Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09892


This item is only available as the following downloads:


Full Text

lili IIXTi IIIUI 290
III
Ptr tres mes itiartriM 5f0t)0
Per tres eies veeeie'es 6f 009
._________ii __
TI U
SE60ID1FEIli
~

Perauea Parte fraiet para e sikseriater.
Ennnifi
E.XC ARREGADOS DA SUBSCRIPTO DO NORTE
Parahvba, o Sr. Antonio Alaiandrioo de Li-
ma; NaU|, o Sr. Antonio Marques da Silva);
Aracaty, o r. A. de Lemoa Braga; Cear o Sr.
f. Jos da Oliveira; Miraoho, o Sr. Manoel
Jos Martn Ribeiro Guimeres; Para, Justino
J. Ramos; Amazonas, o Sr: Jerooymo da Costa.
EPHEMERIDES DO HEZ DB DE2EMBR0. i
l U nova u II horas 57 mtaateeda tardej
9 Ou
PAK11UAS UU3IU>KK1U.
Olinda lodos os las as 9j4 boraa do dia.
Iguarass, Goianna, Parahyba as segandss
e sextas-feiraa. '
S. Antlo, Bezerros, Bonito, Garaar, Allinho
e Gsranhuns na tergas-feirat.
Pao d'Albo, Nazarelh. Limoeiro, Brejo,-Pes-
queira, Iogazeira, Floras, Villa-Bella, Boa-Viste, .
Ourir.ury e Ei as qua tas-feiras. Al Lu* n0T* aa 11 horas e 35 minutos da man:
Cabo, Seriohem, Rio Formoto, Una, Barreiros PREAMAR DE HOJE.
eta, P imentelras I fe,r89. | pr|mlli. .. A k.. u minnlot di manhia.
minatoa da tarda.
DAS DA SEMANA.
17 i u!r.l^lVft"w- ^ i?lM,">ha.J 16 Segunda. Ss. Ananias. Azarias eMizael no.
):.r^^^
da larde. lg Quarl|< N senhori do 0>. g Espirldio c.
31 La ora aallhoraae
PREAMAR E
Agua Prela, Pimentelras e Natal quintas tetras. I Prfmelro as 4 horae e 54
(Todo, oa crrelos partem aatO horaada manha) i Segando as 4 boraa a 30
19 Quinta. S. Fausta; S. Daro m.; S. Paurlllo.
JO Saxla. S. Liberato m. ; S. Foligooio b.
31 Sabbado. S. Thomap. ; S. Temiateeles m.
1 Domingo. S. Honorato m.: S. Floro m.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quinlas.
Relaco: tercas, quintas e sabbadosaslO horas,
Fazeoda : trcM. quintas e sabbados aa fO horas.
Juizo do commercio : qaartas ao mel dia.
Dito de orphaoa: tergas e seztaa aa 10 horas.
Primeira Tara do civil: tercas aeztaa ao meio
dia.
Segunda rara do civel
hora da larde.
quarlas e aabbadoa a 1
ENCARREGADOS DA SOBSCBIPCAO DO BUL,
Alagas, o Sr. Clandino Fileo Diae* Bahia,
o Sr. Jos Martina Alvos; Rio de Janeiro, o Sr.
Joao Fereua Martina. *
EM PERNAMBUCO.
Os propietarios do diario Maooel F.gueira da
Faria & rilho, na saa livraria praca da Indepen-
dencia na. 6 a 8,
PIRTE OFFICIAL.
Nialsterio da marinha.
Ri0 d Janeiro, era o !' de margo de 1861.
Illra. e Exm. Sr.Conviodo verificar se perece-
ra ra todas as pregas perlenceotes crrela O.
Isabel que deixaram de apreseafar-se logoslepois
do naufragio daqaello navio, recoraenle V. Ez.
as commandante da crrete Bahiana que, do-
rante a sua estala era Tnger, procure cora tolo
o empeoho oblar esctarecimenios a reapeito do
referido naufragio* e principalmente da surte que
ti vera m os infelUes nufragos que se spoos to-
rera fallecido.
Nestas invesligages ple'o
"JJaiano'ser muito auxiliado pelo'oosao vice-
cnsul em Tnger, 'com quem se dever enlea-
der a same'haate respeito, cumoriodo-lhe cam-
muniear a V. Ex., afira da treosroittir a eaia se-
cretaria de estado, as informaces que obliver
sobre este objecto.
Deus guarde a V. Ex.Francisco Xavier Paes
Brrelo.Sr. rice-almiraote baro de Taman-
d.r. ;:';->
i criado./. H. Drummond Uaj/. Sr. A. de An-
drada, encarregado de negocios do S. M. o Impe-
I rador do Brasil.
I
L"gago imperial do Brasil.Pars J4 de se-
lembro de 1861Illm. e Ezm. Sr. A inclusa
resposta, que me deu este governo, nio deixa du-
vida sobre a falaidade do rumor que oessa corte
foi espalhadode qne talrez sobrevi'essern alguos
das miseros nufragos da crvela D. Isabel.
Tomo a liberdade chamar a atteoco de V. Exc.
sobre a parte nal do oficio que a S. Exc. o mi-
nistro dos negocios eslraogeiros de Franca escre-
reu o respectivo oousul geral em Tnger. No
tempo nao cabe oje responder aos despachos
que de V. Exc, recib pela mala de 24 de agosto,
commandante da deTe.r <>ue lerei hoora de preeocher pela que
proximameote for de Southampton expedida.
Deus guarde a V. ExcUlna, a Ezm. Sr. con-
selheiro Joaquim Jos Igoscio.Jos Marques
Lisboa.
Rio de Janeiro, em 18 de jalho de 1861.Illm.
e Exm.. Sr.Havendo sido publicada em alguos
jornaes nesie imperio a noticia, que se diz ex-
trahida di urna gazeta de Inglaterra, de exist-
rem em poder dos mouros alguos individuos per-
teocenles guarnigSo da corveta D sabel-que
lograran salvar-ae do naufragio da mesma cor-
veta, e conrindo proceder-se s tolas as indaga-
ces que possarn iraser a coovicgo da exactido
-de semelhaote noticia, rou recomraeodar a V*.
Ex. qne pe os meios qne tem a sua disposic.o
procure colher ioformaces a til respeitt; ncao-
do V. Ex. autorisado, quando reriQ|us a exis-
tencia de algum ou alguna dos referidos nufra-
gos, quer na Barbaria, quer em outro qualquer
lugar, a fazer as despezas que forem oecessarias
para que voltem estes iolelitea ao nosao paz, sa-
cando V. Ex. para taes despezas sobr#a legago
imperial em Londres, e dando do resaltado pai-
te a esta secretaria ue estado.
Renov a V. Ex. as segunncas da minha per-
feita eslima e subida consideracao.Joaquim
Joii Ignacio.A S. Ex. o Sr. conselheiro birao
de Iliraarac.Idntica s legacea em Pars e
Madrid.Ao mioistro brasileiro em Londres fez-
ae idntica recommeodaglo, accresceatando a
commumcacao.da ordera dada s outraa legacea
para o saque sobre a de Londres.
1* seccao.Rio de Janeiro.Ministerio dos ne-
gocios da marinha, am 26 de oorembro de 1861.
Seodo possirel que nos hospitaes desse reino ;
e mesmo abe de Gioraltar, exialam algumas pra-
cas da queaperteociam guirnicao da corveta
D. Isabel, coovem qua V. S. procada s oecessa-
rias iadagaces palos meios ao sea alcance, ed
do resultado coota a esta secretaria de estado,
remetiendo, no caso afRrmalivo, orna relaco
das referidas pragaa, com declaracao dos coros
a qua pertencem. O goveroo imperial apera
que V. S. empregara para o bom desempeoho
atesta commissao o sea coslumado zelo e toteres-
se pelo servido publico.
- Deus guarde a V. S.Joaqun Joti Ignacio.
Sr. Felippe Jos Pereira Leal.
Legacao imperial na Gra-Bretanha.Londres,
8 de aetembro de 1861.Illm. e Ezm Sr.Tive
a honra da receber a confidencial de V. Ez. de
18 dejulho ultimo, em que, commuoicando-me
a notiea que publicaram alguaa jornaes desse
imperio de xisiirem em poder dos mouros si-
guas dos nufragos da corveta D. Isabel, recora-
tneodou-me V. Ez. que pelos meius disposico
desta legaco procuraase colher inormacos a
tal respeito. Aotes de chegar-me i mua eate
dessacho de V. Ex. ji eu havia recebido igual
communicacio do ministerio de eatrangeiros, e
sem perda da tempo hara escripto nao a ao Ti-
ce-censal do Brasil em Taoger, como ao Sr.
DrammonJ Hay, miaistro de Sua Magostado Bri-
tanmca em Marrocoa, pediodo-lhes que me ha-
bilitassem com suas competentes informaces a
melhor satiafazer a requisic&o daquelle minis-
terio.
Do noiso vice-consul anda nao recebi as que
delle solicitei; mas o Sr. Drummond Hay, com
a obsequiosidada com que nos tem servido desde
aquello infeliz naufragio, inmediatamente minia-
trou-me as qua V. Ex. encontrara no olicio que
por copia inclusa apresso-me a levar ao cooheci-
mento de V. Ex. Dessas informaces, cuja fonte
nao pode ser mais competente oem maia verdi-
ca, ver V Et. qae 6 inteirameate destituida de
fundamento, a eat bem longe da venado dos
fados a noticia que motivou o despacho 'de V.
Ex. Nao detxarei entretanto de traosmiltir op-
portunaraente a V. Ex. as informaces que anda
spero receber do cnsul do Brasil am Taoger,
sem coratudo nutrir a menor ^speranga de que
lias veoham destruir aa que j oblive do agente
official da Inglaterra em Marrocos.
Deus guarde a V. Es.Francisco Xavier da
Costa Aguiar de Andrada.
TradaccO.Legacao bn tan nica.Tnger, 26
de agosto de 1861.Senhor.Tenho a honra da
a"cusir a recepcoda sua earta de 10 do correa-
te, aa qual m pergunta se ha albura fundamen-
to para os boatos qae te eapaltiaram na H-spa-
oha a respaita da afgana marioheires da eorveta
brasileira D. Isabel que est o cap ti ros dos mou-
ros. Julgo pader afflrmar-lhe da maaelra a mais
formal que aemelhaates boatos Bao t na o meaor
vislumbre de verdade. Nanea ouvi aoteriormeo-
te a saa carta fallar em tal, e doro accrescentar
que oso s improravel, aaas aiada rapssire
que qualquer marioheiro europeo tenha sido le-
vado como captivo da costa em que aaufragou a
corveta para o interior, sen que au o soubeaae.
Posso de faci assegurar-lhe que, exceptuando
os districtos visinhis de Wadaaooo e a coilas de
Reef, de haqasreota annos aenhum europeo tem
sido reduaido a captiveiro, e que nao exiala em
-todo o imperio de Marrocos am s europea deu-
do nelle cootra sua vontade.
Para ana maior aaiiafacao a para a dos offlciaes
a marinhekos, screscentarei qne eonheco pes-
soalmeate todos os habitantes do diatriclo onde
occorreu o nanfragio. Teoho ali passado muitoa
Traduco.Legacao imperial do Brasil.Pa-
rs, 20 de agosto de 1861.Sr. ministro.Ten to-
se publicado era um jornal que baria fundamen-
to para acreditar-se que muitos dos individuos
que lograram escapar ao naufragio da eorveta D.
Isabel as coatas de Marrocos, achavam-se ali
detidos em captiveiro, esta noticia causou natu-
ralmente no Braail a mais consternadora sen-
sacio.
Por mais inverosmil, porm, que me parega
semelhaate boato, nao hesitaiei todava em oc-
cupara atteoco de V. Exc, rogaodo-lhe, noia-
tsrease da humaaidade, que aegurameoto V. Exc.
parlilhar, ae digne lar a bondade de transmitti-
lo s autoridades consulares sob suas ord-ns em
Mirrocos e em territorios limitrophes (visto nao
t las a Brasil neetas parageos), aflrade que, ve-
rificado o caao, poasam os meus iofelizes compa-
triotas encontrar auxilio e prolecco para reco-
brar a sua liberdade, e rollar patria cuss des-
ta legaco imperial.
Aa consideraces que procedem desculpam eate
meu passo ; nao me resta, Sr. ministro, mais do
que o de ver de agradecer antee ipada mente o ros-
sj caridoso concurso, pedindo-ros que ros dig-
nis aceitar ao mesmo tempo novas seguraogas
de alta consideracao com que tenho a honra de
aer.atc.--A. S. Exc. Mr. Thoaveoel, ministro e
secretario de estado dos negocios eslraogeiros.
Jos Marques Lisboa.
Resposia de Mr. de Thouvenel.
Pars, 17 esetembro de 1861.Seuhor.Aca-
bo de receber do conaulado geral do imperador
de Tnger urna resposta a instruccoes que. se-,
gundo o vosao pedido, eu Ihe havia dirigido acer-
ca do resgale doa oaufragos da crvela O. Isabel,
que, ae dzia existirem anda em Marrocos. Apres-
so-me ena traosmittir-ros copia do despacho do
nosso agente ; lastimando que nao posea elle in-
felizmente dexar anda a menor durida, como
rereis, sobre a morte de todos os desgranados que
se achavama bordo da D. Isibel na occasio do
sinislro.Aceite, eu. Thouvenel.
Mr. Pelliasier a S. Exc. Mr. Thouvenel.Tn-
ger. 3 de selembro de 1861 Sr. ministro.Te-
nho a honra de respender ao despacho que V.
Exc. dirigi-me em 26 de agosto ultimo acerca
dos oaufragos da crrela brasileira D. Isabel. O
goveroo brasileiro pode ter a certeza de qae nen-
hum dos individuos que compunham a guarpicao
da D. Itabel est captivo em Marrocos, e que to-
dos aquellos que nao apparecaram depoia do ai-
nistro da crvela, desgranada mente afogaram-se
quando procuravam gaahar a Ierra. A D Isabel,
alm disso, naufragou a duas horas de Taoger,
em lugar onde oa Europes nada tem a temer da
parta dos rabes. A miasina de Franca fez re-
centemente sepultar rini esquelcrtoa humanos
que o mar arrojara praia, a que Mr. Jacquet,
nosso eogenheiro do cabo Spartel, descobrio em
urna de suas ezploracoes. Tudo nos lera a cret
que taes esqueletos ao restos dos desgranados
nufragos da D. Isabel, devorados pelos peixas.
Dgoai-vos, etc.Conforme.O secretario da
legaco, //. L. Ralln.
Ministerio dos negocios estran-
Selrus.
Circular.Rio do Janeiro. Ministerio dos ne-
gocios eslraogeiros, em 22 de norembro de 1861.
Teoho a honra da levar ao cooheetmento do
Sr... que o goveroo imperial expedio pela se-
cretaria de estado dos negocios da fazeoda, se-
gundo me acaba de communicar o respectivo mi-
nistro, aa convenientes ordens s estacoesarre-
cadadoras da fazeoda publica para qu o sello dos
passsportes dados pelas legaces e consulados
eslraogeiros aos seus nacioaaes para risjar den-
tro do imperio, nos termos do art. 9o do decreto
o. 1,531 de 10 de Janeiro da 1855, seja pago ao-
tes dovistodaa autoridades designadas no de-
creto o. 2,466 de 21 de soterobro de 1839 : ou-
trosim que os passaportes vindos de paiz estran-
geiro s tkara aajeitos ao sello aa ae juntaren a
rquerimentos em juizo, oa quando depeoderem
do visto daa referidas autoridades, a antes
deste, para que o estraogeiro ae transporte de
urna para outra provincia ; ttcaodo entendido que
nao ae exigir mais de urna vez aquello imposto,
anda que o mesmo litlo sirva para diferentes
viagens.
Reooro ao Sr... ale. Beareouto Augusto de
Migalhes Taques.Ao Sr...
das, oecupvdo. na distraeco da cafe. Os seus Miciooar a etapa parairatameoto das praeas re-
hsbiiaotea sao hospitaleros ; demais, sabem que
seriara aeverameata punidos pelo goveroo se B-
zeseem mal ou ocealtsaaam a vo oaufrago, no
entretanto que seriara devidameola reeoaapenaa-
dos, reeelwndo-o bem e dando-lhe gasalhado.
Nao a primeira vez qua es jornaes hespanhoes
espatham boatos falsos, inventando historias de
Europaua captivos.
O g*verno auatruco, d cujoa negocias me aeho
ancarregada naate imperio, receben ha doas en-
osiofarauceada igual oatareza e lia falaaa co-
mo atas y aaaaeoa um vasa de goarra eaihar ii-
formacoaa, maa coma j diese, veriftcou-sa ana
dudo aao paasava, samo agota nao pasaaJde ta-
arentoadaiaapreosahaspatfuria. Se me tiveaam
respailo, aaa ao una juigeda de maa devaste
B atear-ttiaa, como apa teria apraaaado a ata
peeee* aneases ros para reegetaf eapvoa. fa-
zooao punir na qae aa b*aasea> redaziaa c tal
estado. Tenho a hoora do ear, seohor aocarre-
ftdo de oefecio*, ees maito ofendiente e kamUde
G0VERN0 DA PROVINCIA.
Expediente do goveruo do dia 18 de
dezerabro de lt.
Officio ao brigadairo Solidooio Jos Antonio
Pereira do Lago.Teodo designado odia de ama-
nha (13) ao meio da, para V. Ex, prestar jura-
meoto entrar uo exercicio do cargo de com-
mandante daa armaa desta provincia, para que
fora nomeado pelo goveroo imperial ; assim o
commuoico a V. Exc. para seu eouhecimento.
Communicou-ae ao commandante daa armaa.
Dito ao commandante daa armaa.Remello a
V. S., em aoluQo ao officio desse com man do de
12 de aetembro ultimo, sob o. 1480, copia do
aviso do ministerio da guerra de 18 de norembro
prximo fiado, relativamente r deapeza a fazer-
ae com o" pao alvo o rinho que o art. 62 do regu-
lamealo de 30 de Janeiro deste anno roaoda ad
colhidw as eoferra irlas militares e depsitos de
eonvalesceacia.Commuoicou-ae 4 Ihesoursria
de fazeoda.
Dito ao mesmo.Nos termos de saa informa-
gao de 5 de oovembro ultimo, aob n. 1,828, aca-
o de reeommaodar aoo'ireetar daaabraa milita-
tes que de hoje em diente renaque no Io de cada
mez a quaaiidade de gaz eoosunaiao noa estaae-
leciataotos militares, examinando ae meamo tem-
po o eatado do eoeanaaenao a dea Mena, reeom-
meodo aos gerentes da compaohiaeaau prompto
concert ae for necassark, e azen4o-o por si
quando for possirel e bourer pte|ulioea demora
por parte da aompaohia : o que. aacUro a V.
8. para sea eouhecimento, e aum de qae alpaca
o preeate diraelor
risado pelos cammaneanUa.atoa corpoe daqual-
qoar deabrranio que observara oec eaanamonto
do gaz.Fuerau~sa .aa neceaaarUa oommuoi-
cacoaa.
Diio ae impacto:' da IhesoararUdettsaanda.-"
Ifftiodo Dosieroo Ugaaa oe inclusos
WMBPO-
los, qne me foram remettidos palo commandante
superior deste municipio, com Oficio a) e hnntem,
sob n. 173. mande V. S. pagar os reocimento*"
relativos ao mez de norembro ultimo dos officises
do exercito, cornetas, tambores eclarins, eropre-
gsdos oos corpos da guarda naciooal do meamo
municipio. Coramunicou-se ao commandante
superior respectivo.
Dito so msamo.Recommendo a V. S. que es-
tando noa termos legaes os inclusos documentos,
que me foram remettidos pelo commandante su-
perior interino da comarca do Rio Formoso, com
officio, de 19 de oovembro ultimo, mande pagar
a Antonio Estero da Figueiredo a importancia
doa veocimentos relativos aos mezes de selembro
e outubro deste armo,dos guardas oa.ciooaes des-
tacados no diatriclo de Duas Barras, maoicipio de
Serinhaem.Gpmmunicou-sa ao commaodaote
superior respectivo.
Dito ao meamo.Faca V. S. constar a quem
competir, que com aviso do ministerio da fazeo-
da de 30 de norembro ultimo me foi remetido o
decreto de 23 do mesmo mez nomeando o 3* es-
criturario dessa thesouraria Joo Carlos Augus-
to de Figueiredo para igual emprego na alfaade-
ga desta capital.
Dito ao mesmo.Communico a V. S. psra seu
conhecimento, e afim de qae o faga conitar a
quem competir, que com aviso do mioislerio da
fazenda de 28 de norembro ultimo me fui remet-
tido o ltalo de 16 do meamo mez, pelo qual
nomeado Ignacio Jos A Ivs de Souzs para exer-
cer interinamente as funeces de ajudante de
guarda mrda alfaodega desla provincia.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Por conta das evenluaes mande V. S. pagar o
que se estirer a derer do resto da aubrence
coucedida ao emprezario do theatro da Santa
Isabel Germano Francisco de Oliveira.
Dito ao mesmo.Teodo aesta data concedido
a auiorisacao qne soliciten o director geral da
instrueco publica, em officio de 7 do correte,
sob n. 368, para que a directora do collegio daa
orphas possa vender o paono perteocente aquel-
lo collegio e comprar com o seu producto urna
machina de cozer que se faz precisa aquella es-
tabetecimento : asaim o communico a V. S. para
seu conhecimento.Commuoicou-ae ao director
geral da instrueco publica.
Dito ao coronel Joaquim Cavalcanli de Albu-
querque.Com a inclusa copia do officio do di-
rector da reparlicao das obras publicas, datado
de Bofetean, e son o. 278, respondo ao que V. S.
me dirigi em 29 de norembro ultimo, relalira-
mente a obra da bomba em coostrueco no 7
laoco da estrada do norte.
Dito ao capito do porto.Recommendo a V.
S. a expedico de suas ordens paca ser capturado
o aprendiz mari.iheiro Fraocisco Loareoco, cujos
signaes caractersticos constara .da fitiaco junta
por copia, o qual segundo declarou o inspector do
arsenal de marinha em officio datado de hoolem I
e sob o. 38, morador na Taquera, estrada do
rio Goianna.Communicou -se ao inspector de
arsenal de marinha.
Dito o iospector do arsenal de marinha.Sr-
va-ae V. S. de informar acerca da que expde D.
ifeoriquela Steppla da Silva na incluso requeri-
mento que vai coberto com ioformacfeo do seu
antecessor,declarando ao mesmo tempo por quem
se acha oceupaeo o 2* andar da casa em que
mora a supplicaote, so fui am virtude de ordem
dessa inspectora e ae oinquilino
Rita de Cassia Pacheco Oaoria.Informe o Sr.
Dr. director geral Nda instrueco publica.
Bociedade Typographica Peruambucana..Pas-
ee proviso apororando os estatutos e conceden-
do licetiQt para poder continnar ga funecionar a
asuedade da que trata.
COMM ADT DAS" ARMAS.
Quartel do commando das armaa de
Pernarhbuco na eldade do Becife
em 13 de dezembro de 1M61.
ORDBM DO DIAN. 1.
Tendo-m S. M. o Imperador, por decreto de
30 de outubro do correle anoo, honrado pela
segunda vez com a oomesco de commandante
das armas dasta provincia, e de cujo emprego
eotret hoje em exercicio: assim o fago constar
a guaroico para o seu goveroo a deudos (ios,
esperando loda a coadjuvaqo dos senhores com-
mandantes dos corpos para o bam desempeoho
des meus deveres.
Ficam em vigor aa ordens do mu digno ante-
cessor, emquanto as necessidades do servico nao
permittirem que ellas sejam alteradas, modifica-
das ou revogadaa.
Fajo igualmente constar; qae teodo nesta
mesma data despeosado o Sr. mejor do estado-
maior.de 2* classe Sebsstio Antonio do Reg
Barros, do emprego de ajudanle de ordeos, que
ezercia interinamente neste qusrtel general te-
nho nomeado para o substituir no caract
Foi assim, que V. M. poz~um termo e debates
esteris, e a addiameatos preiudiciaes, particu-
larmente por occasio da discasso dos provectos
das linhas dos camiohos de ferro, a daa coauices
con que devia ser concedida a ana axploraco.
O imperador reeorda-se sem davida, qjia foi a
ingerencia das cmaras na adminislraco, qne
motivou a ioferioridade do nosso paiz,. em ludo
quanto concerneote 4 execuco dan. grandes
vas de communicaQo.
Com effeito, multas vezes foram regatados pro-
jacios apreaentados pelo goveroo, ora por ques-
tes de tratado, ora por causa dos lermos am que
era feila a concesso.
Uos queram que a execueo dos eaminhos de
ferro fosse confiada a companhias; outros recia-
maram-na para o estado, e. eolre estes doussys-
teroas. o interesse geral ficava quasi sempre no
esquecimeoto.
O projeclo do < senutus-coosultus de 25 de
dezembro do 1852. tere por fim decidir que lodos
os trabalhos de utilidade publica notavelmenle os
desigoados pelas leis de 3 do maio de 1841 e de
21 de abril de 1832, seriam ordenados' e autori-
zados pelo imperador, da mesma forma que todas
as emprezss de interesse geral.
Os crditos destinados a essas emprezss e tra-
balhos deviam ser abertos, segundo as formas
presencias para os crditos extraordinarios, e
submettidos ao corpo legislativo na sua prxima
sessso.
O senado fez ama roodflcio a esse projeclo ;
---------------------er de meu .
haiiha! L tJ Ve\Oa' f* le,nen"'nd0^ a uldade de abrir crditos por meio de decretos
vn al '. Th""1""" ,0S^ P.e T* oi Umilada ana trabalhos eiecut.do por conta
:.TJ*li*?y*P'il'a*'* *'"******** do estado, e se eases trabalhos ou emprez.s ti
lelhe da guaroico emquanto um outro official
oo for nomeado para este servico ; ficaodo eo-
tranto esta oomeaco dependeodo da approra-
Qo do goverpo imperial. ,
Assigoado.Solidooio Jos Antonio Pereirs
do Lago.
Cooforme.' Joaquim Jos Pereira Vianna,
(eneote-ajudanle de ordeos.
- 14 -
ORDEM DO DA N. 2.
O brgadeiro commandante das armas
blico para conhecimento da guaroico, que o Sr.
pharmaceulico alteres do cor^o de saude do exer-
cito Benjamn Ciocinato Utioguasi, removido da
provincia de Sergipe para esta, segundo consta
a ordem do dia do exercito o. 279. de 9 de ae-
tembro fiado, apreseotou-se hootem neste quar-
lel-general.
Assigoado. Solidonio Jos* Antonio Pereira
io Lago.
Cooforme. Joaquim Jos Pereira Vianna,
lenle ajudante de ordens do commando.

faz pu-
EXTERIOR.
F ramea
Memoria apresentada ao imperador Napoleo.
ida em sesso do consetho privado e do de
ministros; no paco das Tulkerias.a 12 de no-
tmbro de 1861.
TSenhor.O imperador permtttio ao aeu gover-
oo qu lomease, para com o corpo legislativo, o
compromisao de apreseotar ao senado um pro-
jeclo de modificaco o c senatus-coosultua de
Jta de dezembro de 1852.
Vou pois, em conaequeneia desla
tem direito a vou pois. em conaequeneia deala modificaco,
niu .J,'a ., u,- seKU0',0 utonaaco que V. M. me concedeu,
uno ao director geral da instroccao poblica. submeller ao seu voto aa refiezes, que a mioh
rara cumprimento do aviso do ministerio da agri- experiencia e dedicagao me lospiram.
-lo-
cultura, commercio e obras publicas, de 8 de uo- bet com tanto maior conrencimento porque o im-
vemoro ultimo, queira Vmc. enriar-me ae existe perador oo ter de certo esquecido qual foi a
oessa repartiQao urna carta desta provincia. i parte qne tomel na elaboracao do acto imoorlan-
iio ao eogenheiro fiscalSirva-se Vmc. da te. que ae traa do modificar. x
?L r"?e com a 8oa o,ori?aS50 a ""eapooder1 Os vicios do svslema que reaia as nossas fioan-
coovenientemente o aviso mcluao por copia, que cas, no momento em que V. M. submetleu este
me fot dirigido pelo Exm. Sr. ministro da agri- acto aecco do senado, j vio longe mas o ara
cultura, commercio e obras publicas em data de bem apreciar a importancia do fim
--------que o impe-
rador se propoz, ao lera intil remootarmo-nos
ao passado.
Sob os govarnos precedentes, a tendencia da
cmara dos deputados foi iavariavelmente, a de
se apoderar da adminislraco em todos oa aeus
14 de novetobro findo.
Dito so conaul de Portugal.Em additamento
ao meu officio de 23 de oovembro prximo findo,
transmuto ao Sr. Dr. Jos Heoriqoea Ferreira,
cnsul de Portugal aesta provincia, para aua
acieocia iocluaa copia de um officio do delega- ramos e pormenores.
do do termo do Rio Fsrmoao, que eom officio de Esla teodencia manifeslon-se, aobreludo pela
7 deste mez foi -me enriado pelo chefe de polica exageraco da eapecislidade ob'rigatoria que ae
a do qual consta qae foi proeessado e vai ser quera iolrodazir na applicaco genuinadas som-
submettido a julgameoto peraote o jury o indi- maa rotadas, psra oa diversos ramos do serrico
viduo que espsneou oaqaelte termo o subdito publico, meamo os menos importantes,
porluguez Joaquim Teixeira Arouxa.Reliro ao I Os capitulse divtsoes do orcameolo pouco
Sr. cnsul os meus protestos de estima e consi- I numerosos ao principio, mnltipcaram-se pro-
deraco. i gressirameote.
Circular todas as cmaras.Sendo conside- O ornamento votado com dezoito mezea de au-
ravel o consumo do tabaco em lodos os pontos do tecipacao tioha o inconveniente de fazer com que
globo, e receaodo-ae que da actual guerra civil icertoa ramos do servico ficassem dotados narra.
oos Estados Unidos da America do Norte e do a- mente, ao passo que ^tT^t^^eS^^^^^^S!VVS!' conle,,
baadono em que a cultura desse genero t.m ca- eoaaidaravel. H "** -oUs-' ?,r.i.,-T.?!.r,"0.'Qr,eC2'0. qe a8 desP-e"
genero
hido oa Allemanha resulte grande diminuico na
sua produccao em curaprimento das ordeos im-
periaes recommendo cmara municipal de......
que enride todos os seus esforcos para que os la-
rradores e seus muoicipes ae compenetren) da
conveniencia de se entregarem em maior effica-
cia a interesse ao cultivo daquella planta, que
sem davida compensar em immensas raotagens
os sacrificios que fuerera. Por asta occasio da-
claro a cmara municipal que a aociedade Auxi-
liadora Industria Naciooal, se acha iaeumbida de
diligenciar a ootenco da aementea das melborea
especies de tsbaco para eerem distribuidos peloa
agricultores que aa solicitar.
Dito aoa ageotea.Podem Vme. faiar seguir
para o norte a hora indicada em aeu officio da
hoje o vapor Oyapok procedente dos portos do
MI.-
Porua:O presidente da provincia, atteadeo-
do ao que Ihe reqaereu o alfares da primeira
companhia do balalno numero nove da infanti-
na Srcuodino Ayrea Velozo de Mello, e teodo
em viata o parecer da junta militar de aaude, re-
aolva coocader-lhe^dous mesas de lieenca na for-
ma da le para tratar de sua saude fora da capi-
tal.Communicoo-sa ao commandante das ar-
mas.
Dita.O presidente da provincia resolre no-
mear fre Joo de Nossa Seohora do Roaaria,
para servir no hospital militar na qualiaade de
capellao contralado.Fizeram-se as communica-
cosa neceaasrias. '
do
Expediente do eeretario
governo.
Officio ao ioapector da thesouraria da fazenda.
S. Exc. o 8r. presidente da provincia manda
transmittrr V, S. a inclusa ordem do thesouro
nacional soba. 13.
------.
Despachos do dia 1 de dezembro
de lHtil.
Re?urim*ilo.
Antooio de Deus Teixeira de Oleada Rosa.
Ioforma e-Sr. director geral da instrueco
blca.
Ignacia Mara de Saof Anna.Iaforme
director geral da Instrueco publica.
Joaqarim Piaeisco Manes Junte-ae a
Jaa MnaataM dea Aejoa^-lofo^ 0 g
dsreclar gfevat di malruecio publica. .
Manoei Pedro de Gaatro Laaa.Informa
inspaatar da thaaonrara proriactaL
pu-
.n
o Sr.
Pa^a4a^aMmM^eOllt4M.B|lB tem
Esle erro era muitas vezes premeditada, pois o
governu tioha a ficuldade de occorrar a deape-
zas publicas, por meio de crditos supplementa-
res, concedidos sem o consenso preliminar das
cmaras, o os ministros reduziam muitas rezes
os seus pjdidoa para evitar aa discuaa-s.
Aa regrWda contabilidade oo permittiam que
o excedente dos fuodos rotados, para um ramo
do servico fosse applicado a outro ramo; de aor-
ta que no fim de cada exercicio, certos crditos
por falta de applicaco, deviam ser annullados,
ao passo que outros novos, estavam abertos para
supprir insuficiencias recoohecidas.
Daqui rasuluva a impossToiiidade de demons-
trar com precisao a situaco finaoceira, a de vo-
tar os recursos da accordo com aa exigencias,
sem ser pelo movimeito da divida fluctuaste e
da operacea de thesouraria.
Depoia da revoluco de 18J0, quando o poder
parlamentar tomou um grande incremento, nao
tardou muito que novas exigencias apparecessem.
Traduirara se estas exigencias pela aubdirso
dos diversos orgameotoa; em um grande numero
de captulos a por urna nomenclatura, inscripta na
le do orcameolo, daquelles captulos sobra es
quaas gorerno linba o direitdda abrir crditos
durante o interrallo das aesaoea.
Precauco intil foi esta, pois esta lista, depoia
de urna luta continua doa oioiatros contra ae
commisaes de fazenda, acabou por coaapreheo-
der mais de setenta e cinco capitulo.
A tribuna, a principio, e depoia a impteosa do-
rara a estes debatea grandes proporcea. Attaca-
ram vigorosa menta a adminislraco daa fi nangas
e tornaram-na suspeita opiniao. '. '.
A reformadas uangas toruou-aa as eleigoes
urna arma centra o goverao.
Oa trialea efeilos deaaa lulas parlamentares
aram ma ligo para o* que oa tinham seguido, a
oo admittia duvida -qne oeste ponto havia um
escolho, que qualquer governo aova mente cha-
mado aos oooaelhoa da.oorAa devia avilar, fista
opioiao orticra-ae anda mais, em cooseqaea-
cia daa tentativas fallas a I8U, pelo corpo le-
gislativo, eeaeee oaanMeaUram ao reiataro da
aoatmista* M oreaaieBto.
Aaaim. aire aa mediaoaedee a iotrodutir na
oaalitaicio de 144a jaaetfb da 18&2, n imoara-
dor, adeueadaatemanta oa certas pveragativas
eonfarsaae ao no*o rgimen s, Franca, rclamoir
em priroatro lugar, urna reforma, Bo'aystama fl-
oanceiro do paiz.
fe Sr. NA* s quit toatar el mvareentetudo qunlov
eoata a noaaa aa nK. .M..rf. ....>.. i. _.
' Pwee Mia cetceado ao'podr na ro
nham por coo ligo subsidios oa eocargoa do the-
souro, o crdito nao podia ser concedido, seoao
por orna lei votada, antes do projeclo ser posto
em execugo.
Quanto ao orgamento, o art. 12 do mesmo c se-
natus consultas decidi qae seria apresentado
ao corpo legislativo cora as suas divises admi-
nistrativas, por captulos e por artigas, mas que
seria votado por ministerios.
A repartigo por captulos do crdito concedi-
do parsesda ministerio, devia ser f-ita e regula-
da por decreto do imperador por consulta do coo-
selho de estado. Eoiflra, pelo mesmo artigo 12,
concedeu se ao governo a faculdade de operar,
por meio de decretos do imperador expedidos da
mesma forma, s trsnsigo de fundos d'uns cap-
tulos para outros. Era com o fito de evitar o re-
curso a crditos supplemeotares,que osensdo da-
r ao goveroo este novo meio de fazer face a
eventualidades.
Tal a economa do nosso systems financeiro,
e os ataques de que elle foi alvo de modo algum
que parecer fuodados. Atlribuem-so Ihe couse-
quencias cuja responsabniade nunca Ihe pode-
rla ser imptala, e o remedio que Ihe propem,
a dirso da votagSb por captulos, nao produzi-
ria o resultada que de tal meio se espera.
Voltar pora estmplesmente especialidade por
captulos dealocaria apenas a responsabilidade,
fazendo iotervir o poder legislativo na adminis-
trago. mas nao resta bel eceria o equilibrio as
oosaaa fioaogaa. Comtudo, como V. M. promelteu
a diviso por grandes capilulos, nio v-j,o grande
inconveniente nesta modificago, com tanto que
os captulos encerrem s grandea divises. Mr.
Dupio disse coro razo: < Todos os orgameotoa
sao apresentados e votados com um accrescimo
de receita, e s final encerram-ae com dficit.
Esle oslado da coasas nao novo, e logo que a
mais- rigorosa especialidade era exigida, por
exemplo de 1810 s 1847, o equilibrio do orga-
mento oo se mantinha melhor. Teoho vala a
somroa dos crditos supplemeotares'e extraordi-
narios abertos oeetes oito exercicios: sobem a
mil e duzeotos milh*s pouco maiaou menos, e
as aooullagdes a 150 milhes por aono. E' ver-
dade qua oa annos de 1840 e 1811 exigiram dea-
pezss extraordinarias porcauss da crise do Orien-
te, e que os orgameotoa da guerra e da marinha
excepciooalmente se elevaram nos ditos annos.
Se comprennos com este periodo os oito se-
nos decorrfdos de 1851 a 185, forcoso ser re-
coohecer que as deapezas, durante este ultimo
lotervallo, foram mais considerareis, mas devo-
raos tambera attender influencia maligna que
sobre aa nossas fioaogas leve a guerra do Orien-
te. De 1851 a 1858 os crditos supplementares e
extraordinarios nao montaram a menos de 2,400
milhes, isto 300 milhes, termo medio, por
anoo.
Se dedutirmos d'aqai ss despeazs da guerra
do Oriente, aa quaea se elevara a 1318 milhes te-
remos para o segn jo periodo 1030 milhes de
crditos supplementares e extraordinarios, ou 13t)
milhes por anno.
Nao haveria fundamento para contestar a exsc-
zas extraordinarias de 1840 a 1841 teriam modifi-
cado os termos deste calculo, pois, em compensa-
gao, a oceupago de Roma pesa sem ioterrupgo
nos nossos orcamenios.
A difTerenga entre os dous periodos alm dis-
so a favor do ultimo ; e explica-se em parte pela
faculdade da applicago diversa dos crditos vo-
tados, para determinados e flxos ramos do servi-
co publico, que existi de 1853 a 1856.
A datar de 1857, a influencia dos desvos de
applicago das aommas votadas tomou-se quasi
aulla, porque a lei de 5 de maio de 1855 e o de-
creto imperial de 10 de oovembro de 1856, mo-
dificaran! anda maia a leglalaco a deciiiram que
a datar do Io de jaoejro de 1857, as traosferen-
cias de crditos de um para outro capitulo seriam
reservadas par fazer face, depois do pnmeiro
aooo do exercicio, aos dficits daquellaa verbas,
cujas exigencia a fosse necessaro satiafazer. Ora,
esta modificago est em opposic.no directa com
o aeaau consultas de S5 de dezembro de 1858,
que nanea foi fsvorarelmente acolhida pelo con-
eelho de estado e pela admioistraeo das flnan-
caa.
Os seus esforgos tenderam sempre a restringir,
tanto quanto possivel, o exercicio do direito de
mudaoga do applicago nos crditos, e totnaram
a aua execugo quasi Ilusoria, limitando-a aoa
doua ltimos mezes do exercicio.
V.M. sabe qae o orgamento uo se despende s
no aono para o qual foi votado, e que no mex de
Janeiro e fevereiro do anuo seguinte podem s>i
lenas muitas despezas. Mas, nesta poca, os fun-
dos deatioados aos diversos ramos do aervigo, es-
lo por asstm dizer inteiramente consumido, e
quasi queja os nao ba disponiveis, quando, se-
gundo aa noves disposiges da lei, est em vigor
o direito da mudsnga da applicago doa crditos.
Nao era este o Qm que o imperador a o senado
s lisdtam proposto, pois o Sr. prndente Trop-
laog dissera com tanta rato como autoridade
que a aficaldade de alteracao no modo de applt-
oar oa diversos crditos, ser um meio quasi cer-
lo|df|coeter alrlstamenie o orgamento em limites
lfjpoesivcis de ultrapassar.
Peta minha parte, dou a maior importancia a
altereces -no modo de applitar os crditos. Nie-.
so tejo o uoico meio pratico e eicaz 'ttd fazer
tet s exigencias do servigo publico, na ausencia
d* erpo le^atatiroi e obleado que Ig.rceso e
restvbeleeer sea uso, como fftra declJjda pelo
seaalMconrtiiltie de *5 dr> dezembro de. 185*.
Com effcrto, se ama urgencia impreritta vier re-
vetar em nraa parte do 8erv|go um dficit quat-
irpaetvel por meio deste desvio legal
-""^.^ffi1!?0!^ "" iW m,B, rt"rro' P-Wde um'pa;, outro capiu
",fll"d"projadea e emfrexav dfe mte-iecetsjfi6, s,ho porm, o derer _________
1' ^ l *Ur! fall operaciio pexeata o corpo legis-
Z^^''"''*"'^"!^^^^
larlvo, a de fazer restituir os fundos ao capitulo
d onde foram distrahides.
Nao era s a abertura de ereditos supplementa-
res na ausencia das cmaras, que os desvos de
applicaga dos crditos deviam prevenir; mas
sim tambem a abertura de crditos extraordina-
rios.
Com effeito, aa eiredinstancias mais graves e
anda as menos esperadas podem achar reeurso
no nosso vasto orgamento. edar o meio de espe-
rar a reuaiao da corpo legislativo ; a alm disso
quanto mais imprevista fosae a cansa, mais fcil-
mente sena admittido o desvio dos fondos ope-
rado. r
Os clamores levantados contra a adminislraco
das nosaas fioaogas.e a experiencia dos ltimos
annos, nao mud.ram i minha opinio aobre o
modo de encarar este assuropto. Deaejava m
1832, como o desejo, a suppresso dos crdito
extraordinarios e supplameatares, nao votados
pelas cmaras; pois V. M. permittir-me-ha que
a este respeito eu exponhacomplelameoteo mea
modo de pensar. O verdadeiro perigo para as
nossas Bnangas existe na liberdade que o gorer-
no tem de decretar as despezas, sem a sanego
do corpo legislativo. Oisse-se com razo ; nada ha
mais difficll do que lular contra a mais legitima
das cegueiras.a das desperas utes.
Com um orgamento bem feito, oode todos os
ramos do servico publico fossem dotados, o aban-
dono desta prerogallva nao tera o minimo incou-
veotenie para a marcha dos negocios. Uro gran-
de paiz visinho nunca deu ao poder executivo a
faculdade de dispender urna somma qualquer
aem um voto preliminar, a comtudo a especiali-
dade das despezas roladas pelo parlamento ab-
soluta. O numero de captulos inscriptos no or-
gamento poucu maia o menos de 240. S oa
ministros da marinha e guerra, por cansa das
despezas dos aeus ministerios,, effectuadas sobre
toda a superficie do globo teem a faculdade de
distrahir de umaa para outraa applicages, aa
verbas votadas, e no entretanto estas operages,
que derero ser snbmellidas ao parlamento, achara-
se oteadas de condiges nimiamente minu-
ciosas.
Em todos ospazes onde o systema represen-
tativo est em pralica; na Hollanda e sobre tudo
na Blgica oa fectos passam-se de idntico modo.
Procuro exemplos que poderiam svr invocados
contra a minha opioio ; imagino neceaaidades as
mais especiosas; nada encontr que possa tomar-
se como objecgo siria, e a que oo seja possi-
vel responder. Sobreven! urna calaroidade pu-
blica na ausencia daa cmaras, temos os fun-
dos do ministerio do imperia; a os do ministerio
da agricultura, commercio o industria, l eslao
para fornecer os primeiros seccorros por meio da
alteragea ; oa applicago das verbas votadas.
Toroa-ae necessaria urna guerra : o goveroo
ple concentrar para ura s ramo as torgas acti-
vaa dos ministerios da guerra e da marinha, cu-
j s recursos, aonualmeateao sao menos de 500
a 600 milhes. Demais, em presenga de aeme-
Ihantea eventualidades, o imperador convocara
iromediatameole o corpo legialativo, e com tanta
maior preateza, quanto maia iostante fosse a oe-
cessidade.
Disse que era preciso um orgamento bem cal-
culado k uiflcjefitemenle dotadas as suas psrtes.
Ja em 1853 e 1856 o meamo pensamenlo deter-
minara a reviso de todoa oa capitulse um aug-
meolo mudo coosideravel em alguna delles. Com-
tudo, os crditos supplementares seguiram sem-
pre urna marcha cresceole, e a sua exteoso foi
tanto mais perigoaa, quaolo ella se nao restrin-
gi sempre s condiges previstas pela lei. Nao
estou mesmo longe de admiltir que desde 1856
foram neceasarios novos augmentes. Sejam al-
ies pedidos, o corpo legislativo oo hesitar em
os conceder, urna vez que o imperador renunciar-
pelo aeu lado, faculdade de abrir crditos sup-
plementares e extraordinarios oor meio de decre-
tos. Ouao afirmar que esta mutua concesso se-
ria fcil, e os dous poderes com ella gaohariam
igualmente.
A cunstluico reservn psra o corpo legislati-
vo o direito de votar o imposto, mas nsse direito
ser sempre Ilusorio, urna vez que as cousas per-
manegam no estado em que se achara.
Com effeito, .que votaio, discusso e exame
sao os que se exercem sobre urna despeza, 18
mezes depois de realisada? E sobre quem pode
recahiro exame. se nao sobre o chefe do estado,
visto qae os ministros s para com elle sao res-
pooaaveia?Nao se poderia mesmo questionar a
utilidade da discusso do orgamento no cooselho
de estado, e no corpo legislativo, se, a deapeito
das redueces aceitaa ou impostas, o goveroo po-
de, depois da sesso, augmentar as despezas por
todos os modos ?
Na com.parago que Qz dos resultados dos oito-
ltimos annos da mooarcbia dejulho, e doa 8 an-
nos de 1851 a 1858, puz em evidencia que alm
das despezas de guerra, nao hara grandea difle-
rengas, e a que existia era em favor do periodo,
mais prximo de nos.
Desgracadamente, deade 1858. os fados teem.
lom-ado maior gravdade. Us crditos supple-
mentares e extraordinarios que foram de 83 mi-
lhes em 1859 elevaram-se a 115 em 1860. e em/
1861 epproximatn-ae muito de -200 milhes. sem
cootar aquelles que ser necessaro abrir, em
consequeucia do alio prego das subsistencias. Foi
com pesar que te fio abr rem-se aa mais coosi-
deraveis deases ereditos, logo depoia da sesso.
Estudando a queslo financeira jfacil de prever
que a nao ha ver um mudanga de systema, em.
breve aoa acharemos am preaenga de muito gra-
vea embaragos. Oa oito annos aecorridot de 1851
a 1858 abriram 2400 milhes de crditos extraor-
dinarios Sejaceresceotarraot a esta somma 400)
milhes para os tres ultimoa anuos 1859, 1860 e
1861 v-se bam quando augmentaran! as disida
fundada e fluctuante do thesouro.
Para satiafazer a satas despezas recorrea-se at>
crdito sob todas as forma, e utilisnu-ae, cora
asseotimento doa poderes pblicos, thesouro da
todas os recursos especises de que o astado lera
a direego.
Os empreatimos am ttulos da divida, conso-
lidada negociados em 1854, 1855. 1859, nao sa
elevara amenos da S milhes. Qoando se tra-
tou de renovar o privilegio do banoo. o thesouro
absorveu o augmento do capital da 100 milhes
imposto a este estaDeleciroento.
A eaixa da dotago do exercito, que recebera.
135 milhes viu serem-lha absorvidos palo the-
souro todos os seus fundes, qu.e em troca Ihe dea
inscripges de devida publica. Emfim recorrea-
se a um novo modo de emprestimo :a ohriga
ges por trila anona, das quaas ae emiuiram es-
ta anno 132 milhes.
O publico subscreveu para estas emprestimo*
com a melhor ventad, mas seria vvermos a'uma
grande Ulufio o contar ladefeoidamente com a
desearolmeoto do crdito nacional.
O estado do crdito deve despertar tanto mais a
aUeac&o do imperador, quaoU a situago das fi-
naagas preocupa todos os* espirilos. Antas da
Ultima discusso do orgemenla calculaya-se que a
divida flacluante daeria Vsvar^ae, no fim do an-
uo, a qaaat 1.000 milheK a. eate,x*lcivto nio
eertamente.eiaggerado.
O corpo 1-giiUlivo e o aeoado, de sbbeje teem.
oatrado os seus recelos a esta respailo. Esta
seotimeato. percorre j os haoqu/iroa ademis
oagociaolaa, que praaagam urna crias tanto mais
grave qua, a exemple.: do governo, a com o flov^
do progreiso dos melhonmeijtos sspjviniOD>.


*m
lian mmn n ai um imm
UEIO 51 ri&l4im|Q0. ^ 6GGUKD1 0*4 16 BE NOLMHD 1S6U
>m0w&wmm&?!
olo possames contar com a repre-
a da presente possibidade, toda-
mJ JHJCWJW1 r%rtWtiflcamos aea domos asrigoanies, tjue
pre sempre que der-se coincidencia entre a cbgada
ila Europa a
vapor da Europa 4 feto parta e a partida do
oriiiliro delta para os de norte, eos un mesmo
dia. podetao cootar coa amavulso aa abran-
geritudo quaoto fieaver de importante no velho
cantinate. I ..
,'P* M sato voluntario c
como liemos* quan
dd sul demonvam-se avenid algum
te por ; mas do entreunto cuiitaoMt*ue, a*-
10 taw n entao atendidas asisimi re-
ctamices peta governo impVrial, telo heV-de
' as que de presente fiemos coso a iratftfe.
roocis dasahtda dos Tapores do Kio para os das
7 e 23 de cada mez.
~Ao -pssw) que esta nreTda-mnito
provincias do norte, ao passo que ella palpi-
tante' para: as relieves edmmerctaes tfessss pla-
cas com a Europa, nenhuma ulilidade aero un-
tagem acouselha, que aquella sahida s efTeclue
litadles e companbiasp
cacniaho das despesas
O verdadeiro
em presteza e
* feote do maf, supurlsai
neniares e extraordinarias.
*utes de formar a ssinha opimo e da eeonse-
ffcar V. M. que reo nocas* a faevrWide d
4M redispdr, seas vete previo do corpo legis-
ltiro, curaos do estado, ewratnei quies po-
atiaro ser as cooseqoencias deste abandono,**1
Si uto mais protandei a questte, m ais are con-*
aci de que esta preregativa laoca o tnaperader
aa graves difuculdades, sem neotauma tantagem
para as compensar.
o interior, e para as omrtVsmas e particulares
tiro taceolivo a pedidos de todo- o genero ; e qne
Meta tero imperador para IhesTeatetir, quando
ase pedidos sao a exprsalo dos desejos doa po-
?e, e fondados em-rrecessIdsdCT -verdadeira e
autorisadas por precedeotea? n? entinto o iote-
*de*edia nessas ftalocV tigtrva Cuitas Vezes,
9104 satisfacao taea exigencias fosse adliada.
Para oa eitrangeiros, Se o'poder dupr de urn
anomento para nutro, e sem a saneco previa de
corpo algum, de todos os recursos de urna necio
urna terca, igualmente um grade pergo. O
receta que inspira alodios es seus vstanos, 05
obriga a armamentos prodigio*oa. Nao socegam,
se nio rcuoindo forefeg Superiores aquellas por-
gue se julgam ameacados, e que os seus recelos
.atada man exaggerim. Assim este recelo' lal-
vex o nico Uco qn uae atata n'nm- sentimento
rame rn s populares da Europa, qne os seus
oatioclos os eos ioleresses tenderam a se-
parar. Nao ha caUnmnia absurda- que entre
lies nao acbe crdito.
V. M., se reouociasse eeponlaneamenle a esse
poder mais apparenta qne real, mais aeaencador
qne efficiz ; dara neo s conftanca Fraoca ;
mas tiavia oe socegar a inquietadlo da Enrona e
tirar- Ihe-his todo o protesto para asswos hostis.
i-ogo que ae isse qu* as despezis do exercilo e
da marinos era submetlidas ao vol regular do
corpo legislativo, niuauecj mais sejolgana a pon
lo oe ser alticado sbita a imprevista mente ; os
ovemos nio se eulregsriara mais easas Iotas
ruinosas, que os obrigam a preparativos e arma-
mentos militares com que nao podern ; os povos
nao veriam anguieutarem-se annualmeote e
jj'uma proporgo aasusladora os motivos qne os
incitara contra a Fraoc.*, e dos qoaes querem su-
blimar por tal modo odioso, a ponto de o don-
vergirem lode para o imperador. Eolio tornar-
ce-ha ludo ac; a seguranza restaDelece-se: os
recursos desenvolvem-ae os embaracos da silua-
cao actual dimiouem ; e depoia de s ler prvido
a todas as exigencias do passado nao ha ver re-
ceio de que ellas, para o (aturo, se reprodaram.
Admilliodo, mesmo centra toda a probalidade,
le 'urui paz completa a Europa paosasie ins-
tantneamente para a guerra, o abandonoque o
imperador tiresse eito da sua prerogativa, no
que respeita s despesas publicas, sena a meo
"r, assaz innocente. Qual tem aido, com efTe-
to, desde lempos immemoriaes a potencia mais
prompia em entrar era campanha ? Ahi est a
Historia para responder : A Fraoca.
a insimctos bellicos da nacao, o seu amor pela
loria, a coouso^a no chafe que elegeu, sao ga-
rantas cenas de Dorn xito.
Atad* hade chegar a primeira vez que s Fran-
ca seja aurda ao primeiro grito de guerra ; e
sempre lern surprehendido os seus loimigos pela
rapidez doa seus armamentos, e a explosao rpi-
da e ir resist vei da sua energa.
O imperador nao'eaquecau o grande enlhusias-
mo, que o acompanhou na sua partida para a
Italia. Eocootra-lo-ha aempre ; e pode'estar cer-
to do concurso leal e dedicado de lodos os cor-
os o poderes do estado, logo que o inieresse da
ranga ou o da dynasiia, exigase um esorco ex-
traordinario.
. Appresentou-se como remedio ios perigos e
ditliculdades da noasa sitaacSo Qoaoceira, a dis-
cusso e volacao por divisoes de captulos de ca-
da ministerio ; mas coreo j tire occasiao de Do-
lar, que resultado podeiia attingir um tal meta,
ae derease licar isolado ? fara qna servira xar
almamente a specialidade de todos os esptalos
do orcamento, se basta um decreto para aug-
mentar oa (uodoa quejhe cao destinados? A vo-
>So do orcaoieoio por divisoes nao offereoeria
mais do que urna garanta incompleta contra o
iuror de despender, que ha actualmente,causa
dos nossos embarazos. Sob o ponto de vista ii-
nauceiro, urna tal alteracao nao leria mais do que
zima elQcacia duviaosa, o sob o ponto de vista po-
ltico ppreseolara graves inconvenientes.
poiscom urna profunda cooviccao, que sup-
plico V.H' tome um partido mais conforme s
xiossas iostituicoes, muilo mais oigoa da grande-
za do seu carcter.
Realiiuindo ao corpo legislativo as soas mais
intoiilesiaveis allribuiges, o imperador lorna-lo-
hia solidario com o seu goveroo ; obleria em tro-
ta dessa cooceaso um orcamento, oude as sem-
inas voladas estanam mais de accordo com as ne-
tessi Ja Jes renes.
Em m palavra, V. M. realissria do modo mais
ceno o pieuo peosgmeolo de previdencia, qne
iDSpirou o eaelo de 24 de oovembro.
Sou com respeito, seobor, de vossa msges-
tade.
Muito humilde e fiel subdito.
Tarbea, 29'de selembro de 1861.
Achules Fould.
(Opinio.)
REVISTA DIARIA-
Considerado em abstracto, oservico gratuito
. ntrenos tampre desempenhado sem aqoflla
aolicitude conveniente regularidade da admi-
nistracao pnblica.
Na ausencia do estimlo pecuniario, serla
poderoso ese do bem servir do paiz, e delle ta-
ver a recompensa na considetaco publica/ s
todos os cidadaos dispozessem de urna certa me-
dida de bens de modo a ser-lhes iodifTereaite q
tempo absorvido as fuocedes do servlco gra-
tuito.
Mas se isto se nao d eotre n, se muitas vezes
eriica-e que aquellos que melhores condles
apresentam, esquivsm-se de aceitar nm lugar
desses, e quando o aceitara, nao desenvolver a
, necessaria proroplido de accSo, visto que os
outro* tsmbem o nao podem pelas cirtumslancias
que lhes sao peculiares. *
Dir-se-ha, porm, que ha a flemissao pira o
mo empregado, para aqnelle qne omiite o cum-
primenlo dosdeveres do seu carg. E* Verdade
que ha este reenrso, mas o que importa elle, se-
Dio sahir de um para cahir n'outro,' e assim til-
Tez ai infinUm n'uma constante aoccessao ? '
De facto o q^ue .que signidcs?Io tem a exooe-
ra?so pedida ou fulminada de ira lagar, de que
se nao auferem vantagens, e pelo contrario s se
tjram desaffeiQoes e perds de lempo, trae dve-se
applicir oceupiQes psrticulires, que coosti-
om a vla, edonde tira-se a subsistencia
desta ?
Em denhnm ramo da admlnistraeao publica
mais sensivel esta verdade do que na polica, que
por fu partichlaridade deve ser proropta e com-
pleta em sua ocelo rigilaote. Seria para dese-
Jar, pois, que ella tivesse urna retrlbuijao pecu-
niaria, que garantiste a fiel e exicta execnolo
'daTel; e esta e al outra lefia a medida omea
efficaz, porque neste caso urna demissao \k lm>
y>Ttav alguma cousa, e pin nS fazer-s credor
ddlla, procurar-se-hia ser diligente, preventivo e
cumpridor da tei.
Demai, crd esta medida a esclha do fu'ncclo-
aario podena ser mais Cuidadosa, e a Dmeselo
Dortaotorecahir em pessoas adaptadas polieia,
Jue assim denafia tambem este carcter de ho-
noraritaie, que multas rezesela bffrce por
eircumstancias. v
No da 13 seguio para o norte o vapor Oya-
bc*. que sahtado da'flrt a 4, aportara aqu b
da ti ; e como chegasse o vapor fraocez Bxtft-
madure pela manbla daqoelle dia 13, fo-bos
possirel dar um avulso exelusiramente oceupado
pela notlias de aoeloi elle portador, am d
r|e tilo soffres*m;of nossog asignantes dq nor-
te urna inlermisso de quinze das no cnheci-
ttenlo dllas.
Ba posatoirtifada que ora bettoffem,5 nf*
w Mil oOyoeoV* m0) tves*e'a viagem
o netangida.^or^ldf^'tenttlirta para o
.*drteM tav" Bif^t|tear%rDp/"a
detrimento imponderavel 9u ^lPUl WflWrV
;aea
-
Oe 91IID1
11TITI
i aiaiai
ilti
to AlexMdM.
pelodfli
=s=
V
gamenlo o suefmario em q
Vieira de Araajo'GavalcanH,
me de estelionato, por haver
Jos Antonio dos S. Lessauoia
recebar ordenado do aeu ea.prego
repartielo das obras militares, a1
fcirmtatof bo dta de veMme4 mes- vor do Sr. coronel Bu
lJ""B?*^io extorquida,>
Otas Des-
nos das 4 e SO, como idttalmente acontece. Esta
consideraco, pois, bastante para dar-se a rao-
diflcaeao qne solicitamos ; a qual como vc-se
nlo hga-se a um Inieresse exclusivo nosso: o
publico soflre, e por isso quer nm remedio que
lhe sane o msi, e obvie os inconvenientes opre-
sfltados.
Sexta -feira foram seguros quatro la rapios,
que mesmo aqu na ridide haviam laceado mo
de alguns cavallos slheios.
Convm loda a vigilancia, pois tempo de fet-
ta ; e murtas ha qne gostam de passa-la a costa
da ootros.
A proposito de furtos de cavallos, temos urna
denuncia com narrado de fados, e referencia a
orna cocherra deslaciade, onde se gaartam os
animaes; e deixamos de publica-la por agora,
devendo aquelles a quem doer a conscieocia.co-
hibrrem-se, para noterem incommodos.
Informam-nosque, apezsr de concluido o
prazo para o recoihitaento sem descont das no-
tas de2O9OOO papel trafico, a calxa filial contina
|fa*era troca, aflm ile eviiar perdaa da parte da-
quelles que anda as possuem ; pois, conve-
niente que 'nodemorem mais tempo esse re-
colliimento os possuidores de semelhantes notis.
Temos noticias de Tacaral, que chegam a
25 do passado mvz.
No oa 23 ia sendo essa villa o theatro de um
dos mais revollaotes actos da vldi miiitir, pnti-
cado pelos segundo cadete sargento ajudanle A.
Conrado P. de Aguiar, segundo eadete primeiro
sargento Severino da Costs Cirne, 6 segn Jo sar-
ginio Geographo Antonio de Castro e Silva, que
promoverarn urna insubordinadlo por meta de
levanlameoto desoldados desta gnarniQlo all es-
tacionados.
DevedUo oaquelle dia serem castigados tres
soUa ios, em virtude do parecer do conselho pe-
remplorio, pelo fado criminoso de haverem es-
bordoado a dous paisanos oa feira daqoella villa
com agjzravacao de furto ; e por circumattncfas
de molestia navendo sido transferido o castigo
para o dia siguile; trataram no eotrelinto os
referidos cadetes e sargeotos de aluciar as pracs
para se opporem ao cistigo, sob pretexto delle
importar desmoralisacao dos soldados, insinuan-
do principios aggressivos contra a existencia do
alteres com mandante Francisco do Reg Barros,
por havor prendido aos delinquentes, e do medi-
co, se decidisse que estes eslavam aptos para o
castigo.
Ora sendo o commandanle do corpo informado .
dista, j por oOiciae. j por pregase paisauosA"
mandn reunir os oOBciaes e deliberou que os au-
tores de 1S0 execrando crime fleassem presos in-
communicaveis ordem do Exm. commsodanlo
das armas; e depois formando todas as pragas,
declarou lhes com energa e intrepidez'o flm pa-
ra que foi instituido o soldado, e qual o precipi-
cio para que os cooduziam os aspiradores indi-
cados.
A energa do Sr. major Pedra, e ssuas acer-
tadas providencias, deve-se a prevencao do um
crimo que roallogrou-se em boa hora, sendo
acompanhado S. S. pelos seus offlciaes nessas
providencias.
Sabbado ao amanhecer evsdiram-se quatro
soldados presos que achavem-se recolhidos ao
hospital militar em tralamento.
Deram-se providencias para a respectiva ap-
preheoso; mas at esta hora nao nos consta que
se ella lenha efTectuado.
Foram rocolhidos casa de deteoco 00 dia
13 do correte. 3 horneas e 1 mulher, sendo 3 li-
vres e 1 eicrvo, saber : 2 a brdera do subde-
legado de Santo Antonio, inclusive a africana
Loorenca, escrava de Bernardo da Costa ; 1 a or-
dem do da Boa-Vista, e 1 a ordem do da Magda-
lena.
Passageiros do vapor brasileiro Persinunga,
vindo da Macei e portas intermedios: Trislo
R. de Normandy, D. Mara Barbosa-de Mendon-
ca e 1 escrava, Francisco Uartins Duarle. Caroli-
na Roas de Oliveira.
Movimento da enfermarla da casa de deten-
cao do dia 14 de dezembro de 1861.
Tuve balxapsraacasa desaude do Sr. Dr. Ra-
mos ^
JDaquim Gomes Perraz, com bexigas.
Mortalidad?, do da 13.
Bernardina, frica, 38 anuos, solleira, escrava,
Boa- Vista ; apoplexia.
Manoel Joaquim do Panizo, Pernambuco, 71
annos, viuvo, Santo Antonio ; congestao cerebral.
Claudmo Jos de Sant'Aona, Pernambuco, 32
annos, solteiro.bolieiro, Boa-Vista ; pneumona.
Lucio. Pernambuco, solleiro, escravo, Santo
Antonio ; pleuriz.
Rufina. Pernambuco, 48 annos, solleira, escra-
va, Recife : anemia.
Cecilia, Pernambuco, 1 anuo; S. Jos gastro-
enterite.
Mathildes Candida de Mello Santos, Pernam-
buco, 70 annos, viuva, S.Jos; hepatile-chro-
nica.
Florinda Maris da Conceicn, Pernambuco, 56
innos, solleira. Santo Antonio ; um tumor.
Guilherme, Pernambuco, 5 mezes, Boa-Vista :
coavulses.
v \ DU14-
Mana Josquina da Conceico, Pernambuco, 25
annos, solleira, Boa-Vista ; dyarrhs.
Manoel Dis Jnior, Portugal, 18 anuos, sollei-
ro, Boa-Vista ; tubrculos-pulmonares.
Mara, Pernambuco, 1 hora, Sanio Antonio;
convulsoes.
Anacllo Jos, Pernanbuco, 17 annos. solleiro.
Boa-Visti ; phlysica. .,
Adelayde, Perdambuco, 2 mezes, Santo Anto-
nio ; convulsoes.
Isabel,fernimburo, 40 innDs, solleira.'acra-
va. Boa-Vista ; enterite-ehronica.
Isabel, Pernambuco,' 1 auno, Recife; bexigas.
lel3.
Verlfka-se pela HMfteda dnTemTrewBt>s38
jdTrta-de facto.
Entrando m Julgarnento o pardo f.niz, escra-
vo de Oaudini Garduex_pronunciado por crime reconbeceodo
to do eslylo ao seu curador, Dr. Domingos Maa-
leiro Peixot.
Em vista das respostas do jury, o reo absol-
vfdo.-oesido a cmara municipal conemoad pavido correspondente nio proslouVua assVoa-
pagar aa cintas na rio da raetade. %, tara, nad foi petas r bando a hora pouto advanlada (2 horas), e ac- _
ceito pelas partes o mesmo conselho, entra em
juliramento o reo Maredttao Perrelra, acensado
por crime de offeflsas physlcas leves.
Em vista das respostas uo jury, o reo 6 absol-
vido e a municlpalidade condemnida
cusas.
Levanta-se a esrto rS-tomda tarde.
O'l'o" <"lo reo di^tlsasglel Pune < A4-
meWaTJfwmnojr,
Sur Uta das resrjMlfrdo Joty, o reo
Wo, e a^HMrieipaiiW eendwnaadi
ex-cauaa. H, i
lltans uJMativa sob o digno commando do
Hrrlamsrque affirmo e affirmo muito
jique nlo s ssa arguicao despi-
olo, aenao tambem que fica pro-
Irario, asseverando que aa corres-
ntWill-se' o ponBeDcia appreientadas pelo* sentenciados em
" raro vetan-
leswnmrtros
Kmeo
liW^rHfilrari
Mil
lm vista das resp

CHR0N1CA ^UICIARIA.
Jnry do Reeife.
5.a SESSA0.-D1A 11 Dt DEZEMBRO DE 1861.
Presiencio do Sr. Dr, juiz municipal da pri-
metra vira, c juiz e direilo iutoritw da se-
gunda. Hernogene$ SocraUs lavaru de Va$-
concellot. ,_
Promotor publico, o Sr. Dr. Fraocisco Leopoldino
de Gusmo Lobo.
Esc'rivlo privativo do jury, o Sr. Joaquim Fran-
cisco de Piula Esleves Clemente,
Procdeodo-se chamada nominal dos Sri.
juies de fado, vehfica-se estarem apenas pre-
sentes 29 juizes, seudo d'.esl'arle adiada-a sesso,
sem dusida pelas fadigas do jujgamenlo anterior
que oceupra o tribunal at altaoita.
-
VerKIcando-se baver casi, iberia a sesso. 1
Eplra em julgameato o processo em que reo
Miguel Archn]o da Paixao, i quem se aecusapor
crime de tentativa demottepelo (acta de ha-
ver disparado um tiro em Goocala Jos Anto-
nio em urna das lardea' do mez de acost e na
freguezia deS. Jos-
Allega reo em materia ie defeza :
*}*' A usaaci dade do liro e a,coofliaao do proprta Hendido, o
qoaT nao arge ao reo iolaoto criminoso ;
2.' Harer comrneiiido a acta no exercicio da
ofndld0 e*UB- l<* 4 ;fa,p* el"
' '"?".meu,r *? V ,noo w-
Fropostos oa quaitaiD qnaea o Dr, juiz da
direlto cotnpreheodep aa varia bypolbeaea figu-
Mus cretas, da onda toliou depo de mea
C.4BARA MUNICIPAL DO UECIEE
8ESS0 EXTRAORDINARIA AOS 18 DENO-
VKMBRO DE 1861.
Prttideutia do Sr. Dr. Henriqme da Silva, con-
tinuada pelo Sr. Barro Reg.
Presentes os Sr.: Mata, Barata, Rgo e Mello,
faltando com causa o Sr. llego e A4bquerquei e
sem'ella os mais Srs.
Abrio-se a sesso, e foi llda e approvadi a ac-
ta dirant acdente. i
Leu-se o seguate
EXPEOIBNTE.
Um oflieio do Exm. presidente di provincia,
communicando haver concedido permisslo a
Fraocisco Botelho de Andrade para construir urna
ponte e doka no seu terreno da roa do Brum, de-
vendo observar tressa eonstrucelo a planta apre-
sentada pelo director das obras publicas.Que se
commooicisse ao fiscal do Recif, e ao engenhei-
ro porteador.
Outro do mesmo, recommendando lhe remet-
tesse a cmara com urgoncit urna relaco nomi-
nsl das pessoas, cojos recursos tivessem sita at-
tendidos pelo conselho municipal qne conheceu
das derises da junta de qualiQcacao da fregue-
zia da Boa-Vista.Que se selisflzesse.
Outro do mesmo, convidando a cmara para
assistir no dia 16 do correte s 11 horas da ma-
nilla, 00 palaeio da presidencia, a inauguradlo
da exposielo de productos agrcolas e industries
desta provincia.Inteirsda.
Outro do Dr. Trulao de Alencsr Araripe, com-
municando ler sido exonerado do cargo de chafe
de polica desta provincia, e norneado para exer-
cer a vara de juiz de direilo especial da commer-
cio desla 'cidade, cujo exercicio havia assumi-
do no dia 29 de outubro ultimo ; eonctae apre-
senUndo os seus protestos de eslima e conside-
rsclo, agradecendo ao mesmo tempo i cmara a
maoeiraprompta e atteociosa por que aempre re-
cebeo se reoreseols<;6es em bem do servlco mu-
nicipal, emquaolo exercer o dito cargo de ebefe
e policio.Recibido com especial agrado.
Outro do advogado, respondendo ao ollicioque
lhe foi dirigido em U de outubro ultimo.Iatei-
rada.
Outubro do mesmo, informando sobre a reare-
presentago do fiscal da Boa-Vista. Posta em
discusso, o Sr. Barata requeres, e foi approva-
do, que se communicaise ao goveroo da pro-
vincia.
Outro do proenrador, ioformsndo a peticlo de
Jos Elias Mmrfido Freir, naqual pede se lhe
declarisse, te o terreno onde se acha estabeltci-
do o estaleiro do supplioante, na roa nova de
Santa Rrta, pertence ou nao a particulares, de-
clara que a cmara possife oaquelle lugar iriotae
um pslmos de terreno, e estes se achara oceupa-
dos com o mencionado eslileiro.Deferio-senes-
te sentido a peticao.
Compareceu o cirurgiao Francisco Jos da Sil-
va, quem havjaa cansara encarregado de en-
tender-sacom o proprielario do terreno na fre-
guezia do Poco, onde se pretende eslabalecer o
mouilouro da meama freguera, declarou haver o
mesmo proprielario exigido um prco moiiot ele-
vado, que nlo rali, e neate caso deliberarse a
cmara se devia el discusso, resolveu-se que o mesmo cirurgiao
Silva fosse aulorisado a olferecer a quaolia de
I:000j000 pelo dito terreno.
A' requenmenio doSr. Henrique da Silva, fo-
ram removidos os tiscaes das freguezias da ci-
dade de nmaa para oulras, principiar do 1 de
dezembro prximo vindouro, sendo o da fregue-
zia do Recife para a de Sanio Antonio, o desta
pira a da lioa-Visia, o da Boa-Vista para a de S.
Jos, e o desta pira a do Recife.
O Sr. Barata fez o seguiole requerimeuto, que
foi approvado :
Esistindo na estrada de Saol'Anna qne vai
para a Casa Forte, entre os sitios de Tbotns Ha r-
tery e do fallecido Nicolao Rodrigues da Cimba.
urna vereda loda tortuosa, que actualmente nlo
serve senao de escoodrijo de malfeitores, e para
a pratica*de actos de immoralidade, tornando-se
nao s prejudicial e perigosa para o publico, como
principalmente para oa referidos sillos de Thomas
e Nicolao, requeiro que a cmara ordene aa fis-
cal qne sem perd de tempo informe com exacti-
dao onde vai ler a dita vereda, qual a ana utili-
dades a quem pertence o terreoo, aOm de que a
cmara providencio sobre o seu melhoramento,
ou extincco, vista como actualmente ella esl,
nao resulta senao Inconvenientesj perigos.
ir Recita 18 de oovembro de 1861Barala.
Despacharam-se as petices do bacharel Ame-
rico Fernandes Trigo de Lourerro, Amancio Go-
dofredo Lucas, Cltudiao Pelino Perreirada Cruz,
Custodio Jos Pereira, Francisca Maria Teuoria,
Jlo Lucio da Costa Mooteiro, Jos Elias Macha-
do Freir, Jos Aotooiode Carvalrtc^ Joaquim Jos
dos Saetas, Jos Antooio de Souza Queiroz, e le-
viotau-se a sesso.
Eu Francisco Canuto da Boa-Viagera, offfcial
maior a escrevi, no impedimento do secretario.
Barros Reg, presidente.Henrique da Silva.
Barala de Aimetd.Reg.Regqillaia.Mello.
Leal Seve. r
a setenevatfM eoarpregadosaos
probidade e ftwwradez da seu
foram em flm a*m tributo ao me-
que nenhuma parta leve o Sr>oronel
.le tanto que qa%rtndo obstar, eiles,
tudo supuraram e manifestaram os seus recoohe-
cimeotos. "tHmais. neohum oficial seria coigidp
a prestar ua assignatura ; porque ae a eitarffc
era feila com ameacas daniz de gimelerra, ellos
o que receiar, ese a prestaram, foi
. um dever aitesiaram ao aeu
o que urr-rwt e o" que por direilo
liie compela : se porm todos nao assigniram,
fot pela reoentina retirada de alguns, e se tam-
bbj o ofBcial de Ia linha de que falla o im-
por certas eoaatderaces que o levaram a nlo
lazer, finalmente, foi porque morando em tasa do
Sr. coronel Burlamaque, sendo.cisado com urna
sua sobriohi, nao quera em lempo algum que
imputassem de falsario, e obrigstorio o seu
pagaras altestado ; foi o que me disse eise offlcial, o que
estrel sempre prompto a sustentar, seudo pre-
ciso. Os Gracianos, de quem tambera se oceupa
o correspondente, alo sao senteuciados, e sim
homens livras, que negociando em Fernando
oda receiam, nada precisam do Sr. coronel
ttarlamaque, e que altestaado em seu favor nao
Uzeram mais do que dar o seu seu dono. Pres-
te! mloha assignatura,lem me baver pedido pes-
soa algumi, Dem mesmo oSr. coronel Burlama-
qae, e eslarei prompto em lodo tempo para de-
feod-lo toroaado-me sempre um ralele balu-
arte posta em. defeza dos seus boas e relevantes
servicos, armado aempre contra calumniaa re-
voltanles e accosacoes injustas como as iocertas
em tal correspondencia.
Com efTeiio, preciso muila aoimosidada pira
avaocar tanto II
A ilha de Fernando, poucas vezes ha de ter lido
um commaodaote tia enrgico, deligenle, e ao
mesmo tempo lao prudente e sensato.
O mullo digno Sr. coronel Burlamaque, actual
commandanle di ilha d Fernando, e contra
qera sao dirigidas as venenosas calumnias do
honrado e jusliceiro correspondente, tem sabido
captar oessa ilha a aincera dedioacao e amiside
nao s dos offlciaes e pracas ali existentes, seno
tambem de todas as pessoas que ah residen! ;
Isto de todas aquellas que pactuam dos boos
sentimental e nao desejam v-los extirpados.
Talvez alguem, procure depreciar replselo
do Sr. coronel Burlamique como ioteresse pro-
prio de promover sua demissao, aflm de que
chegaodo esses fados ao coobecimeoto dos
Exins. Srs. presidente e commaadaates das ar-
mas, veja a cousecuclo de seus flos. Coitado 1
Nao se lembra que essas autoridades esli mu
sito enllocadas para prestaram ouvidos ao louco
e hydrophobico. ladrar de um cao despena-
do I Nao sabe que ellas teem muilo em que
cuidar para nlo preslarem ouvidos a enredos de
quaolo regateiro ba por este mundo I......
Nao se lembra disto, nao v estas cousas ;
compadecemo-uos delles, e, como nc-mereca
que Urgameote aos oceupemos delle com sua
pessoa e seus escriptos, vota rao-lo de bom gra-
do ao merecido olvido, d'onde nuoca se dever
lembrar de ler saido. Aqu terminamos, se-
ohores retactores, pediado-lhes desculpa por
hivermos por lanto tempo oceupado suas
itieoces.
Recife, 12 de dezembro de 1861.
Pedro Carlot togueira de Batimn;
toa
doa
portas do norte," mattifeit
4 caixoes toan t,|0 eaixinhas de chtrutoi; a
Jlo B. Rama*. ^^^
7 ditos eom dito* em cataiohas; dUdrfM Ro*. J "*!
drlgues. ***m eWftMa|oU massa
60 couros salgados"; a ordem.
Exportar.
Dia 12 detleremfto.
Tolac fraoeuta Neptuno, p.rlWarseile, earre- *5^Jf r**M,ou*s de
faram
E. A. Burle & C. 1500 saceos com7O0O arrobas
di ^tr^b^k^A&X f
w ^rvw^r^^tt a> ^~^
Birca franceza ParmantUr, para Marseile, car-
regou:
Tiaaat Frerea 3500 oootas de boi.
Brigue nacional Adelaide, para o Rio da Prata,
carregararo :
Bjsios & Lemos 50 pipa comr 9000 caadas de
cixafa.
Brigue hamburgus Emma, para o Canal, car-
regaram :
James Ryder C, 1800 saceos com 6000 arro-
bas de aaaucar.
dem do dia 13.
Polaca franceza Neptuno, para Mancille, carre-
garam :
- B. AvBurle & Cj 400 saceos coa 2,000 arrobas
de assucar.
Brigue italiano Dairo, para Genova, cerr-
garam:
Bastea & Lanos 700 saceos com 3,500 arrobas
de assuca.-.
Becebedoria Se rendas internas
geraeH le Feraaaaebeea.
Rendimeotododia I 1 13. 15:1550994
dem do dia 14......1:177*782
16:333*776
Cousnlado pro viada I.
Rendimeato do da 1 a 13.
dem do dia 14. .
. :
35:78975
1:8470114
37:637089
machias, 1 bota de ferro : a ortaa de dieno.
Brigue brasileiro Beluario. vWW^Ma^ft1 ,
consigoado a Marques Barros &',( aoeoiiestau "?" ei
segutate :
2400 alquetrea de sal coamum ; a
claoo Ferreira.
Vapor nacional-^ffmunoa/atatedeiii* doa "em seceos espichados,
o Beslo te: 7^5? ^. '
de caraauna aa bfatd.
dem idem em velaa. ; .'
iCoeoaaeceo. ..'...'
iti aun ajajrajg^psjB*. salgados .
idem dtwia
dem de-Waja.
dem em calda.
lepanadvjres gruades'.
dem pequeo*
libra
>
cento
libra

--

w
bra
' :
navio
stoa^a nacional
Farinha de mandioca.
dem de araruta .
Feijo de qualquer quadade.
Frechaee.......1.
Fumo em folha bom. ...
dem ordinario ou reatolho.
dem em rolo bom
alqueire
arroba

um

f
arroba
>
cunto
um
caada
dem ordinaro restolho
Gomraa.....
Ipeeacuanha (raz) .
Lenha em achas .
Toros.....
I.enhas e esteios. .
Me I ou melaco. ,
Milho .....
Po brasil ... 4 .
Pedras de amolar
dem de filtrar
dem rebolo
Piassava........aolhos
Ponas ou chifres de vaccas e
oovilhos.......cento
Pranchdes de amarello de
dous custados.
.
quintal
urna

040
004
5*500
^8>
J80
102
300
110000
-1*000-
500
500
40000
tgooo
:10000
10600
20500
40000
90000
50100
210000
90500
lis;!
2*0C0
I50OOO
20000
11*000
50S0OO
200
800
10*000
890
0
120
3*000
urna
libra
arroba

urna
duzias

16*008
. 8fO(K>
160
250000
50000
20600
104*500
70*000
Agurdenle -
Gouros-
Correspondencias.
jTlWrttBfwB,
I
^ oDr,iuti.4}
PU.wr#biplreao
alidade i tacar u cus-
W4)' a Ycw'itac KUitda, eninTin jal-
Senhore redactoresPer milis m VV. SS. que,
por alguna iostaotfea, oceupe a atieocao publica e
eoclia um pequeo espaco em seu cooceilnado
jornal. E' um bradode iodigosee que queremos
dar contra urna revollaota calumnia, que sobre a
capa da mais refinada hypocnsia, appreieata-se
cuspindo sua sativa impura na repulilo do mui
digno Sr. coronel Burlamaque.
No peridico Orden, de 10 de correte, se le
um correspondencia assignada,O veritaeos
nal sen autor deacrepando da verdade e da jus-
ttee, procura hoatilisar do Sr. coronel Burlama-
que, e nao trepida em su [focar lodos os seus
honrosos procedentes, para recheaudo sua corres-
pondencia da calumniar, revelara mais trille
parcalidade.
Comeos o despeitado correspondente, expro-
baado o Sr. coronel Burlamaque nao defender-se
das aecusaces que ibe foiam feiUs aaa corres-
pondencias assignadas peloLampio da al-
la, .e-fh,>quo os icton consignados nessas
correspondencias sao de tal evidencia que nao
admiltem contrariedades !
E' um manifest ogao ; pois na coascioo-
eiosamente amaneamos, que o Sr. coronel ur-
lamaqUa. coa a.eaaigie digna de seu caracler,
n3o s ha de provar em fictos o contrario de
todas essas injustas arguicei qne lhe alo taitas,
enao Ubenj protestar contra quem lh'aa [as; se
ja de ha uto nao proceden assim repeilindo
aroeUiantaafacloa per denais repuguautes, tai
par ler deixado da vir .aipeocaraelo aa qual de-
taaiwta os seua poderea alfuae, pracuta- oa
face da le faier reiertaf para o currp^oU
oa epiabetoa \at*uoman*M Uera: daaaoaeao,
que m tampu ceapatoaMe alta piovar uie-
raolemenle, qus quem a aaga de aa rma
cruveu a supra-asaaskoaada. corr^poa-tea^a,
quem date acustetar caxa ledas ass r-
gai(5sa.
CaotiMindo du, qu? o *. ooronel BtirtaaM*
pravalecudo-ae de aua* autoiidada eitotquU dos
sentenciados ampx|dea otagtaa a aua pesar
e aos seus servijos. Outro tacto centra o dual
protesto, por isio qu teitemuoha uccular do que
ali n pmou a, contequencia de ier um dos
Publicages a pedido.
Tendo sabido a relilo dos meus amigse bem-
teitores que se dignaram subscrever por urna s
vez seus donativos incompleta como se v no
Diario de 12 do crreme mez, que I pedido roeu
so dignoj publicar o lllm. Sr. commendador Ma-
noel Figueira de Firia, apresso-me a vlr reme-
diar esto mal, publicando a relelo exacta de to-
dos quaotos subscraveram.
Os Ilims. Srs. :
Barao do Livrameoto....................
Jos Marcelino da Rosa..................
B*roardino Gomes de Cirvalho........
Rallar & Oiiieira........................
Domingos Jos Ferreira Guimaraes......
Jos Antonio de Csrvalho..............
Jos Teixeira Bastos........t...........
Antonio Jos de Souza Guimaraes......
Aolonio Manoel Bastos..................
Joaquim Jos da Cos Ribeiro..........
Aotooioda Canoa Soares Guimaraes....
Jos Joaquim de Faria Machado........
Jlo Lucio Harquas....................
Jos Joaquim de Lima Bairao........
Antonio Lope* Pereira de Mello........
Manoel Gomes da Cruz..................
Henriquea d'Oiiveira Soares............
Eiuardo de Moraes...................... 4*000
Joaquim Vieira de Barros.............. 2*000
10*000
10*000
10* KM)
10*000
10*000
10*000
10*000
50000
5*000
50000
50000
5*000
5gOo0
5*000
50000
4*000
4*000
124*000
Giqui, 13 de dezembro de 1861.
Francitco Jote de Paula.
COMH.KCIO.
aUfaudetca.
Rendimentddodiil a 13. .
dem do da 14.....
- 330.3903936
. 22:662)024
353:052a960
Movimento da alfaudea>ra.
Volamos entrador com fazendaa..
> Volamos aahidos
c >
com fazendaa..
com generoa..
28
90
431
28
521
ge-
Deacarregam boje 16 de dezembro.
Barca oglezaBooilao resto da carga.
Brigue brasileiroBebentecharque.
Patacho uollandez Elisabelh diversos
oaoer.
Brigue ioglezSawaooak La Msr mercadorin.
Barca ioglezaPersilaplvora.
Galera inglezaRosamuodtaboado. .
Barca portugueza Grati ion?erioa gneros.
Iiuportaoto
Hilte nacional Santa Hita, viudo do Aracaly,
manifestou o segutuie:
67 saceos fsrinba-de mandioca, 108 ditoagom-
raa, 30caixiacom velas de carnauba, 10 molhos
eiteirai e 200 alqueires de sal; a ordem.
Vapor nacional Oyapock, precedentes do* por*
tos do sul, mauifesiou o seguiota:
96 rollos salsa ; a Jlo 6uo-ales de Aguiar.
50 ditos dito; a Azeedo& Meodes.
1 caixao livros ; a Jos de Viscoocellos.
1 dito ditaa ; a Manoel Tavares Cordeiro.
1 dito ditos o % jicazes ; a Joaquim Bernardo
dos Reis.
1 dito livros ; a Hslheue & Rodriguei.
1 dito ditos ; a Fereira & Araujo.
18 barricas 7-aaeeoa ignora-ie ; -a Fraocisco
Jos C. de Araujo.
2 aioooa, 3 eaixoiiohoe e 1 pacotioho ; Au-
gusto de Oliveira.
1 volume ; a Marques Barros & C
1 dito ; a Cirvalbe Mugueira di C.
t i. dito ; ao bario do Livrameato.-v> :-i
1 dita; a Jos Patente Vtanua.
1 dito ; a Jos C Marques.
1 dita ; a Jos A. Ribeiro.
1 dito; ao Dr. Epaminondas de Mallo. ,
2 ditoa; a Preme Viannt 4 C. -1
1 dito; a A. A. P. de Brito.
I dito ; a Antonio R, Ferreira.
'tarta; a Tarso Vrelo.
4 caixas; a Jota Leopoldo Bougard.
i embrulho joiai, 7 caixas e 1 pacota ; gao*,
ca-ie,
1 patota; a Jlo B>ptitta Raaos.
1 dita; a Miguel Valle.
1 dito; a B. & Lacio.
1 dita ; a Amofvm & Irmiaa. .
t eotatulaa; a FractaoaaFr V. Viaana
. Briapi brasilairu Fatox, proteda ota da'Rio de
Janeiro, caaaiaaadoi si Aaevedu l andes, eaai-
fulaa o Hfluiaii 1 itw-: a 1
70 pipara*es, 48 dttai.3 eeaa el5-*amsvi-
nnu. 14* ditas banal da pareo. 3eavxma cbl,
100 saceos caf. W rolla-80 teta* tamo, ea+-
xas rap, 2 canon chapeos, 8 dita ditas da e*i,\
13 caiiM e 10 Indos fazeoda?, 14 roluae ama
ta
PRAQA DO RECIFE
14 WE DEZEMBRO DE tSOl.
A'S 3 HORAS DA TAKDE.
Revista Semanal.
Cambios Sobre Londres ssccoa-se a 26,
26 1/8. 26 1/4 e 26 3/8, sobre
Paria de 362 a 365 rs por f.,
sobre Ilaroburgode 680 a 865
rs. por M B, e sobre Lisboa de
108 a 110 por cento de premio,
regalando por 220,000 os
aaquea de que deve ser porta-
dor o vapor Oneida: sobre o
Rio saccou-se a 1 por cento de
descont.
Algodlo O escolhido de deu-se a 12*000 rs. por arro-
ba, e o regular de 11*200 a
11S80O rs., o da Parahibi pos-
to a bordo a 12&500 rs., nao
teodo havido vendas do de Ma-
cei.
Assucar O braoco vendeu-se de 2$800 a
3*600 rs. por arroba, o lme-
nos a 256OO rs., mascavado
porgado de 2&100 a 2*i00 rs., e
o bruta a lg800 rs.
Vendeu-se a 55S000 rs. a pipa.
Os seceos salgados vender iri-
se de 170 a 175 rs. libra.
Arroz------------Od India pilado vendeu-se s
29900 rs., e o do Maranho a
3S100 rs. por arroba.
Azoite doce O de Lisboa vendeu-se a 3J300
rs. por gallo, e o do Estreno
a 3*000 rs.
Bacalho- Nlo bouve entrada. Relalhou-
se 8 12*000 rs. a barrica, Q-
caodo em ser 4,500 quiuftes.
Batata-----------Veoderam-3e de lgOOO a 1*200
rs. por arroba.
Bolaxioha Vendeu-se a 3*600 rs. a bsr-
riquiohi.
Gaf-----------------Vendeu-se de 7*500 a 8*000 rs.
por arroba.
Cha------------------Vendeu-se a 2*400 rs. por libra
do hyson.
Carne secca- A do Kio Grande vendeu-se de,
2*200 a 4&000 rs. por arroba,
e a do Rio da Prata de 2g000
a 3S0O0 rs., ficaodo em ser
31,000 arrobas di primeira,
9,000 da segunda.
Carvlo de pedra-Veodeu-ae a 15*000 rs. a to-
nelada.
Cerveja- Vendeu-se de 4*600 a 5SO00 ri.
a duzia de garrafas.
Farinha de trigo-Ha em ser 30,000 birricas, ten-
do-se retalhado de 12*000 a
24*000 rs. por barrica.
Folha deFlandres-Vendeu-se de 20$ a 22* rs. a
calza.
Genebra- Em botijas de Himburgo ven-
deu-se a 320 rs., e em fras-
quera a 5*200 rs., e a de Hol-
landa a 360 rs. a botija,- e 5*600
rs. a frasqueira.
Louca- A ingleza ordinaria vendeu-se
com 300 por cento de premio
sobre a factura.
Maoleiga A franceza vendeu-se de 545
a 560 rs. a libra, e a ingleza
de 660 a 680 rs. a dita, ha-
vendo em depozito 2,000 bar-
ricas.
Massas---------- Venderam-se a 6*000 rs. a
caita.
Oleodelinha5a-Vendeu.se a 1*600 rs. por
lao.
Presuntos Os americanos venderam-ae a
360 rs. por libra.
Queijos-------- Os flamengos venderam-se de
2*700 a 2*800 rs.
Sabio ----- O de Medtterraneo vendeu-e a
260 rs. por libra.
Taboado- A ultima venda do'de pinho e-
fectuou-se a 28*000 rs. duzia.
Toucinho O de Lisboa vendeu-se de
7*800 a 8*200 rs. por arroba.
Vinagre----------O de Lisboa veodeu-sde 220*
a 260* rs. a pipa, e o de outros
palies de 180* a 250 rs. a
pipa.
Velas-------------Aa de compasillo venderam-se
de 680 a 720 rs. a libra.
Descont- O rebate de lettras regulou d
19 a 12 por cento ao aono, des-
contando a eaixa filial do banco
cerca de 320 conloa de reis de
9 a lOpor cenlo.
Freles ----- Para o Canal a 65. Mediterr-
neo 70, Liverpool 55, e 7$ pelo
algodlo.
dem louro.
Sabao........
Salsa parrilba.....
Sebo em rama.....
Sola ou vaqueta ...,,
Taboas de amarello .
dem diversas.....
Tapioca.......
Travs........
Unhas de boi.....
Vinagre .......
Alfandega de Pernambuco
1861.
O primeiro conferente. Clemente Jos Fer-
reira da Coala. O segundo conferente, Ben-
jamn Pires de Albuqueique Maranho.
Approvo Alfandega de Pernambuco 14
dezembro de 1861. Barroi. Conforme o 3
crepturario Jlo Jos Pereira de Faria.
arroba 3*200
, urna 8*000
casto 320
, caada 280
14 de dezembro da
da
es-
MovimtMiio ' Navio entrado no dia 14.
Macei e porios intermedios48 horas, vapor
nacional Periinunga, commandanle flinoel
Rodrigues dos Santos Moura.
Gothembourg55 das, barca dinamarqueza Olto,
de 253 toneladas, capillo W. C. Gronoebeek,
equipagem 12, carga madeira; a Rolbe Bi-
doulac.
Londres15 das, barca ingiera Pritcilla, da
202 toneladas, capillo P. 11. Baxter, equipa-
gem 10, carga plvora, fazendaa e outros ge-
neroy a Rolbe Bidoulac. '
Navios tahidas no mesmo dia.
Bio-Graode do Sul pelo Rio de JaneiroBrigue
nacional Sujueiro, capillo Francisco Jos
Gongalve?, carga assucar e 10 escravoaa en-
tregar.
Canal pelo Rio-Grande do NorteBarca franceza
Adle, capillo Galrlr, em lastro de assucar.
o.
to
o.
5"
Horas.
ALFANDEGA DE PRMBCO.
Pauta dos preos do genero tujeitos a direitot
de cxporlafao. Semana de 16 a 21 de mez de
dezembro de 1861.
Mercaduras. unidades. Valores.
B
kthmosphera
3
z
Z
C4
O
se
o
Dirsect.
W
o
?
S
0Q
e
o
I Intensidad.
I
S 3
00
o
I Farhtnhtit.
55
o
8
co
o'
I Centgrado.
-4 -4
H> en
'al
Hygromttro.
00
I Cisterna hydre
meiriea.
a *4 j 4 4
e c; v t
00__*>_"bo o 00
g
Ja

I
i
g g j
France.
lnakz.
o
w
M
S M
o O
r
O
n
*^-
n
A noite clara a principio e depois de agoacei-
ros. vento variavel de direegio e intensidade, Dr-
ntaando-se no terral a3 amanhecer.
OSClLAf.tO DA HAR.
Preamar ash.18* da tarda, aliura^6, p.
Baixs-mar as 8 hl 6' da manilla, altura 1,3 p.
Observatorio do arsenal de marinha, 14 de de-
zembro de 1861.
ROMANO STBPPLB,
1* tenente.
r- ____
Eftilaes.
Abanos
Agua i-denle d cana. '.
dem resillada ou do reino.
Idemcaxaca.....
dem genebra. .....
dem alcool ou espirito de
afuardepta .......
Ajgbdio em caroco .... arroba
dem em rama ou em la. >
Arroz com casca..... >
dem descascado ou pilado. .
Aaaucar. mascavado ... >
Idam blanco.......
dem refinado......
Azeite de amendoim ouati.
doBim. ...... caada
I*in,ae as)co ....;.
idd* da Aatnoaa..... >
Btalas aluDaniicias arroba
naba. ard^ayia*yaBm para
. esabaique. >......
daWffja,....... a
MeA ecaibaau veetalho a
1 Uaa lacrado ...... -titea
Gdt^HemXM n-m
^aaailWsajsa j ajifas*
Cal.......... arroba
Irlnaa fanea ...... *
fiara seeu* abarque. ... >
Carvlo vegetal. ...,.- >
1*000
S40
A cmara municipal do Recita manda pu-
blicar para coobecimeoto de sena muoicipes o
acto peta qual o Exm. presidente da provincia
approvou temporariamente os oito artigoade pos-
tura abaixo traoacriptos, determinando a mesraa
cmara que tivessem elles execuco do 1 de maio
futuro em diante.
Paco ds cmara municipal do Recife em aeaslo
ordioaria de 9 de dezembro de 1861 Luiz Frao-
cisco de BarsVs Reg, presidente.Fraocisco Ca-
nuto da Boa-viagem, oCQciii-maior aerrindo de
secretario.
Palacio do Kovarno de Parnambaco, 3 de de-
zembro de 1861.
O presidente da provincia alleodendo ao que lbe
represenlou a camira municipal do Recife, em
oflieio de 28 de outubro uIium, reaolve eporovar
temporariamente os arligos infla transcriptos do
orojecto de posturas, confeccionadas pela msma
cmara, deveudo os que se seguem do irl. 9o em
diaata serem lubmetdoa aa coobecimeoto da
assembla legislativa previocial por nao ser a aua
materia urgente 00a termoa do ait, 2 do dctilo
de 25 de outobro de 1831.
Art. 1. Aseases da dado do Recita sarao
conservadas limpas, assim como tambem os res-
pectivos quintaos.
Arl. 2.a Os moradores da ditas casas deverao
varre-las urna vez por dia, e os quintaes ao me-
nos urna vaz por amana. Os proprielarios daje-
rio manda-las calar urna vea por aoao, e pintar
de quatro em quatro annos ptamenos, aiterran-
do timbera com areia groase oa quintaes em que
Qcirem estagoadis as aguas pluviaes. Os coa-
traveotorea pagarlo a malla de 10*. e o dobro
uas reincidencias.
Art. 3 Os visos em que se rtapositaaem as
malarias fecaes, quer liquidas, ,quer solidas, a
tambem aa anuas ptridas, nlo podaavtar na basa
mais de palmo a meta de dimetro, nem mais
de dous palmos e meta de altura, a sarao taitas
de madeira com arcos de ferro, ou lados da ierro
de modo apropriado a esto tete ico. lando lampos
qua os diverso fechar, de aorta que nao exbalem
mo ebeiro, caodo prohibido deada j o uso da
barril-da otatgapira tal fita. Oa cuatruvaoto-
rea naga rio a mulla de 5* e o dobro as rain ci-
denoiaa.
ArL 4.a Eiles vasos seria daapejadea a lavados
de. arto em oito das peta bmm, eeado cooduzi-
ctaa aoa lra> para rato dea*a4M, Mita de-
pota da Bboraatiia pata aadrnajada ata ia 6 ho-
raa da maattai. Oaeaatra va tetas paajaiiu a aiul
ta da 1ta>, a o tabro naa reioaittanaiaa.
Art. b. O litadas casas seta aaduaidoa quil-
TMi +>ora do davaa da'oartaaaa .ornada,-aaaim
10 as aguas servidas qe nao aabadasaat aio-
xU*o*a*emtr-mmtottmmmmatti>4l!i*t*a-
as a om*n. ferian j da aorta qo *o ve-
ta qne eitaSrssstm^Oa- ajaaaiaaMtataa aaga-
tiu a aruMa t$t 'doara a taiasideswta.
Arl. 6. Os tagasea de daep4>aa'a-as maje-.
rtas !, .ta patndaa a 1
liMNM as Maniotas;
asa


>
.-- -..--,-.,_
Btu4o m t*uumo* uGuiujui *
N -
4% Arad
toado e asiento de .pelnin
cada ama ; 6 lavaloiios^r
3f cada um ; 3 canos da
cana m ; 8 basqulo*.
Wrtprt maedar loen urna; 1 eadtirn de 14
o sea des-
Saato Antonio, a praia 6
balrro Na ^sWa^fisla, o alagado que
?i pareo cerniterio publico, (AShlVO li-
gar dos toelbosi margen do iWlUfcJTJe nBe
Asaran despejos era oalratSaMttea pagano de
malta *#, e-aero e.s niorideoetas.
AH.' T.# A>anen muenpal mi
Meta* bagares poeto que indiquen
tla)V
y napathM'bfd ear da*Hosa, jnlz de paz do se-
nsato eaHe.Trjesta fregoezia de S. Jos do R-
JJg^-wewiti no.prrmejro, em rirtude
Peco saber, que 'devodo proceder-ae na ter-
ce% Oomftfes d Janeiro prximo f tar a revi-
sao da^qualMeacons^imformidide do art. 25 da
Ie,o 1 O* agesto-dt*t9Wt seftrmlster que o.
eleitorea a suppleotes abaixo designados com!*
zftisy: tmstacs: u su
da referida le coovoco-os para que ae acbem na
igrea da Seohora o nhaa dameneioo-sd* terteir donaina de isneiro
o auno prximo futuro, sor pena dlacarrerem
ns mulla commitud* pela meStrratel, flcaUdo ou-
tr da de confor.nidada com o decreto o. 852 de 19.
daaetembro de 1853 e decreto n. 26*1 de 2z de
agosto do anoo paseado.
* Eleilore*.
Os Srs.:
tesiapintf!
y'-"v-
B1MI
-----------^ Malia*.*
; 1 relogia de pirado com ai Ultras do jiui-
ttador esmaltadas, a valido
cbn .rente se palana., tf,
urna; S ditas de madeira bra
Ionoconcio Serfico de Assia Camino.
EgWio Henriques da Silva.
Francisca Anioeio das Chagis.
Francisco Antonio Pereira de Brlto.
Francisco de Paula e Silva Lint.
Antonio Ferreira d Lia e Mello.
Cualodio Uaooel Theedoco.
Tiburcio Vsreriano Bautista.
Joio Joaqoin da PiMeredo. Y?
Francisco Brum de Barros SitVs.
Caetaoo Moreira Fooles.
Cleto drteet Can pella.
Manoel ioatrtnan Bsptisto.
Norberto Nuoiz Tonaira Guiraares.
Francisco Josqaia de Souia Vegas.
Emilio Americano do Rege Cazumb.
Josa Francisco de Sou Lima.
Joio Tarares da Gru Fonseca.
Jos Francisca de Menezes Amoro.
Modesto Francisco das Cbegas Gansbarro.
Msnoel Antonio de Alcntara.
Francisco Ferraba dos Santos.
Jlo das Virgen Motta.
Jlo Antonio ae Mello.
Maximuno Francisco das Naves.
Jos Anselmo Gonzsga de Oliveira.
Manoel Jos de Jeaua Acerico.
Beato Aires Rodrigues Tupiuamb.
Buflao Auionio de Mello.
Aalooio Soacei de Cara albo.
Suppleotes.
Os Srs. ;
Manoel Ferreira Accioli.
Francisco Canuto da Boa-vagem.
Antonio Moreira de Meodonca.
Maooel Jos Teixeira Baalos.
Jos Aotonto Pinto.
Eduardo Frederico Baoks.
Joaqaira Lucio Uonleiro da Franca.
Dr. Joio da Costa Rrbeiro Machado.
Joio Soares da Funseca Vetlozo.
Joio Xavier da Fonseca Capibaribe.
H'irmeoegildo Coelbo da Silva.
Filippe Saotiago Cavalcaoli de Albuquerque.
Joio Antonio da Silva Pereira.
Manoel de Almeida Lima.
Jos Francisco Baoto.
Juatiniaoo Antonio Aires Soares.
Jos Francisco dos Santos Miranda.
Joaquim Pedro dos Santos Bezerra.
Jos Pauliao da Silva.
Maaoel Joaquim Ferreira Esleves.
Antonio Francisco Lisboa Esleves.
Jos Simplicio de Si Esteres.
Jos Mara do Amaral.
Miguel Jos da Silva.
Alexiodre Sergio de Moraes.
Joio Francisco Bastos de Oliveira.
Joio BaptisU Fuado.
Francisco Manoel de AlmeiJa.
Antonio Prooopiode Souza Barceilos.
Bellarmino Alves de Arouxa.
E para constar mandei faier o prsenle para
ser alTlxado nos lugares mais pblicos da fregue-
ziaeser publicado pela imprensa.
FreguezU de S. Jos do Recite, 13 de dezem-
bro de 1861.Eu Jos Goocelves de S, escrivlo
o escrevi.
Eduardo Frederico Banks.
O IIIm. Sr. inspector da thesouraria de fa-
fazenda deala provincia.vem cumprimento da or-
dena da presidencia comida em ullieio de boutem
dtalo, manda (azar publico que no dia 21 do
corrate pelas duas horas da tarde estar nova-
mente em hasta publica, pecante a mesma thesou-
raria a obra da ponte, ou passadic* para gente a
p, que lem de ser construido soore o rio Capi-
barbe, em ordem a .ligar o bairro de Sanan An-
tonio ao do Recite, visto como, por falta de lici-
tantes deixou essa obra de ser arrematada na ul-
tima prara.
Secretaria da thesouraria de [azeoda de Per-
nambuco, 14 de dxea)bro de 1861.Sernndu da
oflicial-maior, Manuel Jos Piolo.
O Dr. Tristo de Aleocar Araripe, offlcial da or-
dem da Busa e juiz de direito especial do eocn-
mercio desta cidadedo Recite, por S. M. I., etc.
Fago saber aos que o presente edita! virem e
delle noticia liverem que no dia 16 de dezembro
se ha de arrematar por venda a quem mais der
em prac.a publica deste juizo na sala dos audito-
rios irezentas e ciacoenta garrafas de vinho do
Pono, avaliadas a 600 ris, 210$ os quaes sao
perlencentes i Jos Joaqun da Coala Maciel e
vio a prega por execugo que Ihe movem Tra-
vasso Jnior d C.
E ole havendo lanzador, a arrematado se tari
pelo prego da adjudicaco com o abatimento da
lei.
O presente ser afflxido nos (ufares do costu-
ffie e publicado peta imprensa.
Kp.cife.-26 de novembro de 1861.Eu Manoel
Mara Rodnguea do Nascimeoto, escrivlo, o es-
crevi.Triato de Aleocar Araripe.
O Dr. Tnslao de Aleocar Aran pe, juiz de direi-
to especial do commercio desta cidade do Re-
cite eaeu termo, capital da provincia de Per-
nambuco, per 8. M. I. e constitucional o Sr. D.
Pedro, qu Dos guarde, etc.
Fago saber pelo presente que no dia 16 de
netembro deste anov se Ira de arrematar por
venda, a quem mais der, depots da audiencia
respectiva uaaaia dos auditorio, o escravo de
nomo Liberato, pardo, com idad de 21 aooos,
avallado era 1:200, o qual perttnceole a Ma-
noel Tneodoro Rodrigues Pinto e a ste f6ra pe-
nhorado por execugao de Servlo Pereira da Sil-
va, eos falta de licitantes ser arrematado pelo
pre;o da adjudicarlo com o abMimento da lei.
E para que a noticia chegue a, quem ialeressar
posas, maiidei passar edliaes que serio (fizados
nos lugares do coslume e publcalos peta im-
preoea. (
Dado f auado nesta cidade fi Recite de Per-
Darobuco, aos 3 das do mez de dezembro de
1861, quedregessimo da independencia e do isa-
peno do Brasil.
Eu, Manoel de Crvalho Paes de Aodrade, es-
crirao, ec.rerir
Trlstao de Aleocar Araripe. ,
O Dri Tr1s,tao- de Aleocar Araripe, official da im-
perial ordem da Rosa, e juiz de direito espe-
cial da commercio, desta cidade do Recite e
asa termo, capital 4a provincia, d Pernambu
ee, por S. B. f. e C o Sr. D. Pedral, que
Beus flarde. etc.
iras
- da
de encost ra-
ladas em 3*
avahados a
vallados s KM
as s 3f cada
^daT^j^jgHflaW
que alt-.
Atteft Fnrelr* d!
do. avalladas em 5 cad> urna i aofis avahados
em B| cada ura ; 1 masa redonda com lampo de
marranre branco, ai aliada em40|; t
sol-------
ob,
lampo
oa.aaajidtts p7r60|,"snd ladea asi Rlor
*bWfiHf madeka de amarelto; 39 garrafas4a^ '
pisadas de vidro brinco, avaliada a 1J cada uva -
8 calix para champagne, avallados era 1J cada
"i.' 2 tasa do chicaras e pire de porcellaoa,
avahados por *} ; 4 dilos era man estado,, se
lof; i manregueirai. sem valor; 1 bul, ava-
hado porBOr. ; 2 bules de metal, avahados
akostbec pil^presenla, que no da 16 do
corttoie mei se tyiui fla^axramata^essjprag pu-
bla*Jdesie.juizo, aquem ,m^%tt, e na sais dos.
auditorios, os objecios seguintes :
l mesa elstica avaliada por $0f; 1 dita p-
^a^JM|Ujgn par tM; ft auz^uazas, ampalaa.-
^2W!S?*2ll' i Pr-o*mesavoJtaljaa:
vilat^fl*' 1 -ttesrqoatfr.da de cotlam-
or 2); 2 galheitpiras, avallados era 6 cada um ;
JOcalItpsra vioho, avahado por-2); campo-
teira de vidro, avallada por 1 ; S fructeiras de
poreellana, avaliadas.emJ cada urna; 3 ditas
quebradas, sera valor; 2 raaos de porcellaoa
rot, 4 tas para tirar sftps, avaHado tudo por
4|; 2 espeMc-s grandes d mol Jura preta, ata-
hados em J cada arn^ 1 lavatorio de flandres,
avaHadopweTl- 1 par de jarros dourado, ars-
liadoa por 55; i par de laoternas de vidro e cas-
tlgaea,. avahadas por 6|; 1 par de dita* eolias,
avahadas portj 1 candelabro de Sidra sem
laoternas, avahado por 8f.. -.A
Os quaes bens rio yrega por execugo do ba-
elarel Nabar Ctrneiro Bezerra Caalc>fUi, contra
Mariano Sanches de Baod a Gusuvo.Bocmms, a sa-
fio arrematados, na falta de licitantes, pelo prego
da adj**steao com p abatim*oto da le:
!. E para que cbeaMe ao coubecimenlo de todos
mandei passar eduaes que serlo afiliados e pu-
blieados pela imprenaa.
Dado o pasando aeets cidade do Recito, aos 4
das do adez de dezembro de 1861.
Eu Maooel de Crvalho Pses de Andrade. es-
crivo o Mbscrevf.
Tristo de Aleocar Araripe.
O Dr. Trislao de Aleocar Araripe, offlcia
da ira aerial ordein da Rosa e juiz de direito es-
pecial* do commercio desta cidade do Recite de
Pbrnambuco e aeu termo por Sua Magostado Im-
perial e Constitucional o Seehor D. Pedan II
quem Deus guarde etc.
Fa^o saber aos que o presente- edital virem e
delle noticia liverem que oo dia 16 de dezembro
se ha de arrematar por vanda a quem mais der
em praca publica deste juizo na sala dus abdito-
rios, um terreno, silo na estrada de Joio de
Barros, cora sesseota palmos de (reate e irezeo-
tos de faodo, avaliada por quindenios mil ris, o
qual perleocenie i Bernardino Jos da Silva e
vai a prega por execucio que lhe move Henry
Foster & C.
R nao havendo langador que cabra o prego da
avaliagio a arrematagio aer feita pelo valor da
adjudicagio com o abstlmeoto da lei.
E para que chegue ao coohecimeolo de lodos
mandei passar edilaes que serio publicados pela
imprenaa e a tuzados uos lugares do costume.
Recite. 21 de novembro d 1861.Eu Manoel
Mara Rodrigues do Nascimeoto, eacrivo o
subscrevi.
Tristo de Alencar Araripe.
O Dr. Tristo de Alencar Araripe official da im-
perial ordem da Roaa e juiz de direito espe-
cial do commercio desta cidade do Recite Ca-
pital da provincia de Pernambuco e aea ter-
mo por S. M. I. o. C* o Sr. D. Pedro II, a
quem Dos guarde eic.
Fago saber aos que o presente edital 'virem e
delle noticia liverem que no dia 16 de dezembro
do correte anuo, se ha de arrematar por venda
a quem maia dor em praga publica deste juizo
na sala dos auditorios urna rplagao de dividas
somraaodo a quautia de 5:1970700. avaliada por
5O0|, perteacente a Antonio Jos de Oliveira e
vsi a prags por execugiu que lhe more Joao Al-
ves da Cruz, como cessionario de Ser, Filhos &
CodaVnhia.
E nio liaren 1o langador que cubra o prego da
avaliago a arrematagio ser feita pelo valor da
adjudicago com o abatimeolo da tai.
E para cht*g.-r ao coohecimento de todos man-
dei passar eflitaes que aero publicados pela im-
prensa e affixados aos lagares do costme.
Recite 25 de novembro da 1861Ku Maooel
Maria Rodrigues de Nascimeoto,escrivao o subs-
crevi.
Tristo de Alencar Araripe.
. O film. Sr. iaspeclor da thesouraria provin-
cial, em cumprimento de resolugao da junta da
tazeoda manda fazer publico que no dia 26 do
Correte, peraote a mearas junta, se ha de arre-
matar a quem por menos fuer, o costeio da illu-
rninagao publica da cidade deGoianns, avahado
cada um larapiio de 295 rs. diarios.
A arrematagio seri feita por lempo de um au-
no, a contar do 1. de Janeiro a 31 de dezembro
de 1862.
Aspessoas que se propozerem a esta arrema-
tafiao comparegam na salla das sesses da referi-
da juola, oo dia aupramencionodo, pelo meio
dia, e competentemente habilitadas.
E para constar se maodou afiliar o presente e
publicar peio Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco 12 de dezembro de 1861.O secretario,
Antonio Ferreira d'Anounciagio.
O litro. Sr* inspector da thesouraria pro-
vincial, em cumprimento da resolagao da junta
da fazeo la, manda fazer publico que a arremata-
gio da renda-dae casas do patrimonio dos or-
phos, foi Iraasferida para o dia 26 do correte
roei.
E para constar se mandou afiliar
dublicsr pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco 12 de dezembro de 1861.O secretario,
A. F. 'Aonunciagio.
O Illm. Sr. iaspeclor da thetouraria pro-
vincial, em cumprimento da ordem do Eim. Sr.
presidente da provincia, manda fazer publico,
que no dia 19 do correte vai novameote em pre-
ga a obra do calgaraeoto da ra do Imperador,
Campo das Princezaa e prags de Pedro II, pel
systema de paralelipipedos, avaliada em ris...
212:9059000.
A arrematagao ser feita na forma da lei pro-
rioeiat a. 313 de 15 de malo de 1854, e sob as
clausulas especiaes abmo declaradas.
As pessoaa que se propozerem a esta arrema-
tagio, comparegam na sala dis sesses da junta
da fazends da mesma thesouraria, no dia supra-
meocionado, pelo meio dia, e competentemente
habilitadas.
E para constar se mandn afiliar o presente e
publicar pelo Diario*
Secretaria da the&ouraria provincial de Per-
nimbueo. 6 dedezenibro de 1661.O secretario,
Antonio Ferreira da Anounciagao.
Clausulas especiaes para.a arrematagio.
A bra ser principiada em doos mezes a
contar da data da arrematagao e coocluida no
prazq de t mezes.
2\O arrematante ser obrigado a altender as
reclamacpes coocernentes s boa execugo da
obra, feitas pelrengenheiro encarregado da sua
Qsealtsagio.
3a.O pagamento ser dividido em 4 preeta-
?oes ifruaea, correspondesdo cada urna a um quar.
to do valor dr obra, constante do orgamento ef-
fectuado com as quaoliaa que (orea voladas ao-
nealmente para ease Ora,- oom o imposto dos
propnetanos, e com as sobras da receila nos ter-
moedo2'o- art. 41, da lei do orgamento ri-
gente.
"*""* r"-. 'e Pro?e obra avahada em bragas qoadradas, Acanita o
arrematante suiaitq. pelo prego doorgamentd. ao
aegmneto d mesraa, se o governo assiea o en-
tender.
S*!*-- arresaatantf *i obrigado a seguir res-
tricta rante as dispoeiedes ceudas no art. 3Jtfa'
toi o. 286, e nos man arUgor da mesma lei man
regula aa arrmalaoes. **VT >^if.
,. '-tA- Bt4 aer dejgr.mUo.ott oalu, pp,ih
-a ae, multo boa qualidade ignaimearte dura,,
j 7".A> psdraa serio cssenudas sobre una ca- i -
de inoVavolsacie, seia qual Ib-r
gue para tarim. '
Conforme. O leeretaflo,
Annunelagio. '
rlftrttb tfa-ordem-.de Cflrtt'd e ]fz'naf
pal, de orphos e ausentes do termo tfefob-
aber, aes qne este oTttr,vlrtn\,W#'pW
este juizo de ausentes, se ha de arremaW/**
praga publica por venda oo dia 18 tWttorWo
nera* l horas do dia1 i porta da casa dareirl-
deucia do mesmo juizo, o escrav de no me Me.-
*Vj reprsenla ier 40*"aopos, ponco mais
Venos, de nagio, coro urna rotura, a qdem
flanee bfferecer, sobre'a araliagSo de
aonJOOO, cojo escravo peitencente a heranga do
Qdlldo Pedro de tal.
E pira que chegue ao conhecimento de todos
mandei passar este quesera afiliado, ao lagar
do costume, publicado pela imprensa, pa for-
ma da lei.
Dado e passsdo nesta cidade de Olinda, sob
mea ello deste ju'ze valendo sem sello ex-caa-
sa, aos treze das do mez de dezembro do mil oi-
tocentos e sessenta e nrn.
Eu Fraoctsco das Cb'gar Cavalctntl Pessoa,
escrivao de urptitos e ausentes o escrevi.
t Agostioho Ermelino de Leo Jnior.
O Illm- Sr. inspector da theaouraria pro-
vincia!, em virtude da ordem do Eim. Sr: pa-
sidente da pnrrrncis de 5'd correte, manda ra-
zar publico que at o dia 19 deste mez etsr
nova mente aborta a concurrencia para a colloca'-'
gio de carris de ferro, denominados trilhos ur-
banos, partir deara cidade at a povoagW de
Apipucos. O contrato ser fello nos termos da
le provincial n. 518 de 21 de junho do presente
anno. E para constar ae maodeu afiliar o pre-
aente e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco 6 de dezembro de 1861.O aeeretario,
Antonio Ferreira d*Aonunciag5o.
o presente e
aviirada _
esrelhoc#m m.
eatMAL____________
ticVeWaath&sA, de
por M]!plYr
eiro, bollu, etc.
; tdtuL
canide a..li
Idnradnurstfa':^
col l uro
< gaveta
JRJU
iteeiaracvia.
Comelho de compras navaes.
Mgm llili-ade Pntea
Tendo-se de centrar, sob as eoodices do
estyllo, por tres mezea lindos en margo do aono
vindouro, o fornecimenle, dos objectos abaixo
declarados; convida, o coaaejho aos pretenden
tes^ apreseatarem suas propeataa, eaa carUa
fbchadas,- no dia 17 do carrate mez at as 11
horas da maohia, em que isso ter lugar.
Paraos navios da aunada.
Carne de vacca salgada.
Para as obras 1 cargo do arsenal de marinha.
Tijolo-de alvenaria grossa, cimento claro de
Bolooha, pedra de alvenaria e da cantara, bru-
tas; cal preta, e bruta.
Para oa aprendices artfices
Bonets do uniforme, ditos para o sarvigo, gr-
valas pretas, frdelas de panno azul; calcas de
dito, debrim. edealgodao azul; blusas de brim,
e de algodao azul; sapatos, camisas de algo-
daosiobo. saceos, caizeea, e Icaveaaairoa de li-
nho cheios de patria cobertor de lia, leocoes e
ronhasde algodosinho. e col xas de elgodao.
Para os imperiaes marioheiros, a aprcndizes
ditos.
Booela de panno azul, camisas e calcas,, de
Dra branco ; gravatapreta, polainas de panno
preto, e sapatos.
Para os fuzileiros naraes.
BoneU de chapa e pata; fardas, e calcas, de
panno azul; lrdelas, calcas e camisas, ebrim
braoco ; grvalas de couro, polainas de panno
prelo, e sapatos.
_ Os proponenles devem fazer
fardamenlo por medidas,
amostras dos pannos.
Cooirata-ee mais era dito dia, porigoal tempo,
a vista tambera de propostas, a lavageo de rou-
pa das enfermaras do marinha e dos africanos,
pragas do arsenal, e da compaohia de
dizea artfices.
Sala do conaolho
dezembro de 1861.
O
CM'aaWaoaliaJiM. accionistas a recebara ao
trr^onox danta eampaobia o 8 dividendo de
OTsw por asjfcio. /T^p-
*HP. deCunba.
Thotnaa dejarla.
Consulado provincial de Pet-nambuca.
K1.r^?t^**IM blico aos proprielaTitis'dos'predios urbanos das
fregaeziasdeata cidade e da dos Afogados que os
trila asas atis para cobraoga, a bocea do cofre,
""testre daneoiaaado aono inanceiro cor-
rete 1861 a 1862, se principiara a coatar do dia
3 da dezembro vindouro; a que tambera nornea-
mo dia principia acobranga do primeiro semes-
trsoo imposto de 5 X'sobre renda dos bens
de raz perlencentes a corperagea da meo mora.
. .??-. do cosulado pcoviociab S3 de novembro
de 1861.-ThsodotoBathSHPrire Pereira da
Silva, .,
Collectoria provincial de
OHada.
Pelo_presente az-se publico, para conhecimen-
to dos lateresaades, qqe do. dia 3 de dezembro
proxune futuro principia a contar-se os 30 das
uteis para a cobxaoga do imposto da decima ur-
bana do 1.a semestre do aooo flnaoceir de 1861
a 61, os quaes nodos pagarao oscootribuintes que
nio compareceris em dito brazo a mulla de tres
por cento coofurme determinado no regolamen-
to respectivo : oomeamo prazo serio igualmeo''
cobrados os impostos lsogados aeguintes^ 4 0i0
sobre o alugueld'e casa de negocios e diversos
tstabetecimenlos ; 8 0,0 sobre o aluguel dos es-
criplorios do adrogados, tabeUiies, escrivies,
etc. ; 5 0|0 sobre .o aluguel das casas do patrimo-
nio das earporages de mo-morta ; 20 0,0 das
agurdenlas do consummo, simposio sobre car-
ro v de passeio, aluguel e carrogas.
'Collectoria provincial de Olinda 28 de novem-
bro de 1861.O escrivlo,
Joio Gengalves Rodrigues Franca.
--------------------------------------------------------------------------------------
Santo i-moro, capilla; ManoeL da Sirva Sanl
para aignns carga qte eini.'' aode reteber Ira
retSy-
ooeJgoliaTlo I
Km Grande do
PULO
aegue brevemente o brign noetensl cAde(a4de,
de superior marcha, por lev alga asa carga > ao-
gajada : quem oo mesmo quizer carnegar ou ir
de passagem, dirija-se a BaltsY '4 Oliveira, roa
da Cadeta do Recite n. 12, oa com e cap lio oa
praga.
os objectos
apreseottrem
apren-
de compras navaes, lo de
Atsos manttmos.
Para o Aracaty
aega* at o flm desta aemaua e principio de oa-
trao hiale Sant'Arma : para carga e passagei-
ros, trata-se com Gurgel Irasaos, na ra da Ca-
deia do Recite n. 28, primeiro andar.
Maranhao e Para.
O patacho Paulino segu com brevidade, o
pode receber alguna carga : trata-se com oa con-
signatarios Marques, Barros & C, largo do Corpo
Santo n. 6. r
Rio de Janeiro
;b
a esta
11 bora
cochaia,
p^chiDcba:
Quinta-ftra 19 em coQUoqv
5*o ao do dia 13 do correte
O agaou Pioia;fa |eUao. requertmeoto do
administradores da massa fallida de siqueira *
Pereira e por mar/dado do lltnl S. juiz especial
do coasmerco dos oblaos abaixo declarados per-
tencenta a mesma massa a -aaber:
Um terreno do Monteiro lugar denominado Ca-
bo*, smi ^e dlfta^^lasV perUncanl

COWP#WlliViriS.LfHHI
.Al o da 21 do crrente esperado dos portos
do norte o vapor naoibal Paran, commaodan-
te Alcanforado) o qual depois da demora do cos-
tume seguir para os portos do sul.
Desde j recebem-se paagetros, e engaj-ae
aarga que o vapor poder eooduzir, a qoal de-
vera ae embarcar no dia de sua chegada, dinhei-
ro a fres e eotommodaa at o dia da aabida s
2 horas da tarde : agencia ni* da Cfoz n. 1, es-
cripterio de Azevedo A Mendee.
La^ilOrVL
aaW Jl aI*LF UW
LEItO
Terca-feita f7 do correte as
10 horas em ponto.
O ageote Pinto tari leilao por coola e risco de
quera pertencer e sem reserva de prego,"1a ar-
magao, balcio, selindro, maceira e lodos mais
obj-ctos existentes na padaria da ra de Domin-
gos Pires a. 50, na da e bora acias mencionado.
per--
Um dito no mesmolnaar. junto ao lerreoo'
teocinte ao Sr. FiITppe Billis Maciel
Um dito oa estrada 4o Manteare junto casabe*
Sr. major Aotuaas.
no*8*?Bjad*rd "* DOm* Le-Odro' de ,8 "'
O Idilio ser eaectaado a It beraa do dia ci-
ma mencionado na roa da C.deu de Recite o. 9.
primeiro andar, nade ae poderi ebter do refe-
rido agente qualqaer ioformagio a respeilo dos
aseamos objectas.
Avisos diversos.

M07SIS
PELO AGENTE
0 bngne aCruzeiro do Sul recebe tambera g
neroe estrangeiros a frete : a tratar com os con-
signatarios Aotunes Guimaraes 4 C.
4
n-Tloi
da
Baha.
Para a Bahia segu era poacos dias a escuna
nacional Carlota, capitao Luciano Alves da Cnn-
ceigao, para alguma carga que llnds recebe tra-
ta-* com o aeu consignatario Fraocisco L. de O.
Azevedo, ra da Madre de Daos n. 12.
urna ca-
secretario,
Alexandre Rodrigues dos Aojos.
A thesouraria provincial, em cumprimento
da ordem do Esm. Sr. presidente da provincia de
a de novembro ultimo, tem de comprar para os
educaodos do collegio dos orphinsde Santa The-
reza em Olinda, 69 pares da sapatos de bezerro
da trra.
Aa pessoas que quizerem vender taes sapatos
apresentem suas propostas ero cartas fechadas do
correio deta cidade, no dia 19 do correte, pelo
meio da. '- v
Secretaria da ifteeoataria. provincial de Per-
oambuco, 13 de dezembro de 1861.O secretario
Amonio Ferreira da Aonunciacao. '
Consulado de Franija em
i^ernambuco.
O capillo Riviere da barca franceza Jeafi Par-
mentiir em repaaagio oesle porto, precisa lomar
i risco, cerca de qnatro conloa de ris (4:000*
psra pagar as difereotes despezas que leo sido
obrigado a toser oeste porto.
O olio empreatimo seri garaotido pelo mesmo
navio, casco, aparelhos, magamee victnalhis.
As pessoas que pretenderen) fazer este adian-
tamento slo convidadas a comparecer qaarta-
feira-18 do correle, s 11 horas em pooto na
chancellara do consolado de Franga, onde 'ter
lagar a dita adjudicaco era presenga do Sr. cn-
sul de Franga, a quem por menos (Wer.
Pernambuco 14 de dezembro de 1861.
O cnsul de Franga.
Por esta subdelegada se faz publico que se
aeham depositados dous cavados, um reraetlido
por Thomaz Alves, outro lomado a Antooio Jos
do Carmo, morador no Barro, por suapeta de
sr furtado, cujo individuo se acha rccolhido
detengo : quem se julgar com direito, compa-
rege, que provaudo lh*seri entregu. Subdele-
gara dos Afugados 14 de dezembro de 188!. O
sabdelegado supolente, Jo Buarque Lisboa.
Canselho administrativo.
O conselho admiaisliativo, para fornecimeoto
do arsenal de guerra, lem de contratar os gneros
alimenticios, para a companbia dos menores do
arseual de guerra, durante oa mezes de Janeiro e
tevereiro do anno prximo viodouro.
Pi de 4oogs, bolachas, assucar refinado da
segunda sorte, caf em grao, roaoteiga franceza
cha bysson, carne verde, carne secca, arroz d
Maranhao, bacalho, vinagre de Lisboa, azeite
doce de Lisboa, farinha da trra, toucioho de
Lisboa, fejao mulalinho ou prelo.
Quem quizer contratar taes gneros, aprsente
as suas propostas em carta fechada, na secretaria
do conselho, s 10 horas da manba do dia 20 do
correte mez.
Sala das sesses do conselho administrativo
para fornecimeoiodo arsenal de guerra. 12 de
dezembro de 1861. "
Bn/o Jote Lamenha ins.
Coronel presidente.
Alexandre Augusto de Friat Villar,
Yugal e secretario interino.
Conselho administrativo.
0 conselho administrativo, para foraeeiraento
do arsenal de guerra, tem de comprar os objectos
seguales :
Para o arsenal de guerra.
12 groaas velas da feas eaUnhadas pase asa ]
vatas.
6 libras de gomrns arabicaT
12 duzias de folhaa de liza.
COMPANHIA PERtUlBUCilU
DB
Savegacad costeira avapor
Paralaba. Rio Grande do. Norte,
Macau do Ah', Aracaly e Gear.
O vaper Iguarass, commandante Vianna,
sahir para os portos do norte de sua escala
al o Cear no dia 21 do correte- mez s
horas da larde.
Recebe canga at o dia 20 ao meio dia. En-
commendas, passageiroa e dinheiro a frete ate -
dia da sabida as 2 horas: escriptorio no Foro
do Matlos n. 1.
Rio de Janeiro
pretenle seguir com muila brevidade o briguo
escuna Joven Artliura.tem parte de seu carrega-
menlo prompto : para o resto que lhe falla, (ra-
ta-so com o seu consignatario Azevedo St alen-
des, no seu escriptorio ra da Cruz n. 1.
Para o Rio de .Ja-
neiro.
O brigue aBelisario, primeira classe, capillo
Manoel MariaoDo Ferreira, segu com brevidade,
recebe carga e escravos a frete : trata-se com os
consignatarios Marques. Barros & C, largo do
Corpo Santo n. 6.
Maranhao e Para.
Segu com brevidade o hiale Lindo Paque-
te por ter grande parto de aeu carregamento
contratado ; para o resto trata-se com os con-
sigoatarios Almeida bornes, Alves & C, ra da
Crus o. 27.
Para Aracaty eAss
Hiale Dous Irmaos : para carga trata-se com
Hsrtms & Irmo, oo com o mostr Joaquim Jos
da Silreira.
10 milheises de prego* caitas.
300 vassouraa de palha.
. 100diles.de junco.
I Quem quizer vender taee objentos aprsente
as suas propostas etn caria fechada na secretaria
do conselho, s l arara ata manbaa do din 18 do
correte mez.
Sala deeseasosa do eoneelbe sdminsalraUver
para fom*ciraaot do arsenal' de guerra 12 de
dexeeobio d8l. ~>
Bento Joti Lamenha bine,
Coronel presidente. "
/vte*ana;na;rA#iwtoTat Fre* Vtor,
"'5*' A ""*^riniri"",inft
!WvH/
parte do arremal
PeiaadoiioMir*^* doieendel e*sMMad-
-S8eoudaasob.-wp^
la deargamissa de.oal ar*a,.paia,sobte, .ad faz publicor^e*eat>4r*Bde*W_.
L-rlno.^*^Ca-0,1fdocoB> ul^abaaflilasii^eerg.0a>w'neirWe
8.maco pesado cez, serie es^afdamalM pl*iro- oadta
-O^ftlfVmOo snt4 obrigado a boten nma 15 neceaste, da a^fawaid.da1*^7^,0{.,ie
**WWf|a4l9^*P^rta)#ajMBa4a^ <|s>e correio publicado no Diario rtciTHafjjea' I
a*,4Mf Ua eoelw,.*atara*leDS. ,, aeiro deste anno AsAitflM^ao recebidasduas
^o aqm menc.oo.4 toaar ioolai* Tr.s antead, que fovTOPiatSra a .ahida do
QaUnte5, tendente a exigeacia Domiogc----------
Domingos doi Pasaos Miranda^
O hiate Novaos segu com brevidade, recebe
alguma carga e escravos a frete .* trata.-se.com oa
eoosignatanoa Marques, Barros A-C, largo de
Corpo Santo o. 6.
Acarac
O vapor Iguarass, da ctmpaahia Pernambu-
cana, segu oo dia 21 ateo Adafnc, recebe car-
egunda-feira 16 do corrente.
O referido agente cima, competentemente au-
lorisado pur'uma familia que se retirou para fura
da provincia far leilio de toda a sus mobilia
consieliodo m urna mobilia completa de sore-
jeira tampos de pedra, dita de amarello.cadelras
avulsas, msrquezss, commodas, cama de ferro
para casal, lavatorio, louca de mesa ealmogo, vi-
dros, candelabro e muilos outros objectos avuisos
que seria impoasivel eanmera-loa e que ludo se
vender sem reservado preo : saguoda-feira 16
de dezembro pelas 10 horas" da manha na roa
du Attorim n. 50, primeiro andar.
LEILaO
DE
lili.
A 17 do corrente
O Dr. Charles Cordn temi de retirarse tem-
porariamente para Inglaterra far* leilo por io-
terveogo do agente Oliveira, de toda a bem
acabada e excellente mobilia e mais adornos da
casa de sua residencia, cousistindo em lindos sot
fas, consolos e mesas da s>la com tampos de
marmore, mesas de sotas, poltrona, cadeiras de
balaogo, de bragos. de encost e diversas outras
usuaes, bancas para jogo, um ptimo piano de
bellss vozas.esuelhos magnficos cora molduras
douradas, quadros importanlas, vasos para flo-
res, cendieiros de globo, lanteroas e muilos en-
eites para salas de visitas, estantes para livros.
obras impressas litlerarias, histricas identifi-
cas dos roelhores autores, liadas secretarias, com-
modas, toucadores, guarda-vestidos, marquezas,
magoitJcos toucadores, lavatorios com espelhos,
e outros singelo?, leito para casados com corti-
nados eos mais preparos, Unas alcatifas para
sala e saleta, granee mesa elstica para jantar e
outras para differentes mistares, louceiros, arma-
rios, apparadores, porcelanas para alraoco, iaa-
tar echa, crysiaes, galh*teiros, baodejas, facas
e girfjs ecolheres, avultado trem de cosiuha.
bancos e innmeros outros art'gos apreciareis e
ijispensaveis a qualquer casa bem montada,
Terina feira 17
de correte, as 10 horas da maohia' em pooto,
na iodicada residencia ra da Iraperatriz o. 30,
onde espera inteira coocurrencia, atormente de
seus dedicados amigos a que convida para tomsrem urna refeifao e um copo
de vioho saude da sua saudosa despedida.
LEILAO
DE
Prezuntos, alhos e
licores.
Quapta-feira 18 do correte
O ageole Piolo far leilao, por cuota e risco
de quem pertencer.de 10 barricas com prezuo-
tos ensacados. 50 caoastras com alhos e 10 cal-
zas oom licores francezes: s 11 horas do dia
cima mencionado, oo armazem do Sr. Annes.
Almanak da proviacia
Estando a confeccionar se o alnanak
desta provincia-, roga-se as pessoas qne
coatumam ser contempladas de manda-
rem seus nomes, e qualidades de ocen-
pacao a' livraria ns. 6 e 8 da pra Independencia at o dia 15 do crrante
em que se dore techar.
LOTERA
Terca.feira 2* do corrente,i (respor
de est) andaro impretrivclmente as
rodas da terceira parte da primeira lo-
tera do Gyrnnasio Pernambucano.
O abaixo assignado em attencao a *ep
esse dia o da vespera do nasmento do
nosso Redemptor e para mais satis fazer
ao respeitavel publico pagara' as sorte
de 6:60*1$, 5:600$. !:600#, 560$. 266|t'
easde 100$ logo nese mesmo da da*
extraccao apenas se tenha ella concluido
cujos pagamentos -finalisarSo nesse dia
as 6 horas da tarde, continuando nos
das uteis. Os bilhetes e meios billietes
cbam-se a venda nicamente at o dia
23. na thesouraria das loteras na ra
do Crespn. 15 6 as caas commissio-
nadas.
O thesoureiro,
A. J. Rodrigues de Souza.
Pede-se *o Sr.Dr. Joa-
quim Elvirio de Moraes
Crvalho, que quaodo
vier ao Recite faca favor
dirigir-se a loja da ra
do Crespo n. 8.
Quinta-feira 19 do corrate,
AS 11 HORAS EM PONTO-
Antonio Carlos Frapcisco ds Silva far leilao,
por ioterveoco do agenta Piolo,e com autorisa-
cao da commissio de seas credores, e para paga-
mento dos'mesmos, dos seguales obieetos. a
ga e passageiros : escriptorio no Forte do Maltes, saber: metade de am sobrado de, dous andares e
loja oa ra da Seozaia-a. 13; Uro/sitio oo Salga-
dicho de Oliveira, com boa casa e grande pomar,
cineo escravos pecas: no dia hora cima
mencionada. Da ra da Cadeia a. 9, primeiro
andar. visa!
Para Lisboa.
A veleira e bem cooheelda barca porlugueza
Graltlco. canJaae Antonio Pereira Borgea Pas-
taos, pretenda seguir cura inteira brevidade.;
lera pnrae do aeu corregampnlo prompto, para
reste!-qie Ifce alta.e paasageirna, para oa-quaca
tara eieelleolas coas rondo*.- trata*se cosa aeua
caesWMiattoaahAsaiMsjp & Heodns. ooiseit es-
lisHaria djIfraidaCratii.,4,ou coas o eapiioo *
nHaraAa^hniv eisa > t*e .mu i
TaHaaaoaoaks de.aaorn,4lo,Ria>alto
rtdo, a na d***fl.^ea, laneneia o.
Cpaananat* ^swasais^aaa. Usa de,;cfiafridade
tfla^vada ^o.a.aaavaa-d****a aasins do t.% a>
iaoasrai .doi laaMpaoa^4UiraDao diaoae^ i
<*,^^^^eMIaioaiaiiajait'!* h>. r-nimh
!?*' ^ rloa,^oe*ee,a> 9%ara,-.atarie-4o nioa
Qaaodo. .aanaasKA daaaarado dfaiajaaida ler.4aaRo..dlNBWUaoand
m Rit
Secas am poacos dias o
palhahoie oaaional

11
'I;!'
o. mu
U
*
Precisa se alogar urna escrava que
seja de boa conducta, para o servico
interno de casa de familia, e que saiba
engommar e especialmenie cozinhar: e
agradando percebera' bom aluguel, e
tera' bom tratamento:: na ra da Au-
rora sobrado n. 58.
O lente Juo Adolpho de Souza Brrelo
outr'ora do segundo balaihao de iolsotaria d
pxercilo aqui eslaccioaado, teodo de reunir-se ae>
7a balaihao da mesma arma que se acha oa pro-
vincia da Baha, para o qual lora removido, dri-
zando de ezeroer o lugar de agente daquelle ba-
laihao. faz publico por meio do presente anoun-
cio. que Desta praga cao deve oada a pessoa al-
guma ;. e caso alguem se ache com direito a re-
cepeo de alguma quaotia, queira se apresentar
em casa dnaoouooiaote, oa ra Augusta n. 7
at o dia 20 do correle, afim de ser satisfaitol
Apreveilaodo a occasio, o aaounciaote expri-
me, ds raaoeira a mais siocera e cordeal, os sen-
timeatos de Rratidio de que se ach possuido pa-
ra coro os Illms Srs. coroael Luiz Jos Ferreira.
e major Juio Francisco do Livraraeato; e agra-
dece a briosa ofQcialidade, que faz parle do re-
ferido corpo, os signaes de attengo e amissd
com que sempre se digaaram de o diitiognir, affi-
angaodo a una e oulros que jamis se ha de' sul-
focar em seu corago os se mmenlos de respeilo
a amisade, que Ihes vota o sobredito aonun-
ciante.
Nesta typographia deseja-se fallar ao Sr.
tenente Jos Antooio Ribeiro de Freitas, para aa
lhe entregar urna carta viada deS. Beoto, porsa
ignorar sua morada.
Quem precisar de um sacerdote parar dizer
as missasde festa, dirija-se a ra estrella do Ro-
sario n. 18.
. Um aacardote offerece-e para celebrar aa
miases da (esta do Natal, dentro ou tora da capi-
tal : a pessoa a quera cooveaba, pode dirigir-as
ra da Cadeia n. 51, casa de Joao da Cunba
Magalhaes, no Recife.
O passageiso do vapor Oyapocka chegad
nesle porto no dia 12 do corrente, qoe levou por
eogano na sua vhgem um bah de couro j usa-
do, e aa lampa do mesmo o letreiro com as le-
tras J. N. R. C, queira ler a boadade de mandar
entregar oa ra do Cabug, loja a. 18, ou avisar
para ser procurado.
Joao Jos de Crvalho Moraes Filho vai ao
Rio de Janeiro, e deia por seu procarador em
aba auseocia aea paio Sr. Joao Jos de Carralho
Moraes.
TereaMfiT w i*
< .'n->- 'i D&<
fturiw e caysah
O capitao Dmeles do brigue ____
sbdMamaato Gaaaaaraaauaa uan 2hlM.>V
Balaihao de infantera
numero 9
Conselho econmico,
U mesmo cooselho contrata para o fornecimeo-
to das pracaa arraexhadas duraste o semeaUe a
decorrer de Janeiro a junho da aono vindouro
os gneros abaixo mencionados :
Assucar reflasdo trMueiro, ou branco de ce-
rdeo.
Arroz.
Azeite doce.
B*calhO.
Carne secca.
Carne verde.
Caf oitcaroco ou aaoJilo.
Barinjh'a de maadipca^
I*
a*
9

i*f
atJsaOit
ao cehlo.
fcaafwa);
;aa LiAbos oa
3>A
O lel.ll
i
08.

ffi'W** ricas.
iPortaoto m eeonores, negoeianlaa qua qaft-
ame- sha foroecer. dbveraaaaajasaatdneaas propoataa
ras fechadas tw di*3 do correle at as
rnda rnaobaa na soereaaHtae >aaaBaaaU
'talnta ; artos de ee os geaeroa devesio as da
i al^nflJ,
-ni
mi it 9e. Anrjr d Abru Porto,' ^Nr eoR*de.
V^tn^^rv^^trfi,**^ bs!ri'""
ro d^ memores tal vez q
car-j
vind o Rio d Janeiro.
X


_^



**- SBGUSB4 *BHA M M DBUUM DE lWi
160
320
Para as provincias de Pernaj^^^^^^^B
Grnela do irorte, Cear e Alagoas, -a saber:
Folhinha de porta, contenffc o kalendario, eposjas geraes, accionan, diat
de gaita, tabella de salva, notic^ ^ne^|ijfcrwef pw, partidas,
de correioi, audiencia, e rewmo d *re*|sJ$lU* reit ,
Folhinba de algibeira e variedade, a rjual conte'm toda as "materias das
de porta e mait tabella do najcment, e ocaso do sol, das ma-
res, casa e familia imperial, nomes ttulos dos chefe dos
prtqcipaes estados do mundo, tabella da arrecadaco do sello,
dita do-porte das cartas, partida dos .paquetes bratileiros e euro-
peus, tabella dos imposto* geraes, provinciaes, e municipae, re-
gulamentos de incendios, e entrudo, e algumas pinturas rounici-
paes, artjgossobre agricultura, economias, modo de fabricar gelo,
prognostico do 6m do mundo, collecSo de remedio, a ris. .
Dita religiosa, coatendo todas as materias das de porta, e mais tebella do
nasci ment, e ocaso do sol, da mares. caa e familia imperial,
nome c titulodo cbefes dos principaes estados do mundo, ta-
bella da arrecadacaodo sello, dita do porte das cartas, partida dos
paquetes 'braziieiros e europeu, tabella dos impostos geraes, pro-
vinciaes, e mnicipaes, rgulamentos de incendios, e entrudo, e al-
gumas posturas mnicipaes, trecenario e mais oracoesde S. Fran-
r cisco de Paula, coHeccSo de oraeOes para todos os estados da vida,
e novena da Senhora Sant'Anna, res........ 3:

Acha-seno prelo o almanakcivil,ecolesiastico, administrativo, agrico
la, commercial e industrial, oqual sahira' no fim do mes de dezembro, nao po
dendo ser antes pelas mudancas.
Precisa-se 4e um menino para caixairo de
taberna ; no boceo do Campelloo. 4.
-* Aluga-se urna ama de leite : na Iravessa
da r-aa das Cruzes o. i, loja de calcado.
Da casa do abaixo assignao desappafeceu
no dia 10 do correle, um cabrinha de nome
Benedicto, de idade de 10 anno pouco mais ou
menos, kevou camisa de riacadinho escuro e urna
correte' de lalo oo p6' presa em um pequeo
cepo, tesa uma|rarca de (trida em urna pero a ;
quem o pegar |leve-o ra das Trincbeiras d.
48 que se recompensar.
Joaquim Elvino Alvet da Silva,
Aluga-te duas casas para ae passar a (esta
na freguezia da Vanes, junto povosco da
mesma : a tratar na ra de Horlas n. 2, primei-
ro andar.
320
Constando-nos que omitas pes
& oas poe em duvida o termo ap-
) proximado da nossa sabida de-
? claramos de novo que irrevoga-
velmente do dia
-31 de dezembro correte,
\ em diante nao aceitaremos mais
\ encommenda nenhuma
| do o estabelecimento
i successor
passan-
ao nosso
Slahl & G.
*
.Photogiaphos deS. M. o Imperador'
I Ra da Ira pera triz nu- j
k mero 14,"
Ama.
Dentes artifieies.
A riura Rosa iaoe, dentista, continua a por
denles artificiaos em mi residencia ni ra de
Santa Rita n. 61, afora deila em oaaaa de (a mi-
lisa, dando-se-lhe condaeco.
O Sr. capitSo JoBo da Silveira Bor-
ges Tavora, rogado a comparecer na
loja n. 20 B da ra do Crespo.
Alugam-se
duis casas am Beberibe, passaodo a ponte, par
a festa.do Natal, ama cora todos os commodos
pira pande familia, e outra pequea para pu-
ca gente ou rapaz solteiro, com o iocompara*el
rio Beberibe por.traz de ambas as cana : a tra-
tar D rneimi povoaco coro o professor publico.
O bacharel Joao Vicente da Silva Costa tem
o seu escriptorio de edrogacia na ra do Ranget
n. 73. defronte da botica, ao ishir no largo da
Peoha, onde ser encontrado a qualquer bora do
dia pan todos os oegocios tendentes a su a pro-
-flssao.
c OfTerece-se urna senhora portogaeza para
tazer companhia a qualquer familia que faga tia-
gem pan a Europa ou outra qualquer parte, sabe
tratar de criangas e senboras : quem precisar di-
rija -je a ra do Queimado n. 39.
Roga-se ao I!lm. Sr. Dr. Jos Paulino de
Albuquerque Sarment o obsequio de mandar
pesaos de ana coofianca ra Nova n. 43, aflm
de tratar de negocio que diz tespeito a S. S.
Deseja-se saber se linda exista na comarca
do Cabo o Sr. Jos de Souza Paulo, onde consta
ha lempo morara : qualquer pesaoa que a eate
pedido saiba responder, por favor queira dirigir-
se ra da Cadeia do Recite a. 7, loja de miude-
zn de Guedei & Goncalves.
RETRATOS
DE
NOVO GOSTO.
Retratos de
Retratos de
Reiratoi de
Retratos de
Hawleyotypo
Hawleyotypo
Ilawleyoiypo
Hawleyoiypo
Hawleyoiypo
novo
novo
novo
novo
nova
nova
nova
nova
nova
goato
gosto
gosto
gosto
iuvencft
ioveocSo
inveocao
invencao
invenco
Precisa-se de ama ama forra, prefere-se de
meia idade, pan o sernco de compras, na ra
Bella n. 38.
dj Na noite do dia 7 do correte mez tur- djp
f) tarara dous sofs de ferro do terraco da 0
% casa de campo do Or. Pereira do Carmo : #
tj quem deilea der noticias exaclas ser re-
ak compensado. am
3
Carvalbo, Ngueira & C. na ra
do Vigario n. 9 primeiro andar, sacam
sobre Lisboa e Porto.
Abilio Fernandes Trigo de Loureiro leva ao_
conheeimentodo respeilavel publico, e prot-st"
solemnemente peranle o mesmo, por al, e como
natural e legitimo administrador da orpha iui
filha Mara di Gloria, pela insanavel nnllidade
de divisao da accao de aonullacSo do aforamento
das lerna denominadas Pitangueiras, que o res-
pectivo senhor directo, o Exm. Sr. viscoode de
Suasauna, parece querer intentar, ou tal vez j le-
vou a juizo (separadamente) contra um dos. co-
berdeiros, o Sr. Dr. Julio Barbosa de Vasronrel-
los e sui senhon, i quem fez citar para esse iim,
ha dez das pouco mais ou meos, sem lodavia
ter aioda feto citar para o mesmo fim ao protes-
tante, por si a como administrador de sua din
filha.
Recife 7 de dezembro de 1861.
AUen A aotiga cocheira d'alem da ponte da povoaco
de Beberibe contina a receber carros e cavallos.
Um segundo
andar.
Aluga-se o segando andar da praca da Boa-
Vista : a tratar na loja de calcado na ra da Im-
apertriz n. 46.
Precisa-se alagar um escravo para compras
e mandados, paga-ae generosamente : a tratar na
roa da Aurora o. 80, ou na ra da Cadeia do Re-
cife n. 31. *7
Criada.
Precisa-se de ama criada para o servico inter-
no de urna casa de pouca familii, que engomme
a si-ja aceiada ; a tratar na ra das Cruzes d. 20,
primeiro andar.
Precisa-se de urna ama que cozinbe, en-
gomme e compre : na ra do Limmenlo n. 9,
segundo andar.
U Sr. Geraldo Correia Lima queira appare-
cer nesta typngrapbia, que ae Ihe precisa fallar.
A padaria do Leao ao Norte da ra do Coto-
vello precisa de um bom forneiro.
Precisa-se, na ra estrena do Rosario n.2l,
primeiro andar, da urna ama para o servigo in-
terno e externo de urna pessoa.
** **
Precos baixado para pouco
teropo.
Precos baixado pira pouco lempo
j Precos baixado para pouco lempo
I Precos baixado pin pouco tempo
Precos baixado para pouco tempo
3000 5/3000 10/J000 20J000
3|000 500> lOOflO 20000
3JKX)0 5W00 10#KJO 20000
3000 5JW00 10/000 2OO04
3JW00 OOO lOaOOO 209000
Expleodido alnetes de ouro
Eiplendido alfioetes de
Esplendido alflnetes de
Esplendido alflnetes da
Expleodido alflnetes de"
Para retratos
Para retratos
Psra retratos
Para retratos
Pan retratos
Expleudido quadros dourados
Explemido quadros dourados
Etpleadido quadros dourados
Explendido quadroa dourados
Explendido quadros dourados
Vende-se machinas para re-
tratos.
machinas para
machina para
machinas pan
machinas para
Aviso.
onro
ora
ouro
ouro
Vende-se
Vende-se
Vende-se
Vende-se
Gaixas
Calas
Canas
Caixas
Caixaa
Todos
Todos
Todoi
Todos
Todos
retratos
retratos
retratos
- r_etra tu
gostos
gostus
gostos
goslos
gostos
ver
de lindos
de lindos
de lindos
de lindos
de lindos
venham
venham ver
venham ver
vetihsm ver
venham ver
Vestidos pretos mais proprios
Vestidos pretos mais proprios
Para tirar retratos
Pr* tirar retratos
A. W. Osborne retratista ame-
ricano
A. W. Orborne retratista americano
Rut do Imperador
Rui do Imperador.
Desappareceu da ra de Apollo, as 3 horas
da larde do dia 12 do correte, um caballo ruco
pedrez lalhado coa cangalba, anda novo, clinas
cnidas para o lado direilo, e ferrado com as le-
tras A S P : quem o pegar leve-e S ra da Sea-
zala Nova n. 38, que sera bem recompensado.
Precisa-se de urna ama capaz para todo ser-
vico Je i orlas i dentro, e de pouca familia ; na
ra das Cruzas o. 22.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da
ra do Aiiorim n. 50, tem commodoa para fami-
lia e escriptorio : quem pretender diiija-ie ra
da Mtfore de Dos n. 20, que ihi achara com
quem tratar.
Acha-se para alagar dous andarea do so-
brado da ra da Imperatriz n. 30: quem preten-
der dirija-ae a mesma casa.
O Sr. JoSo Hyppolito de Meira Li-
ma, queira apparecc nelta tjpograpbia
que se ihe precisa fallar.
.luga-se
o irmisem n. 22 di roa do Imperador: a tratar
na ra do Crespo o. 17.
Ama de leite.
Na ra do Imperador d. 35. armazem, precisa
se de urna ama para amamantar ama enanca, pa
ga-se bem.
' Precisa-se de am caixeiro portugus, de 12
a 16 anooa, com abjama praiica da taberna : na
ma do Pogo n. 20. ^ ,a
Aluga-ae uta escraro de qaareuta e tantos
anoos, praj>rio para-. Q aerviaa da botica, padaria,
etc. : na roa da Imperatriz, segundo and.r do
. sobradad. 4. M miiH&i;
O ibaixo araiiroade, tendo em seo poder urna
Alaga-m commodimat o sefando andar di letra aceita pelo 8r. Dr. Augosio Lemenhi Lies
casa n. 52 da ra da Cadeia Velba. o qual tem da qaantia da 4tt$, vencida a SO da abril do eor
grandes commodoa, es\ ssseiado, a todo cor- reptaaooo, acbendo-se.este aaubor auaante, ro-
Urgencia
s
Quem tiver oo raeihodo de caligraphia
(|e e qaizer vende-lo dirija-se a ra da TJniSo
m o. 15, ou annuocie por este Diario.

Precisa-se de um rapaz forro para alguna
.servieos de urna casa : na ra Nora n. 7.
Aitenco.
Aluga-se urna casi no Porto di Madeira de Be-
beribe para paasar a esta, ou mesmo annual : a
tratar oa ra doQneimido o. 48.
Aluga-se o loja do sobrado da roa do Li-
vrameoto o. 27 proprio para qualquer eatsbele-
imeoto ; a tratar na ra de Hort'a n. 10.
Aluga-ae o terceiro aodir da casa n. 37
na ra Urg do Rozano : a tratar oa. ra da Ca-
deia do Recife o. 4.
Precisa-sa i um bornea que saiba reflnar
assucar para urna reflnacao oa Pirahyba paga-se
um bom ordenado, a tratar na ra larga do Ro-
sario n. 48.
i J
Attencjo.
sido da piialU pula oiiso qae fica M aseste,
uau clare-e Irsoca.
Manoel Antonio de Oliveira, que foi caixeiro de
Bernardino Jos da Silva Braga, na ra di Sen-
zal Nova o. 22, pede aos seus devedore que
deixe de pigsr desta dala em diante a Sr. Anto-
nio Uomcs Carvatho por nao ter prestado coota,
timbem pede ao Sr. Antonio Gomes de Carvalbo,
que venha fazer entrega das contas do qae tem
recebido amigavelmente.
Precisa-se de urna ama pan casa de ho-
mem solteiro : a tratar ni ra do Hospicio, na
cocheira o. 37.
A quem fallar dous cavallos, procure no
caes do Ramos, armazem n. 10, que ter noliciaa
alie.
Precisi-sc ilugar urna negrinha de 10 a 12
annos : na ra do Imperador n. 69, sobrado.
Precisa-sede um taitor para um sitio de
pessoa strangeira. em Sant'Aooag: a tratar, na
ra do Trapiche-Novo n. 42.
f- O abaixo asignado, com loja de tartaru
ro na ra das Trincheiraa n. 1, aviaa as
toas qae tem obras concertadas de tartaruga
em sua loja desde o anno de 1858 a 60, teoEam
a bondado de vir busca-las at o fim do correle
anno, e nao o fazendo oeste praao ficaro sem
finito algum s mesmas visto que ellas por
antigs, pouco ou nada valem.
Recife, 5 de dezembro de 1861.
Manuel Jos Soares Guimaraes.
Aluga-se o sobrado de um andar e arma-
zem na ra da IIoeda n. 33, cancertado e pintado
de novo : a tratar na ra da Imperatriz n. 53, se-
gundo andar.
Sociedade bancaria. '
Amorim, Fragoao.Santoa k C.aacam e tomam
saquea aobre a praca de Lisboa.
Alugam-se o primeiro e segundo andares
do sobrado na ra do Amorim n. 39 ; a tratar na
iravesaa da Madre de Dos n. 15.
Aluga-sa o segundo andar da casa n. 183 dr
ra Imperial, e o aegundo da ra da lraperatr
n. 188 : a tratar na ra da Aurora a. 36.
Saque sobre Lisboa.
Manoel Ignacio de Oliveira" A Pilho sacam so-
bre Lisboa ; no largo do Corpo Santo n. 19.
Em praca publica do ju!zo dos feitos da fa-
desla provincia, se bs de arrematar quem
taaiBles:
tedas com todos os seus per-
beso astado, avallado por 600.
..carro foipenborado por execucio da blenda
provincial contra Auguato Fichar pelo Dr. Joao
Lina Gavalcaoti de A.lbuquerqut.
ya sobrado de um andar e sotona rus das
Laraogeiraa u. 21 com 2 salas. 3 quartos peque-
ah?L11? ao 80lao' leDd0 M l)alau'8 da freD,e Queimado loja de miedizaa da boa fama o. 35.
e 601(2 ditos de fuodo ; e uo pavimento terreo
2 salas, 2 quartos, e quintal qae serve de cozi-
nha, avahado por 4:000*.
Um sitio na estrada do Manguioho margem
do rio Capibaribe, tendo 300 palmos de frente aX
650 ditos de fundo, no quel aisenUm duas cssaflL VeDde-e a verdaderas lovas de pellica de
terreas com soto, lendo cada ums dellas 2 salas. ,0B,0 D8ra homem e senhora a 2S500 o par: na
'" loja de miudezaa da boa fama
Asteas de acopara
baldes de se-
H nliora.
Vende-sa a 160 e 200 rs. a vara : ni ra do
Luvas de pellica de
Jouvn.
4 quartos, cozinha e urna estribara, em chaos
foreiroa, avahado em 9:600* ; cujoa beni (oram
penhorados por execucio da fazenda provincial
contra Claudio Dubeux e Joao Garaeiro Hachado
Ros. ^ '"
Urna casa terrea na ra do Pilar a. 53, tendo
15 palmos de frente e 53 3|4 ditos de fundo com
t salas, a quartos, soto, quintal murado, sem
cacimba, em chaos foreiros, e em bom estado,
avallada por 3.0009 ; cuja casa,foi peohorada por
execucio da fazenda provincial contra o padre
Fortnalo Jos de Souza.
Urna' casi terrea de taipa na povoaco do Ca-
cbang, lendo 33 palmoa de frente e 40 ditoa de
fundo, cozinha fon e 1 quarto, copiar na parte
do delraz, qaintal cercado com carca de madei-
raa,lendo algumas fructeirai, em chaos foreiros,
avahada por 1:200; cuja caaa foi peoborada por
execucao da fazenda provincial contra Vicente
Ferreira da Cusa Miranda. .
Os pretendeniea podero comparecer na sala
daa audiencias a 10 horas do dia 19 do correte
mez de dezembro.
Quem precisar de am caixeiro, apropriado
para emoarque, e qiw d fiador a sua conducta,
deixe caria fechada nesta typographu com as
iniciaea J. A. para aer'procurado.
Preeiae-se de urna mulher pan fazer com-
panbia a urna familia daodo-se sustento a roups
quem eslivar ostia eircifoiatauciss dirija-89 a
na da Cadeia do Recife, n. 48 segundo andar.
Eu abaixo ass qae desta data em diania nao me assigoo por
Gonzalo Teixeira, mas sim por Goocalo Das Goe-
the por me achar iivre e desempedido.
Precisase
de am caixeiro para .padaria que tenha pratica e
d fiador o sua conducta, paga-se bom ordenado:
a tratar na padaria da ra Dtreita n. 84.
Ao publico.
O leme qoe guisa saude sao as uriaas ; o sujo
dos loteatiuos communica-sn bexiga, que tor-
nara as orinas turvasr formando na bexiga un de-
posito de matenaes de vahas cores, o que sem
duvida menos perigoso que a pedra. A pedra,
porm,impede a circulado,por isso preciso con-
servar sempre aa urinas claras para nao soffre-
rem o que o Sr. Joao Vicenta de Brito aoiTreu,co-
mo se soder ver do sttestado abaixo. Tomar-
se-hi 4 macos de pilulss paulislanas. seguidos,
3 ululas i noite edeminhaa, aeguindo a guia
do livncho deC P. Etcbecoin. Pan loformaces,
a meu correspondente e depositario oo Rio de Ja-
neiro, tua do Parto n. 119, e em Pernambucons
pharmacia do Sr. Joa Alexandre Ribeiro, ra do
Queimada n. 15.
Attestado de curativo da molestia da
bexiga.
Soffti 11 aonos ama molestia na bexiga, que
nao podia verter agua sem soccorro de algalia;
gaslei rouile dinheiro aqui e no Rio de Janeiro,
sempre procurando os mdicos de grande repu-
tado ; o resultado foi sempre padecer, al ao dia
em qae Uve a felicidade de procurar o autor das
pilulaa paulistaoas de C. P. Etcbecoin, de S.
Paulo.
As pessoaa que soffrerem oque eusoffri jamis
consintam operaedes, oo outro qualquer trata-
raeoto, podeodo Iratar-se com estas pilulas, que
tem a virlade de Hmpar a bexiga com toda a
brandura e fazer recuperar a sao te perdida.
S. Paulo 17 de agosto de 1858.
Joao Vicente de Brito.
A pessoa que recebeu por engao urna car-
ta vindada Babia para Aprigio Jos da Silva, no
cia 12 do correte, pode entregar em casa do Sr.
Coureiro, ou langa-la na caixa do correio, que
te ficara agradecido. .
O dentista- Numa Pompilio.
Ra estreita do Rosario n. 22, pri-
meiro andar.
planta denles pela presso do ar, por molas e li-
gaduras* e fax todas aa operaedes de sua arte.
Aluga-ae um sitio ns entrada da Casa forte
tendo commodoa suficientes para qualquer familia
o r o mais saudavel e lendo o banho porto de
casa a tratar : no pateo de S. Pedro, o. 6 primei-
ro andar.
mmmmmmm m&m*m
| Attenco $
8 Furtarimdo abaixo-assignado um re-
L-logio de ouro patente inglez, coberto de
H a. 7191, autor Iosh Peuliogtoo e um X
do ouro: quem delle
e um
souber
8ou der noticia dirija-ae ao largo do Corpo
Santo loja de cabos de Antonio denosta S
8e Silva Maduro, que ser generosamente i
recompensado.
Pifecisa-se
De urna ama de boa conducta pata
casa de pouca familia, na ra Augusta
n. 5 primeiro andar.
Aluga-se a loja do sobrado n. 11
no aterro da Boa-Vista, propria para
rstab ele cimento : a tratar no mesmo
sobrado. _.
Ama.
Precisa-Be de urna ama de leite que queira le-
var ama crianza Babia, paga-ae-lbe bem, alem
de dar-se Ihe paasagern de ida e volta : a tratar
ns roa da Unio u. 42.
Preriaa-sealugarnm preto": na ra da Ma-
triz da Boa-Vista n. 26, padaria.
Aluga-se o primeiro andar de am sobrado
com muilos commodos, na roa da Matriz da Boi-
Vista a. 26: a Iraiar na roja do mesmo.
Joa Gomes Leal tendo recebido o Sr.
Uaaeei Gomes da Cunba senhor do engenhn Ma-
caco da comarca de Nazarein, o sea escravo Je-
ronymo, prelo, crioulo, de idade do 12 annos
pouco mais ou menos, coa signan um poico
salientes as nadegas e costas, para vende-lo de
sua coala, e auccedendo lar O aseme escravo
deaapparecidcW dia segn4a-Mr 2 da corren-
te. aea que at hoje toreaste per caaa, pelo qae
i-ppoe o locoacunte echar esjiaagldo, pelo pre-
sento o tas publico nao-ad para qao cbefui ao
, Conhecimenlo de seo leobor. nio obelante Ifae
da quantii de 401, vencida 30 de abril do cor ser jl aaisaso partieularminle, com par qae
l FERREIR4 VILLELA
RETRATISTA
DA
AUGUSTA CASA IMPERIAL,
Ra do Cabuga n. 18, 1.* andar,
entrada pelo pateo da matriz.
Retratos por ambrotypo, por melaiootypo, so-
bre panno encerado, sobre talco, espciaes para
pulceiras, alflnelea ou cassoletas. Na mesma
cass existe um completo e abundante sortimento
de artefactos fraocezes e americanos para a col-
locacao dos retratos. Ha tambem para iste mes-
mo lim cassoletaa e delicados alflnetes de ouro
de lei; retratos em photographia daa principies
personagens da Europa ; slereoscopos e vistas
stereoscopicas, assim como vidros para ambrotypo
e chimicas pbotograpbicss.
Bernardo Jos da Coala, residente nests ci-
dade do Recife de Peroambuco, faz aaber a quem
conrier, que nests dala tem revogado a procura-
co bastante, pela qual constituir na villa de
Birreiros, comarca do Bio Pormoso, seo procu-
rador a Jos Nicolao Pereira dos Santos, e pelo
-presente exige do dito senhor a remessa da dita
precuracao revogada. Recife 16 de dezembro de
1861.
Precisa-se de um criado oo criada, que sai-
ba eozinhar : na ra Formosa n. 25.
A. Letarte. subdito fraacez, retira-se para
fon do imperio-
ra do Queimado
n. 85.
Dentista de Pars.
15Ra Nova15
FredaricGautier^irBrgiaodentists.fai1
todas as oparsces da sus arta acolloca
daniesartificiaes, tudoeom a superiori-
dadeeperfeisoqueas pessoasentendi- _
daslherecenhecem. 3|
Tasa agua e psdentifrieios te.
MS^aKMssiisfiie^cieeKeiedis*
Precisa-se de um caixeiro para taberna, e
qae tenha pralica, sendo de idade de 12 a 14 an-
nos : a tratar na ra da Lingnpta u. 5.
Compras.
ums
no
- N. ra de g. G*calo.a. 44, precist-av de dar a. 47. Mecife S de dezembro da 1
d.W!!L,,?K^r,,,^eM*, inlesao.a esle- ., ,. CUudioo do Reg
da sass^rorn oa escura. > |t. Risolle, aakdito fraoee*, va?a
^-1~ w*^w atwv-o.v*K ifUHvi Ruewurr, iv-
ga-ae por isso so procurador do mesmo fir. Or. o
U tor doapparecer na ra da Praia, primeiro an-
ltM.
Lima.
Jktaopa,
arado encontrado o mesmo escravo por siguas
asjrale policial oa oreasas oYonbecer, o leve
a i-u lenhoa oo referido engeaho ao traga a
asta praca e o entregue ao annusciinle na roa
da Cadeia Veibs i oft arlo de que ter der-
spMBte recompensado.
Compja-se orne arithmetica de Ottoni em
segunda mo : nests lypographia.
. Compram-se accoes do novo banco de Per-
nambuco : no escriptorio de Manoel Ignacio de
Oliveira & Fiiho, largo do Corp Santo.
Compra-ae ama eserava pan servir de ami
de leite : na ra da Unio n. 38.
Gompra-se modaa de ouro da 20gOO bra-
sileira e peca de 16JO00 portuguesas: no es-
criptorio de Manoel Igoscio ds Oliveira e Filbo,
largo do Corpo Santo.
1 '
Vftridas
_
Cintos do ultimo gosto,
Vende-se cintos douradoe e de paha o mais
belfo que possivel encontrar-se, plo bartliasi-
mo preco de 3$ cada am, ditos de fita de muito
lindoa gostos Sg ; tambero se vende fivellaa
muito lindas e da omitas qualidadea propriaa ni-
camente para cintos a 28 na roa do Queimado
loja de mludezas da boa fama o. 35.
Enfeites para cabera
Vende-se oa mais moderooa enfeitaa qae tem
viodo a este mercado, e de mu,ila qualidadea a
7 e 8000 cada um, ditos pretos coa vidrilho
1S500: na ra do Queimado loja de miudezas da
boa fama- n. 35.

I Veode-se a taberna e padaria da raa Dire-
la doa Afolados n. 3 : ns meara oaaa.
Vende-se msnieigs inglesa flor a 800 rs. a
Ubrs, e franceza a 720 rs., arroz oo Maraabao a
S|a arroba, a 80 rs. a libra : na ra das Crazas
numerosa.
Maca.
Caixai com 100 maciaa escolhida; vende se
na roa de Apollo a. 81, armazem de gelo a Mf
a can,' r
teta muito fina para
bordar
Veode'-se a 88 a libra : na roa do Queimado
loja de miudetis o~b boa fama 35.
Capellas e ramos para casa-
mentes e bailes.
Vende-se muitiesimo Unas e rieai cspellse
braucas para noivas, com o competente ramo para
o peilo, pelo baratiasimo prego de 10 e 12$, ra-
mos de flores muito Unas e de muito lindaa co-
res a 39, ditos mais inferiores pones cowaa a 1$,
19500 e 28: na ra do Queimado loja de miude-
zas.da boa fama n. 35
Luvas de diverjas quali-
dades
Vende-se muito superiores luvas de camurca
para homens a 89 o par, ditas de fio de escossia
brancas e de cores a 800 rs.. oitas de seda eu-
feitadas para senhora e 2g, ditas de tonal pretaa
a 18 : na rus do Queimado loja de miudezas da
boa fama n. 35.
Perfumaras finissimas
Vende-se a bem conhecWa e acreditada opiala
ingleza para alvejar e conservar os denles pelo
baralissimo prego de 19500 cads csixinha, dita
franceza em lubostde metal, agua de colooia ver-
dadelra do Pivsr, banha muito fina em vasos de
muitas qualidades e bonitos goslos, extractos de
muitas qualidades e todos os msis finos que
possivel encontrar-se, sabonetes do diversos l-
mannos e qualidades, e ouiras muitas qualidades
de perfumaras dos melhores fabricantes de Paria
e Londres, que ludo se vender por lo barato
prego que causar admiraco aos compradores :
oa ra do Queimado na bem conhecida loja de
miudezas da boa fama o. 35.
Chicotes de gosto e muito
fortes.
Vende-s#e muito bonitos chicotes de baleia com
castoes de marfim e de metal para homens e ae-
nhoras a 4 e 58 cada um, ditos de estallo tambem
muito bons a 39, ditos de junco porm muilo bem
acabados al{: oa ra do Queimado loja de miu-
dezas da boa fama n. 35.
Oabaies para sentiorat e
meninas.
Vende-se pelo baralissimo e admiravel prUJo
de 3 e 49 Cada um, e sfliunca-se que quem os vir
nao deixar de comprar, lo bonitos e uieis sao
ellea : na na do Queimado, na loja de miudezas
do boa fama n. 35.
Tinta bem couhecida e acre-
ditada para escrever.
Vende-se cada frasco a 500 rs e dos grandes
a 800 rs.; esta tinta azul na occasio em que
se escreve e por muilo pouco tempo fica preta e
bem prela, havendo a vantagem de servir pars
copiar cartas : na roa do Queimado loja de miu-
dezaa da boa fama n. 35.
Gneros para a festa.
Manteiga franceza a 640 rs. a libra, dita ingle-
za a 800 ra., toucinho a 320 rs., arroz a 100 rs.,
cha a 28560, batatas a 60 rs., sabio massa a 200
rs., dito amarelloa 160 rs., macano, taiharim
aletria a 500 re., emitas a 120 rs., esf a 200,
240 e 260 rs., painco a 160 rs., atpiala a 180 e
200 rs., velas de carnauba a 400 rs., ditas de es-
permacele a 760 rs. vinho do Porto engarrafado
a 800 rs azeile de carrapato a 400 r dito de
coco a 440 rs., queijos a 29500, banba a 480 ra.
a libra, arroz de rasca a 3&600 u sacco, espirito
de inho a 18700 a caada, agurdente de cana
a 200 rs. j engarrafada : na travesa do pateo
do Panizo o. 16, frente amarella taberna de 4
portas.
eanha fina
em- copos grandes.
A' loja d'aguia branca avisa a sua boa fregue-
zia que chegada a apreciavel banha fina em co-
pos grandes, e contina a vende-la mais barato
do qae em outra qualquer parte : na rus do Quei-
mado loja d'aguia branca n. 16.
No vos candiei ros para gaz
Upa grande sortimento de candieiros
para gaz, desde o mais barato ate o
mais rico que tem vinder a este mercado :
na ra da Senzala Nova n. 42.
Macas
\
Na ra do Apollo n. 31 armazem do
gelo, chegou pelo navio Mersey urna
nova remessa de macaas muito frescas e
graneles, e vende-se Barricas grandes
com cerca de 200 macaas a C.S'OOO.
Presunto para
fiambre a 560 rs.
a libra,
Vende-se no armazem do
Progresso no largo da Penha
n.8.
Venda-ae a casa terrea n. 23 aa roa da Ea-
peranga, no Caminhn Novo, pertencente ao Sr.
Joo Jos dos Santos que ae acha eos Portugal :
tratar oa praca da Boa-Vista o. 4.
Enfeites para senhora
dos mais fino qoe ha ao mercado: na raa larga'
do Rosario o. 38, loja de miudezas de Manoel
Jos Lopes; na mesma loja vende-se rap de
Lisboa, dito relio frsncez, dito Meuroa. dito prin-
ceza, dito gato fino, dito do Rocha, dito grosso,
dito meio grosso, todo este cap vende-se tanto
em libra como es oitavas ; vendem-ae cintos
dourados com franja e sem ella, lavas de pellica
amarella o branca para senhora, braaoas para
hamem, cspcllas brancas proprias para oaivas.
chasoa de MI para anhra de sedea bordada, e
etroa muitas miudezas em
EscreYese com a
tinta azul, e fica
A loga de Agua-Braca acaba de receber de sua
encommenda essa apreciare! lila -que ao escre-
ver -s azul e ao depoia fica prela. Essa Unta
do afamado fabricante Adrien Maurln, o mea*
mo que fabrica a segura Unta para marcar roap,
eelle pichoso como ene cooeracio de sea cr-
dito tem eiio com que sua tinta pela purificarlo
e seguranca de cor, lepha merecido a primaria a
qoanlaa outras apparecam. conservando de mais
a mais o vidrado escuro e mesclado de seus
boioes psra previnir a falsiicacao. K loja de Aguia
Branca, porem em aiteocao a aua boa fregue-
zia lem mooiflcado oa precos est vendando a
500 e 800 lis os boioes. grandes e immediatos,
fazendo aioda elgama diflerenca a quem comprar
maior porco para tornar a vender. Tambem a
ende fraaquinhos com linta para marear roupa a
640 e 1:000 ris, ludo as ra do Queimado loja
de Aguia-Branca, n. 16.
Attenco.
Por mais extorco* qae faca
Nao me qoer a musa valer
Todea emm venham ver
Calcados, bons, e de gract.
Na ra Esireita.do Rosario loja decalcado con-
fronte a rea, botins para meninos de 25 a 32
2,500 a 3,(100. sapales de diversos feiiios para
meninos e borneas a 2:700 3:060, 3:300, 3:500,
4.000, 4800, 5 000 5 500. sapales abertos na
frente para rapazeaa 2:600 sapa los rasos abertos
cordavao 2:500, bolinas de marroquim para se-
nhora 2:000 ditas todas de pao de cores sera
salto 3:000, ditas ditas com salto 4 000, botinas
para sishora e meninas do ultimo gosto, ditas da
setim sem salto, sapatos de dito e outras muitas
qualidades por commodos precos.
Ra Noya
n. 32, loja de Thom
Lopes de Sena,
receben em direitora de Paris diverso objectos
de moda de apurado gosto, como sejam chapeos
de palha da Italia para senhora, ditos Amazonas,
dilos a Traviala, ditos a Garibaldi, chapeos do
seda para senhora, ditos de seda pretos, e touca-
dos de diversas cores pira chapeos, grioaldaa de
florea de diversas cores, ramea de flores e rosas
para enfeites. leques de madreperola do melhor
que tem vindo ao mercado, manguitos com gol-
linhas bordadas para senhor. dilos de fil com
bicos de guipun-, sintos com fivelas, veatidosde
blonde para noiv, capellas com ramos psrs n
ditas, luvas enfeitadas para noiva, rbapeos de
differentes cores e tamanhos para meninos se bsp-
tisarem, toaquinhas de merino e meiaa de seda
psra os ditos, esparlilhos para senhora, ditos con
carriteis, Otas de seda de diversas corea e larga-
ras. Na mesma caaa recebem-se figannos todos
os mezes, e fazem-se vestidos, capas e mantele-
tes para senhora, e vestuario para meninos.
50 A Ra da Cadeia do Recite 50 A
Manoel Gon-
calves de Oliveira Santoa, vende para a prsenle
estacio desie mez, (iquem certo que o annsvvin-
douro o sol muda, e por isso sproveilem as ic-
xuinles pechinchas:
Pega de esmbraia lapada com 10 varas a 5$.
Dita dita dita muito finas 10 varas a 5*500.
Villudilho de ramageoa que se tem vendido
a 45400.
Panoo para messs redonda a 3f.
Dito dita dita a 29500.
Cambraia de cores imitando organdysvara a 480.
Dita branca com 8 l|2 varas 39200.
Dita dita para forro a 29.
Omisas francezas finas a 2$.
Ditas de fustes brancas a 2$.
Dita de linho a 29500.
Casta nhas.
Vendem-se canaslras pequeas com castanhas
muito novas, chegadas oo vapor, a 79 a arroba :
oa ra estreita do Rosario n. 11.
Vende-se, porque quer ser vendida, por
14069, urna eserava crioula, de idade de 28 an-
nos, famosa lavadeira, tanto de varella como do
sabo, eoHooima divimmente como nao hatera
melhor: na estrada de Joo Fernandes Vieira,
casa n. 2.
Vende-se urna eserava crioula que cose,
cozinha e engomma : a traiar na ra do Hospi-
cio o. 62.
Novidade.
Caixas com 150 magias chegadas no vapor a
Ditas com doce secco rainha Claudia.
Dilaa com doce secco de marmello.
Ditas com doce secco de pecego.
Caues com doce de goiaba superior;
Presuntos para fiambre, libra a 500 ra.
Queijo londrind.
Dito pralo.
Eoutros muitos gneros que seria enfadoaho
mencionar,-veode-se tudo muilo em coota, no
armazem de Sodr dt C, na ra estreita do Ro-
sario o. 11.
Pannos finos
a 2,000 rs
Vende-se panno preto e cor de caf a 29 o co-
rado : na ra da Imperatriz n. 60, loja do pavao.
Casemira a 3$500.
Vende-se caserarta enfeslada para caigas e pa-
letotaa 33500 o corle de calca, ou a 29 o corado:
na ra da Imperatriz n. 60, loja do pavao.
' Agurdente de carina.
Vendem-se ancoras com superior agurdenle
de canna : na ra da Csdeia do Recife n. 50, a
tratar com Cunba e Silva,.
n'i.iman.jfirij^c
des eovprslstes se dir o preco de tudo.
de sedas bordada, e ja* que o Sr, I
cooia, que a f*vista; indevjdameote
Loja das 6 por-
tas em frente do
Livramento.
Chapeos de sol de alpaca a i#.
Duzia de meiaseruae para homem a
19200 e o par a 120 rs., ditas brancas
muim finas a 2f500 a duzia, rengos de
caasa com barra decores a 120 ra. cada
um, ditoa braneosa 160 rs., bsles de
20 e 30 arcos a 3f, laatinha para ves-
tidos a 240 o oovado, chales de merino
estampados finos s 59 e 69, tarlalaoa
branca e de corea muito fina com vars
e meia de largura a 480 ra. o covado,
fil de linho liso 640 n. avara, pe-
Qaa de cambraia lias Una a 39, casrts
de corea psra vestidos a 200 ra. o co-
vado, mussulins encarnada a 320 rs o
covado, calcinitas pan menina de escola
a If o par, gravatinhas de tranca a 160
r petos oara camisa a 200 rs. cada
id dasia 29, pees de cambraia de sal-
pico maitofina a 39500, pecas de bre-
taahaderolo a 29. chitaa fraacezaa a
220 e 140 rs. o corado, a loja esta
aborta das 6 horas da manbaa aa 9 da
noite.
Vende-se a metade do terreno qua asiste
ae beero do Ferreir, freguezia 4a Bata-Vista das-
la cidade, o qwl terreno tem speawsamtaJJisiro.
eofferece bom|locl para ediflcaCao. fc.^aiT.
;aauel|a, cuja parle exiale m aberlo a par edifi-
r, enaltado n outra partp um mura. dswa ca-
Sr. Domingos Antonio ta Silva Beiris
------ evanlo ; na ra do Imperador
n,
*
M, prisaeiso andar, para tratar.


**** tmmmvxom um* imu u # dezuuro di imi.
ti*
V
Mantas de retroz.
Veodem-se superiores presuolos inglezet para
fiambre a 00 rs. a libra : no armazem de Tasso
Irmioe, roa do Asteria b. S5. 3
Malhsus 4 Rodrigues, ena sea escriptorio
na as o Vitarlo 0. 10, tem para Tender;
Ricoa o elegantes pianos.
Superior'rinbo de Porto em caitas de urna dasli
Balancea decima.
Sopenoreo eharatoa da Babia dos primelros fa-
bricantes.
Fumo esa folka sitperior.
Pregos e Mtadaa portuguesas { cojos artigos se
Tendera por presos mdicos. #
Meias baratissimas.
A 1*400 a doaia da para* de meias branca*'rl,
as para hornees ; raa lo Qoemado a. 22
na loja da boa j.
Um rico carro^*i
Vende-a* um rico alegante carro raui bella-
mente preparado : no eaeriptorio de Maooel Ig-
nacio da Oliveira & Filho, largo do Corpo Santo.
Potassa.
Na roa de Apollo a. 20, armazem de Amorim
AfTonso & G. ha pasa Tender polaasa da Rassia
de superior qualidade.
Relogios.
Vande-se am casa da Johnston Pala de C
ra do Vigario n. 3 bailo sortseeoto |
ralfiodaouro,palDte ingles, da un do; man
aamadof fabricantes d XiVWfol; timbea
a variedsds da bonitos trsieeBt pira o
masaos. ^ '^
Atteqgio.
Ri ra do Trapiche a. 40, am casa de Itoeker
Rooker t C. existe am bom sortimento de lin-
has de corea e brancas e em carreteis do melbor
f. brcente de IofUierra as qastee te Tndem per
pr*?da mai rsiooTeia.
Chani|pe
do afamado aulor Chateau Laronzire a 141 o gi-
go da ama duzia ;. na prapa da Iodependencia
numero 23.
Plvora.
Vende-se polTora de auperior qualidade a
chumbo de manicio por menos do que em outra
qualquer parle ; tratar no escriptorio de Antonio
Cesario Moreira Das, no Porto do Mallo, raa da
Moeda n. *T.
LuvasdeJouvin.
Na loja da Boa F na raa do Queimado n. 2i.
3empre se encontrarlo aa Terdadeiraa luas de
Jouvin tanto para homem como para senhora,
advertindo-se que para aquelles ha de muito
lindas core, na meocionada loja da Boa F na
ru do Queimado o. 22.
N. 20Ra da Imperatriz---N. 20
^ "lero Ooarte acaba de receber novo sortimento de fazeodas que retslha sendo a di-
nheiroaosseguinte precos como s*jam :cassas bordadas propria* para cortinados, babadn* nn
mosquetearos a IgriOO s peca, cambraia grossa com 8 varas cada peca ptima fazeoda para penetras
mosqueieiroa, aaias e forro de Teatidos a 1500, mussalinas largas das seguales cores Tarde, azul,
preta. roza, encarnada e branca a 200 rs. o covado, cortes de riquissimsa los escuras com bsbados
contando cada um Corte 24 cov.dos a 10 o corte, Telludo d* seda das seguales cores cinzeoto,
ver, azoloprete, excelleote fazenda para Teatidos de seohora e roupioha de enancas pelo baizo
proco de 29800 o corado, cortes de cambraia fina com salpico miudiabos a 5, liras bordadas e n-
tremelos a I| a peca, golliohas bordadas muilo (loas a 1, chitaa com algam toque de mofo a 16o
rs. o corado, peitoa para camisas braocos e de cores a 100 ra.
SABAO
jCes do Apollo armazem n. 67.
Deposito do sabo fabricado Ha saboaria
DA
Os proprietarios deste estabelecimento, o pri-
nyiro neste genero e o mais autigo da provincia,
acabaa de estabelecer no armizem n. 67 do caes do
Apollo, um deposito de seus bem conhecidos pro-
ductos, consist nd o em um variado sortimento de
sabo,desde amarello comtnum at o superior e ver-
t adeiro massa a preco de 100 a 200 rs a libra con-
forme a qualidade -
E' intil dizer-se que o sabo fabricado neste es-
tabelecimento, tem a propriedade de lavar perfeita-
meDte a roupa, sem causar-lhe o menor daino, o
que nao acontece com muitos outros, que detrioram
o panno dimiuuiudo assini a duraco, a verdade des
ta assergao est comprovada ptia preferencia que
ihe do os consumidores, melhoramento este devido
*o processo ultmame ate empregado na manipula-
cao pelo actual fabricaote
Para conhecimento dos compradores declara Se
que as caixas coutem o seguinte letreiro em forma
ovalFabrica de sabo nacional ra Imperial Per-
ambuceese vende quaUjuer quantidade de urna
eaixa para cima.
ARMAZEM
Jar33.
ROUPA WENA
@ss
Joaquim F. dos Santos.
40-Roa do Queimado-40
Defronte do becco da Gongregaco letreiro verde.
Neste estabelecimento ha sempre am sortimento completo de roupa faite da
iodss as qualid.deg e tanibem se manda execular por medida i Tontada dos freeue-
zes para oque tem am dos melhores professorss.
Casacas ae panno preto a 403.
351 e
30*000
Sarecasaeos da dito dito a 358 e 30000
Paletots de panno preto e de co-
res a 35. 30, 25. 103,183 e 203600
Ditos de easemira de corea a 22j,
15|, 123.7 a 99000
Ditos de alpaca preta golla de
rallado francezas a 103000
Ditos de merino sefTm pratos a
da eor*s a 9f a 83000
Ditos do alpaca de cores a 5 e 3*500
Dito de alpaca preta a93, 7. 5 e 81509
Ditos da brim de cores a 5f,
45O0. 4 e 35CC
Ditos d* bramante de linbo brin-
co a 6. 5| e 4000
Ditos de merino da cordio praio
a 15 e 8000
Cateas de easemira preta de co-
ras a 11. 16, 9|, 7 69000
Ditas da princeza e merino de
cordao preto a 5, 6*500 a 49500
Ditas de brisa braace de cois a
59. 49500 a ff 500
p Calesa da saga da corase 99000
Collete do sellado preto e de co-
^W^ liflf $fr* w00
Ditos asomita preu a d. co-
rea lisos e bordados a, 0,
5*000
oyooo
99500.59
1
8*4J0
Ditos de setian preto
Ditos de seda e aetim brsnco a 6 e
Ditos de gorgurio de seda prelos
e d cores a 7, 4 a
Ditos de brim e fustio brsnco a
3S500. 23500e
Ssraulas da brim de lioho a 23 e
Ditas de algodao a 100 e
Camiaas da peito defuitao branco
ede corea a 2**00 e
Ditas de peito delinho s 59, 4 e 89000
Ditaa da madapola-i brancas e de
corea a 8. 50O, 2
Cbaprospretes de massa francesa
forma da ultima moda a 103.
800 e
Ditos de feltro a 6. 5, 4 e
Ditos de aol de seds ingle zas o
. francesas a 14f, II, 11|
Colarinhos da liaba, muilo fiaos
noros feitios da ultima moda a
Ditos da algodao
Relogios de ouro asienta e hori-
zontal a lOOf, 09. 80| e 70J0O0
Ditos da prata galT-afisaoos ps-
tente e horizontS a 40 e 90|00o
Obras de ouro, adarecnf a meioa
deseos? poseolrao, rzalas a
aaaiaa
Taoabaada liaba nas> tOf, 6 a
DMaa> gnndaa pata aess asa S
58000
3000
2200
13280
2200
18600
79060
23000
79000
9800
9M0
Q GRANDE DEPOSITO
DE
10UA BA FASRia
DO
. B.iRBALiio (Cabo.)
41-RUA DO IMPERADOR1!!.
Neste deposito existe grande qaanlidade de louc* e da todas aa quaUdades, O jjue se poda
dssejsrde bam fabricado a oe boa qualidade da barro, copa a propriedade da consemr a agua
setnpre iris, como sejam jarras, resfrisdores, murlngues.ajuartioha, garrafas, copos psrs sgua'elc.
iq De obras vidradas.
Tem ricos Tasos para flores, tslhsa. algaidarea de todos os tamanhos, assadeiras, boioes
com lampo a sem alies, paemtrsa para biler-se bolos, cacarolas, enfuzas, frlgideiraa e muitss ou-
tras pecas que seria enfadonho mencionar.
-' O prdptretario desta fbrica a primeira desta genero entra nos espera obter do respeitaTel
publico aaimacao a concurrencia e para conseguir esse flm rende a sus fouca mata barsts do que
at aqoi se venda nesla cidade. '
Aprompta qualquer factura para exportar, alm dospre?oa commodoa porque rende d 10
por ceoto.da abata para quem comprar de 100 para cima e deaaa quautia para menos lerae 5
por cento. '
Qualquer encommenda pode ser entregue no deposito da fabrica ra do Imperador n. 41.
I v
h RA SO QUEIMADO N?A6
P^paGRANDE20ETIMEre
Sortimento completo de aobrecasacos de pinno a 25, 28, 30 e 35, caaacos multo bem
taitas a 258, 288, 308 e 35|, paletols acaaacadoa de panno preto de 16 at 25, ditos* de easemira
de cor a 15, 181 e20|. paletots saceos da pmoe easemira de 8 at 14, ditos ssccos de alpaca
'56 4 at 6, sobre de alpaca a merino da 7 al 10, calcas proas do easemira de
o ale 14, ditos de coraa7 at 10J. roupaa para menino de todos os tamanhos. grande sorti-
mento de roupas de brins como sejam calcss, paletols e coltetss, sortimento da colletas prelos da
setim, easemira e Telludo de 49 a 9f, ditos para casamento a 59 e 6, paletots braocos de bra-
maote a 4 e 5f, caigas brancas multo Anas a 5|, e um grande sortimento de fazendaa fina a e mo-
dernas, completo sortimento de casemiras inglexas para homem, menino a senhora, aeroalas de
linho e igodao, chapeos de sol de seda, luvas de seda de Jouvio para homem aenbora. Te-
mos urna grande fabrica de alfaiate onde recebemos anconmendaa de grandes obras, que para
sso est sendo administrada por um hbil mestra de semelhante arte e um peasoal da mais de
cincoenta obreiros escolhidos, portento executsmos qualquer obra com promptidao e mata barato
ao que em outra qualquer casa.
Ru do Queimado n. 10, loja
de 4 portas.
Vende-se panno verde, preto, azul e cor de
al, eOado 3.
Casenlra preta superior qaalidada covado
13600 e 13800. f t
Chale do touqulm 'fiara acabar a 10, 15, 20,
30e<0 nr,r.
Superiores cortes de seda o mais moderno que
tero iodo ao mercado a 90, 100 a 120.
Sedinhas de quadrinhas e flores, superior fa-
zenda e moderno gosio, covado. 800, 1 e 1iOO.
Chaly, superior lazenda, covado, 500 rs.
Mimo do co, fazeoda para vestido de senhora,
ovado 500 rs.
* Taimas e manteletes pretos 118, 20 e23.
Superiores Teatidos trancos bordados a 20,25
e 30.
Cassss francezaa (loas, covado, 240 rs.
Garlea de eassas de salpicos. um 39 e 3&500.
Corles de seda prela a 258. 30, 35 e 40.
Lencos do seda a 600 e 800 re.
Lia de qasdros para vestido de senhora a rou-
pa de meninos, covado 240 rs.
> Grosdenapla prelo, covado 13280.
Chales de merino bordados a 4J.
Chitas francezaa escuras, covado 240 rs.
Meias de algodao cr para homem a 4.
Cortes de Telludo psra collete s 33500 e 43000
Paletota de brim a 3 e 4
Chapeos de sol do seda pira senhora e meni-
nas a 3 e 48.
Laquea para aenbora e meninas a 3 e 4.
Eepartilhos para sennora e meninas a 3 e 4.
Chapeos da pellica para meninos e meninas.
Chapeos de palha para senhora.
Chapelinaa de aeda para aenbora a 8 e 108.
Camisas abertas de renda para aenhora a 2 e
.' 33000.
Grosdensple amarello com um pequeo loque
1 de mofo, covdo 600 e 700 rs.
Paletol, caiga e collete de easemira, pelo bara-
tsimo prego de 25
Ceroulas escocezas, urna 1200.
Cortes de barege com duaa saiss a 8 e 10.
Cortes de seda escoceza, superior fazenda, com
13 a 15 covadoa cada um a 10.
Camisas inglezas com peilos de linho e com am
queno mofo, duzis 25g.
Paletols de alpaca, um 9.
'Cortes de casemirs um 35O0:
Chales de lia e seda, superior fazeona, a 250O
Lencos de cambraia de liaho bordadoa com bi-
CO, a 33, 5, 6e8.
Ditos de dita para homem, duzia, 6, 8, 10, 12
14.
Setim preto maco o melhor que tem appare-
cido. covado 3.
Chapeos deso do seda psra homem um 6.
Ditos dito de dita iugleza para homem, um 9j,
10 e 12.
Bsles para senhora, um, 3 e 4.
Panno de linho do Porto com 12 palmos da lsr-
: gurs para leoc.es, vara a 3200 e 38400.
Lencos de cambraia bordados com bico, duzia
a 23500.
I Golliohas de cambraia bordadas, urna 320 rs.
Manguitos de dita ditas, um 1.'
Camisas para meninos, duzis 15.
^pfilda lioho bordado, vara 1200.
^Mto de dito liso, vara I58OO.
^Borles de brim de linho, um 1600.
Vende-se chapeos populares denomina- tt
I nadoa chapeos do povo a 3.
; tt Diloa de crina branca a 3g.
i Ditos mesclsdos a 33.
1 m Ditos cor de caf a 3: na loja do bem 1
* conbecido Nabuco & C, na ra Nova g
m d. 2. S
MSfiHMSMS QfifileSi6 MttSbtd
Vende-se maniiuhas de raz de coral
a proprios para as seohoras irm a missa
S do galo : vende-se na loja de Nabuco &
S C. na ra Novs n. 2.
45 Rtta Direita 45
Ou$amL. Ougaml..
O traste indtspensavel so homem civilisado 6
sem contrsdicao o sapato 1 E' ella lio neeessa- ,
rio como o pi so estomago. Tolera se uro
chapeo jaca : urna casaca de ajustar taboaito ;
um resudo desbotado; mas o sapato acalcaoha-
do e roldo, s botina tem lustre e j descosida
ama indecencia, um insulto ao oigo visual de
am ebristio. E' por lio gravea coosi.Jerae.dea
que o proprielario diste eatabeltr-'D i.io.
aeabando de receber um magnifico sortimenio,
roga aos seua freguezes sa apressem em renovar
o calcado velho, visto estar prxima a testa ;
vejam :
Homem.
M1LIES (chagra'priilegiado) frescos co-
mo a-anua do Prata. ., .
BOKZBGUINS.ioleiricoa (Roctblld) .
diversos fabricantes. .
a lustre pichincha. .
Sapates nintes batera. .....


>

>
>
143000
8blK)
83(XK>
5fo00
5500
ajumo
4500
35*>0
5200
3j0(i0
2fi0
1500

LOJA E ARMAZEM
DE
Joaquim Francisco tos Santos.
40fu do Queimado40
Defronte do becco da Congregago, letrefro verde.
VENDE-SE O SEGlNTE :
Para casamentos.
Ricos corles de vestido de fil ou blond de seda branca com ramo e capelli o
mais moderno e superior que ba no mercado. '
Para bailes.
Lindos corles de vestidos de fil o blond de seda branca bordados s branco e
Dilos de tarlstana branca bordados a branco e corea.
Diloa de cambraia branca bordados a branco com muita elegancia.
Dilos de bsrege do seda de cores com barras e listas, noros gostos americanos.
Saias bordadas
_ Ricas saia-s de cambraia branca iordadas com o maiaaparado gosto a mal finas
que na no mercado.
Ditas de dita recortadas mais brratss.
Para baptisados.
Ricos cortea de Testido de ambraia branca bordados com muila elegancia o
mais moderno e mais superior qai ha no mercado. .
Manteletes.
Ricos manteletes de seds de cores e pretos bordados e lisos com enfeites bam
como arrendados, por preces conmodos. _
Lencos.
Ricoa len$os de cambraia de linho bordados a 3, 4 e 5 cada nm *
Chales,
Ricos chales da touquin brancos bordados de pona redonda ede 4 ponas.
j.T das fazendaa cima mencionadas tem um grande aortimeoto de todas as
Cualidades, que nao possel mencionar-se pelo grande espaco que tomsria
Aviso aos fumantes.
Na loja de Nabuco & C. na ra Nova n.
2, vende-se fumo de differentes qualida-
dea para cachimbos e cigarros a saber:
Fumo caporal nasaos* graodea a 2.
Dilo dito pequeoos a q.
Dilo de flor de harlebeck a 240 rs.
Dito americaco a 240 rs.
Cigarros bota fogo do Rio de Janeiro a fi
a 200 rs.
Ditos de Harana a 240 ra.
Ditos turcos em caixas de 100 a 2.
Bolees de borracha para fumo a 1.
Bocaes para charutos e cigarros.
Cachimbos da gesso.
Dilos de msssa.
Dilos de espuma do mar.
E outros muilos objectos proprios psra
oa fumantes.
Roupa feita.
Na loja de Nabuco & C. ns ras Nora n. 9
2. veste-se am homem dos ps at a ca- I
beja por diversos precos.
ingleses. a .
Nantes meninos. .
lustre (sola e viri. .
(urna aola). .
de trsnes portuguesa. .
franceza. .
Senhoras.
BOTINAS gasps alta e laco ingleses de
dOracio iocalrularel. .. 0|fOO
francezas (laco)...... 6f50O
sem lago........ 5JU00
> gaspa baix........ 4|8oO
outros (32, 33 -e 34). 4}500
Sspalos (Joly) com salto...... 3ziK)
( > ) sem salto...... 21000
ispele......... 800
lustre (32. 33, 34)..... 8"0
econmicos para casa. 500
Alem disso um vanado a abundado sorti-
mento de todo o qae oecessario a sapsleiro pa-
ra execular qualquer obra.
Fiiiiileiro e vidraceiro.
Grande e nova olTicina.
Tres portas.
31RuaOireita31.
Nesle rico e bem montado estabelecimento en-
coolraro oa fregueses o msia perfeito, bem aca-
bado e barato no seu genero.
URNAS de todas asqualidades.
SANTUARIOS que rivatisam com o Jacaranda.
BANHEIRuS de todos os tamanhos.
SEMICUPIAS dem dem.
BALDES dem idem.
BACAS idem dem.
BAHUS idem idem.
FOLHA em caixaa de todas as grossurss.
PRATOS imitando em perfeico a boa porcel-
lana.
CHALEIRAS de todas aa cualidades.
PANELLAS idem idea.
COCOS. CANDIEIROS e landres para qual-
quer sortimento.
VIDROS em caitas e a retalho de todos oa ta-
mandaodo-se manhos, botar dentro da cidade,
em toda a parte.
Recebem-se encommeodss de qualquer nstu-
reza, coocertos, que todo ser desempenhado a
contento.
S o Torrador,
23. Largo do Terco 23.
O proprielario deste estabelecimento est re-
solvido a veoder maia barato do que em outra
qualquer parle a diobeiro, os seguioles gneros:
Manleiga ingles* e franceza da maia nova que
ha no mercado a 800 e 640, linguiga. do serlo a
320 a libra, milho alpista. loucinho, velas de es-
permacete e carnauba, vinhos e genebrs, final-
mente ludo qusnto perlence a molhados, vende
bom e barato, qoeijos viudos nesle ultimo vapor
a 23400 : s no Torradr, largo do Tei;o n. 23.
Aviso aos amantes dos ,
prese pes
Na loja de Ntbaco &C. na ra Nova o. !
2, vende-se excellenies pandeiros para '
presepes por prego commodo.
iM&MSi(5fiiw ctCagoaiS dWdiSMSa
Vende-se na loja de Nabuco & C. na i
ra Novan. 2 os mais modernos chapeos
de palha a Travista psra senhoras, ditos
a Garibaldi, diloa a Cavour, ditos de seda
a turca para meninos, dilos de palha a
Garibaldi, dilos a hespanhola e de oulras
muitas qualidades tanto de seda como de
palha que se vendem mais barato do que
em outrs qualquer parte.
'PflBfl fl FEST., ,
firande expido de froctas doces e qwijos.
bom pSS'f fesu':" "" e"lrei,a4, Ro"rio t<,B1 n 8"nde sortimento de ludo quanto
Doces secos | Doce de
calda.
Fructas.
Peras graudas.
Peros.
Macees.
Uvss.
Abacass,
Melancias. .
Ueldes.
Gaalanhss. -
Ditas coofeitadas;
Amendoss.
Nuwi. r%u
QueijSo
Plamevgof.
ertao.
Lbndaiao.
Goiaba em caixes e em latas
moilo fino.
Figos Chelos.
Ditos estrellados.
Ditos em ceiras.
Passaa de slicant!.
Arpeixas.
Sapolf.
Abacaxf.
i lima.
CidrSo.
Lsranjs.
Caj.
!**' Nabuco & C. com loja na ra Nova o.
2, receberam pelo ultimo navio um lindo
sortimento de enfeites de froco com t-
drilhos, ditos de retroz prelo e de cores,
ditos de fitas e flores, ricas grnsldaa pa-
ra noivas, e outros muilos eofeites que
8 se vendem barato.
t/aiw vWntwmmwB** la* srarVV )s*WatflafWajpww
Kap francez.
Vende-so na loja de Nabuco & C. na
ra Nora o. 2, rap francez a 3 a libra.
waMMn>jK oolS&iaSdfRS ^M^afi^H?
Nabuco A C com loja na ra Nova o. aa
2, aesbam de reetber pelo ultimo navio *J
francez um liodo sortimento da vestua- g
ros para meninos de 2 a 6 annos, como 8
(sejam restuarios de velludo, ditos dse- |
da, ditos de merino, ditos- de fustao bor- t
| dados e de outras muitas qualidades que I
i se vendem mais barato do que em outra *
[ qualquer parte.
~T me 'V am i sh&s&oEi ~m~ rsr rm
Sintos para senhora.
Vende-se na loja de Nabuco & C. na
, roa Nora o. 2, ricos sintos dourados, di-
i tos orateados, ditos de tilas de seda e de
i sellado, lado por prego commodo.
A loja da bandeira
ft tem para vender de boa
i qualidade folha, esan/io-
e bacas de
senecupa prego favorito.
Nova loja de funileiro da
ra da Cruz do Recife
numero 37.
Hanoel Jote da Fonsecs participa a
todos os seus freguezes tanto da preca
cmodo mato.ejuntamente aorespeia-
ve 1 publico, que tomou a deliberaco ae
baixar o prego de todas assna obras,pur
cujo motivo tem psrs Tender am graode
sortimento debsbs a bacias, ludo d
differentes tamanhos e dediTerssa corea
m pinturas, e juntamente am grande
* sortimento dedlrersss obras, contendo
banheiros egemelascompridss, grandes
eoequenas, macbinaa para caf e cane-
cas para condozr SRua graodea e peque-
as, lataa grandes psra conservar fari-
nha e regadores ao uso da Europa, diloa
grandes e pequeos ao uso do Brasil a
camas de vento, latas de arroba a 1,
bahsgrandee a 4 a peque nos a 600
ra., baca graodea a 5 o pequea* a
800 rs.,cocos de sis a 1 a duzia re-
gadores regulares muito bsralo, dilos
pequeos a 400 rs., de todos estes objec-
tos ha pintados e em braocO e ludo mais
se vende pelo menos prego possivel : na
loja da bandeira da raa da Cruz do Re-
cife o. 37.
i
i
ocolate
Sapul.
Abecsx. ~-
Lisso. ,fi
Birjobt.
Larauja.
Cid rio.
Grosellas.
Marmelada. *
Caj.
Geleia da ormelo.
Patanga.
Bolachinha
m
dotadas aa qualidades. de todas ss qaiUdade*.
Srvete a raeio da e a noite.
Potassa americana.
Vende-se potsssa americaoa muito novs e de
superior qualidade: no eacriptorio de Manoel
Ignacio de Olireira & Filho, largo do Corpo San-
to n. 19.'
Atten?o
36-Rm* Kova-36
Neat cass ocootrario sempre am grande sor-
limento do salomes do aleibeira, da ouro a de
piala, patentes o borisontaas, soissos; aosim oo-
sm um complato .ruma*lo doreiogiw de pare-
do o da baaaas, dos'mrore fabricantes pnsf-
Tfl. Fas taB3brqaihiar concert do retogioa,
eoncertoaxsoo jflsocadoi. '
500 e400.
O rival sem segando na raa do Queimado nu-
mero 55. est queimaodo aa seguinles miudezss
por precos que a todos devem admirar tamo pe-
las auas qualidades, como tambem pelos precos
A ellas antes que se acabem.
Grozas de penoas da ac a 400 rs.
Ditas de maozinha, muilo finas* s 500 rs.
Caixas com agulhas francezas a 120 rs
Caixas com sparelhos psrs divertir meninos a
Ditas nniito finas e grsodeoa 500 rs.
Grosas de botes de osso pequeos a 120 rs.
Ditas de ditos de louce a 120 rs.
Duiiss de baralhos portuguezesa 1400.
Tesouraa muito finas para unhssa 400 rs.
Ditaa para coaluras muito finas a 400 ra.
Baralhos muito finos para vollarele a 240 ra
Agulbeiros com agulhas a 80 ra. -
Caivete de aparar pennas a 80 ra. *
Diloa com duss folhaa a 160 e 240.
Pecaa de tranca de lia de todas as corea a
PecM de franja de lia de todas as cores a 800 r.
Sapatos de tranca de iBa finos a 1280
Cartaa de alfineiee francezes a 100 rs. '
Caixas do dilos ditos a 60 rs.
Escoras psrs limpsr denles muito finas a 200 re.
Masaos da grampos superiores a 40 ra.
Cartaa com colselea com defeilo a 20 rs.
Ditas ditas superiores a 40 ra.
Didau do ac para seohoras a 100 rs.
Aoitos da chumbo para meninos a 90 rt.
Enfladurea p*ra vestidos com 4 raras a 80 rs.
Calzas com clcheles francezes a 40 ra.
Ci Has de alflnetes psrs armador a 100
Fios de coral de rais a 40 M
Cbaroleirassojii^ Anas a lfOOO. .
RuadasCrozes ni
falMrtoa de charofoi, Toode-to charutos a 15 *
llheiro de foino da Babia, T,,M ge cotD^
co a 11 a, arroba. e em porco faz-M'
enlo; afianca-ao a boa quaite.
aba-


6 I
_
_
MiRio di^eum***swiiD^ftwi mumnm nitimr
razenda modefnissima para
vestios, na-leja pata*
. Aeaba decaegar a est* esialrteeiiaealA pelo
, vapor fajpcez um lindo aoiiimeoto di gorgurea
E ______
bordadM^emt^mwaia
tr^nsparea
Na loja d'aguia br^iBca e ch um bellj iorti-
traasparente, e CM
4eaa Wt.umU. a .1)aW> pe^ 4 varea.
ves*Wpe ; a que Uw occaeuo, a a>*|lMa?Ba*et4aa ,d0 Qu^i.
medo ioja e'agnia t*a*ca o. 16.
Ttm o fundo dourado.
A loja d'aguia branca teodo m vistas sempre
eoder o bom, mandoa vir, acabam de chegar
aqui (pela primeira vez] as superiores aglhas
imperi-.es, com o funde toettfeoue mui bem fei-
Ua, sendo para oaUaia^t* fco*irer*. a oaata
cada papel 160 rt. A gulb* aeeioa boa aoima
e atianta a que coa oom aa, ea<*ra aaa
oala'barata do-qee aaeutra; qeem aa com-
prar 01 ra do Queimado, lofad'aguea branca o.
16, dir aempre bem.dejlas.
Mui bonitas
uva
ctos
para carros de passeio
I '>.M
4 '
e boas fitas brancas de chama-
lote, franjas e trampas.
A Toja d'afcuht braoca acaba do recebar de atea
encommenda diveraararttajBade.ajeato, a proprioa
para enfeilea de vestidos de noivss ou convida-
das, seort o bicos de blond da diversas larguras,
frMijaa brancas e de cores, trancas brancas com
vidrilhoa e sem ellea, cascarrllha brancas e mui-
tas- nutras cores, finas e delicadas Capellas bran-
cas, bonitos enfeites de flores e cacitos sollos, lu-
vas de pellica enfeiladae primorosamente, mui
booitaa a boas filas d chamalole, e esafinr mui-
to j outros objectos que a pedido do comprador
aeree patentes, e vista do dinbeiro nao se dei-
xari de negociar : na laja d'agoia branca, roa
do Queimado o. IB.
mmmmmxmmm mmmx
I Para senhoras
VenVse nldj* ra Nova n. 2, o aeguinte :
Camisas de aiabral bordadas a 49.
Chapelinas de seda com bico de blond
10. .
Chapeo de palha Albertina a 14.
Leocoa de cambraia de Hubo bordados ?
alO*. V
1 Hilos ditos com Meo a 5|. S
Ditos abertos com "bico a roda proprlos 1
1 para mimos de aiohasinh 1 a 3#. 2
Para meninos.
Vende-sa na Ioja de Nabuco & C. na
ra Nova o. 2, o aeguinte:
Casaveques de fustio para meninos de
2 a 6 anoos a 3j.
Capas de fustao de cores para a mesma
idade a 3*.
Gravatinhas de fita a 200 rs.
Vestidos de fustio bordado para meni-
nos de 2 a 6 anoos a 5|.
Mfias de algodo brancas a 38.
o Ditas ditas de cores a 3*200.
{ Ditas ditas ordinarias a 1J200.
a
36, ruadas Cruzes de Sa
Na loja da Td* do Crespo h.' .'Ynvle-^'lnr
completo aortfmtoto da objectos pata carro, por
precos razoaVeis, a saber : vaquetas eowelaa-
4&loU> 816m, virola, pulidores, laoterne,'
absenta1 para nm e don cavaftos, dito* peta
tontera,. relaa,lavoure, fazenda deiede-aetv -
forro, dita de-casemira, oleado preto, dito de pa-
Iriens, bot>s de- metal bratrco e amarello, sr-
~os para cabriolet.
-.
Vende-ce no caes do Rsmos n.4, arrotwaa
cacs, o alqueire medida Verba sacee, o mate1
barato que em qualquer ootra parle.
Touquinbas de sethn, sa-
patinho de dito bor-
dados, e meias de seda
para baptisados.
loja d'aguuVa
^-!S!2a
i'-io
.'.a**
f>i3
e!,;


a
Af^Wagiif braSca acaba de apachar de tt-jf.?.?* fl**eDf 8 Chgrt*' lf*MH vapor 20Oe 2K00.
su a propria encommenda, um bello aettiaaoto ^CDOllaS SOltaS
dos obiectos arrima, n do mnftnua >.tn. .._
os objectos cima, e de multo bons gosto. aa~.t| Rnf ut c
do as touquinbas de setim mui beai eofeMMaa
de^ates e flores a (JJ(W. indo cada urna emsua
Sf-"'* p"tinho8 <* a*Hrieb'mH*9J v
bordades a 35 rs., e meia de superior qualidade IlOZjfi8
lano brancas como eflr de carnee pi
rs. o par: quem munido de dinbeiro
ra do Oaeimado, loja d'aguta branca
daizari de comprar.
Tti>HZt2? ^* "*""*"< "* *#* !** po8 para isso confirmamos o aua lev.mos dit. MW* t*0 51
libra 6 em
isso confirmamos o'que 1 aramos dito.
H&VAt flOO n. a likrt.
o cento e a 69 o milhofro, aanca-so que vista da qualidada ninguam dentar de comprar
10 para cima a 800 rs.
a 2Khrs, a libra

T f 8'gseoni urna arroba, as melhores qua ha no mercado a 1 o gigo, e em porjao de
^aStaQaS verdM as-^i^ptreitaa^e tamos (ido na mrcate chagedas no vapor Oneida
5rt.a?.^M^La8rfi8*^^ex1M*, n&^*-^0Albrtegpcia a 16Q.is.. aflanca-se a
afle.^lfl' n*i Ch **}?' M",rri0,* ****** ** a~" Cassas gatbaMi^
as na
Pavo,
loja do
Para acabar.
*- Pr 300$ vende-se um cabriolet moderno,
com cavallo e arreios, tudo em bom estado ; a
rer, na <-ocheira" da ra da Imperatriz, e tratar na
ra rio Hospicio o. 35.
9
gNa ra do Queimado n. 10j
S loja d 4 portas.
S Vende-se chapelinas de sed para se- !
nhora a 8. v 1
Of.ndys padr5es bs mais modernos a !
oCOrs. a vara. i
S-dnha de quadrinhos a 800 rs. o co-
vado.
Casacas de panno preto muito fin a
20 Manteletes pretos a 15 e 20*. 1
9 Kiquissimos vestidos de seda de cores \
e (Tetoso mais moderno que tem appa- a
re-ido e por baralissiano prego.
K^c*5^e*^^^^^p
ioglez para homem e senhora.
Bolinas de pellica preta intericos para senhora.
D'ta3 de cores proprias para casamento ou
bailt.6.
D'tss de lastre para senhora.
Ditas de bezerro e pellica para homem.
Este calcado para senhora obra primorosa
que Rinda nSo veio igual: na loja de Burle J-
nior & Martins, roa doCabug n. 16.
Fitas de seda.
.Na ra Nova n. 22 tem para vender fitas de se-
das de cores muito bonita?, e baralissimas para
acabar.
Vende-se urna escrava parda de idade 30
lonas, curo todasss habilidades, tem urna linda
flshade idade 10 mezes ; na travessa do Carmo
mnuero 1.
Vende-se o sobrado da ra das Larangirsa
o. H: quem o pretender dirija-se ra da Mao-
gueua n. 8.
Veu le-se cootfotUa o portaa' flottofeza das
Cinco Ponas osegulnte-: eirrto5*'i)#rs,bof, di*
tas.paca caao para agoa. cartaho para traba-
Ihar o. alfuidega* drtasdwmto-, rodas pera ear-
rocas e c s de todas aanpUtiiaJaVI
fc'r de todos ata as aohos; fechado rea dfertelftev
erroiho o*hckia,rfare de-'en**tif WtMo!4
Umaohos, e prteosla fcrta
aSSSf1
de 4 rpdas e
na-s* ri
', que a,
I EsperaDca.
2^a do Queimado n. 33A.2
Receben directamente a seu pedido S
tinta ingleza aiui preta da verdadera, W
g(g esia ilota ee faz notar pela granae diffe- ^
Mm renQa em tudo quer na duracao quer na gr,
Ja- limpidez do liquido e ainda mais racom-
W raeoda-se os potes que alera d seren
fj de urna loura mais alva que a ordinaria A
jfc.lprn na Doca urna pequea cavidade que 2
w facilita a sabida da tinta, afflsoc.amos que 9
fp niriRuem tem por isso so se deve pro- A
a^ curar na loja Esajpranga ra do Queima- ^
. d-Guimaraes Rocha, pote de li4 a S
W 400 rs., de lf2 a 800 rs. 9
9 Anuiras Victoria pela aceitacio que ft
tto tem tido estamos prevenidos de grande 1
** e variado sorflmnto e se vende a 120' W
339 rs.'o pspvfvjnja Esperanja. ^
& Sintos com relas de a;o a 1J500, ve- t
]g nham de preSss que nio chegam para S __
quem^juer, dourados e prateados a 35, M / *^-m?*. *M ^w *- ^.
..,,...o.Mf,. 99999n wende-se
azeitede dend ou palma, dito de amendoim que
serva para luzese machinas, mais barato do que
em qualquer outra parte ; na roa 0o Vigarie m,
19, prmelro andar.
MaQas, nozes, cas-
ta nhas e figo,
Tudochegado no ultimo pauele, vende-senas,
fogso, buceas de forno; b*Bo"efras, ffto e"vbl-', armszens Progresivo e Progresista no largo do
Obradla rMc^utt-- Carmo n.9e roa das Ornes n. 36, ma;Sas 40
Vendem-se fiaissimas cassas garibaldiaas sen-
do estas cassaa aa mais modernas que tem che-
i^:^^:tsZw lmmt
Peonas galvanisadas.
A loja d'agoia tranca receben essas pennas
galvanisadas, de oorissima e mni boa qualidade
e as est vendendo a 2000 a eaixloha com uros
gro-Z' As, Primetras dessas pennas foram offe-
recidas i Garibaldr, e por isso tratm o seu re-
tracto, e as referidas calas se encentra b dis-
ticopennas Garibaldf.
S6 se encontram oa roa do Queimado;'l(rja
d gela trancan. 16. '
Leques.
Vendem-se lindos leques de madrenerola,'.
mais fino possivel na loja d'agoia de euro, ru
do Cabug o. 1 B.
lientos brameos muUo
linos,
Vendem-se loncos braneos muito fiaos, pelo
dimfouto prefo de 29460 a duzia, grande pe-
chincha : na loja da boa f, na ra do Queimado
numero 22.
Caivetes fixos paraabrir
latas.
Chegou nova remessa desses p
vetes fizos para abrir latas de sardinha, doce
bolachiohas etc., etc. Agora pels fests cerne s
muito dessas cousas e por isso necessario ter
um desses caivetes cojo imperte I, eonspran-
de-se na ra do Queimado loja da agaia branca
o. 16, nica parte onde os ha.
Esceocia de ail.
Para engommado.
Vendem-se frssquinhos com esceaefa de ail
consa excellente para engommado porque urna
gota delta bastante para dar c6r em urna bacia
de gomma tendo de mais a mais a preciosidaoe de
oio manchar a roupa como multas vezes acon-
tece com o p de ail Gasta cada -frasqoioho
500 rs : oa ra do Queimado ioja da agaia bron-
ca n. 16.
Mi cangas miudas de todas
as cores.
A loja d'agaia branca acaba da receber essas
procuradas micangas miudas que servem para
pulceiras e outras cousas, e por isso avisa aa
peetoas que ellas eaeerotam e ai que novamente
quizereo comprar que manidos de 500 ris com-
praro um maaso muito maior do qua oa anliges,
isso somente oa loja 4'agula branca, ra do Quei-
mado a. 16.
Gravatas damoda.
Na loja da boa f na rus do Queimado n. 22,
se encontrar um completo aortimeoto da grva-
la de seda pretas e de cores, que se vendem por
prejos baratisstmos, como sejam: estreitinhas
pretas e de lindas cores a 18. ditas com ponas
largas a 1&500. ditas pretas bor ladas a l6O0. di-
jes pretas para duas voltss a 1$ ; na mencionada
loja da boa f, na ra do Queimado n. 39.
Vende-se um engeoho moente e corrente.
sendo as obras de lijla e cal, distante desta pra-
51 noe leguas, com embarque na porta do mes-
rao eogeoho, teodo a commodidade de flear dis-
tante urna legua e meia d'uma das estacoes da
via frrea, ser devarzea e de grandes lucros pela
sua prodocio, tendo terreno para mata de dous
mil e qoinhenlos paes para se safrejar todos oa
anuos som precisar pisntar-se na paltas, e para
mais eiplicaces entendam-se na fu Nova ioja
de marmo're d. 43.
Vende-ae barato que admira, na ra
Nova n.'18, as seguintes fazendas.
Vestidoa de grosdenaple bordados a velludo, de
muito goslo, ditos de seda de corea de orgao-
dys, chalim d seda, aedihas de quadros, cami-
ainhaa, ditas com mangaiios, vestidos de seda de
muRo bom goato para meninas de 6 a 8 anoos
chapeos de diversas qualidadea para senhora, di-
tos para homem, chales de merino doa mais su.
em porgao ter abatiaanto.
boa qualidade.
-
tilS.'


11360

periores que ha no mercado, de todas aa corea.
rsi'e 120 cada urna, eaetanbas a SWQ rs" a libra e
8f'a arrobe, sffl gos a 240 rs. a lityraVy # rrb. fffjrts a 200
^T^mas^mnts^............_
vale diohatf* ;e a 9im*mr++9t9gmmf\ n aea aso sueUaotes 1
ta do largo m|cft>|6,
aadet aeaa verdadeirasiavaedaJasmo, ck-
aiu nt este uWn> psf uate da garata : na
la de ouro, ra do. CUsgo. 1 fl.
^ i$r**C3s mala acreditadas da 15 a 20 o gfgn e 1 500 t# a garrafa.
BofKflfimra ingleza a 320 n, a libra 45 a barrica, anaoc-si sera melhbr d aereado,
ArrOZ o melhor do mareado a 100 rs. a libra e 2700 a arroba da da India e 120 rs. a libra do do Mardnhe,
t na nySSOn e pP6tO o melhordo mercado da 19700 a 2*880 aem poreao lera abalimento, eafianr^a-ce a boa qualidade.
Presunto fiambre in^ez a hambargnez a 900 rs. a libra em porco a 800 rs.
Presuntos portllgliezes vindos d*anode easa particular a 560 rs. por libra einteiro a 460 r;
Marmelada dos raelhores autores da Liatn premiada as axposi$5s universaa de Londres a Paria a 19800 a lata.
GaXa*C0m estrelnta pevfe e rodinha t 7#000 a caixa e SOO n. a libra e em porco ter abalimento.
Latas de ameixaS fraacezas cora cinco libras a 49000 e 1*000 a libra.
r assas em eaixinhaa da oi to libras, as malhotes do mercado a 2*800 a a 500 m a libre e caixa da urna arroba a 8560.
Espermacete Superior t 740 rs. em iza a a 760 r. a libra.
Conservas francesas ingleza e portuguezas a eoo e soo rs. o fraseo.
KrVlInaS portuguezas e francezas a 800 ta. a frasco afiamja-se serem as mais bem preparadas que tem indo ao mercado.
Lata COIB bolaxiha de SOda atoreasqualidades, a muito novaa 19450. e grandes de 4 a 8 libras de 2.500 a 4*500.
VinlK) eaWg|Tta/a# 4>uque da Porto, Porto fin, genuino, nctar, Carcavellos, Madeira seeea, Feitoria e Camones a 19200 a
a garrafa e a 13* a duzia.
yirme em pipa proprios para pasto da 500 00 n. a garrafa ede<39800-a*0O a caada:
ataSCOm ffOtftS da todas as qualidades'que ha em Portugal de 700 a 1*000 a lata.
era em' CaiXaS da 4 a* librara melhor giese t*r)e dsejar e lea v^ndo ao njafteado de 49 a 6| a caixa e 1*280 a libra.
Corinthias em frasco de 1 1 rl a libras de 4*600'a 295009
Latas COm peixe Saver pescada a oatraa muhas qualidadso mais bera arranjado que tem vindo ao nosso mercado da 1*400 a 1*600
Aranita a melhor que se pode desojar a 320 rs. a libra, e 120 rs. a libra de gomma.
tTaSCOS de amendoa eom 2 libras, propria para mimos, por serem muito bem enfeitadas a de superior qualidade a 39 cada um.
Vinagre brinco o melhor que temos tido no mercado a 400 rs. a garrafa e 2*560 a caada.
Comnho e ervadoee os mais novos trae ha no mercado a 800 a libra do eominbo e a 400 rs. a eeva doca.
VinhO BordeauX de boa qualidada a 800 a 19 a garrafa e de 8*500 a 10*000 a duzia,
Massa de tomate emlausdeuma libra do mais acreditado autor de Lisboa a vinda a pr imeira vez a nosso mercado, da 1 a 128 , 12 libras, e 400 rs. a libra doa figos.
CervejdS das melhores marcas bB0 rs. a garrafa a 5 e 69000 a duzia da branca.
Vinagre puro de lisboa 40 rs. a garrafa e 19850 a caada.
Doce da goiaba da casca bm^o 1 ,m po^so 000 ra;
Azeite doce purificado a 800 rs. a garrafa e 99000 a caixa com 12 garrafas.
IrOgnaC a melhor qualidade que leaaoa no mercado a 19000 a garrafa a 109000 a duzia.
QuijOS- SUSSOS eftegados uhimamente a 500 rs. e em porco terabameaio.afianoa.se a boa qualidade
GenebTa de Hollauda -a 80 rs. o ftascoe 69500 a frasqueira com 12 frasees.
PalltOS lxados para dentea-a 200 e 160 rs. o maco com 20 macinhos, e flor a 280 rs.
dem do gaz t 8*000 a grexa e 280 a duzia de caixas.
Chocolate o mais superior que temo tido no mercado portuguez. hespanhol e francez de 19 a 1*200 alifara.
AzeitonaS as melhores a mais oras que Um vindo a nosso mereado a 3*000 a ancorla.
AmendoaS cfaegada oo ultimo'isw a 480 rs. a libra e em porco ter a batimento.
AipiSia o mais lmpo que tem vindo ao mercado a 160 rs. a libra e 59000 por arroba.
A lem dos gneros annunciados encontrar o publico um completo sortimento Je tudo tendente a molbados.
.
m Jrafh.
too
i Acabam
?44. ^,..,.
- Veadavaa ara aarr* grande patasca ia^le,, .
com todos os aeus utencilios ; aaas eeam un
parelhaoe evallo pretos do tita carro : para
ver, as Cinco Ponas, cocbeirs coofreote a esta-
S ovTSl^ ^-^S -Ca d.
-_vje_Bde-aa ama porco da aerez easa asea,
par*.>
baaa io" '"" *" a^^ d'agaia

infallivel remedio pam
sardas e panos.
..0.,ejl1.*h:e1o8, i***eonhecido como reme-
dio loal ivel para sardas e P..dM, ,eae-ee a
Sanea n.'lT M '"* do <>***. ^ d'agaia
Veslidos de cemento.
Ricos vestido de blonda
capell e ssla de setim.
com manta,
Superiores
vestidos de seda, de cambraia bordada.
de pbanuaia,chapeos de pslh, enfnte
i modernos para cabeca, capas e mantelo-
les compridoa o mais moderno, sedas e
i la-de quadnabo, cambraias de cores, es-
.^artilhos.lotos, irauea, ssias balao,
M"""'lB*f" aa de Uobo para
fhora fil e t.rlaUoa par. Teatidos,
j motern;.-. ^ ^^ "
Roupa feita.
Calca, celletes, paletots e sobrocasacos
de panno, caaemira, chapeos de caator
|,bolinea de Meli. waior,
Pra acaban
Colchaa de l e aeda propria para cama
^n^Kr,!ld.epiB0 ? neopuitos e
gollaa bordadas de hnbo e de fu>to a 21
seda de quadrinhos a IftOO, liatinha
40 ra. o covado : na loja n. 23 ra oa
Cadea confronte ao becco largo de Gurael
ot rereigao.
r,'
Esperanca.
Receben de sae encommenda pulcei- sm
V ca de cabello que vende por 10* 0 par, $|
flft braceletes de mosaicos a 6* cada um, a
fc agulhas victoria a 120 ra. o papel, peo- H
9 tes de tartaruga a 8, 10 e 2f. preces 9
9 porque nioauem pode veoder (boa a- t
^ zenda) estea artigo nio se encentra em
^ loja uenhuroa por isso vio a ruadoQuei- W
9 otado n. 33 A, loja da Esperanca.
Esperau^a reduz a exprs-
sao m ai s si m pies. 9
(A* D1NHEIRO.) O
9 Todos os artigos que esto na loja A
a muito barato quem quizer vi comprar e 4
* veri : ras do Queimado n, 33 A, Geima-
raes & Rocha. Al
4 musseliaa do Pavo a
200 rs. ocovado.
Vende-ae masselina branca com 4 1(3 palmoa
de largura fazeoda muito Boa pelo diminuto pre-
C de 200 rs. o covado, cortes de chita ingleza
esm 10 covados cores fizas a 1)500 rs., ditas de
muaselina branca com 10 covados 2. tade
piraapur.rdioheiro: na riada Iaperatriz ?.
60, loja de Gama & Silva.
Vendem-ae liBr4M(tori(aaa<- no -ecreaHerio
Charutos
Verdadeiros charutos dp Ha-
rana Tendease na tufa do Apollo
n. 31.
tf
m
Fitas de chanidlo-
te muito boas e
bonitas.
anoait
'
loja d'agula braaea acabar da Naeber pelo ra-
po iogles i aua encommeqaa<*i basa, booitaa e
lar fita* de cbenMtote braaaa a outrsa coce,
ciuioa; legos, ale..
a, atis camo
de criaecas e
la outr. divvraja fiou^ adorno de aeu
ame eapreeoa *ao'menores do que em outra
qa Iquer parte; etaaso quem munido de diahai-
tro^ oirigirjie.a^lf fe pMmfio f^ja da
pe
immgm.
Attenco.
Ckegoa na ra do Queimado o. 39, loja de 4
portis meloomene imperial com 6 palmos de lar-
gura a 2JJ600 o coado, o mais moderno e apura-
do goslo que se pode encontrar para vestidos de
senhoras e meninas.
Na \oja do Vapor
Ba Nova n V.
acha-si barato grande aortimeoto de calcado fran-
cez e ieglez, roupa feita e perfumadas muito
finas.
Chitas largas a 220 rs.
na .loja do Pavo.
' Vende-s finissimas chitas francesas com pe-
queo toqai de mofo, affiancaodo-se soltar o
mofo logo qie selavem, por serem de cor fizas
a 220ra. o covado : na raa da Inperatris o. 60,
leja de Gama & Silva.
Opiata iogleza
para dentes.
Est QnalmenU remediada a falta que se sen-
ta deass apreciatel optata inglesa lao proveito-
aa e neceasaria para os dentes, isso porque a lo-
ja d'aguia branca aetbe de recebe-la de aua en-
commenda, e cootinaa a vende-la a 1*500 ra. a
caixa ; quem quizer conservar seus dentes per-
feitoa prevenir-se mandando-a comprar em
dita loja d'agais braaca.rua do Queimado n. 16.
d Amorimlrmosrua da Cruzn.3. f rifo Hac R rtl,
mHi^Mm2L0Ja aas Por"l
m

tas em frente do Li-
Tramonto.
^ Roupa feita muito barata.
~ Paletots de> peono fino aabraosaacoa, W
Sk ditoa de caseaaira de cer f* de brim de corea e breoco, ditos de v
f RaoRa, calcas de casemira pretas e de'
9 cores, de Brtm braaco e de cores, degan-
Qt aa, csmlsas com peito de liobo muito'
flnas ditas" de algodao, chapeo de sol.
Wddalpac arcada um. A
WOOO v^OOOttO
Ra da Sttiizalla Nova n. 42.
Neste eatarlbelpcimento vende sen ta-
chas de ferro ^do libra t'10 r$. idew
de Low Mopr fibra a 120
Nova exposico.
Ra Nova n. 20.
Riqalssimo sortimento de colilerias em todo
o genero, assim como um riquissimo sortimento
de Iouca de porcelana para cozioha, riquiasimo
sor untan to de metaes, riquissimo sortimento de
miudesas, e outros muitos artigoa, que coa a via-
ja do comprador se poderio apreciar : na ra
Nova n. 20, loja de Carneiro Viaana.
Bombas dejapy.
Roa Nora n. 20, loja de Carneiro Vianna.
Canos de chumbo.
Roa Nora n. 20, loja de Carneiro Vianna. *.
Arados americano se machina-
par a lavar roupa :em cas a de S.P.Joi
hston 4 C. ra daienzala n.48.
Vende-ae o grande sitio denominado Cala-
a, sito na freguezia da Versea, de muito boas
trras, qne tudo qaaoto se planta di urna grande
quaotidade, com urna casa de hipa 14 coberta.
madita defaierhrinha, grande qnantidade de
pfis de cafezeiroa, com diversos oes de fructeiras
como seja larangeiras, coqueiros, etc., et.;
tamoem vendem-se das vaccas que dio baatao-
leieite, urna dellaa com a cria ji gTande, e um
burro manso : a tratar na ra do Sebo n, 20.
Libras sterlioas.
ni!!!??e""i?i? e8lcr,Ptorio d "">el Igaaclo de
Oliveira e Ftlbo, largo do CorpoSaato.
Joaqalm Francisco de Mello Santoa viaa aoa
eus fraguetes deat. praca a os de fra, qua tea
azBoato 4 venda ssbaoda aaaabrcadenominada,
O rival sem segando, na
ra do Queimado n. 55
defronte do sobrado no-
vo, Ioja de miudezas de
Jos de Azevedo Maia e
Silva, est disposto a
continuar a vender pe-
los presos atoixo de-
clarados, que na ver-
dade bomebaratis-
, simo.
Frascos com agua Alavande ambreada a
Ditos superior, frasco multo grandes
Doa de sabonetea muito fino a
Sebooetes iigiezes da melhor qualidade a
Unos muito grande a
Frascos de agua celeate muito superior a
Ditos com cheiro wirito fina a
Ditos com baoha de urco a
Ditos com oleo de babas a
Ditos muito superior a 240 e
Djlos com baaha moito fina a
Ditos com opiata da Ludio a
Ditos de dito de PiVera
Ditos com baoha Iraoapareels a
Ditos com oleo philocome a
Ditos com superior sgua de Colonia
Ditos com macaca perola a
Di toa com ditos (o leo) a
Nvelos de linha do gar de cores a
Ditos de dita encerada muito boa a
Ditos da melhor qualidade a
C.rnteis de lioba de cores com lOOlsrdaa
Nvelos de Imha do gaz para marcar a
n?."^? nleI8, de CT" Par meninos a
Ditos ditos para meninas a
Dos ditos cruas para meninoa a
Dusiaai de meias crasa muito encornadas a
Ditas ditas brancas para senhora a
no?!?01? Pbo,horo? de seguranza a
Ditas de folha com phophoro a
Duzia de phophoros de saz a
Dita da ditos de vela a
Pesaaa de tranca de lia de todaa as corea a 40
Fejo de corda.
nBmer"s5ieiD d T"" Ua>*0'' do Amorisa
NOVA
exposico de can-
dieiros econ-
micos.
O propietario d.ste novo eslabelecimento avi-
!L.!&uWlw e recehido um grande sortimento de
500
800
500
160
350
150
500
600
320
500
240
500
320
900
900
400
200
100
20
30
60
80
40
1*0
190
2UO
23*00
39000
160
110
240
810
candleiros de
TI.iT,J rt(lQ'8'ffl Para ornar salsa, lodos
esmaltados de diversidades de cores, desde o
0 mais ordinario, assim como
ReaUinoarmazem doaSra. Travasaoa Janloa **^m emo 'amtenr meias' lta" eaa garrafas
4 C.,ua rna do Amorimn.58; massa amarella *
casunha, preta a *atr^qaUaadaa par aiaor
preco q.e de o Ira. fabrica. Na ataamo arna.
Ji-T eito 0,e? deP*i* dra*adacarnea.
beabea o. 16,
4**
ak bsrcaQa do porte de 35.aejnna,
- -talaiio da meatra carpintetro i*-
tptba-eieabaa.aaiai da fortaleza daGiocQaaa,
ta, aoode pode ser ruta e examinada peloa pw
Lindas fiares.
d'aguia de oure.-rua doCaba.
re.eb^ aV*a prapria eottnuaaad*?
NtJ^ d>gaia de oura.ru, doCabagi a. 1 B,
vwt-ubtuaaiai .praprlaa para_______
vestWo, covaa analto chique, que aa
prea qae ad mira, atad ce 4* 0 Haanaabo.
0 hm.
aa cal
de anaa tanto para
^^ *" **"" tu. w #41 asi* > a-i* um U|
irande ortraento de gaz de primeira qualidada.
pete pwco mais barato qae ee pode .encontrar ;
ssim como tamtem" meias laUa
a rna Nova n..^ Ufa do Vaoaa.
. Potassa da Bussia.
VendeaeesocasachNiO Bieter &
C, rjecesaores, i^a.^.Cro&n. *
Meias ^aa sn\\ra.
aSa^aiaJT. .I*M!E:M uPerf asar sEwrssm '*
ana; avatto boa eoatotreire e laraoeir, ae ,{5.
da qu.w.devrftkw^.-ai^^-ti^^;.t.,5
ntsM fKnndtt
*4^lua Direit*:-r'45



J
*** Mmuijiu; -t niiiiriirnr >iiiimiiwi>w
IM61<
r
v'-

Francisco Fernandes Duarte

Contnua-se a vender neste armazem de moteados os
mejores gneros qu vm ao mercado, e por (aullo meos preco do que em o'utra qualauet Darte
*"ia?ffeA|eC?llfOB,9pri?l"ioJemlQdM ovaPfda Europa, a maier parte de seus gneros!
tscotrlfo. por pessoas bcarregad.s, para este flm ; por i.so novamente participa aos seasfragaeiur
?& !r u." ** pr"5f eoa"Vde W***** e lavadores, que quelram seguir em progresa*, que
nao deuem ao menos de comprar fe pnmeira tez suas eocommendas, certo de que nao de bstar
para o que oao se pouparSo os pTopnetarios. em prestar toda atteoco, e mesmo em serviros nor-
tadores taenorpratHos. lio pera como se viassem os Sre. pessoalmeote; e -abalio taeniionamoB
os presea (Te alguna gneros, por onde se pode julgar que rendemos baratissimo.
* 1!*8**** a mals superior qne ha no mercado a 800 rs e IflOOO a libra em
barril se tara abatimento.
9ftantelga f r*neeza muil0 D0Ta, 640 r> a 1bra e em bartil a m rs>
e l0O rs a libra e aflanca-se a boa qualidade. -ww.
^m meheg"ahsnMU*,Ull,ao POI2S400. ditos do r.por pas.ado
"*"V*** as melhores que se pode desejar a 40 e 120 rs. cada urna.
PreiUnlO ingVeZ propiios para Uambre a 900 r's. a libra, em torci se ar
meato.
rezumo ao reino 0 que M at Dom nMl6 genero a 480 r< t Mbra e faWn
Batatas novas m gos de uma trroba, 1# cada BB#
saiame 0 men,or petiIC0 que V^Q naTer por estar pronipt0 a toda, hora a | ,'uDrt>
T oneiaho do reino 360 a Hbr. e aoba i94500
Chongas e palos muUo n0T0, ^ ri a ljbri
Banlia de norco refinada a m
e em barril a 440 rs.
Wtonas multo novas a tJ000 rl.. ancoral8i, 6B garrafa 3t0 ri
lentas eom bolaxinha de soda contendo oiereolei qoalidade8 a 1#440 e
m porcao se far abat ment.
Maca de tmate,
CsSdieiros a gaz,
O proqfietario da nova ezpoiicao dos candiel-
a gaz avia ao publico em geral, que se acha
mpre sonido com grande e variavel sortimeDto
de caodlenoa desde o man barato at o mais caro,
assim como um grande deposito de gaz idrogenio
verdaderamente econmico, reconhecido verda-
deramente por todoa os consumidores : na ra
Nova os. 20 e 24, Garoeiro Vianna.
Nesta mesma exposicio se encontrar um va-
riavel sor lmenlo de riquissimos quadros de todas
as qu*ldades que pur gosto se pode apreciar os
seas desenos, um riquissimo sortimento de
quisquillaras, contendo entre alias riquissimos
vsvatorios para quarlos (gosto chines}, um varia-
lelaortimento de baldos com iodos os preparos
para viagem, cooteado pratoa, facas, copos e ou-
tros frascos para condicionar, ferros de engom-
mar a vapor, machinas de bater ovoe a vapor,
machinas de fazer caf a vapor, espingardas de
dous canos tronzadas e de alcance, mappas del
mundo, e outros mnitos objectos que se veodem
jpo precos diminutos para acabar: ra Nova
numero 10.
Camnra\a Usa,
)ais alva que ha no mercado a 480 rs. a libra
,*"* n0Ta do nlerCa,lo m Utas de uma libra por 900 rs., ditas de
_^ daas ditas por 1)700.
^larmeada impcTial d0 afamad0 AbTeu e de0Btr08 muos flbricaDleg de Llsboa
a 1J a libra, em latas d 2 libras por 19800.
Kirvunas f raneezas melhoret que 8e pode dMej em meia8 lata9 500
tambera tem portugueza me latas enteiras a 640 rs.
ChOCOlate f raneOZ e he8panhol chegado neste ultimo vapor a 1J20O a libra.
IraSSaS proprias para podiin a goo rs# a libra.
W 1$. ae ainerCne em jat88 de 2 Ubres elegantemente enfeitadas a lg200 cada uma.
iSnermaSCte ,apeior de 4, 5 e 9 em libra a 760 r. e em caixa a 740 rs.
Latas con reix* em posta melh0re8 qualidade8 q ba em Portugal,
1J400.
iVmend.a s coneiUdas. lf. Iibr8i ditas em Btal0 a m ra>> dUa cotn casca
a oo rs.
Noies e castanhas pilada8 ffiuil0n0T-8 a 160r8.. libra.
"Cllinn* para 8opa a wo r| a libra e em calxlnha8 de 6 a 8 libra8 8e far &batimento.
Metna, maearrao e ta h%rim. m f9 a libra e em C8ixa,
sevaninna franceza muno nova a 240 rs a 1br8.
Farinna do Marannno mutloalTa echeiro8aal60t8.
Yxou&wa de engommar, o que se pie desejar por; ser maito alva aWO rs. a libra.
P9**a mun0 n0T0 e iimP0 jjo rs. a libra e em porclo se far batimento.
J v orespeitavel publico, que aaogando-sea boa qualidade dos gneros cima mencio-
nados, se vende multo barato, e pelos quaes se poder julgar lodos os demais que nao foram an-
nunciados.
Paletots
lolooo.
brancos.
Vendem-se superiores paletots de brim branco
de puro linho, pelo baratissimo prego de 5$ : na
ra do Queimado n. 22, na bem coohecida loia
da boa f. J
33 Rt\ D1REITA S3
Grande armazem.
Fenageai e mindezas.
Sem baodejis, sera colheres, sem garlos e fa-
cas, impossivel passir a festa 1 neste armasem,
pois, encontrarlo as familias o rnelnor e mais ri-
co sortimento por presos ioferieres aos de pri-
meara mao, e reparem.
Bandejas recortadas e finas a 11600.
t\ Ditas ditas a 2*.
Ditas ditas a 35.
Outras (sultana valid) GS. 5 e 4#.
Faqueiros a 6fl, 4$. 39600 e 3.
Colheres principe (sopa) M e 49500.
Ditas dita (cha) 39 e 29500.
Salitre, ferro, tretu de cozinba, etudoqaante
perlifica a ferraajens baralissimsa.
Camas de vento de louroa 49800, e de ama-
Fogsreiros para leda prego.
Grande
Seperioros paletots de panno preto muito fino,
oftra muito bem feita, pelo baratissimo proco de
SaSo" d.abo.?ae,m,,d0 M b6m C0Dhe-
Delicadas escovas
cabos de marfm e madre-
perola, para limpar
dentes.
Na verdade uma escora para Hmpar pentes
sempte necessaria em quafquer toucodor, e oom
especialidade no da senhora que preza o asseio,
e para que elle seja perfeito mandar comprar
ana dessas escovas de cabo de marflm oa aoa-
dreperola que castra 29 39 rs., ns loja d'iguia
branca, na ra roa do Queimado n. 16.
Navalhas d'aijo
com cabo de marfira.
Vende-se na loja/tTagaU branca arai finas oa-
valbaa d *qo refinado coa eaboa da marflm. e
para assegurar-ee a bondade dallas baaU diser-
ae qee sao dos afamados e acreditadoa f.brican-
^.^ffla* *? ^$U *"* *** ** ns-
SSa. i!u: "*"" ftwi**4' w* ***
Etre-meos bordados em
canibraia transparente.
Na loja da aguia branca vende-se eMreaeioa
bordsdbs em fina cambraia transparente a dft
E' Da ra do Queimado n. 39 loja de qnatro
portas que se vende os melhores chapeos de se-
da de formas mais modernas e bum gosto.
Na ra de S.
Jos o. 2.
Vende-se muito bons gneros aonde annuncia
os seguales r vioh} do Porto a garrafa 600 rs. a
caada a 6|000, Figneira a720 rs.. Lisboa 600 rs.,
ditos mais baixos i cansda 3|600 rs., titos em
arralado do Porto lgl20 rs., ditos baixos 500 e
560 rs., vinagre de Lisboa 320 a caada 2*400
rs., marrasquinho 19400. vinho Bordeaux a l
marmellada de 2 libras a 1|900 rs., ditas de libra
e meia a 18000 rs., fructas de calda a 18000, pe-
ras, ginjss, peceiro e rainha Clandis latas de pei-
xe grandes a I98O) rs., massa de tomate 18000
a libra, manteiga iagleza 800 rs., dita vanceza
720 rs., banba retinada 560. queijos do reino
298OO rs., fiambre ingles a 7S0 rs., presunto do
reino a 480 a libra compram-se cobres velhos,
as pessoaaque liverem dirija-ae a mesma que pa
g-ar-se-ha, comoesliver cha bysoo a 29800ditodo
Rioem lata a libra 29300 e 29100rs., caf em
caroco a 320, 380 a 160, aasim como todos mais
gneros, vende-se mais baratos do que m autra
qualquerparte, aasim como linguica do serto a
.libra. -
' Adw**, ae cada aadrlo Um bastantes
*$ Hia vesdof.
: Nova california
de
! Fazendas baratas.
JN raa da Imaratriz n. 48, juta a*
Badari franceza.
Cortes de cacabrata.Branca oa baWi'
l nhos 49 e 49500 superior 59. cambala li- 9
xa com 8 112 vara38, 39500, a49, ditas de
Escossia 59r a. 69, ricoa nfeitea para se-
ahora 69 a 6J50D, sin tos os mais delicados
para senhora 29500.39, chapelina para cri-
anca goalo ingle 139500.49, para baplisado
39, cortea de vestido de seda Escosaeza da
bonitos gosto 139 estao ae acabando, ri- m
eos lencos dekbvrloiho l9.,l|JO0.hap
de sol para senhora de bonitas cores, liaos
59, cabo de marflm 59500, cortes de cam-
braia brancos com ffr de seda 59. risca-
do francs 180^ ris o covado, ormpletos
sortimeotos de baldes de arcos 89, sorti-
mentos de meiss para menino emenina
100 a 240 ris o par. cbalea de tarlatana
de corea a 640 ris, lencos branco com bar-
ras 160 ri caita*inglesa* a 180 e 200 ra.
dita franceza a 240 e 280 rs. o cavado
pecas decambnia da forro com 9 raras
f. *>0l".P'"aria francesa n. 48.
:
No deposito do gelo ra do Apollo
n. 31, resoVw gcio'de boje em rUsftte
arriba a 5|50O, e rfleia arroba 2#OO1
- e libra a 160irii: tambam reoesV-se
Vende-se cambraia lisa transpsrhte muito fi-
na, pelo barato preco de 4 e 58 pega com 8 1)2
varas, dita tapada muito superior, pega de l
varas a 68 : na ra do Queimado u. 22, oa loia
da boa f-.
Bramante e atoa\\vaa de
lialio.
Vende-se superior bramante de puro linho com
duas varas de largura a 2*400 a vara, assim como
atoalhado adsmaseado tambem 99 puro linho,
com 8 palmos de largura a 29500 a vara : na bem
coohecida loja da boa f.na ra do Queimado nu-
mero 22.
Cortes de cal^t.
Vendem-se cortes de caiga de meia casemira
de cores escaras a 28 cada corte ; na loja da boa
f, na ra do Queimado n. 22.
Fort bouquels,
Dourados com cabos de ma-
dreperola.
Cbegaram opportonsmente para a loja d'sguia
branca os bonitos port bouquets dourados e es-
maltados, com cabos de madreperola, conforme
soa propria encommenda, flcando assim remedia-
da a falta que havia desses port bouquets de gos-
to, os quaes chegaram bem a lempo para os di-
versos casameotos e bailes que se contam nesses
dias, por isso as pessoas que por elles esperavam
e as que de novo os quizerem comprar dirigi-
rem-se munidos de diobeiro loja d'aguia bran-
ca, ra do Queimado n. 16, que encontrarSo obra
de bom gosto, barateza, agrado e sinceridade.
de cambraieta.
Vendem-se superiores salas de cambraieta mui
lo una, com 4 pannos, pelo diminuto preco de
59; a ellas, que sao muito baratas: na ra do
Queimado n. 22, na bam conhecida loja da boa f*
Tinta preta para escrever
Vende-se excellente tinta preta para aacrever
600 rs. a garrafa ; na livraria ns. 6 e 8 da pra-
ca da Independencia;
Nova
exposicao
O proprietario deste novo estabelecimento to-
ma a boora de avisar ao publico que tem no aeu
estabelecimento exposta uma riquissima galera
de quadtos de phantasia e histricos, que por
gosto se pode possuir: na ra Nova n. 24, loia
do Vianna.
Vende-se
Azeite de dend.
Azeite de amendui.
Azeite de peixe.
Tudo no Porte do Mallos ou largo da assem-
taja n. 1.
Agulhas imperiaes
tem o fundo dourado.
A loja d'aguia branca, tendo em vista sempre
vender o bom, mandou vir de sua eonta essas
superiores agulhas imperiaes. as quaes acabam
de ebegar [pela primeira vez) tendo os fundos
dourados e pontas mui bem tiradas, e cusa cada
papel 160 rs. Cozer-se com uma agulha assim
boa, anima e adianta quem trabelha, por isso
dirigrem-se ra do Queimado loja d'aguia
brenca n. 16, que sero bem servidos.
ftuada 3enzala Novan.42
Vende-se em casada S. P .Jonhston 4 C,
allinse iilh6esaglezes,candtirose easticaes
bronzaadoi,lonas nglazas, fio devals,chicote
para carros, a momaria, arralo -para carro da
ubi elous cvalos relogio sda ouro patente
nglaz.

Vende-se salitre de primeira qualidade por me-
nos do que em outra qualquar parte : no arma-
zem de Antonio Gesario Moreira Dias, no Forte
do Mallos, ra ia Moeda n. 27.
Importante
Annuncio
Na loja da diligencia, de Guimaraes Ir-
mao, na ra do Queimado o. 65.
Garioei de COIebaiee traaoaaes com 14 parea a
20 rs.
Bol oes de cores para casacos e paletots a 240
OUZlfl,
BUos para calcas muito Anos a 180 a grosa
Trancas de lia para veslido, a paca e40 rs.
Las para bordar muito fina e lindaa cores, a 1K
ara a 79.
Massos com graapot a 49 rs.
Linhas para bordar, a miada a 40 rs.
Ditas de peso muito finas, miada' grande a 240.
Franjas de linho para vestidos, a vara a 120.
Apparelbos de porcelana para meninos, pinta-
dos dourados a I96OO, ag. 29500 e 3.
Cartas com alneles a 100 ra. n
Papis com alfioetes cabeca-chsts a 40 rs. i
Enfpites para wnbora multo finos a 3 l'tT*
Siotos muito fino para ewihor a 29 29500*
"MeUs' detaia e prctaa para padre que seniora'
se venderam a tj a 40 rs. "ampra
Enfeites com flores para senhors i lf
Co4h#rw de metal maite floas pira sps s 10
rs. a duzia. ^^
Grfc do mesmo" me tal a 49000 a duzia 1
Assim como entras maltas artadesM finas a ba-
rata., que derramos rj. naeiar, para nao se
tornar Unta massada. v .
^K.;O.BMMr & C. eccessores, raa da Crbl
aro a9&fc\?'"d to*h>' '*" ****** '*
U grade liquidaco da
loja do Pavo,
fa raa da Imperatriz n. 60
SE
Gama * 2*1dt rt!" eate esUbeiecimeato um
*"" J Trtsdo sortimento de fazendas proprias
para a esla, e seusdonos resolveram veoderem-
Bss^or precos baratissimo por estar no flm do
sana e qaererem aparar ninhelro, como sejam :
tassas.
Um lindo sortimento de eassas de varias cores
e qualidades, que vendem a 40 e S80 rs. o co-
Chitas a 240.
Ifsnde-se flnissimas chitas francesas eseuras e
alegres, fazenda que sempre ae vendeu por uma
pataca e acaba-se a 240 rs. o covado : na ra da
Imperatriz 0. 60, loja do Pavao.
Musselina a duzentos rs.
a covado.
Venderse musselina branca com 4 e meie pal-
mo de largura a 200 reis o covado a ditas de
cores matizadas largara de chita a 100 reis 0 eo-
vado na ra da Imperatriz a. 60 loja do Povo.
S o Pavao em'li-
quidaco.
n-SX0* a,lov'awdos Usos e com listiobas a
S500, calcinhas bordad., p. asninos a 19000
gollinhas com manguitos a 19600, goliinbis ae
traspasso a lg, oitaa sem ser de iraapasao a 500
rs. luas de seda em perfeito estado a 500 rs. o
par, chapeos deso de seda com franja muito de-
licados para senhora a 39500, chales grandes Je
merino a 29500. ditos de rede bordados a 89 cada
um. manguitos de cambraia bordadoa muito fleos
a 800 e lg. anieites para cabca a 39, para me-
ainaa a 640 rs.
Para homem.
Vende-se oa loja do Pavao um completo sor-
timento de roupas, como sejam : palitos de pan-
no a casemira de todas as cores, calcas de case-
mira preta e de corea, ditas de or m de todas as
qualidades, camisas francezas tanto para homem
como para meninos por precoa mata com modos
do que em outra qualquer parte. Do-se amos-
tras de todaa as f.zeodas que em nossos annun-
cios se v, deiando ficar peohor : na raa da Im-
peratriz n. 60, onde tem um pavio pintado do
lado de fora, o para nao haver engaos de noite
tem um distico por meio de uma luz em que.diz
O PAVAO. *
Lazinhas a 280 rs. o
covado.
Vendem-se lazinhas de quadros para vesti-
do, fazenda de apurado gosto a 280 o covado ;
na rea da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
La chioeza a 400 rs.
Vende-se lazinhas entestadas a 400 rs. o co-
vado: na roa da impera iriz n. 60, loja do Pavio.
Cambraias de seda.
Vendem-se finissimos cortes de cambraia de
seda com dous babados e de apurado gosto a
49500 cada corte: na loja do Pavo.
Vestidos brancos.
Vendem-se finissimos trtes de cambraia la-
vrada com babados e duas salas, fazenda que "se
venda em qualquer parte a 89OOO rs o Pavo
est torrando por qnstro mil ris, ditos com bar-
ras bordadoa a 2fi500, 39 e 39500: na ra da Im-
peratriz n. 60.
Cambraias de sal-
picosa 4#000.
Vende-se cambraia branca com salpicos miudi-
uBua, irudo 8 }i varas cada corte, pelo baratis-
simo prego de 49000, sendo fazenda que sempre
se vendeu a 79000: na rus da Imperatriz n. 60
loja de Gama & Silva. *
CASSAS LAVRADAS.
- Vende-se eassas lavredas fazen4a do ultimo
goslo pelo baratissimo preco de 3J500: na ra da
ImperaUiz n. 60, loja do Pavao.
Sedas a covados.
Vende-se grsdensDles preto muito iocorpado
a 19600,19800 e 290OO, dito cor de rose, azul e
amarello, aarja branca lavrada para vestidos de
notvas, e outras qualidades de sedss por precos
baratiasimos : na rus da Imperatriz n. 60. loia
do Pavao.
CHAPELINAS
a 6#00D cada uma.
Vende-se chapelinas modernas enfeitadas com
muito goslo para senhora a 69000 cada uma: na
ra da Imperatriz o. 60, loja do Pavo.
Lencos para mao.
Vendem-se muilo delicados lenciohos de cam-
braia de linho com labyrintha a 29500, ditos de
muito agosto a imitaco de labyrimho a 800 e
1J000: na ra da Imperatriz n.. 60, loja do
Pavo.
Phantasia aseismil ris
Vende-se muito ricos vestidos de faotazia com
babados de muito bom gosto, fazendas de I29OOO,
por 69000, na ra da Imperatriz n. 60 loja Oo
Pavo.
Filos.
Vende-se fil de linho bordado fazenda muito
Boa a 19000 a vara, dito lizo a 00 rs., tarlatana
branca e da todas as cores a 800 rs. a vara na
loja do Pavo.
Vestuarios a cinco mil
ris.
Ricos vestusrlos de seda para meninos, fazenda
de 1*9 por 59000 ; na ra da Imperatriz n. W.
loja do Pavao. *
(Jambraias lisas.
Veodem- pacas deambraia liaos, fazeada
mnito tina, com 10 e meia vara cada peca, pelo
KgSL*?J*2?0-* Roe, ditas de 8 a meia vares a
SMX), 39, 39500 a 45, ditos de 6 e meia vara a 29
a 29500 a peca, ditos para forro com 8 e meia va-
ras a 1S600 e 29: na ra da Imperatriz, loja do
Pavao. ,
Baldes semt ferro a
3,5200.
-Attenoao:
,V*e-*aimdnrrfin*ane 1 a 15 aanos :
go que
cabe o
irw pMOM partteolaret loV a ral dd QoetaaVa o: 48. *" ".....
eja diariamente, at 4ue se' 11 T!?-*lf**?** ***>* astado;
ruaAugastan.W.
A3000.
Chapecada palbinaa fina enfuetados para ma-
n*" : a raa da Crespo n. 10.
,-- ******* **** barricas; na ruado Tra-
piche d. 4,1* sodar.
Charutos de Havana.
J NA
#Loja da ra do Crespo, de2
J Leandro & Miranda.
) Vendem-se os melhores e mais conbe- 2
a> Odos charutos de Havana.
Aos esludantes de geo-
grafa.
Vende- e doui globos em meio uso,
um celeste e outro terreste, para bem
se aprender geograpbia : os estudiantes
fue o pretenderem, dirija-se a livra-
ria universal de Guimaraes & Oliveira,
ra do Imperador.
Carros e carrosas.
Em casa de N. O. Bieber
A C. successores ru da Cruz
numero 4.
Vendem-ae carros americanos mol elegantes
e leves para duas e 4 pessoas e recebem-se eo-
commendas para cujo fim elles possuem map-
oas com vsrios desenhos, tambem vendem car-
rosas para conducen de assucaretc.
Potassa da Russia.
Vende-se potaasa da Ruaaia da maia nova e
superior que ha no mercado e a preco maito
commodo: na escriptorio de Hsnoel Ignacio d.
Oliveira Filho, largo do Corp Santo.
Venae-se no armazem de Jos Antonio Mo-
reira Diaa & C, ra da Cruz o. 26 :
Safras a tornos para ferreiro.
Ferro suecio em barra.
Linhas de carritel de 200 jardas.
Halas para viagem.
Espingardas francezas muito finas em caixas de
per si.
Ferros de lato para engommar.
Pregos franceses de todos os tamanbos.
Ditos batel grande.
Ditos de coustrucQo.
Bracos grandes para balanca.
Espingardas lazarinas.
Clavinotes inglezes.
KMfiaBsSSaOaalS-aBtt^kS -fMCdsK^ss^Msaklit
jwswawaraiBWaiBa svi*l wWmwBr^f^^K K
!f
Acaba de
chegar
ai- >
mo a
n na
muito superiores saias de cordo
de b."
Vendem-se
que fazem aa vezes de balso, tornando-se maia
reeommendavels por ae poderem lavar e engom-
mar, a SfSDO cada urna: na ra da Imperatriz o.
60, loja do Pavao.
Taixas.
Maror reducco nos presos para acabar.
Vendem-se no armazem de Braga Soa 4 T
na ra da Moeda, taias d ferro cuado do mui
acreditado fabricante Edwiu Ha* 100 rs. por
lista, as mesmss que se rendiam por 120 r.
A'loja d'rgMIa^ ranea acaba do despaebar tam
beBo sorlISBato de torea Arras e delrdasas re-
priaspara enfeites d cabecs eVesittfas para ca-
s.menlo e bailes: quem as vlr ata duvida as
Isioa
taa do Queimado toja (Pagaia branca
ao novo armazem
DE
B4ST0S & REG
Na ra Nova junto a Con-
ceigao dos Milita-
res n. 47. .
Dm grande e variado aortimenlo de
roupas feitas, calcados e fszeodas e todos
estes se vendem por precos mnito modi-
ficados como de seu costume.assim como
sejsm sobreeasacos de superiores pann
a casacos feilos pelos ltimos figurinos
269,289, 309 e a 359, paletots dos mesmos
pannos preto a 16|, 18|. 209 s 249,
ditos de casemira de cor mesclado e de
novos padres a 149.169, 189.209 e 249,
ditos sSccos das mesmas casemiras de co-
res a 99. 109,129 a 149, ditos pretos pe-
lo diminuto preco de89,109, 1*5, ditos
de sarja de seda a sobrecasacados a 129,
ditos de merino de cordo a 129, ditos
de merino chinez de apurado gosto a 159,
ditos de alpaca preta a 79, 89, 99 e a 109,
ditos saceos pretos a 49, ditos de palba de
aeda fazenda muito auperior a 49500, di-
tos de brim pardo e de fusta o a 39500, 49
e a 49500, dito de fusto branco a 49,
grande quantidade de calcas de casemira
preta e de cores a 79, 89, 9 e a 10, ditas
pardas a 39 e a 49, ditss de brim de cores
finas a 28500, 39, 39500 e a 4$, ditaa de
brim brancos finas a 49500, 5$, 59500 e a
69, ditas de brim lona a 59 e a 6f, colletes
de gorguro preto e de cores a 5f e a 6f,
ditos de casemira de cor a pretos s 48500
e a 59, ditos de fusto branco e de brim
a 89 e a 39500,ditos de brim lona a 48
ditos de merino para luto a 49 e a 49500'
calcas de merino para luto a 48500 ea5f'
capas de borracha a 99. Para meninos
de todos os tamanhos: calcas de casemira
Srefa e de cor a 58, 69 e a 79, ditaa ditaa
e brim a 2|, 39 e a 39500, paletots sac-
eos de casemira preta a 6{ e a 7, ditos
de cor a 69 a a 78, ditos de alpaca a|39,
sobreeasacos .de panno preto a 129 e a
14, ditos-de alpaca preta a 59, boneta
para menino de todas aa qualidades, ca-
misas para meninos da todoa oa tamanhos
meios ricos vestidos de cambraia feilos'
para meuinaa de 5 a 8 annoa comeince
babados lisos a 89 e a 12f, ditos de gorgu-
ro de cor e de la a 59 e a 69, ditos de
brim a 39, ditos de cambraia ricamente
bordadoa para baptisados,e muitas outras
fazendas e roupaa feitas qua deixam de
ser mencionadas pela sua grande quanti-
dade; assim como recebe-se toda e qual-
quer encommenda de roupaa para ae
mandar manufacturar a que para este fim
tamos um completo sortimento de fazen-
das de gosto e uma grsnde offleina da al-
ame dirigida por um hbil mestre qua
pela sua promplid eperfeico nadadei-
xa a desejar.
Attencao
Vendem-se eaixdes vasios propriot
para bahuleiroi.funileiro etc. a 1 #280:
quem pretender dirija-se a esta tipo-
graphia, que ah se dir' quem ottem
para vender.
Vndese
na roa do Queimado n. 19
o seguinte.
Paaas de cambraia flae adamascada para cortl-
*? &l*wa. polo barato prego do58COO.
!?*" no "d^aiaetada para mesa a 49.
Cambraias de salpico graneo muilo lindaa a
59 a paga, ditas da ditos miudinhes finas a 49500.
Lencoes de bramante de linbo a 39000.
Cambraia ailada para forro de vealido, con
8 1|2 varas s B*crpor29.
Grandes colcha de fusto laaradaa a 9.
Chapeos enfeitados maito lindo, proprios para1
Bteaioasa79sadaum. -
Cobertas de chita, gosto chinar, a 19800.
1 ateas aspellas para ooiva, de flor de laranja.
' Ahrado eom 7 palmos de largor a 680 rs. a ara
Lencoes de panno de liaho a IfSOO.
., ^*>*snjiaare&C., toado reeaWdo ar-
den (Mr* vender o seo crasddo deposito de rslo-
^Tf'..?' toWM,1*'ter-sretriada da ndgor.
te : eotrviea, portaeto. e pasaeae qua qaizeraa
pra-los por commodo preco co leu escriptorio
Ven d-se na ra do Apollo
n. 31 djfroHte dotheatro a $
a arroba, meia arroba a 2#50
e a 160 rs, a libra.
A 600 rs. a vara.
Fil liso branco de linho, manteletes de seda
Aos tabaquistas.
Vendem-se superiores len$os francezes a mi-
isqo dos de linho, muito proprios para os taba-
quistas por serem de cores escuras e flus. mIo
baratissimo preco de 5 e 6f a duzia : na rus'do
yueimado n. 22. na bem conhecida lrja da boa f.
Filo liso e tarlatana.
Vende-e auperior fil liso e tarlatana branca
e de core, palo baratissimo proco de 800 rs. a
vara ; na bem coohecida loja da boa f, na ra
do Queimado n. 22.
ToaRias para maos.
Vendem-se muilo boaatoalbae para mos pelo
barato preco de 59 duzia ; oa ra do Queima-
do n. 22 a, loja da boa f.
Ricos enfeites.
Vendem-se ricos e superiores enfeites os mais
modernos que ba, pretos e de cores, pelo bara-
lusmo preco de 6 e 69500: na loja da ba f.
na roa do Queimado n. 22.
Cambraias de cores.
Vendem-se cambraias francezas de lindas co-
res, pelo baratissimo pre?o do 280 o coado ; na
ra do Queimado n. 22, na bem conhecida oja
da boa f. w*
Cambraias francesas tunleaimae.
Superiores cambraias francezas muito finas, de
muita bonitos padres, pelo barato preco de 7oo
" "r : loj" da boa f, na ra do Queima-
Vendem-se osengeuhos
S. Pedro e Espirito Santo, am-
bos moentes e corren tes e
d'agua, sitos na freguezia de
S. Bento comarca de Porto
Calvo e provincia de Alagoas,
o primeiro tem casa de enge-
nho e poucas obras, porm
safreja quatro mil pes, o se-
gundo tem boas obras, porm
s safreja dous mil pes:
quem pretende-los dirija-so
a ra da Cadeia do Recife n.
26, primeiro andar, que acha-
ra com quem tratar.
Bonecas bonitas
com rosto, e meia pernade
porcelana.
Vende-se mui bonitas bonecas com rosto, e
meia perna de porcellana aos baratissimns precos
de 240.360,500.560. 640,720. 800 e 1*000: uso
n ra do Queimado. luja d'aguia branca n. 16.
Escravosf gio o&7
rus do Trapichan. 28.
Fugio no dia 23 de novembro de 1661, da
povoecao de Ilapiscuma, districlode Iguarasn,
urna escrava de nome Antonia, com 28 anoos de
idade pouco maia ou menos, alta, gorda, ico
bonita presenca, bragos e pernas grossos e bem
feilos, rosto curto e redondo, cabesa tambem re-
douda, olhoa regulares, becca e nariz a mesma
cousa.um pouco arribitada, deve ter abaizo dos
hombros uma pequea cicatriz, tem ao p da
foole eiquerda uma peladura que talvez cusiasse
eucabellar; levou coberta de chita amarrlla e
vestidos velhos e desbotados ; foi de Campia
Grande ; julga-se ter sabido com algaem : roga-
sea qnem a pegar ou tiverem seu poder lea-la
a dita povoagao, a Viceute Ferrer de Mello Jnior
ou em casa de Joaquim Jos de Lemos, na ra
da Cadeia do Recife n. 54, que ser recompen-
Tendo fgido ao abaizo sssignado, no dia 7
do corren te, o seu escravo Luiz, preto, crioulo.
de altura regular, aem barba, de idade de 30 an-
uos, pouco maia ou menos, com uma cicatriz na
race direita logo abaizo do olho, tendo o rosto
cheio da cravoa muilo salientes, o qual foi escra-
vo de Feliz Paes da Silva, pede-se aos agentes
po'.iciaes que o encontrarem ou a qualquer pes-
aos que delle souber, o agarre e leve tasa do
annunciante na fregeezia da Varzea, sitio da Hha
da Pedra do engenho S. Cosme, ou o recolba
pnsao oss cidsdes e villas, onde por ventura seja
mais fcil entrega-lo a qualquer autoridade poli-
cial, certo de que aera devidamente jerompen-
sado.Jos Correia Leal.
Fugio no dia 18 de novembro prozimo pas-
sado, do engenho Junqoeira, do poder do abaizo
assigosdo, o escravo Eloy.com oasignaes segua-
les: mulato claro, cabellos pretos e euroscedos
sem baroa, apenas um bigodinho, boa estatura,
magro, peroas finas, uma perna quebrada vuivel-
mente conhecida, um dedo cortado em uma mo
calcula-se ter 26 annoa de idade, carapioa,
intitula-ss forro, foi escravo do Sr. Dr. Jos de
Mendonca Reg Barros, suppoe-se ter ido para
Porto Calvo, onde morou e tem sogra ; fugio com
a mulher, foi vialo lomar o trem em Oliods, e
saltar em Timboass : recompensa-se com 1009
a quem o trouzer ao mesmo engenho.
atanoel Franciaco de Souza Leo.
Ausentou-se de casa de aeu senhor no dia
3 do crrenle mez o escravo Antonio, de ns^o
Cassaoge, idade 40 anoos, pouco mais ou menos,
estatura regular, com os signaes seguintes : #m
uma das orelbastem um taco lirado, em um dos
qusrtos tem um deleito que pelo'qual puja no
andar pelo p, tem debaizo do queizo esquerdo
tres buracos, signal de dentes tirados : quem o
pegar queira leva-lo ra do Imperador o. 73,
tercetro andar, que ser rrcompensado. J foi
vialo em Iguarsss.
Fugiram do engenho Conceigao, sito na fre-
guizia de Tracunbem ds comarca de Nazareth,
o da 4 de novembro de 1860, dous es.ravoa
muales coas os 11 rimes e sigoaes seguintes: um
de Borne Paule da 45 sanas de idade pouco mais
oa sneoo, Offfct! de pedtarO, sapateiro e pti-
mo bolieiro, de cor aUranaOa. cabellos carapi-
nhos. rosto descarnado, cirios brancos, nari e
bocea regulares, um pouco secco e de estatura
media, o qual tem dooa dedos da mo direita
aleijados de um paaarico, e tem tambem o dedo
mnimo da ms esquerda com igual deaito a
cima da aobrancelha de um dos olbos uma cica-
Iria, proveniente do um taino, e outra cicatriz
com um carocinho cima da mesma, com um
dos dentes aa frente quebrado,queodo se embria-
ge^ torna-se arrosante. Esse escrao j foi ser-
rado e consta andar pelo Recife, lando aido visto
para aa bandas da Soledade e Santo Amaro pot
algamas pessoas, a quem tem dito haver-e liber-
tado. O oulro, de nome Felippe, de c6r uiguei-
ra, cabellos carapiohos, estatura baixa, ou regu-
lar, bem barbado, em pouco secco, bem Callanta
e cantador, eom 80 annoa de idade, anda liaeiro '
e muilo despachado no servico doenzada e foi-
ee, eom falta de denles na frente, com oibos um
poeao apitombades a eapiosgoa. Quem appre-
hende-ros leve-os ao do engenho ao aeu senhor
o teaente-earoael Jobo Cavalcaoli Mauricio
Wanderleyj qaa geoerosamente recompensar.
Fugio do adgenho das Maltas, comarca do
Cabo, no dia 28 da saleenbre 184M, um escra-
ve pornoataJeo, crioala, vormslho, laura re-
gular, greaao do corpa, espadando, idade datrta-
la a lantoa aoaav, meltee-sa aaa atalas do enge-
nba do atoaMe, at que iba tkaram urna p.iga
que leva v. o loga que se vio sosa ella dizem qua
urtou umauanio mellada com cabellos pretoa,
a na ptinpio de carrega, a tambem fez om
pequeo roabo de roupa rdesappareceu o cavat-
lo a 17 da outubre. Esta aatga j tasa aido pre-
ao no Rada duaa vezes, a primeira vas traba-
Iba odo com uma carrosa, e a segunda vez foi
presa trabalbando em um armazem de asaueac
ornotarro ::quem a pagar lera ao aacaaaa si-
ma, 4 ea Hiabea recompenudo,


anea
,
m nmmxm*mtwsamk mi m hmbmo Mr mm:
=
=c
LHteratura.
Loiz dt Reg*e porieridade.
Estado histrtet sobre resolu^o
peruanibueana de 1817.
(Cootinoscao.)
Sendo vos o relator, o sendo-adjunta o desera-
bvga.ior da^easa da spolicac&o Antonio Jos de
Miranda e os mais ministros qae o goveroador e
pitia funeral aoqsSer e vos Ihe propozerdes ou
aja Bahia, ou quaesquer oulros miniaros de qual-
quer gr'duago daqoella provincia, ou das ou-
tra* (ii reino, >s aunes sendo por vos requeridos,
governador os tara convocar os conurroidade
de ordens que Ihe mando expedir/ E dos reos
que houer ecclesiaslicos, ou sajara reguUresou
seculares, vos mandareis separar as culpas, para
m co separado serem sentenciados por ros com
os juntos, como for jusllea : por Ihes nao per-
tenrer preriiegio alguna de isencSo nos rimes
excepta dos qoaea o de lesa-magestade o mior
e o ruis horroroso. Com declararlo porem que
antes da execuco da sentedla, exigiris a de-
gradco na cooformidade do cestume do reino.
E quanlo ios reos que forera das ordens milita-
fe, s na mesma sentenca os podereis degra-
dan e exjulsar dallas, pois a tos e sos maisad-
juntos commetto essa jurisdieco, como mando
participar mesa di cunscieocia e ordens, Ha-
vendu outro sim entre os reos, outros que uem
ioram dos cheles o canecas da rebellio, nem
Commeiteram asstssinstos, nem commaedaram
as irups rebeladas que pegaram em armas, nem
constituiram o conselho e goveruo revoluciona-
rio, nem dos que o fomeotaram, proclamara,
ou procuraran) propagar, ou sustentaran) e nelle
perseveraran) at serem rendidos pela lorct r-
mala ; porem que consentirn por terror, cede-
rain a turca, ou semelhantes; A respeilo destes
ordnoo <|ua as oeuieagas centra el le proferidas
se remellam minha real presanes, suspenden -
do-so entretanto a execuco deltas, e fleando os
rus em segurares at eu determinar o que for
servido E a respeilo daquelles que liverem si-
do solicitado) naquella ou em oulra provincia,
e q ie comtudo nao tomarais parle activa, vos
tauD-m separareis as culpas e devassareis sepa-
radamente, e as averigeles que respeilo del
les se fueren), antes de sentenca a remetierais
em aegredo mioha real presenta. Seivirao de
osenvo, e de escrivo adjunto os ministros que
vao por mim nomeados; e para voa auxiliardes
na proposicao de to volumosos procseos pode-
reis vdler-vosde qualquer de vossos adjuslosque
para essa flm oomeardes.
Par* os casos de empate, ou para qualquer oa-
tro mei lente de nomeacao de juizes, ou de com-
misso aioda especial e immedialameote emana-
da da minha real pessoa, e lambem nos casos de
imped ojelo ou falta de escrivo ou escrives, o
fivernador com o vosso parecer oomear os que
rem mais idneos, ou da retaceo da Baha ou
d'entre os magistrados de maior ou menor gra-
duarn que me servem ou lem servido em qual-
quer logar do reino do Brasil. E para os casos
de empale, o voto do gobernador dever ter lu-
gar, e ser egualmente decisivo : achando-se po-
fm elle impedido, o cbanceller da relaco o
unsiiiuirS, e o aeu voto teta a mesma forja e
qu>liiooe.
Sendo necessario expedir ordens a qualquer das
provincias ou maodarem-sea ellas outros minis-
tros incumbidos de commisses particulares, ou
par* couhecerem, inquirirem ou derassarem so-
bre objeclos relativos a esta commisso, ou para
out'a.1 quaesquer diligencias de diversa natureza
do raeu redi servigo : ordeno que em todos e ca-
da un dos referidos casos procedeodo vos sem-
pre de accordo com o govenador expediris to-
das as ordens que vos parecer convenientes, en-
carregarido o goveroador deas auxiliar como Ihe
determino em carta que a eale lim Ihe vae diri-
gida. E principiando vos a devassa, flearo ees-
san lo quaesquer outraa commisses este res-
peilo : a excepeo smenle da que determioei no
disincto da relaco do Rio de Janeiro. No caso
do vusso impedimento vos substituir o desem-
ttarga-Mr cfos nggravos- vosso adjunto ; e no de
a'iio is qualquer que elle aeja, o mesmj gover-
oador pruver'como Ihe teoho ordenado. E islo
em embargo de quaesquer leis, disposicoes de
dtreito, privilegios, ordens ou eostumes e estylos
em contrario que lodos hei por derrogados por
esta vez smenle. Picando alias aempre em seu
vigor. Enripia no Rio de Janeiro aos de ju-
Iho de 1817.
(z7J. DOCUMENTOS NS. 11 E 12.
Coode dos Arcos &c.Tendo determinado pela
carta regia de. .de do correte anoo, que
vos envi por cp r-rridn.Duco, e passarem depois a essa cidade ao
desembargador........e aos desembargado-
res F. F. e F. para ali devassarem, e depois oes>
ea relaco sentenciaren) os reos do horroroso
crime oe rebelliu ali commettido: vos ordeno
que ua cooformidade do que nella determino exe-
Cuieis, pela parte que vos loca, todas as deler-
min-coea celias declaradas. E vos sutoriso pa-
r aa oomescea que pela mesma carta regia se
prescrnvem ; declaranao-vos que no caso de im-
pedimento de um ou mais dos nomeados, em ra-
23o da viagem, ou por ausencia, molestia ou
qualquer outro embaago, nomeareis dos sobre
ditus sus que se acharem promplos para juiz e
para escrivo, e para adjuntos e escri-o essis-
irnie a oulros quaesquer como fui servido orde-
n .i ; pudendo passar para Juiz o desembargador
Ju Ourio de Castro Falcao em tal caso, e ou-
tro passar a escrivo. Devero ser julgados os
ro em mesa grande dessa relaco: nos das que
tos concordar des com o juiz da commisso, pa-
ra ou embarazar o despacho do ordinario. Ser
a precedencia pelos titulos do conselho, seguiu-
do se os desembargadoresdasupplicaQio, os que
furem nomeados para adjuntos e para as rondas;
e tu ios os mais desembaigidores que podero
er presentes, estaro nos seus lugares. Manda-
reis dar aposentadoras aos sobreditos ministros,
e us salarios que devera vencer, e as mais des-
pezar do processo vos as maniereis satisfazer pe-
11 minha real fazenda, que depois as cobrar pe-
los bens dos reos que forero condemnados. K
alm ao dia em que se nadar a deligencia nessa
relaco loes mandareis contar mais trinta dias de
saUrms, pelo tempo em que podero rhegar a
esta cite. E psra ella mandareis remetiera c-
. pa doa autos principaes ; e os autos dos seques-
tros e confiscas passaro para o juizo da cora
ds*a relaco aonde Qcaro.continuando. E vos
eut. iriso outrosim para, dar quaesquer providen-
FOLHETIM
ORIGINAL DO DIARIO DE PRNAMBUCO.
tiii que nocesssrias tersa ; e faxer decidir pelos
meamos j alies qnaesqaar incidentes qoe occorre-
rem, para que nao tenhseslorvos esta dellgencia.
e se conclua com a brevidade qe cenvm. O
que me pareceu participar-vos san vosss iotel-
ligencia.
EscriU etc.
mam offlciosos ; e que io faxes prova slm, | da junta, emvae oaohuma duvid* ponho, s me
oestes termss das poseo sobra lis fliwar o resta saber se T. Excquer queellet embarquen,
despacho qtre etlea preteodeso. tpesar da starem em perigo de vida ; porque
m V. Re. oe ditendo por escripto, que apesar
de perigar a ida aos presoe, exige que el les era-
do que, seo comma.ndaota do hospital sena qae
os presos tjs-devara etsbsrcar asa a dita 'tisls-
ria, q
Lu* da Rege Brrelo, governsdor e espito-
general da capitania do fernmbuco.Amigs.
Eu el-rei vos eoxio rtuito saudar. Pea minha
carta regia Ja dala desia mando emo'csls a essa
villa do Recife os doutores'Be'rardo Teixeira C'iu--
tinho Alvares de Cralho, ABtooio Jos do Mi-
randa, Jofio Ozorio Gislro Souza Falcao e Jos
Caetand de Paiva" Pereira para servireni, como
jui o douior Bernardo Ttixeira Coulioho Alvares
de Crvalo, como adjunto o doutor Antonio Jo-
s de Miranda, como escriv,:io o d. .U-lermi-
nando-lhes que facam oo s avocar as dsvassis
que se tiversm j lirado ahi e nss'outrss, ierras
convUiahas ale o Cear aobre a abominavel re*
bellio pralicada nessa capitana do dia 6 de
marco pasaado, mas tambem os procseos e sen-
tencas que houver ao mesrao respeilo, aioda que
por ellasr j se tenba procedido a exeoucode pe-
nas, e que tirando nova devassa sem limitsco
de tempo ou de numero de t qae a tenh-m concluido e se achetn presos os
reos que estiverem presentes, e citados por edi-
tos os auseotea e os herdeiros dos fallecidos ou
ementados, paasem cidade da' Baha, apnde
chamando tambera a si as mais devassss e_pro-
cessos que ahi houver, e reoovaodo asdeligon-
cias e perguotas que furem neeessarias para o co-
nhecimenlo da verdade. senteociaro summsria-
menle em relago, na forma das (acuidades qu
Ins tenho concedido na mesma carta regia, os
reos que no eooredilo horroroso delicio e nos
mia que o accompsnharam e foram delle con-
sequentes, se acharem culpados. O que me pa-
receu participar-vos para que Ihes prestis lodo
o auxilio que vos for requerido s bem desta im-
portante deligencia.
Escrita etc.
(28J Lemos, nao nos recordamos nndo, ~u- du-
rama n e,iarr c-ii ua uespanln entre os parti-
darios de 0. Isabel II e seu lio D. Carlos, um
dos generaes dcste ultimo maodava fusilar os
trnsfugas para que depois se Ihes flzesse o pro-
cesso I
(29) Manuscriplo do Sr. Dr. Mello Moraes pag.
"(30). DOCUMENTOS NS. 13, 14. 15 E16.
Copia.Illm. e Exm. Sr.O ofil-ial encerr--
gado do embarque dos presos que estam no hos-
pital militar rae acaba de presentar a represen-
tarlo feita pela junta do mesmo hospital a res-
peilo de qualro dos presos d'esl'do que julgam
ter perigo de vida pelo fado de embarcaren).
Queira V. Exc. dizer-me ocialmenie (pois que
eu me oo quero fazer responsavel d'aquellas vi-
das) se aperar do perigo decidido de vida, em
que os diios presos se achara, exige que elles
embarquen).
Deus guarde a V. Exc. rauitos annos. Recife
30 do setembro de 1818.Illm. e Exm. Sr. Ber-
nardo Teixeira Couiinho Alves de C*rvslho.
Luis do Reg Brrelo.Est conforme, Francis-
co Jos de Souza Soares de Andrea.
Illm. e Exm. Sr. Teoho a honra de informar
a V. Bxc. que a juma medico-cirurgica do hospi-
tal real militar me representa que os presos de
eslado abaixo meocionados se achara em estado
de nao poder embarcar actualmente, sem"mani-
(esio perigo de vida O que V. Bxc. melhor ver
da participaco ioclusa.
Espero aa ulteriores ordens de V. Exc. ^A
cumpri-las como devo. ^'
Deus guarde a V. Exc. Hospital militar 30 de
setembro de 1818.Illm. e Exm. Sr. Luiz do Re-
g Brrelo, goveroador e capno -general desta
capitana Alexanire Telles d Menezet, capilo
com exercicio de ajudaule-general.
Presos que nao podera embarcar :
O brigadeiro, Jos Peres Campello.
O coronel, Joo Ribeiro Pessoa de Lacerda.
O soldado, Jos Vidal da Silva.
0 paizaoo, Lourenco Menes.
O Sr. olTJcial encarregado da condueco dos
presos de estado querer, por bem do real servi-
co, representar ao Illm. Sr. desembargador pre-
sidente da aleada, que oa presos Jos Peres Cam-
pello, Joo Ribeiro Pessoa, Lourenco Mondes e
Jus Vidal da Silva, se acham em estado de oo
poder embarcar actualmente sem manifest peri-
go de vida, em razo de se achar o primeiro era
extremo abatlmeoto de forcea, so(Trndo (obre, e
dores oephrilicaa com suppressdes d'ourina ; o
segundo, urna dyseoleria com febre que dura ha
rouitos dias, e o lem lancado em extrema debili-
tado ; e de mais paralylico de urna perna, que
se scha chagads por causa de custicos ; o ter-
ceiro, urna bydropesia geral, atranguria, ceguei-
ra, e impossibilidade absoluta de raover-se ; e o
quarto, dysenterra com febre dores de veolre e
summa debilidade. E como estes presos doenles
nao poderam resistir aos eocommodos annexos a
semelhante viagem sem provavelmente perece-
rem, julgamos do oosso dever, da humsnidade e
do zelo do servico fazer constar ao dito Illm. Sr.
desembargador presidente, para elle resolver co-
mo Ihe parecer justo.
Hospital real militar, 30 de setembro de 1818.
Dr. Jos Joaquim de Carvalho.
Dr. Jos Eustaquio Gomes.
Sianoel Antonio Henriques Tolla.
Manotl Joaquim de Menezes.
ella, e segundo o que oella se
bem oa mal. Ferim, ae elle a
nao se' demore jior islo o em"
a sus canta, par-, eu proceder a barquea*.
irJr, Dear elle
que w faca,
NMS
o, e lago eondaridos para bor-
do; a V. Exc. flear rasposasvel a el-rei oosso
senhor por este procedlmento, qe fallar a ver
sos, flquem somenle es ditos a esperar pela vis-
loria e seu resudado, a qual sstou prompto a fa-
zer logo logo sem demora.
Isto o que poiso respander com Sfessa,
que V. Exc. exige, e perde alguoia falta que a
preisa me zesse commetter.
Deus guarde a V. Exc muitos annos. Recife,
30 de seiembro de 1818. Illm. e Exm. Sr. Luiz
do Reg Bsrrelo. Bernardo Teixeira Coutinho
Alvis de Carvalho. Est conforme, Francisco
Jos da Souxs Soares da Andrea.
Illm. e Exm. Sr. Acabo de receber o oflicio
de. V. Exc. em reaposta ao roeu ultimo sobre a
vistora, que ?. Exc. pretende fazer aos presos,
que eslo demoraos no hospital por csuaa do
seu grave estalo de molestia ; e por muito es-
tranho que me pareca o modo, com que W Bxc.
me esereve, quero da mioha parte fallar Ihe com
mais alguma moderaco, para mostrar em trio
a notas dissimilhanca. V. Exc entregou-me a
relaco dos presos, que deviam embarcar para a
Babia, e desde sse momento esla operacto flcou
de todo a meo cargo : lembrei-me hoje ss onze
horss de os embarcar pelas duas da tarde, sem
aviaar corpo alguna, sem maodar pegar em ar-
mas, nem os piquetes, sem acorrenlar, nem car-
regar de ferros aos presos, e sl com bem pe.
queoas escoltas, para mostrar a lodos squelles
que, oa por mel, ou por malicia, acharara esta
empresa perigosa, que ludo est muito tranquillo
e aeguro ; assim aconteceu : s duas horas eu vi
das jaoellss do palacio aa lauchas, que os eonduai-
ram de todas as partes, e nao vi-em pesaos algum
seno demonslraces de pena ; porque com ef-
feito pena que hajam tantos roS da primeira
cabeca.
Devo,
declarar
est perigoso,
dos mafs pre-1 dade diverso dossentimentos.que fazem o mes
antes de continuar em outrss eousss
a V. Exc. que, sabeado que Jos Carlos
mas lembrando-me que este ho-
V. Exc. toda o degredo sabr tal segocio, pestrss
assim oa'o pediu Bernardo Teixeira, e es fies aa-
tiafeito da aua coudsso de erro. sanSo's por prender pesssaa ioteiqtI"de,|-
Irodosette, males eslo apsgadoe. luds S.U heridas, prova de V houve enjrgb e c-
Illm. e Exm. Sr. Tenho presentes os dous
officios de V. Exc. da data de hoje, dos quaes o
segundo me pede j j a respusta do primeiro
que ha menos de urna hora recebi. Neste me
mandou V. Exc. a copla da coota que Ihe deu o
capito Alexandre Telles de Menezes, com o qual
vioha urna informaco da junta medica do hospi-
tal, que diz eslo doen'es os reos Jos Peres
Campello, Joo Ribeiro Pesaos, Jos Vidal da
Silva e Lourenco Meodes, e que nao poden em-
barcar. Para eu entrar no coohecimento da do-
enca destefc homeos, de direito que me repre-
sente o encarregado do hospital, e em coosequen-
cia de sus representarlo que eu devo ir fazer
urna visloria formal nos doenles, e depois sen-
tenciar, segundo por ella se mostrar ; e nao pos-
so decidir de outra maneira, nem mandar proce-
der dita vistoria. Eu devo confessar a V. Exe.
que estou admirado de que at agora nao ten ha
tido requeriraento, nem parte alguma da molestia
destes homeos, e que agora elles fossem eocom-
modsr a V. Exc. representando-se to doenles, e
ajuhtassem urna informaco, qae nem V. Exc
nem en mandamos proceder, o que por isso
evidentemente daquelles que em direito se cha-
men) j fai causa de ha ver entre nos aquella cor-
respondencia feita com tanta prudencia da parte
de V. Exc, que ioi abrigado a pedir-me licenca
para me fallar, interesssndo nislo o desembarga-
dor Ozorio, e depois fazeodo ajuotar as rogativas
deste ministro' s de V. Exc me pediu humilde-
mente que rasgastemos.conseottndo, como eu Ihe
dlsse, que fazia vergooha magiatratura, lembra-
do, digo, desta correspondencia, e desojando evl-.
(ar cooteslaces dessgradsveis, nsndei avisar Jo-
s Carlos que se preparasso para embarcar ama-
nha, e det ordem para embarcar todos os oulros,
comprehendidosoa relaco, sem excepto.
O offlcial, que foi encarregado da conduiir os
que eslavam na cada, represeotou-me que um
se achava com febre, se quera que embarcasse,
mandei-lhe dizer que astando em perigo de vida,
me desse parte disso, e nao estando em perigo,
que o embarcasse; mas quando chegou esta or-
dem, j V. Etc. tinha decidido que embarcasse.
Logo depois recebi a parle do offlcial, que foi
encarregado de coaduzir os do hospital, acompa-
nhado da representarn da junta do mesmo hos-
pital, e pareceu-me, que vista do voto dos dous
mdicos e dous cirurgies, que nao sao fallos de
crdito, oo devia lomar sobre mim a respoosa-
bilidsde vida daquelles desgranados, o Oz -Ihe o
oflicio a que V. Exc.se subtrahiu de me respon-
der. Como preliminar, devo lembrar a V. Exc,
que quando o teoeote-corooel Soares, secretario
deste Koveroo foi mandado por mim dar parte a
V. Exc. da chegada de Jos Carlos, enrquanto o
nao fazia oficialmente, e qae este offlcial, se-
beado j do mo estado de saude de Jos Carlos
pela declaracao do sargeoto-mor, porque foi con-
duzido i pnso, perguntou a V. Exc ae, no caso
de elle estar perigoso, devis ir, e que V. Exc Ihe
respoodeu que precisava delle oa Baha, o mesmo
lenenie-coronel recordndose que oa vespera
um dos mdicos do hospital o tinha preven!-
Jo vocalmente que havia um velho de oiteola an
nos incapaz de embarcar, o communicou a V.
Exc, para saber se al oeste caso devia embarcar
o dito velho. V. Exc Ihe respondeu que sim, que
nao podia dispensar ninguem, e que por isso
mesmo que era velho, pouco se perda ; a que o
dito lente-coronel leve de replicar, que embar-
car um homem, que pe!o aimples facto de em-
barcar, havia probabilidade de morrer, era ma-
tar, e matar sem processo, V. Exc. Ihe respoo-
deu, que por elle morrer, ninguem o poderia ac-
cusar, e per elle flear, podera ser argaiavw Tam-
bem preliminar declarar eu a V. Exc. que a
junta do hospital e nenhuma daa re par tildes, que
eslo debaixe das miohas ordena tem necesaida-
de de saber com antecedencia oque eu pretendo
fazer, epor esta causa, s quando souberam, que
os presos estavam para emoarcar, que liveram
motivo para fazerem a representaco ; e sem me
embarazar com o voto de V. Exc aobre o direito,
ou faculdade, que tinha o offlcial de me fazer as
representacoes-.que eoteadeu devia faxer-me, bas-
ta que Ihe diga, que ludo foi feilo como ae devia
fazer, e que a junta do hospital, s errou em di-
zer so offlcial, qae represeolssse s V. Exc,
quando devia dizer, que me represeotasse.
para eu Ihe dar a soluco que entendesse. E'
tambem di essencia que V. Exc rapare que a re-
presentaco feita pela junta, e nao pelos pre-
sos. Voltaodo agora ao primeiro assumpto,
para penssr, qua V. Exc sequizessse esquivar a
dar urna resposla decisiva, ao menos a da la offl-
cialmente, como logo Ihe pedi no mea primeiro
oflicio de hoje, para nao flear responsavel, nem
por uma nem por outra soIuqIo,e por isto, que
eu iostei pela resposts, e logo que V. Exc. que
pretenda fazer vistoria aos doenles, eu dei as
ordens, que ersm precisas, e julguei com isto o
negocio ultimado. Nao foi assim, eapparece no
seu oflicio ultimo V. Exc pedindo-me licenca
para autoar o meu oflicio, e a representaco da
juota ; e devo coofesssr-the que sem demora a
minha idea em indagar o para que isso ser bom
no calo actual, Ihe doa liceuca para autoar o meu
oflicio, e mesmo todos os oulros com a coolico
de autoar este tambem, e todo pir extenso, para
Ihe poupar oulra vez a humildade de me pedir que
o'.rssgue, como j fiz. Continua V. Exc, no aeu
oflicio, dizendo que como os mdicos da junta -
zeram a representaco, que oo podem ser ou-
vidos na vistoria, que V. Exc. pretende faxer; a
isto devo advenir a V. Ex. que o oosso negocio
oo saber, se os mdicos meotiram ou fallaram
verdade, pois que em caso de falta nao pertence
a V. Exc julgar ; oeste caso, o nosso negocio
saber se os presos eslo em .estado de embarcar;
e como para mim est aabido pea representarlo
mo senhor to caros aos nonos coragoes. A
vista disto a vistoria, que V. Exc. quer, 6 no-
mear aquellea que bem quizer, e enviar-me a
lista deltes, para permittir que m presenca dos
mdicos do hospital, o precedendo a sua exposi-
co, por isso que silo os facultativos, que os lem
tratado, votem se os doentes eslo oa oo cpa-
zes de embarcar. V. Exc. mo dir quem mais
deve acompanhar os mdicos e cirurgirs, que
V. Exc nomear, e exijo urna copia do termo, que
se flzer, ou que flque registrado no* lvros do
mesmo hospital.
Com estss cbndices pode V. Ex. proceder
vistoria qoe pretende, flesndo na intelligencia,
que de outro modo o oo consentir!; a me-
lhor qoe decida pelo embarque des presos, res-
pondendo sempre V. Ex. pele sorta dalles. Como
se trata de exsme de doentas, a o major Merme
acaba de me participar vocalmente que los Car-
loa est em muito mo estado, segundo elle peo-
sa, declaro a ?. Ex., que tambem o nao farei
embarcar sem preceder um semelhante exame;
para o que o fago cooduzir ao hospital, para ae
Ihe fazer a vistoria ao mesmo tempo que aos ou-
tros, psra entSo ser, ou nn embarcado, seguodo
a deciaao de V. Ex. Em resposta ao post scrip -
tum do seu officio, devo dizer-lhe, que tudo est
embarcado, mas qua oeuhuma necessiJsde teoho
de Ihe fazer saber hoje.
Desejo que V. Ex. me responda precisamente,
e que evite, a bem do servico de S. Mageslade o
effeilo da cooteslaces inuteis. Dos guarde s
V. Ex. muitos annos. Recife 30 de Setembro
de 1818. Illm. e Exm. Sr. Bernardo Teixeira
Coutinho Alvares de Carvalho. Luit do Reg
Brrelo. Esla contorma. francisco Jos ae
Sousa Soares de Andrea.
(31) DOCUMENTOS NS. 18. 19,10 e 21.
Illm. e Exm. Sr. O dia 5 deste mez foi um
dia de lulo, a de consternaco ; o juiz d'alcada
entregou-Bjj| a sua primeira lisia da presos, que
IT e
silesia s Untos harnear constante* da relacio,
^d* iatnU_er" J^rtaots, a era coaheetdo, fl-
\mi_mmmL
XCI
si'mmaiuo.Uno drama do mar.
Sao cito horas da noile, e acham-se reunidos
bordo do brigue Pondour os convivas da modesta
festa que, em obsequio aos seus marinheiros, da-
vam o rnmmandante e nfflciaes desse navio.
Neo _um baile, propnaraente. i que assisti-
mo; o especo acechado do navio, a falla da m-
sica, a raridade das seohoras, e principalmente a
r-CHS'idade de estar prompto para qualquer even-
tualidadeSm um porto ioimigo, tlram-lhede todo
este carncter.
E-t'ftanlo passa-se nm serio sgradavel, sob o
paviihfto improvisado ; ens conversando sobre
objei-tos que Ihe sao caros ; oulros assistiodo s
curiosas dnsas dos marinheiroa na proa, ouvn-
do-os referir historietas qoe deootam bastante
espirito ; e fazem rir com vootade; oulros, flaal-
ro>-nie. saboreando o precioao mate, qae servido
em lindas cuias, que paaaam de meo sea mo.
As senhoras da familia de D. Pancho com sua
pfpgenca, sua inleressante eooversaco, caso a
Influeocia da formosura de qae lodas sito dota-
das, anlasam brillantemente a eocieoade, repre-
avniasa perfeiUmenle o aeu sxo. e o* offlciaes
frincezes e brasileros priman de esforcos da mais
retinada galantera para obsequia-las.
Cruzara-se assim os mais espuitaosos ditos,
discuie-seosmor, que estes pistlm como unety-
r*n .o qeem se deve sembr combaier; aqoel-
les como o supremo sem da napnanidade; ooiaio
qoe calorosamente appliudem aquellas jorene,
suspirando talvez por. inspirar este temo sent-
anear o algas dos dialinctos cavallteiros, queto-
saam parte naqaella perigosa diieusso na pre-
asnea dallas.'
D>t modo o tempo corre com rapidez ; nin-
guem ae aborrece nesta reunio ioteiramenle U-
junto a estibe na noite de 5 para 6 foram todos
presos, excepeo dos ausentes,e daquelles cu-
jes domicilios eram inteframente desconhecidos.
Eu nao poderei fazer conhecer a V. Ex. por ex-
presses, a aituaco geral deate povo, e muito
menos a mioha cooslerosgo: encontravam-se
em toda a pene grupos de individuos sam falla-
sera, e olhaodo para tudo com ar de espanto;
e as lagrimaa bortoulhavam em todos os olhos.
Nao foi s isto o que eu tire de soflrer.
Das antes fui instado por Jos Carlos para qae
o deixasstfir i corte, e como eu o estimei sem-
pre, procurei o motivo para q mandar na aituaco
geral desta capilaoia, e as suasfaltas, oque elle
con necia melhor que ninguem, -e preguntei ao
Ozorioae isto podia aer mal olhado. ou ae se-
ria erro, visto que pela alsada elle] tioha de ser
preso ; o Ozorio achou o caso muito rossivol e
se encarregou de propr a Bernardo Teixeira para
consentir no viagem de Jos Carlos: islo foi o
mesrao qaa deitsr plvora no fogo. Bernardo Tei-
xeira griiou altamente contra esta medida, e Ira
tou-se de adiaotar aaprises.
Sepsramo-nos nesse dia, qae foi o dia 3; e de
larde, quando Jos Carlos me procurouapara sa-
ber a resposla, eu nao ma achei com enimo de
Ihe fallar; disse-lhe que me procurasse em outra
occasio e nao o vi mais.
Todos qua trataram de perto. Ihe descobriam
um tal abalimeoto de animo que nao duvidavam
que elle acabasse em poucos dias de priso, e is-
to mesmo me fazia mais crer que elle nao seria
capaz de fazer outra cousa, que entregar-se
aua sorle oo foi assim.
No sabbado, dia 4 esteve toda a maoha na se-
cretaria, e sabia tarde delta, no mesmo dis de
tarde conservou-se,seguodo diz a inulher, fe-
chado em um quarto a chorar: e ao domingo
ninguem o procurou, e ninguem o viu; porm
isto nao se fet-seosivel por nao ser dia em que
livesse de apparecer.
No domingo noite man le o prender pelo co-
jooel de artilheria encarregado do departamento
do ajudante-general da divisto, e recommeodei
ao com mandante das Cinco-Pon tas, que o conso-
lasse, visto o estado dbil e desanimado em que
eslava.
Foi no dia 6 pela manha que Uve noticia da
aua evaso ; ate agora nao se tem aabido ao cer-
* *< v*, tenho dado toda as
providencias para lancar mo delle. se ainda for
lempo: na manha do mesmo dia um creado
de Jos Carlos veio entregar-me ama carta delle
mandada pela familia, que julgou aer ali qae el-
le dissesse o destino que segua.
V. Exc. ver peta copia della os seotimeotos,
de qoe eslava possuido Jos Carlos quaado a es-
creeu.
rVlo que me toes, ea teoho abonado muitas
vezes Jos Carlos de um modo, que a sua fgida
me oliendo; eso posso achar desculpa a este
homem em se ter evadido, na sos falla de animo,
oois que elle sabia pelas leslemuohss que os mi-
nistros inqueriram, e por algumas facilidades que
o mesmo ministro teve com pessoas, que proco-
ravam, a aorte que o espersva; e se elle nao
procura entregar-se as moa de Sua Magestade,
como promette oa carta, ou vae Qxar a sita re-
sidencia ni America Iogleza, eoto desde j me
arrepeodo de quaoto tenho dito em seu sbono.
A este desgosto ainda me aeguiu outro: Ber-
nardo Teixeira encheu-se de furia por Ihe ter es-
capado Jos Carlos, e aioda nao faz o mesmo pe
los outros, que se tem evadido, e no delirio da
aua raiva leve a conducs, que V. Exc condeco-
ra pelas copias juntas dos seus e meus oficios
Parece-me ha nislo maila falta de imparciali-
dade, e que a aecusseao, que da devassa aahir
contri Jos Carlos, nao digna daquelle crdito,
que Ihe indisoensavel. '
Parece que Bernardo Teixeira recooheceu a ir-
regularidadeda sua conducta, pois que mandou o
Osorio duas vezes para fazer aa pazea comigo, e
eu respond ao Osorio que elle podia vir, porque
eu tratara aempre como pedia a aua autoridade,
porm na certeza de que eu nao quererla mais
smizade intima com elle.
Veio, pois, e me confessou que nao sabia o que
tioha feite, e convencionamoa a aeu rogo rasgar
os nossos oficios, e entregar tudo ao silencio (ta-
to mesmo j me tinha sido proposio pelo Osorio).
Comoeuj tinha tirado aa copias, nao Ih'aa
eotreguei, porque me parece que um caso tal oo
deve aer igoorado por V. Exc, mas s para o
fazer saber V. Exc que eu as envi, e peco a
esesectdo.
No dia 8 de Urde chegou a sumsca de Sea Ma-
gostado, e com ella ante copia ds dentis sm que
Sua Magostis perdoa a todos o* presos depois
do dia 6 de fevsrelro, e manda auapender a de-
vassa, a que proceda a aleada, e precedera at
o flm dos tempos.
O dia 6, s foi bom para faxer valer o dia 9,
em que lodos j Iraziam urna copia do decreto
para mostraren) a quem a tinha, e lornarem a
ler depois de muitas vezes lid.
Na mesma noile muitos dos meus offlciaes
moolaram a cavallo acompaohados de msica
de immeoso povo, e paaaearam s ras desta
villa cantando hymnos, e dando e ouviedo por'
toda parte vivas e loovorea ao nosso bom rei.
, Bem depressa se vi tudo illumioado, e o povo
formn lambem seus grupos, e com mais oa me*
nos ordem, mas com o mesmo fervor, com o
mesmo recouhecimeoto e com a mesma alegra,
passaram noite em bailea, hymnos e vivas,
tanto as ras, como naa casas, e o mesmo vio
fazendo as outras noites, sem que leoha sppa-
recido o mais pequeo aigoal da diaprdem, e
al sem precisSo de augmentar as medidas de
policia.
Tal foi, e tal ser sempre o resaltado de ac-
edes lo grandes e lo generosas, como a que
Sua Magestade acaba, de praticarcom o seu fiel e
venturoso povo.
Duvido que possa ter na minha vida um dia
mais alegre, e nenhuma couss pode lisoogear-
me tanto como ver que todos os meus rogos a
favor deste povo, seno foram precisos, nem ti
veram valor para decidir o coraco de Sua Ma-
gestade, So menos (iva a fortuna de acertar com
os seus desejosecom a sua vontade.
Rogo V. Etc. queira deilar-se por mim aos
ps de Sus Magestade, expressando-the os seo-
timentos de que o meu coraco est cheio, e agra-
deueodo-Ihe em meu uumu e de todo cato povo
urna tal alta merc.
, A' V. Exc pertence sem duvida urna parte dos
beneficios, que acabamos de receber, e eu o
agradejo a V. Exc. com aquella fTeigo e cor-
dialidade, que ao proprias de quem tem a ven-
ra de ser.
De V. ExcIllm. e Exm. Sr. Thomaz Antonio
de Villa-Nova Portugal, venerador e obrigadis-
aimo amigo, Luit do Reg Brrelo.
Peroambuco 14 de abril de 1818.
miliar, que suspendeu provisoriamente o rigor das
formulas militares.
Al'redo s e Elvira esto preoecupsdos ; suas
ideas gyram em oulra esphera, e como que ealo
absortas na contemplado de alguma cousa que i
todos mais c invisivel.
Desojando ardentemente explicarse com a don-
zella, Alfredo approveita um momento ea que
D. Consuelo se afastou della para dar sua opiniio
requerida sobre aquella questo, para lfae offere-
cer o braco, aflm de pssseiar pela tolda.
O oficial de marioha valoroso e audaz, que tem
arrostrado com impavidez sangue fro os mais
medonhos lemporaes, que tena arcado com elles,
nesta luts sublime, qua tanto eleva o homem do
mar cima do cora mu m da humanidade, salvan-
do o navio que commjnda de urna parda inevita-
vel para quem foase menos esforcado e iotelli-
gente ; o homem. que se lem distinguido em fortes
combates naraes, aos quaes ha visto, sera erapal-
li lecer, nem periurbar-se, a morte sinislramenle
pairar por sobre sua abeca, disimando os com-
panhelros que o rodeiam, sente-se agora desani-
mado junto de urna menina fraca e desarmada.
As (oreas faltara-lbe, a- voz soccumbo-se-lha ; nao
possivel explicar jemelhante periurbacao.
E' que oaquellas duas sitnaeoes eerigosas s
eelava exposta a vida pbysica ; oa aoffrimentos de
que ella fosse victima senara decurts duraco-.
Agora nao; era a vida moral que teria de aof-
frer o golpe -v a ftida aeria iirmaosimente dolo-
roso e mcuravel; porque para oa padecimentos
da alma oo ae encentra aa Ierra bsUamos e ou-
tros agentes medicinaos, como paraos aoffrimen-
toa dt/ sorpo.
\ ilaquelle nstinte supremo, pasteis* em qae
ia deeidir-ae da todo o seo futuro, da lelicidade
tambem de sua mate, que delle dependa inteira-
menle, da Morvau va fugir-lhe toda a aua raso-
lucio, toda ana energa. Tinha rsoeio que estes
bellos labias, que Untos gozos deliciosos oromet-
tiam.jiroferssesn urna sentenca de longo* anuos
de soffrimento para elle; que involuntaria monis
a amavel Elvira fosse a causa de sua completa
De que tenue fio depende sempre a vida 1
Elvira tambem bavia sopeado sua alegra inge-
nua ; senta, pelo ar de meditaco que notara no
semblante lo sympalhico e franco de de Mor-
van, que alguma cousa grave o affligia.
Desejava.ser amada por elle ; porque j Ihe de-
dicava toda a sea alma desda qaa o vira ; tinha
esperangas secretas de haver feilo nelle igual e
profunda impreaaio : mas lio infeliz havia aido
al ali, eslava condemnsda, to joven ainda, fl
nm msrtyrio cruel, cuja ettenso so agora media,
que receiava ver repentinamente frustrarem-se
suas luses, reconhecerido a fragllidade destas
esperanas,-o puo6ir da realidade.
Illm. e Exm. Sr.Recebi o seu oficio datado
de hoje, em qae V. Exc se queixa de nao ter
recebido ainda a participaco das prisoes, o que
oo deixa de merecer exeessivo, porque oo ha
tempo de eslarem concluidas pelo seu grande
numero, e muito menos de estarem reunidas as
partes correspondentes.
Seoli muilo que Jos Carlos se possuisse de
taolo terror, que chegasse a commetter ama lo
grande falta, maiormeote contra os seus inieres-
ses, e sobre aa seguranzas, que eu dei a V. Exc
da sua probidade, e de lulo quanlo Ihe diss a
respeilo della, eatou muito proraplo para Ihe pas-
sar a certldo, aera que V. Exc. tenha o trabalbo
de a pedir a outrem.
Ea tenho sempre estimado Jos Carlos, aempre
o julguei, e ainda me parece livre de crimes ;
apesar disto, eu mesmo disse a V. Exc. que se
era preciso prende lo, qua o flzesse quantu antes
mas isto mesmo oo preciso para me pdr aco-
berto de qolquer suspeita.
Teoho dado lodaa aa providencias para aaber
onde elle est.
Daus guarde a V. ExcPalacio da governo de
Peroambuco, 6 de abril de 1818Illm. e Exm.
Sr. Bernardo Teixeira Coutinho ANares de Car-
valho.Luiz do Reg Brrelo.Est cooforme.
Francisco Joa de Souza Soares de Andrea.
Illm. e Exm. Sr.Dou parta a V. Exc que in-
do hoje de maoha a casa do juiz presidente da
aleada para Ihe entregar os papis, que tinha en-
contrado a Jos Aotooio Pereira de Carvalho, ca-
pito-mr da villa do Conde, na occasio de o
prender, elle me disse que medava lodos os seus
servicos, se eu cooseguisse prender a Jos Carlos
Mairiok, que nao tioha apparecido no momento
em qua se foi prender, e que aonde o deveria
procurar com prefereocia era em casa de V. Exc
e que para o bom eulo da diligencia adtia acer-
tado sobornar primeiro os criados : como nao pos-
so soffrer um lal atientado contra a honra de V.
Exe.; do meu dever participar-Ihe, para tomar
oeste caso as deliberacoes, qua Ihe pareceram
justas; aflm de V. Exc. nao ser compromet-
tido.
Quartel da rus do Collegio, 6 de abril de 1818.
Joo Merme, sargeoto-mor.esta cvutwaa -
Fraucisco Jos de Souza Soarea de Andrea.
Illm. e Exm. Sr.Recebi a resposla, que V.
Exc. d aoa meus dous officios datada de hoje; e
nao me restando nada a dizer aobre o que me
parlicipou o major Merme, pois que V. Exe. oe-
ga aquella parle, que me aeria offensiva, e o de-
feito pode estar tudo da parle daquelle oficial,
que oo entendeu bem o que V. Exe. Ihe disse,
s dea do mu dever assegurar a V. Exc que
nunca ter occasio de fazer taea pesquizas em
mioha cass, porque nenhum dos meus criados se
atrever a dar occsaio a tal, nem e esleu dis-
poslo a consentir cousa alguma queoffenda o meu
carcter.
O oficio que falla a V. Exc. aobre a ordem da-
da por V. Exc ao iatendenie da maana, man-
dado fazer por mim, e possivel que oa diver-
sdsde de objeclos, de que teoho tratado, esos-
passe assigqa-lo; mas nesta occasio remello
outro assignado que pelas mesmas palavras e
V. Lxc querendo, pode enviar-me o que Ihe foi
sem assigoatura, todos os navios, que dsqui sa-
nem passam por todos os exames, que parecem
proprios para evitar ezlravios de fazeoda, ou emi- [ balnos,
graces de qual |uer ordem ; e aioda quando baja | go que
um ou outro exemplo do evaso, lodos sabem
que sobre meios de pesquiza determioades, po-
dera ioventar-se meios de os iiludir, que nu lem
bram e nao lem lembrado ; e muitos, que aioda
quando lembrem, oo esto ao alcance de nin-
guem avita-los. Este porto com algumas leguas
de cosa para um e outro lado, est aberto per-
feilamenU, e s aa muito rigorosas raeduaa que
teoho tomado, tem feilo dificultosas evases.
Pico na intelligencia de qae V. Exc. nada mais
pretende das embarcacoes, do que evitar que Joa
Carlos saia por via da mar, e determinare! a este
respeilo tudo quanlo o caso pede como me pare-
cer; e pode V. Exc continuar a pedir-me todas
aa provideacias de que precisar.
Sobre aa prisoes, en ao posso dizer nada me-
lhor em abono-do modo porque foram feaa, do
que o mesmo que V. Exe. aabe ; porque preader
tlvftade, porqu Itto fof feilo desM af9RWho-
raa at ao romper do dia, e tud? por disposicio
minha, sendo cerlo, qae si sito presos, nem do-
micilio tea pela maior parte.
Deua guarde a V. Exc.Palacio do Boveroo de
Peroambuco,- era 6 de abrH de 1818.Illm. e
Exm. Sr. Bernardo Teixeira Coulioho Alvares de
Carvalho.Luiz do Reg Brrelo.Est confor-
me.Francisco Joi de SouzaJSoares de Andrea.
{32) Carta de Luis do Reg a Thomsz Antonio
da Villa Nova Portugal.
_(33J Hist. da Rev. de Pernamb. cap. XIX, pag.
S58. ^
(3ej Vide Memoria Justificativa sobre a con-
ducta do marechal decampo Luit do Reg Bar-
reto durante o tempo que foi governador de Per-
nambueo, etc., offeracida a naco portugueza.
Lisboa 1812. i
(35) Hist. da Rev. e ftrnomb. cap. XX, pag.
369.
(36) Vide Memoria Justificativa toire a con-
ducta do marechal de campo Luit do Rejo.
(37) Hist. da Rev. de Pernamb. cap. XX, pag:
(38) Vide Correio Brasil, tom. XXI, pagina
181. *
(39) llanuscripto communlcado pelo Sr. Dr.
Mello Moraes.
(40) Vide Mem. Justif. psg. 22 nota.
(11) Hist. da Reo. dt Pernamb. cap. XIX, pag.
364. j.
[42] Manuscriplo communieado pelo Sr. Dr.
Mello Moraea.
(43) Hist. da Rev. de Pernamb. cap. XIX, psgs.
364 e 365.
(44) Vide Mem. Justif. pag. 9.
(45) DOCUMENTO N. M.
Illm. e Exm. Sr.Em consequeocis ds ordem
.que recebi de V. Exc vou expor a V. Exc. o meu
voto sobre o estada ds que teoho visto neata cida-
de, o do qae tulgo na a lazer odispensavelmente
tanto para a aua seguranza, como para as suas
comraodidades futuras. A importancia, a sita-
cao desta cidade, e a qualidade doa gneros de
coromercio desta capitana em relaco com o qua
se pode esperar, ou temer daa naces da Europa,
exigem que se forme aqui um systeraa unido e
reciproco de fortifieacoes, que a pooham (ora de
insulto ; e o estado, e talvez o trago, dss forlifi-
cac/nes, que extstem, nao enebe o flm, que fe pre*
lende; portan lo, da primeira necessidade. lan-
car mo deste objeclo, e leva-lo ao seu comple-
mento, quaoto couber no possivel. As estradas,
seguodo o que tenho satiido e infelizmente cer-
ta, em todo o Brasil sao iocapazos de aervir mes-
mo aos usoa do povo ; e um meio de fortificar
qualquer ponto importante aobre a oossa costa,
ser aempre a abeitura de estradas largas, e bem
dirigidas entre o ponto em questo, e lodos oe ou-
tros, deque se poder tirsr um prompto soccorro;
Isto sjpposto, deve ter esta cidade urna prompte
commuoicacAo com a Baha, com o Maranbao e
com todos os pequeos goveroos limiirophes; e
as estradas, que exislirem para estes pontos, de-
vem ser memoradas iofallivelmeole.
A estrada do Maranho aera commum com a
dos goveroos intermedios por meto de curtas ra-
milicacoes. Alm destas estradas, cujo flm prin-
cipal purameote militar, devam melhorar-ee,
e fazer alargar ao menos at quarenta palmos
todaa as estradas desta capitana, principiando
pelas que commonicarem com as villas, e suc-
ceas'.vamente pelas mais importantes. O porto
tem diminuido de fundo visivelmeote, e estou
persuadido que elevando o Recife quaoto baste
para nao ser cevalgado pelas vagas, se coosa-
guiro dons fios importantes : o primeiro flear s
cidade, e navios que estiverem no Mosqueiro,
cbertos com urna forte batera, que o ioimigo
oo far calar, aem perder alguna centenares de
homeos; o segundo deixar livre correle as
aguas da mar e ros, que no estado actual do Re-
cife perturbada pelo arrojo do mar em sentido
opposto, ou ao menos perpendicular, donde re-
sulta, ou o equilibrio, ou um menor movimeoto,
e era consequeucia os depsitos no fundo. Pode
tambem concorrer para o osrlhorameuto do porto
mudar o curso ao Capibaribe, fazeodo-o paasar
lodo pelo aterro dos Afogados. A poule do Re-
cite demanda um grande trabalbo para se cons-
truir, mas indispeosavel. Esla ponte, oa minha
opioio, fui mal construida desde o primeiro tra-
balho feilo pelos Hollendezes; os arcos sao mul-
to pequeos, os ps direitos muito grossos, e por
cousequencia o lveo do rio Ucou demasiada-
mente diminuido, e a poote flcou repreaaedo o
rio, que ainda depois augmeniou de vpluma com
aa oguii jo Capibaribe, que passavam parle pelo
aterro dos Afogados ; e depois desta obra foram
forjadas a vir a eale lugar. A ponte da Boa-Vista
sendo cooatruida prximamente, oo deve pre-
cisar melhoramenio. O encanament de footes
para os bairros differentea da cidade objeclo da
p rimeira importancia, porqae o povo est pagan-
do urna especie de trbulo, pagando a agua, que
manda buscar : a eale respeilo uo posso dizer
aioda oada de seguro, sem proceder a um nive-
la men, a Qm da ver o lugar, em que se deve
sangrar o rio Beberiba, para que a agua venba na
altura aufilcieote de cahtr em bicas em qualquer
dosajres bairros : e se isto for possivel destruir a
fuote do varadouro e em aeccar a agua, que foi
producida por este acude, donde resulta em grau-
de parte a iosslubridade de Olinda. Nao vejo
oeata cidade, nem alfandega, nem arseaaes de
mar, ou ierra, nem edificio publico que possa en-
cher os fios a qua destioado ; e aera escusado
dizer que sao cousas a tratar. Pelo que perten-
ce ao reconhecimento da capitana, nao posso di-
zer, seno que estou pronapto ordem de partir.
Para se poder laocar mfio com energa desles tre-
aleo daa disposicoes particulares, jal-
ser preciso reunir todo quaoto bou-
ver de cooaigoacea para quaeaquer obras pu-
blicas, e fizer cnegar com suppleoieatos do era-
rio a coasigoacao tulal a urna quantia capaz de
encerrar lodaa eataa obraa :por este modo podera
eslabelecer-ae algara avalenta mais econmico, e
principiando duas ou mais obraa ao meamo tem-
po, estas se soccorrero reciprocamente em ma-
teriaea e obreiroa quando o caso o exigir. Nao
hateodo uesta cidade instrumentos geodsicos,
nem lirros, nem mesmo um lugar de deposito
desles objeclos, e das cartas, que se levantaren)
ou ae poderem reuoir, preciso determinar-ae
urna casa para esiebelecimeoio do archivo militar
deata capilaoia, onde ae poeaana fazer lodoa os
irabalhos de deseoho relativos as commisses,que
occorrerem, e .depositaros instrumentos, que se
mandarem vir,cuja relaco apreeeeiare a V. Ex.
(CoRinuor-se-Aa.)
En, pois, n'uraa agitaco lotera/, difflcil de
descrever, que ella esperava a primeira palavra
de seu cavalheiro, quem quera consagrar toda
a sus existencia, eapalhaodo as bellaa flores de
sua affeico obre os pasase delle.
De Morreo atienden i que nao podia por mais
lempo guardar silencio, aem fazer um papel ri-
diculo, e aem sacrificar urna occasio to conve-
niente : tez um violento esforc sobre si mesmo,
e principiou a segniote convenacao, que o mur-
murio das ragas, po sostaSo do navio, e o seolr do
vento nos cabs 4p apparelho, discretamente pro
tegia. nao a deixaodu ouvir seno pela joven :
c Elvira, oo aei o que ae pasea em mim, desde
que vos vi 1 Tola a affeico qua liona ao meu
avo, todo o amor qua dedica* minha saoia
me, foi absorvido por vi, aem que eu me possa
sublrahir a influencia de vossa formosura, con-
lemplaco d vossos encantos; sem qu consiga
resistir harmona de vossa voz^qee me altrahe
iosensivelmeqge.e me domina,
jWmo eu era fetit, neji ote faltara ; e
F/pyr VacV aAhr dUS t Hoje, oh I....
boje teoho vergooha de dize-lo ; a recepeo dea-
ta ordem osuaou-me despraier; porqxra me afas-
ia de v6h e ao meu coraco i, uo bastara aquel-
Jas dusa afleiQes.
Ella ab*iu-ae um sentateoto doce, ineffa-
Infelrcidade, podeodo, entretanto, aer o elemento i vel, sanio, qua nao eenhecie aioda, da que zom-
de urna inlerojinaTul Ternura. ,,bei muiUs mei urna sd palarra tos*, Ilrir,
vae constituir-me o mais feliz, oa o mais desgra-
nado dos horneas.
< Ea quero; mais ao mesmo tempo receio ou-
vi-la.
c Acceltaes o amor que vos offereco ? Queris
ser a esposa de um oficial de marioha, que ser-
viu at agora com distoceo i sua patria, e que
vos promette sempre ser amante mais fiel e de-
dicado ?
. nespondel-mc, tro, otlvlra, e uo ha obsta-
culos terresjes que meembsracem possuir-vos.
t Deus qajs vos trouxe minha presenca, que
me iosoirou esta paito, cerlameoteqaiz dar-oie
a compaohia que faltava mioha vida, a eapoaa
que eu sonhave algumas vezes. Ah I... dizei-me
deoresss que sois esta mulher, exprimo-me mal,
este anjo celeste, que eu esperava, para me an-
nunciar a trra promettida.
Elvira ouva estas palavras com um Inefavel
encanto: ellas correspondiera tanto aos seus msis
ntimos desejos, que, ae nao estivera ali,rodeada
de tantas pessoas que nao comprenandenara o
seu movimenlo, cshiria dejoelhos, para agrade-
ce-las Deas.
De Morvan havia lar minado j, e anda ellas
soavam nos ouviduada joven donzella como urna
harmona divina, urna deseas msicas sagradas,
cheias da mais terna meloda, que espalham por
lodo q templo notan que vo commover e abalar
profundamente os fiis, que ornim fervorosa-
mente. *.
Vivamente agitada, ella ergueu para de Mor-
vau seus othoa aempre vivos, e que agora mais
lindos esto com a lngujda em qua nadara ;
nos quaes eslava photographado a resposta que
ella tanto almeja va. qua diziam mais do que o
diaottcao mais eioquaoie,.,.
Comtudo, a creatura sempre duvida quando a
felicidade Ihe surri : ella quer, exige proras,
cuja forea Sis posee eximir-se. Era precise que
a palavra rlesse sellar ss premessai dos olhos;
E gumas mogas jntgamserindispensivel nestasoc-
casies, em que deciden de lado o seu fulero.
Alfredo, qusnlo me sinto feliz neste instan-
te I Como tu, deade hootem, que soffr em todo
o mea ser urna completa revoluco.
< Nao sel como islo se deu ; mas o eerto que
te amo, que le adoro, que quero ser tua esposa,
e parlilhar sempre comligo de lodos-os prazeres,
de todos os desgostos de tua vida.
a V.isso, pnr#m. fliapor de mioha mo depois
da prooiessa que fiz mea pae, e moin me?
Oh!... esta uuioimpossivel agora; antes
a morte I > '
Urna nuvem de lagrimas obscureceu-lhe a vis-
ta totalmente, e para dissips-la foi mister levar o
lenco aos olhos.
Eu vos agradece, Elvira, aceitar o meu
amorl Quel... nada temis. Forte coa o voseo
consntimeQto, de nada duvido.
Dissiraulae, por merc,esta agitaco ero que
estaes ; porque nos observara. Hoje mesrao des-
truir! um' por nm todos os escrpulos de vosso
pae. Quaoto vos, confessae tulo vossa boa
me, ella nos proteger, e abencoar
Solio
Nao me embales nestss lisongelra* esperan-
zas, Alfredo, psra sentir depois eom mais dr,
quando as vir murcbarl
Meu pae talvez nao ceda s teas pondera-
Qes; um homem qoe cumpre religiosamente
a sua palavra, urna vez empanhada, a qae, at i i
troco da felicidade de sua Hlha, que extremosa-
mente adora, oecemmelteri um perjurtoi? >
Ni,Elvira,seoe)aiV^I*jS um momete do
consenso) de vosss pae.
a Elle.se convoaiear* dsjj,|te, nao pode, nem
deve dara^imnjytSnjdja Gp eompromisso ex-
torquido por um homem desleal, em urna occa-
sio em qae seo livre arbitrio, sua vontade esU-
va s^ageoa peissdreuattascses.
c Fra d mesmo qu ceqceder ao IsArs de es-
trada que vos espera de arma em putrho.'o Sl-
reito bolsa roubada ; potqae 4 Sea intimars
a Nao, sis possivel qee D. Pancho vos quei-
ra aacrflear urna exagerada probidade
Alm disso, se alguma cousa lepreneoaivel
houvesse oeste passo, eu nao o acooseloaria A
vosso pae; porque aou incapaz de paasar em
urna infamia, embora fosse ella o unics meis de
poder ohter a vossa mo. Prefiriria viver des-
gracadamenle dever-lhe a aalvaqrp; porque
quando a aaixe deesa lugar reflexio, nos
despresariamos mutuamente por esta coberdia, e
adeus aquella existencia doce e calme que em
nosso consorcio antevemos.
c Varaos; animo, aproximemo-aos dellee ; ea
Ihes pedrei urna entrevista na cmara, A que aa-
sistireis, e assim acabaremoa logo eem esias ap-
prehenses que aonuviam. o oosso pensa meato.
c Amanha pela manha de*s partir para Mon-
tevideo, e quero que no mesmo dia de nossa che-
gada a aquello por nossa uoioo sej. una realla-
de, recbenlo na matriz consa^racao religiosa,
que a tornar indissoluvel. Desos estou promp-
to para executar as ordena que me chamam &
Franca, e seris o aoja da guarda de nossa nave-
a nossa gago.
Deste modo, em qusnto bem perlo as discuta
O qee ara o amor, Com tesa a nvolidade, como
um abaao de-dlatrac4, oa nessee deus hroes
sentiam todos os seus eeuos, e, aem lomar parle
oa eoBTersaoo, geral, 4 que paredara eatranhos,
o poderiam deOtoir melhor do qua qualquer dos
preseatee. 'J v "
Assim sempre mundo; brincamos com este
seotimento com zombaria, em quanlo elle n&o se
apodera de nos, para transformar OS oossos risos
em lagrimas, para vasar toda a oossa existencia,
em um molde noto d que elle o escutpior como
o Innocente e trsvesso menino que empunha in-
frapqueu, sis representando um falso acanha-
cau'lamente um instrumento corttoteparafolgar
son ee, e a'aht 4 poie chora peta ddr qia Ihe
causa o golpe inesojrado que (he separa as
carnes.
(Coaitaa.)
quillisar o seu amante, resoondeudo-lhe com a bolsa ou m vida alienaste aqsella contra
monto, nem qn, csrto pojo qsceoreoclo que al-' precioso.
voniade, para coneerTa,r eit, qe uor bem mais
>>P
*
JE. A.
. i i "' ".....
PERN. TYP DE M. F. DEFARIA ck FILBO.I861.
?
II I-
#1-1 nmM


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ENE0VI8NM_9G1XRN INGEST_TIME 2013-04-30T22:18:19Z PACKAGE AA00011611_09892
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES