer m por entre os vrtices das vagas, pas, ir-
mos, esposos, filhos e amigos que quebraram
esses lacos da familia, todas essas raizes do co-
racio nao murcham e nio morrem sem affecta-
rem tambem os centros que ligavam ou os tron-
cos de que eram seira, a que daram rida.
Sobre este Ismentarel tuccesso eis o que sabe-
mos pela exposicio que delle nos fez o respectivo
commandante o Sr. Ornellas, chegado hontem no
va per Certt :
Depois de urna viagem de 13 horas, na qual
encontrara, rento e correntes contrarias,^chegfa
o Hermet 4 enseada deMacahi |4s 3 horas da
manhiado dia 28 do passado, e all desembarcou
tres passageiros, seguiodo para Campos aps urna
demora de meio hoia 1
Naregara entao o rapor na direccao da costa
com rumo ENE, qutodo 4s 4 horas sentio-se
como rogar e resralar o navio sobre algum esco-
Iho, nao julgaodo entretanto o mestre estar so-
bre pedras por ser-lhe a existencia deltas naquel-
la altura Inieiramente eslranha e deecoohecida ;
por isso nio foi interrompida a marcha do navio,
que fazia cerca de 9 rail has por hora.
O commandante comtudo ordenou que psrasse
a machina, depois deachar aete bragas de fundo
no lugar e areia, mandou proseguir viagem ; ob-
servou enlio o machinisla que entrava agua no
porio, oque, passando te a verificar, rio-se que
era exacto ; o mar entrara aos jorros pela proa
no ranchos equipagem.
Nessa emergencia, oio harendo nenhum recur-
so a adoptar para segurar o navio, foi dirigida
para a prtia a proa do vapor.
J oesse tempo a agua invada a machina, e por
tal forma que para se evitar urna explosio foi
miater suspender as vlvulas dss caldeiraa e apa- che*, do negociante
gar o fogo.
A sonda tinha pouco antes marcado seis bra-
gas, mas tal era a ioundacio, Tinha com tal rapi-
dez, que, deixando a machina desjfuoccionar,
mergulhou o rapor a proa as ondas e lentamen-
te subraertfio-se. estando a prala na distancia de
urna a duas mimas.
Tratou-ae eni&o de salvar ;,!. ui
estaram promptos para receber os passageiros, e
estes descerara ou antes atiraram-se a eilea em
tumulto antes de parar a machina.
O bote que achsra-se a eslibordo fez-se em
pedacoi e foi ao fundo, e o que estara a bom-
bordo affastou-se do navio lerando o dispeoseiro
e cincolescrarosde bordo e mais seis passageiros.
Ainda assim foi este ver so salrara gente do ou-
tro bote, mas delle s encootrou tres passageiros,
que eram os Srs. J. J. Pereira Bastos e seu filho
Francisco, e Miguel Joaquim Teixeira Peana, e
recebendo-os seguio para Macah a dar all noti-
cia do sinistro.
Apenas coostou elle naquelle porto, os conlra-
mestres dos navios all surtos, que eram os pa-
tachos Mercuri e Doui Caracote, e o hiato Trtn-
ta e um de outubro, partiram as suas lanchas
tripoladas para o ponto fatal onde o Hermet con-
serrara-se mergulhado at quasi toda a altura do
canudo. Parte da tripulacio e alguns passeiros
apoiaram-se ainda sobre os msstros, emquanto o
resto da gente boiara sobre fragamentos do na-
vio, canastras e taboas dos camarotes, esperando
cada qual a morle as ragas que os acoutaram
sobre esses destrozos 1
A lancha do patacho Mercurio sslrou os qua
agarraram-se aos maslrbs, em numero de deza-
oore, a do patacho Dous Coracet receben deze-
seis nufragos que moribundos'e mal seguros 83-
bre paos, pipas, e capoeiras senllam-se arrasta-
pos pela corrale e impellidos para o sul, j dis-
lando cinco a aeis milhas do lugar do sinistro da-
Silva Santos, Pernambuco,
Santo Aotonio; tubrculos
Mara Diolioda d
32 annos, solteira,
polmonares.
Valen ti m, Pernambuco, 10 annos, eseraro, San-
to Antonio ; disenteria.
Luiza Isabel Nones, Pernambuco, 38 annos.
viura, Boa-Vista ; phlysica.
Anloois do Sacramento da Silra Loureiro, Per-
nambuco, 44 anuos, solteira, Santo Antonio ; tu-
brculos polmonares.
ticiparim o occorrido, leo Jo gritado pata bordo
dos barcos surtos no potlo, de onde partiram
i m media tam en te osaescaleres competentemente
iripoldos para o lugar do aloistro.
< u Sr. Dr. Luiz Jos da Costa e Souza delega-
dode polica, dea lodas as providencias a seu al-
cance, 0 seguio tsmbem para o thealro da catas-
tro i>he.
< Fieram relevantes serricos, o sao dignos de
meugao muito especial os Srs. Jos Rodrigues de
Artejo, contra-meatre do patacho Dous Cora-
desta praca, o Sr. Francisco
Oiogo da Cunha; aquello digno marinheiro,
mandado pelo seu capitio, o Sr. Frederico Fer-
nandos da Paz, com toda tripolacio de seu bor-
do, salrou 16 nufragos I O Sr. Rolioo Ignacio
Nuues, coatrameatre do patacho Mercurio, do Sr.
Joasuim Jos Rodrigues Torres, mandado pelo
seu Opllao o Sr. Praociaa Jo.4 V'.U'.^., ata
lancha de aeu botdo com toda a tnpoiacao,
hoare-ae com gaiardia, e salrou 19 ridas I
O cootra-meatr do palhabole Trmta e um de
outubro, o Sr. Manoel JosGoncalrea, mandado
na reapettiva laucha pelo capitio do mesmo pa-
lhabole, o Sr. Joaquim Jos dos Santos, salvou
duas pessoas, os Srs. Manoel Jos Soares e Se-
bastiio Soares de Carralho. Foram as suas ca -
traas e prestaran! bons e raliosos os Srs Joa-
quim da Silva Villela, Joaquim Nelto, Manoel
Goncalrea Viaooa, e Joaquim Valenca, e o com-
mandante do Amafia; foram tambem a presta-
reis os servges que o caso exlgisse os Srs. J a cin-
tilo Xavier Drummond, Manoel Mara Coelho da
Rocha outros.
c O Sr. Joaquimfda Silra Villela salrou alguns
somente permiltidas aquellas que sssentarem em
substituirlo indiridual.
Tendo-se ausentado por algum tempo desta
cidade o Sr. proredor da Santa Casa da miseri-
cordia, acha-se em exercicio da referida prore-
doria o Sr. bario do Lirramento, rice-proredor.
Foram nomeados os Srs. Manoel Bruno Al-
ves do Couto e Joaquim Jos Forreira d'Almeida,
este para continuo e squelle para bedel da Facul-
dade de Direito desta cidade.
Hoje comecam as feries forenses, tendo hon-
tem encerrado os trlbunaes judiciarios os seus
trabalhos.
A' beneficio do selor Nunes, vai hoje i ace-
a no Santa Isabel o drama Abel e Caim, compo-
sico do Sr. Mendes Leal.
E' esta a ultima recita ou representacio, que
d a companhia dramtica ; e o beneficiado es-
pero com a concurrencia dos apaixonados, sendo assim
mais urna rez penhorado pelo publico desta ci-
dade.
Por causa da alteragio da sahida dos rapo-
res da companhia bratileira, resolreu a gerencia
da companhia pernambucana, que do aono futu-
ro em disute seja a sahida dos seus realisada para
o norte nos dias 5 e 20, e para o sul nos dias 1 e
15 de cada mez, devendo essa sahida ter lugar,
porm, no dia anterior, quando o designado cahir
em dia santificado.
A' cmara municipal de Serinhem foi re-
commendado, que prorideociasse no sentido de
ser a edificacio, que ora se promore em Game-
leira, eatacio terminal da 3* seccio da va frrea,
regular e ordenada, nio s quaoto i respectiva
bahus com aruliadas quanlias; a respeito deste j cordeacio, como ainda no que diz respeito 4 for-
INTEB10B.
BIO DE JAMvlBO .
, 5 da dezembro
Visitaran) hoaiom a exposicio 704 pessoas, que
com 2,275 dos deus dias anteriores somatan)
2.97.
Sao hoja inspaoteres os Srs. eonsetkeiros Dias
4a CtrraJho, Maris Sarment teaaoto-corooel
Couto Soares. entrada hoje de 500 res por
pesaos. .
Nio sa reallsaram inftlizmsnts as asperancas
que sobre este roto sinistro ooadeUara ceocebet
pois de urna lutado seis horsscom o mar ; nessa
numero estar o commandante do rapor; a lan-
cha do Trinta e um de outubro emfim salrou
dous nufragos.
Dous destes ganhsram por ai mesmo a praia :
foram J. M. Ferraz, natural do Maranhio e o pre-
so Pedro, eseraro do Sr. A. L. de Castro.
Chega pois apenas a 51 o numero dos que so-
breriveram, harendo quasi certeza de terem mor-
rido os mais por nio harer a [menor noticia
driles.
Foram apanhadas pela lancha do Trinta e um
de outubro algumas canastras.
O Hermet coserra-se com os calcz fra d'a-
gua, e um pouco inclinado a bombordo na direc-
cao N. O. e S. E. do meio da ilha de Sant'Anna,
que dista 7 a 8 milhas da cidade de Macah.
As autoridades earidaram todos os esforcos
parasoccorrer os nufragos: e o Sr. Dr. Costa
delegado de policia, depois de mandar seguir pa-
ra o lugar do naufragio todas as catrslas que ha-
ra no porto, dirigio-se em urna dellas para o ra-
por afim de prestar os serricos possireis.
O Macahente do 1 do correte faz a seguate
exposicio desls infausta oceurrencia, dirergindo
em alguns ponto da que cima transcreremos,
especialmente no que se respeitaao lugar em que
se deu o sinistro :
Mais urna pagina negra abarla pela mi do
Infortunio, mtis lulo, mais dosotacio, mais la-
grimas para a historia de nossa naregacio a ra-
por Havia o Hermet aahio do Rio de Janeiro
a 27 e chegara i Macah pouco antes de 3 horas
da manhaa do dia 28 do crtente ; deixando al-
guns passageiros seguio logo para Campos; le-
vando a aeu bordo cerca de90pessoas; mal po-
deriam eolio julgar que poucos momentos de
rida Ihes restara, que em breve as ondas se iam
abrir para derorar em seu seio tantas ridas pre-
ciosas, tantas esperances mallogradis.
A pouco mtia de urna milhe ao norte da ci-
dade, na contiouacio da costa, demoram alguns
recites que, se prolongando polo mar a deotro.ca-
minham em grande extensio; ioteiramente C-
benos em um desees alfaques balara o rapor,
nio parecen grande pancada, quando o ras
pr bate segunda rez, as reflexes, ossustos
econfuso eomecaram de apparecer, o comman-
dante augmenta a torga para reocer a difli-
culdsde e ttatou de irauquilliatr os nimos,
arada o rapor poda correr nttis urna milhs.
quando se parcebau que elle se alagara de
bom e humano homem de mar, lembraremos que,
por occasiao de harer aqu ha annos o desarro-
ramelo de um barco debaixo de um temporal
destello, preslou raliosos serrigos, e, por esque-
cimento, nio sendo contemplado na lista psra o
governo, deixou de ser agraciado, sendo-o os ou-
tros seus companheiroa; agors occasiao do ser
recompensado daiojusliga que por esquecimento
soffreu ; a respeito de Joaquim Netto, lembra-
remos que este intrpido o ralete homem de
mar a terceira ou quarta rez que faz prodigios
na salvagio de seus semelhaotes, tendo sido ji
condecorado.
Deus s i merc.o de fls e tenha em sua san-
ta gloria as almas dos malfadados nufragos.
c Assim como louramoa os esforgos e bons
serrigos em prol da humanidade, nio podumos
deixar de censurar o desagradecimento de al-
gn. Entre os otufragos, muitos perderam
quanto traziam, ortros ficaram taires reduzidos
a bem pouco ; entre outros porm, alguns nio fi-
caram nesse caso ; um salraram-o e a um filho
com summa difficuldade ; anda mtis, salratam-
ihe ora bahu com cerca de 2:0009 em letras e
valores ; pois bem, este homem conferio tudo,
achou-se riro com seu filho so lado, com sua
riqueza, e nio deu um seilil ao pobre marinheiro
que com tanto denodo, com tanta abnegagio o
salvara. Tambem ha destes homens 1
c P. S.O naufragio tere lugar s qcatro e
meia horas precisamente, lodos os relogios que
se salrsram estaram. parados nesse ponto. O es-
tudante que se salrou abragado com o caixio da
imagem e quesejulgou salro logo que, s* a pot-
ando sobre o caixio, leu : imagem de Notta Se-
nhora, o Sr. Antonio Manoel de Souza. O Sr.
Antonio Gomes Barroso salvou-ae em um remo,
um menino de 12 a 13 annos. O Sr. Lobato
conserrou admira re ssogue fri.
Eit finalmente que e porque modo termioou
o rapor Hermet e com elle tantts ridas precio-
sas.
Atseguram-nos que os ptsssgeiros salros sao
os Srs:
Joaquim Antonio Lobato de Vasconcellos, Jos
Carlos Ribeiro de Castro, Manoel Jos Pinto da
Silra e dous escraros, Antonio Jos Peganha Mo-
go, Jos Juliio Ribeiro Josi Juliio Ribeiro de
Castro e dous escraros, Joio Jos Caroeiro da
Silra e um eseraro, Joio Jos Pereira Bastos,
Francisco Ociarlo Pereira Bastos, Emilianoa,Piolo
Martins, Francisco Pereira Saturnino Braga, An-
tonio Gomes Barroso, Aotonio do Val Cardozo,
Miguel Joaquim Teixeira Peona, Domingos Aires
Barcellos Cordeiro, Ernesto da Silra Lima, Ma-
noel Manhies Brrelo, Joio Jos Rodrigues Bar-
bosa ; os Portuguezes Agostioho Lopes de Oli-
veira, Manoel Jos Soares, Antonio Jos Pereira
Codego, Sebastian Soares de Carralho Jos Anto-
nio Soares, Antonio Pereira de Castro ; o Fran-
cs L. A. Burguier, o ex-policial Aoiodo Ma-
noel Simos, mtis tres cojos nones se ignora.
Os eaasageltos nio comprehendidos nesta lista,
que completaran o atunero dos que o Varases
eosssuna para Campos eran os Srs.: Augusto
Pinto Brasil, Oridla Rodrigues Leite, Gregorio
Leite de Miranda Si, Jos Leite de Miranda 84,
Anionio Manoel Peixote do Saaza, capitio tean
ummodo iocrirel, a agua tomaro-o sem urna ript- te AmMbW Jacqooa eaodtray, duM^artedea;
dez espantosa, o commandante rendo-ie lrreme- ~
diavelmeate perdido apraoa para a prtia afin de
salrar as vidas; todas as acensa de horrar e toai.
futi preoriss de tees catntrephes seguir rase a
semelhante sinistro ; o* gritos dss miis esparori-
dis que. pediam. saccorro par* si i para suu &
aveo, padre Joofuim Pefreir da Roana, Joae
Joauuim TeiMira le Parla, Miguel Jos- Ferreira
Cooteiro Filho, Luis Francisco Baos Noaes,
Joaqun Jos Teixeira Sebriahe, Mareohno Tei-
xeira da Silva, Luts da Costa Mederjws, sua se-
obors e deu filhsi neoeres, Urbe* 4 Psira
ma de architectura.
E' esta ama acertada providencia, porquanto
esses pontos derem crescer dentro em pouco ; e
assim convem que desde principio parta a edifica-
giosob urna forma regular e uniforme.
Era para desejar que o mesmo fosse estricta-
mente obserrado nests cidade, afim do que se nio
rissera deturpados com casioholas pontos aliis
mui importantes, como nos ioformam que d-se
psra lados da fuodigio Starr, onde permitte-se
que se fagam arrusdos bem pouco convenientes
quer a belleza da cidade, quer a honestidade dos
costumes. _
Foi resolrido por acto presidencial de 16 do
corrente, que a laxa do sello de herangaa e lega-
dos seja paga com roferencia ao tempo do falle-
cimento dos testados e intestados, e nio iquelle
da entrega ou preatagio delta ; o que preceitaa-
do no aviso de 25 de ferereiro de 1848. '
Morimento da enfermara da casa de deten-
gao do dia 20 de dezembro de 1861.
Tireram alta da enfermarla :
Vctor Jos Ferreira. '
Jos (eseraro do Sr. Francisco Ferreira de Mello.)
Passageiros do rapor nacional Paran, sa-
bido para o sul: Maooel Luiz da Costa, sua se-
ohora e 2 filhos. Trujano Augusto de Carralho e
sua senhora, D. Msna Franciaca de Mello Carra-
lho e 1 menor, Andr Diogo Vaz Madheos, Alfre-
do Henrique Goura, Jos Ignacio Accioli de Vas-
concellos, Io cadete 1" aargento Jos Sergio Fer-
reira Jnior, 2o cadete 2* sargento Germano An-
tonio Machado, Adolpho Vasconcellos Pimentel,
Justiniano Jos Araujo, Augusto Muoiz, Francisco
da Silra Cirdoso, Simio Sampaio Leite, 3 escra-
ros de Josona B. do Sacramento Velloso, 3 es-
cravos de Manoel Aires Guerra, Joaquim de Sou-
za Teixeira, Beato Aires Rodrigues Tupinambi,
Ricardo Pereira da Costa, Auna Flix de Barros
Leite, 1 filho menor e 1 criada, 1 escrara de Luiz
Augusto de Oliveira, Jos Fetreira Rodrigues,
Alcides Moraes de Albuquerque Jambero, Joio
Jos Carralho Moraes. Ignacio Martios de Souza,
Joio Aires Guerra, Manoel Francisco de Araujo,
leam Vinne, 1 eseraro de Adriano & Castro, Bea-
to Jos Pereira. Mr. Cites Verrens Vctor James
Plorde, Cyril James Sbay, Domingos Pinto Perei-
ra, Luiz Brrelo Correa de Menezes e 1 criado, 1
eseraro de Joio J. Carralho Moraes, l eseraro de
Manoel Antonio Mooteiro, Jos Francisco Rebello
Reltrio, lente Joio Adolpho Souza, 5 soldados,
2 recrutas. 1 eseraro de Joio Piolo de Lemos J-
nior, Dr. Jos Pites Falcio Btandio, 1 filbo me-
nor e 8 escraros, Joaquim Mara Ferreira Souza,
Sererno Baodeira de Mello, Henrique Gustavo
BentoNobiliog.CIsudiano Falcio Dias el criada,
D. Eusttquia Gama e 1 eseraro, Josi Ribeiro
Soares.
Passageiros do rspor Persinunoa, sshido
para os portos do sal: Charles A. Viard. Mara
de Mendonca.
Passageiros do hiaVe Sant'Anna, saludo psra
o Aractiy:Luiz Caroeiro Mooteiro, Arsenio An-
nio Roberto, Jos Ferreira Pinto.
M0TAX1DA.DE BO OU 10 DO C0HSKMTB :
Francisco de Paula Caralcaall Xvier, Pernam-
buco. 21 annos, solteiro, Santo Antonio ; gastro
he potito.
Julio, Parasmbaco, 5 mezes, Recite ; interite.
Dionlzio. Peraamboet, 9 anos, 8. Jos; inie-
tite. .
Joaane, Pemanhuce, 14 mexes, Santo Antonio}
coeirulaoes,
CHRONIC* UICURI*.
Tribunal do commereio.
SESSO ADMINISTRATIVA EM 19 DE DEZEM-
BRO DE 1861.
FHBSIDKHCIA DO EX*. SR. DESKBARGADOR
V. A. DB SOUZA.
As 10 horas da manhaa, reunidos os Srs. depu-
tados Reg, Lemos. Basto e Silreira, o Sr. presi-
dente declarou aberta a sessio.
Foi lida e approrada a acta da ultima.
EXPEDIENTE.
Foi presente a cotagio official dos pregos cor-
rentes da prtga, da ultima semana.Archire-ae.
DESPACHOS.
Um requerimento de Roslron Rooker & Com-
panhia, pedindo para serem registradas ss pro-
corages que aprsenlaComo requeren).
Outro de Beato Aires da Cruz e Firmiano Jos
Rodrigues Ferreira, pedindo o registro de um
documento.Como requerem.
Outro de Francisca das Chagas Ferreira Sarai-
ra, pedindo que se annote o lugre Santo Amaro,
de sua propriedade, em nome de seu marido
Francisco Gomes da Silra Saraira, que acaba do
ser naturalisado cidadio brasileiro.Vista ao Sr.
desembargador fiscal.
Outro de Valeotim da Silra Barroca e Antonio
Ignacio do Reg Medeiros, pedindo o registro da
dissolugio de sua sociedade, sob a razio de Bar-
roca & Medeiros.Regislre-se e publique-se.
Outro de Bailar & Oliveira, pedindo que se lhe
rubrique um lirro que tem de servir de copiador
por maquina, de sua casa commercial.Nio tem
lugar.
SESSAO JUDICIARIA EM 19 DE DEZEMBRO
DE 1861.
PRESIDENCIA DO BXH. SR. DESEMBARGADOR
SOUZA.
Secretario,Julio Guimares.
A meia hora, o Exm. Sr. presidente abri-a
sessio, achaodo-se presentes os Srs desem-
bargadores Villares, Silra Guimares eGiliraoa,
e os Srs. deputados Reg, Lemos, Bastos e Sil-
reira.
Lida, foi approrada a acta da sessio antece-
dente.
JULGAUENTOS.
Appellante, Joio Maooel Rodrigues ; appella-
do, Andr Barbosa Soares. ,
Pendente por embargos *'
Sorteados os Srs. deputados Reg, e Bastos
Relator o Sr. desembargador Villares.
Desigoado o dia de hoje
Desprezaram-se os embargos.
Appellante, o bacharel Antonio de Vasconcel-
los Menezes de Drummond ; appellados, os her-
deiros de Joao Ilenriques da Silra.
Designado o dia de boje
Sorieados os Srs. deputados Reg, e Bastos.
Relator o Sr. desembargador Villares.
Reformou-se a sentenga em parte.
PASSAGtNS.
Appellantes, Oliveira & Guimares ; appellado,
Manoel Jos LeiteGuimaries, testamenleiro ein-
rentaante dos beos de fioado Josi da Silra Pinto.
Do Sr. desembargador Silra Guimaties ao Sr.
deaembargador Villares.
Appellantes, Diogo, Filho & Companhia ; ap-
pellado, Joaquim Salrador Pessoa de Siqueira
Csralcanti.
Do Sr. desembargador Silra Guimaries ao Sr.
desembargador Villares
Appellante, Manoel Joaquim Dias de Castro ;
appellado, Aotooio Jos Dias.
Do Sr. desembargador Silra Guimaries ao Sr.
desembargador Villares.
Appellante, Francisco Jos Germano ; appella-
do, Benjamim Franklin da Cunha Torreao.
Do Sr. desembargador Silra Guimaries ao Sr.
desembargador Villares;
DISTRIBUICOES.
Appellantes. os curadores fiseses da fallencia
de Joaquim Luiz doa Santos Villa-verde ; ap-
pellado, Narciso Jos da Costa Pereira.
Ao Sr. desembargador Villares.
Nada mais ha vendo a tratar, o Exm. Sr. presi-
dente encerrou a sessio, declarando que estaram
dadas as ferias.
Jury do Reeife.
5.a SESSAO.
Pretidencia do Sr. Dr, juiz municipal da pri-
meira vara, e juiz de direito interino da se-
gunda, Hermogenet Socrate Tacares de Vat-
concellot.
Promotor publico, o Sr. Dr. Francisco Leopoldino
de Gusmio Lobo.
Escrivio priratiro do jury, o Sr. Joaquim Fran-
cisco de Paula Este ves Clemente.
Depois das revistas era que havemos publica-
do o morimento diario da 5.a sessio do jury,
ser talrez conveniente offerecet um quadto
syolhealic desses trabalhos, que respeitam um
dos mais importantes interesses da sociedade.
A sessio judiciaria que fra convocada por edi-
taos para o dia 18 do mes de norembro, foi devi-
da mente aberta no dia 23, dia em que foram apo-
sentados pelo juiz municipal da 2.a rara os pro-
cesaos preparados, um dos quaes foi para logo sub-
mettido i julgamento.
Esgotados a 10 de dezembro os 15 dias de ses-
sio ordinaria, e sobrando ainda varios procesaos,
foi consultado e decidi o jury que a sessio fosse
prorogada at ao dia 14 do crtente, qutodo defi-
nitivamente foram encerrados os trabalhos.
Durante esse interratlo foram submettidos i
julgamento 18 processos, compreheodendo i 22
reos.
D'entre estes, respondersn 4 4 segundo julgs-
meoio, 1 i terceito julgamento, e i respeito de 1
foi julgada prompta a aecuaagio pelo Dr. juiz da
direito.
Foram condemnadoa pelo jury:
Jos Joio, 4 8 aonrjs de gales.
Antonio Jotquim Aires Pereira, idem.
Bernardino da Costa Leite, idem.
Aotooio Gomes Senna, idem
Jos Raymundo da Silra, 4 1 nez de prisio
simples.
Florencio Augusto dos Ssnfos, iden.
Foram absolridos pelo jury :
Procnpo.
Ismael i.* julgamento). y
Antonio Luiz Das (2.* julgamento.)
Mtria Dmasa da Cooceieao. \
Joaquim Ignacio da Silreira Botges.
Antonio Rodrigues Pinhetro.
Jos Ignacio dos Saotos iulf >eoto.'
JoU Qirysostomo Pacheto Soate.
Miguel Archanjo da Paixio.
AUxandre Visitada Araujo Carslsaali.
i*
foio Antonia do Nasdneto, Pernanbieo, 13 l^ls,scxarodtn4ios Gsrquet,
anuos, toitetr*, 8. MM J hldrolorn. MarceUmo ferr!". |

1 M _-..* ^navtin. MmW


MMi'MMHimii tt mmi
tUIO 1 tlMAHl^ i. um^DO U M^lEMHO fcl ili.
Luiz, escravo de Sabssttlo de Barros?
Ignacio Jos Ranos, 1 f? |
9)
2
MU
qae absolvern aoi seguintes reos :
Maris Daraasia da Conceicao. .
Antonio Rodrigues Pioheiro.
alomo Paeaeco Soareii
> Perreire"
CjrdeSoGame.
it peotieej
le absolvern) sos
r.vo de Aot
gnea Po he
idus Sanloa.
I pernal jery os Srav____
Jos de herid. Perna*bco.
1 Moreira Guerra.
Or. Antonio Jos da Costa Ribeiro,
Dr. /os Leandro de Goffoy e TTconceiTdsr
Dr. Joaquim Jos de Miranda.
r. Domingos Monteiro Pe.Xoto.
S&" 5? .^c< Teiaira. .
52 ftlf^1^ HS*'0 Ien4a.5a.
IV. Miguel B. Vieira de Amorim,
Acadmico Sales.
ita Rodrigo da *!. _
tMU mWPM DO REClIfc
SESSAO EXTRAORDINARIA AOS 6 DE DE-
ZBMBRODEt861.
Presidencia do Sr. Barros Reg.
Presentes os S. Heoriq.es da Silva, Mala,
Sera, Barata, Reg e Melle, abre-se a sessao, e
* iida e approvada a acta da antecedente.
Foi lido o seguiole
_ EXPEDIENTE.
Usa oftttio do Exra. Sr. presidente da provia-
*ls.dizendo que nao pedendo prestar-ae para a
reuMaodo collegio eleitoral. por achar-se em
<*ns.a igreja matriz desta freguezia do Santo
Antonio, designara para essa fin a igreja do Es-
pinto Saoto.Inteirede,. declarando o Sr. preai-
deote Barros Reg ter ponderado a S. Exc, lian-
do recebe o dita oficio, que devendo ter lugar
do da marcado para a reaoio do collegio, a pro-
issao de Corpus Ghriali oa mencionada igreja do
Espirito Santo, se gtiasse S. Etc. de designar
Outro do mesmo communicando que atienden-
do ao que lhe ponderon csmars municipal', ti-
nha resolvido que a reuniao de collegio eleoral
wetrte meeicipio se effectuasse na igreja de Rosta
Seabora da CooceiQo dos Militares no dia para
ease flm j marcado, Hcando sem effeilo o em que
designara de Espirito Santo.Ioteirada.
Outro do mesmo, concedendo a aulorisaco pe-
did, peta cmara em oIBcio de 4 de no?embro
WWmo, para alterar a planta da cidade, na parte
relativa a Iravessa que d sahida da ra do Ran-
8 p*a d* P**ia ~ Po,to em discusso, e
ando-se sobre a mesa urna peticSO em qae Jo-
sAotonio de Souzs Qoeiroz, proprietario das
cesas os. M e 31 da toa do Range'l, eoire as
qa.es passa a mesma travesea", offerece a quan-
tia de 100S por cada palmo do terreno da dita
travesea, que essim lapada lhe tira a serventa das
ds casas.Posta em discossao, deliborou-se
qeedit ptic,o fosse remetlida a coumfss'o de
ot^ea (Ueriqoe da Silva e Seve.)
Oatro do mesmo, convidando a cmara a sssis-
lir ao cortejo que devia ler lugar no palacio da
presidencia no dia do correte as 4 1/2 horas
de tarde.Ioteirade.
Outro do mesmo, remetiendo por copia, o ac-
to pelo qual approvra provisoriamente os oilo
artigo, de pstera a que se referia o officio da
C,B8" *e 28 de outubro ultimo.Addlado.
Wro do mesmo, dizeodo em resposta ao que
lhe expoz a cmara em sua iofcrmaco de 7 de
outubro ultimo, dada com fefereocia ao requer-
meato, em que Francisco Botelho de Audrade of-
ferecia-se a fazer ts duas ultimas parles da es-
Irada do Matadouro desta cUade, por menos um
Xerco da quaoti. de 10:478*822 rs\, por que con-
tratara Jos Augusto de Araujo o acabaraento da
xnesrna estrada, e que sendo eslo abalimento con-
aideravel em favor dos eofres municipaes, cum-
preque se abra a concurrencia em harta publica
para a eiecuco da reesma obra.Posto em dis-
cusso, deliberou-ae commuoicar a S. Exc. que
qaaodo a cmara ioformou o requerimento de
Boielho, no qual offerecia o abate de um terco
sobre o contrato feito com Araajo. levou ao eo-
aheeimenlo de S. Exc, alm de outras razoes,
que fuera o dito contrato por julgar-se para iss
autonsado pelo oOrcio de S. Ezc. de 25 de setem-
hro irtiimo, e continuando logo o contratante na
xecucao da obra, neila tem proseguido atemo-
ra, havendo j decorrido doua mezes, torna-se
impossivel ezscuiar-se o que determina S. Exc.
em aeu citado oficio.
Outro do iospeetor,da ihesouraria de fazenda,
jindo do goveraa da provincia para a cmara in-
formar, no qual o mesmo inspector, referindo-se
o do coromandante das armas, declara a S. Exc.
que, pela decisio do gorerno imperial de 22 de
Janeiro de 1857, entende que as afertcoes dos es-
xabelecimeoios publico3 devem ser fetas gratui-
tamente pelos empregados muoicipaes.Que se
coasuliasseao advogado.
. V'.'l.r0 .do JUU(1* P* presidente da mesa par-
lelo, um mea d Heenca com ordenado para
3gg. M^aaraab&< vsrassz
Despacharasa-se as peticoea
iadeAlmeMa.
Oliveiro, Aatonio*
de Albino Henri-
Aotooio Joaquim Pereira de
io Joaquim
acreditado, que o aonhado crete
eao paatou de ama idea, que saoi
come tinha nascido. Alem de que
o Sr. Germano ficou impune, e n
ceomra cabe astea a autoridade que
ceaiou, tal era a coofiaoca que tinba '
chaeet Pranctaco
Aetoflio MWra
ee4ko-, rannseo tvteMto de Andrade L'ft
l Ra* m
Jos Pe rea ee Cruz, Jeaayafm Aotonio
eWio de Soua QueiniaKJoao
Jle Aotue*. GuMlerte.^iVde
Gdvelte nrreirvCesta^ice Aegaeto e Arau-
jo, Luiz de Franca da Crux Ferreira. Luiz Jos
de Corta Amorim (Sfc- Maooei
Esteres, Rarcito l"oa da Costa PeVeTra, Higuer r.indo a senta! onde mes
Jes-Bef^sa.4juMnraeii. Saavaoer -Aagto Pi.
menta de Souza Peres, Salvador Augusto de S'ou-
xa Paree, Satvador Barbalao Uthaa Caraloanti,
Severioe Serrlo de Barros; Severiae Jrjs de Al-
meida Leal, risceade de Seeasana e lovantou-se
a sessao. v-
Eu Francisco Ciento da Boa-vigem. officiat
maior a escreti no impedmeoto do secretario.
Henrique da Silva, pro-presidente.Reg Mala.
-MelidVLeal Ser.
tffimuijricadt^i.

mioi
i


o simH
ttencio
UBrr
Mere
dJMer cidade tod
^a*e e
dade de
presides, por isso que nao leal quem
er-
nio tere
^roeeu^a, espe*
aaaim acoberla b
co
.l:.i .. t__ rr r zz:------~ .- K.- --- w k'" iurin,c u uuitu ue una relala
chiel da freguezia da Boa-Vista, remetiendo oh- oo deve ser calcado sob o peso da reDrovaco
vro das aclis ra p nii-ia mu >li;n>>n.nin ~ c. ... ,t. _=_____ L ,r
Um jornal desls cidade. em sua qualidade de
orgao ds asiciaco commercial, acaba de das
a estampa um Communicado deiolersse parti-
cular em que se langa ao Sr. Dr. Alencar Araripe,
jbiz de direito especial do commercio, a imputa-
do gravUsima da haver esireado a marcha de
jnrisdic^o por actos que rao derramando a der
e o luto no seio das familias.
Kmbora o contemporneo tenha protestada nao
muuogar o peosameoto dooommunicante, coo-
vlr talrez nao deixar que pssse sem reparo esss
irtjeiti accusacSo que o Sr. Rufino Antonio de
Mello arge ao uoaso preslimoso aoiigo.
Perdoar-nos-ha.o Sr. Dr. AleocarJAraripe sepor
este modo somos forcados a ferir a modestia de
sua vida illustre^portanto e to assignalados ser-
rlSos ordem da justiga
Aoadrioha-se o Sr. RuUno de Melto COffl a
taialidJdetnslissiroadamorto deseu iraiao Fran-
cisco Antonio do Rege Mello, para despejar em
sea communicado as iras someole proprias de
quem nao se conforma com os decretos da Pro-
videncia. Por mais digno de lastima que seja es-
te facto, cumpre que nao se illudam os espiritos
menos acautelados em orden i attribui-lo um
excesso de sereridade por parle do Sr. Dr A
Araripe.
Era Francisco Aotonio do Rege Mello estabele-
ctdo o esta cidsde, ra Nora n. i, com um loja
de sapatos. Tropezando no curso de aua vida
commercial com as difflcutdaJes do lempo, e em
lula com serios embarazos de insolubilidad^ re-
quereram alguns credores a abertura de sua fallen-
ca que para logo lhe foi declarada por sealeoca do
Or. A. Francisco Peralti, datada de 3 de marco
do correle anno.
Infere.ee j a'aqui a deslealdade com que o Sr.
Rufioo de Mello accusa ao Sr. Dr. Alencar Ara-
ripe de narer mandado fechar o eatabelocimeno,
insinuando ao mesmo lempo que at essa data
nenhama lettra do fallido baria deixado do ser
paga.
Kesigne-se o Sr. Rufino de Mello i consultar
os autos, e ah ver, nao saque a falleocia foi
aDerla regularmente em vista de leltras nio pa-
gas, como tamben que o Br. Dr. Alencar Araripe
encooirou o processo mixto en caminbo adan-
lado de iutlrucgo.
N'esse termo do processo, quan^o a primeira
senteoca paseara em aggravo, cumprio ao juiz
qualificar a fallencia, e tal foi o procedimento do
sr. Dr. A. Araripe.
Seria por ventura rasoarel que ae desse um
adiamento inierminavel aemelhante causa,
quanao todaa corrern peraote o luiz do commer-
cio uma uotavel celeridade ?
No fez, iportanto, o Sr. Dr. A. Araripe senio
cumprir com restricto o dever do aeu cargo,
epois de conceder vista ao Sr.Dr. promolorpu-
oiico, para que este disscsse sobre o merecimen-
to dos autos oa parte criminal, e havendo o Sr.
ur. promotor publico requerido a proouoeia do
lalhdo como ocurso no art. 821 do cod crim. por
^fter;^Ua'fic"f,ll-I,cia D0 Krrnoe do aru
SOO. 8 1, e art. 801 5 t e 2, publicou o juiz a
senteuga respectiva pelj aual no, conformou ule-
aamenie com o roto do orgo do ministerio pu-
blico. r
V, pois, o Sr. Rufino de Mello que o proce-
dimento do integro juiz do commerc foi em lu-
do conforme com a prallca do processo." Fez pren-
der Francisco Antonio do Reg Mello por eTei-
lo de pronuncia.e se 4 dahi proveio a morte do fal-
lido, deve ella ser altribuida um designio im-
prescratavel da Providencia.
NSo desejamos augmentar a BffQo ao afllicto,
narran o alguns tactos posteriores ao fallecimen-
lo de Francisco de Mello. O tmulo
todos os povos
mesmo
seu rancor com a capa da anunyao 1
Nao nes occuparemos pols eo contestar aquillo
que o publico conkece. ialo essa. husma de pro.
cessos, que fez com que o Sr. Germano, na ncssa
optnjio, mais uma vez prova-se a conideracjo
que lhe voten os homeoa de en, aniquilaado e
redorindo ao nada essa multidao de proto-
colos, recheiados de tantayttsd'ea, que oem um so
flcou leado a importancia que lhe prtendiam
Tanto pro va o desejo de molesta r, e tsl a mo-
ralidade desse escritor, que se propoe a corri-
ga, e offerecer gratuitamente ao Sr. Grmroo,
uma norma da ride mais que exenpiar, ( tirada
de seus escriptos ) que dia no se ooneciencioso
communicado :Acha-se Sr. Geraaooleaoon-
dendo aoresoeelivo processo peraote o Dr. Costa
Ribeiro, ( o Sr. Or. que lhe respndase rerda-
de 1 e breve lera de responder ao processo deea-
tellionato, (anda o estellionato I irra 1 1 ).lm de
ja estar respondeodo ( Jess quanio processo I 1)
outro por crime de injuria contra o Sr. Vitlela
( ahi que bate a podra ) perantea segunda rara*
do juiz municipal
Awiei^inopeolo^quefespoaadaarindao llln.
Sr. Dr. Araujo Barros.
? i'8"0* 6*' qoe e ta* moralidade e impar-
cialidade do commuoicaote, que sem peio afian-
?a tuo quaoto tica dito, e a quem Ao publi-
co, de Peroambueo, que sabe, e est inteirado
da prxima viagem do Sr. Germano para o Ma-
raohao, ende j deve estar dando cumprimento
sua palavra, por que publico e notorio, que
esse dislincto e honrado artista eelebrara com o
governo desss prorinoia um contrato, para o qual
prestara una flanea de seasenta tontos de rls.
Finalmenle.de tal forma est coobecida a falta
de rerdade no communicado a que alludimos, que
sem a menor ceremonia abandonamos o terreoo
ao aggressor que sao tem baataote energa para
ferir face a face. Todava julgamoa prestar ao
Sr. Germano m raco tributo a nossa amizade
assegurando-lhe ama rez por todas, que se em
Peroambueo tora-detractores, tsmbem eonta ami-
gos dedicados que fhe sabem fazer jusliQa a Jes-
peito da inveja que rala e mortifica a eises ciioa'
da humanidade. V
Nao sao inimigos perigosos.
*
i do aoiso eoraao lerendo ao
iblieo ; aiada que em um pe-
hado os beneficios prestados
da Catania.
ofendemos a modestia do
roda Dos,dette virtuoso apostlo
1 pedlmoa^JtACalaa os fsc
| com tanta Bsela
linhas.^ ^mmaeu
smbro de 1801.
Rufino Srtfariaae da Cunka.
ta
A noite clara, coas sgaos neroelros repto ESE
fresco easein amanhaeeu.
OSCILAClO DA aHt.
Preanar as 6 h. 30' da maoha, altura;(p.
M'"" O b. da tarda, altura 1,9 p.
Observatorio do arsenal de uarinha, 90 de de-
Sditaes.
Tef1"
e pretenle
BliiMn Ferreira d'Annunciaco.
?. 0 lllm
rladal, em
Ct da renda dea eaeaa de
PM. foi UililiHi, 9M\
Qm gratiotti.
Os bons sereicoe nao deve flcar no esqoeet-
W.eeto. os fot entregue pelo Coracio de Mara desla 'resuezia, qu en
"4? Bo^oaero- de- 1S6 oietuuhecldo ^
V mrsaionsno apostlico, meta po-
roacao de Itapissuma, districto de Iguarass
ondeeoptegenle brandas e delicadas expressdes
comportas eos toda moralidade, comquaoto en-
contrase* grande numero de indecencia na dita
ovoaieiD.a algn deaprezo I adoracao, com lu-
do o&ieve o quaolo pretenda, fazeodo casar araa
de^nero de amaocebades, rt de 28 sones I
multas mocas honestas, orpaaaa e rinvss ; urna
immenaidadede biplizadoa, uns logo que se bap-
tizaram, casaran e baptiaavsm oa Qlhos ; fez um
8ran.de. remiterio em seis das, delxando rebocado
e carado, com aro beotto|portio.|dentro um nicho
para o Coraco de Maria ; emflm, obra que nao
ae razia com quatro contos de rls : alm do que
tenho dito,.preatou se com todo o desejo a con-
certar os coracoes do pffvo de Itapisauma. A sua
despedida fot sensivel, disse que levara o poroj
em sua lembranga ; e por nos ser dado pelo Co-
rceo de Maria tanto praxer, ao mesmo Coraco
rogamos que lhe d longos aonos de vida para nos
dar o prazer de tonurmos a onrir as suas sud-
plicas. v
V. F. M. Jnior.

Hissf^ em Pedfas de Feg.
A Virgem e a Mariposa.
Insensata Mariposa,
P'ra que assim buscas a norte ?
Abrasar-me oesta ehamma
E meu fado, minha sorte I
E porque entr'as florionas
Nao procuras adeijar ?
Porque tenho amor ehamma,
B m'apraz nella acabar.
Nio ti aprai tamben des campos
Das florinhaa o perfume ? ,
86 me apraz, espanejando,
Abrasar-me nesle lume!
Deixa, deixa, a luz qae anas,
Que le illude cegamenle ;
V lamben qoe nao te illudas
Comoeu na ehamma arden te I
Eis, Horrendo a Mariposa
Qu'ioda be pouco eavoacara ;
E a Virgen tristemente
Pensativa murnurava :
Pedro das Nares, oiz m paz de> iiihnslw
districto da fregtsMia de S. Fre Padre Goacal
jea da cidade do ledfe, ele.
Fkco saber aos aenhores elelores e sapplastes
"'reguezis^ que en rirtude da lei regula-
nonlar las eteoaay ouo dererao eonparecer no
da 19 de Janeiro de 186, terceira domrnga, na
fgrma matriz deste freguezia s 9 horas da m-
nna, afim de orgaaisar-se a junta de qualiflca-
?ao que tam de rever a qoalificacao deate anno
>........
.........
que eolre
merece o culto de uma religio,
vro das actas da eleigo que ltimamente se pro-
ceder par juizes de paz da mesma fregaezia,
loteirada e que se coovidasse sos juizes de paz
novameote eleitos a comparecerem no dia 9 do
crtente no paco municipal para prestaren o ju-
ramento do eslylo.
Outro de Horace Greea & C., eeoridando a c-
mara a assistir no dia 2 do correte o assenia-
mete do pnmeiro cyliedro de ferro as obras
da ponte no?a do palacio da presidencia at a ra
da Aurora.loteirada.
Outro do juiz de paz do 3o anno do V districto
da fregueiia do Recite, commuoieaedo que ac-
luaimeote nao lhe era possivel entrar em exerci-
co.Inteirada por j se ter chamado o quarto
-votado. *
Outro do subdelegado do 2* districto de fre-
guezia dos Alocados, remetiendo o termo de io-
fraccao do 1" do art. 1 das posluras de 1 de
outubro deste aneo, connettida por D. Claudina
Candida de Rezende, propietaria do deposito de
plvora na estrada do Cixaog.-Qj 9e remet-
e8se ao procurador para mandar proceder a co-
iiranca.
Ostro do inspector de (sasde toblica, pedindo
aoavesse a cmara de lhe responder ao p do
dte officio se, na qualidade de inspector da sau-
ce nunca visitou os diversas esiabelecimeoos de
nveres alimenticios e acougues: ss oo tinba
semprecumpndocom os deveres de seu cargo e
se a mesma cmara Un ha alguma eeusa a no-
tar-lhe que merece censura como empregado pu-
blico.Que se respondesse ao inspector de sau-
de constar a cmara ter sempre elle visitado to-
dos os astabelecmeotos de gneros alimenticios
desta cidade bem como oa a;ouguea, que tem de-
setnpenhado os aeus deveres no exercicio de seu
emprego, porque lhe nio consis o contrario e
finalmente como empregado publico nenhuma
censura tem a notar-lhe.
Outro do juiz de pa do 4o anno do Io distric-
to da freguezia do Recife, communicando ter en-
trado em exercicio Inietada.
Oatro do fiscal do Recite, iorormando qae Jos
Antonio de Carvalho poda fazer as obras de que
aeeesaita a sua easa n. 15 do largo do Corpo San-
to.Concedeu-ae.
Outro do fiscal da freguezia do Poco, commu-
nicando em resposta a portara qae lhe fra di-
rigida, que a travessa existente na estrada de
Sant'Aona entre os sitios de Tbomaz Hartery e
o des nerdeiros de Nicolao Rodrigues da Cunha
sai ter na campia da Casd-Forle oa exlencao de
18 palmos na abertura queda para a dita estrada
de SanfAnoa, de 23 palmos na abertura que d
Se eata idea nao nos obrigasse suspe'oder-
nos, poderiamos com razSo de sobejo perguolar
ao Sr. Rufino de Mello como explica que, um
commerciante de boa f, se tenha encontrado em
estadj> de fallencia a quantia de 3.690} em sua
mala de viagem 1 Poderiamos ainda fazer aobre-
aahir que o fallecido, poucos das antes de aer
ffann i ,comPm um escravo pelo preco de
lr200 I I
Convem, portanto, nao revolver maisessesau-
tos que vo ser condemnados perpetuo esque-
ciroento. Arme-se o Sr. Rufino de Mello com a
resignado de Evaogelbo e n'eata provenga de sua
vida aprenda cora ana dura experiencia que pas-
sou o lempo em que os pais davam amorpor da
justica os proprios fllhos em supplicio.
E VV. SS., Srs. redactores, digoem-se trans-
crerer aqu juntas as ipclusas copias.
Promoco.
Atiento o exame que procedern os cura-
dores flseaes fl. 101, de justica quo o fallido
Fraocisco Antonio do llego Mello seja pronuncia-
do priso e lirramento como incurso no art.
821 do cod. con;, visto como deve a fallencia ser
]ulgad culposa nos termos do art. 800, i, e art.
801, SS 1 a 2, do mesmo cdigo.
Recife, 2 de dezembro de 1861.
O promotor publico.
F. L. de Guimo Lobo
Senenca.
Visto estes asios de fallencia, nostra-se, qui
por aentenca de 13 de margo ultimo a fl. 16 foi
declarado em estado de quebra a requerimento
de alguns credores; e das diligencias subsequen
tes a essa decaracSo mostra-ae que o fallido fez
ltimamente despezas excessivas com o seu Irac-
tamento pessoal, e nao tinha a sua escripturacio
mercantil em termos regulares, e deixou de apre-
senlar-se em lempo opportuno, conhecendo o seu
estado de insolvencia: assim qualificoaqqebra
como culposa, atiento o dispoalo nos aits 800 8
le 801 8 1 e 2 do cod. do con., e proouocio o
dito lallido corno ocurso as penas do art. 821 do
citado cod. ficando obrigado priso e livraneoto
oa forma-se legal. Passei mandado de priso con-
tra o fallido pronunciado.erenetlanse estes au-
tos ao superior tribunal da relami para quem re-
corro d'esta minha decizo, segundo determina a
Recife, 7 de dezembro de 1861,
Tristoo de Alencar,Araripe.
E digno de/tcoDtenpler a netanerphote de
Pedrs de Fogb, em o decurso da missao dada
peto Kvm. padre-meatre Fre Seraphim da Gala-
na ; por este digeo missionario apostlico, qne
com soavidade diffunde a palavra de Dos r qae
t'^n 5 ,!m"bid0 nlTter todos os habitantes
ae ledras de Fogo e seus contornos, fazend ea-
mr a tatuidade de geole que, deixando de estar
reclinada em rico sof, oa estirada em fofo leilo
onde a menor roga da fina colcha a feria mcer as
costellas, temos visto andar por estas ruasiob o
peso de nma enorme pedra, cobertos de p. ver-
gados a un trabalho eonilnuo, e desproportional
para gente de certa plana I.... Quantas raaos re-
camadas de aneis ; nevados bracos onde ortr'ora
icintillaram ricos braceletes, desfilara de dii cem
alan pelas ras carregaodr. agua, barro, sreia e
"i""0'..... Homene de todas as idadea e codi-
coas, e com eapeciadade os rapszes. entrara nfa-
lrL,P,T MU,- rUM ao som a B*c qe lera ,
prestado grandes servicos ; trsseado ao nombro Id,m
tres leguas; >'~ ----.-
. arofedV .Vpl Ti. 2163 0000,^0! T^ '"P"^.
to por ser a mesma tortuosa, nao pod "do saber 32 ^l'; Pf* 1?Ddon>
q-eraellapertenceieconauant^aeiato^ ?i">re.',a!M Pr c d? ld
qaen ella perteoce; e con quanto seja torluo
sa nio lhe consta que se preste asylo demalfei-
toree.Qae fasse ouvid o engenhero cordeador.
Comparecen o ctatfUo Ftanoisoo Jos da Sil-
va, dando o resultado da cemmissa que lhe ha-
ra a cmara encarregado, declaron qua o pro-
pnetano do terreno qae (ora escolhido para o
?.",Uft<,diU.r0.<, ^WW* ? f?o, nio qsz ce-
der o dito terreoo por meaos de 3UrW.-rNaoe
se deliberen i respeito.
Foi revotada
asalo de 18 de
nbaor sido reno
(sertas da cidadav?
A' requerinetd
Manoel Ferreira
todos os vencimenei a \
pw nais4 mezt, contar *7
Ceoedes-se ta
frdfMfJs da
Qndo srerdadese az publica, revertida do
inda mesmo
o nico intento
todas a conve-
niencias, revelando apaoas o desejo da. salisfazer
a pequenxnas paixes, o espirito mais calmo e re-
flectido exalta-se e provosa-se para reprorar Ao
censurare! procedimento.
Un incgnito comnunicinle do Diario ds 19
do eorrente, preleodeu con o seu infeliz erra*
abado, desconceiluar o Sr. Gernaoo, na opioiio
puWica, olvidando qae se eipunha i mais aarra
critica, pelo modp allaneoie descoriez e incivil
e assim tem viudo taita madfJio
precisa, como lamben veio uma madre de ses-
senta e oilo palmos de com primelo e dous e
meio em quadro, e uma pedra para soleira eom
treze palmos de comprmeme e ojio de grossura.
Tal o poder da nossa santa religio ; tal a
torca com qoe germina em tolos es coracoes,
que tm a ventara de ouvrr a patarra de Deus
iransmittida pelo venturoso capuchioho'Fr. Sera-
phim ; PeJras.de Fogo tem dado uma prora so-
lemne de seu fervor religioso ; honra lhe seia
feta. '
O dia 11 de outubro de 1861 abri aras pe-
ca gloriosa para aquella lugar : pesando nesse
da aquella solo o memoravel, e Rvm. eadre-
mestre br. Seraphimo seu primeiro cuidado foi
constroir um templo dedicado Virgen Santissi-
ma, sob o augusto titulo de Nossa SeBhora da
Concecao.
Este templo, doado a Podras de Fogo pelo
Rvn. Fr. Seraphim, acha-se situado na parte
pertencente fregnezia do Taip, provincia da
Parabyoa ; de uma bella archiiectora e soberba
perspectiva ; o pavimento terreo acha-se um pou-
co elevado do nivel do slo, tende a frente exte-
normente 85 palmos, e 155 de extenso ; a fa-
chada a mais bella ao gosto da ordem toscana ;
aprsenla uma frente sustentada por qualro co-
lumnas, tres portas de frente e duas torres, que
dao a esle templo uma magestade encantadora 1
Q seu interior de um gosto sublime ; tem 45
palmos de largura e 105 da porta principal ao ar-
co, que d entrada capella-mr, tendo esta cin-
eoenla palmos de cemprimenio e 40 de largura
as paredes lateraes aeham-se guarnecidas de qua-
tro arcos de quinze palmos de largura e trinia de
altura em meia parede ornados cada un de duas
columnas, que descaocam sobre uma s base ;
no pen tro dos espitis das columnas corre un
coruijao, e sobre esle cornijamento toscaoo se le-
vantara columnatas de um bello perfil; no mes-
mo sentido e proporco das primeiras eolumaat
no intercolumaario esto olaraboias de aeis pal-
mos de dimetro, que d um realce em virtude
da luz que transmitiera ae interior do templo, ex-
cluiodo as tribunas; o aieo-mr, que d ingresa
capella, de un gosto hoje peculiar da Italia ;
lem 3j palmos de vo, que, pelo grande espaco
que oeeupa, absorve o plano em que se cosiuma
a collocar os altares collateraea; este arco d um
magostlo aspecto ao templo, oo s pela sua
construecas. con por ser o primeiro que temos
em nossa ierra : enfin, o templo 4 o nais bello
: Unto exterior como interior-
0
5 pena qne sdflra~alalds"psdeii^f
V tamben que nao te illudas,
Como eu na channa ardente I...
Firmiiw Candido de Figueiredo.
Desde o dia 9 do correle principiaran as ses-
soes ordinarias da caara nunieipal, que cob-
forne a lei, devem ser seis continuadas, entre-
tanto por falta de numero, s tem podido haver
quatro at hoje III
COHMKKCIO.
Banco do Brasil
A directora da raixa filial, saca so-
bre o Banco do Brasil ciualquer quantia
a vista, e ao par. Recife 17 de dezem-
bro de 1861-----O secretario, Francisco
Joao de Barros.
VI tandeara.
Sendlnentofedlal a 19. .
lo dia 20.....
475:693*347
31 98JO35
507.59IS&
Movlmento da alfande^a.
Volanes entrados com fazendas.. 197
com gneros..
Volimes sabidos

com fazendas..
com gneros..
258
= 455
202
330
532
Desearregam hoje 21 de dezembro.
Barca portugoeza Gratidomercadorias.
Barca inglezaTravellerfanoha.
Barca ingleza-Eliza Handsfazendas.
Barca inglezaHarrietbacalho.
Barca inglezaPrescitamercadorias.
Barca inglezaSarahferragense carvo.
Barca dioamarquezaOttotaboado.
Galera inglezaRosamuodtaboado.
Patacho portuguezCliomercadorias.
Bngue inglezKate M. Leabacalho.
Ilrigue brasileiroBeberbecharque.
Beeebedorla de rendas internas
geraes de Peroambueo
Rendimento do dia 1 a 19,
dem do dia 20 ...
25747*985
2:077355
27.8253340
Consulado provincial.
Rendinente do da 1 a 19.
[den do dia 20. .
59:26383-22
6.196954
65:460176
MoTMnto do porto.
mente tem a altura proporcional; o sea amos.
Rvm. Fr. Seraphim tem-ae esmerado o quanto
possivel ; pena qne solra a falta de pedreiro..
J que temos eabocado. ainda que rudemenvT
o grande benecio material prestado por eate mil
oatro de Deus, mesmo com sacrificio de sua pas-
aos, apresentando-se j na malta, j frenteV
povo ; carregaod elle mesmo material, .n de
2fe.,D"'rrees' exalten con o Exemptum enim edi X
*< quemadmodnm ego feci vob$, ia I vos /fe-
Passarem aos boas eapitituaes, qae na nre-
sente m.aro tem f.ilo em agencio da Bt.
Albo observanu de Matheua Basci.
..nH~!iihBcU.0'?8eT*'en'iatotsquaoto est
senhor da materia; elucidando-a cornosexemnloe
M maii1 frisantes, que par corte nada fita a de-
Tr *k 'r,BOe cosbece quaoto profundo
nocoohacinenuda* sagradas Ultras: na iolel!
geographteea ; a tarca de sua erosinela Vis.
rez. de sea raeioeisle fea eessesneTos lees o-
-^"!l! "i0' iordslo obsiisado, edm
estas arma pedsreeas tem obtise a sosrerslVso
peccador, s bem a mascebia, o eapeeaTaa
odMrs ? anor sos Sasraneatoe.
iVoetos entrados no dia 20.
Terra-Nova31 das, patacho inglez Harriet, de
188 toneladas, capo Willian Smith, eauipa-
gem 9, carga 2,650 barricas com bacalho ; a
Johoston Paler & C.
Te'ra;Noa 3* aias, brigne inglez Ke Me. Lea,
de 144 toneladas, capito Jsmes Deckie, equi-
pagera 10, carga 2,252 barricas com bacalho ;
a Saunders Brothers & C.
Bangor36 das, patacho americano Abbg Thax-
er, de 188 toneladas, capito A. C. Eitoo,
equipagem 8, carga madeira depinbo ; a ordem.
Rio de Janeiro20 dias, brigue norueguense Ca-
preciosa, de 306 toneladas, capito O. Wim-
gaard, equipagem 8, em lastro ; a O. Bieber
(k C. Seguio para o Cear.
Navios sahidos no mesmo dia.
AracatyHiate brasileiro Sont'^nno, capilSo An-
tonio Joaquim Alves,- carga differentes g-
neros.
Portos do sul Vspor brasileiro Paran, com-
mandante Joaquim de Paula Guedes Alcofo-
rado.
Portes do norte Vapor brasileiro Periinunoo.
commandanie Hanoel R. dos S. Moar.
ce
fr
Horas.
n
S
cS
B
AtKmosphera
I Direeeo.
ti
3
8
I Intsntidads.
d;8r. GsrmasMj.ocoasidare bsstaole cu
merior para qae se rebalse a eipeculecoes tasa
>mesoj.( ad*B4MraasssHSM atalea do lbatrp
aior numero do qoe aquella qae com
oQmeToaZ^iarqMm
Deieite, do dia 14 ds*uMb*e at e dia da
np_renb,.tei.M sd^etaasdl ca..J.ri .
sUma do 8r. Gsrssasd, caasldare bes la ole su- Sn Mamn^i^JkiLSLZ^SSSr^r'^'
Sr. Mdaa.AtlSoai JMtaa> sUaaMrs; iaaimaTaL
ai t missao..
4mM,-d>
0"J!
id4iO*ita,*4aaia#L
ClUsa^pt pedte T g
^ S 8 S 5 1/srasiUs.i.
I Citm*mm. tW...
^ I Ciis* *fdre-

' *
".l I
VW

O
i?
ss
ss
L se
3
aoscidJdosqietendlreito de rotar as eleices
ae.Ju"f?, e pai' TBW<*ores da caara munici-
pal e eleitores, ficando os meamos senbores elei-
tores e supplenles abaixo designados, scientes
que serao multados cono determina a mesma lei.
se nio comparecerem.
Eleitores.
Antonio Gomes Miranda Leal.
Caetan Cyriee da Geste Moreiro.
Jos Pedro das Neves.
Maooei do Naseiment Araujo.
Jos Marques da Costa Soares.
Jos Francisco Marques.
Macioel Pranctaco Marques.
Domingos HenriquesMafra.
Anastacio Jos da Costa.
Antonio Henrique Hafre.
Estevo Jorge Baptista.
Luiz Antonio Goncnlres Penna.
Jos Francisco de S Leito,
Manee I Jos Baptista.
Herculaoo Jos RodriguesPinheiro.
Joio Pranciseo Antuner.
Joao da Silva Parias.
Dr. Jos da Cunha Teixeira.
Dr. Maooei Pranciseo Teixeir.
Manoel Estanislao ds Costa.
Aotonio Jos Silva do Brasil.
Dr. Antonio Agripieo Xavier de Brito:
laooceocio Xavier Vianna.
ti., a Sapplenles.
1 heodoro Joaquim Alves.
Maaoel Antonio Viegas Jnior.
Msnoel Anaecie da Santa Crus.
Maooei da Silva Neves.
Maooei Bastos de Abreu e Lima.
Joaquim Alves da Silva.
Alexandre Augusto Prias Villar.
Antonio Theodoro dos Saotos Lima.
Constancio da Silva Neves.
Jorge Rodrigues Sedreira.
Benedicto Jos Duarle Sedrim.
Joaquim Jos de Santa Aona Barros.
Cosme Jos dos Santos Gallado.
Antonio Filippe de Santa Anna Barros.
Manoel da Silva Mendooca Vianna.
Jos Isidoro Pereira dos Reis.
Joo Baptista de Silva.
Dioiz Antonio Perreira Marques.
Pedro alexau.irk'O Ferreira Flores.
Lanriaoo Jos da Costa.
Mmoel Joaquim dosPrazeres.
Ignacio Antonio Borges.
Joaquim Francisco de Mello Ssntoe.
E para cooslar mande! passar o presente edital,
e afflxa-lo nos lugares mais pblicos desta fre-
guezia, o qual tambem ser publicado pelos
jornaes. '
Primeiro districto da fregaezia da freguezia de
>. i-re Pedro Goncalvea da cidade do Recife 17
de dezenbro de 1861.
Eu Inbocencio da Cunha Goianna, escriro o
escren.
Jos Pedro daa Neres.
O Dr Joao Carlos Augusto Cavalcante Vellez,
juu municipal, de orphos e de ausentes nesla
villa de Iguarass e seu termo por Sua Mages-
tade Imperial e Constitucoual o Sr. D. Pedro
II, que Deus guarde etc.
Pac saber que teodo-se affixado editaes a re-
querimento do collectorgeral deste termo, cha-
mando-seos herdeiros successores de Joo Farn-
cisco de Santiago, que se acha ausente, e lodos
que direito techara aua heranca, a rirem habi-
litar-se para a curadora de que trata o artigo 47
1.2e3 doregulamenlo de 15 de ju'ohode 1859,
appareceram Joagoim Fizueira da Sil,. Jo.a ^lrzs-.arr(jr, Joad Barbosa de Barrse Januano
ae bouz# Barros, por seu bastante procurador o
advogado Joao Francisco do Amaral, allegando
em sua petigao ser aquelle ausente seu aobrinho
lho legitimo dos finados Viceote Ferreira d
S. Thugo e Luzia Maria da Conceicao, irmia
germana delles sapplicanles. e que nso se saben-
dose vivo ou mono, queriam nos termos da
ordeoacao do livro Io titulo 62. 38, habilitarera-
se a curadora e successo provisoria do referido
ausente, visto como seodo esle solteiro ao temoo
era que se auseotou, nao deixra descendente e
n!mnJ,,Tden.teSuTOS' ^ue hJa Ine succedam.
ucandosmente ellessupplicantescomoseus her-
deiros collateraes msis prximos, para o que re-
queriam quedeconformidadecom o disposto no
artigo 47, Rl,IeSdO 6upracilado regulameoto
se mandasse pasear carta de editos com o prazo
deium anno, citando o sobredi to ausente, e a
todos os interessadoa para fallarem aos artigos
de habilitado que elles teem de offerecer, citau-
do-se para o mesmo Dm o collector das rendas
geraes, e o curador ai liiem que por mim fosse
nomeado para representar os ausentes : o oue
seodo por mim deferido se passou a presente
com mais oulra de ignal Iheor, pela qual se cita
e chama o supradito ausente e todos os ioteres-
sados, para que no prazo de om aono comparecam
fallarem aos artigoada habilitaco requerida.
B Para que chegue ao coohecimento de todos
J!,ws! Pre,en1to."ffl"' "o lugar do costume,
publicada pela impreosa da capial, a qual vai
.Pnr.ID1Jn,,8!1'gnad* 1acomo sello deste
juizo valendo sera sello ex-causa ; aos 13 de no-
rembro de 1861. 40" da isdepsndencis e do ira-
psriOa
h-? ^0 Baplsla Teiw,ra C">canti, escriro
de orphaos o escrevi.
Joo Carlos Kugusto CavaleanU Vellex.
ss* t^rtao de pernambuc. r
I Mra cemtarss aunde* adaxar
dublier pele IMarie.
nsssseco ft db seesnSjio datsKl
A. f.
Pfre
Tribunal do commee*cio.
Pela socretaris do tribunal do commercio de
Prnanbuco se faz constar a inscripcao no com-
petante lirro, do papel de sodedde qae em 31
de sastra prximo pessado, para dorar por tres
annos, contados do i" de soveabro al limo fize-
["JLV"" F'an8M Msrquss de Amorim. An-
touio Marques de Amorim, e Goocalo Jos Affon-
so, sdb a farros de Amorim Alfonso & Companhla
com o capital decincoeota cootos, sendo qua-
reat eeetes foroectdos en partes rguaes pelos
dous primeiros socios, e dez pelo alllmo
O fin social o conmereio de comprar e ren-
der assucar so armazem o. 20 da roa do Apoll.
conpetrodo o uso da firma dos socios Aotonio
Marques de Amorim e Goocale Jos Affenso.
Secretaria do tribunal do commercio de Per-
nanbsco 18 de dezenbro de 18431.
Julio Geimarae, offkial-maior.
lnounai do commercid.
Pela secretaria do tribunal do commercio de
Fernanboco se faz publico que nesta data flea
registrado o contrato de sociedad de Joo Luis
ferreira Ribeiro e Antonio Bento Pernaodea Bra-
*'.. P.rJaUM". doniciliados e estabeteeido
nesla cidade, con taberna, sob a Arma social de
Ribeiro & Braga, dereodo a sociedsde durar por
espaco do tres aonos. contados de 10 de norem-
ISii i ',r.rn.!J!2?0 *,l**"Wt, cono
Z^tirlffioffi1'* ,0C Bb6*
Secretaria, 20 de dezembro de 1801.-Julio Gui-
rnaraes, sfticial-msior.
Pela merma secretaria se faz Igoalnente pa-
snee, que e casa connercial de Barroca & Me-
deiros. actualmente en moratoria, foi dissolrida
por accordo de ambos, en 10 do correte mez!
e que o socio Barroca Oca encarregado d% activ
e o socio Medeiros da direeeo da enripiara-
Secretaria, era nt supra. *
Julio Guimares, offlcial-maior.
Oconselho econmico do baialhao de in-
intantsns n. 2. precies contratar para sesteeto
de suas pracas no semestre do anno prximo
viodonro, os gneros seguales :
Assucar nassavinho refinado, azeits doce, ar-
roz pilado, bacalho, carne verde, dita secca, caf
en grao, cangica, farinha da terna, feijo. lenhs.
nanteiga, toudnho, vinagre, pao.
Sesdo estes gneros de boa qualidade o pestos
no qoartel por coota do forneosdor.
Os propooeoies spreseatarao suas propostas
fechadas na secretaria do batalbo no dia 23 do
correte, pelas 10 horas da nanba.
Qoartel as Cinco Postas en Pernembaco. 20
de dezembro de 1861.-M. J. de Sou, lente
servindo de secretario.
O Ilim. Sr. Dr. procarador fiscal da thesou-
rari proviocial manda fazer publieo aos devedo-
res dos inposlos de csrros, vehculos e omoibus
relativos ao aooo de 1860 a 1861, que flea mar-
cado o prazo de 30 dias, a contar da dala deste.
para deutro delle recolheren ao consolado pro-
vincial a importancia dejieus dbitos com guia
ns mesma proeursdoria.
Recife 20 de dozembro de 1861.O solicitador.
J. F. Crrela de Araujo.
lo accordance witb lhe act 6 geo IV cap.
"e,n of Bntish residents will be held at
Uns office on Fridsy lhe 27 th iostant at 12
O'clock (nen).
British Coaglale Pernsmbuco December 20 th
lool.
Alez Collas.
A, B. M.9 Actinq Cnsul.
Pela subdelegada da freguezia de Saoto
um 010 .*.* h Pu0,,co un cavatto que no ata 18 do eorrente forVtona-
doa imb almocrers que o eonduzie sen que fos-
Z*n0,\-?*Qa0 ,clarou moVanSo
fora encotitradc eon dito cavallo. Recife 19 d
dezenbro de 1861.-M. A de Jesu,55sT
r ?0I esla ub,lelegacia se faz publico que se
achan depoaitados uma goa ruca, a qu,| Jo?.^
trege a este juizo por Miguel GoVcalvY, da L
morador no qu.rtelro do Bongi, por andar
das vagando dentro de seu sitio, e ser satTaadaT
no lugar; assim como um carsuo csxRo coS
rAS,f0"rDqueli0Je ,oi PPMbeodidoem
de Jos Francisco Barbosa, coobecido
der
po-
por
.nhlrfmf ?" goWB0 f Publico para
conhecimenio dos loteressados que os despachos
LZSaS ^ ^"'^ mi0i,tr0 e retalio de
estado dos negocios ds justica no mez de norem-
bro prximo Ando, en requerimentos de partas
desta provincia, sao os seguintes :
a< > t empregado publico.
" a5harel Maximsno Francisco Duarle.
Prejudcado.
Virgilio da Gusmo Coelho.dem.
Jos Xavier Fauatioo Ramos.dem
Cicero Odoa Peregrlo da Silvs. dem
Antonio Aonea Jacone Pires.dem.
Id'em i0aqom Fr"BC"c< < Alboquerqup
Manoel da Cunha e Figueiredo__dem.
o x ~ Offkioa de josiica.
18.Joao Doroingues da Silva.dem.
Pranciseo Delgado de Soaze. dem.
Hermino Delpbioo do Nasoimento Lima.dem
Pedidos de Greca.
XFrancisca Maria da Jess.Indeferio.
^o.Francisca Mana da Conceicao.dem
Joaquina Maria do VaeeooeellosNio ha que de-
4AsBra^d.)-Jde. JMrtyiM CkaM.
.-i; 21"1' ,D,Pecl' 0 thesourarie de fa-
zeoda dasta pro.iaei. manda tasar nabUeTque
no di. 21 de eorrent. mez, pela. 2 br.. d. u?-
de, estar nova mente em hasta publico persate
s mesma Ihsssamris, par. S .rremstaao ,
quen m... der un aeilin, un. brtsa, om JsV g!
2?S2*: LUlr08 0^*CX,M spprebeo:
didns ds b.g.geo. so sitares Joaq.im Joslh
de Souza, que desnrUr. com dlskstrs* saWi.0-
ds. .SecretariadalhWarUa^S?q>ap.r:
Bambuco en 8 de dezenbro de 18o^L-Manoel
Jos Pialo,serrindo de cjlotal-mator.
ial'f1"^ a0 1u"lira'> *o Barro, indig-
tad cono dtode car.llos. segundo voz ?u-
d 'Vai",la0' hl Preso cha-se recola-
do a casa de deteogao : quen se julgar con di-
reito, conpareca, que prov.ndo, he ser entr-Z
gue Subdelegada do. Afog.d. 17 7e dtm3
brode 1861.-0 subdelegado supplenle,
Jos Bu arque Lisboa.
.7 Pel recebe0" de rendas internas geraes
se taz publico que no correte nez se flndao
prazo da cobranca no domicilio dos contribuiotes
3e0V8e6UaQ86tlaiPOSl,O K*'""*' 80 ***>*
de BbO a 1861: reodas dos proprios oacieoses
S si6 mn'fD0- de a"Dha' *5S adSnli
de mao morta, imposto sobre lejas e casas de
descont dito especial sobre casas de raeris
roupaa. etc. fabricada, om p.iz estr.ogeiro, i-
posto sobre barcos do interior e laxa do! escravo
depois do que seguir-se-ha a cobranc. execa-
Outro sim que no referido mez se fiad, o prazo
do pagamento na reparticao do primeiro sanea-
re, hvre de multa, dos impostes seguintes. per-
[VSS^i eXeJclcio de mi 186. 'c*na
casas de descont, etc., e inposto especial sobr
eMrongero!""'t9U?"' **" Ut"Ct' m *si*
tJ*g* de Pern.nboco,4 ds dezenbro de
1861.-0 .dnini.tr.dor, Manoel Carnalro de Son-
za L.ac<3rQff,
8
s
.--junta, se ha de arra-
TL1 VTS*L m2m **' *'* nio-
^pueMeedfctsded***^ assIUdo
W ""J'^P''0 rs. diarios. '
Aarteaasl^l* sari feNs per MeMo de en ttr-
PSS!?^-' *""*? 1f* fcSsro
.As pessoas qe sa propet oren s asta arreara-
, s flsmsnssjtinasie Itabiiiiaea:
COMPAHIA
DE
Segaros llidade Publica
aa^ii*mo/VSn- xe*00" receberem nn
StSi i" conp.nnt. o 8 dividendo de
5uiw por acca.
Recife 6 de dezembro de 18t|.
Os directores.
Jas P. da Cunha.
Thonaz de Paria.
Consulado provincial de Pernambuco.
Peta mesa do consulado provincial se faz pu-
blico aos proprietario. dos predio urbanos das
fregaazi.sde.ta cidade d. dos Atajado.Ts S
eo!. !MiTS 2? *>-saaxelrceT:
reote 184H a 1862, se principian a coatar do dia
3 de dezembro viadouro; a qaaUmaoa domes-
no da principia a cebraaca do primeiro senes-
tro do imposto ds 5 % sobre se reodas des bens
de rata par.....tas a eorsorscoes de nao norte.
Masa do coosalado prorincial S d. .^:
de 1861,
Silva,
' sreviocUl Wda oovenbro
-Theoedr Mstbado Freir tmitTfii
Batalho e artaham a p
numero A
..e!^lh sifs prositBo vtadoaroi os generes segua-
^lW9"^* dtaSTi* cerrMSe nez.
Oferte se Mledate 14 de dsdsanro de
Jo! AllMlo


S^~


Hm^tmiUjto^iHAt&vwmnmvMiu
Por ordem
toen
toa.
Sr. r riel, director do ir
i
aa
lamento.
ada para dama, gratis; para carilheiroi
iirir-'-.r-i-irin
tl

- #. o wR
bro*id*de*lHrt!5i
7
**
do Sul seg* tota mofla
Sm*4m*e, eapitio Joaquim *n-
tanin i^atofi^syeiajato -,>< *,, .,*
_________le. algodaozinho.
Mtr o fabrico d ditas arti- *#"********m.**4Ciu u. 3.
'"P*" O diaa. oaaBiraca na ulida HuL!.. a.
rectora
dias, ompaceca na mI> da
Mil. jaTll botas da
.~aor:re$o, qual tea \' Pin a"Bdnfi segu em poucos din a Mcnni
AmIi xemhrnrf. 1M?aXi?^l6f,mbu0 19 9 **-. ceGio' P" "'m carga que aiadt recabe .tra-
xembro de l86l Jofco Ricardo da Silva. Axeve,do, ra di Madre Je D*osn. 12.
. Corraio.
Ai malas do vapor Paran para ot portot do
Mi fechaas-retioje as 8 horas da tardo : os se-
gSawaeotfo ncvMdoa urna hora antes:
O conaeiho econmico do batalho de in-
Sr. And^Bermf tt *
arsenal, as 11 horas em ponto: a elle,
^ros'flsto ^r faluslo
o sera ao correr do mar-
Si, tra
rnercado,
tello.
otaria a. 10, teddo.de contratar para o rancho AsHJ-WIH FIRrUfMKifttU
f*J?**_ ss**6" *dr*trte -o primeiro semestre de i
Navegaco cosleira a vapor
1892 os geoeros alimenticios abano designados,
convida aos mnhores negociantes desta praca
que aa quizaren ncsrregat do respeCtiTo forne-
ciaento.o aprsela rem suas propostas em carta
fechada na aecretaria do mencionado batalhio as
10 horaeda naohi de 26 do cotrente mez, a sa-
bir : arroz pilado, assucar, azeite doce, bacalho,
carne secca, carne verde, cat moido, farinha de
mandioca, evjo, leona, manteiga franceza, dita
Inglesa, pies de 4 e 6 ougas, loucioho e vinagre
de Lisboa.
Quartel no Hospicio-20 de dezemhro de 1861.
Lino Auguilo de Carvalbo,
Alteres secretario.
Consulado de Portugal.
A arrematarlo em hasta publica dos atoris do
fallecido subdito portuguez Joaquim Maooel Gon-
5a Ivs, que nao pede tar lugar do dia 28 do mez
panado, como fdra annuuciado, effectuar-se-ha
no dia 28 do correte, palas 11 horas da mantisa,
Da chancellara deate conaulado.
THEATRO
BE
Santa Isabel.
CompanWa dramtica sob a direccaodo
artista Nones.
ULTIMA RECITA
KM BENEFICIO DO
HUMIS,
Parahiba. Rio Grande do Norte,
Macan do Assu', Aracaty e Cear.
O vapor Iguarass, commandante Vanna,
sahir para os portos do norte de ana escala
ateo Cear na dia 11 do corrate mez s 5
horas da tarde.
Recebe carga at o da 20 ao meio dia. En-
cona mendas, passageiros e dinheiro a frete at -
dia da aahtdi as 2 horas: eacriptorio no Foro
do Mattos n. 1.
ftastijurijaj alocar urna escrata que
azem dd 4*s>i de boa oondacta, para serrieo
---------------*er ^eoafade&mlia. e que sail>a
ommar.e especialmente coziniW: e
*gradando^percebora'T8m auguel, e
tera' bom tratamenrjjX; jqb ra da Au-
rora sobrado n.lJij.
Na raa da laaperatriz n. t3, primeiro an-
ata*, precisa-sede a bom oScial de msretneiro.
PELO ACENTE
msla
Tcrca-feira 24 do correte.
O referido agente cima vender por costa de
quem perteocer, um sobrado de um andar com
loja sita oa ra dio Padre Florlaoo n. 69, em chaos
proprios, tem sala oa frente e ontra na parte de
detraz, 2 quarlos, cosinha no sotaoetc, e a loja
lem cacimba no quintal, o anal murado : terca*
feira 23 do correle pelas 10 horas da manba na
ra do Vigario o. ll.armazem de nobilii.
Os preteodentes que preciaarem informacoes
as podero haver do mesmo agente.
Attencao ao
Precisa-se de urna ama Hvre oa eacrava turra
e aervico de urna casa de familia, paga-ae bem ;
na roa da Camboa do Carmo n. 4.
Aloga-se e terceiro andar da casa da raa
ao imperador n. 75, com grande sotao : a tratar
na loja da mema casa.
Preciss-se de um faitor para um sitio de
pessoa eatrangeira, em Sant'Annal: a tratar na
raa do Tra piche-Novo d.*2.
Aluga-se o sobrado de um andar e arma-
"Mi na ra da Hoeda n. 33, cancerhdo e pintado
de novo : a tratar na ra da Imperatriz n. 3, se-
gunde andar. ;
sCarralho,? Nogueira & C. na ra
do Vigario n. 9 primeiro andar, sacam
sobre Lisboa e Porto.
SABBADO 21 DE DEZEMBRO DE 1861.
A orchestra dirigida pelo Sr. Colas, eteculari
a brilhaote oavertura, cornposicio do mesmo se-
nhor, a qual deu o titulo
As cagadas de Pelotas.
pera a
do Sr.
Logo que termine, abrir-se-ha a sceoa
representsgao do drama em tres actos,
alendes Leal (Antonio]
ABEL E C4IM
Personagens.
Dr. Maooel da Cuoha.
Francisco de Helio .
Joao de Mello .
O conselheiro .
Marcelino Pessoa .
Jos Evaristo .
Bento fgallego) .
Um proprietano. .
Jo (criado). .
Baruneza do Almourol
. Julia.....
Actores.
Thqmaz.
Valfe.
Vicente.
Leite.
Raymundo.
O beneficiado.
Teizelr.
Campos.
Joo.
D. Isabel.
D. Anna Chaves
A accao passada na actualidade.
Terminar o espectculo com a muito applau-
dida comedia em um acto,
Marieola
O
Os Elfeitos da Educando.
Comecar s 8 horas.
O artista Nunes espera que*o publico, a quem
tanto deve, nlo deizar de concorrer este es-
pectculo em seu beneficio, tanto mais que esta
-a ultima vez em que a compaohia tem de apre-
senlar sejs trabalhos.
Desde j dirige a todas as pessoss que o obse-
quiaren), seus sinceros votos de gralido.
Segaada-fcira 23 de dczembro de 1861
BENEFICIO DO ACTOR
Antonio Jorge.
Depois que os senhores professores da orches-
tra tiverera flualisade orna brilhaote symphooia,
subir soena o muilo applaudido drama em
dous actos, divididos em quatroquadros, com-
posicao do distincto dramaturgo Cesar de Lacer- '
da, denominado
CINISMO,
SCEPTICISMO, E CREnti
poca da actualidade.
Pinalissr o espectculo com a liada comedia
em ora acto,
DOUS GENIOS IGUAES
110 M2IUD Mfi,
Principiar a 8 horas.
' Os bilhetes scham-se i disposicio do publico
em tnao do beneBcido e no dia do espectculo
so escriptorio do thoalro.
O beneficiado agradece a S. Ere. o Sr. presl-
reote a provincia e aos illustres membros da
tHrectoria a maneira. distioets pela qual acolho-
tsa'oietr'peio, protesta -ihe sua eterna gra-
idie-f frem asrtm aos artistas seus collegss que
artederrildlla8 suas circa'istahcias se prestaram
gratuitamente aflm de poder levar a effeito o seu
fcenefleio.
O beneficiado- 'pera do rpaftavel poMlco
petnambucano aquella protecclo que em tempoa
Rio de Janeiro
pretende seguir com muita brevidsde o brigue
escuna Joven Arthara.tem parte de seu carrega-
mento prompto : para o reste que Ihe falta, tra-
ta-seeom o seu consignatario Azevedo 4 Men-
dos, no seu escriptorio ra da Cruz n. 1.
Para o Rio de Ja-
neiro.
O brigue Belisario, primelra classe, cspilao
NanoelMarisnno Ferreira, segu com breridade,
recebe carga e escravos a frete : trata-se com os
consignatarios Marques, Barros & C, largo do
Corpo Santo n. 6.
Para Lisboa.
A veleira e bem conhecida barca portugueza
Gralido. capite Antonio Pereira Bergea Pes-
taa, pretende seguir com inteira brevidsde ;
tem parte do seu carregamento prompto, para o
resto que Ihe falta e passageiros, para os quaes
tem expelientes commodos, trata-se com seus
consigoaiarios Azevedo 4 Mendes, do seu es-
criptorio da roa da Cruz n. 1, ou com o capitao
na pra;a.
Teodo a companhia de vapores do Rio alte-
rado a sabida dos seus paquetea, a gerencia da
Companhia Pernambucana tem de conformidade
resolvido que a sahida dos seus navios do 1. de
Janeiro do anno prozimo futuro em diente, se
effectue da maneira seguate :
Portos do norte a 5 e SO, portos do sul no 1.*
e 15, de cada mez.
Cuando, porm, o dia marcado fr santifica-
do, a sahida ter lugar no dia anterior.
Da ilha de S Miguel
espera-se at o dia 30 do crrante o patacho por-
tuguez Lima, por aothonosoasia o Papa Milhas,
de primeira marcha ; para o resto da carga e
passageiros, para os quaes tem ezxellenles com-
modos, trata-se com os consignatarios Joao do
Reg Lima&Irmo.aa raa de Apollo n. 8.
Maranho e Para.
Segu com brevidsde o biate Lindo Paque-
te por ter grande parle e sen carreganwnto
contratado ; para o resto trata-se com os con-
signatarios Almeida Gomes, Aires & C, raa da
Cruz n. 27.
Para Aracaty e Assu.
Hiate Dous Irmios : para carga trata-se com
Martina & Irmo, ou com o mestre Joaquim Jos
DE
23 cavalos e O borros
E acreditem a verdade Srs.
preteodentes que sem
reserva de preco visto o
capitao querer retirar-se.
Segunda feira 23 do
corrente*
O agente Carnargo fara' leilao por
autorisacSodo capitao Brooks dos caval-
le e burros mencionados, as 11 horas
em ponto na cocheira do Sr. Andre de
Abreu Porto defronte do arsenal de
marinha: a elles Srs. de engenho e
cocheira, que pelo preco do correr do
martello, nao deixarao de compra-Ios
n'um so' lote, ou dividido, conforme
ot preiendentes quizerem.
Avisos dirersos.
da Silveira.
Acarac
O vapor Iguarass, da companhia Peroambu-
cana, segu no dia 21 ateo Acarac, recebe car-
ga e passageiros : escriptorio no Forte da Mattos.
Para
Rio de Janeiro,
segu por estes diss o veleiro brigue Cruzeiro
do Sul : pira a pooea carga que Ihe falta, e es-
cravos, trata-se com os consignatarios Antunes,
Guimares &C., uo largo da Assembla n. 15.
Maranho.
Segu em poucos dias o palbabote nacional
Santo Amaro, capillo Maooel da Silva Santos,
para alguma carga que anda pode receber trata-
se com o seu consignatario F. L. de O. Azevedo,
ra da Madre de Daos n. 12.
Rio de Janeiro
O brigue Cruzeiro do Sol recebe tambera g-
neros esiraogeiros a frele : a tratar com os con-
signatarios Antunes Guimares & C.
Para o Rio de Ja
neiro,
O veleiro patacho nacional Capuan, pretende
seguir com muita brevidsde, tem parte de seu
carregameoto prompto, para o resto que Ihe (alta,
psssageiros e escravos a fretes trata-se com os
seus consignatarios Azevedo & Mendes, no seu
escriptorio ra da Craz n. 1.

MAGX&imSALO
(Ultimo deste anno.)
i Hvai4 josvf aaaaw^Miioafcfcefteapl aaaor
ala *w*cWr. *? a^Maa gjanala anataasn
watsioo PopuUr, espara-ss grande concurrencia.
Grande laboratorio de la-
vagem.
Podem mandar buscar a roupa lavada de ns.
SMM'sJS?55,23> m' 226, 7*' *' "*' m>
Engommada.
N. 150, 88, 211,284, 35, 156.
IiOTIBIi
Terqa-feira 24 do cotrente, (vespera
de festa) audarao impretenvelmente ns
rodas da tf?rceira parte da primeira lo-
tera do Gymnasio Peinamhurann
O abaixo assignado em attencao a ser
ease dia o da vespera do nasci ment do
nosso Bedemptor e para mais satisfazer
ao respeitavel publico pagara' as sortea
de 6:0000, 3:000$. 1:000$, 500$, 200$
e as de 100$ logo nesse mesmo dia da
extraccao apenas se tenha ella concluido
cujos pagamentos finalijarao nesse dia
as 6 horas da tarde, continuando nos
dias uteis. Os bilhetes e meios bilhetes
cham-se a venda nicamente ate' o dia
23, na thesouraria das loteras na ra
do Crespn. 15 e as casas commissio-
nadas.
O thesoureiro,
A. J. Rodrigues de Souza.
Di
COMPANHMJRASILEIRA
K esperaio dos portos do sol st o dia 8 do
correte um dos ra**r 4a campaishia, qoat
depois da demora do costume seaira para oa
porteado oerte. ...
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se
a carga que o vapor poder condozir, a qual de-
veri ser embarcada no dia de sua hefeda, en-
commendas, dinheiro a frete al o dia da aa
as 2 horas
. sahida
agencia na roa da Gru n. 1, aseria-
torio de Azevedo & Mendes.
SY
rUNDIO LOW-MOCR
Ra daSenzalla Nava n.42.
Resta estabelecimento contina*a haver um
ompleto soriimsnto damoendasaiaaiasmoan-
aa paraeagenho,aiachinas da vapor taixai
tafarro batido a coado.ds todos ostamanhoi
para dito,
Aluga-se
o armazem n. 28 da ra do Imperador : a tratar
na ra do Crespo d. 17.
O Sr. Geraldo Correia Lima queirs appare-
cer oesta typographia, que se Ihe precisa fallar.
Precisa-so alugar ums Degrinha de 10 a 12
sonos: na roa do Imperador n. 69, aobrado.
J. Falque
cientfica a seus numerosos freguezes,
que acaba de receber um lindo sorti-
mento de chapeos de palha para Sras.
e meninas das formas nrtis modernas em
Paris, como seja Beatriz, Tudor, Euge-
nie, etc., etc., rico cintos de 4 pon-
tas e com lacos bordados e lizos, assim
como roupas feitas para homens e me-
ninos e meninas, chapeos de 'castor
branco e preto. ditos de pello e de fel-
4M, lindos, estuarios completos pare
batipsados, lencos de cambnaia borda-
dos, catnisinhas, golas e manguitos,
aqjets, zbuaro para Sras., roupSes de
faatao c cawa bordados, manteletes de
diversas qaadade, Ulmaa de grosde-
napies preto, o mais completo sortimen-
to de espartilhosquese pod encontrar,
saias balso de 3, 4 e hjfSOB} colarinhos
agleaas ultimo anoofeloa, fiaos perfu-
marias, bonecas de tolos oa- tamaitos,
chapeos de sol de seda e de panno de
todas at qulida^l/arfigts para Ya-
&*&*&; mfinidade de bufros Mj-
tos, jue tudo a vendepor preqs
f
Pede-seaoSr.Dr oa-
quiai Elvirio de Moraes
Carvalho, que quando
Tier a o Recite faca favor
dirgir-se a leja da ra
da Crespo n. 8
O Sr. Jo5o Hyppolto de Meira Li-
ma, qaeira appai-ecc nesta typographia
que se Ihe precisa fallar.
Sociedade bancaria. *
Amorim, Fragoso,Santos & C.sacam e tomam
saques sobre a praga de Lisboa.
Aluga-se o segando andar da casa o. 183 ds
ra Imperial, e o segundo da ra da Imperatriz
a. 188 : a tratar na ra da Aurora n. 36.
Loja com armco
Traspsssa-se o arreodament com armacao de
urna loja de fazeodas muito bem afre-guezada : os
pretendenles que quizerem fazer negocio, dirlia-
41 i mesma ra da Imperatriz n. 6.
Acha-se em poder de Andr Alves Gama,
irspector de quarteirSo, e morador na eocruzi-
Itada de Bellem.um bahuzinho de (landres, te-
clado, ao qual cuntm alguma cousa, e o mesmo
td dado a guardar por urna preta ; e como se
stppe tersido furtado, o mesmo inspector dei-
xcu de entrpgir a mesma preta quando Ibe foi
biscar, aQm deque fazendo publico, seu dono o
pode haver, o qual dando os sigoaes e o abrindo
perante testemunbas o recebera.
Precisa-se de tresentos mil ris a premio
dando-se por garanta urna casa na ra Bella
trrla-se ns ra Augusta n. 65.
Aluga-se por prego commodo um sitio na
Torre, com baiza de capim, e com outros muitos
conmodos, e boa casa com baoho porta:
asiim tambem urna casa na povoacio do Hontei-
ro.a tratar eom o Sr. Jos Azevedo Aodrade na
rui do Crespo, oa com o propietario Jos Ma-
risao de Albuqoerque na estrada nova do Ca-
za g
Aluga-se a loja da casa n.65 da ra Nova: a
tratar no 2o andar da mesma caaa.
Offerece-ae urna seuhora portugueza para
fazsr companhia a qualquer familia que faga fla-
geo para a Europa eu ontra qualquer parte, sabe
l*ar de enancas e senhoras : quem precisar di-
riji-se a roa do Queimado n. 39.
O abaixo assignado, cora lojs de tartaru
gunro na ra daa Trincheiras n. 1, avisa as
pessoss que tem obras concertadas de tartaruga
emsua loja desde o aono de 1858 a 60, tenham
a fronda lo de vir busca-las at o fira de corrate
ana, e nao o fazendo ueste praso ficarao sem
aiti aigun as mes mas visto que ellas por
o litigas, puuao ou nada va lem.
aecife, 5 de dezembro de 1861.
Mafioel Jos Soares Guimares.
SI9BHS9 ti KiH9S;9SSMMBMK
Dentista de Paris *
NOVO GOSTO.
Retrstos de
Retraten de
Reiratos de
Retratos de
Hawteyotypo
Uswleyolypo
Hawleyotypo
Hawleyotypo
Hawleyoiypa
aovo goato
oro foato
novo goato
novo gosto
nova invengan
nova inveneflo
nova inveocao
nova inveocao
nova inveocao
Precos baixado para pouco
tempo.
Presos bailado para pouco tempo
Pre;os baiudo para pouco tempo
Prevjos baixado para pouco tempo
Precos baixado para pouco tempo
3#000 5^000 i0^000 20#000
jflOOO 5000 I09OCO aooo
9000 59000 108000 209000
3000 5*000 10/000 20JKK)4
39OOO 5J0O0 10OO 2O9OOO
Expleodido alnetes de ouro
15Ra Nova 15
8
fridaricGautier.cirnrgiaodentista.lazi
tedas as oneracoes da sua arta acolloca
to deawsartifieiaes, ludocom a superiori-
dadaeperfeicioqueas pessoasantandi-
^ Jas lhereconhacem.
rem agua e psdentifricios te.
MKN^aKweiesieeieMffMdssS
iiSMiElniraw
Sbre a viagem ao Brasil era 1852,
DE
Carlos B.Mansfield.
Mr
. D. DE PA8CAL.
Acba-ae novamente aberta a assignalura para
esti excellenteobra em dous voluntes, niti jamen-
te inpressos, dos quaes o primeiro est j publi-
cado. As peasoas que desejarem possui-la po-
dero dirigir-se ao escriptorio da ra da Cruz d.
45,1 andar. Preco da obra completa 5$000, que
serio pagos entrega do primeiro volame.
Irmandade de Nossa Senhora
da Boa Hora.
O juiz actual da irmandade de Noasa Senhora
da loa Rora manda fazer sciente ao publico e a
quen interessar, que em sesso do dia Io de no-
veaibro 4o crreme aono, em resolvi da mesa
geral foi transferida para azul as murgas das ca-
pas desta irmandade, que eoto erara verdes, cuj-
restlucio foi plenamente approvada pela mesa
regedorade Nossa Senhora do Rosario como fisa
causadora dos trabalhos desta irmandade, e para
constar face o presente. Consistorio, 28 de de-
zemaro de 1861.Henriques Dias dasCnagas.es-
crivio interino.
Perdeu-se urna letra sacada no dia 6 da
dezembro corrrente, da quantia de 334&OO0, a
veocer-se no dia 30 do correte mez, aaesda por
Ida Amada e aceita por Joaquim Ferreira di Coa-
la endosada em branco oo dia 11 do crrente.
J est prevenido o aeeitsnte e pede-se o favor
a quem o achar de entregar no deposito de louca
da ra de Imperador n. 41, a Francisco Maia Cor-
tes, que gratificar.
Quem qulzer comprar o armazem de car-
Vo, sito na travessa do Tami. estando este
bem afreguezado, dirija-se ra da Conceifao n.
5, das 6 horas da manbaa s 8, ou das 4 da tsrde
s 6, que achara com quem tratar, e dir O ras-
uro porque ae venda.
Precisa-se de ama ama pata andar com
um menino e tratar da sua roupa, para casa es-
Uaageira : na ra da Cadeia o. 37.
Attencao.
A antiga cocheira d'alem da ponte da po'
a leheribe continua a Teceber earfoe ca
Esplendido alfioetes de ouro
Esplendido alfinetea de ouro
Esplendido alflnetes de ouro
Expleodido alfinetes de Para retratos Para retratos Para retratos Para retratos Para retratos ouro
Explendido quadros dourados
Esplendido quadros dourados
Expleirdido quadros dourados
Explendido qoadros dourados
Explendido quadros dourados
Vende- se machinas para re-
tratos.
Vende-se machinas para retratoa
Vende-se machinas para retratos
Vende-se machinas para retratoa
Vende-se machinas para retratoa
Caixas de lindos gostos
Caixas de lindos gostos
Caixas da lindos gostos
Caixas de lindos gostos
Caixas de lindos gostos
Todos venhara ver
Todos venham ver
Todos venham ver
Todos venham ver
Todos venham ver
Vestidos pretos mais proprios
Vestidos pretos mais proprios
Para tirar retratos
Para tirar retratos
A. W. Osborne retratista ame-
ricano
A. W. Orborne retratista americano
Ruai do. Imperador
Ra do Imperador.
9
UJf
g ."Una estreita do Rosario3
^ Francisco Pinto Ozorio continua a col-
locar denles rtificiaes tanto por meio de
j molas como pela pressao do ar, nao re-
i cebe paga alguma sem que as obras nao
^ fiquem a vontade de seus donos, tem pos
0 outras preparacoesas mais acreditadas
jpsra conservacao da bocea.
Attencao.
Aluga-se o segundo andar com solio do so-
brado n. 36, na ra da Imperatriz: quem a pre-
tender, falle na mesma.
ai seguado
' .r 00
andar
O ^ateC.attgo hr.- feto, dolSI^"^S^ffitoJS^;-S^.2,"
J FERREIRA MUELA
RETJRATXSTA
DA
AUGUSTA CASA IMPERIAL,
Ba ala Cabug n. 18, 1.* andar,
entrada pelo pateo da matriz.
Retratos poraubrotypo, por melaiootypo, so-
bre panno encerado, sobre talco, especiaos para
polceiras, alfinetes ou cassoletas. Na mesma
casa existe um completo e abundante sortimento
de artefactos francezes e americanos para a col-
locacao dos retratos. Ha tambem para este mes-
mo flm cassoletas e delicados alfinetes de ouro
de lei; retratos em photographia das prneipaea
personagens da Europa ; stereoscopos e vistas
stereoscopiess, assim como vidros para ambrolvpo
e chimicas photograpbicas.
Gabinete medico cirurgico.J
Ra das Flores n. 37.
Serao dadaaeonsultas medlcas-cirurgi- SJ
9 ca pelo Dr. Eslevao Cavalcanti de Albu- B
querque das 6 as 10 horas da maohaa, ao- m
eudindo sos chamados com a maior bre- m
vidade poesivel. m
1- Partos.
a 2.' Molestias de pella.
s) 3.* dem do olboa. Z
\ 4.* dem dos orgoa a;eoitaaa. Z
S PraticintodanBAlquar operaco em 2
sj eeu gabinete ou en casa dos doentei con- Z
q forme Ihes fe aaaia canvaiiaat.. Z

Illava; *r..JlBuncoal:aU 2 va.,
Faatioetli, p^ae cono proeorador4
aeuaaaaioa Hev,F> Antamlo, Addb, K'eiraldi, Antonia'
vluva. Hara Franchrt.'. Antonia, e dei
do Luis Abain, coostao^o-lbe
a^N|-War fallecido eu: Pht
f,tefj**'ird, sem weendentbi, __
fi* ""J*?** ertana de aaaaota i
Ih6es d frsneM dispondo, noraa broente da
setecenlos e cincrreMtt tot! francos em favor ds
seus sobriohos, alguna dos quaes j levantaran
seuaquinboes, faltando onicainaUe o supplicaa-
te sana cenaHuurnteV.-qe anda nlo rebeceram
querendo resaltar o aeuiraito; prawentM qu.l
quer prescnpjSo, quer protesUr. como efTeiiva-
mente protesta por si e pelos seus referidos ir-
maos, cunhado, haver de quem de direito for
oquiohao, que justamente Ihes perlencer, nio
poodendo peaaoa algaasa prevate*r-ae draua de-
mora, que proceae j da grande distancia em Me
ae acham, c j por nio tetera ha maia temqo fi-
o noticia dessa heraoca ; sendo seu meotiaM-
do protesto exensivo tambem a nullidadedota-
tamento. ae para isso hoover airelto. Reqaaer
pois V. S. se digne de mandar tomar por ur-
?? !eu ,ptrolMli waido intimado ao consol dos
Estados-Uiides pele eacrivao, a quem tor deatri-
buido, e jutgido por aentenca.
O ropplieante e seus iwnos sio Qlhos legiti-
mos de Julia Oorolhea Girar.. rmaa germana-alo
mencionado Ettevao Girard, por seren amlmal-
Ibos legtimos de Pedro J. Girard e aua molher
Anna Beque LagarfeGerard.
I). Como requer, sendo a inlimaco ao cnsul
leita por carta.
Recie 10 de dezembro de 1861 Araujo Barres
Certiico que intimei o protesto retro ao cn-
sul Americano em sua propria pessoa e cou en-
tendido. Dou f.
Recite 13 de dezembro de 1861.O esesivao in-
terino, Guilherme Augusto de AUayde.
Julgo por aentenca o protesto lavrado por ter-
mo a fl. 12 para que produza todos os elTeitos que
forem de direito, Ocaodo tambera julgado por
sen tenca para o mesmo fim todo o dedurzido na
pehcao de fl 2 pague o protestante as cusas.
Recite 17 de dezembro de 1861.
Francisco de Araujo Barros.
Sendo amaobaa a eteicao da nova mesarn-
gedora da irmandade de N. S. d> ConceiQao dos
Militares, sao convidados os senhores irmaoa
para comparecerem no consistorio. pelaaU ho-
ras do dia. Reeife 21 de dezembro de 1861.
Francisco Bernardo Quinteiro.
. Secretario.
O abaixo assignado previne aos devedores
da massa de Joao Paulo de Souza, que elle o
leo habilitado i cobrar as dividas, por isso qan
foi quem as arrematou em leilao publico, e pro-
testa nio levar em conta qualquer quantia paga
a outra pessoa, por isso que nao autorisou nin-
guem para cobra-las. Recite 20 de dezembro
de 1861.Vicente Ferreira da Silva.
Arrenda-se ou vende-se urna propriedade
que d um magniQco engenho para moer cora
agus, o qual cortado pela via terrea junto em
um dos pontos intermediarios da lerceira sesso:
a tratar oo engenho Ribeirao.
Respondendo aoanonymo dd^tlario n. 292,
tenho a dizer-lhe que o Qm dos aonuocios (as.
287,288 e 289) foi farer ver ao S\ padre Bento
Pereira do Bego, quetioha de relirar-me, e qua
elle apparecesse o'onde estivesse para concluir o
negocio quetinha para comigo, e assim devolo
intacto ludo quanlo pretenden langar-me. E
por este participo ao dito Sr. padre que fica pe*
minha retirada para concluir o nosio negocio a
meu amigo o Sr. Dr. Maooel Aireada Costa Brau-
cante.
Joaquim Jos de Almeida Pires.
Charles Aroo, subdito francez, retira-ae
para Europa.
,
5fc*'yj>; ^ ;'!

:.:-,
ESTRADA DE FERRO
DO
Recife a Sao Francisco.
(limitada.)
Pelo preaeote se faz publico que do l* de Ja-
neiro de 1862"em diante todas as mercadorias
remetlidas para a cidade do Recife pela mesma
va frrea serao enviadas, se assim exigirem. pe-
lo mar para o deposito dos Srs. Velloso & Dan-
tas no caes do Apollo.
E H. Braman,
Superintendente.
COMPANHIA DA VIA FRREA
DA
Recife ao Sao Francisco.
LIMITADA,
Attencao.
Nos domingos e dias santos at outro aviso as
passagens de ida e volts, no mesmo da, das
Cinco Ponas a Escada serio pelo prego das' sin-
gelas, a saber:
Ia classe 6500
2a 4*500
3 3000
A psrtida dos trens ser como de costume, de
manha das Cinco Ponas as7 horas e 30 mina-
tos e de tarde da Escada as 4 horas.
" AssiguadoE. H. Braman,
Superintendente.
O abaixo assignado faz sciente sos herdeiros
da finada D. Brites Sebastiana de Moraes, pro-
pietaria do engenho lohaman, que a dita senho-
ra achava-se a dever-me 2:240$ constante de
urna letra vencida em abril de 1860, correada
juros proveniente das rendas de cinco annos da
parte que tenho no referido engenho, sendo a
renda aooual de 400$, e de mais 1:200$ de tras
'annos que tem de vencer-se o terceiro dito em
maio futuro de 1862. resaltando toda a quaia
al 15 do correte mez de dezembro em 3 S95J460
rs. ; e psra nio haver duvida lago esta adverten-
cia, aflm de Qcarem cerii&cados, e no tempo com-
petente de suas partilhas apparecerei com es do-
cumentos para seren separados os heos precisas
para esse pagamento.
Joao Marques Bacalbo.
Procisso da Senhora das Do-
resem Olirida
O abaixo assignado declara que domingo 22 do
correte, pelas 4 horas da tarde, ser trasladada
a imagem da Senhora das Djres da Cathedral o-
ra a capella de Santa Cruz, cujo transito ser to-
lo pelas ras Nova, Amparo, Qualro Cantos, Ri-
beira, S. Bento, Vandonro, e dahi recother-sa
na sobredita capella. Roga, portento, aos habi-
tantes das referidas ras, que ornem as verandas
e frentes de suas casas para maior lucisnento do
acto. Conego Jlo Chrisostomode Piva Torres
Manoel Gomes da Cunta, senbor do enge-
nho Macaco, sito na freguesta de Nazareth, de-
clara ao respeitavel publico que nunca mudou o
sobre-mime de Cunta pars o da Morios, cent que
muitos o tratara at na correspondencia particu-
lar, a para que oease iato e thea.ua ao conheci-
atento da todos, faz este aviso pata ioapreaum.
Aviso.
O abaixo assignado nata prevenir da vidas e>
desvanecer o qaa adrede se tem assoalhado, d-
ara que nada deve ao Sr. Antonio Pinto de **-
a rspeito da*venaTfK3a eat'$eSR?^
Pinto tem urna casa e sitio no lugar do Moptei-
ro ; bem como qu desde que toube ao abaixo
asajgpado o mesmo aolo no inventario que to
prdcedeu pelo fallecimeoto de sua sagra liAais
' Fre
te
a tratar na
retira-so
Precisa-se de urna ama
roa Nova a.
Gastav
para Europa.'
A pesaoa que annunciou por este Diarioi
arrtlrar da -uft srra^ffara ittpvHA^
besse o officio ue: maVrtaelro, p*%> dtrtgirWa^
Capuoga, no sitio da viuva de Joao EvangeliaU.

' Francaco Gat#l4o .kLJeMral.

MtlUttflliVHML.
RW laPf.. dtrHHfil
RaAtlAOsaUne
veiuiuago iigrez,
Pilulis Hollowsy
Ungento Holloway,
;?
)

i I I ^mTm atanasna ai l


(4)

nuw mjtummmw ^wwo^Hmwvimt*.M<
O dentista Numa Pompilio.
Ra eatreita do Rosario n. 22, pri
meiro andar.
planta dentes pela prenso do ar, por molai a li-
gaduras, efaz todas a operacoes deua arle.
Attenco $
Furtaram do abaixo assignado um re- 1
g,2,! ouro P,l"'e ingles, coberlo de i
d. 7191, autor loan Peuliogtoo e um K
' trancelim do ouro: quem deile souber *
2 ou der Dolida dirija-ae ao largo do Corpo
V Santo loja de cabos de Antonio da Costa t>
e Silva Maduro, que era generosamente n
recompensado. W
Aranaga, Hijo & C. sacam sobre
o Rio de Janeiro.
Eu abaixo aasigoado declaro neite-jornal
que desta data em diante nao me assigno por
Goncalo Teixeira, mas sim por Goncalo DiasCoe-
bo por me echar livre e desempedido.
Na comarca de Nazareth
Veode-se o engenho Dependencia com muito
boas trras de producco, muito bom cercado,
muito fresco, com proporces para moer com
agua e boas matas para derrubr-se, silo na co-
marca de Nazaretb: os prelendentes podem di-
rigir-ae ao mencionado engenho a tratar com o
seu proprietario.
Est por alugar a loja do sobrado da ra da
Aurora n. 80: a tratar na mesma casa 2 andar,
Madama viuva Lecomte.
Tem a honra de participar ao publico, e par-
ticularmente aos amigos e freguezes do seu fina-
do marido, que ella contina por sua conta e de
seus lhos menores com o negocio do seu bem
conheciao e afamado eatabelecimenlo, situado
ra da Imperatriz n. 7, que acha-se completa-
mente sortido de perfumarlas de qualidades su-
periores, e especiaes, viudas directamente de
Paris, assim como muilos e variados objectosde
fantasia, de gosto, e da ultima moda, proprios
para preseotear nesta occasiao de proximidade
das festas.
Os consumidores de luvas de Jouvin, acharao
sempre surtimeotos frescos, regularmente che-
gados, pelos vapores Iaglezes e Francezes.
Ella contina a reeeber encommeodas de quaes-
quer obras aja cabellereiro para ambos os sexos,
as quaes serao execuladas com toda perfeico e
promplido, e sobre tubo por precos rasoaveis.
A sala de cortar os cabellos estar aberta, aos
senhores freguezes, das 7 horas da maohaa as 9
da uoite ; o prego do corle de cabello sem irsa-
me uto flxado 500 ris, corte de cabello e fri-
samento 1000 ris.
Madama viuva Lecomte, lendo concluido o in-
ventario das fazendas e mafs beos do seu casal,
esta reaolvida, para dar prompta extracto a
muitos arligos, de vend-los a dinheiro, mais
barato do que de costume.
Ella conti com a continuado do concurso dos
numerosos freguezes de seu estabeleciment, e
desde j declara, que ella far todos seus exfor-
cos, para toroar-se cada vez mais merecedora da
confianga de todos.
Precisa-se alugar um preto, dando-se o
sustento, e paga-se mensal ou semanal, pars o
servico desta typographia : na livraria ns. 6 e 8
da praga da Iodependencia.
Aluga-se a casa n. 102 da ra de Aguas-
Verdes: quem a pretender, dirjase a ra Di-
reita n 106, taberna.
Francisco Logos, Suisso, vai a Europa.
Aluga-se urna casa grande no campo Verde,
n. 26.
Aluga-se a loja do sobrado da ra do Li-
vramenlo n. 27, proprio para qualquer estabele-
cimento : a tratar na ra de Hortas n.10.
Rosfron Rooker & C avisam a eata praga
que, retirando-se o Sr. Fredericj C. Gox no va-
por francez dodia 12 do correte,- os negocios da
sua firma daquella data em diaote ficaram de-
baixo da direcgio do Sr. Thomaz Jefteries, oqual
fornecido de lodos os poderes necessarios. Re-
cife 9 de dezembro de 1861.
Por procuraco de Roslrio Rooker & C.
Frederico C. Cox.
Alugam-se duas casas novas na ra dos
Prazeres do bairro da Boa-Vista ; a tratar com
Jos Carneiro da Gunha.
-- Preciss-se de ama ama de idade para casa
de pouca familia: na ra do Aragao o. 23.
Precisa-se de|dousamassadores de padaria,
que entenda perfectamente do trafico : na ra
larga do Rosario n: 16, perto do quartel de po-
lica, acharao com quem tratar.
Precisa-ae de urna aasa li're ou aerara que
saiba cozioher, para cas da pouca familia : no
Recife. ra da Moeda n. 19 i* aadar. ou no ar-
mazem na mesma na o. 9.
Roga-sa aos devedores de Antonio Jos da
Oliveira Lobo, que tete loja de miudezas na ra
da Cadeia n. 11, de tirara saliafazer seus dbitos,
na mesma raa n. 13, a Gongalves & Crux, arre-
matantes da massa, tato at 31 do correte, e da-
quella data em diante asbir oeste jornal urna
lista com os nomea por extenso dos que nao live-
rem pago. Recife 18 de dezembro de 1861.
. Precisa-se alogar urna escrava para servico
interno e externo de urna casa de familia : na ra
da Cadeia do Recife n. 53 3 andar.
mmL
Preciia-se de urna mulher que seja moca e sol-
teira, pata cuidar em costaras e algum servico
(menos cozioha) interno de urna casa de familiar
quem eativer neatts circumstancias e arS>nga:
bom com porta ment, annuncie para aer pro-
curada.
Os administradores da massa fallida de Jos
Antonio da Silva Araujo, coovidam e todos os
senhores credores a apresentarem-lhes os seas
ti lulos, afim de poderem cumprir o que deter-
mina o arl. 859 do cdigo do commercio; de-
vendo dita apresentsgio aer feita no escriptoro
de Monleiro Lopes & C no prazo de oito das.
Oflerece-se um mogo aos senhores de en-
genho para eosioar primeiras lellras, preparato-
rios e msica, tendo babilitaces para isso: quem
poisquizer, dirija-se a esta typographia em car-
ta fechada, com as ioiciaesD. B.
Antonio Vicente de Magalbes, negociant|
eslabelecido na praga da Parabiba, aonuncia ao
respeilavel publico, e com especlalidade ao corpo
do commercio, que tem contratado com seu ma-
no Viceute Augusto de Msgalaaes associar se em
sua casa commercial com a firma de Antonio Vi-
cente de Magalhaes 4 C, pelo que as transaccoes
da casa do 1. de Janeiro de 1862 em diaote serio
feitas debaixo da firmaAntonio Vicente de Ma-
galbes & C. Parahiba 16 de dezembro de 1861.
O actual escrivo da irmandade do Senbor
Bom Jess das Portas, erecta ns igreja da Madre
de Dos, convida a todos os seos irmaos a reuoi-
rem-se no consistorio da referida igreja, domin-
go 22 do correte, pelas 10 horas da manha, pa-
ra o fim de se eleger a nova mesa regedora que
lem de fuocciooar no anno de 1862.0 escrivo,
Joaquim Francisco da Silva Jnior.
NOVAS JOIAS
Sersfim ti Irmo com loja de ourives na es-
quina da rus do Cabug n. 11, confronte ao pa-
teo da matriz de Sanio Antonio, fraoqueiam ao
publico o escolherem as rrnis modernas edelica-
das obras de ouro muito em conta e notamente
chegadas ; garanlem a qualidade do ouro, pas-
sando contas com as neceasarias declaracdea nos
recibos; lambem trocam e recebem para fazer e
concertar toda e qualquer joia : os meamos pre-
vinem que ninguem se deixe illudir por indivi-
duos que andam vendendo joiaa por fra desta
prac, dizendo serem da casa dos mesmos, pois
nunca tiveram, nem tem pessoa alguma encarre-
gada de vender joiaa suas.
modos para tan la aj
Arrombados, maito fresca, e banlio parto,
tempo do vero ou por atino, dirija-se em
a tratar com o Sr. aubdelegado Francisco das Cha-
gas Selgueiro, ou roa da Praia desta cidade,
segundo andar por cima da typographia, qae
achara, sua dooa para a justar.
Compras.
Compram-se acgoes do novo banco do Per-
nambuco : no escsiptorio de Maooel Ignacio de
Oliveira & Filbo, largo do Corpo Santo.
Compram-se medas de ouro de 208' oa
rea Nova u. 23. loja. *'
Compra-so urna oo duas casas
se olhaodo ao estado dellaa
Cruzes n. 22.
terrai, ni o
a tratar oa ra das
Vendas.
Aviso.
Os administradores da massa de Manoel Anto-
nio dos Passos Oliveira & C, coovidam os cre-
dores da mesma a vir reeeber o segundo dividen-
do, no escriptoro da ra da Cruz o. 40, oo da 24
do correte mez.
Ao publico.
Cal virgem de Lis-
boa em pedra.
Veode-ie a mais nova e superior qae ha no
mercado por prego baratissimo, uoicameoto no
largo do Corpo Santo o. 19, trapiche da Compa-
as. r
Veode-se o verdadeiro cha mate em p em
olhs a 240 rs., caf moido simples a 360 rs. ver-
dadeira baoha purificada propria para banha da
cabello por ser muito alva a 500 ra.; so Santos &
C, rus do Cordoniz n. 1.
Veode-se em coala um exeelleote boi de
raga loaran, e um carro de carregar reles em
muito bom estado : oo corredor do Bispo o. 15.
Vinho de Lisboa a 480 e 400
rs. agarrafa, queijos fres-
caes a 3$.
""P6'8!!08'6" 800 e 72 ., franceza a 640
rs cha a 2*700, banha para pastis a 400 rs.. fa-
rinha do Reino a 140 rs., toucioho a 320 re. vi-
oagre de Lisboa a 240 rs.. chourigas a 720 rs
mama a 480 rs., arroz a 100 rs.. mermelada a r!
fOO a libre, esparmacete a 760 rs.. composigo a
400 rs. : no armazem da estrella, isrgo do Paraizo
n. 14.
Maca.
Cairas com 100magias escolladas: veodem-se
na ra d Apollo n. 31 armazem de gelo. a 108 a
caixa.
A's Pernambucanas.
A' loja do leSo de ouro.
Na loja do leo deouro.de Jos Gongalves da
Silva Raposo, roa do Cabug u. 2 C. acaba de re-
eeber de sua propris encomroenda, pelo vapora
Europa, os mais ricos enfeiles com borlla ao h-
do que sao os maia moderooa que tem viudo os
quaes est vendendo mais barato do que em'ou-
tra qualquer parte ; a elles. antea que se a-
bem.que o bom gosto existe so na loja do lto
de ouro.
Calcado
45 Ra Direita 45
Ouquml.. Oitcam/..
O traste inoispensavel ao homem civilisado
sem contradicao o sapato I E' elle tao oecessa-
rio como o po o estomago. Tolera se um
chapeo jaca ; ama casaca de ajustar taboado ;
um vestido desbotado; mas o sapato acalcaoha-
do e roido, a botina sem lustre e j descosida
urna indecencia, um insulto ao orgo visnsl de
um christao. E' por to gravea cooaideragea
que o proprietario deste eatabelecimenlo.
acabando de reeeber um magnifico sortimento,
roga aos aeus freguezes se apressem em renovar
o calgado velho, visto estar prxima a festa :
vejam :
Homem.
MILIES (chagra privilegiado) frescos co-
mo a agua do Prata......14)000
BORZEGUINSJnteirigoa (Rocthlld) 9j500
diversos fabricantes. 89000
lustre pechiocha. 51500
Sapates de Naotes, vaqueta de lastre -
,B,'*...........ejooo
Dilos Naotes bateria....... 5500
Figos e passas.




>
>
ingieres. .
Naotes meninos.
lustre (sola e virs.
> (urna sola).
de tranga portuguesa.
59000
4500
3J500
59200
3(000
2S000
> franceza. .... 1$500
Senhoras.
BOTINASJgaspa alta e lago ioglezes de
daragio iocalculave.
> francezas (lago). .
o de menina (Joly). .
aem lago. ; .
a gaspa baixa. .
.outros (32, 33 e 34).
6|000
58500
49500
5S0O0
4(800
4(500
39200
28000
800
800
500
sorti-
O ungento be til. mala particu-
larmente nos Mgulntes casos.
Sapatos (Joly) com salto.
( ) sem salto......
tapete.........
lustre (31. 33, 34).....
econmicos para casa. .
Alem diaao um variado e abundante
ment de ludo o qae necessario a aapateiro pa-
ra executar qualquer obra.
REMEDIO INCOMPARAVEL
UNGENTO HOLLOWAT
Milhares de individuos de todas as naces
podem testemunhar as virtudes desteremedio
incomparaveleprovaremcaso necessario,que,
pelo uso que delle fizeram tem seu corpo a
membrosi uteira mente saos depoisde haver em-
pregadointilmente outrostratamentos. Cada
pessoa poder-se-ha convencer dessascuras ma-
ravilhosas pela I ei tur a dos peridicos, quelh'as
relatam todos os dias ha muitos annos; a" a
maior parte dellas sao tao sor prndenles que
Alporcas
Gaimbras
Callos.
Anceres.
Cortaduras
Dores de cabeca.
das costas.
dos membros.
Enfermidades da cutis
em geral.
Ditas de anus.
Erupgoes escorbticas.
Fstulas no abdomen.
Frialdade ou falla de
calor as extremida-
des.
Frieiras.
Gengivas escaldadas.
Inchaces.
Inflammacao do figado.
Inflammajo da|bexigi
da matriz
Lepra.
Males das pernas.
dos peitos.
de olhos.
Mordeduras de replis.
Picadura de mosquitos.
Poimdes.
Queimadelas,
Sarna.
Supurares ptridas.
Tinha, em qualquer
parte que seja.
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
do figado.
das articulares.
Veas torcidas oa no-
das as pernas.
Yende-se este ungento no estabelecimento
geral de Londres n. 244, Strand, e na loja
de todos os boticarios droguista e outras pes-
soas encarregadas de sua venda em toda s
America do sul, Ha vana e Hespanha.
Yende-se a 800 rs., cada boeetinha conten
urna instruccao em portuguez para explicar o
modo de fazar uso deste ungento.
O deposito geral em casa do Sr. Soum,
pharmaceutico, na ra de Cruz n. 22, srx
Pernambuco.
Vende-se cal de Lisboa ebegada no ultimo
navio: na ruado Imperador n. 28, taberna de D.
S. C.
1PMA A1FB
s
s
bacharel Witruvio po-
de ser procurado na ra
Nova 0. 23,sobrad 0 da es-
quina que volta para a
camboa Qarmo.
0
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de leite que seja sadi
na ra da Cruz n. 45, armazem.
Offerece-se urna pestoa para eogomaur e
fazer mais algum servigo : na ra do Caldeireiro
numero 14.
Urna parda casada, moga e sem Albos, offe-
rece-se para ama de leite : quem a pretender,
poder procura-la na Estrada Nova, sitio do Sr!
Yillasecca.
Sincera ajratidao.
Forte inflammacao do figado.
Eu abaixo assigosdo certifico que mioha se-
ohora tendo padecido ha muilos annoa de ama
forte inflammacao do ligado, e tendo feilo todo o
poasirel a meu alcalice cara o seu restabeleci-
meoto, nunca tire a Micidade de a ver saa. E
ltimamente procuraodo o Sr. Ricardo Kirie, es-
crplorio na ra do Parto o. 119. este senhor ap-
plicando-lhe as suas chapas medicinaos. Uve a
salisfacao de a ver perfeitamente boa no peque-
no espajo de 38 dias. Do que lhe dou mioha
sincera grstidio.
Ladeira do Livramento n. 7, Rio de Janeiro.
Maooel Jos Domingos.
gg O pianista G. Helmold attendendo a 5
f numerosos pedidos, resol veo. eslsbele-
w cer-se nesta cidade para dar liceee de 9
piano para cojo fim pode aer procurado fl)
em casa do Sr. J. P. Vogeley e na do
9 I. Vigoes. Eosina tanto a escola classi- tt
8ca e moderna, bem como a parte de can- a
10 appiicado a piano pelo celebre Thal- 1
#$9
Aluga-se um segundo andar na ra do A-
morim, bairro do Recife : s tratar na masas ra
armazem n. 46.
Preciss-se de um criado : no baccode San-
io Amaro n. 88.
Di-se dinheiro a premio em pequeas
queories aob perjures de ouro : ns ra nova de
Santa RiU n., se dir quenada.
Alugiajfe o grande sito da porta
da caixa dKgua em Api pacos, que fot
do faHecio Antonio Luiz GoncaUet
Ferreira, a tratar no Recife, ra da
Cruz n.-A primeiro andar.
~=p,y*u,-M d nD f*itor peta ugtoba : na
ra aiir, aeqviag p, jj.
0 professor a compositor de msica Francisco
Libanio Colas, actual director e regente da or-
chestra do thealro de Santa Isabel, tem a honra
de annunciar s contrarias, irmandades e ao pu-
blico em geral, que tem preparado e montado um
exeelleote repertorio de msicas sacras para ac-
tos feslivos e fnebres. Iocumbe-se tambera de
extrahir copias de msicas para piano e canto pa-
ra outro qualquer instrumento; e compOr e ins-
trumentar para orcheslu ou banda marcial. Pro-
poe-se por tanto a dirigir quaesqaer dos reos a-
cima mencionados, e o eiais que fies dilo, pro-
metiendo s pessoas que se dignarem nonra-10
com sua confianga, toda a promplido e esmero,
para o que pode desde j ser procurado em casa
de sua residencia roa de Santa Isabel n. 11.
Velocidade.
Acham-se abertas diversas estagoes da com-
panhia geral para o transporte e despacho dos
gneros que do Recife se deslioarem eatagio da
estrada de ferro as Cioco-Pontas. Nessas esta-
coes recebem-se conhecimentos de assocar, o
qual despacha-se e cooduz-secom toda a rapi-
dez; recebem-se tambem Dotas de gneros que
teoham de ir para o interior, sendo esses gne-
ros conduzidos e despachados com igual rapidez.
Os concurrentes pagaro apenas um frete in-
ferior ao actual, sendo gratuito o demais tra-
balho. Pdem dirigir-se :
Ao caes d'Apollo n. 7 ;
A' ra da lmperatriz n. 52;
Aos Srs. Duperron ou Oliveira, na eslaco da
via-ferrea, as Cinco-Ponlss.
Aluga-se urna boa casa no Cachang, com
seis quarlos, duaa salas e^cozioha fra : a tratar
oa ra da Paz o. 43.
Viclor Verreioe Corneliua Claes, subdito
Belga, vai para o Rio de Janeiro.
Nodia 17 do correte mez pedio o abaixo
assigoado ao soldado do 4. batalhio de arlilhe-
ria a p Joo Saraiva de Oliveira, qae pagando a
um ganbador, para o que deu-lhe o dinheiro, lhe
levasse casa um corle de vestido de seda lavra-
da, cor acinzeniada, acondicionado em um car-
tao ; outro corte de riscadioho de seda com 20
covados ; um outro da mesma fazenda, e para
menina com 10 covados ; 1 dito de cambraia de
cor com 8 varas ; 1 pega de cambraia lisa fina,
e 8 varas de madapolao de forro; e como dilo
soldado nao enlregasse nada, ausenlando-se de-
mais do corpo, rogo a quem taes objeclos fossem
offerecidos, ou delles souberem, avisarem-meou
mandaren! ra da Senzala Velha n ..., ou na
botica do Sr. Jos Pedro das Neves, no arco da
Conceigao, pois que muilo agradecer.
Jorge Rodrigues Sedreira.
CONSULTORIO ESPECIAL HOIE0PATHIC0
DO DOUTOB.
SABINO O.L. PINHO.
Ra de Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
Consultas todos os diaa ateia deada aa 10 horas
t meio dia, acerca das seguintes molestias
molestia da mulhertt, molestias da crian-
ca, moUttia da pille, molestia do olhos, mo-
lestia syphililicas,toda as especie dt febril,
ftbrt intermitientes ssuas consecuencias,
PHARMACl ESPECIAL H0MR0FATHICA .
Verdadeiros medicamentos homeopathicoa pre-
parados som todas aa cautela a necossariaa, in-
falliveisem seus effeitoa, tanto em tintara,como
em glbulos, pelos precoa maia commodos pos-
siveis. '
N. B. Os medicamentos do Dr. Salino sao
nicamente vendidos em sua pharmacia; todos
que o forem fra della sao falaas.
Todas as carteiras sao acoropanhadas de um
tmpreaso com um emblema em relevo, tendo ao
redor as seguintes palavraa : Dr. Sabino O. L.
Pinho, medico braaileiro. Bate emblema posto
Igualmente na liata dos medicamentos que se pe-
do. As carteiras qae nao levaremesse impreeto
assim marcado, amboratenham na lampa o no-
mo do Dr. Sabino ao talaos
Preclsa-se, na ra eatreita do Rosario n. 31,
primeiro aadar, de urna ama para o servico in-
terno e externo de unta pessoa.
Ama.
Precisa-se de ama ame forre, prefere-se de
meia idade, para o servico do compras, na ra
Sellan. 38. ^
36, ra das Cruzes de Santo Antonio, 36,
PROGRESSIVO
1,
Ama
Precisa-se do *m ama para cas* de pansa fa-
milia : aa eamboa do Carao o, t.
Manteiga lOgleza especialmenteescollhida a 800 e 1*000, e em poreo Inri batimento.
dem IranCOZa a melhor do mercado a 640 rs. a libra e em barris a razao de 600 rs. a libra.
QueijOS flamengOS chegados oeste ultimo vapor a 3000.
QueijOS lundrinos o melhor qae ba ueste genero por serem muito frescos a 1*000 a libra.
QueijO pratO o melhor que se pode desfijar a 1*200 a libra e 1*100 o inteiro.
Cha hySSQU e pretO o melhor do mercado de 1*700 a 2*880 a libra.
Presunto fiambre inglez a hamlurguez a 720 rs. a libra.
Presuntos portuguezeS vindos do Porto de casa particular a 560 rs. por libra ainteiro a 460 rs.
p,^"?^08 Du genuino, Porto fino, nctar, Carcavellos, Carnees, Madeira seces, Feitoria velho, secco e chamisso
Ir e 5 a 8arMa'e ,3W00 duzia-
VmnO Bordeaux de superior qualidade diflrentes marcas a 800 e 1* a garrafa ede 8#500 a 10000 a duzia,
VinhO em pipa proprios para pasto de 500 a 600 rs. a garrafa ede 3*800 a 480O a caada.
Marmelada imperial a escolher de todos os fabricantes de Lisboa premiada as exposices universaes de Londres e Paris
900 rs. a lata, de urna libra e a 1*700 as de duas libras.
OOCetaS cora doces secco das mais deliceda frutas da Europa, e o mais proprio que ha para mimos, por serem ricamente enfeitadas, e de
muito gosto a 31500 cada urna.
FigOS em CaxinhaS de libra mto frescos e grarades a 2000.
Peras SeCCa emcaixlnha de 4 libias chegadas nesie ultimo vapor a 3*500 e 1*200 a libra, aianca-se ser o melhor que pode haver neste
genero.
AmeixaS francezas em latas del libras por 4*000 e 1*000 por libra.
Passas em caixinhas da oito libras, a.< melhores do mercado a 2*500 e a 500 rs. a libra, e em caixa de urna arroba a 9*500.
Latas COm fructas de todas as qaalidades que ha em Portugal de 700 a 1*000 a lata.
CornthiaS em frascos de 1 \\% a 2 libras de 1*600 a 2*200.
FraSCOS de amendoa confeita&scom 2 libras, proprias para mimos, por serem muito bem enfeitadas e de superior qualidade a 2*500
eada um.
Caixas SOrtidaS com ameixas, tmendoas, passas figos, peras e nozes o qua ha de mais proprio para mimos, de 4*000 a 5*000 rs.
por caixa do 10 a 12 libras, e 320 rs. a libra dos figos.
Lata COm bolaxinha de SOda de diversas qualidades, e muito novas a 1*450. a grandes de 4 a 8 libras de 2*500 a 4*500.
Conservas inglezaS francezas o portnguezts de 600 a 800 ris o frasco.
E r VI has francezas portuguezas a "20 rs. a lata, afianca-se serem as mais bem preparadas que tem vindo ao mercado.
Mascas ulharim, macarrao e aletriaas mais novas que temos no mercado a 400 rs. a libra.
LaStanbaS e nozes as melhores e mais novas por terem chogado neste ultimo vapor a 200 rs, a libra de nozes, e a 5* a arroba de
eastanhas, a 160 rs. a libra.
AmendoaS de casca molla a 400 ris alibra em porcio ter abalimento.
AzeitonaS de Lisboa novas e grandes vindas pela primeira vez ao nosso mereado a 3*500 a sncoreta.
Champanhe dat marcas mais acreditadas de 15* a 20*000 reis o gigo de 1*500 a 2* a garrafa.
Cervejas das melhores marcas a S60 rs. a garrafa e de 5* e 6*000 a duzia da branea.
Cognac a melhor qualidade qua temos no mercado a 1*000 a garrafa e a 10*000 a duzia.
Genebra dejlollanda a 600 rl. o fraseo a 6*500 a frasqueira com 12 fraseos.
Chocolate o mais superior que temos tido no mercado portuguez. bespanhol e francez de 1* a 1*200 alibra.
Vinagre puro de Hsboa a 240 ra. a garrafa o 1*950 a caada.
B atatts em gigos com urna arroba, as melhores qua ha no marcado a 1* o gigo, a em porco da 10 para cima a 800 rs.
SeOOllaS SOltaS novas o grandes a 1* o cento e a 8* o milheiro, aflanca-sa que vista da qualidade ninguem deixar do comprar.
Espermacete Superior sea anrfa a 740 n. em caixa o a 760 rs. a libra.
ArrOZ o melhor do mercado a 100 rs. a libra o 2*700 a arroba do da India e 120 rs. a libra do Marnhio,
Alpista 6 painco o mais limpo que ha a 160 rs. a libra do alpiste e 240 re. a libra do paineo.
Vinagre braneo o jBMibor que lomee tido no mereado a 400 rs. a garrafa a 2*560 a eanada.
Massa de tomate em latas de urna libra do mais acreditado autor de Lisboa e v'tnda a primeira Tes a nosse mercado, de 1* a lata.
Aranita albor que se pode deeajar a 320 rs. a libra, e 100 ra. a libra da gemma.
ToUCnhO de Lisboa o mais oro do mercado a 320 raba libra e erraba a 1*000.
A lea dos taares anunciados encontrara o publico ludo que procurar undante e morando*, e per menos 4az per cont 4o que em onin
quaJquer parte.
.eianieaaB os mdicos mais celebres. Ojeantes I
pseoss recobraram con esta soberano remedio
o uso de seus bracos e pernas, depois dedui Na r,
permanecido longo tempo nos hospitaes, o te* 1 gos ai50O ra.. passas a 640 ra
deviam soffrer a ampulacio I Dallas ba mui- meitatea do aereado,
cas quehavendo deixado ataos, asylos depade-
timentoa, para se nao subRterem a essaopo-
rafio doloroso forem curadas completamente,
mediente o uso desseprecilo remedio. Al>
gumas das tees pesaos ns enfosio de seu roeo-
nbeeiBDenlo declararla estes resultados benfi-
cos diante do lord corregidor e outros magis-
trados, afimda mais autenticaremsua afirma-
tiva.
Ninguem desespereria do estado desande ai
tivosse bastante confianca para encinar este re-
medio constantementeseguindo algum tempo o
tratamento que necesstasse a natureza do mal,
cujo resultado serie provarincontettavelmente.
Que ludo cura. .
vendem-s fi-
aflanca-so aer
4 180 o Cavado.
Ba do Queimado n. 19*
Vendem-ae chitas francesas finas e miudlohas
eom um pequeo toque de atarla, palo barato-
preco de 180 o covada. w
O progresso da S.
Cruz.
Maooel Jos de Brito Barreiros faz ver ao rea-
peitavel publico que tem em sea eatabelecimen-
lo, oo largo da Santa Crus o. 16,.um completo
sorlimeoto de geoeros, como sejam :
Manteiga Dgleza flor a 880 e 60 rs.
Queijos Carxengos muito noros viudos jpelo
ultimo vspor a 3* e 3g200.
Marmelada de Cesteler c. a 1*.
Caixas com 8 libras de figos proprias para mi-
mos a 4*000.
Ditas de 4 libras de ditos a 2J200.
Ditas de 2 libras de ditos a 1)200.
Latas com doce de ginja, peraa, amendoas e pe-
cagos a 800 rs.
Massas para sops, sendo macarrao e ulharim
a 480 rs.
Aletria a 560 ra.
Vjnho do Porlo engarrafado, muilo volho, a
1*280.
Dita Duque do Porto a 1*300.
Latas com peixe de diversaa especies a 1)300.
Massa de tomates a 900 rs.
Cha preto muito superior a 2$400.
g Dito perola a 3*.
Caf a 240, 280 e 320.
Carveja braoca e preta a 840 e 720.
Passas novas, libra-. 640 rs.
Conserves em frascos a 800 rs.
Vinho tinto de Lisboa, garrafa, 640 rs.
Dito dito dito, garrafa 560 rs.
Molhos de ceblas muilo novss a 1*400.
Charutos de diversas marcas e precos, e ontres
muitos, que a vista da qualidade, ninguem dei-
xar de trocar por elles o seu dinheiro.
Calcado
Na ra da Cadeia o. 45, loja da esquina da rea
da Madre de Dos, recebeu-se um completo sor-
tmenlo de calcado para homem, senhora e me-
ninas, assim como sortimeolo de calcado de tran-
cioha de Lisboa de todos oa nmeros, os quaes
se vendern pelos mdicos presos de costume.
Para festa.
Vendem-se velas curtas de cera proprias para
illuminacao de igreja, pelo barato preco de 800
rs. a libra, teado8 velas : na ra do Crespo, loja
namero 11.
Alexandre da Motta
Canto
vende um magnifico sitio de nome Alalain, em
trras foreiras. aldeia da Escada, em cuja posse
tem um bom cercado que pode conservar 40 a 50
cabe cas de gado de invern a verao, margem
do rio Ipojuca, sobre boas valados, tem Urna fon-
te de agua ao p das casas muito cryslslioa, em
cojo sitio tem 8 casas, inclusive 3 de lijlo com
4 de frente envidra;adas, muito boas, muito
perto da esisco, ao p do armazem de reeeber
assucar, contiguo a estrada de ferro, tem mais
uma boa taberna, tem mais urna boa horta com
300 ps de banaoeiras, 350 ps de caf, 4 ps de
coqueiros, tem maia uma pequea coebeira co-
beria de capim, porm pode levar lelba : a pes-
soa que pretender, dirija-se so mesmo sitio Ata-
laio.
Ra da Rangel u. % deposito
de charutos.
O proprietario deste estabelecimento tendo de
dar balango para acabar, vende as faiendas exis-
tentes o mais barato que possivel, como sejam :
bolsas de borracha a 640. 1*. 19500 e 22000, bol-
sas ae seda da* melhores que lem vindo ao mer-
cado a 3)500, fnmo americano a 2|000 a lata,
fumo caporal fleur d'Harlebeke sgarradeirs para
charutos muito finas a 1|000, cachimbos de ma-
deira a 720, machinas para fazer cigarros obra
nunca vinda a esta cidade, charutos suspiros de
Simas e F. I. Cardoso a 2*500 e 2*800 meia cai-
xa. apraziveia a 3j000, entre-fioos a 1800. e
I56OO a caixa. ditos da Babia pecbiocha a 1*280,
ditos da Ierra a IgCOO, carteiras e charuleiraa a
1*000, charuleiraa a 640, e outros objeclos que
seria enfadonho eoumera-los. Tambem previ-
ne-se s pessoas que devem vir aalisfszer suas
obrigaedes ateo flm do mez, e como ignors a mo-
rada de alguns, publicar seus nomer, e se at
fiada as ferias nio salisfizerem proceder com os
meios que a lei favorece: igualmente vende ci-
garros de palha de milho a 4*500 o milheiro.
Veode-se uma casa terrea ae pedra e cal
dos Afogados, na ra de S- Miguel, com 3 quar-
los, sala da frente e da parte detraz, cozioba tora,
quintal grande, tendo duas portas na frente e
uma janella : quem a pretender, dirija-se a ra
de S. Miguel, nos Afogados n. 37, que achara
com quem tratar.
Importante
Aviso
Na loja e.i portas da ra do Queimado o. 89,
acha-se um grande armazem com todo o sorti-
mento de roupaa feitas, para cujo flm tem mon-
tado uma ofcina de alfaiate, eatando encarrega-
do della um perfeito meatre vindo de Lisboa, pa-
ra desempennsr toda e qualquer obra que ao Ih-
encommende ; por isso que faz um convite espa-
cial a todaa as peaaoaa cpm eapecialidada aos
Illms. Srs. offlciaes tanto da armada como do
exercito.
Faz-se fardas, fardes com superiores preparo*
e muito bem feitas, tambem trata-a* fazer o far-
damento todo completo conforme ae usa no Rio
de Janeiro, tanto que tem os figerinoa que da
11 vierais ; aim dioso fu-sc mais casaquiohas
para montara, fardlas ou jaqueles, bem como
colleles a militar par* oa Srs. ajudantes de cata-
do maior o de cevallaria, quer aeja. aiegeloa oa
bordados a espoquilba de osjro oo prata, tado ao
gosto da Europa, tambem prepara-ee becas para
desembargadores e de qualsjust Jniz sefundo o
ostylode Catea a a aeade se tunea, aa melhores
eonhecidaa at boje, assim como lem maito ricos
deseaba* amatix de todaa aa cera* proprios para
fardamenio de pceos ou criadoo do Hbrt ame 00
far pelo gosto i francoia. Na mesma caaa n-
carrega-ae Ae fazer para meninos joquelas n
franceza hornadas ao mesmo gosto. Afflancando
que por tuda so flea rosponaavol como seja hoas
emavaosear*aae velo o mee/tro. pois apara O honrosa visita o*
dignos senhores visto qae nada perdem em es-
peri montar.
Na roja bogara H oro, roa m CaNM n %\ 1.
reeohen om oooiploso eotermeeno do feirlnhoe 4*
misoaaga, sondo dolodeeaseores
FT
11 a r% ^ 1


?*
ii r
pp
o-
Ai
SABBiDO 21 M DEPURO M llil(
m iiimii
t-

F
jaber:
Trae, nacionaes,
160
Folhinha de port contndo p kaendariq
de gaila, tabella de salvas, noticiis planetarias, eclipses, partida*
de correioi, audiencias, e resumo de chronologia, a res .
Folhinba de algibeira e variedade, a qual con tem todas as materias das*
le prtale,mais tabellas do atamente, e ocaso do sol, das ma-
les, casa \ familia imperial, nomes e ttulos dos cbefes dos
principaes estados do mundo, tabella da arrecadacao do sello,
dita do porte das cartas/partida dos paquetes brasileros e euro
peus, tabella dos impostas geraes, provinciaes. e municipaes, re-
gulamento* de incendios, e entrado, e algumas posturas, munici-
paet, artigo sobre agricultura, ecaqpmias, modo de fabricar gelo,
prognostico do Gm do mundo, colleco de remedios, a re'is. .
Dita ajejigtosa, contndo todas as materias das de porta, e mais tabellas do
nascimento, e ocaso do sol, das mares, casa e familia imperial,
nomes e ttulos dos chefes dos principaes estados do mundo, ta-
bella da arrecadacao do sello,,dita do porte das cartas, partida dos
paquetes brazileiros e europeus, tabella dos impostos geraes,- pro-
vinciaes, e municipaes, regulamentos de incendios, e entrudo, e al-
gumas posturas municipaes, trezenario e mais oracSesde S. Fran-
cisco de Paula, colleccao de oraches para todos os estados da vida,
e novena da Senhora Sant'Anna, a ris........320
'
Acha-senoprelo o almanak civil, ecclesiastico, administrativo, agrco-
la, commercial e industrial, o qual sahira' no im do mez de deaembro, nfio po-
dendo ser antes pelas mudancas.
320
Na ra do Queimado nT55, lojs' (|*sfudezaa
ffb Jota de Axessaa *i> Silva, nti Tendeado
ludo muflo barato rara putar iinhejio, pois 6 o
Sue presentemente maia precisa.
iroza de pennaa de eco de diversos mo-
dolios s,................
(Mixta com aguthas frsneezas a.........
Caixaa com alfitetes a..................
Caixaa com ipparelhos para meninos....
Ditas com dito para grandes a..........
Baralhos portuguezesa............120 e
Groza de botes de oaso para caiga, pe-
queos, a..............................
Tesouras para unha muilo Anas a......
Ditas para costura a....................
Baralhas francezes muito finos a........
Agulheiros com agulbas a..............
Caivetes de 1 folha muito fios a 80 e
Pecas de tranca de lia com 10 varas a..
Pe;as de franja de lia com 10 varas a..
Pares de sapatos de Iranga a............
Carlaa de alQnetea francezes a..........
Escoras para limpar deotea a 200 e....
Masaos com grampos muito fios a....
Cartdes com clcheles com algum de-
feito a ............................*...
Ditos de ditos de superior qualiddo a
Didaeade ac para senhora a............
Sialejos coa duas vozes a..............
itos com 4 vozes a....................
Cofiadores para vestidos, sendo multe
grandes a..........,<.,;.,%.-.jJ..X.X i
Caixaa com clcheles (raucezes ........
Cartas de alfioetes para armacSofsVR..
Charuteiras muito finas a....cJrff.......
Tinleiros da vidro com tinta a..........
Dilos de barro com tinta superior a-----
Ara preta muito fina, libra............

10, leja
500
120
0
240
500
200
120
400
400
320
80
160
200
800
lz80
100
400
40
Superior rep de Lisboa em
frascos.
Vende-se superior rap princeza-Brasil em
frascos, chegado no utimo vapor francez EHre-
mmdure, na loia da boa-f, ra do Queimado
n. 22.
80
40
80
I9OOO
160
1S0
120

4 ra do Queimado 1
numero 10. g
Loia de 4 portas
! DE 8
Ferro < Maia.|
E'chegidoum completo sortimento 2
das aaguintes fazendas, o mais moderno *
que tem apparecido no mercado : (
Chapeos pretoa para horneo. *&
Ditos de palha para aenhora.
Ditos de pellica para meninos e meninas. $
Borxegains para homem e senhora por sjft
menos preco de que em outra qual- .
quer parle. w
Biquissimaa capinhis de grosdenaples
preto bordados para senhora. x*
Ditaa de caxemira dita.
Caaavequea braceos bordados. $?
Sintos dourados.do ultimo gosto. s
Eoleites de relroz e missanga.
Baldes de duaa aaias o mala rico que V
tem apparecido. 3
Men<#o.
Veude-se confronte o porlo da fortaleza das
Cioco Ponas oseguinte : carrocha para boi, di-
tas para cavallos para agua, cartiuho para traba-
Ihar na alfaudega, ditoa da mi, rodaa para car-
rocas e carrinhos, eixos, torradorea de caf com
fogao, boceas de torno, bandeiras, ferros de fol-
las de todas as qualidades, dobradicaa de chum-
bar de todos os lmannos, [echaduras de ferrolho,
ferrolho de chapas, ferro de embutir de lodos os
tamanhos, e poitiode ferro.
As verdadeiras linas de
Jonvin.
Acabam de chegar pelo ultimo vapor para a
loja d'aguia branca, na ra do Queimado n. 16,
sendo de todas as cores.
IOTAS*
se ni segundo -
Grande liquidacao da
Arara.
PARA ACABAR.
Vende-se pegas de madapolao fino entestado a
39, corles da casemira preta a 3$, ditos finos de
cores a 49500, cortea de fustao a 18120, tapete
para forrar salas a 600 rs. o covado, tilo de Moho
branco e de cores a 200 rs. o covado, tarlaiana
de cores e brancas a 800 rs. a vara, ricos cor-
tea de cambraia braocoa e de cores d babadoa
a 2QSO0 e 39. ditos de tarlataoa de 3, 4 e 5 baba-
dos a 38500, ditos eofeslados com eotre-meios a
60, cassas a turca para veaiidos a 940, 980 o 300
rs. o covado. dtlas garibaldioas a 360 rs. o cova-
do, lia de quadriohos para vestidos a 280, dita
* chineza entestada a 400 rs. o covado, aaia balao
de nova ioveocao de 14 e 30 arcoa a 39500 e 48,
ditas de madapolao a 38, saias de cordao que faz
vez de balao a 28400 : na loja da ra da Impe-
ratriz, da Arara, de 4 portas n. 56, de Magalhaes
& Meados.
fabrica do Nonteiro.
Crystalisaco e refina de assucar.
Deposito do roa de Apollo u. 6, e praca
da Boa-Vista n. 26.
Este importante estabelecimento contina a
fornecer aoa seus innmeros freguezes do alvo e
puro assucsr crystalisado, em p e em pies, 1.a
e 2.* qualidades, pelo prego de 160 e 200 rs. a
libra, e do refinado a 100, 120 e 140a libra, sen-
do que em grosso o comprador ter am descont
favoravel. Nos mesroos depsitos tambem se
vende mel de aaauear a 60U rs. a caada, e car-
to animal em p a prego commodo.
Tudo doce.
Na roa larga do Rosario n. 35 contina a ter
grande sortimento de doces de calda, como seja,
latas com 5 libras de doce de abacachy, grosella
e laraaja a 28500, ditaa de cidro com 4 libras a
29. ditas de sapoty a 29200, ditas de birembi e
limao a 19500, latas com 2 1|2 libraa de eonfeilos
de diversa qualidades, proprios para mimos de
feata a 19600, latas com 2 libras de marmelada
de Lisboa superior a 29, cavacas de gosto Lisbo-
nense a 19 a libra, bolinhos de amores a 19000,
ameodoas confeiladas a 800 rs., confeitos novos a
640, assucar candi a 600 rs., Islas caro docesec-
co de sapoty e abacachy a 29500, xsropes de gro-
sella, laraoja, abacachy e tamarioo a 500 rs. a
garrafa, bolachiaha de aramia a 320, chi bysson
a 29800; assucar refina lo fino a 49160 a arroba,
e libra a 140, dito baixo a 395v0, e 120 rs. a libra,
assucar branco proprio para doce de caj s 120
rs. a libra, e 3*600 a arroba, dito someous a 100
rs. a libra e 29000 a arroba, dito masca vado a 80
rs. a libra 29400 a arroba, e oulros muitos g-
neros que o freguez encoutrari ; tambem tem
porgo de fumo em folha que vende s libras e
arrobar.
Tiras
hordadas em ambos os
lados.
Vendem-se tiras ale cambraia bordadas em am-
bos calados, que pela largura be as se pode par-
tir ao meio, para aaias outras muitaa eeusas,
casta cada tira 19200: na raa do Queimado, loja
d'aguia branca n. 19.
Pete americana.
Vaoda-sa potassa americana muito nova de
auperior quaiUade: no eaeriptorio da Manoel
Igaacia dnOliioira & Filho, largo do Carpo Sin-
fo n. 19. < i
Cal de Lisboa,
Vende-se barra eom cal nova de Lishea cae-
Bailar. -i *>) *e
a das 6 por-
tas em frente do Li- 1
vi-amento.
Roupa feita muito barata.
Paletots de panno fino sobrecasacos,
ditos de casemira de cor de fustao, ditos )
de brim de cores e brancos, ditos de
ganga, caigas de casemira pretaa e de'
cores, de brim branco e de cores, degsn- |
ga, camisas com peilo de linho muito
finas, ditas de algodo, chapeos de. sol
de alpaca a 49 cada um. I
Ra da Senzalla Nova n. 42.
Neste estabelecimento vndese: ta-
chas de ferro coado libra 110 rs. idera
de Lw Moor libra a 120 rs.
Urna barca$p.
Vende-se ama bsreaca do porte de 35 calas,
encalbada no estaleiro do mestre carpinteiro Ja-
cinlho Elesbo, ao p da fortaleza das Cinco Pon-
a*. ond pnda iar vista o examinada netos nre-
teudenles ; vende-se a prazo ou a dinheiro ; a
tratar com Manoel Alves Guerra, na rna do Tra-
piche n. 14.
Liquidacao da Arara.
para a festa.
Vende-se cortes de chitas finas com 13 cova-
dos a 29500, ditos de riscado chinez a 29500, ditos
de chitas iogltzas a 19500, ditos de riscado a ga-
ribstdi a 29800, pepas de cassa adamascadas pa-
ra cortinados com 20 varas a 98, ditas de 10 va-
ras a 49500 e 39, pegas de cambraia de salpicos
com 8 1|2 varas a 49 e 49500, pegas de cambraia
brancas a 19600, ditas finaa a 38 e 39500, chales
de la a lfl.diioa de la e seda a 1 800 e 29500,ditps
de merino estampados a 28500, ditos de pona
redonda a 69, ditoa de croxe a 78. chitas a 160 e
180 rs. o covado, ditas francezas a 220, 240 e
280 rs. : na rus da Imperatriz loja da Arara de
4 portas n. 56. de Magalhaes & Hendes.
tor-
Esperanca.
Recebeu de sus encommenda pulcai- "
9 ras de cabello qua vende por 109 o par,
braceletes de mosaicos a 69 cada um,
f agulhaa victoria a 120 ri. o papel, pen- ?
9 tea de tartaruga a 8, 10 e 128, precos <
dj porque ninguem pode vender (boa fa- j
jgi zeoda) estes artigos nao se eoconlra em .
^ loja uenhuma porissovaoa ruadoQuei- *
SfP mado n. 33 A, loja da Esperaoca. j
Esperanga reduz aexpres-i
sao mais simples. '
(A* DINHEIRO.) 1
($ Todos os arligos que esli na loja 1
sWk muito barato quem quizer vi comprar e .
^ ver : rus do Queimado n. 33 A, Guima-
fp raes Rocha. I
Ra do Queimado n. 55, defronte do sobrado
novo, est disposto a vender tudo por precos que
a todos admiram, assim como seja :
Frascos com agua de Lavaude muito su-
perior e grandes a.................... 800
Duzia de sa bonetes muito finos a...... 500
Sabonetes muito finos s................ 160
Dilos ditos muito grandes a............ 200
Frascos com cheiro muito finos a...... 500
Garrafaa com agua celeste superior a .. 19000
Frascos com banha muito fina a........ 240
Ditos com dita de urso a................ 600
Frascos de oleo de babosa a............ 240
Ditos dedito muito finos a 320 ...... 500
Ditos com banba transparente a........ 900
Ditos com superior agua de colonia a... 400
Ditos ditos frascos grandes a............ 600
Ditos de macar e de oleo a............ 100
Lioba branca do gaz a 10 rs. tres por
dous e a .............................. 20
Linha em carlio de Pedro V com 200
jardas a .............................. 60
Dita com 50 jardas a.................... 20
Duzia de meiaa cruaa muilo encorpadas a 29400
Dita de ditaa muilo superiores a........ 49500
Ditas de ditas brancas para senhora a.... 38000
Bicos da largura de 3 dedos, vara ..... 120
Groza de botes de Iou;a a.............. 160
Cajriteis de linha com 100 jardaa a..... 30
Duzia de phosphoros do gaz a........... 240
Dila de dilos de vela muito superiores a 240
Pecas de fita para cs de todas aa larguras 320
Franjas de linho para toalhas (vara)___ 80
Bicoa das libas por todo o prego, por pedido
que tenho do fabricante para acabar, e por isso
nao se olha o que cualou, e sim o que d.
Novidade no
rador!!!
23 Largo do Terco 23.
Queijos flamengos muilo reacaes, chegados
neste ultimo vapor a 39. manleiga franceza a 720
e 640, manleiga ingleza flor a 900 e 800 rs., em
porgao se fsr abatimaulo, assim como se torram
oulros muitos gneros pertencentes a molhadoa,
assim como sejam, eaf, prlmeira e sjsjguoda sor-
te, arroz, velas de espermacete e carnauba, azei-
te doce e vinagre, e viuhos, se vendem por me-
n ao que em ouira qoalquer parte a dinheiro
vista. "
Chapeos de palha.
O mais lindo sortimento de chapeos de palha
das formas ss mais modernas de Pars, para se-
ohoras e meuinaa, ricos sintos ultima moda, di-
tos com lacos bordados : na ra do Crespo o. 4,
casa de J. Falque.
Liquidacao
de fazendas modernas para
senhora.
Vendem-se ricos eofeiles a turca psra cabeca
a 2950O 38, e 35500, ditos muito finos a Garibaldi
a 58 e 5950O, ricos cintos a 29500, dilos doura-
dos a 38, golinhas a 500 rs. dilas com bodsiohos
a 640 rs.. manguitos a 720 rs., camislnbaa para
senhoras a 38, dilas bordadas a 49, manguitos e
gollss de linho a 29500 e 38-
Para homem.
Palitots de casemira a 109 e 12, ditos de brim
de todos os presos, calcas de casemira de cores e
tirelas a 6g e 79, ditas de brim a 19, 19600,28 e
235OO : na ra da Imperatriz loja da arara de 4
portas n. 56, de Magalhaes & Mendes.
Opiata ingleza
para dentes.
Est finalmente remediada a falla que se sen-
lia dessa apreciavel opiata ingleza to proveito-
sa e necessaria para os dentes, isso porque a lo-
ja d'aguia branca acaba de recebe-la de sua en-
commenda, e continua a vende-la a 19500 rs. a
caixa : quem quizer conservar seus dentes per-
feitos prevenir-se mandando-a comprar, em
dita loja d'aguia branca, ra do Queimado a. 16.
Ru* do Queimado n.
de A portas.
Verjd"-" P"oo verde, preto, azul e cor de
caf; d *
Ctsemira preta superior qoalidade covado
19600 e19800.
Chale de toufplm para acabar a 10,15, 20,
30 e 409
Superiores corles de seda o mais moderno que
tem vindo ao meresdo a 90, 100 e 120f.
Sediohas de quadrinhaa e flores, superior fa-
zenda e moderno gosto, covado, 800,19 e 19400.
Cbaly, superior fazenda, covado, 500 rs.
Mimo do co, fazenda para vestido de s*snhora,
ovado 500 rs.
Taimas e manteletes pretos a 18, 20 e 259.
Superiores vestidos trancos bordados a 20, 25
e 309-
Cassas francezas finas, covado, 240 rs.
Cortes de cassas de salpicos, um 39 e 88500.
Cortes de seds preta a 258. 30, 35 e 409.
Lencos de seda a 600 e 800 rs.
Lia de quadros para vestido de senhora rou-
pa de meninos, covado 240 rs.
Grosdenaple preto, covado 19280.
Chales de merino bordado#a 4J.
Chitas francezas escuras, covado 240 rs.
Heias de algodao cr para homem a 49.
Cortes de velludo para collele a 39500 e 49000
Paletots de brim a 3 e 49
Chapeos de sol do seda para senhora e meni-
nas ale 4|.
Leqties para aenhora e meninas a 3 e 49.
Espsrlilhos psra sennora e meninas a 3 e 49.
Chapeos de pellica para meninos e meninas.
Chapeos de palha para senhora.
Cbapelinaa de seda para senhora a 8 e 108-
Camisas abertas de renda para senhora a 29 e
3S00O.
Grosdenaple amarello com um pequeo toque
de mofo, covado 600 e 700 rs.
P&tetot, cale. e collele de casemira, pelo bara-
issimo prego de 259
Ceroulaa escocezaa, urna 19200.
Corles de barge com duas saias a 8 e 109.
Cortes de seda escoceza, auperior fazenda, com
13 e 15 covsdos esda am a 109.
Camisas inglezas com peitos de linho e com um
queno mofo, duzia 258.
Paletots de alpaca, um 99.
Caries de cssemira 00 39500:
Chales de lia e seda, superior fazenna, a 29500
Lencos de cambraia de linho bordados com bi-
co, a 39.5, 6 e 89. .
Ditos de dita para homem, duzia, 69, 8, 10,12
149.
Slim preto maco o melhor que tem appare-
cido, covado 39.
Caapeos deso de seda para homem um 69.
D los dito de dita ingleza para homem, um 99,
10 e129-
Biloes para senhora, um, 3 e 49.
Pinno de linho do Porto com 12 palmos de lar-
gura para lencea, vara a 39200 e 39400.
Ltncos de cambraia bordados com bico, duzia
a 28500.
Gillinhasde cambraia bordadas, urna 320 rs.
Manguitos de dita ditas, um 19-
Camisaa para meninos, duzia 159*
Fi de linho bordado, vara 1*200.
Diio de dito liso, vara 19800.
Cortes de brim de linho, um 1*600.
Asteas de
baldes'
nh
Vende-se a 160 6 200 ri. a vara : ns ra do
Queimado loja de midezas da boa fama n. 35.
Luyas de pellica de
Joirvin.
Vende-se as verdadeiras luvas de pellica de
Jouvin para homem e senhora a 29500 o par: na
raa do Queimado loja de miudezas da boa fama
0.35.
Cintos do ultimo gosto,
Vende-se cintos dourados e de palha o mais
bello que possivel encontrar-se, pelo barttissi-
mo preco de 39 cada um, ditos de fila de muito
lindos gostos a 28 ; tambem se vende Qvellas
muito lindas e de muitas qualidades proprias ni-
camente psra cintos a 2j}: na ra do Queimado
loja de miudezas da boa fama n. 35.
Enfeites para cabega
Vende-se os mais modernos enfeites que tem
viodo a este mercado, e de muitas qualidades a
7 e 8000cada um, ditos pretos com i idilio 1
18500: na roa do Queimado loja de miudezas da
boa fama o. 35.
Laa muito fina para
bordar
Queimado
Largo da 4ssembla
numero 15.
Hi conlinusmente neste estabelecimento as
seguiDtes fazendas para vender, por menos pre-
go qhe em outra qualquer parte.
Cira de carnauba da nova safra e primeira qua-
lidale.
Cebo do Porto em pao e velas.
Sota ou vaquetas de differentes qualidades.
Courlnhos curtidos.
Familia de mandioca muilo nova, qualidade
igual a de Mutibeca, milho novo, saceos muilo
grandes.'
FiiDileiro e vidraciro.
Vende-se a 89 a libra : na ra do
loja de miudezaa da boa fama n. 3">.
Capellas e ramos para casa-
mentes e bailes.
Vende-se mailissimo finas e ricas capellas
brancas para noivas, cora o competente ramo para
o peito, pelo baratissimo preco de 10 e 129, ra-
mo*M flores muilo linas e de muilo lindas co-
res a 39, ditoa mais inferiores pouca cousa a 19.
19500 e 29: na ra do Queimado loja de miude-
zas da boa fama n. 35
Luvas de diversas quali-
dades
Vende-se muilo superiores luvas de camurca
para homens a 29 o par, ditas de fio de escossia
brancas e de cores a 800 rs., ditas de seda eu-
feiladas para senhora a 28, ditas de torsal pretas
a 19 : na ra do Queimado loja de miudezas da
boa fama n. 35.
Clvicotes de gosto e muito
fortes.
Vende-se muito bonitos chicotes debaleiacom
casldes de marfim e de metal para homens e se-
nhoras a 4 e 59cada um, ditoa de estallo tambem
muito bons a 39, dilos de junco porm muito bem
acabados a lg : na ra do Queimado loja de miu-
dezaa da boa fama n. 35.
Gabazcs para senhora* e
meninas.
Vende-se pelo baratissimo e admirsvel prego
de 3 e 49 cada um, e affian;a-se que quem os vir
nao deizari de comprar, lo bonitos e uleis s9o
ellos: na ra do Queimado, na loja de miudezas
do boa fama n. 35.
Tinta bem conhecida e acre-
ditada para escrever.
Vende-se cada frasco a 500 rs e dos graodes
a 800 rs.; esta tinta azul na occasiao em que
se escreve e por muilo pouco lempo fica preta e
bem preta, havendo a vantagem de servir para
copiar cartas: na rus do Queimado loja de miu-
dezas da boa fama o. 35.
EscreYe-se coiii a
tinta azul, e fica
preta,
A loga de A|a|s-Braca scabs de receber de sut
encommenda essa apreciavel tinta que e#eicre-
ver-ae azul e ao depois flea preta. Essa'tinta
do afamado fabricante Adrlen Maurin, o mes-
moque fabrica a segura tiota para marcar ronpi,
e elle pichoso como 'na eomervacao de seo cr-
dito tem feilo com qoe soa tinta pela purificado
e seguranza de cor, ten ha merecido a primasia
quanlas outras apparecam, conservando de mais
a mais o vidrado escuro e mesclado da seas
boies psra previnir a falsificarlo. A loja de Agoia
Branca, porem em allanto a sus boa fregue-
zia tem modificado os presos esi veodendo a
500 e 800 tis os boies, grandea e immediatos,
fazeodo aioda alguma differtoea a quem esnprar
msior porco para tornar a vender. Tambem se
vende frasqeinhot com tinta par* marcar roupa a
640 e 1:000 ris, ludo na ra do Queimado loja
de Aguia-Branca, n. t6.
*j Atten Por mais exforcos que faja
Nao me quer a musa valer
Todos emflm venham Ter
Calcados, bons, e de grana.
Na ra Estrella do Rosario loja decalcado con-
fronte a iftrejs, botins para meninos de 25 a 32
2,500 a 3,000. sapaldes de diversos feitios para
meninos e homens a 2:700 3:060, 3:300. 3:500,
4:000, 4:800, 5 000 5:500, sapatoes abarlos na
frente pars rapazeaa 2:600 sapatoa raaos abertos
cordavao 2:500, bollnas.de marroqoim pars se-
nhora 2:000 dilas todas de pao de cores sem
salto 3:000, dilas ditas com salto 4:000, botinas
psra sjatora e meninas do ultimo gosto, ditaa de
setim sem salto, sapatos da dito e outras.muitas
qualidades por commodos pregos.
SABAO.
J-oaqaim Francisco de Mello Santos avisa aos
seus fregueses desta pra$a e oadefra.que tem
axposto i vanda sabodo saafabricadenominada
Recitanosrmazem doaSrs. Travassos Janior
& C, na raa do Amorimn.58; msssa amarella,
caatanha,preta a outras qualidades por menor
preco qae de oatraafabricas. No masmo arma-
bem temf eito oseu deposito da ralas da carnaa-
zaaimplssem mistara algasia, como as da
tomposiQo.
Lindas flores.
Na loja d'aguia da ouro, ra doCabuga n. 1 B,
receberam de aaa propria encommenda um com-
pleto sortimento de flores, o mais fino que pos-
sivel eucootrar,proprias para enfeites de cabeca ou
vestido, cousa muito chique, qae se vende por
prego qua admira, sendo a800 19 o cacho.
0 Pavo.
Vende-se calcnhas bordadas para meninaa a
19, luvas de seda tanto para aenhora coma para
homem fazenda em parfeito estado a 500 rs. o
par, aintoade todaa aa qualidadea para aenboraa
a meninaa e aaiaa bordadas com muilo gosto:
na raa ds Imperatriz n. 10, loja de Gama 4
Silva.
Atteneo
Sodr&C+natrua estrea do
Rosario'ti. 11.'
Vendem aa vardaderas uvas da Ub* di Itama-
raee, castaohss aseadas e cosidas, e tiennss de
>, tarta mail am costa do q* M pulra qual-
qttr parte.
Charutos.
Verdadeiros charutos de Ha-
vana vende-te na ra do Apollo
n.
Attenco.
Em essa de Basto & Lemos, no Becife, ra do
Trapiche o. 15, vendem-se os seguintes gneros
por commodo prego para fechar contas, a saber:
Mobilias italianas de madeira branca, consis-
tido em cadeiras siogelas, de braco e aophs, de
um gosto o mais delicado possivel.
Chapeos de palha da Italia amarellos e de co-
res para homens e meninos.
Vinho de Bordeaos.
Cognac verdadeiro.
Abainthio superior.
Kirstch idem.
Licores fios em garrafas de dfjrsjal branco.
Todas estas bebidss em caixaa da urna duzia.
Jarras ou talbas de barro vidrado, grandea e
pequeas, para depoaito de agua doce, mel, etc.
Pedras msrmore para ladrilho, braneaa e pre-
tas, de 7, tO e 12 pollegadas quadradas cada ama.
Novidade
sem igual
loja do Pavo
na
Acaba de chegar a ale esUbelaelnjento uos va-
riado sortimento de organdys* proprios para ves-
tidos sendo os gostos ltimamente novos, e se
vendem 720 ris o corado apt estar muilo pro-
zima a feata, a san como vejdsm-se os mala
rtaoaa madarnoa enfeila para cabala de senho-
ras: na ral fcjmperalri 0. C0)eja) da Cama &
SliYs,
Grande c nova offlfiiwn-
Tres portas.
31RuaDireita31.
Neste rico e bem montado estabelecimento en-
contraro os freguezes o mais perfeito, bem aca-
bado e barato no seu genero.
URNAS de todas as qualidades.
SANTUARIOS que rivalissm com o Jacaranda.
BANHEIRuSde todos os tamanhos.
SEUICUP1AS dem idem.
BALDES idem idem.
BACAS idem Idem.
BAI1US idem idem.
FOLHA em caitas de todas as grossuras.
PRATOS imitando em perfeigo a boa porcel-
lana.
CHALE1RAS de todas as qualidades.
PANBLLAS idem idem.
COCOS, CANDIEIBOS e flandres para qaal-
quer sortimento.
V10R0S em caitas e a retalho de todos os ta-
maudando.se manhos, botar dentro da cidade,
em toda a parte.
Recebem-se encommendas de qualquer natu-
reza, coocerlos, que ludo ser desempenbado a
contento.
Attenco
Chapeos para senhoras
garibaldi e amazonas.
Na ra do Queimado n. 29. armazem de fazen-
das de J. J. de Gouveia, eziste um rico e elegan-
te sortimento de chapeos para senhoras e meni-
nas, viudos ltimamente pelo paquete francez, o
mail moderno gosto parisiense ; os quaes se es-
to vendendo por diminuto prego. E' dos mais
ricoe melhor gosto que ha no mercado.
Pe chine ha
para um principiante que*
se quer estabelecer.
Vtnde-se urna boa taberna, armario moderna,
toda envidracads, illuminada a gaz, bastante afre-
guezada, e com poucea fuadoa, casa para peque-
a familia, motivo do dono se retirar para tora,
e por isso nao pode continuar, em um dos melho-
res logsres na povoacao doa Afogados: quem a
pretender dirija-se aos qualro cantos da Boa-
Vista, casa n. 114, reuago do Vilella, que se
fari todo negocio.
Novidades, o que a festa.
Vende-se gorguro de seda e linho, fazenda
nova para vestidos s 320 o covado, fustao de li-
nho para paletots e roupa de meninos a 30 o
covado, enfeites para senhora, e ciatos da ulti-
mo gosto : na ra da Imperatriz, loja da arara
de 4 portas n. 56, de Magalhaes & Mandes.
Attenco.
Chagra na roa do Queimado o. 39, loja de 4
partea melpomene imperial com 6 palmos de lar-
gura a S$60 o covado, o mais moderno e apura-
do goato qua se pode encontrar para veaiidos de
seahoras a mecinaa. ....
AtteriQo
36-taa Nova-M
Nesla casa enconirarao sempra um grande sor-
timento de relogios de algibeira, de ouro e de
ptata, patales a horJaa*Uas, urea*; assim co-
vel. Vez tambem qaalauer Mearte da relogios,
aeja qual ter a qoalidade, e p atado 10 mina, os
Gneros para a festa.
Manteiga franceza a 640 rs. a libra, dila ingle-
za a 800 rs., toocinho a 320 rs., arroz a 100 rs.,
cha a 25560, batatas a 60 rs., sabo massa a 200
rs., dito amarello a 160 rs., macarro, talbarim
e aletria a 500 rs., ervilhaaa 120 rs., caf a 200,
240 e 260 rs., painco a 160 rs., alpista a 180 e
200 rs., velas de carnauba a 400 rs., ditas de es-
permacete a 760 rs. vinho do Porto engarrafado
eoOTo tohbU cari a palo a 460 r., dito de
coco a 440 rs., queijos a 29500, baoha a 480 rs.
a libra, arroz de casca a 3a600 o aacco, espirito
de vinho a 19700 a caada, agurdente de caoa
a 200 rs. j engarrafada : na travessa do pateo
do Paraizo o. 16, frente amarella taberna de 4
portas.
ftanha fina
em copos grandes.
A' loja d'aguia branca avisa a sua boa fregue-
zia que chegada a apreciavel banba fina em co-
pos grandes, e contina a vende-la mais barato
do que em outra qualquer parte : na ra do Quei-
mado loja d'aguia branca n. 16.
Novos candieiros para gaz
Um grande sortimento de candieiros
para gaz, desde o mais barato ate o
mais rico que tem vindo a este mercado:
na ra da Senzala Nova n. 42.
Presunto para
fiambre a 560 rs.
a libra.
Vende-se no armazem do
Progresso no largo da Penha
n 8.
Libras sterlinas.
Vende-se no escriptorio de Manoel Ignacio de
Oliveira e Filho largo do Corpo Santo.
Enfeites para senhora
dos maia fios que ha no mercado : na ra larga
do Rosario n. 38, loja de miudezas de Manoel
Jos Lopes; na meama loja vende-se rap de
Lisboa, dito rolao francez, dito Meuron, dito prin-
cesa, dito gaze fino, dito do Rocha, dito grosso,
dito meio grosso, todo este rap vende-se lauto
em libras como em oilavas ; vendem-se cintos
dourados com franja a sem ella, luvas de pellica
amarella e branca para aenhora, brancas psra
homem, capellas brancas proprias para noivas,
chapeos de sol para senhora de aedas bordadaa. e
oulros muitas miudezas em conla, que s & vista
dos compradores se dir o preco de ludo.
Na ra das cruzes n. 12.
Veode-se junco fino de 1.a. 2.a e3.aaorte,
maisbsratodoqueem outra qualquer parle, ven-
de-se palha preparada, tambem empalham-ae
obras com toda a psrfeicSo e preatezi. Na mes-
ms vende-ssuma crioula moja com algumas ha-
bilidades : quem pretender, dirija-se a mesma
ra o. 12.
Burros e cavallos.
Vendem-se recentemente chegados de Monte-
video 20 cavallos.e 4 burros, como tamben urna
psrelha de burroa para carro, bastante gordos a
grandes, e j eosinsdos. sando'que nesta provin-
cia filo ka igual: na roa do Trapicha n. 8.
Cera de carnauba de pri-
ma|ira quajdade.
Veede-w epareaos ajtafho de urna sacca
psra ctms, a por commodo proco: na raa da Ma-
4r) da pa confronte abtica n. 30.
Ra Nova
n. 32,lojadeThom
Lopes de Sena,
recebeu em direitura de Paria diversos objectos-
de moda de apurado gosto, como sejam : chapeos
de palha da Italia para senhora, ditos Amazonas,,
ditos a Travista, ditos a Garibaldi, chapees de
seda para senhora, ditos de seda pretos, e tonca-
dos de diversas cores psra chapeos, grinaldas de
flores de diversas cores, rsmos de flores e rosss
para enfeites, leques de madreperola do melhor
que tem vindo ao mercado, manguitos com gol-
linbas bordadas para senhora, diloa de fil com
bicos de guipure, sintos com flvelas, vestidos de
bloode para ooiva, capellas com ramos para as
dilas, luvas enfeitadss para noiva, chapeos de
differentes cores o tamanhos para meninos ae bap-
tisarem, touquinhas de merino e meiaa de seda
para os ditos, esparliihos para aenhora, dilos com
carriteis, fitas de seda de diversss cores) e largo-
ras. Na mesma casa recebem-se figurinos todos
os mezes, e fazem-se vealidoa, capas e mantele-
tes nara senhora, e vestuarios para meninos.
Casta ii has,
Vendem-se caoaatras pequeas com castanhas
muito novas, chegadas no vapor, a 7f a arroba :
aa ra estreita do Rosario n. 11.
Novidade.
Caixas com 150 magaa chagadas no vapor a
12000.
Ditas com doce secco rainha Claudia.
Ditaa com doce secco de marmello.
Ditas com doce secco de pecego.
Caizoes com doce de goisba superior.
Presuntos psra fiambre, libra a 500 rs.
Queijo londrino.
luto pralo.
E oulros muitos gneros que seria enfadonho
mencionar, vende-se tudo muito em conta.no
armazem de Sodr & C, na ra estreita do Ro-
sario n. 11.
Pannos nos
a 2,000 rs
Vende-se panno preto e cor de caf a 2$ o co-
vado : na ra da Imperatriz n. 60, loja do pavo.
Casemira a 3$500.
Vende-se casemira enfestada para cal$as e pa-
letots a 38500 o corte de calca, ou a 2$ o covado:
na ra da Imperatriz n. 60, loja do pavo.
Agurdente de carina.
Vendem-se ancoraa com auperior agurdente
de canns : na ra da Csdeia do Recite n. 50, a
tratar com Cunha e Suva.
isfys3O3sa^as3Msaa.am3m^DSBE.^0
Loja das 6 por-
tas em frente do
Livramento.
Chapeos de sol de alpaca a 4$.
Duzia de meiascruaa para homem a
19200 e o par a 120 rs., ditas brancas
muito finas a 2$500 a duzia, lencos de
cassa com barra de cores a 120 rs. cada
um, ditos brancosa 160 rs., baldes de
20 e 30 arcos a 3|, lszinha para ves-
tidos a 240 o covado, chales de merino
estampados finos s 59 e 6j>, tarlatana
branca e de cores muito fina com vara
e meia de largura a 480 rs. o covado,
fil de linho liso a 640 rs. avara, pe-
gas de cambraia lisa fina a 3y, casaas
de cores para vestidos a 200 ra. o co-
vado, mussulioa encarnada a 320 rs. o
scovado.calcinhaspara menina de escola
algo par, gravatinhas de tranca a 160
rs., petos para camisa a 200 rs. cada
um dusia 28, pegas de cambraia de sal-
pico muito fina a 39500, pecas de bre-
tanha de rolo a 28, chitas francezas a
220 e 240 rs. o covado, a loja est
aberta das 6 horas da msnha as 9 da
noile.
SiSffipyrc^.iv^v?Tafe^ .. Sy
Vende-se a metade do terreno que existe
no becco do Ferreiro, freguezia da Boa-Vista des-
ta cidade, o qual terreno tem apenas omtelheiro,.
e offerece bom.local para ediBcaco. O terreno
aquelle, cuja parle existe um aberto e por edifi-
car, existlndo na outra parte m muro e duas ca-
sas que o Sr. Domingos Antonio ds Silra Beiris
indevidamente levsnlou ; na ra do Imperador
n. 54, primeiro andar, para tratar.
Na loja do *Vapat
Bom Novas a, V.
acha-se barato grande sortimento da calcado fran-
cos e inglez, roupa feita a perfamariaa muilo
finaa.
Manual de contas
feitas
para compra a venda de assucar e oulros objectos
obra muito til a todos os negociantes a aos se-
nhoras de engaaos; pola com am laen de vis-
ta podem saber o imparto de qoaesquer quanli-
dade de arrobaa e librea ; vemte-so na Imana
econmica ao p do arco da S^otb Antonio, 1 vo-
lme encadenado pelo piejo oe 39.
Vonde-M |>or odo opwco um\pir de bancas
de Jacaranda, urna meia commodsTa meama ma-
deira, e urna eeo^tra de bslaaco de oleo ; apro-
veitem a oocoaalo 4a pachlatlu, -
wa da NofieUa d. 20.
ditifldo-ae a


Fazena modejnisstaia para
vestaos, na loja do pavo.
Araba de ohegar esta estsbelerimtnto pelo
va#oi*fta*ces\ia*,Me stafmwte d sjorgures
de seda, faieada aiada na vists Mate mercado,
que se vende por preco bsrsttssimo, por estar
muito prximo a tests, aseie*-4aM ltoSB mar-
quezintua ou chapeoiioboi da sol pare senhora :
na ra da lmperatriz d. 60. loja de Gama &
Silva.
Vende-se urna porci de arroz com caaca,
mullo barato, em porcoes grandes e pequeas,
chegado prximamente do-Penedo : na roa Di-
reila n. 69, padaria de Antonio Airea de Miran*
da Guimaraes.
Esponjas finas
para o rosto.
Vende-se mui fiaaa esponjas pan rosto, a Z
rada urna : na ra do Queimado, loia d'aguia
branca n. 16.
Leile virginal
infallivel remedio para
sardas e panos.
O leile virginal j bem conhecido como reme-
dio iofallivel para aardas e pannos, vende-se a
Sf ra. o frasco na roa do Queimado, loja d'aguia
branca n. 16.
N. O.oiebar & C.aaeceeeores.rua da Crax
n. 4, tem paca vender relogios paja algibeir* oaro e prata. ,
Touquinhas de setim, sa-
patinhos de dito bor-
dados, e meias de seda
para foaptisado.
A loja d'aguia braaes acaba de despachar de
ana propria encommenda, um bello aortimento
doa objectos cima, e de muilo bons gostos, sen-
do ss touquiohsa de setim mui bem enfeitadss
de fitas e florea a 6000, indo cada urna em aua
caixioha, sapatioboa de aetim branco muito bem
bordados a 3g ra e meias de superior qualidade
tanto brancas como cor de carne e pintadas a i$
rs. o par: quem munido de dinheiro dirigir-se
roa do Queimado, loja d'aguia branca n. 16, nao
deixari de comprar.


ntremelos
bordados em canuda
traasaoartnjle.
. i d 8 te atWnm bello sorli-
mento de ntremelos bordados a fina csmbraia
iranaparente. e como de seu costume eat venr
dendo baratamente a 1*900 a peca de B Tetas
lend quantidade bastante da cadaT.adalo. para
vestidos ; e quem tiver dtnheiro approveiUr a
occasao, e manda-Ios comprar na ra do Ouei-
mado, toja d'aguia branca 1.16.
ooeo onoa aooee
I Esperanca.
Jf Ra do Quetmado n 33 A.1
a*. Receben directamente e a seu pedido
* tinta ingleza azul preta da verddeira,
*JP esta tinta se faz notar pela grande dtffe-
ren?a em tudo quer na duragao quer na
limpidez do liquido e anda mals recom-
menda-se os potes que alm de aerem W
^ de *& lou?a mais alva qne a ordinaria A
a tem na boca ama pequea cavidade que 55
J* facilita a sahida da tinte, afflincamos que VP
V oinguem tem por isso s se deve pro- sft
A curares loja Esperanca ra do Quelma- -
jfc do Guimaraes & Rocha, pote de li4 a
IP 400 rs..tfelfla800ra. l (ft
Agulhas Victoria pela aceita cao que A
os. tem tido estamos prevenidos de grande
Z e variado sortimeato e se vende a M
s
rs. o papel: loia Bsperanca.
Sintos com ti velas deven a 1500, ve-
nham de preasa que nao chegam para
quem quer, dourados e prateados a 8,
eat-se acabando.
*
ra
diminuto prego de J4O0 a duzia. graude'pe-
: na loja da boa f, ni ra do Queimado
Cassas gar i bal di-
nas na loja do
Pavo.
Veodem-ae fiaissimas cassas gsribaldinsa sen-
do estas cassas as mais modernas qae tem che-
gado a 360 rs. o corado: na ra da lmperatriz
a. 60, loja Peonas gairanisadas.
A loja d'aguia branca recebeu essas d>eonas
galvanisadas, de novissima e mui boa qualidade,
o as est vendeodo a 3*000 a caixioha com urna
groza. As primeiraa dessaa pennaa foram offe-
recidas Garibaldi, e por isso trazem o aeu re-
tracto, e as referidas caixas se encentra O dis-
ticopeonas Garibaldi.
S se encontrara na ra do Queimado. loja
d'agaia branca n. 16.
Leques.
Vendem-se lindos leques de madreperola, o
mais lioo posaivel: na loja d'aguia de ouro.
do Cabug o. 1 B.
Laucos braceos muito
unos.
Veodem-se lencos brsocos muito finos, pelo
~ qu-
ien
numero 22.
Caivetes fixos para abrir
latas.
Ghegou nova reraessa desses preciosos cai-
vetes fixos para abrir latas de ssrdioba, doce,
bolachiohas etc., etc. Agora pela festa cmese
Hiuito dessss cousas e por isso necessario ter
um desses caivetes cujo importe 1, compran-
do-so na ra do Queimado loja da aguia branca
ti. 16, nica parte onde os ha.
Esceocia de ail.
Para engommado.
Vendem-se frasquinhos com escencia de ail
cousa excedente para engommado porque urna
gota delta bastante para dar cor em urna bacia
de gomma teododemaisa mais a preciesidade de
nao manchar a roupa como muitas vezes acon-
tece com o p de ail. Gusta cada frasquinho
500 rs. : na ra do Queimado loja da aguia bran-
ca n. 16.
Micangas miudas de todas
as cores.
A loja d'aguia branca acaba de receber essas
procuradas micangas miudas que servem para
pulceiras e ou tras cousas, e por isso avisa as
pessoas que ellas esperavam e as que novamente
quizerem comprar que munidos de 500 ris com-
prarlo um masio muito maiordo que os amigos,
Isso somonte na loja d'aguia branca, roa do Quei-
mado n. 16.
Grvalas fia moda.
Na loja da boa f, na ra do Queimado n. t,
se encontrar um completo sortimento de grava-
tas de seda pretaa e de cores, que se vendem por
prego9 baratisstmos, como sejam: estreitinhas
pretas e de lindas cores a 1, ditas com pontea
largas a 1&500. ditas pretas bordadas a 1600. di-
tas pretas para duas voltas a 25 i os mencionada
loja da boa f, na ra do Queimado o. 22.
Vende-se o grande sitio denominado Csia-
na, sito m freguezia da Vsrzea, de muito boa
trras, que todo qoanto se planta d urna grande
qusntidade, com urna casa de taipa J coberta,
urna dita de fazer firniha, grande quantidade de
ps de cafezeiros. com diversos ps de tructeiras,
como seja larangeiras, coqueiros, etc., etc.; e
tambera vendem-se duas vaccas que dio bastan-
te lelte, urna dellaa com a cria ja grande, e un
burro manso : a tratar na ra do Sebo o. 20.
Agolhas imperiaes.
: Tem o fundo dourado.
A loja d'aguia branca tendo em vistis
vender o bom, tnandou vir, e acabara de
aqui (pela primeira vez) as superiores i
imprtaos, cora o fundo dourado e mui bam
ta, sendo para alfaiates e costureiros, e cusa
cada papel 160 rs. A agulha assim boa anima
e adanta a quem cose com ella, e em regra sao
mais baratas do que as outras; quem as com-
irAvsu%Baa,t d,,guia *"n
Mui bonitas
e boas fitas brancas de chama-
lote, franjas e trancas.
Aloja d'aguia branca acaba de receber de su a
encommenda diversos arligos de gosto, e proprios
para eofeites de vestidos de noivis ou convida-
das, sendo bicos de blond de diversas larguras
franjas brancas e de cores, trancas brancas com
vidnlhose sem elles. cascarrilhas brancas e mui-
tas outras cores,.finas e delicadas capel las bran-
cas, bonitos eofeites de flores e cachos sollos, lu-
vas de pellica enfeitadas primorosamente, mui
bonitas e boas fitas de chamelote, e emfim mui-
tos outros objectos que a pedido do comprador
serao patentes, e vista do dinheiro nao se dei-
xar de negociar : na loja d'aguia branca,
do Queimado n. 16.
' Venlcflj
um elette e oupro tetrertA, proprioi
par* bed se ipiWKiW^g^AU. O
eitudantet quaot ptjeiensJtjrem podem
dirigir-se a livraria irairersal de Guima-
raes & Oreira, na ra do Imperador.
bordadas.
Vende-se fiaissima* tiras bordfdaa a Jl eU5O0
a pega, baados francezes muito finos e em
bordados muito Undosa Sjj, 3*500, 3| e 41500 a
pe$a roa ra do Queimado loja de miudezas da
boa lama n. 35.
Agolhas francezas
Veade-se agulhas francesas de fondo douiados
das melhores que tem viodo ao mercado a 160
rs. o papel, carteiras de marroquim com agulhas
sortidaa e todas de multo boa qualidade a 11
cada nma, ditas) de papel dourados e com muito
bom wrtimeoto a 310 ra., caixiohaa com 100
agulhas sortidaa muito boas a 900 280 rs. ca-
da urna : na ra do Queimado loia de miudezas
da boa lama n. 85.
Fita&de seda.
Na ra Nova o. 22 tem pata andar fitas de se-
das de cores muito bonitas, baratiaaimaa pira
acabar. r
Fitas de chamalo-
te muito boas e
bonitas.
A loja d'sgula branca acaba de receber pelo va
por ioglez aua encommenda da boas, bonitas e
larga fltas de chamelote brancea e outraa core
roupas para menino de todos os tamaohos, grande sorti-
Mtew, paletots e colletes, sortimeato de colletes pretos ds
dito para casamento a 5 e 6, paletots brincos de bra-
------finas a5|,e um granle sortimento de fezendasfins e mo-
costume os precos sao menores do qae em outra jfi'e\CTo K^d .i S'"? Ing,e" P'raJhoImem. "* enhora. seroulas de
qnalquer parte; aasim quem munido de dinhei- o! um. ande abrtL M^ p,ra homem e 9 EL. .7i aranne latrrtca de alfaiate onde recebemos encommenda de grandes obres oue nara
S,nBlS!Kd0- adn"n,V"d" Pr nmhabil inetr8 e samelhante arte um pessoa debis d"
\ oTuVem^."quXuer'c.'.?.0""10 ecul-n~u^ <*" ora promptldao emals^arslo
SS::^
jfiretroz.
grvalas e
na loja da
f/lt>h JJEANDE20RTIMERT o
ro. dirigir-se a ras do QueimadoT loia d'Kuia'-w.?.'.!'?'16/''''!" *f a,faiale onde ""bemos encommenda
branca n. 16. er bem servid
ra
Para acabar-
[Na ra do Queimado n. 10
loja de 4 portas.
Vende-se chspelinas de seda para se-
nhora a 8. 8
*n!?rg*ndy' P'^rOes os mais modernos a 5
600 rs. a vara. tt
Sedinhas de quadrinhos a 800 rs. o co- 1
vado.
aOoo0" e P*nn0 Pre, m0t fin0 S
Manteletes pretos a 150 e 20$. S
Riquissimos vestidos de seda de cores W
e pretos o mais moderno que tem appa-
recido epor baratiasimo preco.
E ARMAZEM
Vendem-ae libras sterlinaa ; no
de Amorim Irmaos. ra da Cruz n. 3.
esenptono
N. 20- -Ra da lmperatrizN. 20
nheiroo^egute%"ey,^raod..rj,mb"c.^ relalha -' '
mosqueteiros a IJoOO a Tt^St^SSttL3?^, par,a co/l<<". babado, ou
mosqueteiros. saias e forro de vestido, fSu!SSZmZE^^V*** Papena7ras,
PIe'a'.^a'!nca-df^.nc. a OO rs o^coVado" cortad. K id"^U'"t.ea i0!8''erde'^.u'.
contendo cada um corte24covadosa iO"o"eorte7;eriudUde
Z o6 d^o^"coVrdot'corS/"e cmbTa una1^"6 .T^r'aT?1^ "'c7i* ^
tremeios a iS a peca. uS:bde^^"b.rtnl?.^,,.C0.m.9aLpic?s.m'udlnho? &* bordad,,
ra. o
com bebidos
a das segutetes cores cinzaato,
pelo buixo
Btos a lf a peca, |*li.anMb*rtd.-MtelWmM&SSTSS. \{"" bJordad en-
covado, peitos para camisas brancas e de coS a 160 Si *lgUm t0<,Ue de mr ai60
Ki*Guimaraes 1 Villar^
Ra do Crespo numero 17.
Veiideiii lh>iaiKsiBiKr.
-se
a 7J a pega, e o mais
oao-se amostras.
rico sortimento de fazen-
Cambraias da China bordabas
das finas para senhora e meninas
fcccfl!,as'""'-'". .* i. -..>... .mi.
Chapeos de sedapara senhora ae ttoilob0B uo, u fa
Joaquina Francisco dos Santos.
40la do Oueimado40
Defronte do becco da Congregago, letreiro verde.
VENDE-SE O SEG1NTE:
Para casamentos.
m.u ^J10!!68 de Teflid0 \m oa blond de 8eda bMna com "mo e capelh o
mais moderno e superior que ha no mercado. "*
Para bailes.
core8L,ndo,corte'le vestidos de fil ou blond de seda bracea bordados a branco e
Ditos de tarlstana branca bordados a branco e cores.
Ditos de cambraia branca bordados a branco cora muita elegancia.
unos de barege de seda de cores com barras e listas, oovos gostos americanos.
Saias bordadas.
quehlS"elr?ado.ea"br",abr"nCa bordad" com o is apurado gosto e mals finas
Ditas de dita recortadas mais baratas.
Para baptisados.
-.!* ^15* corte"de Te8tido de cambraia branca bordados com muita eleaancia o
maitsjoderno e mais superior qne ha no mercado. elegancia, o
Manteletes.
Ricos mantelete, do .ej. do proo. bo.uaoua o inos com enfeites bem
oomo .rr.od.doa,por*prosos commodos. cuiot.o, uem
Lencos.
Ricos lencos de cambraia de linho bordados a &S,4$e5 cada um
Chales,
Ricos chales de tooquim brancas bordados de pona redonda e de 4 pontas
cima mencionadas tem i > gra nde sortimento de todas
Alem das fazeodas .
55* id^^^.lp.?iTe.Lmencionar",e pelBrande p?0 io
as
de muito bom Rosto a
Italia ricamente enfeitados a 28 para acabar.
Camisas inglezas para homem de
linho fazenda muito boa pelos precos seguin-
tes a 35 e 40 a duzia.
^"Jmm^SS:.9 menQ0S' 80breC"aC0' Plet01'. ca,S". -!-. et.S etc..
ARMAZEM

B
a
a
B5 B9
3
ROUPA FBITA
Joaquim F. dos Santos.
40-Rua do Queifflado40
Defronte do becco da Congregaco letreiro verde.
ira* niiLfa. >e,o
azeite de dend ou palma, dito de amendoim que
serve para I uzea e .achinas, mais barato de que
em qnalquer outra parte ; na ra do Vicario n.
19, primeiro andar.
Macas, Dozes, eas^
tanhas e figos.
Tudo cheado no altimo paquete, vende-se nos.
armazans Prograssivo e Progresla ao largo do
tarmo a.9-eudas Crwea n. M, maciss 40
ra. e lO cada- aa. cstanbs a 'J0 rs. a libra e
a arroba, aaatea-se serem imito taoaas, fi-
gos -M..a*va/l a a rab.. es a 906
raas de vtongre ai^
vale o dinheiro
ta do largo do*
nveroat.
--Ta coche
or 4K, soga
rrsfio
_:ressis-
Cruzes nu-
Mfy.QHWJtwiw tim
zea para o que tem um doa melhores profeasoraa.
Casacas ue panno preto a 40J,
85| a 30000
Sobreeasacosde dito dito a 35 e 3O|O0O
Paletots de panno preto e de co-
rea a 35. 30, 25. 10. 18 e SO000
Ditos de casemira de corea a 2
15f, 12. 7 e '
Ditoa de alpaca preta golla de
reliado fraucezas a
Ditos de merin A setim pretos e
de cores a 95 a
Ditos de alpaca de cores a 5 e
Ditos de alpaca preta a9, 7. 5 e
Ditos de brim de cores a 51.
45O0, 4 e *'
Ditos de bramante de linho bran-
co a 6. 5f e
90O0
101000
8J000
3500
8|500
3500
48000
D1* dajerind^e cordio prato
*|#r nITlj8000
Calcas de casemira preta a de co-
rea a 11. 10, 9$, ,7,. .., tyfOO
DUas de trincan e soarro de
caadao areto a 5, ase e 49
Ditas de brrt branco ede coras a
. 5.4*W c
Calcaste ganga da cores a
Dftos da casemira preta e d* co-
reahaasSMrttrfados lf 4,
Ditoa de setim preto
Drtoa de seda e setim branco a 6 e
Ditos de .gorguro de seda pretaa
a do cores a 7, 6, 4 a
Ditos de brim e fustas branca
3|500. 2500e
Seroulas da brim de linho a 2 e
Ditas de algodio a lO0 e
Camisas de peite defustio branco
ede,corea a 2l00 e
Ditas de peito delinho a 5. 4 e 8*000
Ditas dt madap'olJo brancas e de ^^ '
cores a 8. 2*500,1 1J6O0
Chapsoa pretoa de aasaa franaesa/ .
forma da ultima moda a 108.
8J500e *
69000
88000
5O0O
3000
200
1280
200
a- 5 B S 8
a cp S p *
i 1 "' Q. T-(
i s- n a -. re ^
C n. O"
3 Is-S 3 8*s.3
_-p g_- os co
B o 8-3 o S-S o p
= 1|| So g..0.0

a*8 3
S o-l
o. "S "o
Hl
(6 2 ?
- 1 o
3ii"
O c
I s*8"
P 2 re
i *** r.>
0
re
re
g
re
8 5T
K. cr
3
a s o. 8
"O o1 g-o S
J 3. B- 3."S
8 B=a2 *a
588s;sT
C-re "O _ob
o^H. S ~S 2
S < b v
O D
4
| B* S
3 o.g-8
B O o o r a
S03 g 3 &
1 B o
2 S s
I
= B^S
2 3.=-
r
ti
=3
Ditos de ferrfb n **,'3, 4 e *
Ditos de sol de seda ioglezss .
r fratreete. a 14|, tt. 11J a 7800 '
Colanoboa de linho muito finos '
novosfeitios daultima modaua |800
tente a.harizonta*A40iV a J0J0fl|f>J
smiaM,^sjpnipip%; >>iin -a
rs*.
re n
- B:5 re
M B? tZ
s. o- a s
&& o3
? s8
8 a
re
8

8"'5" **?'&
es 9rO r? W
O c"- 8 o.
3 aT"'.u,a. i atuj. ,v i,o ^ij
sjsC

M^W^itSr "^'o*Kl para
amare a 00 rs. a libra : na, a rsate m de Taaso
Irmaos. ra do Amorim n.35. tmu*mat ae T,uo
.o."^I?S?LLR2d?r!I' ein 89U Criptorio
lafa^ss acim.e.f0rt0 ^ ^ d<> B' -"'
StD'2s.Cfctn,iM *lBfih Pri"*oa fa-
Fnino ea flha superior.
Ptego a anzadaa portugueas ; cajos artgos ae
venoem por precoa mdicos.
!* Vestidos de casamente.!
Ricos vestidos de Monde com manta.
apella a sata de setim.
Superiores
I vestidos de seda, de cambraia bordado.
K de pbantasia,cbpeoa de palha, enteite
m modernos para cabeca, capas e mantele-
tes compndos o mais moderno, sedas a
la de quadnnho, cambraiaa de cores, es-
it. J?' Dl08' ,e(ue, l balio,
ow elasflcaa e camisa de linho para
senhora. fil e tirlatana para vestidos.
chales de ponts redonda e manguitos !
modernos.
Roupa feito.
Calcas, colletes, paletots e sobrecasacos
de panno, caaemira, chapaos da caator,
botinas de Mell.
Para acabar.
Colchas de la e seda propria para cama
ou coberta de piaao a 5, manguitos e
gollas bordadas de linho o de fatlao a 3
seda de quadrinhos a lfSOO, laazinha a
640 rs. o covsdo : na loja n. 23 rea da
Cadeis eoofronte ao becco largo de Gurgel
Feijo de corda.
No armazem de Tasso Irmaos, ra do Amorim
numero 35.
NOVA
exposi^o de can-
dieiros econ-
micos.
O proprietario deste novo estabelecimento avi-
sa ao publico e a todoa os consumidores, que tem
recebido um grande sortimento de candieiros de
novo modello. riquissimos para ornar talas, todoa
esmaltados de diversidades de cores, desde o
mais rico at o mais ordinario, assim como un
grande sortimento de gaz de primeira qualidade,
pelo preco mais barato que se pode encontrar;
assim como tambera meias latas, e as garrafas'
na ra Nova n. 24, loia do Vianna.
Potassa da Rossia.
Vende-se em casa de N. O Bieber &
C, successores, ra da Cruz n. 4-
Meias para sen\ira.
Vendem-se superiores meias para senhora pe-
lo baratissirao preco de 3840 a duzia ; na loia
da boa f, na ra do Queimado n. 21.
Arados americano te machina-
par a lavar roupa :em cas a de S.P. Jos
hston & C. ra da*enzala n.42.
Grande pechincha
45 Ra Direita
Borseguins para Sra. fabrica
cana Lincoln 20500 e 30500.
45
amen-
Farinha de man

"t'8 ifi
IB. - easseess
muito em conl; no
Na ra do crespo n. primeira andar.
- dir quem me^udwtou.fe aaarso, **.
dad*io.lT..ci^Joima,cha.
MB
becco Lirgo n. 6. foja d'agaia de oaro, rus do CibggS n.TB.
| A loja da bandeira
J tem para vender de boa
g qualidade folha, estanho-
e bacas de
H senecupa prego favorito,
|ISova loja de funileiro da
1 ra da Cruz do Recife
^ numero 37.
Manoel Jos da Fonseca participa
8 todoa os seus fregueses tanto da preca
cmodo mato.ejuntamente aorespeita-
velpublico,que tomou a deliberado de
balsar o prego de todas assuas obras,por
eujo motivo tem para vender um grande
sortimento de bahs e badas, tudo da
differentes tamanhos ede diversas cores
em pinturaa.e juntamenteam grande
sortimento dediversal obras,contendo
banheirose gamelas compridas, grandes
e pequeas, machinaa para caf e cae-
cas para conduztr agua grandes e pequa-
nns, latas grandes pira conservar fari-
nha e regadoreaaouaoda Europa, ditos
grandes e pequeos ao uso do Brasil e
camas de vento, lataa de arroba a 1
bahs grandes a 4 e peque nos a 600
rs., baca grandea a 5 e pequeas a
800 ts.,cocos de aza a 1 a- duzia re-
gadores regulares muito barato, ditos
pequeos a 400 rs, de todaacates objec-
tos ha pintados e em branco e tudo mais
ae vende pele meaos preca possivel: na
loia da bandeira da ra da Cruz do Re-
cite n. 37. .
Relogi
Vende-ae mcasa da JohnsteniW ti C;
ra do Vigario n. 3 um bello sortimento de
ralogios de ouro,pstseta ingjez, de um dos mais
afamados fabricaoUs da ^ivarpool; tsjnbem
asna variadade dt bni,o* fcrejrcelrBs para oa
meamos.
Attenco.
uvasdeJoTiiiff^
Na loja dafoa M agtas da foeimi
vartalairas i
I
a aaelhor que ae pode eneantrar oeste gefe*^
at praca da Iadapendencii a. 84.
"3.7

I *V~Z-^*____L


ww mmrnwmup*
laU*tlY
BOTE
bMb

Francisco Fernandes Duarte


o que lia da bom note genero a 480 n. a libra e inteiro
ajContinua-se a vender neste armazem de molhados os
melhoees gneros que vem ao mercado, e por multo menos preco do que em ontra qualquer parte,
par o- qae receba o propietario em todos oa vaporea da Europa, a maior parte de aeus gneros,
esootMdot porpeeeoasencarregadas, para eateflm; por taao novameote participa aoa aeus freguezea,
orre, s aos Srs. da praca cmoda engeuhos e lavardores, que quairam seguir em progreaso, que
nio deinre ae menos de comprar a primeira vez su as eoco romeadas, certo de que nao de gostar,
pao que ale m paupareo oa proprietarioa, em preatar toda attenclo, e meamo em servir os por-
tadoresmenos ortico*, lao bem como ae visssem oa Sra. pessoalmente; e abaixo mensionamos
oa precoa deelgeae gneros, por onde ae pode julgar que vendemos baratissirao.
liamteiga lllgieza a maIa 8up6rior qne ht no mercado s 800 rs a 19000 a libra en
barril se far a batimento. i
TO.antei.ga franceza muit0 n0Ta, 640 rti a libra e em barr t ^ rj
Cna perla, nysson e nieto os m. 8aperorfl8 d0 B6M10 -^ |eoo
1*600 re a libra e afianc,a-se a boa qualidade.
^fneiJOS (1(1 retnO negados oat ultimo vapor a|29400, dltoa do vapor paasado
BBBMi
macees & melbores que ae poda desejar a 40 e 120 rs. cada urna.
rf einntO ngleZ pr0prios para fiambre a 900 re. a libra, em porcao ae tara abat-
meato.
Preznnto do reino
440 re.
Batatas nOVaS eB g^,,, de umt W0ta a 19 cada um.
caame 0 melhoc pelUco que pode haver por estar prompto a toda a hora a 1| a libra.
X oueinho do reino a60 ri>Ubtl e arroba a9|500
CYionriijas e paios mmit0 M0 1br,
Banna de norco retinada. matl .,.. que ha B8 amtioi m m. Ub
e em barril a +40 rs.
XzeUonas mnito novas a $000 n.. ncorat.,. em g.rr.f. aso.
"Latas eom bolaxinna de soda
em porga o se far aba ti ment.
sam^a na tomate a ma8 n0Tt d0 n,ep(.a0 em iaU, de nma Ubra por 900 rs iu
dais ditas per 19708. *
n&armelada imperial d0 a{aina(}0 Abreu e d8 oatt09 mul0, fabricanlei de Lilboa
a lf a libra, em latas de 2 libras por 1J>800.
K*rVllnaS iraneezaS as minores Que se pode desejar em meias latas por 500 rs.,
tambem tem portugueza me lataa eoleiras a 610 rs.
ChOCOlate franCeZ e hespanhol chegado neste ultimo vapor a 1J200 a libra.
IraSSaS proprlas para podim a 800 rs. a libra.
UOee He alperene em ial de 2 libras-elegantemente enfeitadas a 1J300 cada urna.
Ksner msete l}iVl0t de 4t 5 e 6 em Hbra a 760 r# e em Ciixa a 7A9 ri#
**atas 2f *eixe em *u ds meihore *uaiiddM hem *****
Amendoas eonteitadaa a 13,
a 480 rs.
Noxes e eastanhas
Hisirciinna para gopa a 640 r a Hbrt e am ca{XjDria9 de q a gibrat ge far abanment0#
Metria, maearrao e Uttu tim a m rs a libra, ea calia. 9.
SevaOlnna franceza mnjt n0Ta a q rs. a libra:
Farinha do Maraado mnUoalTa echeiroa aiwrs.
smllle de engommar, o que se pode desejar por ser mnito alva a 100 rs. a libra.
A.ipiSa multo novo e limpo a 160 rs. a libra e em porc&o se far abatimeoto.
J v o respeitavel publico, que aDangando-sea boa qualidade dos gneros cima mencio-
nados, se vende multo barato, e peofquaes se podera julgar todos os demais que nao foram an-
nnnciados.
ancorata,
contendo differentes qualidades a 19440 e
de
Exposico
DE .
Candieiros a gaz,
O proqrietario da nova exposigo dos candiel-
roa a gaz avisa ao publico em geral, que ae acba
aempre sonido com grande e variavel sorlimento
de candieiros desde o mats barato at o mais caro,
essim como am grande deposito de gaz idrogeoio
verdaderamente econmico, reconhecido verda-
deramente por todos os consumidores r n ra
Nova ns. 20 e 24, Carneiro Vianna.
Ncsta mesma ezposigao se encontrar um va-
riavel sorlimento de riquissimos qusdros de todas
arqnalidadea que, por oslo se pode apreciar oa
aeus desenos, um riquissimo sortimente da
quinquilleras, contendo entre ellas riquissimos
vavatorios para quartos (gosto chinez), um varia-
lel aortimentode balaioa com todos os preparos
para viagem, contendo pratos, facas, copos e ou-
troa irascos para condicionar, ferros, de engom-
mar a vapor, machinas da bater ovos a vapor,
machinas de fazer caf a vapor, espingardas de
dous canos tronzadas e de alcance, mappas del
mundo, e outros muitos objectoa que se vendem
jpo pregos diminutos para acabar: ra Nora
numero 20.
Cambraia Usa. .
Vende-se cambraia lisa transparente muito fi-
na, pelo barato prego de 4 e 5f a pega com 8-112
varas, dita tapada muito superior, pega da 10
varaa a 6f : na ra do Qaeimado n. 22, na loia
da boa f.
Bramante e atoalnadode
linno.
Vende-se superior bramante de paro linho com
duas varaa de largura a 2*400 a vara, assim como
atoalbado adamascado tambem da puro linho,
com 8 palmos de largura a 2500 a vara : na bem
coohecida loja da boa f, na ra do Queimado nu-
tra aro 22.
Cortea de ealea.
Vendetn-se cortes de caiga de meia casemira
de cores escaras a 2| cada corta ; na loja da boa
f, na ra do Queimado o. 23.
Port bouqucts,
Dourados com cabos de ina-
dreperola.
Chegaram oppor tuna mente para a loja d'aguia
branca os boniloa port bouqueta dourados e es-
maltados, com cabos de madreperola, conforme
ana propra encommeoda, ficando assim remedia-
da a falta que havia deases port boaquets.de gos-
to, os qaaes chegaram bem a lempo para os di-
versos casamenlos e bailes que se cootam nessea
dias, por isso as pessoaa que por efiea esperavam
eas que de novo os quizerem comprar dirig-
rem-se munidos de dinheiro 4 loja d'aguia bran-
ca, ra do Queimado a. 16, que encontraro obra
de bom gosto, barateza, agrado e ainceridade.
mm
de cambraieta.
Vendem-ae superioressaias de cambraieta mui-
to fina, com 4 pannos, pelo dimiauto prego de
5JS; a ellas, que sao muito baratas: na ra do
Queimado n. 22, na bem conhecida loja da boa f*
libra, ditas em milo a 80U rs., dita com casca
piladas muito novas a 160 rs. a libra.
PaletotS nonecas bonitas
brancos.
Vendem-ae superiores paletols de brim branco
de paro linho, pelo baratiaaimo prego de 5fi : na
ra do Queimado n, 22, na bem coohecida loja
dabeaf.
53 Rlj\ BIREITA 33
Grande armazem.
Ferraren* e mindezas.
Sera bandejas, aem colheres, sem garios e fa-
cas, -isopossivel passar a feala I neete armazem,
pois, encontraro as familias o melhor e mais ri-
co sorlimento por pregos inferiores aos de pri-
meira mo, e raparen.
Bandejas recortadas e finas a 1*600.
Ditas ditas a 2.
Ditas ditas a 3J.
Outras (sultana valid) 69, 5 e 4*.
Faqaeiros a 6$, 4*. 39600 e 39-
Colheres principe (sopa) M e 49500.
DiUs dita (eb) 39 e 29500.
Salitre, ferr, trena de cozinha, e tudo quanto
pertenee a ferragens baratissimas.
Gamas de vento da lomo a 49600, e de ama-
relio a 59500.
Fogareiroa para todo prego.
Grande
Superiores paletols de panno preto muito fino,
obra moito bem feita, pelo baratissimo prego de
209 ; na ra do Qaeimado n. 22, na bem conhe-
cida loja da boa t.
Delicadas escovas
cabos de marfim e madre-
perola, para 1 impar
denles.
Na verdade ama estova para limpar pentes
smpre neceasaria em qualquer toucador, e com
especialidade no da sennora que preta o asseio,
e para qua elle aeja porfeito mandar comprar
usa desaaa escovas de cabo da marfim on ma-
d reperola que euatam 29 e 39 rs., ns loja d'aguia
branca, na roa ra do Qieimado n. 16.
Navalhas d'aco
com cabo de marfim..
Vende-sa na loja d'aguia branca sai finas na>
valhaa d'ago refinaala coa caboa da marfim, a
para aasetrorar-a* a bandas"e dellaa haU dizer-
ae % alo doaatMiadM e acrediUtka fabrican.
valhaa 0*006: na ra da Queimaio, laja d'afuU
branca,.. 19.
Entre-meiosbordados em
cambraia tntngparente.
Na loja da aguia branca vende-se entremeios
bordados em, ias sasabaaia transpireaU a lf a
da 3 varas, prnjo asta porqna ad aa acba em
. )^J.fluW>CarMKaA.falraa B Ifi-
ivarTaaa na da cala psdra.tem butuUs
:
com rosto, e meia pernade
porcelana.
Vende-se mui bonitas boneoss com rosto, e
meia pema de porcellana aoa baratissiroos precoa
de 240,360,500,560. 640,720, 800 e 10000: isso
ni ra do Queimado, loja d'aguia branca n. 16.
E' barato.
Vende-sa enfeitos de vidrilhos prelos a 18600,
pentes de tartaruga virados a 89, ha bem pouco
lempo cuatavam 149, bico de linho da largura de
tres dedos a 700, 600 e 500 ria a vara, rendas a
100 e 80 ris, trangas pretas com vidrilho mui-
to bonitas a 500 e 400 ris. ditas brancas com
vidrilho a 600 e 500 ris a vara, caivetes de urna
folhs a 100 ris, teaouras a 120 ris, baralhos de
cartas fraseen! em estojo a 560 ris o baralho,
papel de pesa pautado a 39300 a resma, duzias
de carritls com liohs preta e parda a 300 ris,
lia sortida a 79700 a libra, boneca de massa com
dous palmos de altura a 29000, que valem 59000;
oa ra da Imperatriz, loja de miudezas, calgado
efunileiro n. 78 A,
Oleado pintado,
Na ra Nova n. 44, loja e fabrica de cbapeoa,
acaba de receber um bello sorlimento de oleado
com ricos desenhos e de gosto moderno, proprio
para cima de mesas, pianos e bancas ; vende-se
por prego com modos.
lofooo.
E' na roa do Qaeimado n. 89 loja de quatro
portas que se vende os malhores chapeos do se-
da de formas mais modernas e bom gosto.
mam\
Nova california
DE
Fazendas baratas.
Sa nt da Imperatriz n. 48, jauto *
padaria franceza.
Cortes de cambraia-branca com babadi- J
nhos 49 e 49500 superior 59, cambraia li- J
xa com 8 112 vara 3 39500, 49, ditas de J
Escossia 59, e 69. ricos enfeites para ae- J
nbora 69 e 6J500, slntos os mais delicados
para senhora 29500,39, chapelina para cri- f
anga gosto ioglez 39500,49, para baptlsado
39, corlas de vestido de seda Escosseza de
bonitos' gaste 121 esto se acabando, ri-
cos lengos de tabyrintho 19, lfSOO. chapeo
de sol para senhora de bonitas cores, lisos
59, cabo de marfim 59500, cortes de cam-
braia brancos com ffor de aeda 59. riaca-
do francas 200 ria o corado, completos
sortimeotos de baldea de arcos Sf, sortf-
mentos da meias para menino menina
200 a 240 ris o par. abalea da tarlaUna
da corea a 640 ria, lencos branco com bar-
ras 160 ris chitas inglesas a 180 e 200 ra.
dita francesa a 240 a 280 rs. aovado
pegas de esmbrsia da forro eom 9 varaa
s 29: junto a padaria francesa n. 48.
Vendem-se cintos dourados a 29500, ditoa de
fita com ricas fivelas a 29, bandos de dina para
niMrr.r. Wfl Par, >oi virados imitando
tartaruga a 19280, dilos em c. ii.a. ovo,
enfeites de retror com vidrilho a lf500, manti-
oha de coral a 29, volta de coral a 500 rs., enfei-
tes de diversos gostos, bandejas, bicos, reodas,
fitas, galio de algodo, e muitaa mais miudezas
que se vende barato : na ra da Imperatriz, loja
da boa f n. 74.
Agulhas imperiaes
tem o fundo dourado.
A loja d'aguia branca, tendo em vista sempre
vender o bom, mandoa vir de sua con la essas
superiores agulhas imperiaes, as quaes aeibam
de cbegar (pela primeira vez) tendo os fundos
dourados e pontas mui bem tiradas, e custa cada
papel 160 rs. Cozer-se com urna agulha assim
boa, anima e adianta quem trabalha, por isso
dirigirem-se ra do Qaeimado loja d'aguia
brenca n. 16, qua aeio bem servidos.
ftuadadenzalaNoYan.42
Vende-se am casadaS.E. Jonhston 4C,
ellinse iilh5esuglzes,eandeeirof e castigan
bronzeados,lonas agieses, fio devala,chicou
paracarrot, amoniaria.arrsio para carro da
um alous cvalos relogio ida ouro patenta
"""' ^ynrii. .
Vende-se salitre de primeira qualidade por me-
nos do que em outra qualquar parta : no arma-
zem de Antonio Cosario Horeira Dias, no Forte
do Mallos, ra da Moeda n. 27.
Importante
Annuncio
Na loja da diligencia, de Guimaraes Ir*
mao, na ra do Queimado n. 65.
Cartdei de colcbetes francezes com 14 pares a
20 rs.
Botes de coras para casacos e paletots a 240
a duzia.
Ditoa para calcas muito finos a 160 a grosa
Trangaa de laa para vealido, a pega a 40 rs.
Laa para bordar muito fina e lindaa cores, a li-
bra a 79.
Hassos com grampos a 40 rs.
Lionas para bordar,a miada a 40 rs.
Ditaa de peao muito finas, miada grande a 240.
Franjas de linho para vestidoa, a vera a 120.
Apparelhosde porcelana para meninos, pinta-
dos e dourados a 19600, 2J, 29500 e 39.
Cartas com alOnetea a 100 rs.
Papis com alfinetes cabega chata a 40 rs.
Enfeites para senhora mnito finos a 3, 4 e 79.
Siotoa muito finos psrs senhora a 29 e 29500.
Meias de lata e pretaa para padre qua aempre
se venderam a 29 a 640 rs.
Enfeites com flores para senhors a 1J.
Colheres de metal muito finas para sopa a 109
rs. a duzia. "
Garfos do mesmo metsl a 41000 a duzia.
Assim como outras muitss mindezas finase ba-
ratea, que deixamos da mencionar, para nao so
tornar tanta masaada.
Noves enfeites e cintos
toja daPavo,
amada Imperatriz n. 60
_ DE
Gaipa Silva.
Acaba da chafar a esta estabelecimanlo nm
grande a vanadffaortimenloda fasendas propriaa
para a fesu. e sensdonos resolver venderem-
nae par precos bsratissimos por estar aa fiado
anno a qaarerem apurar dinheiro, cama sajara:
tassas.
^^^* oriniajte de eaoeas da varias cores
e qualidades, que vendem a 240 e 280 ra. o co-
vwfo.
Chitas a UO.
Vende-se flnissimas chitas frsncezss escuras e
alegres, faienda que sempre sa venden por ama
pataca a aeaba-se a 240 ra. o corado : na ra da
Imperatrlt n.^60, loja do Pavio.
Musselina a dazentos rs.
o covadb.
Vende-se musselina branca com 4 a meio pal-
moa da largura a 200 reis o cavado a ditaa de
corea matizadas largura de chita s 200 reis o co-
rado na ra da Imperatriz n. 60 loja do Povio.
S o Pavo em li-
quidado.
Ricos aintos dourados lisos e com lialiohas a
29500, calciubas bordadapera meainoa a 19000,
gollinhas com manguitos nlgOOO, gollinha de
traspasan a lf, ditaa aem ser de traspasso a 500
ra. lavaa da seda em perfeito estado a 500 rs. o
par chapees deso de aeda com franja muito de-
licados para senhora a 39500, chales grande* de
merm-a 29500. ditos de rede bordados a 89 cada
um. manguitos de cambraia bordados muito finos
s 800 n lf. afeites pars cabega a 29, para me-
ninas a 640 ra.
Parahomem.
Vende-sena loja limento de roupas, como sejam : palitos de pan-
no a casemira de todas aa tdres, caigas de case-
mira preta e de cores, ditos de brim de todas as
qaalidades, camisas francesas tasto para homem
como para meninos por pregos mats commodos
do que em outra qualquer parte. Do-se amos-
tras de todas as fazendss que em nossos annun-
cios se ve, deixando flear penhor : na ra da Im-
peratriz n. 60, onda tem am pavio pintado do
lado de fora, e para nao haver engaos de noite
tem um dialieo por meio de urna luz em qne diz
O PAVAO.
Lazinhas a 280 rs. o
covado.
Vendem-se lazinhas de quadros para vesti-
do, fszends de apurado gosto a 280 o covado;
na ra da Imperatriz o. 60, loja do Pavio.
Laa chineza a 400 rs.
Vonde-se lazinhas entestadas a 400 rs. o co-
vado : na roa da Imperatriz n. 60, loja do Pavio.
Cambraias de seda.
Vendem-se finissimos cortes de cambraia de
seda com dous babados e de apurado gosto a
49500 cada corte: na loja do Pavio.
Vestidos brancos.
Vendem-se finissimos cortes de cambraia la-
vrada com babados e duas saias, fazeada que se
vende em qualquer parte a 89OOO rs o Pavo
est torrando por quatro mil ris, ditos com bar-
ras bordados a 2$5O0, 39 e 39500: na ra da Im-
peratriz n. 60.
Cambraias de sal-
picosa 4$000.
Veodeeje cambraia branca eom aalpieos miudi-
nhoa, tebdo 8 }i varas cada corte, pelo baratis-
simo pr#po de 49000, =< ..*. ,_<, ouu,K.o
.o rcuuefe a 79000: na roa da Imperatriz n. 60
loja de Gama & Silva. '
CASSAS LAVRADAS.
A3 JM0:
Cbspeosde palblobafinaaajfsstadaa
ninas-; na rea do Crespo a. 10.
Nava exposfco.
uaNovan.W.
Riquissimo sorlimento do cutilerias am todo
o genero, aaslm como um riquissimo sorlimento
de louca de porcelana para cozinha, riquissimo
sorlimento de metaos, riquissimo sorlimento de
miudezas, e outros muitos artigos, que com a vis-
ta do comprador ae poderio apreciar: na raa
Nova n. 20. loja de Carneiro Vianna.
Bombas dejapy.
Ra Nora n. 20, loja de Carneiro Vianna.
Canos de chumbo
Raa Nora n. 20, loja de Cirneiro Vianna.
Vende-se na raa do Apollo
n. 31 defronte do theatro a $
a arroba, meia arroba a 2$500
e a 160 rs, a libra.

CharutosdeHavana. #
m NA
Loja da ra do Crespo, de
Leandro & Miranda.
mdem-se os melhores e mais conbe- m
sa, ataos charutos de Havana. Z

Carras e carrosas.
Eo>casade N. O. Bieber
A C. successores rut da Cruz
numero 4.
Vendem-ae tarros americanos mui elegantes
a levea para duaa e 4 peasoaa reeebem-ae en-
commendas para cujo os ellea possaem map-
pas com varios desenhos, tambem vendem car-
rocas para conducgao de assucaretc.
N. 43-Rua do Amorim-N. 43.
Vendem-se quartos com 6 libras de passss a
3|000. meioa com 3 libras de ditas s 19500, as
maia novas que se eocontram ueste mercado: a
ellas que a festa bate porta.
91000 a dinheiro, barris
com cal.
Champagne
Vendem-se
Seodiona rui
n.14.
barris com
i do Brum,
cal: no armazem de
e Cadeia escriptorio
Acaba de
chegar
noy armazem
DE
BASTOS & REG
Na ra Nova junto a Con-
ceic&o dos Milita-
res n. 47.
Dm
lavradas fazenda do ultimo
Vende-se cseas
gosto pelo baratiaaimo prego de 39500 f a ruada
ImperaUiz n. 60, loja do Pavio.
Sedas a covados.
Vende-se grsdenaples preto muito incorpado
a 19600,19800 e 29000, dito cor de rosa, azul e
amarello, sarja branca lavrada para vestidoa de
noivas, e outras qaalidades de sedas .por precoa
baratsimos : na rus da Imperatriz n. 60, loja
do Pavio.
CHAPELINAS
a 6$000 cada urna.
Vende-sa chapelinas modernas enfeitadas com
muito gosto para senhora a 69000 cada urna: na
ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavio.
Lencos para mo.
Vendem-se muito delicados lencinhos de cam-
braia de linho coro labyrinlho a 29500, ditos de
mnito gosto a imitacio de labyrintbo a 800 e
lfOOO: na ra da Imperatriz n. 60, loja do
Pavio.
Phantasia asis mil ris
Vende-se muito ricos vestidos de faotazia com
babados de muito bom gosto, fazeadas de 129000,
por 69000, na ra da Imperatriz n. 60 Ion do
Pavio.
Filos.
Vende-se fil de linho bordado fazenda mnito
fina a I9OOO a vara, dito lizo a 800 rs., tarlatana
branca e de todas as cores a 800 rs. a vara na
loja do Pavio.
Vestuarios arinco mil
ris.
Ricos vestuarios de sede para meninos, fazenda
de 129 par 59000 ; na ra da Imperatriz n. 60,
loja do Pavio.
Cambraias lisas.
Vendem-se pecas de cambraias lisas, fazeada
muito fina, com 10 e meia vara cada peca, pelo
preco de 59000 a peca, ditaa de 8 e meia varas a
2950O, 89, 895OO e 45, ditos de 6 e meia vara a 29
I

, No dcfMftito do gelo ra do Apollo
e a labra a tfO ret tanafeein -tcoeb-ie
m* dlariaisaite, t que a>
dourados.
A loja d'aguia branca acha-se ________

29500
a_peca, ditos para forro com 8 e meia va-
na raa da Imperatriz, loja do
ras a lfSOO e 29
Pavio.
Baldes sem ferro a
3#200.
muito superiores saias de cordio
que Uzean as vazes de balio, tornando-se mais
rasamataadaveis por se poderem levar a engom-
mar, a 39200 cada ama: na ruada Imperatrizn.
60, loja do Pavio.
Taixas.
Maior f0riucc5nos presos para acabar.
Vendem-ae no armazem de Braga Son 4 C.
C. rus da Moeda,. taizaa de ferro caado do
nditedo fabricante Bdvrin Maw a 100 ra.
libes, as mesmas qua ss veadiam por m rs.
i
por
rasantemente
en-
mais
cabe o po.
etro
tss c.bid'as,
o bom goste 1
m"?* nt "Mf'*'**1aai49, tojad'a-
fu prona a, i?,
randa a variado aortimonto da
roupas (eitas, calcados a fazendas e todos
estes se vendem por precos mnito modi-
ficados como 6 de seu costume,assim como
sejam sobrecasacos de superiores pannos
e casacos feitos pelos ltimos figurinos a
269, *89, 309 e a 359, paletots dos meemos
pannoa preto a 16f, 18J. 209 e a 249,
ditos de casemira de cor mesclado e de
nevoa padroes a 149.169. 189.209 e 249,
ditos saceos das mesmas casemiras de co-
rea a ft*. 10a. 12 a li*. ditoa relos pe-
lo diminuto preco de 89, 109, e 12$, ditos
de sarja de aeda a sobrecasacadoa a 129,
ditos de merino de cordio a 129, ditos
de merino chinez de apurado gosto a 159,
ditoa de alpaca preta a 79, 89, 99 e a 109,
ditos saceos pratos a 49, ditos de pal ha de
seda fazenda muito auperior a 49500, di-
tos do brim pardo e de fusta o a 39500, 4|
e a 495OO, ditoa de fuatio branco a 49,
grande quantidade de calcas de casemira
preta a de sores a 79, 89, 99 e s 10, ditss
.pardas a 39 e a 49, ditas de brim de cores
finas a 2f 500, 39, 39500 e a 4|, ditas de
brim brancos finas a 49500, 5|, 59500 e a
69, ditaa de brim lona a 59 e a 6$, colleles
de gorgurao preto e de cores a 5$ e a 6$,
ditos de easemira de cor e pretos a 45500
e a 59, ditos de fustio branco e de brim
a 39 e a 3950O,ditos de brim lona a 4f,
ditoa do merino para luto s 49 e-a 4*500!
calcas de merino para luto a 4J500 e a 5f,
capas de borracha a 99. Para meninos
de todos os tamanhos: caigas de casemira
preta ede cor a 5$, 69 a a 79, ditas ditas
de brim a 2$. 39 e a 39500, pal tota sac-
eos de casemira preta a 62 e a 7a, ditos
de cor a 69 a a 7$, ditos de alpaca atSf,
sobrecasacos de panno preto a!29e a
14, ditos de alpaca preta a 59, bonets
para menino de todas as qualidades, ca-
misas para meninos da todos os tamanhos,
meios ricos vestidos de cambraia feitos
psrs meninas de 5 s 8 annos com cinco
babados lisos a 89 e a i 2f, ditos de gorgu-
rao de eor a de lis a 59 e a 69, ditos do
brim a 39, ditos da cambraia ricamente
bordados para baptisados.e muitaa outras
fazendaa e roupas feita a que deizam de
ser mencionadas pela sua grande quanti-
dade; assim como recebe-se toda e qual-
quer eneommenda de roupas para se
mandar manufacturare qua para este fim
temos um completo sortimento de fazen- !
das de gosto e urna grande officina de al-
faiata dirigida por um hbil mestre que
pela suapromptidi eperfeicao nadadei-J
xa a desejar.
Atiendo
Vendem-se caixOes vasios proprios
para bahuleiroi.funileiroi etc. a 1280:
quem pretender dirija-se a esta tipo-
graphia, que ahi se dir' quem os tem
para Tender.
Vende-se
na ra do Queimado n. 19
oseguinte.
Pecas de cambraia fina adamascada para corti-
nado com 81)2 varas, pelo barato prego de 59C00.
Toalhaa de linho adamascado para meaa a 49.
Cambraias de aalpieos graados muito lindaa a
59 a paca, ditas de ditos miudiobos finaa a 49500.
Lencoea da bramante de linbo a 39000.
Cambraia ailada para forro da vestido, con
8 112 varaa a peca por 29.
Grandes colchas de fustio lavradss s 69.
Chapeos enfeitadas muito lindos, proprios pus
manaos a 79 tada nm.
Cobertae de chita, gosto chinas, a I98OO.
Ricas capellaa para noivs, de flor de larasja.
Algodio com 7 palmos delargo aBOOrs. 4 Tira
Lencoes de peono de linho a ftXX).
Sehsll Hellors & C, tando reCebMo or-
do afsmsdo autor Chateau Laroozire a 149 o si-
go de urna duzia; na praca da Independencia
numero 22.
Plvora.
Vende-se plvora de superior qualidade a
chumbo de manicio por meaos do que em outra
qualquer parle ; tratar no eacriptorio de Antonio
Cesano Moreira Dias, no Fort* do Mallo, raa da
Moeda n. 27.
Aoi tabaquistas.
Vendem-se superiores lencos francezes a imi-
lecao dos de linho, muito pieprios para os taba-
quistas por aeren de cores escaras e flxas, pelo
baratissimo preco de 5 e 6f a doria : na rna do
Queimado n. 22, na bem conhecida laja da boa f.
Fil liso e tarlatana.
Vende-se superior fil lis a tarlatana branca
e de cores, pelo baratissimo preco de 800 rs. a
vara ; na bem coohecida loja da boa f, na ra
do Queimdo n. 22.
Toallas pata naos.
Vendem-se mallo boaa toalhas para mios pelo
baralo preco de 59 a duzia ; na roa do Queima-
do n. 24 aa loja da boa f.
Ricos enfeites.
Vendem-ae ricos e superiores enfeites os msis
modernos qne hs. prelos e de cores, pelo bara-
tissimo preco da 6 e 69500 : na loja da boa f,
na roa do Queimado n. 22.
Cambraias de cores.
Vendem-se cambraias francesas de lindas co-
res, pelo baratissimo preco de 280 o covado : na
ra do Qaeimado n. 22, na bem conhecida loja
da boa f.
Cambraias Ira acezas finissimas.
Superiores cambraias francesas muitn finas, de
muito bonitos padrdes, pelo barato preco de 700
rs. s vara : na loja da boa f, na ra do Queima-
do n. 22.
Vendem-se osengeuhos
S. Pedro e Espirito Santo,am-
bos moentes e correntes e
d'agua, sitos na freguezia de
S. Bento comarca de Porto
Calvo e provincia de Alagoas,
o primeir tem casa de enge-
nho e poucas obras, porm
safreja quatro mil pes, o se-
gundo tem boas obras, porm
s safreja dous mil pes:
quem pretende-los dirija-se
a ra da Cadeia do Recife n.
26, primeir andar, que acha-
ra com quem tratar.
4 musselina do Pavio a
200 rs. o covado,
Vende-se musselina branca com 4 1|2 palmos
de largura fazenda muito fina pelo diminuto pre-
co de 200 rs'. o covado, cortea de cbita inglezs
com 10 covados cores fizas a 19500 rs., dilas de
musselina branca com 10 covados a 29, tudo
para apur.r dinheiro : na raa da Imperatriz n.
60, loja de Gama & Silva.
A loja d'aguia
branca um deposito de
perfumaras finas.
Esta loja por estar conslsntemente a receber
perfumaras finas de snss propras encommendas,
bem se pode dizer qne est constituida um depo-
sito de ditas, tendo-as sempre dos melbores e
mais acreditados fabricantes, como Lobio, Piver
Coudray e Sociel Hygienique, etc., etc. : por
uso, quem qoizer prover-se do bom, dirigir-se
a ra do Queimado, loja d'aguia branca n. 16, qua
achar sempre um lindo e completo sortimento
teudo de mais a mais a elegancia dos frascos, e a
barateza por que se vendem convida e anima ao
comprador.
Escravos fugioos.
Attenco
a acaba de despschsr nm
finas a delicadas nrc-
e vestidos para ca-
aem duvfds sa
m iQliOIOlaT*
loja d'nnU branca
' s '"
possoir um bom reloglo de ooro su nrst* do c-
lebre fabricante Kornby, a sproveltar-se ds dp-
portonkUde sem parda, da lempo, para vir com- ,
pra-los por commodo preto no mu eKriptorio|coaio tstte-:
roa do Trapicas n.W. las, q ea
Acha-se fgido desde principios de junho de
'861 o preto Antonio, de estatura regular, deoa-
580 Angola, idade 50 annos pouco mais on me-
nos, grosso do eorpo, pooes barba, olbos papudos
beieudo, pernas um tanto arqueadas, com urna
cicatriz de machado em um dos dedos grandes
do p e outra em urna daa pernas, perto do lor-
nozello. Consta que anda refugiado pelas maltas
de S. Cosme na Varzea, oa immediaees 1 quem
o pegar e leva-lo a seu senhor Joaqun da As-
sumpcao Queiroz, na Vane, ser gratificado ge-
nerosamente.
Ausentou-se de casa ds seu senhor no da
3 do correte mee o escravo Antonio, de nacae
Csssange, idade 40 annos, pouoo mais oa menos,
estatura regalar, com os signaos segaintes : em
ums ds orlhaatem um taco tirado, em um dos
qusrtos tem um defeito qua pelo qual pnxa no
andar pelo p, tem debaizo do queixo esquerdo
tres buracos, signal de denles lirados : quem o
pegar queirs leva-lo ra do Imperador o. 73,
terceiro andar, que ser recompensado. J foi
visto em Iguarass.
Fusiram do engenbo ConceicSo, sito na fre-
guizia de Tracunhiem ds comarca da Nazarelb,
no dia 4 de novembro de 1860, doua escravos
mulatos com os nomes e slgoses segaintes: usa
de come Panlo de 45 annos de idade pouco mais
on menos, offletal de pedreiro, sapateiro e pti-
mo bolieiro, de cOr alaranjada.flcabellos carapi-
obos, rosto descarnado, olhoa brancos, nariz a
bocea regulares, nm pouco secco a de estatura.
media, o qual tem dous dedos da mi direita
aleijados de um pansrico, e tem tambem o dedo
minimo da mi esqnerda com igual defeito, a
cima da sobrancelba de um dos olbos urna cica-
triz, proveniente de um talho, e outra cicatrir
com um carocioho cima da mesma, com nm
dos dentes da frente quebrsda.quando se embria-
ga torna-se arrogan te. Base escrav j foi ser-
rado e consta andar pelo Recite, tando sido visto
pars ss bandas da Soledade e Santo Amare pos
aigome* peasoaa, a quena-tem dito haver-ae liber-
tado. O ontro, de nome Felippe, de sOr triguei-
ra, cabellos carapinabs, estatura bal xa, ou rega-
lar, bem barbado, um poseo secco, bem fallante
e cantador, eom 30 anees de idade, anda ligeiro
e multe despachado no aervico de enxads e lot-
ee, com falta de dentea na frente, com olbos nos
pouco apitombedoe e capioogos. Quem apara-
hende-loa leve-oe aa tto engeaho ao sea seohsi
o tenente-corouel Joaa Cavalcaati Maorvde
Wanderley, q genarosemee racsaayenis.
Fugio do edgeabo daa MaHas. soaaarca de
Cabo, no dia 28 da aatamar de lett, nm asas-
vo por nome Jlo, ertoWs* vsvmslfcs, sitara le-
gal sr, grosso do eorpo, sepeW\ idede a trin-
la e tantos anees, aesatsa-ea as L>atsa da eage-
nho do Mente, at que 9a Urars.i ama eeage
Se leva va. a lega uaaa vleeeas ettadizem asm
rtou um quarteatetadaeemeaae>s praasa,
a eom ptraeipio da cerfage. e UmveV tez em
pequeo roubo de ronpa : deasppareces o caesl-
o a 17 deoetaare. Bote aegvej tesa sido pre-
8 no Recita duss vmiL* primeara os\ traba-
ando eom eme carroea, ea seeaJaea Naa fet
preso trabalbando em nm srmszsm da aaaeaai
a aegsr lase ao M^tateVaai-
ii
11 Fr-iv/ci
mll ITllll ASaL


QLUia!
nu>*M*oAt

----LiW"?V
Aventar prlsiiM.
sera por ultim
relba criada. Fdf tcdaveocirjrr,-quedando
chegassemos eu ira para um dos hoteis da,ciJa-
de ; pei^qae^iilaud^uni nota eu i'tii, ten-
do cuidado que ninguearme seguisse, juntar-rue
a madama K. que ate 'esperara etraz da por-
ta da entrada particular de sua cafa.
Voltareis a Parlera oafruagem *das seis horas,
dissera-me madama R. .-. N.d vallareis nunca
maes j S. ,. Pocru j a,quT eat3*s quero que co-
nhefaes minha can, e que ella vos cooheca.
Quero qae pensando' era mim. possas seguirme
na idea em todos oa cantos de miaha trislp mo-
rada, eque d'ora rmqffmu lembraoca a escla-
rec e reanime. Dus me perdoari nao ler po-
dido resilir a esse colpavel desejo.
Se madama R. fosse urna deasas creaturai
inconsideradas que te alegrara do mal que fa-
zem on aa quTazem pratiear por oatrem ; teria
talvez achado tonga eata hora que separava-me
de um prazer a que se nao poderla ligar idea al-
guma de remorso ; porm haia urna gravidade
to tocante no modo por que ella me pedir que
Ibe uzease esta risita um tanto matinal, que esta
horade espera psreceu-me solemne.
Nao aou daquelles que dizera que os maridos
causam rizo, porm d'aquelles que tem observa-
do que 09 amantas causam piedade. A palavra
adulterio para mim ama das mais raizerareis
da nossa liogus. Se o Adulterio inspirasse ra*
leota, bem, porm elle s inspira cobarda. Mea-
tiro u pelo menoa caltar-se para eocobrir a ver-
dade, engaar e oculiar-se, eis es palavras que
se ioscreveriam em seu asan darte,- sa por en-
tura as obras terriveit livessem estandarte. Quan-
do lembrei-me que tiaha de eatrir a norte, como
um ladro, nesta casa que nao era minha e u-
trodnzir-me em casa de um hornem que um ao
menos eslava ahi, para defender o limiar de sua
porta, tire um aparto no corceo. Eu pensara
se o amor que nao capaz de afrontar a luz,
que condemua ama mulher que detesta a trai -
Qao, a trahir, que obriga um nomem leal a tor-
nar-aeseu cumpliee, pensara se este amor era o
verdadeiro, o definitivo amor, e se no caso de
s-lo, poda nessas coodices humilhantes dar
(cuetos que nao usaem amargos. i
Quando eu encoutrei, por detraz da porta en-
tre-aberta, a pequeua mi de madama R. .,
quando sub, retando a respirago, a escada que
conduzia a sua cmara particular, e que o pri-
meiro olhar que iancei sobre tudo que animara e
caracterizara ese interior fez-me reconhecer
que tudo islo me era eslranho, ju'go qu teria
recuado, se nao coosiderasse isto urna crueldade
pera com meuguia.
Toda mulher maternal quando ama. Em que
penaaes teria sido empregada a hora em que
madama R. esperava-me ? Em preparar em
seu quarto tudo de tal nodo qu eu pdesse
iembrar-me disto, e em preparar sobre urna nie-
sinha, urna collacio ligatra.
Quando Thereza, assim se chamara madama
R. riu-me em casa delta, seu bello rosto il-
luminou-se. Ella eslava ao mesmo tempo ale-
gre e seria. O amor rerdadeiramenle a belle-
za da mulher. Therea ceda a am tentimento,
ao qualpor muito lempo resistir, porm ella
cedi animosamente e com orna especie de or-
gu!ho. Tudo n'ella Indicara que sua Azio a-
provara o que flzera seu coracao. Pela sua iran-
quillidade ria-se que eslava resolrida a reco-
nhecer-se culpada. E.pelo fogo ioterior de seu
olhar via-se que cusiera muito a tomar est re-
soluco. Era urna capitulado de urna hora no
combate da sai vida, porm ella quera que esta
hora valesse toda sua vida.
Aserenidade e energa de madama R. :. apo-
deraram-se tambem ue mim. Envergonhei-me
de nao corresponder a este ardente amor. Jul-
guei-me um mizeravel por nao fazer a felicidade
de outrem, quando taires esta felicidade fosse a
minha propria. Lancei-me enternecido aosjoe-
lhos de Tberza, beijei-lhe a cauda do seu ves-
tido, disse-lbe ludo quanto dira um homem
sincero e rerdadeiramenle apaixonado por urna
mulher que julga digna de si, fiando a corapro-
melte, e a perde.
Disse-lhe que respeitsva-a, adorara-a, que ella
era urna santa a meus olbos, urna victima, e que
sei mais I tudo quanto poderia causar-nosillu-
sao. Nao rerdade que o privilegio do amor
pretender purificar, tuda que rae consumir?
Como 1 dizia ella, louca de alegra, ser pos-
siyel que esta hora e este crirae que tanto procu-
rei evitar posss toroar-se em bem, e que tenha
alm disto em minhas mos a de um homem to
capaz de sacrificio, generosidade e amor, a pon-
to Je defender-me contra minhas proprias fra-
quezas ? Sera possirel que gose neste momento
da felicidade pela qual tanto tenho suspirado ?
Ser possirel, que^ quando partirdes, poderei di-
zer com certeza : empreguei bem mea coracao,
nao me tinha engaado ?... Ah I quanto, bom
amar assim I
Pobre Therea I
CAPITULO XI.
A quanto tempo dorara minha felicidade t. ..
Nao o sei dizer. o aue S9>. e que nesses curtos
instantes eu descubrir am madama R. ver-
daderos thesouros de iotelligeocia e bondade.
Coohecia-se que era urna alma elevada, ha mui-
to comprimida, e exaldada por urna hora de li-
bertada ; porm que nao mostrara colera algu-
ma contra qoem to implacarelmente atormen-
tara-lhe a mocidade.
Ha urna hora que perd o direito de quedar-
me e de acensar, disse-me ella ; hontem pode-
ria dizer e pensar o que nao posso dizer nem
pensar boje......
A' palarra ezpiroa-lhe nos labios. Acabaram
de balera porta da casa.
Thereza correa a anella que entreabri.
Grande Deus I exclamou ella, M. R.....
jal ...
Juntou as mos e cabio da joelhos diante de
mim.
E' preciso que eu abra, disse-me ella. Amos-
me bastante para humilbar-vos por meu respei-
to ? Eis ama porta, de am quarto onde se
guardam as iavenedes de meu marido que aioda
nao esto acabadas. Eotrae abi, Madama R...
s se demorar aqu alguos minutos. Depois
do que retrar-se-ha para o seu quarto, e dir-me-
tais ento adeus para sempre, e perdoar-me-
hes,se polerdea a rergooba deste momento.
Ella estara pallida como urna deunta, s mos-
trara river pelo brilho do olhar, porm nunca vi
nada de mais bello, resignarlo mais desespera-
da, no olhar de urna mulher.
Thereza, disse-lhe eu, ramos ambos epre-
sentar-nos a vosso marido.
Nao, dissa ella, nao. Perder-me, nao te-
ria nada, aeria jualica; porm que os percaes
por mim, nunca o consentirai. Urna mulher que
nao soubesse fazer todos os sacrificios para sal-
rar o futuro do hornea que ama, seria urna mi-
seravel. Ora ss eu sou*uma louca, nao sou orna
miseravel, e carssgarei s o peso de milita lou-
cura.
Ourimos pasaos oa escada. Prudencia que des-
pertara com as pancadas da porta, atrara, pela
janella, a chara a seu amo.
M. ft.., sabia.
Therea fez-me um gesto aupplicaote ; eotrei
tramando no quarto iodicado.
Que se passou a priocipio entre madama R. .
a sao marido? Eu alo o poderia dizer, pois nada
oura ao quarto am que estar e que alera disto
era muito escuro. Eu nao ousava respirar nem
tnorer-me.
aosBec
ll>ltMMMllltll
CAPITUCO XII;
Para que comecei esta historia ?
Tem-me sido agradarel, contar-ros todas as
particularidades deste dia, do qual nada leobo
etquacida ; porm o suor corre-me da fronte
pensando no que me resta a contar-ros. Como
ro-lo dlrel ? Tenho chorado maia de cem rezes
ligrimas de sangue sobra a lembraoca do que
tou cootar-ros, por multas circunstancias ab-
surdas, eata lembraoca to terrivel para mim
que nada ha que a iguale, satas lembrancas pos-
sua peripecia* to grotescas, que am quaoto meu
coracao tanga, vi, senboras, rireis I
Que -diae',, coronel ? exclamarais todos,
nos, rirnias, f ^ntBuae l Nos j adoramos a vosia <
madama R. amamos-roa bstanla, para ai-
segurar-vor que por maia que digaes, s com-
partilbarenoe do m#so embauco.
Af.' jco-tos qua rireis, pac muito tempo
tatrez. ,
Diana I dfaaa Rawaaudo, continuaa Pedro,
qae ss/amos tibie- brazas.....
Oafroaat gaardou siguas maaaotot de i-
/ lar aaUra mate infernal quarto escuro, da
p/l estirando pouto o titeo, ancoaliti
ua caSeirTqua me taracea multo grande. Ec-
amlnei-a com as patitas dos dedos, para rar te
estara r*si, a pensaedo que serta melhor es-
perar os aeontecimeoto* sseotado, assim e fiz.
Sbitamente vl-me envolvido ds caneca at es
pes, pot 'ama rlotfltta e estroadosa saatiai de
orgo.
Por ama inexpRcarel decalo da torte, a aria
que o inyisivol instrumento tocava era urna das
mais alegres de nossas cances populares ; ros
todos a conheres:
II etait une bergre,
. Etroo, ron. ron, petit patapon,
Il.ptail une bergre,
Qoi gardait ses moulons
R:m, ron,
Que gardait ses moulons.
Cinco oo sai reces repetirn):
Que guardait es raoutons
Ron, ron.
Qu gardait ses moulons.
O coronel roltou-se para os cantoras :
"-- Eu bem ros tinha dito que a minhs histo-
ria ros feria rir, disse elle com um sorrito do-
loroso.
Depois continuando :
Den ros lmbrses de que na carta anony-
ma, fallara-sede um certo barmetro da msi-
ca, que me aUraira a atteocio em casa de 11. R...
no duda minha partida da S. ,. ? Pois bem, o
barmetro nao aendo bem succedido, seu autor
tere a idea de fazer entrar sua msica na caixa
de ama poltrona, e de dispo-la ahi de maoeira
queaob o peto de um corpo qualqaer, tocasse
sbitamente a dita aria. Sem o saber, au fra o
msico, o .chafe da orchsstra deste odioso con-
cert. Assentando-me oessa maldita eadeira,
assentara-me sobre esta msica endiabrada, e
trahira assim o segredo do meu escondrijo I
O que sao as cousaa deste muodo I
Este incidente era como um destecho para o
meu caro poema, para fazer delle um grosseiro
e lgubre melodrama.
M R. estupefacto, sem darida, por ourir
a sua eadeira fuacciooar s, M. R....cuja rolta
inesperada nunca me fot explicada, abra brus-
camente a porta.
Bem que eeliresse armado, recuou qufmdo
apercebeu-me.
Aioda que vira cem aonot, nunca esquecerei
o olhar sinistro que me la'cou o ser rerdadei-
raraente singular e horrendo, a quem eu tinha
offeodido. .
Figurae-vos um Odry implacavel, um OJry fe-
roz e funesto, representando um dos ppela ter-
riveis de Frederico-Lemaitro, e alm disto um
Odry, contrafeito.
Senhor, disso-lh eu.
Senhor dragan, nada tendes a dizer, qua eu
j nao aaiba, replicou elle.
Hostrando-me ento Thereza eslendida a seus
ps, disse-me:
Eis rossa victima.
Se fr da rossa rontade cada um de nos lera a
sua.
Vossa vida pertence-me.
Dirigi-mo para elle.
Urna bala qae recebi no coracao, fulminou-
me.
Aisassioo 1 exclamei, miseravel assai-
aino I
Eu, assasiino, disse-me M. R. : com
urna tranquUlidade tal, que fez-me conhecerque
vida levara Thereza em compaohii deata carras-
co, Eu, assassino, nao peosaes no que dizeis,
meu caro seohor. Estou em meu direito. Nao
tenho nada a temer nem de Deus, nem dos ho-
mens.
A relhs criada correu muito assustada.
Prudencia, ide procurar o commissario para
este drago, e um medico ou um padro para mi-
nha mulher, que eat a morrer.
Quando ae tem urna bala no coracao, nao se
pode conservar por muito tempo de p, o sangue
subin-me de repente a garganta, canbalaei e
cahi; tiohi perdido o eonhecimeoto.
Quando roltei a mim, quero dizer cinco ou
seis semanas depois, achei-me em um leito do
hospital. Estive seis mezes entre a vida e a mor-
te; s escapei por milagre, a bala atravessara-
me lado a lado.
Quando |leraotei-me comparec sobre os ban-
cos da polica correciooal.
Madama R. .. nao pode assislir ao julgamen-
to ; a iofeliz estava mais que morta, eatara lou-
ca, e fra encerrada em Pars, em urna das ca-
sas de sade, alguns das depois do fatal en-
contr.
Fui condemnado a tres mezes de prito, ea
dar dez mil francos de multa em faror de M. R ..
Parece que em Inglaterra, i ter-me-liia cuita-
do dez rezes mais caro. Assim m'o disse meu
advogado depois da decisso do julgamento para
consolar-me.
Nao tratei nem da minha defezs nem da de
Thereza. Qoem me acreditara? E de que me
servira faze-lo ?
Quaoto a M. R. .. elle dissera a rerdade. As-
sassinando-me elle nao corria risco clgam. Sua
preseoca no tribunal foi para elle am triumpho.
Recooheceram que elle sempre fra mo para
sua mulher, a quem urna madrasta obrigra a
casar-se ; porm como por outro lado sua pro-
bidadee aptido commerciaes eram notorias, fot
absolvido quasi por unanimidade. E por qae
nao ha va ser, todas as spparencias nao ram a
seu favor ? O procurador do rei, que anda era
joven, fez notar sos joizes que nao exista em
Franca le alguma que condemoasse a puoir com
morle urna infraego, fosse ella prorada, por
deveres conjugaes, perguntou porque razSoa le
permittira rioganga do esposo, o que ella jul-
ga va derer racusar a sos propiia juslica, a im-
punidade absoluta desta sorte de assassinato se-
ria ama rerdadeira animaco para os homicidios
teitos de eseo pensado.
Nao o ouviram, ou se o ouviram, nao o en-
tendern!.
CAPITULO XIII.
Urna cousa foi estabelecida nos debales, que
confundiu-me. A carts annima que me tionm
escripto, e que encontraram na minha algibeira,
fra escripia pelo proprio puoho de madama R...
Tudo que a carta coolinha, fra imaginado por.
ella sement para aproximar-nos am do outro.
Estou convencido, anda hoje, que escrerendo
esta fatal carta, a infeliz creatura s pensara em
rer de perto, para poder julgarsem ser conhect-
da delle, aquelle a quem aprorera-lhe fazer o
here do seu sonho.
Consegu um dia riaitar Thereza na casa em
que fra encerrada. O fantaama que se me apre-
senlou, era somonte a sombra de minha bella e
cara Thereza.
A rerdadeira Thereza dosappareeera completa-
mente. A alma abandonara completamente dea-
ta rez, este corpo ha pouco to bello. Voltaria
ella para este paiz dos sonhos, onde nos encon-
tramos s principio? Assim o espero. Em todo o
caso ahi nao exiatia mais sentimento algum.
Sua loucura era incuravel, Nao me reconhe-
ceu.
A mulher que a guardara disse-me que ella
era terna e submissa.
Ella nunca falla, dase esta passando-lhe a
mo pela face como se ella fosse urna enanca,
porem canta algumas vezes.
Thereza percebeu alguma cousa o que dlzia es-
ta mulher, e julgando que lhe ordeoavam que
cantasse, cantou:
l'eta une bergre,
E ron, ron, pelit palapon,
O coronel parou. Duas grossas lagrimas que
elle ha multo procurara reter, cahiram sobre seu
bigode.
Depois de alguns minutos do silencio, durante
os quaes fizara algum eaforgo para segurar a voz,
eontinuou:
Durante um tono tira a triste felicidsde de
poder visitar Thereza de oito em oito diat. Fiz
muitos esforcos, porem todos vaos pars rer se
ella poda recuperar o juizo. Thereza nao era
mais urna mulher, era urna cousa, rivia ainda,
porem urna vida animal somonte. Quando eu
chegara, ella procurara em todas as minhas al-
gibeiras, os bolas qae ea costamara lerar-lne.
Com isto ea obtinha um sorrlzo, porem que sor-
rito, meu Deus I
A ultima rez que eu fui risita-la, eonduzi-
ram-me i mulher que a guardara. Esta excel-
leote creatura renao-me comecoa a chorar. The-
reza morrera, e morreu cantando esta arla qae
rot fez rir..............
-
...*.*..........(....4.........................
Eis, mus amigar, a fiel narraco da nica
aventura d minha vida...
E, agora que j pagueL*meu escoto, diste
ella con) ros grave, tota a um ontro faze-lo, se
lhe aproarer.
t. i. STiHt.'
(/otnal 4w D#nf<.BnWa no.|
esrrerja e o.
*4tf'
....
UteT
fas sacra pontiftum,(twK1
f8.(f*/HST^',j^AmsTwolt'r%R.)
I
Vamos depr nassa f de chrlsto no altar do
christianismo ultrajado.
Neste tempo em que o espirito de orgulho rae
sorrateiramenle inooculando aeem todas as clas-
ses de nossa lociddade, em aua parece amiahar-
se a poelM dadtusa razo aiMrancezes, tai-
res parece um anachroniamo da nossa parte o
procurarnos reavivar oadtreitosda fe quasi extioc-
tos pelos arrogantes tiros da satnica impiedade.
S-to-ha para essea que inteiramente desconhe-
cem o qua sao; para esses que, aduladores do
poder temporal pejam-ae de defender oa direitoa
do chefe de catholicismo ; para esses que, gas-
tando immerecido incens nos thuribulus profa-
nos do poder; s tem para o pootiQce a prora de
fel dos judeus: com esses nao (aliamos.
Parece qae os abramos empeoham todas as
suss torgas para o completo esmagamento da
Eeposa do 5en/or,parece approximarem-se OS
lempos apocalyticos ; as profuodezas do negro
areroo derramara todo o raso do seu desespero;
mas oa fronte serena de Pedro, personiQcado na
eadeira romana, v-te estampado o salto da re-
aigoaco mais perfeita: as embravecidas ondas
do occeano hertico lio qaebrar-ie teus pea,
irritadas pela ana mesma impotencia: que no
frontal desta eadeira augusta acha-se assignala-
do o caraeter de sua eteroidade ; que otla es-
crerera o dedo de Deus portas infer nonpre-
valebunt.
A qaesto romana, questo sempre debatida e
nunca resolrida, symbolisa a Uta encarnada e
eterna entre a rerdade o erro, entre o bem e o
msl.
Por entre o longo espaco de toda edade catho-
lica ella oso tem cessado de existir, e se alguma
rez parece eitincta, que jaz oceulta no rea do
deifarce, para reacceoder-se mais forte e inten-
ta quando julga qae chegsda a poca de deitar
por trra a eadeira do pescador da Galilea. Desde
o seuprlmairo dia at hoje o christianismo tem
tido continuamente seus eros sempre aferrados
do baqaeameoto do thronode Pedro ; mas assim
como o ero de Roma conseguiodo vencer S. Pe-
dro nao cooseguiu anniquitlar o papado, aaaim
sero sempre improQeuoa e impotentes os boles
das serpenles do erro....o msrtyrio ciogir s
fronte do papa ; porm o martyrio e a gloria. A
gloria do pontfice eat mesmo em rencer os ar-
ranco* do mundo quando parece reocido.
c Onda rao os assassioos de Rosal ? pergunta o
Ilustre msrquez de Valdegamas em toda belleza
de seu eatylo rao ao Qurioal roubir sua corda ao
rei-ponlitlce, e, sem o saber, collocam urna co-
rda de maia sobre sua augusta fronte, a corda do
martyrio. a
Estas patarras do inimilarel Donoso Corts,
encerrara a rerdade mais palpitante sobre o re-
sultado final da presente queatao romana.
E' imposslrel que os poderes da trra rencam
os poderes do cu, que os tiros de Satn attin-
jam o airo do papado. Nada, com effeito, dere-
mos receiar a tal respeilo : o throoo pootideio
asseotdo as patarras divinas nao ser diluido
pelas martelladas dos impos. Entretanto coorm
lavar o erro de rojo esconder-s em seus tene-
brosos acampamentos.
Mas surge o soahisma N3o i contra o pon-
tfice que luamos, i contra o rei. Muito bem I
Has se o rei o pontfice? Como podereisati-
rar no rei tem que romas sertas Uquem encra-
vadaa no coracao do pontfice ? Collados 1 na imr
possibilidade de sahirem com honra do terrean
em qem se collocim, o sophisma Ihes serr de
srrimo.
II
Creado para a trra e para o cu, o homem
devfira encontrar em si mesmo os meios precisos
para a conse.cucgo de seu duplo ara, porque de
outra sorte aparecera a deshirmonia na obra di-
vina. Assim o elemento social e o elemento re-
ligioso sao as duas partes componentes da nalu-
reza humana : o primeiro para preeochimento do
destino do homem sobre a trra : elle deixaria de
ser homem, perdera a sua qualidade de ente ra-
cional e lirre, se nao existase a sociedade; o
segundo, consequencia da immortalidade de sua
alma, para que elle podesse lograr urna felicida-
de eterna aps a sua transigo sobre a trra.
Sao os dous meios para dous grandes flns, mas
nao coorinha qae esses meios ficassem des-
etipeo do homem, aujeito, como o cooheeemos,
ao dearairamento de aua raso a cegueim das
naitns ; q mundo o* p..aaria de um ca' os se
o nomem fosse senhor de urgaoisar aun uuih.
como bem lhe perecease. Em qae seria elle in-
ferior a Deus?
Era, por consequencia, necessario que duas
leis regessem a marcha do homem, e corona-
rio legitimo, dous poderes incumbidos da coofec-
Co deesas leis, e encarregadoa da guarda da sua
integridade. c que assim sempre succedeu, al-
testa-o a historia da humanidade : nunca o ho-
mem deixou de ser goreroado por duas leis ;
urna temporal e outra eapiritaal, desdeo pri-
meiro dia da aua appariclo na iceoa do mundo.
O paganismo transformou a orden natural
plantando a absorpeo do poder espiritual pelo
poder temporal; e, subrertendo assim o na-
tural e legitimo curto das coasas, foi causa de
grandes males para o muodo.
Sabe-se quaes os inconvenientes, que sobre-
vem quando do sceptro poltico se rene a reale-
za religiosa: todas as liberdades se rm ento
abocanhadas e desprezadas, os dtreitos dos cida-
dos n encontrara mais o apoio e as garantas,
que derem merecer, e as rodas do carro social
presas pela mais terrenha tyranaia desandam,
do um passo retrogrado, e todas ss molas alte-
radas, demonstrara o declinamento de urna tal
sociedade.
E' o que tinha lugar as repblicas antigs ;
o que tem lagar hoje mesmo nos paizesem que
83o estabelecidas religies nacionaes, e onde, em
consequencia deste ostabelecimento o soberano
ao mesmo tempo rei e pontfice. (Donoso Cor-
ts.)
Foi o christianismo quem rindo operar a refor-
ma do muodo principiou por plantar a separado
dos dous poderes redditte, qua sttnt Couarit
Conari, quet sunt Dei, Veo.Eis aegreja catho-
lica reconhecendo a legitimidade e diviodade dos
dous poderes.
Com taes sentimentos a egreja de Roma nao
pode de maoeira alguma mostrar-se intensa aos
poderes da trra ; pelo contrario ella qoem Ihes
assegurs a estabilidade e o seu respeito no co-
racao dos povos.
S. Paulo diz mu expressameote:qui resistit
potettati Dei ordtnattotn resittit.Com estas pa-
lavraa o apostlo nao faz aeno arrimar o throoo
no altar para seu maior esplendor, para sua mais
plena seguranza. E' o elemento religioso arrai-
gado no coracao das massas qu permiti ao po-
der marchar dessasombrado e com cooflanoa na
senda do seu bem-estsr e do dos seus gorerni-
dos.
Com effeito, os gorernos sao instituidos, nao
para si, porem para manutenco da liberdade in-
dividual e salvaguarda das liberdadea publicas, os
gorernos sao feitos para os gorernados e nao os
goreroados par) p governo: portaoto despido des-
te seu carcter de legitimidade elle perda a sus
razio de ser, e torna-se o ladibrioso joguele das
massas populares. E d'onde lhe rem este impor
tantitsimo dever foqle de tantas prerogativas e de
tantos direitoa, que o toma to respeitarel aos
olhos dos subditos ? Do christianismo.
Sem o altar o throno deixa de ser throno :
c isolado do altar elle nao aeria mais qae um
abrigo que a torga de um homem teria construi-
do so poder e que a forra d'ootros homens po-
derle destribuir todas ss rezes que o inrejassem
e que anas rantstens parecessem exiei-lo.
(Veotura )
E assim sujeito volubilidade das paixes hu-
manas o throno nio poderla offerecer os solidos
beneficios, que delte se deve esperar: seria o ri-
diculo elevado aua mais alta potencia a enllo-
cado na cpula do aditicio social para servir de
escarneo a irrisio. Tal seria a tus condic de
existencia que elle cedo baquearia desde que dei-
xaSte de ter por ti as baionetas da forca brota :
tal foi ella na anttguidade. E,'ainda boje pde-
se negar que as naces catholicas o gorerno
acha-se mais QrrotjtJente amantado e capaz de
expargtr mata otfaM a mente o Tesultbop/ara
que foifomdrjaf Tfcam bT^u*a*sA.joia da
religlio catatada 4 >or coaaegamt* dAsgreja, o
gorerno nio rerdadeiro gorerno porque trabe
a ana aaats importante mlssio, tratar da felicida-
de de teus subditos alera de tmulo.
Nao queremos espiritualisar a missio de esta-
do, oto t porem forcoao reconbeoer o confeti-
aar q.a alio dar rtaFaitidt*menYe n exptn-
SoHdasDoat idfts e nodetenrolinientords d.
faroraca muito oa aove tobdtles na omencio
de aua glonosa imaottsltdade. B detxando o
posiuria daa rerdideirss ideat.'eTt rerdadeira
moral porque o da rerdadeira religiaat sao
liada sus eadeia auiotafc. i aoeisdade ae pode
de modo neohum Marchar bem.
' Diz Guizot: os direitos da liberdade, as ga-
rantas polticas sUb difficais de combinar com o
principio da realeza religiosa ; porem p principio
i elevado, moroM salutar.
Se a theoria da liberdade completada as cu-
alidades do Calvario ao estridente som da ultima
palarra do Christo ; se oconsummalum ett
do Filho do Eterno, rehabilitando a liberdade
desvirtuada no Edn, fez della um principio ee-
vado, moral e ealutar, desconhecemos quaes os
motivos que actuaram no espirito da Guizot, nio
atinamos com o que poderia leva-lo dizer que
ha difficuldades em combinar na ordem social
eate principio com os direitos da liberdade e com
as garantas polticas ; por isso que a liberdade
politica nao seoo ama dependencia da liber-
dade moral, segundo a phrase de Rstier.
Entretanto, respailamos as patarras de am to
grande homem e por ests razio que insistimos
neilas.
Ser possirel qae Guizot esteja de accordo oes-
te ponto com Rousseau, e que por conaequencla
v cabir no absurdo de Bayleque urna socieda-
de de christos nao poderia subsistir ? Cusa-
nos a acreditar.
A historia ahi est com toda a luz de sua rer-
dade para nos attestar a grande influencia que
aobre o mundo social tem exercido o christia-
nismo ; que tendo de estabelecer-se entre os
homens, ene tem tambem o seu lado social, tra-
ba lha tambem para a felicidade da trra.
Rousseau mesmo vencido pela rerdade formal-
mente se desmente quando reconbece e confessa
que em urna sociedade dominada pelo espirito
chrlslo cada um cumpriria seu dever ; os po-
ros seriara aubmetlidos s leis, os cheles seriara
justos e moderados, e os magistrados seriam n-
tegros e incorruptiveis. E o- que seria preciso
mais para a felicidade de um tal povo ? E urna
sociedade por tal modo constituida nSo abrigara
em seu seio os direitos da liberdade ? nao pos-
suiria as garantas polticas elevadas sua mais
bella plenitude ? por certo que sim.
Tocamos nestas patarras do erudito- escriptor
fraocez porque dellas se pode tirar urna conclu-
so, que com todas as torcas repellimos ; e que
os povos sujeitos ao dominio do papa Bao podem
gozar dos direitos politicos, que conatiluem o
cidado, e que eates direitos, quando exlstam pa-
ra elles, nao Ihes podem ser slidamente garan-
tidos. Rejeitamot a concluso filha de um fabo
principio.
E nao de estranhar a consequencia : quando
homens .taes como Guizot, que tazem dessae ma-
terias o objecto especial de seus estudos, se en-
gaara sobre este ponto de ama maneira te> de-
plorareis perguntaremos com Raimes, de ad-
mirar que o mesmo succeda com a turba dos es-
criptores ?
Os direitos politioos foram melborados, torna-
ram-se mais perfeitos depois da uneco do chris-
tianismo ; o qae eram elles nos paizes pagaos, o
que sao ainda as naces segregadas da religio
do Christo ? Nome rao, porque onde o christia-
nismo olo chegou a eacrsvido permaneceu qual
abutre roedor das liberdades nacionaes.
- Ora se o soberano pontfice o que se acha
aummameate penetrado da theoria catholica, se
elle, mais que ninguem, a condece fondo, cla-
ro est que em principio nao pode ter admiasi-
rel a concluso que combaremos, porque dentro
das rayas do calholicismo que se achara encer-
rados os rerdaleiros direitos politicos. E' im-
possivel negar, diz Andr luiz Maazrni, impos-
sirel negar que Roma seja hoje mesmo a base
lgica de todos os direitos, de tedos os poderes
da relha Europa.
Sim, Roma e ser sempre a salvaguarda de
todos os direitos ; ser o baluarte inreocire' de
toda civilisaco. E, note-se, Maszini nao de-
fensor dos papas, nao amigo da erte de Ruma.
iir
Independencia do poder politice 1 Mas quem a
nega ? nao seremos nos, que nao desconhecemos
suas prerogativas e seus direitos,. nao poremos
em dunda a sua necessidade: um poder depen-
dente perde o seu carcter de poder.
Nao ae deve entretanto confundir um poder in-
dependente com um poderdeseofreado : tudo tem
suas limitacespor consequencia, tambem o
poder tem aeus marcos, alm do quaes nao po-
de ir.
0..10 sAo psap marcos? sao as taya uo >ua.
atlribuicoes; dentro dellas toda independencia,
fra dellas nenhuma ;. porque ento vencera o
syatemas das absorpees e em ver de indepen-
dencia appareceria a mais completa dependen-
cia.. Como comprehender-sa que rasoavelmente
os poderes de urna sociedade poaaam ultrapassar
as bausas dentro das quaes derem estar legti-
mamente circurescriptos? E desde que se apre-
aentarem essas aberraces, como reclamar liber-
dade e independencia para ellas? Seria plantar o
reinado daa inrases reciprocas, seria saaccionap
o direito da forcea : anachroniamo estupendo no
p em que se acha- a civilisaco.
O mundo soial se acha repartido em tresclas-
ses de sociedades, que constituem a biersrebia
dos poderes uoiversaesfamilia, estado e egreja;
sociedade que, na judicioaa reflexo do illustrado
padre Ventara, teodem perpetuar a aeco do
Deus Creador^ do Deus Conservador e do Deus
Santi/fcador.
Se aoalyaarmos a natureza destas tres socieda-
des veremos que a primeira um fragmento da
segunda, e eata urna parle da terceira : d'onde se
segu qae s a egreja marcha iadependente dos
poderes da ierra. E o que dizem estss grandes
palarras de Bossuet: tudo est submedida a es-
tas chavesreis e povos, pastores e rebanhos.
Entretanto isto nao quer dizer que os outrbs
dous poderes deixem de ser iodependeotes; con-
serrando debaixo de urna outra retac&o urna cer-
ta dependencia necessaria sua existencia-; risto
como s assim pode ser sustentado-o equilibrio
do* universo.
E' assim que na ordem domestica o poder pa-
terno gosa de urna intelra independencia a au-
lortdade qual obedece toda a familia;mas
quando se considera este poder em seus zelos
com o estsdo, r-se quebrada a sua independen-
cia porque na ordem social ella um poder infe-
rior, e da natureza dos poderes inferiores serem
subordinados e obediente aos poderes superiores
omnis nima potestatibussublimioribus subdi-
ta sit. Entretanto.ninguem se lembrar de dizer
que a autoridad* domestica oo teja acompa-
nhada da independencia inherente sua mes-
ma manutenco ; de que a familia se acha no
estado, oo se segu que seja absorrida e ani-
quilada por elle.
Pois bem ; o que se d com o estado em re-
laco egreja; posto que, o estado eotre na
egreja, todava, ella oo o absorve, nem o ani-
quila ; pelo contrario elle qoem muitas rezes
tem pretendido supplanlar a egreja.
Falla-se, e falla-se muito, da influencia da
egreja na media edade. Has que significaco
tem na historia esta influencia? o que coovm
examinar antes de aventurar proposites arris-
cadas.
O predominio da egreja na poltica temporal dos
estados na edade media tem sua justificado ; jus-
titiccao, que alias oo lhe poda ser recusada de-
pois de um acurado estudo da historia.
A egreja, em continuar as necessarias relaedes
cora os estados, tem como elles toa poltica, qae
de maneira alguma te deve perder de vista : te o
estado dere manter a sua independencia, tambem
a egreja dere conserrar a soa; o que explica a
luta da edade media.
Andr Louit Mazzinl nio suspeito e entretan-
to diz:
< Os pspas [tu media edade) se reconhecendo
possuidores do rerdadeiro direito, da idea, da in-
diligencia, do principio realmente moral e cir|-
lisador disputaran! por muito tempo aos impera-
dores sen direito puramente histrico. E' auim
que os papas eram eolio em preseoca da desor-
den, da aoatchia desies. seculos o poder nova-
dor, a principio por assim dizer revolucionario, o
principia do progeesto do (uluro. Por isso ellas
represeniavam o priocipio positivo da accio syl-
logiaticaa do lempa.
A ac(iot portaoto, da greja na poca de qua
fallamos, nio significa outra cousa sania a reac-
Cio neceasaria para acoaservac&a da autonoma
eecrasitstiea: o procedimento da egreja nio po-
da ser outro. Deas, qu prometteu-loe ejrper-
petmdade, nio lhe recusa o auxilio mundano de
um braco forte e de u,m. espirito resoluto para o
governo quando se apreientam os tirapos de
tributacoes; quando snrgem centra a egreja
Lolnariff. Hei "
lud
bWs
lajas
O poder da egreja, pois, na
foi um poder diacrtcSMtrt
nio:
t atabe .
VH. til H
*.itjji5i
rao
edade media nio
sea fandomeaiao.
, a independencia eeelesisstica o requisiiara :
o mes'.oo protestante Voigt reconhoce este flm
nos actas de S. Gregorio VII. Elle te exprime
por este modo em sua historia" % Gregorio
['VII :
< Nao de modo algum possirel formular so-
bre este pontfice ama opiniio que rena todos
os pareceres. Sua grande idea, e alia s tae
urna idea, era a independencia da egreja. To-
dos os seus pensamenlos, todos os seus escriptos
e todas as suas acQes conrergiam, como raios
luminosos, para esta idea. Ella que devia dar
impulso sua prodigiosa actividade : como o
resumo de toda a sua vida e a alma de todos os
seus actos. O poder poltico tende naturalmen-
te unidade* Gregorio Vil quiz tambem dar a
unidade egreja, elevando-a cima de todos os
poderes do mundo... Tomar este poder, conso-
lidado, estender sus accio Aobre lodos os secu-
los e sobre todos os povos, tal foi o cooslante um
de todoa os esforcos de Gregorio, e, sua intima
conriego, o dever do encargo, que havia recei-
do do cu... Suppondo mesmo que intimscio da
antiga Roma, elle Uvera o projecio de dominar
sobre todas as naces quem ousara coodemnar
os meios que elle empregou para o conseguir, se
se considerar, sobretodo, que elles eram nica-
mente no interesse dos poros?... Para julgar
seguramente aeus setos, 6 preciso antea de ludo
examinar em que coosisliam as ,verdadeiras ne-
cessidades de seu tempo. Que o Allemio res-
slnta urna generosa todignaco pela lembraoca
de sea imperador Henrique IV humilbado em
Canosss, que o Francez se iodighe pela recorda-
do das severas liges dadas Felippe I, isso
ninguem causar admirarlo. Mas o historiador,
que considera os sconlecimentoa sob um aspecto
mais geral, deve estender suas vistas alm dos
limitados horisontes em que os francezes e os
allemes liiam as suas, e assim elle ehega con-
siderar como muito justo tudo o que fez oygrande
papa, se bem que oulros o cuodemnem... Os
mesmos adversarios de Gregorio VII se rem for
Cados confessar que a tda dominante deste
pontfice, a independencia da egreja era indis-
pensavel para o bem da egreja e para a reforma
da sociedade, e que para consegui-la couvinha
quebrar todas as cadeias que ligaram a egreja
ao estado em grande detrimento da religio ca-
tholica.
Eis como falla um protestante respeito do
maisproemioente rulto da media idade: nao po-
de trahir a sua conaciencia na rerdade da his-
toria. E'assim que o mesmo protestantismo se
encarrega de apoiar e defender oque muitos ca-
tholicos negara e eembalem : e nao ae pode jus-
tificar o procedimento desses caiholicos. ra-
dam contra a depozieo de Henrique IV feita
pelo iodicado pontfice". Mas que querem '!A
luta se empeohou entre a egreja e o estado ; o
imperador tere de, com o teu direito material,
pretender depor o pastor catholieo, o poder mo
ral de Gregorio VII, preraleceu, o imperador foi
deposto. Que he ah de repugnarel ?
Nao se deve esquecer a idea que predomina-
ra nessa tempo. Entendia-se que todo o poder
dos reis provinha da aagrseo ; c oa papas eram
umversalmente reconhecidoa como delegados da
divindade da qual dimana a soberana; e os maio-
res principes procuravam na sagraco a saoceo,
ou para assim dizer o complemento de seus di-
reitos. (J. de Maistre) *v E' desta persuaso
intima em queesiavam os poros que proveio o
dilalameoib do poder dos papas e a grande in-
fluencia que elles exarceram na idade media.
Quando os povos riam um rei deposto diziam
entre sii necessario que este poder seja muito
alto, mui sublime e mui superior a todos osjuizos
humanos pois que nao pode ser censurado sendo
pelo vigario de fesus Christo. (De Maistre). E
deste modo os papas coocomam para mantera in-
riolabilidade da soberana dos reis.
c Gregorio Vil, Alexandre 111, Ionoceocio,
Mu llar, historiador da Suissa quem assim falla,
oppozeram um dique torrente, que ameacars a
trra ; suas mos paternas salvaram a hierarchia
em sua decadencia, e com ella a liberdade das
naces. E ainda Muller "protestante.
J se v por consequencia que- a influencia da
egreja na media idade foi influencia toda benfi-
ca para o universo, que nada teve de prejudicial
causa dos povos e dos reis: foi ao contrario
ella quem harmooisou esses dous iateresses e deu
impulso a civilisaco : Durante a media eda-
i*>. d'- adoiiuh poca cui i|ua ao nuijOc ele-
mentares da ordem social tinham quasi desap-
parecilo, s o papado lalrez aalvou a Europa de
urna barbaria completa ; elle aproximou as na-
ces e tornou-se seu centro commum ; foi um
tribunal creado no meio da anarebia universal e
cujus arestos foram muitas vezes to respeitaveis
quanto respeitados; prereniu e detere o despo-
tismo dos imperadores, suppriu a falla de equili-
brio e diminuiu os inconvenientes do rgimen
feudal.
Tal foi a conducta da egreja na edade media.
E o estado nunca procurou invadir a esphera
das allribuiceeeda egreja ?
IV
Vos, que tanto ros encolerisaes com as chama-
das invasoes da egreja, porque nao leraes em
conta o procedimento que para cora ella tiveram
e ainda hoje tem os estados ? Gritaes contra os
poderes de Deus, porque oa- alcaes rossa roz
contra os poderes da Cesar ? Conserrae ao me-
nos o mesmo espirito do juslica para com am-
bos elles : nao sejaes deaarrasoados ; ae oo que-
ris qua a egreja ioterrenha com sua necessaria
influencia aa marcha dos negocios politicos, nao
coosintaes tambem que estes sa intromeitam no
gorerno ecclesiaslico, porque, como nao vos
licito dasconhecer, esta sua ingerencia sempre
prejudicial e funesta A causa da egrejs. Estas luc-
ias, que a egreja tem sustentado e que de or-
dinario- se appellida de invasoes nao sao seno
outras lautas reaccoes, que ella tem feito s in-
terferencias indebitas dos poderes polticos.. *A
histonia ecclesiastioa. se acha inteiramente re-
cheada destes tactos, que todo catholieo dere las-
timar.
d?tfoJ r'if 4 ?" jeta
direito de impor ao menor dos nafa
dir!
mpor ao menor dos fiis nem os qua-
troarligos, nem artigo algara de dontrlna. So-
bra est ponto todo g.llicano, ae anda catholi-
eo estsri de aefrdo com os ultramontanos :
Que o direito de pronunciar sobre a doutrina,
t s perienca ao podar espiritual, am principio
a de tal sorte recoohecido, qoesma heresia pode
cootesta-lo. (Ou Larja Muito atronamos dizer
desta dei-laracu Ilegitima e attantatoria dos di-
reitos da egreja que aproare aoclero francez or-
gsnisar por ordem de Luiz XIV ; dispeosemo-
nos disto, porque nosso proposito apenes citar
os fados, sem que precisemos commeota-los.
Quem descoohaee as ioleociaa iYeibitrarie-
dades de hontem pralicadat palo Imperador Na-
poleio e mesmo no tempo de teu coosulado ?
Quera nao se lembrar do martyrio que elle In-
fligi ao respeitavel pontfice Pi Vil am de
lhe arrancar algumas cezrceaadl contrarias ao
espirito da egreja ?
Queris, porra, ouvir o que 6 melhor alada 1
O gorerno de Luiz Philips teve a sem cteemo-
nia de dizer i aeus subditos que et dognteu ca-
iholicos nao paisana de simples opinies.Qao
lal ?Eis o gorerno temporal querando quebrar
e diminuir a forca de f, que derem inspirar a
patarra ds egreja ; eis os poderes da trra arvo-
rando-ae inspectores dos poderes do cea para do-
clarar que os seus dogmas nao tem nenhom ca-
rcter imponente : eis o protestantismo gover-
namental autorisando o lirre exama aobre o dog-
ma catholieo. E era um governo qara se difia- ca-
tholieo I
Estaramos aqu quando recebemos o Diario (Ja
da- Foi com extrema sorpresa, com repugnanto
admirago, que Umos es fataes acontecimento*
de Varsovia ; com dr vimos o randalisaao meso
ioradir o templo* catholieo o pratiear nelle ae
mais inauditas atrocidades. Vede este noro
barbaros no ange de seu furor io-adindo a casa-
do Senhor; rede o templo coberto de luto pela
violaco acintosa, que acaba de soffrer ; vede 08"
abbadas Paplaiorki e Lomewoski retidos naa mos
destes vndalos de nova especie ; vede as porta
do saoctuario cahindo trementes aos golpes sa-
crilegos dos machados dos espadares russos, o
sangue borrifaodo aslsgea do templo, aa imagen
rolando no chao, os sacerdotes guardas do sacra-
mento speramente iojuriedoa : coa-siderae, final-
mente, os horrores da pilhagem elevada su*
maior enormidade. E isto tudo no mc-meoto mes-
mo em que os nymnos laudativos e ao preces
subiam aos ps do Altsimo,
E como explicar este tacto do requintado vau*
dslasmo? E' o que diramos a principiepare-
ce qae todas as torcas do inferno se conjurara
contra a religio do Christo : ehegado e> tempo
de suas provaocas. o-,
Pobres polacos I nem a sua creaca religwe
respeitada I E o facto ha de ficar inclume...
Quem ir pedir satisfacoes Ru-ssia?s in-
trpido velho de Roma cuja voz oo pode ser
abafada pelas 500,000 bayonetas qae rodeaos a
aguia moscovita : suas garras nao araedronlam- o-
veterano da civilisaco.
A' vala do que levamos dito at- aqui nio >
possivel deiiar de censurar a conducta do estad
para cora a egreja: conducta ignobrl, procedi--
mentojvil e raesquinho, que por nea-hum modo
podem ser jurlificados. E nio sio sos- os- facto
que havemoe apresedtado ; sioda ha um que re
volta ao espirito mais fleugmalico.
V
Aoalysemos- a condeca do Piemoote-com re
laco a questo romana.
Tem havido-muitas machioaces contra-a egre-
js cada qual mais estupenda, mais horrorosa, ne-
nhuma, porm, l*o revoltante, revestid da ca-
racteres to affrootosos como a que actualmente
se dirige com toda arrogancia por parte do Pie-
monte ; porque ella tem sido calculada por ama
politica menliculoaa de 14 anaos, tem sido-o re-
sultado de um calculo infernal.
Em 1847 j so premeditara a borrasca,- que
com horrendo estampido acaba-de rebenlar, pon-
do em alarma todo o universo catholieo : o ata-
que primeramente dirigido contra os bispos ;
contra elles qae sao assestades as primeira
bateras da impiedade,
E- de notar a cootradiccio e a prereocio do-
Piemoote em 1847 ; quando se alardeara' de li-
berdade de imprensa, quando ella era exhube-
rantemenle proclamada apparece urna lei suje-
tando os eseriptos dos bispos censura previa'
de surte que, quando todos podism manifestar li-
vreraente seus pe-nsamentos pela imprenss, aos
patsores do rebaoho catholieo, aos guardas do-
doga*, aos promotores das sSas e verdadetras
noyes de moral era tolhida esta faculdade ; co-
mo se elles fossem os perigosos elementes da so-
ciedade ; porque, ao passo que se presta va coa-
flanga lodos os oulros cidadios, s dos bispos-
era ella retirada.
Nio que detestemos a censara previa, nio j,.
pelo contrario, abracamo-la reconhecemos a sua
necessidade : o que detestamos, o que combte-
nos aqui a inaugurado deata poltica filaucioj.
sa, desta manifest deaconfianca n'aquelles qu9
pelo mesmo Espirito Santo foram collocados pa-
ra reger e governar a aua egreja : Se todas sa-
livres porque nio devem ser tambem os minis-
tros do altar? Que males para o throno podem
resultar do altar? Previoe-se j d'aqui o sinis-
tro pensamento, que mais tarde o Piemoute dei-
xou pateniear-se claramente, v-te o espirito quo
o domina.
E d'ahi tira comeco um systema de prfida*
ascoes, de ravoltanies invasoes contra a. egreja.'
O Pie monte nao se limita esta primis e exe-
cranda tentativa ; elle segae nocaminho de saas
insidias machlnar, attentando sempre contra a.
soberana e liberdade da egreja: nometa em 1848.
urna commisso de leigos com poderes para en-
sinar o cathecismo e escolher os directores espi-
rituaes ; echega a absurda preteoco de croar
ama theorogia de estado. Ora urna theologie do-
estado come a quera o Piemoote, com oteira
suje'co dos Iheologos, diocesanos i. uniressida-
de de Turin, onde eram ensinadas aa tfaaotiao
maia contrarias egreja, nada meaos imprtenla
que a completa mutilacio do entino catholieo.
E, entretanto tudo isto era preludio par som-
bros futuros semeava-ae vento porque ti-
nha-se necessidade da tempestado.
Nunca estado alguos levara to longo o syste-
ma des sggressoes contra a S de Roma : notas
injuriosas eram dirigidas acorto romana ; Sicar-
de se aprsenla arrogantemente exigiodo do so-
berano pontfice o anandono de suas respectivas
dioceses pelos bispos de Tarim e de Asti, quan-
do nio havia umaa razio cannica, que autori-
sasse semelhante passo; pretexto de que a
santa s se havia oftstinoalamsnte recusado urna,
concordata, foi apreseatada. a ioauaJificavel lei
Sicardt.
E porque dizer-se que o.santo padre recusara
^^obstinadamente ama concordata, com o governo
do Plemonle ? porqae se havia negado satisfa-
zer aos caprichos da impiedad, oo coosenlindo
no que se pedia sobre os dous bispos de Turin o
de Asti...
Certamente a s de Roma alo quera de mauai-
ra alguma entaboLar urna concordata porque maa-
tiaha sua independencia a plenitude de sea li-
berdade.
O Piemontese havia tornado ocho de mal-
volas pretenodes, havia se erigido em anooio da
impiedadeda poca. O aapirito do mal es-jolbe-
ra a mesma Italia para pedra de escndalo do
universo, o qae mais para lastimar : a Italia,
que mais dote accio beneficente da egreja, a
mesma que dilacera o peito que a nutre, enter-
rando no coracao do seu pae o envenenado pu-
nbal da ingratidio... mas, nio ; nio este o es-
Querem proras t Eltas>io tantas, que groisos
rolumes seriam mesquinhos pata a sua exhibi-
Co. Em principio pedemos dizer que cada con-
cordata urna exigencia do estado contra-os di-
reitos da egreja, parque nao temos conhecimen-
tos de urna s destas traossecoes em que os go-
vernos nao sahissem de melhor.
Estabelecida a-a trra contra a rontade dos po-
deres de Gesar, e luctando constantemente com
os seas caprichos, a egreja nio tem ceasado de
ser perturbada e violentaba na legitima esphera
de suas attribuices; sua existencia na trra tem
sido umaaajucta permanente com o erro, ainda
mais que o erro com a tyraonia des Cesares..
Abr a hiatoria, folheaaauas paginas e ras con-
vencereis do acert deste nosso dito.
Igoora-se a arrogancia deste re Wiliza que,
era On> momento de um triste desrairameatoin-
terrompe bruscamente suas reiaces com a corle
de Roma, e chega i pretendo absurda e iojusti-
icavel de autorisar o matrimonio clerical, orde-
nando que seus subditos nio ebedecam s cons-
lituices prohibitivas de Roma, e ferindo assim
a soberana e independencia da egreja no qae
ella tem talrez de mais necessario, na sua dis-
ciplina geral, que, segundo Muzzareli, a voz
do dogma ?
Negar-se-ha a forte e pertinaz guerra, que da
cata de Tudor na Inglaterra soffreu a egreja ?
Mas s historia altamente protesta contra esta ne-
gaco; ella tem relracado em caracteres indele-
veta a negrido dessa rebelda. Henrique VIH 1 i pinto da Italia ; facamos-lha juslica ; a sua vos
foi soffocada pela da prfidas revolucionarios.
Foram poucos e pequeos os obstculos que este
adultero e luxurieso rei occasionou ao poder da
egreja ? faiendo proclamar-se pelo parlamento
chefe e protector da egreja ingleza que persegui-
Ces nao machinou e effecluou elle contra o cle-
ro catholieo ? Que maior ultrage e desrespeilu
autoridade da egreja unireraal do qae segregar
della seus estados, estabeleeendo urna egreja na*
cioot?
Etretanto com o coracio repaissdo pela mais
intensa dr o renerando dementa Vil viu sabir
das Qleiras do rebaoho catholieo esta sua parte
lio respeitavel. E isto jjnrque t Pdtque, para sa-
tisfazer teus Hbiainosaa deaeioj-^queria que
egreja romana abols, ou, uf manos, que
brantasse suas leis sobre a ioltaJolubilidade do
laco matrimonial. R, aemeibaaca da WMUa,
rirdtdfVu rege"do^^ mottl; mt olffind(l YRt, Naolaio, ^tefot BaniRie, %$j[pfi 4
ferida na pteoTtedh do anas pdales pon rei
atleW ha repreeenttnle da OttataNded-
poUc do tynnnn LuUXIV? Ri 4LU. poi
E o Piemobte represefju um Tidicalo papel
nesta forca, o instrumenro das sociedades se-
cretas : .albores destinos eatr,ram preparados
para a Sardeoha ; ella mesma trooou-os.f
Tal procedimento martyrisou o mais possirel
o coracio do peniiftce ; for ae maior transe de
tua dor que ella deixou escapar estas amargura-
das patarras :
Se ea treme, como S. Pedro, a virtude do
ferir os homens de caraeter de Ananias e Saphi-
ra, o se quitis* fatsr nso tilm, o .Vaticano
aervlra de tmale I diplomacia que ma tem tem-
preoogonad*. M
Aioda oo auge de tea toffrer I bondade ae ma-
nlfeata dominando o coracio do pontifico, ello
Conitoaataoo na apraaiacia tw cesad orla do
Piamonl^.
(Centinusrr-se-ha. ]
PERK, TTP|DE H. F. DE FARXi k fiLEO. \m*





Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ENHC1989Q_V6RHP3 INGEST_TIME 2013-04-30T20:35:38Z PACKAGE AA00011611_09897
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES